Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10475


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AMO U.
W 219
.14MI 5h M(!
v
4&
Por tres Mezes adiaatados 5$O0U
Par tres mezes vencidos 6J0UU
Porte ao cerreio por tres mezes. #750
1

SABBADO 24 B SETEMBEO BE 1864.
""
Por auno abantado.....19S00O
Porte ao correio por ora aono 3$00u
ONUAKK&tADO A SGBSCRiPfO NO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima';
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Aracatv, o
8r. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira; Maranho, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues ; Para, os Srs. Manoel Pinheiro & C.; A-
mazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
INCA.RREGADOS DA SUBSCRIPCAO NO SL.
Alagoas, o Sr. Claudino Faiclo ias; Bahia, o
rr. Jos Martins Alves; Rio de Janeiro, os Srs. Pe-
riera Martins A Gasparino.
PARADA UOs ESTAFETAS,
iinda, Cabo e Escada todos os dias.
Iguarassu', Goyanna e Parahyba as segundas e
sextas-eiras.
Santo Anto, Gravat, Bezerros, Bonito, Caruaru'
Altinho e Garanhuns as tercas feiras.
Pao d'AIho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqneira,
EPHEMERDES LO MEZ LE SETEMBRO.
PARTE OFFiOIAL
GOVERNO DA PROVINCIA.
Couliniiaeio do expediente do di 20 dr setembro
df lMi.
Portara.O presidente da provincia, tendo em
vista os segrales oflicios:
I. Da mesa parochial da freguezia da Gloria
do (oit, de 10 do corrente, communicando os mo-
tivos, pelos quaes resolver suspender naquella
data os trabadlos eleitoraes.
2. Do juiz de paz Marrellinn de Salles Correa,
tamban de 10 deste mez. participando que, haven-
1 La nova as 3 b., 48 m. e 8 s. da m.
9 Quarto cresc. as 3 h., 30 m. e 38 s. da ni.
18 La cheta as C h., 40 m. e 20 s. da t
*tt*5ftS^Vtt\^3S& S ,Quart0 minVf \h:>3i m-e 'i8-da '
Boa Vista, Ouricury e Exu' as quartes feiras. I,i0 Lua nova as 8 h-> 23 m- e 10 s- ua '
Serinhaem, Rio Formoso, Taraandar, Una, Barrei-
m2l Aua Pre,a e Wmenteiras as quintas feiras. PRSAMAR DE HOJS.
una de Fernando todas as vezes que para a!i sahir
navio. I Primeira as 10 horas e 0 minutos da manhaa.
Todos os estafetas partem ao V, da. J Segunda as 10 horas 30 minutos da tarde.
PARliU OOJ VAPORSS COSiJROi.
Para o sul at Alagas a i> e 25 par-* o norte at
5- Fi h a 7 e 22 de cada mez' {,ara Fernano nos
das 14 dos mezes dejan, marc., maio, jul, set. enov.
PARTIDA DOS OMNiBl.
Para o Recife: do Apipucos s 6 Va, 7. 1 Vi, 8 e
8 Vi da m.; de Olinda s 8 da m. e 6 da tarde; de
Jaboatao as 6 '/ da m.; do Caxang e Varzea s 7
da m.; de Bemfica s 8 da m.
Do Recife : para o Apipucos s 3 V, *, 4 V., 4 A,
o, o/, 6 1/2 e 6 da urde; para Olinda s 7 da
manhaa e i >/, da tarde; para Jaboatao s 4 da tar-
de ; para Cachang e Varzea s i Vid 'arde; para
Bemca sida. Urde.
AD.'&NCA uOi aRiiUNa DA CAPITAL
Tribunal do commercio: segrndas e quintas.
Relacao: tercas e abhados s 10 horas.
Fazenda: quinta? s 10 horas.
Juizo do cominercio: segundas s 11 horas.
Dito de orphaos: torgas sexUs s 10 horas.
Primeira vara do civel: tercas sextas ao meio
dia.
Segunda vara do civel: quartas sabbados a 1 hora
da Urde
das >a semana.
19. Segunda. S. Januario b. m.: S. N1I0 I, m.
20. Ten;,-!, s. Eustaquio m.';S. Prisco m.
21. Quarta. S. Mathens ap.; S. Joas prof.
2. Quinta. S. Mauricio 111.; S. Sanlino b.
23. Sexta. S. Lino p. m.; S. Tecla v. m.
24. Sabbado. N. Senhora da- Mercs.
25. Domingo. Ascbagas de S. Francisco.
ASS1GNA-SE
no Recife em a liviana da praca da Independencia
ns. 6 e 8, dos proprietarios Manoel Figueiroa da
Faria & Filtao.
cargo de capitao do porto era consequencia de
achar-se gravemente doenle o chefe de diviso Jos
Mara Ferreira.Commuuicou-se ao inspector da
lliesouraria de fazenda.
Dito ao presidente da cmara municipal da villa
do Granito.Nao tendo arompanhadoao oflkioqu
Vmc. me dirigi em 29 de agosto ultimo a co-
pia da acta da inslallace do colcgio eleitoral dcs-
sa villa,aajque se refero; cumpre que m'a envi
com a possivel brevidade.
Dito ao thesonreiro das loteras.Attendendo ao
que me requereu a mesa regedora da confraria do
Santa Rita de Cassia esla cidade, autoriso Vmc.
a mandar entregar ao respectivo lliesoureiro An-
tonio ias da Silva Cardeal.depos do prazo da lei
ede haver prestado na lliesouraria provincial fian-
ca idnea o beneflci da segunda parte da primeira
dn a mesa parochial abandonado a eleicao orgam-1 wtena que tem de ser extraliida 110 dia 27 do cor-
sra, como substituto legal do 1" juiz d paz, nova rente em favor das obras daquella Igreja, da qual
mesa na matriz e proseguir nos trabadlos eleito-1 prestar contas opportunamente naquella reparti-
raes, tendo feito arrombar o cofre, aim de tirar a
opportunamente naquella repart
?ao o referido lliesoureiro.Communicou-so ao
inspector da thesourara provincial.
Dito ao gerente da companhia Pernambucana.
Pode Vmc. fazer seguir para os portes de seus des-
tinos os vapores Mamanguap* e Parahyba nos dias
e horas indicados emseu oliciode 20do corrento.
Portara.u Sr. gerente da companhia Pernam-
bucana mande dar transporte at o Rio Grande do
Norte no vapor Mamanguape, em lugar de re des-
linado apassageiro de estado, a Aleixo Barbosa da
Fonseca Tinoco.
Dita.O Sr. gerente da companhia Pernambu-
cana mande transportar para a Parahyba, por con-
ta do ministerio da guerra, no vapor Mamangua-
pe, um callao contendo roupa, o qual ser lauda-
do apresentar pelo director do arsenal de guerra
com destino enfermara militar daquella provin-
cia. -Communicou-se ao Exm. presidente daquella
provincia, e ao director do arsenal de guerra.
Expediente do secrelario do governo do dia 21
de setembro de ISOi.
Offlrio ao commandanle das armas interino.=
S. Exc. o Sr. presidente da provincia manda com-
inicar a V. S.. em resposla ao seu ofDcio n.
urna, que nelle eslava pnardada.
3. Dera segunda mesa parochial e do delpgado
de polica do termo, tambera da mesma dala, dan-
do parte de que um grupo de individuos invadir
a igreja naquelle dia pelas 5 horas da larde, que-
brara a urna e dilacerara o livro das actas e mais
papis da eleico.
i.u Da primeira mesa parochial, de 11 deste
mez, participando que, tendo cessado o impedimen-
to pelo ipial havia suspendido os seus trabadlos,
e rrciihecendo que a urna nao tinha sido violada,
eiiibora livessem arrombado o cofre, em que ella
se acbava guardada, havia continuado no processo
eleitoral, passando a apurar todas as cdulas, que
oram encontradas na mesma urna.
5." Finalmente copia authentica da acta de todo
o processo eleitoral, remedido secretaria do go-
verno pela sobredila mesa parochial.
E considerando que de todos os fados referidos
lias preditas pecas oficiaos resulta :
!.' Que se houve com effeito a organlsacao da
segunda meza, foi esta Ilegal e incompetente para
proseguir nos trabadlos, que a mosa legitima tinha
interrompido para pedir
sobre as eccurrencias
c-onbecimcnlo, e que
Lalhos esUvam nudo:
sido inutilisados pelo quebrntenlo da urna, como
aquella mesa e o delegado de polica o asseve-
raram.
2. Que se nao houve a organisacao daquella
segunda mesa nem quebrntenlo da urna, relos
estes de que nao trata a primeira mesa parochial,
c fra de toda a duvda, visto constar de todas as
conimuuica<;oes olliciaes d'ali recebidas, que fura
arrumbado o cofre, onde se achava guardada a
urna, sendo isto razo suficiente para suspeitar-se
que fra ella violada, e por conseguinle para
annullar a eleicao em face do que declara o aviso
de 3 de novemhro de 1860.
E considerando que da acta da eleico alm,
le oulras irregularidades nao consta que se tivesse
lavrado a acta da segunda chamada, irregularida-
de esta que vicia o processo eleitoral, segundo a
doutrna do aviso de 20 de marco de 1861; que
nao precederam edilaes conlinuacao no dia 12
dos trabadlos eleitoraes, suspensos no dia 10, falu
esta substacional que nullilica a eleicao, em vista
do que dispoem os avisos de 26 de judio de 1849.
11. 133 de 26 de setembre de I80O. n. 217 de 26 de
junlio do 1887, e de 7 de fevereiro de 1861, 3.
Por todas estas considerares c nos termos do
arL 118 da lei de 19 de agosto de 1846 e aviso
n. 540 de 19 de novemhro de 1861 resolve annullar
a elciclo de juizes de paz e vereadores a que se
pToceieu no dia 7 do corrente na freguezia da Glo-.
ra de Goit. e determina que ueste sentido se Quailel do coiuinamlo das armas de Pernamlmco,
expecam as ordena necessarias. Domingos de na ridade do Uecife, 22 de scicnibro de ISfii.
SU:(a "So- Ol DEM DO DIA N. 358.
,.. ""f 'T _, l'ma brigada composla dos l.ntalhoes 2" e 1- de
Oficio ao Exm. Dr. viga'10 capitular.-Pelo seu nfantaria, e de urn parque de artilhara comDosto
offlci de 16 do corrente. Iiquei intetrado de haver; r]e quatro boc -as de foco, guarnecidas por- praras
\. Exc. nessa data expedido as necessarias ordens 0 4. balalho de arlilharia a p, sol. o enramando
ao vigario da freguezia de Pelrolina, para mandar | ao Sr. cort,nei j-l0 Guillierme d.' Bruce, far bo-
enlregar ao de Sania Mara da Boa-vista, os hvros jt s 4 horas da tarde em frente da igreja de Nos-
dos assenlamenlos dos bitos do- annos de 18ol e sa Senhora da Conceicao dos militares as honras
1802 a ella perlencentes. fnebres ao finad., capitao do porto o Exm. Sr. che-
Dito ao commandanle das armas interino. -De- fe de ,|vlSa Jos Hara Ferreira. A brigada de-
TOlvendo o requenmeoto do soldado da companhia vera us,ar frmaija s ;t ,,2 horas no largo do Car-
de artfices Manoel Ignacio remandes sobre que m0j d-0llrte segaira ara dl, S0l deslino
versa a saa.informar*) de hornera datada sob n. 0 Sr. commandanle da brigada escolher os seus
163, o aateriso a conceder-lhe a transferencia que empregados d'entre os Srs. offlciaes dos corpos que
pede da uia companhia para o 4." batalhao de ar- arrumara.
Iilhariaap...... O parque ser rommandado pelo Sr. major Car-
D.m ao .n>pector da thesourara de fazenda- |0S Felippe da Silva Muniz e Abren, e ira mun-
Em'teU do que \_. S expoz em sna inforntaeao riado para rtar uma a)va de onzfi ros
dL' OsSrs. olliciaes que nao lizerera parle da briga-
da, sao Convidados a comparecerem na referida
igreja hora indicada.
Despachos dos dias 19 e 21 de setembro de 4SCI.
Ikquerimentos.
Abaixo assignados, moradores e commercianles
estabelecidos na ra do Crespo desta cidade.Ft-
cam expedidas as convenientes ordens no sentido
que pedem os supplicantes.
Aderes Claudino Rodrigues de Pava.Por ora
nada consta a esta presidencia a cerca do que re-
quer o supplicante pelo que nao pode ser defe-
rido.
Irmandade de Santa Rita de Cassia desta cida-
de. Dirja-se ao thesoureiro interino das lote-
ras.
Bacharel Joiio Francisco da Silva Braga.In-
formo oSr. inspector da thesourari. de fazenda.
Joaquim Francisco Basto. Requeira pelos ca-
naes competentes.
Manoel Joaquim Thomaz.J se expodio ordem
para a transferencia do supplicante.
Padre Jos Profiri Gomes.. Informe o Sr. ins-
pector da lliesouraria provincial.
Presidentes e directores dacaixa filial do Banco
do Brasil uesta cidade. Informe o Sr. inspector
da lliesouraria de f,izenda.
U0IMAND6 DAS ARMAS.
ment que incluso devolvo, o autorisoa mamlar pa-
gar sob niinl.a responsabilidade, nos termos do de-
creto n. 2,884 do primeiro de fevereiro de 1862, os
vencimentos relativos aos mezes de maio e junho
deste anno, do juiz municipal c de orphaos do ter-
mo do Cabrob, bacharel Agnello Jos Gonzaga,
visto nao haver crdito para esse pagamento, se-
gundo consta de sua citada informaco.
Diio ao inesmo.Para poder camprir quanM
me foi determinado cm aviso expedid, pelo minis-
terio da agricultura, commercioe obras publicas
era 17 do corrente, fazse preciso que V. S. expeca
suas ordens para jue (.or intermedio das colleclo-
rias sujelas essa thesouraria, se obtenha com
brevidadu 80 arrobas de gementes das tres incilto-
ros qualidades de algodaj cultivadas ne-ti provin-
cia, alim de serem por intermedio de cia enviados quelle ministerio, saccando e-;sa re-
Assignado.Lufa Jos Ferreira.
Conforme.Jos Francisco de. Moraet e Vascon-
celos, capitao ajudante d'ordens encarregado do
detallie luteiiiiameiite.
HTERIOR.
KIO Si: I4XKIKO.
ASSEMDLEA GER1L
CMARA lO.S 1HS HORE8
IKPUTAUOS.
particao sobre elle pela importaa-ia dasdespezas a Disruiso doSr. Ilr. InnocmicioSeraultico, na sessao
fazer-se Com o cusi e remessa de. Ue^seraentes. ,1. 13 .1.. .....,,.
como se ordena no final do citado oficio. Pas_Sdl-
Dilo ao inspector da tnesouraria provincial. (Continuaeao.)
Inleirado de quanlo V. S. expoz em sua informa- O Su. Serapuico :Porque ahi implicava a dig-
cao de lo do corrente, sob n. 409, o auloriso a nidade do paiz, que rneu dever sustentar, e pelas
mandar pajar ao profesor Liberato Tertuliano de razos j ditas, e por outras que nao aptesentei
Miranda Maciel, smeuteo que deixou de perceber por parecer estar fra da-materia.
de seu ordenado e gratilieacao no anno de 1861, e O Su. Vihiato :E aqui implic
ni.toda a quantia votada p'ara es-e tlm no 2." '
do
art. 8. da lei do orcamcnlo vigente, como elle pede
no requerimenlo sobre que versou sua citada in-
formaco.
Ditoao director das obras militares.Recommen-
do V. S. que, entendendo-se com os gerentes da
illuminaco gaz, providencie de modo a ser con-
certado cora a maior brevidade o braco do ran-
dieiro existente as cavallaricas do quartcl da
companhia de cavallaria cum|.rindo que na fac-
tura de semelhante concert, haja a conveniente
solidez, aflm de evitar-se a prxima carenra deou-
tro Fizeram-se as necessarias communicaQoes.
ca a dgnidade do
paiz, porque um contrato feito pelo governo com
uma companhia.
O Su- Sebaphico : Mas o governo nao fez de
sua approvacao questao de gabinete. Eujmostre
a diflerenca e desproporco que ha entre as con-
cessdes feitas ambas as companhias, e concluio
que enorme, que fabuloso, que iucrivel o que
se pretende conceder companhia Unio e Indus-
tria em detrimento dos cofres publico ; e isso tor-
na-se tanto mai* incomprehensive quando pra-
licado por urna cmara e por um partido que cora-
prometten-se soleraneinenle a zelar a fazenda pu-
blica, fulminar os esbanjamentos c promover a
Dito ao engenheiro encarregado da reparticao mais bem entendida economa dos dinheiros pu-
das obras publicas.Inteirado do contedo do seu bliros.
oficio de hontera, sob n. 254, tenho a dizer em res- Passo agora, Sr. presidente, a enumerar as van-
posta, que couvra que Vine, oreando separada- tagens que a companhia Unlao e Indusfria tem
monte a obra do caes que rene a ponte de Santo Dsofruido.
Amaro e da ra da Aurora, e bem assim o atierro Quando seorganisou essa companhia, em quan-
do que prerixa a ra do Lima, remetta-me esse to orcou ella cada legua da estrada ? Nessa poca
trabadlo para ser tomado na devida eonsideracao. foi oreada cada legua era 33:333$ ; entretanto,
Dilo ao mesmo, Recommendo Vine, em vista Iwie verificase que cada uma das leguas custou
de sua informaco de 19 do corrente, sob n. 252, 378:3575240, naocoraprehendendi os Juros, e.....
qoc entendendo-se com o empreitero do calca- 4(5:2445111 comprehendendo os juros E se
menta desta cidade, faca proseguir no da ra do se comorehenderem neste calcul. a importancia
Crespo, como pedem os respectivos moradores no da- cstac>s e terrenos, sobe cada legua a........
requerimenlo sobre que versa a sua citada infor- 508:197J000.
roacao, e depois desta neda rna Nova. *** VZ : -Aonde est isto ?
Dito ao primeiro tenente Ernesto Ignacio Car- O Sr. SriUchico : Pelo menos oli no parecer
dira.-Pelo seu oficio de 20 do corrente. iquei in- da respectiva commisso. o qisal anda foi impug-
teirado de haver Vmc. assumido o oxercicio do nado.
Supponho que as estradas de ferro nao se lem
oreado cada legua nesta quantia.
O Sr. Vihiato : Era quanlo entao se tem or-
eado ?
O Sn. Sehaniico : Nao posso dizer precisamen-
te. Para a da Baha cada mlha foi oreada cm
23,376 5 e para a de Pernambuco em 16,216 S.
0 Su. \ iiiiato :Pois bem, faca a conta e ver
aonde vai.
O Sr. Seraphico :Em todo o caso parece in-
crivel que cada legua de uma estrada de rodagem
suba aquella quanlia. Organisada a companhia
, Uniao e Industria a provincia de Minas, concedeu-
Ihe logo a estrada do Parahybuna cora as laxas
eslabelecidas, sendo a mesma companhia obrigada
a dar por anuo 18:000.
No anno seguinte, em 1854, passou uma lei pro-
vincial perdoando i\ companhia esses 18:0005 at
1856, dando-se-lhe, de 1857 cm diante, metade do
importe das barreiras para a conservaco dessa
estrada.
V-Be, pis, que a companhia na sua organisa-
cao passou ausufruir uma estrada para a qual niie
despender quanlia alguma, e para cuja conserva-
cao a provincia de Minas concorria com metade do
rendimento das barreiras.
Logo depois as provincias de Minas e do Rio de
Janeiro garanliram at o capital de 3,000:0005 os
juros de 5 por ceoto, e o governo geral garanti
por sua parte 2 por cenlo sobre o capital duplo.
Era 1855 o governo garanti um emprestirao
de 2,000:0005, 6 a provincia do Rio de Janeiro
autorsou-a a contrahir um emprestimo de.......
1,000:' 005, saccando ella contra a respectiva the-
souraria.
Em 1859 veio outra vez a companhia ao corio
legislativo, e pude obter uma garanta para levan-
tar um emprestimo em Londres na importancia de
6,000:0005.
Agora, Sr. presidente, pergunlo eu, qual a appl-
cacao que fez a companhia de todas estas quan-
lias, de todos esses favores t Em que foram ein-
pregidos todos esses sacrificios do thesouro ?
Era erros, em esbanjamentos, em disspacoes
conlessadas pela propria companhia.
O Sr. Vihiato : Confessadas, nao senhor.
O Su. Sebaphico : -A companhia nao confessa
que pralicou erros ? Eu leio islo em uma parle do
seu relatorio.
OSh. Vihiato :-Falla em esbanjamento ?
O Sn. SkhAfinco :Desde que os erros sao in-
desculpavcis, eu os considero esbanjamentos.
O Su. Viriato :Esbanjamentos houveram na
estrada de Pernambuco.
O Sr. Servrmeo : Estes esbanjamentos estao
comprcliendidos na quanlia de 1,240 e tantos eoli-
tos que o governo nao garanti.
Lendo, Sr. presidente, o discurso que nesta casa
proferto o presidente da companhia Uniao e Indus-
tria, quando deputado em 1862, vi que elle con-
fessou cem toda a franqueza os seus orros. E o
que, admirei mais, Sr. presidente, foi quo confes-
sando elle haver praticado erros sem JusUOcacao
possivel, veio entretanto pedir anda vantagens e
concessoes ao corpo legislativo.
Era jurisprudencia parece que uma das pravas
mais valiosas contra o aecusad a confissao do
facto ; entretanto aqui o presidente da companhia
l ni.ni e Indusiria entendeu que a sua cenllssao
deviaser motivo para obter absolvicao.
O Su. C. Mabi.heiha : E mais do que absol-
vicao.
O Sn. Seraphico :Nao conheco o presidente
da companhia l'nio e Industria, respeito rauito
suas intencoes, sel que um cidad.10 de repuiaoao
commeacial, e (jue tem boas qualidades ; mas ho-
to que elle nao foi raudo prejudicado nessa compa-
nhia, pois que consta-me que recebera as
commissdos respectars, que andavam eui avalla-
da quanlia, segundo se me tem informado.
Pareca, Sr. presidente, que, tendo a companhia
contraiiido lanos dbitos, devia Bear tambera era
debito para cora ,0 seu presidente ; mas nao acn-
leceu assim, para pagarem-se as commissoes ou
porcenlagens do presidente, foram tambem os d-
bitos contrahidos.
E" preciso.att.-nder outra eonsideracao. O capi-
tal oreado para esta companhia era de 5,000:000.5 :
mas os accionistas apenas entraram com.......
3.000:0005, e a companhia contrado um debito do
perto de 10,000:0005.
l que nao linha forcas para realisar por inteiro, na
importancia de 2,000:0005, as quantias correspon-
dentes s suas aeches, julgou-se entretanto habili-
tada |.ara contrahir e pagar um debito de........
10.00il.0005! E" um facto inexplicavel I
Sr. presidente, passarei a tratar da estago do
Juiz do. Fra. Sabe Vmc. em quanlo importou esla
estacio ? Era 780:0005; ao passo que a ostacao
aqui da corte, da companhia da estrada de ferro
de D. Pedro II, que deve ser de muito imiior capa-
cidade, imporlou em 365:0005, e todas as edifica-
cOes da estrada de ferro do Pernambuco importa-
ran! em 432:4425948, como se pode ver no anne-
xo n. 2 ao relatorio da commissao do Recife, encar-
roada pelo governo de examinar aquella estrada.
O Su. B.uiao ob Prados : A estacao do Juiz de
Fra imporlou em pouco mais de 100:0005 ; nes-
sa quanlia de 780:0005 estao comprehendidas to-
das as oficinas, etc.
O Sn. Seraphico : Ainda assim, para uma es-
lago de uma estrada de rodagem importar em
100:000.3, preciso que seja alguin palacio.
O Su. Cavalho de Mbndoxca : Nao precisa ;
basta comprar terrenos e todos os materiacs preci-
sos, como fez a companhia Unio e Indusina.
O Su. Seraphico : A respeito da quantia de
780 0005, cinjo-me, em quanlo o contrario nao fr
demonstrado, ao parecer da commissao de com
mercio c obras publicas, que ainda nao foi impug-
nado devidamunte. Quanto s pontes, Sr. presi-
dente, pelo que lenho lido, importarara algumas na
fabulosa quantia de 450:0005 I V. Exc. sabe que
na cida le do Becife, em Pernambuco, a communi-
cacao que se faz entre o bairro do Recife e o de
Santo Antonio por meio de orna ponte, e ponte
feila era um lugar, que serve como de embocadura
a duus ros quo alli lancam suas aguas, o Capiba-
ribe e o Beberibe.
Essa ponte uma das mais difieeis, j por cau-
sa da largura do rio, c j por causa da grande cor-
rente que alli ha ; uma ponte que, depois de fei-
ta, tal vez se torne a primeira do Brasil, segundo as
prcscripces ind cadas para a sua construccao.
Entretanto foi contratada em Londres por445:<>005.
O Sr. Babao de Prados : E' preciso attender
a sua qnalida Je ; esta de c de ferro batido, e o
seu comprimento de mais de mil palmos.
O Sn. SEiiAPinco : Digo V. Exc. que a lar-
gura da ponte de Pernambuco de 41 ps ingle-
zes, e o seu comprimento anda em 590 ps in-
glezes.
O Sr. Barao de Prados : Perde-me ; a do c
, como disse, de ferro batido, e houve a despeza
do transporto de todas as suas pecas para aquella
lugar, o que nao se deu a respeilo da de Pernam-
buco.
O Sn. SEn.U'iuco : E o nobre deputado pode
afirmar que na ponte do Recife nao se ha de om-
pregar ferro balido ? Posso ainda dizer-lhe que so
o trabadlo de alirapar tolo o leito do rio, que
profundo naquelle lugar, arrancando toda a pedra
ou alvenaria da antiga ponte desde os sens alicer-.
ees, deve, encarecer aquella emprcM.
I \olto a quantia que se deve pagar ao banqueiro
00 uto.
Sr. presidente, pralica constante que. quando
: urna companhia ou negociante faz ponto, licando
impossibilitado deelfectuar os seus pagamentos, os
crodores o auxiliara fazendo abatimientos, nao s
, dos juros, como raudas vezes de parle do capital,
para receberem alguma cousa de seus crditos:
entretanto nesta questao, o Sr. S ralo, que tera
l,41:O0O5de principal, quer receber 2.000:0005,
poniendo apenas uma pequea parcella dos juros.
O Su. Fialiio : J perdoou tresentos e lanos
1 con tos.
O Sr. Seraphico : Eu me cinjo ao que est no
parecer da oobre commissao ; vai receber o capi
, tal todo e mais 587 nonios e tantos de furos;
O Su. Fiai.ho : Est garantido.
0 Sr. Seraphico :Por quem?
O Su. Fiai.ho : Pelos bens da companhia.
O Su. Sehai'hico : Eolio por que recorre ?
O Sn. Fiai.ho : Creio que o banqueiro Sonto
nao veio pedir favores cmara,
j O Sr. Skiuphico : Nao est integralmente ga-
j ranlido, como pensa o nobre deputado, porque o
I estado maior credor que elle, e tem preferencia
j sobre os outros.
Ainda outro fado. Quando se concedeu e em-
' preslirao de 6,000:0005000 foi para que elle se
applicasse da seguinte maneira : 3,000:0005001)
i para pagar-se 2,000:0005000 que a companhia de-
via ao banco Mau, e 1,000:001)5000 para as letras
da provincia do Rio de Janeiro: os oulros.....
3,000:0005000 deviam ser destinados para o paga-
mento do Sr. Souto, cujo crdito era mudo menor,
e para concluso da estrada.
Pareca, pois, que quando o Sr. Sonto nao csti-
vesse pago em seu crdito 11 totum, nao devia elle
elevar a quantia que actualmente aprsenla. Se a
companhia tivesse dado applicaco legal a esses
fundos, nao seria boje devedora de lao enorme
quanlia ao Sr. Soulo.
0Sn. Cahvalho dk Mk.noo.nca : O que in-
| con^stavel que a obra de grande importancia
e de umita vantagem para o coniraercio entre
esla corte c a provincia de Minas, que na dis-
tribuido dos dinheiros pblicos tem sido sempre
esquecida.
O Sn. Seraphico : Nao conleslo que a obra
1 seja de grande importancia, mas o que digo
c que as vantagens della nao compensam os
sacrificios feilos; com o capital empregado po-
' diam-se fazer duas ou ires estradas de rodagem.
E demais, Sr. presidente,consta-meque em 1861
a companhia pedio ao governo que Ihe comprasse
a estrada pelo valor Bella gasto; mas o governo a
I receber boje pelo valor della? Nao, mas por tira
I proco- milito alera do seu valor.
Ainda oulro erro da companhia, Sr. presidente,
quando ella precisou desse emprestimo de-----
6,000 0005000, devia, quando nao suspender lodos
os Trabadlos da eslrada, diminiti-los ale receber o
produelo do emprestimo.
OSquo fez, porcra. ella ou antes sua adraiuis-
traelo ?
Conserven o mesmo numero de operarios, os
mesmos trabalhadores, que subiain a 3,000; con-
timiou, pois, a fazer a mesma despeza. E como
occorria essa despeza ? Tomando emprestado
aqui, ao mesmo lempo que os agentes do governo
jpromaviam em Londres o emprestimo de.....
6,000:00005; e como o produelo desse emprestimo
cliogou a esta corle dez mezes pouco mais ou me-
nos depois de contraiiido, pagou a companhia juros
em duplcala durante aquelle tempo aos credores
daqui e aos de Londres.
Sr. presidente, vista do que lenho uxposlo;
vista dos grandes favores que o governo tem pres-
tado esta companhia : vista dos enormes sa-
crificios que o estado ja lem feito por ella ; vista
dos erros, das disspacoes injustificaveis que se
deram, me parece que o projecto nao pode sor
approvado, porque elle irapoe no vos e ayudados
sacrificios ao thesouro nacional, que j lula com
um dficit espantoso.
Eu, portento, termino o rneu discurso declaran-
do que nao posso dar o raen voto ao projecto tal
qual se acha concebido. Se porventura apparece-
rem emendas que o modifiquen), nao duvidare vo-
tar por essas emendas, mas emquanto elle nao fr
alterado, emquanto contivor clausulas lao onerosas
aos cofres pblicos, he de recusar-lhe o mcu
voto.
O Su. Cahvalho de Mi:xdom;a : Porque nao
offerece a emenda ?
O Sr Seoaphco : Outros mais habilitados que
o facam.
Sr. presidente, sinto ter roubado tanlo lempo;
sinto inesmo nao ler podido satisfazer c.'.nia-
ra, visto como son deputado novel que nao tem
Jubito de orar (nao apoiados; tem fallado milito
bem), que nao lem facildade de expressao (nao
apoiados), c que poda apenas balbuciar um tosco
discurso; c por isso antes de sentarme peco
cmara que desculpe meas erros, e ao mesmo
lempo que suppra com suas lotes as lacinias, em
que ira possa ter rahido. (Milito bem, muito
bem.)
I (O oradur couipri mentado.)
Vctii mesa, sao I idas, apoiadas, e entrara con-
junctamentc era discussao, as emendas que se
achara publicadas no Jornal de 3 do corrente.
A discussao fica adiada pela hora.
Achando-se na mesa as cuntas apresentadas pelo
lliesoureiro, foram mandadas uma commissao.
E' adiada a discussao de um contrato typographico,
e mandado que se consulte as de mats tjrpograpMas
desta cidade; sao approvadas algumas emendas
aos estatuios, mandada mesa pelos socios Jos
Paulo Filho, e M. Lucio Fillu ; e adiado um arligo
additivo dos mesmos Srs. com uma emenda do so-
cio A. Cunha.
Quinta-feira encerrou o Sr. Julio dos Santos
Pereira os seus trabadlos de prestidigitarlo, apo-
sentando uma nova variedade de sones que muito
agradaram, bem como novas pecas de inachinismo,
que prenderain a alinelo publica.
Dentro em poneos dias seguir elle para a Euro-
pa, onde vai estudar a arte que professa. Deseja-
raos Ihe prosperidades e bom resultado.
Ainanltaa lera lugar a festividade de Nossa
Senhora da ConceicSo da Escada na igreja de Nos-
sa Senhora da Concedi dos Militares, orando ao
Evangelho o Rvra. Fr. Joaquim do Espirito Santo e
no Tc-Deum o Rvm. Antonio de Mello e Albuquer-
que. Pela madrugada ser levantada a bandeira.
A companhia dramtica do Santa Isabel vol-
ta amanha a trabalhar no Cesar de buzan,
drama bem conbeeido e apreciado entre nos ; to-
mando nelle parle, pela vez primeira, aSra. D. An-
tonina Marqueluu que, nesdizem vai muito bem.
No districlo dos Afogados, pelas 5 horas da
tarde de ante-hontem, Joao Moreno desfechou um
tiro de espingarda em Leonardo Jos de Souza,
que ficou ferido cima do pedo esqtterdo, e logo
trateu de evadirle. O respectivo subdelegado pro-
cedeu ao competente corpo de delicio.
No da 16 deste mez, pelas seis horas da tar-
de, em trras do engeulio Boa-vista, do termo de
Serinhaem. Jos Alvos de Souza, velho e paraliti-
co, foi ferido levemente pelo Portuguez Francisco
Ferreira da Cruz, que foi preso em flagrante, e es-
t sendo j processado.
Repahtiqao da polica.
Extracto das partes do dia 23 de setembro
de 1864.
Foram recolhidoscasadedetencrio no dia 22 do
corrente:
A' ordem do Illm. Sr. Dr. chefe de polica, An-
tonio Francisco Ferraz e Pedro Pereira da Silva,
vindos do presidio de Fernando.
A' ordem do subdelegado de Santo Antonio, Joao
Francisco dos Anjos c Anna Mara dos Prazcres,
por desorden).
A' ordem do de S. Jos, Bernardo Africano da
Silva Ponles, por disturbios.
A' ordem do da Capunga, Manoel, escravo de
Miguel Archanjo de Audrade, requerimenlo
desle.
O chefe da 2' seceso.
J. G. de Mesquita.
Moviracnio da casa de detenco do da 22 de
setembro de 1864.
Existan....... 338 presos.
Entraram...... 21
Sahiram ..... 4
Exisiem.....
A saber :
Nacipnaes ..
Muflieres....
Eslrangeiros.
E-trangeira .
Escravos___
Escravas. ...
355
300
6
8
)
35
355
PERNAMBUCO.
REVISTA DIARIA.
Fazera boje vinte annos quo fallecen S. M. I. o
Sr. D. I. Por esse motivo conservar-selio era fu-
neral os esiandarles das fortalezas, navios de guer-
ra e mercantes, dando a fortaleza do Brum um tiro
de dez em dez minutos e salvando pela manhaa e
tarde
Desde quinta-feira que publicamos neste
Diario o annuncio da direcelo do Hospital Portu-
guez de Beneficencia, convidando o publico desta
capital para o leilo de prendas em beneficio do
mesmo, que cm continuadlo do domingo passado
ter lugar amanha no sitio denominado do Ca-
jueiro, perlencenle a esle estabelecmenlo de cari-
dade. Consta-nos que peles esforcos empregados,
este leilao ser, alm do beneficio que delle provi-
r aos pobres alli recomidos, mais urna diverso
para a nossa populacao.
Quarta-feira tunecionou a Associacao Bibiio-
thecaria Pernambucana, sob a presidencia do Sr.
Dr. Torres Bandeira.
Lida e approvada a acta da sessao antecedente,
o Sr. 1 secrelario, deu conta do seguinte expedien-
te : Tres nmeros da Revista Mensal da sociedade
Ensaio Cinerario, offerecidos pelo socio correspon-
dente Flaviano de Cantalici, tres nmeros do Futu-
ro, offerecidos pela respectiva redaeco; um volu-
nte das poesas intituladas Harpejos da tnocidade,
offerecblo pelo ulor, o socio Souza Pinto, um volu-
nte das Mononas Histricas de Nossa Senhora do
Bom-Gonselho, oderecido pelo autor, o socio Dr. Ho-
norato : foram todos recetados com especial agra-
do, c Vio archivar.
Foram approvados para socios correspon>nles
os Srs. Dr. Silvno, Etvidio Carneiro da Conha e A.
Correa de Castro; o primeiro residente na provin-
cia da Paranvfca. e o segundo na, te S Paulo..
Alimentados cosa dos cofresprovinciaes 148
Hovimento da enfermara do dia 22 deseteral.ro
de 1864.
Tivoram alta :
Manoel Joaquim da Silva.
Semeo Ferreira Ordonho.
Joaquim Francisco Leandro.
CAARA MUNICirAL.
SESSO EXTRAORDINARIA EM 3 DE AGOSTO
DE -1864.
presidencia do sr. barros reg.
Presentes os Srs. Rogo o Albuqnerque. Henri-
ques da Silva. Barata de Almeida, Gustavo do Re-
g, Maia, Se.w, Mello e (araeiro.
Abre-se a sessao, o lida e approvada a acta da
antecedente.
L-se o seguinte
EXPEDIENTE :
l m ofilcio do Exm. presidente da provincia, re-
commendando houvesse a cmara '.le Ihe remelter
discriminadimcnte, e com urgencia, as informa-
cf.es exigidas as circulares 'aquella presidencia
expedidas em 5 e 7 de judio de 1862, e 31 de
marco ultimo. Que so expdisse as convenientes
ordens aos Oseaos e ao engenheiro cordeaiior.
Outro do secretario do mesmo Exm. presidente,
remetiendo de ordem de S. Exc, um excmplar das
leis promulgadas nesta provincia no corrente an-
no.Que se archivasse.
Outro do juiz de paz mais volado di. 1" districlo
da freguezia da Varzea, o Exm. barao de Muribe-
ca, acensando a recepciio do que a cmara Ihe di-
rigir em 8 de judio ultimo com uma relacao dos
votantes de parte do 8" quarteiro da freguezia de
S. Loorenco da Malla, os quaes devem volar n'a-
quella freguezia da Varzea na eleico de juizes de
paz e vereadores, conforme ordenara a presiden-
cia por forca da lei n. G'M de 13 de maio deste an-
no, e dos avisos nmeros 21 de 23 de Janeiro e 1)7
de 20 de abril de 1849, 291) e 3i4, de 18 de junho
de 1863 faz diversas consideracfles a respeito, e
ronclue declarando que lem por tira provocar
acertada e legal deciso para que .1 eleico se faga
regularmente.Posto em discussao, o Sr. Mello
pede a plavra, e diz que parecendo-Mie justas as
ponderarles feitas pelo referido juiz de paz, en-
tende que se deve consultar ao Exm. presidente da
provincia.Xoste sentido se resolveu.
Oulro do engenheiro cordeador, informando so-
bre o requerimenlo, no qual Jos Peres da Cruz,
pede para que Ihe seja permitlido, fazer uma so-
lea era seu sobrado silo ra larga do Rosario,
freguezia de Santo Antonio, igual que fra rc-
centemenle feita na casa contigua a delle peticio-
nario ; diz que o sobrado em questao nao tem as
dimensSes marcadas as posturas, mas que as
mesmas circumstancias eslava aquelle quo elle
se refere.Concedeu-se.
Outro do mesmo communicando, em cumpr-
mento ao que Ihe foi ordenado em 27 do corrente,
relativamente a segunda parte do offkio do fiscal
da freguezia da Varzea; declara que indo exami-
nar a estrada que vai para aquella povoaco, achou
que com elfeito precisa ella de algnos reparos
principalmente no principio e fim,Mandou-se
orear a despeza do concert.
Oulro do mesmo, informando o requerimenlo,
no qual Aut-mio Jos Martins Br ga, pede para
que Ihe seja permiitido fazer um muro com um
porlo no terreno em queja oitteve licenca para
edificar uma casa na ra do Jardim, bairro da &>a
Vista j declara que nada tem que oppor a prelen-
cao.Mandou-se dar cordeaco.
O Sr. Mello pede itcenca e retira-se.
Outro offlcio do mosmo engenheiro, informando
o reqiierimento. de Manoel Antonio da Silva Rios,
no qual pedo para que Ihe seja concedido edificar
uma casa terrea com sota na ostrada quo vai pa-
ra o gitiadjQ Cajueiro, junio a ponto da Passagem,
lendo a mesma casa 40 (palmos de largura e no-
vente de fundo; declara nada ler que oppor, unta
vez que para a construccao da obra Ihe seja dada
cordeacao. Mandou-se cordear.
Outro do inesmo. informando o reqiierimento.
no qual Francisco Jos Goncalves da Silva, pede
para que lhu seja permitlido demolir a fente de
seu armazcm sito a na da Conceicao, freguezia
da Boa Vista n. 21, e levanta-la de novo, fazendo
neha um porteo de 12 palmos de largura, diz que
o |>orteo como o peticionario pretende, a litar cora
a altura das portas ordinaria-, apresentar a lisu-
ra de um qnadrado perfeito, o que ao seu ver pro-
duzra ura m.io elfeito entre as portas das outras
casas que estao dos dous lados da do peticionario.
Avista da informaco nao tem lugar.
Oulro do mesmo, informando o requerimento
em que Joaquim Manoel Ferreira de Souza, repli-
cando, pede para que he seja permitlido fazer em
seu sobrado rna Direita n. 65 os comerlos que
ja requeren, demolindo tambem os oiti.es do me*-
1110 sobrado at certa altura, e levantndoos de
novo, diz que os oitoes de que se trata sao feitos
de ura so tijollo, e que estando elles desaperna-
dos devora ser demolidos al a altura das impen-
as, ou mesmo um pouco mais abaixo; diz anda
i que e verdade que sendo a casa bstenle estrella,
pode ser feita a obra que o peticionaria pretende
; sem inconveniente, nem perigo, mas que nao
milito de conformidade com as posturas em vigor.
DilTeriu-se de conformidade com a informaco.
Outro do administrador do cemiterio publico.
commanicando que a confraria de Sania Hila de
l.assia tem lies partes de suas catacumbas definiti-
vamente promptas, estando em concluso a que
falta, por isso pede cmara que transmita ordem
ao procurador para dar guias quando Ihe forem
exigidas por aquella confrariaMandou-seofflciar
ne.-le sentido ao procurador.
Outro do fiscal da freguezia de Santo Antonio,
informando favoravelmente a petcio, na qual
Joo Martins da Luz, pede perntissa para assen-
lar ua casa n.. .da Iravessa da ra Bella uma pe-
quena forja de ferreiro; e della usar para as pou-
cas obras que tem de fazer.Concedeu-se.
Outro do mesmo pediodo cmara que seja ser-
vida mandar pagar ao facultativo Franri-co Jos
Cyrllo Leal a quanlia de 365000 de seis corridas
sanitarias que com elle proceder nos estabelcc-
nientos da mesma freguezia de Sauto Antonio, cm
30 de otitubro e 15 do novemhro do nono passado.
22 de marco, 19 e 21 de abril deste anno.Que o
contador passasse mandado.
Outro do fiscal da freguezia de S. Lourenco da
Malta communicando quo em consequencia de se
adiar a povoaco da mesma freguezia, e pal da
matriz bastante chela de malto, mandn proceder
ao alimpamento, dispendendo cora esse trabadlo a
quanlia de 135000, da qual pedia cmara Ihe
mandasse pagar.Que o contador passase man-
dado.
uutro do administrador do cemiterio da fregue-
zia do Poco, remetiendo o mappa dos enterrainen-
tos feitos no dito t-slabelecimcnto em lodo o mez de
judio ultimo.Ao procurador.
Oulro do administrador do cemiterio de S. Lou-
renco da Malta, remetiendo tambera o mappa dos
enterramentos feitos no mesmo estebelecimente
desde 21 a 31 do dito mez de judio.Igual des-
tino
Foi approvado um parecer da commissao de po-
lica (Srs. llego e Albuquerque e lleiiriques da Sil-
va), dando por conferidas as contas da receite e
despeza municipal, prestadas pelo respectivo pro-
curador, no trimestre do primeiro d'abril ao ulti-
mle junho passado.
Foi tambem approvado o seguinte requerimenlo
assignado pelos Srs. presidente Barros Rogo. Reg
Maia e Carneiro :
t Sendo de reconhecida necessidade que o cemi-
terio da freguezia de S. Loorenco da Mata lenha
algumas catacumbas, alim de que nellas se enter-
ren! pessoas de mais alguma eonsideracao, cora o
que se dar maior impulso aquello estabelecimente
que ora se acha amortecido, pois nelle gmente se
enterran) escravos e pessoas desvalidas, propomos
quo esta cmara mandr: edificar 25 catacumbas,
sendo 13 para adultos e 12 para prvulas, e sondo
essa despeza levada verta de eventuaes, ou
qualquer outra quo, nao se arhando anda esgoia-
1I.1, possa sobrecarregar-so della.
t Paco da cmara municipal do Recife, 3 de
agosto de 1864. Barros Reg.Ib-g Maia.Ca-
rneiro.
O Sr. Seve apresen too a seguinte proposta, que
foi approvada, sendo o mesmo senhor encarregado
de procurar o terreno necessario para a praca do
mercado, de que trata a dita resposla :
- Resentindo-se esta capital da falta de orna pra-
ca de mercado, que rena em si certa ctasse de g-
neros alimenticios, que consuma diariamente a po-
pul.ieo, como se d em outras cidades de inferior
cathegoria, mesmo deste imperio, e recouhecendo
a exiguidade de meios de que pode dispor a mu-
nicipilidade, proponho que esta cmara compre
ura terreno era lugar conveniente, o qual nao soja
menor de 500 palmos em qnadro para ser deslina-
do alludida praca, e mande pelo respectivo enge-
nheiro levantar planta, fazer o oreamento da
obra, e offereca a sua edificaco particulares,
mediante uma convenci de uso-fi ucto, licando a
mesma obra sob a immediata inspeceo da cmara,
que sua custa mandar construir um chafariz
no centro da praca, devidamenle aulorsada. Fin-
do que seja o prazo que lor convencionado, passa-
r ao dominio da cmara nao s a predila praca.
como todas as obras que nella existirem. O ve-
reador Francisco de Miranda Leal Seve.
Mandou-se remetter ao administrador do cemite-
rio publico desta cidade, para informar, o requeri-
mento, no qual a irmandade do Santissimo Sacra-
mento da matriz do Corpo Santo queixa-se de ter
o mesmo administrador devolvido o offlcio, que Ihe
fra nirgido pelo re.-pectivo escrivo, communi-
cando quaes o juiz, thesoureiro c escrivo eleilos.
e como taes competentes para assignarem as car-
tas patentes dos irmos da referida irmandade, sob
o fundamento de nao ter sido dito oflicio assignado
pelo juiz.
A cmara municipal foi intimada por 1 homo R>
drigues da Cunha e outros por embargo de obra
nova no cano de esgoto, que no campo das Prin-
cezasesl fazendo o t.aro do Livramento.Que-se
cemmunicasse ao procurador para levar ao confie-
cimento do advogado para pedir vista.
Despacharam-se as petieoes de Antonio Jos Mar-
tins Braga, Antonio Domingues Marques Romo.
Augusto Cesar de Azevedo Gttedes, Bernardino Jo-
s Leito, Francisco Flix Goncalves, Francisco
Jos Gencalves da Silva, raonsenhor Francisco Mu-
niz Tavares, Francisco de Barros Corroa, bacharel
llermegenes Scrates Tavares de Vasconcellos, ir-
mandade das almas da freguezia de S. Lourenco
da Malta, irmandade de Nossa Senhora Mal dos
Homens, Joo de Carvalho Rapozo, Jos Das da
Silva, Joao Antonio d'Almeida, Jos Joaquim dos
Sanios, Kein A Martins, Manoel Antonio da Silva
Rios, Silva & Santos, Thom Rodrigues da Cunna.
e outros ; e levantouse a sessao.
Eu Francisco Canuto da Boaviagem, secretario,
a suhscrevi.Barros Reg, presidente.ltenriquos
da Silva.Barata d'Almeida.Reg.Leal Seve-.
Melle. Gameiro.


i
Diarlo de Persaatkaeo Sabhado S-l de setembro de l 4
(TONCA JUD1CURU
TKIHI.V\Ij WO.II IIV
.V SESSAO-DIA 22 DE.SETEMBRO DE 1864.
IHESIDENCU DO S*. OH. JOSK ANTONIO DE ABAL'JO
FROTAS IIENMUUES,
Jfir DE DIIIEITO DA SEGUNDA VAUA CRIMINAL.
Promotor publico, o Si: Di: Jos Paulino da
Cmara.
conservador e liberal, e contando com a matara das chaves linha sido tomada na aiile-vespera ao tido na comarca
e votar ao desta freguezia a um
do nossos concidados, nao era romtudo sem gra- respectivo sacristn pelo delegado. Desta capella, ostracismo petar que o dos qualorze annos.
ves npprehenses que vamos aproximarse o dia porm, fui a mesa anida expulsa, forca armada, Felizmente os seus poderes nao chegarao, como
designado para essas eleicoes. com o 2 juiz de paz, qaem ella havia chamado creta, para meterem a sisania entre os meus dis-
E realmente qaem visse o referido delegado-juiz para fazer outra elegao ; veodo-se por isso obliga-'. tinelos e numerosos correligionarios da freguezia.
municipal, escravo suhmisso dessa execranda fae da, em consequenra de ter o proprio delegado, Desvanego-me em acreditar que por esse lado
cao, que, por nossa iufelicidade, actualmente pre- acompanhado pelo commandante da Torca, fechado colher o pescador por excaltaocia-
side os destinos do paiz, encarregar-se desdo muito a igreja e postado sentinellas todas as suas por-' Dis|)onlia dos bons instrumentos, que aqu tem
de ir preparando o terreno aos seusassociados, per- tas, ir com o povo fazer nova eleicao casa do sua disposiga, vanglorie-se com|as bellas arqui-
seguindo sem motivo muitos do partido liberal, dito 2" julz de paz, meia legua distante desta ct- sigues, que tem feto para o seo partido, edeixe-|
EtcmBo, o Sr. Joaquim Framisco de Paula tww prendendo sem causa alguns c at valendo-se da dade. me em paz com a minha conscieucia, que se do
res Clemente. soa malfica ititluencia no conselho de revista da Retirada a mesa, e o partido liberal da igreja alguma cousa se resente, 6 o ter, por momentos,
Adcogailo, o Si: MiuimianJosde]no)osa,estu- guarda nacional para desqualificar illcgalmcnte matriz, la licaram lie somente a forca publica, os feito causa conimum com quem s digno de mi-
dante do quarto mino da Faculdade de Y'"''0.. a individuos que ha muito se achavam qualilcados ceroulas armados do major Quinteiro e os inspec- litar as flleiras de um partidocomo aquelle em
A's 10 horas da manhaa, feila a chamada, acna- e serviam, o para rebaixar nesse mesmo conselho lores de nuarteiro ; e no entanto, dous dias de- que taes entidades tem importanciasem a raere-
ram-se presentes 36 seuhores jurados.
. um farriel, nao poderia deixar de nutrir, sem pois
ao> ar.. ju- duvida alguma os mais srhs receios quanto a se- guel
, no sabbado, appareceu por entre duzias de fo- cerem.
Foram multados em 205 cada um ao: >rs. ju- duvida alguma os mais sri >s receios quanto' a se- gueles soltados o r, e comoque para esearneo da Nem pense o publico que vindo imprensa em
hoje.
lao
.ira-
guranra individual c ordem publica, "geralmonto
ameacadas pelo mesmo delegado.
A demissao, havida na ante-vespera, do subdele-
gado I.uiz de Andrade Lima, honiem geralmeulc
briosa pepwlacao desta cida4e, um edita! dando prol da minha dignidade offendida levo a mat o
mil e trezentos votos aos mais votados da parcia- acto do governo ; ao contrario tenho-o como um
lidade Vieira de Amorim !! I... favor, por me dar a conhecer que nao fui un cm-
Eis como, na inteira veracidade dos fados e pa- pregado de sua conliauga,e de que nao transig com
rados que faltaran
O Sr. miz de direito declara aberla a sewo.
Entra einjulgainculo o reo Francisco bracis
da Araujo, acensado por crime defnmenws
ves feitos na pessoa de Francisco Becerra, estimado e que merecer a confianza de todas as ra maior escarooo da actual adrninistracao, se re- ajninba conscieneia sacrificando, como oulos, os
Procedeudo-se ao sorteio o jury de sentenga, autoridades com quem servir, e a sua substituicao presenlou aqui a farca eleiloral encomm'endada ao principios a simples conservacao de um emprego
foram recusados pela promoloria os Srs.
Ju.o Antonio da Silva Pereira.
Capitn Francisco llaphaei de Mello Reg.
Francisco Jos Cyrillo Leal.
Jos liento da' Cosa.
Francisco Antonio Pontual Jnior.
Jos Antonio Vieira de Souza.
Pela defeca foram recatados os Srs.:_
Dr. Aprigio Justiiano da Silva Guimaraos.
r. Ignacio Firmo Xavier,
lienuino Jos Ta vares.
l)r. Benrique do liego Barros.
I)r. Antonio Jos da Costa Ribciro.
Dr. Demoslhcnes da Silveii a Lobo.
Dr. Francisco Teixeira do S.
Dr. Francclino Bernardo Quinteiro.
O jury de sentenga licou composto dos 8W. se
guintes :
Augusto Cesar da Cunda.
Luiz l'ereira de Partas.
Francisco de Miranda Leal Sove.
Dr. America Sello de Mcndnca.
Joao Joaquim de Siqueira Varejo.
Candido Aunan da Marta Albuquerque.
Dr. Horacio Valfredu Peregrino da Suva.
Francisco Antonio de Brtto.
Joao da Silva Paria,
'os Joaquim da Costa.
Antonio Machado Pe eir Vianna.
Antonio Gomes de Miranda Leal.
dos Sanios
Kvan-
- 8
por Joaquim Bezerra da Silva, a anlhilhcse perso- Sr. Miguel Bernardo'Vieira de Amsrim. de polica.
nalisada daquelle e manivtlla propria e ageitada Porlanto, fortes em nossos direitos e senhores das Creio ter satisfeito ao fim a que me propuz. Tes-
tudo, que ja no dominio do partido conservador j nossas conscicncias, protestamos solemnemente con- tando-me pedir-lhes, Srs. redactores, a publicacao
fora demittido bem do servico publico, por causa; Ira lodos esses escndalos, praticados pelo delega- destas linhas as columnas do seu jornal, pelo que
das snas tropelas; a noticia geralmente assoalha-1 do, juiz municipal, e sobre tudocontraessa chama-1 Ibes ser gralo.
da BatU cidade e seus arredores, de que o delega-' da eleicao da matriz, que tudo pode significar, roe- Joo Alces Camello Peretra de Lyra.
do, nao contente com a forca de linha e polica aqui nos a expressao livre e expontanea da vontade da S. Vicente, setembro de 1864.
existente, nem com a prumessa de que Ihe viria populagao desta fregnezia ; pois que, lendo-se o' ___
outra dnssa capital, mandara reunir gente armada povo retirado com a mesa, logo na manhaa do dia Constando que existe em caixa pertencente a
pelo major da guarda nacional de reserva, Miguel 8, a votacao forjada na matriz somente poderi ser massa ra,|ida de Amorim Fragoso Santos & C,
(Juinteiro de Pontes, o que este effectuara, empre-: eita pelos capangas do major Qunleiro e espoletas para mais de duzentos onlos de'ris e que se
gando ameaeas de prisao e recrulamcnto contra ; do delegade. vai proceder ralei de cinco por cenlo que impor-
a<|uelles que se mostravam i einissos; anda maior : Acreditamos que este ultimo, como por vezes elle (a enl sef00ia e tantos cotilos entretanto que pelo
temor veio fazer calar em nossos nimos e nos da proprio declarou, nada fez por si, mas sim por or- capital existente deve o ratei'o ser pelo menos de
maiona de nossos comparochianos. dens expressas do governo da provincia. Todava i2 por cento, pois niio ha necessidade de car em
bcun i'ITmto ludo se marera envidar, todos os o seu proeedimento para comnosco e indesculpa- caixa.to avullada quantia em prejuiso dos cr-
melos eran bons aos nossos adversarios para com- vel, e lamentamossinrerarnente e de coracSo a esse ,j0re venlwpeio presente regar aos granares di"- i
joven, que logo bo principio da soa vid poWica, nos adininistradores que dando mais urna prava I
tantas pravas da do servilismo de que suscepti- d 2l,i qnc tem tomo iog ntcrcssos UOs ere- i
vel. Se S.S. para agradar nicamente ao presiden- dores, hajam de propor ao lllm. Sr. juiz do com-i
le da provincia, Unto se degradou nessa occasjao, mer,.0 [)ara,|Ut 0 prmeiro dividendo se ja de toda
o que nao fara para contentar a tantos e laittos mik txislenle em aljatida Sll)ente a
map, fazia aqu a sua entrada solemne e la abaratar- barrigudos potentados de que e prenhe esta nossa necessaria para desness Uto Ihes nede
se em unas casas ao lado da matriz ; iftBdo previa- pobre Ierra f I... o credor necessitado.
uienle largado as armas na ra entrada desta ci- Desgranado paiz em que o exemplo da corrup- j
daile, afim de as irem buscar em occasiao mais op- cao, do servilismo, da abjeccaee das matares tor-| "~"
poriuna, quic a horas moras da noile. : pezas parte daquelles em cujas maos est confiado lllm. Sr. Jos da Rocha Paranhos.Com a maior
E nao ludo. No mesmo dia noile, parle o seu doslino, e mil vezes desgranado ainda aquel- satisfacao lanco mao da penna para Ihedirigir estas
de urna forca de tropa de linha, cujo resto chegoa le, cojos filhos se mostram precoces na pratica des- linhas em agradecimento ao proveito que tive do
na manhaa do dia 7, guiada por um alferes, no-' sas mesiuas torpezas e aegoes ignobeis. uso que fiz do xarope acoolico de vellame, da sua
meado commandante tul hoc, fazia ignamenle Ir- i Cidade de Caroar, 9 de setembro de 1864. eompesicao, para que V. S. disto tetrha conhecimen-
Jos Isidoro dos Santos. 'o; e o respeitavel publico proveito. Desde 1858
Luiz de Andrade Lima. que soffria as maiores dores rheumaticas, compH-
Anionio Innoceacio Florencio de Vasconcelos, cadas com o que a medicina denomina siptiilis, e a
de do Sul, consignado Amorim Irmaos, maaifes-
tou o seguinle :
10,700"arrobas de charque, 634 ditas graxas em
bexlgas, 118 dilas sebo em pes e 60 eouros sec-
eos ; ordem.
Brigue hannoveriano Schlump zu Lulle, entrado
do Rio Grande do Sul, consignado Mala i Espi-
rito Santo, manifeslou o seguinle :
13,901 arrobas de charque e 70 couros seceos
vacuns ; ordem.
Mo vi meato da alfaudega
Volames entrados com fazendas... 3
com gneros... 344
Volumessahidos com fazendas... 47
< com gneros... 689
Descarregam no dia 24 de setembro.
Barca bremense-Zfnwnwfarinha de trigo.
Escuna hespanholaCharrucavinhos.
Recebedoria de rendas Internas
geraes de Pernaubuco.
Rendimento do dia 1 a 22........ 20:8414289
dem do da 23................. 709J622
dias que ser afllxado nos lugares de coslume e
publicado pela imprensa.
Dado e pasa lo nesla cidade do Recife de Per-
nambuco, aos 21 de setembro de 1864.
Eo, Manoel de Carvalho Paes de Andrade, es-
i crivao, o subscrevi.
TrisISo DECLAMASES.
COMPAA
21:5505911
Consulado proTinclal.
Rendimento do dia 1 a 22......... 56:3514450
dem do dia 23................. 3:0554081
59.40-i 4531
primirem o voto livre desta briosa populco. No
dia 6 pelas 11 horas da manhaa, pouco mais ou
menos, urna forca de 70 honiens, metade cavallo,
metade p, formados dous de fundo e com man-
dados pelo dito major Quinteiro e um fulano eu ir-
E prestaran o juramento
gelhos. ..,,_ dn I rupeo nesla pacilica cidade.
Foi o reo interrogado, e procedeu-te a iciiura uo i Encoraj;,do pela chegada successiva de lanos e
processo. tantos auxiliares armadas, elle, o delegado-juiz mu-
(i Sr. promotor pedio a condomnacao o i eo no nciua|i ac|,are| Miguel Bernardo Y*eira de Amo- ;
aro mximo do ari. 116 do cdigo criminal. rim ,me VoJ.a a ngenuidado de por vezes confes-
O Sr. advogaJo deduzindo a deeza, pedio a aD-^ sar que, sem o emprego da forca armada ou da
>oIvico do reo. na I ^rau'le' faeco ligneira jamis poderia vencer a
Piados os desates, e preenchidas as soieratnaa- t.|ejCa0i recanhecendoassim o triumpho moral dos !
seus adversarios; dispoz-se para por lodos os rneos!
levar a elfeito os seus planos.
Na manhaa do dia 7, logo muilo cedo, elle pro-1
prio foi postar sentinellas s |>ortas da igreja ma-1
triz ; conservando apenas aberla a porta principal,
na qual foram collocadas duas sentinellas
dades da le, o Sr. j'uiz'de direito propoz os quesi
tos seguimos: ,.,
1. O ro Francisco Graciano de araujo, no da
26 de junho ultimo, armad de um caivete, tez
em Francisco Correa Bezerra os fenmenlos des-
rriptos no corno de delicie a folhas S dos autos .
2. Os referidos fermenlos produzram no pa-
ciente grave incommodo de sade 1%
3." O reo praticoO 0 crime con a circumsianna
de estar superior em armas, de maneira que o
offendido n.io poda se defender, com probabiliaa-
de de re|iellir a olTensa f
4." Existen circumsUnclaS attenuantes a lavor
do ro' f
6. O reo leve certeza do mal que se propoz
1.' reo leve falta absoluta de outros meios
menos prejudiciaes 1 ..
8," O r.;o assim praticou sem (ue tivesse haviflo
de sua parle provocaco ou delicio que occasio-
nasse o conflicto t .
HecolhiJo o jurv de sentenga a sala secreta das
eonferoncias a 1 l|2 hora da tarde, vollou as 2 l|-
respondendo aos qnesitos pela maneira segumte .
Ao primeiro qnesitoSim, por 10 votos.
Ao segando-Nao, por votos.
Ao terceiro Nao, por 8 votos.
Ao quarloSim, por unanunidade.
Ao quintoNiio, por 6 votos.
Ao sextoSim. por 9 votos.
Ao stimo-Sim, por 6 votos.
Ao oilavoSim, por 8 votos.
Lijas as respostas pelo presidente do jury Je
i .lenca o Sr. Dr. Americo Netto de Mendonca, o
Sr. juiz puldlcou ^a sentenga absolvendo o reo, e
condemnando a municipalidade as cusas.
Levaulou a se.-so, que licou adiada para o
dia seguinte s 10|lioras da manliaa.
Joao Paz de Lyra Brandao.
Joo Salvador dos Sanios.
Antonio da Silva Florencio.
Joo Norberte de Souza.
Manoel A Ivs Pereira.
Francelino do Mello Cabral.
um anno que soffria de ulceras na garganta. Da-
quella poca para e sempre vivi em uso de reme-
dios, de que nao lirei resultado algum a nao ser
I alivios momentaes, e lempos havia que de lodo me
va irapossiblitado de me levantar de urna rama,
i sofrendo sempre tanto no verSo, como no rigor do
_____ ; invern; [lersislindo porm no uso de remedios j
applicados pelos conheced-res da arte, j de outros
AO publico. que va annnnciados nos jornaes com apphcagao
Dirigindo-me boje opinio publica sensata e aos "'" padecimenlos, e destes um sem numero,
com as ||u#trada cumpro umdever, satlsfazendo nm com- continuando sempre a soffrer como muitas pessoas
armas cruzadas; prohbuido a entrada do povo no protisso de honra na exhibirao dos motivos. ('l,s'a cidade satiem, e sao teslemunhas de me ve-
corpo da igreja e ordenando que os volantes en- que determinaran a minha demsso do cargo de remandar ua ra mais para morrer do que para
que fossem snliddea.ido .1pip dicto-tan viver.
MOfIMEffTO DO POETO.
Navio entrados no dia 23.
Liverpool34 dias, barra ingleza Seraphuia, de
299 toneladas, capitao, E. Lamb, equipagem
13, carga differentes gneros; Johnston Pater
&C.
Rio Grande do Sulbrigne banovenano Schump
zu Llle, de 170 tonelaJas, capitao H. Strack,
cqnipagem 7, carga 15397 arrobas Jdc carne ;
Maia 4 Espirito Santo.
Navios saludos no mesmo dia.
ValparasoBarca americana Tempet, capitao G.
P. Henekley, em lastro.
Terra-NovaEscuna inglesa Margarellt, capitao
Clemenie Pend, cm lastro.
ObservacSo.
Suspenden do lamaro para o Rio de Janeiro o
patacho hanoveriano Hydrit, capitao Marinan,
coma niesma carga que trouxe de Daugor.
EB1TAES.
trassem apenas ura um e a medida
sendo chamados.
que
subdelegado deste districto.
Podia, se quizesse, trajar
galas emprestadas, Acontecea que em abril deste anno as dores ata-
Veucida, porm, a.mesa pelos liberaes, apezar de peojr qae me fizessem' o histrico de minha curta caram-me de forma que levei dous mezes de cama,
todas essas precaucoes llegues, pois que a parria- exjsteca poltica, e nao vir aturdir-
lidade do dito delegado
vos com urna se,n 'Iue nie podesse sentar, pelo que tive occasiio
apenas contara com dous | nomeiri^ Ots TalminTinilIcairtes e por- de desesperar da vida, laes eram os meus solTri-
eleitores e outros lanos sujiplentes ; traion elle, ventura fastidiosos porm se querem as cousas mentes. Neste lempo lendo o Diario de Pernal*-
mancommunado com o lJ juiz de .paz, de empregar coin t||a^ sao e' nao como devem ser constata buco, deparei com um aviso do xarope alcoolico
outros metas de coaegao para conseguir os seus, 0 publico que me aprsente tal como sou sem de vellame, manipulado em sua pharmacia, li este
fins ; incitando publicamente ao rnesmo juiz de re|juco o'ru real. aviso, e tomei-o como um aviso de um anjo; pude
paz, para por si s decidir de todas as duvidas e: gra jos muitos que fazem desse ostracismo dos a muito custo eserever men filho, que entao j
qualorze annos sua uuica gloria poli tica, ten- "flava nessa cidade, pedi-lhe que me mandasse
do passado por elle sem jamis transigir com os algumas garrafas acompanhadas das ptalas, mas
- xaropea
ira de
comprar
duas garrafas. Fazendo uso delle, no fim de dias,
j andava em casa pegado duas bengalas, e no
qnesioes suscitadas.
Inspectores de quarteirao de facha liracollo e
grossos cceles em puado, tendo stia frente o
pagavel subdelegado Itezerra e munidos de massos
de cdulas carimbadas pelo mesmo delegado
punham essas chapas aos votantes, que eram cha-
mados, e rompiam as queelles traziam porta da
s im": principios liberaes, em que fui educado, e apezar logo depois vi que nesta cidade ja havia o xar
nassos' de minha insignificancia social, previamente por yenda em casa do Sr. Raymundo Jos Pere
*> "" mim recouhecida, nao tarde chegou-me tambem Castro, e logo me apresentei em mandar con
m *" aos ouvidos esse rumor confuso, vago, indefinido duas garrafas. Fazendo uso delle, no fim de
w-ta da pu|.uc M faz annulcar urna grande apparico, Ja andava em casa pegado a duas bengalas.
las cdulas e volantes liberaes foram (|Iie S(J procjamou situago nascente e como '"" de quinze dias sania a ra. Qnando arabei de
as polos inspectores de quarteirao e at la| aeoeita pe t opinio publica1 mas que em tomar duas garrafas senti-me completamente hom,
offlcial commandaaie da forca e inuti- minha acaudada'inteligencia enleudi ser um mons- andando com todo desembarago, restando-me as
!)i. I.-Ikiii).
Sabino Pessoa
le Mello couta tiesta provincia, aleta de in-
nmeros amigos dedicados, um partido
Je e brioso que Ihe vota illimilada con-
fianca e acrisolada estima.
Aos detractores o Sr.
i) Exm. Sr. Dr. Urbano
COI
an
graiie e brioso qu
igreja. Multa
assim tomadas
pelo proprio
iisadas da mesma maneira.
Anda assim, apezar de todas essas insolencias e
vexaeoes pralicadas contra homens pacficos e iner-
mes, que urna iam depositar o seu voto, o trium-
pho do partido liberal era tilo evidente e s 4 horas
da larde do dia 7 j contava com to grande maioria,
que o delegado jiilgou ser chegada a occasic de
lancar mao dos meios extremos e de desenvolver
lod i o apparato de violencias e,arliiirariedades de
gne eslava dispasto osar, aflm de darcumpri-
mento > ordens que linha do governo, segundo elle
proprio ainda ingenuamente confessoo por vezes;
| declarando nao obrar por si, mas sim em cumpri-
mento de ordens expressas ipie rereura do gover-
no paia lodo o transe vencer a eleicao.
Duplas filas de soldados foram entao postadas
porta da igreja, tendo osen commandante, com um
ariegaiiho verdaderamente marcial, feito carregar
publicamente as armas com cartnehes emballados
e calar as bayonetas ; >n ;es arbitrarias foram des-
de logo decretadas e os capangas do major Quin-
teiro r'cebrain ordem de se acharara promptos ao I m" d
primeiro signal.
igencia
tro informe, hvbrido, suptosto extincto, mas que f"das na garganta para o que empreguei outros
fortificara-se as trovas da hypocrisia para mais remedios, mas nada me aproveitou ; foi quando
larde apparece robusto e forte logo que llie fosse recebi as garrafas que havia pedido a meu filho, e
penniltido desvendar-se i conliniiei coma terceira, que, no fin de poneos
Fallo da coacliUeSot ,:i$' ut rne"101'- "oje me ado completamente
Fui, a meu petara vencido, mas nao eonventado,' hom. Porlanto, srva-se V S. aceitar meus since-
por amigos, em quem depositava e deposito inWi- ros agradecimenios, e o publico que liver a ineli-
ra conflanca a prestar men fraco apoio a n*va cidade de soffrer taes padecimenlos que aproveite
situaco, e assim levado a aceitar o tantiisimo cargo de que foi demittido, a beinldo SoDu com aniego de V. S. muito att. ven. e cna-
sei vico publico I! .
Nota localidade, corno
achavam-se os homens divididos em duas fracgos;
urna i|ue tudo dominava, outra volada a esse os-
tracismo tao condecido e sempre commeniad,o.
Proposta a fuso dos part.idos para combaierem
a um inimigo commum, que aqui nao exista,
respondern os da dominagao que a aeeilariam
sob a Coudigo de continuaren) as posicoes olli-
ciaes.
Entao ponderemos a necessidade, que linha-
para coin um povo emi-
mte liberal, mas subjugado, indilTeieiile,
todo o imperio/' Mara'ndao, 11 de agosto de 1664.
(fo Paiz.)
O perfume do heiiiisplierio oc-
citlcutal.
EXTilAliiDO DA GAUtA MENSAL DAS MODAS..
Existe por eerto urna quahdade altamente sa-
nitaria, suave e delettavel na deliciosa fragrancia
d>-sta agua popular que de to grande ornamento
serve ao toucador.
Ella eomo'por encanto nos faz lembrar o dulcs-
llorido do vero. ou imitacao d
ro i,.....M....,.v.., _...,' "'"r-r" ;-" acabara mal, foi incontinenti mandado prend
nados pelos Srs. hachaiel Maximtaoo Lopes Alvorolouse nm pouco a Iholtidao, com a promp-
Machado e padre Francisco Uocnael de Rn-: la fuga deste ultimo individuo, e foi isso bastante
lo Pereira de Medeiros, j bastante conhe- para o offl;iai commandante da forca desembai. sosonomeadoa iespeto de declarar, que jamis
nhar a espada e carregar sobre o povo com os seus a,.Pi,ar., soldados de bayoneta ralada e para omaJorQnln- gra? sSSec5n%m iaVaurarno. daeqoalqner urna outra applicagaolocal.com,
; lera investir contra o mesmo povo afrntelos mra ''L"" "a'"\f m i? i. n > e ^ecia um oxcellente meta de alliviar as dores; eemqua-
j seusrateota capangas armados' de bacamar.es e ^ fSSS^jST^lSSSlt V* P *
i clavinotes.
Que espectculo!... e, sobre ludo, que quadro
digno de ver-se em presenca das lo fallazes pro-
cidos nesta provincia e (ora della.
^bespondencas.
'.'.""TJn K C0n';'i,'ncita coucorrendoparao os f extrabidos e compos-
uos>o completo aniquilamento. los de 0|eos vo|.,,:s*
Finalmente vencen a razo, e foi^eotre os nos- As $enhor;is M seialmente soffrem de do-
. ?...',. u'.i. i7.i res nervosas da cabera llie do a preferencia to-
aceiiana ser esbirro ua polica ou autondaue ele- ,, ,....... ...... ........__>:_- i__> .,.,,..
Srs. redaclove*.-Juigo de meu dever Irazer ao
conbernneiilo do publico o laclo que se acaba de
dar comigo quanto pro|0>ta que fiz ao conselho
administraiivo de compras para o arsenal de ma-
rinda acerca do forneeimento de 7.5 arrobas de pl-
vora que o mesmo conselho precisava comprar.
No lia annunciado para a apresenlacio das pro-1
postas quanto ao foraecimento daquella mercadoria
e de ouiras que e referido conselho precisava i
comprar, apresentei a miaba proposta oflereeendo
plvora da primeira e segunda qoalidade por 600 i
rs. e de terceira por o6 rs. a libra.
Abortas as diversas propostas, verilicou-se que o
Sr. i'.laudio ubeux havia olferecido o mesmo ge-
nero 600 rs. a libra.
Nolei que havendo-se decidido nesse da, qne'foi
21 docorrente, a compra de outros gneros, a da
plvora, depois de ha ver o Sr. Claudio entrado s6
para a sala das ses>oes do conselho, licou adiada
para o dia seguinle ; mas s no lim de tres dias,
boje i-i, foi que tive conhecininto da deciso do
, messas, das tao apregoadas circulares do governo
. acerca da sua impareialidade e da sua nao inter-
vengao na expressao da vontade livre eexpontanea
da nacSo brasileira!.. O povo reunido em massa
no pateo da igreja matriz e cercado de un lado
pelas bayonetas do alferes commandante da forga,
los Vital dos Passos Lima, e do outro lado com-
| pi mido pelos baramarles e clavjnotes aponlados
' dos ceronlat do major da guarda nacional de re-
serva, Miguel Quinteiro de Pontes !...
Por pouco que vemos correr jorros o sangue
KtfSSi TJZXSSSBI \2ST* eminentemente refrigerante
su i&jrs^vsstL s i Js^n^r^quamo agua florida
nha parte una vuganga, urna persegulgao qual- Quai|l0-as niita0e8 go ea despre2ivCS nao
1 merecem a mais leve mengao.
Agora sou demiltido a bem do trrico publico I
Quanlo embuste .Nao seria melhor, que o fosse
a bem das tricas eleitoraes?
Os que mais se approximam da verdade dlzem,
que fui demitiido por nao votar como eleitor de
depulados e senadores na chapa, que o goveruo
impoz provincia.
Excel lente expediente para obter maioria por
cerlo este, que desgragadainenie esta tanto em
Acha-se
niarias.
venda cm todas as lojas de perfn-
iosjsitiil Portnguez de Benefl-
ceneia.
O avultado numero de prendas e objectos que a
henignidade e dedicacSo de bem formados coracoes
fez contribuir para a Testa de candado e triumpho
a 18 do correte se
mor e brilhantismo, no
pi eslabelecimenln,
de serem todos all
nlropia e generosidade
aearmervencao'dodieno c;'so' que fatn certo's caricatos polilcos, para dos immen-os concurrentes.cojo amor e veneragao
ETSm *?\,?. flQe,n a subserveneia e docilidade sao as princi- pelo elevado, justo e santo fim a que destinado se
e integerrimo juiz de direito desta comarca, o Dr., m vjr.Mi
Julio Barbosa de Vasconcelos, que, oceupado nos P
chamado a toda
seus trabalhos de correigo, e
Sr" (udi'o0 Sen"d dC S6r Pre'erda Pr',0S,a d! P^ con-a PororaTpor Su"das- nTns
das bayonetas e clavmotes apontades e por entre
os espioes e asseclas do delegado Vieira de, Amo-
rim, acalmar e pacificar os nimos justamente
! irritados com semelbantes violencias e desaforos.
fez nolavelmente sentir na porlla com que cada um
Entretanto se o publico quer tr a complacencia mais e maisse esforeava por patentear; obriga a
de continuar a ouvir-me em cousas tao pueris, adinin-lracao deste Hospital a fazer nao s nova
mosirar-llie-dei claramenle como as cousas se pas- exposicao de taes objectos, como de outros muitos
saram, dando-lhe o fio de toda e.-ta meada. Nao que a commissao encarregada espera receber, pela
foi sem maa exitagao, que acelei urna chapa in- conviegao lirme em que. se acha de que nnguem se
tegnilmeiite conservadora para langa-la na urna, eximir de partecipar do infinito bem que deveau-
Ilonra a esse digno magistrado que desenvt,lveu *" -d?via f depulados" geraes," sendo eu es- ferir em relnbuigao ainda da mais parca olferenda
seiicialmeute liberal, como nnguem
Tendo em meu poder amostra da plvora offere-
cjda pelo Sr. Claudio, e posso aseverar muito inferior aquella mesmo que onVreci por
seo i s. i
Nao quero que se acredite na minda simples as- J^^^-^^'^SSZI'^.^Im^^ s'encialmeute liberal," como nnguem ousar con- destinada ao soccorro do indigente e ao alivio do
severago ; quero que se mande proceder a um tSmtWSnStS^fftSa$^Vi!S^Si *"**" enfermo Essa nova exposigo, pois, ter lugar do-
exame publico c solemne na plvora de terceira ZLSSS^Mk*^^a%u^w^L^\ l'ronuncie-me contra a farga eletoral de Goian- mingo 25 do eorrontc, pelas 4 doras datarde.no
qnaliriade que off-reci e na que offereoen *Sr. | SSSlHM^daSSmie cbSmTatS'^ As^ae' um protesto, em que previamente mesmo sitio.do Hostal.
Claudio, e recondecer-se que esta 6 muito inferior I ,Q d. fanar.lno ao reSDeilu devdoe honra ainda Vtlava ,'*ra senador tres liberaes puros, e de- Para coular-se com o concurso do Ilustrado pu-
aquella. I a{IUt;i|es .,,.' 0 roadmviram no' desemr.enhn de p* realis' votacao no collegio do Nazarelh, blico de.-ta capital, nada mais se faz mister do que
Neste sentido acabo de dirigir nina potigao ao ,-0 'nnl(re 0 anla miSsao vi>to que no de Goianna nao consegu faze-lo, indirar-lhe o objecto que reclama sua dedicagao;
Exm. Sr. presdeme da provincia, de cuja jnstiga o F()j a^|m e ^baixo de toda essa comnress^o c Vohando se,n votar. ella sempre prompta e espontanea : peis bem, o
morahdade espero que nao deixar |ssar desapor- v,0|un,.'a e 'continuando sempre a tomada e inuti- Pur essa 255?* enihusiasmei-me pela volagao objeclo ah llca apontado, o mais nao ser por certa
cedido fueto io abusivo e escandaloso.
Kecile, 2; de setembro de 186i.
J. A. Moreira Das.
f BLICAtOES A PEDIDO.
Protesto.
lisagao das cdulas de alguns votantes do partido
I liberal, que se concluirn! os trabalhos do dia 7 do
! eorrente.
No da seguinle pela manhaa, ao entrar a mesa
! para a egreja matriz, doas alas de bayonetas se
abriram e ferharam sobra ella, cercando-a. Re-
| celosa pela sna seguranga, e ainda mais pelas vo-
desmeiilido.
Hospital Ponuguez de Beneficencia em Pernam-
buco, 20 de setembro de 1864.
Joaquim Ferreira Hiendes Guimaraes,
i secretario.
GOMMEBCIO.
da serra tomada em separado
Finalmente por complemento a meada, suc<*edeu,
que descondei-endo a enorme distancia, que me
separa do Sr. Ohveira Andrade, juiz municipal da:
comarca, chefe da liga nella, aspirante que ludo |
espera do governo e linalmonie entidade das enti-
dades d'aqui, tivesse o arrojo de repetlir ciim toda
a energa, de que pude dspr, o rediculo, que
lencias e profanaedes que o delegado, mancommu- procurvam langar sobre nm meu prente e amigo
nado'com o 1jniz de pai, e apoiado pela forca ar- o Sr. Oliveira e soao I
Perante o publico desta heroica provincia, e a fa- mada, poderia exercer na urna, e nao tendo, alm Bem veem, que incorri em um grande crime,
ce da nagao inteira, vimos deje protestar sotemne- disso, a cresrida Torga, que ente a cercava, sido crime imperdoavel, crime de lesa obediencia e
mente contra as arbitrariedades e as violencias, reqnisitada por ella, nem nesse dia, nem no ante-1 servilismo.
contra o proceder Inslito e abjecte que para com- ror, pedio ao mesmo delegado que llzesse ret- j Bis os verdadeiros uniros mstivos de minha' n raz&O de 8^000 D6P hl l 10
nosco teve o actual delegadojniz municipal deste rar, ao que este se negon ; pelo que a referida me- demissao, e para que o publico se desvaneca de ___ *
termo, bacharel Mignel Bernardo Vieira de Amo- sa, declarando se coacta, quiz lavrar o competente loda e qu^lquer suspeila a meu respeiio provoco *lfiH
rim, nos dhis 7 e 8 do crreme mez, jior ocesiao protesto.no livro das acias, no que tambem ne formalmente ao governo, que me deinitlio, aa Sr.' .. .?"^S*
de ter-se de proceder a eleigoo de vereadores c conseniio o mencionado delegado. Tudo isto foi Oliveira, que promoveu a minha demissao, e ao Rendimento do da 1 a zz........
juizes de pa^ desia briosa cidade. presenceado pelo Dr. juiz de direito da comarca, e Sr. delegado do termo, que a tudo annu.o, qe'fa- I*enl ^ dia 23.....t...........
Liberaos sinceros e sem msela, nao tendo ja- o mais que passamos a narrar. gam a minha aecusagoresponsabilisando-me pelas
mais adherido a essa liga monslruosa do mesqni- A' vista disto,e {emendo que se realisassem asarbitrariedade.queeommeHi, on sejam reconhe-
nhos interesses, que, no pensar de nina disiinota violencias, que de publico eram protestadas, reti- cidos embustoiros-, agentes eleiloraes, polticos de
Inlelligeneia desta nossa provincia, nao mais do ron-se a mesa com o povo para a capella da Con- \ conveniencia, que ousam, aeobertados tnm o man-
PHrVO W\m US -PEttNiNBIICO.
0 novo banco p*ga o 13 dinden
.>08:03!<30
15:1229:tS
o23:162,a86o
Importiieo.
Patacho nacional Singular, entrado do Rio Gran-
O Itlra. sr. inspector da thesouraria provin
cial em cumprimenlo da ordem do Exm. Sr. pre
sdenle da provincia de 12 do crrante, manda fa-
| zer publico, que no dia 29 do mesmo, peraute a
junta da fazeutla da mesma thesouraria se da de
arrematar quem mais der o imposto de 2>5'00 do
gado vaceum consumido no municipio de Iguaras-
s, no restante do trienuio crrante, avaliado nova-
mente em 1:4333000.
A arrematacao ser feita por lempo de 2annos e
9 mezes a contar do Io de oulubro de 18Ci 3U de
junho de 18C7.
As pessoas que se propozerem a essa arrcmaia-
gao, eomparegam na sala das sessdes da referida
junta, no dia cima mencionado, pelo meta dia e
competentemente habilitadas.
E para constar se mandn publicar o presente
pelo jornal.
Secretara da thesouraria provincial de Pernam-
buco, 13 de setembro de 1864.
0 secretario,
A. F. d'Annwuciarao.
O lllm. Sr. inspector da tliesouraria provin-
cial, em cumprimenlo da ordem do Exm. Sr. pre-
sidente da proviucia de 12 do crreme, manda fa-
zer publico, que no da 29 do mesmo, perante a
junla da fazenda da mesma thesouraria, se lia de
arrematar quera mais der o imposto do dizimo do
gado vaceum, da comarca do Bonito, avaliado no-
vamente em 2:0005600.
A arrematacao ser feila por lempo de tres an-
uos a contar do primeiro de juldo de 18C4 30 de
junlio de 1867.
As pessoas que se propozerom a essa arremata-
cao comparecam na sala das sessoes da referida
junta, uo da cima mencionado, pelo meio dia e
competentemente habilitadas
E para constar se niahdou publicar o presente
pelo jornal.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
buco, 13 de setembro de 1864.
O secretario,
.4. F. d'AnnumHiao.
-
O Dr. Trislo de Alencar Araripe, ofiicial da im-
perial ordem da llosa, e juiz de direito especial
do commercio, nesta cidade do Recife de Per-
nambuco, por sua magestade imperial e consti-
tucional o Sr. D. Pedro II, a quem Dos guar-
de, ele.
Fago saber aos que o prsenle edital viren e del-
le noticia lverem, que Jos dos Santos Ohveira,
como iiquiJalano da firma Sanios Oliveira & C,
por seu procurador, me fez a pelicao do theer se
guinte :
lllm. Sr. Dr.juiz do commercio.-Diz Jos dos
Santos Oliveira, liquidatario da firma Sanios Oli-
veira & C, que sendo credor de Eslevo Ferreira
j Nonato, da quanlia de LOOO^OUO, importancia de
nina letra aceita pelo mesmo Nonato em favor da-
quella firma, a qual se acha vencida desde 22 de
Setembro de 1859 Joao Jos Cabral, da quantia
de 1025, importancia de nina dita aceita pelo
mesmo em 12 de junho de 1839, em favor de dita
I firma, vencida em 16 de oulubro do mesmo anno;
e de Antonio Jos Salgado, pela quantia de......;
7:0035320, por urna dita por ello aceita em 22 de
setembro de 18o9, aprazo de 12 mezes, em favor |
da dita firma, de queo siippcautc liquidatario e
snecessor, as quaes quer o snpplicante protestar
para Interromper a prescripgo, e requer que V. S.
digne-se mandar tomar por termo o seu protesto,
e porque os ditos devedores se acham ausentes em
lugar incerto, quer o suppliranle juslilicar a au-
sencia dos raesmos, e justificada, julgada cor sen-
tenga, se passe carta edital com o praiode 30 das,
a fim de seren ditos devedores intimados do seu
protesto ; assim pede, a V. S. que se digne mandar
produzir a justificago requerida,E R. M.Mol-
chiades Antunes de Almeida, procurador.
Seguindo o que assim se eoalinda em dita peti-
gao na qualdei o despacho do iheor seguinle :
Jusiilique amanha ao meie dia.Recife, 16 de
setembro de 18i4.Alencar Araripe.
Seguindo oque assim s coniinha cm di'o des- ]
pacho, por tarca do qual fia feila a dislriboicao
ao escrivan Manoel de Carvalho Paes de Andrade,
que em virlude do mosmo met despacho lavrou o
termo de protesto do theor seguinle :
Protesto. Aos 16 de setembro de 1864, em meu
earterie, o solicitador Melcbiades Antunes de Al-
meida, procurador do supplicante, e perante mim
e as lestemunhas infra as>ignadas, disse que nos
termos de sua petigo retro, que llca sendo parte
do presente, protestara por lodo o seu contedo, e
de como assim o disse proteslou. fiz o presente
em que se assignou dito procurador o as mesmasl
teslemundas. Eu Faustino Jos da Fonseca, escre-!
vente juramentado o escrevi. Eu Manoel de Car-!
valho Paes de Andrade, escrivao o subscrevi. !
Melchiades Antunes de Almeida.Antonio Alves
da Fonseca Jnior.-Diogo Baptista Fernandes.
Segundo o que assim se continha ern dito termo
de protesto, depoisdo >|ual se mostra que havendo
o supplicante produzido as suas teslemunhas. que j
depozeram convenientemente acerca da ausencia
dos supplicados, depois do que o respectivo escri-
vao lazendo sellar e preparar os autos, m'os fez
conclusos, nos quaes dei a sentenga de theor se-!
guinte :
Hei por julgada a ausencia dos supplicados Es-
levao Perrelra Nonato, JoSo Jo- Cabral e Antonio!
Jos Salgado, que se mostron acharem-se em lu-
gar nao sabido, pelo que mando que se citem por
edilaes de 30 dias para o fin requerido a folhas 2,
pagas as costas excausa. -Recife, 17 de selembro
de 1864.Trislo de Alencar Araripe.
Segundo o que assim se conliuha em dita sen-
tenca, depois da qual o respectivo escrivao Manoel
de Carvalho Paes de Andrade, que este subscre-
veu, e fez passar o prsenle, pelo qual e seu theor
chamo, cito e hei por ctalos aos ditos supplicados
ausentes, para que dentro do prazo de 30 dias
eomparegam ante este juizo allegando e pmvando
que fr a bem de seu direito e justiga, sob pena
de revela, para o que toda e qualquer pessoa,
prente ou coohecido dos referidos ausentes po-
der-lhes-hao fazer sciente de iodo o expendido.
E para que chegue ao conhecimeoto de todos
mande! fazer o presente edital com o prazo de 30
A administrar-no desta companli ia em sua
sessaod l'Jdo eorrente resolveu por em
arrematacao o chafariz do lugar da Passa-
; geni da Magdalena, por lempo de 9 mezes
acontar do t* de oulubro vindouro a 30 de
junho de 180S ; os Srs. licitantes eompare-
gam at o dia 2ido eorrente ao meio dia
munidos de seus fiadores ou declaracao dos
mesmos, devendo ser as propostas em carta
fechada apresentada na mesma occasio ou
antes no escriptorio da referida companhia
ra do Cabug n. l, onde nielhor se deve-
ro esclarecer e informar.
Itaze sobro, a qoal se deve hincar.
1 Chafariz do largo da Passagem da
Magdalena por nove mezes
cima declarados. 30$0<^
0 escriptuaaiio,
Marcono Jos Pupo.
Arrematadlo.
Fcou transferida a |iraga de venda dos movis
e fazenda, penhorados ao finado Antonio Jof Pe-
reir, por execucio.da veneravel ordem terceira de
IS. Francisco para o da 24 do crrante, depois da
i audiencia do Dr. juiz municipal da 2* vara : os
! pretendentes pndero examinar no deposito geral
onde se eflectuar a praca.
Correio geral.
Pela admimstrago do correio desta cidade se faz
publico que em virtude da convengao postal cele-
brada pelos gevernos brasileira e Iraitcez, serie-
expedidas malas para a Europa no dia 30 do cor-
rete pelo vapor franca Guyenne. As carias se-
rio recetadas al; t doras antes da que for marca-
da para a sadida do vapor, e os jornaes Al 4 ho-
ras. Aduiinislraeao do correio 4e Peruambuco 2i
I de setembro de 1864.O administrador,
Domingos dos Passos Miranda.
Arrematara*.
! Fkou transferida a praca "de venda do sitio do
Zongu no lugar de Apipucos, pertencente a he-
ranga da finada Mara Candida de MagalhSes, para
'depois da audiencia do Dr. jniz municipal da 2o
I vara, no dia 24 do correte.
A cmara municipal desta cidade principia
! no dja 2.1 do eorrente e seguintes a sua terceira
sessao ordinaria deste anno.
Secretara da cmara mnnripal do Recife 21 de
selembro de 1864.O secretario,
Francisco Canutada Boaviagem.
Nao tendo apparectdo lidiante para a factu-
ra da obra das catacumbas do cemiterio publico
da fregnezia de S. Lotrrenco da Matta, continuara
; cm praca nos dias 2:1, 24 26 do crranle, peran-
te a cmara municipal desta cidade a mesma obra,
orgada em 1:0155 : aquelles que quizerem arre-
matar, deverao comparecer para o mesmo tira nos
das indicados, munidos de llanca idnea que ga-
ranta a arrematacao.
Paco da cmara municipal do Recife 21 de se-
: tembro de 1864.
Luiz Francisco de Barros Reg
Presidente.
Francisco Canuto da Boaviagem
Secretario.
Perante a cmara municipal desta cidade es-
tarlo em praca nos dias 23, 26 e 28 do eorrente
para seren arrematadas as seguintes rendas mu-
nicipaes :
Imposto de 80 rs. por carga de farinha
e legumes vendidos nos mercados p-
blicos............................ 2:205*000
Mem de 40 rs. por p de coqueiro.... :i47500O
dem de mscales e horcteiras ..... ISO0OOO
; Alngnel da casa da Soledade........ 145(iOf
Os prelendentes a arremataeSes da taes rendas,
comparecam no paco municipal nos dias indica-
dos, munidos de tia'nca idnea na forma da lei,
sem o que nao pndero licuar.
Todas as arremataeSes siio por um anno, excep-
to da casa da Soledade, que sera por tres annos.
Paco da cmara municipal do Recife em sessao
de 21 de setembro de 1864.
Luiz Francisco de Barros Rcgo,
Presidente.
Francisco Camilo da Boaviagem,
Secretario.
0 fiscal da fregnezia de Santo Antonio desta
cidade faz sciente aos donos de tainos de acougne.s
; em lojas de sobrados e casas terreas com sidao.
que o prazo de 6 mezes concedido pela postura
addlcional de 5 de abril do crrente anno, appro-
1 vaila pela assembla legislativa provincial para a
' remocao de taes lalhos em as referidas casas, fin-
da-se em .'i de outubro prximo vindouro. E para
que niio appareca ignorancia faz o presente.
Fiscalisacao da freguezia de Santo Antonio do
Recife, 22 de setembro de 1864.
0 fiscal,
H. .1. da Silva Ribeiro.
Consulado provincial.
Pela mesa do consulado provincial se faz publi-
co aos devedores dos imprstos cobrados por lan-
c.iment pertencente ao exercicio tindo de 1x63
1864, que no ultimo de setembro eorrente linda-ss
o praso marcado para o pagamento de seus dbi-
tos, fjcando sujeitos a serem executados os que
nao pagaren at aquelle dia.
Mesa do consulado provincial de Pernambucs ll
de selembro de 1864.
Antonio Carneiro Machado Ros.
Administrador.
Conseiho admiuistrativo,
0 conselho administrativo para tornecimento do
arsenal de guerra tem de comprar os objectos se-
guintes :
Para provimento dos armazens do almoxarifado do
arsenal de guerra.
12 duzias de tabeas de cedro de 1 polegada de
grossura, 9 a 14 ditas de largura o 23 a 27 palmos
de compriniento.
30 arrobas de cabo vclho de linho.
12 cosladinhos de pao carga.
2 arrobas de pregos Irancezes de 2 1|2 pole-
gadas.
1 arroba de ditos ditos de 2 polegadas.
1 arroba de ditos ditos de 1 l|2 polegada.
I arroba de ditos ditos de 1 polegada.
4 libras de ditos ditos de 1|2 polegada.
8 libras de ditos ditos de 3|4 de polegada.
Para a colonia militar do Pimenteiras.
1 livro deuominado Ritual.
1 estola (/iraoca e rxa).
1 roquete.
1 vaso para os santos leos,- de chumbo ou de
qualquer outro metal.
16 libras de ce-a, contendo 12 velas de ii2 libra
e 30 de 3 em libra.
100 hostias.
100 partculas.
12 garrafas de vinho branco (puro).
Quem quizer vender taes objeclos aprsente
suas propostas em carta fechada aa secretaria do
conselho, s 10 horas da manhaa do dia 28 do cor-
rente -
Sala das sessdes do conselho administrativo para
fornecimento do arsenal de guerra 21 de setembro
de 1864.
Antonio Pedro de 5d Brrelo,
Coronel-presidente.
Sebastido Antonio io Beg Barros,
Viigal. secretario interino.
Correio.
Pela administrago do correio desta cidade se
faz publico quo as cartas abaixo declaradas deix*-
ram de s-guir o seu destino por se acharara com
sellos servidos.
Antonio Ferreira Hallar.
Flix Ferreira da Costa.
Leopoldo Baptista Madureira.
Mi iio-l Pinto de Souza Damas.
Nicolao Tolenino da Costa.
Pedro Martios Ribeiro.
l"***WtB
i


Diario ic remataba **hh.uU> 91 tfe Sttembn e 8*4.
RozenJo .Vnrigio Pereira-Guimaf le.
Solas & SobYlnho.
Vigario Antonio Telles.
Amanhaird*aii|rente, na ala das audje-
cas, a Onda a do II

Illm.*. Dr! jak municipal da
0 diminuto prego de 5# perqu se assig-
vara se ha de arre*ji- a pvte do sitio do na o nosso Diario, deve ser pago dentro,
Salaadinho, pcrtencentf a Jorga Hermano Angas- de 15 dias, do comeCO do trimestre, OU a|
to Herrard, pos cxecuflo de Afo>iinho Tatwes h.$ jepois desta poca, devendo aquelles de'
Hodovalho; a:hma praca. nossos assignantes a quem niio agradarera
Crrelo geral
Pela adminslraeao do correio desta cidade se
ar publico, para tins convenientes, que em virtu-
de OVdiiposto nonti. 13| do regulainento genU
dos crrelos- de SI de dezefabro de 844, e art. 9
do decreto n. 185 de 15 de maie de 1851, se pro-
ceder o consumo da cartas existentes na, admi-
nistracao. periencentes ao mez de setembro di
1863, no dia 5 de outubro prximo, as 11 horas da
tnanhaa, na porta da mesmo correio, e a respecti-
va lista se arha desde ja eposla aes interessados.
Administraran do correio de Pernambuco 22 de
etembro de 18640 administrador,
Bomirigos dos Passos Miranda.
THMTRO
EMPREZA
gep.uto & cotorra.
Sauliailo/ii de srleuibrede 1864.
Deixa de haver neste ttia espectculo por ser o
anniversano da sentida morto de S. M. o Sr. D. Pe-
dro l de saudosa memoria.
Domingo, 25 do correntc.
4a recita da assignatura
Subir i scena o sempre applaudido drama em
o actos, ornado de msica
D. CEZaRDE BZN
ignantes a qi
estas condicoes, avisar em tempo para lhes
ser suspensa a remessa, e assim poupa-
renirnos corrtestaces continaadas sobre os
pagamentos, e dentidade dos nossos cobra-
casi m mam
AOS KROOe.000
Hlllietcst garantidos
i' ra do Crespa i. 23 e casa da etwtomf
O abaixo assignado venden nos-mus mullo feli-
zes bilheles garantidos da lotera que se ncabou
de eitrahir a beneficio do theatro de Santa Isa-
bel, os seguintes premios:
N. 3300 bilhete inteiro com 10:0004000 ,
N. 1785 dous quartos com 2:0004000
N. 14 um meio com MOfMO
E ontras muilas de 200$, 1004, WJ 20-
dores, como multes allegam. A apresenta-1 0s possujoorei podem vr receter scm os des-
eco de recibo por nos rubricados, deve ser- con.os das leis na Casa da Fortuna rua do Gres-
vir aos assignantes de documento compro- po n. 23. .
batorio da identidade dos cobradores que Acham-se vendaosd *ffan**iVl2rM** $
-i- r.~ j__i meira lotera a beneficio da ion ja uw Sania ma
sao diversos, afim de poderem conseguir (le Casjjja) que K exlranira a teroa-feiro 27 do
encontrar os nossos assignantes as horas crreme me*.
Bilhetes inteiros ..... 124000
Meios......... 64000
Quartos........ 34000
ft.n. Para as pessoas qae compraren
AOS lU.UUUJfUir. de 1004 para cima.
Terca-feira27 do correle mez.se ex-; Bilhetes........ *fifK
trahir a segunda parte da primeira lotera! Meios......... 35500
(i09') a beneficio da greja de Santa Rita QartS- ^a Morihu ma'
desta cidade, no consistorio da igreja de -----------------------------------z~ZZ
Nossa Senhora do Rosario da freguezia de Ci A.3E A. 44 WO 9
Santo Antonio. '. o deposito de gaz que existe na ra do Vigario
Os brinetes, meios e quartos acham-se a n. 6, acha-se transferido para a ra da Cruz n. 33,
fenda na respectiva .thesouraria ra do onde contina a vender o superior mi **"****
Crespo n 15 toado a 400 rs a garrafa, e a 10 a lata de n-
Os premios de 10:0003000 at 200001 ^JS^L
serlo pagos urna hora depois da extracto
at s 4 horas da tarde, e os outros do dia |
OOgninte depois da distribuirn das listas.
I*HhIlea{ lllt.i aH ..
Sabio luz o oplenlo intitulado
A LIBUBIHIH:
NO
vagas de suas occupac/ies.
Aluga-se una casa em Reberibo : a tratar
com J. I. M. Reg, na ra do Trapiche n. 34.
l'OK
Servindo de thesoureiro,
Jos Rodrigues de Soasa.
PERSONAOIN'S.
D. Cesar de Bazan.............
1). Jos de Saniarein..........
O Rei Carlos II...............
O marqu* de Montefiore......
A inarquezadedilo............
Lazariiho ..................
A. Maritana..................
Un Capilo...................
Um harijueiro...............
Um juiz....................
Ssiiladiis, novo, tidalgos, etc. etc.
Terminar o espectacalo com a graciosa scena-
comica pelo Sr. (iiimares
El NAO ME IMPORTO COM A VIDA ALHEIA
Comedir s 8 horas.
Acham-se em ensaios os dramas A honra de
UMi familia, o Correio ih Litio, e prepara se o ma-
chinismo do grande drama mysteroso 0$ mrtyra
,la Gcrmunia.
Germano.
Coimbra.
Li-lia.
Porto.
D.M. Ponte?.
Gui maraes.
D. Antonina.
Pinto.
Sania Rosa,
liorges.
mm MiEITIMOS.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DR
Xavega^o tosielra a vapor.
Taman ar,Barra Grande, Pona de Pedias,
Camaragjbe e Macelo.
No dia 2i do correte expedir
esta companhfa para os portos ci-
ma o seu vapor Parahyba, com-
Imandantn Marlius. Reeobc carga
Isnmenlp al o dia 23. Eneom-
mendas, [assageiro e dlnheico a frete al as 3 ho-
ras do dia da sabida : escriptorio no Forte do
Multo? n. 1.
Festa da Senhora da Eseada.
Os devotos da Mai Santissima Senhora da Espa-
da, que se acha collonada na Concei^o dos Mili-
tares, fazem scents ao respeilavel publico, que a
sua festa lera logar no domingo 23 do crreme,
com aquella pomp de que digna to miligrosa
Imagem ; sendo pelo programara segulnte :
Ao amanhecer do dia 2;i pelas quatro horas ser i
elevado o estandarte da miraculosa Imagem con-,
dunda por um choro de virgens da igreja haste, tucliva, port'tn a principal causa (le mui-
entoando bymnos em honra o louvor Santissima ras outras onfermidades que nao Iho SO ge-
Sonlwra aoompanhados pela muisica marcial dos ra|mnnt(. sttrihnidaq
menores do arsenal de guerra, depois do que as,,'"" tniL awnuui^.
onze horas desse dia entrar a festa de Sacramen-' E' Ulna causa directa da ph'jhstCil pul-
lo ex|ioslo, orando o milito Ilustrado e contiendo i motiar, das molestias (lo jgailo, do estoma-
A molestia ou infecco pecec
liar conhecida pelo nome de &-
crofula um dos males mai-a
Affonto. de AUmqmt^ue SirlJu
Convidam-seoassignantes a mandan-m receber
seus ejemplares na praca da Inde(iendencia ns. 6
e 8, qiiB gecao entregues i vista dos recibos das as-
signaturas j ahi tiinem esto expolos venda a
3*000 cada. um. Sao aob os seguales ttulos as
materias de que se aOMMM!
uitroducca).Nocfioda liherdade.- 0 Brasil co-
lonia. Revolucao do 1817A Indepeudencia A
constitmnteAconstitui?o-A revolncin de 182i.
A expulso oaabdicanio. A rogenna livre. O
partido regressista.Ameaca dos enredadas e que-
da dos livres. A niales da regencia livre.-Regencia corcunda e
maioridade.Principios do reinado de I>. Pedro.-
Rivolta do Minas c S: Paulo.Dominio da Praia
Luzia.o dominio liberal nao inquietava os enf-
cundas.Foitua do domiulo liberal. -A praiaeChi-
chorrosenatori'a.-;A rvolta e a revolucao de
;I8W a consliluinte.-A constiminte.-Derrou
da revolufao.- Negociado de Honoriolcom os libe-
raes : traidores.-Venda da bandetra da cons-
tltuimc. O partido liberal durante os quatorze ali-
os do chamado ostracismo. Os corcundas e os
liberaes durante os quatorze annos.Captiveiro re-
signado e voluntario dos liberaes durante os qua-
torze annos.O povo corcunda, ou os vermelhos e
os sabios.A situacSo propriamente polilica. Ins-
tituicoes livres, e direilos polticos que ti vemos
at o flm da regencia livre, e o que actualmente
temos em lugar delles.Os representantes da na-
cao e das provincias.Situacao administrativa.
ha em toda a extensa lista das
enfermidades de que solliesse
genero Romano i disse mn no-
prevalecentes e universal que ',6 qui- sao nella os Portuguezes. Como o gover-
la rper si nao to des.
ao dr Terra Xova.
Desapparecen do sitln Ite Euz.-bio Raphael Ra-
billo, no CaJdeireiro, um cao de raga da Terra No-
va, de. cor amanto escuro, rajado de preto, rom
as orolhas cortadas e nina ricatriz cima do nariz:
quem o tivcr.adiado ou Otilo tiver noii.la, dirja-
se ao referido sitio, ou i ra da Cadeia do Rerife
n. bo, prime i ro andar, que sata graiifirado.
Aluga-se a casa u. 40 da ra das_Trcie-
ra? : na rua da Aurora n. 36.
Na livraria n. 6 e 8 da praqa dalile-
Companhfa fldcll
secaros lanrlhaos e lea- g
restree elabelocida no *
Hlole ffaHeh'o.
AfiKTES gM MWWAJIpL'CO
Anluni Laiz de OHwhr tzmdo k C,
competoalwoent amorisados pela direc- g
loria da'empanhfa de seguros Fidelida-1 [ pendencia existe urna caria (le importancia
ros de navios, mercado-
so sea escriptorio rua da
Anda est para altigar-se a
terrea n. 39 : rua da Unio.
flMIIIKIIl' t II Ot)
ISIS?!!
Sj para o Sr. Antonio Fernandos Corredor.
A Semana Hlvitiada que su publica no Rio
de Janeiro lodos os domingos, asslgna-se em casa
: de J. Falque, rua do Crespo n i ; preco da issig-
natura, trimestre 03, sewstre 115. um anuo 185
Ti. H. Os assignantes da Semana ilustrada te-
rao no lim diste anuo um opada) m os retrato*
de todo o gabinete do Imperador e da cmara dos
deputados, oferecido pelos proprietarios do jornal.
casa
O Dr. Rocha bastos mudou a sua re-
sidencia para o caes Yinle o Duus de So-
vembron, 7, |iorriinadoBllharos Arios.
fetthores
Ainda est para ser vendido o sitio da tra-
vessa do Remedio na freguezia dos Afogados n.
21 :"quem o pretender eulouda se com o seu pn-
prietario pa rua do S. Francisco, sobrado n. 10,
como qem vai para a rua Bella,______________
Precisa-se fallar ao Sr. Antonio Jos
Teixeira de Mendonca Helem: nesta typo-
graphia, ou na livraria ns. C e 8 da praca da
Independencia.
Bernardo Alvns Pinheiro, quori'ndo retirarse
desta provincia, roga quem possuo objectos em-
penhados at o floi do auno d 1862, na ma larga
do Rosario ns. 17 e llJ. junio lquartel, o favor de
os resgatar no praso do 30 dias, a contar de boje.
Rocife 14 de setembro de 1804. .
DENTISTA DE PftRIS
i9Rua Noia-i
Frederico Gautier, cirurgiSo dentista,
faz todas as op!rac6es de sua arle, e col- |
loca denles artificia, tudo com superio- g
ridade e perfeico, que as pessoas enten-
didas lhe reconhecem.
Toiii agua e pos dentifcio.
I'or ontom do prsidanloiia soeicdade
Recreativa Corybantina s.ao convidados
todos os sena respectivos membros para
a sesso goral da hflje s 7 horas da
noite. O I" secretario,
Manocl dH Soiiza Galvo.
I'recia so de urna costurara qm* cosa bem
de alfaiate : na rua da Yiraejlo, casa n. 38.
no obrigado a corromper o paiz e a fazer-lhe
semjire maior mal.Como se multiplica e se paga
a clientella do governo para susteutar-se o impe-
| rio corcunda. O procnsul.O procnsul da co-
bre escriptor da medicina que!marca. Dos cargos, dos crimes e da nunicao.A
<< mais de nma terca parle de justica.-Juizes munleipaes.-Juizes de dircito.-
todiw anuplles (tue raorrem antes'; Tribunaes.-Os das Relacoes.-Tribnnaes do Com-
inos aqueties que iuouuu uno i mercj0 _s 0 Tritiunal ,ie Justica.-0 jory.-
dn velhlCC sao victima, OU flircc- 0s adVogados.-Concluso.- Garanta dos direilos.
ta on indirectamente da Escrofu. a moral publea.-Dos crimes.-As eteicSs.
Corollario da obra saijuarenia.-O que a pa- boa.Antonio Joaquim de. Mello.
tria.- Sitnaco para rom o exterior.- Situacao i>recjja.se ,|u Ullia (.ria,ja |
linanceira.As Imanfas do estado.-A miseria
Porigo e salvamento dos corcundas.A liga.
Como se congregam os elementos para ella.Con-
siderares retrospectivas. A comtiluinte._ Prepa-
ros antecedentes.-Concihacao e opposicao parla-
mentar.Monta a liga.-O que sao os liberaos na
liga.Que bem farao os liberaes ao paiz.O pro-
gresso.-Seus feitt?.O qnc o progresso e que
far.Como se deve viver nesta trra echegada
ao progresso.Porqno o progresso s vom com-
pletar nossas desgranas e sem mais remedio.Se
ha salvaran para ns'qual seria o meio e bem fa-
! cil. Rtis'itmo. -A's cinco provincias pernambura-
S2
m

O hacha re
Francisco Atetaste da Cosa
m
i
ersas pecas e a larde pelas quatro -------- -------- ..
em frente ignjae alii far o mesmo em honra e liao e s vezes incluido, as Vises da tuna
louvor a Mi de Dous. As sete horas da noite ter alvura transparente e outras corado e a-
lugar o Tcbeum sondo o orador o muito digno ,,./;,. msAtwn hacen frauuem t\-
pariremeslre Mello, que por mais de urna vez lem ma \?llinl ao rect'"."" ,> V.nfn J n-^-- Histrico e poltica corcunda.-De pe pro-
sido admirado por todos que o ouvem. mollcza nos mscalos : disgestao paca t v, amjjeria, Como so corrompe Jia eleicao.-A
Termiuadoescc acto ser arreado o estandarte appetite irregular, falta de energa, veMre jresinco da llberdadc apar do progresso da immo
da Senhora com a mesma ceremonia com que foi fachado e evacuaran irregular: guando o[ rahilade.-Corollario. ___________
elevado.
Os devotas desojando que a Senhora da Escada
seja o mais breve collocada em sua oapella para a cor azulada mostra-se em roda (los
mal tein sen assento sobre os pulmocs, nma
dlhos;
Vire-coiisolaiti de, llcspaiili.i.
Havendo fallecido o subdito hesnannol Rento
Antonio Coutinhn, sao convidados todos os seus
devodores o credores a apresentarem neste vice-
s ttulos para proceder-se
.*';. iIjiVi- /t'"- fc.'*n' ^U > --'- |....^. -- m
qtial tanto concorreram os Exms. Srs. deputados quando ataca OS orgos fgeStlVOS, OS OROS
d'assembla provincial de 1863, concedendo urna toniam-SC avermelhados : o hlito ftido,
lotera para esse li.\i, sendo em grande parle lam- /;,, ttarrpaaOn dores de cabera, ^if-i n\nsuT0.0< Wpeciivos M
bem devido ao Exm-Sr. presidente actual me do- '.""J"a ^mgaaa, aoicsat utueui, [ a ^gndagao da wn ^PnllO
lado de espirito religioso o dedicado a mesma Ima- 'erras etc.
gem, to promptamentc a mandou correr, trmde- as pi'SSOBS de disposicaO escrofulosa ap-
rinos. Portanto,
s< menle,
ASPH.4LT0
aquellos
e taber- '
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR.
E" esperado dos portos do sul
al o da 30 do corronte o vapor
Apa, o qual depois da demora do
cosame seguir para os portos
do norte.
Desdo ja roceboin-se passageiros e engaja-se
-oarga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no dia de sua chegada: encom-
cnendas e dinheh-o a froto at o dia da sahida s
nras, agencia rua da Cruz n. 1, escrptorio
Antonio Luiz de Oliveira Azovedo & C.__________
Hio (runde do S?//
i) brigue Moivlego, de primeira classe, recebe
-arga o segu com brevidade : tratase com os
consignatarios Marques, Barros & C, largo do Cor-
fio Santo n. (L_________________
~CMPANHIA~BSASILEIA
DE
8PAOUETES A. VAPOR
Dos portos do norte esperado
*.2ki' '*;'^!^]7|^v mandante Alcanforado, o qual
'.v.-fcar-s&gigj depois da demora do costume se-
^iS-S^sBa' guir para os [lortos do sul.
Desde ja reoobem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no da do sua chegada, encoinineu-
ras : agencia, rua da Cruz n. I, escrptorio de Au-
tonk) Luiz de Oliveira Azevedo tS C.
a locar da meia nome as cinco horas da manhaa.
Na noite de segunda Mn. haver um pequeo, pa,lecem (las formas ulcerosas
''Xgam a iodos of dvo.os parecer nesses dias aflu de assistlrem esse ario locco contra os seus estragos : todos a-
de tanta dovoeao em honra e gloria d'Aquella que qoelles ern Ciljo sangue existe 8 virus laten-
IDUilas vozos tem demonstrado em nosso favor a (p ( y ( fl.,,r(,||0 (e ;,s V(.Z(S hcti- ''senhora. 3 vo
sua divina ,is,r,cor,a nos lempos de nossas af- ^^ ^ ^^ ^^ % ^^ JnfnMI'
flicSes.
Podem aos moradores da rua Nova o obsequio enfermidades que elle causa, que sao :
de illminarem as fenlos de suas casas.
O asphallista Coelho de Almoida pode ser pro-
curado travesea do ('.armo n. 10, luja, das 9 as
l horas do dia, para os roisleres de sua arte.
Quem quizer urna ama de leit!, dirija-se a
rua 'Augusta n. 108.________^_______________
Saut-Clalr
das Ibas ou os destarrados na ilha da Barra, ro-
maneo digno de ser lido pelas sonhoras por seu?
lances intoressantes postos efll execocao |">r urna
rolumos om brochura a 35 : na livra-
da ppM* da Indepeiidoncia.________
Aluga'-se urna loja em lugar muito proprio
Peco emprentadas ou compro as cartas de
Pitia Damao, por Fr. Joaquim do Amor Divino
Caneca, o o Astro da Lusilaiiia, peridico de Lis-
ivre ou esetava
que saiba coznhar e engnmmar : na rua das Cruz
u. 42, primeiro andar.
1
a SO abaixo assignado, anlorisado pelo
Banco Mercantil Porliiense. e na ausencia
St do Sr. Joaquim da Silva Castro, saca ef-
5 fectivamenle por todos os paquetes sobre
B as pracas de Lisboa e Porto, o mais luga- SH
gres do reino, |or qoalqner somma vis- gg
ta, e a praso ; pudendo, os que tomarem j^i
saques a praso.receberem avista, no mes- ^
Wt mo Banco, descontando 4 0|0 ao auno: na ^
S loja de chapos da rua do Crespo n. 6, ou ag
I na rua do Imperador n. 63, segundo au- ^
B dar.Jos Joaquim da Cosa Maia.
mwmwm mmmm iini
Allos la na Xova.
Joao da Rocha e Silva est autorisado a contra-
tar a venda do dominio directa des solos em que
esto edtcadas as casas da na Nova desta cida-
de, que portencem ao casal do fallecido Dr. Jos
Ravmumlnda Costa Menezcs : na rua do Qminta-
do 0. 33 A, loja da Esperanca. ^_____
AI>Vfl(i\D0 HB
Rita do Imperador numero G9. 0.
'mrm wwm
Mudanca.
Mximo Jos de Andrado, pa/ticipa a todos os
seus freguo/.es que transfer sua oflicina de cal-
jado do boceo do Abreu para a rua da Cruz n. 41.
esquina da Lingoeta.
* 0 Dr. Rodia Bastos |
pode ser procurado das 7 horas da manhan I
h K ao meio da. e das 3 horas da tarde
om dianli- no

^Vxch 92 ilv Xovcmbro o. 3*.^

>-A
Moraila
D-se para residir em um sitio porto desta oda- horbalias vstalas Ri
e, sem a menor paga, a una possoa do pouca fa- ..,,.,...../.,,,'.,./. .,/,.
iilia.eiiuedeconhecimonio do sua boa conduc- cnnmiai uuniaios. uu
eiiiei ni iiiiii iiiiu ene I..UI.-JO, um, .-mu i,.,^,,.nhi'i ilf> nirtri-
a i.i i in ...; .!/.. liara negocio : a tratar-na tyitoKiapnia no paaro
.4 phthystca, ulrcrnroes do tejada, do s- j^j ^efrf,n, (lo c,]nve,,io de S. Francisco.
tomago e dosrins: eriipgoes een/ermida-, ^er}s:i.,e d )i)W4 ,, h)Pothca em'un es-
des eruptivas da culis ; rosa on erijo pelo ; mv0 na ru;1 d;ls xrincheinu n. W._________
senlas, tumores, rli- -
com Lcondicaode tratar dos arvoredos que masuxo, dores nos ossns, as tostas e na '^^rl^Z^^^"-t^h^
oxistem no mesmo sitio, concertar as cercas do cabeca, debilidades femuihias, lon-s bran- conduela quem pote dor dinja-s. a rua aeJoao
mesmo, e dando conta de todos os objectos que lhe cns censada prln ulceraran interior, e en- remanue.-, viuujimii.---------------------------------
> mesmo sitio, fi
podendofazer a Ilj
Contina a precisar-so de urna senhora do ida-
de e de bous costuiuos, que achando-se desvalida,
queira rocolher-se a urna casa do familia para fa-
zer companhia e tratar dealguns meninos, dando-
so-IUe cama ouiesi o urna gralilioaco nwusal quu
so tratar: servindo estas condi^Ses, pode dirigir-
se a casa n. 28 da rua dos Guararapes, sobrado.
forem entregues ao entrar para o mos.no sitio, fci.mllniles i,,crnnSi hijdropesin, indiip-s-
uando queira o seu propnetano, podendo fazor a /<' "" \"" ">' "' (
plantacao que Iho convier e desfrneta-la durante o tao, en [raquea ment e debtlidade geial.
Para o Aracaiy
pretende seguir com muita brevidade o velero
tiiate Dous Amijot, lem parle do seu carregamen-
oprompto: para o resto que lhe falta, tratare
ora o sen consignatario Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo & C, rua da Cruz n. 1, ou com o capito
francisco Martins da Costa no trapiche do algodno
lempo que no mesmo sitio esliver por consent- Aos puliuoes a escrfula proiltiz tubcrcti-
mento do seu propretaro, ou possoa por elle au- |os e lmalmenti ronsnmpco pulmonar :
torisada, nao podando quando sabir do mesmo si- } ,, n..n.\.v. indVicoes e loniai- : ;l":"
lio por sua vonlado ou despedido por seu propre-, n''5 gja0B Cll.l pi BW1I me i.icol. i mi u,uu ,
"os orgHos digestivos cau>a(ieilavi.,
lio por sua vuninu: uu ausuouiuu pul s<:u (jiupiic-,
tario ou por sua autorisaco, pedir o menor paga- se Ulceras: nos
A
iaixo assignado. procurador do Sr. Dr. Fran-
o Carneiro da Cimba, faz sciente ao res-
publico o a quem possa intorissar, que os
* o p-o P3 - te-H i C/3 o3 p- p- O p- es H So O 23 p M
o O *" " Cfq p p^ 9Q D
3 cd 2 - --o T*5 B P--
4 -i ~- 9 O -: . ~3
- C3 *** o P- < t <' 'I
co v; r-t- o
GO e-t- -i. r-t- p
P C5 > y- pJ O p-rjfl
i e-t- o
(i'ini cha do ini.iuii nos Aleos.)
Dr; meio ilia s "! horas da lardo JJ
X. S Iftua y^ Cura radical i) em poneos dias as mo- v^-
4ft lostias sspluliiicas e as do apparelhu ge-^R
'^ nilo-urinaro. "gfc
mmmitmmmw-mmm
__ Precisa-se de. dous hoinens quu emendara do
servico do copeiro : pa rua di Aurora n. 'Ai._____
~~ Precisare do lima prwa escrava que saiba
eosinbsr : na roa do Qneimado n. I(i,loja.
Aluga-se ou vende-se a otaria dos Coelliosa.
.'i, ondo esleve o Sr. Manoel Sorra, o caes passa na
frente, lica em muito bom -local para quem qniaer
edilicar, on mesmo para quem queira por alguma
lundico : a iralar na rua Direita n. ii. wfiuacao
de Francisco Jos de Aranjo.
BI9W HW WSi MfflBnS|
nj O Dr caelaiii Xavier Pereira jjjl^
S de Brito, contina a residir na m
B pra?a da Boa*Vista n onde j
^ [lile ser procurado ipialqiier s
91 liora do dia, ou da noite, para ns jCl
| misteres de sua proissao de tae- H
m d>''"- 8
Contina a fazer a sua especia- s|
H lidade em parios, g=a
ImWi
Declaro que desta dala em dianle fica sem
effeito toda e qualquer procuraco pascada pelo
'abaixo assignado ao Dr. Joaquim KranciS'-o de Mi-
randa, e provino aos nquelinos das minlias casas
das ras do Mondego n. il e do Viga rio n. i'.i que
s paguein os alugueis ao abaix-i assignado ou
pessoa por elle aulorisada. Recite -- de setembro
do 1804.Jos Joaquim Pereira. _____________
A ttenco
sua boa conduela.
Todos esles males tendo a mesma ori-
ima parda que nao e muito moca, com pra-! gem, carecein do mesmo remedio : a sa-
lica de servico de ama, s- olTerece para casa de \ ber : purificar e fortalecer o sangue.
homem soiteiro ou de pouca familia: na rua do ^ salsa arrulla de AVCI"
i composta dos antdotos mais eflca/.es que
a sciencia medica tem podido descobrir.
proporcoes p
. andares com MtSo o 2 frentes em una
'julhode 1861. Era quanto aos legados compete Jas me|nores ruas j0 bairro de Santo Antonio, o
ao comprador saber se o engenho polera ou pao|qqmI ItI,jt, aBnualincnt 1:380* : a tratar com o
Senhor Rom Jess das Crioulas n. 36.
Xa rua da Roda n. (i eonlinua-se a mandar
comida para fra, incumbe-sede ludo, aceita qual-
quer encommenda por proco razoavel: na mesma
casa altrga-so a casa terrea da rua Imperial nume-
ro 270.
LEILSES.
V
DE
tim piano de armario. 1 mobila a Luiz XV, 1 dita
do Jacaranda, 2 eadeiras de balaceo, 1 mesa de
costura, i camas, 2 armarios, 2 guarda louQas,
2 apparadores, 2 commodas, 1 mesa elstica, 2
andieiros de gaz, 4 castigaos e linternas, 2 la-
vatorios, 4 quadros com finas gravaras, 2 camas
do ferro, 7 venozianas, 1 apparelho de metaj pa-
ra cha, 2 espingardas, 1 selim inglez, 1 silho e
inuitos outros objectos.
Terca-feira M te setembro.
O agenta Pinto far leilo por costa de um es-
trangeird que vrt para a Europa, de todos os ob-
|eCtos cima m'ncionad s existentes em casa do
-na residencia no segundo e lerceiro andares doso-
ibradg da rua da Cruz n. 20.
Principiara s 10 horas. _____
ATTENC&O.
para esta m lestia assoladora e para a cura
de todos os males provenientes d'ella que
coutm virtudes verdaderamente extraordi-
narias pro vado i neon testavel mente pelas
curas nolaveis e bem conbecidas que tem
Tondo fallecido no dia 17 do corronte Joaquim feto de Vanares, cruproiS cutneas, ergsi-
mtisla da Silva, tutor dos menores Francsco_e ;. /.,/,,,//,,,, vnsridns channs anliaas.
mo Dr. Francisco Juo a este senhor, vencida em | r ?" VJ
julhode ISlil. Era quanto aos legados compete Jasme|h
ao comprador saber se o engenho po lera ou nao ,
ser vendido, e nao ao Sr. Marcol.no, que nada ten *^ d(i |e|IOeg 0m,o no armazem da rua do ; r".io qae pos>u., .. pian
com este negocio. I \\amo n 10. prituaue.----------------------------------_
Amonio di Rocha Aceioly Lms. ; _5----------------------.;-------------------------" __Pelo consulado de Portugal sao
Os herdeiros do fallecido Feliciano Augusto de
Vaseoneellos, vendem a ca ngulo do norte formado pelas nas da Trempe e
Mondego na Boa-Vista n. z4, o qul alni de bas-
tantemente plantado de arvores fruetfuras como
laranjas de umbigo. selpcia, sapotis, sapolas, fruc-
ta-pai. e outras arvores diversas, possue terreno>
proprios para edlflcaces pariicularee, achando-se
os quelicam na rua do Mondego con solidos e re-
forrados alicorees : quem prclender dirija-se
a Rypolito Carvalho de Vaseoneellos Albuqnerque
llanta da mesilla pro-
Baptsta da Silva, tutor dos menores nwisco Kpehs, borbulkU, nasudas, chagas antigs, ?ll ,.,Criptorio de advogacia para a rua
SPSf^TSS aSati ^erat, rkeuma sama purebas, hgdrope- madoTKonde, pde^er prpeurado das
pal dos ditos menores, com casa na rua do Cala- sta, fosse quando causada por depsitos tu- ai mnnaa as i u* """^^___________
Precisa-se alagar ama ama para o servico
inlorno e externo de tuna casa de pequea fami-
lia : a tratar em Fra di; Ponas, rua dos bu>.ra-
raiies n. \X, sobrado de um andar.__________
Precisa-se do um cozinlioiro .para urna casa
esirangera de pouca familia, prcere-se captiva :
a tratar na rua da Cruz do Recite n. 38, armazem.
0 bacliarel Joao Francisco Teixeira mudou o
sen escrptorio de advogacia para a rua do Quci-
-.......- *" 9 horas
Precisa-se di
Oaixeir.
mn moco para
cha-
uco n. 22, e parlo de outra na rua de Santa Rita berculosos nos pnlmes. Debilidadc ge-j
ral: IndigestSo, Sypltilis
molestias mercuriaes, molestias das mulhc-
n. 33, perlencentes aos ditos orplios, vislo cr de ra|: InlireslSo." Simliilis constitucional 0
por noraeacao do Dr.
ser sustituido o dito tutor ,
iuiz dos orphos -, c para que ninguei se chame
a ignorancia faz-se o presento annuncin,protestan- res, Ulceracoes do Ulero, a nevialgia e (
II I 1 *i
Albino Baptista da Ricba,
rtnguez, relojoeiro
a ignorancia taz-se o prseme annuncio,proiesian- es, mtcidyuc uu uuae, u cm...b... ... -- _-.- ^ m a0 rospeua-
do contra qualquer negocio feto pelo pai dos ditos vulcoes epilpticas e em SUUima, toda Serie, J-j "'h^LLTrtWd Wiinesmo rom especia-
menores, pois nada de si po-sue o dito Gomes de de enfermidades que nascem da impureza |jd;idt, aos ^s ao.isos'
Moura.
que se acha com loja de
Romana Maria dos Pr
Precisa-se alugar urna
uhar o engemmar, e um pre
regar agua e fazer compras na rua : a rua larga i se vendem OS remedios,
do Rosario n. 28, segnndo andar. __ Este reme(i0 e 0 rruct0 (]e |0gns o labo-
na' riosas experiencias, e ha abundantes nroVas
das suas virtu les: posto que offerecido
Precisa-se de urna ama para
ria do Imperador n. 18.
eozinhar
Jos Ferreira Estrella, subdito portuguez, re- a0 publCo sob o nome de Salsa parrilha,
tra-se para for_a da twim------- __ composlo de iyWfai plantas> a|gumas das
De ordem da mesa regedora da irmandade : n_p- rSa impriiirpo a mplhnr- salsa narri-
deN. S. do Rom Parlo, erecta na igreja de S. Jos [ ^aaes sa0 supeitoies a melRor salsa pww
de Riba-mar, faco scienle a lodos os devotos de Iba no seu poder alterante.
tao milagrosa, imagem, que a festa da nossa ado- | PEITOIt.tL DE CEHEJA BE AVER.
USIIitO
DF.
;i() aerees de coiiionliia Vvanle.
Quarta-feira 28 de setetuliro.
O asente Pinto levar ovamenle pela ultima
vez leilo por despacho e em prrsencd do Illra.
1864.-0 secretario,
Domingos Francisco Do raes.
Jlofeque.
Precisa-se alugar um moleque de 14 a 16 annos
do idade: na ma do Quelmado n. 20.____________ '
pulmonares. e todas s
molestias pulmo-
nares.
Allivia os etlicos declarados.
Todas as molestias da garganta, do peito
r. Dr. juiz de orphos, as 50 accm dn rompa' rerir>:,"e ara fra da provincia.
tim Viuilante nertencontes ao casal de I). Lie----------------------------------------------
m ul.ni The'dSra da Silva, isio s 11 horas do Lava-se e ongo.nma-se por preco mudo eom-
L admifdHoem frente a Asso-iaCao Cerner- moflo : na rn da Lapa, sobrado n. 6.
i al.
AVISOS DIVERSOS.
Londoii & Brazilian Bank.
Saca sobre Lisboa e Por lo._____________
Ama
I'rees**e d Becife n. 50, fiara coznhar.
Joao Ferreira da Silva, subdito portuguez, i e ,ios puimes podem ser curadas em pou-
_ [co tempo pelo peitohai. e ceiikja do pn.
* ATE.
A' venda as principacs boticas e droga-
ras do imperio, e na agencia central do
Rio de Janeiro rua Direita n. 15.
Vende-se em Pernambuco:
na pharmaci;i franceza i<*
P. MAURER & C.
RUA NOVA N. *8.
O abaixo assignado pedeao Illm. Sr. thesoureiro
' das loteras que faca o obsequio de. nao pagar o
que por sorie sahir no bilhete. n. 1533 (inteiro) da
109 lotera da 2" parle a beneficio de Santa Rita,
que tem de correr no dia 27 do corrente mez (por
se haver perdido) e comprado na casa do mesmo
Sr. thesoureiro.Amonio da Suva Carnoiro.
Aluga-se urna------------
lendo 3 salas, 6 quarlos, coznha c a*lao com >
qual lo.-, estribaria, cocheira, casa para pretos, ca-
cimba com bomba, tanque, jardim e militas arvo-
res de fructo, banhero, banho do choque, sendo a
frente pera o largo da reja e o Tundo para o rio .
a iratar na raa de Apollo n. 1, segundo andar.
_ Precisase de dous trabsihadores para a re-
fiuao> da rua nova de 8ant_Rila n. 53._______CQm
*- Precisa se alugar n'nmailas ras meroj
Xova, de \mmnminr ou la Oepo (pre-
ferintlo se esta nltim ), una foj, vas-
ta, clara c de 3 4 porlas ; dir'gir-se
rua do ilrespo a. 4, loja do Sr. Fal-
que.
.. eaixeiro do nma mados os credores do finado subdito poi lu-
loja de'fazendas f.Vra da "cidade":" na rua da Cadeia gm-/. Joao Baptista da Rocha, a viren WO-
numero 38. ____________i ber o qae llies toca e.n rateio na liquida-
gao do seu espolio, ________________
LMARU econmica
Hita do Ctrapo n 2
estrada DE FERRO ao p (i0 nrco de Sant Antonio
^ -i. a-D i? r',,r^ i Obras ullimamciilc rccebiilas
Recite a Sfto Fraiicisco. utteratora.
Pela respectiva snperintendencia se faz publieo : Historia da Fundado do Imperio Dra-
que e meules ou paos para fazer dormentes, dos quaes nioro vol......
prerisam dentro do periode limitado. i Calal.ar, historia brasileira do sectilo Ir-
Para designaran das maderas, lixacao de preco ( p01. j
e mais detalhes, dirijam-se os proponenles ao Sr.; en(._
Lima engenheiro jiresidenie interino om Barbalbo,
villa do Cabo, a qualquer hora.
R. Austin,
Superintendente interino.
S. Mondes Leal Jnior, 1 vol.
Theatro doDr. Joaquim Manoel d-' Ma-
cedo, 3 vol. ene......
Obras de M. A. A. de Azuwdo, 3 voj. ene.
Suspiros Poticos, de U. J. G. do Baga-
Ihes, 1 vol.
| Mocidade do R. Joao V por L. A. Rabello
da Silva, 3 vol.
S400U
5l'
AMA.
Precisa-se de una ama que saiba ongommar,. ym anno na Curte por J. A. Corvo, J vol.
lavar e coznhar, para casa e pouca familia : na r* Msoraveis, por Wtor Hugo, tO vol.
rua da Cadeia n. II, loja da Primavera. i Crimes espantosos, 2 vol.
O annuiicio do Diario com o nome de Joao
Ferreira da Silva que se retira para fra da pro-
vincia, nao se entende com o que 6 estabeleciao
na rua Direita n. 10G. |________^__
s
2 vol.
i
vol.
Obras poticas do M. I. da Silvx Aivareu-
ga, i vol.
O Oulono, peesias do A. F. de CasUino, 1
?ol.....'
Reveanles, poesas de E. A. Zalnar. 1
- Aluga-se o terceiro andar do su lirado n. 3/ vol. ^
da roa do Amorim : a iratar na rua da Cadeia u. Peregrina^ a provincia de S. Paulo, pe-
8S iJnuuU anilir It) meSHK, 1 Vol.
62, segundo -inda.. ____________^___ | A ^ g^, ^^^ por A D dfl p^
~X\A se o irt andar do sobrado n 19 da j catt 3 voi......
rua Nova": a iratar na ma da Cadeia n. 62, se- Agulha em palhero por Gamillo Castello
eundo rndar._______________________________! Branca, 1 vo|.
Alnla-se um -obrado de um andar e folio I Vsio dos Vewpos, AiHiguidado Hornera.
Tua de r^m Je^is das Crioulas ... 33, um so-1 Harpa c JsraeL Rosa !Bvsl.ca, poema.
O advogado""Ijiirtcencio .Seraphico de
S Asss Carvalho acha-se de novo no exer-
M cieio de sua prossoo, pode ser procijra-
a-.do4asl,l|2 horas da manhaa alo as
da larde, na rua do liiireEadof n. SO,
M primeiro andar, e para iickocio urgente
H a qualquer i)ora di dia.
KtanRSlHM OMKfil *MR)BfmdBlfSiSi Pugio do lugar Jo Salgado, irtu da gnai-
^P^WW^^;2}S!il,l^,,iS8 ta da provincia da Parahiha, o negro cr.oulo do
- Aluga-se o segundo andar e sola.) d" sobra- Ben, com os si?naRS seguintes : cheio do
do da ruado Aragio n. 1: a Iratar na rua da Ca- ...., ,,^m KHmnu ama birha. m
deia do Refifo n. 62, primeiro andar.
OJJM00
9A000
3|wro
85000
gjou
1CS(HH>
H060
6500o
81000a
.61XW
4*000
64000
64000
OD00
tw.u travessa da Uomba n. 8, o urna casa nova
nVCapajrga,de varios coinmo/ios : a tratar no p
u-o da matriz de soulo ArJlo.VMP.t: ? .
Precisa-se de urna ana para o serv) inter-
no e externo de urna cas : na raa larga do Rosa-
rio n. 37. *
Antonio Joaquim de Mello advoga no c.vr 1 p
crime, e porante os jurados ; e graluitaineiiie aos
pobres: na ruado Imperador n. ti, das 8 horas
' da manhaa s 2 da tarde.
corpo, bem fallante, pouca tarta, mas
pe.los, e em nm do* MeJMs 'dos pes um coslume
proveniente de cortes de enxada : pede-se aos ca-
pitaes de campo ou mesmo as autoridades o ap-
prehendam e recodan cadeia, an.iur.ciaiido pe-
las fojhas desta cidade ; protestando o abaixo as-
oldaras.
Acaba de chegar loja da Primavera, rua da
Cadeia do Recife 1. 21, un. completo sorlimento
eue todo se vende por barato preco.
I seu poder,
"por Tieophilo Braga, *'edieS, i vol. lJ>i
Cvnismo Sceptcismo o Grenca, comedia
"por A. Ciwar de Laccrda, 1 vol. I#000
rtlcm dalas obras receben mais, de litteratura
francesa, pootugueza e brasiles,. Jis quaes vende
presos limite rawaveis. ^_^_^^__
Alugam-se o segundo e terceiro andares da
casa da rua da Cadeia do Recife n. 4 : a tratar no
armatem da'mesma.
Na praca da Independencia, loja de ourives
n. 33, cotpram-sc obras de ouro pra e pedras
preciosas, assim como se far qualquer obra de en-
commenda, e todo e qnalqner concert.
r
ILGiVEL
j


Diario de rercamfcaco Sabbado 1 de Setembro de l4.
COMPBAS.
Compra-se ouro e prata em obras vdhas
daga-se i>em: na toja de bilbetes da pracada Inde
pendencia n. 22.
Comprase cobre velho : na ra do Bruoi nu-
mero 78.
Compra-se effectivamente
ouro e prala em obras velhas pagndose bem :
na ra larga do Rosario n. 34, loja de ourives.
Compra-se
urna escrava que seja sadia e benita figura, cozinhe e engomme : a tratar na ra da Cadeia
do Recita n. 5o, primeiro andar. _________
Comprase a obra de Theologia Moral do
bispo Montes, 3* edicao : queni tiver annuncic.
COMPRA-SE
Albuas superiores para re-
tratos.
r A Aguia, Batuca sempre dispara fcem servir e
RIVAL SEM SEGUNDO
IL* ndar para Perwwniar, assim como
agradar a sua boaTreguezia, mandou vir e acaba! sejam
de reoaber uin baile sortimento de albuns de supe-1 GoP.mtias inmtn fin** n,., k
rtor encadernacao e apurado costo, com especian- Dit*Ta mi Z* ,i V r P e h?ra a u0 **
dade decapa do Sarlln com 'lavore-^u tros 5a,dP"SSe .'a.h T'1? ^** *,640-
guacidos de tartaruga cora tranca d prata, hos a S irs "bea dwla *
outros marchetados de madTeperoia com trancas Resmas de papel'de neso nnin hom
Kaa!,-aar sj-je i a t ^ assssaa *
SSSSKTSttS^^ Cordaob^cogrossanaeterarauita app.icacaoa
se lornam notaveis por sua perfeicio e bom gosto, "
; outros WflnMlM na mesma occasiao, se lornam re-
uma negra de bonita figura, que sai la lavar, en-
xommar e coser bem, 0 cuja idade nao exceda a
35 annos, agradando paga-sc bem : a tratar no s- i
criptorio de Manoel Ignacio de Oliveira & Filoo,
largo do Corpo Santo n. 1'.'.
Alenco
commendados pela commodidade de precos vista
4a boa obra. Assim pois o pretndeme* ser ser-
vido conforme o dinheiro que quizer ospr para
esse tim, achando sorlimento para 24, 50, 60 e 80
retratos : na ra do Queimado, Iota "Aguia Bran-
ca n. 8.
Carteiras a bolsas para
GARRAFAS
Comprante garrafas vastas : na ra do Impe- ua de chegar neste ultimo paquete, assim como
"trador n. 37, armazem AMianca. mui,os outros objcctos qee recebe por diversos na-
------------jn.uv.iire nr> raMvtFRrin------------- Vl0?' ,a'", d.e sua ,:onta omo de >ns*gnacao que
JORMAES DO COMMERCIO. csta resolvido a vender por precos muito baratos
Na ra do Queimado n. 29 eompram-sc os se- para veuder muit0 p Har extracao
arates nmeros do JonM do Commerac do cor- Jrandl! dl!nosilo jjgj^jjj espera merecer a
lo para
iigeucias para que fi-
magetn.
Na laja d'Aguja Branca, ra do Queimado a. 8,
a
O Vigilante esta alerta, nao Ibe era permittido
deixar passar desapercebido sein que nao dsse o
su canto, afiro deannunciar ao respeitavel publi- JSJS^JSEZ D'",ca' rua,ao adon. l
co o grande sortimento de galanteriaT de"aS u5!?t!2Ku S fS*" ***. gosto propriamente para flualquer mimo, que ac, t,racol^e bo'sasile tapote,ludo para viagens.
ra-iuiiiarias inglezas.
vios, tanto de sua eonta'oomo de caftn i Aguia Branca'. fonlwcende a bem merooida
----.....-.......~ e estima que os apreciadores do bom do as perfu-
maras inglezas, por isso mandou vir o esplendido
o grande deposito qe tem, que espera"mer*ecr"a sortime, ue acab de receber, e os acreditados
rente annp : n. 1 do 1- dejane.ro e suPP emento pr,e ^ du^JSi j3U%mpdo ra fTrtSSt &**&?* fabrkicantes i- Cwoell
ao n M de 22 do mesmo mea, supplemento ao n. iss0 l0vdas as ^ i.^cias rara oup ft- \ NaPoleao Pr,ce & c- sao bastantes paraco-
40 de j de fevere.ro ; n. 41 de 10 defevere.ro e quein Mtbfe|lM. J9rb"Jggj JJJ nhecer-M .a super.or.dade dellas. Consiste esse
supplemento ao mesmo noroero ; n, 42 de 11 de CreMO n. 7. 'o"ame, ra oo be||oe vana(]0 sortimento em pequeas quantida-
ESPLENDIDO AEMAZEM DE MOLHADOS
LIA1\C
!
DE
fevereiro e seu supplemento; n. 4o de 15 de fe-
vereiro e seu supplemento n. 48 de 18 de feve-'^ pmajMM.
retro e seu suppl. ment-, a. 58 de 28 de everei- ??e_?e_inu,t0 80S, Pr.

ment ao n. 64de o de mar?o; n. 65 de 6 de mar- !, ."reperola poi-
co e n. 81 de 22 de marco : supplemento ao n. 99 "nas Jardineiras.
_ n < .i ,r meas entra mm 9
ro; supplemento aon. 62 de 3 de marco, supple->e,,,nnas ""Parentes forradas de ma-
___.::_ c j. .. j. _....._ o* j,.V .!. Jl._ I dreperolapor
ndas jardineir;
Ricos cofres com camapheu.
Liadas caixiubas com pedra trancas.
Lindo bailo com calungas dea*u>, tam-
ben para joias.
Tarabalier para ditas.
de 9 de abril.
1 ompraai-se
duas cscravas que sejam atara mocas, sai-
bam engommar com perfeifiSo, cosiobe e la- cSSSmSSa.
vem roitpa de varrela: .metaas tiver e qui- Cosmorama ditas,
zer vender dirija-se ra do imperador n., lr^.?^.bfrfi.,
38, segundo andar.
des de differentes e agradaveis extractos de pri-
nnn: nieira 1aa|idade em frascos do diversos tamanhos
10*000 e formas, far.endo-se notaveis entre elles os que
.o./ua vem em U1"a carleira de ,res' com os quaes por
nuS sua Rancia e bondade se faz um bello presente!
}W*JW assim como outros frascos com finas essencias fion-
}0*poo centradas, outros com excellentes leos para ca-
10*000 bellos, e outros finalmente com agua de Lavamler; Libras de rcia preUda melr' qualidade a 120
1 sublimada -, e bem assim finos sabenetes em paco- i ris.
Liabas de carnteis garante-se 150 jardas a 40 rs.
Cartues de linda Pedro V com 200 jardas a 40 rs.
(.rosas de pennas de aro multo linas a .'00 rs.
Varas de franja de 15a para vestido a 40 rs,
Ditas de franja branca larga para toalhas a 160 rs.
Pares de botoes .le panto a 120,330 e 00 rs.
linteiros de vidro com tinta a 160 rs.
Ditos de barro com superior tinta a 100 n.
Grosas de botoes de louca prateados a 160 e a du-
zia a 20 rs.
Tesouras para costura a 80, 200, 400 e 500 rs.
Lscuvas para limpar denles, superiores a 200 rs.
ufi2LSS laa Para bordar da inelhor qualidade a
0*500.
Caixas de phosphoros de seguranza a 160.
Uixas e pacotes de papel amizade superior a 600
res.
Caixas com 100 envelopcs muito finos a 800 rs.
Quadernos de papel pequeo azulado a 20 rs.
Carnteis de linha Alexandre eom 200 jardas a
100 rs.
Barallios para voltarelea 340e mais tinosa 300rs.
Meiadasde linha frouxa para bordar a 20 rs.
Pares de tapates de tranca de todos os tamanhos
a 1*500.
Grosas de botoes de madrepcrola muito finos a 360
reis.
Cartas e caixas de colchetes de superiores quali-
dades a 40 rs.
Massos de grampos superiores e limpos a 30 rs.
Grosas de palitos de gaz a 2*200.
Paulo Ferreira da Silva & Companhia
57 RA DO IMPERADOR 57
Grandes reformas de precos

5 a O por ionio meaos do prec que se vende en ouirn nal
quer parte.
para ess^S espccia,rae,lle olbidos por um dos socios que na repa se acba
grande a vantagem para todas as pessoas que compraren neste estabeleci-
mento.
armazem.
Os propietarios garantem todos os gneros sabidos de seu ja muito acredriado
16*000
9*000
6*000
6*000
630 VENDAS.
sas de Oliveira.
tmmwm
S Grande liauidacaoM
S no Vigilante, ra do Crespo o. 7.
Ricos porta bouquetes de diversos gostos e pre-
gos; s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Ricos sin (os
com boicinhas aolado, a 10*, 12* e 15*,ditossem
------------------------------------------------------------- ''^C-1 Porm do mesmo gosto, a 2*500, 3*, 3*500
Vendem-sc duas rasas no lugar dos Afosa; *^V- '
dos, com alguns arvoredos no quintal e cacimba :! .Vlcas r,Vtllas avu'a*i'ara s,nl. mell,or que se
quera pretender, dirija-se a taberna de Manoel Ro-. p?de ,,,nc so no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Cabazes ou crslinbas.
Al quechegaram as desejadas cestinbas ou ca-
bazes para meninas trazerem no braco, o mais rica
po-sivel a 2*500, 3*500, 4*, 5*, 7* e 10*; s no
\ guante, ra do Crespo n. 7.
Pentes.
Neste artigo tem um grande sortimento, tanto
para alizar como para atar cabello, os mais lindos
tm ] ^ nello, tanto de borracha como de tartaruga com en-
m fe.tes e sem elle para menina; s no Vigilante, ra
^ do Crespo n. 7.
2t [ Peutes
v< lamhemchegaram os riquissiraos pentes de concha
de tartaruga e d
tes ecaixinhas com tres, bonitas o delicadas al- Caixas redondas para rap e tem muito bonitos ca
mofadinhas eom pastilhas em po, as quaes deitan-
DE
Fazendas.
m
Vo iMsst-io Publico n. II.
O dono desle antigo estabelecimenlo
recebeu um rompieto sorlimento de fa-
lendas e est resolvido a vender per
menos do que em outra qualqut-r parte.
Sno Passcio Publico n. 11.
B Chitas eslreitas Oas a 200. 220, 240 e
^ 260 o covado, dita larga a 320. 360, 400 W
m
*JL
M
3* e 5*; s no
le massa lina, que se vende por 2*
Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Lcques.
Riquissiraos leques de madieperola tanto paA
como para meninas, pelo barato prego
o Vigilante, ra do Crespo
S e 440, dilas para cobcVla larta a oOO rs..
W dita estreita a 320. a
9B no Passcio Publico n. II.
tS iRiCOi (?rl0i de v,'s,.ill!,s de, mbraia CT seuhoras
M a i*, chales de merino liso a 4*500, di- 0. de |->3 o
-.j., to e.-tampado "*, dito bordado a '&. 7
> 6*500, madapolao lioo com 20 varas a
M 9*, 7i800e 6-3800, algedSozinbo laro WL
M) com 4 palmos de lanrora a 95. T con pequeo defeito, leques de sndalo rom pe-
^ S no Passeio Publico n. II. m I 'ueno dl'ft',t0, '")r barat0 P^go de 8* e 10*. chi-
.-oniSli raras a 44 M n,:zclmlu,, bonitos tambera, pelo barato prego de
< \ i*u o, betilarallos muito bonitos, tambem por ba-
rato prego de 45 e '.;, leques de charo tambem
l*; s no
Mais Jeques
do-se nos guarda-vestidos, commodas, etc., nem s
deixara toda a roupa cheirosa, como af'ugentam
baratas, tragas, etc., etc. Em quanto, porm, a
commodidade dos precos j nao entra em duvida.
urna vez que o pretndeme cotnparega munido de
dinheiro e disposto a fazer gasto na loja d'Aguia
Branca, ra do Queimado n. 8.
Balas grandes e caretas de
borracha,
Excellentes brinquedos para enancas : vnden-
se a 500 rs. cada urna : na ra do Q'ueimado, loja
d Aguia Branca n. 8.
Fspelhos cdm molduras pretas
e douradas.
A Aguia Branca, na ra do Queimado n. 8, re-
cebeu um bom sortimento de espelhosde differen-
tes tamanhos com molduras pretas e douradas e
os est vendendo por precos commodos.
Papel inglezm
A Aguia Branca, na ra do Queimado n. 8, re-
cebeu um novo sortimento de papel inglez liso e
pautado, almago, de peso, e pequeo, vinde dest
lamben com beiras douradas.
AO IMKJLIC O.
lungas a 100 rs.
NOVA
liqmdaco de fazendas de todas as qua-
lioades na loja e armazem da Arar,
ra da 'mperalriz n. 56, deLnurcn-
co Percira Menes unuaraes.
iirr libra a i,lo
Vendc-.-e pegas de panno de liuho para lences, I Arroz do nlaranho 0 da India o me
bri ."lio Mnrr! 'Tfilii m nn* por 8'5(,0,; i ha nesl3 genero de 8o a loo rs. a
pnm luso por 500, 560,640 rs. a vara : na ra da 0 ,1o nr. i 4 Knn r< o ,K.
Imperatnz loja da Arara n. 36, de Mendes Guima- ..Y? T'500 ,a f'.p rS" a ai'oba-
raes. Azeite doce de Lisboa a 6oo rs. a garrafa, e
A Arara vende souleiubarque a 10$ e 12^. 4^oo rs. a caada.
m9de'se soutemar,lues de laazinhas enfeiados dem trancez e de Lisboa refinado em gar-
! al m*!* ? JT52. de 8rodenaPle,fino rafas brancas a 9oo rs. a garrafa, e 0,000
a 20*, 22* e 2o* capas pretas ricamente enfeita-1 ,. a .ill7~
das a 2o* e 30*; camisiohas para senhoras a 2* J" ""
e 3* ; golinhas 240, 320 e 500 rs.; manguitos a i MUMI milito nova e limpa a 32o rs. a lt-
a qual pedimos toda a attem.-ao.
Viuho verde.
ejado vinho do Carlaxo vende-se nicamente neste armazem
rs, a ancora com 7o garrafas.
Amendoas confeitadas de diversas cores a
64o rs. a libra,
dem de casca dura a 2io rs. a libia,
dem de casca mole a 32o rs. a libra.
Ameixas francezas em caixinbas com lindas
Chegou o muito desejado
a Coo rs. a garrafa e 3o.ooo
de
estampas a i,2oo e f.iJoo rs.
dem em frascos de vidro a i,2oo rs.
dem em frascos grandes a 2,000 rs.
00 rs.
Ihor que
ibra,
oOO rs. e 1* : na ra da Imperatriz n. 06, loja da
Arara.
Cortes de chita a 2(5-100.
Vende se cortes de chitas com 10 covados a
5400, ditas francesa a 3*200 ditos de cambraia
de salpicos a 2*500 a peca, dita lina a 3*500, 4*
bra.
Azeitonas muito novas a 2,000 rs. a anco-
reta.
Alpista limpo a lio rs. a libra, e i,ioo rs.
a arroba.
TWnf rvn ^-rir,:,^:^ i?55:, na.fua da Imperatriz n. 56, loja da Arara, de Bolacbinlias de Lisboa da fabrica do Beato
MeiteS mVISIVeiS **ae Ouima-raes. Anlonio do diversas mialiriaife em lata.
A Aguia Branca, na ra do Queimado n. 8, rece-
beu hotos enfeiies invisiveis, os quaes pela finura
Mendes Uuima-raes.
Roupa feila barata.
Vende-se.palitos prelo de panno a 16*, 14*
Anlonio de diversas qualidades em lata?
Lentilbas muito'novas excedente legme pa-
ra sopa a 2oo rs. a libra.
Licores franeezes de todas as qualidades
de 7oo a 9oo rs. a garrafa:
Manteiga ingleza perfeitamente flor a 800 e
1,000 rs. a libra, desoecessario mais
elogios nesto genero, que s se pude ve-
rificar com a vista,
dem franceza a 36o rs. a libra, e em barril
se far abatimento.
Marmelada do primeiro fabricante de Lisboa
a Goo rs. a libra, lia latas de I, 1 I 2 o
2 libras.
.Massa de tomate em latas de i e 2 libras a
600 rs. a libra.
Macan ao, talbarim ealetria a ioo rs. a libra,
dem branca a 32o a libra.
Mostarda franceza preparada a loo rs. o
frasco.
Idi-m ingleza em p aio rs. o frasco.
Aloibo inglez em gartalinlias com rolbas do
vidro a 64o rs. cada urna.
Marrasquinho verdadeirodeZara a 1,000 rs.
agarrafa, o 10,000 rs. a dnzia.
SR Cambraia lisa
W dita a 1*300, dita a 7,3, d.'ta a 8,3 mus- Su
S selina branca a 560 o covado, brim par- ffl
JR do a 720 a vira, assim enno nutras fa- 0
g.< znidas que s visia; laiiibeni se do S3f
* as amostras dwisaudo penhor, a loja esta jT*
por 4*. tudo isto para acabar, perdendo.se tal-
vez 80 por cenlo: s no Vigilante, ra do Crespo
n. /. r
Piilsciras.
Lind^ pulseiras de contas e de missanga, cores
muito lindas e de muito gosto a 1* e 1*200.
Para segurar manguitos.
Tambera chegarara as lipuinhas estreitinhas de
borracha que as senhoras tanto precisam para se-
gurar manguitos por ser muito commodo e rauito
s-se a casa da Capunga, roa da Ventu- bara|o. a 320 o par; s no Vigilante, ra do gres-
do tecido e bom gosto lera merecido tanta estima 1 "* c ^> dil0S de alpaka a 3* e 4*, dils de
brim bra neo a 2*500, 3*. 3*oO0; calcas de brim a
,* e 2*.jO0, ditas brancas a 3* e 3*ofl0 ; palitots
de casemira de cores linos a 10*, 8* 6*, e 3* ;
seroulas a 2* camisas brancas a 2*, 2*300 e 3*:
na ra da Imperalrizn. 56, loja da Ai ara.
Colarinhos econmicos a 650 a dnzia.
Vende-se colarinhos econmicos muito bem fi i-
Preparos para flores.
A Aguia Branca, na ra do Queimado n. 8, re-
cebeu novos preparos para flores, sendo papel de
cores para rosas, dito verde para folhas, iolhas de
panno e velludo, caixas de trigo, dilas de uvas
brancas e rxas, e romo sempre continan a ser
vendidos por precos commodos.
de 6 e de 3 libras, a 3,000 e 1,5oo rs. a'Nozes muilu novas a ,(io rs. a libra.
lata e 6'o rs. a libra. Ostras preparadas era laias a 7oo rs. a lata,
dem ingleza em latas de2ei libras daslPrezunt0. Para ,i;""bre inglez verdadeiro,
melhores marcas a l,3oo e 2,2oo rs. a I garantindo-se a qualidadea 7oo rs. a libra.
lata.
Banba de porco refinada a ioo rs. a libra e
em barril a 36o rs.
Batatas em gigos de 36 libras a 1,000 rs.
Passas novas de carnada a ioo rs. a libra o
6,5oo rs. a caixa.
dem para sopa estrellinha, pevide erodinlia
etc. a 3 Joors.a caixa, e a 060 rs. a libra.
tos a 640 a dnzia : na ra da Imperatnz n. 36, lo- j Champagne das melbores marcas a 2o,ooo 0IXt em la,as hermticamente lechadas das
0 abeita ato s 8 horas.
mmm mm wmmmm
Vende-so urna escrava crionla, fula, de boa I
figura, com alguma habilidade, grvida de pouco .
lempo, propria para casa de familia por ser do'
seituo : a tratar na ra Uireita n. 106.
ra n. I, a qual tem commodos para familia e para
estabelecimenlo : a tratar na Madre de Dos, r-
mazem de Itibi iro & Braga, em hquidacao, ou com
Jos Joaqolm Dias Fi-rnandi
a fazer a referida venda.
mmm
a 13 a ancorla, em norcao se far grande abati-
mento : na ra Nova n. 8, loja do cha.
Enteites para cabeca.
Chegarara os'lindos enfeites do cabera para se-
nhoras, sendo milito simples o-de mnito gosto : s
no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Resoluclo.
Vende-se a ni.va armacao pequea e de gosto,
propria para calcado, na roa Direita n. 23 :' para
tratar, na ra du Livrainenni n 33.______
Superior cal de Lisboa.
Sende-se snperi ir cal de Lisboa a mais nova nue
ha no im-rcado tanto era porcao como a retalho,
por barato pceo alianeando-se aos compradores a
superior qualidade : a tratar as segointe ras :
Crespo n. 7, Impera lor n. 28. Forte do Mallo ar-
mazem do Sr. Villa defronle do trapicho do al-
godao.
Salitre refinado, superior qualidade, vinho Bor-
deaux, differt-ntes qualidades, mais barato que em
qualquer parle : no armazem de E. A. Burle j
C, ra da Ouz n. 48.
Vende-se a casa terrea da ra do Progresso
n. 21 (no Caminho Novo) tem um pnriao aolado
queda entrada para o quintal, no qual existe ein-
co pequeas mei aguas, rende tudo 480*, e ven-
de-se barato por seu proprietario ler de retirar-se
para fra da provincia
mado n. 77.
po n. 7.
Canelas.
Riqusimas canelas de madrepcrola proprias
tf, que est antorisado para qualquer presente, pelo baralissimo preeo de
i-5300 e 2*.
Sapalinlios e meiasde seda.
j Riqnissimos sapatinhos de seda ede merino en-
feiladus, assim como meiaszinhas de seda, gorrazi-
uhas e louquinhas para as crianciuhas se baptiza-
rem; s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Voliiuhas.
Lindas voltinhas de perolas falsas com ernzinhas
liiigindo biilhantes, assim corno ernzinhas avnlsas
e voltinhas, pelo barato prego de I* e 1*200, as
eruzes avuls asa 400 rs.; s no Vigilante, ra do
Crespo n. 7.
linliuhas.
Riqnissimas golinhas e manguitos, omelhor gos-
to possivel, a 2*. 2*300 e 3*; s no Vigilante,
ra du Crespo 11.'7.
Enfeites para seiihora.
Riqnissimos enfeites com laco e sem laeo e de
outros muitos gosto a 1*. l:3300 e 3* : s no Vi-
gilante, ra do Crespo n. 7.
Trancelins.
Lindos trancelins ae cabello para relogia ou b-
nelas, pelo baralissimo preeo de 1*500, ditos de
rotroz a 200 rs.
Ilaliadiiibus eutremtius.
Riqnissimos babadinhos entremeios com lindos
desenos tapados e transparentes, pelo baratissimo
preso de 15200, 1*300, 2* e 3*; s no Vigilante,
ra do Crespo n. 7.
Cascarrilhas.
Grande sortimento de cascarrilhas de diversas
larguras, asnm como galaozinho e trancinhas pro-
prias para enfeites; < no Vigilante, ra do Cres-
po u. 7.
Filas.
Grande sortimento de tilas de diversas larguras
e qualidades, por precos que admirara aos com-
pradores, ha vendo lilas largas proprias para cin-
0 Petme da Moda.
ja da Arara.
Vende-se bramante
AGUA FLORIDA
De Murray &, Lanman.
, R .. .. rs- o fc"go, I.800 rs. a garrafa, e 9oo rs.
de puro linho a 2*o00 e1 o, rnHii aaii-.fi,!
.2*800 a vara, tendo 10 a 12 palmos de largura .,. 3s mS g-1"^.
brim branco para raiga a 1*200, 1*400 e 1*600 a'l'na uxim mellior possivel a 2,/00 rs. a
vara, dito pardo a 640, 800 rs., 1* e 1*200 : na, libra.
:.'dem perolaqualidade especial a 2,7oo rs.
a libra.
dem liysson o mellior que lia ueste genero
a 2,ooo, 2,4ooe 2,600 rs. a libra.
dem prelo homeoptico 1 2,000 rs. a libra.
Cerveja das melhores marcas a G.ooo rs. a
^ duzia, e 56o rs. a garrafa.
Chocolate francez, hespanhol e suisso a l.ooo,
l,2oo e l,4oo rs. a libra.
Charutos do afamado fabricante Jos Fur-
tado de Simas e outros da Paliia como
a tratar na ra do Quei-
! teiros que
de 9 varas
n. 7.
se p.ie vender a 300 rs. a vara, e pega
s a 2*; s no Vigilante, ra do Crespo
Enfeites a Garibaldi.
A loja da Aurora, na roa larga do Rosario n. 38
recebeu ricos enfeites a Garihaldi dos mais moder-
nos que tem chegado a este mercado, para senho-
ras e meninas ; tambem receben trangas de linho
de caracol, brancas e de rres, pegas rom 10 varas
a 140 rs. cada una, muito propria para enteitar
vestidos, assim como tem um grande sorlimento de
miudezas a qual vende barato.
Vende-se um sitio na estrada do R-.sannho,
junto ao do Dr. Merina, com bastante frente e fun-
do, militas arvores de fructo, hain de capirn e en-
cllente casa, tendo nma cacimba com aua upe-! em apparecido; s no Vigilante, r'a do' Crepo
or a do encanaineiito a traiar na ra de Aguas- n. 7.
Fitas de la.
Fitas re 13a de todas as qualidades, proprias pa-
ra dentn de vestido a 700 rs. a pega ; s no Vi-
gilante; ruado Crespo n. 7
^^^ Ricos espelhos.
Riqnissimos espelhos com moldura douraJa e
sem ella de 8*, |(i*, 12* e \>^ assm romo con)
CHliimnas de dilerentes tamanhos a 2*, 3*, 45, 3*
e G*; s 110 Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Lindos jarros e figuras.
Riqnissimos jarros e (guras de porcelana fina,
para enfnte de sala, sendo omelhor gosto queaqui
Este raro ijiulo delicado perfumo
quasi que inextiiiguivel c to ehcio de
mimosa fragrancia e frescura como o
delicado chebo das proprias verdecen-
tes rlores. Durante os mezes caloren-
tos do veriio o seu uzo toma-se imineu-
teiiiente aprazivel e desejavel em con-
seqaencia da influencia refrigirantc e
suave que ella produz sobre a pelle:
em quanto que tizada no bauho ella
imparte o corpo lnguido e caneado
una certa elasticidade de vigor e torca.
Ella imparte transparencia as fei e remove po.niw, sai-das e hertoejas di
sobre a pelle.
I tuiu, unu |ianiu a o k\J, OKft 1S., j e J
\ jrua da Imperatnz n. 36, loja da Arara.
J|' Veodem-se bales americanos os melhores que
tem vindo, de lodos os tamanhos a 2*240, 2*300,
o-5, 4* e 4*300: s o Arara na ra da Imperatriz
. n. 36.
j .Js lazinlias da Irara a 2i0 rs. o covado.
; Vendem-se lazinhas para vestidos de senhora a
! 210,320, 400 c300 rs, o covado, dilas muito
linas lisas 600 rs. o covado, dilas especiaos a 720
e 800 rs. o covado : na ra da Imperatriz n. 36,
I loja da Arara.
(.lulas baratas a 210 rs.
; Vendem-se chitas de cores fixas a 240 e 280 rs., j
o covado, dilas francezas linas a 320, 360, 400 e !
. 300 rs.. o covado, dilas percalas a 360 c 600 rs. o!
covado : na ra da Imperatriz n. 36, loja da Arara. I
.1 Arara vende inadapolo barato a (.-siOO. cortse
de vestidos a Maria Pia a 1 f, 16,5 e 18.
o -'5,000 a
sejam regala, trovadores, guanabaras,
seguintes quali lades: savel, corvina, goras
cavallinhas, e pescada a I.oon a lata.
Palitos para denles lidiados a lio rs. o ma-
co de 2o rs. o raacinhos.
Idemdogz a 2oo rs. a duzia, e .loors.
a grnza.
Painco muito novo 12o rs. a libra
arroba.
Queijos lamengos, do ultimo vapor, a 2,:>oo
rs.
dem prato muito fresco a 800 rs. a libra c
sendo enteiro a 72o rs.
Sal refinado em potes de vidro a 000 rs cada
um.
Sevadiiiba de franca a 18o rs. a libra.
Sevada a loo rs. a libra.
deliciase suspirosa l,0oo, 2,ooo, 3,oo Toiicinho de Lisboa a2loe32o rs. libra.
e 4,noo rs. a caixa.
Conservas inglezas a 7oo rs. o frasco.
I Vende-se pegas de, madapolao de 24 jardas, de dem francezas surtidas OU do 11111,1 S iiua-
marcas filias n; 7 a 7*, n. 2 a 8*100, + a 8*300, -H-1 lida.le cada frasco a 500 rs.
9S, S alO*, ||H a II* e 12*; r.lRdao regular a 3*,; Cognac f|..|nc0/ .,-, .
dito lino carne de vacca a 5300, dito domestico a 7 ''"te/, c ingle/, a I,
7*, dito sleupira a 8*, dito pao ferro a 9* a peca Ia; e 10,000 rS. a duzia.
tem 20 jardas : na ra da Imperatriz, loja n. 36. Cominho e erva-iloce a ioo rs. a
Chales baratos a I GOO. Cravo da India a Roo rs. a libra.
Vende-se chales de laazinhaa l*t00 e 2*, ditos Canella a 9oo rs. a libra
de.,n.eT'L L?*- ^m> C5 e 7* : na ra da Im- C()I)0S fiI10s pra ., e \iuh) a 48(l0 :J>000
000 rs. a garra-
ibra.
Tijolo para limpar lacas a loo rs. cada un.
Vinagre de Lisboa a 2oo re. a garrafa e
l/ioo rs. a caada,
dem em garrames com o garrafas a 1.000
rs.
Vassouras do Porto com arcos de ferro a 32o
rs. cada nina.
para lavar casa a lo'o rs.
peratriz n. 36.
Corles de caifas a I COO.
e 5,5oo
Ibem de escovas
cada urna.
Velas de cspermaccte superiores a 50o rs.
a libra.
Vende-se casemira"enfestada propria para capas ^em Checas a I60 rs. a libra,
para senhora a 2* e 3* o covado, tambem serve l dem j descascadas a 2oo rs. a libia.
i para costantes por ser de boa qualidade e lindas co- Parraba de aramia verdadeira a 320 r
! res, vende-se a 2* e 3* o covado: na loja e arma-
1 zem da Arara, na ra da Imperatriz n. 36.
A Arara vende as percalas a 360 rs.
0 Mm ORIENTAL BE KEMP
PARA 08 CABELLOS,
E urna prepara'eo admiravel para lim-
Vende-se percalas finas para vestidos a 560
1600 rs. -, chitas Irancezas linas a 360, 440, 300
360 o covado : na ra da Imperatriz n. 36.
ibra.
Figos em caixinbas bem enfeitadas a 9oo
rs. cada urna.
Favas portuguezas em latas chegadas lti-
mamente a 640 rs.
A Arara vende as capas de grosdenaple a 2\9 e30#. Frutas idem em calda, pera, peceo, aloer-
Vende-se ricas capas de grosdenaple preto para i >,, r-iinhi 'hnilia p omii 7nn >!
senhoras a25* e 30*; soulembanines pretos finesa I -, ? rain,,a Ua.ud,a e *"* a /0? !* a,ala-
20*. 22* e 23* : na loja da Arara
i Tarlatana de cores e branca a 800 rs.
a vara.
a garrafa e a 2,8oo rs. a caada,
dem Figueira especialmente eseolhido nesle
lugar a 600 rs. a garrafa, e i,5oo rs. a
caada.
dem Lisboa em ancoras com !) caadas mar-
ca especial a 22,ooo rs. a ancora.
dem Lavradio, Colares muito fresco sem
eomposicao a oo rs. a garrafa, e 4,5oo
rs. a caada.
dem de Lisboa branco uva pura a oo rs. a
garrafa, e a i,-'ioo rs. a caada.
Verdes n. 64, segundo andar.
1/nigiiiias diMMii.
Cbegoa nnu t>orco de linguicas do Serid para
destino na na do Oilovello n. I, eft|Oia
an-
o nov
para a de S. Gmcallo.e vende barato j a ellas, a
t'.-s que se aeabem, o lura petjseo para quein g.la.
Vende-se anta casa terrea na travessa do
Carino, com 2 salas, 2 quartos, quintal e carimba
propria : a tratar na travessa do Caldeireiro mi
mero 72.
Bitas hamoiir'Mirzas
Na ra Nova n. 61
defronte da Mina, cmara
muiin-ipal vendem-se constaatemenle bas novas
por menos 2* o renta qw em outra qualquer
parte : recebem-se por todos os vapores.
Para pos de arroz.
Riqnissimos vasos com tunela para pos de arroz,
cousa de muito osto a 1*500 e 2*. assim como
pactes s com os pos a 320 rs. cada uro; s no
Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Perfumaras.
Grande sortiwenlo de extractos e banhas, poma-
das, assim corno de lindos copos ou vasos com dis-
linctivos e nfferecimentos as sinhasinhas dos me-
lhores e mais afamados autores de Haris e Inglater-
ra, assim como os grandes copos debanha japoneza
a 2* e a 1*, as.-im romo ontros objeclos qne na* e
possivel por hje annuhoiar, e vista dos frpgue-
zes se far lodo nego**o; na toja do Gallo Vigilante,
ra do Crespo n. 7.
Graixa nova a loo rs. a lata e l,loo rs. a
duzia.
Vende-se tarlatana branca e de cores linas a 809 <>omma muito al va e nova a 160 rs. a libra. 'l'em 1>0r,,) B em PI,a a 56o rs. a garrafa.
', rs. a vara, fil de linho a f-.UO
da Imperatriz loja e armazem
O proprietario da loja e armaze
k vo r r> iiam a r< 1 co'rnienda toda a atteni-ao aos Srs. freguezes que,
a venaa as Doticas de Laors 4 Barboza,; manden ver as amostras de todas as fazendas que dem em garrames de 16 garrafas a 4,800 Genuino, Particular a 9ooe l,2oors.agar-
rna da Cruz, e Joao da C. Bravo & C, ro*: annnoeia, prometiendo vende-las por barato prego, i rs. com o garrafo. arafa, e a 10,000 rs. a caixa com urna du-
da Madre de Dos. PecWbeka de lencos de seda a 800 rs. e i 5. ; \\\m de tres caadas a 7,2oo rs. dada nm. I *
1 tos^^ a'ir SS&SESSUS Vi *!**? ?32**E2*.bor,1adas i Id!m MaJrn leilirao,a !'200 rs-a 8a'ra-
res a 200 rs. cada um 5 meias cruas para homem a
2*400, 3*, i* e 6* a duzia ; dilas para senhora a
A bordo do hiate nacional ous Limos ancora- i Cassas francezas a 280 e 320 rs. o corado.
p ttu'c.iS'"^ '.'"0 d^ LiYriUT,en.ro> v.en" i Vende-se cassas francezas linas para vestidos a
n's mJL,? ? ^^ *'??* na0 ** : 32 ->covado: na ra da Imperatriz n. 06.
neste mercado pelo barato preCo de 3* o alqueire Coletas de damasco a U
ou 6* O sarco sendo este preeo granel, e tambera v a ,a tT 1 "'
na ra da Madre de ueos ns. 5 e 9 I Vende-se colchas de damasco para cama a 4*, 1
-------1j--------------------------------------. 1 ditas de fustao a o*, dilas de chita a 2*; ricas chi-
j\ lie- Cao I attenc l ttenctlii tas para cuberas a 320, 360 o 4' 0 rs., ditas aseti-
Vende-.e um s.iio na povoaeao do Monte'.ro es- Pf ""'-E L" '1 tm, T*' covad' di!as enc:ir'
,i Lnnm-.,"A.Vro,'Jl nadas a 300 rs. o covado : na ra da Imperatnz
par, aformosear, conservar e restable-
cer os cabellos.
ATTENCAO.
Cheguem a laiinlia lavada.
irada que vai para o Arraial, denominada I^deira .
dos Mudos, com i salas de frente, 1 dita de jamar '
4 quartos, cozlnha e copiar do lado, tendo mais :
ue nm mas now wwmmw wuij qmh u ii^.u a i\i\i i a, ,1 iiiiit. ------- *" r'l vw, .^. u gnuaiii.
rs. a vara: na ra j Genebra de Hollanda era frasijtieiras com 12 ^'',u engarrafados generosos Lagrimas do
ad"'"rm re- frascos a 5'8o rs- e 56 rs- frasc0 ,Jonro, Uuque do Porto, D. Luiz I, D.
Srs. Ireguetes que '^em em botijas a 4oo rs. cada urna. Pedro V, Nctar, velho secco, Malvasio
com rolda de vidro qualidade superior al la, e a 12,ooo rs. a duzia-
l.ooo rs. a garrafa. -dem Moscatel a l.ooo rs. a garrafa,
dem de laranja verdadeira a 1,000 rs. o dem Bordean* das acreditadas marcas St.
frasco e 11 ,oon a frasqueira de 12 frascos. I Julien, St. Estepb, chateau la Rose, chatau
Kirsch Wasser excedente bebida suissa a j .Margotix e outros a 6,000 rs. a caixa. e
l,8oo rs. a garrafa. j :6o rs. a garrafa.
urnas pequeas casinhas ao lado para hospedes e
silio com bastantes fructeiras : qnera pretender
pode dirigir-s. ra do Pilar n. J7, que achara
com quera tratar.
Cal de Lisboa.
Ha para vender a mais nova, e intimamente che- i
gada ao mercado, em bem acondicionados barris :
no armazem de Manoel Teixeira Bastos, ra do
Trapiche n. 13, por preeo razoaveL
,1
ijmhj ]
O sitio de Santo Amaro que fui do finado Ma-
n
iSiEiAfla
Arfmiraco
Vendem-se os dotis solos im qne estao ediea-
das as casas terreas ns. 1Q e 20 na ra de S. Bom
Livros.
Vende-so superior vinho do Pon., em caixas de
urna duzia
\endem-se na ra do Cabup q. |0 as seguintes
obras, por preeo muho barato : 8 tomos do Pano-
rama, obras completas de Felinto, Anpaes Ae rj
noel Francisco da Silva com caes em toda frente, Jess das Crionla.' : quera quizer comprar, dirija-
casa de lijlo com sufOcientos commodos, um vi- se a travessa d;is Cruzes n. 2, das 10 as 12 horas
veiro e arvores fructferas : na ra Augusta nu- da manha, que achara com quem traiar.
mero 43. i------z:;-------;r-r-------;k-----:------
--- -----------r----------=rs------------------- vende-se a taberna do berra do Ponnho es-
~\ ende-se .1 taberna n. 20 da na dos Acou-' quina da Concordia n. 33, muito atreguada para
eracasadeWmsio Patcr4 C.-rua l^lli'n FoiZnTl ZfuXnnT\tS' K& ASL^LSt: 22? "* "S* i,,erMe,em '"">" umk porcao de cavernas de
do Vigario n. 3. lane' iittera.r? BWWS, *ce!- 0oino da venda porque o dono quer botar barcassa e canoas grandes e pequeas, por o dono
- '""-''n-. oufro negocio. screliriir.
CEIIVGJ.i En II\IUUI
a 900 rs. o ropo
Oueljo de Minas chegado no vapor
dem prato uinito fresco
dem suisso superior
Idcm londrino superior.






o7 Ra do Imperador 57
j



Diario de Peruaiubuco Sabbado A le tctcuibre 4e lbttl
V
hit
RA DO QL13I3IAEH> tf. 15.
JPassand o becco da Congregarlo segunda casa.
Sttil
NOV1DADE
'
Grande liquidaciio.
Ra da Impera! rz n. o.
Loja de fazendas do Paviw de Gama & Silva.
Acha-se te aslabeecimento completamente
sonido de faiendasingieras, francezas. allerjnaas e
suissas, proprias tanto para a praca como para o
mallo, prometiendo vendor-sc tois baiaCo do que
em outra jualijuer parle principalmente sendo em
porgao, e de tudas as fazendas d;lu-se as amostras,
deixando fiear peuhor. ou mamlam-se levar em
casa pelos caixeiros da loja do Pavao.
s chitas do Pavo.
Vendem-se chitas latelas claras e escuras pelo
barato prego de 240, 260 e 280 rs. o covado, tintas
seguras; ditas francezas de cores seguras a 320
340,360, 400, 440, 180 c 300 rs. o covado, fazenda
multo superior c bonitos padrics : s na loja do
Pavao.


!
Pereira Rocha & C. acabam de abrir na ra do Queimado n. 18 um armazem de molhados denominado Clarim Commer-
< mi, onde o respeitavel publico encontrar sempre um completo sorlimento dos melhores gneros que vem ao nosso mercado os
quaes sero vendidos por precos muito resumidos como o respeilavel publico ver pela tabella abaixo mencioneda; garante-se obom
peso e boa quaiidade dos gneros comprados neste armazem.
Arroz do Maranbao, India e Java a 60, 80 e Peras seccas muito novas a 600 rs. a libra. Cevadinha de Franca muito superior a 220
100 rs. a libra, e 10800, 20600 e 3000 Painco a 200 rs. a libra. i rs. a libra.
a arroba.
Araeixas francezasem latas e em frascos a
10200 e 10600, e em frascos grandes a
25O.
dem em caixinhas elegantemente enfeitadas
com ricas estambas no interior das caixas
a 10200,10100, 10600 c 2.
Atuendoas com casca muito novas a 280 rs.
a libra.
Polvo secco muito novo a 400 rs. a libra. Cevada a 80 rs. a libra.
Presuntos de Lamego em calda de azeile e Ervilbas porlugiiezas a 640 rs. a lata.
muito novo a 640 rs. | dem seccas muito novas a 200 rs. a libra.
Queijos flamengos do ultimo vapor a 26800 Figos de comadre e do Douro em caixinhas
Mem prato. de oilo libras e canastrinhas de 1 arroba a
dem lotulrino'chegado no ultimo vapor a 10800, 56o00 e 280 rs. a libra.
900 rs. a libra. Farinha do Maranbao a 160 rs. a libra.
Sal refinado em frascos de vidro a 600 rs
cada'um.
Apista a 160 rs. a libra e a 40600 a arroba. Sardinlias de N'antes a 300 rs.
Azeite doce francez mnito fino em garrafas
grandes a 960 rs. a garrafa,
dem de Lisboa aOiO rs. a garrafa.
Araruta verdadeira de matarana a 32 rs. a
libra.
Avelinas muito grandes e novas a 180 rs. a
libra.
Biscoutes nglezes -de diversas marcas a
10300 rs.
Bolachinhas de soda, latas grandes, a 20 rs.
a lata,
dem inglezas muito novas a 30000 a barri-
quinhae a 200rs. a libra.
Banha de porco refinada a 440 rs. a libra e
em barril a 400 rs.
Cha hysson, huchin e perola a 10600. 20,
U'iOO, 20800 e 39000 a libra,
dem preto muflo superior a 20080 a libra.
Cerveja preta e branca, das melhores marcas
que vem ao mercado, a 500 rs. a garrafa
e 50800 a duzia.
Cognac inelezfino a 98 rs. a garrafa.
Conservas a 720 rs. o frasco,
dem, s de pepino, a 720 ts.
dem, s de azeitonas, a 750 rs.
(Charutos dos melhores. fabt cantes da Baha
e especialmente da fabrica imperial de
Candido Ferreira Jorge da Costa a I800,
200 10, 20SOO, 20500, 20800, 30000 e
30500 a caixa.
Caf do Rio muito superior, a 280 c 320
rs. a libra-e 80500 a 8800 rs. a nrdba.
lartoes de bolinhos francezes muito novo*; e
bem muito enfeitados a 7O0e.6OO rs.
Cbouricas e -patos muito novosa800re a
libra.
dem de trigo a 120 rs. a libra.
Genebra de Hollanda verdadeira marca VD
a 560 rs. o frasco e 60200 a frasqeira.
dem em garrafoes de 3 e 5 galoes a 50500
e 70500 cada um com o garrafo.
Graixa a 100 rs. a lata e 10100 a duzia.
Licores muito finos a 700 rs. a garrafa.
dem, qualidade especial em garrafas muito
grandes, a 10800 a garrafa.
dem em garrafas mais pequeas a 800 rs.
dem, em garrafa forma de pera e rolhas de
vidro, a i ,$000, s a garrafa vale o di-
nheiro.
Manteiga inglesa perfeitamcnle flor, desem-
barcada de pouco a 900 rs. a libra, e da
de segunda qualidade a 800 rs.
dem francez muito nova a 640 rs. a libra.
dem de tempero a 400 rs.
Maca de tomates em barril a 480 rs. a libra.
dem enf lata a 640 rs.
Marmelada imperial dos melhores eonservei-
ros de Lisboa a 60't rs. a lata.
As laziulias da expusiran do Pavao.
Vendem-se laazinhas as mais modernas que
teio viudo ao mercado, proprias para vestidos e
soutembarques por seren lisas e de cores muito
delicadas 360e300rs.; ditas lisas com um lustre
que parece seda tilO rs. o covado, ditas com
quadrinhos de seda 300 rs. o covado, s para aca-
bar : na loja e armazem de (ama \ Silva, roa da
Imperatriz n. 60.
0$ vestidos do Pavao.
Vendem-se os mais modernos cortes de vestido
de laa, que vieram pelo ultimo vapor, com ricas
barras do cor, corpinho e collete separado ; ditos
Os vestidos Mara Pia. S o Pavao (80000).
Vendem-se os mais lindos vestidos Mara Pia
de laazinha transparente com listas, e palminhas
AO KESPEITAVEIj PUBLICO.
RA DAS CINCO PUNTAS N. 86

i-esquina da nova travessa de %. tffoo.
3
a
Sag muito alvo e novo a 260 rs. a libra.
Tuucinho de Lisboa a 320 rs. a libra,
lijlos de limpar facas a 140 rs.
Vellas de carnauba pura a 360 rs. a libra,
dem stearinas muito superiores a 60 r.
libra.
Figos em caixinhas ermeticamentc lacradas
a 10600.
VrIio do Porto engarrafado o nelhor que
ha neste peero e de varias marcas, como
sejam: Velho de 1815, Duque do Porto,
Madeira, D Pedro, D. Luiz I. Mara Pa,
Bocaje Chamisso e outros a 800, 900 e
10000 a garrafa, e era caixa com urna du-
zia a 90000e 100000.
dem em pipa. Porto, Lisboa e Figueira a
480, 500e 560 rs. a garrafa e 30, 303t5O
e 40 a caada,
dem branco de Lisboa muito fino a 500 rs.
a garrafa.
demi de Bordeaos, Medoc, e S. Julicn a ZOO ouu rs. i godaozimio coi oito palmos de i
e 800 rs. a garrrafa, c 70000 a 70500 rs. dem regular a 500 rs. i para leogdes, pelo baratissimo prego de 15 a vara,
a duzia. Macas finas para sopa: estreftinha pevide !as5imcoino tem o meiiwr aigodozkmo tanto em
dem Morgauxe Chateaulumkii do 1854, a 10 rodiriha a aletria a 600 rs. a libia e a I SSScm co'.'po' ?roprp para '?v 0 ..-.?f. .... u ,a,.. ^ *-' I misas de escravos, ele., ele, prego muito contato-
a garrafa. a caixmba com 12 libras. do vista da azenda; s o Pavao : ra da ta-
Idem muscatel a ftOO rs. a garrafa. : Nezes trwito novas a 160 rs. a libra. paraWi n. 60, de ama & Silva.
Vinagre de Lisboa a 200 rs. a garrafa e Peixe em latas preparado pela primeira arte Algodaoiuho com toqae de avaria a -1,000 neis
1 200 rs. a caada. de eeaoha a !0 a lata.
KirsJs garrafas muito grandes a 10800 rs. j Paliios de (lentes a 160 rs.o maco.
Alm dos gneros cima mencionados le-dem de denles a I20rs.
mos grande ,porc!lo de outros que derramos] dem de llr a 200 rs.
de mencionar, e que todo ser vendido por | Amendoas conreilados a 900 rs. a libra.
pe^as e carnadas, tanto em porgos cerno Doce degoiaba em lata-;, o meihor possivel a
retalho- 20 e em caixao a 640 rs.
Quem comprar de lO^GOO para craa te- Palitos do gaz a 20200 a groza.
Desojando o proprietario do grande armazem do Propheta dar lar-
gas ao seu genio emprebendedor, commercial e especulativo, rcsolvcu ceder a inspiracao
que o assallou, quando as horas caladas da noite o seu solicito espirito se agilava n'um
turbilhao de ideas, tendentes todas bem sei vir e agradar aos generosos hahitantes
desta bella provincia, de abrir mais este grande estabeleetmento de nevos a
escolhidos gneros, quasi que especialmente destinados s pessoas que moram na fre-
guezia de S. Jos, e aquelles senhores que transitara pela va frrea, para quem em ver-
dade sao sem anta o numero das vantageos que se Ibes offerece, nao s com relacSJP a
modicidade dos fretes, como da facilidade e brevidade da condueco dos objectos cou*-
prados.
O sonho do Propheta ser urna verdade pratica to acceita c abracada como os
com listas de sedare timliem com barras "eenfei" palavras Simples e bem intencionadas dos vellios palriat chas desses tempos idos, si o ^e-
tes para o corpo, por preco mais barato do que em nhor Deus dos exercitos nao o quizer contrariar.
SJgSSK 'SUS ltPASUTS h *V*e<* Pavao, ra da Imperatriz n. 60, de Gama A Silva, tambctil, depots de profunda medttacao, de nao vender somentc os st us generosa dl-
nbeiro correte ; mas tambera de por em pratica troca del les por outros da produeco
do paiz ou por escravos. bois, cavallus, ele. Assini, pois, fique na intelligencia de todos.
que o propheta receber como moeda de qualquer dos senhores agricultores, ssucar.
nu& silva. era gneros, escolhidos a contento.
Quando a importancia dos gneros apartados for menor do que a dos objectos re-
cebidos por troca, o fropheta nao demorar a diitercnca que deve dar em dinheiro.
Cm eslabelecimento que com tantos sacrificios e despegas acaba de ser abero
deve inspirar a todos a certeza de que se vender mudo barato com o fim de se adqui-
rir crdito e freguezia.
As cassas do Pavao a 210, 280, 300, 320 e
360 rs.
S o Pavo vende as linissimas cassas persianas
Imitagao de las, com eflres fixas, 360 rs. o co-
vado ; ditas ranrozas muito linas 240, 280, 300
e 320 rs. o covado, isto para acabar : ra da
Imperatriz, loja de Gama & Silva.
Os madapoloes do Pavao
Vende-se pega de madapolao Infestado rom 12
jardas cada pega pelo barato prego de 4, '^SOO e
'6i cada pega, fazenda muito superior : s o Pa-
vo ra da Imperatriz n. 30, Datando que a pe^a
leva urna etiqueta com o Pavao pintado para nao
haver duvidas nem engaos : isto previne o Pa-
vo, de Gama & Silva.
Bramante de llnho do Pavo a
-2Jf. 904OO, i# Vndese o meihor bramante de linho puro com
dez palmos de largura por prego muito comino-
do, por ter de acabar a factura, a vara por
25200, 2^400, o 25600 ; s o Pavo : ra da
Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Panno de liulto do Pavo.
Vende-se panno de linho com 4 palmos de lar-
botija.
Araruta verdadeira a 320 rs. a libra. j dem em botija a 3'- 0 e 400 rs. a
Arroz do Maranho, Java e do Penedoa80,1 Craixaem laUsa 102COa duzia.
ICO e 120 rs. a libra, e a arroba a 10800,; Limonadas de diversas fructas a 10000 o
MarrasatMlho de Zara f-awita aian.le* |Sura Proprio para lences e toalhas de mo pelo
kri ,ra8C9S o1 anu-'a, baratissimo prego de 640,720 e 800 rs. avara, al-
fa o abale de 5 por cento.
. Passas rsuilo novas a 480 rs. a libra.

NOTAS 04 C4IX4 PILUL
iiMACMi^SEPATEOTE^'^-s-?;
i) *'c i-abalhar mito nara ffeniom-ee os mais i
DO
1
escarolar aSgodo
IMBRICADAS
Por Piant Brotkers & 0.
0LDA1
toja
Troca-sc ditas notas por fazendas.
da ra do Crespo numero
17.
Quem comprar de ^m mil ris para dina dar-so-ha a.) ?onipj-aor o lucro tic cinco
;por cenio.
Aprowltem todos. Aproveiiem lodes.
Pazer.das de apurados gostos vindas do Pars.
Capas preUs importautissi-
ma.
CasacVs pretos^e pelerinas
Basquina de cintura e pc-
Hsses.
Sotambarques de caxemira
de cor rom tintara.
Jaqucias de aierin de cor
(tara seahoras.
Zuavos pr> tos de seda mui-1
to bem enfeitados.
Coragftes, sotaiobarqaet di
soda.
Cortes de seda de cor de
muilo Rosto.
Colxas de seda para ooivos
Sedas de qaadro de muilo
goslo a 1,3--iO u covado.
UoreanliqaeG <_j grusdena-
ples.
Corles de organdiz com
barras.
Chapees de palsa para sc-
nbora.
Baldes de arco^; e musse-
lieas.
Balos o merino de odres.
Pazendas de linho e e a!-
godio.
Selectas, esgoioes e iira-
manies.
Cassas, chitas camisas c
smolas.
Peilos bordados para ca-
misa.
Camisas de laa de cor pa-
ra homem.
Madapolao a 75, 85,5c
I0r5 a iie^a.
4,800
Vende-se peca de algodaozinho por ter um pe-
queo loque d avada, mas que esta em bom es-
lado, pelo barato prego de 45 e 45500 a peca ; s
o Pavao : ra da Imperatriz n. 60 de Gama &
Silva.
Os i|ii;-r",iiia|ins ecowiiiicos dn Paio e s do
Pavo
Vendom-se os mais lindos e modernos guarda-
apos econmicos e todo linho, tanto para as casas
de familia como para botis, botequins, etc. etc.,
, pelo baratfssimo preco de ')& a 4azia, i.-io s na
loja do Pav.o i rua da Imperatriz n. i>0, do Gama
& Silva.
iics do Pavo
inos soutembarquqs que Cliouricas
. ttem vimJo ao mercada, sendo de caxoniira de co- ,. I,-,,-.-;
res pelo diminutissimo-prego de 1 5 cada um, di
2500 e 2rj800.
Amendoas a 280 rs. a libra.
Ameixas francezas a 1.5200, 1(5400 e L>)00
em latas, Irascos e lindas caichinhas muito
proprias para memosear alguem,
Amendoas confeitadas em fra-cos de vidro
a 1 & o Irasco.
Alpiste a 160 rs. a libra ea MSOO a arroba.
Azeite doce francez a 000 rs. a garrafa.
Azeile de Lisboa a 640 rs. a garrafa e 4^800
a caada.
Azeite doce em boioes com 0 garrafas a S#300
com o boiao.
Azeitonas por todo o preco.
frasco.
Licoresingk7.es c francezes a I.->C00, Jj06
e 2:> a garrafa.
Lingoasamericanas a 800rs. cada urna.
LiDguicas promptas em latas a L->2C0 aiaw.
Manteiga ingleza nese genero o que ha de
meihor a 800 rs. a librae em barril a 700
rs.
dem mais baixa a 040 c 720 rs. a libra.
Manteiga franceza a 'iO rs. a libra, em barril
a 0 10 rs a libra cm retalho.
Massade tomates a 040 rs. a libra.
Marmelada muito nova a 6-40 rs. a libra.
Molhos ingiezes a 400 e 640 rs. a garrafinna.
Biscoitos ingiezes de diversas marcas a 16300 j Musanla preparada a 400 e 640 rs. o frasro.
a lata.
Bolachinhas de soda, oval e lunch a ,>00l
a lata com 5 libras,
Bolachinhas americanas em barricas 26
libras a 2#0UO.
Massas para sopa macatrao, talharini e aletria
a 400 rs. a libra.
dem finas cm caixinhas a 3->C00 a caixintia.
Marrasquino de Zara verdadeiro a IfioCOo
fins^).
Banha de porco da meihor qualidade a 360 dem mais baixo aSOOis. e I 000 o frasco.
rs. a libra.
Batatas em gigos e caixas por lodo o preco.
Caf moido a 10^00 ou fOOO a arroba.
Caf superior a 7,>*i00, 80Ou e 8*500 a
arroba.
Cha neslo gen,ero temos o que h de melho-
assim como lambem temos baixo pelos pre-
cos seguintes: i -54 0, 1^1600, I $800,
25400, 2<>60O. 2,>8O0 e 3:j0(0o Uno.
Charutos de lodas as melhores e peores mar-
cas do mercado a 800, I $000. I 600, 2,
2,5800, 3.-5000, 40100, ufiOOO, ri.y-J00et!
o cento.
as mais novas do mercado a I2
n com I arroba e 4S0 rs. .i libra, a
i tos de musambique pelo diminuto preco de 95,7 I _. e"af (iue ^ Pichincha.
: na loja do Pavao, mas qa se nao-eigaueiii: a rua | Chocolate magnifico a I 000 0 I 200 a libra.
.da Imperatriz n. 60, de ij:ma fcisilya.
Estas machinas
qualquer especie I
ltoalhado do Pavo.
Vende-se panno de linho adamascado proprio
para toalhas de mesa, pelo diminuto preco de 25OO
ara, gaardanapos de linho a'35 a nuzia.
"de algodao sem lu;lllla de ,n;",oa *><& cada duzia, na loja do Pavo, l"hi
iesffagar o lio rua lla ''nperatriz n. 60, de Cama Se Silva. dem
!:endo bastante U'so o Pavo (a ^SOO). LCeva
duaspessoaspara o rabalho; pode ; Vendem-se os bales americanos muilo superio-
deriearoear urna ; res com 20 e o arcos pelo baratissimo preco de
arroba de algo- 25500 o 45, ditos de 23, :!0 e 35 arcos com Atas,
i-o cm caroco muito bem armados e lambem tem cores escuras
em -ja) minutos, pelo baralo prego do 35500 cada um : # na loja i Ceblas por lodo preco.
ou 18 arrobas, do Pavao, rua da Imperatriz n. 60; de Cama & ; confK |anididos miP 'nn
p Cerveja marca a mais acreditada que tem
vindo a 500 rs. a gnala, emeia garrafas
por 320 rs. branca e preta.
Conservas inglezas aSOOrs. o frasco fazenda
chique.
francezas a o( 0 rs. o frasco.
tuha de Franca a 20 rs. a libra.
Champagne da meihor marca que aqui tem
vindo a 205 e 24 0 gigo.
Cognak inglez e francez a 800 rs. e l 000 a
arrala.
Miibo em saccastom 20cuiasa 35C0.
Prezunto inglez para fiambre vindo no ultimo
vapor a 8(0 rs. a libra.
dem mais antgo a 640 rs. a libra,
dem do Porto a 640 rs. e sendo le*""' a
5i 0 rs. a libra.
I'assas i.ovas a 400 rs. a libra.
Polvo a I 0 rs. a libra.
Painco a ICO i?, a libra.
Pomada a 240 rs. a duzia.
Pimenla do reino a :I2U rs.
Peixe em latas a t^OtO a
vina, pargo e < litros
Papel de peso a2(0'> a re.-ma.
dem idem muito Uno a i;50C0c 3'i>'
dem marllm a >o' 0.
a libia.
la a, save!.
que sempre se veuderam e
se vendem em muitas parles a 8 e 10,
vendemos a 55 O e6000 a duzia.
roto de algodao fl p^fy vcnde p,,.., ,,||o<
Rata marhina ^ ^ ende-se superior setlm da China, fazenda toda i /
a unS q!5 I *,5a taS tndo 5 palmos d largura pro- i ?P0S Para vlnn0 ;l *W* a "-
possucas vantacen* de nao destruir olio do al- >r'0 para vesljdos, capas, paletots, caigas, etc.,, Doces de calda vindos de L'sroa neste ultimo
godao e de faxer render o dobro de qualquer ou-! f,cl bara'issiM preco de 25, 252 0, 25300 o 35 o i vapor a 6 0 rs. a lata das melhores fi ue-
tra com menos rabalho,a sua introduccao para iCOVado. eassas pelas lisas, dulas pretas largas e ias (ia Kiirooi
as provincias deste imperto ser de muito valor ,esll*"a-S mangitos, colannhos, pnnhos, e enfeites, fj._ ,, '" i
l^ara todos os interessadosoa lavoura do paiz ludo l"* I"'!'"" Pra uto tobado, e mullos ou- Wem d:l >' ^SCa 0 meihor que 0
Tpele de superior qualidade com
si
Esleirs para forrar sal.i a 850 rs. a jarda.
w:s palmos de largura a 25300 re. o covado.
Xa realidade, este estahelecimento offerece grandes vantagens aocommereio.
Aproveiiem todos a oceasiio de trocar nulas da laixa gauhando cinco por cento.
No armazem de fazendas ba-
ratas de Santos Coelho,
Utu doQueimddo n. Vi,
% endp-se OKeguinte:
Altengao II
Aicas laazinhas, fazenda a meihor que tem vin-
*i ao mercado, tanto em Rosto como em qualida-
de, pelo baratissimo preco de 560 rs. o covado.
LVitas miudinhas earmezins, proprias para vesti-
dos de meninas e camisinhas a 640 o covado.
fortes de laa com 13 cavados, pelo barato precc
de -65.
' vbartas de eblt da India a 25500 e 35.
Leuces de panno de linho a 25 e 25500.
Pegas do cambraia de forro com S Ii2 varas a
-'5200. '
I'oalhas ateochoadas proprias para mos a 55 a
doza.
Ricos cortes de 1,1a com barra Maria Pia a
185.
Pegas de platillas de algodao com 10 varas,
proprias para saja a 45.
Algodao enfesiado com 7 I|2 palmos de largura
a 15100 rs. a vara.
Ksteira da India, propria para forro de sala de
4, 5, e 6 palmos de largura, por menos prego do
me em outa qoalquer parte.
Xeste estabelecimenlo tamboril se encontrar
um grande sorlimento de roupas feilas, e por me
dida.__________JllL.;._______
Balaios para meninas
Lindos balaios de varios gostos para meninas
trazerem no brago : s se encontra na loja do Bei-
ja-Flor, rua do (Jueimado n. 63 e 69.
Extratos e sabo em eai-
xinhas
Lidas caixinhas com nm cario com a familia
imperial, e dentro de cada caixa tun frasco on sa-
bio o mais fino que passivel: na loja do Beija-
I lor rua do Queiuiado n. 63 e 69.
m
Venda de predios
em particular ou em leilo.
Vendem-se duas proprie-
dades de casas contiguas,
|Hij de dous andares e soto,
i com grandes armazens oc-
cupados actualmente pelo
Jos Gomes, para o trafico
tros ariigos que .-o vendem por precos mais em
coala do que em ootra qualquer parle por estar
liquidando ; s na leja do Pavao .i rua da Impera-
tiiz n. 60. de (lama Silva.
Charutos da llavana.
*en1,,e"f*' superiores charutos da Havana em
-asa de Raba SabmHtau & C.; rua da L'adeia
Sr. Feliciano
OH de assucar, sitos na rua de Apollo ns. 84 ftk
M e 36, edificados pelo actual proprietario, ye
B com ptimos alicerces. superiores madei- |
>55 ras. 8 acabadas em 1861, tendo ambos 52 ^gg
>& palmos livres de paredes,de largura, eos S
S altos do de n. 34, e o primeiro andar do S
de n. 36 215 palmos de romprimento, o jj
j| segundo andar do de o. 36 lera sement 2g
S 120 palmos de comprimento, rom um ter S
3SR raco, e os armazens lera 340 palmos de W
SC comprimento cada um. tendo ambos lam- "M
^K bem frente para a rua do caes de Apollo, S
W e o de n. 36 lambem para a travessa do J
Zf?. amigo porto das canoas: os prelendentes yS
KK estes valiasos predios queiram dirigir- ^
se ao sen proprietario Antonio Botelho jH
K Pinto de Me>quila na rua da Cadeia do Wf>
S Recife n. 64, seuundo andar, ou aoagen- S
W te Oliveira na mesma rua n. 62. L
mmwmm mmmmmmmmm
Empreza de illuminacao
Todas as vendas de apparelhos e reclamages
i (por escripto dando o nonip, morada, data, etc.).
devern ser teitas no armazem da rua do Imperador
0.41. Os machmislas mandados para atlender a
estas, apresenlar.io um livro que os reclamantes
deverao assignar logo depois de prompto o servico
reclamado; isto para que a empreza fique sricnte
de hayerem os mesmos senhores sido devidamenle
atlendidos.
Koa da Senzalla \ova n. 42.
Neste estabelecimento vendem-se: tachas dt
terso coado libra a 110 rs., idem de Lo
Moor libra ai20rs.
Assim com machinas om ponto grande'do mes-
ma systema,oraql Mem movidas por animaes,
agua ou vapor, pas uaes poden de>carocar 18 ar-
robas de algodao ampo por da.
O algodao descarocado por estas machinas tem percalas do Pavo.
muito mais estima^o nos mercados de Europa e -^s B,>'< lindas percalas .pie lem vindo ao mer-
vende-se por maiorpreeo. jcado pelo ultimo vapor lem na loja do Pavao pelo
As machinas se achata i venda unicamenie em barato preco de 600 rs. o covado ; ditas de listi-
i nhas^ muito miudinhas proprias para vestidos e
j roupoes de senhoras, meninos e meninas, pelo ba-
: ralissimo prego de 50i) rs. o covado : garantem-se
as cores por serem do meihor fabricante que as
i lem em Paris : isto na loja do Pavao a rua da Im-
peratriz n. 60, de Gama Si Silva.
As chitas do Pari i 2#fOO e
1H800 o corte.
Vendem-se cortes de chita com dez Corados
25400; ditos 25800, com 12 covado*; sao chitas
' 0. 9 loja de miudezas de Jo-, inglezas, mas padroes bomts e tintas seguras
casa de
Saanders Brothers k C.
M. II, praca do Corpo RECIFE.
Os nicos agentes ueste paiz.
RIVAL SEM SEGUNDO.
possivel por diversos precos, e conforme
o tamanbo dos caxSes.
Ervilbasm latas a iOrs. a lata.
dem seccas a 200 rs. a libra.
E&permacete americano a I:500 a libra,
dem francez a 5(i0 rs. o masso com vetas.
Figos de comadre em caixinhas muito lindas
a 800 rs a caixa.
tarinha de trigo a 120 e 140 rs a libra.
Farinha do .Maranbao a 2i> rs. a libra.
Fumo do Para a -158f0 a lata erando.
Eumo americano a 1*5400 a libra.
Fumo em macinhos para sigarros a 200
rs. o maco.
Farelo cm sacas de 80 a 90 libras a 36300
,, Genebra de laranja I;? o Irasco,
se Uigodinho, vetiham ver a pechinrha que se est assim tem as melhores chitas francezas e de to- Idotn do Hollanda a 300 IS 0 fraC0
! tas seguras por precos commodos, a saber: 320,
240,' 340, 360, 400, 440, 500 rs. o covado : na loja do
100 Pavao rua da Imperatriz n. 60, de. Gama &
60 Silva.
120 ^ Os bordados do Pavo
Ju Vendem-se camlsinhas coro manguitos e golli-
-00;n|ias bordadas pelo barato prego de 15 fl 15280
60 cada um, manguitos s 500 rs. cada par, ditos
TO I com golinha a 800 rs., golinhas 400 e 480 rs., de
,fil a 240 rs. cada golinha bordada, romeira de
cassa o de lil muito bem bordadas ,i 25 cada
urna, manguitos que .-ervom para calcinha de me-
ninas 640 rs. cada par, camisa com manguitos e
golas com a competente grvala de seda, fazenda
fina, pelo barato prego de 35, o mullas.outra*
bordadas que se vtndem |>or procos mnito em
coma : s na loja do Pavao rua da Iraperatrfz
o. 60, de Gama & Silva.
a,, I As roupas do Pavo
4(o I Vende"se Panno preto fino muito superior pelo
8001 harat0 Cre-? !?ft 2*' *W<). 3*. ;*50,) e **. dito
I muito tico 55 o 65 o covado, casimira preta de
400 i um2 S -lar'f.ura mui, m,a a 15800, 25 e 25500
acabando celtas qualidades de fazenda.
Pegas de litas elsticas com 10 varas a..
Ditas de Iranga bianca lisa com 10 vara~.
Ditas de tranga preta lisa a............
Ilealejos para meninos, pechincha a...
Ilodinhas com superiores allinetes a.....
Caixas com superiores agulhas e limpas a
Sabonetes de familia, muito linos a 80 e..
Pares de sapatosdela para crianeas a..
Varas de babado do. Porto muito bom a
100, 120 e.........................
Ditas de bico largo grosso a............
Potes de superior tinta tem mais de mei'a
garrafa a..........................
Caixas com perfumaras muilo bonitas a-
Frascos de oleo de macag muito fino a .
Ditos de oleo de babosa superior a 240
320, 400 e.........................
Ditos de cheiros muito superiores em qua-
lidade a...........*..............,
Ditos de agua de colonia muito boa a...'.
Ditos de dita dita grande a.............
Sabonetes de todo o prego 60, 160, 200,
Oiij 0......fc,.......
dem almajo a 3COQ, 36300 e 4;5000.
Mem para emnridho a -1,6:20o a resma.
Paliios para denles macis com20 mar -;*
a 80. 520 e 200 rs. o mago.
Pablos do yaz a 2000a gima.
Queijos i', mei gos do ultimo vapor a 23 C.
dem Ion Irii o a )C0 r?. a libra.
dem pralo a 040 rs. a libra.
Rap Mentn a I6C00 a br?.
Sag e cevadinha a 250o 80 rs. a libia,
Sardinlias de Mantesa CO, 300 e 300 r* a
lata.
Sabao massa a 120, ISO, 00 e 240 i. -i
libia, e cm caixocs por menos.
Sal refinado a 000 rs. o vazo (pote de vidro >
Toucinbode Lisboa, de Sanios e americano
a 160, 240 e 32o rs. a libra e em arroba
a 3, 7, o 9,6000.
Tijolos para limpar facas a 100 rs. cada oa.
rvinhn do Purlo cm ancoras com 70 garrafas
a 30OOO.
Vinbos de Lisboa e Figueira cualidades mag-
nificas a 3,>000, 363i O o 46000 a caada.
Violto do pnrio em pipa a 3 e 06000 a caada.
Vinho branco de Lisboa e Porto em ancoras,
barris e pipas a 4000e '&Od a caada.
Vinagre de Lisboa a 16000 e 2000 a caa-
da.
Vinagre em garrafoes por 16(00 com o gar-
rafo.
Vinagre em ancoras para I SOCO com a ancora
de 9 caadas.
Vassouras americanas a 040 rs. cada urna.
enero temos grande
1601
lOO!
320
500
100
5O01
Frascos de superior banha a'320 o'.'.'.".*.".'. 8001 ?.&210^1 COrtCS de ,caimira c0res a *"*.
Caixas de p para limpar denles muito '*" C 65, casi,niras eutedas de urna so cor
fino a-............................
Ditas de banha transparente a___......
Pares de ligas mnito linas par senhora a
Sabonetes ingiezes da meihor qualidade a
Frascos de agua deutrifice superior ga-
rantida a.
500
320
superior ga-
Massos com 25' envelopes grandes azula-
do a................
Varas de fita preta com coichetes a...'.'.'
Frascos de macaga perola muito superior
Caixas com pendas grandes a.........'
Grosas de botoes para caiga preta, miudos
Libra* de memento da roupa de lavar a.,
barritis de relroz de todas as cores e
tem meia oitava de relroz a.........
Varas de bicos de difireme* !argnrac 3
Silva.
!<>avs;i da KuMsia,
I5CKX) da mais supeiior desembarcada hontem : vende-
i se no escriptorio de Manoel Ignacio de Oliveira &
1001 Filbo, largo do Corpo Santo n. 19.
1001
200
200
100
200
200
Goiiuna de mandioca.
Vende se na rna da Madre de Dos n. 38, ar-
iiazein.__________________
tueijo.s de Hiaas.
Vendo-se na rua Nova n. 01 d^fronte da Olma.
60 cmara municipal.
Vinho deliordeaux ne.it
porgo e das qualidades nelhores que lem
vindo ao nosso marcado cm garrafas, em
ancoras, em bai ris o pirtelas oqual ven-
demos por procos muito b;i\os.
-L. J
DECLARACAO.
O BALIZA declara pelo pre/ente que
deisa de publicar os precos pelos qnaes ven-
do as suas mercadorias por motivos que ao
respeitavel publico pouco intereca. Serve
provisoriamente de baze os precos do Pro-
phcla.
oiurKM no m.-%
O BALIZA concede plena Whordade aos
seus amave.is collegas Clarjpai Unidos, mitra-
dos e croados, para que SsaiB sallar, her-
rar e todo mais qmyrw Ihes aprouver, at
a soa segunda ordeAi.
*wwWWWm




.1
iePeruHltac* sabhado *4 tfe Srttmhro r f 4.
I
GR.4ME AR!H.\ZE!H DE MOLH VDOS
Largo da
'Santa Cruz
n.84.
Esquina
da ra do
Sebo n.84.
ILHWfE
Francisco Jos Fomandes Pires, proprietario do armarem de minados denominado
Aurora Brhante, au largo da Sania Cruz n. 84, esquina da ruado Sebo, faz scienie ao
respeilavel publico dcsta cidade e do interior, quo na sea importante estauelecimenta
veuder scmpre gneros novos e de priraeira qualidade, c vender a todos pelo mesmo
proco.
O completo sortimento de todos os gneros finos e grossos que costnraam ter outros
csubelecirnentos desta ordera se enrontrarao sempre ',no armazem da'Aurora Brilhante
e sempre em grande escala vontade dos senhores compradores.
O proprietario do armazem Aurora lirilhanto pede a todos os senhores e senhoras
que quando tiverem de mandar suas relaces a este estaheteoimento por seus criados
seja em earta fechada ou com grande rccommeudaeao a este armazem, cerlos de que
se rao tao bem servidos como se viessem pessoalinenle.
A Aurora Brilhante troca qualquer um genero que por acaso nao agrade, c recebe
as libras esterlinas a 9flW0t, sendo por compra : a tabella de seus gneros ser mudada
todas as semauas.
Araeudoas cunfoiladas a libra a 800.
Manteiga ingleza flor a 800, 960 e 1,5120.
Dita mais abaixo a 610 e 720 rs.
Oita-franceza nova libra tiO e em barril a
560 e G00 rs.
Chocolate sant muito novo a 15>200 a libra.
Cha perola o melhor que ha ( redondo) a
libra a 3,5200 e 2,3800.
Dito dito mais abaixo a 2500 c 25800.
Dito uxim milito lino a 2,3800 e3J.
Dito hyssou superior a 2600 e 280O.
Dito mais abaixo a i& e 2,3500.
Dito preto muito lino a 25300.
Dito em massos a 25.
Dito do Rio em latas de i, 2 e 1 libra a
15300.
Cal de Moca superior arroba 95300 e libra
300 e 280 rs.
Ditodo l\io e do Cear arroba 85500 c libra
320 rs.
Dito mais abaixo arroba 85 e libra 200 rs.
Barricas com bolachinlia ingleza nova a
35.
Latas com bolachinha de soda de 3 libras a
25300.
Ditas com ditas sortidas de 2 libras a ISiOO.
Frascos com anieixas francezas a 15000,
25800 e 35-
Latas com ditas a !5'i00,25200 c 4g.
Ditas co;n figos de comadre a 15300.
Caixinhas cora ditos muito noros.
Presunto de Lamego muito novo a libra 'O
rs. inleiro e a retalho 600 rs.
Chouhcas e palos novos a libra 600 rs.
Ditas com ervilhas francezas e portuguezas
a 800 rs.
Ditas com massa de tomate novo* libra 360
rs. eem barril a 300 rs.
Ditas com ostras a 720 rs.
Ditys rom marmelaria dos mclhores autores
deLisboa a bina 640e 720.
Polos com musturJa franceza preparada a
libra 480 rs,
Dita dita ingleza a 8(K) o lf.
Queijos novos do vapor a 25200 c 258O0.
Ditos de prato enplieado a 15.
Dito suisso a 800 rs.
Dito de manteiga do Serid a 800 rs.
Caixas com passas novase.'. 1 arroba 7$,
mi'ia 35300 e quarto 25 e libra 480 rs.
Carne e irriguica do sertio.
Duzia de greca taras grandes a i&.
Caixas i om 23 massos de velas de sperma-
cote a 300 rs. a libra.
Ditiw maiores.a 600, 640 e 720 rs. a libra.
Caixas com urna arroba de velas do Arara-
i y 185300 e libra 400 rs.
Ditas de composicao arroba 105 e libra 360
ris.
Saceos grawdos com farinha de Goiaona mui-
to boa a $300.
Ditos com mil lio novo com 24 cuias a 35300.
Dito com farello de Lisboa a 353U0 e 120
a libras
Dito com arroz de casta a 5(000.
Duzia ao garrafas de cerveja branca e preta
a 35300 e em barricas a 35000.
Arroz do Maranhao em saceos arroba 25600
25400 e libra 100 e 80 n.
Dito da India-< .lava arroba .'5 o libra 120.
Araruta verdadeira arroba 85 e libra 320
rs., utatarana.
Gomma do Aracaty para engommar arroba
5"5 e libra 160 rs.
Parinha do Maranhao nova libra 320 rs.
Ervilhas secras muito novas libra 200 rs.
Sag e sevadinha a 240 rs.
Safada arroba 35200 e libra 120 rs.
Graxa de boiao 97 a 280 rs.
Sabao massa a 200,-240 e 280 rs. a libra.
Dito hespanhol verdadeiro a 400 rs. a libra.
Balaios do Porto de diversos taniauhos de 320
a 25.
Capachos pjrra portas do varias cores a 600,
700 o 8(K) rs.
Grao de bico arroba 5500 e libra 160 rs.
I'ai neo arroba 35300 e libra 200 r.
Milh alpista arroba 45800 e libra 160 rs.
Azeile doce de-.Lisboa garrafa a 640 rs.
Vinagre de Lisboa caada 15500 o garrafa
200, 240 c 320 rs.
Massos de (palitos de denles com 20 massi-
nhos a 160 rs.
Tijolos de limpar facas a 160 e 120 rs.
Ilesmas de papel almarjo pautado a 45300.
i Dito greve liso o melhor que ha a 45300.
Dito de peso e pautado a 2-500 e 25800.
Garrafoes com 23 e 13 garrafas de verda-
deira genehra de Hollanda por 85500 e
65000 rs.
Amendoas com casca a libra 240 rs. e arro-i Azeite de eee garrafa 560 rs. e carrapato
ua 65-
Xozes libra 100 e arroba 3-J.
Charuto? finos de Simas, e dos meihnres fa-
bricantes da Babia de 25 a 85 careas de
100 e 50.
Groz-is de caixinhas de palitos do gaza 25200
e 200 rs. a daa.
Barris com azeitonas nos-as a 15200 e 25
barris grandes.
Vassooi as do Porto piassava muito seguras a
400 rs.
Az ato doce francez dos melhores fabrican-
tes, caixa 105 e a garrafa 15.
Caixas com vinho Boniouax branco e tinto.
Vinho do Porto iino em barris de5o que ra-
ras vezes appareco por 805 o em ranada
a 55500 e carrafa a 800 rs.
Dito de Figueira puro caada 4-3 e 45300 e
carrafa a 4X0 e 560 rs.
Diio de Lisboa de boas marcas a .'15500 r
45 e a garrafa a 440 o 480 rs.
Cognac verdadeiro a garrafa 15 e 15280.
Yinlu moscatel duzia 10-5 e garrafa 15,
Vinho branco de milito boa qualidade cana-
da 45 e garrafa 480 rs.
Dito xerez fino caada 7-ViOO e garrafa a
1*200.
Dito Madeira secca agarrafa 15600 e 25-
Dito em caixas de urna duzia do Porto dos
melhores autores a 125, 145 e 165.
Garrafas com licor lino francez a 15, 15200
e 15G00.
Ditas com vinho de caj muito claro a 15-
Ditas rom mel de abelhapnroa 15-
Frascos com geoebra de Hollanda de agar-
rafas a 15-
Dito de urna garrafa a 360 rs.
Dito de laranja verdadeira a 15200.
Potes com mostarda preparada a 320 e 400 rs.
Caivas com 2 arrobas de batatas a 25300.
Vinho branco de Lisboa proprio para missa
a 45800 a caada e 640 rs. a garrafa.
Espirito de vinho a 400 rs. a garrafa.
Duas redes muito bem fcitas para dormir
vindas de Sobral a 305 cada urna.
goiaba a 640, 800 c
libra
300 e caada 25360.
CahtSes com dore de
15-
Toucinho de Lisboa arroba 95500 e
320 rs.
Dito de Santos arroba 65 e libra 280 rs.
Mullios com grandes ceblas a 15600.
Ceulo de dita'sola a 15600.
MaancOS de albos a 120 rs.
Gordas de pastar e de audaime.
Favas da ilha de S. Miguel arroba 35200 e
libra 120 r?.
i'.opos lapidado^ para agua e vinho a 35:;00.
55800, 65 c 75-
Ditos lisos para vario- precos.
Calix lapidados grandes e pequeos duzia
3, 4 e 55 ; e 400 e 500 rs. cada um.
Massas para sopa macarrao, talharim e ale-
tra a 400 rs.
Estrellaba e pevWte libra 640 rs.
Xa ropo de fructas nacionaes a garrafa 600
ris.
Marrasquinlip de Zara da melhor qualidade
a garrafa 15200 c 800 rs.
I'.steiras de tranca, rento a 205 e 240 rada
urna.
Quedos de qulha novo?, arrob 165 e libra
a 560.
Duzia de champanlia superior a 205, e 2-3 a
garrafa.
Garrafoes vazios a 15600.
Massa branca para sopa a 320 rs.
Frascos com azeitonas e.-a coacervas a
ris.
Duzia de cartas linas para jogar a 35-
Sabao hespanhol verdadeiro libra 400.
Saceos rom feijao mulatinho novo a 10,3.
Latas com favas j preparadas a 800 rs.
Sevadinha para sopa a 240 rs.
Garrafas com ffcascatel e selubal a 800 rs.
Sag novo a 400 rs.
Breu arroba 85300 c libra 320 rs.
Latas com 97 garrafas de gaz a 115, a gar-
rafa 500 rs.
800
E onlros inultos gneros de prlmelr qualidade que nSo
possivel nienciona-los.
A satsfarao da Aurora Brilhante vender muito, erhbora barato, mas BlNIfETftO,
abatendo cinco'por rento a quem comprar de 1005000 para erma.
0 NOVO DESTINO
NSEMfflVO
23-Largo doTerco-3.
Joaquim Simao dos Santos, dono deste bem sortido armazem de raolhados denominado Con
fcivativo do largo do Terco n. 23 srientifica ao respeilavel publico e a toaos em geral que mandem
io venharn a este estabelecimenlo para melhor se sertiticarcm da dfminuitao de presos que oblem
lo-sle. o que nao obterao se comprarem em nutro qualquer. pelo que se responsabelisa a servir qual-
<;iter comprador com a maior presteza c fidolidade, sein que haja a menor fjera$io. Todo o compra-
dor que comprar de 1005 para rima ter o descont de o a 10 por rento pelo sen prompto pagamento.
Attenx#o.
Bjalas as mais novas a 40 rs. a libra e 15200 a ar-1 Cha hyssou miudiulro e perda a 25,000 25500 e
roba. I JJ800.
Toucinho de Lisboa a 280 rs. a libra e 85500 a ar- Milho alpista e painco milito novo a 160 rs. a libra.
roba. Biscoltos e bolachas'de soda a 1*300 e 25
Caf de primeira e segunda sorto a 240,260. f80 e ArarHa das melhores marcas a 15, 25, 35, 45, e
300 rs. a libra.
Arroz do Maranhao e Java a 100, 70 e 80 rs. a li-
bra e 25200 a arroba,
loosphros do gaz a25 a groza e 180rs. o majo.
Passas de ramada a 320 rs. a libra, e ern caixa a
6J3BO.
liolachinhas inglets novas a 240 rs. a libra.
Sabo amarcllo masst.a 160,200 e 240 rs. a libra.
Veiasd eearnauba Aracwv composicao a 360 c 400
rs. a libra.
Ameixas franceza com 1 c na libras a 1*.
Mi=sa de tomate da melhor qOvJidde a 600 rs. a
libra.
Marmeiladr. dos melhores fabricante a 040 rs. a
libra.
1*100 a caixa.
Charutos em ma^os contendo 50 por 640 rs. o cont
Azeite doce de Lisboa fino a 640 rs. a garrafa.
Dito de carrapato a 280 rs. a garrafa, e 25000 a
arroba.
Vinbo de Figueira e Lisboa das meihores marcas a
3|0> 400, 500, 560, 640 e 800 rs. a garrafa, este
ultimo do Port prtorio para os doentes por
ser purificado e recomnten'dado para esto lirn.
;ueos do ultimo vapor 4 2} o 15700.
anfeTga ingleza flor a 15 a Ibra, e a 930 rs. em
MrW
Ileim ftiehos soperiof de 7 800 rs. a libra.
Idon franceza do ultimo navio a 360 rs. a libra,
em barril se far abatimeito.
Cliourica? as mais novas a o60 rs. a libn, c em Gomfea da mais alva a W8 rs. a libra e a 45500 a
barril por 125. V I arrea.
Alcm de*ts gneros ha outros muilos NKtt COROAS NEM MITRAS
. K
GRAMIfE
i

.
ARMAZEM
DE


Hli DO IMPERADOR ZV 40
Jintt aa sf brado em que mora o Sr. Osbtrne,
Duarte Almelda A. c, reeeberam de sua propria cocommen-
da o mais lindo e variado ortIntento de aiolhados, proprio .
da presente estaeo.
Manteiga ingleza
da safra nova vinda neste vapor de 28 de
mio a 800 rs. a libra.
Manteiga franceza
da safra nova a 560 rs. aHbra, o em barril
a 500 rs.
Amendoas
NOVA EXPQSIQAO DE GNEROS
NO
ARMAKEAI
PRINCIPAL
vm % ms&


confeitadas de lindtssimas cores a 800 rs. a
libra.
Ameixas
em frascos de vidro com 3 libras liquido a
2i5400, muito propios para mimos.
Cartees
com bolos fraacexes a 500 rs. cada um.
Latas
com bolacliiuhas de soda- de todas as qua-
lidades a l^:)00.
Chocolates
de todas as qualidades a I 5000 a libra.
Presuntos inglezes
dos melhores fabricantes a 800 rs., tamben)
temos velhos para-500 rs.
Queijos flamengos
cliegados ueste ultimo vapor a 2;56oo.
Qneijos
cliegados no ultimo vapor a 2$600 cada um.
neljo
londrino o mais fresco que se pode esperar
e de excellante maree a 800 rs. a libra
sendo inteiro e 900 rs, a retalho.
Conservas inglezas
as mais novas que se pode esperar a 700 rs.
o frasco.
Figos
era libras e caixinhas ricamente douradas,
proprias para mimos a 900 e I #200.
Cha uxim
o melhor que se pode desejar, que outro,
qualquer nao pode vender por menos de .
35 a 2600.
dem perela
especial qualidade a 25700 rs. a libra.
dem livsson
o mais aromtico que tem viudo ao nosso
mercado a 2#600.
Massas amarellas \
para sopa, macarrao, talharim c ale tria a
480 rs. a libra.
(OtVAC
o muito afamado cognac Pal Brandy a 1.8ooj
1. UA 0 CRESPO 1. 9
Esquifa que volta para a ra do Imperador
... ,., E Provavel que nao seja bem aceita a verdade, quando a boa f de todos anda
dludida por esta epidemia de nauzeatico atmuncios de cornetas, tamborea ror/ias m.
tras, etc., qoe todo o da enchem as paginas deste jornal. '
MMmWL
Os anunciantes nao tem em vista senao garantirem ao respeita*el niiblico a
sa palavra de honra, veftdendo com o lucro suficiente para suas subsistencias e nao Bar
assentarem fortunas a forca da regra de liga como outros annunciaftles deste genero
PARA TOROS
Noarmazem principal vende-se a todos pelos precos marcados na seguinte la-
bella, mas nao se vende por todo o preco fazendose peso de arroba hespanhola caratl
ipr^ te-se as cualidades dos gneros trocando-se todo aquello que nao sei d.i a.V*iwu
! Figueira JAAeontras limitas marcas acre- comprador. ^ afrailo do
tato a 8 ) rs. a garrafa. | Amendoas confeitadas de dirersas cores a. Lentilhas muito novas excellente leeumna
Ma^as brancas
para sopa a melhor que se pode desejar,
macarrao, talharim e aleiria a 400 rs. a
libra e (500 a caixa.
Tinho
dem de Lisboa 64o rs. a libra. ra sopa a 2oo rs. a libra"
e 2iS2rM maras a 400 rs- a 8arrafa e Idem Hc casca Aan a 24 rs- a bra. ; Licores francezes de todas 'as nalUafes 2l800 a caada. dem de casca mole a 32o rs. a libra. 7oo e 9oo rs. a garrafa
i do Porto Ameixas francezas em caixinhas com lindas Manteiga ingleza' perfeitamnte flor a 8oo rs.
generosos engarrafado des melhores fabri-! estampas, a i,2oo e l,oo rs.
cantes da cidade do Porto a 15 e 1)5200 dem em frascos de vidro a I,2oo rs.
a garrafa e de 105 a !2iS a caixa, asmar- dem em frascos grandes a 2,5oo rs.
cas s3o as segintes: Charaisso Filho, ;Idera em latas de 14/j libra a l.Ioo rs.
F. dr'xM., Nctar ou vinho dos Dezes, Arroz do Maranhao e da India o melhor que!
lagrimas do Douro e outros toditos.
Latas
com 10 libras de banha a 4k)00.
Bolachinha ingleza
a 1)5800 a barrica da mesma que
vendom a 2000e 2->Um.
Nozes
------------ llIJId.
as mais novas do mercado a 120rf J. bra. Azeitonas muito novas a 2,ooo rs, a
a libra, desnessesario mais elogios ne-
te genero que s se pode verifica* com a
vista.
dem franceza a 56o rs. a libra, e eut-barril
ou meios a aoo rs.
ha neste genero de 8o a loo rs, a libra, e Marmelladado 1. fabrcame de Lisboa a 6oo
de 2,Soo a 2,8oo a arroba,
Azeite doce de Lisboa a too rs. a garrafa, e
4,8oo rs. a caada.
dem francez e de Lisboa refinado em gar-
rafas brancas'a 9oo rs. a garrafa e lo,ooo
rs. a duzia.
Alfazema muito nova e limpa a 32o rs. a
libra.
Cervejas
anco-
reta.
! dos melhores fabricantes|o de todas as mai
cas de 4;5500 a fifi.500 a diuit.
C--AWUTOS
Charutos Tbom Pinto,. Reis e outros em
meias caixinhas a 14800.
Arroz
do Maranhao a 100 rs. a libra, e da India
a 80 rs. a libra, e 2,->500 a 3000 a ar-
roba desses que vendem por 34400.
CAF
de !.* e 2.* sorte do Ilio de Janeiro a 8,)3f
e 8;S800 a arroba, e 280 a 300 rs. a libr
Ciarrai'es
com 4 '/j garrafas com vinagre a 1 000 lea
Alpista limpo a 14ors. a libra, e 4/too rs. a
arroba.
! Bolachinhas de Lisboa da fabrica d Beato
Antonio de diversas qualidades, em latas
de 6 e de 3 libras a 3,ooo e l,5oo rs. a
lata, e 64o rs. a libra.
; dem ingleza em latas de 2 e de 4 libras
das melhores marcas a l,3oo e 2,2oo rs.!
a lata.
Banlia de porco refinada a 4oo rs. a libra e
em barril a 36o rs.
1 Batatas em caixas de 2 c de 4 arrobas a
1.1 oo rs. a arroba.
Champagne das melhores marcas a 2o.ooo
rs. a libra, ha latas de 1, 1 y e 2 libras
Maca de tomate em hilas de ama e duas li-
bras, a 6oo rs. a libra.
dem para sopa estrellinha, pevide, rodinha.
etc. a 3,ooo rs. a caixa e 56o rs. a libra!
Macarrao, talharime aletria a 4oo rs. a li-
bra .
Mostarda franceza preparada a 4oo rs. o fras-
co.
dem ingleza em p a 64o rs. o frasco.
Molbo inglez em garralinhas com rolda de
vidro a 64o rs. cada urna.
.Marrascino verdadeiro de Zara a l.ooo rs.
agarrafa, e 10,000 rs. a duzia.
Nozes muito novas a 16o rs. a libra.
Ostras preparadas em latas a Too rs. a lata.
Prezunto para fiambre iagtez verdadeiro, ga-
rantindo-se a qaalidade, a 7oors. a libra.
Passas novas de carnada a loo rs. a libra, e
6,5ioo rs. a caixa.
Peixe em latas hermticamente fechadas das
segintes qualidades, sabel, corvina, j>0_
rz, cavallinha e pescada a i,000 rs. la-
ta.
rs. o gigo, l,8oo rs. a garrafa, e 9oo rs. Palitos para denles fichadas a 14o rs o m-
as meias garrafas. | co de 20 macinhos.
; Cha uxim o melhor possivel a 2,7oo rs. a li- dem do gaz a 2oo rs. a duzia e 2 loo r*
o garralao.
GENEBRA DE LARAXJA
a 1)5000 o frasco, e de li#N0 br:l-
-dem perola qualidade especial a 2,7oo rs. painco muito novo a 16o rs. a libra, e l.Soo
a 'i01"3, rs. a arroba,
dem hysson o melhor que ha neste genero Queijos flamengos do ultimo vapor
a 2,ooo, 2,4oo e 2,6oo rs. a fibra. iaem prato muito fresco a 800 rs a libra e
dem do Rio em latas de 2 a 8 libras, a l,3oo sendo inteiro a 72o rs.
rs. a libra. Sal refinado em potes de vidro a 5joo r. ca-
Idetn preto homeopathico 2,ooo rs. a libra.
a caixa.
IDKM
em frasqueiras de Hollanda a 5;>800 com
12 frascos.
GENEBRA
de Hollanda verdadeira-em frasqueira a 600
rs. cada urna.
PALITOS
os verdadeiros palitos do gaz a 2,2oo a groza
e 2o rs. cada caixinha.
---------,.... ------ a um
Cerveja das melhores marcas a 6,000 rs. a du- Sardinhas de Lisboa e de \antes a Oo r^
zia e 56o rs. a garrafa. ame!a ,at3j e 4oors Q
Chocolate francez, suisso e hespanhol a Sag muito novo e alvo a 24o rs. a fibra.
l.ooo, l,2ooe l,4oo rs. a libra.
ISardinha de Franca a 18o rs. a libra.
LICORES ,-''" *'"*"" \'.'." """ isarai
rs. a garrafa e de outras militas qualida- anos de todas as qualidades, a lo.ooo a caixa: Charutos do afamado fabricante Jos Furia Sevada a ioors. alibra.
des a l,ooo e 800 rs. a garrafa. com urna duzia e a l.ooo a garrafa. do de Simas e outros da Babia como se-1 Toucinho de Lisboa a 2
COPO!* Ma.T*mPladfl jam Regala, Trovadores, Guanabaras, De- T;nin ,-, !:.. <"
lapidados para agua a 4,5oo e 5,ooo ra. a dos melhores fabricintes de I ishi comose-' "icias e Suspiros, a l,0oOj 2,ooo,3,ooo e
dnvia o a An o !^n ra /a.ia i.m es [doeantes ce Lisooa, w se-1 4000 rSt a caixa
dit/.ia, e a 440 e 000 rs. cada um.
PAPKL
al maco, greve, peso e de outras muitas qua-
lidades de 2,2oo, a 4,5oo a resma do me
Ihor.
Papel de botica
de excedente qualidade a 2#200 a resma,
PAPEL
azul e pardo para embrulhode l,4oo a 2,2oo
jam Abreu e outros muilos a Goo rs. a
libra.
Pregunto
o verdadeiro prezunto de Lamego a 52o rs.
a libra.
ARROZ
Maranhao, Java e India, a loo rs. a libra e
de 3,ooo, a 3,2oo rs. a arroba.
VELAS
de espermacete de diversas marcas a 56o rs.
a libra e em caixa ter abatimento.
passas corinthias muito novas proprias para \ VELAS
podhn a 800 rs. a libra. 'de carnauba em caixas de arroba a 1,3oo e
Fume
o verdadeiro fumo americano em chapa
l,4oo rs. alibra
rs. a resma.
Corinthias
1
Vinagre
caixa e 34o rs. a libra.
Batatas novas
em caixas de 2 arrobas a 5> a caixa c 60 rs.
a libra.
Passas mudo novas
em quartos c inteiros a 2 o quarto e 6,5500
PRR em ancoretas de 9 caadas a 15,000 rs.; a caixa e 400 rs a libra
cada urna. '-
P ,-. chocolate
CebOllaS i porluguez o mais especial que se pode de-
as mais novas do mercado a 7,ooo rs. a caixa! seJar a 8)0 rs- a li,,ra c '40 rs- Pa0-
e 1,000 rs. o molho. Frutas em calda
Alm'efq a Poipa j chegadas ulmamente, pera, pecego, ginja e
AipiStd C rillUVU outros multos a 640 rs. a lata,
o mais novo do mercado a 140 rs. a libra, Dsce da csa di goiaba
e 4(>400 a arroba.
a 600 ci ocaixe.
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco.
dem franceza surtidas ou de urna s quali-
dade de cada frasco a 5oo rs.
Cognac inglez e francez a l,ooo rs. a garra-
fa, c lo.ooo rs. a duzia.
Cominho eerva-doce a 4oo rs. a libra.
Cravo da India a 600 rs. a libra.
Canella a 1,000 rs. a libra.
Copos finos para agua e vinho a 4.800,
5,000 e 5,5ioo rs. a duzia, e 000 rs. cada
um.
Caf do Rio superior 28o e 3oo rs. a libra,
e 8.*)oo a 9,ooo rs. a arroba.
dem do Cear a 26o, 28o e 3oo rs. a libra,
e 8,000 a 8,5oo rs. a arroba.
Doce de goiaba a 600 rs. o caixao.
Ervilhas portuguesas em latas, chegadas l-
timamente a 7oo rs. a lata.
dem seccas a 16o rs. a libra.
dem j descascadas a 2oo rs. a libra.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Figos em caixinhas bem eufeitadas a 9oo rs.
cada urna.
Graixa nova a loo rs. a lata, t,loo rs. a
duzia.
Genebra de Hollanda em frasqueiras de 12
frascos a 5,8001^., e 50o rs. o frasco.
4o e3oors. a libra.
lyolos para limpar facas a 15o rs. cada um.
Vinho em pipa, Porto, Lisboa o Figueira das
marcas menos conbecidas a 00 rs a gar-
rafa, ea 2,8oo rs. a caada.
dem Figueira especialmente escolhido ne*te
lugar a 600 rs. a garrafa, e 4.5oo a caada.
dem Lavradio, Colares muito fresco eem
composiro a 6oors. agarrafa, e 4,Seo rs a
caada.
dem Lisboa em ancoras com 9 cunadas mar-
ca especial a 22,000 rs. a ancora.
dem branco uva pura a 56o rs. a garrafa
e a 4,5oo a caada.
dem Porto fino em pipa a 56o rs. a garra-
fa.
dem engarrafados generosos, Lagrimas do
Douro, Duque do Porlo. D. Luiz I. [). Pe-
dro V, Nctar, velho secco, Malvazia, a
genuino particular de 9ooal,2oo rs. a gar-
rafa e a lo,ooo rs. a caixa com urna duzia.
dem Madeira;iegilimo a !,2oo rs. a garrafa
ea 12,ooo rs. a duzia.
dem Muscalel a looo rs. a garrafa.
dem Bordeaux dos acreditadas marcas Sr.
Julien St. Esteph, chleau la Roxe, edatau
Margoux e outros a 6,000 rs, a caixa e 060
rs. a garrafa.
Vermouth a melhor bebida estomacal a 2.000
rs. a garrafa.
Vinagre de Lisboa a 2oo rs. a garrafa e i,4oo
rs. a caada.
Os propt tlanos do grande armazem o Verdadeiro Principal declaram aos seus ,dem em botijas a 4oo rs. cada tima. I rs. a caada,
fregueses e amigos e ao publico em geral, que para facilitar a commodidade de todos es- Idcm em ffairalues de 16 garrafas a 4,800 Jdcm em garrafoes com 5 garrafas a 1.000 rs.
tipularam os sesmos precos nos segintes lugares : rs- com garraao. j > assouras So Porto com arcos de ferro a 32o
nio e Coninrercio ra do Queima^o o. 7 5em dT dc 3c*nadas,a'200 "' .cada.um- alt ^dI"ma-
lnio e Coniracrcio ra do Queiiua!o a. 7
0 Verdadeiro Principal roa do Imperador u. 40


FRUTA8
W ;\A. PERAS 12 VY\H
chogadas neste ultimo vapor, vende-se nos segintes lugares: Ra do Imperador n.
40, Verdadeiro PrincipalRa do Queimado n. 7, Unio e Commercio.
INJECCAO E CAPSULAS
GRIMAULT E C'.A PHARMAGEUTICOS EM PARS
R6v IrMamentopreparado .-un ai f!h. Ir Matle*,rvre da Pern.para a cura riwida e infallivel
da bonorrDea em reccio algum da iontcacio ao canal ou da inflam'macio dos intestinos. O clebre
doutor Blcara, de Paris, ter renonciado desde sua appar(ao, ao emprego de qualqoer outro tratamento.
_lP,??"f? ? J"Jee***,no wmco do fluxo. as capsulas era todos os casos chrontcoa e lnteterados, que
i la Feaillade;
I Soiizn
~-i ------w.^,.wj., -wm^m.m r boao7; cm wituv. Ferretea e
gaaaa e c; ra da Crui. 2? say.a, e. nu princJpaea pharrnaciaa do B'ftill.
____Se rrrlrn-Eapla-
O; em /rnomauco,
..... a.
1UCI1I llinil Ul I rtil.HMB d ..KI 19. Udlld Ulll. ; -' una.
dem ingleza em garrafas brancas bordadas, dem de escovas para lavar casa a 36o rs.
i*nm lYilha ili^ vidrn nnaliJaila eiinai com rolha de vidro, qualidade superior
a l.ooo rs. a garrafa.
dem de laranja verdadeira a 1,00o rs. o fras-:
co, e H.ooo a frasqueiras de 12 frascos, i dem de carnauba retinada e de composicao
Kirsch Wasser excellente bebida Suissa a a 36o rs. a fibra, e lo.Soo e 11,600 rs. a
l,8oors. a garrafa. arroba.
ifflgi'ii'ifs-lifi
e:-5 g
ce
& g I^fi? *-*Is jfffaa
c

3
6 ^ 2.5' 5^5 S-'S ^
-S.S
* &B g rs o w 2.S5
Sf.ftS
*5 E:li 1
"3 a> u O
a S 9 3. 3
3 "S s 8 i
Depsito geral em Pernambaco ra da Cruz n. 22 d emcasaCaros Barboza.
Parasepassar a [est
Veide-se ama casa na ra de S. Pedre Martvr
de Olinda n. 4, com 2 salas, 2 quartos, cosi* to-
ra, i *au muito fresco com excellente vista em
chaos proiirfOMtw precrt r-nrrffnoffo, lambem se
permuta por nma cscrava de mota darJe a tra-
tar qo largo do Paraizo n. 14
Attencao.
Vndese Urna neg'rinha muito bonita, com 10
annos de idade : na ra do Livramcnto ns,38e
Vende-so urna rr,achlaa de costura : na ra
do Encantamento n. 11.
OOIJ?
a as.
2? i*.
en
W
-
09
s.
5
1 o o
o o, r
apa
" g
cj 2 -1
a o
55 2 1
. 3 o
IS
3 a>
a
9
1
9
2 a
Vellas de espermacete superiores a 060 rs.
a libra, e sendo em caSxa a 52o rs.
Alcatifio.
Vendern-se barris com alcatrao : na ra da rtu
n. 23, primeiro andar, escriptorio de Antonio de
Almetda Gomes.
~ AZ GAZ GAZ,
Vende-se gaz de primeira qnah'dde a
G a lata : nos armazens da ra do im-
perador o. 16 e ruado Trapiche Noto n. 8.
Vemlem-se as ppgriintcs obras : MaizareUi,
(Miras, Monte, D. Becl., Bergier, Wbc. thertosicp,
Tapparelli, D. nat., Andr. Dice, de D.EccI. Wssi-
ni, Ili.-i. da Vircein, Burlauaqui, O. mu. e das
C*ntes, Relirw, *at., .Miris. D. nat:fmttni, sci-
^ncia *) ^ da Philosopbia : na rea estreMa do Rosario 9,
segundo andar.
Machinas para descarocar


e
M i algodo dos mais acreditados
SI fabricantes: na fuadiclo do

9
Bowman, ra do Brum n. 38.
Carm e iingwcas:
Qifgoo ao Irandearrfiawrn a Jorora Rrlfhante
no lacgo da Santa Cnu n. 84, a rerdadeira carn
s lioguica do ertao.
ILEGVEL


Diario r
co
ttafebado 84 4e SetcMfcr 184.
I
&0 PUBLICO
fttem o menor constran-
glmento se entregar o
Importe do genero que
nao agradar.
Os preeos da segnlnte
tabella 6 para todos, po-
dendo assim servir de ba-
se para o ajuste de contas
com os portadores.
RA DI CA1NEIA 1IO RBCIFE !. 53.
C.rande reducco de preeos,
y (logo passand o arco da Conefifio)
equivalente a dez por cento menos do qne outro qnalqner
annnneiante.
Collegas.N5o posso por raais tempo sustentar o preco da manteiga ingleza a l.ooors. a libra, bem assim o de oulros
amitos objectos, etc., dando eom isto ocasio a todas as espeluncas acabarem por bom preco a manteiga de tempero, e gritarcm ero
alta voz, que podem vender pelo prego que eu vendo I!! Ora, cu oflendido com estas obscuridades e receioso em adoptar o mesmo
systhema que vira encontrar, de s<3 se vender com um por cento a carola, resolv fazer esta grande reducgao de preeos, como veris
pela seguinte tabella, pois como sabis ca pelo meu bairro, at a abertura do momoravel armazem de molbados Uniao Mercantil nao
se sabia de outro prego de manteiga ingleza a nao ser o de l,4oe a l.Goo rs. a libra. Hoje porem, resentidos da reducco a que
esto obrigados, encarando todos os dias de seus freguezes reclamagao de preeos, e qualidades, vingam-se de um e outro portadores
al informado deste novo estabelecimento. para lhe vender goneros nao proprios de um estabelecimento desta ordem que o seu fim
'
. lo somonte obter a concorrencia de seas freguezes.
Para bem de todos.
Senhores e Senboras o aceio que presidio, aos arranjos deste novo estabelecimento, e mate que ludo apromptidao e entei-
reza com que serao tratados, convida a urna vizita ao mesmo, certos de que sem duvida me darao a protecgo e preferencia na compra
dos gneros que precisarem, e quando nao pocam vir podero mandar seus portadores, ainda que estes sejam pouco pratteos, pois
serio tiio bem servidos orno seviessem pessoalmente, havendo para com estes toda recommendagao, aGm de que nao vio em outra parte.
rs. e em barricas de 4 duzias se faz abat- Antonio de Lisboa em latas com 6 libras
E2S^
Manteiga ingleza (safra nova) especialmente
escolhida a 8oe rs. a libra, em barril se
faz abatimento.
dem t'ranceza a rnais nova que tem viudo ao
mercado a 56o rs. a libra, e em barril ou
ineios a >oo rs.
Cha hysson le superior qualidade a 2,Goo rs.
u libra,
dem perda o mais superior do mercado a
,8oo rs.
dem Uuxim o melhor que se pode desejar
oeste genero 2,6oo rs.
Idea prelo homeopatliicoporserde superior
qualidade a 2,ooo rs. a libra.
dem hyssou, buxirn e perola mais proprio
para negocio o !,6oo, 1,80o e 2,ooe rs. a
libra, garante-s ser milito regular, igual
ao que se vende em outra parte por 2,4oo
e2,oo rs.
Linguicas, chouricas e paios em latas de 8
libras, w ndicamente lacradas a a.ioe rs.
garante-se serem superiores aos croe tem
em barris.
Chouricas c paios em barris de meia e urna
arroba a 8,ooo rs. e l,uoo e Goo rs. a libra.
Queijos llamengos muito frescos chegados
neste ultimo vapor a 2,2oo rs. e do vapor
passado a l,Goo e l,8oo rs.
Klein londrinos os mais superiores que tem
viudo ao mercado a 8oo rs. a libra entei-
ro se faz abalimento.
dem prato muito fresco a 8uo rs. a libra.
dem to Mente-jo o que se pode desejar de
fresco e superior a 8oo rs. a libra, a elles
antes que se acabem.
i-j villias e lavas portuguesas em latas j pre-
paradas a Gio rs.
Marmelada imperial dos mais acreditados fa-
brcantes de Lisboa a fioo rs. a libra.
Prczonlo do reino vindos do casa particular
a 56 rs. a libra, e a 5oo rs. inteiro.
dem inglezas para fiambre chegado neste
vapor 72o rs. a libra.
Copos lapidados para a gua a 3,ooo e 5,5oo a
du/.ia,
Choculnte francez, suisso e bespanol a Ooo
|,ooo e l,2oo rs. a libra.
Espermacele em caixinhas contendo G libras
por l.ooo rs., garante-se serem transpa-
rente e de superior qualidade, tambera tem
de 12 por libra propria para carro.
Peixe era posta sovel, corvina, gors. pesca-
Acaba de receber desua prupria enconunenda um grande e variado'sortimento
de molbados todos primorosamente escolhids, por isso apressa-se o proprietario em
offerecer 3os seas freguezes e ao publico em.geral a seguinte tabella dos seus gneros e
resumidos preces, aBangando todo e qualquer genero vendido neste bem connecido ar-
mazem.
Amendoas confeitadas de 8oo rs. a libra-. Licores francezes e pertuguezes das segura-
mente
Caf do Rio a 26o e 28o rs. a libra, e 7.8oo
e 8.5oo rs. a arrol>a.
dem lavado de primeira qualidade a 3oo rs.
a libra, e 9,ooo rs. a arroba.
dem do Cear de superior qualidade a 24o
e 28o rs. a libra, e 7,8oo a 8,ooo rs. a
arroba.
Arroz do Maranbao a loo rs. a libra, e 3,ooo
rs. a arroba.
dem da India muito alvo egraudo a loo rs. a
libra, e 3,ooo rs. a arroba.
dem de Java a 8o rs. a libra, e 2,2oo rs.
a arroba.
Painco c alpisla a 14o rs. a libra, e 4,3oo
rs. a arroba.
Mossa de tomate em latas de 1 e 2 libras a
6oo rs. e de barril muito superior a 5oo
rs. a libra.
Aletria, macarro c talharim a 4oo rs. a li-
bra, e 9,ooo rs. a caixa.
dem e lalherim branco a 32o rs. a libra,
estas massas tornara-se recomendareis as
pessoas doentes por serem propriamente
feilas para esse lim.
Estearinas a 56o rs. a libra, c em caixa com
2o libras a 52o rs.
Yinho do Porto muito fino excellente qua-
lidade proprio para engarrafar em ancore-
tas com 9 caadas por 45,000 rs.
por 2,oo; ditas doce em latas com o mes-
mo peso a 2,5oo; ditasimperiaes emlalas
de 3 libras por i,5*oo rs.
Ameixas francezas em latas de 4 e meia libra
por l,2oo; ditas em caixinhas de deversos
tamaitos com bonitas estampas na caixa
exteriora l,2oo, l,ooo,el,8oore.
Azeite doce retinad Penanol ou do Rempes
de Lisboa a 85o rs. agarrafa e 9,5oo a
caixa com urna duzia.
Batatas muito novas a 5o rs. a libra e 2,ooo a
caixa com 2 arrobas.
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e
8,5oo a duzia.
Vassouras de escova para esfregar casa a 32o
Nozes muito novas a 4Go rs. a libra
Molho inglez em garrafa de vidro com
rollia do mesmo a 5oo rs.
Mostarda ingleza dos melbores fabricantes a
8oo rs. o frasco.
Mostarda franceza em potes j preparada
a 4oo rs.
LentHhas excellente legume para sopa a 2oe
rs. a libra.
Marrasquino o verdadeiro de Zara era garrafas
grandes a l.ooo rs. e H,ooo a duzia-
Palitos para dentes a 14o e IGors. o mago.
Sal refinado em frasco de vidro com rolha do
mesmo a 5oo rs.
da, salmao, ostras erhernee, vezugo em'Bolachinhns inglezas as mais novas do mer-
latas grandes a 8oo o l,ooo rs. cada urna, j cado a 2,8oo rs. a barrica, e 2io rs. a
Vinho Bordeaux das marcas raais acredita-, libra.
Mas que tem vindo ao nosso morcado a Bolacbinha de soda em latas com diversas
6,000, 7,ooo e 8,ooo rs. a caixa, garante-' qualidades al,3oo rs.
se ser de qualidade superior, que outro Bolo francez em caixinhas muito proprias
qualquer nao pode vender por este preco. j para mimo a Gio rs.
Genebra de HoHanda a 56o rs. o frasco, e Passas muito novas de carnada a loo rs. a
5,7oo rs a frasqueira. libra e 6,000 rs. a caixa com 28 libras.
dem de laranja verdadeira de Aliona em Figos de comadre a 2io rs. a libra e
irascos grandes a l.ooo rs. o frasco, o i 1,800 rs. a caixa cora 8 libras.
11.000 rs. a duzia. Amendoas de casca mole a 3o rs. a libra.
dem de HoHanda em botijas grandes a 'oo Bolachinhasd'agua em sal da fabrica do Beato
Yinho de pipa Porto, Figueira, e Lisboa a32o, < Cerveja branca e preta das marcas mais a-
creditadas que vera ao mercado a5,ooo e
5,5oo a duzia e 48o rs. a garrafa.
Sag muito novo e alvo a 24o rs. a libra.
Sevadinlia -le Franca muilo nova a2oors.
Charutosde todos osfabricantes da Bahiae das
mais arrediladas marcas conhecidas no
nosso mercado a 2,ooo, 2,5do, 3,ooo,
3,5oo c 3,8oo a caixa de loo charutos.
Cognac inglez das melhores marcas a
|,oeo rs. a garrafa.
Doce da casca da goiaba em latas de 4 li-
bras por 2,ooo; dito em caixoes a Goo rs.
cada um.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Velas de carnauba de 6 e 12 por libra a
32o rs. a libra e 10,000 rs. a arroba.
Azeite doce de Lisboa a 64o rs. a garrafa
e 4,8oo a caada.
Banha de porco refinada a 4oo rs. a libra
e 36o rs. em barril.
Capil de diversas frutas muito frescas a
64o rs. a garrafa.
Palitos do gaz a 2,2oo ro. a graza.
Toucinho de Lisboa muito alto e alvo a
32o rs. a libra e 8,5oo a arroba.
Ameixas francezas em latas de 3 libras por
2,ooo. rs.
Cebollas sol tas a 1/too o cento; ditas em
molbos com cento e tantas por 1,2oo rs.
Malte excellente cha para os navegantes a
a 2oo rs. libras.
4oo e5oo rs. a garrafa, em caada a 2,5oo,
. 3,000 e 3,8oo rs.
Vinbo branco de Lisboa de excellente quali-
dade a loo e 5oo rs. a garrafa, em cunada
a 3,ooo e 3,5oo rs.
Vinbo branco para missa em caixa de 1 duzia
a 8,000 e a G80 rs. a garrafa.
Yinho do Porto das melhores marcas, que
vem ao mercado como sejam Lagrimas do
Douro, Duque do Porto, Duque Genuino,
D. Luiz I., Madeira secca, Malvazio fino,
Fetoria em caixa de 1 duzia de 9,ooo a
lo.ooo rs. e a 9oo c 1,00o a garrafa.
Vinbo Colares o mais superior que tem
viudo ao mercado a Gio rs. a garrafa.
Sardinbas de Nantesem quartos e meiaslatas
a 36o e 56o rs. cada urna.
Sardinbas portuguezas em latas grandes
preparadas pelo melhor conservero de Lis-
boa a Gio rs.
Manteiga ingleza perfeitaraente flor, a 800 rs,
libra,
dem franceza a 56o rs. a libra, e '-'do rs.
sendo em barril.
Cb uxim a 2,7oo rs. a libra, e de 8 libras
para cima a2,6oo.
dem perola a 2,8oo rs. e-de 8 libras para
cima,a 2,7oo,
tes marcas creme de violetas, gerofles, ro-
sa, abskito vespeiro, amor perfeito, amen-
dua amarga, percicot. de Turm, Botefim,
morangos, limo, caf, laranja, cidra, gm-
. ja, canella, cravu, rlela pintela a 1,000
rs. a duzia l.ooo rs. a garrafa*garante-se
1 qe os melhores qaetemos tido no mer-
1 cade.
dem hysson o mais superior que se pode Passas muito novas em quartos e inteiros a
desejar a 2,6oo e d 8 libras para cima
a2,5oo rs.
dem menos superior a 2,4oo e de 8 libras
para cima a 2,3oors.
dem proprio para negocio a 2,3oo, de 8 li-
bras para cima a 2,2oo.
dem do Bio em latas de 2K 4,6 e 8 libras
cada urna a 2, 3, 3,5oo e 4,800 rs. a lata.
Mera ] 1 reto o melhor que se pude desejar
neste genero a 8*800 rs.
dem menos superior a esse que se vende
por, 2 e 2,4oo, a 4,8oo rs. a libra,
dem mais baixo bom para negocio a i,5oo
rs. a libra.
dem miudinbo proprio para negocio a l,5oo
rs. a libra.
Queijos do reino chegados neste ultimo va-
por i 2,2oo.
2,ooo rs. o quarto, a 6,5oo.a.cai.xa e4oo
: rs. a libra,
dem corinthias proprias para podn a 800
rs. a libra.
Marmeladas dos mais afamados fabricantes de
Lisboa a 64o rs. a libra.
Ervilhas secas muito novas a 16axs. a libra.
Grao debico muito novo a I6or&. a libra.
Ervilhas francezas em latas a 64o rs.
Potes com sal refinado a 48o rs.
Fumo de chapa americano a 1,60o rs. a libra
fazenda especial.
Presunto para fiambre inglezes a7oo e 800
rs. a libra.
Chourigas e paios mnito novos a fri a libra.
Caixas de traque n. 1 a 8$>00 cada urna.
Massas para sopa macarro, talharim aletria
a ioo rs. a libra.
I Cognac verdadeiro inglez a 8,5oo rs. a caixa
Queijos chegados no ultimo vapor a 2,6oo rs 1 e g00 rs a aarrafa
dem prato es melhores e mais frescos do Idem francez a 7)000'rs. a duzia e 7oo rs. a
4GENCIA
DA
FMGIOLQW-AGMOGIl.E
liua da Senzalla nova n. 42.
Neste estabelecimento contina a baver
um completo sortimento de moendas e meiai
moendas para engenho, machinas de vapor
tachas de ferro batido e coado, de todos 01
amanhos para ditos.
Arados americanos e machinas para
lavar roapa: em casa de S. P. Johnston & C,
ra da Senzalla Nova n. 42.
Viitho do Porto superior
cer Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C, no seu
escritorio ra da Cruz n. i.
&j*m*$ mm.mmmmm
Fabrica Conceicao da
Baliia.
S Andrade & Reg, recebem eonstantc-
jg| meuie e tem venda no seu armazem n.
jjj 3i da ra do Imperador, algodao d'aquel-
^ la fabrica, proprio para saceos de assn-
gg car, embalar ainodo em pluma etc., etc., $($
|hl pelo preco mais razoavel. |fi
ARHIAZEI9I
F110NTEIR0
DE
Charutos de Havana
de superior qualidade vendem-se em casa
de Schafleitlin dr C... roa da Cruz n. 42.
Ra da Senzalla o. 42.
Yende-se, em casa deS. P. Jobn&tont C,
sellins c sillraes inglezes, candieiros e casti-
gaos bronzeados, lona* inglezas, Oo de vela,
chicotes para carros e montara, arreios para
carros de una e dous cavalk> e relugios de
ouro patente inglez.
MU PURA
Ciie-Rou aQnal o afamado vinho do Cartacho sem
rdnfeic'io, e vndese nicamente na ra do Cres-
po n. 9, armaz.*in Hrincipit, a 30* a anewa d* 9
tacada? e i 5'50 a garrafa.
MJLVim COUTTVIIO t BRAIDO
2 \ L argo do Terco21
Ao publico.
Chourigas muito novas a 64o rs. a libra ; chocolate francez a l,ooo rs. a libra;
ameixas .idem ; alpisla a 16o rs. a libra, e 4,6oo rs. a arroba ; arroz do Maranhao e da
India de 8o a loo rs. a libra, e em a arroba de 2,6oo e 3,000 rs. ; azeite doce refinado
a I,ooo rs. a garrafa e em porgao, a menos; idem de barris a 64o rs. a garrafa, e em cana-
da a 4,8oo rs. ; banha de poico a 4oo rs. a libra, e em barril a 36o rs.; batatas muito
! novas a 4o rs. a libra, e l,2oors. a arroba ; cha perola, hyssnn, miudinbo a l,8oo, 2,4oo
e 2,5oo rs. a libra ; charutos des melbores fabricantes da Balda de 2,ooo e 4,ooo rs. ;
cerveja branca e preta a 5oo rs. a garrafa; cravo, canella, cominho e erva-doce, conser-
vas inglezas em frascos e meios de 5oo a 9oo rs.; cognac inglez superior a l,ooo rs. a
garrafa ; caf de 1.a, 2.a e 3.a qualidade de 8,5oo, 9.oooe 9,5$<>o rs. a arroba ; cevadi-
nha a ioo rs. a libra ; ervilhas portuguezas em latas de i '/* libra a 7oo rs. ; spermacete
a 56o rs. a libra, e em caixas a 52o rs.; farinha de aramia verdadeira a 2oo rs. a libra,
e em a arroba a 6,ooo rs ; genebra de laranja a l.ooo rs. o frasco ; dem de Hollanda
a6'to rs., e 4oo rs. a botija ; graixa em latas a I,ioo rs. a duzia'; manteiga ingleza per-
feita flor a 8oo rs. a libra; idem franceza a 56o rs. a libra, e era barris a 52o rs.; maga
! de tomate a Goo rs. a libra; marmelada dos melhores fabricantes a 61o re. a libra; ale-
tria, talharim e macarrSoa 4oo rs.; marrasquino de Zara verdadeiro a I,ooors. cadafras-
' co ; nozes muito novas a 2oo rs. a libra ; passas a 4>o rs. a libra ; paingna 16o rs. ; po-
mada a 24o rs. a duzia; pimenta do reino a 38o rs. ; papel almago e de peso de diver-
| sas marcas; palitos do gaz a 2,2oo rs. a prosa e 2o rs. a caixinna ; ditos de sfguranga
individual a 2o rs. a c lixinha e 36o rs. o maco ; queijos flarnengos do vapor a 2,noo rs.
cada um; cevadinha a 2oo rs. a libra; sardinbas de Nantes de 4oo a 4o rs. a lata; sa*
bao raassa muito superi< r a 2oo rs. a libra; toucinho de Lisboa muito alve a 3oo rs. a li-
bra ; vinho do Porto velbo engarrafado a l.ooo rs; idem em barril a 8oo rs. a garrafa,
sendo porgao faz-se differenca eem caada a 5,ooo rs.; i 4oo rs. a garrafa e 2.8oo rs. a caada ; idem da Figueira J. A. A. a 5oo rs. a garrafa e
J.Goo rs. a caada; idem do Etreito a 36o e 320 rs a garrafa eem caada, a 2,56o;
. idem Bordeaux a 560 rs. a garrafa ; idem branco de Lisboa, pronrio para missa a 5oo rs.
a garrafa; vinagre de Lisboa muito suprior a 2oors. a garrafa, e t;ioo r. a caada ;
soda, cevada, alfasema, gaz e tijolo de limpar facas a 14o rs. Presuntos de Lamego a 5oo
I ea.ljs a.ir rb outros mnitos gneros qoedesnecessario menciona-los.
mercado a 8oo rs. a libra sendo intuiro.
Genebra marca gato a 1.700 rs. a garrafa.
Biscoitos em latas de 2 libras das segnintes
marcas : Osborne, Craknel, Mixed, Victo-
ria, Pec-nic, Fance, Machine eoutras mui-
tas a l,3oo e l,4oo rs.
Futno americano cm chapa a 1,6oo rs, a
libra.
Araruta de todas as qualidades.
fiatiatas novas em caras de 2 arrobas a 3? a
caixa e 6o rs. a libra-
Balachinha de Craknel em latas de 5 libras
\ bruto a 4,ooo rs.
' dem ngte/.as em barricas a mais nova do
mercado a 3,5oo rs. a barrica e 24o rs. a
libra.
Chocolate portuguez o mais especial que se
pode desejar a 8oo rs. a libra e 14o rs. o
pao.
i Papel de botica de excellente qnalidade a
} 2loo rs. a resma.
j Potes cora sal refinado a 48o rs. cada um.
Bicos frascos com frutas francezas em calda
a melhor que se pode desrjar de l,4oo a
3,ooo o frasco.
Fruas cm calda chegadas ltimamente, pera,
pecego, ginja e outros muitos a 12o rs. a
lata de 21|2 libras.
Foijo verde em bages em latas a 64o rs. a
lata.
Nozes muito novas a 120 rs. a libra, e 4,ooo
rs. a arroba.
Amendoas confeitadas a 6oo rs. a libra,
dem de casca mole a 32o rs.
Yinhos engarrafados no Porto e Lisboa das
seguintes marcas: duque, genuino, velho
secco especial, lagrimas doces, vinho es-
pecial D. Pedro V, nctar superior de
1833, duque do Porto de 1834, vinho do
Porto, velbo superior, madeira secca. Por-
to superior D. Luiz I, e outras muitas
marcas, era caixa de urna duzia a lo,ooo e
1,000 rs. a garrafa.
dem branco de uva pura a 64o rs. a garra-
fa e 4,ooo a caada.
dem superior a 5oo rs, agarrafa c 3,2oors.
abanada.
dem em pipa Porto, Lisboa e Figueira das
marcas mais acreditadas a 3,8oo a caada
e 5oo rs, a garrafa.
Idem de marcas pouco conhecidas a 4oo rs.
a garrafa e 3,ooo rs. a caada.
Especial vinho Lavradio sem a mais pequea
composigo a 560 a garrafa e 4,ooo rs. a
caada.
Farinha de matarana a 240 rs. a libra.
Ricas caixas com figos a l.ooo.rs. cada urna.
lucos livros com figos l.ooo rs.
Pomada a 200 rs. a duzia, sevada muito no-
va a 80 rs. a libra, e 2,5oo a arroba.
Garrames com 4 /* garrafas de vinho supe-
rior a 2,5oo rs. com o garrafSo.
dem eran 4 '/ ditas de venagre a 1 ,ooo rs. o
garrafao.
Vinagre PRR em ancoretas de 9 caadas a
1 o,ooo rs. com a ancoreta
dem em pipa puro sem o batsme a 2oo rs.
a garrafa e l,4oo rs. a caada.
Caixas com 1 duzia da garrafas de vinho Bor-
deaux fazenda muito especial a 6,8eo rs.
a caixa e 7oo rs. a garrafa.
O proprietario do grande armazem Unio e Commercio declara aos seas fregu
zes e amigos e 9 publico em geral, que para facilitar a commodidade de todos estipoJou
os mesmo pnego nos segnintes lugares: m
Imilo & Commercio ra do Queimado n. 7.
O Terdadeiro Principal ra do Imperador n. 40,,
garrafa.
Charutos em grande quanlidade e de todos os
fabricantes raais a creditados a l,5oo,
2,ooo, 2,5oo, 3,ooo e 4,ooo rs. a caixa,
os mais baixos sao dos que por ahi se ven
dem a 2,ooo e 2,5oo rs.
Caf de premeira qualidade a 8.3oo e 9,ooo
rs. a arroba e 28o a 22o rs. a libra.
dem de segunda qualidade a 8,2oo rs. a ar-
roba e26o rs. a fibra.
Arroz do Maranhao a 12ors. a libra, 3,ooo rs.
a arroba.
dem da India muito superior a 2,9oo rs. a
arroba, e loo rs. a libra.
dem mais baixo redondo a 2,6oo rs. a libra.
dem da India comprido a 2,4oo rs. a arro-
ba, e 8o rs. a libra.
Vellas de carnauba do Aracaty a 9,5oo rs. ar-
roba, e 36o rs. a libra.
dem de sebo muito dura fingindo esparmace-
te 36o rs. a libra.
dem de esparmacete a 56o rs. a libra, e em
caixa a 52o rs. com 25 libras.
Papel o melhor que se pode desejar para os
Srs. empregados pblicos a 5,oop rs. a res-
ma, j se vendeu por 7.ooo rs.
dem almago pautadoe lisoa 3,ooors. a resma.
dem de peso pautada e liso a 2,5oo rs. a
resma.
dem a zul de botica ou fugueteiro a 2,oo rs.
a resma.
dem embrulho de 1,2oo a 1, loo rs. a resma.
Ameixas francezas em latas de 1 '/> liDra a
l,2oo e8oors. a libra,
dem em frascos de 3 libras a 2,5oo rs., s o
frasco valle l,ooo rs. tambem temos em
frascos para 1,4oo rs.
Conservas inglezas a 8oo rs. o frasco.
Mostarda preparada em potes muito nova a
2oo rs.
Molbos inglezes a 8oo e i,ooo rs. o frasco.
Cravo a 48o rs. a libra.
Cerveja Tenente verdadeira a 7,ooo rs. a
duziae 6oo rs. a garrafa,
dem de outras marcas preta e branca a 5,5oo
e 6,ooo rs. a duzia e 5oo rs.a garrafa.
Vassouras de piassava com.2 arc-as .de ferro
vindas do Porto a 32o rs.
Cebollas muito novas a l,ooo rs. o molho e
8oo rs. o cento.
Genebra de Hollonda em frasqueras a-6,ooo
c 56o rs. o frasco,
dem em botijas a ioo rs.
dem em garrafes de 14 garrafas a 5,2oo rs.
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a groza e 2o rs. a
caixa.
dem de dentes lixados em magos grandes
com 2o rs.. o macinhos a 12o rs. o masso.
Cominhos muito novos a32ors. a libra e
1 o,ooo a arroba.
Sag muito novo a 24o rs. a libra.
Cevadinha de Franga a f8o rs. a libra.
Milbo alpista a 14o rs. a libra e 4,5oo rs. a
arroba.
Gomma a 28o rs. a libra e 5,4oo a arroba.
Pebres em latas a l.ooo rs. a lata j prompto
a comer-se.
Farello de Lisboa marca N. e Biato saceos
grandes a 4,ooo rs.
Doce da casca da goiaba a 600 e J.pop rs. o
. caixo.
LOJA 1)0 BEIJA FLOR.
Ba do Queimado ns. 63 e 69.
Bonecas de choro.
Lindas bonecas de cKBro qoe chamam panai o
mamai, de diversos tamanhos : f as tojas do tei-
ja-llor, ra do Queimado ns. (i:) e G9.
Luvas de pellica.
Luvas de pellica branca e de cures para homeos
e snnhoras : as lojas do beija-flor, ra du Ouei-
mado ns. 63 c 69.
Fhellas para cintos.
Lindas fivellas douradas com lindss pedras Dar
cintos : as lojas do beija-flor, ra do Qaeimadu
ns. 63 e 69.
Capellas para noivas.
Lindas capellas para noivas 25500 cada urna
as lojas do beija-flor, ra do Queimado ir,. 63 .
e 09.
Estojas para barba.
* -P,le'se 5sto,os ('om espelho para barba 15500
e <->000 cada um : as lojas do beija-llor, ra do
Queimado ns. 63 e 69.
Balaios para meninas.
Hccebeu-se novo sortimenio de balaios, c L5000 ate M cada um : as lojas do beija-flor, ma
do Queimado ns. 63 e G9.
Filas mas para cintos.
Ilicas fitas finas tavradas de bunitas rre rara
cintos : as lojas do beija-flor, ra do Oueimado
n. 63 e 69.
Eitraclos cm eahinli.s.
Finos extractos em caixinhas com o retrato rta
familia imperial: as lojas do beija-flor. ra to i
Qaoimado ns. 63 e 69.
Sabo cm caixinhas.
Finos saboes em caixinhas com vanos retratos .
as lojas do beija-flor, ra do Queimado n.-. 63 e CO.
Tiras bordadas.
Vendem-se tiras bordada- transparentes e tapa-
das : as lojas do beija-flor, ra do Queimado ns,
63 e 69.
Joijos de domin.
Vendcm-sc jocos de domin 13200 e 33CO.. .
as lojas do beija-flor, ra do Queimado ni. 63
e 69.
Sbados bordados
Vendem-sc baados bordados de varias larguras
e varios preeos : as lojas do beija-llor, i tnj do
Queimado ns. 63 e 69.
Ahafadorcs de rede. *
Vendem-se abafadores de rede de varias cores a
800 rs. cada um : as lojas do beija flor, rna do
Queimado ns. 63 e 69.
Adrrecos pretos.
Tcndo-se recebido adereces pretos de novo ges-
to sao expostos venda: as lojas do boia-llci,
ra do Queimado ns. 63 e 69.
bravatas para seuhoras.
Lindas gravata para Rentera 800 rs. e lOCO
1JH00 : as lojas do beija-flor, ra do Queimado
ns. 63 e 69.
Espedios de moldura.
Vendem-se espellos de moldura preta para -a- ''
las : as lojas do beija-flor, roa do Queimado ns.
63 e 69.
Vollas da,aljofares.
Lindas voltinhas de aljofares com cruz de pedfi-.
olas imitando brilhantes 1OO cada una : as
las do beija-flor, ra do Queimado ns. 63 e 69. _
Colteres para sopa.
Vendem-se colheres de metal-principe para sopa
25000cada urna : as lojas do beija-llor, ruado
Queimado ns. 63 e 69.
I.aa para bordar.
Vende se lila para bordar, a melhor que se pode
encontrar, tanto na qualidade, como as aires a
650 a libra : as lojas do beija-flor, ra do Que-
mado ns. 63 e 69.
as mesmas lojas se encontrar setnpre grande
sorlimento de miudezas boas, e mais baratas do
que em outra qualquer parle.
Vcndc-sc potassa em harris a comm^do preco o
na ra da Cruz n. 23, primeiro andar, eseripton:
de Amonio de Aimcida (ornes.
ESGBAVOS rjjgOS.___.
Fnpiodo engenho Amaragi, de animaes, fro-
guezia ric Serinhaem, no da 12 do Crreme seteni-'
bro, o escravo de n-urie Leandro, crionlo, de dado
de W) artnos, pouco mais ou menos, com os sg-
naos segnintes : altura recolar, secco decorpoc
espadado, Cabera pequea, barba smente na pon- ,
la do queixo, falta de dentes na frente do lado de
cima, rosto descarnado c macaas salientes, com '
marcas de caustico e ventosas' no estomago, per-
nas finas e ps bastante largos ; suj'pde-se ter
guido para o lado do Pago de Camaragibe, onde
j esleve rnais de dous anuos, quando parteara ao
floadoHanoel Percira Cavalcauti: roga-se as au-
toridades policiaes e capilaes de campo a captor;,
do mesmo escravo, que dever ser conriiuirio ao
mesmo engenho, a entregar a Joaqnim Veri.ssimo
do Reg Barros, ou no engenho Timb, termo de
Oliuda, a seu senhor Francisco de Paula avalcan^
ti Lins, que serSo genorosamente recompensados ;
protestando-se desde j contra quem o liver cm
seu poder^______________________________
FugJ na larde do da 16 do crrente inri
escravo pardo, de uotoe Marcos, desembarrado
do hiato S'/ii/(i Atina, vindo do Aracaty, leudo
de idade 28 annos pouco mais ou menos, e os sig-
naes segnintes : altura regular, si eco do corpa
puuca barba, cabello crespo, levou camisa *>
calca do algudaosiuho de riscadu zul ecba-
po de pallia, lendo levado comsigo urna trouxa
eom mais-roupa, e rendido de una das verilhas-
quem o appivendcr queira leva-lo ra da Madra
de LVus u. 38, ou ra do Brum n. 55, que sera
recompensado
U escravo Jo^, preto crioulo, de 26 anno:-.
baixo, corpo regular, beicos grossos e estufados.
orelhas pequeas, cachaco grosso, pouca baria
porque tem apenas na pona do queixo, que se tem
auiiunciado por osle jornal como fgido desde 23
de julho prximo passado, consta que alguem o
tem acoutade, se assim seu senhor protesta ha-
tee dias de servicj e tentar aeco judicial, contra
quem a tanto se lem atrevido, e para maior escla-
n-cimentodas autoridades e capitaes de campo,
.eu senhor declara que esse escravo foi comprado
a Francisco Antonio TtienoriodeAlbuquerque (co-
nhecido por Chic) morador em Goianna, que ven-
deu-o como procurador de Joao Barbosa Curdc-i-
ro morador em Jangadeira sitio Cinto Alegre no
mesmo terreno oe GoiaBna; ausentou-se oito dias
depois de comprado, levando apenas no corpo
duas cal?as urna branca e outra de castor escuro
de listras, sem camisa, palelot preto, e com un..i
carapuca encarnada na cabeca, seeuio para a re- i
ferida cidade de Goianna em procura da casa do
urna amazia que alli tem, all foi visto at odia
em que constou ao tal Thenorio (Chic) que offo-
receu-se para agarra-lo, mas infelizmente nao fui.;
mais visto depois desse da, constando eniio quo
esse alguem o coniuzio para Timbauba ou Cruau-
gy : quem porm agarra-lo ou der noficia certa '
delle a seu senhor na ra Direita n. H da cidade
do Recite, ser geuerosamenle recompeusado.
Contina fgido e consta estar acouiado em
Goianna o escravo Jos, preto, crioulo, de 26 au-
no?, baixo, corpo regular, beigos grossos e estufa- '
dos, orelhas pequeas, cachabo grosso, pouca bat-
a porque tem apenas na ponta do queixe, levon *
duas caigas, urna branca e outra de castor escuro
que parece preto, de listras, paletot prelo, sem ca-1
misa e com una carapuga encarnada na cabeca :
roga-se s autoridades policiaes e capitacs de cam-'
po que o apprehendam e facam eodozir presen. *
a de seu seohor na ra Direita desta cidade n-
4, que serlo generosamente recompensados.
Fugio urna escrava por nome Joaquina, dp fc
idade de 30 anoos pouco mais ou menos, cor pre-
la, levou sala de azula, camisa de algndSozinho, *
tem o nariz chato, estatura regotar. quando anda-t
eurva-se um pouco, lem urna nodoa prea ao po t
doolho, fugio com um ferro ao pe$coco, coosla.t
aue est acuitada em alguma das eaas desta ci--
lade ; protesTa-se com lodo o rigor da lei contra *
quem a ti ver acoiuda e ter tirado o Ierro, rereta-
menda-se a todos os capilaes de. campo e autor i-
des policiaes que a peguera e leve-a ra Im-
perial n. 3, que ser generosamente r?compen-
sado.



r
Dteri* /e
Kabbado *4 4c etembr* de 1B44.
j tirar de sua propria torca os principaos recursos;
! os corsarios sahiam de seas porlos e para alii vol-
__ tavam por entre as esquadras de bloqueio ; a ma- remontar-mo?
Al VICT11I \S j. | "?IX9 4 rinha, que creavam no momento de perigo, conser-
LIIIERATftl
seclo ultimo, contra a Inglaterra em nome dos poca em que foi assiguado, o governo federal ne-
pnncipios da nutralidade armada mas, se nos 8ou-se a subscrev-lo. '
Os tratido*. aim disto, nada'eocerram de fixo e
(Conclusao.)
vesso pato muito mais cabelludo, anv.nha-
vava nm carcter verdaderamente nacional. Mas,
o que ?imos cm nossos lempos ?
Quando rebentou a guerra civil dos Esiados-Uni-
o. e malvolo do que a aranha. Ella s mala por dos> I. dL' Washington, bem que tomado de
nccessidade, para viver ; porm dolxae abena um "'proviso, possuia os mcios de reunir urna arma-
i::sMn!a.a gaioh dos vossos passaros,e rereis o da numerosa; os inrargentesmao tiniam navio de
- qu fara o tomo gato, na ,; ,r tome, por neeessida Buerr^ nem n,ar""'a mercante. Podia acreditar-
de, por que elle est bom luzido, m puramente ;-;M>(>iS que o conflicto nao transporia os limit.;s,
|)ot iustincto sanguinario, por prazer. J' *Jftosido Cgntinente americano, c com tudo,
, ,. ... a l"a distancia, immensa dos porlos dos estados do
ft aranha e fea-. a sua rabera inmolada nos _.,,, 1T,,, .
. suli >'u-sc improvisar de repente urna marraba
I-.ac.-. as saas formas erossas o arredondadas, cora conf,.derada
as *uas cito compridas palas ao redor do corpo, c l)S ^ da Gr5n.Cl.tlanha sahiram ,res bar.
remontar-mos a ama poca mais distante, veNe-Von7ia T C,n L',0' ,,aa eDCerram de n e
ha a Franca manter p orerrpr rinr.nL LZ,-^ a e?conlr-se nelles a apphcaco dos
*.ic a? T e extreer, durante muito principios mais oppostos e a guerra os despedaga
mais de nm secuto, os direitos dos belligeranles ordinariamente no proprio momento era que emseu raflexivel rigor.
Em 169I, na poca em que Luiz XIV, se acre-di-
tava senhor dos mares, quando cssa marinha con-
la va. 100 navios de linha e^QO vasos de guerra,
do que a belleza, iodcw.lr.osa e laboriosa. A sua res era toios os senllJJS com nma e os
grande barrica oao denota nella a Bolod,cee a tornavaimpoSfivois de aIcancir sgm fa7r prc.
glotonera nao, o sea annazem a sua olkina deslruiram e incendiaram cargas e navios.
Outras embarcares mais formidaveis, especies
jotou a
H uiram nos
e como tira o fiada sua propria subs.stencia, devcl portos ing|CS) c 0 governo confederado 0,ovc
comer para renovar os malerlaes para ella, nada; eiI1ir um cmpreimo cujo produclofoi nolora.
de descanco posslvel, para comer tornase neces- aem destinado a completar esta armada.
ario fiar, e [.ara fiar preeisao do comer. Elle o Sem que um so navio sahisse dos seus portos, o
-...be,o pobre animal; tambern est sempre es-! ir,,,._.,. ,,, ,
. ._. 'i governo de llicnemond ae bou meio em douco tem-
prana para agarrar a presa que embaragar-se as p0 d( deslrilr
( da sua lea, uessa lea indispensave sua ex s-'., ... ..
.. 1.1-, I de fortalezas raovcdieas, as quaes se esgo
't. una, por que, se be fa ta-.>e ella nao comera-' *. \ .
.- a a ,""asB" ""> Bao ,u"u,a' arte do engenheiro moderno, se construirai
sois redes. A prudencia e a partencia sao as suas
va>i's, cujo valor total se eleva a
mais de 100 milhdes de francos, ede obrigar a ma-
quadades domantes, e ella brigada a .olas rinba mercante dos Es.ados-Unidos a desnacionali-
*;T^T*^Z:TV'^m: *m qae sar um nu,nero de nav?. ^ i** *
I 300,(KX) toneladas.
A vasla correnle commercial, que os estados do
norte haviam feito convergir depois de trinta an-
nos em seu proveito, acrescenlou-se s correles
ordinarias do commercio da Graa-ltretanha.
Sem difliculdade se concebe que em presenta
de taes resultados grande parte do povo inglez
; grande que seja, nao sent nenlium encommodo, j mostrava pouca severidade para com as violacoes
ceg do noute, procurara-na como um bom bucado-
Ai aranhas leem veneno ? Sim, possuom um,
que s produz eleito sobre os pequeos animaes
que ellas altacam. Urna mosca picada por urna
aradas menor que ella perece em poucos instantes
. i:ns um hornera picado por urna aranha. por mui-
S0 taenos as nossas regies temperadas
f'or ventura seria a sorte das moscas c dos mos-
quitos nos quaes ella faz tito forte destraicSo que
03 interessaria ? Exprobra-la-iieis por applicar
.; pena de Taliao aos mosquitos que nos apuilhoam
".o dolorosamenle c sugam o nosso sangue ? Ma
i ;r.?tamenle pnr causa disto que Deus creou-a ; a
:.ua missaodc limitar o numero desses insectos
r-nrommndo;, ja muito numerosos, e ella o faz do
i .elhor modo. A aranha nao mata os outros insoc-
i >s por crueldade, obedece lei que Ihe impoi o
:u creador : se as suas queixadas sao construidas
liara dospe-dacarem nina presa, as suas garras para
..urarem n'a, a sua industria para prende-la, tor-
ia-se preciso qu; ella leaha egualmenle o iostlncto
i articular que a impelle .asustentar-se de presa
iiva;por que. sem isto,vhao poderia subsistir.
todo o animal obedece a seus orgos, elle 6 escra-
k^da sua compleigio. m porabo morreria de fo-
t.;e junio do um prato cheio das melhores viandas,
i) um galo morreria deinaniejio sobro monloes de
f.-uctas o graos, por que um tem a organisaeao do
granvoro e o oulro a de carnvoro.
Nao somos mais reprebensiveis de matar bois e
r: neiros, e urna mulfidio de outros anmaos, para
:..i teiitarmo-nos da sua carne nos que poderia-
ios viver de outra nnneira do que a aranha. a
/jal outra qualquer nolricao, a nao serem os in-
seclos, impossivel ?
Kao se pense que eu sinlo pela aranha a affeicao
j.ie protessa o poeta Vctor Hugo, o qaal disse :
J1 turne raraignt el fainu fortie
Parce q'on les hait
r.iio, nao por que se odeia a aranha que a de-
feudo, mas por que este odio injusto, e por que
respeilo nella um uos operarios de Deus, urna das
i Jdus infinitas da grande machina, e alm disto Ihe
ou loconhecido pelo bem que ella nos fazlivrando-
eos do urna multidao de insectos dotesiaveis ou no-
mos. Ella estabelece-se nos nossos jardins, nos
liisos pomares, e vem a ser a guarda vigilante dos
nossos fructos. Que pecegos, que uvas, que poras
ella vos conserva; que picadelas vos poupa I
De mais. se a sua presenca nao tem nada de in"
tinuante, os seus costumes nfio merecem oecupar
a vossa attencao, a sua industria, nao vale mais do
<;ue urna bella figura ? Que mulher, anda que
ache muito fea a aranha, nao se commovena
.st. da sollieilnde com a qnal ella trata oj seus
Clhinhos ; tccendo-lhe um fino acafate de seda, em
que o? transporta para toda a parte, cacando para
elles c defendendoos com perigo da sua vida !
Qaal de vos nao admirara a habilidade c a pacien-
cia com que ella urde a sua tea ou estende um fio
fie um ponto outro para atravessar um lugar pe-
igoso !
Por tanto relevaeo seu aspecto pou?o agradavel
rr.i attencao aos serviros que vos presta ; nao as
temaos, por que nao podem fazer mal, al mesmo
appiicae a vossa attencao a seus arlos e a suas
cL-ras, e seris recompensados pelo ioleressc que
Jlas ollerccem.
Como disse o bom La Fonlaino : Tudo qnanto
Deas (ez bem feito Elle nada crion de balde,
victimas do nosso orgulho julgamos ruim ou inu-
t aquillo cuja utilidad.' nao rouprhendemos.
Julio Pizzeta.
( Trad de A. Mendonga.)
C; corsarios confederados c o dircito das qentcs.
\ I
C;n todos os lempas, os peqnenos oslados marti-
mos procuraran! no corso nm meio de se defende-
era contra rivas demasiado pol-rosos; em todo5
03 tempos tambera, o armamento e as depredaeoes
dos corsarios levantaram problemas de direito in-
t;rnacional, que cada paiz tentn resolver fei^ao
lie S"US interesses particulares.
Entre os effeitos menos previstos da guerra civil,
que ha trinta annos agita e desoa os Eslados-Uni-
Cos, a historia assignalar um dia o dispertar sub-
codas formidaveis quesloes de direito martimo
^jue, durante o secuto ultimo e no comeco do (ir-
/ente, lano conlrbuiram para fomentar encarni-
zadas lutas.
. As quesloes permanecern) as me>mas, se bem
que a guerra dos corsarios haja tomado caracteres
aleiramenle novos. O vapor presta boje Inaudita
wguranga os obscuros successoresjosaudazes ma-
finheiros, que deram outi-'ora ao corso um presti-
gio quasi romanesco; dimmue as alternativas glo-
losas dos combales, e multiplica centuplicando as
4a captura.
As clausulas protectoras do direito das gentes
dornam qualquer conflicto impossivel nos porlos e
roas terriloriaes entre os navios de guerra ordi-
narios e os navios de marinha regular, e como pro-
curar, como atrancar no mar largo inimigos dota-
dos de urna lo prodigiosa celeridade como o A\a-
%ma t
Finalmente as potencias martimas em lula con-
ra forcas superiores, espera vara n'outro lempo en-
contrar nos portos neutros algum inesperado e Iba-
gioqtto soccorro no entanto ellas conlinuavam a
do direito das gentes, com que, no fira de contas,
elle lucrava.
As classes coramercaes nao podiam ver com
desprazer o que restava anda da marinha mer-
cante americana, obrigada a pagar os fretes ma-
rinha mgleza, e as classes aristocrticas esquece-
ram as IradicOes da poltica americana, laofavora-
vel sempre aos direitos dos belligerantes.
K' felizmcnle urna honra e urna salvaguarda
para as sociedades livres que as maorias nao pos-
sam conseguir suffocar a voz das minoras, que a
razao e a jostica, quando encontram orgaos cora-
josos, consigam sempre e alcancem ser altendidos,
e que o habito da discusso torne mais facis as
mu Janeas da opiniao.
Havia-sc denado passar os primeiros corsarios
confederados ; mas o governo Inglez, apezar dos
clamorosos protestos dos amigos da causa do sul,
nao hesitou em apauhar a Alexandra, um dos no-
vos vasos que se preparavam para cahir ao mar,
assim como dous magnficos navios empavesados,
que se terminavam em Birkeuhead, nos estaleiros
de M. Laiard, com os singulares e engaadores no-
mes de El Toussetn o El Monassir. Este acto de
firmeza honra seguramente o gabinete inglez ; mas
fu provocado pelos esforcos de alguns homens de
estado e de muitos publicistas que, inspirndose
de sentimentos elevados, ou collocando-se sobran-
ceros as quesloes de momento para encarar os in-
teresses permanentes c affaslados de seu paiz, lem-
braratn ao governo os deveres da nutralidade to-
das as vezes que elle pareca esqueccr-se delles.
Deve, entre outros, citarse no parlamento inglez
M. Cobcden, cujos nomes sito asss conhecidos ; M-
Forster, joven membro do pa-tido radical, cujo ta-
lento e precse madureza, em toda a parle se re-
conhece; e tora do parlamento, M. John Stuart
Mili, cuja opiniao solada forma por si um poder ;
lao grande c o respeito que se consagra sua in-
telligencia; M. Cairnes, de quem (vemos j occa-
sio de assignalar nesta Revista um notavel livro
acerca da escravatura americana ; M. Goldwin
Smil, joven professor de Oxford ; M. Toin Hughes,
autor popular de Tom Drowon Schooldat/s ; M.
Eduardo Dicey, que percorreu os Estados-Unidos
durante a guerra e descreveu a sua viagem em
um livro tao agradavel quanto instructivo intitula-
do : Seis tiuzes nos estados federaes.
Se accrcsceniamos a lodos estes nomes o de His-
tricas, tornado celebre em pouco tempo, nao
porque o autor designado com este pseudnimo se
iii'pre, como esles polticos o publicistas, de urna
sympathia calorosa pelos Eslados-l'nidos, pelos in-
teresses e futuro do governo e das instiloieoes de-
mocrticas. Historicus nao a'imenta sentimentos
lao cosmopolitas; confessa lealmente que a causa
do norte Ihe tao indifferenle como a do sul; in-
glez, pensa primeiro de tudo na Inglaterra, e o
que talvez imprime um parlicular interesse a suas
cartas acerca dos direitos dos belligerantes e dos
neutros.
Do oulro lado do Atlntico, a altitude e o proce-
dimento da Inglaterra nao toram isentos de menos
rendidas discussoes.
O Incidente que provoou os protestos mais vivo*
e justos do povo americano fa, como se deva es-
perar, a construegao e armamento do> corsarios
confederados nos portos inglezes.
Um advogado de Boston, M. Charles Loring, es-
creve a este respeito urna serie de cartas que, com
as de Historicu<, nos parece haverem esgolado to-
dos os argumentos, que possivel invocar no exa-
me das questoe* de direito internacional, que pro-
voca este grave incidente.
E' naturalmente preciso acerescentar a isto os
longos debales dos tribunaes inglezes ai negocio
do Alexandra.
V-se, pois, reproduzir boje, sob a influencia dos
aconleciraentos de que a America theatro, um
complexo de doutiinas sobre o direito das gentes,
que merece a mais seria attencao.
A Franja nao podo manter-se espectadora indiffe-
rente sdiscussoesempenhadasenlre a Inglaterra o
os Estados-Unidos; importa-lhe saber onde a In-
glaterra pretende de ora em diante tragar a linha,
que separa os direitos dos neutros dos direitos dos
belligeranles.
Durante o longo periodo de quietacao que seguio
a queda do primeiro imperio, os espiritos perde-
ram a pouco e pouco de vista os problemas inler-
naconaes que a torga havia momentneamente re-
solvido: mas, a diplomacia franceza nao os esque-
ceu nunca, e no dia segrate guerra da Crimea
obteve de nossa alliada importantes concess5es em
favor do commercio dos neutros.
A sua obra, perianto, que nao pareca ser entao
mais que urna operago especulaliva.nunca foi posta
prova, c se alguma vez o fr, quem sabe se nos
passaremos pela experiencia em qualidade de neu-
tros ou de belligerantes t
O nosso paiz possue hoje urna bella marinha, e
o futuro da Europa bstanle incerto, para que os
privilegios da nutralidade nao sejam objeclo ex-
clusivo de nossas preocupagSes. Vangloriamo-nos
sem duvida de haver sempre representado e def-
fendido liberdade dos mares. Esta illuso tem
a sua raz na recordagao das lutas, sustentadas no
proclama va este principio : o Todos os navios que
se encontraren) carregados de objectos, pertencen-
tes a nosso- subditos e alliados que se acharem em
navio inimigo, sera. egualmculc consideradas boas
presas.
Durante a guerra da successo da Hespanha, a
marinha franceza confiscou toda a produeco do solo
ou da indusiria do inimigo, qualquer que fosse seu
propietario.
Os direitos dos neutros recebeVem urna impor-
tante consagracao no tratado de Ulrecht, que mu-
tos publicistas cousideraram. como base do moder-
no direito das gentes- mas a Franca nao se acha-
va em circumslancias de diciar suas condicoes em
Uthrecht, e nao podia revendicar para o mrito de
urna obra, era que a Inglaterra obtTnha as maores
satisfacoes.
Durante os sesseuta t alguns annos que decor-
reram depois da issignalura do tratado de Utrecht
al o tratado da nutralidade armada, a Fraoga
nao faz reconhecer em coovengao alguma o prin-
cipio da liberdade do commercio neutro.
m 1710, isto tres annos depois da paz de
gem as difliculdades em virtude das quaes as esti-
pulag-oes se eslabelecerara. Dir-se-ha que se pre-
cisa de preferencia procurar as regas do direito
dasgenies as docsojs dos tribunaes de presas 1
O autor dasearus, sob o nomo de Historicus,
mclina-se visivelmenle a esta opiniao. Cinge co-
mo de urna aureola a fronte daquells queexerefl-
rara esia formidavel magistratura ; nao sao para
elle inglezes ou americanos, sao representantes da
justiga universal. Perianto, evidente que, por
mais subida que seja a autoridade de um paiz, as
suas deliberaces nao podem perpetuamente ligar
seus successores.
i i0idiref das Renles es,ta' I)0is> sempre em via-
iliado de creagao ; sao estas vanagoes, estas in-
certezas que tornara tao difficil a solucao dos liti-
gios mlernacionaes.
Se no entanto exislem no mundo duas patencias
a quem parega dever ser mais fcil que a lodas
as outras aplanar as conlestages que podem sur-
gir da violacao do direito das entes, estas duas
potencias sao a Inglaterra e os sia tos-Unidos !
As autoridades diversas cujo complexo constitue
a le internacional sao as msmas, tanto para urna,
como para outra destas duas familias da raga an-
glo-saxonia.
Entre estas duas autoridades ha mais de urna
que, a I- ranea, por exemplo, ou qualquer outra na-
cao, poderia estar disposla a recusar; mas a Graa
Hretanba e a repblica americana, obedeeondo em
materia do direito s mesmas tradieo s, leem mal-
las vezes achado-se em desaccordo' mais sobre a
applicaco dos principios que sobre os mesmos
principios.
Era todas as quesloes capitaes d'direito mariti-
Utrechl, declarou em um tratado de commercio, mo,a doulrina_ dos jurisconsultos americanos nao
feito com as ciades anseticas, que as merca-1 dorias encontradas nos na^^
lencentes ao inimigos do re, senam confiscadas. autoridades.
Nao ha talvez, diz o chanceller americano
gente limpa e muito dinbeiro, o primeiro, que se
lembrasse de impor-te, de querer fazer de S. Luiz
seu pacltalko, seria esraagado pdo desprezo e pela
mais Ilustrada mprensa, que conhegamos.
J v V. Exc. que me sobram ra:5es para tet-
' mar cm ver se me aclimoao calor que agora, onze
horas da noule, em um gabinete bem arejado,
marca 27 graos centgrado!
Nao sei se V, Exc. comprehender sob o ameno
: clima da Parauyba, como passar o seu amigo re-
ino com um calor de 34 e 33 grus !. Nao sei
' como se estuda aqui, onde a inlensidade do calor
! acabrunha os corpos!
Para cumulo de infelieldade o maranhense o
', que em maior graa parlilha da loucura dos brasi-
I leiros em andarem embrulhados os homens em
urna pega de panno prelo c as mulheres em pecas
i e pegas de sedas, de elephantes e murins.
A's mais simples e familiares reunios compare-
cera os Srs. Uves de ponto cm prelo, eas damas
coberlas de sedas. E nolc V. Exc. que se lia mu-
lheres a quem os vestidos brancos, leves e ligeiros
dizom bem sao certam enla estas, porque dotadas
de um ar esbelto e engragado, essas roupas leves
e lgeiras deuain-nas patenlear esse lalhe garboso
' que mos plenas Ibes deu a natureza, eque ellas
\ teimam em diminuir embrulbando-se em Muta
j corados de seda.
Allribuo s vestimentas improprias do clima as
enftimidades que aqu ceifain vidas, que promet-
liain maior durago.
Estiva seis em urna partida que mensalmcnte
d urna sociedade : ti ve a honra de ter por par j Pariu, agora, que suspira o peilo,
I urna seouora, alias bem espiriluosa: tinha o corpo! E que neo pranto ja voltou tambera;
j do vesiido, que era de seda azul, lo ensopado de Simo a saudade despenar minh'alraa
suor, o que me fez significar-lhe o perigo a que Sinlo o remorso, que ferirme vem !

A vida sonho de illusoes dolrado,
Jardlm viceso de esperanga e crenga:
Mas bem depressa do matiz a,s cores
Desbota o glo de lethal descrenga t
E desses das de ventura e gozos
Ternas lembrangas nunca mais se apagara :
Sao as saudades do jardun da vida
As roxas llores que a tristeza apagam.

Meo pae. .
Nem um suspiro me sahiu de peilo,
Nem um s pranto derramei por ti
Nem a saudade despertou minh'alma
Nem o remorso me fenr sent!
Vaguel sem crengas, sem affeclos, lonco,
De Deus descreodo le esqueci tambem!
Alguem chorava por me ver perdido,
Mas, peilo ingrato, nunca amei ninguem I
Do fundo abysmo de um viver medonho
Que de esperancas nao lancei ao p'...
E sempre! e sempre camlnhar sorrindo.
E sempre! e sempre transviado e s!
E um dia, louco.' no remar sem pouso.
Teu nomo santo n'um sopulchro eu li!
E sempre I e sempre co'o sorrir nos labios,
Ao ler lou nome, iiialdicio!... sorrir!...
Desrespeitei-te sem horror, sem pejo.
Cu' a indilferenga desse meu sorri;
E do sepulchro, que le guarda os ossos,
Um s queixume nao ouv sahir !...
A ordenanga de Luiz XV, de 21 deoutubro de
1774, declara boa presa as mercaduras apanda-
das nos navios neulros, assim
Kenl, urna s deciso dos tribunaes de presas in-
glezas de Westminster acerca de qualquer qiwsto
duegoes do solo e industria inimigos, a excepg
daquellas que cobrissem o pavilho hollandez ou
dinamarquez.
Foi somante em 1780 que mudou a linguagem
da Franca, e depois desta poca pouco variou, bem
que esteja, e muitas vezes em contradigao com
seus actos.
K philosophia doXVIll secuto que cabe a hon-
ra de haver popularisado em nosso paiz as dontri-
nas, que tendem a clrcumscrever e abrandar os
como todas as pro- geral de direito publico, que nao baja recebido a
imgos, excepgao aPProva5ao expressa e a sanegao de nossos tribu-
naes oacionaes...
t As decisoes do tribunal supremo do almiran-
ado inglez, particularmente desde o anno de 1798,
toram consultadas, e uniformemente respeitadas
pelo tribunal supremo dos Estados-Unidos, como
coraiuentarios esclarecidos da lei internacional,
como fornecendo grande copia de precedentes ins-
tructivos para a applicagao desti lei. Ellas se re-
commendam ao raesmo passo, porque sao notaveis
por sua sagacidade, sciencia, tanto quanto (tela
belleza severa e classica do estylo.
Em contraposigao, Historicus, o publicista inglez
, nao se cansa de exprimir a admiraco, o respeilo,
horrores da guerra martima. A alma da Franga! que Ihe inspirara os grandes les.slas americanos
expandiu-se entao e todos os pensamenlos gene- que escreveram acerca do direito internacional,
rosos: Luiz XVIproclamou os principios da lber- Whealon, Story e Keht.
dade dos mares, mas estas' solemnes declarages1 Subr?.todas as "* rdiaes e primarias,
na* serviram de regra ao governo republicano,
que, pela .convengo de 9 de mato de 1793, con-
demnou os navios neutros a serem capturados. O
directorio nao impoz freio algum s emprezas dos
corsarios, violou o tratado concluido por Luiz XV
com a Dinamarca, e chegou, na lei de 18 de janei-
escreve elle, que se prendem aos direitos dos bel-
ligerantes, as doulrinas americaua e ingleza eslao
e tem sempre estado em perfeila harmona.
Historicus faiigou-si; muito para demonstrar este
accordo, notoriamente as numerosas c por vezes
mu delicadas quesloes que se referem ao exerci-
cio do direito de visita.
As decisoes dos tribunaes de presas que perma-
necen depois da guerra civil nos Estados-Unidos,
ro de 1798, ale a declarar que a qualidade de na
vioscorao neutros ou inimigos nao seria d'ahi era T&^ffS^\7ZSfS
diante determinada seno pela procedencia da
eargas, e que todo o navio carregado de merca-
dorias ioglezas seria boa presa.
Em 1790, a Franga prohiba aos neutros nao
s transportar, mas exportar contrabando de guer-
ra, doulrina contra a qual os Estados-Unidos se
apressaratn de protestar, eque rjoasl nos collocou
em conflicto com urna repblica, que lao interes-
sados eslavamos em poupar. Este estado de cou-
sas durou al 18 brum-iire. O primeiro cnsul,
preoecupado em restabelecer as boas relagoes com
os neutros, declarou que a repblica franceza vol-
tava aos principios de 1780, e conftou a presiden-
cia do conselho das presas Panolis, cuja mode-
na cmara dos lords que al entao os cooselheiros
legaes da coroa da Inglaterra nao tinham qaefxa
alguma a articular contra as decisoes dos tribunaes
americanos.
Nao nos dado, accrescenta elle, o direito de
dizer que os juizes americanos hajam degenerado
dos que teein sido sempre etados com respeito e
nao raras vezes com admiraco por todos os que
leem escriplo acerca do direito internacional, tanto
na Europa, como na America.
Nao s os Estados-Unidos c a Inglaterra reconhe-
cera as mesmas autoridades em materia do direito
internacional, como tambem. possuom o mesmo c-
digo do nutralidade. Cada qual destas potencias
defini da amata maneira os deveres de nutrali-
dade, o os impoz a seus subditos em urna lei que
tem, tanlo em um, como em outro paiz, o nome de
foreign entistement act. As estipulacoes verbaes
rago cgualava a inlelligencia e firmesa : mas ,6 i destas leis sao tao preciosas que parece impossivel
porventura mister lembrar o que suecedeu ? illudi-las; e a historia nos mostra com eleito que
i toram sempre efllcazes, quando os governos dellas
A's praticas do consulado seguiram-se os priB- se quizeram utilisar Nao deixa de ter interesse
cpios arbitrarios do imperio, e o grande principio lembrar a origem do foreign entistement act ame-
(Continuarse-ha.) .
UM POICO DE TUDO.
Continuamos a publicaco transcripta das cartas
da liberdale dos mares servia para eobrir ess r,cano-
complexo de actos dictatoriaes e vexatorios que
deu em resultado o famoso bloqueio continental !
H
Se o reinado de Luiz XVI e o consulado sao os
nicos pontos luminosos de nossa poltica martima, I sobre oMaranhao :
no enlanto licito notar que os escriptores ingle-; A' cinco comegaram as novenas de Sania Filo-
zes, taes como Historicus, mostrara falta de gene- mena, na egreja do Carmo. situada em um dos lu-
rosdade, quando nos representam calculando o gares bem arejados desta cidade.
interesse que tomamos na causa dos neutros pelo j O largo da dita egreja ostenta a magnificencia
estado de torga ou fraqueza de nossa marinha. | de bellos sobrados habitados por negociantes e por
Foi uodiasegunteodas mais assignaladas victo-1 familias abastadas,
rias navaes da Inglaterra que o seu cdigo marit-' Para a fesla das Neves ahi na Parah\ba gastam-
mo so mostrou menos oppressivo ? E nao por! se romos de res, para se fazer tudo son goslo.
ventura natural que urna nagao seja mais melin- Aqui, para a da sania lembem a despeza grao-
drusa acerca do direilo dos neutros, quando mo-
nos preparada se acha para a guerra 'martima, e
lano mais preocupada com o direilo dos bellige-
ranles, qnanto maior a confianc.i que tem na
forga de seus navios ? Mas os deveres inlernacio-
naes exigem daquells que os querera cumprir al-
guns sacrificios; nao sobre interesses acanhados
e transilorios que se devem fundar ; no senli-
mento superior da equidade e da nonio severa do
direito. Os direitos dos neutros e dos belligeranles
liraitam-sc mutuamente e se definem uns pelos
outros.
A linha de demarcagao nao e em verdade fcil
de tragar; varia de edade em edade.
Quanto mais as sociedades sao policiadas e hu-
manas, tanto mais o direito das gentes favora-
vel aos neutros, porquanto a guerra lorna-se ex-
de, mas o povo maranhense goza de dez neutes do
um verdadoiro prazer.
Os actos religiosos sao pomposos e condignos
com a casa de Deus; mas o povo nao tac dormir,
linda a novena, ao contrario, ello vivo, e una vida
toda de alegra.
Dizem-me que depois da fesla dos Remedios, a
de que me tenho oceupado a segunda da capital.
Apenas auoutece, cada familia manda por no
largo (Carmo) cadoiras em que se assenlam para
commodo verem um incrivel concurso de povo.
Os proprielanos do lugar collocam tambem ca-
doiras nos passeios ou testadas de suas casas, e ah'
receben as familias amigas e applaudem o povo
os fogos, as msicas.
Depois todos passciam pelo largo : as dez horas,
as familias amigas ontram para os bollos saloes dos
proprielarios e reina a alegra da msica, do can-
cepgo em lugar de ser regra ; os belligerantes to ao piano, das dangas, folgando cada qual em
estao em minora cm relago aos neutros, e nao sua rasa, como Ihe praz, at urna, duas e mais tai-
tem direito de Ihes oppr piras oppresslvas. Se de da noute.
urna guerra declarada, torga que possa ser Para poder aliender aos convites com que fui
conduzida de tal arte qne os neutros se nao vejam' honrado, la a urna casa por duas horas, a outra
forgosamente arrastados nos accidentes da luta. por urna, apparecil apenas em oulras e me retira-
E' mister que evtera expor-se justa colera de va> P0'"" na0 l,0llia i'rivar-me da salisfagao de estar
um dos combalentes, e se abslenham de qualquer com Pessoas das raais estmaveis desla sociedade.
aclo que tenha carcter de hostilidade. Se os neu-; A D0U,e de ,reze ul brilhanissima, parecondo
tros nao livessera nenhum dever bem definido, toda 1ue lar^ e as caSaS nao podiam comportar o
a guerra particular ameagarla tornar-se geral. numeroso concurso de povo que afluiu 1
... ..... Na manhaa de quatorze houve no Carmo muitas
As ohngagoes que impe a nutralidade, podem
referir-.se a dous pontos : primeramente os neu-
tros devem evitar qualquer parlicipago as hos-
tilidades em segundo lugar, suas relagoes com
os belligerantes devem sujeitar-se s regras de
urna perfeita e leal imparciahdade. Estas duas
mximas encerram toda a essencia do direilo in'
ternacional mas na pratica reconheceu-se sem-
pre a necessldade de egualar-lhe as apphrages,
quer por tratados que obriguem as nagoes entre
si, quer por actos municipaes que liguem os cida-
daos de um paiz para com o soberano.
Finalmente, o habito Ievou a considerar entre as
autoridades que compera o direito das gentes em
primeiro lugar certas obras especiaes qne o tem-
po, ou um elevad* valor consagrou, depois as de-
cisoes dos tribunaes de presas, encarados como' -
tribunaes internacionaes, cocarrogados do velar so-
bre certos Interesses geraes, e de resolver as qu?s-
tdes litigiosas suscitadas pelo conflicto dos neutros
e dos belligerantes.
Eslas autoridades diversas nao podem ler om
valer absoluto, geral e invariavel. Os tratados, por
exemplo, nao uiirigam se nao aquel les que os assig-
narara ; o tratado de Pars de I83i nao impoe
obrigagSo alguma aos Estados-Unidos, porque na
missas, a que concorreu muila gente : as doz ho-
ras teve lugar a da fesla, que foi estrondosa.
A' noule que era a da conclusao, fizeram tudo
quanto c capaz de fazer um povo propenso a di-
verlir-se I
Nao posso dexar de dizer que a fesla de Nossa
Senhora das Neves na Parahyba nao tem o menor
gru de coraparago com a de Santa Filomena era
S. Luiz do Maranho.
J fago idea do que ser a da Senhora dos Re-
medios, cuja ermida no mais bollo arejado o pi-
toresco barro suburbano desta cidade. Deus me
conserve os das para viver largos annos nesta ier-
ra dos ii amores, que sao a paz domestica, o
espirito da sociabibdade e a bem pronunciada
hospitalidade, com que se distingue, se que se
nao especialisa das demais do nosso imperio.
Como naohei de estar contente, minha senhora,
se aqui quando um hornera vive honestamente a
sociedade o distingue, o considera ?
Vale a pena ser hornera de bem era S. Luiz por
que nao se injuriado nem avtado por crimino-
sos. Tambem os ha; mas estes lera commuuhtin
parte e era se quer Ihes passa pela mente im-
perem-se, pois havendo oinita illuslracao, rarala
eslava exposta ; respondeu-me que realmente sen-
, lia oppresso ao respirar. Hontem, visitando eu
sua familia, achei-a de cama,
E' para mim caso jnlgado, que desde o momen-
i to em que as sedas doixarem de dominar as part-
das familiares as senhoras maranhenses ver-se-
ho menos expostas a tantos soffrimentos, como o
' de que fiz mensao pouco.
Para nao passar por mal criado tambem vou
embrulhmlo de. prelo a tudo para que convidam-me
a que os lees, por propria conveniencia, enlen-
dara que devera mudar de goslo.
Em toda a parte os leoes impoem as modas para
seu commodo, aqui os vejo estacionarios no indefec-
tivel (aclo prelo.
Se eu livesse menos de quinze annos de edade
asseguro V. Exc. que fara urna cabala econsli-
tuir-mohia chefe desles mancebos para domiar-
mos as partidas familiares, banindo destas o fac-
i prelo e as luvas, trajando caigas de brm de li-
abo brancas, cllete branco da raesma fazenda,
sobrecasacas de alpaca; calgado sapatos finos,
salto de cunho, meias de linho, bom finas que ex-
cedan! alvura de seda.
Os entesados chapeos de canos, haviamos subs-
tituidos por delicados castores de dobrar, trazen-
do-os sempre em vez de leqoes ou rentartas.
Elegantes desembarazados e polidos como sao,
fago idea como os leoes do Maranho abnlhanta-
riam mais os salos a que comparecen).
Mas na carunchosa edade em que j me vejo,
nem posso prelender a f me. E de mais, os que de c ainda nao sahiram
fcilmente poderiam ter como sacrilegio inventar
para cada estagao toilette especial. E' certo que
cada um vesie-se como quer, mas al daquelle que
se apresentar tora do prelo a cerlos convites, por-
que vr-se-ha em unidade, como a garga no meio
dos corvos.
Ora, se fores a Roma fazc-te romano.
Nao posso pagar minha divida mandando tam-
bem estampar as tao indiciosas cartas de V. Exc,
pois publica-las, quando podesse fazer, importara
ferir eu sem ceremonia as leis da modestia, atien-
ta a bondade com que V. Exc. una joven de 19
annos se refere a mim : agradecendo porm o jul-
io que contina a formar de seu amigo velho, as-
severo V. Exc. que procurarei sempre merec-lo,
e bem assim liiina-lo tambem aqu: como pae de
familias, como horaem da'sociedade, sendo eu o
que V. Exc. diz, que poderei merecer sempre nos
lares domsticos a que me ha chamado .a hospila-
lidaue maranhense, a estimagao que tanto me en-
che do mais puro e do mais innocente desvaneci-
menlo.
L-sc no Jornal do Commercio do Rio o seguate:
Teem-se dito tao bonitas cousas sobre as formi-
gas, diz um jornal francez, que nao sorprende que
muitos naturalistas celebres tenham tomado a sua
defoza; os poetas teem-lhes cantado os hbitos, e
La Fonlaine i-onsderou-as como o symbolo do ira
balho c da economa.
Seria, portanlo, com grande prudencia que se
devera declarar guerra a este insecto, se nao s
os nossos mais bellos fruclos nao fossem continua-
damente atacados por elle, mas tambem as flores
de nossas arvores rruclferas nao ossem des-
truidas antes mesmo do seu completo desenvolv-
menlo.
A destruigo das formigas nleressa, pnr lanto,
aos agricultores e a qualqner possuidor de jardim,
e visto isto preslar-lbe um servico, indiear-
Ihes o meio de que devem usar para lcangar esse
firn.
Toms-se conchas de caracol, o, depois de quei-
ma-las com storax (especie de resina odorfera), re-
duz-se o todo a p, e com esle pulverisa-se tanto o
formigueiro como as flores queas formigas visitan)
ou qualquer outro lugar frequentado por elle;, de-
sapparecem iinmedialamento.
O giz em p tambem as afasia, porm moment-
neamente, e alera disto pode damnificar as flores,
emquanto o meio qu:; indicamos nao traz ne-
nhum inconveniente c afasia para sempre as for-
migas.
Transcrcvemos da Tribuna Acadmica o se
guinle :
Saudades.
(C. C. Tupinambo.)
Mancebo, escuta : no sorrir da vida
Mil Adres lindas um jardim perfumam ;
Mas d'essas flores bem depressa as pet'Ias
No chao dispersas o terreno eslrumam.
Entao das cinzas dos crestados lyrios,
Das pobres rosas que o tufad matou ;
Arbustos brotam que medrar s podem,
as proprias lavas que o volcao langou !
E as novas flores que dos ramos pendem
Roxas, tao tristes, quaes da campa os cyrios,
Oh I sao saudades carpir caladas
A perda, a morle dos queridos lyrios 1
Esposa lerna, qne o perdido amante
Aos cus em pranto debulhada iraplota,
E toda angustia, delirante, louca
Maldiz, blasphema contra o Deus qne adora !
Luz que desmaia na mudez do templo,
Ondas que gemem no medonho agoule,
Saudosa frauta a olngar queixumes
as horas moras de calada noute I
Oh I nada, nada como as pobres flores
Tristeza, angustia revelou jamis 1
As roxas pet'las sao do livro as follias,
No qual a sorte copin s ais [


Ol! se en podesse, de joelho em ierra
Beijando o nome, nessa lousa escriplo;
Dizer-le as dores que o remorso, inundo,
Plautou no peito do tofeliz proscripto t
Sim, do proscripto desse goso santo,
Que nos leus bracos, sem saber, fru;
Pois que nao posso recorda-lo agora.
Sem dor, sem magas, sem chorar por ti i
Mas e>te pranto, que me cahe das faces.
Se infiltra todo neste impuro chao t
Oh I se eu podesse nessa lousa, agora,
Entre solucos, te pedir perdo ?!....

GnAZIEI.LA.
IPagina intima.)
Escuta, Graziella.
Reserva alguns instantes de tua vida de lgue-
dos, e le" as paginas intimas do meu coracao.
Sao pobres flores emmurchecidas ao bafeje- da
iidilTerenga, paludo rettexo de um passado-de ven-
tura, ultima nota da tyra que estaltou.
Escuta, Graziella.
Tinha eu neste peito muito amor, neste coraeao
muito culto, neste pensa ment muita adoragVx
Teu peito era pequeo para amar-me, teu cora-
go de geto para os affeclos, teu pensamento votovel
para fixar-me.
Dediquei-te as trovas do meu cantar, o cantar
da minha lyra, a lyra dos raeus amores.
E t?
Na embriaguez do teu orgulho, negastes. mulher
ostendera mao a aquelle que meadjgava as raiga-
lhas da mesa dos teus sorrisos.
Louca!
Nao pensares que o p humilde erasteiro dases-
tradas, pode urna vez suffocar ao altivo, eorgulhoso
viandante, que o esmaga!
Que um seotimento nobre e robusto de um amor
vigoroso, urna vez recalcado para o fundo do cora-
go, pode, embebido as fzes que oalimenla,trans-
formar-se no de urna vnganga esquinha e viru-
lenta .'
Que a flor dos affectos pode transportar-se para
om chao de pedras, e ahi tornar-se rida, e es-
tril '.
Oh! eu sinlo que o scintillar dos teus olhos lan-
cou-me, rpido, na vertigem do teu amor; mas a
planta solada, sem as lagrimas do cu que a av-
lente, sera mo bemfaseja, na Ierra, que a eullive,
verga sobre s mesma, definha, e morre : o amor
condemnado a unidade de urna existencia, sem re-
ciprocidade de sorrisos, sem peito carinhoso que o
agasalhe, contrahe-se pelo gelo da indillerenca, ex-
pirando como a ultima vibragao triste, esaudosada
lyra do descrido.
L-se na Estrella do Norte o seguinte :
A BRANDUBA VICTORIOSA DA VIOLENCIA.
Um boincm irreligioso, eslava gravemente do-
ente.
Tinha-se-lhe fallado de chamar um sacerdolo,
nada porm se obteve seno enfurece-lo. Todava
urna pessoa de sua familia foi prevenir um eccle-
siastico: elle entra ao quarto do doenle.
Este, avista urna sotaina, endireta-se e se levan-
la; sua bengala ahi se achava, e elle ordena ao
padre de sahir, sob pena de ser espaucado com es-
sa bengala. O sacerdote o olha com bondade e Ihe
diz com o sorriso nos labios:
Oh! mea bom senhor, se isto vos pode sal-
var, fen-me todo a vosso gosto; ere Je, isto podera
vos fazer bem.
O pobre horaem, estupefacto de tanta brandura.
deixa cahir sua bengala e poe-se a chorar; depois
elle se confessa, recebe os Sacramentos e morre co-
m> christo.
*
O 11I.ASPIIEMADOR.
No comego de fevereiro de 1847, muitos obreiros
estavara mesa era uraa estalagem do termo do
Coupilires-Renfougres.
Um desses operarios poz-se a perjurar o nome de
Deus, mais por habito, que por m intengo.
O senhor da hospedara, chamado Silvano Levail-
lanl deu-lbe a este respeito alguns conselhos ami-
gaveis, que toram bem acolhidos por este obreiro
que com ludo isso tinha sentimentos religiosos. Ea-
lo um outro conviva, obreiro tecolo, tomou a pa-
lavra por sua vez e comegou a negar a existencia
de Ente Supremo; poz-se depois a vomitar contra
Deus e a religio as mais horriveis blasphemias.
O Sr. Levaillant busca acalmar o frentico cora
palavras brandas. Elle responde com irona:
Teu Deus! eu quero ir hoje ceiar cora elle I
E no mesmo momento elle cahe de brucos como
ferido de um golpe de rato; tinha cessado de vi-
ver.
Nao se pode doacrever o pasmo dos assislenles,
que viram nesta morle urna punigo do cn.

O CAMPANARIO DA PROBIDADE.
Ha na ilha de R um uso muito antigo que tesle-
raunha a probidade dessa popnlagio boa e chris-
ta.
Quando ahi perde-se nm objeclo, quem o acha
leva-o ao sino da aldea e ahi o pendura ; o pro-
prietarto n3o duvida sonar esse objecto porque nin-
guem ousa apossar-se deUe.
Feliz o paiz que guarda semelhanles costu-
mes I
PERNAMBUCO. -TYP. DE M. F. DE F. 4 FILHO
.
r






Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E7R9ECYH3_3MS3RW INGEST_TIME 2013-08-28T01:51:25Z PACKAGE AA00011611_10475
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES