Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10460


This item is only available as the following downloads:


Full Text
m
AIIO II. IMEB8 204.
! ^ i4tri* ;


Por tres mem adiantados .
Par tres mezes vencidos ... 6$ Porte aa correio par tres mezes. 0750


*
TERCA FEffi 6 DE SETEMBRO D 1864.
Per aiao adiantado. ? 19S09
t
Pork are eerreio por sn anno. 3$000
SNCARREGADOS DA SUBSCRiPCAO NO NORTE
Parahyba, o Sr. Amonio Alexandrino de Lima';
JNatal, e Sr. Antonio Marques da Silva; Aracatv, o
Sr.A.deLemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira; Maranhao, o Sr. Joaquina Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Manoel Pinheiro nuuonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
1NCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO NO SUL.
AlagCas, o Sr. Claudino Falcao Dias; Baha, o
rr. los Martins Alves; Rio de Janeiro, os Srs. Pe-
riera Martins 4 Gasparino. j
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Oiinda, Cabo e Escada toaos os dias.
Jguarassu', Goyanna e Parahyba as segundas
sextas-eiras.
Santo Antao, Gravat, Bezerros, Bonito, Caruaru',
Altinho e Garanhuns as tercas feiras.
Pao d'Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqueira,
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Tacaratu', Cabrob,
Boa J ista, Ouricury e Exu' as quartas feiras.
Serinhem, Rio Formoso, Tamandar, Una, Barrei-
ros, Agua Preta e Piraenteiras as quintas feiras.
Ilha de Fernando todas as vezes que para ali sahir
navio.
Todos os estafetas partem ao '/ di a.
IPHBMERIDBS DO MEZ DE SETEMBRO.
1 La nova as 3 h., 48 m. e 8 s. da m.
9 Quarto cresc. as 3 h., 30 m. e 38 s. da m.
18 Loa cheia as C h., 40 m. e 20 s. da l
22 Quarto ming. as 4 b., 34 m. e 14 s. 4a t.
30 La nova as 8 h., 23 m. e 10s. da t.
PRBAMAR DI HOJ1.
Primeira as 7 horas e 42 minutos da manhaa.
Segunda as 8 horas e & miamos da tarde.
PARTIDA DOS VAPOR8S COSTEIR03.
Para o sul at AJagas a 5 e 53; pera o norte at
a Granja 7 e 22 de cada mez; para Fernando nos
oas 14 dos mezes de jan. marc., maio, jal, set. enov.
PARTIDA DOS MNIBUS.
Para o Recife : do Apipucos s 6 Va. 7, 7 Vi, 8 e
8 y da m.; de Oiinda s 8 da m. e 6 da tarde; de
Jaboatao s 6 Vi da m.; do Caxang e Vanea s 7
da m.; de Bemfica s 8 da m.
Do Recife : para o Apipucos s 3 y* 4, 4/, 4 y,,
o. 5 V, 8 Vi e 6 da tarde; para Oiinda s 7 da
manhaa e 4 V da tarde; para Jahaatao s 4 da tar-
de ; para Cachang e Vanea s 4 Vi da tarda; para
Bemfica s 4 da tarde.
AUDIENCIA DOS TRBUNAES DA CAPiTAL.
Tribunal do commercio: segundas quintas.
Relaco: tercas e sabbados s 10 horas.
Fazenda: quinta.- s 10 horas.
Juizo do commercio: segundas s 11 horas.
Dito de orpbaos: tercas sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel: tercas sextas ao meio
da.
Segunda vara do civel: quartas sabbados a 1 hora
da tarde
DIAS DA SEMANA.
5. Segunda. S. Herc-u-lano m.; S. Arsencio.
0. Terca. S. Libania v.; S. Zacharias prof.
7. Quarla. S. Hegina v. ni.: S. Pamphilo b.
8. Quima. 4>A Natividade de N. Senhora.
9. Sexla. S. Sergio 1>.; S. Rufino ro,
10. Sabbado. S. Nicolao Tolentino; S. Salvio m.
II Domingo. S. Theodora penitente.
ASSIG.NA-SE
no Recife, em a livraria da praca da Independencia
i>. 6. e 8, dos proprietarios Manoel Figueiroa da
Faria k Fbo.
PARTE OFFIGIAL
GOVERNO DA PROYOCIA.
Continuar!) do expediente do dia 1 de setembro
de 1864.
Oflicio ao inspector da thesouraria de fazenda.
Tendo o Exin. Sr. ministro da agricultura, com-
imrcio e obras publicas approvado, como me fez
saber em aviso de 20 de agosto prximo Ando, a
deliberado que tomei, de mandar pagar as gratifi-
cacoes marcadas ao engenheiro da estrada de ferro
e ao encarregado das obras da ponte de ferro que
liga o bairro de Santo Antonio ao do Recife ; de-
clarando-me S. Exc. ao mesmo tempo que, sollci-
tou do ministerio da fazenda, a expedieao de or-
dens, afim de que essa thesouraria contine a pa-
gar aquelles empregados as referidas gratifica-
coes : assim o communico V. S. para seu conhe-1
cimento.
Dia 2.
Oflicio ao Exm. presidente da provincia do Rio-
Grande do Norte.No vapor Paran que seguio i
para o norte no dia 30 de agosto prximo fmdo. foi'
remettido o escaler que se mandou construir nesta
provincia para o servico da alfandega dessa, do i
que dou scieucia V. Exc.
Dito ao commaodante das armas interino Fica I
approvado o contrato que, segundo o termo por
copia annexoao oflicio de V. S. n. 1,574 do l"do
corrente celebrou a directora do hospital militar
com Joanna Mana da Conceico, para a execucao
da lavagem e concert da roupa daquelle estabele-
cimento, contar do Io deste mez at o de dezem-
bro prximo vindouro. Communicou-se thesou-
raria de fazenda.
Dito ao mesmo.Respondo ao oflicio que V. S
me dirigi, sob n. 1,523, de 24 de agosto prximo
iodo, autorisando esse rommando de armas ;i man-
dar transferir para o 9" batalhao de infamara o
soldado Joo Francisco dos Santos, que na quali-
dade de mancebo se acha addido a coinpanhia de
artfices. Communicou-se ao director do arsenal
de guerra.
Dito ao Inspector da thesouraria de fazenda.
Transmiti V. S. para os lins convelientes, os
mappas nominaes das alteraroes occorridas com o
pessoal das enfermaras do hospital militar na ulti-
ma quiozena do mez de agosto prximo finio.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.
Tendo em vista a sua informacao de 31 de agosto
ultimo, sob n. 380, autoriso V.'S. a mandar entre-
gar ao mordomo da Santa Casa de Misericordia de
Goyanna, Leocadio Jos de Figueiredo, mostrndo-
se elle autorisado para isso e prestando flanea id-
nea, a quantia de 1:0004000, votado pelo art. 28 da
iei do orcamento vigente para o hespital daquella
Santa Casa.
Dito ao mesmo.Pode V. S. de confonnidade
com a sua informado de 31 de agosto ultimo, sob
n. 379, mandar entregar ao vigario da freguezia
de Goyanna padre Domingos Alvares Vieira ou a
pessoa por elle autorisada o 1: 000*000, votado pelo
| 7 do art. 14 da Iei do orcamento vigente para as
obras da igreja matriz daquella freguezia.
Dito ao mesmo.Constando de oflicio do enge-
nheiro chefe interino da repartieo das obras pu-
blicas, datado de tiontem e sob n. 232, que o arre-
matante dos reparos do embarreamento da estrada
do sul a partir do marco 2 a 4 mil brabas, j exe-
cutou metade da obra do seu contrato; assim o de-
claro V. S. para seu conhecimento, e afim de qne
em vista do competente certificado, mande pagar
ao mencionado arrematante a importancia da pri-
meira preslaco que lem direilo.Communicou-
se ao engenheiro ebefe interino da repartieo das
obras publicas.
Dito ao director do arsenal de guerra.Declaro
V. S. para seu cuuhecimenlo, que em oflicio de lil
de agosto prximo lindo, communicou-me o Exm.
presidente do Cear ter se encontrado de mais no
exame dos artigos de fardamentn para all enviados
no patacho Valenle 10 frdelas de brim.
Dito ao engenheiro chele interino da repartieo
das obras publicas.Hecommendo Vmc. que man-
de fazer por conta da verba competente, os reparos
de que precisa o palacio desta presidencia os quaes
Importam em 205*500 segundo consta do orcamen-
to que acompanhou o seu oflicio de 31 de agosto ul-
timo, sob n. 230, o qnal fica assim respondido.
Communicou-se a thesouraria provincial.
Dito ao commissario vaecinador.Faca Vmc.
apromptar algumas laminas e tubos de puz vacci-
nico, afim de serem enviados ao Exm. presdeme
do Maranhao que as requisita.
Dito ao gerente da rompanhia Pernambucana.
Pode Vmc. fazer seguir para os porlos de seus des-
tinos os vapores Parahyba e Persinunga nos dias
e horas indicados em seu oflicio do 1- do corrente.
Dito aos agentes da coinpanhia Brasileira de pa-
quetes a vapor.Podem Vmcs. fazer seguir para o
sul o vapor Princeza de JoinrUle hoje a hora indi-
cada em seu oflicio desta data.
Portara.-O presidente da provincia, tomando
era consideracao o que expoz o inspector1 da the-
souraria provincial ero oflicio de hontem,sobo.
383 resolve abrir um crdito supplementar, na im-
portancia de 1:6303000 para pagamento da segun-
da preslacao dos reparos e pintura do theatro de i
Santa Isabe.1, visto ser insufficiente a quantia vota-
da no 2o do art. 15 da Iei do ornamento vigente.
Communicou-se ao inspector da thesouraria pro-
vincial.
Dita.O presidente da provincia, attendendo ao
que requeren Jos Francisco de Souza professor
publico de. instruccao primaria de Timbauba, re-
solve conceder-lhe um mez de Iicenca com venc-
mantos para tratar de sua sade.
Dita.Os Srs. gentes da companhia Brasileira
de paqueles a vapor, mandem dar transporte para
a corte por conta do governo, em um dos vapores
da mesuia companhia, a Mara Francisca da Con-
ceico, que vai para a companhia de seu filho o sol- j
dado Caetano Cosme Damiao, que seguio para all
a reunirse ao l." batalhao de infamara a que
p.-rtence.
Dita.O Sr. gerente da companhia Pernambu-
cana, mande por disposicao do juiz municipal do
termo do Aracatv Dr. Aristides Jos de Leao, as
passageas de estado de r e de proa, que exislirem
vagas no vapor Persinunga, que tera de sabir para
o norte no dia 7 do corrente.
Expediente do secretario de governo do dia 2
de setembro de 1861.
Oflicio ao director do arsenal de guerra.De or-
deno de S. Exc. o Sr. presidente da provincia, com-
munico V. S. que forain entregues exactamente
na Parahyba, os objectos para all enviados na
barcaca Simia Candida, cujo mestre recebeu o res-
pectivo frete segundo declarou o Exm. presidente
d'aquella provincia, em oflicio de 18 de agosto
ultimo. I
Despaches dos dias 2 e 3 de setembro de 1861.
flrgnfriroeiifos.
Antonio de Farias Cordeiro. Ficam dadas as
convenientes providencias para os concertos de
que necessitam as casas das barreiras do Giqui e
ser entregue ao supplicante a da barreira do Ca-
xang, nao tendo porm lugar o fornecimento das
mesas por conta dos cofres provinciaes por nao
ser isso permttido por Iei.
D. Clara Joauna da Fonseca Gama. Como rc-
quer.
Dionisio, africano livre.-Informe o Sr. curador
de africanos livres.
Francisco Goncalves Ferreira de S Leitao.O
Sr. inspector do arsenal Je marinha, esl autori-
sado a mandar admiltir na companhia de aprendi-
zes artfices quando houver vaga o menor de que
trata o supplicante.
Tabelhao Francisco de Sales da Costa Montei-
ro.Passe portara prorogando a Iicenca por 3
mezes.
Bacharel Francisco Teixera de S. D-se nao
havendo inconveniente.
D. Isabel Maria de Barros Campello.O filho da
supplicante ser admeltido logo que houver vaga
na ordem de sua inscripcao.
Jo> Francisceda Silva. Rcqueira o supplicante
quando houver vaga de al-um emprego que I he
possa ser dado.
Josepha Maria do Espirito Santo. Informe o
Sr. cominandante do presidio de Fernando.
John Donneley.Assignado, volte querendo.
Leocadio Jos de F:"""i,"H" mu c- a
souraria provincial.
Leocadio Jos de Figueiredo. Dirija-se the-
Maximino Sobreira de Mello. D-se nao haven-
do inconveniente.
O mesmo.D-se nao havendo inconveniente.
Maria Francisca da Conceicao.Dirija-se agen-
cia da companhia de paquetes.
EXTERIOR.
fORRi;spo\i>Kvn.\s o o i
RIO lE PKRYVJIHCO.
Lisboa, 13 de ayusto de I Mi i.
(Conclitmo.)
Ser ao mesmo tempo de utilidade para a Foz,
porque proporciona s pessoas e familias, que pa-
ra illi vao passar a esta^ao calmosa, um excelen-
te e formoso passeio qual o daquella povoafo
at Mattosinhos, e as pitorescas e risonhas margns
do Leca.
Brevemente partir para o norte do paiz o
Sr. Joaquim Henriques Fradesso da Silveira, di-
rector geral da reparticao dos pesos e medidas, e
inspector e director do observatorio meteorolgico
do infante D. Luiz.
Consta que este funecionario pretende na sua
viagem demorar-se no Porto, e que convidar al-
guns cavalheiros daquella praca a concorrerem
para o estabeleci ment de um porto meteorolgico
e de signaes, que seja ae mesmo tempo um dos
pontos mais importantes da rede internacional me-
teorolgica, que o observatorio do infante D. Luiz
est estabelecendo de accordo com o observatorio
Imperial de Pars.
A despeza deve ser pequea, e a praca do Por-
to, sempre prompta a contribuir para os grandes
melhoramentos e estabelecimentos de reconhecida
utilidade, no se negar certamente, a prestar to-
do o seu auxilio para este ou antes, a torna-lo to-
do seu, como parece mais propro para gloria e
bom nomo daquella cdade, attendendo conside-
rado que este porto vai ter entre os portos da Eu-
ropa.
Completou-se no dia 26 do passado o duod-
cimo auno de existencia da Associ'ico Typogra-
phica Lisbonense, que to bons servicos tein pres-
tado a Ilustre classe que representa. Para com-
memorar este acontecimeuto verdaderamente ju-
biloso una commisso de quarenta associados of-
fereceu no da "27 do mesmo mez para o seu ar-
chivo um magnifico brinde de anuos. E" este o
admiravel Specimenulbum de C. Derrey. Foi a
lombranca de brinde, do Sr. J. A. Dias, presidente
da iissin'i.ii'fio e redactor da Fedrracao.
O livro foi apresentado em sessao de 25 de ju-
IIio. Foi receido como urna verdadeira precosi-
dade typographica.
Val ser exposto pela commisso de melhoramen-
tos a todos os socios e aos amadores da arte typo-
graphica.
Tambero foi oli'erecido pelo socio Francisco An-
gelo de Alineida Pe reir e Souza o retrato de Flix
perenemesnil, amigo typographo distinctissimo da
imprensa imperial de Pars. Prestou muiros servi-
dos aos dossos artistas, que foram estudar im-
prensa imperial.
Foram laucados agradecimentos,especiacs na acia
a Deniy c Flix, collocando-se o retrato deste na
sala das sessoes da associaco.
Tarobem se deliberou croe se levantasse umqua-
dro memoria de Amonio Jos da Itorha, que foi
thesoureiro eflectfvo da Assoeiacao Typographica,
deixou um legado que a Associacoh a de fruir op-
porliinamente.
E mais se votou enllocar na mesma sala o retra-
to do Sr. Ernesto Biester, pela dedicatoria classe
typographica do seu drama Fortuna e Trabalho.
A Associa^o deliberou entrar com urna acc5o
para a companhia Lisbonense de Eilificares Urba-
nas, pagando-seasua importancia da primeira re-
ceita extraordinaria que houvesse. Independente-
mente da Assoeiacao vao ser convidados os socios
a subscrevereni.
Publicou-se o prospecto da nova sociedade
de seguros de vidas intitulada Prndente fundada
e administrada pelo banco AUianca do Porto.
E' mais urna institnieao, utilissinia e proveitosa.
que aquella cidade vai contar.
Por muito tempo, e bem mais do que era preci-
so para crdito da praca do Porto, esteve ella, ape-
zar dos capitaes que nella abundam, e do espirito
de empreza, que all ha, sero um instituto desta na-
tureza. Stippriam os estrangeiros a falla I Hoje
naoos nossos bancos vao finalmente conheceodo
que mister sahir da rolina e generalisar e dif-
fundir, por todos os modos, que a civllisacao apon-
U as vontagens do crdito.
V-se, pelo alludido prospecto, que os directores
da Prndente que sao os gerentes da Allianra, es-
colheram para inspector geral o Sr. Jos Ferreira
Moutinho.
O Sr. Moutinho foi all muitos annos o represen-
tante da coinpanhia hespanhoia a Tutelar tambem
de seguros de vida-e nioguem lia que nao tenha
noticia do zelo, actividade e intelligencia, com que
elle desempenhou o seu encargo.
Concluio-se no da 2 do corrente o conselho
a que responden o marechal de campo reformado
Verissimo Alves da Silva, servindo de bases ao
processo urna carta dirigida pelo general referido
ao ministro da guerra, o general Passos, e um re-
querimento dirigido ao monareba, em que o ma-
rechal Verissimo, segundo entendeu o conselho,
empregou phrases inconvenientes.
Foram membros do conselho os genpraes conde
da Foz, Francisco Pedro Celestino Soares, Figuei-
redo Frazao, barao de Zezere, baro de Wisderhold,
Joo Griffthe, auditor o Sr. Serafim, defensor do
general aecusado o coronel Reg, c promotor de
justica o coronel Macedo.
A sala da auditoria do castello de S. Jorge esla-
va repleta de amigos e novis ofliciaes, pracas de
pret do exercito ede cidados de todas as classes
da sociedade.
O general aecusado negou ter escripto a carta
particular em que o ministro era provocado, a duel-
lo es peritos, porm, declararan) ser do propro pu-
nho do general a caria c requer meato, ja ci lados;
ao que o general Verissimo repHcoo qne.como ca-
tholico romano-s cria na infabkhde d papa, e
que os senhores peritos se enganaram, eomo falli-
veis que sito.
O consemo proferio por unanimidade a senten-
ga condemnativa de tres mezes de prsao, que o
general aecusado deveria soffrer n'oma praga de
guerra, c remetteu o processo para o supremo con-
selho de justica militar.
Ha notieias de Cabo Verde qne alcanoam
16 de julho, e foram trazidas pelo vapor da' mala
do Brasil.
No dia 27 de junho sahio para Bisso a corveta
Goa levando a seu bordo o governador de Gui,
um facultativo, tres offlciaes e 131 pragas de pret,
bem, como 64 emigrados. Foram tambem enviados
dous caixoles com medicamentos.
O estado sanitario da cidade tinha melhorado al-
guma cousa ltimamente, e os casos de typhos em
junho, foram 1212 no conselho da Praia, sendo 730
de homens e 482 de mulheres.
O movimento dos hospitaes civs e militares da
cidade foi de 1 13 de julho de 203 enfermos, ten-
do fallecido 98 no mesmo periodo.
O estado alimenticio nao era bom.
O subdito inglez Thomaz Miller, agente da com-
panhia de navegac5o transatlntica, convidou seu
irmao para abrir em Inglaterra urna subscripcao
favor dos necessitados de Cabo Verde, a qual tem
produzido j 2:000,5000 res.
A companhia Royal-Mail nnnuio generosamente
a transportar nos seus paquetes o milho que fosse
comprado com o producto d'aquella subscripcao
J foram enviados 640 bushels para a ilha de S.
Nicolao.
No dia 16 de julho estavam fundeados na bahia
da Praia 7 navios entrados no periodo de 23 de ju-
nho 15 de junho.
Pedio a sua demisso de secretario geral do go-
verno de Cabo Verde o Sr. Dr. Macario.
Ha carias da ilha Brava com data de 17 de ju-
lho, trazidas pelo patacho portuguez Esperanzoso.
O estado alimenticio era pessimo n'aquella ilha.
Tornava-se geral a fome, de sorte que at os mais
abastados habitantes pediam soccorros ao governo,
dando flaneas e hypothecas em suas propiedades.
O estado sanitario, porm, gracas aDeosera bom.
A ilha Brava gozou sempre de urna nao desmenti-
da reputacao de muito salubre.
Os indigentes validos foram empregados as
obras publicas, abrindo urna estrada da povoaco
ao porto da Fuma e a da fonte dos Vinagres. Nes-
te importante melboramento publico trabalham
mais de dous mil e quinhentos individuos e alm
destes sao soccorridos 1,200 invlidos.
Para tudo isto tem chegado os recursos idos da
metropole : vao porm, escasseando. Esta falta
aggravada com a falla de sementes, agora e*m que
a poca das chuvas se vai apropinquando, o que
inspira graves receios aos habitantes.
A sollicitude,- porm, do governo, e a caridade
portuguesa o ou ha do ahondante
Assevera-se que o administrador do conselho da
Praia, Joaquim Gomes de Brito Coelho, est nomea-
do secretario geral do governo de Cabo Verde.
No dia 4 pelas seis horas da manhaa, esteve
ameacado pelas chammas todo o quarteiro de ca-
sas comprehendido entre o Chiado, travessa do Se-
cretario da Guerra, e Estevao Galhardo e das por-
tas de Santa Cathanna, aonde estao entre outros
inquilinos, as h ispedarias Allianca e Universal o
Caf Central e o estabelecimento ae pianos do Sr.
G. Fontana._ No ultimo andar do predio do centro
do quarteiro niorava o photographo Gomes, c ali
mesmo eslava o seu gabinete. Parece que o descuido
de urna criada que inadvertidamente pegn fogo a
urna pouca de roupa foi a causa do sinistro. Em
casa do pholographo quizeram, sem auxilio eslra-
nho, apagar o fogo, mas este nao poude logo ser
exlincto, e s quando lavrava por quasi todas as
trapeiras do quarteiro que se pediram soccor-
ros. Chegaram estes rpidos e a bomba de vapor
prestou ptimos servieos. u fogo nao passou alm
do andar aonde se manifestara ; mas todos os ou-
tros andares dos predios e lojas ficaram muito dam-
nificados com a grande quantidade d'agua que Ihes
entrou. Parece que o Sr. Fontana tem grandes
perdas. Dizem que o photographo tinha segura a
sua mohilia e ofllcina em 4 conlos de res.
Se em vez de quererem atalhar o fogo sem re-
cursos os ehamassem eslranhos, talvez os estragos
nao fossem tamaitos.
O fogo ao principio mostrou-se medonho, e se
acontece de noite talvez que nao se limitasse s ao
andar que reduzio cnzas. De bordo dos navios
de guerra lamhem vieram soccorros.
O Sr. F. A. Oom, observou o cometa perto da
constellaco Arzs que foi descoberto pelo Sr- Tem-
pel no dia 4 de julho do corrente anno, ero Marce-
Iha ; sobre elle nos d a seguinte noticia, o nosso
Ilustrado astrnomo.
O novo cometa descoberto pelo Sr. Tempel foi
igualmente descoberto em Bolouha pelo professor
Bespighi no dia 7, e no dia 11 em Cracovia pelo
professor Kalenski.
Foi observado no dia 8 em Milao pelo Sr. Schia-
parell: apresentava o aspecto de urna nuvem nu-
blosa circular de tres ou quatro minutos de di-
metro, sem vestigio algum de cauda, e com um
ncleo mal definido, cujo brilho igualou o de urna
estrella da oitava ou nona grandeza.
Este mesmo aspecto geral se tem conservado,
mas as dimensoes e principalmente o brllho tem
augmentado consideravelmente.
No dia 29 a vista desarmada o moslrava, bri-
Ihando perto das Pl lades como urna estrella da
quinta e sexta grandeza.
No dia 30 situado entre Alcyon c Alias quasi
igunlava Merope em esplendor.
Dos elementos parablicos d'este cometa se dedu-
zem as seguintes conclusoes relativas ao movi-
mento.
1" O cometa approximar-se-ha rpidamente da
trra at que no dia 9 de agosto, tendo chegado
sua distancia mnima de 11,000:000 milhas in-
glezas, comegar a affastar-se.
2. Em consecuencia d'esta sua grande proximi-
dade da trra, da quasi coincidencia da poca em
que ella lem lugar com a poca do perihelio, e da
rapidez do sea movimento, o cometa augmentar
rpidamente de brilho atao dia 9 de agosto, apre-
sentando-se entao no mximo do seu esplendor, o
qual diminuir depois com a mesma rapidez com
que augmentou.
Suas magestades e altezas mandaran) entregar
ao Sr. I. P. Collares Jnior varios objectos, quasi
todos de prata, que figuraram no bazar do Lumiar,
onde houvo sortes, cujo producto reverteu favor
da infancia desvalida e pobres daquella freguezia.
Os objectos qne ao director das feslas de caridade,
o Sr. Collares, foram enviados, sao os seguintes :
De sua magestade a rainha urna grande salva
com um apparelho para cha, um paliteiro e urna
salva com tbesoura.
De sua magestade cl-rei, um grande jarro, um
par de casticaes de excellente goslo artstico, um
copo, urna salva e dous paliteiros.
De sua magestade el-rei o Sr. D. Fernando, qua-
tro gravuras agua forte, obra do mesmo augusta
senhor.
De sua alteza o Sr. infante D. Augusto um gran-
de cesto.
Publicon-so a portara do ministerio das obras
pubJJcas com dala da 3 do corrente, mandando
aJK: o concurso publico at f5 do correute, afta
de serem escolhidos tres alumnos habilitados com
os estudos das escolas do cnsino superior, os quaes
. serao destinadoe a seguir o curso de engenharia
i civil na escola imperial de pontos e calcadas em
r ranea, e a visitar e estudar as obras em construc-
; cao nos palzes estrangeiros mais adiantados ; de-
, vendo observarse no mencionado concurso as con-
dc,oes prescripfas no programma.
O tribunal do commercio, em audiencia de 28
do mez passado, declarou cm estado de quebra des-
de o dia 18 de junho ultimo ao negociante de com-
misso desta praca, Frederico Alexandre Meiners.
Foram nomeados, para juiz commissario, o Sr.
Jos Augusto dos Santos Pera, e para curadores
fiscaps provisorios os eredores Jos Maria Coelho
. Falcao e F. A. Driesel. '
O duque de Loul, como se usa nos demais
paizes, suspendeu agora de verlo as audiencias
que costnmava dar ao corpo diplomtico, tendo no
entanto declarado todos os representantes das
cortes estrangeiras, que os recebera no ministerio
do reino, quando houvesse negocio importante que
reclamasse conferencia.
Falleceu no dia 3, depois de prolongada doen-
: ca, o baro de Santa Engracia, presidente da ca-
, mar municipal de Lisboa.
El-rei foi no dia 5 novamente ao Alfeite as-
sistir_ aos ensaios de tiros de urna pega de sua in-
, ven?ao.
I Sua magestade vai tomar banhos este anno
Ericeira.
\ O calor tem sido ntensissimo. Os seus ef-
fetos j se vao sentindo n'algumas localidades.
Em Portalegre as vinhas estao crestadas, ponto
de se julgar perdida quasi toda a novidade. Cintra
nao apresentou este vero o suave refrigerio que a
faz t.o famosa. Senlem-se all, como em todos os
pontos do reino, os ardores caniculares. A falta
d'agua nos (botes e pocos tem-se j sentido em al-
gumas partes. Felizmente, porm, anexar de to
calmoso ir o agosto, nao ha anda notieias de mo-
lestias epidmicas. Parece que, todava, o conse-
lho de sade publica tem tomado certas precau-
5es. Ha dias um furaco abrasador sentase em
isboa. De alguns pontos do paiz communicam
ter o furaco felto alguns estragos. A nuvem de
trra e poeira que levantou era de suflbear.
HESPANHA.
As noticias do Pacifico do anda a esquadra hes-
panhoia fundeada as ilhas Chinchas, achando-se
no mesmo estado o conflicto com o Per. Cessa-
ram, porm, no Chili as manifestacoes bellicas. O
discurso que o presidente daquella repblica pro-
ferio por occasio da abertura das cmaras, expri-
me-se com esta moderacao tanto a respeito do M-
xico, como da Hespanha. A concliacao a ordem
do dia em todos os circuios, e o desejo da paz
a' Tange todas as opinioes n'aquella porcAo do no-
9 Deve brevemente chegar Hespanha o re-
Pi e.-emanie ao Imperador Maximiliano, portador
de urna carta autographa para a rainha Isabel Ac-
crescenta-se que a Hespanha mandar logo depois
um representante para a corte do Mxico.
L.
Extracto das partes do dias 4 o S de setembro
de 1864.
Foram recolhidos casa de detencao no dia 3
do corrente :
A' ordem do Illm. Sr. Dr. chefe de polica, Jos
Antonio dos Santos, por infraecao de posturas, e
Joo Antonio Correia, para recruta.
A' ordem do subdelegado de S. Jos, Galiino
Francisco Guiarte, por orinientos.
A' ordem do da Boa-Vista, Joaquim Pereira de
Mendonca, sem declarado do motivo.
A' ordem do do Poco, Raymundo Dias, por in-
fraecao de posturas.
4
A' ordem do Illm. Sr. Dr. chefe de polica, An-
tonio Rodrigues Chaves, Antonio Jos de Sant'An-
na, Theodoro Jos de Queiroz, Joao Francisco de
Gouvea, e Ibrahira, escravo de Jacinlho Botelho,
como indiciados em crime de rotibo.
A' ordem do subdelegado de Santo Antonio, Joa-
quim Manoel Baptista, por briga, e Lourenco Fclip-
pe Santiago, para correccao.
A' ordem do de S. Jos, Manoel Ferreira de Li-
ma, por embriaguez.
A' ordem do da Boa-Vista, Prisciano, escravo de
Josepha de tal, por ferimentos ; Benedicto Jos dos
Santos, por ferimentos graves; Bellarmino Fran-
cisco Tavares d'Aquino, e Jos Manoel Zacaras do
Carmo, disposicao do tenente-coronel recruta-
dor.
A' ordem do do Poco, Antonio Procopio dos San-
tos Correia, por crime' de morte.
O chefe da 2* seccao
/. G. de Mesquita.
Movimento dacasa de detencao do dia 3 de
setembro de 1864 :
Existiam....... 363 presos.
Entraram...... 6
Sahiram....... 9
PEKWAMBUCO.
REVISTA DIARIA.
Os missionarios capuchinhos celebraran! domin-
go a fesla de sua padroeira, Nossa Senhora da Pe-
nha, aps os respectivos dias de novena que esti-
veram concorridas, com a pompa e bnlhantismo,
orando ao Evangelho o Rvm. frei Fidelis de Avola,
que prendeu a altengo do publico com um bello
discurso sobre ser a Virgem da Penka o throno de
Christo e Christo o throno da Penha.
A igreja eslava rica e elegantemente ornada,
tendo sobre o arco do allar-mr um quadro repre-
sentando a scena da escriptura santa em que Re-,
becra den de beber Etiezer, quando este vinlia em j
busca da destinada por Deus para mulher de Isaac,!
que captvava pelo bem delineado do assumplo.
A illuminacao interna do templo era feta por
mais de duas mil laxes, que noite produzio um
efleto arrebatador.
A msica, de composiejio do maestro Viccnro
Bellini, autor da Norma, foi excelentemente execu-
tada por urna orchestra de mais de quarenta m-
sicos, sob a direccao do hbil mestre de capella
Jos Miguel.
A concorrcncia, quer das autoridades da provin-
cia, quer de povo, foi numerosa, tanto na festa oo-
mo no Te-Deum.
Desde s 4 at s 10 horas da manhaa succede-
ram-se coinfrequenciaasconfissoes ecommunlioes
de homens e senhoras, e de todas as classes da so-
ciedade.
No lugar do Cisco, primeiro distncto da fre-
guezia da Boa-Vista, Benedicto Jos dos Santos, fe-
rio mortalmente a Sabino Joao Climaco da Cruz,
que foi recolhido ao hospital Pedro II, onde est
sendo medicado.
O lacio leve lugar a urna hora da noite de 3 pa-
ra 4 do corrente, e a priso s 3 e meia horas da
madrugada, no lugar dos Coelhos; sendo, que se-
melhante prsao foi realisada em virtude das pro-
videncias tomadas pelo supplente do subdelegado
em exercieio.
Entre Sabino e um amigo de Santos tinha havi-
do urna troca de palavras, e estas desagiadaveis,
entromeltendo-se Santos, quando Sabino J baria
sollrido urna bofetada do amigo de Santos.
Escrevem-nos de Pao d'Alho em 3 do cor-
rente :
Hontem se procedeu, perante o Dr. juiz de di-
rcito da comarca, a um exame no livro da qnalifi-
cacao desta freguezia, requerimento do primeiro
juiz de paz; e vericou-se estar dito livro cora fo-
Ihas dilaceradas e arrancadas.
Dou pela carregacao o caso, que me contaram
assim: lindos os trabalhos do conselho municipal
de recursos, foi entregue o livro ao official de jus-
tica Jos Antonio para o dar com um oflicio ao te-
nente-coronel Luiz Marauho; este, se achando
em casa do escrivo de paz, vio que o livro viaha
nesse estado, por ebservaco do mesmo escrivo :
nestas circunstancias nao o quiz receber e pedio o
exame, cando o livro era poder do official de jus-
tica, que foi quem o apresentou ao Dr. juiz de di-
reito.
Infelizmente se enlende que em negocios elei-
toraes tudo licito, e d'ahi o mal. Quena. o ha de
curar! >
De Garanhuns nos escrevem, em 30 do pas-
sado:
< Hoje chegou esta villa, pelas 9 horas da ma-
nhaa, uma forca de primeira linba, qne se dirige
para Aguas-Bellas, onde os nimos estao sobre-ex-
citados, e teme-se uma nova scena de horror, como
infelizmente j se deu em 1860.
< Aqu tambem tem de ser disputada a eloieo -,
mas espera-se que a lata nao saia do campo legal,
tanto que ser solemmsado o dia 7 de setembro,
cm commemoracao da nossa independencia.
Todas as parcialidades polticas, em que se
acba dividida a populacae deste termo, concorre-
rain para semelhante festejo que, em lempo oppor
S discrever-lhe-hei.
i Reparticao da polkia.
Existera...... . 360 >
A saber :
Nacionaes 298 t
6
Estrangeiros.. 11 a
Estrangeira... 1 i
Escravos..... 40 l
4
360
Alimentados casta dos cofres provinciaes 159
Movimento da casa de detencao da 4 de se-
tembro de 1864.
Existiam....... 360 presos.
Entraram...... 13
Sahiram ..... 1
Existera....... 372
A saber :
Nacionaes..... 209
Estrangeiros... 6
Muflieres-.-.... II
Estrangeira ... 1
Escravos...... 40
Escravas...... o
372
Alimentados custa dos cofres provinciaes 157
Movimento da enfermara de dia 4 de setembro.
Tiveram alta:
Jos Antonio Fabrcio.
Francisco Xavier de Araujo.
Jos Francisco Xavier.
Francisco de Paula Cavalcanti.
T. a SP PJ ~
x o s x 1
J: :, a 9 ~ 1 C
S i 8 P Si > 3| - 9 -< B
. m 9

: : > -- 8 o
y.
i o
i Masculino. 1 -* sr
lO" , 1 "~ i ** n
- i i - c-. ' 14. i *
i > \ ^
t 1 1 Feminino. > O
-- ^i --
i I M
1 Masculino. 55 H

i. - = 14 1 f i 2 -5
< i tw 6
1 1 Feminino. i i 9
- 1 * 1 I
i
1 Masculino. g
m . m .* 1 o
tw
Feminino. < o CA o
: m a
9E ^
Masculino. M
-~ -- - a o>
-i m ^J l | 1 -t
' Zf.
Feminino. ?-
o m * ce 1 3
i -1
-I . ^, Masculino. en ~
X M 1 ) 8 a
.
tr> M Feminino. !* oo es
U II a m 93 r*1
1 1 TOTAL.
*> 5 |
I Jos, Pernaiiibuco, i annos, Santo Antonio ; con-
vulsSes.
CURONICA JODIGUIIA
"UltlVVI, im .un Y
3a SESSAO-D1A 5 DE SETEMBRO.
PRESIDENCIA DO Sl(. DH. JOAO ANTOMO D'ABALKl
KREITAS HENHIf.LES,
va ou Diiuaro oa segunda vara riminal.
Promotor publico, o Sr. Dr. Jos Paulino da
Cmara.
Escrivo, o Sr. Joaquim Francisco de Paula
Esteres Clemente.
A s 10 horas da manhaa, feita a chamada, acha-
ra m-se presentes 42 Srs. jurados.
Foram despensado da sessao os Srs :
Dr. Sabino Olegario Ludgero Pnho.
Antonio.de Maura Rohm.
Capito Jos de Farias Neves Jnior.
j Manoel de Souza Cordeiro Simoes.
Jos Eftidio Ferreira.
Bento los da Costa.
Francisco Augusto de Araujo.
Joaquim de Ahneida Pinte.
Foram multados em 20J cada um dos Srs. jura-
dos que faltaram nos dias anteriores, e os que nao
compareceram hoje.
Havendo numero legal, o Sr. juiz de direito de-
I clarou aberta a sessao.
Gompareceu o Sr. Dr. Francisco de Araujo Bar-
. ros, juiz municipal da segunda vara, apresentando
| devidamenic preparados para serem julgados os
, processos seguintes :
j i.*Autora, a justica \ reo preso, Manoel do
! Nasciraento de Siqueira Cavalcanti, pronunciado
I em 5 de setembro de 1859, como incurso as pe-
nas do art. 257 e 26'.) do cdigo criminal, combi-
nado com o decreto de la de setembro de 1837.
2.Autora, a justica ; reo preso, Silvestre
Francisco Lourenco do Monte, pronunciado em 6
de marco de 1863, oomo incurso no art. 257 do
cdigo criminal.
3.Autora, D. Antonia Mara Jesaina Borges ;
reo preso, Bento Alves da Cruj, pronunciado em
29 de abril do 1863, como ocurso no art. 264 4.a
do cdigo criminal.
4.Autora, a justica ; reos presos Jos Flix do
Monte e Adelino Pelix do Monte, pronunciado em
12 de setembro de 1863, como incursos no art.
192 combinado com os irte. 5, 34 e 35 do cdigo
criminal.
5.Autora, a justica ; reo preso, Lucas Anto-
nio Evangelista, pronunciado em 29 de Janeiro de
1864, como incurso no art. 264 1." do cdigo
criminal.
6. Autora, a justica ; reo preso, Claudino Eu-
frazio de Franca Lima, pronunciado em 27 de
abril de 1864, como incurso no art. 269 do cdigo
criminal.
7.Autora, a justica reos presos, Man jel An-
tonio Bastos da Silva e Manoel dos Burgos Punen-
ta, pronunciado em 27 de abril de 1864, como in-
curso no art. 269 do cdigo criminal.
8.aAutora, a justica; reo preso, Florismnndo
Jos de Sant'Anna, pronunciado em 8 de junho de
1864, como incurso na segunda parte do art. 116
do cdigo criminal.
Autora, a justica ; reo preso, Marcolioe Ferreira
de Espirito Sanio, pronunciado em 20 de junho de
1864, como incurso no art. 269 do cdigo criminal.
10.Autora, a justiga ; reo preso, Bernardino
de Sena, pronunciado em 20 de junho de 1864, co-
mo incurso no ari. 257 do cdigo criminal.
11.Autora a justica ; reo preso, Francisco
Graciano de Araujo Mello, pronunciado em 28 de
julho de 1864, como incurso no arl 20o do cdigo
criminal.
12.Autora, a justica ; reo preso, Manoel Ma-
ximino Rodrigues, pronunciado em 11 de agosto
de 1864, como incurso no art. 193 combinado cora
o art. 34 do cdigo criminal.
13.Autora, a justica ; reo affiangado, o alfe-
res Jeronymo Ignacio dos Santos, pronunciado era
18 de junho de 186i, como incurso no art. 219 do
cdigo criminal.
Recebidos os processos pelo Sr. Dr. juiz de di-
reito, e feita a respectiva chamada, ordenou o
mesmo Sr. juiz, que Ihe fossem conclusos, e que
por uma tabella se designasse os dias dos julga-
meulos dos reos, seguindo-se a antiguidade das
paonuncias.
Levantou-se a sessao, que ficou adiada para o
dia segrate as 10 horas da manhaa.
ADVERTENCIA.
Na tetalidade dos doentes existem 141, sendo
78 homens e 63 mulheres.
Foram visitadas as enfermaras estes dias :
Pelo Dr. Ramos s 6 3i4, 6 3i4, 6 40, 6 3i4,
6 3,4,7,7.
Pelo Dr. Sarment s 8 Ii4, 7 3ll 8. M 7,
3(4, 8 1|2, 8 3(4, 7 3|4.
Falleceu :
Maria Francisca dos Prazeres, aneurisma.
Passageiros do vapor nacional Paraltyba,
sahido para o Aracaj e portos intermedios :
Francisco Benigno de Oliveira, lago Francisco Pi-
nheiro, sua senhora e 1 menor, Umbelina Fran-
cisco da t'.unha, 1 sobrinha, 1 escrava e t criada,
Manoel Augusto Barros Vianna, soMado Manoel
Gomes Coelho, Dr. Antonio Buarqne de Gusmo,
Deraingos Ramos do Araujo Pereira, Francisco Pe-
reira de Lyra, Luiz Lucas Correia de Araujo,
Obituario do cbmiterio publico no da 2 de
SETKMBftO DB 1864.
Camarina Benigna dos Santos, Pernambnco, 18 an-
nos, solteira, Boa-Vista; febre perniciosa.
Antonio oe Freitas Barbosa, Pernambnco, 26 an-
nos, solteiro, Boa-Vista ; tubrculos pulmo-
nares.
3
Orillo Goncalves Ribeiro, Pernambnco, 25 anno?,
'casado, Po*co da Panella; assassinado.
Joaquim Jos da Silva, Pernambuco, 35 annos, sol-
teiro, Recife; glndulas.
Maria, Pernambuco, 2 mezes, Boa-Vista convul-
soes.
Manoel, Pernambuco, 6 annos, Santo Antonio :
gastro intente.
Angelo Custodio Rodrigues Seixas, Pomambuco,
90 annos, vidvo, Boa.-Vtsta ; febre.
NOVO BANCO DE PERNAMBUCO.
Batanele dn Xovo Banro de IVrnamliiini em 31 de
ayosto de 186 i.
ACTIVO.
Apolicesda divida publica........ 708:672^481
Esirs.ia de ferro de Pedro II...... 136:000,5000
Kstr.iO.i de ferro da Baha........ 135:66232
Deposito......... 72:0005000
linas depositadas...... 5:7355280
Ttulos depositados...... 72:6825274
Letras depositadas...... 7:0005000
Letras caucionadas..... 27:6305000
Lelrus descontadas..... 698:0295303
Letras receber...... 39:3745860
Letras protestadas..... 230:5815962
Remes........ 12:6595092
Banco da Baha N/C..... 197:6295220
Jos Amonio de figueiredo J-
nior do Rio de Jaoelto. 742:2625887
Aluguel de casa...... 1:4005000
Fornecimenio....... 5:0005000
Can.......................... 753:9065353
Res.
PAS81VO.
Capital..........
Emissao.........
Depsitos da direccao ....
Contas correles imple..........
Fundo de reserva......
Ttulos e-m caucho.....
Knowles & Foster, { e Loadrei.)
Banco da Bahia S/C .
Massas fallidas cargo do Banco.
Dividendos........
Commisso do fiscal.....
Commisso do presidente e ge-
rentes .........
Bvcoatos........................
3.866:2265032
2,000:0005000
1,270:0005000
72:0005000-
72:8115492
113:4475600
85:4175554-
155270-
131:0795635
1:4!'65058
83:3755000
1:5005000
6:0005000
20:083*433
Bis. 3,866:2265032
Demonstrarn da cenia de lucres e perdas.
DEBITO.
Despez geraes ................. 7:9075418
Commisso do fiscal............ 1:5005000
16 oO sobre o
\ lucro llnui-
Fondo del do........5:494*456
reserva. \ Saldoda con-
f ta de lucros
' e perdas. ..

70*815
Commisso do presidente e ge-
rentes......................
5:574*271
6:0004000
MUTILADO


f
^^M


DUri 49 Pereanoao ... Terca felra 4c Ketr uibr* -flc 114.
r
Dividendo 13*
Ris.
.HEDITO.
Descontos.........
Juros........,
Juro di garanta de emissao
Premios de saques e remessas. .
Ris.
Estado da caixa.
Ero ouro amoed- m.....
Km notas do thesouro nnieies
de 10*000.......
Ern ditas menores de 10* .
Km notas da caixa Olial do Ban-
co do Brasil. .....
Em olas do Novo
Banco de Per-
namboro sonrio
514 de tw* 102:8005
17 d 100* 61:7005
293 do 305 14:6505
80:0005000
100:9815689
Km (rata e cobre.
Ris.
Gomproheodeinos que, tendo o Sr. Gamillo de
Andrade dito, em roinmunkac olllcial com o
Exm. presidente desuprovincia,o que equivale a
afBrraar, que o subdito hespanhol Epiphanio Astu-
diHo o Bussams era doutor em medicina pela
49:4295828' faculdade de Madrid, e vendo-se era apuros para
17:6485535 provar sua assercao, porquaoto o provocamos a
30.-30356(4 apreseolar o diploma desse subdito, se quera que
3:5995712 so nao duvidasso de suas allrmacoes, procorasse
---------abafar este negocio, sem reflectir que se havia
100:9815689 prestado a servir de canal a urna queixa desse Sr.
----------------Astudillo e Bussams que coutinha phrases insul-
i tuosas e calumniosas, que se referain aalguein,
401:1105180 q.u P*>r seus ttulos, posico social e crdito pare-
j cia achar-se cima de seu protegido ; mas que o
61:2005000 ^r- Leandro Sanches quizesse proceder do mesrao
10-7195000 mdo, qoe seu antecessor, o qne nao esperava-
;mos.
!>i 5505000' Se o Sr. Leandro Sanches esl persuadido que
poder fazer calar a iinprensa, para que nao seja
conhecido do publico o que Ihe desagrada, engaa-
se redondamente,! porquanto vivemos em um paiz
constitucional, e estamos disposto a levar consi-
deracao do governo imperial todo este negocio, pa-
ra que veja como o vice-consulado de Hespanha
nesta provincia se intromette em questdes que nao
sao de sua competencia, querendo que autoridades
legtimamente constituidas nao processem subditos
7Xt'9M13R3 hespanhes por uso de titulo que nao tem. e pres-
' ta-se a garantir, como verdadeiro, o que nao e j
179:1505000
7:1775173
Emissao euecva.
3548 notas do valor de 2005000
4459 > > > 1005000
2290 > > 505000
S. E. A O.
Ris
O guarda livros,
francisco Joaquim Pereira Pinto.
OQMMUNICABOS.
O da 9 de setembro.
I se acba julgado pelas /acuidades de medicina deste
TfeftaniaoifJ imPer'> talvw na inienco de furtar os subditos
'' "'rwKnnn' ^e sna m&o arco repressiva da le.
lit-BQaJuStt s"bdilo hespanhol Astudillo e Bussams nao
llt:oOOoOW: tonto,- m ,,.,// pela faculdade de Madrid, co-
i~ivdtiaa imo disse Sr- Camill de Andrade, e, se o Sr.
i.-.iu*i.>i*iu j Leandro Sanches quer tornar-se solidario com seu
antecessor, est na rigorosa necossidade jte apre-
sentar a prova, isto o diploma revestido de todas
as formulas solemnes de que se servem todas as
universidades e academias ou faculdades conheci-
das; mas, se nao tem essa prova, enio deve reco-
nhecer que seu antecessor disse o que nao era
exacto, nao dando importancia o, lapsos de penna.
Desde que lemos as celebres convencoes consu-
lares, esperamos pelos excessos, principalmente
vendo que se nao fazia certa escollia de agentes;
mas nunca nos passou pela cabeca que se quizesse
levar os excessos a ponto de exigir-se que se coarc-
tasse ou reprimisse a liberdade da imprensa. Sup-
ina o Sr. Gamillo de Andrade, e suppoe o Sr. Lean-
dro Sanches que estamos em alguiua aldea, e que
ihes era tito fcil tratar de negocios que linham
relacao com universidades e academias ou /acui-
dades, ipianto de especulares commercaes ; mas
enganaram-se, porquanto nao se trata de comprar
ou vender assucar ou algodao. Sabemos que as
informadles, que v.o chegando, nao agradara ao
vice-consulado de llespauha nesta provincia,' e o
collocam em diflcil posico ; mas resigne-se, e
p.vue pelas coasequencias da precipitadlo. De
todas as partes nos chegam informacSes o docu-
mentos destavoraveis, e esperamos que os de Hes-
panha nao Ihe sero melhores : todas essas inor-
macoes e documentos se-o auresentados consi-
deracao do publico, e levados ao couhecimento do
governo imperial.
Ainda nao pedimos certidao das communicacoos
do vice-consulado de Hespanha com a presidencia
desta provincia ; mas teremos de pedi-las : essas
communicafes nao foram reservadas, e nos ho
de ser dadas. Logo que as tivermos, e for tempo,
nos oceuparemos de analysa-las, e usaremos do
mesmo direito que se julgou ter esse vice-consu-
lado.
O Sr. Gamillo d'Andrade disse que o Sr. Astu-
dillo e Bussamsera doutor em medicina pela fa-
culdade de Madrid ; nos o provocamos a apre-
seutar a prova, que era o diploma; mas a isto res-
ponden elle com urna representacao contra o dele-
gado de polica desta cidade, o Sr. Dr. Martins Pe-
reira, apegando lapso de penna, commeltido por
seu copista que escreveu doutor em vez de dom, e
por ttnideixou esta provincia, entregando o vice-con-
sulado ao Sr. Leandro Sanches. A Faculdade de
alllrma qne en e o Sr. Amorim (MueI *o) es-
ta vamos na sala da commisso de descont quaudo
entregou a chave ao Sr. Das Fernanes.
satisfacio laneo mo da penna, para Ihe dirigir estas
linlus em agradacimento ao provdlo que tive do
uso que te do xaope acoollco de rellame, de sua
Esse relatoro de que apenas vi alguns trechos coiuposico, para que V. S. disto tenba conhecimen-
isolados na occasio em que os membros da com- to; o o respeitavel publico proveito. De?de 1858
missao o confeccionavam nunca foi lidj em sesse | que sofTria as niaiores dores rheumaticas, complt-
da directora, e appareceu publicado nos jornaas cadaa com o que a medicina denomina sipmiis, e a
sem que eu fosse prevenido, ou consultado sobre a um anno que sofTria de ulceras na garganta. I)a-
publlcacio. quella poca para c sempre viv em uso de reme-
Cono, porm, nelle nao se asseverava que en dios, de que nao tirei resultado algum a nao ser
tivesso visto o Sr. Dr. Mamede entregar a chave de alivios moraenues, c lempos havia que de todo me
que se trata, entendi que nenhuina observadlo de- via impossibilitado de me levantar de nina cama,
via fazer, tanto mais que nunca poderia suppr solTrcndo sempre tanto no vero, como no rigor do
que da minha presenca naquella sala na circums- invern; parsistindo porm no uso de remedios j
tancia mencionada, podesse um dia servir de ns- applicados pelos conhecedores da arte, j de ontros
truniento aecusatoro contra mira as maos de um que via anminciados nos jornaes com appliea^o
cavalhelro, a quera, segundo elle mesmo eonfessa, aos meus padeciraentos, e destes um sem numero,
sempre tratei com a consideracao, deferencia e continuando sempre a sofito como militas pessoas
delicada cortezia, a que tem diraito. desta cidade sahem, e sao testeinunhas de me ve-
Notarei d passagem que o Sr. Manoel Joao de rem andar na ra mais para morrer do que para
Amorira tambera nao vio o Sr. Dr. Mamede entre- j vi ver.
gar a chave ao Sr. Dias Fernandes. Acontecen que em abril deste anno as dores ata-
A carta abaixo transcripta confirma esta asse- caram-me de forma que levei dous mezes de cama,
veraco j sem que me podesse sentar, pelo que tive oecaslo
Feitas estas observacoes preliminares, declaro de desesperar da vida, traz eram os meus soffri-
com a lealdade que me caracterisa e de que tenho mentos. Reste tempo lendo o Diario de Pernam-
dado sobejas provas em todos _os actos de minha bucano deparei com ura aviso do xarope alcoolico
vida, que nao presenciei o acto da entrega da cha- de vellarae, manipulado em sua pharmacia, li este
ve ao collega de semana do Sr. Dr. Mamede, nem aviso, e tomei-o como uro aviso de um atojo; pude
prohibirem o ingressedosnossos votantes; as casas
onde estes descancavam otam corridas, e disper-
sos os que l se achavam pelo proprio subdelegado
da povoaco, sendo fechadas as portas, como acon-
tecen na casa do alferes Antonio Ignacio de Jess,
bem em frente da matriz.
Os tres stibelegados postados porta da igreja
nao consentiam na entrada de nossos volantes, e
ao mesmo tempo introduziam nvisiveis/qnerendo
obrigar mesa a reeonhece-los; a mesa oppoz-se,
serios disturbios appareceram ; tentaram de novo
arrobentar a urna, e para irapedi-lo foi preciso e
capitao Moraes Bego reunir toda a rorea na igreja
e fazer calar bayonetas por muitas veies, dizendo-
me que a urna so seria violada e eu sacrificado
depois de serem reduzdos cadveres os seus sol-
dados. Honra seja feita a esse digno militar !
Fitas c gravatas auri-verdes appareceram (sig-
nal dado para o espancamento.) Em breve forar
espancados tres de nossos alliados. Homeus em
massa, moitos ebrios, o em perfeita anarchia da-
vam de vez em quando morras aos vermelhos.
Acbando-se o capitao Francisco Garneiro Macha-
do Ros Jnior na igreja, e querendo retirar-se
para casa, ao sahir appareceram gritos de morra
o Garneiro Que terror I
EstaBdo assim ludo anarchisado, suspend os
trabalhos, retrei-me para nao voltar la mais, e
entendi-mc com o Exm. presidente levando-lhe as
chaves da urna.
Nao as qulz elle aceitar, e pedio-ine que conti-
Dcntro de poucos dias ser representada a farca
elettoral, em que devem ligurar como actores s
numerosissimos agentes da autoridade publica. 0
governo provincial tem tomado todas as providen-
cias em ordem a fazer-se a eleicao o mais pacifica-
mente possivel : neste generoso intuito, tem pre-
parado as cousas de tal modo que o povo. nico ele-
mento de desardem, nao ter que intervir no pro-
cesso eleiloral, que por lei novissima do sabio pro-
gresso liguelro, ficou pertencendo exclusivamente
aos subdelegados, inspectores de quartetro, etc.
E pois vamos ter urna eleicao modelo, e at eco-
nmica, porque dispensa tinla e papel I
(Ma efleito, o Sr. presidente actual se tem mos-
trado bastante hbil, e cauteloso ; tem tomado to-
das as avenidas, e preenchido com prudencia todas
as lacunas.
E' assim qne na freguezia da Varzea, a bem da
regularidade da elelco, mandn o Sr. Domingos
de Souza que entrasse na subdelegada um tal Pr-
xedes, exactamente o homem que, na eleicao de
9 de agosto do aono passado, foi o primeiro que
deq gritos de fra ao juiz de paz o Sr. baro
de Murlbeca I Bem se v que esse acto de'Arois-
mo tornou recommedavel o moco Prxedes, e era
impossivel que S. Exc. o nao aproveitasse em
igual conjunclura !
Por igual coherencia, deterraiuou o Sr. presi-
dente que o capitao Wanderley, o hornera que no
mesmo da 9 de agosto pta a espada aos peitos ao
juiz de paz do Pao d'Alho, e provocou os desagui-
sados que se sahem, fosse oceupar o seu j;o/o I
Isto i' que se chama administrarlo cautelosa I
E a eonservacao do ex-delegado de Rio-Formo-
so, revistido do eommando do destacamento? Nao
se portou elle tao bem naquella comarca em todas
as conjnnctnras eleitoracs ? Era razo que dalli
nao fosse retirado.
Pelo mesmo systema de cautelas, l est na fre- i
guezia de S. Lourenco o alferes Albuquerque como icina do Rio de Janeiro ja declarou que o titu-
uina garanta da liberdade do voto, nao obstante ? ,m lhe. foi apresentadu pelo Sr. Astudillo e
ter sido demittido de subdelegado pelas tropelas 'lus?am-S nao era de doutor, e temos disto certi-
que commetteu I does 'Iue provam w que dizemos : astitn, pois, ou
Tudo isto poltica fina do Sr. prndenle I !exisle .ulro ti,ul' 1ue aBa n0 foi apresentado,
E barrer quem conteste os mritos, e excellen-|e PJfCsa para ser considerado valioso o julgamen-
cias desta administracao modelo ? Dos permita',0 daquella Faculdade, ou o rice-consulado disse
que a nova escola normal produza discpulos to! a,luiil0 (lc 1"e nao tinha prova. J dissemos que
completos, e acabados, como os tem produzido a: ?e na,).Podc admittir o lapso de penna allegado pe-
escola progressista I Sr- Gamillo de Andrade, poisque se nao diz dom
Se morressemos do cholera, levaramos a igno- ",'" ""''"''" ; o Sr. Astudillo e Bussams foi c-n-
rann'a do que neste nosso l'ernambuco haviam I ,'".""""' i""" ufaT "u mulo in- ituutvi >u< au wm,
preciosidades at ha pouco tempo desconhecidas,! (le.hcl, previst" pel arl. 301 de nosso cdigo cri-
' mmal
em qualquer circumstancia fui, com conhechnen- a muito custo escrever meu filho, que ento j
to de causa, testeraunha ocular de idntico abuso estava nessa cidade, pedi-lhe que me mandasse!
praticado por qualquer outro Sr. director da Cai- algumas garrafas acompanhadas das pipulas, mas \ nuasse a eleicao.
xa, sem que Ihe iwnderasse a irregularidade de logo depois vi que nesta cidade j havia o xarope j Voltando para casa j encontrava grupos de
tal modo de proceder. venda em casa do Sr. Raymundo Jos Pereira de i pessoas que vinham rennir-se em Afogados, e ao
O Sr. Dr. Mamede labora pois era manifest Castro, e logo me apressei em mandar comprar j chegar minha residencia chegaram tambera 8
equivoco tanto na afirmativa dos fados como na duas garrafas. Fazendo uso delle, no lim de dias, carros com verdadeiros capangas e alguns at em
censura que me irroga. : j andava em casa pegado duas bengallas, e no j mangas de camisas e ps no chao, armados de ben-
o. como me_ przo de ser no cumprimento fim de quinze dias sabia ra. Quando acabei de | galas e cceles Dirigindo-se casa do subdele-
na del i be rae."io
_ e:eico, tendo
a qoem incumbe inspeccionar todas as operacoes remedios, mas nada me aproveitou; foi quando entretanto a meu favor a maioria dos meus cora-
e ramos de servico delta. Ibes tlzesse as convenien- recebi as garrafas que havia pedido meu ttlhe e parochianos 1
tes advertencias na llnguagem polida e convenien- continuc com a terceira, one, no fim de poucos l Todos os raeios empregou o governo para con-
t, que costuroo empregar para cora homens dis- das, fui melhor. Hoje me acho completamente
tinctos, coma eram todos os meus ex-collegas. bom. Portanto, sirva-se V. S. aceitar meus since-
Pesava, porem sobre mira uraa tarefa ardua,' ros agradecimenlos, e o publco que tiver l infeliei-
dade de soffrer taes padeciraentos que aproveite
com este meu testemunho.
Sou com apreco de V. S.
Muito att. ven. e criado,
Bento Jos Antunes.
Maranhao, 21 de agosto de 1864.
(Do Paiz.j
Ao* briosos Afogadenses.
Caneado por 24 annos de-Iutas, e sempre vence-
dor cora a mainria honesta dos bons Afogadenses,
como nao existem em parte alguraa
Qoem mais vive, mais v I
O- admirado.'
Horror Horror.' mais um assassinalo na
Vanea !
A civilisada, e heroica provincia de Pernambuco
se va converlendo era paiz de barbaros, sob a fe-
liz admiaistraco do Sr. Domingos de Souza Leao!
Dentro de quairo dias, dous assassinatos horroro-
sos aqu s portas da cidade !
Anda liontern, na freguezia do Poco, cahia sob
o punhal de um pro/jressista o infeliz Jos Procopio
dos Santos Gurrea, liberal genuino ; hoje, na fre-
guezia da Varzea, Ignacio Jos de Santa Auna
Res, do lado conserrador, victima da lerocidade..
de quera ?... A polica que responda ; por que a
polica deve ter examinado as circumstancias,
que precederam ao assassinalo, e as pessoas que
viviam ameacaodo de pao o desgracado Ignacio
Jos e aquellas que no dia do acoutecmonto com
elle altercaran! na povoaco da Varzea.
Dar-se ha caso que a' polica nao lenha ainda
averiguado esses factos ? Ah I com vergonha o
dizemos, ainda se nao fez a menor diligencia por
desrobrir o seu autor ou autores I Pois a opiuilo
publica nao esl indicando a fonte o'onde parti
o m:.l T Nao se sabe que o umeo motivo da morte
do inlrliz (guaci Jos foi o ter dito publicamente
que o Sr. baro de Muribera era um dos nicos
homens, que sem onus e. comhgoes pesadas, conce-
dan! que os pobres morassem em suas trras ?
Qual foi o individuo, que presente eslava, e cuj.->
pai foi trasido em conli aposico ao modo de pro-
ceder do Sr. baro deMunbeca, e que por isto al-
terara fortemente com o infeliz Ignacio Jos?!...
Oh, senhores da governanca I assim que se
cumprera as leis, e se executam as vontades do
Imperador em relacao seus subdito* t E' assim
que |K>r motivos polticos se assassina em larga
escala o cidado branleiro. vista, e face das
autoridades ?
Que bella preparacae jiara o triumpho eleitoral
da Varzea, e do Poco I
Pois o Sr. presidente da provincia dorme tran-
quillo, ao tora da lamentosa bosina dos orphos, e
das viuvas cojos paes, e maridos vio sendo ceifa-
dos pelo- athletas do progresso ? Dormir tran-
quillo 1 Ha quera aflirme, mas eu o neg I
O horrorisaao.
As exigencias do rice-cousalado de lle>panha nesta
provincia, em consequencia do processo do Sr.
Aslndillo e Russams.
Se nos dizia que o Sr. Leandro Sanches, actual
viee-consul de Hespanha em Pernambuco, havia
representado ao Exm. presidente desta provincia
contra o que temos publicado ueste Djai-i'o de Per-
nambuco relativamente ao uso indevido do titulo
de doutor, que fez o subdito hespanhol Epiphanio
Astudillo e Bussams que o nao possue, e hesitra-
mos em'Crer no que se nos cominunicava, porquan-
to ha cousas que, por exlravagautes, repugnara ao
bom senso ; mas, depoi que foi publicado o expe-
diente do governo da provincia de 28 do mez lin-
do, somos toreado aconfessar que nao tinhamos
razo para duvidar do que se nos havia referido, e
declarar que as prelencOas do vice-consulado de
S. M. Catholica nesta provincia vao alm do que
supptinhamos possivel; sendo tanto mais para ex-
tranhar, quanto tem elle advogadoque deve acon-
selha-lo, para que se nao d a espectculo.
Se ainda se achasse em exercicio nesta provin-
cia, como vicecnsul, o Sr. Camillo de Andrade,
nao leriamos duvida de acreditar noque senos ha-
via dito, porquanto esse moco pareca querer ad-
qu. rir certa celebridade entre nos por suas pre-
tenedes mas, %chando-se em seu lugar oSr. Lean-
dro banches, ou qualquer outro, eramos levado a
crer que o negocio mudava de aspecto. Engaa-
monos p Is : a mama da celebridade parece con-
tagiosa no vice-consulado de Hespanha nusla pro-
vincia, e estamos persuadido que seus agentes
crem que algum O'Donnell vira ajustar com o
Bra.-il as contas do Sr. Astudillo e Bussams; en-
tn uni melhor fra que esses agentes fizessem es-
tudos comparativos entre a Hespanha eosoulros
paizesda Europa, sem mesmo exceptuar a Bussia,
e se nao persuadissern que ainda eslamos no secu-
to XVI.
como o Sr. Dr. Mamede nao ignora, e por certo
que nao rae resiava tempo para examinar ludo,
lembrando aos.Srs. directores as normas de proce-
der qne os estatutos Ihes prescreviara sob sua res-
ponsabilidade.
E ainda mesrao quando eu tolerasse o abuso
porque os meus collegas quizessem carregar com
as consequencias de sua Ilimitada boa f, inda
mesmo que em alguma circumstancia de que
agora me nao record, eu houvesse visto um di-
rector abrir o cofre com as chaves que outro Ihe
conlasse, julga o Sr. Dr. Mamede, que era vista
dos estatutos teria eu jurdicamente a mesma cul- somente aguardava a poca de una derrota pela
pa que os membros da commisso expressamente mesma maioria, para ento retirar-me ao silencio
encarregada da guarda dos cofres ? da vida privada.
S responder pela afirmativa quem pretender Pr ocrasilo das eleicoes de agosto do anno pro-
nsgar a verdadeira doutrina do direito em materia *imo passado, quando se inaugurava urna poltica
de responsabllidade. j com o nome de liberal, iniciada pelo govern, e
J v, pois, o nobre ex-director que commetteu i apoiada por urna fraeco desertada de nossas filei-
uraa inexactido impulando-rae um facto que nao ras parecame >iue era chegada essapoca,
pratrquei, c, apesar de declarar que nao pretenda Hesitei, pois, entrar em luta, e. tive serias des-
inelilpar-me, fez-rae uraa censura infundada, cuja-conflancas ; sondei, porm, o terreno, acheioseh-
injustica reconhecer, se esquecendo a inagoa de! ^ havia exaltament nos nossos contrarios, e nao
que se diz pussoido e dominando a sua extrema i navia descrco em nossas lileiras nesta freguezia ;
sjsceplibilidade, quizer com a intelligeucia e bom', achava-rae com a maioria dos cidados Afogaden-
senso,que folgo em reconhecer-lhe, raciocinar fria- ',es. entrei em luta, venca, porque o resultado da
mente e aquilatar no devido grao o meu pro-! urna devia ser a meu favor; porm, fui toreado a
cedimento e o da directora do banco para com: desamparar a eleicao, ou ver correr o sangue dos
S. S. meus amigos e alhados, e ento conheci que nao
Permitta-me o Sr. Dr. Mamedo que deixe sem pleileava a eleigo com um partido poltico, nem
rosposta os demais tpicos de seu oficio, que nao! com a maioria dos meus legtimos comparochianos,
me dliem respeito pessoalmente. \e Pe'os me'GS que o systeraa representativo quer ;
Faco S. S. a justiga de acreditar que quando mas sm com o proprio governo, com todas as suas
cessar a pressao do despeito que o domina, e sua torcas e recursos, com urna maioria falsa composta
consciencia fr restituida calma habitual, sen- de homens estranhos freguezia, e os factos que
tira profundo pesar de haver escripto algumas das passo a expor, provaro o que levo dito,
phrases d'aquelle oficio. Dissolvida a cmara temporaria, preciso era
Condntrei por dizer ao Sr. Dr. Mamede qne esta aplainar o campo para a eleicao de eleitores que j
reinha declaraco foi nicamente dictada pela ne "'" ""ipm '""'>' i ia nto o n I
quislar a urna nesta freguezia; conquistou-a, e
fruio os resultados de to vergonhosa conquista 1
Afogadenses, ainda uo lempo de recolher-me
ao silencio; ainda cont com a vossa maioria ; va-
mos urnae iremos at onde nos consentirem.
Nao poderemos vencer porque combalemos con-
tra o governo, e contra urna mesa compacta, que
desconheeer todos os nossos votantes, mas os
tingaremos a praticar novas infamias e novas
torpezas.
J tempo de conhecerdes que as promessas
feitas foram vas illu;5es ; que os coripheus do
progresso, esses que crearam esta situaco femen-
tida pregaran) um completo logro, zombaram da
boa f de muitos.
Que bens nao se proraetlcram t entretanto a mi-
seria lavra na propria classe laboriosa ; estamos
cercados de ladres decavallos e ratoneiros, nossos
quintaes sao invadidos noite, e nossas portas aba-
ladas ; que situaco desesperada Estamos final-
mente reduzdos condico de servos da gleba de
meia duzia de aves de arribaco, escravisados ao
governo por ura eiuprego ; obtido elle, do o
sen ultimo vo.
Gomigo que serapre ves tendes achado a 33
annos que aqu resido e onde possuo o que
mais charo ao hornera, onde finalmente hei de aca-
bar meus dias.
Afogadenses t os meus interesses, minha honra,
meu futuro, tudo deposito em vos ; comvosco
qne quero actiar-rae ainda ; corramos, pois,
urna I
Vivam os briosos Afogadenses 1
Afogados, ti de setembro de 1864.
Manoel Joaquim do Reg e Albuquerque,
Dr. Jos Joaquim de Moraes Sarment.
Sendo para nos da mais altalimportancia o cargo
de vereadores, da cmara municipal aprevenamos
nove nomes capazes de fazer alguma cousa em be-
neficio deste municipio, cecumautndando especial-
mente o Sr. coramendador Antonio Joaquim de Mel-
lo, que tem hoje juz a um dettes logares pelos seus
bellos escriptos sempre em proldos melnoramen-
tos desta cidade.
Se todos estes nomes adhirem a situaco actual,
a independencia e carcter de cada um d'elles
uraa garanta bastante para porem de lado o espi-
I rilo poltico quando se trata do bem publico.
Commeudador Antonio Joaquim de Mello, advo-
I gado.
Dr. Joaquim Jos de Miranda, advogado.
I Dr. Jos Joaquim de Moraes Sarment, medico.
! Dr. Alexandre Pereira do Carmo, medico.
^ Major Manoel do Nascimeoto da Costa Monteiro,
preprietario.
; Antonio Pires Ferreira, proprietario.
Major Luiz Jos Pereira Simoes, negociante.
I Capitao Jos Antonio Silva do Brasil, negociante.
Teoente-coronel Luiz Francisco de Barros Reg,
agricultor.
Um votante.
Peroambucanos, atieucopara vereadvre
Major Francisco Martins Raposo.
Dr. Joo Jos Pinto Jnior.
Major Xascimento da Costa Monteiro.
Aotonio Pires Ferreira, proprietario.
Coramendador Thouiaz d'Aquino Fonceca.
Pharmaceulico Joaquim de Almeida Pinto.
Major Luiz Pereira Simoes.
Coronel Feliciano Joaquim dos Santos.
O imparcial.
PABA JUIZ DE PAZ DA FREGUEZIA DE S. PR.
PEDRO GON'CALVES DO REGIFE.
Tenente Jos Pedro das Neves.
Negociante Antonio Henriques Maffra,
Negociante Joo Marqnes Correia.
Negociante Anastacio Jos da Costa.
Faro veriadores.
Baro de Muribeca.
Dr. Bento Jos da Costa.
Dr. Joaquim de Souza Reis.
Dr. Angelo Henriques da Silva
Tenente-coronel Manoel Joaquim do Reg Albu-
querque.
Tenente-coronel Francisco de Miranda Leal Seve.
Major Francisco Martins Raposo.
Capitao Miguel Jos de Almeida Pernambuco.
Pbarmaceutico Jos Mana Freir Garneiro.
Um votante vermtllio
Apresentamos os quairo candidatos para jutes
j de paz da freguezia de Santo Antonio.
Os senhores :
| Capitao Luiz Cetario do Reg.
Major Manoel Antonio Viegas.
I Dr. Antonio Jos Alves Ferreira.
Capitao Antonio Augusto da Fonceca.
O liberal sincero.
Erratas.
No elogio fnebre publicado no Diario do hon-
tem (5 do correte), deram-se os seguintes erros :
no titulo onde se l-e dedicado pelo actual vice_ di-
| redor do collegio das oipbas ; lea-se dos orphos;
na linha 21 onde se l cheio de vida, la-se cheia
. de vida; na linha 30 onde se l, qne voando do
seio do Eterno, suprima-se o que na linha 67 on-
| de se l Kuyc seria bona el fidelis intra cm gaudi-
\ um la-se in gaudivm, e mais urna alteraco na
virgulaco que o leitor supprir.
Passa por certo que este anno nao ser festeja-
da a gloriosa Senhora do Livramento, era sua igre-
ja, assim como que a progressista mesa regedora,
l \ ficar reeleta sem ser preciso nova eleicao T?
cessidade de restabelecer os factos, e arredar de
mim urna impulaco injusta ; e que me achara
disposto a responder-le todas as vezes que leal e
cavalleirosamenie de mim se oceupar.
Filho da imprensa, nunca fujo de discutir com
aquelles que sabem della fazer um sacerdocio.
Caixa Filial do Banco do Brasil era Pernambuco
5 de setembro de 186-4.
Joo Cardoso de Menezes e Souza.
elegessem doptados adeptos nova poltica ; e o
fez o governo ? demittio os subdelegados e sup-',
penles das duas subdelegadas que aqu haviam,'
nomeou em substituidlo homens frenticos d'entre
os meus mais acrrimos 'inimigos, e creou urna !
terceira subdelegada em meo engenho Peres para
melhor neutralisar a influencia legitima que natu-
, ramente exercia sobre os incus moradores, forci-:
j^ ros, amigos e obrigados de tonga data t
Senhores assim, esses meus inimigos das posi-
o que resta, pois, que aprsente o diplo-
ma que lhe confere esse ttulo; mas quem nao v
que, se elle o tivesse, nao esperara pela condem-
naco ? Allegaran! que, sendolicenciado, poda
usar do titulo de doutor, o que nao exacto ; mas
a Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro consi-
derou-o, embora sem fundamento, como simples
bar/iarrt, e por este modo cae todo o artificio em-
pregado na intenco de embair o juiz.
E o que dir o'Sr. Leandro Sanches, se de Hes-
panha vierem informadles anda menos favoraveis I
do que essas, que j temos do Rio de Janeiro, Bahia, j
Gear e Maranhao f Se torera desfavoraveis, como
esperantos, as inforinaeoes pedidas de Madrid, Ga-1
diz, Villamartim e Lisboa, provavelmenje teremos'
nova exigencia de vice-consulado de Hespanha
ne os bons fructos das celebres convencoes consu-
lares.
Em todo o cao, digamos com franqueza : exigir
que se coarcte a liberdade da imprensa cm um
paiz constitucional eou>a seria. Napolro I, sen-
do injuriado por um jornal de Londres durante a
paz d'Amiens, nao exigi da Inglaterra que se m-
pozesse silencio a esse jernal : contentou-se com
faze-lo chamar responsabildade para velo ser
condemnado, como foi mas o Sr. Leandro San-
ches quer ir alm : nao se contenta com os mcios
que a lei lhe faculta, e colloca-se, sem mais nem
menos, cima do primeiro imperador dos Fran-
cezes I
Bem razo teve o immortal Cervantes para es-
crever o siiu D. Quicliote, e muilo lasiimamos que
de temposl lempos nao apparecam Cervantes.
N. B. Das informadles c ceriidoes, que nos vie-
ran) do Maranhao, se v que o subdito hespanhol
Epiphanio Astudillo e Bussams passou all por dif-
tlculdades, de 1854 a 1837, em consequencia do
exercicio Ilegal da medicina, que lhe nao quiz per-
nultir a exiincta commisso do Hygieue Publica,
retirndose por fim daquella provincia, e que du-
rante a luta recorreu s mesmas evasivas, s mes-
mas queixas, s mesmas representaeoes do cnsul
do sua naco, s mesmas allegaces de servieos
mdicos durante epidemias, e al as mesmas inso-
lencias ; de sorte que nao novo o que se tem da-
do aqui durante o processo por causa de uso inde-
vido de titulo dedoufor, qne nao tem.
Das ratormacoes recebidas do Cear consta que,
sendo o referido Sr. Asluiillo encarregado, no
Aracaty, do tratamento de dous membros ou che-
fes de dnas familias importantes, e morrendo am-
bos, deseuvolveram-se contra elle aecusacoes, e
que essas familias procuraram intcntar-lhe ura
processo, que nao teve seguimento em consequen-
cia de haver-se retirado d'alli para a capital da-
quella provincia o Sr. Astudillo e Bussams com
parte de sua familia, e dessa capiial para o Bio de
Janeiro.
De tudo, que dizemos, lemos ceriidoes e infor-
macoes de pessoas competentes, e offerecemos
consideracao do Illm. Sr. Dr. Neivas todas ellas,
afim de que forme juizo seguro.
Sr Manuel Joan n> Amorim Roeo-lhe o vCf,es policiaes, principiou o eoverno revolver a
u^S^^B^mt^^%^^t^m^^efS^\ em seu nome prometUase a uns ern-
de julho ultimo, quando V. S. veio receber 100! Pro0s, postos e condecoracoes para o seguirem, a
contos de ris desta Caixa Filial, vio na occasio outros se ameacava com prisoes, processos, recru-
em que conversavamos na sala da commisso de lamento e at espancamentos se fossem volar enn-
descoutos o Sr. Dr. Jos Mamede Alves Ferreira ,ra a chapa do governo ; neste interim foi posta a
entregar urna chave ao Sr. Jos Joaquim Das Fer- minha casa em cerco I
Tudo se far neste tempo, em que todo progres-
sista livre, e quem envidar pergunte ao Luiz da
confraria : at ver nao tarde.
O Joao Marmota.
Apresentamos para juiz de paz de Santo Antonio
a Sr. commendador Antonio Joaquim de Mello, se
se quer intelligencia, servicos, representacao de
pessoa, patriotismo e desinteresse ; fallando des-
apai sonadamente.
nandes.
Peeo-lhe lirenca para fazer de sua rcsposla o
uso que me parecer conveniente. Sou com estima
de V. S. aliento venerador e criado.
./ooo Cardoso de Mvnezes e Souza.
Illm. Sr. Joo Cardoso de Menezes e Souza.
Nao vi.
Caixa Filial em 3 de setembro de 1864.Manoe\
Joo d'Amorim.
De quaudo em quando, e em difTerentes noiles,
aqu dava suas abordagens policiaes o subdelega-
do de S. Jos frente de 40 e 50 capangas armados
de ccete e punhaes, e percrrendo as ras desla
povoaco, retirava-se dentando aps de si o susto
e o terror seus pacficos e inermes habitantes.
Em nome do governo eram notificados pelos ins-
pecteres de qoarteiro lodos os habitantes da fre-
guezia, fossem ou nao votantes, para se acharem
no pateo da Paz, com cceles ou as armas que pos-
Quando a cmara municipal desta cidade era
censurada por nao dar cumprimento aos Artlgos
de. Posturas qne obligara os propietarios a coneer-
larem os passeos de suas casas, logo quo estes se
arruinara, ea seguirem na factura desses passeios
nivelainento uniforme, diziara os respectivos fis-
caes, e mesmo alguns vertadores.que se noexigia
o inleiro cumprimento desses Artigos niunicipaes
porque, dcwndo ser niveladas e calcadas as ras,
ento se fariam os passeios segundo" fosse estabele-
_ cido, e se seguira o nivelameiito que perraitlisse
o das ras: mas nunca podemos admitr que se
esperasse pelocalcamento das ras para o concert
dos passeios, porquanto esse calcamento vai to len-
tamente que nem cm dez annos poder estar con-
cluido, e vemos que na reconstrueco dos passeios
CORRESPONDENCIAS.
Senhores redactores.O Sr. Dr. Jos Mamede Al-
ves Ferreira publicando hoje o oficio que dirigi
ao presidente do banco, do Brasil em rosposta ao
de sua exoneracao de director da Caixa Filial desla
provincia assevera:
1." Que em minha presenca entregou a chave do
cofre do expediente ao seu collega na commisso
de descontos para ir tirar os cem contos de ris
que foram pagos aos Srs. Amorim Irmes na sema-
na anterior em que se verificou o desfalque dos
vinte contos do ris.
2. Que em outras occasHJes fui testemunha ocu-
lar de igual abuso, sem procurar corrigi-lo, e nem
ao menos fazer a menor observacao ou advertencia
aos directores que assim faltavam seo dever.
E desta duplice affirmaco conclue implrctamen-
te S. S. que deve pesar em raaior grao suhre
mim, na qualidade de presidente e fiscal da Cala, i
do que sobre elle, simples director, a imputaco i
de negligencia e desidia, que houve no facto alta- (
dido, e qne elle atlribue a demisso que lhe foi!
dada.
Quanto priraeira assercao cumpre observar
que j no relatoro da commisso de descontos, que
i tambero veio a luz da imprensa, o Sr. Dr. Mamede!
PIBimCGES 1 PEDIDO.
; suissem, e desses os qne nao tinha.n roupa eran. jarl",; dWurora j se nao est segurado ov'clamen
pelos mesmos inspectores conduzdos a casa do'
0OMMEBGI0.
\ovo ium:o de persaiibico.
0 novo biico p.j!a o 13 dhiden
na ratt de 8^000 per accae.
Alfandega
Rendiraento do dia i a 3.......
dem do dia 5................
79:511554
43:191^327
122:7025872
Movlwento da alfandega
Voluntes entrados cora fazendas... 173
t cora gneros... 1,281
Voiumessaludos cora fazendas... 131
t cora gneros... 211
1,454
342
Illm. Sr. Miguel da Silva Daltro.A direci
socedade Recreativa Corybantina faz scienie
S. de que recebeu o oficio era que V. S. comniu- re(,.fierem urna jaqueta ou palitot, cm vez de urna
nica nao continuar a pertencer a sociedade, o que bae,,a '< entretanto que os que assim tteuravam de
basta para estar desonerado. senliores se banqueteavam ao som da msica !
Beeife 0 deselembro de 1864. '.. .9ue,sre"a wsonhosa, e, que contraste com as,
a direceo da sociedade. "'eas "e liberdade e iguaidade apregoada por laes.
__ senhores I
Nao olhando nos para as cores polticas daquel-' ,>as,llliosjincendiarios e infamantes se espalha-
les i quera temos de dar o nosso voto, e sim para! Pm P"rtdos os ngulos da freguezia ? muitos
as suas qualidades pessoaes, e probabilidade do Ja'ltares e pagodes se derara no engenho choa ;
bom de>empenho de sua misso e melhor cumpri-
mento de seus deveres, apresentamos pela fregue-
zia de S. Fr. Pedro Goncalves o cidado Alexandre
Bodrigues dos Aojos.
Alguns votantes.
HOSPITAL
Portnguez de Beneficencia em
Pernambuco.
Tendo de celebrar-se no dia 18 do corrente o
economa, vo ernpregando lijlos para cobrir os
vacuos que nelles se formara em cousequeucia de
maior largura que devem ter.
Se j em principio vo as cousas por este medo,
o que ser no lim 1 Chamamos pois a attenco da
autoridade competente para isto que dizemos. So-
mos proorietarios; mas nao eslamos dispostos a
infringir o que se acba estabelecido.
Aos votantes do immidpio do Itecife.
Abaixo publicamos a chapa liberal para a proxi-
alli era o meu nome o autoridade redicularsados,
pregava-se insubordinac.io guarda nacional, di-
zendose que eu nao era mais o comtnaudante do
batalho, que estava demittido. e que ia ser pro- ma eleicao. Foi ella organisada quanto aos juizes
cessado ; aos meus moradores, foreiros e amigos,. de paz pelas coinini>soes parochiaes de accordo
que nada tinhara mais comigo, pois que nao era eu !roin os seus correligionarios votantes as respec-
mais senlior dos engenhos Peres e Giquia 1 Que uvas parochias, e quanto aos vereadores por esco-
esiava pobre e miseravel, que era finalmente tima
sombra que hav desapparecdo para sempre.
Que impostores !. Vis assassinos da minha
honra )
Quairo dias antes da
anmversano da fuodacao do Hospital Portugucz, desembarrar dos wagons da estrada de ferro assas-
como proscreve a sua le regolamentar,_ entendeu SII0S> |adroes e vagabundos consignados das fre-
a actual junu administrativa, a im.tacao do que guez.as da Escada e Muribeca, e aboletados publi
pralicou a sua antecessora, que esse acto se pode- ramente na propria casa do subdelegado, e depois
ra tornar mais solemne, seguindo-se-lhe a expo- de vestidos e armados, eram sustentados de almo-
sirao de prendas e joias que a generosidade dos ,0, jamare ceia pelos cofres da polica secreta,
habitantes desta hospitaleira cidade so dignarem (segundo dziam) at o fim da eleicao.
de ollertar-lhe, para em publico serem trocadas e Emlirn, raiou o dia 9 de agosto (dia fatal para o* I Canilo Luiz Cosario do Bego, proprietario.
convertidas em beneficio dos pobres enfermos. verdadeiros Brasileiros !) t o que vimos nos r As ^. Silvio Tarquinio Villas-Boas, medico.
Neste intuito foi noraeada urna commisso espe- g horas da raanha entrar nesla povoaco urna for-
cial para agenciar e arrecadar os diversos donati- Ca de 50 homens de 1 linha. ao mando do capitao
vos, a qual era deserapenho de sua honrosa e san-! Moraes Bego, para garantir a liberdade do voto,
ta missao dirigi humildes supplicas as pessoas de COrno me havia asseverado na vespera o Exm pre-
ha feita por commissos de diversas freguezias.
Ei-la":
Porn vereadores.
Francisco Accioli de Gouveia Lius, proprietario.
Tenente-coronel Fernando Francisco do Aguiar
Monlarroos, agricultor.
Dr. Joo Jos Pinto Jnior, lente c advogado.
Dr. Joo Maria Seve, medico.
Dr. Joaquim d'Aquino Fonceca, medico.
Tenente-coronel Jusliuo Pereira de Faria, proprie-
taiio.
Major Jos Antonio de Brilo Bastos, agricultor.
que teve conhecimento.
Nao sendo porm possivel que semelhante convi-
te fosse enderecado individualmente todas as se-
nhoras e cavalheiros, nao s por falta de lempo,
como e principalmente por se ignorar seus nomes,
a mesma junta e commisso se prevalecem do ni-
co meio que Ihes resta, para fazer chegar pre-
senca de todos os habitantes desla capital as mes-
mas supplicas, como se especialmente e a cada um
de per si as livesse dirigido, pedindo que sedignem
enviar qualquer oftorta, que ser recebida com o
maior reconhecimento, como obulo de caridade.
Recito 5 de setembro de 1864.
Joaquim Ferreira Mendes Guimares.
1 secretario.
Pastilhas vermfugas de Kcmp.
Chamamos a attekco de todas as maes para o
remedio mais agradavel e mil que se conhece para
fazer expellir as lombrigas : as pastilhas vermfu-
gas de Kemp. Era vez de lodos esses immundos e
perigosos remedios vermfugos eompostos do toda
a casta de mineraes apresentamos um delicioso
confeito vegetal promplo e infallivel na sua opera-
dlo, nao causando nauseas nem incommodos de
qualidade alguma, pmduzindo sempre o sen efleito
de urna maneira suave e completa, nao careo-ndo
depois assistencia de qualquer um outro purgan-
te : til como um excedente meio de fazer remo-
ver as obstrueces do ventre, mesmo no caso de
ex istirem vermes alguns e finalmente tornam-se
ellas dignas por todos os respeitos da confianca e
approvaco de todos os pas de lamillas os quaes
acharan estas pastilbas elegantemente acondiciona-
das dentro rio frasquinhos de rrystal e venda as
boticas de Gaors <$ Barbosa e de Joao da G. Bravo
AC.
Illm. Sr. Jos da Rocha Prannos.Com a maior
sidente da provincia
Ao appareciraento desta torca, andavara o sub-
delegado desta povoaco, seus inspectores e amigos
a persuadir os votantes que a torca vinha para
obriga-los a votar na chapa do goveruo, ou a tratar
como rebeldes aquelles quo o nao (izessetn. Das 8
horas em diante principuram a entrar pelas ras
desta povoacooi subdelegados do 2o e 3 distnc-
tos, e o eserirao do commercio Paes de Andrade
(que como ave de arribaco se havia pousado no
Ucha) frente de numerosos grupos, formados
dous de fundo, armados de cceles, punhaes e fa-
cas, com os inspectores de quarteirao de facha, es-
pada e pistolas ; sahindo tambera o subdelegado
do 1 districto com os seus aboletados em numero
de 70 80, a fazer junecao no pateo da Paz.
Este pateo pareca mais ura campo de balalha,
do que um campo eleitoral ; all tudo era terror o
anarchia ; viam-se as facas e punhaes desembai-
nhados brilhar ao sol. Debaixo destes preparati-
vos bellicos.deu-se principio eleicao I
No primeiro dia correram os trabalhos com pla-
cidez, pleitearan ambos os partidos, e ao fechar-se
a urna tinhamos 60 votos de maioria.
No segundo dta j nao aeonteceu assim : os
subdelegados postados porta da egreja, e seus
inspectores, trocavam as cdulas, ameacavam, o
senos tumultos appareceram ; por duas vezes ten-
taram o quebramento da urna, e poi duas vezes
calaram-se bayonetas porta da igreja ; nao obs-
tante esses exforcos, tivemos ao fechar da urna zO
votos da maioria.
Desaponlaram ento completamente os nossos
contrarios ; correram por todos os ngulos da fre-
goezia, renovaram as ameacas, e no lerceiro dia, !M ultimo da 3a chamada, achava-sa esgotadn o mime- Major Luiz Jos Pereira Simoes.
ro de seos votantes, ao passo que nos tinhamos 30 Tenente-coronel Luiz Francisco de Barros Reg,
40 votantes anda : pelo qua redobraram elle* em Capitao Antonio Jos Silva do Brasil,
excessos. Patrulhas se lostarara pelas estradas a Dr. Joaquim Jos de Miranda.
Para juizes de paz.
Freguezia de Santo Antonio.
Capitn Luiz Cosario do Bego.
Capuo Antonio Augusto da Fonceca.
Teneute-coronel Mauoel Camello Pessoa.
Capitao Flix Francisco de Souza Magalhes.
S. Jos.
Manoel Antonio Bibeno negociante.
Joo Jos de Albuquerque, proprietario.
Tiburcio Valeriano BaptisU, proprietario.
Juvencio Aurcliano da Gunha Cesar, artista.
Freguezia da Boa-Vista.
Chapa do partitio liberal pro 1 districto.
Decio d'Aquino Fonceca, empreado publico.
Joo Padieco de Queiroga, proprietario.
Joaquim Francisco Franco, dito.
Bernardo Jos Marris Pereira, empregado publico.
2 districto.
Joao Bartholoino Goncalves da Silva, proprietario.
Antonio Carneiro da Cunha, idera.
Dr. Francisco Amrathas de Carvalho Moura, advo-
gado.
Dr. Francisco Ferreira Martins Ribeiro, empregado
publico.
3a districto.
Dr. Jos Eustaquio Ferreira Jacobina, advogado.
Francisco Antonio da Silva Cavalcanti, empregado
pobico.
Antonio Jos de Castro, proprietario.
Antonio da Gunha Soares Guimares, dito.
Para cenadores da cmara municipal do Recife.
Commendador Thomaz d'Aquino Fonceca.
Major Manoel do Na Tenente-coronel Feliciano Joaquim dos Santos.
Descarregam no dia 6 de setembro.
Galera inulezaHermionemercaderas.
Barca francezaJean Baptist marcadorias.
Barca inglezaComoddiversos gneros.
Barca americaaTfmpesttaboado.
Patacho ingles Marij Bellebacalho.
Patacho inglesMuid o{ Atheuscarvo de pedra.
Escuna dmamarqueza Levante diversos g-
neros,
i Patacho nacional Jaboatoidera.
ImportacSo.
Hiate nacional Dois Amigos, entrado do Ass,
consignado a Antonio Luiz de Oliveira Azevedo
. C. manifestou o seguinte :
729 alqueires de sal.
Patacho nacional Relmpago, entrado do Bto
Grande do Sul, consignado] a Amorim Irmos,
i manifestou'o seguinte :
12,797 arrobas de carne de charque : a ordem.
Patacho osles Mary Bell, entrado de Terra No-
! va, consignado a Sauuders Brothers 4 C, raanifes-
I tou o seguinte :
60 barricas com bacalho ; aos mesmo?.
1.830 ditas e 158 meias ditas dito ; a ordem.
Brigne portuguez S. Miguel I, entrado do Rio de
Janeiro consignado a Manoel Joaquim B. e Silva
(iGenro, manifestou o segrate :
Genero estraogeiro,
50 barricas alpista.
Gneros nacional.
1 caixa cha, 1,303 saceos caf, 490 ditos feijo ;
a ordem.
Patacho brasileiro Jaboato, entrado de New-
; York consignado ; a llenry Foster A G manifes-
I tou o seguinte :
1 caixa arreios, 20 barris breu, 8 voiumes car-
I ros e pertences, 100 barr? banha, 1 caixa cadeira,
i 200 saceos cevada, 10 caixas charutos, 1580 barri-
' cas farinha de trigo, 5 caixas tolha de metal, li
caixas com objectos de honicultura,250 caixasolo
de kerosene.10 caixas fumo,24 voiumes lanternas e
perlences. 23 ditos machinas de agricultura, lObar-
ris pregos, 8 prensas para algodao, 36 caixas pa-
Ibit, 2,000 resmas papel, 1 caixa relogios, 25 di-
tas Unta preparada e 1 vergontea; a H. Fos-
ter & C.
Reeebedorla de rendas Internas
geraes de Pernambuco.
Rendimento do dia 1 a 3........ 2:925*418
dem do da 5................. 2:088156
5:013*574
Consulado pro viudal.
Rendimento do dia 1 a 3......... 5.780*704
dem do dia 5 ................. 7:630*575
13:411*279
MOVIMENTO BO POBTO.
Xavio sahido no da 8.
Aracaj e portos intermediosVapor nacional Pa-
rahyba, comraandante Martins.
Nao bouve entradas.
EDIT1ES.

,.
0 Dr. Tristo de Alencar Araripe, offlaal dajimpo-
rial ordem da Rosa, e juiz de direito espedal do
commercio, por S. M. Imperial e Constitucional
o Sr. D. Pedro II, a quem Deus guarde, etc.
Faco saber pelo presenta quo por este juizo e
cartorio do escrivao que este subscreveu, corre
urna execuco de sentenca enjrepartes, a saber :
exeqnento Antonio Jos Panto de Carvalho e eje-
cutado Ferreira & Lima, qrre tendo so falto pe-
nhora era dinheiro na quantia de 950*, que se
acha sob a guarda do depositario particular Jos
Alves Barbosa, em audienda do dia 8 de agosto
deste anno, peto solicitador BernardiBO de Sena
Dias, procurador do exequente, me fon> feto o re-
querimenlo seguinte :
'




I

i


*^#*rf e _****%* Terea felr* O 4* ftetfembra ie 1 *
V
I

4>


Depois ter Alagar a representacao do drama etn
quatro actos, ornado de msica.
\S RECORIMIES
ROCIME.
xAo8 desgasto *; ity\, iicuda.te do Recife
de l'isruanibuo), em publica auiienea que aos
fafcose s parles T*ia douter juii de direito es-
erial do ommereo, Tristse de Atentar Araripe,
Sella-pelo olieitador Bernardina da Sena Das,
procurador do exequente, fdra acensada a penhora
que se ne, feiu tm bens d* ejecutados ; re-
querendo que aos me*mo* nao so ficassem assig-
iados o> sois dte da li, como dex aos eredores m-
certos, nassando-se os edilaes do eslylo, visto como
dita penhora se ffectnara em dinheiro : o que
movido pelo joii awin o Meno.
Extrshi o presente do protocollo das audiencias
* o unto t*a#o e o manda* seguintes. :??sset..........__
Eu FaustinoJos da Fonseca, escrevcnte jura- Roblneau, escrevonte de
mentado o escrevi, Eu Manoel de Carvalho Paes; tabelliao........:
e Aadrade, escrivao, o subscrevi. j Osear Dupeton, estudante de
E por torca do deferimento dado a este requer-' medecina..............
aeato o escrivao respectivo que este subscreveu,' Pauto Renard, advogado...
fez passar o presente ediul, eom o prazo de dez Gernovellet, dono de um ca-
dias. pelo qualeseu tlioor, sao citados os credo-!f........... ......
res ineertos, para que dentro do referido prazo Miguel, criado do cafe.....
comparecam nesle mizo, allegando o que fr a bem Um commandante........
de saus reitos e justica, soto pena de revelia. | Belamy.................
E para que chegue ao conheeimento de todos Jolinet...................
mandei passar o presente qne ser publicado pela Um criado. ..........
imprensa, e afttxado nos lugares do costnme. I Npesnia, bordadeira..
Dado e passado nesta cidado do Recife de Per- Olympia, escudeira
Bambuco, aos 3 de setembro de 1861.
Eu Manoel de Carvalho Paes de Andrade, es-
crivao, e subscrevi.
Insfie l Alencar Araripe.
O Illm. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial, em cumprimento da ordem do Exm. Sr'
PERSONAGENS.
Germano.
Coimbra.
do Hy-
podromo..
Bernardina, lavadeira de
roupa taa.............
Seoliura Boisredon........
Sen hora Durandeau.......
Homens, mulheres, etc.
Guimares.
Lisboa.
Porto.
Teixeira.
Pinto.
Santa Rosa.
Maoncc.
N. N.
D. Antonina.
D. Camilla.
D. Marta Ponte.-.
D. Leopoldina.
D. Jesuina.
presidente da provincia de 20 do crreme, manda A scena passa-se em Pars durante os tres-pri-
fazer publico, que vai novamente praca, no dia me.ros actos, e durante o quarto em Montpel-
6 de setembro vindouro, perante a junt de fozen- >.
cura na comarca do Bonito, avahado em 2:13i000 drama. ___
3lAUarn5matacao ser feita por lempo de tres an- 2a rCClt di JlSSgnatlira
nos a contar de 1 de julho do fm^^maoi 30 QnNTA-FEIRA, 8 DE SETEMBRO DE 1864.
Jo regulameeto de 3 de agosto de 1852. Subir scena o drama em quatro actos, ornado toras, agencia ra da Cruz n. 1, escriptorio de .
AWttg MTOSM.
Aw.0:0O8OQ0.
Sexta-fi'ir* 9 do crrente me/., se ex-
. trabir a primeira parte da primeira lote
geiros e dinheiro a frote at o dra da sabida as 3 ru ({Q->\ a t,eneacio da irmandade do Se-
orada Urde : escriptorio no Porte do i _t,._ ,, L ___ i_ w_ c___ .i- :___:.. __
n. 1.
COMPANHIA MmKMUCAN V
iba ''-
IVave^aca etstnin vador.
Parahyb, *Nala!, Maca, Araeaty e Cear.
' No da 12 do corrente seguir
para os portos cima ^indica**;
um dos vapore* da Companhia
;Pernambucan;i. Rebe carga at
dia SH. Encommendas, .passa_-
nbor Bom Jess da Via Sacra da fcteja da
tpt *anta Grw desta cidade, no consistorio da
COMPANHIA BKASILUJ&A ^^ fj j^^ s^mm do Rosario da fre-
_ ___,___<,',_, ,T -,,. iguezia de Santo Antonio.
PAQUETES A VAPOHe \ Os bilhetes, meios e quartos acliam-se
Dos portos do gal esperado renda na respectiva thesouraria ra do
al o dia 4i doeerrente, o vapor Crespo n. 15.
CrHzm-o do Sul, comidante Qs [o& de 10:000^000 at 20OO0
^St^SX^[^ pV omahora depois da extraeco
portos d~orte. ate s 4 horas da tarde, e os outros no da
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a geguinte depois da distribuico das listas,
carga que o vapor poder conduzir, a qual Rever Servtndo de thesotireiro,
ser embarcada no dia de" sua chegada, encemmen-
das e dinhetro a frete at o m'a da sahida as 2 ho-
ras : agencia, ra da Craz n. 1, escriptorio de An-
tonio Laz de Oliveira Azevedo d C.
COMPANHIA 3RASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR-
Dos portos do norte apara-
do at o da 16 do corrento o va-
por Paran, commandante o ca-
pito de fragata Santa Barbara, o
jual depois da demora do cost-
me seguir para os portos do sul.
Desde j recebem-se passageiros e engaia-se a
carga qne o vapor poder conduzir, a qnal Severa
ser embarcada no dia de sua chegada: eicom-
j mendas e dinheiro a frete at o dia da saluda s 2
Jos Rodrignes de Sorna.
AVISO
Precisa-se fallar com os Sr*. Manoel Jos da
Silva e Francisco Jos da Silva, sobro urna lieran-
ca que os inesmos teem na ilha de S. Miguel : ua
rna Nova n. 26, st^udo andar._______________
Aluga-se
urna grande ca?a e sillo confronte a povoacao do
Monteiro, a marfem do rio Capiharibe, com ba
bai-ta d-1 capim, e todos os ceminodos para orna
grande familia : a tratar na ra de Apollo n. 1,
sognndo andar.
Precisase alugar urna perfeita engommadei-
ra e costureira, preferindo-se escrava : a tratar
em Santo Amaro, casa de C. S. Caiubroone.
n
de msica,
AS RECORDAgOES
i\
A-^pessoas que se propozerem a essa arremata-
dlo, comparecam na aia das ses?oes da referida
junt no dia cima mencionado pelo meo dia,
competentemente habilitadas.
E para oonstar se maodou publicar o presente
pelo jornal. .
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
buco, 22 de agosto de f864.
O secretario, Terminar
A. F. d'Annunctatao. em um acto,
__O Illm. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial, em cumprimento da ordem do Exm. Sr. pre-
sidente da provincia, de 20 do corrente, manda Os bilhetes acbam-se venda para duas recitas,
azer publico, que vai novamente praca, no dia G no lugar do coslume.
de setembro vindouro, perante a junta da fazenda i -------
da mesma thesouraria, para ser arrematada a quem '
mais dr, o imposto de SpiOO do gado vacenm
consumido no municipio de guarass, avaliado an-
noalmenleera 1:6125000..
A arremataco ser fcita por tempo de um anno
c 9 mezes a contar do Io de outubro do corrente
anno 30 dejunho de 1866.
As pessoas que se propozerem a cssa arremata-
do, comparecam na sala das sessoes da referida
j'unta, no dia cima mencionado pelo mua da, e
competentemente habilitadas.
E para constar se mandou publicar o presente
pelo jornal.
Secretaria da thesouraria prov
t>uco, 22 de agosto de 1861.
O secretario,
A. F. d'Annunciarao.
BSLHACOES.
e res-
pondido i i- toda a eouipauliia, e tocar urna das
nm.-icas militares no salo, tocando o hymno e
~^~^~~ muitas ricas symphoriias. e estando o thealro bas-
rnnvulitrli nrnrinrial !,an,e Iluminado eom Mitrar asscio e limpesa
f. miliaiW f)l ULLUtllu. assistir S. Exc, o digno presidente da provincia,
Pela mesa do consulado provincial se faz publi- onao a companliia livre de todos interesses, apro-
co aos devedores dos impestos cobrados por jan- ve[a a oecasio de satisfazer o respeilavel publi-
'ameuto perteucente ao ejercicio lindo de 1863 co pernambucano, tanto pela pompa com uos seus
1861, que no ultimo de setembro corrente Bnda-se escolbidose variados trabilhos.
n praso marcado para o pagamento de seus debi- i { acto.
tos, icando snjeitos a seren executados os que j Saltos mortaes no trapdim brasileiro pelo joveu
nao pagaren at aquelle dia. Antonio Machado, e Jos Marbado, onde o joven
Mesa do consolado provincial de Pernambitcs Io. Antonio Machado, pela segunda vez corajosamen-
de setembro de 1861. ie pular por cima de 8 bayonetas.
Antonio Carneiro Machado Rios. g" part-. Apercha marav'ilhosa muito bem des-
Administrador. I empenhada e com perigosas Ogaras o secutada pelo
Antonio l.uiz de Oliveira Azevedo C.
Para o Araca*y
pretende seguir com muita brevidade o veleiro
hiate Dous Amigos, tem parle do seu carregamen-
to prompto : para o resto que Ihe falta, trata-se
com o seu consignatario Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo dr C, ra da Cruz n. 1, ou com o capilo
Francisco Martina da Costa no trapiche divalgodo
Para Lisboa
vai sahir at o dia 10 do corrente o brigue port-n
gnez Constaute II, de excellenle marcha; recebe
carga a frete muito commodo. e passageiros, para
os quaes tem boas accommodacOes : trata se com
Manoel Ignacio de Oliveira & Filho, largo do Cor-
poSantn. 19, ou com o capito na praca.
Para o Rio de Janeiro
pretende seguir com muita brevidade o veleiro
brigue nacional Almirante, tem parte de seu car-
regamento prompto : para o resto que Ihe falta e
escravos a frete, para os quaes tem excellenles
commodos, trata-se com 6 seus consignatarios An-
tonio Luiz de Oliveira Azevedo & C, no seu es-
criptorio ra da Cruz n. I.__________________
Aracalj
Tem de sahir para o Araeaty "at o meiado da
semana, com a carga que tiver, o hiate Graciosa :
Principiando a orchestra urna linda symphonia, I para carga a frete e passageiros trata-se na ra
se dar prin<-ipoao espectculo na ordem" seguinte: 'da Madre de Dos n. 2, ou no trapiche do algodao.
1' |iarte. Anles do primeiro acto ser cantado o -------
hymno, sendo tirado por quatro meninas,
o espectculo com a nova comedia
A HI lia mais vclha que o pai.
Til 12. t TRO
DE
Hoje, 6 de setembro de 1864.
GRANDE E VARUDO ESPECTCULO
inciai de Pernam- *e'a COUlliailhia (le CI1N0S0S liaciflaCS.
GYMNASTICA E ACROBTICA.
LEILfiES.
C484 1)4 FOKTUlU
AOS 1(K000,000
itileles garantidos
1' roa lo Crespo n. 23 e casas e eostaste
O abaixo assignado vendeu nos seus muito feli-
es bilhetes garantidos da lotera que se acabou
de extrahir a beneficio da Santa Casa da Miseri-
cordia os segutntes premios:
N. 631 meio bilhete cora 10:8004000
N. 1072 dous quartos com 2:0004000
N. 3088 dous quartos com 2:0004000
N. 3300 dous quartos com 004000
N. 2994 meio bilhete com 5004000
E outras multas de 2004,1004, lo i e 204.
Os possuidores podem vir receber sem os dea-
con.os das leis na Casa da Fortuna ra do Cres-
po n. 23.
Acham-se venda os da primeira parte da pri-
meira lotera da irmandade do Senlior Bom Je-
ss da Va-Sacra da igreja da Santa Cruz desta
i cidade, que se extrahir na sexta-feira 9 do cor-
' rente mez.
Presos.
Bilhetes inteiros..... 124000
Meios......... 64000
Quartos........ 34000
[ Para as pessoas que comprarem
de 1004 para cima.
Bilhetes........ H4000
Meios......... 54500
Quartos........ |**750
Manoel Martins Finza _
"Club Pernambucano.
A rt-naii) familiar da correte inez
ter luiiar na noilo Jodia 14._______
Precisa-se de urna ama para servico de casa
de pouca familia, prefere-se escrava : na ra da
Imperatriy. n. 18.________________________
Precisa-se de um caixeiro para taberna, de
12 11 annos de idade, qne saina 1er e escrever :
na ra das Cruzes n. 1.________~____________
Aluga-se a sala e quartos da parte de detraz
do primeiro andar Ha casa n. 6o da ra do Impera-
dor com,vista para o passeio, propria para escrip-
torio, c murada de pessoa solteira : a tratar na
mesma.
O ahaito assignafti Icndo arrdrhaUlr) Do-
mingos Vaz da (j) 0 Sr. Sebastlio Aceioly antiago R;unos queir.l verm tscrax'ws, e temi passado letras correspon-
tera hondada dn*ir ra do Imperador n. 83, | denles a renda total dos refi-rroes hens, (faee ha
segundo andar, liquidar o negocio que nao Ihe 5, de lindar em maio de 1867, previne que nlnguem
estranho. [aea ^a.-ac^lo.com dito Agr sobre as referidas
letras, visto como n ajuste foi dependente fle con-
dicoe?, c. nao tendo siiio |in enrhldo, nao corre
obrigacao da parte du abaixu assiunado, nao obs-
tante existiremem poder de Agr tetras na impor-
tancia de todo arrenflmeiito.
Guncalo Comes de Soma.
\M ilElTE
Prerisa-se de nma ama de ieilc que seja livre ou
captiva, porem moca e sadia, agradando nao se
dnvida pagar bem : a tratar m ra da Cmz do
Recife n. 33._____________________________
No dia 3 de setembro, as 8 horas da manhaa.
potico mais ou menos, voou da loja da rna do
Crespo n. 1, de J. Falque, um papagaio bastante
pintado de amarelln, com um pedaco de eorrente
de lato no pe : quem tiver acliado, far favor en-
tregar ou mandar mesma casa, que ser recom-
pensado f. se Ihe licar.i milito agradecido.
A Stmmna Ilustrada (|ue se publica no Rio
de Janeiro todos os domingos, asslgna-se em casa
de J. Falque, ra do Crespo n 4 ; preco da asig-
natura, trimestre 65, semestre 114, urri anuo 184.
N. B. Os assignanles da Semana Ilustrada te-
rao no Fim deste anno um qnadro com es retratos
de todo o gabinete do Imperador o da cmara dos
deputados, olTerecido pelos proprietarios do jornal.
UA lio IMPERA
DOR I. 22
Grande armazem de tintas
Tem a venda :
1 Productos chimicos medirinaes os
tmais importantes em medicina.
2. Producios chimicos e utensis
para ptmtograpliia e outras industrias.
f3. Todas as materias e ulensis
empregada na pintnra a oleo e a col-
la para pintores, tintoreiros, enver-
nisidores, donradores e vidraceiros.
Joao Pedro das N'eves,
Gerente.
Ama de hite
Precisa-se de urna ama de leite sem liiho : na
rna Augusta n. 6, sobrado.________________
Aluga-se, urna casa terrea na ra da Matriz
da Boa-Vista, raiada c pintada, urna .-ala e urna al-
eova, um segundo andar na roa da Penha arf la-
do do Livratnento : a tratar no mesmo.
Franeisco Pinto Ozorio contina a col-
locar dentes artillciaes tanto por meio de
molas como pela pressao do ar, nao re-
cebe paga alguina sem que as obras h.o
tiijuem a vontade de seus dons, tem pos
e outras preparacoes as mais acreditadas
para conservaca da bocea.
i3" Feira semanal
ni a ti 17. as e
111..
letras c lingiia franceza.
Maria Bartholeza da Conceirao licenciada pelo
Illm. Sr. Dr. director da inslruccao publica, tem
destinado abrir sua aula pailicular de primeiras
letras, etc., assim como bngna franceza, no 1" de
setembro prximo futuro ; por isso rosa aos se-
nhorespais de familia a queiram honrar, confian-
do- he suas meninas ; a naneando-Ibes a boa letra,
e far todos os esforcos para que ellas oblenham
em pouco tempo o desejado aperfeicoarnento ; as-
sim como far todo o possivel para que ellas per-
cam qualquer vicio patrio que possara ter : de-
fronte da matriz da Boa-Visla n 8i.___________
., Precisu-se fallar ao Sr. Anioiiiu Jos
Teixeira de Mendonra lielem : nesla lypo-
graphia, ott na livraria ns. < e 8 da prafa da
Independencia._________________________
O Sr. SebastiSo Jos Peixoto, tem urna
carta nesta typographia.
DE
Jaizo des fei tosda fazenda miciBal. Jow Piatiano,e toso Machado.
No da 10 do corrate pelas 10 horas da manhaa, | Parte. '1 rabalhos gymna>ticos
depois da audiencia do dr. lab dos feilos da fa- j 'oda a companh.a, consiando de r
executados por
muitas diQicullo-
sissimas figuras.
zenda, se vender na sala das audiencias um ter-
reno de marinha, sito na estrada que vai para a
norte, alem da ponie do j
2o ACTO.
perigo*issimas com todas
Motocolerab com48 bracaslerente W^lM.l^PWj5es de muitas difflculdades aiuda nao
- e penhorade Rufino Jos representadas, por toda a companh.a.
!! taviagem ao lado do
do, avaliado por 805, -
Fernandes de Figueiredo, para pagamento da fa-
zenda nacional.
Recife Io de setembro de 186.
O solicitador,
Francisco X. P. de Rrilo.
Inspeccao do arsenal de niarinlia.
Faz publico que a commissao de peritos exami-
nou hoje nos termos do regulamenlo annexo ao
decreto n. 132i de S de fevereiro de 1854 os cas-
cos machinas, caldelras, apparelhos,- mastreaco,
veame, amarras e ancoras dos vapores Pernmn-
Paralaba da compantiia Pernambucana de
Novis, ci'vstaes. pianos,
de esi'.ram,
HOJE
OLYWPIO
far leilo de urna mohilia de Jacaranda, irmrico
santuario, um piano francaz autor Vigiles, 4"na
mesa elstica, um guarda roupa, urna cama dran-
; ceza para casal, nina duza do oadoiras brafcias
de faia, diversas marquezs, apparadores, ci^nso
los, quarlinheiras, cahides, sofs, cadeira de ba-
I laneo de Jacaranda, bercos novos de faia, oias de
iour, relogio de ouro ede prata, miudozas, e ou-
, tros muitos anigos que esiario patentes no dia.
! Dar principio o leilo s II horas, no armazem
ra da Cadeia do Recife n. 48.
Com^aoliia Udelldade de
seguros inaritluios e ter-
restres estabelecida no
Rio de Janeiro.
ACKNTE EM PEFHAMBUGO
Antonio Lniz de Oliveira Azevedo 4 C,
competentemente autorisados pela direc-
tora da enmpanhia de seguros Fidelida-
de, tomam seguros de navios, mercadu-
ras e predios no seu escriptorio ra da
Cruz n .1.
Na prafa da Independencia, loja de ourives
| n. 33, coinprm-se obras de ouro, prata e podras
preciosas, assim como se faz qualquer obra de en-
commenda, e todo e qualquer concert.
achou ludo em re-
navegaco costeira a vapor,
Bular estado.
Inspeccao do arsenal de marinha de Pernam bu-
co. 3 de'setembro de 1864.
O inspector,
H. A. Ilarbosa de Imeida.
Genselhn admiuistrativo.
2J parte. Romper d'aurora, trabalho magnifico
ainda nao ropresentado, e executado pelo joveu
Virgilio, Jos Machado, e Amonio Machado.
3' parle. Rei do fogo, por Manoel Machado.
.3" ACTO.
I* parte. Deslocacoes sobre duas cadeira, pelo
menino borracha, o joven Virgilio, constando dos ,
mais difflcnltosos trabaihos do qua das outras '
mes. as. 11
2' parte. Agrande e applaudida columna girato
ria, sendo desta vez muito melhor desemponhada,
constando de muitas figuras dificultosas por toda
I companhia.
A SCENA CMICA.
Questao anglo-brasileira, exeeatada pelo joven
Flaviauo.
O joven Cyrillo participa ao respeilavel publico
que por se adiar muito encommodadu, nao leva
trabalho que tome parte, e declara ao mesmo se
poder por meio de esforcos, estando melhor, na
noite do espectculo, tomar parte a lim de satis-
E.EVLO
1K
Urna escrava.
HOJE
horas no armazem da na da
Gadeia do fi-cife n 48
o agente Olytnpro tender hoje em leilo urna
preta de meia i'dade a qnal cosinha, erfgomma e
faz os mais servicos de urna casa de familia.
y-.
1E
O consellio administrativo para fornecimento do -,
arsenalde! guorr""tem de comprar os objectos se- \ er aquelles que aprec.am os seus poucos traba- j
guiles :
Para a enfermara militar da
Racia de rame 1. bules de louca
Ihos.
Parahiba.
7, barretes de
taa 118, caldeiroes 4, cassarolas 2, caivete del
aparar penna I, chicaras de louga 60, copos de vi-
dro para agua 12, ditos de dito pequeos para dar
remedio 6, calis 4, eolheres para sopa 48, ditas (
para cha 14, casticaes de lato 2, cobertores de 13a
oO, camisas de (huella 14, colchoes oO, chaleiras grandes e e\ll*aordnai'eS
4, esptula de ferro.!, fllta.de osso 1, fogare.ro de | no ^ y
S.4L0ES DI) CAES Di)
APOLLO
bailes nes-
e 8.
ierro 1, facas e garfos 5'0, talha de barro 2, man-
tegueiras de louca 2, meias de laa 14, ditas de Nestes das os sal5es estarao ricamente ornados
dita compridas 2 pares, mangotes 1 par, ourines em consequencia de ser dia de grande gala e da
de tonca 50, oleado para camas 2, pralos de loiiQa santo.
180 pires de louga 3q, pedra de aliar 1, quartiniia 0 administrador desde j espera a coucurren-
>le barro 7, raspadeira 1, rede de taparan 1, chi- cia do respeilavel publico tanlo de damas como
nellas 100 pare-, travesseiros 30, candieiro de gaz de cavalleiros.
1, chita de coberta 600 covados, brim branco | Entradas para homens 2$.
1083 vara, algodo/.inho 775 varas. Para damas gratis.
Quem qnizer vender taes objectos aprsente a i Sermantidoo regulamento do Illm. Sr. Dr.
ua propota em carta fechada na secretarla do chefe de polica em toda a sua plenilude.
conselho, s 10 horas da manhaa do dia 12 do cor-1 ^__mmmmmmmmmmm^m
Urna luja de calendo na ra da
fWuzn. 4i.
Qnarta-fefra S do corrente.
ANTONIO JOS CANDIDO llE SOI'ZA
far leilo de sua loja de calcado com obras em
preparo, couros, formamentos, armaco e mais
utencihos, em um ou mais lotes a vontade dos
compradores.
Dar* principio ao leil'io s 10 horas da manhaa
por intervencao do agente Conleiro Simoes.
rente.
Sala das sessoes do conselho administrativo para
fornecimento do arsenal do guerra, 5 de setembro
le-im
interno Pedro de Sa Brrelo,
coronel-presidente.
Sefastiao Jos Basilio Pyrrho,
vogal secretario.
AYISOS MARTIMOS.
DE
S. ISABEL.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
NavegacSo costeira a vapor.
Hha de Fernando de Noreuba.
No dia 14 de setembro seguir
ao meio dia, um dos vapores da
Companhia para o presidio de
Fernando de Noronha, para onde
__recebe carga at o dia 13. Encom-
mendas, passageiros e dinheiro a frete at s 10
horas do dia da sahida : escriptorio no Forte do
I Mallos n. 1.
LEILO
DE
54 accoes ra companhia Vigilante.
Sexta-feira 9 de selembro.
O agente Piulo far leilo por conta de diversos
de 54 accoes "da companhia Vigilante em dous lo-
tes sendo o primeiro de 12 acedes a o sesundo de
42 ditas, s 10 horas do dia cima em frente da
associacao commercial.
LE11A0
DE
Finas perfumaras
Stxta-feira 9 de setembro.
Kothe & Bidoumc faro leilo por intervencao
do agente Pinto, de 4 caitas com finas perfuma-
ras mglezas, existentes em seu escriptorio rna do
Trapiche n. 18, onde se effeetnar o leilo s 11
horas do dia supradito.
Na livraria n. (5 e 8 da praca da lodo-
pendencia existe urna carta de importancia
! para o Sr. Antonio Fernandes Corredor.
M. A. Caj roga ao Sr. Jos Luiz Alfonso Fer-
reira, rendeiro que foi do engenho Capoeiras, na
comarca de Agua Preta, que Ihe mande a respos-
ta da carta que o anniinciante em 13 de fevereiro
do corrente anno Ihe enviou por intermedio do
Illm. Sr. tenenle-coronel Bernardo Jos da Cma-
ra, relativo ao trato que lizemos em casa do mes-
mo Sr. Cmara, em 13 de fevereiro de 1863, pois
o praso de 12 mezes era mais que bastante para a
sua realisacao, pelo que Seo a espera._______^^
Aluga-se um escravo : quem > pretender,
diri a-sc ra do Queimado, loja n. 14.
Aluga-se o sobrado amarelln da Ponte de
Uchoa, Concertada de novo e pintado, sendo* si-
lio murado e ptimos rommodos para familia : a
tratar no largo do Paraizou. 16._____________
Ha para alugar um primi-iro andar um ter-
ceiro dito com sotao, ambos na ra do Encantamen-
to ; urna luja na ra do Amorim e una casa ter-
rea na rna da Alegra : a tratar com Joao Ribeiro
Lopes, roa da Cadeia n. 33, loja.______________
Precisa-se alugar una escrava para o servi-
co de casa e compras do urna familia composta de
terrea nova sem numero junto de outra tambem
nova n. 9.______________________________
Aluga-se urna preta que sabe lavar, engom"
mar c cozlnbar o diario de urna casa, sendo para
pequea familia : a tratar na casa da esquina da
ra da Penha por cima da taberna do Sr. Jos de
Castro Redonda__________________________
Precisa-se alugar um moleque : a tratar na
ra do Hospicio n. 78. _____________________
LIVRARIA ECONMICA
iiua do Crespo n 2
ao p do arco de Sant Antonio
Obras nltimamcntu recebidas
LITTEHATLHA.
7 DE SETEMBRO DE 1864
EMPREZA
UattMft a CMMIii.
W ARTA-FE A
m hiitjt aft-n-noravel dia da ladependeacia
Haver o segitinte espfftaculo.
Logo qae e Eu* Sr. presidente da provincia
chegue tribuna, a orchestra, dirigida pelo Sr. F.,
;- Colas, executar
0 Hvmno Nacional.
fteeois do* uai abrir-se-ka a scena, e perante a
estatua equestre de Sua Magestade o Sr. Pe-
trel, 8r. B. Antonina iranraeton recitar nma
'teniente poesia anloga, da composigao do sr. /.
A. de Alraeida Cnnha, seguind^-se por toda a com-
naoMa
0HYMNO Di INDEPENDENCIA.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DR
Xivega^o costeira vapor.
Parablba, Natal, Mica, Araeaty, Cear, e Aearaea
O vapor Perswum/a, comman-
dante Ralis, segu no dia 7 de se-
LEILO
MOVIS
Sexta-feira 9 do corrente s \Q horas.
CORDEIRO SMOES
Quem precisar de um moco brasileiro para qual-
quer rruraacio, dando ttanca a sQa conducta, sol-
teiro, com 20 annos de idade, o screve soffrtvel,
pode annunciar por este Dirrio ou deix;vr caria
lechada em eaaa do Sr. Jos dos Santos Neves na
ra do Crespo, loja de fazendas, com as letras
F. G. A. _____________________________
O Sr. Manoel Peregrino da Silva queira ter
a bondade de vir ra do Imperador n. 83, se-
gundo andar.
O escrivao de paz do primeiro distric-
to da freguezia de Santo Antonio a&aixo as-
signado mudou o seu cartorio da ra de S.
Francisco para a na do Imperador no pri-
meiro andar da propiwdade n. 71.
O escrivao,
Joaquina da Silva Rogo.
Historia da Fundacao do Imperio Bra-
sileiro por J. M. Pereira da Silva, pri-
meiro vol.......
Calabar, historia brasileira do seclo 17"
por J. S. Mendes Leal Jnior, 1 vol.
ene.........
Thealro doDr. Joaquina Mmool de Mu-
cedo, 3 vol. ene......
Obras de M. A. A. de Azevedo, 3 vol. ene.
Suspiros Poticos, de 1). J. G. de Maga-
Ihes, 1 vol.......
Mocidade de I). Joo V por L. A. Rabel lo
da Silva, 3 vol......
Um anno na corte por J. A. Corvo, 3 vol.
Os Mseraveis, por Vctor Hugo, 10 vol.
Crimes espantosos, 2 vol. ....
Marida de Direeo, ntida ediccao, 2 vol.
Historia de Napoleao, com estampas, 2
vol.........
Obras poticas de M. I. da Silva Alvaren-
ga, i vol......
O Outono, poesas de A. F. de Castilho, 1
vol. ....
Revelacoes, poesas de E. A. Zaluar, 1
vol. '........
Peregrinacao provincia de S. Paulo, pe-
lo mesmo, 1 -ol......
A morte moral, novella por A. D. de Pas-
cual, 3 vol.......
Agullia em palheiro por Gamillo Castello
Branco, 1 vol.....
Viso dos lempos, Anliguidade Homrica,
Harpa de Israel, Rosa Mystica, poema,
por Theophito Bragaj 2a edicao, 1 vol.
Cjnismo Scepticismo e Crenja, comedia
por A. Cesar de Lacerda, 1 vol. .
rtlin destas obras receben mais, de litteratura
franceza, portuguesa e brasileira, as quaes vende
precos muito razoaveis.
55000
5,3000
9*000
J50OU
30P0
83000
850IK)
163000
63000
65000
53000
.63000
43000
55000
63000
0-3000
2,3000
15500
13000
ELEICOES.
Foriniilario dos traballws das juntas de quaica-
fo dos votanlcs, rnnsclho de reenrso o aesem-
blas parorliiacs, cera o suminario de todas as
deeisSps que se tem dado relalivaincnte atstc
assiimpln
POR
J. M. P de Vaseoncelfas
Acaba de chegar do Rio de Janeiro esta obrj, e.
vende-so na livraria econmica ao p do arco"fle
Santo Antonio a 15.
(HRTAS m m
Maria Bartholeza da ConceicSo tem reso"**
vender o resto das suas afamadas cartas de MC
a 80 rs.. augmentadas pela annnnciante, as quaes
tem 25 parasraphos econtm todos os nossos dyph-
tongos, e as actoaes em uso s tem de 8 a 9, alem
de um grande numero de nome de objectos mu>-
conhecidos dos meninos, por isso Ihes facilita mui-
to a leitura : defronte da matriz da Boa-Vista nu-
mero 8'i.
DENTISTA DE PARS
19Ra Nova-19
Frederico Gautier, cirurgiao dentista,
faz todas as operac5es de sua arte, e col-
loca dentes artificiaes, tudo com superio-
ridade e perfeicao, que as pessoas enten-
didas Ihe reconheeem.
Tem agua e pos dentificio.
GrNADE
Fabrica
DE
escriptorio no Forte do
_2_r _2S_2_ Pt.ru T' r autorisado pelo Sr. Antonio Jos' Candido __T_Mt__nJ__2__^ i. I" ^ retira para Europa, far leilo de to-
^J^JTSSXSsSff^^^^m obrado da ra do
inheiro a frete ate o da da sahida as Cr(U ^ terC(ir0 andar ;l0ade sera efrdCluado a
leilo
Como seja:
i rica mobilia de Jacaranda Luiz XV cons-
tando de (2 cadeiras de guarnicao, 2 ditas de
braco, 2 de bataneo, 1 sof, i coasolos eom lam-
pos de pedra, 1 hiesa de meio de sala tambem
sageiros
10 horas da manhaa
Mattosn. 1.
Para Lisboa
vai sahir at o dia 10 do corrente com a Carga qne
tiver, e brigue portugnez Bella fVyn"rene: quem
no raesme quizer catTfjgtr oq ir *&*& com lampo de pedra, 1 guarda vestido de amarei-
nja-s;ao cons.gm.tano Euzebio Raphael Rabilo, toderaj' ^ rncea de dito, 1 dita de fer-
ra da Cadeia n. 55, escriptorio.
Para o Araeaty
sane com toda a brevidade a bem conhecifla barca-
S afano Amelia ; para crga, rata-se na roa da
deia d. 57, ou com o Sr. Qamtal no trapiche 4o
algodao.
raz,
ro, 1 mesa de amarelln para juntar, 1 banquinha'
I mesa de pinho, 1 ctale, banca redonda, 1
machina de cotnra, 3 venecianas, cadeiras, lava-
torios de ferro, lantentes, jarros, escarradeiras,
tapetes, capachos. > outros objectos que seria a-
fadooho mencionar.
CtfMrt.
Precisa-se de um bom copeiro estrangeiro : na
ra do Imperador n. 29, sobrado._____________
crate.
Sorvete de creme hoje ao meio da: na ra do
Trapiche n. 18.
Feitor
Quer-se um homem poriuuez que seja casado,
para fertor em am engenho : na ra do Apollo
o. 13, primeiro andar, se dir.____________ _
O Sr. acadmico A. J. L. F. altda ao rece
heu a sna to esperada mesada ? Se j 'receben
lmu're-se do qtt afflrmou em certa carta. S. S.
tem esradb em ver navios desde o mz de marco ?
Ora petas 1 Qnem er' fa nisso._____ .
Na madrugada do dia i do corrente no lugar
denominado Prep?ri comarca do Santo Anta,
achando-se pernaitando o marchante Francisco
Rnlino Btinga Braga, em casa de Joo Paulo ah
foi roobado na qahtU de !:605 o mesmo Braga,
gratlBca-se eom W0*a quem Ihe descubrir o au-
tor oa autores do dito roobo-oo a quem me oer
signaes certos. '
Para a {'esta
Aluga-se um sobrado no Varadouro de Olinda,
com muitos commodos : a tratar na padaria que
foi do fallecido Soares, ou no Recife, pateo do Car-
ino, taberna de Joaquim Manoel Ferreira de Sonta.
Precisa-se de urna ama que saiba cozinhar e
engommar : na rna da Roda n. 25.___________
-se 5003T6005 por nma escrava de meia
idade, que seja sadia : quem tiver, dlrija-se rna
Direita n. 54, loja.________________________
A ttcnco
Deseja-se saber noticias do Sr. Antonio Carlos
de Amorim que embarcou da cidade do Porto para
Pernambueo no brigue portugnez Vencedor a 16
de abril de 1826, que foi do recollnraento dos de-
samparados : quem souber dar alguma noticia
deste senhor. dinja-se ra da Cadeia o. 56 A,
que achara com quem rallar a negocio que Ihe diz
respeHo da sua trra natal.
Fogos de artificio da vi uva
Rufino.
Nesta acreditadsima fabrica recebem-se en-
commen las de fogos de artificio para dentro ou
fra da provincia, garantindo-s s pessoas que se
dingirem este eslabelecimento acbarem reunidos
os gustos perfeicao nos artigos ahi fabricados.
As encommendas recebem-se no armazem da bola
amarella no oito da secretaria da polica.
ilflu
Prccisa-se de urna ama para o servico de nina
casa de pequea familia : na ra do Queimado 11
28, primeiro andar.
Aluga-se o segundo eterreiro andares da ca-
sa da ra da Cruz n. 7. com muitos commodos pa-
ra familia : a tratar na mesma._____________
A vlova de Jacintbq Silvestre Vicente mudou
a sua residencia para o sobrado n. I sito no neceo
do Abreu, que faz quina para o becco das Almas,
e ahi contina com o mesmo eslabelecimento de
sen tinado marido, dando jamares para fra. e nos
domingos e dias santos haver mao de vacca, tan-
to para encommendas como em sua rasa, ludi por
preco commodo e aceio na mesma casa se preci-
sa d"e una ama para o servico de casa e ra.
mwm mmmmmmmmm
i O Dr. Carolino Francisco de Lima San- t^
Sr tos, contina a residir na ra do Impe- 2j5
rador n. 17,2 andar, onde pode ser pro- 4p
curado a qualquer hora do diae da uoite {5
para o exerdeio de sua profisso de me- j^S
dico ; sendo que os chamados, depois de jgg
meio dia at 4 horas da tarde, devero ser S
deisados por escripto. O referido Dr. H
nao abandonando nunca o estodo das |*
molestias do interior, prosegue, com o E
maior aflinco, do das mais difflceis e deli- Wt
cadas operacSes. como sejam dos ergaos JK
g ourinarios, dos olhos, partos, etc.
wmmmwmm mmmm
Na roa estreila do Rosario n. 3i
Precisase alagar uina negrinha de 12 13
annos para servir de portas dentro a urna pe-
quena familia honesta : na ra da Palma n. b\^
Precisa-se de um eaielre que ten ha bastan-
te praticade pharmacla, eque d llador a sua can-
dada : a trataVna rtta do Queimado n. M.
__ Peco emprestadas ou compro as cartas de
Pitia Damo, por Fr. Joaquim do Amor Divino
Caneca, e o Astro da irositanra, peridico de Lis-
boa. Antonio -Joaquim de Mello.
Precisa-se de nm moleque para servico de
casa de rapaz solteiro : no escriptorio da compa-
Advogado Alfonso de Albu-
querque Mello,
pede ser procurado a qualquer hora ; as sextas-
teiras, porm, na villa do Cabo.
Maques' sobre Portugal
O ahaixo assignado, autorisado pelo
Banco Mercantil Portuense. e na ausencia
do Sr. Joaquim da Silva Castro, saca ef-
fectvamente por lodos os paquetes sobre
as pracas de Lisboa e Porto, e mais luga-
res do reino, por qualquer somma vis-
ta, e a praso ; podendo, os que tomarem
saques a priso.receberem avista, no mes-
mo Barico, descantando i 0|0 ao anno: na
loja do chajioos da rna do Crespo n. 6, ou
na ra do Imperador n. 03, segundo an-
dar.Jos Joaquim da Costa Maia.
immmm&wmmmmmm
Aluga-se urna padaria mi villa do Ronitn,
nhia Pernambucana se achara com quem tratar, i pjeumente montada de todos os nieucilios preci-
- Acha-se justa e contratada a taberna da ra sos, eu se fai sociedade com alguma pessoa habi-
estreita do Rosario n. 18 : quem se julgar com di- litada : a trattrna d.U villa com o done, o >r. An-
reto mesma, dirija-se ao pateo do Carmo n. 13. tomo Jos Boielno._____________________
com-
Dr. A. Wfclbanra, cidadaosimerKano,
para Nova-York. __________________
vai
TINTURARA.
Precisa-se alugar nma ama que saiba cori-
nhar, preferindo-se escrava : na ra da Impera-
tris a. 40. ___
_______ Precisa-S3 de nm menino brasileiro de 10
Tinge-se com perfwcSo para qualquer fj aono^para caixeiro de loja de modas, d-se
O mais barato possivel: oa ra w preferencia, sendo os de fora da cidade : na ra
da mperatriz n. "8.
cor, e
Rangel n. 3R. segando asilar.




*1^*X3&aX^Jl***Ma*KKH* tf.h*"-
O IMPORTANTE ESTABELmMENTO
A ra do Crespo n. 17
ue
'
JOS1J cwjnues V1LL1R
Acaba de reoebcr de Pars
O nwllior sorliifveifto d
I
de fazendas de gesto para as Exmas. senhoras. nara assim
i continuar melhor na sua hquidacao de (atoadas, e para r a Europa o maUbreT ss?
vel comprar uui bello e variado sortimento de mercadorias. *^
Capas pretas o ge ha de melhor era Pars, casaeoes pretos jasauinas de cintura
merinos de cores ricamente enfulladas para senhoras, chapeos de palha bem edfeitados
?\\e?J!?S' ra"Me preh, gros i^tos, cassas SSbW'CUTfle S3S3
r^I!r',l0,dCflhordeP,ris' breanhas de mho, selecias de**
bramantes, madapoloes, chitas de mullos gostos.
que pechfm*a.haS de qaT0S estao se acM**> vende-se agora a 1S200 o corado t *! oh
wTapeteVara forr*r sala* s este estabelecimento tem cora C palmos de laagura *
25*00 o covado ; aprovertem antes que se acabera.
Pre E o publico en geral a importante iiquidace le fazendas
A loja da ra do Crespo numero 17.
mm^mMmm^mtmmmmmmmmmmmmmmKm
ROPA FEITA

NO
Ali.ff AZE!H
DE
L\
fc 3%S&%%
*B=
ata ;j)D i/Tjauii\~dD
J|| K.ETREXRO VERDE.
JE Neste estabelecimento ha sempre um sortimento completo de roupa feita de
O todas as qualidades, tambem se manda fazer por medida, vontade dos concor-!
yj rentes, para o que tem um dos melhores professores, assim como tambem tem um
grande e variado sortimento de fazendas de todas as qualidades, para senhoras,'
homens e meninos.
|j| Casacas de panno preto, 350 e 3O(j0O0 ltos de setim preto. .
~ Sobrecasacas idem, 30^ e 250000 Ditos de ditos e seda branco,
Paletos idem e de cores, 250, 60 e.....
200,150 6...... 100000: Ditos de gorgurao d seda
Ditos de casemira, 200, 150, pretos e de cores, 60, 50 e
12& *O0 e...... 70000 Colletes de fustao e brim bran-
70,
Ditos de alpaca, 50, 40 e
i Ditos ditos pretos, 90,
! 50,40e......
Ditos de brim e ganga de co-
res, 40500, 40, 30500 e. .
Ditos branco de linho, 60, 50 e
Ditos de merino preto de cor-
30500 co, 30500, 30 e
i*- Seroulas de brim de linho,
30-OO 20400 e......
-imm Ditas de al"od3o> *5f600 e. .'
72aaa Camisas de peitos de linho,
wooo w>U(.....;
Ditas de madapolSo, 20500,
d5o, 100, 70 e..... 50000 20 e. .
Caftdecasemira preta, 120, Chapeos de raassa, pretosfran-
.100. 80 e......70000 cezes, 100, 90 e .
70000 Ditos defltro, 50, 40,30500 e
Ditos de sol, de seda, 120,
40000 110, 70 e......
Collarinhos de linho fino, ulti-
40000
A molesto, ou infeccio pcccc
liar eonhd*|) noine de Es- \
crofula -wn de* male mai-a
pr^vale^eotes e universal que,
ha, em torta a extensa lista das1
enormidades de qtie soffressei
genero humano': disse um no-
bre escripnor da medicina que
mais de urna terca parte de
todos aquefles que morrem antes
da veihice lo victimas, ou direc-
ta ou indirectamente da Escrfu-
la .-por si n5o tab des-
sctivj, pojrm a principal causa de mui-
rs outras enfermidades que nao Ihe sao ge-
ramente attribuidas.
E' urna causa directa da phyhisica pul-
monar, das molestias do .figado, do estoma-
go 'offecces do cerekno:Entre os seus
numerosos symptomas acham-se os seguin-
tes falta de appetite:; o semblante pal-
udo e 4s vezes inchado., s vez es de urna
alvum transparente e outras corado e a-
mandlente ao redor da kocca; fraqueza e
molkm nos msculos: disgestdo fruta e
appetite irregular, falta de energa, venire
tachado e evactiacao irregular; quando o
mal ten seu assento sobre os pulmoes, urna
cor azulada mostra-se era -roda dos olhos ;
quando ataca os orgos digestivos os olhos
toruam-se avermelhados:o hlito ftida,
a Lngua carregada, dures de cabeca, ton-
teirae etc.
as pessoas de disposico escrofulosa ap-
parecem frequentemente erup$es na pelle
da cabera e outras partes do carpo, sao pre-
dispostas ;s affecedes dos puimes, do figa-
do, dos rins e dos orgSos digestivos e ute-
rinos. Portante nao smente, aquelles
que padecem das formas* ulcerosa* e tuber-
culosas da escrfula que necessitam de pro-
tecce contra os seus estragos; todos a-
quelles em cajo sangue existe o'virus laten-
te d'este terrivel flagelio (e s vezes heri-
ditono) estao expostos tambem a mffrer das
enfermidades que elle causa, que sSo:
A phlhysica, ulcerares do figado, do es-
tomago e dos rins: erupedes e enfermida-
des eruptivas da cutis ; rosa ou ergsipela ;
borbulltas. pstulas nascidas, tumores, rh-
cumacarbunculos, ulceras e chagas, rheu-
matismo, dores
//
SAfllO 4 Z
tmx vbnda m HYiuMA na g. Geraldo
A UA'BTMITA DO RoSARie 12 AS
N0C0ES>a^;
DE
PABT10AS DOBRADAS
OFFERECIDAS V
iAsGiac Commercial Beneflcenle
t*i n.\ \ unco
M Fonseca d Medeiros.
Ha
e II i H" 3J -j* O a g m B ll'.i'i a o I 8 P||| O U n t ( -! s -> ^ 2-V o v re u r o si o > 3 i S 2 a 3 2 o 5 g" 2 1 o 2. :
-
DE
*lva Ramos, medico pela Un
versidadede Coimbra, d consultas em
sua casa das 9 s 11 horas da manhaa, e
das*as6 da tarde. Visita os doentes
eai suas casas regularmente as horas
para isse designadas, salvo os casos ur-
gentes, que sero soccerridos em qual-
quer occasiao. D consultas aos pobres
que o procuraran no hospital Pedro II
aoude encontrado diariamente das 6
as 8 horas da manhaa.
Tem sua casa de sade regularmente
montada para receber qualquer doente,
anda raesmo os alienados, para o que
tem commodes apropriados e nella pra-
ca qualquer operaco cirurgica.
Para a casa de sade.
Primeira classe 3?000 diarios.
Segunda dita.... 2500 >
Terceira dita.... 2800ft
Esle estabelecimento j bem acredi-
tado pelos bons servicos que tem pres-
tado.
O proprietar espera que elle conti-
nu a merecer a contianca de que sem-
pre tem gozado.
Sant-Clair
i que os lilaos da civihsacsu vos preguem
economaparaos psII E>ta parle do corpo
humau por cer) aquella que, neMe clima, ne-
cessita de maijr f^asalho: pela hiimidaje nos ps
se iinrodi'./. a^randd maioria das molistias, e com
estas* perda da saudre ila vida !! Pora com as
botina* stpatosvelhos ; reforma-Ios i
45Ra Direita-45
Borzegnins francezes para homem SMO0
Ditos inglezes idem a 8^1, 7$ e 6000
Ditos para enhora j800
Ditos para menina 23000
Sapatoes osmaga cobra 000
Ditos de Nantes de duas solas 000
Ditos dito de sola e vira 45000
Sapatos de borracha para senhoras l iOO
Ditos de dita para meninos 1,5000
Ditos de tapete para homens e se-
nhoras a 800 e 1,5000
Sanatos de lustre para senhora a 1,5000
Ditos para casa 500
Chinelas rasas do Porto 15600
LOJADEMIMEZASPIXAS
DRua do Queimado16
Eufeites de cabeca.
lOOo"OS conservadores pretos e de cores, a 800 e
e f60a',OS Pr"3 6 de C0res'Mm laos' a *i00
Ditos ditos de froeos decore, a i800.
nSln h!,I0S d,e "?* com la9 e 'irilhos a 2$.
tos ditos de cores com lacos e froeos a 25200
unos ailos com cascarrilhas modernas a 2J500
Ditos ditos com cascarrinas e fFocos a 3*k
Cintos e livelas.
Cintos modernos com livelas dooadas e de pe-
toaba*, a U, 4*300 e 3*. UB pc
Bonitas fivelas douradas para cinto a 13-80
Riquissimas ditas com pedrinhas, a 25 a 25500.
Fitas e rascarrilhas.
Bonitas filas de sarja e grosdenaples, pretas
brancas ede todas as cores proprias para lacV der
25000 a vara fiUra' P ** m> 1*^ e
Riquissimas
filas de grosdenaples lavradas
NOVA
liquidarn de fazendas de todas as qua-
iiladesualajaearmazem da Arara, ,
ni da !inpe.-atrz d.- 56, de Laurea- S& &* 6 dedos de ,ar8Ura-a *, 25 o
co Pereira Mendos Guimares. .SlSf! 25S5S21*-e.de cdre.desde > mais
AJteo^o que *c val principiar. m^m^^^S^iiti 'SbT
Vende-.-e pecas' de panno de linho para (enees, var. wu' e ,0 a
toalhas e serouhu, com 13 1/2 varas por 8500 ; Pecas de liu branca de linho *---*-
I bnm liso por 500, 560,640 rs. a vara : na ra da derin de vesiido a 160 e 52 ap0,eh,>ada P
I Imperatriz loja da Arara n. 56, de Mendes Goiraa- j ^ Pecas de gSW aeogS, preta de- todas
A Arara (ende soutembarque a 100 c 120.
un, causaaa pela ulceracao interior, e en- lances interessantes postos em execuco por urna
fermtdades uterinas, hi/dropesia, indiaes- sennora- 3 v'olames em brochura a i&: na livra-
rtaat.68 da praca da Independoucia.
Precisa-se de urna criada livre ou escrava
que saiba cozinhar e engommar : na ra das Cruz
n. 42, prlmeiro andar.
Jos Antonio Marques, subdito portuguez, re-
tira-se para a Europa.
Ditas de cores, 90, 80 e.
2 Ditas de meia casemira de c-
S res, 50000 e.....
B Ditas de princeza e merino pre-
m to de cordo, 40500 e. ,
^ Ditas de brim branco e de c-
0 res, 50, 40500, 40 e .
Ige Ditas de ganga de cores, 30 e
g Colletes de velludo preto e de
cores, 90 e......
| Ditos de casemira preta, 50 e
" Ditos de ditas de cores 50
40 e........
20000
10400
20500
10600
80500
20000
Ido, enfraquecimento e debilidade gcrdl.
Aos pulmoes a escrfula produz tubrcu-
los e finalmente consumpcao pulmonar :
as glanulas ella produz inchac&es e tornam-
se ulceras: nos orgos digestivos causa
D^ZLTZ^5' ^ Precisa-se alugarumpreto para o servico
pepsia molestias do figado e nos rjns :- desta lypographia por mez ou por semana, ase
na pene produz erupcoes e affecces cuta- ca' ou dando-se o sustento : na livraria ns. 6 e 8
neas. da_praca da Independencia.
Todos estes males tendo a mesma ori-
gem, carecem do mesmo remedio: a sa-
ber : purificar e, fortalecer o sangue.
A salsa parrilha de Ayer
pedrinhas para
..........-- para senhoras a
kmC ; &0,'n',as 2i0- 30 e 300 rs.: manguitos a
MO r#. e 15 : na ra da Imperatriz n. 56, loia da
Arara.
Cortes de chita a 20400.
aJnSd^se C0rles de chi,as eom 10 covados a
25 tOO, ditas franeeza a 35200 ; ilitos de cambraia
de salpicos a 25)00 a peca, dita fina a 35500, M
e>5: na ra da Imperatriz n. 56, loia da Arara, de
Alendes Guima-raes.
Itoupa feita barata.
.aYeiJd>e's?paIilols Pret0 de Pa'""> a i65, 145,.
125, 0 c 85, ditos de alpaka a 35 e 45, ditos dL,P' ?s dea(oncha dourados pequeninos, para atar
brim branco a 25500,35, 35500; calcas de brim a ca^ lo>a 2*-t
25 e 25o00, ditas brancas a 35 e 35o(K) palitob I n de taboa. dourados, a 15280.
de casemira de cores linos a 105, 85 6, e 55 ; n? dos muit0 flnoS a 35500 e 45
Pfntes.
Bonitos pentes dourados coa
marraras, a 15280.
ruga,0! Utl t doar!iios' de massa e *"*
JamVm^ pre,os edr^f^ "-
Ditos ditos dourados com pedrinhas idem, a 25.
e^im d massa Para aiar cabello, proprio para
r^nc r -,CaSa's-od? cora esmalle e *"> e"e, dou-
Na ra do Imperador
urna ama para cozinhar.
n 46 precisa-se de
Pelo consulado de Portugal sao chamados to-
dos os credores do fallecido subdito portuguez,
Luiz Jos de Magalhes, para apresentarem suas
p mmnnch Hno w:j.____ -' """T "> para apreseniaiem suas
e composta dos antdotos mais efficazes que contas dentro do praso de 13 dias, a contar-se da
ma moda duzia.
Sortimento completo de grava-
20500 tas.
205OO Toalhas para rosto, dazia, 110,
le........
70000 Chapos deso, de alpaca, pre-
40000 tos e de cores.....
Lences de bramante de linho.
30500 Cobertas de chita chineza.. .
CMC]
sciencia medica tem podido descobrir,
para esta m lestia assoladora e para a cura
de todos os males provenientes d'ella que
conten virtudes verdaderamente extraordi-
narias provado incontestavelmente pelas
curas nolaveis e bem conhecidas que tem ,
leilo de tumores, erupedes cutneas, erysi- : T-
pelas, borbulhas, nascidas, chagas antigs,
data deste. Recife 3 de setembro de 1864.
COMPRAS.
Compram-se diarios a 45 :
ha n. 6, fabrica de cigarros.
no pateo da Pe
Compra-se ouro e prata em obras velhas
aaga-se bem; na lojj de bllheles da praca da Inde
pendencia n. 22.
40000
30000
20500
Compra-se couro de carneiro
do Rosario n. 10.
na ra larga
CONSULTORIO 1IEDKMIIIMC0
' DO
R PEDRO DE ATTAHYDE LOBO HOSCOSO
carteiras
seguintes
com os remedios
.UtifHC O. PARTEIRO E OPE^tlIHm.
Ra da Gloria, casa do Fundao 3
O Dr. Lobo Hoscoso d consultas gratuitas aos pobres lodos os dias das 7 s
noias da manhaa edas 6 e meias 8 horas da noite, excepcao dos dias santificados
Pharmacia especial homeopathica
Ufo mesmo consultorio ha sempre o mais appropriado sortimento de
tubos avulsos, assim como tinturas de varias dymnamisacBes e pelos preces
Carteiras de 12 tubos grandes. ." 120000
de 24 tubos grandes. 180000
de 36 tubos grandes. 240000
de 48 tubos grandes. 300000
de 60 tubos grandes. 350000
Prepara-se qualquer carteira conforme o pedido que se fizer e
que se pedir. r .
Um tubo avulso ou frasco de tintura de meia onca 10' 00.
Sendo para cima de i 2, custaro os precos estabelecdos para as carteiras
Ha tubos mais pequeos cada um a 500 ris.
LITROS.
don* AftfggJP da homeopathia, o Manual de Medicina Homeopathico do Br. Jahr,
dons grandes voluntes com diccionario rww
Medicina domestica do Dr. Hering, ..'.'.'.'' ifSn
Repertorio de Dr. Melle Moraes........ iwooo
Diccionario de termos de medicina '.'*'* 3J5X5
to de Sr/m^^^f estabeleclment0 Pr demais conhecids e dispensara portan-
te de serem unamente recommendados as pessoas que quizerem usar de remedios ver-
daderos, enrgicos adundares: ha todo do melhor que se pode deseiar, globol; de ve-
dade^roassucar de leite. notaveis pela sua boa conservado, tintura do/ mafs acrediUdos
siissr ts sai **e accarada prepara^e ^a ma--!
Casa de sade para escravos.
oneracLeCnbaer;SeeSCraVeS Para fratar.df qualquer enfermidade ou fazer-se-lhe qualquer
operaco para o que o annunciante julga-se sufficientemente habilitado J
fnn,y, a Qi0 0 melhor P08"^ UQto na parte alimentar, como na medica e
ftmcc.onando a casa a mais de quatroannos, ha militas pessoas de cujo conceiS se n'
Pde^duvidar, que podem ser consultados por aquella que desejaren? miniar sS
Paga-se 20000 por dia durante 60 dias e d'ahi em diante 10500
atoMMffaSaffieS ser3o.Previamente ajustadas, se n5ose quizerem sujeitar aos
azoaveis que costuma pedir o annunciante.
ulceras, r/ienma, sarna, parebas, hydrope-
sia, tosse quando causada por deposites tu-
berculosos nos pulmoes. Debilitado ge-
ral :Indigeslao, Syphilis constitucional a
molestias mercuriaes, molestias das mullic-
res, ulceracoes do ulero, a nevralgi
I vulcoes epilpticas e em summa, to
de enfermidades que nascem da
do sangue. Vede as certides no Alma- Compram-le fatas vasias'de gaz : no arma-
nack e Manual de sade do Dr. Ayer que f?m da bola amare"a no oitio da secretaria de po-
se distribue gratuitamente nos lugares onde ~-----------___________________________
SO vendem OS remedios "~ ComPra-se urna escrava moga sem achaques,
Este remedio 0 fructo de lorigas c labo- SSt Som< c coser: na roa Augusia nu-
Lompta-se ellectivamente
ouro e prata em obras velhas pagando-se bem :
ia e con- na ra larga do Rosario n. 24, loja de ourives.
toda serie Compra-se cobre velho : na ra do Brum nu-
impureza "251 78-
riosas experiencias, e ha abundantes provas
suas virtudes: posto que offerecido
Comprase
ao publico sob o nom'e de Salsa parrilha Jrnae5 l)ara embrulho : na fabrica antiga de
1 composio de diversas plantas, algumas das 8arros,rua ^Quarteis n.21, paga-se bem.
- qaaes s5o superiores a melhor salsa parri- "' """''-11------- ------
Iba no seu poder alterante. VENDAS
ci-
PEITORAL DE CEREJA DE AVER.
Cura promptamente a asthma, bronchite, VFVIlF^f-ttiV
angina, coqueluche, as seguintes obras rBSr,
tosse, defluxo,
phthysica primaria, tubrculos
pulmonares, e todas as
moleslias pulmo-
..... ,. nares.
Allivia os etbicos declarados.
, Economa po-
ltica, Ivol. por 20000; Mackeldey, Direi-
to romano, 1 vol. por 40; l)u Caurroy,
Commentario do cdigo civil francez, 2 vol.
por 80000; Racine, obras completas, i
Todas as molestias da garanta do neito I,p0r- m; G" MT\ Diccionario *>
e dos nnlmP* nMm ti ia' ao Peit0 contencioso commercial, 1 vol. por 60:
I do por 20; Louis Blanc, organisacao dolraba-
lho, 1 vol. por 20; na ra doCabug loja
i n. 2 A.
imperio, e na agencia central
Rio de Janeiro ra Direita n. 15.
Vende-se em Pernambuco: :
na pharmacia franceza de
P. MAURER i C.
RA NOVA N. 18.
Livro
precos

------
GRANDE SORTIHEMO DE FAZENDAS
DE
9
Custodio, Carvalho & Companhia.
KUA DO QlEIMADO
Procuradoria
9
Pecas de en^meios bordados a 15
Tiras bordadas a peca 25.
Cobertas de chita a chineza a 25200.
Lencees de linbo finos a 25200.
Toalhas de linho para mans duzia 45.
Tnaf. ne ^tlt para men00-\ ^"horas e homens pelo barato preoo de 15600 o Mr
Toalhas de linho para mesa a 35500 e 45. *^ w ***'
BalVs de arcos para senhoras a 3#.
Fil de linho liso vara 500 re.
Grande sortimento de lias para vestidos.
Superiores salas de fastao para senhora a 05.
Pedro Alexandrino da Costa Machado, solicita-
dor, causas ante os auditorios desta cidade, se
255^ada Procuradora de qualquer causa com-
mercial, civil, criminal e eclesistica ; aceita de
SSjl,da Procuradorade qualquer casa commer-
nhL' *? ser I* das 6s 9 horas da ma-
Sie* tattrte, em casa de suaresi-
d^^hn,cUa,mper,al m' obrado; efra
tt!^2 T' ,1a ru es,rea do Rosario n 34, es-
Aloga-se ou vende-se a olaria dos Coelho
5, onde estere o Sr. Manoel Serra, 0 caes oassa n
frente, fica em muito bom local pira quem ouizer
diBcar, oa rneuno para quem queira por a?gml
fondJcao : a tratar na ra Direita n. JiVfeflnaS
de Francisco Jos de A raujo. -'v*
s n.
de orajes.
Vende-se 160 reis, na livraria ns. 6 e 8
da praca da Independencia, um livrinho con-
tendo o seguinte : louvor ao santo nome de
Deus, cora dos actos de amor de Deus, ora-
coes e petiooes, hymnoao Espirito Santo, co-
rea do Senhor, aviso qualquer alma de-
vota, desengaos da vida humana, hymno
de Santo Ambrozio Nossa Senhora, jacula-
torias ao Santissimo Sacramento, exercicio da
via-sacra, commemoracao Nossa Senhora
do Carmo e ao SS. Sacramento, directorio
para a oraco mental, dividido pelos dias da
I semana, obsequio ao coracao de Jess, sau-
dacoes devotas s chagas de Christo, ora-
I coes Nossa Senhora, S Jos, ao anjo da
: guarda, Deus em obsequio qualquer san-
to e para a noute, e responso pelas almas
I do purgatorio.
"C0MFEMD10 D0L)0S0
que conlem officio de Nossa^Senhora das
Dores; o modo de resar eoffrecera co-
ra, um setenario e mais outros exercicios
de piedade e devoco; ordenado pela ir-
mandade dos sarros da mesma Senhora,
que se acha erecta na egreja de N. S. da
Penha do imperial hospicio dos reveren-
dos padres misionarios apostlicos capu-
chinhos italianos de Pernambuco, approva-
do por S. M. I., que Deus guarde; dado
luz por devoco do muito reverendo
padre Fr, Placido de Messina.
Vende-se a 320 rs. na livrari ns. 6 e 8
da praca da Independencia.
Vende-se um moleque com idade do 18 an-
nos, de bonita figura : a tratar na ra Direita nu-
men 10.
seroulas a 25 j camisas brancas a 25, 25500 e 35:
na ra da Imperatriz n. 56, loja da Arara.
Colarinhos econmicos a 610 a duzia.
Vende se colarinhos econmicos muito bom fci-
tos a iO a duzia : na ra da Imperatriz n. 56, lo-
ja da Arara.
a.Yende"St bramante de puro linho a 25500 e
25800 a vara, tendo 10 a 12 palmos de largura
brim branco para calca a 15200, 10400 e 15600 a
vara, dito pardo a 640, 800 rs., 15 e 15200: na
rua^ da Imperatriz n. 56, loja da Arara.
Vendem-se baloes americanos os melhores que
tem viudo, de todos os lmannos a 25240, 25500,
35, 45 e 45500: s o Arara na ra da Imperatriz
n. 56.
As laziohas da Arara a 210 rs. e tovado.
Vndem-se laazinhas para vestidos de senhora a
240,320, 400 e 500 rs, o covado, ditas muito
tinas lisas 600 rs. o covado, ditas especiaes a 720
c 800 rs. o covado : na ra da Imperatriz n. 56,
loja da Arara.
Chitas baratas a 210 rs.
Vendem-se chitas de cores tixas a 240 e 280 rs.,
o covado, ditas francezas finas a 320, 360, 400 e
500 rs., o covado, ditas percalas a 560 e 600 rs. o
covado : na ra ta Imperatriz n. 56, loja da Arara.
A Arara vende madapoln barato a 60300, corles
de \cstidos a alaria Pia a 110, 160 c 180.
Vende-se pecas de madapoln de 24 jardas, de
marcas finas n. 7 a 75, n. 2 a 85100. + a 85500, ++
95, S a!05, lili a 115 e 125; aitfodao regular a35,
dito lino carne de vacca a 65500, dito domestico a
/-3, dito slcapira a 85, dito pao ferro a 95 a peca
tem 20 jardas: na ra da Imperatriz, loja n. 56.
Chales baratos a 10600.
Vende-se chales de laazinha a 15600 e 2-5, ditos
de merino a 35, 45300, 05 e 75 : na ra da Im-
peratriz n. 56.
Cortes de raleas a 10600.
Vende-se cortes de calca para homem a 15600,
15800 p 25500 boa razenda 5 cortes de casemira de
cores linas a 55, 50500e70; casemira parapalitots,
caigas e coietes entestadas a 35 o covado: s na
loja da Anua, na ra da Imperatriz 11. 56.
Casemiras para capa de senhora a 20 e 30.
Vende-se rasemira entestada propria para capas
liara senhora a 2,) o :\o o covado, tambem serve
para costumes por ser de boa qualidade e lidas co-
res, vende-se a 25 e 35 o covado: na loja e arma-
zem da Arara, na roa da Imperatriz n. 56.
A Arara vende as percalas a 360 rs7
% Vende-se perca las linas para vestidas a 560 e
600 rs.; chitas Irancezas finas a 360, 440, 500 c
560 o covado : na ra da Imperatriz n. 56.
A Arara vende as capas de giosdeiiaple a 230 e 300.
\ende-se ricas canas de grosdenaple preto para
senhoras a 255 e 305; souteinbarques pretos finos a
20#, 25 e 255 : na loja da Arara
Cassas francezas a 280 c 320 rs. o corado.
Vende-se cassas francezas finas para vestidos a
280 e 320 rs. o covado: na ra da Imperatriz n. 56.
Pechiucha de lencos de seda a 800 rs. e 10.
Vende-se lencos de seda pequeos a 800 rs.; di-
tos grandes a 15 : ditos brancos com barra de co-
res a 200 rs. cada um ; meias cruas para homem a
25400, 35, 45 e 55 a duzia ; ditas para senhora a
*5 e 55 a duzia : na ra da Imperatriz n. 56.
Colchas de damasco a 40.
Vende-se colchas de damasco para cama a 4J,
ditas de fustao a 50, ditas de chita a 25; ricas chi-
tas para cobertas a 320, 360 e 4t 0 rs., ditas aseti-
nadas muito finas a 500 rs. o covado, ditas encar-
nadas a 500 rs. o covado : na ra da Imperatriz
n. ou, loja da Arara.
Tarlalana de cores e branca a 800 rs. a vara.
Vende-se tarlalana branca e de cores finas a 80
rs. a vara, fil de linho a 800 rs. a vara : na ra
da Imperatriz loja e armazem da Arara, n. 56.
O proprielario da loja e armazem da Arara re-
con.menda toda a attenco aos Srs. freguezes que
mandem ver as amostras de lodas as fazendas que
annuncia, prometiendo vende-las por barato preco.
da Gloria
Ditos ditos com marrafas douradas'. com pedri-
nhas hnas e uvas, a 45 e 55. p
15of,oeSdeb0rraChapara besembaraCar, a 640
Ditos ditos de baleia e unicorne, a 320 e 640 rs
I5SSA marfim deLisboa Para Pio'o. a I* e
^Ditos ditos de marfim para piolho, a 400, 600 e
Ditos ditos pretos para ditos, a 400,500 e 600 rs.
tollas e pulseiras.
on"as voltas pretas grandes de contas grandes,
a Mana Pa, a 15600 e 25.
Ditas ditas mais pequeas, com cruz, a 720 rs
Ditas de coral, a 500 e 25.
Ditas de aljofares com cruz de pedrinhas a 15
Ditas de contas de le te, brancas e de cores, a'
Bonitas pulseiras de contas de leite, brancas
azuesmhas e cor de bolla, a 720 r*.
IXOOof d6 a,jfare8 d cores, contas gradas, a
Ditas ditas de missanga, a 720 rs.
Perfumaras.
Pacotes de pos de arroz, a 400, 600, 700 e 900
Sabonetes de familia, a 80, 100, 240, e 320 rs.
luios de bolla brancos e encarnados, a 400, e
040 rs. '
Cosmetiques, a 100, 209. 300, 500, 800 e 15000.
Garrafas de legitima Agua Florida, a 15500.
iraJlJ!,has e frasquinbos de extractos finos, a
ido o zoo rs.
?/20ni seis frasfcunhos de extractos finos,
a Silo3 m dZe garrl,inhas de ex,ractos finos,
a SSw Cm d0ZC frasf!uinhos de extracta finos,
Fiascos de sndalo, a 15000.
Mseos de oleo Philocome, a 720 e 15000
frascos de oleo de babosa, a 400, 500, e 640
laOOO8608 gua de Colonia, a 400. 500, 800e
iJaoo003 de banha franceta' a i00' 30. 800 e
Frascos
15000.
Garrafas grandes
35, ->e55.
Papel e pennas.
Pacotes de papel amisade branco, e de cores, a
ouo rs. '
Caixinhas de papel pequeo azul pautado, a 640.
aixinbas com cem euvelopes brancos e azues
a UuO F
Caixinhas com cem envelopes de cor adamasca-
da,^ 640 rs.
Caixinhas de pennas de maozinha, a 500 r?
Caixinhas de pennas de lanca grandes e peque-
as, a 560 rs. *
de extractos linos, a 400, 600, 800 e
com extractos muito finos, a
- Vende-se urna casa terrea na ra
n. 55, outra na ra dos Copiares n. 9, urna escrava
de 20 annos, cozinheira e quiandeira : na ra da
Imperatriz n. 71 se dir quem vende.
Aos senhores livreiros e estudantes.
Vendem-se pelo preco que custam na Europa os
seguintes livros, que esto completamente novos
sem terem sido abertos urna s vez, encadernados
em couro : Pothier ffivres, 10 vols. por 265000,
Demolombe Conrs du code Napolen, 19 vols. 705
Lobo obras completas 21 vols. 705000, Troplong
CEvres 6 vols. en grand 8 505,Locr legislaoo civil
commercial, et crimine I 16 vols. por 525. quem
comprar todas estas obras reunidas faz-se um aba-
timento de cinco or cento.
Vendem-se duas casas urna ao p da outra,
de taipa e lijlo, na estrada nova do Cachang :
quera as pretender comprar e as queira examinar,
dinja-se mesma estrada nova, taberna do Sr. An-
tonio de Barros Correia, e para tratar do preco, na
ra da Imperatriz n. 70._________
Eua da Madre de l)eos.
Vende-se e seguinte :
Fari ha de mandioca, saceos grandes, 40500.
Farello, saceos grandes, 35600 e 35800.
Milho, saceos grandes, 35200.
Feijao mulatinho, saceos grandes, 70500.
Vende-se una escrava mulata de boa idade
moito boa para o servico interno de urna casa :
na ra de Hurtas n. 68, se achara com quem
tratar. .________ '
Vende-se a armacao do deposito do becco
Largo n. 1, muito propria para um principiante
por ser em bom lugar, a prazo ou a dinheiro
vista : a tratar no becco do Carapello n. 4, Recife
Vende-se um moleque de idade de 15 aanoi,
00J0 : na ra Direita n. 3.

< aixinhas de pennas caligraphieas, a 15000.
480 -S l0USa Para escrevtr> a 2i0' 32 400
Lapis azues ou encarnados, a 100 rs.
Lapis de duas cores azul e encarnado; a 160 rs
rrasquinios de tinta azul ou encarnada, a 320 rs
l ulhoes de tinta preta ingleza, a 120 e 160rs
mizias de creoes de pedra, a 60 rs.
Duzias de pennas de langa pequeas e grandes,
Objectos diversas.
Dizias de faccas e garios, a 35000.
Duzas de dilas cabo de balanca, a 65 e 6550O.
Duzas de colheres prateadas para cha, a 20000.
>o?ias de comeres prateadas para sopa, a
J5200. _
Escovas para denles, a 160, 320 e480 rs.
Escovas para roupa, a 800 e 1500^.
Luvas brancas de algodao, a 160 rs.
Luvas de Escocia branca, unas, a 15000.
Luvas de Jouvin, a 1500>i e 20500.
B.'toes de punho, a 160, 480, 15000 e 5500.
Ditos comas armas imperiaes, a 15600.
,.joivalilllias com laC e" Para senhora, a
15280.
Ditas de passador e de laco, a 640, 800 e 1028O-.
cmqumhas de blonde enlell*das para enanca, a
Touqujuhas de setim para baptisado, a 25500.
louquinhas de laa para menino, a 800 e 15000.
fi ah0S de raerin ^rdados para baptisado,
Sapatinhos de la para menino, a 640, 800 e
15000.
1 J&is de fiUs de seda de todas as cores, a
326 rs.
Fitas e cordes para enfiar espartilho, a 80 rs.
Fitas com tres varas para ditos, a 160 rs.
Varas de aspas para balo, a 100 e 120 rs,
Oculosda armacao prateada, a 640 e 15000
Ditos de armacao de ac, a 15000 e 15280*
pitos de armacao dourada, a 15000 e 15500
Varas de labynnlho, grade desde uro dedo at
480 s. rgUra' 3 m **> m' 3!. 400
Varas de bico preto de linho deade.um dedo at
480 rs? 8UM' ,G0* ** ^ 320' m
Varas de clao branco lavrado, a 00 e 120 rs.
Duzas do botes rolicos dourados, a 320 rs.
hstojos para barba com divisdes, a 35500.
Gaitas de borracha, a 120, 160 e 200 rs.
Liuzas de anneis de vidro, a 210 rs.
Ha livros de amostras e levam-se os objectos a
casa dos fregnezea. ; I >
Vrendem-se saceos feitos para assucar, midi
ou feijao : em casa de Mills Lastiarn & C, roa da
Cruz n. 38._________,.'...,. "
Vende-se urna excedente armacao de amarel-
lo toda envidracada e um bom baJcao proprio pa-
ra qualquer estabelecimento, na roa da Impera-
triz n. 6 : na mesma tem para vender urna grande
me* de amarello propria para natal





^1
I
t.
Diario le Peraantbuco Terv eii a tt de Heemhvu de ____
&
raaoivtXJMMH
Ktimu Ka/ a
B..CTki
|ff -.-
V

RA DO 9UJGI9IADO HT. 45*
Passantt o beco .da CflftgregacAo segunda casa,.
NOVIDADE
Per-ira Rocha C. acabam de abrir na ra do Queimado n. 4o um armazem de molhados denominado Clarim Comnier-
cial, onde orespeitavel publico encontrar sempre um completo sortimenlo dos melhores gneros que vem ao no&so mercado os
juaes serio vendidos por precos muito resumidos como o respeitavel publico ver pela tabella abati mencioncda ; garante-se obom
i
peso e boa quaiidade dos gneros comprados neste armazem.
Arroz do Maranhao, India e Java a 60, 80 e Peras seccas- muito novas a 600 rs. a libra.
100 rs. a libra, e 14800, 30600 e 3?>000 Painro a 200 rs. a libra.
a arroba.
Ameixas frauoezas em latas e em frascos a
1(5(200 e 1 )!t600, e em frascos grandes a
26500.
dem em atetabas elegantemente enfeitadas
Cevadinha de Franca muito superior a 220
rs. a libra.
Polvo secco muito novo a 400 rs. a libra. Cevada a 80 rs. a libra.
Presuntos de Lamego em calda de azeile e Emilias portuguezas a 040 rs. a lata.
muito novo a 640 rs. dem seccas muito novas a 200 rs. a libra.
Queijos flamengos do ultimo vapor a 2*800 Figos de comadre e do Douro em caixinlias
dem prato.
com ricas estambas no interior das caxas dem londrino diegado no ultimo vapor a
a 1,5400,1,5400, 1(5600 c 2. 900 rs. a libre.
Amendoas com casca muito novas a 280 rs. Sal refinado em frascos de vidro a 600 rs
a libra. I cada um.
Alpiste a 160 rs. a libra e a 4,5600 a arroba. Sardinbas de Xantes a 300 rs.
Azerte doce francez mnito fino em garrafas Sag mu-ilo alvo e novo a 260 rs. a libra
a garrafa,
grandes a 960 rs.
dem de Lisboa a640 rs a garrafa.
Araruta verdadeira de matarana a 320 rs. a
libra.
Avellaas muite grandes c novas a 180 rs. a
libra.
Biscoutos iitglezes de diversas marcas a
l(530n rs.
Bolacbinhas de soda, latas grandes, a 24 rs.
a lata.
dem inglezas mu i.o novas a 30000 a barri-
quinhae a 200 rs. a libra.
Banha de porco refinada a 440 rs. a libra e
em barril a 400 rs.
Cha hysson, bochn e peroia a 15600, _>,
24500, 20800 e 3-000 a libra.
dem preto mullo superior a 20000 a libra.
Ceneja preta e branca, das melhores marcas
que vem ao mercado, a 500 rs. a garrafa
e 54800 a duzia.
Cognac ingles fino a 981 rs. a garrafa.
Conservas a 720 rs. o frasco.
dem, s de pepino, a 720 rs.
dem, s de azeitonas, a 750 rs.
Charutos dos melhores fabricantes da Babia
e especi.lmente da fabrica imperial de
, Candido Ferreira Jorge da Costa a 14800,
-24000, 24200, 24500, 24300, 34000 e
30500 a-caixa.
Caf do Rio muito superior a 280 e 320
rs. a libra-.- 84300 a 84800 rs. a arroba.
Cartoes de belinhos francezes muito novos-e
bem muito enteitados a 7O0 e 600 rs.
Cbouricas e paios muio novos a-800 rs al
libra.
Tuucinlio de Lisboa a 320 rs a libra.
.jotos de limpar facas a 140 rs.
Vellas de carnauba pura a 360 rs. a libra.
de oilo libras e canastrinhas de i arroba a
14800,54500 e 280 rs. a libra.
Fartaba do Maranhao a 160 rs. a libra,
dem ele trigo a 120 rs. a libra.
Genebra de Hollanda verdadeira marca VD
a 560 rs. o frasco e 64200 a frasqueira.
dem em garrames de 3 e 5 galOes a 50500
e 70500 cada um com o garrafo.
Grana a 100 rs. a lata e 14100 a duzia.
Licores muito finos a 700 rs. a garrafa.
dem stearinas muito superiores a 6C-0 rs. a dem, quaiidade especial em garrafas muito
libra. j grandes, a 14800 a garrafa.
Figos em caixtahas emticamente lacradas dem em garrafas mais pequeas a 800 rs.
a \ 4600. | dem, ein garrafa forma de pera e rolhas de
Vinbo do Porto engarrafado o molhor que j vidro, a 14000, s a garrafa vale o di-
ba neste peero e de varias marcas, como ntieiro.
sejam: Velao de 1815, Duque do Porto. Menteiga inglesa perfeitamenle flor, desem-
Hadeira, l) Pedro, B. Loiz I. Maria Pa, barcada de pouco a 900 rs. a libra, e da
Bocage Chamisso c outros a 800, 900 e! -de segunda quaiidade a 800 rs.
14000 a garrafa, e era caixa com urna du- 'dem francez muito nova a 640 rs. a libra,
zia a 94000 e 104000. :.dem de tempero a 400 rs.
dem em pipa, Porto, Lisboa e Figueira a Maca de tomates embarrila 480 rs. a libra.
480, 500e 500 rs. a garrafa c 34, 34500 dem em lata a 640 rs.
O ?! .&aiMKtquidaco.
Una da Imperatriz n. O.
Loja de fazendas do Pavo de Gana Silva.
Af ba-se _*st estabeleohwnto completamente
sortii de fczepdas toglezas, fr|ncezas, llfinaas e
suifcas,proprias tanto para a praca (-orno para o
matto, prometiendo veBder-se mais' barato do <|ue
em otitra qual uer pnrta principalmente sendo em
poreao, e de todas as fonodas do-se as amostras,
deixando car penhor, 011 maiiduii-se levar em
casa pelos aaxeiro.di loj-do Pavo.
As chitas do Pavao.
Vendem-se chitas inglezas claras e escuras pelo
barate preco de _Wt2l0e 280 rs. o covado, timas
segaras; ditas .fiancezas de cures seguras a 320,
340,360, 400, 4V), 480 e 500 rs. o covado, fazenda
muito superior e bonitos padr.es : s na loja do
Pavao.
As lazinlus da expesiru do Pavo.
Vendem-se lazinhas as mais modernas que
teiu vindo ao mercado, proprias para vestidos e
soutembarques por seren lisas e de cores muito
deheadas 560e5O0rs.; ditas lisas com um lustre
que parece seda 640 rs. o covado, ditas com
quadrinhos de seda 500 rs. o covado, s para aca-
bar : na loja e armazem de Gama < Silva, ra da
Imperatriz n. 60.
Os vestidos do Pavao.
Vendem-se os mais modernos cortes de vestido
de lia, que vieram pelo ultimo vapor, com ricas
barras de cor, corpinho e collete separado ; ditos
com listas de seda e tambem com barras e enfei-
tes para o corpo, por prego mais barato do que em
outra qualqoer parte, e se quizerem urna prova
do que se diz, mandem ver a leja e armazem do
Pavao, ra da Imperatriz n. 60, de Gama A Silva. p^ccao do respeitavel publico empregando para
Os vestidos Mara Pia. S o Pavo (84000). | ls10 j fe as melhores diligencias para qfie fi-
Vendem-se os mais lindos vestidos Maria Pia rreso n' 7 S' '5' Ga" ls'laDte''ua do
de lazinha transparente com listas, e palmiuhasi v .. .
d "seda pelo barato preco de 85 cada cortff : s lucos porla-joias.
Corre de muito posto por
RIVAL SEM SEGUND
.llimdo^.ioado-a.V.iljad, miudc^
se ligodinho, veuham 5r a peditarha i
']Ue
Aenco
O Vigilante est alerta, nao Ihe era permittido
deixar passar desapercebido sem que nao dsse o
sfeu canto, alim deannunciar ao respeitavel publi-
co o grande sortimeoto de galanteras do melhor
gosto propriamente para qualqaer mimo, que aca-
ba de chegar neste ultimo paquete, assim como
muitos outros oi.jectos que recebe por diverso'na-
vios, tanto de sua cunta como de consignacao tjne
esta resolvido a vender por precnj muitg baratos
para vender muito e ganhar pouco, e dar extracao
o grande deposito que leu;, que espera merecer a
na loja do Pavo ra da Imperatriz n. 60, do Ga-
ma & Silva.
is cassas do Pavo a 240, 280, 300, 320 e
3C0 rs.
S o Pavo vende as flnissimas cassas persianas
imitaco de laa, com cores ixas, 300 rs. o co-
vado ; ditas francezas muita tinas 240, 280, 300
e 320 rs. o covado, isto para acabar : ra da
Imperatriz, loja de Gama Os madapoloes de Pavo
Vende-se peca de madapolao infestado rom 12
jardas cada peca pelo barato preco de 4, 45500 e |
$& cada pega, [azoada muito superior : s o Pa-
Cestinhas transparentes lorradas de ma-
dreperola por
Lindas jardneiras.
Ricos cofres com eamapheu.
Lindas caixiohs com podras brancas.
Lindo halao com calnngas dentro, tam-
bem para joias.
Tambaler para ditas.
Cestinhas ditas.
Cosmorama ditas.
L'rnazinhas.
S no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Ricos porta bouquetes de diversos gostO:
16*000
18*K)0
10l)0)
105000
105000
165000
95000
65000
65000
65000
acabando certas qualdades de fazenda.
Pecas*de Otas rtisiirs com 40 vara* a.
itas de trauca branca lisa com 10 vara".
1 itas de tranca prtta lisa a............'
: Realejos para meninos, pechinclia a...
i Rodinlias cun superiores allinetes a.....
.Caixascoui -uperiorcsagulliaB e limpasa
j Saboneies de familia, multo tinos a:80 e..
Pares de sapu(us de laa para crianeas a.,
i Varas de uabado do Porto muito'bom a
100. lOe.........................
I Ditas de bico largo grosso a............
Pules de superior tinta tem mais de meia
garrafa a..........................
Caixas com perfumaras muito bonitas a.
Frascos de oleo de macaca muito fin a .
Ditos de oleo de babosa' superior i i'tO,
320, iOOe.............I...........
Ditos de cheiros muito suieriores em qua-
iidade a......................." ..
Ditos de agua de colonia muito boa a___
Dilosde dita dita grande a............
Salmnetes de todo o preco 60, 160, 200,
320 e.............................
Frascos de superior banha a 320 e.......
Caixas de p para limpar dentes mnito
fino a-............................
Ditos de banha transparente a..........
Pares de ligas muito linas para senhora a
Sabonetes inglezas da melhor quaiidade a
Fraseos de agua denlrifice superior ga-
rantida a..........................
Massos com 2.' enveiopes grandes azula-
do a..............................
Varas de li'a preta com clcheles .1.....
Fiascos de macaca peroia muito superior
Caixas com pennas grandes a.........
Crosas de botes para caiga preta, miudos
Libras de memento da roupa de lavar a..
Carriteis de retroz de todas as cores e
tem meia oitava de nirnz a.........
Varas de bi.os de dilTerentes larguras a
240
100
60
120
20
200
160
400
160
10O
120
. 500
100
500
320
400
800
400
800
100
600
500
320
I5OOO
100
iOO
200
200
100
200
100
60
vao a ra da Imperatriz n. 30, notando que a peca eos; s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Marmelada imperial dos melbores conservei-
e 44 a caada,
dem branco de Lisboa muito fino a 500 rs. ros de Lisboa a 60 1 rs. a lata.
a garra'la^
Wem de Bordeaos, Medoc e S. Julien a 70
e 800 rs. a garrafa, e 74000 a 74500 rs.
a duzia.
dem Morgaux e Gbateaulumini de 1834, a l h
a garrafa,
dem muscatel a 800 rs. a garrafa.
leva urna etiqueta com o Pavo pintado para nao
haver duvidas nem engaos : isto previne o Pa-
vo, de Gama & Silva.
Bramaate de Itabo do Pavo
2#. 'i8400. JftOO.
Vende-se o melhor bramante de linho poro com
dez palmos de largara por prego muito coramo-
do, por ter de acabar a factura, a vara por
25200, 25600, e 25600 5 s o Pavo : ra da
1 Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
IV.ntio de linho do Pavo.
Vende-se panno de linho com 4 palmos de lar-
l de-Zam, frascos grandes, a ESBPp^i.^fetSl'S
800 rs.
dem regular a 500 -rs.
Macas finas para sopa: estrelbnba,
godozinho com oito palmos de largura proprio
Ricos sin tos
Com bolcinhas ao lado, a 105, 125 o lo'5, ditos sem
bolea porm do mesmo gosto, a 5500, 35, 35500
Ricas fivellas avulsas para sinto, o melhor que se
pode encontrar, a 15500, 25, 25500 e 35 o par
s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Cabazes ou cestinhas.
Ate que chegaram as tosejadas cestinhas ou ca-
bazes para meuinas trazaran no braco, o mais rica
po-svd a 25500, 35500, 45, 55, 75 e 105; s no
\ igilante, ra do Crespo n. 7.
Pentes.
Neste artigo tem um grande sortimento, tanto
ir como para atar cabello, os mais lindos
LOJA liOBEIJA FLOR,
Ra do Queimado ns. 63 e 69.
Cintos dourados.
Sao chegados os lindos cintos bordados ouro,
pelo barato prego de 25500 e 35000: no Reija-Vr,
e pre- jrua d Queimado ns. 63 e 69.
Fivellas para cintos.
Chegaram tambem ricas fivellas douradas e de
ac para cintos a 15000 e 15200 : no Beija-tW,
rua do Queimado ns. 63 e 09.
Paites de tartaruga.
Lindos pentes de tai taruga, gosto moderno, a
55200, 55300 e 65060 : rua ~dt> QucimadoEs
63 e 09.
rodinha e aletria a 600 rs.
a caixinba com 12 libras.
Nozes muito novas a 160 rs. a libra.
para lences, pelo baratissimo prego de 15 a vara, 1ue St P0(le desejar, assim como de arregacar ca-
assim como tem o melhor algodozinho tanto em J)t."0' laDl de borracha como de tartaruga cm en-
a Ultri7s 1 k larf?arao em corpo, proprio para tences, ca- J.eilc,s e sem e'le para menina; s no Vigilante,rua
d u d *9 misas de escravos. etc.. e.tc_ nrec.n muito c.onimo- d0 Crespo n. 7.
peyide,
200 rs. a garrafa e Peixe em latas preparado pela primeara arte Algodozinho com toque de avaria a 4,000 ris de tartaruga e de massa lina, que se vende por 2. i
Vinagre de Lisboa a
14200 rs. a caada. de cozinha a 14"a lata,
Kirsk garrafas muito grandes a 14800 rs. Paliios de dentes a 160 rs. o maro.
Alm dos gneros cima mencionados ti- dem de dentes a 120 rs.
mos grande porco de outros que doixamos dem de flor a 200 rs.
de mencionar, e' que tudo ser vendido por Amendoas confeitados a 900 rs. a libra.
pecas e ramadas, tanto em porcoes como-i Doce de goiaba em latas o melhor possivel a
retalho- 24 e -em caixao a 640 rs.
Quem enmprat de 1004000 para cima le- Palitos do gaz a 24200 a groza.
do .1 vista da fazenda; s o Pavo
peratriz n. 60, de Gama & SUva.
rua da Im- Peutes
tambem chegaram osnquissimos pentes de concha
35 e 55; s no Vigilante, rua do Crespo u. 7.
Leques.
Riquissmos leques de madi eperola tanto para
senhoras como para meninas, pelo barato preco
de 125 e 145; s no Vigilante, rua do Crespo
ra o abale de 5 por ceuto.
ADEBECOS DE MOSAICO
Passas muito novas a 480 rs. a libra.
Mais leques
com pequeo defeito, leques de sndalo com pe-
queo defeito por barato prego de 85 c 105, chi-
nezes muito bonitos tambem, pelo barato prego de
RIVAL SEM SEGUNDO
Rua do Quetnado n. 49, est \endendo muito
vir ver ou maadar para ex>erimentar, ssim como
sejam :
Gomhas muito linas para senhora a 500 rs.
Ditas e punhos de fusto muito bonitas a 640.
Cartas de alfinete de cabeca chala de todos os l-
mannos a 80. rs.
Resmas de papel de peso muito bom a 2.
Capashos redondss e comprlos a 500 rs.
Caixas com supaiures obreia-s de collae de massa
a 40 rs.
Cordo branco grosse que tem muita applicago a
vara a 20 rs.
I.uhas de carriteis garante-se 150 jardas a 40 rs.
Cartoes de linha Pedro V com 200 jardas a 10 rs.
Grosas-de pennas de ac muito linas a 500 rs.
Varas de franja de laa "para vestido a 40 rs.
Ditas de franja branca larga para tnalhas ai 60 rs.'
Pares de botoes de nunho a 120,320 e 500- rs.
Tinteiros de vidre com tinta a ICO rs.
Ditos de arro com superior tinta a 100 rs.
Grosas de botes de Icuca prateado a 160 e a du-
zia a 20 rs.
lesouras para costura a 80, 200, 400 e 500 rs.
Escovas para limpar denles, superiores a 200 rs.
libra de lila para bordar da meltor quaiidade a
.65500.
Caixas depbosphoros de-seguranca a 160.
Caixas epaootes de papel amizade superior a 64/0
ris.
Caixas.com 100 enveiopes muito finos a 800 rs.
Quaderoos.de papel pequeo azulado z 20 rs. ^ afto branca tem a satisfaco de communk'ar
Carriteis de juna Alexandre com 200 jardas a a s,ia ,,oa freguezia que ha chegado mais urna oc-
100 m. casiao de provar a sua Icuvavel barateza, vista
Barataos para vcltarete a 240e mais tinos a 300 rs. ^* ''oa quaiidade do objecto, por isso convido a
MeiadaadB linha frouxa para bordar a 20 rs. Pares de sapatosde tranca de lodos .os tamanhos V13 do QUeimado 8 la da aguia tjranca, afim
a 1530(1. de comprarem as objectas seguintes :
Crosas de Jsotos.de madreperola muito .fines a 5601, ^l.nils icollarinhos bordados, e puanos com
ris.
V
A aguia branca da rua do Queimado n. 8 rece
beu bonitos aderemos de mosaico e lino dourado, e
os eal vendendo por prego razoavel.
para a irmaudade do Bom Conselho, e carias de j
; baehareis. Vende-se na toja da aguia branca, rua i
do Queimado n. 8
iLeqiiesde sndalo, madrepcio-
la, osso, etc.
A agola branca receba um bello sortimento de ;
toques de sndalo, madre|erola e osso, sedo elles
de diversos moldes e variadas cores, inclusive a
preta ; agora, jiois, quem comparecer com dinheiro
! pide bem esrwber um Iwnio lcque. na rua do
j Queimado luja da aguia branca n. 8.
Cfcixinhas para costura contras
cona perfanaarias
A loja da aguia branca, onde conslanlemente se
veudam essas bonitas camodas com arraujos para
costura, acha-se mai bem provida por ter agora
receido um bello soiOmento de ditas caixinhas;
assim.como outras com finas perfnmaria-, por isso
quem quizer fazer um bom presente, teudo dinhei-
ro dirija.se rua de Queimado loja da aguia bran-
ca n. 8 que ser bem servido.
i Boa Ilota para marcar
. Vende.ee na rua do Queimado
branca n. 8.
MACHINAS DEPATENTE
- D. 7.
de
trabalhnr mato para
escarocar algodo
Pulseiras.
Lindas pulseiras de emitas e de mlssanga cores
muno lindas e de muito gosto a 15 e 15200.
FABRICADAS
roapa. possue.as
Por Plant Brothers & C.
OLDAM
E^ias machina*
liodeaidescarocar
qualqoer especie
,de algedao sem
estragar o fio,
sendo bastante
duaspessoaspara
o trabalho; pode
descarocar urna
arroba de algo-
do em caroco
em 40 minutos,
ou 18 arrobas
por dia ou 5 ar-
robas de algodo
limpo.
Esta machina
a nica que
vantagens de nao destruir o fio do al-
e 4,800
Vende-se pega de algodozinho por ter um pe-
queo toque de avaria, mas que est em bom es-
lado, pelo barato prego de 45 e i->00 a pega -, s
o Pavao : rua da Imperatriz n. 60 de Gama &
| Silva.
Os guarda apos economices de Pavo e s do
Pato
Vondem-se os mais lindos e modernos guarda-
apos econmicos e todo Iwho, tanto para as casas
de laonlia como para hoteis, botequins, etc. etc.,
pelo Inratissimo prego le 3# a duzia, isto s na
loja dosPavo rua da Imperatriz n. 60, de Gama
Os soutembarques lo Paro
f e r#.
Vendem-se os mais linos soutembarques que
teem vindo ao mercado, sendo de caxemira de co-
res pelo diminulissmo prego de 125 cada um, di- Para segurar manquitos
' M,^ Dm5,l,ne pel diminu-t0 Pre5o de 95, s Tambem chegaram as liguinhas estrelinhas da
2aa RKE ftSvfnm ru;l l,orraclia 'mis seDhoras BfSJSTSS
! ^Xioalhado do&avo. ? ma"fe'U"S por ser mui, emn,do t ",uilu
Vende-se panno de linho adamascado proprio
: para toaMias de mesa, pelo diminuto prego de 25500
rs. a vara, guardanapos de linho a i>5 a duzia,
toalhasde moa 55 cada duzia, na loja do Pavo,
rua da Imperatriz n. 60, de Gama 4 Silva.
J fi o Pavo j;i5).
Quem tem bales por tal. preco !
Vendem-se os baloes americanos muilo superio-
res com 20 e 25 arcos pelo barassimo prego de
2-3500 e 45, ditos de 25, 30 e 05 arcos com titas,
muilo bem armados e tambem tem cores escuras
peto barato preco de 35500 cada um : s na loia
do Pavo, rua da Imperatriz n. 60. de Gama &
Silva.
Peales de travessa.
Vendem-se pentes detravessa de novo gosto para
meninas a 600 e 800 rs. : s no Beiia-flor, rua do
Queimado ns. 63 e 69.
Peutes pata atar cabellos.
Lindos pentes pequeos para atar cabellos, pro-
prios para se andar em casa a 400 e 500 r. :
no Beija-llor, rua do Queimado us. 63 e 69.
Bolees de madreperola.
Tendo receido um variado sortimento dos de-
sojados botoes para abertura de roupo, vendem-
se a 400 rs. abotuadura : no Beia-flor, rua do
Queimado ns. 63 e 69.
Enfeitrspara senhoras.
Lindos ejifeites mbdernas a 25000 e 25400,
ditos de rede a 900]rs. : no Beija-tlor, roa do
Queimado ns. 63 e 69.1
fallieres Ipara meninos. .
Chegaram no vos sorlimentos de talheres para
meninos a 280 e -20 rs.l ditos cabo de balango de
uro botad a 400: as lijas do Beija-flor, ns. 63
Laa para bordar.
Vende-se laa de superior quaiidade e de lindas
cores a 65800 a libra : *o Beija-llor, rua do Quo-
sas qoalidadts.
eir dourada pautad.'- a
! tos sem ser dourado e nam
"00 : no Beija-llor. rua do
' 15200 c 15.100" o'nacotc.1
paulado a 640, 800 < \l
Queimado ns. 63 e 69.
Enveiopes ara carias.
Vende-se enveiopes de]cores a C00 rs. a c;,i--i
ditos brancos a 640 e 8(K rs. : no Beija-flor, n
do Queimado os. 63 e 69.
Pentes dorad
Vende-se pentes doura
i orn *----- ^vmtiwj u iiiuhu Lr t"""' ^ '<'Jil.H'^> l if.l ll Lili r
baram, a 320 o par; so no Vigilante, rua do ;)res-; 1.5000, 15200. 25800 e 35 K)0 : no Beija-llor,
pon. /.
Canelas.
Biquissimas caotas d madreperola -proprias
?-l^nUa^\ll''r Presenle> Pelo baratissimo preco de
para alar.
os para alar cabello? a
Bous, bonitos e baratos.
de
Cartas Beabas de.ccJchetes de superiores cuali-
dades a 0 rs.
Massos de graaipos superiores e limos a 30 x&
Qrosas de palitos de gaz a 25200.
Libras de areia preta da melhor quaiidade a 120
ilis.
cusas redondas (.ara rap e tem muito bonitos ea
Juogas a 100 rs.
botoes, tudo por 15500.
Outros lisos, mas de linhe* tambem com botos.
por 15000.
i Manguitos com goliiobas bardados por 25.
Di los sollos por 15.
Gollinhas de cambraia bordadas, obra muilo
boa, por 500 rs.
Ditas de traspasso, tambem bordadas, igual-
mente finas a 15-
Lindas camisinhas compeilo bordado, gollinhas,
manguitos e grvalas, ludo por S5.
Um grande sortimento de entremeios mui lar-
Vende-se ou troca-se por propriedades nesa1
praca. seus suburbios, a mtade do engenta Tri-
nS^e^enlnn^^^^ J
maes de roda, e assimeotado; assim como *m*TSfSSZ*l2SL2SS2f*&'Z?
partes em urna propriedade annexa, aonde tem ^emm^^o S '
urna boa casa de tena na beira mar para se passar l \n)ls i,j0[ i\x,*i* k__. j ia __
a festa, e ais de 100 pea decoqueiros de fructo e ulSMSS. PJ^K KjSAX
novos. Esta propriedade, atm dos melhores ter-, ^^rl^r^^JZ^T^1^^
ranos possiveis para cana, a.godo, eo mais, mfgSm^ufS^. ^
qM SSL'Si0?ie ^fta, para P,anto?So.e C09ue!* i Bonitos vestuarios brancos com lindos e dalica-
Alem de lado isto tem uro extraordinario vi-, dos bordados para baptizados.
15300 e 25.
Sapalinhos c meias de seda.
Riquissmos sapalinhos de seda e de merino en-
tenados, aj.sim como meiaszinhas de seda, gorrazi-
nJias e louquinhas para as cnancinhas so baptha-
rtjn; s no Vigilante, rua do Crespo n. 7.
Voltinbas.
Lindas voltinbas de petlas (ateas coiii.cruzinhas
tingmdo brilhantes, assim uno croziubas avulsas
. a e voltinbas, pelo barato preco de 15 o 15200 as
i) rlVlf Vende para, llltO. "uzes avolsas a IOO rs. so no Vigilante, rua do
Vendc-se superior selim da China, fazenda toda Crsl"' n. 7.
de laa sem lustre tendo 6 palmos de largura pro- (olinhas.
pno para vestidos, capas, paletots, calcas, ote., j Biquissimas golinhas e manguitos, o molhor ros-
loja da aguia godao e de fazer render o dobrode qoalquer ou- Pel ?""ssimo preco de 25, 252(O, 25500 e 35 o lo possivel, a 25, 25500 e 35:50 oo Viirilanta
Ira com menos trabaHio, a sua introdueco para covado, cassas pretas lisas, chitas prelas largas e rua do Crespo o. 7.
as provincias desle imperio ser de muito valor eslrei,a*-> manguitos, colarinhos, punhos, e enl'eites,
para todos os interessados na lavoura do paiz. tudo Pret0 proprio para lulo fechado, e muitos ou-
Assim com machinas em ponto grande do roes-[ tros artiga quo se vendem por precos mais em
mo system2.raql serem movidas por animaos i f.onta do "
agua ou vapor, pas uaes podem descarocar 18 ar-' lKIu,dan
robas de algodo ampo por dia. 'lriz n- 60 detiama & Silva.
A percalas do Pavo.
As mais lindas perealas que lem vindo ao mer-
cado pelo ultimo vapor lein na loja do Pavo pelo i
baralo preco de 600 rs. o covado ; ditas de listi-! Rlmii ,** irm*-
nhas muito miudinhas proprias para vestidos e : i ,u1ul!,s'mos babadinhos ntremelos com lindos
roiipSes de senhora. meninos e meninas, pelo ba- ^ft'.Sfr^ p?' g*f**
ratsimo preco de 500 rs, o covado ; garantem-se i !SL SR T000' e 3#; s no Vigilante,
i as cores por serem do melhor fabricante que as I
tem em Paris : sto na loja do Pavo rua da Im-
| peratriz n. 60, de Gama { Silva.
As ehkas do Pavo a -IOO e
30SOO o orle
Cortado igual ao francez mito proprio para ca-' JlS*S?f8. 2f2! de cnita com dez eovados
ctHUbo, em latas de 1 Mira, qnando nao seja rae-1 *, a i&S00>com 12 co'ad"5! sao chitas
Iher igual ao americano por 15200 rs., para veri-1'."?:_ .!.,_n^8J!!lr5es D?01l0S \* tins seguras
doQoeimado ns. 63 e
Pentes para brralas.
Vende-se lindos p.-nriohc s dourados
para mai rafa I ::oo
inado ns. 63 u 69.
r.ia
com di ora
no G i-flor,raa do Qn.-
Sapai-is de iraura.
dc-sesapatoj de tram i
Ven
dllos de taptle a 15600
Queimado ns. 63 p 69.
Balaios cora
Lindes balaios com 6 sabop
j tas a 25500 cada um :
i Queimado ns. 63e69.
-Xas mesmas lujas se
ment de perfumaras e
; miodezas que so tornara
porm afiaoca-se ser ludo
i em outra qualquer pane.
ampo por l._
O algodo descarocado por estas machinas tem
muito mais estknacao nos mercados de Europa e]
vende-se por maiorpreco.
As machinas se acham venda unicamenie em
casa de
SaBfldm Brothers k C.
-V II, pra$a do Corpo Santo
RECIFE.
Os nicos agentes oeste paiz.
Fumo imperial
Eufeites para senhora.
Riquissmos enfeites com laco e sem laeo e
fe nao .se venuein por precos mais em outros muitos goslos a 15 15500 e 3i RonoVC
o que em outra qnalquer parte por estar guante, rua doDCrespo .7
do s na loja do Pavao a rua da Impera- Tranwlin*
Trancelins.
Lindos trancelins de cabello para relogio ou lu-
netas, pelo baratissimo preco de 15500, ditos de
retroz a 200 rs.
Cascarrilhas.
Grande sortimenlo de cascarrilhas de diversas
larguras, assim como galozinho e trancinbas pro-
prias para enfeites; s no Vigilante, rua do Cres-
po u. 7.
Fitas.
Grande sortimenlo de fitas de diversas larguras
e qualdades, -
S
O
5
o
o bons a 15500,
no eija-flor, rua do
sabia.
oles de.
varias frnc-
10 Beija-flor, rua de
encontrar lindo sortf-
v, ciado sortimento ae
iadonho menciona-la*,
tw
c
a
-S.o

tc
rz
O
se
es
-3


ra
_ ra
lili
o -
I a 2
S 53 o
^ J
o v
?r ^
e t 2 ~
9
ros.
veiro, que com moa pequea obra dar sem dovi-!
da maw lucro em peixe do que qoalquer por maior I T)iVPlSfl lhra \a nnrppllno
que d a mesma propriedade, come est ao alean- -171 l "WS Vvl dtS iUi pUlCtIdlltl
ce de qoem a vir. Quem souber apreciar, ver I rlnnwnln
que con o indispensavel trabalho e industria se! tiUM dUd.
tornar ama propriedade das mais bellas, e rendo- A Aguia Branca acaba de receber um bello sor-
sas por sua oatureza, vi.,to estar margem ao tmenlo de amostras do diversas e bonitas obras
ameno rio Una, vista do azulado ocano que de porcelana dourada, algumas das quaes por sua
Ihe fica pelo oasceote : quem o pretender dirija-, novidade e bom gosto serven para o leilo no an-
ee ao seu proprietario, o parocho da mesma re- \ niversario do Hospital Ponuguez, e outras para
guezia, que far todo e qoalquer negocio pelos mo-' enfeltes de mesa, etc.; j se v pois qnem ti ver
tivo que apresentar ao mesmo pretndeme, que dinheiro e Z => =
. 42 o -
o

z_ o
3 S>
Vender, em casa de S. P. Johnston d C.
sellins e silbes inglezes, eandieiros e casti-
caes"
chicotes
carros d um e dous cavalo
ouro patente inglez.
Os bordados do Pavo
Vendem-se caml6inhas com manguitos e golli-
Fitas de lia.
Fitas de laa de todas as qualdades, proprias pa-
eoJB.'g
55 o -
3S*|
o. 2
iiiuoe Miuut HlgiezeS, candieirOS e Cast- iTJ ^mmmm wm manguiios e goin- .. debrnm de veiirln a *WrT7i'.iHC
icoits pai a ca ros e montana, arreos para; com golinha a 800 rs., golinhas 400 e 480 rs., de D. Rlcs spe'nos.
s, e relogios de \m
nesoccasio poder negociar a safra presente.
Rua do Cresa, loja a. 20 B.
Alvaro Angosto d Almeida tem no seu estabe-
lecimento o mais liado sortimento de fazendas qne
tem vindo a este mercado, recebido pelo ultimo
paquete, como seja riquissmos cortes de vestido
de verdadeira bloode cora todos os pertences para
noivas, lindos e importantes cortes de seda de co-
res, elegantes chapelinas de palha de Italia, de cre-
tas obra : na
Branca n. 8.
rua do Queimado, loja d'Aguia
Aenco
MIQI
pechiv:h4
i 240 rs. cada golinha bordada, romeira de R>quissimos espelhos com moldura dourada e
cassa o de fil muito bem bordadas 25 cada : sem ella de **> 105, 125 e 145, assim como com
urna, manguitos que servem para calcinha de me-! cJumnas de differentes tamanhos a 25,35, 45, 55
ninas 640 rs. cada par, camisa com manguitos e e c* I s0 no Vigilante, rua do Crespo n. 7.
gojas cora a competente grvala de seda, fazenda Lindos jarros e guras,
lina, pelo barato preco de 35, o umitas outras Riquissmos jarros e figuras de porcelana fina
; bordadas que se
i conla : s na
n. 60, de Gama &
As ruiipas do Pavo
Vende-se panno preto lino mnito superior pelo
m
-
_ra
S c
o o
33-3 r
ra w
a o
ra s
w o
la
s s
5
71 O
va -*i 3 o .2 5 S m
c .^ e< -rr
?"2 4
ra^= o
5s =

Venda de predios
era particular ou em leilo.
e vendem por precos muito em para enfeite de sala, sendo o melhor gosto qaeaaul; f^'^.^ ire e ^ ."?1 ^T"11*
HSl ^Lda Imperatriz | era apparecido; s" no Vigilante, ^^I^^JS^S^^
Para pos de arroz.
s Ate tazona^ r!r 1SL i"' vendtm-se as barato prego de 25, 25500, 35, 35500 e 45, dito! cousa de multo goslo a 15501
aS%2l,EiT* dqae e2Lon,ra mu,, o ^ e 65 ocevado, casimira preta de pacotes s com os pos a 320
S h;S^?S rff5!lUs "J"/ 200 rs. o I urna s largura muilo fina a 5800, 25 e 25500 '
SSSSLi U** ^tt, dita a 320, e 35. o covado, cortes de cas.mlrade oresT5,
entestadas de urna s cor
Vende-se um casa feita la tres aunos, asso-
pee de dina, chalese manteletes de rendado gui- bradada da parte de detraz, em chaos proprio, na
pur, capas e soutembarques de grosdenaule?, bor- 0Sl,rada do Lutz do Reg, em Santo Amaro, com 30
nni^,....^ ........ J- ir- T. %A .. j- A____ nall] 17 !,. fiin.l ,-.,.,. --,l-.s ggjj.
5 em
ao
lado, cozinha e mais quartos fra, cacimba, com
, quintal de 328 palmos, parte murado, com arvores
lartna de mandioca upenor, de fructo : a fallar com, ios Goncalves Ferretea
em sacco grandes : vendo Aainmo Uiiz dedhrei- Costa, em Santo Amar, quo nao dar todos s
ra Azevedo C, no seo crlptorio roa da Cruz esclarecimeoWs como dir a pessoa qqe pretende
i vender.
dora mais barato que qualqoer outro.
n. 1.
H a:i'0Ad-laa,4(!0 '*>**$* como'outras fazen- .55500 e 65, casimiras
do L ai losis d^LTl!raK0re8' e tambem se prPrias "*" ral^<- !*. coleles, capas e para
imostras donando penhor. roupas de meninas a 35500 o covado. isio na loja
rua da Imperatriz n. 60, de Gama &
Vendem-se duas propnedades de casas con; -
guas, de dous andares e soto, com .grandes arma^
iciano Jo=
I Apollo ns. 34 e 36, edificados pelo actual proprie-
tario, com ptimos alicerces, superiores madeira
*&^Z2t!BS&^^ 1861, tendo ambos 52 palmosV
*^00 e 25, assim como vres de paredes, de largura, e os altos do de o.
rs. cada um; s no 34, e o primeiro andar do de n. 36 215 palmos de
comprimento, o segundo andar do de n. 36 lera s-
menle 120 palmos de comprimen*}, cora um ter-
raco, e os armazens tcui 340 palmos de compr.-
j do Pavo
I Silva.
Vende-se
um Batallo hora andador de balxo e meio : na rua Vende-se ou troca-se por casas terreas nesta
Nova n. lo, pnmeiro andar. ; cidade ou em seus arrebaldes mais prximos, um
__ i sitio com casa de vi venda, conlendo 6 quartos, 2
salas, cozinha e senzala, na estrada de Joo de
Barros, o primeiro passando a capella, do lado do
poente : a tratar na rua de Rosario da Boa-Vista
n. 38.
I Charutos de Havana
de lencas, virjros, etc.: na rua oo Crespo nume- do superior quaiidade vendem-se em casa
de Scbafleitlio 4 C, rua da Cruz n. 42.
Vigilante, rua do Crespo n.
Perfumaras.
Grande sortimento de eitratos e banhas, poma-
das, assim como de lindos copos ou vaso* com dis-1 naento cada um. tendo ambos tambera frente pan
tinctivos e offerecimentos as sinhasinhas dos me- a rua do caes de Apollo, e o de n. 36 tambem para
Ihores c mais afamados autores de larts c Ingtater- a 'ravessa do antigo porto das canoas : os preten-
ra, assim como os grandes copos de banha iaponeza denles estes valiosos predios queiram dirigir-=o
3 "'A a 4 IX l.'tiln ttnme\ .-.,.-.- -i.f__.__ __ .11. SPll nmti TI ti t O rirs Ant/vnin l..*..H. ______ i .,
role.
rua do Crespo n. 7.
Machinas para descarocar
algodo dos mais acreditados
fabricantes: na fundicao do
Bo^man, ma do Brum n. 38. i
de
As verdatleiras brides tic Ipojuca.
Vendse na rua do Queimado n. 32, foja
ferragens de Azevedo & IrmSos.
Kna da Seuzalla Nova a. 4S.
Neste estabelecimento vendem-se: tachas de
ferro coado libra a HO rs., dem de Low
Moorbra a 120 rs.



7TT

^mvftm lA


t
Ten, Irtra <4 rteabr ( 1114.
GRANDE
NEM COROAS NEM MITRAS
57 RA DO IMPERADOR 57
DE
Paulo Ferreira da Silva M Compartida
Grade sortimento de molhados era grosso e airettlho.'nico armazem que mais
tantagens efferece ao publico.
DesenganenHse toctos.

i:

-



Al llanca o verdadeiro hornera do progresa
Alilaya o verdadeiro e principal armazem de molhados.
Alliai!?:t o armazem que vende mais barato.
tillan^ o armazem que vende os melbores gneros.
Al I lauca o armazem onde preside o melhor aceo.

'.:
oa.nxhlK


.


ARMAZEM
DE
I

-
NOVA EXPOSIQAO DE GNEROS
NO
ARMAZEM
PRINCIPAL
DE

Fiquem todos sabedores desta wdade,
Venham todos ra do Imperador n. 87.
ver os gneros que temos expostos a venda.
Venham
PARA
FESTAS
,
Amendoas
8oo rs. a
confeitadas
libra.
dem de casca muito nova
Afelaas a 2oo rs. a libra.
S.
de
AS
DE
JOftO E S. PEDRO.
bonitas cor dem de Hollanda em garrafoes com 24 gar-
rafas a 7,2oo rs. com o garrafao.
a 3oo rs. a libra. Lenlhas excellente legume para sopa e gui-
| zados a 2oo rs. a libra.
Ameixas" francezas em caixinhas com lindas Licores frncezes de todas as qualidades a
estampas a l,2oo, l,4oo e l,6oo rs. cada 8oo e l.ooo rs. as garrafas grandes.
RITA OO IMPERADOR M. 4 O
Jyate at sebrado em qoe mora d Sr. 0> borne,
Para a festa de Santo Antonio, S. Joo e 8. Pedro.
Uuarte A i incida fc c. recebcram de ana proprla encommen-
da o mala lindo e variado ortlmento de motilados, proprios
da p rescate estadio.
Manteiga ingleza
Ma$as brancas
urna.
a 800
Manteiga ingleza perfeitaraente flor
dem em frasco de vidro com rolha do mes- e 96o rs. a libra.
mo ou de metal, a l,2oo e l,4oo rs. cada dem franceza nova j deste anno a 600 rs.
mn. a libra, e 5.8o rs. em barris inteiros.
dem "em frasco grandes a 2,5oo rs. cada Marmelada especial dos melbores fabrican-
nm.
tmx em latas de 1 Vi e 5 libras a 1,200 e
*
2 000 rs.
Arroz da India e Maranho o melhor que se', rs. cada urna.
pode desejar a loo e I2o rs a libra e Idera para soda estrellinha, pevidee rodmha
2,800 a 3, loo rs. a arroba. em caixinhas sortidasa 3,ooo 3,5oo rs. cada
Azeite doce de Lisboa a 600 rs. a garrafa, e urna e 5oo rs. a libra.
4,800 rs. a caada. I dem macarro, talbarira e aletria a 4oo rs. a
tes de Lisboa a 600 e 64o rs. a libra, ha
latas de differentes tamanhos.
Massa de tomate em latas de 1 libra a 56o
dem francez clarificado em garrafas bran-
cas a 9oo rs. cada urna, e 10,000 rs. a
caixacom I duzia.
Alfazema muito nova e limpa a 32o rs. a li-
bra.
Alpista a 160 rs. a libra e 4,6oo rs. a ar-
roba
Boiachinhas do Lisboa da fabrica do Beato
Antonio dasseguinles qualidades: agua e
sal doces, e imperiaes em latas de 6 libras
a 3,000 rs. e de 3 lfa libras a l,5oo rs.
e em libra a 64o rs., estas boiachinhas
toma-se muilo recoramendavel com espe-
cialidadc para os doentes.
Ihscoitos e Boiachinhas de soda em latas de
todas as qualidades e marcas que se pro-
curar a 1,35o rs. a lata.
Bolos frncezes em carios e de diversas
qualidades a 61o rs. cada 11111.
Banha de porco verdadeira retinada a 4oo
rs. a libra e em barril a 38o rs.
Batatas novas a 16o rs. a libra.
Boiachinhas inglezas ltimamente desembar-
cadas a 24o rs. a libra e 2,000 rs. a bar-
rica.
Champagne das manas mais superiores que
at hoje lem viudo ao nosso mercado a
18,ooo rs. o gigo e l.ooo rs. a garrafa
inteira, e 800 rs. as meias.
Cha uxim o melhor que se pode desejar, e
que outro qualquer nao vende por meaos
de 3,ooo a 2,7oo rs.. a libra.
dem perola de especial qualidade a 2,Goo e
2,8oo rs. a libra, garante-se a qualidade
d'este cha.
demhysson o melhor que possivel encon-
trar-so a 2,4oo e 2,6oo rs. a libra.
Idom do Rio em latas de 2, 4, 6 e 8 libras
a l,2ooe I,4nors. a libra.
dem prelo muilo inoa l,6oo rs. a libra.
Chocolate das melbores qualidades, francez,
hespanhol e suisso a 1,000,1,200 e I,-loo
rs. a libra.
Charutos do acreditado fabricante Jos Fur-
tado de Simas em !/i caixas das seguin-
les marcas: Parizienses, Suspiros, Dili-
cias, Napoleoes e Guanabaras a 2,3oo rs.,
e em caixas inteiras Trovadores _a 3,ooo
rs. cada urna.
dem de outros muitos fabricantes e de dif-
ferentes marcas para 4,5oo rs. as meias
caixas, de suspiros a 1,600, 2,000 e3,ooo
rs. as caixas inleiras.
Conservas inglezas a 800 rs. o frasco.
dem franceza a 5oo rs.
Cognac inglez das melbores marcas a 1,000
rs. a garrafa e !0,000 rs. a duzia.
idera francez superior qualidade a 800 rs.
a garrafa e 9,000 rs. a duzia.
Cominho e erva-doce a 4oo rs. a libra.
Gravo da India a 600 rs. a libra.
Ganellaa l.ooo rs. a libra.
Copos finos para agua a 5,ooo rs. a duzia, e
5oo rs. cada um.
Caf do Rio superior a 280 e 320 rs. a libra,
e 8,800 e 9,5oo a arroba.
Doce fino de goiaba a 600 rs. o caixo.
Ervilhas portuguezas ltimamente chegadas
a "00 rs. a lata.
dem ceceas a I6o rs. a libra.
dem j descascadas a 2oo rs. a libra.
Farinha de ararata verdadeira a 320 rs. a
libra.
Figos em caixinhas moito bem enfeitadas a
l.ooo rs. cada urna.
dem em l?tas er mi ticamente lacradas ;
4,5oo e2,5oo rs. cada urna.
dem em caixas de / arroba a 2,5oo rs.
cada urna, e 2oo rs. a libra.
Graixa muito nova a loo rs. a lata e l.ooo I
rs. a duzia.
Cenebra de Hollaoda em frasqueiras com 12
frascos por 6,000 rs. e 560 rs. o frasco
dem de laranja a 1,000 rs. os frascos gran-
des e ll.ooo rs. a caixa com 12 frascos.
dem de Hollanda em botijas a 4oo rs. cada
ama.
1 fdem em garrafoes de 16 garrafas a 4,8oo
. cora o garrafao.
libra.
Mostarda franceza preparada em frasco a 4oo
rs. cada um
Molho inglez em garrafinhas com rolhas de
vidro a 64o rs. cada urna.
Marrasquinho verdadeiro de Za l.ooo'a dja -
agarrafa, 10,000 rs. a caom I usi.jrc a
ata.
Nozes muito novas a 16o rs a libra.
Prezunto de fiambre superior a 6oo e 800
rs.
dem do Porto para panella a 5oo rs. a libra.
Passas novas a 48o rs. i libra.
Peixe em latas de differentes qualidades co-
mo, savel, corvina, govas, pescadinha e
outros a 1,000 rs. a latas.
Palitos para dentes a 14o e a 16o rs. o mas-
so dos melbores.
Patnco o mais novo e limpo a 16o rs, a li-
bra, e a 4,5oo rs. a arroba.
Palitos do gaz a 2,loo rs. a grosa, e2oo rs.
a duzia, e 20 rs. a caixinha.
Queijos flamengos chegados neste ultimo
vapor, a 3,ooo
dem prato muito fresco a 800 e 9oo rs. a
libra.
dem suisso a molhor qualidade qne at ho-
je tem vindo ao nosso mercado a 800 rs.
a libra.
dem londrino a 9oo rs.
Sal refinado em potes de vidro a 5oo rs,
cada um.
Cerveja das melbores marcas a 6,000 rs. a
duzia, e 56o rs, a garrafa.
Sardinha de Lisboa e Nanles em quartos e
meias latas a 38o e 58o rs. cada urna.
Sag muilo novo e alvo a 2o rs. a libra.
Sevadinba de Franca 18o rs. a libra.
Sevada a loo rs. a libra, e 2,800 rs. a ar-
roba.
Traques de 1.a qualidade a 9,5oo rs. a ca-
da safra nova vinda neste vapor de 28 de para sopa a melhor que se pode desejar,
mvio j 800 rs. a libra. macarro, talharim e aleiria a 400 rs. a
libra e 40500 a caixa.
Vinko
Figueira JA A e outras muitas marcas acre-

Manteiga franceza
I da safra nova a 560 rs. alibra, e em barril
aSOOrs.
Amendoas
confeitadas de lindissimas cores a 800 rs. a
libra.
Ameixas
em frascos de vidro com 3 libras liquido a
20400, muito propios para mimos,
Cartoes
com bolos frncezes a 500 rs. cada um.
Latas
com boiachinhas de soda de todas as qua-
lidades a 1,5300.
Chocolates
de todas as qualidades a 1(5000 a libra.
Presuntos inglezes
dos raelhores fabricantes a 800 rs., tarabem
temos velaos para oOO rs.
Queijos flamengos
chegados oeste ultimo vapor a 2#6oo.
QneIJos
chegados no ultimo vapor a 20600 cada um.
Queijo
londrino o mais fresco que se pode esperar
e de excellante maree a 800 rs. a libra
sendo inteiro e a 900 rs, a retalho.
Conservas inglezas
as mais novas que se pode esperar a 760 rs. I
o frasco.
Figos
ditadas a 500 rs. a garrafa.
1 ticm de Lisboa
e de outras marcas a 400 rs. a garrafa, e
20800 a caada.
dem do Porto
generosos engarrafado des melhoresiabri-
cantes da cidade do Porto a 10 e 10200
a garrafa e de 100 a 12$ a caixa, as mar-
cas s*2o asseguintes: Chamisso AFilho,
F. A M., Nctar ou vinho dos Deuzes,
lagrimas do Douro e outros muito.
Latas
coin 10 libras de haeha a 44000.
Bolachinha ingleza
a 10800 a barrica damesmaque
vendem a 20000 e 20400.
Nozes
as mais novas do mercado a !2Qf* .i bra.
Cervejas
dos melbores fabricantesje de todas as mai
cas de 40500 a 60500 a duzia.
C-ARUTOS
Charutos Thom Pinto,. Reis e outros em
meias caixinhas a 10500.
Arroz
do Maranho a 100 rs. a libra, e da India
a 80 rs. a libra, e 20500 a 30000 a ar-
roba desses que vendem por 30400.
CAF
V. 9 RA DO CRESPO IV. O
Esquina qae volt; para a roa do Imperador
provavel que nao seja bem aceita a ver lade, quando a boa f de todos anda
Iludida por esta epidemia de nauzeaticos annuncios de cornetas, tambores, coras mi-
tras, etc., que todo o dia enchem as paginas deste jornal.
ALEUTA
Os annunciantes nao tem em vista senao garantirem ao respeitavel publico a
sua palavra de honra, vendendo com o lucro suficiente para suas subsistencias e nao para
assentarem fortunas a forca da regra de liga como outros annunciantes deste genero
PARA TODOS
No armazem principal vende-se a todos pelos precos marcados na seguinle ta-
bella, mas nao se vende por todo o prego fazendo-se peso de arroba hespanliola, garan-
te-se as qualidades dos gneros trocando-se lodo aquelle que n5o seja do agrado do
comprador.
Amendoas confeitadas de diversas cores a Lentilhas muilo novas excellente legume pa-
! del.1 e 2.* sorte do Rio de Janeiro a 8;>5f
em libras e caixinhas ricamente douradas, I e 80800 a arroba, e 280 a 300 rs. a liby
proprias para mimos a 900 e 10200. Ciarrafoes
Cll UXni com 4 '* garrafas com vinagre a 106OQMB
o melhor que se pode desejar, que outro, o garrafao^
qualquer nao pode vender por menos de'
30 a 20600.
dem perela
especial qualidade a 20700 rs. a libra.
dem hvssen
tem vindof'ao nosso
o mais aromtico que
mercado a 20600.
Massas amarellas
para sopa, macarro, talharim e aletria
480 rs. a libra.
tO.VAC
GENEBFU DE LARANJA
verdadeira a 10000 o frasco, e de H0OOC
a caixa.
DEM
em frasqueiras de Hollanda a 50800 com
12 frascos.
GENEBRA
de Hollanda verdadeira em frasqueira a 600
rs. cada urna.
PALITOS
; os verdaderros palitos do gaz a 2,2oo a groza
e 2o rs. cada caixinha.
PAPGL
Marmelada
dos melhores fabricantes de Lisboa, como se-
jam Abreu e outros muitos a 600 rs. a
xa, e 21o rs. a carta. almaco, greve, peso e de outras muitas qua-
Toucinho novo de Lnboa a 2io e 32o rs. a, ,illa(les (]e %ioo a 4r,00 a resma do me_
libra. in0I._
Tijolo para limpar facas a 15o rs. cada um.
Vinho em pipa Porto, Lisboa e Figueira das
melhores marcas a 3,8oo rs. a caada, e
5oo rs a garrafa,
dem do Porto Lisboa e Figueira de marcas
menos conhecidas a 4oo rs. a garrafa, e
2,8oo rs. a caada,
dem Colares especial vinho a 600 rs. a gar-
rafa.
IdemLavradio muito fresco nao levando com-
composicao a 56o rs. a garrafa, e 4,000
rs. a caada,
dem branco de uva pura a 56o rs. a garra-
fa, e 4,5oo rs. a caada.
dem mais baixo a 4oo rs. a garrafa, a 3,ooo
rs. a caada.
dem Bordeaux em caixas de 12 garrafas das
marcas mais acreditadas a 6,5oo e 7,000
rs. a caixa.
dem muito especial que raras vezes vem ao
nosso mercado a 1.2oo rs a garrafa, ga-
rante-se que por este mesmo preco d
prejuizo e s se encontra n'este arma-
zem.
dem do Porto em 'caixas com 12 garrafas
das seguintes marcas Lagrimas do Dou-
ro, Duque do Porto, Genuino, Yelbo Par-
ticular, Malvasio fino, D. Pedro V, D.
Luiz I, Nctar e outros a 9,ooo e lo,ooo
rs. a caixae 9oo e l.ooo rs. a garrafa.
dem Muscatel superior a 1,00o rs. a garra-
fa, e 10,000 a caixa cora 1 duzia.
Vinagre puro de Lisboa a 2oo a garrafa e
2,400 rs. a caada.
dem em garrafoes com 5 garrafas a 1.000
rs. com o garrafao.
Vassouras do Porto de arcos de ferro a 32o
rs. cada urna.
dem de eseova para esfregar casa a 36o rs.
cada urna.
Velas de espermacete superiores a 56o rs.
a libra, e 52o em caixa.
dem de carnauba refinada e de composico
a 36ors. a libra, e de 10,000 a ll.ooo rs.
a arroba.
RA DO QUEMADO NUMERO 11
Coja de fazendas d>- Augusto Frcdsrico dos Santos Porto
Liadas chapellns e chapeos para seuhoras.
Chegarara a este estabeleciment as mais modernas cba4>etk>as e chapeos para ennoras.
Superiores cortes de la de barra de 100 a 200.
As rriais superiores capas e souterabarones de seda pfet e casemira de cores para seahoras de
at at 30J.
Excelleiites liias para vestido a 320, 500, .M50 e 600 rs. o covado.
testas o organdys de cores a 40 e 320 rs. o covado.
Os melhores tapetes para of com rkiissimos desenos.
Lencos de cambraia Superiores casemires mesclaas de diversos posto tanWem pecas como em cortes.
E outras molas atendas con sejam: pe -calles ftmssrnm, bretsnhas, silecis, esqnio, silis-
irna preta muito tina, canto para vestidos de luto, gtosdeoanle do bonitas cores e as superiores
Estelras pan salas.
A* pessoas que prctenderem forrar suas salas otifabiteles, er.rotitrarao nesto estabfleetmeBto
rhor aqualidade de esleirs deodas as larguras e pelo mais mdico preco,
o muito afamado cognac Pal Brandv a l,8oo' LICORES
rs. a garrafa e de outras muitas quali.la- finos de todas as qualidades, a lo,ooo a caixa
des a l.ooo e 8oo rs. a garrafa. com urna djizia e a l,ooo a garrafa.
COPO**
lapidados para agua a 4,5oo e 5,ooo rs. a
duzia, e a 440 e 5oo rs. cada um.
libra.
Pregunto
o verdadeiro prezunto de Lamego a 52o rs.
Papel de botica a llbra- ARRQZ
de excellente qualidade a 20200 a resma, Maranho, Java e India, a loo rs. a librare
PAPEL de 3,ooo, a 3,2oo rs. a arroba,
azul e pardo para embrullio de 1,4oo a 2,2oo' VELAS
rs. a resma. de espermacete de diversas marcas a 56o rs.
Oorinthias a ''bra e em caixa tera auatmento.
passas corintbias muito novas proprias para!(le ^ em J^A| arr0ba g 3oo
podim a 8oo rs. a libra.
FumG
o verdadeiro fumo americano em chapa
l,4oo rs. alibra
Vinagre
PRR em ancoretas de 9 caadas a 15,ooo rs.
cada urna.
Cel)OllS porluguez o mais especial que se pode de-
as mais novas do mercado a 7,ooo rs. a caixa seJar a 80 rs-a libra **P" Pao-
e l.ooo rs. o molho. E Frnas em ealda
Alnicfa a pn;,,A chegadas ltimamente, pera, pecego, guija e
AipiMU e rdlli^O outros muitos a 640 rs. a lata,
o mais novo do mercado a 140 rs. a libra, Dsee da casca da gniaha
e 40400 a arroba. a 600 e 1$ o caixSe.
Os propietarios do grande armazem o Verdadeiro Principal declaram aos seus
freguezes e amigos e ao publico em geral, que para facilitar a commodidade de todos es-
tipularam os mesmos precos nos seguintes lugares:
Lniao e Gommcrcio ra do Qneimado n. 7
O Verdadeiro Principal roa do Imperador n. 40
caixa e 34o rs. a libra.
Btalas aovas
a I em caixas de 2 arrobas a 5$ a caixa e 60 rs.
a libra.
Passas ninito navas
I em quartos e inteiros a 2j o quarto e 6500
a caixa e400 rs. a libra,
i Chocolate




FRCCTAS
i.v^.i.i. PERAS r. i-v.w
chegadas neste ultimo vapor, vende-se nos seguintes lugares: Ra do Imperador n.
40, Verdadeiro PrincipalRa do Queimado n. 7, Uni5o e Commercio.
GAZ GAZ GAZ
Vende-se gaz de primeira qualidade a
10)5 a lata : nos armaieos da ra do Im-
perador n. lft e ra do Trapiche Novo n. 8.
AUeneo.
Vnde-se sonerior Tinh do Porto em caixas de
urna duzia : en casa de Job astea Pator & C, ra
de Vicario n. 3__________
ter-
Salitre refinado, superior qualidade, vinho Bor-
deaux, diflerentes realidades, mais barato qae em
qualquer parte : no armazem de E. A. Burle &
d, ra da Cruz n. 48.
Farturadesabonetes
A Auia Branca recebeu am complete sorUman- a:-/,:- lflo i-buMc,,;.,
todesabonetes,eq^erdistrilmi-l()s^omiodaia|8C,eilua a*s W>"!!.I0W8 ll huios
freguezi* que compra a dinheiro vista, por isso! Cdros 4efM h*ancist'O
as est vendendo pelos baraiissinjos pregos de I*., y^ raa da Cadeia, loja n. M, existem cordoes
1500, IIBOO, 2*500 e .)* a duna, sendo e-1 ,j0 verdadeiro esparto para aso dos irmos protes-
tes te cores t> com diversos moldes e figuras,_ e 30S preparados com toda a perfetcao ; seu preco
ontros transparentes a 2*o00, 3* c 4*W0 a duzia.,^coonnodo.
E"tes accommodados pregos servem bellamente ------------------------;---------
rreaios a venda
Yeado-se sobrado le um andar e solo sito OB
raa (te Fo^on. 3j\ em chaos proprios, cooi qmn
tal, ocin)a, etc., Hen|b actualmente 45000 men-
sats ; urna casa terrea na roa da Gloria- na Boa-
Vista, tanftam m bSos proprios, 9 rende 2M :
os pretendeates desde j ttoderao examirar *s re-
feraos predios, e para informagoes podoro enten-
derse com o agenle SiraSes em sea escriptorio na
ra da Cadeia do Recito n. 48, primeiro andar.
fara qae lodos lavem suas mitos, lencos, etc., etc.,
com eheiroso sabonetc, e urna rez qu traja dinhei-
ro, dirijam-e raa do Qoeimado, loja d*Agafa
Branca h. 8._______________________
^iehas bamburguezas.
Na roa Nuva 01 defronte da Hlma. cmara
niiinic-ipal, veoilem-se constantemente luchas novas
por menos 25 ocenlo que em outra pwlquer^ar-
te : rerebern-se por todos os vapores.
6io rs. a libra.
Idera de casca dura a 2io rs. a libra,
dem de casca mole a 32o rs. a libra.
Ameixas frncezas em caixinhas com lindas
estampas, a l,2oo e l,5oo rs.
dem em frascos de vidro a 1,2oo rs.
dem em frascos grandes a 2,5oo rs.
dem em latas de 1 li libra a l.loo'rs.
Arroz do Maranho e da India o melhor que
ha neste genero de 8o a loo rs, a libra, c
de 2,5oo a 2,8oo a arroba,
Azeite doce de Lisboa a 6oo rs. a garrafa, e
4,8oo rs. a caada.
dem francez e de Lisboa refinado em gar-
rafas brancas a 9oo rs. a garrafa e lo,ooo
rs. a duzia.
Alfazema muilo nova e limpa a 32o rs. a
libra.
Azeitonas muilo novas a 2,ooo rs, a anco-
reta.
Alpista limpo a 14ors. alibra, e 4,4oo rs. a
arroba.
Rolachinhas de Lisboa da fabrica do Reato
Antonio de diversas qualidades, em latas
de6 e de 3 libras a 3,ooo e l,5oo rs. a
lata, e 64o rs. a libra.
dem ingleza em latas de 2 e de i libras
das melhores marcas a l,3oo e 2,2oo rs.
a lata.
Banha de porco refinada a 4oo rs. a libra e
em barril a 36o rs.
Btalas em caixas de 2 e de 4 arrobas a
1,1 oo rs. a arroba.
Champagne das melbores marcas a 2o.ooo
rs. o gigo. 1,800 rs. a garrafa, e )oo rs.
as meias garrafas.
Cha uxim o melhor possivel a 2,7oo rs. a li-
bra.
dem perola qualidade especial a 2,7oo rs.
a libra.
dem hysson o melhor que ha neste genero
a 2.000, 2,4oo e 2,Goo rs. a libra.
dem lo Rio em latas de 2 a 8 libras, a 1,300
rs. a libra.
dem prelo homeopalhico 2,ooo rs. a libra.
Cerveja das melhores marcas a 6,000 rs. a du-
zia, e 56o rs. a garrafa.
Chocolate francez, suisso e hespanhol a
l,ooo, l,2ooe l,4oo rs. a libra.
Charutos do afamado fabricante Jos Furia
do de Simas e outros da Rabia como se-
jam Regala, Trovadores, Guanabaras. De-
licias e Suspiros, a l,6oo, 2,ooo, 3,ooo e
4,ooo rs. a caixa.
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco.
dem franceza surtidas ou de urna s quali-
dade de cada frasco a 5oo rs.
Cognac inglez e francez a l,ooo rs. a garra-
fa, e lo.ooo rs. a duzia.
Cominho e erva-doce a 4oo rs. a libra.
Cravo da India a 6oo rs. a libra.
Canella a l.ooo rs. a libra.
Copos finos para agua e vinho a 4.8oo,
5,ooo e 5,.too rs. a duzia, e fioo rs. cada
um.
Caf do Rio superior 28o e 3oo rs. a libra,
e 8,5oo a 9,ooo rs. a arroba.
dem ilo Cear a 26o, 28o e 300 rs. a libra,
e 8,ooo a 8,5oo rs. a arroba.
Doce de goiaba a 6oo rs. o caixo.
Ervilhas portuguezas em latas, chegadas l-
timamente a 7oo rs. a lata.
dem seccas a 16o rs. a libra.
dem j descascadas a 2oo rs. a libra.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Figos em caixinhas bem enfeitadas a 9oo rs.
cada urna.
Graixa nova a loo rs. a lata, l.Ioo rs. a
duzia.
Genebra de Hollanda coi frasqueiras de 12
frascos a 5.8oors., e 56o rs. o frasco.
dem em botijas a 4oo rs. cada urna.
dem em garrames de 16 garrafas a 4,8oo
rs. com o garrafao.
dem idem de 3 caadas a 7,2oo rs. cada um.
dem ingleza em garrafas brancas bordadas
com rolha de vidro, qualidade superior
a l.ooo rs. a garrafa.
dem de laranja verdadeira a l,ooo rs. o fras-
co, e ll.ooo a frasqueiras de 12 frascos.
Kirsch Wasser excellente bebida Suissa a
l,8oors. a garrafa.
ra sopa a 2oo rs. a libra.
Licores frncezes de todas as qualidades de
7oo e 9oo rs. a garrafa.
Manteiga ingleza perfeitamente flor a 8oo rs.
a libra, desnessesario mais elogios nes-
te genero que so se pode verificar com a
vista,
dem franceza a 56o rs. a libra, e em barril
ou meios a 5oo rs.
Marmellada do I." fabricante de Lisboa a 6oo
rs. a libra, ha latas de 1, 1 '/2 e 2 libras.
Maca de tomate em latas de urna e duas li-
bras, a Goo rs. a libra,
dem para sopa estrellinha, pevide, rodinha.
etc. a3,5oo rs. a caixa e 56o rs. a libra.
Macarr5o, talharim e aletria a loo rs. a li-
bra .
Mostarda franceza preparada a ioo rs. o fras-
co,
dem ingleza em p a 64o rs. o frasco.
Molho inglez em garrafinhas com rolha de
vidro a Gors. cada urna.
Marraschino verdadeiro de Zara a l,ooo rs.
a garrafa, e lo.ooo rs. a duzia.
Nozes muito novas a IGo rs. a libra.
Ostras preparadas em latas a 7oo rs. a lata.
Prezunto para fiambre inglez verdadeiro, ga-
rantindo-se a qualidade, a 7oo rs. a libra.
Passas novas de carnada a 4oo rs. a libra, e
6,5oo rs. a caixa.
Peixe em latas hermticamente fechadas das
seguinles qualidades, sabel. corvina, go-
rz, cavallinha e pescada a l.ooo rs. la-
ta.
Paulos para dentes fichadas a -14 rs. o ma-
co de 20 macinhos.
dem do gaz a 2oo rs. a duzia, e 2,1 oo rs.
a groza.
Painro muito novo a 16o rs. a libra, e 4,5oo
rs. a arroba.
Queijos flamengos do ultimo vapor.
dem prato muito fresco a 8oo rs. a libra, e
sendo inteiro a 72o rs.
Sal refinado em potes de vidro a 5oo rs. ca-
da um.
Sardinhas de Lisboa e de Xantes a 6oo rs.
a meia lata, e 4oo rs. o quarto.
Sag muito nove, o alvo a 2io rs. t libra.
Sardinha de Franca a 18o rs.. a libra.
Sevada a loo rs. alibra.
Toucinho de Lisboa a 24o e 3oors. a libra.
Tijolos para limpar facas a 15o rs. cada un
Vinho em pipa, Porto, Lisboa e Figueira das
marcas menos condecidas a 4oo rs. a gar-
rafa, ea 2,8oo rs. a caada.
dem Figueira especialmente escolhido neste
lugar a 6oo rs. agarrafa, e 4,5oo a caada.
dem Lavradio, Colares muito fresco sem
composico a 6oors. agarrafa, e 4,5oo rs. a
caada.
dem Lisboa em ancoras com 9 caadas mar-
ca especial a 22,ooo rs. a ancora.
dem branco uva pura a 56o rs. a garrafa,
ea 4,5oo a caada.
dem Porto lino em pipa a 56o rs. a garra-
fa.
dem engarrafados generosos, Lagrimas do
Douro, Duque do Pono. D. Luiz I, D. Pe-
dro V, Nctar, velho secco, Malvazia, o
genuino particular de 9ooal,2oe rs. a gar-
rafa e a Iq,ooo rs. a caixa com urna duzia.
dem Madeira^legitimo a l,2oo rs. a garrafa,
ea 12,ooo rs. a duzia.
dem Muscatel a looo rs. a garrafa.
dem Bordeaux dos acreditadas marcas St.
Julien St. Esteph, chteau la Roze, chatau
Margoux e outros a 6,ooo rs, a caixa e 56o
rs. a garrafa.
Vermouth a melhor bebida estomacal a 2.ooo
rs. a garrafa.
Vinagre de Lisboa a 2oo rs. a garrafa e l,4oo
rs. a caoada.
dem em garrafoes com 5 garrafas a I ,ooo rs.
Vassouras do Porto com arcos de ferro a 32o
rs. cada urna.
dem de escoras, para lavar casa a 3Go rs.
cada urna.
Vellas de espermacete superiores a 56o rs.
a libra, e sendo em caixa a 52o rs.
dem de carnauba refinada e de composiejio
a 36o rs. a libra, e lo,5oo e ll.ooo rs, a
arroba. .
Superiores itiod? 5 prepSrcOei conhechln.il
Biteiio 9guro e premplo.ven MMMM, neui cnlii-ut.
'jecon'rn as Oonorrtieas r Ble:-.r.^rrha-1a* i. m*' inieiisMe retoMt*.
imia tremor. Kreifc -i iwuMr .o -.tire*!-) -trn liiMia.
InjecQo curativa e preserva ti va
Inf.Uiv*!. cir:i .nm rapidez .fi tlor.i a jcorriinenlos cont.-isrioso, de na
tolMa:ica rvktjc4Wr. fortiflen leentiteiMn on-prc'erra re mu jm- ..!t-r
riorcs branca, Atrnnl
Ul'S. :.. ...e *. Wllllll lili
Deposito geral em Pernambuce ra da Cnu n. 22 de emcasaCaros & Barbozs.
Empreza de illumma<$o
gas.
Todas as vendas de apparelhos a. reclamacoes
(por escripto dando o noine, morada, data, etc.),
devem sr>r eitas no armaicm da ra do Imperador
n. 41. Os machiqslas mandados para attender a
estas, apresentaro nm livro que os reclamantes
deverao assijmar tofo depois de prompto o servico
reclamado: islo para que a empreza fiqne seiettte
de harerem os mesmos senbores sido cvMamente
attendidoe.
IJVHOS
Veodenvse ta ra do Cabuf n. 10 u teguiate^
obras, por precos utlo baratos :
Elogio los res, 1 volume.
Alexaodre Herculaao.
Anoaes de V. Joo III, l volunte.
CMtlit.
gseavaedes poticas, 1 volume.
Panorama, $ lomos, 1* 2* serie.
Alias de Cortambert com 10 cartas coloridas,
teof raphia histrica universal, 4 vols. grandes.
Miscellanes litleraires.
f'.o le ducomm. fraoo itlico. ,;
La Fontaine loul le ai>uUtes.
Esleirs do Aracatij
Vendem-se na tnwessa i& Madre de Dos o. 16
Na llvrarla acadmica, ra do i
vendem-?e liados papis para forrar sala a .#000 Vende-se a 75 a dtnia na ra Nova n. 61 de
a pe^a. (fronte da Illma tama muakapal.
< I ll*l.fl t ll%S

I fronte da tilma
v
i
----------


ic
i*
lelra *e
del
r
\
40 PUBLICO
era o menor ronstran-
smenlo se estregar o
Importe do genero qne
nao agradar.


Os preeo da M-guIntr
tabella para todos,
dendo assim servir de lia-
se para o ajante de eontas
eom os portadores.
ARMAZEM UNIAO MERCANTIL
RA O CADEIA DO KECIFE T. 53.
(Lego passande o are* da Coned)
Grande redaceSo de preeos, equivalente a dez por cent o menos do que nutro qualquer
annnnclante.
Collegas.N5o posso por mais tempo sustentar o preco da manteiga ingleza a l.ooors. a libra, bem assim o de outros
muitos objectos, etc., dando com isto ocasio a todas as espeluncas acabarem por bom preco a manteiga de tempero, e gritarem em
alta voz, que podem vender pelo preco que eu vendo I!! Ora, eu offendido com estas obscuridades e receioso em adopUr o mesmo
systhema que vim encontrar, de s se vender com um por cento a carola, resolv fazer esta grande reduccao de preeos, como veris
pela seguirte tabella, pois como sabis ca pelo meu bairro, at a abertura do momoravel armazem de molhados Unio Mercantil nao
se sabia de outro preco de manteiga ingleza a nao ser o de l,4oe a l,6oo rs. a libra. Hoje porem, resentidos da reduccao a que
estao obrigados, encarando todos os dias de seus freguezes reclamacio de preeos, e qualidades, vingam-se de um e outro portadores
m informado deste novo estabelecimento. para lhc vender goneros nao proprios de um estabelecimento desta ordem que o sen fim
tSo smente obter a concorrencia de seus freguezes.
Para bem de todos.
Senhores e Senhoras o aceio que presidio, aos arranjos deste novo estabelecimento, e mais que ludo apromptid5o e entei-
reza com que serao tratados, convida a urna vizita ao mesmo, certos de que sem duvida me daro a proteccao e preferencia na compra
dos gneros que precisarem, e quando nao pocam vir podero mandar seus portadores, anda que estes sejam pouco pratces, po&
serao tfio bem servidos como seviessem pessoalmente, bavendo para com estes toda recommendacao, afim de que nao vao em ouira parte.
Manteiga ingleza (safra nova) especialmente rs. e em barricas de 4 duzias se faz abat-'
GRAJVDE ARMAZEM
JIOMI.IDOS
ALMEIDA DUARTE
FRUCTAS
JWaeaas. Ra do Queimado n. 7.
Uvas. Ra do Queimado n. 7.
Peras. Ra do Queimado n. 7.
No armazem de fazendas ba-
ratas de Santos Coelho,
Roa do Qneimdd* n. i,
Vende-se o seguate:
Attengao I!
Ricas lazinhas, fazenda a raelhor que ten ..
do ao mercado, lanto em gosu> como em quahd,-
de, pelo baralissimo preco de 300 rs. o cevada
Dita i miudinhas carmezins, proprias para ven-
das de meninas e camisinhas a 640 ocovado.
Cortes de laa com lo covados, pelo barato preeo
de G. |
Cobertas de chita da India a 2o00 e 3.
Lenctes de panno de linho ;i -i e 2500.
Pecas de cambraia de forro com S 1i2 varas
35200. '
Toalhas alcochoadas proprias para roaos a b* a
du/.ia.
,Jkos corlcs de ISa C0,D bam a Maria Pa *
Pecas de platillas de algodao com 1 varas,
proprias para sala a 13.
AffiS?0 cnftil!"to com 7 l| palmos de largara
a 15100 rs. a vara.
Esleir da India, propria para forro de sala*
4, 5, e b palmos do largura, por menos preco *
que em outa qualquer parte.
Neste estabelecimento tambem se encontrara
um grande sortiraento de roupas feitas, e por hw-
dida.
ment.
Caf do Rio a 26o e 28o rs. a libra, e 7.8oo
e 8.5oo rs. a arroba.
dem lavado de primeira qualidade a 3oo rs.
a libra, e 9,ooo rs. a arroba.
dem do Cear de superior qualidade a 24o
e 28o rs. a libra, e 7,8oo a 8,ooo rs. a
arroba.
Arroz do Maranhao a loo rs. a libra, e 3,ooo
rs. a arroba.
dem da India muito alvo egraudo a loo rs. a
libra, e 3,ooo rs. a arroba.
dem de Java a 8o rs. a libra, e 2,2oo rs.
a arroba.
Painco e alpista a 14o rs. a libra, e 4,3oo
rs. a arroba.
Massa de tomate em latas de I e 2 libras a
6oo rs. e de barril muto superior a 5oo
rs. a libra.
Aletria, macarro e talharim a 4oo rs. a li-
bra, e l),ooo re. a caixa.
dem e talherim branco a 32o rs. a libra,
estas massas tornam-se recomendaves as
pessoas dwentes por serem propriamente
feitas para esse iim.
Estearinas a 56o rs. a libra, e em caixa com
2o libras a 52o rs.
Vnho do Porto muito fino excellente qua-
lidade proprio para engarrafar em ancore-
las com 9 caadas por 48,000 rs.
escolhida a 8oo rs. a libra, em barril se
faz abatimento.
dem franceza a mais nova que tem viudo ao
mercado a 56o rs. a libra, e em barril ou
meios a 5oo rs.
Cha hysson de superior qualidade a 2,6oo rs.
a libra,
dem prela o mais superior do mercado a
2,8oo rs.
dem huxim o mellior que se pode desejar
neste genero 2,6oo rs.
dem preto homeopathico por ser de superior
qualidade a 2,ooo rs. a libra,
dem hysson, huxim e perola mais proprio
para negocio o l,6oo, l,8oo e 2,ooo rs. a
libra, garante-se ser muito regular, igual
ao que se vende emoutra parte por 2,4oo
e 2,Coo rs.
Linguicas, chouricas e paios em latas de 8
libras, ermeticamente lacradas a 5,5oe rs.
garante-se serem superiores aos que vem
em barris.
Chourcas e paios em barris de mea e urna
arroba a 8,ooo rs. e 1,5oo c 6oo rs. a libra.
Queijos flamengos muto frescos chegados
neste ultimo vapor a 2,2oo rs. e do vapor
passado a l,6oo e l,8oo rs.
dem londrinos os mais superiores que tem
vindo ao mercado a 8oo rs. a libra entei-
ro se faz abatimento.
dem prato muito fresco a 8oo rs. a libra,
dem do Alentejo o que se pode desejar de
fresco e superior a 8oo rs. a libra, a elles
antes que se acabem.
Ervilbas e lavas portoguezas em latas j;i pre-
pararlas a 64o rs.
MarmelaJa imperial dos mais acreditados fa-
bricantes de Lisboa a 6oo rs. a libra.
Prezunto do reino viudos de casa particular
a 56o rs. a libra, e a 5oo rs. inteiro.
dem inglezas para fiambre chegado n&te
vapor 72o rs. a libra.
Copos lapidados para a gua a 5,000 e 5,5oo a
duzia,
Choculate francez, suisso e hespanol a Ooo
l.ooo e -l,2oo rs. a libra.
Espermacele em caixinbas contendo 6 libras
por 4,ooo rs.,garanli'-se serem transpa-
rente e de superior qualidade, tambem tem
de 12 por libra propria para carro.
Peixe em pnsta sovel, corvina, gors. pesca-1
da, salmao, ostras e chernee, vezngo em Bolacbinhas inglezas as mais novas do mer-
latas grandes a 8oo e l,ooo rs. cada urna, j cado a 2,8oo rs. a barrica, e 24o rs. a
Vinhe Bordeaux das marcas mais acredita-! libra.
das que tem vindo ao nosso mercado a Bolachinha de soda em latas com diversas
6,ooo, 7,ooo e 8,ooo rs. a caixa, garante- qualidades a l,3oo rs.
se ser de qualidade superior, que outro Bolo francez em caixinlias muito proprias
qualquer nao pode vender por este preco.' para mimo a 64o rs.
Genebra de Hollanda a 56o rs. o frasco, e Passas muito novas de carnada a loo rs. a
5,7oo rs. a frasquei'ra. libra e 6,ooo rs. a caixa com 28 libras,
dem de laranja verdadeira de Aliona em Figos de comadre a 24o rs. a libra e
frascos grandes a l.ooo rs. o frasco, ej l,8oo rs. a caixa com 8 libras.
H,ooo rs. a doria. | Amcndoas de casca mole a 32o rs. a libra,
dem de Holianda em botijas grandes a loo Bolacbinhasd'agua em sal da fabrica do Beato
Antonio de Lisboa em latas cora 6 libras
por 2,5oo; ditas doce em latas com o mes-
mo peso a 2,5oo; ditas imperiaes em latas
de 3 libras por 1,5oo rs.
Ameixas francezas em latas de 1 e meia libra
por 1,2oo; ditas em caixinbas de deverse*
tamanhos com bonitas estampas na caixa
exteriora l,2oo, l,5oo, e l,8oors.
Azeite doce retinad Penanol oo do Kempes
de Lisboa a 85o rs. a garrafa e 9,5oo a
caixa com urna duzia.
Acaba de recebter de sua propria encommenda nm grande e variado sorthnento
de molhados todos primorosamente escolhidos, por isso apressa-se o proprietario em
offerecer aos seus freguezes e ao publico em geral a seguinte tabella dos seus gneros e
resumidos preeos, aancando todo e qualquer genero vendido neste bem conhecido ar-
mazem.
m
cofeito e especifico para
expellir os Vermes.
Amendoas confeitadas de 8oo rs. a libra.
Manteiga ingleza perfeRamente flor, a 8oo rs,
libra,
dem franceza a 56o rs. a libra, e 5oo rs.
sendo em barril.
Cha uxim a 2,7o rs. a libra, e de 8 libras I
para cima a 2,6oo.
dem perola a 2,8oo rs. e de 8 libras para
cima a 2,7oo,
Licores francezes e portuguezes das seguin-
tes marcas creme de violetas, geroftes, ro-
sa, absinto vespeiro, amor perfeito, amen-
dua amarga, percicot. de Turin, Botefim,
morangos, limo, caf, laranja, cidra, gin-
ja, canella, cravo, rlela pimenta a 1 ,ooo
rs. a duzia I,ooo rs. a garrafa, garante-se
que os melhores que temos tido no mer-
cado.
r?#-i'&9BfJ'^J ral
dem hysson o mais superior que se pode Passas muito novas em quartos e inteiros a
Batatas muito novas a 5o rs. a libra e 2,ooo a
caixa com 2 arrobas.
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e
8,5oo a duzia.
Vassouras de escova para esfregar casa a 32o
Nozes muito novas a 16o rs. a libra.
Molho inglez em garrafa de vidro com
rolha do mesmo a 5oo rs.
Mostarda ingleza dos melhores fabricantes a
8oo rs. o frasco.
Mostarda franceza em potes j preparada
a 4oo rs.
Lentilhas excellente legume para sopa a 2oo
rs. a libra.
Marrasquino o verdadeiro de Zara em garrafas
grandes a i.ooors. e 11*000 a duzia.
Palitos para dentes a 14o e 16o rs. o mago.
Sal refinado em frasco de vidro com rolha do
mesmo a 5oo rs.
Vinbo de pipa Porto, Figueira, e Lisboa a32o, Cerveja branca e preta das marcas mais a-
4oo e5oo rs. a garrafa, emeanada a 2,5oo, creditadas que vem ao mercado a 5,ooo e
3,ooo e 3,8oo rs. j 5;500 a duzia e 48o rs. a garrafa.
Vinlio branco de Lisboa de excellente quali-fsag muito novo e alvo a 24o rs. a libra,
dado a 4oo e 5oo rs.a garrafa, emeanada Sevadinha de Franca muito nova a2oors.
a 3,ooo e 3,5oo rs.
Vinlio branco para missa em caixa de 1 duzia
a 8,ooo e a (8o re. a garrafa.
Vnho do Porto das melhores marcas, que
vem ao mercado como sejam Lagrimas do
Douro, Duque do Porto, DuqueGenuino,
I). Ltuz L, Madeira secca, Malvazio fino,
Fettoria em caixa de I duzia de 9,ooo a
lo.ooo rs. ea 9oo e l.oooa garrafa.
Vnho Colares o mais superior que tem
vindo ao mercado a 64o rs. a garrafa.
Sardinhas de Nantesem quartos e meias latas
a 36o e 56o rs. cada urna.
Sardinhas portuguezas em latas grandes
preparadas pelo melhorconserveiro de Lis-
boa a 64o rs.
Charutosde todos os fabricantes da Bahiaedas
mais acreditadas marcas conhecidas no
nosso mercado a 2,ooo, 2,500, 3,ooo,
3,5oo e3,8oo a caixa de loo charutos.
Cognac inglez das melhores marcas a
l,oo rs. a garrafa.
Doce da casca da goiaba em latas de 4 li-] Papel de botica de excellente
bras por 2,ooo; dito em caixes a 6oo rs. 21oors. a resma.
desejar a 2,6oo e de 8 libras para cima
a2,5oo rs.
dem menos superior a 2,4oo ede 8 libras
para cima a 2,3oors.
dem proprio para negocio a 2,3oo, de 8 li-
bras para cima a 2,2oo.
Idm do Rio em latas de 2, 4, 6 e 8 libras
cada urna a 2, 3, 3,5oo e 4,8oo rs. a lata,
dem preto o melhor que se pode desejar
neste genero a 2,8oo rs.
dem menos superior a esse que se vende
por, 2 e 2,4oo, a 4,8oo rs. a fibra,
dem mais baixobom para negocio a l,5eo
rs. a libra.
dem miudinho proprio para negocio a 1.5oo
rs. a libra.
Queijos do reino chegados neste ultimo va-
por a 2,2oo.
Queijos chegados no ultimo vapor a 2,2oo rs
dem prato es melhores e mais frescos do
mercado a 76o rs. a libra sendo inteiro.
Genebra marca gato a 1.7oors. agarrafa.
Biscoitos em latas de 2 libras das seguintes
marcas : Osborne, Craknel, Mixed, Victo-
ria, Pec-nic, Fance, Machine eoutras mu-
tas a l,3ooe l,4oo rs.
Fumo americano em chapa a 1,6oo rs, a
libra.
Ararnta de todas as qualidades.
Batatas novas em caixas de 2 arrobas a 56 a
caixare 6o rs. a libra-
Balachilha de Craknel em latas de 5 libras
brutoya 4,ooo rs.
dem iaglezas em barricas a mais nova do
mercado a 3,5oo rs. a barrica e 24o rs. a
libra.
Chocolate portuguez o mais especial que se
pode desejar a 8oo rs. a libra e 14o rs. o
pao
qnalidade a
2,ooo rs o quarto, a 6,5oo a caixa e 4oo
rs. a libra,
dem corinthias proprias para podim a 8oo
rs. a libra.
Marmeladas dos mais afamados fabricantes de
Lisboa a 64o rs. a libra.
Ervhas secas muito novas a 16o rs. a libra, j
Gr5o de bico muito novo a 16o rs. a libra.
Ervilbas francezas em latas a 64o rs.
Potes com sal refinado a 48o rs.
Fumo de chapa americano a i ,6o rs. a libra
fazenda especial.
Presunto para tiambre inglezes a 7ow e 8oo
rs. a libra.
Chouricas e paios mnito novos a 64o a fibra.
Caixas de traque n. 1 a 86500 cada urna.
Massas para sopa macarr5o, talhanm aletria
a 4oo rs. a libra.
Cognac verdadeiro inglez a 8,5oo rs a caixa
e8oors. a garrafa,
dem francez a 7,ooo rs. a duzia o 7oo rs. a
garrafa.
Charutos em grande quantidade c de todos os
fabricantes mais a credtados a l,5oo, |
2,ooo, 2,5oo, 3,ooo e 4,ooo rs. a caixa,
os mais baixos sao dos que por abi se ven-1
dema 2,ooo e2,5oo rs.
KKI!
EEM?,
monillos :i.~ icdi
O
olls sfi<> Je cheiro, sal
vgU.
cap,
irrito?
K.r i> (ir :isjr!<
poi-'j Jl
i
A elegaucii.,
a se^uridade do a-
niOHonsivo das
Pastilhas Veraifugas de Kemp
A PAR l A SLA
Coaposicio exelisiFaeBte Fcgetol.
sao estas pois as Kiias melhores e uhrV-
completas de todas as recominetidaecs
que se possa fazer c c:<>m justa razao ;
eolleo na eategoria d'iun favorita noi
versal.
A superioridade das
Pastilhas de Kemp
sobre todas as preparacoes destinad
para o mesmo fin devklo tua biiu
pies composi^o o sen aroma agrada-
vel e rapidez e ntallibilidade
que aleanca a destruidlo total cas
LOMBRIGAS.
venda as boticas de Caors < Barboai,
ra
Caf de premeira qualidade a 8.3oo e 9,ooo
rs. a arroba e 28o a 22o rs. a libra.
dem de segunda qnalidade a 8,2oo rs. a ar- ra da Cruz, e Joo da C. Bravo d C,
roba e 26o rs. a iibra. da Madre de Dos.
Arroz do Maranhao a 12ors. a libra, 3,ooo rs.
a arroba.
dem da India muito superior a 2,9oo rs. a
arroba, e loo rs. a libra.
dem mais baixo redondo a 2,6oo rs. a libra.
dem da India comprido a 2,4oo rs. a arro-
ba, e 8o rs. a libra.
Vende-se urna casa lerrea era Ulinds, nc
largo do Amparo, com i quartos, i salas e gabiu-
te : a tratar na ra da Aurora n. 50.
Terrenos
Vellas de carnauba do Aracaty a 9,5oo rs. ar-
roba, e 36o rs. a libra.
cada um.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Velas de carnauba de 6 e 12 por libra a
32o rs. a libra e lo,ooo rs. a arroba.
Azeite doce de Lisboa a 64o rs. a garrafa
e 4,8oo a caada.
Banha de porco refinada a 4oo rs. a libra
e 36o rs. em barril.
Capil de diversas frutas muito frescas a
64o rs. a garrafa.
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a graza.
Toucnho de Lisboa muito alto e alvo a
32o rs. a libra e 8,5oo a arroba.
Ameixas francezas em latas de 3 libras por
2,ooo. rs.
Cebollas solas a l,4oo o cento ; ditas em
molhos com cento e tantas por 1,2oo rs.
Malte excellente cha para os navegantes a
a 2oo rs. libras.
AGENCIA
DA
FUNGI LOW-AOMQGB.E
Ra da Seenlla nova o. 42.
Neste estabelecimento contina a haver
nm completo sortimento de moendas e meiai
moendas para engenho, machinas de vapor
e tachas de ferro batido e coado, de todos o
tamanhos para ditos.
Arados americanos e machinas par
lavar roupa: em casa de S. P. Johnston & C,
ra da Senzalla Nova n. 42.
Queima!
No largo do arsenal de marinnn, loja de calca-
dos n. 8, qoeima-se :
Marroquim prelo de boa qualidade,
a duzia a.....................
I'ma pellepor
USDIiZEM
FRONTEIRO
DE
ALVES COUTINHO 21Largo do Terco21
Ao pulI Ico.
Chouricas muito novas a64ors. a libra ; chocolate francez al,ooors. a libra;
ameixas idem ; alpista a 16o rs. a libra, e 4,6oo rs. a arroba ; arroz do Maranhao e da
India de 8o a loo rs. a libra, e em a arroba de 2,6oo e 3,ooo rs. ; azeite doce refinado
i a l.ooo rs. a garrafa e em porcSo, menos; idem de barris a 6lo rs. a garrafa, e em cana-
21,3000' da a 4,8oo rs. ; banha de porco a 4oo rs. a libra, e em barril a 36o rs.; batatas muito
1,5800; novas a 4o rs. a libra, e I,2oors. a arroba ; cha perola, hysson, miudinho a l,8oo, 2,4oo
MatfU
A' 25500 caixa ; em porcao se far abatimen
to : na ra i>ova n. 8, loja do Cha.
vS^tt^^^t^^^S'^^^ a libra; ckrutQid" melhores fabricantes da Babia de 2,ooo e 4,ooo rs. .
>e vender de graca visu do comprador. ; erveja branca e preta a 5oo rs. a garrafa; cravo, canella, cominho e erva-doce, conser-
vas inglezas em frascos e meios de 5oo a 9oo rs.; cognac inglez superior a l.ooo rs. a
garrafa ; caf de 1.', 2.* e 3.a qualidade de 8,500, O.oooe 9,5oo rs. a arroba ; cevadi-
nha a oo rs. a libra ; ervilbas portuguezas em latas de 1 Ki libra a 7oo rs.; spermacete
a S6o rs. a libra, e em caixas a 52o rs.; farinha de araruta verdadeira a 2oo rs. a libra,
------. --------------------- e em a arroba a 6,000rs ; genebra de laranja a l,ooo rs. o frasco; idem de Hollanda
vraho do r-orta spperur i a g4o ps e 4oo rs a botJ:a g^g em |atas a \ <,Q0 rs a ,juzia ; manteiga ingleza per-
%^t3&*&5ZtSil Clo;feila flr a 8ors-a libra iidem franceza a 56ors-a libra>e em barri3 a 52 i *
escriptorio roa da Cruz n. 1. j de tomate a Goo rs. a libra ; marmelada dos melhores fabricantes a 64o rs. a libra ; ale-
&y'M~'^W WMW ilVil ,na' t;,il,ai'im e macarro a 4oo rs.; marrasquino de Zara verdadeiro a l.ooo rs. cada fras-
*5^*^MmMi i'" '^RfllE*^< en : noze3 muto nevas a 'no rs. a libra ; passas a 4oo rs. a libra ; painco a 16o rs. ; po-
li abriCa (jOnCGl^SO (tu. j l mada a 24o rs. a duzia; pimenta dor.eno a 36o rs. ; papel almaco e de peso de diver-
Tt riin Bi sas marcas palitos do gaz a 2,2oo rs. a grosa e 2o rs. a caixinha ; ditos de seguranca
Ddlild. mt individual a 2o rs. a C4ixinha e 36o rs. o maco; queijos flamengos do vapor a 2,ooo rs.
u^S^^SSTmSSS^ m fa5da ura; cevadinha a -200 r|- a bra; sardinhas de Nantes de 4oo a 64o rs. a lata; sa-
34 da ra do imperador, algodao d'aquel- >M l,ao mi^3' muito superur a 2oo rs. a libra; toucnho de Lisboa muito alvoa3oo rs. afi-
la fabrica, proprio para'saceos de assu- ? bra; vinhe do Porto velho engarrafado a l,ooo rs.; idem em barril a 8oo rs. a garrafa,
car, embalar algodao empluma etc., etc., I f sendo porclo faz-se differenca e em caada a 5,ooo rs.; idem de Lisboa muito superior a
pelo preco mais razoavel. |^ 4oo rs. a garrafa e 2,8oo rs. a caada ; idem da Figueira J. A. A. a 5oo rs. a garrafa e
mMW,mmmmWMmWmm hQ')0lT:Wdem d Efeit0,a3fe32J Trs *e*tae emeanada a2,oo;
------c In i a h i Bordeaux a 56o rs. a garrafa; dem branco de Lisboa, proprio para missa a 5oo rs.
Vcndc-se iperior* chaW^'Sa'vana em a gaiTafa ; IVMi5re de LSboa mut0 suPerior a 2o rs' a arrafa e l,4oo rs. a caada ;
casa de Rabe Schmeitau k c. ra da Cade soa' cevada, alfasema, gaz e tijolo de limpar facas a 14o rs, e outros muitos gneros que
n. 18. desnecessario menciona-los.
Potes com sal refinado a 48o rs. cada um.
Figos de comadre em latas de 4 e 8 libras
lacradas hermticamente a l,4oo e 2,2oo
rs. a lata.
Frutas em calda chegadas ltimamente, pera,
pecego, ginja e outros muitos a I2o rs. a
lata de 21|2 libras,
dem cm caixinhas de 8 libras a l,8oo, e
24o rs. a libra.
Nozes muito novas a 120 rs. a libra, e 4,ooo
rs. a arroba.
Amendoas confeitadas a 600 rs. a libra.
dem de casca mole a 32o rs.
Vinhos engarrafados no Porto e Lisboa das
seguintes marcas: duque, genuino, velho
secco especial, lagrimas doces, vinho es-
pecial D. Pedro V, nctar superior de
1833, duque do Porto de 1834, vinho do
Porto, velho superior, madeira secca. Por-
to superior D. Luizl, e outras muitas
marcas, em caixa de urna duzia a 10,000 e
l,ooo rs. agarrafa.
dem branco de uva pura a 64o rs. a garra-
fa e 4,ooo a caada.
dem superior a 5oo rs, a garrafa e 3,2oors.
a caada.
dem em pipa Porto, Lisboa e Figueira das
marcas mais acreditadas a 3,8oo a caada
e 5oo rs, a garrafa.
dem de marcas pouco conhecidas a 4oo rs.
a garrafa e l.ooo rs. a caada.
Especial vinho Lavrado sem a mais pequea
composico a 560 a garrafa e 4,000 rs. a
caada.
Farinha de matarana a 240 rs. a libra.
Ricas caixas com figos a l.ooo rs. cada urna.
Ricos livros com figos l,ooo rs.
Pomada a 200 rs. a duzia, sevada muito no-
va a 80 rs. a libra, e 2,5oo a arroba.
Garrafes com 4 / garrafas de vinho supe-
rior a 2,5oo rs. com o garrafo.
dem com 4 4/ ditas de venagre al.ooo rs.o
garrafo.
Vinagre PRR em ancoretas de 9 caadas a
i5,ooo rs. com a ancoreta
dem em pipa puro sem o batisms a 2oo rs.
a garrafa e l,4oo rs. a caada.
Caixas com 1 duzia da garrafas de vinho Bor-
deaux fazenda muito especial a 6,800 rs.
a caixa e 7oo rs. a garrafa.
Vende-se a posse de um terreno de mannha
prompto para se edificar urna boa propriedado e
11 mei-aguas, pelo oilao, por ser este por trazda
ra dajConcordia, em frente a praca projeetada,
e o oilao ao lado do sul ficar em 'alintiamento a
iravessa da Ramella, tendo este de frente 46 pa
dem de sebo muito dura fingmdo esparmace- mos e 300 de fundo, tambera se vende a retalho
te 36o rs. a libra. Irata-se da olaria da ra do Mondego n. 13 com o
dem de esparmacete a 56o rs. a libra, e em Sr- maJr Marcelino Jos Lopes.______________
caixa a 52o rs. com 25 libras.
Papel o melhor que se pode desejar para os
Srs. empregados pblicos a 5,ooo rs. a res-
ma, j se vendeu por 7.ooo rs.
dem almaco pautadoelisoa3,ooors. aresma.
dem de peso pautada e liso a 2,5oo rs. a
resma,
dem a zul de botica ou fugueteiro a
a resma.
dem embrulho de 1,2oo a l,4oo rs. a resma.!
Ameixas francezas em latas de 1 */ libra a
I,2oo e 800 rs. a libra.
res
A
Vende-se tenas e lijolhos pelos preeos que ot*-
recerem os compradores, sendo dinheiro vista .
as olarias de Jos Caruciro da Cunha, ra dos
I Prazeres, nos Colhos.
2,oo rs.: g^ggyr--g^--^y___... ____.
ESOEAVOS FGIDOS.
Fugio na noite de 23 do correte julho de
1864 o escravo Jos, preto, crioulo, de 26 annos,
baixo, corro regular, beicos erossos e estufados.
dem em frascos de 3 libras a 2,ooo rs., so o, or.-liias pe.iuenas, e cachaco erosso, pouca barba
frasco valle l,ooo rs. tambem temos em; porque tem apenas na poma do quuixo, levouduas
; calcas, urna branca e ouira de castor escuro que
! parece preto, de listras, paletot preto, sem camisa
: e com ama c'arapuca eucarnada na caneca, a laia
, de marujo : quem pegar leve-o na Direita n.
;o4, que ser generosamente recompensado.
Fugio na tarde do dia 16 do crreme um
' escravo pardo, de nome Marcos, desembarcado
do hiato Santa Auna, vindo do Aracaty, tenite
! de idade 28 annos pouco mais ou menos, eos sig-
naes sepuintes : altura regular, secco do corpov
pouca barba, cabello crespo, levou camisa e
dem de outras marcas preta e branca a 5,5oo, caica de algodiosinho de risrado azul echa-
e 6,000 rs. a duzia e 5oo rs.a garrafa. peo de palha, tendo levado comsigo umatrooxa
Vassouras de piassava com 2 arcos de ferro'com mais roupa, c rendido de urna das venlbaa
frascos para 1,4oo rs.
Conservas inglezas a 8oo rs. o frasco.
Mostarda preparada em potes muito nova
2oo rs.
Molhos inglezes a 8oo e l.ooo rs. o frasco.
Cravo a 48o rs. a libra.
Cerveja Tenente verdadeira a 7,ooo rs.
duziae 6oo rs. a garrafa.
vindas do Porto a 32o rs.
Cebollas muito novas a I,ooo rs. o molho e
8oo rs. o cento.
quera o apprecnder queira leva-lo ra da Madre
de Deus n. ;i8. ou ra do Brum n. 55, que ser
recompensado.
Fugio do engenho Guerra de Ipoiuca um es-
Geoebra de Hollonda em frasqueras a 6,000 cravo de nome Jos Moni*, estatura baixa, e
crinnlo : quem o apprehender on der noticia no
dito engenho, ou na ra da. Aurora em casa do Sr.
e 56o rs. o frasco,
dem em botijas a 4oo rs.
dem era garrafes de 14 garrafas a o,2oo rs.
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a groza e 2o rs. a
caixa.
dem de dentes lixados em macos grandes
com 2o rs. o macinhos a 12o rs. o masso.
Cominhos muito novos a 32o rs. a libra e
lo.ooo a arroba.
Sag muito novo a 24o rs. a libra.
Cevadinha de Franca a 18o rs. a libra.
Mlbo alpista a 14o rs. a libra e 4,5oo rs. a
arroba.
Gomma a 28o rs. a fibra e S,4oo a arroba.
Peixes em latas al,ooo rs. a lata j prompto
a comer-se.
Farello de Lisboa marca N. e Biato saceos
grandes a 4,ooo rs.
Doce da casca da goiaba a 6oo e l,ooo rs. o
caixao.
Elias Raptista
compensado.
da Silva, ser generosamente re-

0 proprietario do grande armazem Uni5o e Commercio declara aos seur fregu
ze e amigos e ao publico em geral, que pare facilitar a commodidade de todos estipulou
os mesmos preeos nos seguintes lugares:
Unifto e Commercio ra do Queimado n. 7.
O Verdadeiro Principal ra do Imperador n. 40*
- Gomma de mandioca.
Vende-" na rna da Madre ae Dos n. 38, ar-
mazem.
Gomma
mnito superior em barricas: vende Francisco Go-
mes de Mattos Jnior, na ra larga do Rosarlo nu-
mero 2*.
Superior cal de Lisboa
Vnde-se superior cal de Lisboa a mais nova
qne na no mercado tanto em poroao como a reta-
lho per 1 ralo preco, afliancando-se aos compra
dores a superior qualidade: a tratar as seguin-
, tes ras : do Crespo n. 7, Imperador n. 28, Porte
! do Manos armazem do Sr. A vi lia defronte do tra-
i piche do algodao.
Fugio do engenho Pombal, no dia 18 de nBBo
prximo passado um cabra de nome Matbias, dUBi
os signaes seguintes: cor fula, corpo regular, con*
pequea barba no queixo, tem urna das pernas
mais grossa que a outra, de urna ferida, e tem um
dedo do p por cima do outro: quem o pegar lev-
a seu senhor no mesmo engenho, ou em casa do
Sr. Manoel Alves Ferreira, nesta praca, que sera
bem recompensado. No dia 20 de julho prximo
passado fugio do mesmo engenho um cabra do-
nme Joo Canuto, este escravo bem conhecido
que foi do Sr. Francisco Accioly de Gouveia Lins,
tem os signaes seguintes : cor cabra, corpo gros-
so, est bocando, tem as pernas nm pouco gambe-
tas, j foi visto em Ponte de Ucha o Monteiro :
quem o apprehender pode cntender-sc com o Sr.
Francisco Accioly de Gouveia Lins, ou no escrip-
torio do Sr. Manoel Alves Ferreira, que ser bem
recompensado ; o primeiro ter 30 annos, pouco
mais ou menos, o segundo 20 annos._________
Fugio na manhaa do dia 3! de agosto de ICO*.
Miquelina, crioula, de idade 24 annos, pouco mar
ou menos, estatura regular, cor fula, tem o andar
pesado, e mette um ohe por ontro, levou vestido
de la escuro, chales de merino matizado e novo :
pede-se as autoridades policiaes e capitcs de cam-
po a apprehensao da mesma, e a levera ra do
ragao n. 8 ou 15, que se gratificar generosa-
mente^___________________________
-: Fugio na noite de 22 do mez prximo passa-
do una escrava mulata clara, de nome Suzana, a\>
idade .'.'i annos, baixa, corpulenta, com alguns pan-
nos pretos pelo rosto, cabellos crespos o cortados,
costuma intitular-se forra, e procurar servieo co-
mo ama de casa particnlar: roga-se a qualquer
pessoa, aos capitaes de campo e polica que da
mesma derem noticia, serao recompensados na ra
da Praia, armazem n. 55, oa na roa Imperial nu-
mero H.


*


f
'
Diarto de Peraaariraett Tcrfe* tetra A 4e ftetemhro de tt4.
LITTEMTE.
Ah lite dise Jayme cem voz moribunda, peiras, forro, forro e meio e soalhp,paraconstruir
1 vingapt GerfeMd; mas sabia moio bem qne seria pyramides na ra Amelot e no passeUj Beauraar-
1 mortoem (fuello.
Hkkmque. RlE VlKliF. -
(Revtie de Denx londs.--=Traik. de A. de Me-
doea.)
As ozes iuiima tkJaiuic.Lamberl.
IV
(Conduso.)
Senhor. disse Mr. .le Girard rom bondade, .
parlo amanha, o lalvez no nos lomaremos a ver q progreso 011 a Ierra em deseoucerlo por M.
chais. E pensara que a naturefca nao se ha de
yingar, ella que se vioga de tudo I
O homem nao tem luz I preciso allumiar-se.
Tem falta de azeile I preciso gaz. Inventen) gaz.
O gaz o solj a oliveira da Europa do norte.
Muito bem nao ha nada mais fcil do que ar-
ranjar gaz. lia gaz em toda a parte. Desde o dia
era que o globo entrou em tusan, dorme o carvao
de pedra as entraabas dos montes. Dcpressa I
mai, Pois bem,; eu vb-lo con/esso, procuro c im Wttj.
curiosidad* omolivo i repugnancia que existe en- Quando Deus povoou a" trra (perdoem-me por
tre nos. E' preciso, qn.uido r-flino nieto, qoe ja comwar sl0 de m ^ ^ ^ um
nos tenhamos encpnlrad entalgnoia emergencia ,,rande |u|ari. guaroi.c(fo'e n5o teve a ideVtlc trepemos as montanhas
pereitameuta es.jiucid de pos, < em que, a nosso oxgr aluguiT, eom a condigo, porm. de re
pezar, tenhamos lido oceasiao de queixas rec.pro- pellar 0 Hquj|in0 os moves da casa na0 os ven.
cas. der nem por gr so nem a retalho, tiem deteriora-
Tcnho tido egnal pensameiito, replicn Jay- |os por (1UH,quer maneira-
me. e admiro como, entregando-nos as mesmas in-1 Segundo as intences do divino propietario, nao
dagacoes.chegamos a concluses idnticas. Na ver- devia 0 nomem Rabilar senao as zonas do sul e as
dade, j nos encontramos. proximidades do mar. Houve profuso de med-1s,afford e WariSton' 1ue se revolta o -
Mas aonde ? E' o que ignoro absolutamente. ,errane0f) de ocanos e de raios de sol, para que "
Ah est I F.sperae. jtllgo que ha lugares co-1 0 Deneflcio da localidade ehegasse a todos, contau-
mo pessoas. Taes paisagens que vemos pela pri-1 rto com todas M eventualidades provaveis de popu-
meira ve?, comtndo nos sao familiares. E' qu |ai>i(( cresctnle.
Dito e feito.
A Europa declara .guerra aos seus montes. E'
preciso que a Europa tenha sempre alguma cousa
que destruir ; se essa alguma cousa faltar, sempre
ha de haver deslruieo por alguma maneira.
Abaixo as montanhas t Ali est urna entre
despertara, em nos directamente ou por analoga
.lerabrangas quasi apagadas, e que preciso prin-
cipalmente um certo estoreo de memoria para tr-
narmo-nos a apossar deltas. Esta paisagem, por
oxemplo, vivamente me impressionon ; medida
que a neblina, atravessando a fileira de salgueiros,
ganhava o horisonte, este se transformava em met
pensamento e servia de quadro urna aventura
que presenciei na California. Supponho que esti-
vales na California. Perianto essa aventura vos
codera interessar, e se consents, vou refer la.
Sun, disse simplesmente Mr. de Girard.
Represeutae bem os lugares: direita mou-
tas de arbustos um potico rentes como estas, es-
querda o mar atravs das arvores como esta pa-
Dicie coberta de neblioa; na frente urna pequea
casa solada semelhaute a este pavilho de caca.
Eslaes vendo ?
Sim disse Mr. de Girard, apparentemenle
muito tranquillo.
Pois bem Eu me diriga para perto dessa
casa a um rendez-vous, para o qual fura convidado
. r>or um dos meus amigos. Ellejlespedia-se deum
raulher que amava, e eu derla aeompanha-lo na
ja sortida, porque elle tema que o marido nao
lie livesse posto alguma emboscada noute. In-
felizmente eu me tinha demorado um pouco em nm
r-.onte de S. Francisco onde tivera lugar urna sce-
ua de desordem.
Jayme parou de proposito. Mr. de Girard incli-
nou-se vidamente para o seu lado, mas nao pode,
na escurido, distinguir as suas feigoes tanto quan-
to talvez teria desejado.
__Anda assim ,proseruiu Jayme. cu caminhava
Min inquietago e approximava-me da casa, qaan-
do a cincoenta pa?sos pouco mais ou menos, na
distancia daquelle matto, um tiro ribombou que at-
(ingia o meu amigo na sombra e estendia-o
ciorto.
A estas palavras que Jayme pronunciou em voz
alta e como se tivessem sido um signal, urna deto-
oagao se fez ouvir no mesmo lugar de que elle tra"
tava. e um vivo trace de luz sulcou o cami-
nho.
Mr. de Girard agitou-se como a um choque raes-
. aerado, saltou para traz, tolo preparado para defen-
der-ee, eempallideceu extraordinariamente Alan-
do em Jayme olhos espantados.
Ah I eu eslava certo disto, exclamou Jayme
caminhando para elle, vos sois o assassino de Ger-
fcaud.
Porm, Mr. de Girart|no|respondeuJ;iesla aecu-
saeo. Elle encarava sempre a Jayme. A sua per-
lurbacodissipavasegradualmente. Baten na tes-
ta c por sua vez exclamou quasi com alegra:
Emfim j sei aonde vos vi. Foi na estrada
de S'- Francisco quando subies o talud com os vos-
sos homens.
Entaoconfessaes?...
Que? pergunlou Mr. de Girard como surpren-
dido da pergunta.
Que sois o assassino do rneu amigo ..
Mr. de Girard tinha recobrado a sua tranqnllli-
dade. Com tudo hesitou em responder.
E porque? disse anal. Mr. de Girard era o
amante de minha malher. Matei-o. Eslava no meu
direilo. Nao sou asss louco para me bater com o
Nao ha nada mais natural do que pensar que
Deus nao fez o maro mar, essa cousa bella e es-
plendidapara que a gente o fosse ver ahi do alto
de qualquer monte.
O interior das trras nao foi inventado seno pa-
ra servir de contra-peso ; mesmo porque o globo
nao poda ser todo de agua pura.
Como se v, o dominio primitivo do homem era
vastissimo e de maravilhosa belleza.
Mas a loueura da especie humana revoltou-se eternas, peneirar as agnas de cea e valer s ne-
mem. Nao quer largar o carvao de pedra, a pobre
montanha. Que doadice 1
Venha um regiment de mineiros!
D-se o signal de arremeter, os clarins inglezes
tocam desafinados, segondo o seu costume ; can-
ta-se, com mais desafinacao ainda, o God save the
King, e como um grao de area desapparece o mon-
te da superficie do globo. Foi queimada viva essa
montanha. Accendi en urna manhaa o meo ci-
garro n'um pedaeo em braza.
Agora j os montes sabem o que lhes acontece.
Pensavam que haviam de ser montes toda a sna
vida, brincar com as nuvens, conservar as neves
contra os acertadisslmos planos do Creador.
Appareceram sugeitos que, por febre de tedio,
arranjaram um dia urna bonita paixo pelos paizes
sugeitos trindade dominante da chuva. da lama
e do fri.
A Asia entornou as povoacoes da sua immensa
planura sobre as nevoenlas estradas que descem
para o polo.
O Canease, o Ararat, o Himalaya encarregaram-
se de povoar a Finlandia e a Islandia, que o Crea-
dor tinha reservaao para os ursos brancos, para
os rangiferes e para os albatrozes, e nao para o
capito Parry ou para o capitao Frankiin.
Foi assim que n'um bello dia encontraram al-
guus vadios ama i 1 ta. de salgueiros no meio de um
riacho, e disseram :
Isto nao perlence a nnguem por conseguin-
te seja nosso I
E cortararn os salgueiros e levantaram casebres
com lama que tinham farta. Entregavam-se s
delicias da pesca, e apanharam muilos rheumatis-
mos, em familia, entre duas agnas.
Foram tendo descendencia at que, algum tem-
po depois, eio aquelle Rrande philosopho de Ju-
liano Apostata, que disse:
Aqu est um bonito paiz, muito hmido,
muito chuvoso e coalhado de pantanos. Vamos
enriquece-lo com urna casa de banhos, embra o
eu e d trra se (euhara incumbido de banhar a
populacao.
Juliano Apostata construa banhos thermaes e
urna ponte.
Depois vieram l'haramundo, Clodion, Meroveu c
Childerico, todos uiuito cabelludos por causa dos
delluxos do paiz. Tornaran) posse da ilba de sal-
gueiros e de toda a lama e de tuda a agua lodosa
que a cercava.
Tem sido setenta, como esses, os que tem por-
fiado em aforaiosear o lodo.
E' verdade que foram inventados os guarda-
chuvas o os tamancos articulados.
As trras bonitas tem sido cedidas generosamen-
te aos tigres, s panlheras, aos elephantes e aos
rhinoceronles.
Apartndose por este modo das leis primordiaes
da nalureza, foi mister que o homem se pozesse
em estado de defeza permanente contra toda a
casta de inimigos invisiveis.
Entao romecou o duello sem fim entre o homem
e a natureza, hita de morte em que a natureza
nunca morre f Foi preciso pedir couracas El-
beuf, sedan, Louviers, pannos Ruo e
Mulhouse, flanellas Reims, sedas I.yon, capa-
cetes aos castores.
Foi necessario levantar fortalezas que nos abri-
gassem dos trinta e dous rumos do vento, e nos
defendessum contra a perpetua invasaO dos agua-
c deshonra.... Porm nao mais leeiros, da nev, do granizo, da chuva, da sarava,
delle que se trata, de nos dous. Agora compre- j que a benfica natureza tem sempre para nos, co-
l.endo o vosso proeelimonto. Ha tre^ mezo?, qu
me tendes perseguido, que tendes observado o me- Quando descubrimos urna nova arma de defeza
A industria de-
minas de ferro na Snecia. Era urna razao como,
aualquer outra, J ,-v -* .-r-
A Suecia anda tem rauitas minas de ferro. Mas
j nao tem as sufflcientes para continuar a mere-
cer a aJIeicao da bussola, e isso proTavelraenle
por causa das exportagdes.
Nao abracamos com enthusiasmo este systema,
apezar de quadrar muito com o nosso.
Com licenja dos eruditos, a agalha magntica
obedeca a leis que nao eram as lea da Suecia. A
sna accio mysteriosa era dirigida por urna furga
oceulta, que tinha um lugar as harmonas di na-
tureza. Ora, cacophonisando-se essas harmonas de
dia para dia em consequencia das nossas tolices,
quem se ha de admirar das variac/ios da agalha ?
Ser preciso ir Suecia paradescobrir a raiz do
mal?
E note-se que isto anda nao senao o principio
Deitem os olhos para a quarta pagina dos periodi-
periores em numero e ejT^disciplna ao exercilo
egypcio de 18't, mais bem cfmmandadas e bem
munidas de artilharia ?
Alm disso, o desfecho da guerra da indepen-
dencia nao demrnsirou aos Cretenses que a sna
sorte, se se tratar de ama reforma poltica no
Oriente, est menos as suas proprias mos do que
as das potencias, e que nenhuma provincia pode
agora desligar-so do imperio turco sem o consen-
timenlo da Europa ?
Os Gregos cretenses, a jotgaMe peloprocedi-
mentoquetcn tido as desordens destes ltimos
annos, uo sao destituidos de criterio e de tino po-
ltico.
(ConUnnar-se-ha.)
UM POICO DE TODO.
L-se no Jornal de Lisboa o que segu :
Pula primeira retelo do ministerio da mari-
nha se annuncia o seguinte :
Por parlicipaco do intendente da marinlia de
eos, e trema pela sorte dos netos quem tiver ne- Faro consta que os ltimos temporaes abriram na-
tos, principalmente se elles forem marioheiros. O' quelle porto urna nova barra entre a barreta e o
homem ordenou trra que lite dsse tudo o que Cabo de Santa Mara, a O. dopharol do mesmo Ca-
linita de superfluo, desde o cedro al ao hysopo, bo, na distancia de 1|2 mima.
or indicio. Acabaes boje de estender-me um lace,
e me fizeste cahir nelle. Denunciar-me-hels ma-
me boa mae, no seu inesgotavel thesouro.
Quando descubrimos urna nova
para enriquecer o nosso arsenal, levantamos gri-
Itos de alegra, bradainos-viva o progressol,
nia e logo depois talvez me susctarieis poi'^causa. | abra^.amos UI1S aos ootros, felicitamos uns aos ou-
tros, glorilitamos o engenho do homem, que o
nosso engenho ( parte o amor proprio), como se
todas essas bellas dejcoberlas nao revelassem a in-
curavel miseria da nossa posicao; porque os ho-
deste farto um processo que me encommod ira-
la que sabis o meu segredo, preciso que eu vos
mate.
Ah! disse Jayme com irona, lamentavel,
nao tendes arma, porque certamente me assassina-
reis como o fizeste a Gerbaud; mas, deseancae,
uo vos entregarei justca. Gustara muito, e po-
derles escapar. a mim que pertencevngaromeu
amigo, e consinto en bater-me comvosco.
Portanto
rard.
Al amanha, respondeu Jayme.
mens mais felizes sao os que nao inventam nada;
os mais bellos paizes sao aquelles onde o sol toma
sua conla as nvencoes.
Ora, inventando continuamente, melhorando e
sobretudo estragando, parece-me que vamos a ga-
at amanhaa! exclamou Mr.de Gi- lope para Qin cataclysmo universal.
Nos lem|)os de f, dizia o homem Deus : Re-
novabis faciem terree, tu renovars a face da
Tornaram a entrar no salo. Desde quando se j trra,
decidir este duello, Jayme estava livre das suas noje, que o homem j nao se d ao trabalho de
rresolucoes. Contcmplava o perigo cara cara e !dizer a|gUma cousa a Deus, encarregou-se elle, o
nao o tema mais. Approximou-se alegremente de fl.ag| n^na^ de renovar a face desta trra, nao
Achules, e contou-Ibe o que tinha-se passado. Ao (no gentjdo figurado, mas no proprio. D'aqui
principio Achules atterrou-se; mas vendo o seu mais alguns annos nao reconhecer Deus o globo
amigo com a conanea nos labios, cobron animo. | (jUe Ihe sahiu das maos.
Quando muito, Jayme ficaria livre dando urna cut- j 0 hornera, animado pelas academias das scicn-
lada. i cas, iiuaginou que poda impunemente virar de
Achules pensava que ao menos, de entao em i baK0 para cima 0 S(JU pa|ac0 niobilado, guarne-
diante, o futuro do seu amigo, talvez a relicidade cer M agUas-furtada< com o que houvesse na ade-
de sua irma, nao seriam mais compremeltidos por j ^ |)lanlar na sa|a de visi[as aJ arvores j0 jar.
essas apprehensoes estranhas ^^Jlescrae>ta- d|m> ergucr 0 rez do chao a cornija dos ,enados>
e que todas essas devastacocs nao fariam nenhum
mal solidez do edificio.
Deus tinha semeado florestas, como sementes
de mostarda, as cristas dos continentes. Essas
florestas tinham l o seu papel a desempenhar.
Que papel t E' segredo.
cognita, por essas agitacoes d'alma que pesavam
ha tanto lempo sobre a vida de Jayme.
No dia seguinte, os adversarios, seguidos das
uas testemunhas, enconlraram-se. Mr. de Girard
pareca estar sob o dominio de um fri resentimen-
to. Quanto a Jayme, nao era mais o mesrao da
vespera; sem duvida as suas vozes intimas tinham
reapparecido durante a noute. Tomando a sua es-
pada, elle encarou doce e tristemente a Achules-
Este, assuslado, eollocou-se, com urna bengala na
inao, de maneira a interromper o combate ao mais
leve fermento. Infelizmente esta precauco deve-
ria ser intil.
Ambos os contendores atacaram-se com extrema
E' uma cousa que os sabios nao sabem.
O homem tinha fro, porque tinha dado ouvidos
s nsptracdes de Pharamundo, de Gui Inerme o
conquistador, e do czar Pedro, que foi chamado
Grande nao sei |>or quem, mas nao de certo por
niirn. 0
O homem, para aquecer os seus membros enre-
gelados por Pharamundo e pelo czar, comegou a
violencia. O jogo de Mr. de Girard era acantella-1 corUr as fl(jrecta5 e a transprtalas para as ci-
do o fulminante. Va-se que a colera o sobre-ex- dades> ^^ slo vendidas a tres achas por um vin-
citava, mas nao o cegava. Jayme manejava a sua ^ J que no la mui,0 bara|0i gem querer {a.
espada com ardor febril, s procurando ferir de-i zer'offensa Pharamundo.
pressa; e cubrindo-se mnilo mal. Logo foi rendo, ^^ fli)resUs nobres arvores que vivam
porm cahindo estendeu o bra5o, e Mr. de Girard, I u mriS contand# reciprocairaente os
arrastado pelo impeto com que descarregava o gol-
pe em Jayme, varou-se de parte parte.
Achules tinba recebido o sea amigo nos bra
eos:
seus amores com vozes tao barmooiosas I
Nobres residencias abertas aos hymeneus das
avenabas 1 Ha um especulador que vera com nm
metro c um regisiro, e desfai as arvores em ri-
cessidades das fontes e dos rios.
cidiu outra cousa.
As montanhas devem desapparecer: nao Ocar
pedra sobre pedra ; sao escabrosidades que nos
magoam os ps.
Vamos corlar cada uma era duas para dar pas-
sagem aos camiohos de ferro ; depois pegaremos
nos dous mandos e fundi-lo-heraos n'um copo de
acido, como as perolas de Cleopatra. O globo de-
ve ser s uma planicie allumiada gaz.
Passeraos ao beturae.
At agora o betume s era empegado em poe-
sa, ou no Sermao do inferno; at havia gente que
no acreditava no beturae. Era assim uma espe-
cie de figura de rhetorica, que servia em certa*
occasioes para aquecer o discurso.
Mas de repente o betume toma um corpo e uma
alma; o emblema raaterialisa-se ; veste-se, de ac-
cionista, atravessa o passeio da ra Vivienne,e
vai cotar-se na Bolsa. Feliz Satanaz que tem la-
gos de betume, como diz Bossuet Qaem que
nao quereria boje ser Satanaz ?
Se eu fosse propietario de um hectare do in-
ferno, tinha certo o paraizo.
Vamos comprar o Vesuvio e o Etna, que sao
snecursaes do ioferno, e vamos leva-Ios Bolsa.
Precisamos de vulcoes para o calcetamento das
nossas ras. Os vulcoes tem-nos queimado por
mnito tempo. Queimemos nos agora os vulcoes,
calquemo-los aos ps, esmagaemo-los era pedras
de calcadas.
Mas, por fim de cuntas, parece que no se deve
censurar esta furia de descoberlas, que concorrem
todas que passemos uma vida mais aconchegada e
menos spera.
Porm no essa a questao, e se nos demos ao
trabalho de subir at creaco do mundo, no foi
para examinar o betume e o carvao no que diz
respeito a um accionista. Vamos aojnosso fim. E'
provavel que o Inventor nao pare em tao bom ca-
rainho. f
lio ha j sociedade de descobrtmentos 1 \ uma
propaganda que vai prender o mundo as garras
como o escaravelho dos egypcios.
O que que vo descobrir meus senhores ?
No sabemos. O mundo nosso, e o mundo
est cheio de segredos. Vamos esquadrilhar o
mundo, explorar o ocano virar e revirar as Cor-
dilheras, causticar a frica, desde Marrocos at
Constancia, e a America, desde o eslreito de Be-
hring at ao cabo de Horo. Descubriremos tudo,
dividiremos o planeta om accoes, levaremos o ne-
goeio Bolsa de Paris.
Este pobre planeta, que gyra tao lerdamente de
redor do sol, ha de ser cotado. Ter a sua alta e a
sna balsa. Arrancar-lhemos os intestinos at ao
ultimo, as corcovas al ultima ; no Ihe deixarc-
mos senao a crusia, porque carecemos de um pa-
vimento. Deixem-nos trabalhar ; deixem-nos des-
cubrir ; vamos arranjar um globo, apezar de ter ti-
do Deus o amor proprio de pensar que o seu era
bom : Vidit quod esset bonum-
Pois entao avante, senhores exploradores; vos-
sas senborias j deram aos elementos superiores,
ou por mcihor dizerao nada, incalculaveis massas
de florestas e de carvao de pedra que representa
vam alguma cousa no peso especifico do globo.
Continuera assim a fazer mais leve o nosso plane-
ta, como se a cousa fosse com Saturno; queimem
as montanhas as suas caldeiras, assim a modo da-
quelle Mcromegas que comia montanhas a ceia.
Mas bao de concordar no seguinte : se continuar
o impulso dado a taes explorares; se o homem
se julgar obligado, para viver melhor. a consumir
uma montanha durante a sua vida para aquecer-se,
allumiar-se e ter calcadas; meio seculo de con-
sumos de tal ordem ha de fazer grandissimo des-
arranjo na harmona pre-estabelecda.
O estatuario que tira da pedreira um pedaeo de
pedra para fazer a sua obra, no faz mais do que
deslocar a materia; mas vossas senhorias no des-
locam, anniquillam, limam o globo na sna superfi-
cie, cavam-lhe as entranhas, o no Ihe do nada
em troca do que Ihe liram. De maneira que s
Deus, que pesou a trra na sua mo antes de Ihe
dizer:Gyra! que sabe quanto preoiso sub-
trahir desse peso primitivo que entrava na condi
gao da duraco, da vida, da solidez deste pobre glo-
bo defraudado to levianamente por especuladores.
J ha quem se queixe do estar mudada a ordem
das estacoes, de no poder ninguem contar com o
sol, de ir o invern passar o verao no norte, de
faltarem os ventos geraes no tempo proprio, de es-
quecerem as moncoes sua antiga exactido, em-
tim de no marchar cousa nenhuma na natureza
como era oulro tempo.
E eu acredito que seja assim.
E o que no ser depois deste seculo de accio-
nistas que hao de vender o globo emleilo? En
declaro que no llcaria muito admirado, se o sol se
esquecesse de nascer d'aqui a um scalo.
Vou dizer urna cousa mnito grave que est acn-
tecendo.
Aqu ha lempos foi sorprendida a bussola em
flagrante delicto de distraccao. A agulba magnti-
ca doudeja e vira as costas ao norte, e tem razao
Os sabios lem escripto memorias para provarem
que a agulha no deveria desviar-se dos seas prin
cipios.
Entretanto, a bussola vai-se desviando, e nn-
guem sabe em que vira a dar esta vagueacao.
Os eruditos eram de opiniao que a aplha mag-
ntica se* vira va para o norte por haver muilas
desde aperla de Ceilo at ao vil carvao de An-
zin, e a trra obedecer. Que querem que ella
faga?
E olhem que no se insulta impunemente um
planeta por muito pequeo que seja.
A bussola encarrega-se de despicar o globo, e
diz:
Ah, vossas senhorias querem que os seus na-
vios sulquem os mares para o commercio do car-
vao de pedra, do betume, do pinho, emlim, de tu-
do? Pois bem! a bussola vae dar a sua deraisso.
E" se a bussola desvairar, como que ho de go-
vernar-se ?
Tem a dita barra de comprmeme N. a S. 130
metros e de largura 32.
Pruma-se nella, em mares de aguas vivas, era
4 m., 5 e em mares moras, em 3 in., 2.
No extremo septentrional ha um banco de figu-
ra curvelinea que atravessa a barra do NE. ao SO.
A sua largura meda de o m. 5.
Reste banco pruma-se, em agoas vivas, em 3
m., 1 e, em aguas moras, em O m., 6.

Pela direccao do ministerio da marinha se faz
Ihas, que o triumpho pareca dever coroar os seu;
esforgas.
Neste momento, os apostadores a pos t,iran fortes
sommas de uma parte e de outra. Porm a im-
petuosidade franceza la (une franeis e perdeu
mnito na partida, e a metade da.distaacia o fran-
cez comegou a enfraquecer.
O Inglez, mais prudente, tinha-se ponpado e al-
cancou o seu competidor, cujo cansaco era vlsvel.
^ Foi neste momento que as apostas foram na ra-
Si?S lres |)a,il um Pel nadador ioglex.
fcffectivamente, o partido tornava-se desegual e
o campeo francez mostrava tanto cansaco, que o-
pairees das barcas que seguiam os intrpidos as
dadores Ihe offereceram toma-lo para bordo. Po-
rm a coragem venceu o cansaco pfrysico e elle re-
cusou render-se, continuando a luta, por assim di-
zer, entre duas aguas.
Nestas radicos, o triumpho do Injtfez nao era
duvidoso, e, effectivamente.cbegou prmeiro ao (Ira
era I hora 5G minutos e28 segundos.
E' o maier trajelo a nado de que ha memoria na
Inglaterra.
Quando chegaram os dous lutadores.. esavarr;
n um completo estad. de prostracao, que pretau-
efles hbilmente tomadas no tardaram a fazer es-
apparecer.

Tendo fundado e infante D. Fernando, governa-
dor que foi de Fbtndres. e irmo de Philippe IV, o
delicioso palacio chamado hi zurzuella por motivo
dos matto* zarzales- (sanaos) qoe no sitio haviat
as immediayes do real sitio 6o Prado, de que
agora forma parte, e tendo o infante concluido em
173G o palacio que ainda existe, principiou a dar
publrco o seguinte aviso feito pelo senado de Ham- a] ao re e rca| familia magnificas funeces, c en-
burgo aos navios de commercio :
E' o sal do Evangelho applicado agulha mag- I**60" edi,al SB fez Publi I, Perto de
netica:
Si sel evanuerit, nomodo salietnr f
Com que salgaro quando no tiverem mais sal ?
Logo qne a bussola chegue ao estado de tremelga.
e que se eonverta em agu ha ordinaria a agulha
magntica, acabou-se o mar para os sabios nave
Cuxhave, Se levantaram duas bateras na praia.
Logo que esliverem completamente armadas e guar
tre estas espectculos tbeatraes de eanto e repre-
sentacao, que tornaram o nome de zarzuellas, era
conseqoenca do sitio em que se davam.
Julgase que o infante introduziu em Hespanha
necdas, oque se elevar a effeito em poucos dias, esles espectculos, imitando outros que se davam
e quando al fr cada c saudda a bandeira- do al- j em Florenca.
mirante, todos os navios que passarem as bateras, Accrescenta-se que o celebre Caldern foi dos
em quanto ndla estiver icada a dita bandeira, de-1 primeros que se oceuparara- destas composcr*.-
vrico-dramaticas.
gadores. Os marinbeiros que, fiados em Eulhyme-; vero igar a sua bandeira ; e se ferem chamados
nes e Pythas, qu.zerem entrar sem bussola no al-, Pe' escaler do registro, deverao pairar ou ara-
lo mar.passaro toda a vida a procurar oraa liba, vessar e seSuiras ^ um cabo ou um porto. O commercio soffrer raai- Depois do sol posto deverao os ditos navios mos-
to as suas relacSes internacionaes. | trar as luzes (ite esto designadas no regula-
Temos ama catastropne sm perspectiva, um- ca-
taclysmo inevitavel; mas seremos allamiados- gaz
e andaremos por cima de um velludo de betume
iremos em quinze dias do Paris Calcuta peloca-
rainbo de Oronte e do Araxe, e seremos felizes-.
Mas nossos netos tero a probabilidade de ver o
globo partido en dous no eijuador, como se fosse
urna laranja.
(Cemmercio do Porto.)
t ILIIA DE eiffiTA.
Recerdaces de viagem.
II
Os habitantes : Turcos, Gregs e Sfakiotas.A ilha>
depois a guerra da independencia.
(Continuag*)
Os Gregos cretenses, a todos os respeitos, pare-
cem-se muito com os seus irmaos da Koumelia e
das nutras iibas ; sao egualmente astutos, matrei-
ros, mentirosos quaodo a mentira lhes parece til,
e tamben interesseiros para no dizer vidos. Com
tudo isso, sempre tem maneiras e linguagem mais
digna, mais franca e mais nobre do que os outros
Gregos sujeitos ao solto.
Na sua atttude para eom os Turcos, seus senho-
res, no ha esse temor instructivo que transparece
sempre as palavras, nos gestes, em toda a physio-
miu do raia quando est adiaote de um musul-
raano.
Ao v-los eouvi-los,conhece-se que sio homens,
que sabem combater e que o ten demonstrado, que
ronflam as suas forgas, e que em vez de terem
medo fazem-se antes temer.
Os Gregos de Creta cada vereeonhecem melhor
que esto no caso de exigir privilegios, attenges
particulares, o que j se cunta com elles. Ha mais
de vinte annos que nem s a elles permiltido ter
sinos, como ltimamente a todos os ratas do im-
perio, que os lem por toda a parte, e os tocam com
todas as forgas.
Os medjires, esses conselhos mixtos, euja orga-
nisago eattnbukoes j tentamos descrever, em
muitas provincias'da Turqua nao sao mais do que
uma fiego constitucional} porm em Creta pres-
tam verdadeiros servigos, e os christos do mu'.ta
impomncia ao direito que lhes conferido de se-
ren ali representados pelos seus primazes. Nos
outro* lugares, os raias, introduzidos no conseitio,
tremen em presenca dos seus collegas Turcos, lw
ment.
Hamburgo, ide junho de 1864.O senado.
m #
Um jornal bespanhol refere a historia de um ca-
valleroque alcangou uoi meio bem extraordinario
de livrar-se dos credores importunos.
O dito cavalleiro tem um amigo, que o estima
muito, e que vive-era sua companhia, e cuja nica
obrigago em casa daquelle a seguinte :
Senta-se em uma cadeira no gabinete de amigo
todas as vezes que entra algum credor, com o ar
furioso destes enles ferzes.
O dono da casa recebe o credor com-um cum-
primento, e diz-lhc, 3?ontando para o amigo.
O senhor ha de permittir-me que fmalise a
minha conversago cara este cavalleiro. que tam-
bera vem reclamar-me certa quanta.
E diriglndo-se ao seu amigo, esclama
J disse ao senhor a mais de uma hora que
nesta occasio Ihe nao posse dar um real, e j o
preven! de que a paciencia tem limites, e que nao
quera ver-mc obrgao atira-lo pela janella fra.
O amigo responde ao dono da casa: este respon-
de mais alto, e depois de se dizerem mi! impro-
perios, agarra aquello per meio do corpo e atira-o
pela janella.
E voltando-se tranquilamente para o credor que
est esperando, diz-lho :
Agora estou as suas ordens. Porm-o- cre-
dor retira-se apressadamente.
O amigo torna a subir, porque o quarto pri-
meiro andar no pateo para onde d a janella, tem
o dono da casa enllocado um toldo bem atado so-
bre o qual cahe o amigo, sem risco algum, ainda
que talvez venha a quebrar alguma perna em ho-
locausto amizade.
m-se o mais possivel, e lirailam-se a opinar, ..... '
ido com o barrete ; nunca seriam capases, bases em geral exacta.-.
O governo italiano acaba de publicar os resul-
tados do primeiro recenseamento geral ejecutado
no reino, depois das annexacoes que o constituram
no seu estado actual. Daremos aos nossos^ leito-
res os nmeros mais inleressantes desse curioso
trabalho, que parece ter sido estabe'.eoido-sobre
O reino da Italia abrango urna populago de
milbam
acenan_
de manifestar um parecer diferente do do funec-to
S^^STS'tJFJtvS^ < W ?:33* ai-, E', perianto, a einta potencia
Como me dizia um Grego. aqu fallase aos Zurces | da Europa pelo numero des seus habitantes, supe-
como turbante inclinado sobre a orelha. ] rior ao da Hespanha, cujo territorio, duas vezes
Com effeito notavel a frauqueza e libertad*i dos (naji. (,xtens0 e ao da prussia, cuja superficie tam-
Gregos cretenses as suas conversagoes com os I ur-
cos ; com"Yodo" Vdesmbarago fillam diante dos bem mais cousideravel.
A Italia, completamen-
TurcosTe "at ioni%^mMnios7dos"acon^imfiOlos te unificada, conlaria 27 milhoes te habitantes,
da guerra da independencia, e, era vez de A popu|aQio meJia d(J uma coanilina na Italia
de 2:821 habitantes, em quanto que em Franca
s de 973. Em cada 300 hilemetros quadrados
abrange'J communas. Era Franca, pelo contrario,
contaiu-se 18 n'um espago de egual extensao.
L-se na forolucao de Setemdro o seguinte :
ABAIXO OS XAMOROS !
Despotismo policial n'"m acto.
(k aegao passa-se na ruadeArroios, s If oras
da noute.)
Scena nica.
lilla ( janella), e Joo Flix na ra.
EllaMenino; vem uma patrulla;
FlixDeixa-la vir ; aqui no se fabrica moed
falsa.
EllaMas podem implicar comtifo.
FlixComigo ninguem implica. Sou cidadao
e eleitor. Pago decima e estou ao- abrigo da>
carta.
Ella (com eiumes)Da caria ? Temos outro na-
moro ?
FlixNo, lilha, a carta constitucional que
diz no sei o qu- no capitulo no ?ei quantos a
respeito do que o cidado pode fazer ou deixar de
fazer.
EllaMas olba> que os soldados no lem cartas.
A- patrulha (proximando-se) Cue fe* ***
ahf?
FlixVoc? Estou conversando som uma se-
nhora que namro.
PatrulhaIsto-nao sao horas de namorar.
FlixAh! ento agora preciso tirar li-
cenga?
Patrulha-No respingue.
FlixAh voces nsuitam-me ? Vbudhes tirar
o numero, e hei. de fazer queixa deste despo-
tismo.
PatrulhaPois- j que to esperto venha
preso.
HellxSem culpa formada ?
PatrulhaQual culpa nem qualcarapuga Acom-
paube-nos.
FlixEm neme de que lei ?
PalrulhaAimi. no ha lei. A lei somos-nos !
FlixE' um despotismo !
Palrulha -L. gritar no calabougo (levando-o).
Ella (cahindo desmaiada)Ai o rneu Flix !
FlixDesaforo! Estamos nos tempos do Miguel
Alcaide !
L'm espectador (Cugindo)Mil vezes peior. Acal
case a le; a liberdade uma chimera, e a pri
ses assim urna arbitrariedade.
O cbroaisU acompanhando o ospectaori
Apoiado!
*
A um pae experimentado aconselhava umamigo
N.lo cases por ora teu filho. Espera que elle
tenha mais juizo.
Engauas-te. Em elle tendo.juizo que ni>
deve casar.
de fazer esquecer "as suas revoltas, parece que de
proposito procurara constantemente trat-las a lem-
branga de seus senhores.
Em quanto estivemos em Kissamo Eastel, rece-
bemos na casa grega, onde estivemos hospedados,
urna visita do mudir ; a sala encheu-se logo de
ociosos, attrahidos pelo desojo de assistir conver-
sago que la travar-se entre o primero magistrado
do lugar e os grandes personagens europeus que
tinham chejado na vespera Essos iatruzos met-
teram-se na conversa e d'ah a pouco tornaram
Falloa-se especialmente
No sul e na Sardenha onde a populacao esta
mais agglomerada, e a mais derramada as Mar-
ches e na Emilia.
A Italia aprsenla, termo, medio, 8't habitantes
nella a parte principal. Falloa-se especialmente kilmetro quadrado, numero superior ao da
nos incidentes da luta nos nove annos que ella du-1C .... ........
rou, e nos diversos
corabaT cTquese achara Franca e da Prussia, mais iaferior ao da Ing.a.er-
ra, linllanda e Blgica.
A Lombardiae a Sicilia sao as provincias onde
a populago tem tido mais rpido crescimento nos
ltimos annos. Depois a Sardenha e as provin-
cias napolitanas.
No Piemonte o crescimento de populago lem
sido mais lento ; as guerras de 14V.I e 1859 con-
esto ou aquelle dos interlocutores
O mudir era um vclho soldado, que viera para
Creta, havia mais de 30 annos, com as primeiras
tropas mandadas pelo pacha do Egypto.
Quanto eris vs em tal batalha 1 pergunlou-
Ihe um Grego.
c Eramos tantos.
t E quantos homens perdestes ?
jun&fi&a sswssss: <*-* *
frente a um exercito de 12,000 homens, dos quaes
elle fazia parte, e que anal o tinham vencido.
Fallou-se das montanhas de Sfakia e dos seus 111-
trasitaveis desfiladeros, e um Grego disse entao
sorrindo :
Para ahi que havemos de retirar-nos na
primeira vez em que nos atormentaren, e se qui-
zerera, que nos vo l buscar.
Por mais bem fondada que seja a conflanga que
tem a populago christa as suas proprias forgas
e na sua energa, tantas vezes experimentada, por
mais direito que tenha de contar com o abrigo das
suas mais altas montanhas, esloo convencido de
que ella andara errada, procurando, ou mesmo
no evitando com o maior cuidado, qualquer occa-
sio de por-se em lula aberla e armada com o go-
verno turco.
O primeiro resultado, o resultado certo e imme-
diato de urna insurrego, de uma nova guerra de
rehgio por toda a ilha, seria a rpida deslraicao i dj sommas fabulosas.
da obra lenta e laboriosa destes ltimos trrata an-1 n6*a> V"
nos, soria orna horrvel effuso de sangue e o dis- Carcter : Mel e ambroi
sipamente de quasi todo o capital que se tem ac-
cumulado na ilha desde 1830 por meio da agricul-
tura e do commercio, e por esse genio econmico,
que uma das princpaos qualidades da raga
grega
E
ltimamente nm photographo concebeu a idea
de fazer uns bilhetes para visitas, as costas dos
quaes se acham impressas as seguintes palavras :
Edade fortuna esperanca profissao- ca-
rcter.
Quando alguem quzer enviar seu retrato a uma
joven, ene he o carto preparado desle modo e que
(lea com um aspecto especial.
Edade: Vinte e oito annos.
Profissao : Empregado com 2'i0 mil ris, e as
mos um tanto sojas.
Fortuna : (A que se quizer) em renda diffe-
rida.
Esperanzas : Um lio na frica que padece do
No Commercio do Porto l-se o seguinte :
Fallava-se ha muito nos principaes clubs de Lon-
de mais, cora que fira os cretenses se expo- dres, conta o Sport de um match (aposta) a nado,
a esses soffrimentos e ruinas. Quererlam entre ara Francez, Mr. Herschell, da marinha im-
riam _
correr o risco desse pengoso lempo de desordem e perial e o capito W. H. Patten Sanners.
anarchia 1 i Este match leve lugar no sabbado 16, no
Adraitto que os Gregos cretenses alcangassera a '
principio bnlhantes victorias, e que em pouco tem-
po conseguissem encerrar os Turcos dentro das for-
talezas ; mas ficaria assim decidida a questao 1
Nao tem a Turqua agora uma esquadra vapor
por meio da qual, em poucas horas, podia fazer
desembarcar na ilha tropas regulares e muito su-
porto
Os dous concorrentes lutaram valentemente, e
ainda que as apostas em favor do campeo inglez
eram na razo de cinco para dous, o seu adversa'
ro tomou-lhe tal dianteira as duas primelras ml-
Pergunlava um militar a urna linda recoveira,
que fustigando a sua jumenta, segua alegremente,
o seu caminbo :
Aonde vaes, linda semae ?
A' minha aldea, senhor.
Levas muita pressa?
Bastante. Preciso chegar l antes de anou
lecer.
Podes levar-me urna encommenda !
Com todo o gosto, qual ?
Olha, dou-te um beije para o entregare* a. ute
amigo meu.
O senhor tem muita pressa ?
Bastante.
Ento d o beijona burra, que chega prmeiro
que eu ao povoado.

Contase uma interessante ancdota epouco sa-
bida, que se deu com Paulino Mnier.
E' um rasgo de patriotismo ingles que muitas
vezes toca os extremos da mais irrisoria irttanice.
Dispuoha-se o comedante francez a representar
em Londres os Cossacos, onde, como lodos sabem,
appparece no fim da pega Napoioo montado n'um
cavallo branco.
Ora, na noute da primeira representago, o dir
rector do theatro roandoa chamar o artista, e fallo u,
pouco mais ou menos nesles termos :
A cousa tem corrido s mil maravilhas. Con-
t cora um ptimo resultado. Quer o meu amiga
um triumpho, frenticos humas, urna fama immor
redoura ?
Se quero I Que hei de fazer para isso ?
Uma cousa muito simples o muito fcil : fa-
zer com qne, no fim daquillo tudo, appareca men-
udo n'um cavallo, to braoco como o primeiro,
Willinglon como imperador.

A semana passada inscreveu-se nos registros do
estado civil da cidade de Lioge, na Blgica, uma
menina a quem se poz o nome de Lucie Feer.
E" filha do Sr. Feer, offlcial da goarnigo.
v pae teve o capricho de juntar dous nome?, qne,
pronunciados em francez, dizem Lucifer, e que,
segando elle espera, formaro contraste com as fu-
turas virtudes da innocente creatura.
O ditoso mortal que por fim de tempos a tome
por esposa poder dizer que se acha casado com
Lucifer.
PERNAMBUGa-TYP. DE M. F. DE F. 4 FILHQ
-
L


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EL3AMUIC1_M4RD1A INGEST_TIME 2013-08-28T01:56:56Z PACKAGE AA00011611_10460
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES