Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10472


This item is only available as the following downloads:


Full Text
mmmmm*
<
*.
AMO II. IHJIEBO 216.
Pop tres Mezes adiaotados 5$00
Por Jres mezes vencidos 6$UUU
Porte ao eorreio por tres mezes. 9750
.
*"

0ARTA FEIRA 21 B SETEMBRO DE 1864.
Por amo adaota4o. 19OO
Porte ao eorreio por am anuo 3$00U
CNCaRMGALOS bA M'tteVl-'CAO AO iNORIE
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima-;
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Aracatv, o
8r. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
'Gliveira; Marauhao. o Sr. Joaqun) Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Manoel Finheiro & C.; A-
mazonas, o Sr. Jeronyrco da Costa.
incarregados da subscripcao no sl.
Alagas, o Sr. Claudino Falcao Dias; Baha, o I
rr. Jos Martins Alvos; Rio de Janeiro, os Srs. Pe-
rfora Martins A Gasparino.
1-ARfliiA L>Oa slAPTAd.
Oiinda, Cabo e Escada todos os dias.
Iguarassu', Goyanna e Parahyba as segundas e
sextas-feiras.
Santo Antao, Gravat, Bezerros, Bonito, Caruar'
Altinho e Garanhuns as tercas eiras.
Pao d'AJho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqueira
Ingaze.ra, Flores, Villa Bella, Tacaratu', Cabrobo,'
Boa\ ista, Ouricury e Exu' as quartas feiras.
Sennhaeni, Rio Formoso, Tamandar, Una, Barrei-
nJOS P* Preta e Piraenteiras as quintas eiras.
una de femando todas as vetes que para a sabir
Da VIO.
Todos os estafetas partem ao V dia.
EPHEMERLDES LO MEZ DE SETEMBRO
1 Lna nova as 3 li., 48 m. e 8 s. da m.
9 Quarto cresc. as 3 h., 30 m. e 38 s. da ni.
la Lna cheia as C h., 40 m. c 20 s. da t
22 Quarto ming. as 4 h., 34 m. e 14 s. da t.
30 La nova as 8 h., 23 m. e 10 s. da t.
PRBAMAR DE BOJB.
Primeira as 7 horas 41 minutos da manhaa.
Segunda as 8 horas 6 minutos da tarde.
>.--Ri'iDA i,0.i Va-ORiS lOSjRO..
Para o sulI ata Alagas a ti e 2S; para o torte at
a- j jS 2 de cada mez; para Fernando no?
das i* dos mezes dejan, maro., uiaio, iui. set. enov.
_ PARTIDA DOS (JMXiBUS.
o ,,a Recife : d0 Apipiii'os as 6 '/,, 7, 7 Vi, 8 e
8 Vi da m.; de CHinda s 8 da ro, e t da tarde; de
Jaboatao as 6 /, da ni.; do Caxang e Varxoa s 7
da m.; de Bonifica s 8 da m.
* ?0.Recfe,: Para o Apipueos s 3 % 4. 4 Vi. i Vi-
' ,- *' e 6 da tarde; Para "lin,,a as 7da
mannaa e 4'/,da tarde: para Jaboaio s 4 da tar-
de ; para Cachanga e Vanea s 4 Vi da tarde; para
Beinflca as 4 da tarde.
PARTE GFFIGIAL
.UOOtNClA DOS TRTBUNABS Oa CAPITAL.
Tribuna! docommercio: segundas quintas.
Relacao: tercas e sabbados s 10 horas.
Fazenda: quintas s 10 horas.
Juizo do commercio: segundas s 11 horas.
Dito de orphos: tercas sextas s 10 horas.
Primeira vara do cive: tersas sextas ao meio
dia.
Segunda vara do civel: quartas sabbados a 1 hora
da larde
DIA3 DA JiM.-JN'A.
19. Segunda. S. Januario 1>. ni.: S. N'ilo b. m.
20. Terga. S. Eustaquio ni.; S. Prisco m.
|t. Quarta. S. Muheiis ap.; S. Joas pro/.
21 Quinta. S. Mauricio ni.; S. Sanliuo b.
23. Sexta. S. Lino p. ni.; S. Tecla v. ni.
4. Sabbado. N". Senhora das Sienes.
2o. Domingo. Aschagas de S. Francisco.
ASSIGNA-SE
[no Recito, m a livraria da praca da Indepcndencir.
I Paria 1 Pilho! propneUno! "anoel F|gueiroa 'ilMMUtlO l0 Mll-lItlO
DECHETO N. 1,225 DE 20 DE ACOST DE 1864.
Autorua o gorerno a conceden corpnraroes He
mw-morta licenca para adquirir* ou possui-
rem, por qualquer titulo, terrenos ou proprieda-
des uecessarias para edificaran de igrejas, capel-
las, cernenos extra-muros, hospitaes, casas de
educacao e de asylo, e quaeqner outros estabele-
ementos pblicos.
Hei por bem sanecionar e mandar que seexeoute
a resoluto seguinte da assemblca geral legisla-
tiva :
Art. 1." O governo antorisado a conceder s
corporaees de moinorta licenca para adquire-
rem ou possuirem, porqualquer titulo, terrenos ou
propiedades neeessarias para editteacao de igrejas.
apellas, cemiterios extra-muros, hospitaes, casas
do educacJo e de asylo, e quaesquer outros esta-
belecimentos pblicos.
Art. 2. Os bens de raiz adquiridos pelas corpo-
rales de mao-morta, na conformidade da ord. liv.
2", tit. 18, 1, sero, no praso de seis mezes, con-
tados de sua entrega, alheados, e o seu producto
convertido em apolices da divida publica, sob as
penas da tnesma ord.. exceptuados os predios e
terreno* neeessarios para o soroco das mesmas
corporaces e os que at agora tivcr'em constituido
o seu patrimonio.
Art. 3.- Ficara revogadas as disposicoes em con-
trario.
Jos Bonifacio de Antlrada e Silva, do meu con-
sellio, ministro e secretario de estado dos negocios
Jo Imperio, assim o leona entendido e faca exe-
<;iiiar.
Palacio do Rio de Janeiro, em 20 de agosto de
48b, 43 da independencia e do Imperio.Com a
rubrica de Sua Magestade o Imperador.-Jos Bo-
nifacio de Andrada e SilvaSacharas de Ges e
Vasconcellos.
Transilou na chancellara do Imperio, em 27 de
agosto de 1864.Candido Mendos de Almeida,
director geral interino.
Publicado na secretarla de estado dos negocios
do Imperio em 29 de agosto de 1864. Fausto Au-
gusto de Agniar.
(OYERiW DA PROVINCIA.
Continuavo do expediente do dia 16 de setemliro
de 1861.
Portara.Os Srs. agentes da companhia Brasi-
lera de paquetes, mandem
assembla provincial a creacao de urna escola nor-
mal autor do prejeeto fi nomcado directore
um bacharel foi nomeado professor I Estas no-
meaeOe| do idea da moralidade da administrayo.
Lu nao gosto de entrar em questoes pessoaes; mas
tem hojeassent" na casa o Sr. Silveira de Souza,que,
apesar de todo o empenlio ecompromissos que toma-
ra naeleicao.apesar de toda a pressao que sobre elle
se quiz exercer, sempre se recusou nomeaco,
que se pretenda para outro emprego, do individuo
que agora foi nomcado pelo Sr. Souza Leo direc-
tor da escola normal.
O Sr. Ldii Felippe : N'o se provou nada con-
tra elle do que fui allegado.
O Sn. Figi'eihedo :Os amigos do nobre depn-
tado recuaram peranto o escndalo da nomeaco.
O Sk. Urbano : -O Sr. Silveira de Souza, que
representou um papel to saliente as eleigoes da
provincia de Pernambuco, como foi aqui perfeita-
inente exposto, esse mesmo resisti sempre a no-
meaco desse individuo ; entretanto foi a quem o
sr. Domingos de Souza Leao entregou a direccao
de urna escola normal, onde aquelles que se desti-
nam educayo da mocidade devem ir receber
preceitos e exemplos de moralidade, alm da in&.-
trnecio elementar; onde os professores devem
aprender as normas de virlude que tem de com-
municar depois a seus discpulos I
Essa escola, Sr. presidente, foi entregue a um c-
dadao contra quem o Sr. Silveira de Souza tinha
laes prevencoes que resisti com toda a torca ao
empenho e a pressao que sobre elle se exerceu,
para Ihe entregar a direccao de um cstabelecimen-
to publico.
\ozes :Quem o professor ?
O Sj. Liibano :0 governo que examine quem
e : nao gosto de declinar nomes.
O Sr. Figueiuedo : E' publico quem elle na
cmara quasi todos o sabem.
O Sr. Loa Femppe : E' um cidadao intell-
gente.
O Su. L'rba.no :O caso que nobre deputa-
do nao se anima a dizer mais I...
O Sit. Figueiurdo : Nao se anima a justificar a
sua moralidade !___
O Sn. Luz Feuppe:-Nao me consta nada con-
tra a sua moralidade.
OSr. Urbano :Mas
cousa a favor___
O Sr. Luz Felippe :A favor consta-me.
O Sr. Drbamo : Tarde e a ms horas vem a de-
clarado do nobre deputado I
O Su. Figleihedo :O escndalo tal que a sen-
sacadin pro.luzio o est demonstrando.
O Sr. Urbano :A provincia, Sr. presidente, nao
pode continuar no estado em que se arha, e bem
?-?S,r.*..|losicio do partido liberal all ; o minis-
mas, quaudo aos prin-
deputado nao as tem para comigo, os seus amigos
so outros.
O Su. Martim Francisco : O que verdade
que quando avanco qualquer proposifao provo-a.
O Sn Urbano : Nem sempre o poder fazer, e
eu nao preciso provar o que todos sabem, o que os
nobres depuiados nao sao capazes de negar, e que
ja urna vez aqui prove exuberantemente.
Nao est, Sr. ministro, esse presdeme na altura
de governar a provincia de Pernambuco, nao pode
continuar a administra-la, est cada vez desmora-
lisandu-a mais. (Apoiadcs.)
Sao estas, Sr. presidente, as consideraces que
eu tinha a fazer. (Muito bem.)
O Sr. Luz Femppe :Hei de responder se ti ver
a palavra.
O Sn. Urbano :E eu voltare carga.
Discurso do Sr. Dr. loooceneio Seraphieo, na senil
de 13 do passado.
O Sr. Serfico : Sr. presidente, nao pretenda
tomar parte nesta discusssao, como nao tenho to-
rnado em outras, porque, conscio de minha incapa-
cidade (niio apoiados), sem pratica do parlamento,
nao versado nos seus estylos, e destituido de dotes
oratorios, eu nao me julgb habilitado para occopar
a tribuna.
Nao sou rico de vocabulos, nao sou abundante
de pensamentos, falta-me elegancia na forma, cor-
reegao na phrase (nao apoiados), e propriedade nos
termos: e alm disto apodera-se de mim em taes
occasioes um acanhamento que muflo me perturba
no lio de minhas ideas; accresce anda Sr. presi-
dente, que nem ao menos pude fazer o meu tiro,
cinio, pagar o tributo da aprendsagem as assem-
que fez coro a companhia, foi alm daquellcs lirni- Mas dir-so ha, ao governo ti competindo o di- !*~?' f A^-Inneo Janaario de O.ivei-
tes dentro dos quaes a cmara dos depuiados de reito de arrecadar as ditas garanliaT gerahs pro- ra-An,on"1 *
,. min"- Circum!;creve'1 aproteccao dita vlnciaes, e applica-las no mesmo prazo ao resgate
fta2 ff 0Jm?SSro, d.as aPli(,ps. Que deve emiltir para o pagamento
cu) wae julho de 1862 a 6a commissao do or- dos oradores, depois de satisfeitos os respectivos
camvuio da agricultura c obras publicas, emiitndo juros, correndo todas estas operacoes por conta do
o seo parecer sobre a pretencao daquella compa- governo.
uhia, que desde 1861 reclamva nvbs favoresao
governo, nao obstante ter em 1859 ou 1860 rece-
ido a garanta du estado para levantar em Lon-
dres um emprestimo de 6,000:0003, a commissao,
digo, concluo-o de um modo favoravel, propondo
que ficasse o governo antorisado para mandar ava-
har a estrada de rodagem Uniao e Industria, e
desapropria-la, indemnsando a companhia do ex-
cesso atoro dos 6,000;0005 do dito emprestimo,
Isso, Sr. presidente, equivale o mesmo que dar
_ RckAugusto Frederico
dos hamos Pono.-Antonio Ferreira da Silva Maia.
Jos Fortunato dos Santos Porto.Manoel daSil-
ctivns I T*- Joao Marlini do "o -Antonio Barbo
s> sa de Barros.-Antonio Alberto de Souza Agolar
Antonio Fernandes Velloso.Joao da Cunha Ma-
galliaes Jnior.Jos Duarte das Neves.Joao
Quinnod Aguilar CAntonio Valentn da Silva
urna qnantla certa por urna quanta precaria, por Barroca'ihino iZm'a*"<.,Z'" "'VV."":""
que.scjamos francos, os cofres genes dispoem uvaMoTei a Z> i ut'W*0-~
recursos do que 08 provincia**, os um pmu\Shl^!S^ i*1^de SS""
feilos pelos.poderes geraes sao ma ,s 'l^^^^S^r^T^SX.
de mais
contratos
facis
prov
que
tra o que
aceis de ser cumpridos do que os fe i tos pelos! 1L ^ Antonio W^ZTa ,*,!' ,
irovinciaes, o a este respeit, tenho recelo de de Itoraw^^pJii^^&Sd11
pelos quaes cpspoosavel o governo, podondo en- da Baha
acontecou com as estradas de ferro
devia constarlhe alguma
dar transporte para a ,
provincia da Baha, por conta do ministerio da 1^ri. ac'al diz-se liberal;
guerra no vapor Paran, ao ex cabo de esquadra i c'P':f. nao trata de traduzir nenhum delles en le;
o de infamara Manoel Cyrillo Xa-; e nos fil',os sfgoe os precedentes de seus anteces-
provincia de Pernambuco persegue
VltT.
Dia 17
Ofiieio ao commanda.nte das armas interino.
i.esponuenuo ao otncio que V. ST me dir/glo non-
lem, sob n. 1632, tenho a dizer que o paisano
Daniel Jos Ribeiro, de que trata o meu offlcio de
15 do crrente, deve ser alistado para ter o con-
veniente destino como voluntario, e nao como re-
cruta. Coiiunuuicou-se ao lenente-coronel recru-
tador.
sores, c na
atrozmente o partido liberal.
O Sr. Li'iz Fkijppe : Nao apoiado : pelo con-
Irano.
O Sr. Lopes
ge-os ?
O Sr. Urbano : O nobre deputado resume o
partido iiaeral nos poneos liberaes que estilo com
elle.
parecer niio pode ser submettido discus-
sao por talla de lempo, porque to apresentado em
julho, e so restava o mer. de agosto ; entao al-
guns deputados entenderam que deviam apre-
sentar; como elTectivainente apresenlaram ero for-
ma de additivos ao orcamento, as conclusoes do
dito parecer, o que anda assim tambero nao pode
passar por falta de lempo na cmara dos deputa-
dost e portanto em 1862 nao se pode dar urna so-
blas provinciaes, porque nunca tivo a honra'de- ,ut;,'''unitiva questao Unio e Industria, a
corno deputado provincial, discutir as respectivas i'', '"'ou adiada para 1863. Mas, como a cmara
assemblas; e nem posso por isso censurar, ou for-1 ?' em "j" houve a dissolugao, a qual velo
mular nma queixa contra a provincia que inhbil- ai ,. rf',ar(,ar mais aquella solucau ; entao a com-
mente represento, porque estou inteiramente con- Pan'"a procurou o ministro da agricultura, a quem
vencido que se a provincia de Pernambuco, duran- P?nderou que tifio llie era possivel, sem a proteo-
te os la annos de exilio a que foi cendemnado todo cao 'i0 KOVrno> continuar nos trabalhos e na di-
nrique ,v Azcvedo.Valle.
J para satisfazer esse Pncirgoernii.irapo.ice, urna de^as p5B? SrJST ^''po St' ^ r'^^^^^^X
ate a quantiade i,OO:O0O*, de 1:0001 cada urna, intento de mais fcilmente promoverem a incorpo-
pagariooojurode 6% ; a commissao ainda na racao de companhias que se encarregassem de taes
conctusao dizia que, realisada a desapropriacao, emprezas, nunca taes garantas pagaran), tendo to-
cessariam as garantas geral e provinciaes, e que das essas despezas corrido at hoje por conta do
o goweraode* contratar o servco da estrada com governo geral : isto que eu recelo que aeonleca
a mesroa companhia, ou com quem melhores van- nesta troca de garantas duvidosas porcontribuices
tagens onerecesse. seguras.
larecer nao nikie ser iihmaiHiln i a<>n- Receba a companhia as garantas das provincias
deixe o cofre geral livre deste c de outros encar-
por cenlo, no mos.Prente Vianna 4 C-Vicente Jos de Bri-
to.-Barros 4 Silva. -Gulmaraes & Alcoforado.
Francisco Jos da Silva Gumaraes.-Francisco
Guedes d'Araujo.Manoel Fernandes da Costa A C.
Tasso Irmao.Seixas, Azevedo & C. Jos Joa-
quun Das Fernandes.-Ferreira & Martins.-Joao
Jos da Cunha Lages.Ferreira & Loureiro.Vi-
reeoio da estrada de rodagem, a vista dos penosos
encargos que pesavam sobre ella, e que por seus
nicos estorcos nao poda superar ; foi ouvido o
eonselho de estado, o atinal em 24 de dezembro,
e Si-. Bellegarde fez um contrato com|a companhia.
Vejamos se este contrato est de eontormidade
cora o parecer da commissao da cmara dos depu-
tados, e se tambem conforme com o parecer do
eonselho de estado. A estrada e pontes forarn ava-
lladas em 8,092:0005 : a estrada, pontes, estacoes,
edificios e terrenos respectivos toram avahados
pelo engenhero commissaro do governo, o Sr. Dr.
LimpodoAbreu.em 9,o'89:8005; nao inclnndo
trem rodante, de cargas e passageiros. Porque
preco, porm, foi eftoetuada a desapropriacao se-
Netto (rlndo-se) : Entao prote-
0 Sr Luz Feuppe :Nos poucos, nao, mas na
uno ao inspector da thesouraria de fazenda. grande maloria do partido liberal.
Remeti \. S., para os convenientes exames as
1.a e 2.1 vas das contas e documentos da receita
e despeza do hospital militar, relativas ao mez de
agosto ultimo, e que para terero esse deslino vie-
raro annezos ao ofiieio do commandante das ar-
mas, datado de honteni e sob n. 1634. Communi-
COU-se ao commandante das armas interino.
Dito ao mesmo.Para o lint conveniente, trans-
miti V. S. os inc
sempre prudente
O Sn. Lopes Netto : Ser
que nao a cont assim.
Sr. Urbano : -Se acaso os nobres deputados con-
tassemi coro tanta maioria, tinham meio muito fcil
de poderern blasonar dola ; era mandarem na
eleigao panada para a provincia um presidente neu-
tro, que nao quizesse intervir ero eleigoes ; entao
appareceria com esplendor essa grande maioria
nobres deputados : perderam essa occasio,
lusos mappas norninaus do mo-
viroento havldo coro o pessoal das enfermaras do Por conseguinlo nao tero direito de vir aqu oston-
hospial militar, na primeira quinzena do crrente lar "Mioria.
prime
mez.
Dilo ao mesmo. Transmiti V. S. para o tiro
conveniente as inclusas copias das acias do eon-
selho administrativo do arsenal de guerra, datadas
de > c 12 do correle mez.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.
Se nao houver inconveniente, mande V. S. pagar
Faustino Jos do Sou/.a Ferraz. ou ao seu procu-
rador, conforme soliciton o chele de polica em
offlcio de J' do corrente. sob n. 1148, a quantia
d>' 1335600 rs. despendida com o sustento dos
O Sr. Luz Feuppe :Para se ver qual a maio-
ria basta comparar o resultado das duas eleicoes
senatoriaes.
O Sr. Figcbiredo :-Eleigoes da polica !
Um Sr. Depotado :A cleicao smente seria li-
vre *o o nobre deputailo fosse elelto.
O Su. Urbano :Eu se que nada vallio, que ne-
nhuma influencia tenlio na provincia (nao apoia-
dos;. nem mesmo nenhuma consideragao merego,
e que quem tem toda a eonflanea, toda a sympathia
toda a consideragao sao smente os Srs. Fetosa,
presos pobre- da cadeia da Villa Bella, durante os e Sa e Alboqoerque I Esta satisfeto.
mezes de junhoe julho deste anno, como se v das
inclusas cuntas.Commonirou-se ao Dr. dicto de
polieia.
Dilo ao mesmo.- Em vista dos competentes cer-
tificados, mande V. S. pagar ao emprezario do
Iheatro de Santa Isabel, Anlonio Jos Duarle
Coimbra, a ubTengSo ja vencida, e a que tero di-
O Sr. Lopes Netto :Ocaso que pedimos um
presidente imparcial e nao uos deram.
(lia outros apartes).
0 Sr. Urbano :Perderam a occasio de oslen-
lar sua inllueiicia legitima por meio de urna elei-
gao livre, e preferiraro tirar argumentos de urna
sob a pressao ofilcial do Sr. Domingos de
o partido liberal do imperio estivesse as condigoes
normaes de modo a fazer sua livre maoifestacao,
nao me negara nm lugar na representacao pro-
vincial, e a prova disso est em que na primeira
occasio que ella se pode exprimir lvremenle as
urnas contoriu-mc urna honra maior fazendo-me
representante da nacao, lugar que mal desempe-
nharei. (Nao apoiados.)
OSr. Silvino Cavalcanti :A provincia toz-lhe
justiga.
O S n. Seraphico : E devo aproveitar este en-
sejo para desta tribuna declarar-roe sobre modo
penhorado e eternamente grato por tanta distiuc-
gao o apreeo. Mas. Sr. presidente, urna considera-
gao seria que acta muito no meu espirito obriga-
me a demover do proposito em que estava de nao *1 contrato feito pelo Sr. Bellegarde ? Ve-
empenhar-me nesta discussao. Como V. Exe. o a | Jar"os.
casa >abem, eu votei a favor da emenda relativa L 8^ruo tomou a si o pagamento dos 6,000:0005
garanta dos juros sobre o capital addicional em- erni>yestirno contrahido em Londres e dos juros
pregado na construegao e conclusao da estrada de venc"*f* e por vencer. A respeitodos juros desse
ferro de Pernambuco ; e digo que votei assim, nao en|P'"e."no preciso attender que, quando foi elle
smente porque o gabinete fez della questao de Oonirafndo, a empreza ceden os juros de :> % que
confiaoca, como e muito principalmente porque me Dagan as P^vincias de Minas c Rio de Janeiro, e
convenc que com aquella votagao consultava tan- *** QJM Ihe paga o governo geral para screm
to os interesses geraes do paiz, como tambem os emPregados no pagamento dos juros e serviros do
interesses da mlnha provincia. mesmo.emprestimo.
Digo, Sr. presidente, que consultava os nteres- Mas ea!i garantas, est reconhecido, nao die-
ses geraes do paiz, jorque nessa questao estava al- oam Para pagamento daquella despeza, do maneira
fecta, sem dnvida alguma, a dignidade, reputacao ',u" ('-"v,'rno ,ein de entrar todos os anuos
e crdito do Brasil as pracas da Europa, especial-
mente na praca de Londres, de cajos capitaes de-
pende e precisa rnuito o imperio para a continua-
gSo de urnas e organisago de outras emprezas, e
associaedes necessarias para o desenvolvimento de
sua industria, agricultura e outras tonles de rique-
PERNAMBUCO,_____
REVISTA DIARIA.
E' antecipado e sem razao o pnico de que se
O'governo coropro.neiteu.se .....J P'es fat-to de ser a casa bancaria do visconde de
e
gos...
O Sn. AnoNso Celso :A garanta da provincia
de Minas j nao existe.
O Sr. Seraphico :-Se essa garanta j nao exis-
te, importa isso mais um argumento a favor do que
sustento, e contra a companhia.
(Ha diversos apartes.)
E admira que sendo o nobre autor do projecto
cento Ferreira da Costa & Pilho. Aranaga Ilvjo A.
L.-P. p. de Monhard & C, A. B Annes.Mello
S L. Joaquiro Luz dos Santos.
Chamamos a aitenco dos leitore? para a
descripgao da solemne tosta de Nossa Senhora do
Bom Conselho cargo da irmandade acadmica do
mesmo nome, que te ve lugar no dia II do corren-
te, no convento de S. Francisco, a qual vai publi-
cada na 8* pagina do numero de hoje.
I ; Pedem-nos que declaremos que a banda de
msica Uniiio CommercuU
^consignado no seu projecto para eede-la ao go- Pela ga,,;ala nanoverian;l MHa fo enconlra.
recebe essas garantas por espago de 12 annos, como
se diz, para resgatar as apolioes que se entregam
companhia para pagamento do Sr. Souto e outros :
mgleza Gala, de Glascow para a Nova-Zelandia,
com 63 dias de viagero, conduzindo emigrados.
Em sua viagero de Lisboa para a cosa
i encontrado o bote, com o cosroheiro, e quatrn ma-
Multiplicando semesta q..aniia p0r 12 (annos), te-1 rinheiros, por um vapor inglez, quelevou-os ilha
mes o total de 1.891:6685000. Portanto no fundos
12 annos os juros provinciaes nao chegarao para o
resgate das 2,240 apolices.
Sr. Barros Barreto :Perde o nobre depu-
tado, neste ponto nao tem razao; se se receberem
as quantias de que trata este projecto, haver di-
nheiro bastante e at de sobra para pagamento dos
uros e a amortizago das apolces.
O Sit. Presidente :Attengo Este aparte
um discurso.
(Continuar-se-ha.)
... .. -~ mais a pagar ao
banqueiro Sonto 2.000,0005 ero apolioes, res...
1,300:0005 tambero ero apolces aos accionistas,
e .48:1715 a diversos credores, e perdoou a divi-
esse excessode capital, a estrada de ferro de Per- a ""'"duzir 2,001 colonos.Japenas introduzio 1,2:
nambuco poderia encontrar difflcaldades graves
no seu prolnngamento quando isso fosse possivel;
digo que se porventura nao tosse approvada essa
garanta de juros a estrada de torro de Pernambu-
co perdera toda a anmagao. as suas acedes se-
riaro coladas por uro baixo prego, e uem a' compa-
nhia actual se prestara a contratar,quando setor-
nasse opportuno, o prolongamenlo da dita estrada,
nem outra qualquer pretendera isso vendo o mo
xito da actual, se por ventura na> fosse cumprida
a promessa da garanta do capital addicional.
Como ia dzendo, Sr. presidente, votei a favor celebrou este contrato, sendo para admirar que i
dessa garanta de juros, e pelo contrario qna
tratou da questao relativa a companhia Una
reito por haver cumprido com as obngagoes do Souza Lefio com seu ebefe de polica.
seu contrato, segundo iiforinou a respectiva direc-
cao em offlcio de hontem.
Dito no commandante superior da guarda na-
cional de Goiaona.Sirva-se V. S. de expedir as
s,uas ordens. para que seja postada em fente da
igreja de Nossa Senhora do Rosario dessa ridade,
o batalhao n. 12 de infamara da guarda nacional,
-sob seu enromando superior, afiui du assislir a tes-
ta do Orago que all se tem de celebrar na 1."
dumn-ia do mez de outubro prximo vindouro,
acompanhar a procissao da mesma Senhora, na
(Ha ora aparte em referencia ao Sr. Cbieliorro.,
Os Srs. Mace do e Cartalho Res : O Sr. Clu-
cborro um cidado muito di>rno e muito dis-
lincto.
(Continuam os apartes; oSr. presidente reclama
a atrerifiio.)
O Sn. Urbano : Querer deduzir urna prova de
maioria, de synipatliia, de alfeigao e de triuroplio,
na provincia de Pernambuco, de urna eleigo feita
por uro Domingos de Souza Leao e um Abilio Jos
favares cousa por demais redicula I (Apoiados.
tarde d'aquelle dia. Meando V. S. cerlu de que oterrnpcdes.)
nesta dala recommendo ao delegado desse termo, "'8a governo, que se declara liberal, se de-
<|ue entregue o armamento que so ada em seu cente e honesto que sob o seu dominio fosse hosti-
poder, o qual dever V. S. logo que se linalizem l'?ad<) desabridamente o dstincto e honrado patrio-
aquclles actos resijtui-lo ao referido delegado. Sr. conselbeiro Cbchorro em nome do g-
Neste sentido fez-se o necessario cxpediimle. verno?
Dito ao inspector do arsenal de marinha. Ai.oins Sus. Deimtados de Pernambuco :Nao
Para que eu possa resolver eerra do contedo do f' ,a'-
seu ofiieio de hoje, s-b n. 741. faz-se preciso que O Sr. Uhuano : Foi-o, com as recommendagoes
V. S. me informe se os africanos livres nelle In-! as mais expressas e positivas, feitas e mandadas a
dicadn?, j completaram o lempo da le. ,odas as autoridades, para que fosse elle guerrea-
Portaria O presidente da provincia, atienden- ] do- e "ao M lht consentisse um voto I
do ao que requereii o labelliao de olas e escrivo s"- I*1* Feuppe :Isso que preciso pro-
do termo da Esc.ida Mathias de Albuquerque Mello var
Jonior, resolve prorogar-lbe por 6 mezes a liceuga O Sit. Urbano : Eu o affiango.
que obteve para tratar de suasade. Sr. Luz Feuppe :A palavra do nobre de-
i potado nao pode ser mais honrada que a minha.
rApediente do serrelario do governo do dia i7
de .spiemliro de 1869.
Ofiieio ao commandante das armas interino.
O Sn. Urbano : Costumo dizer o que pens, o
que sinto, o que se ; e quem quizer acreditar que
1633, de 16 do corrente,
ao seu
que antorisou o director
do arsenal de guerra, a mandar satisfazer o pedido
do commandante da companhia de cavallaria de
diversos artigos dearmament .eqnlpamento.arrea-
ment e ntensis em substituigao a outros que to-
ram dados em consumo.
INTERIOR.
RIO DE JANEIRO.
ASsEHBLE GERAL
CMARA DOS gENHORES
DEPUTADOS.
Distarse proferido em 11 de agesto de 186,
(Conchisao.o) ,
O r. Uruvno : -ltimamente decrelou-se na
bem, e eu julgo-me com direito de dizer tudo quan-
to verdade e tudo de que tenho conviccao, ainda
que nao tenha documentos para o provar.
O Sn. Martim Francisco : Entao como nove-
mos acredia-lo ?
O Sn. Urbano : Eu nao tenho pretengao a que
o nobre deputado me acredite___
OSr. Martim Francisco :Nem sempre que o
nobre deputado disser urna cousa imprvida ssr
acreditado.
O Sn. Urbano : hasta que o paiz me acre-
dite.
O Sr. Martim" Francisco : Onde esl o paiz ?
Ora isso palavrao da moda
O Sr. Figieiredo :Dessa maneira o paiz a
polica I
OSr. Urbano :Eu nao tenho, repito, a preten-
gao de ser acreditado pelo nobre deputado por S.
Paulo, porque bem sei que elle nao me acredita em
cousa alguma.
O Sr. Martn Francisco : Acredito no nobre
deputado em multa cousa,
a -. -ni.. '1-.n MU lili- ------
za publica. Consultava os interesses da minha pro- aa 'ontrahida pela companhia para a fundagao d;
vncia, porque nutro intima conviccao de que, se ^oloni;' de D. Pedro II, enmprindo notar que len-
por ventura nao passasse ou nao fosse garantido "u."se respectivo contrato obrigado a companhia
a introduzir 2,oot colonos,Japenas introduzio '
dos quaes nem todos exlstem na dita colonia, ero
sao lavradores, assim corno que nem 200 familias
cstao estabelteidas, como taes, quando pelo con-
trario a companhia se comprometteu a estabelecer
mu.
Iiiipoilaui, pois, todas assas quanliasa que o go-
verno se obrigoo ero 10,467:979^, enlrelanlo que
a estrada foi avahada ero 9,o79:800o. J se v.
ppls, que pelo contrato do Sr. Bellegarde elle Ni
alero da opiniao da maioria da cmara dos depu-
tados de 1862. e na qual parece fnndar-se quando
lebrn este contrato, sendo para adiuir
elle autorisasse sua resolucao na opiniao da maio-
ria de una cmara dissolvida, a pedido de mu mi-
nisterio de que elle (aria parle.
B* preciso notar, qne alm dosta dilforenca de
quantia a quantia, isto de888:17U$, em'detri-
mento dos cofres pblicos, ainda a companhia tica
com direito ao trem rodante, mobilia das estacoes
e ao> materiaes de construegao emser, c o governo
ainda ohrigado a pagar a divida, pelo que se veri-
lear, ile uuidouior hamburgiiez chamado Schmidl.
nome que lalve nao seja pronunciado exaclamen-
lo por mim, porque ignoro a lingua allemaa ; e
depois de tudo islo ainda a companhia (cava com
o servieo da estrada ou com o usufructo dola por
o annos, percebendo as tasas e barreiras.
Nao deve, Sr. presidente, ficar sem reparo a
cauteila e sublileza com que toram redigi.los al-
guns artigos desse contrato. Os arte. He 12. por
exemplo, por sua redaegao parece que importam o
prinuiroumonusou obrigaco para a companhia
o ooniro una vantagero.
Di/, o art. II :
i A companhia se encarrega (?io .*, obliga)
durante o espago de cinco annos da conservaco
da estrada e seus ramaes, eslaces e suas depen-
dencias, de qne durante o mesmo lempo lera o uso-
frucio,6 bem assim de manter o Irafego pela for-
ma que se destacar em contrato especial.
Diz o arl. 12 :
Bm rompensaeiio perceber as laxas e barrei-
ras que se designareni no contrato, conforme o ar-
tigo antecedente.
A" primeira vista parece que o art. llmr.oe
companhia um pesado encargo, tanto que o artigo
Sonto devedora qnelle estabelecimento do cerca
i de quatorze mil conlos do res, nao motivo sufii-
, cente para que se julgue venha elle a solTrer per-
: das tao fortes que o possam derrotar.
A importancia do estabelecimento, quando roes-
roo elle em si niio tivesse meios de atravessar sem
grandes perdas urna tal crise, o crdito do paiz
e mais que tudo o dever que incumbe ao governo
de velar nos interesses vitaos do Brasil, sem dnvi-
da alguma devem ter j levado o ministerio um
aerordo que, salvando as fortunas particulares
comprme!(idas na casa bancaria do viseonde de
Sonto, aiienueas perdas do Banco do Brasil, e faga
de Santa Helena, donde acabam de chegar ao nosso
porto bordo da barca ingleza Lady Eisabelh.
Escrevem-nos do Bonito, em 14 do cor-
rente :
o Ainda nao se terininou a eleigao: corre ella
pacificamente, tendo-se dado nicamente aquelle
incidente qne na minha ultima carta Ihe noticiei,
relaiivamenle duplcala que os liberaes fizeram
no da II do corrente. S hoje foi que recebemos
noticias de Caruar e Grvala, e pelo que nos
conta pessoa fidedigna, houve seu motira neste ulti-
mo lugar, resultando, abandonarem o terreno os
progressistas, e lizeram una representacao ao go-
verno, deridindo este, que nova eleigao d'everla le
lugar 7 do prximo vindouro mez.
Em Caruar, o negocio feleltoral) ia lendo um
destelle lastimoso, se nao fosse a intervengan do
nosso excellente amigo Dr. juiz de direito, Julio
Barbosa de Vasconcellos. Entre punhaes, no meio
da confusao, apparece o Dr. Julio como um iris de
paz asserenando os nimos o alcancando a or-
dem A elle pois deve Caruar nao ter que de-
plorar a perda de muitas vidas preciosas e a
historia da humanidade n-i ter que registrar em
suas paginas mais una scena de horror, represen-
tada no seculo das laminarias e na qua-Jra floret-
ente do progresso I
Hontem pelas II horas da manhaa. ainda su-
apuntados pelos acontecimeritos da vespera, es
que assoma no fim da ra o Sr. Antonio da Costa
Mello Luna, seguido do escrivo do civel. peritos,
testemunhas, ele. e com passo grave dirige-se para
a casa da cmara : entra, arreda a radeira presi-
dencial, faz sentar o escrivo e ordena aos peritos
de examinarom o edificio, pois quer vistoria-lo em
consequencia de ter sido
. ... ----- o mencionado edificio
de urna vez para sempre desapparecerem essa\tauntado\ epara mais solemnidadc dessa tinpor-
desconfiangas filhas dos primeiros choques que re- \ tante deligencia, requisitou (na qualdade de juiz
ceberam aquelles que mais ou menos tero negocia- municipal supplenle em exercicio) ao major dele-
indo se
impanhia Umao e In-
dustria votei contra as enormes coocessdcs que so
pretenda fazer. ou contra o projecto que as con-
signa va.
Quando se ventilou aqu a questao relativa es-
trada de ferro de "ernambuco, eu ouvi levantar-se
um clamor extraordinario, eu ouvi, so bem me re-
cord, usar-se das expressoes escndalo, vergonha
para o paiz apassagm df xemelhante emenda I En-
tretanto quando se discuti a Unio e Industria eu
nao ouvi esses clamores; essa circumstauca, esse
contraste de pronuiieiamenio pode fazer crer ao
paiz que aquelles que tendo votado a favor da ques-
tao da estrada de ferro de Pernambuco unpugna-
raui pelo contrario a da Unio e Industria, contra
a qual nao appareceram na casa tanta reclamagocs.
sao Contradictorios ou pelo menos incoherentes. E
para me salvar desla rontradleco ou inconsc-
quencia que en hoje com summo constrangimento
subo tribuna...
l'.\i Sr. Deputado :Ha de Ihe ser dilllcil. I
O Sn. Serfico : Ku mostrarei ao nobre depu-
tado, e para isso vou jogar com os proprios rela-
lorios ofileiaes.
Pretendo, Sr. presidente, no correr do meu dis-
curso, oceupar-me de tres pontos pnncfpaes, e por
issodivdi-lo-hei ero tres partes : na primeira mos-
trarei como a emenda que foi apresenlada na pri-
meira discussao do parecer sobre a Unio e Indus-
tria pelo nobre deputado por Minas, a qual esl bo-
je convertida em projecto em lerceira discussao.
mais prejudicial aos cofres pblicos do que o con-;
trato celebrado pelo Sr. Bellegarde.
Farei depois, Sr. presidente, urna confrontagao, seguinte comega pelas palavras em empeusurtto'--
uin parrtelo entre as vantagens concedidas i Uniao no intuito de exprimir Um favor: entretanto' am-
e Industria e as conferidas estrada de ferro de bos elles conteem dous grandes c imporlantissimos
Pernambuco, para mostrar a desigualdade, a des- favores, como revelan as segumos palavras do ar-
proporgao qne ha entre urnas e outras, no intuito tie H de que durante o mesmo tempo lera o usa-
de tornar patente que os favores concedidos frutoj as quaes esto escripias com tal geto e
tinao o Industria sao muito mais exeessivos, sao quando se trata de urna Ilusoria obrigacao que
muito mais onerosos ao thesouro nacional do que bem pede passar desapercebida a valiosa conces-
os ltimamente outorgados aquella estrada do fer- sar que ellas ence/ram.
ro. Em tercelro lugar mostrarei que o projecto que Agora, Sr. presidente, vou comparar o projecto
se discute nao deve ser approvado, porque elle em discussao com o contrato do Sr. Bellegarde, e
inconveniente, e anti-eeonomico, e tal que importa mostrar qne esta emenda que foi apressntada co-
rona verdadeira extorso aos cofres pblicos. mo modilicago aos onus daquello contrato, e como
Sr. presidente, tenho notado um facto singular, urna proleego mais rasoavel e prudente, ainda
e que desde que se trata das questoes relativas a mais onerosa que o mesmo contrato.
Uniao e Industria, proporgo que se adia a sua Pelo contrato do Sr. Bellegarde o governo paga-
decisao, a popropnreo que se protela urna soluoao va a. divida do banqueiro Souto de outros credo-
t''nl!!V or mt'v"s^'nPrt'vls'0s, por emergencias res na importancia de 2,2W;l7|JJtOOO, mas em com-
pensaco tlcava elle recebendo as garantas pro-
vinciaes o geral na importancia, de 292:0005000
ananaes, entretanto que pelo projecto que se dis-
cute o governo obrgado a pagar aquellas mes-
mas dividas sem rcmtndo recetor as ditas garan-
tas ; Pflo cntralo Bellegarde pagava, mas rtcebia
o prodneto das garantas geral e provinclac;; ago-
eoes com esse estabelecimento e suas filiaes.
O Banco do Brasil e as suas filiaes leem com
effeito avalladas sommas do notas suas em circo-
aco, mas ellas sao sempre apresentadas por equi-
valentes em moeda metlica e ttulos de dividas,
realisaveis em qualquer poca, alm da garanta
do governo, que obligado a recebe-las e a troca- j vereadores nao
las como se fossem olas do thesouro.
Os abaxo assignados,negociantes desta praca,
convencidos que as noticias da cessagao de paga-
mentos por parte de um banqueiro na praca do
Bio de Janeiro, nenhum estorvo pode causar
marcha regular do Banco do Brasil e de suas Ca-
|ue promplaniente Ih'as
gado, 4 pragas de linlia,
concedeu.
La\rou-sn o auto de vlstoria e diz elle, que vai
remeiter ao Exm. Sr. presidente, para ao depois,
(caso S. Exe. ordene) proceder contra os autores do
arrvmbamenlo; no entretanto tal vez que aos Srs.
Ibes cusle,
, nem mais nem menos
do qne as delicias impostas pelos arts. 332 e 333
do cdigo penal francez (visto as penas do nosso.
seren muito levos, para crimes de-la ordein.) Sa
verdade, bem penosa a tarefa de um presid-nle
de provincia Pois alm das duvidas, consultas,
etc. que Ihe cumprc decidir tem de resolver ques-
eas Filiaes, e sendo cerlo que as olas do mesmo loes que nem nalei, nem no bom senso poder en-
Banco, devem ser consideradas romo moeda do conlr.tr urna sabida.
estado, visto que pela le de 5 de julho de 1833 Fallecen a dias, o mais rico capitalista deste
este grande estabelecimento bancario goza do pr- termo o alteres da guarda nacional Ignacio Vieira
vilegio exclusivo de suas notas ser-m recebidas Me Mello. Morreo como dizem os Despatillos-
as eslaeiies publicas : vem novamcnle declarar ao
publico qu continuam no firme proposito de ad-
miltir em todas as suas transacgies como moeda
de pagamento as notas da Caixa Filial. Becife 20
de setembro de 1864.-Pelo I.ondon and Brasi-
lian Bank, Ino G. Goodar.-Jos Joao de Amo-
rirn, presidente do Novo Banco ; os directores ge-
rentes do mesmo Joao Ignacio de
sbito pronto. Seria em con-equencia de alguma
apoplexia, ou seria o tal embolismo pulmonar 1
A villa retomou o seu aspecto primitivo, isto.
ras desertas, silencio profundo e calor de matar :
por consegunte, estamos como d'antes desfrucian-
do a tranqullidade que o maior cvnico poderia de-
sojar !
O tempo contina ser bom, e pena, que un
com as quaes nem sempre se pode contar, as mo-
dificages que se fazem sao sempre mais [avara-
veis cmara e pelo contrario mais prejudiciaes
ao estado : assim a emenda do nobre deputado por
Minas, qne hoje, romoj. disse. o projecto que es-
la em 3' discussao. mais ventajoso companhia
do qne o contrario feito pn|re ella e, o Sr. DeHcgar-
. Medeiros Reg
e Joao da Silva Regadas.Bario do Livramento i"r tao bello como o que tem bavido, nao encontr
P. |>. da viuva de Manoel Gongalves da Silva, Luz T'^m o aprecie, quem o contemple, quem sinta es-
Antonio Vieira.Alves llamburger & C.Monlei- se doce gozar, lavado aocorago por um desses
ro Lopps & C Joo Callos Bastos de Oliveira. raios magnticos !
Joao da Bocha e Silva. Manoel do Nasciniento Adeus, gozo V. ahi nessa encantadora Vneta
da Costa Monteiro- Jos Antonio de Carvalho. essas noiles lindas : can(arole a casladiva oumur-
Jose Pires Ferreira.Saunders Brothers & C- mure a Ischiu...... e lembre-se de mim.Tom
Augusto Frederico de Oliveira.Chnstiniani A Bounlett.<
Irmos.Jos Marcelino da Rosa.Eduardo Fen- Por muitas cartas do Rio de Janeiro, que le-
i? n~~ Ferreira Bailar.Thom Bruckingam j mos sob os olhos, escripias por pessoas alto colloca-
& BoDerts.-Joo Cardoso Ayres.-Podro Tinoco-Idas, e competentes em illustrago, e saber, pode-
Irancisco Jos Goncalves da Silva. Francisco J. mos annunciar aos nossos letores que o opsculo
da Costa Fiallio Jnior.Mello Lobo & C. Jos do nosso amigo o Sr. Pinto de Campos, em resposta
da Silva Loyo.Henry Forster & CP. p. de iao Sr- Pedro Luiz, tem sido muito bem acolhido
Phipps Brothers & C., Pedro A. d'E.P. p. de
Thomaz Jelfries, R. A. Cowlly.Guilherme da
Silva Gmmaraes.Rothe & Bidoulac. Smpson
& C.Jos Joaquina de Castro Moura T. Chris-
tiansen. Antonio Henrique Bodrlgues,Joaqnlm
F. dos Santos Coimbra Guimares.M. Jos Gon-
calves da Fonte. -Jos Joaqnim da Silva.Perei-.
ra Carneiro & UMaia & Espirib Santo.bid- Diana, que tantos servgos tem prestado, as cansi-
ro Netto A CWilson & Hett.Mills, Latham <& i deragoes seguintes :
'1-V. p. deBroiider Brandis & G, L. a. Du-1 t A crdem terceira de S.Francisco eta cum-
naqnella corte, onde se prepara urna nova edigo.
Applaudimos este rpido iriumpho que vai co-
Ihendo a sa verdade christa.
Remettem-nos o seguinte, pedndo sua pn
blicago :
c S>-i. redactores da Revista Diaria : Pedimos.
que por especial favor publique em sua Revista
Schwind, Henry Wood.Braga Son & CP. p.: ment de cada nm delles, comtudo somos a dizer
Afredo Xavier de Oliveira.P. p. de Tisset frres, Paulo se conseguir o que se desoja, urna vez que, 6 bem
Tissel.-Mannel Joaqnim Ramos e Silva \ Gen-: conheeido o actual irmo vice-ranstro pela sua
ros.Caetano Cyriaco da C^sta Moreira.-Fraocs-1 probidade o honradez.
po Alvos Monteiro iunlor.-Joaquim Francisco da I Outro mel de que se tem lineado mo, tem.

I


DUrl* de Iermahaeo Qiiarta fe Ira ti C Kefeuthro de I !.
sido de, se conseguir por meio de pedido, segundo; cei, actual capital da provincia das Alasitas, pe-,
nos consta miraos irm.'ios da mesa nao compare-1 dindo ser nomeado corretor geral daquella praca,
cerera qundo se sabe que ello tem de votar no juntando documentos comprobatorios do sua capa-
irmo'vice ministro afim de ser preenrhido o seu cidade legal, e de haver prestado flanea idnea na
lujar por halar, que fallados por alguem vo vo-1 forma da ler:Vista aoSr. desembargador flscal.
tar no outro candidato. Dada a hora, e nada mais havendo a despachar,
., Podemos amanear que esta trica nao produ-1 o Exrn. Sr. desemliargador presidente encerrou a
DESIGNA!}.\0 DE DA.
dia para jiilgamcnh* dos segrate
zir effeito algum por termos inteira convic^ao de j
qne os irmos da actual mesa regedora sustenta-
rao a sua dignidado, repeffindo aquelle que se
atreva a fazer-lhe tal pedido, assim como de rece-
bcreni eliapas carimbadas, spgundo nos consta.
Se o collfgio eleitoral, o que estamos conven-
cidos, deseja que a Ordem seja bem representada,
leche os ouvidos s calumnias de qne se tcm lau-
cado mao, vote no nosso actual vice-ministro, dan-
do urna prova deque s deseja o augmento e pros-
peridade de nossa orden.
Xs poderiamos indicar o flm desta guerra, po-
rm nao queremos nos envolver era questoes que
deven ficr em segredo
Um nmuo Ierren o.
Repartic.vo da polica.
Extracto das partes do da 20 de setembro
lo ,8ti- i- ,,>.
Foram reeolhdoscasadedelencao no da l'J do
correle: ,
A' ordem do subdelegado do Recife, os inglezes
Themcis, Indeliam Harpi, Thondem Carnau, Kom
Haneld, |K>r disturbios ; Manoel Flix Barbosa, MB
declarado do motivo; Ananias (liberto) para cor-
reecao.
A' ordem do de Santo Antonio, Anlonio-escravo
deD. Cosma, por suspeito de estar fgido.
A' ordem do de S. Jos, Federico Carlos d An-
drade, por embriaguez Felicidade Mara da Lon-
ntejin, por tapa; Leopoldina da Tnndade, por
disturbios; o Manoel, cscravo de Mafia Felippa, a
requeiimento desta.
A' ordem do da Ba-Viagem, Jos dos Santos
Cartiar, por furto.
O chefe da 2* seceao'.
J. G de ilesquita.
Passagehus do vapor nacional Cruzeiro do
Sul, sabido para o Parae porto- intermedios:
Louis Autran, tltun Moise, 3 praeas do eorpo de
guarnirn, soldado do eorpo de guarnicao Amaro
,1.. UUi>ii a Qiiiiti Itlluc Itiri
sessao.
Assignou-se
feitos :
As apnellacSes civets.
Appellanle, Manoel Patricio dos Santos ; appel-
lado, Fabricio Gomes Pedrosa.
Appellante, Joao Paes Barreto de Lacerds ; ap-
pellada, a baronesa de Ipojuca.
Appellante, D. Mara Felicia-da Conceicao Leite ;
I appetlado, Manoel Fernandes da Silva.
Appellante, Lourenco Jos das Neves; appella-
; do, Jos da Rocha Prannos.
dos Santos Evan-
appellados,
SESSAO JIDCIARIA EM 19 DE SETEMBRO
UE 1864.
PRESIDENCIA DO EXM. SK. DESEMBARGADOR
A. F. PERETTI.
Secretario, Julio Guimaraes. lado','padre Joaquim Xavier Poi tella.
As 11 ,'j horas da nianha, o Sr. presidente abri Appellante, a cmara municipal
a sessao estando reunidos os Srs. desembargadores Vicente Ferreira do Reg o octros,
Reis e Silva, Silva Guimaraes e Accioli, e os Srs. Appeflanfe, Manee! dos Santos Oliveira Goncal-
deputados Lemos, C. Alcoferado e Basto. ves ; aptwHado, Pdippe Nery.
Lida, foi approvada a acta da sessao antecc- Appellantes, Carlos Jos Asi ley & C.; appellada,
dente. a fazenda nacional.
O Sr. deputado Rosa comniunicou nao poder Appellante, Manoel Elias de Moma; appella-
com parecer presente sessao por se adiar incom- do, Joaquim Francisco Cavalcanti de Albuquerque.
modado. Appellantes, os herdeiros de Christovo Rkwizio
Assignou-se o accordo proferido na ultima de Barros ; appellado, Dr. Pedro Pereira Bezerra
sessao entre parles : de Aranjo Bellrao.
Appellantes, a viuva e herdeiros de Manoel Luiz Appellante, Jos Thomaz da Silva Jnior; ap-
Gongalves ; appellado, Joao Francisco da Silva No- pellado, Antonio Carlos LeHe.
vaes. Appellante, Jos Fructuoso Dias ; appellado, Fe-
julgame.vtos. lippe da Costa Souto.
Appellante, Manoel Kibeiro Bastos appellada. fassagbks
a embargante 3* D. Theodora Mara Quiteria c, O Sr. desembargador Caetano Santiago passou
outros. ao Sr. desenibargader Gitirana .
Adiado na sessao anterior. A appellarao civel.
Foi conlirmada a sentenca appellada. Appellante, B. Maria do Carmo Nones Ferreira ;
Appellantes, o r. Antonio Agripino Xavier de appellado, Antonio Jos Pinto.
Brito e os curadores uanaes da massa fallida de Ao Sr. desembargador Doria
Martiiiho- de Oliveira Borges e outros ; appellado, As appellaroes avtis.
Jos Gomes Leal. Appellanle, Pedro Cavalcanti de Albuquerque
Adiado na sessao antecedente. Uebea ; appellado, Joao de S Albuquerque.
Foi confirmada a sentenga appellada. Appellanle, Dr. Deodoro Ulpiano Coelho Cata-
Appellantes, Caetano Cyriaco da Coste Moreira, ano ; apnellfldo, Jos Panto do Reg Barreto.
como administrador de sua muiher, Manoel Lea Do-Sr. desembargador Lourenco Santiago ao Sr.
de Castro e outros benteiros de D. Antonia Maria desembargador Motta
PenVe Celestino Mndello.
E arestaran o juramanto
geo.
Poi o reo interrogado e procedeu-se leitura do.
processo.
0 Sr. promotor pedio a condemnacao do reo no
grao mximo da segunda parte do- a'rt. 116 da c-
digo criminal.
O Sr. avogado deduzindo a defeza, pedio a a*-;
solvicao do reo.
,-Fimlos os debates e preenchidas todas as solem-
nidades d*lei, o Sr. juiz de drrelto propoz os que-
da Silva- o Souia, Joles Birber, Carlos Ernesto de
Mesquit* Falcao, Jktlo Tavares da Silva, Heinrich
Kalkmain. Amphrisio Jos de Carvatno e 1 criado.
Joao de Freilas GaMS, major JosV Joaquim An-
tuues, Antonio Mihiz Maclwdo c 1 e.-cj-avo, Silvi-
no Silva, Lai/. de Barros da Silva, Francisco da
Costa Maia, fio Evangelista da Silva Lopes, Bal-
doim Josa TafMM da Silva a 1 criado, Cleodom
CitnemlSM PereM, Adriano Jos Leas, i pravas
da tiotiiia, Jos de Villa Flor e 1 criado, Amaro
de Barros Correa. Joaquim Jos Pinto da Franca.
M*vmen*i < setenim de 1*64.
Existiain....... : presos.
Entraram...... 44
Sahiraui ..... 14
Bfttettnu
3S6
a saber
Nacionaes
Muibercs.....
Eslranguiros..
Eritraneira ..
Eseravos......
Escra-va*......
498
II
."i
1
-17
i
de Castro ; appellados, Barroca & Medeires.
Adiado na uJtima sessao.
O Exrn. Sr. desembargador A. P. Perelli nc-po-
dendo presidir ao presente juramento por ser sus-
peito, amatan ibu sospeieao ; c retirando-se da
sala das sessoes assumio a presidencia o Sr. des-
embargador Heis e Silva.
Foi reformada a sentenea appellada.
As>umindo de novo a pn^sidencla o respectivo
presidente, entraran) em julgamento
feitos entre partes :
Appellantes, (tata) Schmetteau C. ; appellado,
o Dr. Manoel Buarque de Macedo Lima.
Destirezaram-se os embargos.
Appellante, Jos Baptista da Fonseca Jnior :
appeHados-, os curadores Gaeaes da massa fallida
i de Amuriin, Fragoso, Santos & C.
Adiado o julgamento requerimea*o de om Sr.
deputado.
Appellantes. Moreira & Duarte -, appellado, Paar
lo Jos Gomes.
Adiado o julgamento reipierimunto do um dos
Srs. depurados.
Appellante, Francisco Luiz Carreiro & C. ap-
peMtoer Tasso Irmos.
Appellante, Antonio Virrssimo da Silva ; appel-1 sjtos seguintes
L O reo Florismundo Jos de Sanf Atina, no :
dia 41 de janeiro do corrente anno, oppoz-se cora
forra execucao de urna ordem legal de prisao
do subdetegado cm exercicio no districto da Ca-
non? nesta capital ?
2. Apezar da oppostyao do reo, a referida dili-
gencia foi eflectuada; sem que os encarregadas
della solTressem alguma offensa physica ?
3. O reo praticou o mesmo crime de noite ?
4. Existem circumstancias altenuautes a favor
do reo ?
Recolhido o jury de sentenca sala secreta das
conferencias 1|4 hora da larde, d'ahi yoltou
I hora respondeado aos quesitos pela maneira se-
guinte :
Ao primeiro quesitoNao, porunanimidade.
Deixou de responder aos demais, por licarem
prejudicados.
Lidas as respostas pelo presidente do jury de
sentenca o Sr. Dr. Demo o Sr. juiz de direito publieou sua sentenca absol-
vendo o reo c condemoando a municipalidade as
castas.
Levantou a sessao, flcando adiada para o da se- <
guinte s 10 horas da manhaa.
DIA 17.
presidencia do sn. dr. joo Antonio d'arai;jo j
FREtTAS ENRIQUES,
VZ DE DtRF.ITO DA PRIMEtRA VARA GRIMIN'At..
Protmtor pitbtico, o Sr. Dr. Jos Paulino da
Cmara.
Esa cao, o Sr. Joaquim Francisco de Paula
Esleves Clemente.
A appellarao civel.
Appellante, padre Jos'Antonio dos Santos Les-
sa ; apiwlfctdo, Jos Pinto de Magamae*.
OSr. desembargador Assis passem ao Sr. desem-; Adrogado, o Sr. Dr. Anterior Netto de Mmdonca
bargadur Doria A's 10 boras da manbaa, feria a chamada, acha-
As apprlacoes civeis. ram-so presentes 39 Srs. jurados.
Appeltmte, Luiz Antonio Aaues Jacomc j appel- Foram multados em 205 cada um dos Srs. que
lado; Francisco de Salles Cardoso Lima. faltaram.
Appellanle, Luiz de AHmqaerq-ie Maranhao: o Sr. joli de direito declara aberta a sessao.
os segnintes appellados, Joae Francisco de Oliveira e-outros. Entra em julgamento o reo Bernardino d
Appallante, /os Ribeiro Lima ; appeBade, Ma- Sena, acensado por crime de furto de um cavallo.
noel Soares do NaschneHo.
Ao Sr. desembargador Gitirana
Appellet^o eirrt.
Appellante, a-preta Caelaoa aprxillada, D. Ma-
ria Joaquina da Silva Manta.
Do Sr. desembargador Motta ao Sr. desembar-
gador Doria
A appeilttctto civet.
Appellantes, os herdeiros de D. Jaeintha Maria
de Abreu ; appellado, Jos Peres da Croe.
Do Sr. desembargador Ucho Cavaleaott a Sr.
desentnargader Demrmanw da Silva
As appetlaeSes crimes.
Appellante, o promotor; appellado, Florentino,
Adiado o julgamento requerimento de un) dos cscravo.
' Srs. depuiados. Appellante, o joizo ; appellado-, Bernardino Gao-
passagkns. '' dirto dw Aranjo Pinto.
Appellantes, o presidente e directores da Gaixa Do Sr. desembargador DomiBguesdaSiWaaeSr.
1 Filial do Banco do Brasil, nestaeidade ; appelktdo, desembargador Caetann Santiago
jt; Jo|Utm Juvem-io da Silva. A appellaeSo civel.
A limenlados eusla dos cofres provinciaes 119 i Do Sr. desembargador Rcis e Silva ao Sr. desenv Appellante, o viseonde de Suassuna; appellados,
Movimenio da enfermara do dia 40 desetembro bargador Silva Guimaraes. os herdeiros de Sebastian Antonia Paes Barreto.
de (64,
Tevtt li.iixa :
RMirMad** Pires da Luz:
febre.
Appellantes, os administradores da massa fallida
de Bastos & Lemos ; appellados, Bozano Irmos.
Do Sr. desembargador Accioli ao Sr. desembar-
gador Reis e Sil-va.
.. ., DisTRim-icoEs. ; appellada, a justiga.
Apoellaole, Manoel Jos Machado appellados, ,r A apveHacao civel.
curadores spjiii* fia massa fallira, lie. Ins Mar- >____n-_... r^_ tiil i.? r>:_.. .
DISTRnrUICflES. -
AoSr. desembargador santiago
Appellacao crime.
Appellante, Alexandre Pereira da Silva Tavares?
| os curadores liscass da massa fallida de Jos Mar
| ques dos Santos Aguiar A C.
Ao Sr. desembargador Reis c Silva
Appellantes, o presidentes e directores da Caixa
Filial do Banco do Brasil anta cidade ; appella-
dos, o curador da massa faHiila de Manoel Alves
Guerra e lambem este.
AoSr. desembargador Silva Guimaraes.
Appellanle. Antonio Germano Alves da Silva ::
appellado, Domingos frigueira dos Santos Cabril.
Ao Sr. Desembargador Accioli.
Nada mais |iodendo iraiar-se, encerrou-se a ses-
sao s 2 horas da tarde.
ADVERTENCIA.
Na t-ilalidade. dos doentes existem 153, sendo
90 honran* e 63 mulheres.
Foram visitadas as enfermaras estes dias :
Pelo Dr. Bamos s 6 3|l, 6 3,4, 7, 6 3|4, 6 3|4
i 1|2, 6 1|2.
Pelo Dr. Sarment s 9, 9 1|2, 8, 7 3|4, 8
3|4, 73|4, 7 1|4.
Fallrreram :
Marcelina Maria do Espirito Santo, dilatacao da
crossa da artos.
Anua Candida Rosalina, pbtysica pulmonar.
Faii.-iina (nme? Reis, apoplexia pulmonar.
FranciM'a Romana, interite.
OllITCARlO DO UEMITERIO PUBLICO NO DA 18 DE
SKTKMUHO DE 1864.
Rosa Maria do Espirito-Santo, l'ernambuco, 30
anuos, viuva, ba-Vista, phthysica.
Antonia Maria da Conceicao, Pernambuco, 28
anuos-, casada, Boa-Vista, plithysica.
Fnncisi a Romana, Pernambuco, 81 anno?, solt-
ra, Boa-Vista, mente,
lu prvulo encontrado no adro do convento de S.
Francisco, S. Antonio.
EjtpostD, cujo nome ignora-se, Pernambuco, 3 das,
S. Antonio, espasmo.
19
Mariana, Pernambuco, 3 mezes, Ba-Vista, gln-
dulas.
Paulino de Farlas Lemos, P-rnambueo, 17 annos,
SOKeiro, Ba-Vista, febre perniciosa.
CIIRMCA JUIUGUKI4
THIBIWI, IIO CO'I HERCIO.
EXTRACTO DA ACTA DA SESSAO ADMINISTRA-
TIVA DE 19 DESETEMBRO DE 1864.
PI'.RSIDENCIA DO EXM. SR. DESRMBAROADOR
ANSELMO FRANCISCO PERETTI.
As 10 horas da manhaa, presentes os senhores
deputados Lemos, Aleoforado, e supplente Basto,
faltando eom parfi'-ipaca' o Sr. deputado Rosa, o
Exrn. Sr. desembargador presidente declara aberta
a sessao ao to>rue da campainha.
Lida, auprovaita a acta da antedecente.
O Sr. deputado secretario interino faz a leitura :
Do offlci cm que o Sr. deputado Ro*a partici-
para nu poder, puf incoinmodo de sade, compa-
recer presente sessao.Inieirado.
De vincia das Alagoas, de f2 do correte, enrami-
nhando os papis de Joao Esteves Afves preten-
da do officio de corretor gerat da praca de Ma-
ce.lidrirado.
Eslava sobre a mesa a cotacao dos precos cor-
rentes da praca relativa ultima semana.Ao ar-
chivo.
DESPACHOS.
Na peiican de R.Jj. Unwemr A Companhia, pa-
ra qne s. admitisse registro a nomearao, qoe jnn-
larain, pela qnal consliluiram caixeiro de sua rasa
commercial a Antonio Affonso Mereira : Regis-
tre-se.
Na de Joao Esteves Alves-, ridadao Brasileiro,
J. idade de 36 aonos, natural des provincia, e
Jomic'.'ado ha mnis de 33 annds na cidade de Ma-
TKIB Y V!i M RELICTO.
SESSAO EM 40 DE SETE.MRRO.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. CONSELHEIRO
SOliZA.
As 10 horas da manhaa, presentes os senhores,
desembargadores Santiago, Lourenco Santiago, Al-
meida o Albuquerque, Assis, Doria*, Motta, Uchoa
Cavalcanti, Domingues da Silva, e Guorra, proi-u-
rador da cora, fallando o Sr. desembargador (Jiti-
lana, eom participaco,abrio-sc a sessao.
Passados os feitos e entregues os distribuidos,
deram-se os seiruinles
JLGAME.XTOS
Aggravos de petico.
Aggravante, Manuel Joaquim "de Lemos Vascon- i
cellos ; aggravado, o juizo.
Relator o Sr. desemliargador Santiago
Sorteados os senhres desembargadores Assis, i
e Alm>'ida Albuquerque.
.Negaram provimento.
Aggravante, Manoel Francisco de Paula; aggra-
vado, o juizo.
Relator o Sr. desemliargador Almeida e Albu-
querque.
Sorteados os senhores desembargadores Motta.
e Uchoa Cavalcanti.
Negaram provimento.
Aggravante, Manoel de Rezende Reg Barros:
aggi avado, o juizo.
Relator o Sr. desembargador Assis.
Sorteados os senhores desembargadores Doria,
a Almeida e Alboquerque.
Deram provimento em parte.
Aggravaote, Jos Rodrigues de Araujo Porto-, ag-
gravado, o juizo.
Relator o Sr. desembargador Doria.
Sorteados os Srs. deemtiargadores Almeida e
Albuquerque e Donnngues da Silva.
.Negou-se provimento.
ilrrnrso crime.
Recrreme, o juizo ; recorrido. Manoel Leite
Pinto.
Relator o Sr. desembargador Santiago.
Sorteados os senhores desembargadores Bebda
Cavalcanti, Assis e Almeida e Albuquerque.
Improcedente.
Appellaroes cireis.
Appellante, o juizo ;'appellado, D. Joanna An-
glica Fernandes rautas.
Conlirmada a sentenca.
Appellantes, Rostron Rooker & C.; appellada. al
fazenda.
Julgou-se a desistencia.
Appellanle, Bernardo Jos de Barros ; appella-
do, Jos Antonio Marques.
Nullo o processo.
Appellante, D. Joanna Maria das Dores ; appel-
lada. Dr. Augusto Carneiro Monteiro da Silva
Sanios
Annullou-se o processo.
Appetlante, Agostinnu Lucas Correia ; appella-
da, a esrrava Luiza.
Befurmaram a sentenca julgando o autor care-
cedor da accao.
Appclranto, Dr. Joae Jos Pinto ; appellado, Joao
da Costa Ribeiro.
Ao Sr. desembargador Gitirana
A appellaeSo crime.
Appellante, o juizo ; appellado, Jos Rodrigues
Correia.
A avpellarao civel.
Appellante, Jos Marcelino Alves da Fonseca^
appellada, a fazenda.
Ao Sr. desembargador Lourenco Santiago.
A ttppcllnqao crime.
Appellante, o juizo ; appellado, Manoel Pita Ba-
celar.
Ao Sr. desembargador Almeida e Albuquerque
A appellai-o crime.
Appellante. Manoel Severino dos Santos i appel-
lada, a justica. V
Ao Sr. desembargador Assis \
As appellaroes aunes.
Appellante, o jimo : appellado, Herculano de
Andrade Fortuna P. _
Api>ollante, o juizo J appellado, Antonio Jos
Leocadio
Ao Sr. desembargador Doria
O jury de sentenca foi composto dos senhores
seguintes :
Dr Horacio Valfredo Peregrino da Silva.
Joao Joaquim deSijaeifa-Varejao.
Antonio Caldas da Silva,
Jos Mara Freir Gaiuoiro.
Bernardo Luiz F. Osar Loureiro.
Dr. Manoel Aithurde-lloManda Cavalcanti u> Al-
buquerque.
Joao Antonio da Silva Pereira.
Maooel Ignacio de Torres Randeira.
Francisca Antonio P. de iluto.
Dr. Pedro Docnellas Pessoa.
Dr. Francolino Bwaardo Quinloiro.
Sebastiao Jo> Gomes Peana Jnior.
E prestaram o juramente dos- Sanios Evan-
gelbos.
Foi oreo interrogadoe procedeu-se leitura do
processo.
0 Sr. promotor pedio a condemnacao do reo
no grao mximo doart. 257 do cdigo eriminaJ.
0 Sr. advogado, deduzindo a defeza, pedio a ab-
solvicao do reo.
Findos os debales e preenchidas todas as forma-
lidades da le,o Sr. juiz de direito propoz os que-
sUijs seguintes :
1," O ro.Bernardinode Sena, no da 2 de junho
do correte anno, tirou para si contra a vontade
de seu dono um cavallo alheio, como se descreve
no libello a folhas 28 dos autos ?
2." 0 ru comraetteu o crime de noite ?
3." Existem circumstancias atteuuantes a favor
ido reo?
Recolhido jui j ue sentenca sala secreta das
i conferencias l|24iora depois'de 1|2 dia, d'altt- vol-
| t"U a 1 hora da tarde respondendo aos quesitos
; pela maneira senninte :
Ao primeiro quesito :Sim, por 7 votos.
Ao segundoSun, por unanimidade.
Ao terceiroSim, por 6 votos.
Lujas as resp istas pelo presidente do jury de
! sentenca, o Sr. Dr. Horacio Valfredo Peregrino da
.Snvi, Sr.juiz-de direito puMicou sua sentenca,
('Uiili-iMoainio o reo pena do dous annos ion
mez de prisao rom traba I los e multa de 12 lj2
i por cento do valor furtado, e as custa*.
Levantou a setHio, que licou adiada para o
dia 19 s 10 horas da manhaa.
As appellaroes enmes.
Appellante, Jos Beato Beltrao Velloso ; appella-
do, o juizo.
Appellante, Francisco Ferreira de Sotiza : appel-
pellado, o juizo.
Ao Sr. desembargador Motta
CORRESPONDENCIAS.
.Srs. redactores. Xo Jornal do Commercio de 6
do correle veno publicado o discurso do Sr. Dr.
Urbano proferido na sessao de 11 de agosto da c-
mara dos Srs. deputados, em cujo exordio promel-
le tratar de diversHS assumptos, alijans relativos
| ao ministerio da guerra, e outros poltica geral
As appellacoes crimes.
appellado, Manoel Remar-1 U"-
os assumptos relativos ao ministerio da guerra
appellado, Severino Rodri-
Appcllante, o juizo
do da Guerra.
Appellante, o juizo;
! gues.
A appellaco cite/.
Appellante, Dr. Jos Angelo Marcio da Silva: ap-
I pellada, a fazenda.
Ao Sr. desembargador Uchoa Cavalcanti
As appellacoes rrimes.
Appellante, o promotor ; appellada, Gnilhermi-
i na Maria da Conceicao.
Appellante, o juizo ; appellado, Flix, cscravo.
A appellacao civel.
Appellanle, a fazenda appellado, Joaquim Gon-
calves Guerra.
Ao Sr. desembargador Domingues da Silva
A appelUicao crime.
Appellante, Antonio Rarbosa do Reg ; appella-
da, a justica.
A appellaco e.irel.
Appellante, Francisco Santiago Ramos \ appella-
I do, Gabriel Antonio.
Aggravo de instrumento.
Aggravante, Cnristovo da Rocha Cunha Souto-
! Maior ; agiiravado, Francisco Jos de Moura.
A 1){ hora da tarde eBccrrouse a sessao.
Appellacoes crimes.
Appellantes, Leandro Jos de Oliveira e Joaquim
da Rosa ; appellada, ajnstlca.
Nullo o processo da pronuncia em diante.
Appellanle, o juno ; appellado, Manoel Joaquim
de Lima.
A' novo jury.
DILIGENCIAS CRIMES.
Com vista ao Sr. desembargador promotor da
justica
As appellacoes crimes.
Appellante, o carador de Placido-, appellada, a
justica.
Appellante, o juizo; appellado, Manoel Carlos de
Sonta.
Appellante, Jos Francisco Pereira ; appellada,]
a justica.
Appellante, Luiz Manoel Flor; appellado, o
juizo.
appellados, Bazilio Alves
TliiBl i Al. 0 JCRV
3a SESSAO-DIA 16 DESETEMBRO DE 1864.
PRESIDENCIA DO SR. OH. JOAO ANT0N'ln n'AXAUJO
KREITAS IIENiilQLBS,
JUIZ DE DIREITO DA PRIMEIKA VARA CR1MIAL.
: Promotor publico, o Sr Dr. Jes Pauli no d
Cmara
Escrtvao o Sr. Joaquim Francisco de Pauta Esteves
Clemente.
Advogaio, o Sr. Antonio Luiz Ferreira de Menezes
Vasconceltos de Drummoni,
estudante do 4" anno da Furuldade de. Direito.
A's 10 horas da manhaa, feia a chamada, acha-
ram-se presentes 41 Srs. jurados.
Foram multados em 20 cada um do< Srs. jura-
dos que fallaran).
Havendo numero legal, o Sr. juiz de direito de-
clarou aberta a sessao
Entra em julgamento o reo Florismundo Jos de
S. Anua, a- cusado por haver re-islido pri-o "ti-
mada pelo inspector de quarteiro Antonio Joa-
quim de Sena Monteiro.
Procedendo-se ao srtelo do jury de sentenca,
foram recusados pela promotoria os Srs.
Jos Joaquim da Cosa.
Dr. Joao Vicente da Sirva Costa.
Francisco Jos Cyritto Leal.
Antonio Caldas oa Silva.
Pela defeza foram recusados os Srs. :
Dr. Ignacio Firmo Xavier.
Dr. Pedro de AthaydC Lobo Moscoso.
Dr. Antonio Jos da Costa Ribeiro.
lo^ Antonio Vieira de Sotiza.
Bernardo Luiz e.-ar Loureiro.
Appellante, o juizo
Correia e outro.
Appellante, o juizo
Vianna.
Appellante, o juizo;
Costa.
Appellante, o juizo
reir.
AppeHante, Jos Gomes de Oliveira ;
a justica.
!
entorno Gonealves Pereira Lima.
Dr. Joo Maria Seve.
O jury de sentenca ficou composto dos Sr. se-
fnintes :
rancisco Antonio Pereira de Brito.
Luiz Pereira de Parias.
Francisco Antonio Pereira de Brito.
Lutx Amavel Dubonrcq Jnior.
Dr. Dernosthenes da Silveira Lobo.
Francisco Antonio Puntual Jnior.
Antonio Machado Pereira Vianna.
appelrado, lunacio Mo- Joao Antonio da Silva Pereira.
Jenuino Jo- Tavares.
appellada, Man iel Ignacio de Torres Bandeira.
Dr. Horacio Valfredo Peregrino da Silva.
appellado, Jos- Martins
appellado, Pedro Gomes da
apenas se occopoo do recrutameiito ; c dos tunden
tes poltica geral, riiininou unas i|uatru palavras
acerca das queitSet de gabinete, pan vir ter depois
Pernambuco, fallar de si como de um maityr das
eleires, da nomeacao do director e de un lente
da Escola Normal, como prova de que a muralida-
de da provincia vai a garra I
Se o doconchavo eutre o enunciado e a demons-
tracao prodoz a mais desfavoravel impressio nos
seus crditos de orador ; a incompetencia da sua
pesoa para apreciar os fados adduzidos, e des-
lealdade com que procurou ferir a individuo^, de
quera se fazia amigo at pouco lempo, e (|uo sem-
pre o souberam acatar, do a mais triste idea do
que vale como homem c como poltico.
J ouvi dizer que o Sr. Dr. Urbano hava des-
aprendido com o seu longo soinno de lo anuos, o
seu discurso vem justificar esse dito.
Tratando do primeiro assumpto diz :
0 nosso modo de recrulaincnto arbitrario c
forcado por demais pressivo e vexatorio, e tem
una influencia perniciosa sobre a industria, c al
sobre o futuro e surte de niuitas familias pobres e
honestas, qne (Iran arruinadas e perdidas pelo re-
crutamento dos seus chefes.
No entretanto em 1841, quando se recrulou um
bacharel, que era procurador frutal da tonda pu-
blica, por ordem lo Sr. Pedro Chaves, na Paraby-
ba, o Sr. Urbano foi o nico que na cmara electi-
va jusliticou esse acto, levando o seu zelo governis-
ta ao poutode dizer, que nem mesmo os bispos es-
tavam isentos do recrulameiito 1
E note-se que esse bacharel, o Sr. Francisco Ig-
nacio de Souza Gouveia, liberal e pessoa muito lio-
nesta, era chefe de urna familia pobre, a quera ser-
via de arrimo, e cujo futuro nao poda deixar de
tirar comprometido !
Mas o Sr. Urbano, que em 1841 pertencia es-
cola do Sr. Pedro Chaves, em 1864, quando nao se
recruta hachareis, nao duvida dizer daquelle mes-
mo lugar que o recrutamento compioinelte as li-
berdades publicas e iudividual, o futuro e a sorte
das familias I
O que, pois, acta no espirito do Sr. Urbano ?
ludo, menos a pmbidade poltica, e por Isso que,
soaudolhe a voz do Sr. Arago e Mello como u na
trocidanie recordado, corre amedrontado della
para tomar p em Gus de 1843, e recordar servi-
dos alias importantes, se n.o'se quiz> sse recom-
mendar para o principio de 1844, em que vingoo
a poltica liberal com a asceucSo do gabinete Al-
meida Torres.
Ora, o Sr. Urbano, dcixando nesta poca as in-
signias da poltica Pedro Chaves para se fazer li-
beral com o Sr. Almeida Turres, devia empregar lo-
dos os iiieins de tirar o arbitrio no recrutamento,
pnrque nao poda ser livre um paiz (segundo diz),
onde se recruta ou deixn de recrutnrse vontade
da governo, por favor ou desfavor ao governo. Mas
nao o fez po leinio-o fazer, nao o faz deven-to-o ter
ferio, logo, sabendo onde existe o mal e o nao pro-
cora remediar, Ora patente a sua incompetencia e o
sea liberalismo nao passa de urna capa de pediute
sob a qual deseja occultar as provisdes para o esto-
mago ; e cotilo se sabe, nao ha probidade individual
ou poltica, onde nao ha houestidade no pro-
ceder.
Tratando do segundo assumpto, falla na influen-
cia poltica da le de 3 de dezeinbro de 1841 ; da
cohorte de defegados. subdelegados e inspechires
de qnarteiio, que to fatal tem sido ac paiz, fazen-
do aperceber po baixo des-ms refoihos, que em-
quanto houver palicia poltica, elle nao .-ahir se-
nador, pois eleicn feta por um Domingos de Sou-
za Leary,e um AbilioJos Tacares da Silva cousa
pordema ridicula I
Muito bem.
Mas a lei de 3 dezembro mereceu osen voto jas-!
tificado; ella tambera eora sua; conseguinteraente
queixando-se hoje dessa lei, nao faz mais do que
publicamente aecusar-se, pondo era relevo os de-
ferentes papis polticos que tem representado e
hade representar serapre que a poltica entender
rom os seus interesses indivdoaes.
Em 1841 a lei era boa, porque votou por ella :
cm 1844 1848 anda era boa, porque nao a revo-
gou ; s em 1864 que cahio das nuvens reconhe-
cendo que ella creou urna polica poltica.
E porque reconheceu isso actualmente ?
Porque nao foi eleito senador I
D'oude se segu que, se ti vase conseguido ser
eleito, nem a lei sena ma, nem os Srs. Drs. Do-
mingos de Souza Leo e A ni lio Jos Tavares da
Silva teriaiu pratieado eoosa to ridicula !...
Ao som dos tiros da remita praieira (historiada
t moralisada por elle, aindaquefosse descubrir fa-
talmente a sua origem em causas occasionaes) oc-
cultoti-se na concha do egdsmo da sua individua-
lidade. Nunes Machado foi raoi to, com elle e de-
pois delle iiiurrerain outros rautos patriotas nao
nieuos illustres, bem que pouco couhecidos no paiz
inteiro ; uns foram tur a Fernando, outros so des-
terraran), finalmente todos soflreram do vencedor
pela dedicaoao dos seus principios. Mas o Sr. Ur-
bano, que levou lo annos em somno profundo,
quando acordou do seu longo dormir foi para dizer
de um desterrado de Noronha, e d'outro ferido na
rebelbao :as nomeacoes destes individuos para a
Escola Normal do idea da moralidade da admi-
nislracao do Sr. Souza Leao I
Entao porque, perguuto ?
A immoralidade ou provm do acto da presiden-
cia, por ter uomeado dous amnistiados pelo impe-,
tador para aquelles lugares ; ou parle do carcter
individual dos nomeados.
No primeiro caso condemna o Sr. Urbano a sua i
historia, cospe em cada urna das suas paginas, nao
se torna s ingrato e incoiisequente, torua-.-e um |
perverso da ipuabdade dos iusidiosos obstinados
que nos truciJaram, e que anda com fel no cora-
co conservam no seu faccioso diccionario a pala-;
vra rebelde, mandada riscar |K'la inunlicencia |
inpe-ial. Mostrarse digno de urna farda vermelha
dos voluntarios do Sr. de Muntiba, porque como
id I es e a falsa f vai apu ululando lorio e di- [
reifu pelos becejs e pelas escadas. Justifica sem o
pensar o que tantas vezes tem impugnadoa i
sincerldade dos progressstas tirando os lim-
po do odios velhos para os figurar, aceitando o
concurso de todos para bem de todos.
O que mais fez o coronel Cypriano aos presos
polticos de Fernando T
Sa este nuirira o pensamenlo reservado de os
matar turnee s le, teudo quande seu pnsionei-1
ro, receido todas as provas de altenco ; aquelle
escapundo.se das filiiiras progressisia com um dir
ploma debaixo do braco, l est assassieande a to-
dos em sua honra individual I
No segundo caso devo por mm dizer-llie :Que
al hoje nao representei em poltica se nao um s
papel, e desde que convenci-me peta razio e anda
raais por dolorosa exjKsriencia ipuo a liberdade
de infringir a lei nao de va fazer parte do pro-
gramma poltico do partido liberal; eouvl doou-
iro lado vocea sinceras coiura a tyramnia pobtica
exercida em tio.ui; do principio da autendade, j
consolidado, entend que a poca dos excessos es-
lava nda, que o odio convertido era razio poltica
esta va gasto, e que s se era verdaderameute li-
beral preveuindo os excessos, porque no excesso
nao est a liberdade, mas a licenca.
Portento, aceitando a actualidade, que naoquer
exces>os, mas a razio calma e Ilustrada, estou no
Ycrdadeiro programma liberal.
Aintia bem oven siigmatisei a poltica inquisi-
torial do Sr. Pedro Chaves ; anda nao me tnha
formado, e o espirita da classe que ia pertencer,
me fez articular palavras de reprovaciio contra o
recrutamento de um bacharel. E quando entao-as-
sim me exprima, o Sr. Urbano, homem feito, de-
fenda na cmara dos Srs. deputad is aquella pol-
tica tenebrosa, e susteulava a legiiimidade do re-
crutamento de um seu collega, cuja nica irregn-
laridade de conducta era ser liberal, e fazer appo-
sieio pela mprensa aos excessos e violencias da
administrando I
Naquelle lempo o paiz era livre por que se re-
crulava hachareis, hoje nao livre por que o arbi-
trio no reeruiamenle- nao cliega esse excesso, e
se urlica na massa recrutavel 1
Nunca meiiii para tirar consideracio aos meus
adversarios, nem para da-la aos m^us correligio-
narios.
Tenho passado por u-.ir d.< nina fran.pioi ijoe
ple ser alcuuhada de rude, mas essa degradai-o
j ;i que a mentira ple reduzr o individuo nao al-
l igi, nem nunca hei de chegar ella, porque
nao ou mentiroso.
Mas o Sr. Urbano, oceupando actualmente um
assento naopp'isico, dizia ainda ha ponen na ca-
mal a d >s Srs. desnudos : uuo nunca tizera cau-a
c.oininum com a kga, que ninjuem seria capaz de
apresentar urna s carta assignada por elle e pe-
ios cheles daquelle partid, (pie serapre os detes-
lou cun lodos apielles que vio desvairaudo econ-
fundiiido o principio liberal.
Quando, porm, eu lia isto. mandava tirar pelo
Sr. tabellio Alnieili a publica forma da segntnte
carta, que todava nao Ihe dei o conveniente desli-
no, por que a nomeacao do bacharel para a Escola
Normal, que bem traduz a iramoralidade da admi-
mslracao do Sr. Souza Lefio, podia ainda oceupar
um lugar de supenondade sobre a degradagao a
que tem chegado o Sr. Urbano. Mas boje que me
provoca, que deseja levar-me abaixo do zero da sua
individualidade, sera ter para esse prfido acom-
mcitiinento n -iilium motivo justificado, ah val a
prova documental di mais negra mentira, da mais
afamante degradaban que um homem pode
c liegar:
Recife, 9 de agosto de 1863.
Illin. Sr. Vr. Maxmiano Lopes Machado.Ten-
do sido presentes nos a sua carta em que nos
coinmiioica a desharinonia que aiiparece entre os
oASos aini'jos, pedimo-lhe qne empregue lodos os
seus e>forros pata Iraz los a um accordo, e con-
li.imos de sua prudencia que levar ao lim o nosso
desidertum, para (pie Ihe damos a uecessaria au-
tor sagao.
Somos de V. S. crauooi e collegas.
F. X. Paes Barreto.
$? J. Sabino Pes>oa de Mello.
A. V ilo Sascimento Fritosa.
P. S. -Serve esta para V. S. mostrar aos mostos
amigos em divergencia, a rada uta dos quaes es-
crevi inos particularmente.
(Est reconhecida.)
Achava-me entao em Igaarasst incumbido de
dirigir o processo eleitoral no sentido da actualida-
de, e o Sr. Urbano nesta oerasio em eomusissao
perinanenle no eseriplorio do Sr. Dr. Febisa rom
este e ron o outro chefe, eucaminhar para todos
os pontos a torrente da opittiao progressisia. O Sr.
Dr. Silveira de Souza era entio o presidente da pro-
vincia e o Sr. r. Abiochete de polica I
Em 9 de agosto de 1863 toda essa gente era Aon-
rada com os ap.-rlos de mao do Sr. Urbano, era
1864 cada um recebe a sua cora de espiuhos das
proprias raaos do Sr. Urbano I
Entao tudo ia bem por que se lavrava um di-
ploma de deputado; actualmente o Sr. Silveira de
Souza um monstro, o Sr. Fetosa um Calabar, u
Sr. Abilio um Abiliu, c o pobre do bacharel da Es-
cola Normal, seu amigo dequem couliava o seu de-
sidertum, una pruva da iinmoralidade da admi-
nistrarlo da provincia, porque nao pude o mesmo
Sr. Urbano abiscoitar um lugar na lisia trplice I
Felizmente o Sr. I .'mano por urna especie de cas-
tigo providencial coilucou-se abaixo de tolos nos
proclamando-se ante naco reunida o mais ab-
jecto de todos os huinens, por que esta o nieu-
nroso i
E' a opiniao liberal que se descarreia, ou o Sr.
Urbano que serapre viveo descarreado daquella
upino? |
O papel poltico que tera representado no paiz
desde 1841 al Hoje responde a esta pegunia ; os
seus iuleiesses pessoaes sao os seus principios po-
lticos.
Soa bacharel em direito desde 1844.
Era 1845 obtive a uoiueagio de promotor publico
de ulinda e lguaras-, d'oude lu lirado era 1847
para oceupar u lugar de jujz municipal e orpbos
da cidade de Ara na m uha provincia ; o que fui
como promotor emiz, reira o Sr. Urbano as se-
cretarias de justica e da pfM dencia desta provin-
cia, que ha de encontrar nellas documentos de ter
jbem servido. Em 1849, quando rae achava impli-
cado em um proces>o d rebelho, fui mandado de
presente aos bugresdo Mato Grosso pelo autige ai-
liado do Sr. Urbanoo Sr. de Itaburahy, que me
remova para Diamantina. L nao fui.
De eutao al o meiado desie airan, em que fui
nomeado I.nte da Escola Normal sera oler sollci-
lado, nunca eucommodei ao thesouro publico,
exceptuando o subsidio de membro da assmnbla
provincial da Parahyba em quatru legislaturas.
Quando lachareis de honlem esli jnlzes de di-
reito de ultimas entrancias, outros presidente!', e
ministres de estado, nao era muito que eu, qne nao
deshonro classe, estivesse arranjado em algnsia
eulrancia se soubesse ser raaleavel como o Sr. Ur-
bano.
Mas nao ;_prefer as virissftodes da vida rea!
amassar o pao de urna parca subsistencia, andar
mudando de trages poltico para encontra-k'
amassado e cosido as tomainas do orcamento.
No da em que a antiga poltica do Sr. UrbanC'
lavrava a proscripto dos liberaes, nesse da entre-
cava eu aos apostlos daquella poltica o qne do?-
liberaos hava recebido. A minha proscripeo foi
to longa quanto havra sido a dos meus principios-
politicos. E' portante digno da maior extrsnheza,.
qne o Sr. Urbano invocando o nome do partido li-
beral, e quando em reunios particulares niostra-
va receios da actualidade por nao ir empregando s
lberaes, nsulle-me a mm, que Ihe posso dar cx-
emplos de firmeza e abnegacao poltica por ter c-
ceiado da actualidade, que nada tem de conwfbn
com a poltica do Sr. Pedro Chaves, um emprege
na Escola Normal!
Do moa carcter individual nada digo. Se, pe-
rora, quiz referir-se algum fado de minha vida-
particular, ponha a mao na sua consciencia, esei-
capaz que rae apedreje...
Piquemos aqui para nao medirmos a nossa mo-
rahdade por aquella immunda hitla da ma d
hnperatriz, que hoje na curie faz as delicias da su*
vida...
Recife, 19 de setembro de 1864.
M. Lopes Mustiado.
PUBLICARES A PEDIDO.
Ao Hr. Haooel Ratnws da Uva!:
.vforfflra.
Olfenddo em mina honra, pelo Sr. Manoel Ra-
mos da Silva Moreira, juiz de paz da fagonia do
Lnoeiro, era mea pruposko rhamar acontas este
Sr., publicando todos os actos de sua vida publica,
0 nos tritiunaes do paiz procurar a punico dcw eri-
me, que porventura tenha commeltido, como furtc-
cionario publico.
Destto proposito nao sahna, se o mesmo Sr. Ra-
mos, nao tivessa tido a docilidade de ir nimba
casa protestando, que j mais otTender-me-hia cim-
conhecimento da ollensa, acrescentendo aindo, que
se nos actos por elle pralieados existia offensa
ininba pessoa, efle nao uvera consciencia dellas:
sendo que tudo qnanto hava feito, tmha sido pt>r
assim o haver assessoriado pessoa em quera elle-
depositava conlianga, e julajia babilitado para i
dirigir em questes em que era indispeosavel c
cooheciraento do direito.
Isto posto, nao devo-tamnera por minha vez abu-
sar da ba fe, ou ignorancia do Sr. Ramos, faien-
do-o responsavel por actos de que se coufessa sim-
ples machina.
Nio posso, porm, deixar de suppor esse asss-
sordo Sr. Ramos, um meu inimgo cobarde e des-
leal, que se acobertando comto nome de om jon.
leigo, procurou ferir-me pelas' costas como toena
fazer inunigos pequeninos para quem o desprest
deve ser a mais prudente resposta.
Perdo ao Sr. Ramos os dissabores e despendi
que me tem causado : os accordaos do superior
tribunal da relaco compensan) bem os desgostos
porque hei passado, e provam exuberantemente
que oassessor do Sr. Ramos,ouum supinoigne-
rante dos principios mais comesinhos do direito
civil, ou um miseravel, que abnsou da connanra
nelle depositada eompromettendo a dignidade fk
juiz que o ouvio, para chegaF i ferir vil e cobarde-
mente, a quem nao pode ferir com as armas de ra
valheiro.
21 de setembro de 1864.
Christovo da Rocha Cunha Soitlomaior.
Pllnas vegetaes assuearadas de
Kemp.
PII.CI.AS VEGETAES ASSDCAttADAS DE KBMP.
Agradaveis vista, exemptas de todo o sabor re-
! pugnante, to suave quito efcazes, tnicas e pur-
galivas, eslas famosas pilulas, possuom pois todas-
! as inaprecaveis ipualdades pertencentes a um re-
; medio cathanico, alterativo e restaurante. Tal
o juizo medico confirmado pida experiencia de m-
1 Ihares de doentes. Quando as funecocs do ligado
; e do ventre se acham por qualquer forma des3T-
! ranjailas devora ser restituidas boa ordem e re-
giiiarniaue com estas pilulas irrosisuveis. tilas
| s;io to infalliveis quanto sao agradaveis e sem
j controversia alguma o melhor aperitivo geral. r
i nico remedio anli bilioso que se pode consegu.'
! quer neste ou em qualquer um outro paiz. Em
I rensequeneia dellas se acharem acondicionadas
| em frasquinhos de crystal, o lempo nao altera a?
suas prop edades : a venda nos estalielecimenior
pliarinaceiiiicos deCaorsAj Rarbosa, na da Crin i
J. da C. Bravo & C ra da Madre de Dos.
IMm. Sr. Jos da Rocha Prannos.Com a mnioj
satisfaco lan^o mao da peiina para Ihe dirigir astas
linhas era agradeciiiicnlo ao proveito que live ilt
l uso (|ue Hz do xarope acoolico de vellame, da su:.
composi{3o, para i|Ue V. S. disto tenha roidiecimen-
to; e O respoitavel publico proveito. Desde IK*
que soffria as maiores dores rheumalcas, cmpli-
! cadas com o que a medicina denomina siphilis, e r.
; um anno que solTi ia de ulceras na garganta. Da-
luuella poca para c semore viv em uso de re
\ dios, de que nao tirei resultado algum a nao se:
j alivios momenlaes, e lempos havia ijue de lodo u
i va inpossibililado de me levantar de urna rara::,
I soffrendo sempre tanto no vero, como no rigor dt
I invern; persistindo porm no uso de remedios j.
| applicados pelos conheced-res da arte, ja de outros
j que via annunciados nos jornaes com applicact
aos meus padecimentos, e destes um sem numero,
j continuando serapre a soffrer como multas pesaras
| desta cidade saliera, e sao testeinunhas de me vo-
rem andar na ra mais para morrer do que para
vi ver.
Acontecen que era abril deste anno as dores ata-
carain-nie de forma que levei dous mezes decana,
sem que me podesse sentar, pelo que tve ocrasic
de desesperar da vida, taes erara os meus soffri-
mentos. Neste tempo lendo o Diario de Permnn-
buco, deparei com um aviso do xarope alcoolicc
de vellame, manipulado em sua pliapnacia, li este
aviso, e loinei-o Como um aviso de um anjo; pud
a muito custo escrever meu tilho, que entao ji
eslava nessa cidade, pcdi-lhe que me mandasse
algumas garrafas acompanhadas das pilulas, mas
loe.o depois vi <|ue nesta cidade j hava o xarope i
venda era casa do Sr. Raymundo Jo- Pereira de
Castro, e logo me apresentei em mandar comprar
duas garrafas. Fazendo u-o delle, no fim de dias,-
j andava em casa pegado duas bengalas, e nc
lim de quinze das sania ra. Quando acabei de
lumar duas garrafas senti-me completamente boro,.
andando cotn todo desembarazo, restaudo-me as
endas na garganta, para oque empreguei outros
remedios, mas nada me aproveitou ; foi quande
recebl as garrafas que hava pedido meu lilho, t
continuei com a lerceira, que, no fim de poneos
dias, fui melhor. Hoje me acho completamente
bom. Portanto, sirva-.se V. S. aceitar meu* since-
ros agradeciinenlos, e o publico que liver a infeli-
cidad.' de soffrer taes padeeimentos que apruveite
com este meu testemunJio.
Sou com apreco de V. S. muito alt. ven. e cris-
do, Bento Jos Antunes.
Maranho, 11 de agosto de 1864.
fTJo Paiz.)
GOMMEHCIO.
.uno iiniio m; permiiiib.
O RtIVtl banCn Jf*%& 1.1 dfdCP
na razo de 8$000 |>r aecu.
N0V0BAJVC0
ve
jpkhxxnHuva
EM N DBSCTEMBHD DR l6i.
O banco descouta na presente semana aoito poo
cento ao anuo ateouraso de quatro mezes, e a nove
por cento at o a> sei mezes, e far. emprestim,
sobre ttulos coumerciaeA



Rendimento do dra 1 a i%...
dem do da 10...
427:175403;
37-.34U77
i64:ol6A81-_
'


e-
Diarlo de *-eraa__lBeo liarla fefra ti df etemhro e !*

o vi ment da alfandega
Volnmes entrados com fazendas... 7
i com teneros... j* ^
Volumes sahidos com fazendas..- 18*
eom gneros... 5"
------ voz
fioscarregam no da 21 de setembro.
Macha bnsileiro-Pm'mi-diversos gneros.
rataefcQ inglez-.Wmtf'/cf/i-baeamao.
_Urcnremense-wci7*-fannha de trigo.
Patacho inglez ftv/wn/rt-mercadnnas.
seutn hespanhola-C*ni Aeeebedoria de rendas Interna
seraes de Pernanbaeo.
Mdi^iM do-dia 1 a 19........ ***&&
tem do da 90................. 4W J312
HfcMMAM
Consulado provincial.
fcenaraento do dia 1 a 19......... *4:t**l658
dem 4o dia 20................. 4:5*7,5013
481623858
i
MQfIMEIfTO DO POBTO.
Navios entrados no dia 20.
t\io Grande do Sul 26 dias. hiale narional Arlhur,
de lili loneladas. capilao liOtironco J. de Souza
Lobo, eqoipagtun 9, carga'8,000 arrobas de car-
ne ; a Amorim A: Irmao,
ttio Grande da Sul15 dias, barca nacional Am-
MV, de 833 toneladas, fritan Jos Ferreira
Pinto, cijuipairem 12. canta 11,500 arrobas de
carne : a Balthar Ar tiliveira.
Rio Grande do Sul26 dias. hiale nacional Artista,
de 2*0 tonelada*, capitn Joaquim Jos Alves
das NVves. equipasen! 11, carga 12.360 arrobas,
i* carne : Barfholomeu Loitrenco.
Jjonos-Ayres9 dias, brigoe hespanhol Vigi-
lante, de 152 toneladas, capitn D. Jas Miram-
bell, eqnipagem 12, carga 3;000 quintaos hcspa-
nhncs de carne a Amnrim A Irmao.
Cardlff5i dias, galera inglesa Virginia, de 830
toneladas, capitn Berkurtli, quipagcm 22,
ordem. Vpo refrescar e seguio para Singapore.
Nuria saludo no mesmo dia.
fui o portes intermedios-Vapor nacional Cru-
zeiro do Sul, coinmaudante Alcoforado.
EDITIS.
O lllm. Sr inspector da thesouraria vrovin
'tal em cumplimento da ordem do Exin. Sr. pre
-idente da provincia de 12 do correte, manila fa-
*er publico, que no dia 29 do raesmo, perante a
junta da fazenda da mesma tliesouraria su ha de
arrematar aqun mais der o imposto de 25*>00 do
gado vaccnm consumido no municipio de Ignaras-
-. no restante do triennio crrante, avallado nova-
mente em 1:4333000.
A arremaiaofio sera feita por lempo de Sanaose
t mezes a roatar do i" de, outubro de 180i 30 de
ifanho de 1867.
As pessoas i|ue se propozerem a essa arremata-
cao, GOinparecam na sala das sesses da referida
junta, no dia cima mencionado, pelo meio dia e
competentemente habilitadas.
E para constar se mandn publicar o presente
pelo jornal.
Secretaria da tlie.souraria provincial de Pcrnam-
iiuco, 13 de setembro de 1864
O secretario,
A. h. a"Anuuncianio.
O lllm. Sr. inspector da thesouaria provin-
cial, em cumpriinento da ordem do Exm. Sr. pre-
sidente da provincia de 12 do correte, manda fa-
ser publico, que no dia 2!) do mesmo, perante a
unta da fazenda da mesma thesouraria, se ha de
arrematar a quem mais der o importo do dizimo do
gado vaceum, da comarca do Bonito, avahado uo-
vameuie em 2:0003800.
A arroihatagao ser feita por lempo de tres an-
nos a contar do primeiro de julho de 1804 30 de
junho de 1867
-*^ iih^siln '" praptauram a .-j arremata-
.o comparecain na sala das sessoes da referida
una, n i di cima mencionado, pelo meio dia e
competentemente habilitadas
K para constar so mandn publicar o presente
;ieln jornal.
Secretaria d.i thesouraria provincial de Pernam-
iuco, 13 d'- setembro de 1864.
O secretario.
A. F. d'Annuiviurao.
0 l)r. Tristito de Alencar Aranpe, olicial da im-
perial ordem da llosa, e juiz de direito especial
do coinmercio, nesta cidade do Recife de Per-
nambuco, por sua magostado imperial e consti-
tucional o Sr. D. Pedro II, a qurni Dos guar-
de, ele.
Fago saber aos que o presente edital virem e
t.' le noticia liverem que perante este juizo espt-
cial do coinmercio, promove urna execugao de sen-
ornea Jo-iquim Elviro Alves da Silva a Francisco
Santiago It unos, e para seu pagamento penhoreo
i esle a quantia de ris l:'i'.'027, e sendo a uies-
ma penhora oceusada em audiencia, fura pelo jiro-
.curador do dito exequenle requerido que licassem
Lssiguados 10 dias aos credores luccrtos, passan-
lo-se os respectivos edilaes, conforme se v do se-
guate termo:
Aos j de setembro de 1864, em publica audien-
cia que Java o Dr. juiz especial do commercio,
Frislo d Alencar Araripe, pelo solicitador Igna-
cio Barroso de Helio, por parte do exequenle, lora
Jilo, que leudo procedido penhora em dinbero
pertencenle ao execulado, requera que licassem
tssigna los 10 dias aos credores incerlos. pas.-au-
isoos respectivos editaos, do que lavreio pre-
sente do pnitocollo das audiencias : eu Manoel
Siivino de Barros Faloo, escrevente juramentado,
) escrevi. Eu Manoel Mana Rodrigues do Nasci-
ment, escrivao o subscrevi.
E em vniude do meu eferimenlo, o respectivo
escrivao faz passar o presente, e pelo seu theor
vliamo e cito aos respectivos credores do execula-
do, comparecerem ueste juizo allcgaretn o que
or a bem de seu direito.
E para que o presente chegne ao conhecimento
de todos, ser publicado pela imprensa e aflixado
i! forma do estylo.
Cidade do Recife, 6 de setembro de 1864.
Eu Manoel Mara Hodrigues do Nascintenlo, es-
'riviio, o subscrevi.
Tristao dAAkncar Araript.
Carne verde iderr.
Peixe fresco dem.
Pao e bolacha me.
Toncioho de Lisboa dem.
Farinha de mandioca da Ierra, alqueire.
Feijo dem.
Azeite doce, garrafa.
Vinagre de Lisboa dem.
Cal, cuia.
Lenha em ai-lias, cenlo.
As propostas devem ser apresenladas em cartas
fechadas, devendo ser especiacs ja para os estabe-
iecimentos de caridade e j para os collegios de
wrphaos : sao tambera aceitas propostas >omenle
para a carne verde, e para o pao o bolacha tanto |
dos estabelecimentos do aridade como dos colle- .
gios de orphos.
Os pretendemos podem dirigir-se esta secreta-
ria as horas de sen expediente, aflm de colherem
as informacoes qne julgarem precisas, e no acto
da arremalagiio devem cotnparecer acompanhados
de sevis fiadores, ou munidos de cartas destes, que
ticarao responsaveis pelo inleiro cumprimento dos
respectivos contratos.
Secretaria da Santa Casa.de Misaricordia do Re-
cife 16 de setembro de 1864.
O escrivao,
F. A. Cavalcanti (^usseiro.
GOaiPANHIA
BEGUE1C0ES.
'Santa (.asa de Misericordia do llccife.
A illma. junta administrativa da Santa Casa de
Misericordia do Recife manda fazer publico que
10 dia 22 do crrente, pelas 4 horas da larde, na
-ala de suas sesses, lem de sur arrematado por
piem mais vantagens offerecer, o fornecimento dos
{eneros que houver de cousumir nao s o- cstabe-
veimentns de caridade, como tambem os collegios
le orphos no trimestre de outubro dezembro
iruximo, a saber :
Estabelecimentos de caridade.
-Cha -preto libra.
Manteiga franceza dem.
Tapioca idem.
-Caf em grao idem.
Is.-uear braacn em torra i. arroba.
J)ito refinado priineira socte idem.
'litodilo segunda surte idem.
Arroz pitado-no Macanhao dem.
i.u-aihao idem.
.roqcuihe de Lisboa dem.
-Sabao ama re I lo idem.
Velas de carnauba dem.
Ditas de spepmacete, masso de 1 libra.
Farinha de mandioca ta terca,a^ueire.
Viniio tinto de Lisboa, caada.
ito branco idem.
Vinagre de Lisboa idem.
.Agurdente branca idem.
'.r.eite doce dem.
isilo de carrapato Mam.
Vrelo de Lisboa sarco.
Carne verde libra.
Pao e bolacha idem.
Colk-gMS de orphos-
Assucar refinado, libra.
<^ha preto idem.
.af em urn dem.
Manteiga franceza dem.
Arroz pilado do Haranbo-idem.
Htalas idem.
Aletria idem.
Aadministracao dcsta comjianhia em sua
sessode 19 do corren te resolveu por em
arremalaco o cbafariz do Jugar da Passa- i
geni da Magdalena, por lempo de 9 .-mezes,
aconlar do 1* de outubro vindouro a 30 de
junho de 186o ; os Sis. licitantes compare-
Cam at o dia 24 do correle ao meio dia
munidos de setis fiadores ou declaracjio dos
mesmos, devendo ser as propostas em carta
fechada apresentada [na mesma occasiiio ou j
antes no escriptorio -da referida companuia i
ra do Gabug n. 16, onde melior se de-ve-
rio esclarecer e informar.
Baze sobre a tjnal se deve laucar.
Cbafariz do largo da Passagem da
Magdalena por nove mezes
cima declarados. 30000001
0 escriptuaario,
Marculino Jos Pupe.
Anviuaiacao.
Picoa transferida a praca de venda do silio do
Zongu nn logar de Apipucos, pertenecnte a he-
rancada finada Maria Candida de Magalhaes, para
depis da audiencia do Dr. juiz municipal da 2'
va.ra, no dia 24 do correle.
Arrematadlo.
Ficoa transferida a praca de venda dos movis
e fazenda, penhnrados ao Hondo Antonio Jo- Pe-1
reir, por execuffioda veneravel ordem terceira de
S. Francisco para o dia i do correnle. depois da
audiencia do Dr. juiz municipal da z" vara : os
pretendentes podeao examinar no deposito geral
onde se elfectuar a praca.
Tribunal de coinmercio.
Pela secretaria do tribunal do coinmercio de
Pernambuco se faz publico que nesta secretaria ri-
ca regislrada urna escriptura de dote, na qual Jos
Joaquim (oncalves Bastos dota a sua futura espo-
sa D. Amelia 'Conslanea Dantas, com a quantia de
lz:000i5, no valor dos" predios sitos : o Io na ra
das Cruzes n. I>4, do hairro de Santo Antonio ; o
z na travessa da V'iracao n. 10 do mesmo bairro ;
eo H" na ra do Jirdii n. 14 do bairro de S. Jos.
Secretaria do tribunal do commercio de Per-
nambuco 10 de setembro de 1864.
Julio Guimaraes,
Official-maior.
Vai praga do Sr. Dr. juiz de orphos, An-
das tres audiencias, um terreno alagado nos fundos
da roa da Concordia, com 40 palmos de frente e
80 de fuudo. pertencenle aos bens dos lina Jos Joao
Manuel do Si'fueira o sua mullier.
Be ordem do lllm. Sr. inspector da thesou-
raria de fazenda desta provincia se publica para
conhecimento dos inleressados a relacao aballo1
transcripta dos credores de dividas de ejercicios
lindos na importancia tolal de fc63^933, cojo paga-
mento oi autorisado pela ordem do thesouro na-
cional n. 126 de 30 de agosto de 1864.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Pernam-
buco em 20 de setembro de 1864. Manoel Jos
Pinto, servindo de official-maior.
Relacao a que se refere a ordem supra.
iManoel do Nascinienlo Machado Porlella SOOfOOO
Itaymundo Florentino dos Sanios 1384000
Joao Barbosa Cordeiro Feilosa. 1214033
Manoel Polycarpo Moreira de Azevedo 44'JOO
4634933
Contina em praca, perante a cmara muni-
cipal desta cidade, no dia 21 d corrente, a arre-
malaco da obra das catacumbas do cemiterio pu-
blico da freguezia de S. Lourenco da Malla.
Secretaria da enmara municipal do Recife l'.i de
setembro de 1864.O secretario,
Francisco Camilo da Boaviagem.
AR8EViA(J.\0.
No dia 21 do corrente. (inda a audiencia do Sr.
Dr- provedor de residuos, escrivao Vasconcellos
ser arrematadoo sobrado le um andar e sotaon.
14, silo na ra de Santa Bita, com porto para o
becco que da sahi ia para o muro da Penha, em
terreno proprio, pertencenle testamentaria do
fallecido Sebastiao Mauricio Wanderley, avahado
dito sobrado em 4:0004.
Crrelo geral.
O Sr. capilao Jos Antonio de Oliveira Botelho
queira comparecer reparlicao do correio alim de
receber urna carta viuda da Babia.
Couselho araiaislialivo.
O conselho administrStivo para fornecimento do
arsenal de guerra tem de trocar os objectos se-
Tilintes :
Para o hospital militar.
Urna imagem do Senhor Crucificado.
l'rna com banqueta, solideo e estrado para altar,
(juatro casticaes.
Urna para receber o corpo.
Estrado.
Estola.
Para a oompanliia de menores do"arsenal de
guerra.
20 galoes de gaz.
Uuem quizer trocar taes objectos aprsente
a sua propona em caria fechada na secretaria do
conselho as 10 horas da manhaa do dia 23 de cor-
rente.
Sala das sessoes do conselho administrativo para
fornecimento do arsenal de guerra 16 de setembro
de 1864.
Antonio Pedro de S Brrelo,
Coronel-presidente.
SfbiisJio Auluniodo -Hego Barros,
Vugal secretariotnterino.
A SALADOS SEGRE90S
ou
tlYSTElUOS IMMrHHO.
BRUtElftA *ATE.
A circuJ;iuusterc*a
Os elfeilos do lenco om outottMlirel 0 peque-
o t i lio do diaix> A .lian i Maaaviihosa ou a
bola encantada As -JMnl)Mkflr*s pilul.'i- de.Mor-
com Um ii invite 4jnsMUtwlou a ceia do feiti-
ceiro O arlemjlm Habofico.
Finalisando esta parte pela admiravel
Su^eiau arieusc.
SEGUNDA PAKT.
A pedido de mu i tas pessoas estaarte ser pre-
enchida pelo muito admiravel joven, primeiro ues-
te genero
VAltfBA OU 0 MENINO DO AR
ust joven, por de mais extraordinario em seus
Irabalhos, far difflreis exercicios sobre a corda
bamba. A combinaco de um tao bello segredo,
torna-se bastante admiravel. Vamba tem trabalha-
do em quasi lodo o Brasil, militas vezes em Paris,
onde t'oi sempre applaudido e admirado, deixe-nos
que seja visto pelo publico desle ugar e esle Ihe d
o devido mereeimento.
TEBCEIBA PABTE.
00
MEGASCOPIO EGIPCIO
l'aleine que seja ans espe-ladores. 41
aujn das vistas piltorescas
ter lugar a appariQo de urna variada escolha das
mais agradaveis vista*, cujos effeitos de upia il-
lusao admiravel; flnalisando pela reapparicao do
muilo applaudido quadro de
AVISOS SIVEBSGS.
0AFAMA0OCACADORDELE0ES
Em seguida volver por elfeitos da circulacao
elctrica
Os fagos diamantinos
finalisando o diverlimenlo logo que seja anmuicia-
do pelo aojo da noitc
KO\ SOIII.
1111 .i___a
AVISOS MARTIMOS.
THE4TR0
COMPANHIA PERNAMBUGANA
DE
Xavegaco costeira vapor.
Parahiba, Natal, Maco, Araealy, Gear;i, e Arararu'
No dia 22 do correnle expe-
dir esta cimioanliia para os portos
cima mencionados o seu vapor
Mamangnape, commandante Mou-
_ 'i a. llecebe carga smentc ato o
dia21. Eiu-jiiiHiendas, passageiros e dinheiro a
frete at s 3 huras do dia da sabida : escriptorio
no Forte do Mallos n. I. _____________________
GOMPANHIA PEINAMBUCANA
DR
Xavegaco costelra a vapor.
Taman ar. Barra Grande, Pona de Pedras.
Caraarogibe e Macei.
.No dia %\ do corrente expedir
esta companhia para os poilos ci-
ma o seu vapor PasohylM, com-
mandante Martins. Recebe carga
'sement at o dia 23. Encom-
mendas, jiassaguiro e dinheiro a frete at ;is 3 ho-
ras do dia da saluda : escriptorio no Forte do
Mallos n. 1.
Para o Ataca .v
pretende seguir com umita brevidade o veloi o
hiato Dons Amigos, lem parte do seu carregamen-
lo prompto : paRI o restn que Ihe falta, irala-.-c
com o seu consignatario Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo A (;., ra da Cruz n. I, ou com o capito
Francisco .Martins da Costa no trapiche d > algodio
Kiu liranitido S\i\.
Barca nacional Clewntina, recebe carga a fio-
te ; trata-se na ra dnTrapiehe n. 4.___________
iio ^vaivle do Sal
O brigue Mondego, de primeir-i classe, recobo
carga e segu com brevidade : trata-se com os
consignatarios Marques, Barros i C. largo do ior-
po Sanio n. 6.
LEILOES.
Z ?
BlOelK.
Soutall Ifellor & C. faro leilao por intervengan
do agente Pinto, de um completo e variado soti-
mento de fazendas inglezas existenle.v em seu ar-
mazem ra do Torres n. 38.
Principiar s 10 horas em ponto.
Quinla-teira 22 ^e setembro s 11 ho-
ras, ra da < adela n. 33, ar-
niazem.
DE
Lina casa terrea n. 47 sita i-ua to
Socego, chao proprio, reude .200$
p>r anno.
PE/) AGENTE EUZEBIO.
Se vender em leilo una casa terrea que tem
2 salas, 2 quarlos, cosinlia fora, eacimba, quintaf
murado e chao proprio, nova acabada pouco,
sao convidados os pretendentes ao previo came.
Aos i 0:0iSt)<)0.
ien;i-letra 27 do cota-ente mez, se ex-
trahir a segunda part da primeira lotera
(109a) a beneficio di igi>ja de Santa Rila
desla cidade, no consistorio da igreja de
Nossa Senliora do Rosario da freguezia ilc
Santo Antonio.
Os bilhetes, meios e quartos aclianirse
fenda na respectiva tbesftwaria rw do
Cnespe n. 15.
Os premios de 40:000*000 at OtfOOO
aero pagos urna bora depoJs ,da extraccao
at s 4 boras da tarde, e os outros ao dia
seguinte depois da distribuido das listas.
Servindo detbesoureiro,
_________ Jos Rodrigues de .Sftuza-
0 cirurgio Leal mudou
a sua residencia da ra do
Queimado para a ra das
"Cruzas okaio a. 36, pri-
meiro andar, por cima do
armazem Progressista, aon-
de o aekailo como sempre
prompto a qualquer hora pa-
ra o exercicio de sua pro-
fiss^o, chamado por escripta.
: mu m muM'
AOS 10: ISillit'tt'A aruutUl>
A' ra do Crespo h. 23 e.casas do coslume
O abano assignado vendeu nossous muito felt-
zes bilhetes garantidos da lotera que se acabou
: de extrahir a benelieio do tbeatro de Sania fea-
l-bel, os seguintes premios:
! N. 330'bilheteinteiroconi 10:000*000
N. 1785 dous quartos com 3:0005000
i N. 214 um meio com 500000
I E outras muilas de 2005, 1005, 405 e z05.
Os possuidure porium vir ropetier sem os dos-
con.os das leis na Casa da Fortuna ra do Cres-
po n. 23.
Acham-se venda os da segunda parte da pri-
ineira lotera a benelieio da igreja de Sania Bita
de Cat-sia, que se exlralur na terca-feira 27 do
corrente mez.
Presos.
Bilheles inteiros..... fOOG
Meios......... <)5 Quartos........ 35000
Para as pwsoas quo coinprarera
de 100} para cima.
Bilhetes........ 11500o
Meios......... SWOO
Quarlos......, 25750
.Meato/l Martins Faa______
- Precisa-se.ile un fnrnrn e dous aoiassado-
res para urna padaria fora do Recife : a tratar em
lind.i eom Luiz Jos'Pinto da Costa.
StipuiaTavsws.de CacUn, viuva do Antonio
Jos Fernandos de Castro, pelo presente declara ao
commercio o a todos em gura I, que nesta d.ila 19
de setembro de i8li, esubaieeeu sociodide em a
sua loja de tarnancos na ra Direita n. Iii, com o
Sr. J-is Joa |iii'ii Pcreira, sen lo a tirina da casa
de Viuva'Fernandas de Castro S C : prtanlo,
continuando o gyro desse estabelecimenio cun
mais eaplUos e actividade, espera a mesma viuva
a rpiMade ili>- ermlnrfs, oni favor dj seu bem es-
lar, vdeseu*fllho orpae.
Joao da Silva llamos, medico pela Lni
H vei ii'ade de Coimbra, d consultas em <8!
^j sua casadas '.) s II horas da manhaa, e aSI
|t das 4 as d da larde. Visita os doentes *g
i gj ca suas casas regularmente as horas w1
jHH para isso desimanadas, salvo os casos ur- fH
BSj genios, que serao soccorridos em qual- 1
S quer occasio. Da consultas aos pobres jflj
1 S' que o procurarom no hospital Pedro II, #)
glj aonde encontrado diariamente das 6 ^6
f) s 8 horas da manhaa.
T. ni sua .-asa de sade regularmente:
montada para receber qualquer doente,-
ainda mesmo os alienados, para u que
; ^ ten i commodos apropriados e nella pra-
m, tica qualquer operario cirurgica.
Para a casa de sade.
Piimeira classe 3-3000diarios.
Segunda dita.... 25500
Terceira dita.... 25000 >
fj Esle estahciecimento j bem aeredi-
,7'.\; tado pelos boas serviros que tem pros-
#,' lado.
} O prpprietario espera que ello conti-
fj nue a merecer a confianca de que sem-
pro tem gozado.
jJ___
Aluga-se pira tji
um mole pi i I l a iuo
Vista n. ti. loji.
Diubeiro jnim.
Na ra Direila n. 48, se dir quem d de 1005000
1:0005000._______________________________
Aluga-se um sobrado com bstanles com-
modos, e urna casa de campo, lendo cocheira, es-
tribara e stU com alguns arvuredos, na travessa
dos Remedios: quem as pretender, dirija-se ao
mesmo lugar, na taberna da quina n. 27, que al.i
achara as chaves e se dir quem o seu dono.
i Aluga-se urna casa em llebenbe : a tratar
com J. I. M. -Reg, na ra do Trapiche n. 34.
mmm mmmm* mmmmm
g| Coinpaimla fldelidade de ffi
segaros martimos je ter-
restres estabeleelda ao
Rio de Janeiro.
AGENTES EM PEPNAMBUCO
Aiiiiiiiin Luiz de Oliveira Izcvedo & C,
competentemente aujorisados pela direc-
tora da companhia de seguros Fidelida-
de, tomam seguros de navios, znercado-
rias e predios no sen esemptorio ra da
Cruz n .1.
Que bello hanlio!
Aluga-se um sobradinho margem do rio Cap-
barlbe, no Poro da Panella, ra do Rio: a traiar
com Tasso Irmao.
Ainda est para alugar-sc a fcoa casa
terrea n. 39 : ra da Uoio.
-T- 0 Dr. Rocha Bastos mudou a sua re-
sidencia para o caes Vinle e Dous-de 3io-1
verobron. 7, porcimadoBilbardos Arcos.
C*o de Verra .Vva.
Desappareceu do siuu JcAtt-bio Rapi.ael Ra-
bello, noCaWeirei.ro, um C40 de rac;a da T<;rra No-
a, de ror aniarello escuro, rajado dei-reto.com
as orelhas cortadas cuma lirairiz ai-ima do nariz:
quem tiver adiado ou delln tiver noticia, dirija-
se ao ref.-rido sitio, ou ra da C.-ulWa do Herife
n. 55, prinwiro andar, qm; ser urrflificado.
Olerecese para criado ou b-iturde um silio
011 trnbailiador d.-pad.niii um rapaz vindo lti-
mamente do Porto : quem precisar dirija-se r::a
da Cruz n. 2^___________________________
Prucisa-M'da quaptia de 3505 a .premio de
2 por cepto, dando-se por garanlia um escravo :
quem quizer fazer esle negocio annuneie por esle
Owrto.
Aluga-se a casa n. 40 da ra das Trinchei-
ras : na ra da Aurora n. 36.
, 'Na liyraria n.tj e 8 da praca da Inde-
pendencia existe urna caria de importancia
! para o Sr. Antonio FerjQandes Corredor.
A Semana Ilustrada que se publica no Rk
I de Janeiro lodos os domingos, asslgna-se em casa
I .do J. Falque, ra do Crespo n 4 5 pii-eo da assie-
njttiira.il/hiies-eliS, semestre 1,15, um auno 185-
X. U. Os assignantes da Snnana Ulustaadu te-
r.o no lini deste aqno um qqadrn com o retratos
de todo o gabinete do Imperador da cmara dos
depntados. oferecdo pelos proprielarios do jinial.
tur pa.ssar a fisla
No largo do Monleiro.a mar \f, aluga-se a casa deuoniinuda .(atona ouir'ora de Xi.-to Vieira Coclho a tratar na roa
do Crespo, loj.i u. 8, esquina d.i do linpurador.
i
' e*i/i es
Ainda,e.-t para ser vendido o sitio da tra-
vessa do Remedio na -freguezia los Afogados n.
j 21 : quem o pretender entilada so eom o seu pro-,
{pcietario na ra de S. Francisco, sobrado u. 10,
: como quera vai para a ra bella.
Precisa-se fallar ao Sr. Antonio Jos
ITeixeira de Mendonca Betem: nesta tvpo-
1 graphia. ou na livraria os. 0 e 8 da piara da
i Independencia.
DENTISTA D PARS
19Ra Neta19
Frederieo Gautier, cirurgio dentista,']
faz todas as operaeoes de sua arte, e col-
loca dentes artiflclaes, tudo com supcrio-i
ridade e perfeieo, que as pessoas enten-'J
didas Ihe reconhecem.
Tem agua e jis dentificio.
Peco emprestadas ou compro as cartas de
Pitia Damao, p(lr Fi. Joaquim do Amor Divino
Caneca, c o Astro da Lustlama, peridico de Lis-
I boa.Antonio Joaquim de Mello. _____^^^^_
Precisa-se de una criada livre ou esrrava .
! que saiba cozinhar e engommar : na roa das Cruz
i u. 42, primeiro andar.
Vice-coiisuluilo d llespana.
Havendo fallecido o subdito hespanhol liento
Antonio l.oulinho, sao convidados todos os seus
1 devedores o credores a aprsenlarem n-sti^ vice-
consulado os respectivos ttulos para proceder-se
liqnidacjio da seu espolio____________________
a praca da Independencia, loja de ourives
n. 33, compram-se obras de ouro, prata e pedras
preciosas, assim como se faz qualquer obra de en-
commenda, e todo e qualquer concert.________
I
Ri-ruardo Alves Pinheiro, quenndo retirar-se
desia provificia. roga tpifin fs*ue objectos m-
piMiliadiis at o tiiu do auno de 18<>. ua rua larga
do Rosario ns. 17 e 19, junto ao quartel, o favonio
os resgatar no pca>o de 50 da-, acuolar de bnje.
Recife li de setembro de I8U4.
Quem precisar de mu hoinorpara bracagem
ou servico interno do alguin armazem, dirija-se
nestes das por carta fechada rom as Miii-.iaes J. P.
no p;iteo da Independencia 11.1 ou 3, que ser pro-
parado : a pessoa salir ler e escrever.
/ ario
Furlaram do quintal da casa 11. (i na na lni-
. penal um carneiro grande e branco, um dito pinta-
do de preto, um com mallas amanillas pela cabe-
ra, e una ovelha ainda iiiaraa : quem delle? dT
noticia certa na mesma casa, sera generosamente
recompensado.
Aluga->euma f-crava para ama, a qual sabe
, eneommar e andar com cciancas, aceiada :',na
: ra da Iinperatriz, arjnazeiu de louc;i. _
Em a noite de sabbado, 17 do correnh1, perdeu-
se urna pulseira de ouro desde o largo do Paraizo
igreja de S. Francisco, 011 d'abi ra do Monde-
go, na Roa-Vista ; a pessna que a tiver adiado e
dellaquizor fa/.er eniioijn a seu dono, queira ler a
bondado do a levar ao largo do I\wazo, segundo
andar do sobrado da esipiiua confronte a igttia,
, que militse agradecer, e rirompensir, s* o
exigir. ____ _____________
D-se 505 sobro hypoujeca-em moa esontva
ou escravo. sendo o servico p'do juros, ou coinJ-
poiheca em alguma propriedade : i|ueui quizar,
dirija-se a roa da l'enlia n. II,a entrada pelo bec-
co do Carr-Ti-iro. ______ ______
Dividas do Dr. Jos Hay-
mundo.
Joilo da Rocha e Silva so hdia.autoi.-ado pa.ra
pagar as dividas do casal do fallecido Ur. Jiis
Raymundo deCaslro Meoezes : na ruado Queima-
do n. 33 A, loja daEsperanea. ____________
0 asphallista Coelho de Almeida pode ser pro-
curado travessa do Carino n. 10. loja, das 0 as
12 horas do dia. para os misleres de sua arte.
Saot-Clalr
das'ilhas ou os desterrados na ilha d:i Barra, ro-
manee digno de ser lido pelas senhoras por sens
lances intei'essantes postes em execoco por urna
senliora, 3 voluntes em brochnra a 25 : na livia-
na ns: (i e 8 da praca da Independnncia._______
- Antonio Joaquim de Mello advo.a no civel e
crine, c peanle os jurados: e gialuiamente ios
pobres: na ruado Imperador n. li, das 8 horas
i da manhaa s 2 da tarde. ___________________
Molduras.
Acaba de chocar loja da Primavera, ra da
I Cadeia do Roclfe n, 21, um completo sortlment
I derieas molduras para qnadros, ospelhos, ele etc.,
asim como cordo e borllas para o mesmo lim,
ru tudo se vend'1 por barato prei'o.
Precisa'se de nina preta escrava que saiba
Icosinb.r : na ra do Qn< mudo 11. lti.loja.
Precisa-se dj um caixeiro pequeo destes
[quechegararn ullimameiite : na ribuira n. 23 ou
na roa na Lapa n. 13.
__
2)
'

ATT
\
ra
Un da Boa-
Preeisi-s,- do um rapaz de 15 a U annos, ou
1 de um homoai de 30 a il) anuos : a tratar na ra
! da Concordia, c.a^a 11. :w. da- 3inoras em.diante.
Aluga-.-e urna casa abarracada na novoacao
do Monteiro, e contigua ao sobrad > que foi do Sr.
' Siqueira, leudo a dita casa terraeo, quintal, cozinha
'. lora, estribara, quarlos para esoravos, e sabida
i para o rio : ijuein a pretender, dirija-se a roa es-
; ireita do'Rosario n. 28.____________________
Precisa-se de urna ama pira eocinh ir para
I casa de familia de du is pessoas, preferindo-se es-
; erava : m ra de Apoll 1 11 li>. segundo anlir.
I Precisase de urna escrava para comprar e
cozinhar : na ra da Moeda n. 37.
;'=^r^rsD7<_aciaBt_Brri}sa_aai
LfilLiO
DE
Im banco e feframent de jnarcioeiria
Quinta-reir 22 do corrente s H bti-
ras, no armazem da na da Cadeia do Ho-
cife n. 48.
O agente Olympio vender em leilo nm banco
para marcineiro e 1.Tramonta hainbttrgueza para o
mesmo trabalho. Na mesma occasio se vender
una porgan de cola.
Qu o ta-lt i i-a, 22 de oerrcn te,
Qaarta e ultima represmlac* dada pelo prrstidigi-
' tadnr hrasilciro
JULIO DOS SANTOS PERtIRA
Socio benemrito da sociedade Propagadora
das Bellas Artes no Rio de Janeiro,
o-prime i ni mgico brasilero.
Nava, Inwrdinarie e variado diTertiaenl de
appareatcs jugos phjsicos.
pecas Dccauicas e verdadeira preslidigitacao.
Depois de urna escolhida onvertnra, serao abor-
tos os trabalhos pelos enigmticos e inexplicaveis
effeiios, qne tem por titulo
Movis, cnjstaes e ou-
tros artiyos de qosto
NO ARMAZEMDA RA DO
VIGARIO N. 10.
Sexta-felra 93 do trrenle
11 horas em jui 1.
OLIMPIO
autorisado por diversas pes.soas de sua amibade,
vender em leilo publico urna mesa das'ea para
40 pessoas. 1 guarda voslido do raz d amarello,
1 piano francez de armario, 1 espelho grande, I
mohilia de Jacaranda moderna com lampos de pe-
dra marmore, 1 loilel de inogno, 1 dito de Jaca-
randa, 1 rica secretaria de inogoo, 1 cama fran-
ceza, 12 cadeiras brancas foanueaas, diver.-os re-
logkisde algibeira e parede.copos para agua, can-
diuiros gaz, bercos para criancas. ommoilas
oulros muitosartigos pera e aia do leilo. No armazem di r I v;.
gario n. 10.
0 Dr. Cosme de S Pereira conti-
na a residir na ra da Cruz 11. 3, l
Io e 2o andar, onde .pode ser procu-J
rado para o exereicio -de sua pros-'j
sao. medica, e com specialidadeJ
sobre seguinte
{" molestias de ornos ;
2o de paito :
3o dos orgos geniti
urinarios.
Em seu escriptorio os doentes se-^
rao examinados na ordem de-suas*
entradas comecando o trabalbo pelos
doentes de olhos.
Dar consuKas Jtodos os dias d 1
6 as 10 da manhaa, menos nos do-
JUingos.
l'ratitar tuda e qualquer opera- "\
i cao que julgar conven ote para O
prompto restabekciinnto dos seus
doentes.
Ama
Precisa-se de urna ama para comprar o cozinhar
em casa de pouca familia, e fazerinaisalgum.ser-
vico : a traiar na ra da linjteratriz u. 82, luja.
Permulase por um sili* que lonba bastantes
proporedes para plantaoao perlo da Baaca um so -
lirado do 2 andares com sotao e 2 frentes em urna
das melhores ras do bairro 4e Sanio Antonio, o
qual ronde anmnlment-* 1:3003 : a Watar 00m o
agente de leiloas Olympio no armazem di ra do
Vigario n. 10.
Precisa-se de um aixeiro que tenba pratiea
de taberna e que d fiador i sua conducta : no
pateo da Rlboira n. 1.
i O engenho d'Agtia do Sr. baeharel Francisco Joao .
Carneiro da Cunda, que diariamente por este
Diario anininciado para ser vendido, alem da hy-
] potheca de que trata os annuncios, tem outra feita
aoabaixo assignado; e' tambem est o engenho
\ ohrigado ao acabamento da capella,leaados e mais
dlsposicoes testamentarias do tinado Ueariqne Po-
pe Girao, senhor que foi desse engenho, e queain-
\ da nao esto todos cumpridos, como sejam as dez
i orphas : ludo se ve no testamento junto aos au-
tos de inventario, e partillia pocartorio do Sr. es-
crivao Baplisla desla rtdadfi : tendo o Sr. baeharel
Francisco Joao, recebido 37:0005 em dinheiro pa-
ra lo lo cumprimenta das disposicoes testamenta-
rias, corre-me o sagrado dever A? pugnar pelo
seu ciunprimenlo por ter Gro pedido no testa-
metilo a berdeira sua sohrinha minha esposa.
Marcelino Jos Lopes.
Aluga-se ou vende-se a olaria dos Coelhos n.
5, onde esleve o Sr. Manuel Serra, o caes passa na
frente, lica em muilo hom local para quem quizer
edificar, ou mesmo para quem qneira por alguma
Inndico : a tratar na ra Dimita n. 22, relinaco
I de Francisco Jos de Aratijo.__________________
Aluga-se urna boa casa terrea na rua dos
Pires n. 29 : a traiar na ruada Cadeia n. 21, loja
da Primavera.___________________
^"Arrendase ou vende-se nina casa com pe-
queo sitio as .immediacoes de Sani'Anna, vsi-
nha ao sitio do Sr.'Joiio Alves Machado, lojisla ;
de construcc.ao mmlerna e feila este anno, com
estribara, jardiui e boa cacimba de agua doce com
bomba ; o lugar sendo bstanlo ameno a saudavel,
e .. margem do Capibarbe, ofierere as melhores
vantagens para o passamenlo da festa : o preten-
solo* da rna :v<>v;i.
Joao da Rocha e Silva est autorisado a contra-
tar a venda do dominio directa dos solos em que
eslo alineadas as casas da na Nova desta cMa-
Irde, que pieclenMm ao casal do fallecido Dr. Jos
Raymuudo da Costa Menezes : na rua do Queima-
do o. 33 A,.loja jJa.Esperacca.
I ___
_
ODliua a precisar-so de una senliora de ida-
de e-de-bons costuiHOs, que adiando-se desvalida,
queira-reeol_erse a**! ea*a le-i*nilia .para fa-
zer companhia e trotar de alguns nmpinos, dandi-
se-lhc cama e mesa e urna gratilicieao in-msal que
se tritar : servindo eslas condicoes, pile dirigir-
se a casa n. 28 da na dos Guararapes, sobrado.
Precisa-se alugar urna |rela que saiba cozi-
uhar e engemmar, e um prclo que se preste a car-
regar agua e faz-r compras n r"3 : o* r,ia l*TSA
do Rosario n. 2S, segnndo andar._______________
Off,:rece-se um rapaz chegado ha poucos dias
'para criado de qualquer casa : quem necessitar,
pode dirigir-se rua dos Quarteis, loja do calcado
n. 12 junto a botica do Sr. Pinto.____________
Hoje (qarta-feira) ao meio da funeciona a
1 Associaco Bibliothecaria Pernambucaua.
y abaixo assignado, na qualidade de res>innacio
dos si'iiliores credores damassa fallida de Camar-
go (\ Silva pelo presente avisa a lodos o devedo-
res da mesma qiiH no praso de oito dias trtem de
salisfazer seus debites, do contrario tratar de pro-
ceder a robranei judicialmente, visto ser u nico
competente para semilliante cobranza, em virtudo
da sessao qo Ihe lizeram os mesmns senhorca cre-
dores Recite 20 de setembro di" ls*(i
Manoel Fernandas da Sif\-a.
Ama de leite.
Precisa-se de urna ama de leite sem cria : na
rua da Cadeia do lUcif.1 n. "2.
i)s abaixo assignaiios declaran! que compra-
rain ao Sr. F.stevo Rodrigues Fontes a taberna da
rua estreita do Rosario n. 1.
Jos Joaquim Rodrigues Itr.v.
J. Vasques I.ourenijo.
Precisa-se de urna ama qu- saiba mgoniBi.ir e
co/.inhar para una casa de pequ-na familia : na
rua do Cabug n. H, quarlo andar.
Por ordem do presidente da sociedade s*
Recreativa Curybaniina -o comidaiho *^
lodos os seus respectivos membros para }_:
a s'-ssilo peral de boje s 7 horas da _|
g noite. O 1 secretario, ffi
H Manoel de Souza Galviio. Mi
t'Anna erecta na igreja da Santa Cruz convida 11
todos os irmos da mesma para no dia 22 d'.- cor-
rente s 7 horas da noile comparecerem na dita
igreja, para que reunidos em mesa geral proe.--
dasea eleico que lem de reger a dita irmandad
no anno ded86i-li.*i. Recife, 1S de setembro de
1881.0 escrivao.
Francolino Klenloro Ferreira Chave-.
t .-Si
A VI80.
Novamente se anmtncia a venda nn irocn rom
casas, ou faz-se ipiahpier nepwio, do silio livre e
deseinbaracado na estrada de Joao de Barros, visto
como nao u sitio do lado do poonte, mas sim o
do lado do nascente, colbicado >-ntr os sitio* do
Sr. Dourado e viuva rio Sr. Htilino. Constan >s
que ha quem depooba contra a hondade da ca-a.
e do terreno do dito sitio, e como seja talvez somon-
te com o,lim de atarease panicular, como bem se
podo collegir, nenhun mereeimento se deve pres-
tar a laes inf'Tmacoes : a tratar na j citada rus*.
do Rosario da Boa-Vista n. 38._________________
Na rua da Conceico n. 4o, ha urna.ama Je
leite para se alugar.
Precisa-se de urna costureira que cosa bem
de alfaiate : na rua da Viraco. casa n. 39.
o baeharel
Fi ancisco Augusto da Costa

ADVOGAOO >^:
|| Una do .Imperador numero 60. f
WV____.__V_K *_? _---__ iW^--
A mu OU os<-r;iv:i.
Precisa-se de urna araa forra ou c.wa-
va que satti eosiohar e enqnmmar. paga-se
bem:a tratar no segundo anuir da casi
da,rua dalmperalri/. 11. *7.
MB___
0 Dr. lloclla Burtos
pode ser procurado da 7 horas da manhaa 1
ao meio dia, e das 3 hora.- da i.ird 'dffy
era diante no **<
[Caes re \oveinbro n. 0^
(ron ciM.v no uiliur nos AnGos.)
De meio lia s 3 horas da larde
IV. 7 Rna la Cruz \. 9
Cura radical e em poneos dias as roo- **
lestias syiihililicas c as do appareJbo ge- ?
nito-urinario.



-*'-
WPW
Dlarto 4c fer
Qiiart* icAra llt Sfcmkr e 1S4.


SALSA PaIBILIU DE AVE.
Transcreyemos aqui algias
dos muitos altestados que temos
recebido das virtudes da salsa
parrilha do Dr. Ayer.
Rhentuatismo.
DE JOO JOS DOS SANTOS.
Orno Prcto.
t SolTri rheumatismo por mul-
tas vezes, e vendo animnciado
em um jornal d'esta cidade a
Salsa parrilha de Dr. Ayer, re-
solvi-me a comprar um frasco e fazer uso
d'ella ; c antes de concluir o primeiro fras-
co, acfei-me forte e scm sentir a mais leve
dr nos joelhos ; a parte do corpo que es-
tava affectada d'esse terrivel encommodo
que roubou-me tantas noiles de somno.
Empees, borbulhas, pstulas,
ulceras, e todas as Molestias
da elle.
DO SR. JOO PALLA DE ABRE E SOl'ZA.
Ra de S. Pedro.Rio de Janeiro.
Criado
A'-ra da Aurora n. 28 precisa-ge de ura criado
Hvreouescravo______-______'_____________
__Antonio Jos Candido de Souza, na senhora
o Htn filho menor, rctiram-so para Portugal tra-
a- de sua saude.
OVKF
DE
Deixat qe os Hunos da ciwiliaagao vos preguen)
economapara os ps II Esta'parte do corpo
"" Toma-se roupa para lavar por prego commo- humano c por certo aquella que, note clima, ne-
o : na ra do Vigario n. 17, loja. cessita de maior a/asalho: pela humidade nos ps
I


O
% Pe
0 p-

<*D
P-
t Cb
2. es < 3
Til *cs
o
g M
i
P

;=; se introdiM a grand< maioria das molestias, e com
(S estas a perda da saude e da vida 111 Fra com as
botinas e sapatos velhos ; reforma-Ios
45-Rua Direita-45
Borzegwns francezes para homem
! Ditos inglczes dem a 85, 75 c
| Ditos para senhora
Ditos para menina
Sapates esmaga cobra
Ditos do Nantes de duas sotas
Ditos dita de sola e vira
Sapatos de borracha para senhoras
j Ditos de dita para merinos
! Ditos de tapete para domen- e
n horas a 800 e
Sapatos de lustre para senhora a
Ditos para casa
Chinelas rasas do Porto
Precisa-se de doas homens que entendam do
SolTria mais de dous annos de ama sarvigo de copeiro ; na ra da Aurora n. 32.
Aluga-se a sala e quartos da parte de detraz
do primeiro andar da casa n. 6o da ra do Impera-
dor com vista para o passeio, propria para escrip- \
55008
63000
um
25008
5fOM
35000
tm
iMoe
15008
1508*
15000 a
3001 O Vigilante est alerta, nao Ihe era permitido
15608 4ear passar desapercebido sem que nao dsse o
-------------- I seu canto, alim de annunciar ao respeitavel publi-
JNo aniiazom de azenaas ba- fs "!* de galanteras do mciiior
'gosto propriamente para qualquer mimo, que aca-
ba de chegar neste ultimo paquete, assim como
se-
Atienen o
erupeo sypliilitica em todo o corpo, mos-
trando-se sempre com mais violencia na ea-
ra, prove muitos medicamentos e eonsultei
muitos mdicos, e cstava qtiasi desanimado
quando vi os annuncios da Salsa parrilha
do Dr. Ayer: comecei a fazer uso d'ella e
nos primeiros das a erupeo aggravou-se,
porrn antes de acabar o segundo frasco ti-
nha o mal desapparecido completamente de
todo o corpo.
ratas de Santos Coelko,
Kua ilo Qiwimddo o. 19,
Vende-se seguate:
Alinelo II
Ricas l.w.inha-, fazenda a melhor que tem vio-
loria, e morada de pessoa solteira : a tratar na do ao mercado, tanto em gosto como em qualtda-
mesma. i "e- t'' baratissimo prego de 580 rs. o covado.
-------. Ditas miudinhas carmezins, proprias para vesti-
por nome Joaquina, de dos de menjnas fl Mlnjsnhajt a 6S0 0 C(ad0i
que esta acoitada em alguma
Doctor Don Jos Vales Herrera, profes- dade ; protesta-se com todo origor SOR DE MEDICINA v CIRURJIA, SUBDELEGADO quem a ti ver acuitada e ter tirado o ferro, recom-
mesma.
Fugio urna escrava
idade de 30 annos pouco mais ou menos, WW- Cortes de |5a ,s covados pe,0 baral0 prftf(.
ta, levou .^aia de azulao, camisa de algodaozmno, de gj;
Cobrtas de chila da india a U90O e35.
Len^oes de panno de linho a 25 e 25500.
Pei;as de cambra* de forro com 8 Ii2 varas
31900.
tem o nariz chato, estatura regular, quando anda,
curva-se um pouco, tem urna nodoa preta ao p ,
do olho, fugio com um ferro ao pescoco, consta
das caas desta ci-
EM AMBAS AS FACULTADES DEL SESTO DIS-
tricto Habana.
Certifico que he usado l;'i Zarza parril-
la del Dr. Ayer, y como depurativo he ob-
tenido de ella los' mas felices resultados en
los casos de ulcera crnica, como asi mismo
menda-se a todos os capitaes de campo e autori-
des policiacs que a peguem e leve-a ma Im-
perial n. 3, que ser generosamente recompen-
sado.
Toalhas alcochoadas proprias para mos a 55 '
duzia.
Ricos cortes de laa com barra Maria Pia a
185.
Pegas de platilhas de algodo com 10 varas,
proprias para saia a 45-
Algodao enfestado com 7 l|2 palmos de largura
a 15100 rs. a vara.
(ituitos outros ohjectos me recebe, por diversos na-
vios, tanto de sua cunta romo do ronsignacao que
est resolvido a vender por pregns muio baratos
para vender muito e ganhar |iouco, e dar extracao
o grande deposito que tem, que espera merecer a
ppokeco do respehavel publico empregando para
teso todas e as melhores diligencias para que fi-
qaem satisfeitos; isto s no Gallo Vigilante, ra do
Crespo n. 7.
Ricos porta-joia.
Cot>-e de muito gosto por 165000
Cestiuhas transparentes loriadas de ma-
dreperla por 185000
Lindas jardineiras. 105000
Ricos cofres com camapheu. 105000
Lindas caixinhas com pedras brancas. 105000
Lindo halo com calungas dentro, tam-
bera para joias. 165000
Tambalier para ditas. 95000
Cestinhas ditas. 5000
Cosmorama ditas. 65000
rnaziuhas. 65000
S no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
- ,,,... .y. 1 -m Kstelra da India, propria para forro de sala de Ricos porta bou'iuetes de diversos gostos c pre-
1 rr.^^.r, < Tendo fallecido no da 17 do corrente Joaquim 4 je e 6 almos de largura, por menos preco do cos ; s no Vigilante, ra do Crespo n 7
e ensayado las Pildoras catrticas del mismo, Baptista da Silva, tutor dos menores Francisco q,e*em outa atutrnet parte,
autor V las considero como um purgante, Feliciana, avisa-se a quem quer que for que nao Xeste eslabelecimento tambem se enconl
feca negocio algum com Antonio Gomes de Moura, um grande sortimento de roupas feitas, e por
pai dos ditos menores, com casa na ra do Cala- ta
cuya accin ademas de ser segura, ha sido
muy eficaz en ol tratamento de las enfermi-
dades que exsigeti el uso de los purgantes,
y no vacilo en recomendar estas preparacio-
nes. Y para los fines que puedan convenir
doy la presente en Regla 7 de Setiembre
de 1860.
Dor. Jos V. Herrera.
Kserofula.
ATIESTADO DO ILLM. Sr. FRANCISCO FlCRRAZ
dos Santos.Onro Prto.
Me aclto ha quasi dous anuos affectado
de escrfulas, e tendo solTiido tanto que al-
gumas vezes quasi que diego a desanimar
da vida e maldizer da minha infeliz sorte ;
tenho sido tratado por muitos mdicos d'es-
ta cidade, e nenhum pode vencer a tenaci-
dade de minha molestia, eslava sem espe-
rancas de recobrar a minha saude ; (piando
ltimamente resolv fazer uso da Salsa par-
rilha do Dr. Ayer. Comi>lelam-s>e boje
trinta e sele dias que comecei com este
santi' remedio, e tantas melhoras tenho
sentido que tenho convicco de em breve
recobrar a minha saude, perdida lia tanto
lempo.
Syphilis c molestias mei'cui'iacs.
Do Ii.lm. Su. Dr. Jacrson.
Medico muito conhecido vas provincias do
Itl do Brasil.
Tenho receilado a Salsa parrilha do
Dr. Ayer nos casos mais inveterados de
Syphilts constitucional e sempre enm os
mais felizes resultados; o melhor alteran-
te que conheco.
t.eucori*ha e flores brancas.
Temos cartas em que nos conlam casos
inveterados que foram radicalmente curados
com um ou dous frascos d'esta Salsa par-
rilha.
0 espaco nao nos permilte transcrever
todos os aitestads que possaimos das vir-
tudes d'este extra lo cotnposlo de Salsa
parrilha do Dr Ayer. Pasta declarar ao
publico que tem sido empregado ha irais
de vinte annos pela prossin medica tanto
das Americas como da Europa, sem nunca
desmentir a sua alta reputadlo.
encontrara
me-
bougo n. 22, e parte de outra na ra de Santa Rita
n. 33, pertencentes aos ditos orphSos, visto ter de
ser substituido o dito tutor por numeago do Dr.
juiz dos orphaos ; e para que niuguem se chame
a ignorancia faz-se o presente annuncio, protestan-;
do contra qualquer negocio feito pelo pai dos ditos
menores, pois nada de si possoe o dito Gomes de
Moura._______________________________j
Na na da Itodi n. 6 continua-se a mandar
comida para fra, incumbe-se de ludo, aceita qual-
quer cncommenda por prego razoavel: na mesma
easa aliisa-sc a casa terrea da ra Imperial nume-
Yenda de predios
no particular u em leilo.
Vcndem-se duas propne-
dades de casas contiguas,
de dous andares e soto,
tcom grandes armazens oe-
cupados actualmente pelo
Sr. Feliciano Jos Gomes, para o trauco
de assucar, sitos na ra de Apollo ns. ;i
IticUS Millos
com bolcinhas ao lado, a 105, 1-5 e l'5, ditos sem
bolga porm do mesmo gosto, a 25500, 35, 31900
45000.
Ricas livellas avulsasparasinto, o melhor que se
pode encontrar, a 15300,1&, 25500 e 35 o par;
s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Cabaies ou cestinhas.
At que chegarara as desejadas cestinhas ou ca-
bazes para meuinas trazerem no brago, o mais rica
po-sivel a 25500, 35500, 45, 35, 75 e 105; S no
Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Pentes.
Neste artigo tem um grande sortimento, tanto
para alizar como para atar cabello, os mais lindos
ro 270.
Prectsa-se de urna ama para casa familia : na ra da Paz n. 42. de pouca
COMPRAS. i
e 36, edificados pelo actual proprietario, >M ffl fC, ,'1eJdelseJar> fsim con?0 de arregagar ca
com ptimos alicerces. superiores madei- 25 !,el,0> ,anl de borracha corno de tartaruga comen
Compra-se ouro e prata em obras velhas *
dnga-se bem: na loja de bilhetes da praga aa inde; f
pendencia n. 22. 11
Comprase cobre velho : na ra do Brum nu-, >
mero 78.________________________________ |S
Compra-se elTectivamente
ouro e prata em obras velhas pagndose bem
na ra larga do Rosario n. 24, loja de ourives.
ras, e acabados em 1861, tendo ambos 52 'fg
palmos livres de paredes,de largura, eos fj
altos do de n. 34, e o primeiro andar do ;
de n. 36 21a palmos de comprimento, o flR
segundo andar do de n. 36 tem smente -W;
120 palmos de comprimento, com um ter *w
rago, e os armazens tem 340 palmos de W
comprimento cada ura. tend ambos tam- \|
bem frente para a ra do caes de Apollo, 3
e o de n. 36 tambem para a travessa do JIK
antigo porto das canoas: os pretendentes fS
*5 estes valiosos predios queiram dirigir- B
fgi se ao seu proprietario Antonio Rotelho H
> Pinto de Me>quila na ra da Cadeia do S
S Recife n. 64, segundo andar, ou ao agen- S
0% te Oliveira na mesma ra n. 62.
W) "M W, & "^ "*' *M "M i M -4
compra-se /wmMM MmmMwmmM
urna escrava que seja sadia e bonita figura, que. A _. lli>f -. -,- w
cozmhe e engomrne : a tratar na rua da Cadeia I II I 1 ||l 8; I I 1 l I ll| {
do Recife n. 88, primeiro andar._______LVl/i lV II hht \ I1 LlFy'
a obra de Throiogh Moral ^ Rua do Queiniado ns. 63eB9.
Ronceas le chora.
Para a cura radical de escrfulas e aleceocs
escrofalos, sypliilis e molestias syphi-
liticas, ulceras, t'eridas, chacas.
erupgoes cutneas e todo e
qualquer incoinmodo que
provm d'um estado
impuro de sangue,
IOMKM A
HAMMA iv%11ISH.ua 11 i; A VER.
A' venda na rua Uireila, ns. 12,2G e 7 rua da Quitanda n. 51 ; praca da Consli-
tuico, n. :10 e Hospicio, n. 40. E as
principaes pliarmacias c drogaras do im-
qerio.
Vende-se em Hernambuco:
na pliarmacla franceza de
P. MAURER & C.
_________RUA NOVA N.J8.________
Antonio Luiz de Oliveira Aze-
vedo f C
AgfDte- do Banco l'nio do Porto.
Competentemente autorisad'is sacara por todo
os paquetes sobre o mesmo Banco para o Porto s
Lisboa, e para as seguiutes agencias.
Londres sobre Kanh of London.
Paris Frederic S Ballin 61 C.
Hamburgo Joio Gabe Filho.
Rarcellona > Francisco Rahuba 1 Ral lista.
Madrid Jaime Meric.
Cdiz 1 Crdito ounmercial.
Sevilha > Gonzalo Segoria.
Valencia M. Perera Y. Hijos.
Em Portugal.
Amarantes. Angra Terceira. Figueira.
Arcos de Val de Caminha. Guarda.^
Vez. Casteiio Branco. Guimares.
Aveiro. Chaves. Lagoa.
Barcellos. G'irabra. tagos.
Bastos. Oivilhaa. La mego.
Beja. Elvas. Leiria.
Braga. Extremos. u;
Braganca. Evora. Monao-
Faro. Fafe. Moncorva.
Oliveira d'Aze- Pinhal. Regoa.
meis. Porlo-alegre. Selubal.
Penafiel. Thnmar. Vianoa do Cas-
Tavira. Villa Nova do tello.
Villa do Conde. Portimo. Villa Real.
Villa Real de Vizeu. Madeira.
S. Antonio. Faiat. S. Miguel.
No IMPERIO.
Baha. Maranhao.
Rio de Janeiro. Para.
Qualquer somma a prazo ou a vita,podendo logo
os saques prazo serem descontados no mesmo
Banco a razao de 4 por cenlo ao anno : a tratar
na rua da Cruz n. 1.__________________
*udanca.
Mximo Jos de Andrade,"participa a todos os
sea* tregete* que transferio sua ofhYina de cal-
cado d.> tiec^-o do Abrcu para a rua da Cruz 11. 41,
esqaina da Lingoeta.
bisjio Montes, 3a edicao : quem ti ver annuncie.
Cimpramsc gnalas e botijas vasias: na
rua Direila n. 73. _____
~ (ARhAFAS
Compram-so garrafas vasias : na rua do Impe-
rador n. 37._____________________
% DlMHEIliO
Compra-se urna machina de costura que seja
de boni fabricante, que esteja em bom estado, |c
com pouco uso, em segunda mao : na rua da San-
la < ruz 11. 58. _________________
Compra-se urna carroga com seu apparelbo
para cavallo, e em bom oslado : na rua nova de
Santa Rita, ribeira do pene, armazem n. li>.
Lindas boneras de choro que chamara papai c
maini, de diversos tamanhos : s as lojas do bci-
ja-tlr, rua do Queimado ns. 63 e 69.
I mas de pellica.
feites e sem elle para menina; s no Vigilante, rua
do Crespo n. 7.
Pentes
tambera cnegaran) os riquissimos pentes de concha
de tartaruga e de massa tina, que se vende por 2#,
33 o 55 -. s no Vigilante, rua do Crespo n. 7.
Leques.
Riquissimos leques de madieperola tanto para
senhoras como para meninas, pelo barato prego
de 12,5 e 11$; s no Vigilante, rua do Crespo
n. 7.
Mais leques
com pequeo defeito, leques de sndalo com pe-
queo deleito por barato prego de S& o 103, clii-
nezes muito bonitos tambem, pelo barato prego de
45 e. 5, bentarallos muito bonitos, tambem por ba-
rato prego de 5 e 53, leques de cliaro tambem
por 43. ludo isto para acabar, perdendo-se tai-
vez 80 por cento; s no Vigilante, rua do Crespo
n. 7.
Pulseiras.
Lindas pulseiras de contas e de missanaa, cores
muito lindas c de muito gosto a 15 e 13-00.
Para segurar mauguitos.
Tambera chegaram as liguiuhas eslreitinhas de
borracha que as seuhoras tanto precisara para se
. ... '. 1 ,___i.^._ gurar manguitos por ser muito commodo e muito
Luyas do pellica branca e de cores para homens | .^ y. ., d
senhoras : as lojas do beija flor, rua do Quei- po n 7 J
YENDAS.
COMPENDIO DOLOROiSO
que cniitem o olficio de Nossa Senhora das
Dores; o modo de rosar c uflerecer a co-
rea, utn setenario e mais outros exercicios
de piedade e devocao; ordenado pela ir-
manddde dos servos da mesma Senhora,
que se acha erecta na egreja de N. S. da
Penha do imperial hospicio dos reveren-
dos padres misslonarios apostlicos capu-
chinhos italianos de Pernambuco, approva-
do por S. M. L. que Deus guarde; dado
luz por devogao do muito reverendo
padre Fr, Placido de Messina.
Vende-se a 320 rs. na livraria ns. 6 e 8
da praca da Independencia.
Livro de oracoes.
Vende-se 160 res, na livraria ns. 6 e 8
da praca da Independencia, um livrinho cern-
iendo o seguinle: louvor ao santo nme de
Deus, cora dos actos de amor de Deus, ora-
goes c petices, hymnoao Espirito Santo, co-
ra do Senhor, aviso qualquer alma de-
vota, desengaos da vida humana, hymno
de Santo Amhrozio Nossa Senhora, jacula-
torias ao Santissimo Sacramento, ejercicio da
via-sacra, commemoragao Nossa Senhora
do Carmo e ao SS. Sacramento, directorio
para a oragao mental, dividido pelos dias da
semana, obsequio ao coracan de Jess, sau-
daces devotas s chagas de Cbristo, ora-
ces Nossa Senhora, S Jos, ao anjo da
guarda, Deus em obsequio qualquer san-
to e para a noute, e responso pelas almas
do purgatorio.
mado ns. 63 e 69.
r'ivellas para cintos.
Lindas fivellas douradas com lindas pedias para
cintos : as lojas do beija-flor, rua do Queimado
ns. 63 e 69. '
i'.api'llas para noivas.
Lindas capeilas para noivas 23500 cada nina :
as lojas do beija-flor, rua do Queimado ns. 63 e
c69.
Estojos para barba.
Vende-se estofes com ospelho para barba 13500
e 230OO cada um : as lojas do beija-flor, rua do
Queimado ns. 63 o 69.
Italaios para meninas.
Recebeu-se novo sortimento de balaios, com
forma do vanos passaros, pelo barato prreo de... -
13000 ai 43 cada um : as lojas do beija-flor, rita
do Queimado ns. 63 e 69.
Fitas linas para pintos.
Ricas litas linas lavradas de bonitas cores para
cintos : as lojas do beija-flor, rua do Queimado
n. 63 e 69.
Extractos em caixiohas.
Finos extractos em caixinhas com o retrato da
familia imperial: as lojas do beija-flor, rua do
Queimado ns. 63 c 69.
Sabo em caixinhas.
Finos saboes em caixinhas com varios retratos :
as lojas do beija ti-r, rua do Queimado ns. 63 e 69.
Tiras bordadas.
Vcndem-se
das: na
63 e 69.
po 1
Canelas.
Riquissimas canelas de madreperola proprias
para qualquer presente, pelo baratissimo prego de
13500 e 23-
Sapalinhos < meias de seda.
Riquissimos sapalinhos de seda e de merino en-
feilados, assim como mciaszinhas de seda, gorrazi-
nhas e muquinhas para as cnanciuhas se baptiza-
ren) ; s no Vigilante, rua do Crespo n. 7.
Vollinlias.
Lindas voltinhas de perolas falsas com cruzinhas
fingiudo brilhantes, a-sini como cruzinhas avnlsas
e vultinhas, polo barato prego de 13 o 13200, s
cintos avus asa 400 rs.; s no Vigilante, rua do
Crespo 11. 7.
liulinhas.
Riquissimas golinhas e manguitos, o melhor gos-
to possivel, a 3, 25500 e 33; s no Vigilante,
rua do Crespo n. 7.
Enfeites para senhora.
Riquissimos enfeites com lago e sem lago e de
outros muitos gostos a 13, 15500 e 35 s no Vi-
gilante, rua do Crespo n. 7.
Trancelins.
Lindos trancelins de cabello para relogio ou tu-
nelas, pelo baratissimo prego de 15500, ditos de
retroz a 200 rs.
llabadinhos ntremelos.
Riquissimos babadiuhos enlremeios com lindos
desenhos tapados e transparentes, pelo baratissimo
lem-se tiras bordadas transparentes e tapa- prego de 15200, 15500, 25 e 35; s no Vigilante,
as lojas do biija-flor, rua do Queimado ns. rua do Crespo b. 7.
Cascarrilhas.
Taberna.
A pessoa que annunciou querer comprar urna
taberna em boa rua, dinja-se rua do Imperador
n. 34, loja de litros, que se indicar o que pre-
tende.
Vende->e porgao de ps de eoqueiros planta-
dos ha mais de dous annos, postes aqui no Recife
em qualquer lugar, pelo prego de 240 cada um : a
tratar no pateo do Paraizo n. 10.__________
Vcndem-se 3 lindos moleques, 2 bonitas mo-
lecas, 2 esrravos para todo o servigo: na travessa macj ,._ 63 e ga.
do Carmo n. 1.__________________________
Vende-se a taberna do neceo Largo n. 1, com
poucos fundos : a tratar na mesma.
Jogos de diminu. Grande sortimento de cascarrilhas de diversas
Vcndem-se jogos de domin a 15200 e 15300 : larguras, as>im como gaiaozinho e trancinhas pro-
nas lojas do beija-flor. rua do Queimado ns. 63 prias para enfeites; s no Vigilante, rua do Cres-
e 69. po u. 7.
HaLados bordados Fitas.
Vendem-se babados bordados de varias larguras Grande sortimento de fitas de diversas larguras
e varios pregos : as lojas do beija-flor, rua do e quahdades, por pregos que admirara aos com-
Queimado ns. 63 e 69. pradores, havendo fitas largas proprias para cin-
Abafadores de rede. teiros que se pae vender a 300 rs. a vara, e pega
Vendem-se abakdores de rede de varias cores de 9 varas a 25; s no Vigilante, rua do Crespo
800 rs. cada um : as lojas do beija flor, rua do n. 7.
Queimado ns. 63 e 69. Fitas de la.
Merejos pretos. Pitas de laa de todas as quahdades, proprias na-
Tendo-se recebido aderegos pretos de novo gos- ra debrum de vestido a 700 rs. a pega; s no Vi-
to siio exposlos venda : tas lojas do beja-or, gilante, rua do Crespo n. 7
rua do Queimado ns. 63 e 69. Ricos espellios.
bravatas para senhoras. Riquissimos cspelhos com moldura douraJa c
Lindas grvalas para senhora 800 rs. e 15000 sem ella de 85, 105, 125 ? 1W> awim ron com
15200: as lojas do beija-flor, rua do Queimado columnas de dillerentes tamanhos a 25,35,**, 5
ns. 63 e 69. o 65; so no Vigilante, rua do Crespo n. 7. .
Espedios de moldura i U** Ja"s figuras.
Vendem-se espelhos de moldura preta parasa- Riquissimos jarros e figuras de (rcelana fina,
las: as lojas do beija-flor, rua do Queimado ns. para enfeite de sala, sendo o melhor gosto que aqu
63 e 69. tem apparecido; s na Vigilante, rua do Crespo
Voitas de aljofares. n- 7*
Lindas voltinhas de aljofare* com cruz de pedri- ara Pos "e arr<>z-
Riquissimos vasos com boneda para pos de airo?,
consa de muito gosto a 15500 e 25. assim como
paeotes s com os pos a 320 rs. cada um; s no

nhas imitando brilhantes 15000 cada urna : as
las do beija flor, rua do Queimado ns. 63 e 69.
Colheres para sopa
Vendem-se colheres de metal-principe para sopa Vigilante, rua do Crespo o. 7.
23000 cada nina : as lojas do beija-flor, rua do Perfumaras
Queimado 63 e 69. | Gnnde sortmento de exlractos e banhas, poma-
wa para dmdar. das, assim como de lindos copos ou vasos com dis-
Vende se laa para bordar, a melhor qne se pode unctivos c nflerecimentos as sinhasinhas dos me-
- !1c,?2.,rarV,ant0 na liiahdade, como as cores, |hores fi mti afamados autores de Paris e Inglater-
as lojas doboija-flor, roa do Quei- r3t t9f\m rmo os grandes copos debanha japoneza
?. a 25 e a 15, assim como oros objeclos que nao e
Pas me tojas ae encontrara sempre grando possivel por hnje annunciar, e vista d.* fregue-
sorinnenlo de miudezas boas, e mais baratas do "-
Parasepiismr a festq
Vende-se nma casa na rua de S. Pedro Martyr
de Olinda n. 4, com 2 salas, 2 quartos, cosinha f-
ra, 1 sntao muito fresco com excel ente vista, em
chaos proprio, por prego commod >, tambem se
permuta por uni3 ftmn de mcia idacto : a ira-
tar no largo do Pa.rajzo n. 14
que em mitra qualquer parle.
lueljos de lina.
Vende-se na rua Nova n. 61 defronte da filma.
cmara muutcjjial.
Vende-se urna taberna nimio afreguezada
tanto para a trra eumo. para o malo, e com com
modos para morada de iamilia : na rua [mnerial
numero 195.
zes se far todo negocio: na loja do Gallo Vigilante,
rua do Crespo n. 7.
Luvas de pelica para se-
nhora W000UJ
Garante-se a qualida-le, na rua Direila jl iOl,
i loja d rajudeza.
Albuiis superiores para re-
tratos.
f A Aguia Raanca sempre disposta a bem servir e
agradar a sua boa freguezia, mandou vir e acaba
de receber um bello sortimento de albuns de supe-
rior encadernagao e apurado gosto, com especiali-
dade os de capa de marlim com lavores, outros
guarnecidos de tartaruga cora trancas de prata,
outros marebetados de madreperola com trangas
de prata uourada, outros de velludo etc. etc. Para
quem tem gosto e dinheiro, um lbum assim per-
feito sem duvida o mais apiopriado para Kellc
se depositar os retratos de charos pas, bons pa-
reutes e amigos. Em quanto, porm, esses albuns
se tornara notaveis por sua pcrfeigao e bom gosto,
outros recebidos na mesma occasiao, se tornam re-
commendados pela commodidado de pregos vista
da boa obra. Assim pois o pretendente ser ser-
vido conforme o dinheiro que quizer dispr para
esse tlm, achando sortimento para 24, 50, 60 e 80
retratos : na rua do Queimado, loja d'Aguia Bran-
ca n. 8.
Carteiras e bolsas para
viagem.
Na loja d'Aguia Branca, rua do Queimado n. 8,
vendem-se carteiras com correias para iraze-las a
tiracolo, e bolsas de tapete, tudo para viagens.
Perfumaras iuglezas.
A Aguia Branca, conhecendo a bem merecida
estima que os apreciadores do bom dao s perfu-
maras inglezas, por isso mandou vir o esplendido
sortimento que acaba de'receber, e os acreditados
nomes dos bem conheridos fabricantes J. Gosnell
& C, Napoleao Price & C. sao bastantes para co-
nhecer-se a superioridade dellas. Consiste esse
bello e variado sortimento ern pequeas quantida-
des de diflerentes e agradaveis extractos de pri-
meira quaiidade em fraseos de diversos tamanhos
e formas, fazendo-se notaveis entre elles os que
vem em una carteira de tres, com os quaes por
sua elegancia e bondade se faz um bello presente ;
assim como outros frascos coralinas essencias con-
centradas, outros com excedentes leos para ca-
bellos, e outros finalmente com agua de Lavander
sublimada ; e bem assim tinos sabsnetes em paco-
tes e caixinhas com tres, bonitas e delicadas al-
mofadinbss com paslilhas em p, as quaes deitan-
do-se nos guarda-vestidos, commodas, etc., nem s
deixam toda a roupa cheirosa, como afugentam
baratas, tragas, etc., etc. Em quanto, porm, a
commodidade dos pregos j nao entra em duvida.
urna vez que o pretendente comparega munido de
dinheiro e disposto a fazer gasto na loja d'Aguia
Branca, rua do Queimado n. 8.
Balas grandes e caretas de
borracha.
Excelentes brinquedos para criangas : vendem-
se a 500 rs. cada urna : na rua do Queimado, loja
d'Aguia Branca n. 8.
Espelhos Cdm molduras pretas
e douradas
A Aguia Branca, na rua do Queimado n. 8, re-
ceben ura bum sortimento de espelhos de dilleren-
tes tamanhos cora molduras pretas e douradas, e
os est vendendo por pregos commodos.
Papel inglezm
A Aguia Branca, na rua do Queimado n. 8, re-
cebeu um novo sortimento de papel inglez liso e
pautado, almago, de peso, e pequeo, vindodeste
tambem com beiras douradas.
Eufeites invisiveis
A Aguia Branca, na rua do Queimado n. 8, rece-
ben novos enfeites invisiveis, os quaes pela finura
do tecido e bom gosto tem merecido tanta estima
Preparos para flores.
A Aguia Branca, na rua do Queimado n. 8, re-
cebcu novos preparos para flores, sendo papel de
cores para rosas, dito verde para folhas, folhas de
panno e velludo, caixas de trigo, ditas de uvas
brancas e rosan, e como sempre continuam a ser
vendidos por pregos commodos.
lOJAIiRlUDEZISFhAS
16Rua do Queimado16
Filas linas.
Bonitas lilas de grosdenaples lisas, cora dous
dedos de largura, cores de bonina, amlsinha, viole-
ta, chocolate,Caf, verde, laranja e preta, a 480 ris
a vara.
Bonitas ditas de grosdenaples lisas, com dous
dedos e nieio de largura, cores azuisinba, vilela, verde, rosa e bmira, a 640 ris ,
a vara.
Bonitas ilitas de grosdenaples lisas, 4 !J e 5
dedos de largura, cures de rosa, escarate, carmi-
sim, bonma, vilela, verde, branca, preta, azul c
azuisinba, a 136' 0. e 25000.
Riquissimas ditas de grosdenaples bordadas, de
4, 5, e 6 dedos de largura, de todas as cores, pro-
pria para lagos de cinteiros, a 15600, 25000 e
25500 a vara.
Bonitas filas de gorgnrao, de todas as cores, pro-
prias para cintos, a i5000 a vara.
Bonitas filas de sarja listadas, diversas cores,
para cintos, a 500 ris a vara.
Pecas de cascarrilhas de seda de todas as cores,
diflerentes larguras, 13280,15600 e 25000.
Pegas de litas de seda de um dedo de largura, do
todas as cores, a 320 ris.
Pecas de tilas de laa (treta e de todas as cores,
para debrum de vestido, a 800 ris.
Pecas grandes de fitas de linho acolchoada para
debrum, a 160 e 320 lis.
Pegas de tranga de la preta, a 80 e 160 ris.
Fivelas.
Riquissimas fivelas douradas e- com finissiraas
pedrinbas parece brilhantes para cintos, a 15280,'
13600 e 23000.
Cintos.
Riquissimos cintos de galao domados epraliadcs j
com bonitas fivelas e borllas, a 25000, 25500 e
35000.
Enfeites de cabrea.
Riquissimos enfeites de rabeca com cascarrilhas
e frocos ultimo gos o, a 35000.
Ditos ditos com cascarnlha muito larga os mais
modernos.
Ditos ditos com lagos e frocos, a 23000.
Ditos ditos com lagos evidrilhos, a 15000.
Ditos ditos de contas brancas o pretas, e pretos e
de cores cora lago, a 15500.
Ditos ditos de frocos de cores, a 15000.
Ditos ditos pretos e de cores de retroz, c tranga
sem lagos, a 800, e 15000.
Volli uhas.
Bonitas o grandes vollas de contas pretas Maria
Pia, a 15500 e 25000.
Ditas mais pequeas pretas com cruz a 800
ris.
Ditas de aljofares grandes de cores, a 35000.
Ditas de aljofares branco com cruz, a 5000.
Ditas de continhas brancas e de cores, a 800
ris.
Dilas de coral, a 500 e 25000.
Bonitas pulseiras de contas de cores, a 800 e {
15000
Peales.
Riquissimos pentes dourados com pedrinhas para :
regago, a 15800 e 24000.
Ditos ditos lisos e recortados, a 640 c 15000.
Ditos de conchas delirados, a 25000.
Ditos de raarrafas com pedrinhas, a 15280.
Objeclos diversas.
Luvas brancas de Jouvin frescas, 25500.
Ditas nao frescas, a 15000.
Varas de labynnto grande, a 100, 160 e 540
ris.
Ronecas pequeas que choran), a 200 ris.
Caitas de papel amisade pautado, a 720 ris
Ditas de dito liso, a 600 ris.
Caixas com 10 envelopes, a 640.
Dilas de penoas limpas, a 600 ris.
Superior cal de Lisboa.
Sende-se superior cal de Lisboa a mais nova le
ha no mercado tanto em porgao como a retalho,
por barato prego aangando-se aos compradores a
>uperior qualidade : a tratar as segrate* ras :
Crespo n. 7, Impera lor n. 28, Forte do falto ar-
mazem Jo Sr. Villa defronte do trapicho do al-
godo.
RIVAL SEM SEGUNDO
Rua do Queimado n. 49, est vendendo muit
boas fazendas e muito baratas, quera quizer podera
vir ver ou mandar para experimentar, assim como
sojam :
Golhnhas muito linas para senhora a 500 rs.
Dilas e punhos de fuslo muito bonitas a 640.
Cartas de allinete de cabera chala de todos os ta-
manhos a 80 rs.
Resmas de papel de peso muito bom a 25.
Capachos redondos e compridos a 500 rs.
Caixas com superiures obrcias de colla e de massa
a40rs.
Cordao branco grosse que tem multa applicagao a
vara a 20 rs.
Linhas de carriteis garante-se 150 jardas a 40 rs.
Cartes de liuha Pedro V com 200 jardas a 40 rs.
(rosas de pennas do ac muito linas a 500 rs.
Varas de franja do laa "pai a vestido a 40 rs,
Ditas de franja branca larga para toalhas a 160 rs.
Pares de botes de punho a 120,320 o 500 rs.
Tinleiros de vidro com tinta a 160 rs.
Ditos de barro com superior tinta a 100 r?.
trosas de botes de looca prateados a 160 e a du-
zia a 20 rs.
Tesouras para costura a 80. 200, 400 e 500 rs.
Escovas para limpar denles, superiores a 200 rs.
Libra de laa para bordar da melhor qualidade a
65500.
Caixas de phosphoros de seguranga a 160.
Caixas e paeotes de papel amizade superior a 600
ris.
Caixas com 100 envelopes muito finos a 800 rs.
Quadernos de papel pequeo azulado a 20 rs.
Carriteis de linha Alexandre com 200 jardas a
100 rs.
Baralhos para vollaretea 240e mais tinosa 300 rs.
Meiadasde linha frouxa para bordar a 20 rs.
Pares de snales de tranga de todos os tamanhos
a 15500.
Grosas de botes de madreperola muito finos a 560
ris.
Cartas e caixas de colchetes de superiores quaJi-
dades a 40 rs.
Massos de grarapos superiores e limpos a 30 rs.
Grosas de palitos de gaz a 25200.
Libras de areia preta da melhor qualidade a 120
ris.
Caixas redondas para rap c tem muito bonitos ca
lungas a 100 rs. ____________________
NOVA
liquidara V fazendas de (odas as qoa-
li nidos na I-ja e aimazem da Ai ara,
ruada ni pera Ir i z n. 56, tieLourcn-
coPcreira tiende* lluiuwaes.
Aleut-o qne se val principiar.
Vende-se pegas de panno de linho para lenges,
toalhas e seroulas, com 13 1/2 varas por 85500 ;
brira liso por 500, 560,640 rs. a vara : na rua da
Imperatriz loja da Arara n. 56, de Mendes Guima-
res.
A Arara vende soutembarque a 10$ e 12$.
Vende-se soulembarques de laazinhas enfeitados
a 105 c 125, ditos pretos de grosdenaple fino
a 205,225 e 255 ; capas pretas ricamente endita-
das a 255 e 305; camisinhas para senhoras a 25
e 35 ; golinhas 240, 320 e 500 rs.; manguitos a
500 rs. c 1.5 : ua rua da Imperatriz n. 56, loja da
Arara.
Coi tes de chita a 2,5400.
Vende se cortes de chitas cora 10 covados a
25400, dita franceza a 3520); ditos de cmibraia
de salpicos a 25500 a peca, dita tina a 33500, 45
e 55: na rua da Imperatriz n. 56, loja da Arara, oe
Mendes Guiraa-res.
Itoupa feila barata.
Vende-se palilots prcto de panno a 165, I'i5
125, 10 e 83, ditos de alpaka a 35 e 43, ditos de
brim branco a 25500, 33, 35500; calcas de brim a
,5 e 25500, ditas brancas a 35 e 35500 ; palitots
de casemira de cores linos a 105, s3 65. e 55 v
seroulas a 5 ; camisas brancas a 25, 25500 e 35:
na rua da Imperatriz n. 56, loja da Atara.
Colarinhos econmicos a 610 a dtizia.
Vende-se culatitibos econmicos muito bernia-
tos a 640 a duzia : na rua da Imperatriz n. 36, lo-
ja da Arara.
vcnde-i-e bramante ue puro iinnu a 2o0 e
25800 a vara, tendo 10 a 12 palmos do largura ;
brira branco para caiga a 13200, 15400 e 15600.i
vara, dito pardo a 640, 800 rs., 15 e 13200 : na
rua da Imperatriz n. 56, loja da Arara.
Vendem-se baldes americanos os melhores que
tem viudo, de todos os tamanhos a 25240, 25500,
35, 45 e 45500: s o Arara na rua i!a Imperatriz
n. 56.
As liia/jiihas da Arara a 20 rs. o covado.
Vendera-se laazinhas para vestidos de senhora a
240, 320, 4(10 e 500 rs, o ovado, ditas muito
finas lisas 6o0 rs. o* covado, ditas especiaos a 720
e 800 rs. o covado : na rua da Imperatriz n. 56,
loja da Alai a.
Chitas baratas a 20 rs.
Vendem-se chitas de cores lixas a 240 e 280 rs.,
o covado, ditas francezas linas a .'o. 360, 400 e
S00 rs., o covado, ditas percalas a 560e6O0rs. o
covado : na roa da Imperatriz n. 56, loja da Arara.
A Arara vende madapoln barato a 6-jOO, corlse
de vestidas a Maria Pia a 15o. I lio e 18$.
Vende-se pegas do madapoln de H jardas, de
marcas tinas n. 7 a 75, D. 2 a 85100. !- a 83500, v-r
95, SalOjl, lili a 113 e 123; aig.-dao regular a 55,
dito fino carne de vacca a 63500, dilo domestico a
73, dilo sicupira a f-'3, dito pao fero a 05 a pica
tem 20 jardas : na rua da Imperatriz, luja n. 86.
Chales baratos a 1><00.
Vende-se chales de laazinba a 15600 e 25, ditos
de merino a 35, '5500, 65 e 75 : na na da Itn-
peraliiz n. 56.
Corles de caigas a 1*)600.
Vende-se cortes de calca para homem a 15600,
15800 e 25500 boa fazenda ; cortes de casemira de
cores finas a 55, 55500 e 75; casemira para palilots,
caigas e coleles entestadas a 35 o covado : s na
loja da Arara, na rua da Imperatriz n. 56.
Casemiras para capa de senhora a 25 e 3#.
Vende-se casemira entestada propria para capas
para senhora a 25 e 35 o covado, tambem serve
para costumes por ser de boa qualidade e lindas co-
res, vende-se a 25 e 35 o covado: na loja e arma-
zem da Arara, na rua da Imperatriz n. 56.
A Arara vende as percalas a iiO rs.
Vende-se percalas finas para vestidos a 560 c
600 rs.; chitas Irancezas finas a 360, 440, 500 o
560 o covado : na rua da Imperatriz n. 56.
A Arara vende as capas dr grosdenaple a 255 e 30.->.
Vende-se ricas capas de grosdenaple preto para
senhoras a 255 e 305; soulembarques pretos finos a
205. 225 e 255 : na loja da Arara
Iarlatana de cores e branca a 800 rs. a vara.
Vende-se tarlatana branca e de cores finas a 800
rs. a vara, fil de linho a fcOO rs. a vara : na rua
da Imperatriz loja e armazem da Arara, n. 56.
O proprietario da loja e armazem da Arara re-
co i menda toda a attencao aos Srs. fregtiezes que
manden) ver as amostras de todas as fazendas que
annuncia, prometiendo vende-las por barato prego.
Pecbincha de lencos de seda a 800 rs. e I .->.
Vende-se lengos de seda pequeos a 800 r.; di-
tos grandes a 15 : ditos brancos com barra de co-
res a 200 rs. cada um ; meias cruas para homem a
25400, 35, 45 e 55 a duzia ; ditas para senhora a
45 e 55 a duzia : na rua da Imperatriz n. 56.
Cassas francezas a 280 e 320 rs. o covado.
Vende-se cassas francezas tinas para vestidos a
280 e 320 rs. o covado: na rua da Imperatriz n. 56.
Colchas de damasco a i<5.
Vende-se colchas de damasco para cama a 45,
ditas de fusto a 55, dita:- de chita a 25; ricas chi-
tas para cobrtas a 320, 36Q e '*> 0 rs., ditas aseti-
nadas muito linas a 500 rs. o covado, ditas encar-
nadas a 500 rs. o covado : na roa da Imperatriz
n. 56, loja da Arara.______________________
Fumo imperial
Cortado igual ao francez muito proprk) para ca-
chimbo, em latas de i libra, mundo ao seja me-
lhor igual ao americano por 15200 rs., para veri-
ficar a verdade os Srs. fumantes podem-se dirigir
fabrica vapor de cigarros antiga rua dos Quar-
teis de Polica n. 21.______________________
ITVende-se a taberna da rua de Agnas-Verdes
n. 48, afreguezada .para a trra, propria para prin-
cipiante por tor poucos fuodos : a tratar na
mesma.
cal de Usfcoa.
Ha para vender a mais nova, e ltimamente che-
gada ao mercado, em bem acondicionados barris:
no armazem de Manoel Teixeira B?to=, rua do
Trapicho o. 13, por prego razoavel.
1


Ufarlo de Peruaiuliuco *u;.na le Ir a 1 de eiembro le l4.
i
)

CL
COMMEBC
RA 1IO QUJB2IMAHO W. -15.
Passand o becco da Congregarlo segunda casa.

i
NOVIDADE

Penara Rocha & C. acabara de abrir na ra do Queimado n. 45 um armazem de molhados denominado Clarim Curaiuci-
oiak onde o respeitavel publico encontrar sempre um completo sorlimento dos medrares gneros que ?em ao nosso MW"
quaes serio vendidos por precos muito resumidos como o respeitavel publico ver pela tabella abaixo raenetoneda ; garante-se ooom
peso e boa quaiidade dos gneros comprados neste armazem.
Arroz do Maranhao, India e Java a 60, 80 e Peras seccas muito novas a 600 rs. a libra. Cevadinha de Franca muito superior a 220
Pataco a 200 rs. a libra. rs. a ora.
Polvo secco muito novo a 400 rs. a libra. Uvada a 80 rs. a libra.
Presuntos de Lamego em calda de azeile e Ervilhas portuguezas a 640 rs. a lata,
muito novo a 6 JO rs. | dem seccas multo novas a 200 rs. a libra.
Queijos flamengos do ultimo vapor a 2*800 Figos de comadre e do Douro em caixin
Grande liquidagao.
Etna da Iniperatrlz n. O.
Loja de faiendas do Pavo de Gama 4 Silva.
Acha-se este estabelecimento completamente
sonido do fazendas inglezas, francezas, allemaas c
suissas, proprias tanto para a praca como para o
matlo, proraeltondo vender-se mais barato do que
em outra qual<|uer parte principalmente sendo em
porcio, o de tu^la- as hzendas dao-so as amostras,
deixando licar pcnbor, 00 mandam-sc levar em
casa polos caixeirosda loja do Pavao.
As chitas do Pavo.
Vendem-se chitas ioglezas claras e escuras pelo
barato prego do iO, 200 o 280 rs. o covado, tintas
seguras ; ditas franerzas do cures seguras a 320,
310,360, 400, 40, 480 e 00 rs. o covado, fazenda
muito superior o benitos padroes : s na loja do
Pavao.
As lniuhas da exposito do Pavao.
Vendem-se taazinhas as inais modernas que
tem vindo ao mercado, proprias para vestidos e
soulembarques por serem lisas e de cores muito
delicadas o60c:o00rs.; ditas lisas com um lustre
que parece seda 640 rs. o covado, ditas com
quadrinhos de seda 500 rs. o covado, s para aca-
bar : na loja e armazem de Gama Silva, ra da
Imperalriz n. 60.
Os vestidos do Pavao.
O PROPHETA
AO HEM*EITAY*:ii PUBLICO.
RA DAS CINCO POMAS N. 86
Inquina la nova travesaa de s. loo.


bes
400 rs. a libra, e 1*800, 2*600 e 350O0
a arroba.
Ameixas francezas em latas e em frascos a
15200 e 1*600, e era frascos grandes a
2>5U0.
dem em caixinhas elegantemente enfeitadas dem prato.
com ricas estambas no interior das caixas
a 15200,10400, 1*600 e 2.
Amendoas com casca muito novas a 280 rs.
a libra.
Alpista a 160 vs. a libra e a 4*600 a arroba.
Azeite doce francez mnito fino em garrafas
grandes a 960 rs. a garrafa,
dem de Lisboa a6t0 rs. a garrafa.
Araruta verdadeira de matarana a 320 rs. a
libra.
Avelinas muito grandes e novas a 180 rs. a
libra.
Biscouos ingleses de diversas marcas a
1*30" rs.
Bolachinhas de soda, latas grandes, a 2*rs.
a lata,
dem inglezas muito novas a 3*000 a barr-
-qtiinha e a 200 rs. a libra.
Batida de pereo retinada a 440 ts. a libra ft
em barril a 400 rs.
fM dvssjn, huchin e perola-a 1*600, 2*,
2*500, 2*800 c 32HMX) a libra,
dem preto muito superior a 25tK)0 a libra.
"Cerveja preta e branca, das melhores marcas
que vem ao mercado, a-SOO rs. a garrafa
e 5*800 a duzia.
Cognac in?lez fino a 98 rs. a garrafa.
Conservas a 720 rs. o frasco,
dem, sude pepino, a 7-2" rs.
dem, s de azeitonas, a 750 rs.
Charutos dos melhores fabricantes daltahia
e especidmente da fabrica imperial de
Candido Ferreira Sorge da Costa a 158W,
20 M, 25200, 2*500, 25*00, 3*000 e
***500 a caixa.
Caf do Rio muito superior a 280 e 320
rs. a libra e 8**va 85800 rs. a arroba.
Cartoes de bolinhos francezes muito novos e
bem muito enfeitados a 700 e 600-rs.
Chouriop.s e paios muito novos a 800 rs a
libra"
dem londrino chegado no ultimo vapor a
900 rs. a libra.
Sal refinado em frascos de vidro a 600 rs.
rada um.
Sardinbas de Nantes a 300 rs.
Sag muito alvo e novo a 260 rs. a libra
Tuuoinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tijoros de limpar facas a 140 rs,
Vellas de carnauba pura a 360 rs. a libra.
dem stearinas muito superiores a 600 r.
libra.
Bigos em caixinbas ermeticanaente lacradas
a 15600.
Vinho do Porte engarrafado o melhor que
ha neste peero e de varias marcas, como
sejam: Velno de 1815, Duque do Porto,
Madeira, D Pedro, D. Luiz I. Mari Ta,
Bocaee Chamisso e oulros a 800, *900 e
1*000 a garrafa, e eta caixa com tama du-
zia a 950G0 e 10*009.
dem em pipa, Porto, Lsba e Figaeira a
480, 500e 560 rs. a garrafa e 3*, '3*500
e 4*a caada.
dem braco de Lisboa muito fino a 500 rs.
a garrafa.
dem deBordeaux, Medoc e S. Jnlien a 700
e 800 rs. a garrrafa, e 7*000 a "*50 rs.
a duia.
dem muscatel a 800 rs. a garrafa.
Vinagre de Lisboa a 200 rs. a garrafa
1 200 rs. a caada,
Kirsk garrafas muito grandes a 1*800rs.
de oilo libras e canastrinhas de 1 arroba a
1*800, 5*500 e 280 rs. a libra.
Farinhado Maranhao a 160 rs. a libra.
dem do trigo a 120 rs. a libra.
Genebra de Hollanda verdadeira marca VD
a 560 rs. o frasco e 6*200 a frasqueira.
Ideal em garrafoes de 3 e 5 galoes a 5*500
c 7*500 cada um com o garrafo.
Graixa a 100 rs. a lata e 1*100 a duzia.
Licores muito unos a 700 rs. a garrafa.
dem, quaiidade especial em garrafas muito
grandes, a 1 $800 a garrafa.
dem em garrafas mais pequeas a 800 rs.
dem, em garrafa forma de pera e rolhas de
vidro, a 15000, s a garrafa vale o di-
nheiro.
Manteiga inglcza perfettamentc flor, desem-
brcala de pouoo a 900 rs. a libra, c da
de segunda quaiidade a 800 rs.
dem francez nimio nova a 650 rs. a libra.
dem de tempero a 400 rs.
Maca de tomates em barril a
dem em lata a 6*0 rs.
Marmelada imperial dos melhores oonservei-
ros de Lisboa a 60 rs. a lata.
480 rs. a libra.
de
de-
na loja do Pavao roa da Impcratriz n. 60, do Ga-
ma & Silva.
As cassas do Pava a 240, 280, 300, 320 e
3G0 rs.
S o Pavo vende as flnissimas cassas persianas
imitacao de lia, com cores fixas, 360 rs. o co-
vado ; ditas /rancezas muito tinas 240, 280, 300
e 320 rs. o covado, isto para acabar : ra da
Imperalriz, loja de Gama Silva.
Os madapoles do Pava*
Vende-se peca de madapolao infestado com 12
jardas cada peca pelo barato preco de 4, 4,8500 e
o* cada peca, fazenda muito superior : s o Pa-
vo rua da Imperalriz n. 50, notando que a poja
leva urna etiqueta com o Pavao pintado para nao
haver duvidas nem engaos : isto previne o Pa-
vao, de Gama & Silva.
Bramante de linho do Pavao a
2$, 04OO, 2# Vende-se o melhor bramante de linho puro com
dez palmos de largura por prego muilo commo-
do, por ter de acabar a factura, a vara por
2*200, 2*400, e 2*600 ; s o Pavo : rua da
imperalriz n. 00 de Gama & Silva.
Pai de liato d Pava.
Vende-se pinno de linho com 4 palmos de lar-
gura propno para lenoes e toalhas de mi pelo
Merrasqumdo de Zara, Irascos grande, a baratissimo preco de640,720e 8O0rs. avara, al-
800 rs. godozinho com oito palmos de largura proprio
dem reaniar a 500 rs i Para lenges, pelo baratsimo prego de 15 a vara,
Manas finas ira sAna eslrellinha. nevide ;ssim como Macas linas -para son. e*u emana, P*'*"'; |argura comoem corpo, propno para leni-oes, ca-
ldera MorgauxeChateeulumini de 185 i, a 151 rodnma-e aletria a ouu rs. a mra ea v# misas de eseravos, etc.,ic, prego mallo commo-
a Brrala a caixiiihs com 12 libras. do vista da fazenda; s.. o Pavo : rua da Im-
Nezes milito novas a 160 rs. alfera. i peraii n.^O.de Gama & Silva.
1 Peixe cm latas preparado pela primeira arte Algodoatnw com loque Jt amia a -,000 rm
de cozi&ha a 1* a lata,
Paliios de-dentes a 4(50 rs. o ma?e,
Alm dos gneros "cima mencionados te-dem de (lentes a 120 rs.
raos grande por?ao de outros que deixamos | dem de fir a 200 rs.
de mencionar, e que tudoser vendido por i Amendoas confeltades a 000 rs. a libra,
pecas e carnadas, tanto em porcoes como : Uo-^e de^oiaba cm latas o melhor possivoia
retalho- -> e em caixao a 640 rs.
Quera comprar de 100*000 para cima te- 'Palitos do ga^ a 2*200 a groza.
..sejando o proprielario do grande armazem do Propheta oar lai-
as ao seu genio einprehendedor, commercial e especulativo, resolveu ceder a inspiraejo
que o assaltou, quaudo as horas caladas da note o seu solicito espirito se agitava n'ci
turbilhao de ideas, tendentes todas bem seivir e agradar aos generosos habitantes
desta bella provincia, de abrir mais este grande eatabelecinaento do novos h
escolhidos gneros, quasi que especialmente destinados as pessoas que morara na fre-
guesa de S. Jos, e aquelles senhores que Iransitam pela via frrea, para quem em ver-
dade sao sem cunta o numero das vantagens que se Ibes offerece, nao s aim relaco n
modicidade dos fretes, como da facilidade e brevidade da conduccao dos objectos com-
Vnndcm-se os mais modernos cortes de vestido i prados,
de la, que vieran pelo ultimo vapor, com ricas r q sonj)0 j0 pr0pheta ser urna verdade pratica tao acceita c abracada como as
barras de cor, eorpinho c collete separado ; ditos
com listas de seda e tambem com barras
tes para o corpo, por preco mais barato do
outra qualquer parte, ese quizerem urna
do qpe se diz, uiandem ver leja e armazem u.. .
ESJlSSfii %8 JSim nbeiro cor. ente ; mas tambem de por em pratica troca delles por oulros da producto
_ ._.:-........L............ no,'inc ot.. \im i,ni<. fique na intelligencia de lodos,
agricultores, ; ssncaT,
Ibes dar o mesmo valor
3 laazinha transparente com listas, e palminhas ,,ue O PROPHETA recebera como moeda de qualquer dOS settores
s seda pelo barato prego de 8* cada corte : s aigodao, agurdeme, milho, feijao, cavallos, escravos, etc., etc. e II
em genetos, escolhidos a contento.
Guando a importancia dos gneros apartados for menor doque a dos objectos i-
cebidos por troca, o ropheta nao demorar a differcuca que deve dar em dinberj.
Um eslabelecimento que com tantos sacrificios o despezas acaba de ser aberfo
deve inspirar a todos a certeza de que se vender muito batato com o fim de se adqui-
rir crdito e freguezia.
Aaruta verdadeira a 320 rs. a libra.
Arroz do Maranhao, Java e do Penedo a 80,
100 e 12o rs. a ljbra, e a arroba a 1*800,
2*500 e 2^800. *
Amendoas a 280 rs. a libra.
Ameixas francezas a 1 200, 1*400 e lf-600
em latas, frascos e lindas caiebiohas muito
proprias para memosear alguem,
Amendoas confeitadas em fia-eos de vidro
a l*o frasco.
Alpiste a 16" rs. a libra e a 4*500 a arroba.
Azeite doce francez a 90o rs. a garrafa.
Azeite de Lisboa a 640 rs. a garrafa e 4*800
a caada.
A?xjitedoce em boies com 9 garrafas a 5*500
com o boiao.
Azeitonas por iodo o preco
dem em botija a 3'iOe 400 rs. a botija,
Graixa em lat.sa 1*200 a duzia.
Limonadas de diversas fructas a 1*000 o
frasco.
Licoresinglezese francezes a I.->000,1*500
e 2* a garrafa.
Lingoas americanas a 800 rs. cada urna.
Linguicas promplas em latas a 1*2(0 a lata
Manteiga ingleza ueste genero o que ha du
melhor a 800 rs. a libra e em barril a 7O
rs.
dem mais baixa a 640 e 720 rs a libra.
Manteiga IVanceza a 520 rs. a libra, em barril
a 6 40 rs a libra em retalho.
Massade tomates a 640 rs. i libra.
t Marmelada muito nova a 640 rs. a libra.
! Molbos inglezes a 400 e 640 rs. a gmafiflua.
r o abate de 5 por ceuto.
Passas muilo novas a 480 rs. a libra.
MACHIFSEPA
raltalhar a me para
descarocar alg&do
FABRICADAS
Por Plant Brothers & 0.
rJLlAH
e 4,800
Vende-se peca de algodozinho por ter um pe-
' queno toque d avaria, mas que esta em bom es-
' lado, pelo barato preco de 4* e 4*390 a peca so
o Pavo : rua da hnperatriz n. (iO de Gama t
Silva.
Os fjiiarniapos eetaomicos do Pavao e s 4
Pavao
Vendem-se os mais lindos e modernos goarda-
napos econmicos e todo linho, lantc p^ra as casas
do familia como para botis, boteqoin, etc. etc.,
pelo b.tratissimo pre^o de :5 a dusHa, Islo so na
loja do Pavao rua da Impcratriz n. 00, do Gama
\ Silva.
Os Mvnleiiibarques d Pavao a
9 e l%#.
Vender.i-se os mais finos souloaltarqoes que
teem vindo ao mercado, sendo de raxemira de co-
res pelo diminulissimc preco de l cada um, di
tos de mu
na loja do
Biscoitos inglezes de div
i i I 'i
Bolachinhas de soda, oval e lunch a 2*000
a lata com 5 libras,
Bola, binhas americanas ein barricas 26
libras a 2*00".
Banha de poico da melhor quaiidade a 360
rs. a libra.
Batatas em gigos c caixas por todo o preco.
Caf mnido a 10* 00 ou 8*000 a arroba.
Caf superior a 7*500, 8*00. e 8*500 a
arroba.
Cha nesio genero temos o que b de melbo-
assim como tambem temos baixo pelos pre-
cos seguintes: i*4 0, 1*U<', 1?">800,
, 2*400. 2*60". 2*800 e 3*0< 0 o fina.
Charutos de Indas as melhores e peores mar-
cas do mercado a 80", UOOO, 1*600, U,
2*800,3*000, 4*(>00,5*000, 5*500 e 6*
o cento.
Cbouricas as mais novas do mercado a 12*
o barril com 1 arroba e 480 rs. a libra, a
ellas uue pecbincha.
sambiqno |>elo diminuto preco de 'J, so ', '... tnnn ,awi ikm
Pavao! mas i.ie se nao ensaen. : rua Chocolate magnifico a I )O0 e 1,
ersasmarcas a 1*300 Moslarda itr.'parada a 400 e 640 rs. o frasep.
Massas para sopa macarro, lalbanm e alema
"ibra.
3-S jLfi
LETBXXRO VER1ME.
Neate estabeiecimento ha sempre um sortimento compelo de rompa feita de
todas as quaiidades, tambem se maoda fazer por medida, vontade dos concor-
S rentes, para o que tem um dos melhores professoros, assim como tamb6m tem um
"M grande e variado sortimento de fazendas de todas as qualidades, para senhoras,
jP homens e meninos.
M Casacas de panno preto, 35* e 30*000 D'^s de setim preto. .
JK Sobrecasaeas dem, 80* e 25*060 Ditos de ditos e seda manco,
m Paletos idem e de cores, 25*, 6* e.......
fl 20*, 15* e......10*008! Ditos de gorgurlo de seda
55 Ditos de ca-semira, 2*, 15*, prelos e de cores, 6*, 5* e
P8 12*, 10* e...... 7*000 Golletes de fusto e brim bran-
31 Ditos de alpaca, 5*, 4*e #m co, 3*500, 3* e.....
,Oitos ditos pretos, 9*. 7*, jSeroulas de brira de linho,
5*. 4*c......3*500.
da impcratriz n. 00, de Gama Silva. j Cerveja marca a mais acreditada que tem
Atoalhaafo do Pavo. vindo a 500 rs. a gnala, c meia garrafas
Vende-se panno do linho adamascado proprio p0r 320 rs. branca e preta
podemdescarocar T^dfl^^S'uT^t nffi Cmpmi inglezas a 80u rs. o Irasco fazenda
1*3" b2m rua da Impcratriz n. 60, de Gama & Silva. dem IrailCOzas a 5f 0 l'S. o frasco.
iBseodo bastante i K'-tM o Pavo (a 2^5-1)O). Cevadinha de Franca a 240 rs. a libra.
(juera tera bales por tal preco I Champagne da melhor marca que squi tem
Vendem-se os baldes americanos muilo superio-1 vindn a 20* e 24:> 0 g'gO.
res com O e 2o arcos pelo l.aralissimo precede;^ ni,.,..i. in|,>v P iViii.,-/ a 80(1 r e I SO 00 a
25500 e U, ditos de 2o, 30 e 3o arcos com fitas, ^Ogn.ik ingll Z C li ani../. a 8UU 1.. C l iovv .1
muito bem armados e lambem tem cores a^curas gaTaia.
2*000 m
1*400)0
2*400 e ......
fiaos de briui e ganga de c- Ditas de algodao, 1*600 e. .
res, 4*500, 4*, 3*500 e. 3*000 Caaisas de peitos de linho,
'Josbrancode'ubo,6*,5*e 4*0001 4,5, 3* e......2*500
Ditos de merino preto de cor- Ditas de madapolao, 2*500,
5o, 10*, 7* e..... 5*000! 2*e........
Calcas de casemira preta, 12*,
1**, 8*e. .
Ditas 4o cores, 9*, 8* e. .
Ditas -i meia casemira de co-
res, 5*000 e.....
Ditas de princeza e merino pre-
to de cordo, 4*500 e. ,
Ditas de brim branco e de co-
res, U, 4*500, 4* e .
Ditas de ganga de cores, 3* e
Cohetes de velludo preto e de
cores, 9* e......
Ditos de casemira preta, 5* e
Ditos de ditas de cores 5*
4* e........
8*500
2*000
I Chapees de massa, pretofifran-
7*000' cezes, 10*, 9* e .
7*000 Ditos deltro, 5*, 4*, 3*500 e
;Bitos de sol, de seda, {24,
4*O00| H, 7*e......
I Collarinhos de linho fino, ulti-
4*000; ma moda duzia. .
i Sortimento completo de grava-
2*500' tas.
24500 Toalhas parroslo, duzia, 11*,
I e........
7*000 Chapeos deso, dealpaca, pre-
4iS000 tos e de cores.....4*000
Lences de bramante de linho. 3*000
3*500 Cobertas de chiU chineza.. 2*500
duaspessoaspara
o trahalno; pode
descaroear urna
arroba de algo-
dao cm carogo
em 40 minuios,
ou 18 arrobas
por dia oa i ar-
robas de algodao
limpo.
Esta machina
' a nica que
possue as vantagens de nao destruir o fio do al-
godao e de fazer render o dobro de qualquer ou-
tra com monos traba Iba, a sua introdcelo para
as provincias deste imperio ser de muito valor
para todos os interessados na lavoura do paiz.
Assim com machinas cm ponto grande do mer
! mo s\stema,ora agua ou vapor, pas uaes podem descaroear 18 ar-
robas de algodao ampo por dia.
O algodao descarocado por estas machinas tem
muito mais estimacao nos mercados de Europa e
vende-se por maiorproco.
As machinas se ac-.ham venda uoicaracnie em
casa de
Sauudefs Brothers & C.
V. II. pra^a do Corpo Saao
RECIFE.
Os aicos agentes oeste paiz.
pelo barato |>reco de 3.*J00 cada um : s na loja
do Pavao, rua da Imperalriz 11. 60, de Gama &
Silva.
0 ^avo vende pra lale.
"ebolas por lodo proejo.
Copos lapidados que sempre se \enderam e
se vendem em muitas parles a 8* e IOS,
vendemos a 5*5 0 e6*00<' a duzia.
covado, cassas (tretas lisas, chitas relas largas e
eslreilas, manguitos, rotramos, poobos, e enfeiles,
ludo pr:[o proprio tros artigos que se vendem por precos mais em
conta do que om catra qualquer parte por estar
liquidando : s na K^a do Pavao rua da impera-
tiiz n. 60, de Gama & Silva.
A* percalas do Pavo.
As mais lindas percalas que tem viudo ao nier-
eado pelo ultimo vapor tem na loja do Pavo pelo
barato preco de 600 rs. o covado ; ditas de lisli-
nhas muilo raiudinlias proprias para vestidos o
roupoes de senlwras. meninos e meninas, pelo ba-
ratsimo preco de 800 rs. o covado ; garantem-se
as cores por seren do melhor fabricante que as
i lem em Paris : uta na loja do Pavao rua da Im-
! peratriz n. 60, de Gama & Silva.
! %s cebica do Pavo '0 too e
?800 o corte
Vendem-se cortes de chita com dez covados
i 25WO, ditos 2*800, com l covados sao chitas
Hua do Queimado n. 49 Joja do miudezas de Jo-1 inglezas, mas padroes bonitos e tintas segaras ;
s Higodiniio, venhin ver a pechlnrba que se est i assim tem as melhores chitas francezas a de tin-
Vende-se superior setim da China, fazenda tuua i f, ( i .
de la sem lustre tendo 6 palmos de largura pro- i J^P"" ?>!>"? a a*-
prio para vestidos, capas, paietots, caigas, etc.,, Doces de calda vindos de L'sloa ueste ultimo
pelo baraiissimo .preco de 2*, jft 0, 2*500 e 3* o vapor a 6 0 rs. a lata das melbores fi uc-
RIVAL SEM SEGUNDO.
GRANGEIASANTIBLENNOBRHAGICAS DE DUNAND
exINT. do HOSP. dos VENREOS d-PARIS-1 PREMIO 1854
Supfriorw a todas i pr*parar;o.-. conbeci>1ni:al huj contra s Oonorrha t Blnnorrhalaa ar ms'.i intensas rcbe!dM.
'*Efeilo Mg'Jfo eprompto,Am ua'aj,nem col^u,non tremor. Pacis a lomar em serredlo sem lisani.
InjecQo curativa e preserva ti va
iDftlil**!, cjm ojia rtpldei um tura os acorrigunlos conHglosos i* mlim Silos; riori branoai MtlriOMaU i
featiuaic*n unutxiait. fortiflo os HmiltlMM c ot pruerva i* uti' Deposito geral em Pernambnc rua da Craz n. 22 de emcasaCaros ABarboza.
mmm
a it a ancoreta, em porcSo se far grande abati-
'" ;n(o : oa rua Nova n. 8, loja do cha.
P0TISS4
Vende-se potassa em barris a conuiMdo pre^o o
na rua da Cruz n. 23, primeiro andar, eseriplon:
de Antonio de Alraeida Gomes.
Enfeites para cubera.
Chegaram ou lindos enfeiles de cabera para se-
nhoras, sendo muito simples ede muito goslo : s casa d3 Rabe Schmettau & C,
ao Vigilante, roa do Crespo n. 7. H 18-
Charutos da Havaua.
Vende-se superiores charutos da Havana em
rua da Cadeia
acabando certas qualidades de fazenda.
Pecas de litas elsticas cun 10 \2ras a..
Ditas de tranca branca lisa com 10 varas.
Ditas de traura preta lisa a............
Realejos para meninos, pechincha a...
Hodinhas com superiores allincles a.....
Caixas com superiores agulhas c limpas a
Sabonetes de familia, muito tinos a 80 e..
Pares de sapatos de la para enancas a..
Varas de babado do Porto muito'bom a
100, I20e.......!.................
Ditas do bico largo grosso a............
Potes de superior tinta tem mais de meia
gai rafa a..........................
Caixas com perfumaras muito bonitas a.
Frascos de oleo de macaca muito fino a .
Ditos de oleo de babosa superior a 240.
320, 100 e........................!
Ditos de cheiros muito superiores em qua-
iidade a...........................
Diios de agua de colonia muito boa a___
Ditosde dita dita grande a.............
Sabonetes de todo o preco 60, 160, 200,
320 e.............................
Frascos de superior banha a 320 e.......
Caixas de p para limpar deutes muito
fino a-............................
Ditos de. bajaba transparente a..........
Pares de ligas muito tinas para senhora a
Sabonetes inglezes da melhor qoalidade a
Frascos de agua dentrlii-e superior ga-
rantida a..........................
Masaos com 2a envelopes grandes azula-
do a..............................
Varas de lita preta com clcheles a......
Frascos de macaca perola muito superior
Caixas com pennas grandes a.........
Grosas do hotoes para calca preta, miudos
Libras de memento da roupa de lavar a..
Carriteis de reiroz de todas as cores e
_ tem meia nitava de relroz a.........
Vara? rb bicos ds diff'?n*nte9 largara a
240
100
60
120
20
200
160
400
160
100
.",20
00
100
jOO
320
400
800
40Q
800
100
600
500
320
1000
100
100
200
200
100
200
200
80
tas seguras por precos cominodo*, a saber : 320,
310, 360, 400, 440, 500 rs. o covado : na loja do
Pavao rua da Impcratriz n. 60, do Gama &
Silva.
Os bordados % Pavo
Vendem-so camlsinhas com manguitos e goili-
nhas bordada?, pelo barato preco de I<8 e lj$S80
cada um, manguitos s 300 rs. cada par, ditos
com golinha a 800 r., golinhas 400 e 480 rs., de
fil 240 rs. cada golinha bordada, rofneira de
cassa o do tilo muito bem bordadas 2$ cada
urna, manguitos que servem para calcinita de me-
ninas 640 rs. cada par, camisa com manguitos e
golas com a competente grvala de seda, fazenda
fina, pelo barato prego de 35, militas outra*
bordadas que se vendem por precos muito em
coma : so na loja do Pavao rua da Imperatrfz
n. 60, de Gama & Silva.
As roupas do Pavo
Vende-se panno preto lino muito superior pelo
barato preco de 2, 2500, 3, 3oOO o 45, dito
muito lino "a ->i e 65 o covado, casimira preta de
urna s largura o muilo fina a 15800, 25 o 25500
e 35 o covado, cortes de casimira de cores a 4,
55500 e o5, casimiras entestadas de urna s cor
proprias para calcas, paietots, colotes, capas e para
roupas de meninos a 3550Q o covado, isto na loja
do Pavao rua da Imporatriz n. 60, de Gama cv
Silva.______________________________________
Potassa da Russfa,
da mais superior desembarcada hontem : vend-
se no ccriptorio do Manoel Ignacio do Dveira A
Fllho, largo do Corpo Santo n. 19.
Gomma de mandioca.
V ndese oa rua da Madre de Dos n. 38, ar-
Ti- m._____________________________________
Vende- um cava! i pret". andador de bai-
xo ando ; a i> atar na r.ia da Florentina, casa da
esqm'ia qoe voiia para a de Sania [bel.
tas da Europa.
dem da guiaba e da casca o mellior que
possivel por diversos precos, e conforme
o tamanlio dos ca xes.
Ervilhas em latas a 040 rs. a lata.
dem seccas a 200 rs a libra.
Espormacete americano a 1-yOOa libra.
dem francez a 500 rs. o masso com 6 velas.
Figos de comadre em caixinbas muito lindas
a800 rs a caixa.
tarrada de Higo a 120 e 140 rs a libra.
Farinha do Maraniao a 2i-' rs. a libra.
Fumo do Para a 158' 0 a lata grande.
Fumo americano a I#400 a libra.
Fumo em macinhos para sigarros a 200
rs. o maco.
Farelo em sacas de 0a Bn libras a 3>fi00
Genebra de laranja l o frasco,
dem de Hollanda a 500 rs. o frasco.
a 400 rs. a
dem finas em caixinbas a 3 00 a cauinba.
Marrasquino de Zara verdadeira a l6To
frasco,
dem mais baixo a 800 rs. e 10CG ofraSv.
Milho em saccasiom 20cniasa 35800.
Ptf/.unloingle/, para tiambre vindo no ulliUK
vapor a 8(0 rs. a libra,
dem mais antgo a 040 rs. a libra,
dem do Porlo a 010 rs. e sendo mtero a
5i'0 rs. a libra.
Passas i ovas a 400 rs. a libra
Polvo a KiO rs. a libra.
Painco a 10(1 is. a libra.
Pomada a 240 rs. a duzia
Pincola do reino a 320 rs. a libr.
Peixe em latas a tj50U) a la ;.. save, c r-
vina, pargo e outros
Papel de peso a 2.-?(i00 a resma,
dem idem muito fino a 45000 e 3!'0
dem marfim a 4?5o' 0,
dem almasso a :)f5000, :i;>;j00 e 45000.
Mera para embrulho a 15200 ;i resma-.
Paliios para denles macos com2o macinhos
a 80,120 e 200 rs. o maco.
Palitos do gaz a 2^000 a groza.
Queijos flamengos do ultimo vapor a 25GOO.
dem londrino a 900 rs. a libra.
dem prato a 040 rs. ;t libra.
Rap Menrnna 15C00 a libra.
Sag e sevadinha a 240 e 280 rs. .> libra,
Sardjnbas de Nantes a 640, 'MO o 300 is. a
lata.
SabSo massa a 120, 180, 200 e 240 rs .-
libia, e em caixoes por menos.
Sal refinado a 600 rs. o vazo (pote de vidro.)
Toucinho de Lisboa, de Santos e americano
a 100, 20 e 32o rs. a libra e em arroba
a 5, 7, c 95000.
lijlos para limpar facas a 160 rs. cadatua.
f~\'inlio do Porto em ancoras com 70 garrofas
a 305000.
Vindos de Lisboa e Figueira qualidades mag-
nificas a 35000, 35500 e 4AO(.0 a caada.
Vindo do Porto em pipa a 5 e fMOOO a raada.
Vinho branco de Lisboa e Porto em ancoras,
barris e pipas a 45000 c 55000 a caada.
Vinagre de Lisboa a 15000 e 2.3000 a cana
da.
Vinagre em garrafoes por WOO com o gar-
rafa.
Vinagre em ancoras para 15600 com a anco: n
de 9 caadas.
Vassouras americanas a 040 r?. cada urna
Vinho deUordeaux neste genero temos grande
porcSo odas qualidades melhores que ten
vinuo ao nosso mercado em garrafas, em
ancoras, em bai ris e qoartolas o qual ven-
demos por procos muito baixos
O BALIZA
DECLARACA.

O BALIZA declara pelo prezenle que
deixa de publicar os precos pelos quaes ven-
de as suas mercadorias por motivos qne ao
respeitavel publico pouco intereca. Serve qf.
nrovisoriamente de baze os preces do Pro- jxl
jpheta. ORDEM DO IIIA.
0 BALIZA concede pleii liberdade aiis
seus amareis collejas Clarins, UniOes, mitra-
dos e croados, para que possam saltar, .her-
rar e tutlo mais quanlo lhes aprouver, at
a sua segunda ordem.




Dlarfc
Inara frlm SI 4e Srtrmbrn r 1S4.


y-
MEM C&ROAS NEM MITRAS
g\i\e m\m m iHiitihDos
& Largo da /jy&<
'Santa Cniz
n. 84.

Esquina
da ra do'
Sebn. 84.1
Francisco Jos Feroandes Pires, proprietario do armazem de moldados denominado
Aurora Br irhante, ao largo da Santa Cruz o. 81, esqaiiia da roa do Sebo, faz scieate ao
nspeitavel publico desta cidade e do interior, que ao sen importante estabelecimente
vender sempre gneros novos e de primeira qualidade. e vender a todos pelo niesmo
prego.
O completo .sortimento de todos os gneros Anos o grossos qae eostumam ter outros
Mabcleciment'M deslaordera se eneontraro sempre no armazeni da Aurora Brilnante
e sempre em grande escala vontade dos seahores compradores.
O proprietario do armazem Aurora Briltiante pede a todos os senhores e senhoras
que quando tiverem de mandar suas relacoes a este estabetecimento por seus criados
seja en carta fachada ou com grande recoinraendac.ao a este armazem, cerlos de que
serio to bern servidos como se viessem pessoalroanle.
A Aurora Brilnante troca qualquer um genero que por acaso nao agrade, e recebe
as libras esterlinas a 9J0O, sendo por compra : a tabella de seus gneros ser mudada
tolas as semanas.
Amendoas confeKadas a libra a 800.
Matiteiga ingleza flor a 800, %0 e 4,5120.
Da mus abaixo a 640 e 720 rs.
Dita franceza nova libra 640
560 e 600 rs.
Charlate sant muito novo a {200 a libra.
Cli perola o raelhor que ha ( redondo) a
' libra a 35200 e 25800.
Hilo dito Hall aba-xo a 24500 e 23800.
i .Uilo iixiiii milito lino a 2800 e 3.
1 Dito byason superior a SJ60O e 2J800.
Dito mais ab.tixo a 25 e 25500.
Dito preto muito fino a 25300.
i Diio em massos a 25.
, Do do Rio em latas de 4, 2 e 1 libra a
14500.
Caf <'! Moca superior arroba 95500 e libra
300 e 280 rs.
Dito do Kio>e do Cear arroba 85500 e libra
320 rs.
Dito Oais abaixo arroba 83 e libra 260 rs.
Barricas com bolachinlia ingleza nova a
Latas com bolacuioha de soda de o libras a
25300.
Dius com ditas sortijas de 2 libras a 15400.
fraseos com amellas francazas a 13600,
25300 e 95,
- Latas com ditas a 15400,25200 c 4$.
Ditas com ligos de enmadre a 15300,
Cuitabas licrineticaliifile 'aeradas c
Duzia de graxa latas grandes a 15.
Caixas roin 2. massus de velas de sperma-
eete a 560 es. a libra,
e em barril a Ditas autores a 600, 640 e 720 rs. a libra.
Caixas com tima arroba de velas do Araea-
ty 105500 e libra 400 rs.
Ditas de composio arroba 105 e libra 360
ris.
Saceos grandes com farioba de Goianna mui-
to boa. a 55500. ,
Ditos com milho novo com 24 cuias a 35300.
D ito com farello de Lisboa a 55300 e 120
a libras
Dito com arroz de casca a 5S000.
prias para mimo a 25 e 23800.
4>ro-
, rti
Caixinhs co ndito* muito novos.
Presunto de Lamego muito novo a libra 50
rs. inti-iro a a realho GOt) rs.
Cbonricas e paios novos a libra 600 rs.
Ditas com pene ensopado de muitas quali-
d.ules a 15-
Ditis cni ervilhas francezas e porlugueza
a 800 rs.
Dita-cun ma-.-a de tmale novo a libra 560
i.-.. e em barril a 500 rs.
Ditas com ostras a 720 rs.
Ditas com marinelaria dos melhores autores
de Lisboa a libra 640 e 720.
Duna ae garrafas de cerveja branca e preta
a 55500 e em barricas a 55000.
Arrz dorMaranhao em saceos arroba 25600
25400 libra 100 e 80 rs.
Dito da India e Java arroba 35 e libra 120.
Araruta verdadeira arroba 85 e libra 320
rs., luauana.
Goman do Aracatv para engommar arroba
55 e libra 160 rs."
Farinlia do MarauliFto.nora libra 320 rs.
Ervilhas seccas muito novas libra 200 rs.
-Sag e sevaduiba a 240 rs.
Sotada arroba 33200 e libra 120 rs.
Graxa de boiao 7 a 280 rs.
Sabao massa a 200, 240 e 280 rs. a libra. ,
Dito bespanliol verdadeiro a 400 rs. a libra.
Balaios do Porto de diversos tamanhos de 320
a 25.
Capachos para portas de varias cores a 600,
700 e 800 rs.
Grao de bieo arre a 45300 e libra 160 rs.
Painco arroba 53300 e libra 200 rs.
Milho alpista arr.ibi 43800 e libra 160 rs.
Azeitc dore de Lisboa garrafa a 610 rs.
Vinagre do Lisboa caada 1-Vin ) e garrafa
200, 210 e 320 rs.
Massos d,r* palitos de denles com 20 massi-
nbos a 160 rs.
fijlos do liuipar facas a 160 a 120 rs.
I Reamas de papel almaco pautado a UO. .
Dito grevo liso o melhor que lia a 43500.
Potes com iiiiistuiia franceza preparada a. Dito de peso e pautado a 2:500 c 25800.
libra 480 rs, JGarrafoes com 25 e 13 garrafas de verda-
Fra>cos cora conservas de pepinos, niexides, deua genebra do Hollanda por 85300 e
e azeitonas verde a 15.
lila dita ingleza a son 15.
Q ..-ijos novos da vapor a 25200 e 25800.
l)ito> de prato enplicado a 15.
i Dito ateo a 800 rs.
1 lino de manteiga do Serid a 800 rs.'
Caixas cnii pastas novas ue 1 arroba 75,
i mua 35300 e quarlo 25 e libra 480 rs.
1 Amendoas com casca a libra 240 rs. o arro-
ba 65.
Xo/.u> libra 160 e arroba 5*5,
Charutos linos do Simas, e dos melhores fa-
hrieantes da Babia de 25 a 85 caixas de
00 e 50.
Crozas de caixinha? de palitos do gaz a 25200
o 200 rs. a duzia.
Barra rom azeitonas novas a 15200 e 25
barris grandes.
VasMiuras do Porto pias.-ava muito seguras a
400 rs.
Azcite doce francez dos melhores fabrican-
tes, caixH 105 e a garrafa 15-
Caixas cut vmho Borjouas branco e tinto.
Vinliodo Porto lino em barris de 5o que ra-
ra wzs apparece por 805 e em caada
a 55300 e carrafa a 800 rs.
l)i(,i de Figueira puro caada 43 e 45300 e
garrafa r. 480 e 560 rs.
Dit. <; Lisboa de boas marcas a 35300 o
45 a garrafa a 440 e 480 rs.
Dito branco prnnrio de Lisboa, caada 45800
e garrafa 620 rs.
Cognac verdadero a garrafa 15 e 15280.
Viuha moscatel duzia 105 e garrafa 15,
Vmho branco de me ito boa qualidade caa-
da 15 e garrafa 480 rs.
Diio Xerez lino a caada 75300 e garrafa a
15200.
Diio Madeira secca agarrafa 15600 e 25.
Dito em caixas de una duzia \> Porto'dos
niel!),,res autores a 12-5, 145 e 165
Ganafas com Uedr fino francez a 15, 152O0
c 15600.
Ditas cora, vlnhn de caj muito daro a 15-
Ditas com mol de abelha purea 15-
Frascos com geaobra de Hollanda de 2 gar
rafas a 13.
Dito de urna garrafa a 560 rs.
Dito de laranja verdadeira a 15200.
IJ ontros inultos gneros de primeira qitiilidfle que nao
possltel menciona-tos.
A satisfacao da Aurora Brllhanle vender milito, rabora barato, mas DINIIE1RO,
1 abatendo cinco por cento a quem comprar de 1005000 para cima.

SUMIE SORTIHEiYTO DE MONDAS
DE
Custodi, Carvalno & Qmpanliia.
** RA DO QlTEIMAm *
Pecas de ntremelos bordados a 15-
Tiras bordadas a peca 25.
Cabertas de chita chineza a 25200.
Lences de linho linos a 25200.
,'Toalhas de linho para mos duzia 45-
Sapatos de tapete para meninos, senhoras e homens pelo barato preco de 13600 o par.
Toalhas de linho para mesa a 35500 e 45-
Bales de arcos para senhoras a 35-
Filu de linho liso vara fiQ0 rs.
Grande sortimento de las para vestidos.
Superiores saias de fusilo para senhoras a 55-
65000 rs.
Azeite de. coco garrafa 360 rs. e carrapalo
360 e cunada 25560.
Caixoes com doce de goiaba a 610, 800 e
15
Toiieinbo de Lisboa arroba 113-300 e libra
320 rs.
Dito de Sanios arroba 63 e libra 280 rs.
MolhOS com grandes ceblas a 15600.
Cento de dita sola a 15600.
Mauncos de albos a 12o rs.
Esleirs de varias qoalidades, do Aracatj.
Gordas de pastar e de andaime.
Favas da liba de S. Miguel arroba 35200 e
libra 120 rs.
Copos lapidados para agua e vinho a 35300,
35800, 65 e 75
Ditos lisos para varios precos.
Calix lapidados grandes e pequeos duzia
3, 4 e 53 ; c 400 c 300 rs. cada um.
Massas para sopa macan fio, talharim e ale-
tria a 400 rs.
Estrelinha e pevide libra 640 rs.
Xarope de finetas nacionaes a garrafa 600
ris.
Marrasqoiohp de Zara da melhor qualidade
a garrafa 152tK> e 800 rs.
Iisteiras de tranca, cento a 205 B 210 cada
urna.
Queijos de qulba novos, arroba 165 e libra
a 560.
Duzia de champanha superior a 205. e --"> a
garrafa.
Garrafoes vazios a 15600.
Massa branca para sopa a 320 rs.
Frascos com azeitonas em concervas a 800
reis.
Duzia de cartas finas para jogar a 35-
Sabao hespanhol verdadeiio libra 100.
Saceos com feijao mulatinho novo a 105.
Latas com favas j preparadas a 800 r?.
Sevadinha para sopa a 240 rs.
Sevada a 160 rs.
Garrafas com muscatel e setobal a 800 rs.
Sag novo a 400 rs.
Breu arroba 85300 e libra 320 rs.
Latas com 27 garrafas de gaz a 115, a gar-
rafa 500 rs.
(!U>!M ARMAZEM
RA DO IMPERADOR O
Jeito ao se orado em qae mora o Sr. 0> harne,
lu:irc Altuelda A C. recebcraui de sua proprla encommeu-
1.1 o nato lindo e variado sortfInvento de mollrados. proprlos
da presente estaeo.
Manteiga ingleza Masas brancas
da 9afra nova fetn neste vapor de 28 de para sopa a melhor que se pode desejar.
[ rmio aSOOTS. a libra. macarrao, talharim caleiria aiOOrs. a
Hantelga franceza libra e 4^500 a caixa.
da safra nova a 5*30 rs. alibro. e em barril VinllO
a 500rs. I .
t t Figuetra J A A e ontras muitas marcas acre-
Anienduas j dit*da& a 500 cofifitadas de hndissimas cave* a 800 rs. a \ >Uen rk Lisboa
NOVA EXPOSIQAO DE GNEROS
NO
AIIUIZ YB
PRINCIPAL
DE
libra.
em frasco- de vidro com 3 hbvas liquido a
2(9400, muito propios para mimos.
Oartoes
com bolos francezes a 500 rs. cada um.
Latas
com bolachiuhas de soda de todas as qua-
lidades a 10300.
Chocolates
de todas as qualidades a I5OO0 a iiLt a.
Presuntos inglezes
dos melhores fabricantes aSOOrs.. tambem
temos velhos para 5U0 rs.
Queijos flamengos
chegados ueste ultimo vapor,a 25tioo.
iiieijoH
e de outras marcas a 400 rs. a garrafa, e
2800 a caada.
fdew do Porto
generosos engarrafado des melhores fabri-
cantes da cidade do-Porto a 10 e 1(5200
a garrafa ede 105 a 120a caixa, asmar-
cas s5o as segwntes: Chamisso d Flho,
F. & M., Nisctar ou vinho dos Deur.es,
lagrimas do Doaro e outros muitos.
Latas
com 10 libras de baaha a 40000.
Bokohinha ingleza
a 10800 a barrica da mesmi que
vendera a 20000 e 20400.
Nozes
as mais novas do mercado a 120ff A bra.
Cervejas
[ dos melhores fabricantes|e de todas as mai
chegados no ultimo vapor a 20600 cada um. s de 4*500 a fi05OO a duzia.
Qaeijo
londrino o mais fresco que se .pode esperar
e de excellante maree a 800 rs. a libra
sendo iteiro e a 900 rs, a retalbo.
Conservas inglezas
as mais novas que se pode esperar a "60 rs.
o frasco.
Figos
em libras e caixinhs ricamente dotiradas,
proprias para mimos a 000 e 10200.
Cha uxim
o melhor que se pode desejar, que outro
qualquer nao pode vender por menos de
30 a 20600.
Idean perola
especial qualidade a20700 rs. a libra
CHARUTOS
Charutos Thom Pinto,. Reis e outros ero
meias caixinhs a 10500.
Arroz
do Maranhao a 100 rs. a libra, e da India
a 80 rs. a libra, e 20500 a 30000 a ar-
roba desses que vendem por 30400.
CAF
de 1.a e 2.a sorte do liio de Janeiro a 8051
e 80300 a arroba, e 280 a 300 rs. a libr
Garrafoes
com 4 '-> garrafas com vinagre a 1 000 (44
ogarrafao.
GEXEBHA DE LARANJA
verdadeira a 10000 o frasco, e de 110OOC
a caixa.
DEM
W. RA IIO CRESPO I. 9
Esquina que volta para a roa do Imperador
E provavel que nao seja bem aceita a verJade, quando a boa f de todos anda
Iludida por esta epidemia de nauzeaticos annuncios de cornetas, tambores coras m
tras, etc., que todo o dia enchem as paginas deste jornal. '
1LEHTA
Os^anunciantes nao tem em vista seuao garantirem ao respeiuuel publico a
sua palavra de honra, venciendo com o lucro suficiente para suas subsistencias e nao par-,
assenlarem fortunas a torca da regra de liga comooutrs aimuuoiautes ueste genero
PARA TOIIOS
No armazem principal vende-se a todos pelos precos marcados na seguinte ta-
bella, mas nao se vende por todo o preco fazendo-.se peso de arroba hesnanhoa iraran
te-se as qualidades dosgeneros trocando-se lodo aquello que nao seia do aerado rk,
comprador. B w
Amendoas confeitadas de diversas cores a;Lentilhas muito novas exfolenle leaimeM
64o rs. a libra. r.-i n.-i a nn re ,i;i....,
64o rs. a libra.
dem de casca dura a 24o rs. a libra.
dem de casca mole a 32o rs. a libra.
Ameixas franeezas em caixinhs com lindas
estampas, a l,2oo e l,5oo rs.
dem em frascos de vidro a 1,2oo rs.
dem em frascos grandes a 2,5oo rs.
Idemem latas de 1 '/j libra a l.loo rs.
Arroz do Maranhao-e da India o melhor que
ha neste genero de 8o a loo rs, a libra, e
de 2,5oo a 2,8oo a arroba,
Azeite doce de Lisboa a 6oo rs. a garrafa, e
4,8oo rs. a caada.
dem francez e de Lisboa refinado em gar-
rafas brancas a 9oo rs. a garrafa e lo.ooo
rs. a duzia.
Alfazema muito nova e limpa a 32o rs. a
libra.
Azeitonas muito novas a 2.ooo rs, a anco-
reta.
Alpista limpo a 14o rs. a libra, e 4,4oo rs. a
arroba.
ra sopa a 2oo rs. a libra.
Licores francezes de todas as qualidades de
7oo e 9oors. a garrafa.
Manteiga ingleza perfeitamente flor attoo rs.
a libra, desnessesario mais elogios nes-
te genero que so se pode verificar com a
vista.
dem franceza a 56o rs. a libia, e em barril
ou meios a 5oo rs.
Mannellada do 1 fabricante de Lisboa a 6oo
rs. a libra, ha latas de 1, l'/j e 2 libras.
Maca de tomate em latas de urna e dua li-
bras, a 6oo rs. a libra.
dem para sopa estrellinha, pevide, rodinha.
etc. a3.5oo rs. a caixa e 36o rs. a libra.
Macarrao, talharim e aletria a 4oo rs. a li-
bra.
Mostarda franceza preparada a 4oo rs. o fras-
co.
dem ingleza em p a 6io rs. o frasco.
Molho inglez em garrafinhas com rlba de
vidro a 64o rs. cada urna.
..., .... ... ,. ^ "u,u ""' Ldud nina.
Bolachinhas de Lisboa da fabrica de Beato Marraschino verdadeiro de Zara a 1 ooo r^
Antonto_ de diversas qualidades, em latas a garrafa, e lo.ooo rs. a duzia. '
de 6 e de 3 libras a 3,ooo c l,5oo rs. a
lata, e 64o rs. a libra,
dem ingleza em latas de 2 e de 4 libras
das melhores marcas a l,3oo e 2.2oo rs.
a lata.
Banha de porco refinada a 4oo rs. a libra e
em barril a 36o rs.
Batatas em caixas de 2. e de arrobas a
l.loo rs. a arroba.
Champagne das melhores marcas a 2o.ooo
Nozes muito novas a 16o rs. a libra.
Ostras preparadas em latas a Too rs. a la'a.
Prezunto para fiambre inglez verdadeiro, ga-
rantindo-se a qualidade, a "oors a libra.
Passas novas de carnada a 4oo rs. a libra, e
6,5oo rs. a caixa.
Peixe em latas hermticamente fechadas das
seguintes qualidades, sabel, corvina, go-
rz, cavallinha e pescada a l.ooo rs. la-
-r-o la.
rs. o gige, l,8oo rs. a garrafa, e 9oo rs. |Paij,os para denles liebadas a 14o rs o raa-
as metas garrafas. j ^ uc 20 macinhos.
Cha ux.m o melhor possivel a 2,7oors. a h- Wem do gaz a 2oo rs. a duzia. e 2 loo rs
dem livsson em f|-aSfIue'ras ^t Hollanda a 50KOO c>
o mais aromtico que tera vindo ao nosspj rseos. "_^
de.Hollanda verdadeira em frasqueira a 6oo
i rs. cada urna.
PALMOS
mercado a 20600.
Massas amarelias
para sopa, macarrao, tarharim e aletria a
480 rs. a libra.
COC va c
! o muito afamado cognac Pal Brandy a 1,8oo
rs. a garrafa e de outras muitas qualida-
des a l.ooo e 8oo rs. a garrafa.
COPO*
RA DO QUEMADO NUMERO 11
Loja de fazendas d-Augusto Frederic<> dos Sanios Porto
Liadas ehapellaas e chapeos para aeaboras.
' Uiegaram a este estabelecimento as mais modernas chifielioase.chapeos para enhors.
Superiores corles de la de barra de lu a O*.
' As mais superiores capas e soiiiembarqaes de seda preta ecasemira de eflres para senhoras de
->5 al 503.
Excellentss las para vestido a 320, 500, 560 e 300 rs. o eovado.
Cassas.eorgandysde cores a 240 e 320 r.<. o eovado.
Os melhores tapetes para sof com riqnissimos desenhos
Lencos dt cambraia de linho e fil bordados a M eada um.
Superiores casemires mesrladas de diversos ga< E outras muitas fazendas como sijain: percalles tlnlssimas, nrctanhas, siteeias, esijniao, silis-
trina preta muito fina, canlo para vestidos de luto, grosdenapte de bonitas cores c as superiores
Ksteiras para salas.
As pessoas tjac prrlenderem forrar suas ral.isongabhiflte.-, eneontraro ne-te estabelecimento
melhor aqualidad- ] : c*t"iras de todas as larguras e pelo nui mdico freco,
os verdadeiros palitos do gaz a 2,2oo a groza
c 2o rs. cada caixinha.
LICORES
finos de todas as qualidades, a lo.ooo a caixa
com urna duzia e a l.ooo a garrafa.
Marmelada
lapidados para agua a 4 5oo e 5 ooo rs. a dos ^^5 fabricantes de Lisl^a .como se-
duza, e a 440 e 5oo rs. cada um. jam A|)reu e ou(ros ^^ a ^ ^ a
PAPEL libra.
almac/i, greve, peso e de outras muitas qua- PpAKlintn
lidades de 2,2oo, a 4,5oo a resma dome-! .,- ." ,
lnu(. I o verdadeiro prezunto de Lamego a ;>2o rs.
Papel de botiea a lib,a-
de excellente qualidade a 20200 a resma, j Maranh50) Java e ndiaj a loo rs. a libra e
PAPE,L' de 3.000, a 3.2oo rs. a arroba,
azul e pardo para embrulho de 1,4oo a 2,2oo VELAS
rs. a resma. de espermacete de diversas marcas a 56o rs.
CorillthiaS a 'il)ra c em ca,xa lera abatimento.
passas corinthias muito novas proprias para VELAS
podim a 800 rs a libra i de carnauba em caixas de arroba a9.3oo p
Vi caixa e 34o rs. a libra.
U U11K. Batatas novas
o verdadeiro fumo americano em chapa a em caixas de 2 arrobas a 50 a caixa e 60 rs.
l,4oo rs. a libra a libra.
V-ii'ioYP Passas utuilo novas
_nn .- iem quartoseinteirosa 20 oquarto e 605OO
PRR em ancoretas de O caadas a 15,ooo rs.: a ^ e m rs> a iibra
Choeolate
portuguez o mais especial -que se pode de-
Cebollas
as mais novas do mercado a ",00o rs. a caixa
e l.ooo rs. o molho.
Alpista e Painco
o mais novo do mercado a 140 rs. a libra,;
sejar a 800 rs. a libra e 140rs. o pao.
Frutas en calila
chegadas ltimamente., pera, pecego, ginja e
outros muitos a 640 rs. a lata.
Dsie da casca da guiaba
e 40400 a arroba. ; a 600 e 10 o caixe.
Os proprietarios do grande armazem o Verdadeiro Principal declaran aos seus
freguezes e amigos e ao publico em geral, que para facilitar a commodHJmle de todos es-
tipularam os mesmos precos nos seguintes Jugares:
Iniao e Commercio roa do Qaeiruaio n. 7
0 Verdadeiro Principal raa do Imperador n. 40
FKUCTAS
At, AA. PEBAS : I A*
chegadas neste ultimo vapor, wnde-se nos seguintes lugares: Ra do Imperador n.
40, Verdadeiro Principal-Ra do .Quemado n. 7, nio e Gomoaercio.
Balaios para meninas
Lindos balaios de varios gestes para meninas
MaanMMOtoaao : 8 se enoontra na loja do Bei-
ja-Flor, ra do Qucimado n. 83 e 9.
Extratos e sabao em eai-
xinhas
Lindas caixinhs oom um cartao com a familia
imperial, e dentro de cada caixa ^0111 -frasco ou sa-
bao o mais fino que passivel: na toja do$?ija.
Flor ra do Quewnado n. (>-t 6!'.

Salitre retinado, superior qualidade, vinho Bor-
deaux, difireme qualidades, mais barato qbe em
qualquer parle : no armazem de E. A. Burle i
C., ra da Gru n. 48.______________________
Vende-se a: casa terrea ida ra di frojiresso
n. 21 (no Caminho Novo) tem um portao ao lado
que d entrada para o quintal, no qual existe cin-
co pequeas me i aguas, reiulc tudo 480,6, e ven-
de-so barato por seo proprietario ter de relirar-se
para lora da provincia : a tratar mado n 77.
Empreza de UluminacAo
gaz.
Todas as vendas de apparelhos e reclaraacoes
(por escripto dando o nome, morada, data, etc.),
devem ser leitas no armazem da ra do Imperador
n. 41. Os machimstas mandados para atiende)- a
estas, jipresentaro .m livro que os-reclamantes
deverio assignar logo depois de prompto o servlco
reclamado; isto para que a emproza .tique sciente
de haverern os mesmos senliores sido devidameate
aUtmdidos.
Vende-se na villa do Cabo, em casa do Sr.
advogadoJos l'aulo do.Hego Barrete, ou enten-
derle nesla anta eom lut Morelra da Silva, ra
estreita do Rosario n. 31, 3i escravos e escravas
com crias, tendo mucarahas c moleques, mesires
de assucar, carreiros, fuguisu, escravatura toda
moca. .________________________^_
Madiinas para descarocar
algodilo dos mais acreditados
fabricantes: na fundicao do
Bowman, ra do Brum n. 38.
bra.
1 dem perola qualidade especial a 2,Too rs.
a libra.
: Klein hysson o mellior que ha neste genero
a 2,000, 2,ioo e 2,6oo rs. a libra.
dem do Rio em lata- do 2 a 8 libras, a i ,iioo
rs. a libra.
Mein preto homeopalhico 2,ooo rs. a libra.
Cerveja das melhores marcas a O.ooo rs. a du-
zia, c 56o rs. a garrafa.
Chocolate francez, suisso e hespanhol a
l,ooo, l,2ooe l.4oo rs.a libra.
Charutos do afamado fabricante Jos Furia
do de Simas e outros da Babia como se-
jam Regala, Trovadores, Guanabaras. De-
licias e Suspiros, a 1,60o, 2,ooo, 3,ooo e
. 4,noo rs. a caixa.
Conservas inglezas a 7.*o rs. o frasco.
dem franceza surtidas ou de urna s quali-
dade de cada frasco a 5oo rs.
Cognac inglez e francez a l,ooo rs. a garra-
fa, e lo.ooo rs. a duzia.
Cominlio eerva-doce a 4oo rs. a libra.
Cravo da India a 6oo rs. a libra.
Cancha a l,ooo rs. a libra.
Copos finos para agua e vinho a 4.8oo,
5,ooo e 5,5oo rs. a duzia, e 5oo rs. cada
um.
Caf do Rio superior 28o e 3oo rs. a libra,
e 8,5oo a l),ooo rs. a arroba.
dem do Cear a 26o, 28o e 'loo rs. a libra,
e 8,ooo a 8.5oo rs. a arroba.
Doce de goiaba a 6oo rs. o caixao.
Ervilhas portuguezas em latas, chegadas l-
timamente a 7oo rs. a lata.
dem seccas a 16o rs. a libra.
dem j descascadas a 2oo rs. a libra.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Figos em caixinhs bem enfeitadas a Ooo rs.
cada urna.
Graixa nova a loo rs. a lata, l,loo rs. a
duzia.
Genebra de Hollanda em frasqueiras de 12
frascos a 5,8oors., e 56o rs. o frasco.
dem em botijas a 4oo rs. cada urna.
dem em garrafoes de 16 garrafas a 4,8oo
rs. com o garrafo.
dem idem de 3 caadas a 7,2oo rs. cada um.
dem ingleza em garrafas brancas bordadas
com rolha de vidro, qualidade superior
a l.ooo rs. a garrafa.
dem de laranja verdadeira a l.ooo rs. o fras-
co, e H,ooo a frasqueiras de 12 frascos.
Kirsch Wasser excellente bebida Suissa a
l,8oors. a garrafa.
a groza.
Painco muito novo a luu rs. a libra, e L,5oo
rs. a arroba.
Queijos flamengos do ultimo vapor.
dem prato muito fresco a 8oo rs. a libra, e
sendo intetro a 72o rs.
Sal relinado em potes de vidro a 5oo rs. ca-
da um.
Sardinhas de Lisboa c de Nantes a 6u> rs.
ameia lata, e ioors o quarlo.
Sag muito novo ealvo a 24o rs. a Hora.
Sardinha de Franca a 18o rs. a libra.
Sevada a loors. a libra.
Toucinho de Lisboa a 2io e 3oors. a libra.
Tijolos para limpar facas a 15o rs. cada um.
Vinho em pipa, Porto, Lisboa e Figueira das
marcas menos contiendas a 4oo rs. a gar-
rafa, ea 2,8oo rs.a caada.
dem Figueira expecialmente escolhido nest.^.
lugar a 6oo rs. agarrafa, e 4.5oo a caada.
dem Lavrado, Colares muito fresco tem
composico a 6oors. agarrafa, c 4,5oo rs. a
caada.
dem Lisboa em ancoras com 9 caadas mar-
ca especial a 22,ooa rs. a ancora.
dem branco uva pura a 56o rs. a garrafa.
ea 4,5oo a caada.
dem Porto fino em pipa a 56o rs. a carra-
fa.
dem engarrafados generosos, Lagrimas do
Douro, Duque do Pono. Luiz I, D Pe-
dro V, Nctar, velho secco, Malvazia, &
genuino particular de )ooai,?oe rs. a gar-
rafa e a lo>ooo rs. a caixa com urna duzia
dem Madeira;iegitimo a i,2oo rs. a garrafa
ea 12,ooo rs. a duzia.
dem Muscatel a looo rs. a garrafa.
dem Rordeaux dos acreditadas marcas St
.lulien St. Estepa, chteau la Ro/e, chalan
Margoux e outros a 6,ooo rs, a caixa e 56o
rs. a garrafa.
Vermouth a melhor bebida estomacal a 2.ow>
rs. a parrafa.
Vinagre de Lisboa a 2oo rs. a garrafa e l,too
rs. a caada.
; dem em garrafoes com 5 garrafas a 1 .ooo rs.
Vassouras do Porto com arcos de ferro a 32o
rs. cada urna.
dem de escovas para lavar casa a 36o rs.
cada urna.
Vellas de espermacete superiores a 560 rs.
a libra, e sendo em caixa a 52o rs.
dem de carnauba retinada e a 36o rs. a libra, a lo,5oo e 41,090 rs.
arroba.
S:gi4f.SfiIfl
2&'8e.S'S8'|.
s
t 3 i 2 -? 3
! i'-g 3 = s

5 a -i
O Q,"1 5 -, O

Alcatro.
Vndemse barris com alcatrao: na run da Lnn
n. 23, primeiro andar, escriptorio de Aotouir A'
Alneida Gomes.
n
ce
s o
O.
co n
O
o-
O o
r T* ^
tr, C /i ^^ i~*> *-^ t-i-
-. a, a
Sal5"
o sr
1
R
i,

9
9
e

es
iUcoea.
Vaade-ce soperior viob do Porto em caiga* da
urna duzia : em casa de Johasioa -Pater-A- CJ na
; do Vigi.ru. n. 3
AZ fiAZ GAZ
Vende-se gaz de primeira qoalidi.de a
105 a lata : nos amuzeas da ra do Im-
perador n.-46 e roa do Trapiche Noto n. 8.
Atiendo.
Vende-se ou permuia-se por predios nesta pra.-
Sa a bella e vaslissima e muito frtil propriedadtt
enominada lina da Saudade, em Gameleira, cob-
' tendo xcetlentes baaas para capim, barreiras pa-
ra louca, alpauas (rmiteira.-. tendo de frente 3.000
palmos e mais de fundo, olrrulada pelo rio Seri-
nliaom. e de frente pelo ralle da estatu de Garh-
leira: a iralar na retinacao dos Afijados.n. t\>.
Vende-se on permula-se por osera va fn pe jtu--
no sitio com urna casa i-eipiena de 4wdra> e ra).
contendo 1 salas, quarbis, cosiolm,fur,;a rai-im-
bas, 4 bello tanque para Icmlio e lnvar r,Hi).a :
coqueiros e diwrsas frucleira?. ahao ^oprii,*i
travessa de S Miguel n. II, em Afogados : a *r.v-
lar na reflnafo dos A fugados o. 13.




k\


MMpa^B*
m***mmmmim*mB
MMM*
MHBVMHP
Diario 4c ler
linaria tetra tf 4c etembro 4c til**.

60 PUBLICO
coi o menor conatrao-
Cimento se entregar o
Importe do genero que
nSo agradar.
ATTEN&AO
Os nrecoa da segnlnte
tabella para todos, i>o-
dendo asslm servir de ba-
se para o ajuste de con tas
cona os portadores.
ARMAZEM MIO
RITA DA CADEIA llO RECIFE ] &3.
rLogo pascando o are* da Coneririo)
brande rednccSo de prreos, equivalente a dea. por eeno menos do que ontro qualquer
annunciante.
Collegas.Nao posso por niais lempo sustentar o preco da manteiga ingleza a l.ooors. a libra, bera assim o de outros
amitos objectos, etc., dando eom sto ocasio a todas as espeluncas acabarem por bom preco a manteiga de tempero, e grilarem em
alta voz, que pqdem vender pelo preco que eu vendo!! 1 Ora, eu offendido com estas obscuridades e receloso era adoptar o mesmo
systhema que vim encontrar, de s se vender com um por cento a carola, resolv fazer esta giande reduccao de precos, como veris
pela seguinte tabella, pois como sabis ca pelo meu bairro, at a abertura do momoravel armazem de mediados Uniao Mei cantil nao
se sabia de outro preco de manteiga ingleza a nao ser o de l,4oe a i,6oo rs. a libra. Boje porem, resentidos da reduccao a que
estao obrigados, encarando todos os das de seus freguezes reclamaco de precos, e qualidades, vingam-se de um e outro portadores
mal informado deste novo estabelecimento. para Ihe vender goneros nao proprios de um estabelecimento des4a ordem que o seu ttm
.} tao smente obler a concorrencia de seus freguezes.
Para bem de todos.
Senhores e Senhoras o aceio que presidio, aos arranjos deste novo estabelecimento, e man que tudo aproraplido c entei-
reza com que sero tratados, convida a urna vizita ao mesmo, certos de que sem duvida me darao a proleccao e preferencia na compra
dos gneros que precisarem, e quando nao pocam vir poderlo mandar seus portadores, ainda que estes sejam pouco pratioos, pois
sero to bem servidos como se viessem pessoalmente, ateado para com estes toda recommendaco, a6mde que nao vio em nutra parte.
O deposito de gai qoa existo na ra do Vigrio
"Vl:se( transferido para a ra da Cruz. n. 3S.
g,?1!^ ^a wperior gu americano
ta do tiii-
reinado a 400 rs
co gai oes.
gaz
a garrafa, e a 10$ a
Manteiga ingleza (safra nova) especialmente
escocida a 8oo rs. a libra, em barril se
faz abatimento.
dem ranceza a mais nova que tem vindo ao
mercado a 56o rs. a libra, e em barril ou
nietos a .'ico rs.
Cb hysson de superior qualidade a 2,6oo rs.
a I Ora.
dem pe ela o mais superior do mercado a
2,8oo rs.
dem huxim o mellior que se pode desejar
oeste genero 2,6oo rs.
dem preto homeopathico por serde superior
tjnalidailft a 2,ooo rs. a libra,
dem hysson, huxim e perola mais proprio
para negocio o 1,600, l,8oo e 2,ooe rs. a
libra, garante-se ser muito regu'ar, igual
ao queso vende emoulra parte por 2,loo
e2,ioo rs.
1 jnguicas, chouricas e paios em latas de 8
libras, mneticamente lacradas a S.oers.
garante-se serem superiores aos que vem
en barris.
Jbouricas e paios em larris de meia e urna
arroba a 8,ooo rs. e 1,5oo e 6oo rs. a libra.
Qneijos flamengos muito frescos chegados
ueste ultimo vapor a 2,2oo rs. e do vapor
passado a l,6oo e l,8oo rs.
dem londrinos os mais superiores que tem
vindo ao mercado a 8oo rs. a libra entei-
ro se faz ahalimento.
dem prato muito fresco a 8o rs. a libra.
dem do Alentejo o que se pode desejar de
fresco e superior a 8oo rs. a libra, a ellos
antes que se acabem.
Ervilhas e lavas portuguezas em latasj pre-
paradas a tilo rs.
rs. e em barricas de 4 duzias se faz abati-
mento.
Caf do Rio a 26o e 28o rs. a libra, e 7.8oo
e 8.5oo rs. a arroba,
dem lavado de primeira qualidade a 3oo rs.
a libra, e 9,ooo rs. a arroba,
dem do Cear de superior qualidade a 24o
e 28o rs. a libra, e 7,8oo a 8,ooo rs. a
arroba.
Arroz do Maranho a loo rs. a libra, e 3,ooo
rs. a arroba,
dem da India muito alvoegraudo a loo rs. a
libra, e 3,ooo rs. a arroba,
dem de Java a 8o rs. a libra, e 2,2oo rs.
a arroba.
Painco ealpista a lio rs. a libra, e 4,3oo
rs. a arroba.
Massa de tomate em latas de 1 e 2 libras a
6oo rs. e de barril muito superior a 5oo
rs. a libra.
Aletria, macarrao e talliarira a loo rs. a li-
bra, e 9.00D rs. a caixa.
dem e talherim branco a 32o rs. a libra,
estas massas tornam-se recomendaveis as
pessoas doentes por serem propriamente
feitas para esse lim.
Estearinas a 56o rs. a libra, e em caixa com
Marmaiada imperial dos mais acreditados fa-
bricantes de Lisboa a 6oo rs. a libra.
Prezunto do reino viudos de casa particular
a 56o rs. a libra, e a 5oo rs. inteiro.
dem inglezas para fiambre chegado nesle
vapor To rs. a libra.
Copos lapidado;, para a gna a 5,ooo e 5,50o a
duzia,
Chocolate francez, s&isso e hespanol a 9oo
I ,ooo e 1.2oo rs. a liu-a.
Espci mcete cm caixinhas Ccqteodo 6 libras
por i.ooo rs., garante-se setqn transpa-
rente c de superior qualidade, tuMifoem tem
ile 12 por libra propria para carn.
Peixe em posta sovei, corvina, gors. psca-
Antonio de Lisboa em latas com 6 libras
por 2,ooo; ditas doce em latas com o mes-
mo peso a 2,5oo: ditas imperraes em latas
de 3 libras por l,5oo rs.
Ameixas francezas em latas de 1 e meia libra
por 1,2oo; ditas em caixinhas de deversos
tamanhos com bonitas eslampas na caixa
exteriora l,2oo, l,5oo, e1,8oors.
Azeite doce retinad Penanol ou do Kempes
de Lisboa a 85o ts. a garrafa e 9,5oo a
caixa com urna duzia.
Batatas muito novas a 5o rs. a libra e 2,ooo a
caixa com 2 arrobas.
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e
8,5oo a duzia.
Vassouras de escova para esfregar casa a 32o
Nozes muito novas a 16o rs. a libra
Molho inglez em garrafa de vidro com
rolda do mesmo a 5oo rs.
Mostarda ingleza dos melhores fabricantes a
8oo rs. o frasco.
Mostarda fraseen em potes ja preparada
a 4oo rs.
Lentilhas excedente legume para sopa a 2oo
rs. a libra.
Vende-se urna importante mulata do Ib
dos, propria para urna macante, com grandes h i-
: bilitacoe?, cose e engomma eom muita mi,,.,
assim cerno ama negrinhade 7 aunes, honila li'.'i-*
i ra, e um mulatinho de i anrios : na ra das *-
1 raugeiras n. 18, segundo andar.
Vendem-se.as Mgutatea obras ; Mr- ;i ,u,-
Obras, Mi nte, D. Ercl., Bargier, Dio: i'n ......
Tappareili, D. nat., Andr, Dice, de 1). Ei el ; *,.
ni, ilist. da Virgem, Hurlamaqui, I>. lis!. ,
: tientos, Beline, l) nat.) Ahrens, I) nal. odol, v ,-'
encia do dever, Renard, philosopliia, Couin, i!,.-j
da Philosopiia : na ra streita do Rosario n. 1j,
segundo andar.
Attenco attencdn atengan !*
Vende-se um sitio na povoarao do Monloir, ?
Irada que vai para o Arraial, denominada Ladei-
ra dos Mudos, rom duas salas de frente a urna (*-
la de jamar, qualro qnartos, rnzinha c copiar (<.i
lado, tendn mais ornas pequeas rasinhas ao h\>
liara hospedes e o sitio rom fiasianti-s frwtelr^s.
Qnem pretender pode dirigirse a ra iK> Hilar u.
17 que achara com quem tratar.
Acaba de receber de sua propria encuiMiteba um grattde e variado sortimento
de molhados todos primorosamente escomidos, por isso apressa-se o proprietario em
offerecer ws seus frt^uezes e ao publico em geral a seguinte tabella dos seus gneros e
resumidos precos, afiancando todo e qualquer genero vendido neste bem couliecido aa>
mazem.
i GRANDE mu
PARA TOWAS AS MOLESTIAS !>C
mm. o ii e as muffifi
25 libras a 52o rs.
Vinho do Porto muito fino excellente qua-
lidade proprio para engarrafar em ancore-
tas com 9 caadas por 49,000 rs.
Vinho de pipa Porto, Figueira, e Lisboa a32o,
4oo e5oo rs. a garrafa, em caada a 2,5oo,
3,ooo e 3,8oo rs.
Vinho branco de Lisboa de excellente quali-
dade a -loo e 5oo rs. a garrafa, em caada
a 3,ooo e 3,5oo rs.
Vinfio branco para masa cm caixa e l duzia
a 8,ooo e a fi8o rs. a garrafa.
Vinho do Porto das melhores marcas, que
vem ao mercado como sejam Lagrimas do
Dourn, Duque do Porto, DuqucGenuino,
D. Luiz I., Madeira secca, Malvazio fino,
Fetoria em caixa de 1 duzia de 9,ooo a
10,000 rs. ea 9oo e l,ooo a garrafa.
Vinho Colares o mais superior que tem
vindo ao mercado a 6io rs. a garrafa.
Sardinhas de Nantesem quartos e meias latas
. a 36o e 56o rs. cada tuna.
Sardinhas portuguezas em latas grandes
preparadas pelo melhorconserveiro de Lis-
Amemloas confeitadas de 8oo rs. a libra.
Manteiga ingleza perfeitamente flor, a 8oo rs,
libra,
dem franceza a 56o rs. a libra, e 52o rs.
sendo em barril.
Cha uxira a 2,7o rs. a libra, e de 8 libras
para cima a 2;6oo.
dem perola a 2,8oo rs. e de 8 libras para
cima a .Too,
Licores franrezes e pertuguezes das seguin-'
tes marcas creme de violetas, gerofles, f o-
sa, absint vespeiro, amor perfeito, amen- i
dua amarga, percicot. de Turin, Botefim,
morangos, limo, caf, laranja, cidra, gin-
ja canella, cravo, rlela pimeota a l.oooj
rs. a duzia l,ooo re. a garrafa, garante-se I
que os melhores que temos tido no raer-1
eado.
AS

dem hysson o mais superior que se pode Passas muito novas em quartos ointeiros a;
deaejar a 2,6oo e de 8 libras para cima 2,ooo rs o quarto, a 6,5oo a caixa e 4oo
a2,5oo rs.
dem menos superior a 2,4oo e de 8 libras
para cima a 2,3oh rs.
dem proprio para negocio a 2,3oo, de 8 fi-
bras para cima a 2,2oo.
Idsm dD Rio em latas de 2. 4, 6 e 8 libras
cada urna a 2, 3, 3,5oo e 4,8oo rs. a lata,
dem preto o melhor que se pode desejar
neste genero a 2.8oo rs.
dem menos superior a esse que se vende
por, 2 e 2,4oo, a 4,8eo-re. a fibra,
dem mais baixo bom para negocio a 1,5oo
rs. a libra.
boa a 6o rs.
da, salmao, ostras echernee, vezugo t*n Bolachinhas inglezas as mais novas do mer-
latas grandes a 8ooo l,ooo rs. cada urna.; cado a 2,8oo rs. a barrica, e 24o rs. a
Vinho Bnrdeaiix das marcas mais acredita- libra.
das que tem viudo ao nosso mercado a Btlachinha de soda em latas com diversas
6,000, 7,ooo e 8,ooo rs. a caixa,garante- cualidades a l,3oo rs.
so <, qualquer nao pode vender por este preco. | para mima a 6io rs.
Genebra de ir .llanda a 56o rs. o frasco, e Passas muito novas de carnada a 4oo rs. a
5.7oo rs a frasqueira. iibra e o,ooo rs. a caixa com 28 libras.
dem de laranja verdadeira de Aliona em Figos de comadre a 2io rs. a libra c
frascos grandes a l.ooor?. o frasco, e, l,8oo rs. a caixa com 8 libras.
Il.noo rs. a duzia. | Amendoas de casca mole a 32o rs. a libra.
dem de HoHanda em botijas grandes a ioo Bolachinhasd'agua em sal da fabrica do Beato
dem miudiuho proprio para negocio a I,5oo
rs. a libra.
Queijos do reino chegados neste ultimo va-
por a 2,2oo.
Querjos chegados no ultimo vapor a 2,6oo rs
dem prato os melhores e mais frescos do
mercado a 8oo rs. a libra sendo intiro.
Genebra marca gato a i.7oors. agarrafa.
Marrasquino o verdadeiro de Zara em garrafas
grandes a l,ooors. e ll,ooo a duzia.
Palitos para denles a 14o e 16o rs. o maco.
Sal refinado em irasco de vid re com rol ha do
mesmo a 5oo rs.
Cerveja branca e preta das marcas mais a-
creditadas que vem ao mercado a 5,ooo e
5,5oo a duzia e 48o rs. a garrafa. Biseoites em latas de 2 libras das segundes
Sa muito novo e alvo a 24o rs. a libra. marcas : Osborne, Crakntl, Mixed, Victo-
Sevadinlia de Franca muito nova a2oo rs. na' Hec-mc, Fance, Machmeeoutras mui-
Charulosde todos os fabricantes da Bahiae das ts a l,3oo e l,4oo rs.
mais acreditadas mareas COnhoeklaS no rumn ammi-nno em chaina a l.floore, a
nosso mercado a 2.ooo, 2,5.o, 3,ooo, ,,bra- ,
3,500 e 3,8oo a oaixa de loo charutos. >rar,,la de todas as nulidades.
Cognac inelez das melhores marras a *> novas em caixas do 2 arrobas a U a
l oso rs a carrafa. i caixa e 6o rs- a ,IDra*
'Balachinha deCraknelem latas de 5 libras
Doce da casca da goiaba em latas de 4 li- bruto a 4,ooo rs.
bras por 2,ooo; ditoemcaixoesaoors.idem ingle/as em barricas amis novado
rs. a libra,
dem corinthias proprias para podim a 8oo \
rs. a libra.
Marmeladas dos mais afamados fabricantes de I
Lisboa a 64o rs. a libra.
Ervilhns secas muito novas a 16o rs. a libra.!
Grao debico muito novo a 16o rs. a libra.
Ervilhas francezas era latas a 64q rs.
Potes com sal refinado a 48o rs.
Fumo de cbapa americano a 1,6oo rs. a libra
fazenda especial.
Presunto para fiambre nglezes a 7oo e 8oo
rs. a libra.
Chouricas e paios mnito novos a 64o a libra.
Caixas de traque n. la 8.-J500 cada urna, i
Massas para sopa macarrao. talharim aletria
a 4oo rs. a libra.
Cognac verdadeiro inglez a 8,5oo rs. a caixa I
e8oors. a garrafa. i
dem francez a 7,ooo rs. a duzia e 7oo rs. a;
garrafa.
Plalas VegTtaes Assiicanidi? '
De Kcmp
Compostas dos dos novos resinoides cbarr.-
dos PODOPHILINA C L^PTASDRINA, C iotel-V '
mente livres de Mercurio ou outros venenos
mincraes ou un.-tal Jicos, sao de grande utr- ,
DISPEPSIA, ENGHAQECA.
Conspacao eu Prizao do Ventre,
PADECIMENTOS DO FI6Al:U
Au%cf9es Biliosas,
HEMORRHOIDAS, COUCA,
Ictericia,
FEBEE GASTRO-HEPATICA,
E outras enfermidadrs aniogav
Ellas vao rpidamente substituindo os mH'+job
purgantes drsticos.
venda as boticas deCaors 4 Bari'o,-..
|!>
Charutos em grande quantidade e de todos os
fabricantes mais a creditados a l,5oo, rua da Cruz- e Joao da c- Bravo A
2,ooo, 2.5oo, 3,ooo e 4,ooo rs. a caixa, ida Madre de Dos______________________
os mais baixos sao dos que por ahi se ven- Koa da Se "zalla Vo>a n. t?.
dem a 2,ooo e 2,5on re Nestc estabelecimento venfamsa- tnehw.*
cate ac premeira qualidade a 8.3oo e O.ooo .fro 1pado libra a ,10 rs- dem de Lo*
rs. a arroba e 28a a 22o rs. a libra. Moor fibra a 120 rs.__________
dem de segunda qua'lidade a 8,2oo rs. a ar-
roba e 26o rs. a iibra.
cada um.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Velas de carnauba de 6 e 12 por libra a
32o rs. a libra e lo,ooo rs. a arroba.
Azeite doce de Lisboa a 64o rs. a garrafa
e 4,8oo a caada.
Banha de porco refinada a ioo rs. a libra
e 36o rs. em barril.
Capil de diversas frutas muito frescas a'
6io rs. a garrafa.
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a graza.
Toucinhe de Lisboa muito alto e alvo a
32o rs. a libra e 8,5oo a arroba.
Ameixas francezas em latas de 3 libras por
2,noo. rs
Cebollas solas a l,4oo o cento ; ditas em
mercado a 3,5oo rs, a barrica e 2io rs. a
libra.
Chocolate portuguez o mais especial que se
pode desejar a 8oo rs. a libra e 14o rs. o
pao.
Papel de botica de excellente qualidade a
21oors. a resma.
I'otes com sal refinado a 48o rs. cada um.
Bicos frascos com frutas francezas em calda
a melhor que se pode desrjar de l,4oo a
3,ooo o frasco.
Frutas em calda chegadas ltimamente, pera,
pecego, ginja e outros muitos a 12o rs. a
lata de 2 l|2 libias.
Foijao verde em bages em latas a 6io rs. a
lata.
molhos com cento e tantas por 1,2oo rs.; nozes muito novas a ii0 rS- a ^ e 4 000
Malte excellente cha para os navegantes a | rs# a arroba.
a 2oo rs. libras.
AGENCIA
FUNGI LOW-lOMOOLE
Rua da Seuudla nova o. 42.
Neste estabelecimento contina a haver
tira completo sortimento de moendas e meiai
moendas para engenho, machiuas de vapor
tachas de ferro batido e coado, de todos o
tamanhos para ditos.
Arados americanos e machinas para
lavar roapa: em casa de S. P. Johnston & C,
rua da Senzalla Nova n. 42.
V'iiib no Porto superior
Jm caixas de urna e duas duzias : tera para van-
ear Antonio Luiz de Oiiveira Azevedo escriptork) rua da Cruz n. 1.
mmmifa mmmwmMmw
i fabrica ConceiQao da m
Bahia.
^S Antlrade & Reg, rerebem constante- S
Jgk menre e tem venda no seu armazem n. ||g
Mf i ila rua do Imperador, algodao d'aqucl- %
S la fabrica, proprio para saceos de assu- H
J9j car, ..'inhalar aiodaoempluma etc., etc., ffc
*t pelo preco mais razoavel. g|
Charutos de Havana
de superior qualidade vendem-se em casa
le Schafleitlin A C, rua da Cruz n. 42.
ARUIAZEM
FRONTEIRO
ALVES COCTIIVIIO 21Laryo do Terco21
Ao publico.
Chooricas muito novas a 64o rs. a libra ; chocolate francez al,ooo rs. a libra;
ameixas idem ; alpista a 16o rs. a libra, e 4,6oo rs. a arroba ; arroz do Maranho e da
India de 8o a loo rs. a libra, e em a arroba de 2,6oo e 3,ooo rs. ; azeite doce refinado
a 1 , da a 4,8oe rs.; banha de porco a loo rs. a libra, e em barril a 36o rs.; batatas muito
novas a o rs. a libra, e 1,2o > rs. a arroba ; cha perola, hysson, raiudmlioa l,8oo, 2,4oo
e 2,5oo rs. a libra ; charutos des melhores fabricantes'da Babia de 2,uoo e 4,ooo rs. ;
cerveja branca e preta a 5oo rs. a garrafa ; cravo, canella, cominho e erva-doce, conser-
vas inglezas em frascos e raeios de 5oo a 9oo is.; cognac inglez superior a l.ooo rs. a
garrafa ; eaf le 1.a, 2.a e 3.a qualidade de 8,5oo, 9.oooe9,5oo rs. a arroba ; cevadi-
nha a 200 rs. a libra ; erydhas portuguezas em latas de 1 '/j libra a 7oots. ; spermacete
a 56o rs. a libra, e em caixas a 52o rs.; farinha de aramia verdadeira a 2oo rs. a libra,
e em a arroba a 6,000 rs ; genebra de laranja a 1,000 rs. o frasco ; idem de Hollanda
a 61o rs., e ioo rs. a botija ; graixa em latas a l,2oo rs. a duzia ; manteiga ingleza per*
feita f!6r a 800 rs. a libra ; idem franceza a 56o rs a libra, e em barr a 52o rs.; maga
de tomate a 600 rs. a fibra ; marmelada dos melhores fabricantes a 61a rs. a libra'; 1 ale-
tria, Wharim e macarrao a 4oo rs.; marrasquino de Zara verdadeiro a l.ooors. cada fras
o ; nozes muito novas a 2oo is. a fibra ; passasa 4to rs. a libra ; painpt-a 16o rs.; po-
n.iila a 4in r a daa nimentn (Jorpinn a 'M\, ve mnni ii...n..n .i~__.. .>. i___
CO
Rua 4a Senzalla 42; mada a 24o rs. a duzia; pimenta do reino a 36o rs. ; papel almaco e de peso de diver-
Vende-se, em casa de S. P Johnston.&C, sas marcas; palitos do gaz a 2,2oo rs. a pnaa e 2o rs. a caixinha ; ditos de spguranc
sellins e silhes iuglezes, candiein e casth individual a 2o rs. a oixinba e 36/i re. o maco; qiwijos flamengos do vapor a 2,ooo rs.
jjaesbromeados, lonas inglezas, 8o chicotes para carros e montara, arreios para 1 bao massa muito superi- r a 2oo rs. a libra; toucinho de Lisboa muito alvo a 3oo rs.'a li-
carros de um e dous cavallos, e relogios de bra; vinho do Porto velho engarrafado a l,5oo rs ; dem em barril a 800 re. a garrafa,
otiro patente inglez._____________________ sendo porcao fa/.-se differenca eem caada a 5,ooo re.; i-iem de Lisboa muito unerior a
4ih, rs. a carrafa o 2.800 rs. a ranada ; idem da Figueira J. A. A. a 5oo re. a garrafa e
VI MI I rl lili ; ft rs-acanula llIcm d0 E^treito a.l6o e 30 rs a garrafa e em caada a 2,56o;
\ V r t ",em Bor leaux a r,o rs- a wrafi; idem braaco de Lisboa, proorio para missa a Sno rs
^?d^^"^%*!^--* U" ""'-M*r J Im a BrrPafa,e l!S>T,*&Si
fio n. b, armazn Principal, a 30* a ancora i acidv:.? a w>o a garrafa. i ea.l,s a.ir rb outros muitos gneros quedesnecessario menciona-los.
Amendoas confeitadas a 600 rs. a libra.
dem de casca mole a 32o rs.
Vinhos engarrafados no Porto e Lisboa das
seguintes marcas: duque, genuino, velho
secco especial, lagrimas doces, vinho es-
pecial D. Pedro V. nctar superior de
1833, duque do Porto de 1834, vinho do
Porto, velho superior, madeira secca, Por-
to superior D. Luiz I, e outras muitas
marcas, em caixa de urna duzia a 10,000 o
1,00o rs. a garrafa.
dem branco de uva pura a 64o rs. a garra-
fa e 4,000 a caada.
dem superior a Bao rs, a garrafa e 3,2oors.
a caada.
dem em pipa Porto, Lisboa e Figueira das
marcas mais acreditadas a 3,8oo a caada
e 5oo rs, a garrafa.
Idem de marcas pouco conhecidas a 4oo rs.
a garrafa e 3,ooo rs. a caada.
Especial vinho Lavradio sem a mais pequea
composieflo a 560 a garrafa e 4,000 rs. a
caada.
Farinha de matarana a 240 rs. a libra.
Bicas caixas com ligos a 1,000 rs. cada urna.
Ricos fivros com figos 1,000 re.
Pomada a 200 rs. a ddzia, sevada muito no-
va a 80 rs. a libra, e 2,5oo a arroba.
Garrames com 4 l/% garrafas de vinho supe-
rior a 2,5oo rs. cora o garrafo.
dem com 4 7 ditas de venagre a i ,00o rs. o
garrafo.
Vinagre PRR em ancoretas de 9 caadas a
15,000 rs. com aancoreta
dem em pipa puro sem o batisrao a 2oo rs.
a garrafa e 1.4oo rs. a caada.
Caixas com 1 duzia da garrafas de vinho Bor-
deaux fazenda muito especial a 6,800 rs.
a caixa e 7o rs. a garrafa.
Em Gameleira,
casa de Domingos Ferreira do< Sanios Porto, ven
de-se cal nova de Lisboa vinda no ultimo na
por preco razoavel.
Enfeites a Gariba i di
a,
tal de Lisli;i. .
No flm da rua estrella do Rosario, ao vollar rv
Arroz do Maranho a 12ors. a libra, 3,000 rs.' o pateo do Carino n. 17, vende-se por prego em-i
a arroba. modo ral nova.
dem da India muito superior a 2,9oors. a
arroba, e loo rs. a libra.
dem mais baixo redondo a 2,6oo rs. a libra.
dem da India comprido a 2,loo rs. a arro-
ba, c 80 rs. a libra.
Vellas de carnauba do Aracaty a 9,5oo rs. ar-J
rohi p 16o rs n libra : AJ*J f Aurora,na roa larga do Rosario c. 38
roa, e .j00 rs. a uora. recebea ricos enfeites a Garihaldi dos mais moler-
dem de sebo muito dura ungindo esparmace- nos que tem chegado a este mercado, para .-. rJio>
te 36o rs. a libra. ras e meninas -. lanibem recebeu trancas rio lift^o
dem de esparmacetea 56o rs. a libra, e em de caracol, brancas e de cures, pee ,s rom 10 m
,-aiv.a **ftm rnm'f; lihras a li0 r*' pa,1a um'1' muito pr,.|.i;i para enl it4|#
Ldixd d -iv is. wiu -o iiuius. vestidos, assim como tem um grande sonum-ui-- 3a
Papel o melhor que se pode desejar para os miudezas a qual vende barato.
Srs. empregados pblicos a 5,ooo rs. a res-1
ma, j se venden por 7.000 rs.
dem aimaco pautado e liso a 3.000 rs. a resma.
dem de peso paulada e liso a 2,5oo re. a! "^
resma I ^ bordo do hiale nacional Dous rmao aocoi*-
dem a zul de botica ou fagnete.ro a 2,oo rs. t^SSttS^^SSm^
a resma. neste mercado pelo barato preco de 35 o alijitrii
dem embrulho de 1,2oo a i, loo rs a resma. [ J Z'&SSt SXRP*'' "^
Ameixas francezas em latas de 1 l% libra a i_
1,2oo e 800 rs. a libra,
dem em frascos de 3 libras a 2,5oo rs., s o j
frasco valle 1,00o rs. tambem temos em j
frascos para l,4oo rs.
Conservas inglezas a 800 rs. o frasco.
Mostarda preparada em potes muito nova
2oo rs.
TmCO.
nieguen! a farinha lavada.
ESCRAVOS FGIDOS.
Molhos inglezesa 800 e l.ooo re. o frasco.
Cravo a"48o rs. a libra.
Cerveja Tenante verdadeira a 7,ooo rs.
duziae 600 re. a garrafa.
Fugio na tarde do da 16 do crreme i.rr,
escravo pardo, de nome Marcos, desembarradt
; do hiate Santa Auna, vindo do Aracaty, leudo
, de idade 8 annos pouco mais ou menos, eos sij-
naps gMMioles : altara regular, secco do corno,
punca barba, cabello crespo, Ipvuu camisa V>
I calca de algodiosoho de riscado azul echa
: pn de palha, tendo levado cofnslgo nina irooxl
' com mais ruupa, e rendido de una das venlhas,.
I quem o apprwnder queira leva-lo a rua da Mado
! de Deus n. 38, ou rua do Bruno n. b', que ^e^^
dem de outras marcas preta e branca a 5,5oo recom|.ensado
e 6,000 rs. a duzia e 000 rs.a garrafa. Fmo do engenho Guerra de tpojuca umoV
Vassouras de piassava com 2 arcos de ferro cravo de nome Jos Moniz, estatora bafxa, e t
vindas do Porto a 32o rs. crioulo : quem o apprehender ou der nolicia re
Cebollas muito novas a l,ooo rs. o molho e 120 *,l,"n.ho' "j** da Aarora eni '"'"* Sr'
0 ___.n Elias llaptisia da Silva, sera generosamente -re
800 rs. o cento. | compensado.
Genebra de Hollonda em frasqueiras a 6,000
e 56o rs. o- frasco.
dem em botijas a loo rs.
dem em garrames de 14 garrafas a 5,2oo rs.
Acha-se fgido desde o dia 7 de fevereiro do
, corrente annpo escravo de nome Faustino, de ida-
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a groza e 2o rs. a de de 40 annos, pouco mais ou mpsoe, cor (b|aj
(aixg^ altura regular, grosso do rorpo, bem espaduado,
Idpm dp ApntPi lijados pm macm prandes barnad" e J rom al(!ans "bellos branc? na b:T.
taera ae aentes nxaaos era macos granoes bra e ^nm Vfima bstame rabHlodM
COm 20 rs O macinhOS a 120 rs. O masso. tein as pernas arqueadas, porem Din muito. bas,
Cominhos milito novos a32orS. a libra e unte, cabellos nos peitos, a cutama quando quer
lo 000 a arroba fallar mais apressado como que gagui'jar, porr
Olffft mnito nnvn 9inr a lihn mul pouro' 1"e n,al ?e !">rr,'bs i COStums andar
bagu muito novo a *4o re. a iinra. em Mmtas e ag mes emhringa-se por 9mt do
Cevadmna de Franca a 18o rs. a imra. bebidas espirituosas; suppe>-se que elle sigui
Milho alpista a 14o rs. a libra e 4,3oo rs. a para o centro, e consta que elle esta em Gravar
arreba.
Gomma a 28o rs. a libra
e 5,4oo a arroba.
portanto roga-se s autoridades policiaes que o la
^am approhender e conduzl-k casa de spot se-
I nhor major Antonio da SHv Gumao, na rua Im
Peixcs em latas a l.ooo rs. a lata ja prompto > ^nalt ^ Pemamburo, i~~ aTUlYrfi toda e qual-
a comer-se. qiier despeza qne por ventura facam, e aos capi-
Farello de Lisboa marca N. e Biato saceos, taes de campo offrece urna boa graiiffcaco.
grandes a 4,000 re. Contina fgido e consta estar acornado em
Doce da casca da goiaba a 600 O 1,000 rs. O Goianna o escravo JM preto, crioulo. de 26 a*
Mt3n Inos' Darxo- porrKI regular, bei^o grossos e estnfv
u,,Jld' I dos, nrelhaa pequeas, rachcn grosso. pooea Iwiv
9 proprietario do grande armazem Unio e Commercio derlara aos seus^fregne iWStSrSnr^e^A
zes e amigos e an publico em geral, que para facilitar a commodidade de todo estrpulou qnP p,r2? prrt0| a |islra)i ^^ prPtni SPrn
OS mesmos precos nos seguintes lugares : misa com urna carafnea encarnada na ealwea:
Uniao e Goramercio rua do Queimado n. 7. Ko^S5^S^ff*r:^
O Verdadeiro Principal rua do Imperador n. 40. S,^^ n

ILEGVELi
T


farl e PcruabaM Qiiaria felra ti r Hrtcmhrts r lftl.
LiTTEBTRA.
A stileniDissinia fcsla de Nossa Senhora do
Rom Conselho.
Existe j no dominio do publico d'esta cidade
um pequeo tetheto que tem por titulo Memoria
I. tortea de Nossa Senhora do Bom Conselho.
Seu autor o bacharel Manoel da Costa Honorato
v:!pasamente contiendo. A origem darmanJa-
d eademtea insumida sob tal invocacao esl na-
ijuello livnnho perfeitamento escripia. Pora pois
i' til narra-la do novo.
K nao pretendamos. O que vos vein ao pensa-
r. :nt>, o que nos parece possivel fazer urna
I iva deseripgo da festividade que leve logar no
t}-. i !1 do correte, cm o convento dos Religiosos
franciscanos. Foi a annnidade de culto e comme-
< )l *ac3o quo o corpo acadmico do Recife deu a
Senhora do Bom Omselho. Mas no meto de tan-
l.;j phenomenos quotidiauos que deveni oceupar
?ri\3, a que na isto, que importancia tem isto?
I? u que nao deixara de perguntar a impiedade,
a inJifferenea religiosa, o athehmo que de todas
a; partes late ao culto de Deus.
Assenta aqu repetir as palavras de um dos or-
namento* da nossa Faculdade, o Exm. Sr. Dr. Jos
Antonio de Figueiredo, deputado assembla geral.
p urna foi ha acadmica publicada o anno pas-
sado, dizta elle, referindo-se a irmandade do Bom
G !. Iho. Tal nstitiucao, porim, iugimportan-
. cti poder ter ? Para os espiritas fritlos bem
ponca ;para os espiriios fortes ncnhnma ; para
os pobres espiritomulta, toda a importancia.
lista dito, o mui bem dito.
J.i .-o v pois que nao nos dirigimos esses espi-
i!os tenebrosos, para quem a religio, mu grado
san, 6 urna heranga d'avs, mas urna heranca
i-..H, um faci amigo e desusado, em que as ve-
res se falla ou se pega para zombar da exquisitice
dos velhos lempos.
A fesla de que traamos foi simples e bella. Ha
I?, oito annos: e a irmandade acadmica persiste
io menino p de firmeza e dedicagao com que se
instiluiu. Demonsirou mais esla vez. Fura eleito
4'v-i olllm. Sr. Dr. Joo Jos Ferreira de Aguiar :
l:'. Con o seu auxiliar que tinha a testa de ser
feita. Motivos de luto e recolhinienlo tiraran) ao
t )nrada lento tamben), entre outros, este prazer.
Assim passou todo o plano concertado pela mesa '
administrativa a ser posto em exeeugo pelo the-;
areira da irmandade o Illm. Sr. Dr. Amonio de '
Yas-'-oncellos Menezes de Drummond ; o qual se-
cundado por muios mocos acadmicos em todos
oStnbaJhos e diligencias, que se nao furtoupara
toar ludo a altura do desejo, levou de facto, pro" i
1 jvendo e arrecadando asesmolas dos litis, como'
?.i principio lizera o Illm. Sr. Dr. Aguiar.
Por motivos plausiveis transferira-se a solemni"
dade do dia 8 para o dia 11. Na noute da vspe-
ro T?mplo Franciscano tinha interrompido, por
assim dfeer, o seu silencio exttico. Velho, de
urna arcliitectnra singada, eslava elle intimamente
remesado. Mas erain galas que Ihe naodesdeziam,
pal-:s simplues ; e a simplicidade no Templo tra-
sluz a liiunildaile n'alma. Ceremoniou-se de ves-
|.T!, como se. Beleva porm dizer que nao en-
commodaram-se os ouvidos nem pertorboo-se a
calmi das r.lturas com o brbaro phrenesi de fo-
gtictes.
Fui um proposito de licao e exernplo seria bom
concurrencia. Espera va-sc o dia vindouro, veiu.
Ar'iamos intil, despropositado, ridiculo at pedir
a-ju ao nosso Virgilio a deseripgo de um sol nas-
cen?
Tj, como emoutro qnalqner dia, um amanhe-
,oer 'irasileiro. Apenas essa alvorada, csse sorriso
immer.90 de Deus. teve mais cn em que se espa-
Ihasse, mais faces em que se expandisse. Eram
as almas candidas dos mocos que festejavara :
oram as faces candidas das virgens e meninos que
gostaram da festividade.
Qurira Deus esta linguagem nao (raia o escrip-
ia.",-- estadaniada : se continuamos nella d'aqni
pooeo estamos as apalpadellas as irevas do
socalo passado, fallando na revoluco de 89 que
c cstribillio da mediocridade Iliterata e sem o
qa~ o escripto nao tem merilo. Va isto de passa-
gem. Adianle.
As dez horas da manhaa o Templo comecava a
*G.-fo!gar com difficnldade. A gente enehia-o. |
Era urna festa, o tanto basta va para altrahir os
0 Era urna festa acadmica mais que muito
para despertar a coriosidade. Anda nao era isto
so. Tinha por generoso offerecimento de orar no
E'..ugelhoo Rvm. Monsenhor Joaquim Pinto de
&nipos ; e o neme, a reconhecida iilustracSo do
orador, eraraapp.iiigo na tribuna convidavam
as altencSes, Era urna notabllidade. J nessa
occasiao celebrar sua primeira missa o presbytero
secular Manoel da Cosa Honorato, bacharel em
direito pela mesma Faculdade do Recifo, irmo da
contraria acadmica, e isso caraclerisava melhor
a festividade. Era novo.
Comecoa.
Findo o canto gregoriano entoado pelos ministros I
do Senhor, entrando a missa do novo celebrante,
acompanhando como mininos assisientes do aliar
OS Rvms. Sr?. Dr. Padre Joaquim Graciano de!
Araujo, Temistocles Cabral de Vasconeellos como
representante do Exm. Sr. Arcebispo Metropolita;
a Rvm. Sr. pregador da capella imperial padre Li-;
iodo Mente Luna, e do Exm. e Rvm. Sr. Dr. Vi-
gario Capitular, o Rvm. Sr. Conego Joaquim Per-
reir dos Santos. Foram paranymphos os Srs. 1
Drs. Conselheiro Lonrenco Trigo de Loureiro, Vi-
oento Pereira do Reg, negoci inte Nicolao Asteley.
[i ugiu a tempo urna erupcao de msica mages-
tosa e sublime.
Era um incendio de preces e louvores que cre-
(pilava no Templo. E por cima desse fumo iresca-
? ate de harmona faiscavam as nulas vivas de
cma rebeca de geni, e ondulavain as suavidades
Ae urna frauta mimosa. Diriga a orchestra o Sr.
i : .cenco Smoltz. Este nome significa um artis-
ta consumado. O Illm. Sr. Dr. Pedro de Athayde
f, bo Moseoso acceilara cavalheirosamente o con-
Vite que Ihe haviam feito. Foi tomar parte na
Orchestra para executar, antes do serraao, um solo
de frauta.
Com effeito um bello pedaco da Norma foi, se
assiiu podemos dizer, suspirado por sua fraula ar-
gntea.
Eis erguido no pulpito o Sr. Pinto de Campos.
f2o dissera urna palavra, e estava tomado da
grandeza do assuinptoera a estatua de eloquen-
da. Fallou, e 1 auditorio sentiu o arrebatamento
Q urna linguagem elevada pela sublimidade das
das. Discorreu principalmente sobre as gracas
O isenedes da Sanu Virgem ; penetrou as obscu-
ras profundezas do dogma ; mergulhoo por assim
flizer, nesse ocano de gracas mama- e sania
COm a bocea cheia de perolas. Disse que a Nati-
pldade era a fesla doj bomens, como a Assompcao
Cea dos anjos. Mostrou a origem da invocago de
Ifoasa Senhora do Bom Csnselho qoe se poderl
considerar como assentada na tradieco. .
Apostlica visto como os mesmos Apostlos con-
sideravam Maria Santisma como mestra da f.
Disse mais que sendo ella a sede da sabedoria
como a qualidea a egreja, nao poda a Faculdade
de Direito do Recite procurar melhor invocacao
que a da Virgem do Bom Conselho, para illumina-
la no caminho da verdadeira sciencia que a
christa.
Mosirou o antagonismo em que se acham as dou-
Irkus da nossa Faculdade com o racionalismo mo-
derno, que tem procurado solapar os fundamentos
da f.
Fez ver em que consiste o verdadero progresso
(jue tMdoi os povos a felicidade.
Dirigiu emtiin votos Virgem Purissima para
|rosyeridade do novo Melchisadech a quem tam-
bem niustrou a imporiancia Uo seu novo ministe-
rio, acouselhaudo-o para o camiul.o das virtudes
evanglicas.
Fallou com toda a furca da verdade propria da
tribuua sagrada, da qual, cuino disse, os esfurcos
tiumauos nao o podenaui jamis arredar. A ma-
teria fui toda grave : nao temos habilitacoes para
firmar um juizo critico, mas atravez do lusco-fusco
do nosso entender ao longe e bem alio, divisamos
um vulto iiniiienso.
Teriuiuara-ae a missa-seriam Ires horas; e s
quatro couiecou de novo a aflluencia do povo para
o templo. Ilavia prucisso. Desnecessano dizer
que muito se esfurearaiii os uobres academicus e o
iilusiro leiue ihesuuieiro da nnaudade para tor-
uar sulirecnodu linlliaute esse remate.
A prucis.-u vae sauir; turnamos um ponto de
Vi&U e Vejililus.
A ra do Imperador onde esta o convento Fran-
ciscano, larga, vistosa e bella. Ja houve quem
dsse a ra da Aurora desta cidade o epitheto de
aristocrtica : a ra do Imperador por ter mais
propurees democratizas. O espirito da ordem pas-
sra em lodos os nimos; a procisto sahiu e de-
sembocou na praca das Priocezas. Iam na freate
as coufrarias de Santa Rila, do Espirito Sanio e do
Senhor dos Passos. As domis nao puderam acce-
der ao convite, que Ihes Toi dirigido. Cerca de cin-
coenia anjos vestidos com goslo e distribuidos em
graciosos grupos eufeitavam as alas. E desse meio
numeroso, dislncto, uniformisado,destacava-se
o corpo acadmico. Urna larga fila vermelha pre-
za a urna especie de medalha de prata e pendente
do pescoco a insignia dos irmaos do Bom-Conse-
II10. Seguia o audr da Virgem Purissima, carre-
gado por leutes e esludantes da Faculdade. Acom-
panhavam-n'o os collegiaes dos don internatos do
Boin-Conselho e de S. Bernardo; e atraz do pallio
seguan diversos funcionarios pblicos de alta je-
rarchia, alguns offlciaes superiores e mais pessas
gradas. Fazia-se ouvir a msica marcial do sti-
mo batalho, aps quem marchava tropa. Foi
assim-----passou a ponte frrea, tomou pela ra
ila Aurora, chegou ponte da Boa-Vista, que atra-
vessou e entrou pela ra Nova at do Cabug,
donde seguiu tomando a ra larga do Rosario, Es-
Ircila, do Queimado, das Cruzes___ al que appa-
receu e novo na ra do Imperador.
Tinha anoutecido. Illuminaram-se s janellas
de muitos ediHcios dessa ra; a procjssao estava
recolhida; restava una curiosidade, um desejo
satisfaxerera ouvir o sermo do Te-Deum, pelo
Rvd. Fr. Joaquim do Espirito Santo.
Assim foi. A noule era de clarissimo luar; es-
lava na verdade mui bella; o cu lmpido, tran-
quillo, como urna alma contemplativa; o fumo de
plvora nao Ihe contrahira as feigoes. As entra-
nhas do templo revolviam-sc palpitantes de prazer,
vivificadas de luz. No adro e corredor lateral jor-
rava a r.Uridade. Denois de urna suavissima in-
irodurcao da orchestra erenan-u r. orador sa-
grado.
Um desenvolvimento de bellos e philosophicos
principios loi o discurso do Rvd. Sr. Fr. Espirito
Santo. Disse elle e mostrou que entre a religio
e a sciencia, nao ha, nao pode haver esse antago-
nismo sonhado pelos espirites que alias mal cabi
damente lomam o epitheto de fortes. E' um pre-
juizo, um prejuizo fatal, um miasma de lamacal do
seclo dezoilo que dura ainda. segando a vigorosa
expresso do padre Ventura.
O nosso Ilustre orador demonstrou todos os pon-
tos que a relicio lem de commum com todas as
sciencias. Combateu victoriosamente as preten-
des de urna pbilosophia renegada que procura es-
conder os dotes e beneficios da religio; philoso-
phia qoe por isso mesmo condemnada palpar
eternamente as sombras dos seos problemas I Sem-
per ducentet, nunquam ad tcinUiam vrritatis per-
venientes. E fazendo suas applicacoes o orador
syiiipalhico chegou ao elogio da Faculdade de Di-
reito desta cidade, proclamando e apresenlando at
exiranhas provas do reconhecimento de seu espiri
to religioso.
Assim e assim seja.
O templo estava cheio. No quadro lateral do
convenio profusamente Iluminado., como urna da-
ridade de mais, brilhava urna boa parle do bello
sexo pernambucano.
As festas realeam com estes enfeiles; o templo
vive tambem de aspirar estas flores. Loncluira-ee
o Te-Deum; eram dez horas; a mullidao escoava-
se e os lentes e acadmicos reculliam-se cem a
doce fadiga de um trabalho religioso.
Recife, 13 de setembro de 1864.
F. I), de Menezes.
rAFU.1,Vlt.
AO MEU AMIGO D0NNAMEC,
Guarda-bandeira da nu fv.eentauro.
II
as margens do Mersej.
(Continnacao.)
Nada se distingua por causa do nevociro, mas
ouvia-se o sussurro de urna vela e o murmurio
da agua, cortada pela proa de um barco que vinha
pelo Mersey cima.
Sir Mauricio presiou o ouvido e estremeceu;
chegava o protector.
Liza, disse elle, quero mostrar-te que sou
homem de bem. Toma, toma isto, e nunca mais
me tornars a ver.
Atirou urna bolsa na praia, e afastou-se precipi-
tadamente.
Liza nada viu, nada 00va; s eseatava o ru-
mor das aguas, s va urna sombra escura e con-
fusa que se avancava, impedida pelo vento que
soprava do mar.
Entretanto nao se animava a sahir do lugar em
quo estava, com medo de cahir em outra citada.
De repente, appareeeu a barca, e Liza involun-
tariamente sultou um grito de alegra.
Manrique, ouvindo esse grito, saltou na praia, e
flcou estupefacto vendo sua irmaa, quasi ntia, com
os cabellos dispersos sobre os hombros, e em p
n'uina frgil taboa, da qoal, havla muito lempo.
ninguem se servia por achar-se em muito mu es-
tado.
Correu para ella, mas parou de repente a fim de
nao augmentar o peso na taboa, e grilou-lhe de
longe :
Estaes loara ? se passas assim as noutes a
esDcrar-me, condemnas-me a nao sahir mais.
Dizendo isso, batea com o p em um corpo so-
noro, e, abaixando-se, pflz a mao n'uma bolsa
cheia de ouro.
Que isto, perguntou elle com voz trmula.
Liza deseeu, abracan o irme, e, olhando para a
bolsa, respondeu :
- Nao sei.. .la I vez seja um donativo de S. Pa-
tricio.
Liza, Liza, replicn o irmo com ar severo'
os santos nao fazcm desle milagres; lu deixaste
cahir esla bolsa, e nao foi um aojo quem t'a deu
foi um demonio !
Henfique, exclamoo a moca, jurte pelas
cinzas do nossos \vv>, que de mida sei, a que es-
tol] to admirada como lu.
Pois eulao, retorquiu o irmo. jura lamben)
pelas cinzas do uossos paos que sir Mauricio nao
veio esta noute a nossa 1 asa na miiiha ausencia.
Liza curvoii a cabeca e calou se.
Ouro du crime, iu me queimas as mos ex-
clamoo Heurique no auge do desespero.
E atirou a bolsa ao rio.
uh desta vez nada mais me impedir de
fallar i disse a moja. Vem, Henrique, quero con-
tar-te ludo, e o mu genio da nossa familia ser
respunsavel pelo que liver de acontecer. Tal vez
assim Deus nos livre desse demonio eucarnicado
contra nos!
Arrastou o irmo para casa, fechou a porta
chavo, e, remontando origem ja anliga das per-
seguicoes do rico a nobre vizinbo, ttrminou a sua
uanaco, referiudo a hornvel scena que acaba va
de ter lugar.
On exclamou o irmo fofa de si, esse ho-
mem uaoleve medo de violar noule a sanlidadc
do lar domestico; nei de pagar crnne com crime.
E, fugindo arrebatadamente dos bracos da ir-
maa que o prendiam, pegou na faca de pesca,
abriu a porta, a precipitou-se furioso para o cami-
ubu da casa de sir Mauricio.
Era una casiuha de campo, cercada de um mu-
ro com arvoredo as tres faces.
Haurique laciimenie trauspo/. o muro, abrindo-
Ihe com a faca dous grandes buracos: o cao de
guarda deu o alarma com seus roucos latidos, a
avaucou para eila ; purem levou logo urna facada
que o fez cahir, sedando um desses divos sinistros
que lauto assusiam uo silencio da noute.
Feito isto, n moco correu as janeilas das salas
terreas, arrombuu a menos segura, e quando pro-
curava a aseada no meio das trvas. sentiu-se
agarrar por tres robustos criados, que haviam
despertado com os latidos do cao.
Apezar da mais forte resistencia, foi elle desar- i
madu, amarrado a preso na adega. Sir Mauricio'
liuha-se vestido a pressa, e armado de duas pisto- '
las, dascau do seu quarto e chegou ao vestbulo
depois de estar tudo feito.
J premiemos o ladro, disse um dos cria-
dos, eu recoiiiieci-o, Henrique. o pescador Imzij.
Lizij, preijnicoso, vadio, era o appelldo que ua
viziuliauca davam ao irmo de Liza.
Esta bom, disse com (Haza sir Mauricio. I
Guardein o tnalfeiior at amauhecer o d,a ; eu i
ire dar a miiiha queixa ao King's l'roctor. lilu-
miuain a sala, eu tambem ticarei acordado; po-
dam ainda vir pur ahi os cumplices du ladro.
Sir Mauricio, disfarcando a sua agilaco, pas-'
seiava no vestbulo, e procurara um meio de tirar
partido dessa circunstancia em proveito da sua
paixo, e sem comprometter a sua nobreza em
Liverpool, a cidade puritana por excellencia.
_ Nisto ouyiuse tocar com torca a sineta do por-
to dojardim, e o iuteiidente velo perguntar ao
dono da casa se devia ir abrir.
Sir Mauricio adevinhou logo o sexo da visita
nocturna ; refleclio muilo tempo e a final deu esta
ordem:
Grite por cima do muro que nao se abre a
porta.
Cuuvm nao iniciar no segredo os meus criados,
dizia elle cumsigo; du contrario, amanha toda aj
cidade saber desta historia. Que dinam ellas se!
me vissem soltar um ladro e assassmo, s pelas
supphcas de sua irmaa, nina pobre rapariga co-
beria de andrajos ? Seria eu o assumpto de todas
as fbulas na Inglaterra.
epos de esperar urna hora com febril impa-
ciencia, a pobre Liza resolver ir casa de sir
Mauricio, para indagar o que tena acontecido a
seu irmo. Fin senilmente de desespero e de de-
dicaco Ihe guiara os passos.
(juaudo ella ouviu urna voz que de dentro lite
ordeuava que se retinase, soltou horriveis gritos,
e desses lgubres lamentos, que autiganiputo a$
mutilares faziam ouvir as eidades lomadas de as-
salto, no tempo dos Vndalos e dos Sarracenos p
esses gritos e lamentos nao se perderam no silen*
co da noute : foram ouvidos pela sentinella que
velava a bordo da fragata Orion, ancorada defron-
te do forle. Deram parte disso ao capilo; ella
levantou-se inmediatamente, mal se vestiu, cha-
mou um mariiiheiro para acompanha lo, e dirigiu-
se ao lugar de onde parliam esses gritos de afflic-
eo.
Esse capilo cliatiiva-se Simo Parkpr; tinha
'lo anuos de edade, e possuia todas as nobres qua-
lidades do offlcial de marinba era um desses ho-
mens que a Providencia manda sempre cm auxilio,
d'aqueiles que preoisam ser seccorridos.
Os gritos de afilicco transformaram-se em ex-
clamacoes de alegra, quando Liza reconheceu o
uniforme da marinba, e dous offlciaes que ndubi-
taveluiente vinham era seu soccorro.
A moca revelen a Simo Parker lodos os myste-
rios dessa noute, e a verdade translnzia em cada
phrase, arrancando lagrimas ao bom officil. Nesse
momento, Liza leria inspirado inleresse ao roraco
mais fri ; estava llndissima nos seus trajos'de 1
desespero, sob o vn de cabellos dispersos que ao ;
acaso Ihe cobriam a nudez.
Bella miss, Itie disse o capito, a senhora lem i
fri, tome esia japona, e reaba para bordo do meu ',
navio : nao Dudemos entrar a esta hora em casa
de sir Mauricio ; preciso esperar que amanlieca ;
venha mostrar-me .-rnente o lugar certo, onde seu
irmo atirou ao Mersey a bolsa cheia de ouro.
Liza, mais animada com esta alia prolerco, con-.
duziu os dous offlciaes ao lugar onde havia a tal
taboa, e disse-lhes: foi aqu. >
Enio Simo Parker, dirigindo-se ao seu mari-
nheiro, disse:
Ao romper do dia venha a este lugar, com [
os quatro iiielhores mergulhadores, que lularam
com os Indios as pescaras de Coromandel, e faca-
os trabalhar nestas aguas.
E, ortvrecendo o braco mo^a. disse-lbe :
Fm pouco de paciencia, e muita esperanoa : i
vamos esperar o da bordo.
Meu Deus exclamou Liza chorando, quem
sabe se mataran) meu pobre irmo! se o mataran),.
nao quero mais viver I
Socegue, miss, replicou o capito : elles nao
tinbaui inleresse em mata-lo... pelo contrario...
eu conheco sir Mauricio.
Chegando .1 bordo do Orion, o capito condnziu
a moca a um dos camarotes, e disse ao marinheiro I
que eslava s suas ordens :
Mi.-tta-se em um escaler, e v j cidade
Sern Inu em Lime Street, ahi que osla hospeda-
da mirilla familia, entregue minha irma o bi-
llicb'. que vou escrerer. Nao lenha penna de ac-
eordar quem dorme : para urna boa aeco ; ande
de pressa, a noute vae mullo adianiada.
Nada ha que se execnte to promptaminle como
una ordem militar.
Pouco antes da hora era que se ergue o sol, no
seu paiz terrestre, eslava tudo feito.
De manha cedo, sir Mauricio recebeu o se-
grate bilhele, que Ihe entr.gou um marinheiro:
t A' bordo do Orion, setembro de 180o.
O capito Simo Parker aprsenla seus res-
peitosos cumprlmentos a# honrado sir Mauricio Ab-
don. c loga-ihe que venha conversar com elle um
instante bordo do Orion.
Sea verdaderamente dedicado
t Snno Parker.
Sir Mauricio ia sahir para dar a sua queixa ao
magistrado de Liverpool, e entregar-lhe o preso.
Es.-c bilhete f lo relleclir : lembrou-se que lalvez
a entrevista que se Ihe pedia a bordo do Orion ti-
vesse alguma ligaco com a scena da ve.-pera, e
entendeu que era melhor esclarecer o mysterio an-
tes de dar qnalquer passo. Alm de ludo, eslava
resolvido, visto que nao haviam testemunhas, a j
lancar mo da arma victoriosa cora que o forte es-'
maga o fraco, a arma da negativa.
Dirigiu se, pois, para bordo da fragata, prepa-
rando tnumphantes respostas para as inevilaveis
pergunlas. Ensaiou a voz e compoza physionomia
para exprimir a vehemencia e a indignarlo, e llcou
contente com o elfeito produzdo, com quanto fosse
elle o nico a julga-lo.
O capito Parker veiu receber sir Mauricio ao
prtalo do navio, cumprimeoiou-o com todo o res-
pello, e pediu-ihe que o acompanh;sse para con-
versaren) sem |e9tem Desceram ao convz, entraram na cmara do ca-
pilo e seniaram-se, sem terem anda proferido urna
palavra.
Sir Mauricio, disse o capito, neste momento
usurpo um direito, dou um passo que nao esl as
minhas attribuicvs; mas sou levado por um mo-
tivo que me deve servir de desculpa seus olhos.
A' primeira palavra o senhor saber de que que
se trata, e se julgar incompetente o meu tribunal
e baixo Discovery, nao encontrando signal algum
de pergo.
Todo o tempo que esllvemos procurando este
rochedo fete dias) a corrate ia ao sul com a ve-
locidade de 1 1|2 2 1|2 milhas por hora, e a pro-
fundidade de agua no canal era de 20 30 bracas.
Considero que se houvesse um rochedo ou banco
de amigo, com um gesto me far calar, e eu nao "a posigao a^gnalada pelo capilo Joass, fcil
pro=egiiirei.
(Contnuiar-se-h(i).
l!M POICO DE TL'DO.
L-se na Estrella do fiorle o segttinte :
DIVERSAS FIGURAS DA PAIXO DE JBSPS UUBISTO.
Abel, morlo por Caim devorado de nveja, era
(gura de Jess Christo entregue morte pela in-
veja dosjudeus: e assim como Caim. em castigo
do seu peccado, andou fugitivo e vagabundo depois
da morledc seu irmo, os jodeus depois da morte
do Salvador loram rondemnados a andar dispersos
por toda a Ierra.
Toda a auliguidade reconhece no sacrificio de
Isac una figura bem sensivel do sacrificio de Je-
ss Christo.
Ambos elles foram offerecidos sobre um monie,
e alguns padres entendem que o de Isac foi offere-
cido no mesrao monie Calvario onde se consum-
mou o de Jess Christo dous mil annos depois.
Abraham devia immolar Isac, assim como o
Eterno Pae entregou o seu proprio Flho por to-
dos nos.
Isac sem dar urna s palavra, estava prompto
para morrer em silencio, porque era emagem de
Jess Christo, que soffreu todos os tormentos sem
proferir palavra.
Isac conduziu a lenha em que devia ser inmo-
lado ; Jess Christo conduziu a cruz em que deu
a vida pela redempeo do mundo.
Os sanios padres contemplam Jos como urna das
mais expressivas figuras de Jess Christo, e notam
diversas rclaeoes entre o estado deste patrarcha
nos seus padectnentos, e o de Jess Christo na
sua paixo.
Jos foi odiado por seus irmaos por te-Ios aecu-
sado, e porque a virtudc deste patrarcha era a I
condemnaco das dissoiucoes de seus irmaos ; Je-!
sus Christo foi odiado de morte pelos judeus, por-
que os arga das Iransgresses da le, e porque a
vida do Salvador era una viva reprovaco das ap-1
parentes virtudes dos Judeus.
Jos excilou contra si o ciume de seus irmaos
pelos sonhos mysteriosos com que Deus o tinha fa-
vorecido ; Jess Christo, com as sublimes verda-
des e profundos mysterios que revelou aos judeus,
excitou nelles, em lugar de admiraco, um odio
cruel que o mesmo Plalos reconheceu.
Jos foi vendido por seus irmaos por vinte di-
nheiros; Jess Christo foi vendido pelos judeus por
trinta dinheiros.
Jos, jecusado injustamente pela mullier de Pu-
tiphar, nao se defende, e condemnado sem ser
ouvido ; Jess Christo, aecusado pelos principes
dos sacerdotes, guarda um silencio que espanla o
seu proprio juiz, e coudemnado sem a menor ap-
parencia de justica.
jse, preso com dous oQiciaes de Piara, prediz
o supplicio de um c o livramento de otitro ; Jess
Christo, crucificado entre dous ladroes, deixa um
entregue s blasphemias que proferia contra elle,
c proraette o paraizo ao outro.
Jos, penetrando os designios de Deus, reconhe-
ceu que tinha sido enviado paraoEgypto, nao pe-
lo conselho de seus irmaos, mas pela vontade de
Deus, e nao se vngou dalles Jess Christo nao
contemplou na sua Paixo e merte a malicia dos
mus perseguidores, mas o decreto da vontade de
seu Pae, e longe de pedir vinganca, rogou ao seu
Eterno Pae que perdoasse aquellos mesmos que o
crucificaran).
No Holetim do guverno de Macu enconlra-se o
seguinle :
O navio de guerra inglez Rifieman, eomman-
dado por Mr. T. II. Tizard, foi encarregado de ve-
rificar alguns baixos e recifes de que havia noti-
cia. Em seguida publicamos o resultado desta im-
portante commisso, que extrahimos do Hong-
leona Daily Press :
Rochedo Richurdson, no estrello de Diirian.
E' um perigoso rochedo de coral, de pequea ex-
tenso, fra da liba Falso Duran, no qual tocou o :
navio Humj l'uddemseu, capito Ricliardson, em j
maio de 1863.
tste rochedo Pm duas bracas e tres quarlos,
na vasante de mar de aguas vivas, e a exlenso :
do comprimento de urna amarra.
O pico do Falso Durian, demora delle a 78"
N. O., 2,23 milhas : a ilha de Rocky, a 9 S. E.
0,87 milhas; Irmo do Norte, a 80 t. E. 2,25 mi-
lhas ; e o Irmo do Meio, a 57 S. E. 4,02 milhas-
A' roda delle, e entre elle ea trra, ha 7 10 bra-
cas de fundo.
///ia llang Tiega.Canal de Linga e Sinkep.
Tendo-se noticiado ltimamente, que existan)
alguns rochedos neste lugar, fizamos urna comple-
ta averiguaciio destas libas.
Consistem em cinco pequeas ilhas, e alguns
rochedos flor d'agua, e eslo correctamente des-
cnplos no Rotciro de llorsburgh pag. 202.
t As sondas, em redor, eslo geralmenle mui re-
gulares. Nao mu longe dellas, existem dous ro
chedos agudosAiku e Speke.
t Atkin.E" um pinculo que fica descoberto
nos dous tercos da vasante, no qual o brigue //i>-
Tail-Nag, capito Atkin, locuu em maio de 863.
O roebedo quasi da grandeza da lancha de um
navio, visto na occasio da vasante ; ha fundo
roda delle. Estando coberto d'agua, nao apresen-
la indicios, salvo, correndo muilo a mar,
A extremidade do sul da Una Allan-tiega de-
mente se descobreria, al sem ser preciso sondar,
pela arrebenlacao qoe faria a correte, porm, co-
mo nem a mar, nem a sonda, deram indicios da
existencia de tal banco, supponho que o capito
Joass se enganou as marcaces que fez, e que o
Lammermitir existe, ou nos recifes de Jelaka, ou
110 baixo Discovery, e muito mais possivel que
seja no primeiro.
As marcages lomadas pelo capito Joaser de-
vem de certo ler sido mal bitas, visto quo pela
sua piopria nformacao no Slruits Times, o navio
perraaneceu muilo pouco lempo no rochedo, e as-
seole sobre urna extre.nidade delle, sobre a qual
poda gyrar. E' desnecessario dizer aos nuticos
i que tiestas circumslaucias nao era possivel fazer
boas marcaces, especialmente de noute, devendo-
se ler em vista que meio pouto do compasso
para um ou oulro lado as marcaedes da estrada
do estreitu, collocaria o navio, ou no baixo Disco-
very, ou no recife Jelaka.
- Devo tambera notar que foi mui prompto o
credilo que a taes iuformaces presten o conselho
de offlciaes que formaran) a respectiva inquirilo,
pois ao testemunho de marcages feitas to mal,
lancaram o descrdito as excellentes marcas do
estreito de Gaspar, feitas pelos americanos cm
185*. (Assigoado) F. //. Tizard, commandanlc do
navio de sua magestade britannica Rifleman.
Do Commercio do Paran transcrevemos o se-
guinle :
o MUNDO.
O que vale de um hornera a existencia,
Se elle est snbmerso na indigencia
Embora honradamente ?...
O que elle, meu Deus! antes os brases
Desses ricassos liguroes.
Dessa orgulhosa gente ?...
Que vale a dignidade ... aconsciencia.
Que vale o pranto puro da innocencia
Antea vil ambicio ?...
Para encher-se de um cofre o vacuo iminenso
E bem que a maldades queime insenso,
Ao crime... corrupeo I!...
Chore ... gema quem foi Maqueado,
Viva a um canto da ra despresado...
Ou morra muito embora !...
O mundo louva o opulento estulto,
V Deus baixado trra nesse vulto
E de rastos o adora !
Quem a bolsa nao lem cheia de onro,
E' victima infeliz de atroz desdouro,
A zero se coaduna I I
A pralica de crimes nada importa ;
Mjese julga que a moral mora,
Onde morro a fortuna 11
Quantos homens eu vejo em pleno dia,
Apareutando orgulho a ufana
Vestidos ricamente !
E entretanto no hvro do passado
Fin medanho episodio est gravado
Da vida dessa gente II
Quantos homens eu vejo escarnecidos...
Vivando na honradez, mas esquecidos
Por quem vive ditoso...
Buscando u'um trabalho insana, e duro A
Fma sorte melhor, melhor fuluro,
De licito repouso!
Quantos homens eu vejo mendigando
O pao de cada dia... e vo chorando
Sollrendo zombarias,
Da qnelles que escarnecen! da indigencia,
Que nao veem no mundo doficencia
P'ra suas regalas !!...
Daquelles que nao creem na miseria.
Que nao veem da sorle a face seria
Porque sao creaturas,
Capazos de exercer qualquer maldade-..
Capazes de calcar a probidade,
Km busca de venturas!!
Quanlas vezes eu vejo estes horrores,
Vendo as victimas tristes d'acres dores
Em vo se lamentando !...
E emquanlo gemem ellas no abandono.
O opulento sentado em rico throno
De ludo est zimbando?!

Mas o mundo respeita-o, elle nobre,
O andrajo da miseria nao o cobre,
O mais que importa asora ?...
Se foi um assassmo, ou um ladro
Sem alma, sem pudor, sem coraco...
E' rico nesta hora !!
1: por lano lem juz a essa nobresa
Que traz comsigo a estlida avaresa
Irma do despolismo !
Acodem todos a seu mando altivo.
Que o mando seu, s lorte motivo
Pr'a a erguer o servilismo !
Clame soccorro embalde, o pobre honrado.
Viva a um canlo da ra despresado,
Ou baixo lumba emfim I...
O mundo presa s o rico estulto,
O mundo v um Deus, so v seu vulto...
O raudo mesmo assim II
Fma esquadrilha de piratas roubou a poucos dias
dous barcos de cornmercio ; um individuo que es-
mora delle a 66 N. O. 85 milhas, e a extrem- capn deu parle do acontecido em Hongkong.
dade esqnerda da ilha do norie. fica fechada com
a extremidade direila da ilha do centro.
Speke. Est correctamente describi em llors-
burgo a pag. 207. Desde ilha Allantiega do sul,
distam 6 milhas por 46 X. O.
O capilo Atkin tambem informou que havia
um recife a leste destas ilhas ; foi procurado em
vo, e como elle s diz que o viu, de presumir
que se engaara, tomando lalvez por elle, as ovas
de peixe, que apparecem em grande quanlidade
nestes estreilos, e que ao longe se confunden) nao
pouco com arrebentacoes.
Ilha Brahalla ou Varella.Esl na lattitude
(fot.' 42" S. e longitude 104.- 24.' 48" E. e nao
como menciona Horsbnrgh em 0. 478' de latitude
e 101." 28' E de longitude. Quanto ao mais tudo
est exacto.
Rochedo Lammermu; no estreito de Gaspar.
O navio inglez Lammermuir, capito Joass, na via-
gem de Shinghae para Inglaterra, perdeu-se aos 31
de dozembro de 1863, s 2 horas c 20 minutos A.
M. no canal Maclesfield, estreito de Gaspar, e pelas
marcaedes que fez, quando encalhado, parece que
o rochedo deve existir ao centro do canal entro
os baixos da ilha Jelaka c o recife Discovery.
a 0 Rifleman fundeon na posico indicada des-
te rochedo, e sondou o canal entre o recife Jelaka
O gunboat inglez Grasshopper do commandodo
lente Walkar foi mandado era perseguigo dos
piratas.
A esquadrilha que se compunha de quarenta
grandes loncos, que mais pareciam lorchas que
juncos, bem armados, e cada um guarnecido com
mais de cincoentapessoas, foi encontrada pelo gun-
boat mui perlo de Rulan.
Os piratas, vendo o vapor, fugiram para a baha
encalhando os juncos, a fugindo para trra.
Apezar do vento fresco que soprava, o gunhoat
deitou fra os seus escaleres com gente armada
perseguindo-os, de que rcsultou sar merlo um dos
fugitivos, Picando muitos faridos. W
Abordou em seguida os juncos, desiroindo o que
partencia ao chefe da esquadrilha, o qual tinha no-
ve pecas. Egualmente foram destruidos mais cinco
juncos.
Houve urna exploso a bordo de um destes bar-
cos, quando ainda a seu bordo eslava a raarinha-
gemdo gunioat, porm felizmente s um marinhei-
ro flcou queimado de um lado.
As retanles erabarcaces foram abandonadas.
Da Revotucao Je Setembro Iranscreveirws o se-
guinle ;
O' musa da caricatura insprame para que eu
possa cantar em prosa chala urna aventura de
amor.
O Sr. L. urna creatura esguia na qual se eclip-
sou o abdomen, e que por urna contradicao epy-
grammatica tem uns denles compridissimos aptos
para trituraro alimento para quea barriga nao lem
capacidade.
Em paga deste desmancho lem um coraco valu-
moso, e arcessivel as paixoes exaltadas.
E poela e ama.
porm condico falal de todos os Bernardlns
serem despresados pela dona dos seus pegamen-
tos, a o misero 1, nao s despresado, mas o que
mais serve de zumbaia sua ella, que urna
ternvel torcisla.
Solicitou-lhe elle ha dias urna entrevista para cui-
daren) do futuro matrimonio.
A bella exhalou o docestm.
Chegada a hora suspirada, o adamado L subiu a
escada.
J de casaca, bota de poliraento, luva de Barn-
rescendendo a macassar.
Abriu-se ao de leve a porta. A criada rnandou-o
esperar na slela.
A puticos minutos veto a dama, e logo apoz se
ouviu grande inotim no interior da casa. L. sobre
altase e descra.
Corre grande perigo, senhor, Ihe disse a bel-
la ; fuja !
E o coilado ergueu-se esbaforido, o perdido de
suslo abriu a porta arrebatadamente para sabir.
Sentiu urna mo poderosa agarrar-lhe a aba da ca-
saca. Deu um forte empucho, e nao se sabe
como achou-se sbitamente no palamar da es-
cada.
Volle c pelo veso, Ihe bradou de cima urna
viril voz. C Ihe fica para memoria a aba da ca-
saca.
Defeito o misero L. reparou, e achou a casaca
desabada.
Senhor, tornou elle com voz meliflua; resli-
tua-me a minha aba.
Retire-se, tornou o brbaro, seno em vez de
aba, urna bengala as costas Ihe desaba.
E L. atravessou a ra refazendo-se de susto, <
chorando a sua aba.
A desalmada dama preparara-lhe aquella trai-
go.
Agora quando elle passa pela ra da catastropbe
ouve urna voz que Ihe brada :
Larga a outra aba misero!
Pobre martyr.
Cravaram-te as hervadas setas, e de>coseram-!e
urna aba.
No Conservador, l-se o segrate :
Lord Welliugtou, achamlo-se na Beira, recebeu
a seguiute carta datada do Viinieiro :
illm. e Exm. Sr.Depois que V. E. fez ir de es-
cantilho para Franca o fanfarro Junla, tendo-o
posto em papos de aranha nos campos do Vimieiro .
depois que V. E. fez sabir com vento de baixo ao
ladino Soultda cidade do Porlo, fazendo vispere, e
com as caigas na mo para Casteila : depois que
V. E. disse ao zanaga Massenaalto la, Senhor S.
Macario Ie jogando o jogo dos sisados Ihe mos-
trou as linhas com que se coza, fazendo-o dars
trancas a apanhar ps de burro, por ter dado coro
as ventas n'um sendeiro : depois que V. E. fez 1
de catrambias a Berrier da cidade Rodrigo, e ao
caxolla Philippon lirapar a mo parede em Bada-
joz, como quem dizfaca que me nao viu : e ten-
do estado temle Mana nao caias; depois, final
mente, que V. E. nos campos dos Aropilles, zas tras
n ceg, desazou o macambuzio Marmont, e oobri-
gou a cantar a sua derrota p p Sania Jaste,
tim Um por tim lim ; foi enlo, Exm. Sr., que nos
os ps de bol, porluguezes velhos dissemosEste
nao general de ccarac, tem amoras, nao faz
cancaburradas, nao deixa fazer-lheo ninbo atraz da
orelha ; e como prudente accommette urnas vezes.
e outras peso de conserva ; agora podemos dor-
mir a somuo solt ; o nosso medo esl as malvas .
a vinda do nimigo ser diado S. Nunca tarde
portauto s resta agradecer V. E. a visita que
nos faz, que desejam*s que nao seja de medie
nem com o p no n-iribo ; devendo saber V e. que
estes desejos n:" s'10 embolias nem "rollas, que
leve o vento i mas sim ingenuos votos decorages
agradecas e leaes sobre osquaes tem V. E. ergui-
do con tauta justiga um throno de amor e res-
pei-o.
A barca ingleza Amelle, de Singapnra para Hon-
gkong, com arroz, perdeu-se no da 22 de maio. no
baixo do norte do Parcel.
O capilo, offlciaes a guarnico salvaram-se no-
botaste leudo procurado a costa de Hainon, foram
ahi roubados pelos piratas, perdendo d'e.-te modo
livros, instrumentos, mappas, etc.
Deilados Da praia, pederam achar um barro que
os trouxe Macau, onde chegaram no dia 21> a lar-
dinha, parlindo para Hongkong, no Fee-sen no dia
seguinle.

O vapor de guerra inglez Unge descobriu um
rochedo na cosa de oeste de Bordeo, quasi com
dez ps de profundidade, em 0." 39' de lai. S. a
109. 10." 20" de long. E.

Diz um jornal hespanhol que cm Srepes Vallar/,
acaba de morrer um ancio de 78 annos, que poi.
urna clausula do testamento deixa dez mil charutos
a todos os que assislirem ao seu funeral, e expressa
lambem o desejo de que os seus amigos nao saiam
de sua casa sem se ter bebido o vinho que conlinha
a sua despensa.
E' do Sr. II. de Aiencaslro Aulran a seguinle
poesa :
Tres CANTOS.
Je crois enlendre la bar-
pe du paradis, la melodie
des astros, ct ma muse s'a-
bandonne a d'amoureux
transports quand ton accent
harmonieux s'chappe de la
bouche charroante.
{Schiller.)
Se bello ao despontar d aurora ouvr-se
Das aves o trinar temo e saudoso.
Ou do mar se agitando convulsivo
0 brando murmurar, doce e qaeixoso:
Se bello sempre ouvir-se em alta noute
Os sons harmoniosos de urna flauta,
Ou os cantos maviosos que desprende
Dos ares u'amplido amante nauta;
Mais bello e mais suave sao os cantos,
Que desprendem leus labios purpurioas
Pois que tal poesa ellas respirara
Que semelham dos anjos doces hymnos.
Se cantas, seemmudece a natureza,
Te escutam anjos mil extasiados,
E os mortaes teus ps le rendem preitos
Em delicias de amor inebriados.
PERNAMBFGO.-TYP. DE M. F. DE F. & FILMO





Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EGDIE4JRV_L2FRPB INGEST_TIME 2013-08-27T21:33:08Z PACKAGE AA00011611_10472
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES