Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10462


This item is only available as the following downloads:


Full Text


AUNO XL. HOMERO 206.
Por tres ezes adtantados 5JO00
Por tres mezes vencidos ... 6J000
Porte ao correio por tres mezes. 730
tl 9%


I

SEXTA FEIRA 9 DE SETEMBRO DE 1864.
Por aun adiantado. .... 19S00O
Porte ao correio por nm anuo 3$Q00
iCARREGADOS DA SUB3CRPg0 NO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima';
Nata!, O Sr. Antonio Marques da Silva; Ararat)', o
8r. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira; Mmnhao, o Sr. Joaquim Marque;; Ro-
drigues; Para, os Srs. Manoel Pinheiro & C; A-
mazonas, o Sr. Jerocymo da Costa.
INCARRKGADOS DA SUBSCRIPCAO NO SUL.
Alagdas, o Sr. Claudino Falcad Das; Baha, o
rr. Jw 8/*"1? Alves;.Ki*> de Janeiro, os Srs. Pe-
ne
ra Martins & Gasparino.
PARTIDA DOS ESTA-Kf A.
Ounda, Cabo e Escuda todos os dias.
Iguarassu', Goyanna e Parahyba na segundas e
sextas-fairas.
Santo Antao, Gravat, Bezerros, Bouito, Caruaru',
Altinho e Garanhuns as tercas /eiras.
Pao d'Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqueira,
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Tacara tu', Cabrob,
Boa Vista, Ouricury e Exu' uas quartas feiras.
Sennhaem, Rio Formoso, Tamandar, Una, Barrei-
nJs' ^na Prefa e p,ment8'rils as quintas feiras
Ilha de Fernando todas as vezes que para ali sabir
navio.
Todos os estafetas partem ao V dia.
BPHEMKHlDfcS DO MEZ TE SETEMBRO
1 La nova as 3 h., 48 m. e 8 s. da m.
9 Quarto cresc. as 3 h., 30 m. e 38 s. da m.
15 La cheia as G h., 40 m. e 20 s. da t
22 Quarto ming. as 4 h., 34 m. e 14 s. da t.
30 La nova as 8 h., 23 m. e iO s. da t.
PRKAMAR DK HOJB.
Primeira as 10 boras e 6 minutos da manhaa.
Segunda as 10 toras a 30 minutos da tarde.
PARTIDA DOi VAPORES LOSTilROi
Para o ral at Alagas a C e 28 para o norte at
Granja 7 e 22 de cada mez; para Fernando nos
oas ii dos mezes dejan, marc., majo, jal. set. enov.
PARTIDA DOS MNIBUS.
Para o Recife : do Apipucos s 6 Vi, 7, 7 /,, 8 e
o y da m.; de Olinda s 8 da m. e 6 da tarde; de
Jaboatao s 6'/ da m.; do Caxang e Vanea s 7
da m.; de Bemflca s 8 da m.
Do Recife : para o Apipucos s 3 Vi, 4, 4 A, 4 %
8> *A, S /i e 6 da tarde; para Olinda s 7 da
manhaa e 4 Vi da tarde; para Jaboatao s 4 da tar-
de para Cachang e Varzea s4 Vi da tarde; para
Bemflca s 4 da tarde.
AUDIENCIA DOS IR.BCNAS3 DA CAPIAL.
Tribunal do commercio: segundas e quintas.
Relaco: tercas e sabbados s 10 horas.
Fazenda: quintas s 10 horas.
Juizo do commercio: segundas s 11 horas.
Dito de orphaos: tercas a sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel : tercas sextas ao meio
da.
Segunda vara do civel: quartas sabbados a 1 hora
da tarde
DA A JsIMAN.
>. Segunda. S. Herculano ni.; S. Arseocio.
6. Terra. S. Libania v.: S. Zaeharias prof.
7. Quarta. S. Ursina v. ni.; S. Pamphilo b.
8. Quinui. A Natividade de N. Senhora.
9. Sosia, S. Sergio b.;S. Rulino m.
JO. Sahbado. S. Nicolao Tolenlino ; S. Sal vio m.
11. Domingo. S. Theodora penitente.
ASSIGNA-3E
no Recie, em a livraria da praca da Independencia
ns. tes, dos proprietarios Manoel Figueiroa dd
Faria & r iho.
PARTE 9FFICIAL
HI.HIKTKRIO 1>0 IMPERIO.
3." scelo.Rio de Janeiro.Ministerio dos ne-
gocios do imperio, em 11 de agosto de 1864.Te-
Dlio presente o ofllcio de V. S. de 19 de inaio ulti-
mo, no qual, expondo o facto de ter sido apresen-
lado junta central de hygiene, para ser matricu-
lado, um diploma de doutor em medicina passado
pela faculdade desta corte era 20 de marco de
I8ti3, porm com o sello c direitos respectivos
pagos em 18 de dezembro do mesmo anno, e regis-
trado na dita faculdade em 19 de marco do cor-
rete, pede V. S. que sejam resolvidas as segua-
tes questoes suscitadas sosrc a iotelligeacia do
arl. 33 do regulameato n. 828 de 29 de setembro
de i- >l :
1." Se deve enteader-se a segunda parte do
.art. 35 Jo regulamento de 29 de setembro de 1831 j
no rigor da letra, contndose o prazo dos tres
mezes da data do diploma, ou se deve ser cootado
do pagamento de todos os impostes, e do compe-
tente registro na faculdade que expedir o di-
ploma.
2.* Se a disposicio da segunda parte do art. 33,
^ V&Z3frS^W**V&. e .tor_" os se,e C0D,0?.fi *W nue na coala corrate, que sao desde o dia 16 de setemb/o ultimo. Sob a ad-
ministrado do estado, a renda excedeu o que se
calculara.
com sohstituicao, ou propondo emendas, oa se fa- cese,
zendo o mesmo qualquer membro da commissao,
concordarem os mais e o autor do projecto, proce-
der-se-ha nos termos do art. 9' destas instruc-
coes.
Art 12. Estando assim todos bem inteirados das
questoes, das opinies e motivos dos outros apre
sentados os papis em sessao, substituindo o de-
saccordo, ser discutida a materia oralmente.
Art. 13. Para taes discussoes, ser convidado o
A delineagao da le ltimamente approvada pelo
congresso, e a recente chegada do novo material
de exploragao, que se mandou vir da Europa, con-
DECLARACAO. tribuiram sen duvida efUeazmente para melborar
Declaro que as comas que no dia 31 de maio o servicoda linha, augmentando o producto das en-
do correte anno recebi no palacio da Soledadc, na Iranhas e a economa nos gaslos.
qualldade de ecnomo da mitra, juntamente com o : __ O governo oceupa-se da prolongaeao da linha
outro ecnomo, o Rvro. Sr. mestre escola Marcelli-
no Antonio Domellas, nenhuma quantia recebi em
separado, pertencente caixa pia : Declaro mais
que o saldo, que recebemos em dinheiro. foi na im-
portancia de seis contos oitenta mil cenlo e dez
duior ao projecto, que tera a palavra como os meni- reis a qual quantia foi por mim recolhida
bres da commissao, sendo-llie com antecedencia
remedidos todos os papis que servirem de base
tem de ser rigorosamente applicada ainda quelles ; "."' "' ?'' ,ULa "
que nao tenliam feito uso de seu diploma, ou nao: .1, ,.' ,
pretendam faze-lo. J aPP
3/ No caso de se resolver aflirmalivamentc a se- LeS? 2SL?
discussao.
Art. 14. Comecarao as sessoes, em que houve-
i rem taes discussoes, por urna exposicao oral, feita
pelo relator, da materia, divergencias e razoes em
que estas se l'undam, com sua analvse. Em se-
guida, o autor do projecto teia palavra para con-
testar. Travada assim a questao, seguir-se-ha a
discussao geral em que tero a palavra os mem-
bros da commissao e o autor do projecto, se a pe-
direm, al que a materia fique suUlcientemente es-
._ ao co-
fre da mitra : e que os sete contos e tanto, que da
conta correte do Rvm. Sr. Jos Antonio dos San-
tos Lessa se deprehende perteneerem caixa pia,
sao provenientes das dividas do seminario, do con-
cert das duas casas pertencentes ao mesmo semi-
nario, da divida do recolhimento da Conceicao de
Olinda, da mensalidade de maio para o recolhimen-
to da Gloria, etc. etc. como consta dos livros res-
pectos e da propria conta corrente, apresentada
pelo mesmo Rvm. Sr. Jos Antonio dos Santos Les-
sa juntamente com a conta do dinheiro da mitra.
Seminario episcopal de Olinda. 6 de setembro de
1864.Conego reitor Jos Joaquim Camello de An-
drade.
gunda questio, qual a pena, que tera de ser im-
posta aos infractores; a do art. 29. pois que o 33
nao seoao urna ampliarlo daquelle, ou a do
art. 43, como o explica o 78, e quil o modo pratico
de tornar-se elTectiva tal pena 1 No caso de ser
resolvida negativamente, quaes as provas de jusli-
ticacao que se devero exigir dos matriculandus:
que tiverem excedido o prazo dos 3 annos, e qual a!
autoridade a quem competir a apreciadlo e julga- |
ment do caso que occorrer.
Em solacio declaro :
Quanto a primeira questao, que o arl. 33 do ci- !
tado regulamento na sua letra a resolve, declaran-1
do que o prazo dever ser contado do dia em que '
o diploma fr recebido ou da chegada pro-
vincia.
approvagao ser vencida por dous
, votando o presidente. Nao se reu-
nindo dous tercos de votos, ficar a materia para
ser reconsiderada em outra sessao, e nijo se che-
gando a um accordo, prevalecer a maioria abso-
luta, sendo o presidente voto de qualidade no caso
de empale.
Art. 16. Se no decurso do estado e exame do
projecto, a averiguado de materia nova, que te-
nha relacao com a j approvada. mostrar a neces-
sidade de reculicagoes, additamentos, suppressoes,
alteracocs e mudancas, prover-se-ha entilo como I dos.Com a proteceao da Divina Providencia a
11 11' ."VI l'n i i i .1 r> I I. i > i> ,1a -.. J ^ _.1 __ _!_______. PaiiiiIiIi ... anialt *_________
e em
frrea do sol at Caric, e da construccao da que
deve unir a Chillan, Conceicao e Talca Suano. Os
p anos e orcamentos definitivos da primeira destas
obras e os preparativas da segunda acham-se j
concluidos.
Bem que o governo considere a paz um dos
maiores bens de urna nago, sempre que ella possa
-Na \ arzea, liora marcada pela lei, acliou-se
na matriz o respectivo juiz de paz, o Sr. barao de
Munbeca. Ali chegando, encorilrou um capitao
de tropa de linlva frente de um destacamento,
que inesperadamente havia sido mandado para
aquella freguezia. Sorprendido o juiz de paz com
a presenca de tal for<-a, ni requisitada por elle,
procurou saber do capitao quaes os seus designios,
e leve em respondeu que por ordem da presidencia
fora para ali mandado, dis|>os:cao do subdelegado,
alim mantera liberdade do voto. O juiz de paz
vendo nisso o proposito deliberado de provocar as
mesmas scens de 9 do agosto, e nao querendo
expor os seus amigos e alhados desacatos e vio-
lencias, de que podiam resultar serias perturba-
cues, protestou contra a coaco governativa, o vol-
tou, com erandissimo numero de votantes para i
Aggravante, Dr. Francisco Gomes
Albu<]uerque : aggravado, o juizo.
Relator o Sr. descmtwrgador Dorniogues
Silva.
Velloso de
da
ser mantida com honra, comtudo. julguei opportu- capellado engenlio S. Francisco, da
no tomar ai|uellas medidas .ue possam ser neces- guezia, onde formoua mo.-a, e comecou a azer a
sanas para aitender a defeza do territorio, e as eleicao, que, segundo nos informan., ia sendo
exigencias da digmdude nacional. bastante concorrida.
Jara isso, e prescindindode ouiras providencias EmS. Lourenco da Malta reahsaramse as vio-
menos importantes, de que seris informados pelo lencias que se prviam.
rotatorio do ministro competente, mandou-se le- Comecou logo por ser expellido litteralmente da
van ar planos para a forlilicacao dos principaes matriz o capitao Jos Francisco de Barros Reg '
pontos da costa, organisar diversos corpos de guar- pelo commandante do destacamento. A' esse acto
aa cvica, melborar o material da nossa armada, de arbitrariedade seguiram-se outros. Tratando-
encomuiendar a Europa mais armamento alm do se de organisar a mesa, e reconlieca osobdele-!
que acabamos de receber, o preparar um projecto gado Prisciliano que os conservadores, com o
? vo a formaCri de arsenaes, onde a ma- voto doeleitor supplente Baixa, faziam maioria de
nnna de guerra nacional encontr os recursos de dous membros na mesa, requereu ao juiz de paz
que possa carecer. que nao contasse o voto do dito supplente, por se;-
isando da autonssejio de lo de dezembro, sa- '------
appelladn
hira brevemente do Chile urna commissao compos-
I ta deofiflciaes da nossa armada, que vai para com-
1 prar nos Estados-Unidos ou na Europa os primei
le menor ulule (nao oblante ser alferes da guarda
nacional, e ter sido eleitor approvado pela cma-
ra): esse exlranho requerimento se oppoz com
todas as forcas a opposic. o ; nada porm demoveu
for conveniente, tomando-so de tudo nota circuns-
tanciada para ser aitenaido a final.
Art. 17. Depoisde coocluido o exame de todo o
i projecto, como cima fica disposio. a commissao
proceder a revisad das notas deque trata o arti-
! go antecedente, afim de resolver definitivamente
a
isposico, cumpre que a junta se! fe?do CDV,l,dlJ J autor do projecto para assistir
n que foi entregue o diploma que i' .^o^l'*. delinaoas para esse trabalho.
r o do registro, ultimo acto une i Art. ,.. ost? I06* cllimissao, na serie d
,m /.- .-l_s- t__..... ..__.. SeU> tralla hOS. deva lerspinnr^ m vista 5 radar
Segundo esta dispo
regule pelo dia em qi
se deve suppor ser o do registro," ultimo'acto qu 1 Arl, ,,811,l'0st? 'IU a ^mmisso, na serie de
sepratica. E nem e~ta soluco frustra 0 paga-; s-us, a s eva lersempre em vis,a a redac-
ment dos respectivo impostos, visto que sendo ?:,- ^s artlSos do projecto, nao menos que a ma-
lies lancados nos proprios diplomas, a entrega i delles, todava, depois de concluida a tarefa
destes ja os snppoe pagos. | ]u,^ a_'e a^iuj ihe fica marcada, ser o projecto, no
Mas, podend
trege muito
admittido neste caso o interessado a ju...
circumslancia, apresentande atteslado do secreta-1 f-m antinomias, redundancias, obscuridades,
rio da faculdade .rom o visto do respectivo direc-, c ,..*0.';? ^fallas d.e 1alquer natureza.
tor, e entad prevalecer este da.
t quem nao lenna leito nem pre
da fazer uso do seu diploma.
Quanto terceira, finalmente, que as provas
de justilicacao do comego de exercicio. d- que se
trata, sao todas as que env '
um tacto, competindo a sua
ment s autoridades sanitarias,
das da execucao do regulamento cima citado.
Dos guarde V. S.-Jos liomfacio de Awhade \XZ ? das FcaWa,,etd,; Dir,;"- l,Qik'r:!0
e Silva.Sr. presidente da junta central de liygie- n sessoes cm ^tar desti-
ne publica.
j dar por dissolvida.
Art. 20. A sessoes da commissao nao serao pn-
tilicas. S.')men^e podero assistir aquellas em que
volvem a existencia de ',''U'trn"llseu,;^ oral' as I"!:;:!0;,, lue P8" i80 ob-
ua apreciado e julga- UtS?llta5?l5 r,,s,ro ?* I0/1**'
arias, como encarrega-' _,f l; JJlP" m''nibros porem, do supremo tribu-
nento cima citado. Inal d" J,'s,"-a e .das 'elacdes, os juizes de d.re.to.
MINISTERIO lA JISTH,!.
Decreto n. 3.292 de 2.'! dtjulho de 1804.
assistir
nado.
Arl. 22. A commissao poder, se julg.tr conve-
! Diente, ouvir qualquer magistrado ou jurisconsulto
sobre alguns pontos; verbalmeote, se estiverna
corte, por escripto, se estiver lora dola ; sendo o
convite para cssa audiencia feito pelo ministro da
EXTERIOR.
oscniso no PaESiDKrJSSaivBUC*, na une-' ZSTSS PrnCPar" rersanSa?S I W fft 9 i*1
iu do cont.rksi virinv.i i.viftp.v L ",la'^ sendo tavoravelmonte deferida, perdeu a oppo-
Otm^tX^^f^StZzZ'eaatx. ,Jj ^f0-00? f ?" SEP ^ 0 *>*** esperaaca de por fneios regulare' fa-
.-om a pro.eeo da S'vmT Providerlcfa a M2L?!?S.J ***52!*S! as "" 'ousa a.guma, e abandono,! a eleicl
repblica contina em seu progresso natural
paz com as naeSes estrangeiras.
IIi um grande pensamento que se concebeu na
poca da independencia, e que, apezar das diflicul-
dades que al aqu se oppuzeram a sua execucao,
espero que se realisar brevemente.
necessidades urgentes a que devenios prover.
As rendas publicas em 1863, comparadas com as
do anno de 1862, tiveram um augmento de 413,304
pesos.
E' bem que no primeiro destes annos a maior
parte dos impostos sofiresse notavel diminuirlo,
comparado o seu producto ao de 1862, as rendas
v i ;. ........- j ----- ""f<"u(i um uiuubciu ao oe icos, n rniuaa
m dnvut", h? *; dt uniao araericana- '.lual da alfandega, do estanco e dos correios nao so bas-
I! ',^ "lr'b,"ir P3ra. qU,t ?e e,rt"'m Iar;,m l,ara Preencner a diOerenca, como ainda dei-
aisiosIncalas que ex.stem entre todos os esta- xaram o saldo referido.
O ^vprTrtnThu ^ A, fios de abril do corrente anno as entradas
tanoif i hile, convencido da sua impor- da alfandega de Valparaizo, comparadas com a dos
a, esta resolv.do a cooperar activamente para mezes corresponde.ites de 1863, deram um aug-
0 governo do t hil
ncia, est resolvido
que elle seja levado ao cabo.
Entretanto, e afim de que o projecto se torne
praticavel, procurarei cultivar com mais esmero as
relaces de fraternidaJe que unem aos povos que
teem interesses communs.
O governo do Per convWou ao do Chile para
ment de 123,670 pesos.
Comtudo, como leis posteriores ao orcamento, os
gastos com a linha frrea entre Santiago e Valpa-
raizo, o pagamento de emprestimos contrahidos a
curto prazo para saldar o dficit dos annos ante-
riores, e a necessidade, ha muito reeonhecida, de
D instruredes pelas quaes se ha de regular a justica pedido da commissao.
commissao, creada por decreto de 29 de dezem-
bro do anno passado, para examinar o projecto
do cdigo civil, redigido pelo bacharel Augusto
Teixeira de Freitas.
Ilei por bem determinar que, para regular-se a
commissao, creada por decreto de 29 de dezembro
do anno passado, para examinar o projecto do c-
digo civil, redigido pelo bacharel Augusto Teixeira
esle decreto baixam, assignadas por /.adiaras de
Ges e Vasconcellos, do meu conselho. presidente
do conselho de ministros, ministro e secretario de
Art. 23. Das sessoes, em que houver discussao
oral, far-se-ha um protocolo que a roproduza com
a lidelidade que fr possivel; e o mini tica resolver se ella deve ser tomada por tachi-
grapbos.
Arl. 2. Approvadas e registradas as actas e os
protocollos, lar-so-ha remessa ao ministro da justi-
ca, o qual providenciar sobre a sua publicarn pe-
la imprensa, medida que as fr recebendo.
Art. 25. Concluidos os trabalhns da commissao.
reunidas as acias das sessdes, protocollos, relato-
rios, e opinies sobre elles dadas, ser linio publi-
cslado dos negocios da jusliga que assim o lenha cado em volume ou volum-'s, por ordem do gover
"b a direccad e inspeccao do autor do pro-
entendido e faca executar.
Palacio do Rio de Janeiro, em 23 de julho de
1864, 43 da independencia.tacharas de Gues e
Yasconiylhs.
Instruccoes a que se refere o dea do dala data,
pelas, quaes se ha de regular a commissao, crea-
da por decirlo de 29 de dezembro do anno passa- 1864.Sacharas de
do, Mira examinar o projecto do cdigo civil, re-
digido peto bacharel Augusto Teixeira de Freitas.
Arl. i. A commissao, "na sua primeira reaniao,
oscolher um de seus membros para no impedi-
mento do presidente, servir de vice-presidente.
Art. 2 Nomear tambem.d'entre seus membros,
um que sirva de secretario, incumbndo a este a
dreccao do expediente e a redaccSo das acias e
protocollos.
Art. ."I." O ministro da Justina pora, disposic,ao
do secretario, um ofTicial hbil, que sob sua direc
no, so
jecto.
Art. 20. \o caso de omissao ou deficiencia des-
tas instruccoes, a commissao prover, como me-
Ihor llie parecer, dando conta do occorri'lo ao go-
verno, para que este providencie definitivamente.
>cio do Rio de Janeiro, em 23 de julho de
Goes e Yasconcellos.
i:ovi:r*to o i*i to :
PRWHBI O.
SEOBVAOAWfi
Selpmbrodf 18fi.
Expediente do dia l:
Oflicio ao Exm. Sr. presidente.Sendo-me ne-
cessano saber com certeza qnaes os objectos im-
lentamente.
Salva dessa mineira a dillieuldide proveniente
das causas que acabo de ennumerar, se restabele-
cera o equilibrio das rendas, mediante a cessaco
desses gaslos extraordinarios, o augmento natural
e successivo das entradas, e varias reformas, que
opporiunaun'nte se poder adoptar.
Concidados do senado e da cmara dos denota-
dos E-lou intimamente persuadido de que vos,
que leudes a honra de representar um povo since-
ramente aflecto forma republicana, que symboli-
sa nossas mais gloriosas tradieces, e na qual ve-
mos todos o engrandecimento do paiz, me presta-
reis a mais ellicaz cooperaeo para aperfeicoi-la, c
pira que lance fundas e indistructiveis raizes em
nosso solo.
JoS JoAOL'IM PEHES.
^________________(Diario do llio.i
PERilAMBOCO.
REY1STA DIARIA.
O anniversario da nossa emancipadlo poltica
loi solemnisado com o cortejo do estyo, conser-
vndole embandeirados os navios de guerra e
mercantes, nacionaes e estrangeiros, estabeleci-.
mentos imblicos e casas dos respectivos cnsules,
durante o dia, e salvando a fortaleza do Brum e
os navios de guerra s 6 di manilla e a 1 e 6 lio-1
Mejillo- ras da tarde. A' noute bouve espectculo no San-
nes, ouao menos com o da deposicae do producto ta Isabel, que leve urna bella enchente.
equivalente, em quanto se ventilasse o assumpto. Comecou nesse dia o processo eleiloral para
O governo do Chile cousiderou inadmissivel lio vereadores "e juizes de paz, ficando organisadas as
estrantia preteucao, qne imporlava a suspensao do respectivas mesas da forma seguidle : (;
exercicio de sua soberana n'omijiarie do terrilo- s. Prei Pedro Goncalvcs.
no que o Chile possue desde a poca colonial. Presdeme.-Jos Pedro das Neves (C;.
bem os dos demais estados do continente. Jul-
guei ndispensavei essa coodican para qna a unilo
americana pudesse produzir "os saudaveis elTeilos
que. della se deve esperar.
Os successos que occorrem na America, tornam
cada vez mais urgente a reunio desle concresso,
impelliudo-nos a procurar desde logo remover os
obstculos que a ella se tem opposto.
Tendo sobrevindo enire o Equador e os Estados-
l nidos da Colombia desagradaveis divergencias :
que deram em resultado a guerra, o governo do
Chile offereeeu sua mediacao aos belligerantes, e
ao mesmo temp pro|ioz a'o do Per que se asso-
ciasse a esse amigavel olTererimento. Por fortuna,
a prompta terminacao das hostilidades tornou dcs-
necessaria a mediarlo.
Desgracadamente as relaces entre os governos
do Chile e da Bolivia deixaram de ser (ao cordiaes
como seria para desojar que o fossem sempre.
Nos uliiuis dias de fevereiro o ministro plenipo-
tenciario que o presidente da Bolivia acreditara em
Santiago, declaroo que dava por concluida a nego-
ciarlo diplomtica, pediudo em consequenria os
seus passaportes, os quaes Ibe foram immediata-
mente enviados.
Antes de entrar na discussao de limites, o go-
verno do Chile julgou de seu dever exmir que se
Ibe dsse a competente satisfacao pelos aggravos
recebidos do da Bolovia.
O ministro boliviano manife^tou-se disposto a ac-
ceder a esta exigencia, mas com a coiidico previa
da suspensao da exlraeelo de guano em
Hontem proseguio o trabalho "eleitorai em
todas as freguezias.
Na do Recife correram regularmente, tendo ape-
nas havido um pequeo disturbio. Das chapas re-
cebidas a maioria do partido liberal.
Na de Santo Antonio, depois de terem marchado
bem durante a manhaa, foi a urna quebrada e r- ao Sr desenibargdr G
tas as cdulas, sendo espancadas diversas pessoas
Sorteados os senbores desembargadores Gitirana.
e Molla.
Negaram provimenta
Ap>eltiiroes crimes.
Appellante. Francisco'Al vs Bezerra : anpelladj
a jnstica.
Improcedente.
! Appellante, o juizo ; appellados, Marcolino Jos
dos Santos e outro.
Improcedente.
Appellante, o juizo : appellado, Vicente Ferreir.i
de Souza.
A' novo jury.
DESIGXACO Di: DIA.
Assignou-se dia para julgamento dos seguios
feilos :
Appellaees ciceis.
Appellantes, Jlo Tavares de M-llo :
a preta Tbereza.
Appellante, Agostinho Lucas Correia ; appella-
da, a escrava Luiza.
Appellante, Flix Soares da Costa; appellado.
Manoel Al ves Barreto.
As appellares crines.
appellante, Targinio 'Guedes Gomes Lnhare. :
appellados, Antonio Teixeira Bastos e outro.
Appellante, Manoel Cabral de Mello appellada
a justica.
DILIGENCIAS CHIMES.
Com vista ao Sr. desembargador promotor di
justica
A appcllarao crime.
Appellante, Mano-I Joaquim do Nascimenlo ;
appellado, Antonio Jos Goncalves.
DILIGENCIAS C1VEIS.
Com vista ao Exm. Sr. desembargador procura-
dor da cora
A appellacdo cicel.
Appellanle, D. Tbemotea Carneiro Maciel da Sil-
va ; appellada, a fazenda.
PASSAGEKS
O Sr. desembargador Caetano Santiago pas.-on
ap-
As appellacoes citis.
Appellante, Manoel P.it'r.o do Nascimento
pellado, Antonio Moreira dos Reis.
Appellante, Jos Joaquim Goncalves Bastos: at>
pellado, o tenente-coronel Justino Pereira de Fa-
rias.
O Sr. desembargada Gitirana passou ao Sr
desembargador Lourenco Santiago
A appellarao cicel.
Appellante, o visconde de Suassuna ; appellado-
os herdeiros de Sebastiao Antonio Paes Barreto.
O conflicto de jurisdiccao enlre o juiz munici-
pal de Ouricury e o de Boa-Vista.
Do Sr. desembargador Lourenco Santiago ao Sr.
e ferida urna, por um grupo que pouco antes esta
va em intimidadecom a policia.
Na Boa-Visla nao se deu oceurrenca alguma.
Em S Jos apenas deramse diversas discussoes
calorosas, sem consequencias.
Nos ATogados, depois das occarrencias da ves-
pera, cessaram os trabadlos da mesa.
Tendo sido ameaeado de assassinato o respec-
tivo juiz de paz, tenente-coronel Manoel Jaaquim
do Reg e Albuquerque. veio elle requisitar
presidencia garantas, sendo-lhe enviadas 25 pra-
cas de cavallarla ao mando do capitao Manoel
Porfirio de Castro e Araujo.
Por ter coirido sangue na matriz de Santo
Amonio, foi o Santissiino Sacramento transferido
para a igreja do Collegio hontem noute.
Sendo considerado vago o lugar de 2a sup-
plente do subdelegado da Magdalena, foi para elle
nomeado Thomaz Clirysostomo de Lima.
Acerca da venda das Biblias falsificadas, de
que tratamos em urna das nossas Revistas passa
das, encontramos o seguinte no jornal Brasil da
Babia :
O Sr. Ricardo Holden, emissario da propagan-
da de Biblias protestantes, e que enlre nos tenlou I q Sr. desemlianrador Assis nassnn anSr des,-.m-
propagar aseita methodista, retirou-se para a Eu-| barad JLm-i
ropa no ultimo vapor da linha de Siuthampton.
Durante os dous ou tres annos. que afora pe- ;
quenos intervalos, o Sr. Holden residi entre nos.
nao pode fazer um s proselyto, nao ser o apos-1 inrador Mm o Sr desem, l-
tala Thomaz Gallar., que troceo o mis.er de re- pjfi^KXdI
desembargador Almeida e Albuquerque
As appellaees cuts.
Appellanle, a fazenda appellado, Antcnio Joa-
quim de Oliveira Baduem.
Appellante, a fazenda : appellada, D. Anna De'.-
fina Paes Barreto.
Appellanle, Jos Ignacio de Mello ; appella-
do, Alexandrino Martins Correia de Barros.
Appellante, Francisca das Cliagas Bandeira
de Mello: appellado. Francisco Rodrigues do*
Sanios.
A appellarao civel.
0C(
Anna Lopes Res.
Appellanle. o cnsul porlliguez
appellada, l>.
mador de barco |ielo de vendedor de Biblias falsi-
ficadas e outros pampliletos herticos.
E' com effeito cousa maravilhosa que o Sr.
Holden nao podesse fazer um s proselyto, mes-
mo as mais nfimas carnadas do povo brasileiro :
cumpre, psrni, confessar, que es.-a decepcao por
que passou o emissario protestante nao exclusi-
vamente devida f robusta do catholecismo, mas
tambem indifTerenca religiosa, que a feico
caracterstica da poca actual.
e Afora
As appellacoes crimes.
Appellante, o juizo : appellado, (Jirsimo Rodri-
gues Chaves.
Appellante, Antonio Cabral da Silvera ; appel-
lada, a justica.
As appellaees citis.
Appellanle, Jos Joaquim Antunes; appellado.
Manoel l'irmino Ferreira.
Appellado. F ancsco Mamedo de Almeida : ap-
pellantes, os curadores da massa de Manoel Alves
Guerra.
a pastoral do nosso venerando metro-
polita, afora os humildes esforcos desta folha, af- D Sr. desembargador Domingues da Silva ao Sr
s ??.roho*i-inir?.?? 1aa?.s! desembargador Caetano Santiago
A appell'ieao civel.
Appellante, D. Joanna Mara das Dores
,,- ------------------- t" """ -^- w*--m mu ji i~<. i i um' un- .i* x,J V*-*/"
roram, estes os motivos que impediram o minis- Secretarios.Antonio Teixeira Peixoto (Pi.
tro boliviano a romper as negociares. Octaviano de Souza Franga (P).
bomo em attencao asameacas da guerra e aou- Escrutadores Augusto F. da Silva Manta (L).
-----------.o. -gusto V. da Silva Manta (L
iros aggravos, a honra nacional nos veda va ijue. Antonio Jos Pestaa (L).
sem previa salisfagao, admiltissemos mediaclo so- Santo Antonio.
bre o assumpl), vio-se o governo do Chile toreado Presidente.Joaquim Antonio Carneiro (C).
a recusar os bons oTu-ios qne o do Per e dos Es- Secretario. -Antonio Augusto da Fonceca (L).
taiiosl nidos da America do Norte houveram por j0s Francisco Carneiro (L).
cr r,., ,, M* de esUdo te ., d. ^*''*> g ma 1 ri,.L,. Ift u fgS^S&C "mSE A S^-SZ'f&'&JZtm.
JU ;.-';, lanciada e aulbeniica de todos os objectos que por lula anda nao est determinada Sem embalso JamnvmA L KVriWa iW
semana nosTsTnor^q^
Signar o ministro da josUc; e b'avera as sessoes Roce, e que pTeSSS deiSm i SSSSS* BS^m^JBSJSSK mW "^ VtUK0-
extraordinarias, que ella julgar necessanas. zer os direilos da alfandega, como foi concedido pe-
desimguiu-se o Sr. vigario encommendado de S.
Pedro, o commissario protest inte nao teve enira-
ves alguns n sua ousada empreza, ao contrario
teve a proteceao da policia, e a connivencia da
autoridade judiciaria.
O que deveremos concluir que o Brasil
un paiz predestinado para o catholicismo; e que
nem a colonisacao protestante, nem os emissarios
da propaganda Bblica, nem o racionalismo do
governo poderlo obstar sua autonoma e seu
futuro progresso.'
Hoje se exlrahir a l* parle da lotera da
rmandade do Senhor Bora Jess ua Via Sacra
(107*)
Movimenio da casa de detencao do dia 6 de
setembro de 1864 :
A saber
Arl. 5.* O presidente, consultados os membros lo governo imperial,
da commissao, distribuir as materias do projecto Dito commissao administradora das obras da
do cdigo a discutir, segundo a sua ordem, por ti- nova matriz de S Jos.Tendo eu inteira confian-
tulos, captulos, paragraphos e divises menores, ga na dedicacao e disvelo, com que VV. SS. zelam
como fr mais conveniente. todos os negocios que dzem respeito matriz de
Art. 6" O membro, que fr designado relator, S. Jos, pelo ofTicial da cmara episcopal. Candido
estudada acuradamente a materia, far o seu rea- Eustaquio Cesar de Mello, Ihes remeti as contas
tono por escripto, ou conclnindo a adopgao pura e. tendentes administrago dessa nova matriz, que
simples dos artigos, ou ollereeendo emendas ; e me foram entregues pelo ex-admlnistrador o Rvd.
neste ultimo caso, apresentara em forma de arli- Jos Antonio dos Santos Lessa, afim de que vis-
gos, a materia nova ou substitutiva. ta dos documentos que as acompanham, e que
Art. 7. Se concluir a adopgao pura e simples, constam da lista junta, VV. SS. procedan ao exa-
depois de visto pelo autor do projecto para dizer o me dellas com o cuidado e circumspecoao que o
que Ihe parecer sobre os motivos e modo de enea- caso pede,
raras questoes, correr o relatorio pelas mos de
todos os membros da commissao, indo do mais ve- Ofllcio ao cura da S.Tenho presente o oflicio
Ihoao mais mogo dando rada um por escripto de V. S. datado de hoje a que respondo.Sendo
seo voto motivado com referencia aos motivos do costume na cathedral desta cidade por occaslao das
relalorio e aos da exposigao do autor do projecto.' eleigSes retirar-se o Santissmo Sacramento da sua
Art. 8.o Por amor da brevidade, a passagem dos ', capella para ser depositado no altar da sala capi-
papeis poder ser feta por fra, mas ter lugar em'talar, no sacrario porttil, para isso destinado,
sessao quando ao membro da commissao, que pas-; afim de evitar qoalquer reverencia que possa
sar os papis, parecer conveniente entender-se com dar-se, deve V. S. continuar a fazer effectivo este
seus collegas sobre algum equivoco ou duvida me- amigo e louvavel costume.
nos importante, e buscar assim um accordo. CONTAS DA SOLEDADE.
Art. 9. Se todos se conformarem com a adop- Portara.o Rvm. conego reitor Jos Joaquim
cao, proposta pelo relator, apresenlados os papis Camello de Andrade, por mim encarregado da cai-
era sessao, ser havida por liquida e approvada xa pa, declare se as contas que, na qualidade de
pela commissao a parte do projecto sobre que ver- ecnomo da mitra, tomou no palacio da Soledade,
sar o relatorio, salva a dsposico do art. 15. juntamente com o outro ecnomo o Rvm. mestre es-
Art. 10. Se o relatorio concluir a eliminage cola Marcellino Antonio Domellas. Ihe foi entregue
com substituigo, onpropnzer emendas ou se qnal- alguma quota em separado pertencente caixa pia:
qner dos membros, que examinar depois os papis, declare mais qual foi o saldo que os Rvms. econo-
lizer o mesmo, ir logo tudo ao autor do projecto mos nessa oceasiao receberam em dinheiro, e onde
para dizer o que se Ihe offerecer, continuando de- foi este recolhido ; bem como onde esto incluidos
------ --.....-.......... S. Jos.
coroa. () governo do Chile, como o tem manifes- PresidentaJos Antonio Pinto (P).
tado, nao reconliecer nenhuma mudanga que pos- Secretario-Joo Cancio Gomes da Silva (L).
sa resultar da actual conienda, se nao chega a con- Emilio Americano do It. Casumb (L).
vencer-se de que ella effeito da livre vontade dos EscrutadoresPedro Rodrigues de Souza (L)
monxl.ean,,s- Aprigio Jos da Silva (L).
u ameniavel e inesperado successo da tomada Nestas freguezias se deu comego primeira cha-
uas unas Chinchas eausou de um extremo a outro nuda, sem disturbios nem grandes contestacoes
Ha rUUUb IC.a PYIrlArHimri MliulA : ua im S n..i n________ o__., _.__:. i>-.. \rT,...
Existiam.......
Enlraram......
Sahiram.......
Existem.......
r :
Nacionaes.....
Estrangeiros...
Mulheres......
Estrangeira-----
Escravos ......
Escravas......
372 presos.
0
12 .
366
304
9 >
4 .
1 >
42 .

Alimentado:
366
custa dos cofres
provnciaes 159
ap-
uonnecets o pensamento do governo neste gravissi- do, segundo uns, ou se haver saltado o nome, se-
mo negocio. Bem que, em minha opinio, nao se- gundo outros.
ja verosmil que possam j mais ver-se em perigo Nos ATogados, organisada a mesa eleitoral
a inuepeudencia e a soberana do Per, se tal hy- no sentido conservador proseguan os traba-
po bese se ralisa, o Chile saber ser liel aos seus j Ihos com alguma regularidade : dando-se ,
antecedentes histricos. porm, um conflicto, provocado por gente do lado
As eleigoes para a renovagao das cmaras e dos
corpos mumeipaes elfectuaram-se na melhor or-
do governo, segundo fidedignas informages que
nos foram transmitidas, levantou-se no meio da
_, ---------- ..... j HH ...-,.,-. u. .. .-. 'M.,1, H Uli.-lilllllliH-, ll/liHJl'/il .", *!> III'. U U>
nem. .\otou-se apenas nellas a agitagao propria \ mullidlo um individuo, conhecido por Joao gran-
desses actos solemnes ntreos povos livres. O
respeito lei ir approximando-nos, quanto seja
possivel, da perfeigao no exercicio do direilo elei-
toral, que a base sobre que repousam os gover-
nos popul.rrcs.
Tem-se continuado a trabalhar com afflnco as
grandes obras que farao um dia nossas mais pre-
zadas glorias.
A reviso do projecto do cdigo do commercio
acha-se muito adiantada. Deve comegar em breve
a dos projectos de organisago e nttribnic<>es dos
tribunaes de justiga e do mititar, qae j foram apre-
sentadas pelas pessoas a quem se enrommendou a
sua redaegao. O cdigo criminal est noasi a ter-
minarle.,
A linha frrea entre Santiago e Valparaizo fot'
entregue ao trabajo publico em toda a sua exiea
de, da Estrada Nova, j bastante celebre por tro-
pelas que praticra naquella freguezia, e na da
Varzea na eleigao de 9 de agosto, puchou de urna
faca, e gritou : morram os vermelhos A' este
grito, se desfolharam muitas facas, cerrou-se a
luta, e por muita felicidade deixou de haver mui-
to sangue, tendo-se todava a lastimar cinco feri-
mentos, dous dos quaes bastante graves; sendo
um dos feridos mortalmente, o mencionado Jlo
gran Ir.
Em tace deste tumulto, ojuiz de paz suspen-
dendo os trabalhos, veio relatar a caso a presi-
dencia, que l mandou o chefe de policia e o .com-
mandante de policia sysdicar dos factos.
(*) A elra P exprime pzogressista, L liberal ge-
nuino, e C consenador.
CIIROM JL1MGIARIA
Tlll lll'.V.V L IIA IIKL A V A t.
SESSAO EM 6 DE SETEMBRO.
PBESJOKNCIA DO EXM. Sl(. CONSELHEIR0
SOUZA.
As 10 horas da manhaa, presentes os senhores
desembargadores Santiago, Gitirana, Lourcngo San-
tiago, Assis, Motta, Domingues da Silva, e Guerra,
procurador da cora, fallndoos Srs. desembarga-
dores Almeida c Albuquerque e Ucha Cavalcanti,
abrio-se a sessao.
Passados os feitos e entregues os distribuidos,
deram-se os seguintes
Jl'LGAMENTOS
Carta testemunhavcl.
Aggravante, Manoel Luiz Cavalcanti ; aggrava-
do, Francisco Jos de Moura.
Relator o Sr. desembargador Santiago
Sorteados os senhores desembargadores Assis,
e Domingues da Silva.
Deram provimento.
Aggratos- (fe pelirao.
Aggravante, Joao Anionio Ferro de Figueiredo ;
aggravado, o jnizo^
Relator o Sr. cbisembargador Motta.
Sorteados os Srs. desembargadores C. Santiago,
e Gitirana.
Negaram, nrovimeoto.
. appel-
lados, Baziliano de Magalhies Castro e outros.
A revista civel.
Recrreme, Jos Pilta Maciel ; recorridos. Ale-
xandre Jos Das e outros.
DISTllim ICF.S.
Ao Sr. desembargador santiago
O aggravo de pctieao.
Aggravante, Manoel Joaquim de Lemos Vascon-
cellos ; aggravado, o juizo.
.1 appellacdo crime.
Appellanle. Luiz Manoel Flor: appellado. o
juizo.
Ao Sr. desembargador Gitirana
O aggravo de petu'o.
Aggravante, Domingos Antunes Villaca : aggra-
do, o juizo.
.1 appellarao crime.
Appellanle. o juizo : appellado, Jos Marcolino
da Silva.
A appellarCio civel.
Appellante, Jlo do Reg Barros Accioli:
pellado, Benlo Jos Ramos de Oliveira.
Ao Sr. desembargador Lonrengo Santiago
O aggravo de peticao.
Aggravantes. Guimaraes 4 Alcoforado ; aggra-
vado, u juizo.
A appellarao civel.
Appellantes, D. Maria Francisca dos Santos e
outros; appellado, Manoel Joaquim Limoeiro.
Ao Sr. desembargador Domingues da Silva
A appetlacao crime.
Appellante, o juizo; ajipellado, Manoel Jos de
Moura.
Ao meio-dia encerrou-se a sessao.
THIHIVll, 0 .11 Hl
5" SESSO-DIA 6 DE SETEMBRO.
PRESIDENCIA DO SR. DR. JOAO ANTONIO DARAt JO
FREITAS HENRIQUES,
Jt'IZ DE DIREITO DA SECUNDA VARA ORIMIXAI..
Promotor publico, o Sr. Dr. Jos Paulino da
Cmara.
Escriao, o Sr. Joaquim Francisco de Paula
Esleves Clemente.
A's 10 horas da manhaa, feita a chamada, acha-
ra m-se presentes 41 Srs. jurados.
Foram despensados da sessao, a bem do servigo
pubico, os Srs :
Jos Pedro da Silva.
Dr. Antonio de Vasconcellos Men6zes de Drum-
mond.
Dr. Luiz de Albuquerque Martins Pereira.
Joaquim Jos de Miranda.
Foram tambem despensados, por motivo de
molestias os Srs.:
Dr. Braz Florentino Henriques de Sonza.
Dr. Cicero Odn Peregrino da Silva.
Foram multados em 20* cada um dos Srs. jura-
dos que faltaram nos dias anteriores, e os que no
comparecern! hoje.



, .. .
"' I
DlarU ie Periaabae* Hexfe feira It Htitmhf e i


buquerque.
Pela defeza foram recusados os Srs
Francisco Autouio C. Cousseiro
Ur. Pedro de Alhayde Lobo Moscoso.
Francisco Texeira de S.
Thumaz d'Aquino Fotiseca Jnior.
Luiz Pereira de Farias.
Jos Antonio Vieir ile Souza.
I)r. AntoUfo Jos da Cosa llibciro.
Antonio (ornes de Miranda Lea).
t)r. Deuiostlieoos da Silveira L>io.
Ir. Julio Aogusio da Guulia Guunaraes.
O jury de sentenca foi crenoslo dos senhores
seguimos :
Tenenie Joo de Si'iueira (empello.
Jos liento da Costa.
Candido A. da Matta Alhuquerque.
l)r. Ignacio Firmo Xavier.
Antonio Goncalves Pereira Luna.
Pedro Celestino Miudello.
Augusto Cesar da Cunlia.
l)r. Francolino Bernardo Quinteiro.
Dr. Horacio Vailredo Pcretiriuo da Silva.
Havendo numero legal, o Sr. juiz de lreito de- I com o Sr. Francisco Joo de Barros, aconteceu que e se possuo alguns bens da fortuna, uniente os de-
clarou aberta a sosso esse, pelos seus muitos affazeres naquelle da em vo a Providencia e aos meus ineessantos esfurcos
Eutra em julganieuto o reo Maaoul do Nasci-1 si escriptorio, retirou-se da Caixa Filial, deixan- unidos mais restricta economa, e assim posso s-
ineuto de Sii|uelra Barbosa tavalcant], acensado dome em coaliancasoascba ves, para que se abrs- severar ao Sr. coronel, justiea e ao publico em
por crime de furto do escravo Jos, partencente se o cofre e procedesse ao balanco, quando che- geni, que nunca tive, nao tenho, nom jamis terei,
Felii Gomes da Silva. gasse o presidente. Logo que chegou o presidente nao s escravos, como bem algum alheio em meu
Pmcedendo-se ao sorteio, foram requsados pela' (o Sr. Ur. Cardoso) nao havendo nenhuur outro di-. poder, o que provo com os homens honestos, que
proniotori:t os Srs. : I rector no estabelecimento, e nem podendo o the- eomigo tem retacos, l
Ur. Atingi Jusliniauo da Silva Guimares. i soureiro abandonar a sala do expediente pelos mui-1 Dito sio, peco respetosamente ao Sr. coronel J.
Dr.Manoel Artbor de Hollanda CavaTcanti de Al- los affazeres que uaquelle dia havia, conflou suas Cavaleante, que nao confie tanto em seu nfor-j
chavos a um dos cobradores, (suppenho que ao Sr. mante nesta comarca, pois elle incessanlemenle se
Silva llego), e fomos o Sr. Dr. Cardoso, en, e o co- esforca por fazer-me sahir de meus deveres, tor-
brador abrir todos os cofres, e verificarmos todo o nando-se suspeito em suas informacoes.
dinheiro all existente, no que gastamos mais de j Felizmente para mira posso fallar de fronte er-
tres horas, sendo que nesse nter vallo de tempoalli guida e sem o receio de urna seria conlestaco.
appareceram dous dos nossos collegas (os Srs. Dr. (E' verdade que tenho de receiar ouiros dous lir s,
Ignacio de S. Leao, e Monteiro) que, demorndose aos quaes milagrosamente escapei, mas nao ser
pouco lempo, reliraramse, deixando-nos all ainda isto que me far demaver do mau proposito.) P6de
sos. o meu gratuito inimigo, suppondo desacreditarme,
Ja v, pois, o Sr. Dr. Cardoso, que por esse modo promover quautos cercos quizer ein minha casa i
linlia S. S. pleno conheciinento da praxe adoptada sob este ou aquelle pretexto; o que nao causegui- ;
no estabelecimento, de um director confiar a outro r, porm, adiar o que procura : outro lauto |
seu companheiro as chaves do cofre para ser: nao poder elle dizer.
aborto sem ana assistencia, quando a necessidade Fallera por mim as averignagSs policiaes, a que
do servico rerlamasse; e o praticando como nessa ; se tera procedido em seus dominios, o ver-se-ha
occasiao e outras, nao s sanecionou aquella praxe j quo o resultado tera cerrespoodido e ha de corres-
adoptada, como a considerou muito regular : e ponder expectativa de rauitos.......
poriaoto nao pode hoje denominar de infraccao ou Folheem-se os autos d'ura processo crime, e ara-
abuso esse acto, que ja mereceu sua approvacao. da d'ahi se ver quem mais capaz de ter bens
1 Assim, pois, essa segunda aflirmacao, que fez o Sr. alheios em seu poderse eu, se o meu gratuito ca-
Dr. Cardoso, s pode ser nascida da falla de remi-, lumniador.
I nicencia, como tenho mostrado. Fiestas circumstancias para quo tomar-me como
Passando agora a tratar do terceiro qnesito, ou o alvo de suas calumnias ? Ah o meu amigo le
E prestaram"a jauwMtt"dos Saulos Evan-1 proposica estabelecida pelo Sr. Dr. lardoso, de' pelo proverbio antigo Chamao antes que te ch-
cenlos, que quando mesmo tivesse sabidoe tolerado aquella mem. E' urna triste vinganca.
Foi o reo interrogado e procedeu-se a leilura do i pratica (que hoje denomina abusiva), em vista das Qnanto melhor nao faria ello se, deixando-me
processo. estatutos nao tinha jurdicamente a mesma respon- em paz, me proporcionasse occasiao de ter para
O Sr. promotor pedio a condemnacao do reo no sabilidnde da dos directores de semana, observarei com elle igual proeedimento.
grao mximo do arl. ib' do cdigo criminal, c >m- qUe arada dessa vez nao foi mais feliz do que das ] Quo acertado ainda nao andara se ludo fizesse,
binado com o decreto de lo de outubro de 1837. duas primeiras. i mas sem calumniar a' quem tem cousciencia dos
O Sr. advocado, d luzudo a defeza, pedio a ab- Po-.quanto, leudo a directora do Banco do Brasil seus actos para nao recuar perante a respo'nsabi-
solvioo do reo. determinado por ofllcio n. 53V de 2 de outubro de lidade delle9. E essa consciencia mais se robuste-
Ftdos os debates e preenchidas todas as solem 1860, e que abaixo va transcripto, que ao presi- ce no caso vertente
nidades da le, o Sr. juiz de direito propoz os que dente da Caixa Filial desta provincia tambem Ihe Foi mproticua como ha de ser sempre a tenta-
venda em casa do Sr. Raymundo Jos Pereira de
Castro, e logo me aprsente! em mamiar comprar
duas garrafas. Fazendo use delle, no tira de das,
j andava era casa pegado duas bengalas, e no
Mu de quinze das saAia ra. Quando acabei de
lomar duas garrafas senli-me completamente bom,
andando com todo desembarazo, r.stando-me as
eridas na garganta, para que empreguei outros
remedios, mas nada me aproveilou ; foi quando
recebl as garrafas que havia pedido meu lilho, e
continu, com a terecira, que, no lira de poucos
das, fui melhor. Hoje me acho completamente
bom. Portanto, sirva-se V. S. aceitar meus since-
ros agradeeimenlos, e o publico que liver a infeli-
cdade de soffrer laes padecimenlos que aproveite.
com esle meu testemunho.
Sou com apreso de V. S. muito att. ven. c cria-
do. fenlo Jos Atilintes.
Maranho, 11 de agosto de 1864.
I Do Paiz.)
DE
| machina de cdstnra, 3 venezianas, cadeiras, lara-
torios da ferro, lanternas, jarros, escarraideiras,
'tapetes, capachos,eoutrosobjectosque seria en-
fadonho mencionar.
MMERGIO.
-ttos segrales :
1." Pode o jury pronunciar alguma decisao
dclrailiva sobre a caus principal sem at'.oiieao aos
documentos argidos de falsos ".'
Io O reo Manuel do Nascmento de Siqueira
Barbosa Cavalc;inti tirou para si o escravo Jos.
contra a voutade de seu dono Flix Gomes da
Silva 1
3. O io pialicou o crime, tendo precedido
ajuste cora ouir individuo para o fin do ser pra-
licado o mesmo delicio 1
incumbe a responsabilidade pelos atrazos, irregu- tiva que fez, para provar que corro parelhas com
laridades, erros e omissoes no servico, e combinan- quem me nao quizera hombrear nesse terreno,
do essa orden com as disposicoes do arl. 26 % 3o e, Estoo, portanto, justificado. E dada assim a sa-
art. 32 dos estatutos, evidente, que ao Sr. Dr. tisfacao que derla ao publico, o que mais me res-
Cardoso nao cabe menor responsabiiidade do que la ? Agradecer ao digno offlcal encarregado dessa
aos directores de semana e ao thesoureiro, nos fac- diligencia, o Sr..alfares S Brrelo Jnior, as ma-
tos acerca dos quaes ellas se drem, e isto obvio' neiras polidas e sobremodo delicadas, a deferencia
pela qualidade de liscsl, que tem o presidente. mesmo cora qne se dignou tratar-me, e Vs. Ss., i
Essa igualdade de responsabiiidade nao passou Srs. redactores, pedir-lhes a nsercao destas Imitas
desapercebidamente para mim, quando se ralen no seu jornal, pelo que grato Ibes ser
entre os directores de semana e o llieoureiro_o; Joaquim Cordro dt Lima.
NOVO B\i\C0 M PEK.WPU:.
0 novo banco paga o 13 dividen
na mao de 8$000 por aeco.
Existem circumstancias allenuanlcs a favor prejuizo resultante do desfalque ultimo; porcm nao! Engenho Progrrsso na comarca de Nazaretb, 3 I
do reo 1
Hecolhido o ory de sentenca sala secreta das
<:onfeiencias as 3 lleras da larde, VoltOU as 4 lio
ra<, respondeado aos quo^ilos pela maneira se-
guale :
Ao 1."Sim, por nnaniraidile.
Ao 2.Nao, por unanimidad^.
convindo naquella occasiao suscitar novas duvidas. i de setembro de 186i.
e ancioso por ver terminada a indemnisacao de que i ^mm^mmm^_m_mmmm
se iralava, enlendi mais conveniente adiar essa
queslo para outra occasiao, por isso que dessa de-
mora nao resultava perca e nem diminuico do di-
reih>, que nos assislisse. |
Supponhoque o Sr. Dr. Cardoso nao allegar \ua MOYIMENTO 30 POETO.
Navios sofodos no da 7. .
LisboaBrigue porluguez Bella Figueirense, ca-
piao Jos Correa de Carvalho, carga assncar e
outros gneros.
BarcelonaPolaca hespanhela Aurora, capitio
Prudencio Miiler, carga algodo e outros g-
neros.
Acarac e porlos intermedios vapor nacional
Persinunga, commandante Rales.
Obsereacao.
Nao houveram entradas."
Navios saltillos no dia 8.
Barcelona pela Parahyba Sumaca Imspanhola
.Vi/i/(i. capilo Pablo Pags, carga varios gene-
ros.
CanalEscuna dinamarqueza Aakandm, capitaoi
C. Moller, carga assucar.
Terra-N'ova Brigue inglez Beagle, captao John
Sutlon, em lastro.
Diert'flco.
Nao houveram entradas.'
. ISABEL.
EMPEEZA
f.i:iii\m> k loninA.
SABBADO 10 DE SETEMBRO DE 1864
A orchestra dirigida pelo Sr. Colas Flno, execu-
tar a uova e linda ouverlura
G4KIB4LDI
ultima e recente composicao do maestro Merca-
dante ; em seguida lera lugar a representaco da
excellente comedia-drama em 3 actos do Sr. Er-
nesto Biester
A PRIMAVERA ETERNA.
Tomam parto os Srs. Germano, Coimbra, Borges,
Porto, e as Sras. D. Antonina, D. Camilla e D. Je-
suina.
Depos represenlar-se-ha omuiloapplaudido dra-
ma em 4 actos ornado de msica :
AS RECORDARES
LIIO
DK
Finas- perfumaras
HOJE
Rothe & Bidoulac faro leilo por intervenga
do agente Pinto, de 4 caixas com finas perfuma-
ras tnglezas, eiistenlesem seu escript'rio ra do
Trapiche n. 18, onde se effecluar o leilao s II
horas do dia supradito.
LEILAO
DE
Dous fortes pianos modernos.
Sabbado 10 do correte s 11 horas.
Noarmazem rita da Cadeia do Her fe
numero 48
far leilao de um forte piano de armario autor
francez Vignes, outro dito hamburguez autor
Tranmann, todos em bom estado tendo pouro uso
*" Feira semanal
DE
rticos de casaoovosc osados e
tros iiiuiius objectos.
Sabbado 10 do crrente.
00-
Com o qnal terminar o espectculo.
Comecar s 8 horas.
OLYMPIO
w
AVISOS M4&1TIM0S.
PBLIGigOES 1 PEDIDO.
i
EDITAES.
de feeuip.
Diixaram do responder aos demais, por licarem | ignorancia desse offlcio, pois que delle multas vezes; A MAtiaiz medica de Berln leve perfeilameute
prejudicados com a resposta do segundo se fallou as sessoes da direeloria. razo, em seu judicioso julgamento, em pronunciar
Lidas as respostas pelo providente do jury de Se recorr imprensa, foi porque entend me de-1 0 succo ,ja oa|ianica anacahuila mexicana como
sentenca o Sr. Dr. Horacio Valfredo Peregrino da ; via lomar publico as consideracoes, que julguei um especifico positivo e infallivel para lodas as ir-
Silva, o Sr. Hr. juiz do direito publieou a sentenca i conveniente fazer directora do Banco do Brasil
absolvendo o reo, e condemuando a municipalidade : acerca da minha deslituicao de director da Caixa
as costas. Filial, que alguem poderia parecer dezar. Nao
Levaetoo-se a sessu, que licou adiada para o i uve em vistas nem tenho olTender ao Sr. Dr. Car-
dia segumle s IU horas da mauha.
COMMNIGDOS.
! doso, de quem at me coafessei obrigado pela ur-
i banuladc e pulidez de suas maneiras.
E sou feliz por haver-me encontrado com tao dis-
; lindo ca\"alleiro, certo de qne tomo como mais urna
! atlenco a resposta com que me honrou, e rom
: o intento do pagar essa honra, que apresso em res-
'ttctoret.0 Sr. Dr. Joao Cardoso de ; pouder-lhe, apezar de achar-me actualmente doen-
za, presidente da Caixa Filial do Han-: tej e voltarei a ella com prazer sendo misler, ani-
Sttilivi es redacto)
Menezes e Souza
co do Brasil Resta provincia, pretendendo, em seu1 maj0 dos'mesmos"sniimentoviue animam oSr.
Diario de hooiein, contestar alguns trechos de meu
oflicio dirigido ao presjdeale do Banco do Brasil, e
publica lo em seu Diario, aDrma o seguinle :
1." Que no dia 29 de julho ultimo, estando eomi-
go no gabinete da commissao, quando foi se tirar
do cofre a quautia uecessaria para pagar-se ao Sr.
Dr. Cardoso.
Recife, 7 de setembro de 1864.
Josa Mamede Alves Ferreira.
Illm. Sr. Manoel Joao de Amorim.Rogo-llie o
obsequio de dec arar-mc ao p desla, st no dia 29
de julho ultimo, por occasiao de vir V. S. Caixa
Manoel Joo de Amorim, que tambera ah se acha- |?,|ja| para receh,.r 100:0005000 de um saque,
va, nao vira eu entregar a minha chave do cofre
ao meu coupanlteiro, e por cuiiseguinte ignorava,
que o cofre livesse sido aberto sem a minha assis-
tencia.
2.' Que nunca soube e nem lhe constou, que di-
rectores daquelle estabelecimento costuinassem con-
fiar suas chaves companheiros em occasiao da
abertura dos cofres, porque zeloso como jamis
conseotiria en semelhante infraccao (como hoje
que leve de demorar-se no gabinete da commissao
de desenos onde eu me achava com o presidente,
em quanto foi tirar-se dinheiro do cofre, vio-me
durante esse lempo sabir daquelle lugar, al que
ebegasse o dinheiro ?
Permilta-me fazer dessa resposta o uso que me
comer.
Sou com estima e consideraeo de V. S. ltenlo
venerador obrigadoJos Mamede Alves Fer-
reira.
pecifico positivo e infallivel para
ritacoes ou inlUmmacCes da garganta e dos vasos
bronebios.
Nao ha nenhum caso de rouquido, tosse, catar-
rho, escoriacao da garganta ou irritacao dos bron-
chios que possa resistir as suas admiraveis qualida-
des ante-irritante.
ella reslilue a voz quando perdida ou enfraque-
cida, produzido pelas alfecces ou sensacoes de as-
pereza no patato ; faz cessar a expecloraco san-
gunea e mpede a aecuroulacao de mucosidades
nosorgos da respiraeao que parten dos pul-
moes. -
luteiramente ditferente na sua composicao de to-
dos os mais peitoraes manufacturados de inicias
adstringentes, cascas e razes, etc. O mesmo nao
contera em sua composicao nenhum aculo prussico
ou outros quaesquer ingredientes venenosos.
Acha-se venda uas lojas de Caors & Barbosa e
J. da C. Bravo & C.
HOSPITAL
Portugnez de Beneficencia
em
PcraambHeo.
Tendo de celebrar-se no da 18 do correle o
anniversario da fundaeao do Hospital Portugus
como prescreve a sua !ei regulimentar,_ enlendef
a actual junla administrativa, a imilaeao do que j
praticou a sua antecessora, que esso acto se pode-
denomina.;
3." Qu.^ (piando mesmo livesse tolerado essa pra- pm referencia ao que cima pede, durante o tem- ra tornar mais solemne, seguindo-se-lhe a expo-
tca, i que agora denomina abuso), nenhuma res- ,)0 ,)ue me-demore na Caixa Filial no dia Ude ju- j sieao de prendas e Jolas, que a generosidade dos |
ponsabihdade jurdica assistia, seno aos directo- |no passado, nao vi V. S. sahir do lugar cm que es- i habitantes desta hospitaleira cidade se dignarem
res clavicularios. ; lava no gabinete. : de uflerlar-lhe, para em publico seren trocadas c ,
Procurando guardar todo o respeito c conve-l Recife, 6 de setembro de I86VManoel Joao de I convertidas em beneficio dos pobres enfernios.
niencia devida ao digno cavalleiro a quera me di-: Amorim. Neste intnilo foi nomeada urna commissao espe- i
rijo, o acompanharei em toda sua arguraentaeao ofljcio n. S34.Pernambuco.Iliro. e Exm. Sr. cial para agenciar e arrecadar os diversos donati- i
para concluir por modo diverso. CommURico V. Exc. qne a direeloria do Banco! vos, a qual em desempenho de sua honrosa e san-1
O faci de ter sido narrado no rotatorio da com- ,|0 ur;isj| lomou as seguimos resolucGos i dativas ta misso dirigi humildes supplicas s pessoas de \
missao a circumslancia da entrega de minbas cha-! ;l ,.ssa (;:ljxa pa| j. ^jcam approvadas as nie-
ves do cofre ao meu companheiro, em presenca do! j,jas indicadas na caria que o Sr. director do Ban.
Sr. Dr. Cardoso, cojo relaiono foi publicado aqu | co j0S(. (;ar|os Mayrinek ao deixar essa cidade di-
na provincia, nos principaes jornaes, antes da par- rg0 a presidencia dessa Caixa em data de 26 de
tida do mesmo Sr. Dr. Cardoso para o Ro de Ja- julho do corrente anno, concornenle i administri-
neire. e all transcripto no Jornal do Commercw, cao da mesma Caixa ; t' Em quanlo nao for or-
gamsado um regulameuto econmico para essa
Caixa, lica V. Exc. na i|ualidade de presidente
dola encarregado da direceo e superior inspecco
do expediente geral, escripluracao e emissao, in-
cumbindolhe tambem a responsabiiidade pelos
airazos e irregularidades do servico, erros e omis-
soes. O que levo ao conheciinento de V. Exc.
para que sirva-se dar-lhe a devida exeeueo.
Deus guarde V. Exc. Casa do Banco do Brasil
em llio de Janeiro, em i de outubro de 1860.
Illm. Sr. viscoudc de Soassnna, presidente da Cai-
ra Pernamruco.
quando l eslava o mesmo senhor, e sem que ja-
mis fosse contestado, Importa cortamente nina
confirma cao tacita daquella verdade, que somente
agora posta em duvula.
Respeilando sempre a patarra do Sr. Dr. Car-
doso, quando albinia noler visto aquella circums-
tancia.periii'lta-me todava dizer que est equivo-
cado nessa asseveracao ; e nao admira que assim
acouleea, porque sua palavra nesse caso refere-se
a um faci passado ha mais de trinta dias, e por
consegrante dependente de memoria e remincen-
cia, qne bem lhe pode ter falhado nessa occasiao, i sa pj|a| ,j0 nanco 0 Brasi.
independcnle de sua vonlade, e que ainda nao puz Candido Baptista de Oiiveira.
nem pooho em duvida. ^___ ..
E' corlamente devido essa fragilidade de remi- nBSBSBBB----.....
nicencia que o Sr. Dr. Cardoso, lembrando-se de
ler lido alguns trochos daquelle relatorio na occa-
siao, em qne perante todos os collegas confeceioua-
va o a mesma commissao, nao se recorda agora de
sua apreseniaco na mesma sessao, o da mesma
forma por que foi tratada a deraissao dos dous co-
bradores. Esta circunstancia, pois, de lembrar-se
00 nao ler sido lido em srsxo, de lo pequea
importancia, que nao vale a pena delta nos oceu-
parmos, visto que foi lido pelo mesmo Sr. Dr. (lar-
doso guando se confeccianuca.
CORRESPONDENCIAS.
Srs. reductores. Na Revista Diario do dia 16
de agosto noticiaran] VV. SS. o lurlo de um tran-
celiin, um allioete e tres pulseiras, ludo de ouro,
que me foi feito pelo preto Francisco, escravo do
Sr. Joo Leile Kodovalho, e por essa occasiao dis-
serant ser a sua apprehenso devida actividade
do subdelegado da freguezia do P050 : contra a vo-
, raridade, porm dessa noticia appareceuno Diario
Tambem nolou o Sr. Dr. Lardoso, que semelhan- lie Pernambuco de ib do mesmo mez urn coiumii-
te relatorio tivesse sido publicado, som (jue previa-1 ncado asS|gnado pelo-Matuto do Arraialalle-
menle o consultassem I I Perniitla-me aqu obser- g,.,nc|0 que a appanro desses objectos era devida
var, que depois da oceurrencia daquelle fado, que
deu cabimento esse relatarlo, S. S. mostrou se re-
servado para eomigo, e nao sei se igualmente para
cora os mais companheiros, acerca das deliberacoes
que tevo conheciinento.
Nao sendo porm possivel que semelhante convi-
te fosse ondereoado individualmente lodas as se-
nhoras e cavalheiros, nao s por falta de lempo,
como e principalmente por se ignorar seus nomes,
a mesma junla e commissao se prevalecen) do ni-
co meio que Ihes resla, para fazer ehegar pre-
senca de todos os habitantes desta capital as mes-
mas supplicas, como se especialmente e a cada um
de per si as tivesse dirigido, pedinduque sedigoem
enviar qualquer offerla, que ser recebida com o
maior reeoohecmeuto, como obulo de caridade.
Recife 3 de setembro de 1801.
Joaquim Ferreira. Mandes Guimares.
Io secretario.
A presentamos para juiz de paz de Santo Anto-
nio o Sr. commendador Amonio Joaquim d Mel-
lo, se se quer intelligencta, servico, representa-
gao de pessoa, patriotismo e desiuteresse ; fallan-
do desapaixonadameute.
Para julzes de paz da freguezia
de Manto Antonio.
Capitao Luiz Cosario do Reg.
Capitao Antonio Augusto da Fonseca.
Capitio Flix Francisco de Sonza Magalhaes.
Tenenlt-coronel Manoel Camello Pessoa,
Para vereadores.
Proprietario Francisco Accioli de Gouveia
Lins.
Teenle-coronel Fernando Francisco de
Agriar Montairoio, agricultor.
Dr. Joao Jos Pinto Jnior, lente e advo-
gado.
Dr. Joao Maria Seve, medico.
Tendo a cmara municipal desta cidade de
proceder no da 10 do correule a apuracao geral
de votos para um sanador por es'a provincia afim
de preencher a vaga deixada no senado pelo fal-
lecimento do Exm. conselheiro Francisco Xavier
Paes Brrelo, convida, conforme determina a ulti-
na parle doart. 85 cap. 3'' da lei n. 387 de 19 de
agosto de 1846, aos cidadaos que quizerem assistir
a dita apuracao.
Paco da cmara municipal do Recife em sessao
d 5 de setembro de 1864.
Manoel Joaquim do llego e Albuquerque,
P. presidente.
Francisco Canuto da lioaviagem,
Secretaria.
O Dr. Tristo de Alencar Araripc, official da impe-
rial ordem da Rosa, e juiz de direito especial do
commercio, por S. M. Imperial e Constitucional
o Sr. Pedro II, a quem Deus guarde, etc.
Paco saber aos que o presente edital vircm e del-
le noticia tverem, que por ete juizo pendem uns
autos de causa e materia de exeeueo de sentenca
como exequente Jos de Castro Guimares, e com
execotado Joo Sbalo do Escudeiro a qual prose-
guindo seus devidos termos se fizera penhora em
dinheiro pertencente ao referido executado. E sen-
do em publica audiencia que aos feilos e partes da-
va esle juizo pelo solicitador Frederico Chaves, pro-
curador que mostrou ser do exequente. me foi fei-
lo o requerimento constante do seguinte auloa-
menlo : anno do nac ment de Nosso Senhor Jess
Christo de 1861, aos 5 de setembro nesta cidade do
Recife, em publico audiencia que aos feitos o par-
tes dava o Dr. juiz especial do commercio Tristo
de Alencar Araripe, pelo solicitador Frederico Cha-
ves procurador que mostrou ser do exequente Jos
de Castro Guimares, fui acensado a ptnnora bita
em dinheiro pertencente ao executado Joo Sbalo
do Escudeiro, e requerido que ficassem asignados
os sois dias da lei e doz aos (redores inceilos, p;is-
sando-se os respectivos editaos, o que foi deferido.
Fiz o presente do prolocollo das audiencia que
juntei o mandado, rermo de penhora e proeuraco
que seguein : eu Manoel Silvino de Barros Falcao,
eserevente juramentado o escrevi, eu Manoel Mara
Rodrigues do Nascmento escrivo, o subscrevi. E
mais nada se contralla em dito auloamento aqui
transcripto.
E por forca do mesmo depoimento o indicado es-
crivo, fez passar o presento edital com o prazo de
dez dias, pelo qual chamo, cito e hei por citados os:
crcdores|incertus do mencionado executado, para que
dentro do referido prazo comparocam neste juizo
munidos de seus respectivos documentos, afim de
alogarem o qne for de direito sob pena de revelia.
E para que chegue ao conheciinento de quem in-
leressar possa, mandei pas publicado na forma do estylo. Recife, 6 de setem-
bro do anno do nascmento de Nosso Senhor Jess!
Christo de 1864, 43 da independencia do imperio
do Brasil.
Eu Manoel Mara Rodrigues do Nascmento, es
crivo o subscrevi.
Tristo de Alencar Araripe.
COMPANH1A PERNAMBUCANA
DE
?aveg:ico costeira a vapor.
liba de Fernando de .Noronha.
No dia li de setembro seguir
ao meio dia. um dos vapores da
Ikimpanhia para o presidio de
Fernando de Noronha, para onde
recebe carga at o dia 13. Encom-
mendas, passageiros e dinheiro a frete at s 10
horas do dia da sabida : esrriptorio no Forte do
Matlosn. 1.________________
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Navesaco eostaira vapor.
Parahyba, Natal, Hacio, Aracaty e Ceara.
No da 22 do corrente seguir
para os portos cima indicados
um dos vapores da Companhia
.Pernanibucana. Recebe carga at
'o dia 21. Eocommendas, passa-
geiros e dinheiro a frote at o dia da saluda s 3
horas da tarde : escriptorio no Forte do Mallos
n. 1._____________________________^___
COMPANHIA BRASILERA
DE
PAQUETES A VAPOR.
Dos portos do sul esperado
at o dia 14 do corrente, o vapor
Cruzeiro do Sul, commandante
Alcanforado, o qual depois da de-
mora do costume seguir para os
porlos do norte.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no dia de sua chegada, encommen-
das e dinheiro a frete at o dia da sahida as 2 ho-
ras : agencia, ra da Cruz n. 1, escriptorio de An-
tonio Luiz de Oiiveira Azevedo COMPANHIA BBASILEIBA
DE
PAQUETES A VAPOR
Dos portos do norlo espera-
do at o da 16 do correule o va-
SSi/l^^Ppr. Pwan, commandante o ca-
.-^clajSiil''1''1'''''' fragata Sania Barbara, o
' ..Ji33iffl9'|al depois da dein ira do costu-
me seguir para os portos do sul.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no dia de sua chegada: encom-
mendas e dinheiro a frete at o dia da sabida s 2
horas, agencia ra da Cruz n. I, escriptorio de
Antonio Luiz de Oiiveira Azevedo A C. _______
Para Lisboa
vai sahir at o dia 10 do corrente com a carga que
liver, o brigue porluguez Bella Figiteirense : quem
no mesme quizer carregar ou ir de passagem.di-
rija-se ao consignatario Euzebio Haphael Rabello,
ra da Cadeia n. bb, escriptorio.
Para o Aracaty
sahe com toda a brevidade a bem conhecida barca-
ea Maria Amelia para carga, trata-s na ra da
Cadeia n. 57. ou com o Sr. Quintal no trapiche do
algodo.
t far leilao de diversas obras de marcineiria nova
I e usadas, miudezas, crystaes, reiogios, pianos e
outros muitos artigas d gosto.
Noarmazem ra da Cadeia 11. 48, dar prin-
(tipio o leilao s 11 horas.
De
Segunda-feira 12 de setembro.
O agente Piolo far leilao por conta do diver-
sos de urna pela crioula de 17 annos de dado,
urna dita de 18 a 20 annos, as quaes cosinbam e
engommam, um preto crioulo de 30 annos proprio
para o servico do campo : s ti horas do dia ci-
ma dito em frente a Associacio Coromerral.
LEILAO
M
l'ma casa terrea no Poco la
Panella.
Segunda-feira 12 de setembro.
O agente Pinto far leilao precedida a compe-
tente autorisacao, da casa terrea n. 4 dama di
Rio na povoacao do Poco da Panella, edificad;,
em chaos proprios a qual lorua-se recomraendada
! por ficar com a frente para o rio: s 11 1|2 horas
i do dia supradito era frente a Associaco Contrae]
.J.U.'.'A.-.U.L.
DECLA&ACOES.
as pessoas a quera o furto fOra feilo, por terem el-
las prendida o referido escravo no lugar Coquei-
ro ; e se bem que o proprio senhor do escravo j
restabelecesse a verdad<>, narrando o fado tal qual
que desejava e pretenda tomar ou propor a direc- se deo> com tudo corrt.me 0 dever de patentear
loria do Banco do Brasil, e por conseguinte nao de- af) nuhlico nua nenhuma narta ivp na annretunaSA .
via o,tranl,ar,.,ueeu con, igual reserva lamben,, aos^bjocms fumdS d A1U,U0 f00***' lW(ik-
tosse lomando algnmas piecaucoes sem Ih as com- te-curonel Joo Paulo Ferreira devo o me haverem eneilte-Coronel Justino Pereira de Faria,
muniear, o que certo nao significa ra por a ter o dito preto vendido a um barcacoiro! Maior Jos Anlonio de BritO Bastos, agri-
que seguio ao ponto de seu desuno. nti
Rogo, pois, VV.SS. so dignem publicar estas ,, ...; .
lnbas escripias por amor verdade, e para dar um -apilao LUIZ Lesat'io do RegO, proprietario.
lestcraunho do meu reconhecimento para com o Ur. Silvio Tarquinio Villas-Boas, medico.
Illm. Sr. tenente-coronel Joo Paulo Ferreira, dig- i ___
no subdelegado da freguezia do Poco.
Recife .1 de setembro de 1864.
Manoel Caetano de Siqueira.
duvida sua lealdade.
A lacnica resposta t nao vi dada pelo Sr. Ma-
noel Joo de Amorim carta que lhe dirigi o Sr.
Dr. Cardoso, e que foi impressa, nada provando
contra a existencia do faci principal, de ter eu
confiado a minha chave ao meu companheiro, ape-
nas revela o desejo de nao querer aquelle senhor
inlervr nessa questo, sem todava faltar ver-
dade.
Pela carta abaiso publicada do mesmo Sr. Amo-
rim, v-se claramente, que durante o lempo, em
que esleve no estabelecimento o mesmo senhor es-
perando que se tirasse dinheiro nos cofres, eu nao
me levantei e. nern sahi da sala, onde me achava
com o Sr. Dr. Cardoso, circunstancia essa, que
lambem nao foi e nem pode ser contestada pelo
mesmo Sr. Dr. Cardoso. Ora, sendo eu um dos
claviclanos, e tendo-se aberlo o cofre sem que eu
l fosse, evidente que havia eu confiado minha
chave a outro, o nao poda snppor, que o Sr. Dr.
Cardoso, perspicaz como nao tivesse visto ou co-
ndecido essa circunstancia !...
Assim, pois, parece-me fra de toda duvida, que
o Sr. Dr. Cardoso nao i>odia ser estranho ao faci
de haver eu confiado minha chave do cofre ao meu
companheiro no dia 29 de julho ultimo na occa-
siao, era que abi precison-se tirar dinheiro para
pagar aos Srs. Amorim Irmos.
Ainda na segunda afOrmaco, mostrou o Sr. Dr.
Cardoso a taquen de sua reraimceocia, asseve-
rando que uuuca presenciou e nem lhe constou,
que um director confiasse sua chave a outro para
abrir os cofres sem sna propria assislenciB. As-
sim, pois, nao querendo enumerar urna inmdade
de octasi"es, em que isso acontereu, liiitar-me-he
a exposeo do seguinte, que bem netavel, c deve
estar bem na lembranca de todos os directores*
thesoureiro, o mais eipregados do estabelecimento,
que o presenciarara.
No da 1- de jolho ultimo, em que f o devia pro-
ceder ao balanco mensa!, estando eu de semana
Srs. Redactores.E' dever de todo o homem apa-
rar-os golpes vibrados por mao traicoeira contra
sua reputaco, nunca posta em duvida. Se d'outro
d
Illm. Sr. Jos da Rocha Paranhos.Com a maior
sa tisfacao lauco mo da penna para lhe dirigir estas
linha>s em agradecimento ao proveito que tive do
uso que fiz do xarope acoolico de vellame, da sua
composicao, para que V. S. disto teoha coohecimen-
lo; e o respeilavel publico proveito. Desde 1858
que so [Tria as maiores dores rheumalicas, carapli
aso a que a opiniao publica te- cadas com o que a medicina denomina siphilis, e a
modo procede
nha, como verdadeiro, o que nao mias vezes um anno qn7son^o^lceraTnTg^u^ta\"'Da"
mais do que o effeilo da calumnia a conspirar con- quella poca para e sempre viv em uso de reme-
ta quem quer que seja, a cevar o seu odio, a por dios, de que nao lirei resultado algum a nao ser
em pratiea o pessimo costume da diffinnacao e do alivios momentaes, c lempos havia que de todo me
insulto. Sinlo, portanto, necessidade de destruir va impossibilitado de me levantar de urna cama
as impressoes desfavoraveis que por ventura soffrendo sempre tanto no vero, como no rigor do
possa ter dado lugar, ao menos no animo das pes- invern; persislindo porm no uso de remedios j
soast que me nao conhecem, o facto para o qual applicados pelos conhecedores da arle, j de outros
invoco loda a atlenco dos seus leitores. E' o se- que via annunciados nos jornaes cora apphraco
guinie : Tendo muito soffrido um cerco em mi- aos mens padecimentos, e destes um sem numero
nha casa pretexto de procurarse escravos per- continuando sempre a soffrer como rauitas pe*soas
tencentes ao Sr. coronel Joaquim (avalcante, de desta cidade sabem, e sao testemunlias de me ve-
Paulista, poso nenhum dei a isto por ter sido a or- rem andar na ra mais para morrer do que para
dem d um inspector de quarteirao d'oulra eomar- viver
ca, da em que eu morava, o qual, se tendo consti- Aconteceu que em abril deste anno as dores ata-
tuido meu gratuito tnimigo, quiz, por esse modo, caram-me de forma que levei dous mezes de cama,
ostentar seu grande podero. sem que me ppdesse sentar, pelo que tive occasiao
Entretanto, no da 29 do passado, foi novamente de desesperar da vida, taes eram os meus soffri-
cercada minha casa, de ordem do Sr. Dr. chfc de mentes. Neste lempo leudo o torio de Pernam-
polica e requerimento do Sr. coronel, em procu- buco, deparei com um aviso do xarope alcoolico
ra dos raesmos escravos; e porque tivesse iste lu- de vellame, manipulado em sua pharraacia li este
vrtudo d'ordem superier, devo urna satis-! aviso, e lomei-o como um aviso .de um anio-
. 11 n I > I i 4.1 i\ .' si ruin 1- \nl-ifi il .. <**--...-. -_! *- _>_________ .> "
gar em
faco ao publico, e o que venho de fazer.
Nascido de condicao humilde, vivo do trabalho
de meus bracos e'de nnus filhos, anhelando .so-
mente deiiar-lhes, em legado, nm nome honrado ;
, pude
a muito costo escrever a meu ftlho, que ento j
eslava nessa cidade, pedi-lhe que me mandasse
algumas garrafas arompanhadas das pilulas, mas
logo depois vi que nesta cidade j havia o xarope
Consulado provincial.
Pela mesa do consulado provincial se faz publi-
co aos devedores dos impcslos cobrados por lan-
eamento pertenceule ao exercicio lindo de 1863
1864, que no ultimo de setembro corrente finda-se I
o .praso marcado para o pagamento de seus deb-
tos, ficando sujeitos a seren execulados os que
nie pagarem at aquelle dia.
Mesa do consulado provincial de Pernambucs Io
de setembro de 1864.
Anlonio Carneiro Machado Rios.
Administrador.
CoDselha administrativo.
O conselho administrativo para fornecimento do
arsenal de guerra lem de comprar os objectos se-1
guintes :
Para a enfermara militar da Parahiba.
Daciade rame 1, bules de lou?a 7, barretes de
la 118, caldeiroes 4, cassarolas 2, caivete de
aparar penna 1, chicaras de louca 60, copos de vi-
dro para agua 12, ditos de dito pequeos para dar
remedio 6, calix 4, colheres para sopa 48, ditas
para cha 44, casticaes de latao 2, cobertores de laa
50, camisas de llaoella 14, colchdes 50, chaleiras
4, esptula de ferro 1, dita de osso 1, fogareiro de
ferro 1, facas e garfas 50, talha de barro 2, man-
tegueiras de louca 2, meias de la 14, ditas de
dita compridas 2 pares, mangotes 1 par, ourines
de louca 50, oleado para camas 2, pratos de louca I
180, pires de louca 5o, pedra de aliar 1, quartinha ;
de barro 7, raspadeira 1, rede de taparan 1, chi-
nellas 100 pares, travesseiros 50, candieiro de gaz
1, chita de coberta 600 novados, brira branco
1,083 varas, algodozinho 775 varas.
Quem quizer vender taes objectos aprsente a
sua proposta em carta fechada na secretaria do
conselho, s 10 horas da manha do dia 12 do cr-
reme.
Sala das sessoes do conselho administrativo para
fornecimento do arsenal de guerra, 5 de setembro
Para a Rio Crande do Sul segu em poucos
das o superior brigue brasileiro Sorpresa, de pri-
nieira marcha e classe : recebe ainda carga a fre-
tes commodos : a tratar com os consignatarios
Araarim 4 Irmos, na ra da Cruz n. 3.
Para o Aracaty
pretende seguir com milita brevidade o veleuo
hiate Dous Amigos, tem parte do seu carregamen-
to prompto : para o resto quo lhe falta, trata-fe
com o seu consignatario Antonio Luiz de Oiiveira
Azevedo A C, ra da Cruz n. i, ou com o capitao
Francisco Marlinsda Costa 110 trapiche do algodo
Para o Rio de Jaiieiro
pretende seguir com muila brevidade o vtleiro
brigue nacional Almirante, lera parle de seu car-
regamenio prompto : para o resto que lhe falta e
escravos a frete, para os quaes tem excellentes
commodos, Irata-so com os seus consignatarios An-
tonio Luiz de Oiiveira Azevedo i C, no seu es-
criptorio ra da Cruz n. 1.
Aracaty
Tem de sahir para o Araeaty al o meiado da
semana, com a carga que liver, o hiate Graciosa :
para carga a frete e passageiros traia-se na ra
da Madre de Dos n. 2, ou no trapiche do algodo.
cial.
LEILAO
os
l'ma casa terrea em Olinda.
Megnnda-felra I de setembro.
O agente Finio far leilao precedida a compe-
tente autorisacao de una casa porta e 2 janel-
las, edificada em chaos proprios, na esquina da
ra do Jogo da Bolla na cidade de Olinda, isto -.
11 1|2 horas do dia supradilo em frente a Asso-
ciaco Comraercial. Os preleudenles podero dcs-
de j examinaren! a dila casa.________
LEILAO
t) agente A Impida competentemente aulorisade
far leilao das dividas activas da massa fallida de
Novaes & C, sommandoem 187:4835200 rs.. poi
qualquer preco cima da offerla de 1 por cento.
Qtiin a-feira lo do emente ao
meio dia
Em seu escriptorio na ra da Cadeia n. 48, on-
de os pretendenies podem examinar a relaco -.
os respectivos ttulos.
Importante leilao
Como sejain :
1 piano forte com cadeira, 1 mobilia com 1 so-
f. 4 consolos2 1 mesa redonda, 2 cadeiras de bra-
cos, 2 ditas de balanco e 18 ditas de guarnico, ri-
cos jarros e vasos para flores, 2 candieiros de gaz.
1 excedente secretaria com O gavetas, 1 otante
envidracada eomescrivaninha,! mesa com forro de
panno p.ira advogados, 6 cadeiras de Jacaranda, 3
comraodas, 2 reiogios americanos, 1 cama france-
za de Jacaranda. 1 guarda louca envidracado. 2
grandes apparadores envidrando, 18 cadeiras, t-
mesas de differentes lmannos, 2 guarda vestidos,
Iguarda roupa e muitos outros objectos que esta-
rao paioutes ao exame dos concorrenles.
Sexta-feira 1(5 de setembro.
O desembargador D. Francisco Balthazar
Silveira lendo de retirar-se para a corte, fara lei-
lao per intervenrao do agente Pinto, dos movis
cima mencionados existentes na casa de sua re-
sidencia largo do Hospicio, primeiro sobrado ar
lado esquerdo.
AVISOS DIYEBS0S.
\
LEILOES.
LEILAO
DE
54 aeces da companhia Vigilante.
HOJE.
O agente Pinto fara leilao por conta de diversos
de 54 acedes da companhia VigMante em dous lo-
tes sendo o primeiro >ie 12 accoes a o segundo de
42 ditas, s 10 horas do dia cima em frente da
associaco comraercial. ______
de 1861.

Antonio Pedro de S Baireto,
cor onel-n residente.
Sebastiao Jos Basilio Pyrrho,
vogal secretario.
Pela administrado do correio se faz publico,
que as cartas abaixo mencionadas deixaram do se-
guir o seu destino por se acharem com sellos ser-
vidos.
Jos Targino Goncalves Fialho (2).
Manoel Duarte Vieira Jnior (2).
1 Acha-se depositado pela subdelegara do 1
districto da polica da freguezia da Boa-Vista, um
burro que na manha de 5 do crreme mez vaga-
va pela ra do Sebo quem se julgar c>m direito
ao mesmo, provando, Ibe ser entregue.
O subdelegado.
Queiroga.
LEIIAO
MOVEJS
Se\ta-feira 9 do correte s 10 horas.
CORDEIRO SIMES
autorisado pelo Sr. Antonio Jos Candido de Son-
za, que se retira para Europa, far leilao de to-
dos os movis existentes no sobrado di ra do
Cruz n. 30, terceiro andar, aonde ser effeetnado a
leilao
Gomo seja:
1 rica mobilia de Jacaranda Luiz XV cons-
tando de 12 cadeiras de gnarnicao, 2 ditas de-
braco, 2 de balanco, 1 sof, 2 consolos com tam-
pos de pedra, 1 mesa de meio de sala tambem
com lampo de pedra, 1 guarda vestido de amarei-
lo de raiz, 1 cama franceza de dito, 1 dita de fer-
ro, 1 mesa de amarellopara jantar. 1 banquinha'
1 mesa de pinho, 1 cabile, 1 banca redonda, I
O diminuto pre<;o de 5$ porque se assig-
na o nosso Diario, deve ser pago den tro-
de 15 dias, do comeco do trimestre, ou a
6)5 depois desta poca, devendo aquelles de
nossos signantes a quem nao agradaren!
estas condiges, avisar era tempo para Ihes-
ser suspensa a remessa, e assim poupa-
rem-nos contestacoes continuadas sobre o?
pagamentos, e identidade dos nossos cobra-
dores, como muitos allegan. A apresenta-
c5o de recibo por nos rubricados, deve ser-
vir aos assignantes de documento compro-
batorio da identidade dos cobradores que
sao diversos, alim de poderem conseguir
encontrar os nossos assignantes as horas-
vagas de suas oceupacoes.
Aos I0:0u$0()0.
Sexta-I'eira 16 do corrente mez, se ex-
trahir a ultima parte da segunda e pri-
meira da terceira lotera (108a) a beneOcio
do tbeatro de Santa Isabel, no consistorio
da igreja de Nossa Senhora do Rosario da
freguezia de Santo Antonio. ^
Os bilhetes, meios e quartos acbam-se
venda na respectiva thesouraria ra o
Crespo n. 15.
Os premios de 10:0000000 at 200000
serio pagos urna hora depois da extraeco
ats 4 horas da tarde, e os outros no dia
segmnte depois da distribuifo das lista.
Servindo de thesoureiro,
Jos Rodrigues d Sonza,
Ama ele lelte.
Offerece-se urna ama de leite, existente em Pao
d'Alho. a qnal 3justando.se, vena em 24 horas do
mesmo lugar: a tratar nesta typographia.
1




-

*i^
Diario de PeraaMbueo Hexi* Telr* 8 t \H em>i o 4e f *
Imiandaie acadmica
t *os*a Nenhors U Coo-
Ib*.
PiMrammaa resta
As 12 horas do da 10 do correte, sera aturan-
ciada por urna banda de msica marcial a lestivi-
dadeone lera locar da maneira segrate :
AV7 horas e meia da no.edo da 10, havera res-
peras e illiiminaeo no exterior do templo.
\o da 11 reunida a frmaodade, para o que sao
convidados todos os irmos, o nosso iriiwoollra.
Sr .padre D*. Manuel da Ota Honorato celebrara a
HSM nova, sendo acompanhado no eereme-
, do santo sacrificio pelo prosador da cape a
aerial o Rvd. Sr. padre ^no do Monte Carmello
na represeutaudo o Exm. e Rvm. Sr. arcebispo
m.w.uiano : oelo Rvm. conego Joaquiin rer-
sua mm tova, sendo acompanhado
nial
iBf
metropolitano; e pelo Rvm. conego Joaqu
reir dos Santos, representando o Exm. e Kvm.
Sr conego vigaro capitular desla diocese, sendo
paranympbos os lllms. Srs. Drs. conselhe.re Lou-
renco Triso de Loureiro, Vioeote Pereira do Reg
e Nicolao Hariery. .... ,i
A orehestra do Sr. padre Primo, dirigida pelo]
maestro Iouoeencio Suwllz acorapanhara a missa.
Tocaro, por occasio do Gloria, osdllnis. 5>rs. r
Tiro de AUiayde Lobo Hoscoso e o acadmico
Jos Vicente da Costa Bastos, e o maestro
teuber, este rabeca e aquelle flauta, e cantara um
olo o Sr. Manoel Pialo Bamaso; e bem assim se
iestribuir um fulhelo coalendo a memoria histri-
ca da devecao e fuudago da irmandade acadmi-
ca de. Nossa Senhora do Bjm Consellio.
Ser orador o Exm. e Rvm. Sr. raonsenhor co-
oego Joaquim Pinto de Campos.
Pelas 3 1|2 horas da Urde, a imagen da mesma
Padroeira sahr em procissao, e percorrera as
ras-.Campo das Princezas. ponte Nova, ra
d'Aurora, antiga ponte da Boa-Vista, ra Moa,
ra do Cibug, ra larga do Rosario, ra do
Queiinado, rui das Gruzes, travesa do uvidor,
6 ra do Imperador para reeolher-se, tendo sido
para este acto oavidaaas diversas irraandades,
enfraila* e ordens religiosas, que se espera se
diguem coinpaeeeer.
A's 7 lloras da noite BOjafcara o Te- Deum, sen-
do orador o Rvm. pregador da capella imperial j
rei Joaquim do Espirito Santo. j
Terminar c^m variadas pepas tocadas pela
mostea do nono balalho.
A mesa regedora da irmandade aproveita-se da i
ceasiao para pedir aos moradores das diversas
ras p >r oh le ten) de pjssar a protissao, o obse-
dio do limparem a tostada das suas casas, bem
orno aos m iradores da ra do Imperador, para
illuminarem as suas casas as miles dos das
10 e II do corrento, o que milito agradecer a ir-, |
mandad*'
0 IMPORTANTE ESTABELECIMENTO
A ra do Crespo n. 17
DE
JOS GOHES \HUB
Acaba de receber de Pars
O melhor sortiroenlo de fazendas de gosto para as Amas, eeakoras, para assim
continuar melhor na sua liquidacao de lazendas, o para ir a Europa o ais breve possi-
vel comprar um bello e variado sortiiueolo de mercaderas.
Capas pretas o que ha de melhor em Pars, casaeoes pretos, basquinas de cintura,
pelerinas, pelisses, soutembarques, jaqnetas prelas borladas para senhoras, jaquetas ^de
merinos de cores ricamente enfeiladas para senhoras, chapeos de palha bem enfeilados
para senhoras, moreantiques pretos, gros pretos, cassas organdys, cortes de organa>
com barra o que tem viudo de melhor de Pars, bretanhas de. linho, selectas de linlio,
bramantes, madapoloes, chitas de mullos gostos.
As sedinha* de quadros esto se acabando vende-se agora a '*200 o covado
que pechinena. .
Tapetes para forrar sala, s este estabeleciraento lein com 6 palmos de
23500 o covado ; aproveitem antes que se acabem.
senhoras
Club Pernambucano,
A reuna familiar da corrate m
ter lugar na naile dodia i 4.
A ma
O abaixo assignado leado arrematado Do-'
mingos Yaz da Costa Agr o engento Thome e di-I
versos cscravos, e tendo passado letras correspon- Quem precisar do uuia ama de leite. drija-se ao
denles renda total dos referidos bens, que se ha berro uo Hosario, loja do solirado n. :> ____
de lindar em mato de 1807, previne quo-mnpuein ----------------------------------------
alu^a-so a sa.aequa.es da pa, letraz ^^^'^T^^t^.{ "* <** ^ .
do prinieiro ..dar da casa n. 65 da ra do Impera-; "; *''^m> ndo "ido precnchldo, nao corre Prec.sa-se de urna ama de le.te que seja moca e
pnmna para esenp-! ^ Jgf^0 ]Zxo asonado, nao obs-, sad.a : na ra estrena do osario no- prtae.ro
| tante eaisrem em poder de Agr letras na imiwr-
i tancia de todo arrendamento.
Gonzalo Gomes de Sonza.
dor cocu vista para o passeio,
torio, e morada de possoa solteira
mesma.
a tratar na
! oh
tompaahla HaclIUade de
seguro DMrialnM* e ter-
restres stabeleeida no
IIio de Janeiro.
AfiKNTKS KM PKPNAHBUCO
Aulunin l.niz dr Oliteira Urtdo 4 C,
competentemente autorisados pela direc-
tora da cotnpanhia de seguros- Fidelida-
de, toma m se-pinis de anws, moreado-
rias e predios no seu escriplorio roa da
uz|flHMWaMffiMHaf
\M\ ne mte
r-! andar.
Cozinhrlr.i.
Prerisa-se de um coiinlieiro no collegio
i Joaquim, na ruados Coelbos n. g._________
de S.
Precisa-sc de urna ama de leitc que seja livre ou
captiva, porem moca e sada, agradando nao se
i duvida pagar bem : a tratar na ra da Cruz do
; Hecife n. 33.________________________________
] J A Semana lllustnida que
Acha-se fgido desde o da 7 de feverero
do
corrcntc'anno'o escravo de rtome Faustino, de ida
de de 40 annos, poneo mais ou menos, cor lula,
altura regular, grosso do corpo, bem espadnado.
se publica no Rio
de Janeiro todos os domingos,
de J. Falque, ra rio Crespo i
natura, trimestre65, semestre i 1-3, um uno MU- teiii a< 'pernas arqueadas. ,
N. B. Os assignantes da Semana mustiada te- Unl( L.ai.||0!i nos ((ttos, e columa quando quer
rao no lim deste anno um quadro com as retratos fa||ar m.il:i aprt.s?ad0 como que gagttejar, iiorem
^is, asslgna-se em casa ^iliado e i com alguns cabellos brancos na bar-
io n 4 ; pre?o da assig- ,ia ||raPns e pernas grossas e bastante cabelluda;-,
stre 115, um anuo 18. lei'n as ,K.rnas arqueadas, porm nao milito, nas-
lariiura a s? K^r^Tl^k!*Xnria Inia de onrires de larguia y -&acacada IndepeodeDcta, J_"iwb ifem-id.. nelos oronrietanos do lornal. J* ,. L nrfas>.e or eo,-tar de
Proiejam. Protejam i:vni;is
E o publico em geral a importante liquidacao de fazendas
da ra do Crespo numero 17
A loja

para o centro, e eons'i que elle esta em Grvala .
portanto roga-se s autoridades poticiaes que o a
'gain approhendrr c condnzi-lo casa nhor major Antonio da Silva Gusn.o, na ra Im-
: penal, em Pernamtoco, que salisar toda e qual-
quer despeza que por veutura fai;aiii, e aos capi-
taesde campo oflence una boa gratificacao.
Augusta n. ti. com
ROUPA FEITA
NO
AII1BH
DE
preciosas, assim como se faz quaque.r obra de en-
commenda, e todo e qpalgtier concert._______
Na Jivraria u. 6 e 8 da pra$a da Inde-
pundeocia existe urna carta de importancia
para o Sr. Antonio Feruandes Corredor.
Aiuga-se o sobrado amareJIo da Ponte de
Ucha, cencertado de aovo e pintado, sendo o si-
tio uiurado u optimus commodos para familia : a 1
traur ao largo ilo Paraiao n; 16.______________
Ha para alngar oqi primBro andar um ler-1
ceiro dito com sota, ambos na ra do EiM-antaraen- i
to ; tuna loja na ra do Amonto e ma casa ter- |
rea na ra da Aleara : a.tratar cem Joao Rilieiro
Lopes, ra da Cadeia n. 33, laja_______________
iimanil; de aranemira de Nossa Senhe
ra de ti un CoisHh.
Em nomo da mesa regedora ronvido a tpdo< os
Srs. acadmicos aacompauhare.m a procissao rae
a mesa pretende apre,*entar aos Geis no dia II do
corrale s 3 1(2 horas da tarde.
J. Orreia de Araujo Jnior,
Secretario.
R14 DO IMPERA
MR X
">.
Av
aX
*
oD
muito fel-
se ac.abou
da Misen-
AOS KKOOO.000
Bilhetes garantidos
A* ra do Crespo n. 23 e c&sas do costume
O abano assignado vendeu nos seus
*s bilhetes garantidos da loteria que
Je estrahir a benecio da Santa Casa
morda os segalntes premios:
N. 631 meio bilhele com 10:0005000
N. I07i dous quartos com 9:000*000
N. 3088 dous quartos com 2:0005000
N. :i300 dous quartos com SOOfiOOO
N. 2994 meio blhete com 5005000
E oatraa moius da 2005, 1005, 405 e 205.
Os possnidores podem vir receber sem os des-
-on.os das leu na Casa da Fortuna ra do Cres-,
po n. 23. ,
Acham-se venda os da primeira parte da pn-
melra loteria da irmandade do Senhor Rom Je-
ss da Va-Sacra da Igreja da Sania Cruz desta
-idade, (piese extralur na sexta-fcira 9 do cor-
rente IIH'Z.
Precos.
Bilhetes inteiros..... 12500C
Meios......... 6*W0
Quartos........ 35000
Para as pessoas que comprarem
de 1005 para cima.
Bilhetes........ tlfOOO
Meios......... ;'*500
Quartos........ 25750
UBTBKXAO VERE. ^
Neste estabelecimento ha sempre um sortimento completo de reupa feita de ^
todas as qualidades, tambem se manda fazer por medida, vontade dos concor- ,
rentes para o que tem um dos melhores professores, assim como tambem tem um m
grande e variado sortimento de fazendas de todas as qualidades, para senhoras, W
homens e meninos.
Casacas de panno preto, 355 e 30^000 j Ditos de set.m preto^ .
Sobrecasacas dem, 304 e 250000 Ditos de ditos e seda branco,
61J
Precisarse alugar um moleque
ra do Ho>|cio n. 78. ^^^^^
a ir iiar ua
Manonl Martin* Fiiza
dad
Direita n. 54.
-sn M)5 a 0005 por urna eserava de meia
que seja sadia : quem liver, dirja-se ma
loja.
de
Peco emprestadas ou compro as cartas
Pitia Busto, por Fj. Joaquim do Amor Divino D d ^^,.3 prcla 5,5
Caneca, e o Astro da Lasilama, peridico de Li>- g Jw Ao ^^ ^ ^ R
tioa.Antonio Joaquim de Mello.
Paletos dem e de cores, 255,
205, 15,5 e......
Ditos de casemira, 205, 155,
12,5, 105 e......
Ditos de alpaca, 55, 45 e .
Ditos ditos pretos, 95, 75,
55, 45 e.....
Ditos de brim e ganga de co-
res, 45500, 45, 35500 e. .
Ditos branco de linho, 65, 55 e
Ditos de merino preto de cor-
d5o, 105, 75 e.....
Calcas de casemira preta, 125,
105, 85e......
Ditas de cores, 95, 85 e. .
Ditas de meia casemira de co-
res, 55000 e.....
Ditas de princeza e merino pre-
to de cordo, 45500 e. ,
Ditas de brim branco e de co-
res, 55, 45500, 45 e .
Ditas de ganga de cores, 35 e
Colletes de velludo preto e de
cores, 95 e.
e
Ditos de ditas de cores 55
45 e......
e.......
1050001 Ditos de gorgurao de seda
pretos e de cores, 65, 55 e
75000 Colletes de fustao e brim bran-
355001 co, 35500, 35 e ....
Seronlas de brim de linho,
35500! 25400 e ......
Ditas de algodSo, 15600 e. .
35000 Camisas de peitos de linho,
45000: 45.35e......
Ditas de madapolSo, 25500,
55000 25 e........
Chapos de massa, pretos fran-
75000 cezes, 105, 95 e. .
75000 Ditos defltro, 55, 45,35500 e
! Ditos de sol, de seda, 125,
45000 115, 75 e......
Collarinhos de linho fino, ulti-
45000 ma moda dtizia. .
Sortimento completo de grava-
25500 tas.
25500 Toalhas parroslo, duzia, 115,
! e........
75000 Chapeos deso, de alpaca, pre-
450OO tos e de cores.....
Lencwes de bramante de linho.
355OO Cobertas de chita chineza.. .
CMKlSKiaKiaOj
di ande animen de tintas -..
Tem a venda : Nre]
1 Prodnrtos chimicosmedicinai-s os n?
tois importantes e.m medicina. ,-fg.
2. Productos chimicos e utensis WW
para photograpliia e mitras industrias. C}J
3. 'Vbdas as materias e ulensis Qfc
erapregada na i>iuinra a oleo e a col- ^j
la para pintores, tintureiros, euver- "%?
nsadores, douraderes e vidraceiros. Jh.
Joo Pedro das Nevos, .^sj
Gerente. dP
Olfcreoe-se urna ama de boa conducta para
casa de liomem soltero 011 de pouca familia
ra do Sebo n. 37, sobrado.
Ataga-se a casa da ra
grandes commodos e grande quintal : a tratar na
ra da Senzala, padaria n. W._________________
IVecsa-se de urna ama que saba coziabar,
e engommar : a tratar na ra da Ltngoela n. 10,
primeiro andar._____________________________
Precisa'
te.itia pratica
mero 2.
- de um menino para caixeiro que
do taberna : na ra do Alecrii nu-
ammM
o
o
1
y i *y ,-
Quem precisar deum mugo brasileim para qual-
quer arrumar-ao, dando flanea a sna conducta, sol-
tero, com 20 annos de idade, e escreve soffrivel,
pode annunciar por este Ihrrtn on deixar carta
lechada em casa do Sr. Jos dos Santos Neves na I
ra do Crespo, loja de faieudas, com as letras
F. A._______________________________
O escrivio de paz do primeiro distric- t-
to da regue/.ia de Sanio Antonio abaixo as-
signado mudou o sen cartorio da ra de S.
Francisco para a ra do Imperador no pri-
mt'i.ro andar da (uopiiedade n. 71.
O escrivao.
Joaquim da Silva llego.
Atteucao.
O abaixo assignado faz scientc a todos os cre-
Jores do Sr. Dr. Francisco Joao Cameiro da Lu-
ulia. que tem procuracao bstanlo do me.smo Sr. e
de sua senhora, Hofmina Puppe da Silva (.ar-
neiro da Cunha, para vender o seu engenbo d A-
rua, para pagamento dos mesmos seas credores,
puden lo desde a data deste annnnclo at realisar-se
Jita venda, lerem toda inforiiiac"i i do dito engo-
nh inania do Appnllo 0. 39, primeiro andar a
;|iialquer hora: declara mais o abaixo assignado
ne a hypotheca existente n i engenbo, nenbum
;:nliaraco pSe na dita venda, pois deaccordo
enmo possuidor da mesma hypotheca. Nao pre-
ciso fallar-se a respailo da honda le do engenbo, | horas da manliaa.
pois elle um dos melhores da provincia ; quem
pretender dito engenno. appareca quanto antes.
pois nao se pode demorar muito a venda. Recite, ^0 mesmo consultorio ha sempre o mais appropnailo
.. de setembro de 1851.
Antonio da Rocha Accioly Lins.
25000
15400 |
25500 1
15600 *
85500
25000 S
650 |
65000 9
65000 g
45000
35O00^
25500 g
toper.
Precisa-se de um bom copeiro estraogeiro
ra do Imperador o. 39, sobrado. ________
na
Fctor
Quer-se um houiem porluguez que seja casado,
para fetor em um engenno : na ra do Apollo
n. 43, primeiro andar, se dir.________________
9?

B
0
ce
3
>- W
-i o
SD P-
P-
O
CJi P-
s
~ 'P
=3 P
o
P
P-
o
N
P-
O
g
o
co
ro
fr
CO
p
p-
00
-i
C
P
^* ti_
ii ^
o ^*
o a
P P*
p-
PO
/- r-
o
~-t P-
>
<"0 ->
!-* <-
se ts
_
a
> "
o
<-t
-^

p-
so
JC
Prava da lnde|ieudeuria, luja u. 12.
Albino Bapista da Rocha, Portugus, relojooim
na e dourador, tem a honra de participar ao respeita-
vel publico desla cidadu, ou mesmo com especali-
dade aos seus amigos, que se arha com bija de re-
lojoeiro e dourador, loma qualquer concert por
' preco coiiimodo, e responsabilisa-se pelo seu ira-
pre.
balbo.
w S
Attcnt'o.
Na Boa-Vista, ru i de Joao Fernandes Vieira, u.
IR, precisa-se de 3003 a premio pelo tempo de .M'i.-
mi-7.es, dando-se por caralin um moleque do lt,
annos, e pudendo mesmo lie ir em poder dojijmo-
Ihecado._______________________________
__ Os abaixo assigoailos fasem scenle .to-res-
peitavel publico que lein justo e contratado com *
Sr. Joao Manoel da Cunha Araujo a compra da ta-
berna da ra larga do Rosario n. 31. livre e je-
. sembaracada. Recife > de setombrn de lHt>4.
Manoel de Araujo.
Juaquim Rodrigues da Costa S^^u^u^
CO
Est exposlo ao povo. na
Pilar o martjr S. Sabaslo da
da noile, por causa da epidemia
chigas. _______
igreja de N. fl<
[.117. i.<>i \\ tli^CH-
que reina, de^i-
Precisa-se alugar urna ama que saiba cos-
nhar, preferindo-se eserava : na ra da Impera-
tris n. 40. _________

.Na madrugada do dia t do r.orrente no lugar
denominado Pruperi comarca de Santo Anlao,
achando-se pernoitando o marchante rranciseo
llurlno Batinca Braga, em casa de Joao I aillo am
foi multado na quantia de 1:8603 o mesmo Braga,
gratica-se eora Oaja quem Ihe descobrir o au-
tor ou autores do dito Youboou a quem Ihe
signaes cerlos.
der
a "i 9 1 -i D Vi 1 B / 5 -i __ -i a u / c r 3 ai o 'i 0 90 > O O -5
- 0) 3 5 O- i 9 - E_ 3 3 -i c B s -1
O 5 en o v. P z 3 p GH > '.
o SJ -/i -I * 1
b<
Aluffu-se
povoacao do
urna grande casa 8 sitio confime a .
Moiueiro. a margem do ro Capiharitte, com boa
baxa de capim, e todos os commodos para urna
grande familia : a tratar na ra de Apollo n. 1,
segundo andar.___________________________
Precisa-se alugar urna perfeita engommadei-
ra e costureira, preferindo-se eserava: a tratar
em Santo Amaro, casa de C. S. Cambronne.
Fugio no 1." do frrenle n mnlato Francisco,
e.om os signaes segundes : reprsenla ter 14 ajo
annos de idade, secco do corno, calwca grande e
redonda, ua cora nina marca grande de ferid
sem cabello, alin de cunas mais peipienas, so-
brancelhas e faeps alias, nariz um tanto chalj
bocea grande, heleos estufados, espaduas larga
cintura lina com marcas rt- fogo al lima das a-
degas, |s grandes e chatos. Levuu chapeo de i'a-
llia grossa, camisa de laa escora e e ralea de algodao aul. Gratiflca-se tipm quem
o levar a sen senhor nesta cidade, ra Nova de
Sania Rita n. 35.
CONSULTORIO MEDICO-CIHIRGICO
DO
DR PEDRO DE ATTAHYDE LORO HOSCOSO,
MEDICO, PARTEO* K OPERADOR.
3 R\ia da Gloria, casa do Fimdao
O Dr. LoboMoscoso iliaa, edas 6 e meia s 8 Loras da Qoite, excepc'io dos das santiflcados
Pharmacia especial komeopaliica
iis appropriado sortimento de carteira;
tubos avulsos, assim como tinturas de varias dymnamisacoes e pelos preces seguales
Carteiras de 12 tubos grandes. 120000
t de 24 tubos grandes. 180000
de 36 tubos grandes. 240000
de 48 tubos grandes. ;iO0OOO
i de 60 tubos grandes. 350000
Prepara-se qualquer carteira conforme o pedido que se fizer, e com os remedios
dia's uteis dast que se pedir. .,,m
Um tubo avulso ou frasco de tfntura de meta onca 10 00.
Senda para cima de 12, custaro os precos establecidos para as carteiras.
Ha tubos mais pequeos cada um a 500 ris.
LITROS.
A melhor obra da homeopathia, o Manual de Medicina Homeopatbico do Dr.JMir.
dons graBdes volumes com diccionario............ InSn
Medicina domestica do Dr. Hering,........... f ^~
Repertorio do Dr. Melle Moraes............. Diccionario de termos de medicina .' ___ \ 'Tr
Os remedios deste estabelecimento sao por demats conhecidos e dispensara portan-
to de serem novamente recommendados as pessoas que quizerem osar de remedios ver
_ a~.a~u, Ko u,An Ar, melhor que se pode desejar, globos a>
conservacao, tintura dos mais acreditados
prepararlo, e portanto a maior ener-
Procuradoria
Pedro Alexandriuo d:i Costa Machado, solicita-
dor d.e causas ante os auditorios desla cidade, se
encarregada procuradura de qualquer causa rom-
meiejal, civil, criminal e eclesistica; aceita de
partido a procuradoria de qualquer casa conimer-
ei.il : pode ser procurado das 6 as !> horas da ma-
nhiia, edas 'i.is Oda larde, em casa de sua resi-
dencia na ra Imperial n. 124, sobrado ; O lora
dessas huras, na ra estrella do Rosario n. 31, es-
critorio do Dr. Affoiiso do Albuquerque Mello :
as quintas-foiras, porm, em Ipnjuea, e as sex-
las feiras no Cabo, em cojos foros eonlina a tra-
balbar romo d'anles. _________
Ao publico.
0 acadmico Antonio Jos l.ope- Puno declan
ao individuo que leve a au iaria de peigonlar-Hic
por esle D'my'h, mesada, que no lem sa!i*faccoes a dar-lhe. c ipie
se Ihe deve alguina cousa, riln e-la n u
ttente. Outrusim, declara ii"''
lo vergonlioso de asignar seu
gaiatadu pelo Diario ou jornal, sera
Usado.- Recife, 7 de setembro di
su tal individuo
nome, repetir a
respunsabi-
1864.
Avtonit Jos Lope* Filho.
__ Precisase de urna ama de leilf. sadi e sea
Ihos, pagase bem : a tratar na ra do Mondego
numero i2.
Preeisa-se de um cosinhe.ro,
!; ordenado, sendo perfeito na sua proli.-sao :
tel Trovador, ra larga do Rosario n. 44.
paga-se bom
no bo-
Precisa-se de nina ama Zorra ou eserava pa-
ra casa de pouca familia : na ma dos Pies nu-
mero 24.
Eswiplorio do advocada.
Os advogados Jos Ladislao Pereira da Silva,
Antonio Justino de Seuza, e Pedro Alfonso de
M.-llo, teem o seu escriptorio na ra do Livra-
menlo n. :t. I" andar, por cima do armazem lo
Ualiza, e ah poden ser procurados para os mys
.eres de sua prollsso .ttloi os
lloras da manhaa s :i da larde. ____________
Preeisa-se de um mojo para calieiro : na
-ru i do Rangel n. 0, que teuha pratica de piulara.
~"o DrTRociallaslos mudou a sua residencia
{.ara o caes Viole c ous de i'ovembro n. 30, por
cima do Bilhar dos Arcos._____________________
"^r"No_d7a_o do correte setembro de 1864 fugio
da casa de seu senhor, o escravo Herculano, pardo
escuro.com 3o annos, alto, cabellos carapinhos,
'ilhos e orelhas pequeas, foi com a barba raspada e
mesmo quando est grande tem apenas no queixo
-a usa enlao de bigode, pema e andar de quebra-
{iiaunue tendo o p esquerdo torto e sabido para
eSsfSS^doeElevonvSo^lSIl^Z^el^^^^ melhor^que;se.P^e^a^ gtobosde ver-
4
tuv _
ado de preto, suppSe-se andar aqu mesmo na ci-1 cerleza em seus effeitos.
^lade : quem o pegar leve-o a ra Direita n. 54,' *
que ser generosamente recompensado.
Dr. 5. A. Walbaum, eidad.o americano,
para Nova-Yink.
val
usa pela perna quando anda, levou vestido camisa ] Uducu us, vm giwo w .-------- .
chita parda e cai$a de castor salpicada de preto, dadeiro assucar de leite, notavets pela sua boa mm
cando na cabeca chapeo de palha igualmente pin- estabelecimentos europeos, a mais exacta e aecurada
. O Sr. acadmico A. J. L. F. anda nao rece-
ben a sua lao esperada mesada 1 Se j recaben
lembre-se do que affirmon em certa carta. S. S.
lem estado em ver navios desde o mez de mareo?
Ora petas Quem ci I nisso.__________
No dia" 1" de selenibro, pelas 6 horas da (ar-
de appareeeu no hotel do abaixo assignado, na
fre'guezade Jaboalo, um individuo que se miitu-
ava major Honorio Leite ,com ualolot do panno,
calca e colU-|e de casemira, chapeo do Chile, |>are-
rendo ser branco, e pedio hospedagem ale odja
segointe, pois que linha de es(mrar pelo eapitao
MigOOli de Santo Antao, com quem eslava justo
para aquelle encontr, atim do mesmo ir tomar
conla fle90 bois que elle tinl.a de receber do Ba-
rio de Vera-Cruz, de vulla da troca de urna fazen-
da que tinba feto eom o mesmo Barao, e do que
tnOStron ao abaixo assignado nina carta de nrdein
do mesmo Barao : nao lendo ate 7 horas do illa
seL'Unte apparecido o Sr. capitao Miguel, o mes-
mo individuo alugmi ao abaixo assignado um ra-
vallo mellado baa, idini a cauda curtas e prelas,
andador baixo, e bstanle carnudo, sellado e en-
freiado ; dizendo que ia Santo Antao em busca
do referido capilao. e que voltaria no mesmo da,
e como at o presente nao tenha voltado, o abaixo
assignado roga s autoridades policiaes a captura
de seu cavallo.Luiz Pereira do Mella.
Francisco Pin Ozoro contina a eol-
lo*-ar dentes artificiaos tanto por meio de
molas como pela pressad do ar, nao re-
cebe paga alguma sem ijiie as obras nao
fiqueiii a vontade de seus donos, tem pos
eoutras prepar.ie'ws as mais acreditadas
para conservacao da bocea.
HK
Precisa-se fallir ao Sr.
Teixeira de Mendonca Belera
graphia, ou na livraria ns.
Independencia.
Antonio Jos
nesta typo-
g DENTISTA DE PARS 1
s
Fogos de artificio da viuva
Rufino.
Nesta acredltadisslma fabrica recebem-se cu-
li o 8 da nrara da eommnlas de fogos de artificio para deno ou
u t o lid naya u fri(la prov,uciai garanlindo-se as i>essoas que se
dingirem este esiabelecimenlo acharem rennido>
os gostos a perfeicao nos arligos ah fabricados,
As encommendas "recebem-se no armazem da bola
amarella no oito da secretaria da polica._______
Casa de sade para escravos.
49Ra Nova19
Frederico Gautier, cirurgio dentista,
faz todas as operagoes de sua arte, e col-
loca dontes artificiaes, tudo com superio-
ridade e perfeicao, que as pessoas enten-
didas IUe reconnecem.
Tem agua e pos dentficio.
irfiandade do Senhor Dom Jess dos Recebe-se escravos para tratar de qualquer enfermidade ou fazer-se-lhe qualquer
s-assos no Recife. operaeo, para o que o annunciante julga-se sufficientemente habilitado.
Otratameoto o melhor possivel, tanto na parte alimentar, como na medica, e
funecionando a casa a mais de quatro annos, ha maltas pessoas de cojo concert se nao
pode duvidar, que pdem ser consultados por aquelles que desejarem mandar seus
doentes.
Paga-se 2j?000 por dia durante 60 das e d'ahi em diante l#500.
As operacoes serao previamente ajustadas, se nao se quizerem sujeitar aos presos
azoaveis que costuma pedir o annunciante.
Em nome da mesa regedora convido aos nossos
irmos para se reunirem na igreja do Corpo San-
4. uo dia il do correle, s 3 horas da tarde, para
aeompantar a procissao de M S. do Bom Conselho
Precisase de um rapaz de 14 a 16 annos,
ou um homem de 30 40 annos : a tratar na ra
.la Concordia, casa n. 38, das 3 horas em diante.
Do sitio Saraiti, freguetia de Tjucupapo,
: te .>' anuos, estatura regular, cor preta, ps um
wucoapalhetados, e alin destes signaes aprsenla
."i de j bem adiantada gravidez : quem a appro-
ne ider. pode leva-la ra da Boda n. '4, ou ao
atencionado sitio sett senhor:
__O Uaro de Vera-Cruz lendo no Diario de
ioie um annuoeio do 8r. Luir. Pereira de Mello, em
lile trata do furto de um cavallo feto por Honorio
a'eite que dimhaver-the comprado 50 bois, deca-'
Ta ser is ip^erlo. (! Henorio Lehe,
^0.1. elle nunca teve negocio nem den ordom al-:
pn para ser-lhe entregue gados, h cerlo que
t procurado por um individuo que se dizia ser o
...ajtr Manoel ioaqium Ferrara I^ite. etraz>a
.irt. do Sr. Joao Leite Ferreira, de Punco, em
.(ie queHe o trata va -per neto, e propunha com-
(.ra de fazendas de gados que. tem em Carins ; e
i..r4so den ao mesmo Man.tel Joaquim urna car-
11 para o administrador aquellas fazendas deixar
i ie elle as visse ; mas' nom elle niio leve nem
eratn negocio ahrnm.
... .
mW SOBTIMEMO DE FAZENDAS
0E
*1
Custodio, Carvalho & Gompanhia.
RA IlO ^VEIlflAllO
. FaLLEXCIA
DE
Jes ^arfttes dea Santos Agular k C.
Sao convidados todos os senhores credores da
masa fallida de Jos Marques des Santos Aguiar (\
G para comparecerem na sala das audiencias, as
II horas da manhaa dodia 10 do crrente, em que
ter lugar a reunio para se tratar do projecto de
concordata ou dn contrato de uniao._ Os senhores
credores qtio nao empa*rem serao considera-
dos como adherindo a qualquer concordata que for
apresentada. Recife 6 de setembro do 1804.
O procurador,
LeepoMo Ferreira Martins Hiheiro.
Viee-censuladn d Itcspanba.
Havendo fallecido o subdito hespanhol Benlo
Antonio C.outinho, sao convidados todos os seus
devedores e credores a apresitniarcm oeste viee-
ronsnlado os respectivos ttulos para proceder-se
liquidacao da seu espolio ______., ...
"~- Precisase de urna ama para coznhar ; na
ra do Rangel n. ftO. ___________
Acha-se justa e contratada a taberna da ma
estrella do Rosario n. 18 : quem se julgar com d-
reito mesma, drija-se ao pateo do Carmo n. 13.
Joao da Silva Hamos, medico pela Un
versidade de Coimbra, d consultas em
sua casa das 9 s 11 horas da manhaa, e
das 4 s 6 da Urde. Visita os doentes
eai suas casas regularmente as horas
para isso designadas, salvo os casos ur-
gentes, que serao soccerridos era qual-
quer occasiAo. D consultes aos pobres
que o procuraren, no hospital Pedro II,
aonde encontrado diariamente das 6
s 8 horas da manhaa.
Tem sua casa de sade regularmente
montada para receber qualquer doente,
anda mesmo os alienados, para o que
tem commodos apropriados e nella pra-
tica qualquer operado cirurgica.
Para a casa de sade.
Primeira classe 35000 diarios.
Segunda dita.... 2*800
Terceira dita.... 2*000
Este estabelecimento ja bem acredi-
tado pelos bons serviros que tem pres-
tado.
O proprietario espera que elle conti-
nu a merecer a contonea de que sem-
pre ten gozado.
__Alnga-se o segundo e lereeiro andares da ca-
sa da ra da Cruz n. 7. com mellos commodos pa-
ra familia : a iralar na mesma.________________
A viuva de Jacihtho Silvestre Vicente mudou
la sua residencia para o sobrado n. 1 silo i<> becro
Ido Abreu, que faz quina para o berra das Almas,
e ah contina com o mesmo estabelecimento de
' seu tinado marido, dando jamares para fora. e nes
I domingos e das santos llavera m.o de WC, tan-
to para encommendas como em sua casa, tudo por
: preeo eommodo e aceio : na mesma casa se preci-
' sa de uiua ama para o servido de casa e ra.
! mmmm wm mm mm
SS obr Carolino Francisco de Lima San- ^
^ tos, eonlina a residir na ra do Ira..... M
_j rador n. 17.2- andar, onde pode ser pro- SB
_M curado a qualquer hora do diae da noite >^
para o exercicio do sna pwflssao de me- ,1^
g dico ; sendo que os chamados, depofs de ^g
I
i
meio da at 4 horas da tarde, devem ser
deixados por escripto. O referido Dr.
nao abandonando nunca o estillo das
molestias do interior, prosegue, com o
maior aflJnco, no das mais difficeis e deli-
cadas operaces. como seiam dos ergaos
onrinarios, dos olhos, partos, etc.
9
Na ron estreita do Hosario 1.14
Advogado iTonso de Albu-
querque Mello,
pode ser procurado a qualquer hora ; as sextas-
] teiras, porm, na villa do Cabo.
Naqncs' sobre Portugal.

Pecas de ntremelos bordados a.l*.
Tiras bordadas a peca 2*.
Cobertas de chita a chineza a 2*200.
Lences de linho finos a 2*200.
Toalhas de linho para roaos duzia 1*. ______,. t-x\ t
Sapatos de tapete para meninos, senhoras e homens ?e!o barato preto de 1*HW o par.
Toalhas de linho pan mesa a 3*500 e 4*. ...
Baldes de arcos para senhoras a 3*.
Fil de linho liso vara 500 rs.
Grande sortimento de Uas para vestidos.
Superiores satas de fusilo para senhoras a o*. ^
4 tfPfi (*fl<) Alnga-se ou vende-se a oiara dos Coelbos n.;:
% *** y**v ^^ ^^ o fc Mwwel Scrra? eaes 9au na
IMi-ia-se *aber noti.ias do Sr Antonio Carlos frent(, fl(.;i eu, muj|0 bom local para quem quizer
- -U cidade- de Ainorim qu
ft. edjdcar, ou MNN
lie puriugiH, wmm, W /nndCaO
d.-abril de 1H1S, que foi do ivcolhimento dos de- ^r :
s-.mi*r* : q W**1 ** ***** s^ei* -rr~^-
de^e senhor. mr.ja.se rna da Cadeia n. SA A, Focisa-se de
que achara na quem falUr a nogoera ^ue
reepettoda sua turra waul.
" <>recisa-se alugar urna, ntsgrinba de 12 13
annos para servir de portas dentro a urna pe-
quena familia honesta : na ra da Palma n. 62.
para quem queirapr alguma
Pernamitueo'nobrliie poriuguec *_********, nTndico7aTraar na rua'Dirot n. U, retiuacao
abril de Ii6,que foi do recolh.mento dos de- dfl PranciC0 jos de Aratfjo,_________________ |
nm moleque para ser vico de
Ihediz casa de rapaz selleiro : no escriptorio da compa-,
! nhia Pernambuc.ana Precisa-se de um caixeiro quo tenha bastan-.
te prallra de pharmacia. eo,ne di fiador a sua con-.,
ducta : a tratar na rtw do Queimado n. 47.
0 abaixo assignado, antoris-ido pelo
Banco Mercantil Portuense. e na ausencia
do Sr. Joaquim da Silva Castro, saca cf-
fectivamente por todos ns paquetes sobre
as pracas de Lisboa e Porto, e raas lufa-
res do reino, por qualquer somma a vis-
ita, e a praso ; pudendo, os que tomarem
saques a praso.recherem vis:a, no mes-
mo Banco, descontando 4 |0 ao anno: na
loia de chapos da roa do Crespo n. 0. ou
na ra do Imperador n. 3, secundo an-
dar.Jos Joaquim da Costa Maia.
-
o


MMi
Dlai-U 4e Prr>iitkue ... *es* /ira 4c e(embr 4c 1C
pnbllcac* Iltterartla.
Sabio-i luz o opsculo intitulado
A LBERAOJE
NO
BRASIL
Alonso de Atbuqturque Mello
Convidanvse osassignantes.a mandaron receber
Perdeu-ae
urna ataca de casaca a qual ra de louea tendo
cada urna duas mocas pintadlas sendo encastuada
em ooro: pede-se 6 favor a quero a achoa entre-
ga-lanesta tvpographiaeu-'roa de Santa Bita n
lo, que-sera gratificado.________________________
Sant-Clalr
das ilbas ou os desierrados>na illia da Barra, ro-
niance digno de ser lido pelas senhoras por seus
lances dateressanles postes em execuco por urna
sendera, 3 volumes em breahura a i$ : a Jivra-
na ns.'i c 8 da praca darlndependoncia.
Precisa-se de orna criada livre ou escrava
seus execres na praga da Independencia ns Pu^^Sfetmam = raa ** *"
o.8, que sarao entregues.avista dos recibos das as- D< "fPI
signaturas ; ahi tambem estao expostos venda a
:i,5000 cada um. Sao sofc os seguintcs ttulos as
materias de que se occupa:
Introduceao.Nocaodaliberdade.-^Brasil co-, de Oluciaes de sapateiro pagando-se I600
lonia.Revoluco de 1817-A Independencia a; por cada, um solado taxiado : na ra lare*
constitulnteAconstiluicoA rovolucao de 1821. An nnconl/ r. 1.1 ;* .. k<; a* o.
-AexpulsaoouabdjcacSo.-Aregencu,Mvre.-0 J?,K0SaP, n- ,2' JUHt0 botica Sr.
partido regresssta.Ameaca dos corcundas e que-i ., 0.
da dos livres. A regenoia corcunda.Causa dos
males da regencia livre.-Begencia coscunda e
maioridade..Principios do reinado de D. Pedro.
Revolta de Minas e S. Paula.Dominio da Praia
Luzia.O dominio liberal cao inquietava os cor-
cundas.Feites do dominio liberal.-A praia eChi-
*o?Cr0scnaloria~A reV0rta e a revoluto de
1848 A conslituinte.-A eonslituintc.-ifierrota
da revoluco. egociaclo de Honorio cornos libe-
raes : traidores.Venda da bandeira da cons-
tituinte.- O partido liberal durante osquatorze an-
uos do chamado ostracisino. Os corcundas e os
liberaes durante osquatorzcaouos.Captiveiro re-
dignado e voluntario dos liberaes durante os.qua-
orzeannos.-O povo corcunda, ou os vermelhos e
os sabios.A sluaeo propriamente poltica. ins-
tituieoes livres, edireitos poWcos que tivemos
at o tim da regencia livre, e o que actualmente
temos em lugar delles.-Os representantes da aa-
cae e das provincias.Situaeao administrativa.
O qce sao nella os Portuguezes. Como o gover-
no obrigado a corromper o naiz e a fazer-ttie
serujre maior mal.Como se multiplica e se paga
a centella do governo para sastentar-se o impe-
rio carcunda. O procnsul.O procnsul da co-
rncea. Dos cargos, dos crimes e da puoicao.A
justica.Juizes municpaes.Juizes dedireito.-
Trbunaes.Os das Relaces.Tribunaes do Com-
Salsa parrilka de Ayer
PARA A CURA DA
ESCRFULA
odas as molestia*
proven lentes de la
todas as molestias da
pelle
Cfaerysipellag, (ameres, ulceras,
sarnas,
nascidas, empingens,
REUMATISMO
Iivro de orajes.
Veiide-se IGO res, -na livraria ns. 6 e<8
4a praf da Independencia, um livrinho cen-
tendo o seguinte : louvor a o santo nome de
tem, cora dos actos de amor de Deus, ora-
ches e peticoes, hymmao Espirito Santo, co-
rea do Senhor, aviso qualquer alma de-
vota, desengaos da vida humana, hyauo
de Santo Ambrozia Kossa Senbora, jacula-
torias ao Santissimo Sacramento, exercico-da
a-sacra, commemoraco Nossa Sentara
4o Carino e ao SS. Sacramento, directorio
f ara a oraco mental, 'dividido pelos diae da i
emana, obsequio ao coraco de Jess, sau-
dacoes devotas s dragas de Christo, ora-1
oes Nossa Senbora, S Jos, ao anje^a!
guarda, Deus em obsequio qualquer san-!
ato-e para a noute, e responso pelas almas
4o (purgatorio.
OiMPEJNlO DOLOROSO"
^jue eontem o oTcio 4e Nossa Senhora Bres; o modo de resar e offerecer a o-
A Hendi
O Vigilante esta alerta, nao (he era permitlido
deixar passar desapercebido sem que nao dsse o
seu canto, alira deannuoeiar ao respailan! publi-
ra, um setenario emais outros exerc oios 1g^.r" "ento de gaiantenas .de meibor
df ruedan p evntSn nrHpna^n Xi? P'? *roPr,a''"?nte para qualquer mimo, que ac-
aepeuaae eae\Ofao, ordenado pea ir- ba de chegar neste ultimo paquete, assim como
mandade dos servo* da mesma Senhora "
que se acha erecta na egreja de N. S. da
ftenba do imperial hospicio dos reveren-
dos padres missonarios apostlicos capti-
cbinbos italianos de *ernambuco, appro va-
do por S. M. I., que Deus guarde; dado
luz por devocSo 4o muito reverendo
padre Fr, Placido de Messina.
Vene-e a 320 rs. na livraria ns. 6 e 8
4a praca da Independencia.
SYPflULIS
em todas as suas formas, assim como lodo
o mal que provm do uso excessivo do
MERCURIO
L'lceraeo do ligado
CONSECHO
DE
muitos outros of.jectos que recebe por diversos na-
vios, tanto de sua conta como de consignaciio que
esta resolvido a vender por precos murto 'baratos
para vender muito e ganltw pouco, e dar extracao
I. NOVA
liqniaacao dtfazendas de llladcs na luja c armazn da Arara,
raa da 'mpeati-iz 11. 56, deLoureu-
cofensim Mendesfitimaraes.
tUcneao que se val principiar.
Vende-se pegas de panno de linho para lences,
toallus e seroulas, com i3 /i varas por 8*300 :
bnm liso por 500, 560.640 rs. a vara : na ra da
Imperatnz loja da Arara o. jo-, de Mendes Gnima-
raes.
A Arar ende sutembarqiit a lOfj e 120.
Vende-se soutembarques de liSazinhas enfeilados
a*V?M a-d,tos ,,re,os de grosdenaple fino
a *m>** e 2.j3 ; capas pretas ricamente enfeta-
fn a 2.j5 e 305; camisinhas para senhoras a t&
*f ; Bol'nBhas 2W, :J0 e 500 rs.; manguitos a 1
**) rs. e 15 : na ra da Imperatriz n. 36, loja da
Cortes de chita a 2,5400.
aY^d^se cortCiS de cni,as c"m 10 covados a
im ditas franeeza a 35200 ditos de cambraia
de^salpicos a 5o00 a peca, dita fina a 35500, 45
2r*Sn rua da lmPeratnz n. 56, loja da Arara, de
Mendes Guima-raes.
Itooaa feila barata.
t*muf 'se ')ali,ots Preto de panno a 165, I'*5,
125, 10 o 85, ditos de alpaka a 35 e 45, ditos de
Sff" ISS" a 25500' 35' 3*500 i ca'5s de brim a
25 e 25o00, ditas brancas a 35 e 35500 ; palitots
de caseinira de cores tinos a 105, 85 65. e 55 ;
seroulas a 2 camisas brancas a 25, 25500 e 35:
ni 1*111 do IninAK.,!.:. 1___.1 1__..
isso todas e as ineihores diligencias para quefi-|
Kices Nfta-Mn.
Cofre de muito gosto por
Cestinhas transparentes forradas de ma-
dreperola por
Lindas jardneiras.
Bjcos cofres com camapheu.
Lindas cauinhas com pedras brancas.
Lindo balo com calungas dentro, tam-
oem para joias.
LOJAI'EMIIJDEZSPiVAS.
16Rua do Queimad16
Euft'ilcs de cabera.
iAOrt',0S COnservadores pretos e de cores, a 800 o-
r!finid'l0S pre,os e de cres' com ,acof!' a ,*4*0
t 1 itfOUCi.
Ditos ditos de frocos deefires, a *5800i
Uitos ditos de cores com lagos e vidrilhos 9 2&
I'itos ditos de cres com Jacos e frocos a 25200.
ilos dilos com easearrillMs modernas a 25500..
Ditos ditos com cascarrillias e froees a 35000.
Cintos e firelas.
Untos modernos com fivelas douradas e de pe-
drinhas, a 25, 25500 e 35.
Bonitas fivelas douradas para cinto a 15280
Kiquissimas ditas com pedrinhas, a 25 e 25500.
Pitas e rascarriIbas.
Bonitas fitas de sarja e grosdenaples, prelas,
brancas e de todas as cres proprias para Jacos, de
. dedos de lareu> a 480, 800, 15600-e
VfOBU a vara.
Hiqussimas fitas de grosdenaples lavradasr
Pn a r?n1as ,? de todas as cores Parias para
tacos de 4, 5 e 6 dedos de largura, a 15300,23 e
so wj a vara.
Fitas de veludo preta e de cores, desde a mais
esireitinha ate 3 dedos de largura, a 100 120 140
JJ 200, 240, 320, 480, 600, 700,800; e l#00
Pecas

_.n^9 unos da,""l,saao vos preguen Tambalier para dita.
-economa-tura os pes II Esta parle do corpo' Cestinhas dia-;
humanoe porrto aquella que, neste clima, ne-: Cosmorama ditas
emsumma todos os manque tem ^\^^^AhS!^r^^%ime mioCremn ,
estas a perda da odee da vida 1 i! Fra'con, as | ttJ3!E$2mEm Jostos
Coronario da obra saquarema.-O "que "Tpa-1 ITOUIUSZA DO MANGUE i bot,nas J P* ^Ihos ; reforma-los a eos; so oo Vigilante, rua do Crespo n 7
tria. Situaeao para com o exterior.- Situaeao 1 t Um alterante poderoso para a 4ijUlft nirClt
financeira.-As Bnaacas do estado.-A miseria"- I RENOVACAO DO SANGUE Borzeguins franczs Dar homem
Pengo e sa|vamcnto dos corcundas.-A liga.- e para dar nova forp e vigor S^MSWSS^^Sv
Como se congregam os elementos para ella.Con-
ideracoes retrospectivas. A comtituinte. Prepa-
ros antecedentes.-Conciliacao e opposico parla-
mentar.-Monu a liga.-O'que sao os liberaes na
liga.Que bem faro os liberaes ao paiz.O pro-
gresso.Seus eitos.O que o progresso e que
tara.Como se deve vi ver nesta trra echegada
ao progresso.Porque o progresso s vem com-
pletar nossas desgracas e sem mais remedio.Se
ha salvacao para non qual seria o mcio e bem f-
cil. -Resumo. -A's cinco provincias pernambuca-
nas. Histrico e politka corcunda.De que pro-
vm a miseria. Como we corrompe na eleicao.A
restncaa da liberdade pardo progresso da'immo-
rahdade. Corollario.
Irmandade do Divino Espirito Sanio
creca no convento de S. Antonio do
Recife.
De ordem da mesa regedora convido a todos os
nossos irm.os para compareccrem no domingo
II do crreme pelas 3 horas da tarde, na igre-
ja do mesmo convento, afim do eneorporados
acompanhannos a procisso de N. S. do Bom
Con seibo
enfraijuecido pela doenca.
Vende-se na rua ireita ns. 12 e 76
Hospicio n. 40.
Vende-se em Petnambuco:
na pharmacia fraoeeza de
P. MAURER & C.
RUA NOVA N. 18.
Divino Espirito
'Consistorio da irmandade do
Santo, 6 de setembrs de 1864.
O secretario,
___________Joao Walfredo de Medeiros.
0 Dr. Rocka Bastos
pode ser procurado fas 7 horas da manhSa ao raeio
da, e das 3 horas da tarde em diante no
Caes 'i de .\ovembro u. SO.
iitos para senhora
; Ditos para menina
I Sapaloes esmaga cobra
I Ditos de Xa 11 tes de duas solas
I Ditos dito de sola e vira
Sapatos de borracha para senhoras
j Dilos de dita para meninos
Ditos de tapete para homens e
n heras a 800 e
Sapatos de lustre para senhora a
I Ditos para casa
Chinelas rasas do Porto
Colarinhos econmicos a 6i0 -1 duzia.
queui satisfeiios; islo s iw'GalToViiilaw.ruad'o! Ven3e-s clariuhos econmicos muito bem fei
Crespo n. 7. tos a 40 a duzia : na rua da Imperatnz n. 56, lo
ja da Arara.
KiAino 5.YSnde'84) 'mamante do puro linho a 25500 t
"**", 25800 a vara, tendo 10 a 12 palmos de largura
un brira brmeo ,ar:i cala a ,-50. W0 o 15600 a' d-3*s, (,t1C3S
!2iK2{" vara, dito pardo a 640, 800 rs., 15 e 15200 : na d"[rentef larguras a 15280, 15600 e 25.
22SS rua da Imperatriz n. 56, loja da Arara. ,l* "!"',,--
uuum Vende'"-s baloes americanos os melhores que
*"* jem viudo, de lodos os lmannos a 2-5240, 25500,
1^5000 ^'iuP e ^S,M: 90 Arara na rua da Imperatriz
1A000 "'
65000 As *"* d ^ra a 210 rs. o rovado.
65000 Vcndem-se laazinhas para vestidos de senhora a
65000 *w< -?20- S? e SW rs, o covado, ditas muito
tinas lisas 600 rs. o covado, ditas especiaes a 720
e pre- f W rS- C0VaJj : Da rua da Imperatriz n. 56,
I loja da Arara.
Chitas baratas a 210 rs.
, com bolcintas ao lado, a 105, 125 e 155, ditos sem Vendem-se chitas de cores (xas a 240 e 280 rs.,
65000 W8 I101*1" d ""no gosto, a 25500, 35, 35500 eoado, ditas francezas linas a 320, 360, 400 e
4*800 4#*0;. ........ 300 rs., o covado, dlas percalas a 560 e 600 rs. o
Arara,
corles
HitOS Millos
45800
25000
55000
55000
45OOO
15400
se-
Hicas flvellas avulsaspara sinto, o melhor que se covado : na rua da Imperatriz u. 56, loja da Ar;
pode encontrar, a 15500, 25, 25500 c 35 o par; A Arara vende madapoln barato a 6&00, coi
s no \ ig.lanie rua do Crespo n 7. de vestidos a Varia Fia a U. 1(:> e 18.
Ai-.n. 1 Caba,Ees stjnhas. Vende-se pecas de madanolSo de 24 jardas, de
Alo que ctiegaram as desejadas cestinhas ou ca- marcas finas n. 7 a 75, n. 2 a 85100 I- a 85/>00 ++
POSive a 25900, 35500, 45, 55, 75 e 105; so no dito fino carne de vacca a 65500, dito domestico a
15080 v 'g"anle. r"a do Crespo n. 7. 75, dito slcupira a 85, dito pao ferro a 95 a peca
15000
500
15(500
Ama de leite.
Precisa-se de urna boa ama de leite para urna
menina de 6 mezas : na rua do Imperador n. 65,
(POB CIMA DO BILHAR DOS ARCOS.)
De meio dia s 3 Jioras da Urde
N, 1 11 na da Cruz x. 18.
Cura radical e em poueos dias as molestias sy-
philiticas e as do apparelho genito-urinario.
Joaqaim Manoel Pereira Biteles, subdito por-
tuguez, retira-se para fra do imperio.________
xnu
Precisa-se de urna ama para comprar e cozinhar
para seis ou mais pessoas, e que saiba coziuhar o
l diario de urna casa, prefere-se escrava e pagase
bom salario : na rua do Livramento n. 22, loja de
fazundas.
primeiro andar.
= Aloga-se urna grande casa na Capunaa com
commodos para grande familia e muito fresca,
com frente para o rio Capibaribe : a tratar com o
Dr. Jo.- dos Santos Nanos de Oliveira, na rua da
Imperatriz n. 1.
Aloga-se urna casa com bons commodos e
Iresca, em sani'Anna de dentro : a tratar com o
solicitador .Manoel l.'jiz da Veiga. rua da Gloria
numero 94.
( O Dr. Cosme de S Pereira conti-
na a residir na rua da Cruz n. 53,
Io e andar, onde pode ser procu-
rado para o exercicio de sua jirofls-
so medica, e com espeelalidade
sobre o seguinte
ASPIIALTO
1 molestias
2o
3o
de olhos;
de peito :
ilos orgos geniti
urinarios.
Em seu escriptoro os doentes se-
ro examinados na ordem de suas
entradas comecando o trabalho pelos
doentes de ollios.
Dar consultas todos os dias d sj
6 as 10 da manha, menos nos do-
mingos.
Platicara toda e qualquer opera-
cao que jolgar conveniente para o
prompto restabeleeimento dos seus
doentes.
O asphalii.-ta Coelho de Almeida pode ser pro-
curado a travessa do Carino n. 10, loja, das 9 s
12 horas do dia, para os misteres de sua arte.
Precisa-.-o de um menino dos ltimos che-
; gados para eaixeirode urna taberna : no pateo do
Tergo n. 141.___________
Coafraria de Santa Rita de
Cassia.
Eni nome da mesa regedora convido a todos os
cbarissimos irmaos afim de reunidos em o dia It
do corrente, s 3 horas, acompanharmos a procis-
j sio de N. S. do Bom Conselho dos Acadmicos que
, tem de sahir do convento de S. Francisco dcsla ci-
; dade. Recife 9 de setembro de 1864.
Joao da Malta Beltrao.
! _^_______Secretario.
Attenciio
Pergunta-se ao Sr. E. B. de A. qaaodo faz tencao
I de pagar os 5501 que tomn emprestado em dias
j de fevereiro, prometiendo dar no tim do mea, e
! ate boje ainda nao pagon 1 Ao menos pague os
juros.
COMPRAS.
LOJA 1)0 IIEIJAFLOK.
Rua do Queiinado ns. 63 o 69.
Cintos donrados.
Sao chegados os lindos cintos bordados ouro
pelo barato preco de 25500 e 35000: no Beija-flor!
rua do Queimado ns. 63 e 69.
Fivellas para cintos.
Chegaram tambem ricas fivellas douradas e de
ac para cinios a 15000 e 15200 : no Beija-flor,
rua do Queimado ns. 63 e 69.
Pentes de lar taruga.
, Lindos pentes de tartaruga, gosto moderno, a
55200, 55500 e 6J000 : rua de Queimado ns
63 e 69.
Pentes de travessa.
Vendem-se pentes delravessa de novo gosto para
meninas a fc e 800 rs. : s no Beija-flor, rua do
Queimado ns. 63 e 69.
Pentes para alar cabellos.
Lindos pentes pequeos para atar cabellos, pro-
prios para se andar em casa a 400 e 500 rs. :
no Beija-flor, rua do Queimado us. 63 e 69.
lott's de madreperola.
Tendo recebido um variado sortimento dos'de-
sejados botdes para abertura de roupiio, vendem-
se a 400 rs. abotuadura : no Bejaflor, rua do
Queimado ns. 63 e 69.
Eufeites para scnboras.
Lindos enfeites modernas a 25000 e 25400
ditos de rede a 900 rs. : no Beija-flor, rua do
Queimado ns. 63 e 69.
Talberes para meninos.
Chegaram novas sortimentos de talberes para
meninos a 280 e 320 rs., ditos cabo de balance de
I um botao a 400 : as lojas do Beija-flor, ns. 63
e 69.
Lia para bordar.
Vende-se laa de superior qualidade e de lindas
cores a 65800 a libra : no Beija-flor, rua do Quei-
mado, ns. 63 c 69.
Papel de diversas qualidades.
.yjj!,lde"se PaPel de beira dourada pautado a
15200 c 15300 o pacote,ditossemserdouradoe ncm
paulado a 640, 800 e 5000 : no Beija-flor, rua do
Queimado ns. 63 e 69.
n e c '
tem 20 jardas: na rua da Imperatriz, loja. 56.
Gbalcs baratos a I -Mil)o.
Vende-se chales de laazinha a 15600 e 25, ditos
de meriu a 35, 45500, 65 c 75 : na rua da Im-
peratriz n. 56.
Corles de cairas a -I 600.
Vende-se cortes de calca para homem a 15600,
15800 e 2550O boa fazenda ; cortes de casemira de
Pentes.
Neste artigo tem um grande sortimento, tanto
para alizar como para atar cabello, os mais lindos
qoe se pode desejar, assim como de arregacar ca-
bello, tanto de borracha como de tartaruga cm en-
feites e sem elle para menina; s no Vigilante, rua
do Crespo n. 7.
Pentes
tambem chegaram os 1 iquissimos pentes de concha cores BnasTSf, 5*500 e75- casemira p^rapaitols!
de tartaruga e de massafina, que se vende por 25, calcas e coleles entestadas a 35 o covado : so na
Jfi e o#; so no \ giiante, rua do Crespo n. 7.
Leques.
Riquissimos leques de madreperola tanto para
senhoras como para meninas, pelo barato preco
de 125 e 145; s no Vigilante, rua do Crespo
loja da Arara, na rua da Imperatriz n. 56.
Casemiras para capa de senbora a 2$ e 3r>.
Vende-se casemira enfeslada propria para capas
para senhora a 25 e 35 o covado, tambem serve
para costnmes por ser de boa qualidade e lindas co-
res, vende-se a 25 e 35 o covado: na loja e arma-
zetn da Arara, na rua da Imperatriz n. 56.
A Arara vende as percalas a >G0 rs.
Vndese percalas finas para vestidos a 560 e
e
Mais leques
com pequeo defeito, leques de sndalo com pe-
queo defeito por barato preco de 85 e 105, chi-
nexes malto bonitos tambem, pelo barato preco de 600 rs. 5 chitas liancezas finas a 3C0 440 500
tyeo, bentarallos muilo bonitos, tambem por ba- 560 o covado : na rua da Imperatriz n 56'
BnrM(irf ti* ^SS 2* ^h, ''"""T 4rara vende as capas de |rosdenaple a 255 e 300.
um ** e 255 : na loja da A rara'
Mi
Ag
Antonio Luiz de Oliveira Aze-
vedo & C
eiiic- do Banco l niao do Porto.
Competentemente aulorisados sacam por todo
os paquetes sobre o mesmo Banco para o Porto s
Lisboa, e para as segnintes agencias.
Londres sobre Hanh of London.
Frederic S. Ballin & C.
Joao Gabe A Filho.
Francisco Rahoba & Ballisla.
Jaime Meric.
Crdito commercial.
Gonzalo Segoria.
M. Perera Y. Hijos.
Em Portugal.
Figueira.
Pars
Hamburgo
Barcellona
Madrid
Cdiz
Sevilha
Valencia
- Compra-se ouro e prata em obras velhas' VonAo anEnyelopcs, para carlas*
daga-se bem: na loja de bilhetes da praca da Inde : dilhrtnl lZ VTeS a WK* caixa'
pendencia n. 22. i aJt0 branc0s a 640 e 800 rs. : no Beija-flor, rua
------;.------------------------------------------------------ do Queimado ns. 63 e 69.
: na rua larga! Pentes dourados para atar.
Vende-se pentes dourados para atar cabellos a
15000, 15200, 25800 e 35000 : no Beija-flor, rua
do Queimado ns. 63 e 69.
Pentes para nrralas.
Vende-se lindos pmtinhos dourados com pedra
para marrafa a 15200 : no Beija-flor, rna do Quei-
mado ns. 63 e 69.
Sapatos de tranca.
Vende-se sapatos de tranca muito bons a 15500,
ditos de tapete a 15600 : no Beija-flor, rua do
Queimado ns. 63 e 69.
Balaios eom sabio.
Lindos balaios com 6 sabonetes de varias frnc-
tas a 25500 cada um : no Beija-flor, rua do
Queimado ns. 63 e 69.
as inesmas lojas se encontrar lindo sorti-
mento de perfumaras e variado sortimento de
do Rosario n. 10.
Compra-se eflectivamente
ouro e prata em obras velhas pagando-se bem :
na rua larga do Rosario n. 24, loja do ourives.
Compra-se cobre velho : na rua do Brum nu-
mero 78._________
Compram-se latas vasias de gaz : no arma-
zem da bola amarella no oito da secretaria de po-
lica.________
Comprase
jornaes para embrulho : na fabrica antlga de c-
garros, rua dosQuarteis n.21, paga-se bem.
Compra-se um escravo, que seja sadio e en-
tenda do officio de carpina : a tratar com Antonio
de Moura Rolim, a rua do Queimado n. 31.
Pulseras.
ndas pnlseiras de romas e de missnga cores
muito lindas e de muilo gosto a l| e 15200.'
Para segurar manyuitos.
> Tambem chegaram as liguinhas estreitinhas de
borracha que as senhoras tanto precisam para se-
gurar manguitos por ser muilo commodo e muito
barato, a 320 o par; s no Vigilante, rua do nres-
po n. 7.
Canelas.
Riquissimas canelas de madreperola proprias
para qualquer presente, pelo baratissinio preco de
I55OO e 25-
Sapatinbos e meias de seda.
Riquissimos sapalinhos de seda e de merino en-
feilados, assim como meiasziuhas de seda, gorrazi-
nhas e touquinhas para as cnancinhas se baptiza-
ran ; s no Vigilante, rua do Crespo n. 7.
Voltinbas.
Lindas voltinbas de perolas falsas com cruzinhas
fingindo brilhantcs, assim como cruzinhas avulsas
e voltinbas, pelo barato preco de 15 e 15200, as
cruzes avuls asa 400 rs.; s no Vigilante, rua do
Crespo n. 7.
Golinhas.
Riquissimas golinhas e manguitos, o melhor gos-
to possivel, a 25, 255OO e35;s no Vigilante,
rua do Crespo n. 7.
Eufeites para senhora.
Riquissimos enfeites com lago e sem lace e de
outros muitos gostos a 15, 15500 e 35 : s' no Vi-
gilante, rua do Crespo n. 7.
Trancelins.
Cassas francezas a 2S0 e 320 rs. o covado.
aoVenoa'se cassas francezas finas para vestidos a
280 e 320 rs. 0covado: na rua da Imperatriz n. 56.
Pecbiurba de lencos de seda a 800 rs. e 1 .
Vende-se lencos de seda pequeos a 800 rs.; di-
tos grandes a 1,5 ditos brincos com barra de co-
res a 200 rs. cada um meias eruas para homem a
25400, 35, '5e 55 a duzia ; ditas para senhora a
*5 e 55 a duzia : na rua da Imperatriz n. 56.
Colchas de damasco a i$.
Vende-se colchas de damasco para cama a 45,
ditas de fuslao a 55, ditas de chita a 25 ; ricas chi-
tas para cobertas a .120, 360 e 4( 0 rs., ditas aset-
nadas muito linas a 500 rs. o covado. ditas encar-
nadas a 500 rs. o covado : na rua da Imperatriz
n. 56, loja da Arara.
Tarlalaua de cores c branca a 800 rs. a vara.
Vende-se larlatana branca e de cores linas a 80d
rs. a vara, fil de linho a feOO rs. a vara : na rua
da Imperatriz loja e armazem da Arara, n. 56.
O proprietario da luja e armazem da Arara re-
co i.menda toda a alinelo aos Sis. fregueses que
mandeiD ver as amostras de tudas as fazendas que
annuncia, prometiendo vende-las por barato preco.
RIVAL SEM SEGDOT
Rua do Queimado n. 49 luja de miudezas de Jo-
s Bigodinlio, venbatn ver a pechincha que se est
acabando certas qualidades de fazenda.
Pecas de fitas elsticas com 10 varas a..
Ditas de tranca branca lisa com 10 varas.
Ditas de tranca preta lisa a............
Realejos para meninos, pechincha a...
Rodinha
d'Aze-
Amarantes.
Arcos de Val de
Vez.
Aveiro.
Barcellos.
Bastos.
Beja.
Braga.
Braganca.
Faro.
Oliveira
meis.
Penaflel.
Tavira.
Villa do Conde.
Villa Real de Vizeu.
S. Antonio. Faial.
No IMPBRIO.
Baha. Maranhao.
Rio de Janeiro. Para.
Qualquer somma prazo ou vista.podendo logo
os saques prazo serem descontados no mesmo
Banco a razao de 4 por cento ao anno : a tratar
na rua da Cruz n. 1.
H
Angra Terceira.
Caminha.
Caslello Branco.
Chaves.
Coimbra.
Covilhaa.
Elvas.
Extremos.
Evora.
Fafe.
Pinlial.
Porto-alegre.
Thomar.
Villa Nova
Porlmao.
do
Guarda.
Gnimares.
Lagoa.
Lagos.
La mego.
Leiria.
Honco.
Moncorva.
Regoa.
Setubal.
Vianna do
tello.
Villa Real.
Madeira.
S. Miguel.
Compra-se urna escrava moga que saiba fazer rniudezas que se tornara enfadonhe menciona-las,
o servico de urna casa de familia, e que essa tenha Prm afianca-se ser ludo bom e mais barato que
urna filha de dous tres annos de idade pouco em oulra qualquer parte,
mais ou menos : a tratar na travessa das Cruzes --------5-----Jr-------n=-----------rx--------
I Roa da Seuzalla Nova n. Al.
Neste estabelecimento vendem-se: tachas d
ferro coado libra a i 10 rs., idemde Lov
Ifoor Ubra a 120 rs.
n. 12, terceiro andar.
Compra-se urna taberna que seja em boa rua
ou entrase de soeio com cpial : quem quizer,
annuncie por este Diario.
TEHD1S.
Cas-
Cal de Lisboa.
Ha para vender a mais nova, e ltimamente che-
gada ao morcado, em bem acondicionados barris :
no armazem de Manoel Texeira Bastos, rua do
VEIVDEM-SE Trapiche n. 13, por prego razoaveL
as seguintes obras: Gmnier, Economa po- -------t> 1--------------------------:---------------
littca, 1 vol. por 2d000: Mackelriey, Direi-' INllaiOS tiQXfl llieUlUaS
to romano, 1 vol por 40 ; Du Caurmj,! W"dos balaios de varios gostos para meninas
Commentario do cdigo civil francez, 2 vol. !"Sm.? tMl S* enn,ra.na loia d<> Be>-
Lindos trancelins ue cabello para relogio ou lu- fIDnas co"' superiores alfinetes a.....
netas, pelo baratssimo preco de 15500, dilos de Va'*as J-"01"'superiores agulhas e limpas a
retroz a 200 rs. Jabonetes de familia, muito finos a 80 e..
l'.'iliadinliiK nMHh 1>ares de saPnlus delaa para enancas a..
m^^tS^SSL com lindos *'$ jabado do. Porto multo'bom a
desenhos tapados e transparentes, pelo baratssimo Dilas de bico nm ams ............
rWSSn f^ 2* C 3*5 S D V8lan,e' ^5 de S5SB ten,-,nai; de nie
rua ao urespo n. 7. garrafa a..........................
Lascarrilhas. Caixas com perfumaras muito bonitas a.
Grande sortimento de cascarrilhas de diversas Frascos de oleo de macaca muito fino a .
larguras, assim como galSozinho e trancinhas pro- Dilos de oleo de babosa* superior a 240
prias para enfeites; s no Vigilante, rua do Gres- 320, 400 e.........................
P n- 7. Ditos de cheiros muilo superiores em qua-
Fitas. lidade a...........................
Grande sortimenlo de filas de diversas larguras D!tos de- agua de colonia muito boa a___
e qualidades, por precos que admiram aos com- Ditos de dita dita grande a............
pradores, havendo fitas largas proprias para cin- Sabonetes de lodo o preco 60, 160, 200,
teiros que se pode vender a 300 rs. a vara, e peca 320 e.............................
de 9 varas a 25; s no Vigilante, rua do Crespo Frascos de superior banha a 320 e
n. 7.
240
100
60
120
20
20
160
00
160
100
320
.00
100
500
320
400
800
400
800
de fita branca de linho acolchoada para
de brum de vestido, a 160 e 320.
Pecas de lita de laa acolchoada, preta e de todas-
as cores, para debrum, a 800 rs.
Pecas de cascarrilha de seda de todas as cores e-
fferentes larguras a 15280, 15600 e 25
Fecas de cascarrilha de laa, cezenla, a 15000.
1 cas de tranca preta, lisa e de caracol, a 80. rs.
Pentes.
maBrraSaPSdUradS Cm pedrinhas Para
Ditos ditos sem ser dourados, de massa e tarta-
ruga, a i 5 e 25.
wmVmtt' pretos edccrosP"a re-
Ditos ditos dourados com pedrinhas dem, a 25.
Pentes de massa para atar cabello, proprio para
estar em casa, sendo com esmalte e sem elle dou-
aaS6T8S)Ue,50TS bal3; ^ ^
eabewo, Je)l,cha dourados Pequeninos, para alar
Ditos de taboa, dourados, a 15280.
Ditos ditos muito finos, a 35500 e 45
Ditos ditos com marrafas douradas, com pedri-
nhas linas e uvas, a 45 e 55. '
l50u0teS dC borracha ,,ara uesewbaracar, a 640 9
Ditos ditos de baleia e unicorne, a 320 e 640 r<
15280 "' dC L'sb0a Para pi0,h0' a '* e
SOo'-s5 d',0S de raar''" Para Pi0lh' a 400, 600
Ditos ditos pretos para ditos, a 400, 500 e600 rs.
tollas c pnlseiras.
Bonitasyol tas pretas graudes de coritas grandes.
a Mana Pa, a 15600 e 25.
Ditas ditas mais pequeas, cora cruz, a 720 r*
Ditas de coral, a 500 e 25.
Jilas ilo aljofares com cruz de pedrinhas, a i
Ditas de cenias de leite, brancas e de cores a"
720 rs. '
Bonitas pnlseiras de contas de leite, branca
azuesinhas e cor de bolla, a 720 rs.
W*s de aljofares de cres, contas gradas a
Ditas ditas de missnga, a 720 rs.
Perfumaras.
Pacotes de pos de arroz, a 400, 600, 700 e 900
res.
Sabonetes de familia, a 80, 160, 240, e 320 rs.
Ditos de bolla brancos e encarnados, a 400, o
040 rs.
Cosmetiques, a 100, 209. 300. 500, 800 e 15000.
Garrafas de legitima Agua Florida, a 15500.
nn 2!!inas e Ira 160 e 200 rs.
Ca.'adfn'seis rasquinlios de extractos finos.
a 1^000. '
Caixas com doze garraflnhas de extractos finos,
a I5440.
Balis com doze frasquinhos de extractos finos,
Faseos de sndalo, a 15000.
Frascos de oleo Philocome, a 7-20 e 15000.
Frascos de oleo de babosa, a 400, 500, e 640
, .a.SC0S de aKua de Colonia, a ilKl. 500, 800e
1 *>ouo.
moa008 de ba"ha francea,i a 'l00> SW fi00 e
1 2u?OS do exlia,',,,s I'""*, a 400, 600, 800 e
Garrafas grandes eom extractos
35, 45 e 55.
Papel e pennas.
Pacotes de papel amisade branco, e decores a
600 rs. ''
Caizinhas de papel pequeo azul paulado, a 640.
Caixinhas com cem envelopes brancos e azue<
a 600 rs.
Caizinhas com cem envelopes de cor adamasca-
da, a 640 rs.
Caizinhas de pennas de miiozinha, a 500 rs.
Caixinhas de pennas de hinca grandes e peque-
as, a 560 rs.
Uixinhas de peonas caligraphicas, a 15000.
Pedras de lousa para escrever. a 24o, 320, 400
e 480 rs.
Lapis azues ou encarnados^ a 100 rs.
Lapis de Uuas cores azul e encarnado, a 160 rs.
rrasquinhos de tinta azul ou encarnada, a 320 rs
Bulboes de tinta preta ingleza, a 120 e 160 rs
Duzias de ci ees de pedra, a 60 rs.
ion 'M d ''u"nas Jt lana Pequeas e grandes.
muito finos, a
Fitas de lia.
Fitas de laa de todas as qualidades, propria^ pa-
ra debrum de vestido a 700 rs. a peca; s no Vi-
gilante, rua do Crespo n. 7
Ritos esprnus.
Riquissimos espelhos com moldura douraJa e
sem ella de 85, 105, 125 e 145, assim como com
por 8)5000; Hacine, obras completas, 1 ti *--------CJ*
vol. por 80000; G. Mass, Diccionario do XtratOS 6 Sa 1)510
contencioso commercial, I vol. por 6(5;
Chabot de VAllier, commentario sobre suc-
cesses, I vol. por U; A. Arnaud, obras
wmm
O bacharel
Francisco AagasU da Cosa
ADVflfiAOO
Rua do Imperador numero 69.
eai-
j^for, rua do Queimado n. 63 e 69.
ein
xinhas
Lindas caixinhas com um cartao com a familia
frasco ou sa-
mperial, e dentro de cada caixa um
philost'phicas, i vol. por 2(; Samage-Har-l bHo o mais fino que c passivel: na loja do Beija-
Paulo Pinto da Fonseca e Spuza, subdito por-
tuguez, vai capital do imperio.
dy, creaco de bancos de deposito. 1 vol.
por 2#; Louis Blanc, organisacao do traba-
lho, i vol. por2)j(; na rua doCabug loja
n. 2 A.
vende-se bom gaz : na rua Formosan. 10, afllan-
ca-se a boa qnalidade.
Vendem-se duas negras, urna perfeila cozi-
nbera e engomma alguma cousa, e oulra boa qr-
tandeira : as Cinco Ponas n. 85._______
As vei-dadeiras brides le Ipojaca.
Vende-se na rua do Queimado n. 32, loja de
ferragens de Azevcdo & Irmos.
Flor rua do Queimado n. 63 e 69.
Caixas de p para limpar denles muito
fino a-............................
Ditos de banha transparente a..........
Pares de ligas muilo linas para senhora a
Sabonetes inglezes da melhor qualidade a
Frascos de agua dentrfice superior ga-
ranUda a.......................
abasos com 25 envelopes grandes azula-
celumnas de diiereteslmannos a 25,35745, 35 vra ,\'^.'."r.------ V........
: e 64 ^ 110 Violante- rna do fresno n 7 aras de fl,a Drc,a oom ^'cheles a.....
LMm *rll tam rrasC0s de n,aci"-'a ,"'rola mui, s"Perior
li.iuus jarros e agmas. Caixas com pennas grandes a .
Riquissimos jarros e figuras de porcelana fina, Grosas de botdes para calca preta miudos
para enfeite de sala, sendo o melhor gosto que aqu Libras de memento da roana de lavar a.
tem apparecido; so no Vigilante, rua do Crespo Garriris de retroz de lodas as cres e
n# | tem meia citara de retroz a.........
Para pos de arroz. Varas de bicos de diffcrentes larguras a
Riquissimos vasos com bonecla para pos de arroz, Tr------1------i-----------^---------------
cousa de muilo gosto a 15500 e 25, assim como V eil(Ul (le Pl'edlOS
pacotes s com os pos a 320 rs. cadaum: sno -*_ i *
Vigilante, rua do Crespo n. 7. ff paillClllai* OU MU leilao.
Perfumarias. | Vendem-se duas propnedades de casas conli-
Grande sortimenlo de extractos e banhas, poma- guas' de dou?andares *oilo, com grandes arma-
100
60
- .500
320
15000
100
100
200
200
100
200
200
60
das, assim como de lindos copos ou vasos com ds- ? upados actualmente P'wSr- Peliciano Jos
tinctivos e oflerecimentos as snhasnhas dos me- S*'para4 K^JZ afucar;s"03, n,a rua -de
Vndese um sitio no principio da lnores e mais afamados autores de Pars e Inglater- p- l0 n>- J* t ,% e,dlfic;',>s Pe'" .actual propne-
estrada de Joao de Barros, canto que] ra- *-s'm como os grandes copos de banha janoneza .""'tf0,'" opt"" al,cerfes- superiores madeiras,
volia para o Pombal, em enjo fundo a 2* c a 15, assim con outros objectos queTnao e *>> 1861, tendo ambos 52 palmos h-
lem de passar a nova rna, aberu pa-; Pss'vel por boje annunciar, e vista dos fregu- 2" Paredes df '? %os altos do de n.
ralella do Prncipe, tendo deste zes ** fartodo negocio; na loja do Gallo Vigilante, **A ? p5,meiro an modo tres faces proprias para edfleacoes, tem boa!rna do Crespn. 7. B compiimento osegundo andardo de n. .16 tem so- casa dos fre
casa de vivenda com quatro quartos dnas alas e I ~Tir ~ T'------------------------1---------------------men os e comPr"wn,. com un>,er-
espacosa rozinha, cacimba com boa agua de beber, MBClllIlftS Wfii deSCarOCa'
A largura do sitio de 238
Objectos diversos.
Dizias de faccase garios, a 35000.
Duzias de ditas cabo de balanca, a 65 e 65500
Duzias de colheres prattfedas para cha, a 25000.
W" de colheres prateadas para sopa, a
Escoras para denles, a 160, 320 e 480 r=.
Escovas para roupa, a SOOelJOOu.
Luvas brancas de algodao, a 160 rs.
Luvas de Escocia branca, finas, a 15000.
Luvas de Jouvin, a 1500o e 25500.
Bitoes de punho, a 160, 480, 15000 e 15500.
Ditos com as armas imperiaes, a 15600.
,,(oaftValio,ias coin la fe" Para senhora, a
15280.
Ditas de passador e de laco, a 640, 800 e 15280.
,"JNu,nnas de blonde enleitdas para crianca, a>
15600.
Touquinhas de setim para baptisado, a 25500.
Touquinhas de laa para menino, a 800 e 15000.
sapalinhos de merino bordados para baptisado.
a 15600 e 25000.
Sapatinhos de laa para menino, a 640, 800 e
15000.
Pecas de fitas de seda de todas as cores, a
320 rs.
Filas e cordes para enliar espartilho, a 80 rs.
Fitas com tres varas para ditos, a 160 rs.
Varas de aspas para balo, a 100 e 120 rs.
Oculosde aruiacao prateada, a 640 e 15000.
Ditos de armaco de ac, a 15000 e 15280.
Ditos de armaco dourada, a 15000 e 15500.
Varas de labyrinlho, grade desde um dedo al
seis de largura, a 100, 160, 200, 240, 320, 400 e
Varas de bico preto de linho desde um dedo alo-
sis de largura, a 100, 160, 200, 240, 320, 400 e
Varas de galao braneo lavrado, a 100 e 120 rs.
-rtle#.0.,rann!n'*simas Par;l nnhas e costaras
500,640,800, 15000 e 15280.
Duzias do botdes rolcos dourados, a 320 rs.
Estojos para barba com divisoes, a 35500-
Gaitas de borracha, a 120, 160 e 200rs.
Duzias de aunis de vidro, a 240 rs.
Ha llvros de amostras e levam-se os objectos
ealguns arvoredos. A largura do sitio de 238 nl^j* j j., V
palmos e fundo de 408 palmos; a largura da casa algOOOO (IOS lUaiS aCredltadOS
e de .31 palmse meio efundo 72 : a tratar rua ,,, i.^ / i i
do Crey n. 20 B, com Alvaro Augusto de Almei- I&On&LllteS: lia IUlldlCaO O
da,.oui j-ua do Sebo n. 43, de manhaa at s ""
tV*ras c .larde das 4 em diante.
race, e os armazens tem 340 palmos de compri-
ment cada um. tendo ambos tambem frente para
a rua do caes de Apollo, e o de n. 36 tambem para
a travessa do amigo porto das canoas: os preten-
dentes estes valiosos predios queiram drigir-se
ao seu proprietario Antonio Botelho Pinto de Mes-
Vendem-se saceos fetos para assocar, milho
ou feijao : em casa de Mills Lasharn & C, rua da
Croz n- 38.
o t> ai- |HU|iiiei.niii rtuioiiRi Duteniu runo ae Mes-
'iwwTnan, na do Brum n. 38.2SfDa rua da c.ad^d0 ^cfe "w seando
a^auuj ...-< wv ^" ulu JyJi andar mi an airenlp fllivAira*ia mmmi >m ea
andar, ou ao agente Oliveira ua mesma rua h. 62
Vende-se urna excedente armaco de amarel-
lo toda envidragada e um bom balcao proprio pa-
ra qualquer estabelecitnento, na rua da Impera-
triz n.6 : na mesma tem para vender urna grande
mesa de amarello propria para hotel.



i
-


Diarfo de l'eraaiatbuco Hexa felr* O de Setewbi de A4.
i
Ifl
L I11I If
Ull IIO Ol i:i VIA EMt W. 15.
Passand o beceo da Coigregaco segunda casa.
fimaorpiwi f^rp rr

NOV1DADE


Pereira Rocha d C. acabam de abrir na ra do Queimado n. i um armazem de molhados denominado Clarim Commer-
eial, onde o respeitavel publico encontrara sempre un completo sortimento dos memores gneros que vem ao nosso mercado os
quaes seao vendidos por precos muito resumidos como o respeitavel publico ver pela tabella abaixo mencioncda ; garante-se obom
peso e boa quaudade dos gneros comprados neste armazem.
Arroz do Maranhao, India e Java a 60, 80 e Peras seccas muito novas a 600 rs. a libra. Cevadinha de Franca muito superior a 220
100 rs. a libra, e 15800, 20600 e 3*000 Painco a 200 rs. a libra. rs. a libra.
a arroba.
Ameixas francezas em latas e em frascos a
10200 e 10600, e em frascos grandes a
200.
dem em caixinhas elegantemente enfeitadas
com ricas estambas no interior das caixas
a 10200, ItfiOO, 10600 c 2.
Amendoas oom casca muito novas a 280 rs.
a libra.
Aurista a 1<60 rs. a libra e a 40000 a arroba.
'Azeitc dftce francs mnito fino granees a 900 rs. a garrafa,
dem do Lisboa
Polvo secco muito novo a 400 rs. a libra. Cevada a 80 rs. a libra.
Presuntos de Lamego em calda de azeile e Emilias portuguesas a 040 rs. a lata.
muito novo a 6SO rs. | dem seccas muito novas a 200 rs. a libra.
Queijosflamengos do ultimo vapor a 2,5800 Figos de comadree doDouro em caixinhas
dem prato. de oito libras e canastrinhas de 1 arroba a
dem londrino cbegado no ultimo vapor a I800, 55500 e 280 rs. a libra.
900 rs. a libra. Farinba do Maranhao a 160 rs. a libra.
Sal refinado em frascos de vidro a 600 rs
Grande liquidado.
Ra da Emperatriz n. o.
Loja de fazemlas do Pavo de dama i Suva.
^11"!!* estd o*lallcimento completamente
sortido de tazendasinglezas, francezas, allemaas e
suissas, proprias tanto para a praVa como para o
matto, promeitendo vender-so mal*" barato do que
em outra qaal(|uer parle principalmente sendo em
porcao, e de todas as [aiedas do-sc as amostras,
deixando (car nenhor. ou mandam-se levar em
casa peto caixeirosda roja do Pavao.
As chitas do Pavo. '
Vendem-se chitas inglezas claras e escuras pelo
barato prego de 240, O e 280 rs. o covado, timas
seguras ; diias francezas de cores seguras a 320,
34t), 360, 400, 440, 460 e 500 rs. o covado, faz-inda
muito superior o bonitos padrees : so na loia do
Pavao.
Al luiniaft ila e\|iOsiro do Pavao.
Vendem-se lazinhas as mais modernas que
tem viudo ao mercado, proprias para vestidos e
soutembarques por seren lisas e de cores muito
delicadas 560o300rs.; ditas lisas com um lustre
que parece seda 640 rs. o covado, ditas com
quadnnhos de seda oOO rs. o covado, so para aca-
bar : na loja e armazem de Gama $ Silva, rua da
Impcratriz n. 60.
Os vestides do Pavo.
Vendem-se os mais modernos cortes de vestido
sewtibo:
-
N. 38
VAI FALLAR
rua do Livramento N.
(l>efi-on u it a \ e

da Igrja)
A II MA3B M
DE
k\
s
\\
\
Verdadciro c principal
OICBIflH IIO DA
Est em discusso a tabella dos precos que o BALIZA tem a honra de olio e-
de laa, que viera5"pelo ultimo vapr7 com ricas! cer ao respeitavel publico, tanto da ciaade como do centro
!.mrnr1f^?itr,.QTpD.h0 ,e culle,e sParad0 ? d',10.5!. Se por esta publjcacao qualquer um los mires collegas entender necossario
s^sf! fessiaSK tfs i ^tefts t *-* rdar ? sua,emeud?para Jorna!
outra qualquer parte, e se quizerem uma prova' do que se diz, mandem ver .i leja e armazem do Ciar O povo,
a6i0 rs. a garrota.
Aramia verdades-a demaiaraoa a 320 rs. a Vellas de carnauba pura a 300rs.aiibra.
libra.
Avelinas muito^randes e novas a 180 rs.
libra.
Bismutos ingiezes de diversas marcas a
It530rt rs,
Bolachinhas-de soda, latas-grandes, a 2|ts.|
a lata.
dem de trigo a 120 rs. a libra.
Genebra de Hollanda verdadeira marca VD
a 360 rs. o frasco e 6(31200 a frasqueira.
dem em garrafes de 3 e 3 galoes a 3)5300
e 7 #500 cada um com o garrafio.
[Grana a 100 rs. a lata e 15100 a duzia.
: Licores muito finos a 700 rs. a garrafa,
dem stearinas muito superiores a OCO rs. a dem, qualidade especial em garrafas muito
libra. | grandes, a 13800 a garrafa.
Higos em caixinhas -ermeticamente lacradas dem etn garrafas mais pequeas a 800 rs.
cQda^um.
Sardinhas de Nantes a 300 rs.
S?.g muito alvo e novo a 260 rs. a libra
Tuuijnho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tijolos de limpar facas a 140 rs.
dem inglesas muito no*as a 3000 a tarri-
quinhae a 200 rs. a libra.
Banha de porco relinada-a 440 rs. a libra e
em barril a 400 rs.
Cha hysson, huebin c perola a I 1600, 25,
21300, 2)800 e 35000 a libra.
dem pfeto muito superior a 25000 a libra.
Ccrvejfipreta e branca, Sas melhores marcas
qaevem ao mercado, a 300 rs. engarrafa
e 3S800 a duzia.
Hitgiii. ingle? fino a 00*1 rs. a garrafa.
<>>servas a 720 rs, o'rasco.
dem, -s de pepino, s 720 rs.
dem, s de azeiteaas, a 730 rs.
imanaos dos meliiorcs fabricantes da Baha
e especialmente ra fabrica imperial de
(tendido Ferreira.'Jorge da Cosa a I#800,
vOJO, 2,5200, 230, 2^00, 30000 e
3(5O0 a caixa.
4 afc do Rio muilfl superior a 80 e 320
rs. a libra e 8*500 a 85800 rs. a arroba.
a L>600.
Vinho do Porto engarrafado o melhor que
"a neste peero e de varias marcas, como
dem, in garrafa forma de pera e rolhas de
vidro, a i 000, so a garrafa vale o di-
nteiro.
sejam: Velho de 1813, Duque do Porto,! Manteiga inglcza perfeitamente flor, desem-
Aladeira, L). Pedro. Luiz I. .Mara Pa, barcada de pouco a 900 rs. a libra, e da
Bocage r.hamisso e oulros a 800, 900 e de segunda quattdade a 800 rs.
dem francez muito nova a 640 rs. a libra,
dem de tempero a 400 rs.
Maca de lomatesem barril a 480 rs, a libra.
dem em lata a 640 rs.
Marmelada imperial dos melbores oonservei-'
ros de Lisboa a 60) rs. a lata.
Pavao, rua da Imperatriz n. 60, de Gama 4 Silva.
Os vestidos liara Pia. So o Pavo (8^000).
Vendem-se os mais lindos vestidos Maria Pia :
de laazinha transparente cora listas, e palminhas
de seda pelo barato preco de 85 cada corte : s
na loja do Pavao rua da Imperatriz u. 60, do Ga-
ma & Silva.
As cassas do l'avao a 240, 280, 300, 320 e
360 rs.
S o Pavo vende as finisslmas cassas persianas
imitaco de la, com cores tixas, 360 rs. o co-
fado ; ditas francezas muito tinas 240, 280, 300
e 320 rs. o covado, isto para acabar : roa da
Imperatriz, loja de Gama & Silva.
Os mailapoles de Pavo
Vende-se peca de madapolao Infestado rom 12
jardas cada peca pelo barato preco de 4$, 4500 e
"i cada pe^a, fazenda muito superior : s o Pa-
vo rua da Imperatriz n. 30, notando que a peca
leva uma etiqueta com o Pavao pintado para nao
haver duvidas nem engaos : isto previne o Pa-
vao, de Gama 4 Silva.
Bramante de Iinlio do Pavo i
20, loo *<;oo.
Vende-se o melhor bramante de linho puro com
dez palmos de largura por preco muito commo-
do, por ter de acabar a factura, a vara por
25200, 254OO, e 25600 ; s o Pavao : rua da
Imperatriz 11. 60 de Gama & Silva.
Panno de linho do l'avo.
Vende-se panno de linho com 4 palmos de lar-
Amigo de vender barato o Bali/a nao expe a venda senao o> gneros bous.
Elle se julga no caso de vender lo mdicamente como oulro nao o exceder.
Soldado soprador toma o clarim
E firme como a rocha fica assiin.
Nao toques nesse pessimo instrumento
Do Baliza olha s o movimento,
I'J til que dos uliti-ados teas as eovas
lie tildo Tendedor de propria eonta
\o pasmes vendo eoiuo sohranceiro
lio regresso o Balita a ira affronta.
I#060a garrafa, cero caixa cota uma du-
zia 9^000 e 10>0)0.
dem em pipa, Porto, Lisboa e Figueira a
480. 500e 560 rs. a garrafa e 3,-, 30500
e i:> a caada,
dem bramoj Lisboa mwilo m a 500 rs.
acarrala Marrasnninlin do Tam tmetna *p*nAoa > gura proprio para lences e toalhas de mopelo i
idldX^nt \i0,i.- o e tii,-anl nn.1 lande, agara(sim; pre% de 6i, 720e 800 rs. avara, al-|,V-arutn verdadeira a 320 rs. a 'ibra. dem em botija a 360 e ioO rs. a botija.
e S00 s 'nr'r-ifi Tilm, S Hm rpa',,1,.- un .- ^?iD,w con! jl Palmos de la1I ProPrio! Arrea do Maranhao, .lava e do Penedo a NO. Graixa em lat s a 1-S2C0 a duzia.
l'il ^ 'flWOrs. dem regula, a oOO.M. para lencas, pelo baratissimo p.;eco de 15 a, vara, |00 |2Q ,, f 800 : Limonadas de diversas frucUs a 1,5000 0
du I Macas linas para sopa : estrellmha, pevide, i1^".',^0 tcm melnor a'fiodaozmho tanto em | agAA ^ 2800 j frasco.
Licores inglezese francezesa l->000, I $oC*
$6001 e 2-> a garrafa.
nuito ] Lingoas americanas a soo rs. cada urna,
proprias para memosear algucm, Linguicas promplas em latas a 1-V2C0 a la 1.
Vende-se peea de'algodLoho por ter um pe- -Amendoas em f^COS de vidro a I^OLO ^^^^^.fff^^.^
queno loque de avaria, mas que esta em Iwm es- fraSCO. I melllOr a 800 IS. 3 hbrae em barril a 700
tado, pelo barato proco de 45 e 45500 a peca ; so Alpisla a 109 rs. a libra e 3 i>*iO0 a arroba. I'S.
o Pavo : rua Ua Imperatriz u. 00 de Gama t Vzeite doce francez a 900 rs. a garrafa. dem mais ba va a ti O e 720 rs. a libra.
muito novos e pecase carnadas, "tanto" emorrOes^cmno:* D^SimS; pTs'sTvel a |S%i^m tmmmm do Pava* de 'Azeit,i de Ulm 3 40 ,,s" a 8arrafa e imQ] MaDt'
retalbo- 2-> c em caixao a 640 rs.
16200 rs. a caada. de cozioba 9 I -)"a lata,
Kirsk garrafas muito grandes a loSOO rs. Paliios de delites a 100 rs. o mwo.
Alm dos gneros cima mencionados te-, dem de denles a 120 rs.
raos grande porcSo de oulros que dcixamos dem de flor a 200 rs.
de mencionar, e pie ludo ser;' vendido por Amendoas confeitados a 000 rs. a libra.
\-
hem muito enfeilados a 700e 600 rs.
Cboisricas e paios'owiito novos 5 800 rs a
libra,
Quem comprar de 100?00i para cima te- Palitos do gas a 2;?200 a gre/a.
r o abate.ie 5 por cenia Passas muile .novas a 180 rs. -e libra.
RIVAL SE1 SEGUNDO ADEBEO08DEJI0SAIC0
KiM do Queimado n 49, est wndendo muito
.1 'izendas e imiS 1,-iraias,ijuwh-uizerpoder*
A apnia branca da rua doQuetado n. 8 rece-
baa bonitos aderecos de mosaico e tino dotirado. c
vir.vbr ou mandar para xperiraeautr, assiin como ost vendeudo por prero razoavel.
sejim :
ixUlintias minio finas para senhora a SOO rs.
Ditas e punhos de fastas multo bonitas a 640.
Carlas de altinete ; lodos os ta-
matihos a 80 rs.
Hesmas de papel de pese muito boia?. 25.
Capaehos redondos e OQCtpridos a VaX) rs.
i^iis;.-' com superiyres-oiiti'ias de ct'a e do nt,sa
.".-40 rs.
Fitas
para a rmandade do Bom Conseltio, c cartas de
liaehareis. Vende-se na loja da agula brama, rua
do Queimado n. 8
>< pses de sndalo, madrepero-
Ja. osso, etc.
Aaguia branca receben um 1 lio soi limento de
iMACIMS EPTEME
de ti-aftalliar i mo para
dettearo^ar algodo
FABBICAO&S
Por Pkit BrothCTs & C.
OLDAI
acanada. ea540e 360rs a libra em retalbo.
vendom-se os mais Sos e modernos gnarda- Azeitedoceemboi5escom9garrafasa^500MasMde tomates a 040 rs a libra.
apos econmicos -e todo linho, tanto para as casas | com o hoiao. I Marmelada muito nova a 0*0 rs. a libia.
de familia como para botis, wleqatns, ew. etc.,: Azcitonas por todo o preco. MolllOS mglezes a 400 e 040 rs. a garratmU.
pelo l..-|riiissimo preco .le 35 dusti, isto s na' Biscoitos inclezes de diversas marcas a I >300 Moslarda preparada a 400 c 64o rs. o fras 0.
da imperatr.z n. iA, de Gama I y ^ y^^ ,,,, ^p., |Mca, ^ lAl\m-m ,, a! ,
loja do/l'avo i rua
! & Silva.
Os soutembarques do Pavo
eViS.
Vendem-se os mais linos sostembarqnes que
teem viudo ao mercado, sendo oV. raxemira de co-
Bolacliinbas de soda, oval e lunch a 2^000 a 400 rs. a libra.
a lata com o libras, : dem finau em caixinhas a 3^000 1 caixiiii 1.
Bolacliinbas americanas em barricas com 261 Marrasquino de Zara verdadciro a loU j
ibras a 2^000. frasco.
t^deuSS BaHl,a de porco da melhor qualidade a 360 dem mais baixo a 800 rs. e l->000 orauo.
b- iii nut-, .iiiiui ii'! ico diimiKii'i preco de '5. so i-u 'ai;n. >. #...-. .....,. ,,.,, i .. t-nn
na loja dofavo, mas que se nao engaSem : a rua rs- a l,bra- I M,lll em N,C( as coni "' UI'IS ;l W,Q0- .
da Imperatriz n.ti, de Gama & Silva. Btalas em gigos e caixas por iodo o preco.; Prezunlo mglcz para fiambre vindo no ultimo
_ equi's de sndalo, madreperota e osso, sendo elles
Cond branco groase qae tem rnoUa applicacoa'^e***ersosin,,ldese variadas ores, inclusive a
preta -. acora, poifi,
anua 20 rs.
l.iulias 0 janias a iOrs.
Carios de linlia Pedro V om 200 jardas a 40 rs.
iirosas.de pennas de ac skuIo linas .". oOO rs.
Vanas ta franja de a.para vestido a AO rs,
Ditasde franja branca laega para toalias a 160 rs.
Pares de botoes de punbo a 120,320 eHOO rs.
Ilnteiro:. do vidro cu tinta a 160 rs.
, lein comparecer rom dinheiro
pdi! I;ni ecolher nm bonito loque, na rua do
Qaeimado laja da agoia branca n. 8.
C'akiJnhas para costura contras
con pcrfumaHas
, A loja da ajruia branca, onde ooostaatemente se
eadem essas bonils^ caixinhas eom.aaranjos para
costura, acba-se ain lum prvida por ter agora
ret'ebidoim bello solimento de ditas caixinhas :
Dil >s de barro com superior tinta a 100 rs.
rnsasd.! botoes de lauca puteado a 100 e a du- aseim como outras rom linas perfamafias por isso
rJ',*- rs' i(, ... 1M iqueinquizer fazer um bom prsenle, lonao dinhei-
iesoura-s ,-ara costura a t. JOO, -400 eJOOn. ( ro dirba-se a rua do ueimado loja daagu-ia bran-
fc.5covas para bmpar denles, sapenores a 200 rs. ca n. 8 que sera ben rvido
l.-inra de.ua para bordar da melhor quv.lidadc a
<5:>00.
1/oalbado do Pavo. Cal moido"a"l0,y>00 ou 8)000 a aroba.I vapor a 800rs. a libra.
Esf.3machinas Vende-se .panno de linbo adanase.ido proprio Caf superior a 7-v>00, 8-J00J e 80OO a dem mais ailtigO a G40 rs. a libra.
pcdemdcscarocar f^'a^dl^S^l5TSS^<^'l0\ arroba. Womdo Porlo a OiO rs. e sendo inteh<
aoalqoer esi)eciei,s- a Vd,a' KoaraaBapos de liotoo a ,3 a duzia, ;,i ,, ,, ... n
de alaedao sem <&>**** >a 55 cada duzia, na loja do Pavao,; Cba nesl .-e"ei' lemos Que ,,a 'lo iuelh-!. o)0 's- :l l,1)ra-
estragar o fio, ra da Impecateiz o. fift de Gama Silva. assim como lamben) lemos baixo pelos pre-jl'as>:;s novas a OO rs. a libra.
sendo bastante' K'so 4 Pavo (a 8|fSo). eos seguintes: i#400, 1600, l;>800. iPho a 160 rs. a libra.
duasposvoas para Quem tem balos por tal preco 20o. 2>00:\ 2,)8 4e?anr-xr nm YSZSPS baldes americanos mdito soperio- Charutosde todas as melbores e nones mar- Pomada a 210
e^arocar uma res com 20 e 2S arcos iwlo baratissimo preco de i
de algo- 25rW e 45. ditw-de 2o, 30 e 'o reos com filas.
caroco muo bem armados e tambera tem etres escuran |
arroba
do em
em 40 minutos, p,.|0 .barato preco de 35300 cada'um : nalola
ou 18 arrobas do Pavao.
perda oo 5 ar- Silva.
rotas-de algodSo 0 ;avjk VCHlk pl"lut.
Eta maahina I Veoe"se wperieraetJm da Clima, lateada
s as memores e peores mar- romana a -ni rs. a iin/ia.
cas do mercado a 800,1.-JOO0. l^dOO, 2, | Pimenta do reino a :J20 rs.
eixe nm latas a f:>uU a
UNO, 3^000, 10000,5(0000, 5^30066
o cento.
rua a Imperariz n. W), de (ama & Cbonricas as mais novas do mercado a 12.*
o barril com 1 arroba e 480 rs. a libra, a
ellas que pecbincha.
Pi
a libra.
la a, savel
Caixas de.phosphoros de seounanca a 160. hrfn'l ^ md
Caixas.e,pacotes de papel amfeade superior a 600
Boa tian para marear roapa. ,possaeas vantagensde ao destruir olio
Era maobina <**c-.se >upenor^e! 1111 ta China, fazeada tona CIni,-, ,1-it.. mnoifen a I sfHin,. I vonrt-
a nica /roe de laa-sem lustre leado 6 palmosd largara pro- Joco.lale nugnito al 5000 o 1*200 a
do Queimado li>ja-da agnia godao e de fazer reoder*q dobro de qualquer
MUC------------^ '" v*mw 1/, un/.- m l(ll|iUia IIIU- ( -i-i
do al-, Pri0 P'v;l siidos, capas, paletots, calca^ etc., JCerveja marea a mais acreditada que tem
r au- pelobaestssimoprecede 2,3.252(o, 2530035 vindo a :00 rs. a gnala, emeia garrafas
r-is.
Bous, bonitos e baratos.
Ca2aas com dOO envelopes muito linos a 800 rs.
Quadornos d papel (lequeno asteado a !0rs. a^uia branca tem a saiisfaeao de eominimiear
Cacnileis de linha Alexandre .cera 200 jardas a a *?* ,,"a fregwezia qoe lia chepado mais uma OC-
HO rs. casio de provar a sua lonvavel barateza, vsta
Baratras para voltareiea 240e4nai6 bnosa^OOrs. da boa qldade do objecio, por isso convido a
.M-'iadisde linfci frouxa para bordar a SOxs. l"',l,!i 'lue overcm dinheiro |ra .-e dirigiram
Pare, de Rpales de tranca d". loes os lamaohos r.ua do Queimado a. 8, luja da aguia bianea, afim
a liOi). de compraren) os oLjeclos seguiates :
1.rosade bol..de madrejieiia ir.uito finos a(50 Bonitos collarinhos bordados., e pnnhos com
ri& boloes, ludo por 1.j0.
Cariaseeaixas.de colchetes de superiores quai- Outr< lisogjmasd.'linbe etamt'incom boies,
por 15000.
Manguitos eom odiabas bordados por 25.
Ditos sollos por 15.
[abras de arela pretada melhor quaJidade a 130 ollinhas de cambraia bordadas, obra muito
r'-i>. : hoa, por 300 rs.
dades a 40 rs.
Massos de rampo^uperiores e limposaW rs.
(irosas d>'. ^alttos.de az a 25200.
por .120 rs. branca e pela.
Conservas inglezas a800rs. o irasco fazenda
chique.
tra com menos trabalho, a sua ntrodueeao para covado, -cassas preta* (isas,hilas pretas largas e
as provincias deste impone ser de mu(o valor e8,reilas,inangnitop,c8larwhes/punhosl e eafeiles,
para todos os interessados,na lavoura do paiz. tlio f'r.le PrPriu para lulo feeluido, e muitos ou-
Assim eem machinas ero ponto grande do mi*s- *PM ariigos que se veadem por preces mais era
mo systeroa/Maql serem mo?idas por animaes, con,a ia l:u'' em outra ijaajqner parle por estar dem francezas a 500 rs. o Irasco,
agua ou vapor, pas uaes podem descaroar 18 ar-: ^'(uidando ; na loja do l'avao i. na da Impera-! Cevadinha de Franca a iO rs. a libra
robas de algodao ampo por dia. n. W), defiama & Silva.
Oalgodaodescarocadopor esta machinas tem A percalas do Pavo.
muito maiseabmacao nos mercados de Europa e As mais lindas percalas une lera vindo ao nier-
vende-se por roaiorpreco.
preco. cado pelo nllnu, vapor tem iiu loja do Pavao polo
a machina* se achara a venda ura'camenie em barato preco defino rs. o covade ; ditas de lisli-
Caixas redoodas para rap e tem muito bonitos ca
langas a 100 rs.
Ditas de traspasa, lambem bordadas, igual-
mente linas a 15.
Lindas camisinhas com peito bordado, gollinhas,
maogoilos e grvalas, ludo por o5.
L'in grande sortimento de eutremeios mai lar-
gos o bonitos ; assim como tiras bordadas, o que
Vende-se va trocante por propriedades neta1
itxaca e seus suburbios, a metade do engenho Tii-
uraphante, sito aa barra do rio ('na, e freguezia do
mesmo nome, moeote, eom bom cercado, 12 aoi- ,
maes de roda, e uinenuio; assiin como duas S** *IZ' n f l^""' variando T
jKUMes em ama propriedade annexa, aonde tem ^m toAi o a^ *""
uma boa casa de tena na beira mar para se passar I a i,,,. '.'., ..
a testa,e mais de Mpade^mjoeiroddefrneto\hSMSULi*f .bra"cas de-fil' com
410VOS. Esta propriedade, alm dos melbores ter-: ^SSL\^S^^^J^ pr?r,0 para .s
fenos .possivei^ r. cana', algodao, e o mais, .era ?tifi^^^ m ^
Suasi um legoa de costa para plantacao de coquei- Rnnioa m5im*L h?,nt i- a ji J.
r-os. Alm di todo isto ten. um eteraordinario vi- do 'brdadelTS m '1DdS '
o, que cora uma pequea obra dar sem duvi-,'00S ***** Para "P"Wfc
unis latro em peixe do que qualquer por maior j T)\ trftwMfl (Aivaa Aa w iti'iOm n>i
quede a nMwma propriedade, eomo est ao alean- 1/*TJ Hila MidS \W VOTiXlaMi
ce de quera a vir. Quem souber apreciar, ver Jnj'iiaaJu
que eooi o iadpensavel trabalho e industriase 'KUUa'Ul.
lomar uma propriedade das mais bellas, e rendo- A Aguia Branca acaba de receber um bello sor-
sas por na aatureza, visto estar margem de i limento de amostras de diversas e bonitas obras
ameno* rio Una, e vista do azulado ocano que: de porcelana dourada, algumas das quaes por fna
lhe tica pelo naseente : quem o pretender dirija- novidade e bom gosto servem para o leilao no an-
e ao sea proprietario, o parocho da mesma fre-. niversario do Hospital Portuguez, e outras para
guezia, que ar todoo qualquer negocio pelos mo-, eofeites de mesa, etc. ; j se v pois quem ti ver
ivos que apresentar ao mesmo pretndeme, que dinheiro eila habilitado a comprar qualquer des-
nesta occasio poder negociar a safra presente, i las obras : na rua do Queimado, loja d'Aguia
-----------------r----------------TT-r-------z^ 1 Branca n. 8.
Una do Crispe, laja n. 20 B.
Alvaro Augusto de Almeida tem no seu eslabe-
ecim-'nto o mais lindo sortimento de fazendas que
tem vindo a este mercado, recebido pelo ultimo
paquete, como Ja riqtiissimos cortes de vestido
de_ verdadeira blondo cora todo< os pertences para
noivas, liados e importantes cortes de seda de co-
res, elegantes chapelinas de palha de Italia, de cre-
1 asa de
Saunders Brothers C.
X. II. pra^a do Corpo Manto
usara.
Os nicos agentes ae#te paiz.
Fumo imperial
nhas muito miudinlias proprias para vestidos e
roupdes de senhora-. meninos e meninas, pelo ba-
ratissimo preco de SO rs. o covado : garantem-se
as cores por serem do melhor fabricante que as
tem em Pars : isto na loja do Pava.) rua da Im-
peratriz n. 60, de Gama J Silva.
As hitas do l'avo 2# IOO e
SOO o corte.
Vendem-se
. podem-se dirigir
a fabrica a vapor de cigarros amiga rua dos Ouar- SVsSrtJT?. SSS8 Cum'"odos, a saber : 320,
teis de Polica n. 21. .iW,.m, 400, i y), 300 rs. o covado : na loja
rua da Imperatriz n. 60, de (Jama &
' Silva.
Champagne da melhor marca rjue aqui tem
vindo a t)> e 2$ o gigo.
Cognak inglez e francez a SOO rs. e 1OOO a
ga traa.
Cholas por lodo preco.
Copos lapidados que sempre se vendern) e
se vendem em muilas partes a 86 e 10-S,
vendemos a ofr'QO e 60OOO a duzia.
Copos para vinho a 3;)00i) a duzia.
Doces de calda viudos de Lisboa neste ultimo
vapor a 40 rs. a lata das melbores fi ur-
da Europa,
da goiaha e da casca o melhor que
possivel por diversos precos, e conforme
Rua da Sonzalla 11. 42.
Vende-se, t-m casa de S. P. Jolmston C,
sellins e silhes itiglezes, candieiros e casl-
olamanho doscaixes.
.w, jou, uu, wi, oOO rs. o covado : na loia do n n,n 1 .
Pavao rua da Imneratr n fio Ao i:J> El'vilhasem latas a 640rs. a lata.
dem seccas a 200 rs. a libra.
Os bordados do Pavao Espermacete americano a l#2O0 a libia.
Vendem-se camisinhas com manguitos e golli-
eaeshronzeados, lonas inelezas fio de vela a bord*das' 10 t!ar.at0 preco de 15 e 1*380
rhieniMnai-a^rrAL m 1 Teia cada nm, manguitos s 300 rs. cada par, ditos
COJCOiespai a un ros e montana, arreos para com golinha a 800 rs., galianas 400 e 480 rs., de
canos de um e dous cavallos, e relogios de fil a 24r<- a golinha bordada, rotneira de
ouro patente inglez. cassa de fil muito bem bordadas 2-3 cada
Aencao
! h V.en(le_se uma &&* teiu ha tres annos, asso*
pee de "dina, chales e raaoteletes de renda de gui-1 .*"!* Jla,parle, ^l detraz, em chaos proprios, na
pur, capas e outembarque
us de casemira, zuavos
co de seda e de la para
zen Jas de laa, linho e algodo, qne o mesmo ven- i J'*0^ f" cim\> tendo porto
der mais barato que qualquer ontro lado, coznhae mais quartos fra, cacimba, cim
quinta! de 328 palmos, parte murado, com arvores
de fracto : a fallar com Jos Goncalves Ferreira
Costa, em Santo Amaro, que nao s dar todos os
esclareejmentos como dir a p^soa oue pretende
vender.
dem raneez a.;>G0 rs. o masso com 6 velas.
Figos de comadre era caixinhas milito lindas
a 800 rs. a caixa.
Farinha de trigo a 120 e ISO rs a libra.
Farinha do Maranhao a 210 rs. a libra.
Fumo do Para a 1)5800 a lata grande.
j uma, manguilos que tama para calcinha de me-
: ninas 6i0 rs. cada par, camisa com manguitos e .
1 golas com a competente grvala de seda, fazenda rumo americano a llOO a libra,
fina, pelo barato prego de 35, e umitas outras: Fumo em macillllOS para sigari'OS
bordadas que se vendem por precos muilo em rs o maco
i uK, deGama "sllv **' rUa'da Imperalrz i P"eo em saa.s de 80 a 90 libras a
As roiipas do Pato Genebra de franja 11 o frasco.
Na loja do Passeio Publico n. 11, vendenj-se as Veiidc-se P"o preto lino muito superior pelo ; I(,tm l, Hollanda a 00 l s. o Irasco.
segrales fazendas, por menos do que em outra barat0 pre?" 2 2- 2*3 :{*. #50l>e 55, dito ,_______________________________
qualquer parte, chitas estreitas e tixas a 200 rs o rau" "no a e ** "ovado, casimira preta' de
covado, dita a 260, dita larga a 280, dita a 320 uma so larKura mello lina a 15800, 25 e I^SOO
dita a 360, dita a 400 rs., assim como outras fazen-'e il co.vado' corles du casimira de cores a 55,
das que s vista dos compradores, e tmbem se I ;>*S00 e casimiras enfestadas de uma s cor
PMHINCH4
vina, [largo e outros.
Papel ile peso a 2#000 a resma.
dem idein muilo lino a >000 o .'l^oOO.
dem marfm a >> 0,
, dem almasso a 3^1000, 3->500 e 4)000.
dem para embrnlho a 1f?200 a resma.
Palitos para denles macos com 20 maci
a 80, lo e 200 rs. o maco.
Paulos do gaz a 2;>O00a groza.
Queijos llamengos do ultimo vapor a 2-itiOO
dem londrino a 000 rs. a libra,
dem prato a (iO rs. a libra.
Hap Mearon a !>0o0 a libra.
Sag e sevadinha a 240c 80 rs. a libra.
Sardinhas de Nautesa iO, :JG0 e 300 rs a
lata.
Sabio massa a 120, 180, 00 e 240 rs ? '
libra, e em caixes por menos.
Sal retinado a 000 rs. o vazo (pote de vidro.)
Toucinhode Lisboa, de Sanios e ameritar;)
a 160, 20 e 32U rs. a libra e em arrot 1
a 5, 7, e 94IOOO.
Tijolos para limpar facas a 100 is eadaum.
Vinho do Pinto em ancoras com 70garrafas
n 30-SOOO.
Vinhos de Lisboa c Fl;;tieira qualidades uiag-
| nilicas a :>000, 34500 e IjOuO a cauada.
Vinho do Porto em pipa a o e t!;>0oo a caoad,'
Vinho blanco de Lisboa e Porlo em ancora ,
barris e pipas a i5000 e ."i5000 a caada.
Vinagre de Lisboa a |600 e 25000 a cana-
da.
Vinagre em garramos por I 300 com ogar-
ralao.
Vinagre em anco; as para l>600com aancei:*
de 9 caadas.
Vassouras americanas a 640 rs. cada una.
Vinho de Hordeaux neste genero temos graneo
porcao e das qualidades memores que lea
vindo ao nosso mercado em garrafas, cci
ancoras, em barris equartlas o qtial ven-
demos por procos muito baixos.
a 200
;1*:jO0
do as amostras doixando penhor.
Fariaba de andioca snperior,
em saceos grandes : vende Antonio Luiz de Olivei-
ra Azeveao i C. no seu escrlploro rua da Cruz
p. i.
proprias para caigas, paletots. coleles, capas e para
roupas de meninos a 35500 o covado, isto na loja
do Pavo a rua da Imperatriz 11. 60. de Gama &
Silva.
A 105000 a.'lata cora cinco galdes: no armazem
de loucaj, vidros, etc. : na rua do Crespo nume-
ro lo.
Vende-se o sitio da travessa do Remedio
rreguezia dos Afogados n. 21 : quem o pretender
entenda-se com o seu proprietario Caetano Pinto
de Veras na rua de 8. Francisco sobrado n. 10
3 mo qnem vai para a rua Bella.
UVROS
Charutos de Havana
de superior qualidade vendem-se em casa
de Schafleitlin A C, rua da Cruz n. 42.
Vendem-se na rua do Cabug n. 10 as seguintes
obras, por precos muito baratos :
Elogio dos ris, 1 volume.
Alexandre Hereulaao.
Annaes de D. Joao III, I volume.
Castilbo.
Escavagoes poticas, 1 volme.
Panorama, 8 tomos, 1 2' serie.
Atlas de Cortambert com Vi cartas coloridas.
Enipreza de illummacao <
gaz.
Todas as vendas de apparclhes e reclamares
(por escrplo dando o nonip, morada, data, etc. ,
devem ser teitas no armazem d.i rua do Imperador
n. 11. Os uiachimslas mandados para atleuder ,
estas, apresiitaro um livro (|ue os reclanian-
deveran assignar logo depois de prompto o servio
reclamado; isto para que
Fumo deGaranhuns.
Vende-se urna porcao de superior fumo verda-
deiramente de Garanhuns : na. rua do Queimado,
armazem n. 10.
Vende-se um molequo de idade de S anuos-
{crioulo : na rua Direita n. 3.
a empruza lique sclenK
I do baverem os inesmos senhores sido dovidaraeuio
Oeographia histrica universal, i vola, grandes, attendidos.
Miscellanes litteraires.
Code du comm. franc italien.
La Fontaine e toul les fabulisles.
Vende-se uma taberna sita na rua de Aguas-
> Verdes n. 48, bem afreguezada para a trra, pro-
tpria para principiante por ter poocofi fundo?.
Gomma
muito superior em barricas : vende Francisco 'o-
mes de Manos Jnior, na rua larga do Rosario nu-
mero 2i.
)






MM
^91
f
Ulirto m PeruBbBM Hc\ti felra 9 de *eembro > f t4.

ALLIANCA
NfiM CORAS NEM MITRAS
57 RA DO IMPERADOR 57
DE
Paulo Ferreira da Silva Jfc Companhia
Grande sortimento de moibados em grosso e a retalho. nico armazem que mais
vantagens offerece ao publico.
Desenganem-se todos.
-: o Alllamja o verdadeiro homem do progressso .
o .llliau^-a o verdadeiro e principal armazem de moibados.
o Alllan K Alllaaca o armazem que vende 03 melhores gneros.
o Allianca o armazem onde preside o melhor aceio.
Fiquem todos sabedores desta verdade,
Vcnham todos ra do Imperador n. 57.
Venham ver os gneros que temos expostos a venda.
PARA AS FESTAS
DE
S. JOftO E S. PEDRO.
Amendoas confeitadas de bonitas cor dem de Hollanda em garrafoes com 24 gar-
800 rs a libra. rafas a 7,2oo rs. com o garrafo.
dem de casca muito nova a 3oo rs. a libra. Lentilhas excellente legume para sopa e gui-
Avelas a 2oo rs. a libra. *ados a 2oo rs. a libra.
Ameixas francezas em caixinbas com lindas Licores francezes de todas as qualidades a
estampas a t,2oo, l,4oo e l,6oo rs. cada 800 e l,ooo rs. as garrafas grandes.
uma> j Manteiga ingle/.a perfeitamenle llr a 800
Id^m em frasco de vidro com rolha do mes- < e 96o rs. a libra,
mo ou de metal, a l,2oo e l,4oo rs. cada dem franceza nova j deste anno a Ooo rs.
ur. a libra, e 58o rs. em barris inteiros.
dem em frasco grandes a 2,5oo rs. cada Maroaelada especial dos melhores fabrican-
um.
ldi>m em latas de I '/a e 3 libras a l,2oo e'
2,000 rs.
\rroz da India e Maranhao o melhor que se
podo desejar a loo e 12o rs ^a libra e
2,8oo a 3, loo rs. a arroba.
Azeite doce de Lisboa a Goo rs. a garrafa, e;
4,800 rs. a caada.
dem francez clarificado em garrafas bran-
cas a Ooo rs. cada urna, e lo.ooo rs. a
caixa com 1 duzia.
Atfizema muito nova e Hmpa a 32o rs. a li-
bra.
Alpista a IGo rs. a libra e 4,Goo rs. a ar-
roba
Boiacliinbas de Lisboa da fabrica do Beato
Antonio das seguinles qualidades: agua e
sal doces, e imperiaes em latas de G libras
a 3,ooo rs. t ile 3 lfa libras a l,5oo rs.
e em libra a Gio rs., estas bolachinhas
torna-se muito recommendavel com espe-
cialidaJe para os doentes.
Biscoitos e Bolachinhas de soda em atas de
todas as qualidades e marcas que se pro-
curar a 1,35o rs. a lata.
Bolos francezes em carios e de diversas
qualidades a Gio rs. catn um.
Ilanha de porro verdadeira refinada a ioo
rs. a libra e em barril a 38o rs.
Hatatas novas a IGo rs. a libia.
Bolachinhas inglezas ltimamente desembar-
cadas a 24o rs. a libra e 2,000 rs. a bar-
rica.
Champagne das marcas mais superiores que
at boje lem vindo ao nosso mercado a
l8,ooo rs. o gigo e l,000 rs. a garrafa
inteira, e 800 rs. as meias.
Cha uxim o mellior que se pode desojar, e
que nutro qualquer nao vendo por menos
de 3,ooo a 2.Too rs. a libra.
dem perola de esp cial qualidade a 2.Goo e
2.8oo rs. a libra, garante-se a qualidade
d'este cb.
dem bysson o melhor que possivel encon-
trar-se a 2,40o c 2,Goo rs. a libra.
dem do Rio em atas de 2, 4, G e 8 libras
a l.2noc l,4oo rs. a libra.
Mero preto muilo fino a l,Goo rs. a libra.
Chocolate das melhores qualidades, francez,
hespanhol e suisso a 1,000, l,2oo c I,ioo
rs. a libra.
Charutos do acreditado fabricante Jos Fur-
tado de Simas cm caixas das seguin-
les manas: Palmenses, Suspiros, Dili-
cias, Napolees e Guanabaras a 2,3oo rs.,
e em caixas inteiras Trovadores a 3,ooo
rs. cada urna.
dem de outros muilos fabricantes e de dif-
ferentes marcas para i,Soo rs. as meias
caixas, de suspiros a l.Goo, 2,ooo c3,ood
rs. as caixas inteiras.
Conservas inglezas a 800 rs. o frasco.
dem franceza a uoo rs.
Cognac ingle/, das melhores marcas a
rs. a garrafa e lo,ooo rs. a duzia.
dem francez superior qualidade a 800 rs.
a garrafa c 9,ooo rs. a duzia.
jiiiinho e erva-doce a ioo rs. a libra.
O
GRAWiNE ARMAZEM




NA
RIJA DO IMPERADOR *. 10
Junio m sbrado e qne mora o Sr. 0>brne,
Para a festa de Santo Antonio, S. Jofio e 8. Pedro.
Marte Almelda A da mal* lindo e variado ortlmento de moibados, proprlos
da presente estae&o.
Manteiga ingleza Ma^as brancas
da safra nova vinda neste vapor de 28 de para sopa a melhor que se pode desejar,
m?io aSOOrs. a libra. macarro, talharim ealeiria a 400 rs. a
Manteiga Iraneeza libra e 4500 a caixa.
da safra nova a 560 rs. alibra, e em barril Vinho
a500rs.
Amendoas
NOVA EXPOSiglO DE gneros
NO
ARMAZEM
PRINCIPAL
DE
3f. 9 RA IIO CRESPO IV. 9



tes de Lisboa a 600 e 64o rs. a libra, ha
latas de differentes tamaitos.
Massa de tomate em latas de 1 libra a 56o
rs. cada urna.
dem para soda estrellinha, pevidee rodinha
em caixinbas sortidasa 3,ooo 3,5oo rs. cada
urna e Soo.rs. alibra.
dem macarro, talharim ealetria a 4oo rs. a
libra.
Mostarda franceza preparada em frasco a 4oo
rs. cada um
Molho inglez em garrafinhas com rol has de
vidro a 64o rs. cada urna.
Manrasquinho verdadeiro de Za l.ooo'a dja -
agarrafe, lo,ooo rs. a caom 1 usi.xrc a
zia.
Nozes muito novas a IGo rs a libra.
Prezunto de fiambre superior a 600 e 800
rs.
dem do Porto para panella a 5oo rs. a libra.
Passas novas a 48o rs. i libra.
l'eixc em latas de differentes qualidades co-
mo, savel, corvina, govas, pescadinha e
outros a 1,000 rs. a latas.
Palitos para denles a lio e a IGo rs. o mas-
so dos melhores.
Painco o mais novo e limpo a 16o rs, a li-
bra, e a 4,5oo rs. a arroba.
Palitos do gaz a 2,loo rs. a grosa, e2oo rs.
a duzia, e 20 rs. a caixinba.
Queijos flamengos ebegados neste ultimo
vapor, a 3,ooo
dem pialo mnilo fresco a 800 e Ooo rs. a
libra.
dem suisso a melhor qualidade que at ho-
je tem vindo ao nosso mercado a 800 rs.
a libra.
dem londrino a 9oo rs.
Sal refinado em poles de vidro a Soo rs,
ca la um.
Cerveja das melhores marcas a 6,000 rs. a
duzia, e 5Go rs, a garrafa.
Sardinha de Lisboa e Nanles em quartos e
meias latas a 38o e S80 rs. cada urna.
Sag muilo novo-e alvo a 2o rs. a libra.
Sevadinha de Franca I80 rs. a libra.
Sevada a loo rs. a libra, e 2,8oo rs. a ar-
roba.
confeitadas de lindissimas cores a 800 rs. a
libra.
Ameixas
em frascos de vidro com 3 libras liquido a
24400, muito propios para miraos,
Cartes
com bolos francezes a 500 rs. cada um.
Latas
com bolachinhas de soda de todas as qua-
lidades a I300.
Chocolates
de todas as qualidades a 15000 a libra.
Presuntos inglezes
dos melhores fabricantes a 800 rs., tambem
temos velbbs para 500 rs.
Queijos flamengos
chegados neste ultimo vapor a 26oo.
lucilos
chegados no ultimo vapor a 2#60O cada um.
Queijo
londrino o mais fresco que se pode esperar
e de excellante maree a 800 rs. a libra
sendo inteiro e a 900 rs, a retalho.
Conservas inglezas
as mais novas que se pode esperar a 760 rs.
o frasco.
Figos
em libras e caixinbas ricamente douradas,
proprias para mimos a 900 e 15200.
Cha uxiin

o melhor que se pode desejar, que outro j
qualquer niSo pode vender por menos de
30- a 2G00.
dem perola
especial qualidade a 25700 rs. a libra
dem bysson .
o mais aromtico que "tem vindo ao> nosso
mercado a 25600.
Massas amarellas
para sopa, macarro, talharim e aletria a
480rs. alibra.
C0439AC
Figueira J A A e outras muitas marcas acre-
ditadas a 500 rs. a garrafa.
dem de Lisboa
e de outras marcas a
23800 a caada.
Ideni do Porto
generosos engarrafado das melhores fabri-
cantes da cidade do l'orto a 1# e 1(5200
a garrafa e de 105 a 125 a caixa, as mar-
cas sao asseguintes: Chamisso AFilho,
F. A M., Nctar ou vinho dos Deuzes,
lagrimas do Douro e outros muitos.
Latas
com 10 libras de banba a 4,9000.
Bolackinha ingleza
a 15800 a barrica damesmaque
vendem a 25000 e 25400.
Nozes
as mais novas do mercado a 120" m bra.
Cervejas
dos melhores fabricantes!' de todas as mai
cas de 45500 a 5500 a duzia.
CHARUTOS
Charutos Thom Pinto,. Res e outros em
meias caixinhas a 15500.
Arroz
do Maranhao a 100 rs. a libra, e da India
a 80 rs. a libra, e 25500 a 35000 a ar-
roba desses que vendem por 35400.
CAF
de I.* e 2.* sorte do Rio de Janeiro a 855?
e 85300 a arroba, e 280 a 300 rs. a liby
Ciarrafe
com 4 l' garrafas com vinagre a l000Mi
ogarraRo.
CENSURA DE LARANJA
Esquina qne volta para a ra o Imperador
K provavel que nao seja bem aceita a ver lade, quando a boa f de todos anda
Iludida por esta epidemia de nauzealicos annuncios de cornetas, tambores, coras, mi-
tras, etc., que todo o dia enebem as paginas deste jornal.
11.1 III \Y
Os annunciaiites nao lem em visla seno garantirein ao respeitavel publico a
sua palavra de honra, vendeudo com o lucro suliciente para suas subsistencias e nao para
assentarem fortunas a forca No armazem principal vende-se a todos pelos prpe.os marcados na seguinte ta-
bella, mas nao se vende por todo o preco fa/.endo-se peso de arroba hespanhola, paran-
le-se as qualidades dos gneros trocando-se lodo aquelle que nn seja do agrado du
comprador.
Amendoas confeitadas de diversas cores ajLenlilhas muilo novas excellente legume pa-
ra sopa a 2oo rs. a libra.
Licores francezes de todas as qualidades de
7oo e 9oo rs. a garrafa.
64o rs. a libra,
dem de casca dura a 24o rs. a libra.
400 rs. a garrafa, e dem de casca mole a 32o rs. a libra.
Ameixas francezas em caixinbas com lindas: Manteiga ingleza perfeitamenle flor a 800 rs.
estampas, a l,2oo e l,5oo rs.
dem em frascos de vidro a 1,2oo rs.
dem em frascos grandes a 2,000 rs.
dem em latas de 1 l* libra a l.loo rs.
Arroz do Maranhao e da India o melhor que
ha neste genero de 80 a loo rs, a libra, e
de 2,5oo a 2,8oo a arroba,
Azeite doce de Lisboa a 600 rs. a garrafa, e
4,800 rs. a caada.
dem francez e de Lisboa refinado em gar-
rafas brancas a )uo rs. a garrafa el 0,000
rs. a duzia.
Alfazema muito nova e Hmpa a 32o rs. a
libra.
Azeitonas muito novas a 2.000 rs, a anco-
reta.
Alpista limpo a 14ors. alibra, c 4,4oo rs. a
arroba.
Bolachinhas de Lisboa da fabrica do Beato
Antonio de diversas qualidades, em latas
de6 e de 3 libras a 3,ooo c l,5oo rs. a
lata, e 64o rs. a libra.
dem ingleza em latas de 2 c de i libras
das melhores marcas a l,3oo e 2.2oo rs.
a lata.
Banba de poico refinada a 4oo rs. a librae
. em barril a 36o rs.
Batatas em caixas de 2 e de 4 arrobas a
l.loo rs. a arroba.
Champagne das melhores mareas a 2o.000
a libra, desnessesario mais elogios ues-
te genero que s se pode verificar com a
vista.
dem franceza a 56o rs. a libra, e em barril
ou meios a 5oo rs.
Marmellada do I. fabricante de Lisboa a 600
rs. a libra, ha latas de 1, l/s e 2 libras.
Maca de tomate em latas de unta e duas li-
bras, a 600 rs. a libra.
dem para sopa estrellinha, pevide, rodinha,
etc. a3,5oo rs. a caixa e 060 rs. "a libra.
Macarro, talharim e aletria a 4oo rs. a li-
bra.
Mostarda franceza preparada a 4oo rs. o fras-
co.
dem ingleza em p a 64o rs. o frasco.
Molho inglez em garrafinhas com rolha de
vidro a 64o rs. cada urna.
Marraschino verdadeiro de Zara a l.ooo rs.
a garrafa, e 10.000 rs. a duzia.
Nozes muilo novas a 16o rs. a libra.
Ostras preparadas em latas a 7oo rs. a lata.
Prezunto para fiambre inglez verdadeiro, ga-
rantindo-se a qualidade, a 7oo*rs. a libra.
Passas novas de cantada a 4oo rs. a libra, e
6,5oo rs. a caixa.
Peixe em latas hermticamente fechadas das
seguinles qualidades, sabel, tonina, go-
rz, cavallinha e pescada a l.ooo rs. la-
ta,
rs. o gigo, I,8oo rs. a garrafa, e Ooo rs.! Palitos para denles licbadas a 14o rs. o ma-
as meias garrafas. j ro de 20 macinhos.
Cha uxim o mellior possivel a 2,7oo rs. a li- dem do gaz a 2oo rs. a duzia. e 2.100 rs.
bra. a groza.
a caixa.
IDFJW
: em frasqueiras de Hollanda a 55800
12 frascos.
GENEBBA
a libra.
dem bysson o melhor que ha neste genero
a 2.000. 2,'too e 2,600 rs. a libra.
dem do Rio em latas de 2 a 8 libras, a l,3oo
rs. a libra.
de Hollanda verdadeira em frasqueira a 600 dem preto homeopathico 2,ooo rs. a libra,
rs. cada urna. Cerveja das melhores marcas a (,00o rs. a du-
l'ALITOS
zia, e 56o rs. a garrafa.
I os verdadeiros palitos do gaz n 2,2oo a groza ; Chocolate francez. suisso e hespanhol a
e 2o rs. cada caixinba. 1,00o, 1,2oo e 1.4oo rs. a libra,
o muilo afamado cognac Pal Brandv a 1,80o I LICORES ; Charutos do afamado fabricante Jos Furia
a garrafa e de outras muitas qualida-, finos de todas as qualidades, a lo,ooo a caixa1
rs.
des a 1,ooo e 800 rs. a garrafa.
COPO
duzia, e a 440 e 000 rs. cada um.
com urna duzia e a 1,00o a garrafa.
1,000
Cravo da India a Goo rs. a libra.
Canella a l.ooo rs. a libra.
Copos finos para agua a 5,000 rs. a duzia, e
000 rs. cada um.
Caf do Rio superior a 280 e 320 rs. a libra,
e 8,800 e 9,5oo a arroba.
Doce fino de goiabs aGoors. ocaixo.
Ervhas porluguezas ltimamente chegadas
a 7oo rs. a lata.
dem ceceas a 16o rs. a libra.
Idemj' descascadas a 2oo rs. a libra.
tirinha de acanita verdadeua a 320 rs. a
libra.
em caixinbas muito bem enfeitadas a
l.ooo rs. cada urna.
I iem em lelas ermiticamente
l,5oo e2,5oo rs. cada urna.
1 lem em caixas de 4/* arroba
cada urna, e 2oo rs. a libra.
Oraixa muito nova a
rs. a duzia.
Traques ile 1.a qualidade a 9,5oo rs. acai-| E*\l*i:i.
xa, e 24o rs. a carta. a|maco, greve, peso e de outras muitas qua-
Toucinho novo de Liiboa a 2io e 32o rs. a; hihitS e i>to0 a 4jrioo a resma do me_
..1,!)ra- .. Ihor.
Tijolo para hmpar facas a 15o rs. cada um.
Vinho em pipa Porto. Lisboa e Figueira das
melhores marcas a 3,800 rs. a caada, e
Soo rs a garrafa.
jam Regala, Trovadores, Guanabaras, De-
licias e Suspiros, a 1,60o, 2.000, 3,ouo e
*& ''?^ ios melhores fatales de Liba, como se-1 ConSas^glSas'a 75o rs. o frasco.
jam Abreu e outros muitos a 600 rs. ajidem franceza surtidas ou de urna s quali-
Mannelada
c Figueira
4oo r;
de marcas
a garrafa, e
Figos
dem do Porto Lisboa
menos con becadas a
2,8oo rs. a caada.
dem Colares especial vinho a 600 rs. a gar-
rafa.
IdemLavradio muito fresco no levando com-
composicn a 56o rs. a garrafa, e 4,000
rs a caada.
dem branco de uva pura a 56o rs. a garra-
fa, e 4,5oo rs. a caada,
dem mais baixo a 4oo rs. agarrafa,a3,ooo
rs. a caada.
dem Bordeaux em caixas de 12 garrafas das
marcas mais acreditadas a 6,5oo e 7,ooo
rs. a caixa.
dem muito especial que raras vezes vem ao
nosso mercado a 1 ;2oo rs a garrafa, ga-
rante-se que por este mesmo preco d
prejuizo e s se encontra n'este arma-
zem.
dem do Porto em caixas com 12 garrafas
das seguintes marcas Lagrimas do Dou-
ro, Duque do Porto, Genuino, Velho Par-
ticular, Malvasio fino, D. Pedro V, D.
Luiz I, Nctar e outros a 9,ooo e 10,000
rs. a caixa e Ooo e 1,000 rs. a garrafa.
IdemMuscatel superior a l.ooors. agarra-
fa, e lo.ooo a caixa com 1 duzia.
I Vinagre puro de Lisboa a 2oo a garrafa e
1 2,4oo rs. a caada.
dem em garrafoes com 5 garrafas a 1.000
loo rs. a lata c 1,000 \ rs.com o garrafBo.
' Vassouras do Porto de arcos de ferro a
Prezunto
o verdadeiro prezunto de Lamego a 52o rs.
Papel de botica a ,,bra- ARBOZ
de excellente qualidade a 2200 a resma, Maranhao, Java e India, a loo rs. a libra e
PAPEL de 3,000, a 3,2oo rs. a arroba,
azul e pardo para embrulho de 1,4oo a 2,2oo VELAS
rs. a resma. de espermacete de diversas marcas a 56o rs.
CorntlliaS a ^'),a e em ca'xa toni ^batimento.
PaS^28,?, T1 PrPraS Para!d carnauba em wS arroba a 9.3oo t
podun a 800 rs a libra. ^ e m n a lj[)r;u
r UllK. Batatas novas
o verdadeiro fumo americano em chapa a; em caixas de 2 arrobas a 5a a caixa e 60 rs.
1,4oo rs. a libra a libra.
ViTlIO'rP Passas mnilo novas
lacradas a
a 2,5oo rs.
32o
Genebra de Hollanda em frasqueiras com 12 rs. cada urna.
frascos por 6,000 rs. e 560 rs. o frasco i dem de escova para esfregar casa a 36o rs.
I i.jm de laranja a l,ooo rs. os frascos gran-1 cada urna.
des e ll.ooo rs. a caixa com 12 frascos. Velas de espermacete superiores a 56o rs.
Hem de Hollanda em botijas a 4oo rs. cada; a libra, e 52o em caixa.
uma. i dem de carnauba refinada e de composicSo
tem em garrafoes de 16 garrafas a 4,8oo| a 36o rs. a libra, e de lo.ooo a ll.ooors.
rs. com o garrafo. a arroba.
RA DO QUEMADO NUMERO 11
Loja de fazendas d- ust Frcderic<> dos Santos Porto
Lindas eliapellBas e chapeos para seahoras.
(Ihegaram a este tstabulcinento a.s mais modernas cbapelioase chapeos para senhors.
Superiores corles de lia de barra de IQJ a 20^.
As mais superiores capas e souternbarqnes de seda preta e casemra de cores para seohoras de
lOf at 505.
Excellcntfs Has para vestido a 320, 500, .i60 e 600 rs. o covado.
Cnm o organdys de cores a 240 e 320 r>. o covado.
Os melhores tapetes para sof com riijuissimos desenos.
Lencos de cambraia de linlioe fil bordados a 15 cada um.
Superiores casemires mescladas de diversos go>tos tanto em pegas cono em cortes.
Eontras militas fazendas como sejam: percattes flnissimas. hretaahas, alacias, es'iniio, 8'ilw-
Irina preta muito tina, cantao para vestidos de loto, jrosdenaple de bonitas cores e as superiores
I'Iselras }ara salas.
As peiMHS que pretenderen) torrar soaj salas ougaWiWws, encontrarSo neste estabelecimento
aetbor aqualidadede esleirs de todas as largaras e pelo mais mdico preco,
verdadeira a 1(5000 o frasco, e de ll00f dem perola qualidade especial a 2.7oo rs. Painco muilo novo a 16o rs. a libra, e 4,5oo
rs. a arroba.
Queijos flamengos do ultimo vapor,
a 2.1)00. z,ioo c z.ooo rs. a ra. dem pialo muito fresco a*8oo rs. a libra, e
sendo inteiro a 72o rs.
Sal relinado em potes de vidro a 5oo rs. .-,<-
da um.
Sardinbas de Lisboa e de Nanles a 600 rs.
a meia lata, e 4oors. o quaito.
Sag muito novo o alvo a 24o rs. a libra.
Sardinha de Franca a 18o rs. a libra.
Sevada a loors. alibra.
Toucinho de Lisboa a 24o e 3oors. a libra.
Tijolospara Hmpar facas a 15o rs. c-ida um.
Vinho em pipa, l'orto, Lisboa e Figueira das
marcas menos contiendas a ioo rs. a gar-
rafa, f a 2,8oo rs. a caada.
dem Figueira especialmente escolhido neste
lugar a 600 rs. a garrafa, e 4.5no acunada.
dem Lavradio, Colafes muito fresco >em
composiro a 6oors. agarrafa, e 4,5oo rs. a
caada.
dem Lisboa em autoras com 9 canallas mar-
ca especial a 22.000 rs. a ancora.
dem branco uva pura a 56o rs. a garrafa,
ea 4,3oo a caada.
dem Porto lino em pipa a 56o rs. a garra-
fa.
dem engarrafados generosos, Lagrimas do
Douro, Duque do Porto. D. Luiz I, D. Pe-
dro V. Nctar, velho secco, Malvazia, e
genuino particular de 9ooal,2oe rs. a gar-
rafa e a lo,ooo rs. a caixa com uma duzia.
dem Madeira^legitimo a 1.2oo rs. a garrafa,
ea 12,ooo rs. a duzia.
dem Moscatel a looo rs. a garrafa.
dem Bordeaux dos acreditadas marcas Si.
Julien St. Esteph, chteau la Roze,chalan
Margoux e outros a 6,000 rs, a caixa e 56o
rs. a garrafa.
Vermouth a melhor bebida estomacal a 2.000
rs. a garrafa.
Vinagre de Lisboa a 2oo rs. a garrafa e I,ioo
rs. a caada.
dem em garrafoes com 5 garrafas a 1.000 rs.
Vassouras do Porto com arcos de ferro a 32o
rs. cada uma.
dem de escoras para lavar casa a 36o rs.
cada uma.
Vellas de espermacete superiores a 56o rs.
a libra, e sendo em caixa a 52o rs.
dem de carnauba refinada e de composicao
a 30o rs. a libra, e lo,5oo e 11,000 rs. a
arroba.
lem quartos e inteiros a 2,-> o quarto e 6$500
PRRem ancoretas de 9 caadas a 15,ooo rs. a ^^ 9400 rs a libra
cada uma. Chocolate
' (jGDOlulS ; portuguez o mais especial que se pode de-
as mais novas do mercado a 7,ooo rs. a caixa seJar a 800 rs- a ,ibra e *40 's- Po- -
e l.ooo rs. o molho. L Frntas em calda
Alnkfa a Painnn chegadas ltimamente, pera, pecego, gmjae
Aipiaut t? raiUVU outros muitos a 640 rs. a lata,
o mais novo do mercado a 140 rs. a libra,. Dsee da csea da piaba
e 45400 a arroba. a 600 e 1,$ o caixe.
Os proprietarios do grande armazem o Verdadeiro Principal declaram aos seus
freguezes e amigos e ao publico em geral, que para facilitar a commoddade de todos es-
tipularan! os mesmos precos nos seguintes lugares:
Uuio e Commereio ra do Queimado 11. 7
O Verdadeiro Principal roa do Imperador n. 40
FRUCTAS
MAVA.%, PKB.M i; HA
chegadas neste ultimo vapor, vende-se nos seguintes lugares: Ra do Imperador n.
iO, Verdadeiro PrincipalRa do Queimado n. 7, Uniao e Commercio.
Salitre refinado, superior qualidade, vinho Bor-
deaux, diferentes qualidades, mais barato que em
qualquer parte : no armazem de E. A. Burle &
C, ra da Cruz n. 48.
Fartura de sabonetes
A Aguia Branca recebeu um completo sortiroao-
to de sabonetes, e quer distribni-los com toda a sua
freguezia que compra a diobeiro vista, pof li3
os est vendendo pelos baratissimos precos de \t.
t5?00, 15J500, 25, 25300 e i$> a duzia, sendo es-
tes de cores e com diversos moldes e figuras, c
outros transparentes a 25-W0, :i 44000 a duzia.
Estes aeeommodados precos servem bellamente
para que todos la vem suas mos, lenco., ote., etc.,
com rheiroso sabunete, e uma vez que baja dinhei-
ro, dirijam-se ra do Queimado, loja d'Aguia
Branca n. 8.
Bichas hamburguezas.
Na ra Nova n 61 detronte da tilma, cmara
municipal, vendem-se constantamente biebas novas
por rneno 25 o ceoto qne em outra qualquer par-
te : recebem-se por todos os vapores.
GAZ GAZ GAZ
Vende-se gaz de primeira qualidade a
103 a lata : nos armazens da ra do Im-
perador p. 10 e ra do Trapiche Novo n. 8.
AUeneo.
Vewle-ge superior vinhn do l'orto em caixas de
ama duzia : em casa de Johnston Pater & C, ra
do Vigario n. A
Predios venda
Vendo-se o sobrado de um andar e slito sito na
ra do Rogo n. 35, em dos praprios, com quin-
tal, cacimba, etc., rende actualmente 't7000 men-
saes ; ama casa terrea na ra da Gloria na Boa-
Vista, tanibom em chaos praprios, e rende 205 :
os prelendeales desdea pedero examinar osra-
fenos predios, e aara inform'acoes pdderao enten-
der>ee eom o agenta Srmoes em sen escrlptorio na
roa da Cadeia do ReeKe n. 48, prmeiro andar.
Vendem-4e duas casas uma ao |> da outra,
de taipa e tijolo, -na entrada nova do Machanga :
quem as pretender comprar e as qneira examinar,
dirija-sea mesma estrada nova, taberna do Sr. An-
tonio de Barros Correia, e para tratar do preco. na
roa da Imperatriz n. 70.
dade de cada frasco a Ooo rs.
Cognac inglez e francez a l,ooo rs. a garra-
fa, e lo.ooo rs. a duzia.
Cominhoeerva-doce a ioo rs. a libra.
Gravo da India a Ooo rs. a libra.
Canella a 1,000 rs. a libra.
Copos finos para agua e vinho a i.800,
5,ooo e 5,500 rs. a duzia, e 000 rs. cada
um.
Caf do Rio superior 28o e 3oo rs. a libra,
e 8,5oo a 9,ooo rs. a arroba.
dem do Cear a 26o, 28o e 3oo rs. a libra,
e 8,000 a 8.Soo rs. a arroba.
Doce de goiaba a 600 rs. o caixio.
Ervhas porluguezas em latas, chegadas l-
timamente a 7oo rs. a lata.
dem seccas a IGo rs. a libra.
dem j descascadas a 2oo rs. a libra.
Karinha de acanita verdadeira a 32o rs. a
libra.
Figos em caixinbas bem enfeitadas a Ooo rs.
cada uma.
Craixa nova a loors. a lata, l.loo rs. a
duzia.
Genebra de Hollanda em frasqueiras de 12
frascos a 5,8oors., e 56o rs. o frasco.
dem em botijas a ioo rs. cada urna.
dem cm garrafoes de 16 garrafas a 4,800
rs. com o garrafo.
dem idem de 3 caadas a 7,2oo rs. cada um.
dem ingleza em garrafas brancas bordadas
com rolha de vidro, qualidade superior
a l.ooo rs. a garrafa.
dem de laranja verdadeira a l.ooo rs. o fras-
co, e ll.ooo a frasqueiras de 12 frascos.
Kirsch Wasser excelleute bebida Suissa a
l.Soofs. a garrafa.
'I!ia op iB!Ji!iMJti|(l
nidrauid na a 'Mn*8 !{'injQ sp vnj '.d wnqxuvu.aj uis!.o*j|.uj.j sp sa ua'opv
-tuu'ojr a il*p*9 9 ifcr p MO m *puvo-*H u13 !"l"l ep nn aa 'w>g uia \ \ *o|qs op ni '! 1a 1 wa 1 'ojiuvf-p-om o uu wj<
-nis ap or 1 jhSik p wn u 'om> oa om.jD-too p ijpou ap WV3 na 'tioqnj tu
' *pt|i|naj tj ap tu '1 'tosnnasiuutqd 'o i"M*9 -un p itn o? 'tuij raa ; \ir ont^dsa
kMMHMMNWil
n[n|{d n moa aiusuispuntuos '\\i cp ssiiioui sbu ninarvicd aiuuij|)a| opoiu mn,p apuoiuioNJ o
'uu, p jm'i .uessp (idsoq op 'j*o j*m*a o ii|nput(9 np 0}aani|dniu 01 nawwtnnq soi
o'iiotn gouiiuai go pep|3nuia joiiuj l atoo 88-il8pj)uipi toiuf 9p ampo) o a uinisiod p oonpoi
o ouioj foansaiui ao no oSvuigisa o iuto ounu ana 'opipaquoo oi])jndap osowpod|oi o p onimi
ina -anStm e opueaijund oSmmsuoo 1 uaoalai 9 'ainaddi ,p npiad n 'saaita np innomt.wyrntd
s ouisnildtn<( o 'gtmjojon n 'ojiad op nritaioui si una 'Jouadrm jnatu|tajan* rfnbi 'OTBTTDVB
3 a oaVSIJ Id OaiQ opi| ai 'ot*WM jorra o moa M-t3n4ui tiottx H mnmipwr >*
ojitiojdcMi 1 "oiwix.Jd 011 NpaS|tana 'hibj sp ssgiidioij op wuipoui op optirau o *fMM|
oavaoi oiMvavH nra tfdi&vx
Deposito geral em Pernambnco roa da Cruz n. de ,.emcasa.Caros & Barbou.
ci: 11 vi:.i 1 n.iKS
Vende-H a 75 a duzia : na ra Nova n. 61 de-
fronte da lllma- cmara municipal.
Esleirs do Aracaty
Vendem-se ns travessa da Madre de DeosJtO n.
Charutos da II a vana.
Vende-se| superiores charutos da Jtavana em
casa de Babe Schmettau 4 C.; a ra da Cadeia
n. 18. _______
__Vende-se a armaro do depositrt dt becco
Largo n. t. mmtt propria para nm pripctpbM*-
por ser em hom Ittsar, a prano 00 a dinnetro
vista : a tratar 110 becco do Campello n. i, Becifc.


------------- -' _. -,________.
^


WP
^^mm

Diarlo 4c Pmihiw eito letra te rtembre 4c !.

%/

ATTEKClQ
O* paseos da segu**
tabella 6 para tu*. po
den se para o ajuste de eontaa
con os portadores.
110 PUBLICO
Hem o uteuor coaotran-
gimeato se entregar o
Importe do genero que
nao agradar.
ARMAZE
RA HA V1IK1A DO RECIFE M. 21.
(Lego passando o ano da CoBeeifi)
.raude redueco de preces, equivalente a dez por cento menos o que outro qualquer
annunclante.
Collegas.Nao posso por mais tempo sustentar o prego da manteiga ingleza a l.ooors. a libra, bem assim o de oulros
tnuitos objeclos, etc., dando com isio ocasiao a todas as espeluncas acabarem por bom prego a manteiga de tempero, e gritarem em
alta voz, que podem vender pelo prego que eu vendo! 11 Ora, eu offendido com estas obscuridades e receioso em adoptar o mesmo
systhema que vim encontrar, de s se vender com um por cenio a carola, resolv fazer esta grande reduccao de precos, como veris,
pela seguinte tabella, pois como sabis ca pelo meu bairro, at a abertura do momoravel armazem de molhados Uniao Mercantil nao
se sabia de outro preco de manteiga ingleza a nao ser o de l,4oo a l,6oo rs. a libra. Hoje porem, resentidos da reduccao a que
esto obrigados, encarando todos os das de seus freguezes reclamacao de precos, e qualidades, vingam-se de um e outro portadores
al itiformado leste novo estabelecimento. para llie vender goneros nao proprios le um estabelecimento desta ordem que o seu fiu,
v lo smente obler a concorrencia le seus freguezes.
""Acaba de reeeber de sua propina encommeoda um grande e variado sortimento
Senhores e Senhoras o aceio que presidio, aos arranjos desta novo estabelecimento, e mais que tudo apromptido e entei-1 de molhados todos primorosamente escomidos, por sso apressa-se o proprietario em
reza com que ser3o tratados, convida a una vizita ao mesmo, certos de que sem duvida me darao a protecgo e preferencia na compra' offerecer aos seus freguezes e ao publico em geral a seguinte tabella dos seus gneros e
dos gneros que precisaren), e quaudo nao pocam vir poderao mandar seus portadores, ainda que estes sejam pouco pratices, pois resumidos pregos, aflangando todo e qualquer genero, vendido neste bem- conhecido ar-
serlo tito bem servidos como seviessem pessoalraente, havendo para com estes toda recommendaco, afim de que nao vaoem outra. parte, i mazem.
Amendoas confeitadas de 800 rs. a libra.
11 No armazem de fazendas ba-
ratas de Santos Coelho,
Roa doQiicimddo n. 19,
Vende-se o seguate:
Allengao II
Ricas laazinhas, fazenda a melhor que lera vn-
do ao mercado, tanto em posto como em qnalida-
, pelo baratisslmo prego de Wr?. o covado.
Ditas miudinhas carmezins, proprias para vcs'i-
dos de meninas e camisinhas a 040 o covado.
Cortes de lila com lo covados, pelo barato pr^-o
de <.
Cobertas de chita da India a 25500 e 3fi.
Lences de panno de Iinho a i& e M"00.
Pecas de carabraia de-forro com x Ii2 var." a
:i5200.
Toalhas alcochoadas proprias para rolos a
dn/ia.
Iticos cortes de La com barra Mara Pia a
m.
Pecas de platilbas ile algodao com 10 vara',
proprias para saia a l.
A'godao entestado com 7 l| palmos de largara
a 15100 rs. a vara.
Esteira da India, propria para forro de saia de
i, 5, e 6 palmos de largura, por menos prcijo do
(jue em outa qualquer parte.
Neste estabelecimento tambem se eBeonirart<
um grande sortimento de roupas feitas, o por me-
dida.
Um Descobriuicnto Espantoso!
0 Mundo Srirntifico unaiiimamente o approv
Mauleiga ingleza sala nova) especialmente
escolhida a 800 rs. a libra, em barril so
la/, batimento.
Iniii franceza a mais nova que lem vindo ao
mercado a 56o rs. a libra, e em barril ou
ineios a 5oo rs.
1 la hysson de superior qualidade a 2,6oo rs.
a libra.
dem perola o mais superior do mercado a
,8o rs.
dem huxim o melhor que se pode desojar
neste genero 2,6oo rs.
dem preto bomeopalliico por ser de superior
qualidade a 2,ooo rs. a libra.
dem liysson, huxim e perola mat proprio
para negocio o l,6oo, i,800 e 2,ooe rs. a
libra, garante-s ser muito regular, igual
ao que se vende em outra parte por 2,4oo
e2,6oo rs.
l.inguigas, chourigas e patos em latas de 8
libras, ermeticamente lacradas a 5.5oe rs.
garante-se serem superiores aos que vem
em barias.
Cbouricas e paios em barris de meia e urna
arroba a 8,000 rs. e i ,3oo o 600 rs. a libra.
Oueijos llamengos muito frescos chegados
neste ultimo vapor a 2,2oo rs. e do vapor
passado a i,60o e l,8oo rs.
dem londrinos os mais superiores qHc tem
vindo ao mercado a 800 rs. a libra entei-
10 se faz abaiimeuto.
dem prato muito fresco a 8oo rs. a libra.
dem do Alentejo o que se pode desejar de
fresca e superior a 800 rs. .a libra, a elles
antes que se acabem.
Ervilhas e favas porluguezas em latas ja pre-
paradas a 6io rs.
.Marmelada imperial dos mais acreditados fa-
bricantes de Lisboa a tioo rs. a libra.
Presunto do reino viadas de casa particular
a 56o rs. a libra, e a.Soo rs. inteiro.
dem inglezas para fiambre chegado neste
vapor 72o rs. a libra.
Copos lapidados para a gua a '.000 o 3,000 a
duzia,
Chocolate francez, suisso e hespanol a 9oo
1,000 e l.ioo rs. a libra.
Kspermaccteem caixinhas contendo G libras
por i,000 rs., garante-se serem transpa-
rente e de superior qualidade, tambem tem
le 12 por libra propria para carro.
P.-ixe em posta sovel, corvina, gors. pesca-;
rs. e em barricas de 4 duzias se faz abati-
mento.
Caf do Hio a 26o e 28o rs. a libra, e 7.8oo
e 8,800 rs. a arroba.
dem lavado de primeara qualidade a 3oo rs.
a libra, e 9,ooo rs. a arroba.
dem do Cear de superior qualidade a 2io
e 28o rs. a libra, e 7,8oo a 8,000 rs. a
arroba-
Arroz doMaranho a loo rs. a libra, e 3,ooo
rs. a arroba.
dem da India muito alvo egraudo a loo rs. a
libra, e 3,ooo rs. a arroba.
dem de Java a 80 rs. a libra, e 2,2oo rs.
a arroba.
Paingo e alpista a 14o rs. a libra, e 4,3oo
rs. a arroba.
Massa de tomate em latas de 1 e 2 libras a
600 rs. e de barril muito superior a 5oo
rs. a libra.
Aletria, macarro e, talharim a loo rs. a li-
bra, e 9,ooo rs. a caixa.
dem e talberim branco a 32o rs. a libra,
estas massns tornam-se recomendaveis as
pessoas doentes por serem propriamente
feitas para esse lim.
Estearinas a 56o rs. a libra, e em caixa com
25 libras a 52o rs.
Vinho do Porto muito fino excellente qua-
lidade proprio para engarrafar em ancore-
tas com 9 caadas por 45,ooo rs.
Antonio de Lisboa em latas com 6 libras
Manteigainglezaperfeitamenteflor, a800rs,
libra,
dem franceza a 56o rs. a libra,' e 52o rs.
sendo em barril.
Gb uxim a 2,7oo rs. a libra, e de 8 libras
por 2,5oo; dita&doce em latas como mes-
mo peso a 2,5oo; ditas imperiaes em latas
de 3 libras por l,5oo rs.
Ameixas francezas em latas de 1 e meia libra
por 1,2oo; ditas em caixinhas de deverses
Licores francezes e portnguezes das seguin-1
tes marcas creme do violetas, gerofles, ro-
sa, absinto vespeiro, amor perfeito, amen-
dua amarga, percicot. de-Turin, Botefim,
morangos, limo, caf, laranja, cidra, gin-
ja, canda, cravo, rlela pimenta al,0001
rs. a duzia 1.000 rs. a garrafa, garante-se
qui-. os melhores que temos tido no mer-1
cado.
AitcSarfs^rrgtr^
caixa com urna, duzia..
Batatas muito novas a 5o rs. a libra e 2,ooo a
caixa com 2 arrobas.
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e
8,5oo a duzia.
Vassouras de escova para esfregar casa a 32o
Nzes muito novas a 16o rs. a libra.
Molho inglez em garrafa de
rolha do mesmo a. 5oo rs.
Mostarda ingleza dos melhores fabricantes a-
800 re. o frasco.
Mostarda franceza em potes j preparada.
a iuo rs,
Lentilhas excellente legume para sopa a 2oo
rs. a libra.
desejar a 2,600 e de 8 libras para: cima
a 2,500 rs.
dem menos superior a 2,4oo ede 8 libras
para cima a 2,3oo rs.
dem proprio para negocio a 2,3oo. de 8 li-
bras para cima a lino.
dem do Rio em latas de 2, 4,6 e 8-libras
cada urna a 2, 3, 3,5oo e 4,8oo rs. a lata.
\idro com JdenrpreUr p melhor roe se pcide. desejar
neste genero a 2,800 rs.
Idm menos superior a esse que se vende
por, 2 e 2,4oo, a 4,8oo re. a libra.
dem mais baixo bom para negocio a 1,500
rs. a libra.
2,qoo.rs o quarto, a 6,5oo a caixa e 4oo,
rs. a libra,
dem coriiithias proprias para podan a 800
rs. a libra.
Marmeladas dos mis afamados fabricantes de
Lisboa a 64o rs. a libra.
Ervilhas secas muito novas a I60 rs. a libra.
Grao de bico muito novo a 16ars. a libra.
Ervilhas francezas em latas a.64o rs.
Potes com sal refinado a 48o rs.
Fumo de chapa americano a 1,000 rs. a libra
fazenda especial. ,
Presunto para fiambre inglezes a 7oo e 800
rs. a libra.
Chourigas e paios mnito novos a 64o a libra.
Caixas de traque n. 1 a 8500 cada urna. 1
Massas para sopa macarro, talharim aletria
a 4oo rs. a libra.
dem miudinho proprio para negocio a 1,5oo
rs. a libra.
Marrasquino o vordadeiro de Zara em garrafas Queijos do-reino chegados neste ultimo va-
grandes a 1000 f***g a J^ | P?r a 2 2oo Co verdader0 ingiez a 8,5oo rs. a caixa
Palitos para denles a 14o e 10o rs. o mago. Quenos chegados no ultimo vapor a 2,6oo rs 18oo rs a arrafa
Sal refinado em frasco de-vidro com rolha do dem prato melhores e mais frescos do, ,dem francez J 7>000"rs. a duzia e 7oo rs. a
mercado a 800 rs. a libra sendo intairo. garrafa.
mesmo a 5oo rs.
4oo eoeo rs. a garrafa, em caada a 2,5oo,
3,ooo e 3,8oo rs.
Vinho blanco de Lisboa do excellente quali-
dade a 4oo e 5oo rs. a garrafa, em caada
a 3,ooo e 3,5oo rs.
Vinho bianco para missa em caixa de I duzia
a 8,000 e a 680 rs. a garrafa.
Vinho do Porto das melhores marca, que
vein ao mercado como sejam Lagrimas do
Douro, Duqoe do Porto, DuqueGennino,
D. Luiz I., Madeira secca, Malvazio fino,
Fetoria em caixa de 1 duzia de 9,ooo a
lo,ooo rs. e a 9oo e 1,000 a garrafa.
Vinho Colares o mais superior que tem
vindo ao mercado a 64o rs. a garrafa.
Sardinhasde Nantesom quartos e meias latas
a 36o e 56o rs. cada urna.
Sardinhas porluguezas em latas grandes
preparadas pelo melhor conserveiro de Lis-
boa a 64o rs.
Bolachinhas inglezas as mais novas do mer-
latas grandes a 800 e l,ooo rs. cada ama. i cado a 2,800 re. a barrica, e 2io rs. a
Vinho Bordeaux das marcas mais acredita-! libra.
das que tem vindo ao nosso mercado a Bolachinha de soda em latas com diversas
6,000, 7,000 e 8,000 rs. a caixa,garante-! realidades al,3oo rs.
se ser de qualidade superior, pie outra Bolo francez em caixinhas muito proprias
qualquer nao pode vender por este proco. ] para mimo a 64o rs.
Vinho de pipa Poi t creditadas que vem ao mercado a 5,ooo e, .
5,5oo a duzia e 48o rs. a garraa. Biscoitos em latas de 2 libras das seguintes
Sairi muito novo e alvo a 24o rs. a libra. marcas : Osborne, Craknel, Mixed, Victo-
Sevadinha -le Franca muito nova a2oo rs. r,a' rec-nic, Fance, Machineeoutras mui-
CharutosdetodososfabricantesdaBahiaedasi,, tas a e >'.00 re.
acreditadas mareas oonhoeidas no Fumo americano em chapa a 1.6oors. a
da, salmao, ostras e cuentee, vezngo em
Genebra de Hullanda a 56o rs. o Irasco, e
5,7oo rs. a frnsqueira.
Idi-ni de laranja verdadeira de Aliona em
frascos grandes a 1.000 rs. o frasco, e
11,000 rs. a duzia.
Passas muito novas de carnada a 4oo rs. a
libra e 6,000 rs. a caixa com 28 libras.
Figos de comadre a 24o rs. a libra e
1,80o rs. a caixa com 8 libras.
Amendoas de casca mole a 320 rs. a libra.
dem de H<>Han ! Charutos em grande quantidade e de todos os
fabricantes mais a creditados a l,5oo,
2,000, 2.5oo, 3,ooo e 4,000 rs. a caixa,
os mais baixos sao dos quepor abi seven-
dem a 2,000 e 2,5oo rs.
mais
nosso mercado a 2,ooo, 2,5oo, 3,ooo,
3,5oo e 3,8oo a caixa de loo charutos.
Cognac inglez das melhores marcas a
l,oso rs. a garrafa.
Doce da casca da guiaba em latas de 4 li-
bras por 2,000: dito em caixoes a 600 rs.
cada um.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Araruta de todas as qualidades.
Batatas novas era caixas de 2 arrobas a 94 a
caixa e 60 rs. a libra*
Balachioha de Craknel em latas de 5 libras
bruto a 4,000 rs.
dem inglezas em barricas a mais nova do
mercado a 3,5oo rs. a barrica e 24o rs. a
libra.
A foinposicHio Anaeahuita
Peitoral de kemp.
Por espaqo de milito tempo se ha tizado ci-
tensamente em Tampico para a cura de
TSICA pulmonar,
CATAREHO, ASTHMA,
BRONCHITE, TOSSE COHVISA,
CRFO O GARROTILHO, e
Inflamma9es da Garganta e do Peito,
e isto com uin resultado tito feliz c verdade-
ramente assoinbroso o pao ou madeira d urna
arvorc que chamao Anaauuita, c que so
se cncontra no Mxico.
A Composico Anaoahuita Peito-
ral de Kemp e' um Xarope delicioso, integ-
ramente differente na sua composico de
lodos os mais Peitoraes e Expectorantes ma-
nufacturados de tractos astringentes, ascatf
c mises, Acido Prusxico ou outros quaesqner ingre-
dientes venenosos.
Telas as molestias c afFeccoes da garganta
c dos pulmocs desapparecem como por nm
mgico encanto, mediante a accio leste ii.
ninparavel e irrcsistivcl remedio.
A venda as boticas d Caors i Barbos,
libra.
Velas de carnauba de 6 e 12 por libra a Chocolate portuguez o mais especial que se
32o rs. a libra e lo.ooo rs. a arroba. pkle desejar a 800 rs. a libra e 14o rs. o
Azeite doce de Lisboa a 64o rs. a garrafa pao.
e 4,8oo a caada. Papel de botica de excellente qnalidade a
Banha de porco refinada a ioo rs. a libra; 2100 rs. a resma.
e 36o rs. em barril. Potes com sal refinado a 48o rs. cada um.
Capil de diversas frutas muito frescas a Bicos frascos com frutas francezas em calda
64o rs. a garrafa.
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a graza.
Toucinho de Lisboa muito alto e alvo a
32o rs. a libra e 8,50o a arroba.
Ameixas francezas em latas de 3 libras por
2,ooo. rs.
Cebollas solas
a melhor que se pode desrjar de 1.4oo a
3,ooo o frasco.
Frutas em calda chegadas ltimamente, pera.
pecego, ginja e outros muilos a 12o rs. a
lata de 2 ir2 libras.
Foijo verde em bages em latas a 6io rs. a
75 n n <; o

- 2 :;' o = v '

- "2 5. ?
* C rr\
I 3 2W 3 S
> w S 3 o 9
9
e
9
O
ce
.0
5
D-3 .
o 3

V. ~
C6 '-'
To"
-y.' 2 O-J'
z
-> 3
s SI.
C-T7;
2 -;
=>% f
n E p w
O i! a
&?
- g
. w;
Zz

^3=- Z.
63 ;.
S 5
6> =
2 =
a l,4oo o cento; ditas em L
molhos com cento etantas por I,ioo rs. Nozes mi]ito novas a 120 rs. a libra, e 4,000
Matte excellente cha para
a ioo rs. libras.
os navegantes a
AGENCIA
DA
FUNGI LO W-AO MOCEE
Ra da Seoialla uova d. 42.
Neste estabelecimento contina a haver
um completo sortimento de moendas e meiat
moendas para engenho, machinas de vapor
e tachas de ferro batido e coado, de todos 01
tamanhos para ditos.
Arados americanos e machinas para
lavar roypa: em casa de S. P. Johnston < C,
ra da Senzalla Nova n. 42.
AKAZGn
Viubo do Porto superior
dm caixas de urna e duas dnzias : lem para ven
FROINTELRO
DE
AIaTTE COCTIUIIO A BR V\IllO
21 Largo do Tergo21
Ao publico.
rs. a arroba.
Amendoas confeitadas a 600 rs. a libra.
dem de casca mole a 32o rs.
Vinhos engarrafados no Porto e Lisboa das
seguintes marcas: duque, genuino, velho
secco especial, lagrimas doces, vinho es-
pecial D. Pedro V, nctar superior de
1833, duque do Porto de 1834, vinho do
Porto, velho superior, madeira secca. Por-
to superior D. Luiz I, e outras muitas
marcas, em caixa de urna duzia a 10,000 e
l.ooo rs. a garrafa.
dem branco de uva pura a 64o rs. a garra-
fa e 4,ooo a caada.
. dem superior a 5oo rs, a garrafa e 3,2oors.
a caada.
... t j dem em pipa Porto, Lisboa e Figueira das
marcas mais acreditadas a 3,8oo a caada
e 5oo rs, a garrafa.
J i; O
Chouricas muito novas a 64o rs. a libra ; chocolate francez a l,ooo rs. a
eerAntonie Lui^de"ohveraTzevedu&' a," no seo ameixas idem ; alpista a 16o rs. a libra, e 4,6oo rs. a arroba ; arroz do Maranho e da
ccriptorio ra da Crui n.j. _________ India de 80 a loo rs. a libra, e em a arroba de 26oo e 3,ooo re. ; azeite doce refinado
"jal ,00o rs. a garrafa e em porco, menos; idem de barris a 64o re. a garrafa, e em cana-1 dem de marcas pouco conhecidas a 4oo rs.
I da a 4,8oo rs.; banha de porco a 4oo re. a libra, e em barril a 36o re.; batatas muito | a garrafa p 3,000 re. a caada.
Fabrica Conceico da
Babia.
novas a 4o rs. a libra, e l,2oors. a arroba ; cha perola, hysson, miudinho a l,8oo, 2,4oo
Especial vinho Lavradio sem a mais pequea
Andrade k Reg, recebem constante-
mente e tem venda no seu armazem n.
34 da ra do Imperador, alfrodao d'aqnel-
g la fabrica, proprio para saceos de assu-
| car, embalar aigodao empluma etc., etc.,
jgg pelo prego mais razoavel.
composico a 560 a garrafa e 4,ooo re. a:
caada.
c;iuma de mandioca.
Vende-se na rua-da Madre ao Dos n. 38,
mazem.
Attenco
e 2,5oo rs. a libra; charutos des melhores fabricantes da Babia de 2,ooo e 4,ooo rs.;
cerveja branca e preta a 5oo rs. a garrafa ; cravo, canella, cominho e erva-doce, conser-
vas inglezas em frascos e meios de 5oo a 9oo rs.; cognac inglez superior a l.ooo rs. a Farinba de matarana a 240rs. a libra,
garrafa caf de 1.a, 2.a e 3.* qualidade de 8,5oo, 9,oooe9,5o rs. a arroba ; cevadi-
riba a 00 rs. a libra ; ervilhas porluguezas em latas de 1 V libra a 7oo rs.; spermaeote
a 56o rs. a libra, e em caixas a 52o rs.; farinha de araruta verdadeira a-ioo rs. a libra,
e em a arroba a 6,000 rs ; genebra de laranja a l.ooo rs. o frasco ; idem de Hollanda
a 64o rs., e 4oo rs. a botija; graixa em latas a l,ioo rs. a duzia; manteiga ingleza per-
feila flor a 800 rs. a libra; idem franceza a 56o rs. a libra, e em barris a 52o rs.; maca
de tmale a 600 rs. a libra; marmelada dos melhores fabricantes a 64o rs. a libra : ale-
j tria, talharim e macarro a 4oo rs.; marrasquino de Zara verdadeiro l.ooo re. cada iras
co; nozes muito novas a 2oo rs. a libra; passas a 4oo rs. a libra ; painco a 16o rs.; po-
; mada a 24o re. a duzia; pimenta do reino a 36o rs. ; papel almago e de peso de diver-
sas marcas; palitos do. gas a 2,2oo rs. a grosa e 2o rs. a caixinha; ditos de seguranca
**" i individual a 2o rs. a ciixinha e 36o rs. o maco ; queijos flamengos do vapor a 2,ooo rs.
J2^L*e t!0,hos !2M2H2r cada um; cevadinha a 2oo rs. a libra; sardinhas de Nantes de 4oo a 64 rs. a lata ; sa-
iecsreni as compradores, sendo dmneiro a vista.; /"
ar>
as olarias de Jos CarKeiro
Prazeres, nos Cothos.
ra dos i bao massa muito superior a 2oo rs. a libra; toucinho de Lisboa mnto alvo a 3oo re. a li'
______'______! bra; vinho do Porto velho engarrafado a l,5oo rs.; idem em barril a 800-rs. a garrafa,
rior cal le Lbboa sendo porcao faz-se differenca eem caada a 5,ooo re.; idem de Lisboa muito superior a
rvende.se snperior ral de Lhboa a mais nova. J00 rs- a wrrafti e 2.8oo-rs. a caada ; idem da Figueira J. A. A. a 5oo rs. a garrafa e
ine ha no mercado unto em porco como, a reta- 3.6oo rs. a caada ; dem do Estreito a 36o e JzO rs. a garrafa e em caada a 2,56o;
lho \>qt barato preco, afflancando-se aos compra idem Bordeaux a 56o rs. a garrafa; idem branco de Lisboa, proprio para missa a Soo.rs.
dores a superior juaiidajk -. a tratar as soguin- a garrafa; vinagre de Lisboa muito superior a ioo re. a garrafa, e i, too re. a caada;
lo Mno*nTam*doSn cevada,alfasema, gaze lijlo de limpar facasa Itors. Presuntos, de Lamego afioo
piche doaigodao. ea.l's a.ir rb outros muilos generes quedesnecessario e mencionados.
Bicas caixas com figos a l.ooo rs. cada urna.
Bicos livros co figos l.ooo rs.
Pomada a 200 ts. a duzia, sevada muito no-
va a 80 re. a libra, e i,5oo a arroba.
Garrafoes com 4 '/ garrafas de vinho supe-
riora i,5oo rs. com o garrafo.
dem com 4 '/ditas de venagre a 1,000 re. o
garrafao.
Vinagre PBB em ancoretas de 9 caadas a
15,ooo rs. com a ancoreta
dem em pipa puro sem o batisme a io rs.
a garrafa a l,4oo re. a caada.
Caixas com 1 duzia da garrafas de vinho Bor-
deaux fazenda muito especial a 6,800 rs.
Caf de premeira qualidade a 8.3oo e 9,ooo ZlXZl^ ** &
rs. a arroba e 28o a 22o rs. a libra. _Mare_De0SL_
dem de segunda qualidade a 8,2oo rs. a ar-
roba e 26o rs. a iibra.
Arroz do Maranho a 12ors. a libra, 3,000 rs.
a arroba.
dem da India muito superior a 2,9oo rs. a
arroba, e loo rs. a libra.
dem mais baixo redolido a 2,6oo rs. a libra.
dem da India comprido a 2,4oo rs. a arro-
ba, e 80 rs. a libra.
Vellas de carnauba do Aracaty a 9,5oo rs. ar-
roba, e 36o rs. a libra.
dem de sebo muito dura fingindo esparmace-
te 36o rs. a libra.
dem de esparmacete a 56o rs. a libra, e em
caixa a 52o rs. com 25 libras.
Papel o melhor que se pode desejar para os
Srs. empregados pblicos a 5,ooo rs. a res-
ma, j se vendeu por 7.ooo re.
Idemaimaco pautadoelisoa3,ooors. aresma.
dem de peso pautada e liso a2,5oors. a
resma.
dem a zul de botica ou fugueteiro a 2,oo rs.
a resma.
dem embrulho d 1,2oo a i,4oo rs. a resma.
Ameixas francezas em latas de 1 / HDra a
1,2oo e 800 rs. a libra,
dem em frascos de 3 libras a 2,5oo rs., s o
frasco valle 1,00o rs. tambem temos em
frascos para 1,4oo rs.
Conservas inglezas a 800 rs. o frasco.
Mostarda preparada em potes muito nova a
ioo re.
Molhos inglezes a 800 e l.ooors. o frasco.
Cravo a 48o rs. a libra.
Cerveja Tenente verdadeira a 7,000 rs. a.
duziae 600 rs. a garrafa.
Mem de outras marcas preta e branca a 5,5oo
e 6,000 rs. a duzia e 5oo rs.a garrafa.
Vassouras de piassava com i arcos.de ferro 1
vindae An Pnrtn a 29a rs Fugio na noite de 23 do corrente julho de
viadas do noito aj re. ae ^
Cebollas muito novas a l,oao rs. o molbo e. baixo> corpo regn!af, beicos greesos 0 estufados
800 rs. 0 cento. orelhas pequeas, e cachabo grosso, pouca barl^
Genebra de Holloudaem frasqueiras a 6,000; porque tem apenas na ponta do queixo, levouduat
e 56o rs O frasco calcas, urna branca e outra de castor eseuro que
dem em hntiias a Ano re iparece prel0' de lislras' ^leio1 prel0' sem camisa
lucui 1 in uuujas a *uu 10. i e com uma carapuga encarnada na cabeca^ a laia
Mpm Pmc9rraf7ifi de 14 aarrafes a 5 ioo rs : te marojo : quem pegar le ve-o roa Direita n
mem em garrames ae 14 garraras a a,zou rs. ^ qne ser genei.osameDle reCompensado.
Palitos do gaz a i,ioo rs. a groza e io rs. a | Fugio na larde
caixa. i escravo
.
|
-
O!
Ra da Madre de i)eos.
Vcnde-se o seguinte :
Fari ha de mandioca, saceos grande'. 45o0.
Farello, saceos grandes, .13000 e 3^800.
Milho, saceos grandes, 35200.
Feijo molatinlio, saceos grandes, 7o00.
Vende-se uma escrava mulata de boa idade
moito boa para o servico interna de uma casa .
na ra de Ilorta n. 08, se achara com quem
tratar.
ESCSAVOS FGIDOS.
do da 16 do correte um
pardo, de nome Marcos, desembarcado
dem de denles lixados em macos grandes I do biate Santa Anua, vindo do Aracaiy, tendo
com io rs o macinhos a liors; e'inasso.
de idade 28 anuos pouco
naes seguintes
i pouco mais on menos, eos sig-
altura regular, secco do corpo,
pouca barba, cabello crespo, levou camisa
calca de algodaosinho de riscado azul echa
peo de palha, tendo levada comsigo urna troux
com mais roupa, c rendido de orna das veninas:
Cominhos muito novos a32ors. adibrae!
lo.ooo a arroba.
Sag muito novo a 24o rs. a-libra.
2u^!?-/!!^1 ^S iSSi i f* appreeoder ^ueira leva-'a rna da *>*
Milho alpista a 14o rs. a libra e 4,5o rs. a i Je Deus ^'38 oa a"rua do Brum n % que Im
arroba. j recompensado.
Gomma a 28o rs. a libra, e 5,4oo aarroba. -----=^---------r?;------* i-------
" ... i_____ i!,, j.______t^ Fugio do engenho Guerra de Ipomea um es-
Peixes em latas a l.ooo rs. a lata j prompto | cravo deB nme fM MuniZ) esltl2 balM) e 6
a comer-se.
Farello de Lisboa marca N. e Biato. saceos
grandes a 4,ooo re.
Doce da casca da goiaba a 6oo e i,ooo re. o
caiiSo.
a caixa e 7oo rs. a garrafa.
O proprietario do grande armazem UniJo e Commercio detlara aos sew fregu
zes e amigos e'ao publico em geral, que para facilitar a commodidade de todos esllpnlou
os mesmos precos dos seguintes lugares:
Unilo e Gommercio ra do ueimado nv. 7.
O Verdadeiro Brinepl ra do Imperador n. 401
'crinlo: qoem o apprehender oo-der noticia nc
' dito engenho, ou na roa, da Aurora em casa do St.
Elias Baptista da Silva, ser generosamente re-
compensado;________
Fugio na noite de 22 do mez prximo passa-
do orna escrava mulata clara, de nome Snizana, de
idade 35 ao&os, baixa, corpc4enla,comalguns pan-
nos pretos nelo rosto, cabellos crespos e cortados,
costuma intitnlar-se forra, e procurar servfco co-
do ama de casa particular : roga-se a qualqu.
pessoa, aos capitaes de campo e pokcia. que da
mesma derem noticia, sero recompensados na ra
da Praia, armazem n. 55, o na roa Imperial nu-
mero 1!.


mm
Diario 9 Pemabid ... 8ex SCIENCAS ARTES.
|>A nELAQU ENTRE AS FORCAS PHVSICAS.MOVIMIENTOS
BE IVA BALA ATIBADA DE B.VIXO PARA CIMA.ACCAO
r\ gmavidad'b.luis da forca ATTRACTIVAENTRE
i.-i:nnro>.uma bala cundo com forca sobrb o
. [O nriiO E RESISTENTE AQOECE.A PEHCCSSA R
AFRicgAonAocAM)H.-E.ji;ivALESTG iiBCHAMico do loa sempre, a sua acgo om cada instaleaccumu
em virlude dessa ateraccao, isto da denominada
forca de gravidade.
Essa attracgo obra incessantemenle, e, como
eni sentido contrario quelie e que a bala foi ati-
rada, por isso retarda o movimento ascencionardo
das essas oscllag5es, produz-se uro som mais ou
menos spero, mas ou menos musical, segundo o
seu timbre e intensidade. E' fcil.a explicaeo
deste phenomeno.
As archas aquccidas da p, postas em conlaclo
projeciil at o aniquilar de todo depois, acta ella fazem-o dilatar, o que um dos
so, c por isso faz cahir a bala. Como/por*. ac e,Tail0S do calor sourft 5 pos, no ponto de con-
tacto ; esta dilataran repentina, e desvia oiJr0-
mento da sua posicao, repelindu-o ; depois quando
este cae pelo proprio peso, repete-se o mesmo, tor-
na a haver nova dilatacfto, e rcpulso instantnea]:
por esta forma entra em balando a pasinlia como
um berro, (d'alii Ihe vem o dar-so-lhe este nome s
vezesl; e este movimento mechanico, occasionado
pelo calor, communica-se ao ar, era ondulages
bailante rpidas para darem um som.
Assim, podemos j dizer, que a mesraa causa que
produz som n'um corpo vibrante, produz calor
n'outro corpo, que naotenha esta faculdade; igual-
I mente podemos afflrmar que o calor se transfor-
ma em vibragoes sonoras, dadas certas circuns-
tancias.
Em vista dos fados citados
e de outros rauitos
ilatacau dos corpos, e MUDANZAS de es- altura a que chegou subindo.
TArO.-DE>D.;m^EXTOI,,,;:A.(,: ^A^I>.IMrNr, g ^ g ^ eiicon(rai_
ni r.M conro.condlix.ao do i.ai.hii. t..\i.o,ui\- .
diaste.CORPUS diathebmasos.bxistb o K- 'a e '"odiada, penetrar nella, affastando as parti-
ther?os corpos radiam diversamente calor culas do barro ; se encontrar urna lamina de vi
SEOVKOO as shas superficies.absobpqao e re- dro, uao a penetrar se nao vier com graude vio-
FUXb DO CALOn.-SL-A nECIPnoCIDADK -REKUAC- k mas par,Wa.ha em yjer
<:\0 DO CALOR.CALOR I1MXRO K CALOR I.I MINO- r y i >r .
s'o.-diversas dualidades de calor.-di as pa- cora um movimento muito rpido, atravessara de
r avbas ao RECDATOB sciektifico DA (AZETA de lado lado o vidro, levando adiante de si urna por-
ro \tigal. c,o deste corpo, e deixando na lamina urna aber.
^ tura redonda. Se a bala encostrar no caralnho um
Quando a sciencia da natureza se agitara as corpo que esteja livro de se mover, communirar-
l evas. cm que haviam envolvido as phantasticas '>* ma parle do seu movimento, e caminhar'
i Dsoes creadas para satisrazer o. orgulho dos philo- com elle. Em todos estes casos, reconhecer-se-ha' aualgdS P,S J?'ga' sde Ja que calor
sophos; quando os homens de estudo buscavam o que o effeilo mechanico corresponden causa aos Um v'"> ^mediante ao que produz o som ;
, -aravilhoso em vez da verdade. aspiravam alean- lP* <* brea recebidos pela bala. u,n ?>*> v.bracao das partidlas da male-
earnm poder sobrenatural em vez do procuraren) as Quando a bala, ao cahir de urna grande altura,! Zea do Tato* UaJamen,al da theoria "'^
i geraes da materia e da forra que rrgem o mun- bater sobre urna chapa de ferro, em que nao possa!
do physico quando o espirito das nacoes da Euro, penetrar, e, em consequeaeia do impedimento op- 1>arImdo a?era desta llieoria, e para a compre-
sa, atacado de um vago misticismo, prorurava nos posto pela chapa, vier a ficar em quietago, o que i nendermos em ,oda a sua extensao, estudemos o
prep'rios sonhos a revelacao do inundo externo,. ser feto da forga mechanica a quo o movimento
quera conquistar pela imaginarn desregrada a era devido, e que, ueste caso, parece haver des"
i atoren, que s a observarlo e experimentar-) apparecido.? Se observarmos a bala, logo depois do
deixa as vt-zes surprehender os seus segredos. choque, notaremos que ella se aqneceu.
jar.do o hoinem, referindo todo o universo a si, j
r .raudo ludo ligado aos seus
ses o miseraveis paixoes. quera ler na posico
dos astros o seu deslino, e desrobrir o segredo de
iraastoraar em proveito proprio a harmona immu-
cvel do cu e da trra: a alchimia, urna sciencia,
occnlta, buscava o elixir dos sabios, a lo tallada "* em ^ Um fh0QUe' a aCcao mechan,ca communique ao corpo, e por consoguinte succede
,-, ,, ; wrempregada em esfreear dous cornos um pelo "~wjbubp wmfsob
i;jano mal compreliendida pcrfYi ;)A1o.o/>//i/. '- ... g,, ow,~s "'" tambera no caso em que o ca br orodurioV nelas
outro, o resultado daquella acCao ser o aquect- ; a(J- mechanca9
ment dos dous corpos. Os mais vulgares exem-;
pos mostram que a fricfo de dous corpos gra ca- i Pe,a_ant'8a theoria que admittia a existencia de
lor, e que esse calor tanto maior, quanto maior! Um fluido esPecial denominado calrico, e> qual
O sonho dos alchimistas nunca se pode realisar: e! f0 a resistencia que a friccao oppoz ao fcil escor-! cercava as partilhas mininas dos corpos como urna
3 chimica, ao distinguir substancias numerosas que regamento das superficies dos corpos friccionados, i aluraosPhera ; theoria que admittia a forga de at-
reputou dementares ou simples, existindo ndccom-! Esfregando as mos, aqueeem-se ; mas com esta i tra5ao eulre os tomos, e altribuia alhmosphera
joniveis e inalleraveis as soas propriedades essen- J ojieragao as mos Onas de urnasenhora tomara me- ^ do c*'01*'110 aa> effeilo contrario ao dessa attrae^ao.
ciaes, condemnou por absurdas, e inconriliav.,- nos calor do que as maos grosselras do homem. i am effei, rePulsivo! a explicacao dos phenome-
rom as leis da natureza as cobicosas estravagancias i i,a r0(ja em movimento aquece o eixo em que i nos da dilatai5 das corpos e da sua mudancade
c'os alchimistas. j gyra ; porm, se for esse eixo convenientemente' es,ado> era aogmento das atmospheras do calori-
a transmutagao dos metaos nnnw smmin: nnm i i^ti^ao com um oleo, o aquecimento ser menos i" em torno das partculas componentes dos cor-
i
ella se pode conseguir, anula mesmo que sej> t-i-,
i'":deira a theoria. alias moito provavel. da unidade Par* vencer as resistencias, que a friegao opp5e '
i materia. Has se a transmutado das denomina- M movimento, gasla-se tanta mais forga, em den- ira corpo solido tinha os seus tomos a urna de
Quando se percute cora o martello
modo porque o calor se manifesta nos corpos, e os
modifica ; estudemos rpidamente as propriedades
do calor.
Os corpos pela aegao dilatam-se, alargam-se
crescem em todos os sentidos. Se o calor aug-
'"'"' seTire"nTede"Vlrap7ram7a VnTes e depois di wr" i ?enIa e!a0 corpo- dePis de a,finSir os lirai,es
da sua dilatagao, muda de estado, isto sendo so-
! cussao, observa-se que o trabalho mechanico do
martello, d logo em resultado consideravel aque-
cimento no corpo percutido.
mal compreliondida
.-..bslancia puriQcadora, capaz de mudar os metaes
inferiores no metal precioso por excedencia no
ti aro.
lido, era geral, passa liquido, e sendo liquido
passa ao estado aeriforme, ao estado gazoso. Isto
succede, seja qual for o modo porque o calor se
saguinte succede
produzido peas
esmo, nascondicefes da sciencia experimental, I,uttUS0 o 1ue es,and o eixo inteiramente secco.! PJ>s era oariumpho obtido pela acrao repulsiva
-lia se pode conseguir, aimia mesmo que seja ver- \ ****>seud ^uco ; *** *> obreja accao da tor?a attractiva dos
das substancias elementares se pidesse obter por
-Teito daacrodas furgas da natureza, ruja appli-
tidade de circumstancias, quanto mais speras sao
as superficies em contacto ; mas a este maior gasto
cacao a sciencia pode fazer, o que se deveria d'ahi de l'urga corresponde maior calor nos corpos entre
concluir? Concloir-sc-hia que no mando ha s urna I os quaes liouve a friego. Se fosse exactamente
c ;pccie de materia, a qual deve os seus variados' medido o calor produzido neste caso, elle poderia
.'spt'ctos e qualidades ao modo porque as particu-' servir para a araliacao da forga gasta em vencer a
s se grupam, se movem. se aproximara ou se friegao.
;\'astam debaixo da acrao da energa que anima o Estas observardes, que se podem variar por mil
universo. j formas, levara ao espirito a conviego de que as
U que a sciencia nao consegran anda, nem tal- acC mechauicas geram o calor. E' indispensa
\.': consiga nunca era relacao a materia, j o al
cangou era relacao potencia da natureza. Nao se
f odem hoje transformar iras nos outros os corpos
simples, os corpos elementares: mas podem trans-
ormar-se urnas as outras as forras naluraes, que
c seu modo de aeco nos permiitu distinguir, que
podemos reconhecer pelas suas propriedades.
Como nao conliecemos a potencia, a energa que
erigira todos os phenomenos que presenciamos no
terminada distancia ; se era aquecido, isto se
para elle entrava mais fluido calorfico, necesaria-
mente os seus tomos se afastam, e d'ahi resultava
o augmento de velume ; continuava o aquecimen-
to, cresciam as atmospheras de calrico, a forra re-
pulsiva dessas atmospheras equilibfava a atregao
entre a materia constitutiva dos atemos, e d'ahi
nascia a mudanga de estado do corpo solido, a sua
transforraago era liquide, onde os atoraos.apresen-
tam uraa perfeita mobiltdade.
pos os nao aquece egualmente. Supponhamos urna
locqmotiva empregada em puchar sobre um cami -
nho^de ferro um trem. e ao mesmo inp cm im-
pellr, por nm modo qualquer, cortBtrde ar. n'um
grande numero de canudos do orgo, onde este se
dispoe em ondas sonoras; a forga da locomotiva,
na nossa hypothese. repartir-se-ha; parte ser em- ]
pregada era afastar o trem da estagao de partida, c
parte em produzir sons. Se o pes) do trem aug- ,
mentar, u se alguma odtra causa difficultar a
allracgao. tornar-se-ha necessario. para conservar
as mesinas condigoes deraaicha, empregar em ven-;
(er a maior resistencia uraa parte mais consfdera-
vel do esforro da locomotiva, do que atalii; desla
circunistancia resultar que a porgo da forga era-
pregada em impelir o ar para produzir sons,
sera menor, os sons terao menos intensidade, sero;
menos perceptfveis.
Esta hypothese, que acabamos de figurar, repre-'
senta, at certo ponto, o que se passa na distribu-
cao do calor deutro dos corpos entre os dous tra-
badlos, e de afastar os tomos, e o de os por em I
vibragao.
O calor manifestado por qualquer lrma trans-'
mitte-se distancia, jpassando atravez d-umeor-
po que esteja cm immediato contacto com o foco de
calor, ja espalhando-sc no espago que cerca esse '
foco, e indo actuar nos corpos collocados a dis- ]
tancia.
Todos sabem qoe una aste de ferro quetem urna
das suas extremidades mettidano foso, rpidamen-
te se aquece era toda a sua extensao : tambem
de observagao commum que um pu de lacre, em-
bora esteja ardendo por urna de suas extremidades,
se nao aquece bastante em lodo o seu comprimen-
to para que o nao possamos ter entre os dedos sera
nos queimarmos.
O calor, como se mostra por estes factos e por
muitos outros que a cada instante estamos obser-
vando, pode ser transportado pelas partculas dos
corpos, mas nem todos os corpos deixam egualmen-
te passar o calor atravez de si. Ha corpos Ijoiis e
outros mus conductores do calor. Dii-se aqai um
facto anlogo ao que se observa com a transmissao
dasondulagoes que produzem os sons; estas ond-,
lagoes sao perfeitameote transmittrdas por corpos
clsticos, em que possain formar-se vibragvs;
eguaes aquellas que originaram o som; mas quan-
do as ondulages sonoras encontrara um corpo nao
vibrante, um estofo espesso ou urna almofada de
pennas por exemplo, perdera-se. exiinguem-se por
assim dizer nesses mus conductores de som. A
falta de continuidad^ dos corpos atravez dos quaes
as rbragoes, sonoras devem passar interrompem es-
sas vibracoes insttrdece os sons, porque na passa-
gem de uns para outros cor|>os. perde-se nina par-
te da forga que produz as ondulages, e di minu a
intensidade do som, ou mesmo se extigue (fe todo.
Ainda aqui acharaos a analoga entre o som e o
calor, analoga que prora a seroelbanca das causas
de ume outro.
A silica, no estado de cryslal derocha, um bora
conductor para c calrico, reduzca p, perde esta
faculdade, e torna-se um mu conductor; a seda
frouxa deixa passar laats dCBcilmenle o calor,.do
que a seda torcida.
Quando nos chegamos- a um corpo aquecido sen-!
timos antes mesmo de Ihe tacar, o calor a distancia
do mesmo modo porqu* ouvlmos osom tongo db'l
corpo sonoro em vibrarro, e vimos a luz estaudo
afastados do corpo luminoso. O corpo aquecido,
na linguagem do< physicos, radia calor; urna par-
te do calor, liberland-se de entre as partculas do
corpo, propaga-se atravez do espag, e vae a dis- j
tancia actuar sobre os outros corpos. A experien-
BU prova que todos os conpos, seja qu.il for a sua
temperatura, radiam calor, o qual se propaga era l
todas as direegoes, mas em linha recta, diminuindo j
a sua intensidade na razo do quadradedus distan- j
cas.
Quando, approximando-ncfr |de utn fogo, quere-1
mos persevar-nos do calor radiante do corabustive
Arrancadura, protm^ao de deliquio, etc., pena
capital.
Pica revogada a legislagao em contrario.
Somos de V. etc. redactor.
. Christitia de Avellar (solteira).
D. Perpetua da Piedade (casada).
D. Clandina Guerreira (viuva).
Vogaes da commissao regeneradora do sexo
bello.
basta-nos por diante do fogo urna chapa de madei-
ra, urna folhade papel, ou mesmo unta lamina de
vel ver agora se entre a acgo mechanica empre-1 Emlira, supposla a continuago do aquecimento, ridro; prova ieto que o calor caramba em linha
gada e o calor produzido existe urna relago cons- i e por consegrante o augmento das atmosoheras pecta' e ai "^'a^^niupodcmalravessar aquel-
,mt,S ou vice-versa, se pelo eniprego de uraa quan-1 calricas, ento quebravara.se os h^
tidade de calor se pode produzir sempre um ira-1 gao entre os atoraos, visto que essa altracgao dimi-! rm muito menos transparente para o calor, inter-
balho mechanico correlativo. I nue na proporgo do quadrado das distancias- entre Pzerraos urDa lamina de sal gemma, enlo o calor
rvc. u a i. -iL i a< nanipiiiis na u .tt..i._ i radiante vir-nos-ha impressionar vivan*"
O Sr.-Mayer,de Heilbronn, e o Sr. Joule, de Man- as Particulas V se attrahem na supposigao de- ^ corpos ^ sa0> p0^ assi)n. dUeri lra
chester, fixarara as opinies da sciencia a este res- quem nellas se manifesiam sem alteraf.aoj -.pecar para e calor, corpos diathermanos. na
peito ; a retagao constante e definida entre a acgo da exiguidade das massas e das distancias, as leis[ dos physico c outros que sao opacos;
mechanica e o calor um facto provado. A forga formuladas por Newton.
necessaria, segundo os experimentadores citados, s tomos, cedendo forga repulsiva do calori
vivamente. Ha
ir.undo physico, seniio pelos saus effeilos, s em
relcio a estes que podemos distinguir as forras, "ara levaD,ar "* k.iograraraas a un, metro de al-; co, expadiam-se neste caso em forma de gaz. Esta
, .,-, os modos de obrar da potencia em circums- i 'ura' ^'^ ,em Pruduz'r cal01' Por -jrr theoria era simples no modo de explicar phenome- ^ da^ inteSde^
t lucias diversas modos indicados cima, da uraa quantidade de i nos communs ; mas nao dava a explieacao de no-: passar- neste caso, porm com
calor sulDcieute para fazer subir de ura gru do i taveis factos em que agente o calor, ou este se liculas do corpo, e poe-n'o em v
Esses modos de manifestago da energa ou po
l ,'ncia teem caracteres distinclivos bastante defini-
do* em relago ao mundo c era relacao aos nossos!D Se esta theoria falsa, por nao estar de accordo
sentidos, para que at ha poucos airaos se jul'gas- Para **" a deternrlnago das relacoes en- com a sm|>Hcdade maravilhosa dos meios, que
inteiramente dislinctas as re ca,yr e a acca0 mechanica, lixagao do que j produzera sempre na natureza os mais complicados
forra mechanica, a 1ie therraoraelro centgrado a lem[ieratura de um kilo- manifesta. Por isto nao pode ser admJttida.
i gramraa de agua.
Para cliegarem deternrlnago das relacoes en-
linguagem
ha corpos
por entre as partculas dos quaes passam as ondu-
lages do calor, e outros que de tojo, oh pela maior
parte, o deteem O movimento. que d o calor ra-
diante, comnainicado em ondas atravez do espago
n'urnas substancias penetra e passa quasi sem per-
sai outras nao pode
commuraea-se as par-
ibraco. Os cor-
pos transparentes para o caln deixain'-n'o passar e
ficam frios; os corpos opacos nterrompem-n'o e
aquecem-se.
fonUnuar-se-ha.)
i .'m na sciencia como
musas que os prodnziram na
<";r<;a que produz o movimento dos corpos era
rr:assas apreciaveis, era reputada inteiramente
distincta do calor, da luz. da elcctricidade, domag-
Hetismo, que segundo a opiniao vulgar na sciencia,
eram fluidos de natureza particular, que sahiam ou
f .netravara nos corpos.
Para se entender a qnestao imporlante, de que
desejamos pOr ao facto o leitor, a da transformacao
(as forgas physicas urnas as outras, em relagocs
da homoceneidade deesas manifesta-
perimenladores empregaram um determinado tra-
balho mechanico em produzir friegues mais ou me-
nos rpidas em differentes corpos, e, comparada a
elevagao de temperatura resultante da das friegues
rom a quantidade de acgo mechanica dispendida
ebegaram a obter a relago entre uraa e outra coli-
sa ; isto determinaran! o equivalente mechanico
de calor.
Da transformado do calor em trabalho mecha-
nico temos nos urna prova, boje de todos conheci-
definidas; a da homogoneidade dessas man.tes.a- ^ A ^^ de va|)Qr n-Q fM mas do que apro.
C6es da energa da natureza: para se julgar esta I eur essa ,raosforinac5o para 1(roduzir movimen.
uto a sciencia, [o Q traU|ho (jue a ^^ de yapor nwa .
o resultado do consumo, de urna quantidade de ca-
lor equivalente : cada roda que se inove, cada peso
affei-
ma-
\ deira, o corpo mais duro ou o mais brando, n'uma
! olficina cujo motor urna machina de vapor, tira
Recordemos para isso primeiro o que se nota de | toda a sua forga da fornalha em que arde o conr
riis commum nos effeitos das aeges raechanir.as bustivel.
torna-se necessario entrar na anaiyse de algnns
dos phenomenos mais notare?, que so observara no
apparceimento das forras physicas; indispensa- que erguej cadaserra quJcorVa, "torn quTai
vel conhecer as bugoes caractersticas de cada urna j ^^ ^^ Q mml a a
aquellas ordens de phenomenos a que temos de |
nos referir.
explicando ludo, deixando prever factos, que de-
pois a experimentarao vem realisar, explicando-se
sem excepgo a todas as manifestagas da potencia
da energa natural, e dando a chave dessa maravi-
lhosa transformacao das forcas physicas de que es-
tamos dando noticia aos leitores, deve reputar ver-
dadera.
11
Todos os corpos teem calor ; o calor e o fri sao
apenas ideas de relago. Todas as partculas dos
corpos e.-to pois em perpetuo movimento, pois
que o calor nao senao um movimento de vibra-
gao. L'm corpo com certa quantidade de calor
teiu as suas partculas elementares om vibragao,
cojos limites correspoodem a essa quantidade;
comraunicando ao corpo mais calor, crescem com
elle as vibragoes, que augmentam de rapidez, e
afastam assim mais as pancula* entre si ; esse
ordinarias; nos effeitos do que vulgarmente se cha-
ma a forga-
l'm corpo, por exemplo, uraa bala de chumbo,
impedida pelo brago do homem. entra em movi-
mento, desloca-se era relacao aos corpos que Ihe
C?tao visinhos; este, movimento devido acgo
muscular, ao esforro do hornera.
A bala, nao encontrando impedimento algum, o
liavendo sido laucada debaixo para cima, vertical-
mente, sobe at una certa altura; mas o seu mo-
vimento inicial vae constantemente diminuindo, at
que a bala, em \ez de continuar a subir, retrocede,
c vem cahir no chao, onde bate com violencia.
O que rctardou o movimento ascencional da bala,
c o que a fez descer com lo grande velocidade, c
Later no chao com tanta forca? Observando a
marcha dos astros, o modo porque estes como que
se prendem uns aos outros, procurando as causas
desses phenomenos importantes, e comparando
essas causas com a que produz a queda de todos os
corpos abandonados a si, Newton formulou urna
lei geral da nalureza, que nao senao a expressao
de um facto, e nao a explicagao delle, como muitos
liomens de sciencia parece haverem julgado
t-sta lei a segrate: Todos os corpos se atraem
entre si na razo composto das suas massas, e na
razao inversa do quadrado das distancias.
Qur isto dizer que dous corpos, duas espheras
por exemplo, tendem urna para a outra, e que essa
tendencia tanto maior quanto maior fr a massa
das duas espheras, mas diminuir milito rpida-
mente medida que as duas espheras, se afasta-
rem urna da outra.
Ora, a bala de chumbo, de que cima se falln,
urna das espheras do nosso exemplo, e a trra
a outra esphera; claro est que as duas espheras
se attrahem.
ntre cada kilogramma de carvao, que arde, e o
trabalho executado pela machina existe urna rela-
DI Pote M TUBO.
Teodo o chronista da Recofueao de Setembro
dado noticia do abuso de forga praticado por al-
, gura desalmado contra frageis mulberes, publica
oseginte no dia inmediato:
Urna commissao de senhoras, residente era Lis-
boa, acaba de nos enviar a segrate representa-
cao :
Sr. redactor da Cltronka da Recolnylo e Setem-
**.Na sua folha de hontem levanlou-se um bra-
do enrgico a favor das filhas de Eva, victimas da
prepotencia e despotismo de alguns Adaes auda-
ciosos, que, esquecendo as tredigoes cavalleirosas
de seus briosos prelecessores, opprimem, escar-
necen] e maltratan as mulheres iracas e inermes.
afaslamento d em resultado o accrescimo do vo-
lunte do corpo.
Emquanto Iteus nao Ilumina o no?so sexo, fazen-
do-lhe comprehender os seus direitos e irradian-
do a desojada aurora da nossa emancipagao social;
Se as vibracoes augmentarem, as partculas do
,--.". v ,. pando ao pe de cada Holofernes una Judith, junto
corpo ir-se-hao cada vez tornando, por assim duer, _, J_. ,_____j. ... ,...,.. a. .,..>.
mais ndependentes, at chegarem ao estado de li-
a cada Talbot urna Joanna de Are, ao lado de cada
gao que se pode medir. O calor pois, um molo vremente se deslocarem urnas em relacao s ou
de manifestago da potencia da natureza : o calor tras, sem dcixar de vibrar. O acceleramento das
um accidente da materia. Mas qual a natureza j viDragoes do calor chega finalmente a quebrar to-
intima desse accidente ? Que relagocs tem elle dos os lagos de uniao attractiva dos tomos, a que
com o movimento produzido pela aeco mecha- se C|,auia a cohesao, e estes se espalharao em for-
nica ?
Busquemos essas relagoes. Baiendo com ura
martello n'um sino, este, ao recober o choque, nao
se desloca, mas as suas partculas entran em vi-
bragao ; isto affastadas da sua posigao de equi-
librio pela pancada recebida, tendem a voltar a
ella ; mas antes de o conseguir oscillam rpida-
mente. E o que acontece em consequencia destas
vibragoes? O ar alternativamente comprimido e
dilatado pelo sino em vibragao, formando-sc em
consequencia disto ondas successivas, como as que
se observam na superficie de ura lago onde cahiu
urna pedra.
As ondulages do ar chegando ao nosso ouvidn,
do-nos a sensago do som. Quando um martello
pesado cae sobre urna chapa de chumbo, e a com-
prime, nao ha vibragoes aprecinaveis, nao se for-
mara ondulages no ar, nao se produz o som, mas o
chumbo aquece.
Uraa experiencia curiosa prova, que o calor po-
de dar origem a vibragoes, da natureza d'aquellas
que produzera o som. Para esta experiencia em-
prega-se ura apparelbo muito simples, conhecido
pelo nome de instrumento de Trevelyan. Consiste
este apparelho n'uma especie de pequea p, ten-
do apenas tOcentimetros de comprimento, com um
cabo de 2o centmetros, terminando por um bo-
to : a p na parte de baixo longitudinalmente
sulcada por urna goteira, cujos bordos fermam
arestas baslante vivas.
tyranno urna Borgia; em quanto finalmente nao
fr concedido mulher ter voto nos conselhos da
cor-'a, ou cadeira no parlamento (e creamos bar-
baros que ba de chegar essa redempgo ao .nosso
sexo), consintamos que nos, constituidas em com-
missao regeneradora, dirijamos d'aqui urna sup-
plica aos poderes do estado :
Senhores.Considerando que o sexo das mies,
Aquerida a p, e collocada sobre um pedaco de
Mas como ha urna enorme desproporgao entre as 'chumbo, nao larda em oscillar de urna para a o-
duas, s a bala cede altracgao, s ella se nome ,tra aresla da goteira, e, tornaodo-se bastante rapi-
raa gajosa.
Pela influencia do calor, como se acaba de dizer
e todos sabem, os corpos dilatam-se e depois mu- ,
a.~. .i.,i j- i .i das Das e das consortes e continuamente avilta-
dam o estado de aggregagao das suas partculas ;
.mn.m.___ ^..irJ._____ t .- do por esses Othelos ridiculos, que o desconsido-
ao mesmo tempo mam festam os phenomenos sen- r
... .. w______. .; rara, ma tratara e espesmham:
siveis que chamamos aquecimento. O primeiro; *
facto o resultado do afaslamento dos tomos, o ; Considerando como a mulher tem duplicado di-
segundo o resultado da aceleragao do movimen- redo proteccao das leis, porque c geralmente
to vibratorio desses tomos. ftfH- soffredora ;
Temos, pois, dous moviraentos, duas existencias | Considerando como considerado que a gera
vencidas, e em cada urna se dispendeu urna parte Ca0 masculina que nos avassala desdiz, e renega
do calor applicado ao corpo. A attracgao entre as os exemplos nobres dos cavalheiros da ala dos na
partculas de um corpo solido e muito grande, o morados, dos doze de Inglaterra, e de lantos ou-
esfbrgo para a vencer precisa ser-lhe proporcional; tros que se extremaram na defeza de nossas pre-
este trabalho, que o Sr. Tyndallcujas opinioes so- micias e encantos ;
bre a theoria dynamica do calor, expostas lucida- Confiderando f,na|mente como de tal estado de
mente no seu livro sobre o Calor, nos parecem as oppressao pde sarlir uma reM^0 femnina que
mais de accordo com os fados-denomina trabalho ponna cm guerra crueola os dous seCS (|e.
interior, e var.avel as diversas substanc.a?; eas- sejando nos evilar os meios exlremos apreSenta-
s.m deve ser, visto que numdado peso de cada mos e ft M
uma dellas se contera um numero variavel de ato-, Todo 0 mard0) namorad0j am:llll(>. ou ir.
oos, e estes provavelmentc nao sao senao grupos de ora avante o(Tcnder ^ pre.
de partculas da materia nica, grupos aggregados' tendid coinpanlieira, ,lha ou irmaa iera pumdo
por diversos modos em nmeros epo.igoes relativas ^ as constantes da labe!ia u .
differentes. i ....
I Simples airemero ou orneara, multa de dez tus-
Quando se aquece pois um corpo, ou pela appli-' toes a cinco mil ris para 'os alflnetes da offen-
cago de uraa forga mechanica ou pela aegao do (ja>
calor sensivel de outro corpo, ha uma parte do es- Palacras injuriosas, priso de um tres annos.
forgo consumido em vencer a attracgao dos atoraos. e multa correspondente.
emtrabalho interior- variavel para as differentes Bofetada ou murro, degredo temporario as pe-
substancias, e ontra parte empregada em commu-' dras de Encoge.
nicar aos tomos o movimento que d origem s! O mesmo crime com a circumstancia aggra-
manifestag5es do calor. Ii'aqui resulta que a mes- vante de ser praticado em publico, degredo per-
raa quantidade de calor applicada aos diversos cor" petuo.
L-se na Revolurao de Setembro o segrale :
Um ful ilgo portuguez, receloso de que a sua
casa se arruinas com as despesas quotidianas,
chamou ura dia o mordomo ao seu quarto, e disse-
Ihe :
Oiha c, os rendimentos vo sendo menores,
reduzam-se as despezas.
Como determinar nicu amo, respondeu o
criado.
Vejamos na mesa o que se pde diminuir,
acrescenloa o amo : ao jantar o que temos na
priraeira coberta '
Duas sopas, uraa do massa, oulra de pao.
ficando una terrina cm cada cabeccira da mesa :
no raeio quatro travessas, uma de cozido, outra
de arroz, uma de pcixe e oulra de hortalira: qua-
tro eobertM mais, ura eora gallioba, outro com...
Bem intorrotnpe o fidalgo; issorpreeiso
para a boa symetria ida mesa. Mas, quanto ase-
gunda coberta, indispensavel cortar alguma cou-
sa. O que cosluino eu ter ?
Eui primeiro lugar, respondeu o mordomo,
dous pratos grandes, um a cada caweceira, scDdo
um per inteirode um lado, e do outro um ler-
tao : seguern-se mais quatro prates com perna ds
porco, vacca assla, peixe estufado, gallinha en-
sopada -. mais quatro pratos de lir/gna, rira, ca-
bidella, tniollos; dous empadoes : qnalro pratos
de pastis, o empadas ; seis pratinhes de...
Pois sim I interrompeu o fidalgo-, e que me-
nos quere* tn que se lenha cora dignidade no meu
caso, e sem alterar at-a symetria e regularidade
da mesa ? Porm contina, e vers que na sobre-
mesa que vae o desperdicio. Dize l ; temos....
Doze garrafas de vnho superior, proseguiu
o administrador, seis do branco, seis do tinto : um
prato grande redondo no meio da mesa com man-
jar branco ; dras travessas grandes, uma de leite
reme, outra de arroz doce : quatro compoteiras
de doce de batafada, goyabada, abobora, uvas :
copinhos de ovos molles e gelas: quatro pratos
delaranjas. dous d tangerinas, ura de limas, ou-
tro de limos doces, peras, maclas, annans, me-
lo, merancia, niorangos, etc : quatro pratos de
nozes, araendoas, piusas, fructas seccas, e dous
palitetros...
Macote ladnto! exclama o amo furioso
assim sou eu roubado !----- Com um copo de-pa-
litos esgravatava os dentes uma brigada inretra !
Nunca mata isto aconteea I Economise-se de-boje
cm diante um dos palUeiros !...

*-
A certo sugeito que tinha o inveterado eos-
turne de contar todas as suas faganhas, augmen-
tando-as coBsideraveImunte at o ponto de torna-
las inverosimeis, dizia-lhe um seu amigo :
F., quando tu estiveres a contar das tucs, e
eu le puchar pelas abas do frak. para um penco,
e-rectifica, porque ser prova de que ninguem le
acredita palawa do que ests a dizer.
Picaram n'^slo. e. passadVs tempos achavaw-se
es dous amigos em casa de uma senhora da amiza-
de de ambos. A conversago foi insensivelraente
saliindo para o esplendor c brilbo dos muitos bai-
les a que os circuinstantes haviam assistido. Cou-
be ai|.ui a palavra ao nosso homem, que comecou
nostes termos-:
baile esplendido, disse, um a que assisci em
Londres I Figurera Vv. Excs. que s o salo tinha
duas leguas de comprimento.....
O'amigo aradlo com um formidivel puchito pela
aba do Irak eco orador coBiinuou, impassurei :
E urna polegadade largo.
O intelligeaie commissario regio do theatro de
D. Mara 11 ura hornera eminentemente dolicado;
Francisco Alvos da Silva Taborda um artit cheio
de abuegacao.
Isto sao duas verdades provadas pelos fados.
Pois estas duas verdades entraram liontcm em
picta. e solieran! um como que choque elctrico.
Taborda era obsequio ao Sr. Ernesto Biester e
ao Sr. Palla havia tomado parte n'algiuis espect-
culos do theatro de D. Mara II, e at se zangava
quando o commissario Ihe agradeca esta fineza. E
Francisco Palha dava-se- a tratos para descobrir a
maneira porque, sera offender o melindre do artis-
ta IIuj havia de demonstrar a sua gntido.
Pensou nisto seriamente, e hontem apanhando
Taborda desprevenido no theatro, disse-lhe :
O' Taborda, fazes-me um favor ?
Falla.
Acceas-mc- iras bolos para ma flha !
Bolos, acceito. Sao ?:'> bolos ?
Sao.
Palavra ?
De commissario.
Venliam ellos.
Ei-los.
E deu-lhe ura rolo de papel lacrado.
Taborda desconfiado ia para o abrir, e elle disse-
lhe :
Nao te dou o direito de desembrujaros. E'
ura presente de bolos para a pequerrucha. Ella
que os abra.
Francisco Palha, disse Taborda a arder em
febre, eu desconfo disto I
Sou incapaz de te attraicoar por tua fi-
Iha. E como prova offerego-te tres oigarros de es-
tanco que sao o symbolo da amisade entre os filhos
do povo.
Taborda acceitou os cigarros, accendeu un e fu-
inou, redarguindo sempre:
Aqu" ha grande marosca, Francisco. T que
nao fumas dares-me de fumar a mim___
E' para le obrigar a fumar.
E assim M.
Quando Taborda chegou a casa e desembrulhou
o papel dos bolos achou tres nscripges de 1005
res cada uraa, uomiuacs, averbadas em nome de
sua lilha.
Dizem-nos agora ultima hora que Taborda es-
t de cama con um attaque de grata indignando,
doenga vulgar em artistas daquella plana e daquel-
la coragao.
Extraamos da Tribuna Acalemica o seguate
subscripto pelo Sr. A. F. Duarte:
A MI.NHA GRAZIELLA. '
(RECITATIVO.)
Tu s a briza perfumosa e calma,
Qu'em noutes tristes vem beijar a flor;
Tu s scentelha divinal que brilha
as densas trovas de martyrio e dr.
Tu s a aurora da manhaa da vida,
Que riso, encanto, seduegoes contem ;
Tu s o sopro que acalenta a vida
i No triste peito, que descrenga tem.
Tu s a aurola que circula o throno.
O throno augusto desse rei qu'c Deus:
Tu s o hymBO que resumes preces,
Tu s a idea, pensaraontos meas.
Tu s o astro cambiante, e bello
Do cu querido, que nos viu nascer ;
Tu s a vaga solugando amores,
Tu s minli'alma, raiuha vida e ser !
Tu s o canlo do proscripto enfermo
Na pobre lyra, desferindo dores;
Tu s do bosque juruty mimosa,
Tu s dos anjos seus genlis amores.
Ao pobre arbusto, que fenece triste
Era trra ingrata, sem abrigo ter :
D-lbe um sorriso d'esses tens sorrsos.
Que faz da torra para os cns volver.
No Commercio do Porto l-se o segninle :
Ha em Turin, como em muitas outras partes,
quem faga da noute dia durante o tempo de calo-
res Intensos.
Alguns d'esfes passeadores noclurnt lembra-
ram-se. na noute de 27 de judio ultimo, de de-
prender um dos grandes chapus vermclhos que
servem como taboleta aos ehapelleiros de Turn e
foram p-lo na cabera do Cesar Balbo de marme
re que est entrada do jardira publico dos-Ri-
pari.
Faga-se idea do espanto dos viandantes que na
manhaa segrate passavam pela estatua assim ern-
barrelada. Era um rir e bom nr, e a bilariedade
> terminou cora a chegada de imraicipaes, que re
deram pressa em tirar aquello ridiculo accessorio
da cabeca do eminente hiMcriador.

Os arlilbeiros francezes no Mxico acharam com
grande admiracao, que as |iontarius dos seus ca-
nii' .i nao erara bem exacta* e que o resultado do
tira nao era o mesmo que tintia sido em Franga. A
differenga provinna da diminuico de presso da
aimespnera pura e rarefeita dos plainos-mexicano-
comparada com a do polygyno- de Vineennes, de
sorte quo o eanho vem a ser de-algim> modo um
barmetro para medir as altitues.
9
Os garotlers >.o um genero d? malfeitoves ingle-
ses, cuja especialidade consiste em ass^llar os
transentes encontrados a horas monas; aportam-
lhes o pescoeo al os suffocar, e quando o vem
prostrador-. poutiam-os, deixando-os- dejiois en mor-
ios ou ijuasi' nesse estado.
ltimamente foram julgados por este crimeCrou-
dace c Thomaz Allison, famosos garotter?, de 9nn-
derland. e foram condemnados um a S, outre a l
annos de trabamos pennaes, e alera dlsso aiHar
cada um 29'aceites.
Ha poucos dios foi a execugao d'esia ultima par-
te da sentecca, na priso era que se achavam os
r us.
Una caria.de Londres de 27 de ji conta e-se-
grate :
Executou-ce hoje, pela primeira vez, na-priso do
condado, a msdilkago que autorisa. a'Dagellae.i
sobre os cor.tmoados priso perpetaa ou temiio-
raria. Dous ladros, julgados pelo tribunal de Sun-
derland por crime de estrangulago e roubo, foram
flagellados com mu iiislruraento fabricado por um
marinheiro preso |>or algum acto d insubcrdi-
nago.
As correias, de couro delgado e solido, com un-
nove nos cada urna, sao lixas por uraa ^xtremidadi-
a um cabo exivet E' um terrivel ostromentode
tortura de que dous guardas da prisi tizeram e-
pantoso use sobre os dous estrangukidcpes, que- fo-
ram despidos at cinta e presos a ura posto-com
os bracos cruzados para diante.
Era um espectculo hediondo que f?z proiuada
sensago nocoraeo dos offlciaes da-priso, qae fo-
ram forgados-a assistir a elle. Cada chicotaa fa-
ca espirrar uraa cliuva de sangae e pedamos de
carne. Os-ioielizes suppliciados soltaran medo-
nhos rugidos) que levarara o terrea s prisSes do.-
condemnados. Cada um soffreu quinze chicotadas
e nao podia soffrer mais. Quando- os dosc-ren^
rara doo postes, foi preciso (ransporta-los para a
enfermara, porque nao se segoravam ero p.
Nao pensavamos que nossos paos tivessem abo-
lido a tortura para nos deixarem a respoosabilida-
de de restabelece-la debaixo de- outra forma.
Nao somos defensores d'este rgimen penitencia-
rio, que d ao salteador e ao raloneiro que espanca
um homem a urna esquina para Ihe tirar o relogio
eodiuheiro melhor cama e-passadio mais subs-
tancial do que rauitas vezes pde akancar um hon-
rado operario rom doze horas- do trabalho. Has.
eutre estes dous excessos, ha ura meio termo que
a j.u^tra deveria observar cora diseernimento.
Xo domingo 17 do crrente, sduas horase mai
da tarde, salu da sua amarracao no rio Saone
(Franga) o barco La Mtuche, que levava grande
numero de pessoas que linliara embarcado cara c
lim de passarera a tarde n'umas povoagoes pe-slo do
Lyon.
Pouco depois tocoua'ura banco de areia.
O embate imprimi um abalo violento nc. vapor
e obrigou-o a inclinar-se.
Os numerosos passageiros que iasa n'elle,
correrara precipitadamente ao conve, c incli-
nando o barco segunda vez arremessou-os to-
dos sobre a amurada que quebrou, deixando ca-
hir na agua mais de sessenta pessoas homens, mu-
lheres e creancas.
A confusao natural augmentou com os gritos e
lamentos dos que estavara preseaciando da praia
o acontecimento.
Muitos atiraram-se agua para salvarem al-
guns dos nfelizes, mas s conseguiram augmentar
o numero das victimas, porque na sua agona sub-
inergirain-n'os os que j se ostavain afogando.
Entre os que perecern por quererera salvar os
nufragos, conta-se o capio do vapor.
Ao anoutecer, as ondas tinhara arreiuassado u
praia 2o cadveres, sendo 12 homem e 13 mu-
lberes.
S uma d'estas pode ser salva, depois de meia
hora de irainerso.
Crse que apenas chegarara rinte os que an-
da poderam ser salvos custa de inauditos es-
forgos.
*
No dia 14 de junho falleceu em S. Domingos o
teuente-general Pedro Santana, antigo presidente
da repblica dominicana, que depois submetteu
dominago liespanhola.
Foi por isto nomeado marquex de Las Carreras,
senador do reino e gran-cruz de Carlos III e Isabel
a Catholica.
Legou ao capilao general duque de La Torre
(Serrano) a espada de honra que a repblica do-
minicana Ihe offereceu pela victoria brilhante al-
cangada, com um punhado de homens, contra o nu-
meroso exercito do Hait, commandado pelo pro.
prio Salouque em pessoa.
O general Serrano aeceitou a espada com a con-
digo de que ser depositada no museo histrico.
PERNAMBim-TYP. DE M. F. DE P. FILMO



Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ENWPXYH1Y_KKCK3T INGEST_TIME 2013-08-28T02:08:45Z PACKAGE AA00011611_10462
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES