Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10458


This item is only available as the following downloads:


Full Text
-
AMO U. ffglERO 202.
Por tres ezes adiau'tados 5)000
Por tres mezes reieidos 6^000
Porte o eof peio por tres mezes. 5750
.
.Mi y* lmtsir
^*3 ** l-
SABBADO 3 SE SETEMBRO D 1864.
isiooo
Porte ao corre por nm anno. 3|00
Por odo adietado.
1NCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO NO NORTE
Parabyba, o Sr. Antonio Alexandrino de lama';
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Aracaty, o
8r. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira; Maranhao, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues; Para, es Srs. Manoel Pinheiro & C.; A-
mazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
INGARREGADOS DA SUBSCRIPCAO NO SL.
Alagas, o Sr. Claudino Falco Dias; Baha, o
rr. Jos Martins Alves; Rio de Janeiro, os Srs. Pe-
riera Martins PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Oiinda, Cabo e Escada todos os dias.
Iguarassu", Goyanna e Parahyba as segundas a
sextas-eiras.
Santo Anto, Gravat, Bezerros, Bonito, Garuara',
Attinho e Garanhuns as tercas eiras.
Pao d'Alho, Nazareth, Liraoeiro, Brejo, Pesqueira,
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Tacaratu', Cabrob,
Boa Vista, Ouricury e Exu' as quartas feiras.
Serrahaem, Rio Forraoso, Tamandar, Una, Barrei-
m.W5 A^ua Preta e Pimentiras as quintas eiras.
lina de Fernando todas as vezes que para ali sahir
navio.
Todos os estafetas partem ao Vi dia.
KPHEMER1DES DO MEZ DE SETEMBRO
1 La nova as 3 h., 48 m. e 8 s. da m.
9 Quarto cresc. as 3 h., 30 m. e38 s. da m.
15 La cheia as 6 h., 40 m. e 20 s. da t
22 Quarto ming. as 4 h., 34 m. e 44 s. da t.
30 La nova as 8 h., 23 m. e ls. da t.
PRJAHAR DB HOIB.
Primeira as 5 horas a 18 minutos da manhaa.
I Segunda as S horas a 42 minutos da tarde.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEMOS.
Para o sul at Alagas a 6 e 26; para o norte at
a Granja 7 e 22 de cada mez; para Fernando nos
oas 14 dos mezes de jan. marg.,maio,icl,set. enov.
PARTIDA DOS MNIBUS.
Para o Recife : do Apipucos s 6'/,, 7, 7 /i, 8 e
V* da m.; de Oiinda s 8 da m. e 6 da tarde; de
Jaboatao s 6 Vi da ra.; do Caiang e Varzea s 7
da m.; de Bemfica s 8 da m.
Do Recife : para o Apipucos s 3'/ 4> Va, V,
o, *'/i. 5 Vj e 6 da tarde; para Oiinda s 7 da
maahaa e 4/ da tarde; para Jaboatao s 4 da tar-
de ; para Cachang e Varzea s 4 /i da tarde; para
Bemflca s 4 da tarde.
AUDIENCIA DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commercio: segundas e quintas.
Relacao: tergas e .sabbados s 10 horas.
Fazenda: quintab s 10 horas.
Juizo do commercio: segundas s 11 horas.
Dito da orphaos: tercas a sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel: tercas a sextas ao meio
dia.
Segunda vara do civel: quartas a sabbados a i hora
da tarde
DLA3 DA SEMANA.
29. Segunda. Degolago de S. Joao Baptista.
30. Terca. S. llosa de Lima v. americana.
31. Quarta. S. Ravmundo Nonnato card.
1. Quinta. S. Kgydioab.; Ss. Gedeo e Josu
2. Sexta. S. Estao re de Hungra.
3. Sabbado. S. Eufemia v. : S. Sndalo m.
4. Domingo.. N. S. d.>l>enha; S. Rosala v.
AS8IGNA-SB
no Recife, em a livraria da praea da Independencia
ns. 6 a 8, dos proprratarios Manoel Figueiroa da
Faria & Filho.
PARTE OFFIGIAL
G0VERN0 DA PROVINCIA.
l'unlinnaro do expediente do dia 30 de agosto
de 1M..
Oflicio ao Exm. presidente da provincia do Rio
brande do Sul.Reuebi com o oflicio de V. Exc.
de 2o de julho ultimo. 2 excmplares da collecco
dos actos, regulamentos e instruegoes expedidas
por essa presidencia durante o anno prximo
lindo.
Dito ao Exm. presidente da provincia do Matto
Grosso.Accuso recebidos com o oflicio de V. Exc.
de 13 de iunho ultimo, 2 exemplares do relatorio
que V. Exc apresentou assembla legislativa
dessa provincia, no acto de sua installaro em o
'da 3 de maio do crrante anno.
Dito ao capito do porto. Avista do que V. S.
expoe em seu oflicio n. 85 d'esta data, tenho resol-
vido desanojar o secretario d'essa capitana Decio
d'Aquino Fonseca, visto que sao necessanos os
seus servicos n'essa reparligo, o que declaro
V. S. para que Ih'o faca constar.
Dia 31.
Oflicio ao com mandante das armas interino. ..
Informe V. S. acerca do que pede Silvino Gui-1* ?s suas ordens para que seja remettida dispo-
nerme de Barros no requenmento que aqui | s'_aodaj:apitania do porto do Maranhao, allm de
njunto.
Dito ao mesmo. No aviso da reparticao da
Dito ao chefe de divisad Gervazio Mancebo.Pe-
lo seu oflicio de 17 do corrente live sciencia de ha-
ver V. S. no dia 12 deste mez, assumido ocomman-
do da divisan do segundo disiricto naval.
Dito ao commandante do presidio de Fernando.
Declarando-me o Exm. Sr. ministro da guerra
em aviso de 16 do corrente, que foram expedidas
s convenientes ordens para que v servir nesse
presidio mais um ouVil do corpo de sade do ex-
ordio, conforme solicitou V. S. em seu relatorio
apresenlado quelle ministerio; assim o communi-
co a v. S. para seu conhecimento.-Fizeram-se as
outras communicacoes.
Dito ao commandante do corpo de polcia.Po-
de V. S. contratar para o servico do corpo sob 6eu
commando, o paisano Symplicio Jos de Oliveira,
que foi considerado apto para isso em inspeccao de
sade, como V. S. declarou em seu oflicio n. 381
de 26 do corrente, a que respondo.
Dito ao director do arsenal de guerra. Mande
V. S. ornecer ao delegado do corpo de sade do
exercito na provincia das Alagas, um sinte de
armas e um armario de vinhatico cora as dimen-
coes e mais condiges designauas na nota inclusa
por copia, que me foi transmittida com aviso do
ministerio da guerra de 17 do corrente.
Dito ao inspector do arsenal de marinha.Em
cumprimento do que determina o Exm. Sr. minis-
tro da marinha, em aviso de 19 do corrente, d V.
guerra de 19 do corrente, constante da copia junta
encontrar V. S. a solucao s duvidas propos-
tas por esse commando de armas, em olticio de 7
de junho ultimo, sob n. 1027, relativamente ao
modo porque se deve proceder ao conselhe de
desciplina, a que tem de ser submettido o soldado
desertor Jos Mara de Jess.
Dito ao mesmo.Communico V. S. que em
aviso de 5 do corrente, declareu-me o Exm Sr.
ministro da guerra, haver sido approvada a del-
beragd que tomou esse commando de armas, de j
nomear mais um amanuense para a respectiva se-1
cretaria, de conformidade com o disposto no aviso
circular de 3 de Janeiro ultimo.Fez-se igual com-
municacao a thesourara de fazenda.
Dito ao mesmo. Apresente-me V. S. para ser
enviado ao Exm. Sr. ministro da guerra, como se
ordenou em aviso de 9 do corrente, a certido de
assenumentos do 2. cadete do corpo de guarnico
Manoel Ignacio de Oliveira.
Dito ao mesmo.Communicando-me o Exm. Sr.
ministro da guerra, cm aviso de 6 do corrente,
que no dia 3 deste mez, se raandou addir ao bata-
Jhao de engenheiros o 2. tenente do 4. batalho
de artilbaria a p Olympio Aurelio de Lima C-
mara que se acha na corte; assim o declaro
V. S. para seu conhecimento.
Dito ao mesmo.F/ca approvado o contrato que
segundo o termo por copia annexo ao oflicio
da V. S. de 25 do corrente, celebrou Manoel
Francisco Botelho por meio de seu procurador,
para ir servir como phamaceutico na enfermara
militar que se tem de estabelecer na villa de Ta-
caratu : o que declaro V. S. em resposta ao
citado oflicio. Communicou-se thesourara de
fazenda.
Dito ao Dr. chefe de polica.Em vista do que
expe o desembargador provedor da Santa Casa
de Misericordia em oflicio de 26 do corrente, junto
ser all montada, urna nova barca de escavagd, a
caldeira mandada construir nesse arsenal para o
vapor D. Pedro.
Dito ao engenheiro chefe interino da reparticao
das obras publicas. Respondendo ao oflicio que
Vmc. me dirigi hontem sob n. 228, tenho a dizer
que concedo a autorisacao nelle pedida para lavrar
o termo de recebimento definitivo dos reparos da
ponte de Mamucabinha, certo de que nesta dala
recommendo thesourara provincial que em vista
do competente certificado, pague a'o arrematante de
taes reparos a quantia a que elle tiver direito.Of-
iciou-se thesourara provincial.
Dito ao mesmo. Concedo a autorisacao que
\ me. pedio em seu oflicio de hontem sob n. 227,
liara lavrar o termo de recebimento definitivo dos
reparos da ponte do Anjo sobre o rio Serinhem,
que j se acham concluidos de conformidade com
o respectivo orcamento, Picando na intelligencia de
que nesta data recommendou-se thesourara pro-
vincial, que em vista do competente certificado pa-
gue ao arrematante de laes reparos a quantia a
que elle tiver direito : o que declaro Vmc. era
resposta ao sea citado oflicio. Ofliciou-se neste
sentido ao inspector da thesourara provincial.
Dito ao administrador do correio.Respoudendo
ao oflicio desta data era que me eommunica haver-
loe o alvicareiru Joaquim Welotio, entregado a
chave da torre do telegrapho pelos motivos, que
expende, tenho a dizer Vine, que providencie
como entender conveniente, para que nao fique in-
terrumpido o servico do telegrapho, certo de que
nesta data oflicio ao governo imperial sobre o aug-
mento de vencmentos que deve ter o alvicareiro, e
bem assim para ter esse empregado um ajudante
que o substitua em seus impedimentos.
Dito a cmara municipal desta cidade.Em vis-
ta do oflicio n. 38 de 17 do corrente, em que aca-
mara municipal desta cidade communicou-me,
com referencia ao requerimento que incluso de-
volvo, ter arbitrado ao cirurgiao encarregado do
por copia, recommendo V. S. a expedirn de i curativo dos presos pobres da casa de detengo,
suas ordens afim de que nao seja remettido" alie- ?J25sS5 da ^'lva' a Sratificaco annual do
nado algum para o respectivo hospicio, sem que bO^OOO por contar mais de 31 annos de servido,
se procure saber se ha acommodacao para elle, e pretender continuar no exercicio de seu empre-
bem como se os que sao para all enviados, estao 8> resolv approvar esse acto; o que communico
no caso de pagar as despezas do seu tratamenlo, a mesma cmara para seu conhecimento e devdos
a que familias perlencem e de estar de facto. efleito.
louco -----
Dito ao inspector da thesourara de fazenda. j Despachos do dia 31 de agosto de 186 i.
Transmittindo V. S. para os fins convenientes, | liequerintentos.
copia do aviso de 22 do corrente, em que o Exm. | Antonio Egvdio da Silva. Informe o Sr. direc-
Sr. ministro da fazenda declara que fra muito tor geral da inslroccao publica,
acertada a providencia que tomn esta presiden-1 Eugenia Balbioa das Virgens.Informe o Sr. di-
cia a respeito dos concessionarios de terrenos de rector do arsenal de guerra,
marinha, que anda se acham por beneficiar nao Joao .\unes Correa,Informe o Sr. administra-
obslante serem a islo obrigados, tenho a declarar- dor do correio.
Ihe que nesta data oflicio cmara municipal Jos Juvenal Dias Brrelo..Nao se expedio or-
do Recife, afim de que adopte a esse respeito a dem para ser o snpplicanle remetlido para a cr-
medida indicada no final do citado aviso. te antes dos quinzo dias que Ihe foram concedidos
Nesie sentido ofllciou-se cmara municipal do para provar senco leal.
Ke^'.{e- .. | .Jjs; Ferro. Iodeferido em vista da informa*
Dito ao mesmo.- Pode V S. conforme indica cao do Sr. coronel commandante das armas de 30
em sua informacao de hontem, sob n. 478, dada do corrente.
Padre Manoel Ignacio de Lima.Dirija-se the-
sourara provincial.
Marcelina Mara da Conceicao. Informe Q Sr.
tenente coronel recrutador.
OHANOO DAS ARMAS.
n 1 de setembro de 1861.
Ordem to dia n. 351.
acerca do requerimento que incluso devolvo, man-
dar pagar ao soldado reformado da companhia de
artfices desta provincia Miguel Luiz da Puri-
ficacao, sob minha respnnsabilidade nos termos do
art. 5. do decreto n. 2884 do 1. de fevereiro de
1862, visto j achar-se esgotado o respectivo cr-
dito a quantia de 155570 rs., que se Ihe est a
dever, proveniente de fardamento vencido no
exercicio de 1863 1864. em liquidacao, fazendo (inirioi Aa______*- j .
processara de 5-5190 rs, correspondente ao exer- guar,el do nimando das armas de Pernambiteo,
cicio j encerrado de 1862 1863, afim de ser
satisfeita opportunamente quando houver quota.
Dito ao mesmo.Em cumprimento do aviso da O coronel commandante das frmas interino era
reparticao da guerra de 12 do corrente, d V. S. exeoicao ao decreto de 13 de agosto prximo' fin-
suas ordens para que se proceda a indemnisa- do, publicado na ordem do dia do exercito n 412
rao integral dos cofres pblicos, do que demais de 19 do mesmo mez, determina que nesta data se-
se tiver abonado ao tenente Luperco Gahagem jam postos em liberdade os reos de primeira deser-
Chainploin, a quem essa thesourara est pagando cao e segunda simples que se acham presos sen-
soldo por inteiro sem constar que fosse suspensa tenciados e por sentenciar constantes da rlacao
a conslgnacao por elle deixada na provincia do abaixa transcripta.
Mallo Grosso, devendo o mencionado tenente, se Ine O mesmo coronel faz publico para conhecimento
convier, requerer a suspensao indicada. da guarnico, que segundo constou do oflicio da
Dito ao mesmo.Restituo V. S. os documen- presidencia de hontem datado, o Sr. segundo-tenen-
tos que vieram annexos a sua informaco de 29 te do 4. batalho de artilbaria a pe Olympio Aure-
do corrente, sob n. 476, afim de que, de conft,r- lio de Lima e Cmara, que se acha com licenca na
midade com ella mande pagar ao pharmaceutico corte, fora por ordem do ministerio da guerra de 5
Joaquim Duarte Pinto e Silva, ou ao seu procura- do referido mez de agosto, mandado servir como
dor nesta capital quando houver credilo quantia addido no batalho de engenheiros.
de 66,J320 rs., que segundo o parecer da conta- Relwo dos reos de primeira deserqao e segunda
doria dessa thesourara se Ihe est a dever, -pro- simples, presos sentenciados e por sentenciar, que
veniente de medicamentos que forneceu para o! sao mandados por em liberdade por lites aprovei-
tratamenlo das pracas do destacamento da villa de tarem o indulto de 15 de agosto ultimo.
Flores, e da mulher do tenente Joaquim Antonio 4." Batalho de artilbaria a p.
de Moracs, ficando na intelligencia de que nesta Soldado Manoel Joaquim, sentenciado, primeira
data se ofllcia ao commandante das armas no sen- deserco simples, 1.a companhia. "
tdo de remetter essa thesourara urna relagao dem Jos Francisco Borges, dem, idem, idem, 2.*
de taes pracas, para que se proceda a descont em companhia.
seas vencmentos, para ndemnisaco da fazenda ; dem Henrique Goocalves Aleixo, idem, idem,
nacional, conforme indica a mesma contadoria..idem, 2." companhia.-
(Sfllctou-se neste sentido ao commandante das] dem Urbano Antonio Joaqnim Francisco de San-
armas. | ia Auna, idem, dem, idem, 3.a companhia.
Dito ao Inspector da thesourara provincial.Me- dem Jos Alhanazio Alves, idem, dem, idem,
iante s necessanas cautelas mande V. S. entre- 5.' companhia.
gar ao vigaro da freguezia do Limoeiro, padre Ma- i dem Manoel Procoplo do Nascimento, idem, idem,
noel Ignacio de Lima ou ao seu procurador im- 5.* companhia.
portancia, que j deve estar recolhida essa the- dem Jos Fortunato de Lima, idem, idem, idem,
souraria, proveniente do beneficio da segunda par- 6.* companhia.
te da primeira lotera extrahida em 13 do cor- dem Cassimiro Bispo do >'scimento, idem, se-
rente, em favor das obras da matriz d aquella fre- gunda, idem, 4.' companhia./
gea. I dem Canuto Alves Morena, idem, idem, idem,
Dito ao mesmo. Annuindo ao que solicitou o 6." companhia.
chefe interino da repartigo das obras publica, em i dem Jos Antonio Damilo, idem, segunda des-
oflicio de hontem sob n. 229, recommendo V. S., ercao simples, 1* companhia.
que pela verba competentej mande entregar ao fiel dem Francisco dos Santos Bino, idem, primeira,
pagador d'aquetla reparticao quantia de 205000 idem, i.* companhia.
rs., para occorrer as despezas necessarias com os dem Manoel Francisco Jos Bernardo, idem,
estudos graphicos para a confeccao do orcamento idem, idem, 1. companhia.
da ponte do Pontal na i 1 ha de Itamarac, conforme! dem Luiz de Moura Nepomuceno, idem, idem'
se acha determinado no paragrapho sexto do arti-! idem, i.' companhia.
go 13 da le do orcamento vigente.Communicou- dem Roberto da Silva, dem, idem, idem, t1
se ao chefe de polica. I companhia.
dem Cosme Ferreira da Silva, idem, idem, dem,
4.* companhia.
dem Tnomaz Antonio de Farias, por sentenciar
dem, idem, 4." conmanhia.
dem Antonio Manoel do Nascimento, dem,
dem, idem, 8." companhia.
2. Ratalhao de infantaria.
Soldado Jos Antonio do Nascimento, sentencia-
do, primeira deserco, 3/ companhia.
dem Manoel Joaquim de Santa Anna, idem,
idem, %* companhia.
dem Pedro Jos do Nascimento, idem, idem, 4.*
companhia.
dem Lino de Luna Ferreira, idem, idem, 4."
companhia.
dem Ignacio Jos Pereira, dem, dem, 4. com-
panhia.
dem Antonio Joaquim Ferreira, idem, idem, 5.m
companhia.
dem Luiz Francisco, idem, dem, 6.' companhia.
dem Jos Joaquim de Santa Anna, dem, idem,
i 7.J companhia.
j dem, Manoel Francisco dos Santos, idem, idem,
: 7." companhia.
dem Lucio Gomes da Silva Maia, idem, dem,
7* companhia.
dem Virginio Jos Francisco, idem, idem, 8"
companhia.
dem Henrique Luiz de Soma, idem, idem, 8'
companhia.
dem Pedro Jos Vieira, dem, idem, 8" compa-
nhia.
dem Joo Raimundo Jos da Silva, segunda des-
erco, 3* companhia.
dem Manoel Ignacio de Moura, idem, idem, 6a
companhia.
dem Manoel Francisco de Sant'Anna, idem,
idem, 7a companhia.
dem Francisco Pereira das Chagas, por sen-
tenciar, primeira deserco, Ia companhia.
dem Manoel Jos Joaquim. idem, idem, Ia com-
panhia.
dem Roberto Goncalves do Nascimento, idem,
dem, Ia companhia.
dem Luciano Jos Carlos de Aguiar, idem, dem,
2a companhia.
dem Jos Pereira dos Santos, idem, idem, 2a
companhia.
dem Manoel Luiz de Oliveira Barroso, idem,
idem, 3a companhia.
Idem-Manoel Estevao Lourenco, idem, idem, 3a
companhia.
dem Manoel Antonio Machado, idem idem, 3a
companhia.
dem Antonio Jos de Lima, idem, segunda des-
erco, 5a companhia.
dem Joao dos Santos, idem, primeira deserco,
7a companhia.
dem Jos Monteiro da Silva, dem, segunda des-
erco, 7a companhia.
dem Jos Francisco, dem, primeira deserco,
7a companhia.
dem Galdino Jos Rodrigues, idem", idem, 7a
companhia.
dem Jos Francisco dos Santos, idem, idera, 8a
companhia.
dem Manoel Benedicto do Nascimento, idem,
dem, 8' companhia.
dem Semeo Ferreira Ordonio, idem, idem, 8*
companhia.
dem Pedro Gomes da Silva, idem, idem, 8a
companhia.
7 batalho de infantaria,
Soldado Flix Pedro Ferreira Gomes, sentencia-
do, segunda deserco simples, 3a companhia.
dem Joao dos Santos Oliveira, idem, primeira
deserco simples, 3a companhia.
dem Manoel Estevao dos Santos, idem, segunda
desergao simples, 3a companhia.
dem Joao Amonio da Silva, dem, primeira des-
ercao simples, 5a companhia.
Idem Severiano Hyppolito Jacotho, idem, idem,
dem. 5a companhia.
dem Antonio Alves Ribeire, dem, segunda des-
erco simples, 6' companhia.
dem Manoel Pedro Celestino dos Santos, idem,
primeira deserco simples, 7a companhia.
dem Rufino Ferreira da Cunha, idem, segunda
desergao simples, 7a companhia.
dem Manoel Jos da Silva, idem, idem, idem, 7a
companhia.
dem Jos Vicente de Aguiar, dem, idem, idem,
8a companhia.
dem Frederico Germano, sentenciar, Ia de-
sergao Ia companhia.
dem Jos Francisco da Costa, idem, idem, i*
companhia.
dem Felismino Jos Ferreira, idem, dem, 2a
companhia.
dem Antonio Rodrigues da Conceicao, idem,
idera, 2a companhia.
dem Jos Francisco Gomes, idera, idem, 2a com-
panhia.
dem Jos Pedro da Silva, idem, idem, 3a compa-
nhia.
dem Manoel Joaquim da Costa, idem, dem, 7a
companhia.
dem Jacintho Ferreira dos Prazeres, idem, dem,
8a companhia.
9 batalho de infantaria.
Soldado Placido Jos de Oliveira, sentenciado, 1'
desergao, 3a companhia.
dem .tugusto Florencio dos Santos, idem, dem,
3" companhia. *
dem Joao Pereira dos Santos, idem, idem, 3a
companhia.
dem Thom Verissimo da Costa Araujo, idera,
dem, 3a companhia.
dem Joao Barbosa da Silva, idem, dem, 4a
companhia.
dem Joao Lopes Jos de Mello, dem, idem,
4a companhia.
dem Manoel Jos Feitosa, dem, idem, 7a
companhia.
dem Joao Baptista II, dem, idem, 7a compaa
nhia.
dem Joao Luiz da Silva, idem, idem, 7a compa-
nhia.
dem Enedino Ferreira Passos, dem, 2a simples,'
8a companhia-
dem Jos Marques de Moraes, por sentenciar,!
Ia desergao, 2a companhia.
* dem Felippe Gomes da Costa Alvarenga,
idem, idera, 4" companhia.
dem Manoel Francisco dos Santos, idem, idem,
4a companhia.
dem Virginio Ferreira da Silva, idem, idem,
4a companhia.
dem Jos Maria, idem, Ia idem, 4a compa-
nhia.
dem Braz Nones de Campos, idera, idem, 4o
companhia.
dem Manoel Feliciano de Mondonga, idem, 2a
dem, 4a companhia.
dem Manoel Estevao do Nascimento, idem,
idem, 4a idem.
dem Manoel Francisco dos Santos, idem, idem,
4" companhia.
Wem Joo Soares de Mendonca, dem, idem 6a
companhia.
dem Pedro Joao de Santa Ann, dem, idem,
7a companhia.
dem Francisco da Costa Dias, dem, idem, &
companhia.
Corpo de guarnico.
. ooldado Bazilio Jos de Miranda, rpor senten-
ciar; 1> deserco, 2a companhia.
Wem Esequiel Alexandre dos Santos. dem, idem
2* companhia.
Mera Trajano de Jess, dem, 2o idem, 2a com-
panhia.
Companhia de cavallaria da provincia.
Soldado Emiliano Izidro do Sacramento, senten-
ciado, l- desergao.
dem Antonio Jos de Souza Barbosa, por sen-
tenciar, idem, dem.
dem Manoel Candido dos Santos, dem, idem,
dem.
dem Jos Maria de Jess, dem, idem, ider.
Companhia de artfices da provincia.
Soldado Manoel do Nascimento, sentenciado, Ia
desergao.
dem Jos Ignacio de Mello e Aibuquerque, idem.
idem.
Os soldados, cujos nomes sao precedentes do
sif nal *, se bem que perdoados do crime de de-
sergao que commetteram, continuarlo presos, por
i estarem sentenciados e por sentenciar, por outros
mines civis e militares.
Assignado.Luiz Jos ferreira.
Conforme^Jos Francisco de Moraes e Vascon-
celos, capito ajudante d ordens encarregado do
detalhe interinamente.
ra, e na Blgica as Sociedades Choracs, c em ,
tranca, o ainda mais grandioso philantropico '
instituto creado por Whilhelme e Delapart, sob o'
titulo de Orpheu Francez, o qual ha distribuido
nestes ltimos 3. annos 3(50 coutos de reis pelas
differentescaixas.de beneficencia :tem sido to
palpavel a crescente influencia civilisadora destas
vastas associages artsticas sobre a ndole e costu-
mes de povo, com quanto apenas datem cm alguns
barquetros largara os remos, porque muila genle
quer passeiar o ouro luz da la e ao som de
tocatas e descantes dentro dos barcos, muitos dos
quaes vimos nos, j s 10 horas, Iluminados, cor-
tando festivalmente as placidas aguas do Douro. A
aragem fresca que ento corra, e que se succedeu
a_um intensissiino calor, convidava a estas distrac-
goes nocturnas.
tSPJklSa* segunda m'etade do "Ssuio disparado ^ ** *** de 2 -do-corrente- fi
da ra para dentro do Caf Aguia de
na praca da Balalha, um tiro
XIX, e n'outro* comecam ainda apenas a estrear- rinra n,
se ;-que dever do bom cidadao e sobretudo de ffiStWtaMSK: h V ^ffi'
todo o sincero amigo da msica, fazer votos pela So >ava?rn !fJ?^fiuft d Anl.'
sua ntroduceao em Poriuual e coadiuva-ia- com 7-ir .rro'1uc e1 sentado a urna meza. A
lodos os seas esfera.. J I "? -,em ",t0 ^eriguages mas nada eonseguio
O horario para o caminho de ferro do norte e I mln\hSn'1ltr!l*W* f^0 para *
leste vai ser alterado no sentido de augmentar a i Lc.avalhe,ro em desforS de certos agsravos de
, celeridade as viagens. No transito de Lisboa ao !
Porto econoraisa-so hora e meia nos combovo
mixtos, e 50 minutos nos comboios do correio.
poltica.
ORRESPO\DE\frVS no II \
Ro be per v a nnreo.

PORTO.
12 de agoste.
Preparara-se as diversas parcialidades polticas
para a grande luta que tem de ferir se no dia 1 i
de setembro, prximo, que o destinado para as
eleigoes geraes.
Estao os nimos por toda a parle muito exalta-
dos e, como mais de urna vez temos dito, receja-
mos que junto da urna, e aqui mesmo na cidade,
se deem scenas desagradaveis.
Pelo circulo de Santo Ildefonso prop5e-se o Sr.
Joaquim Ribeiro de Faria Guimares, governamen-
lal, e o Sr. visconde de Lagoaca, opposicionista.
Combatem-se cora denodo, empreando alguns
meios bem conderanaveis. No Bomflm j os ami-
gos destes doas cavalheiros deram causa a scenas
de pugillato.
No circulo da S apresenta-se como candidato
governamental o Sr. Almeida Campos, cnsul por-
tuguez em Liverpool, ao presente nesta cidade; e
o Sr. Marcellino de Mattos, distincto advogado
sem opioiao por emquanto definida.
ErnCedoteila tem n apoio da autoridade o Sr.
Gouvea Ozorio, e oppe-se-lhe o sr. Fontes Perei-
ra de Mello.
Reunlu-se no dia 30 do mez findo a assembla
geral dos accionistas da companhia Viago por-
tuense para tomarem conhecimento dos negocios
da companhia no anno de 1863. As contas foram
plenamente approvadas, e resolveu-se qac se dis-
tribuisse um dividendo de 2,5700 ris por aego.
O servico de conservago das estradas cargo
da referida companhia imporloo em 10:2155153
entrando uns quatrocentos e tantos mil ris que
passaram em divida do anno de 1862
O rendimenlo das portagens prefez 9:0265600
ris hayendo por consequencia o saldo negativo d
1:1885555 ris devido ao empedramento de 5:034
metros de diversas estradas; empedramentos, uns
reqntsitados pelos liscaes do governo e outros que
a directora julgou indispensaveis.
A receita das diligencias, malas-postas e rero-
vagem mportou em 38:8735670 ris e a despeza
com o pessoal, pensos e forragens, entretenimento
de irens, deterioraco dos mesmos, cavalgaduras,
etc., em 36:2655007, resultando o lucro de......
2:6085663.
Comparadas as verbas de receitas de explora-
cao do anno a que se referem estes algarismos
com as do auno anterior encontra-se a favor d'a-1
quelle ris 3:3315963 devido ao crescimento pro-
gressivo de passageiros e estafetagem porm as ;
despezas subiram lambem na cifra de 3:6045410 I
resultante das tres classes de despezapensos e
forragens, entretenimento de trens e despezas de ',
estagoes.
Da receita de explorago pertence s carreiras!
de
Braga .......................... 15:7495915
Guimares....................... 9:6915715
Vianna.......................... 9:0115310
As tres referidas estradas foram percorridas, em
carreiras completas, por 2:408 passageiros de 1.a
classe, e 12:400 de 2.a
Os passageiros era carreiras incompletas, foram
7:656.
Trata-se de fundar nesta cidade urna sociedade
denominada Orplteo Lusitano semelfianca das que
ha em alguns paites da Europa. Sao iniciadores
desta idea os Srs. Alfredo Alien, Arthur Xapoleo,
Francisco de S Noronha e G. R. Salvini.
O fim desta associago dar impulso creagao
e organisaco de sociedades orpheonislas as pro-
vietas, para etfectuar, as occasies dadas, as
testas nacionaes musicaes. Formara um centro
promotor e regulador de reunides orpheonislas na
escala da grandeza e perfeico da execucao recla-
mada pela poca. Popularisar o goslo pela mu-
sica, facilitando os meios para que esta arte seja I
professada e cultivada pelas classes industriaes.
Premiar pecuniariamente as novas composigoes,
de mrito de autores residentes no paiz, e facilita-
r a publicaran das suas obras. Subsidiar al-
guns mancebos talentosos para irem estudar nos
conservatorios estrangeiros, e, finalmente, contra-
lar com a sociedade do palacio de crystal por-
tnense, para que os grandes concursos tnham lu-
gar na espacosa nave do mesmo palacio onde se
tenciona col locar o seu grande orgao de concert,
ha pouco comprado em Londres, e em cuja nave
podem ser admittidas de dez doze mil pessoas.
Os fundos da sociedade consistiro as entradas
dos socios annuaes a razSo de 500 ris mensaes, o
nos rendimentos dos concertos e festas orpheo-
nislas.
Haver um fundo de beneficencia, o quai ser
formado de 33 por cento dos lucros das fes las
concertos.
Os estatutos sero ooportanamentc preparados e
approvados pelos instaladores e fundadores dest
sociedade.
Nos prospectos distribuidos para a foroaacao do
Orpheo Luzilano, diz-se o seguinte :
Urna nova sociedade, com Bns patriticos e
artsticos, tem breve de ser instaurada nesta ci-
dade.
a Agora, que pela maior facilidad de commu-
nicacoes, a numerosa e activa populaoao das pro-
vincias do norte se vai aohar aproxiraada do por-
to,centro natural do seu trabalho e do seu com-
mercio, tambem necessita encontrar nesta cidade
novas esubelecimentos do progresso, e novo cen-
tro de civilisacao e de recreio, muito especialmen-
te recreios grandiosos ao alcance de todas as clas-
ses que trabalaam.
Sao to satisfactorios os magnficos resulta-
dos que ho profundo na Allenwaria, na Inglater-
A durago da marcha para os combovos mixtos
e actualmente de 14 horas e 3 minutos,"e para os
comboyos do correio de 10 horas e 35 minutos.
O novo horario comega a vigorar no dia 17 do
corrente e durar at 15 do prximo oulubro.
->a portara que o approva ordena-se ao engenhei-
ro fiscal do governo que advirla a companhia real
dos caminhos de ferro que sendo a demora dos
comboyos nas|duas linhas do norte e deteste, ainda
maior do que a que deve exigir-se n'uma explora-
gao normal, cumpre que no novo horario que pro-
pozer para regular o servigo do dia 16 de outubro
em diante se fagam as alteragoes necossarias para
que os comboios mixtos e do correio percorram as
duas linhas com a velocidade conveniente.
Recommenda outrosim o governo, que consi-
derando que urna das causas de demora dos com-
boyos mixtos provm do avultado numero de mer-
cadona que elles conduzem, o sobredito engenhei-!
ro fiscal avisa a companhia da conveniencia de es-
tabelecer quanto antes os necessanos comboyos es-
peciaos de mercadorias.
Corno se v, o novo horario ainda nao corres-
ponde celeridade que deve haver nos caminhos
de ferro, nem satisfaz todas as conveniencias
e commodidades do publico.
No oflicij do engenheiro fiscal, em que submette
ao director das obras pblicas a sua epinao a res-
peito do horario que comeca a vigorar no dia 17
do crreme, diz o dito engenheiro que nao Ihe pa-
rece prudente que se transite com maior veloci-
dade cm quanto os aterros nao estiverom comple-
tamente recalcados.
Os vapores dacarreira entre Lisboa e esta cidade
dirainuirara os pregos das passagens. Os passa-
geiros de primeira classe pgam 65, os de segun-
da 45, e os de terceira 25. m dos vapores desta
carreira, o Luzitama faz a viagem cm 12 horas.
Os subscriptores portnenses para os bancos Ul-
tramarino e Luzitano, fundados na capital, reuni-
ram-se em nm dos dias da semana passada para
tra tarem da junego dos dous referidos estabeleci-
rnentos.. Esta junego foi julgada de toda a conve-
niencia, e por isso nomeou-se urna commisso para
tratar neste sentido, cora os instaladores dos dous
ja citados bancos.
O banco Allianga, tendo oblido a approvago re-
gia para a fundago de urna sociedade de seguros
mutuos sobre a vida denominada a Providente,
abri no principio do corrente mez a subscripeo
para os referidos seguros.
Os administradores dos tres bairros desta cidade,
por determinagao do governo civil, procederam a
urna syodicancia sobre a quantidade de trigo exis-
tente nos depsitos do Pono, e por ella reconhe-
ceu-se a insufliciencia dos mesmos depsitos para
as necesidades do consume, mas at agora nao
baixou providencia alguma governaliva a respeito
de cereaes, cujos pregos conlinuam elevados.
Os 38" auniversario do juramento da caria cons-
titucional foi festejado no dia 31 de julho com as
coslumadas demonstrages de regosijo: salva as
fortalezas; embandeiramento nos navios surtos no
Douro; toque de alvorada, pelas msicas regimen-
taes as porlas dos respectivos quarteis, e do reco-
me r, aporta do quarlel general; noute illumiua-
cao nos edificios pblicos, e iheatro de gala, pela
compauhia do llieatro normal, a que assistirara as
autoridades mis e militares.
xeste dia compleou 52 annos sua mageslade
imperial a senhora duqueza de Braganca.
No primeiro domingo do corrente mez, sahio em
procisso da greja paroctiial das Aguas-Santas
para a de Mathosinhos a imagem de Nossa Senhora
de Guadelupe, para que Deus, mande chuva, e
affaste de nos as consequencias da urna secca to
prolongada como lem sido a deste anno. A pro-
cisso foi acompanhada por mais de seis mil de-
votos.
Concluiram-se os exames na escola medica-cirur-
gica do Porto. as onzes cadeiras disciplinares
foram approvados plenamente 131 esludanles, e por
manira 16.
Na l'niversidade de Coimbra tambera estao con-
cluidos os aclos. as cinco faculdades de theolo-
gia, direito, medicina, mathematica, philosophia
foram approvados nemine 363 cstudaules, simplici-
ter 113, e reprovados 59.
No primeiro do corrente celebrou-se missa de
minian, na igreja dos extractos religiosos de Nossa
Senhora do Carmo pelo eterno descanso da alma
da Exma. Sra. D. Maria Jeronyma Bettamio, esposa
do Sr. Jos Bettamio, ltimamente fallecida era
Londres. A missa foi mandada celebrar pelo Sr.
Jacintho Dias d'Agula, encarregado do consulado-
brasileiro nesta cidade.
Na tarde do ultimo domingo do mez passado, foi
assassinada em Villar de Paraizo, com um tiro de
espingarda, urna mulher de 26 annos chamada Ma-
ria Cartilha. u assassino foi um soldado do regi-
ment n. 18, assalariado por um pedreiro por nome
Antonio Guedes que em lempo tivera relagoes amo-
rosas com a victima, e das quaes resultara um
filho.
Antonio Guedes havia-sc recentemente alfeigoa-
do a outra rapariga do lugar com a qual projecla-
va casarse, mas para livrar-se dos impedimentos
que a primeira amante Ihe oppunha ao consorcio
tevea malvadez de a mandar assassinar. Foram
presos ambos os criminosos.
P'ii termo a vida precepitando-se da janella da
casa que habitava na travessa da Trindade, um
ounves por nome Joo Antonio de Amorim. Os
palecimentos physicos que atormentavam o infeliz
foram a causa de to desesperada resoiugao.
Falleceu no Io do corrente mez, com 90 annos de
idade o commerciante o Sr. Joaquim Jos Carnei-
ro. Era ha muitos annos vice-consul da Grecia
nesta cidade.
A companhia do theatro normal prosegue nos
seus espectculos no thealro de S. Joo, e contina
no agrado do publico, que se nao canga de applau-
dir os mais festejados actores e de concorrer aos
espectculos, apezar do calor que torna o theatro
incommodo. Hontem poz a companhia em scena
o drama Fortuna e Trabalho, do Sr. Ernesto Bies-
ter, e que s. Ex. oflereceu classe typographica
portugueza. O protagonista um tvpographo, e
n um dos quadros o fundo da scena" representa
urna oflicina typographica, vendo-se algumas cai-
xas, montadas nos respectivos cavaletes, e os tv-
pographos trabalhando a ellas.
A classe typographica do Porto decidiu brindar
o Sr. Ernesto Biester com um presente condigno
della e do festejado dramaturgo. Dissidencias en-
1 a direcgo da Associago Typographica e os
tre
mimbras de urna commisso horneada para a
coadjuvar nos meios de levar a elfeito o seu pen-
samento, dividiram em dous grupos a classe, que
offertaram ao Sr. Ernesto Biester-um, umarae-
dalha, p n ontrn, nma penna do ouro.
A fesla da classe typographica est para sabba-
do, era que o dito drama vai pela segunda vez
scena no theatro de S. Joo.
Est chegada a estago dos banhos. Quem tem
meios deixa esta cidade e vai habitar em S. Joao
dajPoz do Douro, a coquette da primavera, seduc-
tora pelo grandiloco e mystico panorama do oca-
no. A Foz rooba ao Porto, nesta quadra, urna
parte de seus habitantes, tornando-o triste e abor-
recido. E' para all que convergem todos os pas-
seios, todas as dislraces.
Na praia, na Canta'reira, em Sabreiras, ao rom-
per da aurora ou ao eniardecer, brincam as crian-
gas, enlevam-se as donzellas em conversagoes em
que s o corago ihema, divertera-se os mance-
bos, passeiara os chefes de familia, e jazem enlre-
tidas fallando sobre ludo as senhoras de mais de
meia idade, a quem o corago nada diz para acom-
panharem as conversagoes as donzellas que s
respirara raocidade, alegra c amor.
E' bello, seductor o quadro de enlao Go-
zam-n'o todos, porque elle para todos, sem ex-
cepgo de idade ou de pensar. A mocidade in-
llue-se, deleitase, enlhusiasma-se : perdo-se nos
devaneios do amor, e deixa voar as azas da vira-
gao os cuidados domsticos, se por ventura os tem.
Descuidadas, alheadas de ?i mesmas, vagueiam
as nossas bellas por aqui e por ali, com o sorriso
a flor dos labios, os olhos a irradiarem luz e pra-
zer, o coracao a arfar pela suprema felicidade que
oarrouba em xtasis dulcissimos I Andam, cor-
ren), brincam, fallam, enihusiasmam-se, e, por fim,
la vo senlar-se as rochas de mil formas e dimen-
scs, a olharem o mar, e o reo.
Em ludo encontrara encantos, inspirago, poesa,
sobre tudo fallara, pensam, e medilam !
O co puro, o mar plaeido, a virago tpida !
E' deleitoso, sublime, tudo islo. Os olhos d'alma
abrem-se ao primeiro espreguigar da naluresa
acordada, e fechamse quando a la vai em mais
de meio de seu curso I u quadra com viveza
comtemplado, admirado e sublimado pela phan-
tasia vigosa dos viole annos que em tudo v flores,
respira aromas e se embriaga de prazeres f
Na Foz vlve-se esta vida. E* viver risonho, por
que se calcara rosas sem se colherem marlyrios t
E' um den durante a estago dos banhos, assim
corno um oasis de vida e prazer fra deste
lempo.
E' na Foz, pois, que una parle da sociedade por-
tuense vai procurar refrigerio ao immenso ealor
que os abraza, e que araeaga continuar, banhan-
do-se as aguas Neptuninas. Ali, hoje o centro
do viver prasenteiro, descuidado, todo flores t...
Assistio numeroso concur-
so" de pessoas.
No dia 5, o comboyo que conduza o correio desta
cidade para Lisboa, sahio da va ordinaria e enlrou | que vivemos deoaixo da Influencia de um calor
na de resguardo junto da estago da Mealhada,; horrivel, como nao lembra ter feito ha muitos an-
lo de encontr ao caes dous carros carrega-1 nos. O barmetro centgrado tem marcado som-
Tem cabido um sol abrasador. Ha cinco das
dos de pipas de vinho e agurdenle. Felizmente o
comboyo j trazia pouca forga, mas assim mesmo
damnilicaram-se os carros e arrombaram-se algu-
mas das pipas.
No dia 31 do mez passado, teve lugar a festa e
arraial de Santa Anna de Oliveta, que annualmen-
te secostuma fazer em Oliveira do Douro, na mar-
gem esquerda desle rio. Foi muito concorrida,
como sempre eosturaa ser, porque o lugar convida
a passeio rio cima. O arraial feito n'um monte,
todo cercado de frondosos e copados can-albos, que
resguardara os romeiros dos raios ardentes do sol,
convidndoos a irem gozar das delicias da tenida
virago sentados no tapete de verdura que alastra
todo o slo. E o povo assim o comprehende, por
que afflue em grande quantxade a acampar em
todos os pontos onde a sombra mais cerrada e a
fresca mais aprasivel.
E' surprehendente o quadro, gosando do lado
direito do rio Douro. A vista encania-se no gran-
diloco panorama, porque, em verdade, elle en-
cantador.
Mas nao s para ali que convergem todos os
romeiros. Multes ficam no Areinho, sitio muito
aprasivel, outros em Fonte de Vinha, e grande par-
te dalles na Quinta da China, da outra banda do
rio. Em todos estes pontos se continua o arraial,
principiado em Oliveira do Douro, e a muita gente
3uo em todos estaciona deleita-se eat gozar o qua-
ro que o Douro offereee, nela immensa quantida.<
de de barcos, deseendo, subindo e atravessando em
differenUs direccoes do Douro.
A aproximaga da noute principia a por em de-
badada as familias que durante o da scuidaram
em diverttr-se, mas s pela alia noute que os
bra entre 33 e 37 graos.
As noticias que veom chegando das provincias
provam que o calor geral. Eis o extracto de
peridicos de diversas localidades :
O jornal o Diaristo d* Aveira diz em 10 do cor-
rente :
c E' extraordinario o calor que estes dias se
tem sentido nesta cidade. Hontem sobre tudo nao
havia quem pudesse andar por essas ras e largos,
e mesmo dentro das casas era to elevada a tem-
peratura, que at se tornava diflleil a respiraco.
De yez em quando tinham urnas liaforadas do ven-
to to queme, que sutTuoava. Diiem pessoas de
boa memoria que ha quinze annos se nao senta
em Aveiro calor como de hontem. >
O Douro, peridico da Rogoa, diz :
^ Contina a sentir-se um calor ardentissimo.
No domingo, 9, por volta das cinco horas da tarde
a atmosphera carregou e dentro em pouco urna
fof te trovoada, acompanhada de grandes rajadas
do vento e alguma chuva, pairou sobre nos por
espago de hora e meia. Segundo atlirmam. o ven-
to causou muitos estragos, derribando fiabas, ar-
vores, etc. >
O \ririato, folha de Viten, escreve em 9 :
O calor hontem foi tropical e suflocador. O
thermometro sombra marcava 4. de Ramur.
As 5 horas comegou a soprar um vento rijo do
norte e a toldar-se a atmosphera. Levaniou-se
n um instante urna nuvem de poeira de orna cor
araarelada e escora, edr slnistra, e que ievou os
recejos e o susto a toda a populaco.
As cinco e tneia da tarde o vendaval estara na
sua maior ntensidade, o hori sanie esta va hermti-
camente cerrado com as nuvens de po, que'.ubiam
W
J~m


v-Vp-^-
litarlo i Peroacafcoeo fabtado 3 4c Kefembr* > f 4.
f rf

JC
at s troven*. 0s"hbmeir5 de trabalfio, que infla- (tos juizes de pac dasfrguifzias a* S e Sania
?aoi pelos campos, fiigiatn loaos espavoridos. Alina, por isso que os antigns juizes do paz, que
s seis horas comerara a seotir-se alguns tro- uslavam al aqu eran ipmpie do partido I
ral, foram subslftaidos p
tSos, comecou a amanear o reto e a descer com
alguma pouca de chova as nveos de postra que
toldavam e escureciam o horisoote.
outros liberaos que se-
gnem a liga.
A Iota ha de ser seriamente debatida por haver
Nao ha memoria de um phenomeno to impo- influenens de parte a parte, e estou bem convenc-
-i., a t n..i.___._- .________ v mn. I Hn mi pmtinr.i ii.s r.onseixadures cenmniK nao SO
procurar
nenie, e tito magestosamonte temeroso .Nao cons-1 do que embora_os coilifiWlorM genuinos nao se
ta por em quanto que houvesse desgraca alguma. apresentem a pleitear a eleico, ho de
A Voz do Minko, peridico de Valeoca, diz tam- dar ganno na causa ao partido liberal,
bem em data de 9 :
Tem continuado amesma secca e um sol abra-
sador, que de cada vez mais estragos vai causan-
do. Orla vai sendo infelizmente a escassez da co-
Iheita de mllho as trras de sequeiro, nada dao
as estivadas, ou sementeiras serodias nos restolDo-
dos trigos e centoios, e as umims trras lentas e
fundas se resentem dessa quadra extraordinaria.
Acommisso progressisti acabado publicar o
sea manifest, assim como as listas dos seas can-
didatos.
Consta que os liberaos preparam para as ves-
peras do da 7 tambero o seu manifest, ou por as-
sim diier a refuiaeo dp que apreseniam os pro-
gresista*.
Veremos, pois, em. que. lica esta.luia, e do resui-
a uva, mrchando e amarelecendo a follia, e a
mesma vida se vai entesando, tudo pela excessiva
secca o sol ardente continuado*
As demais plantas padecom igualmente ; e nao
se podein fazer as semeuleiras correspondentes a
este mez, em quanto Dos nos nao proteger com a
chuva to precisa e desojada. As
Tamltem as vinha-* mate ou meaos padecen), por- ] do, que nao est looge, Ihe darei conta.
que em alguns sitio eexposicoes so vai queimando Acha-so de volta da comarca de Santarm o Dr.
" chefe do pocia, assim como recolliida capital a
forra que para all fora, e as pracas de polica
que andvam polo centro em destacamentos.
Para a dita comarca j seguio no 1 do corrente
o Dr. juiz do direito Paria Lemos, e da mesma
surte j temos entre nos, o da 1' vara Dr. Joo
aguas de rega- Bandelra de Mello.
Falta-nos o juiz municipal da capital, e este es-
tado de interinidades bastante sensvel por ser
semelhante vara de summa importancia,
Hoje deve tambem embarcar, a tomar tenlo
narelacodo Maranho, o desembargador Joo
Bautista GoucAlves Campos, que ultimamoote veo
visitar esla provincia.
Acabam de entrar no exercicio das funches
consulares, o Dr. Moreira, como cnsul interino
da Blgica, o negociante James Bond, dito dos Es-
tados-Cuidos da America, e D. Manool Ooely, co-
mo vico cnsul de Hespanha, cujo cargo eslava in-
terinamente oceupado por um sea genro, durante
lela fallencia commer-
dio estao exhauridas, e esta grande falta se faz sen
tir para as plantas e outros mais usos da vida. >
O Viannente, jornal de Vianna, ua data j cita-
da, diz :
< Desde meado de juuho tem foito nestacidade
um calor excessivo, mas ha tres para qualro dias
tem sido to intenso e abafadico que dizem todas
as pessuas, anda as do mais odde, que nunca se
experimentou aqu urna temperatura to aspbi-
xiaote. E em verdade, para se fazer urna mper-
feita ideas das torturas por qne estamos' passando,
bastara diier que de espaco espaco sopra de les-
te um vento ligeiro, mas tao ardente que sufTica.
-Nem mesmo de noite se cncontra lenitivo algum o respectivo impodiinento
que mitigue os ardores desla temperatura tropical. ciaL
Avalie-se por aqu a esterilidade que vai nos Do commercio nada ha de importante, que seja
campos, e o muilo que teremos que solTrer, se a digno do menco.
misericordia do Altissimo nao vier em nosso auxi- j Corre hojo na praca que a queslo de que Ihe
lio. j dei conta entre a massa fallida de D. Manoel )ne-
Das provincias pouco temos a dizer. Os traba- ty o o capitalista Lucio de Souza Machado, sobre a
Ihos Heitoraes absorvem por l todas as altencdcs. propriedade de urnas acedes da Caixa Filial do
Em Tilla-Real e na Kegoa heuve ha dias multo fo-1 Banco do Brasil, que este emprestara quelle sob o
guetonoe alegra por parte da opposico. Corre- titulo de transferencia, para aquelle poder ser di-
r que o conselho de estado havia annullado as rector da dita caixa, foi ganha no tribunal do
eleicoes camararias, de triste recordaco, em seis, commercio do Maranhiio a favor da massa fallida;
eonselhos daquelle dislricto. Nao foi exacta a no-: vindo por consegrante Lucio de Souza. Machado a
licia. O conselho de estado annullou o acrordo perder urna causa ero que nada menos Ihe intores-
do conselho de distncto que tinha julgado validas saya, segundo ouvi dizer, do que dez conlos de
aquellas eleiroes, dando por improcedentes as sus-
peiroes polticas impostas a alguns membros eflec-
tivos do mesmo conselho de districto, e mandando
que fossem de novo julgadas por este tribunal.
A atfandega do Porto renden no mez de julho
ultimo 248:239558I ris a saber :
Importaco- ..................... 222:9175975
Exportacao...................... 9:1925765
Rcexportacu...............:.... 323635
Consnmo....................... 7:3105780
Tonelagem..................... I:i6509.
Diversas receitas.............. 7:6905331
Cambios :Sobre Londres 53 '/z 90 d. d.So-
bre Pars 535 por 3 fr. 100 d. d.Sobro Hainbur-
go 47 '/ a 47 '/. 3 m. d.
Abriram termo de carga : em 29 de julho o
brigue Tamega para o Para, por Lisboa ; em 30
a galera Adamastor para o Rio de Janeiro ; em
rete.
Este negocio foi aqui muilo debatido pela im-
prensa, entre os pleiteantes, e de ambos os lados
produziram-se mu valiosas razos.
Nao emitto a iniuha opiuio acerca do que lado
est a justica o a razio, porque nao sei nada des-
tes negocios forenses, mas o publico e as transcrip-
coes nos .jomaos mostravam estar o melhor direito
da parte 4* referida massa.
Da provincia do Amazonas tambem nada ha de
importante ; all deve j estar o Exm. bispo dioce-
sano, o qual, seginido consta, seguirla com o pre-
sidente,, Dr. Adnlpho do Barros, e commandante
da esiacito naval s fronteiras, ua canhooira Iguu-
temy.
A presidencia vai continuando a encontrar em-
barazos e opposico sua marcha administrativa,
E' all esperado o novo chefe de polioia, Dr.
por crima de furto ; fui condemnado
mes c 10 dias de prisao.
Virissimo Xavier de Barros, pre, acensado
por tentativa de morte ; foi absolvido, e o Dr. juiz
de direito appellou.
Joao Leopoldiao Vieira Floros, acensado por
ferimentos leves; foi absolvido e a autora appel-
lou.
O crime que mais avulu nesta provincia o
de furto de cavados; s na eadeia da capital exis-'
ten 38 presos por tal crime, uns cumpriodo sen-
tenca, outros a espera de jnlgamento, e outros fi-
nalmente sendo processados.
Na noute de 27 do corrente foi preso dentro
3 anuos, 1 Urna filtu legitima de Joao de Oliveira Leito Pes-
sa : taita a oartido para ser aborto e assento.
Casamenta-:
O bacharel Maximiano Lopes Machado com D. Ig-
nacia Publins de Mendonca Pereira.
Francseo Vax Salgado com D. Clara Pereira da
Silva.
nente-coronet do baUlhao n. 9 da guarda nacional
deste districto, pretextando-pedido meu que nada
requer neste sentido, sen tao pouco dei proeuracao
para sso ; pelo que protesto contra qualquer pro-
cedimento que por ventara haja a esse respeito em
meu nome, assim como estou disposto a levar aos
tribunaes de justica crime a esse quem quer que
barrica lonca vi-
de jogar ; a J. C.
Passageiros do vapor Princeza de Joincillc, seja por sua demasiada olliciosidade.
portos do norte
reir da Silva e sua senbora, Agostinho
vindo
Josa
Jos Jorge Vieira, Antonio JosPeixotoGuiniaraes,
sua senhora e dous lilhos menores, Jos Joa.iuim,
nm eseravo do Dr. Claudino de Araujo Guimares,
Antonio Teixeira de Carvalho Lisboa, Antonio Tei
dacidadeno 2 districto, Melquades da Costa Ju- xeira da Fonseca Leiio, Gustavo Seriado Furtado
oior, por ser encontrado com urna faca de poma, de Meodoica e um eseravo, JoSo, Joaquim Theoto-
No dia 28 do mex passado foi reeolhido
cadea da capital vindo do termo-do Teixeira, Ma-
nuel Srlverio da Silva, por constar que crimi-
noso de morte en) Lmoeiro dessa provincia.
A' 20 do mez passado fugio da cada de Ala-
goa-nova, o preso Soverino Ricardo Araancio,
que na vespera havia sido all condemnado por
furto de cavados, e fbram presos e vo ser pro-
cessado- os dous soldados de polica que Ihe ser-
van) de guarda.>
Alaihas.L-se no Mercantil:
No dia 28 do corrente fora avisado o subde-
legado desta capital alteres Justino Nones da Cos-
ta pelo inspector de quarteirao da ra de Santa
me Barbosa, Francisco Alves de Meezes Castro,
Joso-Varella de Sene Barca-, Jos Joaqaim.de Cas-
tro Barroca, Amaro Barreto de Albuquerque Mara-
nhao, Fernando de Cerqueira Carvalho e um lilho
menor, Luiz Soares Raposo da Cmara, Antonio
Ataliba de Paula, Julio Ferreira de Azevedo, Este-
vo Alves de Oliveira, Joo Victorino Ferreira No-
bre, Aleijo Barbosa da Fonsoca tinoco, Antonio
Jos de Moraes e Sonzaj Joao Freir de Amorim,
D. Joanna Francisca da Couceico Murta, cinco li-
Ihos menores e seis esoraros, Adrin Jos Lucas,
Francisco Jos Guimares, Antonio Angelo Fernn-
des, Antonio Goncalves Cavakanti, Antonio Alfon-
so Moreir, Marcelino de Souza Ttavassos, Ignacio
Mara, de nome Candido, que appareoera, neos-' Serrano Pinto de Carvalho, Antonio Jos Simdes,
lado ranralha do comitorio publico na extrem- i Francisco Luiz Martins Pereira, Antonio Ferreira
dade N. do lado que olha para o nascente, o ca- Borges, Jos Martins Fernandes Nogueira, Jos Fe-
daver de urna enanca enterrado quasi superR- > hx do Reg Barro*, Antonio Baptista Pires, Mar-
cie da trra e na ara, achaudo-se mm os bracos colino Gomes Coutinbo, Antonio Alvaro Ferreira
O mo exemplo sempre contagioso : tal a
fragilidade humana 11
Quebrangulo, 13 de agosto de 1864.
Mathtas Colho de Andrade Lima.
C0MME1CIQ.
<% Mni c ? n
Rendimento do dia 1............ 34:0815316
dem do dia 2................. 26:146*808

60:2285124
nviitiento da alfandega
Volumes entrados com fazendas...
c com gneros.
Volumes sahidos
C f
com
com
fazendas...
gneros...
187
321
134
891
508
Dcscarregam no dia 3 de setembro.
Barca francezahan Bnpfif-marcadorias.
Barca americaa Tnnpest taboado.
Barca inglezaConradcarvo de pedra.
1,025
de fora, o que fora ccasiooado por galinhas que i da Silva, Cesar Octaviano de Oliveira, Samuel do farca '??]Rj"M<-carvo de pedra.
n; .... i......... ^______.__j.. In_ n,____ ..___. ___:__ i_/.___ da era inirlezaHrrmmn*.mom
all andvam esgaravataudu.
Espirito Santo Chunta, Manoel Marques de Carva-
Certilicando-se disso o mesmo Sr. subdelega- mo, fManoel Gomes Moreira. commendador Fran-: Patacho nglezMaiA ofAthnts-tem.
dades, pondo encontrar os doutores Carvalhal, e
i.opes, ambos mdicos do exerciio, que prompta-
mente se prestaram, apezar da ioopportnnidade da
occasio, a acompanhar aquella autoridada coa I ro e um eseravo, Vicente Jos de Paula e 4 escra-
seu respectivo esenivio at o eemiterie publico vos, Pedro Bartholomi, Antonio Pereira dos Santos
desta cidade, alim de fazer-se o exarao refe-
rido.
A's 5 horas e mea da tarde achavam-se reuni-
dos,* exhumou-sa a enanca, procedou-se a exame,
do >jual se veriflcou ser urna enanca do sexo fe-
Sflva, Dr. Jos do Cerqueira Aguiar Lima, D. Ma
ra Salom Damasceno LUboa, lente Pedro Go
mes de Oliveira e sua senhora, desembargador Joao
Baptista Gongalves Campos e dous escravos, Joo
Sebastiao da Silva Lisboa, Dr. Salustiano Orlando
minino, de dous mezes de edade pouco mais ou de Araujo Castro e um criado, Jos de Araujo So-
sos de justifa. i tsngue ngiez/fc^fe-bacalho.
Seguem para o snl : Importadlo.
Desembargador Jos Candido de Pontes Visgaei- [ Barca franceza Jean Baptiste, entrada do Havre,
' consignada a Tisset-freres, manifestou o se guite :
60 barris e 60 raeios, raantega-, a Jos Marceli-
3 d agosto a barca Faro/, para o Rio Grande- j Luiz de Cerqueira Lima, em substituico ao Dr.
Entraran* :em 27 de julho a barca Arnunda, Estellita, que, segundo consta, continuava na po-
do Ro Grande por Lisboa : em .' de agosto a
galera Saudade do Rio de Janeiro, para Lisboa.
Sahtram : em 31 de julho a barca Alfredo,
para o Rio do Janeiro ; em 2 de agosto a barca
Amazona para o Para ; em 4 a
// para o Ro de Janeiro.
hcia.
ITERIOR.
CORRESPONDENCIA DO DIARIO DE PER
NAMBUCO.
I* ARA.
Beltn, 21 de agosto de 486i.
Como Ibe disse ua minha ultima, ahrio-se no
dia 1S do correuto a nossa assembla provincial.
Se j se houvesse publicado o relatorio da presi-
dencia, manda-lo-hia sein duvidaparaconhecimen-
to dos seas leitores. tanto mais ijuanto muito se ha di-
to e contado das ideas do nosso governador acerca
dos negocios pblicos e administrativos da provin
Fallecen ltimamente o vigario geral de Baixo-
Amazonas, cuja sede era em Santarm, Bayinundo
Antonio Fernandes.- Era conego honorario da S
barca Monteiro do Para c commendador da ordem de Christo.
O vigario era bem quisto o por sso o seu enterro
foi muito concorrido.
Os navios surtos no porto sao os seguntes :
Linda, barca portugueza.
Eunemia, dila ingleza.
Ueunque, brigue brasilero.
Patriota,, hiate dito.
Bertha, brigue dito.
Horist, patacho inglaz.
O vapor Princeza deve partir boje s 10 horas
da manha.
menos, de cor muito parda e de cabello encara-
pinhado, fallecida, e enterrada recenlemente, no
mesmo dia pela manha, sem duvida, e que su-
cumbir, no entender dos mdicos, deerupcoes
na pelle. De tudo se lavrou o competente termo.
Couhecendo a antoridado policial tor sido natural
a morte da manca, alli enterrada pressaepor
motivos desconhecidos, traten-de dar-lhe sepultu-
ra,- para o que ouvio o Hvm. parocho da freguezia
que oin'nou no sentido de ser o cadver inhumado
no mesmo lagar, nao podeodo ser tntermuros do
cemiterio, visto que labora-so ero duvidas acerca
do estado de graca chrislaa da crianca ; isto se
morrera baptisad ou pagaa.
i A polica prosegue era indagacoes rigorosas
para descobrir e mysterio qne envolve esse facto
ou os autores de semelhante falta de caridade,
que nao acha justificare alguma entro nos.
bral, Dr. Flix Antonio Pereira Lima, 21 pragas e
17 escravos entregar.
Movimento da casa de detencao do dia Io de
setembro de 1864 :
Existam....... 355 presos.
Entraran).
Sabina.
A saber
Existem....... 357
PERHAMBCO.
Nacionaes.....
Estrangeiros...
Mulheres.......
Estrangeira-----
Escravos ......
Escravas......
293
1S
4
43
4
357

>

Alimentados custa dos cofres provineiaes 153
Movimento da enfermara do dia 31 de agosto.
Te ve bal xa :
Francisco de Paula Gavalcanti, intermitente.
DIARIO DE PERNAMBUCO
KSYISTA MAUA.
No dia 25 do paseado, Manoel Gltirana de Vas-
concellos deu um tiro de emboscada em Francisco
da Rocha Fontes, feriodo-o levemente na Barra de-
Columna, do termo de Goianna.
Achando-se .caca no lugar Pardaes, da fre-
guezia de Tracunhem, 7 do passado, Jos Boni-
facio, Manoel Jos do Nascimento, Manoel dos San-
tos o outros, deu o primeiro um tiro de espingarda
no tereeiro, que o fez morrer pouco depois. O as-
sassino logrou evadir-se.
A presidencia da provincia attenden ao pedi-
do do telegraphista, mandando-lhe dar 2*000 dia-
rios.
Romettem-nos o segointe
TKIIII Y AL BOJIRV
. 5* SESSAO-DIA 2 DE SETEMBRO.
PRESIDENCIA DO SR. DR. JOAO ANTOStO d'ARAUJO
FREITAS HESRiQL'E,
JUIZ DE IMREITO D.V SECUNDA VARA CRIMINAL.
Promotor publico, o Sr. Dr. Jos Paulino da
Cantara.
Eserkao, o Sr. Joaquim Francisco de Paula
Esteves Clemente.
A's 10 horas da manha, feita a chamada, acha-
ram-se presentes 24 Srs. jurados.
Fora despensado da sesso, por motivos del
molestia o Sr :
oo da Rosa.
2 caixas com um buhar, 1 dita cartas ; a A. Va-
lentn) da Silva Barroca.
1 caixa porcelana, 1 dila vdros, 1 dila objectos
para seleiro ; a Duarte Pereira.
4 caixas piannos ; a J, P. Vogely.
76 fardos papel, 1 dilo envelopese 4 barris tin-
tas ; a Glenisson Filho.
1 caixa cigarros, 1 dila caximbos ; a Joaquim
Bernardo dos Res.
50 barris o 50 roeios manteiga ; a Miguel Jos
Alves.
13 barris e 20 meios manteiga ; a A. de Alraei-
da Gomes.
2 caixas medicamentos ; a B. F. de Souza.
50 barris e 100 meios manteiga ; a L. de Olivei-
ra Azevedo.
25 barris'e 2o meios manteiga ; a S. da Motta.
I caixas obras de ferro : a D. J. F. Gemny.
4- caixas piannos ; a J. Vignes.
1 caixa papel para imprimir, 4 ditas porcelana
a E. da C. Medeiros.
7 caixas chapos de seda, ditos de fellro e di-
versos objectos ; a Christiani Irmao.
9 caixas com tres charras e pertences ; a S
de Albuquerque.
1 caixa calcado, 125 barris e 250 raeios mantei-
3a ; a J. Pater & C.
1 caixa espingardas ; a Manoel & C
5 caixas cadoiras ; a R. L. i Guimares.
1 caixa molduras photographicas ; a L. Delou-
che.
7 caixas madeiras, vidros, productos chimcos,
bandas, bordados, msicas c bol ioas; a Caors &
Bar liosa.
12 caixas espelhos e movis ; a J. Pereira Mou-
tinho.
Alexaodre Augusto de Fras Villar.
Foi tambem despensado por ser morador no ter
i Boga-se encarecidamente ao Sr. subdelegado] mo dt> tatunssat nSr
*12*&J!>*m*rmi pistas para g?. ESEEmS&m
um jogo de visporas, qne ah ha todos os das, fe-
riados ( o qual comeca s 9 horas da manha e fin
Temos a vista cartas e jornaes do norte do im-
perio e ile Al aguas, trasidos |>elos vapores Princeza
de Jomville e Mamamjnape, com datas: do Para 14.
ca, sobreiudor eTn" referencia s obras pibKM, I *? ifjiMulwo 26, do'Piauhy 10, do Cear 30, do
viasau e navegaco e melhoramenios materiaos ^ "l Grande 31 do passado o da I'arahyba 1 do
mas como o que se conta de ouvdo, aguardo-! torrente.
rae para Ihe dizer alguma cousa quando vier i Amazona k i-ara.-A carta do nosso correspon-
imprensa o conteudo do relatorio. denle narra 'Jne occorreu.
Mara.'haij.Le-se no Pnblicador :
I da s 11 da noite) ; onde renne-e grandn nnne-
, ro de enancas e de homens, que caminham ao I \5nano Javier Pereira de Rritn
I abysmo e nao sentem estremeer o solo. Estamos''
Dr. Francisco Joo Carneiro da Cunha.
Foram multados em 20,5 cada um dosSrs. jura-
dos multados no dia anterior, e os Srs. se-
niluies
S. Exc. por emquanto vai Jingindu a nao pro-
vincial, a aprazi ment de tudos.
Um ou outro que pode fazer aigum commen-
tario sobre um ou outro acto recente de sua ad-
mintstraco ; porm, Isto pouco ou nada inilue,
urna vez que esses actos sao justificados pela uo-
cessidade e bem da causa publica.
A instruccao Desta provincia, einbora muito pre-
conisada por alguns, ella nao tem attingido a esse
grao do aproveitamento quo se iuculca ; o proprio
relatorio do ilustrado director da iiistrucco pu-
blica, assim como o diz, e com muito fundamento,
porque o referido director, moco intelligente e co'
nbecedor da provincia, nao escurece a verdade.
O certo que o collego Paraense, que oulr'ora
era aqui o liceu, acaba de solTrer uina-alteracao, e
com a qual os professores nao estad muito sniis-
3itos, e vem a ser, a presidencia ter mudado a
gralilicacao para ordenado, e esto para aquella ; a
razao disto que sendo os ordenados grandes co-
mo eram, alguns profosseres, segundo consta, fal-
tavam nao poucas vetes s aulas, porque tendo a
certeza do recebimento do ordenado no lim do
mez, uo so mporlavam perder parle da gralili-
cacao.
Agora as cousa mudaran do figura, por quanto
qualquer falta que dem, ser-lliesha sensivel
algibeira, e por consegrante maior frequencia e
assiduidade bavera s aulas.
Nao est s nisto a reforma, que S. Exc. gra-
duou o vencimento da gralilicacao pela quanlidade
proporcional que cada aula tiver de alumnos.
Falla-se que S. Exc. nao eslava aulorisado por
le a fazer semelhante inverso e innovaco nos
ordenados ; e que dovia ser era primeiro lugar au-
lorisado pela assembla provincial, porque foi em
virtudede urna le que foi reformado o antigo li-
ceu e organizado o collego Paraense que o substi-
tuio, e por consegrante ludo quanto se refere a
este cstabelecimento.
Pense cada um como quizer, o facto que esle
negocio est decidido pela roaneira que Ihe exnuz,
ecreio que a presidencia nao o faria sem funda-
mento legat, ou quando menos que dando conta
do seu acto a assembla deixe de ser approvido I
Consta tambe que o dilo presidente pretende
ir fazer urna viagera pelo centro a realisar a dea
da rommunicaco desta provincia com a de Goyaz
por meio da navegado pelos ros interiores.
E' um dos melboramentos qne S. Exc. tem em
grande consideraco, a navegaco a vapor desta
provincia pelos seus mimensos ros a communi-
eaco com as differentes provincias e estados lmi-
trophes do Para.
E' na verdade grandiosa a idea e a prosperida-
de que deve resultar para esta provincia, poden-
de ser communicada per mar e por ierra com ou-
tros pontos de localidades conhecdas, mas de diffl-
cii -e intransitavel accesso.
O que precisa este bello paiz, alm de bracos e
capaes, de um administrador intelligente, em-
prehendedor e ousado no commettimenco das re-
forma* mteme, que se desprenda do amesqui-
nbamento poltico em que vive, como esta, mul-
tas provineiaes, alim de poder o Para realisar a
grandeza e a prosperidade qne o seu futuro Ihe
augura, atienta a prodigalidad* a sen ricoe ubr-
rimo solo.
S. use, porm, parece ter adiada a vagem pa-
ra mais tarde; porque sendo a 7* de setembro as
eleicoes para juizes de paz e vereadores s cama-
ras munic.ipaes, necessaria a sua presenca na
capital par* resolver qualquer duvida qne possa
snseitar-se, em qualquer questo ou conflicto elei-
toral.
O negocios eleitoraes estao por aqui aseas com-
plicados.
O partido liberal acha-se de facto e de direito
dividido em dous campos, os liberaes que com os
conservadores adherirn) as ideas da liga e por-
taato chrismaram-se progretsitas e os liberaes
propramente ditos que seguem oe seus principios
nalteraveis, como eram antes da liga, estao acer-
bos em campo, especialmente nesta capital, por
causa das eleicoes primarias que se vo fazer, sen-
do-o campo de batalha mais pronunciado a eleco
t Por hartas do Cururup sabemos que no dia
11 do passado i|ulheh iodo o Sr. capitao Fran-
cisco Joaquim de Abreu Marques Jnior de sna
para a fazenda du pae, dispararam-llie do niatto
um tiro, que o (eriu no brago e costellas, mas
sera gravidado. A polica auda uo encalco do as-
sassino.i
Demandando hontein (19) o nosso porto a fra-
gata vapor d;. inariulia uorl'anierieana Ttconde-
rogn, alim de fornecer-se de carvo e refrescar,
encalhou pela volta das duas horas da larde ua
Coroa-do-iueo.
Vierain dous oulciaes torra, e chegando s
8 horas da noute palacio, S. Exc. fez com toda
solicitude reunir as autoridades do porto, cnsul
americano e gerente da companhia de navegaco
vapor do Maranho, e depois do concertar-so
nos.raeios do preslarem-se auxilios promptos aquel-
la fragata, nao chegou o cnsul a um accordo com
o gerente sobre prego e responsabilidade. Che-
garara depois noticias de que se tinha j safado a
fragata, e que dispensava o auxilio do reboque, e
livre de perigo, tal vez entro amar da noite.
Melhor informado temos a accrescentar ao
que noticiamos no ultimo numero a respeito desle
vaso de guerra da marinha nort'americana, que o
gerente da companhia por ordem da vice-presi-
deiiuia mandou apromptar iinmediatamente o Gu-
rupij, que levou com as caldeiras accesas, prati-
eos e soccorros bordo al s 7 horas da manha,
quando, sanando o governo que eslava safo o Ti-
conderoga, dispensou a sahida do vapor.*
Piaihv.Fallecen, o capitao Luiz Mariz Castello-
Branco. I
_ A assenibla provincial trabalhou em ses-
so secreta, uo dia 21 de julho, o dssolveu-se no
lim do mez.
Cear.L-se no Pedro II :
Hontem(27) procedeu o Sr. Dr. chefe de po-
licia a corpo de delicto e vistoria na menor Fran-
cisca, filha natural de Joanna Maria do Alraeida ;
e declaravam os peritos qne se deraodefloramento
com violencia, attendendo-se a pouca idade da me-
nina, (10 annos) e a impbssibihdade, era que na-
taralmcnie ficava de defenderse.
Foram peritos os doutores Pufino Anluncs de
Alencar e Joaquim Antonio Alves Ribeiro.
Acha-se preso como indiciado neste crime,;
Manoel Leonardo, pardo, ferreiro vizinho da mo
da ofiendida, soltero e ainda moco.
No auto de perguntas declara a menor que,
indo no dia 25 noute, anda cedo, a casa de
Manoel Leonardo buscar urna guitarra por man-
dado de sua mai, ahi a agarrara elle levando-a nos
bracos para urnas moutas peno de casa, onde con-
summara seu nefando crime I
Bio grande.Nada occorreu, que raereca men-
go.
Parahyba.Escrevem-nos em Io do corrente :
t A' 24 do mez passado encerrou-se a segunda
sesso do jury dosta capital, que foi presidida
pelo Dr. juiz do direito interino Benjamn Frank-
liu de Oliveira e Mello, sendo promotor o Dr. Da-
ro Gomes da Sibeira. o foram julgado os reos
segrales:
< Jos de Torres Bandeira, preso, aecusado.
por feriraeulos graves ; foi absolvido.
< Manoel Jos de Almeida Jnior, preso, acen-
sado por ilt II ramento com violencia; foi con-
demnado 12 annos de priso, multa correspon-
dente a melado da lempo, e dotar a oifendida : o
reo appellou.
t Estevo Vicente Ferreira, preso, aecusado por
ferimentos graves ; foi condemnado 9 annos e 4
mezes de priso, c multa correspondente a meta-
tade do tem : o reo appellou.
Manoel Joaquim de Barros, aecusado por fe-
rimemos leves ; foi absolvido.
Bernardino Comes Bezerra, preso, aecusado
por complicidad.; em crime do morte; foi absol-
vido.
Bellarmino Francisco Bandeira, preso, aecu-
sado por complicidade em crime de morte ; oi
absolvido.
convictos que a existencia delle annunria a nao
sciencia da auioridade : e por tanto contamos ser
altendidos. >
Movimento do hospital de Nossa Senhora dos
Lazaros, do Io 31 de agosto :
Existiam 14 homens e 16 mulheres.Total 30.
Erislem 14 homens e 16 molheres. Total 30.
O regente,
Diniz Ignacio P. dosSantos.
O mordomo,
J. A. Anlunes.
Movimento clnico do hospital postuguez :
Jos Joaquim Antunes.
Dr. Francisco de Paula Cavalcanti de Albuquer-
que.
Capitao de mar c guerra Hermenegildo Antonio
Barbosa de Almeida.
Dr. Henrique lo Reg Barros.
Dr. Julio da Silva Guimares.
Francisco Serfico de Atis Carvalho.
Francisco Antonio C. Cousseiro,
Luiz Amavel D. Jnior.
Dr. Antonio Jos da Cosa Ribeiro.
Joaquim Ignacio Ribeiro Jnior.
Dr. Francisco Gomes Velloso de Albuquerque
Lins.
; Antonio Jos de Oliveira.
] Jos Aulonio Vieira de Souza.
; Francisco Augusto de Oliveira Barros.
j Dr. Amonio de Vasconcellos Men6zes de Drum-
Joaquim de Almeida Pinte.
Do fallecidos foi um de tubrculos e 1 de para- Francisco de Mranda Lea| Seve.
- Relacao dos baplisados e casamentes da fre-' Jo^rSvK1''3-
guezia de Santo Antonio do Rec.fe, em agosto de 'Seudo inRuflc,ente' o numero de jurados presen-
rtaniinAa .i!., n j ._ r tes para haver sesso, o Sr. juiz de direito proce-
Tnceico de Antonia Joaquina da deuao sorleio dt tt e'm^m que fossem noiin-
! cados, e levantou a sesso, ad iando-a para o dia
I seguate s 10 horas da manha.
Existiam... 29
Entra rain. . . 23
Total ...... . 52
Sahiram 21
Fallecern).. 2
Existem 29
Total....... -52
Francisco, pardo, lilho legitimo de Joaquim Gomes
Pugeta : santos leos.
Jursulina, parda, filha legitima do mosrao : santos -
leos.
Margarida, parda, filha legitima do mesmo : san-;
tos leos.
Alexandre, pardo, filho legitimo de Alexandre Jos j
da Silva.
CORRESPONDENCIAS.
25 barris e 50 meios manteiga ; a Tasso Ir-
maos.
4 barricas e 5 caixas porcelana e vidros/, J. A.
Pereira.
60 gigos batatas ; a R. A. Mello.
2 caixas calcado ; a J. P. Arantes.
1 gigo champaohe ; a L. Puech.
18 caixas molas, 1 dita velas ; a E. Dourgeois.
2 caixas chocolate, 1 dila sardinha: a B. R.
, Lasserre & C.
1 dita chapeos para senhora a A. L. dos San-
tos,
4 ditas tecido de algodo; a Rabe Schmetau
* c-
l caixa vidros, 2 dilas agua mineral a Marli-
nho-da Cruz Correa.
3 ditas agua de rosa e vidros, 1 dila e 3 barris
tinta ; a Joo da Silva Faria.
12 caixas tecidos de algodo de laa, riscadilhos,
chales de algodo, chapos e colgado ; a D. P, Vild
& C.
1 caixa indianas, 2 dilas sedas; a Th A. Dam-
mayer.
200 gigos baiatas, 27 caixas c 31 fardos chapos,
tecidos de algodo, riscadilho de liuho, roupa, cal-
cado i a E. A. Burle & C.
6 caixas drogas, accidos c vidros a P. Maurer.
160 barris pregos, 22 caixas papel, 5 ditas mar-
ceara, 5 ditas pomada e linha, 1 pacote amostras ;
a Prente Vianna & C.
48 caixas tecidos de linho e de algodo, papel,
perfumara, cartas do jogar e calcado, 2 tinas
queijos, 2 barris vinho, 2 pacotes amostras ; a Lin-
den Wild (V C.
1 pacote amostras ; a Meuron A- C.
31 caixas tecido de la, indianas, riscadilhos,
pannos, perfumara, modas, mcrcearia, papel, en-
cerado, chapeos, couros, 1 pacote amostras; a Mel-
lo Lobo & C.
200 gigos balatas, 1 caixa objectos de esrripjo-
rio, C fardos e 91 caixas tecidos de algodo de laa,
do seda, de algodo e linho, cobertores de iaa, ca-
mizmhas de algodo bordadas, e 2 volumes araos-
tras ; a Joo Keller & C.
15 fardos e 3 caixa tecidos de algodo, de seda,
de linho, chapeos de sol de algodo, panno de li-
nho, etc.. 1 volume amostras; a Flix Sauvage
&C.
1 volume amostras; a Schaftcr 4 C.
32 caixas tecidos de la, de linho, riscadilhos,
15-caixas chapeos de seda, 1
drada ; a Ferreira A Matheus.
1 caixa linha, 1 dita cartas
Duarie Ribeiro.
30 barris e 30 meios manteiga, 11 caixas cou-
ros, mercearia, piano, movis, marmore, esporas,
pentes, bolsaa, galo de la, vidros, ceuros, etc.;
a Iziduro Netto & C
50 barris e 50 meios manteiga, 4 caixas vidros,
3 ditas velas stearinas 1 dita ignora-se, 50 ditas
linha, tecido de algodo, borrachas, penas de ac
e papel, 1 dita barbante, 1 dita tecido de lia, 3
ditas chapos, bonets, tapetes, pentes, bandeijas
e tecidos, 50 barris e 50 meios manteiga; a
ordem.
Patacho inglez Maid of Atkans, entrado de Car-
dil consignado a Wilson & Hette, manifestou o
seguinte:
347 toneladas (inglezas) de carvo de pedra; aos
raesmos.
Barca ingleza Conrad, entrada de New-York,
consignada a Saunders Brothers & C, manifestou
o seguinte:
400 toneladas de carvo de pedra, 274 barras de
ferro com 12 toneladas 14 qq 3 a e 14 tf, 20 fei-
xes de arcos de dito coro 13 qq 2 (8 e 9 7 cai-
xas vinho de cidra, 500 ditas genebra, 100 barricas
farinha de trigo, 1 caixa podras de amollar, 26
saceos pregos, i caixa ferragem, 10 barris alca-
trae-, 14 latas banha de porco, 1 caixa onze relo-
gios, 1 corrente com 8 qq; aos mesmos.
Brigue nacional Mafra, entrado do Ro-Grande
do Sel, consignado a Amorim Irraos, manifestou o
seguinte:
10,098 (S de carne secca, 95 dilas de sebo em
rama -, a ordem.
Brigue inglez Beaglel, entrado de Terra-Nova,
consignado a J. Pater & C, manifestou o se-
guinte :
2,050 barricas baralho; aos mesmos.
Vapor nacional Mamangvape, entrado dos portos
do norte, manifestou o seguinte:
Penedo.
361 meios de sola; a orden.
10 saceos com algodo; a
Sanqremann.
De Macei.
86 saceos com algodo; a ordem.
Vapor nacional Princeza, entrado do Par* e
Maranho, manifestou o segointe :
9 volumes, 3,889 chapeos do Chily; aAranaga
Hijo* C
1 caixa 480 chapeos do Chily; a Ferreira 6i
Matheus.
1 fardo 432 chapeos do Chily; a E. A. Burle
& C.
1 caixote cora 144 chapos do Chily; a Rooba
Lima & Guimares.
9 barris manteiga, 30 canastras alhos, e 6
pranxoes; a ordem.
1 caixote ; a Joo Pereira do Reg.
1 encapado; a Trajano P. da Costa.
1 encapado; a Loureneo Alves Salaxar Jnior.
1 pacote -, a Geraldo de Lima.
1 caixote; a Jos N. de Souza.
1 encapado; a Justino Joo Baptista.
1 dito; a Jos Pedro Collares de Moreira.
1 dito: a Joo Pereira do Hego.
I.'xporfncSo.
Escuna hannoveriana Eddo, carregoa para
Glasgow:
638 saceos com.3,190 $ deassucar masvacado,4l3
saceos com 2,278 ( de algodo.
Brigue inglez eca, r.arregou para Liverpool:
900 saceos com 4,500 (? de assucar mascavado,
1,419 saceos com 7,707 |e3% de algodo, 250
couros verdes cora 12,485 {fi..
Brigue nglez Jame Tltompson, carregoa por
Liverpool:
547 saceos com 3,102 $ e 81 de algodo, e
1,400 9 deossos.
Kecebedorla de renda* interna
geraes de Pernambuco.
Rendimento do dia i............ 78477S
dem do da 2................. 935*024
Augusto Cesar
1:719*799
Consulado provincial.
Rendimento do dia I............. 2:269*929
dem do dia 2................. 2:789-3195
5:039,5124
MGYIMENTO BO POBTO.
Navios entrados no dia l.'.
Para e porlos intermedios8 dias, vapor brasileiro
Princeza de Joinrille, te 917 toneladas, com-
mandante Io lente A. de Araujo, equipagem 52.
Liverpool-40 dias, galera ingleza Hermine, de
383 toneladas, capitao John Gregory. equipagem
15, carga fazendas e outros gneros; a Rabe
Schametau & C.
Terra Nova-42 dias, brigue inglez Anme Laurie,
te 191 toneladas, capitao Eserett Summno, equi-
pagem 10, carga 2601 barricas com bacalho ; a
Johnston Pater & C.
Rio Grande do Sul24 dias, brigue nacional 3!a-
fra,te 270 toneladas,capitao Joaquim dosSantos
Souza, equipagem 12, carga 1088, arrobas de
carne ;a Amorim Irmo.
Penedo e'portos intermedios3 dias vapor nacional
Mamanguape, de 337 toneladas, commandante
Moura, equipagem 20.
Navios sahidos no mesmo dia.
Portos do SulVapor nacional Prtneeza de Jotnvil-
commandante 1" tenente A. de Araujo.
LiverpoolPrigue inglez Janne Thompson, capitao
J. Reehard, carga algod.
BahaBarca ingleza Constancia, capilo Thomaz
Selkerk, em lastro de carvo do pedra.
o mu
nardo Quinteiro, o qual sempre estove prompto
fazer todo e qualquer beneficio contraria, de
quera sempre foi devotado rrmo'e que contina a
prestar-se da melhor boa vontade causa da reli-
gio.
Queira, seabores redactores, dar publicidade a
estas poucas linhas do seu constante loitor,
O irmao da mesa actual.
PUBLICARES i PEDIDO.
Jos Francisco de Ob'veira, preso, aecusado
Seuhores redactores.Nao pactuando com osys-
I tema do deprecaraento, esta a razao porque ve-.
t2S'r ,' i? d Lu,za' escrava dt Joao BaP" nuo hoje oceupar as columnas do seu conceituado! Pentes, chales, perfumara, chapeos, linha, camisas,
v.nn?i ifCS Sft a u [Diario, aura de, fazeudo justica, dar o seu a seu I botdes de niadreperola, etc., 60 barris e iO meios
Manoel bronco, lilho legitimo de Manoel Ribeiro' dono \ manteiga, 2 pacotes amostras ; a Henrique & Aze-
innn hrn.?'.. mi .- O K>rD*l Ordem, do dia 30 de agosto, em sua re- vedo. .
2Efc2kL& iv ,eg,,ima d0 comrr"'R^or vista que est dobkixo do ttulo compadre corle-1 20 g.gos champanhe, 26 ca.xas e 2 fardos tect-
MarHd?n,rd, fiih^-,-. a c dand0 I10lllia da confrara de Santa Rita,; dos de algod^ de la, dealgocirio elaa.de hnhoe
rht ir f leg|t"na de Francisco das procurou tecer elogios (alias devidos) actual rae-; algodo, camisas de algodao'e de linho, etc, 2 pa
flSSSW de Luciana, escrava de Joan-! g "gteJgi* a mesn' ^ accu^5ei "TSSSiff^B^tm & C
Man1ne>M,nInureih. h, L*, m i ^ Creo ter sido mal informado o Sr. compadre caixas tecido de algodo, mussel.na, joupa.
*^f3S&m&2E& escrav cortezo nessa noticia, pois se tivesse procurado ^ado. perfumara, etc.; a Lehman & Irmao.
FrSilS nS tiL8^ t Ma1?alllaes- informar-se, por cello que nao haveria irmo que .6 caixas chales, neos de algodo, calcado, bo-
vadnr lPS,t L r, ?"* """" de ^ Hesse occultar os servicos qne tem prestado I oes ; a A. C. de Abren.
Aih-rin aih 3! K.t .?E52" .. contrara o mu digno irmo capilo Miguel Be'r-
Alberto, lilho de Augusto Rodrigues e de Arcelina'
Carlota.
Maria, Giba legtima do Dr. Estevo Cavalcanti de
Albuquerque.
Joaquim, branco, flllio de Josepha Maria da Con-
ceico,
Miguel, branco, lilho legitimo do bacharel Miguel
Jos de Almeida Pernambuco.
Thereza, parda, lillia de Maria Edavigcs da Con-
ceico.
Anna, semi-branca, lilha de Francolina Mara da
Conceieo.
Jos, lilho legitimo de Evaristo Iziro Casado Lima.
Ceciliano, pardo, filho legitimo de Ploreneio Jos
Cuaresma.
Joo, branco, lilho legitimo de Antonio Augusto
dos Santos Porto.
Henrique, branco, filho legitimo de Antouio Jos
Rodrigues de Souza.
Leo, pardo, filho de Maria Joaquina da Concei-
oao.
Predigna, crioula, filha de Antonia Maria.
Amelia, branca, lilha legitima de Joo Baptista
Pereira Goncalves Caoba.
Jos, branco, filho legitimo de Domingos Ferreira
das Neves Guimares.
Joo, branco, filho do mesmo.
Joo, branco, filho legitimo de Julio Cesar Pereira'
da Rocha.
Jovina, parda, filha de Vicenoia Maria da Concei-
eo.
Ramiro, pardo, eseravo de Jos Joaquim de Lima
Bairo. |
Francisca, branca, filha de Genoveva Maria da
Conceieo.
Joaquim, branco, filho de Thereza de Jess Silva.
Antonio, pardo, filho legitimo de Andr Avelino
Sobreira.
Argentino pardo, filho de Luzia, escrava de Alvaro
Augusto de Almeida.
Maria, branca, filha legitima da Antonio da Costa
Faria.
Clara, branca, filha legitima de Manoel Rodrigues
Costa Mata IhSes.
EDITAES.
PARA VEREADOR.
Dr. Prxedes Gomes de Souza Pitanga.
O perfume do lieinisnhcrio oc-
cidental.
O perfume o mais balsmico e aromtico de quan-
los se conbecem, por sem duvida a agua flori-
da de Mcmiay Se Lanman; E' o verdadeiro espi-
rito, a verdadeira essencia das flores encerradas,
qual Asmodeu em urna garrafraha de crystai. O
seu aroma fresco qual o de um ramalhete recem-
colhdo e composio de odorferas flores, e mesmo
depois que este morena e perde seu cheiro, este
24 caixas e 5 fardos chales, riscadilhos, pannos,
tecidos, chapeos de feltro, perfumara, artgos de
viagem, fitas de seda, agulhas, tesouras, rutlena,
chapeos de palha, de palmeira, saias, calcado, es-
poletas, pentes, etc. ; a Monteiro & Lopes.
i caixa modas ; a Almeida Gomes.
2 ditas chapeos, etc. ; a L. A. Siqueira.
2 ditas igoora-se ; a S. P. Johnston A C.
20 ditas tecido de algodo, panno de linho, risca-
dilhos, chapeos, modas, camisas de flauella; a Mo-
nhard & C.
29 ditas e 1 lardo tecido de algodo, chales, pa-
pel, obreias, papelo, flores artificiaos, mercearia,
bonets, cartes, ele.; a Alves Hamburger C.
80 barricas farinha de trigo, 99 pacotes papel, 1
caixa carlo, 4 barris vinho, 100 ditos e 100 meios
manteiga, 2 barricas rame de lato, 40 caixas sar-
dinhas em azeite,' e 200 gigos batatas; a Tlsset
freres.
4 caixas chapeos, 4ditas tecidos de la e chales;
a Theodoro Christiaasen.
32 ditas tecidos de algodo, de linho, de la, de
seda e algodo, chapeos, ditos de algodo, camisas,
luvas, chales, chapeos de sol de algodo, roupa ; a
Carneiro Nogueira.
25 barris e 25 meios manteiga ; a Ferreira &
Martins.
perrume-indestructiv. permanece no objectn que \ ^^^^^,^ ffiSfi
KnS Seu bhoSOcomo0 ZS0'' ^^tov ft JK
SSr Ll; %SL***?! Pili. PeHes de marroquim,- agulhas, ele.; a Per-
aromtico ; como aroma fino e delicado para o len-
co, vestidos, e para a pelle ; ou diluido-como meio
anti-irritante para depois de se ter eito a barba,
sobrepuja e excede a todas as mais aguas aroma-
ticas para o toucador, incluindo at mesmo essa
lo afamada agua da Colonia de Joio Mara de
Faria.
Acha-se a venda em todas as prineipaes droga-
ras e lojas de perfumaras.
PARA O EXM. MINISTRO DA JISTICA LEB.
Constando-mo que na cort do Rio de Janeiro
alguem procura a minha reforma do posto de te-
reira & Araujo.
1 dita oleo de ligado de bacalho, 100 barris e
100 meios manteiga; a viuva Ferreira da Costa 1'
Fimo.
7 caixas tecidos, riscadilhos, indianas, calcado,
etc., 1 pacote amostras ; a Guilherme da Silva
Guimares.
35 caixas calcado, couros, chapeos, vidros, cai-
xas para rap, bolsas, papeJ, peales, rnarroquros,
bicos de candieiro ; a Vaz & Leal.
10 barris -o 20 meios manteiga, 8 gigos batatas,
4 caixas tecidile afgotio e llnno, cobros, instru-
Dfent'JS de msica ; a Robert & Filho.
O Illin. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial, era cumpriinento da ordem do Exm. Sr
presidente da provincia de 20 do corrente, manda
fazer publico, que vai novamente praca, no dia
6 de setembro vindouro, perante a junta de fozen-
da da mesma thesouraria, para ser arrematado a
quera mais dr, o imposto do izimo do gado vac-
cuin na comarca do Bonito, avahado em 2:13400u
annuaes.
A arrematarlo ser feita por lempo de tres an-
nos a contar do Io de julho do corrente auno a 30
de junho de 1867, e de conformidade com o arl 16-
do regulameuto de 3 de agosto de 1852.
A pe'ssoas que se propozerera a essaarremata-
co, compare^am na saia das sessoes da referida
junta no da acii-na menciouado pelo meio dia,
competentemenle habilitadas.
E para constar se mandou publicar o presente
pelo jornal.
Secretarla da thesouraria provincial de Pernam-
buco, 22 de agosto de 1864.
O secretario,
A. F. d'Annunciacao.
O Illm. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial, em curapriracnto da ordem do Exm. Sr. pro-
sidente da provincia, de 20 do corrente, manda
fazer publico, que vai novamente praga, no dia &
do setembro vindouro, perante a junta da fazenda
da mesma thesouraria, para ser arrematada a quera,
mais dr, o imposto de 25O0 do gado vaceura
consumido no municipio de Iguarass, avahado an-
nualmenteem 1:612000.
A arrematarlo ser feita por lempo de um asno-
e 9 mezes a contar do 1 de oulubro do corrente
anno 30 de junho de 1866.
As pessoas que se propozerem a essa arrcmala-
co, comparecam na sala das sessoes da referida
junta, no dia cima mencionado pelo maia dw, e
competentemente habililadas.
E para constar se mandou publicar o presente
polo jornal.
Secretaria da fheseuraria provincial de Pernam-
buco, 22 de agosto de 1864.
O secretario
A. F. d'Annunciacao.
0 Dr. Trslao de Alencar Araripe, oJDcial da im-
perial ordem da Rosa, e juiz de direito especial
do commercio, nesta cidade do Recite de Per-
nambuco, por sua magesiade imperial e conat-
tucioualo Sr. D. Pedro II, a. quem Dos guar-
de, etc. ....
Faco saber aos que o presente ediial virem e
d'olle noticia tiverem que no dia 12 de setembro do.
corrente auno, se ba de arrematar por venda a
quem mais der em praca publica desle juizo o se-
guinte ; urna rasa terrea na estrada de Apipucos
cora porto de ferro, portae jaoeilas, salas, gabi-
nete e quartos, cosinha fora, estribara, seozalla, e
quartos fra ; bem romo ama laria no fundo da
casa de pedra e cal, cercado do lado do rio, e a
(




m---------**
-------


r
*
S9mS9wmSMw < tl ^Wm^lliffO !? 1 ^4-
frente com taita cara apim, em Ierras foreiras
as berdeiras lo Apipuco* avaliada por :UOOAOO.
A qual fora penhorada por execuijo de Jos Octa-
viara Talles Saldanha cootra o major Joao Fran-
cisca de Reg Mala; e nao havendo lancador ouc
cobra o preco da avaliacao a arrematacao s?ra re-
la pelo proco da ;i-ljudiccai> na-forma da le.
E para que chegue ao conhecimento de todo?,
mandei passar o presente que ser publicado pela
imprensa e alunado no lugares do coslume.
Recife, tO de agosto de 1864.
Eu Manoel Maria Rodrigues do Nascimento, es-
crivao, o subscrevi.
Tristio da Alentar Arnripe.
O Dr. Herraegenes Scrates Tavares de Vasconcel-
los, jaiz municipal da 1* vara desta cidade do
Recife de Pernambuco e seu termo per S. M.
Imperial ele.
Faco saber em como por este juizo se ba de
arrematar por venda, fiados os dias da lei e pra-
vas successivas, urna escrava de honie Firmioa,
crioula, com 16 anuos de idade, sadia, avallada
por 6()05. cuja escrava foi peohorada D. Rita
Francisca de Carvaltto Paes de Andrade, por exe-
cuco de Felippe Menna Callado da Fonseca.
para que chegue ao couheciraenlo de todos
mandei passar o presente, que sera aCQxado no lu-
gar do coslume e publicado pela imprensa.
Dado e passado nesta cidade do Recife de Per-
nambuco aos 19 de julho de 1864. Eu Hanoei
Jos da Motta, escrivao o subscrevi.
llerraogenes Scrates Tavares de Vasconcellos.
O Dr. Trsto de Alencar Araripe, offlcial da impe-
rial ordemjda Rosa, e juiz.de .dirato especial do
coromercio, por S. M. Imperial e Constitucional
o Sr. D. Pedro II, a quem Deus guarde, etc.
Faco saber aos que o presente edital virem e
delle noticia Wverem que no dia 5 de selembro do
crrante anno se ha de arrematar por venda a
quem mais dr em praca publica desle juizo, os
escravos seguintes:
Guilherme, pardo, representa ter treze annos,
araliado por quindenios mil ris: Diomedio, pardo,
representa ler quince annos, avahado por seis ce-
ios mil ris.
Os quaes forana penhorados por execucSo do
deserabargador Joaquim Teixeira Pcixoto d'Abrea
Lima, como cessonario de Manoel Alvos Guerra,
centra Manoel do Reg Barros, e nao havendo lan-
cador que cubra o prego da avaliaao, arremata-
ijao ser feita pelo preco da adjudicacao na forma
da le.
E para que clregue ao conhecimento de todos
mandei passar o presente que ser publicado pela
imprensa, e aftlxado nos lugares do costume. Re-
cife, 12 de agosto de 1864.
Eu Manoel Maria Rodrigues do Nascimento, es-
crivao, e subscrevi.
Tristdo Je Alencar Araripe.
O Dr. Tristao de Alencar Araripe, offlcial da im-
perial ordem da Rosa e juiz de direito especia)
do commercio desta cidade do Recife, e seu ter-
mo, capital da provincia de Pernambuco, por
Sua Magestade Imperial e Constitucional o Sr.
D. Pedro II, que Dos guarde, etc.
Fago saber aos que o presente edital virem e
delle noticia liverem, que no dia 12 de setembro
do corrente anno, se ha de arrematar por venda, a
quem mais dr em praca publica, depois da au-
diencia respectiva, os bens seguintes : a oitava
parle do sobrado de 2 andares c soto, n. 10, sito
na travessa da Madre de Deus, tendo 3 portas de
frente, varand.i de ferro no primeiro andar e ja-
ncllas no segundo, avahada essa oitava parte em
7ofl5 :1 terreno no lugar de Santo Amaro, na tra-
vessa do Lima, freguezia da Boa-Vista, tendo 108
palmos de frente e 216 de fundo, un muro na
frente, 5 ps de coqueiros e 1 viveiro, avahado em
6005 ; cujos bens sao perlencenles ao Dr. Joo Pe-
dro Maduro da Fonseca e sua mulher, e vio pra-
ca por execugao que contra os mesmos inove D.
Maria Rita da Cra Neves.
E na falta de licitantes sera a arrematado feita
pelo prego da adjudicacao com o abatunento res-
pectivo da lei.
E para que chegue ao conhecimento de todo?,
mandei fazer o presente edital que ser afxado
nos lugares do costume c publicado pela imprensa.
Dado e passado nesta cidade do Recife aos 19
de agosto de 18o4.
Eu, Manoel de Carvalho Paos de Andrade, es-
crivao, o subscrevi.
Ti islilo Je Alencar Araripe.
BA
ser arretnaiado o obrado e om andar e sotaon.
14, sojta na J4aota Rita, com portao para o
becco que d sahida para o moro da Penha, em i
terreno proprio, pertencente testamentaria do
m^msT^^^7mm^ "" fio, Mdi, taifas e mais ob-
toje linda a audiencia do Sr. juiz de paz do jeclS lltt MMewClBCliU ilo caes 11
1 districto da Boa-Vista lera lugar a arrematarlo de, novciilliro n M
dos seguales object.s : 1 par de consol, 1 mesa UC ^T."' V \a 0^.wv Q
redonda, 1 secretaria, 1 cadeira de amareilo, 2 di- Segunda-feira b de setembro.
tas americanas, 1 sof, 2 cadelFas de balanco, por a&ente wnto kra ''13o a requefimento do Dr.
execueao de Domingos Jos da Cunha Lages con- Deodoro Lloiano Coelho Catanho c por mandado
ira D. Rosa de Miranda, escrivao Barros Correia. d *!!" s"- Dr- uiz espacial do commercio, da ar-
Jlli/O dan (Vi Insih f-r/on.li nacan! m*55. balcao, bataneas e mais objectos existentes
v ,, ,azen,,a MCIOIWI. na loja do abrade. 1 sito no caes de 22 de No-
no ena 19 do corrente pelas 10 horas da manhaa, vembro, s 11 horas do dia supradito, na referida
depois da audi.nria do Dr. joiz dos feHos da fa- foja,
zenda, se vender na sala das audiencias um ter-
ren de marinha, sito na estrada que vai para a
Beaviagem ao lado do norte, alm da ponte do
Motocotemb, com 45 bragas de frente e 50 de fun-
do, avaliado por 80,}, e penhorade Rufino Jos
Fernandes de Figueiredo, para pagamento da fa-
zenda nacional.
Recire Io de selembro de 1864.
O solicitador.
LEILAO
DE
54 acces da companlna Vigilante.
Sexla-feira 9 de setembro.
O agonte Pinto far leilao per conta de diversos
de 54 arn"es da companhia Vigilante em doas lo-
tes sendo o primeiro e 12 aegoes a o segundo de
42 ditas, s II horas do dia cima en frente da
associacao comroeroial.
AVISOS DIVERSOS.
&W;
DESLABACOES.
Comulado provincial.
Pela mesa do consulado provincial se faz publi-
co aos devedores dos mposlos cobrados por lan-
gamento pertencente ao exercicio findo de 18611
864, que no ultimo de selembro corrente finda-se
o praso mareado para o pagamento de cus dbi-
tos, ticando sojeitos a serem exectados os que
nao pagarem at ai|uelle dia.
Mesa do consulado provincial de Pernambucs 1
de setembro de 18C4.
Antonio Carneiro Machado Rios.
Administrador.
Tribuna! de commercio.
Pela secretaria do tribunal do commercio de
Pernambuco se faz publico, que Joaquim Soares |
Pinto Correia e Jos Soares Pinto Correia, Brasi-!
leiros, estabelecidos nesta cidade, fizeram registrar !
Francisco X. P. de Brito.
Inspecco do arsenal de marinha.
Faz publico que a commraso de peritos exami-
nando hoje, na forma determinada no regulamento
annexo ao decreto n. 1324 de o de fevereiro de
1854, e casco, machina, caldeira, apparelho, mas-
treacao, veame, amarras e ancoras do vapor Ca-
mmagibe da corapanhia Vigilante, achon que po-
da esse navio continuar no servico de rebojue em
que seemprega, mas a caldeira niiopodendo func-
cionarcom mais de 11 libras de pressao de vapor
por caja pollegada quadrada pela sua ra crava-
go depois do ultimo concert.
Inspecco do arsenal de marinha de Pernambu-
co, 31 d agosto de 1864.
O inspector,
H. A. Barbosa de lmeida.
CORREIO GfRAL.
Relaco das carias seguras rindas do norle pelo
vapof Princea para os senhores abaito
declarados:
0. Anna Xavier Pereira de Brito.
Dr. Clandino de Araujo Guimares.
Joao de Fretas uarbesa.
Jos Gondim Pereira Juuior.
Jos Rodrigues de Souza (2).
Lino Justiniano de Almeida Pires (Baha).
Luiz Francisco de Paula Albuquerque Maranhao.
Dr. Melcades Pereira da Silva.
Palmeira d Beltrao (2).
Dr. Jos enrique Cordeiro de Castro.
S. ISABEL
Empreza (i crina no k Coi mora
A empreza tem a saUsfacjao de fazer publico que
se acham1 concluidos os reparos e pinturas desle j
tlieatro, e que ter lugar a sua reabertura no da
7 do corrente, aprosentando em grande gala um I
espectculo escolhido.
A empreza convida a todos os senhores que qui-:
zerera assignar camarotes ou cadeiras, a se diri-1 Precisa-se alugar urna ama que saiba cozi-
Rirera ao escriplorso do thealro, a qualquer hora nhar preferndo-se escrava : na ra da Impela-
do da, que achanto com quem tratar. lr n_ 49.
A assignatura ser feita por 15 recitas, sob as
condigocs j estabelecidas.
O primeiro espectculo que dever ter lugar no
dia 7 do corrente, ser convenientemente annun-
ciado.
Aos1):OOD$0()0.
Sexta-foira 9 do corrente mez, se ex-
trahir a primoira parte da primeira lote*
na (107*) a beneficio da irmandade do Se-
nbor Bom Jess da Via Sacra da igreja da
Santa Cruz desta cidade, no consistorio da
igreja de Nossa Senhora do Rosario da re-
guezia de Santo Antonio.
Os bilhetes, meios e quartos acham-se ;
yenda na respectiva thesonraria ra do 1
Crespo n. 15.
Os premios de 10:000,5000 at 2O5000
serio pagos nma hora depois da extracc3o
at s 4 horas da tarde, e os outros no dia
seguinte depois da distribuirlo das listas.
Servindo de thesouretro,
Jos Rodrigues de Soan.
mmwmmam
O Dr. Carolino Francisco de Lima San-
jm tos, contina a residir na rna do Impe-
MK rador n. 17,2o andar, onde pode ser pro-
^ curado a qualquer hora do diae da uoite
5R para o exercico de sua profissao de me-
B dico ; sendo que os chamados, depois de
S meio jBJ deixados por escripto. O referido Dr.
SgS nao abandonando nunca o estudo das
E molestias do interior, prosegue, com o
jR maior afliheo, no das mais difticcis e deli-
yJj- cadas operaQoes. como sejam dos ergos
M ourinarios, dos olho. partos, etc.
ro mam mr
Quem precisar de urna ama de boa conducta,
para todo o servico de portas dentro, dirija-se
ra das Cruzes n. 42.
Procuradoria
irnos martimos.
CMPANHIA PERNAMBUCANA
Pedro Alexandrino da Costa Machado, solicita-
I dor de causas ante os auditorios desla cidade, se
I encarregada procuradoria de qualquer causa com-
! merrial, civil, criminal e eclesistica; aceita de
. partido a procuradoria de qualquer casa commer-
| cial: pode ser procurado das s 9 horas da ma-
nhaa, e das las 6 da tarde, em casa de sua resi-
dencia na ra Imperial n. 124, sobrado; e fura
dessas horas, na ra eslreita do Rosario n. :!i, es-
criptorio do Dr. AITonso de Albuquerque Mello :
: as quintas-foiras, porm, em Ipojuca, e as sex-1
XarcJcio costefra a vapor.
Taraan'are,Barra Grande, Pona de Podras, j tas retras na cabo; "em cjos ro'ros cohnua a tra-
Catnaragipe, Macei, Pendo c Aracaj.
Precisa-se alugar um moleque : a tratar na
ra do Hospicio n. 78.
geiro o din
dia da sahida
n. 1.
No dia 5 do corrente segu s
5 horas da tarde para os portos
cima, o vapor Pwaliyba, com-
mandante Marlins. Recebe [carga
at o dia 3. Eoeommendas, passa-
a frete at 3 horas da larde do
escriptorio no Forte do Mattos
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
ffarega^o costeira a vapor.
Hlia de Fernando de Noronha.
No dia 14 de setembro seguir
ao mel dia, um dos vapores da
Companhia para n presidio de
Fernando de Noronha, para onde
, recebe carga at o dia 13. Encom
nesta dala o seu contrato de sociedade que tem de mendas, papageiros e dinheiro a frete at s 10
gyrar nesta praca sob a hrm Soares & Irmao, horas do din d sahida : escriplorio no Forte do
com o capital de 1:0325 Tornenlo pelo socio Joa-' Mattos n. 1
quim, e por lempo indeterminado.
Secretaria do tribunal do commercio de Per-
nambuco 31 de agosto de 1804.
Julio Guimares,
Oflicial-maior.
Arrematacao.
Pelo juizo municipal da vara e de residuos e
10:0005000
2:0005000
2:0005000
5005000
5005000
.apellas o Dr. Francisco de Araujo Barros, vai
praca de venda no dia 3 de setembro do corrente
anno, requenmento do testamenteiro e inventa-
rame dos bens da tinada D. Maria Candida de Ma-
COiMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Maveia^o eosteira vapor.
Parabiba, Aalal, Mar, Ararat), Cear, e Acaracu
.1 O vapor Versmunija, comman-
dante Ratis, segu no dia 7 de se-
tembro prximo para os portos
cima adicados. Recebe carga
al o dia 5. Encommendas, pas-
sageiros ejdinheiro a frete at o dia da sahida s
galhes, para pagamento dos legados, sello naci- 10 horas na manhaa: escriplorio no Forte do
nal e custas. Mattosn. [
O sitio denominado Zongn em Apipucos, com
casa de sobrado, cosinha, estribara e urna grande Para Lisboa
olaria de fazer lijlos e torno, grandes bateas com vai sahir t 0 dia 10 do corrente 0 brgae porl.
cafto dea lana, em ch5o foreiro, avahado por rs. gnez constarte II, de excellente marcha; recebe
6:0005000- carga a frote rauilo commodo, e passageiros, para
O sobrado de dous andares n. .19 da ra das
Cruzes de Santo Antonio, com taberna na loja, ava-
llado por 10:0005000.
A escrava Anna, mulata, de idade de 12 annos,
avahada por 8005000.
Joao, crioulo, 12 annos, por 8005000.
Rosa, crioula, 40 annos, por 5005000.
Jos, crioulo, 50 annos, doente, por 505000.
Um palaiii|uim por 1005000.
Mobilia e mais movis pertencentes mesma fi-
nada, constante do escripto que se acha em poder
do porteiro das audiencias : os pretendentes que
qnizerein examinar o sobrado encontrarlo as cha-
ves do 2o andar no 1".
De ordem do Illm. Sr. inspector da thesoura
"ara Lisboa
vai sahir t o da 10 do corrente com a carga que
tver, o brgue portuguez Bella Figueirense : quem
no mesme quizer carregar ou ir de passagem,di-
nja-se ao consignatario Euzebio Raphael Rabello,
ra da Cadeia n. 55, escrptorio.
Para o Rio de Janeiro
pretenda seguir com muita brevidade o veleiro
brigae nliconal Almirante, tem parte de seu car-
ria de fazenda desta provincia se faz publico que regamento prompto : para o resto que lhe falta e
a mesma thesouraria em virtudo da ordem do lhe-1 escravoa a frete, para os quaes tem excellentes
seuro n. 113 de 13 do corrente, acha-se autorsa- commodos, trata-se com es seus consignatarios An-
da a pagara diversos (redores de dividas de exer- tomo Lu)z de Oliveira Azevedo & C, no sou es-
os quaes ttm boas accommodacoes : tratase com
Manoel Ig lacio de Oliveira & Filho, largo do Cor
po Santo 1.19, ou com o capito na praca.
icios lindos : as pessoas interessadas deverao re-
querer esta thesouraria o pagamento de suas di-
vidas. Thesouraria de fazenda de Pernambuco em
13 de agosto de 1864.Servindo de official-moior,
Manoel Jos Pinto.
Conselho administrativo.
O conselho administrativo para fornecimento do
arsenal de guerra tem de comprar os objectos se-
guales :
Para a enfermara militar de Tacarat.
Urna caixa crurgica contendo os instrumentos
precisos para amputaran, threpanacao, e para "eli-
diese, 1 estojo porttil de pequea cirurgia, 1 lan-
ceteiro contendo de 6 a 8 lncelas com cabo de
tartaruga, sendo urna para vaccinaco, l scarillca-
dor com 8 12 laminas e 2 aspiradores. Na falta
desles 6 vdros para tirar ventosas, 1 estojo com-
pleto e porttil para extraego de denles.
Quem quizer vender taes objectos aprsente
a sos proposta em carta fechada na secretara do
conielho s 10 horas da manhaa do da 5 de se-
tembro prximo vndouro.
Sala das sessdes do conselho administrativo para
fornecimento do arsenal de guerra 30 de agosto de
1864.
Antonio Pedro de S Brrelo,
Coronel-presidente.
Sebastiao Jos Basilio Pyrrho,
Vogal secretario.
Arrematacao.
No dia 3 do corrente, (Inda a audiencia do Sr.
criptorio roa da,Cruz n. 1.
LEILOES.
LEILlO
DE
oO aeces da companhia Vigilante
HOJE.
O agente Pinto levar novamente a leilao, por
despacho do Illm. Dr. juiz de orphaos e a requen-
mento de D. Clementina Theodora da Silva, 50 ac-
coes da companhia Vigilante, isto s 10 e meia ho-
ras do dia supradito, a porta da Associacao Com-
mercial.
O referido leilao ser effectuado s 10 e meia em
ponto, visto que em conlinuacao haver outro
eilao.
L.EIL40
DE
Um cavallo castanho.
Segunda-feira 5 do corrente.
O agente Pestaa vender por conta de qnem
pertencer um cavallo castanho carregador baixo
a raeio : segunda-feira 5 de setembro pela? tQ ho-
Dr. provedor de residuos, escrivao Vasconcellos,' ras da manhaa no largo do Corpo Santo.
C4SA DA FOHTINA.
AOS lOtOOO.OOO
Bilhetes garantidos
A* ra do Crespo n. 23 e casas do coslume
O abaixo assignado vendeu nos seus milito feli-
na bilhetes garantidos da lotera que se acaboo
de extrahir a beneficio da Santa Casa da Miseri-
cordia os seguintes premios:
N. 631 meio bilhete com
N. 1072 dous quartos com
N. 3088 dous quartos com
N. 3300 dous quartos com
N. 2094 meio bilhete com
E outras multas de 2005, 4005, 405 e 205-
Os possuidore podem vir receber sem os des-
con.os das leis na Casa da Fortuna ra do Cres-
po n. 23.
Acham-se venda os da primeira parte da pri-
meira lotera da irmandade do Senhor Rom Je-
ss da Va-Sacra da igreja da Santa Cruz desta
cidade, que se extrahir na sexta-fuira 9 do cor-
rente mol.
Preeos.
Rilhetes inteiros..... I2500C
Meios......... 65000
Quartos........ 35000
Para as pessoas que comprarem
de 1005 para cima.
Rilhetes........ U50OO
Meios......... 05500
Quartos......, 8257.%
____________________Manoel Martins Fiuza_______
O abaixo assignado tendo arrematado Do-
mingos Vaz da Costa Agr o engenho Thom e di-
versos escravos, e tendo passado letras correspon-
dentes renda total dos referidos bens, que se ha
de lindar em maio de 1867, previne que ninguem
faca transac^ao com dito Agr sobre as referidas
letras, visto como o ajuste foi dependente de con-
dicties, e no tendo sido preenchido, nao corre
obrigacao da parte do abaixo assignado, nao obs-
tante existirem em poder de Agr letras na impor-
tancia de todo arrendamento.
Gonzalo Gomos de Souza.
Pede-se s autoridades policiaes ou quem de
direito competir, que fara remover para o grande
hospital dos alienados a douda que existe no so-
brado da ra Direita n, 6 ; pois essa nem s in-
comtnoda os visinhos com gritos c tambem vive
constantemente botando na ra onrina podre e
mais alguma cousa por cima de quem passa.
______________________Um incommodado.
Na Capunga, porto do Lasserre, casa n. 5,
da viuva Gouveia, tem para se alugar um moleque
de 13 annos.
A qnem pode.
Aluga-se urna easa no Poco da Panella, na ra
do Rio n. 16, com 2 salas, 3 quartos, cozinha tora.
quintal que volta para a ra da Poeira, mnito pro-
pria para passar a festa, e d-se mnito em conta
a quem lhe faca um pequeo reparo, c tambem se
vende : a tratar na ra do Aragao n. 8.
Antonio Joaquim de S, subdito portuguez,
retira-se para Europa.
O tenentc-coronel Manoel Joaquim
do Reg e Albuquerque tendo de fazer urna
reuniao poltica em sua casa convida aos
conservadores e mesmo aquelles que estive-
rem descontentes da actual idade decompa-
recercm na noite de sabbado 3 do corrente,
cujo fim ser nao s tratar de fazer-se a
chapa, como tambem dos meios de entrar-se
na igreja e sahir em paz.
Joaquim Gomes Douradn pelo mo estado de
san saude nao pode despedir-se de seus amigos,
aos quaes pede desculpa : e ao mesmo lempo olle-
rece o seu pequeo presumo na cidade de Lisboa,
aonde tenciona residir.
Pressa-se de urna ama para casa de pequea
familia : na ra da Gloria rv 36.
-~-M------
INJECTION. BROU
JARABE DE CORTEZAS DE NARANJAS AHORCAS
fc J.-*. LAROZE, Buaitt, hmetntiea it b bestia iipritr de Pan
Este Jarabe, al regularizar las funciones del estdmago 6 intestinos, destruye esas
indisposiciones proleitormes, y hace abortar tas enfermedades de que son signos precur-
sores. Mdicos y enfermos han reconocido que restablece la digestin, haciendo desa-
parecer las pesadeces de estdmago; que calma las jaquecas, pasmos, y calambres, que
son el resultado de digestiones penosas. Su gusto agradable, y la facilidad con que se
soporta, lo han hecho adoptar como el espeeffieco infalible de las enfermedades nervio-
sas, gastrilis, gastralgias, clicos de estmago y entraas, palpitaciones, males de co-
razn vmitos nerviosos. Su accin sobre las funciones asimiladoras es tal, que los
mdicos as ilustres lo han adoptado por escipiente real de los dos primeros agentes
teraputicos : el Ioduro de potasio y el Proto-Ioduro de hierro, habiendo
observado que bajo su influjo el frimer* pierde su accin irritante, y el segundo
su efecto astringente.
JARABE DEPURATIVO
DI CORTUAS DI SMSM1S UHCkS
CON IODURO SE POTASIO
El Ioduro de potasio, administrado en solu-
cin bajo furnia olida, causa al enfermo una
gran repugnancia, determina necidentej que
lo obligan i renunciar a este efleas remedio.
Unido al Jarabe de cortezas de naranjas, no
cauta ni cutralgla. ni de*arreU> del estmago
intestinos, y gracias este salvo-conducto,
las curas depuradas pueden seguirse sin Inter-
rupcin, ni las aferciones escrofulosas, tuber-
culosas, canerrosas, y en las segundarias 6 ter-
ciarias, tociMsas las reumticas, de que es su
mas seguro especfico. La dosis esl definida de
tal -manera que el mdico la varia como quiere,
ti frasco : i fr. 50
JARABE FERRUGINOSO
BE CORTUSS DI MISMAS UUSSAS
con PROTO-IODURO de HIERRO
La asociacin de la sal frrea con el Jarabe
de cortezas de naranjas es tanto mu racional
cuanto que este Jarabe, empleado solo para
estimular el apetito, activar la secrecin del
jugo gstrico, v por consiguiente, regularixar
las funciones abdominales, neutraliza los tristes
efectos de los ferruginosos y deles loduros (pe-
sades de cabeza, constipacin, dolores epigs-
tricos), al paso que facilita su absorcin. Di-
suelto en el Jarabe, se toma y soporta fcil-
mente por hallarse en el estado puro mas
asimilable; y aslpuede seguirse la cura de les
colores plidos, p.dldas blancas, anemia,
afecciones escrofulosas y raquitismo. El frasco:
4 fr. 50.
Los Jarabes de J.-P. LAROZE estn siempre en frascos especiales (jamas en medias
botellas ni frascos redondos!. Expediciones: en casa J.-P. LAROZE, ruc de la Fontaine-
Molire, 396i*. Depsito general: farmacia Laroze, ru Newe-des-Petits-Champs, 26,
y en casa de tedos los farmacuticos antiguos de Francia y del Eslrangero.
Desgnete en que lengua deben estar las instrucciones que acompaan cada producto.
r
PERFUMERA mdico-hyginica
Je J.-P. LAROZE, QuIbco, Faraaetatico de la bsela especial k Pars
Estos productos son el resultado de la aplicacin de las leyes de la higiene la per-
fumera, que se eleva y convierte en farmacia de la belleza, encargada de atender i la hi-
giene del cutis, cabellos y dientes, que todos son rganos tan importantes; sirven para evi-
tar y destruirlas causas de las enfermedades que su hermana primognita, la farmacia
propiamente dicha, est llamada ,1 curar.
SJSJMB dehtitrico para curar inmediatamente
los dolores de muelas ; el frasco 1 fr. 25
polvo piimriucos BOSASOS, con base de
magnesia, para emblanquecer y conservar los
Sientes; el frasco........I fr. 50
emii DMTD-B1CA, para fortificar las encas y
evitar las nvvralKias dentales 1 fr. 50
dUKATrvo dehtal para curar los dientes ca-
riaSos antes de la emplomadura, y evitar tos abee-
sos y dolores; el trasca cn el instrumento. U te.
AQDA lbdcodermina para conserrar la her-
mosura de la tes y lu funciones de la piel; el
frasco........... 3 [r,
SPiPirro mi ans rectificado complemento
del tocador de la boca despus de cada comida;
el frasco...........1 fr. 25
jabn unitivo KBMCXHAL, para el tocador ;
i la vilela, almendras amargas, ramillete, etc.,
el labon............1 fr. 50
jabn lenitivo medicinal, con yemas de
huevo, para evitar las grietas en el cutis, hendirlnras
y enfermedades de la piel; i la violeta, ramil-
lete, etc.; el jabn........' 2 fr.
crema M jaso* LBirmvo medicinal en
polvos. Es especial para la baiba, como tambin
para el tocador de las mngeres y nlilos; el
frasco.............2 f r.
AOUA lcstral para conservar y embellecer tos
cabellos, fortificando sus raices ; el frasco S fr.
aceite de avellanas eeri-omado. para re-
mediar i la sequedad y atonia de los cabellos; el
frasco.......,.....J fr.
vtmagrb de TOdADOR sdpbrtino, renom-
brado por su suavidad y accin refrescante; el
frasco............0t fr.
cold cream superior, para conse var el culis
blanco, fresco, riiifano, y evitar las consecuencias
del uso de los afeites; el bote. 1 fr. 50
AOOA OB COLONIA SUPERIOR, con mbar 6 sin
el. La estabilidad de su perfume la hace buscar
para el tocador, baos locales y generales; el
frasco..............1 fr.
ASTILLAS ORIENTALES del doctor I'.iul Clment,
para quitar el olor del tabaco y neulralisar los hli-
tos fuertes; al caja........1 y 2 fr.
BODA DB i-lores de alhucema, cosmtico
muy buscado par desttuir las comezones, fortale-
cer y refi escar ciertos SfSjSttOS; el frasco. 1 fr. 50
BSpiritu DB menta superfino. Es el mas
perfecto i indispensable complemento del toca-
dor de la boca despus de la comida; el
frasco............1 fr. 25
r OMADA CONSERVADORA con quinina pura, para
fortificar los cabellos, hermosearlos y evitar que
se pongan canos antes de tiempo; el bote. S fr.
Depsito en todas las ciudades en casa de los farmacuticos, perfumistas, peluqueros,
mercaderes de modas y novedades. Venia por menor : En la Farmacia i>aroxe, ru
Keuve-des-Pelits-Champs, 26.
Expediciones: en casa de J.-P. LAROZE, ru de la Fontaine-Molire, 39 bit, en Paris.
Desgnese en que lengua deben estar las instrucciones que acompaan cada producto.
z CJ
s ; r 2."=-." ? 3 Rff >si its aSsusiS
is.g5psg
5?6*s--h
2.3
Wt HH
a?ffH:l|!
- r|*| SQ.tt.-g"
L 2 Oo,
5sSb#!bI5
= = "5 H oa
s ^-= Z u a c
O
e
Venrlc-se na ra do Imperador botica franceza n. 38.
A NACIONAL
Companhia geral hespanhola de seguros mutuos
sobre a vida
AUTOHISADA PELO REAL DECRETO DE 21 DE DEZEMBKO DE 1859
Urna lian;;a em dinheiro, depositado nos cofres do estado, garante a boa ad-
ministrarlo da companhia.
BANQI'EIROS DA COMPANHIA I DIltECCO GERAL
O Banco de Hespanha Wadrid : Rna do Prado n. Ift
Esta companhia liga pelo systema mutuo todas as combinajSes de Supervivencia dos seguros
sobre a vida.
Nella pode se lazer asubscrpgao de manera que em nenham caso mesmo por morte do se-
gurado se .perca o capital nem os juros correspondentes a estes.
Sao tio supreheudenles os resultados que produrem as sociedades da ndole deA NACIO-
NAL, que anda mesmo dminuindo urna terca parte do interesse produzdo em recentes lquidacoes
e combnaadoo com a morlalidade da tabella de Depareieux qne e adoptada pela companhia para os
seus clculos e lquidagoes, em segurados da idade de 3 a 19 anuos, urna imporsico annual de 100
produz em effectvo metlico :
No fim de 5 annos.......1:1193300
de !0........34UM0
de 15........11:208*200
de 20........30:2563000
de 25 .......80:3315000
as Jades menores de 3 annos o maiores de 30, os productos sao mais consideraveis.
Prospectos e mais informacoes serao prestadas pelo sub-director nesta provincia o Sr. Jeronv-
mo Joaquim Pinta de Oliveira, rna da Cadea n. 52, ou a Boa-Vista ra da Imperatriz n. 12, estab-
lecimento dos Srs. Raymuodo, Carlos, Leite & Irmo.
FREtitEZIUII-; S. JttS
Sao con\ dados todos os liberaos {enuinos da
iiero-ca freguetia de S. Jos para urna rapoiao
que devora ler lugar domino 4 do corront s ti
loras da tarde na casa da roa Imperial n. 6% (so-
brado do Gusmao) afim de tratarse de neaocios
oloiioraos.
Fagio na noito de fz do mez prximo Bassa-
do nma escrava mulata clara de nome Suzafta, de
idade 35 armes, baixa, corpc1onta.com alguns pan-
nos pretos pelo roste, cabellos crespos e coH4os,
costuma intlular-se forra, e procurar servio to-
mo ama de casa particular : roga-se a qualquer
pessoa, aos capitaes de campo e polica que da.
mesma derem noticia, sero recompensados na ra.
da Praia, armazem n. 55, ou na ra Imperial nu-
mero 11.________________________________
Preci>a-se alugar um preto para o servio
desta typographia por mea ou por semana, a 6er-
ca, ou daiido-se o sustento : a livraria ns. fr e 8
da praca da Independencia._________
.Mugase urna padarla na villa do Bonito, rom-
pidamente montada de todos os ulencHos preci-
808, en se faz sociedad* oom alguma pessoa Jwbi-
i litada : a tratar na dita villa como dono, o Sr. An-
| Ionio Jos Botelbo.

Gabriel Soares Raposo da Cmara e D.
Anna CsrMa de Albuquerque Barbosa coa*
vidam aos seus amigos e prenles para ou-
vireni missas que polo reptse eterno de
sua sempre chorada esposa e mai I). Carlo-
ta otqutna de Albuquerque Cmara man-
dan) celebrar na segunda foira 5 do cor-,
rente e primeiro anniversario de sen passa-
mento, na matriz da Boa-Vista s 7 l|2 ho-
ras da manliaa, agradecendo-lhos desde j
essa prava t\<'. amisado o raridado.
Aluga-se um escravo : quem o pretender,
diriia->e a rna do (jqeimado, loja n. li.
Precisa-s de um menino brasileiro de 0
li anuos para caixeiro de loja do modas, d-se
preferencia, sendo os de lora da cidade : na ra
da Imperatriz n. 7K.
Aluga-se o sobrado an iro.llo da Ponte de-
Cehoa, coacertado de novo e pintado, sendo osi-
lio murado e. ptimos commodos para familia: a
tratar no largo do Paraizon. 1C.
Para a festa
Alafa-se um sobrado no Viradouro do '?linda.
com miiitos commodos : a tratar na padariaoue
foi do fallecido Soares, ou no Recife, pateo do Car-
ino, taberna de Joaquim Hanoei Pdrreira Je Souza.
lia para alugar um primeiro andar um ter-
coiro dito com solao, ambos na rita do Encantauwu-
to : unta loja na ruado Amorim e urna casa ter-
rea na ra da Alegra : a tratar com Joao Hibeiro
Lo>es, rna il.i Cadeia n. 33, luja.
Precisa-se alugar urna escrava para o servi-
co de casa e compras de nina familia romposta e
ditas pessoas : na ra das Nimpnas em una casa
terrea nova sem numero junto de outia taiabem
nova n. 9.
irmandade de S. Benedicto do
Capitulo
lloje 3 do corrente, tora lugar, finda a audtea-
cia do Illm. Sr. Dr. juiz municipal da 2'varae
provedor de capcllas, o arrendamcniu judicial da
casa de sobrado de dous andares na ra da Cnu
do Recife n. 41,onde existe nm osiabi-lecimentode
mircinenia e mobilias, lugar proprio para qual-
quer estabelecimento, cujo pertencente a irman-
dade d.? S. Ben 'dicto do convento de Sanio Anto-
nio ile ta cidade, durante um triennio por t:200
annualmente, requenmento da mesma irmanda-
de, como consta do escripto que tem o porteiro do
juizo.O escrivao, N'unes Ferreira.O secretario,
Pereira Braga.
- Precisa-se de um caixeiro para taberna, de
12 11 anuos de idad-, que saiba ler e esc rever :
na ra das Cruzes n. I.
Zt
O i
-i O
i a
S B
P

P
pj

g
Cu
o p
p $
es
p-
o
QQ
P
5
e
p-
o
H
30
O
5$

p-
5 -
/.
/
o
a p-
.
S
p
r
9
72
02
es
a
TINTURARA.
Tinge-se com perfeico para qnalquer
cor, e o mais barato possivel: na ra do
Rangel n. 3S. segundo andar.
Aluga-se ou vonde-se a olaria dos Coellios n.
o, onde estove o Sr. Manoel Sorra, o caes passa na
frente, fica em muito bom local para quem quizer
edificar, ou mesmo para quem qoeira por alguma
fundlcie : a tratar na ra Direita n. 22. reliuacao
de Francisco Jos de Araujo.
Joao Antonio Alvos tem justo o contratado^
taberna sita na rna do Jasmim nos fundos da igre-
ja de S. Gon.-alo, com Manoel Soares do Motira &
C : quem livor emharaoo oom a mesma taberna,
dirjase em tres dias da dala desle. Recife 31 de
agosto de 18i.
AVISO AOSSRSriEDICOSr
Cura ra'arWics, tostel
coqueluches, irritac*$
nervosas sai ios bron-
chios e todas ai docn-
1 cas do peitO; hasta ao
doente urna colhe rebdea desle xarops D' Fobqst.
Dr.Chsble, cmPariz, rus YMaMe, s.
Dtvocao de S. Francisco de Assis da
igreja deS. Jos de Riba-Mar.
o ^ .. j.___- 'BPfecisa-se de urna ama de leite que seja livro ou
,sosSrs desta devocao para se Sptiva, porm moca e sadia, agradando nao se
sistorm.dai mesma igreja nc.do- duvida m j^. a tfalar m rda da Cruz do
Sirop du
DrF0RGET
Pars, 36,RuaVivienne, D'
CHABLEmoecin
DASENPEJUUDAAS DbSSEXUAES, AS AFFEO
gOF.S CUTNEAS, E ALTERACOESDO SANGUE.
llOOOOcurasdasim/nngen*
inislulas, herpes, sarna
comixoes,acrimonia,eaU
l/orfoe, viciosas do san-
___rjue; virvs, e alteraeoet
do sanyue. (Xarope vegetal sem mercurio). Depa-
ratuM vegetase* BAWHON nnillAIS
tomao-se dous por semana, seguindo o tractanento
Depurativo : embregado as mesmas molestias.
Este Xarope Citracto da
ferro de CIIABLE, cura
inmediatamente qualquer
puruofao, relaxacao ,
e aebtlidade, e igual-
mente os fluxot e flores brancas das murheres.
Esta injeccao benigna emprega-se com o Xarope d
Citracto de Ferro.
lemarroiiiaii. Pomada que as cura em tres dias.
POMADA ANTIHERPETICA
Contra: as affeccocs cutneas e comixoss-
PILULAS VEGETES DEPURATIVAS
do chubie, cada frasco vai accemnahado do
sa folheto.
QEPURATIF
dn SAIVG
PLUS DE
COPAHU
AIH4 JE LEITE
Vendc-se na ma do
! franceza n. 38.
Imperador botica
Convido a todo
fconirem no consi
mingo 4 do corrente s 4 horas da tarde para se
tratar de negoeios relativo* a festa do mesmo.
Recito, 2 de seieortro de *864.
O secretario,
codoro A. A. Mello.
paar
Recife n. 3.
Precisa-se de urna ama que saiba engoiamar,
cozinhare comprar : na ra larga do Rosario-nu-
m*ro, asi
moGios,
Vende-so em casa de Johnston Pater &
C, ra do Vigario, n. 3, um bailo sorti-
mento de relogios de ouro patente in-
glez, de um dos mais afamados fabricantes
de Liverpool, e tambem 'urna vaiiedade de
boniositrancelins para os mesmos!i
i

\


<-r
*

1
f
i
tarU 4c roiuuiktM
afetao 3 de eeaubro de tS4.
riUnrt.-----------------------i".,.,..-----------------------,______

0 IMPORTANTE ESTABELBCBfEIVflG
A ma do Cregpe n. 17
DE
JOS GOIIES VILLAR
Acaba de receber de Pars

0 melnor sorttinento do fazendas de gosto jara as Exmas. senhoras, para assn
continuar melhor na sua liquidacao de fazendas, a' para r a Europa o oais breve .possi-
*et comprar um beflo e variado -6orlmento de niercadorias.
Capas pretas o que ha de melhor era Pars, easacSes pretos, basquinas de cintura,
pelerinas, pelisses, soutembarques, jaquetas preta bordadas para senhoras, jaquetas de
merinos de cores ricamente enfeitadas para senhoras, chapeos de palha bem enei lados
para senhoras, inoreantiones.pretos, gros pretos, cassas organdys, cortes de organdys
coni barra o que tem *indo de mohor de Paris, bretanhas de linho, selecias e linho,
bramantes, madapeKies, chitas de mulos gostos.
As sedinhas de quadros estilo se acabando veado-se agora a 15200 o covado 1 1 oh
que pochincha.
Tapetes para forrar sala, s este estabeleeimenfc tem cora 6 palmos de largara a
2o0 o covado ; aproveitem antes que se acaben.
Protejam. Pnotejam Eunas. senhoras
o publico en ge ral a importante -Uquidacao de fazendas
A loja da ra do Crespo numero 17.
4<*KMIO

Dencaa que-os-llunos economapara os,psII Esta parle do coreo
humano por ceffiraqnetla qoe, neste*clima, ne-
cessila-e raaior a gasa I no: pela hmtMade nos ps
, se introduz agranda maioria das molestias, e com
estas a pierda da saude e da vida I!! Fofa comes
botinas e sapatos velkis ; reforma-Ios
45-Rua Direit45
Borzeguins francezes para homem
', Ditos inglezes idem a -85, 75 e
i Ditos para senhora
j Ditos para menina
; Sapatoes esmaga cobra
Ditos de Nantes de duas solas
Ditos dito de sola e Tita
Sapatos de borracha para senhoras
Ditos de dita para meninos
Ditos de tapete para bomens e
nhoras a 800 e
Sapatos de lustre para senhora a
Ditos para-casa
Chinela- rasas do Porto

se--
5J60O
65900
00
25000
.'4000
55600
45000
1*400
15000
15W00
4*000
S00
1*600
ROUPA FEITA
Na
ABIAZEH



SAHIO A LUZ
ESTA A fOM HA LIVRARU DO Sn. GERALDO
ROA ESTHEJTA DO ROSAR tf. 12 AS
NOCES
partidas Cobradas
OFFERF.CIDAS
AAssociacas Commerriai Benelicente
DE
PEBNAnBUCO
POR
M. Fonseca de Sfedeiros.
&H-
> aur si) $R2inii>&DQ<
LETREXRO VEKSJK.
Neste estabelecimento ha sempre nm sortiraento completo de roupa feita de
todas as qualidades, tambem se manda fazer por medida, vontade dos concor-
rentes, para o que tem um dos melhores professores* assim como tambem tem um
R grande e variado sortimento de fazendas de todas as qualidades, para senhoras,
9g homens e meninos.
Casacas-de panno preto, 355 e 3O50O0!Dltos de setim prcto. .
Sobrecasacas idem, 305 e 25,0000 Ditos de ditos e seda branco,
Paletos idem e de cores, 250, 6j e.......
20^, 15 e......10,0000 j Ditos de gorgnrao de seda
Dites de casemira, 200, lo$, pretos e de cores, 6, BJ e
125, 105 e...... 75000 Colletes de fustao e brim bran-
Ditos de alpaca, 55, 45 e 35500, co, 35500, 35 e .
Ditos ditos pretos, 85, 75, Jseroulas de brim de linho,
m W. 45e......35500; 2ieo e
&; Ditos de brim e ganga de c- i)ll3iS e aeoao 15600 p"
res, 45500, 45, 35500 e. 35000\ SSZ T peUosTnnho,'
40000, 45, 34 e. .
Ditas de madapolo, 25500,
55000 25 e........
j Chapeos de massa, pretos fran-
75O00j cezes, 105, 95 e. .
m
m
Ditos branco de linho, 65, 55 e
Ditos de merino preto de cor-
dao, 105, 75 e.....
Calcas de casemira preta, 125,
105, 85e......
Ditas de cores, 95, 85 e. 75000
Ditas de meia casemira de co-
res, 55000 e. 45000
550003
55OO0!
45000
25500
250OO
15400
2^500
15600
85500
25000
SALSA PARRILHA DE AYEK.
Transcrevemos aqui alguos
dos muitos attestados qae temos
recibido das virtudes da salsa
parrilha do Dr. Ayer.
Rheumatismo.
DE JOO JOS DOS SANTOS.
Ouro Prelo.
Soffri rheumatismo por mui- j
tas vezes, e vendo annunciado
em um jornal d'esta cidade a
Salsa parrilha de Dr. Ayer, re-
solvi-me a comprar um frasco e fazer usa
d'ella ; e antes de concluir o primeiro fras-
co, achei-me forte e sem sentir a mais leve
dr nos joelhos; a parte do corpo que es-
tava affectada d'esse terrivel encommodo
que roubou-me tantas noites de somno.
Erupcdes. borbulhas, pstulas,
ulceras, e todas as molestias
da pelle. j
DO SR. JOO PAULA DE ABREC E SOIZA.
Ra de S. Pedro.Red de Janeiro.
Soffria mais de dous annos de urna
erupcao syphilitica em todo o corpo, mos-
trndole sempre com mais violencia na ca-
ra, prove muitos medicamentos e consultei
Joao da Silva Sanios, medico pela Ba
versidade de Coimbra, da consultas em
sua casa das 9 as 11 horas da manhaa, e
das 4 s 6 da tarde. Visita os doentes
em suas casas regularmente as horas
para isse designadas, salvo os casos ur-
gentes, que serao soccorridos cm qual-
quer occasiao. D consultas aos pobres
que o proenrarem no hospital Pedro II,
aonde encontrado diariamente das 6
s 8 horas da manhaa.
Tem sua casa de sade regularmente
mouda para receber qualquer doente,
anda mesmo os alienados, para o que
tem commodes apropriados e nella pra-
tica qualquer operacao cirurgica.
Para a casa de sade.
Primeira classe 3*000 diarios.
Segunda dita.... 2*300 >
Terceira dita.... 2*090 >
Este estabelecimento j bem acredi-
tado pelos bons servicos que tem ores-
todo.
0 proprietarlo espera que elle conti-
nu a merecer a conflanca de que sem-
pre tem gozado.
Sant-CIalr
das ilhas ou os desterrados na ilha da Barra, ro-
muitos mdicos, e eslava quasi desanimado !"ance di.6n0 de ser lido pelas senhoras por seus
aliando vi k annnncin* qudiiuo vi os annuncws a Salsa pan tifia senhora, 3 voluntes cm brochura a 2* : na livra-
ao r. Ayer: comecet a fazer uso d'ella e na ns. 6 e 8 da pra^a da Independoncia.
nos primeiros dias a empeo aggravou-se,
Ditas de princeza e merino pre-
to de cordao, 45500 e. ,
Ditas de brim branco e de co-
res, 55, 45500, 45 e .
Ditas de ganga de cores, 35 e
Colletes de velludo preto e de
Ditos defltro, 55, 45,35500 e
Ditos de sol, de seda, 125,
115, 75 e......65(w>0
Collarinhos ile linho fino, ulti-
45000 ma moda duzia. .
I Sortimento completo de grava-
25500 tas.
2550O Toalhas para rosto, duzia, 11^,
e .....
cores, 95 e......75000 Chapeos deso, de alpaca, pre-
t^t .. 11. .i.iiiiri ..(.. V f I t\l\f\ Iri A .1 1-1 li-.u-c
65000
5
65000
45000
Ditos de casemira preta, 55 e
Ditos de ditas de cores 55
U e
Furtaram da cara n. i da ra do Cabra!,
capiao Antonio Iiernaido Fetreir, o seguinte : j
L'm relogio jlente inglez de ouro, rom tr;.nee-
lim, um passador rom circnlos d>' rubins peque-1
nos rom dous sioetes de ouro com pedras no fun-
do, urna chavinha conprida de ouro e outra dita !
maior como chave de porta tambem de ouro.
Ima coi rente de prata para suspensorio.
l'm castcal de prata,
l'm par Je oculos de 011ro.
. quanlia de 300* a 400* em moeda de prata
de 'OO rs., 1* e paiacoes.
Duas libras esterlinas.
Diversos penhores de ouro na importancia de
100*000.
Quatro pares de buidos de abertura c quatro de
punhos.
Ima lettra de 1305 aceita pelo conego Joao
Hernenuvem Maciel, e outra da quantia de 12*
aceita por Francisco da Cruz Souto, as quaes es-
tovam dentro de urna carteira que tem um retra-
to de urna moca banhando-se.
fina caixa de prata para rap obra do Porto.
Dous massos de meias para homem.
Diversas grvalas.
Um paletot de casemira branca cem dous lencos
um de seda e outro para tabaco.
Duas toalhas de labyrinto com bico.
I'ma escova nova para escovar obra de panno.
Ima pistola de espoleta pequea toda de ferro
com o ouvido da espoleta quebrado de urna banda.
Urna porcao de lencos para tabaco encarnado.
Cinco lencos de seda sendo 3 encarnado e dous
de ramagens.
Um par de sapato de tapete todo encarnado, no-
vo, mais achinelade.
Urna carteira cor de ganga por lora e por dentro
de marroquim encarnado, com 5* em urna nota.
-i* sendo urna nota de 20* e 1* em prata.
3;>jj em prata em moedas de 1J.
100* pouco mais ou menos em urna boceto
comprida em moeda de i* de prata.
Mais urna porcao de patacoes e moedas miudas
de prata que ignora-se a quantia, em urna boceto
de (landres redonda.
O roubo foi feito ao amanhecer do dia 27 de
agosto, entraram pelo telhado da frente da casa
do lado do sul, destelhando tres ordens de telhas e
cortando duas ripas a faca por onde descerara pa-
ra a sala, aonde se achava urna mesa com duas
gavetas, carregando esta pela porto do oitao para
o quintal debaixo de um pe de jambeiro onde le-
varam urna gaveta com ludo quanto se achava
em ambas as gavetas, e foram ao quarto do lado
do sul abriram, o qual se achava com a chave na
porta e tiraram o que consto da relacao : roga-se
a quem souber queira dar noUcias na mesma casa
ou na livrana ns. 6 e 8 da praca da Independen-
cia qje ser recompensado ; assim como pede-se
aos Srs. ourives a quem fr oliera:do qualquer
destes objectos, os aprehendan! e participen) as
mesmas casas cima.
U abaixo assignado faz cenle ao publico que
o Sr. Victorino Lopes da Costo nao mais seu cai-
xeiro desde o dia 30 de agosto de 1864.
Antonio Joaquim de Mello.
Alugamse tres casas pequeas na Torre,
caiadas e pintadas, para se passar a festo com pou-
co dinheiro, e tambem se vendem todas juntos on
cada urna em separado, em conto.
Na ra do Queimado n. 31 precisa-se de um
sacerdote para capeilao em Rarreiras na Parahiba:
para tratar at o dia 3 do crreme.
Na ra estreila do Itosario o. 34
Advogado Aftbnso de Albu-
tos e de cores.....45000
Lences de bramante de linho. 35000
Cobertas de chita chineza.. 25500
mmmmmmm
ptit>Iica?o Iliteraria.
Sabio luz o opsculo intitulado
A libi:rd.idg
porem antes de acabar o segundo frasco ti-
nha o mal desapparecido completamente de
todo o corpo.
Doctor Don Jos Valdes Herrera, profes-
sor "de medicina y cirl'rjia, subdelegado
em ambas as facultades del sesto dis-
tbjcto.Habana.
Certifico que he usado la Zarza parril-
la del Dr. Ayer, y como depurativo he ob-
tenido de ella los mas felices resultados en']
los casos de ulcera crnica, como asi mismo
ensayado las Pildoras catrticas del mismo
autor y las considero como um purgante,
cuya accin ademas de ser segura, ha sido
muy eficaz en el tralamento de las enferrai-
dades que exsigou el uso de los purgantes,
y no vacilo en recomendar estas preparacio-
nes. Y para los fines que puedan convenir
doy la presente en Regla 7 de Setiembre
de 1860.
Don. Jos V. Honra v.
Escrfula.
Attestado do Illm. Sa,-Francisco Ferraz
dos Santos.Ouro Frit.
Me ado ha quasi dous annos affeclado '?iaib? inhar e engommar : na ra das Cruz
de escrfulas, e tendo soffrido tanto que al- Dl k" prlmeiro andar-
gumas vezes quasi que diego a desanimar
f O Dr. Cosme de S Pereira conti-
na a residir na ra da Cruz n. 53,
Io e 2o andar, onde pode ser procu-
rado para o exercicio de sua profis-
so medica, e com especialidade
sobre seguinte
Io molestias de olhos;
2o de peito :
3o dos orgaos geniti
urinarios.
Em seu escriptorio os doentes se-
ro examinados na ordem de suas
entradas comecando 0 trabalho pelos
doentes de olhos.
Dar consultas todos os dias d si
6 as 10 da manhaa, menos nos do-
mingos.
Praticar toda e qualquer opera-
cao que julgar conveniente para o
prompto rfistabelecimento dos seus
doentes.
CONSULTORIO MEDICO-CIRUMICO
DO
DR. PEDRO DE ATTAHYDE LOBO MOSCOSO,
ti I Ul< O PARTEIRO E OPERADOR.
Jbua da Glona, casa do Fundo 3
. ?,Dr' Lk Mf CT d c.on?usu 8raluitas aos pobres lodos os dia* da 7. s 1
horas da manh3a e das 6 e meia as 8 horas da noite, excepto dos dias santificados
Pharmacia especial liomeopathica
No mesmo consultorio ba sempre o mais approptiailo sortrmento de carteiras
tubos avuisos, assim como tinturas de varias dymnamisacSes e pelos preees- secuintea
Carteiras de 12 tubos grandes. 125000
de 24 tubos grandes. 185000
de 36 tubos grandes. 245000
de 48 tubos grandes. 305000
de 60 tubos grandes. 355000
Prepara-se qualquer carteira conforme o pedido que se fizer, e cora os remedio
que se pedir.
Um tubo avulso ou frasco de tfntura de meiaonca 15'00.
Sendo para cima de 12, custaro os precos establecidos para as carteiras.
Ha tubos mais pequeos cada um a 500 ris.
LITROS.
I A melhor obra da homeopathia, o Manual de Medicina Homcopathico do Dr. Jahr.
dons grandes volumes com diccionario....... 205000
i Medicina domestica do Dr. Hering, ...."".' 105000
Repertorio do Dr. Mello Moraes.........".'.*' 65000
Diccionario de termos de medicina......., 35000
Os remedios deste estabelecimento sao por demais conhecids e* dispensam portan-
to de serem novamente recommendados aspessoas que quizerem usar de remedios ver-
daderos, enrgicos e duradores: ha tudo do melhor que se pode desejar, globos de ver-
dadeiro assucar de leite, notaveis pela sua boa conservacao. tintura dos mais acreditados
estabelectmenlos europeos, a mais exacta e aecurada preparacao, e portanto a maior ener-
ga e certeza em seus effeitos.
Casa de sade para escravos.
Reccbe-se escraves para tratar de qualquer enfermidade ou fazer-se-lhe qualquer
operacao, para o que o annunciante julga-se suficientemente habilitado.
O tratamento o melhor possivel, tanto na parte alimentar, como na medica, o
funccionando a casa a mais de quatro annos, ha muitas pessoas de cujo conceito se nao
pode duvidar, que podem ser consultados por aquelles que desejarem mandar seus
doentes.
Paga-se 25000 por dia durante 60 dias ed'ahi em diante 15500.
As operaces serao previamente ajustadas, se nao se quizerem suieitar aos precos
azoaveis que costuma pedir o annunciante.
DE
DE
J. VIGNES.
W. &5. RA DO IIIPEHIUOR X. 55.
Os pianos desta antiga fabrica sao hoje assaz conhecids para que soja necessario insistir sbrela
, sua supenoridade, vantagens e garantas que offerecem aos compradores, qualidades estas incontesta-
. Teis que elles tem definitivamente conquistado sobre todos os que tem apparecido nesta praca ; odo-
[ snindo um teclado e machinismo que obedecem todas as vontades e caprichos das pianistas, sem-
i nunca talhar, por serem fabricados de proposito, e ter-se feito ltimamente melhoramentos importan-
i tissimo para o clima deste paiz; quanto s vozes sao melodiosas c flautadas, e por isto muito a^rada-
veis aos ouvidos dos apreciadores.
Fazem-se conforme as encommendas, tanto nesta fabrica como na do Sr. Blondel, de Paris soci
correspondente de J. Vignes, em cuja capital foram sempre premiados em todas as expesicoes.
Xo mesmo estabelecimento se acha sempre um esplendido e variado sortimento d msicas doi
melhores autores da Europa, assim como harmnicos e pianos harmnicos, sendo tudo vendido por
precos commodos e razoaveis.
Precisa-se de urna criada
GRANDE SORTIMEMO DE FAZENDAS
DE
99
Custodio, Carvalho & Companlia.
ttUA DO y HJfSOIADO
7
escrava
M3RHK
O bacharel
Francisco augusto da Cosa
Quem precisar de urna ama para o servieo de
da vida e ma.dizer da minha infeliz sorte; tttiSttR2&&7"1
tenho sido tratado por muitos mdicos d'es- m
ta cidade, e nenlium pode vencer a tenaci- g
dade de minha molestia, eslava sem espe- w
rangas de recobrar a minha saude ; quando
] ltimamente resolv fazer uso da Salsa par- ||
ril/ia do Dr. Ayer. Completam-se hoje |
' trinta e sete dias que comecei com esle S
| santo remedio, e tantas melhoras tenho B
, sentido que tenho convieco de em breve 9
recobrara minha saude, perdida ba tanto Jos Antonio Marques, subdito portuguez, re-
| lempo, tira-se para a Europa.________________
SpWS.f:tt,:r*M' LIVRARIA ECOKOMICA
Medico nutto conhecido as provincias do n,.,, ,in /->____-
mi do Brasil. Hua do Crespo ti. 2
Tenho receitado a
ADVOGADO
Ra do Imperador
Pe^as de entremeios bordados a i&.
Tiras bordadas a peca 2#.
Coburtas de chita a chineza a 25500.
Lences de linho finos a 25200.
Toalhas de linho para maos duzia 15.
Sapatos de tapete para meninos, senhoras e homens pelo barato preco de 1-5600 o nar
Toalhas de linho para mesa a 3300 e \&. '
liales de arcos para senhoras a 35.
Fil de linho liso vara 500 rs.
Crande sortimento de laas para vestidos.
Superiores saias de fustao para senhoras a 55.
Aze-
nos casos mais inveterados
constitucional e sempre com
POR
Afonso de Albuqutrque Mello
Convidam-se osassignantes a mandarem receber
seus ejemplares na praca da Independencia ns. ti
e 8, que serao entregues a vista dos recibos das as-
signaiuras : ah tambem estao exposlos i venda a
35000 cada um. Sao sob os seguintes ttulos as i j)r \e,
materias de que se oceupa: q /i'r
Introduccao. Nocao da liberdade.- O Brasil co-!' ^?fli/'f.
lonia.itcvolucao de 1817a Independencia.amais felizesresultados; o mebor alteran-'
constituinteAconstituigaoA revolucao de 182i.; te que COnheco.
A expulsao ou abdicacao. A regencia livre. O
partido regressisia.Ameaga dos corcundas e que-
da dos livres. A regencia corcunda.Causa dos
males da regencia livre.-Regencia corcunda e
maioridade. Principios do reinado de D. Pedro.
Revolta de Minas e S.Paulo.-Domimo da Praia
Luzia. dominio liberal nao inquiclava os cor-
cundas. Fi.-iios do dominio liberal.A praia eChi-
chorrosenatoria.A revulla e a revolucao de
I8'i8 A conslituinte.A constituinte.errota
da revolucao. Negociadlo de Honorio com os libe-
raos : traidores.-Venda da bandeira da cons-
lituinte.- O partido liberal durante osquatorze'an-
nos do chamado ostracismo.-Os corcundas e os
liberaes durante os quatorze annos.Captiveiro re-
Saisa parrilha do ao p do arco de Santo An tonto
Obras ltimamente receidas
LITTERATURA.
Historia da Fundafao do Imperio Bra-
pn-
slleiro por J. M. Pereira da Silva,
meiro vol.......
Calabar, historia brasileira do seculo 17
por J. S. Mendes Leal Jnior, 1 vol.
i.i'iicoirlica e Adres braocas.
Temos cartas em que nos contam casos
inveterados que foram radicalmente curados
com um ou dous frascos d'esta Salsa par- T^0 doDV. Joaqum Manoei d0" Mal
,"^a- cedo, 3 vol. ene......
0 espaco nao nos permilte transcrever Obras de M. A. a. de Azevedo, 3 vol. ene.
todos OS attestados que possuimos das vir- SusP'ros Poticos, de D. J. G. de Maga-
SSl efC n XtffCt C0,mP,St0, d, SalSa S* A Joao V P0; L. A. Rabello
parrilha do Dr. Ayer. Hasta declarar ao da Silva, 3 vol. .
publico que tem sido empregado ba mais Um anno na corte por J. A. Corvo, 3 vol.
de vinte annos pela profisso medica tanto Qs Miseraveis, por Victor Hugo, 10 vol.
55000
95OOO
95000
Antonio Luiz de Oliveira
vedo A C.
Agentes do Banco Unio do Porto.
Competentemente autorisados sacam por todo
os paquetes sobre o mesmo Banco para o Porto s
Lisboa, e para as seguintes agencias.
Londres sobre Banh of London.
Paris Frederic S. Ballin & C.
Hamburgo Joao Gabe & Filho.
Barcellona > Francisco Rahoba & Ballista.
Madrid Jaime Meric.
Cdiz > Crdito commercial.
Sevilha Gonzalo Segoria.
Valencia M. Perera Y. Hijos.
EM PonTLT.AL.
PBIMKHUS
Amarantes.
Arcos de Val de
Vez.
Aveiro.
Barcellos.
Bastos.
Beja.
* ffi&ca.
Fara
Oliveira d'Aze-
meis.
Penafiel.
Ta\ira.
Villa do Conde.
35000
85000
85000
165000
signado e voluntario dos liberaes durante os qua- das Americas como da Europa, sem nunca S dffir^nVd' ed.cco 9 vnl" tSm
torze annos.-O poyo corcunda, ou os vermelhos e; desmentir a sua alta repulaco. Historia daiSSSiT!&mlI
os sabios.-A situacao propriamente politica.-Ins-____ v toi ->aPoleao' com swmpas, 2
querque Mello,
pode ser procurado a qualquer hora
teiras, porm, na villa do Cabo.
as sextas-
tituicoes livres, e direitos polticos que tivemos
at o fim da regencia livre, e o que actualmente
temos em lugar delles.Os representantes da na-
cao e das provincias.Situacao administrativa.
O que sao nella os Portuguezes. Como o gover-
no abrigado a corromper o paiz e a fazer-lhe
sempre maior mal.Como se multiplica e se paga
a clientella do governo para sustentar-se o impe-
rio corcunda. O procnsul.O procnsul da co-
marca. Dos cargos, dos crimes e da punicao.A
Justina-.Juizes municipaes.Juizes de direito.
Tribunaes.Os das Relaeoes.Tribunaes do Com-
mercio.Supremo Tribunal de Justica.O Jury.
Os advogados.Conclusao.-Garanta dos direitos.
A moral publica. Dos crimes.As eleicoes.
Corollario da obra saquarema.-0 que a pa-
tria. Situagao para com
financeira.As flnancas do
Perigo e salvamento dos corcundas.A liga.
Como se congregam os elementos para ella.Con-
sideracoes retrospectivas. A constituinte. Prepa-
res antecedentes. Coacihaco e opposicao parla-
mentar.Monta a liga.O'que sao os liberaes na
liga.Que bem farao os liberaes ao paiz.O pro-
gresso.Seus fetos.O que o progresso e que
far.Como se deve viver nesta trra cchegada
ao progresso.Porque o progresso s vem com-1
pletar nossas desgracas e sem mais remedio.Se!
ha salvacao para nos qual seria o meio e bem fa-
cil.Resumo. -A's cinco provincias pernambuca-1
as. Histrico e poltica corcunda.De que pro- I
vm a miseria. Como se corrompe na elei$ao.A I
restricao da liberdade apar do progresso da immo-: ]
rahdade.-Corollario.
________________________________j
A ttenco.
Antonio Lopes Braga faz publico .por este n- \
nuncio que traspassou ao Sr. Jos Joaquim da Cos- j
ta Ferreirao seu estabelecimento de fflolhados, sito 1
na ra do Imperador n. 14. [j
vol.
Para a cura radical de escrfulas e affecgoes Obras poticas de M. I. da Silva Alvaren-
""S aSE C SS*JB IO ^ono^poesias de A. p/de astimo, i
A. Zaluar, 1
liticas, ulceras, feridas, chagas, i vol.
erupgoes cutneas e todo e Revelacoes, poesas de E.
qualquer incommodo que voL .;
proven d'um estado PeSS f ST^ de S> Paulo,p;
impuro de Sangue, a morte moral, novella por A. D. de Pas-
ro.MKM a cual, 3 vol.......
Agulha em palheiro por Gamillo Castello
A' venda na ra Direita, ilS. 12 6 c 76J vSo^iiS!:ADgold^eHomirle.-,
nw da Quitanda n. ol ; praca da Consti-j Harpa de Israel, Rosa Mystica, poema^
tuico, n. 30 c Hospicio, n. 40. Enas' por Theophilo Braga, 2- edicao, 1 vol.
comedia
S VI.Si A 3* 1ICKII Cl \ DE AVER.
o extenor.- Situanio i Prncipaes pharmacias e drogaras "do m- i Cynismo Sceptcsmo e (renca, o
estado. -A miseria- qerio. I Pr ^SS' f. Lacerd?> *
05OOO
65000
45000
550OO
65000
65OOO
25OOO
I50OO
Angra Terceira.
Caminha.
Castello Branco.
Chaves.
Coimbra.
Covilha.
Elvas.
Extremos.
Evora.
Fafe.
Pinhal.
Porto-alegre.
Thomar.
I Villa Nova
Portimao.
do
Figueira.
Guarda.
Guimaraes.
Lagoa.
Lagos.
Lamego.
Leiria.
Moncao.
Moucorva.
Regoa.
Selubal.
Vianna do
tello.
Villa Real.
Madeira.
S. Miguel.
o ras e Iiogua franceza.
Maria Bartholeza da Conceicao licenciada pelo
Illm. Sr. Dr. director da inslruccao publica, tem
destinado abrir sua aula paiticular de primeiras
letras, etc., assim como lingua franceza, no Io de
setembro prximo futuro ; por isso roga aos se-
nhorespais de familia a queiram honrar, confian-
do- he suas meninas j afiangando-lhes a boa letra,
e far todos os esforcos para que ellas obtenham
em pouco lempo o desejado aperfeicoamento ; as-
sim como far todo o possivel para que ellas per-
cam qualquer vicio patrio que possam ter : de-
fronte da matriz da Boa-Vista n. 81.
Precisa-se fallar ao Sr. Antonio Jos
Teixeira de Mendonca Belem: nesta typo-
graphia, ou na livraria ns. 0 e 8 da praca da
Independencia._________
Sr. Sebastiao Jus Peixoto, tem urna
carta nesta typographia.
Cas-
Villa Real de Vizeu.
S. Antonio. Faial.
No IMFEHIO.
Baha. Maranhao. '
Rio de Janeiro. Para.
Qualquer somma 'prazo ou vista,podendo logo
os saques prazo serem descontados no mesmo
Banco a razao de 4 por cento ao anno : a tratar
na ra da Cruz n. 1.
DENTISTA DE PARS
19Ra Nova-19
Frederico Gautier, cirurgiao dentista,
faz todas as opera^oes de sua arte, e col-
loca dentes artificiaes, tudo com superio-
ridade e perfeicao, que as pessoas enten-
didas lhe reconhecem.
Tem agua e pos denuncio.
Vende-se em Pernambuco: |
na pharmacia franceza de
P. NIAURER & C.
RA NOVA N. 18.
Saqnes' sobre Portugal.
O abalxo assignado, autorisado pelo
Banco Mercantil Portuense. e na ausencia
do Sr. Joaquim da Silva Castro, saca ef-
eelivamente por todos os paquetes sobre
as pracas de Lisboa e Porto, e mais luga-
res 4o reino, por qualquer somma vis-
ta, e a.praso; podendo, os que tomare
saques a praso.receberem avista, no mes-
mo Banco, descontando 4,0|0 ao anno: na
loja de chapos da ra do Crespo n. 6, ou
na ra do Imperador n. 68, .segundo an-
dar. J-w-'i Joaquim da Costa Ai ai a.
15000
Alm destas obras recebu mais, de litteratura
I franceza, portugueza e brasileira, as quaes vende
precos muito razoaveis.
Fugio na manhaa do dia 31 de agosto de Oi
' Miquelina, crioula, de idade 24 annos, pouco mais
! on menos, estatura regular, cor fula, tem o andar
pesado, e mette um olhe por outro, levou vestido
de laa escuro, chales de merino matizado e novo :
pede-se as autoridades policiaes e capitaes de cam-
po a apprebensao da mesma, o a levem ra do
Arago n. 8 ou 15, que se gratificar generosa-
mente.
Piano
Baro tetro
Albino Baptista da Rocha, estabelecdo com loja
de relojoeiro o dourador na praca da Independen-
cia n. 12, faz qualquer concert de relogios e dou-
rado mais barato do que ninguem, e responsabili-
a-se pelo trabalho.
Precisa-se de ama ama para servieo de casa
de pwca familia, preere-se escrava : na ra da
Jmperairiz n. 18.
3--RT.4 ESIREIIA DO K0SAR10-3
Franeisco Pinto Ozono contina a col-
locar dentes artificiaes tanto por meio de
molas como pela pressao do ar, nao re-
cebe paga alguma sem que as obras nao
fiquem a vontade de seus .donos, tem pos
e outras preparacoes as mais acreditadas
para conservacao da bocea.
Vende-se um piano dos bem conhecids fabri-
cantes Blondel & Vignes, em perfeito estado e p-
timas vozes : na ra do Queimado n. 33 A, loja
da Esperanca. _________________
Aluga-se a sala e quartos da parte de detraz
do primeiro andar da casa n. 65 da ra do Impera-
dor com vista para o passeio, propna para escrip-
torio, e morada de pessoa solteira : a tratar na
mesma.
Aluga-se muito barato urnas poucas de meias
aguas pouco acabadas de edificar na entrada dos
portoes da travessa das Barreiras, do bairro da
Boa-Vista : a tratar na ra do Cotovello n. 25.
companhia fldelidaae'
segaros martimos e ter-
restres estabelecida no
Rio de Janeiro.
AGENTES EM PEPIfAMBCCO
Antonio Lniz de*Oliveira Azevedo k C,
competentemente autorisados pela direc-
tora da companhia de seguros Fidelida-
de, tomam seguros de navios, mercado-
ras e predios no seu escriptorio ra da
Cruz n .1.
Aluga-se a casa com pequeo sitio na traves-
sa de Joao Fernandes Vieira, em qae morou lti-
mamente o Sr. Ttiomaz Comber : no armazem de
Samuel P. Johnston 4 C, ra da Senzala Nova nu-
mero 42.
Na praca da Independencia, loja de ourives
n. 33, compram-se obras de ouro, prata e pedras
preciosas, assim como se faz qualquer obra de en-
commenda, e todo e qualquer concert.
Na livraria n. 6 e 8 da praca da Inde-
pendencia existe urna carta de importancia
para o Sr, Antonio Fernandes Corredor.
1
r


*
a*
A
J>iario de Pernaiubiico Sabbado 3 de Setciubt o de i httl.
y
Aria.
Pre^isa-se de una ama para todo o servico d
umrcasa: na ra larga do Rosario n. 31, priraei-
sfo andar.________________________
CARTAS M ABC
Mara Bartholexa da Goncejeao ten? resol vida
vender o:resto dai suas afamadas cartas de ABC
aSQrs., gmenBdas pela annnneiante, as quaes
tem 25 paxagraphos e contera todos os nossos d vph-
tongos, e as acluaes em uso s tem de 8 a 9, alm
de um grande numero de aomes de objectos mu
conhecidos dos meninos, por so Ibes facilita mu-
to a leitura : deroote da matriz da Boa-Vista nu-
mero 84.
Inuaii'ladc do Divine Espirite Sanio,
erecta no cor vento de Santo Antonio
tiesta cidade
De ordem da mesa regedora, convido a todos os
nossos irmaos para comparecerem no domingo 4
do crreme, pelas 9 horas da manha, em o nosso
consistorio, aflm de reunidos em mesa geral dis-
cutirmos o projecto do novo compromisso.
Consistorio da irmandade do Divino Espirito San-
to, erecta no convento de Santo Antonio, em Io de
setembro de 1864.
O secretario.
Joo Walfredo de Medeiros.
COMPENDIO DOLOROSO
que coinim rj oflkio di Nossa Senhora das
Dores; o modo de resar e offerecer a co-
fia, um setenario e mais outros exercicios
de pidade e devoco; ordenado pela ir-
mandade do servo's da mesma Senhora,
(ju e acha erecta !na,egrej de N. S. da
I'enha do impcri^. hqfcicio dos reveren-
dos padres missonario apostlicos capu-
chinhos italianos de Pernambuco, approva-
do por S. M. I., que Deus guarde; dado
luz por devofao do inulto reverendo
padre Fr, Placido deMessina.
Vende-se a ,320 rs. na livraria ns. 6 e 8
da praca -da Independencia.
GKAMDE
Fabrica
DE
Fogos de artificio daviuva
Rufino.
Nesta reditadissima fabrica recebera-se en-
rommenas de fagos de artificio para dentro ou
ra da iprovinoia, arantindo-s s pessoas que se
dirigirera a este estabelecimento acharom reunidos
Attenco
Vende-se telhas e tijolhos pelos presos que oTe-
recerem os compradores, sendo dioheiro vista:
as olarias de Jos Carueiro da Cunha, ra dos
Prazeres, nos Coc hos.
Roa da Senialla b. 42.
Vende-se, em casa de S. P. Johnston & C,
sellins e siihoes inglezes, candieiros e casl-
aes bronzeados, lonas inglezas, fio de vela,
chicotes para carros e montara, arreios para
carros de urae dous caballos, e relogios de
ouro patente iaglez.________
Gneros liens e baratos
Queijos frescos de mais de 4 libras a 2560o e
15600, maoteiga ingteza flor a 800 rs., fraaceza a
560 rs., cha miudo aromtico a wGOO, hysson a
25, caf a SOO e 28 rs., arroz a 100 rs., touci-
nho-a 280 rs., stearinas a 560 rs., carnauba a
360 rs.,sabo raassa a 220rs., aloisia a 140 rs.,
aletria -e macarrao a 400 rs., eryilhas secas a 160
rs. a'libra, palitos para dentes a 14 rs. o masso,
sal refinado a fio rs. o frasco, 'conservas a 00
os gostos perfeicao nos artigos abi fabricados,, rs. wnho de Lisboa a 3fiO a garrafa e caada
As eneemmendas recebem-se no armezem da bola
aniarefla no oitac da secretarla da polica.
Precisa-sede um rapaz de 42 i 14 annos, ou
um hornero de:30 40 anuos, que saiba 1er : a
trater na ra da Concordia n. 38, das 3 horas em
di*Hte.
Precisa-se Se urna ama para o -servido de una
casa de peqtena familia : na rea do Quciniado n.
28, primeircandar.
COMPBAS.
Cowpram-se diarios a 4 :
n. :abrica de cigarros.
no pateo fe Fe
Compra-se ouro e pr3ta em obrasvelhas
daga-se bsm: na loja de burieles da piag pendencia n. 22.
2|b'0O, Figueir-a a 440 a garrafa e caada 3*200,
vinagre a 200 rs. a garrafa, azeite doce a 660 rs.,
de carrapato s 260 rs., mho a 35 a saca e cuia
a (80 rs. : no armazem 4a Estrella largo do Pa-
Taizo n. 14.
Rita da Senzalla Nova n. 42.
Neste estabelecimento ven3em-se:techas de
ferro coado libra a 110 ts., dem de Lo*
Moor libra a 120 rs.__________________
"Charatas la llavaoa.^
Vende-se superiores charutos da Ra vana en:
casa de Rabe Schnwttau &'C.;
n. 18.
Grande KquMcao.
liua da 1 ni pera t riz n. O.
Loja de hiendas do Pavo de Gama k Silva.
Acha-se esfc estabelec menta completamente
sonido de fazeodasinglezas, francezas, allemas e
suissas, proprias Unto para a praca como para o
mallo, prometiendo venderle mais. barato do que
em outra qualquer parle principalmente sendo em
porgo, c de todas as fazendas do-se as amostras,
deixando Qcar penhor, ou mandam-se levar em
casa pelos caixeiros^a loja do Pavo.
As chitas-de Pato.
Vendem-se chitas inglezas claras e escuras pelo
baralo prego de 240, 260 e 280 rs. o covado, tintas
seguras ; ditas francezas de core* seguras a 320,
340,360, 400, 440, 480 e 00 rs. o covado, fazenda
muilo superior e bonitos padroes : s na loja do
Pavo.
As laazioka da expasirio da Pava*.
Vendem-se lazinhas as mais modernas qu
lera vindo ao mercado, proprias para vestidos o
soutembarqo.es por serem lisas e de cores muito
deheadas S60eo00rs. ; ditas lisas com um lustre
que parece seda 640 r$. o covado, ditas com
quadrinhos de seda oOO rs. o covado, s para aca-
bar : na loja e armazem de Gama & Silva, ra da
Impcratnz n. 60.
Os vestidos do Pavo.
Vendem-se os mais modernos cortes de vestido
de la, que vieram pelo ultimo vapor, com ricas
barras de cor, corpinho e collete separado ; ditos
com listas de seda e tambem com barras e enfei-
tes para o corpo, por preco mais barato do que em
outra qualquer parte, o se quiaerem urna prova
do que se diz, mandem ver leja e armazem do
Pavao, ra da Imperalriz n. 00, de Gama A Silva!
Os vestidos Hara Pia. S o Pavt (84000).
Vendem-se os mais lindos vestidos Mara Pia
de azinlia traasparente com listas, e palminhas
de seda pelo barato prerjo de 8 cada corte : s
p.a loja do Pavao roa da Imperatriz n. 0, de Ga-
ma & Silva.
As cassas 360 rs.
S o Pavo vende as finissmas cassas persianas
ImiUKM'deia, tm cores fixas, 360 rs. o co-
vado ; Has francezas muito finas 240, 280,300
e 320 es. o covado, isto para acatar: na da
Impflralriz, loja de Gama & Silva.
Os madapoktts do Pavo
Vsnde-se peca de madapolao Infestado com 12
RIVAL SERI SEGUNDO.
cao
0 Vigilante est alerta, nao lhe era permitlido
deixar passar desapercibido sem que nao dsse o
seu canto, aum de annuuciar ao respeitavel publi-
co o grande sorlimento de galanteras do melhor
SOiU ProPriame|rte para qualquer mimo, que aca-
ba de chegar neste ultimo paquete, assim como
inultos outros objectos que recebe por diversos na-
vios, tanto de sua conta como de consignado qud
esta resolvldo a vender por precos nimio baratos
para vender rauito e ganhar pouco, e dar extracao
o grande deposito que tem, que espera merecer a
proteccaw do respeitavel publico empregando para
Uxlas e as meibores diligencias para que fl-
Rua do Uoeimdo n. 49 ioja de miudezas de Jo-
s Bigpdinl.o, venliam ver a peehlbrha que se est
acabaudo certas qualidades de fazenda.
! Pecas de fitas elsticas com 10 varas a.. 240
Ditas de tranca branca lisa com 10 varas. 100
. Ditas de tranca preta lisa a............ 60
Realejos para'meuino's, pechincha a... 120
! Kodinlias com superiores alfiuetes a..... SO
Caixas com superiores agullias e linipas a '200
Saboneles de familia, muito linos a80 e.'. 160
i Pares de sapatos delaa para eriancas a.. 400
Yaras de babado do. Porto muito bom-a
100, 120 e......................... 160
Ditas de bico largo grosso a............ 100
! Potes de superior tinta tem mais de meia
garrafa a......................... 320
| Caixas com pe fumarias muito bonitas a. -'OO [
, Frascos de oleo de macaca muito fino a 100
Ditos de oleo de babosa" superior a 240, I
320, 400 e......................... oOO ,
Ditos de cheiros muito superiores em qua-
lidade a...........................
Ditos de agua de colonia muito boa a...
Ditos de dita dita grande a.............
Saboneles
ADEREMOS DE MOSAICO
, t A aguia branca da ra do Queunado n. 8 re-
, oea bonitos adorecos de mosaico c 6no doarado, e
, os esta venuendo por prego razoavel
VU*H
para a irmandade do Rom Coaselho. c cartas de
( bacharcis. Vende-se na loja da aguia branca, ru
do Qiirimado n. 8
Erques de sanalo, ma laj o.sso. etc.
A aguia branca receben DO) bollo sortimentode
leques de sndalo, madreperola e osso, sendo ellcs
de diversos moldes e variadas cores, inclusive a
prt-la : agora, pois, quem comparecer com dinheiro
pdt< bem tssolher mu bonito Jeque, na ra do
Queimado l-ja da ag.iia branca n. 8. .
Caixlnh.is para costura eoutras
com perfumarlas
A loja da aguia branca, onde constantemente se
vendem essas bonitas faixiebas com arranjos para
costura, aeba-se mu bem provida
u -, ~- -% imii y vil por ter agora
tnri recebi(1 uni helio soi timento de ditas caixinhas ;
*"" assim como outras com finas perfumaria*, por isso
>**> i quem quizer fazer um bom presente, tendo dinhev
iboneles de todo o preco 60, 160, 200, ro dirija-c ra do Queimado loja da aguia bran-
20 e-,............................ SSJre* 8 que ser bem servido.
Frascos de superior banha a 320 e....... 800
Caixas de p para limpar dentes muito
fino a
100
600
'OO
320
Ditos de banha transparente a..........
Pares de ligas muito linas para senhora a
Saboneles inglezes da melhor qualidade a
Frascos de agua dentriflee superior ga-
rantida a.......................... ijooo
Masaos com 2o envelopes grandes azula-
do a.
Boa tinta para marcar roupa.
Vndese na ra do Queimado loja da aguia
branca n. 8.
quera satisfeitos; isto s no GaMo Vigilante, roa do ""*!,Bta pre,a com ,colcn?,,es a-
Crespo n. 7. uc',u,uu| Frascos de macaca perola muilo superior
jardas cada peca pelo barato proco de 4, 4^500 e
i>& cada peca, fazenda muito superior : s o l'a-
Ricos *orta-j Cofre de muito goslo por
Cestinhas transparentes forradas de ma-
dreperola por
Lindas jardieiras.
Ricos cofres com camapheu.
Lindas caisinhas com pedras brancas.
Lindo balo com calingas dentro, tam-
bem para joias.
Tambalier para ditas.
Cestiehas ditas.
Cosmorama ditas.
i Uraaamtias.
S no Vigilate, ra do Crespo 7.
Ricos porta bosquetes de diversos gostos e pre-
cos; -s no Vigilaste, ra do Crespo n. 7.
Ricos sillos
com fcolcinhas ao lado, a 104,13*8 c 15& ditos sem
bolea porm doesmo gosto, a J500, -3^, 3^300
Ricas fivellas avulsas para sinto, o melhor que se
Caixas com penn'as grandes a
ttwi ^rosas ^e ^^^ para calca preta, miudos
10*000 Liras de memento da roupa du lavar a..
Carrileis de retroz de todas as cores e
nsmn tem me'a "iUva r,'trcl a.........
2*rxx i Varas de bicos de dillerentes larguras a*
10^000
100
ion
200
200
100
200
200
60
iOSOOO
16^000
#000
05000
amo
Es tetras do Aracaty
Vendem-se na travessa da Madree Dos n. 13.'
Compra-se courode caraeiro : naraa larga
do Rosario n. 10.
Compra-se -effeclivamenle
ouro eprata em obras velhas pagando-se bem
na ra -terga do Rosario n.'St, loja de owives.
Compra-se cobre volhc : na ra do Bram nu-
mero 78.
Gompram-se Diarios ^
ra da- enzala Velha n. 60.
120 rs. a iibra : na
Compra-se
jornaespara embrulho a 55 a arroba, sendo libra
a 120 r. : no pateo do Terco n. 9.
\mw se
um casal de moleques mui lindos, e idade de
annos, 2 escravos para todo o servido, 1 negra
meia idade, excedente cozinheira : na travessa do
Gamo n. 1.
vao ra ta Imperatriz o. 60, notando gue a peca
leva urna etiqueta com o Pavao pintado para nao
haver duvidas era nganos : isto previne o Pa-
vo, de Gama & Silva.
Bramante de I lobo o Pavo *
'2$, '.VlOO OOO.
Vende-se o melhor bramante de linho puro com P?"* encontrar, a 1So00, 2,.2o00 e
i dez palmos de largura por preco muite corono- *0' Vigilante, ra do Crespo*. 7.
do, por ter de acabar a factura, a vara por : *Cabazes oestmfaas.
25200, 254OO, e 25600:; s o Pavao : roa da At quechegaram as dosejadas cestinhas ou ca-
Imperetriz n. 60 de Gama & Silva. bazes para meninas trazerem no braco, ornis rica
Paono de IrIio do Pavao. \ P9s!ivel a ***, 35300,45,5,75 e 105; s no
Vode-se paaao de lmhocoroi palmos de lar- Pv4lan,e' rBa' guraproprio para lenges e toalhas de mao pelo v Pentes.
barattssimo pre;o de 640, 720 e 800 rs. a vaFa, al-1 __r-est ari*9 ,em um Brande sorlimento, tanto
J0 godaoiinho com oito palmos dt largura proprio P*"* alizaf eomo Para atar tabello, os mais lindos; no Beija-flor, ra do Queimado us. 63 i
e para lentes, pelo baratissimo preco de 15 a vara, 3ee se pooe desejar, assim como de arregacar ca- Bolles de m
Boils, bonitos e baratos.
A aguia branca tem a Mtisfac3o de comtnunicar
a so boa freguezla que ha chegado mais urna oc-
casiiio de provar a sua luvave barateza, vista
da boa qualidade do objecto, por isso convido a
todos que tiverem dinheiro para se diripirem
ra do Queimado n. 8, loja da guia branca, alini
de comprarem os objectos segnintes :
Ronitos cotlarlnltos bordados, c punhos com
boloes, tudo por 155X10.
Outros lisos, mas de liohe e lambm com botos,
por 15000.
Manguitos com gollinhas hoidados por 25-
Ditos olios por I-',.
Gollinhas de cambraia bordadas, obra muilo
boa, por 300 rs.
Ditas de Iraspasso, tambem bordadas, igual-
mente finas a 15.
Lindas camisinhas com peito bordado, gollinhas,
manguitos e grvalas, ludo por 5'5.
Um grande sorliiiiento de ntremelos mui lar-
pelo barato preco de 25300 e 35000: no Beija-flor,'' 2?s c honitos; assim como tiras bordadas., o que
ra do Queimado ns. 63 e 69.
Vivellas para cintos.
Chegaram tambem ricas fivcllas douradas e de
ac para cintos a 15000 e 15200 : no Beija-flor,
ra do Queimado ns. 63 e 69.
Pentes de tartaruga.
Lindos pentes de tartaruga, gosto modlrno, a
35200, 35J00 c 65000 : roa "
63 e 69.
Pentes de travessa.
Vendem-se pentes de travessa de novo gosto para
meninas a 600 e 800 rs. : s no Beija-flor, ra do
Queimado ns. 63 e 69.
Pentes para alar cabellos.
Liodes pentes pequeos para atar cabellos, pro-
picios :para se andar em casa a 400 e 300 rs.:
LOJA 0BEIJ4 FLOR.
Ra do Queimado ns. 63 e 69.
Ciatos delirados.
Sao chegados os lindos cintos bordados ouro,
pode ser de melhor, c mais perfeito, variando uns
e outros nos precos. conforme a largura, mas ba-
ratos em todo o caso.
Novas e linda- gaavalas brancas de fil, com
bonitos c dilliceis bordados (mui proprios para os
vestidos a Mara Pia) obra ir.teiramente nova aqui,
c de ultimo gosto, a 25 cada urna.
Bonitos vestuarios blancos com lindse delica-
do -Queimado ns. j dos#bordados para baptisados.
Diversas obras de porcelana
dourada,
Alieoco.
Vende-se a taberna da ra Drrea n. 31, e tam-
ben se troca por outra, e tamban vende-se a ar-
marlo s, e muitos perteneeatos de outras : a
tratar na mesma.
Compram-se latas vasias de gaz : no arma
zem da. Lila amarella nc-oito da secretaria de po- i
licia.
A IO5OOO aflata com cinco galoes: no armazem
Goinpra-se urna esciaia moca sem achaques, deoucas, vidros,atc. : na roa do Crespcaume-
<]ue saiba engoramar e coser: na ra Augusta nu- rc 4C-
assim como tem o melhor algodaozinho tanto em ^e."0' tonto-de borracha como de^tartaruga comen-
largura como em corpo, proprio para lenfes, ca- J? e 6ea e^e Para raenim.; s no Vigilante, ra
misas de escravos, etc., etc., pro$o muito-comino- Crespn. 7.
do 4 vista da fazenda; s o Pavao : ra da Im- Pintes
peratriz n. 60, de Gama & Silva. tambem chegaram os nquissimos pontos de concha
AI(jdSo7.inho com.toque de arana a -1,060 ris de tartaruga-e de massafina, que se vende por2>,
,. 4 soo 13$ e 05; s -no Vigilante, ra do Crespo a. 7.
Vende-se pera da algodoatnho por ter sm pe- Letjues.
queno toque de varia, mas ijue esta ein bom es- Iquissimos loques de madreperola tanto para
tade, pelo barato-preco de 45 e 45300 a pera ; s senhoras como para meninas, pelo barato preco
o Pavao : rtut-da Imperatriz n. 60 defama & 12 e!45i s no -Vigilante, ra do Crespo
Silva. 7.
Os guardanapes econmicos do Pavo 4 s do MaLs leipies
-mero 36
VENDAS.
Vende-so oe -troca-se |r propriedadus nesu
praca e seus suburbios, a aunado do engenho Tri-
I umphante, sito na barra do ria t'na, e freguezia do
! mesmo nome, moeate, com bom cercado, 12 ani-
imaes de roda, e cssimentado; assim como duas
i partes em urna propriedade cmiiexa, aonde tem
urna boa casa de lelha na beira mar para se passar
Pava
Vjndem-se os mais lindos e modernos gttarda-
napos econmicos e todo linho, tanto para as casas
de familia como .para hoteis, botequins, etc. etc.,
iele baralissimo -preco de -t& a duzia. isto s na
oja -do Pavao ra da Imperatriz n. 60, detOama
& Sitva.
O soutctut*ai*<|iics do l'avo
elK.
Vjudem-se os -mais finos -sotUembarques que
tcem vindo ao morcado, sendo de caxemira de co
com pequeo d;feito, leques de sndalo com pe-
queo defeito por barato prejo de 85 e 105, ch-
neles muito Doaitos tambem, pelo barato proco de
45 e 3 entarallos muito bonitos, tambero por ba-
rato pi eo de 45 e 35, leques de charao tambem
portar lado isto para acabar, perdendo-so tal-
veuyir ceme; s no Vigiiaote, ra do Crespo
Pnlseiras.
Lindas pulsef^s de contos e de missanga .cores
muilo Jindas e de uiuito gosto.a 15 e 15200.
Para -segurar manguitos.
Tambem chegaram as liguinhas estreitinhac de
-Commentirio do cdigo civil francez, 2 vol.
por 8i5000; Baeiue, obras compielas, 1
col. por 8000a; G. Massi', Diccionario do
tonteciasQ commercial, ,1 vol. por C?>;
Qhabot de i'AlUer, cooimcntario sobr ac-
cessoes,-1 vol. por 05; Arnaud,. obras
as segnintes obr^s: Ser, Kconorcia po-:** '8J5* Sf tlfiSS XJSeJSJ*"^* i
to romano, i vol. por S : Du Cav.irou. 'luasi urna legoa de costa para plantario de coquei- da Imperatriz n.CO, de Gama & j.va. gurar mauguitos por ser muito commodo einuilo
ros. Alm de ludo islotem um extraordinario vi-. Atoalado do Pavo. hara(o,a^20 o par: s no Vi-'ilaute ra do ores-
veiro, que com urna pequea obra dar sem duvl- Vende-se panno de linho adamascado proprio po n. 7. **
da mais lucro em peixe do que qualquer por maior para tualhas de mesa, pelo diminuto preco de 25500 anetas
que *: a mesma propriedade, como est ao alean- rs. a vara, goardanapos de linho a 55 a a'uzia. Kiquissimas canelas de mad-cnerola nronriac
cederjuemavir. Quera souber apreciar, ver toninas de .nao a 55-eada duzia, na loja do Pavao, para qualuuei^ presento lobaZ nnS
que eora o tndispensavel trabalho e industria se ra da Imperatriz n.tO, de Gama 6iva. 1550e &T reaenit' pel ljara-'ss"no Py "e
tornara urna propriedade das mais bellas, e rendo- J*' s o Pavo a 2 V.iOllk onl-i .
saspoi- soanatureza. visto estar marran d *..*!".L.!t-. l *"owv^ _. &sfatiubos e metas de seda.
litilosophicas, ivol. por fe Sauvage-Har-1 Saton^inU* ntnbdo "ce'fno"^ ^m ,en,,jal5es Por ,al
j, creacao de bancos de deposito, i wjI. Irae fleapelo nscente: quem o pretender dirija-
poii$; Louis Blanc, organisaco do traaa-! se a9 seu prpprietario, o parodio da mesma fre-
lho, 1 vol. por2.>; naraa doCabug ioja g??^1^*^^e^^w,M^,0.Pe,08m-
Riquissimos apatinhos de seda t-de merino en-
vendem-se os balos americanos muito superio- aeitados, assim omo raeitizinhas de seda, gorrazi-
t e 25 arcos pelo baratissimo preeo de o'ias e louquinhas para as cTiancinhafi se bapliza
n. i A..
) Perfume da Horfa.
________________________________ nestaoceasio poder negociar a safra presente.
JjlTrO ae 01 f OeS. i n. 35> ou.a na ru;l dos copiares n. S, urna escrava
V6iie-se a 160 res, na livraria ns. G e 8 de 26 annos, cozinheira e quitandei.a : na ra da
da piaea da Idependencia, um livriulio con- Imperalriz c 71 se dir tendo o seguate : louvor ao santo nome de
Deus, cata coes e neticoes,,kymnoao Espirito Santo, co-
roa do Seohor, viso qualquer alma de- <
vota, deseaganos da vida humana, bymno
de Santo Ambrozio Nossa Senhora, jacula-
orias ao Sattlissirao Sacramento, exercicioda
a-sacra, commemoracao Nossa Senhora
do Carmo e ao SS. Sacramento, directorio
para a oragao mental, dividido pelos dias da
semana, obsequio ao .eoracao de Jess, sau-
dades devotas s chagas de Cbristo, ora-
co'is.Jt Nossa Senhora, S. Jos, ao anjo da
guarda, Deus em obsequio qualquer san-
to e para a noute, e responso pelas almas
uV purgatorio.
No arazeiji de fazendas ba-
ratas de Santos Coelho,
Sua doQueimddo n. l'J,
1'ejBde-se o seguate:
Attencao II
Ricas laazinbae, fazenda a melhor que tem vin-
do ao mercado, tanto em gosto como em qualida-
de, pelo baralissimo preco de 560 rs. o covado.
Ditas mludinhas carmezias, proprias para vesti-
ts de meninas e eamisinhas a 640 o covado.
Cortes de la com 15 covados, pelo barato preco
de .65. i
'.obertas de chita da India a 25500 e 35.
Lenfes de panno da linho a 25 e 25500.
Peeas de cambraia de forro com 8 Ii2 varas
35*. '
Toalhas alcochoadas proprias para mos a 35 a
duzia.
Ricos cortos de la com barra Maria Pia a i
185.
Pecas de plaulhas de algodo cora 10 varas,
proprias para saia a 45-
Algodao entestado com 7 1|2 palmos de largura
a 15100 rs. a vara.
Esteira da India, propria para forro de sala de
'1. 5, e 6 palmos de largura, por menos prego do
que em outa qualquer parte.
Neste estabeleei monto tambem se encontrar
um grande sortimento de roapas feitas, e por me-
dida.
2-5300 e i5. dilos de 23", :I0 o 38 arcos .com "filas, xem; s no Vigilante, ra do Crespo n. ,.
vos que apresantar ao mesmo pretndeme, ue lffkS.ISffi V.^bp'" Icnl coref escu,ras' Vollinhas.
So pvSo r^adeiSS,^danSi: MM r Lia^as V0llinha6 de P^las falsas comcruzinhas
a siva M' rua da la9eBk"k DW*nm** SS^ASf1?" "^SWja?1"
A ,> e voitinbas, pelo barato preco de 15 e 15200, as
0 'a*itO vende para IlltO. 'fuzes valsas a 400 n.; sno Vigilante, rua do
Vende-se superior setim da China, faaenda toaa ClL'sP5 '
de la sem lustre tendo 6 palmos de largura pro- Goliuhas.
,prio para vestidos, capas, paletots, calcas, etc., Riqusimas golinhas e manguitos, o melhor eos-
pelo baralissimo preco de 25, 252(0, 25300 e 35 o to possivel, a 25, 25500 e 3?; s no Vigilante
covado, cassas pretas lisas, chitas prelas largas e rua do Crespo o. 7
estreilas, manguitos,colarinhos,punhos, e enfeites, I Enfeitcs nara senhma
conta do que em outra qualquer parte por estar -
liquidando ; s na loja do Pavo rua da Impera-
triz n. 0, de (Jama & Silva.
As percalas do Pavo.
As mais lindas percalas que lem vindo ao mer- retrae {aira'
cado pelo ultimo vapor tem na loja do Pavao pelo 'hn ,
barato preeo de 600 rs. o covado ; ditas de listi- l^badiiihos eutretucios.
! nhas muito miudiuhas proprias para vestidos e ,,l(lulsSimos babadiuhos entreraeios com lindos
i roupoes de senhoras, meninos e meninas pelo ba- "esell0S '"Pa^os e transparentes, pelo baralissimo
, ratissimo prego de 500 rs. o covado ; garnteme pre52 df.,^200' l&m> -* e 3^ i s no Vigilante,
I as cores por serem do melhor fabricante que as rua d0 CresP D- 7-
tem em Pars : sio na loja do Pavo rua da Im-1 Cascarrillus.
peratriz n. 60, de Gama & Silva. \ Grande sortimento de cascarrilhas de diversas
As chitas do Pavo 3$4UO e larauras. asiin) como galozinho e trancinhas pro-
S^SOO O corte. pnas para enfeites; s no Vigilante, rua do Cres-
! Vendem-se cortes de chila com dez covados i ^ r-.
25400,ditos 25800,cora 12 covados; sao chitas I r ., F,tas-
inglezas, mas padres bonitos e tintas seguras I 0rande sortimento de lilas de diversas larguras
assim tem as melhores chitas francezas e de un- e 1ua''dades, por procos que admirara aos com-
as seguras por precos commodos, a saber i 320 Praa"ores bavendo fitas largas proprias para cin-
340, 360, 400, 440, 500 rs. o covado : na loja d ie,rs que se Pde vender a 30 rs- a vara> e Pe
Pavao rua da Imperatriz n. 60, de Gama & I varas a *fl; s no Vigilante, rua do Crespo
madreperola.
Tendo recebido um variado sortimento dos de-
sejados boies para abertura de roupao, vendem-
se a 00 rs. aboluadura : no Ceja-flor, rua do
Quermado ns. 63 e 69.
Enfeiles para senhoras.
liados enfei les modernas a 25000 e 25400,
ditos de rde a 900 rs. : no Heija-llor, rua do
Queimado ns. 63 e 69.
Talheres para meninos.
Chegaram novos sortimontos de talheres para
meninos a 280 e 320 rs., ditos cabo de balanco de
um botao a 400: as lojas do Reija-flor. ns. 63
e Oa.
La para bordar.
Vende-se laa de superior qualidade e de lindas
cores a 65800 a libra : no Beija-flor, rua do Qnei-
mado, ns. G3 e 69.
Papel de diversas qualidades.
1 YaJ?der! 13200 e 15-00 o pacotojlitosseinserdouradoe nem
paulado a 640, 800 e 5000 : no Beija-flor, ruado
Queimado ns. 63 e 69.
Envelopes para carias.
Vende-se envelopes de cores a 600 rs. a caixa
ditos beancos a 640 e 800 rs. : no Beija-flor. rua
do Queimado ns. 63 e 69.
Pentes asurados para alar.
. SSdf5fi?Di^ dourados para atar cabellos a
15000, 152O6, 25800 e 35000 : no Beija-flor, rua
do Queimado ns. 63 e 69.
Penles para aianafas.
Vende-se lindos p.-ntinlios doura.los com pedra
para marrafa a 15200 : no Beija-flor. rua do Quei-
mado ns. 63 e 69. w
Sapalns de Irania.
Vende-se sapatos dc'tranga muito bou- a 15500
ditos de tapete a 15G00 : no Beija-flor. rua do
Queimado ns. 63 e 69.
Balaios rom sabio.
Lindos balaios com 6 saboneles de varias frne-
tos a 2r;-.j'00 cada um : no Heija-llor, rua do
Queimado ns. 03 e 69.
Xas mesmas lojas se encontrar lindo -orti-
mento de perfumaras e variado sortimento de
- miudezas que se tornara enfadonbe menciona-las
porem aanca-se ser tudo bom e mais barato qu
em outra qualquer parte.
A Aguia Branca acal a de retener um belfo -,r
tmenlo do amostras do diversas o bonitas obra"
de porcelana dourada, algumas das quaes porfua
novidade e bom gosto servem para o leilao no an-
ntversirio do Hospital Portoguez, e ootras para
enfeites de mesa, etc. ; j
dinheiro e
las obras
Branca n. 8.
.1 se v pois quem liver
ta habilitado a comprar qualquer di-s-
na rua do Queimado, loja d'Aguia
IUA!
Sr
l oEV] u
Rua do Queimado n. 'J, est vendendo muilo
boas fazendas e muito baratas, quem quizer podera
vn; ver ou mandar para expeiiincnlar, assim como
sejam :
Gollinhas muito linas para senhora a 500 rs.- -
Ditas e punhos de fusto muito bonitas a 640.
Caitas de alOnete de cabera chata de todos os ta-
manhos a 80 rs.
Resmas de papel de peso muito bom a 25.
Capachos redondos o cbmpridos a 300 rs.
Caixas com superiores obreias ele eolia e de massa
a 40 rs.
Cordao branco grosse que tem mulla applica-ao a
vara a 20 rs.
Liabas de carrileis garantc-se .150 jardas a iOrs.
Candes de liona Pedro V 500 jardas a '-0 rs.
(rosas de peonas de ac multo linas a 500 r<
Varas de franja de la'para vestido a 40 r<
Ditas de franja branca larga para toalhas a'160 rs.
l ares de boloes de punho a 120.320 e 500 rs.
I [i 'eiro? de vidro com tinta a 160 rs.
Pitos de barro com superior tinla a 100 rs.
(-rosas de botoes de louca prateados a 160 e a du-
zia a 20 rs.
Tesouras para costura a 80. 200, 400 e 500 r?.
Escovas para limpar dentes, soj errares a 200 rs
i para bordar da melhor qualidade a
guante, rua do Crespo n. 7.
Traucelius.
Lindos trancelins ae cabello para relogia ou lu-
netas, pelo barassimo prego de 15500, ditos de
AGUA FLORIDA
De Mnrray it Lanman.
Este raro quo delicado perfume
ejuasi que iuextinguivel c to cheio de
mimosa fragrancia e frescura como o
delicado clieiro das proprias verdecen-
I ores. Durante us inzes caloren-
tos do veio o seu uzo tornarse minen-
teniente aprazivel e desejavel em con-
secuencia da iuliieiicitt refrigirante e
suave que ella pioduz sobre a pelle:
em qnanto que uzada 110 banho ella
imparte o corpo lnguido e canead-1
una certa elasticidade de vigor e torea.
Ella hiparte transparencia as feQdes,
ti remoce pannos, sardas e leroe/as di
sobre a pelle.
4
e
"a
o
si
tfi
I.
a
U 3
^> Si
.rz o
i "2
65500.
Caixas iie phosphoros de segurangaa 160.
Caixas e pacotes de papel amizade superior a 600
res.
Caixas com loo envelopes muito finos a 800 rs
|Quadernos de papel pequeo .azulado a 20 rs.
1!*'S C 'n A,exandre coin -00 jardas a
Baralhos para vollaretea 240e mais linos a 300 rs.
Meiadas de linha frouxa para lardar a 20 rs.
Pares de sapatos de tranga de todos os lmannos
a 15300.
Grasas de boloes de madreperola muito finos aooO
res.
Carlas e caixas de eolchetes de
dades a 40 rs.
Uassos de grampos superiores e limpos a 30 rs.
Grosas de palitos de paz a 2,3200.
Libras de areia preta da melhor qualidade a 120
res.
Caixas redondas para rap e tem muito bonito; ca
iungas a 100 rs.
upenores quafi-
MAC!
le
o
o
re a
Silva.
Vendem-se
Os bordados do Pavo
- eamisinhas com manguitos e golli-
nhas bordadas, pelo baralo 1
icadaum, manguitos s oOO..
, cora gohnha a 800 rs., golinhas 400 e 480 rs., de
hlo a 240 rs cada golinha bordada, romeira de
cassa o de fil muito "
de 9 varas
n. 7.
Fitas de la.
Fitas de la de todas as qualidades, proprias pa-
preco de 15 e 14280 ra deDruin de vestido a 700 rs. a peca; s no Vi-
\ rs. cada par, ditos g"a"e,ruado Crespn. 7
Ricos espedios.
Riquissimos espelhos com moldura dourada e
Terrenos
Vende-se a posse de um terreno de marinha
promplo para se edificar urna boa propriedade e
U mei-aguas, pelo oito, por ser este por traz da
rua da Concordia, om frente a praca projectada,
e o oito ao lado do sul tiear em alinhamento
travessa da Ramella, tendo esto de frente 46 pal-
mos e 300 de fundo, tambem se vende a retaiho :
trata-se da olaria da rua da Mondego n. 13 com o
Sr. major Marcelino Jos Lopes.
Vendem-se saceos feitos para assucar, mho
ou feijao : em casa de Mills Lasharn & C, rua da
Cruz n. 38. '
0 m ltEfflL DE MNP
PARA OS CABELLOS,
E urna preparacao admiravel para lira-
par, aformosear, conservar e restabele-
ccr >i cabellos.
venda as boticas de Caors & Barboza,
na da Cruz, e Joao da G. Bravo A C, raa
da Madre de Dos.
de fil muito bem bordadas 25 cada! sem ella de 85, 105, 124 e 145, assim como com
urna, manguitos que servem para calcinita de me- i columnas de dilfercntes tamaitos a 25, 35,45, 55
I iDas ** rs-cada Par> aunsa com manguitos e ; o 64; s no Vigilante, rua do Crespo n. 7.
Lindos jarros e tiguras.
Riquissimos jarros e figuras de porcelana fina,
para enfei te de sala, sendo o melhor gosto que aqui
tem apparecldo; s no Vigilante, rua do Crespo
n. 7.
Para pos de arroz.
Riquissimos vasos com boneela para pos de arroz,
- -, -.~ cousa de mullo gosto a 14300 e 24, assim como
.,. -i 1 T W covado, casimira preta de pacotes s com os pos a 320 rs. cada um; s no
unta so largura e muilo fina a 15800, 25 e 25500 Vigilante, rua do Crespo n. 7.
Kt&Z Z cmas de casimira de cores a 55, PerfamariaB
mSriu oarfralci" nauSi^lf..1tS2! S r Grande sor"'"'enlo de extractos e banhas, poma-
IKiSi PiS ; 25255 "S2!8 e P,a^a >s> assil como indos copos ou vasos cra dis-
V^r^{S!gn KlS activos eoirereeimentos as sinhasinhas dos me-
rua aa imperatriz n. 60, de Gama ----------------------------_______. j ra, assim como os grandes copos de banha japoneza
POtl-SSfl Ia e-a '^>.as.s'ni eowo 'iiros objecios que nao e
,_.,--------... manguitos c
golas com a competente gravata de seda, fazenda
hna pelo baralo prego de 35, e muitas outras
bordadas que se vendem por precos muito em
conta : s na loja do Pavao rua da Imperairfz
n. 60, de Cama & Silva.
As roapas do Pavo
Vende-se panno preto fino muito superior pelo
barato prego de 25, 25300, 35, 34500 e 45, dito
a
m
09
O -n ^3 .SAlS n O 03
do Pavo
Silva.
Venda de predios
em particalar ou em leilo.
Vendem-se duas propriedades de casas conti-
guas, de dous andares e soto, com grandes arma-
zens oceupados actualmente peloSr. Feliciano Jos
Gomes, para o trafico de assucar, sitos na rua de
Apollo ns. 34 e 36, edificados pelo actual proprie-
tario, com oplimos alicerces, superiores madeiras,
e acabadas em 1861, lendo ambos 52 palmos li-
vres de paredes, de largura, e os altos do de n.
34, e o primeiro andar do de n. 36 215 palmos de
comprimento, o segundo andar do de n. 36 tem s-
mente 120 palmos de comprimento, com um ter-
rago, e-os armazens tem 340 -palmos de compri-
mento cada um. lendo ambos tambem frente para
a rua do caes de Apollo, e o de n. 36 lambem para
a travessa do antigo porto das canoas : os preten-
dentes estes valiosos predios queiram dirigir-se
ao seu proprietaro Antonio Botelho Pinto de
iiaounr ATENTE
rabal ha r mito para
dcscaro^ar algodo
FABIIICADAS
Por Plant Brotliere & C,
OLDAiU
Estas machinns
podem descantear
qualquer especio-
,de algodao sem
. estragar o fio,
/ sendo bstanle
duas pessoas para-
olrakilho; pode
(ie.-c.iro-ar urna
arroba de algo-
dao em carogo
era 40 minutos,
ou 18 arrobas
por dia ou 5 ar-
robas de algodo
limpo.
_ Esta machina
a nnica que
o fio do a-
possue as vantagens de nao destruir >,
godo e de fazer render o dobro de qualquer ou-
tra com menos trabalho, a sua introduego para
as provincias desle imperio ser de mnilo valor
para todos os inleressados na lavoura do paiz.
Assim com machinas em ponto grande do me*-
mo systema.oraql serem movidas por animaes
agua ou vapor, pas uaes podem descarogar 18 ar-
robas de algodo ampo por dia.
O algodo descarogado por estas machinas tem-
muito mais estmagao nos mercados de Europa t
vende-se por maior prego.
As machinas se acham venda unicamenie ^m
casa de
Sannders Brolhers & C.
X. II, pra^a do Corpo Santo
RECIPE.
Os nicos agentes neste paiz.
Cervfja Bass,
Vende-se a 75 a duzia: na rua Nova n. 61 de-
fronte da Illraa. cmara municipal.
Vende-se potassa em barris, por commodo prego;
no escriptorlo de Antonio de Almeida Gomes, rua
da Cruz 0. 23,1 andar.
Vende-se ou troca-se por casas terreas nesta
cidade ou em seus arrebaldes mais prximos, um
sitio cora casa de vivenda, contendo 6 quartos, 2
salas, cozinha e senzala, na estrada de Joao de
Barros, o primeiro passando a capella, do lado do
poente : a tratar m rua do Rosarlo da Roa-Vista
% W,
. Mesf
possivel por neje annunciar, e vista dos fregu- 1 zes se far todo negocio; na loja do Gallo Vigilante, | andar, ou ao agente Oliveira na mesma roa n. 62
rua do Crespo n. 7.
Machinas para descarocar
algodao dos mais acreditados
fabricantes: na fundeao do
Bowman, rua do Brura n. 38.
As verdadeiras brides de IpojHca.
Vende-se na rua do Queimado n. 32, loja de
ferragens de Azevedo & Irmos. -
Atfea$o
Vende-se um terreno na travessa do Principe :
quem o pretender, dirlja-se tonda de marcineiro
na rua da Aurora n. 58, quo achara com quem
tratar.
Fumo imperial
Corlado igual ao francez muito proprio para ca-
chimbo, em latas de 1 libra, quando nao seja me-
lhor igual ao americano por 15200 rs., para veri-
ficar a verdade os Srs. fumantes podem-se dirigir
a fabrica vapor de cigarros anliga rua dos Quar-
teis de Polica n. 21.______________
Farinha de mandioca superior,
em saceos grandes : vende Antonio Lnlz de Olivei-
ra Azevedo 4 C, no sen escrlplorio rua da Cruz
n. 1.

MUTILADO

11 '! \---------r
V


a >
\
~s.
9UH e PmnkM* ... *.ibhadn 9 41c rtcmbro e 1 r4.
4
57
RA DO IMPERADOR 57
DE
Pau/o Ferreira da Silva & \Companhia
Grande sorlimento de molhados era grosso e a retathi
vantagens offerece ao publico. 'r
Deseuganem-se todos.
K
15 o
: o
i; o
e o



nico armazem que mais

AlIUiH'a o verdadeiro homem do progressso
AlflaB^a o verdadeiro e principal armazem te molhados.
Alltan?a o armazem que vende mais barato.
Alllanca o armazem que vende os melhores gneros
Allian^a o armazem onde preside o melbor aceio.
Fiquem todos sabedores desta T*rdade.
Veuham Lodos ra do Imperador n. 57.
Yenham ver os gneros que temos expostos
-

PARA
a venda.
TAS
-
S.
de
JOO
bonitas cor
AS
DE
E S. PEDRO.
Amendoas confeitadas de bonitas cor dem deHollanda|emgarraoescom 24 gar-
8oo rs. a libra. rafas a 7,2oo r. com o garrafo.
dem de casca muito.nova a 3oo rs. a libra. Lentilhas excelente legume para sopa e.gui-
AvolSas a ioo rs. a libra. Mitos a 2oo rsJ a libra.
Ameixas francezas em caixinhas com lindas Licores francezes de todas as qualidades a
estampas a l,2oo, l,4oo e i,6oo rs. cada 8oo e l.ooo rs. as garrafas grandes.
urna, i Manteiga inglcza perfeitamente flor a 8oo
dem em frasco de vidro com rolha do mes-! e 96o rs. a libr i.
mo ou de metal, a l,2oo e l.ioo rs. cada dem franceza no>a j deste anno a 6oo rs.
um. a libra, e 58o r em barris inteiros.
dem em frasco grandes a 2,ooo rs. cada Marraelada especi; 1 dos melhores fabrican-
um. tes de Lisboa a 6oo e 64.o rs. a libra, ha
dem em latas de i '/a e 3 libras a l,2oo e' latas de difieren tes tamanhos.
2,ooo rs. I Massa de tomate e: n latas de i libra a 56o
Arroz da India e Maranhio o melhor que se; rs. cada urna.
pode tosejar a Loo e 12o rs a libra e dem para soda estrellinlia, pevidee rodinha
2,8oo a 3, ioo rs. a arroba. em caixinhas sorltidasa 3,ooo 3,5oo rs. cada
Azeite doce de Lisboa a 6oo rs. a garrafa, e \ urna e 5oo rs. alibra.
4,8oo rs. a caada. i dem macarro, tafoarim e aletria a 4oo rs. a
dem francez clarificado em garrafas bran-! libra.
cas a 9oo rs. cada urna, e lo,ooo rs. a Mostarda franceza preparada em frasco a 4oo
caixa com I duzia. rafeada um
Alfazema muito nova e limpa a 32o rs. a li- Molbo inglez em garrafinhas com rolhas de
bra. vidro a 64o rs. cada urna.
NEM COROAS NEM MITRAS
O
^ffifMlK

ARMAZEM
DE
NOVA EXPOSIC&O DE GNEROS
NO




'


RtA DO IWPER1DOR W. 411
Jmto a* sebrado en qoe mora e Sr. Osbarnr,
Para a festa de Santo Antonio, S. Joao e S. Pedro.
lnare Almeida <& C. reeeberam de sna profH-ia eneominen-
la o mais lindo e variado sor lmenlo de molhados, proprios
da presente estaco.
Manteiga ingleza Ma$as brancas

llWIIXItt
i
V

Alpista a IGo rs. a libra e 4,6oo rs. a ar-
roba
Bolachinhas de Lisboa da fabrica do Beato
..Antonio das seguales qualidades: agua e
sal doces, e impelaos em latas de G libras
a 3,ooo rs. e de 3 l/j libras a l,5oo rs.
e em libra a 64o rs., estas bolachinhas
torna-se muito recommondavel com espe-
cialidade para os doeni.es.
Discoitos e Bolachinhas de soda em latas de
odas as qualidades e marcas que se pro-
curar a 1,35o rs. a lata.
Bolos francezes em carines e de diversas
qualidades a 64o rs. cada um.
Banha de porco verdadeira refinada a 4oo
rs. a libra e em barril a 38o rs.
Batatas novas a 16o rs. a libra.
-Bolachinhas inglezas ltimamente desembar-
cadas a 2io rs. a libra e 2,ooo rs. a bar-
rica.
Champagne das marcas mais superiores que
al huje lera viudo ao nosso mercado a
18,000 rs. o gigo e l,3oo rs. a garrafa
inteira, e 8oo rs. as meias.
Cha uxim o melhor que se pode desajar, e
que outro qualquer nao vende por menos
de 3,ooo a 2,7oo rs. a libra.
dem perola de esp.-cial qnalidade a 2,6oo c
2,8oo rs. a libra, garante-se a qnalidade
d'esle cha.
I.lem bysson o mellior que possivel encen-
tra r-se a 2,4oo e 2,6oo rs. a libra.
dem do Rio em latas de ~2, \, 6 e 8 libras
a l.2oo e l/mo rs. a libra
l>tom preto muito lino a l,(5oo rs. a libra.
Chocolate das melhores qualidades, francez,
hes|janbol e suisso a i.ooo, l,2oo e l,4oo
rs. a libra.
Charutos do acreditado fabricante Jos Fur-
tado de Simas em '/a caixas das segain-
tes marcas: Parisienses, Suspiros, Dili-
cias, Napnleoes e Guanabaras a 2,3oo rs.,
C em ciixas inteiras Trovadores a 3,ooo
rs. cada urna.
dem de ouiros muitos fabricantes c de dif-
iranles marcas para 1,5oo rs. as meias
caixas, de suspiros a l.Coo, 2,ooo e3,ooo
rs. as caixas inteiras.
Conservas inglezas a 8oo rs. o frasco.
dem franceza a 5oo rs.
Cognac inglez das melliores marcas a l,ooo
rs. a garrafa e lo.ooo rs. a duzia.
IJem francez superior qnalidade a 8oo rs.
a garrafa e 9,ooo rs. a duzia.
Cominho e erva-doce a 4oo rs. a libra.
Cra?o da India a 6oo rs. a libra.
Cnellaa l,ooo rs. a libra.
Copos finos para agua a 5,ooo rs. a duzia, e
5oo rs. cada um.
Caf do Rio superior a 280 e 320 rs. a libra,
e 8,8oo e 9,."ioo a arroba.
Doce fino de goiaba a 6oo rs. o caixo.
Ervilhas porluguezas ltimamente chegadas
a 7oo rs. a lata.
dem ceceas a 16o rs. a libra.
Mem j descascadas a 2oo rs. a libra.
Farhha de araruta verdadeira a 320 rs. a
libra.
Figos em caixinhas muilo bem enfeitadas a
l,ooo rs. cada urna.
dem em l?ias ermiticamente lacradas a
i,Soo e2,5oo rs. cada urna.
dem era caixas de '/ arroba
cada urna, e 2oo rs. a libra.
Graixa muito nova a loo rs. a
rs. a duzia.
Genebra de Hollanda em frasqueiras com 12
frascos por 6,ooo rs. e 560 rs. o frasco
dem de laranja a 1 ,ooo rs. os frascos gran-
des e H,ooo rs. a caixa com 12 frascos.
dem de Hollanda em botijas a 4oo rs. cada
urna.
dem em garrafes de 16 garrafas a 4,8oo
rs. com o garrafo.
Marrasquinho verdadeiro de Za l,ooo"a dja -
agarrafa, lo,ooo rs. a caom 1 usi.xrc a
zia.
Nozes muito novas S 16o rs a libra.
Prezunto de fiambre superior a 6oo e 8oo
rs.
da safra aova vinda neste vapor de 28 de
nwio a 800 rs. a libra.
Manteiga franceza
da safra nova a 560 rs. alibra. e em barril
a 500x8.
Amendoas
confeitadas de lindissiBMS cores a 800 rs. a
libra.
Ameixas
em frascos de vidro com 3 libras liquido a
2#i00, muito propios para mimos,
Cartes
com bolos francezes a 500 rs. cada um.
Latas
com bolachinhas de soda de todas as qua-
lidades a 141300.
Chocolates
de todas as qualidades a 1)5000 a libra.
Presuntos inglezes
dos melhores fabricantes a 800 rs., tambem
temos veHws para 500 rs.
Queijos flamengos
ebegados neste ultimo vapor a 26oo.
Queijos
ebegados no ultimo vapor a 2$600 cada um.
tueljo
londrino o mais fresco que se pode esperar
dem do Porto para,
Passas novas a 48o
mo, savel, corvi
panella a 5oo rs. a libra,
rs. i libra.
Peixe em latas de d Aferentes qualidades co-
oulros a I,ooo ris. a latas.
ta, govas, pescadinha e
Palitos para dentes
so dos melhores.
Painco o mais novo
bra, e a 4,5oo r$.
a 14o e a 16o rs. o mas-
a li-
limpo a 16o rs,
a arroba.
Palitos do gaz a 2,^oo rs. a gran, e2oo rs.
a duzia, e 20 rs. a caixinha.
Queijos flamengos chegados neste ultimo
vapor, a 3,ooo
dem prato muito fresco a 8oo e 9oo rs. a
libra,
dem suisso a melhor qnalidade qne at ho-
je tem viudo ao nosso mercado a 8oo rs.
a libra,
dem londnno a 9oo rs.
Sal refinado em pqtes de vidro a 5oo rs,
cada um.
Cerveja das melhorfes marcas a 6,ooo rs. a
duzia, e5Go rs, agarrafa.
Sardinha de Lisboa,e Nanles em quaitos e
meias latas a 38a e 58o rs. cada urna. _
Sag muilo novo e alvo a 2io rs. a libra.
18o rs. a libra,
bra, e 2.8oo rs. a
ar-
idade a 9,>oo rs. a cai-
a 2,5oo rs.
lata e l.ooo
caada.
4oo rs. a garrafa, a 3,ooo
caixas de 12 garrafas das
Sevadinha de Franca;
Sevada a loo rs. a
roba.
Traques de 1.a qua
xa, e 24o rs. a ctirla.
Toucinho novo de tiiba a 2 lo e 32o rs. a
libra.
Tijolo para limpar facas a loors. cadaum.
Vinho em pipa Potito, Lisboa e Figueira das
melhores marcas a 3,8oo rs. a caada, e
5oo rs a garrafa.
dem do Porto Lislia e Figueira de marcas
menos conhecidag a 4oo rs. a garrafa, e
2,8oo rs. a caada.
dem Colares especial vinho a 6oo rs. a gar-
rafa.
IdemLavradio muito fresco nao levando com-
composicao a 56o rs. a garrafa, e 4,ooo
rs. a caada.
dem bianco de uva pura a 56o rs. a garra-
fa, e 4,5oo rs. a
dem mais baixo a
rs. a caada.
dem Bordeaux era
marcas mais acreditadas a 6,5oo e 7,ooo
rs. a caixa.
dem muito especial que raras vezes vem ao
nosso mercado a l,2oo rs. a garrafa, ga-
rante-se que por este mesmo preco d
prejuizo e s se encontra n'este arma-
zem.
dem do Porto e n 'caixas com 12 garrafas
das seguintes niarcas Lagrimas do Dou-
ro, Duque do Forto, Genuino, Velho Par-
ticular, Malvas o fino, D. Pedro V, D.
Luiz I, Nctar e outros a 9,ooo e lo.ooo
rs. a caixae 9ob e l,ooo rs. a garrafa.
IdeinMuscatel superior a l,ooors. agarra-
fa, e lo.ooo a caixa com 1 duzia.
Vinagre puro de Lisboa a 2oo a garrafa e
2,4oo rs. a caada.
dem em garrafes com 5 garrafas a 1 .ooo
rs. com o garqdo.
Vassouras do Porto de arcos de ferro a 32o
rs. cada urna. |
dem de escova para esfregar casa a 36o rs.
cada urna.
Velas de espermacete superiores a 56o rs.
a libra, c 52o em caixa.
dem de carnauba reGnada e de composico
a 36ors. alibra, e de lo,ooo a H,ooors.
a arroba.
para sopa a melbor que se pode desejar,
macarro, talharira e aleiria a 400 rs. a
libra e 4^500 a caixa.
Vinho
Figueira JA A e outras muitas marcas acre-
ditadas a 500 rs. a .garrafa.
dem de Lisboa
e de outras marcas a 400 rs. a garrafa, e
280O a caada.
dem do Porto
generosos engarrafado des melhores fabri-
cantes da cidad do Porto a 1> e 10200
a garrafa ede 100 a 120a caixa, asmar-
cas sao as seguintes: Chamisso & Filho,
F. & M., Nctar ou vinho dos Deuzes,
lagrimas do Douro e outros muito.
Latas
com 10 libras de banha a 441000.
Bolachinha ingleza
a 1)5800 a barrica da mesma que
vendem a 20000* 20*00.
Nozes
as mais novas do mercado a 120r* .al bra.
Cervejas
dos melhores fabricantesje de todas as mai
cas de 40500 a 60300 a duzia.
V RIJA I0 CRESPO IT. 9
Esquina qne volta para a roa do Imperador
provaval que noseja bem aceita a verdade, quaudo a boa f de todos anda
Iludida por esta epidemia de nauzeaticos annuncios de cornetas, tambores, corSas mi-
tras, etc., que todo o da enebem as paginas deste jornal.
ALKRTA
Os annunciantes nao tem em vista seno garantirn ao respehavel publico a
sua palavra de honra, vendendo com o lucro suficiente para suas subsistencias e nf o para
assentarem fortunas a forca da regra de liga como outros annunciantes leste genero
PARA TIBIOS
No armazem principal vende-se a todos pelos pracos marcados na seguinte ta-
bella, mas nao se vende por todo o preco fazendo-se peso de arroba hespanhola, garan-
te-se as qualidades dos gneros trocando-se todo aquelle que nSo seja do agrado do
comprador.
Amendoas confeitadas de diversas cores
64o rs. a libra.
libra
e de excellante maree a 800 rs. a
sendo inteiro e a 900 rs, a retalho.
Conservas inglezas
as mais novas que se pode esperar a 760 rs.
o frasco.
Figos
em libras e caixinhas ricamente douradas,
proprias para mimos a 900 e 10200.
Cha uxim
o melbor que se pode desejar, que outro
qualquer nao pode vender por menos de
30 a 20600.
dem perola
especial qnalidade a 20700 rs. a \\\M.
dem bysson j
o mais aromtico que tem vindo ao nosso
mercado a 20GOO.
Maesas amarellas
para sopa, macarro, talharim e aletria a
480 rs. a libra.
COlWC
o muito afamado cognac Pal Brandy a l,8oo
rs. a garrafa e de outras muitas qualida-
des a l,ooo e 8oo rs. a garrafa.
COPO
lapidados para agua a 4,5oo e 5,ooo rs. a
duzia, e a 440 c 5oo rs. cada um.
PAPBfi
almaco, greve, peso e de outras muitas qua-,
i lidades de 2,2oo, a 4,5oo a resma do me-
Ihor.
CHARUTOS
Charutos Thom Pinto,. Reis e outros em
meias caixinhas a 10500.
Arroz
\ do Maranho a 100 rs. a libra, e da India
a 80 rs. a libra, e 20500 a 30000 a ar-
roba desses que vendem por 30400.
CAF
de I.* e 2.a sorte do Rio de Janeiro a 805f
e 80800aarroba, e280a300rs. a libr
Carrafoe
com 4 Vs garrafas com vinagre a 10OOO*#
o garrafSo.
GENEBRA 1>E LARA5JA
verdadeira a 10000 o frasco, e de 110000
| a caixa.
DEM
! em frasqueiras de Hollanda a 50800 co
I 12 frascos.
GENEBRA
de Hollanda verdadeira em frasqneira a 6oo
rs. cada urna.
PALITOS
; os verdadeiros palitos do gaz a 2,2oo a groza
e2o rs. cada caixinha.
LICORES
finos de lodas as qualidades, a lo,ooo a caixa
com urna duzia e a l.ooo a garrafa.
I Marmelada 4ooors.a
dos melhores fabricantes de Lisboa, como se- Conservas in|ezas a 75o rs< 0 frasco
jam Abreu e outros muitos a 6oo rs. a
dem de casca dura a 24o rs. a libra.
dem de casca mole a 32o rs. a libra.
Ameixas francezas em caixinhas com lindas
estampas, a 1,2oo e 1,5oo rs.
dem em fraseos de vidro a 1,2oo rs.
dem em frascos grandes a 2,5oo rs.
dem em latas de 1 */ libra a l.loo rs.
Arroz do Maranho e da India o melbor que
ha neste genero de 8o a loo rs, a libra, e
de 2,5oo a 2,8oo a arroba,
Azeite doce de Lisboa a 6oo rs. a garrafa, e
4,8oo rs. a caada.
dem francez e de Lisboa refinado em gar-
rafas brancas a 9oo rs. a garrafa e lo.ooo
rs. a duzia.
Alfazema muito nova e limpa a 32o rs. a
libro.
Azeitonas muito novas a 2,ooo rs, a anco-
reta.
Alpista limpo a liors. alibra,e\/oo rs. a
arroba.
Bolachinhas de Lisboa da fabrica do Beato
Antonio de diversas qualidades, em latas
de 6 e de 3 libras a 3,ooo e l,5oo rs. a
lata, e 64o rs. a libra.
dem ingleza em latas de 2 e de 4 libras
das melhores marcas a l,3oo e 2,2oo rs.
a lata.
Banha de poico refinada a 4oo rs. a librae
em barril a 36o rs.
Batatas em caixas de 2 e de 4 arrobas a
l.loo rs. a arroba.
Champagne das melhores marcas a 2o.ooo
rs. o gigo, I,8oo rs. a garrafa, e Ooo rs.
as meias garrafas.
Cha uxim o melbor possivel a 2,7oo rs. a li-
bra.-
dem perola qnalidade especial a 2,7oo rs.
a libra.
dem bysson o melhor que ha nesle genero
a 2,ooo, 2,4oo e 2,6oo rs. a libra.
dem do Rio em latas de 2 a 8 libras, a l,3oo
rs. a libra.
dem preto homeopatbico 2,ooo rs. a libra.
Cerveja das melhores marcas a 6,ooo rs. a du-
zia, e 56o rs. a garrafa.
Chocolate francez, suisso e bespanhol a
l,ooo, I,2oo e l,4oo rs. a libra.
Charutos do afamado fabricante Jos Furia -
do de Simas e oulros da Baha como se-
jam Regala, Trovadores, Guanabaras, De-
icias e Suspiros, a l,6oo, 2,ooo, 3,ooo e
i Lentilhas muito novas e.xcellente legume pa-
ra sopa a 2oo rs. alibra.
Licores francezes de todas as qualidades de
7oo e 9oo rs. a garrafa.
Manteiga ingleza perfeitamente flor a 8oo rs.
a libra, desnessesario mais elogios nes-
te genero que sy se pode verificar com a
vista.
dem franceza a 56o rs. a libra, e em barril
ou meios a 5oo rs.
Marmellada do I .' fabricante de Lisboa a 6oo
rs. a libra, ha latas de I, 4'/* e 2 libras.
Maga de tomate em latas de urna e duas li-
bras, a 6oo rs. a libra.
dem para sopa estrellinha, pevide, rodinha,
etc. a3,5oo rs. a caixa e 56o rs. a libra.
Macarro, talharim e aletria a 4oo rs. a li-
bra.
Mostarda franceza preparada a 4oo rs. o fras-
co.
dem inglezaemp a 6lo rs. o frasco.
Molbo inglez em garrafinhas com rolha de
vidro a 64o rs. cada urna.
Marraschino verdadeiro de Zara a l,ooo rs.
a garrafa, e lo.ooo rs. a duzia.
Nozes muito novas a 16o rs. a libra.
Ostras preparadas em latas a 7oo rs. a lata.
Prezunto para fiambre inglez verdadeiro, ga-
rant'mdo-se a qnalidade, a 7oors. a libra.
Passas novas de carnada a 4oo rs. a libra, e
6,5oo rs. a caixa.
Peixe em latas hermticamente fechadas das
seguintes qualidades, sabel, corvina, go-
rz, cavallinha e pescada a l,ooo rs. la-
ta.
Palitos para dentes fichadas a 4 4 rs. o ma-
co de 20 macinhos.
dem do gaz a 2oo rs. a duzia, e 2,loo rs.
a groza.
Painco muito novo a 16o rs. a libra, e 4,5oo
rs. a arroba.
Queijos flamengos do ultimo vapor.
dem prato muito fresco a 8oo rs. a libra, e
seodo inteiro a 72o rs.
Sal refinado em potes de vidro a 5oo rs. ca-
da um.
Sardinhas de Lisboa e de Nantes a 6oe
a meia lata, e 4oo rs. o quarlo.
libra.
RA DO QUEIMADO NUMERO 11
Loja de fazendas d- Augusto Frederico dos Santos Porto.
Lindas ehapelians e chapeos para senhoras.
Chegaram a este estaheleciinento as mais modernas chapelinas e chapeos para senhoras.
Superiores cortes de laa de barra de 100 a 20$.
As mais snperiores capas e soulembarques de seda prela e casenalra de cores para senhoras de
20 at 505.
Excellenls lias para vestido a 320, 300, 560 e 600 rs. o covado.
Cuna e organdys de cores a 240 e 320 T. o covado.
Os melhores tapetes para ola com riqui^simos desenhos.
Lpncosde eambraia de linhoe fil bordados a i cada um.
Suiieriores casemires mescladas de diversos posios tanto fm pecas como em corles.
E outras muitas fazendas como sejam: pnreallcs finissimas, bretanhas, Mecas, esqnio, silis-
rina preta muito fina, cantao para vestidos de luto, trosdenaple de bonitas cores e as superiores
lintel ras para salas.
As pessoas que pretenderem forrar suas salas ou gabinetes, encontrarlo neste eslabelonmento
melhor aqualidade de esleirs de todas as larguras c pelo mais. mdico preco,
Pregunto
o verdadeiro prezunto de Lamego a 5o rs.
Papel de botica a llbra" ARROZ
de excellente qualidade a 2200 a resma, Maranho, Java e India, a loo rs. a libra e
PAPEL de 3,ooo, a 3/2oo rs. a arroba,
azul e pardo para embrulho de 1,4oo a 2,2o YELAS
rs. a resma.
Corinthias
passas corinthias muito novas proprias para
podim a 8oo rs. a libra.
Fumo
o verdadeiro fumo
l,4oo rs. alibra
de espermacete de diversas marcas a 56o rs.
a libra e em caixa ter abatimento.
VELAS
de carnauba era caixas de arroba a 9,3oo ?
caixa e 31o rs. a libra.
Batatas novas
americano em chapa a' em caixas de 2 arrobas a o$ a caixa e 60 rs.
a libra.
YilIftfifVA Passas dho notas
. 7?' I em quarlos e inteiros a 2;$ o quarto e 6^500
PRR em ancoretas de 9 caadas a 15,ooo rs.; a caixa e 400 rs a libra
cada urna. Chocolate
(jBDOlItlS ;portuguez o mais especial que se pode de-
as mais novas do mercado a 7,ooo rs. a caixa i seJar a ^ rs- a ''bra e 140 rs. o pao.
Frutas em calda
chegadas ltimamente, pera, pecego, ginja e
outros muitos a 640 rs. a lata.
Dsce da casca da goiaba
S 600 e 11 ocaixae.
e l,ooo rs. o molho.
Alpista e Painco
o mais novo do mercado a 140 rs. a libra,
e 4)5400 a arroba.
Os proprietarios do grande armazem o Verdadeiro Principal declaram aos seus
freguezes e amigos e ao publico em geral, que para facilitar a coramodidade de todos es-
tipularam os mesmos precos nos seguintes lugares :
Lniio c Commercio ra do Qaeimado n. 7
O Verdadeiro Principal roa do Imperador n. 40
FRUCTAS
HACIA, PERA* E UVA
chegadas neste ultimo vapor, vende-se nos seguintes lugares: Ra do Imperador n.
40, Verdadeiro PrincipalRa do Queimado n. 7, Unio e Commercio.
dem franceza surtidas ou de urna s quali-
dade do cada frasco a ooo rs.
Cognac inglez e francez a l,ooo rs. a garra-
fa, e lo.ooo rs. a duzia.
Cominho e erva-doce a 4oo rs. a libra.
Gravo da India a Ooo rs. a libra.
Canella a I,ooo rs. a libra.
Copos Anos para agua e vinho a 4.8oo,
5,ooo e5,5oo rs. a duzia, e ooo rs. cada
um.
Caft'- do Rio superior 28o e 3oo rs. a libra,
e 8,5oo a 9,ooo rs. a arroba.
dem do Cear a 26o, 28o e 3oo rs. a libra,
c 8,ooo a 8,5oo rs. a arroba.
Doce de goiaba a 6oo rs. o caixo.
Ervilhas portugnezas em latas, chegadas l-
timamente a 7oo rs. a lata.
dem seccas a 16o rs. a libra.
dem j descascadas a 2oo rs. a libra.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Figos em caixinhas bem enfeitadas a Ooo rs.
cada urna.
Graixa nova a loo rs. a lata, l,loo rs. a
duzia.
Genebra de Hollanda em frasqueiras de 12
frascos a 5,8oors., e 56o rs. o frasco.
dem em botijas a 4oo rs. cada urna.
dem em garrafes de 16 garrafas
rs. com o garrafo.
rs.
Sag muito novo calvo a 2lo rs. a libra.
dem dem de 3 caadas a 7,2oo rs. cada um. j rs. cada urna.
dem ingleza em garrafas brancas bordadas I i
com rolha de vidro, qualidade superior
a l.ooo rs. a garrafa.
dem de laranja verdadeira a I,ooo rs. o fras-
co, e H.ooo a frasqueiras de 12 frascos.
Kirsch Wasser excellente bebida Suissa a
l.Soors. a garrafa.
Sardinha de Franra a 18o rs. a libra.
Sevada a loors. a libra.
Toucinho de Lisboa a 24o e 3oors. a libra.
Tijolos para limpar facas a 15o rs. cada um.
Vinho em pipa, Porto, Lisboa e Figueira das
marcas menos conhecidas a 4oo rs. a gar-
rafa, ea 2,8oo rs. a caada.
dem Figueira expecialmente escolhido neste
lugar a 6oo rs. a garrafa, e 4,5oo a caada.
dem Lavradio, Colares muito fresco sem
composico a 6oors agarrafa, e 4,5oo rs. a
caada.
dem Lisboa em ancoras com 9 caadas mar-
ca especial a 22,ooo rs. a ancora.
dem branco uva pura a 56o rs. a garrafa,
e a 4,5oo a caada.
dem Porto lino em pipa a 56o rs. a garra-
fa.
dem engarrafados generoso?, Lagrimas do
Douro, Duque do Porto, D. Luiz I, D. Pe-
dro V, Nctar, vell.o secco, Malvazia, o
genuino particular de Ooo al ,?oo rs. a gar-
rafa e a lo,ooo rs. a caixa com urna duzia.
dem Madeira;iegilimo a l,2oo rs. a garrafa,
ea 12,ooo rs. a duzia.
dem Muscalel a looo rs. a garrafa.
dem Bordeaux dos acreditadas marcas St.
Julien St. Esteph, chteati la Roze.chatau
Margoux e outros a 6,ooo rs, a caixa e 56o
rs. a garrafa.
Vermouth a melhor bebida estomacal a 2,ooo
rs. a garrafa.
Vinagre de Lisboa a 2oo rs. a garrafa e l,4oo
rs. a caada,
a 4,8oo, Wcm em garrafes com 5 garrafas a 1 ,ooo rs.
i Vassouras do Porto com arcos de ferro a 32o
para lavar casa a 36o rs.
cada urna.
Vellas de espermacete superiores a 56o rs.
a libra, e sendo em caixa a 52o rs.
dem de carnauba refinada e de composicSo
a 36o rs. a libra, e 4o,5oo e 1 l.ooo rs. a
arroba.
Salitre refinado, superior qualidade, vinho Bor-
deaux, differentes qualidades, mais barato que era
mialquer parte : no armazem de E. A. Burle &
d, ra da Cruz n. 48.
Fartura de sbemeles
A Aguia Branca recebeu um completo sorlimen-
to de sabonetes, e quer distribui-los com toda a sua
freguezia que compra a dinbeiro vista, por isso
os est vendendo pelos baratissimos precos de M,
1,5200, 1*500, U, 2#00 o 3* a duzia, 'sendo es-
tes de cores e com diversos moldes e figuras, e
outros transparentes a 2500, 3 e 4-5000 a duzia.
Estes aecommodados precos servem beHamente
para que lodos lavem suas mos, lencos, etc., etc.,
com cheiroso sabonete, e urna vez que baja dinhei-
ro, dirijam-se raa do Queimado, loja d'Aguia
Branca n. 8.
Bichas haiiihurgnezas.
Na ra Nova n. 61 defronte da Illma. cmara
municipal, vendem-se constantemente bichas novas
por menos ifi o cont que em oulra qaalquer par-
"te : recebem-se por todos os vapores.
GAZ GAZ GAZ
Venderse gaz de primeira qualidade a
105 a lata : nos armazens da ra do Im-
perador n. 16 e roa do Trapiche Novo n. 8.
AUenco.
Vende-se superior vinho do Porto em* caixas de
urna duzia : em casa de Johnston Pater & C, roa
do Vigario n. 3 ___________^_^^_
Sciencia aos cbarissimos irnios ter-
ceiros de Sao Francisco
Na ra da Cadeia, loja n. 11, existem cordoes
do verdadeiro esparlo para uso dos irmos profes-
sos, preparados com toda a perfetcao ; sea preco
com modo._______________________________
Predios venda
Vendo-se o sobrado de urn andar e sot3o sito na
ra do Fogo n. 35, era chaos proprios, com qain-
tal, cacimba, etc., rende actualmente 47000 men-
saes: urna casa terrea na ra da Gloria na Boa-
Vista, tambem em chaos proprios, e rende 205 :
os pretondentes desde j podero examinar os re-
feraos predios, e para intorraacoes podero enten-
derse com o agente Simoes em sea escriptorio na
ra da Cadeia do Recite n. 48, primeiro andar.
BflU)AihOLEBBFIGAB0i.i:BACALHA0
XAROPE DE RBANO IODADO
Segando os attestados dos mdicos dos hospitaes de Pars, consignados no Prospecto, e t
de arios Acadmicos, este Xarope emprega-se com o malc-r successo, em lugar do OXEO DE I__
BACA1HA0, ae qual elle realmente superior. Cara as molestias da peito, as escrfulas, o lymphatismo, a
pallidez e mollea das carnes, as perdas d' appetite, e rcienera a constituidlo purificando o *anue. Em
summa o mais poderoso depuraUro conhecldo. Elle nunca canea o estomago ou os intestinos como o.
loduro de potassium e o ioduro de ferro e administra-se com a maior efflcaclade aos manims sujeitos
aos humores ou ao en tupi ment das glndulas. O Dantor CaseasTe, do hospital de San'Luis de Pars,
o reeommenda d'um modo inteiramente particular as molestias da pelle, conjunctamente com as pilulaa
fue teem seu nome.
Depsito geral i em Part, en casa de MH. Grimanlt e c, pharmaeeuUcos, 7, na de h PenTItade;
em Litboa, en casa de RodriR da ct crlho ; no Porto, en casa de yi\fe\ i e *>-
remira; em o Rio-de-Janeiro, vlara relio o e niau, roa do Saba, 11; Bahia, en casa de
Jan-Cartaa* Fcrrctra-Eaplnhclra; em Sio-Crond, en casa de Jaaqvla ** *?! *-
hio, en casa de Ferreira eC; em Pemambuco, skanm e o, ra da Cni, 1* aaa, e as prlncipaes
pharmaciagdo Brasil.
Deposito geral em Pernambnco ra da Cruz n. 22 de mcasaCaros 4 Barbn.
Charutos de Havana
Empreza da il'uminaco saz.
Todas as vendas de apparelhs e reclamacoes de superior qualidade vendem-se em casa
(por escripto dando o nome, morada, data, etc.), de Schafleitlin & C, ra da Cruz n. 42.
de vem ser leitas no armazem da ra do Imperador (______________-----------------------------_
n. 41. Os raachinistas mandados para atiender a VPlwP*HC
estas, apresentarao tim livro que os reclamantes ^/1^*^' 0y
deverao assignar logo depois de prompto o servico nm negro idoso propno para sitio sem vicio era
reclamado; isto para que a emproza fique cenle achaque, por preco commodo, assim come
de haverem os mesmos senhores sido devidamente vaccas boas leileiras: na ra Real n. 71 (sili
atlendidos. Manguinho.)
duas
sitio no





MUTILADm


"1 f*P
*
torta te r 10 PUBLICO

glmento se
Importe do
So agradar.
tmmmtrum-
entrcgar o
gnero que
ATTENtfO
Wm*> Am. seguate
tabella para todo
deudo asalaa servir de ba-
se para o ajaste de eontas
com os portadores.
ARMAZEM NIO MERCANTIL
RUI DA AJINA DO RECIPE *. 53.
(Lego passaudo o arco da Conceice)
Grande reduceo de preeos, equivalente a dez por cento menos do qne ontro qualquer
annunciante.
Collegas.Nao posso por mais lempo sustentar o prece da manteiga ingleza a l.ooors. a libra, bem assim o de outros
rauitos objectos, etc., dando com isto ocasiao a todas as espeluncas acabarem por bom preco a manteiga de tempero, e giilareni em
alta voz, que podern vender pelo preco que eu vendo 11! Ora. eu oflendido com estas obscuridades e receioso em adoptar o mesmo
systhema que vim encontrar, de s se vender com um por cento a carola, resolv fzer esta grande redcelo de preces, como veris
pela seguinte tabella, pois como sabis ca pelo meu bairro, at a abertura do momoravel armazem de molbados Uniao Mercantil nao
so sabia de outro preco de manteiga ingleza a nao ser o de 4,4oe a l,6oo rs. a libra. Hoje porem, resentidos da reduego a qoa
esto obligados, encarando todos os dias de seus freguezes reclamacao de preeos, e qualidades, vingam-se de um e outro portadores
fflal informado deste novo estabelecimento. para lhe vender goneros nao proprios de um estabelecimento desta ordem que o seu fim
^ t3o sement obter a concorrencia de seus freguezes.
Para bem de todos.
Senhores e Senhoras o aceio que presidio, aos arranjos deste novo estabelecimento, e mais que ludo apromplido e entei-
reza com que ser5o tratados, convida a urna vizita ao mesmo, cortos de que sem duvida me daro a protecfao e preferencia na-compra
dos gneros que precisarem, e quando nao pocam vir poderao mandar seus portadores, ainda que estes sejam pouco praticas, pois
serto t?fo bem servidos como seviessem pssoalmehte, havendo para com estes toda recommendaco.afimde que nao vao emoutra parto.
GRANDE AJRMAZEM
DE
UOI/ITAIIOS
DE
ALMEIDA DUARTE
y
FRUCTAS
MariosBa do Queimndo n. 7.
Uvas. Rtia do Qweimado n. 7.
Peras.-Ra do Queimndo n. 7.
EXTRAORDINARIA
Iiqiuil.cao de fazeadasde ludas as ij**
li-as ua l.-ja e armazem la Aara,
na da -mperalriz n. o6, eo Pereira flende>(iDin> Atiendan freguezes I
Soutcmfarque a lu, 12 e -I5f> pcdriasiia.
Vende-se soutemharque's muilo l c de lores, para senhoras, a I0 12 e 15, ditos
pretos a 205,225 e 255 ; capas preas do gros-
denaple a 205 e SSJi : s ua ra da Imperalriz .
56, ioja da Arara,
Caites drehila a 2.
Vende-se cortes de chitas de cores Oats com 10
covado* a 25400 e 3,6200. cortes de eambraia te
barra a 25, ditos de .-lpicos a 2.5500 : na na da
Imperalm D. 56, Ioja da Arara, de Alendes Guiti.a-
1 raes.
Manteiga ingleza (safra nova) especialmente
escolhida a 800 rs. a libra, em barril se
faz batimento,
dem franceza a mais nova que tem viodo ao
mercado a 56o rs. a libra, e era barril ou
meios a 5oo rs.
Cha hysson de superior qualidade a 2,6oo rs.
a libra,
dem perela o mais superior do mercado a
2,8oo rs.
dem huxim o melhor que se pode desejar
oeste genero 2,600 rs.
dem preto homeopatbico porserde superior
qualidade a 2,000 rs. a libra,
dem hysson, huxim e perola mais proprio
para negocio o 1,600, l,8oo e 2,000 rs. a
libra, garante-se ser muito regular, igual
ao que se vende em outra parte por 2,4oo
e2,oo rs.
Lnguidas, chouricas e paios em latas de 8
libras, emticamente lacradas a 5,oe rs.
garante-se seren superiores aos que vem
em barris.
Chouricas e paios em barris de meia e urna
arroba a8,000 rs. e i,5oo eoo rs. a libra.
Queijos llamengos muito frescos chegados
neste ultimo vapor a ,2oo rs. e do vapor
atando a 1,600 e i,800 rs.
dem londrinos os mais superiores que tem
vindo ao mercado a 800 rs. a libra entei-
ro se faz abatimento.
dem prato muito fresco a 800 rs. a libra,
dem do Alentejo o que se pode desejar de
fresco e-superior a 800 rs. a libra, a elles
antes que se acaben.
Ervilhas e lavas portuguezas em latas j pre-
paradas a (i lo rs.
Marmelaila imperial dos mais acreditados fa-
bricantes de Lisboa a 600 rs. a libra.
Prezunto do reino vindos de casa particular
a 56o rs. a libra, e a 5oo rs. inteiro.
dem inglezas para fiambre chegailo neste
vapor 72o rs. a libra.
Copos lapidados para a gua a 5,000 e 5,5oo a
duzia,
Choculate francez, suisso e hespanol a 9oo
l.ooo e !,2oo rs. a libra.
Espennacete em caixinhas contendo 6 libras
por 1,000 rs., garante-se serem transpa-
rente e de superior qualidade, tambem tem
de 12 por libra propria para carro.
Peixe em posta sovel, corvina, gors. pesca-1 boa a 64o rs.
da, salmao, ostras e chernee, vezugo em Bolachinbas inglezas as mais novas do mer-
latas grandes a 800 e l,ooo rs. cada urna. I cado a 2,8oo rs. a barrica, e 24o rs. a
Vinho Rordeaux das marcas mais acredita-, libra.
das que tem vindo ao nosso mercado a ] Bolachinlia de soda em latas com diyersas
6,000, 7,ooo e 8,000 rs. a caixa, garante-1 qualidades a I,3oo rs.
se ser de qualidade superior, que outro Bolo francez em caixinhas muito proprias
qualquer nao pode vender por este preco. para mimo a 61o rs.
Genebra de Hollanda a 56o rs. o frasco, e Passas muito novas de carnada a 4oo rs. a
5,7oo rs. a frasqueira. | libra e 6,000 rs. a caixa com 28 libras,
dem de laranja verdadeira de Altona em Figos de comadre a 24o rs. a libra e
frascos grandes a l.ooo rs. o frasco, el l,8oo rs. a caixa com 8 libras.
11,00o rs. a duzia. Amendoas de casca mole a 32o rs. a libra,
dem de Hollanda em botijas grandes a -too Bolachinhasd'agua em sal da fabrica do Beato
rs. e em barricas de 4 duzias se faz abati-
mento.
Caf do Rio a 26o e 28o rs. a libra, e 7.8oo
e 8.5oo rs. a arroba,
dem lavado de primeira qualidade a 3oo rs.
a libra, e 9,ooo rs. a arroba,
dem do Cear de superior qualidade a 24o
e 28o rs. a libra, e 7,8oo a 8,000 rs. a
arroba.
Arroz do Maranho a loo rs. a libra, e 3,ooo
rs. a arroba,
dem dalndia muito alvoegraudo a loo rs. a
libra, e 3,ooo rs. a arroba,
dem de Java a 80 rs. a libra, e 2,2oo rs.
a arroba.
Painco ealpista a 14o rs. a libra, e 4,3oo
rs. a arroba.
Massa de tomate em latas de 1 e 2 libras a
600 rs. e de barril muito superior a 5oo
rs. a libra.
Aletria, macarrao e talharim a 4oo rs. a li-
bra, e 9,000 rs. a caixa.
dem e lalherim branco a 32o rs. a libra,
estas massas tornam-se recomendaveis as
pessoas doentes por serem propiciamente
feitas para esse lim.
Estearinas a 56o rs. a libra, e em caixa com
23 libras a 52o rs.
Vinho do Porto muito fino excellente qua-
lidade proprio para engarrafar em ancore-
tas com 9 caadas por 43,ooo rs.
Vinho depipaPorto, Figueira, e Lisboa a32o,
4oo eoo rs. a garrafa, emeanada a 2,5oo,
3,ooo e 3,8oo rs.
Vinho branco de Lisboa de excellente quali-
dade a ioo e 000 rs. a garrafa, em caada
a 3,ooo e 3,5oo rs.
Vinho branco para ms>a em caixa de 1 duzia
a 8,000 e a G80 rs. a garrafa.
Vinho do l)orto das melhores marcas, que
vem ao mercado como sejam Lagrimas do
Douro, Duque do Porto, Duque Genuino,
D. Luiz I., Madeira secca, Malvazio fino,
Fetoria em caixa de 1 duzia de O.ooo a
lo,ooo rs. e a 9oo e 1,000 a garrafa.
Vinho Colares o mais superior que tem
vindo ao mercado a 64o rs. a garrafa.
Sardinhas de Nantesem quartos e meias latas
a 36o e 56o rs. cada urna.
Antonio de Lisboa em latas com 6 libras
por 2,5oo; ditas doce em latas com o mes-
mo peso a 2,5oo; ditasimperiaes emlatas
de 3 libras por l,5oo rs.
Ameixas francezas em latas de 1 e meia libra:
por 1,2oo; ditas em caixinhas de deverses
tamanhos com bonitas estampas na caixa
exteriora l,2oo, l,5oo, el,8oors.
Azeite doce refinado Penanol ou do Kempes
de Lisboa a 85o rs. a garrafa e ftSBoo a
caixa com urna duzia.
Batatas muito novas a 5o rs. a libra e 2,ooo a
caixa com 2 arrobas.
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e
8,Iioo a duzia.
Vassouras de escova para esfregar casa a 32o
Nozes muito novas a 16o rs. a libra.
Multio inglez em garrafa de vidro com
rol da do mesmo a 5oo rs.
Mostarda ingleza dos melhores fabricantes a
800 rs. o frasco.
Mostarda franceza em potes j preparada
a loo rs.
Lentilhas excellente legume para sopa a 2oo
rs. a libra.
Fazenda* especias para senhoras.
Vende-se gollinhas para senhoras e meninas a
WO, .120. mandudos a .'no rs., camismhas a 1,5*
1,1500, 25 e IJKfOO, enire-meios e liras bordada?
para enfeilar vestidos branros a 15,1,5200 e 1590
a peca, enfeites para casaveque a 15, gravanurrcy
para senhora, muilo linas a 15 e 15500 : na ra
da Imperalriz n. 56, Ioja da Ai ai a.
Vende-se palitots de panno fino a 165, 145*' e
125. ditos caceos com lilas a 125, 105 e 85, (iros
de easemira linos a 105- 5 e 65, ditos s m fita Acaba de receber de soa iiropria encommenda um erand e -'- JL." ffSSf ^ UdiMoJS u1,"'"" ,a ^^ '3* :\&m' ^
ouerecer aos seus freguezes e ao publico em geral a segninte tabella dos seus ceneros e h*im>linas ** fi 7S>eoh>,rt 8"" fr?n-
resumidos preeos, afiangando todo e qualquer genero vendido neste bem conhecirio ar- S2S* l* V^tl ** ? mazem.
Amendoas conleitadas de 800 rs. a libra.
Manteiga ingiera perfeitamente flor, a 800 rs,
libra.
dem franceza a 56o rs. a libra, e 5oo rs.
sende em barril.
Cb uxim a 2,7oo rs. a libra, e de 8 libras
para cima a 2,6oo.
dem perola a 2,8oo rs. e de 8 libras para
cima a 2;7oo,
dem hysson o mais superior que se pode Passas muito novas em quartos e inteiros a
15600, de linho a 25, e coiarintios a 400 rs. :
t. na da Imperalriz n. 56, Ioja da Arara.
Licores francezes e portuguezes das seguin-j Vende-se colchas de chita a 25, de damasco a
tes marcas creme de violetas, gerofles, ro- i **' de fas,5 a 3* : na ra da Imperatnt n. 6,
sa, absinto vespeiro, amor perfeito, amen-1 i,t-iMrara" d ,. '
dea amarga, percicot. de E oleam. | JiaWRffiSMiBSiS"
morangos, limao, caf, laranja, cidra, gin- 5 880 rs., lencos de seda a soo rs. e 15 : na na
ja, canella, cravo, ortel pimenia a l,ooo'da ,inPer:r|z n. 56, inja da Arara.
rs. a duzia l,ooo rs. a garrafa, garante-se! ., Bramante da Arara a 2500.
gj, os melhores que temos tido no mer-1 i^^^ttjBm", "SE
Sardinhas portuguezas em latas grandes
preparadas pelo melhor conserveiro de Lis-
Marrasquino o verdadeiro de Zara em garrafas
grandes a l.ooors. e 11,00o a duzia-
Palitos para dentes a 14o e 16o rs. o maco
Sal refinado em frasco de vidre com rolha do
mesmo a 5oo rs.
Cerveja branca e preta das marcas mais a-
crediUdas que vem ao mercado a 5,ooo e
5,5oo a duzia e 48o rs. a garrafa.
Sag muilo novo e alvo a 24o rs. a libra.
Sevadinha de Franca muito nova a2oors.
Charutosde lodos os fabricantes da Bahide das
mais acreditadas marcas conhecidas no
nosso mercado a 2,ooo, 2,5oo, 3,ooo,
3,5oo e 3,8oo a Cognac inglez das melhores marcas a
1,080 rs. a garrafa.
Doce da casca da goiaba em latas de 4 li-
bras por 2,ooo; dito em caixes a 600 rs.
cada um.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Velas de carnauba de 6 e 12 por libra a
32o rs. a libra e lo,ooo rs. a arroba.
Azeite doce de Lisboa a 64o rs. a garrafa
e 4,8oo a caada.
Banha de porco refinada a 4oo rs. a libra
e 36o rs. em barril.
Capil de diversas frutas muito frescas a
(i lo rs. a garrafa.
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a graza.
Toucinho de Lisboa muito alto e alvo a
32o rs. a libra e 8,5oo a arroba.
Ameixas francezas em latas de 3 libras por
2,ooo. rs.
Cebollas soltas a l,4oo o cento ; ditas em
molhos com cento e tantas por 1,2oo rs.
Malte excellente cha para os navegantes a
a 2oo rs. libras.
desejar a 2,600 e de 8 libras para cima
a 2,000 rs.
dem menos superior a 2,4oe e de 8 libras
para cimaa 2,3oors.
dem proprio para negocio a 2,3oo, de 8 li-
bras para Gima a 2,2oo.
dem do Rio em latas de 2, 4, 6 a 8 libras
cada urna a 2, 3, 3,5oo e 4,8oo rs. a lata,
dem preto o melhor que se pode desejar
nesta genero a 2,80o rs.
dem menos superior a esse que se vende
. por, 2 e 2,4oo, a 4,8oo rs. a fibra,
dem mais baixo bom. para negocio a l,5oo
rs. a libra.
dem miudinho proprio para negocio a l,5oo
rs. a libra.
Queijos do reino chegados neste ultimo va-
por a 2,2oo.
Queijos chegados no ultimo vapor a 2,2oo rs
dem prato es melhores e mais frescos do
mercado a 76o rs. a libra sendo inteiro.
Genebra marca gato a 1.7o rs. a garrafa.
Biscoitos em latas de 2 libras das seguintes
marcas : Osborne, Craknel, Mixed, Victo-
ria, Pec-nic, Fance, Machine eoutras mui-
tas a 1,3oo e 1,4oo rs.
Fumo americano em chapa a l,6oo rs, a
libra.
Araruta de todas as qualidades.
Batatas novas em caixas de 2 arrobas a 5$ a
caixa e 6o rs. a libra*
Balachioha de Craknel em latas de 5 libras
bi'5jft a 4,ooo rs.
dem inglezas em barricas a mais nova do
mercado a 3,Soo rs. a barrica efi4o rs. a
libra.
Chocolate portuguez o mais especial que se
pode desejar a 8oo rs. a libra e 14o rs. o
pao.
Papel de botica de excellente qnalidade a
21oors. a resma.
Potes com sal refinado a 48o rs. cada um.
Figos de comadre em Utas de 4 e 8 libras
lacradas hermticamente a l,4oo e 2,2oo
rs. a lata.
AGENCIA
DA
FUNBICAO DE LOW-MQOI.
Ra da Senxalla aova n. 42.
Neste estabelecimento contina a haver
um completo sortimento de moendas e meias
moendas para engenho, machinas de vapor
e tachas de ferro batido e coado, de todos o
tamanhos para ditos.
Arados americanos e machinas par
lavar roapa: em casa de S. P. Johnston & C,
roa da Senzalla Nova n. 42. _________
i ueimal
ARUIZIW
FRONTEIRO
DE
AjLVES COUTIJVjHO 21Largo do Tergo21
Ao publico.
Chouricas muito novas a 64o rs. a libra ; chocolate francez a l,ooo rs. a libra;
ameixas idem ; alpista a 16o rs. a libra, e 4,6oo rs. a arroba ; arroz do Maranho e da
India de 8o a loo rs. a libra, e em a arroba de 2,6oo e 3,ooo rs. : azeite doce refinado
No largo do arsenal de marinha, Ioja de calca
dos n. 8, queima-se :
Marroquim preto de oa qualidade,
a dozia a..................... 215000, a 1,00o rs. a garrafa e em porcao, a menos; dem de barris a 64o rs. a garrafa, e em cana-
i'ma peiie por................... 158001 da a 4,8oo rs.; banha de porco a 4oo rs. a libra, e em barril a 36o rs.; batatas muito
E calcados de toda a qnalidade, assim como boas novas a 4o rs. a libra, e l,2oors. a arroba ; cha perola, hysson, miudinho a l,8oo, 2,4oo
^v^*a'ate e 2,5oo rs. a libra; charutosdes melhores fabricantes da Babia de 2,ooo e 4,ooo rs.;
cerveja branca e preta a 5oo rs. a garrafa ; cravo, canella, cominho e erva-doce, conser-
vas inglezas em frascos e meios de Soo a 9oo rs.; cognac inglez superior a l,oeo rs. a
2.* e 3.a qualidade de 8,5oo, 9,oooe9,5oo rs. a arroba; cevadi-
ervilhas portuguezas em latas de 1 Va libra a 7oo rs.; spermacete
JiutysiaS.
A' 25500 a caixa; em porcao se far abatimen- garrafa ; eaf de 1.
to : na roa *ova n. 8, Ioja do Cha. nha a 2oo rs. a libra
| a 56o rs. a libra, e em caixas a 52o rs.; farinha de araruta verdadeira a 2oo rs. a libra,
ven- e em a arroba a 6,ooors ; genebra de laranja a l,ooo rs. o frasco; idem de HHahda
Viuho da Porto saperior
din caixas de ama e daas duzias : tem para
eer Antonio Li iz de Oliveira Azevedo & c, no seo j a 64o rs., e 4oo rs'. a botija fgraixa em latas a 1,2oo rs. a duzia; manteiga ingleza per-
mita flor a8oo rs. a libra; idem franGezaa56ors. a libra, eem barris a 52o rs.; maca
de tomate a 6oo rs. a libra.; marmeladados.melhores fabricantes a 64o rs. a libra ; ale-
tria, talharim e macarrao a 4oo rs.; marrasquino de Zara-verdadeiro a l,ooors. cadafras-
escriptorio roa da erra m-1.
Fabnca Conceicilo da j
Bahia.
Andrade k Reg, recebem constante-
mente e tem venda no seu armazem n.
34 da ra do Imperador, algodao d'aquel-
la fabrica, proprio para saceos de assu-
car, embalar algodao em pluma etc., etc.,
pelo preco mais razoavel.
Vende-se na ru* do Imperador n. 14 vinho ver-
de a 560 rs. a carrafa,, assim como urnas conchas
para balanca, forradas de metal, e as competentes
correatas,, e um motar* grande para caf.
co; nozes muito nevas a 2oo. rs. a libra; passas a 4oo r. a libra ; painco a 16o rs.; po-
mada a 24o rs. a duzia; pimenta do reino a 36o rs.; papel almaco e de peso d diver-
sas marcas; palitos do gaz a 2,2oo rs. a grosa e 2o rs. a caixinha ; ditos de seguranza
individual a 2o rs. a caixinha e 36o rs. o maco; queijos flamengos do vapor a 2,ooo rs.
;cada um; cevadinha a 2oo rs. a libra; sardinhas de Nantes de 4oo a 64o rs. a lata; sa-
bo massa muito superior a 2oo rs. a libra; toucinho de Lisboa motto aho a 3eo rs. a li-
bra; vinhe do Porto velho engarrafado a l,5oo rs; idem em barril a 8oo rs. a garrafa,
sendo porcao fax-se differenca eem caada a5,ooo rs.; idem de Lisboa muito superior a
too rs. a garrafa e 2,8o rs. a caada ; idem da Figueira J. A. A. a 5oo rs. a garrafa e
3.6oo rs. a caada; idem do Etreito a 36o e 320 rs. a garrafa e em caada a 2,56o;
idem Bordeaux a 56o rs. a garrafa; idem branco de Lisboa, proprio para missa a 5oo rs.
a garrafa; vinagre de Lisboa muito superior a 2oors. a garrafa, e l,4oo rs. a caada;)
soda, cevada, alfasema, gaz e tijolo de limpar facas a 14o rs, e outros muUos gneros quelmes de Mattos Jnior, na ra larga do Rosario nu-
desnecessario e menciona-los. J mero 24.
Frutas em calda chegadas ltimamente, pera,
pecego, ginja e outros muitos a 12o rs. a
lata de 21|2 libras,
dem cm caixinhas de 8 libras a 1,8oo, e
24o rs. a libra.
Nozes muito novas a 120 rs. a libra, e 4,ooo
rs. a arroba.
Amendoas confeitadas a 6oo rs. a libra.
dem de casca mole a 32o rs.
Vinhos engarrafados no Porto e Lisboa das
seguintes marcas: duque, genuino, velho
secco especial, lagrimas doces, vinho es-
pecial D. Pedro V, nctar superior de
1833, duque do Porto de 1834, vinho do
Porto, velho superior, madeira secca, Por-
to superior D. Luiz I, e outras muitas
marcas, em caixa de urna duzia a lo,ooo e
l,ooors. agarrafa.
dem branco de uva pura a 64o rs. a garra-
fa e 4,ooo a caada.
dem superior a ooo rs. a garrafa e 3,2oors.
a caada.
dem em pipa Porto, Lisboa e Figueira das
marcas mais acreditadas a 3,8oo a caada
e 5oo rs, a garrafa.
dem de marcas pouco conhecidas a 4oo rs.
a garrafa e 3,ooo rs. a caada.
Especial vinho Lavradio sem a mais pequea
composicao a 560 a garrafa e 4, ooo rs. a
caada.
Farinha de matarana a 240 rs. a libra.
Ricas caixas com figos a l;ooo rs. cada urna.
Ricos livros com figos l.ooors.
Pomada a 200 rs. a duzia, sevada muito no-
va a 80 rs. a libra, e 2,5oo a arroba.
Garrafes com 4 '/ garrafas de vinho supe-
rior a 2s5oo rs. com o garrafao.
dem com 4 '/* ditas de veoagre a l,ooo rs. o
garrafao.
Vinagre PRR em ancoretas de 9 caadas a
15,000 rs. com aancoreta
dem em pipa puro sem o btismo a 2oo rs.
a garrafa e l,4oo rs. a caada.
Caixas com 1 duzia da garrafas de vinho Bor-
deaux fazenda muito especial a 6,8oo rs.
2,ooo rs. o quarto, a 6,ooo a caixa e 4oo
rs. a libra,
dem corinthias proprias para podim a 8oo
rs. a libra.
Marmeladas dos mais afamados fabricantes de
Lisboa a 64o rs. a libra.
Ervilhas secas muito novas a 16o rs. a libra.
Grao de bico muito novo a 16o rs. a libra.
Ervilhas francezas em latas a 64o rs.
Potes com sal refinado a 48o rs.
Fumo de chapa americano a l,6oo rs. a libra
fazenda especial.
Presunto para fiambre inglezes a 7oo e 8oo
rs. a libra.
Chouricas e paios mnito novos a 64o a libra.
Caixas de traque n. 1 a 8500 cada urna.
Massas para sopa macarrao, talharim aletria
a 4oo rs. a libra.
Cognac verdadeiro inglez a 8,5oo rs. a caixa
e 8oo rs. a garrafa.
dem francez a 7,ooo rs. a duzia e 7oo rs. a
garrafa.
Charutos em grande quantidade e de todos os
fabricantes mais a creditados a l,5oo,
2,ooo, 2.5oo, 3,ooo e 4,ooo rs. a caixa.
os mais baixos sao dos que por ahi se ven
dem a 2,ooo e 2,5oo rs.
Caf de premeira quadade a 8.3oo e 9,ooo
rs. a arroba e 28o a 22o rs. a libra.
dem de segunda qualidade a 8,2oo rs. a ar-
roba e 26o rs. a fibra.
Arroz do Maranho a 12ors. a libra, 3,ooo rs.
a arroba.
dem da India muito superior a 2,Ooo rs. a
arroba, e loo rs. a fibra.
dem mais baixo redondo a 2,6oo rs. a libra.
dem da India comprido a 2,4oo rs. a arro-
ba, e 8o rs. a libra.
Vellas.de carnauba do Aracaty a 9,5oo rs. ar-
roba, e 36o rs. a libra.
dem de sebo muito dura fmgrndo esparmace-
te 36o rs. a libra.
dem de esparmacete a 56o rs. a libra, e em
caixa a 52o rs. com 25 libras.
Papel o melhor que se pode desejar para os
Srs. empregados pblicos a 5,ooo rs. a res-
ma, j se vendeu por 7.ooo rs.
dem almajo pautado e liso a 3 .ooo rs. a resma.
dem de peso pautada e liso a 2,5oo rs. a
resma.
dem a zul de botica ou fugueteiro a 2,oo rs.
a resma.
dem embrulho de 1,2oo a l.too rs. a resma.
Ameixas francezas em latas de 1 '/. libra a
l,2oo e 800 rs. a libra,
dem em frascos de 3 libras a 2,5oo rs., s o
frasco valle l.ooo rs. tambem temos em
frascos para 1,4oo rs.
Conservas inglezas a 800 rs. o frasco.
Mostarda preparada em potes muito nova a
2oo rs.
Molhos inglezes a 800 e l.ooo rs. o frasco.
Cravo a 48o rs. a libra.
Cerveja Tenente verdadeira a 7,ooo rs. a
duziae 600 rs. a garrafa,
dem de outras marcas preta e branca a 5,5on
e 6,000 rs. a duzia e 5oo rs.a garrafa.
Vassouras de piassava com 2 arcos de ferro
vindas do Porto a 32o rs.
Cebollas muito novas a l,ooo rs. o molho e
800 rs. o cento.
Genebra de Hollonda em frasqueiras a 6,000
e 56o rs. o frasco,
dem em botijas a loo rs.
dem em garrafoesde 14 garrafas a 5,2oo rs.
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a groza e 2o rs. a
caixa.
dem de dentes lixados em macos grandes
com 2o rs. o macinhos a 12o rs. o masso.
Cominhos muito novos a 32o rs. a libra e
lo.ooo a arroba.
Sag muito novo a 24o rs. a libra.
Cevadinha de Franca a 18o rs. a libra.
Milho alpista a 14o rs. a libra e 4,5oo rs. a
arroba.
Gomma a 28o rs. a libra e 5,4oo a arroba.
Peixcs em latas al,000 rs. a lata j prompto
a comer-se.
Farello de Lisboa marca N. eBiao saceos
grandes a 4,000 rs.
Doce da casca da goiaba a 6oe e l;ooo rs. o
caixao.
*
J a vara, chitas para cotu-rias a 320, 360 e 4r(f
dita encarnada muilo lina a 480 rs. n cuvauo, chi-
tas para vestidos a 210, 2*0, 320 a 100 rs. o .'ova-
do : esta pechmcha, lu iiarata, s se pode encon-
irar : na ra da Imperalriz n. 56, Ioja da .Aran.
A Arara Icima, nao vende, queinia.
Vendem-se baldes de 16, 20, 2a e 30 arces a
25240, 25300, 35, 35300 e 45, d.ios de iiMMSollB*,
a 45 e 1*800 : na Ioja da Arara, ra da tiiti-ci
tnz n. 56.
Vende-se challes de laazinhaa 15600 h 25, diloa
de merino a 25500 e 45500, ditos linos a 6,.ditcs"
estampadora 75 : na Ioja da Arara, rua.da luii/eta-
triz ii. 56.
As I;ia/.hihas da trara a 240 rs. o rovado..
Vendem-se hiazinhas para vestidos a 24A 33,
400, 500 e 560 rs, o covado, ditas muito linas m
cores, lisas, de lyrio, de rosa, azul u enrarn,-tf}>
a 600 rs. o covado ; na ra da Impcratrii a. 5$
Ioja da Arara.
A Arara vende cuitas a 210 rs.
Vendem-se chitas para vestidos de corps lxas- a
2l0e 280 o covado, ditas francezas a 320, 360 ve
400 rs., cassas de cor a 280 e 320 o rovario,<>rt2il*
dysj a 320, 280 o covado : na Ioja da Arara, ftl
da Iniperairir. n. 56.
X Arara vende corles de 15a a Maria'Pia.
Vende-se corles de laa com barra a 85, div
linos a Mara Pa por 185000, laazinhas a HT
l'a a 460 e 800 rs. o covado : na ra da Imtera--
triz n. 56. Ioja da Arara.
A Arara vende niada|iolo a 6:>00, 7&, 8,
IH e 12:>.
Vende-se rnadapolao fino de 24 jardas, n. 60 a
05500, dito n. 7 a 75, dito n. 2, 85, dito de mar-
ca duas cruzes a 95, dito S a 105, dito H II a 11
dito H h a 12, todos estes madapoloes sao me
linos ; algudao a 55 e ii5, dito carne de varea "a:
65500, dito mesticua 75, dito sirtipira a 85,dilodo
diversa qnalidade a 85300. .-tilo pao ferro 95 a p0$K
de 20 jardas, lodos estrs tlgodoea siio de tura ijua--
lidade : na ra da Imperan iz n. 56, toja da ArsTai
df Meudes (mimares.
A Arara vend* briiu trancado de linho a 1&209.
Vende-se hrim trancado de linho hranro para1
calcas a 15200 15400 e 15600a vara, dito pardo-
de linho a 640. 720, 800 e 15120 ; bretanha do
linho a 640 e 800 rs. a vara ; ganga para calcas e
hrim de cures a 5o0e 480 o covado. cortes de ca-
semira preta para ralea a 35500 45, ditas finas1
i- de cores a 55, 55500 e "5 o cort : na ra Imperalriz n. 56, Ioja da Arara.
As percalas da Arara a 500, 560 e 600 rs.
Vende-se filias chitas percalas a 500, 560 e o'jg
rs. .. covado, pecas de camhraia linas a 35. 35300
45500 e 5.-3000 a peca, ditas para cortinados cwo
20 paras a !)5 na Ioja da Arara, ra da Impera-
lriz n. 56.
O propietario da Ioja e armazem da Arara re-
commenda tuda a atieneao aos Srs. icjiuezes 0.U0
manden) ver as armu-tras de tudas as fazendas que
annaiicia, prometiendo vende-las barata, pois u,ue
a Arara tema, nao vendo, mieima.
Xa livrarin aeadesuica. na do
Emperador n. 99,
vendem-se lindos papis para forrar tala a 15000
a peca.
ESCRAVOS FGIDOS.
a caixa e 7oo rs. a garrafa.
O proprietario do grande armazem UniaO e Commercio declara aos seus fregu
zes e amigos e ao publico em geral, que para facilitar a commodidade de todos estipulou
os mesmos preeos nos seguintes lugares:
TJnifto e Commercio ra do Queimado n. 7.
O Verdadeiro Principal ra do Imperador n. 40.
-omina de mandioca.
Vende-se na ra da Madre de Dos n. 38, ar-
maren!.
Gomma .
muito superior em barricas : vende Francisco 6o-
Superior cal de Lisboa
Vende-se superior cal de Lisboa a mais nova
qne ha no mercado tanto em porcao como a reta-
lhopor barato preco, afliancandose aos compra
dores a superior qnalidade: a tratar as seguin
tes ras : do Crespo n. 7, Imperador n. 28, Porte
do Mattos armazem do Sr. A villa defronte do tra-
piche do algodao.
Fueio na noite de 23 do correnle julho do
1864 o escravo Jos, preto, crinlo, de 26 annos,
Imixo, corpo recular, beicns -missus e es-tobdos,
ori-lhas peipienas, e cachai;o (ro>so, ponca hara
i-oripie tem alienas na i -tia do queixo, levnvduas
calcas, uina branca e oufa de castor escuro que
paiere preto, de hsuas, palelut pelo, sem camisa
e rom nina caraiuic.i encarnada na rabera, a (ala
de marojo: quem pepar leve-o a na Direiia n.
54, qne sera generosamente recompensado.
Fuci'na tarde, do (lia 16 do correnle uta
escravo pardo, de iiume Marcos. doernharcadO-
do Inale Sanio Anmt, vimlo do Aracaiy, leudo
le idade 28 anuos pouco mais ou int-nos, e os sig-
naes sesmntes : alinea regular, secco do corpoy,
|i>'Uca haiha, cabello crespo, levou camisa a
caica de algodosiuho de nscado azul echa-
peo de palha, lindo levado cornsico uina trnuxa
com mais roopa, e. rendido de uma das verilhas;
qw*m o aipiveiider quein. leva-lo na da Madre
de eus n. 38, ou a ra do Brum n. 55, que ser,
recompensado.
Fngio do enpenhn Guerra de [ajara um es-
cravo de nome Jos Muniz, estalara baixa^e.Ai
crionlo : qnem o apprehender ou der noticia no.
dilo engenho, ou na rna da Aurora em casa do SrV
Klias Itaptista da Silva, ser generosamente r*
compensado.
Fuio do engenho l'ombal, no da 18 deiW
prximo passado um cabra de nome Mathias, ccfl-
os signaes segninlcs: cjr fula, corpo regular, rcrf
pequea barba no qneixo, tem uma das pcriisr
mais grossa que a outra, de uma ferida, e tem urfl"
dedo do p |ior cima do outro: quem o pegar leva,
a seu senhur no inesino engenho, ou em casa (^
Sr. "Manuel Alves Ferreia, npsta praca, que seraF
hem recompensado. No dia 20 de julhu proxn^
passado fugio do mesmo engenho um cabra dd
nume Jo.o Canuto, este escravo hem conheci3
que fui doSr. Francisco Accioly de Guuveia LiniJ,
tem os signaes seguintes : cor cabra, corpogrosv
o, est (meando, tem as perras um pouen cmbe-
las, ja f"i visto em Ponte de rjchfa e McmteiM :
quem o apprehender pode entender-e com o Sr."
Francisco Accioly de Gouveia Lins, ou no o>crrp~
lorio do Sr. Manuel Alvos Fern-ira, que ser buv-
recompensalo ; o primeiro lera 30 anuos, pouco
mais ou menos, p segundo 20 annos.
Fuyio na manha do dia 26 de agosto prot^ti
mo passado, do siint Juroma do ennenho Cja(Hi-;sa*
1 fn-giicia do Cabo.nir escravo por nome Br-nV*
Meto, representa ter 25 annos de iilade, e tem ujf
signaes seguintes : crioolo.cur fula, cabellos rara-
oinhos. altura regular, falta de di-nt-s a frente
oonea barba, porque s lera na punta do niienajt
nHsaa grande^ e shranquicadus. iern urna 'i'-aiiiu
no pescoQu proveniente de um taino, e ontran*-
fonie proveniente de uma fera, ps grandes, faifa
i em nVsrmhsracado, inca vi da, e qnandn and^i
meneia o enrfo : qnnn o pegar leve ao diioenge-'
oh", ou no R rife, roa Direita n. 6, Je^ da ov
la Carvaiho Guimares, que ser reeorapensud>
generosamente.
MUTILADO
l ILEGVEL


-'''-. .r
pMPBMvlVMMPV
HpMHa
Diarlo de Peramba0 ... shbao a te eirmhro de !*
LITTEMTUM.
As vozes intimas le Jayme l.aml>ert.
II
. (Con!;masito.)
O abalo que cada una das nossa- sengaeo"es Im-
primo no; .;;--).. ervos proloqga-se por yibragoes
de mais a mais Iracas rjt) n3n s rnutir-main noeS-
lado de vigilia, o que tdfbam-se perceptiveis as
horts de aluM e sllfenci >; mas o que admiraba a
Lamben, que a apparii-ao nao se Ihe refera a
nenhuma lembranca. Nao se recordavav antes de
contrar-me- com elle; mas, pres- No dia segnlnte, s seis horas da tarde, quando
esio de sonhos, passa-se na vida enlroa no salao, descobriu um estrangeiro ajsen-
tado perodo fogo, ao lado de madama Herbin.
Estava-se no (Un de abril; c o dia comecava a de-
cido ou larde.
cindindo desta
ordinaria algu
soes em apparencia nao motivadas que nos veem
de improviso, que commovera-ns fortemente.- Qu
il iinlim un ilinnln n-1 n ----' _.__V_ ___~
Tambera suppunha-o zeloso. Jayme sorriu com rard e jv*.franriB com os olhos alguns ins-
melancola a franetteu-lhe nao procurar mais,'<< inda e separarara-se ameagadores.
d'nto em diante nao repellimos mafs. e das qiiaes sapparcer. Ao aspecto de Jayme, o estrangeiro
nascem certos presentimentos que as vezes nao ievantou-se : Senhor, Ihe disse elle, madama
engaara. Queres um exemplo ? Uerbin acaba de partrpar.m0 0 vosso prorrno
Pois bem Ha quatorze ou quinze Annos' casmente com mademoiselle Herraancia. Per-
aules de entrar na escola naval, eu tinha um. niitti que eu vos faca os raeus sinceros cumprimen-
companheiro de collegio. Jllo acabava de lr cora tos esperando que na minha qualldade Je amigo
randeprazer o/teto de Cooper e estava as ul- da familia consintaes era considerar-me tambem
limas paginas do romance, no ponto em que o au-
tor, em forma de conclusao, refere o que depois

como vosso amigo.
Estendeu a mo ao jovon, Jayme apertou-a, mas
tor urna ideada? felfees e da phyMnrMmia do as-
SSSffJSJSf!^^ Cada Um ^ seus personagens. OI ao mesmo erapo distinguiu congamente as fe.-
aavocacao respllasse simplesmentedo certas rom- "Ieu companheiro tinba-se particularmente inte- c8eS de estrangeiro. l'm tremor Ihe corren por
biuagoes' do seo pensameoto. Xa verdade fcil, ressado pelo joven trudshipman Merry. Por urna todo o corpo, e nao pode dar urna palavra. Esta-
uiiKi cabega de cabellos crespos, de
i, que quasi cliegura a esquecer, e
rpi'do ] recordava de um modo terrivel appare-
jacto. Islo perturbava a Lamber! e punlia-o em du-
vida.
Por muito tempo Jayme procurou urna soluco,
nao aehou-a e adormeceu de cansaeo. A partir
desse momento, a imagen) que Ihe apparecern nao
o deixou mais. Muito dstincta de dia, recebia a
ginago, elle tinha-sc quasi identificado cora Mer
ry. Pareceu-lhe que tambem seria morto em
duello. Feou-Ihe esta impressao, e muitas vezes
nouio, durante os sonhos que elle tinha, contornos me dsse qaCi se ,ve5se ulua qucst0) na0 se bate-
SKrS &2E com repugnancia. Tu" o ves, isto se pas-
eise^ sonhos. Guardava a sua attitude solada. | sa exactamente como um sonho, e o presentimento
Jayme via-a, e nao era visto por ella. Com ludo! tom a sua razio de ser. Que sobrevenha um des-
uarecia-lnp a considera-la assim na sua iramobili-, ar10) C0II1 a molesta impressao que persiste, ha
dade, que ella era para ello um futuro e que esta i prabaWUdado ae M empunhar mal a espada, e se
sombra personagem entrara cedo ou tarde na sua K *. ~J
vida de um modo terrivel. Esperava com impa-i se empunha mal a espada, corre-sc o risco de ser
ciencia que se apresetasse este momento, ao menos morto. Isto simples e lgico,
cm sonho, como se podesse assim ter abroma indi-
cacao do seu futuro. Esse triste semblante, sua
constante presenga, foram tima nhsesso paradle,
que cncaininbava-se punco pouco para um esta-
do doeulio de sobre excitaco nervosa, quando una
reflexao de que anda nao se tinha lembrado Ihe
fez muito bem. isse comsigo que a phantastica
apparicao era nicamente devida urna simples
associaya* de ideas. Nao era provavel iiik alguns
das antes, quando elle procurava com mais ardor
quem podia ser o assassino de Gerbaud, urna ima-
gen! qualquer, fornocida por reminiscencias que
ihe escapavam ou lilha de um capricho da sua ima-
ginagao, se Ihe offerecera ? A simnltaneidade da
creag desta imagem e da pergunta que a si diri-
ga Ihe fnera crer na avocacao do propria assassi-
no. Nao havia mais do qim urna coincidencia es-
peciosa que o tinha induzido a erro, e a explica-
rso que a si dava presentemente era a nica real
e rasoavel.
Jayme experimentou ara verdadeiro allivio de
espirito ; mas, afim de ficar de todo reanimado,
qniz convencer-se de que lembrancas esquecidas
desde muito lempo, e cujos vestigios ja se teem
perdido, podem inopinadamente surgir diante de
nos.
Estava persuadido de que, por um estudo atu-
rado de si proprio e pela observaeao dos factos
que nos cerram. i>ode-se descobrir aspectos estra-
vagantes que a vida da intelligencia algumas vezes
offerece, assim como illosdes dos sentidos. Tal vez
tambem esperasse. analysando o merhanismo da
emoria, forrando esla ltima a um exercicio re-
gular e reflectid i das suas facilidades, achar em
lugar certo na sua vida anterior essa singular
physionomia do desconhecidodequem militas vezjss
aiuda soffria a sinistra fascinacao.
Teria sido a melhor prova da futilidade das suas
crencas. Na verdade estas lembranras que se
confirman) sem que se possa descobrir sua ori-
gen) nao constituera por si proprias acoutecimen-
tos que nos tcnliam vivamente affectado. Sao im-
pressoes fugitivas, que cahiriam logo em um com-
pleto esquecimento se nao se reatassem de um mo-
do imperceptivel, porm duravel, a factos de urna
importancia muito mais grave.
A commocao de um s jacto que agita profun-
damente o coracao nao se confessa senrio mais tar-
de as suas diversas phases de sentimento e de
paixao.
Tal paizagem que se admira com um rpido
Olhar, s se revela muito tempo depois na graca
ou' orjginalidade dos seus detalhes. Nao seoo
por urna minuciosa volta ao passado que inteira-
mente penetramos tudo isto. '
Essa faculdade tao rara de visan retrospectiva
que teem o plulosopho e o pintor, Jayme esforcou-
se em adquiri-la. Posto que reduzido s propor-
goes de um navio, o campo de exploracao que
se Ihe offerecia ora excellenle, porque mulos
actores ahi se apertavam em um espaco aca-
nnado.
Desde entao, ou que alguma manobra critica
chamasse a equipagem coberta, ou que as horas
de repouso ali se grupassem indolentemente, Jay-
me exercitava-se em tomar de um golpe dt vista,
cm fixar no seu espirito, por urna impressao espon-
tanea, esse lodo de physioflomias diversamente ex-
presivas.
Deixava passnr algum tempo, depois, a sos com-
sigo mesmo, voltava so quadro que tinha contempla-
do, reproduza depressa os prinripaes semblantes,
c, sollicltando entao sua memoria, elle obriga-
Na verdade, mas o teu cxemplo tem um de-
feito. E' que o teu amigo de infancia passa bem.
Nao, disse Lamben serio. Elle bateu-se com
um dos seus camaradas sahindo de S. Gyro, e foi
morto.
Diabo !... eiclaraou Herbin.
E ambos os amigos, cossando de fallar, entrega-
ram-se a urna commocao maior do que si nao
quereriam confessa-la.
II
prendeu arrebatada e dolorosamente o meu ami- ^cendo-lhe viva e real. Ainda assim Jayme tinha
go. Por sympathia de edade, por capricho de ima- um grande poder sobre si proprio. Temeu que o
estrangeiro nao sentfse a sua mo tremer na del-
le e balbuciou algumas palavras.
Nao era alias o ludibrio de urna illuso ? Nao
podia engauar-se? Cortamente assim era. Assentou-
se e olhou para o fogo afim de nao Ter Mr. de
Girard, espejando com impaciencia febril que se
trouxesse a luz. Foi a propria Hermancia quem
entrou e poz a luz no fogo. Jayme elevou lenta-
mente os olhos sobre o estrangeiro. Nao linha-se
engaado, era o mesmo semblante do assassino.
Quanto a Mr. de Girard, examinou a Jayme com
curios i dade e urna especie de adrairaco.
No jantar, a conversago foi geral, e Jayme d3o
deixou apparecer nenhuma commocao. Somente,
no soire, tomou Achilles parte :Sabes ao cer-
to quem seja Mr. de Girard ? perguntou-lhe.
Sei que elle prestou um servieo de dinheiro
a meu pae c que quiz casar-se cora minha irma.
Nao sabes mais nada ?
Nao ; nos outros marinheiros, era escusado
dizer-t'o, ignoramos quasi sempre o que fazern as
nossas familias. Se ha nellas casamentos, s se
arruinan), se enriquecen) durante a nossa ausen-
cia, e nao seno na volta que sabemos tudo.
Achules suppunha que Jayme tinha ciumes, e
que elle graceja va.
j-^Tens razo, replicn, Jayme ; mas dize-me,
nao fallaste na minha aventura de S. Francisco ?
Nao, respondeu Achules.
Com effeito nao havia fallado. Como desde muito
tempo elle ja tinha concebido a Idea de casar o-seu
amigo com sua irma, nao quizera que esta e-x-
vesse a par dos pensamentos, um pouco loucos se-
gundo a sua opinio, que gertainavam s vezes no
cerebro de Jayme, nem que se-inquietasse cor a
extraordinaria raisso de vingaoca de que Gerbaud
oencarregara.
Pois bem I disse Jayme, d-me o prazer de
nao fallar nisto, e trata de ter alguns esclareci-
mentos mais precisos a respetto de Mr. Girard.
Achules nao pode conter um mov ment de sur-
preza. Duvidou da verdade: encarou a Mr. de
Girard e Ihe achou ama certa semelhanca com o
retrato que Jayme Ihe fizera tantas vezes do phan-
com ella.
va-os a passar diante de si com um imprevisto e
verdade que encantavam-n'o. Mil detalhes que
teria despresado nao Ihe escapavam entao. Alera
disso, chegou um resultado que nao esperava :; te, ficava
as horas
Quando a Mgica chegou Franga, Herbin e
Jayme pediram urna licenga. Jayme, que nao ti-
nha mais seus paes, veiu Paris, onde morava o
seu amigo. A familia Herbin recebeu-oadmiravel-
mente. M. Herbin era banqueiro. Era um homem
de cincoenta annos muito amavel e muito bom ;
madama Herbin, urna dessas excellentes mulheres
que adorara a sua familia, e cuja alegra consiste
no bem estar da sua casa. Sua lilha Herraancia se
pareca corj) ella, mas tinha o encanto dos seus
vnte annosj grandes bellos olhos azues e cabells
castanhos. No fim de algn) tempo, acolheu
Jayme como um companheiro, com essas maneiras
ternas e etmettet de urna ara izado de mulher.
Evidentemente ella considerava-se feliz de v-lo e
nada Ihe faftava para ama-lo. Jayme foi seduzido
pelo quadrj) tranquillo e refrigerante desta vida
de femilia tinto quanto pela belleza de Herraancia.
Ha dez annos que navegava, apenas tinha tido
prazeres fugitivos e amizades de um dia. Era lu-
gar deste solamento, entreviu na sua unio com
essa joven iima afleigo leal e certa que nunca Ihe
faltara. Por sua bondade, sinceridade e franque-
za, Hermancia nao era essa verdadeira ompa-
nheira do martimo, cujo carcter deve correspon-
der s longas e duras provas de ausencia e de pe-
rigo ? Talvez tambera Jayme, suecumbido pelos
pensamentos que tinham-o assaltado desde a mor-
te de Gerbaud, tivesse necessidade, para esquece-
los, de amar e ser amado. Perianto confiou-se
seu amigo. Herbin ficou encantado, e immediata-
mente encarregou-se de pedir seus paes em no-
nie do seu amigo a mo de sua irmaa.
Com grande agitacSd de Jayme. ello o fez em sua
presenga na mesma tarde. Sera duvida este pedi-
do era pretisto e desejado, porque M. e madama
Herbin sor irara e disseram a Jayme que alcangas-
se o consedtlmento de Hermancia. A joven, toda
pudibunda elevou sobre Jayme os seus olhos h-
midos de | razer e commocao, e entregou-lhe a
mao. Conc uidos estes bellos e rpidos esponsaes,
foi csnveneionado que se casariam o mais breve
possivel, cj se nao fosse muito tarde, Jayme irla
imniedialainente soliicilar a autorisago do minis-
tro da marinha.
Desde cato, elle fez parte da familia e assistia
questSes coa* Mr. de Gfrard.
Jayme chegava q'uasi a urna r-~'ocagao; Mr. de
Girard, pelo con- Nao obstante a resistencia que Jayme a si pro"
prio oppunha,as snas snspeltas aiigmffhtwam. Essa
aversao de Mr. de Girard para com elle esclar*
cia-o.
Se ambos aborreriam-se sem causa, nao era que
o vingador c o assassino adivinhavara-se instiuc-
lvamente? A certas horas, comtudo, senta o que
nes ideas tiutiam de funesto, o que as suas deduc-
goes tinliam de pueril. J que a sua memoria, con-
tinuamente escrutada, nao llie fornecia nenhum io-
diciQ positivo, j que nao poda apoiar sobre ne-
nhum fado urna aecusagao plausivel, era to louco
quanto culpavel de nao livrar-se de chimeras; mas
debalde que elle procurava convencer a s pro-
prio : comprazia-se fatalmente com essas chimeras.
Ellas attrahiam-n'o como um abysmo de duvidas a
cujo fundo elle quera a seupezar descer.
Urna tarde a boa madama Herbin commelleu
urna indiscrpgo. Ella descobria a repugnancia de \ renuncou depressa este pensamento. A que lita
Jayme por.Mr. de Girard, jalgou prevenir qualquer'lo entrega-lo-hia, quando Ihe faltar* a prova 1 Se-
III
Jayme entrou na sua casa em ara estado de aba-
tiinento e exaltagao extremos. Assim essa reaii-
dade que quizera evitar erguase inexoravel. Essa
semelhanga fatal nao provinha nem do accaso nem
do capricho da imaginago. Mr. do Girard nao
era somente o phantasma das suas vigilias, mas
um homem que elle tinha visto alguns-instantes do
assassiuato. Comtudo era o assassino ? Jayme nao
hesita va em cr-lo. Elle adquerira maito o habito
de distinguir sobre physionomias humanas a inten-
go que deve realisar-sc mais tarde. Ao despertar
da sua memoria, va muito bem esse homem as-
sentado mesa de jogo, eslranheao que se passa-
vaperto delle, de feigSes sinistras, meditando um
crime. Quando o espirito nutrindo-se de distrac-
coes, tem seguido um certo pendor, nao duvida
mais das suas deduegSes, e Jayme nao dnvidara
das delle.
Que ia fazer 1
Pensou era entregar Mr. de Girard justica, e
mu resultado repelndooque o crioulo Ihe dissera
por acaso.
Havia alguns annos, que elle linha-se batido duas
vezes em duello, e de ambas matara o seu adver-
sario. Assim o sea homem era um duellista exer-
citado que nunca falhava. Jayme foi de alguma
maneira apanhado desapercebidamente por se-
melhante narraco. At entao nao imaginara em
ter outro papel a representar que o de juiz ferindo
am criminoso, e nao tinha entrevisto a possibilida-
de de urna lula pessoal. Poz-se a rr, mas leve um
anorto involuntario de coracao. Ainda assim, por
causa dessa coromoejio do seu corpo que sua alma
era incapaz de resentir, affectou, quando se offere-
cen occasio, laucar sobre Mr. de Girard olhos mais
desdeohosos e mais altivos. Entao como a sua raiva,
incitada deseoberta- de um segredo, estava muri
ria, portante, preciso que elle fosse procurar um
magistrado, que Ihe reierisse urna historia muito
comprida, e que o determnasse, nada mais Ihe
confiando do que suspeilas plianiaslicas, a fazer
prender um homem rico, respeiiado, .at* mesmo
investido nesse momento de am cargo publico I
Elle sahir-se-hia mal.
Ainda se o crime tivesse sido commettido em
Franca ; mas era na California, no fim do mundo,
em una cidade de avenlureiros, onde nao se co-
nheciam as res, onde so reina-va o direito do mais
forte. Admiftindo que se fizessem ndagagoes- e
que ellas produzissem alguma aecusago contra Mr.
de Girard,' gastariam longos mezes, annos in-
teiros.
Durante ess- tempo, Mr. de Girard teria vnte
vezes occasiao de fugir, ou del'-apia de fugr ;
lucida, notou que no mesmo instante Mr. de G-1 muito hbil pra-encolerisar-se, inculcar-se-hia urna
rard mrava-o de um modo singular com a persis-1 victima, faria paesar Jayme por un:louco e escar-
tenca e o cuidado de um homem que se esforga em aeccria delle.
reconbecer um oulro.
Ah I disse elle eemsigo, ter-rae-hia visto
Estaramos ambos em proeura de urna lembran-
ga, de urna impressao de que nao teamos Udo
consciema ?
Estremeceu de impaciencia e de dr.
Esta- situago nao poderia durar, disse ainda
comsigo ; canvm por-Ihe finv de urna ou de outra
maneira.
No dia seguinte, pareceu que todo deva termi-
nar. Quando Jayme entrava na habitago da sua
desposada, esta correu par elle toda alegre:
Meu amigo, disse-lhe, tenho urna boa nova a dar-
vos.
Qual *
Mr. de Girard nomeat/para o emprego qne
sollicitava, e vae partir.
Era, com effeito, urna boa nova para Jayme. El-
le tinha chegadoa esse gru de irritago surda'om
que a prudencia' e a vontade, impotentes para con-
jurar um escndalo, retardanvn'o por mais algu-
(Contimia^se-ha.)
Um dos nossos mala importantes curtidores de
pelle sahia de casa do seu banqueiro, onde fura
buscar urna quantia de 10,000 fK par pgamento
de nma lettra.
Chegando sua fabrica, subiu ao enxugadouro
e notou que podia d'allia retirar alguma? pellos por
estarem sutlicientenienle seccas.
Sem mais formalidades, o fabricante alira para
dentro do chapu a carteira em que tinha aqnelle
valor em papel, e pousando o chapu n'um banco,
poe maos obra.
Desgragadamente, estava na sala una cabra, que,
ebegando-so ao chapu, o aiirou ao chao, e tamo
fez, que abriu a carteira em que osbilhetes do ban-
co estavam divididos cm dous massos.
A cor azul dadaaos novos bilbetes producira no
bicho o elleito de um punhado de herva ou estara
o ruminante possuido de sede de ouro ? Nao se
sabe. O que cerlo que a bella AmaHhea se
poz a roer a preciosa papellada.
J tinha litleralmcnle absorvido um masare ia
comegar a mesma obra eom o segando, quando o
proprietaro, olhando para traz, viu a desastresa
operacao bancada com que se entretinha a cabra-
Atirou-se ella, arrancou-lhe dos denles os restos-
do segundo masso, e leve a mgoa de reconheeer
que o primeiro tinha servido de pasto quelle Mar
tkoro.
Depois de ter salvado da destruieao os pedagos
um iioueo comproraettidos do segundo masso, pen-
sou ceurlidor em haver o primeiro. Tomando lo-
go urna resolucao enrgica, armoa-se de ama gran-
de taca ecortou acabega a cabra que tinha passa-
do a succursal de- urna ihesourarisv Ejecutada a
decapitaeoj examinou o poscogo do animal, mas
achou apenas alguns pequeos bocados de papel.
Levou ento maislonge as investigages, abrindo o
corpo do bicho e esquadrnhando-llie- os- intestinos.
Estas supremas pesquizas deram algum resultado,
mas nao fo* possivel cdher todo o capital. Dos in-
testinos da cabra s foram extrahldos alguns boca-
dos de pape) mais ou menos azulados.
Como se ni, o pobre animal tinha pagado bem
caro o seu acto de golosice-; mas seria preciso que
a sua pelle fosse vendida a peso de ou?0' para que
o desgragado curtidor readquirisse urna parte dos
seus fundos.
recordando-se da atilude e da physionomia de cer-
tos liomens castigados com penas asss graves
peuco tempo depois da horaem que os tinha obser-
vado descobria em germen nossa physionomia e
ness atitude o acto de indisciplina qoe deviam
ommetter, a conduela ulterior que tinham tido.
Finalmente este prognostico que teve lugar de con-
firmar com muilos esemplos, era para elle de
grande interesse. .
A julgr por seus estados, va um indicio que a
nhvsionomia do incoenito, to framente cruel na
sua medilaeo, ja feliz pelo crime que tinha em
perspectiva, era na verdade a do assassino de Ger-
baud. ....
Portante era preciso .pie elle a tivesse visto tal-
vez algumas horas antes do assassinato : mas
aonde ? Aqu, por mais esforcos que lizesse, a
sua memoria trahia-o, o elle a inierrogava de-
balde.
' Comtudo a apparicao lite eslava sempre presen-
te ; mas, tendo-a acceito como un phenomeno de
memoria, cuja chave ainda nao possata, pouco se
importara com ella. Demais o lempo tinha cami-
nhado.
A fragata, depois de haver dobrado o cano norn,
arribara Baha. u divtrtiinentos desta grande
cidade offereciam a Jayme numerosos raeos de
distrahirse.
Aiuda mais encontrara um dos seus memores
condiscpulos de escola, Achules Herbin, que, sor-
frendo um pouco de febres, obtivera desembarcar
do brigue Ja*us, onde estava, e vir para a Mgica.
Durante a passagem da Iiahia para a Franca, Her-
bin e Jayme iigaram-se intimamente. Herbin ti-
nha o carcter sincero e expansivo; a sua alegro
franqueza, a sua afleicao, tornaramse necessanas
a Javme. De sua parte, Herlin, dotado de urna
intelligencia solida c pralica, comprazia-se, posto
?ue as censurasse brandamente, com as especu-
agoes transcedentes do seu amigo, de quem anda
assim nao podia desconhecer o lado original e
aurprendcnle. .
Era mu lo natural que Jayme Ihe referisse a
aventura de S. Francisco. Os dous amigos discu-
tiam na frequcntemenle, e a sua conversa prolon-
gava-se s vezes muito alm da mcia noute.
Urna tarde, Jayme fallava a Herbin acerca dos
sonhos asss frequentes que tinha, e nos quaes a
sombra figura intervnha sempre como especta-
dora, tal qual um mudo e ameagador enigma.
Estou certo, disse elle, que, se um dia en-
contrasse esse homem, comportar-me-hia para
com elle com urna reserva que nao seria isenta de
terror.
E porque ?
E' que, segundo pens, certos sonhos que
voltara peridicamente ou a intervallos mais on
menos longos, porm sempre os mesmos, nos n-
dicam conforme os sentmentes que nos fazem ex-
perimentar, de que modo obraramos em circuns-
tancias anlogas da vida real. Ncste sentido,
pdese dizer que os sonhos annunciam o fuluro,
porque, se as circunstancias que elles represen-
tara veem a realisar-se, teem sobre nos urna in-
fluencia de habito. Nao nos eximiremos senao
com custo das impressoes que nelles soffreramos,
das reselugoes qne nelles tomramos.
Sera preciso para isso que as situagoes
destes sonhos se tornassem reaes, e o que nao
acontece. *- "' _
E' o qne pode acontecer. Se minhas dedugoes
.s5o justas, esse homem que vejo, j deveria te-lo
visto : pode ser n assassino de Gerbaud, e posso,
Durante o dia, frcqueniava os armazens
e fazia esifolha de joias para Hermancia. A' nou-
junto della, e nao comprehendia porque
orriam lo depressa. Nunca fora to fc-
Assim nao conceba mais as inquietacoes e o
temor que Ihe causaran) as ultimas recommenda-
(des de i erbaud. At nao sabia mais se Gerbaud
as tinha feilo, porque apenas descobria em urna
especie ce nevoeiro essa figura de assassino incg-
nito que por tanto tempo o importunara. De certo
erara be n esteris os estudos a que se entregara,
ha um a ino, e cujas ambiciosas vsoes nao valan)
nem uml olhar nem um sorriso da joven a quem
amava. Presentemente elle nao seria mais to lou-
co em a ormentar-se assim, vista da felecdade de
que gosi va. Ella dizia isto quando estava s, e
apressa^a o passo para ganhar a habitago de sua
desposada.
Urna larde, Mr. Herbin chegou um pouco depois
da hora de jantar. Ponde-se mesa, descalpou-se :
Nao p>r meu respeito, disse elle, encontrei esse
pobre Gfrard. E-lo de volta a Franca. Conversa-
mos multo, nao Ihe foi possivel vir hoje ; mas ve-
lo-hes imanha.
madama Herbin nem sua filha Ihe respon-
tastico assassino de Gerbaud; masnada disse acer- mas horas Estapartida salvan Sob a influencia
ca disto. Temeu impellir a Jayme mas adiante em de jeas extravagantes cojo habito tinha adqniri-
supposigoes perigosas era que pareca prestes a em- d0, viu nsso unw especie de ftaldade feliz. As-
penhar-se. gm o perigo at!astava-se delle como se approsma-
Correram alguns das, e Achules ne teria lem- ja de repente. Hbuve um apaziguamento sbito
brado Mr. de Girard a Jayme, se este nao o nter- de corago e de pensamento, e elle nao quz- mais
rogasse. Achules nao estava mais adantado do pensar em Mr. de Girard. Vio decidamente a
que d'antes. orer qne as siipposigoes que fizera a seu respeito
Mr. de Girard, entre as perneas pessoas qne co-| nada mais erara do que o producto da sua imag-
nheciam-n-o em Pars, tinha swnplesmente a repu-! na5ao enferma, e que essa semelhanca que tanto o
tago de um homem fri e polidc, Achilles fizera! perseguir, nao nnha-se to vivamente aprsenla-
Mr. de Girard fallar. Este, apparentemente sem do a elle senao na vertigem do me do, no desfalle-
desconbanca, Ihe dissera ter viajado em toda a Ame-' cimento da sua razo. Part ndo esse homem, elle
rica e at mesmo habitado em S.Francisco. Achules! tornava-se lvre-,e as apparencias de que fra o
nao tinha insistido. Quanto ao essencial, de ne-! Uld'brio nri Ps*m de um mau sonho.
nhuma sorte desejava esclarecer as eircumstancias Estas reflexues succederam-se no seu espirito
da morte de Gerbaud. Se as tivesse esclarecido de cora extrema rapidez, e reanimado, restituido a si
modo a ter tido Girard parte netla, nao o dira a1 proprio, elle s teve diante de s a belleza de Her-
Jayme. Emlim elle soubera do ministerio da ma-1 mancia que Ihe sorria. O seu semblante exprimid-
rinha que Mr. do Girard sollicitava um consulado,' Ihe urna felicidade tao completa que a joven, quasi
e que por sua fortuna e relacoes muito honrosas na; que se admiros dteUa.Tinhas, pois, tanto cjume ?
Martinica, linha muta probabilidade de obt-lo. Na0> respondeu Javme ; mas tenho por esse
Jayme nao se Iluda acerca da reserva em que se nomem uma averso inexplcavel, urna averso que
conservava o seu amigo, porm nao o provocou. a vos .propria ,vesteSi e estou contentc que eHe
sahir della. Tinha alguma vergonba de Ihe deseo-: r,a
brir a pertnrbacao de espirito em que langavam-n'o, Apenas alguns dias separaraia Jayme da ee|fi.
suspeita de fundamento. j bra?a0 d0seu easarnento. Achules, feliz de ver o
De mais as informados avoraveis a Mr. de G-1 seu amigo livre das suas ideas negras e temendo
rard que Achules Ihe dra, ainda que fossem mui-
to incompletas, faziam-n'o hesitar. A semelhanca
deste homem com a apparicao era manifesta a seus
olhos; mas poda ser fortuita. Ate mesmo havia
momentos em que duvidava que ella fosse real. O
que fazia-lhe duvidar, que elle nao podia compa-
rar as duas imagens urna com a outra. Ellas se
confundan) de tal sorte que, por causa da sua com-
pleta identidade, elle era obrgado a crer em um
expediente temado por sua imaginago. Rebella-
que ellas nao Ihe viessem de novo, entretmha-o
com diverliraeatos e corridas durante todas as ho-
ras em que elle nao estava junio da sua desposa-
da. Jaymo entregava-se tanto mais voluntaria-
mente esta vida doce e fcil quanto em nenhuma
parte elle encontrava a Mr. de Girard, sem duvida
relido em sua casa por causa dos preparativos da
partida. Talvez tambera procurasse distrahr-se
porque algumas vezes ainda pensara ne- crioulo.
Uma tarde, Achules o conduzlu casa de um dos
Dtf POUCO DK TUDO.
L'se no Diario' Mercantil, a segrete aventura,
queaconioceu ltimamente era Gluesladt (Alie-
manta*)
Um- beberro, que- professava pelos- vinhos de
Franca a maior adwrago, eslava a morrer. Or-
denen,-como ultima vontade, que depois de morto,
quando o mettessero na tumba, Ihe pozessem em
cada mo, una garrafa de velho Bordean*.
Merreu o homem,. e o cadver e duas garrafas
sao entregues aos amortalhadores.
Uunv I disse um* delles, pena enterrar to
bom vinho !
A porta, do quarto do morto foi fechada sobre
esta relie-xo.
O enterro teve lugar com grande pompa : mas
ois que ao sahir da egreja se ouve uma grande de-
tonaco^no sepulcliro, ouja lousa se levana.
Toda a gente perde a. cor.
Sente-se uma segunda detonacao, a lousa salta e
lodos fogem.
Passado o terror, atgumas pessoas se aproximan)
com precaugo, e viran que no sepulero nio esta-
va em nada bolido e que estava nicamente a-
berto.
Olham com mais attcocab, e descobrem duas
garrafas quebradas, cada uma contendo ainda res-
tos de cerveja.
Flcou ento o caso explicado; os conductores do
cadver tinham bebido o velho Bordeaos, que ti-
nham. substituido por cerveja, e o calor tinha feito
fermentar esla.
Apezar desta expteacao muito Datara!,.algumas
pessoas de Damsladt presistem em acreditar que
bcuve alguma cousa de sobrenatural neste caso.
Diz o Eco de Paternay, que um individuo da-
Quella cidade, que se encontrou pobrissimo e des-
amparado de todos,, parliu ha uns SOiannos para
Madgascar, onde adqumu uma fortuna, superior
7o rnilhoes de francos.
Este individuo.acaba de morrer, e mal a fortuna
Ihe fo conhecida. e que morrera sera, testamento
conhecido, os prenles Ihe crescera diariamente
em numero tal,, que os proprios jues-csto admi-
rados.
Nem
deram.
Mr. de Girard, continuou ento Mr. Herbin
driginjo-se a Jayme, um crioulo da Martinica.
Em 1848, fez-me um favor immenso ; sem elle, eu
estara perdido : emprestou-me uma somma im-
portante cora a qual reslabeleci os meus negocios.
Gragas i Deus, pude resttuir-lhe o seu dinheiro ;
mas tributo-1 he eterna giatdao.
Jayme nada tinha a responder. Hermancia e ma-
dama Herbin conliuuavam caladas. Mr. Herbin,
um pouco embaragado, mudou de conversa. Findo
o" jantar, Hermnela approximou-se do seu despo-
sado -.Senhor Jayme, Ihe disse ella, nao devo ter
segredo para comvosco, sobretudo quando este se-
gredo nao pode causar-vos nenhum pezar. De-
pois do $ervigo que prestara a mea pae, Mr. de Gi-
rard pediu-me em casamento. Eu era-lhe muito
reconhecida, e julgava-o um perfeito hornera de
bem ; mas ao mesmo tempo, expermentava uma
inexplcavel repugnancia era ser sua mulher, e re-
cus* i
As cousas ficaram nisto. Mr. de Girard parliu
para a Ajmerica. Sonbemfis que tinha-sc casado, e
que pouo depois perder sua mulher. Se, minha
me e ep, guardamos silencio durante o jantar,
que mea pac teve resenlimentos de mim muito tem-
po por Haver eu recusado Mr. de Girard, e que
nao gostamos de fallar no sen nome. Vedes que
em tudo isto nao ha nada que vos possa affligir.
Era verdade. Assim Jayme Lamben agradecen
mademoiselle Herbin a confidencia que Ihe fize-
ra. Todava nao pode defender-se, para com esse
Mr. de Girard em que acabava de ouvir fallar pela
primeira vez, de urna impressao penosa e de vago
temor.
va-se enlao contra a forga oceulta que impellia-o a seus amigos communs. Houvcra ali um grande
ndagagoes falaes, e a si nao perdoava o forjar elle' jamar, e acabava-se de por as mesas de jogo quan-'
proprio, como o fazia, taes tormentos em plena feli-! do Mr. de Girard cniroo.
ae" I A sua presenga foi niuito desagradavel a Jayme.
Infelizmente Jayme v.a muitas vezes a Mr. de Se a MlVA. Uves mais adiantada, elle leria'par-
Girard, que Mr. Herbin recebia em intimidade, e j tido. Querendo osfar meQOS em con(ac.
que nao Ihe era possivel evitar. Ora, em quanto tQ CQm Mr d(J G assdn(M.5e \ |0 tentou
resenta a seu respeito uma antipathia que cada da ,____. ..,_ tAAa% ._. .
____, .i jc;- a .- u ,. isolar-se na fe z idea do seu prximo casamento.
augmentava, Mr. de Girard linha para com e e ex- .. ... ,,-.
Jj.i nLn-a n ^ %.>vl u Absorvea-se nella logo, e nao conceda senao mu>-
cessivas attengoes e urna amabhdade nuasi obse- .. ...
..... ,. to pouca attengao ao que se fazia ao redor de s.
quiosa. Isto irntava a Javme. Lma tarde em que \\ ...,v ... "' <^U1 u^;".
havia em casa de Mr. Herbin um grande numero de ;nando **" da su *f* ""^
convidados, elle nao pode conter-se. Acabava-se de ^esne teu canto ? perguntou-lhe. Ha ah uma
.,..,___ ,. n. partida muito interessante. *
tratar da marinha, e Mr. de Girard nao cossava de,r
Isto me indfferente,respondeu Jayme. Com-
elogiar a carreira martima era geral e certos fac-
tos peculiares a Jayme.
tudo elle olhou. A maior parte dos borneas esta-
0 circulo dos ouvinies ioterrompera-se, e Mr. de ivara reunidos uma mesa e seguam o jogo sem
Girard continuava sempre. i dar uma palavra. Neste grupo de physionomias
Jayme deixando-o no meio dos sous curaprimen- agitadas, Jayme viu uma grave e fra : era a do
tos, deu-lhe as costas e carainhou; mas de impro- crioulo. Se o desfecho da partida despertava nelle
vsovoltou-se arrebatadamente e encarou-o. A oa- alguma curosldade, esta curiosidade ora triste e
rinhosa expresso da physionomia do crioulo tinha, distrahda. Evidentemente o seu pensamento em-
inteiramenie desapparecido. i pregava-se era outra cousa. Elle estava assentado,
Os seus sobr'olhos franzidos, os seus olhos bri- cera a fonte aPoiada sobre a saa ao esquerda, e
Ihando cora um fogo sombro, os seus labios com-' Pava-lhe nos labios um sorriso irnico e incer-
primidos, testemunhavam amargo resentimento. t0 aue lhe era habitual. Jayme trema da cabega
Jayme foi direito a elle: ate os Pe3- Acabava de se lerabrar do lugar em
-Ah eu esteva bem certo disto, disse-lhe, vos que j tinha encontrado a M. de Girard: era em
me aborrecis. iuma conjunclura anloga, no monte de S. Francis-
As feices de Mr. Girard serenarara. co^jima hora antes do assassinato de Gerbaud. A
Nao, respondeu elle framente, nao vos abor- sua commogo foi to forte que elle se endiretou
reco; mas comprehsnsvel qne eu esteja contra- como em sobresalto. Ao mosmo tempo os seus
riado por causa do vosso procedimento para co- olhos Pregaram-se em Mr. de Girard com urna fl-
mi-0 ; xidade terrivel. Enlao elle notou que Mr. de Gi-
- Nao, nao, replicou Jayme, estou certo do que rard ambem eucarava-o. Ambos levantaram-se
avango, e nao me fareis mudar. Voltando-me, eu M atlrabidos um para o outro.
o fiz de proposito. Sei muilocorao se desmascara'os Senhor, disse Mr. de Girard, porque me mi-
raes assim ?
Frec Toun Obeerver da Serra Leda, de 16 de ju-
nho annuncia que Mr. Jules Gcrard o matador de
leoes leve que desistir da sua tentativa de pene-
trar no interior do continente da frica por Tom-
bouctou.; pois roubado pelos indgenas, a grande
custo pode salvar a vida.
Transcrevemos o seguinte, firmado por S. A. S.:
DESPRC80S.
Inspira compaixo roto mendigo
De- porla em porta a esmolar o. pao :
Trasborda o coracao a dor nos punge
Ao ve-lo triste maityn d'affacgo;
Inspira compaixo crestada relva,
Qne implora os beijos de vital aurora :
O hastil que pende ^- dessecar mirrado
Tambem da raortc-o triste pranto chora ;
Inspira compaixo araeiga lympha,
Que negra|e ingrata a tempestado torva ;
Pranteia a suspirar sobre seu leito.
P'ra se mirar jamis ninguem se curva ;
Inspira compaixa tristonho arrulho
Da jurity a procurar o esposo :
Pobresiha I a pousar de ramo em ramo
Senle cora elle ter perdido o gow ;
Inspira compaixo funreo grito
Do nauta atlicto no escarcu dos mares;
Lulando em vo com vagaUtoes insanos
Perde, coitado os seus queridos lares ;
Inspira compaixo cantor proscripto
No desterro cantando a nostalgia :
N'aquella doce esperanga, que consom
Suspira a derrabar de dia em da ;
A victima de to desastrosa operago fez< logo a
sua declarago ao Bonco de Marselha, enviando-lhe
todos os fragmentos de bilbetes que tinha- podido
tirar dos dentes e-das visceras da cabra. Esses-frag"
menos, religiosamente reunidos e representando
pelo numero dos valores um semina nao peque-
a, sero remettidos drecce-de Pars, qaedeter-
imnai a qual a quanlia que ha-de reembetsar o
curtidor.

A peregrinago de Meca terminou este anuo,
17 de rnaio, pela fcsla dos sacrificios, que co-men-
cionado- da foi celebrada a algumas leguas da ci-
dade santa,- no mete de ura conourso immenso de
fiis.
Os indgenas caleularam em mais de 306'mtf os
musulmanes que este anno foram tem .peregriuago
Meca-
os receoseameruos mais dignos- d* f lovaro este
numero a.l30ou 440:000.
As doenfas, o prncpalmentoostyphosj.iaeram
este anno grande dovastago nos-lieis
Assegum-se que no regresso da peregrnago a
grande taravana da Syria foi atacada peles- bedui-
nos no deserto, e perdeu muta gente.
Um desoeenpado amador enrnusiasta. ds-pfcysica,
que ha pouco tempo se relirou. aidisfructar a sua
fortuna no seio de uma pequen povoagao nos ar-
redores de Pars, armou ha dia* tal al vereco entre
aquella gente, que foi preciso- u,ue as autoridades
competentes o mandassem por d'ali para, fira. Eis
o caso -.
Estava o sabio erapenhado ara.iramontalisar o seu
uomo oa qpaliuier dcscoberla. importante, e para
chegar acs seus Iras retirou-so-para .-.o/Me povo,
escolbeade- as suasivictimas entre-o habitantes
d'aquella. pacifica localidad. -.
Poucoi.dias depois da sua.nstatifl-ao, notaran;
os visinhes que os aldeos que passa.vem por dan
te da casa do nosso hornera, estreineaiam primeiro,
cahiarc.depois, tornavam a.erguer-se dando gran-
des saltos e concluan) por voUafen a medir o
chao. Se am acompanhados- do- bois ou cavallas.
os aciuues imitavara ssus donosye ninguem sania
explicar a causa d'estes estraalios exercicios cho-
reographicc-gymnasticos.
- Est a ra emb.iuxadav iaiam uns.
Nao a rita, a casa d'aquelle sugiiip, di-
ziarn oulros.
E' um feiticero.
Nao feiticeiro, o diabo.
miim, j ninguxm quera passar pela porta do
pliysico, os visinhes. tornavam as de Villa. Diogo, o
pos-o agitou-se e a- antoridade teve de temar ccohe-
ci ment do racto
0 ancioso de gloria tinha collocado no soto
da casa uma batera elctrica, e cora o-aaxiliode
um fio conducter, despeda uma descarga sobre os
que passavam obrigando-os s indioadas contor-
soes.
O senhor porque que i n com moda assim os
seus visinhos ?perguntou-lhe o.ageote da ordem
publica.
Meu amigo,responden-He o sabio, trata-ie
de uma grande deseoberta, que- transmitir o reeu
nome posleridade. At agora toda a gente tem
julgado que os effeitos elctricos nao residan): se-
no na imaginago dos enfermos, e eu pudo oon-
veneor-me de que existem tambem na ima$inaca&
dos que esto de perfrita sade.
1Muito bem ; mas vi para outra parte com a
sua scenca, porque- o senhor o que conssguiu foi
alvorogar toda esla gente.
E agora anda e physco era Pars a isciamar uta
premio pela sua deseoberta.
hypocritas.
Senhor I exclamou Mr. de Girard.
Esta scena nao tinha passado inteiramente des-
apercebida; entre outras testemonhas, havia Her-
raancia.
Tudo "me inspira compaixo c magoas I
S me inspira despresos a perdida,
Que por ouro no leito se volvendo
Deseuidosa consom a chara vida.
isto T
Mr. de Girard passou a mo pela fronte com
A moga conduzia o crioulo e no fim da joiTm! nma especie de impaciencia : Ah 1 sabis, repli-
ralhou com Jayme: coa elle, se nao tenho tambera as minhas ? Nesse
Sois um mu. disse-lhe ella. i momento, Achules, inquieto, acuda. Mr. de G-
Do Commercio de Porto transcrevemos o que
segu :
Que um homem chegue a comer 9000000 no es-
Quera vos diz, respondeu Jayme com umalpaCode alguns dias, j extraordinario; mas 6
voz sombra, que eu nao tenho minhas raioes para mais extraordinario que uma cabra rumine em al-
guns minutos 1:800^ rs.
E, todava, um facto tao triste como verdadei-
ro, que testemunhas dignas de crdito contaran) no
escnptorlo da redaegao do Semaphore, de Marsc-
iha, jornal que o refere do modo seguinte :
Um criterio que nao engaa quando se trata de
julgar da prosperdade de um paie, o numero de
despachos que expede a telegraphia elctrica.
D'este modo devemos acreditar que a Australia
meridional faz diariamente novos progressos, peis
que em 1863 o numero d'estes despachos eievou-se
a 86:851, que produziu ama somma de 22-5:000
francos, em quanto qne em 1862 s fra de 76 725
despachos, que produziram uma receila de francos
202:000.
Para qualquer parte do mundo que se olhe,
apparecem novas redes a estabelecerera-se todos os
dias.
Em quanto que aa Inglaterra e na Irlanda se li-
gara toaos os postes de bombelros-sapadores com
os elctricos, os russos ligara Pekin (capital da
China) a S. Petersburgo. e os californianos fazem
correr os seos fios ao longo do Pacifico, e tratara
de os levar atravez da Serra Nevada.
Nos Estados-Unidos o ardor ainda maior.
O ministerio da guerra tema sus disposco li-
nhas telegraphiras na extenso de 5,3 milhas.
N'esto numero entrara 1,755 milhas de conducto-
res aerios e submarinos, estabelecidos em 18G3.
Traiismlttiranvse 1,200,600 telegrammas, o que
d um termo mudio de 3:000 por dia.
Estes telegrarriraas continham de 10 1:000 pa-
lavras cada um.
Aqu infelizmente nao foi a civilisacSo qne fez.
uso desta maravilbosa machina.
|pERNAM(llTCO.-TVP. DE M. F. Bfe F. 5 Flifl)

ILEGVEL

.
t

.-J*
i -i .


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E5V3AIKX1_V8VP0V INGEST_TIME 2013-08-27T21:09:32Z PACKAGE AA00011611_10458
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES