Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10477


This item is only available as the following downloads:


Full Text
;

I'
g i m
AMO II. MERO 221.
Por tres aezes adiaotados 58000
Por tres nezes vencidos 6JJ000
Porte ao correio por tres mezes. 5750
*** i fe ML\\


TERCA FEIRA 27 DE SETEMBRO DE 1884.
Por asno adiantado.....19J00O
Porte ao correio por om anno 3Q0U
UNCaRREGADOS Da \JBzLRit$0 NO NOftTB
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima';
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Araeaty, o
r. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira; Marauho, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Manoel Pinheiro & C; A-
nuzonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
NCARREGADOS DA SUBSCRIPTO NO SUL.
Alagas, o Sr. Claudino Falco Dias; Baha, o
Jos Martins Alves; Rio de Janeiro, os Srs. Pe-
ra Martins & Gasparino.
A,- a n f'^i^A Ul*> EM ATUTAS.
uunaa, Labo e Escada todos os dias.
Iguarassu', Goyanna e Parahyba uaa segundas e
sextas-feiras.
Santo Anto, Gravat, Becerros, Bonito, Caruaru',
Aitinno e Garanhuns as tercas feiras.
Pao d Alho, *T
SPHEMERDES DO MEZ DE SETEMBRO.
1 La nova as 3 h., 48 m. e 8 s. da ni.
9 Quarto cresc. as 3 h., 30 m. e 38 s. da ni.
13 La cheia as 0 h., 40 m. e 20 s. da t
Boa Vista, Ouricury e Exu' as quartas feiras. ',0 Lua nova as 8 > 23 m. e 10 s. da t.
fcerinnaem, Rio Forraoso, Tamandar. Una, Barrei-
nh?*' Aua Pr!ta 6 ,Pimenteiras as quintas feiras./ PRKAMAR DK HOJR
Dha de Fernando todas as vezes que para ali sahir
1 Pnmeira as 0 horas e 30 minutos da tarde.
I Segunda as O horas e 54 minutos da manha.
navio.
Todos os estafetas partem ao y, dia.
Para o sul at Alagas a 8 e 25; para o norte ata
a urania a 7 e 22 de cada mez; para Fernando nos
das 14 dos mezes dejan, marc.. maio, jal, set. onov.
PARTIDA DOS MNIBUS.
Para o Recife : do Apipueos s 6 /,, 7, 7 >/,, 8 e
Vi da m.; de Olinda s 8 da m. e 6 da tarde; de
Jaboatao as6/j dam.; do Caxang e Varzea s 7
da m.; de Bemfica s 8 da m.
Do Rocife : para o Apipueos as 3 Va, *, 4 'A, 4 A,
> lh, 6 V* e 6 da tarde; para Olinda s 7da
manhaa e 4 V da tarde; para Jaboatao s 4 da tar-
de ; para Cachang e Vanea s 4 Vi da tarde; para
eruica s 4 da tarde. j
PARTE OFFKIAL
AUDlNCiA DO rRiBUNAES Da GaP?aJ..
Tribunal do commercio: segundas e quintal.
Relago: tercas e sabbados s 10 horas.
Fazenda: quintas s 10 horas.
Juizo do commercio: segundas s 11 horas.
Dito de orphaos: torcas seitas s 10 horas.
Primeira vara o civel: terga3 sextas ao meio
dia.
Segunda vara do civel: quartas t sabbados a 1 hora
da tarde
D?A3 DA SEMANA.
28. Segunda. S. Cieofas; S. Firmino b.
87. Terca. Ss. Cimne eDamtoirs. mm.
28. Quarta. S. Wenceslao duque mongo.
29. Quinta. S. Miguel arch.; S. Fraterno b
i o 8'..8' J"mnytno card. pre-b. edr. mximo.
i. .sabbado. S. Remigio b.: S.
2. Domingo. S Leodei
Circular s ihesourarias de fazenda.Ministerio
dos negocios da fazenda. Rio de Janeiro, era 30
de agosto de 18G4.Jus Pedro Das de (Jarvallio,
.presidente do tribunal do thesouro nacional, attea-
dendo necessida le de estabelecerem-se as clau-
sulas geraes dos contratos de obras publicas cora e
ministerio da fazenda na corte e lliesourarias de
fazenda as provincias, ordena que einquanlo nao
se regular delictivamente esse assumpto, cm vir-
tude do artigo 46 paragrapho segundo do decreto
numero 2,343 de 29 de Janeiro de 1839, sejam os
referidos contratos celebrados sob as clausulas ge-
raes dos artlgos 12 38 do regulamento do minis-
terio das obras publicas, annexo ao decreto nume-
ro 2,92o" de 14 de maio de 1862 cora
modificages:
1.* As copias a que se refere o art. 13 serao for-
necidas pelas thesourarias de fazenda.
2." Nao obstante a disposigo da primeira parte
do art. 14, o arrematante Picara em todo o caso pes-
soalmente respnnsavel nao s a adminutrago, co-
mo aos operarios e terceiros.
3.* As attrbuigoes conferidas ao governo pelos
artlgos 14,15, 17, 21, 30, 34, 35 e 36 sero exerc-
das em junta de fazenda pelos inspectores das the-
sourarias, precedendo parecer dos procuradores lis-
caes respectivos, e os mesmos inspectores devero
submetter as suas deliberages appn
ministro da fazenda. mandando exeeuta-las provi-
soriamente, quando as circumstancias assuu o exi-
girera.
4.' O art. 19 observar-se-ha de aecrdo com o
artigo lo paragrapho quinto do regulamento que
acompanhOH o decreto n. 2,92o de 14 de maio de
1862.
5.a A disposico do artigo 38 ser substituida
pela do artigo primeiro paragrapho segundo do de-
cret numero 2,343 de 29 de Janeiro de 1839, ap-
provado pelo artigo 12 paragrapho 10 da lei nume-
ro 1,114 de 27 de seterabro de 1860.
Alm das mencionadas clausulas, incluir-se-hao
nos contratos as especiaes relativas natureza de
cada urna das referidas obras.
As solemnidades e coodigoes privativas dns con-
tratos com a fazenda publica continnaro a regu-
!,ar".sS ,Pt disP de 1808, titulo stimo paragrapho 14 e outras em
vigor.Jos Pedro Dias de Car v alho.
fossem precisos para completar o numero de qua-
tro juues juramentados, como exige a lei.
be a cmara municipal de Cabrub anda nao
liouver providenciado de conformidade com o que
Mea expendido, recommendo-llie oue b faca tuauto
antes. v
Dito ao iuiz municipal do Nazarelh.-Inteirado
peloseu ollicio de 16 de agosto ultimo, de ter Vmc.
nomcado a Orlando Miqaelinode Almeida para ser-
vir temporariamente os offlcios de tabelliao do pu
blioo ju lcial e notas, e escrivo Jo civel e rrinie
g''u^s ecapcllas, creados pela lei provincial n.
osa de 9 de maio dcste anno, tenho a dizer-lhe que
abra concurso a esses offlcios na forma do decreto
Verissimo m.
i-'ariu b.: S. Uuarino m.
ASSIGNA-SE
no Recife, em a lirraria da praca da Independencia
FariaiWo! propnetanos anoel F'g"eiroada
de 22 do prximo passado, que, estando elle auscu-
ic oa villa e a servico d seu ministerio paror.hial.
o juiz do direito da comarca abrir a sessao do ju-!
r> na igreja matriz, prvnrin.co . servindo-se da sacrista para
saia de sessoes, e do corpo da igreja para sala do
conselho.
EXTERIOR.
improprias da sanlidade do lugar, accresce de mais
i aii;spoik\has o ni %
Alera da i, everencia, e, direi mesmo, do desa-1 Bi MMAMBIIC.
cato inqualilicavel, que se faz ao Dos vivo, trans-; rrl' 1 agosto de 1861.
formando a sua casa de oracfio em tribunal' crimi-' (ConclusaoJ
nal, onde nao raras vezes se proferem sentencas Asociedadc do Club
de morte, e eutfas vezes se travam debates, esc emplo do anno pas
cncetam discussoes indecorosas e absoluiamente 9ue t,!Ve lugar na tarde
Adireccao da AssoeiagaoTypographica eramos
npograplios que compiinham nas caixas yue ao '
tundo se viam.
No lim do acto foi Ernesto liiestcr chamado ao i
proscenio. Enlao deseen scena a direccao da
associacao e olfereceu ao Ilustre dramatnrp urna
medalba de ouro, que tem no anverso os emblemas
da arle scenica, a mascara e a lyra, e sobre el les,
mas no centro, um livro, em cuja capa se le o titulo
PERNAMRUCO.
IIETISTl DURiA.
MSsrjssit ter jerasA^^rst^iss-jstrtrt
edital para ser aqui reproduzido.
Portara.O presidente da provincia conforman-
as seguintes | do-se com a proposta do Dr. chefe de polica n.
1,162 de 19 do eorrente, resol ve demiltir a Seve-
riano Jos de Almeida Pedroso, do cargo de sub-
delegado do distrcto de Inyazeira, pelos motivos
constantes da mesma proposta.-aCommunicou se
ao Dr. chefe de polica.
Despachos dos dias 23 de selerabro de 1861.
Requerimentos.
Antonio dos Santos Pinheiro. Informe o Sr.
commandante superior da guarda nacional da co-
marca de Palmares.
Francisca Mara de Moraes.Informe o Sr. des-
embargador provedor da Santa Casa de Miseri-
a apprpvacao do cordia.
Joaquim da Costa Morara.Informe o Sr. ins-
pector da thesouraria de fazenda.
Joo Joaquim Nepomuceno.Informe o Sr. ins-
pector da thesouraria de fazenda.
Capito Joo Jos Rodrigues. Informe o Sr.
commandante superior Interino da guarda nacio-
nal deste municioio.
Luis Jos Gonzaga.Indeferido cm vista da in-
formacao.
Vicente Thomaz Pires de Figueredo Camargo.
Indeferido em vista da informacao.
Vasco, africano livre.- Indeferido, visto nao ter
o supphcante ainda o lempo da le.
Victor Accioly Wanderley.Informe o Sr. ins-
pector da tnesouraria de fazenda.
8 horas.
O dia eslava lindssimo e sereno, e por isso pro-
mettedor e de feic.o para que a festa fosse bri-
Ihante.
K foi, atlrahindo a Foz una immensa e extraor-
dinaria concorrencia de povo, que se rcdcmoiiihava
continuamente.
Era uin arraial, mas um arraal sem a feico ca-
racterstica, que prolon^ava no ro, em barcos, es-
caleres, botes, lanchas, cahiques, etc., etc., onde os
galhardetes e aunllammas de todas as cores e fei-
do cdigo do processo ordeoa que as sessoes do ju-
ry sejani fetas em casa publica, e, na falta dola,
no consistorio de alguma igreja ; c o aviso do 23
de nove.nbro de 1834 diz, que, nao havendo casa
destinada para as sessoes do jury, nem consistorio
ae igreja, nenhuma duvida haver em lancar mo
de urna casa particular para esse lim.
Claro est que nao s o cod. do processo, como o ,
governo imperial apenas consentem que em falta llus adejavam constantemente, formando o conjuncto
de casa appropnada, ou commoda, as sessoes do unla Vlsla de surprehendente effelto.
jury se facam nos consistorios das iarejas, mas! tnlre uvens de poeira, ch.gavam consta
nunca nas proprias igrejas ou sacristas. "?en!e quelle silio, desde s 3 horas, os vehic
stante
ulos
E anda assim esta permissao de se abrirem as cneios do gente, abafada pelo calor e pela poeira,
sessoes do jury nos consistorios cahio, para assim ''ue se 'evutava inmensa com o veloz rodar de
dizer, era desuso, pois ha muito tempo me nao lanlos char--banes. All era o desembarque, e
consta que em parte alguma desta vasta diocese ha- '
ja quem
(.orno sahbado annunciamos aos nossos leitorr-
teve etrectivamente lugar domingo,depois das qua"
3 horas da tard,?. a conrlasao do leilao do pren-
Hospilal Portujuez de time-
m a mesma regularidade p
aI.A.'ntmo no dia lH d0 COITente, produziodo
* I n"0 *.OOii$i)O0. que renderam as diversas offertas com
que os coraces pieaosos concorreram para urna
festa emmentemeni.' humanitaria e caritativa.
A segunda tentativa d'este-genero foi asss ani-
madora, visto (|uo a primeira, o anno passado,
de dimetro, e 0,004 de aPn"" pro,ll,1lzio de m a JO.
u Hospital muito precisa d'estes soccorres da
piedade ehrista, para occorrer aos constantes me-
lliorarnentos que se fazem no edificio, o qual, den-
tto em pouco, tirara completamente reformado.
. Ate hoje as obras que all se teem feitn tem sido
a expensas das diferentes admnistracoes, notan-
s das palvras de agradeci'mento I ^'^ a enftrmara e cosioha novas executadas me-
Biester respondeu s muito lison-; ?!1? as
zindo raios, e em baixo e seguindo o permetro o
dstico tgratidao c respeilo.rKo reverso tem no
ceutro a dedicatoriai Ernesto Biester sobro-
posta a urna cora e urna penna e cercada por um
lloraoi; seguindo o perimetro tem a legenda a
tocteaade de Soccorrus dos Tfipograpkos l'ortven-
ses', e em baixo a era -1864.
A medalba tem 0,036
espessura.
Foi cunhada peloSr. Molarinho, distncto abridor
portuense, e um trabalho que honra muitssimo
o seu buril.
A entrega da medalba foi precedida de um bvm-
no, tocado pela orchestra, que se repeli, pedido
do publico, depois
com que Ernesto
GOVERNO DA PROVINCIA.
Eipediente do dia 23 de selembro de 1861.
Otflcio ao Exm. presidente da provincia do Cea-
r.Submetto por copia cnsideracao de V.
Exc. o ofllcio que me dirigi o presidente da Cai-
ga Filial do Banco do Brasil nesta provincia, alim
de que se digne de expedir as providencias que
julgar convenientes.Iguaes ao< Exnis. presiden-
dentes das provincias da Parahyb.i, Rio Grande do
Norte e Alagoas, e communicou-sa ao presidente da
('.aixa Filial.
Otcio ao conselheiro presidente da relacao.
Com o oIBcio de V. Exc, de 17 do eorrente, recebi
a copia do accordo proferido por esse tribunal
nos autos de conflicto de jurisdieo entre o juiz
municipal do termo de Tacarat e o do termo de
Villa-Bella desta provincia.-Officiou-so aos pre-
ditos juizes mumcipaos enviando-se copia do refe-
rido accordao.
Dito ao commandante das armas interino.
Transmuto por copia a V. S. para ser
devda cnsideracao, o officio que em
"OVIHV DO IMS!* i no DE
HJKii.-virauri-o.
SEOt VA ANTB
Selembro de 1861.
Expediente do dia 19.
Officio ao Exm. Sr. presidente da provincia.
Tendo de partir brevemente para Papacaca o mis-
sionario capucbinbo, que all vai tratar das obras
e reparos do recolhimento de Nossa Senhora do
om Conselho, o nao podando baver melhor ensejo
para que seja convenientemente applicada qual-
quer subvencfio, que a munificencia dos Pernam-
bucanos presta tao til instituirao, rogo V. Exc. t
que se digne dar as nd-essanas'providencias, para I nieuto.
ocenpe os consistorios das igrejas para
um tal tim. O povo brasileiro, religioso como ,
mu judiciosaraeate tem entendido que, se a casa
do Senhor deve ser respeitada, respeitadas devera
ser as partes adjacentcs que constituem o todo des-
ses edificios sagrados.
Isto quanto aos sentimentos do povo : agora se
ancarmos os olhos para a conslituicao metropoli-
tana,am vemos no n. 739 que, expressamente
prohibido a qualquer julgador ou magistrado dejus-
tica secular fazer audiencia, ou ouvir as partes em
alguma igreja ou mesmo o seu adro (auanto mais
no sea consistorio I)
Prescindindo porm de todas as sabias determi-
nacoes da constituico metropolitana e dos sagrados
caones, e do meu rigoroso dever levar ao cenhe-
ciraento de V. Exc. a occorrencia que seu deu na
matriz da villa do Teixeira, e appellar para os sen-
timentos religiosos que animara a pessoa de V. Exc,
de quem espero todo o auxilio, e as necessaras
providencias, afim de que nao mais se reproduza
esle acto de menos preco ao templo augusto da
nossa religio.
Dito ao vigario da villa do Teixeira.Tenho pre-
sente o seu officio de 22 do prximo passado, em
que me participa, que, estando ausente dessa
vina, c a servico de seu ministerio parochial, o
juiz de direito da comarca abrir a sessao
do jury na igreja matriz, servindo-se da sacristi
para sala de sessao, e do corpo da reja para
la do conselhos ; e me pede que d as provic
cas que o caso exige, perguntando-me ao mes!
ipo se ha alguma lei que autorise tai proced
esa.iu
ristia
i ,wm
esmU
rente e sob n. 86, me dirigi o commandante do
presidio de Fernando, pedindo para seren substi-
tuidas por oatras as pracas constantes das relacoes
tambera juntas por copia", as quaes por cxistirein
all ha mais de anno c acham-se por onseguinte
bastante relacionadas con os sentenciados, nao
convm que continen) a fazer parto di gaarnicao
dajuelic presidio.- ommuaicou-se ao^couim'in-
dante daquelle presidio.
Dito ao mesmo.Para que eu possa resolver
que, pela thesouraria provincial, seja entregue ao
Rvm. prefeito do hospicio de Nossa Senhora da
Penha dessa cidade a quantia de quatro sontos de
ris, que a assembla
co do eorrente anno
pacaca, visto ter eu enearregado o mesmo Rvm.
prefeito do fornecimento e reparos de que necessi-
la o mesmo recolhimento.
Dito ao vigario da cidade das Alagtias.Respon-
dendo ao seu officio de 31 do prximo passado, em
tunado na que me diz que o Revd. Fr. Lu;, da Divina Pasto-
12 do cor- ra, coadjutor dessa freguezia, abandonara o lugar
Nesta data dirijo ao Exm. presidente dessa pro-
vincia o officio, que por copia remetto V. Rvma.
a .|uajiia ae quairo cornos qe e com rujo contedo satisfaco seznnda oarte do
ja provmcial votou, no exerc seu officio. Espere que^ o Exm nresmente dessa
por isso omovimentosempre constante, sempre ani-
mador.
A corrida dos barcos de que devia compor-se a
regata era do Ouro Cruz de Ferro, c e sisnal da
partida um tiro de pistola.
As 4 ; horas principiou oalinhamento dos bar-
cos, e o tiro annunciou a partida.
Tomaram parte na regata tres claisesde barcos,
conforme ordenava o regulamento de anlemo dis-
tribuido pelos socios do Club Naval, e que foi fiel-
mente cumprido.
A primeira classe compunha-se de quatro esca-
lere*, de quatro remo cada um, e tripolados por
socios do Club Naval.
A 9egunda de barcos de dous remos, tripulados
por mulheres.
A lerceira de escaleres de bordo de navios c va-
pores mercantes equipados por cinco liomens da
sua tripolagao.
A partida foi da Cruz de Ferro, pelo lado do sul, "f -cer' e,exalIava os Altaos de Guiternbcrg pela
voltando a Baliza, no Ouro, do sul para o norte, o JaS constante e enthuslastica, que estavam fa-
seguirara rio abaixo at ao lado do sul da Cruz de "SE ao n1omem 1ue- na frente d am dos seus
Ferro. | mclhores dramas, escrevett esla offerenda: -A'
Venceu a corrida, na primeira classe o barco que! r^JSS^S^f Pf"'"a>'^.
passou a Cruz de Ferro, pelo sal que foi o escaler am. T lne fo' "^aada peloSr. Antonio Mou-
A,Vi>w iHnni.a. por socios do ub Nava( e a01 anno de Souza urna penna de prata e ouro, enlaca-
; geiras que I he foram ditas pelo presidente da asso-
ciaeao Typographica, e do abrago de Irmn dado
peloi distiucto dramaturgo a cada um dos membros
da direegao.
Este hyinno foi offerecido assoeiagao pelos Srs.
Jos Candido, autor da msica, e Guillierme Braga,
autor da letlra.
Fallou enlao o segundo poeta, que ja pertenceu
a arte typographica. A sua poesa d-lhe honra e
toi feliz na recitago.
A penna de ouio, que um trabalho perfeilo e
complelo, e honra o artista que a fez, foi entregue
a Ernesto Biester, de um camarote da bocea, na
occasiao em que teve de vir agradecer, no final do
t" acto, as altas denionstragoes de aprego com que
o publico o victorava. A penna tem esta inscrip-
cao :(! Ernesto Biester, a classe typographica
portuense.*
O tercero poeta appareceu entilo. Era um esto-
danto do lyceu, que em urna poesa, bella na forma
ojo estyllo, alluda penna que se acabava de
esmolas agenciadas entre os membros da
de coadjutor, e jamis se apresentra V. Rvma.
nem p;dira a demissao, t.-nho a dizer-lhe que nes-
ta data exonero a esse religioso do lugar queoecu-
pava, devendo V. Rvma. por consegrante propor-
me um sacerdote idneo para coadjutor, o qual se-
j'a de bons costantes o apto para desempenbar as
fanccSes do emprego para que chamado.
Dito ao Rvd. Fr. Luiz da Divina Pastora. Parti-
cipndome n Rvd. vigario da cidade das Alagas,
a de 31 do prximo passado, quo V. Rvma.
acerca da materia do seu officio do hontem, sob n. abandonara a coadjutora daqnelia 'freguezia, e nao
havendo V. Rvma. recebi.lo amia da minlia parte
a sua exoneradlo, cabe-mo censurar o proced-
ment de V. S. em tal conjunrtura, pols deve sa-
ber que um funceionario jimais dexa o emprego
cm que foi prvido, seja este qual fr, sem obter
previaineuto do poder competente a sua exonera-
gao, afim de que nao soffra o bem espiritual dos
povos Aceito, pois, a sua deinisso, c o exonero
1673, faz-se preciso que V. S. entendeudo-so cora
o commandante do forte do Buraco, proponha o al-
vitre que Ihe parecer mais razoavel para que cesse
o apare em que se acha a guarnico daquelle for-
te por falta d'agua putavel para o seu consumo.
Dito ao mesm >.Sirva-se V. S. de informar
acerca do que pede ne incluso offi -io o tenente-co-
ronel commandante do presidio de Fernando.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda. do cargo de coadjutor."
V ftm conveniente, 'transmiti a V. S. o n- 20
el amento em forma, do qual consta ha- Officio irmandade do Santissimo Sacramento
v regado ao almoxarife do presidio de de Papacaca. -Em additamenlo ao officio. que em
. ra intia de 46:0005, que essa theson- data de 10 do eorrente dirl V. S. tenho a de-
u ao commandante daquelle presidio clarar que o Rvm. missionano capucli'nho deque
para as respectivas despezas traiei uo citado officio, vai exclusivamente encarre-
segundo consta de ofllcio do gado de tratar das obras e reparos de que necessi-
' nado de 17 do eorrente, e lao recolhimento de Nossa Senhora do Bom-Con-
"j-se ao commandante do selho. Portaoto, tendo Vs. Ss. que tratar a outros
dio.
la thesouraria provincial.
, .mprir quanto me foi deter-
pa lo i viso expedido pelo ministerio
respeitos, devem dirgir-sa ao Rvm. prefeito do
jnosteiro de Nossa Senhora da Penha da cidade do
Recife, afim de que este d as necessaras prov
s e transmuta as suas ordens ao Rvm. mis-
De enviar,
ao coadjutor da freguezia de ... Tenho
sen uluVio de o d-> corrento, cm respos-
que Ihe dirig com data de 26 do prximo
passado, no qual diz que a respelo da licenga, que
V. Rvma. passou em um papel em branco t para
assistir ao recebi ment dos nubeutes constantes
desles proclamas ., sem que houvesse proclamas
il papel -nada tem que allegar em suadefe-
con-
esperando o que eu
a lei da assembla legislativa desta pro'
-eando o imposto addicional de 25 rs. por
Jibia sobre o sabio estrangeiro que fr aqui im-
portado.
Dito ao mesmo.Mande V.S. entregar com bre-
vidade ao raissionario prefeilo da Penln, fre Se- sa : qie conhece que errou crasamente e~o
rapliim de Catania. que vai incumbido da direc- fessa com toda a humildade esperando o m
cao da obra do recolhimento de Nossa Senhora do baja de resolver.
B.ni Conselho era Papacaga, a quantia de 2:0005 >' Rvma. sabe que os sagrados caones, e mes-
or conta dos 4:000$ votados pelo artigo 27 da le mo as nossas constilucoes diocesanas sao mu res-
do orcainento vigente, para aquellas obras, visto trelas no que diz resucito ao sacramento do matri-
as>im o haver solicitado o vigario capitular om momo: reeommendam toda a cautella, toda a cir-
ometo de 19 do eorrente.
Uito ao director do arsenal de guerra.Mande
V. S. fornecer ao commandante do presidio de
Fernando 30 arrobas de plvora grossa, constante
do pedido junto, as quaes sao precisas para o ser-
vico de artimaa do mesmo presidio. -Fizeram-se
as necessaras communicacSes.
la,
cumspecgo nesta materia, e casligam severamente
aquelles sacerdotes que tralam com leviandade es-
te sacramento. V. Rvma., pois, incorreu na pena de
suspensao por dar causa, com o seu acto irreflecti-
do, a que se lizesse um casamento nullo, oa, para
melhor dizer, dous casamentos millos! Comtudo,
veHdo eu a humildade com que V. Rvma. confessa
Dito ao conselho admimstrativo.-Recommendo o seu erro; apreciando a ingenuidade com que
ao consellio administrativo que compre para pro- diz : t nada tem que allegar em sua defesa nao
vimento do almoxanfado do arsenal de guerra, os me sinto cora animo de Ihe impor a pena era que
objectos consumes do incluso pedido.-Commu- V. Rvma. incorreu; e s rae sirvo da minha auto-
nicouse ao aspeclor da thesouraria de fazenda. ridade para Ihe perdoar ; advertmdo-o todava de
Dito ao mesmo. Recommondo ao conselho ad- que se acautele, para qae nao cia em outro erro,
mimstralivo qae compre para a pharmacia do e seja d'ora em dlante mais escrupuloso e exacto
hospital militar os medicamentos e ntencilios men- no desempenho do seu sagrado ministerio,
cionades no incluso pedido. -Comraanicoase ao 21 -
inspector da thesouraria de fazenda. j Officio ao Exm. Sr. presidente da provincia.
Dito a cmara municipal de Cabrobo.Declaran- Tendo o governo de S. M. imperial concedido pelo
do-me o juiz de paz do 2 districto da freguezia cr-dito de obras publicas do exeretcio de 1864 e
de Cabrob.quena falta dos do 1-districto acha. 1863, a quantia de 11:0055800 par ser applicada
va-se ah era exercicio, e que por essa razao fra s obras e reparos de qud carece a cathedralde
presidir a junta de qualifJVagao ; ordeno a cmara Olinda, rogo V. Exc. que se diguc dar as neces-
municipal da villa de Cabrob que me informe com sarias orovidencias, afim de que esta quantia seja
urgencia os motivos porque o predito Io districto immediatamente entregue ao Rvm. conego reilor
daquellafreguezia eslava, e parece que ainda est Jos Joaquim Camello de Andrade, por mim encar-
sera juiz de paz, deixando essa cmara de cum- regado da cxpcogao da dita obra, afleo do que sem
prlr assim o sea dever, juramentando a um dos demora se d comego aos trabalnos de que carece
supplentes para servir, sendo temporario o impe- a coberta da cathedral.
diraento de tods os jaizes do districto, e no caso Dito ao Exm. Sr. presidente da Parahvba.Par-
contrario, juramentar a tantos sopplontos quantos ticipa-me o vigario da villa do Teixeira, era dat
_ apo
reilgiao, se dignar dar as providencias que o caso
exige, e jamis consentir que continuo nesse lu-
gar um procedimento que deve ser estigmatisado
pelas aatoridadeSjdo paiz V. Rvma. pois me parti-
cipara qualquer occorrencia que ahi se der a tal
respeito.
__ 22 __
Officio ao vigario do Penedo. Accuso recebido
o seu officio de 23 do prximo passado. era que me
communica terse achado embaragado naquelles
casamentos em que um dos Dtenles deste bis-
pado e o outro pertence ao arcebispado da Babia,
pois que c muito diflicil ao povo dessa freguezia
recorrer a autordade residente na sede do bis-
pado.
Atteudendo ;is justas razos que V. Rvma. ex-
poe, e sobre tudo ao grvame que causara aos po-
bres o terem de recorrer a esta cidade, autorso
\ Rvma. para fazer esses casamentos, nao s
quando um dos mnenles fr natural de outro bis-
pado, cerno quaudo, sendo ambos naluraes deste
Rispado, houver algum delles residido por mais de
seis mezes em bispado estranho ; comtanto que
sejam apresentados V. Rvma. os proclamas e
mais papis em que os respectivos parochos decla-
rem nao baver impedimento algum.
Dito ao vigario da villa da Imperatriz. Tenho
presente o seu oficio de 13 do eorrente, dizendo
que o Rvd. Fr. Boaventura de Santa Maria, capel-
lao da colonia de Santa Leopoldina, nessa provin-
cia, Ihe remetiera no da 5 do andante 34 assenla-
nientos de baptisados pertencentes sua freguezia
fetos por elle no dia 23 de outubro do anno pr-
ximo passado, afim de seren langados no livro
competente dessa parechla : e declara mais V.
Rvmav que tem duvidas sobre esses lancamentos,
porque a sua escripturagao est em dia, urna tal
alteragao Ihe vai transtornar a ordem das datas, e
por isso me pergunt o que deve fazer.
V. Rvma. deve inscrever sem demora todos esses
langamentos no livro competente, embora inter-
rorapa a ordem que existe no seu livro. Comtudo
ser til que faga urna pequea nota no mez de
outubro passado, tempo cm que foram fetos esses
baptisados, afim de facilitar as cerlidoes quando
so procurarem. i mita gente, se passara as
Para evitar no futuro essas allaracSes convm te/tnio}ento do estomago, porque o peixe frito e o
que V. Rvma. advirta da minha parte ao caoello Vl? sao cousas nJ'sPensaveis e o seu consumo
da colonia Leopoldina, afim de que elle d'ora era ,Dfa"'vl- _, '
leve lugar o espectculo da companlua do thea-
tro normal, em que como disseraos na missiva pre-
cedente, os typographos portuguezes tinham de mi-
mosear o autor do drama Fortuna e Trabalho e fa-
zer-lhe urna completa ovago.
A sala do espectculo eslava completamente
cheia. Camarotes nem am bavia desoecupado, e
n.w plateas erara muitos os espectadores que esta-
vam de p. O espectculo comegou pouco depois
das 8 horas e meia. A apparigo era scena do ac-
tor Santos, o lypographo-protagomsla do drama,
foi saudada com umageral o enlhusiastica salva de
palmas. Em todo o correr do espectculo os ap-
prenetcos e constantes,
Naiad, tripulados
qual foi conferido o premio de primeira classe
urna bandeira de honra ao escaler e urna medalha
a cada um dos tripulantes.
Na segundo classe, queeram os barcos tripulados
por mulheres, venceu o da barqueira Maria Duar-
te, de Avintes, que j o anno passado tambem ga-
nhou, e recebeu o primeiro premio de segunda
classe-35000e a barqueira Maria da Silva o se-
gundo-25o00.
Na lerceira classe, finalmonte. que eram os es-
caleres de bordo, ganhou o escaler do patacho .Voto
Urna o primeiro premio, 105000e o da barca
iVoi'a Carotina o segundo 55000.
Os premios foram distribuidos pelo Sr. governa-
eor civil Miguel do Canto e Castro.
N'um barco, vistosamente toldadoc embandera-
do, tocara a banda de infamara 18, que executou
lindissimos trechos de msica.
A festa que princpiou s 5 horas da tarde, aca-
ma cercadas 7 horas da noite que foi quando prin-
cpiou a debandar o immenso povo que all forma-
va urna massa compacta, mas volitante.
A fresca do eulardecer convidava o passeio. Foi
por isso que muiia gente prefero vir a p, que en-
trar nos encoinmodos carros queconduzem agente
da Porta Nobre para a Foz.
A quiozena foi abundante de festas e arraiaes.
Tivcmos a da Senhora do Pilar, na Serra dita de
Pilar, na igreja .que pertenecra aos extractos conc-
gos regrantes de Santo Ago-tinho, na margem es-
querda do Douro, em frente desta cidade. A con-
correncia foi numerossima. A amenidade do
tempo convidava a roniagem, e o lugar do arraial of-
ferecia agradavcl passatempo. u panorama que
d'alli se guza encantador e deslumbrante! (^es-
pirito e olhos teem muito por onde divagar-se, e
sempre cora gosto e poesa, porque se casa o pitto-
resco do panorama com o mvsticismo da mais su-
blime obra do Creador I
A fosiividade religiosa teve lugar na segunda-
fera 13, nas o arraial princpiou na tarde de do-
mingo 14 e proloogou-se at a uoite seguinle.
Depis tiveraos na igreja do Bomlim, com a pom-
pa costumada, a festividade ao Senhor do Bomlim,
com arraial na tarde do da da funego e na note
da vespera, que foi quando se pegou o logo de vis-
las, para essa occasio preparado. Quer na noite
quer na tarde, a concorrencia de romeiras foi nu-
merosa. Na alameda quo circuita a igreja transita-
va-se a muito cusi.
O lugar lindo e o golpe de vista agradavcl. O
passeio at l, com bonito tempo que fazia, agra-
davel e divertido.
No largo daCordoaria e na Ribeira tambem hou-
verara festas e fogos de visla, nao faltando a algu-
ma das parles a msica, que para o povo grande
divertimento.
Estas festas c arraiaes valem tudo para o povo
das aldeias, o mesmo para urna grande parte do da
cidade. L'm arraial um passatempo, onde, para
multa gente, se passam as horas era agradavel iu-
da n urna cumprida e larga fita azul e banca.
Afora estes mimos offerecdos ao illustre drama-
turgo, a ovago de palmas, bravos, ramos de II .res
e poesas, foi delirante Nos fastos do theatro de
S Joao nao marea o tempo outra noule de mais
entusistica ovacao um autor portuguez.
A classe typographica portuense, briosa e digna
como sempre em toda a parte, traduzio na prati-
ca, por um modo condigno de lao Ilustre classe, o
Densamente e a vontade que tinha de galardoar
devidamente o hornero, que Ihe olfereceu urna das
mclhores produeces do seu engenho, como o
drama Fortuna e Trabalho.
Pelos camarotes foram distribuidos retratos pho-
tographados de Ernesto Biester. que a commisso
que em norne da classe, oflereceu a penna de ouro,
ez tirar para, por suas maes, mimosear as familias
que concorreram a tomar parte na festa pela classe
preparada.
No alrio lacava a banda de msica de infamara
n. 13.
O enthusiasmo, no fim do espetaculo, subi de
i ponto. As chamadas, os ramalhetes que juncavam
i o palco, os bravo.;, os vivas Ernesto Biester,
e as palmas, emfim, parece que n.io quenam
ter lim. Era um phrenesi, urna loucura, que se
havia apossado de tantos coragoos, e que s
traba expansao naquellas manifes'taces de agra-
decirnerito.
Ernesto Biester foi acompanhado al ao hotel da
Europa, onde se acha alojado, pelos tvpographos
queosaudavam com vivas enlhaiasticos.
Depois do magnilieo drama de Ernesto Biester
e Gamillo Castello Branco. A Penitencia, e que tan-
tos applausos valeu aos actores e ao primeiro dos
autores, a rompanhia do theatro normal pz em
scena A Cora, drama de grande apparato scenico e
de costuraos americanos. Tem attrahido ao theatro
a mxima concorrencia que sala comporta e vali-
do mereridos applausos aos adores, e aos dous
scenqgraphos Rambois e Linani, que foram encar-
junta administrativa transada.
Durante a festa do leilao tocou sempre a banda
de msica do 7." batalho, a mesrnaque tocou no
domingo passado, e que nos, por equivoco, dts-
semos ter sido a do 10.
Foi demiitido de subdelegado de Ingazera.
Severino Jos d'Almeida.
Esperam-se nestes das :
O vapor loglez Magdalena, da Europa, 28 oa
mj;
O franeez G me une, do Rio e Baha, 30;
O brasileiro Apa, dos portos do sul do imperio,
de 29 30 ;
O diio Cruzeiro do Sul, dos portos do norte,
6 de outubro.
Pela barca franceza Sphre, em sua viagem
do Havre para o nosso porto, encontrou as galeras
ingleza Mondejo c hollandeza Holland, aquella na
Ion. 22 40' O. de Pars e lat. N. 7 10', c esta
perto de Cabo Verde.
Remettom-nos o seguinle, pedindo sua publi-
cagao :
Srs. Redactores da Revista' Diaria. O empe-
nho cora que Vmcs. combate os vicios, esligma-
tisando principalmente os que mais affeclam
moral e aos bons cosluraes, e cajos resultados sao
quasi sempre extirpar, ou ao menos minorados
consideravelmente ; moveram-me a levar a seu co-
nhecimerito os escndalos praticados por ama mu-
Iher de vida irregular, que reside ra do Ran-
gel, cujos moradores circunvisinhos passam asss
incommodados, por nao poderem gozar de suas
varandas e janellas, menos que expr nao que-
rain suas familias a presenciaren] aeges de Ili-
mitada immoralidade : razao porquo pedimos
Vmcs. que se digne tomar a iniativa neste ne-
gocio, chamando a atieneao da polica se preciso
fr; pelo que muito obrigado ser um seu cons-
tante leitor.
Hoje se extralur 2." parte da l. lotera
da igreja de Santa Rita de Cassia (109.*), sendo o
maior premio 10:0005000.
Hoje (27) effeclua-se o leilao de movis por
Intervengao do agente Pinto e por conta de um es-
trangeiro que retirase d'i-sta provincia, no 2. e 3.a
andares do sobrado da ra da Cruz n. 20.
Reparticao da polica.
Extracto das partes dos dias 23 e 26 de se-
lembro de 186i.
Foram recolhidoscasadedeteneao no dia 24 do
eorrente:
A' urdem do subdelegado do Recife, Rosa Maria
Joaquina, para corregi.
A.ordt-m do de Santo Antonio, Honorio, escravo
de um fuSo Muniz, por crime de furto.
Dia 25 -
A' ordem dolllm. Sr. Dr chefe de polica, Jos
Francisco, Rufino Pereira, como desertores do exer-
cito, Martiniano Marques, e Justino Alves, como
recrutas viudo do termo de Pao d'Alho.
A' ordem df l)r. delegado da capital, Antonio Pe-
dro Villa Nova, por inrai-cao do regulamento da
va frrea
A' ordem do subdelegado do Recife. Francisco
de Moraes Navarra, para correegao.
A' ordem do de Santo Antonio Felismina escrava
de Lino de Faria, por briga.
A' ordem do de S. Jos Cyrna Mara da Conci
gao, por infraego de posturas.
A' ordem do* da Boa-Vista, Florentino e Jos
regados da pintura das quatro vistas novaTqueslo* A'ordem do da Boa-Vista, Florentino e
quatro perfeiees dos nieis dos dous admirareis efPrav0-S esie de Tiburtmo Barboza Nogueira, e
aquello de Antonio Jacintho Borges, o prirneire por
fcrimeotes c o ultimo por espancamento.
A' ordem do da Capunga. Joao Antonio d'Ovei-
ra, Aniceto Borges da Fonceca eJoauna ManaBap-
tista da Paz, para correegao.
O chefe da 2a seccao.
J. G. de Mesquita.
diantc nao demore tanto a reraessa desses langa
mentos.
Dito a0 mesmo. Foi-me entregue o sea officio
de 13 do eorrente, no qual me participa que no da
11 deste mez, quando se proceda na sua matriz as
eleigoes de juiz de paz, etc., succedeu que um dos
soldados que estayam de guarda urna, involun-
tariamente disparara a arma a que eslava encosta-
g. resollando d aqui a morte Instantnea do in-
Diz mais V. Rvma. que, nao obstante ser o acto
involuntario, como Ihe asseveraram todas as Dea-
Mas que se achavam presentes, e estar persuadido
que por Isso nao ficara o templo violado todava P'ausos aos actores foram
flzera retirar todas as imagens para ama capella
que ah existe, e nessa capella tem V. Rvma. con-
tinuado a unecionar at que eu resolva o qae con-
vem.
A constluigao metropolitana expressamente de-
clara no n. 1267 que o homicidio meramente ca-
sual nao viola o templo em que se d o desastre ;
portanto bem pensou V. Rvma. quando decidi
que a matriz nao eslava interdicta.
Comtudo convm que as imagens se conservero
nacapella para onde foram recolhidas at que se fin-
dem as eleigoes ; mas logo que estas terminaren!
pode V. Rvma. fazer a mudanga das imagens, e
continuar sem escrpulo no exercicio das suas obn-
gagoes parochiaes dentro da sua matriz.
e as chamadas a Ernesto Biester repetidas nos II-
naes de todos os actas. O fecundo dramaturgo era
recebido no meio de urna chuva de ramos de flo-
res, qae dos camarotes Ihe eram langados, e os
bravo- c as palmas ouviam-se de todos os ngulos
da sala.
No final do 2 acto recitou o primeiro poeta. Era
urna linda poesa, que teve bis e muitos applausos.
O poeta era membro da commisso que devia, mais
larde, offerocer a Ernesto Biester urna pona de ou-
ro, em nome da classe typographica.
O 3 acto, que representa urna sala de redacglo
e no fundo a sala de composi. o, foi oque mais
enthusiasmo causn. Os applausos eram quasi que
interrumpidos, porque os tlhos de Guttemberg, no
lu i lados por um dos mais notaveis escriptores dra-
ito ao vigario de Macei.Com o seu officio de maticos portuguezes, applaoiam a idea que presi-
a a co.r.rent0> receDi compromisso da irmanda- dio a foitura do drama Fortuna e Trabalho, que
de das Almas, erecta na igreja matrii de Nossa tem por lim ailiar a honra ao trabalho, fazendo do
Senhora dos Prazeres dessa cidade de Macei, o! artista o homem probo que pode de cabera erguida
qual vai por mira approvado na parte religiosa,, mostrar-se em toda a parte, sera que o dedo dos
para que as suas disposc3es tenhara torca de le | transentes tenham nada qae aaontar-lhe.
scenographos.
Cora uin drama moral, bem fallado, e com
alguraas scenas tocantes e de efleito. Bem Inter-
pretado e bem conipreheiidido-pelos actores encar-
' regados do seu desempenho. aprsenla os typos
bem desenliados de cada uin dos personagens, por
forma que a llusao completa,
A vista do 4 quadro, passado bordo da fraga-
ta Salemma, admravel. Desenrola-se ao fondo
a vista do Mississipi, admiravelmente pintada e de
tao verdadeira illuso.
Ha quatro ou cinco noutes que representada a
seguir, c a concorrencia de espectadores cun
cima dizemos, a mxima que o theatro pode com-
portar.
Tinhamos ainda algumas noticias dar. Falla-nos
o lempo. Nao perdem de inleresse.
Cambio sobre Londres S3W, 90 d. d. e 90 d.
v., c sobre Haraburgo 3 m. d. 47 >.
Abri termo de carga era 22 a barca Arminda,
para o Rio-Grande.
Entraran).
Em 16 a barca Nova-Carolina, do Maranhao; em
17 o palhabote Donal, da Bahia.
Sahiram.
Em 13 a barca S. Joao, para a Bahia; em 21 o
brgue i'nio, para Pernambuco.
Era 14 saho do porto de Vianna do Miuho, o
patacho Constancia, para o Rio de Janeiro, cora
cebollas, vinho-verde e alguns passageros.
Balaogo da caixa de amortsagao da companhia
Geral da Agricultura dos Vanos do Alto Douro
no sexto anno lindo em 30 de junho de 1864.
ACTIVO.
Numerario...................
Letras receber..............
Carregages..................
Movis o utensilios............
Propriedades.................
Inscripgoes...................
Governo actual..............
Governos deste reino..........
r-5 3 P : V-I : q 1 f
: : -: : : : : : : i
>
Devedores{nc
no allramar..
23:7765932
1:7315300
7:4385873
1115790
9:4735173
457:4005000
113:2505409
353:9045934
643:0115385
119:5305805
Indemniykges................ 2,082.3785117
PASSIVO.
Capital......................
Letras pagar................
Ttulos pagar...............
Letras de joros pagar........
Credores geraes..............
Bilhetes de compra de vinho...
I
3.736:0275962
2.833:745594.0
3:832J,788
6:21^5719
*:-j085714
86', :i 135476
6:6145325
3,736:027*962
1 1 1 1 1 1 Masculino. S5 1 1 5 1 1 S51 ' > -1 y.
i 1 1 1 1 1 1 II Feminino. co" I | # 1 ce I ^ I
lili 1 ^ 1 1 1 1 1 Masculino. ? 1 1 1 a 1 ? 1 ! s 1 i
lili Feminino. .1-1.1.1 J
1* 1 1 1 1 s I Masculino. 1 I < o en
^^ 1 1 I Feminino.
1 1 1 ** I tD 1 1 . I Masculino- 1 Si : ?
!"* I O 1 1 Feminino. 1 1 OS 1
1 1 1 SI i - i ** * Masculino, i
s a Feminino.
2 TOTAL.

?.
S
i
I
2
ADVERTENCIA.
Na telalidade dos doentes existem 153, sendo
89 homens e 63 mulheres.
Foram visitadas as enfermaras estes dias :
Pelo Dr. Ramos s 6 1|2, 6 lj, 6 1|2, 6 1|2,
6 li2, 6 1|4, 6 Irt.
i ILEGiVEL
Mllll | I


/
Diarlo de erumbaeo Terca felra de ftelenibro de lt4.

Pelo Dr. Sarment s 81i4, 8 Ir?, 8 3j4, 8,
g, o ; 8.
Falleceu :
Antonio Ferreira, febre lyphpido.
Moviraenio da casa de detencao do dia 24
de setembro de 1864 :
Existiam....... 356 presos.
Entraran)...... 4
Sahiram....... 13
Fallece!!...... 1
Existen)....... 346
A saber :
Nacionaes..... 293
strangeiros... 5
Multares...... 7
Estrangeira----- 1
Escriavos...... 30
Escravas...... 4
346
Alimentadas eusta dos cofres provinciaes ioi
Moviinenlo da enfermara :
Tere haixa:
Adn, escravo de Luiz Francisco do Reg.
Tiveraro alia :
Kelicidade Pires da Luz.
Nemezio da Encarnarlo Vilella (fallecen, na enfer-
marla de hemuplize).
Movimenio da casa de detencao do da 2o de
setembro de 1864.
Existan....... 340 presos.
Entraram...... 15
Sahiram ..... 3
Exislem.......
A saber :
Nacionaes.....
.Vulneres......
Esirangeiros...
E-irangeira ...
Esrravos......
Escravas.....
:o8
302
6
7
1
38
4
358
Alimentados a eos t a dos cofres provinciaes 183
Movimento da enfermara do dia 25 de setembro
de 186i.
Teve baixa :
Antonio Jos Francisco.
CIIROKICA JUDIC1ARU
THIHIVU, io comniRRCio.
ACTA DA SESSO ADMINISTRA-
TIVA DE 26 DE SETEMBRO DE 1864.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. DKSEMB.VHfiADOR
ANSELMO FRANCISCO PEUETTI.
As 10 horas da manhaa, rennidos os senhores
denotados Lemos, Rosa, Ale.oforado.esupplente o Sr.
Basto, o Exm. Sr. desembargador presidente decla-
ra aberta a sessao ao toque da cainpainha.
tata, approrada a arta da aulcdecente.
EXPEDIRME.
Foi lido um ollicio do Exm. Sr. presidente da
provincia, mandando informar o requerimento do
Offleial da secretaria do tribunal, lunocencio An-
luncs de Farias Torres, em que pede ao governo
imperial nao s a expedico das necessarias or-
dens ao thesouro nacional liara Ihe ser paga a gra-
titicacao* da rjuarta parte do seo oidenado qoo Ihe
fra concedida na conformidade. do artigo 44 do
regulamento n. 738 de 2o de novembro de 1850,
mas tambem que dita graiiVaco se faga effectiva
acontar de II de marco de 1861, dia subsecuente
ao pm ijiio completara os 10 annos clTectivo de
boRs serviros exigidos no sobredito artigo. Man-
duuse informar.
Nao tendo sido apresentada a cotacao offleial dos
precos conenles da praca, relativa ultima se-
mana, e nao sendo esta a primeira falta que a res-
peito teiiha commettido unta de corredores, re-
solveu o tribunal que se Ihe advirtisse a fiel obser-
vancia do dispo-to nu art. 45 do decreto n. 806 de
26 de jultio de 1851 cm ordem que o bole-
im dos precos correntes da praca seja entregue a
secretaria do tribunal no Io dia til de cada se-
mana.
Teiid i sido submettido despacho a petigao de
Jenuino Jos Tavares, em que pedia fosse regis-
trada a escriptora de hypotheca que Juntara, o tri-
bunal deu o seguinte defenmento : Regisire-se.
E nada mais havendo a traiar-se, o Exm. Sr.
desembargador presidente encerron a sessao s 11
horas.
SESSAO JUDICIAItIA EM 26 DE SETEMBRO
DE 1864.
I'HESIDEXCIA DO EXM. s|(. E>E.MBAP.ADR
A. f. PKIIETTI.
Secretario, Julio Guimares.
As 11 'u horas da inauha, o Sr. presidente abri
a sessao estando reunidos os Srs. desembargadores
Heis e Silva, Silva Guimaraes e Acciuli, eos Srs.
debutados Lomos, Rosa, C. Alcufuradu e supplculo
Basto.
Lida, foi approvada a acia Ua sessao antece-
dente.
Assignaram-sc os accordos proferidos na ultima
sessao entre parles :
Appellante, Francisco Luiz Garreira & C.: ap-
pellaiio-, Tasso nnfios.
Appellanle, Jos Baptista da Fonseca Jnior ;
appellados, os curadores Dscaes da inassa fallida
de Arnorim, Fragoso, Santos A C.
Appeilantes, Moreira c Duarto ; appellado, Pau-
lo Jos Guies.
Api liante, Jos Francisco Pinto Guimaraes ;
appellado, o Di. Gabriel Soares Raposo da Cmara,
como administrador de sua mulher e>lutor de suas
Boleadas.
Appellante, Antonio Alves de Carvalho Veras ;
appellado, Joaquiin Jos liamos.
JULCAMENTOS.
Appellanies, os curadores Oseaos da inassa falli-
da de Amoriin, Fragoso, Santos i G.; appellado,
Dr. Joao Baptista Gasaoova.
Fui julgada a desistencia por accordo.
Appeilaotes, Valle Porto & i appellados, os
aduiiiiislradures da maesa fallida de Juaquini Jos
Silveira.
Adiado na sessao anterior.
Foi confirmada a senlenca appellada.
Appellaiite, Mauoi I Gouvea u Souza ; appella-
dos, 0< administradores da massa fallida du Aino-
rim, Fragoso, Sanios & C.
Desprezaram-se os embargos.
Appellante, Antonio Jo.- Alves Soulo ; appella-
dos, Silva bao G.
Adiado o juigamento requerimento de um dos
Srs. Reputados.
Recurrente, o roinmendador Joo Paulino de Aze-
vedo Castro ; recorrida, a compauhia de segaros
Feliz Lembiauca.
Adiado na sessao antecedente.
Foi annullado o processo.
Appellanle, Miguel Jos Barbosa Guimaraes; ap-
pellado, Joao da Cuuha Nevos.
Adiado o juigamento requerimento de um dos
Srs. debutados.
Appellante, Jos Cesario de Mello ; appellado, o
Dr. Juaquiin Antonio Garneiro da Cnnka Miranda.
Adiado o juigamento requerimento de um Sr.
dep ulaiio.
Appellante, Basilio Alvares de Miranda Varrjo ;
appellado, Antonio Gonealves de Oliveira.
Adiado o julgameiiio" a requerimento de um dos
Srs. debutados,
O Sr. d. sembargador Silva Guimaraes, em vir-
tude da sua snspeicao e da do Sr. desembargador
Res e Silva, aprese'utou em mesa ? appellaco en-
tre partes :
Appcllanles, os administradores da masa fallida
de Bastos & Lemos,; appellados, Bozano I roaos ;
solicitando shu andanienio legal : c o Exm. Sr.
presidente oRiciou ao Exm. Sr. conselheiro pre.-i-
Ut-iit'i da re la cao reipnsiiando juiz.
PASSASENS.
Appellanle, Manuel Jos Machado ; appellados,
os curadores fiscaes da massa fallida de Jos Mar-
ques dos Santa Aguiar Appelinies, Itiancone Klee & C.; appellados, os
curadores llscaes da massa fallida de Garlos Jos
Asile* & C, e Southall Mellors & C.
Aifiellantes, os curadores fiscaes da massa falli-
da do Seve, Filhos & G.; appellado, Bernhard
Sproj
Do Sr. desembargador Reis o Silva ao Sr. desem-
bargador Silva Guimaraes.
Appellanle, Vicente Alves Machado ; appellados,
Pareite, Vianna & C.
Do Sr. di si mbargador Accioli ao Sr. desembar-
gador Silva Giiiinarae-.
Appellanle, D. Mara lirta da Cruz Neres ; ap-
pellados, o^ curadores liscae da massa fallida de
C. J.'Astley&C.
Du Sr. desembargador Accioli ao Sr. desembar-
gador Res e Silva,
bisTnniricKS.
Aprestante, o Dr. Joo Pedro Maduro da Fonse-
ca ; appellada, D. Mara Rita da Gru Neves.
Ao Sr. desembargador Silva Guimaraes.
Appellante, Jos Guilberme Guimaraes; appel-
lada, D. Mara Venancia de Abreu Lima Bastos.
Ao Sr. desembargador Accioli
Appellante, Antonio Joaquim Salgado ; appella-
do, Jos Francisco Coelho da Silva Vieira.
Ao Sr. desembargador Reis e Silva
Aggravost de pelicao mlerposios ao juizo especial
do conunercio.
Aggravante, o Dr. Joao Pedro Maduro da Fon-
seca ; aggravado, D. Mara Rita da Cruz Revs.
Aggravante, D. Josepha Leopoldina de Mello Ma-
rlnho ; aggravado, Jeo Pereira Bastos.
O Exm. Sr. presidente negou provimento.
Aggravante, Manoel Joaquim Baptista ; aggra-
do, Joao de Almeida Lima.
O Sr. desembargador Beis c Silva negou provi-
mento.
Aggravanie, Antonio Jos Mauricio ; aggravado,
Joao Gonealves Ferreira Seve.
O Exm. Sr. presidente deu provimento.
Aggravo de instrumento interposto do mesmo
juizo.
Aggravante, Manoel Jos de Oliveira ; aggrava-
do, o juizo especial do conunercio.
O Exm. Sr. presidente negou provimento.
Nada mais havendo a lraiar-se,eucerrou-se a ses-
sao s 2 horas da tarde.
Aprovei'.o a opnortnnidadepara reiterar os rneus'descobertas, lodosos demals vermfugos asquerosos
protestos de considerado e respeito pessoa de tem sido quasi iuleiramenle abandonados e dosier-
V. Rvma.
COMMUNICDOS.
Presidio de Fernando.
A' vista da acertada nutncaco do disiinoto e in-
telligenie Exm. Sr. biigadciro Henrique de Beaure-
paire Bollan, para os conselhus da corda, us re-
rados por iodos.
As pastilhas vermfugas de Kemp se acham lin-
damente acondicionadas dentro de frasquinhos do
crystal, nao sopara sua boa exportaban como para
sua conservafo contra todas as vicissiludcs dos
tempos.
A' venda na loja de Bravo & G., e de Gaors &
Barbosa.
Illm. Sr. Jos da Rocha Paranhos.Com a malar
ttnnfa Casa da Misericordia do
Kcife.
EXPEDIENTE DO DIA 5 DE JOLHO DE 1864.
Offlcio ao Exm. [iresidrnte da provincia. Guu-
priudo o resptitavel despacho de V. Exc. lancado
no requerimento, ime devolvo, de Mara da Cou-
ceico de Moura Sclnfler, em o qual pede liceuya
para sua sobrinha, a educanda do collegio das or-
phaas, Mara Alexandriua de Moura Graca. passar
dez das em sua companhia ; cabe-me informar
V. Exc. que conceder lieenya a um orpbo para
passar alguns dias fora do respectivo estabeleci-
mcnlo, nao o mesmo que conceller a una orpbaa,
e nao escapar por certo a perspicacia de V. Exc.
os inconvenientes que de semeltianles licencas po-
dem resultar, pelo que me parece nao estar a sup-
plieanle no caso de ser attendida.
Dito ao mesmo. Em observancia do despacho
de V. Exc, que se acha exarado na pe'.i?ao, que
devolvo, em a qual Rosalina Francisca de Assis
pede qno sejam admittidas no collegio de orphaas
suas tres lilhas menores de nomos Secuudina, Ma-
na e llosa, cumpre-me dizer, que, em vista da lo-
formacao do respectivo mordomo, constante da co-
pia inclusa nao pode ser a supplicante attendida,
visto como nao instruio a sua jietico que devolvo
com as necessarias cerlides de baplisioo daquellas
menores, como determina o regulamento em
vigor.
6
Dito ao mesmo.Devolvendo o requerimento em
que Jos Antonio de Medeiros Pinto allega, que, por
forca maior e independente de sua vuiitade, nao
pode comparecer no dia, em que foram arremata-
das por Francisco Gomes Ferreira as rendas da
ilna do Nogueira pela quaiita animal de 607000,
e offerece a de 8004000, sendo o arrendamenlo por
lempo de seis annos ; cumpre-me informar V.
Exc, que a arrematacao da referida ilha fui pr-
viameule aununciada pelo Uiaiio de Pemambuco,
e no da designado comparecen o actual rendeiro
Francisco Gomes Ferreira, e offereceu o lanco de
55000, sobre a quatia de 8rJ0#00O, pela qual tinha
ido dita Una praga, mas cunstando-me que havia
outros pretendeules, fiz demorar a entrega do ra-
mo, at que comparecern] Osear Deslibeaux e Mi-
guel t.andido de Medeiros Piulo, que segundo me
informan), irmo do supplicante, e licitaran) com
o actual rendeiro Francisco Gomes Ferreira, ele-
vando o pivco da arrematacao 6075000, mas
tendo o referidH Gomes, exprobado aos seus com-
petidores, dizeDd-lhes, que elies vmliam |>or man-
dado de outreiu gnerrealo, e tirar o pao sua fa-
milia, respondern) que nao era isso exacto, pois
cada um vinha lancar para si, declarando Medeiros
que pretenda a ilba, porque tinha urna pessoa de
sua familia, que preeisava de hanhos salgados, e
Desiibeaux, para alii por em pratica a desovacau
de peixe, porm que, nao querendo tirar o pao
familia do actual rendeiro, cmno elle presuma, se
reliravain : pelo que foi definitivamente entregue
0 ramo ao mencionado Francisco Gomes Ferreira
p< r tenipu de tres anuos pela predita qaniia de
6075000 annualmente ; v slo ser sen o ultimo lan-
co, obrigando-se alm disio plantar 600 ps de
coqoeiros, e a tirar urna eora de areia que existe
no viwiro. Estando efleetoado o re-peciivo con-
trato, nao pode ser annullado pelos fuodamenlos a
que alinde o supplicante.
Dito ao ni.'sino. Informando como V. Exc. me
ordena sobre o requerimento, que devolvo, de
Elias Anacido dos Proceres, em o qual pede ern
casamento a expo-ta Sabina Mara da Goncelcio Dn-
nata, cumpre-me dizer, que ha quatro anuos pou-
co mais 011 menos pretenden a junta administrativa
desta Sania Gasa recolher ao respectivo esiabeleci-
mento a referida expo-ta, por ter a idade ncom-
nipfidada pelo regulamento, o que nao foi levado a
1 lcito, por se haver empenhado para cimtiiiuar a
t-la em sua campanilla a crioiila casada de nome
Juanna Regis, que a rrion desde recem-nasrida, e
com efleito foi alii conservada at o da 26 de abril
prximo lindo, cm c|ue, por ordem da junta, to re-
cnliiida ao predito estabelecimenlo, em eonsequen-
da de se ter apresentado a mesma Juanna Regs
promoveiido o casamento do supplicante com a
mencionada exposta, ao que nao podia a junta an-
iiuir por sera exporta branca, e o supplicante par-
d-i escuro, e no paiz em que estamos, anda se le-
var muitu a mal os casainentos fetos nestas cir-
ruinstancias. A junta seria menos escrupulosa a
tal respeito, se esnvis.-e convencida de que n as-
seiiliineulo da tioiva foi expontaneo e nao por iisi-
nuaedes de alguem, e se o supplicante soubesse ao
menos ler e escrever, pois j lein a experiencia de
haver consentido no casamento de urna outra ex-
posia cini Cyrillo Feweira das Ghagas, que tam-
bem nao sabia ler, e pouco teinpo depois de rasar-1
se andava se empenhando para ser abridor de tar-
dos da alfiiidega desta cidade, por ser o nico
emprego para o qual se julgava habituado, pois I
que era para meirinho poda servir, visioseraual I
pbabi'lo. Goncluirei dizendo, que o supplicante
Cuiifessa em sua peticao que pescador, prolissao
pie nao offerece meras de segura subsistencia,1
quando nao se dispde de cerio> re nrsos. A' vis-
ta, pois. do expendido, V. Exc. defirir ao suppli-
cante como entender de jiistiga.
Dito ao mesmo. De accordo com a informagao
do mordomo de me no collegio de orphaOS por co-
pia inclusa, e em cumpnmento do respeitavel des-
pacho de V. Esc exarado na petieSo que devolvo,
d Auna da Pnrilicaeo Afaujo, na qual solicita a
admisso de scu lilfio luio naq iclle estabeleci-
ment, cumpre-me dizer, que acha a supplicante
no caso de ser atlendida, inscrevendu-se no qua-
dro competente o nome do menino, atlm de ser
elle admitiido no respectivo collegio opporiuna-
mente; V. Exc, porm a defirir como melhor
entender em sua sabedoria.
Dito aooesmo.Devolvendo o requerimento de
Maria Benvinoa Cavalcanti, cm o qual pede que
seja admittida no collegio das orpbas sua lilha de
nome Anna, cabe-me ponderar V. Exc. une ne-
nliuma duvda ha por parte da junta em efectuar-
se a referida admisso, una vez que a supplicante
aprsenle certidu de baptismo de dita sua filha, e
V. Exc determine que seja ella r.-cebida indepen-
dente de ser o scu nome inscripto no respectivo'
quadro.
Dito irmaa superiora do collegio das orphaas. I
Deconformidade com a dehberaco tomada pela,
junta adinuiistialiva desta Santa Casa, sirva-se V.
S de remet, r-ine os nomes de duas etucandas
desse collegio, atiin de se Ihes entregat opportuna-
mente o dote dado por dous depuiados provinciaes,
pudendo V. S. designar as de nomes Andrehua
Leopoldina do Nascimenlo Lobo, e Amelia Augusta
de OMvira Quintal, se nao houverein outras de
igual mereciupnto, noservindo de obstculo!
ja krero.ellas dTeito ao dote deixado por Delfino
dos Anjos Teixeii a,
Ofllcio ao Exm. barao do Livramento. De or-
dem do Exm. Sr. dezembargador provedor rom-
muiiP o V. Exc que nao pode elle presidir
sessao de boje, afim de que V. Exc. se digne subs-
liiui-lo.
Dito ao Rvm. conego Antonio Jos de Souza
Gomes. Acenso o recebimenlo da preciosa carta
d* V. Rvma., datada de 26 de junho prximo i-as-
fado, a em resposia cumpre-me scienfiear V.
Rvma. que o menor Jos, lilho de Canilla Mana
da Paz, a que allude a citada carta de V. Rvma.,
oecupa boje no respectivmiiiadroo primeiro lugar,
e 1 revemente ser admiitido no collegio dos or-
phao?. '
rolvemos a manifestar pela imprensa es servidos satisfaco lanco ni.o da penna para Ihe dirigir estas
prestados pelo Sr. teuente-corouel de engenheiros linhas em agradecimento ao proveito que Uve do
Luiz Jos MoBlciro na administrac/io d'este presi- uso que fiz do xarope acoolico de vellame, da sua
dio. composicao, para que V. S. disto tenha ennhecimen-
As necessidades desta ilha, os recursos que p- lo; e o respejtavel publico proveito. Desde 1858
de a fazemla publica tirar de seu slo ubrrimo, que soffra as maiores dores rheumalcas, cumpli-
os melhoi amentos materiaes de que tiecessita, etc., cadas com o que a medicina denomina siphilis, e a
ludo tem sido perfeitamente compreheiidido pelo um anno que soffna de ulceras na garganta. Da-
honrado offleial a que nos referimos, c oxal que quella poca para c sem >i'e viv em uso de reme-
os seus successores se guiem pelo systema por elle dios, de que nao nrei resoltado algum a nao ser
encelado. alivios momenlaes, e lempos havia que de todo me
A reconstruoSo das forliflcacoes do presidio, a va imposibilitado de me levantar de urna cama,
edificarlo de um eslabelecnneulo com as comino- soffrendo sempre tanto no verlo, como no rigor do
didades precisas para dormitorio de 700 00 san- invern; persisiindo porm no uso de remedios j
tenciados, assim como a de urna casa de farinha applicados pelos cnnhccedvres da arte, j de outros
no lugarSancho(foco das plantacoes da nacao) qno va nnnunciados nos jornaes com apphcacao
e outras obras degraude necessidadc-, e bem assim ao* mens padecineiilos, e desies um sem numero,
a mudanca de varias repartices publicas, etc. continuando sempre a soffrer como muilas pessoas
tem merecido a attencao do Sr. tencnte-coronel desta cidade saben, e sao testemunhas de me ve-
Monleiro. rem andar na ra mais para morrer do que para
O socego, tranquillidade e satisfaco plena, em viver.
que viveui todos os habitantes da ilha (a nao ser Acontece!) que em abril deste anno as dores ata-
um outro despenado, cojos abusos foram extirpa- caram-nie de forma que levei dous mezes de cama,
dos pelo actual comuiaudantc) urna prava no- sem que me podesse sentar, pelo que tive occasio
quivoca do genio admini-tralivo do Sr. Mooteiro, de desesperar da vida, taes eram os meus soffri-
pof isso que a par de um carcter nimiamente jus- mentes. Neste lempo lendo o Diario de l'ernam-
liceiro o mesmo Sr. asss humano. buco, deparei com um aviso do xarope alcoolico
O problema cuja resulucao pareca at ento im- de vellame, manipulado em sua phannacia, li este
possivel, isto o evitar-se a fuga de presos, so aviso, e lomei-o Como um aviso de um anjo; pude
acha boje definido, por quanto nos mezes dcjulho, a muito custo escrever mcu fllho, que. ento j
agosto e setembro, pocas estas em que se davam eslava nessa cidade, pcdi-lhe que me mandasso
grande numero de. fugas, al ao pieseule uenhuma algumas garrafas acompanhadas das pilulas, mas
tem havido, devidoa polica e a vigilancia dos di- logo depois vi que nesta cidade j-havia o xarope
versos pontos do bttoral pela mor parte estabeleci- venda em casa do Sr. Raymuno Jos Pereira de
dos durante a actual adminMraco. Castro, e logo me apresetei em mandar comprar
Aeautelado 110 presente, e previlente no futuro duas garrafas. Fazendo uso delle, no fim de das,
lera o Sr. teueute-coioiiel Mouteiro grandes depo- j andava em casa pegado duas bengalas, e no
silos de legumes, e ccreaes para alimento dos sen- lim de qninze das sa/na ra. Quando acaliei de
tenciados durante a cstacao calmosa, alm de 400 turnar duas garrafas sentime completamente bom,
e lanos alqueires do unliio e fejo, que j remet- andando coo todo desembaraco, rpstando-me as
leu para a capital em favor da fazenda, assim co- endas na garganta, para o qn empreguei outros
mu ha mandado construir grandes depsitos de remedios, mas nada me aproveilou ; foi quando
pallias para sustento do gado durante a secca. reeebl as garrafas que I-avia pedido men lilho, e
Neste vapor remolle o Sr. Mouteiro trulla arro- mnlinuei com a lerccira, que, no fim de poucos
has de algo dio, esperando aiuda sua colucila de dias, fui melhor. Hoje me acho completamente
mais de duzentas arrobas, tendo feto construir bom. Portanto, sirva-se V. S. aceitar meus since-
uma prensa cora a seguranca precisa para nao ser ros agradecmentos, c o publico que tiver a infeli-
aguelle genero reineltido era saceos, como ou- cidade de solfrer taes padecimentos que aproveite
tr ora. com este meu testemunho.
O presidio de Fernando nocessita de comnian- Sou com apreeo de V. S. muito att. ven. e cria-
danies honrados e honestos como o actual, que do, Benlo Jos /fotones.
(uo considerando este lugar como fazenda pro- Maranhao, 11 de agosto de 1864.
pria) tem applicado todo o produelo da iuia em be-! 'Do Paiz.)
neficio dos cofres pblicos sem privar que os par-'____________^_______^_^_________^
licuares u sentenciados criera em suas lavou-
ras.
0 Sr. tenente-coronel Monleiro pela infausta nova
da morte de sua mae na provincia do S. Paul,
consta-Dos que acaba de pedir exoiieraco do car-
go que com tanta distinecao ha exerci-io, e por is-
so pedimos ao Exm. Sr. ministro da guerra, que
perfeitaniente conhece as Hecessidades d esle lugar '
a ic 'in 'ac.1 de um official que rivalise com aquel-
le, que com os maiores sacrificios tem em todas as ;
commjssoes se portado com a maior di.-tincco, | Alfandega
mandando por em uxecuco o regulamento que por Rendiniento do dia 1 a 2i........
sua excedencia fui elaborado. I (am do a 26.................
Se as acedes distinctas e brilhantes de um mili- i
lar executadas na guerra merecem inmediatas re-1
compensas, mesmo em lempo de paz nao devem |
ellas ser esquecidas, e como o cofre das recompen-
sas nao seja olhado hoje como urna lotera donde
cada um desgracadanieute lirava seu premio, esta-
mos certos que, os servidos doSr. lenenle-coronel
Luiz Jos Mouteiro, bao le sor portadamente re-
munerados, luocmente acbaudo-so 00 inmisteijo o
Exm. Sr. Roban, a quera nao sao desconhecidos os
sei vicos, e as dualidades que, ornara ao actual com-
maudante do presidio de Fernando.
O aiuhyt.sta do mrito.
GOMMEBCIO.
NOVO lilUI HE PEttftiMIP.
0 aovo binco paga o 13
na razan de 8$00 |er aq-ao.
d i Hilen
539:08927o
37.721'72
76.810947
Hovlmcnto da alfafidega
Sala das sessoes do consclho administrativo para
fornecimento do arsenal de guerra 21 de setembro
de 1864.
Antonio Pedro de S Brrelo,
Coronel-presidente.
SebastiSo Antonio do Reg Barros,
Vogal secretario interino.
Tribunal do eommemo.
Pela secretaria do tribunal do commercio de
Pernambuco, se faz publico que nesta dala ica
regislrado o contrato de sociedade de Jos Antonio
Ferro de Figueiredo e Joaquim Hibeiro da Gama,
estabelecidos nesta cidade sob a firma social de
Figueiredo &; Gama, devendo a mesma sociedade
durar por espaco de tre's annos, contados de 8 de
agosto do crrante, com o capital de 4:0005, for-
necidos 3:0005 pHo socio Figueiredo nos fundos
existentes no esubflecimento, e 4315081 em di-
nheiro, e 1.0005 pelo sucio Gama.
Secretaria do tribunal do commercio de Pemam-
buco 23 de setembro do 1861.
Julio Guimaraes,
Officialnnaior.
Perante a cmara municipal desta cidade es-
tarn em praca nos das 23, 26 e 28 do correnle
para seren arrematadas as seguiutes rendas uiu-
niclpaes :
Imposto de 80 rs. por carga de farinha
e legumes vendidos nos mercados p-
blicos............................ 2:2054000
dem de 40 rs. por p de coqueiro.... 3475000
dem de mascates e boceteiras ..... I5OI00U
Aluguel da casa da Soledade........ 1155000
Os pretendenles a arrematacSes da taes rendas,
comparecam no paco municipal nos dias indica-
dos, munidos de lianca idnea na forma da le,
sem o que nao poderlo licitar.
Todas as arrematacSes sao por um anno, excep-
to da casa da Soledade, que ser por tres annos.
Paco da cmara municipal do Rocife em sessao
de 21 de setembro de 1861.
Luiz Francisco de Carros Reg,
Presidente.
Francisco Canuto da Boaviagem,
Secretario.
O fiscal da freguezia de Sanio Antonio desla
cidade faz scienie aos dono de talhos de acougues
em lojas de sobrados e casas terreas com soto,
que o prazo de 6 mezes concedido pela postura
addicional dea de abril do correnle anno, appro-
vada pela assembla legislativa provincial para a
remoeo de taes talhos em as referidas casas, tin-
da-se em o de outuhro prximo vindouro. E para
que nao appareca ignorancia faz o presente.
Fisealisacao da freguezia de Saulo Antonio do
Recie. 22 de setembro de 1864.
O fiscal,
M. J. da Silva Ribeiro.
Consulado provincial.
Pela mesa do consulado provincial se faz publi-
co aos devedores dos impestos cobrados por lan-
(.imento pertencente ao exercicio lindo de 1863
1864, que no ultimo de setembro crrente finda-se
o praso marcado para o pagamento de seus dbi-
tos, fleando sujeitos a serem executados os que
nao pagaren) at aquello dia.
Mesa do consulado provincial de Pernambues Io
de setembro de 1864.
Antonio Carneiro Machado Ros.
Administrador.
Correio geral.
Pela administracao do correio desla cidade se faz
publico que em virtude da convenci postal cele-
brada pelos gwvernos brasileiro e francez, serio
expedidas malas para a Europa no dia 30 do cor-
renle pelo vapor francez Guyenne. As carias se-
rlo receidas at 2 horas antes da que for marca-
da para a sabida do vapor, e os jornaes al 4 ho-
ras. Adminislracau do correio de Pernambuco 22
de selembro de 1861. -O administrador,
Dumiugos dos Passos Miranda.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Xavegnco costelra a vapor.
Taman ar. Barra Grande, Ponta de Pedras,
Catnaragibe, Macei, Penedo e
Aracaj.
No da S de ootubro feguira
para os por tos cima o vapor Pa-
mhyba, commandante Manins, s
,5 horas da tarde. Recebe carga
'at o da 4 Enmmmendas, passa-
geiro e diuheiro a frete al o dia da sabida : es-
criptorio no Forte do Mallos n. 1.
COMi^WiflA
DAS
MESSAGERIES IMPERIALES
No da 30 do
corrente mez es-
pera-s dos por-
tes do sul o va-
por francez
Guienne, com-
mandante Anbry
de la No, o qual
depois da demo-
ra do cosiume seguir para Bordeaux tocando em
S. Vicento e Lisboa.
Em S. Vicente ha um vapor em corresponden-
cia com Gore.
Para condiccSes, fretes t passagens trata-se na
agencia ra do Trapiche n. 9.
Para o A'ac y
pretende seguir com milita brevidade o velei-o
lale Dous Amigos, tem parle do seu rarregamen-
to prompto : para o resto que Ihe falta, trata-fe
com o sen consignatario Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo & C, rua da Cruz n. 1, ou com n capifao
francisco Martina da Coala no trapiche do algodao
Hiohrawle do SW
O brigue Mondego, de primeira classe, recebe
carga c segu com brevidade : tratase com os
consignatarios Marques, Barros 4 C, largo du Cor-
po Sanio n. 6.
LEIL6ES.
Volames entrados com fazendas...
c cora gneros...
Voluraessabidos com fazendas...
c t com gneros...
193
87
------280
80
472
'O
Cor
Na sessao de 12 de agosto ultimo o Sr. Dr. Pro-
derico Augusto Pamplona, deputado pela provin-
cia do Crara, exprimio-M nos sevuintes termos :
o partido corisrrvailor nao triumphtm na prov-
tii purgar, justtru seja frita, o Sr. Dr. Jo* lliittv
ila 1 11 iilui Figueiredo Jnior nao empregou os
nietos violentos que SfUS unticestorex Itavi-im~em-
pregado para mandar a ella casa aquella gue nao
rrpresrntaeiuii a muiurici da provincia, f.ipvta-
dos.)
Sem entianuos agora na qunstao da materia,
porque j lorain siiicicnlrmente explicadas as
causas que deram lugar ao resultado da ultima
elei^o 110 Ceara, tocaremos so n'ura ponto, e mu
ligeiramentei
Ha pouco lempo o Sr. Dr. Jos Rento, refei in-
Descarregam no dia 27 de setembro.
R.irca Iranceza Spherenieicadonas.
liarca inglezaSerafminaidem.
tingue, ingles L-on -dem.
pRarca iugleal/niondiversos gneros.
" igue noruegiienseEmitiecutiros e osso?.
Iinportaeo.
' Barca ingleza Union, entrada de Philadelphia.
consignada a Mitineas Austin & C, niainfestou :
2,160 harneas familia de trigo, 20 1 volumes
0I1-0 de kerosene, 12 ditos -salsaparrilba, 4 barri-
cas lampio-s e prtenees, 1,078 resmas de papel
rwca eintirulho, 1' volumes tinta em oleo, 145
barriqiiiulias bulaebiniia ; aos mesmos.
Brigue nacional Sinipatliia, entrado do Rio Gran-
de ,do Sul, consignado a Manoel Ignacio de Oli-
veira i\ Futios, manifestou :
9,000 arrobas do charque e 60 couros saceos;
ordem.
Ifiecebednrla de rendas internas
do so a sua aduiinislraco, n'uin couimunicado
inserto neste Diario, ( e que nao Ioi contratado no censes de PerDUDUbncO.
Cara) :i,.pellou para a juslica postliuma, e ella Rendimento do dia 1 a 24........ 23:1705752
vai com elleito apparecendo mais 1 e lo do que se [em 0 fjia ag................. 2:3875468
devera esperar da parte dos censores de hontem.
iTeo.
Pela administracao do correio desta cidade se
faz publico que as carias abano declaradas deixa-
ram d-1 s-guir o seu destino por se acbarem com
sellos servidos.
Antonio Ferreira Baltar.
Flix Ferreira da Cosa.
Leopoldo Baptista Madureira.
Mauoel Pinto de Sotiza Dantas.
Nicolao Tolctilino da Cosa.
Pedro Marlias Ribeiro.
Rozendo Aprigo Pereira Guimaraes.
Seixas & Snhnnbo.
Vigario Antonio Tellcs.
Crrelo geral.
Pela administracao do correio desta cidade se
faz publico, para lins convenientes, que em virtu-
de do disposio no art. t;i8 do regulamento geral
dos crrelos de 21 de Sezembro de 1844, e art. 9
do decreto 11.185 de 15 de raaio de 1851, se pro-
ceder o consumo das cartas existentes na admi-
nistracao. perieiieentes ao mez de setembro de
1863, mi dia o de outubio prximo, as 11 horas da
manhaa, na porta do mesmo correio. e a respecti-
va lista se acha desde j exposia aos nteressados.
Administracao do correio de Pernambuco 22 de
setembro de 1864.O administrador,
Domingos dos Passos Miranda.
Poucos mezes decorreram depois que o Sr. Dr.
Pamplona solicitara na cmara a exoneraco do
Sr. Dr. los Bttntu, contra cuja vontade, dizia elle,
entraram no parlamento os actuaos deputados do Ren(jimpnto'"i
Hoje o Ilustre representante reconhece que o
Sr. Dr. Jos Bento em materia do eleicoes proce-
deu melhor que seus predecessores, entre os quaes
se coman! alguns liberaos, e. duas pers> nagens
progres-i.-Uis, os Sis. Silveua de Souza e Antonio
Marcellino
QuebroH-se o circulo de ferro dos 14 uniios, ex-
clamou o Sr. padre Pouipeu quando se vio In-
cluido n'uma lista para senador. A ultima rlricao
25:5585220
Consulado provincial.
iala24......... 636935689
................ 6:8275901
70:52155901
THEAThO
MJlMENii 30 POHT).
tolerancia s pode servir para quando dominam os R0 Grande (lo Sul Barca nariolial ciemenlma.
conservadores, cuja complacencia se pretende en- ^ ,maim Aimm Gadr Junior carga h
tau levar ao extremo do desgnstar amigos prest- er\,nlS gneros.
mosus para dar preferencia a adversarios agradec- __ _
dos, que assim se fortificara para travar combate
franco, e proclamar o exclusivismo, no da em que
se verifica a inuiacao da scena poltica.
Os conservadores que teem sempro obrigacao
mu rigorosa de ser tolerantes, moderados, conci-
liadores, cheios de abnegaco, promplos a todo
tempo, ainda mesmo depois de urna reaego tre-
MLR(0ES.
Sania Casa la I seiiconiia d Recito,
Pela secretaria da Santa Casa de Misericordia
mend contra si, anda quando lenham de suffucar do Recife se faz publico que d'esde o dia 10 do cor-
mu legalmente uina revolta... rente se acha expedida ordem ao director do col-
Emquanto no poder os conservadores devem por b'gio de orphos no sentido de ser recebido cm
o maior empenho em ai.nr 'argos horisontes aos dito collegio o menor Jos, lilho de Camilla Maria
talentos comprimidos do partido adverso, ou des- da Paz. ... .
prender o vo a essas aguias que uo pude- Secretaria da Santa Casa da Misericordia do
ram subir mais alto durante a sua propria domi- Recife, 23 do setembro de l6i.
nacao. escrivio,
Numeroso, e abundante de caracteres prest-; A. F. Cavalcanti Cousseiro.
mosos, o partido conservador ie.ve ler paciencia ^ d|a 27 do corrente mez, depois da au-
para solfrer o ostracismo, conientando-se cora o diencia do Illm. Sr. Dr. juiz municipal da 1' vara,
que adquiri no poder cusa de esforcos, e de esenvo Baptista, se ho de arrematar alguns mo-
purceria com os contrarios. veis penhorados a Ignacio Pinto dos Santos Sazes.
Os directores da situacao, esses, que nao gostam [ fnn do abravar iiainM llores, e s querem saber dos LOOSemo .IIIUIHUMI ,11HO.
dedicados, como que ho de tolerar ura adver-' O conselho administrativo para tornecimento do
sario, ambn moderado? arsenal de guerra tem de comprar os objeclos se-
Elles, que nao se faltan) nos gosos do poder, guintes :
e anda contam com agenerosidade obligatoria dos Para provimento dos annazens do almoxarifado do
contrarios? arsenal de guerra.
Quando muito fazem justiea de liocca a um on 12 duzas de tahuas de cedro de 1 polegada de
ootro inimigu politieo, e ist mesmo la em certa grossiira, 9 a 14 ditas de largura e u a 27 palmos
occasiii, para cettos lins, so d'ahi nao resulta o de compriinento.
EMPREZA
QARTA-FEIRA, 28 K SETEdRRO DE 1864.
5a recih d: assignatura
Subir scena o Inicressaute drama em cinco
arlos, on .'nal francez,
A HONRA DE UM FAMILIA
PBRSIINAGENS.
Mauricio de Cheneviers..... Coimbra.
Jorge de Maubreuil.......... G01 mano.
Paulo de Clienevers........ Lisba.
Edumundo Roger........... Borges.
Beanseant.. i............... Pullo.
Lord Derby................ Porto.
O cavalheiro de Caroche..... Guimaraes.
Elisa de Cheneviers......... D. Maria Ponles.
Malhilde................... D. Autonina.
Baronesa d'Origny.......... D. Camilla.
Convidados, criados etc. etc.
Actualidade.
Terminar o espectculo cora a nova comedia
cm 1 acto:
sni 01 n\o ?
tomam parte os Srs. Lisboa, Santa Rosa. Guima-
raes e D. Mana Poutes.
Comecar s 8 horas.
DE
l'm piano de armarlo, lmohilia a Luiz XV, f dita
oe Jacaranda, 2 cadeiras de batanen, 1 mesa de
costura, 2 camas, 2 armarios, 2 guarda loucas,
2 apparadores, 2 commodas, 1 mesa elstica, 2
candieiros de gaz, 4 casticaes e taniernas, 2 la-
vatorios, 4 quadros com finas gravuras, 2 camas
de ferro, 7 venecianas, 1 apna'rerho de metal pa-
ra cli, 2 espingardas, Iselim inglez, 1 silho e
muitos outros objectos.
O agento Pinto far leilo por corita de rnn es-
trangeiro que vai para a Europa, de todos os ob-
jectos cima mencionad s existentes em rasa de
sua residencia no segundo e terceiro andares do so-
brado da rua da Cruz n. 20.
Principiara as 10 huras.______________^_^_
DE
o pipas e 15 barris com Moho de Lis-
boa S&1", e 9 barris com liiiga'cas.
a !!.-::
O agente Pestaa vender por cotila e risco de
quem pertencer 5 pipas e 15 barris com vinho
tinto de Lisboa e 9 barris ruin liuguicas ein lotes
vontade dos compradores: terca-feira 27 do cor-
rente no largo da alf.imlcga s II horas em ponto.
DE
Saceos com arroz do Haranh, cai\as
com vinho caj, barris com al-
ia I rao.
O agente Pestaa vender para fochamento de
cotilas e por conla c risco de quem pertencer 40
saceos com arroz do Maranhao, 25 barris com at-
catrio da Soeria e 10 oaixas rom vinho de caj,
em lotes a vontade : terca-feira 27 do corrente
pelas 10 horas da manhaa no armazera do Annos
defronie do alfandega. __________
T.iii.%o~
DE
O acedes de romp nina Vigilante.
Quarla-feira 18 de selembro.
O asente Pinto levar notamente pela ultima
vz leilo por despacho e em piTsenca do Illm.
Sr. Dr. juiz de orphos, as 50 acc,5en da rompa-
nina Vigilante pertencentes ao casal de D. Cle-
m-ntina Theodora da Silva, isto s II horas do
dia acuna dito em frenle a Assoeiaco Coramer-
cial. _______________________________
feira semana i
DE
Trastes novos e usados, crys-
taes e outros arfeos.
Quarta-feira 28 do correte s 11 horas.
\o armazen di Vicario n 10
farleili em seo novo armazem na rua do Vi-
gario n. 10, de diversos trastes novos e usados,
relogos de ouro e prata e outros muitos arligus
i|ue esiaro patentes no dia do leilo Do arma ut
da rua do Vigario n. 10.
AYSOS MARTIMOS.
menor inccmt'rtiicn.
PUBLICARES A PEDIDO.
50 arrobas de cabo vclho do linho.
12 costadmhos de pao carga.
2 arrobas de pregos Iraucezes de 2.1(2 pole-
gadas.
1 arroba de ditos ditos do 2 polegadas.
i arroba de ditos ditos de 1 l|2 polegada.
1 arroba de dito* ditos de 1 polegada.
4 libras de ditos ditos de l|2 polegada.
8 libras de ditos ditos de 3|4 de polegada.
Para a colonia militar de Pimeuteiras.
1 livrn itenominado ttitnal.
1 estola (branca e roa).
1 roquete.
1 vaso para os santos leos, de chumbo ou de
Pasiilhas veimifag^s de Kemp.
Todos os mdicos que especialmente se teem de-
dicado cura das molestias das enancas, asseve-
ram qoe as pa-tiihas vermifuya* de Kemo o re-
medio o mais exceiienle e eicaz que at boje tem
sido ronhecida
Aeham-se ellas oxclusivamenie preparadas com
as substancias vegetaes asmis salutferas. O n>u qualquer outro metal,
sabor delicioso, uo ransam nauseas nem dores, 16 libras de ce-a, contendo 12 velas de 1(2 libra
etc., produzem seu enVitn completamente sem que e 30 de 3 em libra.
seja preciso logo immediatameute nsar de ne.nhu- 100 hn>iias.
ma especie de purgantes. 100 partculas.
Tanto as mi> c.miio os propris filhinhns nunca 12 garrafas de vinho branco (puro),
desesperan) deltas, porque se as nnmelras teem Quem quier vender taes objectos aprsente
completa contianca as pastilhas, estes ltimos as suas propostas em carta fechada aa secretaria do
tomam era o maiur i>razer iwssivel. D sde que conselho, s 10 horas da manhaa do dia 28 do cor-
ests adiniraveis o neomparaveis pastiibas foram rente.
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR.
E' esperado dos portos do sul
at o da 30 do corrente o vapor
Apa,\0 qual depois da demora do
cosiume seguir para os portos
do norte.
Desde ja recebem-se passageiros e engaja-se
carga que o vapor poder conduzr, a qual devora
ser embarcada no dia de sua chegada: encom-
mendas e dJnheiro a frete at o dia da sahida s
horas, agencia rua da Cruz n. 1, escriptorio
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo cv C.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Navegado cotelra a vapor
Paraliyba, N idl, Maco, Aracaiy, Cear,
Acaracu' e Granja.
O vapor aguarbe, comman-
dante Lobato, seguir para os por-
tas cima no da 7 de mimbro as
5 horas da tarde Reci-be carga
at o dia 6. Encommcnda?. pas-
sageiros o diuheiro a frete at o dia da sahida
< 3 horas, da tarde : escriptorio no Forte do
Mallos n. 1.
Movis e outros milito* artigo
de gosto.
Quinta-feira 29 do iprreetd.
Xo armazem roa da Ocia. do P<--
cifr a. 48
CORDEIRO SIMKS, aulorisado por atguon
amigos fara lei'o de diversos movis, crvsta-s q
outros muitos artigos de gosto que se torna enfa-
donho mencionar, os quaes estarao patentes no dia
do leilo.
Dar principio o leilo s II horas em ponto.
LEILO
DE
Um rabriolet inglet de 4 rodas com
assciil par 4 pesseas, arreios e
rodas de solr"C<''etes
(Sem limites.)
Cordeles filniSes
vender em leilo e cabrmlet cima mencionado.
Quinta-ftira 29 do corretite
s 11 huras, a porta do armazena da
rua da Cadeia do Recife d. 48.
avisos Dirasus.
Instituto Archeologico e Geo-
graphioo Pernambucano.
Haver sessao ordinaria quiata-feira, S
do corrate, s < i luirs da uuuha.
onleiu d da.
Receptan da Sr. Dr. Francisco de Car-
valho Suares Brandao, oa qualidade de so-
cio effectivo.
Relatnos e trahallios de ounmisses.
Secretaria do Instituto ib de setembro
de 1864.
J. Soares d'Azevedr
Secretario perpetuo.
\
<


i
es
t




Plari
k e iersiaiboo "- fer^a le ira de Mli'iuJuu de _*_.
O diminuto preco de 6# porijae se assig-
na o dosso Diario, dfre ser pago dentro
de 15 das, do comeco do trimestre, ou a
60 depois desla poca, devendo aquellos de
no-sos assianantes a quem nao agradaren)
estas condices, avisar cm tempo para Mies
er suspensa a remessa, e assim poupa-
rem-uos contestacoes continuadas sobre os
pagamentos, e dentidade dos nossos cobra-
dores, como milites allegara. A apresenta-
cao de recibo por nos rubricados, eleve ser-
vir aos assignantes de documento compro-
batorio da identidade dos cobradores que
sao diversos, afin de poderem conseguir
encontrar os nossos assignantes as horas
vagas de suas oceupacocs.
LIVR4RI4 MMM\.
Aos10:0Ou$OQ.
Corre lio je.
Terca-feira 27 do corrente mez, se ex-
trahir a segunda parte da primeira lotera
(109a) a beneficio da igrt-jade Santa Rita
desta cidade, no consistorio da igreja de
Nossa Senhora do Rosario da freguem de
Santo Antonio.
Os bilhetes, meios e quartos arham-se
*enda na respectiva tbesouraria ra do
Oespe n. 15.
Os premios de 10:000^000 at 20*000
sero pagos urna hora depois da extraccao
at s 4 horas da tarde, e os outros no dia
seguinte depois da distribuico das listas.
Servindo de thesoureiro,
Jos Rodrigues de Souza.
Precisa-se de urna ama forra uuescrava para
casa de familia, que saiba cosiuhar e comprar : a
K'ttar na ra do Pires n. 24.
ffik DA FOHilM
AOS lOtOOO.OOO
Bilhetes garantidos
&' roa do Crespo n. 23 e casas do cosame
O abano assignado vendeu nos seas muito feli-
ces bilhetes garantidos da loleria que so acabou
do extrahir a beneficio do thcatro de Santa Isa-
toel, os seguales premios:
N. 3:i0.l bilhete inteiro com 10:0005000
N. 1785 dous quartos com 2:0003000
N. 214 um meio com 5003003
E outras militas de 203J, 1003, 404 e 2)3.
Os possuidores podein vir receber sem os des-
cornos das leis na Casa da Fortuna ra do Cres-
po n. 23.
Acham-sc venda os da segunda parte da pri-
meira lotera a beneficio da igreja de Santa Rita
de Cassia, que se exlrahir ua terca-feira 27 do
corrente mez.
Preces.
Bilhetes inteiros..... 123000
Meios......... 63000
Quartos........ 33000
Para as pessoas que eomprarem
de 1003 para cima.
Bilhetes........ 113000
Meios......... 53300
Quartos........ 23750
Manad Martins Fiuza
RA DO CRESPO N. 2.
DEFRONTE DO ARCO DE SANTO ANTONIO.
Obras iltimamente recebMas.
JURISPRUDENCIA.
Consultor forense por Carlos Antonio Cor-
deiro, 4 volumes............303000
Tambem se vende cada volume separado 8000
Manual dos juizes do direito, nu attribui-
coes e deveres destas autoridades ..
Pnineiras linhas sobre o processo crimi-
nal por J. B. da Cunta, 2 volumes .
Nova guia dos juizes municipaes e or-
phaos por J. M. P. de Vasconcellos .
Novo advogado do povo ou arte de reque-
rer em juizo.....,.......
Roleiro dos collectores, nova ediciio muito
augmentada............
Novissjmo manual dos tahclliaes ou col-
lecgao dos actos, attribuicoes e deveres
destes funecionarios.......... 63000 :,,
O advogado coumrKul ou arto de reque-
rer no juizo commercial.......
ndice alphabetico de materias, as quaes
tem applicaco legislacao patria pro-
mulgada ateo anno do 1857, coordena-
do pelo desembargador Joo Joaquim
da Silva .
53OOO
143000
83000
43OOO
SALSA PiRRILIU OE WRil.
Transckkvemos arjui alguns
dos muitos attestados que temos
recebido das virtudes da salsa
parrilha do De. Ayer.
llheumatismo.
DK JOO JOSK DOS SANTOS.
Ouro Preto.
t Soffri rheumatismo por mui-
tas vezes, e vendo annunciado
em um jornal d'esta cidade a
Salsa parrilha de Dr. Ayer, re-
, soivi-me a comprar um frasco e fazer uso
6^000d'ella ; e antes de concluir o primeiro fras-
co, achei-me forte e sem sentir a mais leve
! dr nos joelhos; a parte do corpo que cs-
affeclada d'esse terrivel encommodo
43000! Que roubou-me tantas noites do somao.
Erupees, borbnlhas, pstulas,
nlceras, e todas as molestias
da pelle.
DO SR. JOO PAULA DE ABREU E SOVZA.
I23OOO

Amonio de Almeida Gomes manda celc-
hrar umi missap.raima do seu fallecido
amigo o d_Re de divisio Jos Mirla Ferr^i-
ra, amanha 2S do corrente, pelas 7 1(2
horas di manhaa, na igreja do Corpo Santo
e convida aos seus amigos o igualmente aos
do fallecido, para a ella assistirem
Slns da nn Nova
Joao da Rocha e Silva, autorizado para vender
os solos da ra Nova desta cidade nao tendo ap-
pareeido os proprietario- das casas para effectuar
dita venda, avisa aos interessados que s at o liin
do mez ter lugar semelhante vend com o abat*
meritoria quinta parte e depois ser vendido en-
gloliadani'-nt'' a quem mais off-recer.
V
Decio de Aqnino Fonsca convida aos
seos amigos e aos do seu finado amigo o
chefe de divisan e capillo do porto desta pro-
vincia Jos Mana Ferreira, para assistirem
a urna missa que manda celebrar na capella
do cemiterio publico, quarta-feira 28 do cor-
rente s 7 horas da manhaa, pelo descanso
eterno da alma do Ilustre finado, protestan-
do sua gratido por essa prova de amisado
e religiao.
Alem destas receberam-se mais obras de sum-! Ra de S. Pedro.Rio de Janeiro.
10 interesse, para os senhores juizes, advogados Soffria a mais de dous annos de urna
solicitadores, etc., etc.
MUDABA
DE
ESTABELEGIMEiXTO.
0 ageilte OlympiO mildOU nos primeiros das a entpco aggravou-se
erupcao sypliililica em todo o corpo, mos-
trndole sempre com mais violencia na ca-
ra, prove muitos medicamentos < consullei
muitos mdicos, e estava quasi desanimado
quando vi os annuncios da Salsa parrilha
do Dr. Ayer: comecei a fazer uso d'ella e
Pnbllcaeo Utterarts.
Sabio luz o opsculo intitulado
A UOtSRIHIH
BRASIL
l'OU
Affonso de Albuipnrijue Mello
Convidam-se os assignantes a mandaren) receber
seus ejemplares na praca da Independencia ns. 6
e 8, que sern entregues vista dos recibos das as-
ignaturas ; alii lamhem eslao exposlos venda a
8*000 cada um. Sao sob os seguimos ttulos as
materias de que se oceupa:
introdcelo. Nocao da liberdade. O Brasil co-
lonia. Revolucao de 1817A Independencia A
constitulnteAconstiluicioA revolucao de 1824. j
A expulsao ou abdicagao. A regencia livre. O
partido regressista.-Ameasa dos corcundas e que-
da dos livres. A regencia corcunda.Causa dos
males da regencia livre. Regencia corcunda e
maioridade. Principios do reinado de D. Pedro.-
Revolta de Minas e S. Paulo. Dominio da Praia
Luzia.O dominio liberal nao inquietava os cor-
cundas.-Feitos do dominio liberal. -A praiaeChi-
chorrosenatoria.A revolta o a revolucao de
1848 A constituiute.-A constiluinle.- Derrota
da revolucao. Negociayao de Honorio com os libe-
raes :traidores. Veuda da bandeira da cons-
tiluinle. O partido liberal durante osquatorze an-
nos do chamado ostracismo. Os corcundas e os
liberaos durante os quatorzo annos.Captiveiro re-
signado c voluntario dos liberaos durante os qua-
torze annos.0 povo corcunda, ou os verrnelhos e
os sabios.A siluaclo propriaiuenle poltica.Ins-
tituicoes livres, c direitos polticos que tivemos
at lim da regencia livre, e o que actualmente
Aloga-sr ama easa em Beberibe : a tratar;
com J. I. V. Reg, ua ra do Trapiche n. ''t.
..fllilill
Compaubla udelldade de ^
seguros martimos e ter-
restres estabelecida no
Rio de Ianeiro.
AOKftTES KM PEF.WAMBCCO
Antonio Loiz de Oliveira Awvedo 1 C,
competentemente autorisados pela direc-
tora da coinpan'nia de seguros Fidelida-
de, tomam seguros de navios, mercado-
ras e predios no sea escriptorio ra da
Cruz n i.
Aluga-je a easa n. 40 da rus das Trinchei-
W na ra da Aurora n. M.
Na livraria n. 6 e 8 da praca da Inde-
pendencia existe una carta de importancia
para o Sr. Antonio Fernandes Corredor.
Francisca Augusto ta Cosa
3ml AliVOCADO
Ra do Imperador numero 60.
SS5
lOlKle pretende COlltlllUir 0i sor de medicina y ciuuiuia, subdelegado acUcntella do governo para sustentar-se 0 impe-
f.ivar* anifl Anima amiviniAC em ambas as facultades del sesto dis- rio corcunda. O procnsul.-O proconsuj jla co-
OZUI aililcs lUliao SClllauat/O i THICT0__Habana Imarca. Dos careos, oos crimes e da punijao.A
e espera ter amesma con- iCeriitoo^i^if^:BSl^^
PlirPPUP flAAll PnmmttATI-!/a M Dr- Aye''' y f? ,dePurallvo T D" mer,-i0--Supremo Tribunal de JuMica-O jury.-
L/UIICllbl<*U.OcU.a WUMU.IWJUL tenido de ella los mas felices resultados en Os advogados.-Conclusao.-Garanta dos direitos.
Aindaest para alugar-se a boa casa
terrea n. 39 : ra da Uuio.
K5
O Dr. Rocha Bastos mudou a sua re-
sidencia para o caes Vinte c Dous de No-
vmbro n. 7, porcimado Bilhar dos Arcos.
Precisa-se fallar ao Sr. Antonio Jos
Teixeira de Mendonca Belem: nesta tvpo-
graphia, ou na livraria ns. 0 e 8 da praca da
Independencia.
DENTISTA DE PARS 1
19Ra Nova-19
Frederico Gautier, cirurgiao dentista,
faz todas as operacoes de sua arte, e col-
loca dentes arti rimes, tudo com superio-
ridade e perfeicao, que as pessoas enten-
didas lhe reconheeem.
Tem agua e pos denuncio.
mmjmmmmjKm
0 Dr. Eocka Bastos
M pude ser procurado d^s7horas da manbaa 3
IQI ao meio da, e das') horas da tarde 1
Wr em diante no
m
m
Caes 8 de .\oveircbro n. 30
(Pon CIMA DO IIILIIAR DOS ARCOs.)
De meio dia s .' horas da tarde
\. 9 Una da Cruz X. 9.
Cu.a radical e em poui-os das as ino-
m
m
^ uiua rauca e em pouios fwsas mo- (
>R leslias syphiliticas e as do appareluo ge- 9R
)* Dito-urinario. "
Precisa-se de dous hoafem que emendara do
servido de copeiro : na ra da Aurora n. 32.
Aluga-se ou vndese a ularia dos CoelJios n.
5, onde esleve o Sr. Manuel Serra, o caes passa na
frente, tica em muito tiom local para quem quizer
edificar, ou noesnio para quem qneira por alguma
lundicfm : a tratar ua ra Direita n. 22, refina^o
de Francisco Jo.- de Araujo.
wBSm
tes e amigos.
Ra da Vigario n 10.
los casos de ulcera crnica, como asi mismo
ensayado las Pildoras catrticas del mismo
autor y las considero como um purgante,
-Pede-seaoscredoresdTTodae qualquer na- cuya accin ademas de ser segura, ha sido
tureza de Jos Ignacio do Val que outr'ora tinha muy eficaz en el tratamento de las enrermi-
taberna na Capanga, que aprsente seus ttulos dades que exsigeu el uso de los purgantes,
ou contas na ra da Madre de Dos armazem de v no V;1C|0 en recomendar estas preparacio-
.ibeiro Braga em liquidag, no P-^de^dias ^^ ^ fm puedan convenir
doy la presente en Regla a 7 de Seliembie
-----------------------------! de 1860.
Don. Jos V. Herrera.
Escrfula.
ATTESTADO DO ILLM. Sil. FRANCISCO FERRAZ
dos Santos.Ouro t'rto.
a contar desta data
18G
*,
da Cadeia do
A na
Precisa-se de urna ama na ra
Recife n. 50, para cozinhar. ________
Prec>a-se de urna ama para o servico inter-
no e externo de urna casa : na ra larga do Rosa-
no n. 37.
Amoral publica.Dos crimes.As eleicoes.:
Corollario da obra saquarema. O que a pa-
tria. Siluagio para com o exterior.- Situacao*j
fmanceira. As (naneas do estado.-A miseria |
Perigo e salvamento dos corcundas.A liga.
Como se congregara os elementos para ella.Con-
sideracoes retrospectivas. A constitunte._ Prepa-
res antecedentes. Conciliaco e opposigao parla-
mentar.Monta a liu'a.O (jue sao os liberaes na
liga.Que bera fariio os liberaes ao paiz.O pro-
gr'esso- Seus feitos.O que o progresso e que
far.Como se de ve vi ver nesLi trra eebegada
ao progresso.Porque o progresso s vem com-
pletar nossas desgracas e sem mais remedio.Se
ha salvacao para nos qual seria o meio e bem fa-
xil. -Kes'nmo. -A's cinco provincias pernambuca-
nas. Histrico e poltica corcunda. De que. pro-
vm a miseria. Como se corrompe na eleieao.A
Precisa-se de urna criada livre ou escrava
que saiba cozinhar e engommar : na ra das Cruz
u. 42, primeiro andar.
Naques sobre 1'ortngal. jgj
O abaixo assignado, autorizado pelo
Banco Mercantil 'ortuense. e na ausencia
do Sr. Joaqnim da Silva Castro, saca ef-
fectivameiite por todos os paquetes sobre
as pracas de Lisboa e Porto, e mais luga-
res do reino, por qualquer somma vis-
ta, e a praso ; podendo, os que tomarem
saques a praso.receberem avista, no mes-
Dio Banco, descontando 4 0|0 ao anno: na
loja de chapos da ra do Crespo n. C, ou
na ra do Imperador n. 63, segundo an-
dar.Jos Joaquim da Costa Maia.
figl O Dr caelauo Xavier Pereira
^i de lcito, contina a residir na
I praca da Boa-Vista n. 22, onde
pode ser procurado qualquer
hora do dia, ou da noite, para os
|| clisteres de sua profisso de rae-
l ll'c0'
Contina a fazer a sua especia-
lidade em partos,
A tencao
imam
Aluga-se a casa junto ao sr. capitao
Portir-o ao pe* da ponte do Sr. Star, com
muito boas accommodacoes para familia
prec-j 305 : a fallar com Jos Gongalves
Ferreira t osla, em Sanio Amaro, o mes-
mo tem urna outra de 13.5, na travessa
do Lima.
reme.
Me acllO ha quasi dous annos allectauo restrigao da liberdade apar do progresso da inimo-
de escrfulas, c tendo soffrido tanto que al- j rahdade. Corollario.__________________
guias vezes quasi que diego a desanimar. Vire-consulado d- llcspauhii.
da vida e maldizer da minha infeliz sorte; avendo fallecido o subdito hespanhol Beuto
tenho sido tratado por muitos mdicos d'es-
ta cidade, e nenltum pode vencer a tenaci-
dade. de minha molestia, estava sem espe-
ranzas de recobrar a miaba saude : quando
ltimamente resolv fazer uso da Salsa par-
rilha do Dr. Ayer. Completam-se boje
trila e sete dias que comecei com csic
sanie remedio, e tantas melhoras tenho
Antonio Coutinho, sao convidados todos os seus
devednres e credores a apresentarem neste vice-
consulado os respectivos ttulos para proceder-se
liquidacao d* seu espolio____________.________
Sant-Clalr
das i i lias ou os desterrados na ilha da Barra, ro-
mance digno de ser lido pelas senhoras por seus
lances interessanles postos em exeengao por um:;
senhora, 3 volumes cm brochnra a i& : na livra-
Trapiche n. 18.
Sorvete de reme hoje ao meio dia : na ra do sentido que tenho convicio de em breve na ns. 6 c 8 da praca da Independencia.----------_
minha saude, perdida lia tanto' ^luga-se urna loja em lugar muito propno
para negocio : a tratar na typographia do padre
: Lcraos, defronle do convento de S. Francisco.
Precisa-se de 0005 sol bypotheca em um es-
, cravo : na ra das Triuclieiras n. 4S.
do -
IIM4 m mu
Precisase de urna ama rte leite, moca e sem ti-
llios : na rna Augusta n. :"'G. sobrado.
Ao Sr. Joo Luiz Gonculves, que acrescen-
touViannase faz cerlo que na cidade do Ico
j existe ha muitos annos o Sr. Joo Luiz Goncal-
ves Vianna, negociante e tem tr:n-ac;;oes com a
praca de Pemambuco aonde muito conhecido e
tem amigos; veja o Sr. novo Vianna se isto pode
compbcar os seus negocios com os do Si*, antigo
Vianna.
Precisa-se alugar um escravo ou escrava pa-
ra vender na ra, bem como urna ama escrava ou
forra fiara comprar e cozinhar para casa de peque
na familia : quem pretender, dirija-se a ra do
Vinario n. II, prin-eiro andar._______________
Joao LuizGoncalves Vianna laz publico que
lira sem effeito a compra da taberna sita na ra
da Guia n. 44, pertencente ao Sr. Joao Manoel Al-
ves de Azevedo.
recobrar a
tempo.
Myphlls e molestias merruriaes.
Do Illm. Si\. Dn. Jackson.
Medico muito conhecido nos provincia
sul do Brasil.
Tenho receitado a Salsa parrlA
Dr. Ayer nos casos mais invetera*'
Syphihs constitucional e sempre con
mais felizes resultados ; o melhor a..
. i quarto-, estribara, corheira, casa para pietos, ca-
te que contieco. i : cimba com bomba, tanque, jardim e muitas arvo-
E.eiieorrha c ores ni*aneis. res de fructo, banheiro, banbo de choque, .-endo a
Temos cartas em que nos conlarn casos frente pera o largo da igreja e o fundo para o no :
inveterados que foram radicalmente .urados a tratar na roa Me Apollo n. i, segoado anda
com uin ou dous frascos d'esta Su
rillia.
Precisa-se alagar urna ama para o servicio
interno e exierno de urna casa de pequea fami-
lia : a tratar em Pora de Porta*, ra dos Guira-
rapes n. 18, sobradode um andar.___________
Aluga-se urna boa casa e sitio no Monleiro,
lendp 3 salas, C quartos, cozinha e suto com 3
:a par- Pi-f risa se alugar n'urua das ras
Nova, o Imperador ou do Crespo (pre-
0 espaco nao nos permuto transcrever .. ma,0, vas_
lodosos atlestados que possuimos das vir- WfJ* ** J ? \ \-'J,L
ludes .reste extrato composto de Salsa t, clara e de 3 a i piulas; dingir-sc
. parrilha do Dr Ayer, liasta delarar ao jarda do Lrespv B. 4, loja do Sr. ral-
- Precisa-se alugar um preto ou moleque para publico que tem Sido embregado ha mais a\m.
lz,de vinte annos pela profisso medica tanto m^MMMMMWi WtBtWMi~
das Americas como da Europa, sem nunca
2Z l
O
(=
O
o
i


=0
o
o p-p p-
pj ^^
o po ffe
W B p
s
i i
a P5- p-
O y
QO 00 c-t-
GO P-GO
P
O
*3
M
QQ
P-
M
o
p-
P
/.
<3>
cx> ii
C3
p-
c-+-
cr-
P
CTD
B
p
o
p
p-
V5
00
p-
|
S
Os herdeiros do fallecido Feliciano Angosto de
Vasconcellos, vendein a casa c sitio que ca no
ngulo do norte formado pelas mas da Trempe e
Mondegn na Boa-Vista n. zi, o qual alm de bas-
tantemente plantado de arveres fructferas como
laranjas de urabigo, selecta, sapots, sapotas, fruc-
la-pao e nutras arvores diversas, possue terreno*
proprios |iara edificaces particularee, arhando-se
os que Acara na ra do Mondego cora solidos e-ce-
ferados alicerces : quera pretender dinja-se
a Hypolilo Carvalho de Vasconcellos Altmquerque
Maranhaoque possue a planta da mesma |jro-
priedade._________________________________._
TINTURARA.
As pessoas que teem obras tintas na tinturarit
da ra do Rangel n. 38, lenham a bondade de a
vir tirar at o fim do corrente mez, do contrario
Serlo vendidas para o real embolso da tiulura,
- Alugam-se o segundo e lerceiro andares
casa da ra da Cadeia do Recife n. 1 : a tratar oo
armazem da mesma.
Na praca da Independencia, loja de ourives
n. 33, compram-se obras de ouro, prata c ped6
preciosas, assim como so faz qualquer obra de en-
coramenda, e tudo e qualquer concert.________
Morada.
Permuta-se por um siti? que tetina bastantes
proporcoes para plantaran ferio da praca um so-
brado de 2 andares eral sotao e 2 frentes em urna
das melhores na* do bairro de Santo Antonio, o
qual rende annualmento 1:3005 : a tratar com o
agente de leiloes O.ympio no armazem da ra do
Vigario n. 10.__________________
numero i. ______________________
Imi'.'.i im iba ~2i ib crrente o preto Manoel,
Congo, de idade de 70 annos, levou camisa de al-, desmentir a sua alta repulacao.
godao de listras, calca do casemira de qnadrinhos, -------
chapeo de paiiia, tem a* pernas arqueadas, urna Para a cura radical de escrfulas e affccees
marca de listra em um braco, d bem conhecido
pr ter sido do Sr. Francisco Lina Paes Brrelo,
senhor do engenho Arandepe : roga-se s autori-
dades policiaes e capitaes de campo a apprehenao
e entrgalo no pateo da Santa Cruz n. 4, que se
era tincar.
SOCIElADE
TINIAO BENEFICENTE
MARTIMA
'or ordem do Sr. presidente sao convidados to-
'- soubores socios uara assembla geral no dia
-'-bjira30 do corrate, pelas 1|2 horas da tar-
O &aVi" de suas sessoes, para Ibes ser apresen-
'.,.do o estado a -me-ma, e atim de ser empossada
'. nova directora. Previn^-se ainda aos senhores
soefts qne nao se pozeram quites, qne lhe mar-
Mdo o praso le o fazerem at esse dia, sob pena
de incorrerem no an. 12 3" dos estatutos, e para
que se nao chamem a ignorancia se faz o presente
aviso.
Secretaria da Sociedade Unio BeneQccntc Ma-
riliina. 2i de setemon do H&'i.
Ballhazar Jos dos Reis.
Io secretario.
Iriaaudalc de ^osa Scnhara do Rosa-
rio do (?# Santo.
Convido a todos os nossos irmaos coraparece-
rem no consistorio no dia 27 do corrente, as 4 ho-
ras da tard*, afino de eleger-se a nova mesa que
?im de dirigir a irmandade no anno do 1864
MSOS.O escrivao,
Antonio Jos Coimbra Guirnaraes.
Aviso aos incautos.
Antonio Isaas de Sooza, ex 2 sargento do bata-
1hao de infantaria n. 9, hoje cabo do batalhao da
mesraa arma n. 2, qneira vir em urna taberna pa-
itar a quantia de 9460, quo em cuja deve, antes
que passe de novo a 2o sargento, como gaha-se,
fiara ponpar o credor o tratoalho de ir diariamente
ao quartel, do contrario farei com mais especia-
dade.
Auga-se urna escrava para todo o servido de
urna casa : na roa da Cadeia Nova n. 13 ; e lam-
bem se vende a mesma.
Aluga-se urna casa acabada e pintada de no-
vo, com bastantes commodos e arvoredos, sita no
Cachang : na rna do Queimado, loja_n. 14.____
Precisa-so de nma pe>soa de 14 a 18 annos
de idade que qnrtra i/ ser caixeiro em Gmelleira
irosimo va twrea, que d conheoiiflento de sua
loja de calcado. r
escrofulos, syplrilis e molestias syphi-
lilicas, ulceras, l'eridas, cliaas,
erupces cutneas e todo c
qualquer incommodo que
provea d'um estado
impuro de sangue,
TOMKM A
alsa i*Alia:ii.na di: avb:ti.
A' venda na ra Direita, ns. l, e 7fi;
- Aluga-se urna casa abarracada na povoarao A OaimiAa n Kl nnn da Consti-
do Monteiro c contigua ao sobrado que foi do Sr. guitana n. DI piara ua wh
Siqueira, tendo a dita casa terraco, quintal, cacira- tutcao, n. 30 e Hospicio, n. 40. b na
ba fra, estribara, quartos para escravos, e sabida principaCS pliarmat'ias c drogaras do im-
paraorio: quem o pretender, dirija-se a ra es- qerQ.
Vende-se em Pernambuco:
Precisa-se alugar urna escrava que saiba co-
zinhar bem : na ru* do Crespo n. 23.__________
Precisa-se de um caixeiro para padaria que
tenha pratica : na ra Imperial, padaria o. 51.
: trena do Rosario n. 28.
Pede-so ao Sr. thesoureiro e aos senhores
cambistas para que nao pague qualquer premio;
que por acaso saia no quarto n. 3043 da lotera
que se extrahir hoje 27, seno aos abaixo assig- .
nados.Lourenco Justiniano.Joao Romao._____
Aluga-se um moleque do 10 a 11 annos de
idade, proprio para servir mesa ou acompanhar
meninos para a escola : na camboa do Carmo nu-
mero 23.____________________________________
Oiferecem-se duas mulheres para ama de
casa de pouca familia : na travessa das Flores nu-
mero 8.
na pharntacia franceza de
P. MAURER & C.
RA NOVA N. 18.
O advocado Inuocencio seraphico de
Assis Carvalho acha-se de novo no exer-
ciclo de sua profisso, pode ser procura-
do das 10 l|2 horas da manhaa at s 3
da tarde, na ra do Imperador n. 50,
primeiro andar, e para negocio urgente
a qualquer hora do dia.
ESTRADA DE FERRO
DO
Recife i Silo Francisco.
Pela respectiva superintendencia se faz publico
que e mentes ou paos para fazer (tormentes, dos quaes
precisara dentro do periodo limitado. __
Para designacao das madeiras, li^acao de proco
e mais detalhes, dirijam-se os proponentes ao Sr.
Lima engeuheiro presidente interino cm liarbalho,
villa do .Cabo, a qualquer hora.
B. Austin,
Siiperinleudente intorino._____
D-sc para residir em um sitio perto desla cida-
de. sem a menor paga, a urna pessoa de pouca fa-
milia, e qui- o couhecimeuio do sua boa conduc-
ta, com a condic.io de tratar dos arvoredos qoe
exstem no mesu.o sitio, concertar as cercas do
mesmo, c dando conta de todos os objectos que lhe
forem entregues ao entrar para o mesmo sitio
quando queira o seu proprietario, podendo fazer a
(ilantaiTio que lhe convier o desfrucla-la durante r>
tempo que no mesmo sino esiiver por conscnli-
mento do seu proprietario, ou pessoa por elle ati-
, torisada, nao podendo quando sabir do mesmo si
tio or sua vontado ou despedido por seu proprie-
l tao ou por sua autorisaciio, pedir o menor paga-
: ment por qualquer plautacao que deixar, ou por
I qualquer trabalho que o tenha foito, ou niesm
como pasa de ter estado no mesmo sitio : quem
pois assim o queira, dirija-se ao sobrado da ra da
S. Francisco n. 10, com documento, provaodo a
sua boa conducta.
N. 11. A c;i Aluga-se um sobrado de um andar e sotao
na ra de S. Rom Jess das Crioulas n. 3o, um so-
tao na travessa da Bomba n. 8. e urna casa nova
na Capunga de varios commodos : a tratar no pa-
teo da matriz de Santo Antonio ti. 8.
tm.IMM.iM9
Precisa-se de urna ama que saiba engommar,
lavar e cozinhar, para casa de pouca familia : na
ra da Cadeia n. SI, loja da Primavera._______
COMPRAS.
sita na ra
AtteiiQao.
O abaixo assignado declara ao Sr. Jos Daniel
Carneiro da Cunha que a casa terrea
da Au
nhor
Cunha, e por isso tenho direito de annullar a ven-
da : todava eston prompto para fazer algum ar-
O deposito de paz que existe na ra do Vigario
n C, acha-se transferido para a ra da Cruz n. 35,
onde contina a vender o superior gaz americano
retinado a 400 rs a garrafa, e a 10 a lata de cin-
co galoes._____________________________
Antonio Joaquim de Mello advoca no civel e
crime, e perante os jurados; c gratuitamente aos
pobres: na ra do Imperador n. 14, das 8 horas
da manhaa s 2 da tarde._____________________
Precisa-se alugar urna preta que sirva para
comprar o preciso de tima casa do pouca familia,
e que saiba vender na ra : quem tiver, dirija-se
a ruado Palacio do Rispo, primeiro porlao do lado
esquerdo ao entrar pela ra dos Pires.________
l)eseja-se fallar com o Sr. Theodoro Jos Pe-
reira Tavares, morador era Pedias de Fogo : na
ra do Vigario n. 5
Antonio Luiz de Oliveira
vedo & C
Agente- do Banco luio do Poi lo.
Competentemente autorisados sacam por tod o
os paquetes sobre o mesmo Banco para o Porto s
Lisboa, epara as seguintes agencias.
Londres sobre Ranh of London.
Azc-.
Compra-se ouro. e prata cm obras velhas
dapa-se bem: na loja de bilhetes da praca da Inde
peudenqa n. ,(
- Precisa-se de unj hornera que queira assen- ranj0 ainda mesmo com algum preiio.
tar praca por outro soldado que pretende sahir do
exercito; o terapo que tem de servir sao apenas I
tres annos e meio : quem se jalgar nesta* cir-
constancias, dirija-se a ra do Rosario da Roa-Vis-
ta n. 33 para se tratar do competente ajuste. |
Aluga-se o primeiro andar do sobrado n. 29
do paleo do Paraizo : a tratar na ra da Roda nu-
mero 17. t
Precisa-se de urna ama livre ou escrava para
casa de pouca familia, para cozinhar, comprar al-
guma cousa e engommar, preere-se escrava : na
ra larga do Rosario n. 38, primeiro andar.
Precisa se de urna criada portugueza, de
bons costamos, para o servico interno de urna
casa de familia, pagando-se-lhe bom ordenado, e
dando-se-lhe bom tratamento : na ra do Impera-
dor n. 38, segundo andar, ou no cartorio do tabel-
liao Alnvida na mesraa rna.___________________ !
Qaeni se adiar com direito a um bah que
exista em Lisboa, no poder da viuva do finado
Deliran dos Anjos Teixeira, dirija-se ao primeiro
an lar da ra da Cadeia n. 64.________________
Precisa-se alugar um preto com pratica de
padaria ou sem ella : na ra do Rangel n. 9.
Quera precisar de urna criada portugueza
para casa de familia procure na ra do Apollo n.
4, primeiro andar.____________________
Urna pessoa competentemente habilitada se
offerecc para ensinar em algum engenho primei-
ras lettras, grammatica, arilhmetica e msica :
quem pretender dirija-se ra do Rangel n. 17,
casa de relojoeiro. _____________________
Es' para alugar-se um excellente armazem
iurora da "freguezia da Boa-Vista lhe est pe.- j n ra dos Gnararap-s, proprio para um estabele-
ada, como se v no cartorio do Sr. escrivao cimento de padaria ou n-finacao por ter um gran-
de telheiro e urna excellente charnln, que tudo se
aluga por preco commodo: a tratar na ruados
Guararapes n. 78.
Marcelino Jos Lopes.
M. Bemol retira-se para Francia.
O Dr. Cosme de S Pereira conti-
na a residir na ra da Cruz n. 53,
Io e 2o andar, onde pode ser procu-
rado para o exercicio de sua profis-
so medica, e com especialidade
sobre o seguinte
Io molestias de olhos;
2* de peito:
3o dos orgos geuiti
urinarios.
Em seu escriptorio os doentes se-
ro examinados na ordem de suas
entradas comecando o trabalho pelos
doentes de olhos.
Dar consultas todos os dias d si
6 as 10 da manhaa, menos nos do-
mingos.
Praticar toda e qualquer opera-
co que julgar conveniente para o
prompto restabelecimento dos seos
doents.
Aluga-se um moleque de 14 annos de idade,
muito fiel e muito diligente : quem quizer, dirija-
se praga da Boa Vista, sobrado da esquina que
volta para a ra do Arago, primeiro andar.
Quem precisar de urna mulher portugueza
para ama de urna sala, pode dirigir-se a ra da
enzala Velhan 110, que achara com quem tratar.
Aluga-se o terceiro andar do sobrado n. 37
da ra do Amorim : a tratar na rna da Cadeia n.
62, segunde andar.________________________
Aluga-se o quarto andar do sobrado n 19 da
ra Nova : a tratar na ra da Cadeia n. 62, se-
gundo rndar.
Ama.
Preclsa-se de urna ama para casa de pouca fa-
milia, e que se sujeile a lodo o servigo de casa :
na ra do Qneiraado n. 39, primeiro andar.
~Prcisa-se de urna cosinheira para urna casa
estrangeira de pouca familia, prefere-se captiva :
a tratar na rna da Cruz armazem n. 38
Frederc S. Ballin & C.
Joo Gabe & Filho.
Francisco Rahoba & Ballista.
Jaime Meric.
Crdito commercial.
Gonzalo Segoria.
M. Perera Y. Hijos.
Em Portugal.
Compra-se cobre velho : na ra do Brum nu-
mero 78._________________________
Compra-se efectivamente
ouro e prata em obras velhas pagando-se bem :
ua roa larga do Rosario n. 24, loja de onrives.
__Compra-se a obra de Tocologa Moral do
bispo Montes, 3a edico : quem tiver annuncie.
Paris
Hamburgo
Barcellona
Madrid
Cdiz
Sevilha
Valencia
Em Pe
Amarantes. Angra Terceira.
Arcos de Val de Caminha.
Vez. Casiello Branco.
Aveiro. Chaves.
Bajcellos. Coimbra.
Bastos. Covilha.
Beja. Elvas.
Braga. Extremos.
Braganca. Evora.
Faro. Fafe.
Oliveira d'Aze- Pinhal.
meis. Porto-alegre.
Penafiel. Thomar. Vianna do (
Tavira. Villa Nova do
Villa do Conde. Porlioio.
Villa Real de Vizeu.
S. Antonio. Faial.
No IMPERIO.
Bahia. Maranhao.
Rio do Janeiro. Para.
Qualquer somma prazo ou vista.podendo logo
os saques prazo serem descontados no mesmo
Banco a razo de 4 por cento ao anno : a tratar
na raa da Crnz n. 1.________________________
~ Urna parda que nao e muito moga, com pra-
tica de servigo de ama, se offerece para easa de
homem solteiro ou de peuca familia : na ra do
Senhor Bom Jess das f.rioulas n. 36. _________
Na ra da Roda n. 6 continua-se a mandar
comida para fra, incumbe-se de tudo, aceita qual-
quer eocommenda por prego razoavel: na mesma
casa aluga-se a casa terrea da ra Imperial nume-
ro 270._________________ _.__
CMPRA-SE
Figueira.
Guarda.^
Guirnaraes.
Lagoa.
Lagos.
LamegG.
Leiria.
Mongo.
Moncorva.
Regoa.
Setubal.
Vianna do
tello.
Villa Real.
Madeira.
S. Miguel.
urna negra de bonita figura, que saiba lavar, eu-
gommar e coser bem, e cuja idade nao exceda a
25 annos, agradando paga-se bem : a tratar no es-
criptorio de Manoel Ignacio de Oliveira & Filro.
largo do Corpo Santo n. 10-___________________,
GARUFiS
Compram-se garrafas vasias : na ra do lmpc-
rador n. 57, armazem Allianca.________________
< ompram-se
duas cscravas que sejam ainda wvns, srii-
bam engommar com perfeicao, cosinhe e la-
vem ruupa de varrela: quem as tiver e qui-
zer vender dirija-se ra do Imperador n.
j 38, segundo andar.
LilteraiBra.
Compra-se o Oslensor Brasileiro : na ra do Ca-
bug n. 10. _________________________
Crrelos Mercantis.
Na ra do Queimado sobrado n. 29 compra-se os
seguintes numeres do Comi Mercantil do corren-
te anno : ns. 6, 19, 21 e 22 do mez de Janeiro ; n-
53 do mez de fevereiro; ns. 6, 07, 68, 82, 83 e 87
: do mez de margo ; n. 188 de junho ; ns. 186 e 2t
: de julno ; e ns. 231 e 240 de agosto.
--------------~
VENDAS.
Aluga-se urna easa terrea na
n. 27G : a tratar no largo de S. Pedro n.
Albino Jos Ferreira da Cunha-
Precisa-se alugar urna preta que saiba cozi-
nhar e engommar, e um preto que se preste a car-
regar agua e fazer compras na ra : na ra larga
ra Imperial do Rosario n. 28, segundo andar._____________
17,
com
Precisa-se de um caixeiro para um armazem
do molhados, que seja inteligente e cumpra em lu-
do com seus deveres, excedrado de 23 annos, e
Aluga-se urna casa meia agua com sotao sita
na rna de Hortas n. 33 : a tratar na ra da Praia qne d provas de bom comportamento, tendo estes
i n 29. I predicados, dirija-se a ra do Imperador n. 46.
Precisa-se comprar orna veneziana nova ou
usada porm em pnrfeito estado e que tenha 6 1|2
palmos de largo e 10 de altura : na ra do Crespo
n. 4, fabrica de chapos_de sol.____________
_" No escriptorio de Piiraeira 4 Beltrao no
largo do Corpo Santo n. 4, lera cartas para o Sr.
Eduardo Augusto da Silva, vin-las ja Baha.
J. G7Goodalr subdito inglez retira-se para o
sul do imperio.
Jos Ferreira Estrella, subdito portuguez, re-
tira-se para fra da provincia^________________
Moleque.
Precisa-se alugar um moleque de 14 a 16 annos
de idade: na rna do Queimado n. 29.___________
London & Braziliau Bank.
Saca sobre Lisboa e Porto.___________
Joo Ferreira da Silva, subdito pertuguez,
rctira-se para fra da provincia.
Vendem-se duas casas terreas com nm ter-
reno j com alicerce para om sobrado, em Bena-
fica junto a casa do coronel Joao Joaquim da Cu-
nha Reg Barros: quem os pretender dirija-se
aos Remedios a tratar com Francisco Avila de
Mendonca,______________________________*___
Ven4e-se a cas; terrea da ra do Progresso
n. 21 (no Caminho Novo) tem um porlo ao lado
que d entrada para o quintal, no qual existe cin-
co pequeas mei aguas, rendo tudo 480,5, e ven-
de-se liarato por seu proprietario ter de relirar-se
para fra da provincia : a tratar na ra do Quei-
mado n. 77.________________,
POTiSSA
Vende-se potassa em barris a comraedo prego <
na ra da f.raz n. 13, primeiro andar, esenptori:
de Antonio de Almeida Gomes.


+-

ILEGfVlL


Diarlo de PermambM* Terca *lr *e Setemfcro de i *.
lachiiiH para algodo.
Vende-so urna machina para descantear algodo
e um motor rom todos o- portences para trabalhar
com 2ou 4 cavallos, a qua| descaroca 120 arrobas,
por da, sendo muito maneira no trabalho, e do
mu fcil transporte para o centro, ella acha-se
montada, e o comprador pode ver o seu trabalho,
cujo resultado se garante : par-, ver e tratar, na
fabrica da travessa do Carioca n. 2, caes do Hamos.
fifi-MI DI
pechinuh
Vende-Se madapolo com pequeo toque de
avaria a 62000 a peca : na ra da Imperatriz nu-
mero 20, loja.________ __________________
Salitre refinado, superior qnalidade, vinho-Bor-
deaux, differentes qualidades, mais barato que em
ualquer parte : no armazem de E. A. Burle &
., roa da Cruz n. 48.
-------------------------------______________
j Albuns superiores para re-
tratos.
A Aguia Carnea seropre disposta. bem servir
agradar a sua boa fregnezia, imndou vir e acaba
de receber um bello sorlimento de albuns de supe-1 GoHmhas mu.to finas para senhora a 500 r
dal^'t"'^0/ apUnd0 ^V0 es,eciali- D.tas o punhos de fus.Ao muKonUasa640
dade os de-eana de martl I artag g|fl cabera "^^"0 lodos os ta-
RIVAL SEM SEGUNDO
Ra do Queimado n. 49, est vendeudo muito
boas fazendas e tnuito baratas, quem quizer pode.ra
vir ver ou mandar para experimentar, assim como
sejam
/llenc
dade os decapa de marfim com lavores, outros
, guarnecidas de tartaruga com trancas de prata,
' outros marchetados de madreperola eom trancas
i de prata oenrada, outros de velludo etc. etc. Cara
quem lera gosto e dinheiro, um lbum assim per-
mito sotn duvida o mais apropriado para selle
se depositar os retratos de charos pas, bons pa-
rales e amigos. Em quanto, porm, esses albuns
se tornan) notaveis por sua perfeicao e bom gosto,
outros recebidos na mesma occasio, se tornam re-
commeadados pela commodidade de precos vista
da boa obra. Assim pois o pretndeme* ser ser-
vido conforme o dinheiro que quizer dispor para
esse lira, achando sorlimento para 24, 50, 60 e 80
retratos: na ra do Queimado, loja d'Aguia Bran-
ca n. 8.
Carteiras e bolsas para
4TTKi\C\0.
O Vigilante est alerta, nao Ihe era permittido
eixar pausar desapercebido sem que nao dsse o
seu canto, alim de annunciar ao respeitavel publi-
co o grande sorlimento de galanteras de melhor
; gosto propriamente para qualquer mimo, .que ac-
r, i ba de ehegar neste ultimo paquete, assim como
I nCgUeni a tarinha lavada. ^nuitos outros objectos que recebe por diversos na-
A bordo do hiate nacional ous kmaos ancora- VI0S>tant0 do sua roDta como de consignacao que
uo defronte do trapiche baro do Livramento, ven- esta resolvido a vender por precos muito baratos r
de-seesu superior farinha lavada ainda nao vista P- f -"""0 e ganhar pouco, e dar extracao ^SiSS'^iVSS IL\1?S neste mercado pelo barato preco de U o alqueire **"*> ^pos.to que tem que espera merecer no-dos ^m^SMf^Z?7&S2S
ou 65 o sacro sendo este preco granel, e tambem pri^o do respe.lavel publico erapregando para HTmK Pri2 A f Si Del1
11a ra da Madre de ueos ns.o e 9. <* -'hores dihgencias para que fi- ^ecer-Ta suueri frida; ESif rJSLSS*iS
quem satisfeitos; slo s no Gallo Vigilante ra do ?n.e.Ler ^ a superioridade dellas. Consiste esse
Crespo u. 7. %mic, ra D0 belloe variado sorlimento;em pequeas quantida-
Um confeito e especifico para R"608 poru-joias.
I Cofre de muito gosto por
viagem.
Na loja d'Aguia Branca, ra do Queimado n. 8,
vendem-se carteiras com crrelas para iraze-las a'
liracolo, c bolsas de tapete, ludo para viagens.
Perfumaras inglezas.
A Aguia Branca, conhecendo a bem merecida
do defronte do trapiche baro"do L.vramVnto" ven-' jSimSAT^tm por pre^uSTn^ ^&fSZX!^L!lr^tJS
, para vender muito e ganhar pouco, e dar euracao Z., ,nlezaSi> PJf 0 mandou vir o esplendido
o grande deposito que tem, que espera merecer a sort"nento ?ue acaba <*e receber, e os acreditados
657ar^sco7sre-precoVagranr., eUnten? Eft d ^gel f$<* empregauoo^ra RTlfidB Prire A ob^^
ra da Madre de ueos ns. o e 9. ,s> m-'hores dihgencias para que fi- nhecr-Ta suneri frida^ Mb ________ ^^^ quem satisfeitos; slo s no Gallo Vigilante ruado Su jpe dellas- CoDSIS,e e
--------------------------------------------------- Crespo 11. 7. 'banie, ra ao be!)o e vanado sorlimento em pequeas quanti
expellir os Vermes,
Pastilbas Vermfips
DE KEMP.
Os meninos .s pedeiu i gritos, porque
ellas eo de cheiro, sabor
eos
e cor agrada-
ac-
veis. A elegancia, a seguridade de
eo, o inofi'tiisivo das
Pastilhas Vermfugas de Kemp
A PAR DA BOA
oniposi\ao exclusivamente Vegetal,
sao estas pois as suas melhoies e mais
completas do todas as recominendacoes
que se possa fazer e com justa razao as
colloco na categora d'ntu favorito uni-
versal.
A snperioridade das
Pastilhas de Kemp
sobre todas as preparaeea destinadas
para o mesmo fim devido sua sim-
ples compoeico do seu aroma agrada-
vel e rapidez e infallibilidade com
que alcanca a destrnieao total das
LOMBRIGAS.
venda as boticas de Caora de Barboza,
ra da Cruz, e Joo da C. Bravo A C, nu
da Madre de Dos.
Cestinhas transparentes Jorradas do nia-
dreperola por
Lindas jardineiras.
Ricos cofres com camapheu.
Lindas eaixiuhas com podras brancas. .
: Lindo bailo com calungas dentro, tam-
bem para joias.
I Tamhalier para ditas.
' Cestinhas ditas.
1 Ciismorama ditas.
Urnazinnas.
S no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Ricos porta bouquetes de diversos gostos e pre-
3s; s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Ricos sin tus
i com bolcinhas aolado, a 105,125 e lj'5, ditos sem
bolea porm do mesmo gosto, a 2*500, J$, 3*800
i#000.
Ricas fivellas avulsas para sinto, o melhor que so
p.le encontrar, a l&iO, 25, 2*300 e 3* o par;
s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Cabazrs ou cestinhas.
At que chegaram as desejadas cestinhas ou ca-
: bazes para meninas irazeivm no braco, o mais rica
po-sivel a 2*500, 3*500, i*, 5*, 7* e 10*; s no
I \ igilante, ra do Cropu n. 7.
l'entes.
Neste artigo tem um grande sorlimento, tanto
para alizar como para atar cabello, os mais lindos
que so pode desejar, assim como de arregacar ra-
Dello, tanto de borracha como de tartaruga comen-
fetes e sem elle para menina; s no Vigilante, ra
do Crespo n. 7.
IVnles
j lambomchegaram os nquissimos penles de concha
I de tariaruga e de massa lina, que se vende por 2*
3* e 5*; no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Lequts.
Riqusimos leqaes de madieperola tanto para
si'iihoras como para meninas, pelo barato preco
de 12* e 14*; s no Vigilante, ra do Crespo
des de difireme* e agradaveis extractos de pri-
u-ttw ra 1ual,dade em frascos de diversos lamanhos
10*UUO e ormas, fazendo-se notaveis entre elles os que
io.w vem em una carteira de tres, com os quaes por
n*2v> sua elegancia e boadade se faz um bello presente ;
JrjJKJ assim corao outros frascos com tinas essencias con-
InfS! cen,radas' outros com excellentes leos para ca-
10*000 bellos, e outros finalmente com agua de Lavaader
.r.wJsut,lin,ada i e bem assim finos sabenetes em paco-
'JHJSx tes ecaisinhas com tres, bonitas e delicadas al-
SjSS I niofadinhas com pastilhas em p, as quaes deitan-
r*nnn I do"se nos Buardaveslidos, commodas, etc., nem s
r^v|deixam tdaaroupa cheirosa, como afugentam
0*4)00, baratas, tracas, etc., etc. Em quanto, porm, a
commodidade dos precos j nao entra em duvida.
urna vez que o pretndeme compareca munido de
dinheiro e disposto a fazer gasto na loja d'Aguia
Branca, ra do Queimado n. 8.
manhos a 80 rs.
Resmas de papel de peso muito bom a 2*.
Capachos redondos e compridos a 500 rs.
Ca xas com superiores obnias de colla e de mass
a 40 rs.
Cordao branco grosse que tem multa applicaco a
vara a 20 rs.
Lionas da carriteis garante-se 150 jardas a 40 rs.
Cartes de linha Pedro V com 200 jardas a 40 rs.
Grosas de peonas do aro muito finas a 500 rs.
Varas de franja de 13a para vestido a 40 rs,
Ditas de franja branca larga para toalhas a 160 rs.
Pares de botes de punho a 120,320 e 500 rs.
Tinteiros de vidro com tinta a 100 rs.
Ditos de barro com superior tinta a 100 rs.
Grosas de botoes de louca prateado a 160 e a du-
zia a 20 rs.
Tesouras para costura a 80, 200, 400 e 500 rs.
Escovas para limpar denles, superiores a 200 rs.
Libra de laa para bordar da melhor qualidade a
6*500.
Caixas de phosphoros de seguranea a 160.
Caixas e pacotes de papel ainizade superior a C00
ris.
Caixas com 100 envelopes muito finos a 800 rs.
Quadernos de papel pequeo azulado a 20 rs.
Carriteis de linha Alexandre com 200 jardas a
100 rs.
Baralhos para voltaretea 240e mais tinosa 300rs.
Meiadasde linha frouxa para bordar a 20 rs.
Pares de sapates de tranca de todos os lamanhos
a 1*500.
Grosas de botoes de madrcperola muito finos a 560
ris.
Carlas e caixas de colchetes de superiores quali-
dades a 40 rs.
Massos de grampos superiores e limpos a 30 rs.
Grosas de palitos de gaz a 2*200.
Libras de areia preta da melhor qualidade a 120
ris.
Caixas redondas para rap c tem muito bonitos en
lungas a 100 rs.
ESPLENDIDO ARMAZEM DE MOLHADOS
LIAIVCi
DE
Paulo Ferreira da Silva & Compankm
57 RA DO IMPERADOR 57
Grandes reformas de presos
. a l O por cento menos do prec que se vende em outra qual
quer parte.
para Jf*? eSpeCalmen,e esclhdos P dos socios que na Europa se acha
grande a vantagem para todas as pessoas que compraren! neste estabeleci-
mento.
armazem.
Os propietarios
garantera todos os gneros sabidos de seu j muito acreditado
AO PUBLICO,
taJ^T!?? deIexo.rd'os cnmo constantemente estamos vendo em annua.
lf?if^^l?*w^ d ^ s^P. "osabstivemos. e deqnTtambem
es-
pre-
estamos rer.os nenhuma at.et.co j merecem do pubHc 0 n S, fim S2" mpl
mente fazer ver que o verdadeiro e principal interesse de todoesti na tabella dTn
Cos que passamos a mencionar, e para a qual pedimos toda a atte^o" P
Vinho verde.
a 600 rsCe4raf0,,^tannnSlad0 '^ do Ca-taxo "^^ unimente neste armazem
a 000 rs. a gnala e do,000 rs, a ancora com 7o garrafas.
de diversas cores a
Mais leques
com pequeo def. iio, leques de sndalo com pc-
queno d.-f. ito por barato preco de 8* e 10*. chi-
Dezes milito bonitos tambem, pelo barato proco de
5d 5, beiitarallos muito bonitos, tambem por ba-
rato preco de i* e 5*, leques de charlo tambem
por 4*. ludo isto para acabar, perdendo-so tai-
vez 80 por cento; s no Vigilante, ra do Crespo
n. 7.
Pulsciras.
Lindas pulsciras de romas e de missanaa, cores
; muito lidas e de muito gosto a 1* e 1*200.
Aviso aos chpfts Ip familia r ^ far*MBrar."pina.
\MW tiuo LUflC. UC lamilld rambem chegaram as liguinhas estreitinhas de
PfftYinmirtKl borracha que as seohoras tanto precisara para se-
vwuuuiitoc, gurar manguitos por ser muito commodo e muito
Redlico de precos para liquidar bara'. 320 o par; <6 no Vj|ilante, ra do 3res-
No arinaz-m da ra do Imp'-rador n. 14, es. I P '
quina da Iravessa du uvidor. vende-se ninnti'ii;a Canelas.
ingh-za Mipi-iinr a 600 rs. a libra, dna sulTiivel a. Riquissimas canelas de madrcperola
Balas grandes e caretas de
borracha.
Excellentes brioquedos para enancas: vendem-
se a 500 rs. cada urna : na ra do Q'ueimado, loja
d'Aguia Branca n. 8.
Fspelhos C9in molduras pretas
e douradas
A Aguia Branca, na ra do Queimado n. 8, re-
cebeu um bom sorlimento de espelhosde differen-
tes tamaohos com molduras pretas e douradas, e
os est vendendo por precos commodos.
Papel ingle*m
A Aguia Branca, na ra do Queimado n. 8, re-
cpbeu um novo sorlimento de papel inglez liso e
paulado, almaeo, de peso, e pequeo, vindo deste
tambem com beiras douradas.
Enfeites invisiveis
A Aguia Branca, na roa do Queimado n. 8, rece-
beu novoaenfeiles invisiveis, os quaes pela finura
do tecido e bom gosto tem merecido tanla estima
Treparos para flores.
A Aguia Branca, na ra do Queimado n. 8, re-
cebeu novos preparos para flores, sendo papel de
cores para rosas, dito verde para folhai-, folhas de
panno e velludo, caixas de trigo, ditas de uvas
brancas e rxas, e como sempre continuam-a ser
vendidos por precos commodos.
mammmmmjmmm
m Grande tiquidacaoM
*S DE fS
Amendoas cwifeitadas
G4o rs. a libra.
NOVA ldem de casca dura a 24 rs- a f*-
liquidacio de fazendas de todas as n* MfiS fsca mole a 32or?-a ,ibra-
lltiaim na lia p Ha Imm |Ame,xas francezas em caixinbas com lindas
niidots na iga e armazem aa irar, | estampas a i,2oo e i.uoo rs
mperalriz n. 56, te Loui en- i dem em frascos de vidro a 1,2oo rs.
dem em frascos grandes a 2,'.5oo rs.
dem cm latas de 1 >/j libra a l.too rs.
Arroz do Marantio e da India o melhor que
ha nest3 genero de 8o a loo rs. a libra,
c de 2,;ioo a 2,8oo rs. a arroba.
Azeite doce de Lisboa a Goo rs. a garrafa, e
4,8oo rs. a caada.
dem francez e de Lisboa refinado em gar-
rafas brancas a 9oo rs. a garrafa, e lo,ooo
rs. a duzia.
Alfazema muito nova e limpa a 32o rs. a li-
bra.
Azeitonas muito novas a 2,ooo rs. a anco-
reta.
Alpiste limpo a lio rs. a libra, e 4,4oo rs.
a arroba.
Boiaclimlias de Lisboa da fabrica do Beato
Amonio de diversas qualidades em latas
de 6 e de libras, a 3,ooo e l,5oo rs. a
lata e 64o rs. a lihra.
i dem inpleza em latas de 2 e 4 libras das i
meliiorcs marcas a l,3oo e 2,2oo rs. a'
lata.
Banha de poren refinada a 4oo rs. a libra e
em barril a 3tio rs.
Batatas em gigos de 36 libras a 1,000
m
m
co Pereira MendeNduim^raes.
Aenco que se Tal principiar.
Vtndc-.-e pecas de panno deliuho para ingoVs,
toalhas e seroulas, enm 13 1/2 varas por 8*500 ;
brim liso por 500, 560,040 rs. a vara : na ra da
Imperatriz loja da Arara n. 56, de Menes Guima-
res.
A Arara vende soutembarque a 10^ e 12$.
Vende-se soutembarques de laazinhas enfeitados
a 10* o 12*. ditos prelos de grosdenaple fino
a 20*, 22* e 25* ; capas pretas ricamente eiifcia-
das a 25* c. 30*; camisinhas para senhoras a 2*
e 3* ; golinhas 240, 320 e 500 rs.; manguitos a
500 rs. e 1* : na ra da Imperatriz n. 56, loja da
Arara.
Coi tes de ebita a 2<$i00.
Vndese cortes de chitas rom 10 covados a
2*400, ditas franreza a 3*200 ; ditos de cambraia
de salpicos a 2*500 a prca, dita fina a 3*500, 4*
e 5*: na ra da Imperatriz n. 56, loja da Arara, oe
Mondes Guima-raes.
Roapa frila barata.
Vende-se palitots preto de panno a 16*, 1 *
12*, 10 c 8, ditos de alpaka a 3* e 4*, dilos de
brim branco a 2*500, 3*, 3*500; calcas de brim a
,* e 2*500, ditas brancas a 3* e 3*500 ; palitots
de cjisemira de cores linos a 10*, 8* fi*. e 5*
seroulas a 2* camisas brancas a 2*, 2*500 c 3*:
na ra da Imperatriz n. 56, loja da Aiara.
Colariobos econmicos a 610 n duzia.
Vndese colariuhos eronumiros muito bem fri-
tos a 6i0 a duzia : na ra da Imperatriz n. 56, lo-
ja da Arara.
VVnde-se bramante do puro linho a 2*500 e
2*8.00 a vara, tendo 10 a 12 palmos de largura
brin branro para ralea a 1*200, 1*100 e 15600 a
varai dilo pardo a 640, 800 rs., 1* e 1*200 : na
ua 4la Imperatriz n. 56, loja da Arara.
"dem-se baldes americanos os melbores que
indo, de todos os lamanhos a 2*240, 2*500,!
* e 4*500: s o Arara na ra da Imperatriz
V"
tem
3*.
proprias
para quabiii.-r presente, pelo baraiissimo preco de
l->o00 e 2*.
Sapatinhos e meias de seda.
Riquissimos sapatinhos de seda e de merino cn-
feitados, assim romo meiaszinhas de seda, gorrazi-
nhis e louquiibas para as cnanciuhas se baptiza-
rem; s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Vollinhas.
Lindas vollinhas de perolas falsas comeruzinhas
fingiiido brilhanles, assim como rruzinhas avulsas
e vollinhas, pulo barato preco de 1* e 1*200, s
cruzrs a vola asa 400 rs.; s no Vigilante, ra do
Crespo n. 7.
Miabas.
Riquissimas golinhas e manguitos, omelhor gos-
to possivel, a 2*. 2*500 e 3*; s no Vigilante,
ra do Crespo 11. 7.
Eofeiles para scuhora.
Riquissimos enleites rom lago e sem laco e de
e :0* a ancora de 9, especial viuho OUtros muilos gosloa a 1*, 1*500 e 3* : s no Yi-
Ushda puro a 600 a garrafa, vinho do 6'lante, ra do Crespo n. 7.
rorto enaariaf.do de lodas as manas a 800, \'j Trancclins.
Lindos trancelins ue cabello para relogio ou In-
640 rs a libra, dita para tem eiro muito limpa a
480 rs.. banha americana muito fina a 4o0 r>. a
libra, cen latas de 0 libras a 7* a lata, rh
bysson muio superior de enrommenda, como ha
niuiio lempo do vem ao mercado a 3* a libra,
dito muito bufli a 2*600, 2*4< 0 e 2* em latas de
1 libia.anoz do M.nanbao a 80 a libra e a 2*400 a
ai roba, cervrja inxleaa nimio boa a 48o rs. a gar-
rafa e 5* a duzia, excedente doce de goiaba em
latas de i lihras a l< a lata, qneijo prato a 800
rs. a libra, dito p>llirado multo superior a )00 rs.
a libra e inteiro a H50 rs. libra, dilodo scii.io e ex-
epilenlK a 640 rs. a libra e intKiro a 560 rs dito
ffamengo do ultimo vapor a 2*50n cada um e a
2*400, figo.-, de comadre a iOO rs a libia, sajiao
branni iuslez a 200 rs. a libra, dito massa supe-
rior a 200, 240 y 280 rs. a libra, vinhn verde par-
ticular engarrafado de Bairrado a 560' rs. a iar-
rafa, dito de L'^boa puro e senuino, enrommenda
particular a 600 rs. a garrafa, e 12,") a anroieta de
3 ranadas
bianco de
ouira
S no Passeio Publico n
11.
Chitas estreitas lixas a 200. 220, 240 e f*
260 o covado,dita larga a 320, 360, 400
-,0f c 440, dilas para robera larga a 500 rs.,
M
95K
m
m
m
e 121XI r.-.. dilo de pipa de pidas as manas a
400, 440, 500 e 640. dito Bonieaux das marcas
mais acreditadas a 6*500 e 7* a raixa e 560 is.
a garrafa, cognac superior Irancei e imelez, di-
versas marras a 9* e 10* a duzia, e a 800 e 1*
a garrafa, entuma nova muito alva a 160 rs. a li-
bra, e muitos oulros geucros, tudo precos redu-
cidos.
prego de 1*500, ditos de
netas, pelo baratissimo
, roiroz a 200 rs.
Babadinhos entremeios.
Riquissimos babadinhos entremeios com lindos
desenhos tapados e transparentes, pelo baratissimo
preco de 1*200, 1*500, 2* e 3*; s no Vigilante,
! ra do Crespo n. 7.
Cascarrinas.
Grande sorlimento de eascarrilhas de diversas
larguras, as>im como galoziuho e trancinhas pro-
prias para enfeites; s no Vigilante, ra do Cres-
po u. 7.
Filas.
Grande sorlimento de tilas de diversas largaras
e qualidades, por precos que admiram aos com-
pradores, havendo tilas larcas propnas para cin-
teiros que se pone vender a 300 rs. a vara, e peca
de 9 varas a 2*; s no Vigilante, ra do Crespo
Filas de la.
Fitas de laa de lodas as qnahdades, proprias pa-
ra debrum de vestido a 700 rs. a pega; s no Vi-
gilante, ra do Crespo n. 7
Ricos espclhos.
Riquissimos espetaos com moldura doura la e
sem elia de 8*, 10*. 12* e 14*, assim como com
columnas de di Aeren tes lmannos a 2*. 3*, 4*, 5*
e b*; s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Lindos jarros e Gguras.
Riquissimos jarros, e figuras de porcelana fina,
para enfeite de sala, seodo o melhor goslo que aqu
tem apparecido; s ne Vigilante, ra do Crespo
Para tos de arroz.
Riquissimos vasos com hnrela para pos de arroz,
cousa de muito gosto a 1*500 e 2*. assim como
paroles s rom os pos a 320 rs. cada um; s no
Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Perfumaras.
Grande sorlimenio de extractos e banhas, poma-
das, a-sim como de lindos copos ou vasos com dis-
7, tinriivos e offererimentos as sinhasinhas dos me-
'uppfi/t l voyiIi
"o #if M, c-1 "<<' n, assim romo os grandes ropos de banha japoneza
Vende-se a taberna da lravessa do Lima, era a 2* e a i*
Santo Amaro, pertenrente ao Sr. Manuel Joaquun Possivel por
dita estreita a 320.
:\o Passeio Publico n. 11.
Ricos cortes de vertidos de cambraia
JS a 4*, chales de merino liso a 4*500, di
to estampado a 7*, dito bordado a jm
6*500, madapoln lino com 20 varas a >5
9*, 7*800 e 6*800, algdaozinho largo
com 4 palmos de larenra a 9*. !g
S no Passeio Publico n. II. S
Cambraia lisa eom 8 l|2 vara* a 4*, jig
dita a 4*500. dita a 7*. dita a 8*, mus- Z
sclina branca a 560 o covado, brim par- S
do a 720 a vara, assiin o mo outras fa- |B
zendas que s vista; tambem se dao >JS
m

m
esta
BREU
Breu verdadeiro americano, tanto em barricas
como a n-talho, vi-nde-se na ra da Cadeia do Re-
cife, loja de ferragens o. 56 A, de Bastos.
tu vaibs raleadas de uro
Chegaram as de>ejadas enxadas raleadas de ac,
as quaes vende-se o mais barato possivel : na ra
da todera do Recite, lojn de frrrag. ns de Basto.
Fio de algo o da Babia e ame-
ricano.
Vende-se tanto em porgan como a retalho, estas
bem conhecidas qualidades de lio por barato prego:
na ra da 1 adtia do Recite, loja de ferragens de
Bastos.
Trinados de ferro galvanisvdo.
Folhas de ferro galvanisado para tediado por
coniniodo prego e de muita utibdade para roberas
de casas, vende-se na ra da Cadeia do Recite n.
56 A, loja de ferragens de Bastos.
Vaquetas iogleza para cobertas
de carro.
Estas bem conhecidas vaquetas, vende-se nica-
mente na loja da ra da Cade do Recife, loja de
ferragens de Basto*.
Padarla e reflaar$0.
Chegaram as bem conhecidas peneiras de ra-
me e de lalao proprias para padaria e refinagao, de
todos os lamanhos e grosuras : na ra da Cadeia
do Bacilo, loja de ferragens de Bastos.
Vende-se um relogio de ouro patente suisso,
e bom regulador : a tratar na ra do Queimado,
leja o. 14.
Fazendas. M
Xo Passeio Publico n 11.%
O dono de.-te antigo eslabelerimento w|*;
recebeu m completo sorlimento de fa- ^ "' ^.. .
zendas e ota resolvido a vender por w *8j laazinhas da Arara a 240 rs. o covado.
meni s do que em oulra qualquer par". J#> : VeAdem-se laazinhas para vestidos do senhora a
w 240,3), 400 e500 rs, o .ovado, ditas muito
lina- lisas 600 rs. o covado, dilas especiaos a 720
e 800 rs.% covado : na ra da Imperatriz n. 56,
luja da i I ara.
/ Cbilas baratas a 2i0 rs.
Vendem-se chitas de cores lixas a 240 e 280 rs.,
o covado, dilas francezas finas a 320. 360, 400 c
500 rs., o covado, dilas percalas a 560 e 600 rs. o
covado : na ra da Imperatriz 11. 56, loja da Arara.
A Arara vende uiadapolo barato a Go00, cortsc
de vestidos a Mara Pia a I S, 16$ e 185.
Vende-se pegas de madapoln de 24 jardas, de
marcas linas n. 7 a 7*, n. 2 a 8*100. v a 8*500, ++
9*, S a 105, MU a II* e 12*; algodao regular a 5*.
dilo lino carne de vacca a 6*500, dito domestico a
7*, dilo slcupira a 8*. dito pao ferro a 9* a pera
tem 20 jardas : na ra da Imperatriz, loja n. 56.
Chales baratos a 1600.
Vende-se chales de laazmha a 1*600 e 2*. dilos
de merino a 3*, 4*500, 6* e 7* : na ra da Im-
peratriz n. 56.
Cortes de caigas a 1^600.
Vende-secortes de calca para homem a 1*600,
1*800 e 2*500 boa fazenda ; cortes de casemira de
cores finas a 5*, 5*500 e 7*; casemira para palitots,
caigas e colete;. entestadas a 3* o covado : s na
loja da Arara, na ra da Imperatriz n. 56.
Casemiras para capa de senhora a 2* e 3->.
Vende-se casemira rnfestada propria para capas
para senhora a 2* e 3* o covado, tambem serve
para costumes por ser de boa qualidade e lindas ro-
res, vende-se a 2* e 3* o covado: na loja e arma-
zem da Arara, na ra da Imperatriz n. 56.
A Arara vende as percalas a 560 rs.
Vende-se percalas finas para vestidos a 560 e
600 rs.; chitas Irancezas finas a 360, 440, 500 e
560 o covado : na ra da Imperatriz n. 56.
1 Arara vende as capas de grosdenaple a 2o* e 305.
Vende-se ricas capas de grosdenaple preto para
senhoras a 25* e 30*; soutembarques pretos finos a
20*. 22* e 25* : na loja da Arara
Tarlatana de cores e branca a 800 rs. a vara.
Vende-se tarlatana branca e de cores finas a 808
rs. a vara, fil de hnho a 800 rs. a vara : na ra
da Imperatriz loja e armazem da Arara, n. 56.
O propnetario da loja e armazem da Arara re-
co 1 menda toda a atlengao aos Srs. fregtiezrs que
mandem ver as amostras de todas as fazendas que
annuncia, prometiendo vende-las por barato prego.
Pccbincba de lencos de seda a 800 rs. el*.
Vende-se lencos de seda pequeos a 800 rs.; di-
los grandes a 1* : ditos brancos com barra de co-
res a 200 rs. cada um ; meias cruas para homem a
2*400, 3*, 4* e 5* a duzia ; dilas para senhora a
4* e 5* a duzia : na ra da Imp-ratriz n. 56.
Cassas francezas a 280 e 320 rs. o covado.
Vende-se cassas francezas finas para vp-tidos a
280 e 320 rs. o covado: na ra da Imperatriz n. 56.
Colchas de damasco a .
Vende-se colchas de damasco para cama a 4J,
ditas de fustao a 5*, dilas de chila a 2*; ricas chi-
tas para cobertas a 320, 360 e 4< 0 rs., ditas aseli-
nadas muito finas a 500 rs. o covado, dilas encar-
nadas a 500 rs. o covado : na ra da Imperatriz
n. 56, loja da Arara^_____
Lentilhas muito novas excellente legume pa-
ra sopa a 2oo rs. a libra.
Licores francezes de todas as qualidades
de 7oo a 9oo rs a garrafa:
Manteiga ingleza perfeitamente flor a 800 e
l.oop rs. a libra, desuecessario mais
elogios neste genero, que s se pode ve-
rificar com a vista,
dem franceza a to rs. a libra, e em barril
se far abatimento.
Marmelada do primeiro fabricante de Lisboa
a 600 rs. a libra, lia latas de 1, 1 i/2 c
2 libras.
Massa de tomate em latas de l ti 2 libras a
600 rs. a libra.
Macan ao. taiharim ealetria a oo rs. a libra,
dem branca a 3o a libra.
Mostarda franceza preparada a 4oo rs. o
frasco,
dem ingiera em p a 64o rs. o frasco.
Molho inglez em garralinlias com rolhas do
vidro a H4o rs. cada urna.
Marrasquinhn verdadeiro de Zara a 1,000 rs.
a garrafa, e 10.000 rs. a duzia.
Nozes muito novas a IGo rs a libra.
Ostras preparadas em latas a 7oo rs. a lata.
Prezunto para fiambre inglez verdadeiro,
garantindo-se a qualidade a 7oo rs. a libra.
Passas novas de carnada a 4oo rs. -i libra e
6,000 rs. a caixa.
dem para sopa estrellinha, pevide e rodinha
etc. a 3,ooo rs. a caixa, e a 56o rs. a libra,
.hampagne'ds melbores marcas a' 2o,ooo Peixe ,m lutas hermticamente fechadas das
rs.
as amostras deixando penbor, a loja
abeita at as 8 horas.
AZE'TOS
a i* a ancoreta, em porgao se far grande abat-
ment : na ra Nova n. 8, loja do cha.
Enfeites para cabeca.
Chegaram os lindos enfeites de cabega para se-
nhoras, sendo muito simples e de muito gosto : s
no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Vende-se um sitio na estrada do Rosarinho,
junto ao do Dr. Menna. com bastante frente e fun-
do, mudas arvores de frucio, baixa de captan e en-
cllente casa, leudo urna cacimba com agua supe-
rior a do encanamento: a traiar na ra de Aguas-
Verdesn. 64, segundo andar.
Vendem-se duas rasas no lugar dos Afga-
dos, com alguns arvoredos no quintal e rarimba :
quem pretender, dirija-se a taberna de Manuel Ro-
sas de Oliveira.
rs. o gigo, l,8oo rs. a garrafa, e 9oo rs.
as meias garrafas.
Cha uxim o melhor possivel a 2,7oo rs. a
libra.
dem perola qualidade especial a 2,7oo rs.
a libra,
dem hysson o melhor que ha neste genero
a 2,000, 2,4ooe 2.6oo rs. a libra,
dem preto homeoptico a 2,000 rs. a libra.
Cerveja das meHtores. marcas a .ooo rs. a
duzia, e;i6o rs. a garrafa.
Chocolate francez, hespanhril e suisso a 1,000,
l,2oo e l,4(io rs. a libra.
Charutos do afamado fabricante Jos Fur-
tado de Simas e outros da l'aliia como
sejam regala, trovadores, guanabiras,
deliciase suspirosa 1,60o, 2,ooo, 3,ouo
e 4,000 rs. a caixa.
ionservas inglezas a 7oo rs. o frasco.
seguihtes quali lades: savel, corvina, goras
cavallinhas, e pescada a 1,000 a lata.
Palitos para denles lidiados a 14o rs. o ma-
'co de 2o rs. o macinhos.
dem do gz a 2oo rs. a duzia, e 2,100 rs.
a groza.
Paireo muilo novo 12o rs. a libra e 3,ooo a
arroba.
Queijos flamengos, do ultimo vapffir, a 2,*ioo
rs.
dem prato muito fresco a 800 rs. a libra e
sendo enteiro a 72o rs.
Sal retinado em potes de vidioa 000 rs. cada
um.
Sevadinha de Franca a 18o rs. a libra.
Sevada a loo rs. a libra.
Toucinho de Lisboa a 2o e 32o rs. libra.
Tijolo para limpar facas a loo rs. cada um.
Vinagre de Lishoa a 2oo rs. a garrafa e
l/ioo rs. a caada.
Linssnicas di Sprid.
Chegou urna porgao de linguigas do Serid para
o novo destino na ra do Cotovello n. 1, esquina
para a de S. Goncalm.e vende barato ; a ellas, an-
tes que se acabem, bom peteco para quem gosta.
Vende-se urna casa terrea na iravessa do
Carmo, com 2 salas, i quarlos, qmnial e cacimba
propria : a tratar na travessa do Caldeireiro nu-
mero 12.
dem francezas surtidas ou de urna s qua-
lidade cada frasco a 000 rs. Idemem garrafes com o garrafas a l.ooo
Cognac francez e inglez a I ,ooo rs. a garra- rs-
fa, e 10,000 rs. a duzia. Vassouras do Porto com arcos de ferro a 32o
Cominho e erva-doce a 4oo rs. a libra rs- ca^3 urna.
cS;'3a9,:li?sa ftta mn- i n,sadorvas p;,ra lavar casa a 30 *
(1StiWa\t?.%Tfc superiores a 56o rs.
C3e7 oSSaS8"tul! far'JT ""^ '*"' IWem de Mrnauba refinada e d,: >mpocio
^^eiaKpe^emTaSs- a 2,000 rs. J "fi libra' e de io^ a "51
&m^.?,eS^ema.taSC,,egadaS ul" Vinho em pipa, Porto, Lisboa e
uiTS1- iS S a. i313' das marca menos conhecidas
dem ceceas a ibo rs. a libra. a garrafa e 8oo rs_ ^
Figneira
a ioo rs.
Bixas hamburui'zas
Na ra Novan. 61 defronte da lllma. cmara
municipal vendem-se constantemente bixas novas
por menos 2* o cenia que em outra qualquer
parte : recebem-se por todos os vapores.
dem j descascadas a 2oo rs. a libra.
Farinha de araruta verdadeira a 320 rs. a
libra.
Figos em caixinhas bera enfeitadas a 9oo
rs. cada urna.
Favas portiignezas em latas chegadas lti-
mamente a 640 rs.
Frutas idem em calda, pera, pecego, alper-
se, rainha Claudia e guija a 7oo rs. t lata.
Graixa nova a loo rs. a lata e l.Ioo rs. a
duzia.
Gomma muito alva e nova a 16o rs. a libra.
(Jenebra de Hollanda em frasqueiras com 12
frascos a 5,800 rs. e 560 rs. o frasco
dem em botijas a 4oo rs. cada urna,
dem em garrafes de 16 garrafas a 4,8oo
rs. com o garrafao.
IHem de tres caadas a 7,2oo rs. cada um.
dem inglezas em garrafas brancas bordadas
com rolha de vidro qualidade superior a
l.ooo rs. a garrafa.
dem de laranja verdadeira a l.ooo rs. o
frasco e 11,000 a frasqueira d 12 frascos.
Kirsch Wasser excellente bebida suissa a
1,80o rs. a garrafa.
dem Figueira especialmente escolhido ne.<
lugar a 600 rs. a garrafa, e 4,5oo rs. a
caada.
dem Lisboa em ancoras com 9 caadas mar-
ca especial a 22,ooo rs. a ancora.
dem Lavradio, Colares muito fresco sera
composicii a 600 rs. a garrafa, e 4,500
rs a caada.
dem de Lisboa branco uva pura a 56o iS. a
garrafa, e a 4,5oo rs. a caada,
dem Porto lino em pipa a 56< 1 ga^nfe.
dem engarrafados generosos L... cimas do
Douro, Duque do Porto, Luiz I, D.
Pedro V, Nctar, \ 1 co, Malvasio
Genuino,Particular i! >< .2oors.agar-
arafa, c a 10,000 rs. a caixa com urna du-
zia.
dem Madera legitimo a I,2oo rs. a garra-
fa, e a 1 2,ooo rs. a duzia-
dem Musc.*tel a 1,000 rs. a garrafa.
dem Bordean*, das acreditadas marcas St.
Julien, St. Esteph, chateau la Rose.cbatau
Margonx e outros a 6,5oo rs. a caixa. e
56o rs. a garrafa.
a 3:200 rs.
Vende-se de superior qualidade, chegada do Ara-
Cal de Lisboa.
Ha para vender a mais nova, e ltimamente che-
----------------------------- caty pelo niaie sant Auna, em casa de Prente, eada an marrado em ham arnndri.inait.is harria
I lh.,rese.ma,s afamados, autores de Haris e Inglater- V.anna & C, ra da Cadeia n. 87. **' ffiZS^S^^SSttS!! fu 'do
Vende-se
um
e
exrellente terreno com 102 Trapiche n. 13, por prego razoavel.
mais de 300 de fundo, lodo |
Mi %%\%W ^ VIMM
CEKVEJl JE.fl K VRlilL
ir 'to"'"' romo.nolro? 0,,Jp"os qne nao e pa|mos de frente
i&mifnm&^ esfcrm't?Sl''S%S, Sl?i?3 al-*}"** do,,""""proprio J[l WHplSf |M(P \ ft
e raotilhos, pesos, balanca e alKnn* gneros amda roa do Crespo n. 7. ,"*u,e' para qualquer edili-acao,tendo excellente porto de #A\ I J*S I I li IL\ ^tl
pprfeiio ciado ** .- ,.,=:^rsr-.>-.-a- 55,tarine' "** fJm "i em terrenos de! Jg^^JT^L. *.~IV** V
exilenles na mesma, tudo cm
embarque; vende-se (wr junto ou em terrenos de
- vendem-se bnguas do Rio-Grande muito no- 32 palmos, conforme meihor convier
mmto propria para qualquer nrinrinianlp fai. v-.= n.'.rhJr.'i..T.T"" "*;-"t""'"c """"* l,a"""S coniorrao manar convier aos compra-
todo nVio sembr que agrade ovend/K SUJ SoTSrSfT D' 3' dores tfatasB a G,.arara,.es n. 28.
Vende se um excellente terreno na ra do
Hospicio, ja aterrado e com alicerce na frente, tem
cnmiTdr : quem pretender dinja- do Manguinho, que achara com quem traur. ,"~
Vende-se superior vinho do Pon. em caixas de
urna duzia : em casa de Johnslon Pater & C, ra
do Vigario n. 3.
eode.-se a fabrica de sabao da ra Ran-
Veutli'm se ;iltim;ts
prata; n rua un UdalViiva
__ gei n. di. iiropna para qualquer principiante por 40 jf I mo de frente e 140 ditos de fundo, muito'
Oras (le 'T i'oiicos fiinijns e ..fTerecer bastante interflwe, proprio para se ediBcar por flear collocado em boa Ventea
11 '.\7 "f'Kwjio-se proprietariD a ensinar a maneira de pmto a tratar na rua do Raugel d. 3i, ar- n 2.1 nrin
". /. .fabnwnnao; a tratar na mesma. S '. iAbSfl
A lea f rao.
s se barr s oom al cal rao, na rua da Cruz
. rimeiro andar, cscriptorio de Antonio de
lAIraeida Gomes.
a oo rs. o copo
QuelJo de loas ehegato no vapor
dem prato mnlto fresco
Ideui suisso superior
dem loudrluo superior.
57 Ba do Imperador 57


.MUIl

1

\
\
-




Diario de Pernainbuco lcrea Iira 9) de etenibro de lSttl.

CL.4.RIM
COMMERC
111 JA DO yLIMAIIO IV. 4*.
Passand o becco da Congregaco segunda casa.
mmim m m
NOV1DABE





Pereira Rocha d- C. acabara de abrir na ra do Queimado n. 43 um armazem de molhados denominado Clarira Comnier-
eial, onde o respeitavel publico encontrar sempre um completo sortimento dos melbores gneros que vem ao nosso mercado os
quaes serao vendidos por precos muito resumidos como o respeitavel publico ver pela tabella abaixo mencioneda ; garante-se obom
peso Arrez do Maranhao, India o Java a O, 80 e Peras seccas muito novas a 600 rs.
luO rs. a libra, e 10800, 20600 e 30000 Painco a 200 rs. a libra,
ari oba.
a
Ameixas francezas em latas e om frascos a
10200 e 10600, c em frascos grandes*
2 500.
dem em caixinhas elegantemente enfeitadas
a libra. Cevadinha de Franca muito superior a 220
rs. a libra.
Polvo secco muito novo a 400 rs. a libra. Cevada a 80 rs. a libra.
Presuntos de Lamego em calda de azeile e Ervilhas portuguezas a 640 rs. a iata.
muito novo a 6i0 rs. dem seccas muito novas a 200 rs. a libra.
Queijos flamengos do ultimo vapor a 2-4300 Figos de comadre e do Douro em caixinhas
dem prato. coin ricas estambas no interior das caixas dem londrino ebegado no ultimo vapor a
a 102OO.10WO, 10600 e 2.
Amendoas com casca muito novas a 280 rs.
a libra.
Alpista a 160 rs. a libra e a 45600 a arroba.
Azeite doce francs ranito fino em garrafas
grandes a 960 rs. a garrafa,,
dem de Lisboa a640 rs. a garrafa.
Ararala verdadeira de matarana a 320 rs. a
libra.
AveHaas moito grandes e novas a 180 rs. ?.
W>ra.
Brscoutos inglezes de diversas marcas a
1030 rs.
Belachinhas de soda, latas grandes, a 20 rs.
a Uta.
dem inglezas muito novas a 30000 a b?.rri-
quinhae a 200 rs. a libra.
Banha de porco relinada a 40 rs. a lifera e
em barril a 40'* rs.
Cha hjHsm, huchin c perol a 13600, 2??,
25i0. 2380' e :WO00 a libra,
dem preto muito superior a 2#H50 r libra.
Cene a preta e hranca, das melhores -marcas
que vera ao mercado, a OO rs. a garrafa
e 608OD a tuzia.
Cognac inedez fino a 98-1 rs. a garrafa.
Conservas a 720 rs. o frasco,
dem, s de pepino, a 72 rs.
dem, de szeitonas, a 750 rs.
Charutos dos melhores fabricantes da Baha
e especi dente da fabrica imperial de
Candido Ferreira Jorge da Costa a I08'O,
2Gi", 20200, 20500, 20*00, 30000 e
^0500 a e.ixa.
Caf do Rio muito superior a 280 e 320
rs. a libra e 8. >">> a 80800 rs. a arroba.
Cantaos de bolinuos francezes muito novos e
bem muito enfeitados a 7O0e 600 rs.
Chouricas e paios muito novos a 800 rs a
''Lira,
900 rs. a libra.
Sal refinado em frascos de vidro a
cada um.
Sardinhas de Nantes a 300 rs.
Sag muito alvo e novo a 260 rs. a libra.
Tuucinho-de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tajlos de limpar facas a 140 rs.
Vellas de carnauba pura a 360 rs. a libra,
dem stearinas muito superiores a 610 r.
libra.
Figos em caixinhas ermelicamente
a 10600.
Vinho do Porto engarrafado o melhor que
ha neste peero e de varias marcas, como
-.sejam : Velno de 1815, Duque do Porto,
Madeira, D Pedro, D. Luiz I Maria Pa,
Bocage Chamisso e outros a 800, 900 e
0000 a garrafa, e era cixa com urna du-
zia a 90001' e lo-'jOOO.
dem em pipa, Porto, Lisboa c Figueira a
480, 500e 560 rs. a garrafa e 30, 30500
e 40 a caada,
dem brancodc Lisboa muito fino a 500 rs.
a garrafa.
Moni de Bordeaux, Medoc e S. Julien a 700
e 800 rs. a garrrafa, e 70000 a 705OU rs.
a duzia.
dem Morgan* e Chaleauiumini de 1851, a 1 ?
a garrafa,
dem moscatel a 800 rs. a garrafa.
10800, 5500 e 280 rs. a libra.
Farinha do Maranhao a 160 rs. a libra.
600 rs. dem de trigo a 120 rs. a libra.
Genebra de Hollanda verdadeira marca VD
a 560 rs. o frasco e 60200 a frasqueira.
dem em garrafoes de 3 e 5 gales a -30500
e 70500 cada um cora o garralao.
Graixa a 100 rs. a lata e 10100 a duzia.
Licores muito finos a 700 rs. a garrafa,
dem, quaiidade especial em garrafas muito
grandes, a 10800 a garrafa,
lacradas | dem em garrafas mais pequeas a 800 rs.
dem, em garrafa forma de pera Tolhas de
vidro, a 10000, s a garrafa vale o di-
nheiro.
Manteiga ingleza perfeitamente flor, desem-
barcada de pouco a 900 rs. a libra, e da
de segunda quaiidade a 800 rs.
dem francez muito nova a 640 rs. a libra.
dem de tempero a 400 rs.
Maca de tomatesem barril a SO rs. a libra.
dem em lata a 640 rs.
Marmelada imperial dos melhores conservei-
ros de Lisboa a 60 rs. a lata.
Marrasquinho de Zara, frascos- grandes, a
800 rs.
dem regular a 500 rs.
Macas finas para sopa : estreilinha, pevide,
rodinha a aletria a 600 rs. a libra e a 4$
a caixinhacom 12 libras.
i No/es muito novas a 160 rs. a libra.
Grande liquidacao.
Ra da Imperalriz n. o.
Leja de fazendas do Pavo de (iaraa k Silva.
Acha-se e?w estabelecimento completamente
sortido de fazendas inglezas, francezas, allemaas c
suissas, proprias tanto para a praea como para o
matto, promettendo vender-so malsbaiato do i|uc
em oulra qualquer parte principalmente sendo em
porco, e de todas as fazendas dao-se as amostras,
deixando ficar penhor, ou mandam-se levar em
nasa pelos ci.rxeiros da loja do Pavao.
As chitas do Pava.
Vendem-se chitas inglezas claras c escuras pelo
barato prego de 240, 260 e 280 rs. o covado, tintas
seguras; ditas franerzas d> (Ores seguras a 320,
348, 360, 400, 440, 480 c 300 rs. o covado, fazenda
moito superior c bonitos padrdes : 80 na loja do
Pavo.
As laitiuhas da exposicio do Pavo.
Vendem-se laazinhas as mais modernas que
tera viudo ao mercado, proprias para vestidos e
soulembarques por serem lisas e de cores muito
delicadas 560e500rs.; ditas lisas com um lustre
que parece seda 640 rs. o covado, ditas com
quadrinhos de seda 500 rs. o covado, s para aca-
bar : na loja e armazem de Gama <$ Silva, roa da
Imperatriz n. 60.
Os vestidos do Pavo. .
Vendem-se os mais modernos cortes do vestido
do la, que vieran) pelo ultimo vapor, com ricas
barras de cor, corpinho o collt-le separado ; ditos
O

%. RESPEITAVEIi PtltliICO*
RA DAS CINCO POMAS N. 86
Rsqtiioa da nova travessa




i
^^
lar-
Dcsejaiido o propietario do grande armazem do Prophea dar
gas ao seu genio emprebendedor, commercial e especulativo, resolveu ceder a inspirado
que o assaltou, quaudo as horas caladas da noiie o seu solicito espirito se agitava n'ntv
turbilbao de ideas, tendentes todas bem servir e agradar aos generosos habitantes
desta bella provincia, de abrir mais este grande eattabeleelmcnf o de novos
escolhidos gneros, quasi que especialmente destinados s pessoas quemoram nafre
gue/.ia de S. Jos, e aquelles senhoies que Iransitam pela va frrea, para quem em ve-
dade sao sem conta o numero das vatitagens que te Ibes offerece, nao s com relacit ^
modicidade dos fretes, como da facilidade e brevidade da condueco dos objectos coi-
prados.
O sonho do Propneta ser urna wrdad nratica tito jeceita e abracada como m
, ccruinno o coiieie separaao ; anos ", ,
cora listas do seda e tambera cora barras e enfei- palavras simples e bem tutenetonadas dos velhos patnarchas desses tempos idos, si o Se
tes para o corpo, por prego mais barato do que em nhor Detis dos exercilos nao o qui?er contrariar.
oua-a quaiqucr parte, e se quizerem uma prova q Propheta nao querendo restringii-se a forma ordinaria de negociar resolvet
&1K^lS!^^t&DKlv tambera, depois de profunda meditacao, de nao vender smente os seus gneros a di-
Os vestidos Maria Pia S Pavo (8 Vendom-se os mais lindos vestidos a Maria Pia do paiz'ou por escravos, bois. cavados, etc. Assim, pois, fique na intelligenoia de todos,
Vinagre de Lisboa a 200 rs. a garrafa e;Peixe em latas preparado pela primeira arte
lOO rs. a caada. de cozinha a 1 $ a lata,
Kirsk garrafas muito grandes a 10880 rs. \ Pa'iios de denles a 160 rs. c maro.
lm dos gneros cima mencionados te-; dem de denles a 120 rs.
mos grande porco de outros que deixamos; dem de flor a 200 rs.
de mencionar, e que tutoser vendido por Amendoas confeitados a 900 rs. a libra.
pe.;as e carnadas, tanto em porgues orno Doce de goiaba em latas o melhor possivel a
retalho-
Quem comprar de 100r>000para
o abate de 5 por cenfe.
ima te-
2f? e em caixao a (540 rs.
Palitos do gaz a 2#200 a gro^a.
Paseas muito novas a 480 rs. a libra.
NOTAS M am FIUIL
DO
"Mfil
Troca-se ditas notas [>orfazealas.
loja da ra do Crespo numero
M&CHiNAS DEPATENTE
de traballiar a nao para
decarocar algedo
fABRIC.VDAS
Bar Plant Brothers & C.
#LDAI
EsUs machinas
JQ
17.
Quem comprar de cem mil res para cima dar-setu ao comprador o lucro ik cinco
,pcr cont.
Aprovi'item todos. Aproveiiem todos.
Fazendas de apurados gostos vindas do Pars.
Capas pretas importantissi-
mas.
CasacVs pretose pelerinas.
Basquina de cintura e pe-
sses.
Sotoiibarques de caxemira
de cr rom tintura.
Jaqut las de merino de cor
para seiihoras.
Zaavos en tos de seda mui-
to btn enfeitados.
Cortes de seda de cor de
muito roslo.
Cultas de seda para noivos
Sedas de quadro de muilo
gosto a 152H0 o covado.
Moreantiqucs e grodena-
ples.
Corles de organdiz com
barras.
Chapees do palha para se-
nhora.
Baloes de arcos e muse-
linas.
lalGes de merino de eros.
Fazendas de linho e de al-
godo.
Selecias, esguiocs e bra-
mantes.
Cassas, chitas camisas e
seronlas.
Peitos bordados para ca-
mi.-a.
Camisas de la de cor pa-
ra homom.
Mudapolo a "&, 8,5,9 o
Jc-j a pe^a.
Corayoes, sotambarques de
seda.
Esleirs para forrar sal.i a 886 rs. a jarda.
seis palmos de largura a 24500 rs. o cova'o.
Sa realidade, este estahelecimento offerece grandes vantagens ao commercio.
A iwoveitem todos a occasio de trocar notas da taixa gauhando cinco por ceuto.
Tapete do superior quaiidade com
$0 armazem de fazendas ba-
ratas de Santos Coelho,
Ra do Q.ieimada n. 19,
vende se o seguate :
Attt-nco II
tUc.'i:; laazinhas, fazenda a melhor que tem viu-
do .ao me?cado, tanto em gosto como em quaiida-
de. peto baratissimo prego de .'60 rs. o covado.
Ditas raiudinhas cannezins, proprias para vesti-
dos de meninas e camisinhas a 640 o covado.
Orles de laa cora 13 covados, pelo barato pr.'ci-
de 64.
Gibertas de chita da India a 24.r5O0 c 34.
Lences de panno do linho a 24 e 24'0O.
Pi-cas de cambraia de forro com 8 Ii2 varas
;]4200.
Toalhas alcochaadas proprias para maos a .'>4 a
dada.
.ticos orles do ia com barra Maria Pia a
583.
Pecas de platilhas de algodao com 10 varas,
proprias para saia a 44-
A'godao enfestado com 7 1|2 palmos da largura
a 14100 rs. a vara.
R-U'ira -i India, prnpria para forro de sala de
i, '>. e 6 patonas de largura, por menos prcijo de
que wa outa Nesta csuixilerimento tamhem se encontrar
am grande sortiaiento de roupas feitas, c por me-
dida. _______'_______________________^^
Balaios para meninas
Lindos balaios do varios go traiert-ro no braco : e eiKontra na loja'do Bei-
ja-Flor, ra do Jueimado n. 63 e 69.
Extratos e sabao em eai-
Venda de pedias
em particular u em leilo.
Vendem-se duas proune- W%
dades de.casas contigua-. aK
do dnus andares e soUo, S
cun grandes armazens oc- jjR
cupados actualmente pelo \5
g Sr. Feliciano Jos Gomes, para o trafico ^
A de assucar, sitos na ra de Apollo ns. 34 fjR
^gg e 36, edificades pelo actual propietario, taft
B com ptimos alicorees, superiores madei- ^
^5 ras, e acabades em 1861, tendo ambos 52 sR
H| palmos livres de paredes, de largura, e os
B altos do de n. 34, e o primeiro andar do S
& de n. 36 215 palmos de comprimento, o jR
agS segundo andar do de n. 36 tem sement $
* 120 palmos de comprimento, rom um ter S
Caco, o os armazens tem 340 palmos do
omprimento cada um. tendo ambos tam- Wg
bem frente para a ra do caes de Apollo, j^-
o o de n. 36 tamhem para a travessa do jft
antigo porto das canoas: os pretendentes
estes valiosos predios queiram dirigir-
se ao sen proprietario Antonio Botelho
Pinto de Me-quiia na rna da Cadeia do
Beeife n. 64, seunndo andar, >m ao agen-
te Oiiveira na mesma rna n. 62.
UifM
d ua s pee soas para
otrabalho; pode
descareear urna
arroba de algo-
dao em earoco
cm 40 minutos,
ou 18 arrobas
por dia ou 5 ar-
robas de algodao
limpo.
Esta machina
a nica que
posle as vantagans de nao destruir o fio do ai-
godo o de fazer render o dobrede qnalquer u-
tra eom menos trabalfeo, a sua iotrodueco para
as provincias deste imperio ser de muito valor
para todos os interessados na lavoura do pai.
Asskn com machinas em ponto grande do mes-
mo sysiema.oraql serem movidas por animaes,
agua ou vapor, pas uaes podem destrocar 18 ar-
robas de algodao ampo por dia.
O algodao descarofado por estas machinas tem
muito mais estni3$ao nos mercados de Europa e
vende-se por maiorpreeo.
As machinas se achara venda unicamanie em
casa do
Saunders Brothers & C.
X. II, praea do Corpo Santo
RECIPE.
Os aicos agentes neste paiz.
de laazreha transparente com listas, e palminha*
de seda pelo barato preco de 84 cada corte : s
na 1-ijH do Pavo ra da Imperalriz n. 60, de Ga-
ma 4i Silva.
ks ousas do Pavo a 210, 280, 300, 320 e
30 rs.
S o Pavo vende as flnissimas cassas persianas
imitaco de la, com cores fixas, 36U rs. o co-
vado ; ditas francezas muito finas 240, 280, 300
e 320 rs. o covado, isto para acabar: a ra da
Imperalriz, loja do Gama & Silva.
Os Pia4apolops do Pavo
Vende-se peca de madapoln infestado rom 12
jardas cada peca pelo barato preco de '5, 44500 e
o4 cada peca, fazenda muito superior : s o" Pa-
vo ra da Imperalriz n. 30, notando que a pe^a
leva ama etiqueta rom o Pavo pintado para nao
haver duvidas nem engaos : isto previne o Pa-
vo, do Gama & Silva.
Bramante de linho do Pavo
20, t400, 2ttOO.
Vende-se o melhor bramante de linho paro com
dez palmos de largura por croco muite comino-
do, por ter de trabar a factura, a vara por
2,3200, 24400, e 24600 ; s o Pavo : ra da
Imperalriz n. tiO de Gama & Silva.
Panno de linho Vende-se pinno de linho com 4 palmos de lar-
gnra proprio para incoes e loalhas de mo pelo
baratissimo preco de 640, 720 e 800 rs. a vara, al-
godozmho com ouo palmos de largura proprio
para lences, pelo baratissimo preco de 14 a vara,
assim como tera o melhor algodozinho tanto em
largura como em corpo, proprir- para lences, ca-
misas de escravos, etc., etc., prego muilo comino-
do a vista da fazenda; s o Pavo : ra da Im-
peratriz n. 60, de Gama & Silva.
Algodozintie com toque de avaria a -1,000 res
e 4,800
Vende-se pega de algodozinho por ter um pe-
queo toque de avaria, mas que e-la em bom es-
tado, pelo barato prego de 44 e 44300 a | ega ; s
o Pavo : ra da Imperalriz n. 60 de Gama &
Silva.
Os gtiardaoapos econmicos do Pa>o e s do
Pavao
Vendem-se os mais hndos e modernos guarda-
apos econmicos e todo linho, tanto para as casas
do familia como para hoteis, bolequins, ete. etc.,
pelo baratsimo prego de 34 a duzia, isto s na
ioja do Pavo ra da Imperatriz n. 60, de Gama
& Silva.
Os sontembarqnes do Pavo
9 e IC.
Vendem-se os mais finos soutemharqucs que
teem vindo ao mefcaito, sendo de caxemira de co-
res pelo diminutissimo pr>go de 12,3 rada um, di-
tos de musambique pelo diminuto prego de 94, s
na loja do Pavo, mas que se. nao enganem : ra
da Imperalriz n. 60, de Gama & Silva.
Atealhado do Pavo.
Vende-se panno de linho adamascado proprio
podendescarocar |)ara ,oal,as de mesa, pelo diminuto preco de 24300
qualqaer especie irs' a vara> gnardanapos de ludio a 34 a razia.
S'de algedao sem ,oalhasd ">oa 54 cada duzia, na loja do Pavo,
"estragar o fio rua d''1 IrnPeratr2 60, de Gama A.- Silva,
sendo bastante E' o Pavo (a t#54>0).
Quem tem.baloes por tal prego !
Vendem-se os baloes americanos minio superio-
res com 20 e 25 arcos pelo harassiino prego de
24500 e4, ditos de 23, 30 e 3o arcos com fitas,
muito bem armados o tamben? lera cores escuras
que o protheta receben romo moeda de qualquer dos senhores agricultores, ?ssucax>
algodao, agurdente, miiho, feijo, cavallos, escravos, etc., etc. e Ibes dar o mesnio vater
em genei os, escolbidos a contento.
Quando a importancia dos gneros apartados for menor do que a dos objectos re
cbidos por troca, o ropbrtta nao demorar a ditercnca que deve dar em dinheiro.
Um estabelecimento que com tantos sacrificios e despezas acaba de ser aberto
deve inspirar a todos a cerleza de que se vender muito barato com o fim de se adqui-
rir crdito e freguezia.
Aaruta verdadeira a 320 rs. a libra.
Arnx do Maranhao, Java e do Penedo a 80
li 0 e 120 rs. a libra, e a arroba a 15800,
25 Amendoas a 280 rs. a libra.
Ameixas francezas a 1 200, liOO c I 600
em latas, frascos e lindas caicliinhas muito
proprias para memosear algi.em,
Amendoas confeitadas em fia.-eos de vidro
a 14 o fra>co.
Alpiste a 16n rs. a libra e 3 4500 a arroba.
Azeite dice francez a 90o rs. a garrafa.
Azeite de Lisboa a 640 rs. a garrafa c 40800
a caada.
Aze.te doce em boies com 9 garrafas a c?oC0
com o'boiao.
Azcitonas por todo o prego.
Biscuitos inglezes de diversas marcas a 1^300
a lata.
Bolachinhas de soda, oval e lunch a 2000
a lata com 5 libras,
Bolai liinhas americanas em barricas 26
libias a 200i>.
Banlia de porco da melhor quaiidade a 3C0
rs. a libra.
Batatas em gigos e caixas por todo o prego.
Caf moido a i ('i 00 ou 8000 a arroba.
Caf superior a 7500, 80Ou e 8500 a
arroba.
Cha nesto genero temos o que h de melho-
assim como lambem temos baixo pelos pre-
eos seguirles: i4 0, 1AKI>(>, 1 800,
24400. 2(i0'\ 2800 e 3CK 0 o fino.
Charutos de todas as melhores e peores mar-
cas do mer.ado a80", 1000. 1600, 2,
280O,3O0O, 4(00,o000, u00ee
o cento.
Chourigas as mais novas do mercado a 12
o barril com 1 arroba e 480 rs. a libra, a
i ellas que pechincba.
Chocolate magnifico a I 000 e 1200 a libra.
jCerveja marca a mais acreditada que tem
vindo a ooO rs. a gnala, emeia garrafas
por 320 rs. branca e preta
Conservas inglezas aEOors. o frasco fazenda
chique.
dem francezas a li< 0 rs. o frasco.
| Cevadinha de Franca a 240 rs. a libra.
Champagne da melhor marca que aqu tem
viudo a 20 e 2i o gigo.
Cognak inglez e francez a 800 rs. e J C00 a
sa rala.
I dem em botija a 3r0 e 400 rs. a botija.
,; Graixa etn laUs a 1200 a duzia.
Limonadas de diversas frnctas a I 000 d
frasco.
Licores inglezes e franeczesa 1000, 145CC
e 2 a garrafa.
Lingoas americanas a 800rs. cada uma.
Linguigas promplas em latas a 1200 a lata.
Manteiga ingleza Leste genero o que ha do
melhor a 800 rs. a libra e em barril a 700
rs.
dem mais baixa a 640 e 720 rs. a libra.
Manteiga franceza a o20 rs. a libra, em barnl
a 0 40 rs a libra em rttalho.
Massa de tomates a C40 rs. a libra.
Marmelada muito nova a 640 rs. a libra.
Mullios inglezes a 400 e 640 rs. a garrafinbd.
Mostarda preparada a 'i00 e O'iO rs. o frasco.
Massas para sopa macal rao, lalharim e aletna
a 400 rs. a libra,
dem finas em caixinhas a 3C00 a cainba.
Marrasquino de Zara verdadeiro a l"001
frasco,
dem mais baixo a8C0rs. e I000 o frasco.
Milito em saccas'om 20cuiasa 3;iC0.
Prezunto ingle/, ara hambre viudo no utimt
vapor a
dem mais ant go
a libra,
la a, savel,
r,\f.
a libra,
360 rs.
pelo barato prego de :J>300 cada um : so na loja i < ebolas por lodo preco.
s5faV3' rua da toperalriz 60, de Gana i Copos lapidados qu
RIVAL SEM SEGUNDO.
e
xinbas
Lindas caixinhas rom um carto com a familia
imperial, e dentro de rada caixa um frasco ou sa-
bao ornis fino que passivel: na loja do Beija-
Flor rua do Queimado n. 63 e 69^_____________
~ Charntos~ da lia vana.
Vende-w snpenores charutos da ilavana em
raa de Rabs Schmeltau & C; a rua da Cadeia
n. i*
mpreza de iluminacAo
gaz.
Tedas as vendas de apparelhos e reclamacoes
(por escripto dando o nome, morada, data, etc.),
devem ser teitas o armazem da roa do Imperador
n. 11. Os machinlas mandados para attender a
estas, apresenlaro nm livro qne os reclamanm*
deverao assignar logo depois de prometo o servig
reclaiaado; islo para que a empreza fique Miente
da haviera os mesmos senhores sidodevtdamente
anuWluj.
lia da Senzalla \va o. 42.
Neste estabelecimento vendem-se: tachas df
ferro coado libra a 110 r?., idem de Lo?
Wmrwrt a<20rs.
Rua do Queimado n. 49 loja de miudezasde Jo-
s Bigodinno, venham ver a pechincba que se est
acabaudo certa* qualidades de fazenda.
Be(as de fitas elsticas com 10 varas a..
Uitas de tranca branca lisa com 10 varas.
Ditas de tranca preta lisa a......'......
Hi-alejos para meninos, pechincba a...
Hodinhas cora superiores alfinetes a.....
Caixas com superiores agulhas o limpas a
Sabonetes de familia, muito finos a80e..
Pares de sapatos de laa para mangas a..
Varas de babado do Porto muito bom a
100,li0e.......i.................
Ditas de bico largo grosso a............
Potes do superior tinta tem mais de meia
gat rafa a..........................
Caixas com perfumaras moito bonitas a.
Frascos de oleo de macaca muito fino a .
Ditns de oleo de babosa superior a 240,
380. 100 e.............7..........
Ditos de cheiros muito superiores em qua-
iidade a...........................
Ditos de agua de colonia muito boa a___
Ditosde dita dita grande a...........
Sabonetes de todo o preco 60,160, 200,
320 e.............................
Fraseos de superior banha a 320 e.......
Caixas de p para limpar dentes muito
fino a-............................
Ditos de banha transparente a..........
Pares de ligas muito finas para senhora a
Sabonetes inglezes da melhor quaiidade a
Frascos de agu3 dentrifice superior ga-
rantida a.......................... i000
Massas com 23 envelopes grandes azula-
do..............................
Vara de fita preta com clcheles a.....
Frascos de macaca perola muito superior
Caixas com nenna* grandes a.........
Grasa de botes para calca preta, miudos
Libras de memento da roupa de lavar a..
barritis de retroz de todas as cores e
tem meia oitava de retroz a.........
Varas de bi?os de diferentes larguras a
240
100
60
120
20
200
160
400
160
100
320
300
100
500
320
400
800
400
800
100
600
500
320
ion
100
200
200
100
200
200
60
0 *avo vende parlalo.
Vende-se superior sem da China, fazenda loua
de laa era lustre tendo 6 palmos de largura pro-
prio para vestidos, rapas, paletnts, caifas, de,
pelo bar.itissimo preco de 2, 22i 0, 25500 o 3 o
covado, cassas relas lisas, clnla*pretas largas e
estrellas, manguitos, colarnrfios,ptinrios, e enfeiles,
tudo preto proprio para lulo fechado, e muitos ou-
tros artigos que se vendem por precos mais em
conta do (fue em outra quaJquer parto por estar
liquidando ; so na loja do Pavao rua da Impera-
lriz n. 60, defama & Silva.
As percalas do Pavo.
As mais lindas percalas que tem vindo ao mer-
cado pelo ultimo vapor tem na loja do Pavo pelo
barato prego de 600 rs. o covado ; ditas de listi-
nhas_ muilo miudinhas proprias para vestidos e
roupSes de sonhoras. meninos e meninas, pelo ba-
ratissimo preco de 500 rs. o covado ; garaniem-se
as cores por serem do melhor fabricante que as
tem em Pars: isto na loja do Pavo rua da Im-
peratriz n. 60, de Gama & Silva.
As chitas do Pavo 2$too e
JfSOO o corle
Vendem-se cortes do chita rom dez covados
2i00, ditos 2*800, com 12 covados; sao chitas
inglezas, mas padroes bonitos e tintas seguras;
assim tem as melhores chitas francezas o de tin-
tas seguras por precos commodo*, a saber : 320,
340, 360, 400, 140, 500 rs. o covado : na loja do
Pavo rua da Imperatriz n. 60, de Gama A
Silva.
Os bordados do Pavo
Vendem-se camlsrahas com manguitos e golli-
nhas bordadas, pelo barato proco de ij o 1,5280
cada um, manguitos s 500 rs. rada par, ditos
cora golinha a 800 rs., golinhas 400 o 480 rs., de
fil a 240 rs. cada golinha bordada, romeira de
cassa o de fil muito bem bordadas 2 cada
uma, manguitos que servom para calcinha de me-
ninas 640 rs. cada par, camisa cora manguitos e
golas com a competente gravata de seda, fazenda
fina, pelo barato pn-co de 3, e umitas outra>
bordadas que so vmdem por precos muito em
conta : s na loja do Pavao rua "da Imperatriz
n. 60, de Gama A Silva.
As roupas do Pavo
Vende-so panno preto lino muito superior pelo
barato pre?o de. 25, 25500, 35, 35500 e 45, dito
muito Uno 55 o 65 o covado, casimira preta de
uma s largura v. muito fina a 15800,25 e 25500
e 35 o covado, cortes de casimira de cores a 55,
55500 e 65, casimiras entestadas de uma s cor
proprias para raleas, paletots, cleles, capas e para
muras de meninos a 35300 o covado, isto ua loja
do Pavo rua da Imperatriz n. 60, de Gama A
Silva.__________________________________
Potassa da Russia,
da mais superior desembarrada hornera : vende-
se no escriptorio de Manoel Ignacio de Oliveira A
Filho,-largo do Corpo Santo n. 19.
Gomma de mandioca.
Vende so sa rua da Madre de Dos n. 38, ar-
uazem.
e sempre se venueram e
so vendem em militas partes a c\-;j e 10;>,
vendemos a .*i?5 0 e 6fOOi a duzia.
Copos para vinho a :)>')0' a duzia.
Doces di^ calda vindns de L vapor a (5 0 rs. a lata das melhores fi uc-
tas da Europa,
dem da goiaha c da casca o melhor qtie
possivel por diversos precos, e conforme
o tamanlio dos ca xes.
Ervilhas em latas a 640 rs. a lata,
dem sectas a 200 rs a libra.
Espermarete americano a 1 cOO a libra,
dem francez a KO rs. u masso com 6 velas.
Figos de comadre em caixinhas muito lindas
;i80m rs a caixa.
tartana de trigo a 120 c 140 rs a libra.
Faritii.a do .Maianlin a 24" rs. a libra.
Fumo do Para a 18' 0 a lata grande.
Fumo americano a l#400 a libra.
Fumo em macinhos para sigarros a 200
rs. o mago.
Farelo em sacas de *0a 90 libras a 33500
Genebra de laranja 1 o frasco.
dem de Hollanda a 300 rs. o frasco.
Vndm-si>i irv* lindos raoleqnes, dtias boni-
tas molers, dons escravos para todo o servico :
oa travessa do Carmo n. 1.
H(0 rs. a libra.
a (540 rs. a libra.
dem do Porto a 040 rs. e sendo inteiro -
o 0 rs. .t libra.
Passas i ovas a 400 rs. a libra.
Polvo a l0 rs. a libra.
Painco a 160 rs. a libra.
Pomada a 240 rs. a duzia.
Pimenla do reino a 320 rs.
Peixe em latas a t;5()t0 a
vina, pargo e outros.
Papel de peso a 20O0 a resma,
dem idem muito fino a i#000 e 3(?B0O.
dem marfim a 4 $o' 0,
dem almasto a 35000, 3->"00 e 4,5000.
I'tem para embrulho a 141200 a resma.
Palitos para denles magos cnm2i< macinhos
a 80, 120 e200 rs. o maro.
Paulos do gaz a 2,>000a gro/a.
Queijos '!; ; er-g-\- do uiii.o vapor a 2>400.
dem lomirino a !)( 0 rs. a libra.
dem prato a 640 rs. a libra.
Rap Mearon a ;(00 a libra.
Sag e sevadinha a 210 o 280
Sardinhas de Nanlesa !i'0, 3G0 e
lata.
Sab5o mafia a 120, 1.80, 200 e 240 rs. a
libra, e em caixes por menos.
Sal refinado a GtiO rs. o vazo (pote de vidro.)
Toucinho de Lisboa, de Santos e americano
a HiO, 20 e 32u rs. a libra e em arroba
a 5,1, e 9.-500'.).
Tijolos para limpar facas a 160 rs. cada um.
Vinho do Porto em ancoras com 70 garrafas
a 30000.
Vinhos de Lisboa eFigueira qualidades mag-
nificas a 30000, 3551 0 e 40c0 a caada.
Vinho do Porto em pipa a :> e 60000 a ranada.
Vinho branco de Lisboa e Porto em ancoras,
barris e pipas a 4OOO e d0(Mi a cacada.
Vinagre de Lisboa a I600 e 2U00 a caa-
da.
Vinarrccm garrames por L?C00 com o gar-
rafao.
Vinagre em ancoras para 1 -jGOO com a ancora
de 9 caadas.
Vassouras americanas a 640 rs. cada uma.
Vinho deHordeaux neste genero temos grande
porco e das qualidades melhores que lent
vinuo ao nosso mercado em garrafas, em
ancoras, em barris cquartolas oqual ven-
demos por procos muito baixos.
t)
DECLAKACAO.
O BALIZA declara pelo prezente que
deixa de publicar os precos pelos quaes ven-
do as suas mercaderas por motivos que ao
respeitavel publico pouco intereca. Serve
provisoriamente de baze os precos do Pro-
pheta.
ORDEHI DO Mito
0 BALIZA concede plena liberdade aos
seos amaveis collejas Clarins, Unies. mitra-
dos o croados, para quo pnssam saltar, her-
rar e tudo mais quanto lhes aprouver, at
a sua segunda ordem.

* ,


>


Diaria 4c rern*m*nrm ... Terca lelra 91 m weio 4c tt.

\

i
.
afifti

6BAKDE AHAZK.H DE HOLDVDOS
fe
| Largo da L m
Santa Cruz $M^
ii.84.
Esquina
da ra do"
Sebon.84.
0
NEM COROAS NEM MITRAS

GRAIOE
H4NTE
AKMAZElff
DE

Francisco Jos Fernandes Pires, proprietario do armazem de molhados denominado
Aurora Bullante, ao largo da Santa Cruz n. 8i, esquina da ra do Sebo, faz sciente ao
respeitavel publico desta cidade e do interior, que no sen importante estabelecimento
vender scmpre gneros novos e do primeira qualidadc, e vender a todos pelo mesmo
preco.
O completo sortimento de todos os penaros finos e grossos q-ie costumam ter outros
estabelecimeBtos desta ordem se encontrarn sempre no armazem da Aurora Brilbante
e sempre em rande escala vontade dos senhores compradores.
O proprietano do armazem Aurora Brilliante pede a lodos os senhores e senhoras
que quandn tiwrem de mandar suas relacoes a esto estahelecimenlo por seus criados
seja oin carta fechada ou com grande recommendaco a este armazem, certos de que
sero to be;n servidos como se viessem pessoalmente.
RA DO I9IPERADOR *. 40
Junio ao sebeado em que mora o Si*. 0*borue,


NOVA EXPOSIQAO DE GNEROS
NO
ARMAZEM

PRINCIPAL
DE
mtt. % %mi\

A Aurora Brilliante troca qualquer um genero que por acaso nao agrade, e recebe
as libras (Merlinas a 'J#0j, sendo pur compra : a tabella de seos gneros ser mudada
todas as semanas.
Amendoas confortadas a libra a 800. Carne e linguiea do serto.
Manteiga ingleza i!or a 800, 9G0 e 1$120. Dnzia de grasa latas granees a 15.
Dita mais abaixo a CiO e 720 rs. Caixas cora 23 massos de velas de sperma-
ila francesa nova libra 640 e em barril a cele a 560 rs. a libra.
560 e 600 rs. Ditas raaiores a 600, 640 e 720 rs. a libra.
Chocolate sam multo novo a 15200 a libra.
Cha perola o tnelhor que ha ( redondo) a
libra a ;i<3200 e 2-3800.
Iiito dito mais abano a 23300 e 25800.
Dito uxim muito lino a 2$8O0 e :5
Dito hysson superior a 25600 e 25800.
Dito mais abaixo a 25 e 25500.
Dito preto muito fino a 25300.
Dilo em massos a 25-
Dito do lio em latas de i, 2 e 1 libra
15300,
Caf de .Moca superior arroba 95500 e libra
300 e 280 rs.
Dito do iio o do Cear arroba 85300. e libra
320 rs.
Dito mais ab;xo arroba 85 e libra 260 rs.
Barricas com bolachinba inglesa nova a
35-
Latas com bohchinha de soda de o libras a
25300.
Ditas com ditas soi tUas de 2 libras a 15400
Frascos com amellas francezas a 15600,
2-5800 e :5.
Laias com ditas a 1-5400.25200 e 4$.
Ditas tv n figos de comadre a 15300.
_Caixinbas cndilos muito novos.
Presunto de Lamego muito novo a libra o 0
rs. inteiro e aretalho 600 rs.
Chouricas e paios novos a libra 000 rs.
Ditas com ervilhas francezas e |iurtuguezas
a 800 rs.
Ditas com massa de tomate novo 4 libra 500
rs. :;eni narril a 500 r.^.
Ditas com ostras a 720 rs.
Ditas com marmelada dos melhores autores
do Lisboa a hua 640 o 720.
Potes com musturJa franceza preparada a
libra 480 rs,
Dita dita inglezaa 800 e 15.
Queijos novos do va.'ior a 25200 c 23800.
Ditos Je prato enplicado a 5.
Dito suisso a 800 rs.
Dito de manteiga do Serido a 800 rs.
Laias cmn passas novas do 1 arroba 75/
im-ia 35300 e quarte 25 e libra 480 rs.
Amendoas com casca a libra 240 rs. e ano-:
ba 65.
Xozes lilira 160 c arroba 55.
Charutos linos de Sima?, o dos melhores fa-i
bricantesda Babia de 25 83 caucas d
100 e 30.
Crozas de caixinhas de palitos do gaz a 25200
e 200 rs. a duza.
Barris com azeitonas novas a 13200 c 23
barris grandes.
Vassouras do Portopiassava muito seguras a
400 rs.
Azeito doce francez dos melhores fabrican-
tes, caixa 105 e a garrafa 13.
Caixas com vinho BoMouax branco e tinto.
Vinhodo Porto Una em barris de 5o que ra-
ras vi>z's apparece por 803 e em caada
a S 5300 p garrafa a 800 rs.
Dito de Figueira pnro caada 45 e 45300 e
garrafa a 480 e 560 rs.
Dito iie Lisboa de boas marcas a 33500 <
Caixas com urna arroba de velas do Arara-
ty 105500 e libra 400 rs.
Ditas de corapoico arroba 105 e libra 360
ris.
Saceos grandes com farinlia de Goianna mui-
to boa a 55300.
Ditos com millio novo com 1%'coias a 35300.
Dito com farello de Lisboa a 35300 e 120
a libras
Dito com arroz de casca a oOOO.
Olma de garrafas de cerveia branca c preta
a 33300 e em barricas a 53000.
Arroz doMaranhao em saceos arroba 25600
25400 e libra 100 e 80 rs.
Dito da India e .lava arroba 35 libra 120.
Araruta verdadeira arroba 83 e libra 320
rs., malarana.
Gomma do Araraty para engommar arroba
55 e libra 160 rs.
Farinha do Maranho nova libra 320 rs.
Ervilhas seccas muito novas libra 200 rs.
Sag 6 .-;;'. a-lmlia a 240 rs.
Safada arroba 35200*e libra 120 rs.
Ora xa de boio 97 a 280 rs.
Saiio massa a 200, 240 e 280 rs. a libra.
Dito hespanhol verdadeiro a 400 rs. a libra.
ISa'aios do Porto de diversos tamaitos de 320
a t
600.
43 e a garrafa a 440 fi '.80 rs.
Cognac verdadeiro a garrafa 15 o 15280.
Yinh.i moscatel dnzia 105 e .carrafa 1 i,
Vinho branco de mullo boa qualidade cana-
da 43 e garrafa 480 rs.
Dito Xerez lino caada 75300 e garrafa a
15200.
Dito Madelra secca agarrafa 15600 o 23.
Dito em caixas de ama dnzia do Porte) dos
melhores autores a 123, 145 e 165.
Garrafa- cm licor fino francez a 15, 1-3200
e 156 '.
Ditas com vinho de caj muito claro a 15-
Ditas com mol de abelhapuroa 15-
Frascos com genebra de llollanda de 2 gar-
rafas a 13
Dito de urna garrafa a 560 rs.
Dito de laranja verdadeira a 15200.
Potes com mo>tarda preparada a320e400rs.
Calvas com 2 arrobas de batatas a 23300.
Vinho branco de Lisboa proprio para missa
a 45800 a caada e 640 rs. a garrafa.
Espirito de vinho a 400 rs. a garrafa.
Duas redes muito bem feitas para dormir
vindas de Sobral a 303 cada urna.
Capachos para portas de varias cores a
700 e 800 rs.
Grao de bico arro a 45500 e libra 160 rs.
Painco arroba 55500 e libra 200 rs.
aiilho alplsta arrobi 45800 e libra 160 rs.
Az-itc doce de Lisboa garrafa a 640 rs.
Vinagre de Lisboa caada 15500 e garrafa
200, 240 e 320 rs.
Massos de palitos de dontcs com 20 massi-
nhos a 160 rs.
'fijlos de liuipar facas a 100 e 120 rs.
Resmas de papel almaco pautado a 43500.
Dito prev liso o inelnor que ha a 45500.
Dito de peso e paulado a 2;500 e 25800.
Garrafoes com 23 e 15 garrafas de verda-
deira genebra de Hollauda por- 83500 e
63000 rs.
Azeite de coco gai rafa 560 rs. e carrapato
3C0 c caada 23560.
Caixoes com dore de solaba a 640, 800 c
13.
Toiicinho de Lisboa arroba 03500 e libra
320 rs.
Dito de Santos arroba 63 e libra 280 rs.
MjIIios com gran les ceblas a 13600.
Onto de dita sola a 15600.
Mauncos de albos a 12(1 rs.
Cordas de pactar e de andaime.
Favas da ilha de S. Miguel arroba 33200 c
libra 120 rs. !
Copos lapidado- para agua e vinho a 35500, i
55800, 63 e 7.
Ditos lisos para varios procos.
Calix lapidados grandes e pequeos duzia
3, 4 e 53 ; e 400 e 500 rs. cada um.
Massas para sopa macarrao, lalharim c ale-
tria a 400 rs.
Estrellaba e invidc libra 640 rs.
Xarope defnelas nacionaes a garrafa 600
ris.
Marrasquinbp de Zara da melhor qaalidade
agarrafa 15200 c 80;) rs.
Esleirs de lranga, cciito a 205 c 240 cada
urna.
Queijos de qulha novos, arroba 165 e libra
a 560.
Duzia de, cliampanha superior a 205, e 25 a
garrafa.
Garrames vazios a 15600.
Massa branca para sopa a 320 rs.
Frascos com azeitonas en coacervas a 800
ris.
Dnzia de cartas finas para jngar a 35-
Sabao hespanhol verdadeiro libra 400.
Saceos com feijao mulatinh novo a 10-3.
Latas cora favas j preparadas a 800 rs.
Sevadinba para sopa a 240 rs.
Garrafas com rnuscalel e selubal a 800 rs.
Sag novo a 400 rs.
Breu arroba 85500 e libra 320 rs.
Latas com 27 garrafas de gaz a 113, a gar-
rafa 500 rs.
cas sao as seguintes: Charaisso AFilho,
F. & M., Nctar ou vinho dos Deuzes,
lagrimas do Douro e outros mudos.
Latas
com 40 libras de Banda a 415000.
Bolachinha ingleza
a 15800 a barrica da raesma que
vendem a 2$0O0 c 2>400.
Nozes
as mais novas do mercado a 120r* A bra.
Gervejas
dos melhores fabricantesje de todas as mai
cas de 45500 a (#500 a duzia.
CHARUTOS
londrino o mais fresco que se pode esperar charutos Thom Pinto,. Res e outros em
PARA TOIIOS
So armazem principal vende-se a todos pelos pregos marcados na sammi i
bella, mas nao se vende por todo o prego fazendo-se pelo de arrota he /)*Zl "
HT. 9 RA IPO R^|0 IV. 9
Esquifa qife volt para a ru do luperdor
i E provaval que n3o seja bem aceita a ver Jado, quando a boa f de lodos anda
tlludida por esta epidemia de nauzeaticos annuncios de cornetas, tambores mX S?
u ^ n. -j-. i itras, etc., que todo odia enchem as paginas deste jornal. wioa, mi-
da o naai liado e variado sortimento de molhados, proprios AIjIjH A
da presente estaco. Os annunciantes nao tem em vista seno garantrem ao respeituel rmhiion ,
Manteiga iugleza Maeas brancas SSSSS ??', SS2*2; 5 {T sufi,"iente para suas *5C*o e nao Z
da safra nova vnS nest7?apor de 28 de para sopa a melhor que se pdc deseja/, |assentarun fortanas a ** [^dejiga jomo omrojannuncianles deste generoP
m?io a 800 rs. a libra. macarrao, talharim c aliria a 100 rs. a
Xiaatciga franceza libra e 4.->"oo a caixa.
da safra nova a 560 rs. alibra, e em barril1 Vinho
I a m rS' A m^Aoo FgUera J A A 6 0UtraS mUU,S marCaS aCre' W^T""*. ^ 5""V", ^ luuu a,lueue ^ **<> ^ja do agrado d
,-. ^ AmeiiaOdh ; ditadas a 500 rs a garrafa. Amendoas confeitadas de diversas cores a Lentilhas muito now Ml,,u, ,
! oonfeitadas de bndtss.mas cores a 800 rs. a dem de Lisboa 6io rs. a libra. I !.,?.! n gUme pa"
bra. Ameixas
cm frascos de vidro com 3 libras liquido a
2?5400, muito propios para mimos.
Cartees
com bolos franceses a 500 .rs. cada um.
Latas
com bolacuiuhas de soda de todas as qua-
lidades a i300.
Chocolates
de todas as qualidades a I #000 a libra.
Presuntos inglezes
dos melhores fabricantes a 800 rs., tambem
temos velhos para 500 rs.
Queijos flamengos
chegados ueste ultimo vapor a 2&6oo.
Queijos
chegados no ultimo vapor a 2^600, cada um.
Queijo
a garrafa e de 105 a 12# a caixa, as mar- dem em frascos grandes a 2,5oo rs.
dem em latas de l /s libra a l,ioo rs. dem franc"p7a n ffin = o m
Arroz do Maranho e da India o melhor que] meios a o ,s ''bra* e m barril
ha neste genero de 8o a loo rs, a libra, e Marmellada o I fabricante de Lisboa a 6oo
e de excellante maree a 800 rs. a libra
sendo inteiro e a 900 rs, a retalbo.
Conservas inglezas
as mais nova? que se pode esperar a 700 rs.
o frasco.
Figos
em libras c catatabas ricamente douradas,
proprias para mimos a 900 e 1^200.
Cha uxim
o melhor que se pode desejar, que outro i
qualquer nio pode vender por menos de
3 a 241600.
Edcm perola
especial qualidade a 2,5700 rs. a libra.
dem hvssiin
o mais aromtico que tem vindo ao nosso
mercado a 2600.
Massas amarellas
para sopa, macarrao, talharim e aletria a
480 rs. alibra.
(OtMC
o muito afamado cognac Pal Brandy a i.8ob
meias caixinhas a 1^500.
Arroz
do Maranho a 100 rs. a libra, e da India
a 80 rs. a libra, c 25500 a 30000 a ar-
reba desses que vendem por 3^400. .
CAF
de 1.a e 2.J sorte do Rio de Janeiro a 8?>3f
e 8$S00 a arroba, e 280 a 300 rs. a libr
Garrafoes
com 4 l/j garrafas com vinagre a l^OOO&aa
o garrafao.
GENEBRA DE LARANJA
verdadeira a 1|000 o frasco, c de II 000
a caixa.
DEM
:em. frasqueiras de Hollanda a j$800 coie
12 frascos.
GENEBRA
de Hollanda verdadeira em frasqueira a Goo
rs. cada urna.
PALITOS
os verdadeiros palitos do gaz a 2,2oo ;< groza
c 2o rs. cada caixinha.
de 2,5oo a 2,8oo a arroba,
Azeite doce de Lisboa a 6oo rs. a garrafa, c
4,8oo rs. a cariada.
dem francez e de Lisboa refinado em gar-
rafas brancas a 9oo rs. a garrafa el o,ooo
rs. a duzia.
Alfazema muito nova e limpa a 32o rs. a
libra.
Azeitonas muito novas a 2,ooo rs, a anco-
reta.
Alpisla limpo a lors. a libra, e 4,4oo rs. a
arroba.
I Bolcliinhas de Lisboa da fabrica do Beato
Antonio de diversas qualidades, em latas
de 6 e de 3 libras a 3,ooo c i,5oo rs. a
lata, e 64o rs.a libra.
dem ingleza em latas de 2 e de 4 libras
das melhores marcas a l,3oo e 2,2oo rs.
b aila,' < ,-,. i Passas novas de carnada a 4oo rs a Fibra o
Ranha de porco refinada a 4oo rs. a librae c,5oo rs. a caixa
em barril a 36o rs. Pe, em latas hermticamente fechadas das
Batatas em caixas de 2 e de 4 arrobas a I Seuinies nualirlalw k i tL,iaaasaas
1 loors n arrnha 5-LBuinies quaiiddUes, sabel, corvina, go-
Champa dasmelhores marcas a 2o.ooo| J* -** e <**a rs- a 'a"
as'mehsfarn?as *'"**' '^ ^ I PUto,1 "^ (len,CS lchadas a l io ^a-
as meias garraias. i co de 20 inacinlios.
Cha uxim o melhor poss.vel a 2,/oo rs. a h- Idem do m a 2oo rs a d|]2a Q %{oo r$
3 P\*(Y/'\
dem perola qualidade especial a 2,7oo rs. Pan?0 mijt0 novoa ,Goi,
.,a ll1,,ra- I rs. a arroba.
dem hysson o melhor que ha neste genero Quejj0S flamengos ,1o ultimo
a 2.000, 2,4oo e 2.6oo rs. a libra.
dem do Rio em latas de 2 a 8 libras, a l,3oo
rs. a libra,
dem preto homeopathico 2,ooo rs. a libra.
. a bra, ha latas de I, 1'/* e 2 libras.
Maca de tomate em latas de urna e duas li-
bras, a 6oo rs. a libra.
dem para sopa estrellinha, pevide, rodiuha.
etc. a3,5oo rs. a caixa e 56o rs. a libra.
Macarrao, talharim e aletria a 4oo rs. a li-
bra.
Mostarda franceza preparada a 4oo rs. ofras-
dem ingleza em p a 64o rs. o frasco
Molbo inglez em garraii.has com rolha de
vidro a 64o rs. cada urna.
Marraschino verdadeiro de Zara a l,ooo rs
a garrafa, e Jo.ooo rs. a duzia.
Nozes muito novas a 16o rs. a libra
Ostras preparadas em latas a 7oo rs! a lata
Frezunlo para fiambre inglez verdadeiro, ga-
rantindo-se a qualidade, a 7oors. a libra.
s. a bra, c 4,'oo
vapor.
dem prato muito fresco a 8oo rs. a libra, e
sendo inteiro a 72o rs.
Sal reliuado em potes de vidro a 5oo rs. ca-
da um.
!rh?n.L5 fr^^It i^,,,!,., ,L. ame.a_ ata, e 4oors o qUar.o.
LICORES
rs. a garrafa e de outras muitas qualida-' fios de todas as qualidades, a lo,ooo a caixa j Charutos do afamado fabricante Jos Finia
des a l,ooo e 8oo rs. a garrafa. com urna dnzia e a l.oon a garrafa. do de Simas e outros da Babia como se-
COPOS M'innel'ldl jamRegalia, Trovadores, Guanabaras, De-
lapidados para agua a 4,5oo e 5,ooo rs. ab,u.,fk!.;.,..,.{,,,,..______ | cias e Suspiros, a 1,6oo, 2,ooo,3,ooo e
duzia, e a 440 e 5oo rs. cada um.
francez suisso e hespanhol a 1 Sag' "mmto'novo e alvo a 24o rs a libr,
:,2ooe l.4oo rs. a libra. Sardinha de Franca a 18o rs a libra
Sevada a loors. a libia.
E ontr* multfos gneros de primeira qnaliddeqne nao
c posslvel menciona -los.
A satbfacjio da Aurora Brllhante vender muito, embora barato, roas DIPHEIRO,
abatendo cinco'por ceuto a quem comprar de 1005000 para cima.
0 NOVO DESTINO

PAPEL -
almaco, grev, peso e de outras muitas qua-:
lidades de 2,2oo, a 4.5oo a resma do me-'
Ihor.
Papel de botica
de excellente qualidade a 2200 a resma,
PAPE!.
azul o pardo para cmbrulho de l,4oo a 2,2oo
rs. a resma.
Corintliias
dos melhores fabricantes de Lisboa, como se- -, rs
jam breu e outros muitos a Ooo rs. a Conservas mglezaa 75o rs. o frasco.
dem franceza surtidas o de urna s quali-
libra.
Pregunto
o verdadeiro prezunto de Lamego a 52o rs.
a libra.
ARROZ
Maranho, Java e India, a loo rs. a libra e
de 3,ooo, a 3,2oo rs. a arroba.
VELAS
de espermacete de diversas marcas a 56o rs.
a libra e em caixa lera abatimento.
passas corinthias muito novas proprias para;. yr,LA.
j o i:k i de carnauba em caixas de arroba a,3oo e
caixa e 34o rs. a libra.
Batatas novas
podim a 8oo rs. a libra.
Fumo
o verdadeiro fumo americano em chapa a'em caixas de 2 arrobas a 5$ a caixa e 60 rs.
l,4oo rs. alibra a libra.
VlllftflTfi Passas muito novas
n ^ em quartos e inleiros a 2 o quarlo e 6500
PRR em ancoretas de 9 caadas a I5,ooo rs. t ha e 400 rs. a libra.
Chocolate
portuguez o mais especial que se pode de-
sejar a 800 rs. a libra e 140 rs. o pao.
Frutas em calda
cada urna.
Cebollas
as mais novas do mercado a 7,ooo rs. a caixa
e l,ooo rs. o molho.
Alpista e Painco
o mais novo do mercado a 140 rs. a libra,
e 4(5400 a arroba.
dade de cada frasco a fJoo rs.
Cognac inglez c francez a l,ooo rs. a garra-
fa, c lo.ooo rs. a duzia.
Cominho e erva-doce a 4oo rs. a libra.
Gravo da India a 600 rs. a libra.
Canella a 1,000 rs. a libra.
Copos finos para agua e vinho a 4.800,
5,000 e 5,5oo rs. a duzia, o 5oo rs. cada
um.
Caf do Rio superior 28o e 3oo rs. a libra,
e 8,5oo a 9,ooo rs. a arroba.
dem do Cear a 26o, 28o e 3oo rs. a libra,
e 8,000 a 8.5oo rs. a arroba.
Doce re goiaba a 600 rs. o caixo.
Ervilhas porluguezas em latas, chegadas l-
timamente a 7oo rs. a lata.
dem seccas a 16o rs. a libra.
dem j descascadas a 2oo rs. a libra.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Figos em caixinhas bem enfeiladas a Ooo rs.
cada urna.
chegadas ltimamente, pera, pecego, ginja e Graixa. DOvaa loors. a lata, 1,loors. a
outros muitos a 640 rs. a lata.
sce da easra da goiaha
a 600 e 1 o caixe.
duzia.
Genebra de Hollanda em frasqueiras de 12
frascos a 5,8oors., e 56o rs. o frasco.
Os proprielarios do grande armazem o Verdadeiro Principal declaram ao* seus dem cm botijas a 4oo rs. cada una.
23-Largo do Terco-23.
1 Joaquim Simo dos Saulos, dono deste bem sortido armazem de mellados denominado Con
i, vafivo do largo do Terco n. 2J scientiica ao respeitavel publico c a todos cm jeral que mandem
oafeahain a esto estabelecimento pan melbor se sertificarem da dimintiiQo de preeos que obtem
iiesle, o que nao obterao se comprarem em oucro qualquer, pelo que se responsabelis a servir qual-
ijirar comprador com a maior presteza e tidelidade, sem que haja a menor altercio. Todo o compra-
Cor qae comprar de 100,5 para cima lera o descont de 5 a 10 por cento pelo seu prompto pagamento.
freguezes e amigos e ao publico em geral, que para fecilitar a commodidade de todos es-
tipularan! os mesmos preeos nos seguintes lugares:
l'niao e Coeimercio roa do Queimario n. 7
0 Verdadeiro Pi ineipal roa do Imperador n. 40
MAC, % A. PERAS E UVAS

chegadas neste ultimo vapor, vende-se nos seguintes lugares: Ra do Imperador n.
40, Verdadeiro PrincipalRa do Queimado n. 7, Uni5o e Commercio.
Atten^ao,
Hlalas as mais novas a 40 rs. a libra e 1$200 a ar-
coba.
Toucioho de Lisboa a 280 rs. a libra e 8300 a ar-
.oba.
Caf de primeira c segunda sorte a 240,260, 280 o
JOO rs. a libra.
Arroz do M iranhao e Java a 100, 70 e 80 rs. a li-
i,ra e 2&2O0 a arroba.
I 'msphros do gaz a 2$ a groza e 180 rs. o.maco.
IVvsas"dc carnada a 320 rs. a libra, e em caixa' a
6JM0.
I' >l.%ehinhas inglezas novas a 240 rs. a libra.
Aibao amarello massa a lf>0,200 e 240 rs. a libra.
Velatde carnauba Aracaty composigao a 360 e 400 i
Cha hvsson miudinbo e perola a 25,000 2-3o00 e
24800.
Milho alpista e painco muito novo a 160 rs. a libra.
Biscoitos e bolachas de suda a l#3O0 e 2$
Araruta das melhores marcas a 1$, 2$, 3$, 4,5, e
iiSQO a caixa.
Charutos em roanos cootendo 60 por 640 rs. o cont
Azeite doce de Lisboa tino a 640 rs. a garrafa.
Dito de carrapato a 280 rs. a garrafa, e 2000 a
arroba.
Vinho de Figueira e Lisboa das meihores marcas a
320, 408, 500, 360, 640 e 800 rs. a garrafa, esto
ultimo do Porto proprio para os doentes por
ser purificado e recomraendado para este tira.
| Queijos de ultimo vapor a 25 e 1700.
1 Manteiga ingleza flor a 15 a libra, e a 9o0 rs. em
barril.
rs. a libra.
Ameixas franceza5 com 1 e meia libras a 13.
BJtssa de tomate da melhor qualidade a 600 rs. a
bra. dem meries superior de 720 a 800 rs. a libra.
Minellada dos melhores fabricantes a 640 rs. a Id<>m franceza do ultimo navio a {60 rs. a libra,
libra. em barril se far abatimento.
Q'ouricas as mais novas a 569 rs. a libra, c eai; Gomma da mais alva a 160 rs. a libra e n *5500 a
*>nrnl por 125. arroba.
Alm destes gneros ha outros muitos que enfadonh seria menciona-los.
i
XAROPE TNICO REGENERADOR
DE QUINA DE FERRO
Preparado por grimult c\pharmaceuticoideS. A. I. o PrincipeNapoleSo, laureados
da Escola de pharmacia de Paris, ra de la Feuillade, 7.
Esta nova eomblnacao rene debalxo de um pequeo volme urna forma agradavel e um osto delicioso
Ha multo queos mdicos desejavao ardentemeSte a reoftflo destes doua medicamento.,Tffia, ao^
2 r2 e,forn8.' ne.m !Ciencia niedica, nem os qumicos o mala dianctos o pierio cnseuir
a aqu; graca porem a perseveranca humana acbSo-ae hoje usocUdas eslas duas poderoaas eubaun-
cws. di., o tnico, restaurador par excedencia, o lerr, a baza de nosso aangueT e eonseguinte-
mente o reparador dos forcas e da saude alterada u perdida. ^* 6uiuie-
As molestias contra as quaes o Xarope tnico regenerador se tem mostrado muito efficu sao :- as amt-
m,n!'tri S?m nlej,fTua8- dre d'estwnago, tasUo. digestoes penosas e tardas, florea brancas,
eair^SesU*fs?phiUticirP emPobrecUnento *taB^ refuto, os estragos prodiukSi
Ha apenas um anno que o Xarope do quina e de fno ol appllcado nos hospitaes de PitIs, e elle
hoje o medicamento mais em voga, substltuindo, por assim direr, os medicamentos ferruginosos corihecido.
O prosierto encerra numerosos certificados de muitos membros da Academia de Medicina e professores
da racutdade que attesto que este precioso medicamento o conservador da saude por excellencia. a
o reconsUtuinte da economa animal, Indispensavel s pessoas que habitao os paizes quentes. como
preservativo das epidemias. ^
Acba-se venda no deposito feral, em Parts, na pharmacia rim.uii c, roa de la Feuillade. 7;
em Luboa, em caza do sur iiodrl,. d. Co*ta-car(Uk, Barral e c? no Porto, na pharmacia do
Anr MlgueMoae tic Saumai Ferrelra; no iti'-de-Jawro, em casa da lava r-elxota e Mata, ra do
Sabio, 11; na Baha, em casa do Snr Joa-Calano Ferretra-Eaalahelrai no Rio-Grande, em casa do
s r Joaqun de Godoy; no Maranho, em casa dos Snrs Ferrelra e C em Pcrnambuco em casa
do Snr Bartholemea-Franelaeo de Saasai em casa dos SOrs aanam e c, 6 bem assim as prin-
cipaes pharmacias do Branl e de Portugal.
dem em garratoes de 16 garrafas a 4",8oo
rs. com o garrafao.
dem idem de 3 caadas a 7,2oo rs. cada um.
dem ingleza era garrafas brancas bordadas
com rolha de vidro, qualidade superior
a l,ooo rs. a garrafa.
dem de laranja verdadeira a l,ooo rs. o fras-
co, e 11,000 a frasqueiras de 12 frascos.
Kirsch Wasser excellente bebida gotea a
1,800 rs. a garrafa.
Toucinho de Lisboa a 24o e 3oors. a libra.
Tijolos para limpar lacas a 15o rs. cada um.
Vinho em pipa, Porto, Lisboa e Figueira das
marcas menos contiendas a 4oo rs a gar-
rafa, e a 2,8oo rs. a carada.
dem Figueira expecialmn te esrolhido neste
lugar a 6onrs. a garrafa, e i,5oo a caada.
dem Lavr.id.o, Colares muito fresco sem
composicoa Goors. agarrafa, e 4,5o rs. a
caada.
dem Lisboa em ancoras com 9 caadas mar-
ca especial a 22,ooo rs. a ancora.
dem branco uva pura a 56o rs. a carrafa,
e a 4,500 a caada.
dem Porto fino era pipa a 56o rs. a garra-
fa.
dem engarrafados generosos, Lagrimas do
Douro, Duque do Porto, D. Luiz I, D. Pe-
dro V, Nctar, vell.o secco, Malvazia, e
genuino particular de Ooo a 1,9oe rs. a gar-
rafa e a lo^ooo rs. a caixa com urna duzia.
dem Madei^legitimo a l,2oo rs. a garrafa,
ea 12,ooo rs. a duzia.
dem Muscatel a I ooo rs. a garrafa.
dem Bordeaux dos acreditadas marcas St.
Julien St. Esteph, chieau la Ro/e,chatao
Margoux e outros a G,ooo rs, a caixa e 56o
rs. a garrafa.
Vermouth a melhor bebida estomacal a 2,ooo
rs. a garrafa.
Vinagre de Lisboa a 2oo rs. a garrafa e I,4oo
rs. a caada,
dem em garrafoes com 5 garrafas a l.ooo rs.
Vassouras do Porto com arcos de ferro a 32o
rs. cada urna,
dem de escovas para lavar casa a 36o rs.
cada urna.
Vellas de espermaceie superiores a 56o rs.
a libra, e sendo em caixa a 52o rs.
dem de carnauba refinada e de composico
a 36o rs. a libra, c lo,5oo e 1 l.ooo rs. a
arroba.
t JTa Sc 2^ sT'tL & 2 H o
rssaSfHbsTSSSs
W ~ & 9
r~ ^ ^"' r r*.
a:
rEISfS
a
c o5
S-3 Q.
O CB OT l- S-
- C6 __ o
Deposito geral em Perambuoe ra da Cruz n. 22 de emcasaCaros Barbn.
SJB o-B SIS ^^SS; o. a. Si -
O?" o.2STi:,c.i02o2af^

9
/.
o
P o.
w mj (D (^
B
a.
8
o s= a.
w a, O

B* B P
fia C
O
a "~ a fl
B5
5
8
w "" o.
--
o a?
. N
"3
ts -i
25T
?5'
S5

C
9
s
e
5
0
ILEGIVEL
GAZ GAZ GAZ
Vende-se gaz de primeira qualidde a
IOJ a lata : oos armazens da ra do Im-
perador n. 16 e ra do Trapiche Novo n. 8.
. Machinas para descarocar
algodfto dos mais acreditados
fabricantes: na fnndico do
Bownian,riiadoBrnm n. 38.
O sitio de Saneo Amaro que foi do finado Ma-
hopI'Francisco da Silva romcar-s cm loda frente,
aa de lijlo com snfDcicntes commodos. nm v-
veiro e arvores frucliferas : na ra Augusta nu-
mero 43.
Superior cal de Lisboa..
Sende-se superinrclfde LbM amak nova ou
ha no mercado tapio em porcao como a retaliio,
por barato pre$rj afTanfando-se aos compradores a
saperior qnalidade : a tratar na? seguintes ras :
Crespo n. 7, Imperalor n. 28, Forte do Matto ar-
msr.-m do Sr. Villa defronte do trapicho do al-
godao.




1
Diarlo de Perauabar Terca felra S9 t Seiembro de tS*i
.

TTENCftO
Os preeos da seguate
tabella para todos, pe-
deado assim servir de ba-
se para o ajuste de cernas
coui os portadores.
10 PUBLICO
Seal o menor coustraa-
glmento se entregara o
Importe do genero que
nao agradar.
ARMAZ
RITA 1IA CA1IEIA 1IO IIECIFE TM. 3.
(Logo passindo o arce da Conceice) .
f.'raude reduevo de preeos. equivalente a dez por ceuto menos do que outro qualquer
annnnelante.
.
Collegas.Nao posso por mais lempo stistenlar o preco da manteiga ingleza a l,ooors. a libra, bem assim o de oulros'
amitos objectos, etc., dando com isio oeasio a tudas as esjieluncas acabaren) por bom prego a manteiga de tempero, e gritaren) em
alta voz, que podem vender pelo preco que en vendo!! 1 Oa, eu offendido com estas obscuridades e recetse cm adoptar o me?mo
sjsthema que vim encontrar, de so se vender com rim por cenlo a carola, resolv fazer esta glande reducto de preeos, como veris
pela segm'nte tabella, pois romo sabis ca pelo meu bairro, at a abertura do momoravel armazem de molhados Uniao Mercantil nao'
se sabia de outro preco de manteiga ingleza a nao ser o de l,4oo a i,Goo rs. a libra. Hoje porem, resentidos da reduceao a que
estao obrigados, encarando todos os das de seus fregue/es reclamaco de preeos, e qualidades, vingam-se de um e outro portadores
fflal informado deste novo estabelccimento. para lhe vender goneros nao propt ios de um estabelecimento desta ordem que o seu fim
. to smente obier a concurrencia de scus freguezes.
Para bem de todos.
Seohores e Scnhoras-o aceio que presidio, aos arranjos deste novo estabelecimento, e mais que ludo apromptidao e entei-
mento.
Caf do Rio a 2Go e 28o rs. a libra, e 7.8oo
c 8.rjoo rs. a arroba.
dem lavado de primeira qualidade a 3oo rs.
a libra, e 9/>oo rs. a arroba.
dem do Cear de superior qualidade a 2io
e 28o rs. a libra, e 7,8oo a 8,ooo rs. a
arroba.
Arroz, do Maranhao a loo rs. a libra, e 3,ooo
rs. a arroba.
dem da India muito alvo egraudo a loo rs. a
libra, e 3,ooo rs. a arroba.
dem de Java a 8o rs. a libra, e 2,2oo rs.
a arroba.
Painco calpisla a lio rs. a libra, e 4,3oo
rs. a arroba.
Massa de tomate em latas de 1 e 2 libras a
6oo rs. e de barril muito superior a ooo
rs. a libra.
Aletria, macarrao e talharim a 4oo rs. a li-
bra, c 9,ooo rs. a caixa.
dem e laiherim branco a 32o rs. a libra,
estas massas lornam-se recomendareis as
pessoas doentes por serem propriamente
ferias [iara ps^o im.
Etearin.is a io rs. a libra, e em. caixa com
-l' libras a ;>2o rs.
Vinho do Porto muito fino expeliente qua-
lidade proprio para engarrafar em ancore-
tas com 9 cariadas por 43,ooo rs.
4 duzias se faz abali- Antonio de Lisboa em latas com 6 libras
reza com que sero tratados, convida a urna vizita ao mesmo, certos de que sem duvida me darao a proieccao e preferencia na compra
dos gneros que precisareis, e quando nao pocam vir poderao mandar seus portadores, anda que estes sejam pouco pratices, pois
serao tSo bem servidos tomo seviessem pessoalmenle, havendo para com estes toda recommendaco, afim de que nao voemouira parte.
Manteiga ingleza (.safra nova) especialmente. rs. e em barricas de
escoltada a 8oo rs. a libra, em barril se
faz abatimento.
dem franceza a mais nova que tem vindo ao
mercado a 50o rs. a libra, c em barril ou
meros a ooo rs.
i .ha hysson de superior qualidade a 2,6oo rs.
a libra,
dem perela o mais superior do mercado a
2,8uo rs.
dem liuxim o mellior que se pode desejar
neste genero 2,6oo rs.
Idera preto liomeoiiaihicoporserde superior
i|uaiidadtia 2,ooo rs. a libra.
dem hysson, huxun e perola mais proprio
para negocio o l,6oo, l,8oo c 2,ooe rs. a
libra, gaiante-se ser muito regu ar, igual
ao que se vende emoulra parle por 2,4oo
e2,too rs.
Linguicas, ehonrieas e paios em latas de 8
libras, crrneticamonle lacradas a 3.;>oo rs.
garante-s si'tem superiores aos que vem
em barris.
Lhourieas e paos em barris de mea e urna
arroba a 8,ooo rs. e I .ooo e 6oo rs. a libra.
Queijos flamencos-limito frescos chegados
neste ultimo vapor a 2.2oo rs. edo vapor
passado a I,Ooo e l.8oo rs.
dem londnnos os mais sujieiiores que tem
vindo ao mercado a 8oo rs. a libra cntei-
rp se fazabaiiiueuto.
dem praio muito fresco a 8oo rs. a libra,
dem do Alentejo o que se pode desejar de
freso) superior a 8oo rs. a libra, a ell^s
antes que se acabem.
Ervilhas e favas portuguezas em latasj pre-
paradas a O'*o rs.
M.-nmeiada imperial dos mais acreditados fa-
bricantes de Lisboa a 6oo rs. a libra.
Pre/.unlo do ivirio viudos de casa particular
a 5(io rs. a libr*, e a *ioo rs. inteiro.
dem obleas para (iambre ehogado neste
vapor 72o rs a ldun.
Copos lapi lados para a gua a -i,ooo e 5,3oo a
du/.ia,
Chocuiaie francez, >uisso c bespanol a 9oo
i.noo c 1,200 rs. a libra.
Espermacele em caixinhas contendo 6 libras
por l.OO rs., earante-*e serem transpa-
rente e de superior qualidade, tambem tem
de 12 por libra propria para carro.
Peixe em posta sovel. corvina, gors. pesca-
da, salmao, ostras e chernee, vezugo em
latas irrandesa 8ooe I,ooo rs. cada urna.
Vinho Bordeaos das marcas mais acredita-
das q i: tem viudo ao nosso mercado a
6,000, 7,ooo e S,ooo rs. a caixa, garnte-
se sor de qualida !e superior, que outro
qualquer rilo podo vender por este preco.
. ebra de II Wanda a 56o rs. o frasco, e
por 2,5oo; ditas doce em latas com o mes-
mo peso a 2,5oo; ditas imperiaes em latas
ele 3 libras por I,5oo rs.
Ameixas francezas em latas de 1 e meia libra
porl,2oo; ditas em caixinhas de deverses
tamanbos com bonitas estampas na caixa
exteriora l,2oo, 1,5oo, e 1,8oo rs.
Azeite doce retinad Fenanol ou do Kempes
de Lisboa a 83o rs. a garrafa e 9,5oo a
caixa com urna duzia.
Batatas muito novas a 5o rs. a libra e 2,ooo a
caixa com 2 arrobas.
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e
8,ooo a duzia.
Vasssuras de escova para esfregar casa a 32o
Nozes muito novas a 16o rs. a libra
Molho inglez em garrafa de vrdro com
rolha do mesmo a 5oo rs.
Mostarda inj.dea dos melhorcs fabricantes a
8oo rs. o frasco.
Mostarda franceza em potes j preparada
a 4oo rs.
LentHhas excellente legume para sopa a 2oo
rs. a libra.
Marrasquino o verdadeiro de Zara em garrafas
grandes a l,ooors. e 11,ooo a duzia-
Palitos para dentes a lioe lo'ors. o mago.
Sal refinado em irasco de vidro com roiba do
mesmo a boo rs.
LOJAIIOBOJAFLOII.
Kua do Queimado ns. 63 e 69.
nonecas t!e chora
doQi1Pmado,rfi-i^(",a>,uJasdub|-
Honecas de .lioro.
Lindas bonecas de chfiro
mamSi, de dm
Ja-fldr, ra do
Ltms de pellica.
Linas de pellica branca e do .Ore
e senuras : nas lujas do beija-flur
niado ns. (53 e ti'.).
Indias para cintos.
para iomei>
ra do (1(3t
Lindas capell
Capellas para noivas.
i-imi.is ran| ai liara lluivn* i wu _j
^9^do%Xr.arrQSa5odis0&a
Estojas para barba.
Vende-sc ..tofos o m esoclh
e 25000 rana um : nas
Qucimado ns. 03 e 69.
alaios para uiPuinas.
Kecebea-se novo
rrma de varios pas
1-3(100 at i5 cada um'T n
do Uufimado ns. CU e 6!.
hilas linas para rinio.c.
Micas filas linas lavradas il
cunos: nas Jijas do b
o. 03 c (i!i.
para I ai ba 1,2300
Jjas do btja-flor, ra do
fonimenio de balaios, coid
s. pelo baraio prreode.vl !
' 'jas do btija'ilor rur ,
e bonas rres para
cija-il^r, ra do Oueimadu
A>aiia e lecel ei de s>ia propria encomuieiua un ranue e variado sortimento
Exilelos cm cahiatos.
Pinos extractos em caixichas com o retrat ds
fcmilM imperial: na^ lujas do LeiVflorra
Uufimado ns. 63 e 69. '
Sabo cm caiiiabas.
4 lo'vS,Sr-" P;,ix,nl;as r,m nos retratos :
ras lojas dobeija.flor.rua do Qupin.ado ns. 63 e 159
,. ''as bordadas.
vendem-se tiras
de molbados todos primorosam,ente escolhidos, por isso apressa-se o proprietario em'.ijs''"hartniJ'^f,'"rd:1f,:,s'"n'r-ipnt.-,-
t-----------------. #------------------... i: -----1 ------- '"i"' uu utija-rior, rea do Qeiinrilo r.s.
Vendcni-se
offerecer aos seus freguezes e ao publico em geral a seguate tabella dos seus gneros ei i
resumidos presos, afianzando,todo e qualquer genero vendido neste bem conhecido ar-
mazem.
Amendoas confeitadas de 8oo rs. a libra.
Manteiga ingleza perfeitamente tlr, a 8oo rs,
libra,
dem franceza a 56o rs. a libra, e 52o rs.
sendo em barril.
Cha uxiin a*2,7oo rs. a libra, o de 8 libras
para cima a 2,6oo.
dem perola a 2,8oo rs.
cima a 2,7oo,
Vinho de pipa Porto, Figueira, e Lisboa a32o, Ceneja branca e preta das marcas mais a-
4oo e5oo rs. a garrafa, emeanada a 2,5oo,
3,ooo e 3,8oo rs.
Vinho branco de Lisboa de excellente quali-
dade a 4oo e ooo rs.a garrafa, emeanada
a 3.000 e 3,ooo rs.
Vinho branco para missa cm caixa de I duzia
a 8,ooo e a (So rs. a iiai-rufa.
Vinho do Porto das melhores mareas, que
vem ao mercado como sejam Lagrimas do
Douro, Duque do Porto, DuqueGenuino.
D. Luiz I., .Madeira secca, Malvazio fino,
Fetoria em caixa de 1 duzia de D.ooo a
10,000 rs. e a 9oo e 1 ,ooo a garrafa.
Vinho Colares o mais superior que tem
viudo ao mercado a Gio rs. a garrafa.
Sardinhas de Nantesem quartos e meias latas
a 36o e olio rs. cada ama.
Sardinhas portuguezas em latas grandes
preparadas pelo melhorconserveiro de Lis-
boa a ()io rs.
Bolacbinhas inglezas as mais novas do mer-
cado a 2,8oo rs. a barrica, o 2io rs. a
libra.
Bolachinha de soda em latas com diversas
alidades a 1,3oo rs.
francez em caixinhas muito proprias
f
para mimo a 6io rs.
Passas muito novas de carnada a -ioo rs.
libra e 6,ooo rs. a caixa com 2S libras.
5,7oo rs a frasqueira.
dem de laraoja verdadeira de Altona em Figos de comadre a 24o rs. a libra e
frascos grande? a l.ooors. o frasco, c l,8oo rs.a caixa com 8 libras.
1 l.ooo rs. a duzia. Amendoas de casca mole a 32o rs. a libra,
dem do HoHanda em botijas grandes a ioo Bolacbinhasd'agua em sal da fabrica do Beato
e de 8 libras para
uuuf-se
Licores francezes e portuguezes das seguiu- q3^10'35 d0 l)L'lJa-flur>
tes marcas creme do violetas, gerofles, ro-
sa, absinto vespeiro, amor perfeito, amen-
ana amarga, percicot. de Turin, BoteJm,
morangos, limao, cal, laranja, cidra, gin-
ja, canella, cravo, ortela pimenta a 1 .ooo
rs. a duzia I,ooo rs. a garrafa, garante-se
que os melhores que temos tido no mer-
cado.
Jogos de domin.
le domin a JCO e 15300
Hallados bordados
babados bordados de varias larRuras
lejas do beja-flor, ra do
dem hysson o mais superior que se pode Passas muito novas em quartos e inteiros a
desejar a 2,6oo e de 8 libras para cima
as,5oo rs.
dem menos superior a 2,ioo e de 8 libras
para cima a 2,3oo rs.
dem proprio para negocio a 2,3oo, de 8 li-
bras para cima a 2,2oo.
dem do Rio em latas de 2, 4,6 e 8 libras
cada urna a 2, 3, 3,5oo e 4,8oo rs. a lata
dem preto o melhor que se pode desejar
neste genero a 2.8oo rs.
dem menos superior a esse que se vende
por, 2 e 2,4oo, a 4,8oo rs. a libra,
dem mais baixobom para negocio a I,ooo
rs. a libra.
dem miudinho proprio para negocio a i,ooo
rs. a libra.
Uueijos do reino chegados neste ultimo va-
por a 2,2oo.
Queijos chegados no ultimo vapor a 2,0oo rs
dem pralo es melhores e mais frescos do
mercado a 8oo rs. a libra sendo inteiro.
Genehra marca gato a 1.7oo rs. a garrafa.
Vendenvse
e varios preeos :
Queimado ns. li.l e 69.
.tbafidores de rede
800^dfSrTnaiafed0ref du n'dti de V3rias cures
tdereros pelos.
Tendo-se recebido aderecos pretos de novo os-
lo sao expostos a ven-la : nas loias do fartiJC
ra do Queimado ns. 63 e 69. oeja-n;
davalas para senhoras.
is grvalas para seniora 8U0 rs. e IJ
2,000 rs o quarto, a 6,5oo a caixa e 4oo
rs. a libra.
dem corinthas proprias para podim a 8oo
rs. a libra.
Marmeladas dos maisafemados fabricantes de ds."S S. J s do belja'flor' n,a d Queira^
Lisboa a 64o rs. a libra Bapelboa de moldura.
Ervilhas secas muito novas a 16o rs. a libra, j Vendem-se espetos de moldura preta para a- *
(:e"f 'aS d heija-flor'raa Queimado w."
Vallas de aljofares.
Lindas rollinhas de aljofare-; eoni cruz de pedri-
Dhas imitando brilhantes 1,500o cada urna na*
las do beija-rlur, ra do Queimado ns. 63 e 69.
crediudas que vem ao mercado a o,ooo e
0,000 a duzia e ido rs. a garrafa. Biscoitos em latas de 2 libras das segmntes
Sag muito novo e alvo a 24o rs. a libra. mnrcas : Osborne, Crakml, Mixed, Victo-
Sevadinha de Franca muito nova a2oo rs. ria. Pec-mc, Fance, .Machine e outras mui-
Charutosdn lodos os fabricantes da Bahiaedas tas a i>'()0 e *.*) rs.
mais acreditadas marcas ennhucidas no f umo americano em chapa a 1,600 rs, i
nosso mercado a 2,ooo, 2,0.0, a.ooo, I,IJId-
3,000 e 3.800 a caixa de loo charutos. Araruta de todas as quahdades.
Cognac inglez das melhores marcas a Batel.as novas em c;i,xas (1 arrollas a 3$ a
l,uo rs. a garrafa. n fa'^a *>; *
Balachmha de Lraknel em latas de o libras
Doce da casca da goiaha em latas de 4 Ii- bruto a 4,000 rs.
braspor 2,ooo; dito em caixocs a 600 rs. im ngie/asem barricas amis novado
Grao de bico mudo novo a 16o rs. a libra.
Ervilhas francezas em latas a 64o rs.
Potes com sal refinado a 48o rs.
Fumo de chapa americano a l,6oo rs. a libra
fazenda especial.
Presunto para fiambre inglezes a 7oo e
rs. a libra.
Chouricas e paios mni.o novos a 64o a libra. I aQS JJe 69
t.aixas do traque n. I a 8$MX) cada urna. |5a a b
Massas j.ara sopa macarrao, talharim aletria vende se 13a para bordar, a melho
a 4oo rs. a libra.
Cognac verdadeiro inglez a 8,000 rs. a caixa
e 800 rs. a garrafa,
dem francez a 7,ooo rs. a duzia e 7oo rs. a
garrafa.
Charutos era grande quantidade e de todos o?
fabricantes mais a creditados a l,5oo,
2,ooo, 2.5oo, 3,oon e 4,000 rs. a caixa,
os mais baixos sao dos que por abi se ven
dema 2,000 e2,5oo rs.
Caf de prcmeira qualidade a 8.3oo e 9,oo
rs. a ai roba e 28o a 22o 1 s. .1 fibra.
dem de segunda qualidade a 8,2oo rs a ar-
roba e 26o rs. a fibra.
8001 Colheres para sopa.
Vondem-se colheres de meial-principe para -Op>
a 2^100 cada urna : nas lojas do beija-flor, ra do
^ende -elaa para Dordar, a melhor qne se poda
encontrar, tanto na qualidade, como na- cores.V
65-MJO a libra : nas lojas do beija-lor. roa do Qnei-
mado ns. .'i e G9.
N is mi .: as lojas se encontrar sempre pranda
soriimento de miudezas boas, e mais baratas do
rjue em outra qualquer parte.
I I l'l li I IIMI'H
cada um.
Farinlia de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Velas de carnauba de6 e 12 por libran
32o rs. a libra e lo.ooo rs. a arroba.
Azeite doce de Lisboa a 64o rs. a garrafa
e 4,8oo a caada.
mercado a 3,5oo rs. a barrica o 24o rs. a
libra.
alvo a
Banha de poi co refinada a 4oo rs. a libra
c 36o rs. em barril.
Capil de diversas frutas muito
64o rs. a garrafa.
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a graza.
Toucinho de Lisboa muito alto e
32o rs. a libra e 8..'ioo a arroba.
Ameixas francezas em latas de 3 libras por
2,000. rs.
Cebollas solas a l,4oo o cento ; ditas em
mol ios com cento etantas porl,2oors.
Malte excellente cha para os navegantes a
a 2oo rs. libras.
Chocolate portuguez o mais especial que se
pode desejar a 800 rs. a libra o 14o rs. o
pao.
Papel de botica de excellente qnalidade a
2loors. a resma,
j Potes com sal retinado a 48o rs. cada um.
frescas a Bicos frascos com bulas francezas em calda
a mellior que se pode desrjar de l,4oo a
3,ooo o f asco.
AGENCIA
ITOGIOLOW-AOKGOLE
ua da Seuzalla nota u. 42.
Keste esiabeleciiuenio contina a haver
um completo sortimento de moendas e meiai
Duendas para engenho, mactunas de vapor
e tachas de ferro batido e coado, de todos 01
tamanbos para ditos.
Arados americanos e machinas par
lavar rovipa: em casa de S. P. Johnston A C,
ra da Senzalla Nova n. 42.
AK.V1AZG9I
DE
AI/VES COVTIiVIIO & BRAHDAO
21 Largo do TercoS
Ao publico.
..,uu .0. a libia;
do Maranhao e da
dm nritaa 2 STSS7L para ven- Chouricas muito novas a 640 rs a libra ; chocolate francez a
eer Ant-mio Luiz de Oliveira A/.evedud C, no seo ameixasrdem ; alpisla a loo rs. a libra, e 000 rs. a arroba ; arroz
scriptorio roa da Cruz n. 1. i India de 80 a loo rs. a libra, e em a arroba de 2,6oo e 3,ooo rs. ; azeite doce refinado
m < 'ti St'^ &*4W ^K^WW-l ia ,l0 rs- a garrafa e em porcao, menos ; idem de barris a (>'jo rs. a garrafa, e em cana-
551 da a 4,8oo rs. ; banha de poi co a 4oo rs. a libra, e em barril a 36o rs.; batatas muito
1 novas a 4o rs. a libra, e 1,2o rrs. a arroba ; cha perola, hysson, miudinho a l,8oo, 2,4oo
'e 2,5oo rs. a fibra ; charutos des meihores fabricantes da Babia de 2,ooo e 4,ooo rs- ;
cerveja branca e preta a Son rs. a garrafa ; cravo, canella, cominho e erva-doce, conser-
vas inglezas em frascos e meios de 5oo a 9oo rs.; cognac inglez superior a l.ooo rs. a
2.a e 3.'
qualidade de 8,5oo, 9.000 e 9,5oo rs. a arroba
i/
cevadi-
^ Fabrica Conceicilo da
I Balda.
33 Andrade k Reg, roeetem conslante-
'0H mente e lem venda no seu armazrm n.
W 34 da ruado Imperador, aluodao d'aquel-
3 ia fabrica, proprio para saceos de assu-
{W, car, embalar aiuodo empluma etc., etc., jjgt
4% polo prei'o mais razoavel. |
Charutos de Havana
de superi ir qualidade vendem-se em casa
deSchafleillincvC, ra da Cruz n. 42.
Raa da Senzal'a n. 42.
Vende-se, em casa de S. P Johnston & C, sas marcas; palitos do gaz a 2,2oo rs. a grnsa e 2o t-s. a caixinha ; ditos de seguranca
se'lins e silles inglezes, candieiros e casti- individual a 2o rs. a ciixinba e 36o rs. o maco; queijos flameogos do vapor a 2,o rs.
caes bronzeaJos, lonas inglezas, fio de vela, cada um; cevadinha a 2oo rs. a libra; sardinhas de Nantes de 4oo a 4o rs. a lata; sa-
chicetes para carros e rao'taria, arreios para b3k) massa muito superi' r a 2oo rs. a libra; toucinho de Lisboa nrnito alvo a 3oo rs. a li-
carros de um e dous cavalls, e relogios de bra; vinh do Porto elho engarrafado a l.ooo rs; idem em barril a 8oo rs. a garrafa,
onro patente inglez. sendo porxo fe/.-se differen?a eem caada a 5,ooo rs.; i-iem de Lisboa muito superior a
--------------->-----------------------------, 4oors. a *arrafa e 2.Hoo rs. a ranada ; idem da Figueira J. A. A. a 5<>o rs. a arrafa e
Vl\'ll(l Pili 11 3.6iio rs. a caada ; idem do K-treito a 36o o 3-20 rs a gariifa e em caada a 2,56o;
III1II" lUli*" I dem Rorleaus a 56o rs. a garrafa ; idem branco de Lislroa, proprio para missa a 5oo rs.
Ojcon aflnai o afamado vinho do Cartacho sem a Karraf^ ; vinagre de Lisboa muito saperior a 2oo rs. a garrafa, e l,4oo rs. a caada ;
^lZtffiXr^S^T 2fr <*v*a>t*TSe S 522fac,s a!4o rs- PrftS.,nU,s de Umg0 a ^
caadas e a .560 a garrafa. ea.l.s a.ir rb outros muilos gneros qnedesnecessarro e menciona-les.
j garrafa; caf de 1
r iiha a joo rs. a libra; ervdhas portuguezas em latas de 1 '/ libra a 7oo rs. ; spermacete
; a 56o rs. a libra, e em caixas a 52o rs.; farinha de araruta verdadeira a 2oo rs. a libra,
e em a arroba a 6,000rs ; genebra de laranja a l.ooo rs. o frasco ; dem de Hollanda
a 64o rs., e 4oo rs. a botija; graixa em latas a l,2oo rs. a duzia ; manteiga ingleza per-
feita flor a 8oo rs a libra ; idem franceza a 86b rs. a libra, e em barris a 52o rs. ; maca
de tomate a Ooo rs. a libra ; marmelada dos melhores fabricantes a 64o rs. a libra ; ale-
tria, talharim e macando a 4oo rs.; marrasquino de Zara verdadeiro a I,ooors. cada fras-
co ; nozes muit' navas a 2oo fS. a libra ; passas a 4"0 rs. a libra ; painco a 16o rs. ; [to-
mada a 24o rs. a duzia; pimenta do reino a 36o rs. ; papel almaco e de peso de diver-
Frolas em calda chegadas ltimamente, pea,
pecego, ginja e outros muitos a 12o rs. a
lata de 2|2 libras.
FoijSo verde em'bages em latas a 64o rs. a
lata.
Nozes muito novas a 120 rs. a libra, e 4,ooo
rs. a arroba.
Amendoas confeitadas a Goo rs. a libra.
Idera de casca mole a 32o rs.
Vinhos engarrafados no Porto e Lisboa das
seguintes marcas: duque, genuino, velho
secco especial, lagrimas doces, vinho es-
pecial D Pedro V, nctar superior de
1833, duque do Porto de 1834, vinho do
Porto, velho superior, madeira secca, Por-
to superior D. Luiz I, e outras muitas
marcas, em caixa de urna duzia a lo,ooo e
l.ooo rs. a garrafa.
dem branco de uva pura a 64o rs. a garra-
fa e 4,ooo a caada.
dem superior a 5oo rs. a garrafa e 3,2oo rs.
a caada.
dem em pipa Porto, Lisboa c Figueira das
marcas mais acreditadas a 3,8oo a caada
e 5oo rs, a garrafa.
Idem de marcas pouco conhecidas a 4oo rs.
a garrafa e 3,ooo rs. a caada.
Especial vinho Lavradio sem a mais pequea
composiejio a 5G0 a garrafa e 4,ooo rs. a
caada.
Farinha de matarana a 240 rs. a libra.
Bicas caixas a>m figos a l,ooo rs. cada urna.
Bicos livros com figos 1 ,ooo rs.
Pomada a 200 rs. a duzia, sevada muito no-
va a 80 rs. a libra, e 2*5oo a arroba.
Garrafoes com 4 */ garrafas de vinho supe-
rior a 2,5oo rs. com o garrafSo.
Idem com 4 '." ditas de venagre a 1 ,ooo rs. o
garrafn.
Vinagre PBB em ancoretas de 9 caadas a
15,ooo,rs. com aancoreta
dem em pipa puro sem o batismn a 2oo rs.
a garrafa e 1.4oo rs. a caada.
Caixas com 1 duzia da garrafas de vinho Bor-
deaux fazenda muito especial a 6,8oo rs.
a caixa e 7oo rs. a gari afa.
Ausenlou se da casa do seu senhor.no da -t
do correte moZj o mulatinho de '.. me l'uiino, ida.-
:r de 12-annes, levou vetid i calen de riscadinrio
azol desbntada, camisa d'alpodaozinho azul velha,
chapeo do palha de carnauba pequeo, 0 lemas .
sigilaos seguintes : nabeca e ordlias crandes, ca-.
. 1 oiioannellado, lem o andar cabido para a fren;:,
Arroz do Maranhao a 12ors. a libra, 3,000 rs. i c rjnan lo anda metro as pona* dos ps para den-
a arroba lr"' mu't0 Wbo, tem silo visto por diversas ve-
Mpiti da India mnitn iiiu>rinr -i 2 Ooo rs a zcs na* (nalro frejjueziaa desla cidade jugando e
,s- a erapii nd 1 paj apaio com oujros mole-im s : roga-
se, portanlo, todas as autoridades policiaes e ca-
piiiies de campo ipre o pepnem, levem-o ru- do
Pilar, em Fra de Portas n. K), priineiro andar,
que serao (zralificados generosamente
Fugio do lugar do Salgado, pe lo da guan-
ta da provincia o.i Parahiba, o negro crioulo de
nome lli'iiio. c ni os signaos seguintes : cheio do.
curpo.bem fallante, poui'a barba, mas bstamenos
peit?,e cm um dos rrjeilos dos ps um cosluirio
proveniente de cortes de catada : pede-se aos ca
pitaes de campo ou mesmo as autoridades o ap-
prehendam e recolham cadnia, annucciando pe-
la.- folhas desta cidade; protestando o abaixo as-
-ignado contra qualquer pessoa >|ue o teulia crtv
seu poder,____________________
Fugio na tarde do da i ejulhup. p. um
escrio pardo, de norne Marcos, desembarcado
do Inate Santa Auna, vindo do Aracaiy, tendo
.le idade 28 annos pomo mais ou menos,eos sig-
-1 paintes : altura regular, secco do corpo,
pnuca harba, cabello crespo, levou canosa a-
calca de algodaosinho de tascado azul e cha-
peo de palha, rendo levado comsijro urna irouxs
com mais roupa, e rendido de un,a das venillas;
ijuem o appreender qneira leva-lo a 1 na da Madre
de lleus n. 38. ou ra do Krum n. 00, quesera
reconipeiisado
arroba, c loo rs. a libra.
dem mais baixo redondo a 2,600 rs. a libra.
Idem da India comprido a 2, ioo rs. a arro-
ba, e 80 rs. a libra.
Vellas de carnauba do Aracaty a 9.5oo rs. ar-
roba, e 36o rs. a libra.
dem de sebo muito dura lingindo espannace-
te 3no rs. a libra.
dem de esparrnaecte a 56o rs. a libra, e em
caixa a 2o rs. com 25 libras.
Papel o melhor i|ue se pode desejar para os
Srs. empregados pblicos a 5,ooo rs. a res-
ma, j se venden por 7.ooo rs.
Idemaimaco |iautadoelisoa 3.ooors. a resma.
Idem de peso pautada e liso a2,5oors. a
resma.
dem a zul de botica ou fugueteiro a 2,00 rs.
a resma.
Idem embrulho de 1,2oo a 1, ioo rs. a resma;
Ameixas francezas em latas de 1 '/j libra a
l,2oo e 800 rs. a libra,
dem em frascos de 3 libras a 2,5oo rs., s o
frasco valle 1,00o rs. tambem temos em
frascos para i.ioo rs.
Conservas inglezas a 800 rs. o frasco.
Mostarda preparada em potes muito nova a
2oo rs.
Molhos inglezes a 800 e l,ooo rs. o frasco.
escravo Jos, preto crioulo. de 2
anno^,
Cravo a iSo rs. a libra.
Cerveja Tenente ve dadeira a 7,ooo rs. a
duziae 600 r.-. a garrafa,
dem de outras marcas preta e branca a 5,Son
e 6,000 rs. a duzia e 5oo rs.a garrafa.
Vassouras de piassava com 2 arcos do ferro
vindas do Porto a 32o rs.
Cebollas muito novas a l,ooo rs. o molho e
800 rs. o cento.
Genebra de Hollonda em frasqueiras a 6,ooo
e 56o rs. o frasco,
dem em botijas a ioo rs.
dem em garrafes de 14 garrafas a 5,2oo rs
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a gruza e 2o rs. a
caixa.
dem de dentes lixados em macos grandes
com 2o rs o macinhos a 12o rs. o roasso.
Cominhos muito novos a 32o rs. a libra e
lo.ooo a arroba.
Sag muito novo a 24o rs. a libra.
Cevadinha de Franga a 18o rs. a libra.
Milho alpista a lio rs. a libra e 4,5oo rs. a
arroba.
Gomma a 28o rs. a libra e 5,4oo a arroba.
Peixcs em latas a l.ooo rs. a lata j prompto
a comer-se.
Farello de Lisboa marca N. e Biato saceos
grandes a 4,000 rs.
Doce da casca da goiaba a 600 e l,ooo rs. o
caixSo.
O proprietario do grande armazem Unio e Commercio declara aos seus fregu
zes e amigos e ao publico em geral, que para facilitar a couiruodidade de todos estipulou
os mesmo* preeos nos sejruintes lugares:
Unilo e Commercio ra do Queimado n. 7.
O Verdadeiro Principal ra do Imperador n. 40.
baixo, corpo regular, beicos grossos e estufado^
orelhas pequeas, cachabo pro?.-o, pouca barba-
porque tem apenas na pona do qoeixo, que se teto
a nuunciado por este jornal como fgido desde 20-
de julho prximo passado, consta que alguem or
tem acoutade,"se assim ', seu senhor protesta ha-
ver dias de serviCj e tentar aeco judicial, contrai
qu.:m a tanto se tern atrevido, e para maior escla-
it cimento das autoridades e capilae.- de campo,
seu senhor declara que e a Fraui isco Antonio TheuoriodeAlbuquerque Ico-
nhecido por Chic) morador em Gnianna, que vea-
deuo como procurador de Juao Barbosa Curde-
ro morador em Jangadeira sitio Cauto Alegre ap,
mesmo terreno de Goianna; ausentou-se oito d;s
depois de comprado, levando apenas no rarffi
duas calcas urna branca e outra de castor escur>>
de listra>. sem camisa, paleto! preto, e com una
earapuca encarnada na cabera, sesuio para a re-
ferida cidade de Goianna em procura -da casa oV
una amazia que all tem, all ftf visto at odia
em qne eonslou ao tal Theeorlo (Chic) que otfo-
receu-se para agarra-lo, mas infelizmente nao fij
mais visto depois desse dia, eonsiaudo enlao quo
esse ak'uem u conduzio para Timbauba ou Cruao-
gy : quem porm agarra-lo ou der noticia eertaV
delle a seu senhor na ra Direita n. 54 da cidad.
do Recite, ser generosamente recompensado.
Contina fngido o consta estar acolitado em
Goianna o escravo Jos, preto, crioulo, de 26 am
nos, baixo, corpo regular, beicos grossos e e.-tufa-t
dos, orelluis pequeas, cachafo grosso, pouca bata
ha porque tem apenas na pona do queixo, levoa
dius calcas, una branca e outra de castor esenrrf
que parece preto, de listos, paletot preto, sem ca
misa h com una raranoca encarnada na cabeca :
roga-se as autoridades pnliciaes e capites de cam-
po que o apprehendam c afam conduzir presen,
ca do sen senhor na ra Direita desta ridade a-
54, que serao generosamente recompensados.___
Fugm urna escrava por nme Joaqnina, d
idade de 30 anuos pouco mais ou menos, cor pro-
la, Irvnu saia de azula, camisa de ale"riaozinha
tem o nariz chalo, etatura regular, quando and
curva-se nm pouco, tem urna nodoa preta ao p6
dn olho, fugio com um ferro ao pe^coco, cnsi
que e>t acoitada em abruma das ca:ts desla cfc
dade ; protesta-so com todo o rigor da le contra)
qnem a tiver acoitada e ter lirado o ferro, recomq
menda-se a todos os caoaes de campo e auforr*
des policiaes que a peguem e leve-a na ln%
penal n. 3, que ser generosamente reeoropeo*
sado.
/




i



i
ftfi-' e Ffsassfcaeo -- Tei


i
,\
.r.t
i
Bireilo publico
I : VES !.:TI.KXOKs SOBRE A OBIGBM O l''DEH.
(Concluso.)
VI
.-._/ligny.apreciando os divi n v >) ; '' 'i'J
\*ru appareridu sobre esta.importanle qni slao, e es
refutando, api i a o sen, o qual dos parece lio
Se do anligo testaraento passaraos ao novo, en- aos ddadios americanos construir ou vender na-
eonlramos textos anda mais positivos para provar- vios, quando estes nao passarem de uraa simples
mos que todo poder tem sua origem em Deus. operaco commercial; mas quando a urna opera-
E' assim por exemplo. que na historia da Paixo ?o ftnaoceira se msela um i>ensamento hostil a
de Jess Christo, vemos elle dizer a Pilatos: Non qualquer belligerante, quando o vendedor fornece
haberes poteslatem adeersum meullam,nm Ubi com conheciineoto de causa urna arma, aioda que
ilatum essddetuper nao lerias poder algara sobre incompleta, contra uuia poteucia amrga dos E>ta-
m i m. se por ventura este poder nao te fosse dado dos-Unidos, os juizes americanos nao hesitaran)
de cima. E era esta a razio, pela qual uo so nunca em applicar estrictamente a lei, c em eolio
Jess Chrislo, em quanto estove cnlre os liomens, car a honra e a seguranca do seu paiz superior a
mas tambrm todos os apostlos, sempre foram quaesquer outros inttesses particulares. Treo
s endientes as Iota Clvs. precessos celebres nos annaes do direilo maritims
uceupado. E" assim que Elle, sendo consultado sobre o nos fornecoram a prova do que avancamos, os pro-
Este insigne publicista vae procurar como or- pagamento dos tributos, rnandou que dsse Deus cessos do Grac-Pani, do Boliiar e da Santissima
gen da soberana a convenci e a conquista. We era de Deus, c a Cesar o que era de Cesar Tnndade.
e Quanto a convenci, ou ella leve lugar antes fazendo entender claramente que todos os homens O Grao-Par foi Janeado ao mar em Ballimoro ;
dawcwdade.oa foi posterior asna>ormacao: se tinham o dever de obedecer aos poderes civis, os constructores o deslinavam ao corso para urna
leve logar antes da sociedade, Serrigoy caeem mostrando que, segando osea Evangelho, devia-se das repub is da America do Sul.
contradicho, porque elle mesmo quero nos oiisina ouedl'c*'" *0 bomem-poder. como Deus mesmo.
qaa o lioiuein t naturalmente social, verdade esla, j S. Pedro e S. Paulo, seus principaes apostlos,
i aja demonslracio resulta da propna natureza bu-,fram especialmente por Elle encarregados de re-
bina ; porque pela sua apreciaejio nos chegamos' vdlar importante doutrioa. ^^ -
I .miente a coiiherer que a soeledade nao um : E" ass(n que o primeiw-desses apostlos diz em
? ... que resulto do pido algum, c sim da pro- i unw dassuas epstolas, que devoraos ser subraissos
ana natureza. Dw frin o hornera perfecMvel, ia Ida atura: ao re, como o chefe mais era-
e por consequoi>--ia social ; porque so na socieda- ,lt,lle do "***, a quera incumbe punir os criraes, hepanh.l, recrutou nova equipasen), onde recebeu
do e que o homcm poder sperfecoar-se : logo l,onluc cstx < a ntade de Deus. quasl todos os marinbeiros que Savia licenciado.
Se isto nos diz S. Pedro, S. Paulo tambera por No dia seguale sua partida, recambion a car-
sua vez nos ensina a meMna doutrina. Ouca- ta do marca brasReira, obteve nn- commissao do
Parece-nos, comtudo, que o dever de um tribunal do Sr. Tobas B. de Menezes esla poesa bella
internacional nio comparar, medir estes dous ele- pela forma e oriioa| no pensamento :
mentes; a inteneao hostil, por mais importancia,
que teuha tido na oporacao commercial, repelle
Sfinpre esta ultima para o segundo plano.
O navio foi vendido a um chamado Daniel, que
recrutou nina cquipagem de SO homens, e toniou
bordo municoes de guerra. Annunciou soa parti-
da para TenenfTe ; mas parliu directamente para
Buenos-Ayres, onde licenciou a equipagera.
Tenito obtido em Buenos-Ayres urna carta de
marca para: exercer o corso contra o commercio
iiiu absurdo dizer-se que a soeledade resulta de
um pacto ou convenci entre o.- homens : o bo-
. .m nao e" s social, coma lao bera leni urna pai-
.5o pela sociedade diz Thiereelin. Se esla con-
venci posterior a formacao da sociedade, entiio
Serrigny devia ter conhecido qoe ella nao d ori-
gem ao poder, poique os pactos fundamentaos das
sociedades
".anisa
mo-ly:Toda alma deve estar submettida aos po- chefe da repblica Oriental, e comerou a exercer o
deres superiores, porque nao ha poder que nao ve- corso contra a marmita portugueza.
ulia de Deus.; e ludo que existe foi ordenado por ITOverno porluguez pedin ao governo des Esla-
Deus; ce por nao que quera resiste ao poder. dos-Unidos urna compensado pelas importtiib*. A maiort ^^"'^ ., i
resiste a ordem de Deus.- capturas feitas pelo GrcPar, e sustenten que | JfSUSSS tS2?Uf!SiZ .
Tudo quanto pode ser considerado como primei-!
ra tentativa de violaco de neutralidad)', tem gra- I
vidade tamanha que "o juiz se nao o%ve ocecupar de
outra cousa.
Viu-se de que modo o poder cxecu'.ivo e e poder !
judiciario nos Estados-Unidos cntemb'rain e cura- '
prem os deveres da neulralidade. O governo mos-!
trou-se o exeiutor fiel, e muilas vezes severo, do;
foreign enlistonen!net; o tribunal supremo o in-
terpreton no sentido litteral e rigoroso ; e nao pro-
ciirou nunca fornecer aos cidadaos dos Estados-'
Unidos os beneUcios des-a neulralidade fraudulen-
ta que cstijmallsava Marshall.
E' preciso investigar, comtudo, de que manara
foi applicado na Inglaterra o foreign enhstemcn!'
act, copiado quasi palavra per palavra do estatuto
americano. Para encontrar a primeira applicago
deste acto devemos remontar-nos a liH. Nesta
poca e durante a lula travada entre D. Mara, re-
conhecida pelo governo mglez, e I). Miguel, os emi-
grados portugnezes se embarcaran) era Plymouth ;
aunuociaram sua partida para o Brasil; mas sahi-
rain em realidade para a Tercera, que se conser-
vara fiel rainha. Assim qne lord Welngton. en- j
tao ministro, soube da partida da expedteSo, envin
una esquadra em seu alcance. bJucolraram os i
navios perlo da Tercera, e o desembarque fot pro-'
hibido.
No parlamento o ministerio foi violentamente |
atacado pela opposicao; mas elle" declarou que a
expodigo havla fraudulentamente escapado ju-;
! risdiccao ingleza, e deixado a Inglaterra cora vio-,
lacao do foreign enlistrment acl; que por conse-
quencia, o governo tinha direito de perseguir e fe*
raar-lhe es navio?, mesmo fra de sua iurisdiccSo. '
ObjecUvamenle; isto 6, considerado em si, e fj/ffl uma mtt(ralldade fraudulenta, vergonbosa
independenle de seu exercicio, das pessoas que para 0 uo,so proprio gOVerno, o porque neuhuma
rtrse^T^lhosaIqne,|t6a' dcfrc;10' e d condicoes, mediante as naCao se deisana lograr. K, pois, tlaroqueo^
quaes, elle tera de ser exercida, o poder vera de resisUvet (e9te 0 nonw primitivo do Grao-Par*)
Que berrigny nos pr>
dkeitos ; mas isto, no nosso
guo de modo algam ye pode provar, porque a ser
:sim. steriam direilos os usupardores.
Vil
Vamos agora a doulriua que nos parece verda-
dera sobre esla grave quesla".
K admiravel c accordo que se nota sempre em
lodos os pontos eulre a razio e a fe : este accordo
tal que podemos asseverar, que a f nao nos diz
tdiia alguma, que nao seja eminentemente racio-
nal, assim como que sao falsos todos os productos
a razao, que de perlo ou de longo offendem os
icUmes da f, e nom o contrario disto pod);ria
tw lugar, porque se a fe e a raza sao verdadei-
r: dons, sao effeitos da vontade de Deus; Deus
.^lia coulraditoiio comsigo mesmo, se os resulta-
dos da razao e da fe niio fosseiu harraouicos.
Quando, porm, aqu nos referimos a razao. nao
dallamos dessa
renegando a origem divina, poe-se em rebelda
SMB o seu creador.
Essa verdade faz-se ainda perceber mu clara-
tienle na questo, (ue ora ventilamos, cuja solu-
j3. completa eucoulra-se combinando o entino da
i com os preceitos da razao.
Deus, creando o homcm, creou-o sociavel, fez da
soeledade urna necessidade de sua natureza, uma
ecessidade tao urgente, como a sustenla^ao. o
trigo, etc. A sociedade, sendo pois obra de Deus
e aao inveneao dos homens, com impamente
lJSrmam alguns cscriptores, segue-se que ludo
"guillo cue p.ecessano a sua existencia, tudo
quillo sem o que nao so poderia concebe-la,
^ra de Deus, pelo principio mu conhecido, de que
:*ucm quer os fins, deve tambem querer os mei^s.
Sejiois, Deus, formando o homem.quiz que elle
ciislisse em sociedade. quiz tambem que existisse
9 poder. Com effeito, qnalquer que seja a idea
7^ formemos do poder encarregado de dirigir a
Sociedade, sempre ceno que elle nos despena a
fraco entender" 6 o ***, Pr Dos aos res, ou eneros das nacoes: ou uma carta de marfa" ehtefjvitice Marshall, de- bre es navios da raarinha mercante americana .
sera concedido a sociedade para que e. faca a i*"* exposlo os argumentos da defeza, ac SQSS$- SJSJSfSS !
escolha daquelles que forem mais aptos para re- """r""*/ ., de pirams tornavam-se d'ahi em'dlanle corsar'as,
g-la ? i Se esIes argumentos podessem ser admittidos | (|Q0 achavam portos .-.bertos, abasteciraeotos, e el-1
A segunda opinao sera duvida alguma a ver- nocaso PreseDI0> as leis 1ue protegom nossa neu-1 tinliam prateccao para seus bens e pessoas.
dadeira, porque a primeira, como j vimos nao
seno o absolutismo.
Se Deus Kvesse communicado directamente o
poder a um homem, ou a uma familia particular,
esle homcm, ou esta familia, seria o representante
i inmediato de Deus, e s Elle loria de dar con-
las; de mancira que poda explorar a naco, poda
vedar os mais sagrados dreitos dos cdados sem
que ninguem Ibc podesse prohibir a pratica de
tacs actos. Isto, porm, seria uma tyrannia f
traltdade, seriam completamente iludidas. Os va-
sos construidos em nossos portos para operacoes de
guerra- nao tinham mais que apresenlarem-se em
um porto dos beligerantes ; e ah, depois de ha-
verem obtido uma eommissao, os capiaes teram
apenas que representar a comedia de licenciar e
reengajar a equipagem, para qne seus navios se
lornassem cruzadores legtimos, purificados de
qualquer macula que houvessera contrahdo no lu-
gar onde no entanto houvcssem adquirido sua for-
ja reaHe capacidade para causar damno. Seria
Deus. Mas quando se trata de designar as pessoas,
e as condicoes, mediante as quaes, ello deve ser
exercido, ento ahi nio se pode dexar de reco-
nbecer a nlervencao do povo, nao em considera-
cio a cada individuo, como querem os partidistas
da soberania do povo, mas em considerado na-
ci em seu complexo.
Eis a differenca entre esla doutrina e a da sobe-
foi armado e equipado emBaltimore, em violaco
das leis e das obrigacoes dos Estados-Unidos com>
potencia neutra.
O segundo negocio que temos a tratar o de
Bolvar. Esta embarcapao ora um navio piloto de
Baitimore ; foi comprado por um certo ArmstroBg,
que Ihe mudou os mastros e veame, e abriu urna
abertura para uma pega. O- Bolvar dirigiu-se
A Franca nesta poca no que respeita aos Esta^-1
dos-Uuidos, ligara utlraamenie sua acgo diplom-
tica da Inglaterra. Uno dos resultados deste ac-
cordo foi tornar impossivel a acoitacSo da nova ad-
minisirago de Washington ao tratado jle Pars..
Lembrados estamos que a adrainistracao de Mr.
Baebanan recusava-assignar a declaraban em qua-
tro artigo desle tratado, se nao se Ihe acrescenus-1
se um quinto exceptuando 3 propriedade privada;
de qualquer confisco no mar. Assim que Mr. Sew-1
ard chegou a Washingnton para tomar pesse dase-
eretana de estado; envin instruegoes tanto a Pars j
como a-Londres para off^recer a adhesoo gover-
no americano ao tratado de Pars.
(Continuarse ^J
rania do povo, como a enlendem os sectarios e S. Tbomaz, conduzindo ama corveta, um caixote de
admiradores de Rousseau.
Com effoitc, desde que uma multido se aggrega,
espingardas e alguns barris de plvora. Nesta
UM POICO DE TUDO.
Traducimos de- BoiUet o seguate :
Rothescbild (Mayen Anselmo), fundador toma
afamada casa bancana, nasceu em 1742 em Pranc-
fert-sobre-e-Meno, ds umafamiliaisraellaeraorreu
em 1812.
Aos 11 annos de edade ficouorpiiao,enlros ami-
to moco em casa de uto banqneir de Haaover, jon-
tou um pequeo capital, com o qual foi esiabole-
cer-se em Francfort. Grangeou por sua probidade
a confianca geral, e sendo em 1381 nomeafopelo
ilha o navio completou su equipamento e come-! landgrave de Hsse agente de sua corte, saivou.
com risco de sua proprra fortmra, os bens deste
prncipe, quando forjado a abandonar os seus esta-
dos era 1806, e adquiriu por es* bello comporla-
mento a confianca ds todos os testas eoroadas.
Foi chamado pelo gTo-doque de Francfort'para
idea de subditos, e por conseqoeneia uma relacao do, e da naco rom-orrer com o seu coosentimento parH hostilidades no momento de derxar Baliimor*
fle superiordade entre elle e os mesmos subditos. I para W const.tua esse poder.
Ora. se attendermos ao estado da natureza hu-. e' em virlude desse principio, que nao podemos
uan, veremos que reina ne
especifica, em vrtude da qnal nenhum homem p-
Qunc>o' devia ser absolvdo ; roas o tribunal su
premo dos Estados-Unidos, chamado para definir
de pretender ser naiuralmenle superior a ou-
Iroi Para qne esta superiordade se verifique em
certos casos, mister que um facto particular ve-
fea modificar as relajees geraes do homem.
sta urna egualdade dexar de aimittii um certo pacto implicilo ou os poelos cuja decis-Iodevia ser submetlida ao )ury,
explcito na constituiejo do poder. E'preciso deu um parecer onde mu claramente expbcouque
notar, porm, que nao se trata aqu de pacto, que a ""ne inteneao de-erapregar o oin-ar como cor-
os individuos fazera entre si, considerados cada sario, mesmo quando o nao podesse ser
um de per si, para formaren) a naci; nio-; tra- P8
tase de um pacto celebrado pela naci com aquel-
.wraente na natureza humana, funda-se, sim, ua
caiureza humana modificada pelo fado alias mu
atora!, da paternidade.
Se assim se nenhum homem pdenaturalmen
te pretender arrogar s o direito de governar os
ooros na sociedade; mas se efectivamente vemos
. Cs^a direcio, esse governo, devenios concluir lam-
,Vin que este poier nao vem seno do Ser Sopre-
\so,quem pela superiordade de soa natureza.
compele governar a lodos os homens.
A sociedade, como sabemos, compe-se de Intel-
bgenoias creadas; e repugnando a nosja conscien.
Cu que urna ntclligcnria creada poss goveruar a
orna outra egual, .se elTeclivamente governa por
que recebe o poder da ntelligenca increada.
Alm disso o poder social, sempre eem qnalquer
parte que o encontramos, vemos que elle tem o
direito de de-retar leis, vemos que elle diz ao* ho-
gens : fazei taes e taos cousas, ab-lende-vos de
(seriarse taes;e uao contente com estas pro.
Ubicdes e pre toonto delalminar punas aos infractores de suas
lois, e ainda mais a condemna-los morte.
Ora, para tirar a vida ao homem, necessano
er autor da mesma vida, porque s aquello que
jja, que pode tirar quando Ihe aprouver. D'ahi
aieda se pode tirar um argumento a favor da ori-
g&m divina do poder, porque se elle nao vesse de
Deus, nv.o podiam tirar a vida aos homens.^
Esie rastillado a que nos conduz a razao e a
experiencia daquillo que vemos pracar-se cons-
teiftemenle, tambem auxiliado pelo que vemos
eos livros sagrados.
A confirmaba j de que o poder tera a sua origem
Clivaa, nos a encontramos na Esciiplura Sagra-
da. No hvro dus porverbios vemos que a propria
sabedoria eterna nos diz :Meum esl consilium, et
TtuUas mea, mea est prudentia, mea est fortiludo;
pgf me reges regnanl et tegum conditores justa
ccernunt. Per me principes imperant, et potentes
cernunt juslitiam. Assim, pois, o conselho, a
lusiica, a prudencia e a forca, que fazem as prnc-
tsacs virtudes dos reis e das magestades, sao attri-
tatos de Deus; c o hornera-poder nao os poderia
4er, se por ventura nao Ihe fossem communicadas
por Aquelle que os possue
nao pode subsistir, sem que appareca uma unida- de ercer 0 mrSo eom uma csrta de marc.J
de directora, uma unidade encarregada de reg-la, do governo de Buenos-Ayres, comprada em Was-
e conduzi-la ao seu fim, porque, como sabemos nngton por ArmstronE- pela somma de oitocentos
ura corpo nao pode formar-se sem a existencia do d0||ars.
urna cabera, que o dirifa. q Bolvar capturou muitos navios portuguezes;
Ora, a sociedade, sendo um ser moral, composta hespanh-es e brasileiros. Instauroa-se o processo I fazer parte do ColUg de eletcao de Francfort, poz-
de individuos dotados de razio o lberdade, organ- coulra uro, com um socio do comprador, Quincey, I se em re!ae5es commerciaes enm quasi tedas as
sa-se e constitue-se moralmente ; isto concorren- qUe 0 havia comprado em Baltiroore de accordo cortes a-Ernpa, e to dentro de poucos annsssua
do com a sua razio e lberdade. D'ahi a necessi- coin Armstrong. Os seus advogados pretendir.m casa torsar o maior incremento.
dade que se reconhece de todo poder ser consent-; IIO n^a <,^tan.i'> n pb*w armado, ncm pnmpt uoHioj-wj a,v.,., h niim. *>; anaes cJnenvn-
roes, qne, continuando na gestao de sua casa, fize
ram deila'o primeiro estbeleeimento bancario da
Europa, e fundaran) filiaes aas principaescda-
des.
O primognito, Anselmo, P7721855, foioehefe
da cara Francfort; Saloman, 17741855, da casa
de Vienna ; Nathan, nascide em 1777 o morto em
1183C foi estabeleeer-se em Manchcster, dene-is em
Londres, e foi qaera, nos tiHimos annos da guerra
continental, adiantou aos lnglezes os fundos neces-
sar>s para continuar sene armamentos ; Charles,
nasceu em 1788, e estabeleeeu se em aples; Jay-
ums, nascdo em 1792, esiabeleceu-se em Paris.
Aainda que affastados em differentes pontos, os j
imios Rotheschild forraam nma spasa.
. sua aniao e repntaeio de leaMade, sobre tu- j
do, que elles devem a prosperidade extraordinaria, i
e sempre crescente de-sen estabeMoimento : toma-
armamento as
acto de neutrah-
ssim. por exemplo, que na familia o pac e supe- |e> a qUcm (j|a tem de confiar o poder director da
fior ao filho. mas esta superiordade nio se funda j sociedade.
Adinittindo se isto, como entendemos que nao se
Anilinas, era uma violaco do
dade.
Neslas duas seniencas do CrJo-Par e do Btfar
cu Juizes americanos dislinguiram sempre cora cui-
dado o quo Hjsloncus chama animus vendvnti e
voaaeUd77ada^n.X7nd6iv- '""""' Mligeranl,,? into..caO. belligeranto cui-
daos, mas na vontade propiamente nacional. I" 5 mas a in.enrao de vender e, a seus olhos-
E'esta a opiniao que seguimos, e qoe julgamos "^^ K'- verdadeira. do Parecer dado a proposito do 6anissiwa Trm-,
dad, parecer que no entanto muitas vezes se ha |
pode dentar de admittir, a |ioder teni sua origem
medala, nao na
Caetano M. de Faria Neves
I tados-l'ndos procurar.'im. explorar ns Inglaterra
Os cersarius confederados t o dirrto das gentos. para impedir a tomada dos corsarios confed-
opposto aos precedentes, e que os inimigos dosEs-j ram l&m)em por dvi5a conrorAfli Austria, in
III
(Continuafao.)
Alguns mezes depois, a barca Maury, de New
tegritas.
O imperador d'Aaatria, desde 1815. nobiliton lo-'
radS- j dos os- miembros desta familia, e confenu-lhes o
Depoii da guerra de 812 entre os Estados-Un- tltajode bario,
dos e a Inglaterra, uro dos corsarios construidos \
York, prepara va se para sabir ao mar em viagem era Baltimorc e emprogados em quanto duravamas: Liw (John) famoso financeiro, nascdo era Edim-1
China; o cnsul inglez, desconfiando que condu-' hostilidades foi vendido por seus proprietarios e en-1 burgo em 1070v era filho & um: rico ouri ves.
zia armamento e se dispunha ao servico da Russia' viado ao Brasil. Os- novos proprielarios nao haviam | A principio nao se fez admirar senao por sua
coramunicou seus receios ao ministro inglez em I entrado em arranjos preliminares alguns, quer com habilidade no jogo e suas aventuras galantes, ven-1
Washington; c, se bem que c>tas desconfianfas' o governo do Brasil, entio em guorra eom a Hes- do-se forgado a deixar o seu paiz em cousequencia
fossem lindadas em indicios muito vagos, o navio' panha, quer com Brasileiros. A Sanftssfma Tin- \ de um duelo. Percorreu; diversos estados da Eu.
foi minediatamente apaohado poi denuncia do m-! dad foi comprada no Brasil por particulares ; ah *>pa, propondo por torti a parle planos de- finaacas
nistro da Inglaterra pelos ageutes dos Estados Un- receben uma commissao como navio de guerra re- e foi finalmente para a Frasea onda soube gran-
dos e retido at que o cnsul inglez obtivesse a I gu'ar, e foi cruzar as costas da Hrepanha. Re- gear a confianca do regente. Propoz a ste pnnci-
prova que a barca Maury nio tinha pecas escon-'. gressou depois E
didas a seu bordo, nem tao pouco um destino il
licito.
O incidente nio teve consequencias; mas nom
por isso a Inglaterra deixou de haver pedido a ap-
plicacio de uma le dos Estados-Unidos contra um
navio mercante, nao armado em guerra, sob a sim-
ples suspeita que escondia algunus. pe^as de arti-
llara em seu carregamento.
Se o poder executivo nos Estados-Unidos se
mostrou sempre solicito em fazer executar estric-
tamente a lei, o poder judiciario tem tido muitas
vezes occasio de a interpretar em casos muito
diffloeis; e sua interpretagao nao foi nunca de na-
tureza a relaxar os lacos da neutralidade. Impor-
ta sobretudo relembrar as decis5es dos tribunaes
americanos em negocios mais ou menos anlogos
ao da Alexandra, e dos corsarios confederados cons-
truidos em Liverpool.
O foreign enhstment act, tanto na Inglaterra co-
mo na America, encerra uma secjao minuciosa-
mente concebida (seceo 7 no acto inglez, e 3 no
estatuto americano), onde o legislador nao recuou
Atlntico. embolsando assim as dividas do estado.
... Em 1716, foi autorisado a abrir um banco de
Foi enlao que, tendo feito uma presa, cootein-a descont0f M qM, St encorporou logo nma compa-
a Norfok, onde o cnsul hespanhol a reelamou em
favor dos proprielarios. O tribunal ordeoou a res-
tncSo da presa, em razio que o alistamento dos
marinheiros em Ballimore era uma violaco do di-
reito das gentes, bem como das leis municipacs
americanas. Resiituindo a presa, o tribunal nio
adinitliu o motivo tirado do facto que o Sanhssima
Trindad havia sido primitivamente equipado era um
porto americano.
VISTA DO 1IECIFE.
(Oferecida aos PernambucanosJ
I
a cidade valenle,
Brinda altiva nac/io;
Soberba, Ilustre, candente
Como urna immensa explosio
De pedra, ferro e bravura.
D"aurora e de formosura.
De gloria, fugo e loucora...
Quem que Ihe pe a mi'
Magoas tem que esto guardadas:
Quaudo vingar sera d.
Baca das Romas tombadas,
Das Babyloniasem p
Quer ter loaros que reparta :
Vencer, morrer nio Ihe farta :
. Grande -d'aitura de Esparta
Alfronta ao mundoella s.
Com os seios entumecidos,
Do germen do muito hroe
Tem nos olhos aguerridos
Fulmnea luz que desire.
Detesta a classe tyranna.
Comsigo mesma inhumana
V seu sangue que espadaa
Ri de raiva e diz:nio dc. -
No seu pizar progressvo
Ostenta um certo desdera :
Suspcndendo o eolio altivo
Nio rende preito a ningueiu.
L no cit seu fado escripto;
Quando o Brasil solta um grito.
Franze a testa de granito,
E diz ao estrangeirovem
Ir Sim-cu vejfainda a espada
Na tua dextra reluz,
Cabocla civilisada
De pernas e bracos ns :
Cidade das galhardias
Que ne teu punho conas,
Coeva de, Henrique Das
Guerreira da Santa Cruz.
Estremecida, ridente
Como que esperas alguem
Ouves um som de torrente 1
E* a grandeza que vem.
Teu hlito alimpa os ares
Por cima do azul dos mares
Prolongam-se os leus olhares
Que vio uamorar alm.
Nao te pegam em descuido
Teu movimonlo fatal
E a liberdade, esse Huido
Que forma o glado e punhal,
Nos teus centornos ondula,
as tuas veas circula
E vae chocar-te a medulla
Dos ossos de pedra e cal.
E' um lidar incesante.
Cae-te da fronte o snor,
Ferve tua alma brilhante
E tudo bello em redor
O assombro lambe-te a planta
Na estrella que se alevanta
Poisado o archanjo canta
Vae ser do mundo a maior.
Tens nberta a tua historia
Laboras como ura crysol
Como ura estigma de gloria
Nos lombos queima-le o sol
A guerra, a guerra o ten cea,
Fora I Orslranjrniro fro
Se aquece um beijo macio
Dos teus labios de arrebol.
Assopras as grandes tubas
Que despertam as nacoes :
Encam-se as frreas jubas,
Uivarn as revolucoes :
Teus edificios dorados
Vo se erguendo penetrados
Da voz dos ones Machados.
Do grito dos Camaroes.
Com a morte bebes a vida,
Nao le abalas, nao te des :
De ouro e luz sempre nutrida
Novas ideas rem-es.
E' que voz das liberdades
Calcadas as potestades,
Germinam, brotan) cidades
Do sepulchro dos hroes,
Possa a coragem de novo 40
Tem baloardente inspirar
E a gloria sahir do povo
Como lu surges do mar.
Ocoracao t'oadivinha
De fome o ferro definha :
Dorme o gladio na bafnha
Como na gruta o jaguar.
S>jam meus votos acceitos
D-me ver tuas aeces,
Da-me sugar esses peitos
Que amamentaram leSes.
tenista na das matas,
Nio temes, nao te recalas.
Contra a frota dos piralas
Acula os teas aqmloes.

Da Estrella do Sul extraclamos a segu nle parle
da discripcio da visita pastoral do Exm. e Rvra.
bispo do Rio Grande do Sol sua diocese :
Ao saber S. Senhoria Illustrssima Monsenhor
nhia com o privilegio do commercio com o Missis
sip.a China e as Indias, a propriedade deSenegal, al Vigaro Apostlico de MontevideoD. Jacintho Vera
fabricagio das rauedas, etc.; emfira o banco, aprin- que se achava naquelle porto o nosso prelado, d-
cipio privado, foi erigido em banco real (1718). j rigiu-se immediatamente para bordo com muitos
1 O proprio Law fpi nomeado em 1720 contador: memb?os de elero montevideano a cumprimenta-lo
geral. I e offerecer-lbe hospitalidad durante os dias em
O banco de Law creou umnumero prodiogiso de que ali tinha de parar, em cuja companhia des-
I accoes, e cmiltio uma enorme quantidade de blhe- embarcou S. Exc. Rvma. agradecendo e acceitando
A primeira vez que este navio largoa de Balti- leS| qae nao estavam de forma algnma em propor- lio gracioso convite.
tw^*x^&vS^ts *c- -vai- rel,epossuia-Por 1 Essedignoedis,iDc,pre,ad eomseuc,er
vesse connexidade entre esta primeira operaco muitos annos as acfdes deste banco tiverara uma nao poupou esforcos em tornar S. Exc Rvma.
commercial, e as operac,5>s de guerra que a segu- grande acceitaeao e foram elevadas at quarenta' agradavcis os das de sua demora em Montevideo
ram. O juizo dado em 1823 ne.ie delicado pego- vezes mais seu va|0r primitivo; mas sbitamente ma Iwspltaltdade franca e christaa o acolhen.
co prova, pois, que, na doutrina americana, e per- ... dasvanecen.se e todos irataram do de mitiido construir e armar ura navio, anda mesmo a "lusao aesVanecea se; "" iraiaram ao aesia Ao consUr a cIiega(la de S- Esc Rvma na ,.
um navio de guerra, e eovia-lo todos os portos, zer-se de suas accoes arada com maior presteza do piul do Estado Oriental, o nosso ministro ali resi-
Alm de vermos neste texto, que acabamos de I perante nenhuma repetido, diaate de nenhuma re-
citar, que estas virtudes sao communicadas por
Deus aos homens encarregados de fazer manter a
crdera na sociedade; vemos tambem nelle que
nm nome de Deus e por llc que os homens gover-
can os povos, c os legisladores decretara leis
Instas.
Em outra parte ainda diz Satomao, que a sabe-
oria eterna tem instituido era cada naco uma
antoridade para regula-la: tn unaquaque gente
propossutt rectorem;-6, chamando depois os reis
e os principes ao cumprimento de seus deveres, a
nao abusaren) de maneira alguma do poder que
cries teem, recorda-lhes que esle poder nao Ibes
conferido senao por Deas.
mesmo nos de um belligerante, para ahi vender-se, que na compra, ficando arruinadas mutissimas la
quer particulares,quer ao governo. niilas. Law. tornando-se por sso o objecto da
Fica bem entendido que um tal navio essencial-1 execraCao publica, e perseguido pelo parlameuto,
mente contrabando de guerra; e, que, por conse-;. nbriffado ..h,r dp Frar,, 172.
quencia, corre risco de ser apanhado antes de che-1f01 oDr'8aao a satllr de *>P era *"
gar ao sen destino pelos cruzadores belligerantes; Depois de andar foragdo por differentes paizes-
porm desde que o destino de um tal nave nada morreu em Veneza em 1829, n'um estado quasi de
lora de incerto, nem-de aleatorio; desde que se to- Qdgencia.
mou a decisao de o empregar como instrumento'
la^mSSS^j: fis.ro ** j- *- & *m -rora 2
belligeranto que tem direito de o confiscar; po- qne iaziam as apuracoes monetarias tinham sen
teucia cuja neutralidade pem em perigo estas io- banco particular nos mercados pblicos,
t-mees hosts, assisle-lhe o direito tambem de re-
tr este navio em seus portos, ou sahindo, negar
a validade de suas captaras. Mr. Calrues, admit
dundanca de palavras, afim de deixar menos lu
gar ao equivoco e mais a seu pensamento. E' pre-
ciso fechar os olhos a evidencia para nao ver que
a simples tntonco de fornecer aos belligerautes
um navio de guerra ja reputada culpada. Todos
quanlos conheceram esla inlencao, constructores,
compradores ou vendedores de navios, intermedia-
rios, que o fazem passar das maos dos vendedores
para as dos belligerantes, cahem egual mente sob o
cuteHo da lei. Desde que a inteneao existe, a cons-
truccao ou venda de um navio dcixa de ser nma
operaco licita.
E' nesse espirito que os tribunaes americanos' ao facto da venda de ura navio sea carcter prq- prlmido em 1797.
dente o Exra. Sr. Loureiro, o Exm. Sr. conselhei-
ro Saraiva, ministro plenipotenciario era misso
especial, o commaodante da esquadra brasilera
ali estacionada, o sr. capitao de mar e guerra Bar-
roso com toda a of&cialidade da raarinha brasile-
ra c muilos brasileros ali residentes apressaram-
se em vr comprmentar S. Exc. Rvma. O Sr.
conselheiro Saraiva sabendo do embarace em que
ge achava S. Exc. para tornar soa diocese, poz
logo generosamente sua disposicao para quando
quizesse partir o vapor de guerra Parnahiba
Tres das demorouse o Exm. prelado em Mon-
enfermos santa casa da Rio da Janeiro. Como
esta, est aquelle hospital sob a direecio interna e
cuidados das irinaas de caridade italianas, filhas
de Mara Santissima, instituto fundado em Cha-
vari pelo Ilustre servo de Deus Antonio Gianelli,
bispo de Bobbio, para o serviro dos hospitaes e
educaelo de meninas.
Os servigos desias santas vrgens, semelhantes
desde sua fundaeJio aos das filhas de S. Vicente de
Paulo, sao conhecidos e apreciados na pgreja de
Deus, e (nrmente as cidades que como Montevi-
deo teem a feicidadc de possi-las.
Desojaramos que esses estultos nmlgos das los-
tituicoes calholicas visitassem aquello hospital para
ver se de algum modo a sua ignorancia, e o odio
gratuito que Ihe cosagram se modificava ao me-
nos em vista do bem da humanidade, que lano
proclaman) e apregoam. S. Exc. Rvma. visitou
tambem o collego dessas irinias, frequenlado por
um numero consideravel de meninas de todas as
classes, e aprecien os lindos e bem acabados tr-
bateos de agobia, bordados, flores e pintura a oleo
e aguarclha, desempenhados pelas alumnas, e bera
assim o adiantamento de msica em piano c canto
executaudo alguinas cscolhidas pecas diante de S-
Exc. Rvma., entre as quacs uma missa com glora
e credo segundo o gusto italiano que encantava
pela harmona de suas vezes nfantis e anglicas.
S. Exc. Rvma. foi tambera saudado e visitado
pelo presidente da repblica por intermedio de um
oflliial do governo o por muilas pessoas gradas
orientaes.
Na qnlnta-feira 12 do correte, s 'i horas da
tarde, S. Exc. Rvma. acompauhado pelos Exms.
Srs. ministros, conselheiro Saraiva c Loureiro, pe-
la offlcialidade da armada brasileira, por sua se-
nhoria illustrissima o vigaro apostlico e o seu cle-
ro, muitos brasileros, e pessoas gradas do paiz
dirigiu-se para bordo do Parnahiba, que inmedia-
tamente levantou ancora, salvando a artilharia dos
navios brasileros, e as tripolacSes, e apoz dous
dias de feliz nave^acio, entrou barra do Rio
Grande, demorando-se ali sinenle uraa noute, se-
gurado no dia immediato para esta capital bordo
do vapor Apa.
Nao podemos deixar de dirigir aqu uma pala-
vra de agradecimento ao digno commandanle do
Parnahiba o Sr. Io tenenle Aurelio Graciado, e
sua brilhante officialidade, que se empenharara em
cercar ao nosso prelado de todas as altencSes e
obsequios: e bem assim ao Sr. capitio tenente Jo-
s Nolasco da Fontoura, qun commandou o Apa
at esta cidade, trazendo S. Exc. Reveo., por sua
urbanidade, do todos eonhecida, e affavel trato.
No dia 16 do crreme, quatro mzes justos da
ausencia do nosso prelado desta capital em visita
de sna diocese,. foi elle restitnido ao su rehanho
e ao seu clero, tendo nesse periodo viajado 809 le-
guas, das qnaes tresentas e tantas por trra, e
confirmado 8 mil diocesanos, e 3 mil da diocese do
Paran em seu trajelo pelas provincias de Cor-
rientes e Entre-Ros, da repblica Argentina.
Concluimos o presente artigo declarando que,
durante [a visita, S. Exc. Rvma. encontrou por to-
da a parte o mais ampio e generoso acolhimento
das autoridades, do clero e povo que nao poupa-
ram estorbos para tornar mais brilhante a recep-
o do Exm. bispo diocesano nos lugares por onde
transitou.
Transerevomos da Tribuna Acadmica o se-
grale :
Recebemos de Pernambuco um exemp'ar da
Memoria Historien presentada congregarlo dos
lentes da Faculdade de Direito da mesma provin-
cia.
O autor dessa obra o Illm. Sr. Dr. Antonio de
Vasconcellos Menezes de Drummond, lente substi-
tuto d'aquella Faculdade e um dos seus mais bel-
los ornamentos.
Nesse seu Irabalho offerece o Sr. Drummond
apreciacio dos seus collegas minuciosas conside-
rares sobre a marcha dos trabalhos acadmicos.'
apreseuta varias medidas e projeclos para o me-
Iberamente do eusino do direito.
O trabalho do Sr. Dr. Drummond, pde-se dizer.
sem modo de errar, o que de melhor tem appa-
recido nesses ltimos tempos.
Em seu genero uma obra completa.Oxal
que todas as medidas nella apontadas sejam atlen-
didas pelo governo, para bem dos nossos collcgas
do Recite.
Achando-se actualmente a testa dos negocios do
imperio um dos lentes da Faculdade, de esperar
que della nio se esqueca.
*
De uma memoria apresentada ci academia de
sciencas por M. Lacaze-Duthers, extrahiraos os
seguintes conheeimontos sobre aquelle zoophito (o
coral.)
Em geral os sexos sao inteiraiiiente dislinctos;
mas acba-se s vezes sobre ura p masculino um
ramo com polypos femioino e viceversa. Um ra-
mo pode tambem reunir individuos dos dous sexos,
e um mesmo individuo ser juntamente masculino
e feminrao.
O coral vivparo.
Fecundado o ovo, sofl're todas as transforma-
res ; at que se rompendo o seu envoltorio o
animal lancado na cavdade geral do corpo ma
terno.
Ah, desenvolve-se elle como um verme intest:
nal, sendo principio uma larra.
Em um momento a mae lanca a larva pela
bocea.
Apresenta-se entio come um pequeo verme
prvido de bocea e sera anus.
Cilios vibrasteis Ihe permitiera nadar cora rapi-
dez, caminhando pr.i iraz.
A larva cresce al 18 ou 21 dias, pronuncindo-
se em seu interior oito separacoes que irradiam
do eixo do corpo.
Comeca ento a melaraorphose.
A larva tixa-se por sua parte posterior sobre
qualquer corpo solido, achata-se, e transforma-sc
em um disco, tendo no centro uma abertura circu
lar que a bocea.
Depois apresentam-se 8 mamillos corresponda-
do s 8 separacoes observadas ; estes se alongara,
e o auiraal caracterisado como aleyonario.
Apreseulam-se finalmente as paredes do corpo
do zoophito corpsculos colorados e clcanos que
distinguen! o coral dus animaes que se desenvol-
ved! juntamente.

Bancarota, vem tambem do italiano canco rollo,
americanos charaam aventura commercial e opera- se o banco que ocenpava no mercado o banquelro "ssima matnz montevideana, no convento das re-
rao beligerante (ou de guerra), faz, todava, notar insoluvel.
que na pratica estes dous llatygHl t ****** j 0 mais amigo banco da Europa foi o Banco de
em proporcoes vanaveis, de tal modo que se torna i ^ a
muilas vetes difflcil decidir qual dos doos imprime rtmna, fundado no secuto dcimo segundo, e sup-
hio sempre Interpretado a le; ounca prohibirn). cipal.
ligiosas Salesianas Clanstraes, vsitando-o interior-
mente *. viu o cemiterio, seus monumentos e mag-
nifica capella mortuaria, admirou e eercorreu o
magnifico hospital de caridade, em nada inferior
em magnificencia, ordem, aceio e tralamento dos
Luz polarisada dos cometas.Alm dos traba-
dlos sobre a atmosphra do sol que noticiamos no
boletim anterior, M. Chacornac tem feito acade-
mia de sciencas communicacoos sobre a polarisa
cao da luz dos cometas.
Estes trabalhos vio contra as observajoes de P.
Secchi (jue no cometa de 1861 reconhecera gran-
de quantidade de luz polarisada.
M. Chacornac declarara que a quantidade de luz
polarisada nos cometas muito fraca e que ella
augmenta al a poca do perihelio diminuindo de-
pois pela mesma forma.
PERNAM6TG0.-TYP. DE M. F. DE F. & FILHC
'
ILEGVEL


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EAYE40PQF_NM5ZZW INGEST_TIME 2013-08-27T22:37:23Z PACKAGE AA00011611_10477
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES