Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10473


This item is only available as the following downloads:


Full Text
~J
AUNO XL. HOMERO 217.
Por tres Mezes abantados 5$OU0
Per tres mezes vencidos 6UUU
Porte aocorreio por tres mezes. 0750
.**! 9h oi<(m>k ,* V
tm**i** fc HiO
QUINTA FEIRA 22 DE SETEMBRO DE 1864.
Por asno adan tado.....49)000
Porte ao correio por om anno, 3JQ0U
NCARREGADOS DA SUBsCRlPCAO NO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima';
Natal, 9 Sr. Antonio Marques da Silva; Aracatv, o
Sr. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira; Maranhao, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Manoel Pinheiro & C; A-
mazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENGARREGADOS DA SUBSCRIPCAO NO SUL.
Alagas, o Sr. Claudino Faicid Dias; Baha, o
rr. Jos Martins Alves; Rio de Janeiro, os Srs. Pe-
.-vra Martins d Gasparino.
partida do estafetas.
Olinda, Cabo e Escada todos os dias.
Iguarassu', Goyanna e Parahyba as segundas e
sextas-feiras.
Santo Antao, Gravat, Bezerros, Bonito, Caruaru',
Altinho e Garanhuns as tercas Airas.
Pao d'Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqueira
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Tacara tu", Cabrob,
Boa Vista, Ouricury e Eiu' as quartas feiras.
Sennhaem, Rio Formoso, Tamandar, Una, Barrei-
ros, Agua Preta e Pimenteiras as quintas eiras.
liba de Fernando todas as vezes que para ali sahir
navio.
Todos os estafetas partem ao Vi da.

BPHBMER1DES DO MEZ EE SETEMBRO
1 La nova as 3 h., 48 m. e 8 s. da m.
9 Quarto cresc. as 3 h., 30 m. e 38 s. da ni.
lo La cbeia as 6 h., 40 m. e 20 s. da t
22 Quarto ming. as 4 h., 34 m. e 14 s. da t.
30 La nova as 8 h., 23 m. e 10 s. da t.
PREAMAR DE HJB.
Primeira as 8 horas e 30 minutos da manhla.
I Segunda as 8 horas 54 minutos da tarde.
P.*RfJUA OOS VAi-ORB3 COSlkROa.
Para O sul at Alagas a 6 e 25; ptn o norte at
* lta 7 e 2- de caa"a mez; para Fernando nos
das lefios mezes dejan, marc., maio. jul, set. enov.
. L PATIDA DOS MNIBUS.
Para Recife : do Apiparos as 6 >/,, 7, 7 1/s. 8 e
8 V ai*h! de Olinda s 8 da ra. e 6 da tarde; de
Jaboatao as 6/, da m.; do Caxang e Varzca s 7
da m.; ,l|e Bemica s 8 da m.
Do Recre : para o Apipucos s 3 A, 4, V* Vi,
5, 5 y o Vi e 6 da Urde; para Olinda s 7 da
mannaa e 4 >/, da tarde; para Jaboato as 4 da tar-
de ; para Gachang e Varzea s 4 / da tarde; para
Bemflcaasidatarde.
AUDIENCIA DOS TRifiUNAES DA CAPITAL.
Tribuna! do commercio: segundas quintas.
Relaco: tercas e sabbados s 10 horas.
Fazenda: quintas s 10 horas.
Juizo do commercio: segundas s 11 horas.
Dito de orphos: tercas sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel: tercas sextas ao meio
da.
Segunda vara do civel: quartas sabbados a 1 hora
da tarde
DIAS DA SEMANA.
19. Segunda. S. Januario b. m.; S. .Vilo b. m.
20. Terca. S. Eustaquio in. S. Prisco m.
21. Quarto. S. Hatbeus ap. S. Joas prof.
22. Quinta. S. Mauricio in.; S. Sanlino b.
2.). Sexta. S. Lino p. m.; S. Tecla v. m.
24. Sabbado. N. Senhora das Mercs.
25. Domingo. As chagas de S. Francisco.
ASSIGNA-SB
no Recife, em a livraria da praca da Independencia
ns. 6 e 8, dos proprietarios Manoel Figueiroa j
Faria & Filho.
PARTE 0FF1CIAL
GOVERNO DA PROVINCIA.
Eexpedienle do dia 1!) de selembro df 1861.
Oflicio ao inspector da thesouraria de fazenda.
Em vista dos dous inclusos prets que me foram re-
mettidos pelo commandante superior da guarda na-
cional de Olinda e Iguarass cotn oflicio de lo do
corrente, e nao havendo inconveniente, mande V.
S. pagar os vencimentos relativos aos mezes de ju
no e agosto deste anno, dos cornetas do 9o bata-
hilo de infamarla da mesma guarda nacional Cle-
mente Jos da Silva e Jos Francisco de Sant'Anna.
Commuoicou-se ao respectivo commandante su-
perior.
Dito ao mesmo.Em vista dos inclusos docu-
mentos que me remelteu o director das obras mi-
litares com oflicio de boje, sob n. 143, e nao ha-
vendo inconveniente, mande V. S. pagar Jos Pe-
reira de Alcntara do O', quando houver crdito a
i|iianiia de 4605000 rs. que tem direito por ha-
ver feite de conformidade com o seu contrato a
pintura de todo o edificio de hospital militar nesta
provincia, segundo consta do citado oflicio.Com-
municou-se ao director das obras militares.
Dito ao mesmo.Constando de participago do
1" supplente do Io do corrente, que o bacharel
Francisco Jos Fernandes Gitirana deixou por doen-
(e o exercicio do cargo de juiz municipal e de or-
phos do termo do Bonito : assim o communico
V. S. para seu conhecimento.
Diio ao inspector da thesouraria da thesouraria
provincial.Transmuto V. S. os inclusos docu-
mentos alim de que nao havendo inconveniente,
mande pagar Joo (irlos Augusto da Silva, con-
forme soliritou o chefe de polica em oflicio de -17
do corrente, sob n. 1,150, a quantia de 1:8545661
rs., despendida com a alimenlago e dietas dos pre-
sos pobres da casa de detenco durante o mez de
agosto ultimo, como se v dos mencionados docu-
mentos. Coramunicou-se ao Dr. chefe de po-
lica.
Dito ao mesmo.Communico V. S. para sua
inteiligencia e direccao que a (cenca concedida por
portara de 27 de agosto ultimo, ao 2o escritura-
rio Balduino Jos Tavares da Silva, para elle
tratar de sua sade onde Ihe convicr.
Dito ao directorio arsenal de guerra.Toman-
do em consideracao o que expoz o commandante
1613 e 1616, sobre que versa a sua informaco de
17 deste mez n. 51, autoriso V. S. em vista do
disposto no aviso do ministerio da guerra de 25 de
fevereiro de 1859 a mandar desligar no comeco do
mez de ontubro prximo vindouro, conforme indi-
ca em sua citada informaco da compahia de ar-
tfices o mancebo Joaquim Manoel Tliomaz, e da de
munoros Ceminiano Pereira da Silva, Ricardo Jos
da Silva, Manoel Francisco da Purilcaco e Luiz
de Franca para servirem como msicos, o 1 no 9o
batalbao de infantaria e os oulros no 2o da mesma
arma.Neste sentido ofliciou-se ao commandante
das armas.
Dito ao cngenheiro encarregado da reparticao
das obras publicas.Mande Vmc. examinar o es-
tado da cadeia de Serinhaem e apresente-me um
orgamentos dos concertos de que esta precisa.
Dito ao mesmo. Constando-me que as mares
vivas tica bastantemente inundada a passagemdo
Slarr para a estrada de Olinda, de modo que em
buraca o translo, recommendo Vmc. que exa-
mine boje aquelle lagar, e proponba as medidas
que Ihe parecerem mais proprias para remediar
aquelle inconveniente.
Dito ao Dr. Manoel Clemenlino Carneiro da Cu-
nha.Pelo seu oflicio de 17 do corrate, flquei in-
teirado de ler Vmc. nessa dala assumido o exer-
cicio do cargo de juiz de direito da comarca do Ca-
bo. Fizeram-se as necessarias communicacoes.
Dito ao Dr. Jo-i Paulo Monleiro de Andr'ade.
Pelo seu oflicio de i-'i do corrale flquei inleirado
de ter Vmc. assumido o exercicio do cargo de juiz
de direito da comarca de Nazareth, no dia 15 do
corrente.Fizeram-se as necessarias communica-
cSes.
Dito ao consollio administrativo.Recommendo
ao conselh.0 administrativo que compre para forne-
cer aoalmoxarifado do arsenal de guerra os ob-
jeetos mencionados no pedido que aqu ajumo
Commanicoa-se thesouraria de fazenda.
Portara.O presdeme di provincia, attendendo
ao que socitou o inspector da thesouraria provin-
cial em oflicio de 15 do corrente, sob n. 412. resol-
ve abrir um crdito supph-menlar na importancia
de 5:4035020 rs. para cffeeluar-se pelo artigo 13 S
1" da le do ornamento do exercicio prqximojfiodo,
om liquMaco. diversos pagamentos j ordenad)-- e
constantes da demonstrarn junta por copia relati-!
vamoote aos reparos o conservago das estradas e
pontes.Remelteu-se por copia thesouraria pro-
vincial.
Dita.Os Srs. agentes da compahia Brasileira '
de paquetes, mandem dar transporte para a Para-;
hyba, no vapor Cruzeiro do Sul por conla dominis- j
terlo da guerra ao soldado do corpo de guarngo i
daquella provincia Amaro da Silva e Souza. Com- i
munipou-seao commandante das armas.
Dita.Os Srs. agentes da compahia Brasileira j
de paquetes, mandem dar transporte at o Cear,
no vapor Cruzeiro do Sul em logar de r destina-
do passageiro de estado ao escripturario da the-
souraria provincial Balduino Jos Tavares da Sil-
va, c em um de proa ao creado deste.
Expediente do secretario do governo do dia 19
de selembro dr 1864
Oflicio ao juiz municipal do termo de Coianna.
S. Exc. o Sr. presidente da provincia manda com-
mnniear V. S. que o menor Jos, apresentado em
seu oflicio de 14 deste mez. foi destinado compa-
hia de aprendizes marinheiros do arsenal de ma-
riuha dcsta provincia.
em que me communica haver recommendado ao
inspector da thesouraria provincial que mande en-
tregar a Francisco Jos ae Campos Pamplona, em
tres prestaces, al o Bm de novembro, e median-
te flanea idnea, os seis contos de ris votados pelo
i 7 art. 14 da lei do orcamento vigente, para as
ebras da igreja matriz d fregueza de S. Jos des-
sa cidade.
Agradecendo V. Exc. a coadjuvacao que com
este acto acaba de prestar s obras da nova matriz
de S. Jos, vou dirigir-me ao Sr. Pamplona, com-
mumcando-lhe esla delerminaco de V. Exc.
Dito ao Sr. Francisco Jos de Campos Pamplona.
Remeti por copia para os ins convenientes, o
oflicio em que o Exm. Sr. presidente da provincia
me communica, em data de 10 do corrente, poder
V. S. receber da thesouraria provincial, em tre<
preslacoes at o fim de novembro, a quola de seis
contos de ris volados pela assembla provincial
para as obras da matriz de S. Jo.-.
Dito ao vigario de Santo Antonio.Tenho pre-
sente o oflicio de V. S. datado de 12 do corrente,
no qual me diz que, leudo sido transferidas para
16 de outubro prximo as eleicoes que nessa fre-
guezia deviam ter lugar 11 do corrente, deseja
grandes potencias allemes declarada nos prelimi-
naro., w logo retirada, encontrando resistencia de
parte do governos amigos.
; O re Guilherme da Prussia acabou sua cura em
Gasleio,,e chegou em Ischl no dia 18 do corrente,
Rvma. os conduzio para a fregueza de Petrolina,
novamente creada, faz-se mister que, sera perda de
lempo, remella os livros ao parocho da Boa-Vista,
pos queos livros das freguezias devem conservar-
se as freguezias primitivas, as freguezias mies, e
nao as freguezias que sao desmembradas destas. onde teteona demorar-se dous dias? Hoje elle es-
As rreguezias novamente creadas devem ser neces- peradoim Vienna para visila na curte d'Austna.
sanamente novos livros, e jamis se devem servir O proeesso dos Polacos em Berlin contina ain-
dos livros que tem o Ululo de oulra freguezia, em- da. A leitura da acia de aecusaco em lingua po-
bora o parocho que as reja lenha sido parocho da loneza e allemaa acha-se terminada. Contina, po-
'regaezia primitiva. rm, anda a leitura do material comprobativo.
Resumidos os livros a freguezia a que compe- Entretaotp a defeza esforca-se, e em parte com
tem, e prvida essa freguezia de Petrolina dos li- successo, de por em duvda o direito e a applicaco
vros necessanos, os quaes devem ter numerados e dos pretendidos documentos comprobalivos produ-
rubricados, quando os parochianos de V. Rvma. zidos pela aecusaco. Quas acerca de cada um
careceremde alguma cerlido anterior a inaugu- destes levanta-se dessa maneira urna discussao .
racao dessa freguezia, devem dirigir-se ao parocho maior entre o procurador regio e os defensores, e das de ferro.
da rreguezia da Boa-Vista, visto que no lempo a ja por algumas vezes esses conseguiram que a cor- Entreunto, Sr. presidente, o que aconteceu?
que elles se referem a freguezia de \. Rvma. nao le do tribunal excluisse, como insufflcientes, dffe- Foi que estrada de ferro de Peruambuco o gover-
mma- | remes documentos, aos quaes a aecusaco dava no garanti smenle o capital de 1,200.000 S por-
; STande valor, e a respeito de oulros o ministerio j que o orcamento organisado per um estrangeiro
C0NO.RS0 s fhkgiezias VACAS. | f"^a conv"1ad" Para completar a prova internada que pela primeira vez vinha ao Brasil, cujas espe-
Tendo o governo de Sua Magestade Imperial "ts rae?rPos-. 1fc'n,re os defensores figura sobre- cialidades ignorava, nao poda ser feto com a de
mandado que neste bspado se proceda ao coticur- a ? onj do m.e,nDro liberal da cmara do.
aepuiaaos da Prussia o professor Dr. Gneist.
concessao de garanta de juros ao augmento de ca-
pital da estrada de Ierro de Pernambuco. Cumpre
saber que de todas as estradas de ferro do Brasil
aquellas cuja compahia organisou-se, e cujos tra-
balhos comecaram-se primeiro que os das outras
foi a de Pernambuco. At entao nao haVia no Bra-
sil contiecimeuio de estradas de ferro ; nao tinha-
mos engenheros habilitados com os conhecimentos
especiaes e pralicos em semelliante materia.
O Sn. Ratisboxa :Nem em estradas de roda-
gem.
_0 Sr. Serawiico :Nao ha termo de compara-
cao entre os irabalbos de urna estrada de rodagem
e os de urna estrada de ferro ; para reconheclo
basta transitar por ambas ellas, e que se abran, tu-
nis, os quaes quasi sempre sao precisos as estra-
mairz o mesmo aclo que deu causa ao desacato
praticado 8 do|corrente, e islo apenas com a de-
mora de um mez, julgo mais acertado esperarmos
que se terminen) de urna vez estas eleicoes, aflm
de proceder-se depois reconciliaco da igreja, e
reconduccao do Santissimo Sacramento.
Dito ao padre Juvencio Verissimo dos Aojos.
Tenho presente o seu oflicio de 13 do corrente, pe-
dindo-me que o exonere do cargo de coadjutor da
freguezia d'Agua Preta, visto ler de tratar de seu
pai, que se acha gravemente enfermo, e nao tem
quem esteja junio ao seu leito de morte.
Attendendo ao grave motivo que V. Rvma. expoe,
eu o exonero do cargo de coadjutor da freguezia
d Agua Prela, o que passo a participar ao respec-
tivo vigario para que nomeie que subslitua V.
Rvma.
16
Oflicio ao Exm. Sr. presidente.-Accuso recebi-
do o oflicio de V. Exc. datado de 13 do corrente,
participando-me que foram apresentados na cathe-
dral desla diocese, por decreto de 13 de agosto
prximo passado o conego de prebenda nteira Jos
Joaquim Camello de Andrade, na dignidade de
chantre, o de meia prebenda Jos Marques de Cas-
lilha, em um canonicato de prebenda inteira, e o
Rvd. Tranquilino Cabral Tavares de Vasconcellos
em um de meia prebenda : o que tudo j me ha-
via sido comraunicado pela reparticao do ministe-
rio do imperio.
Dito ao mesmo. Foi-me presente o oflicio de
v. Exc, dalado de 13 de selembro incluindo por
copia o oflicio em que o vigario da villa da Boa-
Vista, em data de 23 do prximo passado, declara
a \. Exc. que nao pode apresen!jr o mappa dos
bitos, que liveram lugar naquella freguezia nos
annos de 1861 e 1862, porque quando tomou posse
so de algumas das freguezias que se acham vagas,
declaro a quem convier que S. Exc. Rvma. o Sr.
vigario capilular brevemente vai mandar affixar
os editaes para se proceder ao cencurso das se-
guintes freguezias :
S. detono da Raposa, em Pernambuco.
S. Jos de logaseiras, dem.
Nossa Senhora das Montanhas da villa de Cimbres,
idem.
S. Jos de Piranhas, Parahyba.
S. Miguel da Baha da Traicao, idem.
i\ossa Senhora da Conceicao da villa do Conde,
idem.
Nossa Senhora da Conceicao de Macau, Rio-Gran-
de do Norte.
S. Joao Baplista do Apody, idem.
Nossa Senhora do O' da Serra-Negra, idem. *
A de Piassabuss, Alagoas.
Nossa Senhora do O' de Taip, idem.
Santa Anna de Ipanema, idem.
Nossa Senhora da Penha de Burity, Minas-Geraes.
Santa Anna da Catinga dos Alegres, idem.
Cidade de Olinda, 13 de selembro de 1864,
Conego Joaquim Ferrara dos Sanio
Secretario do bispado.
INTERIOR.
EXTERIOR.
CORKKNPOXIIEXCIAN I0 DIA
RIO DE PKKVAMBIXO.
Hamburgn. 20 d agesto de 1801.
RIO DE JANEIRO.
ASSEXBLEA GERAL
CA9IARA DOS SENHORES
REPUTADOS.
Diseurso doSr. Dr. Innocencio Seraphieo, na sessao
de 13 do passado.
(Continuacao.)
OSr. Seraphico :Nao psso verificar agora ao
bases do calculo que faz o nobre deputado, nem
me perraittido inierromper o meu discurso para
fazer operages arithmelicas.
Accresce que, pelo contralo do Sr. Bellegarde,
nao M limitan o prazo para a percepeo das taes
garantas; o governo as poda receber at que o
i rendimenio da estrada as possa dispensar: pelo
projecto restringe-se o prazo a doze annos.
Pelo contrato do Sr. Bellegarde, o governo era
obrigado a dar aes accionistas i,500:000000, o
projecto o exonera desla obrigacao. Dir-se-ba que
ha ahi um grande favor; e de facto haveria se nao
fossem as outras clausulas que se comprehendem
neste projeclo.
Pelo contrato do Sr. Bellegarde ao fim de o an-
: nos licavatn perlencendo ao governo a esltada, as
pontes, os edificios, as estacoes
dias; na verdade
maneira merecesse menco.
Tambem em outres annos a
e os terrenos res-
pectivos. Pelo projeclo tica perlencendo ao gover-
Causa-nos boje bstanle embarazo de ver fazer apenas o leito da estrada, e a compahia con-
um relalorio sobre o occorrido aos ltimos qunze ,lu.Ul "t Psse das eslaedes, dos edificios, do irem
nada aconteceu que de alguma ,a",ti cousas cuja imporlancia excede de......
2,200: (JO50OO.
- ... ; ._, iw.fw ,r.,,.1 luuiuu |wsao| lauuciii em uuiro& aui is a poltica neste tem- "* se)v,!i pois, Sr. presidente, que se o projeclo
otIrne.?"e,?ia i"? ac?ou na niatr!z um so. ,iv.ro dc i po co?luma festejar as suas ferias ; os soberanos, po.|n^,!ado releva governo do pagamento de
l,o00:0005000 aos accionistas, por oulro deixa-
thes a propriedade de todos aquellos bens que so-
nem aquella avuliada somma. Islo nao exprime
so um grande favor compahia, mas sim urna
doacao escandalosa aos dinheiros pblicos De
que serve a estrada sem os edificios, sem as esta-
coes, sem o irem rodante 1 Seria o mesmo que
pretender tirar proveilo do vapor sem caldeira, do
navio sem velas e sem leme. Pois o governo li-
cando un carnele com o leito da estrada sem es-
tacos e trem rodante pode lirar urna compensa-
cao dos prejuizos que esta compahia Ihe lem oc-
casionado 1 pesia maneira nao licara sendo a com-
panlua indefinidamente a verdadeira proprietaria
da estrada ?
Ainda irais: pelo contrato do Sr. Bellegarde a
compahia licava com o uso-fruclo da estrada ape-
nas durante 5 aunos. Pelo projecto a compahia
tem o uso-fruclo da estrada pelo espaco de 12 e de <
por 12 annos quanto parte queai \

OVERXO DO RISPADO DE
PER \\ vIRI O.
SEllE Xi.\m
Selembro de 1861.
Expediente do din 12.
OlBcio ao vigario encommenaado de Traip.
Em resposla ao seu oflicio de 10 de agosto prxi-
mo passado, em que me consulta acerca do impe-
dimento, que oppz o sacristn ao matrimonio de
uns nubentes, que se proclamavam nessa matriz,
tenho a dzer-lhe em vista de seu citado offldo que,
fiin.lando-se o referido impedimento em um boato
vago, tendo as proprias pessoas a quem elle affecta
declarado a V. Rvma. ser calumnioso o faci que
se Ins imputa, e nao constando aliunde da veraci-
dade de dito impedimento, nao pode este proceder.
Mas como em taes materias deve haver toda a
cautela e circumspeccao, reiteve V. Rvma. as suas
indagaedes, e nada descobrindo alm de que me
reala em sea oflicio, pode realisar o casamento.
13 -
Oflicio ao capello da colonia militar de Pimen-
teiras.Incluso remeti por copia o offlco do vi-
gario do Bonito, aflm de que V. S. responda sobre
o que nelle se me expe.
- 14
Offlco ao Exm. Sr. presidente.Accuso recebi-
do o offlco de V. Exc. dalado de 10 do corrente,
assenios de obilos, de casamenlos, ou de
sados.
Tendo sido dividid* a freguezia da Boa-Vista, e
havendo o respectivo parocho optado pela de Pe-
trolina, desmembrada da primeira, provavel que
por ignorancia lenha conduzido para a nova ma-
triz os livros da amiga freguezia os quaes nunca
desla deviam sahr.
Nesta data, pois, me dirijo nao s ao vigario da
villa da Boa-Visla, como ao de Petrolina, censu-
rando o prmeiro pela sua incuria, e ordenando ao
segundo que, sem perda de lempo, entregue os li-
vros a quem compele guarda-Ios.
Eslo, pois. dadas as providencias para que se-
am cumpridas as ordena de V. Exc.
Dito ao vigario encommeiidado da villa da Boa-
\ ista. Tenho presente um oflicio do Exm. presi-
dente da provincia, datado de 13 do corrente, re-
meiieudo-me por copia o oflicio que V. Itvma. di-
rigir aquella presidencia, em dan de 23 de agos-
to, no qual V. Rvma. declara nao poder dar cum-
primento ordem que recebra do Exm. presi-
dente, de Ihe remeller um mappa d03 bitos, (pie
tiveram lugar nessa freguezia, nos annos de 1861e
1862, porque V. Rvma. tomara conla da regencia
dessa freguezia em 1863, e nao achara na matriz
un s livro de assentos de obilos, de casamenlos.
ou de baplisados.
Cabe-me, pois, pergunlar V. Rvma. o que faz,
quando os seus parochianos Ihe pedem urna cerli-
do de idade ou de obilos de lempos anteriores a
1863. Cabe-me pergunlar-lhe raais, com se non-
ve. quando achou essa matriz sem livros ? que
providencias tomou 1 Procurou o seu antecessor,
para saber delle o lim, que linham levado os livros
dessa matriz? Dirigio-se ao Ordiuario da diocese,
aflm de que este desse as providencias!
Se V. livmd. ssini livesse procedido, chegaria
provavelmenle ao conhecimento deque, lendo essa
freguezia sido dividida, pois que delia se Iirou a d.s
Petrolina, novamente creada ; e havendo o paro-
cho collado dessa freguezia feilo opeo por esta ul-
tima, lalvez que levasse com sigo indistnctainente
os livros para a nova matriz, e eis a causa porque
\. Itvma. nao achou livros nessa Ireguezia.
Cumpre, pois, que V. Rvma. atienda s necessi-
dades das suas ovelhas, e ao desempenho das suas
ohrigaces, so dirija ao anligo vigario dessa fre-
guezia, a quem agora para o mesmo lim ofllc-., e
exija delle os livros de assentos da antiga freguezia
da Boa-Vista, pois que esses livros devem conser-
varse na matriz me, e nao passar para a fregue-
zia novamente creada.
Feto islo, compra as ordensda presidencia, dan-
do um mappa dosobilos que liveram lugar nos an-
nos de 1861 e 1862, o qual mappa deve abranger
os bitos de toda a antiga fr.guezia, pois que nos
annos a que elle se deve referir anda essa fregue-
zia nao eslava dividida. V. Rvma. me participar
logo que esliverem em seu poder toJos os livros
pnenmeles a essa freguezia. declarando-me qual
o seu numero.
Dito ao mesmo.Tenho presente o seu oflicio de
23 do prximojiassado, em que me consulla se de-
ve dar execuco s dispensas concedidas pelo falle-
cido prelado, e aquellas que, tendo sido concedidas
pelo ex-visiador Modesto, anda naoesto executa-
das : tambem me diz V. livmd. que achando-se
parochiando essa freguezia como coadjutor, me
pergunta se peder continuar na sua jurisdcao
parochial.
Em resposla lenhoadizer-lheque pode V.Rvma.
dar execuco a todas as dispensas concedidas pelo
Exm. fallecido bispo ; bem como aquellas que fo-
ram concedidas pelo ex-visitador nao s durante a
vida do Exm. prelado, como depois de fallecido,
mas sem que anda livesse chegado istoao conhe-
cimento do ex-visitador. Autoriso V. Rvmd. para
reger essa freguezia na qualidade de parocho en-
commendado, devendo quanto antes mandar tirar
a sua provsao, aflm de receber da thesouraria a
congrua que Ihe perlence.
Ditoao vigario de Petrolina.Tendo o Exm. pre-
sidente da provincia exigido do vigario da Boa-Vis-
ta um mappa dos obilos havidos naquella parochia
nos annos de 1861 e 1862, e havendo o respectivo
parocho declarado qu quando cm 1863 tomara
conta daquella freguezia, nao achara na matriz li-
vros de assentos, nem de baptisados, cumpre que
V. Rvma. declare onde existem taes livros. Se V.
bapti-1 os ministros, os enviados e os jornalistas acham-se
nos banhos ou em viagens de recreio, alim de se
restabelecerem das fadgas da sua acilvdade e de
colherem novas forcas para novos esforcos, e se
nao houver em qualquer parte um acontecimento
todo imprevisto, os negocios repousam entrem-
tanlo, e as gazelas tem muito l'abalho para eneber
as suas columnas.
Xeste anno, porm, acresce ainda a reaccao na-
tural contra a aeco viva que preceder na queslo
dano-allema.
A guerra leve seu fim, os preliminares da paz
acham-se assgnados, a paz definitiva passa por
indulutavel. e tao vivamente que os oito mezes de
dezembro passado al Io de agosto do correnle au-
no reelamassem a actividade dos governos e oecu-
passem as paixoes das nacoes, lo enrgicamente
faz-se agora valer a necessdade de um descanco
temporario.
V se pois, que o nosso embaraco devendo dar
noticias, onde nada se acha a relatar,tem seus bous Parahyba; por 25 annos quanto a parte do Para-
motivos, hyba at Juiz de Fra.
Como os nossos leitores sabem, concluso dos
preliminares de paz entre as grandes potencias al-
lomaos e a Dinamarca, deviam seguir as negocia-
res acerca da paz definitiva, e saber, igualmen-
te em Vienna. Mas at lloje a conferencia de Vien-
na nio se reuni ainda de novo para esse fim, e
Mas \. Exc. Sr. presidente, sabe a
que no Io caso se estabelece o prazo de
a segtinte :
razao por
,. 12 annns, 1
e no 2o o de 25 ? A razo a segunle : a estrada
de ferro de D. PeJro If brevemente ha de chegar ;
ao 1 arahyba; e eoto fiear inutilizada a parte da i
estrada denominada i/uem Paraln/ba ; porque 1
s na semana prxima se espera a sua reabertu- t0j0 transito do Parahyba para c ha de correr
ra. Entreunto parece que n.o liera inleiramenlc Para a airada de ferro.
perdido o lempo desde o Io do corrente mez. Os Sus. Ratisboxa e Foxskca Vun.na do apar
Pelo contrario esse lempo foi aproveilado para tes
negociaees conlidenciaes acerca das condces da
paz definitiva, de um lado entre a Prussia e a Aus-
vida exactidao. D'ahi tres annos, quando j ha-
yia experiencia para confeccao de taes orcaraentos
foi garantido o capUal de 1,800,000 para a estra-
da de ferro da Babia, que tem quasi a mesma ex-
lenso de leguas que a de Pernambuco.
OSn. C. Madurkira :Mas o terreno nao o
mesmo.
O sr. Seraphico :Todos dizem que a estrada
da Babia nao olferece mais difflculdades do que a
de Peruambuco.
OSr. C. Madureira :Eu conheco ambos os ter-
renos.
O Sr. Seraphico.O nobre deputado j percor-
reu o terreno da estrada de Pernambuco at
l na?
J vio os grandes atorros, as suas pontes, os
montes que se rasgaram, o importante tnel, etc.
O Sr. Presidente : O nobre deputado va-se
desviando da materia em discussao : dexou-a para
fallar da estrada de ferro de Pernambuco ; agora
j saltou para a estrada de ferro da Bahia.
O Sk. Seraphico :Eslou fazendo um parallelo,
Sr. presidente, sao ideas que se associam e de que
nao posso prescindir para chegar concluso do
meu discurso, V. Exc. nao v que ha um nexo en-
tre essas ideas e a materia em discussao t
O Sr. Presidente :Mas os dilogos destroem o
nexo.
O Sn. Seraphico :Eu nao os provoco. Eolre-
laulo obedeco observaco de V. Exc. ; e naoat-
tenderei mais aos aparles", cingindo.me materia.
Para a estrada de S. Paulo garanlio-se o capital
de 2,000,000 se. A milha da estrada de ferro de
Pernambuco foi oreada em 16,000 e posterior-
mente a das estradas de ferro da Bahia em 23,000
, e a de S. Paulo foi computada em 22,000 .
J v V. Exc. que ha desigualdade no capital
primitivo, sem que a mesma se dsse quanto ao
terrene e extenso principalmente com relaco
Baha e Peruambuco ; houve, portante, erro no or-
camento
Falla-se, Sr. presidente, em esbanjamentos.
Mas por ventura esses esbanjamentos foram
garantidos pelo governo ? Nao : porque o go-
verno glosou as despezas que accrescra quantia
superior a 1,240:0005 que a compahia perde por
causa dos seus esbanjamentos e dissipagoes. Um
esanjamento que sobe a 1,240:0005 espantoso, e
se esle nao foi garantido, nao ha razao para tama-
ita celeuma.
Outra consideracao oflereco : em todos os rela-
tnos que tm tralado da estrada de ferro de Per-
nambuco, nao ha urna s asserco que diga que o
capital garantido a essa estrada era sufliciente pa-
ra sua construrca embora em lodos se diga que
houve excesso as despezas. Pelo contrario, des-
ses documentos se collige que nao era bastante o
capital garantido.
Mas anda mesmo que se considere que todo o
accrescimo de capital que 0 governo garanti, foi
indevidameule empregado. anda assim, Sr. presi-
donte, a estrada de ferro de Pernambuco a mais
barata dc todas as eslradas de ferro do Brasil ;
por que com a da Bahia despenderam-se
1,800,000, perto de 17,000,0003, com a do Ro de
Janeiro sabe-se quanlo se tem despendido : entre-
tanto, que rom a de Peruambuco despendeu-se me-
nos de 15,000:0005000.
O Si;. C. Madureira :Com i,200:00J5 addicio-
naes.
("Contmuar-te-ha.l
tria e do oulro lado entre essas dnas grandes po-
teucias e a Dinamarca ; com que resultado, isso
cousa sobre o que por ora ainda nada de seguro
corre.
Como boalo assegurava-se s, que quanto ao
ponto financeiro, isto a queslao da indemnisaco
das despezas da guerra, assim como a distribuicao
da divida publica da Dinamarca sobre o futuro
reino dinamarquez e os ducaeados de Schleswig,
lloistein e Lauemburgo, d'oraem dante separados
do mesme, se linham levantado difflculdades. Mas
nem na Dinamarca, nem na Allemanha se attribue
essas dilliculdades qualquer imporlancia seria.
Enlre o povo dinamarquez, a necessidade da paz
faz-se valer cada dia mais poderosa e impenosa-
merle, e approvar-se-ha quas todo c qualquer ar-
ranjo, simposio smenle que fique reservado o es-
tado territorial do proprio reino e garantido ao
mesmo sua plena independencia..
Do oulro lado a Austria e a Prussia mostram
claramente o empenho de facilitar Dinamarca
quauto possivel sua futura posigo e de prevenir
um enfraquecimenlo que podesse langa-la aos bra-
gos do partido scandinavo.
Como com razo se suppoe, isso acha-se em con-
nexao com as entrevistas em Berlin e em Kissin-
gen. Nessas conferencias a Russia abri mo do
seu antagonismo contra a Allemanha na queslo
do Schleswig-Holslein, debaixo da condigo que a
Prussia e a Austria se unissem ella contra a idea
de urna unao scandinava entre a Suecia, Norwe-
ga e a Dinamarca.
Tambem r->'peilo da questao de successo nao
ha nada de no" a participar. Os dous candidatos
do throno, o du., e Frederco de Aiignstemburgo,
segundo parece, r,Jiam-se ainda oceupados com a
redaego dos documentos comprobalivos das suas
reclamaces que tem do entregar dieta. Ao me-
nus nao se sabe ainda que a dieta tivesse j rece-
bido de um ou de oulro lado a exposicao esperada.
Do mesmo modo, a queslo acerca dos acooteci-
mentos em Rendsburgo est ainda dormitando as
commisses da dieta, e o negocio acha-se ainda in
statu quo ante.
E finalmente, tambem nao appareceu ainda na
dieta, urna proposta, j desde muito annunciada
pela Austria e Prussia a respeito do estabelecimen-
to de um governo interino us ducados, e as nego-
ciages acerca da mesma acham-se anda penden-
tes entre o gabinete austraco e o prussiano, sem
terem at agora levado a um accordo. Urna propos-
ta apresentada pela Saxenia, porm, segundo a
qual a confederago devia interpelar os gabinetes
de Vienna e de Berlin sobre o sentido dos preli-
minares de paz concluidos com a Dinamarca, e so-
breludo como entendiam a cessao des ducados s
O Sr.. Sekaphico :E' esla a opino gral exhi-
bidajanto em relatnos, como em discussoes des-
la casa. Passa por averiguado que em cheeando
a estrada de ierro de D. redro II margem do
Parahyba, essa parte da estrada da compahia
Liuao e Industria, Islo de Petropolis at aquelle
rio, no lugar chamadoEntrerio, fiear sem pros-
timo alguin. (Apoiados.)
Vozes : E' exacto.
O Sn. Seraphico : A razao intuitiva: toda a
concurrencia, todo o transito naturalmente se en-
cammharao para a estrada de ferro, que offerece
outras vantagens.
O Sr. Barros Barreto : -A estrada nao fica
acabada, nao : o commercio quo fica extuicto.
O Sn. Seraphico :E' urna cousa digna de at-
tencao, Sr. presidente, a que vou notar: em todos
os ajustes, em lodos os conlratos, cm lodas as re-
clamagoes em que figura a compahia Uni.io e In-
dustria, sempre ha um artigo pelo qual se Ihe con-
cede a vanlagem de flcar com o uso-fructo da es-
trada. Entretanto, no proprio parecer do conse-
lho de estado se diz que conviria desapropriar a
estrada, deixando livre o transito a todos, inclusi-
ve qualquer outras companhias de transportes,
mediante a conveniente peagem, calculada para
robrir as despezas de conservagao ; que o governo \ fiear obra de In
pedera arrendar ou vender as eslages a quem pelos accionistas,
olferecesse melhores vantagens.
No arligo addilve de 1862, se disse que o go-
verno dorarte contratar o servigo com a compa-
hia ou com quem mais vantagens oflerecesse,
abrndo a concurrencia. Nada disso se lem feito.
Se a estrada tem causado tantos prejuizos, se
tem compromettido tantos capitaes, se um sorve-
douro de dinhero, por que a compahia nao abre
mo della! Para que quer continuar a possui-la ?
Eu pela minha parle preferira, dentro dos limi-
tes razoaveis, que o governo comprasse a estrada
e ficasse de urna vez livre da compahia. Em-
quanto esta tiver seu cargo o servigo da estrada
todos os annos se ho de renovar as suas reclama-
ces, continuar essa mpertineute contenda da
Lnio e Industria, que sempre, desde 1835 at
hoje, vem lomar lempo cmara com as suas
questes. Acabemos de urna vez com islo, mesmo
porque, entregue a estrada ao publico e aberta a
concurrencia a todos os donos de vehculos e meios
de transporte, o preeo dos fretes baixar em pro-
veilo da agricultura'
O Sr. Rastibona :Mate-se a compahia.
O Sr. Seraphico :Nao digo que se mate; mas
tre-se-lhe o usa-fructo da eslrada, abra-se a con-
currencia para sua exploraco; nao faltaro com-
panhias que se queiram encarrogar desse servigo.
Passo agora, Sr. presidente, a outra parte do
meu discurso.
Levantou-se aqu urna grande agitacao contra a
PERNAMBUCO.
-Na terga-feira deu o Sr. Julio dos Santos Pe-
reira sua terceira represenlaeo, que esteve con-
cornda, agradando muito o Pamba ou o menino
do ar.
Hoje o seu uilimo espectculo, composto do
variada collecco de passagens e novas pessas me-
chanicas, alem do bello e apreciavel trabalho asiii-
pensao elheriana.
Concluo-se honlem a defeza de tlieses do Sr
bacharel Cato Guerreiro de Castro, natural da Ba-
ha, sahindo elle approvado.
Acha-se gravemente doente- de um ataque
apopltico o Sr. capito do porto Jos Mara Fer-
reira.
Damos em seguida o resultado da eleigo pa-
ra juizes de paz e venadores, feta na freguezia de
Munbeca, sob a presidencia do I" juiz de paz.
Vereadores.
Manoel Joaquim do Reg e Albuquerque 4011
Dr. Joaquim de Souza Reis........... 40
Jos Mara Freir Gameiro............ 406
Dr. Joaquim de Aquino Fonseca........ 404
Dr. Angelo Henriques da Silva......... 396
Francisco de Miranda Leal Seve....... 393
Francisco Marlins Raposo........... 392
Miguel Jos de Almeida Pernambuco... 392
Dr. Benlo Jos da Costa............... 390
Juizes de paz.
Baro de Muribeca................... 406
Dr. Francisco do R. Barros Lacerda.... 384
Francisco de P. Correa de Araujo...... 303
Firmino dos Santos Vieira............. 300
Repartiqao da polica.
Extracto das partes do dia 21 de selembro
dc 1864.
Foram recolbidoscasadedetengo no da 20 do
correnle:
A ordem do subdelegado de S. Jos, Jos Anto-
nio Marques, Cosme Jos Caetano, Manoel das Ne-
ves do Nascimentr, e Senhorinha Francisca, lodos
por disturbios.
O chefe da 2* secgo.
J. G. de Mesquita.
Movimento da casa de detenco do da 20 de
selembro de 186.
Existiam....... 356 presos.
Entraram...... 5 >
Sahiratn...... 6 >
Existem....... 355
A saber :
Nacionaes..... 297
Mulheres...... ,6
Estrangeiros... i 1
Estrangeira ... 1
Eseravos...... 36
Escravas...... 4
355
Alimentados custa dos cofresprovnciaes 150
Movimento da enfermara do dia 21 desetembro
de 1864.
Tiverarn alta :
Fernando, escravo do Dr. Virgilio Coelho.
Obituario do cemiterio publico no da 20 di
setembho de 1864.
Antonio Teix-ira, Pernambuco,
teiro, Boa-vista; febre Ivphoide.
Carolina, Pernambuco, 8 dias,
la ; espasmo.
Candido, Pernambuco, 4
culo pulmonar.
Paulo, escravo, frica, 48 annos, soltero,
Santo Antonio ; phlysica pulmonar.
Manoel, Pernambuco, 13 dias, Santo Antonio :
espasmo.
Jos Baplista do Nascimento, Pernambuco, 30
annos solteiro, Recife; phlysica.
Cordolina, escrava, Pernambuco. 50 annos, sol-
teira, Boa-vista ; apoplexia fulminante.
Mara, Pernambuco, 1 hora, Sanio Antonio ; es-
pasmo.
20 annos, sol-
Poco da Panel-
annos, Recife ; tuber-
COMMNICADOS.
REVISTA DIARIA.
Anda vimos hoje dzer mais algumas palavras
acerca da crise commercial por que est passando
o Brasil, com a cessagao de pagamentos da casa
baucaria do visconde de Sonto, e com o pnico
espalhadona populagode que venham o Banco do
Brasil e as suas Caixas Filiaes a solfrer grandes
perdas pela avultada somma que Ihe devida
por aquella casa baucaria, perdas estas que podem
abalar o seu crdito e prejudicar extraordinaria-
mente aos accionistas e quelles que ahi tem ca-
pitaes.
Com efieito, por mais que os desaffectos do sys-
lema bancano queiram afeiar o aconteeirneto
que leve lugar no Rio de Janeiro na referida casa,
nao vemos nelle grande mal para o Banco e suas
liliaes, porquanto ainda mesmo que elle venha a
solfrer o tergo da perda do crdito de cerca de 14
mil contos de ris aberto casa bancaria do vis-
conde de Souto, este orejado uo passar de qua-
tro a cinco mil contos de ris, dos quaes, deduz-
do o fundo de reserva que, em 30 de junho pr-
ximo passado, era de 1,697:6455303 rs., apenas
tres mil contos para ser dividido
tocando cerca de 25000 rs. por
acgo, visto o numero destas ser de 165,000 em
sua totalidade, repartidas, porm, 134,000 pelo
Banco e 31000 pelas Caixas Filiaes. Ora, este
prejuizo fica envolvido nos lucros do um oudous
semestres, quando mulo ; mas nunca cheoar a
affectar a emis>o no valor lotal de 49,462:0105000
0 director da Escola Normal dc Pernambuco e o
Sr. deputado Urbano Sabino Pcssoa de Mello.
Na fesso da cmara lempnraria de II de agosto
prximo passado. publicada no Jornal do Commer-
cio de 6 do corrente mez, proferio o Sr. urbano
Sabino Pessoa de Mello um discurso, que ha sido
reproduzdo neste Diario, e no qual esse senhor,
n'uma especie de dispedida parlamentar por este
anno, tomando por ihema nico a maledicencia,
elevada altura da calumnia, conforme o seu in-
variavel costume, aggrede com descommunal inde-
cencia, os Srs. Dr. Souza Lefio, Dr. Abiho, e oulros
cidados em cujo numero vem claramente minha
humilde pessoa.
E' natural a enriosdade que me lPvou a lr
aquelle femeniido acto de aecusaco sem prova
de especie alguma, e no qual apenas se descorU-
nam os violentos assomos da mais nfima ambic.o.
do mais rancoroso de>peito.
Lio com calma; e depois de l-lo vacille se de-
via responder, eu que, na minha qualidade de sa-
cerdote, de ministro do Deus de sacrificio, e da
misericordia, devo compadecer-me das fraquezas
do prximo e perdoar as injurias que me sao irro-
gadas, tanto mais quanto nessa odiosa venina so
nao declinara um s facto, se nao apresentra urna
prova, em que podessem assentar suas malvolas
insinuages.
Reflectindo, porm, que o meu silencio poda ser
mal interpretado pelos desafectos da actualidad!-, e
que devo zelar a minha repulaco, sobre tudo quan-
do se me aprsenla ao publico como incapaz de
exercer o cargo, de que me acho revestido, com
escndalo daquelles momos a quem devo cenias
de meu comportamento, lomei a resolugao de dizer
algumas palavras, era ordem a mostrar a perfidia
de quem, abusando da immunidade parlamentar,
nao recua diante da quebra da propria digni-
dade.
Nao me oceuparei rertamenle da pessoa do meu
detractor; os papis diversos e encontrados que
elle ha feto na poltica, que demonstram a com-
pleta ausencia de ideas e fraqueza dc carcter; a
tendencia para laucarse corpo e alma as di.-
cussoes exclusivamente pessoaes, acreditando que
rs., que tem garantas slidas no capital existen
le na imporlancia de 26,167.5665000 rs.. alm da- sua pessoa o prototypo da intelligencia, da ilVus-
quella que Ihe presta o governo, em virtude de trago e da raoralidade, sem ba.-es que para tanto
lei, que tem mais fundamento por "contar bases
certas.
Em concluso importa lembrar que, se asno-
tas do governo tem a garanta as rendas publi-
cas, as do Banco lem, alm desla, o capital
depositado, as aeges dos accionislas e o valor ou
o hbil item : sao factos por demais conhecidos da
opinio publica. E, pois, limitar-me-hei a mostrar
quo, offendendo-me tao descomedida e desawasoa-
damente. o Sr. Urbano usou de armas qua sem de
longe me podem ferir.
Como prova nica do que aventurou peranle a
aslettras existentes em carleira.e assim s podero cmara, offereceu o Sr. Urbano a sua patavra hon-
ter esse dopreciamento, que infundadamente se rada. Mas, em um discurso dlffamatorio, esta pro-
Ihes d, se falharem lodos esses recursos, o que va nica olhos vistos iosufflcieote, mormente
de certo nao provavel. quando a assergo parte dc labios impalledecidos
Isto posto, evidente que lodo esse terror nao pela raiva e pelo despeito; quem aspira, como o
tem urna causa real, e que como um pnico deve Sr. Urbano, aos foros de immensa importancia e de
ser banido. grande considerago; quem tem de si lo vanlajo-
Por engao de lypographia deixou de sahir sa opinio: deveriaseno envorgonhar-se, ao me-
0 paragrapho seguinte logo aps o segundo de nos abster-se de macular com to vulgares mexe-
nossa Revista do hontem. e antes do abaixo as- ricos o recinto da cmara, e de converter a tribuna
signado dos negociantes : ; parlamentar em pelourlnho das reputares de
Compenetrada dessa verdade a nossa praca todos quantos se nao curvam ao enorme peso de
commercial acaba de fazer a seguinte declarago, | suas desmedidas aspiraeSes, abusando Indecente-
que demonstra qual o valor que deposita no? esto-': mente da immunidade legal que Ihe foi outhorgada
belecimentos de que tratamos; | para fins mais nobres.
ILEGVEL


*m
t. i
Diarlo de perianho ... Quii t felra 9t de Setembro de f MI.




Repulo, pois, a prova eminentemente fundada na j Joao Marinho de Souza Leao.
palavra do Sr. Urbano, e creio que a nao poderao Joao de S c Albuquerque.
aceitar todos quanlos presenciara* as siws antigs Vietonaoo de Sa e Aibuquerqoe.
relacoes com o Sr. visconde da Boa-Vista e o vi- Joaquim Antonio de Olivetra.
rain a bem pouco tempo negar impvidamente e! Prancisco Alves da Silva,
por escripto essas relacoes; aquelles que anda o | Francisco Manoel de Siqueira.
anno passado viran o Sr. Urbano aceitar um dia Thonwi Marques da Costa Soares.
ovales em nome da Uga, cooperando com os Srs. I (Segoem-se multas outras assignaluras.)
Paes Brrelo e Fetosa para a consolidarlo do par-1 ... ~"~
tido progresista, e no dia seguinte negar a toco Anda sob a pressao de um grave incommo-
do mundo iaieiro indo quanto ncsse sentido pra- do, que muilo me ha torturado, venho com a maior
ticra n | esponlaneidadc e franqueza, dizer duas palavras, a
Anda na sessao linda negou elle peraute a ca- proposito do estabclecimento de inslruccao prima-
niara essa de*leaidade commetlida para com o na e secundaria, que o meu particularsimo ami-
partido progresaste; e sem a exhibico de una go, o Sr. conego Francisco Roehael Pereira Brito
carta sua podera o fado flcar duvidoso no espirito de Medeiros, fundara em Nossa Senhora do O de
dos senhores debutados. lpojuca, e do qual era director. Hoje que o mesmo
A minha simples negativa poderta por guiDte ser vantajosamente opposta s assercSes nienle e de necessidade indeclinavel a dissolucao
calumniosas do Sr. Urbano; mas para que nao daquelle sen eslabelerimcnto; hoje mas do quo
reste Jiem sombra de duvida, sou toreado a expr nunca o meu inlimo pensamunto, com relacao es-
os tocios, e que com tanta malignidade allndio o sa obra do seu aprimorado zelo e inexcedivel acli-
Sr. Urbano, e aprcsenta-los ao publico taes quaes vidade, assume as proporcoes de um voto solemne
elles se passaram. da mais sincera e insuspeila consideracao para
Tioha eu em lpojuca una collegio de meninos, com esse meu amigo. Sbrame a convicio de
que prosperava por modo nunca visto ate entao no que ninguem por ahi me podeni miar de lisonge-
interior da provincia. Desta prosperidade c do ro, ltenla a quasi religiosa severidade com que
modo porqu era dirigido, do teslemunho incon- em todo o tempo he manlido, por minha parle, o
cusso os documentos que abaixo toco irans-
crever.
Viva eu naquelle retiro commoda e pacificamen-
te, todo entregue aos meus deveres de mestre e
director da educacao dos meninos das prinripaes
familias daquellas parogens, das villas visinhas e
at dota cidade ; e a n muneracao que me davam
era muilo superior minha |>ouca ambico; qnan-
do ao iralar-se no Heda da orgauisago do parti-
do progressisla, fui chamado por alguns amigos,
que pediam a minha coadjuvacao com os fracos re- aquello instituto} para coja effectiva realisac;
cursos deque dispunha. E porque mepareceu ex- vaneco-me^dehaver tambem concorrido. VI,
(.lente a idea de assentar a fraternidade pernam-
bucana sobre o acabamento dos partidos extremos,
que at enio so tinham feilo males gravissimos ao
Brasil e enfraquerido a imporlancia poltica desla
provincia, ced as instancias de meus amigos.
Dos esforcos que fiz para lomar real e efncaz a
promettida coadjevaco, resuUaram-me inimsades,
que se colligarain contra mim. Enteud entao que
devia acabar com o collegio.
Nada soilicei, nada ped; mas achando-se vago
o lagar de regedor do Gymnasio, e acreditando
alguns amigos que a minha supposta habilitado
manifestada na direccao do collegio de lpojuca,
sacerdocio da imprensa, e ltenlo anda a meu pro-
prio carcter, que me nao permute furtar-me
responsabilidade de meus actos.
Tive occasiao de observar e apreciar com o mais
detido exame o collegio de S. Francisco de Assis,
instituido pelo Sr. conego Hochael, e que ora nao
existe mais. Inieresses da minha profissiio de ad-
vogado levara m-me este anno ao lugar de Nossa
Senhora do 0' de lpojuca, onde permanec por
mullos dias, e onde pude contemplar de mui perto
o des-
. ecom
plena satisfacao, que o ensino primario e o ensioo
erundano eram all subministrados, com a sufB-
ciente profieiencia, por mestres habis czelosos:
que a inslrucco moral, dada no collegio, preen-
chia as condicoes da verdadeira donlrinaco chris-
taa, e que, sobretudo, o seu digno director nao pou-
pava esforcos no louvavel e edificante intuito de
aperfeicoar cada vez mais a sua obra.
A' regulandade c disciplina mdispensaveis
jnntaram-se, nesle estabelecimento as mais adequa-
das cominodidades materiaes, e as proporcoes con-
venientes em casas de semelhanle nalureza. Por
mim mesmo examinei mais de um collegial em
podera conrorror para que aqoelle estabelecimento grammatica nacional, franceza e latina, e em ver-
sahisse do lorpor, em que se achava, e se tornnsse ses destas duas ultimas lingnas para a portugue-
tnenos pesado aos cofres provinciaes, se nelle em- za ; assim como ouvi-os em simples conversarlo
pregasse eu o mesmo zelo e aclividade com que : familiar, mais ou menos facis na troca e no em-
tizera prosperar o referido collegio, tiveratn a idea I prego das locucoes francezas. Fiz mais : charae-os
de lembrar meu nome para a regencia to Gymna-1 analyse grammatcal e lgica em qualquer das
sio; e nessa esperance, talvez errada e so lilha da \ lingnas, a que alludo; e, principalmente quanto
amisade, lenlaram a'lgumas delligenctas perante o \ portugueza, encontrei-es, em geral, suficienlemen-
Exm. ex^presideute Dr. J. Silvcira de Souza.
Haviam mais pretendentes, eomo se sempre
acontecer, e algn* dos respectivos prolectores
precuraram arredar os outros concorrentes. e al-
guns at pouco honestos. Se na propria tribuna
parlamentar se calumnia, o que nao toro com
taes e quejando.* i-xcmplos os pretendentes e seus
protectores, ern segredo, nos gabinetes das autori-
dades ?
Tive noiicia do teoido de intrigas, que por essa
occasiao se pozeram em pratha, mas nunca me
queixei ao Exi. Sr. Dr. Silveira de Souza, que
roe nao conhecia e a quem tambem nao linha a
honra de conhecer pessoalmente.
E lanto verdade que nenhum despeito me
deixava aquelle acontecimentu, que, na assem-
bla provincial, quando as opposiges atacaram
injusta e desabridamente a administraeo do ex-
prcsidenle da provincia, eu, indignado pela im-
pudencia das aceusacoes, lomei a palavra e, com
minha fraca voz.repelli as patentes injusticasde seus
detraelores.
Pelo que tenho visto e ouvido do Sr. Urbano,
duvido que, em igual conjunctura, tivesse o mes-
mo com porta ment. A mnima contrariedade, que
enxerga s suas preUmcoes, excita-lhe as iras in-
domaveis e para sacalas baratea sem escrpulo
a repatacao de quem quer que seja I
S deste modo posso comprehender o senlmento
que o levou a derramar o fel de suas malvolas
insinnagoes contra mim.
Arrestado, no verdor dos annos, pelas seduc5es
pseudo-lilieraes do Sr. Urbano e de alguns de
seus collegas, quando j se Ihes antulhava a revo-
lugo de 18W, so tirei perdas e graves encommo-
dos da minha credulidade e inexperiencia.
Elle, que nada solTreu, nada perdeu, e sonbc
enri.|ui-cer quando os outros viviam na proserip-
go e as privacoes, procura difamar as victimas
de sua antiga ambicao, (piando mais se nao pres-
tan] a servu-llie de instrumento. Os coracoes
myrrados pelo egosmo, os espintos incapazes de j
um movimento gOOOTOSO, nunca procederam de
molo difireme.
Tenlio assim respondido ao Sr. Dr. Urbano Sa-
bino Pessoa de .Mello. Quanto ao desempenho de
meu< deveres, como director da escola normal, es-
pero i
loria respo.-la.
tecife, i) de setembr" de 18GV.
Francisco Hochael P. U. de ledeiros.
te proparados.
Ligando, como ligo, a mais elevada importancia
inslrucco e educacao publicas, as quaes, en-
tretanto, nao marchar sempredevo confessa-lo
como fura para desejar; nao poderia jamis deixar
de reconhecer a summa ulilidade daipiellc estabe-
lecimento, mrmente sendo elle creado e mantillo
fora da capital, em nm ponto sem ampios recur-
sos para taes instituiedes, e anda mais, indepen-
dente de subsidio por" parte do governo.
Ao Sr. conego Roehael manifestei nessa occasiao
os mesmos sentimentos que hoje, me apraz de pu-
blicar pela imprensa, com referencia ao seu col-
legio ; e ainda eslou firme na conviegao fundada
e ju-ta de que lao excellentes resultados eram de-
bidos, em mxima parte, ao tino, i prudencia e
aes desvellos, que esse senhor na qualidade de
director, all desenvolva rneessantemente. Lamen-
to, por Indo isto, que o collegio de S. Francisco de
Assis se haja encerrado por urna v^z ; e lamento-o
tanto mais, qnanlo importa essa extinecao urna
sensibilissima falta para miiitos lugan-s, mais ou
menos adjacentes Nossa Senhora do O', at onde
rhegava a influencia benfica daquelle instituto,
para a mocidade, e em geral, com relacao publi-
ca instruccao da provincia.
Nunca barateei elogios, muilo menos em cousas
que entendem com o culto das ledras c com a re-
forniaco do ensino. Sao os elogios materia fcil-
mente compravel; mas devo minha consciencia,
como homem de lettras, a mais absoluta tranquil-
li'Jade anda por este lado, e nao sei, nem quero
saber, nem saberei nunca o alphabeto deslustra-
do e desillnstrador da mentira e da intriga, ele-
mentos estes, que, por tolahdade, at se querem
emaranhar nos mysterlos sacratsimos da instruc-
cao popular
Com estas linhas cumpro nm dever e satisfago
um espontaneo impulso do coragaoe do espirito.
Recito, 9 de julho de 186:1.
A. H. de Torres Bandeira.
'Profiressisla,de II dejnlhode 1863).
GORRPCJENCIAS.
Srs. Redactores. Li a nota publicada um seu
mais cabal e peremp-1conceUuado Jorna| de 20 (Ie ,gJ0 proximo passa.
do, em a qual a minha humilde individualldade, a
par de quinze sacerdotes, foi apreseniada como n:
capaz de poder em tempo algum exercer o minis-
terio parochial, em con>equencia de iiif,irmacoes
dadas com o maior segredo e imparcialidad ao
fallecido prelado diocesano ( para mim sempre de
lllm. c Hvm. Sr.Tenho presenb; o ollicio
de V. S. de .'l de junho, em que leve a hondade
de coinmunicar-me, que ia fechar no lim daquelle \ saudosa recordaco), por occasiao da proposta que,
mez o >"U collegio, em cunsequencia das continua-! em virtnde do concurso que se procedou 30 de
das niolrstias indeinicas, que aecommeliein os | novembro do anno passado, tinha o mesmo Exm.
seus rollegiaes durante o iuverno, nao poupan- i prelado de fazer ao Exm. ministro do imperio, atim
do a V. S. mesmo note anno. Sinto summamen-1 de prover as freguezlas vagas. .Nao pretenda dar
te semelhanle acontecmeuio ;. ponjue o seu colle-i urna s palavra acerca de lo monstruosa, qoao
gio eslava convenientemente montado, e excellen- da decantada ola, airede forgicada no palacio
te era a direccao que V. S. dava para edneacSoI Soledade; nao s pela minlia reconhecida inap-
dos rapazes, que eram confiados aos seus cuidado.*, i lidao do escrever para o publico, como porque lo-
nao se poupando a despeza aluuma nem la-
digas.
Em urna grande cidade o desapparecimeulo de
um collegio ou de (pialquer estabelecimento impor-
tante, jnde ouiros inuitos fleam da mesma natn-
reza, nao causa sen^aco; porm em urna villa
pequea como a de Nosa Senhora do O', onde
Mitro jamis o substitair, ouso dizer pie isto
urna calamidade : entre onlros males, j ao com-
mercio, ja animaco e desenvolvimento material
Uessa villa, es.-a mesma uducago dada entre pa-
redes de urna casa a rapazes, que vivem em clau-
sura, sem commoncacao alguma com exlranhos,
sem|ire se irradia para fra do estabelecimento ;
e influa entao para que muits pas que nao po-
diain ter all seus lilhos aprendessem, pelos bons
exemplos que V. S. Ihes dava como pai de urna
numerosa familia de lilhos alheios, o melhor me-
tbodo de educar os seus proprios filhos em sua>
casas, nesse collegio da familia.
Sr. conego, a mim que compete agradecer
V. S. as attenges cora que me Iralou, e essa fa-
gueira ho>pnaiidade que me fez nessas duas vezes,
deve V. S. contar sempre com a muha estima e
gratidao.
Dos guarde V. S Rvm. felizmente.Villa do
Cabo, 1. de julho de 1863.-Illm. e Rvm. Sr. co-
nego Francisco Roehael Pereira de Brito de Me-
deiros.
O juiz de direito,
Jos Bandeira de Mello.
Os abaixo assignados, nroprietarios e moradores
as freguezias e termos de lpojuca, Escada e Seri-
Dhaem, Irado o de>gosto de verm que o Rvm. Sr.
conejo Francisco Roehael Pereira de Brito de Me-
deiros, fechara o collegio de S. Francisco de Assis,
que to florescente marcha va sob sua direccao e
onde a adolescencia e mocidade do lugar e dos
arredores bebiam a instruccao e as boas mximas
da mas severa moral; j'ulgam de seu rigoroso
dever consignaren) ao Rvm. Sr. conego um voto
pu >lico de reeoBhecimenio, pelos grandes servigos
que com aquelle estabelecimento, prestara ao ter-
mo e a Ireguezia de lpojuca.
Todos quauto tiveram o prazer e a honra de
visitar o cotlegio dirigido pelo Rvm. Sr. conego
Roehael poderam por si mesmos apreciar a >a
ordem e regularidade com que eram desiriboidos
os trabalhos, e os disvellos com que eram tratados
os eotlegiaes confiados ans cuidados do Sr. conego.
B*s|.rese, ro tanto, o Sr. conego Hochael os tiros
de seus desafectos, que a propria consciencia e a
estima dos homens sensatos o indemnisarao al-
tamente dessas injusticas polticas e acelhldas por
espintos que nao se desquitara de suas falsas opi-
nioo.
lpojuca, ii de junho de W63.
Baro de Guararapes.
Jos Flix da Cmara Pimenlel.
Antonio Peregrino Cavalcanti de Albaquorque.
Theotonio da Silva Vieira.
Francisco Antonio de Olivelra.
Folippe de S e Albuquerque.
Padre Telesphoro do Paula Augusto.
da a provincia e quasi tod-i o imperio sabe du'quan-
i lu capaz o autor de taes informacoes, por amor
de minha reputacao, barbara c traigoeiramento fe-
rida em dita nota, e em altenciio ao publico, a
quem devo consideragdes, o perante quem me es
torco, por nao desmerecer no concento que todo o
homem, que se pieza, deve manier Ileso, venho
pela primeira vez imprensa para defender a mi-
nha honra abocanhada por um nnoni/mo nessa he-
dionda nota posthuma, em que dezeseis sacerdotes,
sem pravas, mas smente com o appello da cons-
ciencia do fallecido prelado, sao alirados ao escar-
neo e odiosi lado publica.
Passarei a tratar da denuncia que servio de ca-
vallo de balalha para se me arredar da proposta.
Quando pretend entrar no fallado -concurso de 30
de novembro, apresentei documentos provando mi-
nha moralidade, e achar-me isento de crunes no
civel e ecclesiastico, os quaes sendo reconhecidos
como authenticos. fui admitudo exame. Est
provado que at entao nada existia contra mim ;
mas, denois que fui approvado e com preferencia
qoelles a quem se haviam promeUido as fregue-
zias que eu tinha direito pelos meus servigos,
logo appareceu urna denuncia anonyma, viuda da
Parahyba, lugar aonde nunca fui nem pretendo ir /
Remettida tal denuncia ao Revm. ex-vigario-geral
para proceder contra mim, este, nao achando fun-
dament bastante paja formular um pmcesso, he-
sitou na procedencia, e requisitou provas para po-
der proseguir. Enviadas as testemunhas ao pala-
cio da Soledade para jurar no processo, foram taes
os seus depoimentos, que deu em resultado a mi-
nha despronnncia.
Eis-aqni tudo quanto me consta bouve, contra
mim, se alguma cousa mais existe, eu nao fui sa-
bedor, e seria por demnix iniqno cr.ndemnar-se um
homem proscripeo |ior urna simples inormagao
sem ao menos se Ihe concederem os meios de de-
fesa.
Mas para que ir mais longe r Houve no concur-
so de 30 de novembro do auno passado muila in-
jnstiga, muila vinganca, muita infamia (como j
demonsiroa o meu nbre collega, o Revm. Sr.
Loyola em sua correspondencia de 26 Jo passado),
era necessaTio, porlanto, que quem as praticou se
prevenisse de documentos para sua salva-goarda,
'fleasse embora compromettida a dignidade episco-
pal.
Desculpem, Srs, redactores; minha tosca llngua-
gem, c queiram publicar estas linhas em defeza de
minha reputacao, com o que Ihes ftcarei eterna-
mente agradecido.
Recito 3i de setembro de 1864.
Padre Joao Jos d'Araujo.
PUBLICARES A PEBIDC.
Escrovem-nos de Caruar em dala de 16 o se-
grate :
As eleigSes deste municipio foram as mais de-
sordenadas, e anarchicas de que hanoticias I Anles
pareca urna guerra civil e mortfera de que hita
eleitoral!
Em resumo Ihe dire somenle-tjBe erganisada ao
dia 7 deste a mesa, cujos qualromembro* eram to-
dos liberaos, o delegado ejuiz municipal do termo,
Dr. Amorim, eucarregado das eleices por parte
do governo, mpz publicamente t que s votariam
< os que recebesse delle, do subdelegado e mspec-
lores a sua chapa carimbada, do contrario nin-
i guem votara : e efectivamente a tropa que
cercava a igrrja nao deixou que entrasse votante
algum dos dppostos polica.
Os mesarios protestaran], mas o pnraeiro jniz de
paz Manoel Fehx Calumby e o mesmo delegado
nao consentiram viva torca que se escrevesse
cousa alguma no livro das actas 1
Retiraram-se os mesarios em face dessa coaego
para a igreja da Conceigo, o ahi estavam fazendo
a eleigo qnando o delegado, frente de ma forga
ile4mha -de Taramos armados,-cerca ilrta igreja
para os debandar.
Nesse terrvel momento quasi presencia esla ci-
dade horrivel morlecinio a nao serern os esforgos
empregados pelo digno Dr. Julio, juiz de direito
desla comarca, que felizmente conseguo suspen-
der as armas j assestadas, as tocas desenmaraa-
das, etc. 1
Nada, porm, pode acalmar o ardor bcllicoso do
Dr. Amerim, pelo que os liberaes avisados pelo
segundo juiz de paz, foram para a casa deste, e ahi
concluiram a eleicao, cujo resultado o segrate :
Jl'IZKS DE PAZ.
Joo Joaquim da Silva Limeira.
Lniz de Andrade Lima.
Joo Francisco da Costa.
Antonio de Souza Florencio.
De Quipap, ou antes Panellas, segundo o teste-
munho de pessoas fidedignas que de l vieram sei,
jjue no dia 7 o pnmeiro juiz de paz Joao Temolheo
de Andrade, abri as portas da igreja s 9 e meia,
acbando-se j no corpo da igreja organissda a me-
sa, o no atrio, espera da organisagao, todos os
elntores, e grande maoria de supplentes, aos quaes
foi vedada a entrada pelo mesmo juiz de paz, e pe-
la torga ao enramando de um capito e um tenente
de polica, que desde amanhaa cercava a igreja.
Os mesmos eleitores e supplentes foram em se-
goida para a casa do segundo Juiz de paz, e ahi fi-
zeram a eleigao, cujo resultado toi o seguinte:
Jr'IZES DE PAZ.
Districto de Panellas.
Antonio Jos Goncalves Pires Ferreira.
Jos dos Santos Sirva Jnior.
Fellppe Ferreira da Cunta.
Joao Gomes Pereira de Lucena.
Districto de Domingos Ferreira de Macdo.
Antonio Lopes Mniiiz.
Antonio Moreira dos Santos.
Antonio Velho de Oliveira.
Nao sabemos do resultado da eleigao do subde-
legado, pois sement 12 que d aqu parti o
Dr. Amuiiin para redigir as acias della.
Afiirmara-me, porm, que desde o dia 10 j nao
conservavam mais o simulacro de eleigao na
igreja.
O que ha de mas nolavel na supposta mesa da
polica que era presidente della de Panellas; um dos mesarios era o subdelegado
de Quipap, o outro um lilhe desle, outro o primel-
ro suppleotc do mesmo subdelegado, o quario fi-
natoienieK-irmo do-subdelegado de*. Benedicto
da mesma freguesa I E' urna parfeita mesa poli-
cial I
No AKinhe a policia fez a mesma cousa. O sub-
delegado logo as 8 horas tomoua igreja, organisou
a mesa na qualidade de stimo supplente de juiz
de paz, i e ahi fez oque lie chama suu elei-
qao.
O pnmeiro juiz do paz e a grande maiaria de
eleitores e supplentes fueram a eleicao em a das audiencias, e foram:
Juizes DE PAZ.
Districto de Altinho.
Dionizio Rodrigues Jacobina.
Manoel Trime Alves do Couto.
Jos Pacheco Alves do Coulo.
Severino Gomes da Silva.
Districto do Bebedoaro.
Antonio Bezerra de Andrade.
Luiz Manoel Gomes dos Santos.
Alvaro de Luna Freir.
Antonio Barbosa da Silva.
Da Raposa consta que houve parlilba entre li-
beraes e ligueiros.
As eleigoes liberaes constiluiram a cmara do
seguinle modo: .
Manoel de Farias Lemos. ^
Manoel Alves de Souza.
Joo Paes de Lima Brandao. \
Aulonio lnnocencio Florencio de N ascoucellos.
Jos Antonio da Silva.
Manoel de Souza Silva Serodio.
Francellno de Mello Cabral.
Jos Bezerra Paes de Lira.
Francisco Gustavo Ferreira da Silva.
Ao lllm. Sr. Dr. chefe de polica.
Moradores da ra do Cotovello se queixam e
pedem V. S. que mande corrigr urna mulher
moradora na mesma ra por nome B. mulher de
um tal Brito. Esta mulher nem s de da como
de noite, a horas que o corpo pede descanco, faz
um alarme em altas vozes com palavras as mais
vergonhosas que possivel ha ver contra a honra
de familias, nao respeilando visnhanca alguma.
Dizem uns que ella douda, outrns dizem que
urna insolente, domoralisada e sem respeito, e
como |iara qualquer das cousas temos o hospital
dos doudos ou a casa de detengo, provavelmente
pode ser que el a ainda venha a ser boa visinha,
e se V. S. l'.er justiga como sempre eoMnma a
fazer ser dignamente louvado pelos visinhos da
referida ra.
UiiTpai de familia.
Hospital lortngiiez de Benefl-
ceneia.
O avullado numero de prendas e objectos que a
benignidade e dedicacao de bem formados roragocs
fez contribuir para a tosa de caridade e triumpho
da religiao que na tarde do da 18 do torrente se
ostenten em lodo seu primor e brilhantisrno, no
leiaoa que se procedeu neste pi estabelecimento,
nao permitlindo possibilidade de serera todos all
trocados pelo bolo da phlantropia e generosidade
dos immenos concorrentes, cujo amore venerago
pelo elevado, justo e santo lim a que destinado se
fez notavelmente sentir na porlia com que cada um
mas e mais se esfergava por patentear; obriga a
admrai-traco deste Hospital a fazer nao s nova
exposigo de taes objectos, como de outros muitos
que a commisso encarregada espera receber, pela
conviegao firme em qne se acha de que ninguem se
eximir de partecipar do infinito bem que deve au-
ferir em retnbugo ainda da mais parca ufferenda
destinada ao soccorro do indigente e ao alivio do
enfermo Essa nova exposigo, pois, ter lugar do-
mingo 'i do crrente, pelas 4 horas da tarde, no
mesmo >ito do Hospital.
Para contar-se com o concurso do Ilustrado pu-
blico desta capital, nada mais se faz tmster do que
indicar-lhe o objecto que reclama sua dedicacao;
ella sempre prompta e espontanea : pois bem, o
objecto ahi fica apontado, o rnais nao ser por ceno
desmentido.
Hospital Por uguez de Beneficencia em Pernara-
buco, 20 de setembro de 1864.
Joaquim Ferreira Alendes Gmmaraes,
l' secretario.
lllm. Sr. Jos da Rocha Prannos.Com a maior
satisfago lango mo dapennapara Ihe dirigir estas
linhas em agradecimento ao proveilo que tive do
uso que fiz do xarope acooheo de vellame, da sua
eomposigao, para que V. S. disto tenha conhecimen-
to; e o respeitavel publico proveilo. Desde 1858
que soffria as materas dores rhenmaticas, cmpli-
cadas com o que a medicina denomina siphilis, e a
um anno que soffria de ulceras na garganta. Da-
quella poca paraca semre viv em uso de reme-
dios, de que nao tirei resultado algum a nao ser
alivios momeniaes, e lempos havia que de todo me
va impossihilitado de me levantar de urna cama,
soffrendo* sempre tanto no vero, como no rigor do
Invern; persistindo porm no uso de remedios j
applirados pelos conhecedi-res da arte, j de outros
que via annunciados nos jornaes com apphragao
aos meus padecimentos, e destes um sem numero,
continuando sempre a soffrer como mui tas pessoas
desta cidade sabem, e sao testemunhas de me ve-
rem andar na roa mais para morrer do que para
viver.
Acontecen que em abril deste anno as dores ata-
caram-ue de forma que leve doos mezes de cama,
sem que me podesse sentar, pelo que tive occasiao
de desesperar da vida, taes erara os meus soffri-
ments. Neste tempo lendo o Diario de Pernam-
buco, deparei com um aviso do xarope aleoolieo
de vellame, manipulado em sua pharmacia, li este
aviso, e tomei-o eomo um aviso de nm anjo; pude
a muito custo escrever meu filho, que entao j
estar nessa cidade, pedi-lhe que me mandasse
alguraas garrafas acompanhadas das pitlas, mas
logo depois vi que nesta cidade j havia o xarope
venda em casa do Sr. Raymundo Jos Pereira de
Castro, e logo me apresentei em mandar comprar
duas garrafas. Fazendoroo delte, no fim de dhis,
ja anda va em casa pegado duas bengalas, e to
tim de quinze dias saAia ra. Qnando aeabei de
turnar duas garrafas senti-me completamenle bom,
andando com todo desembarago, restandotme as
endas na garganta, para o que empreguei outros
remedios, mas nada me aproveou ; toi quando
recebl as garrafas que havia podido meu Bino, e
continuei com a terceita, que, no fin de poneos
dias, fui melhor. Hoje me acho completamente
bom. Porlanto, sirva-se V. S. aceitar meus since-
tos agradec mentes,* o publico que tiver* mfeli-
i cidade de soffrer taes padeeimentos que aproveite
com este meu testemunho.
Sou com apreco de V. S. muilo att. ven. e.cria-
| do, Benlo Jos Antitnes.
Maranhao, 11 de agosto de 1864.
fDo Paiz.)
Salsa de nristol.
A salsaparrilha de Bristel.Poucos remedios ha
j que tenham produzido, tantos beneficios no mun-
do como este. E' a nica preparagao que ataca
nvariavelmente no sangue a origem das enfermi-
dades ulcerosas e erupliveis extinguindo ao mes-
mo tempo a causa e efteite. Podemos pois con-
fiadamente afiangar que com sua purificadora in-
fluencia, a corrupgo se transforma em incor-
ruptbilidade. As chagas, escrfulas e todas as
; molestias externas, glandulares e cutneas com-
'muns aos palzes trpicos eed>m promptaraente a
| sua poderosa agencia. Seus effeltos curativos uas
afleccoes do ligado e no Theumatismo nao sao
meaos sorprendentes.
Acha-se venda as boticas de Caors & Bar-
boza, e de J. da C. Bravo C.
Carne verde libra.
Pao e bolacha dem.
Collegios de orpho*.
Assucar refinado, libra.
Cha preto dem.
Caf em grao dem.
Manteiga franceza dem.
Arroz pilado do Maranhao dem.
Batatas idem.
Aletria idem.
Carne verde idem.
Pexe fresco idem.
Pao e bolacha idem.
Toucinho de Lisboa idem.
Farinha da mandioca da tem, alqueire.
Feijo dem.
Azite doce, garrafa.
Vinagre de Lisboa idem.
Cal, cuia.
Lenha em achas, cento.
As propostas devem ser apresentadas em cartas
fechadas, devendo ser especiaes j para os eslabe-
lecimentos de caridade e j para os collegios de
orphaos : sao tambem aceits propostas emente
para a carne verde, e para o pao e bolacha tanto
dos estabeleciinentos de caridade como dos colle-
gios de orphaos.
Os pretendentes podem dirigir-se esta secreta-
ria as horas de seu expediente, afim de colherem 21 do crreme, linda a audiencia do Sr.
asraformagesquejulgarem precisas, e no acio iViP"L res!du?'e.scr,** y35000"-"08-
da arramaucao devem comparecer acompanhados ^ra.i?m,ala,dSeSOb.rad.0.-.de Um andar-e %tAMT'-
! de seus fiadores, ou munidos de cartas destes, que ">Slt0 na de Santa Rita, com porteo para o
; ficaro responsaveis pelo ntero cumprimeuto dos | |^fn^, y^JK". .Kf*.^"?1? da 525'.T
I respectivos contrates.
Arrema (ac.
Ficou transferida a praga "de venda do sitio do
Zongu no lugar de Apipucos, pertencente a he-
ranga da finada Mara Candida de Magalhes, para
depois da audiencia do Dr. juiz municipal da 2-
vara, no dia 24 do crrante.
De ordem do lllm. Sr. inspector da theson-
raria de fazenda desta provincia se pnblira para
conhecimento dos interessados a relacao abaixo
transcripta dos credores de.dividas de exercicies
fmdos na importancia total de 4639:i:i, cujo paga-
mento foi autorisado pela ordem do thesouro na-
cional n. 126 de 30 de agosto de 1864.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Pernam-
buco em 20 de setembro de 64. Manoel Jos
Pinto, servindo de official-maior.
Setenio a qtre se refere a ordem supra.
Manoel do Nascimento Machado Portella 200*000
Raymnndo Florentino dos Santos
Joao Barbosa Cordeiro Fetosa.
Manoel Polycarpo Moreira de Azevedo
1381000
U1033
45W0
46:15933
ARBTOTACaO.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Re-
cito 16 de setembro de 1864.
O escrivao,
F. A. Cavalcanti Cousseiro.
COMPANHIA
terreno proprio, jieriencenie testamentaria do
fallecido Sebastin Mauricio Wanderley, avallado
dito sobrado em 4:0005.
Correio.
C0MMEIC10.
SttYO B.\1SI DE VtM\M\CO.
0 ivovo banco p^ga o 13 dividen
aa razo de 8J00 per aeeo.
Alfandega
Rendimento do dia 1 aHO........ 464:5165812
dem do dia 31................. 28.9623178
Pela admini.-lracao do correio se faz publico
que hoje (ii) do correte s 3 horas da tarde em
ponto fechar-se-hao as malas para os portes do nor-
te at o Acarac, as quaes serao conduzidas pelo
vapor costeiro famanguape.
493:4785990
Wovlmento da alfandega
Volaraes entrados com fazendas...
eom generas...
234
216
575
234
491
Voiumessabidos com fazendas...
com generes...
Descarregara no dia 22 de setembro.
Barea bremense flrawmfarinha de trigo.
Patacho brasi>eiro Palmaidem.
Escuna hespanhelaUharrucavmhos.
Brigue bremenseCtorisscharque.
Recebedorla de rendas Internas
geraea de Pernambuco.
Rendimento do dia i a.20........ 18:9945124
dem do da 21................. 34935
19:5295059
MOVIMENTO DO P6RT0.
Atores ttttraos m dia "ti.
Rio Grande do Sul 42 dias escuna oriental .4n?-
lita, de 161 tontdadas, t&pKo Launano Jacintho
de Carvalho, equipagem 9, carga 9,340 arrobas
de carne ; a Amorim Irmos.
Rio Grande do Sul17 dias, palhabote nacional
Arroto Malo, de 323 toneladas, .capito Jos Joa-
qnim Soares, equipagem 12, carga 15,000 arro-
bas de carne ; a Maia A Espirito Santo.
Aiacaty12 dias, hiate nacional Sant'Anna, de 43
toneladas, capito Antonio Joaquim Alves, equi-
i pagem 6, carga algodo e outros gneros; a B.
i G. do Amaral.
Navio sahido no mesmo dia.
' BahaLugre brasileiro Emilia, capito Bernardi-
| no Rodrigues de Almeida, em lastro de ara.
Observar.ao.
Suspenden do lamaro para Macei a barca in-
gleza Ladij Elisabetk, emiti J. Burk, com o mes-
mo lastro que trouxe de Santa Helena.
TIIBVTRO
DE
A administra?ao tiesta companli ia em sua |
sessode 19 do corrente resolveu por em i
arremataco o chal'ariz do logar da l'assa-
gem da Magdalena, por lempo de 9 mezes
a contar do i* de outubro vindouro a 30 de I
jnnho de 4865 ; os Srs. licitantes compare- j
cam at o dia 24 do corrente ao mcio dia
munidos de seus fiadores ou declaraco dos
mesmos, devendo ser as propostas em carta
fechada apresentada na mesma occasiao ou
antes no escriptorio da referida corapanhia
ra do Cabug n. 10, onde melaor se deve-
ro esclarecer e informar.
Baze sobre a pial se Cbafariz do largo da Passagem da
Magdalena por nove mezes
cima declarados. 300#000
0 escriptuaario,
Maiculiho Jos Pupe.
Consulado provincial.
Pela mesa do consulado provincial se faz publi-
co aos devedores dos impestos cobrados por lan-
camento pertencente ao exerccio findo de 1863
1864, que no ultimo de setembro corrente finda-se
o praso marcado para o pagamento de seus dbi-
tos, fleando sujetos a serem executados os que
nao pagaren) at aquelle dia.
Mesado consulado provincial de Pernambucs Io
de setembro de 1864.
Antonio Garneiro Machado Ros.
Administrador.
Conselho aii ni ilustrativo.
O conselho administrativo para tornecimento do ^
arsenal de guerra tem de comprar os objectos se- bQ|a enMH[ada As verdadeira? pillas de Mori-
guntes : >f.j j'com Dm convite agradavel ou a ceia do feiti-
Para provimento dos armazens daalmoxaruaao ao ccjj.0 Q ar|cqujm abolice.
. arsenal de guerra. Finalisando esta parte pela admiravel
12 duzias de tahoas de cedro de 1 polegada de, a i.
grossura, 9 a 14 ditas de largura e 23 a 27 palmos SUSpeilQclO etarienSO.
S. ISABEL
Qninta-feira, 22 do correte.
Quarta f ultima representa{io dada pelo prestidigi-
tador brasileiro
JULIO DOS SANTOS PEREIRA
Socfe benemrito da sociedade Propagadora
das Bellas Artes no Rio de Janeiro,
e primeiro mgico brasileiro.
Nove, f&Uaerdiuario e-variado diverttmenta de
apparentcs jnos pbysieos,
peras mecnicas e verdadeira prestidigitaco.
Depois de urna escolhida ouvertura, serio abor-
tos es trabalhos pelos 'enigmticos e inexplicavei
efteiios, que tem por titulo
ASALADOSSEGnEDOS
ou
MISTERIOS IK DIABO.
PRIMEIRA PARTE.
A circulaQao das cartas ou a roda mysteriosa
Os effeitos do lenco em combuslivel O peque-
no fllho do diabo A Urna maravilhosa ou
de comprimento.
50 arrobas de cabo velho de linho.
12 costadrahos de pao carga.
2 arrobas de pregos francezes de 2 1|2 pole-
gadas.
EDIT1ES.
O lllm. Sr. inspector da thesouraria provin
cial em cumprimeuto da ordem do Exm. Sr. pre
sidente da provincia de 12 do corrente, manda fa-
zer publico, que no da 29 do mesmo, perante a
junta da fazenda da mesma thesouraria se ha de
arrematar quem mais der o imposto de 23'i00 do
gado vaceum consumido no municipio de Ignaras-
s, no restante do triennio corrente, avahado nova-
mente em 1:4335000.
A arremataco ser feita por tempo de 2 annos e
9 mezes a contar do Io de outubro de 18G4 30 de
junho de 1867.
As pessoas que se propozerem a essa arremata-
cao, coinparecam na sala das sessoes da referida
junla, no da cima mencionado, pelo meio dia e
competentemente habilitadas.
B para constar se maodou publicar o presente
pelo jornal.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
buco, 13 de setembro de 1864
O secretario,
A, F. d'Annunciacao.
O lllm. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial, om cumprmenlo da ordem do Exm. Sr. pre-
sidente da provincia de 12 do corrente, manda fa-
zer publico, que no dia 29 do mesmo, perante a
junta da fazenda da mesma thesouraria, se ha de
arrematar quem mais der o imposto do dizimodo
gado vaceum, da comarca do Bonito, avaliado no-
vamente em 2:0005800.
A arremataco ser feita por tempo de tres an-
nos a contar do primeiro de julho de 1864 30 de
junho de 1867
As pessiis que se propozerem a essa arremata-
cao coraparecam na sala das sessoes da referida
junla, no dia cima mencionado, pelo meio dia e
competentemente habilitadas
E para constar se mandou publicar o presente
pelo jornal.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
buco, 13 de setembro de 1864.
O secretario,
A. F. d'Annunciacao.
SEGUNDA PARTE.
A pedido de muitas pessoas esta parle ser pre-
enchida pelo milito admiravel joven, primeiro le-
te genero
VAM3A OU 0 MENINO 00 AB
Este joven, por de mais extraordinario em seus
trabalhos, far dlfflceis exercicios sobre a corda
bamba. A combinaco de um to bello segredo,
lorna-se bastante admiravel. Vamha tem trabaja-
do em quasi lodo o Brasil, mulas vezes em Pars,
onde foi sempre applaudido e admirado, deixe-nos
que seja visto pelo publico deste lugar e este Ihe d>
o devido merecimento.
TERCEIRA PARTE.
OSEFFEITOS
00
MEGASG0PIOE6YPCIO
Patente que seja as espectadores. O
anj da-* >islas pittnrcsras
ter lugar a apparicao de tima variada escolhn d.i:.
mais agradareis vi-tas cujos efleitos de urna il-
losao admiravel; nalisando pelareappartco de
muito applaudido quadro de
0 AFAMADO CACADOR DE LEOES
Em seguida volver por eleitos da circulaco
elocirica
Osfogos diamantinos
finalisando o divertimenlo logo que seja annnncia-
do pelo anjo da mul
BO.\ SOlfii.
MISOS MARTIMOS.
DECLARARES.
Santa Gasa de Misericordia do Recite.
A illm. junta administrativa da Santa Casa de
Misericordia do Recife manda fazer publico que
no dia 22 do crreme, pelas 4 toras da tarde, na
sal de suas sessoes, tem de ser arrematado por
quem mais vantagensonerecer, o fumen ment dos
gneros que houver de consumir nao s os estabe-
leciraentos de caridade, como tambera os collegios
de orphaos no trimestre de outu' o dezembro
proximo, a saber :
E>tabeleciraentos de aridade.
Cha preto libra.
Manteiga franceza idem.
Tapioca idem.
Caf em grao idem.
Assncar branco em torrao arroba.
Dito Minado primeira sorte dem.
Dito dito segunda sorte idem.
Arroz pirado do Maranhao dem.
Bacalho idem.
Tourraho de Lisboa idem.
Sabo amarello idem.
Velas de carnauba dem.
Ditas de spermacete, masso de 1 libra.
Pannha de mandioca da trra, alqueirc-
Viirho tinto de Lisboa, caada.
Dito branco idem.
Vinagre de Lisboa dem.
Agurdente branca idem.
Azeite doce idem.
Dito de carrapalo dem.
Farelo de Lisboa sacco.


f 1 arroba de ditos ditos de 2 polegadas.
1 arroba de ditos ditos de 1 1|2 polegada.
I arroba de ditos ditos de 1 polegada.
4 libras de ditos ditos de l|2 polegada.
8 libras de ditos ditos de 8)4 de polegada.
Para a colonia militar de Pimenteiras.
1 livro denominado Ritual.
1 estola (branca e rxa).
1 roquete.
1 vaso para os santos leos, de chumbo ou de
qualquer outro metal.
16 libras de ce-a, contendo 12 velas de 1|2 libra
e 30 de 3 em libra.
100 hostias.
100 partculas.
12 garrafas de vinho branco (puro).
Quem quizer vender taes objectos aprsente
suas propostas em carta fechada na secretaria do
conselho, s 10 horas da manha do dia 28 do cor-
rente
Sala das sessoes do conselho administrativo para
forneciment do arsenal de guerra 21 de setembro
de 1864.
. Antonio Pedro de S Brrelo,
Coronel-presidente.
Sebaslifw Antonio do Bego Baos,
Vogal secretario interino
A cmara municipal desta cidade principia
! no dia 23 do corrente e seguintes a sua lerceira
1 sessao ordinaria deste anno.
Secretaria da cmara municipal do Renie 21 de
setembro de 1864.O secretario,
Francisco Canuio da Boaviagem.
Nao tendo apparecido licitante para a factu-
ra da obra das catacumbas do cemiterio publico
da freguezia de S. Lourenco da Matia, continuara
i cm praf a nos das 23, 24 e 26 do corrente, peran-
te a cmara municipal desta cidade a mesma obra,
i oreada em 1:0155: aquelles que qnizerem arre-!
i matar, de vero comparecer para o mesmo lira nos
das indicados, munidos de flanea idnea que ga-
ranta a arremataco.
Paco da cmara municipal do Recife 21 de se-'
tembro de 1864.
Luiz Francisco de Barros Reg
Presidente.
Francisco Canuto da Boaviagem
Secretario.
Perante a cmara municipal de^ta cidade es-
I (ario era praca nos dias 23, 26 e 28 do corrente
para serem arrematadas as seguintes rendas mu-
' nicipaes :
! Imposto de 80 rs. por carga de farinha
e legumes vendidos nos mercados p-
blicos............................ MH1N0
dem de 40 rs. por pe de coqueiro.... 3475000
dem de mascates e boceteiras ..... 130501)!l
Alugnel da casa da Soledade........ 1455000
Os pretendentes a arremalacoes da taes rendas,
comparecam no paco municipal nos dias indica-
dos, munidos de flanea idnea na forma da lei,
sem o que nao poderao licitar.
Todas as arrematacoes sao por um anno, excep-
to da casa da Solelade, que ser por tres annos._
Pago da cmara municipal do Recife em sessao
de 21 de setembro de 1864.
Luiz Francisco de Barros Reg,
Presidente.
Francisco Canuto da Boaviagem,
Secretario.
Vai praga dp Sr. Dr. juiz de orphaos, An-
das tres audiencias, um terreno alagado nos fundos
da ra da Concordia, com 40 palmos de frentee'
80 de fundo, pertencente aos bens dos finados Joao j
Manoel de Siqueira o sua mulher. 0 brigue Mgiiaeg0t de prilBe,M dasse, reeetc
AlTGlIltltftClO. i car6a e seuo cora brevdade : trala-se com os
* i consignatarios Marques, Barros! C, largo do Cor-
Ficou transferida a praca de venda dos movis po Santu n. 6.
e fazenda, penhorados ao finado Antonio Jo- Pe-1 ^wmm^^^^mmmm
reir, por execucloda veneravel ordem lerceira de
S. Francisco para o dia 24 do corrente, depois da
audiencia do Dr. juiz municipal da 2" vara: os
pretendentes poderlo examinar no deposito geral
onde se effeetnar a praca.
Correio gerai.
Pela admini-draco do correio desta cidade se faz
publico que em virtude da convenco postal cele-
brada pelos gnvernos brasileiro e francez, sero
exppdidas malas para a Europa no dia 30 do cor-
rente pelo vapor francez Guyenne. As carias se-
ro recebidas at 2 horas antes da que for marca-
da para a saluda do vapor, e os jornaes at 4 ho-
ras. Adminislracao do correio de Pernambuco 22
de setembro de 1864.-0 administrador,
Domingos dos Passos Miranda.
COMPANHIA PERNAMBCANA
DE
^avega^o costefra vapor.
Parahiha, Natal, Mario, Aracaty, Cear, e Acararu
No dia 22 do corrente expe-
dir esla companhia para os portos
cima mencionados o sen vapor
Mamanguape, commandante Mou-
ra. Recebe carga smente at o
immendas, pass3geiros c
frete at As 3 horas do dia da sabida :
no Forte do Mattos n. I.
dinheiro a
escriptoric
COMPANHIA PERNAMBCANA
Vi veg;a<'5o costeira a vapor.
Taman ar, Barra Grande, Pona de Podras,
Caraaragibe e Macei.
No da 24 do corrente expedir
esta companhia para os portos ci-
ma o seu vapor Parahyba, com-
mandante Martins. Recebe carga
_ bornete at o dia 23. Encom-
mendas, passageiro e dinheiro a frete at as 3 ho-
ras do dia da saluda : escriptorio no Forte do
Mattos n. I.____________________________
Rio firaD'le do Sul.
Barca nacional Clemmtinn, recebe carga a fre-
trata-se na ra do Trapiche n. 4.
le
tito brande do Sul
LEILOES.
I 1 II AO
Em eoutinua?a.
Hoje, 22 de setembro.
Southall Mellors & C. continuarlo hoje o seu
lei i ao de fazendas prm ripiado hontem, consisiiodr
de raadapulVs, chitas, algodoes -e mais tazenda-
de lei, em seu armazem ra do Torres n. 38.

-
MUTILADO)
.-^


Diarlo de l>erita> Quinta ittf 11 de Miembro 4* 1*44.

se ac bou
Santa Isa-
oe
Quiota-feira 22 de setembro s 11 ho
ras, roa da i'aiieia n. 53, ar-
Hiaze.
DK
lima casa terrea n. 47 sita a ra da
Sttcegachoproprio, reade 200$
PELO AGENTE EUZEBIO.
Se vender em Irild urna casa terrea- que leni
2 salas, 2 quartos, eoshiha fora, cacimba, quintal | con.os das leis na Casa da Fortuna ra do Cres-
murado e chao proprio, nova acabada pouco, po n. 23.
sao convidador os pretendeates ao previo rame. Acham-se venda os da segunda parte da pri-
meira lotera a benecio da igreja de Santa Rita
de Gasaia, que se extcaitiri na terr a-fera 27 do
ClkSA 4 FORTUNA
aos io:oao.ooo
Oilhetes garantidos
A' ra do Crespa n. 23 e casas do eostnne
O abaixo assignado venden nosseus muito feli-
zes burieles garantidos da lotera que
1 de extrahir a beneficio do theatro de
bel, os segulntes premios:
N. 3309 bilhete inteiro com 10:0005000
N. 1-788 dous quactes com i:0&a,8000
N. 214 um meio com 500*606
E outras mullas de 2004 1003, W e 205.
Os possuidares podem vir receber sem os des-
LEIlA

DE
lintbanco e ferrament de marciueiria
OuBta-feira 22 dr> correte s 11 ho-
ras, no armazem da ra da Cadeia do Ro-
cifc n. I8i
O agente Olympiu vender em leilo um banco
para marcineiro e ferramenta hamburgueza para o
mesmo trabalho. Na mesnia occaaiao se vender
aun porcao de cola. ______
Movis, cinjstaes e ou-
tros artigas de gosto
W ARHAZEMDA RIJA DO
VIGARIO I. 10.
Se&ta-felra 93 do eorrente
11 horas em ponto.
s
0LYMPIO
-ittWrisailo por diversas pessoas de sua araisade,
vender em leilo publico urna mesa elstica para
41) pessoa <. 1 guarda vestido de rail de amarello,
I piano fraucez de armario, 1 espetho grande. 1
mobilia de Jacaranda moderna cora lampes de pe-
dra. inarmore, 1 toilet de uwguo, 1 diU de Jaca-
randa, l rica secretaria de maguo, 1 cama fran-
ceza. l cadeiras brancas francezas, diversos re-
logios de algibeira e parede.copos para agua, can-
oulros inultos artigos que estarle patentes na ves-
pera d da do leilo. No armazem da nu do Vi-
cario n. 10.
AVISOS DYEBSOS.
correle mez.
Precos.
Bilhetes inteiros...... 12*000
Meios......... 6*000
Quartos........ 3*000
Para as pessoas que comprarem
de 100* para cima.
Bilhetes........ 11*000
Meios......... 5*800
Quartos........ 2*750
Manoel Martins Fiuza
Precisa-sede ura forneiro e dou* amassado-
res para urna padaria fora do Recife : a tratar em
Olindacotn-Luiz Jos Pinto da Costa.
SophiaTavares do Castro, viuva de Antonio
Jos Femantes de Castro, pelo presente declara ao-
cominerco e a todos em geral, que nesta dala 19
de setembro de 1864, estabeleceu sociedade em a
sua loja de taraancos na ra Direita n. 16, com o.
Sr. Jos Joaquim Pereira sendo a Orina da casa
Di ntairr. $1 iii rm. T Jio de t*** *<**?
.l/UiV*7ii<7 jumo I Desappareceu do sitio de Euzebio Raphael Ra-
to roa Direita n. 4S, se #ra opera d, de 100*000 bello, no Caldeirei; uni-ean de raca da Terra No-
l:00a*000. _^____________________ I de-cor amaraHo escuro, rajado de prelo, com
as ore!has cortadas e urna cicatriz cima do nariz:
quem e tiven adiado ou delie ti ver nolicia, dirija
Aluga-se urna casa em Bebenbe : a tratar
com J. I. M. Reg, na ra do Trapiche n. 34.
moanhia fldelU
segaros martimos e ter-
restres estabcleelda no
Rio de Ianelro.
AGENTES KM P-BPNAiam.ee
Antonio Luii de OHvfira Azr vedo & C.,
competentemeale auterisados pela direc-
tora da corapanhia de seguros Fidelida-
do, tomata- segaros de navios, mercado-
ras e predios no seu escriptorio ra da
Cruz b .1.
se ao referido sitio, ou ruada Cadeia do Recife
ir. 56, primeiro andar, que ser gratificado._____
Offerece-sc para criado oa feitor de um sitio
ou trabalhadnr de padaria um rapaz vind lti-
mamente do Porto : quem precisar dlrlja-se ma
da Cruz n. 29.
AJuga-se a casa n. 40, da
ras : na ra da Aurora n. 36.
ra das Trincha-
do Viuva Fernandes de Castro & C.: portauto, | comoquera yai_pata a ra Bella.-------------_--------
continuando tf gyro desse estabelecknento cora Precisa-se fallar ao Sr. Antonio Jos
mais capitaes e actvidade, espera a mesma viuva Txejra de andonea Beiem : nesta typr>
tSSSSKSS!" 6V raphta, ou oa livraria ns. 6 e 8 da praCa d.
Independencia.
"u
If livraria ii. 6 e 8 da praca da Inde-
I pendencia existe urna carta de importancia
parao Sr. Antonio Fernandes Corredor.
A Semana Ilustrada que se publica no Rio I
Kasa iawai m aiHMj aMI ** JaBeiro ,0* os domingos, asalgna-se em casa
14191 WmWmWm'WmmJmi'ammm^^m^ jft J. Rilque. ra Ao Crespo n i : preco daassig-
liia Kolln VnVtA I natura, trimestre 6*. semestre 11*, um anuo 18*.
\J,\L VCWJ VailUSJ. N. a Os. assignaates da S*maiw Ilustrada te-
Aluga-se um sobradlnho i margenado rio Cap- ^ rio no fim deste anno um tundra com os retratos
barlbe,. no Poco dfc.Panella, ra.do Ro-, a tratar de todo o gabinete do Imperador e da cmara dos
com Tasso Ixinaq. deputados otferecidu pelos t>roprietari&s do jornal
Para passar a frsta
No largo do Munteiro. mareen do rio Capibari-
be, alnga-se a casa denominada-Canna-FisluJa
outr'ora de Xsto Vieira Coellio a tratar na ra
do Crespo, loja n. 8, esquina da do Imperador.
t'en/lores
Bernardo Alvos Pinheiro, querendo retirar-se
desta provincia, roga quem possue objectos em-
" | peonados at o lim do anuo de IHti, na ra larga
de Rosario ns. 17 e tS), junto ao quartel, o favor de
os raisatar no praso de 30 das, a contar de hoje.
Recife 14 de setembro de 1864.
Anda est para alugar-se a boa casa
terrea n. 39: ra da Unio.
Mi O r. Kocha Bastos mudou a sua re-
5 sidencia para o caes Vinie e Dous de-No-
verabron. 7, porcimadoBuhardos Arcos.
Anda est, para
vessa do Remedio na freguezia dos Afogados n.
21 : quem o pretender emenda se com o seu prj-
prietario na ra de S. Francisco, sobrado n. 10,
Aos 10:0OO$0QU.
Terca-ra 27 do eorrente mez, se ex-
raair a segunda parte da primeira lotera
{109') a beneficio da rt-ja de Santa Rita
desta ciiiade, no consistorio da igreja de
Nosaa Seobora do Rosario da freguezia de
Santo Antonio.
Os bilhetes, meios e quartos acham-se
?enda na respectiva thesouraria ra do
Crespo a. i5.
Os premios de 10:000^000 at 20,JOOO
ser3o pagos urna hora depois da extraccao
at as i horas da tarde, e os outros no dia
seguinte depois da distribuieo das listas.
Servindo de thesoureiro,
Jos Rodrigues de Souza.
Joo da Silva Ramos, medico peta
versidade de Coimbra, d consultas em-
sua casa das 9 s 11 hora* da manhaa, e
das 4 s 6 da tarde. Visita os doentes
em suas casas regularmente as horas
para isas designadas, salvo os casos ur-
gentes, que- serao soccarridos era qoaW
quer occasio. D consultas aos pobres
que o procurarem no hospital Pedro II,
aonde encontrado diariamente das 6
s 8 horas da manhaa.
Tem sua. casa de sade regularmente
montada para receber qoalquer doente,
anda mesmo os alionados, para o que
tem commodes apropriados e nella pra-
I tica qualqner operacao crufgica.
Para a casa de sade-
Primeira classe 3*000 diarios.
Segunda dita.... 2*500
Terceira dita.... 2*000
i Este estabeiecimeirto j bem acredi-
tado pelos bons servcos que tem pres-
tado.
O propretario espera que elle conti-
nu a merecer a conauca de que sem-
pre tem gozado.
Quem precisar de um homem para bragagem
ou ser viro interno do algum armazem. dirija-se :
uestes das por carta fechada com as iniciis J. P.
no pateo da Iudependencia n. 1 ou 3, que ser pro-1
curado ; a pessoa sabe ler e escrever.
PEBUA
Em a noite de sabbado, 17 do eorrente, perdeu.-
$e una pulseira de ouro desde o largo do Paraizo
igreja de S. Francisco, ou d'ahi ra do Monde-
go, na .Boar Vista ; a pessoa que a ti ver adiado e
dellaquizer fazer entroga a seu dono, queira ter a
bondade de a levar ao largo do Paraizo, segundo
andar do sobrado da esquina confronte a igreja.
que muito se agradecer, e recompensar, se o
cxipir. _______^______________________
Dividas do Dr. Jos Ray-
Peco emprestadas ou compro as cartas de 111U11C10.
Pitia Damo, por Pr. Joaquim do Amor Divino J(,ri0 da Roclfa e Sj|va M ;icha au,or5ado para
Caneca, e o Astro da Lusitania, peridico de Lis- pa&ar as dividan do casal do fallecido Dr. Jos
boa.Antonio Joaqoim de Meti._____________Raymtindo deCaslrn Menezes : na ruado Queima-
Precisa-se de urna criada livre ou cscrava | do n. 33 A, loja da Espranos. _______
DENTISTA DE PARS
19Rui Nora-19
Frederieo Gautier, cirurgio dentista,
fas todas as operaeoes de sua arte, e col-
leca dentes artiticiaes, ludo cem superio-
_ ridade e perfeico, que as pesseas
didas Ihe reconhecem.
Tem agua e pos deatificio.
enten-
Tem agua e [
KBtt'SHMIH'
S
que saiba cozinhar e engommar
u. 42, primeiro andar._________
na ra das Cruz i
Ama de
imrrillia de Ayer
PARA A CURA DA
ESftROjFLIiA
e todas a molestias
provenientes elekla
t9$f&19
tolas as niolcstias da
pelle
eliervsiprllas. Innioros, ulceras,
sarnas,
nasridas, emaingens,
REUMATISMO
cn todas as su;is formas, assim romo lodo
o mal lite provm do uso excessivo do
MERCURIO
;ado
os males que tem sua
Vire-consulado de llespautia.
Havendo fallecido o subrtllo hespanhol Benlo
Antonio C.outinbo, sao convidados todos os seus
devedores e credores aapresenlarem nesle vice-
consulado os respectivos ttulos para proeeder-se
liqnidaco jg seu espolio_____________________
Na praca da Independencia, loja de ourives
Precisa-se de um rapaz de 18 a !6 annos, ou \ n. 33, compram-se obras di ouro prata e pedras I
de um homem de 30 a V) anno^ : a tratar na ra preciosas, assim como se faz qualquer obra de en-,
da Concordia, casa n. 38, das 3 horas em diante, commenda, e todo e qualqner concert.________
Aluga-se urna casa abarracada na puvoacao
do Monteiro, e contigua ao sobrado que foi de Sr.
Siqueira, tendo a dita casa terraco, quintal, cozinha
fra, estribaria, quartos para escravos, e sabida
para o ro : quem a preteuder, dirjase a ra es-
treila do Rosario n. 28._____________________
-^"Preclsa^se de urna ama para cozinhar para
casa de familia de duas pessoas, preferindo-se cs-
crava : na ra de Apollo n 19, segundo andar.
Precisa-se de urna escrava para comprar c
cozinhar : na ra da Moeda n. 37.
sil O Dr. Cosme de S Pereira conti-
na a residir na ra da Cruz n. 53, M
Io e 2o andar, onde pode ser procu- ^|
m rado para o exercicio de sua prois- g
a sio medica, c com espeeialidade
^ sobre o seguinte
Io molestias
2o
3o
Precisa-se de una ama de
ruada Cadeia do Recife n. oi.
leite.
leite sem cria : na
t'lceraeo do liga
todos
e em summa
>rigem na
IMPUREZA 1)0 SANGUE
um alterante poderoso para a
RENOVACAO DO SANGUE
e para (lar nova torca e vigor ao corpo j
ttifraijuecido pela doenca.
Vende-se na ra Direita ns. 12 e 70 e
Hospicio n. 40.
Vende-se em Pernambuco:
na pharmacia franceza de
P. MAURER & C.
RA .NOVA N. 18.
bma ioo wm7
O deposito de gaz que existe na ra do Vigario
,i i, acha-H transferido para a ra da Cruz n. 35,
oudti contina a vender o superior gaz americano
: sudado a 400 r a garrafa, e a 10* a lata de cn-
co gal5es.___________________________
Precisa se alugr n'uma das ras
flava, do Imperador oa do Crespo (pre-
I criado-se esta ulm -i, urna loja. vas-
ta, clara e de 3 4 partas; dirigir-se
ra da Cresp n. 4, loja do Sr. Fal-
qae.
Pelo consulado de Portugal sfto chamados os
rredores do tinado subdito portuguez Joo Bap-
tizada Rocha a virem receber-o que lhes toca em
rateio m liquidafodo seu espolie.
Jurual de Familias.
Etnoprloo numero do peridico deno-
nua I o /.-IMK., o qual s accidentalmente
Je poltica, por ser destinado educaoo
lisacM das familias.
iiawram.Ksiisi
O advogado lnnoccncio Serapmco de
Assis Carvalho acha-se de novo no exer-
cieio de sua profesad; pode ser procura-
do das 10 i\i horas da manha at s 3
da tarde, na roa de- Imperador n. 5o-,
primeiro lindar, e para negocio argente
[ a qualquer hora do dia.
de olhos;
de peito :
dos orgos geniti
urinarios.
Em seu escriptorio os doentes se- j
rao examinados na ordem de suas l
entradas comecando o trabalho pelos j
doentes de olhos.
Dar consultas todos os dias d sj
6 as 10 da manhaa, menos nos do- j
mingos. |
Praticar toda e qualquer opera- j
cao que julgar conveniente para o j
prompto restabelecimento dos seus 1
doentes.
0 asphaltista Coelho de Almeida pode ser pro-
curado Iravessa do Carmo n. 10, loja, das 9 as
12 horas do dia, para os misteres de sua arte.
ant-Clair
das ilhas ou os desterrados na. ilha da Barra, ro-
mance digno de ser lido pelas genhoras por seus
lances interessantcs postos em exeeocao por urna
sendera, 3 volamos em brochara a i& : na livra-
ria ns. C e 8 da praca da ludependoncia._______
MoMnras.
Acaba d chegar loja da Prima vare, ra da
Cadeia do Recife n. 21, um completo sortlment
dericas molduras para ipi.nlros, espelhos, etc. etc.,
a^sim como cordochorlotas para o mesmo lim,
^ue tudo se vende por barato prego.____________
Precisare de urna preta escrava que saiba
CGSinhar : na" ra do Qucimado n. 15,loja.
\TTE\CV0
Ama
Precisase de urna ama para comprar e cozinhar
em casa de pouea familia, e facer mais algum ser-
vico : a tratar na ra da Imperatriz n. 82, loja._
Permutase por um sitia que tenha bastantes
proporcoes para plantadlo perto da praca um so-
lirado de 2 andares c im soto e 2 frentes em una Arrenda-se ou vende-se urna casa com pe-
das melhores ras do bairro de Santo Antonio, o qUen0 shj0 nas mmediacoes de Sanl'Anna, vis-
5 : a tratar com o nha M siiio do r. Joao Alves Machado, lojista;
O engenho d'Agua do Sr. bacharel Francisco Joao
Carneiro da Cunta, que diariamente por este
Diarla annunciado para ser vendido, aleo "da hy-
potheca de que trata os*annuncios, tem outra feta
ao abaixo assignado; e lambcm est o engenho
obri;ado ao acabamento da capella,tesados e mais
disposiees testamentarias do Uado Heniique Po-
pe Girao, senhor que foi desse engenho, e que an-
da nao estad todos cumpridos, como sejam as dez
orphaas : tudo se v no testamento junto aos au-
tos de inventario, e partilha nocartorio do Sr. es-
crivao Hapiisla desta ridade ; tendo or. bacharel
Francisco Jo.o, recebdo 37:0003 em dinheiro pa-
ra todo cunipriinenlo das disposii^oes lestameuia-
ria?, crreme o sagrado dever de pugnar pelo
seu cnmprimenlo por ler Giro pedido no te.>ta-
menlo a hurdeira sua sobnnha niinha e-posa.
Marcelino Jos Lopes.
Aluga-se ou vende-se a olaria dos Coellios n.
o, onde csteve o Sr. Manoel Serra, o caes passa na
frente, tica em muito bom local para quem quizer
edificar, ou mesmo para quem qneira por alguma
landicao : a tratar na ra Direita n. 22, reliuacao
de Francisco Jos de Araujo. _________
qual rende annualmente 1:300
agente de leiles Olynipio no armazem da ra
Vigario n. 10.
do
Os abaixo assijinados declaram que compra-
ran! ao Sr. Esterad Rodrigues Feotes a taberna da
ra estrella do Rosario n. 18.
Jos Joaquim Rodrigues BrBZ.
J. Vasquesl-oureu^o.
AMA.
Precisa-se de urna aun que saiba engommar c
cozinhar para urna casa de pequma familia : na
ra do Cabug n. 16, quarto andar.
lili -
Por ordem do presidente da sociedade
Recreativa Corybantina sao convidados
todos os seus respectivos membros para
a sessao geral de hoje s 7 horas da
noite. .0 t" secretario,
Manoel de Souza GalvSo.
mmwm
presidente da
Oescrivoda irmandade da Senliora San-
t'Anna erecta na icrcja. da Santa Cruz convida a
todos i/.! irmfio\ da mesma para no dia 22 do cor-
rente a 7 llora- da noile coinparecerem na dita
nj;i^iaia que reunidos em mesa ceral proce-
da sea cleiean que tem de reger a dita irmandade
no anuo de-186-65. Recife, 13 de setembro de
1864.O escrlvaoi
Prancelino KleuU-rio Ferrera Chaves.
AVISO.
Moramente se annunea a venda ou troca com
casas, ou faz-se qnaiqaer negocio, do sitio livre e
desembaracado na estrada de Joo de Barros, visto
como nao u o sillo do lado do poente. rnas sim o
do lado do nascente, collorado entre os litios do
Sr. Honrado e uva do Sr. Hutino. Consta-nos
que ha quem deponha contra a bondade da casa,
e do terreno do dito sitio, c como seja lalvez smen-
le com o lim de interesse particular, como bem .-c
pode collegir. nenltnm merecimenlo se deve pres-
tar a taes informacSes : a tratar na j citada ra
do Rosario da Boa-Vista n. 38._________________
Precisa-se de urna costureira que cosa bem
de alfaiate : na ra da Viraeao, casan. 30.
"M O bacharel
B Francisco Augusto da Cosa sB
m
AOVWADO
Ra do Imperador numero
09.
>S
Precisa-se de um caiseiro que tenha pratica
Oe taberna e que di1 fiador a sua conducta : no
pateo da Ribera n. 1.__________________
-^~Na ra da Roda n. 6 continuase a mandar
! comida para fra, incumbe-se de tudo, aceita qual-
' quer encommenda por preco razoavel: na mesma
I casa aluga-se a casa terrea da ra Imperial nume-
! ro 270.
Amonio joaiiuiui ue uciiu wiivnca uu uici c ui, --^ k --------------- ------------- ._-.... *
me e perante OS jurados ; e gratuitamente aos Raymundoda Costa Menezes : na ra do Queima- g
ibres : na ruado Imperador n. 11, das 8 horas do n. 33 A, loja da Esperanca.______________ \m
Aencao
tratara
e mora-
Aluga-s o segundo anar e sotao do sobra-
da da ra do Arago n. 1: a tratar na ra da Ca-
,j->jn do Recife r>. fri, priiaeiro andar.______ '
-ORm Sr. padra Junas C->rdeiro de Macedo
i usira dHtit-fte; a mesma adimoistraciio acuna
atfrn de receber urna carta recomraendada viada
la prorincta.de Macei._______________________
Ahnm-se oseguodu e-tereeiro andares da
eaa da roa da Cadeia do Recife ni; a tratar no
armazem da mesma.
; de conslrucco moderna e feila este anno, com
estribara, jardim e boa cacimba de agua doce com
bomba ; o lugar sendo bastante ameno e audarel,'
e margem do Capibarrbe, offerece as melhores
vantagens para o passamento da festa : o preten-
dentc dirija-se ra da Cruz n. 17, terceiro andar
Kolos da rna Nova.
Joo da Rocha e Silva est autorisado a contra-
tar a venda do dominio directa dos solos em que
; estad edificadas as casas da ra Nova desta cda-
Antonio Joaquim de Mello advoga no civel e de, que pertencem aocasal do fallecido
cri
pobres : na ra do Imperad
da manhaa s 2 da tarde. _________________
Fugiodo engenho Arnaragi, de aiumaes, fre-
guezia de Serinhem, no dia 12 do correte setem-
bro, o escravo de nume Leandro, crioulo, de idade
de M) annos, pouco mais ou menos, com os sig-
naes secantes : altura regular, secco doeorpoe Contina a precisar-se de urna senhora de Ida
espadado, cabeca pequea, baiba somenle na pon-: ae e ae i,uns cosluraes, que achando-se desvalida,
la do queixo, falla de dentes na frente do lado de queira recolher-se a urna casa de familia para fa-
cnia, rosto descarnado e tnacaas salientes, com rer conjpanhia e tratar de algans meninos, dando-
marcas de caustico e ventosas no estomago, per- 5e.|he cama e mesa e uraa gratifiCacao mensal que
nas finase ps bastante largos ; su^poe-se terse- setra|ar : servindo estas condtcSes, pode dirigir-
guido para o lado do Pago de Camarafibe, onde se casa ^ f. raa dos Guararapes, sobrado,
j estove mais de dous ame, quando perlencia ao
finado Manoel Pereira Cavalcanti: roga-se s au-
toridades poticiaes e capites de campo a captura
do mesmo escravo, que devera ser conduzido ao
mesmo engenho, a entregar a Joaquim Verissirao
do Reg Barros, ou no eugeobo Timb, termo de
Olinda, a seu senhor Francisco de Paula Cavalcan-
ti Linst que sero geaorosaiuenle recompensados ;
protestndole desde j contra quem o tiver em
sen poder.___________________________________
O abaixo assignado, casado com D. Joanaa
Mara da Rocha, declara ao publico que pessoa al-
guma faca negocio com a mesma senuora ou o seu
entiado Feippe Santiago Los, com os escravos An-
tonio, mulato Joaona, africana, Ignacia, crio da, e
Ianoea,tnutecarque.framcendaiidos por Feli-
pe e Francisco-da Rocha, do engenfto Cachoeira
Grand? para a cidade de Caruaru', aonda. se acna
tamoem I). Joanna em casa de s-u filtro a mez c
meio, potreo mais uu mem, e protesta-have-te* on-
de estivern*: obi inesa1* escavps s actiam hy-
pothecados.ao.tenente.-coron! Camboim.
_______ Miguel Raymundo de Lima Bnto.
* mmm m
iV.utlancn.
Mximo Jos de Andrade, participa a todos os
seus freguezes que transferio sua officina de cal-
cado do beceo do Alireu para a ra da Cruz n. 41,
esquina' da Lngocta..
mmm^mmm mmm
0 Dr. Eocka Bastos 1
8R pode ser procurado das 7 horas da manhaa *
v4 ao meio dia, e das 3 horas da tarde M
Cj em diaute no >jg.
CUaos 'i9 le Xovetnbro n. 3oX
SS (pon cimv no bii.hau nos AHCOS.) ^S
3 De meio dia s 3 horas da tarde :jg
\. 7 Ra da Cruz Ii. f. ^
Cura radical e em poneos dias as mo- 8
lestias syphilitcas e as do apparclho ge- H
SK nito-urinario. ^
Precisa-se de dous honiens que entendam do
servico de cupoiro : na ra \ Aurora n. 32.
Aluga-se a sala e quartos da parte de detraz
do primeiro andar da casa n. 6o da ra do Impera-
dor com vista para o passeio, propria para escrip-
torio, o morada de pessoa solleira : a (raiar na
mesma.

ATTENQiO.
.Ofhrece-so um rapatchegada
Preeis*-sedftum WM para lo^o o. servico : Dara efjad,, ,je quak|aer. casa : q
na .iravessa lo jjgJMg n. 7, primeiro andar. *l>0(je dirigir-se ra dos Quarteis
' Quem quizer urna ama de leite, dlrija-s a a. 42 junto a bottea do Se. Pinto.
ra Angosta n. 10& Aluga-se urna lo* em lugar
Prectsa-sc de urna ama para
familia : na ra da Par. n. 42.
muito propno
casa e dodcja'. para negocio : a tratar na typgtaphia do padre
iLeroos, defronte do convento de S. Francisco.
Tendo fallecido no da 17 do correte Joaquim
Raptisla da Silva, tutor dos menores Francisco e
Feliciana, avisa-sc a quem quer que for que nao
feca negocio algum com Antonio. Gomes de Moura,
pa dos ditos menores, com casa na ra do Cala-:
bouco n. 22, e parte de outra na ra de Santa Rita
n. 33. pertenrentes aos ditos orphaos, visto ter de
ser sub-tituido o dito tutor por nomearo do Dr.
juiz dos orphaos ; c- para que ninguem se dame
I a ignorancia faz-se o presente annuncio, protestan-
1 do contra qualquer negocio feito pelo pai dos ditos
menores, pois nada de si-pa-sue o dito Gomen de
Moura.
Romana Mara dos Prazercs Bapinta.
Precisa-se alugar unpreU que saiba cozi-
uhar e engemmar; e um i^et que se preste a, car-
regar aguae tazar- cras ua.rna.:. a*.ra larga
do Rosario n. 28 segunda andar.
que saiba cozi
de pon-
qu
tratar na
| ra do imperador n. 50, terceiro andar.
" Precisa-se de quaho trabalhadores sendo um
para tomar eonU da ma^seira : na rna do Rangel
numero 9.
g>___________ Precsa-se alugar urna ama que saina
INJECTION BROU
PEBFUMIIA MEDICA HYGIENICA
De J.-P. LAB1ZS, qjainco, pharmaceutico de la Escola especial de Pars.
Ksict prwtottt* si tornas|*iwei. rgios-tiimprlairt ; eiitao evita e dcslro as causas das doeacta ^ue sua imn mus Telas.,
i phar|

a praariaiiiente chamada, tem que curar.
pra. curar imudiaUmenle as
ila aiiiaiid>deaia>i o visco i fr. 15
_ avenHueMaRanuseraetMB, com hs- d
' NfeCMSia, pvaibra*o,uar. conservar osdtnlc^;
a rlH,...........1 tr. M
opiat* sumCMSIO para TartiOtar a gancivas
avilar a; nevralgias danlarlu; o pol 1 fr. 5
DENTARIO para tratar os denlos
CBativo dmtaimo para
cariados dnias. do churabamcalo, a eviiar os ah-
easata dotfi o viiro com liislrusaanlo A fr.
AMA UUMIMI! para con erva a frescura
a as funches da pelle ; o vidro S fr.
ssarauTO ANS BKCTiricADO complem^nlo
4o aeeio da bocea doapois de comer; o vidro 1 fr. 25
lu iiiniwamisiai 1 iilsm ........ln
aaaarga, bouquel, o pi.......Z fr.
CRBAU BE SAAAO LENITIVO UDIOUIAI, de
eoias de ovos, para evitar as fondas, frieras e
oencas de- petlt, ii violeta, de bouquet; o po 2 fr.
cnaiMB oa aabo lckittvo medicinal em
pos. Ella especial para a barba, o aeeio das
senaoraa e das crianzas, o vidro.....2 fr.
A0QA LDATHAL para conservar e cmbellczar os
cabellos, e forllflcar suas raizes, o rJdro. S fr.
para rAmadtar a
dureza dos cabellos e a sua atona, o vidro. 2 fr.
TISIOIM M TAU.ETTB MHAIOR pela SU*
suavideda-e sun aceo relrcscanl, o vldr. 1 fr.
con ctutAM HHRIOR para conservar a pello
clara, fresca, e diaphaoa, e. evitar es asioa *lfWs
'lo uso das cares, o pote......i fr 5#
AOUA DBV COb*OKA MrPBKIOR, rom ou S*m
iihar; aanaaaaoeia de seu perfume o fu bascar
para locador,banlios geraes e locaes, o vidro t fr.
faitiliias; oribntaxs do Dr. Pul Clameal,
para tirar a chaira da tabaco e para moditlcar oa
hallitos fortes; i a 2 fr. a caiaa.
aooa de ri.oaxo de ALrAZEMA, cosmtico
hasrado para tirar as contieno**, ferliftiar o rc-
fmsoar corlas >-rg.i ... o vidro.....I fr. SI
BsniUTo db MOB.TX.iAM suruinifO; Ella e o
aperfeiroimento indispensavel do aeeio da bocea
dopois de comer, o.viro. 1 fr. 25
roMMADA COMAEBVADOBA Je quinina pura
para fortiticar os i-abellos, os embcllc/ar e evitar
o encanecisieiito preioaiuro, o pote.. 5 fr.
DpoiitOJ em cada cidade, em caa. dos. ptaarmaceuticos, perfumistas, uaballeireiros, negoci.iute de
modas e de lateadas. Vartjo: Pbah*m:ia Laroi, ru Seuvc-des-1'elits-Champ, it.
Eipedicoes: em caza de J.-P. UaoxB, ne des Lioa*-Saint-Paul, a't, eut Pars.
Ra ilii |ui|iHi;i'l g# XAROPE
DE CASCAS de LARAHJAS AMARGAS
de J. P LAROZE, Chimico,
I E
MAtHACBl'IlCO OA BICOLA (IfaklOA DK Alia.
Este xaropc, regularisando as funches do eatomago e intestinos, deslroe estas
tndispo.icoes proleiformes, efa abonar as molestias de que sao ndieios precurso-
res. Mdicos e doeules tem reconliccido que restabeleee as indigeatoe, (axendd
desapparecer os pesos tic eMomago, que calma as enxaqnecas, espasmo*, e caimbras,
que sao rcsullaaade digestoc penosas. Sao gosto agntdavel e a facilidavle coro que
se suporta, o tem feilu adoptar como especifico inl'allivel das doncu nervota;
yaitrUis, gastralgias, clicas de- estomago e de tnlranha$, palpitacGct, dores d
coraedo, vmitos nervosos; sua acc-io sobre ua func^dcs assimiladoras i tal, que o
mdicos mais Ilustres o lean adoptado por rescipienle real dos dous primeiro
agenics therapeuticos: o odtueto de Polassa e o Proto-lodureto de [erro, icndo
observado que ilebaixo de sua inlluencia, o primeiro perde sua aeco irritante, e O
segundo seu effeilo adslringcnle.
XAROPE DEPURATIVO
De cascas de laranjas amargas com Io-
dureto de potassa.
O iodurelo ile potassa, admiuistrado em
solacio ou debaito da forma solida, cans ao
(lente tima grande repugnancia, ou determina
accfdentcs que o torci i renunciar a esta
niedicieis eflicaz.
Unido porm ao Xarope de cascas de laran-
jas, d11.< nao cansa ncm gastralgias, nem per-
turbacao do estomugo e intestinos, e graeas u
este sjlvaguttrda, os tralanientos depurativos
sao coiilinuados sem BterrupciO, nas affec-
i.oes etcro/ufocAs, tiilrciiosos, cu/tcerosu e
;ios lcundnris e terciarias, nesmn reuma-
thismti't, hs quaes elle c o mais sestiro espe-
i-ilico. A tlose est dciinula de tal tnaneira
que o medico pode varial-u a sua vonladc :
0 frasco: 4 fr. 50 c.
XAROPE FERRUGINOSO
De cascas de laraajas amargas coa
prots-iodureto de ferro.
A associacao do sal ferro ao Xarope de cas-
cas de laranjas tanto mais racional quanto
que est'- xarope, empregado $/, para estimu-
lar o apelitr, activa a secrei;.ao do sueco g-
strico, e par litn regularisa as fumeors abdn-
miiiaes, neutraliza ns mos elfeitos (loa ferru-
ginosos e dos iodurelos (peso de cabeca, pri-
sao do ventre, dures -pigastritas'i em quanto
que facilita sua absorpeao. DissoWide no
Xarope, elle se toma l se supporla "anmenle.
por achar-se no estado puro mais assimilaral;
e assim pode continuar-se a cura da pallidez,
corrinientos brancos, anemia, affeccoes escro-
fulosas c yacUitisnio:
0 frasco 4 fr. 50 c.
Os Xaropes de J.-P. LAROZE estad sempre em frascos especiaes
nunca cni meias garrafas ncm em frascos redondos). Expedir.es: em casa
" J.-P. LAROZE, ru des Lions-Saint-Paul, X Pars.
Hua do Imperador n. 38. botica francesa.
=o a
-4B1H-

-i;- :
vi s ^->
i 3 I "* s Se
s-o

.
-n W
53 W
g Q
-3
>
'J
m
o
3 -' f S.J.S
-* i'j l' **
?F= i ? =
E?a ra;
l;l-Ilf|
.* a = t S a
Vende-se na ra do Imperador botica'france/a n. 38.
FURTO
Iw
ELECTRO
MAGBETIC,
Appnivada por i arias Academias t altas
summidades medicas.
O que occaskma cm gral aa raolestiss abaixo
designadas 6 u csla,navio do sangue em certas
partes do corpn, a qual producida petoa resfria-
"inentos e muilas oolras calizas, ento deelaraow
os flAetimatismttf, Gota, Paralysia, Fraques
dos membros, f.'omlipaees, Etephanliasit ou
Pernos luchadas, et limes Nervosas.
O uso da etcova SjaSCTHO-MAOJel
TICA tem successo certo para a cura de toda
est!9moleslias,scin recorrer se a nenhaata outra
iiieilii-.-ir.io. Klla tero urna forma mu nunejavet
c produr, avoiiladc de quem d'elUusa, seo mais
uteis e feliies resultado. Seo esnprego presert
das molestias cima. Para mais uformacoescon-
sul-tc-se a HOticia que accompanha cada Escova.
DETOSITO GBAL
Boulevart (fu Prinee Eu*n 1\ Puris.
Desanparereado sobrado da travessa do beceo
do Porinho n. 26, um relogio e urna cad>-ia de ott-
r, o relogio horisonial deseOBtilR) faltando os
pontelros e vidro, a eotit-rta da mola desorogada e
a rapa do dito retofio esmaltada do mesmo ouro.
igDorandtVse o numero, e a cadeia de trance-
lim em duas vnlias linas sustentada ern ilous ba-
loes no lugar supe riere inferior : iicle-se aos Srs.
ourives e relojo.eiros que nao faga negocio coro
ditos oBjeetos h s6-aloem ja ter queira levar ao
' dito sobrado que se pagar e gratificar a quem
der nutKW rartav___________________________
! Alnga-se uoMn*w>ava para lodo o servico de.
urna caga quem pretender dinja-se a ra da Ca-
I deis ."tora n. 13. ^____
Cozinheiro
' Aloga-se um tnoleqne cozinheiro. excellente ro-
pero, muito del e oliedente : quem o pretender,
dirija-se a roa Nova, loja n. 7._________________
| Precisa-se- de urna ama para cozinhar : na
ra do Imperador n. 18.
COMPRAS.
Compra-se onro e prata em obras velhas
daga-se bem: naloja.de bilbetes da|io(,ac!a lints
pendencia n. '.
i Comprase cobre velho : na rna do Brnm nn-
mero 78.
Compra-se effectivameiUe
' ouro e prata em obras velhas pagando-se bem :
' na ra larga do Rosario n. 24, ioja de ourives.
Verule-se na na da Imperador botica
francirna n. 38. ______.
Gratifua-se com 5$a possoa que apanhou um
papagaio que \-ooq da janelia do sobrado da rua(
larnv 31, e os fundas da para a ra
do Queimado, o papagaio manso e tem uraa aza
mais corta do que a ontra : ser gratificado com |
1 a qoanlia cima quem o levar i dita ra.
Compra-se
urna escrawa qiafi seja sada e bonita gora, que
cozinhe e engomroe : a tratar na ra da Cadeia
do Recife n. 5o, priteiro aadat.____________
"^"Compra-se a obra de Theologia Moral do
bispo Montes, 3' edicao : quem tiver annuncie.
mnm
Compram-se garrafas vasias :. na. ra do Impe-
rador n. 37.




Diario 4c PcnunkiM quinta teira ** e ctentbro de !**.

A DIJtfItEIltO
a-se urna machina de costura que aeja
fabricante, qu.> eej,i era bom estado, t
o uso, 80i stgunla ajfia: na rui a San
r8.
-se urna carro? om sea auparelbo
para ravall*, e em bom estado : na rta ora de
8aDla Bjja, nbera do pene, armazem n. fe.
JCompram-se garrafas e botijas vasias:" na
ra DJreita n. 7*.

VENDAS.
COMPENDIO DOLOROSO
que eontem o officio de Nossa Senliora das
Dores; o modo de resar e offerecer a co-
rda, um setenario e mais outros exercicios
de'piedade e devoco; ordenado pela ir-
maadade dos servos da mesma Senhora,
que se acha erecta na egreja de N. S. da
Fenha do imperial hospicio dosreveren-
Albuns superiores para re-
tratos, i
- A Aguia aa.asea.pre disposta bem servir* M?S%UZ^Z2
agradar a sua bsa freguezia, nwndou vir e acaba seiam ^"*" *,ar* experimentar,
/mil II Cl O Cariaras e bolsas para
viagem.
de* padres missonarios apostlicos capuJ ^^n^arnTaTnuS TrS%X%S. J^8^cSZl ^iaiif h
Chmhos .thanosde Pernarabuco, approva- coo grande sortitnento de galantera de melhor ffgg ?'.^ffMg^!MgS'' a
do por S. M. L, que Deus guarde? dado > Propiamente para qualquer mimoTque ac- %1S5J^ P 1 '^
a luz por devocao do muito rUrei^^tSSfS^^^^S^r rertumanas inglezas.
RIVAL SEM SEGUNBO
Ra do Queimado n. 49, est vendeudo mu
boas fazendas^ muito baratas, quem quizerpodera
vir ver ou mandar mar urilm.,1.
de receer um 4*llo sortimento de albunide supe- afilias n*
nor eneadernarao e apurado oslo, com ptneoiaK- n;. a m^.7iT sennora a 300 rs.
dade os decapa de inarfim m 'labores ?ooZ g7*S ViJZ?^1?* \m'
guarnecidos te tartaruga cora trancas de prata, SShos a <*>< 5 Cha,a de ,0dos os *"
outros marofcetados de madreperola cum trancas Resma << ..nJL j .
de pratauourada, outros de wlludo ele eic Para rwh^iE p6S m!10 bo.ma **
quem tem gosto e dinheiro, um lbum a frito sem 4uvida o maU apropriado para S ^ rCsm W0" obre, de colla e de massa
zs^s^rsi^sfjzsi I ^sss *<. .
ouSr^^nattS^ J-H
commendados pela commodidado de orero'rsttt .,,! h"ha ,dre V '!om **" a
da boa obra. Assim pois o pretenlme^er 5?, v[\**!,Den.na* df.a mui' a rs.
vido conforme o dinheiro que> quizerdi.n7 cara' L,?c AfraflJlde laa,,,ara mtido a 40 rs>
-~^-a.....ElXr **. ?_ PaI? Mas de franja branca larga para toalhas a 160 rs.
ESPLENDIDO AEMAZEM DE MOLHADOS
esse Hu, achando sorlimeuto para 24 50 60 e 80
retratos; na ra do Quemado, loja d'Agia Bran
03 IX H,
padre Fr, Placido de Messina.
Veode-se a 320 rs. na livraria ns. 6 e 8
da praca da Independencia.
Livro de orajes.
ba de ebegar m-ste ultimo paquete, assim como
i muitos outros objectos que recebe por diversos na-
| tos, taoto de sua conta como de consigmcao que
esf resolvld
| para vender muito e ganhar pouco, e dar extra?
o grande depsito que tem, que espera merecer a
A Aguia Branca, conhecendo a bem merecida
isso todas e as melhores diheencias uara aue ,-* T,eao Price sao bastantes para co-
Ved i iw reis, a livam s. 6 e 8 SZXT"iM 0a"^bn" -\ &--r.,^MDS^e
da praca da Independencia, um livrinho con-
tendo o seguinte : louvor ao santo rime delcofre de muito gosto fTr "'
Deus, cora dos actos de amor de Deus, ora-! Cestinhas transparentes forradas de ma-
coes e pelice6, hymno ao Espirito Santo, co- i dreperola por
roa do Senhor, aviso qualquer alma de-!k'ndas Jardilieiras-
vota desengaos da vida l.umana. hymno S^i^^t^^n^.
de banto AmbrozO a Nossa Senhora, jacula-: Lindo balo com calungas dentro, tam-
torias ao Santissimo Sacramento, exercicio da' "> para joias.
via-sacra, commemoracao Nossa Senhora! SESTBS do Carmo e ao SS. Sacramento, directorio Cosmoraiua'ditas.
Pares de botes de panno a i20,30 e 500 rs.
Tlnteiros de vldro com tinU a 160 rs.
Ditos de barro com superior tinta a 1001(.
Grosas de botoes e louca prateado a 160 e a du-
zia a 20 rs.
Tesouras para costura a 80. 200, 400 e 500 rs.
Escovas para limpar denles, superiores a 200 rs.
Libra de la para bordar da melhor qualidade a
6*500.
Caixas de phosphoros de seguranca a 160.
Canas e pacotes de papel amizade superior a 600 !
res.
Caixas com 100 envelopes mnito finos a 800 rs.
Quadernos de papel pequeo azulado a 20 rs.
.eis de linha Alexandre com 200 jardas a
100 rs.
Baralhos para voltaretea 240e mais tonos a 300 rs.
Meiadas de linha frouxa para bordar a 20 rs.
Pares papales de tranca de todos os tamanhos
Grosas de botoes de madreperola muito finos a 560
ris.
de superiores
Paulo Ferreira da Silva & Companhia
57 RA DO IMPERADOR 57
Grandes reformas de presos
por tent menos do pree que se vende eru outra uuii
qner parte.
para e^ftarT* especianenle e3CO,hidos Pr Ul ^s socios que na Europa se acha
grande a vantagem para todas as pessoas que comprarem oeste estabeleci-
Os propietarios garantem lodos os gneros salados de seu ja muito acreditado
5 a
ment.
armazem.
quali-
para a oracao mental, dividido pelos dias da
semana, obsequio ao coracao de Jess, sau-
daces devotas s chapas de Cbristo, ora-
Urnazinbas.
S no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Bicos porta bou.metes de diversos gostos e pre
des de dinerentes e agradaveis extraos" de pri
I meira qualidade em frasco.- de diversos tamanhos
16,8000 e formas, fazendo-se notaveis entre ellas os que
i vem em una carteira de tres, com os quaes por I Cartas e caixas de colchetes
18*000 sua elegancia e boadade se faz um bello presento ; | dades a 40 rs.
jOifiOOO assim como outros frascos com finas essencias con-; Massos de grampos superiores e limpos a 30 rs.
PJ centradas, outros com excellentes leos para ca- Grosas de palitos de gaz a 25200.
10*000 bellos, e outros finalmente com agua de Lavaeder Libras de areia preta da melhor qualidade a 120
sublimada ; e bem assim finos sabenetes em paco-! ris.
tes ecaixinhas com tres, bonitas e delicadas al- Caixas redondas para rap e tem muito bonitos ca
mofadinhas com pastilhas em p, as quaes deitan-! langas a 100 rs.
do-se nos guarda-vestidos, commodas, etc., nem s i ----------------------
am toda a roupa ebeirosa, como afugentam J\ Q w A
16*000
9*000
6*000
6*000
0*000
to e para a noute,
do purgatorio.
< o\m:i.ho
DE
Deixai qae os Hunos da civilisacao vos preguem
economapara os ps 11 Esta parle do corpo
humano por certo aquella que, neste clima, ne-
cessita de maior a^asalho: pela humidade nos ps
estas a perda da saude e da vida f! f Fra com as
botinas e sapatos velhos ; reTorma-los
ces Nossa Senhora, S Jos, ao anjo da ?os; s no V8laURi,C08ua8dBrespo "' 7"
guarda, Deus em obsequio qualquer san- com bolcinhas ao lado, a 10*, 121 e to*,ditos sem
noute, e responso pelas almas bolea porm do mesmo gosto, a 2*500, 3*, 3*500
Bicas fivellas avulsaspara simo, o melhor que se
pode encontrar, a 1*500, 2*, 2*500 e 3* o par;
s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Cabazes ou cesfinhas.
At que chegaram as desejadas cestinhas ou ca-
bazes para meninas trazerem no braco, o mais rica
po-sivel a 2*500, 3*500, 4*. 5*, 7* e 10*; s no
Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Pentes.
Xeste artigo tem um grande sortimento, tanto
para alizar como para atar cabello, os mais lindos
que se pode desejar, assim como de arregacar ca-
tiello, tanto de borracha como de tartaruga comen-
fetes e sem elle para menina; s no Vigilante, ra
do Crespo n. 7.
Pentes
4*800 lambem chegaram os nquissimos pentes de concha
2*000 de tartaruga e de massa fina, que se vende por 2*,
3* e o*; s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Leques.
Biquissimos leques de madreperola tanto para
senhoras como para meninas, pelo barato preco
de 12* e 14*; s no Vigilante, ra do Crespo
45-Rua Direita-45
Borzeguins francezes para homem
Ditos inglezes idem a 8*, 7* e
Ditos para senhora
Ditos para menina
SapatdVs esmaga cobra
Ditos de Mants de duas solas
Ditos dito de sola e vira
Sapatos de borracha para senhoras
Ditos de dita para meninos
Ditos de tapete para homens e
nhoras a 800 e
Snalos de lustre para senhora a
Ditos para casa
Chinelas rasas do Porto
5*000
6*000
5*000
5*000
4*000
15400
15000
1*000
1*000
n. 7.
Vende-se a taberna do becco Largo
poucos fundos : a tratar na mesma.
Mais leques
wn com Pe1ueno defeilo, leques de sndalo com pe-
l IMtt queD0 d,,feit0 Pr barat0 PreS de 8* e 10*. chi-
* pezes mnito bonitos tarnbem, pelo barato preco de
n. 1, com iea.'bentarallos muito bonitos, lambem por ba-
: r.'itn hroen lia 'i X a 'II i^.',,,,., ,i Aa.._r_ ___
baraus, Iracas, etc., etc. Em quanto, porm, a'i{n_,j.- jft/" Y." *? .
commodidade dos presos j nao entra emduvida. "floiaaCdO de lazeildas de todas as qna-
lidadcs na lja e arniazem da Arara,
rna da 'jnperatriz n. 56, de Lnni n-
eo Pereira Mendesfiuiniies.
Aitem ao que se Tal principiar.
Vende-.-e pegas de panno de linho para lences,
toalhas e seroulas, com 13 1/2 varas por 8*500 :
bnm liso por 500, 560,640 rs. a vara : na ra da
Imperatnz loja da Arara n. 56, de Mendes Guima-
raes.
A Arara vende souteuibarque a 100 e 12(5.
Vende-se soulembarques de laazinhas enfeitados
a '05 e_12*,_ ditos pretos de grosdenaple fino
a .05,225 e 255 ; capas pretas ricamente enfeita-
das a 255 e 30*; camisinhas para senhoras a 2*
e 3* ; golinhas 240, 320 e 500 rs.; manguitos a
oO rs. e 15 : na ra da Imperatriz n. 56, loja da
Arara. '
Cortes de chita a 20400.
Vndese cortes de chitas' com 10 covados a
25400, ditas franceza a 3*200 ; ditos de cambraia I
de salpicos a 2*500 a pec^, dita fina a 3*500, 4* ;
e a*: na ra da Imperatnz n. 56, loja da Arara, de
Mendes Guima-raes.
Roupa feita barata.
de panno a 16*, 14*
. alpaka a 3* e 4*. ditos de
PrAnornc non flnva "" I bim.'"1n aJ2*s?. 3*500 i caigas de brim a ;
liepdlOS pal a nOieS. ,*e2*a00, ditas brancas a 3* e 3*500 ; palitots
AO VI KI^IC K
,jo jJW servimos de exordios como constantemente estamos vendo em annun-
tamo^SJST1C Sa. Pa,a-rad0S de que SCmp,,e ""*"+ de que tarnbem
estamos cerlob nenhuma alieocao j merecem do publico. O nosso fim, pois, simples-
%fSLIIS8 Verda fos que passamos a mencionar, e para a qual pedimos toda a attencao.
Viuho verde.
a finn rC ^l8 e ""o to ,leseJado vinho do Ca,'la*o vende-se nicamente ueste armazem
a ooo rs. a garrafa e Jo.ooo rs; a ancora com 7o garrafas.
Amendoas concitadas
cores a
urna vez que o pretndeme compareca munido de
dinheiro o disposto a fazer gasto na loja d'Aguia
Branca, ra do Queimado n. 8.
Balas grandes e caretas de
borracha.
Excellentes brinquedos para criangas : vendem-
se a 500 rs. cada urna : na ruado Queimado, loja
d'Aguia Branca n. 8.
Fspelhos C9tn molduras pretas
e douradas
A Aguia Branca, na ra do Queimado n. 8, re-
cebeu um bom sortimento de espelhos de difieren-
tes tamanhos com molduras pretas e douradas, e
os est vendendo por pregos commodos.
Papel ing/ezu
A Aguia Branca, na ra do Queimado n. 8, re-
cebeu um novo sortimento de papel inglez liso e
pautado, aImago, de peso, e pequeo, vinde deste
tarnbem com bciras douradas.
Efeites invisiveis
A Aguia Branca, na ra do Queimado n. 8, rece- .. onpa ei
heu novos cnfeites invisiveis, os quaes pela finura' w ,5*81* s pret0
do tecido e bom gosto tem merecido tanta estima f> 8*> l""8 de alP
de diversas
64o rs. a libra.
dem de casca dura a 24o rs. a libra.
dem de casca mole a 32o rs. a libra.
Ameixas francezas em caixinhas com lindas
estampas a I,2oo e I.ooo rs.
dem em frascos de vidro a 1,2oo rs.
dem em frascos grandes a 2,5oo rs.
dem em latas de 1 V* libra a i,loo rs.
Arroz do Maranho oda India o melhor que
ha nesta genero de 8o a loo rs. a libra,
e de2,80o a 2,8oo rs. a arroba.
Azeite doce de Lisboa a Coo rs. a garrafa, e
4,8oo rs. a caada.
dem francez e de Lisboa refinado em gar-
rafas brancas a 9oo rs. a garrafa, e Io,ooo
rs. a duzia.
Alfazema muito nova e limpa a 32o rs. a li-
bra.
Azeitonas muito nova.-! a 2,ooo rs. a anco-
reta.
Alpista limpo a lo rs. a libra, e 4,loo rs.
a arroba.
Bolachinhas de Lisboa da fabrica do Beato
Antonio de diversas qualidades em latas
de 6 e de 3 libras, a 3,oooe I,5oo rs. a
lata e 64o rs. a libra.
dem ingleza em latas de 2 e 4 libras das
melbores marcas a 1,3o e 2,2oo rs. a
lata.
Lentilhas muito novas excellente lgame pa-
ra sopa a 2oo rs. a libra.
Licores francezes de todas as qualidades
de 7oo a 9oo rs. a garrafa:
Manteiga ingleza perfeitamente flor a 8oo e
l.ooo rs. a libra, e desnecessario mais
elogios ueste genero, que s se pode ve-
rificar com a vista,
dem franceza a 56o rs. a libra, e em barril
se far abatimento.
Marmelada do primeiro fabricante de Lisboa
a 6oo rs. a libra, ha latas de 1, 112 e
2 libras.
Massa de tomate em latas de 1 e 2 libras a
6oo rs. a libra.
Macan ao. talharim ealetria a 4oo rs. a libra.
dem branca a 32o a libra.
Mostarda franceza preparada a 4oo rs. o
frasco,
dem ingleza em p a 64o rs. o frasco
Molho inglez em garrafinhas com rolhas do
vidro a 64o rs. cada urna.
Marrasquinho verdadeirodeZara a l,ooo rs.
agarraf, e lo,ooo rs. a duzia.
Nozes muito novas a 16o rs. a libra.
Ostras preparadas em latas a 7on rs. a laia.
Prezunto para fiambre inglez verdadeiro,
garantindo-se a qualidade a 7oo rs. a libra.
Passas
A Aguia Branca, na ra do Queimado n.
8,re-!de
casemira de cores linos a 10*,
Para
A GRANDE CURA
PARA TODAS AS MOLESTIAS DO
Effl 115 DHUUL
, rato prego de 4* e 5*, leques de charao tarnbem
_ | por t*. ludo isto para acabar, perdendo-se tal-
SepiISS'ir a esta vez-80 Pacent; s no Vigilante, ra do Crespo
Vende-se nim casa na ra de S. Pedro Martvr | n i
de Olinda n. 4. rom 2 sala, 2 (piarlos, cosinha fb- l'ulseiras.
ra, 1 soto muito fresco com excellente vista em Lindas palseiras de c-onlas e do missanaa, cores
chaos proprio-, por prego commodo, tarnbem e muit0 lindas e de m"il B5t0 a W e 1*200.
permuta por urna escrava de meia idaae : a ira-1 Paia segurar manguitos.
jar no largo do paraizo n. 14 | Tarnbem chegaram as liguinhas eslreilinhas de
borracha que as senhoras tanto precisam para se-
gurar manguitos por ser muito commodo e muito
1 barato, a 320 o par; s no Vigilante, ra do nres-
po n. 7.
Canelas.
Riquissimas caetas de madreperola proprias
; para qualquer presente, pelo baralissimo preco du
: 1*500 e 2* "
Sapatiulios e metas de seda.
Biquissimos sapatinhos de seda ede merino en-
feitados, assim romo meiaszinhas de seda, gorrazi-
nhas e louquinhas para as cnanciuhas se baptiza-
rem; s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Vollinhas.
Lindas voltinhas de perolas falsas com cruzinhas
fingindo brilhantes, assim como cruzinhas avulsas
e vultinhas, pelo burato prego de 15 e 1*200, ns
cruzes avuls asa 400 rs.; s no Vigilante, ra do
Crespo ii. 7.
Golinhas.
Riquissimas polinhas e manguitos, o melhor gos-
to possivel, 8 25.2*500 o3*;s no Vigilante,
ra do Crespo n. 7.
Enfeiles para seuhora.
Riquissimos enleites com lago e sem laco e de
outros muitos gostos a 1*, 1^500 e 3* : s' no Vi-
, guante, ra do Crespo n. 7.
Trancelins.
Lindos trancelins de cabello para relogia ou lo-
! netas, pelo baratissimo prego de 1*500, ditos de
| retroz a 200 rs.
Babadinlios entremeios.
Riquissimos babadinhos entremeios com lidos
desenhos tapados e transparentes, pelo baratissimo
prego de 1*200, 1*500, 2* e 3*; s no Vigilante,
ra do Crespo n. 7.
Cascarrinas.
; Grande sortimento de cascarrilhas de diversas
larguras, assim como galozinho e trancinhas pro-
; prias para enfeiles; s no Vigilante, ra do Cres-
! po u. 7.
AS
Plalas Vfgetaes Assucaradas
De Kcmp
Compostas dos dois novos resinoides cliama-
dos Podopii:lin-a c Leptaxdrina, e inteira-
mente linee de Mercurio on outros venenos
mineraes ou metallicos, sao de grande utili-
dade nos paizes clidos em cazos de
DISPEPSIA, ENCHAQECA,
Constipacao ou Priz3o do Ventre,
PADECIME1T0S DO FI6AD0,
Afifecc,fles Biliosas,
HEMORRHOIDAS, COUCA,
Ictericia,
PEBRE GASTEO-HEPATICA,
E ontrasenfermidadei anloga*,
filias vao rpidamente substituindo os antigos
purgantes drsticos.
A venda as boticas de Caors fiarhoza,
ra da Cruz, e Jlo da C. Bravo 4 C, rui
da Madre de Dos.
Vende-se un casa de taina de urna porta
cebeu novos preparos para flores, sendo papel de seron,a** 2* i camisas brancas a 2*, 2*500 e 3*:
cores para rosas, dito verde para folhas, folhas de na rua da ,mPeratriz n. 56, loja da Arara,
panno e velludo, caixas de trigo, ditas de uvas! Colarinhos econmicos a 640 a duzia.
brancas e rosas, e como sempre continuam a ser Vndese colariuhos econmicos muito bem fei-
vendidos por precos commodos. tos a G40 a duzia : na rua da Imperatnz n. 5G, lo
ja da Arara.
Vende-se bramante de puro linho a 2*500 e
2*800 a vara, tendo 10 a 12 palmos de largura
brim bramo para caiga a 1*200, 1*400 o 15600 a
vara, dito pardo a 640, 800 rs., 1* e 1*200 : na
rua da Imperatriz n. 56, loja da Arara,
lili l liPM I li I 7 K I I \ 16 I Vendem-se baldes americanos os melhores que :.
i o T i L",i"1. r,'**S !,cm vindo. de todos os tamanhos a 25240, 25500, ldem Prel homeoptico a 2,ooo rs. a libra.
10Kua do Qlieilliado16 3*ks|* e ***00: o Arara na rua da Imperatriz j Cerveja das melhores marcas a 6,000 rs. a
f..c.c iV. -u duzia, elio rs. agarrafa.
s novas de carnada a oo rs. i libra e
Banha de porco refinada a 4oo rs. a libra e t>;ioo rs. a caixa.
em barril a 36o rs. 'I(lem Pa'*a sopa estrellinha, pevide e rodinha
Batatas em gigos de 36 libras a i,000 rs. elc-a 3,5oors.a caixa, e a 56o rs. a libra.
Champagne das melbores marcas a 2o,ooo Poixe em ,atas hermticamente fechadas das
rs. o gigo, l,8oo rs. a garrafa, e Ooo rs.
as meias garrafas.
Cha uxim o melhor possivel a 2,7oo rs. a
libra.
dem perola qualidade especial a 2,7oo rs.
a libra.
segundes qualidades: savel, corvina, goras
cavallinhas, e pescada a 1,000 a lata.
Pablos para (lentes lidiados a 14o rs. o ma-
co de 2o rs. o macinhos.
dem do gz a 2oo rs. a duzia, e 2,loors.
a gmza.
Idemhysson o melhor que lia ueste genero P*iafo muito novo 12o rs. a fibra e 3,000 a
a 2,000, 2,4ooe 2,6oo rs. a libra.
Fitas linas. As laazinhas da Arara a 210 rs. o covado.
Bonilas filas de grosdenaples lisas, com dous Vendem-se laazinhas para vestidos de senhora a
dedos de largura, cores de bonina.azulsinha, viole- 210,320, 400 e 500 rs, o covado, ditas muito
.'..-!10 ate',alc' vcrde> laranJa o preta, a 480ris linas lisas 600 rs. o covado, ditas especiaos a 720
c 800 rs. o covado : na rua da Imperatriz n. 50,
a vara.
Bonitas dita* de grosdenaples lisas, com dous
dedos e meio de largura, cores de caf, bonina,
azulsinha, violeta, verde, rosa e br-nca, a 640 ris
a vara.
Bonitas ditas de grosdenaples lisas, 4 M e 5
dedos de largura, cores de rosa, escarate, carrai-
stm, bonina, vilela, verde, branca, preta, azul e
azulsinha, a l*6i 0, o 2*000.
Riquissimas ditas de grosdenaples bordadas, de
4, a, e 6 dedos de largura, de todas as cores, pro-
prias para lagos de cinteiros, a 1*600, 2*000 o
25500 a vara.
loja da Arara.
Chitas baratas a 210 rs.
Vendem-se chitas de core* fixas a 240 e 280 rs.,
o covado, ditas francezas finas a 320, 360, 400 e
500 rs.. o covado, ditas percalas a 560 e 600 rs. o
covado : na rua da Imperatriz 11. 56, loja da Arara.
A Arara vende madapoln barato a ( mOO, corlse
de vestidos a Mara Pia a 1 i,-5. 16-5 e ivS.
Vende-se pegas de madapolao de 24 ardas, de
marcas finas n. 7 a 7*, n. 2 a 8*100. ~ a 85500, ++
* S a 10*, UH a II* e 12*; aigndo regular a o*,
Filas.
Grande sortimento de lilas de diversas larguras
e qualidades, por pregos que admiram aos com-
pradores, havendo fitas largas proprias para cin-
teiros que se pue vender a 300 rs. a vara, e pega
de 9 varas a 2*; s no Vigilante, rua do Crespo
Fitas de la.
Fitas de la de todas as qualidades, proprias pa-
ra debrum de vestido a 700 rs. a peen j s no Vi-
gilante, roa do Crespo n. 7
^^^^^ Ricos espelhos.
Riquissimos espelhos com moldura dourada e
sem ella de 8*, 10*, 12* e 14*, assim como com
columnas de differentes tamanhos a 2*, 3*, 4*, 5*
jan lia, com quintal e algaas ps de jarneeirs*. SHa "'""entes lmannos a X* .15,
goi bera e r-leira, no HS?*?eSmodo^ST'; **k D W?' rua dorCresP0 n" 7"
'.-i... ..r. 1...____- -_____. r ^ Lianas tarruw fintir
tarnbem se aluga para se paar a festa : a'tratar
pa rui ,|- Santa There^a u. 28.
Carne e linguicus.
Chegou ao grandearmazm da Aurora Brilhante
no largo da Santa Cruz n. 84, a verdadeira carne
e linguiga do serto.
Aos amigos do lunch.
Cerveja de barril a OO rs,
o copo.
Qneijos de Minas chegados no vapor.
Ditos pralo moito trefeos.
Ditos Ruino* superiores.
Ditos leudrinos idem
37Ruado Imperador87
A'mazeni A Manca.
Resoluco.
Vcnde-se a nov armig.io peqnena e de gosto '
propna para calcado, na rua Direita n. 83 : para
tratar, w rua do Livram.'nm n. 35. 1
1 ~" .Ve,ndem's', *lRO'"s vacca bonitas e muito obra, por prego muo barato : 8 tomos do Pano-
boas de leite : para ver, no sio do Rr. capitio Al- rama, obra* completas 4e Pelinto, Annaes de D.
buqiierque, e para tratar, na roa do Encantamento hao III. U Fon n. \t, primeiro andar. janes lumires.
Lindos jarros e ligaras.
Riquissimos jarros e figuras de porcelana fina,
para enfeite de sala, sendo o melhor gosto queaqui
i tem apparecido; s no Vigilante, rua do Crespo
Para pos de arroz.
Riquissimos vasos com bonecla para pos de arroz,
cousa de muito gosto a 1*500 e 2*. assim como
: pacoles s com os pos a 320 rs. cada um; s no
! Vigilante, rua do Crespo n. 7.
Perfumaras.
Grande sortimento de extractos o banhas, poma-
das, assim como de lindos copos ou vasos com dis-
tinctivos e oflerecimentos as sinhasinbas dos roer
Inores e mais afamados autores de Pars e Inglater-
ra, aasim como os grandes copos de banha japoneza
a 2* e a 1*, assim como outros objectos que nao e
possivel por hoje annunciar, e vista dos fregae-
zes se far todo negocio; na loja do Gallo Vigilante,
rua do Crespo n. 7.
Livros.
Venderrr-.e na rea do Cahng n. 10 as segnintes
Bonitas fitas de gorgni *io, de todas as cores, pro- dito fino carne de vacca a 6*500, dito domestico a
prias para cintos, a 1*000 a vara. 7*, dito slcupira a 8*, dito pao ferro a 9* a pega
Bonitas filas de sarja listadas, diversas cores, tem 20 jardas : na rua da Imperatriz, loja n. 56.
para cintos, a 500 ris a vara. Chales baralos a 1600.
tSt, de,cararrilh1asJO(!r Sfejf8 'anlf cores' Vend"^ '"les de ISazinha a 1*600 e 2*, ditos
fega> iie titas de seda de um dedo de largura, de peratriz n. 56
todas as cores, a 320 ris. j:or|M ...... .Af
Pecas de litas de lia preta e de todas as cores, VpIul(, co Z,,l ? f k .c
para debrum de vestido, a 800 ris. jBffSffiSA ? "*S hT'm ? !W
Pecas grandes de filas de linha acolchoada para 1^,Z*1&?JS&J "'.' r ^
debrum, a 160 e 320 ris. 1 c, BD,8,a.1* ^f^00/ 7* ""! para palitots,
Pegas de tranca de lia preta, a 80 e 160 ris. SFL^^tS^ui a ? Vad-c: S na
Fivi'las Arara, na rua da Imperatriz n. 56.
Riquissimas fivelas douradas e com nissimas! .^"sP^eapa de senhora i|| e3,5.
pedrinhas parece brilhantes para cintos, a 1*280 ,\d^"^?rao7elada Propria para capas
1*600 e 25000 para senhora a 2* e 3* o covado, tarnbem serve
r ,. para costumes por ser de boa qualidade e lindas co-
r,,< ,;m, j,. res, vende-se a 2* e 3* o covado: na loja e arma-
R.qnlimo? cintos de galao douradosepratiadcs zem da Arara, na rua da Imperatriz n. 56.
comentas Arelas e borllas, a 2*000, 2*500 e | 4 Arara vende as pereal a 360 rs.
EnfritM de raheea Vende-se percalas finas para vestidos a 560 e
e bsbSht -- srASSsm Batvtt "e
6 &SS2RSB?m* larga os mais ^a>eo de as capas de arosdenap^ 2W e30.
moderno* vende-se ricas capas de grosdenaple preto para
Ditos ditos com lagos e frocos, a 2*000 E?*2 2Me m\ soulembarques pretos finos a
Ditos ditos com lagos evidrilhos, a 1*000. ""s ,* e : na loja da Arara
Ditos ditos de contas brancas e pretas, e pretos e i Tar,atana de eores branca a 800 rs. a vara.
de cores com lago, a 1*500. Vende-se larlatana branca e de cores finas a 809
Ditos ditos de frocos de cores, a 1*000. 1r:S- a vara> fil d? l">ho a 800 rs. a vara : na rua
Ditos ditos pretos e de cores de retroz e Iranca da 'mPeratriz loja e armazem da Arara, n. 56.
sem lagos, a 800, e 1*000. I O proprietario da loja e armazem da Arara re-
Vollinhas. : coi menda toda a attencao aos Srs. tregete* que
Bonitas e grandes voitas de contas pretas Mara mandem ver as amo-tras de todas as fazendas que
Pa a 1*500 e 25000 ucl""" |MMVM ipndn miula.lm
Ditas mais pequeas pretas com cruz a 800'
ris.
Ditas de aljofares grandes de cores, a 3*000.
Ditas de aljofares branco com cruz, a *000.
Ditas de contnhas brancas e de cores, a 800
ris.
Ditas de coral, a 500 e 2*000.
Bonitas palseiras de contas de cores, a 800 e
gan
chocolate francez, hespanhol e suisso a 1,000,
l,2oo e l,4no rs. a libra.
Charutos do afamado fabricante Jos Fur-
tado de Simas e outros da Pahia como
sejatn regala, trovadores, guanabaras,
delicias e suspirosa l,6oo, 2,ooo, 3,ooo
e 4.000 rs. a caixa.
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco.
dem francezas surtidas ou de urna s qua-
lidade cada frasco a 000 rs.
Cognac francez e inglez a l,osors. a garra-
fa, e 10,000 rs. a duzia.
Cominho e erva-doce a loo rs. a libra.
Gravo da India a 600 rs. a libra.
Canella a Ooo rs. a libra.
Copos finos para agua e viuho a 4,800 0,000
e 5,5oo rs. a duzia, e 3oo rs cada um.
Caf do Rio superior a 28o e 3oo rs. a libra,
e 7,5oo a 8,000 rs. a arroba.
Doce de goiaba superioreni latas a 2,ooo rs.
Ervilbas porluguezas em latas ehegadas l-
timamente a 64o rs. a lata.
dem ceceas a 16o rs. a libra.
dem j desaseadas a 2oo rs. a libra.
Farinha de araruta verdadeira a 320 rs. a
libra. 1
Figos em caixinhas bem enfeitadas a Ooo
rs. cada urna.
Favas porluguezas em latas ehegadas lti-
mamente a 640 rs.
Frutas idem em calda, pera, pecego, alper-
se, rajona Claudia e guija a 7oo rs. a lata.
Graixa nova a loo rs. a lata e 1,100 rs. a
duzia.
Gomma muito al va e nova a 16o rs. a libra.
arroba.
Queijos flamengos, do ultimo vapor, a 2,Soo
rs.
dem prato muito fresco a 800 rs. a libra e
sendo enteiro a 72o rs.
Sal retinado cm potos de vidro a 000 rs. cada
un.
Sevadinha de Franca a I80 rs. a libra.
Sevada a loo rs. a libra.
rs. libra.
cada um.
e
garrafa
Toitt'inho de Lisboa a 2lo e 32o
Tijolo para limpar facas a 13o rs
Vinagre de Lisboa a 2oo rs. a
I,loo rs. a caada.
dem em garrafoes com 3 garrafas a 1.000
rs.
Vassoura do Porto com arcos de ferro a 32o
rs. cada urna.
Ibem de escovas para lavar casa a 36o rs.
cada urna.
Velas de espermacete superiores a 56o rs.
a libra,
dem de carnauba retinada e de composicao
a 36o rs. a libra, e de lo,3oo a 11,00o rs.
a arroba.
Vinho em pipa, Pono, Lisboa c Figueira
das marcas menos conhecidas a loo rs.
a garrafa e a 2,800 rs. a caada,
dem Figueira especialmente eseolliido ueste
lugar a 600 rs. a garrafa, e l,5oo rs. a
caada.
dem Lisboa em ancoras com 0 caadas mar-
ca especial a 22,ooo rs. a ancora.
dem Lavradio, Colares muito fresco sem
composigo a 600 rs. a garrafa, c 4,000
rs. a caada.
dem de Lisboa branco uva pura a 36o rs. a
garrafa, e a 4,5oo rs. a caada,
dem Porto litio em pipa a 36o rs. a garrafa.
(Jenebra de Hollanda em frasqueiras com 12 idem engarrafados generosos Lagrimas do
1*000
annuncia, prometiendo vende-las por barato prego.
Pechiurba de lencos de seda a 800 rs. e !,->.
Vende-se lengos de seda pequeos a 800 rs.; di-
tos grandes a 1*: ditos brancos com barra de co-
res a 200 rs. cada um ; meias cruas para homem a
2*400, 3*, 4* e 5* a duzia ; ditas para senhora a
4* e 5* a duzia : na rua da Imperatriz n. .'(i.
f.assas francezas a 280 e 320 rs. o corado.
Vende-se cassas francezas linas para vestidos a
280 e 320 rs. o covado: na rua da Imperatriz n. 56.
Peales. Colchas de damasco a i$.
Riquissimos pentes dourados com pedrinhas para Vende-se colchas de damasco para cama a 4*,
| ditas de fastao a 5*. ditas de chita a 2*; ricas chi-
' tas para caberlas a 320, 360 e 4i 0 rs., ditas aseti-
' nadas muito finas a 500 rs. o covado, ditas encar-
nadas a 50 rs. o covado : na rua da Imperatriz
n. 56. loja da Arara.
regago, a 1*800 e 2*000.
Ditos ditos lisos e recortados, a 640 e 1*000
Ditos de conchas deurados, a 2*000.
Ditos de marrafas cora pedrinhas, a 1*280.
Objectos diversos'.
Luvas brancas de Jouvin frescas, 2*500
Ditas nao frescas, a 1*000.
Varas de labyrinlo grande, a 100, 160
res.
Ronecas poquenas que chorara, a 200 res.
Canas de papel amisade pautado, a 720 ris
Ditas de dito liso, a 600 ris.
Caixas com 10 envelopes, a 640.
jjitas de pennas limpas, a 600 ris.
Superior cal de Lisboa,
Sende-se superior cal de Lisboa a mais nova oue
rato em porcao como a retalho,
Douro, Duque do Porto, D. Luiz I, D.
Pedro V, Nctar, velho secco, Malvasio
Genuino, Particular a Ooo e 1,2oo rs. a gar-
arafa, e a lo.ooo rs. a caixa com tima du-
zia.
frascos a 3,8oo rs. e 560 rs. o frasco
dem em botijas a 4oo rs. cada urna,
dem em garrafoes de 16 garrafas a 4,8oo
rs. com o garrafo.
I'dem de tres caadas a 7,2oo rs. cada um.
dem inglezas em garrafas brancas bordadas dem Madeira legitimo a l,2oo rs. a garra-
com rolha de vidro qualidade superior a fa, e a 12,ooo rs. a duzia.
l.ooo rs. a garrafa. dem Muscatel a l.ooo rs. a garrafa,
(dem de laranja verdadeira a l.ooo rs. o dem Bordeaux das acreditadas marcas St.
frasco e H,ooo a frasqueira de 12 frascos, j Julien, St. Esteph, chaleau la Rose, chatau
Kirsch Wasser excellente bebida suissa a Margoux e outros a 6,5oo rs. a caixa. o
1.8oo rs. a garrafa. j 56o rs. a garrafa.
ATOMA
Salitre refinado, superior qualidade, vinho Bor-
deaux, differentes qualidades, mais barato que em
Sualquer parte : no armazem de E. A. Burle &
., rua da Cruz n. 48.
Vende-se a taberna da rua de Aguas-Verdes
! n. 48, afreguezada para a trra, propria para prin-
e 240 ripiante por ter poucos fondos : a tratar na
I mesma.
Cal de Lisboa.
Ha para vender a mais nova, e ltimamente che-
I gada ao mercado, em bem acondicionados barris :
; no armazem de Manuel Teixeira Bastos, rua do
I Trapiche n. 13, por prego razoavel__________
Vende-se urna taberna muito afreguezada
tanto para a trra como para o mato o com eom-
L1 L ano ,aDi em P01"?30 como a retalho, modos para moradia de familia
por barato prego aflangando-se aos compradores n. 195.
suiermr qualidade : a tratar as seguintes ras ;
Grupo n. /, imperador n. 28, Forte do Hatto ar-
mazem do fe Villa defronte do trapicho do al-
godao.
na rua Imperial
Queijo* de Ninas.
Vende-se na rua Nova l 61 defronte da Tilma.
cmara municipal.
Vende-se a casa terrea da rua do Progresso
n. 21 (no Caminho Novo) tem um portao ao lado
queda entrada para o quintal, no qual existe cin-
co pequeas mei aguas, rende ludo 480*, e ven-
de-se barato por sea proprietario ter de retirar-se
para fra da provincia : a tratar na rua do Quei-
mado n. 77.
Eneites aGraribaldi.
A loja da Aurora, na rna larga do Rosario n. 38
recebeu ricos enfeiles a Garihaldi dos mais moder-
nos que tem chegado a este mercado, para senho-
ras e meninas; tarnbem receben trancas de linho
de caracol, brancas e de cores, pecas com 10 varas
a 140 rs. cada urna, muito propria para enleitar
vestidos, assim como tem um grande sortimento de
miudezas a qual vende barato.
Taberna.
A pessoa que annunciou querer comprar orna
taberna em boa rua, dnja-se roa do Imperador
n. 54, loja de livros, que se indicar o que pre-
tende.
Em Garaeleira,
casa de Domingos Ferreira dos Santos Porto, ven-
de-se cal nova de Lisboa viada no ultimo navio,
por prego razoavel.
AZEITONAS
a 1* a ancoreta, em porcao' se far grande abati-
mento : na roa Nova n. 8, loja do cha.
Eufeites para cabera.
Chegaram os lindos enfrites de cabega para se-
nhoras, sendo mnito simples e de muito gosto : so
no Vigilante, rua do Crespo n. 7.
"* Vendem-se 3 lindos moloques, 2 bonitas no-
lecas, 2 escravos para todo o servioo: na travessa
de Carmo n. 1.


Diario U Pernaiu Mu* luinta IcAr* de cicuabro de AStt*.
/
20831133 30
Itlftl
rua no 011:1 ti \ no ir. 45.
nd o becc da Congregado segunda casa.
NOV1DADE
.

l erara Rocha <& C. acabam de abrir na ra do Queimado n. 45 um armazem de molhados denominado Clarim Cornmei-
tial, ondeo respeitavel publico encontrar sempre um completo sortimento dos melhores gneros que vem ao nosso mercado os
quaes sero vendidos por precos muito resumidos como o respeitavel publico ver pela tabella abaixo raencioncda; garante-se oboin
peso e boa quaiidade dos gneros comprados neste armazem.
Arroz do Maranhao, India e Java a 60, 80 e Peras seccas muito novas a 600 rs. a libra. Cevadinha de Franca muito superior a 220'
100 rs. a libra, e 48O0, 2,0600 e 36000 n-
Grande liquidaco.
Hua da luiperatriz n. O.
Loja de fazendas do Pavo de Gama Silva.
Acha-se este estabelecimento completamente
orliJu dij fazendas inglezas, francojns. allemiias e
suisss. proprias tanto para a praca como para o
m:iit. pronieltondo veuder-se mais"'batato do que
em otra aualifoer parla principalmente sendo em
porcao, e de todas as fazenda's d.o-se as amostras,
deixando Bear penhor, ou mandam-sc levar em
casa pelos caixeirosda loja do Pavao.
As chitas do Pavo.
[ Vendem-se chitas inplezas claras e escoras pelo
barato prego de 240, 260 e 280 rs. o covado, tintas
seguras; ditas franems de cures seguras a 320,
**G, 360, 400, 440, 480 e 300 rs. o covado, fazenda
muito superior e bonitos padrees : s na loja do
Pavo.
As laxiohas da exposico do Pato.
Vendem-se laazinhas as mais modernas que
teja viudo ao mercado, proprias para vestidos e
soutembarques por seren lisas e de cores muito
delicadas 560 e 300 rs.; ditas lisas com um lustre
que parece seda 640 rs. o covado, ditas com
puadrinhos de seda 500 rs. o covado, s para aca-
bar : na loja e armazem de Gama Imperatriz n. 60.
Os vestidos do Pavo.
Vendem-se os mais modernos cortes de vestido
i
a arroba.
Ameixas francezas em latas e em frascos a
10200 e 1600, e em frascos grandes a
2)500.
dem em caixinhas elegantemente enfeitadas
com ricas estambas no interior das caixas
a 1200,40400, 1(5600 e 2.
Amendoas com casca muito novas a 280 rs.
a libra.
Alpista a 160 rs. a libra e a 40600 a arroba.
Azeite doce francez mnito fino em garrafas
grandes a 960 rs. a garrafa,
dem de Lisboa a6M) rs. a garr
Aramia verdadeira de matarana a 320 rs. a
libra.
AvellSas muito grandes e novas a 180 rs. a
tbra.
Biscoutos inglezes de diversas marcas a
1*30" rs.
Bolachinhas de soda, (alas grandes, a 20 rs.
a lata,
idem inglezas muito novas a 30060 a barrj-
quinhae a 200 rs. a libra.
Banha de porco refinada a 440 rs. a libra e
em barril a 400 rs.
<]h.1 hysson, bochn e perola a 10600, 20,
20SOO, 2-^800 3000 a libra,
dem preto multo superior a 20000 a libra.
Cerveja preta e branca, das melhores marcas
que vem ao mercado, a 500 rs. a garrafa
e 50800 a duzia.
Cognac indez fino a 981 rs. a garrafa.
Conservas a 720 rs. o frasco,
dem, s de pepino, a 72" rs.
dem, s de azeitonas, a 750 rs.
Charutos dos melhores fabricantes da Baha
e especidmente da fabrica imperial de
Candido Ferreira Jorge da Costa a 10800,
2,50 ID, 20200, 20500, 20SOO, 30000 e
30500 a caixa.
'Caf do Rio muito superior a 280 e 320
rs: a libra-e 80500 a 80800 rs. a arroba.
Cartes de bolinhos francezes muito novos e
bem muito enfeitados a 7O0e 600 rs.
Cbourics e paios muito novos a 800 rs
libra.
lata.
Painco a 200 rs. a libra. rs. a libra.
|#rJhre secce muito novo a 400 rs. a libra. Cevada a 80 rs. a libra.
Presuntos de Lamego em calda de azeite e Ervilhas portuguezas a 640 rs. a
muito novo a 640 rs. | dem seccas muito novas a 200 rs. a libra.
Queijos flamengos do ultimo vapor a 20800 Figos de comadre e do-Douro em caixinhas
dem prato. de oilo libras e canastrinhas de 1 arroba a
dem londrino chegado no ultimo vapor a i 10800, 50500 e 280 rs. a libra.
900 rs. a libra. Farinha do Maranhao a 160 rs. a libra.
Sal refinado em frascos de vidro a 600 rs dem de trigo a 120 rs. a libra.
cada^um.
Sardinhas de Nantes a 300 rs.
Sag muito alvo e novo a 260 rs. a libra
Tuucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
lijlos de limpar facas a 140 rs.
Vellas de carnauba pura a 300 rs. a libra.
dem stearinas muito superiores a 800 r.
libra.
Eigos em caixinhas emticamente lacradas
a 10600.
Vinho do Porto engarrafado o melhor que
ha neste peero e de varias marcas, como
sejara : Velho de 1815, Duque do Porto,
Madcira, D. Pedro, D. Luiz I. Maria Pa,
Bocage Chamisso e outros a 800, 900 e
10000 a garrafa, e era caixa com urna du-
zw a 90000 e 100000.
dem em pipa, Porto, Lisboa e Figueira a
480, 500e 560 rs. a garrafa e 30, 30500
40 a caada,
dem branco de Lisboa muito fino a 500 rs.
a garrafa.
dem de Bordcaux, Medoc e 5. Julien a 700
800 rs. a garrrafa, e 70000 a 70500 rs.
a duzia.
dem Morgauxe Chateaulumini de 1854, a 10
a garrafa.
dem muscatel a 800 rs. a garrafa.
Vinagre de Lisboa a 200 rs. a garrote e
102OOrs. a caada.
Kirsk garrafas muito grandes a !,->80Ots-
Genebra de Hollanda verdadeira marca YD
a 560 rs. o frasco e 60200 a frasqueira.
dem em garrafes de 3 e 5 galoes a 50500
e 70500 cada um com o garrafo.
Graixa a 100 rs. a lata e 10100 a duzia.
Licores muito finos a 700 rs. a garrafa.
dem, quaiidade especial em garrafas muito
grandes, a 10800 a garrafa.
dem cm garrafas mais pequeas a 800 rs.
dem, em garrafa forma de pera e rolhas de
vidro, a 10000, s a garrafa vale o di-
nheiro.
Manteiga ingleza perfeitamente flor, desem-
barcada de pouco a 900 rs. a libra, e da
de segunda quaiidade a 800 rs.
dem francez muito nova a 640 rs. a libra.
dem de tempero a 400 rs.
Maca de tomates cm barril a 480 rs. a libra.
dem em lata a 640 rs.
Marmelada imperial dos melhores conservei-
ros de Lisboa a 60't rs. a lata.
Marrasquinfeo
800 rs.
dem regular a 500 rs.
Macas finas para sopa: estrellioha, pevide,
rodinbi aletria a 600 rs. a libra e a 40
a caixiaha com 12 libras.
Nozcs muito novas a 160 rs. a libra.
I Peixe em latas preparado pela- primeira arte
decozfenha a 10 a lata,
i Paliios de dentes a 160 rs. o maco.
de la, que vieram pelo ultimo vapor, com ricas
is de cor, eorpinho c collete separado ; ditos
O PROPHETA
AO RESI'EITAYEJL PUBLICO.
RA DAS CINCO POKTAS N.'86
Hsqulaa da nova travs*;* de H. loo.
Desejando o proprietario do grande armazem do Prophea dar lar-
gas aoseu genio emprehenddor, ooramercial e especulativo, resolveu ceder a inspirado
que o assallou, quando as horas caladas da noite o seu solicito espirito se agitava n'um
turbilhao de ideas, tendentes todas bem servir e agradar aos generosos habitantes
desta bella provincia, de abrir mais esle grande estabeleeluiento de novos e
escolhidos gneros, quasi que especialmente destinados s pessoas que moram na fre-
guesa de S. Jos, e aquelles senhores que transitam pela va frrea, para quem em ver-"
dade sao sem conta o numero das vantagens que se Ibes offerece, nao s com relacao a
modicidade dos fretes, como da facilidade e brevidade da conduccao dos objectos com-
prados.
O sonbo do Propheta ser unta verdade pratica tao accejta e abracada como as
com hsus de'seda"e tambem com barras e'enfei- palavras simples e bem intencionadas dos velhos patriarebas desses lempos idos, si o Se-
les para o corpo, por prego mais barato do que em nhor Deus dos exercilos nao o quizer contrariar.
SSStT HLfS TiremarUmLPmdo *"&* f ?^ J?1*** a ordinaria de negociar resokeu
Pavo, ra da imperatriz n. 60, de Gama Silva. &nibem, depois de profunda meditacao, de nao vender somente os seus gneros a iU-
Os vestidos Maria Pia. S Pavo (80000). nneiro correte ; mas tambem de por em pratica troca delles por outros da protlucco
Vendem-se os mais lindos vestidos a Maria Pia do paiz ou por escravos. bois. cavallos, etc. Assim, pois, fique na intelligencia de todos,
laazinha transparente com listas, e patminhas que O propheta recbela como moeda de qualquer dos senhores agricultores, ssncar.
algodo, agurdenle, milho, fcijao, cavallos, escravos, etc., etc. e Ibes dar o me'smo valor
em genetos, escolhidos a contento.
Quando a importancia dos gneros apartados for menor do que a dos objectos re-
cebidos por troca, o rropheta nao demorar a differcuca que deve dar em dinheiro.
Um estabelecimento que com tantos sacrificios e despezas acaba de ser aberto
deve inspirar a todos a certeza de que se vender muito barato com o fim de se adqui-
rir crdito e freguezia.
botija.
10000 o
de seda pelo barato preco de 85 cada corte : s
na loja do Pavao ra da Imperatriz n. 60, do Ga-
ma & Silva.
As cassas do Pavo a 210, 280, 300, 320 e
30 rs.
S o Pavo vende as nnissimas cassas persianas
a imitagao de laa, com cores fixas, 360 rs. o co-
vado ; ditas francezas muito finas 240, 280, 300
e 320 rs. o covado, sto para acabar: ra da
Imperatriz, loja de Gama & Silva.
Os inadapolcs do Pavo
Vemle-se peca do madapolo infestado rom 12
jardas cada peca pelo barato preco de 4$, 4,$o00 e
o cada pe?a, fazenda muito superior : s o Pa-
vao ra da Imperatriz n. 30, notando que a peca
leva urna etiqueta com o Pavao pintado para nao
haver duvidas nem engaos : isto previne o Pa-
vao, de Gama & Silva.
Bramante de llnho do Pavo
20, 400, 20SOO.
\ende-se o melhor bramante de linho puro com
dez palmos de largura por prego muito comino-
do, por ter de acabar a factura, a vara por
"5200, 25100, e 25600 ; s o Pavao : na da
Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Panno de linho d Cavan.
Vende-se panno de linho cora 4 palmos de lar-
de Zara frascas aradla* i ?ura Pr?Pno Para Ifnges e toalhas de mao pelo
t Aara, ira. es, a j>aratssimo pre?o de 640, 720 e 800 rs. a vara, al-
ANOTAS IIMAIM FILIU
DO
SD
godaozinho com oito palmos de largura proprio
para lenc.es, pelo baratissimo preco de 15 a vara,
assim como tem o melhor algodao'zinho tanto em
largura como em corpo, proprin para lentes, ca-
misas de escravos, etc., etc., prego muito commo-
da vista da fazenda; s o Pavao : ra da Im-
peratriz n. 60, de Gama & Silva.
Algodozinho com loque de avaria a 5,000 ris
4,800
Vende-se peca de algodozinho por ter um pe-
. qaeno toque de avaria, mas que esta em bom es-
lado, pelo barato proco de 45 e 45300 a pega ; s
i o Pavo : ra da Imperatriz n. 60 de Gama &
; Silva.
fjiiM-danapes econmicos do Pa>o c s do
Pavo
Vendem-se os mais lindos c modernos guarda-
apos econmicos e todo linho, tanto para as casas
de familia como para hoteis, feoiequins, ele etc.,
pplo baratissimo pNQO de 35 a duzia, islo s na
----- loja do Pavo ra a ImperaWiz n. 60, de -Gama
MACHINASMPATENTEF;"M<*'"h!,"'',e* **4
Alm dos gneros cima mencionados te- dem de dentes a 120 rs.
mos grande porco de outros que deixamosj dem de llr a 200 rs.
de mencionar, e que tudo ser vendido por Amendoas confeitados a 000 rs. a libra,
pecas e carnadas, tanto em porooes roeio ; .oce de goiaba em latas o melhor possivel a i(
retalho- 2$ c em caixo a 40 rs.
Quem comprar de lOOijOOO para cima te- i Palitos do gaz a 2#20G a groza.
r o abale de ;i por ceato. jPassas rauito novas a 4S0 rs. a libra.
trabalhar mo para
descarocar algodo
rABRICABAS
P<^ Plant Brothers tHKH
Estes machinas
podemdescarocar
iiualqoer especie
Troca-se ditas notas por fazendas.
foja da ra do Crespo numero
17.
por
Quem comprar de cemftil ris para cima dar-f-e-ha ao cotspradof o laee'o de cinco
cento.
Aprcveitem todos. Aproveilem Udos.
I'azendas de apurados gostos vind&s de Paris.
Capas pretas importantisei-
mas.
Casacoes pj-etos 8 pelerinas.
Hasquina de cintura e pe-
isses.
Sotambar.|ues de caxemira
de cor com tintura.
Jaquetas de merino de crj
para senhoras.
Zuavos pritos de seda mui-
to bem enfeiados.
Cortes de seda de cor de
muito gosto.
Colxas de seda para noivos
Sedas de quadro de muito
gosto a 15260 o covado.
Moreanliques e grosdeaa-
plcs.
Cortes de organdiz cem
barras.
Chapees de pal ha para se-
nhora.
fialoes de arcos e musse-
linas.
Tapete
Bales de merino Je cures.
Fazendas de liitlio e de al-
godo.
Selectas, esgOSes o bra-
mantes.
Cassas, chitas camisas c
seroulas.
Peitos bordados para ca-
misa.
Camisas de la de cor pa-
ra horneo).
Madapolo a 75, 85,5 e
'<05 a peca,
de superior quaiidade com
Gongde?, sotamljarques de
joda.
Esleirs para forrar =al.t a 830 rs. a jarda,
ete palmos de largura a 25500 rs. o cova-to.
Na rcalidade, este estabelecimemo offerece grandes vantagens ao commercio.
Aproveilem todos a occasio de trocar notas da eaixa gaotiande cinco por cento.
No araiazem de fazendas ba- ^^^HiP.
Venda de predios
en particular mi em leilo.
ratas de Santos Coelho,
iu doQueimddo n. 19,
Veude-se o seguale:
Attencao II
Hicas laazinbas, fazenda a melhor que tem vio-
o.ao mercado, tanto em gosto como em quaiida-
de, pelo baratissimo preco de 500 rs. o covado.
Mitas miudinhas earrnezins, proprias para vesti-
dos tfe meninas e catnisinhas a 640 o covado.
Cortes de laa com 15 ovados, pelo barato preco
de*>5.
Caberlas de chita da india a 25500 e 35.
Leoees de panno de linho a 25 e 25500.
Peca* de eambraia de forro com 8 Ii2 varas a
15400.
Toalhas alcochoadas proprias para mies a 55 a
duzia.
Ricos cortes de laa com barra Maria Pia a
185.
Pejas de platillas de algodo com 10 varas,
proprias para saia a 45.
Algodao entestado com 7 Ii2 palmos de largura
a 15100 rs. a vara.
Esteira da India, propria para forro de sala de
'.,.')', e d palmos de largura, por menos preco do
!j j em outa qaalquer parte.
Neste estabelecimento tambem se encontrar I
um grande sortimento de ronpas feitas, e por me-!
dida._________________________________
Balaios para meninas
Lindos balaios de varios gotos para meninas
iraz^rem no brago : s se encontra na loja do Bei-
ja-Flor, ra do fjaeimado n. 63 e 69.
Extratos e saMo em eai-
xinhas
Lindas caixinhas cora um cartao rom a familia
imperial, e dentro de cada caixa um frasco ou sa-
bao o mais 6no qua passivel: na loja do Beija-
I lorrua do Qaeimado n. 63 e 69.
e l*.
j Vendem-se os mais linos soutembarques que
teem vindo ao morcado, sendo de caxemira de co-
j res pelo diminulissimo preco de 125 cada um, di-
. tos de musambique {telo diminuto preyo de'95, s
na loja do Pavao, mss que se nao enganem : ra
j da Imperatriz n.-tO, de Gama Silva.
.Moalhado do Pavo.
Vende-se panno de linho adamascado proprio
i para loaNtasde mesa, pelo diminuto preco de 25-j'OO
rs. a vara, guardana|>os de linho a "55 a nuzia.
de algodao sem !t0:llnasde mao a 55 cada duzia, na loja do Pavao, c
estragar o fio raa da Iu,|)eiairiz n. i0, de Gama & Silva. Idet
'sendo bastante'! K' oPwo (a^OO). duaspessoasparal (Jueta tem balees por tal prejo !
o trabaltio; pode j Vend^m-se os haloes americanos muito superio-
descarojar urna res com 20 e J5 arcos pelo baratissimo proco de
arrolia de algo-, 5500 e 45, ditos de 23, 30 e 38 arcos com itas,
nao em caroco muito bem arcuados e tambem loni cores escuras
em 40 lainutos,, pelo barato preco de 3*500 cada ata : > na loja j
ou 18 arrobas du Pavao, ra da Imperatriz n. por da ou a ar- j Sriva.
robas de algodo i
iimpo. ,.
Esta ma-iiina ^ ende-se superior seliia dn China, fazenda tota r,
a un? Ide !ia sem lustre fend0 ';ilmos 'Pira pro-1 CoPos P* a v3nb<) ;1 -i>()0"
vantagens de nao desirair o fio 4a al- Pr!?,para. ,!esU'dos> cpas,_ P^etois, calcas, etc.,
0 pafO veatlc para Cato.
godao e de faze'r tender o dobrode qualquer Vu-' ,,elf,araliisinw pre? de >, 252i O,'26508 o 35
cassas prcas lisas, chitas pretas largas e
estrellas, manguitos, colarmhos, pannos, e enfeiles,
tudo preto proprio .para loto techado, e muitos ou-
tros argos que se veudem por presos huis em
por animaes, c""1?. io. 'Iu". "'^rji -(.i.^uer parte por estar
agua ou vapor, pas uae podem descaroear 18 ar-1 .l .'.!' I *? Ui ,0Ja,<,. Pav* a rua da "!
tra com meaos trabalho, a sua intreduccao utra
as provincias deste imperio ser de muito vav*r
para todos os interessados na lavoura do paiz.
Assim com machinasen! ponto grande do tros-
mo systema.oiaql seren movidas
em
Vendem-se dnas propnc-
dades de rasas contiguas,
de dous andares e soto,
I com grandes armazens oc-
cupados actualmente pelo
Sr. Feliciano Jos Gomes, para o trafico
j de assucar, sitos na roa de Apollo ns. 34
i e 36, edificados pelo actual proprietario, >
i com ptimos alicerces. superiores madei- S
i ras, e acabadas em 1861, tendo ambos 52 H
palmos livres de paredes,de largura, eos B
i altos do de n. 34, e o primeiro andar do S5
] de n. 36 215 palmos de comprimento, o jjj
segundo andar do de n. 36 tem sement fr
120 palmos de comprimento, rom um ter j
raco, e os armazens tem 340 palmos de H
comprimento cada um. tendo ambos tam- W
bem frentp para a rua do caes de Apollo, *f*
e o de n. 36 lambem para a travessa do W*.
antigo porto das canoas: os pretendentcs jK
estes valiosos predios queiram dirigir-
se ao seu proprietario Antonio Bolelho W<
Pint de Mesquita na rua da Cadeia do W
Kecife n. 64, segando andar, ou ao agen- Sj
te Oliveira na mesma roa n. 62. JR
Charnios da Havaaa.
vende-M soperioros charntos da Havana em
casa de Rao* Sclunetuu 4 C; rua da Cadeia
u. W,
Empreza de illuminaco
gaz.
Todas as vendas de apparelhos e reclamacfes
(por escripto dando o nome, morada, data, etc.),
devem ser feitas no armazem da rna do Imperador
n. 41. Os maehinistas mandados para attender a
estas, apresentaro nm livro que os reclamantes
dev#rao assignar logo depois de prompto o servlco
reclamado; isto para que a empreza fique sciente
de haverem os mesmos senhores sido devidamente
attendidos.
Raa da Senialli (tu a. 48.
Neate estabelecimento vendem-se: tachas d
ferro coado libra a i 10 rs., idemdeLor
Moor libra a 120 rs.
riz a.m. de Gama & Silva.
t\s percalas do t#ivo.
As mais lindas pereaias que lan vindo ao uler-
eado pelo ultimo vapor lera na loja do Pavo pelo
barato preeo de 600 rs. o covado ; ditas de li.-ii-
nlias muito miudinhas proprias para vestidos e
roupoes de senhoras, mcnwos e meninas, pelo ba-
ratissimo preco de 500 rs. o eovado ; garantem-se
as cores por serem do maular fabricante que as
lera em Paris ; isto na loja do Pavo rua da Im-
peratriz n. 60, de Gama & Silva.
As chitas do Pavo 2$loo e
t^SOO o corle.
Vendem-se cortes de chita com dez covados
25400, ditos 25800, com 12 covados; sao chitas
ma do yueimado n. 49 loja de miudezas de Jo- j inglezas, mas padroes bouitos e tintas seguras ;
s igodiniio^venliain ver a pechincha que se est assim tem as melhores chitas francezas e de tin-
! tas seguras por precos commodos, a saber : 320,
240 340,360, 400, 440, 500 rs. o covado : na loja do
Pavao rua da imperatriz d. 60, de Gama &
Silva.
robas de algodo ampo por dia.
O algodao ikscarocado por estas machinas tem
muito mais cstmiaco nos mercados de Europa e
vende-se por maiorprego.
As machinas se acham venda unicameeie
casa de
Saunders Brothers C.
Bf. II, praea do Corpo Santo
RECIFE.
Os nicos agentes ueste paiz.
RIVAL SEM SEGUNDO.
acabando certas qualidades de fazenda.
Pegas de fitas elsticas com 10 varas a..
Ditas de tranca branca lisa com 10 varas.
Ditas de tranca preta lisa a............
Realejos para meninos, pechincha a...
Rodinhas com superiores allinetes a.....
Caixas com superiores agulhas e limpas a
Jabonetes de familia, muito finos a 80 e..
Pares de sapatos dela para criancas a..
Varas de babado do. Porto muito bom a
100, 120 e......................
Ditas de bico largo grosso a......... ]'.'.
Potes de superior tinta tem mais de mei'a
gai rafa ..........................
Caixas com perfumaras muito bonilas a.
Frascos de oleo de macaca muito lino a .
Ditos de oleo de babosa superior a 240
320, 400 e.......................
Ditos de cheiros muito superiores em qua-
iidade a.........................
Ditos de agua de colonia muito boa a....
Ditos de dita dita grande a.............
Sa,b""etes de todo o proco 60, 160,' ZOO,
Frascos de superior banha a 320 e......'.
Caixas de p para limpar dentes muito
lino a#.........................
Ditos de banha transparente a..'........
Pares de ligas muito finas para sennora a
jabonetes inglezes da melhor quaiidade a
Frascos de agua dentrilice superior ga-
rantida a.......................?..
Massos com 25 envelopes grandes azula-
do a................ i#
Varas de fita preta com coichetw a\....
frascos de macaca perola muito superior
Caixas com pennas grandes a.........
Grosas de botoes para calca preta, miados
Linras de memento da roupa de lavar a..
Carntels de retroz de todas as*c:dres e
tem meia oitava de retroz a.........
Varas de bicos de difireme* larguras a
100
60
120
20
200
160
400
160
100
500
Os bordados do Pavo
Vendem-se camisinhas com manguitos e golli-
nhas bordadas, pelo barat preco de 15 e 15280
Ararula verdadeira a 320 rs. a libra.
Arroz do Maranhao, JaVa e do Penedo a 80,
ICO e 120 rs. a libra, c a arroba a 1 *800,
2,5500 e 2800.
Amendoas a 280 rs. a libra.
Ameixas francezas a 16200, 1400 e 16600
em latas, frascos e lindas caiohinhas muito
proprias para memosear algucm,
Amendoas confeitadas em francos de vidro
a 15 o frasco.
Alpiste a 100 rs. a libra e a 4.-)00 a arroba.
Azeite doce francez a 900 rs. a garrafa.
Azeite de Lisboa a 040 rs. a garrafa e 4800
a caada.
Azeite doce em boies com 9 garrafas a 500
com o lioiao.
Azeitonas por todo o preco.
Biscoitos inglezes de diversas marcas a 1^300
a lata.
Bolacbinbas de soda, oval e lunch a 2#000
a lata com o libras,
Bolachinhas americanas em borricas 26
libras a 200n.
Banha de porco da melhor quaiidade a 300
.rs. a libra.
Batatas em gigos c caixas por todo o prego.
Caf moido a 10! 00 ou tvSOOO a arroba.
Caf superior a 76500, 800u e 8500 a
arroba.
Cha nesto genero temos o que lia de melho-
assim como lambem temos baixo pelos pre-
cos seguintes: i04>'O, 1(5600, 13800.
25400, 260011, 26800 e 36010 o fino.
Charutos de todas as melhores e peores mar-
cas do mercado a 80", 16000. 15600, 2S,
26800,36000, 43(00.56000, 56300e 66
o cento.
Chourieas as mais novas do mercado a 126
o barril com 1 arroba e 480 rs. a libra, a
ellas que 6 pechincha.
Chocolate magnifico a 16000 e 16200 a libra.
Cerveja marca a mais acreditada que tem
vindo a 500 rs. a gnala, e meia garrafas
por 320 rs. branca e preta.
Conservas inglezas a80Urs. o frasco fazenda
chique.
dem francezas a 5r rs. o frasco,
evadinba do Franca a 240 rs. a libra.
Champagne da melhor marca que aqu tem
vindo a 06 e 246 o gigo.
Cognak inglez e francez a 800 rs. e 16000 a
garrafa.
Ceblas por lodo preco.
Copos lapidados que sempre $ vendern) e
se veudem -em militas parles a 86 e 106,
vendemos a 55r 0 e 66000 a duzia.
a duzia.
Doces de calda viudos deL'sboa neste ultimo
vapora 6-0 rs. a lata das melhores fine-
tas da Europa,
dem da goiaba e da casca o melhor que
possivel por diversos precos, e conforme
otamanho doscai.xes.
Ervilhas em latas a 640 rs. a lata,
dem seccas a 200 rs a libra.
Espermacete americano a 16200 a libra.
dem francez a 360 rs. o masso com 6 velas.
Figos de comadre em caixinhas muito lindas
a 800 rs a caixa.
rariHha de trigo a 120 e HO rs a libra.
Farinha do .Maranhao a 24" rs. a libra.
Fumo do Para a 16800 a lata grande.
Fumo americano a 16400 a libra.
Fumo em macinhos para sigarros a 200
rs. o maco.
Farelo em sacas de 80 a 90 libras a 36300
Genebra de laranja 16 o frasco,
dem de Hollanda a 500 rs. o Iras :o.
dem em botija a SIO e 400 rs. a
Graixa em laLsa 16200 a duzia.
Limonadas de diversas fructas a
frasco.
Licores inglezes e francezesa 16000, 165CO
e 26 a garrafa.
Lingoas americanas a 800 rs. cada urna.
Linguicas promptas em latas a 1621-0 a lata.
Manteiga ingleza ueste genero o que lia de
melhor a 800 rs. a librae em barril a 700
rs.
dem mais baixa a 640 e 720 rs a libra.
Manteiga franceza a 520 rs. a libra, em bail
a 6 40 rs a libra em retalho.
Massa de tomates a 640 rs. a libra.
Marmelada muito nova a 640 rs. a libra.
Moihos inglezes a 400 e 640 r.s. a garrafii bu.
Mostarda preparada a 400 e (40 rs. o fraro..
Massas para sopa macarrao, talharim e aletria
a 400 rs. a libra,
dem finas em caixinhas a 36X00 a caix-inha.
Marrasquino de Zara verdadeiro a 1,;500 u
fiasco,
dem mais baixo a 800 rs. e 16000 o fras :o.
Milho em saccasiom 20cniasa 36500.
Prezunlo inglez para fiambre vindo do ullimt
vapor a 800 rs. a libra,
dem mais ant go a 640 rs. a libra.
dem do Porto a 640 rs. e sendo inleiro a
5i 0 rs. a libra.
Passas Lovas a 400 rs. a libra.
Polvo a I(:.0 rs. a libra.
Paingo a 160 rs. a libra.
Pomada a 240 rs. a duzia.
Pimenla do icino a 320 rs. a libra.
Peixe em latas a 16010 a la-a, savel, cer-
vina, pargo e outros
Papel de peso a 2600O a resma.
dem dem mudo lino a 46000 e 36-OC.
dem marfJm a 463' 0,
dem almasso a 30000, 56500 e i.-jOOC.
dem para embrulho a 16200 a resma.
Paliios para dentes macos com 20 macinhos
a 80, 120 e 00 rs. o maco.
Palitos do gaz a 26000 a groza.
Queijos flamengos do ultimo vapor a -/-' ,
dem londrino a 900 rs. a libra.
dem prato a f 10 ;s. a libra.
Rap Meurona 16000 a libra.
Sag e sevadinha a 240o 280 rs. a iil ...
Sardinhas de Nantes a 050, 5C0 o 360 rs. a
lata.
Sabao massa a 12t> 180, 200 o 240 rs a
libra, e cm caixoes por menos.
Sal refinado a 600 rs. o vazo (pote de vidro.
Toucinho de Lisboa, de Santos e americano
a 160, 240 e 32o rs. a libra e em anobu
a 5,1, e 96000.
Tijolos para limpar facas a 160 rs. cada um.
rVliiho do Porto cm ancoras com 70 garrafas
- 30.6000.
cada um, manguitos s oOO rs." eada par, ditos
com golinha a 800 rs., golinhas 400 e 480 rs., de
fil 240 rs. cada golinha bordada, romeira de
cassa o de lile muito bem bordadas 25 cada
urna, manguitos que servem para caleinha de me-
ntas 640 rs. cada par, camisa com manguitos e
* 18<"as com a competente grvala de seda, fazenda
jO i (na pelo barato preco do 35, e mullas outras
I bordadas que se vendem por precos muito em;
conta : s na loja do Pavao rua'da Imperatrfz
n. W),deama A Silva.
320
400
800
400
Xs roupas do Pavao
Vende-se panno preto lino muito superior pelo
barato preco rfn 25, 25300, 35, 35300 o 45, dito
muito lino 35 e 65 o covado, casimira preta de
urna s largura u muilo fina a 15800, 25 e 25300
D P $J?covado. wtes de casimira de cores a 55,
o5o00 e 65, casimiras enfesladas de urna s cor
IM) | proprias para calcas, paletots, coleles, capas e para
91 roupas de meninos a 35300 o covado, isto na loja
do Pavao
600
300
320
15000
100
100
200
200
100
200
200
60
Silva.
a rua da Imperatriz n. 60, de Gama
Potassa da Rnssla,
da mais superior desembarcada bOBtem : vnde-
se no escriptorio de Mauel Ignacio de Oliveira &
Flllio, largo do Corpo Santo o. i9.
Gomina de mandioca.
de Dos "n. 38.
Vende-se na rua da Madre
naipm.
ar-
Vende-se um cavallo preto, andador de bai-
xo a meia: a tratar na rua da Florentina, casa da
esquina que rolla para a de Sania Isabel.
Vinhos de Lisboa eFifjueira qualidades mag-
nificas a 36000, 35500 e 4j000 a ean;. Vinho do Porto em pipa a 5 e 66O00 a catada.
Vinho branco de Lisboa e Port em ancoras,
barris e pipas a 16000e 55000 a caada.
Vinagre de Lisboa a 16600 e 26000 a cana-
da.
Vinagre em garrafes por 1.6tOO MQOga-
rafo.
Vinagre em ancoras para 16600 com a ancora
de 9 caadas.
Vassouras americanas a 640 rs. cada kirs.
Vinho dellordeaus ueste genero temos grande
porcao o das qualidades memores que tetr
vindo ao nosso mercado em garrafas, .em
ancoras, em bairiseqoartolas oqual ven
demos por pronos muito baixos.
mi c) f> at) tni
BALIZA
DECLARACA.
0 BALIZA declara pelo prezentc que
(ieixa de publicar os preces pelos quaes ven-
de as suas mercadorias por motivos qne ao
respeitavel publico pouco ntereca. Serve
provisoriamente de baze os precos do Pro-
pheta.
ORDEM DO DIA
0 BALIZA concede plena liberdade aos
seus amaoeis collegas Clarins, Unies, mitra-
dos e croados, para que possam saltar, her-
rar e tudo mais quanto lhes aprouver, at
a sua segunda ordem.





DtarU r Feraaka.ee Quinta letra l* J rtmhro 1 *
NBtfCOKOAS NEM MITRAS
GKAND AHIAZIir DE I0LHID0S
^ Largo da
'Santa Cruz
n.84.
Espina
da ra do'
Sebon.84.
AURORA B8ILH4NTE
Francisco Jos Peroandes Piros, proprietriod* arflittm de molhados denominado
Aurora Biilhante, ao largd da Santa-Cruz n. 8i, esquina da n do Sebo, faz sciente ao
rwf>eitaveh[>ttbl> desta cidadu e do interior, quema-eu importate estabe eciment
vender sempre gneros novos e de primeira qualidade, e vender a todos pelo mesuro
O completo sorttmento de todos os genero* finos egrossos qae costomam ter outros
eslabalecimeatos desu orden se .encontrarao sempre no armazem da Aurora Brilaante
e sempre em grande escala vontade dos senhores compradores.
riadas
O propnetano do armazem Aurora Brilhante pede a todos os senhores e senhoras
que quano tiverem do mandar suas relacoes a este esubelehnento por seus cnaaos
seja em caria fechada-on com grande reoommendajSo a este armazem, certos de qae
seo lio bcm servidos como se viessem pessoaUnenie.
... A. ^
Hr
A Aurora Brtlhants troca qualquer ara genero une "por acaso nao agrade, e recebe
as libras esterlinas a 9*000, sendo por compra : a tabella de seus generes sera mudada
todas as semanas.
M>
Amcadoas confutadas a libra a 800.
Manteiga ingleza flor a 800, 960 e 15120-
Dra mais abano a 640 e 720 rs.
Bit franceza nova libra iO e em barril a
560 e600rs.
Chocolate sant muito novo a lJiOO a libra.
Cha perola o melhor que ha ( redondo) a
libra a 35*00 e 2*800.
Dito dito mais abano a 25500 e 2*800.
Dito uxim muito hho a 2*800 e 3*.
Di lo hysson superior a 2*600 e 2*800.
Dito mais abaixo a 2* 2*300.
Dito preto muito fino a 2*300.
Dito em massos a 2*.
Dito do Hio em latas de 4, 2 e 1 libra a
1*500.
Caf d Moca superior arroba 9*500 e libra
300 e 280 rs.
Dito do Hio e do Ccar arroba 8*500 e libra
320 rs.
Dito mais abaixo arroba 8* e libra 260 rs.
Barricas com bolachinha ingleza nava a
3*.
Latas com bolachinha de soda de 5 libras a
23300.
Ditas com ditas sortidas de 2 libras a 1*400.
Frascos com amortas francezas a 1*600,
23800 e 3*.
Latas com ditas a 1*400,2-5200 e 4$.
Ditas co:n figos de comadre a 1*300.
Camuas co:nditos muito novos.
l'ro-uulo de Karaego muito novo a libra i>(
tiPf rs. inteiro e a retalho 600 rs.
^r Chouricas e paios nevosa libra 600 rs.
''')' Ditos com ervilhas francezas e portuguezas
Cjg a 800 rs.
v1 Ditas co.n massa de tomis novo libra 560
rt E> rs. e em arril a 500 rs.
H< x l'ilas com osiras a 720 rs.
v. Ditas com marmelada dos melhores autores
(fu de Lisboa a libra 640 e 720.
C-?S Polos com inuslurJa franceza preparada a
"" libra 480 rs,
j-g) Dita dit;i Ingleza a 800 e I*.
mb Queijos novos do vapor a 2*200 e 2*800.
Ditos de pialo enplicado a 1*.
i Dito suisso a 800 rs. Dito de peso e pautado a 2;oOU e 255OU.
Dito de manteiga do Ser ido a 800 rs. Garrafoes com 25 e 13 garrafas de verda-
1 aisas cmn pastas novas de 1 arroba 7*,: dar genebra de Hollanda por 0*900 e
m.ia 3*500 e quarto 2* e libra 480 rs. 6*000 rs.
Amendoas com casca a libra 240 rs. e arro-|Azeite de coco garrafa o60 rs. e carrapato
ba 6*. 360 e ranada 2*560.
Nozas libra 160 e arroba 5*. Caix3e com doce de goiaba a 640, 800 e
Charutos finos de Simas, o dos melhores fa-' 1*.
t.
,\\
Carne e ngula do sertao.
Duzta de graia latas grandes a 1*.
Caixas com 23 massos de velas de sperma-
cete a 360 rs. aiibra.
Ditas raaiores a 600, 640. e 720 rs. a libra.
Caixas com urna arroba de velas do Araca-
ty 10*300 e libra 400 rs.
Ditas de camposi^o arroba 10* e libra360'
ris.
Saceos grandes rom farlnha de Goianna mu*.
toboaa 5*&0a
Ditos com milho novo cora 24 cuias a 3*300.
D ito com farello de Lisboa a 3*500 e 120.
a libras
Dito com arroz de casca a 38000.
Duza de garrafas de cerveja branca e preta
a 3*500 e em barricas a 5*000.
Arroz do Maranho em saceos arroba 2*600
25400 e libra 100 e80rs.
Dito da India e Java arroba 3* libra 120.
Araruta verdadeira arroba 8* e libra 320
rs., raataraoa.
Gomma do Aracaty para engommar arroba
5* e libra 160 rs.
Farraha do Maranho nova libra 320 rs.
Ervilhas seccas muito novas libra 200 rs.
Sag e sevadioha a 240 rs.
Sevada arroba 3*100 e libra 120 rs.
Graxa de boio 97 a 280 rs.
Sabo massa a 200, 240 e 280 rs. a libra.
Dilohespanlio! verdadeiro a 400 rs. a libra.
Balaios do Porto de diversos lmannos de 320
a 2*.
Capachos para portas de varias cores a 600,
700 e 800 rs.
Grao do bico arro'a 4*300 e libra 160 rs.
Painco arroba 5*500e libra 200 rs.
Milho alpista arroba 4*800 e libra 160 rs.
Azeile dore de Lisboa garrafa a 640 rs.
Vinagre de Lisboa caada 1*300 e garrafa
200, 240 c 320 rs.
Massos de palitos de denles com 20 massi-
nhos a 160 rs.
Tijolos de limpar facas a 160 e 120 rs.
Itesmas de papel along pautado a 4*500.
Dito creve liso o melhor que ha a 4*500.
Ir... v .___..j___a.Mn .. a*onn
i
$

Toncinho Je Lisboa arroba 9*500 e libra
320 rs.
Dilo de Santos arroba 6* e libra 280 rs.
Molhos com grandes ceblas a 15600.
Ceoto de dita sola a 1*600.
Mauncos de alhos a 121) rs.
Gordas de pastar e de andaime.
Pavas da Una de S. Miguel arroba 3*200 e
libra 120 rs.
Copos lapidados para agua e vinho a 3*500,
3*800, C*e 7*.
Ditos lisos para varios precos.
Calix lapidados grandes c pequeos duza
3, 4 e 5* e 400 e oOO rs. cada um.
Massas para sopa macarrao, talharim e ale-
tria a 400 rs.
Estrelinha e pevide libra 640 rs.
Xarope. de fructas nacionaes a garrafa 600
ris.
Marrasquinhp de Zara da melhor qualidade
a carrafa 1*200 e 800 rs.
Esleirs do tranca, cenloa 20* e 240 cada
urna.
Queijos de qualha novos. arroba 16* e libra
a 560.
Duzia de ehampanha superior a 20*, e 2* a
garrafa.
1*200 Garrafoes vazios a 1*600.
Massa branca para sopa a 320 rs.
Frascos com azeilonas em coacervas a 800
ris. "
Duzia de carias finas para jogar a 3*.
Sabo hespauhol verdadeiro libra 400.
Saceos com feijao mulatinho novo a 10*.
Latas com favas j preparadas a 800 rs.
Sevadinlia para spa a 240 rs.
Garrafas com ifruscalel e selubal a 800 rs.
Sag novo a 400 rs.
Breu arroba 8*500 e libra 320 rs.
Latas com 27 garrafas de caz a 11*, a gar-
rafa 500 rs.
bricantesda Babia de 2* a 8* caixas de
100 e 80.
Groas de caixinhas de palitos do gaz.a 2*200
a 200 rs. a duzia.
Barris rom azeilonas novas a 15200 e 2*
Larris grandes.
Vas>ouras do Porto piassava muio seguras a
400 rs.
Aze lo doce francez dos melhores fabrican-
les, '-aixa 105 e a garrafa 15-
Caixas com vinho Boroouax branco e tinto.
Vinho do Porto lino em barris de 5o que ra-
ras vews appareca por 80* e cm caada
a 5*300 e jarrad a 800 rs.
Di! 1 de Figueira puro caada 4* e 4*500 e
garrafa a 480 e 560 rs.
Dito de Lisboa de boas marcas a 3*500 c
3 .agarrafa a 440 e 480 rs.
Cognac verdadero a garrafa 1* e 1*280.
moscatel duzia 10* c garrafa 1*,
Vinho branco de milito boa qualidade cana-
da 43 e garrafa 480 rs.
Dito Xerez fino caada 7*300 e garrafa a
1*200.
&ft Diio Madelra secca agarrafa 1*600 c 2*.
S? Dito em caixas de urna dnzia do Porto dos
p melhores autores a 12*, 14* e 16.3.
&& Garrafas com licor fino francez a 1*,
>:Y e 15600.
ff) Dita-, com vinho de caj mnilo claro a 1*.
-K'3 Ditas com mel de abelhapuroa 1*.
""'r Frascos com genebra de Hollanda de 2 gar-
rafas a 1*.
Dito de urna garrafa a 560 rs.
Dito de laranja verdadeira a 1*200.
> Potes com moslarda preparada a 320 e 400 rs.
jMg Caivas com 2 arrobas de batatas a 2*500.
( Vinho branco de Lisboa proprio para missa
a 4*800 a caada e 640 rs. a garrafa.
Espirito de vinho a 400 rs. a garrafa.
Duas redes muito bem feilas para dormir
^ vindas de Sobral a 30* cada urna. 1
~+P i: oatro.% muUos gneros de primeira qualidade qae nao
:ih possivel menelona-los.
L A salisfacao da Aurora Brilhante vender muio, embora barato, mas DINHEIRO,
^? abatendo cinco'por cenlo a quein comprar de 100*000 para cima.
!rm sortimento de fazendas
DE
Custodio, Carvalho & Compauhia.
?1 RA 1KI Qi:EKAIM> 99
Pc^as de ntremelos bordados a 1*.
Tiras bordadas a peca *.
Coberlas de chita a chineza a 2*200.
Lences de linbo tinos a 2*200.
Toalhas de linho para mos duzia 4*.
Sapatos de tapete para meninos, senhoras e horacus pelo barato pre^o de 1*600 o
Toalhas de linho para mesa a 3*500 e 4*.
Baldes de arcos para senhoras a 3*.
Fil de linho liso vara 500 rs.
Grande sortimento de lias para vestidos.
Superiores saias de fustSo para senhoras a 3*.
par.
s
E
A
OE
9KAMITO ARMAZEM
1





m v do tri:iunoR f. 40
Junto ao sebrado en que mora 0 Sr. 0>barne,
Hiarie Alineada A c. reeeneram de sua proprla encommen-
da mu lindo e variado sortimento de molhados. proprlos
da presente estaeio.
Manteiga iugleza Ma^as braucas
dsafra nova'vinda nestevapor de-28 de para sopa a melhor que se pode
m?io a 800 rs. a libra. macarrlo, talharim e aleiria a
llaateiga franceza libra e i'ion a caixa.
da safra' nova a 860 rs. atibra, e em barril VllllO
NOVA EXPSITO DE GNEROS
NO
AKMASEEiU
PRINCIPAL

DE
^ypw it

M. RIJA O CRESPO N. 9
desejar. i
400 rs. a i
a 500 rs.
meudoas
conitadas de lindissimas cores a 800 rs. a
libra.
Ameixas
era frascos de vidro com 3 libras lquido a
fHOO, muito propio para mimos.
Cartoes
com bolos francezes a-500 rs. cada um.
Latas
com bolachinhas drsoda ete todas as qua-
i iwads -a i&tmi
Choeolatesi
de todas as quadades a I .000 a libra.
Presuutos inglezes
dos melhonis fabricantes a 800 rs., tambwn
temos velkos para 500 rs.
Queijos flamengos
chegados neste ultimo vapor a 2j$Ooo.
4|neijos
chegados no ultimo vapor a 2$600 cada um.
Miel Jo
londrino o mais fresco que se pdc esperar
. e de excollante- maree a 800 rs. a libra
sendo inteiro e ?. 900 rs, a retalbo.
Conservas inglezas
as mais novas que se pde-esperar a 760 rs.
o frasco.
Figos
em libras e caixinhas ricamente douradas,
proprias para mimos a 900 e I 200.
Cha uxim
o melhor que se~ pode desejar, que outro
qualquer nao pode vender por menos de I
3$ a 2#600.
I den perola
especial qualidade a 2S700 rs. a libra.
dem hysson
o mais aromtico que tem viudo ao nosso
mercado a 2#600.
Massas aniarellas
para sopa, macarrao, talharim e aletria
480rs. aiibra.
COCVAC
Figueira JA-A e outras-muitas marcas acre1-
- ditadas a500 rs: a garrafa.
lem de Lisboa
e de outras marcas a 400 rs. a garrafa, e
20800 a caada.
dem dO Porto
generosos engarrafado des melhores fabri-
cantes da cidade do. Porto a t e-i'0200
a-garrafa edb lOjJ a 123 a caixa, asmar-
cas s5o as seguintes: Chamisso AFilho,
F. dr'M:, Nctar ou vinho dos Deuzes,
lagrimas dr/DOnro e outros muito.
Latas
com 10 libras de banha a 4^000.
Bolachinha ingleza
a 1#800 a barrica da mesma que
vende a 2000 e 2^400.
Nozes
as mais novas do mercado a I10P M bra.
Cervejas
dos melbores fabricaotesje de todas asmai
cas de 40500 a 0500 a duzia.
C-ARUTOS
Charutos Thom Pinto,. Reis e outros em
meias caixinhas a 10500.
Arroz
do Maranho a 100 rs. a libra, e da India
a 80 rs. a libra, e 20500 a 30000 a ar-
reba desses que vendem por 30400.
CAF
de I.* e 2.a srjrte do Hio de Janeiro a 803f
e 80800 a arroba, e 280 a 300 rs. a libr
Ciarraloes
com 4 "2 garrafas com vinagre a 10OOOt*j
o garrafio.
GENEBRA DE LARAXJA
a 10000 o frasco, e de 110OOC
a caixa.
DEM
em frasqueras de Hollanda a 50800 coa
12 frascos.
GENEBRA
Esquina qie volta para a roa de Inperador
provavel que nSo seja bem aceita a verdade, quando a boa f de todos anda
Iludida poi esta epidemia de nauzeaticos aanuncios de cornetas, tambores, cordas mi-
' tras, etc., qae todo o da enchera. as pagina deste jornal.
AliEHTA
Os annunciantes nao tem. em vista seno- garantirem ao respeitaxei publico a
sua palavra de honra, verulendo com o lucro suficiente para suas subsistencias e nao pwa
assentarem fortunas a forfa da regra de liga coma outros abundantes, dente' genero
PARA TOllOS
No armazem.principal vende-se a todos pelos preco;marcados n*seguinte ta-
bella, mas n3o. se vende por todo o preco fezendo-se peso de arroba hespanhola, garan-
te-so as quadades dos gneros trocndole todo. aqueUe que nao seja do agrado do
comprador.
Amendoas confeitadas de diversas- cores a
64o rs. a libra,
dem de casca dura a-24o rs. a libra,
dem de casca mole a 32o rs. a libra.
Ameixas francezas em caixinhas com lindas
estampas, a l,2oo e l,5oo rs.
dem em frascos de vidro a-1,2oo rs.
dem em frascos-grandes a 2,5oo rs.
dem em latas de 1 /* "bra a l.loo rs.
Arroz do Maranho e da India o melhor que
ha neste genero de 80 a loo rs, a libra, e
de 2,5oo a 2,8oo a arroba,
Azeite doce de Lisboa a 600 rs. a garrafa, e
4,800 rs. a caada,
dem francez e de Lisboa refinado em gar-
rafas brancas a 90o rs. a garrafa e lo.ooo
rs. a duzia.
Alfazema muito nova e limpa a 32o rs. a
libra.
Azeitonas muito novas a 2.000 rs, a anco-
reta.
Alpista limpo a 14ors. aiibra,e 4,4oo rs. a
arroba.
Bolachinhas de Lisboa da fabrica do Beato
Antonio de diversas quadades, em latas
de 6 e de 3 libras a 3,000 e l,5oo rs. a
lata, e 64o rs. a libra,
dem ingleza em latas de 2 e de 4 libras
das melhores marcas a 1,3oo e 2,2oo rs.
a lata.
Banha de porco refinada a 4oo rs. a libra e
em barril a 36o rs.
Btalas em caixas de 2 e de \ arrobas a I
l.loo rs. a arroba.
Champagne das melhores marcas a 2o.ooo
rs. o gigo, l,8oo rs. a garrafa, e 9oo rs. Palitos para dentes Hcbadas a lo rs. o ma-
as meias garrafas. | co de 20 macinlios.
Cha uxim o melhor possivel a 2,Too rs. a li-, \m 0 ga2 a 2oo rs. a duzia, e 2,loo rs.
Lentilhas muito novas excellente leguoie pa-
ra sopa a 2oo rs. a libra.
Licores francezes de. todas as- quadades de
7oo e 9oo rs. a garrafe.
Manteiga ingleza perfitamente flor a 800 rs.
a libra, tksnessesacia mais elogios nes-
te genero que s se pode verificar com a
vista.
dem franceza a 56o rs. a libra, e em barril
ou meios a 5oo, rs.
Marmelladado 1. fabricante de Lisboa a 600
rs. a. libra, ha latas de 1,. 1 '/> e 2 libras.
Maca de tomate em latas de urna e duas li-
bras, a 600 rs. a libra.
dem para sopa estrellinba, pevide, rodinha,
. etc. a 3,5oo rs. a caixa e 56o rs. a libra.
Macarrao, talharim e aletria a 4oo rs. a li-
bra.
Mostarda franceza preparada &400 rs. o fras-
co.
dem ingleza em p a 6io rs. o frasco.
Molho inglez em garrafinhas com rolha de
vidro a 64o rs. cada urna.
Marraschino verdadeiro de Zara a l.ooo rs.
a garrafa, e 10,000 rs. a duzia.
Nozes muito novas a 16o rs. a libra.
Ostras preparadas em latas a 7oo rs. a lata.
Frezunto para fiambre inglez verdadeiro, ga-
rantindo-se a qualidade, a 7oo rs. a libra.
Passas novas de carnada a 4oo rs. a libra, e
6,5oo rs. a caixa.
Peixe em latas hermticamente fechadas das
seguintes quadades, sabel, corvina, go-
rz, cavallinha e pescada,al,000 rs. la-
ta.
Goo
de Hollanda verdadeira em frasqueii a a
rs. cada urna.
PALITOS
os verdadeiros palitos do gaz a 2,2oo a groza i
e 2o rs. cada caixinha.
s
bra.
dem perola qualidade especial a 2,7oo rs.
a libra.
dem hysson o melhor que ha neste genero
a 2.000, 2,4oo e 2,6oo rs. a libra,
dem do Rio em latas de 2 a 8 libras, a l,3oo
rs. a libra,
dem preto homeopathico 2,ooo rs. a libra.
Cerveja das melhores marcas a 6,000 rs. a du-
zia, e 56o rs. a garrafa.
o muito afamado cognac Pal Brandy a 1.8oo! LICORE*
rs. a garrafa e de outras muitas qualida- finos de todas as quadades, a lo.ooo a caixa
des a l.ooo e 800 rs. a garrafa. com urna duzia e a l.ooo a garrafa.
cono Marmelada
lapidados para agua a 4,5oo e 5,ooo rs. a dos meIhores fabricantes de Lisboa, como se-
du/.ia, e a 440 e 5oo rs. cada um.
jam Abren e oulros muito?
libra.
Pregunto
o verdadeiro prezunto de Lamego a 52o rs.
a libra.
ARROZ
Maranhio, Java e India, a loo rs. a libra e
de 3,ooo, a 3,2oo rs. a arroba.
VELAS
I de espermacete de diversas marcas a 56o rs.
a libra e em caixa ter abalimento.
passas corinthias muito novas proprias para; d b caixas'^de arroba a 9,3oo b
podim a 800 -
PAPEL
al maco, greve, peso e de outras muitas qua-
lidades> de 2,2oo. a 4,5oo a resma do me-
lhor.
Papel de botica
de excellenle qualidade a 20200 a resma,
PAPEL
azul e pardo para embrulho de I,loo a 2,2oo I
rs. a resma.
Corinthias
RA DO QUEIMADO NUMERO 11
Lorja de fazendas de, Augusto Fredericodos Santos Porto
. Lindas chapellnas e chapeos para senhoras.
(Jhegaram a este e?tabeleciraento as mais modernas chapelinas e chapeos para eniors.
Superiores cortes de la de barra de 10 a 20.
As mais superiores capas e soutambaruues de secb prsla e casemira de cores para seohoras de.
Z0 at 505. ;
Eicellenles laas para vestido a 30, 300, 560) a 600,r-,. o covado.
Cassas eurgandysdtecresa 240b 320.rs. o covadu.
Oj melhore tapetes para sof com rijHissiinss 9e.
Ltf$os de cambraia du linbo c lit bordados a 145 eaat um.
Superiores cavemires mescladas da diversos postas lano ar. pecas como ea cortes.
E outras multas fazen.las como sejam: percalles fimssimas, brelanhas, sileeias^ esijalio, sil-
arma preta muito Gaa, cant.Io para vestidos de lato, grosdenapte de bonita coms c as superiores
Esleir para salas
As pesaos que pretenderen: forrar suas satas oagaWnttes, eneontrarao neste eslabeleciraento
eihor aqaalidac>d^ ".tpirM de 'f^as as larguras c peto mais. mdico preeo,
rs. a libra.
Fumo
o verdadeiro fumo americano em chapa a
l,4oo rs. aiibra
Vinagre
PRR em ancoretas de ) caadas a 15,ooo rs.
cada urna.
Cebollas
as mais novas do mercado a 7,ooo rs. a caixa
e l,ooo rs. o molho.
Alpista e Paiiigo
o mais novo do mercado a 140 rs. a libra,
e 45400 a arroba.
caixa e 34o rs. a libra.
Batatas novas
em caixas de 2 arrobas a >$ a caixa e 60 rs.
a libra.
Passas muito nom
em quartos e inteiros a 25 o quarto e G500
a caixa e 400 rs. a libra.
Chocolate
portugus o mais especial que se pode de-
sejar a 800 rs. a libra e 140rs. o pao.
Frutas em calda
chegadas ltimamente, pera, pecego, ginja e
outros muitos a 040 rs. a lata.
Dsce da casia da guiaba
a 600 e 1$ ocaixe.
Os propietarios do grande armazem o Verdadeiro Principal declaram aos seus
freguezes e amigos e ao publico em geral, que para facilitar a commodidade de todos es-
Upularam os mesmos presos nos seguintes lugares:
Unio e Gommercio ra do Qnepiado n. 7
0 Verdadeiro Principal roa do Imperador n. 40
FRUCTAS
MACAA, PERAS E I'VA*
chegadas neste ultimo vapor, rende-se nos seguintes lugares: Ra do Imperador n.
40, Verdadeiro PrincipalRa do Queimado n. 7, Unio .o Commercio.
i Chocolate francez, suisso e hespanbol a
1 .ooo, 1,2oo e l,4oo rs. a libra.
Charutos do afamado fabricante Jos luirla
do de Simas e outros da Rahia como se-
jam Regaba, Trovadores, Guanabaras, De-
licias e Suspiros, a I,6oo, 2,ooo, 3,ooo e
4.000 rs. a caixa.
a Ooo rs. a Conservas inglezas a 7oo rs. o frasco.
dem franceza surtidas ou de urna s quali-
dade de cada frasco a 5oo rs.
Cognac inglez e francez a 1,000 rs. a garra-
fa, e lo.ooo rs. a duzia.
Cominho eerva-doce a 4oo rs. a libra.
Cravo da India a 6oo rs. a libra.
Canella a l.ooo rs. a libra.
Copos unos para agua e vinho a 4.8oo,
5,ooo e 5,?oo rs. a duzia, e ooo rs. cada
um.
Caf do Rio superior 28o e 3oo rs. a libra,
e 8,;oo a 9,ooo rs. a arroba.
dem do Ceara a 26o, 28o e 3oo rs. a libra,
e 8,ooo a 8,5oo rs. a arroba.
Doce de goiaba a 600 rs. o caixao.
Ervilhas portuguezas em latas, chegadas l-
timamente a 7oo rs. a lata.
dem seccas a 16o rs. a libra.
dem j descascadas a 2oo rs. a libra.
Farinia de ararnta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Figos em caixinhas bem enfeitadas a Ooo rs.
cada urna.
Graixa nova a loo rs. a lata, l.loo rs. a
duzia.
Genebra de Hollanda em frasqueiras de 12
frascos a 5,8oors., e 56o rs. o frasco.
dem em botijas a 4oo rs. cada urna.
dem em garrafoes de 16 garrafas a 4,8oo
rs. com o garraao.
dem idem de 3canadas a 7,2oe.rs. cadanra.
dem ingleza em garrafas branca* bordadas
com rolha de vidro, qualidade superior
a 1,000 rs. a garrafa.
dem de laranja verdadeira a 1,00o rs. e fras-
co, e 11,000 a frasquras de 12 frascos.
Kirsch Wasser excellente bebida Suissa a
?,80o rs. a garrafa.
XAROPE TNICO REGENERADOR
DE QUINA E DE FERRO
Preparado por tmiNAli/r ec, pharmacenticos de S. A. I. o Prncipe Napoleo, laureado*
da Escola de pharmacia de Pars, ra de la Feuillade, 7.
Esta nova comMnaclo rene debati de um pequeo volme urna forma agradavel e um godo daliclow.
Ha muito que os medico dMtnlt ardentement* a reunl&o deste* dous medicamento*, todava, apesar
dos maiore esfera, nem a sciend* medica, nem o qumico* o* mal* distinelos o poderlo congegulr
at aqu; grata*porm pereveranea humana achio-e hoje asaoclada* estas duas poderoaa* tubstan-
ciaa, quiaai, o tnico, restaurador por exceUencia, o ierra, a bate de nosts lasgue, e conseguinte-
mente o reparador dos forca* e da aude alterada ou perdida.
A molestia! contra as quaes o Xarope tnico regenerador se tem mostrado muito efflcar (te: a* ame-
norrhei*, fallas de menstruarao, dore* d'etomago, fastio, dlgestoea penosa e tardtaa, flores branca*,
menstruac.es dlfllce, o lymphattsmo, o empohrecimento do singue, as escrfulas, os estrago* produiido*
. peta* moief lias gj philiticaj.
Ha apenas um anco que o Xarope de quina e de ferro fdl appUcado nos hospitaes de Parla, e elle
hoje o medicamento mais em vosa, substituindo, por assim diser, os medicamentos ferruginosos cor*eeldos.
O prosicto encerra numerosos certificados de multo* membros da Academia de Medieaiae peofseseres
da faculdadeque.aet?i uaest* pseetsao medicamento i o conserTadar da saod* por exceUencia,
.o reconstnulnte da economa animal, indjanentavel is ptsau que haWtao oa pajies quente*, como
presenatlTodiepIdeinia. *
Acba-oe venda no deposito geral, em Pars na pnsnnacl CrlaiU c C, ra de la Fentllade, 7;
em Lisboa, em caa d.4f s.dMg. m CMi-carralh*. Barra! c ( no Porto, na pnarmacia do
SftralHairt laar te 8aw Frrrrtra; no flio-de-Jan>^em cas da ** Pelleta e Dial, ma do
SabSo, ii; na ^ *"--'--r trt !>*)*) rm rT r*.....) n*flio-riid, em casa do
Sliralanhr Te antrj, no ifarntiftoo-, em casa dos Sfir* rerrrIra e Ca; em Peraambuo, em csa-
te Sftriiritulssanai-fiaanma m saanai esn casa tea Son Haaaias c c, e bem assim as prin-
cipas* pharmacia* do Brasil te Portugal.
. Deposito geral em Pernambnce nn da Cruz n. 22 de emcasaCaros & Barbou.
e
a groza.
Painco muito novo a 16o rs. a libra, e i,5oo
rs. a arroba.
Queijos flamencos do ultimo vapor.
dem prato muito fresco a 800 rs. a libra,
sendo inteiro a 72o rs.
Sal relinado em potes de vidro a oo rs. ca-
da um.
Sardinhas de Lisboa e de Naates a Goo rs.
a meia lata, e 4oo rs. o quarto.
Saga muito novo e alvo a 24o rs. a libra.
Sardinha de Franca a 18o rs. a libra.
Sevada a loo rs. a libra.
Toucinho de Lisboa a 24o e 3oors. a libra.
Tijolos para limpar facas a loo rs. cada um.
Vinho em pipa, Porto, Lisboa e Figueira das
marcas menos conhecidas a 4oo rs. a gar-
rafa, ea 2.8oo rs. a caada.
dem Figueira expecialmetite escolhido neste
lugar a Ooo rs. agarrafa, e 4,5oo a caada.
dem. Lavradio, Colares muito fresco fem
composicoa 6oors. agarrafa, e 4,5uo rs. a
caada.
dem Lisboa em ancoras com 9 caadas mar-
ca especial a 22,ooo rs. a ancora.
dem branco uva pura a ?!Go rs. a garrafa,
ea 4,5oo a caada.
dem Porto fino em pipa a 56o rs. a garra-
fa.
dem engarrafados generosos, Lagrimas do
Douro, Duque do Porto, D. Luiz I, D. Pe-
dro V, Nctar, velbo secco, Malvazia, e
genuino particular de 9ooal,2oe rs. a gar-
rafa e a lo,ooo rs. a caixa com urna duzia.
dem Madeira^legilimo a l,2oo rs. a garrafa,
ea 12,ooo rs. a duzia.
dem Muscatel a looo rs. a garrafa.
dem Bordeaux dos acreditadas marcas St.
JulienSt. Esteph, chteau la Rozo, chalan
Margoux e outros a 6,000 rs, a caixa e 56o
rs. a garrafa.
Vermouth a melhor bebida estomacal a 2,ooo
rs. a garrafa.
Vinagre de Lisboa a 2oo rs. agarrafa e l,4oo
rs. a caada,
dem em garrafoes com 5 garrafas a 1.000 rs.
Vassouras do Porto com arcos de ferro a 32o
rs. cada urna,
dem de escovas/ para lavar casa a 36o rs.
cada una.
Vellas de espermacete superiores a 060 rs.
a libra, e sendo, em caixa a 52o rs.
dem de carnauba refinada e de composicSo
a 36o rs. a Irbra, e lo,5oo e H,ooo rs. a
arroba.
23rooe-3 3T<< S" o o b o
.*
.gS-BS-gS-gISS.Sfco-
1, o o
Aleatro.
Vendemse barris cora alcatrao: na ra da Gruz
n. 23, prtmetro andar, escriptorio de Antonio e
Alraeida Gomes.
AUeavef.
Yeade-se saperior vinhe do Porto em eaiuv de
ama duzia: era casa de Joonston Pater & c.i roa
do Vlgario o. 3
" GAZ GAZ GAZ
Veode-se gaz de primeira qualidde a
10*jJ a lata : aos armazens da. ra de Im-
perador > I& roa do Trapiche Novo n. 8.
Vendem-se as seguintes obras : MuxzareTli,
Obras, Mn, D. Ecxst., Berpier, Di_ titeeloiiieo.
Tapnareili, B. nat, Andre, Dice, de B. Eccl. Ossi-
ni, Biu da Virgem,, rhiriasnaqiiti D. ni e-fUs
wntea, Beirut, ti nah, Ahreirs, K nat. Oadbt, ci-
encia do derer, Benardj Hemipa, Consin, Hist.
la Philosojihia : na roa estrena do Rosario n. 19,
sesjnnte aadr___________________________
"Machinis pgra descarocar
ulo-odao dos mais acreditados
fabricantes: na fundidlo da
BowmaB, ra do Brum n $8.
:
t II FfiVFI V


~ Qulr* lelrji 4c *eeuibro e 1 A4.
ftO PUBLICO
Sen o menor eonstran-
Clancnto se entregar
Importe do genero que
nao agradar.
ATTENgfiO
s preeos da seguate
tabella para todos, po-
diendo assim servir de ba-
se para o ajuste de contas
cornos portadores.
ARMAZEM UNIO MERCANTIL
RIJA DA CAHEIA IIO IIECTFE SU 53.
(Logo passaudo o areo da Conteifio)
Cirande redneeo de preeos, equivalente a dez por cento menos do que outro qualquer
annnnelante.
Collegas.N5o posso por mais tempo sustentar o preco da manteiga ingleza a l,ooors. a libra, bem assim o de outros
rautos objectos, etc., dando eom isto ocasiao a todas as espeluncas acabaren! porbom preco a manteiga de tempero, e gritarem em
alta voz, que podem vender pelo preco que eu vendo I! 1 Ora, eu offendido com estas obscuridades e receioso em adoptar o mesmo
systhema que vim encontrar, de s se vender.com um por cento a carola, resolv fazer sta grande reduccao de preeos, como veris
pela seguinte tabella, pois como sabis ca peto meu bairro, at a abertura do momoravel armazem de molhados Uniao Mercantil nao
se sabia de outro preco de manteiga ingleza a n5o ser o de l,4oe a l,6oo rs. a libra. Hoje porem, resentidos da reduccao a que
esto dbrigados, encarando todos os dias de seus freguezes reclamacao de preeos, e qualidades, vingam-se de um' e outro portadores
mal informado deste novo estabelecimento. para lhe vender goneros nao proprios de um estabelecimento desta ordem que o seu fim
15o smente obter a concorrencia de seus freguezes.
Para bem de todos.
Senhores e Senhoras o aceio que presidio, aos arranjos deste novo estabelecimento, e mais que ludo aproroplidao e entei-
reza com que serao tratados, convida a urna vizita ao mesmo, certos de que sem duvida me dao a protecc5o e preferencia na compra
dos gneros que precisarem, e quando nao pocam vir podero mandar seus portadores, anda que estes sejam peuco pratices, pois
ser'ao Uto bem servidos como se viessem pessoalmente, havendo para com estes toda recommendaco, afim de que nao vo em outra parte.
Manteiga ingleza (safra nova) especialmente
escolbida a 800 rs. a libra, em barril se
faz abatrmento.
dem franceza a mais nova que tem vindo ao
mercado a 56o rs. a libra, e em barril ou
meios a 5oo rs.
Cha hysson de superior qualklade a 2,6oers.
a libra,
dem perela o mais superior do mercado a
2,8oo rs.
dem huxim o melhor que se pode tlesejar
neste genero 2;oo rs.
Um preto homeopathico por ser de superior
qualidade a ,00o rs. a libra.
dem hysson, huxim e perola mais proprio
para negocio o l,6oo, l,8oo e 2,000 rs. a
libra, garante-se ser muito regular, igual
ao que se vende em outra parte por 2,4oo
e2,6oo rs.
Linguicas, cheuricas e paros em latas de 8
libras, ermeticamente lacradas a 5,5oe rs.
garante-se serem superiores aos que vem
em barris.
Chouricas e patos em barris de meia e urna
arroba a 8,000 rs. 1,5oo e Coo rs. a libra.
Queijos flamengos muito frescos chegados
neste ultimo vapor a 2,2oo rs. e do vapor
passado a I,(too e l,8oo rs.
dem, londrinds os mais superiores que tem
vindo ao mercado a 800 rs. a libra entei-
ro se faz abalimento.
dem prato muito fresco a 8oo rs. a libra.
ilcm ilo Alentejo o que se pode desejar de
fresco e superior a 800 rs. a libra, a elles
antes que se acaben.
Ervilhas e lavas portuguezas em latas ja pre-
paradas a 6io rs.
Marmelada imperial dos mais acreditados fa-
bricantes de Lisboa a 600 rs. a libra.
Prczunlo do reino vindos de casa particular
a 56o rs. a libra, e a 5oo rs. inteiro.
dem malezas para fiambre chegado neste
vapor 72o rs. a libra.
Copos lapidados para a gua a .*>,ooo e 5,5oo a
dnzia,
Chocolate francez, suisso e hespanol a 9oo
1,00o e 1,2oo rs. a libra.
Espermacete em caixinhas eontendo 6 libras
por l.ono rs., garante-se serem Iranspa-
rente e de superior qualidade, tambem tem
de 12 por libra propria para carro.
Peixe em posta sovel, corvina, gors. pesca-1
da, salmo, ostras eeberoee, vezugo em,
latas grandes a 800 e l,ooo rs. cada urna.
Yinho Bordame das marcas mais acredita-
lis que tem vindo ao nosso mercado a
6,000, 7,ooo e 8,000 rs. a caixa, garante-
se ser de qualidade superior, que outro
qualquer nao pode vender por este preco.
Genebra do Ilnllanda a 56o rs. o frasco, e
5,7oo rs. a frasqueira.
dem de laranja verdadeira de AI tona em
frascos grandes a 1.000 rs. o frasco, e
il,ooors. a duzia.
dem de Hollanda em botijas grandes a ioo
rs. e em barricas de 4 duzias se faz abatt-
meiUo.
Gafe do Rio a 26o e 28o rs. a libra, e 7.8oo
e 8,5oo rs. a arroba,
idem lavado de primen-a qualidade a 3o rs.
a libra, e 9,ooo rs. a arroba,
dem do Gear de superior qualidade a 24o
e 28o rs. a libra, e 7,8oo a 8,000 rs. a
arroba.
Arroz de Maranhao a loo rs. a libra, e 3kooo
rs. a arroba,
dem da India muito alvo egraudo a loo rs. a
libra, e 3,ooo rs. a arroba,
dem de Java a 80 rs. a libra, e 2,2oo rs.
a arroba.
Painco e-arpista a 14o rs. a libra, e 4,3oo
rs. a arroba.
Massa de tomate em latas de i e 2 libras a
600 rs. e de barril muito superior a 5oo
rs. a libra.
Alelria, macarrao e talharim a 4oo rs. a li-
bra, e 9,000 rs. a caixa.
dem e lalherim branco a 32o rs. a libra,
estas massas tornam-se recoraendaveis as
pessoas doentes por serem propriamente
feitas para esse im.
Estearinas a 56o rs. a libra, e em caixa com
25 libras a 52o rs.
Vinho do Porto muito fino excellente qua-
lidade proprio para engarrafar em ancore-
tas com 9 caadas por 45,ooo rs.
Vinho do pipa Porto, Figueira, e Lisboa a32o,
ioo e5eo rs. a garrafa, emeanada a 2,5oo, /
3,000 e 3,8oo rs.
Vinho branco de Lisboa de excellente quali-
dade a 4oo e 000 rs. a garrafa, em caada
a 3,ooo e 3,5oo rs.
Vinho branco para missa em caixa de 1 dnzia
a 8.000 e a 680 rs. a garrafa.
Vinho Jo Porlodas melhores marcas, que
vem ao mercado como sejam Lagrimas do
Douro, Duque do Porto, DuqueGcnuino,
. Luiz I., Madeira secca, Malvazio fino,
Fetoria em caixa de I duzia de 9,ooo a
lo.ooo rs. eaOoo e l.ooo a garrafa.
Vinho Colares o mais superior que tem
vindo ao mercado a 64o rs. a garrafa.
Sardinhas de Nantesem quartos e meias latas
a 36o e 060 rs. cada urna.
Sardinhas portuguezas em latas grandes
preparadaspelo melhorconserveiro de Lis-
boa a 64o rs.
Bolachinhas inglezas as mais novas do mer-
cado a 2,8oo rs. a barrica, e 24o rs. a
libra.
Bolachinha de soda em latas com diversas
qualidades a l,3oo rs.
Antonio de Lisboa em latas com 6 libras
por 2,5oo; ditas doce em latas com o mes-
mo peso a 2,5oo; ditas imperiaes em latas
de 3 libras por l,5oo rs.
Ameixas francezas em latas de 1 e meia libra
por 1,2oor ditas em caixinhas de deverses
tamanhos com bonitas estampas na caixa
exteriora l,2oo, l,5oo, e l,8oors.
Azeite doce. reBnad Penanol ou do Kempes
de Lisboa a 85o rs. a garrafa e 9,5oo a
caixa com urna duzia.
Batatas muito novas a 5o rs. a.libra e 2,ooo a
caixa com 2 arrobas.
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e
8,5oo a duzia.
Vassouras de escova para esfregar casa a 32o
Nozes muito novas a 16o rs. a libra.
Molho inglez em garrafa de vidro com
rol ha do mosmo a 5oo rs.
Mostarda inglesa dos melhores fabricantes a
800 rs. o frasco.
Mostarda franceza em potes j preparada
a loo rs.
LentHhas excellente legume para sopa a 2oo
rs. a libra.
Marrasquino o verdadeiro de Zara em garrafas
grandes a I,ooors. e 11,000 a duzia-
Palitos para denles a !4oe 16o rs. o mago.
Sal refinado em frasco de vidro com rolha do
mesmo a 5oo rs.
Cerveja branca e preta das marcas mais a-
creditadas que vem ao mercado a 0,000 e
5,5oo a duzia e 18o rs. a garrafa.
Sag muito novo e alvo a 21o rs. a libra.
Acaba de recebw de sua prupna uacumineiua um granue e variado sortamento
de molhados todos primorosamente escomidos, por isso apressa-se o proprietario em ^T7T!UKSSff}SffSS
offerecer aos seas freguezes e ao publico em geral a seguinte tabella dos seus gneros e \ 63 e 69.
L0J41I0BEUAFL0B.
Kua do Queimado ns, 63 e 69.
Bonecis de choro.
mamai, de diversos tamanhos: s as toUs Z btZ
ja-Or, ra do Queimado ns. 68 e 69.
lavas de pellica.
Luvas de pellica branca e de cores para horneas
e seuhoras : as tojas do beija-Oor, ra do fam-
mado ns. 63 e 69.
Fivellas para ciatos.
Lindas fivellas douradas com lindas p dras para
cintos : as lojas do beija-flor, ra do Queimado
ns. 63 e 69.
Cabellas para noivas.
Lindas capelias para nivas 2SoM> a da urna
! as lojas do beija-flor, ra do Queimado ns. '.
' e6>.
Estojos para barba.
Vende-so estofos com espelho para barba IJ500
e -000 cada um : as lojas do beija-flor, ra >
Queimado ns. G3 e 69.
Balaios para mfliinas.
Recebeu-se novo sortimento de balaios, com
de varios passaros, pelo baralo pr-co de -.
(<5000 at 15 cada um : as lojas do beija-flor na
do Queimado ns. 63 e 69.
Fitas liuas para ciulos.
Ricas fitas finas lateadas de bonitas rfires ira
cintos: as lojas do beija-flor, ra do Oe..adu
n. 63 c 69.
turados em caiiinb?*.
Finos extractos em caixinhas com o retrato ib
familia imperial: as lojas do beija-flor, ra do
Queimado ns. 63 e 69.
Sabao em caiunhas.
Finos saboes em caixinhas com varios u tratos
as lojas do beija-flor,roa do Queimado h. 63 e 69.
Tiras bordadas.
Vendem-se tiras bordadas iranspamiips e lapi-
do ns.
resumidos preeos, afiancando todo e qualquer genero vendido neste bem conbecido ar-
mazem.
Amendoas confeitadas de 8oo rs. a Hbra.
Manteiga inglezaperfeitamente flor, a 8oo rs,
libra,
dem franceza.a 56ors. a libra, e 52o rs.
sendo em barril.
Cha uxhn a 2,7oo rs. a libra, e de 8 libras
para cima a 2,6oo.
dem pecla a 2,8oo rs. e de 8 libras para
emia Licores francezes e portuguezes das seguin-
tes marcas creme de violetas, gerofles, ro-
sa, absinto vespeiro, amor pereito, amen-
dua amarga, percicot. de Turin, Botefim,
morangos, limio, caf, laranja, cidra, gin-
ja, caneUa, cravo, rlela pimenta a 1 ,ooo
rs. a duzia l,ooo rs. a garrafa, garante-se
que os melhores que temos tido no mer-
cado.
dem hysson o mais superior que se pode Passas muito novas em quartos e nteiros a
desejar a 2,6oo e de 8 libras para cima
a 2,5oo rs.
dem menos superior a 2,4oo ede 8 Hbrss
para cima a 2,8oors.
dem proprio para negocio a 2,3oo, de 8 li-
bras para cima a 2,2oo.
dem doRio emlatas de:2,-4,6 elibras
cada urna a 2, 3, 3,5oo e 4,8oo rs.a lata,
dem preto o melhor que e pode desejar
neste genero a 2,8fm rs.
dem menos superior a esse que se vende
por, 2 e 2,400, a -i.'Soo rs. a libra,
dem mais baixobom para negocio* ly5oe
r.s. a libra.
2,000 rs. o quarto, a 6,5oo a caixa e 4oo
rs. a libra,
dem, corinthias proprias para podim a^oo
rs.a libra.
Manneladas dos maisafamadosfabricantes de I
Lisboa a 64o rs. a libra.
Ervilhas secas muito novas a 16o rs. a libra. |
Grao de Wco muito novo a 16ots. a -fibra.
"Ervilhas francezas em latas a 64o rs.
Potes com .sal retinado a 48o rs.
PMnxto cbapa americano a loo rs, a libra
fazerrda especial.
Presunto para fiambre nglezes a 7oo e 8oo
rs.a libra.
Bolo francez em caixinhas muito proprias
para mima a 64o rs.
Passas muito novas de carnada a 4oo rs. a
' libra e 6,ooo rs. a caixa com 28 libras.
Figos de comadre a 24o rs. a libra c
l,8oo rs.a caixa com S libras.
Amendoas de casca mole a '.\o rs. a libra.
Bolachinhas d'agua em sal da fabrica do Beato
Sevadinha de Franca multo nova a2oors. )
Charutosde todos os fabricantes da Bahiaedaft
mais arrediladas marcas conhecidas no
nosso mercado a 2,ooo, 2,5oo, 3,00o1,
3,5oo e 3,8oo a caixa de loo charutos.
Cognac ingle/, das melhores marcas a
1,090 rs. a garrafa.
Doce da casca da goiaba em latas de 4 li-j
dem miudinbo proprio para negocio a 1,5o
rs. a libra.
Queijos do reino chegados neste ultimo va-
por a 2,2oo.
Queijos chegados no ultimo vapor a 2,6oo rs
dem prato ns melhores e mais frescos do
mercado a 8oo rs. a libra sendo intoiro;
Genebra marca galo a 1.7oo rs. a garrafa.
Biscoitos em latas de 2 libras das seguintes
marcas : Osborne, Craknel, Mixed, Victo-
ria, Pec-nic, Fance, Machine eoutras umi-
tas a l,3ooe l,4oo rs.
Fumo americano em chapa a'l,6oors, a
libra.
Araruta de todas as qualidades.
Batatas novas em cairas'de 2 arrobas a 3$ a
caixa e 6o rs. a libra*
Balachinha de Craknel em latas de o libras
bruto a 4,ooo rs.
lugos de domin.
Vendem-se jogos de domin 132(10 e> 1A3P0
as lojas do beija-flor, ra do Queimado ns. 63
e 69.
llabados bordados
Vendem-se babados bordados de varias larghras
e varios pregos : as lujas do beija-flor, ni';>, do
Queimado ns. 63 e 69.
Abafadores de rede.
Vendem-se abafadores de rede varias nin-s a
800 rs. cada um : as lojas do beija flor, ra to
Queimado ns. 63 e 69.
Adcreeos pretos.
Tendo-se recebido aderemos preto? de novo (tr*-
to sao expostos venda : as lojas do beja-fler
ra do Queimado ns. 63 e 69.
Graratas para senhoras.
Lindas grvalas para senhora 8U rs. e i>000
3200 : as lojas do beija-flor, ra do Queimado
ns. 63 e 69.
EspeIbos de moldara.
Vendem-se espeibos de moldura preto para s--
las : as lojas do beija-flor, ra do Quuimado w
163 e 69.
Voltas de aljofares.
Lindas voltinhas de aljofares com rru< do pedfi-
| nhas imitando hriHiarrtes fffOOO cada nma : Ms
las do beija-flor, ra do Queimado ns. 63 e 6t.
Golheres para^pa
Vendem-se colheres de melal-prinripe para pa
a 25000 cada urna : as lojas do beija-flor, ra do
Chouricas e paios mnito novos a 64o a libra. Qoemado'ns. 63 e 68.
Caas de traque n. 1 a"8#500 cada urna. I Lia para bordar.
Massas para sopa macarrSo, talharim aletria ; Vende se la para bordar, a melhor qno se (.wir
a 400 rs a libra encon"'ar> tanto na Cognac verdadeiro inglez a 8,5oo rs. a caixa | W* "6b3rae :G9nas l0Jas ^ be.ja-flor, roa do^iN-
e8oors. a garrafa.
as mesmas lojas se enconlrar sempre grande
soriimento de miudezas boas, e mais baratas do
que em outra qualquer parte.
PHT
bras por 2,ooo; dito em cafetos a oo rs. dem inglezas em barricas amis novado
mercado a 3,.'ioo rs, a barrica e 24o rs. a
libra.
cada um.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs.
libra.
Velas de carnauba de 6 e 12 por libra a I Chocolate portuguoz o mais especial que se
32o rs. a libra e lo,ooo rs. a arroba. pode desejar a 8oo rs. a libra e 14o rs. o
64o rs. a garrafa
a 4oo rs. a libra;
Azeite doce de Lisboa a
e 4,8oo a caada.
Banlia de porco refinada
e 36o rs. em barril.
Capil de diversas frutas muito
6io rs. a garrafa.
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a graza.
Tolicinho de Lisboa muito alto e
32o rs. a libra c 8,5oo a arroba.
Ameixas francezas em latas de 3 libras
2,ooo. rs.
Cebollas solas a l.ioo o cento ; ditas em
molhos com cento etantas por l,2oo rs.
Matie excellente cha para os navegantes a
a 2oo re. libras.
pao.
Papel de botica de excellente qualidade a
21oors. a resma.
Potes com sal refinado a 48o rs. cada um.
frescas ajBicos frascos com frutas francezas em calda
a melhor que se pode desrjar de l,4oo a
3,ooo o frasco.
alvo a 11,-
por
A.G ENCA
DA
FUNGI LOW-AOMOQU
Ra da Senzaa nova n. 42.
Neste estabelecimento contina a baver
um completo sortimento de moendas e meia
moendas para engenho, machinas de vapor
e 'achas de ferro batido e coado, de todos o
tamanhos para ditos.
Arados americano* e machinas para
lavar roapa: em casa de S. P. Johnston & C,
roa da Senzalla Nova n. 42.
Vinho do Porto upehor
dm caixas de urna e duas dazias : tem para ven-
cer Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C, no seo
rsriptorio ra da Crnz n. 1.
m&mmm mmm.mmmmm
Fabrica Concei$o da m
Bahia.
Andrade A Reg, recebera constante-
mente e tem venda no seu armazem n.
34 da ra do Imperador, algodio d'aquel-
la fabrica, proprio para saceos de assn-
car, embalar aieodao empluma etc., etc.,
pelo preco mais razoavel.
ARMAZEJfl
DE
ALVKS COUTIIVHO <& BRAjVDO
21Largo do Terca21
lo ,-siblleo.
Chouricas muito novas a 64o rs. a
i:
a
chocolate francez a 1,000 rs. a libra;
ameixas idem ; alpista a 16o rs. a libra, e 4,6oo is. a arroba ; arroz do Maranhao e da
India de 8o a loo rs. a libra, e em a arroba de 2,6oo e 3,ooo rs. ; azeite doce refinado
a l.ooo rs. a garrafa e em porco, menos; idem de barris a 64o rs. a garrafa, e em cana-
da a 4,8oo rs. ; banha de porco a 4oo rs. a libra, e em barril a 36o rs.; batatas muito
novas a 4o rs. a libra, e l,2oors. a arroba ; cha perola, hysson, miudinbo a l,8oo, 2,4oo
! e 2,5oo rs. a libra ; charutos des melhores fabricantes da Bahia de 2,ooo e 4,ooo rs. ;
cerveja branca e preta a 5oo rs. a garrafa ; cravo, canella, cominho e erva-doce, conser-
vas inglezas em frascos e meios de 5oo a 9oo rs.; cognac inglez superior a l.ooo rs. a
garrafa ; caf de 1.a, 2.a e 3.a qualidade de 8,5oo, 9,oooe 9,5oo rs. a arroba ; covadi-
nha a -loo rs. a libra ; ervilhas portuguezas em latas de 1 '/ libra a 7oo rs. ; spermacete
a 56o rs. a libra, e em caixas a 52o rs.; farinha de araruta verdadeira a 2oo rs. a libra,
e em a arroba a 6,ooors ; genebra de laranja a l,ooo rs. o frasco ; idem de Hollanda
a 64o rs., e 4oo rs. a botija ; graixa em latas a l,2oo rs. a duzia ; manteiga ingleza per-
feita flor a $00 rs. a libra; idem franceza a 56o rs. a libra, e em barris a 52o rs.; maga
de tomate a fioo rs. a libra; marmerada dos melhores fabricantes a 64o rs. a libra; ale-
11 tria, talharim e macarrao a 4oo rs.; marrasquino de Zara verdadeiro a l,ooo rs; cada fras-
co ; nozes muito novas a 2oo rs. a libra ; passas a 4oo rs. a libra ; painco a 16o rs. ; po-
Rua 8 BMttfHl B. 43. jmada a 24o rs. a duzia; pimenta dreme a 36o rs. ; papel almaco e de peso de diver-
Vende-se, em casa de S. P. Johnston ti C, sas marcas; palitos do gaz a 2,2oo rs. a -prosa e 2o rs. a caixinha ; ditos de seguranca
tellins e silhoes inglezes, candieiros casti- individual a 2o rs. a cimnha e 36o rs. o maco; queijos flamengos do vapor a 2,ooo rs.
aes bronzeaos, lonas inglezas, fio de vela, cada om; cevadinha a 2oo rs. a fibra; ardinhas de Nantes de 4oo a 64o rs. a lata ; sa-
hicoies para carros e montara, arreios para bao massa muito supeii r a 2oo rs. a-fibra; toucinho de Lisboa muito alvo a 3oo rs. a li-
carros de um e dous cavallos, e relgos de bra; vinho de Porto vefho engarrafado a l,5oo rs ; idem em barril a 800 rs. a garrafa,
ouro patente inglez. ______1 sendo porcao faz-se differenca e em caada a 5,000 rs.; i>rem -de Lisboa muito soperior a
4*o rs. a carrafa e 2.8oo rs. a caada ; idem da Figueira J. A. A. a 5oo rs. a garrafa e
3.600 rs. a caada; idem do E4reito a 36o e 320 rs. a garrafa e em caada a'2,flflo;
den Bnr.leaux a 56o rs. a garrafa; idem branco de Lisboa, proprio para missa a 5oo rs.
a garrafa; vinagre de Lisboa mnito superior a ^00rs. a garrafa, e l,ioo rs. a caada
mmmmmm mwm mmwwm
Charutos de Havana
de superior qualidade vendem-se em casa
de Schafleitlin C, ra da Cruz n. 42.
VINHO PURO
u anal o afamado vinho do Cartachc
^un'Si^C?^^^-^ eva' e a 560 a garrafa. \M.lfi a.ir rb outros muitos gneros quedesnecessario meociona-los.
Frutas em calda chegadas ltimamente, pera,
pecego, ginja e outros muitos a 12o rs. a
latade 2 1|2 libras.
Foijao verde em bages em latas a 64o rs. a
lata.
Nozes mnito novas a 120 rs. a libra, e 4,ooo
rs. a arroba.
Amendoas confeitadas a 600 rs. a libra.
dem de casca mole a 32o rs.
Vinhos engarrafados no Porto e Lisboa das
seguintes marcas: duque, genuino, velho
secco especial, lagrimas doces, vinho es-
pecial D. Pedro V, nctar superior de
1833, duque do Porto de 1834, vinho do
Porto, velho superior, madeira secca, Por-
to superior D. Luiz I, e outras murtas
marcas, em caixa de urna duzia a 10,000 e
l.ooo rs. agarrafa.
dem branco de uva pura a 64o rs. a garra-
fa e 4,000 a caada.
dem superior a 5oo rs, a garrafa o 3,2oo rs.
a caada.
dem em pipa Porto, Lisboa e Figueira das
marcas mais acreditadas a 3,8oo a caada
e 5oo rs, a garrafa.
dem de marcas pouco conhecidas a 4oo rs.
a garrafa e 3,000 rs. a caada.
Especial vinho Lavradio sem a mais pequea
composic5o a 560 agarrafa e 4,eoo tt. a
(amada.
Farinha de matarana a 240 rs. a libra.
Bicas caixas com figos a l.ooo rs. cada urna.
Ricos livros com figos l.ooo rs.
Pomada a 200 rs. a duzia, sevada muito no-
va a'80 rs. a libra, e 2,5eo a arroba.
Garrafoes com 4 '/ garrafas de vinho supe-
rior a 2,5oo rs. com o garrafo. .
dem com 4 */% ditas de venagre al,000rs.o
garrafan.
Vinagre PRR em ancoretas de 9 caadas a
15,ooo rs. com aancoreta
dem em pipa puro sem o batisme a 2oo rs.
a garrafa e ,4oors. a caada.
Caixas xom i duziada garrafas de vinho Bor-'
deaux fazenda muito especial a 6,800 rs.
a caixa e 7oo rs. a garrafa.
dem francez a 7,ooo rs. a duzia e 7oo rs. a
garrafa.
Charutos em grande quantidade e de todos os
fabricantes mais a creditados a l,5oo,
2,000, 2.000, 3,ooo e 4,000 rs. a caixa,
os mais baixos sao dos que por ahi se ven
dema 2,ooo e2,5oo rs.
Caf de premeira qualidade a 8.3oo e 9,ooo
rs. a arroba e 28o a 22o rs. a libra.
dem de segunda qualidade a 8,2oo rs. a ar-
roba e 26o rs. a iibra.
Arroz do Maranhao a -12ors. a libra, 3,ooo rs.
a arroba.
dem da India muito superior a 2,9oo rs. a
arroba, e loo rs. a libra.
dem mais baixo redondo a 2,6oo rs. a libra.
dem da India comprido a 2,4oo rs. a arro-
ba, e 80 rs. a libra.
Vellas de carnauba do Aracaty a 9,5oo rs. ar-
roba, e 36o rs. a libra.
Idemdesebo muito dura fingindo esparmace-'. 2? iefr"n,e do l,a|"f('he 5**> d, Livr:i(""'n|l- f
. K ,.. o f 1 de-seesta supenur farinha lavada anula ihj vhUa
le 000 rs. a una. ntslP nien-ado pelo barau proco de 33 o al |U$r<
dem de esparmacete a 060 rs. a libra, c em ou 65 o .-arco sendo este preco grauel, e lamWm
caixa a 5o rs. com 25 libras. ua rua &* Madre de ueos ns. 3 e '9.
Papel o melhor que se pode desejar para os |'*aB
Srs. empregados pblicos a 8,000 rs. a res-
ma, j se vendeu por 7.ooo rs.
dem almaco pauladoe lisoa 3,ooors. a resma.
dem de peso paulada e liso a 2,5oo rs. a
resma.
dem a zul de botica o'u fugueteiro a 2,oo rs.
a resma.
Vende-se potassa em barris a commodo prec/i o
na roa da Cruz n. 23, primeiro andar, tst-riptori
de Amonio de Almeida Gomes.
Ol de Lisboa.
No fim da rua estreita do Rosario, ao voltar para
o paleo do Carrito n. 17, vende-se por prefo tiHA-
modo cal nova.
Vende-se urna importante mulata de20 an-
nos, propria para urna mucamba, rom (rramlcs l-a-
bilitavoes, cose e engumma com moita per/eiiSp,
assim cemo tima nperinhade 7 annos, Imnila figu-
ra, o um mulatinho de annos : na na das I -
rangeiras n. 18, speundo andar.
rhcgaem a farinha lavada.
A bordo Uo hiato nacional Dous maos ancora
ESCRAYOS FGIDOS.
Fugiona tarde do dia 16 do corrente u&
escravo |>ardo, de nomo Marcos, de>i'nibariadc
do hiale Santa Auna, vindo do Aracaty, tendb
de idade 28 annos pouco mais ou menos, eos Ma-
naes seguintes : altura regular, serr do rorjc
punca barba, cabello crespo, levoa camisa _t
caiga de algodaosinho de risrado azul eria-
dem embrulho de 1,2oo a l,4oo rs. a resma. I peo de palha, tendo levado oomsigo un,a trouxa
Ameixas francezas em latas de 1 /a wra a i(:on' mais rouPa-e'' rendido de nma da- venillas
l 9c\n p Snn r< a lihra (lupm appreender qoeira leva-lo .1 roa da Madre
1,^00 c 000 rs. a mra. d(i tfUS 38 d 0 ^
dem em frascos de 3 libras a 2,5oo rs., so o
frasco valle l,ooo rs. tambem temos em
! de Deus n. 38, ou a rua do lrum n.
! recompensado
frascos para l,4oo rs.
Conservas inglezas a 800 rs. o frasco.
Mostarda preparada em potes muito nova a
2oo rs.
Molhos inglezes a 800 e 1*009 rs. o frasco.
Cravo a 48o rs. a libra.
Cerveja Tenente verdadeira a 7,000 rs. a
duziae 600 rs. a garrafa,
dem de outras marcas preta e branca a 5,5oo
e 6,000 rs. a duzia e 5oo rs.a garrafa.
Vassouras de piassava com 2 arcos de ferro
vindas do Porto a 32o rs.
Cebollas muito novas a l,ooo rs. o molho e
800 rs. o cento.
Genebra de Hollonda em frasqueiras a 6,000
e 56o rs. o frasco,
dem em botijas a 4oo rs.
dem em garrafoes de 14 garrafas a 5,2oo rs.
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a groza e 2o rs. a
caixa.
Fugio do engenho Guerra de Ipojuea um es-
cravo de nome So< Muniz, estatura baixa, e ;-
crionlo : quem o reprehender ou der noiicia :>
dito engenho, 011 na rua da Aurora em casa do Sr
Elias Baptista da Silva, ser generosamente re-
compensado.
ACTSIHCA
icha-se fgido desde o dia 7 de feve

Acha-se fgido desde o dia 7" de feverpiroflo
correte annoo escravo de nome Faustino, de ida-
de de 40 annos, pouco mais ou menos, cor futa
altura regular, grosso do corpo, bem epaduado,
barbado e j com alpnns cabellos brancos na bar-
ba, bracos e pernas grossas e bastante mbrlInAn,
tem as pernas arqueadas, porm nao muito, bas
tante cabellos nos peitos, e costuma quando qner
fallar mais apressado como que gagnejar, porCm
muito ponco, que mal se percebe ; costuma andar
em sambas, e as vezes embriagase por gostar $
bebidas espirituosas; supp6>-se que elle spgl.
para o centro, e consta que elle est em Grvala-:
portanto rogases autoridades policiaes que o fo-
;am apprehender e conduri-lo casa de sen s-
nhor major Antonio da Silva Gnmao. na irtM Ira
perial, em Pernamburo, que satisfar toda e qoal-
qmr despeza que por ventura facam, p aos
dem de oentes iixados em macos grandes; tes de campo offerece uma boa (rratlftcacio.
com 2o rs o macinhos a 12o rs. O masso. Contina fgido e consta estar acouladn vm
Comtnhos multo novos a32ors. a libra e Goianna o escravo Jos, pTeto, crinlo, de 26 an-
10,000 a arroba, *, ha'xo, corpo regular, beicos grossos e eslufa-
Sagu mtto novo a 24o rs. a libra. J*08- ore,hf peques, cachabo gn.sso, paoea bac-
r.;.k.jij..,.*i(i,. ..riiin ba ponme tem apenas na ponta do quera ev>
Cevadmha de Franca 18o rs. a libra. duas ,^ umat' hranra 0^UIra de ifastor> we
Mtlho alpista a 14o rs. a libra e 4,5oo rs. a
arreba.
Gomma a 28o rs. a libra e 5,4oo a arroba.
Penes em latas a l,ooo rs. a lata j prompto
a oomer-se.
farelio de Lisboa marca N. e Biato saocos
frandes a 4,ooo rs.
Doce da casca da goiaba a 6oo e IjWwrs. o
cafeto.
que parece preto, de lastras, paletot preto, sem
misa e com uma carapo^a encaraaria na rab'oa :
roga-se s antoridades policiaes p capites de cana-
p que o apprehendam e facam conduzir presen,
ca de seu senhor na rua Direita desta cidade n
54, que serSo generosamente recompensados. '
Fugio urna escrava por nome Joaquina,%>
idade de 30 annns ponco tnais on menos, cftr pi%
la, levon sata de nzofao, camisa de algndaozir
tem o nariz chulo, estatura regular, quando anffi
. curva-se um pouco, tem uma nodoa preta ao^
O proprietario do grande armazem Uno e Comraerck) declara aos seus fregu %*}*. ^1." roni 1imll'frm> J" Pe,rc- r"'*
** amigos eV> publicoom geral, que para facilar a commodidade de todos estipulen .&^Z^Z^o%?*'%&
os mesaos preces nos seguintes lugares:
Uniao e Oommercio rua do Queimado n. 7.
O Verdadeiro Principal rua do Imperador n. 40.
qnpm a tiver acitada e ler tirado o ferro, recqnv
mpnda-sp a todos os caidiSes dP campo e aOVtrt-
3e policiaes que a ppgiiem e 1ev-a rua-lm-
perwla. 8, qne wr* genrosaawolf recompeo-
*SAdO.


,
3L


r
niarU 4e Perftasfcn Qulna lelra 99 4c flrnihi-fl ie !
LiTTERATOM.
TIIAFALCAK.
AO MEU AMIGO D0XNAD1EI',
G1.'--.7"fa-6unrffirn da nu Bucenl.mro.
II
as margeos do Mcrsej.
(Coutinuaco.)
Contine, capitao, disse sir Mauricio, corten-
e preguicoso, porm zeloso da honra de sua fami-
lia, e que laara ao Mersey urna bolsa com 100 gui-
neos I a fortuna de uin pescador honorario Hy-
pocrates era millonario quando regeitou a baixella
depralado re Artaxarxes,efizeram-se 50 quadros
para immorialisar esta bella acco : o nosso po-
bre pescador ser levado em triuuipho por todo o
doaemocao, que nao escapan ao otOcial de ma- Lancastre ao sah.r do tr.bnnal, e o seu nome, sir
rjnha F Mauricio, nao sera abencoado.
Urna rapariga veiu collocai-se sob a miaba Tudo is?o nao tao claro como o senbor diz,
proUcein, disse ocapto.. Posso continuar ? retorquio sir Mauricio com ar audacioso e como
Figure, replicou o capitao cora arde .familia-iroeiros do Norte, e levam un povo de colonos E' na verdade ridiculo ver-se bispos tornarem- jn pela Franca, Hespaoha, e Italia parecem san
ridade, figure o eftoito que arla o moa dopoimen- oul extremidade do mundo, trras desertas' se aduladores d"
looesseprocesso!.... Um rapaz pobre, indo.enle StM?r^^Sa2!^.&^^rSJK> dum *
Semduvida.
Essa rapariga sna vizinlia, e contou-me
colisas incriveis...
- L fue o senhor acreditou ?... pergunlou sir
Mauricio sorriicdo.
Anles de ter provas, nao...
quem quer fazer suppor que oceulta alguma cou-
sa, mas que contra a voutade presta-se a urna ac-
commodaco : tudo isso poderia discutir-se muito
a meu favor Mas vamos adiante... acabemos
com isto Ha perigo de escndalo...... evi-
dente.....O Ivrysmodomina em Liverpool... eu
- Capitao, disse^sir Mauricio, conheco essa lus- i pertenco ao partido contrario... Chester detesta-
loria,oa antes essa fbula, mclhor do queose-'mo fanarn disto uma ,aesti0 p0|,ca... di-
nlior... Essa rapariga tem umirmao.. appelli-; riam que fui etl quem quiz atsassinaro assassiDO..
dado o lazy, um tratante que esta noute quiz tor-1 Terminemos este negocio, capitao ; o senhor c
sino c ladrao. Se nao fosgeno os meus j nm hntT>om mn,, 5en;a|0i SQbmelto-me
criados que me sao dedicados, eu teria sido morto
fl roubado por esse miscravel ; vou entrega-lo
juslica, em primeiro lugar, e depois forca. Air-
ii. ia veiu contar-lhe mentiras e calumnias, para
tancar sobre mim todo o odioso dessa historia. Ha
um homem muito sensato, submelto-me ao seu
arbitramento. Sim, sir Mauricio, o melhor....
Uuca o que tenho a honra de prapor a S. S.
Falle capitao.
La vae: o pobre pescador nao pode mais fi-
um inlmlgo jurado do chnstiaois-
amlgo de Maizini f
selvagem em novo foco de civilisaco i m es-1 Os homens sensatos reconhecem o erro nestas
pectaculo sublime, e que faz honra ;io homem.' trnicoes, e nao admira quando se v a egreja ca-
Aquelle que da tranquilla praia vm passar essa lhoIlca sempre digna, serapre grande, sempre santa
Uuctuanto emiaracaq, enternecem-se ao ponto de', An '
derramaren! lagrimas, e pedem Deas que prole- hMr no se10 dJ[0S pa,res Protestantes conquistas tao
ja as mulheres e as rriaogas que se amontoam so- numerosas e tao rpidas
bre tima taboa para Iraiwporem dous ocanos e A proposito de protestantismo, permitti que vos
ampliarem o mundo. Foi isso que presencearam re]ra um facto recente
ss :;!;swskrsss tz- ^rdo corco de upDei'os cxercitos
' tida dos ,11 navios do commodore Artnur Phipps, da i'russia e Austria perdiam muilos homens pelo
nunca mais se tinjia visto uma. lotilha mercante fogo dos Dinamarquezes. Como naquclles exerci-
lo numerosa e o earregada de colonos, de ope- los liaViam amitos catholicos, os capelles arrisca-
ranos e do agricultores. O hymno da cu-reja ir- an .., ,K.
landoza confundia-sc com o coro dos marinheiros vam-se por toda aparte, onde chuviam bailase
nesses navios, e cnchiam o ar de sons religiosos, metralhas, aprestar aos feridos os soccorros da
Era a prece do* infeliz** implorando a proteceo religio. Todos, offlciaes e soldados, catholicos e
d aquelle que d a seguranca no caminho doabys- protestantes admiravam esta bella conducta desses
mo, e o vento propicio que conduz ao porto.
Na popa do navio Jonia, via-sn uma rapariga e
nm ra;-az que tinham na pbysionomia traaos de
semelhanca fraternal, e que se conservavam es-
treitamente abracados. Os olhos de ambos, attra-
hidos pelo mesmo pensamento, volviain-so para a
margem esquerda do grande rio, e pareciam en-
viar nm mudo adeus a uma choupana que nunca conselho Ihes persuade que nao cedam em cora-
mals se deverla abrir para elle?; e que ainda Ihes gem aos padres catholicos, e que mesmo se arris-
nuem a ir aos postos avancados para socrorrer os
feridos.
.n utas mulheres na Inglaterra que teem feito for- car ne;ilas ParaKens.....Miss Liza deu-rae a co-
,_ nliecer o natural de seu irrao; um desses ho-
mens enrgicos que se entorpecem nestes climas e
que precisara ser trausplanlados para outras Ier-
ras Nos o deportamos. Alm de lude, elle
culpado...
Oh muito culpado I disse sir Mauricio.
tuna por esse tneio vil, e as nossas leis sao absur
uhecido como homem honrado, e a mtilher que me
denunciar como sobornador, nao encontrar um
juiz quo (he de ouvidos
Sir Mauricio levanlou-se como quem eslava con-
vencido do que nada mais tinha a dizer, e que an-
niljiiillaia qualquer calumnia ouaecusaco.
- Sir Mauricio, v era mim um homem em cri-
tica posicao...
- Porque ? disse sir Mauricio interrornpen-
JO-9.
Por isto.... O senhor vae entregar Henrique
i juslica ?
- esta raanhiia mesmo.
- Pois, mea caro, bem meu pozar, vejme
ftrigado a intei vir como tcslcmunlia.
- Como testemunhal disse sir Mauricio re-
aiauJo um passo.
- Sim, respondeu o capitao com voz firme. Te-
nho motivos para crer que com o testemunho de
um olikial superior da mariuha de sua magostado,
todo o odioso, todo o escndalo deste negocio reca-
liiro sobre o senhor.
- Capitao, disse sir Mauricio com ar altivo,
ni) Uie parece que abusaneste momento da po-
4cao inviolavel que tom bordo do seu navio 1
Q capitao levanlou-se, tirou as divisas e a far-
da, embrulhou-se em um carrik de o cabecoes e
disse :
- Tornemos egiiaes as nossas posicoes, sir Mau-
ricio, vamos para ierra.
- Nao, respondeu sir Mauricio, se eu me con-
.idcrar offendido, iwdemosencontrar-nos esta noute
ao Iloyat Theatr'o ; a nossa sahida agora e a mu-
flanea de trajo eausariam reparo gente de bor-
do. .. Mas, teoha a bondade de dizer-me, em
}U! que se funda para ir depor contra mim ?
- Vou explicar-lhe, disse o capitao---- Hen-
rique, o irmo de miss Liza, commetteu sem con-
testacio uma grande falta, introduzindo-se em sua
casa a horas moras da noute mas o roubo nao
ora o movel do sentimento queahi o levava...
- Ah I interrompeu sir Mauricio com uma gar-
gathada fingida, uma creatura vil, um tratante n-
troduz-se de noute em uma casa rica s para pas-
selar i
- Para vingar-se dos insultos feitos a sua ir-
maa, respondeu o capitao. Ooca I atienda Sabe o
(juc fez osse ladrao ? Langou ao rio a bolsa que o
wnlior deixou irmaa.
- Mas, capitao, disse sir Mauricio, isso uma
estpida fbula
- Nao, uma verdade, sir Mauricio, miss Liza
contou-me ludo eom um acento de verdade impos-
uvel de liagir-se, e, apezar disso, eu duvidei. Ao
romper do dia os meus 4 mergulhador Iiraram
do fundo d'aguaa sua bolsa---- Ei-la aqui I
Lso produzio o effeito de um raio. Sir Mauricio
t>riu a bocea, mas expirou-lhe a palavra nos la-
fjios.
C capitao tomou o seu ar de bonhomia, e disse
rindo :
- Ora, entre nos homens, podemos confessar e
lesculpar mutuamente estas loucuras de rapazes.
\ nos l. ir Mauricio, arranjemos este negocio
amigavelmente. AmanhSa fago-me de vela, c nao
quena perder todo o dia em casa d' um magistra-
do instructor, ou ter de transferir a minha via-
gem.
- Mas, balbuciou sir Mauricio, preciso... re-
Dcctir... antes de. .
homens desinteressados.
Os capelles protestantes que acompanhavam
tambem os movimentos da guerra, receavam que
a romparacao com os catholicos Ihes fosse desfa-
voravel. Reunem-se pois, e o presidente de seu
tinhos : as pessoas simplorias os tomariam fcil-
mente por homens de Deus ; entre elles, pelo con-
trario v-se-os de perto, julga-se-os, condemna-se,
abandona-se-os.
Se o ouro nao acompanhasse a Biblia, as con-
versos ao protestantismo em todos os lempos, se-
riara bem raras.
O que fazer-se ? Se elles nada tem a dar aos
moribundos, tem ao menos alguma cousa para dar
aos vivos: infelizmente nao isso o que salva as
almas I

INCONSTANCIA DAS COUSAS DO Ml.NDO.
(Trad. do latim, de Boecio.)
Quando Phebo nocucom roseo carro
Cometa a fulgurar,
As estrellas o rosto empallidecem.
Sentindo-se offuscar !
Quando, ao sopro do tepido favonio,
Esmalta-se da cor
Das vernal rosas, que fragancia exhalara,
Dos prados o verdor ;
Cora furia sopra o nebuloso austro
No florido ro?al,
E despindo das gallas o transforma
Em ando espinhal I
Muitas vezes o mar mui booancoso
Sim, proseguiu o capitao, e qualquer que
fosse o motivo, a acfao m... Nos o deporta-
mos----Quanlas naturezas indolentes, e mesmo
propensas ao crime pelo horror ao trabalho, tenho
eu visto mudarea completamente e tornarem-se
homeHS honrados as nossas colonias ao calor do
sol! PJantem no Mersey um aloes, o mais vigoroso
de todos os arbustos, e vero se elle d flor.
E' bem pensado, observou sir Mauricio.
Escute, sir Mauricio, quando a Inglaterra
perdeu as suas colonias americanas, em 1775, tra-
tou de colonisar outros lugares. Eu navego desde
a edade de i annos e tenho assislide nossa re-
volucao colonial. Acompanhei o commodore Ar-
thur Phihpps quando partiu com onze navios em
1788, para ir fundar na Australia as colonias de
liolany-Bay. de Baramatta e de Sydney. Levamos
bordo familias de ses aloes vivos que nos trans-
ponamos desde o 30 grao de latitude at o estrei-
to de Hass, e hoje essa sement j d os fructos
que se esperavam, e a Inglaterra indemnisou-se da
perda da America, creando a quinta parte do
mundo.
E' verdade, disse sir Mauricio.
Estou encarregado de escoltar um comboiie
navios mercantes, continuou o capitao, e devo par-
tir amanha ; locaremos em Cap Town, e depois
seguiremos viagem para Sydney. necessaria uma
fragata muito boa veleira, nesse ocano, onde os
corsarios da Franja fazem emboscadas era toda a
parte. Incumbo-me de todas as despezas de viagem
do miss Liza e de seu irmo, e a bolsa de sir Mau-
ricio, tirada do Mersey, servir para a trao la^ao do aloes para Sydney.
Prometti sujeitar-me ao que o senhor deliberas-
s, respondeu sir Mauricio com um suspiro aba-
fado.
Acredite que descobri o unice arranjo con-
veniente para todos.. .Espero agora o seu prisio-
neiro j mandei preparar o vestuario para elle.
Minha irma enviou-me a roupa necessaria para
miss Liza, e a minha familia, que est de passa-
gera em Liverpool, hospedar ambos at ama-
nha. ..Anda est reflectindo, sir Mauricio!
Sim...descubro um obstculo que me pare-
ce bem grande, capitao.
Qual 6?...O homem do mar aplana tudo.
excepto o.mar.
Que di rao e pensaro os meus criados ? per-
guntou sir Mauricio.
Nao diro, nem pensaro cousa alguma se o
senhor Ihes der urna boa recompensa pela dedica-
cao que moslraram esta noute; depois, d-lhes li-
cenca para irem passeiar Londres, pois devem
passar aqui uma vida muito aborrecida, e lomaro
por dous policiaes, os dous marinheiros que forem
buscar o preso.
Sim, disse sir Mauricio, creio que assim ar-
ranja-se tudo.
E mudando immediatamente para o tom de ex-
trema benevolencia, accrescentou.
Agora so rne resta agradecer ao tribunal;
le
souro sua egreja, e elles leimam em Ihe virar s
era cara, pois as recordages da vida de infortunio
passada em familia, tem tambem seu attractivo.
No sulco que abra o Jonia corra com toda a
graca, a fragata Orion que protega o comboi.
A passajeira.
III
Chcgra cidade do Cabo a noticia da batalha
de Trafalgar, e a autorlrtado ingleza improvisara
uma festa fnebre nos bellos jardn do governa-
dor. Assim que anouteceu, illuminou-sc um bos-
que de arvoredo e sessenra colonos de todas as
claises, de todas as cores e de todas as edades en- ,
tregaram-se ao melanclico recreio da contradanza smJ cou ehgtononos Pemtenrm e o Extrema-
in,'leza, ao som do uma oreestra, na qual. cada Lnfo ; mas nos que iramos fazer ao pedos nos-
msico tocava o que Ihe pareca com liberdade e jo, Se nada lentos a dar-lhes '.
independencia que nessa poca caracterisava os Magnifico f
m isicos inglezes do conservatorio dos surdos. ,, ...
Trinta homens e trinta mulheres collocam-?e em Elles na ^ado nada tem a dar.; e nao e culpa
duas alas, olhando uns para os outros com roper- delles, porque nada receberam.
turbaveI seriedade. Um dos mosicos toca a aria Nosso Senhor Jess Christo s confiou o seu the-
Tne lion and Ihe unicom: outro Come all hands .
um terceiro o Rule Britanma ; um outro, o coro
Greal God whal 1 see t e os daneannos pisseiam costas.
voutade para a direita e para a esquerda, canfor- J deveis ter lido em todos os jornaes varios tre-10utras reliquias de rauitos santos um dos espinlios
me a fantazia de cada qual, com os olhos titos no cnos da allocueo do Santo Padre a favor da Polo-
chao, o corpo muito direito, e balancando os bra- na Suas QOl>res e gener03as ^^ cM9aram
a I r w^'
admiracao a toda a Europa. Os reis que tem ejr-
citos e diplmalas tmidos perguntam onde este
reibo foi buscar tanta audaeta para stigmatizar
assim o chefe de sessenla milhoes de vassallos, e
tanta autoridade para que sua palavra produzisse
to profunda impressao.
Os jornaes inimigos- do Papa e do catholicismo
modestamente vestido, com jaqueta e calQa de gan- '. a j., ^T
ga, j usadas, que tinham atravessado quatro es-I foram toreado a applaud.-la. O czar ficou per-
tacoes. ; turbado, e seu embaixador devia sofrer esta so-
Estaes louco .' disse- este ultimo; tu fazes j lemne ligao.
TrafaEr j'8 dm aqU' ""^ PanCada' ",eU Pbre | Qmnt0 nos devemos orPnlhar do nome d* ca"
Ora! elles sao apenas trinta! respondeu o | ^0"^ avis,a dessa coragem fo nosso augusto-
outro, e demais tomam-me por um Inglez. Olha
para elles, Christiano, parece que esto celebran-
Isto nao agrada a esses reterendissimos senhores.
Elles sao paes de familia, e assim se morrerem Enrola as brandas vagas
martyres de suas obrgagoes qnem havia de tratar I Muilas mt>T'do de aquilonios sopros
de suas scnboras, dos seus queridos filhos e filhas. I Revolto acoila as fragas !
Em fim o negocio continuou na mesma. Se allemacSes- tamanhas soffre o mundo,
Ira delles, porm, disse que se os sacerdotes ca- Se tao mudavel ,
thuhcos iam quelles lugares, era porque iam levar r'r,:'' bomem, na vida transitoria
Nos bens fugazes er 1..
*,' sentenga infallrvel, que fixada
Na lei eterna est,
Que tudo o que por Deus creado fri'
Ao uada volver I
*
Trecho de uma carta do estudante Plnteiro
Queiroz, escripia de Pranga :
No dia 13 do corrente tjulho) levaram-me
maior egreja de Tolos, c ahi mostraram-me entr
Um rapaz, vertido de brim branco, tendo na ca
bega um chapu de Manilha, e mostrando um pes-
clo n e musculoso por cima de uma gravata
vermelha, atada Coln, observava os que danca-
vara c acompanhava a orchestra com gargalhadas
mais harraoniosas do que os instrumentos.
Ao lado desse publico escarnecedor, coraposto
de um utiieo individuo, aehava-se um outro rapaz,
da cora de Nosso Senhor Jess Christo, e uro
fragmento da Cruz do raesrno Divino Senhor : nao
sei explicar a sensgo que experimenter ao ver
quelles restos de instrumentos, que senriram na
paixao do Redemptor do mundo : meu primeiro
movimentc foi ajoelhar ali sombra do sanctuario
o elevar humildemente urna supplica Aquelle que
quiz fazer-se homem para salvar os homens.
A egreja de S. Saturnina uma baslica do IX
seculo, onde se acham to preciosas reliquias.
Do Santist Pranscrevemos o que segu :
Abbade.Nao ha palavra mais desviada de sua
originaria significaco. Sabe-se muito bem que a
Pbntifiee f e quanto grandeza de- sua alma e in-1 palavra abbade significa pae, e nao obstante
dependencia est longe das adnlacSes dos bispos os que recebera este nome sao oondemnados ao ce1
do o enterro de seus paes. i an^canos a favor de 6arrbaldi !
Parece-rae que sena prudente voltarmos pa- f, ~" .
ra bordo, disse Christiano Tejo dous ou tres dos i Lma outra cousa 1 a<*mira e consola ao mes-
daneannos olharem do re re para nos, e prepa- mo tempo, o seguirrte :
rarem os punhos como quen quer jogar o soeco. i Ha cinco annos o Papa invadido, despojado, ar-
E pensas que en tambem nao sei jogar otaD3lio pediU Que |he prestassem auxilio : fez um
socco? replicou o outro. tu raestre disso nos i_____..__... _... I .
pontoes; deixa-os vir para t. Desembarcamos! emproslimo de 29 milhoes de franca.
lbalo.
Abdcaco.Virtude de circumslancia acto
que um soberano assigna com tanta voutade quan.
ta tem um viajante em dar a sua bolsa apresentan-
do-se-lhe uma pistola ao peito.
Airato. ( cousa feita ). Acco dictada pela
mae direita, Ihe diz este o outro assim o faz,
e afoga-se corre para elle o aldeSo desgra-
nado I Nao vos dizia tomasseis a vossa direita,
mas a minha o mundo est ebeio desias falsas
interpretares, em historia, em moral, e em juris-
prudencia, mas sobre lude em theologia tende
cautela cora equvocos.
AcasoDeus dos atheus palavra preciosa
ignorancia que d nomes vagos aos elleitos de que
as cousas Ihes sao desconhcidas principio de
muitos successos que desvanam a razio, e arredi-
tam a temeridade.
Accesso.Os mais perigosos nao sao os da fe-
bre, mas sim os do amor proprio, da colera, e_ so-
bre tudo da devora?.
Accento.Alma do discurso d-lhe sentiraeu-
to e verdade.
Accessivel.Qualidade rara eroum ministro.
Acclamago.-Signal de equivoca approvaco, e
quo demonstra a fraqueza de um partido ap-
plaudir um homem publicamente arrogar o di-
reito d'apupa-lo.
Accorde.Cousa rara em orchestas, em assera-
blas polticas, e em toda a parte onde se trate de
unir sons ou desunir ioteresses.
Actor.Homem que cstuda sempre para reves-
tirse de um carcter contrario ao seu apaixo"
nar-se a sangue fro dizer o que nao pensa com
tal natureza como se na realidad o pensasse es.
quecer em um sua sitaayo torga de tomar a
alheia nos graudes espectculos, temara se [os
grandes actores.
Adepto.Louco que segu urna chimera que lia
de conduzilo ao hospital.
Adheso.Acto de conveniencia, pelo qual se ap-
prova uma cousa que desagrada transaccocs en-
tre a eonscieoeia e o interesse.
Administradores.Homens que devem curar do
nteresse geral, mas que o mais das vezes curara s
do seu mordamos das nagoes que nao valem
mas que os dos particulares.
Admirador.Sinnimo de tolo.
Admiravel. Toda a proposico que sae da boc-
ea de um poderoso.
Adoptaco.Acto que repara os erros da natu-
r-esa, da fortuna e do amor.
Adoracao.Homonagem que se ende ao- Crea,
der e muitas vezes- creatura.
Moradores.Primeira necessidade de uma in-
Iher bonita, de um.'homem de lettra-.,.e de Erna al-
ta personagem.
Adulterio.Castiga-se o menor rsabo por que
desairada aos homens e fere seus intaresses, e ne
se catiga o adulterio jue fere a heorae probi-
dade.
Adversidade. Experiencia em que e-humen-se
perde ou se apura.
Advogado. Homem que na incerteza das lls- e
experiencia das senten?as se torna pirrnico no re-
sultado dos processos, emprehendendo todos os qua
se Ihe apresenlam.
AfTabilldadc.Appendice ao espirito a ao senti-
mento habito vicise,- arte cruel com que um
cortezo sacrifica sorrindo-se o seu semslhante.
hontem, j perd um dia.
to de Inglezes. *
(Cwtinuar-se-ha.)
DM POICO DE TUDO.
Tenho jejuado a respei-1 Os bispos em varias dioceses pediram aos fiis solera diz-se juizo ab*irlor lei ab'irto destitui-
que contiassem ao Santo Padre uraa parte de suas j ao ab"irto para significar actos suggeridoe pela
economas ; para que os amigos da egreja empres- j pa+xao e juslica.
tassem ao mais leal dos dnvedores, era preciso que; Aborto.Os poemas picos de certas pessoas
elles pozessem suas esperanzas para quando o Pa- j pecas de thealro-d-outras projectos d conquis-
pa recobrasse a posse de seus estados. i udores que sonham com a nwnarchia universal
Da correspondencia europea para a Estrella do I Era um aet0 n5o so ^ ze|0 como {aesmQ & de designios de boas almas que querem que o povo
JVorte extractamos o seguinte : ^j,,, de fundo, j g^, um rebanho de animaes escravos tudo sao
A viagem de Garibaldi termioou dura modo ri- UoeQ ^^ padre cincoen(a m.]h{jes m I abortos nesle mund0 ._ Bacon disse fallando das
diculo e vergonhoso, tanto para elle como para a j^piuiisiis. Notae que haeinco annos, os homens {deseobertas que-f.cam sem resollado por que clr-
eumstancias fees nao favorecem o seu desenvol-
Inglaterra. i din|^ros0s, os jornaes de finaocas zombavam dos
Elle encommodavae diCBcultava as especulacoes dmprestadores, gritavam escndalo r eomo I o Pa-
do governu iuglez, e entao provaram-lhe e mesmo pa pedindo dinheiro emprestado, e nada offerecen-
do para segurar sua vida Hoje os fiis s sou-
berara desse eraprestimo quando tudo eslava ter-
operagao e apenas
leve admiravel resultadp. lucos banqueiros dis-
putam entre si quem lera a vantagem de fazer esses
emprestimos ; e qual a sua hypotheca ? a firme
esperanza de que o Papa entrar na posse de seus
convenceram-no de que esta va doente, e gravemen-
te doente : que, se co'ntinuasse a ficar por mais
lempo na Inglaterra, sua ferida reabrir-se-hia in-
fallivelraenle ; que sua gloriosa perna de Aspro-
monte s era Caprera poderia conservar-se em
bora cstad.t, visto como j elle tinha duas borbic-
Ihas uo braco esquerdo I por tanto, supposlo
anda nao estar aborrecido do paiz ingle/., ondtto
sua vfta de Sydney, capitao, espero tornar a ve- euchiain de bellos jantares, de ricos presentes, on-
lo, e conta-lo n numero dos meus melhores ami- je, s pela honra de sua visita, Ihe offereceram | direitos, e o dinheiro de S. Pedro !
gApertaram ran.uaraente a raao com toda a torca, uma P^ f* n0 valor da ***"* \ preciso que a opiniao sobre o poder tmpora1
ingleza, e sir Mauricio, que o capitao acampa- te somiiia de J.J.u.O francos apezar mesmo de l ien|,a mudado tanto ha quatro annos, para que Pi
nho ate escada, dirigiu-se sua casa com os j seus pedidos, dos protestos de seus amigos, pega-';ix ache 50 milhes com estas garantas.
ram-no, embarcaram-no, levaram-no e desembar- 0 emprestimo fez-se, diz a Correspondencia de
liorna : o emprestimo romano sustenta-se mais no
Banco do que o emprestimo pemontez.
O' Santa Egreja de Jess Christo que de trium-
phos nao ganha ella sobre as paixes humanas e
sobre o inferno!
Chamo a vossa alinelo sobre as noticias da In-
elles os ocanos sao regatos que' correni alrayz:d dade lio divino catholicismo. cortamente que glalerra, relativas aos progressos do catholieismo :
das diversas zonas no universo inglez. E lempo ,,
que a Franca adopte essa moda ingleza, assim co-1 cora elles nao nos importaramos. sao admiraveis.
mo adoptou as corridas de cavallos, as apostas, o; Sua Eminencia o cardeal Wlseman referiu-nos] Na verdade, em todos os paizes protestantes nos
cha, as luvas amarellas e outras colisas to atesta | ltimamente um facto que os jornaes nao publica-! ganhamos muito. S nos paizes catholicos que
que os arcebispos e bispos angiieanos o protestantismo ainda encontra tolos. Sens Evan-
viraento : esl-se mui longe de conhecer os filhos
desta poca, e anda muito mais de conhecer os
abortos. t
Abraco.-Gru de affeeto demonstrada pubca-
mraado I Os bispos nao convidara mais a ninguem j menle ra con, pessoas ,,oe mUitas vezes se dse-
paraconfiarera suas eeonomias ao Santo Padre. A\^m ver assassnadas.
uma operario financeira, que AbsolvicacHemisso dos peccados que se com-
its do meto da, tiennquc e Liza esiavam
idos, e, pela primeira vez na sua vida, brilha- caram-no directamente em Caprera, o
es no rosto a alegra e a feheidade. A' noti-1 hoje oceupado com suas duas borbuthas '.

FOLHETIM
V1MTK HORA OBJ UTKIRA
dous marinheiros do Orion
Antes do mel dia, Henrique e Liza estavam
reuni'
va-lhe
ca da expedico Sydney, levou essa alegra ao:
seu auge, pois o go>to pelas viagens longiquas
proprio do coraeo de lodo o Inglez, sem distinc-
co de classe ou de fortuna; o que faz com que
sse povo seja o maior colonisador do globo. Para
e desembar-
onde est
Pobre Garibaldi o pensa que ha coraces to
crues que nao chorem suas desgranas '.
Seos infortunios deste aventureiro sem mrito
nao servisseoo para dar novo brilho grandeza c
feheidade universal do genero humano, nada ha ram_f0
mais bello do quo ver-se urna fi >tilha de navios '
mercantes que se cobrem com suas velas, nos nc
tinham visitado o cavalleiros de Laprera.
POR
Ninguem Ih'a via : expediente nico de sua inven-
cao para que ella nao visse ninguem. Nao a leva-
va ao theatro nacional, porque as comedias eram
attentaterias dos saos costumes. Nao a levava
bailes, porque era feia descompostura a da senhora
casada, que se entregava s furias acrobticas de
' como costumam estuda-lo uns certos sabios, que se
engauara todos os da-, c apenas ganham dos seus
gelistas e seus vendedores de Biblias, quando via-
demonio de m natureza. Poz-sede atalaja, c sor-
prendeu uma criada com uma carta. Quiz arran-
ear-lh'a do seio ferro fro, visto que a honestida-
metteram contra Deus, ou -s homens raaneira
expedida e commoda de nos tornarmos brancos
como a nev quando estiverraos negros como car-
vao.
Absoluto.Carcter que os homens- aborrecem
nos soberanos, e as mulheres ao que parece dese-
jara no amante para servir de escusa a suas fra
quezas.
Abundancia.Germen do desgosto thermo
metro de amor dos povos para com seus princi-
pes.
Abuso.Palavra de que muitas vezes se abusa
fazer cessar os abusos remediar os abusos
equivale na bocea de certas personagens a esla
pnrase couveui-inc o leu lugar, ou da-me um lu-
gar lepra do corpo administrativo que augmen-
ta successivamente as unos dos cbarlales que
perlendem cura-la.
Abuso de palavras.Um viajante a quem uma
torrente impede o caminbar, pergunta o sitio d
vua um aldeu que descobre na sua frente |to.
Affecco.Sentimento desinteressado, mene? vi-
vo que o amor, n mais turno que a amizad-.
Affectaco.Na linguaguem enfraqueee o pen
samento- as maneiras destroe as graease a bel-
leza.
Affectuoso. Homem quasi sempre falo, que
quer occulrar o defeito de sua sensibilidnde e abu-
sar da dos ontros.
Affeicao.Sentimento nascido do desejo, een-
fraquecido pela posse.
Affronta.E" sobre tudo por afrontas que a ty-
rania revolta os povos a violacao de Lucrecia, o
chapeo de Gesler, uma insultante geira, destruiram
o poder dos Trqulnios em Roma, o da Austria, na
Suissa e Genova fizeram o que nao pndlam facer
vexaeoes- horriveis, ou- tributos exorbitantes.

Um criado suisso, reeebeu ordem de-seu amo de
ir ver que horas eram n'um reloqio de-svl, eolteea-
do sobre uma pedra-em seu jardim.
Depois de ter por vnte vezes, virado ao redr. o
criado muito embarazado, conduz offlciosamete o
relogio de- sol a seu amo, dizendo-lhe :
Eis-aqui, senhor, procurae vos nesmo a hora
pois que eu nao posso achar.

Urna companhia de granadeiros snissos, fazendo
o exercicio de fogo, deu-se a cada homem tima du.
zia de cariuchos.
Um destes scldados, tinha urna, espingarda em
lio m.lu estado, que o fogo nao ateou, se nao a s-
tima carga.
A violencia do tiro foi tal, qi:e o homem caliiu
de um lado e a arma de outro.
Alguns soldados levantaram logo seu caraarada
e o sargento dirigise a erger a espingarda.
Ah I meu sargento, gritou o bom suisso nc ..
toquis, anda ahi existein seis tiros por atirar.
CIMILLO CASTELLO BRANCO.
XV!
(Continuaco.i
Conta-rae agora tu uma historia, disse Anto-
nio Joaquim.
Eu entumo vndelas,respond com o grave
o sizuilo desinteresse da arte. Coniava-te um con-
t bonito, se me desses este brilhante, que me vae
cegando como o resplendor de Johovah ao povo es-
colhido.
E dome o annel, tambem tem historia. Perlenceu
aos brilhantes de minha prima Adrianna
Oucamos, portanto, a historia dos brilhantes
de la prima Adrianna.
sentimental.... Regozija-te I Minha prima
na-ceu no Porto. Ficou orpha aos dez annos, e
quasi pobre. Os brilhantes de sua me, e pouco
mais, que pode salvar-se na honrada fallencia do
fiae, foi o que Ihe deram, quando ella, aos dezeseis
annos, sahiu do recolhimento de S. Lzaro para
casarse com um velho, antigo socio de sua casa.
Cisseramlhe que era a suprema demonstraco de
juizo casar com o socio de seu pae, porque era ve-
lho, e porque era rico : como velho, ama:lahia
como os novos j nao amara -, como rice, deixa-la.
tiia rica e nova para depois poder escolher marido.
Adrianna, ouvidas estas razSes de senhoras edosas fla sua oledade e orphaodade decoraco; a inveja espanto das geracoes por essa oteroidade tora.
*et experimentadas, suffocon as do coracao, e deu-se qae ihe faziam as suas criadas propriamente ; o s
o amor e riqueza do velho, cem a tacita condi- desejo que tinha de morrer.... Palavra, porm,
clonal de desejar Incesantemente que elle morres- denunciadora de quebra da dignidade, nem uma s
se para casar com o novo. A sociedade desculpa escreveu minha prima, posto que a sua amiga se
ssla desmoralisaco. I nao esquivasse a derramar-lhe uma luz infernal no
Q marido ultrapassoa as promessas de um amor coracao em trevas.
infinito. Amava-a at ferocidade de um molosso j Francisco Elisiario, que assim se chamava o ma-
gue espa a caverna, onde se Ihe esconden a corea, rido de Adrianna, n5o estudra o sexo femioiao)
esludos saberem que sao engaados, como outros
que nunca estudaram materia to incomprehens-
vel. O melhor mestre, em sciencia to abstracta,
o amor. Amor do tamanlio e da esperteza desse hndre e intangivel pudicicia. A criada, tremnte
ilho. Se nao houvesse missa de alva, o' 1 francisco Elisiario encofrava nos seios d'alma. de horror, entregou a caria, que, pouco mais ou me-
marido seria capaz de renegar a religio de seus PJeras ,u aJ"dica-lo aos hroes e aos poetas <; nos, rezava assim :
paes para nao levar a esposa a missa. Minha po- mas eu> na PIona arca d:is minnas r,-'lacl!S cm ... Estivc hontem no theatro lyrico. Que de-
bre prima, ao romper da manhaa dos das santfi- a human.dade, apenas conheci amores e duradou-: |ciosa msica a do Trovador, minha querida
cados, emb.ocava-sc na mant.lha, e segua o mari- ros US Ells,anS- ,L Adrianna I.. Lembraste-me sempre : tost e meu
do, que, ainda assim, a espionava do alto da gola As ^aix5es dos neroes- lebradas pelos scalos, | pensamento triste n'aquellas horas alegres I Tu,
do capote em que embarricava a cara. Se elle via cbamem-se elles Petrarchas ou Cames, ficam es- tao nova e to linda, ahi fechada, ouvir resonar o
na egreja do Carino, duas vezes, um mesmo homem. culpturadas em medalhes, pendurados nos fronlaes > monstro I.. Que vida a la I que mocidade sacri-
no domingo seguinte mudava para a Trndade, o da historia: porm, a critica, se, uma bella ma-'ficada aoouro amaldicoado e posado como a tam-
d'aqu por motivo idntico, para S. Nicolu, embora nha, aecrda sincera e justa, reduz proporges pa de uma sepultura!.. E o que sobretudo,
os sujeitos suspeitosos estivessem em devoto extase humanas os coragoes dos semi-deuses, e demons-: atroz leu marido ter uma sade, que afllige a
diantc dos altares, e a luz do templo nao permit- Ira-nos, era Tace das coufissos dos proprios hroes, gente E-ls casada ha tres annos, e me disse<-
tisse taes madrugadas de amor corac5es mun- Que Pelrarcha, sem embargo de chorar em sonetos ^ uma s vez que leu marido estivesse paludo !..
danos. j uma Laura, senhora de sao juizo, e sem embargo; Morrem os anjos, padecem os homens do corago,
Adrianna era uma ingenua e excellente menina, tambem das ordens sacras, deixou numerosos filhos> como meu esposo, e esse laparoto vive no goso da
A paciencia, com que ella recebu este sequestro e acabou a vida alegremente entre elles. Luiz de mais bocal sade !.. etc.
dos mnimos prazeres da vida, santiflca-la-ha, se Cames, que bons autores fazem morrer de sauda- Elisiario foi bera da mulher com esta carta, e
uma corapaaheira de recolhimento, auspiciosamen- de de Catharina e de compaixo do ninho seu pa-1 ululou por largo espaco. Adrianna redarguiu-lhe,
te casada com um discreto mando, a nao incitasse temo, nao morreu disso, nem de miseria, como ou- quando a paciencia a desamparou, e elle, allucina-
rebelliao contra a tyrannia marital Raras vezes Iros dizem : morreu de enfermidade, cachexia tal- do pela ameaca da separaco, chegou a levantar
se fallavara mas correspondiam-se semanalmeole.! vez, anlecipada pelos desregramentos da vida no uma cadeira para derrubar o aprumo da mulher.
E'bem de ver que minha prima contrabandeava Oriente. No dia seguinte, minha prima fugiu para casa
esta correspondencia as barreirasconjugaes, desde I Em quanto celebridade dos seus infaustos amo- da sua amiga, e de la escreveu a minha me, pe-
que o previsto esposo Ihe observou que nao gostava res com a formosa dama da rainha, meu amigoi dindo-lhe que a levasse para si, at arranjar con-
de laes carimbas, bem quo as priraeiras fossem io. \ deves saber que sao muitas as damas incensadas. yento onde acolher-se.
nocentissimas. | nos seus sonetos, e to baixos alguns dos seus amo-, Foi minha mae M Von conduZ(U Adrianna
Depois da prohibiQo, Adrianna desaffogoo-seera res, que elle mesmo se confessa envergonhado de asa com aclaQSula de se nao deter muilos
queixuraes sua amiga refera pelo miudo ades- ter amado uma negra. Aqu tens o que sao aspa.- d,as fora do conV(Jnto> pafa as,. mi$ ^
consolacao das suas arrastadas horas ; o supplic.o xes dos grandes poetas que hao de avassallar o; n-0 empesonnassem a a 5o da f
- espanto das geracoes por essa oteroidade fora.....> .
Eu creio geralmente no amor dos Franciscos Eli-1 Francisco Elisiario, no amianto, empregou alguns
siarios, e com parlicularldado no amor do marido ; m0,s udieiarMs Para reeonduzir a mulher; mas,
de minha prima. Nao creio na solidez de nenhura Adrianna, protegida pelo esposo da sua amiga,
outro amor, nem na perspicacia dos que estudam ^hoa W de sophismar, a le protectora dos
as mulheres, e coidam qne ha uma orthopedia com. raandos.
que osaleijes da alma se endireilara. Poneos das se demorou comnosco minha prima.
Francisco Elisiario adevinhou que Adrianna Houve-se com ausleridade minha me, recasando-
preetava atiento ouvido aosiodurimenios de algum i se a dar asylo permanente a ama senhora casada,
que ia intentar uma acco mal fundamentada de
divorcio, contra a vontade do marido.
Elisiario havia dotado a mulher com trinta con-
de de seus costumes Ihe nao consenta aposar.se I tos de ris. Adrianna, alm de meios bastantes
della mo desarmada, em local de tamanho me- sua decente susteotaoo n"um convento, pedia as
suas jolas, avhalas em quatro mil cruzados, e
mais nada pedia.
Eslava Adrunna. recolhida em Vairo. Viva
mais satisfeita. Tinha por si a pureza da concien-
cia. Ninguem a vistava que inciitisse suspeitas.
De quinze em qulnze dias, iamos ve-la minha me,
minha mulher, e eu. Porm, o mando, dementa-
do pela ira, em que degenerara o amor, allegav3
que sua mulher Ihe fugira para desatar os vncu-
los sagrados, que acceitara no altar. Esta phrasc,
que tem por si os calorosos applausos da moral
publica, era estylo do jurisconsulto; que Francis-
co Elisiario nao era homem de phrases, nem defen-
dera a tliese da sanlidade dos vnculos conjugaes.
E', todava, certo que o ciume Ihe queimava as en-
tranhas, o ligado especialmente, viscera que elle
trouxera doenle das regios africanas. 0 homem
concebeu a lerda suspeita de que era eu o concur-
rente ao coracao de Adrianna, pobre menina, ape-
nas senta coracao na enchente de lagrimas, que
Ihe extravasa va s faces esmaiadas.
Um da, apparece era minha casa um homem re-
dondo e escarale, com dous olhos coruscantes, e
uma capa de borracha. Era Francisco Elisiario,
que viuha pedir a minha me contas de sua esposa.
A pasmada senhora, quando to, pela primeira vez,
o marido de sua sobrinha, comprehoodeu a flagel-
laco da infeliz Adrianna, era tres annos de con-
tormidade, e pavor de uma creatura to desusa-
da I Nao obstante, coma elle, em linguagem hu-
mana, dizia que quera sua mulher, minha me or-
denou-me quo acompanhasse eu a Vairo o Sr. Eli-
siario, e o fizesse escutar por minha prima.
imitada dos galas theatraes, commoveu Adrianna.
que o mandou erguer-se em tom de mavioso com-
padecmento. Expoz EJisiario as suas angustias,
e reraatou pedindo esposa que voltasse a lomai
conta do goveruo da casa, que andava a m a trota
Esla palavra matroca desloou nos ouvidos de
Adrianna. Doeu-se ella de se ver meramente ne-
cessaria para a governaco da casa.
Sent a falta de uma criada, nao assim ?
peiguutou a esposaNao Ihe faltar, quem admi-
nistre a sua casa cont mais zelo. O que eu Ihe pe-
go, Sr. Elisiario, as joias que eram de miaba
sania me. Se entende que o sustentarme esmo-
la, despenso-o d'esse encargo : os meus prenles
me daro as sobras da sua mesa.
O mando desandou do tom supplica ti vo para o
da indolencia. Declarou quo nao dava nada es-
posa infiel que o nao amava. O epitheto infielexa-
cerbou a chaga e o rancor. Elisiario, provocado &
explicar a significaco da palavra, respondeu que
a esposa, que consenta chamarem-lhe monstro 30
marido, era mais que perlida. Esta razo, que nao
parece de todo tola, fui a derradeira que miaba pri-
ma Iho ouviu. Ergueu-se ella ento fomegaale &
pundonor, e sahiu da grade.
Fraucisce Elisiario sahiu ao terreiro do coav.en.
'o, e disse-me ;
Muito bem I
Conciliaram-se ? perguntei eu com since-
ro interesse.
-i Nao, senhor... Tomou conta d'ella o diabo;
mas o senbor, se cuida que a minha fortuna Ihe bu
de ir s mos d'ella, est engaado... nem s suas...
ajunlou elle, comprimndo entre os pnaos as
proeminencias adiposas do abdomen.
Eu fitel-o com assombro, por, me nao parecer
cousa fcil enforcar aquelle bomem sem um pat-
bulo ad hoc, um paiibulo especial para a estraugu-
Confgui que Adrianna o escutasse. Consu-me laco d'aquee ospheroide.
que entrou os penelraes da grade, como quizesse
ajoelhar-se ante a paluda, e formosa esposa, flcou
de ccoras, em consecuencia de nao poder com o
grvame do ligado e do bago e das entranbas sir | '
comjaceniw. Esla postura, toda natural, e no PERNAMBUU).-TYP. de *l v. de F. & FILHO
(CoHfWuar-se-Aa.)


i
TT
....... -------,


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E97XAGIQ4_8FAHA0 INGEST_TIME 2013-08-28T00:16:15Z PACKAGE AA00011611_10473
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES