Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10474


This item is only available as the following downloads:


Full Text
"*
AMO XLmmW 218.
., for tres ezes adiaatados 5JO00
Pr tres mezes vencidos 6JHIU0
Porte ao correio por tres mees. 4750
.INI ** M4*s*v *fc c>.li n****

,
SEXTA fEIRA 23 BE SETEMBRO B 1864.'
Por amo adia:itado.....498000
Porte ao correio por um aano 31000


NCARREGABOS LA SUBSCR'pgAO NO .NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrino de Urna,';
Natal, 9 Sr. Antonio Marques da Silva; Araeatv o
Sr.A. de Leraos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Ohveira; Maranhao, o Sr. Joaquim Marquen Ro-
drigues; Para, os Srs. Manoel Pinheiro & C; A-
mazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPTO NO SL
Alagfias, o Sr. Claudino Falco Dias; Bata, o
n-. Jos Martins Alves; Rio de Janeiro, os Srs. Pe-
riera Martins 4 Gasparino.
ni., r "**** u0 *ATA3.
Uinda, Cabo e tscada todos os dias
Iguarassu', Goyanna e Parahyba as segundas e
sextas-eiras.
Samo Anto Gravat, Bezerros, Bonito, Caruaru',
ni1.11.,? e Garannn3 as tercas feiras.
Pao d Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqueira,
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Tacaratu', Cabrobo
c^f^t- istaj Ouricury e Eiu' as quartas feiras.
Serinhaem, Rio Formoso, Tamandar, Una, Barrei-
iih a I"3 Preta e pmenteiras as quintas feiras.
una de t-ernando todas as vezes que para ali sahir
Todos os estafetas partem ao y, dia.
1 La nova as 3 h., 48 m. e 8 s. da m.
9 Quarto cresc. as 3 h., 30 m. e38 s. da m.
lo La cheia as 6 h., 40 m. e 20 s. da t
22 Quarto ming. as 4 h., 34 m. e 14 s. da t.
30 La nova as 8 h., 23 m. e 10 s. da t.
PRXAMAR DE BOJK.
Primeira as 9 horas e 18 minutos da mannaa.
Segunda as 9 horas e 41 minutos da tarde.
PaRJLUa iX)3 VArORKS COSTElROd.
Para o sul at Alagoas a e 2S; par o norte at
5*f*7 7 e 28 de cada mez; para Fernando nos
aus dos mezes de jan. marc., maio, ful, set. enov.
PARTIDA DOS MNIBUS.
rara o Recife : do Apipucos s 6 /z, ?> 7 V. 8 e
Vi da m.; de Olinda as 8 da m. e 6 da tarde; de
Jaboauo as 6 /, da m.; do Caxang e Vanea s 7
d* m.; de Bemfica s 8 da m.
Do Recifc : para o Apipucos s 3 A, 4. 4 /, 4 A,
o. o'/,, 5 Vi e 6 da urde; para Olinda s 7 da
mannaa e 4 Vi da tarde; para Jaboatao s 4 da tar-
M; para Cachangi e Vanea s 4 Vi da tarde; para
mncas4datarde.
PARTE 0FFICIAL
AUDBNCIA LOS TRIRUNAE3 DA CAPITAL.
Tribunal do commercio: segundas e qtnus.
Relago: tergas e sabbalos s 10 horas.
Fazenda: quinta;, s 10 horas.
Juixo do commercio: segundas s U horas.
Dito de orphios: tarcas sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel: tercas e sextas ao meio
dia.
Segunda vara do civel: qnartas sabbados a 1 hora
da tarde
PAS DA rMANA.
'? Segunda. S. Januario b. m.; S. Nilo b. m.
-u. Ten-a. s. Eustaquio m.; S. Prisco m.
Quarta. S. Malheus ap.; S. Jonas prof.
|.r yu'wa- Mauricio ni.; s. Saaiioo b.
W. Sexta. S. Lino ,,. ,n.; s. Tecla v. m.
2. Sal.bado. Y Senhora das Mercs.
2a. Domingo. Aschagas de S. Francisco.
ASSIGNA-3E
fiOVERIW DA PROVINCIA.
Eeipediente do dia de 20 srtcmliro de 186-1.
Officio ao Exm. presidente da provincia da Pa-
rahyba.Remello V. Exc. para que se digne fa-
zer chegar s mos do bacharel Viciorino do Reg
Toscano Brrelo, juiz de direito da comarca de
Mamanguape nessa provincia, com a possivel bre-
vidade a inclusa porlaria que para ter esse desti-
no rae Coi enviada pelo Exm. presidente do supre-
mo tribunal de justiga em data de 10 deste mez.
Communicou-se ao Exm. conselheiro presidente do
supremo tribunal de justiga.
Dito ao commandanie das armas interino.-En-
vo a Y. S. para ler o conveniente deslino a inclu-
sa cerlido de assenlamenlos do alferes Manoel
Ignacio Pinheiro da Guerra, o qual sendo do corpo
la posto por decreto de 29 de julho deste anno, e
ciassili :ado no segundo baialho de infamara.
Dilo ao mesmo. Para poder salisfazer o aviso
da reparligo da guerra, de 30 de agosto ultimo,
sirva-se V. S. de dar s suas ordens, afim de que
me seja enviada una cerlido dos asscotamenlos
qne exisiirem no nono batalhao de infanlaria rela-
tivamente ao segundo cadete do primeiro regi-
ment decavallaria ligeira. Manoel Antonio de
jloraes.
Dito ao mesmo.-Transmitto V. S. para ter e
conveniente destino a inclusa cerlido de asseula-
mentos do soldado do corpo de guarnicao desla
provincia, Theotooio Jos da Silveira, que foi soli-
citada por esse commando de armas em offlcio de
26 do janeiro ultimo, sob n. loo.
Dito ao mesmo. Expega V. S. s suas ordens
para que agora mesmo seja roforgada com mais
dez pragas a guarda da caixa fili-l. como solicitou
o respectivo presidente em officio de hoje.Com-
municou-seao presidente d'aquella caixa filial.
Dito ao mesmo.-Remctto inclusos nove proccs-
sos de conselho de guerra das pracas mencionadas
na relagao junta, afim de que V. S. se sirva de
mandar cumpnr as sentengas proferidas pelo con-
.-Wh^supremo militar de justiga nos mesmos pro-
Dito ao inspector da thesouraria de lazenda.
Em vista da coma junta em duplcala, e nao ha-
vendo inconveniente, mande V. S. pagar a Manoel
Hgueiroa de Fana, coHforme solicitou o director
uas obras militares em officio de hoje, sob n 145
a uuanlia de 165630 rs., proveniente de annuncios
mandados publicar por aquella reparligo no Dia-
rio ik Pernambuco.Commaakousc ao director
03s obras militares.
Dilo ao inspector da thesouraria provincial.
Annuindo ao que solicirou o engenheiro encarre-
gado da reparligo das obras publicas, em officio
INTERIOR.
no Recife em a linaria da praca da Independen,..-,
Faria & Fo! propneUlrl0, ** RSKT2
RIO i: .lA-VR.IltO.
ASSEUBLEA GER4L
CAH4RA lOS SEXHORES
REPUTAROS.
Discurso doSr. Ilr. Innoceneio Seraphico, na sesso
de 13 do passado.
(^nlinuagao.)
O Su. SEn.\rinco : -O capital addicional est in-
cluido na quantia mencionada. Nem elle impor-
lou em 1,200:0005 -00. Devo dizer ao nobre de-
,p'i"nrt A^.e.^,caP"al Primitivamente garantido
( 1,20000050000) irnportouem 10,603:2395999.e
^ S?8,SlIOBal mM0 ) calculado em
3,3/0:8075908.
Agora, recorramos aos relatnos. Quaes as fon-
tes, onde se beberam as accusagoes que se lem fei-
to a estrada de ferro de Pernambuco ? Segura-
mente no relatorio da eommissao do Londres, no
relaiono da eommissao de Pernambuco e no rea-
tono do Sr. ViriatO, que foi como que o arbitro para
desempate das divergencias entre os dous primei-
ros relatnos ; nestas mesmas fonles que eu pre-
tendo adiar argnmentos para oppor s apreciagoes
injustas, alimentadas pela prevengao, creada pela
iraprensa conlra a estrada de ferro de Pernambu-
co. Compulsemos o relatorio da eommissao de
Londres.
Depois de fazer elle algumas observagoes c de
notar mullos defeilos, conclue que as quanius que
nao podem $er consiJ,-iadas como dispendio rffectivo
in"'{JnCOnS'''"''-'70 d" es,railn << fe W,VW, que importara em novecentos e tantos con-
t ; entretanto, o governo glosou mil e duzenlos
quarenta e tantos cootos, quantia superior aquella.
Agora o relatorio da eommissao de Pernambuco
O Sr. Frederico de Almeida : Nao apoiado.
O Sii. Seraphico : Pergunto ao nobre depota-
ra6 fatebres
Era
O Sr. Viriato :Que at houve cargas de car-
vao que nao estao assenles, que nao se sabe que
destino levou o diuheiro I
O Sr. Seraphico :E' preciso que se saiba que
a maior parte destas verbas onde se encontram dis-
00 : nao foi osla garanta concedida at que o ren-
diiiientoda estrada corresponda aos juros' de sete
por cento ? A' medida que o rendiraento fr aug-
mentando a garanta dos juros vai-se diminuindo.
etSSSkif^aeo DE a>-meida : Mais de ris
b(K):005 i ella lem garantidos.
O Sr. Presidente : Devo observar ao nobre
deputado que a hora para esta discussao est ter-
minada.
O Sn. Seraphico : Entao requeiro urgencia
para acabar o meu discurso.
O Sr. Martim Francisgo : O nobre deputado
lem o direito de acabar o seu discurso sem ser
interrompido.
O Sr. Presidente : J deu a hora, e eu o
devo declarar ao nobre deputado, porque esta a
pratica que se lem seguido.
O Sn. Seraphico : Se, V. Exc. enlende que
eu devo pedir urgencia para acabar o meu discur-
so, eu a requeiro.
(Consultada a casa, concede a urgencia
O Sr. Presidente : Pego agora ao n.
puado que d ora em dianle se restrinja a materia
em discussao.
OSr. Seraphico : Restringir-me-hei, Sr. pre-
aMa' e so disse al8ama coasa a respailo da es-
trada de Pernambuco porque entre as duas ques-
l ha urna certa liliago de ideas ; Irata-se de | cada.
OanciMPn rtLeM?e.rem0"'a relieiosa- naigrejada les as venda
unu igao dos Militares, com sesseDla
e tres annos
elle natural de Portugal, onde cstudou o
irso de pilotagem, em cuio posto entrn para a
armada*m 26 de jolho de 1820, servindo bordo
a cnarraa Luronia.
. Foi promovido : 2 lenle graduado em 9 de
janho de 1823 ; eTeelivo em 18 de outubro de
inesmo anno : 1
Recife
ou no ijuarlel. que assiin se con- i nc,; .
verteu em casa de orgia a rantarolar modlnhas. I
incommodandoos viznhos linalmenle toleravamos |
mesmo o abuso desses soldados mandaran os offi-
cws pelos pobres matutos, a que chistosamente
cnamam morcegos, deixando-se ficar em santo
ocio. O que porm nos revolla e faz perder a pa-
ciencia, sao as imposturas e arbitrariedades, que
diariamente praticam ; sao o relaxamento e falla
Telxeira, Portugal,
congeslao cerebral.
61 annos, viovo,
CIIUO.MCA JUMCIARIA
anno; a i lente em 31 de Janeiro de de cumprimento d"sm^rMC&lT1detd i
fitotttsrta^^isrt ?8; ?e E5w n-i,e- *rSdo 2
MnX a g 23dejulho de 1842 e tronco injusta e 6 enltente
SKru*.1" k i00" "o em 14 de margo Nfio'sendo 5E*Srar todos os fados e
dL;Si a.fje de d,vi:iao "duao em 2 de violencias pracadas
owemoro de 1854; em cujo posto fallecen.
governo imperial, altendendo aos servigos por
elle prestados, condecorou-o com as medalhas da
dependencia do Brasil e da Cooperagao da Boa-
i*^em fm Pernambuco: e com a commenda de S.
rato d Avir, por contar annos de servico, sem
mancha.
TRIBU.VII, DO COnuiERCIO.
ACTA DA SESSO ADMINISTRA-
TIVA DE22DESETEMBKO DE ,864
PRES.DENCIA DO EXM. SR. DESEMBARCADO!
ANSELMO FRANCISCO PERETTI.
iruuar-i .-hemos a contar I deua -mo^ "t^'^IT0^
o que hofe pra.icaram e o publico que o aprecie. Bas,0 Exm Sr' ,i?*"'h AIroral0-
. Condoindo o cabo do destat-amento (que I "a aberta,a %L fnln'^W'pres,a?I
lambem o inspector do qoarle.ro da povoagao)' Lida JSSS^SS ca.mJ,a,Dha-
um preto, que prendera por suspeilar ser captivo' ada a a(la da aedecento.
os senhore>
e supplente
e fgido para o Recife em companhia do urbano
Manoel Joao, nocamnho, em altura de Sant'Anna
DESPACHOS.
honradez.
A' sua inconsolavel familia
sames.
Amanhaa de madrugada
es-1 bandera toZttSS^dTltoJ^lbd ^^i^^S^^'^r^??"*- i
sera
nal
que o governo
o que est no rela-
sipag' es estao incluidas no capital
deixou de garantir.
O Si. Viriato :Eu disse
torio.
O Sr. Seraphico :-Nos 1,245:0005000 nao po-
de estar incluido a verba, a que se refere o nobre
ueputado Entao em que se despendeu toda a-
quella quaua ? Seguramente em esbanjamentos,
e f,no'SSn Bcou PerJida para a companhia.
O Sr. Presidente :-Lpmbro ainda ao nobre de-
putadoi que nao est em discussao a estrada de fer-
ro de Pernambuco.
O Sr. Seraphico :Pofs bem, eu procurarci dei-
qu
de honiem sob a. 231, recommendo a V. S. que, i xar a estrada de Pernambuco
Annar'r^d^nre,t'ntft certi.fido. man1e pagar I O Sr. C. Madlre.ra :-Pde se fazer urna estra-
ao arrematanle da conservagao do lerceiro termo da barato, sendo muilo mal feila
me.r^iana SUl' a q1antia de m&93 rs' a 1ue '. a S1- Seaphico :-Agora veja V. Exc. que aes-
lun uireito, correspondente a lerceira prestago do lrada Je Pernambuco cusa 14 9820475907
X"; n,m.ra~u-se ae engenheiro en-i. O Sa. C. MADUaimu.-Mas avallada nao'vale
carregado da reparligo das obras publicas. I isso.
Dito ao conselho administrativo. Autoriso o O Sr. Seraphico :.... e com a -estrada de roda-
conselno administrativo do arsenal de guerra nes- Rem Unio e Industria despndese a quantia de
la provincia, a comprar para o culto divino da ca- perlo de 13,000:000*000, a differenca poi< de
pella da colonia militar de Pimenleiras os objectos mil e tantos contos.
constantes dala iDClusaqueparaes.se lira me Ora, na verdade parece-me que ha desproporgao
remeiteu o respectivo director com officio de 6 do e desproporgao gigantesca, comparando o dispon-
correte, sob n. 6. Fizeram-se s necessarias dio da estrada de ferro de Pernambuco com o da
comn.uu.cagoes. estrada de rodagem Unio e Industria, atienta a
uno ao promotor publico desta capital.Defe- desigualdade de Irabalhos para cada una,
rindo o requeniiii-nto do sentenciado Jos Domm- Como se p le, pois, dizer que sou contradltorio
gues aa costa, vmdo do presidio de Fernando para volando a favor daquella e contra esta Eu acho
depor no processo in.-tautado contra o sentenciado que estofa muito coherente, e que nao ha inconse-
nanoei Antonio Carneiro, recommendo Vine, quencia da minha parle
que lomado o depoimenlo do referido i osla, na Agora passo a confrontar os favores concedidos
.rfpmMai 8 91docodjf doprocesso, e de a estrada de ferro de Pernambuco com os favores
coniormiaaae com a sua informacao escripia no concedidos estrada l'niaoe Industria eento no-
vel so do mesmo reiioenmento, rouimunique es- larao os nobres depnlados a enorme d'esisualdade
la pre.-idencia, alim de fazer regressar o peticiona- que ha entre uns e oulrc
"nmt^l'l^fiM^: u Primeramente, 0 juro addicional qne o governo
Uito ao agentes da companhia Brasileira de pa- se compromelleu a pagar para garanta do capital
la estrada de_ ferro de Pernambuco, im-
juros de.....
exceder
Perlo de 19,000:0005000, essa
bagatela I
O Sa. SKRAiMitro : Nao ha tal ; e nem esta pro-
posEgao do nobre de|iutado pode ser provada. Os
juros, porm, que o estado ser obrlgado a pagar
pela companhia l'niao e Industria, andam em......
604:3.}1500l. Eu darei a explicagao : os juros,
amorlizagao, eommissao e corretagem do empres.
timo d.- Londres de 6,000:0003000. impnrtam em
2:4715000; os juros dos 2,000:000-5000, pagos
em anolices ao banqueiro Sonto, importam em....
120:0(K)3000 : os juros do 519:0003000 que o go-
verno se comprometteu a pagar, quantia corres-
pondente acs juros do dito emprestimo durante
quairo anno?, importam em cerca de 32:0005000;
os juros de 248:000-3000 que o governo passa a pa-
par aos diversos credores, importam em 17:8803;
os juros dos 200:0005000 que a companhia tomn
emprestados ao governo para fundagao da colonia
Pedro II, importam ptemenos em 12:0005000-
vem a regular o lotal em 00V:3ol5000.
V-se', pois.'quc ao passo que com a queslao Bra-
man o encargo relativo garanta do capital addi-
cional anda por cerca de 218:0005000, succede
que a respe.to da estrada Uoiao e Industria sobe
tile, a 60.1:8805000 ; nao ha, pois, compararlo.
O Sr. -oi'za Carvamio :Nao pode ha ver com-
paragao alpuma.
O Sn. Seraphico :Considerando ainda ambas
as couc. ssoes, ha oulra ililTerenga : para a estrada
de Pernambuco o governo apenas garanti os ju-
ros, mas nao se comprometteu a pagar o capital,
de modo que desde que a estrada comegar a ren-
der para o pagamento dos juros garantidos cessa-
rao os compromisos do estado ; porm relativa-
mente a estrada Unio e Industria o que acontece?
O governo se compromelle a pagar esses capiiaes,
os 6,000:0005000 de Londres e aos mais credores
e em quanlo nao os poder pagar, est obrigado aos
respectivos juros ; a differenga. portante, grande.
O Su. Solza Carvai.ho :E' enorme.
O Sn. Viriato :O argumento de V. Exc. pecca
pela base.
O Sr. Seraphico :Como? Depois a garanta
da eslrada de ferro de Pernambuco
favores s estradas do paiz.
Como ta dizendo, a garanta do capital addicio-
al, e fallo somenle do capital addicional, porque a
queslao versou sobre elle e nao sobre todo o ca-
pital garantido ; isto fallo sobre a queslao Bra-
mah propnamente ; e assim respondo ao aparte ul-
timo do nobre deputado pela Baha : esta garan-
ta, digo, sobe a 19,000:0003 daqui a 90 annos, se
por ventura a eslrada nao apresentar renda algu-
ma, se a receita nao equilibrar-se com a despeza ;
mas ja se sabe hoje que ella deixa saldo, nao digo
saldo crescido c que un ptimo indicio de pros-
pendade.
O Sr. Presidente : Permita o nobre deputa-
do que Ihe diga que est discutindo a queslao da
estrada de Pernambuco, e que isso pode renovar
questes, e porconseguinle abrir-se urna nova dis-
cussao.
O Sr. Seraphico : Eu estou confrontando os
favores fetos estrada Uniao e Industria com o
que se concedeu eslrada de Pernambuco, para
mostrar que nao ha contradicao em ter votado a
favor desta e contra aquella.
O Sn. Presidente : Mas a consequenca ser
renovarse urna discussao sobre este assumpto.
O Sn. Seraphico : Pois bem, eu obedeco a
V. Exc. ; mas nem ao menos permille que 'faga
apenas um paralello ?
J Su. Presidente : N'o quero tragar a mar-
1.836
1,78o
1,756
1,555
1,549
1,455
1,376
Eis o resultado da eleigao da comarca do Li-
moeiro.
_. Venadores.
Uaudino Correia de Mello............
ese Antonio da Silva e Mello........
rrancisco O. de Vaseoncellos Galvao...
Amaro Jos Lopes Coulinho...........
\icioriuo A. do llego Fanas..........
Benlo Jos Lopes Guimares.........
Manoel da Molla Silveira C...........
Juizes de paz de Limoeiro.
Francisco Olegario de V. Galvo.
Jos Antonio da Silva e Mello.
Amaro Jos Lopes Coulinho.
Cosme Teixeira de Carvalho.
i* dislricto de Bom Jardim
Iternardo Gomes de Moura C.
Manoel de Farias Maciel.
Feliciano Joaquim de Aguiar.
Manoel da Molla da S. Cavalcanli.
_ 2o dislricto.
Laelano Luiz Colago.
Joao Ribeiro Pessoa do Vaseoncellos.
Vicente Joaquim de Miranda.
Manoel Perrein Barbosa.
Juizes de paz deTaquirilinga.
Manoel J. de Souza Nco.
Florencio Manoel de Azevedo.
Joo Cancio do Reg Farias.
Rciiupriincnto de Jos Ant-nio Ferrao de Fgoei-
em.a,iZrmR,ber0daGam3' dizcnd0 G-
deToch n nf %?,geUC,a d0 ,rI,Unal Constante d
tSXZSSiSS*9 ''ontrato soc,al quejua-
tSSfrJ!?** ,,:i?s,a' osenGlhoJos
rara da Cosa, para que fosse lambem admitti-
lpn,rC(ra,ralos"cial em nomo conectivo
qne entra s. feeram e juntam en. original :Visia
ao Sr. desembargador fiscal.
vrPrt m'. E:P'ri'" San,- I,ara 'iue no respecti-
2"ES e declarasse sem eftVito a proenracao
tel declaou que Irazia umVquanViaTequeVqu'e- Sn5eVBraS SU? 2! a Manoel Jse
ra m,o.... a..-., a. _.....L.:- .7. ^ s. ""^'*es raga, e ouiros :i orno requerem.
uada a hora, e nada mais havendo a despachar,
, m : mente a figura anaa de Nascimento, deu lugar a
damos os nossos pe- ser insultado e talvez escarnecido por esses urba-
nos, e como justo e provavel que elle respondes-
vallo, e preso ordem rfo Sr. Dr. chefe de polica,
sendo remeltido pelo dilo cabo com o soldado Gue
des com ordem expressa de o rnetler no tronco
Chegaudo Xalegre e seu companheiro ao quar-
na entregar diante de pessoa mais considerada do
que esses urbanos.
Comparecendo no quarlel o Sr. lente Jos
Fernandes Monteiro, que embota nao esteja em
exercicio supplente de subdelegado, c o Sr. Dio-
nizio Pereira Dutra.entregou o dito Xalegre a quan-
tia de duzentos e tantos mil ris. Emo o Sr. te-
nenie Monteiro fez ver que um hornera pacifico co-
mo Xalegre, preso sem crime nao devia dormir no
tronco. Felizmente foi attendido, e a elle deve esse I
o txrn. Sr. desembargador presidente encerrou a
SESSO ODiaUUAEM 22 DE SETEMBRO
DE 1864.
presidencia do exm. sn. desembargador
A. F. PERETTI.
a ? 1*ecr,ort J*t>o Guimares.
as 11,'j horas damanhaa, o Sr. presidente abri
ml-J Chriovo Furreira d'Assumpgo.
seu
elicenle
Martima, instituida Desta oidade, e em vista do
que dispGe o paragrapho quinto do artigo 29 do
decreto n. 8711, de 19 de dezembro de 1860, rc-
solve nomear para o lugar de presidente da ines-
ma sociedade, a Joao Gomes de Oliveira.
Dita.-Os Srs. agentes da compauhia Brasileira
do paquetes, mandem dar transporte al o Para
no vapor Cruzeiro do Sul, em Inyar de r destina-
do a passageiro de e.-tado Joao Evangelista da
Silva Lopes.
Dita.Os Srs. agentes da companhia Brasileira
de paquetes, mandem dar transporte para Para-
hyba no vapor Cruzeiro do Sul, por coma do m-
Disterio da guerra, ao individuo Luiz de Barros Ja
Silva, que d'alli veio como desertor c nao foi reco-
uhecido como tal em nenhum dos corpos existentes
nesta provincia.Communicou-se ao commandante
das armas.
E\pedienle do secretarte do governo do dia 20
de seieinbro de 1861.
Officio ao Dr. Silvino Cavalcanli de Albuquer-
'.jue, director geral da mstruego publica.S. Exc.
o Sr. presdeme da provincia, manda declarar V.
Exc, que pulo seu officio desla dala lica iuteirado
de haver V. Exc. assnmd o exercicio do
cargo.
Hilo ao inspector da thesouraria de fazenda.
O Exm. Sr. presidente da provincia, manda Irans-
miltir V. S. s duas inclusas ordens do tbesouro
nacional, sob n. 121 e 130, bem como um officio
da directora geral das rendas publicas de 12 do
correte, sendo que o processo de que trata a or-
dem n. 119, deixou de acompaoha-la.
Dito ao mesmo. De ordem do Exm. Sr. presi-
dente da provincia, transmiti V. S. a inclusa
ordem do thesouro sob n. 128, e bem assim um of-
ficio da_ directora geral das rendas publicas, dala-
do de 3 do crreme.
Despachos dos dias 19 e 20 dr selenibro de 1861.
Rcquerimentos.
Tenente Antonio Villela de Castro Tavares.
Remeltido ao Sr. director interino da colonia mili-
tar de Pimenleiras, para mandar passar a cerlido u esvara ue ierro oe t'ernamhuco sera apena
que se trata. nominal d'aqui a mais alguns annos, por que ella
Antonio Malaquias de Mace-do Lima.Em vista prometi um lisongeiro futuro, urna ver. me m-r-
. mformagao ministrada pele inspector da the- i corra urna zona moilo producl va, c passa por lu-
sourana provincial, em la do crreme sob n. 408, | gares muilo povoados
ya(u-e*onPpl,C..an,e a mnl.,a a raa Smenle de : Tem-se aqu argumentado que a queslao da es-
.1,0, ,0 rs, devendo este despacho #er apresen- irada de ferro de Pernambuco importa uma doagao
uno ao predito inspector para seu conheciraento e de dezanove mil contos
nLei"tU^ nA, r, .. ,>SR.Soi:zACARVALHo".-Isso gracejo I
TnrlS?-0SC. Uar,e Cednm- _Em "s,a da 1D"' Sr- Seap'" : ... este argumento perde
T5n ?aoieni,,log,r que f^uer- mu" de S,!U valor se se allender a que essa ga-
Jos Pedro de Albuquerque Lima. Informe o \ rantia importaria em 19,(KX):0005000, se por
Pn lTrl(!i r r, ventora no espago de 90 annos, lempo do privile-
Jose!9niingues da Costa.-Expedio-se ordem a gio, o governo pagar elTectiva e integralmente to-
gem do discurso do nobre deputado porm a
nha obrigaco fazer eslas observagoes.
O Sr. Seraphico : Restringir-me-hei ques-
lao da eslrada Uniao e Industria, tocando o menos
que poder na de Pernambuco.
Quer a eslrada de rodagem offerega vaotagens,
quer nao, o governo ha de pagar sempre todo o ca-
pital garantido, islo perto 'de 9,000:000,5 ; para
a estrada de ferro de Pernambuco o governo pode-
ra apenas pagar os juros garantidos dorante pou-
cos annos, ao passo que quanto eslrada L'nio e
Industria pagar 9 a 11,000:0003; e se nao as
poder pagar, nao pode eximir-sedos juros.
Agora ha outra desproporeao : a estrada Uniao
e Industria gasten perlo de 13,000:000$ c a es-
'/"nftj ,n fl Pt'rnamlmco gastou menos de
10.000:000,3. A dlferenga espantosa, allendendo-
se adifflculdade de censtruccao e trabalhos de ca-
da una.
Mas, diz-se : se os cofres pblicos ficam onera-
ao> com a eslrada de rodagem. lambem o paiz al-
fero immensas vantagens. Pergunlo eu : essas van-
tegans eompensam o sacrificio do thesouro ? Pois
uma estrada em que se poda despender algumas
centenas de contos, e, pelo contrario, despende-
ram-se 13,000:000*, pode apresentar compensa-
gao, qualquer que sejam as vaotagens que possam
resaltar da mesma estrada f Pois a estrada Unio
e Industria oirerece vantagens em proporco a este
enorme sacrificio ? De crlo que nao.
Se por ventura neta estrada se dispendeu a
qoanlia com que se podiam construir tres ou qua-
iro distnclos iguaes, pergunlo : que servigos po-
llera ella prestar que compensem ossacrificios dos
cofres pblicos ? Nenhuns. (Apoiados).
Portante, nao son incoherente volando contra a
queslao da estrada Unio e Indusiria, tendo volado
a favor da queslao da estrada de Pernamhuco :! vaniagem
pelo contrario, incoherente- serao aquelles que! er ler elle
tendo votado contra a queslao chamada Bramab,! Pra os exercicios de fo/o ; lauto que o Exm. Sr.
vnlaram e v.darem agora a favor da queslao Uniao I presidente acabon de eslabelecer uma linha de tiro,
e industria (apoiados); esta incoherencia que determinando os lugares para tal lim. Portento a
vista destas raides e de outras muilas, nao vemos
soldado ou inspeetor. alm disso para que prendeu I Lida, foi annrovada
a ordem do Sr. Dr. chefe de polica sendo elle su- denle provaaa
ballerno immediato do subdelegado ? Dicant pa- Assignou-se o accordo
"'' j ... ,sessao entre parles :
razendo justiga ao carcter e bo.s intengoes Annellanies i',i,> r. :.. j n
dos Srs. delegado e subdelegado, acreditamos quel. nJffSSnS?^ SFE m LT^'
islo acontece por morarem elles distante desla po-! de Castro nS h.r^JTS r' 4Manoe' Leao
ttfr*ou nuu,'a sabem com cer'e- d's szx^HssiMar,a
baos, porem em oome da justiga e da humanida-, Adiado na sessao anterior.
a acta da sessao antece-
proferido na ultima
Exm.' sTDrrs^irnoCavalcanli de Albu-' dl?'.r!m.i.da',a0 Podemos deixar de Pedir"lhes | >' confirmada a senlenga appellada.
sua ntervenco.
-_------...... Appellante, Jos Baptist da'
lu a- SSS'Sl! .d?!0.^0?.:e!P.,".-:S.d.a W'lados, os curadores Oscaes
O agente Olimpio, em seu novo armazera de P0j cmrmaA* ,,., .,.':' A.
leiloes a ra do V.garo n. 10, faz hoje leilo de ^SSS^SS^iSPtk
mobihas e oulros artigos de goslo. \ |0 Jos Gomes. ra Uuarte afP
an-
Reparticao da polica. Adiado na ultima sessao
Extracto das partes do dia 22 de setembro' j/oi conlirnmi .,^n n >
de 1864. miihr sen,ten?a aPpellada, para
Foram recolhidos casa de detengo no dia 21 do Sheler-sTa lASP ^ '
lantes.
Recorrenle.
vedo Castro ; recorrida,
reliz Lembranca.
subdelegado do Recife, Eugenio
Santos, s.-tn declarago do mo-
corrente
A' ordem do
Fraucisco dos
tivo.
A' ordem do do Sanio Antonio, Mara, escrava
de J(>s Mara de Azevedo, por suspela de
fgida, e Candido .los
de ser desertor,
A' ordem do da Capuaga,
niz, para correceo.
O chefe
J. G.
Passageiros do vapor
Fernando de Xoronha :
Antonio de Souza Noa, Jss Feliciano Ma-
chado, Antonio Valerio dos Santos Xeves, Dr. Joa-
quim da Silva Gusrno, sua senhora, 2 criados h j
escravo, Alaria Leonor dos Alijos, Ilerinenegda
Xavier de Andrade e 1 lilho menor, Perpetua Ma-
ra do Sacramento, tenente Jos Rabello Padlha,
sua senhora, 7 lhos menores e 1 criada, cadete
do crdito dos appcl-
ocommendador Joo Paulino deAze-
a companhia de seguros
qperque, reassumio no dia 20 do corrente o exer-
cicio das funegoes de director geral da instruegao ..,-
publica. coroa da polica, as gloriase as vozes sao os trium- de Amorm,Fra"oso Santos a. (
- Remetiem-nos de Olinda o seguinte, pedindo phos ^ei^rae,s en?. 8ralida0 do Publico- 8 A i Adiado na sessao anteceden!, "
sua publicago :
Tendo-se organisado nesta cidade uma socie-
dade, sob o neme de Recreio Familiar Olindense,
composta de alguns officiaes do 4 batelho de ar-
lhana a p, e de alguns estudantes aqu residen-
tes, delerminou ella dar lodos os mezes uma par-
tida, reahsando a sua primeira partida no mez de
juilio passado.
Tiramos o prazer de assistir esla reunio :
e muito a apreciamos, por vermos ludo na mellior
ordem ; noiamlo se sobreludo entre as familias a
mais completa harmona; e entre os socios, o pra-
zer pela saiisfago de verem realisados os seus de-
sejos; apocar da intriga que alguom prelendeu
urdir, alira de ver baquear semellianle sociedade.
Assim, pois, conlinuou ella a dar as suas par-
tidas, divisando se cada vez mus animaco e in-
lluenea tanto da parte das pessoas que se digna*
vam assisti-las como da parle dos socios. Passado
aigiim lempo, comecou a apparecor urna noticia da
volta do 4o batalhao'para o Recife, logo que o cor-
po de guarnicao se retirasse para Tacarat.
* Ora, licamos um pouco assustados, e ao mes-
mo lempo confusos por nao podermos descubrir o
fundamento de uma sem'llianlo deliberago do
Exm. Sr. presidente. Ser esta deliberago, disse-
rnos nos, filha da necessidade, ou de alguns inte-
resses pessoaes ? Da necessidade nao
exislem anda
vista das
ra prestar
Fonseca Jnior ;
da massa fallida
ppellado, Pau-
do Bomt'un, como suspeito
Nicolao Ferrelra Mu-
da 2a seccao.
de Mesqua.
Jagnaribe, vindo de
Adiado o julgameolo requerimenlo de um dos
esiai j,rs depnlados.
Appellante Jos Francisco Pinto Guimares ;
appellado, o Dr. Gabriel Soaies Raposo da Cmara,
como administrador de sua miilher e tutor de suas
enleadas.
Foram recebidos os embargos para se annullar o
processo por falta de solemnidades legae
Appellante, Antonio Alves de Carvalno Veras ;
appellado, Joaquim Jos Ramos.
Desprezaram-se os embargos.
Appellantes, Valle Porto v C.; appellados. os
administradores da massa fallida de Joaquim Jos
Silveira.
Adiado o julgamenlo requerimenlo de ora dos
srs. depulados.
DESIGNACAO DE DIA.
Appellante, Antonio Jos Alves Souto ; appella-
dos. Silva Leo & C.
Primeiro dia til.
1
aqu
da
nao sei explicar entrelauto esle fado da-se
na casa.
Agora, Sr. presidente, passarei a outro poni :
a razao porque lenho impugnado o projeeto em
discussao, o porque supponho que nao ha no Bra-
sil companhia alguma que lenha sido mais prote-
gida, que lenha recebldo do governo mais auxilios
pecuniarios que a companhia Unio e Industria ;
todos os annos essa companhia com o seu presi-
dente vem aqui solicitar proteceo do corpo legis-
lativo. Antes de ser depralo, em Pernambuco, eu
sempre ou vi fallar nesia queslao ; cm 1862 nesta
corte diza-se mesmo : E' um escndalo a ques-
lao da companhia Uoiao e Industria, c sobretodo
os favores que se Ihe tem feilo e quer-se anda
lazerlhe desejava-se mesmo que a cmara
fosseidUolvida para que esla e oulras quesloes
nao fossem vencidas.
Admira agora, Sr. presidente, que sendo esta
assemblea composia de liberaes___
Sn. Ratisbona : E o uue lem ser liberal
1
at encon
dos prn-
todos os
ou conservador com uma queslao destas
O Sn. Su.vino Cavalcanti : Tem i
Irado agora melhores protectores.
O Su. Seraphico : ...e sendo um
cipios do partido___
O Sr. Ratisbona : O principio de
governos e cumprir os seus contratos.
O Sn. Seraphico : ... liberal ou progressis-
ta, quandu organisou-se, sendo um dos seus dog-
mas a economa___
0 Sr. Viriato : E porque nao fallou nesse
principio antes da volago da questo da estrada
de ferro de Pernambuco ?
(Continuar-se-ha.)
PERNAMBUCO.
promotora publica desta capital para o Jim que re
Alferes Joaquim Vellozo da Silveira.Informe o
br. inspector da thesouraria de fazenda.
Sociedade L'nio Beneficente Martima.Passe
portara nomeando Joao Gomes de Oliveira.
dos os juros garantidos ; mas seria preciso, para
que isto aconlecesse, que a estrada de ferro nao
apresentasse renda alguma, hvpolhese que eu con-
sidero gratuita, por que preseotemente. quasi no
REVISTA DIARIA.
Arribou hontem ao nosso porto, com agua ..ber-
ra, o bngue norueguense J?mi/i>, que iade Buenos-
Ayres para Drouthein.
Esteve hontem no lamaro a corveta ameri-
cana de guerra Wiucktmets, seguindo depois de
poucas horas de demora para o cruzeiro.
Seguio para o Rio de Janeiro pela Baha, a
crvela ingleza de guerra Alerto.
Sucumbi honlem.vctima d'uma congestao ce-
. rebral, o Sr. chefe de diviso Jos Mara Forreira,
seu comego, a receita da eslrada chega para pagar capilo do porto desla provincia, e foi hontem mes-
a despeza, e ja aerea saldo anda que pequeo. I mo sepultado no cemiterio publico, depois das hon-1
ulilidade alguma, que levo o Exm. Sr. presidente
a tomar semelhante deliberago.
Porm assim nao aconteceu ; quando nao se
jal lava mais nisto, es que chega uma ordem de-
finitiva da retirada do batalhao. Procuremos ento
indagar" coai toda a minuciosidade o motivo desta
mudanea.
Soubemos ; porm nada direatos ; o publico
ja pode estar.cenle, o cerlo que um artigo em
que iam assignados a maior parte dos habitantes
desta cidade, nao foi publicado; a razao nos asabe-
mos ; porm por ora nada tambera diremos. Des-
de entae tudo tem marchado muito bem: as eleicoes
correram plcidamente a seguranza individual I
nada tem que temer, pala se acha bastante garan- i
lida ; a polica anda sempre vigilante ; os lurtes:
ja nao apparecem, at j sedorme tranquilamente e
com as portas aberlas; alguns soldados que por
aqui exislem mui subordinados ; o commercio vai
em progresso ; as familias vivera na sania paz
einlim a Sociedade Recreio Familiar Olindense -
arada se acha organisada, e lera de dar a sua par-
tida sabbado 24 do correte.
E' esta mais uma pro va de amizade e gratito I
que dao os officiaes do 4o batalhao aos habitantes
de Olinda, sendo sto para elles uma coroa de glo-
ria, que mais cedo ou mais larde Ihe servir para
cingirem as suas froutos.
De Jaboalo nos escrevera, em 20 do cor-
rente :
E' sempre nos casos exiremos que recorremos
ao seu couceituado jornal para clamarmos s au-
toridades superiores conlra os abusos e arbitrarte-
dades que infelizmente nesta trra praticam cons-
tantemente os ltimos agentes do poder : e pois,
a benevolencia e promptido com que Vmc. nos |
teem acolhido, nos animam a recorrer mais esta
vez iraprensa, polo que alm da nossa gratido
lhes restar o prazer de haver prestado mais um
bem em prol da justiga e da humanidade oppri-
mida.
< Ha muito qae desejavaraos dar a conhecer ao
publico o esta lo de relaxamento e abandono em
que vive o destacamento de polica desla povoagao,
mas temos adiado de um dia para outro essa pu-
blicago, sempre na expectativa que elle se corrigi-
ria, ou que alguem o cohibira.
< Pouco nos importara que esses sotdades pas-
sassem os dias a tomar banhos, ou pegar passa-
rinhos ; desculpariamos lambem que elles noltc
em vez d resarem o lergo, passassem a ouvir um
ssageiros do vapor .
para os porios de norte :
Francisco Jos da Silva, Antonio dos Santos Oli-
veira, Joo Baplista Magalhes, Amonio Rodrigues
da Costa, Belliuo Duarte de Mello, Adolpho Euge-
nio Soares, Luiz Ferreira Leal, Aleixo Barbosa da
Fonseca Tinoco, Joo Mendos da Rocha, Flix Fer-
reira de Aguiar. Felinlo Olympio Freir da Cosa,
Louise Carretn e sua sobrinha.
Movmentoda casa de detencao
setembro de 1864.
Exisliam..
Knlraram..
Saturara .
Falleceu...
:io;j presos.
6 .
26 .
1
Exislem....... X)S
saber :
Xacionaes ___ 287
Mulheres...... 4
Eslrangeiros... 7
Estrangeira ... i
Escravos...... :ii
Escravas...... ."
338
Alimentados cusa dos cofres provinciaes 148
Movimento da enfermara do dia 22 de setembro
de 1864.
Falleceu :
Flix Jos de Souza ; pulmonille.
Obituario do cemiteiuo publico no da 21 dk
setembro de 1864.
Romualdo, Pernambuco, 3 mezes, Boavisla :
convulgSes.
Manoel, Pernambuco, 3 annos, Boa-vista; con-
vulgoes.
Olimpio Affjuso de Santa Anna, Baha, 20 an-
nos, solleiro, Boa-vista ; varilas.
Manoel, Pernambuco, 4 mezes, S. Jos; diarrhea.
Izabel Mara Consianlina de Oliveira, Pernam-
buco, 20 annos, casada, S. Jos ; phtbysica.
Barbara Josepha do Livramento, Pe'rnamboro,
34 annos, casada, Sanio Antonio : gangrena do
pulmo.
22 -
Mara Emerencia da Conceigo, Parahyba, 38 an-
nos, solteira, S. Jos ; hydropesla.
Manoel, escravo, Pernambuco, 3 dias, Sanio Anto-
nio ; ttano.
Flix Jos de Sonza, Pernambuco, 35 annos, casa-
do, Santo Antonio ; pulmonite..
Victorino, escravo, Pernambuco. 6 annos, S. Jos ;
febre maligna.
Ildefonso Rodrigues de Souza Cont, Pernambuco,
19 annos, Afogados ; felre perniciosa.
companheiro, que lalvez porque alguem Ihe gabou Eustaquio. PernaruWtco, 5 atas, Recife ; hervsfc
voz, armou-se de um taBo e passa todas as noi-, pella.
PASSACENS.
Appellante, Francisco Santiago Ramos; appel-
lado, Joaquim Efviro Alves da Silva.
O Sr desembargador Silva Guimares Jurou
snspeicao e passou ao Sr. desembargador Accioli
Appellante, Virginio Barbosa da Silva ; appel-
lados, Lardoso cv Souza.
Do Sr. desembargador Silva Guimares ao Sr.
desemhardor Accioli.
Appellantes, Bancone Klee & C. appellados. os
curadores fiseaes da massa fallida de Carlos Jos
> de Aslley & C, e Southall Mellors \ C.
Appellante, Boaventura da Rocha ; appellados.
a viuva Silva Antones & Filhos.
Appellantes, os curadores tiscaes da massa falli-
da de Seve, Filhos ^ C. ; appellado, Bernhard
bpiro.
Do Sr. desembargador Accioli ao Sr. desembar-
gador Res e Silva.
Appellante, J. P. Cox, gerente da casa de Ros-
Iron Itooker & C. ; appellado, Joao de S Caval-
canti de Albuquerque.
Do Sr. desembargador Accioli ao Sr. desembar-
gador Silva Guimares.
Appellantes, os administradores, da massa fallida
de Bastos & Lemos ; appellados, Bozano Irmos.
Do Sr. desembargador Reis e Silva ao Sr. desem-
bargador Silva Guimares.
Appellante, Manoel Gouvea de Souza appella-
dos, os administradores da massa fallida de Amo-
rm, Fragoso, Sanios & C.
Do Sr. desembargador Reis e Silva ao Sr. des -
emhargador Accioli.
DISTRIBClCdKS.
Appellante, Candido Moreira da Costa ; appella-
dos, rtntonio Guedes Gondim e herdeiros do tinado
Joo Francisco Fernandes e o Dr. curador geral.
AoSr. desembargador Silva Guimares.
Appellante, appellado Joo Antonio Gongal-
ves ; appellantes appellados os administradores da
massa fallida de Antonio Carneiro Pinto.
Ao Sr. desembargador Reis e Silva
Appellante, Joaquim Salvador Pessoa de Siquei-
ra Cavalcanli ; appellados, o presidente e directo-
res da caixa filial do banco do Brasil nesta ci-
dade.
Ao Sr. desembargador Accioli.
AGGRAVOS
Aggravante, Manoel Joaquim Baptist ; aggra-
do, Joao de Almeida Lima.
O Exm. Sr. presidente jurou suspeigo, e orde-
nou que se apresentasse o aggravo a quem compe-
tir sua decisao : e foi apresentado ao Sr. desem-
bargador Reis e Silva.
Aggravante, o Dr. Jos Joaquim de Souza: ag-
gravados, Joo Pinto de Leraos Jnior e Francisco
Antonio Pereira da Silva.
O Exm. Sr. presidente deu provmenlo.
Nada mais podendo iratar-se, encerrou-se a ses-
sao s horas da tarde.


9" '*"
Alarlo de perMMfcnw ln(a fe Ira 93 de *etembro de tt4.



TBIBI. .1 Ali O JCRV
o" SESSAO-DIA 19DESETEMBRO DE 186V.
ntsioBNcu ixj sR- DK- J0* Antonio n'ARAUW
niEITAS HKNRIOUKS
JUIZ DE DIREITO DA PII1MEIR A VARA CRIMINAL.
rromotor publico, o Sr Dr. Jos Paulino da
Cmara
Eicricao oSr. Joaquim Francisco de Paula Esleves
Clemente.
A' 10 horas da mantea, feita a chamada, acha-
ram-sc prsenles 10 Srs. jurados.
Foram multados em 20 cada um dos Srs. jura-
dos que Gritaran).
Cond
de
gauu u or. ji da Faculdadc de Direito, e nena submettido o pro-
cesso que se achava em seu poder, o br. miz oe
reito levantou a sesso, adiando-a para o oa se-
grate s 10 horas da mantea.
IA 20.
nUBUCNQU DO SR. DU.IIIEHM0GENF.S SCRATES TA-
VARES DK YASCONCBI.LOS, JUIZ MUNICIPAL DA PR1-
MEIIU YARA K PRIMEIKO SUBSTITUTO DA PWMEIUA
DE DlIlBITO

loceao de urna justa administraco, e como de O proseguimiento da execucao comeeou por ai* I hiendo parte dcste termo, salvo a seus consti-
. toolhoinens ludo se puna e deva esperar, nao pelieo do theor seguinte: ,_,,,,, f**1** ***** dt, hawr dos executados o sal-
possa o exequente aleancar justica do lugar, pois Dizem Joaquim Francisco de Bello tavslcante do, qno anda mes devem, e para constar taco o
na casa do mesmo juiz municipal supplento, e sua mulner, que j tendo passado em jolgado presente termo, que asslgno cora as testemunhas
careo de Quem se acha a execucao da reten- a sentenca proferida por este jquo obre os em- presentes : Domingos Jos da Costa Braga, c
Hospital Poriuguez de Beneficencia era Pernara-
buro, 20 de setembro de 1801.
Joaqutm Ferreira ilendes Guimaies,
1 secretario.
CQMMEBCIO.
t no referido engenho urna Torca, a qual nao so laiiecioo ao peso u* ni ^./yp- ur...-^i,iimrrwniiuo ,,,J" iru i.. >n u i mti ru
. apprehenda todos os escravos e animaos, como rem agora os supplicantes proceder a peuhora vahante Jnior, Domingos Jos da Costa Braga. \|) VI) R\\jlk 1)1] PH{N\unl)
. traie de evitar o incendio premeditado < de todos os bens pertencentes aos mesmos ber- Antonio Bezerra da Cunta. I V i.iii'v vu mmimwnnmwv,
Senhor como a polica nao s compete provi-' deiros em 1848, e se acbam depositados por Assim se concluio a obra da iniquldade ; assim \ U lOTt DailCO paga O \ U1UGCII
l.__i____ i ..._._ i fv-rif,,. do A. daM mam ilacfri !prm(l >m ftAiltar fia fnram ariknlil fine nc "T,"1 ul -i \i, rl'uma fortuna en- 1___.__?_ i. iw an a ______ _
denciar sobre laes crimes, como garantir a ac-1 rdem da delegacia deste termo em poder de foram expoliados os execntadoi duma fortuna sn- a raZg0 jft o ann a -0r acc0
cao da tata, or ,. mm o Mimie aue Lourenco Bezerra Mannho Falcao, sendo Um- penor atem contos de res !... l-ua a" uc "" P^"VV*
prosegu. ..
mos da execucao, snjeitando-se nao s aos das
dos escravos, como qnalquer perda e damno,
que possam judicialmente haver aos executados.
Por lano pede V. S, Illm. Si. Dr. chefe de
polica assim Ihe delira.-E. B. M.-Joaquim
Francisco de Mello Cavalcanti.
Esta pelieo muilo distante esleve da verdade,
porquanto nao exacto que os exequentes tivessem
dos bens, que, tendo
mesma occasio, derxa-
>sitados pela precipita-
; perior;
No Dim-io de honlem, dando-se noticia das elei-
foram ellas as ais
novlmcoto da alfandega
de diheito. ipntirtn fuor a nonimra o as aninridades constitu-1 Peae a V.. Illm. hr.ur.jaiz municipal eorpn;ios
Ucm* Sr- J^uim^nmco de Paula Esle-, ^rZL^SSA^S^SSSr-! E Ibes deQra sendo filado para dita penho-
.....y.qyggL^ ,7... pMiun' oue dos nranrios autos da execucao se mostra noo! ra o actual depositario dos mesmos bens pelo
.**. da au^ra, o^o W*m CoelHo \ Z^S^^^^XS^
Adiado da !Z t- Amonio Jos da Co, | ^^*| ^3^
/i lUbeiio.
cao cora que foi eita essa deligenda, ratifican- 0" d.e Ca". d.z-se-que
do-se ao mesmo lempo a penhora ferta em 1814,! desordenadas e anarchicas me se tem v.sto e que
no engenho Abreu, cujo termo consla dos autos Pmceram antes urna guerra civi! e mortfera, do
de execucao. liara o que os supplicantes voem! 1u^lu,a eleltoral- ,,,.,--
requerer V S. digne se de mandar putar o' E W*m n^ssa calculada noticia se apresenu
conveniente mandado de penhora, sendo todos 0 ."!. nr. Migue Bernardo V.eira d Am-
os bens depositados em poder de pessoa doea "m> Juz wl e delegado d al., como o ho-
a aPra.simenio Z supplicantes. Ws termos "" da violencia, corre-me desde ja o rigoroso
pede V.S..Illm. Sr.Lr.ja municipaleorphSo. ^^SSS'S^ ^ o ponha a limpo YtAamsiMiot com fazendas...
Com quanto nao saiba eu de lodos os promeno-
res da eleicao de Caruar, todava pela idea que
faco, e que devo fazer da probidade e carcter de
meu filho (permitta-se que eu o diga) devo crer
Alfandega
Rendimento do da I a 20........
tdemdo dia 21.................
Correio geral.
Pela administraco do correio desla cidade se fse
publico que em viriude da convencSo postal rete-
brada pelos gevernos brasileiro e francez, serV
i expedidas malas para a Europa no da 30 do cor-
I rente pelo vapor francez Guyennr. As cartas se-
' rao recebidas at 2 horas antes da que for marca-
da para a sabida do vapor, e os jornaes at 4 o-
ras. Administrarlo do correio de Pernambueo S-
de setembro de 1864.O administrador,
Domingos dos Passos Miranda.
-O Rvm. Sr. padre Joas Cordeiro de Macede
queira dirigir-se a mesma administraran arima
afim de receber nma carta rerommendada viuda
da provincia de-Macei.
irremataeju.
Ficou transferida a praca de venda do sitio di-
506'0291830 ^onKu no lu"ar de Apipuros, perlencente a ht-
' _!._ ranea da finada Mara Candida de Magalhiies, par*
493:4781990
14:560*940
que E. B. M.
cante.
Deferido em termos.
O advogado () Mello Caval-
Volumes entrados com fazendas...
t cora gneros...
com gneros.
70
150
------ 22G
111
274
38o
Ida no rasco do engento e safra aos ue.er.oo em leraos. ^ ^ nio cal5mia urdida
A'SIM*"*..^ PesoT?' de8elembr '^ Jor certos turbuleulos e rixosos de Caruar ou
; executdos embarga.an. no ju.zo com ^,5 mandado continuou a farca em 1858 antes smente por alguem.. .que devendo estar
_ .1 ihii"i'jI\ i\ li '1 n rtr\. 1 nnm rvirtn tilli.i rt i'iiilrl.
ram-se prsenles 37 S-il""* I iretantosem qe'sVdecidisse'os embargos penden-1
Foram multados em 2<>S cada um dos>rs- jura ^ valendo-
dos iiue fallaran!. rio da nn
Ounha, accu
tencesse a
m que se dec d sse os emnargos penaen- lu"""u."SSTE v de accordo e hirmonia rom meu lilho ao contra-
pvpnnpnie do e*rulo revoluciona-! e foi outro commensal, irmao do exequente, quem a.1- accorao e narmonia com meu um, contra
in^iaS -Doca da partrque ^ assignou o novo deposito, seudo o auto de penhora ". > fffnellC0 empre, Uw faz guerra
incu naqueiia poca, e ua pariti- "-:.. aborta, locando ato ao excesso e desvario de perfi-
arevoliaalgunshlhusdoexecutado, di-, do theor seguinui ____ ,.._. da p in^iamontP .rnprrPi.r i, PsmndidMs >>.
Descarregara no dia 23 de setembro.
Barca bremensebrimerimfarinlia de trigo.
Escuna hespanholaChurrucavnhos.
Importaeo.
Brigue hespanlnl Vigilante, entrado de Buenos-
Ayres consignado Amor.m Irnios, manifeslou o
segulnle ;
hespanhes) de charque
3,000 quintaes (hespanhes) de charque e 2o
In,.t, nto Alves oa da e 3 guerrear as t cuuros seceos; a ordem.
nsaSefor I ave-vendido como se per- ngiu a petieao que fica exarada pe4indo apeas | 1**2*J&*E252 verno, com tanto que assim tire a meu lilho a Galeota hannoverana Urna entrada do Rio
eHc "lunetafirmasocial de Ferreira, um auxilio da just.ca do lugar para se proceder a eomprimeoto to**^**^?>J?!* granda eslima, e onceiio de que eUe gosa ali ge-! Grande do Sol, consignada a Baltar & Ol.ve.ra,
a c- a terrea n S rita a ra das Flores penhora nos bens que t.nhara deixa.to de ser com- ^^J^SLVtSLIm he ex entra no ramente. Coitado! est pequeo anda : caroi- manifeslou o seguinie :
.:. .____: u__j v ^ 9400 quintaes de charque e 50 couros seceos;a
que tenho de meu lilho, i ordem.
eslou contente, como nSo sei Hiate nacional- Arroto malo, entrado do Rio
i-se as eleicoes na melhor or-1 Grande do Sul, consignado Maia & Espirit San-
ra iiiroar ^ empelos offleos dirigidos aos Exms. Srs. presi-1 to, manifeston o seguinte :
rgar, si na, e* h^mhw j^^^ITZ^A^t. n- -w j.. ~jj-. Z ,..,' 15,009 arrobas de charque, 49 ditas de graxa
desta cidade.
Procedendo-se ao sorleio, fcram recusados pelo
advogado da antora os Srs. :
Joao da Silva Parias.
Dr. Manoel Arthur de Hollanda Cvalcanti do Al-
buquerqne.
Francisco Jos Cyrillo Leai.
Francisco Antonio Peieira de Brito.
Dr. Amerieo Netto de Mendonca.
Candido Autran da Malta Albuquerque.
Francisco Antonio de Brito.
Jos Bento da Cosa.
Foram rerusados pela defeza os Srs. :
Dr. Joao Vicente da S. CosU.
Tenente-coronel Francisco de Miranda Leal i>e\e.
Capilao Francisco Raphael de Mello Reg.
Francisco Autouio C Cousseiro
Jos Mana Freir Gaineiro.
Manoel Gomes Viegas.
Dr. Horacio Valfredo Peregrino da Silva.
Luiz Amavel Dubourcq Jnior.
seuleuca.
Recife, l de novembro de 1818.-Souza.
Apresenladas a pethjao e despacho ao-delegado
de Nazarelh, despachou este o seguinie :
. Remettido ao Sr. subdelegado do 2o districto
da freguezia de Tracunhem para lhe dar a de-
vida execucao e cumprimento.
Delegacia de polica do termo de Nazarelh, 29
. de dezembro de 1848.-Lopes Lima.
Finalmente apresenlado esle despacho singular
! ao subdelegado de entiio Joao da Cunha Ferreira,
este, arvorando-se de juiz e parte, procedeu por
sua propria autoridade a penhora e apprehe.nsao
i dos bens, a qual do theor seguinte :
Termo de apprehenso. Aos 30 dias do mez
; de dezembro de 1848, ueste engenho Abreu, da
nova de n/dra c7\ T acabada 4284178 im- dente da provincia, e Dr. chefe de polica, em que 15,008 arrobas de charque, unas ae graxa
. norte linufdo de m^SSSmS^SSm diz <** ^ dito-as eleiyoes correram aqu. pa-1 em bexigas, 193 ditos de sebo em rama, 24 barril
I ^SSiJS^^S^lS lamente, sera que hoavesse a .amentar a'menorj con.MU linguas salgadas ebarr-s com ta.nhas;
vos seguinte*: Jos mole-iue, Antonio Mocambi-
occorrencia ksacradavel, porque Ludo se fez com- a ordem.
Hiate nacional Santa Amia, entrado do Araca-
Amaral. ma-
"""Wrrr::'^^=^TSmm9mTumt\Tl pa?ado pela Ici-devo por todo isto presumiT el Hiate nacional Santa Amia, entran
. ^^^ST^^SS^^hL crer, que essa nolicia agora, assim ,ao medonha e; ^Z\\ ?
. dos Santos, Cesar. crioulo, Laur.tino crwuW, cheia de horror, e vazada pelo molde dessas que MjttMgN.
a Paulo criout, Joao crioulo, Miguel crnalo, hi- i dao quas. sempre esses que leen desventura de "fc^* "
. .! .rud. nuiB, or,>., Marcelina Anela : nao ciBgirem o diadema da victoria.- \ com III arrobas e 27
Santos Evan-
seguintes
Jos Antonio Vieira de Souza.
Pedro Celestino Mindelio
Sebastiao Jos Gomes Peona Jnior.
Bernardo Luiz F. esar Loureiro.
JenuinoJos Tavares.
Francisco Antonio Pontual Jnior.
Joao Antonio da Silva Pereira.
Tenenle Joao de Siqtieira Campello.
Amonio Machado Pereira Vianna.
Luiz Pereira de Farias.
Joao Joaquim de Siqueira Varejao.
Antonio Caldas da Silva.
E prestaram t juramento dos
Foi o reo interrogado e procedeu-se a leitura do
processo. ,
O Sr. Dr. Deodore Calante, advogado da autora,
pedio a condemnacao do reo no grao mximo do
ari. 261 g 1 e i do cdigo criminal.
O Sr. Dr. Costa Ribeiro, advogado do reo, dedu-
2ndo a defeza, pedio a absolvicao do mesmo reo.
Findos os debates e preenchidas todas as solem-
nidades da le, o Sr. juiz do direito propoz os que-
sitos seguinles : ,___ ,
1. io Benlo Alves da Cruz, em dezembro de
18G0. alheou, como se pertencesse a sociedade
Ferreira A Cruz de que fazia parle o mesmo reo a
-.asa n. 37 da ra das Flores desta cidade 7
2." Essa casa era de propriedade da autora An-
tonia Mara Jesuna Borges ? .
3." O reo praticou o crime com premcdilacao,
de manera que decorresse entre o designio e a
aecao mais de 24 horas ?
i* 0 reo pralicou o crime com fraude l
:. O reo pralicou o crime coro abuso de Con-
lianca m-lle posla .
0. Existem circumstoncias alienuautes a ra\or
do ro 1 1 ...
Recolhido o jurv de sentenca a sala secreta das
conferencias s 4.1|4 horas da larde, d ah voltou
as. horas e 10', respondendo au> quesitos pela ma-
neira seguinie :
Ao srgundo Nao. por 11 votos.
Ao primeiro quesitoSim, por unanimidade.
Deixou de responder aos den.ais, por Bear
prejudicados. ., ,,
Lidas as respostes pelo presidente do jury de
sentenca o Sr. Jos Antonio Vieira de Souza.
o Sr. juiz de direito publieou sua sentenca al.sol-
vendo o reo e coudemuando a munic.pal.dade as
custas. ,
O Sr. Dr. Deodoro Calanho obtondo a palavra,
disse que appellava da deciso do jury para o su-
nremo tribunal da relacao, onde pretenda arra-,
soar; c o Sr. juiz mandou turnar por termo a ap-.
pellaeao. ,
Lev.mton a rasgan, ficahdo adiada para o da se-
guinte as 10 horas da manhaa.
arrobas de algodo, 77 caixas
riugirem o diadema da victoria.- e 27 libras de velas de carnauba,
nario^loaenVBenol, mencionados todos I Alera disto ha um tocto ou circumstancia b
O i'urv" de Tete"uca "foi "compost dos senhores i subdelegacia do 2 dstricto da freguezia de Tra-
cunhaem, lermo e comarca de Nazarelh, provin-
cia de Pernambueo, onde foi vindo o subdelega-
t do supplente em nenie do referido distnct
Juao da Cunha Ferreira, comigo eswivo do seu
cargo, adianto nomeado e assignado, e sendo
em virtude do despacho do Illm. Sr. desembarga-
< dor chefe de polica da provincia, e requerl-
ment do capitao Joaquim Francisco de Mello
Gavalcanii, e para maior seguranca dos bens, que
vio mencionados, fez dito subdelegado apprenen-
sao em todos os bens, os quaes sao os que se se-
guera : engenho Abreu, e toda sua propriedade.
machina, vasos, casa de vivenda, casa de purgar
' com furos, correnies e formas, caixoes, balcoes,
lanque de botar mel, senzala. estribara, urna ca-
sa nova de pedra e cal, nao acabada, igreja, ccr-
"^^^^^''m^iVmaii^m^mnymm^ ir**"". e cl,ei0 de sensatez, particularmente: teiras de carnauba, 441 molhos com ***
dZ "o^JZ^T^!4^SiZ! -lo he recomm-ndou-que deikse a eleicao; rtntay.I ntcnle peonas de ema, a Joso de Sa Le,-
p '-------- mau as r-ria-; urnduiidas uor ditas correr uvremente, porque o governo quena antes | too Jnior. .... __j
agetf^ffTff^ jg|ggBgSSBBSS sea jsr.ss^*assde oma *
mente existentes, cujos nemes' sao os seguin-: 8 PWicn por quakjuer violencia, ou desvio
tes: Prolo.Gargaxk), Lourenco, Silva, eFlavia,! das autoridades.
mais duas beatos de roda velhas e urna eria; de | Po bem, seja como for, vou exigir de men fi-: rica com
todos estes bens tomou conto o depositario parti- i Ibo mforraacoes minuciosas; e entao promelto qne \ rana.
cular Jos Bezerra Cavalcanle de Albuquerque, mais tarde eu ou elto, instruiremos com fidelida- 13 -.. ... ... -_, .
liara dar pnnla uanrln nr ntfp 11117.1 lhe for e- de a lOdOS de ludo une SB pasSOU, aflJ de IUe fi- I 8 molllOS COm I,OU COOnmios, cui "uu">^/ "
- I dito- i Q" desmascaradn-tonln. embuste; e aleivosia. Itos com 333 couros cora cabello, o4 saceos e
41 molhos com 1,025 esleirs de priha, l bar-
138 libras de cera amarella a Lino de
13 massos com 650 chapeos de palha ordmaTia,
dida e sujeitando-se as penas de um fiel depo:
rio; disto maudou o official coropanheiro lavrar
esle termo, que assigna com o depositario e eu
Leandro d'Annunciao Lyra o escrevi, Mari-
miao Jos Rodrigues, Jos Bezerra Caval-
i cante.
Comparada a penhora agora procedida e os bens
nella comprehendidos cora a apprehenso fetto nos
Recife, 22 de setembro de 1864.
Joi dos Amos Vieir* SAmonan.
CORRESPONDENCIAS.
cadaeosescravos seguies-.Caetano Angola, mesmos bens em 1848, v-se, que sendo naquella ^^^^SS^Ltl^wiS
ique!Joa-inim Xavier, Jos Mo- poca apprehend.dos 38 escravos, 12 be de carro, ^TSSS.L'T J* Sff u
Senhores redactores.Chegandoha poucoaomeu
s de
bel Camundongo, Mara Cambund, Cosma Ben-. 21 escravos, l bois, 16 bestas, 3 cavados, ele. {^'j
t goella, Joanna Camundongo, Maria Camundongo, j etc. C1 ,> ;
Josepha Reboh, Isidoro, Francisca Morambique,; Procedida a penhora foram os bens, assim di- ^^i,.
dia aprasado 7 do crreme, organisada a me-
a presidencia do juiz de paz Nereu de S
rera
todas as suas obras e ulencilios, escravos, bois e
bestas, cavallos, animaes miudos c assucar foram
apprehendldos a Joaquim Fiancisco Cavalcant
de Albuquerque e seus lillios para seguranca da
divida, que os mesmos devem ao exequente Joa-
quim Francisco de Mello Cavalranii como cons-
ta de ler alcancado senlenga a seu favor contra
os executodos "do tribunal superior da relacao
Jo dstricto, e logo ah appareceu Bernardo Dor-
nellas da Cunha Bandeira, a quem dito subdele-
gado notneou para depositario dos ditos bensap-
prehendidos, e elle aceitn e tomou conla dos
mesmos bens, obrigaudo-se e sujeitando-se s
leis de fiel depositario, que tica sendo, e logo o
notifique! para que nao lizesse entrega delles sera
expressa ordem dcste juizo, ou do juiza conten-
cioso do lermo, elle assim o promelleu, do que
don fe, e para constar mandou elle subdelegado
fazer este termo, que assignou com o deposita-
rle o as testemunhas Manoel Thomaz de Albu-
que Maranbo, Joao Cavaleanti Mauricio Wan-
derley,e eu Antonio Joaquim Alves de Mello, es-
erivao escrevi.Cunha Ferreira, Bernardo Dor-
nellas da Cunha Bandeira, Manoel Thomaz de
Albuquerque Maranbo, Joao Cavaleanti Mauri-
cio Wanderlcy.
Attenda o publico.
Em quanto assim se proceda a una apprehen-
so de bens j penhorados em parle por um juiz
incompetente e seni jurisdico.soccorren lo-se para
isto de
| barricas com 39 lr2 aiqueires de gomma de man
dioea; a ordem.
Barca nacional Theresa, entrada do Rio Grande
do Sul, consignada Baltar & Oliveira, manifestou
o seguinte :
13,373 arrobas de charque, 1,190 ditas de graxa
em bexigas, 95 ditas de sel em rama e 60 lages
de pedra ; a ordem.
Hiate nacional Artista, entrado do Rio Grande
do Sul, consignado a Ballholomeo Loorenco, mani-
festou e seguinte:
12,559 arrobas de charque, 237 l|2 ditas de
sebo em rama, 198 i|2 ditas de graxa em bexigas
e 70 couros seceos; a ordem.
Escuna oriental Angelito, entrada do Rio Grande
do Sul, consignada Amorim Irmaos. manifestou o
i seguinte :
9,340 arrobas de charque e oO couros vaceuns;
a ordem.
Rccebedorla de rendas Internas
seraes de Pernambueo.
Rendimento do dia I a 21........ li:?22!
dem do da 22................. 1:312J230
18:7895598
86:323*578
210*308
45:353*484
enorme quantia de
.capitao Joaquim Pedro Rodrigu>
Campello, lente Jos Rodrigues de Oliveira Lima
e Jos Carlos Vieira TeiXHTa,todos da pareialidade
do juiz de paz e seu irroao o subdelegado.
Por esta forma organisjda a mesa procedeu-se a
primeira chamada que foi concluida no dia seguin-!
te 8 pelas 6 horas da tarde, ua qual se recolneria
de 90 a 100 cdulas.
No da seguinte 9 enmparecendo eu na ma-
triz pela manhaa e algons volantes para acudi-
20:841*189
cou demonstrado, e depois de nove annos de d^F-
frucle apenas chegra o resto essa fortuna ,a
quanlia cima de rs. 66:428*778, a quantia da
execugo, que em 1845 era :
Capital............
Juros..............
Cusas.............
Total..............
Se elovava, em 1857, a
rs. 12_.8J6*.t4_. ..... ..; rem a segunda chamada, nao euconlramos a mesa
Essaextorsatinaudiu.amonme de execucao estova a eleicao
sefinal.sou com as peticSes, termo e .onta.e- com.lu.lae ^ ,0 ||oras doV-rido dia 9 o juiz
guiuies ...>___.. de paz Nereu de S e Albuquerque. acompanhado
. loaqu.m l-ranc.sco de Mello Cavekante >u ^ > ^ andeJegaduAunstode S e Albu-
. mulher veem requerer ^S**^ querqu,,amxaranaporud..|igreja matriz umedilal
. dar que o contador deste tafeo lazendo a som,a i( i. ZmenVo^altaio da eleicao
. total dos valores grane ^^fSlim dos !-" P c-llC"' ,lllas "U* *?'
. ^^/'^^J^^J^^I^ niadas com ordena de vigiar que n.nguem arran-
. levados a praca ^^'"""i0-? casse o dito editol, sem que todava constasse na-
v.nude de execucao, ^B^ quella freguez.a o resultado da votaco para verea-
. viam contra os herde.ros do Una lo Joaqu m Jj g referido Jor-
t Francisco Cavalcanle de Albuquerqup, addteio- > uttf*
nando-lhe a imp-^taneia de varas probas de ^ rurnpre.me tembem deC|arar
. assucar, que foram ^ff^XS "Pesna primeira chamada, entrara para de
posiiario romo consta do termo de pe hora, p- dia upna ^ Q d d ,j^, a
Consulado provincial.
Rendimento do dia 1 a 21......... f-STSS
Iderndodia 22................. b:b2I039
depois da audiencia do Dr. juiz municipal da i'
vara, no da 24 do corrente.
A cmara municipal desla cidade principia
no dia 23 do corrente e seguinles a sua tereeir*
sesso ordinaria deste anno.
Secretaria da cmara municipal do Recife 21 V
setembro de 1864.O secretario,
Francisco Canntoda Boaviagem.
Nao tendo apparecido licitante para a farln-
1 ra da obra das catacumbas do cemilerio publico
; da freguezia de S. Lourenco da Matta, continuara
| cm praca nos dias 23, 21 e 26 do corrente, peran-
te a cmara municipal desla cidade a mesma ubrar
oreada em 1:015* : aquellos que quizerem arre-
matar, deverao comparecer para o mesmo fira nos-
das indicados, munidos de banca idnea qne ga-
ranta a arreraatacao.
Paco da cmara municipal do Recife 21 de se
tembro de 18C4.
Luiz Francisco de Barros Rege
Presidente.
Francisco Canuto da Boaviageuv
Secretario.
Peranle a cmara municipal desla cidade es-
tarlo em praca nos dias 23, 26 e 28 do rorrete
para seren arrematadas as seguintes rendas mB'-
niclpaes :
Imposto de 80 rs. por carga de farinha
e legumes vendidos nos mercados p-
blicos............................ 2:205*000
dem de 40 rs. por p de coqueiro 3i7*000;
dem de mscales e boceteiras ..... 150*000
Aluguel da casa da Soledade........ 145*000
Os pretendentes a arrematarles da laes rendas,
comparecam no paco municipal nos das indica-
dos, munidos de flanea idnea na forma da le
sem o que nao poderlo licitar.
Todas as arrematoedes sao por um armo, excej>
to da casa da SoleJade, que ser por tres annos._
Pago da cmara municipal do Recile em sessat
| de 21 de setembro de 1864.
Luiz Francisco de Barros Rego:
Presidente.
Francisco Canuto da Boaviagem,
Secretario.
Vai a praca do Sr. Dr. juiz de orphos. An-
das tres audiencias, um terreno alagado nos fandot
da ra da Concordia, com 40 palmos de frentes
80 de fundo, pertencente aos bens dos finados loae
Manoel de Siqueira e sua ranlher.
O fiscal da freguezia de Santo Antonio desla
cidade faz .-ciento aos donos de taltos de acougee:
em tojas de sobrados e casas terreas com soio,
que o prazo de 6 mezes concedido pela poslora
addicional de 5 de abril do corrente anno, appro
vada pela assembla legislativa provincial para
remoco de laes talhos era as referidas casas, fln-
da-se"em 5 de outubro prximo vindooro. E pata*
que nao appareca ignorancia faz o presente.
Fiscalisacao da freguezia de Santo Antonio dr
Recife, 22 de setembro de 1864.
0 fiscal,
M. J. da Silva Ribeiro.
Crrelo geral.
Pela administraco do coneio desta cidade s*
faz publico, para fins convenientes, que em virto-
de do disposto no art. 138 do regulamento gera.
das correios do 21 de dezembro de 1844, e arl. t-
do decreto n. 185 de 15 de mato de 1851, se pro-
ceder o consumo das cartas existentes na admi-
nistraco. pertencentes ao mez de setembro de
1863, no dia o de outubro prximo, as 11 horas d.
manba, na porta do mesmo correio. e a respecti-
va lista se acha desde j exposto aos inteneaarfoe.
Admini.--traco do correio de Pernambueo 22 de
setembro de 1864.O administrador,
Domingos dos Passos Miranda.
56.351*445
MQYIMENTO BO PORTO.
pelo que E. R. M.Melle Cavalcanle
Nos autos deliro na forma requerida.
Nazarelh, 3 de fevereiro de 1858.Veiga Pes-
soa. i
A con procedida em virlude da petieao e des-
um grosseiro sophismaO despacho do|, sa|do ()S execU|a,i0S se aeham anda a de ver aos
chefe de polica -;. em quanto se dava por deposi-., supplicantes, ncsles
I tario desses bens a um cavalheiro de industria,! inssrno Sr Dr j
Histrico da execucao movida ron joaouhi fbah- : Sem moradia certa, sem bens de raiz, e de ouira'
cisco db mello CAVALCAKTi e siA MLi.iiKK con- qua! ;uer especie, arvorado em capitao de volunta-
:n<. JOAQU.u kii>m:isc cavalcant de ALBO- rio*; em quanto a execucao comecada em 1N45,
CERQun e seis pujos. ; como j fica dito, corra juros capilalisados contra
Em 1845. a 11 de abril, obleve Joaquim Francis- j 0s executados, todos os seus bens per.naneceram na
:o de Mello Cavaleanti e sua mulher sentenca no j poSse e dominio do exequente, que entroulogo no pacho j mencionado a seguinte :
Importancia do debito contado at 19 de dezem-
bro de 1857 e custas da quantia de 122:896*342
delta quantia abate-se todo o producto dos objectos
arrematados, qne da quantia de 66:000*000 aba-1
te-se mais o producto do assucar da quantia de
a dentro
chapas do lado liberal a que
perlenco, as quaes continuara urna votaco serrada
a favor de meos amigos e correligionarios, mas nem
esses mesmos votos foram apurados nem ao me-
nos foram taes cdulas tiradas da urna, e nem era
preciso, porque .-endo a eleicao de Mnrfbeea, beni
iihiT >mo de oulras parles, urna verdadeira farra feito
n tormos P ^ = mus ; dn,inadores da sluacao. a apuraco e
^JS'aaAaS? votaco Uveram o resullado que elles bem qui-
zeram.
Recife, 22 de setembro de 1864.
Fernando Francisco de Aguiar Montarroyo. [
pens a dita execucao, confronte a dita somma
m total com a importancia do debito dos exerula-
dos aos supplicantes, segundo a conla fui la de-
pois da arreraatacao, para que desla maueira
pos-a ficar conheida qual a quanlia, que em
tribunal da relacao, sentenca passada em julgado; usufructo delles; porquanto a apprehenso feila
contra Joaquim Francisco Cavalcant de Albuquer- j peto subdelegado, sobre ser Ilegal e arbitraria, foi
que e seus filho?.
A quantia dessa execucao era a seguinte
Pincipal............ 18:789*598
Juros.............. 26:323*578
Cusas ........... 240*308
urna farca ridicula,em que figurara o j menciona-
j do subdelegado, depositario e testemunhas, o que se
mostra toda a luz com a petieao que, aos 16 de
! jullio de 1853, dirigi o mencionado depositario ao
juiz municipal de enlo Hemeterio Jos Velloso da
i Silveira, concebida nos seguintes termos:
Illm. Sr.Diz Bernardo Dornellas 'da Cunha
Bandeira que sendo elle depositario do engenho
Abreu, sito no>te termo e freguezia de Tracu-
nhem, e de mais objectos perlencentes ao mes-
mo engenho comprehendidos no lermo de deposito
junto procedido em virtude da petco de Joa-
PUBLISACOES i PEDIDO.
Navios saludos no da 21.
Havre pela ParahybaBarca franceza S. Juo Bap-
lista, eapio Bajean, carga couros c algodo.
Entrados no dia 22.
Una de Fernando dd Noronha3 dias, vapor naci
nal Jaguanbe, de 442 toneladas, conunandante
Manoel Joaquim Lobato, equ.pagem 3o, carga
d.lTerenles gneros.
Rio-Grande du Sul28 dias, patacho nacional Sin
guiar, de 210 toneladas, capitao A. Custodio da
Cunha, equipagem 12, carga 10300 arrobas de
carne ; Amorim Irmo.
Rorande do Sul -1S dias, barca nacional The-
resa, de 287 tonelas, capilo Jos Gaspar Posta-
na, equ.pagem 12, carga 13:300 arrobas de car-
ne; a Baltar & Oliveira.
Bangor62 dias, patacho americauo llijdra, de
208 toneladas, capitao H. W Herreman, equipa-
gem 8,.carga madeira ; ordem.
Buenos-Avres31 da-, brigue norueguense Emite,
de 137 toneladas, capitao S. M. Noss, equipagem,
7, carga couros e outros gneros ; ordem. Ar-
ribou com agua aberta, seu destino Dronthein.
Sabidos no mesmo dia.
Rio-Grande do Norte Escuna diuamarqueza
tiyalm, capitao Johansen ; em lastro.
Rio de Janeiro pela Babia Vapor inglez de guer-
ra Alecto, commandanle Blake.
Acarac e porlos intermedios Vapor brasileire
Mamanguape, commandanle Manoel R. dos S.
Moura.
Observacao.
A barca brasileira Barreta, vinda do Ass, lar
Total...... 45:35:J*484
Por esta sentenca a relajan condemnando os I
appelladosapagara referida quantia, IhesuVu lam-.
bem o direito de haver dos appellanles exequentes
qualquer quantia que tivessem dado em pagamen-
to aos mesmos exequenles.
Essas quanlias adiantadas, que nao estovam li-1 < ,jUim Francisco de Mello Cavafcante, despacho
quidas, segundo julgou a relacao, chegam comtndo ao cncft e (,0|icia, e mandado do respectivo
a 28:000*000, como consta dos respectivos recibos!, delegado deste termo, como tudo se mostra da
junios aos autos, em qne correm a questao.
Entretanto fl se levando em cunta a quantia
mencionada de 28:000*000, moveu o exequente a
execucao de toda.a quanlia de 45:353*484 contado
na relacao coulra os execuladosT
Discutiam anula os executados o seu direito, np-
pondo embargos execucao, quando em 1848 o
exequente duigira ao chefe .de polica a seguinie
petieao :
Diz Joaquim Francisco de Mello Cavaleanti e
< sua mulher, que tendo movido execucao contra
Joaquim Francisco Cavaleanti de Albuquerque e
seus Ulnos pela quantia de 48:000*, que lhe de-
rpia junta, o porque o supplicante lenha passa-
do o seu domicilio e residencia para o engenho
Mangabcira de termo de Iguarass querendo ir
livre e desembarazado dotodoonuseresponsabi-
c lidade, requer V. S. Illm. Sr. Dr. juiz munici-
pal, a quem regular e justamente deve competir
t este conhecimenio e jurisdigao para que notili-
cado seja o intitulado exequenle, Joaquim Fran-
cisco de Mello Cavalcanle, residente no referido
engenho, do qual se acha empossado e de todus os
e de mais objertos indicados no deposito, afim de
t que no termo de tres dias haja de nomear novo
depositario, do qual sejam removidos todos os
Anacahulta peiloral de Keiup.
UilA SIMPLES TOSSE l'OG CHEGAR A SER MORTAL,
42s*178 fica. em favor do credor a quantia de se nao se ataihar lempo, porm evitar-se-ha com-1 go 0 pntieo e seguio para o Ro de Janeiro.
56:468*164. Contagem 1*000. | pletamento o perigo fazeud.ise uso immediato da ^ corveta americana vapor Wachussets, vinda
Nazarelh, 9 de margo de 1858 Pinto. I anacahuita peitoral de kbmp, a qual, mediante a da |||ia de Fernando, cruzando, seguio para o Cru-
Feila a cotila anda dirigi o exequenle a petieao sua benfica influencia, faz ceder raudamente a ir- zero.
seguinte : ritego dos puunoes e garganta, e reslabelece sua Fundeou no lamaro a barca ingleza Seraphina,
Diz Joaquim Francisco de Mello Cavalcanle; acgo vigorosa, recular e saudavel. Os que dizem inas na0 leve communicagao com a ierra.
que achando-se linda a execugo, que |r este qus a asthma ioeuravel muilo se enganam. Esta
juizo o Mipplicanto e sua mulher encaminharam ferlificante comiiosigao vegetal subjuga essa alllic-
contra os herdeiros do finado Joaquim Francisco tiva molestia, anda mesma quando debaixodas;
Cavalcanle d'Albuquerque tendo-se j procedido formas as mais obstinadas e aggravantes. As an-
' a contagem conveniente na mesma execugo, na ginas nunca terminar* em bronchites a tosse
qual foi dedusido da somma total o debito em em phlhysica nem a rouquido em asthma, se
que se arhavam os ditos executodos para com o.desde logo de seu principio toreui atalhados com
DEGLiElCOES.
supplicante, o qual prefazia a quantia re......
122:894*342 o importe de 66:428*178 prove-
este balsamo vegetal, suavisador e sedativo, seus
benficos elfeitos sao proinplamento notadus as
nienles dos bens, que em virlude da referida: enfermidades dos puimoes, dos vasos bronchios e j
vera ns executados, a isso proveniente da venda |;'ns especificados no termo de deposito com
que Ihes fez de um engenho denominadoAbreu, exoneragao absoluta do suiplicante. Pede V.
sito na comarca d Nazarelh, escravos, boisej, s. Illm. Sr. Dr. juiz municipal de Nazarelh se
bestas, oble ve o exequente senteiica da execugo
no tribunal da relago du dstricto contra os ex-
ecniados, e tratando de a fazer cumprir apenas
pode conseguir penhorar o engenho, safra do
canas e mais lavouras, por le em os executados
sunirahido os escravos, bois u be>las. Acontecen,
porm, que nessa poca foram chamados os ex-
crinados a exercerem cargos policiaes, e desde
ento declararam que nao entiegariam o enge-
nhu ao depositario, o que de fado realisaram,
chamando, pois, logo o< referidos escravos, bois
e bestas tirram a safra peuhorada, e de todo
nsufrnindo como se tal penhora nao eaislisse.
Era vo tentou o exequente fazer cumprir a sen-
tenga da relago, pois sendo toda a justica do
lugar connivente oesse acto sempre se iiegou a
toda e qualquer exigencia que lhe fiz a tal res-
peilo
Agora, porm, contra o exequente, que se ten-
do envolvido os executados cin urna revolia, pro-
testam de incendiar o predio e safra, exercondo
assim contra o exequente vinganca de scolera-
tos desesperados de adiar guarida as leis e pro-
sirva mandar passar mandado. E. R. M.Ber
nardo Dornellas da Cunha Bandeira.
Esia pelieo teve o seguinte despacho
Destribuida, passe mandado
Silveira- >
Cemo era de esperar a torga comecada pela poli-
ca continuou com o juiz municipal Foi com
effelo citado o exequente para nomear novo depo-
sitario, o qual foi um seu sobrinho morador em
sua coropanhia Lourengo Bezerra Marinho Fal-
cao. Assim conlinuou o exequenle no pacifico
goso e desfructe da fortuna dos executados, em
quanto a quantia da execugo amontoava juros e
creseeram esses juros capilalisados a enorme quan-
lia de 122:896*342, al que aprouve ao exequenle
proseguir na execugo em 1857, nove annos depois
de apprehenddos os bens pela polica de Nazareth,
nove annos que cuslaram a miseria aos executados,
em quanto toda a sua fortuna era estragada, e
esbanjadr. no servifp c em proveito do exe-
quente.
execugo foram levadas a praga publica por ven-
da c arrematados pelo supplicante com brenca
de V. S. e de varias arrobas d'assocar, que Ib-
ram vendidas, como consta dos autos da men-
cionada execugo, quer o supplicante, em vista
do que tem exposto, que se tome por termo a
t competente qoitagao da referida quantia de.....
66:428*178, de que j se acha pago, tirando
i cora direito salvo de haver dos executados o sal-
do de 56:4685164, que ainda se aeham a dever
ao sopplicante na mesma execugo, pelo que re-
t quer a V. S, que assim se digne deferir-He;
nesles termos pede a V. S. illustrissimo Sr. Dr.
juiz municipal e d'orphaos assim o despache.
E. R. M.O advogado Mello Cavalcanle.
> Deferido nos autos.
t Nazareth, 19 de fevereiro de 1859.-Veiga
Pessoa.
Eis o termo de quitagao :
Aos 19 dias do mez de fevereiro de 1859 nes-
ta cidade de Nazareth em meu rartorio veio o
i Dr. Joaquim Francisco de Mello Cavalcant, e
disse, que na qualidade de procurador bastante
de Joaquim Francisco de Mello Cavalcant e su
mulher, na execugo que por este juizo mova
i aos herdeiros do linado Joaquim Francisco Cai
valcante d'Albuquerque dava quagao aos ditos
herdeiros da quanlia de 66:428*17*, de que em
virtude,da referida execugo j se achavam pa-
gos; tudo na forma da peiigo retro, que fica
(*) E>se Mello Cavalcanle o hachare! Joaquim
Francisco de Mullo Cavalcanle, filho e i rocurador
da pleura.
Pde-se achar a venda em todas as blicas e to-
jas de drogas.
Hospital Portugnez de lieueli-
ceneia.
O avultade numero de prendas e objectos que a
benigndade e dedicago de bem formados coragoes
fez contribuir para a festa de candade e triumpho
da religiao que na tarde do dia 18 do corrente se
ostenlou em todo o seu primor e brilhantisino, no
leiio a que se proredeu neste po estabelecmento,
nu permillindo possihilidade de serem todos all
trocados pelo bolo da philantropia e generosidade
dosimmen-os coneorrcnles, cojo amore venerago
pelo elevad", justo e saulo lim a que destinado se
fez notavelmente sentir na porfia com qne cada um
mais e mais se esfergava por patontear; obriga a
admini-tragao deste Hospital a fazer nao s nova
exposicao de taes objectos, como de outros muitos
que a crainisso encarregada espera receber, pula
convieg" firme em que se acha de que niuiiuem se
eximir de tiartecipar do infinito bem que deve au-
ferir em retnbuigo anda da mais parca offerenda
destmada ao soccorro do indigente e ao alivio do
enfermo Essa nevaexpo.-igao, pois, tura lugar do-
iniuKO 25 do eorr-nte, pelas 4 horas da larde, no
mesmo sitio do Hospital.
Para contar-se c.nn o concurso do illustrado pu
COMPANHIA
do
ESI
TIIE\T
EMPREZA
(ERj1A\0 & COIMlir.A.
Sabbadt, 24 de seleiulr de \ 864.
Dcixa de haver neste dia espectculo por ser ;
anniversano da sentida morte de S. M. o Sr. D. P.
dro I de saudosa memoria.
hiiiui'io, 2o do corrente.
4a recita da assiguatura
Subir secna o sempre applaudido drama err.
5 actos, ornado de msica
D. CEZAR DE BAZAil
PERSONAGENS.
D. Cesar de Bazan............ Germano
D. Jos do Santarem.......... Coimbra.
O Rei Carlos II............... Lisboa.
O marque! de Montefire...... Porto.
A marqueza de dito............ D.M. Ponto-
Lazarilho .................. Guimares.
A. Marlana.................. D. Antonio*
Um "Capilo................... Pinto.
L'ra barqueiro ............... Sania Rosa.
Cmjuiz.................... Borges.
Soldados, povo, fidalgos, etc. etc.
Terminar o espectculo com a graciosa scciy
cmica pelo Sr. Guimares
fX tilO ME IMPORTO COM A VIDA AI.HEM
Comegar s 8 horas.
Acham-se em ensaios os dramas A honra di-
urna familia, o Correio de Lulo, e prepara se o roa
chinsmo do grande drama mysterioso Osmarfyrcs
da ermania.
AVISS MARTIMOS.
administraco desta coropanhia em sua
sesso de 19 do corrente resolveu por em
airemataco o chafari/. do logar da l'assa-
gemda Magdalena por lempo de 9 mezes
acontar do i* de outubro vindouro a 30de
junlio de 1865 ; os Srs. licitantes compare-
cam at o dia 24 do corrente ao meio dia
munidos de seus fiadores ou declaraco dos
mesmos, devendo ser as propostas em carta
fechadaapiesentada na mesma occasiao ou
antes no escriptorio da referida companhia
ra do Cahug n. 16, onde melor se deve-
rao esclarecer e luibrraar.
Ha/e sobre a qual se deve tancar.
Chafari/. do largo da Passagem da
. Magdalena por nove mezes
cima declarados. 300)5K)00
9 escriptuaario,
Marcelino Jos Pupe.
Arrematado.
Ficou transferida a praca de venda dos movis
e fazenda, penhorados ao finado Antonio Jo- Pe-!
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Ka^ega^So costelra a vapor.
Taman ar. Barra Grande, Ponta de Pedra? -
Camaragibe e Macei.
No dia 2i do corrente expedir;
esta companhia para os portos aci
ma o seu vapor Parahyba, eoa-
mandantc Mariins. Recebe cara-
mente at o dia 23. Encom-
mendas, passageiro c dinheiro a frete at as 3 ho-
ras do dia da saluda : escriptorio no Forte *,-
Mattos n. 1._________________________________
COMPANHIA BRASILEIKA
DE
PAQUETES A VAPOR.
E" esperado des portos do sn:'
at o da 30 do corrente o vapor
Apa, o qual depois da demora Oc
costume seguir para oe portoi-
do norte.
Desde j recebem-se passageiros e engaia-se i-
carca que o vapor poder conduiir, a qual deveri
ser embarcada no dia de sua chegada: encom-
mendas e dinheire a frete at o da da saluda as
horas, agencia ma da Cruz n. 1, escriptorio
Antonio Luiz de Oliveira Aievedo & C
ko Grande do Sul
blico de-ta ca itai, nada mais t* faz mistrr do que reir, por execucao da veneravel ordem terceira de
inrticar-lhH o objecto que reclama sua dedieacao; S. Francisco para o dia 24 do crreme, depois da O brigue Mondego, ae Primeira ciasse, recel*
m Ma sempre prompta e espontanea: peis bem, o audiencia do Dr. juiz municipal da 2' vara: os carga e segu com nreviaaoe irau-se cotn m
do bom direito do exequente, como o publico lera objecto ah tica apontado, o mais nao ser porcerlo pretendentes podeao examinar no deposito geral consignatarios Marques, Barrosa c, largo do tor-
occasio de apreciar. I desmentido. onde se effectuar a praca. I P iaV> D-
-





wJrv-

Diario de *er&aJn Wei.i rim eJ de fteiettibro Je 1S4.
C02SPAVHIA JBXASILEIHA
DE
I\QV ET ES A VAPOR-
Dos portes do norte esperado
LIVRARIA ECONMICA
Hua do Crespo n 1
maS^ioadon "1 P**0 fl1 *> &* -tonto
depois da demora do costume se-1 Obras nimiamente, rebebidas
LITTERATbRA.
Bra-
pri
puna para os portos do sul.
Desde ja reeebem-se
arga que o vapor pod
->er embarcada no d
-se passageiros e engaja-se a Historia da Fundacao do Imperio
nder condunr, a qual devera Si|eiro por J. M. Pereira da Silva
u de sua chcgada, encommen- meiro vol ^
as e dinheiro a frete al o dia da sabida as 2 ho- Calabar, histeria brasileir.da -tai*
CAS4 4 FdKttliV* I
itonio Luiz de Oliveira Azevedo A C
Rio firamle do Sul.
onal Clementina, recebe i
te trala-se Ha ra do Trapiche n. 4.
17
vol.
Theatro do Dr. Joaquim Manoel de Ma-
Barca nacional Clementina, recebe carea a fre-; Oh^A*'m*1* *T'.\a l.~JLa~ '>
traa- na ra do Trapiche i. g *& j ft-J 3*
Para o Aracaiv lulh-*?*A1.V0,k .'- : : :
pretende segnir eom murta brevidade o vclei o "fifeft ^ S* V ^ L' A' RabP"
u'ate Dous Amia/os, tem parle do seu carree meo- r ,' i n ,'
AOS I0:000.(KM)
liilhetes garantido*
i' rui d Crespa n. 23 # 6MM 4 CMtaUM
O ahaixo asignado vendeu nos seus muito Mi-
zes bilheles garantidos da lotera, que >e acbou
de extranir a hcnecio do theatro de Sania I>-
ama bel' M SWtal* premios:
3*0W N. 3301 bilhete inteiro com 10:Ott(tfOOO
N. 1785 dous quartus con 2:000#0
N. 214 um meto con 300*000
E outras rauilas de 200, 1005, 40* i i&.
O* possuidores podem vir receber sem os des-
95000 con.os dasle*na (lasada Fortnna roa de Cres-
95000 p9n. 23.
Acham-se a venda os da segunda parte da pri-
3*000 laeira lotera* a beneficio da igreja de Santa Hita-
de Cassia, que se eitrahir na tercvfeira 27 do
85000 corrente mez.
PNblleaeo lidteraria.
Sabio a luz o BfppMt intitulado
i I.IHIKI \ IH
3501)0
EIIES.
LELAO
DE
Movis, crrfstaes e
tros artigo* de gosto
50ABMAZEMDARUAD0
VIGABIO N. 10.
e\:i-l'eira 93 do corren-te
11 horas em ponto.
. 2 vol.
Historia de Napoleao, com estampas, 2
i iij vol.........
Obras poticas do M. 1. da Silva Alvaren-
ga, 2 vol......
_____ O Outono, poesas de A. F. de Castilho, I
vol.....-..
Revelares, poesas de E. A. Zaluar, i
vol.........
I Peregrinacao provincia de S. Paulo, pe-
lo mesmo, t vol......
gfff A morte moral, nevella por A. D. de Pas-
inl j cual, 3 vol.......
Agulha em palhero por Gamillo Castello
| Branco, 1 vol......
i Visao dos lempos, Aniiguidade Homrica,
Harpa de Israel, Rosa Mystca, poema,
por Theophilo Braga, 2'ediciio, 1 vol.
Cynismn Srepticismo e Crenca*, comedia-
por A. Cesar de Lacerda, i vol.
85000!
1640001
65000;
650oo;
35000:
.65000!
450001
55000
65000
65000
25000
i*reooa
Brinetes inteiros..... 121006
Meios......... 65060
Quartos........ 35600
Para as- pessoas que comprarem
de 1005 para cima.
Bilhetes........ 115606
Meios......... H
Quartos......, 25750
_^_^__________Manoel Martina Fiuza______
Precisa-sede um forneiro e dous ainassado-
res para urna nadara fora do Recife : a tratar em
Olinda com Luiz Jos Pinto da Costa.
^ww_______________________. '': & Aluga-se urna
casa em Betierih-
com J. I SI. Regn, 11a rna do TrapM-l.u n
mwmwmmmm
Como^bM klellOh de
segitroo mswMm* e ter-
restre MbrikvtetMM no
nlm destas obras receben mais, de litteratura
iSiSEZEVr, 1 ?% SiS^So liboraes Jura,", os<,uatorzeannos.-Caplvfro re-
SilSSXlSSaS P f ITa 5inad e ***$M0 -Jos beraes durante os qua-
commerco e a todos em geral, que nesta dala 19 iorze annos.-0 povocorcunda, m os vermelhos e
***^.*&-*&^J?*S*** sabios.-A si.ua53o propriamente,K.Iiica.-Ins-
VV^ulnLmt l?'rel?,IV2 ***$* W* eVdireitos polticos que tivemos
..;Sr. Jos Joa.uim Pereira, senio a linna da eatt'-J-M i,n da rPWnHa livn- o mi,- u-unlmpnte
.J cnlinuando o gyro Base estanelecimentn com (,5o nrovincias-Silnip-io . 15000 mais capitaes o actividade, espera a mesma viuva-(<, '
Affonsa de Mbuquwqne Mtlki
'-onyidain-se os assi^uantes a rnaadarera receber
seus exerepiares na praca da Independencia na. 6
e 8, queseraentregues vista dusrecibos das as-
sijinaiura ;ybi iMnbem estao eaposlos venda a
35000 cada un. Sao s.ib os seguintes ttulos as
uialcrias.de que se oocuua-:
Iiitrottucc). Nociwd liberdade.-O Brasil co-
lonia. Revoiuvac de 1817A IndependenciaA
consltulnieAconstilui^aoA revoluco- de 1821
A expulsao ou abdieagao. A regencia livre. O
parlido regresuista.Amea;a dos corcundas e que-
da dos livres. A regencia- corcunda.Causa dos
males da regencia livre.-Regencia corcunda e
nwiorrdade. Principios do reinado de D. Pedro.
RevoMa d; Minas e S. Psnjlo.-Dominio da Praia
Luzia.O dominio liberal nao inijuietava os cor-
cundas.-Keitos dd dominio liberal.-A-praiaeChi-
chorrosenatoria.A revolta e a rcveluco de
1848 a cuostituinte.-A ponfituinte.-Derrota
da revoluto. Negoca^ao de Hnoro|com os libe-
Mes : traidores. Venda da bandeira da cons-
ttuinle.- O partido liberal durante osquatorze an-
nos do chamado ostracismo.- Os corcundas
Cao tic Terra .\0r.1.
Ra-
No-
pr-io. com
as orelha^ eorladas tima cicatriz aetata do nariz:
quem tiv-r achadii m .i,-iie vnr notiria, dirja-
se ao ref.-rido silo, 011 na da Cadeia do Recie
n. oj. pi meiro :n-lar, qM sera ratilirado.
Aluga-se a casa 11. 40 di
ras : na roa da Aurora M 3#.
ra das Trinclioi-
h lo rdfiwi-R o.
mMtkS' em PiPNAMrce
Aulonio Lu d> OKveir tevedo & C,
OOMpoMnteMen^j autorisados pela direc-
toria-* eompauhia dw segnros Fidelida-
de, toma' sagirros de navios, mercado-
as e predios no sea ewriptorio ra da
Cruz n .1.
Anda est para alugar-se a boa casa
terrea n. 39 : ,i ra da l'niao.
1 Na liviana n. 6 e 8 da praca da Inde-
pendencia existe unta carta de importancia
pura o Sr. Antonio Fernandos Corredor.
i A Semina lUnstrada i|ue se publica no Rio
de Janeiro todos os domingos, asslgna-se em caa
ds J. Falque, ra do Crespo n i ; pnco da aSsig-
natura, trimestre G5, senn-stre 115, nm anuo 185-
N. B. Os assignantes da 5r;nn rS no Um desle anno um quadro com os retratos
de lodo o gabinete do Imperador e da cmara dos
depulados, offerecido pelos proprielarios do jornal.
/ en limes
S
O Dr. Rocha Bastos mttdou a sua re- 2g
sidencia para o cai-s Vinte e Dous de Jo- 5
vembron. 7, porr invado Buhardos Arcos, wk
Ainda est para ser vendido o sitio da ira-
vessa do Remedio na regtiuzm dos Al'ogados 0.
21 : qot-m o pictender .-Hienda se cora o seu pro-
prietario na ra de S. Francisco, subrado n. 10,
como qn-m vai para a ra Bella.
Precisa-se fallar ao Sr. Anlonio Jos
Teixeira de Mondonga Bctem : nesla typo-
graphia, ou na livraria ns. G e 8 da praca da
Independencia.
Bernardo Alves Pinheiro, querendo retirar-se
desta provincia, roga quem possiif objeclos em-
i pi'iihailos at o Rm do anno de 1862, na ra larga
do Rosario ns. 17 e 19. junto aoquartel, o favor de
os rnsgalar no praso de 30dias, a contar de boje.
Reeife 14 de setembro de 1864.
Por ordem do prndente ila sociedade
Recreativa Corybantina sio couvilados
lodus us seus respectivos meuibros para
a sessao geral de luje as 7 horas da
uoite. 0 l- secretario,
Manoel de Souza Galvao.
as
OLYMPIO
-. que sao nella os Portuguezes. Como o coser-
franceza, portugueza e brasileira, as quaes-^nd ^VntuZT^ ** "C tSSlt f rrmr T1" faZer"'e
a precos muito razoaveis ,i, cucm-u mo orpnae. !--en pre maior mal.-Como se multiplica e se paga
------------------------------------------------------------. Precisase de nm rapaz de 15 a 16 annos, on | a clientella do governo para sustentar-se o mpc-
UoitliiraK. 'de um homem de 30 a 40 annos : a tratar na na rio coren nda. -O'procnsul.-O procnsul da co-
Acaba de ehegttr loja da Primavera, ra da da Concordia, casa n.- 38, das 3 horas cm diante. Imarca. Dos cargos, dos crimes e da punigao.A
Cadeia do Recife n. 21, um completo sortimento Aluga-se urna casa abarracada na povoacao Just'ca.-Juizs munieipaes.-Juizes de direilo.-
llVm^J" l"la;.pa"J,.a.(!r?s.'.?sp.elh?s.'.fJ?- I ^ Monleiro, e contigua ao sobrad > que foi do Sr. lr^l!lnac's;-(^^da!LRla\'0?!rTrib.uriaei d,) Cnm"
autorisado por diversas pessoas de sua amisade
-venderemleilao publico urna mesa elstica para' assim como cordao'e borotas para "o mesmo m, ^atr^tedltoT*lS^M"qarttre^^
*ll o^-isori-: I otiuro:i v<>'lT..lln Clie Mino sp vondp m\r harii/i nmoA *r_r_ _..'.. .__ j_
40 pessoas. 1 guarda vestido de raiz de amarello,
1 piano fraaeez de armario, 1 espclho grande. 1
RNIIa do Jacaranda moderna com lampos de pe-
Jra niarmore, 1 toilet de mogno, 1 dilo de jaca-
rauda. I rica secretaria de mogno, 1 cama fran-
3eza. l cadeiras brancas francezas, diversos rc-
logios de aigitmira e parede. copos para agua, can-
iieiros gaz, berros para enancas, commodas e
yurros minios artigos que estarlo patentes na ves-
pera e illa do leilo. No armazem da ru t do Vi-
cario n. fO.
^ue ludo se vende por barato pre$o.
MISOS ESS0S.
\
m
O deposito de gaz que existe na ra do Vigario
n 6, acha-se transiendo para a ra da Cruz n. 35,
, onde contina a vender o superior gaz americano
relinado a 400 rs a garrafa, e a 105 a lata de cin-
co gal oes.
I Precisa-se alugar ii'unia das ras
Vova, de Imperailor ou to Gre feriudo-se esta ullim ), una loj\ vas-
la, clara ede, 3 i portas; dirigir-sel
ra do Crespo n. -4, loja de Sr. Fal-
que.
fra, estribara, quartos para escravos, e sahida
para o rio : quem a pretender, dirjase a rita es-
trella do Rosario n. 28.
Precisa-se de urna ama para' cozinhar para
casa de familia de duas pessoas, preferindo-se es-
crava : na ra de Apollo n. 19, segundo andar.
Ama
Precisa-se de urna ama para comprar c cozinhar
em casa de pouca familia, e fazer mais algum ser-
vico : a tratar na rna da Imperalriz n. 82, loja.
"piulas vij7iiT.iT:
DO
'O diminuto preco de "t$ porque se assig-
.a o nosso Diario, deve ser pago dentro
de l.'i dias, do comeco do trimestre, ou a
$# depois desta poca, devendo aquellesde
nossos assi|,'nanles a (juem nao agradaren)
tstas ciiiidiroes, avisar em lempo para Ihes
ser suspensa a remessa, e assim poupa-
reoi-nos conteslacSes continuadas sobre os
pagamentos, e identldade dos nossos cobra-
dores, cuino ntuitcs allegam. A apresenta-
.io de recibo por nos rubricados, deve ser-
vir aos assignanles de documento compro-
batorio a idcritidade dos cobradores que
sao diversos, alim de poderem conseguir
enconlrar os nossos assignantes as horas
agas de suas oceupacoes.
0_ advocado Innoccncio Seraphico d
Assis Carvalho acha-se de novo no ejer-
cicio de sua prolissao, pode ser procura-
do das 10 1|2 horas da manhaa al s 3
da tarde, na ra do Imperador n. 50,
primeiro andar, c para negocio urgente
a qualquer hora do dia.
Aluga-se o segundo andar e sotao do sobra-
do da na do Aragao n. 1: a tratar na ra da Ca-
deia do Recife n. 62, prrneiro andar.
andares da
a tratar no
Alugamse o segundo e terceiro
casa da ra da Cadeia do Recife n. 4 :
armazem da mesma.
Na praca da Independencia, loja de ourives
n. 33, compram-se obras de ouro, prata e pedras
faz qualquer obra de en-
mercio. Supremo Tribunal de Jusiica.O jury.
Os advgados.Conclusao.- Garanta dos retios.
A moral publica.Dos crimes.As eleicoes.
Corollaro te obra saquarenia. 0 que a pa-
tria. Siluaco para cun o exterior. Siluacao
linanceira.As Dncas do estado.-A miseria*
Perigo e salvamento dos corcundas.A liga.
Como se congregam os elementos para ella. Con-
sideracoes retrospectivas. A comtituinte. Prepa-
ros antecedentes. Concihacao e opposigao parla-
mentar. Monta a liga.O que sao os liberaes na
ligaQue bem farao os liberaes ao paiz.O pro-
gresso.Seus fertos.O que o progresso e que
tara.Como se deve viver nesta larra echegada
i ao progresso.Porque o progresso so vem com-
pletar mesas desgracas e sem mais remedio.Se
; ha salvarao para nos"qual seria o meto e bem fa-
icil. -Resumo. -A's cinco provincias pernambnca-
i as. Histrico e poltica corcunda. D que pro-
vm a miseria. Como se corrompe na eleieao.A
restribas da liberdade apar do progresso dimmo-
ralidade.-Corollaro.
Vire-consuladn dr. Ilcspaiiha.
Havcndo fallecido u sobdito hespanhol Benlo
iTerece- Anlonm '"outinho, sao convidados todos os seus
deredores e credores a apresentarem oeste vice-
mos ao publico preenebem estas consulado w respectivos ttulos para proceder-se
condices ; pois pdem ser lo-1 a liquidajao d .seu espolio
Riadas pelas pessoas mais Iracas
DENTISTA DE PARS
19Rna Nota-19
Frederico Gautier, cirurgiao dentista,
faz todas as operagoes de sua arte, e col-
loca denles arlifieiaes, tudo com superio-
ridade e perfecao, que as pessoas enten-
didas lhe reconhecem.
Tem agua e pos dentificio.
l'recita-.-e de una cu>tureira qu:* cosa
de alfaiate : na ra da Viracao, casa n. 39.
O baeharel
bem
m
1
i
Francisco Aupsto da Cosa
Anvonvoo
Ra do Imperador numero 09.
iwfaiiea.
Mximo Jos de Andrade, participa a todos os
Pego emprestadas ou compro as cartas de St'"s freguezes que. transferio sua ofHctna de cal-
Pitia Damao, por Fr. Joaquim .lo Amor Divino S*"0 ,,,J uet'l',) l, Abren para a ra da Cruz n. 41,
Caneca, e o Astro da Lustania, peridico de Lis- e'l'"iia da ngoea.
boa.Antonio Joaquim de Mello.
Precisa-se de urna criada livre ou escrava
que saiba cozinhar e eiigommar : na ra das Cruz
a. 42, primeiro andar.
m?<
m
O Dr. Carolino Francisco de Lima San-
DR. AYER.
Nao ha necessidade mais ge-
ral em todos os paizes do que a
de um purgnnle que seja ao
mesmo lempo innocente, ellicaz
e digno-de 'oda a confianca.
As pi lulas que ora o
4SPH4LT0
sem perigo algum, nao tendo em
sua composico mercurio nem
1 ..- < asphaltista Cocino de Almeida pode ser pro-
outro ingredienle nocivo a san-, rurado ;i ,ravessa do Carmo n. 10, toja, das 9 as
de, mas sendo composto de a- 112 horas do dia, para os misteres de sna arto.
gentes vegetaes mili fortes, sao bastante '- O alixo assignad^Tea^do com D. Joauna
elucientes i\ activas para purificar os Corpus! Hara da Rocha, declara ao publico que pessoa .-li-
mis robustos. guia faca negocio com a mesma senhora ou o seu
Estas pillas exploram e parificara toda'en,lad,> *$iw SaWl0 "" nw An-
m
m
m
u. 12 unto a botica do Sr. Pinto.
Aos 10:00u|000.
Terca-feira 27 do corrente mez, se ex-! Precisa-se de um caizeiro qoe tenha pralica
iMliir.'i a segunda parte da primeira lotera JJfJS "'' ,1'"' ,iador a sna condneU : no
[09') a beneficio da igrt-ja de Santa Rita v
.\a rna da Roda n. G conlinua-se a m
preciosas, assim como se
comraenda, e iodo e qualquer concert.
------=-----------------i-----!---------------!^_-------'.__- i ii-.' i- tomo, mulato, Joanna, africana, Ignacia, criouia, e
- 0ITerecc-5e um rapaz llegado ha poucos dias a extensan do canal alimenticio, e dao vigor Maoeb, muloo, que foram .onduzidos Por Felip-
para criad) de qualquer casa : qnem necessitar, a todas as partes do organismo, corrigindo ne e Francisco da Rocha, do enirtnho Cachoeira
, loja de calcado SUa acc30 viciada 0 fazendo recuperar sua Orande para a cidade de Caruaru', aonde seacha
vitalidade tamtiera I). Joanna em casa de sen lilho mez e
it. ... .4;,, : .. i i meio. pnuro mais ou menos, e protesta bave-lo-. ou-
Um remedio inestimavel contra dor de de esiiverem : os mes.nos escravos seacha.u hy.
pateo da Rlbera n. 1. cabera nervosa, euxaqtteca, pristi do ven- pomecados :-o lenente-eoronel Camboim.
- tre, hi'inoi/huillas, molestias do /if/ado, fe-;
e lodas as molestias
Miyiiol liavmundo de Lima Rrilo.
JeSta Cidade, no consistorio da igreja de|com'^^f^aj^be^"jg,J^^"',^i bre geutro-hepatca, e todas as molestias Precisa-sede urna ama para lodo y servio
i Ireguezia de j qner encommenda por preco razoavel: na mesma biliosas que tecm sua orijjem to entorpec- na trar''s^:t '" Marisco n. 7, primeiro andar.
Quem quizer urna ama de leile, dirija-se a
ra Augusta u. 108.
los, contina a residir na ra do Impe
rador n. 17,2 andar, onde pode ser pro-
curado a qualquer hora (lo diae da Bolle S
para o exercicio de sua proQsso de me- /^
dico ; sendo que os chamados, depois de ^
meto dia at V huras da larde, devem ser ;?
deixados por escriptn. O referido Dr. "S
nao abandonando nunca o estado das j(
molestias do interior, prosegue, rom o *
maior alBnco, no das mais dilliceis e deli-
cadas operacoes. como sejam dos rgaos ?Ef
ouiinarios, dos olnos, parls, etc. $>
i'* \
Antonio Luiz de Oliveira Aze-
cedo Alenlo do Banco l'nio do Porto.
Competentemente autorisados sacam por todo
os paquetes sobre o mesmo Banco para o Porto s
Lisboa, o pan as segnintes agencias.
Londres sobre IJauh o London.
m mmm
0 Dr. Bocha Bastos |
pode ser procurado das 7 huras da manhaa
ao ineiu illa, e das.'! horas da tarde
em drante no
gCacs 5J*<8 dr Sfovembro a. 30.S
(ron cima no mi.iivit dos arcos.)
De meiu dia as ."{ horas da larde
.V. 9 Hua da Caiiz X. 9.
Cura radical e em poneos dias as mo-
lestias syphihtii-as c as do appareliio ge-5S
nito-urinario. ^
Precisa-se de dou.> hoiuens que eutendaia do
servico de copeiro : na ra d i Aurora n. M.

m
m
m
ATTENQO.
Santi Anlonio.
Os bilhetes, meios e quartos acham-se
venda na respectiva thesouraria ra do'
Crespo n. 15.
casa aluga-se a casa lerrca'da na Imperial mime- ment
ro 270.
Antonio Joaquim de Mello advoga no civel e
; crime, e perante os jurados ; e gratuitamente aos
Os premios de 10:000;>000 at a0jDOo|Kaa" JaSrffi^ "" l%t daS 8 ^
rgerlo pagos urna hora depois da extraceo; ra ""' i g i'" j' rT"**T"*
Us i horas da tarde, e os outros no dia^eStl (la oeilllOl'a JiSCl-M.
no
iegninte depois da distribuico das listas.
Servindo de thesoureiro,
Jos Rodrigues de Souza.
0 cirurgiao Leal mudou
a sua residencia da ra do
Queimado para a ra das
Cruzas sobrado n. 36, pri-
meiro andar, por cima do
armazem Progressista, aon-
de o acharao como sempre
prompto a qualquer hora pa-
ra o exercicio de sua pro-
ssao, chamado por escripta.
O eser.iv > Jo-, prel > cri-.-uto, de i1) annosj
iiio. corpo regular, heicos grossos e estufados,
.: -Ilus pequeas, cachaco grosso, pouca barba
urque tem apenas na pona do qtieixo, que se lem
innunciado por este jornal eomo fgido desde 2;i
Je julho prximo passado, consta que alguem o
tem acoulade, se assim seu senhor protesta ha-
ver dias de servie., e tentar aceao judicial, contra
pi.ira a tanto se lem atrevido, e para maior escla-
:tcimento das autoridades e capitaes de campo.
-.mi senhor declara que esse eseravo foi comprado
i Francisco Antonio Thenorio de Alhuquerque (co-
Ahecido por Cbied) morador em Goianua, que ven-
leu-o como procurador de Joan Rarbosa Cordei-
rn morador em Jangadeira sitio Ca--ito Alegre no
mesmo terreno de Goianna; ausenlou-se oito dias
I ipois de comprado, levando apenas no corpo
las caigas urna branca e outra de castor escuro
do liseras, sem camisa, paleto! preto, e com urna
trapuja encarnada na cabega, seauio para a re-
.'rida cidade de Goianna em procura da casa de
una amazia que all tem. all foi visto at o dia
n que conslou ao tal Tlienorio (Chic) que olTe-
receu-se para agarra-lo, mas infelizmente nao foi
mais visto depois desse dia, constando entilo que
algoem o con iuzio para Tunhauba ou Cruan-
: |uem porra agarra-lo ou der noficia certa
Jetle a seu senhor na ra Direita n. 5\ da cidade
lo Recife, ser generosamente recompensado.
do ligado que cansa a escassez da
bilis na nllainmaca desle orgao que pro-
tluz deiramamento da bilis no estomago ou
em un desarranjo geral dos orgSos diges-
tivos.
A ictericia
produzida pela absornc3o da bilis no
sima Senhora da Esca-; sangue, dando pclle e aos olhos urna
Pars
Hamlmrgo
Barcellona
Madrid
Cdiz
Sevilha
Valencia
Amarantes.
Arcos de Val de
Vez.
Aveiro.
! Barcellos.
i Rastos.
' Deja.
familia : na ra da Paz n. 42.
Precisa-se de urna ama para casa e dodejn Draga.
I Braganca.
-----------------; Faro.
; Oliveira d'Aze-
da Barra, ro-1 mi,\s
por seus ttmM.
*8Mi-|amarellenta nao e
Os devotos da
da, que se aclia collocada na Conceicao
tares, fazem scienles ao respeitavel publico, que ai a."""c".<:"1" l'd" u :
sua testa lera lugar no domingo 2o do crreme, Si, poiein conduz aos
com aquella pompa de que digna tito miligrosa
Imagem ; sendo pelo programma seguinte :
Ao imanbeeer do dia 2o pelas quatro horas ser
elevado o estandarte da miraculosa Imagem con-
duzda por um choro do virgens da igreja i hasle,
entoandohymnos em huma e louvor Sanlissima
Senhora aeompanhadns pela muisica marcial dos
menores do arsenal de guerra, depois do que as ,.../,,
onze horas desse dia entrara a festa de Sacramen-'
Sant-Clalr
das ilhas ou os desterrados na ilha
I manee digno de ser lido pelas senhora
i lances interessanles postos em execugao por urna
cor i senhora,:{ vulumes em brochara a 2S : na livra-
Smente dolotosa [ior! na ns. ti e 8 da praca da lndependoncia.________
mais serios solTiime-n
Frederic S. liallin & C.
Joan Cabe \ Pilho.
Francisco Uahoba i\ lialli^ta.
t Jaime Meric.
i Crdito commercial.
Gonzalo Segoria.
M. Perera Y. Hijos.
Em Portugal.
Aliara Terceira.
Caminha.
Casiello Branco.
Chaves.
Tendo fallecido no da 17 do corrente Joaquim
Baptista da Silva, tutor dos menores Francisco a
Feliciana, avi-a-.-e a quem quer que for que nao
feca negocio aliiiim cun Antonio Gomes de Moura,
pal dos ditos menores, com casa na na do Cala-
liuucu n. 22, e parte de ontra na na de Santa Bita
n. M, peilenrentes aos ditos orpliitos, visto ter de
ser substituido o dito tutor por nomcaeo do Dr.
iiiz dos orphaos : e para que ninguem se chame
a ignorancia faz-se n presenil! annuncio, protestan-
do contra qualquer negocio clln pelo pai dos dito
menores, pois nada de i po-sue o dito Gomes de
Moura.
Rumana Maria dos Prazeres Baptista.
Tavira.
Villa do
C timbra.
Covilhaa.
Elvas.
Extremos.
Evora.
Fafe.
I'iiihal.
Porto-a legre.
Thtunar.
Villa N'ova
'orlimao.
do
Figueira.
(Inania.
Giiimaraes
I.agoa.
Lagos.
Lamegu.
Leiria.
Moncao.
Moncorva.
Regoa.
Se'.ibal.
V'ianna do
leilu.
Villa Real.
Madeira.
S. Miguel.
Precisa-se alugar una prcla qu suba cozi-
nhar e engemmar, c um preto que se preste a car-
regar agua e fazi-r compras na ra : na ru i larga
do Rosario n. 28, segondo andar.
Precisa-se de quatro Irabalhadores, sendo um
para tomar coma da masseira : na ra Ao Rangel
numero 9.
f'oziiilwiro
Alngase um moleqnc eozinheiro, excellenle co-
peiro, muito fiel e obediente : qnem o pretender.
dirija-se a ra Nova, toja u. 7.
Precisa-se de urna ama para cozinhar : n:i
ra do Imperador n. IS.
Cas-
tos.
Para cura-la toma-se de 1 ; pillas to-
das as manhaas, isto bastante para mover
o venire smente al que se recupere a ac-
eao saa do systema.
Mal do if/ado, febre gastro-hepatica,
biliosa, indii/esto, a vcvraUjia
lo exposto, orando o muito ilustrado eeonhecido *" C douleureux, sao todas molestias que
padre mestrePr. Joaquim do Divino Espirito San- tem sen comeco n'um desarranjo da Mis
m;1^aSnuyhTli,'-imprii'-,-hFinda ? ***** A obsenaro los duelos da bilis faz esta
mu>ica do nono batalhao de hnha executara di- ..!.. __ ,
versas pegas e tarde pelas quatro horas estar xolver ,a0 "06, COin que Circula d pois
em frente a igreja e ahi far o mesmo em honra e cm t0t' corpo e causa estragos desas-
louvor a Mi de Dos. Assete horas danoiteter trosos saude e produz urna serie innu-
lugar o Te-Dewm sendo o orador o muilo digno I meravel 'e males
padre mestre Mello, que por mais de urna vez tem '
sido admirado por todos que o ouvem.
Terminado esse acto ser arreado o estandarte as pilmas do Dr. Ayer.
da Senhora com a mesma ceremonia com que foi
Todos estes incommodos sao curados com
Cund!
Villa Real de Vizeu.
Aluga-se nina loja rm lugar muito proprioj S. Antonio. Paial.
para negocio : a tratar na typographia do padre! So imperio.
Lenws, defronte do convento de S. Francisco. Babia. Maranhao.
Precisa-se de (004 sob hvpoiheca em um es- ft,, ,lll ,1,% l:1""lru- p"a; .
Qualquer souuiia a prazo oua vista.podendologO
os saques a prazo seren descoulados no mesmo
Banco a razao de 4 por cento ao anno : a tratar
na rna da Cruz n. 1.
oSiitlil.
cravo : na ra das Trincheiras n. 48.
Precisa-se de um menino de 10 II annos
para caixeiro de lalterna, prefere-se que seja do
maloe que tenha pessoa i|ue seencarregue de sua
conduela : quem preto der dirjase a ra de Joao
Fernandes Vieira n. fi4.
0Sr. Joao Fumino Freir de Remedo tem
urna carta nesta typographia.
%tt
'Il
& >
4
t
O I
de Arito,
pra.a da
pode ser
m
m
jgij
caetanu Xavier Pereira
contina a residir na
Boa-Vista n. 22, -ando
procurado qualquer
hora do dia, uu da noile, para os
misteres dft sua prortsso de me-
dico.
Contina a fazer a sua especia-
Udade em partos,
elevado.
Os devotos desojando que a Senhora da Escada
seja o mais breve enllocada em sua capella para a
i|ual tanto concorreram os Rxms. Srs. depulados
d*assembla provincial de 18ti:i, concedendo urna
lotera para esse lim, sendo em grande parte tam-
bem devido ao E\m- Sr. presidente actual que do-
tado de espirito religioso e dedicado a mesma Ima-
gem, tito promptamente a mandou correr, tem de-
terminado ueste dia depois da festa, que seja bota-
da a pedra na capella para nella ser collocada a
mesma Senhora, cojo acto ser eito com alguma
solemnidade ; sendo que a msica da sociedade
Commercial, se pregar para maior brilhantismo
a titear da meia noule s cinco horas da manhaa.
Na noite de segunda feira haver um pequeo,
pon-m agradavel fugi. de artilicio.
Rogam a todos os devotos que se dignem com-
parecer nesses dias alim de assistirem esse acto
adiv... misericordia nos tenKis de nossas af- ffi%l^$ $** "" ^ l*5B^
da ra Nova o obsequio
Direcces minuciosas acompanham cada
frasco.
Vende-se na pharmacia franceza de Mau-
rer 4 C, ra Nova n. 18.
AGENCIA CENTRAL
15 lina Direita 15
Rio i<;.i ivciito.
Vende-se em Pernambuco:
na pharmacia franceza de
P. MAURER i C.
____________RA NOVA N. 18.__________
Precisarse de urna preta escrava que saiba
cosinh:-.r : na ra do Queimado n. 16, loja.
Aluga-se ou vende-se a olariiTdos CoelhoTri.
i, onde estove o Sr. Manoel Serra, o caes passa na
frente, rica em muito bom local para qnem quizer
edificar, ou mesmo
A
O ahaixo assignado, procurador do Sr. Dr. Fran-
cisco Joao Carneiro da Cunha, faz sciente ao res-
peitavel publico e a qnem possa interessar, que os
aiinuncios continuados do Sr. Marcelino Jos Lo-
pes nen 11 n m embaraeo |ie na venda do engenho
d'Agua ; puis esta hypolhect lao fallada pelo Sr.
Marcelino da qnaniia de 2:l92jl349, de urna le-
tra do ultimo pagamento que linha de fazer o mes-
i mo Dr. Francisco Joao a esie senhor, vencida em
i julho de 1861. Em quanto aos legados compete
, ao comprador saber se o engenho po lera ou nao
\ ser vendido, e nao ao Sr. Marcelino, que nada tem
com este negocio.
____________Antonio da Rocha Accinly Lins.
Precisa-se alngar nina ama para o servico
interno e externo de. una casa de pequea fami-
lia : a tratar era Fra de Portas, ra dos Guira-
ra|ies n. 18, sobrado de um andar.
Precisa-se de um eozinheiro para urna casa
estraugeira de puuea familia, prefere-se captiva
mmW
Us&Mmum isaosao^c
etiques .tobre Portugal.
O abaixo assignado, autorizado pelo a
Banco Mercantil Portuense. e na ausencia H
do Sr. Joaquim da Silva Castro, saca ef-g
feclivamenle por todos os paquetes sobre tgi
as pracas de Lisboa e Porto, e mais luga- fl
res do reino, por qualquer somma vis- 1
ta, e a praso ; podendo, os que tomarem ig-
saques a praso.receberem avista, no mes- jj|8
mo Banco, descontando 4 0|0 ao anno: na S
loja de chapos da ra do Crespo n. 0, ou re
na ra do Imperador n. 63, segundo ao- 1
dar-Jos Joaquim da Costa Mala.
Molos da ra Xova.
Joao da Bocha e Silva esta aut irisado a contra-
lar a venda* do dominio directo dos solos em que
estiio edificadas as casas da rna N'ova desta cida-
de, qne pertencem ao casal do fallecido Dr. Jos
Raymuiido da Costa Menezcs : na rna do Queima-
do n. 3:i A, loja da Esperanza.
Gralifica-se com .>} a pessoa que apanhou um
papagaio que voou da jamba do sobrado da ru.i
larga do Rosario n. 31, e os fundns d para a ra
do Queimado, o papagaio manso e lem urna a?a
mais curia do que a outra : ser gratificado com
a qi,aniia cima quem o levar dita ra.
Jos Ferreir Estrella, subdito portuguez, re-
tira-se para fra da pr ivincia.
De ordem da mesa reg' Ion da irman la) <
de N. S. do Rom Parto, erecta na Igreja de S. Jos
de Hiba-mar, fago sciente a todos os devotos de
tilo milagrosa imagem, qne
ravel Soberana deixa de
a festa da nossa ado-
ser feta no da 2-> do
corrente pela falta de meios, e lica transferida para
o dia 23 de outubro vindonro. Consistorio dair-
mandade de N. S. do Bom Parto 22 de setembro de
18G4.-0 secretario,
i Domingos Francisco Doraes.
.Holei|iie.
Precisa-se alugar um moleque de 14 a 16 anoos
de idade: na rna do Queimado n. 20.
Joao Ferreira da Silva, subdito portuguez,
retira-so para fura da provincia.
Lava-se e engomma-se por prego muito cora-
modo : na ra da Lapa, sobrado 11. 6*.
COMPRAS.
ncao
Peden) aos moradores
de illminarem as frentes
de suas casas.
quando queira o seu proprietario, podendo fazer a
plantaran que lhe convier e desfructala durante o
tempo que 00 mesmo sitio estiver por consent-
ment do seu proprietario, ou pessoa por elle au-
torisada, nao poiiendo quando sahir do mesmo si-
! to por sua vonlade ou despedido por seu propre-
1 Uno ou por saa autorisacao, pedir o menor paga-
. ment por quabpier planta*,o qne deixar, ou por
qualquer trabadlo que o tenha feito, ou mesmo
- Declaro que desta data em danto lira sem l(Mmo P3. de ,er es"a. no ,nS," ** : ',uem
'If-itotoda e qualquer pmenracin passada pelo' P* **" o V*** diri)a-e ao sobrado da ra de
.b..iw assignado ao Dr. Joaquim Francisco de Mi- js- Francisco n. 10, com documento, provando a
oda, e previno aos inqelinos das minhas casas i stra a C0l"lucla-____________________
las ras do Mondego n. 21 e do Vigario n. 29 que| m parda qne nao o moito moga, com pra-
' t*aguem os ahigueis ao abaixo assignado ou (: tica de servico de ama, s offerece para caa de
j^ssoa^ por elle autorizada. Recife 22 de s'tembroj homem soiteiro ou de pouca familia : na rm jo
Je I86CJos Joiquim Pereira. Senhor B-^m Jess das Crioulas n- 36. 1
Mora D-se para residir em um sitio perto desta cida-
de. sem a menor paga, a urna pessoa de pouca fa-
milia, e que d conhecimento de sua boa conduc-
ta, com a condicao de tratar dos arvoredos que
existera no mesmo sitio, concortar as cercas do
asme, o dando coota de todos os objeclos que lhe S TelBcara'oTrfiaXMod'go com solidos re-
foreln entregues ao entrar para o mesmo s.t.o, f ,os ,|il>t!rces uem *
.4 Menino
Os herdeiros do fallecido Feliciano Augusto do
Vasconcellos, vendem a casa e sitio que lica no
ngulo do norte formado pelas ras da Trempc e
Mondego na Boa-Vista n. 24, o qual alm de bas-
tantemente plantado de arvores fructferas como
laranjas de umbigo, selecta, sapots, .apotas, fruc-
ta-pan e outras arvores diversas, possue terrenos
proprios para ediflcacoes particularee, achandose
forjados alicerces : quem pretender dirija-se
a Hypolito Carvalho da Vasconcellos Albuquerqne
Maranhao que possue a planta da mesma pro-
priedade.
Acha-se no prelo o Io numero do
ZME
peridico serio c grave. ______
Pelo consulado de Portugal sao ch-
mados os credores do finado subdito portu-
guez Joo Biptisia da Rocii, a virem rece-
ber o que Ihes toca e.n rateio na lirjuida-
co do seu espolio,
Precisa se de urna ama para cozinhar e en-
oommar : na ra tjn Iran'raiJiJr n. 50, torceiro
andar.
Contina a precisar-se de urna enhora de ida-
de e de bous rustmnes, que achandose desvalida,
'trataVn'a r'ua'da Cruz doRecTfe n." 38," armazem'. Qie'" recolher-se a urna casa de familia para fa-
1 .. ^,-----r~r~.^------:-----=-::------- !zer companhia e tratar de alguns meninos, dando-
- Obacharel Joao Francisco leixe.ra mudou o se.me cafna emesa e urna graliticaeo nvusal que
seu escrlptono de advogacia para ama doQuei- |setrjtar servindo estas condices. pode dirigir-
Compra-se ouro e prata em obras velhas
daga-se bem: na luja de Mneles da praca da lude
pendencia n. 22. _^^
Gompra-se cobre v<
mero 78.
lio : na ra doBrum a-
mado 11. 29, onde pode ser prpenrado das 9
da manhaa as :| da tarde.
horas
,\m;\(;,o
Albino Baptista da Roch,a, Portuguez, relojoeiro
e dourador, tem a honra de participar ao respeira-
vel publico desta cidade, on mesmo rom especla-
lidade aos seos amigos, qne se acha com loja de
relojoeiro e donrador, toma qualquer concert por
preco rommodo, e responsabilisa-so peto seu tra-
ba Iho.
Compra-se efectivamente
ouro e prata em obras velhas pagndose bem :
na ra larga do Rosario n. 24, loja de ourives.
Conrpm-se
urna escrava que seja sadia e bonita figura, quo
se a casan. 28 da na dos Guararapes, sobrado. cozinhe e engnmme : a tratar na na da Cadeia
ir. do Recite u. 00, primeiro andar.
do
A negocio de seu nteresse deseja-se fallar
com os Srs. Theotonio Lopes Pereira c J aqmm
Jos da Pooseca na ra da Cruz n. 1.
iiga-se urro boa caa' e sitio 110 Monleiro,
tendo 3 salas, 6 quartos, cozlnba e stao coin 3
quarto-, enlribaria, cocheira, casa para pretos; ca- j
cimba com bomba, tanque, jaMm e militas a'rvo-!
res de fiuetu, bnheirh, hanho de choque, sondo a
fientepera o largo d igreja 6 n fundo para n rio ;
a tr.it >r na ra de Apollo n. 1, seaiindu andar. <
bathadores para a re-
Rta n. 53.
0 0 bd >-C3 0 pj
=^ p- p-,
0 i1 0
e~ 00 p-
t Zu 3
0 O 8 f*
1 3 5 i*
i 2. 9
53 p-
P~ D ft
co i
00 <3L p-
* 5
3 & a

O
O
p
p-
c
Sb
p-
nr
-1
cr
&
a;
p-
o
a
I
P-
9
i--
so
I
20
ce
p.
el
<

Compra-se a obra
bispo Montes, 3* edicao
de ThcoJogiu Moral
quem tiver annuncic.
mum
Compram-se garrafas vasias : na ra do Impe-
rador n. 57, armazem Allianca.________
Compra-se ama, arreca com sen ^.lyCn
para cavallo, e em bom astado : na ra nova de
8anta Rita, ribeira do puixc, aruiazem n. 19.
! buti'
l'njcisa'se do dous tr
ln:v"io d ra n>.va;de Sainta
Gai irire.
Precisa.ee de um moco para caixeiro de urna
luja de fazendas fra da cidade : na ra da Cadeia
numero 35.
Permutase por um siti* que tenha bastantes
I proporces para plantaco nerto da praca um so -
' brado de 2 andares cora sotao a 2 frente em una
das m -Inores ras do bairro de Santo Antonio, o
qual rende annualmente 1-.300A ; a tratar com o
Sgnnte de leildes Olympio n,o .irraazem da ra dq
Vigario n. 10.
Compram-se
ra Direita n, 73.
garrafas
j;>
vasias: na
JURXAEtt.DO (^)MMERCIO.
Na ra do Queimado n. 29 compram-se os e-
gnintes nmeros do Jornal do Comtmrao do cor-
rente anno : n. 1 do I de. Janeiro sopplememo
ao n. 22 de 22 do mesmo mez, snpplemento ao n.
40 de 9 defevereiro ; n. 41 de 10 do fevereiro e
supplemcnto ao mesmo numero ; n. 42 de 11 do
fevereiro e seu supplRmento; 11. 4o di* iii dn fe-
vereiro e seu supplemeuto ; n. 48 de. 18de leve -
reiro e seu suppl ment; 11. 58 de 28 de Jjver i-
ro ; supplempnto ao n. 62 de 3 de marco, stqiple-
mentoaon. 64de 5 de margo; 0. 60 de 6 d.-> mar-
0 o n. 81 de 22 de mareo ; suppiemento ao o. 9
e 9 de abril.
ILEGVEL



'






h
S
i
41-
"]'
m~



' ';_
Diarlo de reraanfeact Hcxta lelra t3 de Setembre 4c l &4.
< ompram-se
duas oscravas que sejain ainda mogas, sai-
bam engomoiar com perfeico, eosinhe e la-
vem roupa de varrela: quem as liver c qui-
zer vender dirija-se ruado Imperador n.
38, segundo andar.
YENDAS.
Vende-se a taberna do berce do Pocinbo es-
quina da Concordia n. 33, muito afreguezada para
a ierra e tem tambem urna porcao de cavernas de
barcassa e canoas grandes e pequeas, por o dono
se retirar.
VENDE SE
Albuns superiores para re- RIVAL SEM SEGUNDO
tratos.
fA Aguia Maaoea sempre dis|wsta bem servir
agradar a sua boa reguecia, mandou vir e acaba
de receber um bello sortimento de albuns de supe-
rior encadernaeo e aparado gosto, com especiali-
dade os de capa de rsarum com lavores, outros
guarnecidos de tartaruga com (rangas de prata,
outros marebetados de madreperola com trancas
de prata deurada, outros ae velludo etc. etc. Pa'ra
O sitio de Santo Amaro que foi do finado Ma-
noel Francisco da Silva ruin caes cm toda frente,
casa de tijolo com snffieienles commodos, nm vi-
veiro e arvores fructferas : na ra Augusta nu-
mero 43. >-,< na v-*v______ O Vigilante est alerta, nao Iheera permittido
~''t'4W& '?stflifc'4'' *Tfc t *&< deixar passar desapercebido sem queuaodsseo
1 seu canto, alim de annunciar ao rc^itavel publi-
lmenlo de galanteras do melhor
en cao
DE
Fazendas.
retratos: na roa do Queimado, loja d'Aguia Bran-
aa d. 8.
Carteiras e bolsas para
viagem.
Na loja d'Aguia Branca, ra do Queimado n. 8,
/ V/a. i o llnvi i/in nnnM seU cmwU mm .e an"un:,ai" ,ao *l pnpii- vendem-se carteiras com crrelas para traze-las
VI fHW liqUlllllCfW 3R co o grande soriimento de llanteras do melhor tiracolo, e bolsas de tapete, ludo para viagen?
ag gusto propriamente para qualquer mimo, que ac- tS i* 1
ba de chegar neste ultimo paquete, assim como i CHUmanaS lIlfflGZaS.
m muitos outros objectos que recebe por diversos na- A Aguia Brancil) conhecendo a bem merecida
H V'?<1 i d.t Sua co^ta (:omo de con?,Sna?10 que estima que os apreciadores do boin dio s perfu-
5SS es,a resol}'ido vendpr Por PreS* m|J"o b&rMs raarias ingieza?, por isso mandou vir o esplendido
gtf para vender muito e ganhar pouco, e dar extracao sortimenlo que acaba de receber, e os acreditados
* o grande deposito que tem que espera merecer a nomes dos bem conhecidos fabricantes J. Gosuell
proteccao do respeilavel publico empregando para c, Napoleao Price & C. sao bastantes para co
isso todas e as melhoros diligencias para que fi-
quetn satisfeitos; isto s no Gallo Vigilante, ra do
Crespo n. 7.
Ricos porta-joias.
Cofre de multo gosto por
Cestinhas transparentes fornidas de ma
dreperola por
Ra do Queimado o. 49, esta vendendo muito
boas fazendas e muito baratas, quem quizer podera
vir ver ou mandar paca experimentar, assim como
sejam :
Golbnbas muito finas para senhora a 500 rs.
Ditas e punhos de fusio muito bonitas a 640.
Cartas de allinete de caneca chata c lodos os ta-
manhos a 80 rs.
Resmas do papel de peso muito bom a 25.
-' Capachos redondos e compridos a 500 rs.
quem tem gosto e dMherro, nm a bum assim per-; CaXas com superiores obreias de colla e de massi
feto e sem duvida o mais apropnado para nelle a 40 rs
se depositar os retratos de charos pais, bons pa- Cordio raneo grosse que tem mulla applk-ai-o a
reutes e amigos. Em quanto, porm, esses albuns vara a 20 r
se tornam notaveis por sua perfeico e bom gosto, Uahas de carriteis garante-se 150 jardas a 40 rs.
outros receidos m mesma occasiao, se tornam re- CartSes de linha Pedro V com 200 jardas a 40 rs.
S Trda S fe'- tominodldadt P^eSOS a vista Grosas de pennas de ac muito linas a 500 rs.
| da boa obra. Assim po.s o pretndeme sera ser- Varas de franja de Ha para vestid. a 40 rs,
vido conforme odinhelroque quizer disjwr para'nitas de irania branca larra nara Militas a4fiOr
esse Um, achando .sortimento. para 24,. 50, CO e 801 X delSSoed"puSa 120 :!S 500 rs
ESPLENDIDO ARMAZEM DE MOLHADOS
LIANC

DE
Paulo Ferreira da Silva & Companhia
57 RA DO IMPERADOR
Grandes reformas de presos
5?
XoPasseio Publico n. 11.
U dono deste antigo eslabelecimento
recebeu um completo sortimento de fa-
zendas e est resolvido a vender por
menos do que em outra qualquer parte.
S no Passcio Publico n. 11.
Chitas estreilas hxas a 200, 220, 240 e
260 o corado, dita larga a 320, 360, 400
e 440, ditas para robera larga a 500 rs.,
dita estreita a 320.
.\o Passeio Publico n. 11.
m

165000
Ricos cortes de vestidos de cambraia Lmdas jardineiras.
a 45, chales de merino liso a 45o00, di- Wt K|C0S cfres ma c
"it to estampado a 1&, dito bordado a
65500, madapolo fino com 20 varas a 3<
3K 03, 75800 e 65800, algodftozinho largo >SS
2 coro 4 palmos de largura a \>&. >j
S no Passeio Publico n. II. ^
'JS Cambraia lisa om 8 l|2 varas a 45, 0t
jk dita a 4S50O, dita a 75, dita a 85 mus- Jp
A selina branca a 560 o covado, brini par- S
do a 720 a vara, assim Bunio outras fa- J
zendas que s vista; tambero se dfio |S
as amostras di'ixando penbor, a loja esta ^S
aberta at s 8 doras. >*!
camapheu.
Lindas caixinhas com pedras brancas.
Lindo balito com calungas dentro, tam-
bem para joias.
Tambalier para ditas.
Cestinhas dilas.
Cosmorama ditas.
Urnazinhas.
S no Vigilante, ma do Crespo n. 7.
Ricos porta bouquetes de diversos gostos
qos ; s no Vigilante, ra do Crespo u. 7.
Ricos sintos
com bolcinhas ao lado, a 105, 125 e 155, ditos -''!n
nhecer-se a superioridade deltas. Consiste esse
bello e variado sortimento cm pequeas quantida-
des de differentes e agradaveis extractos de pri-
meira qualidade em frascos de diversos tamaitos
e formas, fazendo-se notaveis entre elles os que
vem em uuia carleira de tres, com os quaes por
185000 sua elegancia e bondade se faz nm bello presente ;
105000 assim como outros frascos comunas essencias con-
IO50OO centradas, outros com excel lentes leos para ca-
IO5OOO bellos, e outros finalmente coro agua de Lavander
sublimada ; ebem assim finos sabenetes em paco-
tes e caixinhas com tres, bonitas e delicadas al-
mofadinhas com pastilhas em p, as quaes deitan-
do-se nos guarda-vestidos, commodas, etc., nem s
deixam toda a roupa cheirosa, como al'ugentam
baratas, tracas, etc., etc. Em quanto, porcm, a
commodidade dos precos j nao entra em duvida.
urna vez que o pretndeme compareca munido de
dinheiro e disposto a fazer gasto na loja d'Aguia
Branca, ra do Queimado n. 8.
165000
115000
65000
65000
I5OOO
e pre-
\mmMM Mi&& "Mi.^\m^MW< bolea porm do mesmo gosto, a 25500, 35, 35500
Vende-se urna escrava crioula, fula, de boa I 45000.
Ogiva, com alguina hahilidade, grvida de pouco R'ca fivellas avulsas para sinto, o melhor que se
terapo, propna para casa de familia por ser do pode encontrar, a 15500, 25, 25500 e 35 o par:
sertio : a tratar na ra Direita n. 106. s no Vigilante, ra do Crespo o. 7.
- Vende-se a casa da CapnogaTruToa Venta- ,. Cabazes 0.1 cestinhas.
ra n. 1, a qual tem commodos para familia o para Al'' 'Ik c'iegaram as desojadas cestinhas ou ca-
estabelecimentn : a tratar na Madre de Dos, ar- DMe? p?ra(nleoP"!iCafre? g?. b"S ,na,s .nca
mazem de Ribero & Draga, ero liquidacao, ou eom P'!ve a 2o00, 3*500, &.,$, 7fi o 105; so no
Jos Joaqulm t)ias Fernande?, que est"antorisado! v,8,,antei r"a ,l0 Crespn. 7.
a fazer a referida venda.
Clll DcU'oIli'illk'iltO Esjhiii
OSO
11 Jluuilo S; ii'iuiico niiaiiiiiiumenlc o approva.
-:---. i'Sr*2-*"w"
A (ouiposifao \uaealniNa
1 Voral de hr P*2 S
1 II ;. di muito toro em Tiimpici) 1. o se ira 11 ha >. ".i;i de
TISCA PULMONAR,
CTA&uSO, biiii,
rm>r
TSSE CONVULSA,
C!}'0 OU GAUBOTILKO, o
Iufiamiaa9G8d da Garganta e do Ptito,
-' 111 res dtnilo ilo !:'..-. t venladei-
!; nina
- ', "
MI
!ll] '.. ...
ram :. ;: : r.- > '..1 o'l lUMilci
arvore 1 que 1 liuni-lo An< i.
Si i I1CUI1I l':l !:> M.'\ ...
A C'ompojicao Anacahuil a Pcito-
ral do Kenin mu X.< /,H-ii,:-,iittci-
liiinciil i'it! :..i m:ii .-. iii}>..~i.- <> Je
todos "s litis l'eitoracs .: Expectorantes nta-
uufactnrailos de frncto^ astringentes, cascas
-. 1....) mismo no <">ntcm neiiliiim
.;.(/ /'.(.. ou outros uiiaesuiief ingre-
dientes vencm .
Todas as molestias caffccc.oes da garganta
ilos puliuca dcsapparcecm copio .or um
:
iiin in-anivcl e irrosirtivel remedio.
A venda as boticas de Caors & Barboza,
ra da Cruz, e Joo da C. Bravo & C, ru
da Madre de Dos.
Pentes.
Neste artigo tem um grande sortimento, tanto
1 para alizar como para atar cabello, os mais lindos
i que se pode desejar. assim como de arrejacar ca-
uello, tanto de borracha como de tartaruga com en-
I feites e sem elle para menina; s no Vigilante, ra
; do Crespo n. 7.
Peales
I tamberochegaram os nquissiroos pentes de concha
: de tartaruga e de massa lina, que se vende por 25,
35 e 55; s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Leqttes.
Riquissimos loques de madieperola tanto para
1 senhoras como para meninas, pelo barato prero
de 125 e 145; s no Vigilante, rita do Crespo
; 11. 7.
Mais loques
com pequeo defeito, leques de sndalo com pe-
queo deleito por barato prero de 5 e 105, chi-
nezes muito bonitos tambero," pelo barato prego de
45 e 5, bentarallos muito bonitos, tambero por ba-
rato preco de 45 e 55, loques de diario tambem
por 45, tudo isto para acabar, perdendo-se tai-
vez t?0 por cento; so 110 Vigilante, ra do Crespo
. n. 7.
Piilseiras.
Lindas pulseiras de con tas e de missanga, cores
i muito lindas e de muito gosto a 15 c 15200.
Para segurar manguitos.
Tambem chegaram as liguinlias estreitinhas de
borracha que as senhoras tanto precisan para se-
gurar mangados por ser muito commodo e muito
barato, a 320 o par; s no Vigilante, ra do 'jies-
. po n. 7.
Caetas.
Riquissimas canelas de madrepcrola proprias
; para qualquer presente, pelo baralissimo preco de
15500 e 25.
Sapatinhns f tatas de seda.
Riquissimos sanatinhos de seda ede merino en-
feitados, assim como mei.t>zinhas de seda, gorrazi-
itlias e louquinhas para as cnancinhas se bapliza-
rein; .-.'i no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Voltinlias.
Lindas voltinhas de perolas falsas com cruzinhas
fingindo brilhantes, assim como cruzinhas avulsas
e voltinhas, pelo barato preco de 15 e 15200, as
cruzes avuls asa i00 rs.; s no Vigilante, ra do
Crespo n. 7.
Gallinas.
Riquissimas golinhas e manguitos, o melhor gos-
topossivel, a 25. 25500 o 35; s no Vigilante,
! ra do Crespo 11. 7.
K11IVi1.es para seuliura.
Riquissimos el) le tes eom lago" e sem laca e de
outros muitos gostos a 15, 15500 c 35 "- hi no Vi-
1 guante, ra do Crespo n. 7.
Trancelins.
Lindos trancelins de cabello para relogifl 011 lu-
netas, pelo baralissimo preco de 15500, ditos de
1 retroz a 200 rs.
Ilabailinhns eiilrenieins.
Riquissimos babadinhos entremeios eom lindos
desenhos tapados
Balas grandes e caretas de
borracha.
Excellentes brinquedos para criancas : vendem-
se a 500 rs. cada um : na ra do Queimado. loja
d'Aguia Branca n. 8.
Fspelhos cdm molduras pretas
e domadas.
A Aguia Branca, na ra do Queimado n. 8, re-
cebeu um bom sortimento de espelhos de dill'eren-

Tinteiros de vidro com tinta a 160 rs.
Ditos de barro com superior tinta a 100 n.
Grosas de botoes de louca prateados a 160 e a du-
zia a 20 rs.
Tesouras para costura a 80, 200, 400 e 500 rs.
Escovas para limpar denles, superiores a 200 rs.
Libra de la para bordar da melhor qualidade a
65*00-
Caixas de phosphoros de seguranea a 160.
Caixas e pacotes de papel amizade superior a 600
ris.
Caixas com 100 cnvelopcs muito finos a 800 rs.
Quadernos de papel pequeo azulado a 20 rs.
Carriteis de linha Alexandre com 200 jardas a
100 rs.
Baralhos para voltarelea 240e mais tinosa 300rs.
Meiadasde linha l'rouxa para bordar a 20 rs.
Pares de sapatcs de tranca de todos os lmannos
a 15500.
Grosas de botoes de madrepcrola muito finos a 560
res.
Cartas e caixas de clcheles de superiores quati-
dades a 40 rs.
Massos de grampos superiores e limpos a 30 rs.
Grosas de palitos de gaz a 25200.
Libras de areia preta da melhor qualidade a 120
ris.
Caixas redondas para rap e tem muito bonitos ca
lungas a 100 rs.___________
" NOVA
liquidco de fazendas de todas as fina-
lidades Ra lja e arniazein da Arara,
fii.-i da 'mperatriz n. 56, <>e Lnu n-
eo Pereira lleudes (ainwes.
Aienoio que se val principiar.
Vende-se pegas de panno de Ifnbo para lences,
toalhas e seronlas, rom 13 1/2 varas por 5500 ;
brim liso por 500, 560,640 rs. a vara : na rita da ,
Imperatriz loja da Arara n. 56, de .Mondes Guima-; ,(ieme ''dnu'Z e doLlSboa rclinado eill gar-
raes.
A Arara vende soulcmbarque a 10?? e 12-5.
Vende-se soutembarques de laazinhas enfeitados
5 a O por rento menos do preco que se vende em outra qual
quer parte.
Gneros especialmente
pata esse fim.
grande a vantagem para todas
metilo.
Os propietarios garanlem todos os gneros saludos do seu i muito acreditado
armazem.
escolhidos por um dos socios que na Europa se acho
as pessoas que compraren) neste cstabeleoi-
AO VI *I,I< O,
Nao nos servimos de exordios como constantemente estamos vendo em annun-
ctos deste genero, pots sao palavriados de estamos certos nenhuma attencao j merecem do publico, o nosso fim, pois, simples-
mente fazer ver que o veoladeiro e principal inteiesse de lodos est na tabella dos or-
eos que passamos a mencionar, e para a qual pedimos toda a altencSo.
Yiuho verde.
Cbegou o muito desejado vinho do Carlaxo vende-se nicamente neste armazem
a bou rs. a garrafa e 3o,ooo rs, a ancora com 7o garrafa?.
de diversas cures a
Amendoas confeitadas
G4o rs. a libra,
dem de casca dura a 24o rs. a libra,
dem de casca mole a 32o rs. a libra.
Ameixas francezas em caixinhas eom lindas
estampas a l,2oo e -l,5oo rs.
dem em frascos de vidro a 1,2oo rs.
dem em frascos grandes a 2,aoo rs.
dem em latas de 1 l% libra a I.ioors.
Arroz do Maranhao e da India o mellior que
lia tiesta genero de 8o a loo rs. a libra,
e de 2,5oo a 2,8oo rs. a arroba.
Azeite doce de Lisboa a 6oo rs. a garrafa, e
4,8oo rs. a caada.
-------------- i-----s----------- -
Papel inglezm
Imperatriz n. 56, loja da
a 105 e 125, ditos pretos de grosdenaple lino
a 205,225 e 255 ; capas pretas ricamente enftita-
, das a 255 e 305; camisiuhas para senhoras a 25
tes lmannos com molduras pretas e douradas, e e 35 ; golirrhas 240, 320 e 500 rs. ; manguitos a
os esta vendendo por precos commodos. 50o rs. o 15 : na ra da Imper
Arara.
Coi les de chita a 2-> 00.
A Aguia Branca, na ra do Queimado n. 8 re- Vndese cortes de chitas coro 10 covados a
ceben; um novo sortimento de papel ingles liso e 25400, ditas franeeza a 35200 ; ditos de cambraia
pau ado, almaco, de peso, e pequeo, vmdo deste de sa|,,jcos a 250OO a peca, dita fina a 35500, 45
tambero roni be.ras douradas. e ^. M rna da ^,^4,. 56; |oja da Arara! Qe
rjiueitesinvisiveis i""*"8**?* ,. ,
Ruupa teila barata.
Vende-se palitols preto de panno a 165, I'<5
125, 10 e 85, ditos de alpaka a 35 e 45, ditos de
Ibrim branco a 25500, 3-3, 35500: calcas de brim a
'reparos para flores.
A Aguia Rranca, na ra do Queimado n. 8, rece- j
beu no vos enfeites invisiveis, os quaes pela finura!
do tecido e bom gosto tem merecido tanta estima
A Aguia Branca, na ra do Queimado n. 8, re-
ceben uovos preparos para flores, sendo papel de
cores para rosas, dito verde para folhas, folhas de na rua da. Imperatriz n. 56, loja da Ai ara.
,5 e 255OO, ditas brancas a 35 e 35500 ; palitols
de casemira de cores tinos a 105, 85 65, e 55 ;
seroulas a 25 ; camisas brancas a 25, 25500 e 35:
panno e velludo, caixas de trigo, ditas de uvas
brancas e rxas, e como sempr conlinuam a ser
vendidos por precos commodos.
Colarinhos econmicos a 6!0 a liuzia.
Vndese colarinhos econmicos muito bem fi i-
i tos a 640 a duzia : na rua da Imperatriz n. 50, lo-
ja da Arara.
A'ende-se bramante de puro linlio a 2,3500 e
25800 a vara, tendo 10 a 12 ramos brim branco para calca a 15200, 15400 e 15600 a
vara, dito pardo a 640, 800 rs., 15 e 15200 : na
rua da Imperatriz n. 56, loja da Arara.
Vendem-se baldes americanos os melhorcs que
rafas brancas a 9oo rs. a garrafa, o 10,000
rs. a duzia.
Alfazema muito nova e limpa a 32o rs. a li-
bra.
Azeitonas muito novas a 2,000 rs. a anco-
rla.
Alpista limpo a i'to rs. a libra, e 4,oo rs.
a arroba.
Bolachinbas de Lisboa da fabrica do beato
Amonio de diversas qualidades em latas
de 6 o de 3 libras, a 3,ooo o I,5oo rs. a
lata e 64o rs. a libra,
dem ingleza em latas de 2 e 4 libras das
melnores marcas a 1,3oo e 2,2oo rs. a
lata.
Banha de porco refinada a loo rs. a libra e
em barril a 30o rs.
Batatas em gigos de 30 libras a 1,000 rs.
Champagne das melbores marcas a 2o,ooo
rs. o gigo, I,8oo rs. a garrafa, o 9oo rs.
as meias garrafas.
Cha uxim o melhor possivel a 2,Too rs. a
libra,
dem pe ola qualidade especial a 2,7oo rs.
a libra.
Idemhysson o melhor que lia ueste genero
a 2,ooo, 2,4ooe 2.6oo rs. a libra.
i e transparentes, pelo baralissimo
i preco de 15200, 15500, 25 e 35 i s no Vigilante,
Veinlcm-si' alonlas vao-as linnilas e muito \ rua do Crespo n. 7.
boas de leite : para ver, no sitio do Sr. capillo Al- i ('.ascarrilhas.
Duquerqup, e para tratar, na rua do Encantamento: Grande sortimento de eascarrilhas de diversas
n- 1^- lirimeiroandar._______________ : larguras, assim como galaozinho e traneinhas pro-
Vendem-se 3 lindos moleques, 2 bonitas'mo- ',rias l'Ar:i afeites: s no Vigilante, rua do Gres-
leras, 2 escravus para todo o servico: na travessa P u- '
Filas.
Grande sortimento de litas de diversas larguras
(e qualidades, por precos que admiram aos com-
1 pradores, havendo litas largas proprias para cin-
i teiros que se pone vender a 300 rs. a vara, e peca
de 0 varas a 25; so no Vigilante, rua do Crespo
lo Garmo n. I.
4TTBMA0.
1 lieniioRi a fariiiha loada
A liordo o hiate nacional ous limaos ancora-
do defronte do trapiche baro do Livramento, ven-
de-se esta superior farinha lavada ainda nao vista
neste mercado pelo barato prego de 35 o aiqueire
ou 65 o -acpn sendo esle preco granel, e tambem
na rua da Madi e de lieos ns. 5 e 9.
Atteuc
.ao.
Vende-se urna negrinha muito bonita, eom 10
annos de idade : na rua do Livraroento ns. 38 e
38 A.
A lie cao aticng ttenc!
v.-nde-s^ um sitio na povoacao do Montero, es-
trada que vai para o Arraial, denominad* Ladeira
Un- Hu-ios, com t salas de frente, i diu de jamar,
4 qiiarlos, cotinHa e copiar d lado, tendo mais
timas pequeas rasinhas ao lado para hospedes, e
2 sitio com bastantes fritcteiras : quem pretender,
pode dirigirle a rua do Pilar n. 17, que achara
com quero tratar.
Aduiiracao
Vendem-se os Jous solos em que estao edifica-
da* as casas terreas ns 10 e 20 na rua de S. Bom
Jess da* Grionlas : quem quizer romurar, dirija-
se a travessa das Gruzes n. 2, das 10 as 12 horas
da ni.itih.v-i, qu^ achara rom nem tratar.
Ven'li-.-i- .1 uiii-riia n. 20 la rua dos Aeou-
piiinho-;, freiiueiia de S. Jo> : a traur na mes'ma.
O m divo da venda porque o dono quer botar
outro n'ifocio.
- Vtudc-se urna machina
do Gneaula-neiiii 1 n. 11.
de costura : na raa
* Livros.
Vendem-se na rua do Gahiift n. 10 as seguintes
Vend>-m-se ditas caas no lugar dos Afoga- obras, por preco muito barato : 8 tomos do Pano-
dos. com alpuns arvoredos no i|tiintal e cacimba :'rama, obras completas do Felinto, Annaes de D.
quem pretender, dirija-se a taberna de Manoel Rf- i Joo III. La Fontaine o tout le? fantiliTe?, Mi?cel-
as de Oliveira. Ilanes litterains.
n. 7.
Fitas ie, la.
Fitas de la de todas as qualidades, proprias pa-
ra debruro de vestido a 700 rs. a peca; so no Vi-
gilante, rua do Grespo n. 7
______Kicos espelhos.
Riquissimos espelhos com moldnra douraJa e
sem ella de 85, 105, 125 e 145, assim como com
columnas de differentes tamanhos a 25, 35,45, 55
e 65; s no Vigilante, rua do Grespo n. 7.
Lindos jarros e ligaras.
Riquissimos jarros e figuras de porcelana fina,
para e.nfeite de sala, sendo o melhor posto queaqui
tem apparecido; s ne Vigilante, rua do Crespo
n. 7.
Para pos de arroz.
Riquissimos vasos com bonecla para pos de arroz,
cousa de muito gosto a 1550o e 25, assim como
pacotes s com os pos a 320 rs. cada um; s no
Vigilante, rua do Grespo n. 7.
Perfumaras.
Grande sortimento de extractos e banbas, poma-
das, assim como de lindos copos ou vasos com dis-
linctivos e. nflerecimentos as sinhasinlias dos me-
ntores e mais afamados autores de Haris e Inglater-
ra, assim como os grandes copos debanha japoneza
a 25 c a 15, assim como outros objectos que nao e
possivel por hoje annunciar, e vista dos fregue-
zes se far todo negocio; na loja do Gallo Vigilante,
rua do Crespo n. 7.
Itii i' ai 1-1.1- 'i 1 .- i-i% 1 vi uiiuciii-i-c udiuca .unc u:.mus ua iiiriuui us iiuu rj._ .- n i-i
-OJA HE 1 IUBZ4S HAAS icm viudo, de todos os tamanhos a 25240, 25500, 'den P''t;l0 homcnpafico a 2,000 rs. a libra.
1 ri___"Rijo Ar\ OllPlll*lflo___1 fi!^ **e **S0O: s o Arara na rua da Imperatriz Cerveja das inelhoics marcas a 0,000 rs. a
Fitas linas. i As laazinhas da Arara a 210 rs. o covado.
Bonitas filas de grosdenaples lisas, com dous i Vendem-se laazinhas para vestidos de senhora a
dedos de largura, cores de bonina, aznlsinha, viole-,240, 320, 400 e 500 rs, o covado, ditas milito
la, chocolate, caf, verde, laranja e prcla, a 480 ris fina-lisas 600 rs. o covado, ditas especiaes a 720
a vara. ; e 800 rs. o covado : na rua da Imperatriz n. 56,
Bonitas dilas de grosdenaples lisas, com dous luja da Arara,
dedos e meto de largura, cores de caf, bnina, Chitas baratas a 240 rs.
ha, violeta, verde, rosa e branca, a 640 ris j Vendem-se chitas de cores tixas a 240 e 280 rs.,
o covado, dilas francezas linas a 320. 3G0, 400 e
500 rs.. o covado, dilas percalas a 560 e 600 rs. o
covado : na rua da Imperatriz 11. 56, loja da Arara.
AAraravcnde madapoln barato a 6:>500, corlse
de vestidos a Maria Pia a 4 i$. !() e i8.
e o
a vara.
Bonitas dilas de grosdenaples lisas, 4
dedos de largura, cores de rosa, escarate, carmi-
sim, honina, violla, verde, branca, preta, azul e
aznlsinha, a 156' 0, e 25000.
Riquissimas ditas de grosdenaples bordadas, de
4, 5, e 6 dedos de largura, de todas as cores, pro-
prias para lucos de cinteiros, a 15600, 25000 e
25500 a vara.
Bonitas titas de gorgorao, de todas as cores, pro-
prias para cintos, a 15000 a vara.
Chocolate francez, hespanhol e snisso a 1,00o,
l,2oo e 1,400 rs. a libra.
Charutos do afamado fabricante Jos Hur-
tado de Simas e ontros da Pahia como
guanauaras.
sejam regala, Irovatlore;
deliciase suspirosa 1,60o, 2,000, 3,ojo
e 4.000 rs. a caixa.
Conservas inglczas a 75o rs. o frasco.
dem francezas surtidas ou de una s qua-
lidade cada frasco a 5oo rs.
Lentilkas muito novas excellenle legnme pa-
ra sopa a 2oo rs. a libra.
Licores franeczes de todas as qualidades
de 7oo a 9oo rs. a garrafa:
Manleiga ingleza perfeitamente flor a 800 e
1,000 rs. a libra, desnecessario mais
elogios ueste genero, que s se pode ve-
rificar com a vista,
dem franeeza a ."60 rs. a libra, e em barril
se far abatimento.
Marmelada do primeiro fabricante de Lisboa
a tino rs. a libra, ha latas de I, I I 2 e
2 libras.
Massa de tomate ein latas de 1 e 2 libras a
600 rs. a libra.
Macan lio. talharim ealetria a loo rs. a libra.
dem branca a 32o a libra.
Mostarda franeeza preparada a ioo rs. o
frasco,
dem ingleza em p a G4o rs. o frasco
Molbo inglez em garraflnhas com rolhas do
vidro a 04o rs. cada urna.
Marrasquinho verdaderodeZara a 1,000 rs.
agarrafa, e 10,000 rs. a duzia.
Nozes muito novas a 10o rs. a libra.
Ostras preparadas em latas a 7oo rs. a lala.
Prezunto para fiambre ingle/, verdadeiro,
garanlindo-se a qualidade a 7oo rs. a libra.
Passas novas de carnada a 4oo rs. "i libra e
GjOO rs. a caixa.
! dem para sopa estrellinha, pevide e rodinha
etc. a 3,5oors.a caixa, e ai56o rs. a libra.
Peixe em latas hermticamente fechadas das
seguintes qual i Jades: savel, corvina, goras
cavallinhas, e pescada a l.ooo a lala.
Palitos para denles lidiados a lo rs. o ma-
to de 2o rs. o raacinhos.
Ideradogz a 2oo rs. a duzia, < 2,lt>ors.
a groza.
Painco muilo novo 12o rs. a libra e 3,ooo
arroba.
Queijos flamengos, do ultimo vapor, a2,.'
rs.
dem prato muito fresco a 800 rs. a libra c
sendo enteiro a 72o rs.
Sal refinado em potes de vidro a uoo rs. cad
um.
Sevadinba de Franca a I80 rs. a libra.
Sevada a loo rs. a libra.
Toueinho de Lisboa a2io e 32o rs. libra.
Tijolo para limpar tacas a laors. cadaum.
Vinagre de Lisboa a 2oo rs. a garrafa c
l,ioo rs. a callada.
Idemem garrafcs com
o garrafas a
1.000
cognac Irancez e
Vende-se p^cas de maapolao de 24 jardas, de fa, e 10,000 rs. a duzia.
inglez a l.osors. a garra- x. >'s-
marcas tinas n. 7 a 75, n. 2 a 85100. -;- a 8-5500, -:--;-
95, S a 105, HH a 115 e 125; Igudo regular a 35,
dito lino carne de varea a 65300, dito domestico a
75, dito slcupira a 85, dito pao ferro a 95 a peca
bra.
Bonitas filas de sarja listadas, diversas cores, tero 20 jardas: na rua da Imperatriz, loja n. 56.
para cintos, a 500 ruis a vara.
Pecas de eascarrilhas d'1 seda de todas as cores,
difiranles larguras, 15280,15600 e 25000.
Peijas de fitas de seda de um dedo de largura, de
todas as core, a 320 ris.
Pecas de litas de lila preta e de todas as cores,
para debrum de vestido, a 800 ris.
Pecas grandes de fitas de liuho acolehoada para
debrum, a 160 e 320 ris.
Pecas de tranca de lita preta, a 80 e 160 ris.
Fivdas.
Riquissimas (velas douradas e eom finissimas
peririnhas parece brilhantes para cintos, a 15280,
15000 e 250OO.
Cintos.
Riquissimos cintos de gabio dourados epratiadcs
com bonitas velas e borllas, a 25000, 25500 e
35000.
Enfeites de caliera.
Chales baratos a I 600.
Vende-se chales de laazmba a 15600 e 25, ditos
de merino a 35, 45500, 65 e 75 : na rua da Im-
peratriz n. 36.
Cortes de calcas a 1COO.
Vende-se cortes de calca para homcm a 15600,
15800 e 25300 boa fazenda ; cortes de casemira de
cores finas a 55, 55300 e 75; casemira para pautte,
calcas e coletos entestadas a 35 o covado: s na
loja da Arara, na rua da Imperatriz 11. 36.
Casemiras para capa de senhora a 2$ e 3j?.
Vende-se casemira enfestada propra para capas
para senhora a 25 e 35 o covado, tambem serve
para costumes por ser de boa qualidade e lindas co-
res, vende-se a 25 e 35 o covado: na loja e arma-
zem da Arara, na rua da Imperatriz n. 36.
A Arara vende as percalas a 360 rs.
Vende-se percalas finas para volidos a 560 e
600 rs.; chitas Irancezas linas a 360, 440, 500 e
Riquissimos enfeites de cabecacom eascarrilhas S60 o covado : na rua da Imperatriz n. 56.
e frocos ultimo gos o, a 35000. 11 4ra|., vendc as cauas df rosdeuaplc a 235 e 30.
Ditos ditos com cascarrona muito larga os mais
modernos.
Ditos ditos coro lacos e frocos, a 25000.
Ditos ditos com lagos evidrilhos, a 15000.
Ditos ditos de coalas brancas e pretas, e pretos e
de cores com laro, a 15300.
Ditos ditos de frocos de cores, a 15000.
Dilos
sem
Vende-se ricas capas de grosdenaple preto para
1 senhoras a 235 e 305; soutembarques pretos finos a
1205.225 e 255 : na loja da Arara
Tarlatana de cores e branca a 800 rs. a vara.
Vende-se tarlatana Inania e de cores tinas a 803
rs. a vara, fil de buho a fcOO rs. a vara : na rua
i Gominho e erva-doce a '100 rs. a
Gravo da India a 600 rs. a libra.
ICanellaa Ooo rs. a libra.
I Copos finos para agua e vinlio a ,8oo 3,000
i e 5,5oo rs. a duzia, e too rs cada um.
1 Cafo ilo Rio superior a 28o e 3oo rs. a libra,
e 7,5oo a 8,"ion rs. a arroba.
Doce de goiab;. superiorcm latas a 2,000 rs.
Ervilhas porluguezas cm latas cliegadas l-
timamente a ('io rs. a lata.
dem ceceas a Itio rs. a libra,
dem j descascadas a 2oo rs. a libra.
Farinha de aramia verdadeira a 320 rs. a
libra.
Figos em caixinhas bem enfeitadas a Ooo
rs. cada urna.
Favas portuguezas em latas cliegadas lti-
mamente a (40 rs.
Frutas dem em calda, pera, pecego, alper-
se. rainlia Claudia e ginja a 7oo rs. a lata.
Graixa nova a loo rs. a lata c I,loo rs. a
duzia.
Gomma muito alva e nova a llio rs. a libra.
Vassouras do Porto com arcos de ferro a 32o
rs. cada tuna.
avar casa a 36o rs.
nara
Ibem de escovas
cada urna.
Velas de espermacete superiores a 56o rs.
a libra,
dem de carnauba refinada e de composicSo
a 36o rs. a libra, e de Io,ooo a 11.ooo rs.
a arroba.
Vinho em pipa, Porto, Lisboa e l'igueira
das mareas menos conhecidas a loo rs.
a garrafa e a 2,8oo rs. a caada,
dem Figuoira especialmente escolbido neste
a 600 rs. a garrafa, e i.5oo rs. a
lugar
eanada.
dem Lisboa em ancoras com ) caadas mar-
ca especial a 22,000 rs. a ancora.
dem Lavradio, Colares muilo fresco sem
composiclio a Goo rs. a garrafa, e 4,000
rs a caada.
dem de Lisboa branco uva pura a .'ito rs. a
garrafa, c a 4,8oo rs. a caada.
dem Porto fino em pipa a 660 rs. a garrafa.
ilos ditos pretos ede cores'de retroz' e tranca lmuera*z loja e armazem da Arara, n.56.
lacos a 800 c 15iHM) O proprietano da loja e armazem da Arara re-
' Voltinhas co mentla lda a attencao aos Srs. ireguez.es que
ni.. i.. j 1 .. mandem ver as amostras de todas as fazendas que
Pi P?jhSJ ^ft0"a* deCOn,aS pre,asaMaria annuncia, prometiendo vende-las por barato prera
l'ccbiucha de Irurns de seda a 800 rs. e I *.
Ditas mais pequeas pretas com cruz a 800
ris.
Ditas de aljofares grandes de cores, a 35000.
Dilas de aljofares branco com cruz, a 150OO. '
Ditas de continhas brancas u de cores, a 800
ris.
Ditas de coral, a 500 e 25000.
Bonitas pulseiras de contas de cores, a 800 e :
I50OO
Pentes.
Riquissimos pentes dourados com pedrinhas para
regago, a 15800 e 25000.
Ditos ditos lisos e recortados, a 640 e 15000.
Dilos de conchas dourados, a 25000.
Ditos de marrafas com pedrinhas, a 15280.
Objectos diversos.
Luyas brancas de Jouvin frescas, 25500.
Ditas nao frescas, a 15000.
Varas de labyrinlo grande, a 100, 160 e 240
ris.
Bonecas pequeas que choram, a 200 ris.
Caixas de papel amisade paulado, a 720 ris
Ditas de dito liso, a 600 ris.
Caixas com 10 envelopes, a 640.
Ditas de pennas limpas, a 600 ris.
Superior cal de Lisboa.
Sende-se superior cal de Lisboa a mais nova nue Queijos de Minas chipacos no vapor,
ha no mercado tanto em porcao como a retalho, Ditos prato mm'lo frescos,
por barato preco afiancando-se aos compradores a Ditos snisso superiores,
superior qualidade : a tratar as seguintes ras : Ditos lendrinos idem
Crespo n. 7, Imperador n. 88, Forte do Hatto ar. 57Rua do Imperador57
mazem do Sr. Villa defronle do trapicho do al, I mazein AlltanCO.
Vende-se lencos de seda pequeos a 800 rs.; di-
tos grandes a 15 : ditos brancns com barra de co-
res a 200 rs. cada 11111 : nacas croan para homem a
254OO. 35, 45 e 55 a duzia ; dilas para senhora a
45 e 55 a duzia : na rua da laiperatrtl n. 56.
Cassas francezas a 280 e 320 rs. o covado.
Vende-se cassas francezas linas para vestidos a
280 e 320 rs. o covado: na rua da Imperatriz n. 56.
Colchas de damasco a -5.
Vende-se colchas de damasco para cama a 43,
ditas de fustn a 55, ditas ite chita a 25; ricas chi-
tas para cuberas a 320, 360 e 4' 0 rs., ditas aseli-, ,
nadas muito finas a 500 rs. o covado, ditas enrar-!deau*- **? qualidades mais barato que ero
qualquer parte : no armazem de E. A. Burle 4
ienebra de Ilollanda em frasqueiras com 12 Wem engarrafados, generosos Lagrimas do
frascos a 0,800 rs. e 5G0 rs. o frasco Houro, Doquc do Porto, I). Lu/. I, I).
dem em botijas a 4oo rs. cada urna. Pedro V, Nctar, velho seoco, Mataste
dem em garrafoes de 16 garrafas a i,8oo Genuino, Particular a 9ooe I,2oors.agar-
rs. com o garraan. arafa, e a lo,ooo rs. a caixa com urna du-
lilero tle tres caadas a 7,2oo rs. cada um. I **
dem inglczas em garrafas brancas bordadas dem Madeira legitimo a l,2oo rs. a garra-
com rolha de vidro qualidade superior a! fa, e a 12,ooo rs. a duzia-
l,ooo rs. a garrafa. j dem Mscalel a 1,000 rs. a garrafa.
dem de laranja verdadeira a 1,000 rs. o dem Bordeam das acreditadas marcas St.
frasco e i I .non a frasqueta de 12 frascos, j .lulien, St. Esteph, ehalcau la Rose, chalan
Kirsch Wasser excellente bebida suissa a Margoux e outros a (>,;>o rs. a caixa. e
I.800 rs. a garrafa. j .*i(>o rs. a garrafa.
Atnstif
1
Taberna,
nadas a 5u0 rs. o covado : na rua da Imperatriz
n. 56, loja da Arara.
Cal de Lisboa.
Ha |ara vender a mais nova, e ltimamente che-
gada ao mercado, em bem acondicionados barris :
no armazem de Manoel Teixeira Bastos, rua do
Trapiche u. 13, por preco razoavel.
Salitre refinado, superior qualidade, vinho Bor-
aux, difTt rentes qua
lalquer parle : no a
C., rua da Cruz n. 48.
Vende-se a casa terrea da rua do Progresso
n. 21 (no tominho Novo) tem um nnrtao ao lado
A pessoa que annunciou querer comprar nma
taberna em boa rua, dirija-se rua do Imperador
n. 54, loja de livros, quo se indicar o que pre-
tende.
Aos amigos do lunch.
Cerveja o eopo.
AZEITONAS
a 15 a ancoreta, em porcao se far grande abali-
qudaetrada'par o quintal, no qna exise ci"- men^ : na rua Vova n- fe- loja do rM-
co pequeas mei aguas, rende ludo 4805, e ven-
de-se barato por seu proprietario ter de relirar-se
para fra da provincia : a tratar na rua do Quei-
mado n 77.
godo.
I
Enfeites a Garibaldi.
A loja da Aurora,na rita Luna do Rosario n. 38
recebeu ricos enfeites a Garibaldi dos mais moder-
nos que. tem chfgado a este mercado, para senho-
ras e meninas; tambem recebeu trancas de linho
de caracol, brancas e de cores, pecas com 10 varas
a 140 rs. cada jima, minio propria para enfeilar
vestidos, assim como tero um grande sortimento de
miudezas a qual vende barato.
fc*V^
ILEGfVELl
Enfeites para cabeca.
Chegaram os lindos enfeites de cabeca para se-
nhoras, sendo mnilo simles ede muilo gosto : s
no Vigilante, rua do Crespo n. 7.____________
Vende-se urna taberna mullo afreguezada
tanto para a Ierra como para o mato e com com-
modos para rnuradia de familia : na rua Imperial
n. 195.__________________________________________
Resoluto.
Vende-se a nova armacao pequea e de gosto,
propria para calcado, na rua Direita n. 25 : para
tratar, ua rua do Livramonto d. 35.


Vtario de Pernanibuco seila tira 93 de *eteuihro de 1804.
I'
V*u
lili 1IO y U KOI A ISO M. 45.
ssand o beceo da Congregacfio segunda casa.
NOV1DADE
Pcreira Rocha C. acabam de abrir na ra do Queimado n.

um armazem de molhados denominado Llarim Commer-
cial, ondeorespeitavel publico encontrar sempre um completo sorlimento dos melhores gneros que vem ao nosso mercado os
quaes serao vendidos por precos muito resumidos como o respeilavel publico ver pela tabella abaixo meneioneda ; garante-se obom
peso e boa quaiidade dos gneros comprados neste armazem.
Arroz do Maranho, India e Java a 60, 80 e Peras seccas muito novas a 600 rs. a libra. Cevadinha de Franca muito superior a 220
100 rs. a libra, e 10800, 600 e 36000
a arroba.
Ameixas francezas em latas e era frascos a
15200 e 10600, e era frascos grandes a
2>500.
dem em caixinhas elegantemente cnfeiladas
com ricas estambas no interior das caixas
a 10200,10400, 10600 c 2.
Amendoas com casca muito novas a 280 rs.
a libra.
Alpista a 160 rs. a libra e a 40600 a arroba.
Azeite doce francez mnito fino em garrafas
grandes a 960 rs. a garrafa,
dem de Lisboa aOiO rs. a garrafa.
Araruta verdadeira de matarana a 320 rs. a
libra.
Avellaas muito grandes o novas a 180 rs. a
libra.
TJiscoutos inglezes de diversas marcas a
1030- rs.
Bolachinhas de soda, latas grandes, a 20 rs.
a lata,
dem inglezas muito novas a 30000 a barri-
quinhae a 200 rs. a libra.
Banha de porco renadaa 440 rs. a libra e
em barril a 40O rs.
Cha hvsson, hucliin e perola a 10600, 20,
253UO, 2;>800 e 33000 a libra,
dem preto muito superior a 2?>000 a libra.
Cerveja preta e branca, das melhores marcas
que vera ao mercado, a 300 rs. a garrafa
e 50800 a duzia. '
Cognac inskz fino a 901 rs. a garrafa.
Conservas a 720 rs. o frasco.
dem, s de pepino, a 72" rs.
dem, s de azeitonas, a 750 rs.
Charutos dos melhores fabricantes da Baha
e especidmento da fabrica imperial de
Candido Ferreira Jorge da Costa a !08 200 ), 25200, 20500, 20SOO, 30000 e
30500 a caixa.
>.af do Rio muito superior a 280 e 320
rs. a libra e 80-10' a 85800 rs. a arroba.
Cartoes de bolinhos francezes muilo novos e
bem muito enfeitados a 7O0e 600 rs.
Chouricas e paios muito novos a 800 rs a
libra,
Painco a 200 rs. a libra. \ rs. a libra.
Polvo secco muito novo a 400 rs. a libra. Cevada a 80 rs. a libra.
Presuntos de Lamego em calda de azeile e Ervilhas porluguezas a 040 rs. a lata.
muito novo a 640 rs. j dem seccas muilo novas a 200 rs. a libra.
Queijos tlaraengos do ultimo vapor a 25800 Figos de comadre e do Douro era_caixinhas
dem prato. de oilo libras e canastrinhas de 1 arroba a
dem londrino chegado no ultimo vapor a 15800, 55500 e 280 rs. a libra.
900 rs. a libra. Farinha do Maranho a 160 rs. a libra.
Sal refinado em frascos de vidro a 600 rs dem de trigo a 120 rs. a libra.
Genebra de Hollanda verdadeira marca VD
a 560 rs. o frasco e 65200 a frasqueira.
dem em garrafoes de 3 e 5 galoes a 30500
e 70500 cada um com o garrafo.
Graixa a 100 rs. a lata e 15100 a duzia.
Licores muito finos a 700 rs. a garrafa,
dem, quaiidade especial em garrafas muito
grandes, a 15800 a garrafa,
dem em garrafas mais pequeas a 800 rs.
dem, em garrafa forma de pera e rolhas de
vidro, a 15000, s. a garrafa vale o di-
nheiro.
Manteiga inglcza perfeitamente flor, desem-
barcada de pouco a 900 rs. a libra, e da
de segunda quaiidade a 800 rs.
dem francez muito nova a 640 rs. a libra,
dem de tempero a 400 rs.
Maca de tomates em barril a 480 rs. a libra,
dem em lata a 640 rs.
Marmelada imperial dos melhores eonservei-
ros de Lisboa a 60 i rs. a lata.
Marrasquibo de Zara, frascos grandes, a
800 rs.
dem regular a 500 rs.
Macas finas para sopa : estrellinha, pevide, i aaSrr![omo
rodinba o aletria a 600 rs. a libra e a 45 i misas de'esc
a caixinhacom 12 libras.
Nozes mnito novas a 160 rs. a libra,
arrafa e Peixe em latas preparado pela primeira arte
de cozinha a 10 a lata,
cada um.
Sardinhas de N'anles a 300 rs.
Sag muito alvo e novo a 260 rs. a libra
Tuucinho de Lisboa a 320 rs. a libra,
lijlos de limpar facas a 140 rs.
Vellas de carnauba pura a 360 rs. a libra,
dem stearinas muito superiores a OCO r.
libra.
Eigos em caixinhas emticamente lacradas
a 15600.
Vinbo do Porto engarrafado o melhor que
ha neste peero e de varias marcas, como
sejam: Velho de 1815, Duque do Porto,
Madeira, D. Pedro, D. Ltiiz I. Maria Pa,
Boeage Chamisso e outros a 800, 900 c
10000 a garrafa, e co caixa cora urna du-
zia a 95000 c 10;>000.
dem em pipa. Porto, Lisboa e Figueira a
480, OOe 560 rs. a garrafa e 30, 30500
e 45 a caada,
dem braceo de Lisboa muilo fino a 500 rs.
a garrafa,
dem d Bordeaux, MedOC c S. Julien a 700
e 800 rs. a garrrafa, e 70000 a 70SOO rs.
a duzia.
Idem.MorgauxeChaleauluminide 1854, a 10
a garrafa,
dem muscatel a 800 rs. a garrafa.
Vinagre de Lisboa a 200 rs. a
I5200rs. a caada.
Kirsk garrafas muito grandes a 10800 rs. i Paliios de denles a ICO rs. o maco.
Alm dos gneros cima mencionados te- dem de denles a 120 rs.
raos grande porcao de outros que deixaraos j dem de flor a 200 rs.
de mencionar, e que tudosei vendido por Amendoasconfeitados a 900 rs. a libra,
pecas e carnadas, lano em porces como Doce de goiaba em latas o melhor possivel a
retalho- 20 c em caixo a 640 rs.
Quem comprar de 1005000 para cima te-; Palitos do gaz a 25200 a groza.
Grande liquida#to.
Ra da Imperalriz u. o.
Loja Je fazendas do Pavo de liaiiia & Silva.
Acha-se esta oslabeleeimento completamente
sorlido de fazendas inglezas, francezas, allemaas e
suissas, proprias tanto para a praca rumo para o
matto, prometiendo vender-so "mafs" barato do (|ue
em outra qualquer parte principalmente sendo em
porcao, e de todas as fazendas do-se as amostras,
deixando Ocar penlior, ou inandam-sc levar em
casa pelos eaixeirosda toja da I'avo.
As chitas Vendem-se chitas inglezas claras e escuras pelo
barato preco de 240, 60 e 280 rs. o covado, timas
seguras; ditas francezas de cores seguras a 320,
340,360, 400, 440, 480 e 500 rs. o covado, fazenda
muito superior c bonitos padroes : s na loja do
Pavo.
As laaziuhas da ciposifo do I'avo.
Vendem-se laaziuhas as mais modernas que
tera viudo ao mercado, proprias para vestidos e
soulembarques por seren lisas e de cores muilo
delicadas oGOeoOOrs.; ditas lisas com um lustre
que parece seda 640 rs. o covado, ditas com
quadrinhos de seda 300 rs. o covado, s para aca-
bar : na loja e armazem de Gama Imperalriz n. 60.
Os vestidos do Pavo.
Vendem-se os mais modernos cortes de vestido
de la, que vieram pelo ultimo vapor, com ricas
barras de cor, corpinho e cohete separado ; ditos
com listas de seda e tambem com barras e enfei-
O

RESIMB.lTAYE.JLi PUBIill
RA DAS CINCO PONAS N. 86
'Minina da aova travessa de S. Jfoo.
T
se**
1p
i
u
2
Descjando o proprielai io do grande armazem do Propheiu dar lar-
gas aoseu genio emprebendedor, commerrial e especulativo, resolven ceder a inspiraco
que o assallou, quando as horas caladas da noite o seu solicito espirito se agitava n'um
turbilho de ideas, tendentes todas bem servir e agradar aos generosos habitantes
esta bella provincia, de abrir mais este grande c\abeiceiuicn escolhidos gneros, quasi que especialmente destinados s pessoas que morara na fre-
gue/.ia de S. Jos, e aquelles senhores que Irasilam pela via frrea, para quera em ver-
dado sao sera cunta o numero das vantagens que te Ibes oUerece, nao s cora relacao a
modicidade dos fretes, corao da facilidade e brevidade da condcelo dos objeclos coa-
prados.
O sonbo do Propheta ser una verdade pratica lo acceita c abi arada como as
palavras simples e bem intencionadas dos velbos patriarchas desses lempos idos, si o Se-
les para o corpo, por preco mais barato do que em nhor Deus dos exercitos nao o quizer contrariar,
outra qualquer parle, e se quizerem urna prova (j prouheta nao querendo restringir-sc a forma ordinaria de negociar resolven
R$i5^?l%S7fi! t^era, depois de protmida meditaco, de nao vende, smenteos seus gneros a di-
Os vestidos Maria Pia. S o Pavo (830001. nheiro con ente ; mas tambem de por em pralica a troca deiles poroutros da produecao
Vendem-se os mais lindos vestidos a Alaria Pia fio paiz oo por escravos, bois, cavallos, ele. Assim, pois, lique na inlelligeoeia de todos,
de laazmha transparente com listas, e paiminhas que o imioimieta recbela como moeda de qualquer dos senhores agricultores, ssucar.
r o abale de ."i por ccnlo.

CAIXA FiLllL
DO
rp'T
Mili
. Passas muilo novas a 480 rs. a libra.
^f SIACIIiMS BFATEME
de trabalhar a mo para
descarocar algodo
FABRICADAS
Por Plant Brothers & 0.
OLBAB
A
Troca-se ditas notas por fezendas.
foja da rua co Crespo numero 17.
Quem comprar de een mil ris para cinta dar-se-lia ao comprador o lucro 'por cerno.
> Aproveitem todos. Aproveitem todos.
Fazendas de apurados gostos viudas de Taris.
Capas pretas importantsi-
mas.
CasacVs pretosc pelerinas.
liasquiua de cintura e pe-
lisses.
Sotinibarques de caxemira
de cor com tintura.
Jaquetas de merino de c<">r
para senhoras.
Zuavos pri-tos de seda mui-
to bem cnfeiados.
Cortes de seda de cor de;
muito gosto.
Colxas de seda para noivos
Sedas de (juadro de inuilu
gosto a l20 o covado.
Moreautiques e grosdena-
ples.
Cortes de organdiz com
barras.
Chapees de palha para se-
niiora.
Baloes de arcos e musse-
linas.
Balues de merino de tn -
Fazendas de linlio ede al-
goda
Selectas, esguioes e bra-
mantes.
Cseas, -hitas camisas e
sroslas.
Peitos bordados para ta-
misa.
Camisas de lia de cor pa-
ra homem.
Uadapetio a 75, 0-S e
10-5 a pee.
de seda pelo barato preco de 85 cada corte : s
na loja do I'avao ra da Imperalriz n. 60, de Ga-
ma & Silva.
As cassas do Pavo a 210, 2S0, 300, 320 t
360 rs.
S o Pavo vende as linissimas cassas persianas
imitacao de lia, com cores fixas, 30 rs. o co-
vado ; ditas francezas muito finas 240, 280, 300
e 320 rs. o covado, isto para acabar : ra da
Imperalriz, loja de Gama & Silva.
Os madapoloes do Pavo
Vende-sc peca de madapolao infestado rom 12
jardas cada peca pelo barato preco de 45, 45O0 e
55 cada pega, fazenda muito superior : s o I'a-
vo ra da Imperalriz n. 50, notando que a peca
leva urna etiqueta com o Pavo pintado para nao
haver davalas nem engaos : islo previne o Pa-
vo, de Gama & Silva.
Bramante de linho do Pavo '
iff, S i OO. 2# Vende-se o melhor bramante de linho puro com
dez palmos de largura por prego muito comino-
do, por ter de acabar a factura, a vara por
25200, 2500, e 25600 ; s o Pavo : ra da
Imperalriz n. 60 de Gama & Silva.
Pudiio de linho Vende-se p; uno de linho com 4 palmos de lar-
gura proprio para lences e loalhas de mo pelo
baralissimo prego de 640, 720 e 800 rs. a vara, al-
godozinho com oilo palmos de largura proprio
para lenges, pelo baralissimo preco de 15 a vara,
assim como lem o melhor algodozinho tanto em
como em corpo, proprio para leiices, ca-
cravos, etc., etc., prego muilo commo-
do vista da fazenda; s o Pavo : ra da Im-
peratriz n. 60, de Gama & Silva.
Alyodoziuho com toque de avaria a .uoo r'is
e 4,800
Vende-se pega de algodozinho por ter um pe-
queo loque de avaria, mas que esta em boin es-
; lado, pelo barato prego de 45 e 45500 a peca ; s
i o Pavo : ra da Imperalriz n. 60 de Gama &
j Silva.
Os jjuardanapos econmicos do Pavo c s do
Pavo
Vendem-se os mais lindos e modernos guarda-
uapos econmicos e todo linho, tanto para as casas
de familia como para hoteis, botequins, etc. etc.,
pelo'baralissimo prego de 35 a duzia, isto s na
j loja do Pavo ra da Imperalriz n. 60, de Gama
& Silva.
Os sontciiibarqucs do Pavo a
9 c I*#.
, Vendem-se os mais linos soulembarques que
teeni viudo ao mercado, sendo de caxemira de co-
' res pelo diminutsimo prego de 125 ada um, di-
I los de musambique pelo diminuto prego de 1)5, s
na loja do Pavo, mas que se nao engauem : ra
, da Imperalriz n. 60, de Gama Atoaluado do Pavo.
Estas machinas Vende-se panno de linho adamascado proprio
nodemdesearoear',iara '";i",:,sili; me8,i P'-'' diminuto preco de 25500
qualquer especie'rs' -a vra,_guardanapos de linho a 55 a nuzia.
;de algedao sem
algodo, agurdenle, milbo, feijo, cavallos, escraros, etc., etr. e Ibes dar o mesmo valor
em genei os, escolhidos a contento.
Quando a importancia dos gneros apartados for menor doque a dos objectos re-
cebidos por troca, o fropheta nao demorar a differenca que deve dar em dinheiro.
Um estabelecimento que cora tantos sacrificios e despezas acaba de ser aberlo
deve inspirar a todos a certeza de que se vender muito barato com o fim de se adqui-
rir credilo e reguezia.
Araruta verdadeira a 30 rs. a libra.
Arroz do Maranho, Java e do Pencdo a 80,
lt'O e iu rs. a libra, e a arroba a 1/J800.
25500 e 2*800.
Amendoas a 280 rs. a libra.
Ameixas francezas a t.-$200, 14400 e 16000
em latas, Irascos e lindas caiebinhas muito
proprias para memosear alguem,
Amendoas confeitadas em fia.-eos de vidro Manteiga iiigleza iicsle genero o que h
a Ii5 o frasco. me
Alpiste a ilii rs. a libra ea 4)i00 a arroba.! rs.
dem em botija a .'JQOc 100 rs. a botija.
Graixa em laUsa I?>200 a duzia.
Limonadas de diversas hurtas a 1#000 o
frasco.
Licores inglezes e francezes a I?00, 1^500
e 2-> a garra a.
Lingoasamericanas a 800rs. cada urna.
Linguigas promptas em latas a 15200 a late
bor a 8U0 rs. a librae em barril a 700
Azeite doce francez a 90t) rs. a garrafa. Mcm mais baixa a 040 e 720 rs. a libra.
Azeile de Lisboa a 040 rs. a arrala e 4800 Manteiga francza a ,*>20 rs. a libra, em b
a caada.
Azeite doce emboioes cora 9 garrafas a 5#C0 Massade tomates a GO rs.
cora o boio.
^arrala e 4800 Manteiga francza a ,*>20 rs. a libra, em
a G 40 rs a libra em retalho.
a libra.
Marmelada muito nova a40 rs. a libra.
! Molhos inglezes a 400 e (i'iO rs. a garraliubs.
Moslarda preparada a 400 c 040 rs. o frasee.
Massas para sopa macar rao, talbarini e aletria
a 400 rs. a libra.
dem linas em caixinhas a 3C00 a caixinba.
Marrasquino de Zara verdadeiro a l00o
frasco.
dem mais baixo a 800 rs. e 1;>000 o frasee.
Milho em saccasiom 20cuiasa 3CO.
Btalas em Kigos e caixas por lodo o preco. | Prezunlo inglez para namb o viudo no ultimo
vapor u 81)0 rs. a libra.
Azeitonas por lodo o preco.
Biscoitos inglezes de diversas marcas a 1 >100
a lata.
Bolachinhas de soda, oval e lunch a 2000
a lata com 3 libras,
Bolachinhas americanas em barricas 20
libras a ,->00i.
Banba de porco da melhor quaiidade a 300
rs. a libra.
c
Caf nioido'a I0;'I0() ouVjUOO a arroba.
Caf superior a 7-:iOO, 80O,> e 85600 a
arroba. .
Cha nesto genero temos o que h de raelbo-
assim como tambem temos baixo pelos pro-
cos segundes: i4'0, lriO(', 15800,
2800 e 3Ot.O o tino.
dem mais antgo a 00 rs. a libra.
dem do Porto a 040 rs. e sendo inlein
ii'O rs. a libra.
Passas Lovasa 400 rs. a libra.
Plto a 100 rs. a libra.
Painco a iGt rs. a libia.
8
240O. 2,->00i i.
Charutos de todas as melhores e peores mar-Pomada a 240 rs. a uuza.
cas do mercado aftOo, 16UU0. \ 000. 2, Pimenla do reino a 320 rs. a
2800,3000, 4(00,o000, 55300e(MI Peixe em latas a 150C0 a la a,
ocento. vina, pargoo outros
Cbouricas as mais novas do mercado a 125 Papel de peso a ('00 a v-nn.
inra.
i. savel
libra, a
estragar o fio,
sendo bastante
duaspesseas para
otrabalho; pode
dscarocar urna
arroba de algo-
do em caroco
em
ou
a
loalhas de mo a 55 cada duzia, na loja do I'avo,
ra da Imperalriz n. 60, de Gama ,\ Silva.
:' s o Pavo (a S^dOO).
Quem tem baloes por tal preco !
Vendem-se os baloes americanos minio superio-
o barril com 1 arroba e 480 rs.
ellas que pediincha.
Chocolate magnifico a 1000 e 1200 a libra.
Cerveja marca a mais acreditada que tem
vindo a 300 rs. a gnala, emeia garrafas
por 320 rs. branca e preta
Conservas inglezas aSOurs. o frasco fazenda
chique.
dem francezas a ,">f 0 rs. o frasco.
Cevadinha de Franca a 40 rs. a libra.
Champagne da melhor marca que a^ui lem
viudo a 20-> e 245 o ,'igo.
dem idein muito
ldi-ra ian'itn a i
i no a 45000 c 35-00
''0.
res com 20 c 25 arcos pelo baralissimo preco de : nn ..,. ni,i.,.. p i...,,...,., > utO r c I sldl
25500 e4*, ditos d 2o, 20 ff3S arcos com fila- !
muilo bem armados e lambein lem cores escuras garrafa.
40 minutos, pelo barato preco de 35o00 cada um : s na loja Ce bolas por lodo preco.
18 arrobas IJ
s | do Pavo, ra da Imperalriz n. 60, de Gama & Copos lapidados que sempre se vender
por da ou a ar-! Silva. i M .. i
se vendera em inultas parles a 8j c '
vendemos a 3o: O e 0->00i> a duzia.
m a duzia.
m e
0>,
Tapte de ^uperiur quaiidade com

(kira^-oes, solambarques de
seda.
Esleirs para forrar -al.i a 8."0 rs. a jarda.
seis palmos de largura a 25>i0 rs. o covado.
Na realidad.', este estaheleCimenlo oflerece grandes vantagens aocommercio.
Aproveilem todos a occasiae de trocar utas da laia ganbaodo cinco por cenio.
-CPT ",-'itv .>2PC QCQ _'XjO QfiQ. -QQf*
No armazem de ftizendas ba-
ratas de Santos Coellio,
ilua do Queiiiidilo n. 19,
Veude-se oseguinte:
Allenco II
Ricas laaziuhas, fazenda a melhor que lem Vio-
do ao mercado, tanto em gosto como em quaiida-
de, pelo baralissimo proco de rs. o covado.
Ditas mludinhas carinezins, proprias para vesti-
dos de meninas e camisinhas a 640 o covado.
Cortes de la com la covados, pelo barato prect
de 05.
1 ; iberias de chita da India a 25300 e :5-
Lenges de panno de linho a 25 e 25300.
IVcas de cambala de forro com 6 Ii2 varas s
3#100.
Toalhas alcochoadas proprias para roaos a 'ij s
du/.ia.
Kicos cortes de la com barra Blaria Pia a
vi
Pecas de planillas de algodo com 10 varas,
proprias para saia a 45-
Algodo entestado conr 7 1|2 palmos d: largura
a 15100 rs. a vara.
Esleir da India, propria para forro de sala de
4,.), c 6 |>almos de largura, por menos preco do
que em outa qualquer parte.
Xeste estabelecimento tambem se encontrar
nm grande sorlimento de roupas feitas, por me-
dida.
!imPode al!0doi 0 pavao vende para lulo.
Est'a machina i S?fMeI s?eri?r "Mm da, Chm' (azenda ,oda, C
> mii<-a ana de laa seni la!ltre t,!Ildo palmos de largura pro- I ;'"l'u> ''"''7":' '' '-"'
posstteas vantagens de ao destruir o o do al- prio para veli,lo- eap*. VMot% raleas, etc., 1 Doces de cabla viudos de L>sl,oa ueste ultimo
godo de fazer render o dobrode qualquer ou-' ,,el baral8Sn,01"'? dt W. 25-' -5306 e 35 o vapor a 0 0 rs. a lata das llielboies l> UC-
tra com menos trabalho, a sua introdueco cara CVat|. cassas yrvlas lisas- c,"las pretas largas e 1 las ((a Europa.
lhor que e
.ponto grande" do me-'""s*"","us 'UU "" ve",":l. por presos mais ei conlornie
mo syslena/u-aql serem movidas por animaes ^onta d'' 'I"0. '"" ()u"'a 'inahiuer parle por eslar
; agua ou vapor, pas uaes podem descarocar 18 ar- i l"luida,1,iu -: --" ";l i0Ja tio Kwao a 1 ua da Impera-
j robas de algodo ampo por dia. triz n. GO, deGama A: Silva.
O algodo descarocado por estas machinas tem i A* percalas do PavSo.
muito mais cstiuiacb nos mercados de Europa e As "ais liadas percalas que tem vindo ao mcr-
vende-se por maiopreco. j cado pelo ullimo vapor tem na loja do I'avo pelo
As machinas se achai venda anicamenie em : haralo prego de (500 rs. o covado ; ditas de listi-
m
Balaios para iieuinas
Lindos balaios de varios gO-1os para meninas
iranrem no braco : s se encontra na loja do Bei-
ja-Flor, ra do ijueimado n. 03 e 69.
Extratos e sabao em eai-
xiuhas
Linda* caixinhas com um carto com a familia reclamado; islo para que a empreza fique Miente
imperial, e dentro de cada caixa um frasco mi sa- df haverem os mesmos senhores sido devidamente
hio o mais fino que passivel: ua loja do Beija-1 a"en'1ld0?-_____________________________________
Flor_rua do Queimado_n. 63_c 69,---------------------j Rj|a d> SenM|]a Nova n tf
Charutos da llavaoa. j Neste estabelecimento vendem-se: tachas d*
Vonde-se superiores rbarotos da Havana em f ... ,,n AmmAttijm
"aw de Raba Scbmeltau A C; ra da Gadeia, fro a ,,u rs- ,(3e!D M Lv
d. 18. Moor kbra a 120 rs.
Yenda de predios
em particulai* ou em leilo. ^
Vendem-se duas proprio- H
dades de rasas contiguas, 2K
if de dous andares e solo, ra
com grandes armazens oc- g
cupados actualmente pelo W
Sr. Feliciano Jos Gomes, para o trafico S
de. assucar, silos na ra de Apollo ns. 3't 4>
e 36, edificados pelo actual proprielario, M
com ptimos alicerces. superiores madei- ^
^ ras, e acabadas em 1861, tendo ambos 32 5
ag palmos livres de paredes, de largura, e os S
^S altos do de n. 34, e o primeiro andar do ^
'jg% de n. 36 21o palmos de comprimento, o 5R
wa segundo andar do de n. 36 lem sement *
*2f 120 palmos de comprimento, com um ter ^
raijo, o 05 armazens tem 340 palmos de fi
comprimento cada um. tendo ambos tam- 2S
bem frente para a na do caes de Apollo, W
e o de n. 36 tambem para a travessa do jH
~? antigo porto das canoas: os pretendentes >A
^ estes valiosos predios queiram dirigir- S
3R se ao seu proprielario Antonio Ilotelho
|(je Pinto de Mosquita na ra da Cadeia do W
^ Recife n. 64, sesondo andar, ou ao agen- Q
Sk te Oliveira na mesma ra n. 62. jg!
RiRRVR/Bi &&&<&&.?&.*&&
Empreza de illuminafAo
gaz.
Todas as vendas de apparelhcs e reclamacoes
(por escripto dando o nome, morada, data, etc.),
devem ser leitas no armazem da ra do Imperador
n. 41. Os machimstas mandados para aitender a
estas, apreseniaro um livro que os reclamantes
deve.ro assignar logo depois de prompto o servico
casa de
Sauodeis Brothers kC.
X. II, praca do Corpo fiaato
RECIFE.
Os nicos agentes neste paiz.
RIVAL SEM SEGUNDO.
; aba* muilo miudinhas proprias para vestidos e
I roupoes do senhoras. meninos e meninas, pelo ba-
j ratissimo prego de oOO rs. o covado ; garaniem-se
' as cores por serem do melhor fabrieante i|ue as
I tem em Paris : isto na loja do Pavo ra da Im-
peralriz 11. CO, de Gama & Silva.
: As chitas do Pavo 28 OO e
I j|NOO o corte
i Vendem-se corles de chita rom dez covados
olamanho dos ca-xcs.
Ervilhas em latas a 640 rs. a lata,
dem seccas a 200 rs a libra.
Kspermacele americano a 1-SOOa libra.
dem francez a *i>0 rs. o masso com 0 velas.
Figos de comadre em caixinhas niui lo lindas
a 800 rs a caixa.
taaba de trigo a 120 c 140 rs a libra.
Farinha do .Maranho a 24" rs. a libra.
Fumo do Pac a lfr'Oa lata grande.
Kumo americano a 1.^400 a libra.
Fumo em macinhos para sigarros a 200
rs. o maco.
Fareloem sacas de 80a on libras a :i->-iO0
254OO, ditos 25800, com 12 covados; sao chitas I _
Ra do Queimado n. 49 loja de miudezas Je Jo- inglezas, mas padroes bonitos e tintas seguras ;! Genebra de laranja 1,? o Irasco.
5cA{i?.finli"".Vi''nliai".v.r a Pec,,,nch.a I las seguras por precos commodos a saber : 320,
2401340, 360, 400. '
100 Pavo ra
60 Silva.
acabando certas qualidades de fazenda.
Pecas de litas elsticas com 10 varas a..
Ditas de tranca branca lisa com 10 varas.
Ditas de tranca preta lisa a............
Realejos para'meninos, pechincha a... J20
Rodinhas com superiores allinetes a..... 20
Caixas com superiores agulhas e limpas a 200
Saboneles de familia, muilo finos a 80 e.. 160
Pares de sapatos dela para criancas a.. ioO
Varas de baado do. Porto muito"bom a
100, 120e......................... 160
Ditas de bico largo grosso a............ 100
Potes de superior tinta tem mais de mcia
arrafa a.......................... aao
Caixas com perfumaras muito bonitas a. .'00
Frascos de oleo de macaca muilo fino a 100
Ditos de oleo de babosa superior a 240.
320, 400e.............. .........\ m
Ditos de cheiros muito superiores em qua-
iidade a.. ......................... 320
Ditos do agua de colonia muito boa a.... 400
Ditos de dita dita grande a............. 800
Saboneles de todo o preco 60, 160, 200,
320e............................. 400
Frascos de superior banha a 320 e....... 800
Caixas de p para limpar dentes muito
fino a-............................ 100!
dem almasso a UfJOGO, 3500e 4000.
dem para embrulho a I?>200 a resma.
Palitos ara dentes maros com2b macii
a 80, 12U e 200 rs. o maro.
Pablos do gaz a 2^000a groza.
Queijos fiamenj s do ultimo vapor a 2->*,X'-
Mem londrino a 900 rs. a libra,
dem iiaio a G40 rs. a libra.
Rap Meuron 1 1-SCO a libra.
Sag e sevadinha a 240c 280 rs, a lil ra,
Saidinhas de Na ules a lata.
Sabao massa a 120, 180, 200 e 240 rs. a
libia, e em caixes por menos.
Sal refinado a OO rs. o vazo (pote de vidro.)
Toucinhode Lisboa, de Santos e americano
a 160, 240 e 32o s. a libra e em arroba
a 5, 7, o 9<5000.
Tijolos para limpar facas a 100 rs. cada u;.:.
[Tinlio do Porto em ancoras com 70 garrafas
a 30*000.
Vinhos de Lisboa e Fifiueira qualidades mag-
nificas a 3:>000, 35500 o ,->000 a caada.
Vinbo do Porlo em pipa a e (5->ooo a caad.-.
Vinbo brancode Lisboa e Porto em ancoras,
barris e pipas a 45000e ."i000 a caada.
Vinagre de Lisboa a I,-5(100 e 2->00 a cana
da.
Vinagre em garrafes por Iv.OO comogaf-
ralao.
Vinagre em ancoras pal a I -SOCO com a ancora
de 9 caadas.
Vassouras americanas a 640 rs. cada una.
Vinbo deBordeaux neste genero temos grande
porcao o das qualidades melbores que lem
vino ao nosso mercado em garrafas, em
ancoras, em bairisequartolas o qual ven-
demos por procos muito baixos.
Ditos de bVnlia tran.sarente'a '.'.'.'.'.'.Y.'.'. 600 i r.UI'Jas-dc meninos a :o00 o covado, isto n
Pares de l.gas muito finas para senhora a 300 J |'avao a rua da ^peratriz n. 60, de G.-
Saboneles inglezes da melhor quaiidade a 320 _______________________________
qualidad
Frascos de agua dentrilke superior ga-
rantida a.......................... 140OO
Massos com 2o envelopes grandes azula-
. do a.............................. ioO
\aras de fila preta com clcheles a..... OO
Frascos de macaca iterla muito superior 200
Caixas com peonas grandes a......... 200
Grosas de botoes para catea preta, miudos 100
Libras de memento da roupa de lavar a.. 200
Carriteis de relroz de todas as cores e
tem meia oitava de relroz a......... 200
Varas do Lieos de difTerentes larguras a 60
Os bordados do Pavo
Vendem-se camlsiuhas com manguitos e golli-
nhas bordadas, pelo barato preco de 15 e 15280
cada um, manguitos s 500 rs. cada par, ditos
com golinha a 800 rs., golinhas 400 e 180 rs., de
fil 240 rs. cada golinha bordada, romeira de
cassa o de fil muito bem bordadas 2 cada
urna, manguitos que serven para calcinita de me-
ninas 640 rs. cada par, camisa com manguitos e
golas com a competente grvala de seda, fazenda
lina, pelo barato preco de 35, e multas outras
bordadas que se vendem por precos moito em
coma : s na loja do Pavao rua da Imperalrfz
n. 60, de Gama & Silva.
As roupas do Pavo
Vende-se panno preto lino muito superior pelo
barato preco de 25, 25o00, 3#, 35300 e 45, dito
muito lino o'5 e 65 o covado, ea-imira preta de
nma s largura o muilo fina a 15800, 25 e 25300
e 35 o covado, cortes do casimira de cores a 55.
353OO e 65, casimiras entestadas de urna s cor
roprias para calcas, palelois. coleles, capas e para ,
na loja *$>
ima :>
r

Gomma de mandioca.
Potassa da Russla,
da mais superior desembarcada honlcm : vende-
se no escriptorio de Manoel Ignacio de Oliveira & '
Fllho, largo do Corpo Santo n. 19. ; ^g^
Vende-se na rua da Madre de Dos n. 38, ar-
nazem.^___________
Queijos de Minas.
Vende-sena rua Nova n. 61 defronle da Illma.
cmara municipal.
DECLARACAO.
1
O BALIZA declara pelo prezente que
deixa de publicar os precos pelos quaes ven-
de as suas mercaduras por motivos que ao
respeitavel publico pouco intereca. Serve
provisoriamente de baze os procos do Pro-
pheta.
OR'Eitl BMft IIIA.
0 BALIZA concede plena liberdade aos
seus amovis collejas Clarins, Unios, mitra-
dos e croados, para que pnssam saltar, ber-
rar e todo mais quanto Ibes aprouver, al
a sua segunda ordem.




-



i4/Wr8.ocovaTo: na, loja Mffiffiffiflfi mMMS& S # ^"^ l i -' E^'
1 da Imperalriz. n. 60, de Gama &l|^P^^OT^q*q|p^
1
**


Sexta felra 9% e Metemfcro d> tt.


I
CRAINDE ARMVZEH DE HOLIIVDOS
Largo da
'Santa Cruz
n.84.


Esquina
da ra do
Sebo n.84.
Mh goroas nem mitras

ILH4NTE
Francisco Jos Fernandos Pires, proprietarie do armazem de molhados denominado
Aurora Brilhante, ao largo da Sania Cruz n. 84, esquina di ra do Sebo, faz seiente ao
respeilavel publico desla cidado e do interior, que n seu importante estabeiecimeni
vender sempre gneros novos e do primeira qualidade, c vender a todos pelo mesnio
proco.
O completo sorlimento de todos os goueros finos e gwssas qae cortumarn ter outros
cstabelecimentos desta ordem se eneontrarao sempre loo armazem da Aurora Brilliante
e sempre em grande escala vontade dos senhores compradores.
O propietario do armazem Aurora Brilhante pede a todos os sunhores e senhoras
que quando tiverem de mandar suas relaeoes a este cstabelceimnto por seus criados
seja eoi e*rta fechada ou com grande recoinmeadaco a este armazem, certos de que
serio lao bein servidos como se viessem pessoabneotei
GftAlflMS
DE
RA DO IMPERADOR 1*. to
Jaste m srbrailo en qae mora e Sr. 0>bftrne,
NOVA EXPSITO DE GNEROS
NO
liiar te AI me id a *fc C, reeeberam de su a propria eneoiuiuen-
da o nial iind* e variado sorliuento de molhados. proprlos
da prsenle es taca o.
Manteiga ingleza
A Aurora Brilhante troca qualquer um genero que por acaso nao agrade, e recebe
as libras esterlinas a 900u) sendo por compra : a tabella de seus gneros ser mudada
todas as semanas.
Carne e intuir do sertao.
Amendoas confeitadas a libra a 800.
Manteiga ingleza flor a 800, %0 e 1J120.
Dita niais abaixo a iO e 720 rs.
Dita franceza nova libra iO e em barril
5G0 e G00 rs.
Chocolate sant muito novo a 15200 a libra,
lu perola o melhor que ha ( redondo) a
libra a 3,3200 e 2^800.
Dito dito utais abaixo a 2,5300 e 2>80.
Dito uxim muito fino a 2S800 e ".-:>
Dito hysson superior a 25600 e 2>800.
Dito mais abaixo a 2?3 e 25500.
Dito preto muito lino a 25300.
Dito em massos a 25.
Dito do Hio em latas de i, 2 e 1 libra a
15300.
Caf de Moca superior arroba DSoOO e libra
300 e 280 rs.
Dito Jo liij e do Cear arroba 85300 c libra
32 rs.
Dito mais abaixo arroba 85 e libra 2G0 rs.
Barricas com bolachinha ingleza nova a
35.
Latas com bolachinha de soda de 3 libras a
25300.
Ditas com ditas sorlidas de 2 libras a !5'00.
Frascos com ameixas fraucezas a 1500,
25800 e 35.
Latas com ditas a 1*400.25200 o 4g.
Dilas com figos de comadre a 15300.
Caixinhas com ditos muito novos.
Presunto de Lamego muito novo a libra 3 0
rs. inlciro e a retalho 000 rs.
Chouricas e paios novos a libra G00 rs.
Dilas com ervilhas francezas o portaguezas
a KOO rs.
Ditas com massa de tomate novo libra 3G0
rs. e em barril a 300 rs.
Ditas com ostras a 720 rs.
Ditas com mermelada di- melhores autores
de Lisboa a libra 640e 720.
futes com musturla franceza preparada a
libra 480 rs,
Dita dita ingleza a 800 e 15-
Queijos novs do vapor a 200 e 25800.
Ditos de prato enplicado a 15.
Dito suissu a 800 rs.
Dito de manteiga do Serid a 800 rs.
Caisas cun passas novas de 1 arroba 75,
Duzia de grata latas grandes a 15.
Caixas com 23 massos de velas de sperma-
cete & 5*0 rs. a libra.
Ditas rnaiort-s a 600, 640 e 720 rs. a libra.
Caitas com urna arroba de velas do Arara-
ty 10530 e libra 400 rs.
Ditas de cemposico arroba 105 e libra 360
ris.
Saceos gFandes com farinha de Goianna mui-
to boa a 85300.
Ditos com mWfco novo nom 24 colas a 35300.
D ito com farello de Lisboa a 35300 e 120
a libras
Dito com arroz de casca a 54000.
Duzia ae raralas de cerveja branca c preta
a 35300 e em barricas a 35000.
Arroz do Maranhao em saceos arroba 25600
25400 e libra 100 e 80 rs.
Dito da ludia o Java arroba 35 a libra 120.
Araruta verdadeira arroba 85 e libra 320
rs., rnatarana.
Gomiua do Aracaly para engommar arroba
35 e libra 160 rs.
Farinha do Maranhao nova libra 320 rs.
Ervilhas ser-eas muito novas libra 200 rs.
Sag o semiluna a 240 rs.
Sevada arroba 35200 e libra 120 rs.
Graxa de boiao '.'7 a 280 rs.
Sabo massa a 200, 240 o 280 rs. a libra.
Dito hespanhol verdadeiro a 400 rs. a libra.
Balaios do l'orto de diversos tamaitos de 320
a 25.
Capachos para portas de varias cores a 600,
700 e 800 rs.
Grao do bico arro a 45300 e libra 160 rs.
I'ainco arroba 35300 c libra 200 rs.
Milli alpista arroba 45300 e libra 160 rs.
Azeitc doce de Lisboa garrafa a 6'i0 rs.
Vinagre de Lisboa caada l&'WO e carrafa
200, 24! o 320 rs.
.Massos de palitos de denles com 20 massi-
nlios a 160 rs.
'fijlos de limpar facas a ICO e 120 rs.
Itnsmas de papel almajo pautado a 45300.
Dito greve liso o melhor que ha a 45300.
Dito de peso e paulado.a 2j500 e 25800.
Garrafoes com 25 e 13 garrafas de verda-
deira genebra de llollanda por 85500 e
m< a 35500 e quino 25 e libra 480 rs. 65000 rs.
Amendoas com casca a libra 240 rs. e arro-! Azeitc. de coco garrafa 560 rs. e carrapato
ba 65. 300 c ranada 25360.
N'ozes libra 160 e arroba 35. CaJxOes com doce de goiaha a 640, 800 c
Charutos tinos de Sima-, e dos melhores fa-1 15.
brieantes-da Babia Jo 25 85 caitas delToucinho de Lisboa arroba 05500 e libra
100 e 30. 320 rs.
Groz:i> de caixinhas de palitos do gaz a 25200 Dito de Santos arroba 65 e libra 280 rs.
e 200 rs. ;i duzia. |Molhos com grandes ceblas a 15600.
Barris com azeitonas novas a 15200 e 25 Cento de dita sola a 15600.
barris grandes. Mauncos dealhos a 120 rs.
Vassouras do Pono piassava muito seguras a
da safra nova vinda neste vapor de 28 de
m.'io a 800 rs. a libra.
Manteiga franceza
: da safra nova a 560 rs. alibra, e ein barril
a 300 rs.
Amendoas
confeitadas de lindissimas cores a 800 rs. a
libra.
Ameixas
em frascos de vidro com 3 libras liquido a
2SI400, muito propios para mimos.
Cartees
com bolos franceses a 500 rs. cada um.
Latas
com bolachinhas de soda de todas as qua-
lidades a I 300.
Ohoeoktes
de todas as qualidades a l5000 a libra.
Presuntos inglezes
dos melhores fabricantes a 800 rs., tambem
temos velbos para 500 rs.
Queijos flamengos
chegados neste ultimo vapor a 2#6oo.
Queijos
chegados no ultimo vapor a 2$G0O cada um.
tneijo
londrino o mais fresco que se pode esperar
c de excellanUj maree a 800 rs. a libra
sendo inteiro e 900 rs, a retalho.
Conservas inglezas
as mais novas que se pode esperar a 760 rs.
o frasco.
Figos
em libras e caixinhas ricamente dotiradas,
proprias para mimos a 900 e 14260.
Cha uxim
o melhor que se pode desejar, que outro
Hagas brancas
para sopa a melhor que se pode desejar,
macarrao, talharim e aleiria a 400 rs. a
libra e 4 500 a caixa.
Vinko
Figueira J A A e outras muitas marcas acre-
ditadas a 800 rs. a garrafa,
dem de Lisboa
e de outras marcas a 400 rs. a garrafa, e
2.-$800 a caada.
I den do Porto
generosos eagarrafado dos melhores fabri-
cantes da cidade do Porto alje 10200
a garrafa e de 100 a 125 a caixa, as mar-
cas s3o as seguintes: Chamisso Filho,
F. M., Nctar ou vinho dos Deuzes,
lagrimas do Douro e outros muito.
Latas
com 10 libras de banlui a 4#000.
Bolaekinha ingleza
al #800 a barrica damesmaque
venden a 20000 e 2i00.
Nozes
as mais novas do mercado a 120c^ .ai bra.
Cervejas
dos memores fabricantesje de todas as mai
cas de 4#500 a 6#o00 a duzia.
CHARUTOS
Charutos Thom Pinto,. Reis e outros em
meias caixinhas a I 500.
Arroz
do Maranhao a 100 rs. a libra, e da India
a 80 rs. a libra, e 2*500 a 35000 a ar-
roba desses que vendem por 3$400.
CAF
de 1.a e 2.a sorte do Rio de Janeiro a 8,->5f
e 80800 a arroba, e 280 a 300 rs. a libr
Ciarrafes
com 4 l i garrafas com vinagre a 1000M
o garra Rio.
GENEBRA DE LARANJA
ARMAZEM
PRINCIPAL
DE
v. o rija no crespo ar. 9
Esquina que volta para a na de Imperador
E provavel que nao seja bem aceita a verJade, quando a boa f de todos anda
(Iludida por esta epidemia de nauzeaucos annuncios de cornetas, tambores r/uX ?
tras, etc., que todo odia enchem as paginas deste jornal. '
AIEBTA
Os annunctantes nao tem em vista seno garantirem ao respeitavel onbKen -.
sua paUvra de honra, vendando cfm o lucro suficiente para suas subsistencias nn Vr!
assentarem fortunas a torca da regra de liga como outros annunciantes.deste genero
PARA T*>2*<>$
No armazem principal vende-se a todos pelos precos marcados na se^uinte ta-
bella, mas. nao se vende por todo o prego fazendo-se peso de arroba hespanhob ffaran
cobrador S!ner0St,0Can,,'Se td a',Ue,le que n5 ^Ta^Sto
Lentilhas muito novas excellente legume Da-
.ra sopa a 2oo rs. alibra. V
Licores francezes de todas as qualidades de
7oo e 9oo rs. a garrafa.
Ar!2nTSS ?SS?! Cm "n,,aS ""* "Prt" Pfeitaroente fl
Amendoas confeitadas de diversas cores
64o rs. a libra,
dem de casca dura a 24o rs. a libra.
dem de casca mole a 32o rs. a libra.
estampas, a 1.2oo e l,5oo rs.
dem em frascos.de vidro a l,2oo rs.
dem em frascos grandes a 2,5oo rs.
dem em latas de 1'/libra a l,Ioo rs.
Arroz do Maranhao e da India o melhor que
ha neste genero de 80 a loo rs, a libra, e
de 2,5oo a 2,8oo a arroba,
Azeite doce de Lisboa a 600 rs. a garrafa, e
4,8oo rs. a caada.
dem francez e de Lisboa refinado em gar-
rafas brancas a Ooo rs. a garrafa el 0,000
rs. a duzia.
Alfazema muito nova e limpa a 32o rs. a
libia.
Azeitonas muito novas a 2.000 rs, a anco-
reta.
Alpista limpo a 14ors. alibra, c 4,4oo rs. a
arroba.
llolacbinhas de Lisboa da fabrica do Reato
Antonio de diversas qualidades, em latas
de 6 e de 3 libras a 3,ooo e l,5oo rs. a
lata, e 61o rs. a libra.
dem ingleza em latas de 2 e de 4 libras
das melhores marcas a l,3oo e 2,2oo rs.
a lata.
Banba de porco refinada a 4oo rs. a libra e!
lor a 800 rs.
C ." '----.......-... ,,,., a ouu ff,
a iiora, e desnessesario mais elogios nes-
te genero que so se pode verificar aira a
VISt
dem franceza a 60 rs. a libra, e em barril
ou meios a 5ua rs.
Marmelladado 1." fabricante de Lisboa a 600
rs. a libra, ha Jalas de 1, 1 /, e 2 libras.
Maca de tomate em latas de urna e duas li-
bras, a 600 rs. a libra.
dem para sopa estrellinha, pevide, rodmba
etc. a 3,500 rs. a caixa e 5Go rs. a libra'
Macarrao, talharim e aletria a 4oo rs a li-
bra.
Mostarda franceza preparada a 4oo rs. o fras-
co.
dem ingleza em p a 64o rs. o frasco
M0U10 inglez em garralinhas com rolha de
vidro a 64o rs. cada urna.
Marraschino verdadeiro de Zara a 1,000 rs.
a garrafa, e lo,ooo rs. a duzia.
Nozes muito novas a 160 rs, a libra.
Ostras preparadas em latas a 7oo rs. a lata.
Prezunlo para Hambre inglez verdadeiro, ga-
rantindo-se a qiuriidade, a 7oors a libra.
Passas novas de carnada a 4oo rs. a libra, e
6,5oo rs. a caixa.
verdadeira a 1^000 o frasco," e de I10OOC! ra.
a caixa.
rs. cada una.
loo
Azoil doce francoz dos niollires fabrican-
tes, caixa 10-3 a a garrafa 15-
Caitas com vuitiu BorJooaz branco c tinto.
Vinho do l'oitu lino ern barris de5a qae ra-
ras vezfs apparece por 80i e em cunada
a ."i^oOO e arrala a 800 rs.
Do do Figueira puro canuda M> c 'iJ5'00 e
garrafa a 0 e 500 rs.
Dito de Lisboa do boas marcas a 3300 e
'i-3 e a garrafa a 440 e WO rs.
Cognac verdadeiro a garrafa 1 e 12S0.
Violu nuiscalol duzia 105 c garrafa 1-3.
Vinho branca de muito boa ijualidade cana-
lla \-"> e arrala 180 rs.
Dito Xercz lino i caada 7-3O e garrafa a
1*200.
Diio Madelra Focca agarrafa 1-5600 e 25-
Dito em caixas de una duzia do l'orlo dos
melhores autores a \ts>. li$ e 1C-5.
Garrafas com licor lino francez a 1. 1*200
e 15000.
Dilas com vinho de caj muito claro a 15.
Ditas com mnl de abcllia puro a 15.
Frascos com genebra de llollanda do 2 gar-
rafas a 15-
Dito de urna garrafa a .'00 rs.
Do de laranja verdadeira a 1-5200.
Pites com mostarda preparada a 3O e 400 rs.
Caivas com 2 arrobas de batatas a 25300.
Vinho branco de Lisboa proprio para missa
a 45800 a caada e OiO rs. a garrafa.
Espirito de vinho a M)0 rs. a garrafa.
Duas redes muito bem feitas para dormir
vindas de S ibral a :J05 cada una.
(lordas de pastar e do andairae.
Favas da illia di.' S. Miguel arroba 35200 e
libra 120 rs.
Copos lapidados para agua e vinho a 35500,
35800, 65 e "5-
Ditos lisos para varios procos.
Calis lapidados grandes e pequeos duzia
3, 4 e 55 ; e 400 e 300 rs. cada um.
Uassas para sopa macarrao, talharim e ale-
tria a 400 rs.
Bstrelinba e pevide libra 040 rs.
Xarope de finetas nacionaes a garrafa 600
ris.
Marrasquinhp de Zara da melhor qualidade
agarrafa 15200 e 800 rs.
Esleirs do tranca, cento a 205 e 210 cada
urna.
Queijos de qulba novos. arroba 165 e libra
a 360.
Duzia de champantia superior a 205, e 25 a
garrafa.
Garrafoes vatios a 15600.
Massa branca para sopa a 320 rs.
Frascos com azeitonas e;;i coacervas a 800
ruis.
Diaria de carias linas para jogar a .'5-
Sabio hespanhol verdadeiro libra 400.
Saceos com feijao mulatiohe novo a 105-
Latas com favas j preparadas a 800 rs.
Sevadinba para sopa a 240 rs.
Garrafas com suseatel e selubal a 800 rs.
Sas novo a 400 rs.
Hreu arroba 85500 e libra 320 rs.
Latas com 27 garrafas de gaz a 115, a gar-
rafa 500 rs.
qualquer nao pode vender por menos de
3^ a 20600.
dem perola
especial qualidade a 20700 rs. a libra.
dem hysson
o mais aromtico qae tem viudo ao nosso
mercado a 2*>tiOO.
Massas amarellas
para sopa, macarrao, talharim e aleiria a
480rs. alibra.
C'OGVAC
o muito afamado cognac Pal Brandy a 1.8oo .
rs. a garrafa e de outras muitas qualida-' finos de todas as qualidades, a lo.ooo a
des a l.ooo e Son rs. a garrafa. com urna duzia e a l.ooo a garrafa.
. .. copos Marmelada
fff^'";V;f '''' 4',,J,0 llt n' a dos melhores fabricantes de Lisboa, como se-
duza, e a 440 e ooo rs. cada um. Abre c ou(ros mum ^ ,.? a
PAPKL libra.
almaco. greve, peso e de outras muitas qua-
"idades de 2,2oo. a 4,5oo a reama do me- .. A ,
)n0|. o verdadeiro prezunto de Lamego a o rs.
a libra.
em barril a 36o rs. I PeM em lalas hermelicamenle fecha das d
Btalas em caixas de 2 c de l arrobas al SpuIlt0= mn|;(h,i(,< Zi,,i
ltnnr< arrnhi I seruuiics quali(lade>, babel, corvina, go-
i.ioo rs. a arroba. raz cavallmha e pescada a l,ooo rs la-
Lhampagno das mellioros marcas a 2o.ooo; ta ra* d a
rs. o gige, l,8oo rs. a garrafa, e 9oo rs. Palis para dentes h v
as meas garrafas. co d 20 macinll0s. 5" ma
; Cha uxim o melhor possivel a 2,/oo rs. a !.- Iuem d0 gM a 2oo rs d ,
a groza.
dem perola qualidade especial a 2,7oo rs. painJ0 m'uil0 novoa 1Cors ,
DEM a libra.
em frasqueiras de llollanda a *>SS00 com dem hysson o melhor que ha nesle genero
12 frascos. a 2,000, 2,4oo e 2,6oo rs. a libra.
GENEBRA
de llollanda verdadeira em frasqueira a Ooo
'-^ l ouli'Oh E.nis3tos gneros de primeira fiialidde que nao
i(f.) possivel inenclona-los.
SEa A salisfacao da Aurora Itrllhante vender muito, embora barato, mas DINHEIRO,
"^ abatendo cinco >or cento a quein comprar de 1005000 para cima.
E SORTIEMO DE FAZEMI4S
DE
Custodio, Carvalho & Companhia.
99 KU.1l DO QVEIMAIIO 99
Pocas de ntremelos bordados a 15-
Tiras bordadas a peca 2.
Gobertas de chita a chinela a 25200.
Lencqa do linbo linos a 25200.
Toalhas de linbo para maos duzia 45-
Sapat'-s o tapeto para meninos, senhoras c horneas pelo barato preco de 15600 o par.
Toalhas de linho para mesa a 35500 e 45.
Balos do arcos para senhoras a 3.
Fil de linho liso vara 300 rs.
rirande sortimento de las para vestidos.
Superiores saias de fustao para senhoras a 30.
Papel de botica
de excellente qualidade a 2j>200 \ resma,
PAPEL
Prezunto
dem do Rio em lalas de 2 a 8 libras, a l,3oo
rs. a libra.
dem preto homeopathico 2,ooo rs. a libra.
PALITOS j Cerveja das melhores marcas a 6,000 rs. a d-
os verdadeiros palitos do gaz a 2,2oo a groza' o 56o rs. a garrafa,
e 2o rs. cada caixinba. 'Chocolate francez, suisso e hespanhol a
LICORES 1,00o, 1,2oo e 1,4oo rs. a libra.
a caixa Charutos do afamado fabricante Jos Furia
do de Simas e outros da Bahia como se-
jam Begalia, Trovadores, Guanabaras, De-
licias e Suspiros, a l.Ooo, 2,000,3,ooo e
4,000 rs. a caixa.
Conservas inglczas a 73o rs. o frasco.
dem franceza surtidas ou de urna s quali-
dade de cada frasco a 800 rs.
'Cognac ingleze.francez a l.ooo rs. a garra-
fa, e lo,000 rs. a duzia.
Cominho e erva-doce a 4oo rs. a libra.
Cravo da India a Goo rs. a libra.
Canella a 1,000 rs. a libra.
Copos finos para agua e vinho a 4.800,
5,ooo e i.rioo rs. a duzia, e 5oo rs. cada
um.
Cal do Bio superior 28o c loo rs. a libra,
e 8,5oo a O.ooo rs. a arroba.
dem do Cear a 26o, 28o e 3oo rs. a libra,
e 8,000 a 8,800 rs. a arroba.
Doce de goiaba a 600 rs. o raixao.
Ervilhas porluguezas em lalas. chegadas l-
timamente a 7oo rs. a lata.
dem seceas a 16o rs. a libra.
dem j descascadas a 2oo rs. a libra.
Farinha de aramia verdadeira a 32o rs. a
i bra.
libra, e i.'oo
ABBOZ
Maranhao, Java e India, a loo rs. a libra e
de 3,ooo, a 3,2oo rs. a arroba,
azul e pardo para embrulho de 1,4oo a 2.2oo VELAS
rs. a resma. de espermacete de diversas marcas a 50o rs.
CorilltlliaS a lmra e era caix;l tc'r;l abalimento.
passas corinthias muito novas proprias para ,.. K VhLAS
podrm a 800 rs. a libra. de carnau^ em de arroba -:o p
r U caixa e 34o rs. a libra.
JjUmC Btalas novas
o verdadeiro fumo americano em chapa a' em cai-xas de 2 arrobas a o> a caixa e 60 rs.
l,4oors. alibra a libra.
Vinojvpn Passas niuilo notas
ddo am nn, a a 1 i !em (Iuartos e inleiros a 2$ o qttailo e 630OO
PBB em ancoretas de 9 caadas a 10,000 rs. a ^ e i00 rs a ||)ra
cada urna. ^l^i_
n -i -ii Chocolate
L/eDOllaS portuguez o mais especial que se pode de- i _, l,Dra- .
as mais novas do mercado a 7,ooo rs. a caixa seJar a 80 rs- a "bra e 140 rs. o pao. I F,gs em caixinhas bem enfeitadas a Ooo rs.
e l,ooo rs. o molho. Frutas em calila ca,,a "ma- ,
Alnicto a Ponnn | chegadas ltimamente, pera, pecego, ginja e ,,ra,xa nova a loo rs. a lala, l,loo rs. a
AipiMd U rdlll(,) ; outros muitos a 640 rs. a lala.
o mais novo do mercado a 140 rs. a libra. Osee da casta da Miaba
e 40400 a arroba. a 600 e 1$ 0 caixc.
duzia.
Genebra de llollanda em frasqueiras de 12
frascos a 5,8oors., e 56o rs. o frasco.
Os proprietarios do grande armazem o Verdadeiro Principal declaram aos seus''Idem em l)0tiJas a 4o rs- cada uma
freguezes e amigos e ao publico em geral, que para facilitar a commodidade de todo es- Itlem em ?;>rrafoes de 16 garrafas a 4,800
tipularam os mesmos precos nos seguintes lugares: rs- com '
Uniao e Commercio ra do Queiiuado n. 7
0 Verdadeiro Principal roa do Imperador u. ri0
FBCTAS
IAf.U, PERAM K V\AH
chegadas neste ultimo vapor, vende-se nos seguinles lugares: ftua do Imperador n. -
40, Verdaileiro PrincipalBa do Queimado n. 7, Uniao e Commercio.
0 garrafo.
dem idem de 3 caadas a 7,2oo rs. cada um.
dem ingleza em garrafas brancas bordadas
rom rolha de vidro, qualidade superior
a l.ooo rs. a garrafa.
dem de laranja verdadeira a I,ooo rs. o fras-
co, e H,ooo a frasqueiras de 12 frascos.
Kirsch Wasser excellente bebida Suissa a
1,8oo rs. a garrafa.
rs. a arroba.
Queijos flamengos do ultimo vapor.
Idem prato muito fresco a 8oo rs. a libra e
sendo inteiro a 72o rs.
Sal refinado em potes de vidro a 5oo rs. ra-
da um.
Sardinhas de Lisboa e de Nanles a 6oe rs.
a meia lata, e 4oo rs o quarlo.
Sag muito novo e alvo a 24o rs. a libra.
Sardinha de Franca a 18o rs. a libra. '
Sevada a loors.alibra.
Toucinho de Lisboa a 24o e 3oors. a libra.
Tijolos para limpar facas a 15o rs. cada um'.
Vinho em pipa, Porto, Lisboa e Figueira das
marcas menos condecidas a 4oo rs a car-
rafa, e a 2,8oo rs. a caada.
dem Figueira expecialmecle escolhido Deste
lugar a 6oo rs. agarrafa, c 4,5oo a esnada.'
dem Lavradio, Colares muito fresco tem
composicao a Goors. agarrafa, e 4,Soo rs a
caada.
dem Lisboa em ancoras com 9 cana-las mar-
ca especial a 22,ooo rs. a ancora.
dem branco uva pura a 5(io rs. a carrafa
e a 4,5oo a caada.
dem Porto lino em pipa a 56o rs. a garra-
la*
dem engarrafados generosos, Lagrimas do
Douro, Duque do Pono, I). Luiz I D. Pe-
dro V, Nctar, vell.o seeco, .Malvaxia, e
genuino particular de 0ooal,2oe rs. a ar-
rafa e a 10,000 rs. a caixa com urna duzia.
dem Madeintfegilimo a ,2oo rs. a garrafa
ea 12,ooo rs. a duzia.
IdemMuscatel a looors.a garrafa.
dem Bordeaux dos acreditadas marcas Si.
Juhen St. Esteph, chteau la Boze,chatau
Margoux e outros a 6,000 rs, a caixa e 56o
rs. a garrafa.
Vermouth a melhor bebida estomacal a 2.000
rs. a garrafa.
Vinagre rs. a caada.
dem em garrafoes com 5 garrafas a 1.000 rs.
Vassouras do Porto com arcos de ferro a 3o
rs. cada urna.
dem de escovas para lavar casa a 3Co rs.
cada urna.
Vellas de espermacete superiores a 56o rs.
a libra, e sendo em caixa a 52o rs.
dem de carnauba refinada e de composifao
a 30o rs. a libra, e 10,800 e 11,000 rs. a
arroba.
RA DO QUEIMADO NUMERO 11
Loja de fazendas dr Augusto Frederico dos Santos Porto
Liadas ehapelloas e chapeos para senhoras.
Chegaram a este estaljelecimento as mais modernas chapelinase chapos para enflora*
Superiores cortes de la de barra de 105-a 20.
As mais superiores capas e soutembanjucs de seda preta e casemira de cores para senhoras de
o$ ate 0-5.
Excellents Las para vestido a-320, 500, 560 e 600 rs. ocovado.
Cassas e orgMtdys de cores a 240 e 320" rs. o covado.
Os melhores tapetes para sof com riqusimos dsetthos.
Lengosde cambraia de linho o fil bordados a lft'c(to"tim.
Superiores casemires mescladasde diversos gustos-tanto e m pecas como ow-cortes.
B-oatras muitas fazendas como sejam: perealles (inlssimas, breUnhas, sileeias, esqoiao, silis-
tnua preta muito linn, canteo para vestaos de lu", grosdenapie de bonitas cores e-as superiores
Sis le rus para .talas.
As pessoas jiic prelendorem forrar suas salas ou gatiiiKtes, eneonrarao neste estabelecimeoto
melhor aqualidade de e?teiras de todas as larguras e pelo mais mdico pre$o,
\:A)\.,i OIKOn, I;l(AIi9.:]iA(:\I.! \()
XAROPE DE RABAIVO IODADO
Segundo o atlestados dos nwdlcos do hosplUes de Parii, cunignado no Prospecto, e a approvaco
*?lifif"lemic01' M,e XaroPe emprega-se com o malor rocceso, em lugar do OLEO DE FIGADO DE
iSP*^ 'f qual ""e^res'niente superior. Cura mmolestias de peito, as escrfulas, o lymphatismo a
palddei e mollexa das cames, as perdas d' appetlte, e regenera a constituico puricando o sangue. Em
annu 4 o mais poderoso depurativo conhecldo. Ella nunca canea o estmago ou os intestinos como o
loduro da potasalum o ioduro de ferro; e administra-se com a malor efllcacldade aos mrninos suieitos
aos humores ou ao entupimento das glndulas. O D*oir CasenaTr, do hospital de San' Luis de Paris,
o recommenda d um modo inteiramente particular as molestias da pelle, conjunctamente com as pilulas
que teem seu nome. *^
Depsito geral : em Paris, en casa de MM. Grlraault C, pharmacentlcos, 7, ra de la Feuillade :
asn tuooa, en casa de Rxtrlaja da Caato-Carvalha; no Porto, en casa de Mls;nel Jo.r de soasa-
rarrelra em O Rio-de-Jannro, tIbv. Prlxal* a Mala, na do Sabio, 11 j em Bahia, en casa de
laa-Carlaaa Frrrrlr.-R.klahelra; em Aio-Grande, Bn casa de Joaqala a> Godoy; em lfaron-
Mo, en casa de Ferrelra e C; em Ptrnambuco, Saanai O, rea da Crui, : sania, e as ptlnclpaet
pharmacias do Braztf.
-
nn^nsa >'> os es >*i h s
1-8'l oS'-'-Sb'S-S-sS

01
=nSr

a." w > -j -i
a'
a a o
a.
v
o o.
B>
3 C? ?T
5
a
Alatelo.
Vendem-se barris com alcatro : na ra da Cruz
t&S Gome0sandar- -*'* de ^ -
a-cf'01
Deposit geral em Peroambuw na da -Ctm a. 22de emcasaCaros & Barboza.
\ende-sea lalteiua do becco Largo u. I. com
poucos fundos : a tratar na mesin.
Pumsepmsir a f'esta
Vende-se ouu casa na na de S. Pwtro Mtrtvr .
le ?'-"-!??" 4-ro'" i S,las' S ''"10'- (','inh*''-1 Vende-se urna casa de taipa de urna porta o
ra.-l^rtwrmrrto fresco roiireTrptt->nTe vtsta, em' aiflta, com quinta! e algans i>fc d> lannzrins
t^l^T^'S0'^0 r0""^0-, wtnbem ^Igoiabeira e roseira, no llar, PVr commodo proco
permuta por urna escrava de mw-, rU : atra-1 tambem sealuga para so pulir i feta : a tratar
tar no largo do Paraizo n. 14 i na rua de Santa fncren n 28.
2-1 *f 8
s i 3 P
isl i
_ au"o -
3 ~-M m r ^
S. o a a.
2
.*.,
2 c*. *
2.?
a
B S ?
2-w -
=. = g. g
' O
Jl
s
85
o S4
_ N
"3 C6
es -|
2s>

a
O.
O
o
e
i
_ GAZ GAZ GAZ
ia i S6gaz de Primeira qualidade a
l* a lata : nos armazens da rua do lm-
perador n. 16 e roa do Trapiche Novo n. 8.
- Vendem-se as .-eguintes obras : Sfnzzaretti,
Obras, Ifaota, D. Eccl., Ber^er, Dice theolnaieo.
lapparelh, 1). nal., Andr, Dice, de I). Eccl. (W
m, Hist. da Virgem, Burlainaqni, D. naf. e fes
penies Beline, I) nal.. Abren, I), uat. Ondoi, sci-
encia do deyer, Benard, philosopJiia. Coosin, MM.
da l>hilosrH.hia : na rua estrena do ltosario n. 19,
segando andar.
Maehinas pam descarocar
algodfto dos mais acreditados
ibricantes: nafundicaodo
Bobinan, rua do Brum d. 38.
Carne eUnguicas.
Cbegou ao grandearmar..>m da A*urora Brilhante
no largo da Santa Cnu n. 84, a verdadeira carne
e lmguica do sertao.


X
Dlarl* 4c
< Sexta lelra 23 4c Setmhrc de l 4.
AO PUBLICO
eui o menor constrau-
glmento se entregar o
importe do genero que
nao agradar.
ATTENC&O
Os precos da seguate
tabella para todos, po-
dendo asslm servir de ba-
se para o ajnste de contas
con os portadores.
MAZEM U
RIJA I1A A1IE1 A II RECIFE TS. &
(Logo ndi o arco da Concfico)
trande redwceo de precos, equivalente a dez por cento menos do que ontro qualquer
annnnciante.
Collegas.Nao posso por mais lempo sustentar o prego da manteiga ingleza a l,ooors. a libra, bem assim o de outros
muitos objeclos, etc., dando com isto ocasio a todas as espeluncas acabaren) porbom preco a manteiga de tempero, e gritaren) en)
alta voz, que podem vender pelo preco que eu vendo I! 1 Ora, cu offendido com estas obscuridades e receioso em adoptar o mesmo
systbema que vim encontrar, de s se vender com um por cento a carola, resolv fazer esta grande reduccao de precos, como veris
pela seguinte tabella, pois como sabis ca pelo meu bairro, at a abertura do momoravel armazem de molhados Uniao Mercantil nao
se sabia de outro preco de manteiga ingleza a n2o ser o de l,4oo a l,6oo rs. a libra. Iloje porem, resentidos da reduegao a que
estao obrigados, encarando todos os dias de seus freguezes reclamacao de precos, e qualidades, vingam-se de um e outro portadores
al informado deste novo estabelecimento. para lhc vender goneros nao proprios de um estabelecimento desta orden) que o seu fim
m.-

to smente obter a concorrencia de seus "freguezes.
Para bem de todos.
Senhores e Senhoras o aceio que presidie, aos arrojos deste novo estabelecimento, e mais que ludo aproraptidao e entei-
reza cora que serao tratados, convida a urna vizita ao mesmo, certos de que sem duvida me darao a proleccao e preferencia na compra
dos gneros que precisaren), e quando nao pocam vir podero mandar seus portadores, ainda que estes sejam pouco pratices, pois
sero tao bem servidos como seviessem pessoalmente, havendo para com estes toda recommendagao, afim de que nao vaoem oulra parte.
libras
Manteiga ingleza (safra nova) especialmente
escolhida a 8oe rs. a libra, em barril se
faz abatnenlo,
dem franceza a mais nova que tem vindo ao
mercado a 56o rs. a libra, e em barril ou
meios a Soo rs.
Ca hysson de superior qualidade a 2,6oo rs.
a libra.
dem perela o mais superior do mercado a
2,8oo rs.
dem huxim o melbor que se pode desejar
neste genero 2,6oo rs.
tdein preto homeopatbico porser de superior
qualidade a 2,ooo rs. a libra,
dem hysson, huxim e perol mais proprio
para negocio o l,6oo, l,8oo e 2,ooe rs. a
libra, garante-s ser muito regular, igual
ao que se vende emoutra parte por 2,4oo
c2,6oo rs.
I.inguicas, chouricas e paios em latas de 8
libras, crmeticamenle lacradas a 3,5oe rs.
gai ante-se seren superiores aos que ven)
em Larris.
Chouricas e paios em larris de meia e urna
arroba a 8,ooo rs. e 1,000 e Goo rs. a libra.
Queijos flamengos muito frescos chegados
neste ultimo vapor a 2,2oo rs. e do vapor
passado a l,6oo e l,8oo re.
dem londrinos os mais superiores que tem
vindo ao mercado a 8oo rs. a libra cntei-
ro se faz abatitnento.
dem prato muito fresco a 8oo rs. a libra.
I lem do Alentejo o que se pode desejar de
fresco e superior a 8oo rs. a libra, a elles
untes, que se acabem.
El vilias e favas portuguezas em latas ja pre-
paradas a Oio rs.
Marmelada imperial dos mais acreditados fa-
bricantes de Lisboa a 6oo rs. a libra.
Presunto do roino viudos de casa particular
a 50o rs. a libra, e a 5oe rs. inteiro.
dem inglezas para fiambre chegado neste
vapor 72o rs. a libra.
Copos lapidados para a gua a 5,000 e 5,5oo a
dn/.ia.
Choculate francez, suisso e bespanol a 9oo
|,ooo c I,2oo rs. a libra.
Espennaceteem caixinbas contendo Cubras
por l.ooo rs.. garanle-se serem transpa-
rente c de superior qualidade, tambem tem
de 12 por libra propria para carro.
Peixe era posta sovel, corvina, gors. pesca-;
rs. e em barricas de 4 duzias se faz abati-
mento.
Caf do Hio a 26o e 28o rs. a libra, e 7.8oo
e 8.5o rs. a arroba.
dem lavado deprimeira qualidade a 3oo re.
a libra, e 9,ooo rs. a arroba,
dem do Cear de superior qualidade a 24o
e 28o rs. a libra, e 7,8oo a 8,ooo rs. a
arroba.
Arroz do Maranbao a loo rs. a libra, e 3,ooo
rs. a arroba,
dem da India muito alvo egraudo a loo rs. a
libra, e 3,ooo rs. a arroba,
dem de Java a 8o rs. a libra, e 2,2oo rs.
a arroba.
Painco ealpisla a 14o rs. a libra, e 4,3oo
rs. a arroba.
Massa de tomate em latas de 1 e 2 libras a
6oo rs. e de barril muito superior a 5oo
rs. a libia.
Alelria, macarro e talbarim a 4oo rs. a li-
bra, e 9,ooo rs. a caixa.
dem c lalherim branco a 32o rs. a libra,
estas massas tornam-se recoraendaveis as
pessoas doentes por serem propriamente
feitas para esse fim.
Estearinas a 50o rs. a libra, c em caixa com
25 libras a 52o rs.
Yinho do Porto muito fino exeellente qua-
lidade proprio para engarrafar em ancore-
tas com 9 caadas por 45,ooo rs.
Yinho de pipa Porto, Figueira, e Lisboa a32o, "Cervcja branca e preta das Bureas mais a-
4oo cuo rs. a gnala, em caada a 2,5oo,' creditadas que vem ao mercado a 5,ooo e
Antonio de Lisboa em latas com 6
por 2,5oo; ditas doce em latas com o mes-
mo peso a 2,5oo; ditas imperiaes em tetas
de 3 libras por l,5oo rs.
Ameixas francezas em latas de 1 e meia libra
por 1,2oo; ditas em caixinbas de deverses
tamanhoscom bonitas estampas na cai*a
exteriora I,2oo, I,Soo, etftum.
Azeitedoce refinado Pcnanol ou do Kewpes
de Lisboa a 85o rs. a garrafa e 9,boo
caixa com urna duzia.
Batatas muito novas a 5o rs. a libra e 2,ooo a
caixa com 2 arrobas.
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e
8,5oo a duzia.
Vassouras de escova para esfregar casa a 32o
Nozes muito novas a 16o rs. a libra.
Molbo inglez em garrafa de vidro com
rolha do mesmo a 5oo rs.
Mostarda ingleza dos melhores fabricantes a
8oo rs. o frasco.
.Mostarda franceza em potes j preparada
a 4oo rs.
LentHhas exeellente legme para sopa a 2oo
rs. a libra.
Marrasquino o verdadeiro de Zara em garrafas
grandes a 1,0004. e ll.ooo a duzia-
Palitos para dentes a 14o e 16o rs. o maco
Sal refinado em frasco de vidro com rolha
mesmo a 5oo rs.
do
3,ooo e 3,8oo rs.
Yinho blanco de Ms'ioa e exeellente quali-
dade a 4oo e Soo rs. a garrafa, em caada
a 3,ooo e 3,5oo rs.
Vinho branco para missa em caixa de 1 duzia
a 8,ooo e a 08o rs. a garrafa.
Yinho do Porto das melhores marcas, que
vem ao mercado como sejam Lagrimas do
Honro. Duque do Porto, DuqncGenuino,
D. Luiz I., Madeira secca, Malvazio fino,
Fetoria em caixa de 1 duzia de 9,ooo a
lo.ooo rs. ca 9oo e l,ooo a garrafa.
Vinho Colares o mais superior que tem
vindo ao mercado a 04o rs. a garrafa.
Sardinhas de Nantesem quartos e meias latas
a 30o e 50o rs. cada urna.
Sardinhas portuguezas em latas grandes
preparadas pelo melbor conserven o de Lis-
boa a 04o rs.
.la. salmo, ostras ecbernee, vezugo em Bolachinhas inglezas as mais novas do mer-
latas -rrandes a 8oo e l,ooo rs. cada urna. cado a 2,8oo rs. a barrica, e 24o rs. a
Yinho Bordeaux das marcas mais acredita-
das te tem viudo ao nosso mercado a
6,000, 7,ooo e 8,ooo rs. a caixa, garante-
si' ser de qualidade superior, que ontro
qualquer nao pode vender por este preco.
Genebra de llollanda a 50o rs. o frasco, e
5.7oo rs a frasqueira.
Idi'm de laranja verdadeira de Aliona era
frascos grandes a l.ooors. o frasco, e
11 ,ooo rs. a duzia.
I lem de llollanda era botijas grandes a 4oo
libra.
Bolachinha de soda era latas cora diversas
qualidades a I,3oo rs.
Bolo francez era caixinbas muilo proprias
para mimo a G4o rs.
Passas muito novas de carnada a 4oo rs. a
libra c 6,ooo rs. a caixa com2S libras.
Figos de comadre a 24o rs. a libra e
1,800 rs. a caixa com 8 fibras.
1 Amendoas de casca mole a 3o rs. a libra.
Bolachinhasd'agua era sal da fakrica do Beato
^ARTE ALMEIDA?
Acaba de receber de sua pmpria encommeiula um grande e variado sortimento
de molhados todos primorosamente escomidos, por isso apressa-se o propietario em
offerecer aos seus freguezes e ao publico em geral a seguinte tabella dos seas gneros e
resumidos precos, afianzando todo e qualquer genero vendido ueste bem conheerdo ar-
mazem.
Amendoas confeitadas de 800 rs. a libra.
Manteiga ingleza perfeitamente flor, a 800 rs
libra.
Licores francezes e portuguezes -das seguin-11fjfm d0 bfi*'ar>
tesmarcas ceme de violetas, gerofles, ro-
sa, absinto vespeiro, amor perferto, amen-
etaa amanga, percicot. de Torin, Boteflm,
morangos, liraao, caf, laranja, cidra, gin-
ja, canella, cravo, orlis pimema a 1.000
rs. a duzia l,ooo re. a garrafa, garartte-se
LOJA110IJEIJA FLOR.
Ra do Qiieimado ns. 63 e 69.
Benecas de choro.
Lindas Loneras de choro que chamam papai
raarnai, de diversos laraaubos: s as lojas do tm-
ja-flor, ra do Queimado ns. .'l e 09.
I.nvas de pellica.
Lavas do pellica branca e de cores para tio'fi^n^
e senhoras : as lojas do beija flor, ra du Que-
mado ns. 63 e C9.
Indias para cintos.
Lindas fivcllas douradas com lindas pedra-. para
cintos : as lojas do beija-flor, ra do Queimado
ns. <>3 e C9.
Capeilas para noiras.
Lindas capeilas para nnivas 25500 cada urna :
as lojas do beija-ilor, ra do Qudmado ns. fi:< i-
e9.
Eslujos para barba.
Vende-se estofos com espelbo para barba a liiiflO
e 25000 cada um : as lojas do beija-flor, ra de
Queimado ns. li;i e 09.
lialaios para uieuiuas.
Rcceheu-se novo soriimenio de batatos, rom
forma de vanos passaros, pelo barato preco de...
iUOO at i cada um : as lojas do beija-W->.' ra
do Queimado ns. .'t e 69.
tilas linas para cintos.
Ricas fitas linas lavradas de bonitas rre para
cintos: as lejas do beija-flor, ra do Queimado
n. 63 e 69.
Extractos cm cahinlias.
Finos extractos em caixinbas com o retrato tta
familia imperial: as lejas do beija-flor. ra lio
Queimado ns. 63 c 69.
Sabo eu caiuubas.
Finos saboes em caixinhas con vanos retratos
as lojas do beija- flor, ra do Queimado ns. 63 6'j.
Tiras bordadas.
Vendem-se tiras bordadas transparente* e upa-
das : as lojas do beija-tlor, ra do (tueiniado n?.
63 o 69.
Jogos de domin.
Vendem-se jogos de domin a lto e i30O
ra do Queimado r.-. (3
dem franceza a 56o rs. a libra, e 52o ts.
sende em barril.
Cb uxim a 2,7eo rs. a libra, e de 8 libras
paracima-a 2,6oo.
dem perola a 2,8oo rs. e de 8 libras pata
cima a 2,7oo, >
dem hysson o mais superior que se pode Passas muito novas em quartos o inteiros a
desejar a 2,6oo e de 8 libras para cima
a2,5oo rs.
Wem menos superior a 2,4oo e de 8 libras
para cima a 2,3oo rs.
dem proprio para negocio a 2,3oo, de 8 li-
bras para cima a 2,2oo.
dem do Rio em latas de 2, 4,6 e 8 libras
cada urna a 2, 3, 3,5oo e 4,8oo rs. a lata,
dem preto o melhor que se pode desejar
neste genero a 2,8oo rs.
dem menos superior a esse que se vende
por, 2 e 2,4oo, a 4,8oo re. a libra,
dem mais baixobom para negocio a l,5oo
rs. a libra.
dem miudinho proprio para negocio a i,5oo
rs. a libra.
Queijos do reino chegados neste ultimo va-
por a 2,2oo.
Queijos chegados no ultimo vapor a 2,6oo rs
dem prato *.s melhores e mais frescos do
mercado a 8oo rs. a libra sendo intoiro.
Genebra marca gato a 1.7oo rs. a garrafa.
Biscoitos em latas de 2 libras das seguintes
marcas : Osborne, Craknel, Mixed, Victo-
ria, Pec-nic, Fance, Machine eoutras mu-
tas a' 1,3oo e 1,4oo rs.
Fumo americano em chapa a 1,6oo rs, a
libra.
Araruta de todas as qualidades.
Batatas novas em caixas de 2 arrobas a 3$ a
caixa e 6o re. a libra-
Balachinha de Craknel em latas de 5 libras
bruto a 4,ooo rs.
ditocmcaixi5esa6oors. uem inglezas em barricas amis novado
mercado a 3,5oo rs, a barrica e 24o rs. a
libra.
5.5oo a duzia e i8o rs. a garrafa.
Saga mullo novo e al\o a a4o i-. a libra.
Sevadinba de Franca muito nova a2oors.
Charutos de todos osfabricantes da Baha e das
mais acreditadas marcas condecidas no
nosso mercado a 2,ooo, 2,5oo, 3,ooo,
3,5oo o 3,8oo a caixa de loo charutos.
Cognac inglez das melhores marcas a
1,090 rs. a garrafa.
Doce da casca da goiaba em latas de 4 l-
bras por 2,ooo;
cada um.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Velas de carnauba de 6 e 12 por libra a
32o rs. a libra c lo,ooo rs. a arroba.
Azeite doce de Lisboa a 64o rs. a garrafa
e 4,800 a caada.
Bauba de porco refinada a 4oo rs. a libra
e 36o rs. em barril.
Capil de diversas frutas muilo
6io rs. a garrafa. .
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a graza.
Toucinho de Lisboa muilo alto e alvo a
32o rs. a libra e 8,5oo a arroba.
Ameixas francezas em latas de 3 libras por
2,ooo. rs.
Cebollas soltas a l,4oo o cento ; ditas em
molhos cora cont etantas por l,2oo rs.
Malte exeellente cha para os navegantes a
a 2oo rs. libras.
AGENCIA
PA
IN&I0L0W40K00E.E
Ra da Senutlla nova n. 42.
Neste estabelecimento contina a haver
um completo sortimento de moendas e meias
moendas para engenho, machinas de vapor
e tachas de ferro batido e coado, de todos 01
tamanhos para ditos.
Arados americanos e machinas para
lavar roupa: em casa de S. P. Johnston A C,
1 na ila Senzalla Nova n. 42.______________
Vinho do l'orlo superior
dm caiiM de urna e duas durias : tem para ven-
eer Antonio Luiz do Oliveira Azevedo & C, no seu
cscriptorio ra da Cruz n. 4.
M Fabica Oouceao da
ARMAZEM
DE
AJ.VEN CtDUTIXlIO s IBKA\IV\O
21 Largo do Ter$Q-~% 1

Baha.
m
Chouricas muilo novas a64ors. a liba ; chocolate francez a l,ooo rs. a libra;
ameixas idem ; alpiste a 16o rs. a libra, e 4,6oo rs. a arroba ; arroz do Maranbao e da
India de 8o a loo rs'. a libra, e em a arroba de 2, a 1,000 rs. a garrafa e em porco, menos; idem de barris a 64o rs. a garrafa, e em cana-
da a 4,8oo rs. ; banha de poico a 4oo rs. a libra, e em barril a 36o rs.; batatas muito
novas a 4o re. a libra, e l,2o>rs. a arroba ; cha perola, bysson, miudinho a l,8oo, 2,4oo
e 2,5oo rs. a libra ; charutos das melhores fabricantes da Baha de 2,ooo e 4,ooo re.;
ceneja branca e preta a 5oo rs. a garrafa ; cravo, canella, cominho e erya-doce, conser-
vas inglezas em frascos e meios de 5oo a 9oo is.; cognac inglez superior a l,ooo rs. a
garrafa ; caf de 1.a, 2.a e 3.a qualidade de 8,5oo, 9.oooe 9,5oo rs. a arroba ; cevadi-
nha a -oo rs. a libra ; ervdhas portuguezas em latas de 1 V* libra a 7oo rs. ; spermacete
a 56o rs. a libra, e em caixas a 52o rs.; farinha de araruta verdadeira a 2oo rs. a libra,
e em a arroba a 6,0001*8 ; genebra de laranja a l.ooo rs. o frasco; idem de llollanda
a 64o rs., e too rs. a botija ; graixa em latas a l,2oo rs. a duzia ; manteiga ingleza per-
feila flor a 8oo rs. a libra ; idem franceza a 56o re. a libra, e em barris a 52o rs.; maca
de tomate a 6oo rs. a libra ; marmelada dos melhores fabricantes a 64o rs. a libra ; ale-
tra, talbarim e macarrSoa 4oo rs.; marrasquino de Zara verdadeiro a l,ooo rs. cada fras-
co ; nozes muit navas a 2oo ts. a libra ; passas a loo rs. a libra ; painco a 16o rs. ; po-
mada a 24o rs. a duzia; pimenla do reino a 36o rs. ; papel almaco e de peso de diver-
sas marcas; palitos do gaz a 2,4oo rs. a groes e 2o rs. a caixinha ; ditos de seguranza
individual a 2o rs. a ciixnha e 36o re. o maco ; queijos flamengos do vapor a 2,ooo rs.
cada um ; cevadinha a 2oo rs. a libra; sardinhas de Nantes de 46o-a 64o rs. a lata ; sa-
h30 massa muilo superi r a 2oo rs. a libra; toucinho de Lisboa muito alvo a 3oo re. a li-
> rPi( bra; vinho do Porto velho engarrafado a l,5oo rs.; idem em barril a 8oo rs. a garrafa,
uuus uiviiiu9, s ggjjjjp p(irC5o fa/.-se differenca eem caada a 5,ooo rs.; idem de Lisboa muito superior a
ez"--------------------------i 4iM rs. a carrafa e 2.8oo rs. a ranada ; idem da Figueira J. A. A. a Soo re. a garrafa e
Andrade k Reg, recebem constante-
mente e tem venda no seu armazem n.
34 da ra do Imperador, algodao d'aquel-
la fabrica, proprio para saceos de assu-
car; embalar aizodao em pluma etc., etc.,
pelo prec,o mais razoavel.
:- Charutos de Havana
de superior qualidade vendem-se em casa
de Schalleitlin o C.,_rua da Cruz n. 42.
~ Rira-dtTSezalla n. *2.
Vende-se, em casa de S. P Johnston cr C,
selliofi e silhes inglezes, candieiros e casti-
ces bronzeados, lonas inglezas, fio de vela,
chicotes para carros e mootaria, arreios para
carros de um e
ouro patente in
Chocolate portuguez o mais especial que se
pode desejar a 8oo rs. a libra 14o rs. o
pao.
Papel de botica de exeellente qnalidade a
21 oo re. a resma.
Potes com sal refinado a 48o rs. cada um.
frescas a}Bicos frascos com frutas francezas em calda
a melbor que se pode desrjar de l,4oo a
3,ooo o frasco.
Fruas em calda chegadas ltimamente, pera,
pecego, ginja e outros muitos a 12o rs. a
lata de 21|2 libras.
Foijao verde em bages em latas a 64o rs. a
lata.
iSozes muito novas a 120 rs. a libra, e 4,ooo
rs. a arroba.
Amendoas confeitadas a 6oo rs. a libra.
dem de casca mole a 32o rs.
Vinhos engarrafados no Porto e Lisboa das
seguintes marcas: duque, genuino, velho
secco especial, lagrimas doces, vinho es-
pecial D. Pedro V, nctar superior de
1833, duque do Porto de 1834, vinho do
Porto, velho superior, madeira secca. Por-
to superior D. Luiz I, e outras muitas
marcas, em caixa de urna duzia a lo.ooo e
l,ooo re. agarrafa.
dem branco de uva pura a 64o rs. a garra-
fa e 4,ooo a caada,
jldem superior a Soo rs, a garrafa e 3,2oors.
a caada.
dem em pipa Porto, Lisboa e Figueira das
marcas mais acreditadas a 3,8oo a caada
e Soo rs, a garrafa.
dem de marcas pouco conhecidas a 4oo re.
a garrafa e 3,ooo rs. a caada.
Especial vinho Lavradio sem a mais pequea
composico a 560 a garrafa e 4,ooo re. a
caada.
Farinha de matarana a 240 rs. a libra.
Ricas caixas com figos a l.ooo rs. cada urna.
Ricos livros com figos I ,ooo re.
Pomada a 200 rs. a duzia, sevada muito no-
va a 80 rs. a libra, e 2,5oo a arroba.
Garrafoes com 4 l/ garrafas de vinho supe-
rior a 2,5oo rs. com o garrafao.
dem com 4 '/ ditas de venagre a 1 ,ooo re. o
garrafao.
Vinagre PRR em ancoretas de 9 caadas a
15,ooo rs. com a ancore la
dem em pipa puro sem o batisme a 2oo rs.
a garrafa e l,4oo rs. a caada.
Caixas com 1 duzia da garrafas de vinho Bor-
deaux fazenda muito especial a 6,8oo rs.
a caixa e 7oo rs. a garrafa.
Bahados bordados
Vendem-se babados bordados de varias largura
e varios precos : as lojas do beija-nr. ra do
Queimado ns. 63 e 69.
Abafadores de rede.
Vendem-se abafadores de rede de varias cores a
! 80 rs. cada um : as lojas do Leiia iW. ra Ha
que e os melhores que temos trdo no mer- \ QUUmado ns. 63 e 69.
cade. Adcrecos pretos.
Tcndo-se recebido aderecos pretos de. novoy*-
to sao exportes yenda : iias lojas do heja-fl\
ra do Queimado ns. 63 e 69.
Grvalas para senboras.
Lindas grvalas para enhora 800 rs. e t000
t00 : as lojas do beija-tlor, ra do QneimaDo
ns. 63 e 69.
EsprIbes de moldura.
Vendem-se espelhos de moldura preta para <*-.
las : as lojas do beija-flor. ra do Queimado ns
63 e 69.
Voltas de aljofares.
Lindas voltinhas de aljofares eom cruz depeor-
2,000 rs o quarto, a 6,5oo a oaixa e:4oo
rs. a libra,
dem corinthias proprias para pedia) a 8oo
rs. a libra.
Marmeladas dos mais afamados fabricantes de
Lisboa a 64o rs. a libra.
Ervilhas secas muito novas a 160 rs. a libra.
Gr5o de'bico muito novo a 16 rs. a libra.
Ervilhas francezas em latas a 64o rs.
Potes com sal retinado a 48o rs.
Fumo de chapa americano a l,6o rs. a libra' ohas imitando brilhantes a 15000 cada ama': nn
fazenda especial.
lys do beija-flor, ra do Queimado ns. 63 e 69.
Presunto para fiambre inglezes a -Too e 8oo
rs. a libra.
Colheres para sopa.
Vendem-se colheres de metal-principe para M'ips
2>O cada urna : as lojas do beija-flor, ra do
Chouricas e paios mnito novos a 64o a hora. QUlima(]0 M. ;i e 09.
Caixas de traque n. I a 8500 cada urna. u, para bordar.
Massas para sopa macarro, tlharim aletria Vende se laa para bordar, a mnlhor que se perte
a 400 rs a libra encontrar, tanto na qnalidade. como as (re>, a
Cognac verdadeiro inglez a 8,5oo rs. a caixa Jja^>,,r"e:6l>as lojas *M*r.rtia do ,-)"'-
e800 TS. a garrafa. Nasmesmas lejas se encontrara >empre jian(e
dem francez a 7,000 rs. a duzia 6 700 rs. a j sortimento de miudezas boas, e mais baratan do
garrafa. ; (lue e,n 0,llra qualquer parle.
Charutos em grande quantidade e de todos os
fabricantes mais a creditados a l,5oo,
2,ooo, 2,5oo, 3,ooo e 4,ooo rs. a caixa,
us uioia lm.vo ao doj quo por abi wvwi-
dem a 2,ooo e 2,5oo rs.
'TaSS\
Vende-se potassa om barris a commodo preje ti
,\ i no da Oral n. 20. primeiro nndar, Cfioriptorj;
8 Antonio de Almeida Gomes.
ESGMVOS FGLG.
Caf de premeira qualidade a 8.3oo e 9,ooo.*
rs. a arroba e 28o a 22o rs. a libra,
dem de segunda qualidade a 8,2oo rs. a ar-
roba e26o rs. a iibra. FU.0do engenho Amaragi, de animaes, fi--
Arroz do Maranbao a 12ors. a libra, 3,000 re.! gaezia de Serinhaera, no dia 12 do correte setein-
a arroba. I ''ro> escravo de neme Leandro, crionlo, de idade
Mam fia inir.i miiitfennprinr a 2 <)oo rs a de w annos, ponco mais ou menos, como -'.
dem da india muito* superior a z,wo rs. a i segu|nts. altara rpgulari M.,TU ,,ororpoe
arroba, e loo rs. a libra. espadando, cabegapequea,barba sement na pon-
Idem mais baixo redondo a 2,6oo rs. a libra, j u do queixo, falta de dentes na frente do lado de
dem da India comprido a 2,loo rs.- a arro- cima, rosto descarnado emacaas saliente, com
ha ofinrt i lihra mareas de c.iusiico e ventosas no e>tomao, per-
ud, e ou ts. a urna. \ [jnasc !-.; bastante largos ; su^poe-sc ter se-
Vellas de carnauba do Aracaty a 9,5oo rs. ar- s""1" pw '"* ;1 Pa d'- Camaragtbe, onde
1 ,, ,,.u J ja esteve mais de dous annos, quando perlencia ao
roDa, e .Joo rs. a itera. I finado Maooel Pereira Cavalcanti: roga-se as an-
iden) de sebo muito dura flngindo esparmace-
te 36o rs. a libra.
dem de esparmacete a 56o rs. a libra, e em
caixa a 52o rs. com 25 libras.
Papel o melhor que se pode desejar para os
Srs. empregados pblicos a 5,ooo rs. a res-
ma, j se vendeu por 7.ooo rs.
dem almaco pautadoelisoa 3,ooors.aresma.
dem de peso pautada e liso a 2,5oo rs. a
resma.
dem a zul de botica ou fugueteiro a 2,oo rs.
a resma.
dem embrulho de l,2oo a l,4oo re. a resma.
Ameixas francezas em latas de 1 '/ bbra a
1,2oo e 8oo rs. a libra,
dem em frascos de 3 libras a 2,5oo re., s o recompensado
frasco valle l.ooo rs. tambem temos em
frascos para 1,4oo rs.
Conservas inglezas a 8oo rs. o fraseo.
Mostarda preparada em potes muito nova
2oo rs.
toridades policiaes e capitaes de campo a captura
do mesmo escravo, qne iever ser conduzido ao
mesmo engenho, a entregar a Joaqnim Venssimo
i!o Reg Barros, ou no engenho Timb, termo de
Olinda, a seu senhor Francisco de Paula Cava lean-
ti Lins, qne serlo genorosanicute recompensados;
protestndose desde ja contra ijuem o tver em
seu poder.____________________
~Fogia na tarde do dia it> do corrente un
escravo pardo, de nonie Marcos, desembarrado
do luate Sania Aiinn. vindo do Aracaty, tem.'.
de idade iH anuos pouco mais ou menos, eos sip-
naes seguintes : altura regular, secco do corpo.
pouea barba, cabello crespo, levou camisa f
calca de algodaosinbo de riscado azul echa-
peo de palha, temi levado comsigo umairoui
' rom mais roupa, e rendido de urna das venlhas:
' qin-m o appreender queira leva-lo ra da Madre
| de Deus n. 38, ou ra do llrum n. oo, que sera
Fugio do engenho Guerra de lpojuca um es-
cravo' de nome Jos Muniz, estatura kuxa.ee
; erioulo : quem o apprebender ou der noticia no
a I dito engenho, o na ra da Aurora em casa do Sr.
' Elias liaplista da Silva, ser generosamente re-
i compensado. ________^^___^^__
VINHO PIRU
Cbegou atinal o afamado vinho do Cartacho sem
cjnfeicao, e vende-se unicamenip a na do Cres-
po n. 9, armazem Principal, a 30$ a ancora de 9
lanadas e a 660 a garrafa.
Molhos inglezes a 8oo e l.ooo re. o frasco.
Cravo a 48o rs. a libra.
Cerveja Tenente verdadeira a 7,ooo rs. a
duziae 6oors.a garrafa,
dem de outras marcas preta e branca a 5,5oo
e 6,ooo rs. a duzia e 5oo rea garrafa.
Vassouras de piassava com 2 arcos de ferro
vindas do Porto a 32o rs.
Cebollas muito novas a l,ooo rs. o molhoej
8oo rs. o cento.
Genebra de Hollonda em frasqueiras a 6,ooo
6 56o re. o frasco,
dem em botijas a 4oo rs.
Jklll
Acha-se fgido desde o dia 7 de fevereiro de
correnle annoo escravo de nonio Faustino, de ida-
de de W annos, pouco mais ou menos, cor fula
altura regular, grosso do corpo, bem espaduado.
barbado e j rom alguns cabellos brancos na bar-
ba, bragos e pernas grossas e bastante cabelludas,
tem as pernas arqueadas, porm nao muito, bas-
tante cabellos nos peitos, e costuma qnando quer
fallar mais apressado como que gaguejar, porm
muito pouco, que mal se percebe ; costuma andar
em sambas, e as vetes emhriaga-se por gostar de
bebidas espirituosas; suppop-se que elle segle
para o centro, e consta qne elle est cm Grvala :
i portante roga-se s autoridades policiaes que o fo-
eam apprehender e conduzi-lo casa de seu se-
Idem em garrafoes de 14 garrafas a 5,2oo rs.
Dahtf.o Ar, oa7 a 9 9fn rs a croza 2o rs a I Dn"r maJor Antonio da Silva Gumlo, na ra Im
Palitos do gaz a 2,200 re. a grozae zo re. d, ^^ ^ Pl,rnamlHI(,n> qiie sa,sfara t(Mta c qnal.
caixa. quer despeza que por ventura facam. e aos capi-
Idem de dentes lixados em macos granees ges de campo ufiereee urna boa g'ratiticacao.
com 2o rs o macinhos a 12o rs. o masso. | __ Contina fogido 0 consto estar acontado en
Cominhos muito novos a 32o re. a ltbra e; Goianna o escravo Jos, preto, erioulo, de 26 an-
lo 000 a arroba. i 1?os> ai.xo> rorP regular, beicos grossos e estufa-
Sag muito novo a 24o rs. a libra.
Cevadinha de Franca a 18o rs. a libra.
Milho alpista a 14o rs. a libra e 4,5oo rs. a
arroba.
Gomma a 28o rs. a libra e 5,4oo a arroba.
Peixes em latas al,000 rs. a lata j prompto
a comer-se.
Farello de Lisboa marca N. e Biato saceos
grandes a 4,000 re.
Doce da casca da goiaba a 600 e l.ooo rs. o
caix5o.
i dos-, orelhas pequeas, cachaco grosso, pouea bar-
ba porque tem apeuas na pota do queixo, levoo
I duas calcas, urna branca e outra de castor escun
que parece preto, de lislras. paletot preto, sem ca-
misa e com urna rarapuca encarnada na rabeca '.
roga-se s autoridades policiaes e capitaes de cam-
po que o apprehendam e fa^am conduzir presen.
(a de seu senhor na ra Direita desta ndade n
34, que sero generosamente recompensados.
Fugio urna escrava por nome Joaqujna, d
idade de 30 annos pouco mais ou menos, cor pre-
ta, Ii-voii >aia de azulo, camisa de alKodaozinho,
tem o nariz chato, estatura regular, qnando and*
curvase um pouco, tem urna nodoa preta ao pe
6'
3.6no rs. a camda; idem do E>treito a 36o e 320 rs. a garrafa e em caada a 2,56o;
! idem Bir-leaux a 5Ho rs. a garrafa; idem branco de Lisboa, proprio para missa a Soo rs.
a garrafa; vinagre de Lisboa muito superior a 2oo rs. a garrafa, e l,4oo rs. a caada ;
soda, ceva'da, alfasema, gaz e tijolo de limpar facas a 14o rs. Presuntos de Lamego a.5oo
i ea.l.sa.ir rb outros muitos gneros quedesnecessario raenciona-os.
O propietario do grande armazem Unio e Commercio declara aos seos fregu #&SS%S STiS?c?
zs e amigos e ao publico em geral, que para facilitar a commodidade de todos eetipulou rta^,,; protestase com todo o rigor da lei contra
OS mesmos precos nos seguintes lugares : qnem a ti ver acitada e ter tirado o ferro, recom-
Uniilo e Commercio ra do Queimado n. 7. TX^T^t^^rSZ
O Verdadeiro Principal ra do Imperador n. 40. Sln 3'que scr 6enerosamen,e recon,p?n
/
(
'



i

%





j
J
tiiLmimimmBamfMn i
j*>Ym.waafB*uamM.ki \
i


Diaria e Peraantaca scvisx feira 93 a Setembm it 1S&1.
4
LTfE
Assim, longe oe perseguidos e destrm-los, dever- difficuldade, apanhar um desses individuos que
se-ua superar a repugnancia involuntaria que reconheci ser a salamandra alpestre, especie pro-
inspiran), e dar-lhes um asvlo e proteego que os pra dessas regies montanhosas. Durante esSe
i" temnn n m.in mi. li.l.. ......j j i. 11 iuo pi ouu, eumeno oj i A* VICTIMAN Dlf 1LWT.hXI.Il. servi?os Pr elles Prestados pagaran) generosa- lempo, o m..u guia ti oh a empregado debadle toda tas em descoberto pelas fortes churas de esto, ali- Em Redanckoi
mente. a sua eloquencia para desviarme do meu pro-mienta a herva, e Ibe d mais vigor. rio deve renunciar ao amor at desembarcar. Nos
Antes do concluir o meu arrasoado em prol do Jecto : era, diziaelle, um animal muito perigoso e E eillretonto, como sao recompensados estes po- outros, nao somos homens. somos lohoi marinos...
sapo, que nao ter d'hoje era diante, eu o espero, dos mais venenosos, e succeder-me hia certamen- ^LT*5 pel bera que faasm ? Com golpes A.nda, vae, e nao me Tacas esperar So eu achar
outro deleito a vossos olho^e o de ser feio, per-,* a.guma desgraciar cusa da minha impru- deJK oda a par.e sao procuradas, eneurralladas, KtS.-"" ""^ **" dw pB"
rente com o chao, 6 nm excellente amanho que re- corno meu capitao; portadlo, tomo por minhas maos
nova a carnada superior da trra vegetal. Esta ler- um qitarlo de hora delicenea, e vou buscar as mi-
ra tao delicadamente trabalhada, espalhando-se pe- nhasjoias e o meu cofre... Onde te encontrare!
los prados, abaceila as raires frequentenenie pos- quando voltar ?
disse Trafalgar ; nm corsa
Madamoisellas; sabis o que sej i a calumnia ?
Sioi, nao igoeeaescertomente a sua acflnrS3o mas ^ Z*k\l7n
na* podisgrabas Deas! -conhecer di oatro
: -' vicio moustraosg e tanto mais formida-
1 quanlo, qua.-i se.npre, anda de rasto na sombra.
its elle nao offenderia a vossa incoceaci
.;..:: doi prelendcsst-,desp< dacir-si -bfa contraa g\-
ti a [iiede cooliaoo vos '''oro :i terna sollcitu-
o Jos vos.-oi paes.
A eahmmia umfdqui corrompe todo o mtl da cintrads sapos vivos dentro de pudras, sem se 'am "-,."' Z"'""^^-.'"'""'"."', de aniemio convencido, nao tem grande parte na
, exultada, Ji.se Cnarrou no sea livro Da descubrir nellas a menor tonda, a menor perfora- ant0* 1u *m, que com elfe.to o animal vossa sympathia, e pelo qual experimentaos urna
. loria -e na ve. da Je. Je lodos os vinos aquel- fSo pela qnal ao menos ti vesse podido introduzr- "ao me ** <*- 'anca va-me seu veneno, tedio profundos. Ja adivinhastes que
se a sua nympba, e leem-se mnilo simplesmente mii Que isto simplesmente provava que eutinha qu.[ttL"![?.i!:
milli-me, mademoisellas, que ainda vos diga al- ] dencla !
guinas palavras acerca do certo; prejuizos a que' Mas quando elle rae viu pegar com a
deu .ugar este interessante animal. j anima, mudou de opiniao; recuou prudenleraen- "SSSTSSLSSS SiStSiSS&
Certarnenle leales ouvitlo dizer, talvez at mes-'le 1uaIro PaSs0S empalhdecendo, dando urna pas- cornados de cadveres maneira do fructos.
moteqbaes lido ora algara jornal, que foram en- sada Para alraz> tJas ai Vi^ iue eu Java urna Con T? permissao, madamoisellas, eu ainda
vivos dentro fe mL. sPm s,,: Pa^ adiante, c responden Jo a tojos os meus ar- ^SSX^SS d .,1_ani.ma.' !
exterminadas e penduradas, e os camponezes. com
miio no vees ma'*_ce esluii
(Conlimmr-se-ha).
L'l POLCO DK TODO.
O Internacional, de Londres, dcscreve do mo-
do seguiule ama sesso recente do jury na Ingla-
terra :
Abriu-se o jury.
jas cousequenclas funesta? polem ser menos
Se vos
effei e
. talvez
nos referirieis alguma dessas historias lerriveis
do um relogio no dia da chegada de Garibaldi.
Diogo de tal vae a.-sentar-se no banco dos rus,
jas eouwjquwicias nem ser uieuus :_--- *--- r~ secreto <1 inmo-hP aJaBaBr'' o ..vos pergnniassem a causa desta aversu c seguido por dous guardas. E' acensado ter furia
idas. -Qaem nao conhece o quadro arrebato- ">fendo disto que o animal eslava enta.pado desde u,nme10 se5ruo de domcticalo, e de nenhuma deste tedio, responderos moito depressa que a
do'r que o espirilaosoBeaamarchaislracoa dos seus a formacao da [.eJia, e que a nrnsa, pelriftcando-: forte q"f,Da0 or,,esse nem envenenasse os ou- aranha srdida, pelluda, m e venenosa
se, moldara-se por assim dizer sobre o seu corpo- lros- ^'e quena antes admittir alguma cousa de aten
Eis o que se lia,
mult grave : preju.zos acerca das salamandras, e pretndanlo SaXe, por exemplo. Mas cobrao animo, a aranha
r.,. ( por sua vez convencer-me da malignidade desse nao um vampiro, ella nao suga o sanguede nia-
. Lavando o= al.cerces de urna casa a poucaIanima|f referiu.me esU singular hi,,jra g(iem, se nao odas moscas e dos mosquitos de que
distancia da torre de S. Javme. os tralnlhadores
- E um leve ruido que passa rente pelo slo
i >iao a aiidonnha antes da tempesiade, que sussur-
i i, corre lentamente e deixa na sua carreira a se-
ale envenenada. Tal bocea recolha-a na passa-
mullo brevemente ro-la introdu no ouvido. encontraram o antigo calcado das ras de Paris,
feito o mal, elle germina, estonde-se, caminha, pnmoiro que Fclippe Augusto mandara fazer.
Je bocea em bocea: depois, de repente, nao Bateado com um picarete em um pedaco de can-
... romo, vedes a calumnia endireitar-se, sibilar, taria, qual nao foi a admiraeao do trabalhador do
i Lar, augmentar aolhos vistos: ella arroja-se, ver sahir de urna cavidade formada no centro des-
temuo" em um ioral! s0,"-enatural em mim do que renunciaros seus 'lc uvjsles contar vossa ama deileile ou w-
li__:............ ... sa aia quando eris crianza. A do mareclial de
O animal, seohor... A este exordio, enca-
se sustenla.
Loncordo em que a aranha seja feia : ella nao
rei-o, porem vi nos seus grandes olhos unes finos tem nem as formas elegantes da Ubi-Hule, nem as
em mim que elle nao tinha malicia, e continuou :
O animal, senhor, tae pequeo as nnssas
montanhas, porque muito novo, mas ainda as-
sim demasiadamente venenoso, e faz frequen-
i'.-endeoseuvoj. redemoinh,.. cerra, arranca, ar- sapedra nm enorme sapo que. deslumhrado pela itemonto perecerem homens e bichos. Depois ea-
usa, slala, troveja, e torna-so um rro universa!
i"- lio o proscripco.
\inda assim, possivel a defeza oonira a calum-
Inz que nao vira desde mulos, soltou um grito las- nna pe|as feadas dos montes d(J
limoso e gullural.
E porque nao o acompanhou do seu veneno,
maneira do maldicao contra aquello que o eucom-
modava assim do sen longo somno ? Porm racio-
cinemos :
i ... urna vida irreprehensivd, um genio superior
ema eloquencia persuasiva, ebegam algnmas vezes
a devolver a sement, embolada a acrimonia do seu
v "i. :no, aquello que a lancou. S. Alfonso de Lig-'
uori triumphtku dos seus detractores por ter dupli-,
cr.do para com elles o seu zelo e cari h lo : o cele- n;, es,,ves5c e,nParedado nessa poca, desde mui-
t.v Apolles viogoa-se, dizem. ue um falso denun- to ^T an'eS ; S",,I0" sap0' c0llteraPraneo do
vencedor de Bauvines, torta fleado
Logo esse calcado de ras eslava ali enterrado,
ha 630 anuos! Ora, anda raesrao admittindo que
nev as aguas do
Rhone que desee al o mar. e, atravessando este,
aporla ao Egypto, onde cresce, cresce e vem a
ser crocodilo.
Por mais que eu flzesse raostrando-lhe o dispa- .
rate desla historia e a impossibilidade de seme-
Ihantes factos, jamis pule coasogui-lo, e, esgota-
brilliantes cores da borboleta, porm nao nem
mais srdida nem mais pelluda, nem peior do que
animaes aos quaes prodigalisaes todos
vossas caricias.
(Conttuuui -se-lta )
TllHAI.(,m.
AO MIC AMIGO DONWADIEl'.
Guarda-bandeira da nu Bucentauro.
III
A passageira.
(Continuac,rio..l
Sem duvida j se ter adevinhado que quem as-
dos os meus argumentos, deixei-o com a sua con- sira fallava era Tonin da Bucentauro. Durante a
viccao. Mas tambera defiraos os reptis e os raon- viagera de Cdiz ao Cabo, tantas vezes contou aos
S.d!.'!.eVe'. 'i* con,muarmos a missao que nos passageiros a batalha de Trafalgar que alinal poze-
e
r;:.no pintando um qualro maravilho-o no qual i ^"^" u-- "". iena ucaao seis scalos e j impuzemos, tornemos a entrar nos jardins e cara- rara-lne esse appellido, que elle trocou pelo seu
... resentova o sen Inimigo sob asfeicoes horrendas m!,d sem romer e sem "espirar ? A respiracao e pos onde acharemos ainda mais de ara pobre ser nome.
incomprehendido, perseguido e digao de rehabili- Com a idea Bu da anglophobia. o nosso mari-
^ao' nheiro de Tuulon chegou por lira a parecer-se tauto
Por pouco que tenhaes passoiado no campo,: com os loglezes que seria eapaz de engaar um
os vossos olhos algunas vezes entristeceram-se marinbeiro de Portsmouth. Muito
avista de um horreado espectculo : nos ramos
C; calumnia: Cicero confunda os seus acensado-Ia niuT'C*> sao funecoes tiio importantes, que sem
. i orsaa eloquencia. o. era lugar da infamia que ellas n;, P,le vver- E- Ps' ne os reptis
te ibe reservara, obteve o glorioso nome de Sa|.|lenham om respiragao muito menos activado
vadi r da patria. Mas os S. Lignori, n< Apelles o flue a dos animaes superiores, raorrem depois de
os Ciceros sao poneos, e, rreqaenlemente, os racos |um leinf0 assai curl0' se sao Privados completa-
. cumbem da sement envenenada que os fere de
improviso.
O homem. o qnal o nico que lem o privile.lo; ar|Ue,,a que M refere as chuvas fle saPs> em nuo
mente de ar.
L ma outra crenca nao menos vulgarisada
a ra
imnia, nao squem sofre os seus golpes, todo o mundo falla, e que ninguem vm. Eis pro-
c ; '.os animaes resentem os seus effeitos de urna vavelmenle a causa desta singular fbula :
maneira ainda mais funesta. Incapaz deads-ogarl As chavas desabnaas e copiosas que cahem mui-
'. causa e de repellir as aecusagoes feitas con-! tas vezes na estacao calida, cobrindo sbitamente
ira si, a pobre creafara v-se votada execracao a trra do urna grande quantidade d'agua, inun-
. 4 ..hliea o a todas as persegniedes que esta traz apz dam os seus asylos e forcam-n'os a sahir das suas
r Objeclo de horror e de tedio, raolestam-n'a por tocas. Deste modo elles apparecera de repente e
i- la :.parlo,ro.!eam-n'a,logo que ella apparece para em grande numero superficie da trra onde al-
:ar do quinhio de ar e de sol que o sen Creador guns instantes antes nao eram vistos. Mas, como
i'? difribuio-. K um aqai d'el-rei. a quem Ihe dizia graciosamente o naturalista Ray, e aquelle
^'irar a pedra, e a queo Ihe far soffrer e inven- que er que ha chava de sapos, tambem pode fa-
. tara alguma nova tortura para o pobre animal. cilmente crr que ha chuva de vitellos
E muitas vezes. bem longo de ser nociva, bem Na0 coHocarei entre os animaes calumniados o
tange de merecer as accusacGes que a calumnia laS;irto.. encantador e innocente animalejo, ao qua-
rotnpraz-se era accumular contra si,pelo contrario, se conferiu o titulo de amigo do homem. Vos,
a innocente victima til; ella presto immensos 'oJas. conheceis este lindo reptil, e j ti veste oc-
sorvicos a seus algozes, que muito bem o sabara. cssio de admira-lo muias vezes, porque estendi-
i: aonde esloessas innocentes victimas, me per- 'oaos"' elle vira vivamente a sua pequea cabe-
g .Liareis vos 1 aonde esses marlvros da calura- a Para todos os lados afini de espreilar os insec-
nia : ilos de que se sustenla. Avista ura a seu alcance,
Oh I nao me ser preciso muito lempo nem irei'; atira-se como urna trecha, e raras vezes perde a
. procurados muito louge para vos citar exemplos.! Preza- t-'l'1 tanto quanio agradavel, nutre-se de
Cbservae, este infeliz sapo, cuja presenca basta para mscas, de grilhos, de gafanhotos, de vermes, de
vos por om fuga dando gritos, que fez elle, eu vos 'osmas e dequasi todos os interine qn ocip(,m
pergunto, para attrahir a animadversao geral ? jos nossos fructos e graos. Se, em lugar de os dei-
O que fez, gntain-me de toios os lados, mas, s^r marlyrisar e militar por esses rapaces radios,
o morde, mas elle venenoso, c al lanca o seu tiradores de nichos, fossem multiplicados estes pe-
veneno sobre aquellos que se Ihe approximam. qnenos animaes nos jardins, ver-se-hia logo dimi-
Ohl oh! os na verdade grave? aecn^aeoes, ese nnir ahi o numero dos nossos inimigos.
slo fundadas, devo confessar que toen, sido apedre- 0 que acabo de acr refere.se ,agartjxa
,-dos os menos culpados. E jostica anies de con- da ou lagarto de muro ; masj o lagarto verde
demnarum acensado, examinar as pecas do pro- muito maior do que o precedente, e que habita de
" preferencia os busques, tem peior reputaeo, posto
r. primeiro de tudo, como mordera elle se nao qaa seja (aQ nofrensivo como o precedente. Se
i m dontes.' E verdade que. quando irnlani-n'o, morde, quando se quer apanha-lo, um caso de
Ita um pouco de liquido; mas este liquido nao legitima defeza, e a sua mordedura nao nem
t nada de venenoso, e nao passa de um humor ^rigosa nem dolorosa, porque as suas queixadas
. -ruso que ressumbra das verrugas da sua pclle. Uao sao asss fortes para fazerem mssa na pollo
t .Lis chimicos lecm confirmado isto que uo pode Elle alm disto tao til como o sea congnere!
ser contestado. pe|a caga acliva (JUt fu de TOrmes e nsectos.
Mas um animal lo feio, diz-se.
Ilstranha razao E aonde estaramos, hom Deas. Um ou,ro reP,il do aualro Ps> muit*> parecido
:.: nos desfizessemos de tudo quanlo feio5 Ainda ooni laParIo po'o todo das suas formas, mas de
assim, esta qneixaao menos mats fundada do que or8aisacao e de costumes muito differentes, a
os oulras, e de certo por causa das suas formas alailianura aquatlca, vulgarmente conhecda sob
carias e refor?adas. da sua andaluza psala c des- nome c lagarto d'agua. A sua pello, sem esca-
agradavel, da sua pella rqgosa e coberto de ver- ,nas, c rugosa, de um preto esverdinhado ou bron-
ragas que o sapo lorna-so um objerto de aversae e zeado P01- cima- e de um amarello alaranjado pin-
I i,, lado de pequeas manchas c de pontos prelos por
O nico meio de defeza que a natureza concedeu baix0- A sua cauda comprimida nos lados em
a sapo, consiste na faouldade que tem ene ani- frma de u,n remo lar-e eom effcio serve-lbe
. .al de encher a sua pello de ar como um balSo. para dir|S,r-se a fundo d"agua- "de passa tres
Deste modo elle acba-se collocado no meio de urna nuar,os da sua existencia, cafando vermes e insec-
camada elstica que torna o seu corpo menos sen- tos' e principalmente larvas de mosquitos, das
sivel aos choques exteriores; devido a isto qua 1naes con5ome uin gfande numero, t certamen-
elle resiste s pedradas e cacetadas comqueos me- le u,n servi?0 que merece c^s'derago.
tinos sao prdigos em mmosea-lo. Talvez nenhum animal tenha dado lugar a mais
' prejuizos, a mais conlos absurdos do que a sala-
Est rachacao sbita do sano elTeito do medo, mandra. E- no di,er de Plini de todos os ani.
.'-mmenlo que, nene romo em nos. suspende a
r 'Spiraco, de nenhuma maneira cansada, como
i nilas vezes se ?npp5e, pola accumulacao de ve-
ceno que elle preparase para tancar. Da mesma
sirte, o olharuxo destes animaes, que licam horas
inteiras na attilude immove.l de um philosopho ern
COntomplacao diante do seu cu, nada lem de sobre-
natural nem de diablico.
O sapo vive retirado e solitario : occullo doran-
i o da deoaixo de alguma pedra ou n'um ocode
arvore, elle quasi sempre s sabe a tarde ou no
(?mpo de cliuva, em procura de lsmas, vermes e
flexiveis de algura vimeiro peodiara s duzias po-
bres aninalojos vestidos de espessa pellc de um
Diogo um mocelo muito conhecido entre os
jogadoros e amadores do soeeo, e passa al, salva
urna paixao pronunciada polo furto, per ser um
excellenle rapaz, cheio de espirito e muito diverti-
do em sociedade.
Ora, succede que enire os dozo jurados, doz nu-
tren profunda veneracao pelo socco, e pelos es-
raurradores e esmqraados. Todos elles conhecem
o aecusado cuja culpabilidade est perfeitamente
os dias as demonstrada pelas lestemunbas, nao onsam porm
, pondcmna-ln, um moco tao gentil, tao alegre I En-
tretanto nao podem, apezar da brilhantc arenga da
counsel fur ihe de fense absorve-lo completamente.
E a consciencia ?
O que farao !
Apoz um quarto de hora de deliberacao, o con-
selho traz o verdiel seguinte :
Nos. o jury, adiamos o aecusado culpado, po-
rem. .. perdoamos-lue.
Vos nao podis, observou o presidente per-
doar a um criminoso. S ogovernogoza desta pre-
rogativa. Uecolhei-vos, Sis. jurados, e emendae o
vosso voto. Se jnlgaes o aecusado culpado, dccla-
rae-o tal, e se leudes vclleidadcs de indulgencia,
bem recommendae-o, clemencia (tomerey I)
Passados alguns minlas, os jurados entram na
sala da audiencia, e o presidente do conselho ex-
prime-se assim :
Nos. o jury, julgamos que o aecusado nao
hbil na arle
mimica de arremedar, tantas vezes pz em scena culpado, e concebemos a esperanea de que nao
os Inglezes as suas anedoctas que os traeos de sua commeltera nova falto.
physionomia conservavam ares de Inglez, assim Esta declarado fui reeebida com estrondosas
, de ro a l t tL r "T Cm S mardS ***** Pr "areCer-SL' Cm SUaS argalhadas, que os hedis de servico difflc.lmente
Sras Tae enarcados eram loa- mU|heres, depois de trala anuos de convivencia reprimirn!, e como era razoavel, nao fu. ...ais ad-
; conjugal. A Engtish fashion fazia-se uotar at na mitiida que a precedente pelo juiz presidente.
E que estes animaes sao encarados, ha seculos, sua roupa de brim de Manchester. Finalmente,; Vollou, portanlo, o conselho pela lerceira vez
como os mais encarnizados inimigos da agnca[- com a facilidade que (em os meridionats de imi- \ sa|a secreta.
tura, ea.sua reputacao to negra como a sua tarem o sotaque de qualquer liugua eslrangeira,! Orondo enlo com a sua perspicacia pouco com-
pelle. E com razao ? examinaremos agora. aperfeicoou-se no inglez no longo trajelo de Cdiz mum (,ue i)ogo recebera a licao merecida. Irouxe
Tambem para o naturalista e para o philosopho ao Cabo, o fallava como um burguez de Kent ou um verdirt pat0 e simples do'no cnlpabilidade.
a toupe.ra tem sido ura objeclo de estudo e inte- \ de Middlesex. E ma|diam ainda 0 socco ,
resse. Os costumes deste animalejo sao os mais i Assim que deserabarcou no caes Cap-Tuson, o .\;-10 leudes ahi urna prova incontestavel da sua
notaveis. Seus doces hbitos de repouso e solidao, nosso Tonin, ou Trafalgar para conservarmos o utilidade ?
a terna affeicao que mostra por sua companheira e appellido que Ihe deram-brigou logo com os guar- E di7er que lsl0 acontece no anno da graga de
filhinhos.ahabilidadequedesenvolve no seu ser- das da allandega e cora os agentes da polica do 186i,em Londres, acidadeque se diz a mais civi-
vico, todas estas qualidades deveriam merecer-lhe porto, porem o seu novo amigo de viagem, o Dina- (isada do |obo ;
antes a nossa sympathia do que averso. Mas marquez Chnsiiano, conseguiu aealma-lo. Desta -----
Obserrae de perto e sem temor o.pequeo animal, vez, porm, nao foi tao feliz. Trafalgar quera urna Le-se na Estrella do Sul :
O seu focinho alongado com tromba e armado briga logo que pozesse p em territorio inimigo, o O Instituto Histrico da Babia recebeu os dous
na exlremidade com um ossinho particular que as seas gargalhadas iam augmentando em um eres- oflicios seguintes :
serve-lhe como de Irado para furar e tirar a trra, j cendo que se toroava cada vez mais insultante. Illra- Sf.B cora verdadeiro praier que tenho a
o que de nenhum modo offende a delicadeza do I Alinal, o mais susceptivel dos passeiadores da honra de participar V.S. a regalar entrega feita
contradansa levaniou os dous punhos altura do pe'o eminenlissimo e Uevm. Sr. cardeal Antonelli
nariz, exclamando como um cockncy vulgar : Dan' i Das augustas maos do SS. padre Po IX, da bio-
nayor eyes graphia do defunto areebispo D. Romualdo Anto-
0 mannheiro de Toulon era doulor tn utroqm :' Di0 de Mx**> marquez de Sania Cruz, que esse
popula a dua3 a, w aa esgrima econmica, o ..liooiaw lasuioio oBercceu.
, socco e a savate : gratiflcou o seu adversario om Com ,uanU *?"*** e salisaa0, rec-
e apropriados a este Hm ; as saas patas da fren- dous black e< paSsando-lhe urna rasteira, dei- bido P|ezad donallvu "* sua sanlldad. Pe"
^curiase vigorosas, sao terminadas por urna \ tou.0 ao chao Essa du Ia faha funsd lo erainenlissirao Sr. cardeal secretario de estado,
seu olfacto. Quanlo aos olhos sao to pequeos,
e to occullos sob o pello, que nao se veem, c ainda
que a sua vista deva ser fraquissima, a toupeira
nao inteiramente cega, como geralmente se er.
Para abrir a Ierra e bota-la para os lades, ella re-
ceoeu ua natureza instrumentos maravilhosamon-
mao de palma larga por fra, de sorte que, quando
ella excava, a ierra cae para ambos os lados do
orpo. Os seus cinco dedos sao muito curios, po-
rm armados de unhas chatas, fortes e aadas.
Com o soccorro destes instrumentos, a toupeira
avanca algumas vezes to rpidamente na trra,
que parece nadar.
da magistral, e applaudida com unnimes Acurro*. V- S- Pdera recmhece-lo da carta, que me apres
-Ento! grilou Trafalgar, quem quer mais s0 a "-''"elter-lhe.
ter olhos pisados? Tenho as maos cl.eias dolles.
Se se deixasse atrai^oar pelo sotaque estrangei-
ro, teria sido assaltado pela mullido e receberia
os Watt eyes que olferecia aos oulros : mas loma-
Na primavera, os dous esposos trabalhara de ram" por um i"?l,'z' e a briSa acabou logo,
combinacao e com egual aetividade no covil em Meu bravo Trafalgar, disse Christiano, deves
Para mim muita sali.-faoo ter podido prestar
um pequeo servido a to douto e apreciado Insti-
tuto, como tambem V. S., que lo dignamente
exerce as funecoes de secretario, e que eu espero
nao me poupara em qualquer circuraslancia.
Tanto eu Ihe sou grato em cumprimonto da m-
que criaram seus Albos. Formara primeiro urna estar satisfeto, sempre Vrluba-te a fesla dos la- nha cariado H de outubro prximo passado.que:
abobada assas elevada, deixando repanimenlos e _.P7PS .ninsMor nara hnrdn aSora renov gosloso a V. S. os proteslos da minha
espec.es de pilares le dis.ancia em dis.anc.a para leies^T^Zl mais dis.incta est.ma e consideraco.
susleuta-la, apenando e calcando a Ierra, e tornan-
do-a deste modo dura e solida por cima, que a
agua nao pode penetrar nessa abobada, construida
segundo todas as regras de archileciura. Levan-
tan! depois no meio della um montculo que guar-
Oh disse o Francez, forcoso confessar que
elles celebram bem a sua fesla. Sira, eslou saiis-
feilo. Era lodos os pontos da escala para a India,
onde eu encontrar Inglezes celebrando alguma
necem de nervas o fultns, as quaes servera de ni- e,oasa que me aborreca, hei de deixar pelo menos
nho a seus lilhos, de tal sorte que se acham em ci- J um estendido com o boltom no chao.
das tstforSffis, ^urr5\s I *-* "iia,"dadc *> i" -**
chuva. | do porto.
Esse montculo todo cercado ao redor de muitos
quarios que communicam uns com os outros,
Observavam um navio avadado, que passava os
una especie de l.ibyriniho formado de canos iucli-; seus passageiros para bordo do dinamarquez ne-u-
nados que descera de to ios os lados como oulros! .ro, onde Trafalgar e Christiano estovara envar-
tanlos eaminhos subterrneos por oude a loupeira- I ad)e
'SrJtH *SSH: bUiCar a subsis,yncia ni;essa-1 -'Vae ver o que se est passando bordo, disse
Trafalgar Christiano.... Quanlo a mim, vou exa-
maes venenosos o mais scelerado. O seu veneno,
peior que o acnito, inficiona as nervas o ns fruc-
tos, que ella toca, e infeliz daquelle que os comer,
porque sao mortaes 1
Plinio constiiniu-se o propagador de urna insig-
ne calumnia, ainda hoje muito espalhada no cam-
po, onde se attribue a este animal a morte do gado
c mil outros dolidos, de que comtudo nao lem
nenhuma culpa.
Sem duvda lendes tambem ouvido tratar da in-
combuslibildade da salamandra, que afrontara o
insectos de que se sustenta. Parece comprehender mais ardenlB fogo e at apagara um incendio. A
a roprovaco geral que injustamente Jerc-o, tudo dlvls* de Franc|sco I era fundada neste antigo
nelle, alea sua voz queixusa e flautada tem alguma PreJuzo ; era urna salamandra deitada em brazas
cousa de melanclico. Pobre sapo accesas com este exerg-j : Nutrisco et extingo, en-
Eotretanlo, bem longo do nos ser nocivo, elle nos 'relenho e extingo. Era urna explicaco que o
presto verdadeiros servicos, porque un dos au- seu PreceP,or du-lne, quando riienino, fazendo-
xiliares que a natureza nos deu para purgar a ter- lno comprehender, por esta allegorla, que o estu-
ra dessa mullido de insectos e vermes devoradores do nulre Pensamento e acaba as paixoes.
me devastara os nossos pomares, jardins e cam- Eis provavelmente o que deu cabimento fabu-
pos. E se o propro sapo, objecto do vosso tedio c 'a das salamandras incombustiveis : ao menor pe-
averso, nao estabelecesse em tas lugares a boa! r''- 9ue as amedrente, ellas transudam do cor-
ordem, elle e alguns outros animaes pela maior par-! P> Pomo os saP0S' uma ,,aba caPaz ,a,VPZ de re"
ragaocia se le mettoa era cabeca ? quores roubar reeomendaveI areebispo. nSoposso deixar de con-
umaembarcacao como om fich-pocket rouba um fi:Ssar-me al.amen.e obricado por este donativo, e
lenco. v
-O meu compatriota Mordelle eninon-me ajan,ar ** meus mais sinfcros agradeementos af-
ilores lerriveis, inimigos naios da agri- como isso se faz, respondeu Trafalgar nao ha na- iribmado Islo a um effeito do delicada coriezia.
10 se as aecusa, ha seculos preslam-lhe da mais fcil. Toda a equipagem da pequea cha-
le lo mal recompensados dos seus servicos, as le-
pioes innumeraveis desses insectos esfaimados, re-
novando o espantoso prodigio das pragas do Egyp- dos os seres, morrena consumidas quando sao lan-
tardar alguns segundos a acciio do fogo ; porm
este penetrativo muito insufflciente, e como to-
10, teriam feito logo desappareccr o menor vestigio
de vegetacao, e nos reduziram fome.
Os Inglezes, gente positiva e pralica por excol-
iencia, sabem-n"o tanto, que protegem o sapo e ele-
vam-n'o dignidade de guarda campestre, fune-
coes que exerce muito bem, eu vo-l'o asseguro,
ainda que elle nao possua nem calaa nem chapeo
de pomas.
Lembremo-nos desta grande verdade : que nao
ha animal, que nao ha nenhura dos corpos existen-
tes que nao tenha um mister no sublime mecha-
nismo do universo, e os proprios reptis, ainda que
nos parecam muito disformes, nao escapam le
geral.
cadas s chammas.
Urna das crencas mais extravagantes acerca das
salamandras, aquella que encontrei na Suissa,
em Valais. Achando-me na vertente de S. Gnlhard,
a qual olha ao valle do Rhone, perto do moote de
gelo da Fourche, onde o rio lem a sua nasecnte,
notei n'um pequeo lago em miniatura, cuja agua
era clara como o crystal, muitas salamandras que
nadavam no fundo, sem duvida procurando os
raros bichinhos que podiara viver nessa agua con-
gelada. Querendo saber se a especio que cxwtia
naquellas alturas era urna das communs aos nos-
sos charcos, atei o lenco maneira de rede na
i puna do meu bordo de viagera, e consegu, com
na a seus lilniuhos.
Estas veredas subterrneas sao solidas e batidas,
e estendem-se de d-z a quinze passos, partindo to-
das ellas do domicilio como raios do ura centro.
Os buracos formados de distancia em distancia
teem por objecto tancar fra aterra das excavaeoes
que obstruirla a passagem.
Mas as toapeiras nao sao smenle dignas de in-
leresse por seu amor maternal e instincios mar-
vilhosos ; porque, bem longe de serem para o ho-
mem destructores lerriveis. '
cultura, como
grandes servicos.
E' um facto reconuecido hoje na) s pelos agri-
cultores mais aulorisados como pelos mais sabios
naturalistas.
A tuupeira sustenta-se exclusivamente de ver-
mes, larvas, insectos e pequeos animaes ; des-
troc) sobretodo con-ideravfl quantidade de bichos
ralos e de larvas de bisouros ou vermes brancos ;
ella eguaimente alaca e mala os arganazes, os ra-
los e oulros pequeos roedores uimigos das nossas
lavouras.
.Nao verdade que ella devore as raizes das
plaulas, assim como que fac.a provisoes para o in-
vern ; para que, se nutre-se de substancias ani-
maes ? Quando muito acha-se alguma palha de
trigo ou de cevada misturada com hervas e foihas,
minar de perto aquella pequea chalupa, que nos
servira muito bem.
Outra loucura disse Christiano ; que extra
Illm. Sr. Manoel Correa Garca, secretario do
Instituto Histrico da Babia.De V.S. muito lten-
lo venerador o obsequioso.D. Sanguigu* inter-
nuncio apostlico.
Petropolis, 1!) de abril de 1801.
illm. Sr Tomei o grato cuidado de entregar ao
sanio padreo exemplarda biographia do finado ar-
eebispo marquez de Sania Cruz, que V. S. Illm.,
em nomo do Instituto Histrico desla ridade, por
meu intermedio, quiz olTerecer-lh?. Sua santida-
de, tratando-se de um livro que eneerra o elogio
de um distinelo e oplimo prelado, aeolheu de hom
grado a homonagem c significou-me a sua satis-
facao.
TeuJoao mesrao lempo V. S. Illm. se dignado
fazer-se inlerprete do inesmo Instituto enviando-
mc tambem um exemplar da referida vida de lo
lupa esta em torra as tavurnas ou celebrando ,&> s o acolhimento pontificto ct
tauliein alguma festa. Enrecrutodezmarinheiros j..;j, ,__. _
Dinamarquezes, Hollandezes. Americanos, a doz d(' ",eu> dcvido' entime..tos, me
E pedindo que signifique a seus dignos collegas
como a expresso
me prezo de decla-
piastras por mez e urna parto as presas, e, ao rar-me com particular e distincla eslima,
anoutecer, tomamos conta de chalupa, c navegamos Senhor Manoel Correa Garca, secretario do las-
meruimraaerd!a[r "5"IM Cap,a nomeio,e. mulo flistorico da llal.ia.-De V. S. Illma. verda-
Emfim, disse Christiano, o dito por nao dito, deiro servoCardeal Antonelli.
cousa que se pode tentar.
E fago urna cousa til Franca! replicou
Trafalgar Nao sabes quaes sao os" meus deve-
res de herdeiro ?
Sei.
Olha bem para aquella chalupa, Christiano : i
tem cara de curiar as aguas como um cutter,
aquillo anda qualorze milhas por hora, com certeza.
a qual frma a cama dos seus lllhinhos. Nao se Cora aquillo zomba-se das pesadas tartarugas que
I r/i:i 11(113 iifp't ti., (llinnln A nrinito r. 'mnalita d rZm ao nn1:K:___b._______.-__i__
f.izia una idea de quanlo grande o appetite da
toupeira e do que pode ella Consumir em um dia
Experiencias feitas em tuupeiras presas, verifica-
ran) que-Ibes preciso tudos os dias urna quanti-
dade de vermes, bisouros e bichos ralos egual, ao
menos, tres vezes ao peso do seu corpo.
Pensae no numero desses lerriveis inimigos das
nossas plaulacoes que ellas devun fazer desappa-
recer, e que sao o desespero do jardineiro e do
horlelo.
_E com ra'.So lem-se notado que principalmente
aonde ha maior cuidado de destruir as toupeiras; I disse Christiano, preciso.
sao os policiaes do ocano inglez.
Enlo nao queres mais voltar para bordo,
Trafalgar ?
Eu, nao.
E as las armas, e a tita caixa de fazen-
das ?
Nao preciso de nada disso. Hei de achar lu-
do bordo do meu barco e anda muito mais no
primeiro galeo da companhia que me cahir as
maos.
Pois en deixei bordo papis muito -oreciosos.
os estragos desses insectos devastadores sao os
mais espantosos.
E', portanlo, em procura e persegucao de seme-
Ihanlcs iuimigos que a toupeira cava "o solo. Sem
duvida ella nao cgaos, e nem abre mil corredores
subterrneos em urna horla ou jardim sem desar-
ranjar algumas plantos, al mesrao sem por algu-
mas raizes em descoberto, mas tudo isto fcil-
mente reparavel. Que se compare este ligeiro mal
cora aquelle, occasiouado pelos insectos que ella
de.-ire.
Elles nao desarranjam as plantos, devoran) as
raizes e maiam-nas sem recurso.
Nos prados, as louoeiras ainda sao muito raais
litis, porque, ao passo que cacara os vermes, exe-
cutan, una ptima drainage.
O grande numero de galenas as quaes o ar cir-
cula o vem vivificar as raizes das plantas, um
verdadeiro beneficio de que somos devedores a es-
ses animaes, e quanlo aos montculos elevados pe-
las toupeiras e que irapedem de ceifar a herva
Ora disse Tonin ioierrompeiido-o, deixa tu-
do como eu, e vem recrutar em Red-anchorlavcm
ali perto.
irapossivel : lenho um ccfrezinho oheio
de....
De qne ? perguntou Trafalgar.
De cartas de urna moca.
Trafalgar respondeu com urna gargalhada. c ac-
crescentou: I
Meu amigo, se nos lembramos das nossas
namoradas, desembarquemos, e vamos abrir urna
loja de ship-chandlers no caes... S homem do
mar, e deixa-te de namoros. Faze como eu. Que-:
res que le reflra tima conquista que liz em Cdiz *
Urna senhora de alia posigo...
J me contaste isso vinte vezes na viagem,
disse Christiannointerrompendo-o, trinta vezes rae-
nos do que a tua batalha de Trafalgar.
Pois sira, Christiano. sirva-te de l.cao o meu
exemplo. i
Meu caro Trafalgar, nao le recooheco ainda ,
RomaJMe mareo- de 1865.
E' do Sr. C. A. Machado esla poesa :
BRASIL.
IX A. de Sonza Pinto.)
Cobra alent, sus, avante !
Dcspe esse luto, essa dr...
Meu Brasil, s um gigante
Mas no bergo e sem vigor.
(T. Galvao de Carvalho.)
I
Quem quer ver a magestade
De Deas, em todo o esplendor,
Conlemplar-lhe a immensidade
No mar, na planta e na flor ;
Ver brilhar n'um cu de rosa
A lavirgem formosa
Trajando vestes de ail !
Venha ver a patria minha
Nagao das nagoes rainha
Que tem por nomeBrasil.
Aqu o solsoberano
Despede vivos clarees,
PresidinJo altivo, ufano
Ao labor das mullidves;
E quando noule se oceulta
Quando triste se sepulta
Do mar, no immenso escarcen,
Manda que a la formosa
Ou que a estrella luminosa
Presida nettte, ao cu !
Qnando o dia se aproxima
Na patria do meu amor,
As aves cantara a-prima
Louvando ao seu Creador:
E seus cantos de harmona
Teem tao doce meloda
Que nos faz extasiar !
Parecen) olas celestes
Que archanjos de brancas vestes
Soltam pra nos accordar !
II
Da India o pono buscava
Pedro Alvaros Cabral
Que pelo re trabalhava
E glora de Portugal,
Revotto o mar tormentoso
O marujo valoroso
Com aspecto senhoril,
Querendo achar um conforto
Da Baha toma o porto
Se faz senhor do Brasil!
Ai pobre do Indio coilado '.
Elle que livre nasceu
V-se agora acorrentado
Que Lysia os ferros Ihe deu !
Honlem livre... hoje escravo
Hoje covarde... honlem bravo
Era-lhe o peito um vlelo !
Hoje nao cania, suspira
Porque na fronte sentir
Ferrete da escravido '
III
Bravoja o mar furioso
De encontr rocha baleu
E o tigre facinoroso
Caneado as forras perdeu,
Assim oulr'ora o Batavo
Quiz o Brasil ter escravo
Lancar-llie duras prisoes.
Mas elle olhando o horisonte
Ergue altivo a nohre fronte,
Roja por trra os grilhoes !
Venceste audaz a demanda
Oh palria minha leal
Quebraste o jugo de Hollanda
Porm nao vez Portugal ?
Combate com resistencia
Faz a tua independencia
Com o sangue dos leus hroes,
Vacillas 1 (pie tens, guerreiro ?
J nao hooves, Brasileiro,
As fallas dos teus avs 1
E o Brasil guerreiro audace
Os olhos no chao cravou
Tingiu-lhc o rubor a face
E elle... o valenle cliorou,
Mas depois... fronte elevada
Da bainha arranca espada
Para a batalha parliu,
E dando o grito de guerra
Disse : ser livre a trra
Que tanto here produziu l
IV
A aurora surge. O horisonte
E' todo um foco de luz.
E a liberdade ergue a fronle
Na ierra da Sama Cruz
Do Brasil o povo ufano
Quebra o jugo lusitano
Sent livre o coragao I
E cheio de orgulho nobre
Diz: o Brasil huutem pobre
E' hoje grande nago I
Tem por divisa o herosmo
Por norte a religio
Aborrece o despotismo
Tem horror a escravido !
Sua vida a liberdade
Nao so curva a polestade
De miseraves mandos !
Tem no futuro urna gloria
Tem no presente urna historia
Cbeia de Ilustres brases I f
Trnsele vemos da Revolucao da Selcmbio o ?e-
guinle :
Folguem as elegantes : a moda nao acaba, cada
vez esla mais nova.
Quando acrrimos inimigos das saias-bales
veem, propheias fnebres, annaactar-Ibes a morte,
exactamente enlo que elles para os desmentir
mais signaes do di> vida e prosperidade.
Ainda ultmamele na America ingloza nm ma-
ehinisla acaba de applicar o seu tlenlo s crinoli-
nes, e de inventar um mecl.anismo, pelo qnal se
consegue graduar os dimetros das JilVorenies sec-
ges dellas, por modo tal, que quando urna senhora
portadora de um grande boloo quer por exemplo
entrar n'uma carruagem, ende elle nao cabe, con-
segue reduz-lo, e adapia-b capackJade do veh-
culo.
O referido machinismo tem ao mesrao tempo a
utilidade de conservar sempre aro* perfeitamen-
te coniea. Consta de um sistema V molas, que
se pom om aceo eompriinindo botSes metlicos,
fazem saliencia no farro da algibeira do ves-
tido.
O inventor espera Ser brevemente promplos al-
guns exemplares em suficiente numero para . rom exposlos veada e exporiados para a Eu-
ropa.
Parece que os primeiros se venderao por seis li-
bras cada um, esperando o constructor, pelos aper-
feigoamentos de que suseepUvel o processo do fa-
brico, reduzir coosideravebsente o prego de-fu-
turo.
l'ma das nossas elegantes que leve urna vez de
papar dous lugares no mnibus para poder accom-
raodar o balo, leria evitado isso, se estivssse ja
entao em oso o invento que noticiamos, e que de',
sejamos ver em breve umversalmente divul-
gado.
Em um collegio eletoral rompareeerim M
loes, sendo 82 do um parlido e 20 de outro.
O eleiior que eslava na chapa da minora para
presdeme do colle.io foi ler com o. na chapa da
maiona, e propoz Ihe urna permulago de votos
para o lugar de presidente; o da maioria reflecliu,
e disse com sigo mesmo.
Eu perco o meu voto, assim romo elle perde
od'elle. Stipponhamos que eu Ihe d o meu, e
elle nao me d o seu, ainda assim mesrao en fico
com maioria. pois cont certo com 21 votos afora
o men, e elle obtem 20, menos o d'elle.
O negocio foi feito.
Procedeu-se eleigo, o o presidente do collegio
foi oda chapa da minora.
Agora certarnenle que o leitor ha de querer sa-
ber como foi feita esta pellottca.
Eis o caso :
O presidente da maioria volou com effeito no da
minora ; mas esle nao curaprio a palavra. volou
em si proprie, e d'osla sorte ficaram arabos cora
21 votos.
Era necessario um desempate.
O juiz de paz, que era da minora, e que j esla-
va prevenido para a vetliacadn, escreveu s o no-
me de seu collega em ambos os papeiinhos, e man-
dou com toda a senedade que um menino tirasse
um, rujo nome foi lido em voz alia, e mostrado aos
eieilores da maioria, que acarara de bocea berta,
olhando uns para os oulros como inlerroean-
do-se.
Entao, como biabo foi sto ?
O presidente mamado nao pode supporlar esle
choque terrivel, e, sem lerabrar-so do lugar, ex-
clamo.
Trago I
E e socco c a paulada fez o resto da taboca.
PER.NAMUUCO.-TYP. DE M. F. DE F. & F1LU
"
ILEGVEL
*3*\
^
!*** '- '' -


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E8A2U275K_3FYUZD INGEST_TIME 2013-08-27T20:51:52Z PACKAGE AA00011611_10474
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES