Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10476


This item is only available as the following downloads:


Full Text
W***""WP*BM!f"'
T
I
AH! O II. NUMERO 220.
Por tres aezes Maulados J. 5SO00
Por Ires mezes venados 6&0UU
Porte ao correio por tres mezes. 0750
- .1 *1 %*>'
SEGflDA FEIRA 26 DE SETEMBRO DE 1S64.
Por amo abantado.....49$00O
Porte ao correio por nm anuo. 3$000
INCARllftGAib L>A iL'ativ^U iN NORTE
Paranyba, o Sr. Antonio Alexandrino da Lima';
Natal, 9 Sr. Antonio Marque? da Silva; Aracaty, o
8r. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira; Maralo, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Manoel Pinheiro 4 C.; A-
mazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
INCARRBGADOS DA SFBSCRrPCAO NO SL.
Alagas, o Sr. Claudiao Faicao Dias; Babia, o
rr. Jos Martins Alves; Rio de Janeiro, os Srs. Pe-
era Martins & Gasparino.
Oiinda, cabo e Escada todos os dias.
Iguarassu', Goyanna e Parahyba as segxindas e
seitas-feiras.
Santo Anto Gravat, Bezorros, Bonito, Caruaru',
Aitinno e Garanhuns as tercas feiras.
Pao d Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqueira, *
igazeu-a, Flores, Vilia Bella, Tacara u-.Cabrob, ,
Boa Vista, Ouricury e Exu' as quartas feiras. -i0 Lua nova as 8 b-> 2J m- *0 da t.
iwnnhaem, Rio Formoso, Tamandar, Una, Barrei-I
m.v5 iP3 Pr?ta e Pimenteiras as quintas feiras. PREAMAR DE HOJB.
una ae femando todas as vezes que para at sahirl
_ navio. Primelra as II horas e 42 mnalos da manbaa.
lodos os estafetts partem ao Vi dia.
EPHKMERDES U0 MKZ CE SETEMBRO.
1 Lna nova as 3 h., 48 m. e 8 s. da m.
9 Quarto cresc. as 3 b,, 30 m. e 38 s. da m.
lo Lna cheia as 6 h., 40 m. e 20 s. da t.
22 Quarto ming. as 4 h., 34 m. e 14 s. da t.
ilMMi HiHirin ii
.
I Segunda as 12 horas 6 minutos da tarde.
r Jl.iu* oOo Vrt.OIUo oOSieoROj.
Para o snl at Alagas a 6 e 2> par* o norte at
a.Grarna a 7 e 22 de rada mez; para Fernando nos
das 14 dos mezes dejan, marc., mao. jn!, set. enov.
Partida do mnibus.
o ,," Recife : d0 Apipucos as 6 >/i, 7, 7 % 8 e
8 V da m. j de Olinda s 8 da m. e 6 da tarde; de
Jaboatao as 6 '/j da m.; do Caxang e Vanea s 7
da m.; do Betnfica s 8 da m.
D Recife : para O Apipucos s 3 Vi, *, 4 'A, 4 Vi,
o, 5 y 5 '/* 6 da tarde; para Olinda s 7 da
manha e 4 /i da tarde; para Jaboatao s 4 da tar-
de ; para Cachang e Vanea s 4 / da tarde; para
Serfica s 4 da tarde.
I ADtkNCU DOd -R.bUNAa Da CAPITAL.
[ Tribunai do commarcio: segundas a quintas.
Relaco: tercas e tabbados s 10 horas.
Fazenda: quinta as 10 horas.
Juizo do commercio: segundas s H horas.
Dito de orpnaos: tercas sextas as 10 horas.
Primeira vara do civel: tercas sextas ao meio
DIAS Da JLUaX.
da.
Segunda vara do cirel: quartas sabbados a 1 hora
da tarde
26. Segunda. S. Cleofas; S. Firiuino b.
S' Terca. Ss. Cosme c Damio rt. inm.
-. (Juana. S. Wenceslao duque monee.
20. Quima S. Miguel arel.; S. Fraterno b
4 SfiLf" J'r?,n-l"ocard- Presb" edr- mximo.
. Sabhado. | Remigio b., S. Verissimo m.
1. Domingo. S I.eodegario b.; S. Gaarino m.
ASSIGNA-SR
no Recife em a livraria da praca da Independencia
arllt Pr0pne,an0s "aooel R8nerS
PARTE eFFIGiAL
GOVERNO DA PROVINCIA.
Expediente do dia 22 de seieiobro de I,MI i.
Ofllcio ao commandante das armas interino.
Expega V. S as suas ontens para que eni frente
da n-ja de Nossa Senhora da Conceigo dos Mi-
litares e no remiten*) publico esteja postada hoje.
s i horas da tarde, a tropa ile primeira liona qu<*
fr necesaria para fazer as honras fnebres do
estylo ao tinado chefe de diviso graduado Jos
Mana Ferreira. mandando V. S. reeeber uo arse-
nal de guerra o cartuxanie preciso para csse lim.
"fiiciou-se an director do arsen.il de guerra para
fornecer o cartuxaine necessario, c fizeram-se a.
necessanas communicacoes.
Dito ao mesmo.^=Deferiiido o incluso requer-
ment do solilado do 2" hatalhao de infamara, Bel-
miro Augusto M'>nteirn Saleado, sobre que versa a
sua infurmaco n. 1,670 de 21 do corrente, autori-
so V. S. a mandar dar-lho baixa do ser vico, acei-
tando.emseu lugar o paisano Jos Joaquim de
Sauta Auna, que est as con.liges do regulamen-
to de 29 de seiVmnro de 18-19, segundo V. S. de-
claran na citada informaco.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda. -
Autonso V. S.. em vista de sua informaco de hon-
tem, sob n. '3o, a mandar pagar a qnantia de
12"'5, qu se est a dever a Bernardo los Rodri-
gues Pinheiro, por ha ver fenecido i canoas d'agua
potavel ao forte do Buraco, acontar do 1" de rnaio
at 3 de junho proxime lindo, como se' v das
cuntas juntas em duplcala, que para esse (loi me
foram reniettidas com offien do cummandante das
armas do 24 de agosto ultimo, sob n. 1,521.
Communicou-se ao commandante das armas
Dito ao inspector da thesouraria provincial.
Pode V. S., conforme indica em sua informaco
de hontem, sob n. 420, mandar entregar, mediante
flanea idnea, ao vinario da freguezia de Jaboalao,
ManoelJsperidio Muniz, o cont de ris volado
pelo 7o do art. 14 da lei do orcamento vigente,
para as obras da .-reja matriz daquella freguezia.
Dito ao mesrao.Restituo a V. S, os documentos
comprobatorios das de.-pezas feitas com o sustento
de 4 presos pobres, remettidos de Villa-Bella para
asta rapital, rom a compra de algemas para a con-
dueco delles, e finalmente com o concert de al-
guns objectos pertencentes a respectiva cadela,
afim de que, de conformidade com a sua informa-
cao de hontem, sob n. 417, daaa com referencia a
da contadura dessa thesouraria, mande pagar ao
delegado daquelie termo oua pessoa por elle auto-
risada, conforme solicitou o chefe de polica em
ollicio n. i,03o de 20 de agosto ultimo, a quantia
de i20O, em que importaram taes drspezas. -
Cummuuicu-se ao Dr. chefe de polica.
Dito ao mesmo -Iiiteiradn do contedo de sua
informaco de hontem. sob n. 416, dada acerca do
requeriinento em que Manoel Jos da Silva pede o
pagamento do alugnel vencido desde 21 de outu-
bro du auno prximo pasado at 3 de junho ulti-
mo, na razo de i6 mensaes, da casa que no
termo de Ipojuca serve de radea, e hem assim de
quartel ao destacamento de primeira linha alli es-
tacionado, recommendo a V. S. que mande pagar
ao stipplicanto sement a quantia de 58-5666 cor-
respondente a parte da predita casa oceupada co-
mo cadeia.
Dito ao mesrao Devolvo a V. S. a inclusa con-
ta, afim de que nos termos de sua informaco de
hontem. sob o. i 18, mande pagar ao administrador
da casa de detenco, ou ao seo procurador, con-
forme solicitou o chefe de polica em offico n.
1,081, de 30 de agosto ultimo, a quantia de......
19A800, despendida rom quatro camisas de forca,
que se fizeram precisas para seguranca dos loncos
e ebrios recolliidos aqu-lle eslabelecimento.Com-
mnnicou-se ao Dr. chefe de polica.
Uitoao mesmo.Se nao houver inconveniente
mande V. S. pagar ao negociante Antonio Domin-
gues de Almeida Picas a quantia de 78&200, des-
pendida com o sustento dos presos pobres da ca-
deia do termo de Santo Anlo, duranto o mez de
asosto ultimo, como se v da inclusa conta que me
remellen o cliefo de polica, com data de hontem,
sob n. 1,171.Commamcoti-sc au Dr. chela de
polica.
Dito ao director das obras militares D V. S.
com urgencia as providencias necessarias no
lido de seren concertados, como j Ihe recomm
in^ i2 GuararaPes.Dirja-se o supplcante devemos consentir. A' forca oppoe-se a forca :
ao engeiineire da companhia ou ao respectivo su- violencia responde-se com a violencia
perintendente da estrada de ferro para a realtsa- O grande da est prximo. Preparemo-nos pa-
C ron i9!16 .Pre,e,n(ln1- ra el,e- Preparemo-nos; mas com a energa, desas-
r^iiu^rti?wSrtof0rme lospec" so,nbro e coragem que exige urna conjunctura su-
prciuu.
-Dirija-sc
tor da thesouraria de fazenda.
Alferes Clemente Franclio Tasares.Remetti-
do ao Sr. director da colonia militar de Pimenjci-
ras para mandar passar ao supplcante certido
do que constar do respectivo archivo.
Vigario Francisco Pedro da Silva.
thesouraria provincial.
Bacharel Jos Joaquim de Souto Lima.Requei-
ra thesouraria de fazenda.
Joo Francisco Paes Barrete-Roquea ao ins-
pector da thesouraria de fazenda.
Januaria, africana livre.A supplcante nao pro-
va ter os 14 annos de servico de que trata a lei,
para obter sua carta de emancipaco.
Vigario Manoel Espiridiai Mu'niz.
thesouraria provincial.
Manoel Jos da Silva.-Nesta data se expede or-
dem thesouraria provincial, para pagar ao sup-
plcante a quantia de 385666 rs., correspondente
parte da casa oceupada pela cadeia, e quaoto ao
mais, espere que a thesouraria do fazenda esteja
habilitada com o necessario crdito para realisar
esse pagameofo.
-Dirija-so
EXTERIOR.
A's armas, pois, habitantes do dislricto de Vil-
la Real!
% A's armas, que por ellas o triumpho ha de ser
nosso !
A's armas, que so com ellas que podemos
conseguir a ordem, a tranquillidade e seguianca
que ha mezes nao temos neste dislricto I
A's armas, que s por ellas vindicaremos os
nossos foros de cidados livres !
A's armas, emfim, que os falsificadores de re-
censeamentos e os salteadores eleitoraes nos espe-
ran! no dia 11 de setembr !
a At l, cidados I
Neste cmenos, tacamos de cada habitacao urna
cidadella; de cada estrada um campo de batalha ;
de cada cidadao um here; de cada peito um tem-
ido de patriotismo o independencia!
At l I
A companhia geral da agricultura das vinhas do
alto Douro, creada pelo marquez de P.imbal para
promover a agricultura do vinho na provincia do
Douro, e prohibindo-a em outros paizes vinhatei-1
ros, se nao na actuahdade o collosso que foi em
optras eras, anda a primeira sociedade commer '
da aua vida, tentara sgurar um, cm quanto nao !
cne,'ayam os cabos de polica que deixra perto, I
para prender os outros : o que de fado conseguio,
a excepfao de Jos Ribeiro que se evadiu por os
qumtaes.
E>teTeixeira que uatural de Mezaofrio, cos-
tumava fazer suas excur.-oes ao Porto, para traxer
encommendas de notas alsas, e segundo as me- j
Ihores averiguacoes suppe-se ser este o principal
agente e passador d'aquella moeda, pos sendo re- aesembargadores C. Santiago, Gitirana. Lourenco
vistado immediatamenie, enc>ntrou-sc-lhe no bol- santiago, Almeida e Albuquerque, Assis, Doria.
80 emmG* elle tin,la Ja metlilo a mao, um parte Mol.to> D*W> Cavalcauti, e Domingues da Silva,
com oOO notas falsas brasileiras do 5$000 cada abr-l0-se a sessSo.
urna, estando debaixo da mesa um outrocom igual Sr.- desembarga* Guerra, procurador da co-
porcao, ijue se suppoe exista na mao d'algum r0f' nao compareceu.
dos (juatre, qnando entrou a autoridade. Masados os feitos e entregues os distribuidos.
Bslas notas eram, sepundo a deciaraco do rdu derara-se os segrales
para ser entregues a Victorino Jos Moreira e que JL'LGAJ
CilllUa JIHCIAI1I4
TRIILWS, n\ HEL.lfJ.i.
SESSAO EM 24 DE SETEMBRO.
PHKSIDKNCI.V 1)0 KXM. SU. CONSF.LHEIHO
. SOZA.
As 10 horas da mantia. presentes os senhores
-- --------.. .....^............qui-
se acnava prestte na tasca; atiendo reeeber por
cada cont de ris falso, oitenta mil ris em bom
dinheiro; devendo aquella transaccao ser feita im-
prctenvelmenle n'aquella noite.
Jos Ribeiro natural da Raia e coru de Tei-
xeira que diz fora elle que Ihe dera aquellas notas
na Rilieira, e que nao .-abo de um pacote de qua-
tro contos de notas falsas pois que a encommenda
era de dez contos e s existan) seis, presumindo-
se qne este os levara na fuga.
Manoel Soares Moreira residente cm Miragava
que servia de corrector.
Os valores empregados em genoros sao .
Vraho deexportacao. 317:97&536(
Dito do consummo...
Agurdenle.........
Vinagre............
Carregacoes.........
73:195*897
i0:386S46
1:2935618
135:102*383
no ultramar elevara-so a
As dividas no reino e
1,073:6875860.
Pelo passivo da companhia mostra-se que o ca- \ tilisar os campori' iwi
piul de 1,012:0005000; que as letras e obriga-1 como irrcmcdiavelmoc
coes a pagar, -
702:6165101
132:8275861,
24:5995491.
COBUESPOMIEVCJIS ISO IA
HIO E PEKA1IBCCO.
Perto, 27 de agosto de 4861.
E' de amanha quinze dias que o povo, exer-
cendo um dos mais sagrados direitos iiue Ihe con-
rere o cdigo fundamental da neo, tem de eleger
os sen representantes s corles.
Ja passaram de moja os programmas em que os
candidatos deputados, maneira de profisso de
te poltica, e pausando em revista as mais urgentes
necessidades do paiz, se obrigavam a propOr no par-
lamento reformas e melhoramentos, de que nunca
mais se lembravam depois de eleilos I
Esses programmas eram um engodo, urna men-
tira e como taes foram com o lempo cahindo no
ridiculo.
No emtanto semelhanto usanca, que eslava na
ndole do systema representativo, e que servia at
cerlo ponto para os eleiiores no fun de cada legis-
latura no fim de cada legislatura avaliarem os ser-
vicos dos seus eleitos, era bem mais preferivel ao
systema que vemos seguir na actualidade, e pelo
qual se substiluio a lula de principios pela luta de
pessoas; e assim, para so obterem os sulragios da
grande malaria dos cleitores que desta vez esto
resolvidosa esquece em as boas pralicas, basta sa-
ber-so que un candidatos se apresentam por parte
do guverno e outros por parto da opposico.
Registramos na carta anterior os nomes dos ca-
valleiros de que libamos nolicia apresentarem-se
para deputados nos tres circuios desta cidade, o
rae bofe ractillmos mencionando mais o nome do
Sr. Bernardo de Lemos Teixeira de Aguilar, juiz
do supremo tribunal de jastiea, que se propSe,
por parte da opposicao, pelo circulo da S.
Na noite de 13 do corrente honre nova desordem
na ra de S. Vctor, no Bomn. entro alguns in-
dividuos das duas parcialidades que naquella fre-
guezia disputara as candidaturas dos Srs. viscon-
de do Laguaca e Joaquim Ribeiro de Faria Guima-
naldKar^a tSJSOr& ^ i ^SS^SS
asa da guarda dojard.rade S. Lzaro, reuniu- pelo caminho de ferro d leste ou pelo rio Douro,
ciaid"re.D0- I 'Alm destes indivTdnos foram presos como cum-
elo h.ilanco apresenlado pela directora da dita 'pilcos uns tres serralh.-iros dos Ferros Velhos e
passadores.
nle passada urna
i era o.tianco apresenlado pela directora da dita pnces uns tres serralh.-iros dos I
companhia em assembla geral de 17 do corrente, que eram tambera agentes "ou pa<
t.tffi^iM"dM~ultnw' v"so 9uooseu uEm seSU'da loi iramedataraeii
activo e de l,92o.4415428. busca pela autoridade rasa dr
JLGAMENTOS
llecurso aune.
Becorrente, o juizo; recorrido. Antonio Luiz
terreira da Cunha e outro.
Relator o Sr. desembargado!- Gitirana.
Sorteados os Srs. deseinbaigadores Domingues
da Silva, Lourenco Santiago e Almeida e Albu-
querque.
Improcedente.
Aggravo de instrumento.
Aggravante, Christovo da Rocha Cunha Souto-
Maior ; aggravado, Francisco Jos de Moura.
Relator o Sr. desembargador Domingues da
Silva.
Sorteados os senhores desembargadores Santiago
e Motta.
DoSr. desembargaor Almeida cAlboquerane t
i desembnrgador Assis
najoia, que viva com Teixeira e que se achava i
escondido debaixo de urna cama.
O lempo rofreseuu considera\ cimente. As pre-
ces ad pefendam pluvuim entoadas nos temidos fo-
ram altenddas por Deas, e a chuva tem vindo fer- j
vrar-nos de m anno de fume
...jnte teriamos se a secca conti-
e os escripios de vinhos prefazera nuasse por mais terapo.
que a conta de credores somma Da igreja da ordem 3' do Carmo sahio em pro-
l-%sur e que a dos gaohos c perdas de 2T l> ^Uenrn, na noite de 20, a imagem do
k pnmT j Senor Jesu<. Era acompanhada por muito povo
reeprnn, de exaine Je contas diz no seu pa- que responda iadainha de lodos os Santos que
reter que continuou o movimento decr^scente da! os clrigos cntoavam
S*te VBha?. de sorte que a nevidado de I A produccao dos milhos, nos terrenos elevados,
nannait 5U,e alling' a cifra dos amigos annos I soffreu muito pela falta de chuva, e adaterra
r fLmr!" au8mento da produccao, seguido. baixa loi era partes prejudicada pelo mesmo moti-
lo aH ,hn eonse12c?cia- a d'minuicao do cus- vo. O calor intenssimo desenvolveu nos vinhe-
r l n0V0S' habel,,oa a companhia a fa- dos, mais do que se esperava, o terrivel odium.
nrecodovvinh^T anIerior- um abatimento no' As vinhas quo nao foram enxolradas estao muito
S;nVin ,1 ,. de,consui'rao, que leve princ- atacadas, no entando espera-se que a novidade se-
P A L -,-JU """"- ra cra'geral penco inferior do anno passado.
A excessiva escassez dos vinhos velhos teem e e- (Contmuai-e-ha )
vado extraordinariamente o valor destes vinhos, I
que sao manios, e a companhia, apesar da dimi-1
nuieao das vendas que csse elevado valor prados,
tem obiido nesta classe de vinhos urna extraeco
consideravel e os lucros correspondentes, dos quaes
lquidos ja da contribui.o industrial e dos 20 por
cerdo para viacao, tem de sahir o dividendo de
5500 por accao, que opportunamente ser pago.
i\o lira desta missiva encontrar-se-ha o Mlanco
da caixa de amortisago da companhia dos vinhos
relativo ao periodo a que so referem as coalas que
vimos de extraclar.
O governo, por decreto de 12 do eorrente, per-
Deram provimento.
Da de apparecer.
Appellado, Adriano i Castro; appellanle, Chris-
ncia : e sendo preso na mesma casa c \ to**' de Hollanda Cavalcanti.
sio um tal Trin lade natural de Pe-1 Deserta a appellaco,
pela autoridade casa do Codecal, onde
pouzava o tal Teixeira, eneontrando-se-lhe, cartas
de circunstancia:
por esta occa
ap[>ellad, Joo Flix
appellada, a
*n
raitliu o deposito de cercaes estrangeiros de 'qual-
qiier especie, em grao ou fariuha, as cidades de
se a porta da mesma guarda grande nmero de
pessoas.
Foi grande o borbornho, porm o ajuntamento
dispersou a voz persuasiva do administrador do
Io bairro, e do segundo commandante da guarda
inuucipal que alli appareceram. O individuo que
lora preso oble ve pouco depois a sua liberdade.
Esta contenda c outras mais graves que anterior-
mente haviam occorrido, resolvern) os cavalleires
mais considerados das duas parcialidades, que re-
ciprocamente se hostilisam, a enviarein por sen
turno deputacoes ao Sr. governador civil a pedir
providencias que evitem a repetico de taes desor-
dens,fccomo se aquella autoridade Ihe fosse dado o
poder de prevenir as provocaces e conllictos pes-
sen- soaes que nascem da moderaco e pouca
sojam
de ferro de leste
e slo al 31 de marco de 1863. E
ineficaz para combater

PERNAMRUCO.
REVISTA DIARIA.
Acabara de dar-se por suspeitos os Srs. Drs.
Tristao de Alencar Araripe. juiz do commercio, e
Joao Antonio de Araujo Frenas Henriques, juiz de
direito da primeira vara, no processo de fallencia
requerido por Lniz Augusto Robin Mavignier con-
tra a Ciuxa Filiirf. Em vista disso passaram os au-
tos ao Sr. Dr. Manuel Jos da Silva Neiva, juiz de
direito da segunda vara.
Por occasiao do 30" aniversario do passa-
mento de S. &f. I. o Sr. D. Pedro I,
appellada, a
appel-
., estiveram hon-
do rio Douro, lera em funeral os estandartes nos navios de guer-
sta medida ra estrangeiros e nacionaes, as fortalezas c as
. na actualidade a caresta, casas dos consulados. A fortaleza do Brura deu um
oe cereaes que ha mezes se sent nos principaes tiro de dez era dez minutos
mercados do norte, c pouco valer no futuro por-
que u commercio nao far grandes depsitos em
quanto nao ti ver a certeza de que o genero ha de
ser adiniltido a consumo.
Comecou no dia 18 do corrente a screm expedi-
das ao meio dia as malas do correio desta cida le
para o norte do Douro. Os peridicos que eram
publicados de tarde, saliera agora pela manha
atim do poderem ir para as provincia*. Tal alte-
racao foi mal recebida pelo jornalismo, que a tem
combatido enrgicamente, e pelos commerciaules,
a quem causa grando transtorno, porque sao obri-
gados a deixar para o dia segrate a resposta s
suas correspondencias.
' esta urna queslao muito semehaolo
.. pruden-
ca de alguns individuos.
mln^.??,0, I?. aTW" blCe0S (1,a Ma' i U S "rovernad'>r civil recebendo com affabilida-
minac.oa paz da roxia de una das companhias do! de as duas deputacoes, deu-lhes conselh
quart. i do balalhao de rafantaria, visto que as- deracao e tolerancia e asseurou oue
snnsoiic.tou o cummandante das armas em ofllcio todas as medidas necessarias para manto
D.loaoinspectr da alfandega desta ridado.- precedentes na ele.co de 1860, e alada ulli.namen-
Cora oofticio e orcamento inclusos, assijinados pelo te na da cmara municipal
2" lente do corpo de engenheiros, Jos Tiburcio
,h" ; n; I. cM*uwa quesiao muito seineihanle a que
ihns de mo- houve em Pernamhuco, ha dous anuos, por causa
,wTrrefm'a das horas da e*P"dco das malas do correio nos
le.ruhtri'," i vapres brasite|ros que ah tocaraui, nao nos re-
lela liberda- eordnmos cf. nn n n-i ____ .....j. :___
para o snl do impe-
As direcedes da
No dislricto de Villa Real teem passado aconte-
Pereira de Magalhaes, ca salisfeito o que Vine.' cimentes de muita gravidade. E' eran
solicitou em ten ofllcio n. 670 de 9 do corrente cao de nimos no povo
Ddoau conselhoadmini-irativo.-Communican..* Desde as ultimas e'lecoes municipaes. algum
do o Exm. Sr ministro da guerra em aviso de 30 conselhos daquelle dislricto conservam-sc etn esta
de agosto ultimo, haver antorisado o arsenal de do anormal rvau'w em es
E ''i! fS SSEf a d"SU royn'jA [6S} ; 0s Polticos parece terem alli revivido to
oovados d- panno verde escuro para o tardamente; rencorosos como o eram an es de 1830
do nono hatali.aode infamarla ; assim o declaro Houve serias desordens era Soulo Maior e Para-
Si C0 "11 &ZSS" ftm S^IU?a a S6U M- dp|inl"' d0 "> d" Sabroza! na occasio de
Sm?u^.me dsqnnasmeZ-~COmmUn'CU"Se a; "*?. arraaJ na noite de ,4 do wrente' de 'ue re"
corara.n.ianie uasarna>. sultarara duas mortes e alguns ferraenlos
J&'VtiSESfW. m\ Pr,me"'irra deSlaL Dizem por um lad0 osgo^ernamenues ue estas
cida le. -Constand-, de ofllcio do jott de paz pre-! desordens nada teem cora a poltica e s: o conse-
sidente da junta rcv.>ora de qualiticacao da fre- quencias de antigs rixas entre o povo; ior oulro
gOezia do Po,v. di Pa...-ll,. datado de 20 do cr- ladoasseverara os opposic.onistas qm ellas sao de"
rente, ter-se concluido oslrabaihos da segunda reu- vidas s provocaces dos amigos do governo aos
junla, determino a Vrac. quo ; vexaraes das autoridades, etc.
Asocaco Coramercial, o As-
soeacao Industrial Portuense acabara d- requerer
ao goyerno sobre os dous assuinptos que deixamos
exalta- mencionadospedindo a livro iraportacao de ci
reaes por ser ineflicaz, para as necessidades pu-
blicas, o decreto ltimamente publicado, conce-
deodo o deposito de cereaes as duas primeiras
cidades do reino; e bem como que seja alterada a
hora da partida do correio dcsla cidade para o nor-
te por modo que se d tempo ao commercio de res-
ponder correspondencia do mesmo dia.
nio da referida junta, determino a Vrac.
guardados os prazos e mais formalidades da lei,
convoque e rena extraordinariamente o conselho
municipal de recurso no da 10 de outiibro prxi-
mo vindouro, alim de lomar conhecimento das re-
ctamace* que [rventura tenham sido desattendi-
das pela predita junta.
Dte Luiz Candido Carneiro da Cunha, segun-
do vereador da cmara municipal do Pao d'Alho.
Tenho presente o ofllcio de hontem datado, em
que Vrac. pede esclarec mentes sobre a remessa
do livro das actas da eleieo municipal dessa fre-
guezia, que Vmc. recea seja falsificado em vls/a
No dia 22 leve lugar na villa do Pezo da Regoa
DO| raeeiing a convite da opposicao, em que se leu
e expoz assignatura urna represenlaco endere-
zada ao chefe do estado sobre negocios eleitoraes,
e nonieadamento aecusando a subtracao do recen-
seamento do concelho de Mcsao-frio que os opposi-
cionisias dizem ter desapparecido do archivo da
respectiva cmara municipal.
A concurrencia ao meeting elevada por uns
de duas tres mil pessoas, c outros fazera-na des-
cer a menos de mil.
Para conserrar a ordem publica, o governador
duque me rommunna cm seu citado ofllcio. civil mandou de Villa Real para a Regoa una for-
De tudo mteirado, cbeme dizer-lhe, qUe exis- Ca de inlantaria o ca vallarla,
tindo na secretaria do governo uina copia anthen- Houve socego durante o meeting.
tica da acta dJ eleicao de JOttes de paz e vereado: I Para Lisboa parti u.na comraisso encaregada
res extrahida pela mesa parochial, do livro de que de entregar a el-rei o Sr. D. Luiz a referida rapto-
sentacao.
Segundo as ultimas noticias recebidas de Villa
Real parece que a opposicao em todo aquello dis-
tricto resol ven abandonara urna e publicar na ves-
pera da eleieo um manifest, declarando que esse
na falla de liberdade para
se trata, nenhum emharaco grave p le trazer a
soi falsificaco no caso em que infelizmente isso
tenha lugar, o que nao se deve esperar.
Portante deve Vrac remetler o livro cmara
como de lei, podando todava fazer essa remessa
per aro oflical do juizo, que certifique a sua entre- abandono motivad
ga, ou com as caut- lias qne forem precisas e jnl- votar.
Foram multados em 205 cada uro dos Sr?. jn- Para bem se avalar o estado em que se acha o
rados que faluram hie. dislricto de Villa Real, copiaremos o final de urna
gar convenientes, afim de que se possa provar o das multas proclamacoes que por l se teem dis-
sen Teretemente pela mosroa cmara. tribuido.
Despaches des dias 22 de setembr de 1861. Ahi vai:
foqHtrimentos. Mas o governo conserva-o anda frente des-
Antonio Pereira da Cunha. Requeira ao conse- le distneto, o que quer dizer que o governo prelen
Iho de qnalificaco na forma da lei.
Antonio L>pes Pereira de Carvalho.Informe o .
Sr. engenheiro chefo interino da repartico das pinados I
obras publica. i Nao seremos dos qne o consintamos. Nao o
de que as scenas de selvageria e prepotencia das
eleicoes municipaes se repitam as elcicoes de de-
Na manha de 22 do corrente foi encontrado
no caes da Punte do Uch-'a, o cadver de Luiz de
Franca Pereira, que foi vestoriado, declarando os
peritos ter sido a morle proveniente do asphvxia
por imrnersao.
AroaoMa se extrahr a 21 parto da l lote-
ra da igreja de Santa Rila de Cassia desta cidade
(109), sendo o maior premio 10:0005-
Os devotos da Sra. da Conceico da Escada
festejarara hontem a sua padroeira. com pompa c
brilbantismo. O templo eslava elegantemente or-
nado e foi muito concorrido a noite.
Repartico da polica.
. E*'ra('to das partes do dia 2i de setembr
de 1864.
Foram recolhidoscasadcdetencau no da 23 do
corrente:
A' ordem do Illm. Sr. Dr. chefe de polica, Jos
Hyppolito da Silva,sem declaraco de motivo; Jos
Joaquim Guianua, por ferimentos leves.
A ordem do Dr. delegado da capital, Manoel dos
I assos da Conceico, para correccao.
A' ordem do subdelegado do Recife, Joao Ra-
mos da Cruz, sem declaraco do motivo.
A ordem do de Santo Antonio, Adao, escravo
de Luiz Francisco de Barros Reg, por fgido.
A ordem do de S. Jos, Ravmunda Mara da
Lonceicao, c Ignacia Mana de Jess, ambas por
bnga.
O chefe da 2* seccao.
J. G. de Mesquita.
;ao do programma para esta testa civilisadora : da ^/*^_ftWWow Jes Teixeira, Elias Jos de
Effeclnon-se antes de hontem neite urna im-' A,mt'"Ja> F'anclsco de Paula Neves, Joo Alves do
portante descoberla de notas falsas do Brasil an-: ?S5? "0el Joa(lu,m Maia- Vicente Remigio da
poderando se a jiHIca de 1,200 do valor de 55000 ?',va' ,a1th,as de Azevodo Villarouco, Thomaz de
cada urna. Esla apprehensao foi cxeculada. por
denuncia, pela administraco do segundo bairrn
n uraa taberna na alameda da Lapa, onde Roberto
Vieira de Muraos e outros iudivduos, que ali esta-
vam reunidos, deviam concluir nessa noite o ajus-
to da venda do urna poreo das ditas notas.
Eis como o caso se passou :
O Sr. Antonio da Fonseca Sampaio, administra-
dor substituto do 2 bairro. foi que procerfeu dc-
ligenca fazendo-se acompanhar do escrivao da ad-
ministraco, regodor da freguezia e. cabos de no-
licia. F
Dirigndo-se, pois, ao lugar indicado, e como a
entrada para um pavimento ao rez do'eho, seja
superior lasca e lojas subterrneas, quo tem ou-
tra porta de communicago, flcou esta vigiada em
segredo, em auanto o regedor Teivcs se internava
as escuras n nm corredor, para procurar os indi-
viduos que tinhaj visto entrar do sen esconde-
rijo.
Efterlvamente n'nma das salas ao difeilo da
porta, e que se achava alumada por urna traca
luz, estavam 4 homens em volta d'uma mesa, cu-
jos nomes, falsos ou verdadeiros, sao: Roberto
Teixeira, Victorino Jos Moreira, Jos Ribeiro e
Manoel Soares Moreira, as quaes o regedor deu a
voz de pre.os.
Logo que Roberto Teixeira viu o regedor, levou
rpidamente a mao ao bolso da jaleca, sem ter
lempo para a lirar por icar inmediatamente abra-
cado por aquello que atrevidamente e* com risco
Aquino Oliveira e sua senhora, Antonio Jos de Fi-
gueiredo, Francisco Cesar Teixeira. Antonio Jero-
nymo Marques, Elias Jos de Almeida, Firmino
Leocadio de Lima.
Passageiro do hi He brasileiro Amelia, sahido
para o Poocdo : Antonio Moreira Pinto.
Movmento da casa de detenco do da 23 de
setembr de 1864.
Existiam....... 355 presos.
Entraram...... 8 i
Sahiram ..... 7
,A saber
Existem....*:'.. 356
Nacionaes..... 301
7
7
1
30
4
356
Mulheres......
Estrangeiros...
E'trangeira ...
Escravos......
Escravas......

>


i Alimentados custa dos cofres provnciaes 152
Movmento da enfermara do dia 23 de setembr
de 1864.
Te ve baixa :
Adao, escravo do Luiz Francisco de Barros Reg,
ferimentos.
Teve alta ;
Felicidadc Pires da Luz.
Appellado, F ancisco Mamede de Almeida ; ap-
pellanles, os curadores da massa de Manoel Alves
Guerra.
Deserla a appellaco.
Appellayjes Ciimes.
Appellante, o promotor ; appellados, Leandro o
Alberto, escravos.
Improcedente.
Appellante. o promotor ; appellado, Jos Feitosa
dos Santos.
A' no vo j ur y.
Appellante, o promotor
de Souza.
A' novo jury.
Appellante, Joao Pinto da Costa
justica.
Improcedente.
Appellante, Joo Gomes Coulinho
justica.
Improcedente.
Appetiat;oes ciceis.
Appellante, Manoel Patricio dos Santos ;
lado. Fabricio Gomes Pedrosa.
Nullo o processo.
Appellante, Manoel Elias de Moura ; appella-
do, Joaquim Francisco Cavalcanti de Albuquerque.
Reformada a sentenca.
Appellante, Joo Paes Brrelo de Lacerda : ap-
pellada, a baroneza de Ipojuca.
Desprezaram-se os embargos.
DILIGENCIAS CHIMES.
, Com vista ao Sr. desembarsador promotor da
justica i
As appuilaroes crimes.
Appellante, o juizo ; appellado, Jos Rodrigues
Carvalho.
Appellante, o juizo ; appellada, Mara Luiza da
Conceico.
Appellante, Antonio Francisco de Lima ; appel-
lada, a justica.
Appellante, Alexandre Pereira da Silva Tavares;
appellada, a justica.
Appellante, o juizo ; appellado, Flix, escravo.
Appellante, o promotor ; appellada, Guilhermi-
na Maria da Conceico.
Appellante, Manoel Severino dos Santos appel-
lada, a jnslica.
Appellante* o juizo; appellado, Severino Rodri-
gues, u
Appellanle, o juizo : appellado, Manoel Bernar-
do da Guerra.
Appellante, Antonio barbosa do Reg ; appella-
da, a justica.
Appellanle, o juizo ; appellado, Manoel Pita Ba-
cellar.
DILIGENCIAS CIVEIS.
Com vista ao Exm. Sr. desembargador
dor da cora
As appellaroes cireis.
Appellante. Dr. Jo> Angelo Marcio da Silva;
pellada, a fazenda.
Appellante Jos Marcelino Alves da Fonseca ;
appellada, a fazenda.
Appellante, Dr. Francisco de Paula Baptisla; ap-
pellada, D. Auna Mana das Dores.
Appellante, a fazenda ; appellado, Joaquim Gon-
calves Guerra.
Appellante, a fazenda : appellado, Antonio Joa-
quim de Oliveira Baduem.
Appellante, a fazenda appellados, os herdeiros
de Francisco Alves Pontos.
DESI0NAC..\0 DE DIA.
Assignou-se da para juicamente dos seguintes
feitos:
As appellaroes dimes.
Appellante, o promotor ; appellado, Florentino,
escravo.
Appellanle, o juizo ; appellado, Manoel Antonio
da Silva Casado.
Appellante, Jos Francisco de Moura ; appella-
da, a justica.
As appellaroes civeis.
Appellanle, o juizo ; appellada, Luiza Thomazia
Coma.
Appellante, Antonio Viriato de Medeiros Jnior ;
appellada, D. Rosa Maria de Albuquerque.
Appellantes, os administradores da massa de
Manoel dos Santos Pinto ; appellado, Manoel Jos
de Carvalho.
Appellantes, os herdeiros de D. Jacintha Maria
de Abren ; appellado, Jos Peres da Cruz.
Appellanle, Gaspar Cavalcanti de Albuquerque
Ucha ; appellado, Joao de S Albuquerque c ou-
tros.
PASSAOENS
O Sr. desembargador Caetano Santiago passou
ao Sr. desembargador Gitirana
A appellacdo civel.
Appellante, ojuizo ; appellados, a viuva e filhos
de Luiz Gomes Ferreira.
Ao Sr. desembargador Almeida e Albuquerque
A appi'llarao civel.
Appellanle, Vicente Fprreira de Mallos; appel-
lado, Francisco Ignacio Rorhedo.
Ao Sr. desembargador Doria
A appellaco crime.
Appellante, Leandro Jos de Araujo ; appellado,
Manoel da Cunha Ribeiro Lima.
O Sr. desembargador Gitirana passou ao Sr
desembargador Lourenco Santiago
A appellaco civel.
Appellante, o padre Antonio Jos Pinto; appel-
do, o barao de Jaragn.
Do Sr. desembargador Lourenco Santiago ao Sr.
desembargador Almeida e Albuquerque
A appellaco civH.
Appellante, Tristao Amanes de Alencar ; appel-
lada, a fazenda.
ao
As appellaroes crimes.
ladTRntei?S!ive8!re de Meodonca; appel-
laoo, Bruno Antonio dos Res
dco'velir'li':.c(',ro,n,',0.1'; filado, Clementino
ue oliveira iiastos e outro.
A appellaro cirel.
finap i!.13' a,razenda appellada, D. Auna Del-
una i ae Brrelo.
Ao Sr. desembargador Gitirana
A appeltarao cilel.
Appellante, Lourenco Bzerra Cavalcanti de al-
buquerque ; appellado, Dr. Amaro Joaquim Fon-
seca de Albuquerque.
O Sr. desembargador Assis passouaoSr.oesem-
bargador Doria
As appellaroes crimes.
Appellante, o juizo ; appellados, Jos Mulato da
Silva e outro. *
Appellantes, Manoel Tavares do Xascimento :
appellado, o juizo.
As nppcllarors civtit,
Appellantes, a parda Mana e seus filhos : appel-
lado, Benedicto Antonio do Espirito Santo.
Appellante, Antonio Gomes de Albuquerque
appellado, Guilherme Augusto de Miranda.
Do Sr. desembargador Doria ao Sr. desembar-
bargador Motta
A appellaroes civeis.
Appellante, Manoel Francisco das Yev"s; ap-
pellado, Jos Manoel da Silva.
Appellante, Jos Goncalves de Pinho ; appella-
do, Joao Pedroso BaptiMa.
Appellante, Dr. Deodoro l'lpiano Coelho Catn-
nho ; appellado, Jos Paulo do Reg Barrete.
Do Sr. desembargador Motta ao Sr. desembar-
gador Ucha Cavalcanti
As appellaroes civeis.
Appellante. padre Jos" Antonio dos Sanios Les-
te. ; appellado, Jos Pinto de Magalhaes.
Appellantes, Dr. Antonio Ferreira dos Santos Ca-
mraha e filhos ; appellado, Jos Vicente Ferreira
de Frenas.
Do Sr. desembargador l'cha Cavalcanti ao Sr.
desembargador Domingues da Silva
As appellaroes c i cris.
Appellante. Jos da Cusa ourado ; appellado,
Antonio Manoel de Campos.
Appellantes, a prela Maria o ?eus filhos ; appel-
ado, Guilherme Augusto de Miranda.
Ao Sr. desembargador Doria
A appellaro civel.
Appellante, Jos Autenio Gomes Guimaraes: ap-
pellada, a fazenda.
Do Sr. desembargador Domingue da Silva ao Sr.
desembargador Caetano Santiago
A appellHrao cirel.
Appellante, Francisco Santiago Ramos : appella-
do, Gabriel Antonio.
A appellaro rrone.
Appellante, ojuizo; appellado, Bernardo Can-
dido de Azevedo.
DISTRIBUCES.
Ao Sr. desembargador santiago
O aggravo de pelicao.
Aggravante, Antonio Valentim da Silva Barroca
aggravado, o juizo.
Ao Sr. desembargador Lourenco Santiago.
Appellaco cirel.
Appellante, Vicente Antonio do Espirito Santo ;
appellado, Caetano Lenidas (ama.
Ao Sr. desembargador Almeida e Albuquerque
.1 appellaro rncl.
Appellante, Joo Carlos Barballio da Cunda
appellado, Antonio Jos Goncalves de v/p-
as-
procura-
3-
Ucha
vedo.
Ao Sr. desembargador Motta
O aggravo de pelirao.
Aggravante, Jos Norbcrto Casado Lima :
gravado, o juizo.
Ao Sr. desembargador L'cha Cavalcanti
O aggravo dr tetkfto.
Aggravante, Orgenes HoKoralo Flavlano do Ro-
go Monteiro : aggravado, o juizo.
Ao Sr. desembargador Domingues da Silva
O aggravo dr pcliro.
Aggravantes, Guimaraes fl Aleo forado ; aggra-
vado, o juizo.
A appellaro crime.
Appellante, Guilhermc Antonio de Siqueira : ap-
pellada, a justiya.
A 1)4 hora da larde enrerrou-se a sesso.
CORRESPONDENCIAS.
Sis. redactores.Posto que oSr. deputadoFran-
cisco Carlos Brando, por demasiadamente contie-
ndo nesta provincia, c fura della, nao possa dar.
ncm tirar crdito a ninguetn. anda mesmo que
falle de um lugar de que maito digno, c a que
foi elevado por influencia de seus numerosos ami-
gos, sem nrnhuma intervrnro da polica; com
ludo, nao quero deixar de protestar muito categ-
ricamente contra os improperios, e calumnias que
o dito Sr. deputado profeno na cmara contra o
raen amigo o Sr. Francisco Vicente da Cunha Val
passo, a quem imputa grandes crimes anteriores
ao assassinato do iufeliz capito Barros; assassna-
to que alias foi amistado pelas insolencias, e
borracheiras do desgranado capito, que sem ol-
fensa ao decoro devido aos morios, s era digno
de ser amigo do Sr. Brando, bem como do major
Jos Rodrigues de Muraes, por elle apresenlado
como perfeito modello de virtudes! E'hornera
o mais valente que se eonhec.e Bem mostra que
anda o mesmo here de 1842, no celebre jury du
abssynio!
E pois, Srs. redactores, afflrmo que Valpasto,
alm de algumas leviandades proprias da moci
dade, nunca praticou crime algom ero Alagoas;
isso una falsidade digna de seu inventor, que
alias seria muito feliz se contasse muitos amigos
da nobreza de carcter de Valpasso I
Villa do Limoeiro, 21 de setembr de 1864
A. A. da Cunha Rocha, cm viagein para Pajeo
PUBLICARES A PEDIDO.
Ao publico.
Coacpsso de lieenra para abrir botica.
Em todos os tempes se tem dado desvos, e o pa -
ironato, apadrinhando a falta de merecraenlo, s*-
tem apresenlado aqu e acola, ora inringindo, ora
preterindo direitos adquiridos; mas, como elle se
ostenta hoje nesla quadra de fuso de elementos
que se enconiram ; nesta quadra em que urna po
litca denominada liga bem define o disparala-
do conjunrto de fracedes opposlas, que roais nma
vez mostrara, que este nosso imperio sem duvida
o imperio das raridades, eremos que jamis se os-
tentn.
Prvac.oes de mais de 14 annos haviam myrrhado
corpos, e rednzido a quasi esqueletos, c por entre
a ossada, jogando na peile resequida c cadavrica,
desenvorve-se o desespero de miseros famintos em
demanda de pao para si e para os seus ; d'aqui
afiihadagem em favor da incapacidade, e esso fer-
vor por faxer-se adoptar cada misero por fllhe des-
sa cousa macho-femea chamadaliga".






Diarlo de peraaailiueo Segunda ftlra e de Setembro de i*4.
:-
E' por isto que o ligeirn Sr. denotado Ratlsho-
na, nao nadando repartir com sea irmn Socanlo
o prato do lenlilhas que IM locou. lembruu-se de
az-lo pharmaceutico de ignorante plantador que
, representando assim c:n realidad o caso de sa-
pateiro medico figurado por Lafontaine. Mas que
.bu-cassc o Sr. Ratisbona transformar un planta-
dor de mandioca em therapenlico, que nl se im-
porte elle com a sado dos habitantes do Crato, do
piein se ha tornado filho ingrato e endurecido, o
que busque nesta transformaeo occorrer smente
as urgentes precisos do sen irmao,emhora tiquem
ahi lamihas na orphandade peto cnveiieiia.ii.mto
por nto da ignorancia, nao unto para admirar,
porque a re'ligiao do ventre e de ludo quaiito o
sensual, a rchgiao daquelle senlior. O que e pa-
ra admirar, c dir.-i mesmo para lamentar, que a
tant ve h,ja prestado a resp.-itavel Junta t.entral
de Hygiene publica, rom offensa mamfesta do de-
creto" n M9S de dezemlro de 1857.
Em face .las terminante* dispusieres deste de-
creto, s podem obier licenca para funccionar co-
mo pnarmaceotid*: primeiro, os individuos que
tiverem titulo conferido, ou verificado por algnma
das escolas medicas do Imperio na forma do art.
23 do reglamelo de 29 de seleinbn de 18l ;
sopiado, os (que se acharan matrimla.los em al-
guma das cmaras municlpaes, na ronformidade
que ja tinham botica aberta antes da promnlgaco
deste regoiamento. devendo estes, para poder ob-
ier dia licenca alim de continuar a ter asertas
suas boticas, prnvar, de conformidade con o art.
2" do litado deerelo : primeiro, a esistencia da bo-
tica, que-preleiidt! conse var aberta antes da pro-
muigacao d.> predilo regulamento ; segundo, ne-
ces-idado da consorvacu della n<> lunar em quo
exista ; terceiro, a falta ile outra dirigida por phar-
maceutioo legalraenle habilitado quarto, para que
a botica se conserve regularmente surtida das dio-
gas e medicamentos mais* procurados, e ndispensa-
veis para as argentes applieacoes la tlierapeuiica;
quinto, quai o seu grao de pericia na pratica da
pharmaci i, e o modo porque satisfaz as recodas
m dicas.
Mo posto, pe untamos, est o irmao do Sr. de-
pntado Ratisbona entre os mdividuos cima men-
ciuuadns r Nao ; o plantador vestido de pharma-
ceutieo nao pudia ufl'ereeer titulo concedido, ou ra-
rificado por algoma das escolas medirs do impe-
rio ; porque nni-a frequontnti outra escola a nao
ser a .1". primeiras tras de sua trra natal.
Tein elle matricula em a cmara municipal des-
ta Ierra d'oud? nunca sahio ? Nao; e nem poda
disto florecer documento algum. lomo, pas, p.
din a junta central, sem a menor habilitacao da-
quelle moco, eouferir-lhe Ululo, que s perlence as
escolas medicas, o hahilita-lo para abrir botica
nesta .i Ire, com grave detrimento da sadc pu-
blica '.
Mas se nao foi urna graca, que aquella junta es-
cessivnmeiite. e com abuso de poder, eoncedeu ao
inane do Sr. Ratisbona, como se conclue ter sido
em face do theor da licenca; importar isto uina
faculdadc para continuar "ede a ter botica abena
nesta cidade > Isto nao menos atlentalorio do
mencionado decreto de 19 de dezombro ; porque
semelhante licenca s poda ser concedida median-
te a prova docuoieut.il das rondicoes que licain re-
feridas ; e onde acharia aquella irmao privilegiado
documento, que pmvasse ter elle botina aberta em
lempo algum, qau provasse, que na cidade do Cra-
to nao xistia en como pharmaceutico legalmente
habilitado; e que urna botica que nunca existi,
e a|ienas por existir, so achasse regularmente sor-
tda de drogas e madienmeeMs indispensaveis pa-
ra as argentes applieacoes da therapeutica, assim
como que houvesse o Sr. Secundo pratfcad pbar-
macia, e que tenha a menor pericia, nao leudo pas-
sado jamis de lavradcr T
Que o Sr. r. Selte, juiz de direito, attestasse
tanto, nao duvdamos: mas que a cmara munici-j
pal do Oaio e o parodio da freguezia o lizessem,
parece incrivel, a nao ser nesta poca do mais es-
candalosu patronato ; sendo sohretudo para notar
que, anda quando houvesse oSr. Ratisbona obudo
do Sr. r. Medciros, no Rio de Janeiro, atleslado
da pericia emprestada san irmao. nao poda a
Junta central conceder a licenca referida, lando
em sm\ arcnivo urna prova de que no Grato existo
eu legalmente rerunheeidu pbariuaccuiico ; prova
esta, que por si -6 demonstra, que o homern, em
em (picol os aliesiantes infundirn a arte de phar-
maria, nao reuna as con licQes requeridas pelo
art. do mencionado decreto, era bastante para
Convencer a resptulavol Junta de que, fnsse qual
fosse o motivo, com que se procuren Vestir gra-
Iha com as piranas do pava, o que se procurava
era Maquear, como so illaqueuu. a sua boa t, e a i
do governu impera! para el.-iio de arranjar-se um
moco completaiaeute albeio profissao, iara que
se o lieenciou, o i.-to rom dainos incalculav sa le publica, e com ol usa dos meas direito".
Por bem po-- d.-.|,i satide, e destesdlreitos oflen-
dulos protesto rontra seuiclbante licenca, ob e su-;
breptieanieutu ubbda, o em t.-mi o dirigir) minha
justa reclainacao a Sua Mage>tade o Imperador, '
prevenindo enlretanto ao publico de t-do imperio!
para licar saben lo, que no Brasil j se nao preci>a
d Ululo das escolas scienlicas para se facer buje
de um agrieultur, um pbarmaceDtico, e quctaol
punco se precisara tambera para fater de um saja-
ten o um iio.itor. mi em medicina, ou em srieocias
jurdica- e siN'iaes.
Presumimos que o Sr. Secundo para obler a im- j
merecida graya, buseou demonstrar que a popula- j
ci d.-.-ta eidade era tanta em numero, que recla-
niava uina nutra botica alm da existente : mas
anda (piando verdadeira fosse lio inexacta allvga- >
cao. a junta crural nao poda a sen arbitrio con-1
ced>-r a licenca requerida, puis o que Ihe concede j
o artigo s.'xto do decreto citado, limitado a dis-1
posicao do artigo primeiro, e a face deste ninguem
simo t-! titulo, ou >em achar-sc matriculado podo
ser licenciado para abrir botica; mas, sim para
cnnliuuar a ler osla aberta se antes d icgulaineii-
10 de 2'd de setembro de 18.1 ja a buha.
I'oituiio, por jiiilqu'-r lado que se encare a li-
cene t concedida ao Sr. Joaquim St cundo, nao se
v uelle outra habilitacao que nao seja a de >er ir-
mao de um depu'.alo, que presta apoio ao guver-
no, e como aera para nos, e iwm para a lei seja i
sulliciente nina tal habililflcao, repelimos que pro-
tesianios contra este inoio de impor a popula^o
um pharmaeeutico nao pliarmareultco, com menos- \
prezp da sade do povo, e inliaieao do dvitns \
adquiridus ; e seno agora, quando milito amanbaa.!
operamos que o governo im,"iial juntamente cum
a junta central iieiboriiieiite instruido, cassara a-1
queda licenca, procurada o ubtida, como meio de
especular a cu-la da vida das familias.
Crato, 12 de agosto de ISlii.
Benedicto da Silva Garrido.
Salsa lie R.isl.l
M0RTE8 CAUSADAS POB MINERAKS !
Patem-Se uo de todos s venenos activos na
medicina p todos finalmente encurtan) a vida. A
SALSA PARfULHA DE HR1ST0I.. um dos poneos
remedio-, verdadeira o puramente vegetal. Ella
nao eonim nm s grao de mercurio, arsnico,
strychnma, bromme, iodine. ou outro qualquer ve-
neno.
Alm disso um antidoto contra os mesmns o
cura as molestias que estes cau-am. Pela maior
parte das vetes estes venenos curam urna mole.-tia
siib-tit!iindo-a por outra : portn a salsa parrilha
de Hri-iol opera com a nalureza e nao contra ; re-
niovendo para semprn, pelo seu poder nratralsa-
dor as cansas de molestias ulcerosas. cancrosa e
eruptiva^ regulando o finado, dando vigir ao e-to-
mago e intestinos aliviando o syslema de substan-
cias epidmicas, e dando brea aos orgaos enfra-
q li- cidos.
As criangas c as sr-nhoras delicadas podetn tma-
la -em su.-to.
K" a salvacSo dos doentes.
Cautela para evitar as initacoes c falsificaeoes,
das qu;ies exi-lem tres no Kra.-il.
A legJtiiMi vende-se por i;aors & fiarbosa, e Joo
da C. Bravo v C.
GOMMEBCIO.
UM) Rt.Wti m PERNtlRIIM.
O nevo banco p-Ra o 13 dividen
na razan de 8&000 por atio.
tliautlega
Reo dem do dia 2i................. Iii:964l
:39:08927o
Hovliucao da alfaadega
Volames entrados com fswoda...
t com zeneros... 8i
------8t
Volames sabidos com fazendas... 50
com gneros... 319
------ 369
Descarregam no da 26 de setembro.
Barca ingleza.SorapAnafazendas..
Brigue iuglez -Lnn -dem.
Barca bremense-Bmjt/rfifarinha de trigo.
Barca IrancezaSp/icre-fazendas.
Brigue nerneguensemi/iecouros e ossos.
Exportaeo.
Barca franceza Joo Baptista, carregou para o
Havre pela I'arahyba : 624 saccas com 3,339 arro-
bas e 27 libras de alsiodiio, 723 couros salgados
com 19.807 libras, 2,442 couros verdes com libras
121,382.
Patacho ingle.- Mwy Block, carregou paraGlas-
cow : 980 saceos com 4,900 arrobas de assucar
mascavado, 636 saceos com- 2,947 arrobas e 16
libras de algodao.
ALFANDEGA DE PERNAMBUCO.
VWXk DOS PIU!C0 DOS GEKKR0S SUJEITOS A D1RKIT0 DI
K-xponr.\g\o. semana de 26 do mkz de setem-
bro A 1 DE OUTUBRO DE 1864.
Mercadorias. Unidades. Valores.
Abanos.......... cento 1500
Agurdente de cana..... caada 800
dem restilada ou do reino 800
dem caxaca......... 400
dem genebra....... 800
dem a Icool ou espirito de agua- 900
rdante.....,
Algodo era carneo..... arroba ti&'i'-i
dem em rama oh nm lia. 26,5100
Arroz com casca...... IJBOO
dem descascado ou filado 28(R)
Assucar mascavado...... 2,5700
dem branco........ ifiOO
dem retinado....... a#iiO
Azeite de amendoim ou manda*
bim......... eaaada 2*000
dem de coco....... 1*600
dem de mamona..... 800
Batatas alimenticias..... arroba 1*200
Bolacha ordinaria, propria para
embarque....... 3*000
dem fina........ 7*000
(-fbom........ 8*000
dem esoolha ou restme ... 7*000
dem torrado....... libra 440
Caibros......... um 360
Cal........... arroba 280
dem branca....... 500
Carne secca (xarque) .... 3*206
Canieros......... um 4*000
Carvo vegetal...... arroba 1*000
Cavernas de sicupira .... urna 8*000
Cera de carnauba em bruto. libra 250
dem idem em velas .... 300
Cha.......... 1*500
Charutos........ canto 2*500
Cevados (poreos)...... um .1*000
Cocos (seceos). ...... cento 4*000
Colla......... libra 600
Cauros de boi, salgados 16S
dem idem seceos espichados. 246
dem idem verdes..... 100
dem idem cabra curtidos. mu 330
Idem idem de onca..... 10*000
Doces seceos....... libra 1*000
dem em gela oa mansa. 320
dem em calda...... 500
Espanadores grandes .... um *00A
dem pequeos......... 2*000
Esleirs para forro de estivas
de navio. .-...... cente 13*0 Estopa nacional...... arroba 1*600
Farinha de de mandioca. alqueire 2*000
idem de araruta..... arroba IfKK
Feijae de qualquer qudlidade. 15800
Frechaes........ um 3*000
Fumo en tollia, bom .... arroba 145000
dem ordinario ou reslolho 8*500
dem em rolo bom...... 8*000
dem ordinario ou reslolho 5*000
Gallinhas........ una 600
i omina......... arroba 2*500
Ipecacuanha (rafe)...... 25*01X1
Lenba em achas...... cento 2*000
Toros.......... 11*000
Liulias e esteos....... um 8*000
Mol ou melaco....... canada, 240
Milho. ..'....... arroba 900
Papagaios........ um 3*000
Pao Brasil........ quintal 3*000
dem de jangada...... um 3*000
Pedias de amolar..... urna 800
dem ile filtrar...... 'i*000
dem de rebolo...... 1*000
Piassava....... molho 120
l'ontas, ou chilres de vaecas ou
novillios........ ceulo 3*500
Pranchdes de amarello de dous
costados........ um 05000
Idem de louro....... 10*000
Rap......... libra 1*000
Sabao........... 120
Sol .......... alqueire 400
Sal-a parrilha....... arroba 23*000
Sebo em rama....... 55000
dem em velas....... 7*000
Sola em vaqueta...... uina 2*00
Taboas de amarello..... duzia 140*000
dem diversas....... 80*000
Tapiocas......... arroba 2*800
Tatajuba......... quintal 250O0
Travs......... nina 6*000
L'uhasdeboi....... Cen'o 200
Vassouras de piassava. ... 10*000
Ditas de timb....... 8*000
Ditas de carnauba..... 6*000
Vinagre......... canada 500
Alfandcga de Pernamlnico, 24 de selonibro de
1864.
(Assignados):
1." couferente, ./ose Aflamo fknvmt.
O 2."|i.-oufereiit'', Benjamn Peres de Albuqueviiue
Maramao.
Approvo. Alfandega de Pernambuco, 24 de
setembro de, 1864..1. Eululio.
Conforme.O 3. escriplurano, Joo ios Santos
Porto.
Kecebedorla de rendas internas
geraes de Pernambuco.
Rendimento do da I a 23........ 21:530*911
dem do da 24................. 1:619*841
23:170*752
Consulado provincial.
Rendimento do dia 1 a 23......... 39.410*031
dem do dia 24................. 1:281*182
63:691*213
PRAQA DO RECIPE
94 Iti NtiTtifl KKO BE IMil.
AS TRES HORAS DA TARDE.
Revista semanal.
Cambio........ Saccou-se sobre tundras de 27 7
a 27 '/, d. por 1*000, a 90 d. v,
sobre Paris de |343 a 345 rs.
por fr. e .-obro Lisboa a 95 por
cento de premio, elevando-se
os Majaes eHeciuados durante a
-emana a i 60,000.
Algodao........0 de.-ta provincia vendeu-se de
27*000 a 27*300 por arroba, o
de Macei, posto a bordo, de
27*500 a 28*000, e o da Para-
hyba, de 29*300 a 30*
Assucar........Nao houve aiteraeao no prece da
semana panada.
Agurdenle.....Vendeu-se de 70*000 a 72*000
a pipa.
Couros......... Ge seceos salgados vnderam-se
a 165 rs. por lijjra.
Arroz..........O pilado da India vendeu-se
do 2*400 a 2*300 por arroba, e
o do Mjrantiao de 2* a 2*600.
Azeite doce.....Vendeu-se o de Lisboa a 2*800
o itaiao.
Bacalhao.......Vendeu-se em atacado a 14*300
por barrica, e a retalho de ris
14*500 a 16*000, ticando em
deposito 2,300 barricas.
Batatas......... Venderam-se a 70o rs. o glgo.
Bolachinha...... Vendeu-se a 3*700 a barriqui-
nlm.
Caf........... Vendeu-se de 7*200 a 7,5500 a
arroba.
Cha............ dem de 2*400 a 2*230 a libra.
Carne secca..... A do Rio da Praia fui vendida
do 2*800 a 3*200 por arroba,
tirando em depo-ito 28,400 ar-
robas ; e a do Hio-Grande do Sul
fo vendida de 2*800, a 3*800 I
ffrando em deposito' ItaMO arro-
bas.
Cerveja.........Vendeu-se a 5*200 a duzia de
garrafas.
Farinha de trigo. A de Philadelpha e New-York
retalhou-so de 14*000 a 16*000
por barrica, a de Baltimore e
hespanhola a 13*000, e a de
Trieste a 22*000 ; Arando em
deposito 7,000 barricas da pri-
meira, 7,300 da segunda, 400
da tercera, 800 da quarta e 3,000
conselho, as 10 horas da manhaa do dia 28 do cr-
reme.
Sala das sessdes do conselho administrativo para
fernecimento do arsenal de nuerra 21 de setembro
de 1864.
Antonia Pedro de S Batreto,
Coronel-presi den te.
Sebastiao Antonio do tego Barros,
Vogal secretario interino
Nao tendo apparecido licitante para a factu-
ra da obra das catacumbas do cemiterio publico
da freguezia de S. Lourengo da Malta, continuara
cm praca nos das 23, 24 e 26 docorrente, peran-
da quinta ; inclundo um earre- te a cmara municipal desta cidade a rnesmaobra,
gamento entrado nesla semana, oreada em 1:015* : aquellos qne quizerem arre-
Louca.......... A ingleza ordinaria vendeu-se matar, dererao comparecer para o mesmo Ara nos
com 320 por cento de premioso- das indicados, munidos de Banca idnea que ga-
bre a factura. ranta a arrematacao.
Manteiga.......A ingleza vendeu-se de 890 a Paco da cmara municipal do Recifo 21 de sc-
900 rs.a libra, e a franceza a tembro de 1864.
Passas..........
Presuntos.......
Queijos.........
Sabao..........
540 ris.
Venderam-so a 5*500 a caixa.
Foram vendidos a* 14*000 a ar-
roba.
Os Aamengos venderam-se a
2*000 cada um.
0 inglez vendeu-se a 140 rs. a
libra.
Luiz Francisco de Barros Reg
Presidente.
Francisco Canuto da Boavagera
Secretario.
Peranle a cmara municipal desta eidade es-
tarao em praca nos das 23, 26 e 28 do crrenle
para sern arrematadas as seguntes rendas mu-
niclpaes :
Toucinho.......Vendeu-se o de Lisboa a 8*200 Imposto de 80 rs. por carga de farinha
a arroba.
Vinagre........O de Portugal vendeu-se de 100*
a 110* a pipa.
Vinhos.........Os de Lisboa venderam-se de
180*000 a 220*000 a pipa, e os
de outros paizes de 167*000 a
185*000.
Velas......
Descontos..
Frates.....
e leganal vendidos nos mercados p-
blicos............................ 2:205*000
dem do 40 rs. por p de coqueiro.... 3475000
dem de mscales e boceteiras ..... 150*00"
Alusuel da casa da Soledade........ 145*000
Os pretendentes a arrematagoes da taes rendas,
comparecam no pago municipal nos dias indica-
na forma da lei,
As de compescao venderam-se dos, munidos de Banca idnea
a 500 rs. o pacote de seis velas, sem o que nao poderao licitar.
O rebate de lettras regata) a 8 Todas as arrematacoes sao por um auno, exeep-
por cento ao anno. to da casa da Soledade, que ser por tres annos._
Para Liverpool Vid. por libra Paco da cmara municipal do Recifc em sessao
do algodao ; do Gnarapes para o de 21 de setembro de 1864.
mesmo porto */j d por libra Luiz Francisco de Barros Reg,
do algodao; do Guarapos para Presidente.
Liverpool 203 % do lastro ;; Francisco Canuto da Uoaviagem,
Secretario.
O fiscal da freguezia de Santo Antonio desta
cidade faz .-ciente aus dono* de talhos de aeougues
em lujas de sobrados e casas terreas com sotao,
que o prazo de 6 mezes concedido pela postura
addicional de S de abril do corrente anno, appro-
vada pela assembla legislativa provincial pafa a
remoeao de taes talhos em as rrferidas casas, n-
da-se em 3 de outuhro prximo vindouro. E para
t lo Grwide do Sul
O brigue Mondego, de primeiro classe, recebe
carga e segu cora brevidade : trata-so com os
consignatarios Marques, Barros 4 C, largo do Cor-
po Santo n. 6.
LEILOES.
LEILO
Para cessae de negocio.
carregando em Macei
3 / pelo algodo.
Vi-di
MOYIMENTO DO POETO.
Navios entrados no dia 24.
Havre43 das, barca franceza Sphere, de 355 to
neladas, capito Ribos, equipagem 16, carga que nj0 appareca ignorancia faz o presente.
diilerentes gneros ; a Tisset Frere & C Fiscalsacu da freguezia de Santo Antonio do
Liverpool- 34 dia.-, brigue inglez Len, de 178 to- Recife. 22 de setembro de 1864.
neladas, capito J. R. Wreyford, equipagem 9, i q ficaii
carga fazendas e outros gneros ; Mills La- j y ja Silva. Ribeiro.
l'hiladelpbia 44 dias, barca ingleza L'mao de 183 OtlSUlado pri>V!lClll>.
toneladas, capilao Heard, einirpagem 10, carga Pela mesa do consulado provincial se faz puhli-
2160 barricas com farinha de trigo ; Matheus co aos devedores dos iraprstos obrados por lan-
Austin & C camento pertencente ao exercicio Ando de 1*63
Novios sahidos no mesmo dia. 1864, que no ultimo de setembro crrente Hnda-se
Liverpool Escuna ingleza Mary Block, capitao o praso marcado cara o pagamento de seus debi-
Rundle, carga algodao. tos, Acando sujeitos a serem executados os que
Macei e portos intermediesVapor nacional Mo> nao pagaren) at aquelle di.
miinguape, eommandante J. J. Martins. Mesa do consulado provincial de Pernambucs Io
Navios sahidos no da 25. de setembro de 1864.
PenedoHiate brasileiro Amelia, capitao Antonio Antonio Garneiro Machado Rios.
Jos Rodrigues Pinheiro, carga diferentes ge- Administrador.
eros.
Qbstrvaeao.
Nao houve entradas.
Correio geral.
SDIT1ES.
0 Dr. Tristao de Alencar Araripe, official da impe-
rial ordem da Rosa e juiz de direiio especial do
eommercio desta cidade do Recile, capital da
provincia de Pernambuco e seu termo por S. M.
I. e C. o Senhor D. Pedro II a quem Utos guar-
de etc. ele.
Faco saber aos que o presente edilal virem e
dclie noticia tiverem, que no dia 26 de setembro
do crranle anno, linda a audiencia deste juizo, >e
bao de arrematar os seguintes cscravos : Joiio,
crioulo, que representa ter 14annos do idade, ava-
Pela administraban do correio desta cidade se faz
publico que em virtude da eenvene.au postal cele-
brada pelos Revernos brasileiro e francez, sero
expedidas malas para a Europa no dia 30 do cor-
rente pelo vapor francez Guyenne. As cartas se-
rao receidas at 2 horas antes da que for marca
da para a sabida do vapor, e os jornaes at 4 ho-
ras. Admmi>lracao do correio de Pernambuco 22
de setembro de 1864. O administrador.
Domingos dos Pasaos Miranda.
Correio.
Pela administracao do correio desta cidade se
faz publico que as cartas abaixo declaradas doixa-
ram de Seguir o sen destino por se acharom coia
sellos servidos.
Antonio Ferreira Bailar.
liado por 700*, e Cosme que representa ler lo au- Flix Ferreira da Costa,
nos, avallado por 600$, os quaes foram penhorados Leopoldo Baptista Malureira.
por execucao de Rocha Lima o Guimares contra Mauoel Pinto de. Souza Dantas.
Antonio Goncalvcs da Silva.
E nao havendu lanzador que cubra o pnica da
avHliagao, a arrematacao se far pelo preeo dp ah-
judicacao como abatimento da lei. '
E para que chegue ao conhecimenlo de todo-,
mandei passar editaes que serio publicados pela
imprensa e allixados nos lugares do costume.
Recife 10 de setembro de 1864 quadragesimo
terceiro da independencia e do imperio do Brasil.
Cu Manel Maria Rodrigues do Nascimento, es- de do di-po.-io no art. 138 do reguiaiiieut
crive o subscrevi. dos correius de 21 de dezerabro de 1844, o
Nicolao Toleniino da Costa.
Pedro Martins Ribeiro.
oz'n.io Ai>rigiu Pereira Gnimares.
Seixas t Sobnnho.
Vlgario Antonio Telles.
Crrelo geral.
Pela administracao ducoireio desta cidade se
faz publico, para lins convenientes, que em virtu-
geral
arl. 9
Tristo de Alencar Araripe. do decreto n. 183 de 13 de malo de 1831, se pro-
O Dr. Tri.-to de Alencar Araripe, official da im- ceder o consumo das carias existentes na admi-
perial ordem da Rosa, juiz de direilo especial nistracao. pertenceutes ao un-z de setembro de
do eommercio drsta cidade do Recife de Per- 1863, uo dia 5 de outubro prximo, as 11 horas da
nambuco, e seu termo, por S. M. Imperial e manhaa, na porta do ine-ino correio. e a re-pecti-
Coiistitucional o Sr. D. Pedro II, i quem Dos va li-ta se arda desde ja exposta aos interessados.
guarde etc.
Segonda-feira 28 do correte a H horas
eto poni.
Ra 3LYMPI0
vender em leilao publico (sem limite-) todos os
objectos existentes na loja da ra da Cruz n. 17,
codsistindo os mesmos em pelle de raarroquim,
.-apatos de Lisboa, sapatos de marroquim para
mulher, sapates brancos do hezerro, tamaitos,
sapatdes de couro de lu-tre, linhas o mais avia-
mentus para sapateiro, diversos passarinhos canta-
dores, gaiolas para ditos e outros muitos objectos
que estarlo patentes no dia do leilao. Sem limi-
tes na ra da Cruz n. 17.____________________
DE
Cm piano de armario. 1 mobilia a Luiz XV, 1 dita
ae Jacaranda, 2 cadeiras de balanco, 1 mesa de
costura, 2 camas, 2 armarios, 2 guarda loucas,
^apparadores, 2 coiiimodas, i mesa elstica, 2
randieiros de gaz, 4 casticaes e tanternas, 2 la-
vatorios, 4 quadros com Anas gravuras, 2 camas
de ferro, 7 venezianas, 1 appareJho de metal pa-
ra cha, 2 espingardas, lselim inglez, l.siLhao e
muitos outros objectos.
Terca-feira (J 'e setembro.
O agenta Pinto far launa por conla de tira es-
trangeiro que vai para a Europa, de todos os ob-
jectos cima mencionad s existentes em casa de
sua residencia no segundo o terceiro andares do so-
brado da ra da Cruz n. 20.
Principiara s lO horas._______________^__
DE
1 pipase lo barris comiuho do Lb-
boa S& e 9 ban-is com lingotcas.
Ter?a-feira 27 do crrente.
O agente Pestaa vondera por conta e risco de
quem pertencer 5 ipas 15 barris vom vinho
tinto de Lisboa e 9 barris com linguieas em lotes
vontade dos eewpradorea : terca-feira 27 do cr-
reme no largo da alfandcga as l horas em ponto.
M
Saceos com arroz do Karanba, caivas
com vinhocaj, barris com al-
catrao.
Terca-feira 27 do corrate.
O agente Pestaa vender para fechamento de
coalas a por cunta e risco de quem pertencer 40
saceos com arroz do Maranlio, 25 barris com at-
catrau da Suecia o 10 caixas com vinho de caj,
em lotes a vontade : terc^-feira 27 do corrente
pelas 10 horas da manhaa no armazem do Anaes
defronte do alfandega. __________
LehZmT
DK
JO acedes de tompaiibia Vii(antc.
Quarla-feira 28 de setembro.
O asento Pinto levar notamente pela ullima
vez leilao por despacho e em prrsenca do Illm.
Sr. Dr. juiz do orphos, as 30 aegoes da cornea-
nina Vigilante pertenceutes ao casal de D. Ce-
m-ntina Theodora da Silva, isto s 11 horas do
dia cima dito em frente a Associacao Conimer-
cial._______________________'___________.
Petra semanal
w.
Trastes novos e usados, crys-
taes e outros artgos.
Quarta-feira 28 do corrente s 11 horas.
Jio armazem d Vicaria n II)
0 cirurfTio Leal mudou
a sua residencia da na do
Queimado para a ra das
Cruzes sobrado n. 36, pri-
meiro andar, por cima do
armazem Progressista, aon-
de o aGharo como sempre
prompto a qualquer hora pa-
ra o exercicio de sua pro-
fissao, chamado por escripta.
m\ 4 FORl^A.
AOS 10:000.000
Bllhef es garantido
A' raa de Crespo a. 23 t casas de eastaae
O abaixo assignado vendeu nos seus muito feli-
zes bilhetes garantidos da lotera que se acaben
de oxtrahir a beneficio do theatro de Santa Isa-
bel, os seguintes premios:
N. 33011 bilhete inteiro cora 10:000,1000
.N. 1783 dous quartos com 2:0005000
N. 214 um meio com 500600
E outras umitas de 200 J, 100, 405 e 205.
Os possuidores podem vir receber sem os des-
con.os das leis na Casa, da Fortuna ra do Cres-
po n. 23.
Acham-se venda os da segunda parte da pri-
mcira luteria a beneficio da igreja de Santa Hila
de Casia, que se cxtrahir na terca-feira 27 do
corrente mez.
Preeo.
Bilhetes inteiros..... 125000
Meios......... 65000
Quartos........ :i*O0O
Para as pessoas que comprarem
de 1005 para cima.
Bilhetes........ IIJ600
Meios......... ."500 .
Quartos........ 25730
Mauoel Martins Fiuza______
Aluga-se o lerceiro andar do sobrado n. ;(7
da ra do Aroorim : a tratar na ra da Cadeia n.
62, segunda andar.
Aluga-se o quarto andar do sobrado w 19 da
I ra Nova : a tratar na ra da Cadeia n. 62, se*
j gundoj-ndar. ________________________
Londou & Braziliau Bank.
Saca sobre Lisboa a Porto. ________
Ama
Preaisa-M de urna ama na roa da Cadeia d;>
Recife n. 30, para cozinhar____________^^_
Precisa-se de urna ama para o servico inter-
no e externo de urna casa : na ra larga do Ro-a-
rio n. JL__________________^______________
- ma parda que nao e mnito moja, com pra-
tica de servico de ama, se olTerece para casa do
homem solteiro oa de peuca familia : na ra do
Senhor Bom Jess das Crioulas n. Ii6.__________
Na ra da Roda n. 6 continua-se a mandar
comida para fra, incumbe-sc de ludo, aceita qual-
quer encommenda por prego razpavel: na raesma-
casa aluga-se a casa terrea'da ra Imperial nume-
ro 270._________________________________
Precisa-se alugar urna preta que saiba cozi-
uhar e engemmar, e um preto que se preste a car-
regar agua e (azr compras na ra : na ra larga
do Rosario n. 28, segando andar._____________
Jos Ferreira Estrella, subdito portogoez, re-
tira-se para fra da provincia.
Holeque.
Precisa-se alugar um moleque de 14 a 16 !';].
de idado: na rna do Queimado n. 29.
Precisa-se de urna ama forra ouescrara para
casa de familia, que saiba cosinhar e comprar : a
tratar na ra do Pires n. 24.________________
Aluga-se um sobrado de um andar e sotao
na ra de S. Bom Jess das Crioulas n. 35, um so-
tao na travesa da Bomba o. 3, e urna casa nova
na Capunga ile vanos commo los : a tratar no pa-
teo da matriz, de santo Antonio n. 8.
Fago saber aos que o presente edital virem, e
delle noticia tiverem, que no dia 26 do mez de se-
tembro do corrente anno, so ha de arrematar por
venda a quem mais der, em praca publica -depuis
da audiencia respectiva os escravos seguintes :
Flix, pardo, de 12 auno?,avallado em 9005000;
Vicente, pardo de 6 7 annos, avahado em
I 50051100; Maria, crioula de 13 anuos, avahada em
9005000 ; Custodio, criuulo, do 40 anuos, avaliado
I em 6005000; Rosa, crioula de 3j annos, avahada
ern 7005000.
Os quaes sao pertenceutes ao casal do tinado
; Marcelino Antonio Pereira, e vao praca por exe-
I cacao que contra o mesmo casal inove o bacharel
: Gabriel Soares Raposu da Cmara.
E na falta de lidiantes sei a arrematacao feita
| pelo prego da adjudieaeao com o abatimento res-
pectivo da lei.
E para que chegue ao conhecimenlo de todos,
mandei fazer o presente edital, que ser affl-
xado nos lugares do coslume e publicado pela im-
prensa.
Dado e passado n'osta cidade do Recife de Per-
nambuco aos 12 de setembro de 1864.
Eu Manocl de Carvalho Paes de Audrade, escri-
vao, o subscrevi.
Tristo de Alencar Araripe.
Administracao do correio de Pernambuco 22 de
setembro de 1864.0 administrador,
Domingos djs l'assos Miranda.
TIIEATK
\ far leilao em seu novo armazem na ra do VI-
I gario n. 10, de diversos traites novos o uados,
i relogio-i de uuro e prata e outros muitos artigas
' que estarao patentes no dia do leilu no armazem
da roa do Vigario n. 10.
LEILAO
EMPREZA
GERMANO k f0IHBR.4.
QUARTA-FEIRA, 28 DE SETEMBRO DE 1864.
5a recit assignatUKi
Subir scena o inieressante drama em cinco
actos, oruinal francez,
M
Movis e outros inuio artigo
de goto.
Quinta-feia 9 Jo corrente.
\o aria '/.em ra d (latida do He-
cif' a. 48
CORDEIRD SIMKS, autorizado por alguns
amigos far leilao de diversos movis, crystaes e
ou ros muitos arlsos de jjosto que se toma enfa-
donho mencionar, os quaes eslaro patentes no dia
do leilao.
Dar principio o leilao s 11 horas em ponto.
ESTABELECIMENTO.
0 agente Olympio mudou
seu armazem de leiloes pa-
ra ra do Vigario n. 10,
aonde pretende continuar a
fazer suas feiras semauaes
e espera ter amesma con-
currencia de seus committen-
tes e amigos.
Haa d Vigario n 10.
Pede-se aoscredores de toda o qualquer na-
turez de fos Ignacio do Val que outr"ora tinlia
taberna na Capunga, que aprsente seus ttulos
ou cuntas na ra da Madre de Dos armazem de
Ribeiro Braga em liquidac),no prazo de 13 dias
a contar desta data Recite, 24 de setembro de
1864,
A HONRA DE UM A FAMILIA avisos diyersos.
DECLRALES.
PBR80NA6RNS.
Mauricio de Chennviers..... Colmbra.
Jorge de Mauhreuil.......... Germano.
Santa l'.asa da M'se-iropiiia <] Kecifp.
Pela secretaria da Santa Casa de Misericordia
I do Recife se faz publico que desde o dia 10 do cor-
\ rente se aeha expedida ordem .ao director do col-
legio de orphaos no sentido de ser recebido em
' dito collegio o menor Jos, filho de Camilla Maria
\ da Paz.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do
Recife, 23 de setembro de 1*64.
- O escrivaO,
A. F. Cavalcanti Cousseiro.
No dia 27 do correte mez, depois da au-,
diencia do Illm. Sr. Dr. juiz municipal da 1* vara,
escrivao Baptista, se ho de arrematar alguns mo-
vis penhorados a Ignacio Pinto dos Sanios Sazes.
Couseiho admiiuslrauvu.
0 conselho administrativo para tornecimento do
arsenal de guerra tem de comprar os objectos se-
Sil inte; ;*
Para provimento dos armazens do almoxarifado do!
arsenal de guerra.
12 duzias de taboas de cedro de 1 poleeada de
grossura, 9 a 14 ditas de largura e 2o a 27 palmos'
de comprimento.
50 arrobas de cabo velho de linho.
12 costadinhos de pao cargg.
2 arrobas de pregus fraecezes de 2 D2 pole-'
gadas.
1 arroba de ditos ditas de 2 nnlegadas.
1 armlia de ditos ditos de 1 1)2 polegada.
1 arroba de ditos ditos de 1 polegada.
Paulo de Chenevier*........ Lisboa.
Edumundo Rogar........... Burges.
Beaiiseant................. Pmto.
Lord Derby................ Porto.
0 cavalheiro de Larorhe..... Guimare.
EUsa de Cheneviei s......... D. Maria Ponte.
Maihilde................... D. Antonina.
Baroneza dOrigny.......... D. Camilla.
Convidados, criados eic. etc.
Actuahdade.
Terminar o espectculo com a nova comedia
em 1 acto:
sin o m ?
tomam parte os Srs. Lisboa, Santa Rosa, Guima-
res e D. Mana Pontes.
Comecar s 8 horas.
_ MISOS M1EITIM0S.
j^
30
libras de ditos ditos de 1|2 polegada.
8 libras de dKosdllos de 3|4 de polegada.
Para a colunia militar de Pimeoteiras.
1 livro denominado Ritual.
1 estola (branca erla).
1 roquete.
1 vaso para os santos leos, de chumbo ou de
qualquer outro metal.
I ti libras de ce~a, contendo 12 velas de li2 libra
e 30 de 3 em libra.
100 hostias.
100 partculas.
12 garrafas de vinho branco (puro).
Quem quizer
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR.
E' osperado dos portos do sul
at o da 30 do corrente o vapor
Apa, o qual depois da demora do
costume seguir para os portos
do norte.
Desde ja recebem-se passageiros e engaja-se
! carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
! ser embarcada no dia de sua chegada: encom-
mendas e dinheirn a frete at o dia da sahida s
horas, agencia ra da Cruz n. 1, escriptorio
' Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C.
Para o iraca y
pretende seguir cum Mufla brevidade o velei o
hiate Dous Amigos, tem parte Jo seu carregamen-
to prompto: para o resto que ihe falta, trata-.-e
cum o seu consignatario Antonio Luiz de Oliveira
vendpr taes objectos aprsente Azewdo A C ra da Cruz n. 1, mi com o capito
suas proposta? pm caria fechada na secretaria do Francisco Martins da Costa no trapiche do algodao
0 diminuto preco 'le 53 porque se assig-
na o dossu Diario, deve ser pago dentro
de 13 dias, do comego do trimestre, ou a
tt# (lepis desla poca, devemio aqudlesde
no sos assignantes a quem tirio agradaren
estas condigoes, avisar em lempo para lies
ser suspe sa a remessa, e assim pnupa-
rem-nos conte^taci')es continuadas sobre os
pagamentos, e identidade dos nossos cobra-
dures, como muitos ailegam. A apresenta-
o de re*;ibo por nos rubricados, deve ser-
vir aos assi^nantes de documento compro-
batorio da identidade dos cobradores que
sao diversos, alim de poderem conseguir
euconlrar os nossos assignantes as horas
vagas de suas oceupaces.
li
Aos I0:0Oo$iuii.
Corre amanha.
Terca-feira 27 do corrente mez, se ex-
tt "llura a segunda par-: da pritoira lotera
(ft9a) a benelicio da igreja de Santa Rita
desta cidade, no consistorio da igreja de
Nossa Senliora do Rosario da freguezia de
: Sant-i Antonio.
Os biltiet.es, meios e quartos acham-se
venda na respectiva thesouraria ra do
Crespo n. 15.
Os premios de 10:000->000 at iOSOOO
serlo pagos urna hora depois da extraeco
at s 4 horas da tarde, e os outros no dia
seguinte depois da distrihuicao das listas.
Servindo de thesoureiro,
____________- Jos Rodrigues o> Souza
Joae Ferreira da Silva, subdito portoguez,
retira-se para fra da provincia.
D. Maria Jos Gando Ferreira e D. Ma-
rianna Adelaida Caudie Ferreira, cerdial-
mente agradecen! as pessoas que se digna-
ran) acompanhar ao seu ultimo jazigo os res-
tos moraos de seu presadissimo pai, o chele
de. divisao o capilao do porto, Jos Maria
Ferreira e de novo Ihes rogam o candoso
obsequio de assisrem a missa do stimo
dia que ter lugar quarta feira 28 do cor-
rente s 8 horas da manhaa na igreja ma-
triz do Corpo Santo.
UYIUIIIA KGO^OMIC i.
RA DO CRESPO V. f.
BEPRONTE DO ARCO DE SANTO ANTONIO.
Olirasu tiiUMiieii'e receladas.
JUlliSPRCDKNCIA.
Consultor forense por Carlos Amonio Cor-
deiro, i voiumes...........305000
Tambera se vende cada volumo separado 8#0OO
Manual dos juizes de direilo, m attribui-
foes e deveres destas autoridades .. 5$000
Pfimeiras linhas sobre o proeesso crimi-
nal por J. B. da Cunha, 2 voiumes 14*000
Nova guia dos juizes municipaes e or-
phos por J. M. P. de Vasceaceilos 8*000
Novo advogado do povo ou arte de reque-
rer emjmzi ... ........ 4*000
Roteiro dos col lectores, nova edieao muito
augmentada............ 8*000
Novissimu manual dos tabellies ou col- '
leern do actos, atthbuicfies e deveres
destes funecionario*.......... 6*000
O advogado comm-rri! ou arte de reque-
rer no juize ronimereial.....4*000
ndice alphabelieo de materias, ae eaes
lem applicaco legislacao patria pro-
mulgada at o auno de 48.17. coordenar
do pelo desembargador Joo Joaquim
da Silva................12*000
Alera destas receberam-se raais obras de sun>
n)o intei-esse, para os senhores juizes, advogadoe,
solicuadores, etc., ele.

- __* 4 1
._-----*^
.


-
Oferto de Pr.anes Segunda telra de %*ieuibio de 194.
A
Avia
Precisa-se de ama ama para casa do pouca fa
mili*, e qae se sjate *4odo o servioo *e casa
na ra do QueiKUdo n. 3, .primeiro andar.
I l'endo-se evadido, do da 7 do crrente, do
f poder do abaixo assignado o m-mor seu tuiellado,
porm maior de 14 annos, Jos Antonio da, Rosa,
de cor prea. cotn os denles superiores da frente
j limados e agudos, que diz ser filho de Mana da H>-
^i ira, da comarca do Rio-Formoso, e gagueja as ve-
AttttiyilO. zes' levando calca de casimira de cor, camisa de
O abaxo assimado declara ao Sr. Jos Daniel 8 "" e chapeo do Chile velho : roga o
ferr da Cnoha queaTasa tarrea sita na ra mesmo abaixo assignado as autoridades polic.aes,
dlAurora da freguexia da Boa-Vista Ihe est pe- ou i quem delle tiver noticia, que o apprehendam
nhnrda cerno se v no carlorio do Sr. cserlvio ou faeam constar ao mesmo nesta c.dade. Rectfe,
Cunda e por isso lenho direito de annullar a ven
da : to'dana estqu prompto. para fawr algn ar
ranjo anda mesmo com algum prejuico.
Marcelino Jos Lopes.
_ M. Beruei ratira-se para Frauda.
O Dr. Cosme de S Pereira conti-
na a residir na ra da Cruz n. 53,
V e'f andar, onde pode ser-precu-;
rado para o exercicio de sua profis-
sao medica, e com especialldade
sobre o seguinte
molestas de olhos;
2o de peito:
3o dosorgos geniti
urinarios.
Em seu escriptorio os doentes se-J
rao examinados na onflam de seas j
entradas comecando o trabalho pelos ]
[doentes de olhos.
Dar consultas todos os dias d si
as *0 da uwmhSa, menos nos do-
mingos.
Praticar 4oda o qualquer opera-
cao que julgar conveniente para o
prompto restabelecimento dos seus
doentes.
23 de setembro de 1864.
^tj_______Antonia Aunes ltenme Pires.
- Aluga-se um moleqoe de 14 annos de dade,
muito lie! e muito diligente : quem quizer, dirja-
se praca ia Boa-Vista, -sobrado da esquina que
volta para a ra do Aragiio, primeiro andar.
Joao Luiz Goncalves faz publico que, por ha-
ver outro de igual nome, tica de ora em diante cha-
mando-sc Joao Luiz Goncalves Viaona._________ i
Joo Luiz Goncalves Vianna lum justo e cou-
i tratado a taberna sita na ra da Guia, n. 42, per-
tenoeute ao Sr. Joo Manoel Alves de Azevedo,
livre e desembarazada de qualquer onus._______
PULLAS CATUAKICAj DE 1\T*.
Estas pilulas vegetaes sito a-j
daptadas a todos os usos de um,
purgante as familias, pois sao I
pereitam'erite innocentes, e em'
quanio mimares de pessoas con-'
fessam com graudao que foram
curadas por ellas de molestias
severas e perigosas;nao ha
um so caso em que naja supei-
tas do mais leve resultado inju-
rioso por seu uso.
Publicamos arjui aiguns dos
attestados que temos de curas
nolaveis follas ltimamente.
Um caso notavel de
Pnbllcaee lltterarls.
Sanio luz o opsculo Intitulado
A 1,1 Bi: H I ADK
a tratar
4.
".
Alerco chronka do ligado.
Ii-lm. Su-
Juiz de Fra, 17 de fevereiro de 4864.
Tendo feilo uso das pilulas catharticas
Hule, depois da audiencia, ter lugar a arre-
matacao de cinco escravos, penhorados ao casal do
finado Marcellino Antonio Pereira, por exerur;o
do Dr. Gabriel Soares Raposo da Cmara.
gil
a % a
n
'S>
P H a
c o-
3 c
i*
o
=. %
fif!1
J-
C6
w S, ai f
til I -1 *
'
Na ra estreila do Unsm-i n. M
Advocado Affonso de Albu-
querque Mello,
pode ser procurado a qualquer hora
teiras, porm, na villa do Cabo.
as s^xias-
RELOGIOS,
Vende-se em casa de Johnslon Paler 4
C-, ra do Vigario, n. 3. um bello sorti-
mento de relogios de ouro patente in-
glez, de um dos mais afamados fabricante?
de Liverpool, e tambem urna variedade de
qoniosttrancelins para os mesmoslt
Quem precisar de urna muWier portugueza
para ama de urna sala, pode dtrigir-se a ra.da de Ayer, que me fez favor de dar um ?>
Sentala Velhan jQ,qne achara com quem tratar. jr0j teiHjG lrauo um resultado nao espera-
Ausentou se da casa do seu senhor.no du 21 Uq ; padecendo ha mais de doze annos en-
do corrente moz o mulatinho de nome Kuflno, ida- feimir]ades do figado e baco, con o uso
de de 12 annos. evou veMido ca ca de riscadinho ... iu .. .., <.
azul destelada, camisa d'alKodaozinho azul velha, das pilulas posso lhc assegurar que estoil
chapeo defama de carnauba pequeo, e temos bom, |)():S ten lo desapparecido um grande
signaes tagulntes : cabera e orelhas grandes, ca- engorgitamento que sulfria, militas dores
bello annellado, tem o andar cabido para a frente, b e a e ,i3o do fiado e costas dul-es ,]e
e uando anda mette as pontas dos pes para den- ,T. j ..__. ..r.^ ,in,iA
tro.- muiiolad.no, tem sido visto por diversas re- cabeca. incbacao do veiilre, nao |>odendo
es as quatro freguezias desta cidade jogando e deitar-me seuo do lado direitO, isso mes-
empinando papagaio com ouitos moloques: roga- mo procurando posico para ter socegn, li-
se, prtenlo, todas as autoridades policiaes e na- = me ,vre d.esse pa(jccimenl0 : Como
iiaes de campo que o peguem, evem-o a ra do J ,j,^
Pilar' em Fra de Portes n. 83, primeiro andar, por aqu anda as nao baja, cu como.lenho.
que seru gratificados generosamente.
,-' a,' -A1 & 'X' "O ** x' -M it <2 O.
j? 4t
** O Dr. Carolino Francisco de Lima San-
tos, contina a residir na ra do Impe-
as' rador n. 17,2 andar, onde pode ser pro-
H curado a qualquer hora do dia o da noite
jg para o esercicio de sua profissao de rae-
j dir.o ; sendo que os chamadus, depoi de
8 meio dia al 4 horas da tarde, devem ser
H deixados por esenpto. O referido Dr.
nao abandonando nunca o estudo das
molestias do interior, prosirue, om o
iii.'o : afilnco, uo das mais dillices e deli-
cadas operajees. como sojam dos ergos
ciurinarios, dos olhos, parto?, etc.
ton
Affonsa de Albuqturque Mtiio
Convidam-e os asignantes a uiaudaruiu rece'-^t
seus ejemplares na praca da Independencia nt. 6
e 8, que serao entregues vista dos recibos das as-
signaturas ; ahi tambom esli cxposlos venda a
31800 cada mu. Sao sob os seguintes ttulos as
materias de que se ocoupa:
lutroduqeao. Nogoda liboidade.- O Brasil co-
lonia.Revolucao de 1817A lnikiienaeociaA
conslituinieAcoiistiluicaoA revolucao de 4*24.
A expulso ou abdicagao. A regencia livre. O
partido regressIrta.-Ameaca dos corcundas e que-
da dos livres. A regencia corcunda.Cansa dos
males da regencia livre. Regencia corcunda e
maioridade.Principios do reinado de D. Pedro.-
'Revolt de Minas o S. Paulo. -Domiuio da Praia
Lnzla.-O dnrtinlo Mbcral nao inqoeuva os cor-
cundas.Keitos to dominio liberal. A praia eChi-
chorro-senatoria.A re volta c a revoltico de
Alnga-se urna casa em Beberibe
com J. I, M. llego, na ra do Trapiche o
Conapaanla Odelldade de
segar niaritlwts e ter-
restres estabelecida no
Ikio de Janeiro.
4WFTBS MPEPJXMBC'cO
Aiiliiuifl Uudn ireiri A*udn k C,
competenjioienM lasados pola direc- a
loria da eompanfia de seguros Fidelida- JK
de, tomasi-egiirs do navios, mercado-
rias e pradwe no < escriptorio ra da
it.
s
Atuga-se a casa t>. 40 da ra das Trinchei
ras : lia ra da Aurora n. Mi.
Na livrana n. 6^ 8 da praca iride"-
pendencia existe urna caria de importancia
para o Sr. Antonio Fernandos Corredor.
A Semana lltustrutla qne se publica no Rio
de Janeiro lodos os domingos, as.i^na-se em casa
de J. Falque, ra do Crespo n 4 ; prego da assig-
natura, trimeslrc 6$, semestre ll, um anuo 185.
: N. B O issignanles da tetmm I/lustrado te-
1 rio no iim dtil .'>mio ln OjbvVu rom os rrtralos
, ne todo 0 gabiuete do lmpuradwr a da ranura dos
jdeputados, oflerefido pilos prop ielai io> do jornal.
Anda est pw alagar-se
terrea n. 39: ra da Uniao.
rasa
m
\mmmm
""ODK Roclia Bastos miidou a sua re
sidencia para o caes Viole e Dous do. So
vembro n. 7, por
69.
imado Bilhar dos Arcos.
1818 A constituinte.-A consthuinte.- Derrota iniipnn,ipnri:i
da revotugao. Negociacilo de Honoriojcom os libe-
raes :irailoTes.-Venda da bandeira da ron*-
tituinte. O partido liberal durante os quatorze an-
nos do chamado ostracismo. Os corcundas e os
liberaes durante os quatorze annos.Captiveiro re-
signado e voluntario dos liberaes durante os qna-
torze annos.0 \ntv corcunda, ou os vermelhos c
os sabios.A siiuagao propriamente poltica.Ins-
tituicoes livres, e direitos polticos que tivemos
at o fim da regencia livre, e o que actualmente
temos 'em lugar delles.Os representantes da na-
cao e das provincias.Situacao administrativa.
O que sao netla os Portuguezes. Cmo o goVer-
no obrigado a corromper o paiz e a fatcr-lhe
s
este proprio que de casa, Ihe rofft aian
dar-me alguns vidros.e o custo elle Ihe sa-
tisfar, assim bem como do champe de
cereja, que tive OCCaSiao de experimentar ; sempro maior mal.Como se multiplica e se paga
em um ataque de guellas que leve.urna! SCK^"::
preta que cm elle cure, taco uso d elle,marca Ros ^^.^ dos crimes e dii pUniao.-A
as tosses em minha familia sempro em justica.-jnzes municpnes^Juizes de direito. j
bom resultado, e por isso que peco para;Tribunaes.-s das RetaroeK-THbnaedo Com- H
maml-ir ilminn frmnninhn< p mpstnn a l-! "'ercio.Supremo Tribunal de JusUca.O jury. a
man.ldr aigtms trisqnmiios, ^I||e^nM^ Os advogados.-Conclusao.-Garanta dos direilas.
'Ofraeftrarel
Fram'isco augusto da Cos
.VJYOAOO
Hua do Imperador numero
m
Muilaur.ii.
Mximo Jos de Andrade, participa a
loto os
seus fregones qae transerio sua oQicina dt: cal-
gado do becco do Atjieu para a roa da Cruz n. W,
esquina da Liugoeta.
^ 0 Dr. MbA'mm M
nr PfT*Ti ^rni^prc^^' WK- '"Ml'! l'rP'*rurado 'J-1S7horas dam:|'m5a ^
DENT STA DEPfiRIS 11 <:^ 19Kaa \ova18 S S ^ ^ ~*J9m
Fredenco Gaut.er, cirarglo denU.-te, M Sg'as de *eilr U. (Mk..
jjgg ti'"" um* > bii.mar nos unos.)
^ De mein rlia as 3 honftMa tarde
gg >. 9 Una la (inz X. 9.
S Dura udiivai u cni-pnin-os dias as mo- |
8R lestias syplnlilira- e a> do apparelho jge-,9P
it nito-iiiinviiu
Precisa-se fallar ao Sr. Antonio Jos
Texeua de Mendonca BekMD: nesta typo-
graphia, ou na livrarw ns. 0 e 8 da praca da
!
cirnrgio
faz todas as ojuiracoes de sua arte, e col-
loca dentes arlificiaes, tudo eom superio-
ridade e perfeigo, que as pessoas enten-
didas Ihe reconhecem.
Tem agua e pos denuncio.
Precisa-se de urna criada livre oti escrava
qne saiba cozinhar e engommar : na ra das Cruz
u. 42, primeiro andar.
*
lulas pode montar a doze, 'porque'lenho
feilo uso d'ellas para uso da familia e al-
gumas pessoas, todas teem tirado grande
resultado; sou
De V. S. ltenlo obligado,
FnANcisco Fkhiieiha Paes.
tWA >W< Tl#* "W ***
Precisa-se alugar urna preta que sirva para
comprar o preciso de urna casa de pnuca familia,
e qqe saiba vender na ra : quem tivfr. dirjase
a ruado Palacio do Bispo, primeiro porto da lado \
esquerdo ao entrar pela rui dos Pires.
~ l)HSPJa-se fallar com o Sr. Theidoro Jos Pe-
reira Tavares, morador em Pedras de Fago : na
ra do Vigario n. 3 *
Es'a para alngar-se um encllente armazem
na ra dos Guararap^s, proprio para um ostahele-
cimento Ae padaria ou reoacao por ter um gran-
de telhciro c urna excfllcnte chamn, que tudo se acompanhado de uma dr lio queixo, con-
alnxa por preeo ewnmodo|: a tratar na ra dos sulle a um (ios n,ISS0S um],a)^ e esUJ me
disse que devia fazer uso da salsa ; porm
lendo cu o aliuanaclv do mesmo doulor,
Khfanalismo o alaqnes heaorrhoidaes.
Illm. Su.
Ouro-1'retn, 30 de marro de 1865.
Posso certiicar-lhc que as pilulas ca-
tharticas do Ur. Ayer sao excelentes, pois
que solfrendo eu dores pelo corp, c que
suppunha ser rheumatismo, (molestia esta
(jue ja havia soffndo ha annos) c soffrendo
timbem de ataques hemoi-rhoidaes. c de
um ouvido, pois que at j;i [louco ouvia, e
A moral publica.Dos crimes. As cleigoes.
Corollario da obra saquarema. O que a pa-
tria. Siluago para com o exterior.- Situacao
fmanceira.-As liuancas do estado.-A miseria
Perigo e salvamento dos corcundas.A liga.-
Como so coiinregam os elementos para olla.Con-
sideracoesrelrpspeclivas. A con>(ituinte._ Prepa-
ros antecedentes. Conciliago e o|iposicao parla-
mentar.-Monta a lisa.-Oque sao o.-liberaos na
liga.Que bem farao os liberaes ao paiz.O pro-
crcsso.-Seus fetos.< que o propresso e que
far.Como se deve vivcr ne^ta trra eenejada
ao progresso.Porque o progresso s v.-m com-
pletar nossas desgrasas e se mais remedio.Se
ha salvaeao para ns'qual seria o meio e bern f-
cil. -Resumo. -A's cinco provincias pernambuca-
nas. Hslorico e poltica corcunda. De qnj^ pro-
vem a miseria. Como se corrompe na eleijio.A
restncHO da llberdade apar do progressn da immo-
ralida'dc. Corollario.'
Vi Havendo fallecido o subdito hespanhol Rento
Antonio KoutinhA, sao convidados lodos o
Maqnes sobre Portugal.
O aballo assignado, autorizado [icio
Banco Mercantil Portuonse. e na ausencia
do Sr. Joaqun da Silva Castro, saca ef-
fectivameate por todos os paquetes sobre
as pragas de Lisboa e Porto, e mais luga-
res do reino, por qualquer Mnima a vis-
ta, e a praso ; podendo, <> que temarem
saques a praso.receberem avista, no mes-
mo Banco, descontando 4 0|0 ao auno: na
luja de chapos da ra do Crespo n. 6, ou
na ra do Imperador n. 63, segundo an-
dar.Jos Joaquim da Costa Maia.
Precisa-se de don? bomnis que cntendam do
servico de copero : ua la da Aurora i. 32.
Precisarse d.' uma preta escrava qm; saiba
cfsinhsr : na" ra do Qneimado n. ItS.loja.
-r Aluga-se ou vende-se a otaria dos Coelbos n.
;>. onde estove o Sr. Manoel Serta, o caes passa na
fenle, tica em muito bom toral para (juern quizer
edificar, ou mesmo para queui qneira por alguma
londicao : a tratar na roa Direita n. 22, reliaag'io
do t'raneisco Jo de Aiaujo.
Molos da ra Xova.
Joo da Kurha e Silva esta aatorsado a contra-
tar a venda do dominio directa dos solos em que
estao edilicailas as casas da ra Nova desta cida-
de, que pertencem ao easal do fallecido Dr. Jos
Raymuudo da Cosa Heneaos : na ra do Qucima-
do n. 33 A, loja da Esperanca. ^^^^

Laeaiw JCavicr Pereira.
contina i residir na,
IkKi-vista o ond-- j
procuiMtlo qualquer *
hura du dia. ou da nuile, para os
misteres de sua piitfisso de me-
dico.
O l)r
ik Brito.
piM.a da
|)de ser
Contina a faz
lidade em partos,
i sua especia-
a tratar na ra dos
unc ii um uua ii'ouo incvi'v^.-*, v \,oto iub inii-ii'/i iiiin.tiw v ..,......., iMiap..
seus
devedores e credores a apresentarem oeste vice-
. eonsulado o^ respecvos litlos para proceder-se
comprei ein sua casa um vidrmho das mes-1 a liquida^i d* seu espolio____________________
pela presteza da"soa mas pilulas e por minha conta prinoiptei a'
Dr. G. A. Walbanm, retirndose desta pro-
vincia, pede < pessoas que se dignaram hnralo
com sua amizade, descolna le nao poder dspe-
dir-se possoalmenle de todos .
vageni, e offerece seu diminuto presumo em qual- toma-las, e sein as fmalisnr acho-me Sem as
quer parle aonde se achar.
dores pelo carpo ; c sem sentir, sarei do'
ouvido, e mesmo dos ataques hemorrhoi-
daes: portante sao para mim as taes pilu-
las as melhores que tenho experimentado :
islo em abono da verade. Son
4SM41T0
O asphaltisla QoeMko de Almei.ln pode ser pro-
curado iravessa do Carmo n. 10, loja, das 9 s
12 horas do da, para os misteres de sua arle.
NO
ARHA/.R1
De V. S.
Amigo certo, venerador e obrigado,
O hi igadeiro
Joao RoomovHS Fec pf Carvi.ho.
Nant-Clalr
I das Ibas ou os desterrados na ilha da Barra, ro-
mance digno do ser (ido pelas senhoras por seus
lances httereseanles postes em execugao por urna
Senhora, 3 voluntes em brochnra a 25 : na livra-
ns. 0 e S da praga da Independoncia._______
I
(aslrilc.
Ouro-Pretu, 29 de marro de
' Aluga-su uma loja em lugar minio proprio
i,para nugorio : a tratar na lypogranbia do i>adre
1 Lemns, defronle do convenio de S. Francisco.

W%^r%-%-^%^
Pnvisa-se de. fiOO soh hyi'othitca em um es-
O : na roa tfos Trinelieira> n. W._______
>
&b-
'I
-S'jT IDO) (L'BlOlfc)-
LSTREXRO VEROK.
Neste estabelecimento ha sempre um sortimento completo de roupa feita de S
S todas as qualidades, tambem se manda fazer por medida, vontade dos concor-1
m reiites, para o que tem um dos melhores professores, assim como tambem tem um I
JB grande e variado sortimento de fazendas de todas as qualidades, para senhoras, 1
mi-.
Attesto que tendo fette uso, aconselhado
por um amigo, das pilulas do Dr. Ayer,"-p;--^^mtninil ,1(. ai
tiquei perfeitamente bom de uma g.'istnle:para ,.ax,.ro dj taberna, prefere-so que -seja do
que sonra e que prvava-me de indar aper-. mato e que lenba pessoa que seencarregae do roa
tado, boje felizmente nada unto. ] condurta : quem prete der dirjase a ra de Joao
Aic.rsTO GOfcLATINO DE Mki.i.o. i Fernandos Vielraij.. 6t._____________________
ti
I
II c
6
O
Contina a precisar-e* de uma senhora de tda-
de e de bons coslumes. qne aohundo-se desvalida,
queira recolher-se a una casa de familia para fa-
zer companhia e Halar de. alguns meninos, dando-
se-lhe. cama emesa e uma gratiticago m-nsal qne
se tratar : servindo estas ouediges, pode dirigir-
se a casa n. 28 da ra dos Cuararapes, sobrado.
O
O
i
B
0
o
>'
ce
ce
t
o
es
o
00

rrf-
C-V1
O
di
P-
as
P3

P>
53
53
R
55
-i

53
ce

t-
p>
ce
55
30
Derlaro que desta dala em diante fie sem
effelo toda e qualquer procurago pa.--ada; |ielo
abaixo assignado ao Dr. Joaquun l-'raiici>--o de Mi-
randa, e previno aos inquelinos das miobas ca^as
das ras do Mondeg n. 2t e do Vigario n. 39 q>e
s casuem os alugneis ao abaix.i assitrnado M
pessoa por elle aulorsada. Recife 22 de setembro
de ISfii.Jos Joaquim l'ereira._______________
A len cao
Osli.rdoiro: do fallecido Feliciano Aogusfo*e
Vasfoncellos, vendem a casa e sitio que Bca no
anjinlo do norte formado pelas mas da Tremie e
Uondego na l'.oa-Vsta u. :4, o qual alm de bas-
tantemeBie plantado de arvures fructferas como-
laranjas d.' unibigo, selecta, saputis, sapoias, fruc-
la pin e nutras arvores diversas, possue terrenos-
proprios para edificacoe^ particnlaree, achando-se
os quo ficam na roa do Uondego cora solidos e re-
fortadns alicerces : qoem pretender dirija-se
a livpolito Carvallio de Vasconell.is Albaquerque
Maranhaoqoe possue a planta da mesma pro-
priedade.
lia-
K* 2 Pelo consulado iU- Portugal sao ti,
-
P
P-
I
-r.
o
c
P
f
mudos os crednres do tinado subdito portu-
guez JoSoBtptisla da Rocha, -i viivm rwe-
ber o que Utos toca em rateio na liquida-
go do seu espolio.
es>
J homens e meninos.
M| Casacas de panno preto, 'H e
ip Sobrecasacas idem, 'M)d e .
m Paletos idem e de cores, 2^5.
m, iwc.....
^j Di^s de casemira, 20d, 1A,
m IU, 10o* e......
Ditos de alpaca, U, ie -
M Ditos ditos pretos, H, 7,
^ 5,5, ye......
l- Ditos de brim e ganga de c-
tres, WiOO, W, 3,J50e. .
Ditos bnmco de linho, G5, E5 o
M Ditos de merino preto de cor-
M do, 105, 7(5 e.....
3j Calcas de casemira preta, 12a,
M W, 8e......
m Ditas de cores, 9, S#e. .
1 Ditas de meia casemira de co-
res, 50000 e. .
w Ditas de princeza e merino pre-
3f| te de cordo, 4(5500 e. ,
lt Ditas de brim branco c de c-
S res, 56Y 45500, 4fl e .
Ditas de ganga de cores, 35 e
Colletes de velludo preto e de
cores, 9(5 e... .
Ditos de casemira preta, 55 e
Ditos 4e ditas de cores 55
ye-.......

m
m
305000 D'los 255000 Dtos de ditos e seda branco,
! 65 e "......
105000 Ditos de gorgurao de seda
pretos e de cores, 65, 55 e
75000 Colletes d fusto e brim brao-
35500 co, 35500, 35 e .
Seroulas de brim de linho,
35500 24oo e......
Ditas de algodo, 15600 e. .
35000 camisas de peitos de linho,
45000 45, 35 e......
Ditas de madapolo, 24500,
55000 25 e........
Chapeos de maesa, pretos fran-
75000 cezes, 105, 95 e. .
75000 Ditos defltro, 55, 45,35500 e
Ditos de sol, de seda, 125,
45000 115,75 c......
Collarinhos de linho fino, nlti-
45000 maraodaduzia. .
Sortimento completo de grava-
25500 las.
25500 Toalhas para rosto, duzia, 115,
e........
75000 Chapeos deso, de alpaca, pre-
450OO tos e de cores.....'
Lences de bramante de linho.
35500 Cobertas de chita chineza.. .
Falta de apetite.
Ouro-Preto, 24 de feccreiro de 18(34.
Sendo cu affectado do figado ha muilos
annos, o ltimamente SOffri falta de apetite, i O abaixo assignado, procurador do Sr. Dr. Kran- Propones paraJ^^g^X^mJSSem ama
boje dou gregae a Deus por acha. -nlo gM^A^tU^^
e perfeuo com o uso das p.lu.as umt\*gtt&ttX %S,,t'^I^ZS^'SS?
LIVRARIA ECONMICA
Hua do Qnspo n 2
Permutse por um siti*quetenha bstanles /( pi' to UVCO tlt' Stnit
do Dr. A ver.
55OOO;
45000
25500 !
A momo Bknto Vieira.
Constiparao, dores dr cabera.
Oaru-I'relo, 28 de marro de 1864.
Attesto que achando-me atacado de nina
', forte constipado que trouxe-me dores por
todo o corpo e na cabeca, solfri horrivcl-,
mente por esparo de quatro dias; entilo|
um amigo aconsclhou-mc (pie tomasse pi
lulas atharticos do Dr. Ayer : com ellas fi-
quei sa e completamente reslabellecido em
tres (has, de sorte que estou no firme pro-
15600 JK Psito de aconselhar o uso das ditas pilulas
a todas as pessoas que forem affectadas de
constipares.
Agostimo Jos da Silva, negociante de fa-
zendas.
interessar, que os
annnncios conunuaoos uo o: Marcelino
oes nenhum einharaeo poe na venda do en^
Id'Apua; pois osla hvnolheca lo fallada pelo 8r. Vigario U. 10.
' Marcelino da quaniia de 2:192*549, de urna le-;
; ira do ultimo pagamento que tinba de fazer o mes-
| mo Dr. Francisco Jaiio a esto senhor, vencida em
julho de 1861. Em quantq aos legados compele
ao comprador saber i o engenho poder ou nao
ser vendido, e. nao ao Sr. Marcelino, que nada lem
25000
15400
25500
85500
25000
cotn este negocio.
Antonio da Rocha Accioly l.ins.
Precisase Tbgaruta ama para o servico
interno e extorno de. uma casa de pequea fami-
lia : a tratar em Pora do Portas, ra dos Gosfa-
rapen n. IX, sohrado de. um andar.____________
- Precisa-se do um coanheiro para urna casa
estrangeira de pouca familia, prefere-se captiva :
a tratar na ra da Crin do ltecife n. :I8, armazem.
ESTRADA
Antonio
Obras u'ti mmente recebidas
UTTEKATrJItA.
Historia da Fundacio do Imperio Bia-
slleiro por J. M. K-reira da Silva, pn-
meiro vol...... 9W
Catatar, historia bFasilcira do seclo t"'1
por J S. Mendos Leal Jnior, 1 vol.
FERRO
I
00
Sao Francisco.
6509
65000
5
65000
45000
35000
25500
Irrilaco de estomago.
Ouro-Prcto, 20 de marro de 1864.
Attesto e juro, se necessario for, que. sof-
da manha as 3 da tardo.
2tTT*$A0
Albino Bautista tia Rucha,
iendo ha muito lempo excessiva irntaco e dourador, tem a honra de parlicipar ao re.-peita- j rua da (.adeja n i{ ,0ja da primavera.
de estomago pouco apetite e difci. j%e> ^^^^^^^4^^ Luiz de OliccircTl
m tao, delta tenho experuneniado senstveis^^^ e tmn^!; WIBa qaiquer eomwriopor AW,tM'*** r
l
, -rHoj
melhoras depois que tenho feto USO das pi-1 preco nommedo. e ie lulas catharticas do Dr Ayer. balho: na praca da ludepundfnciaj^Jj-________
Antonio Hkhmooknes 'ereika Rosa, i Aluga-sc uma boa casa e muo uo Mouteiro.
A NACIONAL
I
Cmpauiia gcral hespanhola de seguros mutuos
sobre a vida
AUTORISADA PELO KE\L DECRETO DE 21 DE DEZEMBRO DE 1859
l ata ianc* eui diuheir<, depesitade nos cofres do estado, garaete a boa ad-j renga de Azevedo.
ministrado a companhia.
Lombrigas.
Otiro-Preto, 28 de marro de 1864.
As pilulas do Dr. Ayer (catharticas), fo-
ram empreadas com grande, vantagem por
mim em urna menina de dez annos, que
soffria de vermes intestinaes, notando-se
que os symptomas que ent3o apresentava
eram de molestia bastante pengosa.
RAYMl'Nno Nonato S. de Thiago, pharma-
ceulico.
Nevralgia.
Uma carta do Illm. Sr. Francisco Alva-
e
ten* 3 salas, 6 quartos, coiinha e sotao com 3
qmrlo-, estribara, cocheira, casa para pretos, ca-
cimba com bomba, tanque, jardim e muitas arvo-
res de fructo, banheiro, banho de rh.|uc, >endo a
frente pera o largo da igreja e o fundo para o no :
a tratar na rua de Apollo n. i, seRUKdo andar.
por
ene.......
Thi'airo do Ur. Joaquim Manoel de Ma-
cedu, 3 vol. ene......
Obras de M. A. A. de Az. cedo, 3 vol. ene.
Suspiros Poelicos. de i). J. G. d;; Maga-
Ihies. 1 vol.......
Mueblado de D Juo V por L. A. Kaln-llo
da Silva, 3 vol......
Tin auno na curto por J. A. Corvo, 3 vol.
Pela respectiva superintendencia se faz publico qs l^seraveis, por Victot Hugo, 10 vol.
que e^ta companhia contrata de. ."i a l.Oi) dor- Oimes espantosos, 2*vol.....
mentes uu paos para fazer dormenies, aos qaaes kjarilia de Dirceo, ntida edireao, 2 vol.
prerisam dentro do periodo limilado. Historia e Napoleao, com estampas, 2
Para designac das madeiras, fix3cao de preco Vol......
e mais detalbes, dirijam se os proponentes ao Sr. Obras poticas de M. 1. da Silva AI varen-
em Harba|ho, ga> 2 vol......
0 utouo, .poesas de A. r". de Caslilho,
vol..... -
Superintendente interino. j Kevelacoes, poesas de E. A. Zaiuar, t
J \ 9fl A Pereg'riraco provincia de S. Paulo, pc-
Precisa-se de uma ama que saiba engommar, lo mesmo. 1 vol.
Portugal 1, relojoeiro |," e^ziohar para casa de pouca familia : na A morle moral, novella por A. D. de Pas-
cual, 3 vol.....
Agulha era palheiro por t -millo Castello
Zf- Branco, l vol.....
Visao dos tempos, Anligniitadc Homrica.
Harpa de Israel, Rosa Mystca, poema.
Pflo P . *i ; Cvnismo Scepticismo e Crenca, comedia
Competentemente autonsados sacam por iodo A Qesarde Laeerda, l vol.
os paquetes sobre o mesmo Banco para o Porto s tjm destas ohras recobeu mais, de.
-O hachare. Joo Francisco Teixcira mude, o ^^.enbelro K^nte mtS'e
Agente-
vedo A C
do Banco l iiiau do
Lisboa, e para as stsgaintes aeoncias
Londres sobre Banh of London.
Pr-risa^e alugnr n'omadas ras
Nova, do Imperador ou do (lre*po (pre-1
feriado-se esla ltim ), uma loj vas-:
t, clara e de 3 a 4 parlas; dingir-se! lmuum
rua do i.respo n. loja :o Sr. Fal-
Paris
Hamburgo
Barcellona
Madrid
Cdiz
Sevilha.
Valencia
Frederic S. Balln & C.
Joao Gabe A Pho.
Francisca Kahoba & BalhsU.
Jaime Meric.
Crdito commercial.
Gonzalo Segoria.
M. Perera Y. Hijos.
Em Portugal.
franceza, portu?tieza e brasileira, as quaes
a preras tnuit razoaveis.
5J0OO
9-5U00
9^000
3J0f0
MiOtH
8*000
ioOIO
dHHK)
65000
55000
.65000
45' 100
5511)
65000
65tA)0
25000
I5O0
15(KX)
litteralura
vende
BANQITE1ROS DA COMPANHIA
O Bae de Heepanha
mkecgAo geral
.Madrid: Roa do Prado n. 19
seguros
Esta companhia liga pelo systeraa mutuo todas as corabinacoes de supervivencia dos
Nella pode se tazer asubscrip^ao de maneira que em nenhum caso mesmo por morte do se-
gurado se perca o capital ere os joaas correspondentes a cates.
Sao tid suprehendentes os resultados que produzem as sociedades
O "advosado Inocencio Seraphico de
Assis Camino acba-se d ovo no ser-
cicio de soa profissao, ikmIo ser procura-
do das 10 l|2 horas da manha al as 3
da t:ude, na rua do Imperador n. 50,
primeiro indar, e pam negocio urgente
a qpalqier hora do dia-
ria mais de sete annos que soffria dores '
j no hombro e as costas, tomei uma inftni-
Idade de remedios sem achar alivio algum.j
Dr, angustia, tormento sao palavras for-1
tes, porm nao exprimem o que tenLo sof-i
frido: ltimamente tomei as pilulas ca-,--^ Vsegundo^ndare sotao do .bra-
tliarticas do Dr. Ayer. St) faz oito das, e es- An davua do Aragao n. I: a tralar na rna da Ca-
tou completamente restabelecido ; ha tres' je;t ,|0 ^,ctc o.'62, primeiro andar._________
dias que nSo sinto a mais leve dr no hom-
Arcos de Val de
Ver.
Aveiro.
liarce i i 1 :
Bastos.
Beja.
Braga.
Braganca.
Faro.
Olivoira d'Aze-
raeis.
Peaaliel.
Tavira.
ViUa do Conde.
Angra Terceira
Caminha.
Castello Branco.
Chaves.
Coimtira.
Covilha.
Eivas.
Entremos.
Evora.
Fafe.
Pinhal.
Porti>alegre.
Thomar.
Villa Nova
PorlimSo.
do
da ndole deA NACIO-
NAL,^ue*aTndaHrae"m"di"mnuMtdo orna teroi parle do interesa tM-.jduzido em recont liquidaces,
conbinando o eom a morlalidade dalabolla do Doparoeiix que e adoptada peta companhia paraos
seus clculos e liiptidacoes, em segurados da idadc do 3 a 1!> auos, uma unporsicao annual de I00A bro nem as costas.
{.roduz cm eortivo metlico : _______ i Estas pululas acham-sc a venda ns juin-
No ftm dp aoaos. ...... *:|*^ cipaes boticas e drogaras do Impeli, c oo
de 10 ........wiqwj
. de 15 ........ lt:*0W2(X)
: *::::' SoiSffi a
as idade.- menores de 3 annos e maiores de 30, os productos sho mais conaideraveis.
Villa lieai de Vizeu.
S. Aclomo. Faial.
No mrk-aio.
Figueira.
Guarda.
Guimaraes.
Lagoa.
Lagos.
Lamego.
l.eiria.
Moncao.
Ifoucorva-
Regoa.
Setubal.
Vianna do
tollo-
Villa Real.
Madeira.
S. Miguel.
TINTURARA.
As pessoas que teem ot>ras tintas na tinlnram
da rua do Rangel n. 3H, tenham a bondade de as
vir tirar at o Um do correte mez, do contrario
, surao vendidas para o wal embolso da timara, _
Alugam-se o segundo e turceiro andares da
casa da rua da Cadea do Reala n. 4 : a UaUr no
armazem da raesma.
Na praca da Independencia, loja de ourives
! n. 33, compram-se obras de coro, pratt e pedras
preciosa, assim como se fai qualqner obra de en-
commenda, e lodo e qualquer concert.________
Morada
l)a-se para residir em um sitio perto desta rida-
! de, sem a menor paga, a nn.a pessoa ptaifr
milla, e que d cenhecimenio de sua boa condu, -
iTr^m kroiWicao de HMpT dos arvoredos que
do
ii.%% A *+? K8.
Babia.
Rio de Janeiro.
Maranhao.
Para.
Cas" 'etmm o mesmo sitio, coi>cur as cerras
i me forrm entregues ao entrar para o mesmo sitio.
I miando queira o seu proprietano, podendo fazer a
plantaco que Ihe c.onvier n desfructa-la durante o
lempo que no mesmo sitio estiver por eojjseoti-
ment do sen proprictario, ou pHsna por elle au-
srftiir do ineswu si
Prospeejos e^nas Jnft/rroaroeN serio prestadas pelo1 subdirector nesta prajtaia o Sr.
mo Joa^uiufFi'aa^e ivdra, rua da Cadeia n. 5i, oa a'toa-N isla roa da Irajiefatm n. H,
' rimento dbVSrs. Raymano, Cirio?, Leito &' Irmao.
Sr. Jorooy-
estabe-.
O deposito de gax que existo na rua do Vigario
n fL-4Ct-M |r:iferido Tpara a rua da Cruz n. 3a,
Rio de Janeiro, rua Direita n. 15.
Vende-se em Fernaaibuco:
na pharmaacia franceza de
P. MAURER&C.
RUA NOVA N. 48.
oro. Para. | tor.sda, nao podendo quando *mr do meswu s-
Qualquer somma prazo u a visla,podeado 10^^ (o (W vonUlll. ou despedido por seu projirie-
os saques i praxo serem descontados no m^ uno OT por sua autorisa(,-ao, pedir o menm paga-
. Banco a razio do 4 por eento ao anno : a tratr, ,,j,mer plsihtacSo qti derxur, up-.r
ornlu ntmaa ^*^MT ma rn da Cm... t ZSZE *5u pie o ienha feilo, *a os"-.
coSi3 *g 0uPin atender um bom coamfc.ro, falte Spaga de ter 0^00 no m^gm-'pT
: l u'Bb- com o Clemente na rua da Floren.ma, na eafau-, ^.m* o ojiear. +*~X^S*
n^ero 6 S. Francisco *. eom ttoet^aenfo, jTo\anu., a
- Lava-se e engommase por proco muito com- sn troarondneta.
modo : na ruada Lapa, sobrado a. 0.
__Antoaio-Joai|uim de Mello advoga no fivel e
crime, perant o> jurados; e gratuita mente, aos
pobres: na ruad Imperador n. \k. das horas
da manha ae i da tard.v
N. R. A cae: ^0 afha em
mifl rtWo

ILEGVEL



Otarla 4c PeesMEtote ... segunda lelra de Setembro de f 84.

COMPRAS.
Compra-se ouro e prata em obras velhas
daga-se bem: naloja de biibetes dapiacaoatnde
pendencia n. 22.
Compra-se cobre velho: na ra do Hrum nu-
mero 78.
Compra-sc effecivamente
ouro e prata em obras velhas pagndose bem :
na ra larga do Rosario n. 2fc, loja de ourives.
Compra-se a obra de Theologia Moral do
bispo Montes, 3* edico : quem tiver annuocie.

COMPRArSE
urna negra de bonita figura, que saiba lavar, en-
Lommar e coser bem, t cuja idade nao exceda a
5 annos, agradando pagase bem : a tratar no es-
criptorio de Manoel Ignacio de Oliveira A Filbo, i
largo do Corpo Santo n. I'.1.
lbum* npriam pin re-i RIVAL SEM SEGUNDO
tMTOS. !. J?JJa6mid?D- Ust venando muito
A Aguia Ba.nca seare dispoga bem servir; SrUSl55talteS?*5 'JUP'i quizer poderi
agradar a su* boa fregezia, mandn vir c acaba' Jim P experimentar, assim como
.
GARIFAS
/% lenca o
outros marctaetados de madreperla" cuiji trancas
de prata uourada, outros de velludo eic,atc. Para
quem tem gosto e dinheiro, nin lbum assim per-
feito sera duvida o mais apropriado para Koile
se depositar os retratos de charos pais, bons pa-
reutes e amigos. Em quanto, iwrm, esses albuns
se tornara nota veis por sua pcrfeicao c bom gosto,
outros recetados na miasma occasio, se tornara re-
cominendados pela commodidade de precos vista
da boa obra. Assim pois o pretenderte' ser ser-
vido conforme o dioheiro que quizer dispOr para
esse Bm, achando sortimento para 24, SO, 60 e 80
retratos : na ra do Quoimado, loja d'Agia Bran-
oa n. 8.
Carteiras e bolsas para
Compram-se garrafas vasias: na ra do Impe-
rador n. 57, armazem Allianca.
vmgem.
Na loja d'Aguja Branca, ra do Queimado n. 8,
co o grande sormento de galantera? do mdboV *{* Y',?8/*" crrelas para trazo-lasa
goslo propriamente para qiulquer mime qS S- t,racol^ M*sdt tai-te,tuao para viagens.
O Vigilante est alerta, nao mo era permtttido
i deixar pastar desapercebido sem que nao dsse o
seu canto, atim de annuuciar ao respeitavel pub-
inR\l?g nn mi mnrux------------ w o grande sortimento de galanteras do melbor
w. .... 'u"'NAfc'b .DU CUMMLRCI. goslo propriamente para qtulquor mimo, que ac- ------Vi
>.a ra do Queimado n. 29 compram-se os se- ba do chegar neste ultimo paquete, assim como rfrfllIltilliftS HlrWflS
gu.ntes nmeros do Jornal do Commerao do eor- muitos outros alectos que recebe por di ve so? T 7 u8, >
rente anno : n. i do 1 de Janeiro e soppleroento Vios, tanto de sua contai como de can-ienacao aae guia Branca. conhecendo a bem merecida
ao n. 22 de 22 do mesrao mez, supplemento ao n. est resol vido a vender por precos mu tu haratos es,,ma 9ue,os apreciadores do bom do s perfu-
10 d 9 de evereiro ; n. 41 de W de fevereiro e para vender muito e ganLr pouco e dar extraco manas "?>*"*> V[ ,s,so ,nandou vir esplendido
suplemento ao mesrao numero ; n, 42 de i l de 0 grande deposito que tem que unen merecer a sort,men, aUfi aCi,Da de rebeber, e os acreditados
r^.eeU SU|,p,emento; h^ M1" Protecco do rcapeilavel pumnNo ctnprSando^ ~s dos bwn conhecidos fabricantes J. Gosnell
vereiro c seu supplemento ; n. 48 de 18 de feve- sso todas" e as melhores diligencias ifara une fi- C, Nauoleao Prire 4 C sao bastantes para co-
isto s nn fialln Vii-Jbnte rnl'L Pne.cer-*o a superh-ridado dellas. Consiste esse
isio so no nano Vigilante, ra do oft variad,. c..rtim<,n,n pm ..i nn.^,A.
ro; supplemento ao n. 62 de 3 de marco, supple- Crespo n. 7.
ment ao n. 64de o de marco; n. 65 de C de mar- i ni,.., .,, -.D
9 tt* ^ marC ; taTmM 80 D' \ Cofre de muito S poT '
---------------------------------------------------------: Cestinhas transparentes forradas de ma-
0I1I|)IHB1 -St' I .dreperola por
Muescram 9..e sejatn atada mpw. sai- Kc^cffSaTcamaphoa.
baui engoinmar com perfeifao, cosinbe e la- Lindas caixinhas cora pedras brancas,
vem roupa do varrela: quem as tiver qui- I-indo bailo com catangas dentro, tam-
bera para juias.
Tambalier para ditas.
Cestinhas ditas.
bello e variado sortimento em pequeas quantida-
des de differente o agradaveis extractos de pri-
. meira qualidade em frascos de diversos tanianhos
io*OUO e formas, fazendo-so notaveis ontro elles os que
ionnn vem em l,u,a carleira de tre% cora os quaes por
.a;2i sua l***"cia c bondade se faz um bello presente ;
Asruu ass,m comoontr<,s frascos com finas essencias con-
uSlm 10*000
zer vender dirija-se roa do Imperador n.
38, segundo andar.
VENDAS.
10*000
9*000
6*000
6*000
6*000
m I Cosmorama ditas.
i Urnazinhas.
So no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
________i Ricos porta bnuquetes de diversos gostos e prc-
H eos; so no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
meta* |iara algndao. iticos untos
\ende-se urna machina para descarocar algodo com bolcinhas aolado, a 10*, 12* e 15*,ditos sem
' um motor cun todos o< pcrlences para trabalbar bolea porm do mesrao goslo, a 2*500, !i* 35600
om 2ou 4 c.ivallos, a qualdescaroca 120arrobas 4*000.
por da, sendo umito maoeira no Irabalho, e do Micas fivellas avulsaspaiasinlo, omelhorque se
mu fcil transporte para o centro, ella acha-se pode encontrar, a l*'0O, 2*. 8*300 e 3* o par:
mentada, e o cumprador pude ver o seu Irabalho, s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
.,ujo resultado se garante : par- ver e tratar, na Cabazes *n e.sliubas.
fabica da travejsado Carfeean.a, caes do Bamos. At quechegaram as desojadas cestinhas ou ca-
Vcndem-se tres lindos moteqaes,
tas molecas, dona oscravos para todo c
na travessa do Carmo n. t.
duas boni- Dazes Paia meninas traz-reni no braco, o ruis rica-
) servico : P*yt a 2*300, 3*500, 4*. 5*, 7* e 10*; s no
I \ igilanle, ra do Crespo n. 7.
Pentos.
Xestc artigo tem um grande sortimento, tanto
para alizar como para atar cabello, os mais lindos
que se pode desejar. assim como de arregaear ca-
nello, tanto de borracha como de tartaruga comen-
feiles e sem elle (.'ara menina; s no Vigilante, ra
do respo n. 7.
Peritos
GftAUDE
recnwi
Sooo"?.^1?- nTaWC ,0,f,Ue d !,ambemchesaram riq'iissmoa per,les do concha
'ro 20 tota Peratriz nu- de tartaruga e de massa lina, que se vende por 2*
--------''-------.--------------__________________ ; 3* e o*; s no Vigilante, ra do Crespo u. 7.
bellos, e outros finalmente com agua de Lavander
! sublimada ; e bem assim finos sabenetes em paco-
tes o caixinhas cora tres, bonitas e delicadas al-
mofadinhas com pastilhas em p, as quaes deitan-
do-se nos guarda-vestidos, comrnodas, etc., nem s
deixam toda a roupa cheirosa, como afugentam
baratas, tracas, etc., etc. Era quanto, porm, a
commodidade dos precos j nao entra em duvida.
urna vez que o pretendente compareca munido de
dinheiro e disposto a fazer gasto na toja Branca, ra do Queimado n. 8.
Balas grandes e caretas de
borracha.
Excellentes brinquedos para enancas: vendem-
sea 500 rs. cada urna : na ruado Queimado. toja
d Aguia Branca n. 8.
Fspelhos cam molduras preta*
e do unidas
Resmas de papel de peso muito bom a 2*.
(.apachos redondos e compridos a 500 rs.
Caixas com superiores obreias de colla c de massa
a 40 rs.
Cordao branco grosso que tem muita applicacao a
I.inhas de carrit.-is garaute-sc 150 jardas a 40 rs.
Lartoes de linha Pedro V com 200 jardas a 40 rs.
(.rosas de peonas de ac muito liiys a 500 rs.
\ aras de franja de 13a para vestido a 40 rs,
Ditas de franja branca larga para tualhas a 160 r-
Pares de botoes do punho a 120,320 e 500 rs.
Tinteiros de vidre com tinta a 160 rs.
Ditos de barro com superior tinta a 100 r.-.
Gretas de botoes de louca prateado a 160 e a du-
zia a 20 rs.
Tesouras para costura a 80, 200, 400 e 500 rs.
hscovas para lirapar dentes, superiores a 200 rs.
Ll!ra.d'! laa Pra bordar da inelhor qualidade a
BpoOO.
Caixas de phosplioros de seguranca a 160.
Caisas e paeotea de papel amizade superior a 600
ris.
Ciixas com 100 envclopes muito linos a 800 rs.
Quadernos de papel pequeo azulado a 20 rs.
Carriteis de linha Alexandre com 200 jardas a
100 rs.
Baralhos para vollaretea 240o mais tinosa .'500rs.
Meiadasde linha frouxa para bordar a 20 rs.
Pares de sapatus de tranca de todos os lamanhof
a 1*500.
Grosas de botoes de madreperola rnnito linos a560
reis.
Carlas c caixas de colchles de superiores quali-
dades a 40 rs.
Massos de grampos superiores e limpos a 30 rs.
Grosas de palitos de gaz a 2*200.
Libras de areia preta da inelhor qualidade a 120
ris.
Caixas redondas para rap e tem muito benitos ca
lungas a 100 rs.
ESPLENDIDO AEMAZEM DE MOLHADOS
LIANC

Paulo Ferreim da Silva & Companhia
57 RA DO IMPERADOR 57
Grandes reformas de presos
5 a lO por vento menos do prec que se vende em oh ira mal
quer parte.
para eJ?M* especia,menle otoos por um dos socios que na Europa se acha
memo. t graDde a Vantag6m para t0das ^ pessoas 1e comprarem neste estabeleci-
armazem.
Os propietarios garantem todos os gneros sabidos de seu j muito acreditado
A cairao.
ot? v o#>j so no vignanie, ra uu (>respo
Lequcs.
, Itiquissimos lequos de madreperola tanto para
Vende-se barris com aleatrao, na ra da Cruz amS** "mu |,ara n,eniI>as. pelo barato proco
u. 23, primeiro andar, escriptorio de Antonio de e_'-*1 p'**; s no Vigilante, ra do Cn
Almeida Gomes. n- '
respo
W I SI
OS
sos
S IGGRAVANTN
i
Wwm'A per film/ mirado
i
OU EROPCOES ESCROFULOSAS.
I lri'ii> ii |o(l;j ii s|n'rt*.
SVI'IJS. O'l \l\|. VEXKRKO,
Tlll'i!!i;<,
KbiiIli'oei<
RERTOEJAS,
OPHTHlMIA,
llydmpism.
Empigerts.
HERPES.
BRYSIPEUS
KSCORBI 10.
linh.,.
CHAGAS AITIGAS
Rheurnatismo Chronico,
INSBILiaffi (ERAL,
.WrvositlauV, Vevngiag,
niHBjinmLnn^
StJPPRESSAO DAS REGRAS, ou
AMENORRHEA,
.LEraiffiiisEsims,
Rft^urao da trinas,
KMACIACAO,
<>. nu.HigreciiHentogaraldo .nri*>,/(,.-,.
/i ;/'(. do. i,*,/,, vicioso do tanyue,
ISFIAMACOES CHE0NICA8,
Affe<>9oes Ohronicas do Pigado,
' --:' IMO VOSAA Vb M/.'S KI.MIIHAMES MO-
! KSTMS, l'ttlSl IPALMKMTK QHANDO SAO
MnAKAH, Q CKODI/.iAS PEL MLI
iivbb iso do Mkhcukio ou
Quikuio,
* romo ii.ml,,.,,, ptU, freqiienep m. do AK-
HKNICO e omnu preparn MMMM i
-ortaa estaa afermidades prompta e effioBji
meute cede,n benfica, poderos, e
IJunioantea qualidadea da mi
justamente afamada
Vais Icijiit's
com pequeo dafetto, leqoes do sndalo com pe-
queo d.-f.ito por barato preco de 85 c 105, chi-
nczes muito bonitus tambera, pelo barato proco de
4e3, bentarallos mmlo bonitos, laintmm por ba-
rato proco de i-5 e S, leques do diario tambera
por k$. ludo isto para acabar, perdeodo-se lal-
vez 80 por rento: s no Vigilante, ra do Crespo
n. /.
Pnlseiras.
Lindas pulseiras de tontas e de missanca, eflres
muito lindas e de muito gosto a 15 e 15200.
Para segurar manpulos.
Tambem chegaram as liguinhas estreitinhas de
borradla que as senboras tamo precisara para se-
gurar manguitos por ><>r moilo coramodo e muito
baralo, a ;iO o par s.no Vigilante, ra do cres-
po n. 7.
Canelas.
Riquissimas canelas de madreperola proprias
para qualqner presente, pelo baratissimo preco do
15500 e 25. *
Sapatinhos e meias ile seda.
{tiquissimos sapatinhos de seda e de merino en-
lejiados, assim como mciaszinbas de seda, gorraz-
nias e iQoquinlias para a< cnanciuhas se baptiza-
ren! ; s nu Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Voiliubas.
Lindas voltinhas de perolas fal Qngindo brilhantes, a>sim como cruzinhas avulsas
e voltinhas. pelo baralo preco rte 15 c 15200. s
! cruzes avols asa 100 rs.; s no Vigilautc, rua do
l.respi) n. 7.
Guliiilias.
Riquissimas golinias e. mangeitos, omelhor gos-
to possivel, a 25. 25300 e :!5; s no Vigilante,
, raa do Crespo 11. 7.
Eufrilcs para seniora.
Riquiwimos enleites com lago e sem laco o de
outros muitos go>to a 15, I300 e :I5 : s no VI-
gilante, rua do Crespo n. 7.
Tiancelins.
Lindos trancelins de cabello para relogin on tu-
nelas, pelo baratissimo preco de 15500, ditos do
retroz a 200 rs.
Ilaliailiiilms fulrenieios.
I Riqnissimos babadinhos entrcnieios com lindos
, deseohos tapados e transparentes, pelo baratissimo
! prego de 15200, 15300, 25 e 35 i s no Vigilante,
rua do Crespo n. 7.
Cascarrillias.
Grande sortimento decascarrilbas de diversas
larguras, assim como eaaozinho e tranrinhas pro-
prias para eufeites; s no Vigilante, rua do Cres-
po u. 7.
Filas.
Grande sortimento de lilas de diversas larguras
, e qualidade.-, por preces que admirara aos com-
pradores, havendo Utas largas proprias para cin-
1 teiros que se pone vender a 300 rs. a vara, e peca
'J varas a 25 s uo Vigilante, rua do Crespo
A Aguia Branca, na rua do Queimado d. 8, re-
ceben um bom sortimento de espelhos do difieren-
tes lmannos com molduras pelas e. douradas, c
os est vendendo por precos commodos.
Papel wglezm
A Agoia Branca, na rua do Queimado n. 8, re-
-cebeu um novo sortimento de papel inglez liso e
paulado, almac, de peso, e pequeo, vindo deste
lambem com beiras douradas.
Eufeites invisiveis
A Agula Branca, na rua do Queimado n. 8, rece-
ben novos cnfeiies invisiveis, os quaes pela finura
do tecido e bom gosto lem merecido tanta estima
Treparos para flores.
A Agnia Branca, na rua do Queimado n. 8, re-
ceben novos preparos para flores, sendo papel de
cores para rosas, dito verde para folha.-, folhas de
panno e velludo, caixas de trigo, ditas de uvas
brancas e rxas, e romo semprc continuara a ser
vendidos p0r precos commodos.
w.

NOVA
liqiHli.nuj ile fazendasde todas as qua-
liadesna ljaearmazem da Arar,
roa da mperalriz n. 56, feLom n-
eo Porcira Mendes fiuimres.
AtiriM-io que se val principiar.
AO II MI o*
:- a ,N3on08 servimos de exordios enmo constantemente estamos vendo em annnn-
Zl' I??' r'S S5, r,al:,-Vrad0S d <*m "WW nosahstivemos ?lo tan* m
eslamo, certos nenhnma atleneao j merecem do pul.lico. 0 noss* fim Dni? 123L
mente fazer ver que o verdadeiro e principal ioteesse de todos t na Sla d?pr "
eos que passamos a mencionar, e para a qual pedimos (oda a attenSo. P
Viuho verde.
a (ioo ,"lSr T1 dPSejad Vinh0 d0 Carlaxo vendc-se unamente neste armazem
a boo is. a garrafa c 3o.ooo rs, a ancora com 7o garrafas.
Amendoas confeitadas de diversas cores a
64o rs. a libra.
dem de casca dura a 34o rs. a libra.
dem de casca mole a 32o rs. a libra.
Ameixas francezas em caixinhas com lindas
estampas a t,2oo e l,5oo rs.
dem em frascos de vidro a 1,2co rs.
dem em frascos grandes a 2,5oo rs.
dem em latas de 1 '/j libra a l.loors.
Vende-.-e pp^as de panno de idIio para lences,! Arroz do Maranbo e da India o melbor aue
SSiSStSAs,a'^rnaSTd.5 ftRffTt?/5*a ra'
mperaliiz loja da Arara n. 56, de ilendes Guima- e..de *',,00Ja f800 rs-J ai*
raes. i izeite doce de Lisboa a 600 rs. a garrafa, e
A Arara vende soulembarque a 10<> c 12$. 4,8oo rs. a caada.
Vendc-se souterabarques de laazinhas enfeiados' dem francez e de Lisboa refinado em gar-
! prcios de frrosdenapie fino rafas brancas a 9oo rs. a garrafa, e i0,000
rs. a duzia.
a 205, 25 e 2'5 ; capas prelas ricamente "onfeita
das a io$ n 30; camisiuhas para senboras a 2& .
e 3J ; golinhas 240, :<20 e oOO rs.: manguitos al *azema muito nova e Iimpa a 32o rs. a li-
600 rs. c 15 : na rua da Imperatriz n. 56, loja da! bra.
""' f.iao a. h-, ,tIft Azeitonas muito novas a 2,ooo rs. a anco-
Coi tes de chita a 2ifl0. reja
Vndese corles de chilas com 40 covados a 1 inicia i;mni- ,
2*400, ditas franceza a 3*200 dilos de eambraia I Aln,Sl imP a i4 ,s- a M**> 0 *.*00 rs.
i"
de lpicos a 25500 a peca," dita fl'ua a'U6," a arroba.
u?.i Da.-.r"^da nilicralliz -J'6. '"ja da Arara, oe Bolaclnnhas de Lisboa da fabrica do Beato
Antonio de diversas qualidades em latas
f runde liqutdacao
Fazendas.
.\o Passelo Publico u
II.
Mendes Guima-raes.
Iloupa feila harala.
Vende-se palitots preto de panno a 16* 145
125, 10 e 85, ditos de alpaka a 35 e 45, dilos de
brnn branco a 25500, 35, 35500: calcas de brim a
,5 e 25500, ditas brancas a 35 P 35500 ; palitots
de casemira de cores linos a 105, 85 65, e 55 ;
seroulas a 25 ; camisas brancas a 25, 25500 o 35:
na rua da Imperatriz a 56, loja da Arara.
Colariulios econmicos a 640 a duzia.
Vndese cutarinhos econmicos muito bem (Vi-
tos a 640 a duzia : ua rua da Imperatriz n. 56, lo-
ja da Arara.
Vende-se bramante de puro linho a 25500 e
25800 a vara, leudo 10 a 12 palmos de largura
Lentilhas muito'novas excellente legume pa-
ra sopa a 2oo rs. a libra.
Licores francezes de todas as qualidades
de 7oo a 9oo rs a garrafa:
Manteiga ingleza perfeitamente flor a 800 e
l,ooo rs. a libra, desnecessario mais
elogios neste genero, que s.6 se pode ve-
rificar com a vista,
dem franceza a 56o rs. a libra, e em barril
se far.i abatimento.
Marmelada do primeiro fabricante de Lisboa
a 600 rs. a libra, ba latas de I, 1 i/2 e
2 libras.
Massa de tomate em latas de 1 e 2 libras a
600 rs. a libra.
Maca 1 ao. ta;barim caletria a 4oo rs. a libra,
dem branca a 32o a libra.
Mostarda franceza proparada a 4oo rs. o
frasco,
dem ingle/a em p alio rs. o frasco
Molho inglez em garrafinhas com roluas d
vidro a (4o rs. cada urna.
Marrasquinbo verdadeiro de Zara a 1,000 rs.
agarrafa, e 10,000 rs. a duzia.
O dono de.-le antigo cslabelecmieiilo >K;' 'J
* recebi-u um rompleto sortimento d fa-
S z,'"das e e.-l;i resolvido a vender por
04 menos do que em outra qualqmr pane. S
is S no I'ass. io Publico n II. S
de 6 e de 3 libras, a'3,000e t,5oo rs. a :!,,zos muJt0 nov;,s a '& rs a libra.
lata e 64o rs. a lihia. jOstias preparadas era latas a 7oors. a lata,
dem ingleza em latas de 2 e 4 libras das Prezunl0. Para fiambre inglez verdadeiro.
melhores marcas a l,3oo e 2,2oo rs. a' garanlindo-sea qualidadea 7oors.a libra.
lata. IPassas novas de carnada a 4oo rs. 1 libia e
Banha de poico refinada a 4oo rs. a libra e' 6'Jo rs- a caixa-
em barril a 36o rs. ,{,en*i P:i|'a sopa cstrellinha, pevide e rodinba
Batatas i-m gigos de 36 libras a l.ooo rs. elc-a 3,5 rs. a caixa, caSCors. ahina.
Champagne das melhores marcas a 2o,ooo Peixe e.m llllas hermticamente fechadas das
rs. o gigo, 1.8oo rs. a garrafa, o oo rs. seguintes qua/i iaoes:save, corvina.goras
^ as meias garrafas, cavallinoas, e pescada a l.ooo a lata,
hrini branco para ralea l'ioo,'15400 e'i^co'a ^na ax'm melbor possivel a 2,7oo rs. a Pa''los para denles lidiados a 14o rs. o ma-
vara, dilo pardo a 640, 800 rs., 15 c 15200 : n.i I libra. CO de 2o rs. o macinhos.
rviJl?fle.rti c"3 luja \endem-se baloes americanos os melhores que a lihra '
lem viudo, de lodos os tanianhos a 25240, 25500,'. -. .
5, 45 c 45500: s o Arara na rua da Imperatriz: ldem "}tm o molhor que ha ueste genero
" 'ic- j a 2,000, 2,4ooe 2,6oo rs. a libra.
As lazinbas da Arara a 240 rs. o covado. dem preto homeoptico .1 2,000 rs a libra
|Cerveja das melhores marcas a 6,000' rs. a'
duzia, o 060 rs. a garrafa.
240, 320, 400 e 500 rs, o covado, ditas milito
flna> lisas 600 re. o covado, ditas especiaos a 7201
a gri'za.
Painro muito novo lo rs. a libra c 3,ooo a
arroba.
Queijos llainengos, do ultimo vapor, a 2,Soo
r?.
dem pralo muito fresco a 800 rs. a libra c
**< Chilas estrella* lixas a 200. 220. 240 e .......-------------- <-.>., u.,aS uonac a v < n.
j& 60 o covano, dita larga a 320, 360, 400 m' e 80 rs- cov^r,: na rua da Imperatriz n. 56, cnocolate Irancez, hes|)anhol eSUISSO a 1,000. Sl"". Cllle"0 a lio rs.
ar e 440, ditas para robera larga a 500 rs., 2 '
"< dita estrella a 320. M
M o Passcio Publico n. II. a"
^< iiieos cortes de vestidos de eambraia
m
! luja da Arara.
Chitas baratas a i io rs.
Vendem-so chilas de cores tixas a 240 e 280 rs.,
o covado, dilas francezas finas a 320. 360, 400 e
^R a 45, diales de merino liso a 45500, di- jC 500 rs., covado, ditas percalas a 560 e 600 rs. o
'*> '" '-lampado a 75, dilo boidado a ^f |covado : na rua m Q^B^'^ioni?00..^ 20 ,var?s :i B:-4Arara VMde "'a I ci,?Pam^r!aV^r!a1,,Sh0 ^ I ^ T"* "S? Pa 3 ***> ***'
S SonoPasseioPuldicon.il. 5^ i x0,,(l;se P'f de madapolao de 24 jardas, de
M t CM.bnvlineo.8liS vara, a lAMff^ifrmMi^H^+^^i
a dita a 45500. dila a 75, dita a 83 mus- Si? T' V !'5' m "* e 125; ig-.d.-u. regular a o3,
"I selina branca a 560 o covado, brim par- f* -i ,-." rnP ,le ".cca a 5-'0' d,lu domesliro a
m do a 720 .1 vara, assim cnio nutras fa- 0. ,"5' 'i'A" sll."'"ra a 8*> ll t';, fl'110 a PW
m zendas qno s a vista; lambem se dao m',L'"' J'irda^: na rua da ''tipeCairiz, loja n. 56.
" as amostras d.-ixando penhor, a Iota esta f^ I r,na|ps ralos a 1*600.
m. abeita at as 8 horas. Wl Vende-se chales de laazinha a 1500 e 23, dilos I Canella a 9oo l> a libia
'&*?*Mi '&"*'* WMW&M de in'"-""3 i-.3* 'l,:m'ti& e 75: ,,a rua da Iin-
'&*#'(;**s& i^i^ i^j,lsR/SH peratriz n. 56.
- Vende-se a casa da Capunga, rua da Ventu- Corles de calcas a I600.
ra..".- '.' a, ''"'! ,,',n Mmil0dS P'r.a fem'IL > l-ara | Vende-so ovtes de calca para hornera
l,2oo e l,4nn rs. a libra.
Charutos do afamado fabricante Jos Fur-
tado de Simas c outros da halda como
sejam regala, trovadores, guanabaras,
deliciase suspirosa 1,60o, 2,000, 3,ouo
c 4.000 rs. a caixa.
Conservas ingle/as a 75o rs. o frasco."
dem francezas surtidas ou de unta s qua-
lidade cada frasco a 500 rs.
Cognac (Vanee/, c inglez a 1,00o rs. a garra-
la, c to,ooo rs. a duzia.
1,
\f pQtesdo vidro a
'"Q rs cada
jCominho o erva-docea 4oo rs. a libra.
j Cravo da India a 600 rs. a lihra.
Sal retinad
um.
Sevadinha de Franca a 18o rs. a libra.
Sevada a Ion rs. a libra.
Toticinlio de Lisboa a 24o e 32o rs/ libra.
Tijnlo para limpar facas a 13o rs. cada um.
Vinagre de Lisboa a 2oo rs. a. garrafa e
l,4on rs. a caada,
dem em garrafoes com i garrafas a 1.000
rs.
Vassouras do Porto com arcos de ferro a 32o
rs. cada tuna.
MUinilHUI W, HRWI,
A venda as boticas de Caore 6 Barboza,
rua da Cruz, o Jo5o da C. Bravo & c m lP'n-0 i,ronna i,ara casa *> familia por ser do
da Madre de Dos 1sertaj; a lra,ar Da rua Dir*i,a ",06- _
Vende-se a taberna n. 20 da
u. 7.
Pilas de la.
Fitas do lia de todas as qualidades, proprias pa-
ra debrum de vestido a 700 rs. a peca; s no Vi-
gilante, rua do Crespo n. 7
Ricos espelhos.
Kiquissimns espelhos com moldura douralae
sem ella de 85, 105, 12* e 145, wim como com
columnas de dilTerentes tanianhos a 25, 35, U 55
e 65; s no Vigilante, rua do Crespo n. 7.
Lindas jarros e figuras.
Riqnissimos jarros e liuras de porcelana fina,
para enfeite de sala, sendo o melbor posto queaqui
tem apparecido; s no Vigilante, rua do Crespo
n. 7.
I'ara pos de arroz.
Riquissimos vasos com bonecla para pos de arroz,
cousa de muito Rosto a 15500 e. 25, assim como
pceles s com os pos a 32o rs. cada um; s no
Vigilante, rua do Crespo n. 7.
Perfumaras.
Grande sortimento de extractos e banhas, poma-
das, assim como de lindos copos ou vasos com dis-
linctivos e offerecimentos as sinhasinhas dos me-
lhores e mais afamados autores de Haris e Inglater-
ra, assim corno os grandes copos de banha japoneza
a 25 e a 13. assim como outros ohjectos que naa e
possivel por bnje annunciar, e vista dos fregne-
zes se far todo negoefb; na loja do Gallo Vigilante,
rua do Crespo n. 7.
Vndese urna escrava crioula, fula, de boa
figura, cora alguma habibdade, grvida de pouco
a 13 a ancoreta, em porciio se far grande abati-
mciito : na rua Nova n. 8, loja do cha.
Eufeites para cabera.
Chegaram os lindos enfeitcs de caheca para se-
Casemiras para capa de scobora a 25 e 37J.
Vende-se casemira entestada propria para capas
para senhora a 25 e 35 o covado, lambem serve
para cosiumes por ser de boa qualidade e lindas co-
res, vende-.-e a 25 e 33 o covado: na loja o arma-
zem da Arara, na rua da Imperatriz n. 56.
A Arara vende as percalas a 360 rs.
Vende-se percalas linas para vestido* a 560 o
600 rs.; chitas Irancezas finas a 360. 440, 500 c
nhoras, sendo muito simples e de muito costo : s > "
no Vigilante, rua do Crespo n. 7; ; 560 o covado : na rua da Imperatriz n. 56.
Vende-
junto ao do I)r. _
do, nimias arvores de fruclo, baixa de eapim e ex-!<;<,nnoras a 2' e 305; souterabarques pelos tinosa
rdenle casa, lendu urna cacimba cora agua supe-! 20*- 22* 2i* : na '"Ja da Arara '
rior a do encanamento: a traiar na rua de Aguas-' 'Farlalana de cores c branca a 800 rs. a vara.
Verdes n. 64, segundo andar.
. rua ao crespo n. 7; owi o ravaao : na rua aa imperatriz n. .6.
-se um sitio na estra'da~do"KolirTnho 4.rara vende as rapas df 9s I)r. Menna, com bastante frente o (un-1 Ve"de-se ricas capas do grosdenaple preto para
Copos finos para agua e vinho a 4,8oo 5,000
e 5,5oo rs. a duzia, u 5oo rs cada um.
Cafo do Rio superior a 28o c 3oo rs. a libra,
e 7,5oo a 8,5oo rs. a arroba.
Doce de goiab. superiorem latas a 2,000 rs.
Srvilhas portuguezas em latas chegadas l-
timamente a 64o rs. a lata.
dem ceceas a 16o rs. a libfa.
dem j descascadas a 2oo rs. a libra.
Farinha de aramia verdadeira a 320 rs. a
libra.
Ihem de escenas para lavar casa a 36o rs.
cada urna.
Velas de espermacele superiores a 5(io rs.
a lihra.
dem de camauha refinada c de composico
a 36o rs. a libra, e de lo,5oo a ll.ooors.
a arroba.
Vinho em pipa. Pono, Lisboa e Figueira
das marcas menos condecidas a 400 rs.
a garrafa e a 2,8oo rs. a caada,
dem Figueira especialmente escolhido neste
lugar a tino rs. a garrafa, e 4.5oo rs. a
cariada.
Figos em caixinhas bem enfeitadas a oo
rs. cada urna. 'dcrn Lisboa em ancoras com 9 caadas mar-
Favas portuguezas em latas chegadas ulti- 9a especala 22,ooo rs. a ancora.
mmente a 640 rs, dem Lavradio, Colares muito fresco sem
Frutas idem em calda, pera, pecego, alper- i Bomposifn a 600 rs. a garrafa, e 4,5oo
se, rainha Claudia e ginja a 7oo rs. a lata.: ,s a caada.
Graixa nova a loo rs. a lata e l,loo rs. a ,,'cm ,le Lisboa branco uva pura a 56o rs. a
duzia. i garrafa, e a 4,5oo rs. a caada,
Vende-se larlatana branca e de cores tinas a 8061 Gomma muito al va e nova a 160 rs. a libra. I *^eBn l'orlo lino em pipa a 56o rs. a garrafa.
Vendem-se duas casas no lugar dos Afoca-'!/' ,a vara-(!l,d!! l,nno a i0 rs. a vara : na roa nienebra de Hollanda em frasqueiras cora 12 I,','in engarrafados generosos Lagrimas do
dos. com alguna arvoredos no quintal e cacimba : id;i ',m"'r:,Irjz !Ja B ".mazem da Arara, n. 56.
quera pretender, dirija-se a taberna de Manoel Ro-! U JJl?!lrie,la)r' t,3loja-e armazci" fda -Uara r,>-
sas do Oliveira ico' nienda toda a atleneao aos Srs. fn-euezes que
- #---------------j mandem ver as amostras de todas as fazendas que
1.1 iiu iras du Serillo. anonoria, promettendo vonoV-las por barato preco.
Cnegoa una porco de linguifas do Serid para I*"cbincha de lenros de seda a 800 rs. e 15.
o novo deslino na rua do Cotovello n. I, esquina
para a de S. Gongallo, o vende barato ; a ellas, an-
les qu, se acabeni, I) nn peteco para quera gosta.
Vende-se uina casa terrea na travesa
Vende-se lengos de seda pequeos a 800 rs.; di-
los grandes a 15: dilos brancos cora barra de co-
res a 200 rs. cada ura ; meias croas para homem a
25400. 35, 45 e 55 a duzia ; dilas para senhora a
Carmo, com 2 salas, 2 quarlos, "q.ai'e'cacimba i ** V* : "a rL propria : a traiar na travessa do Caldeireiro ou-1 ,Ussas "tncens a 80 e .120 rs. o covado.
mero 72. Vende-se cassas franeozas linas para vesdos a
zr--------------------------------------------___j 280 e 320 rs. o covado: na rua da Imperatriz n. 36.,
lillas ItaiUburgUrzas Colchas de damasco a 45.
Xa rua Nova n. 61 defronte da Illma. cmara' Vende-se colchas de damasco para cama a 45,
municipal vendem-se constantemente bixas novas d,,a:; <,e msla" 5, dilas de chita a 25: ricas chi-:
por menos 25 o centa que em outra qualqner tas Para c,,l'ertas a 320, 360 o 4< 0 rs., ditas aseti-
parte : recebem-se por todos os vapores. nadas moilo linas a .'00 rs. o covado, ditas encar-
i nadas a 5o0 rs. o covado : na rua da Imperatriz
' in. 56, loja da Arara.
~Cal de Lisboa.
Ha para vender a mais nova, e ltimamente che- [
! gada ao mercado, cm bem acondicionados barris: i
i no armazem de Manoel Teueira Bastos, rua do
Trapiche n. 13, por prego razoavel
louro, Duque do Porto, I). Luiz I, D.
Pedro V, Nctar, velho secco, MalvasK)
Genuino, Particular a 9oo e 1,2,00 rs. a gar-
arafa, e a lo,ooo rs. a caixa com urna du-
zia.
frascos a 5,8oo rs. o 560 rs. o frasco
dem cm botijas a 4oo rs. cada urna,
dem em garraloes de 16 garrafas a 4,800
rs. com o garrafao.
Iflem de tres caadas a 7,2oo rs. cada um.
dem inglezas em garrafas brancas bordadas dem Madeira legitimo a l,2oo rs.
com rolha de vidro qualidade superior a | fa, e a 12,ooo rs. a duzia.
l.ooo rs. a garrafa,
dem de laranja verdadeira a l.ooo rs. o
j frasco e H.noo a frasqueira d 12 francos.
i Kirsch Wasser excellente bebida suissa a
1.8oo rs. a garrafa.
a garra-
Idem Muscatel a 1,000 rs. a garrafa.
dem Bordeanx das acreditadas manJas St.
Julien, St. Esteph, rhateau la Rose, chatau
Margoux e outros a 6,5oo rs. a caixa. e
56o rs. a garrafa.
CEKVE.II E.M % KHlli
a <00 rs. o copo

; '"AtT* imU" Hi'rGffa"* m"' "i- gninhos, ftWnrt.T& jV7i'tr.
A.'-t?. r!,,Drr?-,: na ra d0 '"aperador n.83, O motivo da venda porque o do
rom ooi/)rreio. loutro nemein
rua dos Acou-
tratar na mes'ma.
dono quer botar
a 3:200 rs.
Vende-sea taberna do beeeo do Por.inho es-!
1 quinada Concordia n. 33, muito afregue/.ada para !
\cnde-se de superior qualidade, chogada do Ara- a trra e tem lambem urna porcao do cavernas de
ca y pelo niate SuU Auna, em casa de Prente, barcassa e canoas grandes e pequeas, por o dono
Vianna & L., rua da Cadeia n. 87. scrctirar.
Vende-se um excellente terreno com 102 '------------___________________________________
palmos de frente o mais de 300 de fundo, indo!
prompto e aterrado at a linha do caes, pmnrio
para qualqner editi'-acao, tendo excellente porto de i
embarque ; vende-so por junto ou em terrenos do
IX
iM
LVCl
Queljo de Ninas chega dem prato mnite fresco
dem siilsso superior
dem londrlno superior.

Vende-se superior vinho dolVn em caixas de
32 palmos, conforme meihor convmr aos compra- urna duzia : ,-m casi d- W's-on Pal- & f rua
dores ; trata-so na rua do Guararapcs n. 28. ido Vlgarto n. ?. "
57
Rua do Imperador 57

i
-------Im,
iiiitHii i i m


Diaria de Pernanibuco segunda leira u de ctciubi o de 16414.
,


20 f CL*Rllf
<
COMM
mm
RUA 1IO QU12I9IADO W. 15.
Passand o beceo da OongregacHo segunda casa,



wiaae
i
NO VID ABE
1
Pereira Rocha A C. acabam de abrir na ra do Queimado n. 48 ura armazem de molhados denominado Clarim Comnier-
. ial, onde o respeitavcl publico encontrar sempre um completo sorlimento dos melhores gneros que em ao nosso mercado os
quaes serSo vendidos por precos muito resumidos como o respeilavel publico vei' pela tabella abaixo raencincda ; garante-se obom
peso e boa quaiidade dos gneros comprados neste armazem.
Arroz do Maranhao, India e Java a 60, 80 o Peras seccas muito novas a 600 rs. a libra.
100 rs. a libra, e 1*800, 25600 e 30OO Painco a 200 rs. a libra.
Grande liquida#o.
Ra da linperatriz n. O.
Loja de fazendas do Pavo de Gama & Silva.
Acha-so este cslail#cimento completamente
sorttito de fazendasingleza?. francezas, allemaas e
snissas, proprias tanto para a pr'ira como para o
matlo, prometiendo vendr-sn mis hualo do que
em outra porgo,.; de todas as fazendas dfio-se as*amostras,
deixando licar penlior, ou mandam-se levar eni
casa pelos caixeiros da toja do Pavao.
As chitas do ravo.
Vendem-se chitas malezas claras c escuras pelo
barato proco de 240, 260 c 280 rs. o covado, timas
seguras ; ditas francezas de tures seguras a 120,
34, 360, 400, W, 480 c 500 rs. o covado, fazenda
muito superior o bonitos padroes : s na leja do
l'avo.
As liaauias da expsito do Pa\ao.
Vendem-se lazinhas as mais modernas que
tero vindo ao mercado, proprias fiara vestidos e
suulembarques por seren lisas c de cores muito
delicadas 560 o 300 rs.; ditas lisas com um lustre
que parece seda 640 rs. o covado, ditas com
quadrinhosde seda SOOrs. o covado, s para aca-
bar : na loja e armazem de Gama & Silva, ra da
Imporatriz n. 60. -
Us vestidos do Pavao.
Vendem-se os mais modernos corles de vestido
EJ
PUIlIiMCO*

AO ltI2g|J21'jrA.V
RITA DAS CINCO PUNTAS N. 86
t -tuina da nova tiavessa de ti. *oao.

:
w^mm.
i % mm-'^^w
a arroba.
Ameixas francezas em latas e em frascos a
15200 e 10600, e em frascos grandes a
2 J5U0.
dem em caixinhas elegantemente enfeitadas
com ricas estambas no interior das caixas dem londrino chegado no ultimo vapor
a IdiOi, ifliO, !A60Oe2.
Amendoas com casca muito novas a 280 rs.
a fibra.
Alpiste a 160 rs. a libra e a 1I600 a arroba.
Azeite doce francez mnito fino em garrafas
grandes a 960 rs. a garrafa,
i4em de Lisboa a6i0 rs. a garrafa.
Araruta verdadeira de matarana a 320 s
libra.
rs. a libra.
Polvo secco muito novo a 400 rs. a libra. Cevada a 80 rs. a libra.
Presuntos de Lamego em calda de azeite e Ervilhas portuguezas a 640 rs. a lata.
muito novo a 640 rs. i dem seceas muit novas a 200 rs. a libra.
Queijos flamengos do ultimo vapor a $800 Figos de enmadre e do ouro em caixinlias
dem prato. '. de oito libras e canastrinbas de i arroba a
a l-)8O0, mm e 280 rs. a libra.
900 rs. a libra. Farinha do Maranbao a 160 rs. a libra.
Sal refinado em frascos de vidro a 600 rs. dem de trigo a 120 rs. ? libra.
<>.. i-.i. ir. r. do la, que vieran pelo ultimo vapor, com ricas
Cevadmba de Franca muito superior a 220 barras de cor, corpinho e coiiete separado \ ditos
cada um.
Sarditibas de Nanles a 300 rs.
Sag muito alvo e novo a 260 rs. a libra.
Tih iulio de Lisboa a 320rs. a libra,
lijlos de limpar faess a 140 rs.
a Vellas de carnauba pura a 360 rs. a libra,
dem stearinas muito superiores a 610 r.
Avelllas muito grandes e novas a 180 rs. a I libra.
libra.
Biscoutos inglezes de diversas marcas al a I690.
liWo rs. jVinliodo Porto engarrafado o mcllior que
Bolachinhas de soda, latas grandes, a 2(jlrs.
o lata.
tienebra de Hollanda verdadeira marca VD
a 560 rs. o frasco e 6#2O0 a rasqueira
dem em garrafoes de 3 e o galoes a 3o00
e "flSOO cada um com o garrafao.
Graixa a 100 rs. a lata e 1100 a duzia.
Licores muito finos a 700 rs. a garrafa.
dem, quaiidade especial em garrafas muito
grandes, a <>$KK) a garrafa.
Figos em caixinhas ermeticaraenle lacradas dem em garrafas mais pequeas a 800 rs.
dem, eni garrafa forma de pera o rolhas de
vidro, a 10000, s a garrafa vale o di-
'Idem inglezas muito novas a 30000 a tarri-
quinhae a 200 rs. a libra.
'Hanha de porco refinada a 440 rs. a libra e
em barril a 400 rs.
2*500, 24800 e :i8O00 a libra,
dem preo muito superior a 2,-')O00 a libra.
Cerve(a prela e branca, das melhores marcas
que vem ao morcado, a 300 rs. a garrafa
e 50800 a duzia.
Cognac inplez fino a 9f)1 rs. a garrafa.
Conservas a 720 rs. o frasco.
dem, s de pepino, a 72"-is.
dem, s de aeeilnnas, a 750 rs.
.'harulos dos meltiores fabricante? da Bahia
e especi dmente da fabrica imperial de
Candido Ferreira Jorge da Costa a 158:K),
40 >, 2&200. 250O. 2$S00, 30000 e
*5300 aiixa.
Caf do Rio muito superior a 280 e 320
rs. a libra e 84H0o3 85860 rs. a arroba.
Caribes de bdinbos fraacezes omito novos c
bem muito enfeitados a 709 e 600 rs.
Chrfftrieas r paios muito novos -a 800 rs a
l ?>:$, I
ha neste peero e de varias marcas, como
sejam: Velno de 185, Duque do Porto,
Madeira, Pedro, 9. Luiz I Maa Pa,
Bocage Chamisso e outros a 800, 900 c
10000 a garrafa, c ew caixa com urna dn-
zia a 90000 e lo4000.
dem em pipa, Porto, Lisboa e Figueira a
480, 560 c 560 rs. a garrafa-e 30, 30990
e 44 a caada,
dem brenco de Lisboa muito fino a 500 rs.
a garrafa.
Wem de Bordeaos, Medop e S. Julien a 700
e 800 rs. a garrrafa, c 70000 a 703U rs.
a du'.ia.
idemorgauxeCi.aleauluminide 1834, a 14
a garrafa.
dem muscatel a 800 rs. a garrafa.
Vinacre de Lisboa
nheiro.
Manteiga ingleza perfeitamente flor, desem-
barcada de pouco a 9oO rs. a libra, e da
de segunda qaalidade 806 rs.
dem francez muito nova a 640 rs. a libra.
dem da tempero! a 400 rs.
Maca de tomates em barril a 480 rs. a libra.
dem em lata a 640 rs.
Mar melada imperial dos melhores conserven
ros de Lisboa a 60 rs. a lata.
Marrasquinho
Desfijando o propietario do graede arcuazoni do Prilie gas ao seu genio emprehendedor, commertial e especulativo, resolveu ceaer u inspiraclo
turbilhao de ideas, tendentes todas bem sci vir e agradar aos generosos hahilanfe
esta bella provincia, de abrir mais este grande ebtabelectmento de nevos o
escolhidos gneros, quasi que especialmente destinados s pessoas que moram na fre-
gue^ia de S. Jos, c aquelles seohore que transitara pela va frrea, para quera tm ver-
dade sao sena conta o numero das vaotagens que se Ibes offereco, nao o\u relago. a>
modii'idade dos fretes, como da facilidade e brevidade da conduorao dos objectos com-
prados.
O sonho do Propheta ser una verdade urlica 15o acceita o abracada como as
i mu i/'Ji. i mi nuil'; u CUIltUG M'tMUUO un i- i k i i n I 1 a 4 r,' *
com listas de seda o tamueo com barras e enfei- palavras sunjiles c bem intencionadas dos vellies patriaidas desses lempos idos, si o feo-
tes para o corpo, por prego mais barato do que em nhor DCUS dos exercitos nao o quizer contrariar.
outra quatquer parle, esc quizerem urna prova O Propheta nao querendo resti ingir-se a forma ordinaria do negociar i xsoheflT
SSta^rl!6.r^s"! W. depois de profunda medita,;o, de njo veiidc. smenteos mus ge,ros a di-
6s vestidos Hara Pa. S o Pavao 80OOO). nheiro concite ; mas tambera de por cm pralica a troca delles por outros da prodoefo.
Vendem-se os mais Modos vestidos Mara Pia do paiz ou por escravos, bois. cavallos, etc. AsSim, pois, liquc lia iRtelbgencia de todos,
de laazinha transparente com listas, e palminhas que 0 piiophkta roceber como moeda de qualquer dos senhores agncuitores, JSSuear,
do seda pelo barato prego de 8 cada corto : s aluodao, agurdenle, milho, feiiao, cavallos, escravos. etc., el.. e lliesdar o memo valor
mSfiitaT*04rua da,n,PeraIriz n- 60>d0a- era geneios, escolhidos a contento.
Quando a importancia dos gneros apartados for menor duque a dos objectos *-
cbidos por troca, o t-ropheta niio demorar a differciifa que deve dar em dinheiro.
l'm eslabelecimento que com tantos sacriflcios e despt-zas acaba de ser aber'to
deve inspirar a todos a certeza de que se vender muito b;ualo com o fim de se adqui-
rir crdito e fregeria.
ma cv Silva.
As cassas i Pvao a 2i0, 280, 300, 320 e
360 rs.
S o l'avo vgnde as (tnissimas cassas persianas
imitado de laa, com cores futas, 360 rs. o co-
vado ; ditas francezas muito finas 240, 280, 300
c 320 rs. o covado, isto para acabar : rua da
Imporatriz, loja de'Gama & Silva.
Os nwdapoles de Pava*
Vonde>se peca de madapolao Infestado com l
jardas cada peca pelo barato preco de 4,5, 45> >i cada peca, teenda muito superior : s o l'a-
vo fua da Imporatriz n. 50, catando que a pega
leva ama etiqueta com o Pavao pintado para nao
havvr duvidas nem engaoos : isto previne o Pa-
vao, de Gama Silva.
Bramaste de llnho do Pavao
2$, *ttn>f* :fi.oo.
\ende-se o mrlhor bramante de linho puro com
dez palmos de largura por preeo muito commo-
do, por ter de araar a. factura, a vara por
OO, 3100, e 2*606; s o Pavao : ainada
Imporatriz n. 60 de Gama & Silva.
Panno 4t twho d<> l'avo.
Veat9-sa p^nno tle linho com 4 palmos de lar-
de Zara huras anntl^ >l gura FrPr, P"1 Incoes e toalhas dc-mae pelo
uceara, -nasios gjaatOb, a barMfeglmopreo4eT73e80.a-vaa, al-
ouurs. ^godonnho com oito palmos de largura-propro
dem regular a .*>00 rs. para lengn, pelo baratissimo preeo de 15 a vara,
Macas linos para sopa: eslrcllinha, pende, 5 ,comf' tea o:mc!hor aipodaozoho tanto em
rodinha a aletria a (i00 rs. a librare a !,->
lanpira coowai cerpo, propric- para lonces, ca-
mi#a> doescravos, Ma, ele, preoo multo coinmo-
do -i vista da asenda s o l'avo*: rea da Im-
peratriz n. M,Ue Gama & Silva
a caismha com l Horas.
Nozes intito novas a 1**0 rs. a libra.
rs. agarrafa ejPeixe em latas prepralo pela pnawira artel^*^11*11** mm **&* avwia a 4,000 rfe
e 1,800
Vendr-se poca d3 algodiozintio por ter um p3-
caono toque d 'atara, mas qw; esta em bom es-
a 200
lOOrs. a caada. de coinha a l-> a lata,
K'itsk garrafas muito grandes a l;>SOOrs. i Paliios de denles a 488 rs. o nraco,
A!m dos gneros cima mencionados te- dem de dentes a lO rs.
mos grande porco de outros que teixamos \ dem do flor a 200 rs.
de mencionar, e que tudosei vendido porj Amendoas confeitados a 900 rs. a libra.
pecas e carnadas, tanto em porgues como j Doce de goiabacm latas o melbur possivel a 0s 9"9r4aapos econmico
retalho- 25 c em caixo a:640 rs.
Quem eomprar de 100,-sODO para cima le-! Palitos do gaz a 2f2(K) a groza.
lado, p<-lo barato proco de i o 4,^300 a joca ; ?
o Pavao : rua da Imperatrii n. OC de Gama &
Silva.
rao abale de por centr.

JPassas muilo novas ?. iSO rs. a lib:^.
P
utas ni CMM rant
s o e s do
Pavao
Vendme os mais lindse modernos gusrda-
iiap^s 'M'onoiiiicoE e lodo linho tanle [ora as casas
de ji:ii;ii; como para botis, botequins, etc. etc.,
prld) barati^sim j preco de '-15 a dnria, islo s na
loja Id-i Pa-.ao rua da Iniperolriz n. 60, de Gama
^^|H4CUIN4SEP4TNTE "=1S7S5.**
Veo4en-se o mais ibes xitwnbarqttas quo
teem vindo ao isrcaiio, sendo do raxemira de co-
res peto diiiinuli^ino pti-co de 12$ cada um, di-
de
trabalhac* iu> |ara
dccaroeai' algodV
TAWCADAS
M
S
3MS1,
Por Plant Brothei8 & C.
ftaucezesa loOOO^ 1l los de masambiifHe pel diminiilo"preco"de"a'V'^. C'l:,1f 'Ue '' l).<',.'i,"1C'13-
na loja di* l'avo, mas que se nao unganeni : a rua (X)0 I
Juanita verdadeira a 320 rs. a libra. I dem em botija a 3r0 e 400 rs. a botija.
Arrt-z do Maranbao, Java e do Penedo a SO.; Graixa em lat s a 10200 a duzia. :
!Kel2ors. a libra, c a an-oba a 1 >800. | Limonadas de diversas fructas a l^(M) o
2#500 e 2.V8IX).
Amendoas a 280 rs. a libra.
Ameixas francezas a I ->400, ItfiOO e IA000
em latas, frascos e lindas caicliinhas muito
proprias para memosear alguem,
Amendoas confeitadas em fracos de vidro
a 1^ o irasco.
Alpiste a Ido rs. a libra e a 400 a arroba. I
Azeite doce francez a 90o rs. a garrafa.
Azeite de Lisboa a<640rs. a garrafa e i80o
acaada.
Aeeitedoceemtwies com 9 garrafas a S^SOO
om o boi3e.
Azcilonas por todo opreco.
iscoitos inglezes de diversas marcas a I >30
a lata.
"Bolachiiilias ) soda, oval c lunch a 2&OOQ I
a lata com o libras,
Bolai-binbas americanas em barricas 2^
libias a 200.i.
Banha da poico da inelhr quaiidade a 360
rs. a libra.
Bataws cm gigos e caixas por lodo o. }ireco.
Cafe inoido a O-S' (K) ou K^OOO a aproba.
Caf superior a 7.'i00, 8?>U0\.' e 8*500 a
arroba.
Cha nesto genero temos o que hado melbo-
2ssim como lambetntemos bauao pelos pu-
cos segui.tes: i4'O, IfjriW. 15800,
2d*0O. 2)0Om. 2;>S00 e n >0( 0 o fino.
Charutos de todas s memores e peores mar-
cas do mercado a 80', i >00. I J600, 2,
2^800,3A000, 4tJbOa,3)J00O, S*o00e6
o cont.
Cbooricas as mais novas do mercado a l
o barril com 1 arroba e 480 rs. a libra, a
A foja
Trocarse ditas notas por fieseadas.
da rua do Crespo numero 17.
Qa-ia comprar de comiad ris para cimatar-so-lia fi < laiprad ir o lucro de cinco
',par -cjuto.
Apparellcm todos. Ap'.oveilem todos.
I'azandasd; apurados.go-tos Indas de Pars.
Capas preta> imporuatisfii-
na&
Caao5astf)retose pelerinas.
Basquina de cintura e po*
liases.
Souunlianjaes d.- caxemira
de car com-tmtura.
Ja^nctas de merino de coi-
para Mononas.
Zuavus (.retos de seda mol-
la bem enlejiados.
Coraos, cotambarqoes de
stda.
Gortes de seda de cor d
n.'jilo sosto.
Coisas desedapara noivo&l
Sedas de quadto de muito
.givio a l20 o eovado.
oreantiques o fjrosdena-
plw;.
Corles do organdiz com
barras.
Cliapccs de. pal ha para se-
n liara.
fiatSes' de arcos e cmissc--
linss.
.il..;. d. merino de oores.
Fazendas de linho o to al-
goo.
Selecia; esgoioes e bra-
mantes.
Cassas, ctiils cami2s u
sroslas.
Pedos bordados pare ca-
misa.
Caciisn? de 15a de curia-
ra homem.
Madapolao a 7$, 5,9
O^S a {teca.
Boles machinas
mdemdescaroca
iuali|ucr espek
lu al?adao ser
estragar o lio,
sendo bastante
otratialtio; pdt
descarecar nma
arroba do algo-
dio ca caroco
i da Impertirte n.-CO, de (ama .& -Siva.
.Aoailiado ^o fi*avSo.
i Veme-so pm:o de IiniKi adamascarle propro
I para loalhas do i.-: s.i. pelo diminuto preco de 2.'>00
rs. a vara, gdardanapas de linfco a 55 a nuzia,
i toalhas de maoa -35 cada duria, na loja do Pavao.
rua da inperatriz n. 60, do (Sama & Silva.
IT a Pavo (a 3^5JO).
j200 a libra.
Coi v?ja marca a mais acreditada que tem
vindo a oO rs. a gnala, cmeia garrafas
por :]20 rs. branca c preta
Gonservas inglesas a 800 rs. o frasco fazftnda
chi dem francezas a f 0 rs. o frasco.
iCevadinba de Franca a 240 rs. a libra.
Irasco.
Licores inglezes e
e 26 a garrafa.
Lingoasamericanas a 800 rs. cada urna.
Liuguigas. promplas em atas a 162 0 a lata.
Manteiga ingleza ncsle genero o que M de-
mtlhor ; 80 :s. a libra e em bafil a TCO
rs.
dem mais baixaa640e 720 rs a libra-.
Manteiga franceza a 520 rs. a libra, cm b:rtir.
a 0 'Ors a libra Massarte tonales a GO rs. libra.
.Marmelada muito nova a640 rs. a;libra*,
Montos inglezes a 400 e 640 rs. a ganafi.i.La.
Mostarda preparada a -iOO e640 rs-. o fra-co.
Massas para supa macal rao, talbijn e aloii
a 400 rs. a libra.
dem linas em ca'rxmbasa 3<$C00acaixr.ta^
Marrasquino de Zara v-irdaeiro a l;o'.''.' 07
Irasco.
dem' mais baixo a 800 rs. d 1.>0O o frssi 0.
Milbo un saccas'om 20i'ui*sa 3^510.
Prtzunlo inplez ara i ambre vindo.noultimo
vajior a su; rs. a libra.
dem mais ant o a OO rs. a lihra
dem do Pono a 8V0 r. i sendu nleiio \
' o rs. a libra.
l'assas i ovas a 400 rs. a libra.
Polvo a |(0 rs a libia.
Painco a i60 is. a libra.
Pomada a 240 rs. a du/jj
Pimenia do iciuu U20 rs.
Peixe em laias a *4o 0 a
vina, parjo e outros
Papel de peso a 2$ 0i> a resma,
dem idem muito fino a jooo e 3*0
dem marlini a i >"!' 0.
V
a hora.
la a, savejj cor-
o
.000 a
Ojuem-ltira baldes por tai preo I Xajaiapagnc da meliormarca que anui ten
Vendrt-seo5 baloes americanos rnuilo superio-' virv-l.i a 9& r ->.\ n .fian
cscomOoor.rcos |k-Io barsimo piveo de LIS1 J,2 ",'> ^'1^
WStO U, dds de 2o, 30 e 33 arcos com fitas, iCo8!,',K f8,ez "'l"'v/- a 800 lri-
iiiuitu nem Brillados e lambem Mn cores escuras' ga'rafa.
etu 40 minulos,; Ho barato prego de 3^500 cada cm : s na Inia i'ebol.K por lodo proco
ou fC arrubas do Pavio, j-ua-da Imperatriz u.30 de Gama &'
por da eu 5 ar- Silva.
'Copo- lapidados que sempre se venderam e
vendein em muilas parles a H.-5 o I0\ Sal re
v--:)jemos a 3{j 0c0>00iia duzia.
NbaMe aieodao; Q ?MM leude pafalnki.
' Est machn Vende-se tiperjcr setim da Chuu. facenda toda
irte oS *',3a8e iu-"- MO ptimos de largura pro-^'P0' Paia v,nho ;| 3^0" a *M.
possue as vantagens de eSo dcstrnir o lio do al-1 ,,ri,par*. ^?uf^ ''a.,,a?'. ^e}"{^ :alvaS <'"',, "cos ''' ca'"a "indos de L'Sboa nesto ultimo
I
liem para embrilho a 1;20() a
Paliios para dentes maces ;om2t raaciobea
a 8(J, I2n e 200 rs. o naco.
Paliios dn azadonoa 4i:o/i.
Queijos famei g do ti liu > -.-apoj
dem londrino a O o rs. a libra
dem piato a 40 s. a ibr;-.
Itapc Meuioiia 1 U:0 a libra.
Sapi .. m ladinlia a 250e 280 rs. a
Sardinbas de Nanlesa 0Q, S60 e 36U rs^ .
lala.
Sab5o massa a 1-20, 180, 200 o 240 rs. a
'ib'a, cen caixesporrociio?.
(lem alma...-o a 3f>i>CH)t 3^SP0 e 4,^00.-
^eoo.
n'i.i,
godao e de fazer render o dobro de qualqcer ou-
tra com m^nos trabalbo, a *ua intruduccao para coval?0> cassas
as iirovincms deste imiu'no ser de muilo valor 6BjJe"as wango
I para todos o iulercssados na lavoura do paiz. i tuV'J ''r?'0 ',ri*r
Assim con: machinasen) ponto grande do mes- "JS-8""!!'08 '^
I mo syslema,oraijl serem movidas tHir aniant I''"mi d0 lu
lisio bararkfitaw preeo de tylt 0, ',390 e 35 o
por animaes.
>rr;as lisas, dulas prolas taigas e
lo?, colarinhos, pnnlios, e enfeiles,
o para lulo lechado, e miiitos ou-
se rendem por prcgavihais em
m entra qnalqner pan.: yor estar
las melhores fi uc-
Tpte de superior quaiidade core-
Bsieirasiiara loriar sal., a 8o0 rs. a jarda.
seis palaws de largura a 2>VjO rs. o covado.
.Va realldade, este estabelpciraenlo olferece grandes vantagens aocommercio.
Asrovoitcm lodos a occasilo do trocar olas da taixa gauhando cint por cenlo.
Jifo rmazem 4e fazendas ba-
tim de Santos Coelho,
Itua do Qtteimdd n. 19,
t'ende-Ke meiiuie :
AttcDcao H
Ricas laaciahas, fazenda a inelhor que tem vio-
do ao morcad.), tanto em goslo ramo em qualida-
d\ pelo baratsimo prego de 560 rs. o covado.
Ditas mlu.liufias carmezins, propias para vesti-
dos de meninas e camisinhas a 640 o covado.
Cortes de 15a rom 15 covados, polo barato precc
.1-3 6*. .
Cobertas de ctta da india a it'JOO e '.i.
i.ences de panno de linho a 24 e 300.
Pegas de cambraia de forro c.m 112 varas i
2$m.
Toalhas alcochoadae proprias para rnao a 3| a
diuia.
Ricos cortes de la .com barra Maria Pa a
Pegas de platilhas de algodo com 10 varas,
proprias para saia a 15.
Algodao entestado coro 7 1(2 palmos de largura
a 14100 rs. a vara.
Este ira da India, propria para forro de sala de
'i. '. O palmos de largura, por menos prego do
']ue em outa qualquer parle.
Neste estabelecimento tambem se encontrar
um grande sorlimeoto de ronpas feitas, c por me-
dida. _________________________________
Balaios para meninas
Lindos btalos de varios gotos para meninas
traierem no braco : s se encoolra na loja do Bei-
ja-Flor, rua do yueimado n. 63 e C9.
vida de predios
< ni paitcular mi em leilo.
Vendem-se duas propric- gR
dad. < de casas contiguas, n
de dous andares o sotSo, B
icom grandes armazens oc- JH
ornados actualmente pelo >4f.
g| Sr. Feliciano Jos Gomes, para o trafico HJ
f de assucar, silos ua rua de Apollo es. 31 |g|
i0 36, edificados pelo actual proprietario, 'j,
B com ptimos alicoree?, superiores madei- ^
f$l ras, o acabados cm tfit, tendo ambos S 3R
H palmos hvres de paredes,do largara, eos 2gg
^S altos do de n. 3, e o primeiro andar do ^
de o. 36 21o palmos de comprimento, o ^R
jg segodo andar do de n. 30 tem dmenle jp*
120 palmos de comprimento, com um ter Kj
rago, c os armazens lem 340 palmos de W
comprim-oto cada um. lendo ambos lam- ffi
bem frente para a rua do caes de Apollo, ^^
c o de n. 36 lambem para a travessa do ffe
antigo porto das canoas : os pretendentcs J?
estes valiosos predios qtieiram dirigir- Sj
se ao seu proprietario Antonio Botelho jil
Pinto do Moquita na rna da Cadeia do ,M
Recite n. 64, seenndo andar, . te Oh.-ir;. na mesma rua n. 62.
agua ou vair, pas naea podem descarocar i ar-
i-,'.!. An -i l n. ..-1 ,. ......, m_^ d(.
robas de algodao ampo por da.
O algod;V) descarocado por oslas machinas lem
muto mais csLmaco nos mareados de Europa e
vene-sepor meiorpreco.
As machinas se acham vooda unicamenie m
casa de *
Saonders Brolher & 0.
S. II, prarra lo uik Santo
RECIFE.
O unkos agentes aesle paiz.
liquidando : s da lo>: RIVAL SEM SEGUNDO.
Erapreza de iiluminacao 4

g*az.
[odas as vondas de apiiarelhos
. e reclamacoes
(pr escripto dando o nomc, morada, data, etc.),
l7vfiQ-/^3 a o.-lir/ a- .-.i .e.m f^r lpitas '"'mazem da rua do Imperador
rAiratOS e SabaO em eai-n.*. Os machimsias mandados para atiendor a
v itilin estas, apreseniarSo um livro que os reclamantes
AlUUuo I dererao assignar logo depois de prometo o sorvic..
Lindas caixiobas com om cartiio rom a familia i rectamado; isto para que a empreza fique scienle
imperial, e dentro de cada caixa um frasco ou sa- dff Wav.''re"i os mesmos senhores sido devidamente
dao o mais fino qne pasjqvel: na loja do Beija-1 atlendi-Io?.
Horn do^Queim^o M^e_69.------------------- ^ dfl ^^ ^yg q ^
**n5SSi firJoSS^vana en,j fc ^ estabelecimento vendem-se:tachisd
casa de Rab? Schm'>l!au& C; a rua da Oadoiaierr* do llbra a MO rs,; dem de Lov
o. la Moor libra a!20rs.
liua do Quoimadu n. ) loja de miudszas de Jo-
s Bigodinho, venha.il ver a pechincha que se est
acabando certas qualidades de fazenda.
Pecas de litas clsticas com 10 varas a..
Ditas de tranca branca lisa com 10 varas.
Ditas de tranca preta lisa a............
Realejos para meninos, pechincha a...
Rudiuhas com superiores alfinetes a.....
Caixas com superiores agulhas e limpas a
Saboneles de familia, muito tinos a 80 e..
Pares de sapalos de la para enancas a..
Varas de babado do Porto muito bom a
100, 120o.........................
Dilas de bico largo grosso a............
Potes de superior tinta tem mais de mera
gai rafa a..........................
Caixas com perfumaras muito bonitas a.
Frascos de oleo de macaca muito fino a .
Ditos de oleo de babosa superior a 240
320, 400 e........................\
Ditos de cheiros muilo superiores era qua-
iidade a...........................
Ditos de agua de colonia muito boa a....
Ditos de dita dita grande a...........
Saboneta de todo o prego 60,160, 200,
320 e........................
Frascos de superior banha a 320 e.......
Caixas de p para limpar dentes muito
fino a-............................
Ditos de banha transparente a___......
Pares de ligas multo finas para senhora a
Saboneles inglezes da melher quaiidade a
Frascos de agua denlrifi.e superior ga-
rantida a..........
240
100
60
120
20
200
160
MO
100
320
oOO
500
320
400
800
400
800
tiiz-n. 60, rio Jama fcftjvn.
As pereala* do ;vo.
As mais lindis peleaba que. lem vindo ao .Mer-
cado p-;o ultimo vixr;ein na loja do Pavao pelo
barato preco de tWO rs. a covado ; ditas de fcsli-
nfaas limito mudiuha ftroprfas para vestidos e
roopoos de senboras, menino* c meninas, pelo ]>a-
ratis&imo preco de do rs. o cavada ; garaniem-se
as cores por serem do meHior fabricante que as
lem om Pars : mo na loja do Pavo a rua da Im-
peratriz n. 60, de Gama & Silva.
As chitas do rava 2$loo e
*#NOO o t-erle
V'endc-m-ST cortes de chila com dez covados
11400, ditos 25800, com 12 covados sao chitas
ingleza?, mas padroes bonilos o tiutas seguras ;
assim tem as moMiores chitas francezas e de tin-
las seguras por precos commodos, a saber : 320,
340, 360, iOO, O, JO rs. o covado : na loja do
Pavao rna da Imperatriz n. 60, do clama o
Silva.
Os finrdads do Pavo
Vendem-se camlsinhas com manguitos e gotli-
nhas bordadas, pelo barato pre^o de i e 1280
cada um, manguitos s 500 rs. cada par, ditos
com golinha a 800 rs., golinhas 400 c 480 rs., de
fil 240 rs. ?ada golinha bordada, romeira de
0 eassa o de lo muilo bem bordadas 25 cada
urna, manguitos que sorvem para calcinha do me-
ninas 640 rs. cada par, camisa com manguitos c
golas com a competente gravata de seda, fazenda
fina, pelo barato prego de 3, e omitas ontra>
J; bordadas ^ue se vendem por precos muito em
coma : >o na loja do Pavao ;' rua'da Imperatrfz
n. 60, de Gama A Silva.
A* reupas do Pavo
Vende-so panno prefo lino muito superior pelo
barato preco dn 25, 25300, 35, 35500 o 15, dito
muito lino e ti o covado, casimira (ireta de
urna s largura o muilo fina a 15800, i& c 2i00
e35oeoyado, cortes de casimira de cores a 55.
i 55500 e 65, casimiras enfestadas de urna s cor
proprias para calcas, paletots. colles, capas e para
roanas d meninos a 35500 o covado, Uto na loja
do Pavao rua da Imperad iz n. 00, do Gama &
Silva.
vapor a rj o rs. a lala
tas da Europa.
dem >ia goiaba e -U casca o melhor (jue
possivel por diversos pic-;os, c conforme
olam.inlio dogca:xoes.
Ervilbasem latas a 640 rs. a lata.
dem sectas a O) rs a libra.
Espermarete americano a M200a libra,
dem francez a 560 rs. o masso com 6 velas.
Figos de comadre em caixinbas mtiito lindas
a 800 rs a caita.
l-arinha de higo a lO c 140 rs a libra.
Faiinba do Marauliau a 21" rs. a libra.
Fumo do Para a lS'0a lala grande.
Fumo americano a l.^iOO a libra.
Fumo em maciuhos para sigarros
rs. o maoo.
Prelo em sacas de 0 a 90 libras .i
Genebra de iaranja W o fraseo.
dem de Hollanda a OO rs. o frasco.
6i'0 rs. o vazo (poie de vidro.)
Touciiiho de Lisboa, de Santos e americano
a 160, iO e :t2 i rs. a libra c em arrota
a >, 7, o Ofiooii.
Tijolos p=r- limpar facas a 160rs. cadaom.
Vinbn do Porto cm ancoras ;om 70gcrrafas
a aooooii.
I Vinlins de Lisboa e Figueira qualidades inag-
nificas a :{>i!00. 35i 0 e gfH O a c.-.nada,
Vinlio dn Pono em pipa y :j eG^noo a ranada.
Vinlio branco de Lisboa e Porto em aeras,
barris e pipas a iOOfie 5)im) a caada.
Vinagre de Lisboa a I 600 e SuOO a cana-
lla.
Vinaarcem garraes por 1; 00 com o gar-
rafao.
Vinagre em ancoras para I ;f500 ';om a ancwa
de 9 caadas.
9 200
3*300
Vassouras american
i". : sda r-ma.
O BAL
100
600
500
320
llanos com 25 envelopes grandes azula-
do a..............................
Varas de fita preta com clcheles a. .'.'.'.'
Frascos de macaca perola muito superior
Caixas com peonas grandes'a.........
Grosas de botes para calca preta, miudos
Libras de memento da rnupa de lavar a..
Carriteis de relroz de lodas as cores c
lem moja-ojia va de retroz .........
varas do bicos do dilTcrentes larguras a
15000
100
ion
200
200
iOO
Potassa la Rnssla,
da mais superior desembarcada hontom : vnde-
se no escriplorio do Ha noel lanado de Olivcira &
Filho, largo do Corpo Sanio n." 19._____________
Gouima de mandioca.
Vgndese na rua da Madre de Dos n. 38, ar-
oqo m*m-_________________________________
Hueijos de Ninas.
200. Vonde-se na rua N'oya n. 61 defronlo da tilma.
60 cmara mnuicipaL
Vinbo deHordeaux note genero temos grande
porcao c das qualidades melbore.^ que lem
vinjoao ;:;i. ...i ii.-ir.:.|;- em gan;f;s, 'm
ancoras, onj l>airise<| lartobvoqusIvcD-
demos por firocos muilu bailes.
din (i*) rJ> rft) lito rt rfln '^SfeSK
DEOARACAO.
0 BALIZA declara pelo prezento qne
deba de publicar os procos pelos quaes ven-
as suas mercadorias por motivos qne ao
de
respeitavcl publico pouco titerera. Serve
provisoriamente de baze os precos do Pro
lhe OR1IEM OO IH.lo
O BALIZA concede plena liberdade aos
eus amaccis collo/as Clarins, Unioes. mitra-
dos e croados, para que-p"ssam saltar, ber-
ra4% e tudo mais quanto Ibes aprouver, at
a sua segunda ordem.
A AAA&AA,Jk.
i
ILEGVEL
4


Mari* e PerMBrtae --- Segunda letra 3 *e Wetemfcro GK.tiHE 4RNAZEN DE NOLHVDOS
NEM COROAS NEM MITRAS

.
Largo da
^Santa Cruz
n.84.
Esquina
da ra do(
Sebn. 84*
mu
Francisco Jos Fernandos Pires, proprietario do armazem de moltiados denominado
Aurora Brilliante, ao largo da Sania Cruz n. 8i. esquina da ra do Sebo, faz scienle ao
re-speilavel publico desta cidada e do interior, que no sen importante estabelecimente
vender seoipre gneros uovos c de primeira qualidade, c vender a todos pelo mesnio
prego,
*0 completo .orlimento de todos os gneros finos e grossos que coslumam ter outros
estabeleciment' desta ordem se enoonlrarao sempre no armaiem da Aurora Brilhante
e sempre cin grande oscila vontade dos senhores compradores.
O proprietario do armazem Aurora Brilhante pede a todos os senhores e scnoras
que quando tivi'rem demandar suas relacoes a este o seja em carta fechada ou com grande recommendacao a este armazem, cerlos de que
sero tao bem servidos como se viessem pessoalmente.


A Aurora Brilhante troca qualquer um genero que por acaso nao agrade, e recebe
as libias esterlinas a 9*00k, sendo por compra : a tabella de seus gneros sera mudada
todas as semanas.
V
Amendoas confinadas a libra a 800.
Manteiga ingieza llor a 800, 9G0 e 1*1*0.
Di/a uiais abaixo a 'iO e 720 rs.
Uita franceza nova libra 'iO e em barril a
SO e (iUO rs.
Chocolate sanie muito novo a 13200 a libra.
th perola o melhor que ha ( redondo) a
libra a 35200 e 25800.
Dito dito mais abauo a 25oO e 258IH).
Dito uxim muito lino a 23800 e 33
Dito hysson superior a 2J6O0 o 23800.
hito mais ab^iio a 23 e 23500.
Dito preto muito fino a 23500.
bito em massos a 23.
Dito do Bio em latas de i, 2 e 1 libra a
153011.
Caf de Moca superior arroba IMwOO e libra
300 e 280 rs.
Ditodo Bij e do Cear arroba 83500 e libra
320 rs.
IMio mais abaixo arroba 85 e libra 260 rs.
Barricas com bolachiuha ingieza nova a
35-
Latas com bolichinha" de soda de .'i libras a
2*500.
Ditas com ditas sortidas de 2 libras a 15100
Frascos com ameixas fraucezas a 1*000,
25800 e 33.
Utas coinditas a 15'i00,25200 o 4$.
Dilas com lig-is de comadre a 15300.
Caiiinlia co.11 ditos muito uovos.
Presunto de Lamego muito novo a libra o 0
rs. inteiro e a retalho 600 rs.
Cinturicas e paios uovos a libia liO rs.
Ditas cun ervilbas fraucezas e portuguez
a 800 rs.
Ditas com massa de tomate novo libra J'liO
rs. e em oarril a 500 rs.
Ditas com ostras a 720 rs.
Ditas com raarmelada dos melliores autores
de Lisboa a libra 640 o 720.
Potes com musturJa franceza preparada a
libra 4H0 rs,
Dita dita ingieza a 80(1 IV
Queijos novos do vapor tfftM c 25800.
Ditos de prato implicado a 1&.
Dito suisso a 1*00 rs.
Ditn de manteiga .!>' Serid a 00 rs
Caroe e linguica do sertio.
Duzia de graxa latas grandes a 13-
Caixa* com 2.* massos de velas de sperma-
cete a 560 rs. a libra. .
Ditas maiores a 000, 640 e 720 rs. a libra.
Canas com rtnia arroba de velas de Araca-
tv 195300 o libra 400 rs.
Ditas de eomposico arroba 105 c libra 360
ris.
Saceos grandes eorn farinha de Goianna mui-
to boa a |5500.
Ditos com milio novo com 24 cofas a 35500.
ito com farello de Lisboa a 55500 e 120
a libras
Dito com arroz de casca a SjOOO.
Duzia ac garrafas de cerveja branca e preta
a 55500 c eui barricas a 33000.
Arroz do Marauho em saceos arroba 25600
23400 e libra 100 e 80 rs.
Dilo da India e Java arroba 35 8 libra 120.
Araruta* v'erdadeira arroba 85 e libra 320
rs., mataraua.
(iomma do Aracaty para engommar arroba
55 e. libra 160 rs.
Farinha do Maranhao nova libra 320 rs.
Ervilbas seccas muito novas libra 200 rs.
Sag e sevadmha a 240 rs.
Sevada arroba 35200 e libra 120 rs.
Grax de boiao i>7 a 280 rs.
Sabio massa a 200, 240 e 280 rs. a libra.
Dito hespanhol verdadeiro a 400 rs. a libra.
Balaios do Porto de diversos (amanaos de 330
a 25.
Capachos para portas de varias cores a 600,
700 e 800 rs.
Grao de bico arre a 45500 e libra 160 r>.
Painco arroba 55500 e libra 200 rs.
M1II10 alpUta arroba 43800 e libra 160 rs.
Azeile doce de Lisboa garrafa a 640 rs.
Vinagre de Lisboa caada 13500 e garrafa
200. 240 o 320 rs.
Massos de palitos de denles com 20 massi-
nhos a 160 rs.
Tijolos de limpar f;.eas a 160 e 120 rs.
Resmas de papel almaco paulado a 43500.
I Dito greve liso o melhor que ha a 45500.
Dito de peso e pautado a 2;500 e 25800.
Garrafoes "com 25 o 15 garrafas de veida-
Hollanda por 85500 o
carrapato
Caixas com passas novas nc I arroba 73,; dona geoebra de
m ia 35500 C quarto 23 e libra 480 rs. 6300* rs.
Amendoas com casca a libra 840 rs. e ano- Azeile de coco garrafa 560 rs. c
ha O. 300 e ranada 25560.
Nozes libra 160 e ai roba 33 ICaiiSes com doce de goiaba a 640, 800 e
Charutos tinos de Simas, e dos melliores fa-i
A
::-i .1 85 caixas de
alitos do gaz a 500
bricaniesda Babia
100 e 50.
Groza? de eaixinhas di
c 800 rs. a duzia.
Barris com azeitonas n ivas a 1520o e 25
barris grandes.
Vassooras do Porlo piassava muito seguras a
400 rs.
Azeite doce franco/, dos melliores fabrican-
tes, caixa 105 e a garrafa 13.
Caixas com vinho Borouax branco e tinto.
Vinho do -Porto (Ido em barris de5 que ra-
ras vez,-s apparecc por 803 e em caada
a 53500 e garrafa a 800 rs.
Dito de Figueira puro ranada -3 c 45500 c
parrara a 480 e 560 rs.
Dito de Lisboa de boas mareas a 33500 e
43 e a garrafa a 440 e 480 rs.
Cognac verdadeiro a garrafa 15 e 13280.
Vinho moscatel duzia 105 o garrafa 15,
Vinho branco de. muito boa qualidade cana-
da 43 e garrafa 480 rs.
Dito Xerez lino caada 73300 e garrafa a
13200.
Dilo Madvira secca agarrafa 15000 e 25-
Dito en caixas de urna duzia do Pollo dos
mclhores autores a 125, 143 c 165.
Garrafas com li <'<: 600 francez a 15. 152011
e 13600.
Ditas eorn vinho do caj muito claro a 15-
Dilas com mel de abulha puro a 1-3.
Toucinho de Lisboa arroba 03'iOO e libra
320 r>.
!)io de Santos arroba 63 e libra 280 rs.
Mullios com grandes ceblas a 15600.
Cont de dita -olla a 15600.
Mauncos de albos a 12o rs.
Curdas de pastar e de andamie.
Favas da Iba de S. Miguel arroba 33200 e
libra 120 rs.
Copos lapidados tiara agua e vinho a 33500,
3800, 65 e 73-
Ditos lisos para varios precos.
Calix lapidados grandes e pequeos duzia
3, 4 e 35 ; e 400 e 500 rs. cada um.
Massas para sopa macarras, talbarim e ale- '
tria a 400 rs.
Estrelinhn e pevide libra 640 rs.
Xaropc de ftuclas nacionaes a garrafa 600
ris.
Harrasquinlip -de Zara da melhor qualidade
a garrafa 13200 e 800 rs.
Esleirs de tranca, cenloa 205 e 240 cada
nina.
Queijos de qnlha botos, arroba i65 e libra
a 560.
Duzia de cbampanha superior a 205,p 25 a
garrafa.
Garrafoes vazios a 13600.
Massa branca para sepa a 320 rs.
Frascos com anilinas em coacervas a 800
ris.
Fraseo- com genebra de Hollanda de 2 gar- Duzia de cartas (mas para jogar a 33.
rafas a 13 Sabo hespanhol verdadeiro-libra 400.
Saceos com fmjao mulatinho novo a 103-
Latas com favas j preparadas a 800 rs.
Sevadinha para sopa a 240 rs.
Garrafas com scale! c setubal a 800 rs.
Dilo de urna garrafa a 560 rs.
Dito de (araoja verdadeira a 13200.
Potes com mostarda preparada a 320 0 '00 rs.
Cairas com 2 arrobas de batatas a 23300.
Vinho branco de Lisboa proprio para missa
a 45800 a caada e 640 rs. a ganafa.
Espirito de vinho a 100 rs. a garrafa.
Duas redes minio bem feilas para dormir
vindas de Sobral a 305 cada urna.
Sag novo a 400 rs.
Ilreu arroba 85500 e libra 320 rs.
Latas com 27 garrafas de gaz a 113. a gar-
rafa 500 r.~,
"t-' 12 oulroM Musito* g'euertos de primeira qualidade que nao
fe possivel uieucloma-los.
A satisfarn da Aurora Brilhante vender muito, embnra barato, mas DIN'HEIKO,
'baten'do cinco*por cento a quem comprar de 1005000 para tima.
o

CrlK.tSlIE
DE
.
Ktl DO IHIPERADOR IV. 40
JhbIo ao sebeado em Ijtte mora o Sr. Qsborne,
NOVA EXPSITO DE GNEROS

NO
ARMAZE9I
PRINCIPAL
DE
IN\Wfc k.Ml^


Duare Alutelda t C, receberam de sua proprla eu ! da o nal liado e variado soHImenlo de motnados- proprlo
da presente estaco.
Manteiga ingieza Macas brancas
da safra nova vinda ueste vapor de 28 de para sopa a raeihor que se pode desejar,
m^io a 800 rs. a libra. macarrSo, talharim e aleiria a 400 rs. a
Hanteiga franceza libra e *S00 a caixa.
da safra nova a 560 rs. alibi, e em barril ViullO
a 500 rs.
\. O RA 1IO MIESl'O m. o
Esqu qae volla para a ru* do lutperxdor
provavel que nao seja bem aceita a verdade, quando a boa f de todos anda
; illudida por esta epidetnia de nauzeaticos annuncios de cornetas, tambores, coras mi-
! tras, etc., que todo o da encliwn as paginas deste jornal.
ALICIA
Os annancianles nao tem era vista senao garantirem ao espeiUuel publico a
palavra de honra, vendendo com o lucro suficiente para suas subsistencias e nSo nara
sil*
para suas subsistencias eno mu
assentarem fortunas a rorea da regra de liga como outros annunciantes deste genero
MKA TOMOS
No armazem principal vende-ye a todos pelos precos marcados na seguinte la-
bella, mas nao se vende por todo o preco fazendo-se peso de arroba bespanhola, gacan-
te-se as qualidades dos gneros trocando-se todo aquelle
a
Amendoas
confeitailas de lindissimas cores a 800 rs.
libra.
Ameixas
em frascos de vidro com Z libras liquido a
20400, muito propios para mimos,
Gartoes
com bolos france/.es a 500 rs. cada um.
Latas
com bolaciiitibas de soda de todas as qua-
lidades a 16300.
Chocolates
de todas as qualidades a 1^000 a libra.
Presuntos inglezes
dos melbures fabricantes a 800 rs., tambem
temos veltios para 500 rs.
Queijos flamengos
jehegados neste ultimo vapor a 26oo.
Qucjos I
! chegado.s no ultimo vapor a 2*600 cada um. cai
nelio
ondrino o mais fresco que se pode esperar
c 'de excellaute maree a 800 rs. a libra
sendo inteiro e a 900 rs, a retallo.
Conservas inglezs
I as mais novas que se pode esperar a 760 rs. j
o frasco.
Figos
em libras e eaixinhas ricamente
I c 1.5-200.
Cha uxim
o melhor que se pode desejar, que oulro
qualquer nio pode vender por menos de
U a 2#6QO.
.Figueira JA Aeoutras militas marcas acre- comprador. T "agrado du
ditadas a 800 rs. a garrafa. I Amendoas confeitadas de diversas cores a Lenlilhas muilo novas excelieute legumeua-
Vtm de Lisboa 64o rs. a libra. ra sopa a 2oo rs. a libra.
e de mitras marcas a 400 rs. a garrafa, e dem de casca dura a 24o rs. a libra. Licores francezes de todas as qualidades de
2^800 a caada. j dem de casca mole a 3o rs. a libra. 7oo e 9oo rs. a garrafa.
- .dem do for!o | Ameixas francezas em eaixinhas com lindas M?nteiga ingieza perfeitamente flor a 8oo rs
generosos engarrafado dos melhores fabri- j estampas, a l,2oo e I,oo rs. a libra, desnessesario mais eoios oes-
cante* da cidade 'do Porto a l^e 10200 dem eta frascos de vidro a 1,2oo rs. te genero que s se pode veriiiear cora a
a garrafa enle IOS a 120 a caixa, as mar-; dem em frascos grandes a 2,5oo rs. vista.
cas sao as seguintes: Chamisso AFilhe, -dem em latas de i 7* libra a 4,loo rs. dem franceza a 56o rs. a libia, e aBfcbtfril
F. A M., Nctar ou vinho dos Oeuzes, | Arrea do Maranhao e da India o melhor que ou meios a 5oo rs.
ha neste genero de 8o a loo rs, a libra, e Marmullada do 1." fabricante de Lisboa a 6oo
de 2,5oo a 2,8oo a arroba, rs. a libra, ha latas de i, i l% e 2 libras.
Azeite doce de Lisboa a 6oo rs. a garrafa, e T"
4,8oo rs. a caada,
dem francez e de Lisboa refinado em gar-
rafas brancas a 9oo rs. a garrafa e i0,000
rs. a duzia.
Alfazema muito nova e limpa a 32o rs. :
libia.
Azeitonas muito novas a 2,ooo rs, a anco-
reta.
Alpista limpo a 14o rs. a libra, c 4,4oo rs. a
arroba.
Itolachinhas de Lisboa da fabrica dt Beato
Antonio de diversas qualidades. em latas
de 6 e de 3 libras a 3,ooo e l,5oo rs. a
lata, e 64o rs. a libra,
dem ingieza em latas de 2 c 1|1 libras Prezunto para hambre inglez verdadeiro. ca-
das melhores marcas a l,3oo e 2,2oo rs. ranlindo-se a qualidade, a Toois a lini.
lagrimas do Douro e outros muito?.
Latas
com 10 libias de banba a 45O0;>.
Bolachnha ingieza
a l(800 a barrica damesmaque
vendem a 2^000 e 20u.
Nozes
as mais novas do mercado a 120r* .41
Cervejas
dos melhores fabricantesje de todas as mai
bra.
CHARUTOS
Charutos Thom Pinto,. Res e outros em
meias eaixinhas a 1^500.
Arroz
do Maranhao a 100 rs. a libra, e da india
a 80 rs. a libra, e 2500 a 30000 a ar-
roba desses que vendem por 80400.
CAF
i de 1.a e 2.* sorte do Mi de Janeiro a S.$5f
douradas, 1 e 8,5800 a arroba, e 280 a 300 rs. a lib,
proprias para mimos a 900 c I 200.
1/,
ogarrafao.
GEXEBRA DE LARAX.i;
verdadeira a 1^000 o frasco.
Maca de tomate em latas de urna e duas li-
bras, a 600 rs. a libra.
dem para sopa estrellinla, pevide, rodilla,
etc. a 3.5oo rs. a caixa e 56o rs. a libra.
Macarrao. talharim e aletria a loo rs. a li-
bra.
Ifostarda franceza preparada a 4oo rs. o fias-
co.
dem ingieza em p a 64o rs. o frasco.
Molho inglez em garrafinlias com rolla de
vidro a 64o rs. cada urna.
Marrasclino verdadeiro de Zara a l,ooo rs.
a garrafa, e lo.ooo rs. a duzia.
Nozes muito novas a 16o rs. a.libra.
Ostras preparadas em latas a 700 rs. a lata.
com 4 'i garrafas com vinagre a 1O0M
a lata.
I Banba de porco refinada a 4oo rs. a libra e
em barril a 36o rs.
Batatas em caixas de 2 e de '1 arrobas a
l.loo rs. a arroba.
Champagne das melliores marcas a .204)00
.rs. o gigo, l,8oo rs. a
as ineias garrafas.
Cli.'i uxim o melhor possivel a 2,7oo rs. a li-
ideua perola
especial qualidade a 2^700 rs. a libra
dem hysson \
o mais aromtico que tem viudo ao jnnsso
mercado a 21600.
Massas amarellas
para sopa, macarrao, talharim e alexia a
480 re. a libra.
COHAC
o muito afamado cognac Pal Brandy a 1.800
r
i a caixa.
1
em frasqueiras
12 frascos.
DEM
de Hollanda
ede 11,8000 bra.
dem perola qualidade especial a 2,7oo rs.
a lora.
5800 con dem hyssoR o mejbor que la ueste genero
a 2.000. 2,'ioo e 2,6oo rs. a libra.
GENEBRA Mein do Rio em latas de 2 a 8 libras, a l,3oo
de Hollanda verdadeira em frasqueira a 600, rs. a libra.
rs. cada urna. 'dem preto homeopathico2,ooo rs. a libra.
PALITOS Cerveja dasmelliores marcas a 6,000 rs. a du- j Sardinbas de Lisboa e de Nanles a 6oe
os verdadeiros palitos do gaz a 2,2o-1 a groza, zia, e 56 rs. a garrafa. a mea |al1) e 40 rs 0 qUar|0
c2ors. cada caixinha. 1 Chocolate francez, suisso e hespanhol ajsag muito novo eaboaMo rs'a libra
Passas novas de carnada a 4oo rs. a libra, e
6,5oo rs. a caixa.
Peixe em latas hermticamente fechadas dos
seguintes qualidades, sabel, corvina, go-
rz, cavallinha e pescada a l.ooo rs. la-
ta.
garrafa, e 9oo rs. palitos para denles lidiadas a 14o rs. o ma-
go de 20 inacinlios.
dem do "gaz a oors..a duzia, e 2,loo rs.
a groza.
Painco muio novo a 16o rs. a libra, c 4,5oo
rs. a arroba.
Queijos flamengos do ultimo vapor.
dem pialo muito fresco a 800 rs. a*libra, e
sendo inteiro a 72o rs.
Sal relinado etn pples de vidro a 'oo rs. ca-
da um.
rs.
LICORES
1.000. 1,2oo e 1.4oo rs. a libra.
s. a garrafa e de outras umitas qualida- fmos de todas as qualidades, a io.ooo a caixa Charutos do afamado fabricante Jos Furia sevada a ii
des a 1 000 e 800 rs a garrafa. com urna duzia e a l.ooo a garrafa. do de Simas e outros da Babia como se- Toucinho c
COI* lfnrrnelflfll jam Ue2alia- Trovadores, Guanatfaras, De- Tijolos par,
VttSTiSXL um00 rs-a *! ?s- S= de **.rse- S 'Sta l'*00' 2'000j 3'0 e
jam Abren e outros muitos a 600 rs. a CtlllSei.vas inlozas a 750 rs. 0 frasco.
PAPEL
almaco, greve, peso c de outras multas qua-
lidades de 2,2oo. a 4,Soo a resma do me-
Ihor.
Papel de botlea
libra.
Pregunto
o verdadeiro preznnto de Lamego a
a libra.
ABBOZ
.'iio rs.
Cognac
de excellente qualidade a 2^200 a resma, | Maranhao, Java e India, a loo re.
PAPEL de 3,ooo, a 3,2oo rs. a arroba,
azul e pardo para embrullo de 1,4oo a 2,2oo VELAS
rs. a resma.
Corinthias
dem franceza surtidas ou de urna s quali-
dade de cada frasco a 5oo rs.
inglez e francez a 1,00o rs. a garra-
fa, c lo.ooo rs. a duzia.
Cominho e erva-doce a 4oo rs. a libra.
Cravo da India a 600 rs. a libra.
Canela a 1,00o rs. a libra.
Copos finos para agua e vinho a 4.800,
de espermacete de diversas marcas a 36o re. i 5'000 5-:'00 rs- a dlizia- e 00 rs- cada
a libra o
a libra e ern caixa ter.i abatimento.
PalS H^^H'f n,!VaS PrPriaS 1>ara i d waoba em ca^xas'^de. arroba a 9,300 1
podim a 800 rs. a libra.
Fumo
o verdadeiro fumo americano em chapa
l,4oo rs. a libra
Vinagre
PRRem ancorlas de 9 caadas a 10,000 rs.
cada urna.
Cebollas
as mais novas do mercado a 7>Q0a rs. a caixa I
caixa e 34o rs. a libra.
Hatafas novas
a em caixas de 2 arroBas a :>i a caixa e
a libra.
Passas nitrito nuvas
l em quartos e meteos a 2i5 o quarto e
, a caixa e 400 rs. a libra,
liO rs.
um.
Caf do Bio superior 28o e 3qo rs. a libra,
e 8,000 a 9,000 rs. a arroba.
dem to Cear a 26o, 28o e 3oo rs. a libra,
e 8,000 a 8.lino rs. a arroba.
Doce de goiaba a 6oo rs. o caixo.
Ervilbas portuguezas em latas, chegadas l-
timamente a 7oo rs. a lata.-
Idem seccas a 16o rs. a libra.
dem j descascadas a 2oo rs. a libra.
Farinha de aramia verdadeira a 32o rs. a
libra.
Chocolate
portuguez o mais especial que se' pode de- i,
sejar a 800 rs. a libra e 140 rs. o pao. F,gs em eaixinhas bem enfeitadas a 9oo rs.
Frota em ealda : cada urna.
Grana nova a too rs. a lata, Moors. a
duzia.
VATIVO
23Largo do Terco83.
e l,ooo rs. o moli.
Alnieta a Paitir.n degatlas ltimamente, pera, pecego, ginja e
LipiMd V rdlllVO outros muitos a 640 re. a lata,
o mais novo do mercado a 140 rs. a libra, Dsce da easca da guiaba
e 40400 a arroba. -a 600 e 1 o caixe.
Os proprietarios do grande armazem o Verdadeiro Principal deelaram aos seus "em cm w^ a 4.00 ^ cada "ma* ,
freguezes e amigos e ao publico em geral, que para facilitar a commodidade de todos es-'Wem om f^rraiocs de Ib garraias a 4,8oo
tipularam os mesmos precos nos seguintes lugares:
Iniao e Gommercio roa do Queima^o o. 7
0 Verdadeiro Principal ra do Imperador n. 40
Genebra de Hollanda em frasqueiras de-12
frascos a -S,8oo r^., e SGo rs. o frasco.
dem idem de 3 caadas a 7,2oo rs. cada um.
Sardinha do Franca a 18o rs. a libra,
oo rs. a libra.
de Lisboa a 24o e 3oors. a libra.
Tijolos para limpar lacas a loo rs. cada um.
Vinho em pipa, Porto, Lisboa e Figueira das
marcas menos condecidas a 4oo rs. a gar-
rafa, ea 2,8oo rs. a caada.
dem Figueira expecialmei.te escolhido neste
lugar a 6oors. agarrafa, c 4,5oo acnnada.
dem Lavrad o. Colares muito fresco em
eomposico a 6oors agarrafa, e 4,5o re. a
caada.
dem Lisboa cm ancoras com 9 caadas mar-
ca especial a22,ooo rs. a ancora.
dem branco uva pura a 56o rs. a garrafa,
ea 4,5oo a caada.
dem Porto fino em pipa a 56o is. a garra-
fa.
dem engarrafados generosos, Lagrimas do
Douro, Duque do Porto, D. Luiz I. D. Pe-
dro V, Nctar, vell.o secco, Malvazia, 6
genuino particular de Oooal^oers. a gar-
rafa e a lo,oou rs. a caixa com urna duzia.
dem Madeirapegitimo a l,2oo rs. a garrafa,
ea 12,ooo re. a duzia.
dem Muscatel a looo rs. a garrafa.
dem Bordeaos dos acreditadas marcas St.
Julien St. Esteph, chieau la Ro/e.chatau
Margoux e outros a 6,ooo rs, a caixa e 54o
rs. a garrafa.
Vermouth a melhor bebida estomacal a 2,000
rs. a garrafa.
Vinagre de Lisboa a 2oo rs. a garrafa e l,4oo
rs. a caada,
dem em garrafoes com ti garrafas a l.ooo rs.
Vassouras do Porto com arcos de ferro a 32o
rs. cada urna.
FRUCTAS
nuil, peras i; uva
ebegadas Beste ultimo vapor, vende-se nos seguintes lugares: Ra do Imperador n.
40, Verdadeiro PrincipalRa do Queimado n. 1, Uniao e Commercio.
dem ingieza em garrafas brancas bordadas dem de escoras para lavar casa a 36o rs.
cada tima.
Vellas de espermaceie superiores a 6ors.
a libra, e sendo em caixa a 5o rs.
dem de carnauba refinada c de eomposico
a 36o rs. a libra, e lo,ooo o 1 l.ooo rs. a
arroba.
com rolha de vidro. qualidade superior
a l.ooo fc>. a garrafa.
dem de laranja verdadeira a 1,000 rs. o fras-
ca, e H,ooo a fiasqueiras de 12 frascos.
Kirsch Wasser excellente bebida Suissa a
1.800 rs. a garrafa.
wn n >oaz ' Joatjuim Simo dos Sanios, dono de.-tc bem sorlido armazem de inolhados denominado Con
* lativo do larc" do Terco n. 23 sciuatilica ao n-speitawl publico r a todos em eral que maneen
i>iLvonliaiii .teste eslabeienimeolo liara melhiir se sertilicarem da diir.inuico de presos qae obtem
iiiBe, o que nao obtero se comprarem em ouiro ijualquer, pelo que se responsabelisa a servir qual
c'itr comprador com a maior presteza e fldelidade, sem que haja a menor alteragao. Todo o compra-
or que comprar de 100 para cima ier o descont de 5 a 10 por cento polo seu prompto pagamento
Atteucilp.
?i.i 1 lias a- mais novjis a 40 rs.. a libra e 1^200 a ar-
Toucinho de Lisboa a 280 rs. a libra e 808DQ a ar-
rjba.
Cae de primeira e segunda sorte a 240,26, 280 e
U00 rs. a libra.
Arroz do M.ranltao e Java a 100, 70 e 80rs. a li-
bra a 2200 a arroba.
J hoSphros do gaz a ti a groza c 180 rs. o maro.
f'astn de carnada a '-'- 6*300.
liachiobas inglezs novas a 240 rs. a libra.
fcs amarcllo massa a 100,200 c 240 rs. a libra.
V'.'Ude carnauba .Vracaty composijo a 360 c 400
Coa bysson miudinlio e perola a 2&000 25500 e
2*800.
Milho alpista e painco muito novo a 160 rs. a libra.
Uiscoltos e bolachas de soda a 1*300 c 2
Araruta das melhores marcas a 1*, 2*, 3*, 4*, e
4*500 a caixa.
Charutos era macos contando 50 por 640 rs. o cento
Azeite doce de Lisboa lino a .640 rs. a garrafa.
Dito de carrapato a 480 rs. a garrafa, o 2*000 a
arroba.
Vinho de Fipgeira o Lisboa das meiliorcs marcas a
320, 400, SOO. S6, 640 c 800 rs. a garrafa, este
ultimo -lo Porto proprio para os doentes por
ser purificadoc rcconunpndadi para estefim.
es. a libra. Queijos do .ultimo vapor a 2* e 1*700.
Ameinas frncera com 1 e raeia libras a i*. Manteiga ingieza flor a 1* a libra, e a 9o0 rs. em
hia de tmalo da melhor qualidade a 600 r*. a barril.
jiljr lib-m menob r-perior de im a 800 rs. a libra,
^irmelada V melhores fabricantes a GiO r-. a ld^m .IrAurefa do ultimo na*io a W a libra,
,*^^ :^ra em barril >c (.;r;i atiiinonto.
-,ouric*s a> mai-ucvasa60rs. a libra, e em Gomma dr..ihr.i- aha a 160 rs. a libra o a '**300 a
r.;! par 12*. arrok.
.tfm fte.* genero1 aontro* in-.ii'- !nc enfadwli. sena mcneiooa-los.
GRAVGEIASantiblennorrhagicasde1^
.INT..do H0SP; VENREOS D9^ljS^^:PRMlQ}t854
Suppriores elodaj ai preparatOes cor.Secidas al huj cunira s Osaorrbeaa e Blennorrhaelas js la ala !::ler.Mse leba di -
Kirelio asgjro prompia, aem nausean,xiam Clicas, era tremor. tacelB a loi^ar cu errelo .<.. Ufana.
Injecco curativa e preservativa
Infalllwal, cura com rapiJe tem isra o mcorrimer.loa coniaioao d ambos spjo?. Floral braucaa. Aisinnga-.le
talsanica im cajiticidiit. fortiUca os Usumeoloa 09 preserva de ejoaiquac alip-acd". PARS. 5. n.- j M*r;.rS'-H,%eri.
Deposito geral era Pernambuce ra da Cruz n. 22 de emcasaCaros 4 Barboza.
^33;'ft.g.=: = >
2 T5 o
' ~* R"!
O v re-
C M 5
DO 5

z ^ ^ C- 3 S' S" fi
O.OJ v. 3 w w n u
>S" a ~JS o fi
C.CB
&. V.
* S. 3 s,
g-e.2 S Wv
c
w 5 n -
C10O
-i < tp 3
K^g-c?'
o
a 3
" 2
s" O" E
9

-
/ii t
Superior (Mil de Lisboa. \A [te'Vo 1 attengt l Henea
Sende-sc superior cal de Lisboa a mais nova me' }i ende-se um sitio na povoacan do Moniein*. es-
la no mercado Unto em porcao como a retalho, tra,*a que vai para o Arraial, denominad.i Ladeira i p> g
1 dita de jamar,' Ej g 2.
D.-I 2
a
c
g
B 2 ; -
3-8. <=*
O -
4S
por barato prego afiancando-se aos compradores a fos Mudos, com 2 salas de frente,
superior qualidade : a tratar as seeuKes. ras : quartos, cozmia c copiar d I
qualidade : a tratar as segrales.
Crespo n. 7,1-npera lor n. 28, Forte do ifatto ar<
raazera do Sr. Villa defronie do trapicho do al-
godao.
Mn
lado, lendn mais
urnas .pequeas casinhas ao lado para hospedes, e
~ sitio cora bastantes fructeiras : quem pretender.
pode dirigir-sc ra do Filar n. 17, (no achara
i con iiuem tratar.
S K
o=o.
u. ai O
Mi
i
I O .Q
sis
- c
51'
ti
f
w
Vende-se a casa terrea da ra do Progresso i
n.21 (no Caminho Novo) tem nm portao aolado!
queda entrada para o quintal, no qual existe ci-,
Salitre refinado, superior qualidade, vinho Bor- co pequeas mei aguas, rende ludo 480*. e en-1
deaux, differeates qualidade, mais tarafo que cm de-se barato por seu proprietario ter de-retirar-se'
ualqiwr .parte : no armazn) dcE. A. Surle & para fra da provincia : a tratar na roa do Qnci-1
ra da Cruz n. 48. ma*; a. 77. I
i*
C
es
c
B
GAZ GAZ GAZ
Vende-se gaz de primeira qoaliibde a
ii> a lata : nos anaaiens da ra do Im-
perador n. i 6 e roa do trapiche Novo n. 8.
Machinas para descarocar
algodfto dos mais acreditados
fabricauts: na fundieo do
Bowraan, rna o Bmm n. 38.
EnMtm aGaribaidi.
A toja da Aurr.ry, na rna larpa do Bosario a. 58
receben ricoswifeitesa Garibaldi dos mais moder-
nos que lera chrjrado a este mercado, para senho-
ras e meninas; lanthem recnhouaraivgas 4e lind,
de caracol, brancas e de edres^pegas com 10 varas
a 140 rs. cada ama, miuto fw^pria para enleiur
veslidos, assim como tero um rande sorlimento du
miudatas a mal vende barato.
umm
O sitio de Santo Amam que id irlo finado Ma-
^a*a de -tijolo veiro e arvores fructferas : na roa
mero 43.

Augusta eu-
.
>. + _~-

ILEGIVEL
r

a,,. ..
i


m .....'
wpmm
''
\
Blarlo 4e Per i o o Segimrfa !ra 90 4e teeoibro 4e 1S*
atli
&0 PUBLICO
Scm o menor eoustran-
inaento se eutre^ara o
Importe do genero que
uo agradar.
ATTENCaO
O presos da seguate
tabella para todos, po-
dendo asslm servir de ba-
se para o ajuste de contas
coin os portadores.
ARMAZ
RIJA III AIEEA 1IO REIFE tf. S3.
Logo pas.san.Jo o arco da fonceieae)
brande reducco de precos, equivalente a dez por cento menos uio que outro qualquer
annuneiante.
Collegas.Nao posso por mais tcmpo sustentar o prev da manteiga ingleza a l,ooor8. a libra, bem assim o de oulros!
amitos objectos, etc., dando eom isio ocaslo a todas as espeluncas acaharem porbom preco a manteiga de tempero, e gritaren) em
alta voz, que podera vender pelo preco que eu vendo 111 Ora, eu offendido eom estas obscuridades e receloso em adoptar o mesmo
systbema que vim encontrar, de so se vender eom um por cento a carola, resolv fazer esla glande reduccTio de precos, como veris
yola seguinte tabella, pois como sabis ca pelo meu bairro, at a abertuia do momoravel armazem de molhados Unio Mercantil nao
.se sabia de outro preco de manteiga ingleza a nao ser o de l,4oo a l.Goo rs. a libra. Hoje porem, resentidos da reducco a que
esto obligados, encarando todos os dias de seus fregue/.es reclamaciio de precos, e qualidades, vingam-se de um eoutro portadores
aj informado de t3o smente obter a concorrencia de seus freguezes.
Para bem de todos.
Manteiga ingleza (safra nova) especialmente
escolhida a 8oe rs. a libra, em barril se
faz abaiimento.
dem franceza a mais nova que tem vindo ao
mercado a 5to rs. a libra, e em barril ou
me os a ooo rs.
Cha hysson de superior qualidade a 2,6oo rs.
a libra*
dem potla o mais superior do mercado a
2,800 rs.
dem huxiin o melbor que se pode desejar
nosle genero 2, Ideo preto homeopatliico por ser de superior
'malidade a i.ooo rs. a libra.
dem hysson, huxim e i>ero!a mais proprio
para negocio o 1,600, 1,800 e 2,ooe rs. a
libra, garante-se ser muito regu ar, igual
ao que se vendo emoutra parte por 2,4oo
c2,t$oo rs.
Linguicas, chouricas e paios em latas de 8
libras, ernieticamente lacradas a >.5o rs.
jarante-se serem superiores aos que ven
en barris.
Chouricas e paios em barris de meia e urna
arroba a 8,000rs. c 1,000 e Goo rs. a libra.
Quijoe llamengos muito frescos chegados
neste ultimo vapor a 2,2oo rs. e do vapor
passado a 1,tk>o e 1,800 rs.
dem loudiinos os mais superiores que lem
rindo ao mercado a 800 rs. a libra entei-
10 se faz abaiimento.
dem prato muito fresco a 8oo rs. a libra.
Mein do Alentejo o que se pode desejar de
fresco c superior a 800 rs. a libra, a ellos
antes que se acaben.
Emilias e favas porluguezas em latas ja pre-
paradas a tio rs.
Marmelada impe' ial dos mais acreditados fa-1
bricantes de Lisboa a 600 rs. a libra.
Prezunlo do ruino vindos de casa particular
a 5o rs. a libra, e a Son rs. inteiro.
dem intfle/.as para fiambre chegado oeste
vapor 72o rs a libra.
Copos lapidados para a gua a 0,000 e 5,5oo a
duzia,
Choculate francez, suisso o hcspanol a Ooo
1,000 c l,oo rs. a libra.
Esperinacete em caixinbas contando G libras
por \,o> 10 rs., ararante-se serem transpa-
rente e 'le superior quaiMade, tambemtem
de 12 por libra prnpria para carro
Peixe em p da, salmao, ostras echemee, vezugo em
latas grandes a 800 e I non rs. cada urna, j
Vinho Hordeaux das marcas mais acredita-
das q ic tem viudo ao nosso mercado a
6,000, 7,000 e 8,000 rs. a caixa, garante-i
rs. e em barricas de i duzias se faz abaii-
mento.
Caf do Rio a 26o e 28o rs. a libra, e 7.8oo
e 8.000 rs. a arroba.
dem lavado de primeira qualidade a Goo rs.
a libra, e 9, dem do Cear de superior qualidade a 2lo
e 28o rs. a libra, o 7,8oo a 8,000 rs. a
arroba.
Arroz do Maranhao a loo rs. a libra, e 3,ooo
rs. a arroba.
dem da India muito alvoegraudoa loo rs. a
libra, c 3,ooo rs. a arroba.
dem de Java a 80 rs. a libra, e 2,2oo rs.
a arroba.
Painco e alpista a I4o rs. a libra, o 4,3oo
rs. a arroba.
Massa de tomate em latas de 1 e 2 libras a
600 rs. e Je barril muito superior a iioo
rs. a libra.
Aletria, macarrao e talharim y loo rs. a li-
bra, e 9,ooo rs. a caixa.
dem e talherim branco a 32o rs. a libra,
estas massas tornam-se recomendaveis as
pessoas doentes por serem propriamente
feitas para esse lim.
Estearinas a iGo rs. a libra, e em caixa eom
25 libras a 52o rs.
Vinho do Porto muito fino exeellente qua-
lidade proprio para engarrafar em ancore-
tas eom 9 caadas por iS.ooo rs.
Antonio de Lisboa em latas eom 6 libras
por 2,5oo; ditas doce em latas eom o mes-
rao peso a 2,5oo; ditas imperiaes em latas
de 3 libras por 1,000 rs.
Ameixas francezas em latas de 1 e meia libra
porl,2op; ditas em caixinbas de. deversos
tamanbps eom bonitas escampas na caixa
exteriora l,2oo, l,5oo, e l,8oors.
Azeite doce refinado 'enanol ou do Kempes
de Lisboa a 83o rs a garrafa o 9y5oo a
caixa eom urna duzia.
Batatas muito novas a 5o rs. a libra e 2,ooo a
caixa eom. 2 arrobas.
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e
8..'do a duzia.
Vassouras de escova para esfregar casa a 32o
Nozes muito novas a 16o rs. a libra.
Momo inglez em, garrafa de vidro eom
rolda do mesmo a 5oo rs.
Mostarda inglesa dos melbores fabricantes a
800 rs. o frasco.
Mostarda franceza em potos ja preparada
a 4oo rs.
LentHhas exeellente legume para sopa a 2oo
rs. a libra.
Marrasquinoo verdadeiro de Zara em garrafas
grandes a l,ooors. e 11,000 a duzia-
Palitos para denles a l4oe IGors. o maco.
Sal refinado em frasco de vidro eom rolha do
LOJA110 Um FLOR.
Kua do Queimado ns. 63 e 69.
Itoueeas de cuore.
Linda boneras de choro que cjumam papai'e
mama-, de diversos lmannos: s nas lojas jobe.-
ja-llor, ra do Queimado ns. C:i 69.
linas degeHica.
Lavas do pellica branca e de cores para hemen*
l senhoras : nas lojas do beija-flor, ra do oir,
mado ns. 63 e 69. *
Fuellas para cintos.
Lindas fivellas domadas aun lindas pedras nan
nulos : nas lojas do beija-llor, ra do Qi^fma'do
ns. ti e 09.
Capellas para noir3s.
Lindas pellas para nnivas 2,3o00 cada ima
nas^iojas do beija-hV, roa do Qaelmadd ns.M e
Estojes para barba.
Vende-se estofoscom espelho para barba lf0
e 2*ooo cada u,.. ,ias lojas do beija-flor, ra "do
Queimado ns. 63 e 69. '
Balaios para meninas.
Hecebeu-se novo sortimento de balaios, eom
2 "V*"08 !, pelo barato pr. co >W .
\#m ate 43 cada um : nas lojas do beija flr rn
do Queimado ns. 63 e 69.
Fias linas para cintos.
Iiicas lilas linas lavradas de bonitas rres para
c,nI?; : "f8 ll,Jas i1" beija-flwr, ra do QnemaA
n. 63 e 69.
Extractos era caiiins.
nnos exilados em csxhJmw eom o retrato, i*
familia in|*rbl: nas lojas do beija-flor. rus*.
Queimado ns. 63 e 69.
Sabo era caixinbas.
Finos sabfes em caixinhas eom varios relrats '
nas lojas do beija-flor,ra d.p Queimado ns. fi-3 .-. S
Tiras bordadas.
Vendem-se liras bordadas Iransparenfes e ia(>-
rua do Queimado- nv
Araendoas confeitadas de 8oo rs. a libra.
Manteiga ingleza perfeitamente flor, a 8oo rs,
libra,
dem franceza a 56o rs. a libra, e 52o rs.,
sendo em barril.
Cha uxim a 2,7oo rs. a libra, e de 8 libras
para cima a 2,6oo.
dem perola a 2,8oo rs. e de 8 libras para
cima a 2,7oo,
mesmo a uoo rs.
Vinho de pipa Porto, Figueira, e Lisboa a32o, Ceneja branca e preta das marcas mais a-
4oo eoco rs. a garrafa, encanada a 2,5oo, I creditadas que vem ao mercado a5,000 e
3,ooo e 3,8oo rs.
Vinho branco do Lisboa do escellente quali-
dade a 40o e ooo rs. a garrafa, em caada
a .'{.ooo e 3,300 rs.
Vinho branco para missa em caixa de I duzia
a 8.000 e a 08o rs. a garrafa.
Vinho do Porto das melbores marcas, que
vem ao mercado como sejam Lagrimas do
Dnnro, Duque do Porto, DuqueGenuino,
I). Luiz I., Madeira secca, Malvazk) fino,
Fetoria em caixa de 1 duzia de 9,ooo a
1 o,noo rs. e a Ooo e l,ooo a garrafa.
Vinho Colares o mais superior que tem
vindo ao mercado a 64o rs. a garrafa.
Sardinhasde Nantesem quartose meias latas
a 3fio e 56o rs. cada ama.
Sftrdiuhas porluguezas em latas grandes
preparadas pelo melborconserveiro de Lis-
boa a 64o rs.
BDlachinhas inglezas as mais novas do mer-
cado a 2,8oo rs. a barrica, e 24o rs. a
libra.
Bolachinha de soda em latas eom diversas
qualidades a l,3oo rs.
ser de qualidade superior, que outro Dolo francez em caixinbas muito proprias
(ualquer tn pode vender por este prego. para mimo a 64o rs.
Genebra de H-dlanda a 560 rs. o frasco, e
3,7oo rs a frasqaeira.
dem de laranja verdadeira de Aliona em
frascos grandes a I .ooo rs. o frasco, e
H,noors. a duzia.
Uera de HoHanda em botijas grandes a 4oo
Passas muitb novas de carnada a Voo rs. a
libra c 6,ooo rs. a caixa eom 2H libras.
Figos de comadre a 24o rs a libra e
1,8oo rs. a caixa eom 8 libras.
1 kmendoas de casca mole a 32o rs a libra
Holaehinliasd'aL'ua em sal da fahriea do Beato
que
5,500 a duzia e 48o rs. a garrafa.
Sag muito novo e alvo a 2io rs. a libra.
Sevadinha de Franca muito nova a2oors.
Charutos de todos osfabricantes da Bahiaedas
mais acreditadas marcas cnnhecidns no
nosso mercado a 2.ooo, 2,5 3,"ioo e 3,8oo a caixa de loo charutos.
Cognac inglez das melbores marcas a
1,080 rs. a garrafa.
Doce da casca da guiaba.em latas de 4 li-i
Licores francezes e portuguezes das seguin-
tes marcas creme de violeta*, gero/les, ro-
sa, absinto vespeiro, amor perfeio, amen-
dua. amarga, percicot. de Tu*inj Botefim,
morangos, liman, caf, laranja. cidra, gin-
ja, canella, cravo, oriel pnnenta a .ooo
rs. a duzia l,ooo rs. a garrafa, garante-se
que os melhores que temos tido.no mer-
cado.
dem hysson o mais superior que se pode Passas muito novas em quartos e inteiros a
desejar. a 2,6oo e de 8 libras para cima
a2,5oo rs.
dem menos superior a 2,4oo ede 8 libras
para cima a 2,3oors..
dem proprio para negocio a 2,3oo, de 8 li-
bras para cima a 2,2oo.
dem do Rio em latas de 2, 4,6 e 8.libras
cada urna a 2, 3, 3,5oo e 4,8oe rs. a lata.
dem preto o melhor que se pode desejar
neste genero a 2.8oo rs.
Idera menos superior a esse que. se vende
por, 2 e 2,4oo, a 4,8oo rs. a libra,
dem mais baixobom para negocio a l,5oo
rs. a libra.
dem miudinho proprio para negocio a l.oo
rs. a libra.
Queijos do reino chegados neste ultimo va-
por a 2,2oo.
Queijos chegados no ultimo vapor a 2,6oo rs
dem prato es melhores e mais frescos do
mercado a 8oo rs. a libra sendo inteiro.
Genebra marca gato a 1.7oo rs. a garrafa.
Biscoitos em latas de 2 libras das seguintcs
marcas : Osborne, Craknel, Mixed, Victo-
a, Pec-nic, Fancc, Machine eoutras mui-
a l,3ooe l,4oo rs.
i americano em chapa a l,6oors, a
Aratuta-de todas as qualidades.
Batatas novas em caixas de 2 arrobas a 3 a
caixa e 6o rs. a libra-
Balachinha de Craknel em latas de 5 libras
bruto a 4,ooo rs.
bi as por 2,ooo; dito em calxoes a 6oo rs. ]fem iDgley-as em barricas a mais nova do
cada um.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Velas de carnauba de 6 o 12 por libra a
32o rs. a libra eto.ooo rs. a arroba.
Azeite doce de Lisboa a 64o rs. a garrafa
e 4,8oo a cariada.
Banba de pono refinada a loo rs. a libra
e 36o rs. em barril.
Capil de diversas frutas muito frescas a
64o rs. a garrafa.
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a graza.
mercado-a 3,5oo rs, a barrica e 24o rs. a
libra.
Chocolate portuguez o mais especial que se
pode desejar a 8oo rs. a libra o 14o rs. o
pao.
Papel de botica de exeellente qnalidado a
21oors. a resma.
I'otes eom sal retinado a 48o rs. cada um.
Bicos frascos coin li utas francezas em calda
a melhor que se pode desrjar de l,4oo a
3,ooo o fiasco.
Toncinhe de Lisboa muito alto e alvo a Fru(as em cakla c|,epadas ltimamente, pera,
32o rs. a libra e 8,roo a arroba.
Ameixas francezas em latas de 3 libras por
2,ooo. rs.
Cebollas solas a l,4oo o cento ; ditas em
molhos eom cento etantas por l,2oo rs.
Malte exeellente cha para os navegante* a
a 2oo rs. libras.
4GENCIA
rKIOLOW-AOKCOE.E
Ra da Seuzalla nota n. 42.
Neste estabeleciuiento contina a haver
um completo sortimento de OKiendas e metas
moendas para engeuho, machinas de vapor
o tachas de ferro batido e coado, de todos o
tamanhos para ditos.
Arados americanos e machinas para
lavar roapa: em casa de S. P. Johnston & C,
ra da Senzalla Nova n. 42.
ARMAZEM
FI10NTE1R0
DE
.lL.liV.EN C'OUTI3IIO 21Largo do Terco21
Ao publico.
Chouricas muito novas a 64o rs. a libra ; chocolate francez a l,ooo rs. a libra;
* Vinho to Porto superior
dm caixas de urna e rias dozias : tem para ven-
cer Antonio Luiz de Oiiveira AzevedtnSi C, uo seu j ameixas dem ; alpista a 16o rs. a libra, e 4,6oo rs. a arroba; arroz do MaranhSo e da
iscriplorio ra da Cruz n. I.
m
India Je 8o a loo rs. a libra, e em a arroba de 2,6oo e 3,ooo rs. ; azeite doce refinado
a l ,i*X) rs. a garrafa e em porcSo, menos; idem de barris a 64o rs. a garrafa, e em cana-
da a 4.8oo rs. ; banba de poico a 4<>o rs. a libra, e em barril a 36o rs.; batatas muito
novas a 4o rs. a libra, e 1,2o irs. a arroba ; cha perola, hysson, miudinhoa l,8oo, 2,4oo
Billlill. w e 2'^00 rs* a nma ; chai utos des melhores fabricantes da Babia de 2,ooo e 4,ooo rs. ;
Andrade k Reg, receben] constante- S ,erveJa ,)ra,,Ci' e Preta a So rs- a garrafa 5 cravo, canella, cominho e erva-doee, comer-
mente eiem a wndano sen armazem a. vas inglezas em frascos e meios de 5oo a 9oo rs.; cognac inglez superior a l.ooo rs. a
34 da ruado imperador, aigndao d'aquel- ^g garrafa ; eaf de Ia, 2.a e 3.a qualidade de 8,5oo, 9,ooo e 9,5o rs. a arroba ; cevadi-
la fabrica proprio para sarm de smd- J a a ,00 rS- a |j5ra erVilhas porluguezas em latas de i */a libra a 7oo rs. ; spermacete
Sto i^S!' 'ete"' a 6o rs. a libra, e em caixas a 52o rs.; farinha de araruta verdadeira a 2oo h. a libra,
?>l?wx*>aj* *." ^'w^2 e em a arr,,ba a 6,00 n ; Renera de ,aranJa a ,'000 rs- frasco idem ,e Hollanda
UKmHKfll 9MH9 WkMBmWM a 64o rs., e 4oo rs. a botija ; graixa em latas a l,2oo rs. a duzia ; manteiga ingleza per-
Hriavnfns <\p HflVflnfl feila flr a 8o rs a ,ira; it,em france/a a 5Bo w- a libra e en barris a 52o rs-.; maca
\jiim u^ uu unToua de biniate a j;oo n a )ibra marmelada dos melhores fabricantes a 64o rs. a libra ; alo-
de iipenor qualidade venaem-se em casa tria) talhaMrim e macarra a 4oo rs.; marrasquino de Zara verdadeiro a l.ooors. cadafras-
dc Sctiafleithn A C, ra da luz n. i. ^ n()zes muitii neva9 a i00 rS a m,ra passasa 40 rs. a ii>ra painc Blia da Senzal'a 0. 42. mada a 24o rs. a duzia; pimenta do reino a 36o rs. ; papel almaco e de peso do diver-
Vende-se, em casa dS. P Joinston& C, sas marcas; palitos do gaz a 2,oo rs. a gMsa e 2o-rs. a caixinha ; ditos de seguranca
seins e silhoes inglezes, candieiros e ca caesbronzea.los, lonas inglezas, fio de vela, cada um; cevadinha a 2.oo rs. a libra; sardinhas de Nantes de 4oo a 64o rs. a lata; sa-
chicotes para canose mo-taria, arreios para bSo massa muito superi' r a 2oo rs. a libra; toucinho de Lisboa mnito alvo a-3oo-ra. a li-
carros do um e dous cavallos, e rekigios de bra; vinhi do Porto velho engarrafado a 1,5oo ra; idem em barril a 8oo rs. a garraa,
onro patente inglez. sendo ptircao fa/.-se differenga e om caada a 5,ooo rs.; i ---------'|-----''^p- 4(mi rs. a arrafa e 2.8k re: a ranada ; idem -da Figueira J. A. A. a 5oo re. a arrafa e
Yl\ll{i PI \\l\ 3,,1" II"II" I L H" i dem Bordeaux a 56o rs, a garrafa ; idem branco de Lisboa, proi>rio para missa a 5oo rs.
Owgpn afinai o afamada vinho do Cartaeho fem a awaa; vinagre de Lisboa mi'o sojieiior a 2oo rs. a garrafa, e Moo rs a caada;
'amanVVancora'V oda^cevad*. alfa^ma, gaz o lijlo de limpar facas a 14o rs. Presuntos de Lamego a 5oo
po n. 9, armazem Principal,
caadas o a 560 a garrafa.
ea.l.s a.ir rb oulros muilos gneros (wedesnecessario menciona-los.
2,ooo rs o quarto, a 6,5oo a caixa e4oo
rs. a libra,
dem corinthias proprias para podim a 8oo
rs. a libra.
Marmeladas dos mais afamados fabricantes de
Lisboa a 64o rs. a libra
Ervilhas secas muito novas a 16o rs. a libra.
Gran de bico muito ovo a 16o rs. a libra.
Ervilhas francezas em latas a 64o rs-.
Potes eom sal refinado a 48o rs.
Fumo de chapa americano a l,6oo rs. a libra
fazenda especial.
Presunto para fiambre inglezes a 7oo e 8oo
rs. a libra,
Chouricas e paios mnito novo&a 6o a libra.
Caixas de traque n. 1 a KjoOO.cada urna.
Massas para sopa macarrao, talharim aletria
a 4oo rs. a libra.
Cognac verdadeiro inglez a 8,ooo rs. a caixa
e 8oo rs. a garrafa,
dem francez a 7,ooo rs. a duzia e 7oo rs. a
garrafa.
Charutos em grande quantidade e de todos os
fabricantes mais a creditados a l,5oo,
2,ooo, 2.ooo, 3,ooo e 4,ooo rs. a caixa,
os mais baixos sao dos que por ahi se ven
dem a 2,ooo e 2,5oo rs.
Caf de premeira qualidade a 8.3oo e 9,ooo
rs a arroba e 28o a 22o rs. a libra.
dem de segunda qualidade a 8,2oo rs. a ar-
roba e 26o rs. a iibra.
Arroz do Maranhao a 12ors. a libra, 3,000 rs.
a arroba.
dem da ludia muito superior a 2,9oo rs. a
arroba, el oo rs. a libra.
dem mais baixo redondo a 2,6oo rs. a libra.
dem da India comprido a 2,4oo rs. a arro-
ba, e 8o rs. a libra.
Vellas de carnauba do Aracaty a 9,5oo rs. ar-
roba, e 36o rs. a libra.
Idem de sebo muito dura fingindo esparmace-
te 3to rs. a libra.
dem de esparmacete a 56o rs. a libra, e em
caixa a 52o rs. eom 25 libras.
domin,
-min a !$J0O e 11300 '
nas lojas do beija-flor, ra do goeunado- Hn ft-1
e t)9. "
Babadas bordados
Vendem-se babados bordados de vanas lareoj;^
e varios presos : nas lojas do beija-flor. rn do
Queimado ns. h.'J e 69.
Abafadores de rede. t
Vendem-se abafadores de rede-de varias cm a *
800 rs. cada um nas lojas do beija (lor, nu *r>-
Queimado ns. 63 e 69.
Aderemos [retos.
Tendo-se recebido aderecos pretOS de novo v-,- <
to sao f xposlos. venda : has lojas do bfrSm
ra do Queimado ns. 6J e 69.
Grvalas para sentaras.
Lindas grvalas para senhora 800 rs. e JJOCO
5200 : nas lojas do beija-flor ra do Qaeljiw
;
ns. 63 e 69.
EspeUm de moldura.
Vendem-se espetos de moldura preta para
las: nas lojas do beija-flor, ra do Quemadfc*>.-.,'
63 e 69.
faltas de aljofares.
Lindas vollinlias de aljofaras eom cruz de pedfi
nnas imitando brilhaMes 000 cada urna njv
las do beija-llor, ra do Queimado ns. 63 e 69. y
Calieres para sopa.
Vendem-se rollieres de metal-principe para -rfp$
25000 cada urna : nas tojas do bciia-bV, rus *-
Queimado us. 63 e 69.
lia para bordar.
Vende se laa para bordar, a melhor que so porte
encontrar, lano na qualidade, como nas orw;*,-
65400 a libra : nas lojas do beija-flor, raa do Que-
mado ns. 63 e 69.
.Nas mesmas tojas se encontrar sempre granto a
sortimento do miudezas boas, e mais bar..!,-* do a
que em oulra qualquer parte.
nimk
Vende-se potassa em barris a commedo pt ego o
na ra da Cruz n. 23. tiriniciro andar, eseripto?):
de Antonio de Almeida (jomes.
k I TKiN(JAO.
I

rhegecm a farinha lavada.
A bordo do hiato nacional Dous lmelos ancor-
do defrontc do ir.ii iebe barSo do Livramento, ven-
df-eesta superior farinha lavada anda nao vista
oeste mercado pulo barato prejo de 35 o alqueifR
I un ':3 o sai-cn sendo esie prec/) grauel, e tautbe i
i na ra da Madte de ueos ns.'o e 9.
ESCRAVOS FGIDOS.
, annur.tiando p^j
Papel o melhor que se pode desejar para os \,t> fulhas d*sa cidadr prnte*taniio o abaixu as-
Pogio do lugar do Salgado, perlo da s'.tan-'
ta da provincia la Panihma, o negro crionlo >
nime Bonto, eom os signaes scgumtes : cheio Si)
corpo,bem rallanb', punca barba, mas bstamenos
peitS. i rra nni dos rejeitos dos pus om v >stcmv
proveniente de cortes de ensada : pede-so a<>s c-
pitaesde campo ou mesmo as autoridades o ap-
prehendam e recolliam cad.-ia,
pecego, guija e outros muilos a 12o rs. a
lata de 2112 libras.
Foijio verde em bages em latas a 64o s. a
lata.
Nozes muito novas a 120 rs. a libra, e 4,ooo
rs. a arroba.
Ametidoas confeitadas a 6oo rs. a libra.
dem de casca mole a 32o rs.
Vinhos engarrafados no Porto e Lisboa das
seguintes marcas: duque, genuino, velho
secco especial, lagrimas doces, vinho es-
pecial D. Pedro V, nctar superior de
1833, duque do Porto de 1834, vinho do
Porto, velho superior, madeira secca, Por-
to superior D. Lniz I, c outras muitas
marcas, em caixa de urna duzia a lo,ooo e
l.ooo rs. a garrafa.
dem branco de uva pura a 64o rs. a garra-
fa e 4,ooo a caada.
dem superior a Bao rs. a garrafa o 3,2oo rs.
a caada.
dem em pipa Porto, Lisboa e Figueira das
marcas mais acreditadas a 3,8oo a caada
e 5oo rs, a garrafa.
dem de marcas pouco conhecidas a ioo rs.
a garrafa e 3,ooo rs. a caada.
Especial vinho Lavradio sem a mais peqoena
composic5o a 560 a garrafa e 4,ooo- rs. a
caada.
Farinha de matarana a 240 ra. a libra.
Ricas caixas eom figos a 1 ,ooo rs. cada nma.
Ricos livros eom figos 4,ooo rs.
Pomada a 200 rs. a duzia, sevada omito no-
va a 80 rs. a libra, e 2,5eo a arroba.
Garrafoes eom 4 */i garrafas de vinho supe-
rior a 2,5oo rs. eom o garrafao.
dem eom 4 */i ditas de venagre a 4,ooo rs. o
garrafao.
Vinagre PRR em ancoretas de 9 caadas a
15,000 rs. eom aancoreta
dem em pipa puro sem o batisme a 2oo rs.
a garrafa e l,4oo rs. a caada.
Caixas eom 1 duzia da garrafas de vinho Bor-
deaux fazenda muito especial a 6,8oo rs.
a caija e 7oo rs. a garrafa.
O proprietario do grande armazem Uniao e Commercio declara aos seo foegue
zes e amigos e ao publico em geral, que para facilitar a commodidado de todos estipulou
os mesmo procos nos seguintes lugares:
Uniito e Commercio ra do Queimado n. f.
I O Verdadeiro Principal ra do Imperador n 40.
Srs. empregados pblicos a 0,000 rs. a res-
ma, j se venden por 7.ooo rs.
Idemalmafo pautadoelisoa3,ooors. a resma.
dem de peso paulada e liso a 2,5oo rs. a
resma.
dem a zul de botica ou fugueteiro a 2,oo rs.
a resma.
Idem embrulho de 1,2oo a 1,4oo rs. a resma.
Ameixas francezas em latas de 1 i% libra a
l,2oo c8oors. a libra,
dem em frascos de 3 libras a 2,5oo rs., s o
frasco valle 1 .ooo rs. tambera temos em
frascos para 1,4oo rs.
Conservas inglezas a 8oo rs. o frasco.
Musanla preparada em potes muito nova a
2oo rs.
Molhos inglezes a 8oo e I,ooo rs. o frasco.
Cravo a 48o rs. a libra.
Ceneja Tenente veidadeira a 7,ooo rs. a
duziae 6no rs. a garrafa,
dem de outras marcas preta e branca a 3,5oo
e 6,ooo rs. a duzia e 5oo rs.a garrafa.
Vassouras de piassava cora 2'arcos de ferro
viadas do Porto a 32o rs.
Cebollas muito novas a 1,000 rs. omolboe
8oo rs. o cento.
Genebra de Hollonda em frasqueras a t,ooo
e 56o rs. o frasco.
dem em botijas a 4oo rs.
dem era garrafoes de H garrafas a 5,2oo rs
Pablos do gaz a 2,2oo rs. a groza e 2o rs. a
caixa.
dem de dentes Hxados em maeps grandes
cora 2o rs o raacinhos a f2ors. o masso.
Cominhos muito novos a 32o rs; a libra e
lo.ooo a arroba.
Sag muito novo a 24o rs. a libra.
Cevadinha de Franca a 18o rs. a libra.
Milho alpista a 14o rs. a libra 4,5oo rs. a
arroba.
Gomma a 28o rs. a libra e 5,4waarroba.
Peixesem latas al,ooo rs. a tatajprompto
a comer-se.
Farello de Lisboa marca N. eJtiato saceos
grandes a i,ooo rs.
Doce da casca da goiaba a too e l.ooo rs. o
cauto,
signado coutra qualquer
seu poder,_________
pessna que o teoba en
Funi.ma tarde do oia 16 tie julho p. p. uro
escravo panto, de nomo Marcos, dest-nibarrado.
do hiatfl Santa Auna, viudo do Aracaty, tendo
ile idade 28 anuos puuco mais ou menos, e os siq;
uai's segaintes : altura regular, secro do corpo.
imuca baiba, cabello crespo, levou camisa *
raii;a do algodaosinho de nsi-ado azui ecba-
I do palha, iciidn levado romslpo un.a trooxa
eom mais roupa, e -rendido de urna da.- vcnlhas:
quem o acprt-ender qoeira leva-k) ra da Madra
de Ueus u. 38, uu a ra do Itium n. 63, quesera
recompensado
O esrravo Jo=, preto crionlo, de 26 anno.., *
baixo, corpo regular, b*icos grossos e cstulado;:, *
orolhas pequeas, cachabo grosso, pouca bartt'
porque lem apenas na ponta do i|nrix<>, que se tem
aneuneiado |ior este jornal cumofogid desde 23
de julho pmximo passado, consta que aiguem :>-,
tem ac.ouladc, se as>im seu senhor protesta ha.- .
ver dias de serviCj c leniar ncco judicial, contra,,
qnr-m a tanto se tem atrevido, e para maior esrla- i
ri cimento das autoridades e capite de eamp?. i
>en senlior declara que e-se .'seravo foi compra^)..,
a Francisco Antonio ThenoriodeAibuquerque (j'ft- .
oherido por Chic) morador em Goianna, (jue ve- *
den-o como procurador de Joao Barbosa Cordf
ro morador em Jangadeira sitio Cauto Alegre ^>-
me-iiio terreno de Goianna; ausentou-se oito di-i-
depois de comprado, levando apenas no ccr^>_
ituas calchas urna branca e outra de castor escup *
de listras, sem camisa, paletot preto, e eom uini1
carapuca encarnada na calieca, seguio para a ri~
ferida cidad>- de Goianna em precura da casa do,,.
urna amazia que all tem, all fui visto at o dr.v
em ipie cunsinn ao ial Theoorlo (Chic) qne offe-
receu-se |iara agrra-lo, mas infelizmente na i'4m
mais visto depois desse dia, constando eniao qua*
e>e aliiem o con luzio para Timhauba ou Cruan
gy : qiiem porm agarra-lo nu der noficia cer^t
didle a sen senhor na ra Direita n. 54 da eidadV*
do Rccife, sergenerosaotente recompensado.
Contina fogido e consta estar acoutado e,
Guianna o e>cravo Jos, preto, crioulo, de 1% an
no>, baixo, corpo regular, bei^os grossos e estafa- '*
dos, orelhas pequeas, cachago prosso, pouca bar-"
ha porque tem apenas na pona do queixo, lewju
doas calcas, urna branca e nutra de castor escuro,.,
que parece preto, de listras, paletot preto, sem i?a
misa e rom urna carapuca encarnara na cabera r:
roga-se s autoridades potMaes e raitaes de ara-
poque o a|i|irehendam e ragaffl coadwzir a presen,
ca de .-eu, senhor na ra Din-ita desta rida.de D
34, que serSo generosamente, recompensados.
Fugm urna parra va por nume Joaquina, do
idade de 30 annos pouco mais ou menos, c6r pre-s
la, Irvoii >aia de azula >, camisa de algndozinho,
temonari chato, estatura regular, quando aa^
curvase um punco, tem nma nodoa peta ao pft
d" olho, fugin eom um ferro ao pescoco, ronsni
i|tie e.-t acuitada em abruma da< caa's desta ei*
da-le ; prote>ta-se eom todo o rigor da tei- roai*.
qnen* a liver ac-itada e ter tiradu o fcttFQ, rWofk
menda-se a lodns os cai-Se de campo e aut^P'
de< puliciaes que a peguem e lve-a rna Im
penal n. 3, que ser generosamente recompem*
sado.

[MUTILADO]
ILEGVL


f

Mirto Je Perruna** ... runda 'Ha t Je ftetemfcre t i ***.
LITTERATM.

todos iroperam, necessariaraeote as torgas se des-
iru i rao: a anarchia ser o estado normal desta so-
cieJade : o que importa dizer que o homein e a
sociedadc sao destinados a perecer logo depois de
urna poea mais oa menos remota da sen nasci-
mento; ou que o hmem e a sociedade sao destina-
dos a nao terem consistencia alguma, e a andarem
Direilu pottlieo
I BVR3 RSPLRjtORS SOBRE A ORIGEM DO POPE!!.
1
A Historanos altera um fado, que de forma al- em desordenado revofejSo em revolucao.
g.i: i so pode comentar, e que onde existe o ho-' Nos nao queremos, diz um escriplor, contos-
ii-n, eilste a ocie i,i te, porgue, ta phrase de mu lar ao povo o direito de soberana que elle tem,
scltKAr, o pomemeerad i de grande* necessida- o que Ihe ( inalienavel : o. novo soberano i elle
dea, ano o arorapaahafli em todas as ribas de ua tem o diroi te> de reger-so ; porqnc assim como todo
oxjslvnrh, desde o sao ni cimento at o momento homem tem o direito de reger-se, assim tambem o
em nmteffl completado na trra a na missao, Un- povo tem este direito que Ihe toronlcslavel; mas
. procurar os meios necessarios para este lim, estes deres a qlicm Ihe apraz, constituindo a forma de
pii u ron mente uru ir-se-hiam superiores, o inas- governo, que elle emende a melhor e a mais con-
neooiveis mesmo, se por ventura elle iosse creado : veniente ; mas para que este governo se diga legi-
para o isolamento, s eutregue a sens propros re- timo nao necessario que para a tormaro delle
curse?. concorram os votos de todos geralmeote ; a sobe-
So a sociedade. 6 nceessaria ao hnmem, porque rania aqui collcciiva; por conseqnencia logo que
se.' ella e!e co poderia existir, o poder tambem a raptarla deste povo tiver acclamado algum por
jM-.r spa ves i necessario sociedade, porque, ora-] sed chefe, qual a razo porque nao o havemos de
oao-se esta de, seres inlelligento*. e dotados do. chamar legitimo ? Pranos legitimo todo o qual-
-iber.1i le e vontade, mider que haja entre ellos qoer governo, urna vez que elle fr a zpressiq
r.i.io c concordia ; e essa uniao e concordia nao fiel da vontade do povo. Longo de nos o que dis-
pAdaeiblIr seqi urna vontadu superior; isto seThiers, quando presidente do con,selhode uiinis- sophisma : queuns nasceram para mandar,"o ou-
Cera o pude.-encarregado de regularas relaedes de tros, na tribuna da cmara dos depulados :aso-
ku membrus, promulgando leis, rom as quaes de- berama nacional, segando en entendo, a soliera-
jhjrn elles r,::torniar-so, julgando das infracedes, na do re, e das dnas cmaras, fazendo a lei,
que por rectora forem feitas a e fii.iaio prdravvenao todos os metos legtimos aeonse- hendo apira.
. CUCio do flm da suciedade. ,-, _. .'
, ,,... .. .s nao pensamos como Thiers, entendemos
^fiTSL^ -f W*0.?. S0C,C" 1" "^ mitos do re e das duas cmaras cstava to
somonte delegado o exercicio da soberana, o nao
a soberana, porque esta reside sempre na naeo :
eeste direito Ihe to inalienavel como no homem
inalienavel odireitode lberdade ede vida
poblico no estado, e do principio, alias iBcontesta- que hajam individuos, ruja intelligeneiaseja de tal
vel, de qne este poder emana de Deu, e localisan- ?"r, recontWtaai putos uutros, que Ueus os dis-
do-o em um principe, olharam para este como p* S^^^^Mr^^S^A a
ra um representante de Deus, quera portante tes a ..brigacao de obedecer.
devia anagao ,empre, e em todos os rasos, urna I FT isto o que de forma alguma se pode admiltir
completa obdiencia, embora fossem derruidos" os!
seus mais iinportiotesdireitos-, e descouhecidos os
Conttmiar-se-lti./
sens mais caros lutercsses. *
Os publicistas mais celebres dcsta escola viam
toda auloriadejw homem poder ; assim come os
da escola da soberana do povo viatn tudo o poder
no homem individuo. Os primeiros chegaram a
um despoxno inslenle, c comprometledor das li-
berdades publicas : os segundos urna democra-
cia turbulenta, inimiga de toda ordem c consisten-
cia social.
Esla theoria, alm das conequencias quo ella
se prendera, e que sao contrarias liberdade dos
cidadaos, e urna certa insu- cgo qne elles teem
de exercer sobre os negocio? ao.seu pniz, necea
aind-i em um punto mais importante.
Deus, temi creado todos es homens eguaes,
niio sabemos como"se possa sustentar que seja eHe
quem faz os reis c as casas reinantes ; poniue enj
tao teriamos Deus em contradieco cornsigo mes-
mo, porque creando os homens eguaes, tintia des-
tinado uns para mandar e outros para obedecer, se
assim fosse, Aristteles teria Inumphado, quando'
para su>!entar a escravidao, ehV recorreH a oste
Os corsarios confederados e o direito das qcntcs.
II
(Continnacao.)
A|is a guerra da independencia, o governo ame-
ricano achou-sc era face de dous helligeranlcs, um
dos quaes era scu inimigo, e o outro seu protector,
e seu alhadoda vospera; este periodo lo para a
neutralidade amencaua o que Mr. Loring chama
um exyaimentum crueii. Mau grado as porliosas
iustancias de tiene!, euviado da convenci, apesar
dos murmurios e das cleras do partido anti-fede-
ralisla, Wasningtoo prohibi armar corsarios nos
i'ui'tus auiericauos corara o commercio inglcz. Ha-
uiiiton, secretario eutiio da thesouraria, uiaudou
vigiar lodos os portos, e ordenou aos goveruadures
maleinoisella de Lussac se apressou a assegurar-
Ihe que nao eslava zangada.
Pois bem, raademoisella, replicou a moca,
para me certificar que vos nao estaos zangada com
o meu Fiel, fazei-nos a honra de descansar um
instante em nossa pobre clioupana.
Alin nao podo recusar; foi intro huida em urna
sala onde ao mesmo lempo re nava tanta ordem e
docencia, quo ella licou locada ; bem que nao
visse ah objectos de luxo, seuao um lindo vaso
de narro onde crescia urna roseira, diante de urna
estatua da Saula Virgen). Esse vaso era tao bel-
lo que Alina tnauifestou o desojo que tinha expe-
rimentado de o examinar.
Me portease, disse a campoiieza, c se vos
agrada, terei grande satisfacao em vo-lo oflere-
cer.
Oh I nao quero privarvos de nico objecto
que gosaes.
Rosa (era este o nome da moga eamponeza) com
um ar admirado lixou os olhos sobre Alina.
Eu tenho milito prazer em cultivar as Ho-
que laogWM mao de todos os corsarios; muilos r^'kU ella> ma8 ui{> ?M 'IU *** a nil"ia
navios toram tomados no momento do fazerem-se \ n
Lomo enlao, perguntou Alina 1 Tttdooque
ao largo, todas as presas restituidas aos propieta-
rios; e e govorno americano aceitou
. d.ile civil; c talvez que nella su f icain sentir com ^
r.ltin urgencia ainda maior, por ter esta sociedade
4i'n fim mais vasto, porserem tambem mais vastas
. eMnpHesaas as relaedci dos assoclaitos.
O poder, diz o graude Taparelli, para a soci;-
dade o que i z alma para o sor animado, dque a
,^u:cipara c curpo : um principio intrnseco, es-
SuCial, u: principio de nnidade, de tendencia o
i coaservaco; e como as cousas nao pudem exis-
4.r sem .".":-; irincipios esseuciaes e intrnsecos,
assim a sociedade nao podo existir sera o poder,
4w Ihe U?, -or asMiii dizer, sua forma propria.
O emiiieule visconde do lional.l, ensma-nosque
as familias, multiplicando-se, approximam se ; quo
. as uecessidados dos homens sao eguaes, masque
Cj mos de sotisfaze-las e as forjas saodesiguaes:
para com a
tros para obedemr-doutrina esta que va ede e- I"laU:rra a "sponsabilidade de todas as capturas
contro ao que encontramos no Evangelho. Neste:feitas Pr corsarios sabidos de seus portos.
livro por excedencia, como o charnava o prisiooei- u,,._j ,,!
ro de Santa IMena, est a egualdade he/n esfabe- KecCrrn,,o a estas rigorosas medidas, Wasliin-
leeida entre os homens; e o Filbo de Deus viv ao (Jton niie fozki mais que submetter-se s obnga-
teria soffrido cm urna cruz, escndalo do mundo-! ces geraes do direito das gentes; mas em 1794 o
morle affrontosa para deisar os homen< uns snr>
metlidos aos outros; nao, elle morreo para nos dar
a vida, e por consequenc.ia nao podemos admitlir
que h.ijam homens escohidos para mandar sobre
os demais. Esta doutrina urna doutrina intera-
mente perigosa. t
verdaite que todo poder vem de Den*, niio ad-
c as. i mitlir iss, seria deixar de adminir o dogma de
s,n, como o homem nao pode renunciar o direito, I JSSttSf JC &t^<
que tem a lberdade, sera ficar despido da perso- umbem certo que Deus, deferminando no homem
uahdade fiumana; assim tambem urna nacao nao "
podena nunca renunciar o direito de soberana,
que vtvesse com os seus scmelhantes, fazendo da
sociedade otea le natural, a q sem perder o carcter de nacao, e reduzir-se es- **?0"- *T r""e' em a,,na rebP,dla aos!,a ide l7W Coi reV,sl em 1818' e Unao a,nda "w"
cravidao : mas urna naco escrava nao nacao : a^SftWSSS '^^T r""^ f**" ^ TtS
i-opro ; ao contrario, parare que Deas Impendo a a paah e suas colonias americanas. Em 18ID
soaedade ao homem, e fazendo do poder urna reo*!0 governc-mglez, a exrmplo dos Sstados-UnWos,
dicSo da mesma sociedade, deixou- todava a eaco- fez seu acto de neutralidade (Statrto 59 de Jorge
** a**'*?* dos individoos, a quera esse Dl), que ainda hoje est em vigor, c em tudo cen-
poder pertencesse, e as condicocs, medanle as'. ."..u
quaes, elle devia ser exercido. frmc ao ac0 americano.
Admittir-sc isto, no por certo admiltir o que-
logo se para que ella viva, Ihe indispensavel a
soberana, conduciente que ella nao a pode
alienar.
J se v, pos, conlina o mesmo escriplor,
que nos nao combalemos o systema da soberana do
c da qualid!fl das necesidades e desegualdade | ^^^S^Tl*!^ L* f!? I #*T^^
4o.> meios e das torcas, nasco a guerra entre os
ponims; e se o poder publico, encarregado de
wanter a ordem por meto de suas leis, e de Impe-
dir a desorden ..ela torca de qne dispoe, nao am- ia,n,gos P0 ^ tem P*lamado esta doutrina,
. arasse a< filias, estas indnhitavelmente perece-! ",as ns chama-los-hemos seus iaimigos, porque
. fum.cuwe penceriam os.individuos .em os cuida- ctes, como diz o Sr. padre \entura, sob pretexto
de arrancar a sociedade da tyrannra de um s ;
entregam-na peior de lodas as tyrannias, a ty-
rannia de todos. E na verdade o que se reaiisa
urna vez adrantida a soberana do povo, como ejles
enlendem-na.
vejo me aununcia que vos contenlaes com muilo
| pouco.
E' na felicidade de mees paes que ou acho
a miaba, mademoiselto ; na aceitacao voluntaria
da sorteque ine deu a bondad divina, no traba-
Hio. o na oraco, que acho alegra. Tudo isto a-
peaaa me deixa sentir o caler do esto e o fri de
iuverno. Oh I se vos souoessets quanto eu Meo
contento quando o nos;o bom cura me encontran-
do depois do ollicio do domingo, ou a tarde na
egreja quando meu.! paes me permittem ir ah
orar, me diz com tanta bondade : cMinha (lina,
tefls paes estao satisfettos comtigo, o bom Deus te
abencoar Oh I enlaoeu tico alegre Vos mes-
mo, mademoisella, em vessas bellas tosas, nao
deveis ser tiio feliz.
Mademoisella de Lussac licou multo admirada ;
mas de repente tornando ^si :
Pobre moca, diz ella, eu vos tomento Le-
vantar-se antes de sabir o sol, nao ter um momen-
to de descanco I
Oh eu- vos rogo msriemoisella, nao me
lamentis. u- nao mudara minha sorte por to-
ldas as riquezas da ierra. E* verdade que ns so-
Potencia commercial e pacfica, colocada fcVra- moa pobres, mas Den* nunca nos tem abandonado.
congresso, pava tornar as violacoe3 da ncntralida-
de mais dilliceis, fez orna le gera! fixando-lhe to-
das as condicces, e punrado aquellos que do qual-,
qaer modo que fosse, as violassem. Esta lei, im-
porta recorda-la- hoje, foi creada pedido do gover-
no inglez; o os? Estados-Unidos estipularan ao
mesmo lempo G0JB a Gra-Ui etanha um tratado em
que se promettia urna iadenin^acao aos proprieta-
rios inglezes por ledos os navius capturados por
da soberana individual, iheoria esta quo d a ca-1 para"es res; e nem tao pouco que Deus quero idas "t*^* da poltica europea, a repablca ame-, Qoe aria eu se nao trabalhasse ? Os das qne sao
s eaas reinantes. j naua tinha o direito de se considerar sumo part- io rpidos me paTecenam longes. A' larde, quan-
surdo inqualficavel Sao homens que se dizera
Esla doutrina nao s absurda como tambem j cularmente vetada a neutralidade : c i torga fa- > do mens paes e meu irmao mais velho vindos do
IIT,3;^ hl>!oria n.os moMra innmeros nomes de r-lne jusca oe exerceu com escrupulosa fideli-! trabalho descanram um instante i sombra de nos-
tyramos que tem icinado; e sustentar r*ne taes ty-
. dos dola.
O poder, diz c Ilustre padre Ventura, para a
.- soc.'daJe s :;ue a chavo da abobada para o edi-
- .cii idivjditos exlranhos uns aos outros, nao ha
\cnis do gue anarcnia.
Rslas poucas palavras de homens to distinctos e
profundes -'.rece-nos encerrar tudo quanto da mais; sordo fazer do homem origem da soberana f A
succdleulo Si p le dizer sobre a necessidade do um origem do poder Deus. nao para o rei, mas para
^oftT ni soeiedade ; o se ellas nao torem bastan- o povo. Sustentar-se e contrario snstenlar-se
rflps/ftod'tremosainda acrescenlar que, se os homens maior dos absurdos,
compreliep.'.'essera sempre todos os seus deveres, e,
se compreheedendo-a, qnizessem de boa vontade
Al.'tu do que temos dito para provar a l'alsidade
! desla theoria, occorre-nos pergunlar : nao ser b-
rannos reinaran) com um poder que Ihes-foi ronfe
rido por Beus, como nos diz o Ilustre Colombol,
urna impiedade.
Deus, qne a bondadeem si, a bondade por ex-
celencia, se acaso tivesse na Ierra seus predilec-
tos, diz umescriptor j por ns citado, estes seriam
os res os mais virtuosos, que se pode imaginar
entao os peros seriam felizes; e as sociedades te-
riam marchado1 de outro modo ; mas o qcadvo que
a historia nos aprsenla terrivel, por renseqnen-
ca parece-nos que Colombsi levo razao CE>cbamar
impa tima semelhante donirina.
Na verdado, dizer-se e snstenlar-se, que rei*, cu-
jos eoraedes teem sido nicamente dominados pela
lyrannia, tem governado com nm tioder, qae Ibes
foi conferido immediatamente por Deus; dizer-se
e sustentar-se om absurdo monstruoso, dwer->e
e sustentar-se urna impiedade-, porque Deas sabio,
bom e justo, como nao pto de forma alguma
Itousscau, porm, e os seus sectarios sao ecuse-
. quentes no erro, porque sendo, segundo elle, a so-1 querer o mal.
pafet-los se elles conhecessem a lei, o atees- cleJade uma n ^ do homcrI)( sendo uma ohra | v
cmohele-c!a; sea caridade nao fosse multas ;,, niK<9e ^-^ ,imhpm Iini,r n5ft nArt sp, .' Occupemo-Bos agora de orna theoria, cujo nasci-
que leve por autores
de teda eon-
ults i de nossas maos, tambem o poder nao pode ser ou-
xas vencida pelo egosmo; so a humildade nao a cousa mais'doqQe uma ohra do homem. ^ahl.^S^^ia:^; aTdL^
go,s2 contrariada peta sobarba; se a vtrtude nao so | (]uerendo ^ eJmr ^^ a ^^ ^ f^TtT^T**'' *g9
pjMiesseni os vicios e as plidos ; neste caso o
nder publico sera desnecessano. Infelizmente,
oorm, vemos qcontrario em consequeneiado pec-
- cdo do primeiro homem, em virludo do qual a na-
"reza humana se alterou e co rompen-sc ; vemos
belece a theoria do despotismo do numero, de No inundo das-sciencias toda se prende, tndotee
nina ivnnnia -.irnz p cruel encadea ; as analogas Borgaai de lodos e-lads,
uma tjiannia atroz e cruel. poriJue a< djver,sas (.iem.ias g, sio 6Cna0 1*-
A soberana reside no povo, diz o celebre autor 50** de umae nica verdade.
do Contrate. sona/ porque s este soberano ; s, Jtt^SSS*L!S^
an o vicio inumpha as mai- das vezes da virtu- elle ,em dire" de crear- e Pr conseguiete de, enchem (pas: todos os votas que lencos-sobre
d?, e jue por lano necessario a existencia dcste ; destr"ir as suas leis- ainda as mis sabias e Ju-tas-1 #:
Oder, encarregado de mantor a ordejn na socio-1 fr,lue ellu senll0r do si msm t>miae
dal e de Impedir a destriiieao dos individuos. j tom o direito de se fazer mal, sem quealguem pos,-
Esta verdade uconcussa, esta verdade a que ; sa e:lorv'',0
ao se pode oppor uma contestacao seria, ja era Doutrina anarchica e perigosa e, com edeito, es-1 ,a (,,pi|.,uaIi^a ewrespomta a do absolutismo, do
roclamada pelo inspralo autor dos proverbios, |ia pregada peto phitosopho genebrez. j o- disse al- intitulado direito divino dos reis; e se assim dize-
dade estes deveres. Em 181? as colonias da Hes- v-amoreira, que nossas duas irmasinhas vao as-
pwha insurrenionaram-se contra a metropole. A isentar-se sobre seas joelhos, c que todos se rego-
pnoximidade das scenas do coollicto, a sympathia sijam do cheiro da apetiiosa ceia qoe eu lhe pre-
dosperuda pelos estorfos dos insurgentes, tudo pa-i parei, eato, madJnoisella, ns sentimos a ver-
recia convidar os americanos do norte a tonar uma1 dada destas palavras: O coracie' innocente
parto menos indirecta as hostilidades.
Armaramse cervarios nos portos amerisaBOS;
apezar de todos os-esforcos do g&verno, al^ons se
cscaparam. Quando os E^ados-Lnides e a Hes-
panharegularam suas mutuas contesiayce pelo
tratado de 1819, a-republica americana napro-
curou-negar que duvesse uma indemnisa^o
Hespaaha pelas presas feitas pelos navios satirios
de seus portos; c fez manas coocesses a esta po-
tencia para obter a sua renuncia a esta indewni-
sac3o.
u:n.i !<;!:'. continua.!
Mademoisella do Lus-sac se abste*.-e de interrom-
per a Huta.
L'ma ordem da idaa navas se sderecia a jeu
espirito.
Ella apertou atfe&ucsaraente a o da joven
eaapQoeta, quo aeabava de Ihe easinar em al-
gaao minutos iiiuie- verdades do que at cnlo ella
nanea tinha oavido, o retsrou-se promettendo
Ht>a de turnar a veda.
Alina tinha uia a'racae- puro, e a futilidades
da vida mundaua nao tioham anda extineto suas
0He De um lado a escola daqcelles que s veei no
universo o eoiyn e a materi; do outro .1 dos qne
s vdem a alma o o espirite. A'estas du.vs^scolas
i correspondera as de que temos fallado, isto*4 es-
I cola materialista corresponde a da povo ; e a.esco-
ce: u se ve claramente destas suas palavras : 116'' guem, pois suppor a soberana um paludo reflexo
stoa esl yobemater, populas corruet. das soberanas individuaes, seria reduzi-la a pura
Assiui, poi-, podemos coucluir que, se a socieda-
de u-'C-essai i i ao homem, porque tora della elle
ca pode viver, o poder necessario sociedade,
porque tesa elle ella nao teria consistencia nem
mos porque a poltica nao seno, na pbrase de
um distinctomestre, a phih">sophia da sociedade.
Entro o cspiritualismo e o materialismo vem
matenal.dade. O poder soberano, aquello que col-1^^^^ ZtVmo, de qne principal con-
locado na cpala do edificio social, o-encarrega-1 |,1CU na Fcanca o grande Gousin.
do de manter a ordem, e salvaguarda todos os di
nimacao.
G poder 6 quem anima a sociedade, assim como
a a.na quem anima o corpo.
Edahrlerida, pas, a necessidade do poder, sera ,
1 ..-. ij -i -i .- j. .. aendrado das pequeas fraccoes das soberanas
o q Jal, a sociedade civil nao pode existir, indague- .... .r v .
. J. .Li, individuaos, nao vina a ser senao urna soberana
e quo procede .
retos, que deve ter uma esphera de aeco rnais ou
menos ampia, somonte limitada pelas convenien-
cias sociaes, sem que todava dessa limitacao re-
sultem entraves e extorvos para o pleno exercicio
de suas faculdade e direito?, o poder soberano, en-
m is agora qual a fonle ou origem de qi
este poder.
E.-te o nosso principal fim.
II
Kesta questao, como om qnasl todas, os philoso-
plios devidem-se om duas opinldes extremas;
porm, como qaasi sempre nos extremos nunca
eti a verdad*, s uma terceira opiniao se levanta,
a qaal nos parecen verdadeira, porque s ella sa-
ti faz as legitimas uecessidados do homem, e os in-
leresses mais puros de seu coracao.
S'gunio 111
meramente nominal, sem ac^ao, sem vida mesmo.
senao umachmera, uma nihilidade.
E' a torca popular ou a dG todas substituindo a
torca do direito e. da juslica.
IV
Consiste elle em escolher nos dous campos con-
trarios ,-iqiiiu. que parece sera verdacto.regoilando
o que pareae ser o erro.
A' esseecleciismo pliilosophico cf.rrespo eclectsmo poltico, chamado lam em doulnnalismo
ou parlamentarismo, s>stema este que tem por au-
tores tiuisot, Royer-Coilard. e o mesmo Goasin.
E', pois, dpste systema que preteademos dizer al-
gumas palavras.
Rnyar-Collard diz :cu nao creo nom no direi-
to divino, nem na soberana do povo, eu nao posso
ven ah, senao usurpacao da torca Eu creio na
soberana da razan, da juslica e do direito.
D'ahi se ve que os doutrinalistas, procurando
apartar o absurdo Ja soberana do povo, e os pon-
gos resultantes do intitulado dieito divino dos reis;
e nao encontrando ao mesmo lempo na trra a ver
Em 1838 o governo de Washington deu as mais | uobr(& qualidades. Assk depois desse da que
severa ordens para impedir que os menosnos ella notan uo scu lbum Nao o de seu segunde
tomasem parto nos movimentos inssrrecionaes do naseimento, parliiboo o seu lempo entre o estu-
Cauada; e Webster, em uma carta offlcial, esere- U,f oraeao, irabulho e cuidados da casa ; erofim,
va eolio : j bi|a e sua mau entraraiu sa doce carreira das
a O presidente rcteoearrega de vos cemraini-. obras-de caridad.
car que sua resolucao reclamar uma cxemplar i Todos os anuos Alina volea va com sua raS ao
punicopara tolos os que violares* a paz putea e castelto de B...
a lei t'.-:. seu paiz. >
Quando rebentou a guerra da Oima, o nwnis-
tro inglez em Washington commuacou ao gafcine-;
te americano uma nota onde expsita os principios
dos governos alliados sobre a ma^ria.
I bm que se iko vissent inab as tosas de outp'cra.
< L-stes governes, dizia elle, tioham connane Somonte o trabalho, a caridade, a relvgic ahi fa-
que osgovernos des paizes que se conservassem n 0 fundo da vida do sea habitantes, todos po-
neutros, duraute a guerra empaobariam dos os ^^ ,jzer .
seus esfercos para.fazer eomprebMder a soos sub-; A verdadeira felicidade occupa.pouco logar,
ditos a necessidade- de observar a mais restricta i c faz pouco ruido.
neulralidade, e ipoo o governo >s Ebtadcs-nidos -----
expedira rdens para evitar que corsarios sob o' il.se ac Jornal do. Comuercio, da crle, sobre
pavilho russo fossem equipados ou fenecidos de ; s Ibas liliiuchasoseguinte :
Cs paes de Kosa to'iaram-se os rendoiros de
madama de Lussac. l^osa, sob o modesto mulo
demorada cmara, eraicompanheira eamigude
Alina.
daborrecimento tinba desaparecido do casteho.
vveres nos portes dos Estados-Unidos, etc.
(Coxirmiar-se-ha).
m POICO DK TCDO.
Na Estrella do Norte l-so :
dadeira soberana, toram busca-la na razo absnlu-
Depois de Rousseau e da revolucao francesa com i ta, na ustica o no direito ; porque, dizcm elles. s
todos os seus horrores ; depois de Robespierre e' rajao absoluta, s a ju>ti?a, s o direito sao das-
1 tinados a overnar os homens.
de Marat. veio areaecao; c esta encarnou se mais SegundS os sustentadores desta theoria existe
! particularmente na pessoa e escrptos do visconde uma soberana de facto limitada:. eoutra soberana
! de P.onald o do conde de Maistre, os dous mais de direito. A nrimeira sement est na terrs, por
,em directamente do ho-; disfinctos representantes da monarchia absoluta,! ^S^T7^2% 8
mem ou da sociedade. Dulii a celebro theoria da os dous mais calorosos amigos do Ihrono despeda- trando na trra, s se podo encontrar no uberna-
st;;-rania ito povo, theoria esta acreditada pelo ta-! cado pela revolucao de 1793 ; homens eminentes < culo de i)eus, que o. santuario da razo absolnta,
l.^ir 1 de J. J. \\ lassean a de alguna de sua escola. pelo seu talento e notaveis peto scu saber. 'da Ja?,K'a e inteliigoocia infinitas; como, porm, a
- -- ,,m ,i0 ,, :ij___ soberana de facto, para tornar-se uma soberana
No pensar, porm, de outros, o poder, vimlo d.rec- Na0 obslanle rc?peitarmos opin5o de doU sa. ,ei2,ir(,a, flCve a|iroximar-se quanto for possivel da
(menle de Deus, encarna-se em alguns individuos bios lao profundos. comlU(lo vernade nos ubri. i soberana de direito, o poder na s.K:iedade, dizem
on familias particulares, e necesariamente s estes fontossar aue elles nrrranm or eracerar ns i Zb, ** ***8.Mf confiado aos mais miel lineales.
individoos 011 familias podem dirigir o estado. 1*^^,Z*!TT ***nr > B'ah. o que algnns leen chamado soberana dos
!: ,.11 k- dircites da aolondade, pondo-a snmente depeuden- capazes.
0< prnneiros edahelecem a Ihaoria da anarchia, ,e do ^^ d( Deus, e completamente indepen- Esta doutrina especiosa prlmeira vista ao p-
03 s- gtiiidos a do despotismo. 1 den,c do ^^ nacional e humano. de **r to seduzr ; mas se bem retleclirmos, ve-
Histnriramente considerada a theoria da sobera-! remos que, eomo bellamente observa Serrgny,
a do povo e tal como a entendem os publicistas N'5 iul^amo- por6m' ^ esses doU homens I ft" mais do ^ desloucar a ques,ao'scm
dcsconheciam, dexavam de prestar culto a libcr- rev?.._ .:
A altencao que at'.rahio recentementc a questao
hespano-peruviana iuduz-nos transcripco da se-
guiute noticia sobre as ilhas Chinchas.
Demorara estas ilhas no oceaao Pacifico junto s
costas occideutaesdo Per, distando apenas dez mi-
:!lha? ^ )orto de l?sc,;
faz pouti.niio. (oiapoe-sc oe ilheos, dos quaes t principal-
Acabava c campo do deixar seu triste aspecto : meult cxPlratll> o que jaz mais ao norte,
ae invern, e o mez de mato Ihe ontregava toda i "este esto a povoaeao pnncipal, que consta de frvel. Quanto poderla custar-me a .-atutotno deste
Todo este guano pelo preco medio dos ltimos au-
nes vale 1,000 1,200,000-0003000.
O ejercito nglet tem 109,789 homens episco-
paes, 2o,7i>9 presbylerianos, 0,920 protestantes de
differentes gneros e 58,308 cailiolicos.
A armada tem 12,398 dos primeiros, o dos se*
gundo*. 11179 dos lerceirose 18 catholicos.
*
Em uma das conferencias scientificas que o co-
nhecido abbadu Moigne est dando mensalmente
em Paris, fez-se a experiencia de telegrapho elec
trico Hugnes.
Um empregado applica os dedos de arabas as
maos em um teclado, como de um piano, e faz re-
produzir at 200 letras por minuto.
A admiraco nos espectadores foi gera I.
Da Tribuna Acadmica trauscrurerao^ o que se-
goe :
.NOVA THEORIA n\s MRORAS BOBBAES.
M. de la Rive, observando que as auroras pola-
res sao ura phenomeno esseneialmente atmofphe-
rco, e que seu apparecmento corresponde aos dous
polos, estabeleceu uma nova theoria dando a ek"
tncidade como origem d'aquelle meteoro.
Resumiremos a theoria do physico de Genova.
A agua do mar estando liabtualmeate carrega-
da de eleclnridnde positiva, os vapores qoe se des-
prendem condtucm esse fluido at as parles mais
elevadas da almosphera.
Os ventos geraes, conduzindo esses vapore para
as regK'es polares, cercara de um envoltorio de
electncidade positiva trra que esta ?afregada
do fluido negativo.
Vemos que se pode olhar o globo e as parles ele-
vadas da almosphera, como os dous disccc de um
conservador elctrico, serviodo de solador a caria-
da inferior de ar espesso.
As dnas electricidades devendo condensarse, sr
bre tudo as regies polares, desde que sua tensc-
chega ao seu lmite, ellas se neutralisam per des
cargas elctricas.
Os effeitos devomser simultneos nos dous perfu-
mas de intensidade varhwel.
Preduzem-se assim as correntes- elctricas qne
vao des potos ao equador.
Estas correntes tem sido observad** por mudos
physiees nos los elctricos ; explioandose a varia-
cao do direccao notada, por serem as descargae
nais fortes cm um ou em outro plo e poderen:
at cessar momentneamente em um deUes.
A relaco- que as auroras devem ter coro a elec
tncidade resalta, vista das perturbaeoes que ellas
produzem na direccao da aglltt magntica.
M. de la Rive procurou fortalecer sua theoria
realsando artilifialmente o phonomeno que procu-
rava explicar.
E obteve a reproduego dos jacios luminosos que
as auroras lancam as altas rrgies de ar.
Elle reccohoceu ainda a enitencia de correle?
derivadas, acousadas pela agniha de um galvan-
metro, e reproduzio as perturbacoes qne as agu-
Ihas das hes ola* soffrem durante o phenomeno.
Do Commercio do Porte ransrrevemos p se-
guinte :
O romancista Humas, que linha fllalo de rou-
bos, que tinha piolado os lamosos cheles de altea
dores qi>e povoavam as estradas quando elle
visitn a Hespanha, senta insoffrida necessida'
de de pausar para os leitorss parisientes por nm
hornera tao oetebre e de tanto ascendente que
at os n* ferozes bandidoo o temiam e admi-
ra vam.
Que maior fortnoa do que poder eserever para
Pars que os bandidos hespaahes o aliatn res
peitado depois de saberem quem era.'." Para con-
segui-lo tracoua se-guinte comedia cora am eslala-
jadeiro de Tbledo:
Meu bom amigo, eu (aria ser x-abado na
estrada.
Nao ha naila mais faiil, meu.cvvaJheiro.
Itera.; mas eu quera que o ronbo fosse fin-
gido. Vece Ua de conheccr algum salteador de-
marca.
.'onheco-os todos, ras*; de nomo-
Opa vamos ; seja franco. Combinemos 0.-
meios de realisar o meu pleno, qpe-vee nao ha 'e
perder o seu lempo.
las enio o que que o.sennor querf
Quero que de accordo comraigo. snrprel .
da 10) capitn de bandidos- a deligenca em qa
hei de. ir para Madrid.
Isso pode fazer-se as mil maravilbas, roesoio-
sem er de accordo com o senhor.
Mas o que eu desojo <- sjue ao ouvir c rne.i
nome o capilo me stdo respeitosamente e :V p-
div'e meu deixe ir em paz os viajantes.
Mas, senhor, issa que pede nad possiveL
O dinheiro nao conhees a palavra impossi-
e philo-o.lios darevijliii;.)e da escola de Rousseau,
esta theoria nia mais do (pie uma arma de guer- dade > nao- Seria Preeiso certamente desconhe
Com elTeilo, ninguem ainda ousou contestar que
os poderes pblicos devein tomar como norma da
dacrt do mundo e di Franca : O estado sou eu.
Veto Roosseao e tambem por sua vez disse : A
soberana est em mira, e em lodos os seres seme-
lli.ir.tes a mira.
va dirigida couira o poder absoluto dos reis. 'cer a vida e escr'Pls desses dous magesiosos vul-, seus aoto.s a razo o a justca. Sobre este ponto
Lu.z XIV em um momento de orgulho disse em'los do secu,f,X ,,ara fazfrlhes ama ,al "Pacao
para suppo-los capazes de alralfoar a causa da l-
berdade, sacrificando o povo aos caprichos dos nio-
narchas; pelo contrario ; se elles exageram a au-
toridade, a ponto de nao enronlrarem na trra li-
mite algum para ella, todava certo que elles fo-
Segundo uns a lberdade exagera seus direitose' ram os primeiros a ensinar quo a autoridade deve
araba por amiiquillar-se; segundo outros o poder consgrar-sa toda ao bem e felicidade dos povos,
4ambe destruir-so a si, e com sigo a sociedade. a inconsistencia do poder absoluto, como muilo
A verdad-. e>t, pois,nestes dous extremos, est bem disse o conde de Maistre na sua immortal
em que o poder Instituido para o bem de todos, o 0|jra sobre o papa.
este bem pode e deve ser encontrado, como disso '
tw nosso parlamento o grande e profundo e-ladista
o sabio senador Bernardo Pereira de Vasconccllos,
Collocados, porm, entre a anarchia damultido
e o absolutismo das monarchias, elles opinaram por
esse ultimo, no quo obrariam milito bem, se nao
reina ura perfeito accordo nos dous campos oppos
tos. Tanto os partidarios da soberana do povo,
como os do direito divino dos res ou do absolutis-
mo, querem vivor sob o imperio da justiea, muito
embora das suas doutrinas se deduza, como conse-
quencia, o contrario.
A questao est, pois, em saber, quem tem o di-
reito depratica os actu, comprehendidos na sobe-
rana, consultando todava a razao e a justiga, porm
sem responder poder algum humano, havendo
uma perfeita Irresponsabilidade, que. nao p.le dei-
xar de ser o caracterstico de toda a soberana.
Em outros termos. Quando se trata de inda-
gar a origem do poder publico, 011 a soberana
em sua mais alta expresso, procura-se saber
quaes as rorporaroes, qual o individuo, que tem
o direito de praticar os actos comprchrndido nes-
ta soberana, sem todava responder por estes actos
romo se se perguotasse, qual o individuo que na
sua vida, toda sua frescura. urnas 1U0 cabanas do madeira, habitadas por 300
Tambera, o magnifica castellc situado pouca \ ^pessoas.
disiauca da pequea aldeia de B... era abitado' i>tl exceS0 dt estrurces sao as Chinchas com-
depois do alguus das por seus aovos propietarios, ^clmente esteris, e nem uma fervora de vegeta-
madama de Lussac e sua fiaia Alina, que tinha, 5.a0 oroa sul bisle, ni e desolado,
herdado esla bella propriedae. A ilha do norte tem proximaxaenle 4,200 ps de
Apenas chegados de Paris, raademoisella Alina comprimsuto sobre 1,800 de largura, e elevarse
sua rae, percorriam suas iinmousas coutadas^ prximamente desde o niveL do mar at .v.tmgir
seus prados; passeavatn sobre o lago em elegante uma iill^udo do ^ ps.
boto e passavam todo o seu tempo^m festas, pa-' O solo coberto por carnadas successivas.de es-
setos e diverlcaentos. cremento de aves martimas, que tormam o chama-
Entretanto nao se tinham anda esgitado mu- dcyitono ou Imano, ehegando em certos pontos a
tas semanas, e Alina j senta em si o inexoravel ler uma espessura de 120 |is.
aborreciraonto, castigo da ocosidade ^' sobre o guano, que estao construidas as caba-
Quando. se tratou de deixar Paris, ella mostreo'nas dos habtiates.
a mais viva impaciencia, e depois para Paris 0s meiS ,Sc subsistoncia, c al a agua potavel,
que se volvem seus ardentes votos. sao traz'dos do continenie vsinho; c assim a vida
Na edade de desasis annos apenas, educada cara P01100 agraoavel.
por uma to torna me, que nunca tinha sabido fa- ,,a cu:n tnJo uma boa hospedara ; onde os es-
zer-lhe esperar a satisfaco de um desojo, Alina 'rangeiros encoutratn todas as commodidades quo
traiia habitualmente sobre seu rosto o traeo da PJea> desejar.
lassdo, e qualquer que a vjsse, conheca que
ella nao era feliz. Emito quo fallava sua felici-
dade ?
Nada, segundo o mundo; tudo dianto do Deus.
Em mam de 1839 a populacao desla ilha compu-
nha-se de 50 europeus, 50 chinozes e 250 negros
indgenas do Per.
A maior parte sao trabalhadores encarregados
na harm.m.a c conciliaco dos subditos com a au- nouvesse ura mdo lerma
Ion li le, na harmona e conciliaco da liberdado
eom a ordem, Bossuet, que tambera sectario das mesmas
lU ideas, diz-nos que :Deus quem faz os reis, e as
A theoria da soberana do povo cae em erro ra- casas reinantes, que Deus tem feilo os reis, e
dical c funesto pelas consequencias a que d lu- os principes, seas lugar-tenentes sobre a trra,
ar. Conforme ella a soberana da najo a rea- anm de tornar sua autoridade sagrada e invicto- *ario gf>vern ? quem obngar os nwnos intel-
, ..u o empiexo das soberanas individuaes vel; o accrescenta ainda que a impiedade declara- "^^ ^fiXTe q^TsoKIrania est na
a oaeio soberana, porque os individuos o sao. da e at a perseguicao nao isenta os subditos 'la razio absoluta, nao se tem .de modo algum res-
" Dh o suffragio universal 12o absurdo em s- obediencia qne elles devera aos principes. j pendido a que>tao da origem da mesm soberana.
..... Nao se nega qne o poder deva estar nas maos
mesmo, quanto nnpossivel de realiear-se. D'ahi se ve que os sustentadores da theoria do dos mais intelligentes, quando estes reunam maior
ra uma sociedade onde todos mandam, ond9 absolotsmo, partindo da necessidade do tira poder soroma de virtudes, o qne, porm, se contesta
pratca de seu actos privados pode obrar debaixo
de uma completa irresponsahilidade de sua razo.
Alm disso, segundo os doutrinalistas, os man
intelligentes tem o direito de mandar, e os menos
a obniaeo correspondente de. obedecer: ne>te caso,
porm, quem distinguir os mais dos menos intel-
ligentes T qncm investir aqnelles do poder neces
Ella tmha rautas vezes negligentemente aberto da eslraccao e mnanmo do guano, e que ganham
o livro divino onde diz : Felizes os que choraml, um ornal "r, i,lfrior a *Woa 3*600-
Todo o que quizer ser meu discpulo renuneie-se 1 0s cl,inozes recebem uma libra por mez e uma
asi raesmo, lome sua cruz e sgame I Mas nun- ra5ao diaria de arroz.
ca essa iotelligencia ligeira tinha meditado estos! As Chinchas gosara da reputacao de saudaveis.
fortes verdades. Os aflluvos ammoniacaes do guano sao favoraveis
O prazer, o prazer devia ser toda sua vida. Ias deQ5as dc Pe'to, o assegura-se que alguraas pes-
Uma manhaa em qne olla por lougo lempo pas- soas se lefll ali curado de P'h'^toas.
seava sem poder se alegrar, viu atrav* do uma i A ilha do cenlro foi abandonada depois de algu-
espossa estacada, uma porta que dava no campo. raas en'alivas infructferas de exploraco. Na da
Abriu-a sem saber para que, o loman um camnho .sul ai,lda se uao ">preheoderam Irabalhos.
que a levava peto raeio da campo, quas sem ver balara de 1832 as primeiras remessas -le guano
ou escutar o que se passava ao redor de si.* ; Para a Europa, o depois tem adquirido enorme des-
De repente os latidos do um cao a tiraram de seu euvolvimeuio.
delirio. j Neste ultimo temoo tem-se annualmente expor-
Ella estova diante de uma casiulia, e o cao que tado 500,000 toneladas mtricas, qne renderara ,
a guardava lancou-se a ella cora tonto impeto, que 27,000:000*000 para o governo peruviano. q0ando avislaram as cpulas oe S. Francisco el
Alina deu um grande grito de susto. No mesmo A venda feila por intermedio de delegados do Grande, de Sania Cruz odas ootras torres que so-
instante appareceu uma jovon eamponeza. Iuime- governo, que recebem commisses de 4 i 1|2 por bresahem na passagem d'aquella capital,
diatamente esta mona chamou o cao, e aproxi- canto. | ^^lZ^^tjfig:
mandse de Alina sappbcou-lhe que perdoasse Segund os clculos do Sr. Faraguet a quatida- lhe. menora as ultimas |ialavras do estalajadeiro :
seu velho Fiel este acolbimento to pouco ama- de de gdano cuntida na ilha do norte em !53 era Enioquero senbor queoroubem? Pois bem;
vel. {de 8,378,95^ toneladas mtricas; na Ilha do centro to de ser,r*ubado-
Tanto simplicidade ttoha a joven rustica qne,havla 5,011.896,0 na do sul 11,361,350 toneladas, PERNAMBUCO.-TYP. DE M, F DE ?, TFILUO
desejo ?
Nao pode ficar muo barato.
Mas entao, peuco raais ou menos. Diga !.
O senhor bem v que os homens wrreni
risco.
A minha influencia pode livra-lcs a cadea.
Acredito ; mas elles nao se fiam em pala-
vras.
Acha vocc que se pode realisar o meu ca-
pricho?
Eu...
Falle com franqueza. Isto serio.
Pois... s por fazer-lhe a vontade. eu v
Quando me dar a resposta definitiva ?
Anianhaa : mas preciso muito segrejo.
Isso claro. Mas olbc que para ludo meter
como eu quero, preciso qjie o capito me, e<..-
uheca.
Sira, senhor, al manhaa.
No dia seguinte tornaram a reunir-se.
E enlo i perguutou Duraas.
J esla tudo arraujado.
E quanto custa isso?
Bagatella. Faz-e ludo cora cineoeiila ancas.
Nada meuos?
Nem nm maravcdil : e ha de ser adiantado.
Nao temos duvida. E o capito I
Nao quu vir aqui, mas nao importa. Eu
hei-de ir com elles, e purianto fique descancado.
Muilo bem. Est feilo o contrato.
Mas olhe quo nas cincoenlas oncas nao. entra
a minha parte.
Duraas contou-lhe ciacoenta e duas on$ o fi-
con o tratado concluido.
Eutao quer o senhor que o roubem ? t'
uma inania como on Ira qualquer.- Pois bem,
ha de ser roubado.
No dia seguale poa-se a camnho o grande ro-
mancista, e em toda a viagom nao fallou com os
seus companheiros senao em roubos.
Ah eu quizera ver os tes senlwres saltea-
dores, esses bandidos que tem aterrado todos os
Itespanhes. Edou certo de que nao sao tao fetos
como as pintara e que fugirain se me vissem.
Dumas esperava coraimpacieocia, com amia o
momento do ataque.
Madrid
A
ILEGfVEL
m


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E42O56YUJ_Q31UK0 INGEST_TIME 2013-08-28T03:43:56Z PACKAGE AA00011611_10476
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES