Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10455


This item is only available as the following downloads:


Full Text
mmhmmn
*"?^^"*JBP
>

AHJf O IL. 1TDMEBO 199.
Pr lre ezes adiantados 5JO00
. Por tres mezes vencidos 6$0
Porte ao correio por tres mezes. 5750
.imn* si i|j a*
l|?l .l
9mi3t%a1
ODARTA FEfiA 31 DE AGOSTO DE 1864. '
Por asno atirantad*.....19S00O
Porte ao correio por um ana 3J000
NCARRiGADOS DA SUB&CRitO NO NORTE
Parahyb, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima';
Natal, 9 Sr. Antonio Marques da Silva; Aracaty o
8r. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira; Maraahao o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Manoel Pinheiro <& G.: A-
inaionas, o Sr. Jeronyaio da Costa.
ENCARREGAD03 DA SUBSCRIPCAO NO 8UL.
AlagOas, o Sr. Gaudino Falcao Dias; Bahia, o I
. JoT Martins Alves; Rio de Janeiro, os Sr7. Pe- navio tod*s as Vezes P1 a saH
viera Martins L. 1*AHTILA DOS ESTAFETAS.
Oiinda, Cabo e Escada todos os dias
SSS?"e Parahyba oas s<*nndas e
SaAln^tl'(^raVK,' BMerros> Boni,- Ga^arn',
p,*1 e Garanhuns as tercas reiras.
PaodAlho.Nazareth, LimoeirorBreio, Pesqneira
H&3& FJor*> Villa Bella, acaratn'WroiE'
KPHEMERir.ES DO MEZ TE AGOSTO.
rfC^r ,FriS0S0' Tamandar, Una, Barrei-
1 tePrSU.e/imentiras nas 'Pintas feiras.
2 La nova aos 1$ m. e 12 s. da t.
10 Quarto cresc. as 3 h., 37 m. e 38 s. da t.
17 La cheia as li h., 16 m. 44 s. da m.
24 Quarto ming. as 3 h., 44 m. e 20 s. da m.

PREAMAR DB BOJB.
/Todos os estafetas partem ao V dia.
Pritrieira as 2 horas e 6 minutos da tarde.
Segunda as 2 horas e 30 minutos da manha.
PARTE GFFICiAL
PaRIIDa lo-j VaiORSs COS'llROa.
21 ,*taAlaaas ** e 20; par* o norte at
a -T a? e de cada meii Para Fernando nos
das 14 dos mezes de jan. ruare., maio, iui, set. enov.
o.,. i PARA DOS MNIBUS.
81/ L Mife = ,d0/Pipos s 6 -A, 7, 7 V, 8 e
7 / S '; A 01iada 8 da m. o 6 da tarde; de
Jaboatao as 6 '/2 da m.; do Caiaog e Varzea s 7
da m.; de Bemfica s 8 da m.
k k uR9Cfei i para f AP'PUcos s 3 Va, 4, 4 /*, 4/,
Lt^; r* e,b da Urde I Para 0linda as 7 da i
manhia Vi da tarde; para Jaboatlo as 4 da tar-
de ; para Cachang e Varzea s 4 /> da tarde; para Seund
Bemfica as 4 da tarde. date
UIVISTlItlU DO IMPERIO.
4" seeco.Rio de Janeiro.Ministerio dos ne-
gocios do imperio, em 13 de agosto de 1804.Illm.
e Exm. Sr.Communico V. Exc. para seu co-
nhecimento, e para o que faca constar congrega-
cao dessaFactildade.que ouvindo o parecer da sec-
lo dos negocios do imperio do conselho de estado
tica approvada a segunda edicao do compendio de
direito administrativo brasilcifo, composto pelo Dr
Vicente Pereira do Reg, alim de ser adoptado nas
* acuidades de Direito; declarando V. Exc. ao mes-
mo doutor que nao lhe sao concedidas as vanta-
gees outorgadas no artigo 72 dos estatutos, e 257
do regnlamento complementar, por j as ter rece-
ido, quando foi approvada a primeira edicao do
oito compendio.
Deus guarde i V. ExcJos Bonifacio
drada e Silva.Sr. director da Faculdade
reito do Recife.
grados caones, que nunca se considera polluto
f .?*-'",leno' se nao quando essas profanacoes tem
lugar depois que elle est bento. Um cemiter.o se
erige en. qualquer campo e pouco importa quo
es.se lugar tenha sido profanado, ou que nelle se
najara enterrado quaesquer corpos : e assim con-
tinua, ate que seja purificado e bento, para nelle se
enterrarein os cadveres dos liis, que morrem no
seio da nossa Santa Madre Igreia
avilar- n,.~ .1., ^_ J
I AUDIENCIA DOS IRIBUNABS DA CAPITAL.
Tribunal do commercio: segundas e quintaj.
Relaco: tercas e sachados s 10 horas.
Fazenda: quintas as 10 horas.
Juizo do commercio: segundas s 11 horas.
Dito de orphos: tercas sextas s 10 horas.
Primeira vara da civel: tercas e sextas ao meio
da.
a vara do civel: quartas sabbados a 1 hora
tarde
UAS DA SXMNA.
M. Segunda llegla.;-,,, de S. Joo Baptisla.
31. Quarte. S. Raymundo Xonnato card
I fL',x;,-,'s- Eslmore de Hungra,
t. Sabbado. S Eufemia v. ; S. Sndalo m.
4. Domiugo. N. S. da Peul.a; S. Rosala v.
ASSIGNA-SE
no Recife m a lirraria da praca da Independencia
SrSlni propnetanos manoel Figueiroa de
entre no exercicio parochal, devendo impetrar a
respectiva provisao, afim de poder cobrar na the-
3T a congrus' que nesla yualidade Ihe com-
aJH*f Exm- Sr" Preidente.-Quando em ^Jata
de -J doioez prximo passado nomeei a nova
commissao para administrar a obra da matriz de
iv trlJL m de. se Proceder a continuaco dos
a algura-se dee SSSu?l a;aaurpudbe.iTo0dm0lUeeS3,enda "* ^ **
que os calaveres dos fiis comecem a ser sepulta- mente V. Exc a i 'd'7rwi? VEL
loso, munindo-se previamente da
risacaj, alim de que
aamenle da necessaria auto- plsna, os seis contos de rls consignados na le do
poucrtm razer alu os enterros. Houve pois censu-
rave negligencia^ este respeilo da parte do cx-vl-
de An-
de Di-
nova matriz de S. Jos.
Agora, pois, que a commiso administradora
n,nhdf lela,0irdem segunte : as 6 horas a com-
,^ infriar '""'"'V as 6 e ,neia ao se,im'' batelhao
de infamara; as 7 a comnanhia de cavallara; as
7 e meta ao segundo balalhao de infamara: as 7
e tres quarto ao nono da mesma arma; e final-
mente as 8 ao quarto de anudara a p.
Oroesmo coronel faz publieo para os lins conve-
nientes, que approvou o engajamento que nesta da-
ta contrahio para servir por mais seis annos (pre-
cdelo inspeccJo de sade) nos termos do para-
grapho segundo do artigo terceiro da Ici n. 1220
de 29 do julho ultimo, e do regulamento do pri-
mero de maio de 1^ o artfices de fogo da com-
lianhia de artfices desta provincia, Manoel Panta-
leao da Usta Monleiro, segundo participou o res-
rS CaP"a commandante WB offlcio nurae-
Assgnado.Luiz Jos ferrara.
Conforma -Jos? Francisco de lo raes c Vasco
o acampamento
do procedimento do governo
letras, e os motivos
imperiah
4 fTJJfSS deSla "P^'unidade para exprimir
s.l/.r^t; ei,'Uran-a d,i ",,n''a(n>asdistnctacon-
(Assgnado.)-/os Antonio Saraiva.
(Diario Official.)
DIARIO DE PERNAMBCO
O vapor francez
GOVERe DA PROVINCIA.
Continnafo do expediente do dia 27 de agosto
de 1861.
Ollicio ao commandante das armas interino.In-
forme V. S. sobre o que pede Mara Fonceca da
Conceicao no incluso reqummento.
Dito ao mesmo. Informe V. S. cora o que Ihe
constar acerca do desertor de que trata* Dr. che-
fe de polica no incluso offlcio que me ser devol-
vido.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda. -
Participando o baenarel Miguel Bernardo Vieira
de Amorim, que em 19 do correnle reassumio o
exercicio do cargo de jniz municipal o de orphos
do termo de Caruar ; assim o communico V. S
para seu conhecimento.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.-
Annuindo ao que solicitou o chefe de polica em of-
cio de jiontem, sob n. 1061, recommendo V. S.
<|ue, nao ha vendo inconveniente, mande pagar ao
Dr. Manoel Buarquedc Macedo a quantia de 45000,
proveniente do aluguel de um mez, vencido era 20
de junho ultimo, da casa que serve de prsao no
termo do Exd, como se v da conta junta em du-
plcala. Communicou-se ao Dr. chefe de polica.
Dito ao director do arsenal de guerra. Mande
V.S.recolher aos armazens desse arsenal, cerno
solicitou o commandante das armas em eflicio de
20 do crrante, as artigos de fardamento, arma-
menlo, equipamento.arreiamento e utensilios men-
cionados no termo por copia incluso, os quaes es-
ao a cargo da companhia de cavallara e foram
dados em consumo.Commiinicoiie ao comman-
dante das armas.
Portara.O presidente da provincia resolve de-
;^^
Dito a commssao administradora das obras da
Por tanto estando
'""i aos trabalhos da nova matriz
- a Musir commissao estar certa
ae que en jamis deixarei de coadjuva-la com tudo
quanto cstiver ao meu alcauce.
A, nr!fda,a .me Jdirij0 ao Exm- Sr- Presidente
da provincia, adra de que pela thesouraria provin-
r,i,fjanlre,BUe ao ,l,m- Sr- Francisco Jas de
Lampo* Pamplona, a quota nesle anno consignada
pea asseniblea provincial, para as obras da nova :
? Pdem vv- SS. dirigir-so ao Rvd. Jos
benza o cemiterio.'lsio-po^ra T&X i77jS?S^J^Jf^ ^k ? ord"m
Rvma. na sua prudencia, achar conveniente, e so- centes matriz de SJos.'.^n, 2E25 Perta"
bre tudo havendo passado pelo menos um anno de-' poder ou sob "' qUB eSt,Verem em seu
pois desse enterro, visto mn c n n<.r..,.i ..i--1 ..:_." :
de que Vv. Ss.
2fc-5t!ffi e'q'e 2^^^^-
icar violado qual '
pulraeslao31?^04 "Ueemroda dessa *\*<3!7
pultura estao enterrados os cadveres de mutos ;
attendendo a quese deve inspirar aos christos ca I
da vez mais horror pela abonimavel mana do sui-
cidio e tambera para evitar o escndalo que, se-
gundo V. Rvma. diz, pode tomar o povo dessa fre-
guezia, determino que, se V. Rvma. achar conve-
mente, e se ja passou pelo menos um anno, desde
que essa mulher fui enterrada, mande V. Rvma.!
pro. edera exhumacao dos ossos da infeliz, e depois Antonio dos
interior:
nni nnHiH?i C s perm,,.S*Us] 0Mto aos dve>sos materiaes
S5SSr?S>S3Sr,ldaS' P0r ^ Considere ,, .6J". hSELS lora o
RIO K JtMlHO
20 de agosto de 1861.
Noticias de Montevideo,
o ministro das relajees exteriores desta repbli-
ca respondeu, em 9 do correnle, ao ultimtum de
4, que Ihe dirigir o Sr. conselheiro Saraiva, a bera
da just.ra e proteceo devida aos Brasileiros resi-
dentes ne territorio da repblica.
Rrcii*aodo-M a fazer punir os graves alternados
e abusos de autoridade, simulados na nota do
va, preparava-se para iiarhr para
daquclie general.
Nao porm, provavel que sejam bera succedi-
dos os seus esforcos.
Como quer Ojie seia, o certo que a guerra ci-
vil prognde. .\o da 14. a capital esleve em alar-
ma por causa da apparijao de partidas coloradas
nas inediacoes da cidade.
Nos priuteiros dias deste mez, Flores atacou e
|e "wennoreoo-se la povoaco da Florida, situada
a zu leguas da capital, pouco mais ou menos. Seu
proprio filho ao entrar na praca com o carcter de
parlamentar, foi brbaramente assassinado. Flores
mandou fuzilar o commandante da guarnico da
praca e sete olflcaes, que cahiram prisioneiros.
Os jornaes de Monlevido referem ainda tnaior
numero de actos semelbantes, praticados pelos
cedores ; sendo, comiudo, provavel que '
ma exageracao.
Lucas Moreno foi demillido e substituido pelo Io Sr- bar.o de S. Lourenco o"seu
general Servando Gomes. Igualmente fdra subsii- '
tuido na pasta '
pelo general Andrs (ornes. Esta ultima mudanca,
porem, Uvera lugar antes da resposia do governo
oriental ao ultimtum do nosso plenipotenciario.
A pedido do Sr. conselheiro Saraiva, o ministro
das relacoes exteriores havia mandado vir para
Montevideo, alim de verificarse a nacionalidade, o raJa-
preto Rufino, que contra a vontade, fra alistado A
. Bstnmiure, entrado hontem
d Rio e Babia, apenas adiaotou um da
cas que recebemos pelo Paran.
s noli-
s pelos ven- Kl di: ja.nkiiio senado approvou, no dia %>,
i naja alga- ?" o discassao, a pronosicao sobre pensio
| a D Conslanca de Paj va Lopes Cama. Retirando
tituido pelo
.- fora substi-
a da guerra, o general Diogo Lamas
Andrs Gomes. sta ultima mudanca.
reqiieriinenlo
de adiamento da proposicao relativa companhia
Umao e Industria, orou o Sr Ferraz sobre a ma-
ena, e passou a proposico para a 2' discussao.
Prosegurado a 2- diseuss.o do orcamento no arl.
o (ministerio da marrana), com as emendas re>-
pectivas, oraram os Srs. Jobm, Silveira da Motta
e ministro da marinha, e ficou a discussao encer-
caraara dos deputados deixou de fuaccio-
no exercao oriental, tendo sido acoutado em Pay- nar^ Pr fi,l'; de numero legal,
sandu, sendo capturado na orcasao em nue pro- Pelo ministerio da faiendi
J^orariaTendo en exigido do Rvm. Jos An-
tonio dos Santos Lessa, como administrador
obras da nova matriz de S. Jos da cidade do
das1
Re-
policia.
Dita.O presidente da provincia, conformande-
se com a proposta do Dr. chefe de polica n. 1062
desta data, resolve nomear o major da guarda na
lona!, Leandro Jos da Silva Santiago para o lu
gar vago de delegado de polica do termo do Rio-'
.mSSr^av^Wr*',,ue lheaPrazo termo
^KEE?!8 2i horas- Para apresentar-me por
com Jt^J6 :ua ?onfla"Ca. a referidas contas,
X num?Sen,eSKdoCUJmen,OS' os *uaes devem
S r?d0,e rubricados pelo mesmo Rvm. Les-
SJS? d S lhe dar de lodos e""s a competente
rcsaiva, e poder eu examinar as contas, ou mnda-
las examinar; como conven : findo o qual prazo
procedere como for de direito. E tota a intima-
Kilf/w^ar^^a''?13 a C0,nPetente certidao.-
Cidade de Olmda, 22 de agosto de 18Gi.-Deo Dr.
&pUm *ancis ^aria, vigario capitular da
, ^tava sellada com "sel'o capitular; bera
,TooaP.rlar'a a>ecedente, que tambera assim es-
lava asssignada e sellada.
iagn q"e, esi,yerem em meu |K)der as contas da
adminislracao do Rvd. Jos Antonio, o qual j
TOO hontem apresentar-m-as : como, porm, nao
trouxesse elle os documentos rubricados
exig em offlcio de 18, e na portara de
rente, teve de leva-las novamente i (cando
cerS; corren.rra,naSe,!andafdra prXln,a'*
com muita razio solli
^iralMnta espirado os diversos prazos, que para isso Ihe con-
todo di e"e a' t,resente r
:H^?r^^ jaC,^= ssn 5m?'vvoissso m
K2S55?.: ordeno ao vd- escrivao da cmara ec- citam. q VV- bS"
ministro plenipotenciario brasileiro de 18 de maio,
o sr. Herrera devolveu o ultimtum de 4, decla-
rando que nao era aceilavel; e, depois de urna
exposigao inexacta dos factos, feita era termos pou-
co convenientes, eoncluio propondo que as diver-
mZiaertre^imperio e a "Publica fossem sub-
22 doTr m,1i dM aoarbltramn ^ urna ou mais potencias,
ando d^a* *2fcSSK?tes f t5 era MootevidoudeTMdo
T.m M 2H22S de^ld,r : | sobre a opportunidade das
* reclamacoes do governo imperial (2-, e admittida
rn ni :i p Ssada, ao pu destpelo Rvd. escri-
IwlSSK'! eccIesiastica.-Certiflco, que sendo
- nesta cidade do Recife, e n convento de S. Fran-
cisco, intimei a portara supra ao Rvm. Jos Anto-
... ficou
jado dodisiricto de Sernhaem"," FdVfre^eito do' agosio de m otL'T^- 'i^' 23 -de
mesmo norae, o major Presciano de Barros Accioli 1 escrivlo da o.m7r, Sfi k,^am, d Assnmpcao,
Luis por na,, querer este continuar a MercWo?e\ZEL2V^SS^"4^ Cer,i,lao-
para o substituir noma a Manoel da Rocha Cavl-; Se di P a pr""e'ra porIaria
canto Lins. Communcou-se ao Dr. chele de po-! 24
Dito.-O presidente da provincia, conformando-{A^atu^ASv'f^Tf^0 ,d- 2T
- se rom a proposta do Dr. chefe de polica n. 1065 wE2ffffJuiI?",, fo *utor8**) Pel
desta data, resolve nomear a Cenuino Augusto N [ i"mol daPs tJlT*00 "f* TZ depo-
xotoparao lugar vago de subdelecado da regu- S* d?naS2SS??^f*" Jus'"ica^es de ida-
m de Aguas-Bellas.-Coraraunicou-se ao Dr. chefe i tf2^ *". Ih-e ',mCed9 que
de polica. i cVniinue a gozar da mesma autonsaco para ali-
D.ta.-0 presidente da provincia, a.teddendo ao s?foem^ta^ f ^Sf!!*! as',esterau,nhas.
queexpoz o.nspectorda thesouraria provincial, men^dSJ?^*L*r^M seus depoi-
em offlcio de 2o do correte, sob n. 369, resolve ; Smra Z2 ?Jl "vm.a' r,cn"-'"er os autos Para
abr,ru,m..""?,"edito supplementar, na importan- d^wr^nc^S ^ ~0Tem ??niJ0,-
ca de 6:878*142 res, para effectuar-se es seguin- TSbSSS?L .porem na0 M entende com
tes pagamentos.- d. res.ituico concedida a A M>\MMm^amm^Jm!^S^ Se Pr?ceder a ca"
Offlcio ao Exm. Sr. ministro do imperio. Rece-
n "u >de V- Exc" em 1ue n,t communica
que a. m. o Imperador me recommenda a execa-
Si1*S m de 27 de 0'ubro de 1839, o aual
aeciara nao poder o vgario collado de urna paro-
tnia ser nomeAdo vigarioencominendado de omra
por isw que tal nomeacao importara a derogaco
do provimento vitalicio feto pelo poder execut.vo,
de conformidade cora a lei.
Posso assegurar V. Exc. que nesta diocese
naonaparoeho collado que esteja regendo ostra
paroema, nem como enommendado, nem como in-
erino, o que continuare a observar fielmente em
todo o tempo do meu governo.
Dito ao parodio encommendado da freguezia de...
-onegou-me as mos o seu offlcio de... no qual
me participa que o Rvd. parodio da freguezia de
casara dous paroenianos de V. Revm. ligados cora
laipedmieiitos dirimentes deconsanguinidadee de
amoidade, sem ha ver precedido a
pensa.
Separados os nubentes, proceda V. Revm. s
necesarias diligencias, alim de elles obterem dis-
pulsa desses parentescos e de revalidar-se o casa-
mento ; a qual revalidado s ter lugar depois
que ouvindo o Rvd. v.gario de..., eu a mandar
idzcr.
essa opportunidade, sohre os meios pralicos de pro-
ceder ao exame e a satisfa?ao das reciprocas recla-
macoes pendentes.
Semelhante expediente Iluda coraplentamente a
questao e adiava a dilliculdade era forcoso provi-
denciar, quanto antes, emprol da segu'ranca da
vida e propnedade dos Brasileiros, domiciliados no
mano Oriental, em manifest perigo no centro
aa perturbacao do pait.
Sr. cnnselhero Saraiva vio-se, porUnto.
de TOmnmocarTem ao
Sr mm.stro das relacoes exteriores, de conformi-
JjnT MU ,de h W seund0 ** ordens do
?o\erno imperial, ,am ser expedidas instrnc-
C5es ao almirante barao de Tamandar e ao com-
frnSr en,^^^ d0 ercito, estacionados na
rronteira, para procederem represalias e empre-
f "i**" mais avenientes em orde.n a
tornar efectiva por si mesma a proteccao, a que
tem direito os subditos brasileiros e
assegurar-lhes o governo oriental i
que o governo imperial julgava
manecer -
. que pro
carava refugiar-se na ranhoneira Belmonte.
Averiguada a nacionalidade de Rufino pela cer-
iiao de baptismo, que tora mandada buscar ao
Kio Grande, apresentou-se elle nossa legacao pa-
ra ser protegido. v
Como as instruccoes expedidas aos cnsules pe-
lo or. conselheiro Saraiva recommendassera que
to>.sem prestados os meios necessarios para que
possam recolher-se aos navios da nossa esquadra
os Brasileiros constrangidos ao servco militar da
repblica, o nosso ministro residente em Montevi-
deo de accordo com o Sr. barao de Tamandar,
mandou recolher o referido Rufino a um dos nossos
navios.
O mesme Sr. barao de Tamandar, estando no
proposito de bem enmprir os seus deveres, resol-
veu que o vapor oriental General Artigas deva
conservarse no porto, tozando para sso constar ao
governo oriental por intermedio do Sr. Lourelro,
nosso ministro, que se o dito vapor se aventurasse
a passar pelas baleras dos nossos vasos de guerra,
seria infallivelmente capturado,
aes
fazenda foram expedidos
os segrales aviso e circular :
A' alfandega da curte, commuoicando que a
companhia Messageres Imperiales foi concedida
permissao para fazer carregar em seus vapore*
nas provincias do Pernambuco e Bahia mercadu-
ras para o Rio da Prata, comtanto, porm, que
nos manifestos (que devero traxer aberras) da
carga recebida nas ditas provincias com seme-
Ihante destino se faca expressa declaraco da bal-
deado que se ter de effectuar neste p'orto para
oulros vapores da mesma companhia. que conti-
mum aquella linda de navegaco ; sondo egual-
menie perraitudo a esses vapores o transporte de
mercaduras cora destino s referidas provincias
com a mesma formalidade quanto aos manifestos
urna vez que tambera sejam neste porto baldea-
das as mercadorias para os vapores que tiverem de
seguir para a Europa com escalas por aquellas
provincias Communicou-se s thesourarias da
Baha e do Pernambuco.
, il**8? Jl>edro Dias de Carvall'o, presidente do
tribunal de thesouro nacional, notando a irregu-
que nao pode
accrescendo
de seu dever per
mente da importancia da conservadlo "no meTde SaSh^TSt1 que ,ePha,todo cuidad e v'-
es-rada; se S"demn^SsSual ^ ""^
roch?daDfrSr'de~Pqaure,VMRe m""^"'^"^ SSL*J
parochianos da.iuella fre.",ez,a o l.gados po l^^ff^ZT^Sa^. a^^tu^^ra^smm ff T'T^' **
lTaRfJr5E2BS SS.A*^3^ es,a reso,u.
necessanas providencia" Q J ***** ft* STSSSiV* te conselheiro Saraiva
DUoao vgario encommendado de... Chegou- BTfiaSSrjS^TffiST-
me as niaos o seu offlcio de 24 de abril passado,
no qual expoe que na sua ausencia estando o coad-
.aH 2a re?encia da freguezia, dera licenca ao
paore v... p,,ra auktir ao recebimento dos dous
rontrahentes dbctbs phoclamos : e isto escripto em
rfi''a'T w ??' e mn Proelamos nenhuns ; e po-
dindo-lhe V. Revm. explicacao desta
nada Ihe poude
Osjoraes de Montevideo publicaram, em 13,,'aridade cora que teem sido contempladas nos ba-
uma circular do ministro do goveroo, Octavio La- i 'angos das thesourarias de fazenda as importancias
pido, a todos os chefes polticos dos departamentos, I provenientes da subscripto e donativos feitos ao
recommemtando-lhes a mais enleaz e ampia protec- estado, ordena aos Srs. inspectores das referidas
cao aos subditos brasileiros, residentes nesses de- i thesourarias que anullem do exerccio de 186"! a
EmKnH ... I !6\tdas as-'luan.lias escriptoradas em titulo de
em i.ijsanou, as autoridades raudaram mleira-: receita que nao seja o de receita eventual nara
mente o procedimento que tmham para com os onde devem ser transferidas, e com as devidas
nossos compatriotas, que se achavam tranquillos, expheaedes, visto como esl resolvido que tacs
Apear da nova posico, que assumimos era donativos, fazem parte da renda
Montevideo, a ordem publica o tranquillidade nao que tem seu cargo a despeza
tmham sido alteradas. compra de armamento, etc.
ao minisl,rna,.1Ue .Sr- consell'.eir Saraiva dirigi! Foi nomeado 2- cirurgiao do corpo de sade
i.Tm ro relaC<>es exteriores, em dala de 10, do exercito, o Dr. Joo Cuperlino da Silva
m sim a circular ao corpo diplomtico: A cerca de noticias comnierciaes diz o Jar-
Sa? .e|r*cial d0 Bras.l.-Montevideo, 10 do nal do Commercio :
Smi i hH7Sr,1 "linistro.-Tendo o governo Cambio.-Incluindo pequeas operacSes cffec-
oriemal deliberado desattender ao ullino appello luadashoje sobra Londres ti 1(4 tlWeM
wv?p HqUr' Pu mea ,n,ermedi0- lhe dirigir o d, e sobre Pars a 347 e :I48 rs., somrnam es sv
Z, ii..r. a MaRestade o Imperador, a bem da ques fechados pelo paquete franrez Bstremadur,
Disse mais S ^"..T^'^&Ta i. Pro'eccao devida aos Brasileiros residen- Sobre Londres 400,000
mTjSSB'^^^SS^'f^*f^ ~ repblica: recusando-se a fazer puniros |2 d., incluindo 30,000
r,n."rJr'pal-(?es,ni0 do governo imperial ga- graves attentados e atrasos de autoridade, assigna- imperial a 27 3,8 d.
lados na mmha nota de 18 de maio, e propondo me Sobre Franca : 1,500,000 francos a 343 4G 47
v. kxc., em data de hontem, um expediente que, e 48 rs. '
ulude a questao, ou adia a dfflculdade, sendo ao Sobre Ramburgo, 400,000 m b a 060 r<
r>n?' .arfente Providenciar em prol da segu-; Sobre Lisboa e o Porto tem regulado a*tabella
ranea da vida e propnedade dos Brasileiros doral- seguinte
ciliados nos departamentos interiores, e em mani-
fest perigo no mel das perturbacoes deste paz,
que desgragadamente aggravam-se e prolongara-se,
vejme na imperiosa necessidade deannunciar a
v. hxc. que, segundo as ordens do meu governo,
vao mt expedidas instruccoes ao almirante, barao
ue tamandar, e ao commandante
competente nTo"X,, 2? a,titude "",an, da ^publica
competente dis- nao> adoptasse as prov.dencias e nao dsse as satis-
lac-.es rec amadas nem reparasse as offensas prati-
cadas contra a nacao brasileira.
ranlir por si mesmo
Sttf dos seus concidados at que ,
a seguranca |iessoal e da pre-
se torne
geral do estado,
de fortlHcacues,
a 27 l|4, 27 3|8 e 27
tomadas pelo governo
rectificar as inexadidoes dos factos"por'ele allega-
dos ; e devolveu-lhe a nota de 9.
. dos corpos do
exercito estacionados na fronteira, para procederem
a represalias o empregarem as medidas mais con-
;s em ordem a tornar elfectiva por s mes-
iKeDCS, e
junho prximo findo do terceiro lerunda
SppleSr JS Srirtft Ve julho \ Tenno S^S^ ^paroCho de ^gua-Preta.-
"Iti.no, an art. 13 ^a lei do orcamento do ter"' Jffl" ec ar'do me'onf f, d Crrent^ D0
cicio prximo lindo em liquidacao.-Remelteu-se >,t.. I q,,c s? acl,a seu Pa'no leito
por copia a thesouraria provincia n<,mmea se da niorie e ja sacramentado, me pede Ihe conceda
Dita.-O presidente da provincia, conformando- --- llficn?a'. a,im assistir ao ultimo
^j;om_a proposla do procurardor fi'scai da thes-: "-? P.r,iado pai...lcando na regencia da
ajada V, \ v fa?er-me esle pedido
de hontem,"*>"5^jJ5STO!L!t!!!H,?!*e* de Araujo 1
rana provincia
o Dr. Mendo deSa Barrete Sarapaio, para o lugar
<'Ommunii'ai-ni'c
a tao louvavel o piedoso seotimento
que jamis en
communieaeoes.
que o
- pode-
Pode, pois, \. Rvma. estar fra da
- sua ireguezia durante os lo das que menciona.
Dita.-O presidente da prorineia tendo pm vista! u 2o
o que requeren o tercnlroWpirartodaThe^u* ,^ ''encommendado de Sania Lu
rana do fazenda Francisco JoseP de Maraes e Silva ^ pres1n,e oftlcio de V. Rvma. de 12
e bera assim a nformacao ffitXdTSse res i SfiJRsfflS! S S qUe pelS seas
peno pi-o respectivo inspector, em offlcio de 29 de i ^mXZ^a r e" l"olest,as "a,) lne o Possivel
liinho ultimo, sob n. 391, resolve cmcedpr-lhe tres!.. 8 /r^ de Santa Loria como
mezes de licenca com venciminras na firma da le S5SX5E2fSi V" 2S? "Ue Pr
para tratar de sua saude onde Ihe coovier. JXS ,%Jfa,,ec-,do prelad0 a sua demis-
Dita.-O presidente da provincia tendo em vista i fa'.sem Jaraa,s a conseguir ; e termina pedindo-
o que requere,, o segundo^!K'urariSda meVou i Zo 'bm Sa^"" """
rana provincial Baldurao Jos Tarara rfa Sii I C.ar?.u' sub,"eendo-se
bem assim a infurmacao ministrada
sua licenca,
quanto antes
todava ao que eu de-
a esse respeilo |
pelo respectivo inspector, em offlcio de hornera sob AUend.endo aos ponderosos motivos que V. Rvma.
,.. 370, resolve a^er&mSJX Sun-""' ?PT' CU pas#0 a e*nera-lo do ministerio
com rencimn.os na forma do a 49 do Bula '' T ""'' $** ,Ufe BMto da,a "omeio vgario
memo daquella repartlcao pa rain tor deLTndf cm",enddo- des8a Padre Marcelli-
tora desta cidade. P r de S"a Saade no Freir, o espero que elle se dar prava
-------- e,n r substituir V Rma. Estou cerlo de qne, em
quanto o sacerdote novamente nomeado ah nao
chegar. continuara V. Rvma. a desempenhar as
, ronceos parochiaes com o zelo que pede o nosso
santo ministerio.
OVERXO DO BISPDO l>l
*l lt\ Vrlltl (o.
SEDE VAC\TE
Agesto de i8fri
Contanogo Il-.li 1 lili VI,.,, i.. 1 .' :. .
Dito ao vgario encommendado da fregoezia de
i S. Miguel de Taip.Foi-me entregue o officio de
V. Rvma., datado de 8 do correnle, em resposta
| outro que lhe pedi me Indicasse algura sacerdote
ofltcio do lo SiSKIiESraSfi Sea ,dae.01, "ue podess*
na freguezia d SraLawada^x? S ,,m%"* r2' Tf^0 a freg,1,,z,a de S;""a "a lnforraa-rae
murado e feclmdo ondo a se eniJrllf?m I I' 5!^,|Ue "is,e na freguezia de Nsssa Senho-
rra que nao estCnra,^? que o Rvd fe 'joa' I Sria ffi *"*' prVLnCa Rvd- Marfielli" Ko'
quira da Santissiraa Trindade.^ue regu l ti Jal i ttli ZIT^0^ desempregado, idneo,
z,a, se esoneceu de o fazer: pelo i?f n SZ VaI? *rocho da ^uezia do Santa Unte, Nes-
licita delira a corape,ente &SK ^S SStSU ZS ? TO *S PM,>'
Lenze-lo. Diz me mais V. Rvma. que ha umadr- nra eJ?nic,ado .aclual v.gario,
cioNuraaecirc. !' fS &9*0 Sari,iva dir-! r",S pro,e,;cao a 1 em direito os subditos bra-
d^atJen^^ai^ser'S^^
me accrescentar que elle julga do seu dev'er per-
manecer nessa attitade em quanto o governo orien-
tal nao adoptar as providencias e nao der a salisfa-
cao reclamada, nem reparar as offensas praticadas
contra a nacao brasileira.
Outro slm, posto que o designio principal do meu
governo seja garantir por si mesmo a seguranca
pessoal e de propriedade dos seus concidados, al
i que se torne elfectivo o cumprimento das leis da
..., ...<, repblica, nao duvidar, comtudo, proceder re-
. esses dous casa- vida a nWiSLa2a!?2!l?r.al,entados contra a i presabas especiaes a respeilo de cada tira dos casos
memos, empregando' com prudencial cfrcuraspee- 2 AmTott? di*as,,e,ros' u ,- corridos,
* caucas e formalidades prescribas em 'taes serram^o S5t KSPySKM.
emSuee;seou,r?offl,-ioaoRvd- "or. SJTSiS 1os> nel,es achar5a pro,ecco que
miVSJ&S'Sieriid! FParti,ina -S HK f?ES?08 """"andantesqualquer
...A vgrio^^-^;as;a- mab&ABUSSSkr9
4." Prestar aos Brasileiros, constrangidos ao
servco militar, os meios necessarios
possam procurar o nosso exercito
guerra.
nanao assim por linda a mtssao especial de que
fora encarregado perante o enverno oriental te-
que Y." Rvm 'deca'rassn mlXT^aS. ""ZVrT^M"0 n prime,r0 vapor- f aI"-nra de *nr a S.gExc o Sr mnistro
"entes. s noraes d0s contra- j Jf*!"1 V* a negociaco, o Sr. Herrera das relacoes exteriores os votos de minha multo
Muilo bem sabe V. Rvma.
101 lO 0|i>........ visia
100 101 OjO........ Wdias.
99 100 0|0........ a 60 das.
98 99 0|0........ 90 das.
Passaram-se tambera 20:0003 99 1|2 0|0 so-
Lisboa 30 dias e em moeda esterlina a 90
pagarais ao cambio daquella pra^.a sobre
um pequeo lote das
me
. e mesmo augmentar a gravidade das
medidas que vio ser autorisadas, se a attitudeque
assume for insufflciente para alcatifar tudo quanto.
em nome delle, solicitei pela nota referida de 18 de
maio.
Tal Sr. ministro, a deliberaco do meu gover-
no em vista da resposta negativa do governo orien-
tal constante da nota datada de hontem, a qual de-
volioa V. Exc, nao s pela razo qne V. Exc. in-
para que | vocou para justificar igual procedimento, isto por
bre
dias
Londresa 27 l|2 d.
Apolices. Negociou- se
geraes de 6 OjO .i 97 0|0.
Uescontos.Manicera se nos bancos a 8 0,0 -
regula na praca a mesma laxa. Ha pouca uro-
cura de numerario.
Metaes.Exporlaram-se desde o dia 9 doj-or-
rente ate boje (23) os valores seguintes :
Destinos.
Brdeos......
Lisboa.......
Porto1........
Pernambuco ..
Rio da Piala.,
Total.......287:9075000 2584000 500-5000
Accoes: .\egociaram-se 60 accoes do banco
Rural Ilypothecario a 735 de premio e 30 ditas
da companhia de Seguros Fidelidade a 55 de des-
cont.
Transferiram-se 30 accoes do banco brasileiro e
portuguez a 265 de premio.
Baha.Achavara-se no porto a crvela russa
Haydamak; o transporte inglez St I.awrrnde e o
vapor americano Waschnssets, todos de guerra.
L-se no Jornal :
Na noute de terca-feira foi encontrada pela
Orno. Prata.
Moeda. 32:0785000 1:5005000 8395000 14:4503000 188:99i/3000 Barra. 2583000 Moeda. 3003000
srcito ou os navios de I ser formulada em termos que no desejoquablicar, patrulha no campo de Naxareth urna jovem mito
. "!as Por conter estranbas inexadidoes de (acloque bella, que raoveu a Compaixao de uuantos i vi-
......., ,iu cumranenie* i -------nissao em Montevideo, 'ora ocioso elucidar. ram. '
Sson V. Rvma e lu- ca MbTJSSh^!: & C(,nselhe,r ?ara'va parti para Buenos-Avres I 0~J
pe limpamteSJ^^ffilra^toSPifS ^'de,chegou T dia 12' csperando r*Sr" ^ Ieu
T. Rvma. 'dectoraZ '152?? "f^"*** ***"> vapor. I ni
Apea;,* se
naveremMoiiumio leiij.uw i roalSj df SX L 5ESS.! 2S22 asen,,,s >" i S^E,c'." Sr-Dr- ><>" < Herrera, mi-
dhe6roiussa"m 5?* "'l o'ffisr,,,-, a, j^SS-jw.>mm
cUraZ^ ,Z'anTCel,,u nos'ern,os cima de- brasilero, que, tanto nornaria mULm'&^Ju*^9 de Providencas a bemda ga-
de*sSn5 0,V""-F- 0,Jual murado I para que alies pedssenlinstrocSiSS M,Ji.iaiav,da e P^iedade dos subditos de Sua
licenca nao so assistio a um, como a dous i aos seus governos. ",s'ruicoes a tat respeilo Magestade o Imperador do Brasil, meu augusto so-
j, instando
cumstancia a notar e que nesse emiter.o'rqa'n.' achar-se taLS3[*jfirS B* Vist0
do ja murado e fechado, se enterrou urna mulher I Dito ao SL^g seus Padecmentos.
que se smcidoo em acto de desespero ; e que neste do eu informado pe o Kd 252 Fre.re.-Sen-
caso deseja saber se. antes de se proceder bencao do de S M guel de l1iP'10ch ttS^m^km
deven, exhumarle os restos daquelle cadver. I presta a ejr a parochia de' ^ V- iiVmi- Se
Primeiraraeme concedo licema V. Rvma. para 'ario insta romtao afim de 5>Hla Lui,a.cujo v.-
casamentos como se v das duas certidoes passa-
da^aba.xo da licenca de V. Rvma. que tenho rl
JPSSft. **!tque v-Rvraa-me declare que
que tem qne allegar em sua defeza, ou como se
passe o caso. Igualmente desejo saber onde re-
side actualmente o padre F...
comammT das arias.
Qiiarlel do commando das armas de Pernambuco
em 30 de agosto de 1861.
Ordem do dia w. 348.
O coronel commandante das armas interino, de-
ermina que na manhaa do dia primeiro desetem-
bro prximo vradouro, se passe rev.sta geral de
mostra era seus respectivos quarleis
SS. EExcs. declararam igualmente que nutrm
a lisongeira esperanca de que as ac
ces anda possam ter solucSo san
berano.
mm!25? Acab0 de receber d0 reftrido governo una res-
?ctorh P ^^"'""IcMuesto, e reduz-se raeTma ne-
. Como o Sr,conselheiro Saraiva tives?e dado por lavis *SKSfn?pffiMtt Slicita^s an,-
^^^^a^T^^^l!L^:! Por.!- e=^'a
maticos, cada om de per si, resoverara'"d'irimr a renhiirr,?np0J?ae,,as acIaaes circumstancias da
nossorainis.ro residente a res^osu S! 11 S?S SaffirSr^Dt^nTff1 6 *"^11^
Exc iplft, O,',b"e|rosreiaenles nos departamentosra-
Em virlude de semelhante resoluco, j o MlJKiB! 2^"^^ d "'
regado de negocios da Inglaterra hara dirigido ao os chefes das Lrca ,Ip ', !SS Slffi q"8
Sr. Loureiro urna nota, no sentidod* que 3r^'SgLtiL3^*.^J>P?** recebera0
.alias que se lem^de exercer nao co'mproraees- lias )StmSS^.fif^*6" rCmS"
dadas, as salisfacoes
do mea iroverno nara fazer V.
sera os interesses dos subdttos SSST""' i no Z% 2ffl S** S 2T
O Sr.Barbolani, ministro, da Italia, que com o dida' a salisfacoes e reparacoes pe-
lira de levar a effoito a pacifleacao da repblica, Tenho ordem
A patrulha, tendo divulgado ao longe um vul-
to deitado, dirigio-se ao lugar, o ah achou essa
rareliz, que, deitada, estorcia-se sobre a Ierra.
Acompanhada de pessoas, que a seguiram, a
patrulha procurava ndagnr-lhe o nome, a mora-
da, e a causa de sua estada all : porm tudo
ella res|iondia por monossilabos, ou palavras des-
tacadas, de modo que nada esclaaecia.
t Entao deliberaram conduzi-la casa da auto-
ridade, em vista do seu estado, e nao foi sem al-
guraa dilliculdade que o conseguirn!.
Depois de grande lula, em que a infeliz mos-
trava forca varonil, lograram chegar cora ella
uraa casa, onde lhe prestaram urna cdeira, em a
qual foi ter do subdelegado.
Diz o nosso informante, que no sabe o que
d'ahi em diante se dev, por no ter entrado, e
ter-se retirado fatigado.
Entretanto, consta-nos que essa infeliz, enga-
ada brbaramente, fdra raptada ha tres dias da
casa de sua rai, e conduzida para a ra da La-
rangeira, onde o sedutor a abandonara, deixando-
a enlouquecer.
Esto verso a que corre ; nao obstante,
polica cumpre entrar no conhecimento desse ne-
gocio, afim de, elucidando-o, proceder como a lei
e a moralidade publica exige-o,

mediante as condc5es-entaboldos peto Vraiice ExVes'i"ZZZZLHiUS!? govern. para 'T'i
mprfiqpo haviaii fuihiimi. wa^,n. .. p commumcacao. passando-lbe as inclusas
tonda"rceido' -- V^?^ col"as da(Hee documento*e da minha nota de ho-
PERNAMBDGO.
REVISTA DIARIA.
^^^XSZSS&SBtttStt^
q*K houvwem de praticar as for?as brasi-! directores da Caixa Fihal, e noraeou umacom-


, /
*.


a n w

-.--_.
Dfarto le rer*Malae ... <*naHa tetra 3 *c Agosto 4c li4-

-

mi^o, cmPo>ta Jo actual presidente r. ^o^eoJro'nteiro, W'^.f CK
rom da liquidaco.
A escura brasileira JMm, saluda a 2lJ ao
nosso pono, arribou hontem por haver perdido o :
.....rti___ **------- ,i nhirnl
Lima, ex-praca Luiz Ignacio de Jess.
Obituario do cemiteiuo publico no da 28 de
ahosto de 1864.
T Ke^aSc^do^S & Ma^a.RSuco. 4 anuos, Sant, Anto.io ;
que so corlou o mastaro e oda a cordoallia, mooenSite.asuda.
>oa a ooeuubiim. ......6..^...uuo.
"- Tendo transferido sua residencia para Cama- Luis, Peruaiobuco, 2 dias, S. Jos ; apoplex.a
T o alteres Pedro Maximiano de Otivefra Mello,; Rita, Afnca,|35 anocf, solMfra, escrava, Santo
An-
Iii n'^da uard a "nacional do Brejo, man- tonio ; prulentro chnraico.
, u' e pascar a guia competente. Anton.o Francisco Pernambuco, Pernambuco, 24
1 Fo, exonera.10 de subdelegado de S. Loaren- annos, casado, Santo Antonio ; apoplmia.
5 da SSJJ^&SS^ Caim Exposto, cojo nomo ignora^ Santo Antonia
MMo^ BdMS eatdao de Olivera, sendo! Felippe, Pernambuco, 6 das, Recito convul-
BrWfl?lW*ri^^ o SS* Pernambuco, 2 me.es, S. Jos bexiga,
Bi no otw tercia .ub Joa(iuQij pernanjBca> io aunos, soltelro, escravo,
^^nemeuem-noso segulote, pedindo sua pub.i-! ^^SS^tS^ I tente
de Mallo*, Pernambuco, 25 annos,
solteiro, Albgados ; escrfulas complicadas.
Bratro, Pernambuco, i anno, S. Jos ; luberculos
pulmonares. ,
Joaquina Lopes Mavignier, frica, 98 annos, sol-
teira, S. Jos; hepatite chronica.
Maria Francisca da Conceieao, Pernambuco, 2t>
annos, solleira, Boa-Vista ; tubrculos pulmo-
nares. u .
Bita Mara da Conceic/to, frica, 00 annos, sollei-
ra, Becife i rheumaiismo.
. Existindo um grande transito no passadico do aguda.
Becife. principalmente das 8 s 9 horas da manliaa ; Venato Sergio
para o Becife, o das 2 s 4 da larde para Sanio
Antonio, revulta-nos o prpeedunento dos senhores
conimaudantes d torcas ou guardas quando justa-
mente M 9 horas vollam a quarteis, e que maior e
o transito, atravessam a passos dobrados e toima-
dos scropre a tres e quatro pracas por nas. oe.ru-
pando quasi lodo o espaco da pmte, atrepellando a
todos com a tomen suas posicoes ao poni de
eraren) de rojo os viandantes.
Pedimos providencias ao Exm. Sr. comman-
dante das armas para que as guardas transfiera a
pasaos moderados e em lilas siugelas, tendo .tteii-
dto ao publico, ou que seja prohibida a passagem
de uualquer torca pelo passadco.
Amanl.a se extrahira a terceira parti da
terceira lotera da Santa Casada Misericordia (100)
sendo o maior premio 10:000*.
O vapor francs KOMI a seu bordo 2S7 pas-
sageiros sendo : 7 para Pernambuco, 57 para Lis-
boa, 3 para S. Vicente e ICO para Brdeos.
Urna caria escripia a 8 do corrente da .Malla
d'Airua-hranra. diz o seguinte :
No dia 30 do passado, o Valpasso, que ha tom-
os havia sido arrastado ao tronco pelo capitao
Jos Joaquim de Barros, delegado >*M*
rgio-se |a villa, e em pleno da matou rom dOOi
tiros de pistola de dous canos ao dito capitao.
. A manara (ranea e desimbucada porrme Val-
passo proceden, removo toda a idea de conloio en-
tre elle, o seus aliados, seudo at sabido que nao
miz do sorte alguma que alguns de seus mesmos
alliados tomassein parte na sua desaffronta. Mas,
nao obamv, o major Jos Rodrigues de Moraes,
jugando opportuna a occasiao de lomar vinganca
do "Custodio ede oulros conservadores, tem exer-
cido sobre elles a mais atroz .
trila e tres no tronco I Actos
CHKOMa JL'IMCIABIA
TKIKI'VAL DO COMBIlCIO.
EXTRACTO DA ACTA DA SESSO ADMNI3TBA
TIVA DE 29 DE AGOSTO DE 1864.
PHB9IDESCIA DO EXM. SR. DESEMBAROADOR
ANSELMO FRANCISCO PEIIETTI.
s 0 horas do da, reunidos os Srs. dipu-
tados Rosa, Alcoforado, Lemos e Reg, o Exm.
Sr. desembargador presidente declarou aberta a
sessao.
Leu-se e approvou-se a acia da ultima sessao.
DESPACHOS.
Xa peticao de Vicente Ferreira da Costa e seu
filho Jos Ferreira da Costa, para que losse regis-
trado o contrat de sociedade de capital e indus-
tria, que juntam : Vista ao Sr. desembargador
fiscal. ,. .
Na de Jos SOares Pinto Corroa Jomor, salisra-
zendo o despacho deste tribunal que mandara se
designasse outro desempatador para as duvidas
ervauuits, mu w.- ,,ue se suscitassem na execucao do contrato cujo
perseguicao, tendo ja; registro fra requerido por elle e por Joaquim Soa-
;tos desta ordem p- res Pinto-Correia : Registre-se e publique-se.
mingues da Silva, fallando o Sr. desembargador
Uchoa Cavalcanti, abrio-se a sessia
, 0 Sr. desembargador Guerra, procoradord*co-
' roa, nao compareceu.
Passados os feilos e entregues os dlstribnidos,
' deram-se os seguintes
JLGAMEXTOS
Agtjravos de petufio.
Aggravante, o Dr. Joaquim Antonio Carneiro da
Cunta Miranda : aggravado, o juizo.
Relator o Sr. desembargador Santiago.
Sorteados os senhores desembargadores Molla,
o Assis.
Doram pioviraeuio.
Aggravante, a irraandade de Santa Anna ; ag-
gravado, o juizo.
Relator o 9r. desemeargador Almeida e Aibn-
ijuerque.
Sorteados os Srs. desembargadores Lourenco
Santiago e Domingues da Silva.
Nao lomaran conheciment.
Aggravante, D. Anna Joaquina da Motta Teixei-
ra Cavalcanti; aggravado, o juizo.
Relator o Sr. desembargador Domingues da
Silva.
Sorteados os senhores desembargadores Santiago
e Almeida Albuquerque.
Xegaram provmento.
Agravante, a Santa Casa da Misericordia j ag-
gravado, ojuizo.
Relator o Sr. desembargador Assis.
Sorteados os Sis. desembargadores C. Santiago,
e Domingues da Silva.
Xo se tomou conheci ment.
Carta testemunliavct.
Aggravante, I). Anna Joaquim da Motla Teixeira
Cavalcanti; aggravado, Luiz Ignacio Teixeira de
Araujo.
Relator o Sr desembargador Assis.
Sorteados os senhores dosembargadores Lourenco
Santiago e Molla.
Xo tomaram connecimento. seu protegido liona o grao de licenciado pea i a-
Aggravante, Joaquim Jos da Casta; aggravado, culdade de Madrid, e podia por consequencia usar
Emygdio Gamillo Pessoa de Siqueira Cavalcanti. do titulo de doulor f
Relator o Sr. desembargador Domingues da isio anda nao tudo. Cumprindo-nos venlicar
' Silva. a ideniidade de pessoa, pelo vapor francez Esle-
Sorteados os senhores desembargadores Lourenco madure mandamos iroceder s necessarias itives-
Saniiago e Assis. tigaces na villa de Villamartim, provincia de Le;io,
Xegaram provmento. da q'ual se diz natural o Sr. Astudillo e Bussains, e
Becorrenle, o juizo ; recorrido, Jos Marques logo que tivermos todas as informacoes pedidas, Ibes
dos Santos Aguar. j daremos publicidade.
Belator o Sr. desembargador Domingues da : Estamos prompto a apresentar as que recebemos
Silva. da corte com data de 17 desle mez.
irena da que vivemos, aem que a patnapropera. rm sjacea. Esto persuadido de que o hr. vis-
Haja, pos, nesse dia^nacional, itesse grande e pri- conjt $e Camarai{p^i nao pode deixar de ter em
Luiz Gonzaga! meiro dia do Brasil, todas ai demonstraeoes pnbll- peraambuco cena sotnma de influencia----
cas c possiveis de regosijp e ufana patriolica ; a-
las e prazeres, que ostentem, que sabemos pjeza
JD Sr.deseinbargaiur Motta
.1 <(yiielloiCiu crime.
Appvllante, o juizo; appellado,
de Lima.
Agaravante, Francisco Jos Regalo Braga i ag- ser de homens livres, e bem avahar e agradecer
gravado, o juizo. i s "go* valentes da geracao que ns emancipou
Ao Sr. esembargador Uchoa Cavalcanti I escravidao colonial, e collocou o soberbo Brasil
A appellarao crime. najoes independentes.
Appellaote, o promotor'; appellado,Joao Forrei-;
ra de Lacerta Jnior.
Ao Sr. dsemb irgador Domingues da Silva
Appellacao crime.
Appellaa, o juizo ; appellado, Joio Gomes da
Silva.
A 1 !i horas da larde eacerroa-se a sessao.
. Voirs: -Mortal
O Sb, Ferreira ba Veiga :Apoiado, toda.
0 Su. SiLviuBA.LoBo :------a em todo o caso
quauta bastante para m garantir um lugar nes-
ta caaa,-correntio a eleicao lvre. Mas vede o que
aconteceu : o exclusivismo passon das fi>ras con-
uwnas, logo presidente da provincia e che-
. lias servirain no pleito eleilo-
dia facamos nina rai. o resultado fot qae nem sequer o Sr. viscon-
boa escolha entre o eidados habilitados, desnre-; je de Camaragibe pode ser eteitodeputado. Veio
lando interesses mequinhos e passageiros, e anta- uma depntacao lodainleir* no sentido ligueiro.
gunismos pessoaes, consultando stneote o bem i Supponde agora que este ministerio cahe ama-
publico, e votando para juizcs de paz em pessoas nnfa (0 qne seria uma grande fellkidade para o
nao-toigas t.italinenle, em pessoasquereunam urna'pajZ) (risadas), e que o seu successor entrega a
! certa auloridade de nome (se assim me posso ex-; presidencia e o lugar de chefe de polica daqualla
; pressar) e nao era pessoas, alias probas e honra- i provincia a alliados do meu nobre amico u
das, mas que como
Pelo vapor brasileiro Paran recebemos as pri- e bens
Miras informacoes, que pedimos ao Exm. director, insliluicao
da Faculdade do Medicina do Rio de Janeiro, data-1 tao da
das de 17 deste mez, e dellas extrabimos o se- insciencia -v.....***** ...,...v _.
RUjnle pelo menos a inulilidade da instituRto ; estado a
O subdito hespanhol Epiphanio Astudillo y que esta magisiratura, nica iotoiramente popular
Bussaras mo possue diploma de doulor em medi-
cina pela Faculdade do Bio de Janeiro ; mas sim
urna apostilla do titulo que apresentou c que se diz
de bacharel em medicina pela Faculdade de Ma-
drid.
E o que diro vista disto o inspector da saMfl
publica, que cerlilicou que o referido Astudillo e
Bussains tmbaseu diploma de doutor em medicina
pela Faculdade do Bio de Janeiro-e o Sr.Gamillo
de Andradc, vico-consol de Hespanha nesta provin-
cia, que em rommunicaco ofBcial, dirigida ao Exm.
entre nos seaclia infelizmente reduzida -, menos
para interesses eleiloraes, verdade : razio por
que talvez melhor fura allivia-la das interferencias
eleiloraes, c restabelecla em sua exclusiva ndo-
le de conciliadora, julgadora das pequeas deman-
das e policial em um circulo anlogo e pequeo :
idea esta que precisara um completo desenvol vi-
niente que ora nao nos possvel.
Muitas sao as pessoas conhecidamente habilita-
das para bem servrem o honroso e importante car-
go de juiz de paz nesta cidade do Recifr, capital
que fra um erro, uma injustie, uma. bem sensi
vel ingralido mesmo o esquecerraus o nome do
nosso comprovinciano o Sr. commenador Antonio
Joaquim de Mello.
Por estes duplicados motivos, pois, senhores re-
dactores, eu Ihes rogo o favor da publicaco des-
tas poucas linhas singelas, coto o que muito obri-
gara- ao seu venerador e servo,
Va votante.
provocar scenas iguaes do da 30, se o go- Xa de Luiz Antonio V.e.ra. gerente da casa com-
ieran prestando a alteiicao. que parece nao haver ini,rcia| de Viuva Manoel Goncalves da blha,
nresldo nao lancar suas visias sobre osprocedi- \ pedindo por certidao se effectivamente I
'. -i* j_:.^..nn (ki.i il!i_' mn iann bentos de Jos Rodrigues, que alias nao consta
que lizesse a menor diligencia por prender o Val-
passo, embora a boa vontade que Ihe tenha.
Reparticao da polica.
Extracto das partes do da 30 de agosto de
48H4.
Foram recolhidos casa de detencao no da 29
do correuto : ,. .
A'ordem do lllm. Sr. Dr. chefe de polica, Joa-
quim Alves de Souza, pelos crmes de morle e
roobo, viudo do termo do Bonito.
A' ordem do Dr._ delegado da capital, Jos Mon-
teiro, para correceo. .
A' erdem do subdelegado do Becife, Vieencia
Majia da Conceieao, tambem para correccao.
A'ordem do de S. Jos, Jos da Silva Santo-,
por tentativa de rouho.
A' ordem do da Capunga, Eliziano Jos do .Xas-
cimento, e Januario Uartins Julio, ambos sem de-
claraco do motivo.
\' ordem do de Muriboca, Manoel Soares de
Anota P averi'.'uacoes em crime de morte ; o
Herculano, escravo' de Luiz Correa. por fgido, e
nara avericuacoes em crime de morte.
v O chefe da 2" scelo
J. G. de Mesquita.

te - 1 * Feminino. 1 : i
2 . l 1 m 1 Mase ulin | tfl o m 00 S
. A 3 Feminino. 1
3 1 1 1 - TOTAL. 1 .Mil
ADVERTEXCIA.
Xa lolalidade dos doentes existem 130, sendo
72 homens e 58 mullieres.
Foram visitadas as enfermaras estes dias :
Pelo Dr. Ramos s 7, 6 3|4, 6 3|4. ( 3|4, 6 8|4
5, 6 3|4.
Pelo Dr. Sarment s 8 1|2. 9. 8 3|4, 8 3|fe,
73|4,8 3|4,8 1|2.
Fallereram :
Sotero Caio de Medeiros ; ascite dependente d'e-
patite.
Antonio; entorile chronica.
Theodora Maria daConceigo; syphile primitiva.
Thereza derayghgia.
Movimenio dacasa de detengo do dia 29 de
agosto de 1864 :
Existiam.......
Enlraram......
Sahiram.......
Ihhla a carta de registro do brigue Algrete, e deg-
enerado da responsabilidade que tinha o antigo
proprietario :tComo requer.
Xada mais holive.
SESSO JUDICIARaIiM 29 DE AGOSTO
DE 1864.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. DESEMBARGADOR
A. F. PERETT1.
Secretario, Julio Guimnraes. .
As 11X horas da manha, o Sr. presidente abri
a sessao, estaudo reunidos os Srs. desembargadores
Res e Silva, Silva Guimaraes e Accioli, eossre.
deputados Rogo, Lemos, Rosa e C. Alcoforado, e os
Srs. deputados supplentes Castro e Bastos.
Lda, foi approvada a acta da sessao antece-
dente.
Assignaram se os accordos proferidos na ultima
sessao entre partes :
Appellante, o vlsconde de Suassunn ; appeliados,
Patn Xash & C. ...
Appellante, Vicente Alvos Machado ; appellado,
Jos Baptisia da Ponseea Jnior.
Appellante, Jos Moreira da Silva \ appellado,
Joaquim da Silva Lopes.
JCLCAMENTOS.
Appellantes, Prente Vanna & C.; appeliados,
os curadores scaes da massa fallida de Joaquim
Jos Silveira.
Foi conlirmada a senlenca appellada.
Appellame, Luiz Autonio Goucalves Ferreira \
appeliados, Fraga & Cabral.
Desprezaram-se os embargos.
Reurando-se o Sr. denotado supplente Antonio
Jos de Castro eniron em julgamento os embargos
que pendem da appellacao em que sao :
Appellante, Jos Rodrigues Ferreira ; appellado,
Amonio Jos de Gistro.
Desprezaram-se os embargos.
Appellanles, Ouimares & Oliveira ; appeliados,
0 presidente e directores da Caixa Filial do Banco,
ilo Brasil nesta Cidade.
Beceberam-se os embargos com o voto do hxm..
Sr. presidente. .
Appellante, Jos Fortnnatodos Santos Porto; ap-
pellado. Joo da Silva Fama.
Adiado a requerimento do Sr. deputdo Rosa.
Appellante, Francisco Antonio de Brito i appel-
iados, Bocha, Miranda, Filhos & C.
Foi conlirmada a senlenca appellada.
Apiiellante, o embargante terceno Manoel aa
Silva Lopes ; appellado, Joao do Couto Alves da
Silva. c
Adiou-se o ulgamenlo a requerimento do &r.
1 Reg.
O Sr. desembargador Silva Guimaraes apresen-
tou em mesa o feito que Ihe passoo o Sr. desem-
bargador Reis e Silva na ultima sessao, no qual ja
tinha jurado suspeico, solicitando as necessarias
providencias para o andamento legal da appellacao
entre parles : Appellantes, os curadores flseaes da
massa fallida de Aniorim, Fragoso. Sanios & C. ;
1 appeliados, Costa & Filhos, por seu procurador :
I e o Exm. Sr. presidente offlciou ao Exm. Sr. con-
I selheiro presidente do tribunal da relaco requisi-
! tando juiz.
DESIGNACO DE DIA.
Appellante, Jos Baptista da Fonseca Jnior
appeliados, os curadores liscaes
de Amorim, Fragoso, Santos & C.
Primciro da til.
da massa fallida
349 presos.
8 >
6 >
A saber
Exislera.......
Xacionaes.....
Estrangeiros...
Mulbrres......
Eslrangeira....
Escravos......
Escravas......
351
291
12 >
4
1 >
39
4 >
331

.
appellada,
.

Alimentados eusta dos eofres provineiaes 144
__ Passageiros do vapor francez Extremoure,
vindo dos porlos do sul :
Bosa Bodrigues de Metieses, Ignacio de Barros
Barrete, Joao Cardoso de Meneaas Souza, Amaro
Carneiro Bezerra Cavalcauli, Joaquim Jos de San-
ta Anna, Joaquim Albino de Gusmto.
Glicerio Augusto Pereira.
Seguem para a Europa :
Maria Beruel e 1 filho menor, Delouche, Her-
mann Reuiig, Joaquim G Dourado, A. F Damon,
sua siMihora, 1 lillia e 2 sobrinhas, Manoel Dias da
Silva Santos, Jos Joaquim Seve, Antonio Louren-
co Teixeira Marques, Uidro Kigueiredo, GoUfrere
Burenn. ______
Passageiros qtfe Sejfnem rto vpr Paran
para os portes do nlrte-:
William Dulcale, Vieeoee de Antonio Zaddee
Federigo Joan G. Balt l'ieri, cabo de esqddr Jos
la Sitra, Persbc fmTsson, Joanna F. da Cruz e 1
lilho, Carm.-lli (iu-eppe,flfiort C-iB#ppV, L-ando
Giuseppe, Lozinio Nicolao, Jos" Diniz. Jos Pereira
Jacinmo Jnior. Madoel Jos* GncarVes, Augusto
PASSAGENS.
Appellante, Manoel Bibeiro Bastos
D. Theodora Mara Quitera e outros.
Appellantes, os administradores da massa fallida
de Bastos k Lemos 5 appeliados, Campiano & Cor-
Do Sr. desembargador Res e Silva ao Sr. desem-
bargador Silva Guimaraes.
Appellante, Joaquim Jos dos Santos Andrade ;
appellado, Antonio da Silva Pontos Guimaraes.
Do Sr. desembargador Accioli ao Sr. desembar-
gador Beis e Silva.
DISTRIUUIQOES.
Appellantes, Valle Pono 1 C.; appeliados, os
administradores da massa fallida de Joaquim Jos
Silveira.
Ao Sr. desembargador Beis e Silva
Aggravo de instrumento interposto do juixo muni-
cipal e do commercio da villa do Ipojuca.
Aggravante, Sil vino Guilherme de Barros ; ag-
gravado, Francisco Antonio de. Oliveira.
O Exm. Sr. presidente jurou suspeicao, e orde-
Bou que fosse apresentado o aggravo a quera com-
etir a decis.
Aggravos interpostos do juizo especial ao
commercio.
Aggravante, Pedro Cavalcanti de Albuqnerque
Uchoa 5 agzravado, Joaquim Elviro Alves da
Sirva.
O Exm. Sr. presidente deu provmento em parte
e em parte nao.
Aggravante, D. Maria Magdalena de Almeida
Caianho 5 aggravada, D. Amia Josepba Pereira dos
Sanios.
O Exm. Sr. presidente negon provimenlo.
Aggravo de instrumento Interposto do jnlzo muni-
cipal e o commercio ta cidade da Victoria.
Agaravante,, o advogado capllao Jos Sevenno
Cavalcanti de Albuquerque ; aggravado, Tneotonio
Flix de Mello.
O Exm. Sr. presidente den provmento.
Nada mais ihouve, e encerrou-se a sessao s 2,
*asda tardeJ
uoras

TRIBU V*I> 9A IIELA C. AO.
SESSAO EM 30- DE AGOSTO.
I'ltKSlK.M-.lA DO EXM. SR. C0NSELHEIKO
sqiiZA.
s'fO'horasjBa manfiaa, presentes os senhores
desembargadorjes Santiago, Gitirana, Lourenco Sau-
/ago, Almeida e Albuquerque, Assis, Motla, e Do-
Sorteados os senhores desembargadores Santiago,
Motla e Assis.
Improcedente o recurso.
Appellacao cicel.
Appellante, o Dr. Joao Ferreira da Silva; appel-
lado, Joaquim Jos Alves Lima.
Julgaram a dfesfetenciai
AppellaiZes crimes.
Appellante, o juizo ; appelUdo, Joio Ignacio de
Medeiros.
A' novo jury.
Appellanles, Tobas Manoel ib Nascimento e ou-
tro ; appellada, a justiea.
Reformada a senlenca.
Appellante, Candido Alves de Barros ; appella-
da, a ju.-iica.
Nullo o processo.
DILIGENCIAS C1VEIS.
Com vista ao Exm. Sr. desembargador procura-
dor da corea
As appellaooes citis.
Appellante, a viuva de Joo Vieira da Cunba ;
appellada, a fazenda.
Appellante, Trislao Antones de Alencar : appel-
lada, a fazenda.
DESIGNACO DE DIA.
Assignou-se dia para julgamento dos seguintes
feitod :
Appeaces civeis.
Appellante, a marquesa do Recito : appellado,
Joo Carlos Paes Brrelo.
Appellante, Francisco Xavier da Cunha ; appel-
lado, Joo Damasceno Gomes.
Appellante, Jos Luiz de Andrade Lima j appel-
lado, Gabriel Antonio de Castro Quintaes.
As appellaeSe$ ermus.
Appellante, o juizo ; appellado, Antonio Louren-
co d Lemos.
Appellante, o promotor appellado, o tenentc-
coronel Joo Baptista Accioli.
Appellante, Antonio Xixi Cogorainbo 5 appella-
da, a j ustica. .
Appellante, o juizo ; appellado, Jos Antonio
Alves Macambira.
A revista cicel.
Becorrenle, Manoel Marlins de Coulo Beis ; re-
corrido, o collector das rendas gt-raes de Piauhy.
PASSAGENS
O Sr. desembargador Caetano Santiago passou
ao Sr. desembargador Gitirana
As appeUwes ctveis.
Appellante, a fazenda ;" appellado, Antonio Joa-
quim de Oliveira Baduera.
Appellante, Jos Ignacio de Mello; appella-
do, Alexandrino Marlins Correa de Barros.
Appellante, a fazenda ; appellada, Anna el-
flna Paes Brrelo.
Appellante, r. Francisco de Paula Baptista ap-
pellada, D. Anna Maria das Dores.
O Sr. desembargador Gitirana passou ao sr.
desembargador Lourenco Santiago
As appellacdes civets.
Appellante, a tonda ; appellado, Pedro Ale-
xandrino de Barros Cavalcanti.
Appellante, Jos Bibeiro Lima ; appellade, Ma-
noel Soares do Xascimento.
Da de apparecer. .
Appellado, Adriano t Castro ; appellante, Clins-
tovfw de Hollanda Cavalcanti.
A appellwao crime. '
Appellante, o promotor ; appellado, Joao Flix
de Souza.
Do Sr. desembargador Almeida e Albuquerque ao
desembargador Assis
As appellacoes citis.
Appellanles, Roslrou Roker & C.; appellada, a
fazenda. .
Appellante, Vicente Ferreira da Costa Miranda ,
appellado, Hermenegildo Eduardo do Reg Mon-
0 Sr. desembargador Assis passou ao Sr. desem-
bargador Molla
As appellacoes citis.
Appellante, Francisco Silverio Torres de Vas-
concelos ; appellado, Jacintho Pereira de Mallos.
Appellauto, Jos Ignacio de Brito; appellada, l>.
Joanna Evangelista de Mello.
Do Sr. desembargador Motta ao Sr. desembar-
gador Uchoa Cavalcanti
A appellacao civel.
Appellante, Manoel Monleiro de Macedo ; appel-
iados, Borges 4 Mello
Appellante, Jos Antonio Gomes Guimaraes; ap-
pellada, a fazenda.
Appellante, Antonio Viriato de Medeiros Jnior ,
appellada, D. Rosa Maria de Albuquerque.
Do Sr. desembargador Lourenco Santiago ao sr.
desembargador Almeida e Albuquerque
A appeliago crime.
Appellante, o juizo ; appellado, Sergio Manoel
de Nascimenlo.
A appellacao eivel.
Appellantes, a paida Mana e seus fllhos i appel-
lado, Joo Antonio do Espirito Santo.
Ao Sr. desembargador Molta
A tipiH'llacCw civel.
Appellant, Adriano Xavier Pereira deBrilo;
appellada, a fazenda.
DiSTRlBUICOBS.
Ao Sr. desembargador Caetano Santiago
A appellacao crime.
Appellante, Antouio Goncalves da Silva ; appel-
lado, Francisco Jos Fernandes.
Ao Sr. desembargador Gitirana
A appedanao crime.
Appellante, Jeronymo b rancisco de Souza : ap-
pellado, o juizo.
Ao Sr. (leseratergador Lourenco Santiago
A appellacao crime.
Appellante, o juizo; appellado, Manoel LopeBde
Araujo.
O uagravo de peUcuo.
Aggravante, D. Joanna Maria das Dores; legra-
do, o joizo.
Ao Sr. desembargador Almeida e Albuquerque
A appellacao crime.
Aopellante, Damio Lourenco de Medeiros ; ap-
poUado, juizo.
O aggravo de peltcio.
Aggravante, Joaquim Coelbo de Almeida; ag-
gravado, o juizo.
Ao Sr. desembargador Assis
.1 appellacao erme. ru"
Appeilaoie, o juizo; appeilado, Gregorio) es-
cravo.
O aggrato i* pe\ica&.
Aggravante, D. Joanna Bonifacio Pires Ferreira';
aggravado, o.juizo.
f
precisamos disto,
cmara que se
acha profundamente falseado o nosso systema.
(Apoiados.)
Uma Voz : E' innegavel.
i O Sr. Silveira Lobo : E' visto que ha vicio
radical, que cumpre aos verdadeiros amigos do
systema representativo e do paiz examinar, conhe-
Cer e extirpar.
Uma Voz :Isto que a verdade I
O Sr. Urbano : Hei de mostrar amplamento
que nao ha eleicfo no Brasil,
Eleicao em 7 de setembro.
Temos de nesse dia depositar livremente quatro
nonies na urna para juizes de paz da freguezia de
S. Jos, e i; de mister que esees suffragms reca-
ham et homens inteligentes e eircumspectos que
bem possam desempernar as respectivas funecoes
com o criterio necessario, por isto apresentamos
aos nossos briosos parechianos da fregn^zia de S.
Jos os seguintes senhores :
I." Aprigio Jos da Silva.
2." Manoel Antonio Bibeiro.
3. Antonio Carlos Pereira de Burgos Ponce de
Len.
4. Joo- Pacheco Alves.
Um votante de S. Jos.
Jk freguezla de Sao lourenco 4a
Matt*.
Muito de proposito temo interrompido a exposi-
cao dos factos arbitrarios, qire naquella freguezia
tem praticado os agentes do governo. Com esta
ahstenco quizemos provar qoe-no tinbamos em
mente irritar os espirites, nem provocar as iras da
administraco.
Entretanto, o nosso silencio bem longe de apla-
car a furia do dos caricato, que tomou a peito ful-
minar as legitimas influencias daquella localidade.
o tem pelo contrario excitado a novos procedimen-
tos, cada qual mais escandaloso, e reprehensivel I
Pondo de parte nwitaeoutras oceorrenclas, que re-
velara o damnado emprnho do conflagrar aquella
pacifica freguezia, julgamos bastante referir ao pu-
blico o fado inqualificavel, que acaba.de prabear
aii o subdelegado Albuquerque, alteres de polica :
Ha tres dias mandou notificar os moradores de
diversos engenhos de membros do partido cnnsii-
tucitraal, para coraparecerem em sua presenta:
acodindo a lo estranha notiticacao, euviram os ei-
dados notificados o seuinte :
Mandoi-os notificar, para Ibes declarar, que no
i dia 7 de selembro se vai proceder a eleicao :
. curapre que todos comparecam para votarem na
chapa do lenento-corooel Luiz Francisco, derla
t rando desde j que todo aquelle que se nao apre-
sentar, ser punido cora 30 dias de priso, e os
que comparecerem, e nao votarem na dita cha-
t pa, serio presos, e remettidos para o sul como
peer tas, sejam casados, ou solteiros.
llavera quein possa acreditar nesse destacamen-
to de ura agente da autoridade T Kois declaramos,
alto o boa som, que o faci verdadeirissimo !
E parou nisto o impvido subdelegado ao :
no dia seguinle, mandou ao engenho Cxinslanlino,
de que proprietario o Sr. lente Bomardino de
Miranda, uma torca de polica, que Ihe prendeu
quatro moradores qualilicados, soldados fardados
da guarda nacional, por que deixaram de compa-
recer notiticacao, e consta que vo ser enviados
para o exeicito !
Ora : perguniaremos : um governo que assim:
procede nao digno da execrago publica? Nao
conipiehende o Sr. Domingos de Souza Leo e al-
canee desees actos arbitrarios, queauguram scenas
ensanguentadas naquella freguezia, onde S. Excv
surdo voz do sangue, e dos lacos de familia, que
o prendem pessoas, que devia respeitar, e esti-
mar, tem accendido o facho da discordia, com o
nico, e miseravel lim de tomar urna vinganca con-
tra o Sr. visconde de Camaragibe 1 Pois nao sao*
o Sr. Domingos de Souza, que seu cunhado o tenen-
te-coronel Luiz Francisco se acha de guerra aberta
com toda a populaco daquella freguezia, qae Iho
repelle a tutela, e que s por raeioda violencia mas
caprichosa poder conseguir o iriumpho eleitoral t
Nao sabe S. Exc. que outro cunhado seu o Sr. ca-
pito Jos Francisco, unido aos de mais proprieta-
rios daquella mesma freguezia rene em torno de
si a quasi tolalidade dos votantes? Xo sabe fi-
nalmente S. Exc. que uma populaco assim com-
pacta, e unida no senlimenio de seus deveres, e di-
reitos polticos custa a resignar-se a ser suITocada
pela torca bruta do governo ?
Realmente excede a toda a expectaco o proceder
caprichoso, ceg, e inqualiticavel que o Sr. presi-
dente da provincia tem tido em relaco a freguezia
de S. Lourenco! Xo satisfeilo de faze-la retamar
pela assembla provincial, e de collocar na dele-
gara de polica um seu irmo, mandou anda um
subdelegado ad lioc para conunetler os desatinos,
que licam denunciados, e outros mu i tos que pro-
raelte principalmente pelo que respeila ao Sr. capi-
to Jos Francisco de Barros Bego, contra quem se
projectam mil afrontas, e ultrajes'
Seknsiicht. (')
Man ca-ur, mon cujur, que.
veux-lu done? Qu' est-ce
qui i'oppresseainsi?
GOETHE.
De Urde, as vet, quando o sol se occulla
Com franjas d'ouro no purpureo leito.
Si uto em nunli' alma que um desejo vago
Bem docemente me comprime o peito.
De tarde, s vezes, quando a patativa
Trina saudosa em laranjal florido,
Ardor suave se lu'infiltra n'alma
E suspira meu peito enternecido.
De tarde, s vezes, quando a leve brisa
Erra nos prados oscilando as flores,
Sinto que aereas mnias vozes dizem
Xos meus onvldos a palavraamores.
De tarde, anda, quando nuvens negras
Do cu nao manchara o azulado veo,
Mmh' alma cheia de languorinslito
SoluQa e geme contemplando o cu.
De tarde, sempre, quando eu ouco triste
Xos campanarios o tocar dos sinos,
Mmh' alma terna a suspirar desmaia,
Se eleva ao Creador em doces hy urnas.
H. de Aiencatlro Autran.
OMMEBCIO.
l.\l\\ FiiiAL
DO
BAXCf* nO BRASIL
EM PERNAMBUCO.
A directora desta caixa, em virtude de orden-/
da directora do Banco do Brasil, avisa aos Srs.
accionistas que o respectivo thesoureiro esta autoj.
risado a pagar o diridendo das acQoes da raeema
caixa do semestre lindo era 30 de junho prximo
Bpsado, na razo de 8S5W por acro.
Recife 14 de julho de 1864No impedimento do
secretario, Ignacio Nones Correia.
Alfaadega
Rendimento do dia 1 a 29.......
dem do dia 30................
698:523*161
13:216*409
711:739*370-
Hovimenlo da alfandeea
Volnmes entrados com faiendas...
c com. gneros...
Volumessabidos com fazendas...
t c com gneros...
223
102
-----325-
183
310
----- 493
rilulas >elacs asaucaradas de Kemp.
Qualquur uma pessoa irae se snla atacada da
bilis etc., que faca uso destas admiraveis pilulas,
por esle meio lera tomado a melhor das precaugoes
contra todas as molestias epidmicas. Uma s dse
pode salvar uma pessoa da febre ainarella, do cho-
lera ou das febres intermitentes beltosas.
Produzcm um elfeilo verdadeirameiite mara-
vilhoso em todos os desarraojos do ligado e do
ventre.
Ellas secempoem exclusivamente de substancias
vegetees e ser uma medicina fortificante que nunca
debilita, podum por isso ser administrada, com a
mesma seguranca tanto ascreancas asmis lenras
como aos homens mais robustos. Sao as nicas
pilulas desia natureza que se acham acondiciona-
das em frasqumhos de crystal e sao napreciaves
como o melbor dos remedias, para, as pessoas de
ambos os sexos seja qnal for a sua idade. Bocn-
Irar-se-ho em todas as lojas de drogas e as boticas
de Bravo & C. e de Barbosa Caors.
Sob o ferrunho imperio da excluso e intoleran-
cia de uma poltica que foi inaugurada no paiz,
sem ideas que a caracterisem e dirigida polo perso-
nalismo de que se iuspram os seus directores, sur-
gein vozes eloqueutes e conscienciosas a que pre-
ciso prestar attenco, porque sao como santelmos
da verdade que roinpem a cerraco dos espirites e
illumiuam as trevas da atmosphera poltica que
nos circumda.
Xe-te presupposto chamamos a attenco publica
para a seguinle passagem de um discurso do Sr.
Ur. Silveira Lobo na cmara dos deputados com re-
laco ao actual estado da provincia de Peruam-
buco :
O Sk. Silveira Lobo: Se se rauda uma poltica os
adversarios delta esiremecem,apavoram-se (apoia-
dos), e com rano. Xinguein se julga seguro : o
inereciineuto nao respeiiado, o direiio nao ga-
rantido ; nii'.guem sabe, todos receain o que virao
fezer os novos agentes da nova poltica. (Apoiados.)
A lei nada bem como os principios conbecdos e
fixos ; a coveniencia que vejo, e coveniencia tem
,.,-.... .ni., cu n"i,i >,i,iii.in iii-i-VHi- D'abi o so-
escarregam no dia 31 de agosto.
Barca francezaJctm Baptst-raareadonas.
Barca inulezaCoarwldiversos gneros.
Barca mgleza Facourde-r.rvo de pedra.
Brigue inglezZegriraercadorias.
Brigue porluguezCons(/e//- di versos gneros.
Encuna dinamar.juezaMyalmfarinha de trigo.
Polaca hespanbola Vtrgem del Carmocarne de
charque.
Barca americaa Tempest tabeado.
Hccebedoi'la de readas Internas
geraes de Pemambnco.
Rendimento do dia i a 29........ 33:8705:>7
dem do da 30................. a/0*b4U
34:441*197
Rendiraenio
dem do dia
Consulado provincial.
30.
34:606*979
MQTOSiVTQ 50 POBTO.
Navios entrados no dia 30.
Rio de Janeiro c Baha-6 dias, vapor francez Ex-
tremadme, de 1,267 toneladas, commandante
Hyppolte Enout, equipagem lio, carga dilleren-
tes gneros.
HamburgoM dias, escuna dlnamarqueza Levan-
te, de 106 toneladas, capitao H. Bhermann.
eqnipagem 7. carga fazeudas e outros gneros ;
Theodoro Chrisliansen.
Bahia-(crutando) 12 das, brigue barca de cuerra
tttmarac, commandante o capilao-tenente Ac-
cioli.
Navios sahidos no mesmo ata
Para e portes intermediosVapor nacional Para-
,commandante o capilo de fragata Santa Bar-
bara. .
Ro-Grande do Sul-Escuna nacional Jorgeana,
capitao Antonio Goncalves Torres, carga dife-
rentes gneros.
ojeciam mu auroiuas, e uuiajesi rUlto aun u, nao i ..tem urever D'abi o so- rentes gneros.
Ms^:^90u^ai^,*4^UifB^s\y^^ UaST? *ShT5mlquw Liverpool'-Brigue inglez Neta, capitn J. Jen
n,u....-.c n vnlanoac OOan ilKimstOS nao Ceder : ur"dlw WTI 'I1"- ,-au-, ." m-icu i i r .ttmAn a MltHM OOntMSL
as ameacas, e violencias, eslo disposlos nao ceder
de seus direitos de eidados ; esto bem firmissi-
mos em se portar com teda a moderaco, e regu-
laridade. Se tudo isso for inefflcaz pente os
agentes do Sr. Domingos de Souza Leo, S. Exc.
ser o responsavel ante o paiz, e o imperador por
todo o acontecimento lamentavel que se der na fre-
guezia de Sao Lourenco daMatta,
O indignado.
CORRESPONDENCIAS.
Srs. redactores.Leudo no Diario de Pernambu-
co de 25 do corrente, uma correspondencia assig-
nadapelo matulo do Arraialna qual narra ofur-
to praticado pelo meu escravo Francisco em um
pouco de miro ; dizendo que o subdelegado desla
freguezia o lllm. Sr. tenente-coronel Joo Paulo
Ferreira nao se deu ao trabalho de averiguar o fac-
to, venho por tanto narrar o que se deu a respeilo
do furto.
O moleque fez o furto no dia de domingo ; e na
segunda-feira veio para o Rerife, e foi offerecer
parte do furto ao Sr. Jos Joaquim da Costa, mora-
dor na ra de Santa Thereza, e este senhor con-
-' delegado de Santo Antonio Severiano Jos de
Moura; este mandou-o recolher casa de deienc,o
e em caminho o moleque evadio-se. Chegando
minha casa foi no dia terca-feira preso ordem do
muito digno subdelegado o lllm. Sr. Joao Paulo, e
entrando o mesmo subdelegado em pesquisas pode
haver todo o furto ; encontrando parte em uma ta-
berna na Camboa do Carmo, e parte na freguezia
do Recife em outra taberna.
Ere o facto tal qual se deu ; e s s diligencias
do muito digno subdelegado se deve em apparecer
todo o furto.
Queiram senhores redactores dar publicidade a
estas linhas em abono da verdade, que muito grato
Ihe ser o sen leitor.
Poco da Panella, 30 de agosto de 1864.
Joo Ate.
~Z~ i ;
Senltores retadores.Esta se aproximando o da
modanca poltica. (Apoiados.)
f Senhores, pode e deve continuar este 'estado
de cousas ?
(Ha diversos apartes.)
O Sn. Silveira Lobo :Eu sei que sem costu-
raos nao valern as leis, mas tambera certo que
sem leis nao podem haver costuiii.s. Facamos re-
formas, facamos leis nao para continuar o actual
estado de cousas, mas para muda-lo radicalmente.
Fagamos reformas que coPoquem osgovernos abai-
xo da lei, que os obriguem a dar exentlos de bons
custumes, a crea-Ios, a edificados pelos meios que
a sciencia, a moral e a religio ensiuam. O exces-
de torca as inos dos governos serve > para tu-
do corromiier e falsear, como se tem effectivameH-
le falseado.
Queris um exemplo irrefragavel de que o sys-
tema representativo corre inteirameute falseado en-
tre nos i
Senhores, eu fui nesta casa om dos propugna-
dores pelos direitos dos procriptos daquella briosa
provincia. Eslava convencido de que nao era pos-
svel que a heroica provincia de Pernambuco fo espontneamente to exclusivista na escolha de
seus representantes como o mostrava o resultado
das suas eleigoes.que jamis favoreca a nem ums
dos seus Ilustres filhos que nao commuogasse em
poltica cora o Sr. visconde do Camaragibe.
e Eu me persuad muito sinceramente de que se
as eleicoes corressem livres all nao era possvel
que ficassera constantemente margem alguns H-
luslros Pernambucanos, para s virem sectarios do
Sr. visconde de Camaragibe.
0 Sb. Ferreira da Veiga :Multo digno e
legitimo representante.
O Sn. Figueireoo :Carcter muito nobre.
t O Su. Silveira Lobo :Dizia-se que o Sr.
visconde de Camaragibe, era um cofosso de influ-
encia inabalavel, e mulla gente acreditaba pamen-
te nisso.
Eu pela minha parte entenda, e amda enteu-
Kins, carga algodo e outros gneros.
Bordeaux e porlos intermediosVapor rrancez
Extremoure, commandante H. Enout.
EQIT1ES.
O lllm. Sr. inspector da ihcsouraria provin-
cial, cm cumprimenlo da ordem do Exm. Sr
presidente da provincia de 20 do corrente, manda
fazer publico, que vai novaraenle praca, no dia
6 de selembro viudouro, peranle a junta de fozen-
da da mesma thesourana, para ser arrematado a
quera mais dr, o imposto do uizimo do gado vac-
cum na comarca do Bonito, avahado em 2:134*000
annuaes.
A arrematante ser feita por tempo de tres an-
nos a contar do Io de julho do corrente anno 30
de junho de 1867, e de conformidade com o art 16
do regulamento de 3 de agosto de 1882.
A- pessoas que se propozerem a essa arremala-
cao, comparecam na sala das sessSeS da referida
junta no da acisna mencionado pelo meio dia,
competentemente habilitadas.
E para constar se mandou publicar o presente
peto jornal.
Secretoria da thesouraria provincial de Pernam-
buco, 22 de agosto de 1864.
O secretario,
A. F. d'Annunciacao.
O lllm. Sr. inspector da UtesourariAprovi.
cial, cm cumplimento da ordem do Exm. Sr. pre-
sidente da provincia, doj *f do.cowmti manda
fazer publico, que vai novaraenle a praca, no dia 6
de selembro vindouro, peranto a juma da fazeuda
da mesma thesouraria, para ser anremateda a quen
mais dr, o imposto de 2*60 do ga vaceum
consumido no municipio de Iguarassu, avahado an-
nualmente em 4:612*000.
A arremaiaco sera fetta por tempe d* un anno
contar do 1 de ountbro do corrente
do," que grande sorama de influencia legtima o Sr. *9|lo,*3o de junho de 1866
As pessoas que se propozerem a essa arremata-
do nascimenlo poltico do povo brasileiro o dia 7
de selembro, anniversario da nossa independencia.
E quem deixa de festejar o dia dos seus annos ?
Quem deixa no seo fausto anniversano natalicio
do reunir seos amigos em familia, de espalhar flo-
res, e entre-gentae9:nymns sagrar-lhe ura postra,
um brinda mais ampio, e especial, do que os cor-
riqueiros e habiluaes ? S quem absolutamente o vago e lnguido, uma radisivel
nao pode, em meio da elegante sociedade, e paz se- recusa explicr-se distinctamente.
vscende de Camaragibe tinha e lera em sua pro-
vincia, embora nao tanta que pndesse chegar para
fazer todos o deputados teico dos seus de-
sejo*,'
< Voees : Nao tem nenhuina.
i Outras : Muita, umita.
t O Sn Silveira Lodo :Estou fallando com o
coracao, com a conseienca nos labios (pacam I
oucara I); estoo tallando a haguagem d minha
convicco, da minia persuaso, tal vel errnea, po-
) Palavra alleraa que quer dizer ura ardor
' aspiracO; '
AS Beu*> i" r-ti;--------------------:
cao comparecam na sala dassesses da reenda
tenia, no da cima mencionado pelo metadla,
competentemente habilitadas.
E para constar se manden publicar o presente
pelo jornal. t _
Secreteria da thesoiifaru provincia* de Pernam-
buco, 22 de agosto de 1864.
O secretario,
A, F. 'Anmwtcicao.
O lllm. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial, era cumprintentod* ordem. dofiua. Sr. ro-
que i sideute la provincia de 30 de junho ultimo, manda,
fazer publico, que no da 13 de outubro vindouro,
i



> i
*UH1lr-1
- 'l '
mid


I
'W'IIH^IW ''
-r
Piarte 4c #-er
Imm 4fcu*fta felra ai le A.Mo aW l*i4.
.
parante jar* a fazMd Ja Mima Aeuunris
bfhi #e*rrematar ndela per menos fier, cons-
trueco de 69 bracas de cites de cada Jaty do ea-
lh1 fla ruada Aurora, avahado cm 15:9143008.
A .trremtrtaco sfa telta na rortna da lei pro-
vincial n. 343 de *S de maio de 1854, e sob as
lausnlas esperiaes swSxo'declaradas:
As pessoas que. se propozerem a essa arremata-
do comparecani-nn 'sala das sesses da referida
junta no da cima mencionado pelo meio dia, e
competentemente habilitadas.
.... E para constarse mandn pnHicar o presente
pilo jornal.
Secretaria da tltesooraria provincial de Pernam-
bnco, de jolho de 18*4.
Oneatmrio
Antonio Ferreira da Ammacao.
CLMJSIXAS ESPKCIAKS PABA A ABRRM.VrAC.Afi.
i* A obra do caes a margem do canal 4a ra da
Aurora, ser e ventada de con for mdade com o or-
namente e planta respectiva apreseiitados pela di-
rectora das obras publicas na importancia de
5:*l.
i* Oempn-iteiro dar exeeocne aos trabalhos no
trazo de i dias, e os terminar nos de 60 das,
contadas na (orina da lei.
3* 6 pagamento sera effeetaado em prestacoes
mensaes, de valor correspondente ao trabalho exe-
ntado, rn ** mee, deduzmdo-se nm dcimo,
que ser iflregje seis mezesdepeis da concluso
da obra.
4* i i emprekeiro nao peder -sob qualquer pre-
fecto exigir indemrosacao e-lguma qo nao seja
(andada ao a085e de tnrtmlho previsto no orca-
Btento.
S* 0 empreiteiro a ecocia? das trabalhos ob-
servarais ppeseTipcdes dadas neto eitfenhetro fis-
cal da obra.
6* Para ludo quanlo km* e aohar aqu disposto,
observar-se-ha. o que dinpfie a le m. 186.
i'..informe.Antonio Ferreira da Annunotaca.
Parara* ob lita. Sr. Inspector da alfan-
dega se faz publico que no dia 2 do jhuxhbo mez
de setembro-ao meio da pcrt "desta reparticao
serao arrematadas em hasta publica 500 caixas
cora arenques fumados no valor de 25D3 rs., aban-
donadas pelea directos por H. Feyen, espitar, e do-
no d*^1ei^tonwerato-Edito; vmda ds Mha de
Maio. A awwnatacaa livre matante Cuarta seGco da-alfandega duPernam-
buco, 30do agorfo de 18S4. -O 2" escripturario,
Caetano Gomes de Si.
ftWplQKog liodngties de Anrade.
FMncfcc de MiHo Brrelo.
Dr. eaquim Francisco d Mello Cavalcaali.
Joaquitn Jos lUymundo.
.loaquim Leopokttnu BarauMaciel.
Jlo Nepomuceno A. Maciel (i).
l)r. Jos dos Anjis Vieira de Amorim.
Jt> Joaquim I'ayniuiidu.
Jos Neiugoestuez.
D. Margarida Candida deJAIbuquerque Mello.
aJmef LuiZ Coellio de AJmeida.
f>r. Marcos Tutlo dos Rei Lima.
Coronel Manoel Xavier raes Brrelo.
Seraphim Atoes da Rocha'Bastos.
AIS0S MUTIM0S7
. *
COMPANHIA BKASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR.
D* prtos de norte esperado
at o oa SI do correte o vapor
Piincocu de iuinvilte, com man-
dante o primeiro tejiente Araujo
o qual depois da demora do eos
turne seguir para o.- portes do sal.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
I carga que o vapor poder conaorir, a qual de ver
I ser embarcada no dia de sua rhegada: encom-
mendas e ttfnbeiro a frete al o dia da sabida as 1
oras, agencia ra da Cruz n. 1, escriptorio de
Antonio Laiz de Oliveira Azevedo & C.
I TVIS'O.
O vapor nacional Princesa qae do norte espe-
rado no dia 31 ou Io de setembro. segu para o
Rio de Janeiro no mesmo dia de sua ebegada.
COMPANHIA PER^ffiCANA
DE
Mavega^io costelra a vapor.
Hha dr Fernando de Norenha.
No dia 14 de setembro seguir
aa meio dia, um dos vapores da
Goropanhia para o presioio de
Fernando de Noronha, para onde
'recebe carga at o dia 13. Encom-
mendas, passageiros e dinbeiro a frete at s 10
horas do dia da sabida : escriptorio no Forte do
Mattos n. 1.
SeUa-feira 2 de Beleiubrt, ais H horas
na 4a f a eia n 53
iw
lua c.isa terrea n. 9 sita ma da ma-
Iriz da Bm-Vista, chao fereffo a c-
mara ie Olinda e paga 646 rs por
auuo,
KIXERIO
vender naqneile dia por antorisarao, cola e or-
den 4e quem pertenoer a easa terrea sita no oMo
; da matriz da Boa-Vista b. 0, tundo I janellas
porta coro 31 palmos de frente, 2 salas, 4 qnaros,
sotan, copiar rosinha fra, madeira de qualida-
de, fundo regula 75 80 palmos, alm de grande
quintal murado : sao convidados os pretendeates
ao previo same, pechincha.
a
PKIMKIIUS

LEILAO
54 accoes da cpnhia VigiLirte.
Sabla O agente Pinto far leiiio per C4nu> de -diversas
de 54 accoes da companhia Vigilante era dous la-
tes sendo o primeiro de 12 accoes a o segundo la
42 ditas, As 11 horas do dia cima dito era san
escriptorio, ra da Cruz n. 38.
I Instituto Archeologico e Oeo-
grapliico Peraambuoano.
llavera sesso ordinaria quiota-feira t.
de setombro prximo futuro, s 11 horas
da manilla.
Secretaria do Instituto 20 de agosto de
1864.
J. Soares d'Azevedo,
Secretario perpetuo.
.letras eltagna fi-naecza.
arfa Barfholeza da Conccigo licenciada pelo
lllm. Sr. Dr. director da inslruc(o publica, tem
destinado abrir sua aula patticular de primeiras
letras, etr., assira -eonio bngua franeexa, no Io de
temor prximo futuro; por isso rojp'ansse-,
nbores pas de, Uuiu atieiram honrar, conflan-
do- he suas meniMs-, afhtncando-lhes a lioa letra;
e far todos os esforcos pare que ellas obtenham
em pouoo tanpo e lMe|ad aperfeieeameato ; as-
sim como far tod o possivol para que 4las per-
cam qiialquer vicie patrio que eossam fer : de-
froMtejla^matriz da Bea-Vteta n 84. .. -
Precisa-se Tallar ao Sr. Antonio Jos
Trisen-a de-Menrlrmca fletera: nesta typo-
graphia, ou na livraria ns. 6 e 8 da praca da
Independencia._______________________
O Sr. Sba-to Jos'Peixoto, tem urna
carta CheruLiao di I'ietro Bandiere, suliditftitalia-
no, Tetira-se para lora da .provincia.__________
Ama
Precsa-.e ae orna ama que tenha bom hTrte : a
tratar na raa Direfta n. 1. _______:
Precisa-se de um caixeiro que tenha pratiea
de padria : aa ra da Senzala Velha iw 84-
Amsala publica 4o sexo fe me Bino, na Ca"
punga, principia a fnneciour ne 1 de setembro
droxiruo vindouro. A professora, Mara Salom i
de &tqueka Vareje.
O IMPORTANTE ESTABELECIMENTO
A ra rio Crespo n. 17
JOS mil VlliEAil


A cuba de reeeber de Faris
O memorsortrmento de fazendas denosto para as Exmas. senhoras, para assim
continuar meliior na>a liquidaco de faadas, para ir a Europa o mus oreve possi-
vel comprar um bello e variado sortimeoto de mercadnries.
Capas pretas o que ba de melhor em Paris, casacoes pretos, basquinas de cintura, X
pelerinas, pemses, sootembarqties, jaquetas pretas lior ladas para aeohoras, jaqueU< de
eriosde cores ricamente enfeitadas para senhoras, chapeos de pallia bem eafeitados
para atmh com barra o que lera viudo de melhor de Pars, hretanhas de linho, setenas de linho,
bramantes, madpelfies, chitas de muitos gostos.
As se 11 n has de quadros eslo se acaoaudj veade-se agora a I 200 o cavada 1 oh
tfoe (i ect lincha.
Tapetes para forrar sala, este stabeleniwwnto tem com ti palmos de largara a
24500 e covailo ; aproveilem antas que se aeabem.

Protejan. Protejan Eum. eahoraa
E o publico en gerJ a importante liquidara* de fazendas
A laja da raa do Crespo numero 17
BEOAUgOES.
ECLAIV.VCAO.
Declaro aopnlilico que as 17 dispensasque foram
apresentadas ao Exm. Sr. vigaTio capitular com o
uome deste substituido ao do Exm. bispo fallecido,
. da* ^oaes trata o offlcio dirigido so Exm. e
Rvm. Sr. Hiteranncio, com data de ti de junho pr-
ximo passado, e inserto no Diario de Permmbuco
o. 182, foram raspadas na chancellara da nuncia-
tura, alim dse aproveitar o despacho que j esla-
va lavrado, era ditas dispensas, quando all che-
gou a noticiado fallecimentodo Exm. bispo desta
diocese.
Ulinda. zti de agosto de 1864.
O conego Joaqiuin Ferreira dos Santos,
Secrelario do bispado.
Arrematactlo.
Pelo juizo municipal da i' vara e de residuos e
eapetfas o Dr. Francisco fle Araujo Barros, vai
praca de venda no da :t de setembro do corrate
anno, requerimento do testamenteiro e inventa-
rame dos bensda finada D. Mara Candida de Ma-
gaMan, para pagamento dos legados, sello nacio-
nal e cusas.
O sitio denominado Zongn om Apipncos, com
casa de sobrado, eo-inha. estribara e urna grande
olana de fazer lijlos f forno, grandes baixas rom
capun de planta, em chao foreiro, avahado por rs.
6:OOQ|O0O.
O sobrado de dous andares n. 3!) da ra das
Cruces de Santo Antonio, com taberna ua luja, ava-
liado por 10:0005000.
A escrava Auna, mulata, de idade de 12 annos,
avallada por 800*000.
Joo, crioulo, i anuos, por 8005l)0.
llosa, croula, i'l annos, por .*i00000.
Jos, crioulo, oO annos, dnente, por 305000.
Um palanqun) por 1005000.
Mobilia e inais movis p.irtenccntes tesma ti-
nada, constante do eseripto que se acha em poder
do porteh-o das audiencias : os pretendentes que
qUizeren examinar o sobrado encontrarao as cha-
ves do 2o andar to 1.
De ordemdi lllm. Sr. inspector da thosoura- I
ria de fazonda desta provincia se faz publico que
a mema ibesouraria em virlu le da nrdem do the-
souro ii. 113 de 13 do correte, acha-se autorisa-
da a pagara diversos credores de dividas de ejer-
cicios lindos: as pessoas interessadas deverao re-
querer esta thssouraria o pasamento de suas di-
vidas. Thesourariade fazenoa de Pernambuco em
13 de agosto de 18Gi.Servindo de. offlcial-moior,
Manoel Jos Pinto.
Couselho ad ministran vo.
O conselho administrativo para fornerimen'o do
arsenal de guerra tem de comprar os objectos se-
guint'-s :
Para a enfermara militar de Tacarat.
Urna caixa imrgiea coniendo os instrumentos
precisos para ^.nimlacao, Ibrapanaco, e para ceu-
these, 1 estojo porttil de pequea cirurgia. 1 lan-
-ceteiro conteinio do 6 a 8 lacelas com cabo de
tartaruga, sendo* urna para vaccinac.o, 1 scaritica-
dor com 8 12 laminas e 2 aspiradores. Na falta
destes (i vidros para tirar ventosa-, 1 estoje com-
pleto e porttil para e.xtraccao do dentes.
ijuem quizer vender taes objectos aoresente
i sua proposta em carta fechada na secretaria do
conselho s 10 horas da m.uiliaa do da o do se-
tembro prximo vindouro.
Sala das sessdes do conselho administrativo para
fornecimento do arseual de guerra 30 de agosto de
1864.
Antonio Beata de S< Barreto,
Coronel-presidente.
Sebastian Jos Basilio Pijrrho,
Vogal secrelario.
Conse'ho de compras SaTa.es.
Contrata o conselho no dia 5 de setembro prxi-
mamente vindouro, vista de propostas entregues
e.'o carias fechadas at as 11 horas da manha, o
4'ornecimento por iros mezes at dezembro prxi-
mo vindouro dos objectos abaixo declarados para
consumo dos navios da armada e estabelecimentos
de marinha.
Objectos.
Agurdenle branca de 20 graos, assncar branco,
grosso, azeile doce de Lisboa, arroz do Maranliio,
araruta, alelria, assucar branco retinado, bacalho,
bolacha, bolachiuha americana, cal preta, da
branca, carne socca do Hio Grande, caf em grao,
carnauba em velas, carne verde, cangica ou milbo
pilado, cevadinha, cha, farinlia de mandioca da tr-
ra, feijSo, galinhas, lenha, manteiga ingleza, dita
franceza, malte, pao, sal, sabio, lijlo de alvenaria
4{rossa, toucinho de Lisboa, tapioca, viuagre de
Lisboa, velas stearinas e vinho de Lisboa.
Alem desse fornecimento contrata mais o con-
selho no mi'stno dia e por igual forma o de carvao
Je pedra durante o lempo de seis mezes, lambein
(nara consumo dos navios da armada e estabeleci-
mentos de marinha.
Sao sujeito? os contratantes multa de 10 OtO
oo caso de demora na entrega dos objectos, e de
20 0|0 se nao os fornecercm, ou forem de m qua-
idade.
Sala do conselho de compras navaes 27 de acos-
t 18C4.
Alexandre Rodrigues dos Anjos.
Secretario.
Crrelo geral.
Pela .idmiuislracSo do correio desta cidade se
az publico que em virlude da convencao postal,
celebrada pelos gvernos brasileiro e fraucez, 6f-
-: lo exiiodidas walas para a Europa no dia 30 do
urrente pelo vajwr traaOM Extremadme. As ear-
%. s sern recebida* ate icaa horas antes da que for
aunada tara a satiida do vapor, e os jornaes at
quatro binas antes.
A'liniRHitni',-!io d> feorrwn de Pernambuco 2't d
ajudn 18tii. O administrador,
Domingas dos Passos Miranda.
COaaEiO G RJL.
Kflarie das cartas setjnras rindas d snl pelo
apor francez >Eilrcmad!ir> e das existentes
na administrarle da corren desta cidade para
os senhores abaixo declaradas:
Alvaro Antonio ifi Costa.
Antonio Lopes BiMrigae?.
C03HPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Xavegaco eoslelra vapor.
Parahiba, Natal, Maro, Aracatv, Cear, Araracu' e
Granja.
O vapor Persinunga, comman-
dante Ratis, segu ne dia 7 de se-
tembro prximo para os portos
__cLarima indicados. Recebe carga
Jal o dia o. Encoramendas, pas-
sageiros e dinheiro a frete at o dia da sahida s
3 horas da tarde : escriptorio no Forte do Mallos
n. !_;____________________.
Para a 15ahia
pretende sahir com milita brevidade a veloira su-
maca nacional Uortencia por lor parte da carga
tratada : para o resto que Ihe falla, trata-se com
os consignatarios Palmeira \ Reltro, largo do
Corpo Santo n. 4, primeiro andar.
Para o Rio de Janeiro
pretende seguir com mula brevidade o veleiro
brigue nacional Almirante, tem parte de sea car-
regamento prompto : para o resto que Ihe falta e
escravos a frete, para os quaes tem excellenles
commodos, lrata-se cornos scus consignatarios An-
tonio Luiz de Oliveira Azevedo & C, no seu es-
criptorio ra da Cruz n. 1.
Aos.0:0OO$O0U.
Corre amauhia.
Qutnta-feira Io de setembro do crvente
armo, se extrahir a terceira prte da tw-
ceira lotera (100a) eui beneficio da Santa
Casa da Misericordia, no consisbrio da igre-
ja de Nossa Senliora do Rosario da freguc-
I zia de Santo Antonio.
Os burieles, meios e quartos aeham-se
venda na respectiva thesooraria na do
Crespo n. i 5.
Os premios de 10:000^000 at 20J00C
serlo pagos urna hora depois da extraeco
at s 4 horas da tarde, e os outros no dia
i seguinte depois da distribuico das listas.
Servindo de thesoureiro,
Jos Rodrigues do Souza.
I'orto.
O brigue porlugncz Esperanra, eapito Louren-
co Feraandcs do Carino, segu em poneos das, po-
de admittir alguma carga miuda e passageiros :
lrata-se com os consignatarios Marques, Barros A
C, largo do Corpo Santo n. C, ou com o capillo a
berdo._________________^^_^^^_
Para Lisboa
o brigue nortuguez fclla Fiqaeiren>e, eapito J. C.
de Carvalho Sohrinho, recebe carga e passageiros
para os quaes tem excelienles commodos, para
tratar rom Euzehio Raphael Rabello, ra da Ca-
deia n. oo, escriptorio._______________
lio de Jauehu
O brigue Msario segu com brevidade, recebe
carga e escravos frete : trala-se com os consig-
natarios Marques Barros & C, largo do Corpo San-
to n. 6.
Rio Grande do Snl.
O brigue Mondego, de primeira classe, recebe
carga, e segu com brevidade : trala-se com os
consignatarios Marques, Barros & C, largo do Cor-
po sanio n. 6.
LEUDES.
Ti
n.
,\
m ca _"-::
Quuta-feira JJ1 dcanostds H horas
ra da Cailcia n. 53.
DE
l'ma mobila de Jacaranda e oulra de amarello
novas,
l'ma porco de oleados para carro e dito para
cobrir mesas, e capaebos de raz de esparlo.
Pelo agente Eozebio se venderao os objectos
cima.
=*r feifa semanal
BE
Movis, pianos, cofres de ferro, relo-
liios, miudezas e outros ailiii-is.
ED
OLYMPIO far lelo de mo'iilias e outros mu-
tos objectos de mareineiria novos e usados, diver-
sos pianos de armario e de mesa, burras de ferro,
crystaes, candieiro a saz, espedios, relogios de al-
gibeira, ditos de parede, camas de ferro, e outros
mullos artigo* que se torna enfadonho mencionar.
Dar principio o Icilao s II horas no armazem
ra da Cadeia do Iteeife n. 4s______________
Por ordem do consulado de Portugal o agen-
te Pestaa far leilao no dia .'II do corrento, pelas
12 horas, em frente a Assoeiaco C immercial, das
dividas activas pertem^rtes ao espolio do finado
subdito portugnez Fortunato Ferreira da Silva na
imperlaacla Ai 981^180 rs., e constantes da rela-
co que se acha em mo do dito agente para ser
examinada. ,,
LEILAO
DE
25 barris com vinho branco.
HOJE
O agente Pestaa vende por conta e risco de
quem pertencer 25 barris dcexcellente\inho bran-
co desembarcado ltimamente em um on mais lo-
tes: epiarla-feiraSl docorrehte pelas 10 horas da
manha no armazem do Annes.
CAS4 u mm u?a
AOS 10:000.000
Bllhetes garanlldo
A' na do Crespo n. 23 e casas do costurar
! O abaixo assignado ven.leu nosseus muito f<-1 i
zes bilbeles garantidos da lotera que so aeabou
de extrabir a beneficio da matriz do Ouricury os
segulntes premios:
N. 3:t:i0 meio bilhele cun li:00fi000
N. o.'i9 blliete iotoiro com 1:4005000
N.206I meio bilhele com C005000
E outras muilas de 2005, 1005, 405 e 205.
Os possuidores podern vir reeeber sera os des-
i con.os das leis na Casa da Fortuna ra do i res-
pe n. 23.
, Acham-se venda os da terceira parte da ler-
I ceira lotera da Santa Casa da Misericordia que
I se extrahir na quinia-fcira I* de setembro pr-
ximo.
I *re?o.
Bilhetes inteiros..... 1250OC
Meios......... 5O00
Quartos........ 35000
Para as pessoas que comprarem
de 1005 para cima.
Bilhetes........ 115000
Meios......... H&StO
Qnaros........ 25"o0
Manoel Martins Fiuza
, CiVBl\ET
POHTCGilKZ ti LMIUK EM PER-
iXAMIUH 0.
Por ordem do lllm. Sr. diredor seientiflea-sv
aos senhores socios que a sessao ordinaria da di-
rectora 6 as segniidas-feiras as C 112 horas da
tarde.
Secretaria da dredoria do Gabinete Portuguez
de Leitura em Pernambuco aos 27 de agest de
1864.
F. de Araujo Guimaraes.
________________I." secrelario.
O abaixo assignado, responde ao aviso que
: fez publicar o Sr. Ignacio Jorge de Souza, que.
' com quanlo estoja li atada a transferencia de sua
taberna sita ra da Ventura n. i, espera pila
1 importancia della para pagar aos seos credores,
que com sciencia dos quaes foi que tratou de rea-
lsar dita venda ; pelo que o Sr. Jorge de Souza
pode declarar por este mesmo jemal o da e hora
em qoe pretende realisar o pagamento, para que
os Srs. credores eomparecam para reeeber, e nesse
mesmo acto ser-lhe pelo abaixo assignado passado
o papel de venda.
Becife, 29 de agosto de 1864.
Jos Ignacio dn Val.
Precisarse aiugar urna ama que saiba cot-
nhar. preferindo-se escrava : na ra da Iutpera-
triz n. 40.___________________^^^
Aluga-sd o primeiro andar da casa da ra
da Cadeia n. 4, muito propria para escriptorio : a
tratar no armazem da mesma.
luga-sc o segundo e o tereeiro andar da
casa da ra da Cruz n. 7, com niuit >s cmmodos
para (anula.
O agpnte SimSes pede ao Sr JoaO Paulo de
Carvalho que venha em seu escriptorio retirar os
objerlos que arretnatou no leilao da ra do Sebo
n. 37, visto ignorar-se sua morada.
Urna professora aposentada competentemente
habilitada olf.rece-se para ensinar fra em algum
engenho on mesmo dentro da capital primeiras
letras, as qnatru operaces de arithmotica, gram-
maiica da lngua nacional, e as prendas domesti-
cas : quem pretender drija-se Soiedade, casa n.
II, que achara com qftem tratar.
Procuradoria
LDILJlO
DE
5 i barris com linyuw-ts.
PELO AGENTE PESTAA. *
As qnaes serao vendidas por conta da quem
pertencer em um ou mais lotes : quarta-feira 31
do correte petas 10 l|2 horas da manha, no ar-
mazem do Annes.
^Sg*
ROPA FE1TA
Os alumnos da sonta Normal qoerendo
dar um testemirrrho pubtreo da sentida mor-
te do sen collega Virrato Sergio de Moura "
Mattos, convidam aos IHms. Srs. director e-
raeslresda mesma escota, eliem assim aos
prenles e amigos defallecido, para assisti-
rem mn nenente que no dia Io de setem-
bro prximo petas 7 1|1 boras da manba
mandam celebrar na igreja do convento do
Carmo.
PubUcaco lilteraria.
DO PODER MODERADOR
ensaio be .manrro constitucional
Contendo a^utalyse do Tit. V Cap. 4o da
CoHStiuiiro do Brasil
TKI.0
Br. Bi-az FlortrnliBO Ht'iirM|ucstle Suna
Lente de direito cual na FuudtLul? de Direito
do Becife.
A raridad* e importancia da discussao ltima-
mente levantada na corle acerca da natureza e
limites do Poder Moderador, e particularmente
acerca da responsabilidad!' dos ministros de esta-
do pelos actos proprios desse Poder, despertaran)
no autor o desejo de emitlir lambem a sua humil-
de opinio a respeito de um assumpio to mo-
mentoso. Nao querendo porm fazer inteiramente
urna obra de crenmstancia, e persuadido por on-
tro lado de que o Ikhii sonso dos lirasleiros salie-
ra guardar anda'por miiitos anuos a bella consti-
tnico poltica, a coja sombra tem prosperado o
imperio, entendeu que prestara melbor servicoas
letiras. c seria mais til em particular inocida-
de esperanzosa do paiz dando urna analyse ou
commeiitario aprofunddo de lodo o Cap. Io do
Til. V da Conslitucao do Brasil, trabalho este
para que o tmliain habilitado os scus estados co-
mo lelte da l* cadeira do 2" auno da Faculdade
de Direito durante quas dous annos.
Oeste modo s depois deanalysado o relerido
capitulo chepa o aulor a tratar' da grave questo
cifta indicada, devendo sem duvida este rnetliodo
c6nC'-~rrer para loliilitar n Icitor a conbecor muito
melhor a nrtluresa du Poder que se discute, e a
formar com segoranea um juizo acerca da rsspo-
sabilidade ministerial, pelos actos iblle.
Atim de dar ao publico tuna idea da obra, juica-
mos conveniente transen-ver aqu a soturna dos
diversos capitulo que a rompoenx
Depois do competente Prefacio, seguc-seCap.
I" Da necessidade e importancia poltica do Poder
Moderador.Cap. 2." Do Imperador como orgo
do Poder Moderador.Cap. 3." Da iiiviolaln'lidade
da pessoa do Imperador.Cap. 4." Das altribui-
edes do Poder Moderadnr.Cap. o." Do di-
reito de escolber os Senadores.Cap. 6." Do direito
de convocar extraordinariamente a Assemla Ge-
ral. Cap. 7." Do direito de san cao.Cap. 8." Do
direilo de approvar e suspender as resol'ae/Scs das
Asemblas Legislativas Prnvinciaes.Cap. 9,* Do
direito de prorogar ou adiar a Assemblea Geral, e
dissolver a Cmara dos Depniados. Cap. 10. fo
direito de noniear e demillir livTemente os minis-
tros de Estado. Cap. 11. Do direito de suspender
OS magistrados. Cap. 11 Do direilo deperduar e
moderaras penas.Cap. 13. Do direito de conce-
der amnistas.-Cap. 14 e 13. Da rresponsabilidadc
absoluta do Poder Moderador.Concluso.
Acaba de sabir a luz esta Inleressanli publicaban,
em um volunu' de 600 paginas, e adiase venda
as livrarias de J. Nogueira de Souza junio ao arco
de Santo Antonio, e dos editores Golmaraes & Oli-
veira, pelo mdico preso de 65000.
NO
ABHACBH
DR
%.%^M I, M^V'
D=
d
LSTREI80 VERDE.
Neste estabelecimento ha sempre nro sortimetito completo de roupa feita-fl
todas as qoalidades, tambera se manda fazer por medida, vontade dos corwair-
rentes, para o que tem um dos melhores professores. assim como tamoem tem uta
grande e variado sortimeBto de fazendas de todas as qualidades, para MDbnnal j
homens e meninos.
Casacas de panno prek, 353 e 30^000 Ditos de setim preto.
Sobrecasacas idem, 305 e 25008 Ditos de ditos e seda branco.
dtKjtoj
Paletos idem e de cores, 25$,
m, S e......
Ditos de casemira. 205, 155,
125, 105 e...... 73000
Ditos de alpaca, 55, 45 e .
Ditos ditos pretos, 95, 75,
53, 45 e......
Ditos de brim e ganga de co-
res, 43500, 45, 35500 e. .
Ditos branco de linho, 65, 55 e
Ditos de merino preto de cor-
dao, 105, 75 e..... 55000
Calcas de casemira preta, 123,
05, 83e......
Ditas de cores, 93, 83 e. .
Ditas de meia casemira de co-
res, 55000 e.....
Ditas de princeza e merino pre-
| to de cordo, 45500 e. ,
Ditas de brim branco e de cft-
res, 55, 45500, 45 e .
I Ditas de ganga de cores, 35 e
i Cohetes de velludo preto e de
cores, 95 e......
Ditos de casemira preta, 55 e
i Ditos de ditas de cores 55
' 6 e........
65 e.......
Ditos de gorgiiro de seda
pretos e de cores, 65, 55 e
Cohetes de fustao e brim bran-
co, 3&800, 35 e .
Seroulas de brim de nho,
25400 e ......
Ditas de algodo, 15600 e. .
Camisas de peitos de linho,
45, 35 e......
Ditas de madapolao, 25500,
25 e........
Chapeos de massa, pretos fran-
cezes 105 95 e .
/ 5000 Ditos de fltro, 55, 43.33500 e
Ditos de sol, de seda, 125,
115, 75 e......
Collarinhos de linho fino, ulti-
ma moda duzia. .
Sortimento completo de grava-
tas.
25500 Toalhas para rosto, duzia, 115.
e........
75000 Chapeos deso, dealpaca, pre-
45000 tos e de cores.....
Lenges de bramante de linho.
35500 Cobertas de chita chineza.. .
105000
75OOO
33500
33500
35000
45000
55000
75000
450U0
45000
25500
550#0j
450t*
25000
15400
45000
35000
25500
pnhlfca^o Iliteraria.
Sabio a luz. o opsculo intitulado
\ a Ei;h>\i>s:
1
m
Joao da Silva Hamos, medico pela lini
versidade de Coimbra, d consultas em
sua casa das 9 s 11 horas da manha, e
das 4 s 6 da tarde. Visita os doentes
em suas casas regularmente as horas
para isse designadas, salvo os casos ur-
gentes, que serao soccorridos em qual-
quer occasio. D consultas aos pobres
que o procurarem no hospital Pedro 11,
aonde encontrado diariamente das 6
s 8 horas da manha.
Tem sua casa de sade regularmente
montada para reeeber qualquer docnte,
ainda mesmo os alienados, para o que
lera commodos apropriados e nella pra-
tiea qualqu.-r operacao cirurgica.
Para a casa de sade.
Primeira classe 34000diarios.
Segunda dita.... 25300
Terceira dita... 23000
Este estabelecimenlo j bem acredi-
tado pelos lios servcos que tem pres-
tado.
O proprietario espera que etle conti-
nu a merecer a conflanca de que sem-
pre tem gozado.
LEILIO
DA
Grande taberna da primada
Boa-Vista n. 14.
i|nlnta-felra 1' de setembro.
O ageste Pestma. legalmente anlorjsalo pelo
proprietari". vender eln leilao todos s gneros,
armario, gar, e mais utenciiim existentes na ta-
; berna sita na |raca da Bea-Vista n. 14 : e/ftdfc
teira 1" de setembro.
Pedro Alexaodrino da Costa "Machado, solicita-
dor de causas ante os auditorios desta cidade, se
eocarregada procuradoria de qualquer causa com-
roercial, civil, criminal e eclesistica; aceita de
partido a procuradoria de qualquer casa commer-
cial: pode ser procurado das 6 s U horas da ma-
nha, edas i as (da larde, em casa de sua resi-
dencia na ra Imperial n. 124, sobrado ; e fra;
dessas horas, na ra estreita do Rosario n, 34, es-'
crlptorio do Dr. Affon.-o de Albuquerqo Mullo ;
as quintas-foras, pOrm, em Ipojuca, e as se'x-;
tas feiras n 1 Cabo, em cujos foros contina Ira-
balhar como d'a ti les.
c\r\s me aiic
Mara llartholeza da dmceiciio tem resoivido
vender o resto das suas afamadas cartas de ARC
a80 rs., aii!oi.'litatlas -eclii KTinnnrianle. M UMBej
lein -'i |laiaytai-lios e <'iitlti'.i: ledos Os rn>ssns ilvi 11
longos', e as actuaes em uso s i>m de8 a 9, alm
de um grande numero ifp T*>mfi ^"objwtos mu
rouhecdos dos meninos, \\nr isso Ihes facilita mul-
to a leitimi : efroaV ilv nmtHt da Oo.^Vista nu-
mero 84.
Preera-se ahume-' ;tm *?|*qi7i": ratFna
ra do Hospicio n. 78.
Bemjamin Cincinato Utinguags, pharmaneo-
treo, alferes do corpo de saude, passando destn pro-
vincia para a do Paran, onde vai servir por acto
dogaanrao eral, nao pode deixar de publicamen-
te demonstrar quanto jtfato ao Exm. Sr. rom-
mandante das armas, lllm. Sr. taimte-coronel di-
rector do hospital mltur, Dr. delegado do crur-
gjo mor do excrcito, primeros e segundos facul-
lalivos daqiielle estabelecimento, almoxarffe, em-
pregados da respecliv.i Be||Vt*ij collega d. clas-
se, offlciae de guarnic*), todos em geral pelo
Iratainento.inaana e oficio de amiade que sem-
pre Ihe pfesuram; o i'ufme.nte se dirige as pes-
soas com quem entreteve relnfcs particulares pa-
ra agradecer a conflanca que I lies merecen, ert-
chendo-o de importuna. Kntretfcnto longo jiosm
Ierra iiospitaieira, cuj*! habitantes oceuparao in-
cessintemenle sua lembranca, ofTerece os seus li-
initadisslmos SeftlftJS aos que se dijjnarem trans-
miilirwusizef-lheqne as suas
simrelas ;xpross.)*s veim o trausuii|)to da verda-
de e da sinceridade, aUlincando que o jubilo de
que se possue ao loifttira'->e dos Pi-rnambuianos,
confuu-Ie-se com a-samladu que o (ero pela distan-
cia que os separa.
t^ Plrela-e Ae AiarrAt de
Hiipalolro.
Na inja da rta larga do 1tosar botica de Sr. Pinto, recebe-se at :*> de siembro
do correnleutii.i. sralificando-se-ile 5A 10J por
mei conforme o trato que a vista se far.
AJnga-se a cih da na *sWnpe*) n. 90:
na tra-vessn d S. Jos n. 22.
pon
A/fonso ilc Atlmqnerque Mello
1 Convidam-se osassignantesa inadarem reeeber
isens ejemplares na praca da Independencia ns. t
, e 8, que serao entregues a vista dos recibos das as-
j signaturas ; ah lambem eslo expostos venda a
35OO cada um. Sao sob os segunles tilulos as
1 materias de que Fe oceupa:
Intiodiiccn. .N'oco da liberdade.- O Brasil co-
I lonia. Revolocao de 1817A IndependenciaA
IconstituinieAconstiluico A revolucao de 1824.
1 A expulso on abdicacao. A regencia liyre. O
I partido regressisla.-Ameaca dos corcuudas e qoe-
da dos livres. A regencia eorcunda.Causa dos
! males da regencia livre. Regencia eorcunda e
! maioridade.-Principios do reinado de D. Pedro.-
Revolla de Minas e S. Paulo.-Dominio da Praia
j Luzia.-O dominio liberal nao inquietava os cor-
' cundas.Fetos do dominio liberal. -A praacChi-
1 chorrosenatoria.A revolla e a revolucao de
11848 A couslituinle. -A consumite. Derrota
1 da revolucao. Negociado de. Honorio com os libe-
j raes : traidores. Venda da bandeira da cons-
j titunte. O partido liberal durante os quatorzc an-
uos do chamado ostracismo. Os corcundas e os
liberaos durante os qnatorzo annos.Captivciro re-
signado e voluntario dos liberaos durante os qua-
1 torze anuos.0 povo eorcunda, ou os vermellios e
os sabios.-A siluaco propriamente poltica.Im>-
. tituicoes livres, e dreilos polticos que tivomos
at o fim da regencia livre, e o que actualmente
.temos ein lugar delles. Os rpreseiitantes da na-
cao c das provincias.Situaco administrativa.
O que sao nella os Portuguezes. Como o gover-
] no obrigado a corromper o paz e a fazer-Ihe
i sempre maior mal.Como se multiplica e se paga
: a clientella do governo para suslontar-se o impe-
rio eorcunda. O procnsul.O procnsul da co-
marca. Dos carses, dos crimes e da punico.A
iostica. JuieS irtuncipes. Juizes de direito.
Tribunaes.(Js das Relacoes.Tribunacs do Com-
mercio. Supremo Tribunal de Juidica.0 jury.
/Os advogados.Concluso.-Garanta dos direnos.
A moral publica.-Dos crimes.As eleices.
Corollaro da obra saquarema. -O que a pa-
tria.- Situaco para com o extenor.- Situaco
floanecira. As linancas do estado.-A miseria
Perigo e salvamento los corcundas.A liga.
Como se congregan) os elementos para ella.Con-
Meracoes retrospectivas. A constituirte. Prepa-
res antecedentes.-Conciliacao e opposicae parla-
mentar.-Monta a liga.-O que sao os liberaes na
liga.Que bem faro.os liberaes ao paiz.O pro-
resso-Seus feilo>rr^O que o progresso e que
itrt. Como se dej* viver nesta trra echegada
p progresso. Porqu o progresso s vem eom-
ptetar uossas tlcssgracas e sem mais remedio.Se
ha salvarn para nsqual seria o meio e bem f-
cil. Resumo. A's cinco provincias |Mrnambura-
nas. Ili-ui'i-o e poltica coronilla.-Do que pro-
eno a miseria. Como se corrompe na eieico.A
restrn,o da llbefilade apar do progresso da immo-
ralfdiitle. floreHario.
. t, 1, 11 1 1
A bem da moral publica.
Chamamis a- attenco da iiolicia para a casa de
lupanar no priutfiro and ir de corfci sobrado da
rita targa d*ftnsari n ...aflm do prohibir os artos
obscenos mu* ruaiella alcoucei.ra prtca ao olhos
das familia honestas que a rfrcnmdam.
A mu.
Precisa-se Je urna ama para toJo o servico de
urna casa : na ra larga do Rosario n. 31, primei-
ro andar.
Manoel Martins l'iuza tem em seu poder o
billiete inliro 11. 471 da lotera 11. 1U( que corre
no da 1* de setembro pertencente a> Sr. M. F.
I.. J. da provincia da Baha.
O Sr. Dr. I eii dns Santos da Silveira queira
dirigir-se administracao In correio aflm de reee-
ber una caria recommendada.
Leonhard Mettleokamp, subdito hamburguez
vai ao Ro de Janeiro.
Precisa-se d- um lnnnem casado ou solteiro
que saiba tratar de arvuredos e hurta, para um
quintal nao grande na povoaeao ilos Afogados, e
que tome conta dos movis existentes na casa, dan-
do-se um salario a proporc^o do seu trabalho e a
morada : duija-se ao cariorio do tabelhu lap-
lisla de Si. ____^______
Tem de ser entregue os carros, cabriolot e
cavallos annunciadosa venda pelo maior preco que
appareca, e assim como os traspassos dos sitios e
o arrendamenti da cocheira e a easinha junto, por
este ultimo annuucio.
.1 irmaadatlc de s. Benedicto
do convento.
Hoje, 30 do coi rente, lera lugar, linda a audien-
cia do lllm. Sr. Dr. juiz prvedor de canella<. o
arrendamento judicial da casa de sobrado de dous
andares, na ra da Crnz do Reciten.44,onde vis-
te um estabelecimento de nutreenera e mnbifia, o
qual pertencente a irmandand^ de S. llene ficto
do convento de Santo Antonio desta cidade, duran-
te um triennio, por 1:2003 animalmente, a ruque-
rmenlo da irmandade, omo consta do eseripto
que tem o porteiro do jnizn.
P. Rraga, secretario.
Precisa-so de um amassador que saha bem
desempenhar o fabrico de pi o bolacha : a tratar
na ra lar.a do Rosario n. 10, padaria.
Ama de fe te
Na ra do Brum 11. 84 precisa-se de urna ama
de lete sem lilho, que tenha muito e bom, e de 6
8 mezes, paga-sc bem.
Os senhores credores de Oliveira Irmaes &
O. sao convidados roa de Apollo n. 81 alim de
recelierem um dividendo c-ue se vai aroaeder.
- Quem precisar de una ama para o seftfiM fle
portas dentro, cozioba, lava, engiinma : a fallar
a ra do Encantamento n. 3, segundo andar.
Ainda contina o Sr. Carlos de Sonto_ fondn* a
reter em sen pnder o caballo que 1 di 49 de ju-
nho db correte auno alugou na**w*lre* di raa
da R.y** n. 4 para ir ao Cichang, e na>; t.-nl. o
annrmciante wrttrinnlr noticias do dito Sr. (ion-
di m, previne qae-o -avallo rosilla, fnmte a^rh\.
tem e< qoatro ps eateados He hranco, r mnu-
nhecad; 1 das autos, dinas a cauda curta, de i.Ude
aonco mais ou menos de 9 annos. exine >itsa;itas
de que o referido ravallu o Sr. (ondim tenha llie
dado destino, jiorque existi ooclto : porlanto,
qftem spprehfnder o me cia certa 4 proprielrid lio cstatielcimcnt". ser
generosamente recompcnsa'J"-______ ,. .
Jni3cs pura fianraiho
Compra-He na IMortea de cigarro?, antiga rua dos
Quarteis n. 21.

. ILEGfVL.


f
*-
/
Diarlo de JPr
A caixa filial do Lundon e Brasilian
Bank saca sobre Lisboa e Porto, .prazo ou
vista. -
hneo (carta le ira 3 i de Agosto 4c 194.
*-* atl ,t..>m- -'*fit'*<>^*i ^ti nHnlfl
i
Alaga-se mtitto barato urnas pedos de meias
aguas poucp acabada* de tditicar na-enfada des
portOes da travessa das Barj-eiras, do hairro da
Boa-Vista : a tralar a ra do CotoveUo n. 2o.
jma
Companhla fidelidad? de ffi
seguros niaricimoK e ter-
restre* estabeleelda no
Rlde Janeiro.
AGENTES KM PEI'KABUCO .
Aulnnitt Ldi de Oliveira Asevedo 4 C,
competentemente auterisados pela direc-
tora da eompannia de seguros ftelida-
de, tomara seguros de navios, mercado-
ria-s e predios no seu esrriplorio rua da
Cruz n i.
llfllllllili
Alogast a lo a da casa il 40 da ua das Trin-
cheiras: na ra da Aurora n. 36.
A Moi.f.sn* -w infeccSo pecu-
liar conhecida yelo nomg de Es-
crfula uta dos malos atis
prevalientes-> universaes -que
lia em teda a extensa lista das
efirertnidads" de que sol&e o
genero huinaao : disse u|n, cele-
bre escriptor da medicina que
mais de urna terca parle d
todos aquelles que morrein antes
oa *el|(i$es5 Fogos de artificio da viuVa
Eufino.
"
'""iu("
Nest acreditdissiina fabrica recateem-se en-
ta ou indira-Umente da Efiorofu- ??"**&las de ogos de artificio para dentro ou
lla i nnr <:i nn > &T dpUd* Prwmcia> garaotiodo-s s pessoas que se
**a > .-por SI nao t W) aes- du-igirem ste estabeleciment acharen reunidos
i tucva, porm a principal causa ttemui- s goslos *&icao artigos ahi fabricados,
' ras Otttran pntVrmirl;iita mu. nnn Ihp t%n wa. IAs encommendas recebem-se ho armazem da bola
' mtSi-mSS^^ Jamareliano^itaoda secretaria da pXa.
i eaui tirata <1a nhuhiequena$ na Torre,
tu unta cau!>a directa da pngmstu. pul- caiadas e pBtadas> para se |)agsar flsto com poU.
manar, das molestias do gado, do Mioma- co diDheiro, e urabem se vender todas juaas ou
go e mffecctis do cerebr*:Entre oe seus cada urna em separado, cm conta.
numerosos symptomas acham-se os seguin- "
tes : falla de appetite. ; o semblante pal-'
Na praca da Independencia, loja de ourives ] ... '
n. 33, compram-se obras de ouro, prata e pedras l,a e ,as vez*s anchado, as vzts de urna
preciosas, assim como se taz qualquer abra de en- abura transparente e nutras corad e a-
eoda, e toso e qualquer concert. I maretknto ao redor da btteca ; fraqyteza e
,m^ikttt nos msculos : disgesto frica. e\
appetite irregular, falta de energa,.centre
Indiada le evacuacao irregular; (piando q!
mal lera seu assento sobre os pulmes, urna
cor azulada mostra-se em roda dos oaos;
quando ataca os orgos digestivos, osolbos
Aluga-se o sobrado amarelio da Ponte de tornam-se avetjmelttados : hlito ftido,
L-eha, concertado de novo o pintado, tendo o sitio a lingua carregada, dores de eabeea, ton-
murado e ptimos commodos para familia: a tra- #.>-, ... J ^'
i

O adverado Jos de odoy Vasconcel-
los pode ser procurado na ra ereia
do Rosario n. :ii, das 10 as 3 horas da
tarde dos das uteis.
baques obr Por toga I.
0 atiaixo assignado, aatorisado pelo
Banco Mercantil Portnense. e na ausencia
do Sr. Joaquim da Silva Castro, saca ef-
fectivamaote |mr todos os paquetes obre
as pi-acas de Lisboa e Porto, e mais Juga-
res do reino, por qualquer soranu i vis-
ta, e a prao ; podendo, os que tonarem
saques a praso.receberem avista, no mes-
mo Banco, descontando 4 OrO ao anuo: na
loja de chapos da ra do Crespo n. 6, ou
na ra do Imperador n. 63, segundo an-
dar.Jos Joaquina da Costa Maia.
COMPENDIO DOLOROSO
que contem o offlcio de Nossa Senhora das
Dores; o modo de resar e olTerecer a co-
ra, uai setenario e mais outrs exerftcios
de piedade e devocao; ordenado pela ir-
mandade dos servos da mesma Senhora,
queecha erecta naegreja de.I*. S. da
, P*ha do imperial tospiqio dos reveren-
dos padres missonarios,apostlicos capu-
chinhos italianos de Pernmbuco, approva-
. do por S. M. I., que Deus guarde; da.lo
luz sor tlevofo dd. iduito reverendo
padre Fr, Placido tte Messina.
Vende-se a 320 rs. na livraria ns. 6 e 8
da praca da Independencia.
Livro
L0JaJ)OBE]JAFlOB. machinas depatente
Ra do Queimado ns. 63 % 69.
de
trnbalhar mo para
descarocar algodao
FABRICADAS
Por Plant Brothers & 0.
OLDAl
tar no largo do Paraiio n. 10.
tetras etc,.
as pessoas de disposicao escrofulosa ap-
MailOei ZeVedO e AU-^arcemfrequeuteiBenUrerupces na peHe
drade, Antonio de Souza
da cabja e outras partes do corpo, s5o pre-
ltego e Domingos da Silva
fVw.v^r. 4-^A~ j rmos. Portttito, nao somente, aqueles
pampos, tendO Comprado e que padeeem das frn
^wm*
I
Na ra Imperial a. 124, sobrado, precisa-ae de
una eterava que compre, cozioh e engomme.
O ser ladro muito feio. Comer o dmbeiro
i criminal
dispostas s affecedet dos pulmes, do toa-
do, *oj rins e dos orgios digestivos e ute-
ao somente, aquelles
.mas ulcerosas e tuber- ol
recebido em pagamento qua-\ZZ*"n'"ta ^nr^m^m'^
x-| 1 a \ leC^ c0"tra os seus estragos ; todos a-, quer granjear crdito no furo. Oh Sr D Ao
SI LOtia a lierailCa QUe IICOU quelles ero cujo fatigue existe o virus lateo-; abuso de confianca crime, Vmc. o praticou, por
por fallecimento de Jos ?l %rtlfi?i!?
Tliemotio Pereira T
ultimo administrador
tincto morgado de Alag-oas tJ'7timsYr" 'TdL*5fI^^w7Fm$w&ZT^
... j. c r. ^ oorottlnas. pustttlas nasetdas, OU Ue J3 railClSCO, COlIimU- cumacarunculos, ulceras e chagas, rheu- consclencia, o furto muito ido principalmente
Tlip'-illl aA fViwimc rln! mlU"**"** dores < QMW, as costas e na P3" ""> ""em v.-lho e que se d. honrado.
muini aos ioreiros aos so-iCa^Y)(/eW//da(/es femimSi nwes bmn- ?/
los perteucentes ao roriaolf**?*^^* ceraco interior.en- TiTiSS
fiTnfti imrOTlnmiooftoii /"nidadA uterinas, hydropma. ndigos- Uro, um passa
tAlilltli IllIgdUO qlie O OOU- tao, enfrdguecimeMo e debilidade geral. nos com dous
senhor da heranea Mauoel
Azevedo de Andrade se a-
cha autorisado areceber as
foros e ladennos, bem co-
mo as rendas dos predios,
e o competente para pas-
sar recibo.
de oraches.
Vende-se IGO res, na livraria ns. 6 e 8
da praca da Iudependencia, um livrinhocor>
tendo o seguirle ; louvor ao santo nome de
Deus, cor* dos actos de amor de Deus, ora-
coes e peticoes, hymnoao Espirito Santo, co-
rea do Serthor, aviso1 qualquer alma de-
vota, desengaos da vida humana, hymno
de Santo Ambrozio Nossa Senhora, jacula-
torias ao Santissimo Sacramento, exercicio da
m-sacra, a^iimemoracao Nossa Senhora
do Carmo e ao SS. Sacramento, .directorio
para a oracao mental^ dividido pelos dias da
semana, ohsi^ujv^o torai'aode Jess, sau-
dacoes devotas s cliagas de Christo, ora-
ces a Nossa Senhora, S Jos, ao anjp da
guarda, Detisem obsequio qualquer san-
to e para a noute, e. < esponso pelas almas
do purgatorio.
>@%*M&
Na livraria n. e 8 da praca da Inde-
pendencia existe urna caria de importancia
paraojr. Antonio Fernandos Corredor.
Precisa-se de urna criada livre ou escrava.
que saiba cozinhar e engommar : na ra das Cruz
p. 42, prlmeiro andar.
aluga-se a c.ia com pequeo sitio na travea-
sa de Joao Fernandos-Vieira, em que morn lti-
mamente o Sr. Tliomaz Comher : no armazn) de
Samuel P. Johnston Cs C, ra da Senzala Nova nu-
mero 42.
AOS IllfUS amigos
Forcado a seguir para Lisboa tralar de miaba
sade, que esta asss coiiiproineltida, c nao poden-
do despedir-me de nifus amigos pessoalmente, o
fago pelo presente rneio. Devo-lhes, cites bem sa-
bein, meu eoraeao o minha eterna gratidao.
__________________Jos Joaquim Se ve.
Quem quizer vender urna casa terrea ato a
quantia de 1:400| na fregueia de Santo Antonio,
sendo chaos proprios, dirija-se ra do Rangel
n. 2, |ue se dirqii'Mii coni|ira.
Alugamse daas rasas com bous commodos,
cozinha e qainul, na na da Palma : a entender-
se na ra estrella do Rosario n. 33, segundo andar,
ou rom o Sr. Leopoldo Terrena Martiiis Itibeiro.
Francisco Sergio de Mallos eonvida aos seus
amigos e aos de seu finado lilho Virialo Sergio de
Moura Mallos a ouv
eterno do mesmo s
publico desla cid
Purtaram da casa n. 1 da ra do Cabra I, do
~io Bernardo Ferreira, o seguinte :
patente ingle de ouro, com tranee-
sador com circuios de rubios peque-
us sinetes de ouro com pedras no fun-
Aos pulmes a escrfula produz tubercu- do>utna chavinlia comprida de ouro e outra dita
t irfh'rr T,mpr-pul,mnar: ^^wS%r^yr
as glanulas ella produz incliacoes o tornam-; um castieal de prata. **""'"
se ulceras: nos orgos digestivos causa! Um par de oculos de ouro.
desarranjos que produzem indigesto, dis- A quantia de 300 a 400,Jiem moeda de prata
pepsia molestias do ligado e nos rins :-|*fi,BaSS"
na pclle produz erupgoes e atecroes Cilla-! Diversos penhores de ouro na importancia de
oeas. too^ooo.
Todos estes males tendo a mesma ori- i Quatr Pares de totto* de abertura e quatro de
hT' ZTn df 1ST remCd0: aSaJPU".n0a-.et.rade 130 aceita pelo conego Joao
DCi purmcat e fortalecer o sangtte. < Beraenuvem Maciel, e outra da quaulia de 12$' Ditos de barro com superior tinta"400 rs.
A salsa parrilha de A ver I ?('eila or F,a?c,sco &* Cria Soulo, as quaes es- i Grosas de botoes de louca prateado a 1G0 e a du-
composta dos antdotos mais effiLes que XmSSSSSSSS *" 5 re*ra-! *S *
a sciencia medica lera podido descobrir. Una caixa de prata para rap obra do Porto,
para esta m lestia assoladora e para a cura Dous massos de meias para homem.
de todos os males provenientes d'ella que Diversas grvalas.
contm virtudes veradeiramente extI^!^m?eWont."ta^eeB, dUS leDs
auase proyado inconiestavelmente pelas. Duas toalhas de labjrintocombico.
curas notaseis e bem condecidas que tem ] J!ma es.cu\* nova para escovar obra de panno.
Vende-se das seguintes marcas:
(E E)
Semith j C e C jde FF o barril por 13$.
P N t C. de FF o barril por i'ifi.
P diamante de FF o barril por 145jOO.
De superior qualidade FF 2 espingardas o barril
por 165.
Chumbo de municao de toda a grossnra arroba
55500.
No arinazeui de J. A. Moreira Dias ra da
Cruz n. 26, onde encontraran as amostras.
RIVAL SEM SEGUNDO
Ra do Quermado n. 49, est vendendo muito
Iwas lazendas e muito baratas, quem quizer podera
vir ver ou mandar para experimentar, assim como
sejam :
Gollinlias muito linas para senhora a 300 rs.
Ditas e puntes de fuslao muito bonitas a C40.
Cartas de alinete de cabeca chata de todos os ta-
manhos a 80 rs.
Resmas de papel de pese muito bom a 2$.
Capachos redondos e eompridos a 300 rs.
Caixas com superiores obreias de colla e de massa
a 40 rs.
Cordo brauco grosse que tem muita applicacao a
vara a 20 rs.
I.inhas de carriteis garante-se 130 jardas a 40 rs.
Candes de linha Pedro V com 200 jardas a 40 rs.
Grosas de pennas de ac muito finas a 500 rs.
Varas de franja de la'para ve.-tido a 40 rs,
Drtasde franja branca larga para toalhas a 160 rs.
Pares de botoes de punho a 120,320 e 500 rs.
Tintelros de vidro com tinta a 160 rs.
Cintos dourados.
Sao chegados os lindos cintos bordados ouro
pelo barato freeo de 2*500 e J*0O0: no Beiia-fior'
ra do Quetmado ns. 3 e 09. '
Fuellas para utos.
Chegaram tambera ricas litlas (logradas e de
ac para ciatos a 1000 e 1J200 : no Beija-flor
ra do Queimado ns. 63 e (JO.
Peules de tartaruga.
Lindos pentes de tartaruga, gosto moderno, a
8*80; **!KXr~e #000 i a V Qoetmado ns.
63e69. -
-Pentes ie IrMessa.
Vendem-sfrpcntcs de travessa de novo gosto para
meninas a 600 e 800 rs. : so no Beya-fler, ra do
Qneimado ns. 63 e 69. i
Pentes para atar cabellos.
Liado* pentes pequeos para atar caballos, pro-
prios para se andar em casa a 400 e 500 rs.:
no Beija-flor, ra do Queimado us. 63 e 69.
Botoes de nudreperola.
Tendo recebido um variado sdrmento dos de-
sejados botoes para abertura do ranpe, vendem- .
a 400M. abotnadura: no Bejaflor, ra do Kg6e"e S/ender o^, .fi d a|-
Queimado ns. 63 e 69. ?.. 1 1 remler o dobro de qualquer ou-
EDfritfs nara srnbnra^ :'" C0"> "^5 lrabalbo' sua ""oduco Para
tnrcries para srnnoras. as provincias desle mperro ser de mnitn r
diiit r2til,eS orrderDeS a,,2^ e i0?. P"a todos os interessadosna lavoura "o paiz
urangons.bdebJ. mo systema.oraql serem movidas por animaes
falheres para meninos. i agua ou vapor, p|mpae* podera descarocar 18 ar-
Lhegaram novoe sortimenlos de talheres para I rabas de algoSorampo por dia.
meninos a 280 e 320 rs., ditos cabo de bataneo de O algodao defearocado por estas machinas tem
um botao a 400 : as lojas do Beija-flor, ns. 63, muito mais estimacao nos mercados de Europa o
e vende-se por maiorpreco.
La para bordar. As machinas se achara venda nicamente em
Vende-se 1:1a de superior qualidade e de lindas '. casa de
n>< a f,."isnn o l;h. -., d.;::. n ___ j. n..., I
Estas machinas
podem descarocar
ouatquer especie
,de aigodao sem
estragar o fio,
sendo bastante
duas pessoas para
otrahalho; pode
descarocar urna
arroba de algo-
dao era enroco
e 40 minlos,
ou 18 arrobas
por iha ou S ar-
robas de algodao
limpo.
Esu machina
e a nica que
no Beija-flor, rua do Quel-
Saunders Brothers & C.
X. II, praca do Corpo Santo
RECIFE.
Os nicos agentes neste paiz.
ADEEEgOS DE MOSAICO
Tesouras para costura a 80, 200, 400 e 500 rs.
Escovas para limpar denles, superiores a 200 rs.
Libra de la para bordar da melhor qualidade a
61800.
Caixas de phosphoros de sepuranca a 160.
Caixas e pacotes de papel amizade superior a COO
ris.
Caixas com 100 envelles muito finos a 80J) rs.
do Qneimado ns. 63 e 69.
Penles para marrafas.
Vender lindos p.-nlinhos dourados com pedra'
ra marra fa a 15200 : no Beija-flor, rua do Quei-;
para
raado us. C3 e 69.
feilo de tumores, ertipco-s cutneas, ery-i^SafJKS2?^SffilS'???^ Loda di fer.ro Quadernos de papel pequeo azulado a 20 rs.
pelas, borbnlhas, nascidas, chagas antigs,
ulceras, rheuma, sarna, parebas, hydrope-
coni o ouvido da espoleta quemado de uma'banda. Carrileis" de inha Alexandre cora 200 jardas a
Lma por^ao de lencos para tabaco encarnado. 100 rs. I
Cinco lencos de seda sendo 3 encarnado e dous; Baralhos para vollarete a 240e mais tinos a 300 rs.
cores a 68O0 a libra
nudo, os. 63 e 69.
Papel de diversas dualidades.
. YSde~se |,apcl de beira '""rada pautado a
1,5200 e 15.300 o pacote.ditossemserdoiiradoe nem
pautado a 640, 800 e i$OO : no Beija-flor, rua do
Queimado ns. 63 e 69.
Envelnos para cartas. A .a8nia b<"anca da rua do Qneimado n. 8 rece-
Vende-se envelopes de cores a 600 rs. a caixa ftea '?""< derecos de mosaico e frno dourado, e
ditos brancos a 640 e 800 rs. : no Beija-flor, roa os esla vend,,nd<' ** preco raroavel.
do Queimado ns. 63 e 69. Bolsas para caca.
Pentes dourados para atar. Esse >ieclu aqu lo ousteso de encontrar-se, e
Vende-se iwntes dourados para atar cabellos a a?,^rde,ci* aos aurriadu'"e da caca, acha-se tejo
15000, ijsot), 25800 e 35000 : no Beija-flor, rua i v|nda na ro do Queimado loja daaguia branca
n. 8, onde o comprador ser servido conforme o di-
, nneiro que quizer distar para tal fim.
JUssenela de rosa.
Era pequenos frasquinhos a 150OO. Vende-se na
rua dn Queimado n. 8.
Sapalos de tranca. Tenaos para voltarete
Vende-se sapatos de tranca muito bons a 15500 u "f0* Waaej na rua do Queimado n. 8 reee-
ditos de tapete a 15600 : no Beija-flor rua do 1 u ca'x,n1bas com ten'os de marfim e madrepero-
Queirnado ns. 63 e 69. 1lapara Vullareie. havendo dinheiro cheguera-se a
Balars rom sabo. e"eS an,es g" :,Ca,Jtm-
Lindos balaios com 6 sanonetes de varias frnc-; rK *>-xa econmica.
tas a 25500 cada um : no Beija-flor, rua do L*? n0'B "*> *aa toa erara, e eon-
Queimadons. 63 e69. "nua a ser vc"dida na rua do Queimado loja da
Xas mesmas lojas se encontrar lindo sorti-'aguia t"'anca "" 8- "
ment de perfumaras e variado sortimento de' Fitas
miudezas que se tornara enfadonho menciona-las, Daia a rmandade do Bom Conselho, e cartas de
porm afianca-se ser tudo bom e mais barato que ,,ac"arei<. Vende-se na loja da aguia branca, rua
era outra qualquer parle. do Qneimado n. 8
Lcqucs de sndalo, madrepero-
la, osso, efe.
A aguia branca ree.ebeu um bello sortimento de
I leques de sndalo, madreperola e osso, sendo elles
de diversos moldes e variadas cores, inclusive a.
t preta ; agora, pois, quem comparecer com dinheiro
pode bem esrolher um bonilo leque, na rua do
1 Queimado luja da aguia branca n. 8.
jCaixinhas para costura contras
com perfumarlas
A loja da aguia brauca, onde constantemente se
vendem essas bonitas caix'rahas com arranjos para
costura, acha-se mui bem provida por ter agora
recebido um bello soiliraento de ditas caixrrhas ;
assim como outras com finas permutaras, por isso
quem quizer fazer um bom presente, tendo dinhei-
ro dirjase rua do Qu.imado loja da aguia bran-
ca n. 8 que ser bem servido.
A fifi VV ftID
vtmRvt uUixA
PARA IODAS AS AfOLESTIAS DO
ffiffl IM DHUU1
m
par de sapato de tapete todo encarnado, no-
vo, mais achinelade.
sia, tosse quando causada por depsitos tu- d(> ramagens.
bercalosos nos pulmes. Dehili iade ge-
ral :-Indigeslao, Spphilis constitucional e Urna carleira cor de ganga (ior fra e por dentro
molestias mercunaes, molestias das mulhe- de marroqnm encarnado, com 55 era urna nota,
res, ulceraces do ulero, a nevralgia e con- 2'^ s,'ndo mna "ota de *05 e 15 era prata.
I volcos epilpticas e em sarama, toda serie Su ''ala ""' mocdas de l*-
de enfermidades que naseem da impureza .JSST-edal %deS. U",a "^
do sangue. Vede as certides no Alma-, Mais urna porcJo depatacSes e moedas miadas
nack C .Manual de sade do Dr. \ver que de nralH 1ue snora-se a quantia, em rima bocela
2rgir'enov"*are8on* 56 venaemoa remedios. agosto, entraram pelo telhado da frente da casa f~ ;----------;------------
hste remedio e o iruclo de longos c labo- do lado do sul, destentando tres ordens de tenas e hstciras Gira fo rru de sala a
liosas experiencias, e ha ahondantes Drovas corlando duas ripas faca por onde desceram |^t- or., :jn
que offerecido ra a sala. aonde se achava urna mesa cora duas 0D rs ajaraa
Meiadas de linha frouxa para bordar a 20 rs.
Pares de sapatos de tranca de todos os lmannos
a 15500.
Gro?as de botoes de madreperola muito finos a 560
ris.
Carlas e caixas de clcheles de superiores quali-
dades a 40 rs.
Massos de grampos superiores e limpos a 30 rs. |
Grosas de palitos de gaz a 25200.
Libras de arcia preta da melhor qualidade a 120
ris.
Caixas redondas para rap e tem muito bonitos ca
luagas a 100 rs.
AS
das suas virtu les : posto
. gavetas, carregando esta pela porta do oilo para
juvirem una missa pelo recuso a PU,,W) so,) n"me de bolsa parrilha, e, o quiutal debaixo de um p de jarabeiro onde le-
9 seu lillio na capella do cemiterio! con,Posl de diversas plantas, algumas das j varara urna gaveta com ludo quanto se achava
ade, as 7 horas da manlia do diaquaes sao superiores a melhor salsa parri-1 '" a,",,as as 8vtas, c foram ao quarto do lado
Na rua Nova de Santa Rita
na rua do Crespo loja n. 17.
arinazern n. 19, e
Lecmn.or 1,r0X,m V' Set"" de SeU:,ha seH I,ouer aerante.
PEIT0K.4L DE GERFJA DE AVER.
_ Custodio Collaco Pereira Jnior faz ver ao!
publico e com especialidade ao corpo do commer- i Cura
eio, ime deu sociedade no seu estabeleclmcnto de
molhados ao seu ex-socio o Sr. Antonio Caetano
Martins Marques, cuja sociedade gyrar de baixo
da tirina de Pereira & Marques. '-
do sul abriram, o qual se achava cm a chave na I
[torta e lirararn o que consta da relaco : roga-se
a quera sobber qneira dar noticias na mesma casa I
prora
tosse.
GASA. i
Aluga-se tina grande sala cora 2 quartos, prapria
para qualquer esenptorio ou aula de prrmeiras
molestias
Allivia os etlicos declarados.
Dulmo- "~ Prec!ia-se de urna ama para servico de casa
n,n> "e pouca familia, prefere-se escrava : n rua da
nares. imperatriz n. 18.
Precisase alugar mna preta escrava
.Olestias da garganta, do pMl^^SSSSZE^SS^SS
itras'piirserextrao'rdinariaraenle grande": na1 ra;e 0S Pulm<)es P^'iem ser curadas em pou- zes n. 28, primeiro andar.
liza.
Quem for herdeira encarregado da fazenda
do Finan de cima, no termo de Apudy, provincia
do Itio Grande do .Norte, dirjase ao armazem do
lufino, na rua da Conceicao da Boa-Vista, que
muito se Ihe deseja conversar.
JKunt-Clalr
das Ibas ou os desterrados na iiha da Barra, ro-
mance digno de ser lulo pelas senhoras por seus
lances interessantes postes era execucao por urna
senhora, 3 volumes era brochura a 25: na livra-
ria ns. 6 e 8 da praja da ludependoncia.
Piano
do Livramenlo u. 38 por cima do aimazera do Ba- co lmpo pelo PEITOAAL nE CE8EJA DO DR.
IAVKB.
A' venda tas principaes boticas e droga-
ras do imperio, e na agencia central do'
Rio de Janeiro rua ireita n lo.
Vende-se em Pernmbuco:
na pharmaefa franceza de
P. MAURER & C.
RUA NOVA N. 18.
COMPRAS.
Desappareceu da villa de S. Bento, fazenda
do Acude Novo, duas burras, sendo urna preta e
outra castanha escura, e aquella maior do que esta,
mbas tem a marca A ; rogase pois a quem as
Compra-se ouro e prata em obras velhas
i daga-se bem: na loja de bilhetes da praca oa Inde
pendencia n. 22. ____________
Compra-se couro de cameiro : na rua larga
: do Rosario n. 10.________
Compra-se effectivamente
1 ouro e prata em ol>ras velhas pagndose bem :
na rua larga do Bosario n. 24, loja de ourives.
Comprase cobre velho : na rua do Brum nu-
mero 78.
Diversas obras de porcelana
dourada.
A Aguia Branca acaba de receber um bello sor-
obras '
ua.
an-:
para!
er I
dinheiro e-t habilitado a comprar qualquer des- i
tas obras : na rua do Queimado, loja d'Aguia
Branca n. 8.
Vende-se feijao m^tatiSho0 muito novo pelo ba-; ?aud.a C^uz'e Jo5 da C' Brav0 C->
rato preco de 85, saceos cora 22 cuias garantidas -a Madre de Dos,
pelo vendedor: na rua da Madre de Dos n. 9. i "------------g----------------------s------------------
-r"Vendem^dou77aixoe7"g"randerpara'dpo- v rerrOS para OQrjVeS.
sito ou outro qualquer estahelecimento, todo en- A >a rua 'ara do Rosario n. 24, loja de joias, ven-
vidracado : a tratar na rua das Cruzes n. 1. s ferrse "tencilros de ourives.
Pihuas Vegetan Assiicaraiias
De Kemp
Compostas .los dois novos resinoides chama-
dos PonopnmsA e Leptandrina, e inteia-
in ute livies de Moicurio ou outras vennos
Inincracs ou metallicoH, sao de grande utili-
dacJc ims paees clidos em caaos de
DYSFEPSA, ENCHAQDECA,
foftsiipacjtfl ou PriaJo do Ventre,
PADECIMENTOS DO FIGADO,
AftccfiM Biliosas,
HEMOREHOMS, CLICA,
Ictericia,
FEBEE GASTRO-HEPATICA,
i: uiilrnstiiferuiidadcs aulugas.
Ellu vio rpidamente sobsttuindo os antigoa
purgantes drsticos.
Boa tinta para marcar roupa.
\ ende-se na rua do Queimado loja da aguia
branca n. 8. b
Bous, bonitos e baratos.
A aguia branca tem a satisfacao de communirar
i a sua boa fregue/.ia (jue ha ehegado mais urna oc-
; casiao de pravar a sua lonvavel barateza, vita
da boa qualidade do objerlo, |ior isso convido, a
i lodos que tiverem dinheiro para se dirigirem
rua do Qneimado 11. 8, loja da aguia branca, afim
. de romp arern os objectos seguintes ;
Bonitos collarinli.is bordados, e punhos rom
I botoes, indo por IJo(K.
1 Outros lisos, mas de linhe e tamben) com boldes
por 15000.
Manguitos cora gnllinhas bordados por 25.
Ditos sollos por 15.
i Gollinhas de carabraia bordadas, obra muitc-
1 boa, por 300 rs.
Ditas do Iraspasso, lambem bordadas, igual-
: mente linas a 15-
Lindas cainisinhas com peilo bordado, gollinhas,
manguitos e grvalas, tudo por 55.
Um grande sortimento de eiitremeios mui lar-
I gos c bonitos ; assim corno tiras bordadas, o que
pode ser de melhor, o mais perfeito, variando uns
e oolros nos precos. conforme a largura, mas ba-
ratos em todo o caso.
No ase lindas gaavalas brancas He fil, com
. bonitos e diffieeis bordados (mui proiirios para os
I vestidos a Maria Pia) nbra inteiramente nova aqu,
I e de ultimo gosto, a 25 cada urna.
Bonitos vestuarios brancos com lindos e delica-
A venda as boticas de Caors & Barboza, \****1S2*Z!^
Comprase urna mobilia de amarelio que te-
Attenco.
Vende-se superior vinh* do Porto em caixas de
urna div.ia : em casa de Johnston Pater & C, rua
do Vigario n. 'A j
3* Vende-seou tro^a-se por casas terreas nesta
cidade ou em seus arrebaldes mais prximos, um
sitio com rasa de vrvenda, contendo 6 quartos, 2
I salas, cozinha c senzala, na estrada de Joao de
Barros, o primeiro passando a capella, dn lado do
acbar ou a quem dellas tenha noticia, de dirigirse snna lwuco a*' 5DB a ,iver lueira vender diri-
Iwm cooheerdos fabrr- a mesma villa Luiz Paulino de Valenca ; na ci- ** a rua dns Q"rtcis loja de calcados n. 22, ou
f,mt.eSvl0ndel y^JS .perf!;i, "do e op-: da* do Rerife"aaOr.Veneio kferaao rnVdo' *nDunrie wwde'* l'de ir"ver.
da Fs^ruU '"* Qaam!U0 n' 33 A loJa Imperador n. 4 ; ou a Amonio dos Santos Siqueira
c,3perauta:________.____________________j Cavalcanti no engento Bellomonie, que ser re-
A pessoa que precisa de 8005 a juros com compensado. O mesmo aviso se faz s autoridades
hypotheca era urna escrava cora cria, dirija-se ao1 policiaes para que as apprehendam.
mmmmmm-mmimmmm
caes do Hamos, armazem n. 4, ou aununcie a casa
que queira.
Aluga-se a sala e quartos da parte de detraz
do primeiro andar da casa n. to da rua do Impera-'
dor com vista para o pasmo, propna para escrip
torio, e morada de pessoa solteira : a tratar na
mesma. .
Caixelro.
E Precisa-se de um caixerro que tenha pratica de
taberna e d fiador a sua conducta, d-se-lbe bom
ordenado ou mesmo sociedade : na rua do Amo-
rim n. 36.
Precisase de um Portucnez nara trahalhar i
cora urna carraca : a tratar na rua das C uzes nu-! ~??!*& 1? ama' preferp-Se esrraT?'
mero I "^ wiwsiiiu para todo o servrro de duas pessoas : na rua estrei-
------j---------. ; 'a do Rosario n. 18, primeiro andar.
Os abaixo assignados fazem scienle ao Sr.
Jos Ignacio do Valle que nao podeui vender sua
sein os dbitos com os abaixo assignados. Hecife
29 de agoste de 1864. Ribeiro cV Braga, em li-
iiuidayao.Joao AiitonioJ-irpmteiro da Silva & G.
Precisa-se de dous amassadoresT~na rua do
Kangel n. 9.
Compram-se Diarios a -120 rs. a libra
rua da Senzala Velha n. SO.
poente
n. 38.
a tratar na rua de Rosario da Boa-Vista
rabnca Conceicao da fi
Baha.
Andrade & Reg, recebera constante-
mente e tem venda no seu armazem 11.
34 da ruado Imperador, algodao daquel-
la fabrica, proprio para saceos de assu-
car, embalar algodao em pluma etc., etc., j#>
pelo preco mais razoavel. m
YENDAS.
Eu abaixo assgnado tenho justo c contratado i
com o Sr. Antonio Goncalve.s Dias a compra de sua! Rrerrsa-se de irra peqneno para caixeiro de
coebeira na rua da Sezala Velha ; e se altruem se uma taberna na cidade da Virloria, preftnndo-se
julgar cora direilo mesma tenha a bondade de ^'rioguez: a tratar na padaria da rua Direita
.? apresentar no praso de tres dias desla data. Re- in- 8i- _____________________________
rife 29 de agosto do 1864. ^ O Sr. Sebastian Jos Peixoto tem uma tarta
J boraaz I ayne. I na praca da Independencia, livraria ns. 6 e .
Comprase nma escrava de idade de 35 37
annos, que saiba vender na rua e cozinhar : quera
a tiver pode dirRir-se Capunga nova, no entrar
nCWTICTI hl? DI DIO i ida m(>sma, a esqnerda, passando o primeiro por-
ULIlliolH Ut I AnlO !B >:i' "U Sl'*""'1 '' ''1H al'-nara '"ln quera tratar.
49Rua Neva {$ 11 Compra-se uma casa terrea que nao seja de
Frederico Gautier, cintrgiao dentista, I I a,t0 pre5> em flnalijuer rua desta cidade : a tra-
faz todas as operacSs de sua arte, e col- MI ter na rua ^0 Rangel b. 61.
loca denles artificiaes, tudo cem sperio-
ridade e perfeico, que as pessoas enten-
8didas lhe reconhecem.
Tem agua e pos dentincio. VEWDEM-SE
MmHmMM&SmMWl-mWm as segintes (>b <"><"" Economa 00-
_ wi*,. ,m litica, i vol. poriflXX); Mackeldey, Diri-
to romano, 1 vol por 4,5 ; !),t Caunotj,
Commentario do cdigo civil francez, 2 vol.
por 0(K); Hacine, obras completas I
vol. por8e0.)i5: G. Aass. Diccionario'do
contencios commercial, | vol. por 6^;
Chabot de l'Allier, commentario sobre stte-'
cessoes, i vol. por 65; A. Arnaud, obras
phtlos.piucas, 1 vol. por2A; Sauvage-llar-
ity, creacsk de bancos de deposito, i vol.
por2; Lohis Dlanc, organisacao do traba-
rao, i wi. por2i5; na na doCabug loja
n. 2 A.
Vendem-se 10 arrobas de velas de carnauba
a 95 a arroba, e a 360 rs. a libra : na taberna
na atraz da matriz de Santo Antonio n. 12.
Vehde se superior gaz americano de priraei- j
ra qualidade j condecido : na camboa do Carmo
n. 8 a 400 rs. a garrafa, garanlu-se a boa quali-
dade^_______________________________1
Vende-se uma taberna sita nos Apipucos,
com poucos fundos, em lugar muito bom : quem
pretender, dirija-se mesma.
Vende-se nma propriedade de trras no lu-
E*^
Milho o mais novo que ha
no mercado a 3$osacco
Na rua de Santa Rita n. 1, taberna.
Venda de predios
nu particular ou em leilo.
Vendem-se duas propriedades de casas conti-
guas, de dous andares e solo, com grandes arma-
RIVAL SEM SEGUNDO.
I Rua do Queimado 11. 49 loja de miudezas de o-
1 so Bigodinho, venhain ver a perhincha que se esta
! acabando certas cualidades de fazenda.
Pecas de filas elsticas com 10 varas a.. 240
Ditas de tranca branca lisa com 10 varas. 100
Ditas de trauca preta lisa a............ 00
Realejos para meninos, perhincha a... 120
Rodiuhas com superiores alfinetes a..... 20
Caixas com superiores agulhas e limpas a 200
Sabonelcs de familia, milito tinos a 80 e.. 160
Pares de sapatos de la para criancas a.. 400
Varas de buhado do Porto muito'bom a
100, 120 e.........................
Ditas de biro largo grosso a............
Potes de superior tinta tem mais de meia
garrafa a..........................
Caixas rom perfumaras muito bonitas a.
Frascos de oleo de macaca muito fino a .
Ditos de oleo de babosa superior a 240.
320, 400 e.............,...........
DUos de cheiros muito superiores em qua-
lidade a...........................
Ditos de agua de colonia muito boa a___
Ditos de dita dita grande a...........
Sabnnetes de lodo o prego 60, 160, 200,
320 e.............................
Frascos de superior banha a 320 e........
Caixas de p para limpar dentes muito
fino a-............................
Ditos de hsnha transparente a..........
Pares de ligas muito finas para senhora a
ALUA-SE
a grande loja do sobrado de 2 andares
da travessa do Veras n. 15, muito pra-
pria para deposite ou taberna e por pre-
co coinmodo ; a tratar no mesmo a qual-
qner hora.
Vende-se cerca
4 arrebas de sebo era rama : no
rua nova de Santa Bita, ribeira do peixe.
gar Marapic, margem do rio Tapacur.com um f occul,a",osac'al"1"" M*- Feliciano Jos,
principio de casa deengenho para moer canas, boa s- para l"Rco.dr< a*sucar; Mt0J "? rua ue Sabonetes rngl.zes da melhor qualidade a
machina de ferro e bous vasos, sendo os terrenos AH?llo ns. 34 e 3b, edificados pelo actual preprie-.^r^os de agua deutrilice superior ga-
muite bons e commodos para o raane.o ; e ven- i;'>lco.rn ptimos alerces, superiores roadeiras, randa a..........................
dem-se uns animaes de primeira sorte para o mes- e **"*" ^ |8toJ' en<1 i""bos ^ palmos ''" M'/SS Com 25 envel,es V** >*">-
mo servieo: a tratar com Joo Vieira de Albo- *[esQde ''"^ le largara-, e,es altos do de n. I do a... ........ ............
querq.>e Lyra em Alaga Funda, freguez.a de Bom ?* e ? ,r",m*ro an,,a do J,H n; iib.Palmos de l deit,,a Pre'3 com HftSf-*.....
Jardira comprimento, o segundo andar do de n. Jb lera so- raseos de macaca per ola muito superior
------------------r-rr- mente 120 palmos de cornpriraento, com um ter- Caixas com pennas grandes a.........
de oOO esteiras do cerlao e ra^o, e os arraazens tem 340 palmos de compri- irosas de botoes para calca preta, miudos
n. 19, mente cada um. tendo ambos lambem frente para Libras de memento da roupa de lavara..
_ a rua do caes de Apollo, e o de n. 36 lamhem para; Carriteis de relroz de todas as coros e
a travessa do antigo porto das rannas : os preter- l''m meia oitava de fetroz a.........
dentes estes valiosos predios queiram dirigirse Varas de bicos de dillerentes larguras a
um negro idoso proprio para sitio sem vicio nem aoseu proprietario Antonio Batana Pinte de Mes-
achaqge, por* prefo comroodo, assim come duas au*,a na rua da Cadi-ia do Recife n. 64, secundo
vaccas boas leiteiras : na rua Real u. 71 (sitio no ini"> ou ao agente Otiveira na mesma rua n. 62
Manguihho.)
Vende-se
Ven*e-se um piano de Jacaranda e um san-
tuario, ambos os afcrjectos em bom estado : a tra-
tar na rua dos Acoqguinhos taberna n. 20.
Farinha de mandioca
Chocolate d, musgo Islndico OTtftSHEtt Yt 2^*2
Pharmacia franceza
DE
P. MAURER i C.
I* -Ruta \o*l-I8
Cruz.
Charutos de Havana
de superi.r qualidade vendem-se em casa
de Scbafletlin cVC, rua da Cruz b. 42.
160
100
oso
500
100
500
320
400
800
400
800
100
600
800
320
15000
100
100
200
200
100
200
200
60
Fumo imperial
Cortado igual ao francez muito proprio para ca-
chimbo, em latas de I libra, quando nao seja me-
lhor igual ao americano por 1&200 rs., para veri-
ficar a verdade os Srs. fumantes podem-se dirigir
fabrica vapor de cigarros antiga rua dos Quai-
teis de Policia n. 21.
Caibros.
Vendem-se 200 caibros de embiriba e cocn : a
tratar na rua do Trapiche, armazem d. 9.
I







Diario de Peramkuo miarla Xelra 31 de Agosto de 1864.
*
\
\


2083M3 3G ^lirMJIM
mmU M3K 2
RA 1IO QUEIMADO M. 15.
assana o becco da Congregado segunda casa.
lfCHX#.IffIA
3.



NOVIDADE.

Percira Rocha A C. acabam de abrir na ra do Queimado n. 45 um armazem de molhados denominado Claiim Commerciat.
onde o respeitavel publico encontrar empre um complete sortimento dos melhores gneros que vem m nosso mercado, os aer8o vendidos por precos muito resumidos como o respeitavel publico ver pela tabella abaixo mencionada ; garante-se o bom peso
e boa qualidade dos gneros comprados ueste armazem.
Arroz do Maranho, da India e Java a 60, 80 Cevdinna de Franca muito superior a 220} Peras seccas muito novas a 600 rs. a libra-
e 100 rs. a libra e 16800 a 20600 e 3,5 rs. a libra.
a arroba. i Cevada a 80 rs. a libra,
^meixas francezas em latas e em frascos a Ervilhas portuguezas a 640 rs. a lata.
15200 e 10600 emfrascos grandes a dem seccas muito novas a200rs. a libra.
cjAgoo. I Figos de comadre e do Douro em caixinhas
dem em caixinhas elegantemente enfeitadas: de oito libras e canastrinhas de 1 arroba a
com ricas estampas, no interior das caixas i 10800, 50500 e 280 rs. a libra.
a 125000,1,5400, 1*600 e 20. Farinha do Maranho a 160 rs. a libra.
Ameudoas com casca muito uovas a 280 rs. Farinha de trigo a 120 rs. a libra.
Genebra de HoHanda verdadeira marca VD
a 560 rs. o frasco e 65200 a frasqueira.
a libra.
Alpista a 160 rs. a libra e a 40600 a arroba.
Azeite doce francez muito uno em garrafas dem em garrafoes de 3 e 5 galoes a o55UO
grandes a 960 rs. a garrafa. i e 70500 cada um com o garrafo.
dem de Lisboa a 640 rs. a garrafa. 'Graixa a 100 rs. a lata e 10100 rs. a duzia.
Araruta verdadeira de mataran a 320 rs. a Licores muito finos a 700 rs. a garrafa.
libra.
Avelas muito grandes e novas a 180 rs. a
libra.
Biscoutos inglezes de diversas marcas a
10300 ris.
Bolachinhas de soda, latas grandes, a 20 rs.
a lata.
Ditas inglezas muito novas a 30000 a barri-
c-uinia e a 20U rs. a libra.
Banha de porcor efinada a 440 rs. a libra e
o embarrila 4iO rs.
Cha hysson, huchine perola a 10600, ,
20500, 20600 e 30000 a libra,
dem preto muito superior a 20000 a libra.
Gerveja preta e branca, das melhores marcas
que vem ao mercado, a 506 rs. a garrafa
e 50800 a duzia.
Cognac ingiez tino a 900-rs. a garrafa.
Conservas a 720 rs. o frasco,
dem, s de pepino, a 720 rs.
dem, s de azeitonas, a 750 rs.
dem, qualidade especial e garrafas muito
grandes, a 10800 rs. a garrafa.
dem garrafas mais pequeas a 800 rs.
dem, garrafa forma de pera e rolha de vi-
dro, a 10000 rs., s a garrafa vale o di-
nheiro.
Manteiga ingleza perfeitamente flor, desem-
barcada de pouco a 900 rs. a libra, e da
de segunda qualidade a 800 rs.
dem franceza muito nova a 640 rs. a libra.
dem de tempero a 400 rs.
Massa de tomates em barril a 480 rs. a libra.
Ideraemlata a640rs.
Marmelada imperial dos melhores conservei-
ros de Lisboa a 60u rs. a lata.
Marrasquinho de Zara, frascos grandes, a
800 rs.
dem regular a 500 rs.
Massas linas para sopa : estrellinba, pevide,
rodmhas e letr aohas a 600 rs. a libra e a
40 a caixinha com 12 libras.
Charutos dos melhores fabricantes da Bahia Nozes muito novas a 160 rs. a libra.
e especialmente da fabrica imperial de, Peixe em latas preparado pela pnmeira arte
Candido Ferreira Jorge da Costa, a 10800,1 de cozinha a 10 rs. a lata.
20000,20200, 20500, 20800, 30000 e Palitos de dentes a 160 rs. o masso.
30500 a caixa. Palitos de dentes a 120 rs.
Caf do Rio muito superior a 280 e 320 dem de flor a 200 rs.
rs. a libra e 80500 e 80800 rs. a arroba. Amendoas confeitadas a 900 rs. a libra.
Cartoes de bolinhos francezes .muito novos e'. Doce de goiaba em latas o melhor possivei a
muito bem enfeitados a 700 e 600 rs. | 25 e em caixo a 64o rs.
Chourigase paios murto novos a 800 rs. a Palitos do gaz a 20200 rs. a grosa.
Hbra. i Pa6*as muito novas a 480 rs. a libra.
Painco a 200 rs. a libra.
Polvo secco muito novo a 400 rs. a libra.
Presuntos de Lamego em calda de azeite e
muito novo a 640rs.
Queijos flamengos do ultimo vapor a 20800
dem prato.
dem londrino chegado no ultimo vapor b
900 rs. a libra.
Sal refinado em frascas de vidro a 600 rs.
cada um.
Sardinbas de Nantes a 360 rs.
Sag muito alvo e novo a 260 rs. a libra.
Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tijolos de limpar facas a 140 rs.
| Vellas de carnauba pura a 360 rs. a libra.
dem stearinas muito superiores a 600 rs. a
libra.
Figos em caixinhas ermeticamente lacradas
a 10600.
Vinho do Porto engarrafado o melhor que
ha neste genero e de varias marcas, como
sejam: Velho de 1815, Duqoe do Porto,
Madeira, D. Pedro, D. Luiz I, Maa Pia,
Bocage, Chamisso e outros a 800, 900 e
10000 a garrafa, e em caixa com ama du-
zia a 90000 e100000.
fclem em pipa, Porto, Lisboa e Figueira a
480, 500 e 560 rs. a garrafa e 30, 30500
e 40 a caada.
dem branco de Lisboa muito fino a 500 rs.
a garrafa.
dem de Bordeaux, Medoc e S. Julien a 700
e 800 rs. a garrafa, e 70000 e 70500 rs.
a duzia.
dem Morgaux eChateaulnminide 1854, a 10
a garrafa.
dem moscatel a 800 rs. a garrafa.
Vinagre de Lisboa a 200 rs, a garrafa e
10200 rs. a caada.
Kirsk garrafas muito grandes SENTIDO!

AraraiGM)
O Vigilante est lena, oao-lh* era nermetudo
ueixar passar desapercebido sem que nao dsse o
seu canto alitu de annunciar ao respeitavel publico
o grande sortimento declamaras b melhor gosto
propriamente para qoalqner mrmo, que acata de
chegar neste ultimo paquete, assim eomo mitos
outros objectos que recebe por diversos navios,
tanto de sua corita como de eonsigiiaco, que est
resolvido a vender por precos muito baratos para
vender muito e ganhar pouco, e. dar exlraccao ao
grande deposito que tem, que espera merecer a
protecflio do respeitavel publico, enipregando para
isso todas e as melhores diligencias para que li-
quem satisfeitos : isto s no Gallo Vigilante, ra
do Crespo n. 7.
Ricas porta-joias.
Cofre de muito gosto por 164000
Cestinhas transparentes, forradas de madre-
perola por 185000
Lindas jardineiras 105000
Ricos cofres com camapheu 105000
Lindas caixinhas com pedras brancas IO50OO
Lindo balo com calunga dentro tambem
VAI FALLAR
N. 38 Ra do Livramento N.
(Defronte da grade da Igreja)
GRANDE
n
38



h



165000
'5000
65000
65000
65000
VIICI lili: IHO E PRIYC1PAI,
Ordem do dia.
Est cm discussao a'tabella des precos que o BALIZA tem a honra de offere-
cer ao respeitavel publico tanto da cidade como do centro.
Se por esta publicacaa qualquer um dos riobres collegas entender necessarin
fazer alguma alteracao era seus annuncios, digne-se mandar a sua emenda para o jornal,
que o incansavel Baliza nao Ihepora peas tem o mfiarafar de forma alguma a benefi-
ciar o povo.
Amigo de vendei' barato o Baliza nao exp5e a venda senao os gneros bons.
Elle se jnlga no caso de vender tlio mdicamente como oulro nao o exceder

Soldado soprador toma o clarim
E firme como a rocha fica assim
Nao toques uesse pessimo instrumento
Do Balisa olba s o movimento.
E til que dos mitrados tens as cor;**;
De tildo vendedor de propria eonta
\'o pasmes vendo como sobrancelro
Do regresso o Dallsa a Ira affronta.
mos grande porco de outros que deixamo
de mencionar, e que tudo ser Tendido por
pecas e carnadas, tanto em porges como
retalho.
Quem comprar de 100)5000 para cima te-
r o abate de 5 por cento.
para joias
Tambalier para ditas
Cestinhas dem dem
Cosmorama idem dem
Urnazinha
S uo Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Ricos porta-bouquetes de diversos gostos e pre-
cos : s uo Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Ricos sinlos
com bolcinhas ao lado a 10, 12 e 155, ditos sern
bolea, porm do mesrao gosto, a 25500, 35, ;t5500
e 45, ricas flvelas avulsas para sintos, o melhor
que se pode encontrar, a 15900, 25, 25300 :5 :
s do Vigilante, ra do Crespo o. 7.
Cabaies on cestinhas.
At que cbegaram as desejadas cestinhas ou ca-
bazes para as meninas trazerem no braco, o mais
rico possivei, a 25500, 35500, 4, 5, 7 e 105 : s I
no Vigilante, rna do Crespo n. 7. 0 grande depcsiio que temos de vinho nos obnpa a abaixar sena< precos;
Peritos. I achando-se vista dos compradores cerca de 35 a 40 pipas deste genero, entre pipas,
Neste artigo tem um grande sortimento, tanto j barris e ancoretas.
para alisar como para atar cabello, o mais lindo Amendoas confeitadas em lindos frascos a 800
que se pode desejar, assim como de arregacar ca-1 r, lihra
bello, tanto de borracha como de tartaruga, com ** ,,v1 M ,;,,_,,
dem com casca a Jo rs. a libra.
Ameixas francezas em caixinhas e frascos a
l,2oo, I.oooe .ooo rs.
pentes de Alpista a 16o rs. a libra e 4,6oo a arroba.
do Penedo a 80,
a 2,ooo,
2,8oo e 3,2oo.
Azeite doce retinado a 800 e loo rs. a gar-
rafa.
dem idem em barril a 6io rs. a garrafa e
4,800 rs. a caada.
enfeite e sem elle para meninas
ra do Crespo n. 7.
Pentes
Tambem chegaram os riquissimos
s no Vigilante,
concha de tartaruga e de nUsa fina, que se vende | Arroz do Maranho, Java e do Penei
EL&V S& : s B0 Viilante' rna d0 CresP loo e 12o rs. a libra, em arroba
Grande liquidadlo
Rna da lotperatriz n. O.
loja de fazendas do Pavu de d.r.na & Sflta.
Acha-se ese estabelocimeuto completamentesor-
Os souteanbarques do Pavo a
jf e *2$.
Vendem-se os mais lindos soulembarqnes que
leen viudo no mercado, sendo de caxeuiira deco-
res pelo baratlssimo pre^o de 125 cada um, ditos
de 95, s na
tido de azendas inglezas, francezas, allemaes e de mesambique pelo diminuto preco
suissas, propia lamo para a praca como para o 1 loja do Pav;io, mas ipae nao se enganem : a ra
mato, prometiendo veoder-se mais larato do que I da Iaiperatnz n. b0 : de ama a wiy^^x
em outra quaiqucr parte principalmente sendo em sO o Pavao (a S950OJ.
poryo e de todas as azendas dao-se as amostras | Quem tem bales [KM- tal preco I
deixando Bear penhor oa mandani-se levar em ca- Yesdem-se os bales americanos muito snperio-
sa pelos caiieiros da loja do Pavo. res (.0B1 20 e 28 arcos pulo baraiissimo prw;o de
As rhias rfii Pavao.
Vendem-se diius inplezas claras e escuras pelo
barato preco de 240, 260 e 280 rs. o corado, tintas
seguras; ditas francezas de cores seguras 320,
340, 3C0, 400,440, 480 e 00 rs. o covado, (aseada
muito superior e bonitos padres : s *a loja do
Pavao.
As liiazinhts a expnsiran do Pavo.
Vendem-se as laazinhas a*> mais modernas que
lem vindo ao mercado, proirias para vestidos e
soulamhaniues por screm lisas e de cores muito
delicadas 860 000 rs. ditas lisas com um lus-
tre que parece seda tizadas i 320, 400 e 500 rs. aovado, ditas com
quarinhos de seda 500 rs. o covado, s para
acabar : na loja e armazem du Pavao de Gama &
Silva, ra da Impcratriz 11. Os vestidos do Pava*
Veudem-se os mais modernos cortes de vestido
de la, quo vieram pelo ultimo vapor, com ricas
arras <- cor, rorpinho e collete (apando; diios
cora listan de seda e tambem com barras e eufeiteg
para o eoffM), por arepa mais barato do que cm ou-
tra qualquer parte, e se quizerem urna prora do
que se diz, mandem ver loja e armazem'do Pa-
vao, rna da (diperatriz, n. (0, de dina 4 Silva.
0 vestidos i Varia Pia. S Pavao (8,000 rs.)
Vendem-se os mais lindos vestidos Mara Pia
de laazinha transparente com listas, e palminhas
de soda pelo barato preco de 85000 cada corte :
s na luja do Pavao ra da Imperalriz 11. 60, de
Gama i Silva.
As rassas do Pavi a 210, 280, 300 320 e 3<0 rs.
S o Pari vende as linissims cassas persianas
mitacao de lita, com cores tixas, 360 rs. o co-
vado ; ditas francezas muito finas a 240, 280, 300
e 320 rs. o covado, isto para acabar : ra da lin-
peratriz, loja de Gama c Silva.
\h percalas do PavSo.
As mais lindas percalas que tem vindo ao mer-
cado pelo ultimo vapor tem na loja do Pavao pelo
barato preco de 600 rs. o covado; ditas de listi-
nhas muito miudinhas proprias para vestidos e
roupfies de senhoras, meninos e meninas, pelo ba-
ratissitno prego de 500 rs. o covado, garaotem-se
as cores por serena do melhor fabricante que as
lem ero Paris : isto na loja do Pavo ra da Im-
peralriz n. 60, de Gama te Silva.
Bramante de linho do Pavao a
*.OO. 9.400.e*.00.
Vende-se o melhor bramante de linho puro com
dea palmos de largura por precs muito rommodo,
por ter de acabar a factura, a vara por2J>200, 5100
< 2f 600, s o Pavo : a ra da Imperatriz n. 60 de
Gama 4 Silva.
Panno de liuho do Pavo.
Vende-se panno de linho com 4 palmos de lar-
gura proprio para leneoes e toninas de mi pelo
baratissimo prego de 640, 720, 8 800 ris, a vara,
algodaozinho com oito palmos de largura proprio
para lencoes (telo baratissimo preco de i a vara,
assim como tem o melhor algoduziuho unto em
largura como em corpo, proprio para lenges, ea
24300 n. 5 ditos de 23, 30 e 35 arcos com lilas
muito iem armados, e tambem tem cor escura pe-
lo barato preco de 3530 e 4* cada um : s na Jo-
la do Pavao, roa da Imperatriz, n 60, de Gama A
Silva.
0 Pavo vende para lulo.
Vende-se superior setim da China fazeuda toda
de la -em lustre toado 6 palmos de largura pro-
prio liara vestidos, capas, paletotfi, clcasete, pelo
Leqnes.
Riquissimos leques de madreperola, tanto para
senhora como para mocinhas, pelo barato preco de
Alr dos gneros cima mencionados te-112 e 14* : ^ "o vgaote, roa do Crespo n. .
luis leqnes.
Com pequeo defeito, leques de sndalo, por ba-
rato prego, a 85 e 105 chinezes, muito bonitos,
tambem por barato prego de 4 e 55, bentarallas
muito bonitas tambem por barato prego de 4 e 55,
leques de charlo tambem por 45, ludo isto para
j acabar, perdendo-se tatvez 80 0|0 : s no Vigilan-
I te, ra do Crespo o. 7.
----------------------------------------------hilseiras.
No armazem de fazendas ba-lJ^^^^jY0^6^^^00'^
^ 1 muito lindase de muito gosto a 15 e 15200.
raas de SantOS LoelhO rila Para segurar manguitos.
ila thirliruiil., *i -1Q Tambem chegaram as ligoinhas estreitinhas de
uo V1*' ''" t a borracha que as senhoras lauto precisam para se-
Vende-se o seguate : i gurar os manguitos por ser muito coromodo e mui-
A TTTTirp A () jt0 bar310. a 320 o par: s no Vigilante, ra do
Ricas laazinhas para vestido, fazenda a melhor Carretas.
que tem vindo ao mercado, tanto em gosto como | Riquissimas carretas de madreperola proprias
em qualidade pelo baratissimo preco de 360 rs., para qualquer presente, pelo baratissimo preco de
o covado.
Laazinhas miudinhas carmezins proprias para
vestidos de meninas e camisinhas a 640 rs. o co-
vado.
Cortes de la com 15 corados pelo barato preco
de 65-
Cubertas de chita da India a 25500 e 35-
Lenges de panno de linho a 25 o 25500.
Pecas de cambraia de forro com 8 1|2 varas a
3520O.
Toalhasaleoclioadas proprias para maos a 55 a
baratissimo prego de 25,25200, 25500, e 35 o co- J0;'
AssjS: aawr jb: 18s -
tudo preto proprio para luto fechado e amitos ou- Dkt|ha de
tros artigas que se venden, por precos mais emeon- i "& MnaalorUL
ta do que empotra qualuuer parte por estar liqui- propr.as_ paia sata a .*.
dando, s na loja do Pavao : ra da Imperatriz
n. 60, de Gama & Silva.
Os uiadapoloes do Pavo.
algodao cora 10 varas
7 l|2 palmos de largura
Vende-se peca de madapolao infestado com 12
jardas cada peca pelo barato prego de 45, 45300 e
55, cada peca, Jateada muito superior, s o Pavo
a ra da Imperatriz o. 60, notando que apega leva
una etiqueta com o Pavo pintado para nao haver
duvida nem engaos, isto previne o Pavo, de
Gama & Silva.
As chitas do Pavo '#IOO e
2SOO o corte.
Vendem-se cortes de chila com dez covados a
25400, ditos a25800 com doze covados sao chitas in-
glezas, mas padres bonitos e tintas seguras assim
tem as melhores chitas francezas e de Untas segu-
ras por pregos cmodos a saber 320, 340,360.400,
440, 500, ris o covado : aa loja do Pavo a ra
da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Os bordados do Pavo.
Vendem-se camisinhas com manguitos egolinhas
bordadas pelo barato prego de 15 e 15280 cada
um, manguitos s a 500 ris cada par, ditos com go-
linha a 80O ris.golinhas a 400 e 480 rs., de fil a
240 ris cada golinha bordada, romeira de cassa
e de fil muito bem bordadas a 25 cada urna, man-
guitos que servem para calcinita de meninas a
640 ris cada par, camisa com manguitos e golas
com a competente grvala de seda, fazenda fina
peto barato prego de 35 e rnoitas nutras bordadas
que se veodetn por prego muito em conla : s na
loja do Pavo a ra da Imperatriz n. 60 de Gama &
Silva
As ronpa; do Pavo.
Vende-se panoo preto fino muito superior pele
barato prego de 25, 25300,35, 35300 e 4?, dito
muito fino a 55 e 65 o covado, casimira preta de
urna s largura e muita fina a 15800, 25,25500 e
.15000 o covado, cortes de casimira do cores a 35
55500 e 65, casimiras entestadas de urna s cor
proprias para caigas, paletots, coletes, capas c para
roupas de meninos a 35,35300 o covado, isto : na
loja do Pavo a ra da Imperatriz n. 60, de Gama
& Silva.
Aoalliado do Pavao.
Vende sepatuio ao linho adamascado proprio pa-
ra toalhas de mesa, pelo diminuto prego de 25300
rs. a vara, guardanapos de linho a 55 rs. a duzia,
;r,s0a;''o>"e^VHcr;l.pVeco'muito emnmooo toalhas fr mo a 55 rs. cada duzia na loja do Pa-
a vista da fawnda s o Pavho : a ra da Impera- j vao, ra da Imperatriz n. t.0, de Gama A SHu,
triz 11. 60 de Gama & Silva. Ttai,j nai-a iiipuik
Mtodoiiho com Uque de aria a i.000 Baldo* pdld UietiindS.
1 "1 o,^ Lindos baiaios de vanos gostos para meninas
'i- ;-*. ,,.. trazerem no braco : s se enenntra na loja do Bei-
Vende-se pega de algodaozTtTfio por ter um pe-
Algodo entestado com
15100 a vara.
Esleir da India propria para forro de sala
4, 5 e 6 palmos de largura por menos prego
que em ontra qualquer parte.
este armazem
15300 e 25.
Volliulias.
Lindas voltinhas de perolas falsas com cruzinhas
fingindo brilhantes, assim como cruzinhas avulsas
e voltinhas, pelo barato prego de 15 e 15200, as
cruzes avulsas a 400 rs. : so no Vigilante, ra do
Crespo o. 7.
Sapalinbos emeias de seda.
Riquissimos sapalinhos de seda e de merino en-
feilados, assim como meiaszinhas de seda, gorra-
zinhas e touquinhas para as criancinhas se bapti-
sarem : s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Gol i n has.
Riquissimas goiinhas e manguitos, o melhor gos-
to possivei, a 25, 25500 e 35: s no Vigilante,
roa do Crespo n. 7.
l-nffiles para seahora.
Riquissimos enfeites com lago
Lingoas americanas muilo novase muito gran-
des a 1,000 rs. cada urna.
Lingoicas promptasen latas a 1,5oo cada lata.
Manteiga ingleza flor a 800 rs. a libra nesle
genero ha mais de 10 baris abertos afim re
serem satifeitos os compradores,
dem menos superior a 64o rs.
Manteiga ingleza a 000, 4oo e 32o rs. aii!na,
dem franceza a 060, 600 e Ci rs. c ero bar-
ril por menos.
Massw de tmale a Co rs. a libra.
Marmelada dos melhores fabricantes a t>4o
rs. a libra.
Ancoras com vinho do Porlo, encommenda Mullios nglezes a 4ooe6io rs. a garrahnba.
feita pelo proprieiario do Baliza a 3o,ooo Mostarda preparada a -loo e 61o rs. o frasco,
rs. a ancora com 7o garrafas. Massas para sopa a 4oo rs. a libra das de la-
Ancoreta americana com seis garrafas de i lharim, aletria emacarr3.
vinho Figueira a 3,ooo rs. dem linas estrellinba e pevide a 3,ooo rs. a
Bolaxinhas de Lisboa, ingleza e americanas; caixa.
em latas a l.loo, l.ooo, 2,oo e 3ooo rs. jjjiho raiudo para passaros a 16o rs. a tora
e 4,8oo a arroba.
Marrasquino de zara do verdadeiro a \.'m(k>
frasco,
dem menos superior a 800 e 1,000 rs. o
fiasco.
e sem lago e de
outros muitos gostos a 15, 15500 e 35 : s no Vi-
tambem se encontrar um gran-! ialnle. rua do Crespo n. 7.
de sortimento de roupas feitas e por medida.
s-sseoo S"^L o S 2 23 o
SSa^S- .buscn
3 "O 2 = aaTD-3=J =rS
>H
s a.Bi
C ti B
p>ea
& E-a
M
M

CA
Cu
9 5Et5 H
-* ~
re
-i
=
O

Crt
Vi
S Q
a, o

3
x
a.- co a> rj
1*2 B
1 (ti
-I
-I
o
-, B
o ce
g
rl
UvtHSIII
trazerem no Ivnqo
ja-flor, rua do Queimado ns. 63 e 6 EUracto> e sabo em fv molas
Liadas caixinhas com um carto com a
T3 a
o 5
" B
If
a O
O
CA CC
5*2
33
err* E c ce eo
p.2r eas
F? Scir
wat
=^33
o n a o
g 5.eo.
2
si
as
= 2,-ft
*3 a ai
as a S.
Cu.5*
o S?
13
as
-I
i
B
O
as
a;
o 5
as
I
as
o
as
-i
.
a> r*
raiicclins.
i Lidos tranceln* de cabello para relogio ou lu-
, netas, pelo baratissimo preco de 15500, ditos de
retroz a 200 rs.
IS;ili 'iliiihos entrelucas.
Riquissimos liabadinlios ntremelo* com lindos
' desenhos tapados e transparentes, pelo baratissimo
i preco de 15200, 15500, 25 e 35 : s no Vigilante,
rua do Crespo n. 7.
Oscamluas.
Grande sortimento de cascarrilhas de diversas
larguras, assim como galozinho e traucinhas pro-
prias para enfeites : s no Vigilante, rua do Cres-
po n. 7.
Fitas.
Grande sortimento de fitas de diversas larguras
e qualidade, por precos que admiram aos compra-,
! dores, havendo titas largas proprias para sinteiros, Ervilhas portuguezas em latas com i
que se pode vender a 300 rs. a vara, e peca de 3 Jjras por 700 I'S.
e americanas em barricas a 3,ooo rs. a
barrica.
Boioes com 10 garrafas de azeite doce de
Lisboa a 5,Soe rs.
Banha de porco a loors. a libra e em barril,
a 36o rs.
Batatas em gigos a l.oooo gigo.
Cha perola a 3,ooo rs. a libra,
dem uxim a -2,6oo e 2,8oo a libra,
dem hysson a 2,ooo, 2, loo e 2,8oo. a libra,
dem do Bio a I,6oo rs. a libra.
Idem preto a l.Stoo e 2,ooo rs. a libra.
Charulos dos melhores fabricantes da Bahia
eRio de Janeiro a 8oo rs. e l.oo, 2,ooo,
2,ioo, 3,ooo, 3,3oo, 4,5oo e .ooo rs. o
cento.
Chocolate dos melhores fabricantes .le Paris,
Allemanha, Ilaniburgo e Lisboa
Copos lapidados para vinho a 2,8oo a duzia.
dem idem para agua ao.ooo, 5,tooe (>,ooo
rs. a duzia.
Cerveja das melhores marcas a l.ooo, ii,ooo
e O.ooo rs. a duzia.
f.ravo canella e cominhos.
Ceblas em molhos resteas e solas.
Conservas inglezasa 8oo, 9oo e 1,000 rs. o
frasco.
Diltas francezas a uo e 04o rs. o frasco.
Cognac ingiez e francez a 1,000 rs. a garrafa.
Caf de 1.a, 2.a e 3 qualidade a 8aoo 9,ooo
e 9,ooo rs.
Cevadioha de Franca a 21o rs. a libra.
Champagne de.muito boa qualidade a 12,ooo
e 2o,ooo rs. a duzia.
Doces da casca da goiaba em latas preparadas
com muito aceio, propria para memoziar
algum amigo na Europa, por ser inallera-
vel por mais de um anno, a 3,ooo rs. a lata
com 7 libras.
Dillos em caixes a 86o, 64o, 8oo c l,ooo
rs. o caixo.
Vi '-
'



9
jvaras a 25
s no Vigilante, rua do Crespo n. 7.
Fitas de la.
Fitas de la de todas as qualidades, proprias para
' debrum de vestido a 700 rs a peca : s no Vigi-
| lantc, rua do Crespo n. 7.
Ricos espelhos,
Riquissimos espelhos com moldura dourada e
{sem ella de 85, 10, 12 e 145, assim como con co-
! lumnas de diffcreates tamauhos a 25, 3, 4, 5 e 65:
s no Vigilante,rua do Crespo n. 7.
Judos jarros e figuras.
dem francezas em latas a 3oo rs.
dem seccas a 2oo rs. a libra.
Espermacete americano primeira qualidade a
i.2obrs. a libra,
dem francez a 56o rs. a libia, e em caixas
a 52o rs.
Farinha d'araruta verdadeira a 18o rs. a libra.
Farinha de trigo a 12o, I So e 16o rs a libra.
Farinha de milho a 16o rs. a libra.
Empreza da illuminatfio
Riquissimos janos e ligaras de porcelana fina
i para enfeite de sala, sendo o melhor gosto que aqui
: tem apparecido : s no Vigilante.
Para pos de arroz.
Riquissimos vasos com boneca para pos de ar-
| roz, cousa de muito gosto a 15500 e 25, assim co-
i mo pacofes s com os pos a 320 rs. cada ura : s
no Vig lanle, rna do Crespo n. 7.
Perfumarla.*.
gaz.
Todas as vendas de apparelhos e reclamacoes
&mM2n? "tlTn j^rdo ImieiSor i Gde "rUmeHo de extractos e J,ahas, poma-
reclamantes! ucvo8 ofwrecimentos as sinnazinhas, dos me-
lhores e mais afamados autores de Paris e Ingla-
n. 31. Os mrhinistas mandados para
estas, apresentarao um livro que os
te attendidos.
una da Seuzalla n. 42.
Vende-se, em casa de S. P. Jobnston & C,
familia ellins e silhSes inglezes, candieiros e casti-
flo de vela.
queno loque de avaria mas ijue est em bom esta
do pelo barato preco de 45 e 15800 a peca s o
Pavo : a rua da Imperatriz n. 60 de Gama &
Silva.
Os gnardinapos econmicos do Pava e s d
Pavo 'rua Q''-imado ns. 63 e 6ft
Vendem-se os mais lindos e modernos guardana-
pos econmicos e todo linho, tanto para casas de
fami ia como para botis, hotcqnins etc., etc., pelo
baraiisinw preeo de M a dtni. isto s no Pavo : de Veras, na rua de S. Francisco, sobrado n, W,' Vende-se superiores charutos da Ha vana em ca-
a rua da Imperatriz n. 60, de Gama* Silva. I como quera vii para a rua Bella. seda Rabe Schmeltau 4 C.; rua da Cadeia n. 18.
imperial, o dentro de cada caixa uro frasco ou sa- caes bronzeados, lonas inglezas,
bao o mais fino que possivei: na loja o Beija- chicotes para carros e montana, arreios para
carros de um e dous cavallos, e relogios de
Vende-se o sitio da travessa dos Remedios ouro patente inelez.
freguezia dos Afogados, n. 41 : quem o pretender _---------------------*?5------ -------
entenda-se com o seu proprieiario Ctano Pinto! Charutos da llavaaa.
I freguezes se far lodo negocio : na loja do Gallo
Vigilante, rua do Crespn. 7.
Farinha de mandioca saprrior
em saceos grandes: vende Antonio Luiz de OKvei-
ra Azevedo & C, ao scu escriptorio rua da Cruz
numero 1.
Atlrncao.
Vendem-se teihas e tijolos pelos presos que offe-
recerem os compradores, sendo dinhoiro vista :
as olarlas de Jos Carnciro da Cunha. rua dos
Prawres nos Coelho?.
Figos em caixinhas e em latas lindanmente
enfeiladas a 800 e l,5oo cada um.
Fumo americano em latas para cigarros a
l,8oo rs.
dem em pacotes a 2oo rs.
dem em pasta a l,2oo rs. a libra.
Genebra de laranja a l.ooo rs. o frasco.
dem ingleza marca Galo a 1,00o rs. a garrafa,
dem de HoHanda a 61o e 1,600 rs o frasco
pequeo e.grande. .
dem de Hamburgo, a 56o rs. o frasco e 6,000
rs, a frasqueira.
Graixa em latas a l,2oo r. a duzia.
Limonadas de diversas fructasa 1,00o \9. a
garrafa.
Licores, nglezese francezes a 1,000, 1.5oo
e 2,000 rs. garrafas grandes e pequeas
Nozes a 21o rs, a libra.
Prezunto porluguez ile superior qualidade a
6io rs. a libra e inleiro por 000 rs.
dem ingiez para fiambre a 61o rs. a libra,
nao agradando mesmo depois de preparado,
poder sor devolvido, ijue se trocara por
ontjo ou ser restituido seu importe.
Passas novas a loo rs. a libra.
Polvo a IGo rs. a libra.
Painco a.16o rs. a libra.
Pomada a 21o rs a duzia.
Pimenta do reino a 36o rs. a libra.
Peras seccas a 64o rs. a libra.
Peixcem latas a l.ooors. a la la.
Papel al masso e de peso, de diversas qua-
lidades c precos deferentes.
Palitos do gaz a 2,2oo a groza.
dem para dentes a 80, lo e 24o rs. o ma-
co com vinte macinhos.
Gueijos flamengos a 2,rjoo, do ultimo vapor.
dem prato a 64o rs. a libra.
dem londrino a 800 rs. a libra.
Rap Mcuron a l.ooo rs. a libra.
Saceos com milho muita novo com 2o luas
a 3,5oo e a 2oo rs. a cuta.
Sevadinha a 24o rs. a libra. 1 nova).
Sag a 28o rs. a libra.
Sardinbas de Nantes a 61o, 56o e 3i>!> ;v a
lata.
Sabaoinassa a 12o, 19o, 2ooe 21o rs. so-
bra.
e em caixes por muito menos.
Sai refinada a 600 rs. o pote de vidro.
Toucinho de Lisboa, de Santos e americana
a IGo, 24o c 32o re. a libra, e em arroba
a 5,ooo, 7,000 e 9,oco rs.
Tijollo para limpar lacas a 16o rs. cada um.
Vinho do Porto em caadas a 3,5oo, l.oooe
5,ooe rs. e em ancoras com 7o garrafas por
3o,ooo rs,
IdemdeXisba sem confeiccao, (deencomen-
da) por 5o ,00o rs. o barril com 17 cana-
das.
dem de Lisboa mais baixo a 45,000 rs.
dem em pipas a 3,ooo, 3,5oo e 4,ooo rs. a
caada.
dem em barril de Bordeaux com 13o gar-
rafas por 5o.ooo rs.
dem idem do Bordeaux com 70 garrafas por
3o, 000
dem em caixas por 0,000 rs. a caixa com 12
garrafas da melhor qualidade que vem at>
nosso mercado.
Vinho branco para missa de Lisboa e Porto
em pipa, barril e ananas a 4,00o e S.ooe
Vinagre de Lisboa, Porto, tinto e branco a
l,6oo e 2,ooo rs. a caada
dem em ancoras por 16,000 rs.
Velas eslearlinas a 56o rs. o maco, e em cai-
xas a 52o rs.
Vassouras americanas a 64o rs. nma.
At que chegoni
ura grande sortimento de bico e renda preta de
novo modelo chamado (guip) o melhor qoe se
pode desejar neste artigo e que se vende n
rato : na loja do gallo vigilante rna
n. 7.
de Crespo
As verdadeiras brides de
Ipojuca.
Vcnde-se na rua do Qoeimado n. 32: loja de fer-
' rageos|de Azevedo & Irmao.





-r
mr.
mar
m.ro /
ALLIANCA




57 RA DO IMPERADOR 57
Mt
Paulo Ferre'ra da Silra \R Companhia
Grande sortimento de molhados em gres e a refcdho. nico armazem que mais
vantagens offerece ao publico.
Desenganem-se todos.
l;: o Alllaaca o verdadeiro hornero do progressso
J o Alllaaca o verdadeiro e principal firmazemde moihados.
1$ o Allianca o armazem que rende mais harato.
K o AlJtaaca o armazem que vende os ituitiores gneros.
o Alllaaca o armazem onde presida o melhor aceio.
Ftquem ledos sabedores desta verdad?,
Venbam todos na do Imperador n. S7.
Venbam ver os gneros que temos expostos a venda.
PARA AS FIESTAS
DE
S. JOiO ES. PEDRO.
Amendoas eonfeitadas de bonitas cor fflom t Hnaa em garrafoes com i4 gar-
800 rs. a libra. rafas a 7,2oo rs. com o garrafo.
dem de casca muito nova a 3oo rs. a libra. Lentilhas excedente legume para sopa e gui-
Avelas a 2oo rs. a libra. zados a 2oo rs. a libra.
Ameixas francezas em caixinbas com lindas Licores francezes de todas as qualidades a
estampas a 4,2oo, l,4oo e 1*600 rs. cada 8o e l.ooo rs. as garrafas grandes.
uma- ; Maoteiga ingteza perfeHamenfce flor a 800
dem em frasco de vidro com rolha do mes- e 96o-rs. a libra.
mo ou de metal, a l,2oo e 1, ioo rs. cada dem franceza nova j deste anno a 600 rs.
um. a libra, e 58o rs. em barris inteiros.
dem era frasco grandes a 2,000 rs. cada Marraelada especia! dos memores fabrican-
um. j te d Lisboa a 600 e 64o r*. a libra, ha
dem em latas de I r/i e 3 libras a l,2oo e latas de differentes tamanhos.
2,ooo rs. I Assa 44 tomate em latas de 1 Ubra a 96o
Arroz da India e Maranho o melhor que so rs. calla urna.
pode deaejar a loo e 12o rs a libra e dem para soda estrellinua, pevide e rodinha
2,8oo a 3,4oo rs. a arroba. em caixinhas sorlidasa3,ooo3,5oo rs.cada
Azeite doce de Lisboa a Coo rs. a garrafa, e urna e 5oo rs. a libra.
4,8oo rs. a caada. dem macarrao, talharim e aletria a 4oo rs. a
dem francez claricado em garrafas bran-, libra.
cas a 9oo rs. cada urna, e i 0,000 rs. a Mostarda franceza preparada em frasco a 4oo
caixa com 1 duzia. rs. cada um
Alfazema muito nova e limpa a 32o rs. a li- Molho inglez em garramabas com roltias de
O
NEM COROAS NEM MITRAS
t
ukamii:

ARMAKE9I
DE



:. j na
RA BO mPERlDOK Hf. 4
Junte ae obrado em que mora u Sr. (Meme,
1

NOVA EXPSITO DE GNEROS
NO
ARMAZEM
PRINCIPAL

DE



N. 9 RIJA DO CRESPO M. 9
Para a festa de Santo Antonio, S. Jofto e 8. Pedro.
proprlo*
Ma$as brancas
para sopa a melhor que se p6de desojar,
macarrao, talharim e aletria a 400 rs. a
libra e .44500 a caixa.

Vinho
uartc Almelda di C, receberam de sua ]>roprla eacoMiaen-
tla amala lindo e variado <>rtiu)iulo de molliarfo
da presante estaeie
Manteiga inglesa
da safra nova vinda neste vapor de 28 de
uto r800 rs. a libra.
Uantrlga franceza
da safra nova a 800 rs. alibra, e ni barril
a 300 rs.
Amendoas
eonfeitadas de lindisslmas cores a 800 rs. a
libra.
Ameixas
em frascos de vidro com 3 libras liquido a
2#400, muito propios para mimos,
Cartoes
cora bolos francezes a 500 rs. cada rita.
Latas
Esquina que volts tara a ra do Imperador
provavel que nao seja bem aceita a ver Jado, quando a boa t de todos anda
muida por esta epidemia de nauzeatico annuncios de cornetas, tambores cor&as mi
tras, etc., que todo o dia enebem as paginas deste jornal. '
ALERTA
Os annunciantes nao lem em vista senao garantlrem ao respeitavel publico a
sua palavra de honra, vendendo com o lucro suficiente pira sitas subsistencias c nao narJ
assehtarem fortunas a forca da regra de liga como outros annonrlahtes desle cen
PARA lilMK
Noarmazem principal vende-se a todos pelos preCos marcados na sejiiinte ta-
bella, mas nao se vende por todo o preco fttendn-se peso de arroba hespanaofa oran
5^^dte^*^tf^*^ 'odo aquelle que nao seja do ag'rado do
coros a
com boachinbas de soda de todas as qua-
lidades a 1-0300.

bra.
Alpista a 16o rs. a libra e 4,6oo rs. a ar-
roba
Bolachinhas de Lisboa da fabrica do Beato
Antonio dasseguinles qualidades: agua e
sal doces, e imperiaes em latas de 6 libras
a 3,ooo rs. e de 3 'a libras a l,5oo rs.
e em libra a 04o rs., estas bolachinbas
torna-se muilo recommendavel com espe-
cialidade para es doentes.
Biscoitos e Boncbinhas de soda em latas de
todas as qualidades e marcas que se pro-
curar a 1,35o rs a lata.
Bolos francezes em cartoes e de diversas
qualidades a 64o rs. cada um.
Banha de poren verdadeira refinada a 4oo
rs. a libra e em barril a 38o rs.
Batatas novas a 16o rs. a libra.
Bolachinhas ingieras ltimamente desembar-
cadas a lio rs. a libra e 2,000 rs. a bar-
rica.
Champagne das marcas mais superiores que
at boje lem viudo ao nosso mercado a
18,000 rs. o gigo e l.aoors. agarrafa
inteira, e 800 rs. as mcias.
h u\im (i melhor que se pode desejar, e
que oulro qualquer nao vende por menos
de 3,ooo a 2,7oo rs. a libra.
dem perola do esp cial qualidade a 2,Goo e
,8oo rs. a libra, garante-se a qualidade
d*este cli.
dem hysson o melhor que posslvel encon-
trar-se a 2,4oo e 2,Coo rs. a libra.
dem lo Hio em latas de 2, 4, 6 e 8 libras
a l,2ooe I,ioo rs. a libra
dem preto muito fino .1 l.Ooo rs. a libra.
Chocolate das memores qualidades, francez,
bespanhol e suisso a 1,000, l,2oo e l.ioo
rs. a libra.
Charutos do acreditado fabricante Jos Fur-
tado de Simas em '/a caixas das seguin-
les marcas: Parizienses, Suspiros, Dili-
cias; Napnleoes e Guanabaras a 2,3oo rs.,
e era c.hm inteiras Trovadores a 3,ooo
rs. cada una.
dem de outros rautos fabricantes e de dif-
ferentes marcas para 1,00o rs. as meias
caixas, de suspiros a l.Ooo, 2,ooo e3,ooo
rs. as caixas inteiras.
Conservas inglezas a 800 rs. o frasco.
dem franceza a 5oo rs.
Cognac ingle/, das meihores marcas a 1,000
rs. a garrafa e lo.ono rs. a duzia.
dem francez superior qualidade a 800 rs.
a garrafa e 9,ooo rs. a duzia.
Cominho e erva-doce a 4oo rs. a libra.
Cravo da India a 600 rs. a libra.
Ganella a I,ooo rs. a libra.
Copos finos para agua a 0,000 rs. a duzia, e
5oo rs. cada um.
Caf do Rio snperior a 280 e 320 rs. a libra,
e 8,800 e 0,.'oo a arroba.
I)>.ce fino de goiaba aooors. ocaixao.
Krvilhas porluguezas ltimamente chegadas
vidro a 64o rs. cada urna.
Marrasquinho verdadeiro de Za l.ooo'a dja -
agarrafe, fo.ooo rs. a caom 1 usi.xrc a
zia.
Nozes muilo novas a 16o rs a libra.
Prezunto de fiambre superior a 600 e 800
rs.
dem do Pbrto para panella a 000 rs. a libra.
Passas novas a 48o rs. 1 libra.
Peixe em latas de differentes qualidades co-
Choedates
de todas as qualidades a 1)9(000 a libra.
Presuntos in^lezes
dos meihores fabricantes a 80 rs., tambem
temos velhos para 500 rs.
Queijos flamengos
chegados neste ultimo vapor a 2600.
Queijos !
chegados no ultimo vapor a 2
Ideal de Lisboa dem de casca dura a 24o rs. a libra
e de outras marcas a 400 rs. a garrafa, e dem de casca mole a 32o rs a libra
2>800 a caada.
dem do Porto
generosos engarrafado dos memores fabri-
cantes da dede do Porto aloe 4*2001 dem em Irascos grandes a !,5oo rs
a garrafa ede 100 a 12*a caixa, asmar- dem em latas de 4 / libra a 1 loo rs
cas sSo asseguintes: Chamisso AFilho, | Arroz do Maranho e da India o melhor que
na neste genero de 80 a loo rs, a libra, e
Lentilhas muito novas excelleote legume na-
ra sopa a 2oo rs. alibra.
Licores francezes do todas as qualidades de
7oo e 9oo rs. a garrafa.
I A^p TTiTe SS ^ 'ndaS Manga ing',za P**N flor a 800 rs.
01 dem em frascos grandes a 2,5oo rs. vista q P 'er,ficar Com a
F. c M., Nctar ou vinho dos Deuzes,
lagrimas do Douro e outros mnitoi.
Latas
conl f O libras de bnha a 45000.
Bolachiiiha ingleza
a 4^800 a barrica damesmaque
venden a 2^000 e 2,^400.
Nozes
as mais novas do mercado a lflrf Jl bra.
Cervejas
dos meihores fabricantesje de todas as mai
cas de 4,#>00 a 6 a garrafa,
novas a 2.000 rs, a anco-
. "ei-Jo CHARUTOS
.i!!0 T !VeX0 S 5^S eSPrar Gharutos TI,om pint- eis e outros
e de excellante maree a 800 rs a fibra. meias caixinhas a 1*000.
sendo inteiro e a K)0 rs, a retalho. Arroz
CoilSerVaiS illglezaS I do Maranho a 100 rs. a
em
mo. savel, corvina, govas, pescadinha e! as mais novas que se pode esperar a 760 rs.
outros a l.ooo rs. a latas.
Palitos para denles a 14o e a 16o rs. o mas-
so dos meihores.
Pataco o mais novo e limpo a 16o rs, a li-
bra, e a 4,5oo rs. a arroba.
Palitos do gaz a 2,loo rs. a rosa, e2oo rs.
a duzia, e 20 rs. acaixinba.
Queijos flamengos chegados neste ultimo
vapor, a 3,000
dem pratn muito fresco a 800 e Ooo rs. a
libra.
dem suisso a melhor qualidade que at ho-j
je tem vindo ao dosso mercado a 800 rs.!
a libra.
dem londrino a Don rs.

a 5oo rs.
o frasco.
Figos
em libras e caixinhas ricamente douradas,
proprias para mimos a 900 e 15200.
Cha uxim
o melhor que se pode desejar, que outro
qualquer nao pode vender por menos de
35 a 25600.
dem perofa
especial qualidade a 25700 rs. a libra
dem ln Nsim
o mais aromtico que tem vindo ao nosso
mercado a 2#600.
Massas amarellas
talharim e aletria a
ibra, e da India
a 80 rs. a libra, e 25500 a 3:>000 a ar-
roba desses que vendem por 35400.
CAF
de *.e 2. sorte do Hio de Janeiro a 8Sf
e 85800 a arroba, e 280 a 300 rs. a libr
Ciarrafes
de 2,5oo a 2,8oo a arroba,
Azeite doce de Lisboa a 600 rs.
4,8oo rs. a caada.
dem francez e de Lisboa refinado em gar-
rafas brancas a Ooo rs. a garrafa e lo,ooo
rs. a duzia.
Alfazema muito nova e limpa a 32o rs. a
libra.
Azeilonas muito
reta.
Alpista limpo a 14ors. a libra, e 4,4oo rs. a
arroba.
Bolachinhas de Lisboa da fabrica de Beato
Antonio de diversas qualidades, em latas
de 6 e de 3 libras a 3,000 e l.ooo rs. a
lata, c 64o rs. a libra,
dem ingleza em latas de 2 e de 4 libras
das meihores marcas a l,3oo e 2.2oo rs.
a lata.
Banha de poico refinada a 4oo rs. a librae
em barril a 36o rs.
Batatas em caixas de 2 e de 4 arrobas a
l.loo rs. a arroba.
Champagne das meihores marcas a 2o.ooo
rs. o gigo, l,8oo rs. a garrafa, e Ooo rs. I
1-
dem franceaa a 36o rs. a libra, e em barril
ou meios a >oo r*.
Marmellada do 1." fabricante de Lisboa a 600
rs. a libra, ha latas de I, 1 /, e 2 libras
Map de tomate em latas de urna e duas li'-
bras, a 600 rs. a libra,
dem para sopa estrellinha, pevide, rodinfia,
etc. a 3,ooo rs. a caixa e 56o rs. a libra.
Macarrao, talharim e aletria a 4oo rs a '
bra.
Mostarda franceza preparada a ioo rs o fras-
co.
dem ingleza em po a 64o rs. o frasco
Molho inglez em garrafinlias com rolha de
vidro a 64o rs. cada urna.
Marraschino verdadeiro de Zara a l.ooo rs
a garrafa, e lo.noo rs. a duzia.
Nozes muito novas a 16o rs. a libra
Ostras preparadas em latas a 7oo rs". a lata.
Prezunto para fiambre inglez verdadeiro, ga-
rantmdo-se a qualidade, a 7oors a libra.
Passas novas de carnada a loo rs. a fibra, e
6,5oo rs. a caixa.
Peixe em latas hermticamente fechadas das
seguinles qualidades, sabel, corvina, go-
rz, cavallinha e pescada a l.ooo rs. Ma-
ta.
Palitos para denles fichadas a 14o rs. n ma-
ro de 20 macinhos.
Sal refinado em potes de vidro
cada um. para sopa, macarrao,
Cerveja das meihores marcas a 6,000 rs. a; 480 rs. a libra.
duzia. o 56o rs. a garrafa. C'Of.- VA c
Sardinlia de Lisboa e Nanles em qnartos e o muito afamado cognac Pal Brandy a l,8oo
meias latas a 38o o 58o rs. cada urna. rs. a garrafa e de outras muitas qualida-
Sag muilo novo e alvo a 2io rs. a libra. des a l.ooo e 800 rs. a garrafa.
Scvadinha de Franca 18o rs. a libra. toPO
Sevada a loo rs. a libra, e 2,8oo rs. a ar- lapidados para agua a 4,000 e 5,ooo rs. a
ro,)a- I duzia, e a 440 c 5oo rs. cada um.
Traques de I.-'1 qualidade a 0,000 rs. acai-i ..
xa, e 24o rs. a carta. *r<\rtui,
Toucinbo novo de Li.ba a 24o e 32o rs. a ,T grp,ve'Peso e futras muitas qua-
ll,i;i. : Imadas de 2,2oo, a 4,000 a resma do me-
Tijolo para limpar facas a 15o rs. cadaum.
Vinho em pipa Porto, Lisboa e Figueira das
com 4 Va parrafas com vinagre a 4 5000 m _.as meias garrafas,
o garrafo. Cha uxim n melhor possivel a 2,7oo rs. a li- \dem do gaz a Stoore. a duzia e Pnn r
GEXEBHA DE LARANJA bra. a ?
verdadera a 15000 o frasco, e de 1IS00C dem perola qualidade especial m,.w ,,.;r;,II1(- miIII0 nnvor
a caixa. a linra.
DEM dem hysson o raemor que ha neste genero
em frasqueiras de Hollanda a 55800 com a 2.000. 2,4oo e 2,6oo rs. a libra.
12 frascos. | dem do Rio em latas de 2 a 8 libras, a i Zoo
GENEBHA rs. a libra,
de Hdanda verdadeira em frasqueira a 600 dem preto homeopalhiro2,ono rs. a libra.
rs. cada urna.
PALITOS
a
Cerveja das meihores marcas a 6,000 rs. a du-
zia, e 56o rs. a garrafa.
meihores marcas a 3.8oo rs. a caada, e
5oo rs a garrafa.
dem do porto Lisboa e Figueira de marcas
a 7oo rs. a lata,
dem ceceas a 10o rs. a libra,
dem j descascadas a 2oo rs. a libra.
Farinha de araruta verdadeira a '120 rs. a
libra.
Figos em caixinhas muilo bem enfeitadas a
l.ooo rs. cada uma.
I lem em l?tas ermiticamente lacradas a
1,5oo e 2,5oo rs. cada uma.
dem em caixas de */a arroba a 2,5oo rs.
cada uma, e 2oo rs. a libra.
Graixa muilo nova a loo rs. a lata e l.ooo
rs. a duzia.
Genebra de Hollanda em frasqueiras com 12
frascos por 6,000 rs. e 560 rs. o frasco
dem de laranja a 1,00o rs. os fraseos gran-
menos conhecidas a 4oo rs. a garrafa, e
2,8oo rs. a caada.
dem Colares especial vinho a 600 rs. a gar-
rafa.
IdemLavradio muilo fresco nao levando com-
composicao a 56o rs. a garrafa, e 4,000
rs a caada.
dem branco de uva pura a 56o rs. a garra-
fa, e 4,5oo rs. a caada.
dem mais baixo a 4oo rs. a garrafa, a 3,ooo
rs. a caada.
dem Bordeaux em caixas de 12 garrafas das
marcas mais acreditadas a 6,5oo e 7,ooo
rs. a caixa.
dem mnito especial que raras vezes vem ao
nosso mercado a l,2oo rs a garrafa, ga-
ranle-se que por este mesmo preco d
prejurzo e s se encontra n'este arma-
zem.
dem do Porto em'caixas com 12 garrafas
das seguinles marcas Lagrimas do Dou-
ro, Duque do Porto, Genuino, Velbo Par-
ticular, Malvasio fino, D. Pedro V, D.
Luiz I, Nctar e outros a 9,ooo e lo,ooo
rs a caixa e 9no e l.ooo rs. a garrafa.
dem Musratel superior a 1 ,ooe rs.^a garra-
fa, e lo.ooo a caixa cora 4 duzia.
Vinagre- puro de Lisboa a 2oo a garrafa e
2,4oo rs. a caada.
dem em garrafa* com 5 garrafas a 4.000
rs. com o garrafo.
; Vassouras do Pbrto de arcos de ferro a 32o
rs. cada uma.
dem de escova1 para estregar casa a 36o rs.
; cada uma.
I Ihor.
Papel de boilea
de excellente qualidade a 25200 a resma, | Maranh3o, Java e gW {qq ^ a
. PA,P^E* de 3,000, a 3,2oo rs. a arroba,
azul e pardo para embrulho de 1,4oo a 2,2oo VELAS
rs. a resma. os verdadeiros palitos do gaz a 2,2oo a groza Chocolate francez, suisso e bespanhol a
e 2 rs. cada cantaba*. 1,000, l,2ooe, l.4oo rs. a libra.
LICORES Charutos do afamado fabricante s Furia
finos de todas as qualidades, a 40,000 a caixa do de Simas e outros da Baha como se-
com uma duzia e a 4,000 a garrafa. jamRegaba,Trovadores, Guanabaras, De-
Marmelada ,ctes l! s,,sniros-a ,'6o' 2,000,3,000 e
X I 11 1 rS 'i f*1!Y*l
dos meihores fabricantes de Lisboa como se- Con^,.vas mglms'.; 75o rs f
jam Abreu e outros muitos a 600 rs. a
libra.
Prezunto
. o verdadeiro prezunto de Laraego a 52o rs.
a libra.
000 rs. ca-
rs.
libra e
Corinthias
libra e em caixa ter abatimeulo.
passas corinthias muito novas proprias para j VELAS
nrum a nn re n iik*. oe carnauha em caixas de arroba a 0,3oo v
caixa e 34o rs. a libra.
Batatas novas
a em caixas de 2 arrobas a 55 a caixa e 60 rs.
a libra.
Passas mtiilo novas -
podim a 800 rs. a libra.
Fume
o verdadeiro fumo americano em chapa
4,4oo rs. alibra
PRLTurreus^"'aas a !5'oors- sss!ft5 ufa.0 ^c wm
p i 11 Chocolate
UeOOliaS portuguez o mais especial que se pode de-
as mais novas do mercado a 7,ooo rs. a caixa seJar a 8^0 rs. a libra e 440 rs. o pao.
e l.ooo rs. o molho. Frutas en enlda
Almsta P PaBA chega.tas uftimamente, pera, pecego, ginja e
xxipioui c j.cuut,u outros maitos a 640 rs. a lata
T!\I% T a 140 rS- a libra' Dsce *> "^ "a guiaba'
e 45400 a arroba. 800 e 45 o caixe.
rrAQ,a proPr,e,ar,os do grande armazem o Verdadeiro Principal declarara aos seos dem em garrafoes de 16 garrafas
SSES2 La'"'5e. publ,co em ?eral' .c"Paia facllftar a commodidade de todos es- ^ rs- com o garramo.
[dem idem de 3 caadas a 7,2on rs. cada um.
dem franceza surtidas ou de uma s quali-
dade de cada frasco a 000 rs.
Cognac inglez e francez a 1,000 rs. a garra-
fa, e lo.ooo rs. a duzia.
Cominho e erva-doce a 4oo rs. a libra.
Gravo da India a 600 rs. a libra.
Canella a l,ooo rs. a libra.
Copos finos para agua e vinho a 4.800,
5,ooo e 5,>oo rs. a duzia, e 000 rs. cada
um.
Cafe do Rio superior 28o e 3oo rs. a (ibra,
e 8,5oo a 9,000 rs. a arroba.
dem do Ce.u a 26o, 28o e 3oo rs. a libra,
e 8.000 a 8.5oo rs. a arroba.
Doce de goiaba a 600 rs. o caixao.
Ervifbas portugnezas em latas, chegadas l-
timamente a 7oo rs. a lata.
dem seccas a 16o rs. a libra.
dem j descascadas a 2oo rs. a libra.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Figos em caixinhas bem enfeitadas a Ooo rs.
cada uma.
Graixa nova a loo rs. a lata, 1,100 rs. a
duzia.
Genebra de Hollanda em frasqueiras de 12
frascos a 5,8oors., e 56o rs. o frasco.
dem em botijas a 4oo rs. cada uma.
a 2,7oo rs.lPainco muito novo a 16o rs. a libra, e
rs. a arroba.
Queijos flamengos do ultimo vapor,
dem pialo muilo fresco a 800 rs. a libra, e
sendo inteiro a 72o rs.
Sal refinado em potes de vidro a
da um.
Sardinhas de Lisboa e de .\antes a 6oe
amera lata, e ioors oqoarto.
Sag muito novo ealvo a 24o rs alibra
Sardinha de Franca a 18o rs. a libra
Sevada a loors. alibra.
Toucinbo de Lisboa a 24o e 3oors. a libra
Tijolos para limpar facas a 15o rs. cada um!
Vinho em pipa, Porto, Lisboa e Figueira das
marcas menos conhecidas a 4oo rs a par-
rafa, ea 2,800 rs. a caada.
dem Figueira especialmente eseoinido neste
lugar a 600 rs. a garrafa, e 4,000 a caada.
dem Lavrad.o. Colares muito fresco tet
composiraoatoors agarrafo, e Ooo rs a
caada.
dem Lisboa em ancoras com O caadas mar-
ca especial a22,000 rs. a ancora.
dem branco uva pura a 56o rs.
e a 4,Soo a caada.
dem Porto lino em pipa a 56o rs a
fa.
dem engarrafados generosos, Lagrimas do
Domo. Duque do Pono. U. Luiz I 1) Pe-
dro V. Nctar, velho secco, Malvsrfa, o
genuino particular de 9ooal,2oo rs. a gar-
rafa1 e a lamo rs. a caixa com uma duzia.
dem Madeirajegilimo a l,2oo rs. a arrafa
ea 12.oon rs. a duzia.
dem Musratel a looo rs. a garrafa.
dem Bordeaux dos acreditadas marcas St.
Julien St. Esteph, chteau la Rozo, chatau
Margonx e outros a 6,000 rs, a caixa r 56o
rs. a garrafa.
Vermouth a melhor bebida estomacal a 2.000
rs. a garrafa.
Vinagre de Lisboa a 2oo is. a garrafa e l,4oo
rs. a caada.
a garrafa,
garra-
a 4,8oo '"lem em garrafoes com 3 garrafas a 1.000 rs.
tipularam os mesmos precos nos seguintes lugares
Uniao c Comnercio roa do Qireimado n. 7
O Verdadeiro Principal rna do Imperador n. 40


FRCTAS
Vassouras do Porlo com arcos de ferro a 32o
1* iuvuiui unMnm a /,20o j's. i.niti um. ^- cana urna.
; dem ingleza em garrafas brancas bordadas dem de escovas para lavar casa a 36o rs.
com rolha de vidro, qualidade superior
a i.ooo rs. a garrafa.
dem de laranja verdadeira a I,ooo rs. o fras-
des e H.ooo rs, a caixa com 12 frascos.: Velas de espermacete superiores a 56o rs.
dem de Hollanda em botijas a 4oo rs. cada a Hbra, e 52o em caixa.
,,nr>a. I dem de carnaulia refinada e de composicio
dem em garrafoes de 16 garrafas a .4,800 a 36o'rs. a iibrp, e de lo,ooo a ll.ooors,
rs. com o garrafo. a arroba. I

RA DO QEMADO NUMERO 11
Lnja de fnzendas d Av a.indas chapclfnus e chapeos para seahoras.
Oxearan! a este esialjeleciment as mais modernas chapellnase rliapos para ;,cnlior
Superiores cortes de lia o barra de I5 a #. |
. ^iJK?is s"i""'ores caj)as e 9outemljari|nes de seda prrta e caseroiiia de cores para senhoras de
*> le oO*.
BMelientM las para vestido a .120, 300, 560 e COO rs. ocovado
Cassas e organdya de cores a 2iO e :iH) rs. o covado.
Os melhori tapetes para sof com riipiissimos desenhos.
L"ri(;osde cainliraia de linlioe fil Iiordados a 1-3 cada um.
Sniieriures Casemires inesdadas de diversos poslos lano em peras cano em corles.
E outras mujas fiwcnias como sejain: pcreaHfti nlssimas. hrtarih^s, sileoias, esi|i5o, silis-
fina pn.ia maito lina, cahto para vestidos de lulo, (HMtaauMile banKM cores e as soiieriores
lislelras p:ira alaa.
As pessoas que prelendnrem forrar siias salas ou caliinctes, encontrar*
meibor aqoalidadu de esleir? de odas a? larguras c pelo mab mdico pre<;
chegada. neste ultimo vapor, vende-se nos seguintes lugares: Rua do Imnerador n
40, \crdadeiro Principal-Rua do Queimado n 7, Unan e Commerci '
Ar
co, e 14,009 a fiasqueiras de 42 fraseos.
Kirsch Wasser excellente bebida Suissa a
l,8oors. a garrafa.
cada uma.
Vedas de espermacete superiores a 36o rs.
a libra, e sendo em caixa a 52o rs.
dem de carnauba relinada e de composico
a 36o rs. a libra, e lo.ooo el l.ooo rs. a
arroba.
GAZ GAZ GAZ
Vende-se gaz de primeira quadide a
I0<) a lata : nos armazens da rua do Im-
perador n. 16 e rnado Trapiche Novo n. 8.
GRAXA N. 7
\ ende-se a verdadeira graxa ingleza n. 97 no
mareirfde J. A. Meretra Das na rua da Cr.u
armareu
numero 26.
;o neste es
stabel
en ment

Potassa.
Salitre refinado, superior qualidade, vinho Bor-
deaux, diferentes qualidades, mais tralo qu em
qualquer parte : no armazem de E. A. Burle &
C, rua da Gru n. 48.
ff
Fartura de sabonetas
A2A!$i.yianra receben um completo sortimen-
to de sahoefes, c quer atarihui-los com toda a sua
freguezia que compra a dlnheiro vista, por is-o i
os est verrden.lo pelos barails>imos precos de 13,; Vende-se polasM em Larris, porcomoiodproco-
I-5*H), f3500, ?3, 23300 o 33 a duim, sendo es- n" eseriplorio de Antonio de Almeida Gomes rua
tes de cores e com diverso* moldes silgaras, e da Croz n. t, 1" andar.
outros transparente- a 23500, 33 e 43000 a duzia.! T^U Z~i7-------------T=---------------
E>tes acedmmodados precos sermn bellamente I"*, >OlaOlCS C JWlOes.
pan que todos lavem suas mos, lencos, eje, efe, Vende-se trina, volantes e cales de todas ae
com emirso sabpnete, e uma nr.ijae hija dintiei- 'arPwa Pftr 7ire^os mnito--barato: s6 to vigilante
ro, dirijam-se i rua do Queimado, loja' d'A^uia ritt << Crespo pj 7.
Brancan."8. I --r-r-------------r::-----r;-----------
setenan nos cnarissnuos unaos ler-
reirsdeSao Franrisco
'a rua da C.vlr-i.i, loj n. t, exi.-tera enrdoes
\Ml\ ,: OLEO heFIGADOi,f.DACALH \0
XAROPE DE RBANO IODADO
Segundo o* llesiados dos nmlios des hnapitaes de Panz, uunslgnados lio Cmenerto. ei ni
** "'< Aeadenteot, este Xarope enprea-w com o maior tucceno, em lugar do OLEO DE FIGDO DE
BACALHAO, mqual elle realmeote nupertor. Cara as molestia) de pelto, as escrfula, e Ivmpliatlsmo a
pallidei e molleza das carnes, as perdas d' appetlto, e regenera a constltuicao purificando o sanaue. Fm
summa o mais poderoso depurativo ooahecido. Eli* nunca canea o estomago ou os intestino* como o
loduro de potassium e o ioduro de Ierro e admiistra-se com a maior eillcacidade aos mnnos suieitoa
aoa humores ou ao entupimento das glndulas. O D*atr c.*Te, do hospital deSan'Luii de Paris
o recouinn-nda d'um modo iateiramenu particular as molestias da pelle, eonjunctamente com uMalas
que teem seu nome. *"""
Depsito geral: em Part, en casa de MM. Grimmntt e c. nbarmaoeoticos 7 roa da la Fealllade
em Lisboa, en rasa de Rodrigo da Cuta-Cartalho; no Porlo, en casa de Mlaacl Jaa da '
rerretra- fm o Rio-de-Janeiro, Tlu.a Prlx.la Dala, rua do Sabio. II- em i*hia *a casa o
Jaa-Cactan* Frrrelr-'
A4o, en casa de Frrvel
pliannacias do llraiil.
--------------------- __^ mm uw -,uj, ii; em anlA #0 casa oe
rlra-E.|.lahelra; em Rio-Grande, en casa de Jabata e 6*4ot' em Jforon-
lreC-;emPtaombuco, Iknaic*, ruda Gru, IJ soaaa, ens prtoclp
llirlis liaiiiliurinozis.
h'a, rua No'a n 61 delronte da Hlma. cmara !
nmuirtf.), vendem-se constantemente bichas novas do vohhdriro M tMra'us <>< irmaos profer-
f 5!*?*.y ??.,0.. e : recohpiri-se por todos os vapores.
prepi
' compiodo
i
perfetciio : seu preco
Deposito iferal em Hernainbuo na da tj-uz u. ti le euioasai^nw drtwMa-.
JZl 2ZZES225?. '""LE** 5SS& ~ Vende-se a fabrica de sabao da rua do Ban-
pmnria para principiante, e tem irrAitos commodos gel u. 34, propria para qualquer nrimipianle por
^ranfrTl.'*HenD2r?e,50r ,U|far de, commerc0- "a ter oncos fundos, e ser neg-H-io de TaMagcm ; o
ml^J.?.df,f;Rd0!' 1 Tde tan, f,arao fabricante obriga'se a waiar gratuitamenie\
Z^TJ-tn10"' : e ,ambeI" se vva,i* u'1,a 1WW fom(.rar a m^ira de fabricar o
ImSaAJSft ? !* PQ"' Jum" ranoa d0 Lw-afttoe alugnel da
MO lijlos e um cava lo de. cor rodado e bom an- mesma
dador: quem pretender comprar todos esles ob-
casa
WtbSo,
lr.ii.ir na
jectos, dirjase rua pirtta dos Afogados.'padaria Vende'H.ia tabem sita
n. 80, qne a vi=ta do? compradores se far lodo o guel nos Afogados. com bastantes
negocio.
adiar com quc-ui tratar.
na rua de 8. Mi-
Ircgtiezos, n. 68,



WfW"
' III
neo niiafta Ulrt 31 -* **# ie t

10 PUBLICO
era o menor censtran-
gimento se estregar, o
Importe do genera que
nao agradar.
ATTENCM
Os preeo* da seguate
tabella para todos, po-
dendo assim servir de ba-
se para o ajaste de contas
com os portadores.
ABMAZEM UNA
mJA DA CAilE^A O RECIFE W. &
(Logo passaudo o arco da Coieeifio)
brande reduccao de precos, equivale
te a deas por cento menos o qne outro qHalquer
anunciante.
Collegas.Nao posso por mais tempo sustentar o prego da manteiga ingleza a 4,ooors. a libra, bem assim o de outros
amitos objectos, etc., dando com isto ocasio a todas as e
alta voz, que podem vender pelo prego que eu vendo!! 1
systhema que vim encontrar, de s se vender com um por
pelueas acabaron por bom prego a manteiga de tempero, e gntarem em
Ora, eu offendido com estas obscuridades e recette em adoptar o mesmo
cento a carola, resolv fazer esta grande reducgiio de pregos, como veris
pela seguiste tabella, pois como sabis ca pelo meu bairroi at a abertura do aomoravel armazem de molbados mao Mercantil nao
se sabia de outro prego de manteiga ingleza a nao ser o d> 4,4oo a 4,Goo rs. a libra. Iloje porem, resentidos da reduccaoa que
estar obligados, encarando todos os dias de seus freguezes: reclamacio de procos, e qualidades, vingam-se de ume outro POore>
mal informado deste novo estabelecimento. para lbe vender goneros nao proprios de um estabelecimento desta ordem que o seu nni
lo sement obler a concorrencia de seus fregoezes.
GRANDE ARMAZEM
DE
mOLHADOS

DE
ALMEIDA DUARTE
FRVCTAI
.liacas. Ra do Queimado n. 7.
Uvas. Ra do Oueimado n. 7.
peras. Ra do Queimado n. 7.
! EXTRAORDINARIA
I i qn !(!.(;!( de fazcodas de todas as mt*-
li'asna luja e armazem da Arar-,
roa da imperatriz n. lili, deLout n-
eo Pereira Hendes Guimares.
Attendam freguezes!
Sontemliarque a 105, 42J e 1$ pichincha.
Vende-se soutemtiarques muito hem anfl>H*flns
e de core?, para senhoras, a lti-i 125 e 153, ditos
prelos a 205.225 e 255 i capas pretas do gros-
denaple a 20 e 2.55: so na ra da Imperatrii n.
50, loja da Arara,
Cortes de chita a 2J-100.
Vende-se cortes de chitas de cores fixas com ii
covados a 25100 e 3,8200, corles de ewibrain A>:
barra a 25, dito* de salpicos a 25500 : na i ua da
Imperatriz n. 56, lojatla Arara, de Menes Guni*
rae?.
Vende-se pollinha< para senhoras
2i(), 320, manguitos a 500 rs.,
1550, 25 e 15300, entrejpe
para enfeilar vestidos Urlicos .a 15, IfHOO


Para bem de todos.
Senhores e Senhoras o aceio que presidio, aos arranjos deste novo estabelecimento, c mais que ludo apromplido e entei-
reza com que sero tratados, convida a urna vizita ao mesmo, certas de que sem duvida me darao a proteegao e preferencia na compra
dos gneros que precisarem, e quando nao pogam vir poderlo mandar seus portadores, ainda que estes sejam pouco pratices, pois
serao Uto bem servidos como se viessem pessoalmente, havondo para com estes toda recommendacao, afim de que nao vao em outra parle.
rs. e em barricas de 4 duzias se faz abati- Antonio de Lisboa em latas com 6 libras
Manteiga ingleza (safra nova) especialmente.
escolhida a 8oo rs. a libra, em barril se
faz aba tmente,
dem franceza a mais nova que tem vindo ao
mercado a 5(>o rs. a libra, e em barril ou
me ios a mo rs.
Cba bysson de superior qualidade a 2,6oe rs.
a libra,
dem perot o mais superior do mercado a
2,8oo rs.
dem huxim o mellior que se pode desejar
neste genero 2,6oo rs.
dem preto homeopa tilico por ser de superior
qualidade a ,ooo rs. a libra,
dem bysson, huxim e perola mais proprio
para negocio o I,6oo, I,8oo e 2,ooo rs. a
libra, garante-se ser muito regu'ar, igual
ao que se vende em outra paita por 2,4oo
e2,6oo rs.
Linguicas, cliourigas e paios em latas de 8
libras, emticamente lacradas a*5,5oe rs.
garante-se serem superiores aos que vem
em barris.
Chouricns e paios em barris de mcia e urna
arroba a 8,ooo rs. e 1,ooo e Goo rs. a libra.
Queijos flamengos muito frescos chegados
neste ultimo vapor a 2,2oo rs. e do vapor
passado a I,Ooo e I,8oo rs.
dem londrinos os mais superiores que tem
vindo ao mercado a 8oo rs. a libra entei-
ro se faz abalimento.
dem pralo muito fresco a 8oo rs. a libra,
dem do Alentejo o que se pode desejar de
fresco e superior a 8oo rs. a libra, a elles
antes que se acabem.
Ervilhas e favas porluguezas em latasj pre-
paradas a Glo rs.
Marmelada imperial dos mais acreditados fa-
bricanlesde Lisboa a 600 rs. a libra.
Prezunlo do reino vindos de casa particular
a 0G0 rs. a libra, e a 5oo rs. inteiro.
dem inglezas para fiambre chegado nesle
vapor 72o rs. a libra.
Copos lapidados para a gua a 3,ooo e i),3oo a
duzia,
Choculate
1,000 e l,4oo rs. a libra.
Espgrmacete em caixinhas contando G libras
por i.ooo r., garante-se serem transpa-
rente e de superior qualidade, tambcmtem
de 12 por libra propria para carro.
Pene em posta sovel, corvina, gors. pesca-
mento.
Caf do Rio a 26o e 28o rs. a libra, e 7.8oo
e 8.5oo rs. a arroba.
dem lavado de primeira qualidade a 3oo rs.
a libra, e 9,ooo rs. a arroba.
dem do Cear de superior qualidade a 24o
e 28o rs. a libra, e 7,8oo a 8,000 rs. a
arroba.
Arroz do Maranhao a loo rs. a libra, e 3,ooo
rs. a arroba.
dem da India muito alvoegraudo a loo rs. a
libra, e 3,ooo rs. a arroba.
dem de Java a 80 rs. a libra, e 2,2oo rs.
3 arroba.
Paingo e alpisla a i 4o rs. a libra, e 4,3oo
rs. a arroba.
Massa de tomate em latas de 1 e 2 libras a
600 rs. e de barril muito superior a oo
rs. a libra.
Aletria, macarro e talharim a 4oo rs. a li-
bra, e 9,ooo rs. a caixa.
dem e lalberim branco a 32o rs. a libra,
estas massas tornam-se recomendaveis as
pessoas doentes ii>r serem propriamente
leitas para esse lim.
Estearinas a 56o rs. a libra, e em caixa com
25 libras a 52o rs.
Vinho do Porto muito fino encllente qua-
lidade proprio para engarrafar em ancore-
tas com 9 caadas por 43,ooo rs.
Acaba de receber de sua propria encommer.da um grande e variado sortimento
de molhados todos primorosamente escolhidos, por isso apressa-se o proprietario em
offerecer aos seus freguezes e ao publico em geral a seguinte tabella dos seus gneros e a? 25 e 25500 e 3& seroulas de aHrodao a.
resumidos precos, afiangando todo e qualquer genero vendido neste bem conhecido ar-' 15000, de linho a 25, ecoiarinho? a 400 rs. ; na
e meninas a
camisinhas a 15.
eios e tiras bordada?
I14C0
a peca, enfeites para rasaveque a 15, gravaMcHas
para senhora, limito finas a 15 e 15500 : na ruu
da Imperatriz n. 56, loja da Arara.
Vende-se palitots de panno lino a 165. 1'5 ''
125, ditos saceos com litas a 125, 105 e 85, ditos
de casemira linos a 105- 85 e 65. diios sem fita
15500,55, ditos de brim a 2550U, 35, 3*500, ds
alpaka a 35 e 35500, calcas de brim e de ranga
25, 25500 e 35, ditas de nieia casemira a SJtSOO c
455OO, fin.?? a 55. 65 e 75, coletes e cam--a> fra-
mazem.
Amcndoas confeitadas de8oors. a libra.
Manteiga ingleza perfeitamenta llr, a 800 rs,
libra.
Licores francezes
tes marcas creme
e pertuguezes das seguin-,. ,Ve,m,.c'T- fc 8.'
f B 15, de rostao a 55 :
e de violetas, gerofles, ro-1 {j da Araia.
por 2,oo; ditas doce em latas com o mes-
mo peso a 2,5oo; ditas imperiaes em latas
de 3 libras por l,5oo rs.
Ameixas fiancezas em latas de l e meia libra
por! ,2oo; ditas em caixinhas de deverses
tamanbos com bonitas estampas na caixa
exteriora t,2oo, l,5oo, el,8oors.
Azeite doce refinado Penanol ou do Kempes
de Lisboa a 85o rs. a garrafa e 9,8oo a
caixa com urna duzia.
Batatas muito novas a 5o rs. a libra e 2,ooo a
caixa com 2 arrobas.
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e
8,5oo a duzia.
Vassouras de escova para esfregar casa a 32o
Nozes muito novas a 160 rs. a libra
Molho inglez em garrafa de vidro com
rolba do mesmo a 5oo rs.
Mostarda ingleza dos melhores fabricantes a
800 rs. o frasco.
Mostarda franceza em potes j preparada
a 4oo rs.
Lentilhas excellente legume para sopa a 2oo
rs. a libra.
Marrasquino o verdadeiro de Zara em garrafas
grandes a 1,00o rs. e 11,00o a duzia.
Palitos para denles a l4oe iGors. o mago.
Sal refinado em frasco de vidro oomfollw do
mesmo a 5oo rs.
ra da Imperatriz n. 56, loja da Arara.
Vende-se colchas de chita a 25, de damasco, k
na ra da Imperatriz 11. 50,
!lo]
sa, absmto vespeiro, amor perfeito, amen- Vende-se panno de linho para lences t
dem franceza a 56o rs. a libra, e 5oo rs.
sendo em barril.
Cb uxim a 2,7oo rs. a libra, e de 8 libras j
para cima a 2,6oo. rs. a duzia 1,000 rs. a garrafa, garante-se: vende-se bramante de linho comi palmos
dem perola a 2,8oo rs. e de 8 libras para que os melhores que temos tido no mer-' de largura a 25500, dito de 12 palmos a 2)800
cima a 2 7oo cado. a vara' et",as liara cobertas a 320, 36o e iuo r:-..
dem hysso'n o'mais superior que se pode Passas muito novas em (partos e inteiros a i ftSSSi^itS *S e'ioo^Tcovt
desejar a 2,6oo e de 8 libras para cima 2,ooo rs o quarto, a 6,5oo a caixa e loo do! (,c[a pichincha, tai. barata, s se p*de encoo-
libra. trar : na ra da imperatriz 11. 56, luja da Arara.
4oo e5oo rs. a garrafa, em caada a 2,5oo,
3,ooo e 3,8oo rs.
Vinlio branco de Lisboa de escolente quali-
dade a loo e 000 rs. a garrafa, em caada
a 3,000 e 3,8oo rs.
Vinho liranco para missa em caixa de 1 duzia
a 8,000 e a 680 rs. a garrafa.
Vinho do Porto das melhores marcas, que
vem ao mercado como sejam Lagrimas do
Douro, Duque do Porto, DuqucGcnuino,
D. Luiz L, Aladeira secca, Malvazio fino,
Fetoria em caixa de 1 duzia de 9,ooo a
io.ooo rs. ea 9oo e 1,000a garrafa,
francez, snisso e hespanol a 9oo Vinho Coliircs o mais superior que tem
vindo ao mercado a 64o rs. a garrafa.
Sardinhas de Nantesem quartos e meias latas
a 36o e |56o rs. cada urna.
Sardinhas portuguezas em latas grandes
preparaijaspelo mellior conserveiro de Lis-
boa a 64o rs.
da, samao, ostras e duinner vezugo em BolaehinhaJ ralezas as mais novas do mer*
latas grandes a 800 e 1,00o rs. cada urna. cado a 2,8oors. a barrica, e 24o rs. a
Vinho Bordeaux das marcas mais acredita- libra.
das que tem vindo ao nosso mercado a Bolacliinha de soda em latas com diversas
6,000, 7,ooo e 8,000 rs. a caixa, garante-; qualidades a4,3oo rs.
se ser de qualidade superior, que outro, Bolo francez em caixinhas muito proprias
qualquer nao pode vender por este prego. | para mimo a 64o rs.
rs. o frasco, e Passas muito novas de carnada
Vinho de pipa Porto, Figueira, e Lisboa a32o,' Cervoja branca e prela das marcas mais a-
Genebra de Hollanda a 56o
5,7oo rs. a frasqueira.
dem de laranja verdadeira de Aliona em
frascos grandes a 1.000 rs. o frasco, e
44,000 rs. a duzia.
dem de Hollanda em botijas grandes a loo
a 4oo rs. a
libra e 6.000 rs. a caixa com 28 libras.
Figos de comadre a 2io rs. a libra e
1,8oo rs. a caixa com 8 libras.
Amendoas de casca mole a 32o rs. a libra.
Bolachinhas d'agua em sal da fabrica do Beato
creditados que vem ao mercado a 5,ooo e
5,3oo a duzia e 48o rs. a garrafa.
Sag muito novo e alvo a 4o rs. a libra.
Sevadinlia de Franca muito nova a2oors.
CharutosdetodososfabricautesdaBahiaedas
mais acreditadas marcas conhecidas no
nosso mercado a 2,ooo, 2,5oo, 3,ooo,
3,500 e 3,8oo a caixa de loo charutos.
Cognac inglez das melhores marcas a
1,000 rs. a garrafa.
Doce da casca da goiaba ein latas de 4 li-j Papel de
bras por 2,ooo; ditoemcaixesa6oors.?
cada um.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Velas de carnauba de G e 42 por libra a
32o rs. a libra e lo,ooo rs. a arroba.
Azeite doce de Lisboa a 64o rs. a garrafa
e 4,8oo a caada.
Banba de porco refinada a 4oo rs. a libra
e 36o rs. em barril.
Capil de diversas frutas muito frescas a
64o rs. a garrafa.
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a graza.
Touc'mho de Lisboa muito alta e alvo a
a2,5oo rs.
dem menos superior a 2,4oo e de 8 libras
para cima a 2,3oo rs.
dem proprio para negocio a 2,3oo, de 8 li-
bras para cima a 2,2oo.
dem do Rio em latas de 2, 4,6 e 8 libras
cada urna a 2, 3, 3,5oo e 4,8oo rs. a lata,
dem preto o melhor que se pode desejar
neste genero a 2,800 rs.
dem menos superior a esse que se vende
por, I e 2,4oo, a 4,8oo rs. a libra,
dem mais baixo bom para negocio a l,5oo
rs. a libra.
dem miudinho proprio para negocio a 4,5oo
rs. a libra.
Queijos do reino chegados neste ultimo va-
por i 2,2oo.
Queijos chegados no ultimo vapor a 2,2oo rs
dem prata es melhores e mais frescos do
mercado a 76o rs. a libra sendo intairo.
Genebra marca gato a 4.7oo rs. a garrafa.
Biscoitos em latas de 2 Jibras das seguintes
marcas : Osborne, Craknel, Mixed, Victo-
ria, Pec-nic, Fance, Machine eoutras mu-
tas a 4,3ooe 4,4oo rs.
Fumo americano em chapa a 1,60o rs, a
libra.
Araruta de todas as qualidades.
Batatas novas em caixas de 2 arrobas a 5# a
caixa e 60 rs. a libra-
Balachinha de Craknel em latas de 5 libras
bruto a 4,ooo rs.
dem inglezas em barricas a mais nova do
mercado a 3,5oo rs, a barrica e 24o rs. a
libra.
azul e encarnada
da Imperatriz o. -o,
riu-
Chocolate portuguez o mais especial que se
pode desejar a 800 rs. a libra e 14o rs. o
pao.
botica de excellente qnalidade a
Potes com sal refinado a 48o rs. cada um.
Figos de comadre em latas de 4 e 8 libras
lacradas hermticamente a l,4oo e 2,2oo
rs. a lata.
rs. a titira. trar: na roa da Imperatrii o. 06,
dem corinthias propria para podim a 800 A Arara leinia, uo vende, ipicima.
rs a libra Veudem-se baldes de 16, 20, 25 e 30 arcus a
Marriehd-K dos maisafamidos fabricantes de 22i0-i^00- 3* :i5i00 '' 45' dllos d" n?sse,fta
Marmeaaas (ios maisatamaaoMaDriUesae a4e'|poO: Batojada Arara, roa da Impera.
Lisboa a 64o rs. a libra. tru n. ($.
Ervilhas secas muito novas a 16o rs. a libra. | vende-se challes de ISazinha a 156OO e 25, dito;
Grao de bico muito novo a 16o rs. a-libra. de merino a 25500 e 45300, ditos unos a 05, dllos
Ervilhas francezas em latasa.64o rs. ,g"^0887* : na ,ojada Arara'rua,la*****'
Potes com sal refinado a 48o rs. As'laaziuhas da Arara a 210 rs. o (Otado.
Fumo de chapa americano a 4,6oors. a hora vendem-se laaxmnag para vestidos a 40, 32o,
fazenda especial. 400, 500 e 560 rs, o rovado. ditas milito tinas c
Presunto para fiambre inglezes a 7oo e 800 &>m Ve, de lyrio, de rosa,
,;if 1 a 600 rs. o covadu ; na ra
rs. a unra. [o^ da Arara
Cboongas e paios mmto novos a 84o a libra. k Arara Tfnde ehitas a 2o rs.
Caixas de traque n. 1 a 83500 cada uma. Vendem-se chitas para vestidos de cores fra* a
Massas para sopa macarro, talharim aletria 2*0e 280 o covado, ditas francezas a 320, 360 c
Imn a lihra -400 rs., cascas de cor a 280 e 320 o covado.oi g*w-
O* wrt,deiro inglz 8,500 rs. a aua V3&R %** "' '' """'
e 800 rs. a garrafa. y \rara TMje cor|PS e iaa a MariajPia.
Mem francez a 7,000 rs. a duzia e 7o rs. a Veoda-se corles de la com barra a 85, dito*
garrafa. 'Tinosa Hara Pa por 185000, laazinhas a Baria.
Charuto&em grande quantidade e do todos os I'ia a 460 e 800 ra. o covado : na ra da Impera-
fabricoojes noais a 2,000, 2,5oo, 3,ooo e 4,ooo rs. a caa,i W&t tU
os mais baixos sao dos que por abi se ven- Xcne.s( madap|ao a*, de 14 jardas, n. 60 a
dem a 2,000 e 2,500 rs. 655OO, dito n. 7 a 75. dito n. 2, 85, dito de mai-
,' ... 0 0_ ft ca dnas crnzs a 95, dito S a 105, dito 11 H a 115
Cafe de premeira qualidade a 8..J00 e ,ooo dil0 Bb a ,2 lortos Cftes madapoies sao muito
rs. a arroba e 28o a 22o rs. a libra. finos; algodao a 55 e 65, dito earne de vacca a
dem de segunda qualidade a 8,2oo rs. a ar-: 65300, dito,.mesticoa 75^ dito sirnpira a .Jiode
raha p 0O, dito pao Jorro! h a pe?(.
rorja e zoo rs. a uui d. de 20 ardas |0(jOS cstes a|godoes sao de boa fjua-
Arrozdo Maranhao a 42ors. a libra, ,ooo rs. Iidadc na vua ,.a imperatriz n. 56, loja da Arara
a arroba. de Mendes Guimaraes.
dem da India muko superior a 2,9oo rs. a A Arara vende brim trancado de linho a 13200
arroba e 400 rs. a libra. Vende-se brim trancado de linho brauco ara
iHom MaU haivn rp'dnndn a 9 fino rs a Iihra cal('as a !>5-00 ^400 e 15600 a vara, dito pardo
dem mais Muro reoonuo a -,00o rs. a iiDra., dp vjnho a (.,i0 m 800 fi i$m brelanha d,
dem da India compndo a 2,4oo rs. a arro-; |nIl0 a 6W,, m rs. a vara aniia para ca|as e
ba, C 8o rs. a libra. brim de cores a 500 e 480 o covado, cortes de ra-
. semira preta para calca a 35500 e 45, ditas tiu:v-
Vellas de carnauba do Aracaty a 9,000 rs. ar-; e de cores a 35, 55500 e 75 o corte : na ru;. da
roba, e 3Go rs. a libra. Imperatriz n. 56, loja da Arara.
dem de sebo muito dura fingindo esparmace-1 As percalas da Arara a 500, 360 e 600 rs.
te 360 rs. a libra. Vende-se finas chitas percalas a 500, 360 e jj
i ldemdeesparmaceteaaoors. aimra, eem 45300 e 35000 a pwa, ditas para coronados con.
caixa a 520 rs. com 25 libras. j 20 varas a 95 : na loja da Arara, ra da Impera-
Papel o melhor que se pode desejar para os triz n. 06.
Srs. empregados pblicos a 5,ooo rs. a res-. proprietario da loja e armazem da Arara re-
., f b \. m commenda toda a attencao aos Srs. ireauezes o:
32o rs. a libra e 8,600 a arroba.
Amantas francezas em latas de 3 libras por
2.000. rs.
Cebollas solas a l,4oo o cento ; ditas em
mollios com cento e tantas por 1,2oo rs.
Matie excellente cb para os navegantes a
a 2oo rs. libras.
AGENCIA
DA
FNDIGAO DE LOW-MOB.
Roa da Scnzalla nova n. 42.
Neste estabelecimento contina a haver
um completo sortimento de moendas e meiai
moendas para engenho, machinas de vapor
e tachas de ferro batido e coado, de todos 01
tamanhos para ditos.
Arados americanos e machinas par
lavar roupa: em casa de S. P. Johnston 4 C,
ra da Senzalla Nova n. 42.
AKHAZIH
FRONTEIRO
DE
Nova liquidadlo.
Pecas do aigodao superior com um peqneno de-
leito a 55, dito com 20 jardas a 65. dito com 24
ditas, largo, rauito superior a 65500, pechas de
cassas para babados ou cortinados, em bom esta-
do, eeoui 10 raras a ?5. loaihas brancas adamas-
cadas e quadradas d- p^ml>raia a 500 rs estoupa
AliVES COUTIWHO efe BllA\IVIO
21 L argo do Terco21
Ao publico.

Cbouricas muito novas a 64o rs. a libra; chocolate francez a 4, ooo rs. a libra;
ameixas idem ; alpiste a 46o rs. a libra, e 4,6oo rs. a arroba ; arroz do Maranhao e da
India de 8o a loo rs. a libra, e em a arroba de 2.6oo e 3,ooo rs. ; azeite doce refinado
a 4 ,ooo rs. a garrafa e em por^ao, menos; idem de barris a 64o rs. a garrafa, e em cana-
da a 4,8oo rs. : banba de porco a 4oo rs. a libra, e em barril a 36o rs.; batatas muito
novas a 4o rs. a libra, e 4,2oo rs. a arroba ; cha perola, bysson, miudinho a 4,8oo, 2,4oo
larga a 440 rs. a vara : ebeguem a estas' pechin-! e 2,5oo rs. a libra ; charutos des melhores fabricantes da Bahia de 2,ooo e 4,ooo rs
chas antes que se acabem, na '
ra da "'
da alfa
Esleirs do Aracaty
Vendem-se na iravessa da Madre de Dos 10. a 56o rs. a libra, e em caixas a 52o rs.; farinha de araruta verdadeira a 2oo rs. a libra,
-------------------'-------T^------------------! e em a arroba a 6,0(ors ; genebra de laranja a 4,ooo rs. o frasco ; dem de Hollanda
- Ulieima! \ a gj0 ^ e 400 rs. a botija ; graixa em latas a 4,2oo rs. a duzia ; manteiga ingleza per-
No largo do arsenal de marinha, loja de alea- fcla n,or a g00 rs a libra; idem franceza a 56o rs. a libra, e em barris a 52o rs.; mae;a
th^SiSfii* ina.,d.de, de tomate a Roo rs. a libra marm >Iada dos melhores fabricantes a 64o i
a dozia a....................
Urna pellepor
'de tomate a.............---
215000 tria, talharim e macarro a 4oo rs.; marrasquino de Zara verdadeiro a l.ooors. cadatras-
15800 co -'nozes muito novas a 2oo rs. a libra ; passasa 4oo rs. a libra ; painco a 16o rs. ; po-
a 36o rs.; papel almajo e de peso de diver-
grosa e 2o rs. a caixinh ; ditos de seguranca
o mago; queijos flamengos do vapor a 2,ooo rs.
- cevadinha a 2oo rs. a libra; sardinhas de Nantes d 4oo a 64o rs. a lata ; sa-
^- ....=__ wi ~.', ,.un iiwii.r a ?nn rs. a Iihra: toncinho de Lisboa muito alvo a 3oo Ps. a li-
Frulas em calda chegadas ltimamente, pera,
pecego, ginja e outros muitos a I2o rs. a
lata de 21|2 libras.
Idemem caixinhas de 8 libras a 4,800, e
24o rs. a libra.
Nozes muito novas a 420 rs. a libra, e 4,ooo
rs. a arroba.
Amendoas confeitadas a 600 rs. a libra.
dem de casca mole a 32o rs.
Vinhos engarrafados no Porto e Lisboa das
seguintes marcas: duque, genuino, velho
secco especial, lagrimas doces, vinho es-
pecial D. Pedro V, nctar superior de
1833, duque do Porto de 1834, vinho do
Porto, velho superior, madeira secca, Por-
to superior D. Luiz I, e outras muitas
marcas, em caixa de uma duzia a 4 0,000 e
4,ooo rs. agarrafa.
dem branco de uva pura a 64o rs. a garra-
fa e 4,000 a caada.
dem superior a 5oo rs. a garrafa e 3,2oors.
a caada.
dem em pipa Porto, Lisboa e Figueira das
marcas mais acreditadas a 3,8oo a caada
e 5oo rs, a garrafa.
dem de marcas pouco conhecidas a 4oo rs.
a garrafa e 3,ooo rs. a caada.
Especial vinho Lavradio sem a mais pequea
composic5o a 560 a garrafa e 4,000 rs. a
caada.
Farinha de matarana a 240 rs. a libra.
Ricas caixas com figos a 4,000 rs. cada uma.
Ricos livros com figos 4,000 rs.
Pomada a 200 rs. a duzia, sevada muito no-
va a 80 rs. a libra, e 2,5oo a arroba.
Garrafes com 4 */ garrafas de vinho supe-
rior a 2,5oo rs. com o garrafio.
dem com 4 */ ditas de venagre a i ,000 rs. o
garrafo.
Vinagre PRR em ancoretas de 9 caadas a
10,000 rs. com aaocorata
dem empipa puro sem o batismo a 2oo rs.
a garrafa o i,4oo rs. a caada.
Caixas com 4 duzia da garrafas de vinho Bor-
deaux fazenda muito especial a 6,800 rs.
a caixa e 700 rs. a garrafa.
E calcados dq toda a qualidade, assim como bous ma(ja a 240 rs. a duzia; pimenta dorcino
\iflCilas cada um cevadinha a 2oo rs. a libra; sardinhas de Nantes d 4oo a 64o rs. a l
v um a^-tir wSSS fer abatimen- bo massa muHo superi. r a 2oo rs. a libra; toncinho de Lisboa muito alvo a 3oo
101X t BSS8SS bra; vinho do Porto velho engarrafado a 4,5oo r&; dem em barril a 800 rs. a garrafa,
------------vik 5 Pnrt seriar-------------^do porc5e faz-se differenca e em caada a 5.000 rs.; dem de"Lisboa mudo superior a
dm caixas 4= lTSS. em para ve* 4o rsTa garrafa e 2,8oo rs a caada ; idem da Figueira JA A. aiBoo Pfe e
eer Antonio Luiz de Oliveira AzevedoA C, no seu 3.600 rs. a caada; dem do Estrerto a 36o e 320 rs. a garrafa e em caada a 2,5bo,
escriptorio ra da Cruz n. i._______________ dem BorJeaux a 56o rs. a garrafa ; idem branco dfe'Lisboa, proprio para missa a 5oo rs.
Em casa de S5 da su va Faria ra da Cruz a pirrafa ; v'magre d' Lisboa mdho superior a 2oo rs. a garrafa, e 4,4oo rs. a aada ;
0 0 0 ?53 fe- p-0 GO 5" P-P- 0 0 P- p p-p P O w p
td p- ~ O C3
0 0 ^ P P 0 P- B CD 1j P i 2 ga bd 1 S < P 1' -i p-<
O P-p O CO 5
OS ce P P-CO cr 1
9 p 0 P P Sfc 8- 2 P-3B
i- <-K
1 O 0
ma, j se vendeu por T.ooo rs. mandem vpr as mostris de ,,jdas M bMnda!
Idemamaco pautadoelisoa3,ooors. aresma. annuncia, prometiendo vende-las barata, pois
dem de peso pautada e liso a 2,5oo rs. a a Arara teima, nao vende, queima.
resma,
dem a zul de botica ou fugueteiroa 2,oo rs. |
a resma.
demembrulho de 1,2oo a 4,4oo rs. a resma.
Ameixas francezas em latas de I / bbra a
4,2oo e8oors. a libra,
dem em frascos de 3 libras a 2,5oo rs., s o
frasco valle I.ooo rs. tambem temos em
frascos para 4,4oo rs.
Conservas inglezas a 800 rs. o frasco. ,
Mostarda preparada em potes muito nova a
2oo rs.

Molhos inglezes a 800 e- 4,00o rs. o frasco.
Gravo a 48o rs. a libra.
Cerveja Tenente verdadeira a 7,ooo rs. a
duziae 600 rs. a garrafa,
dem de outras marcas preta e branca a 5,5oo
e 6,000 rs. a duzia e 5oo rs.a garrafa.
Vassouras de piassava com 2 arcos de ferro
vindas do Porto a 32o rs.
Cebollas muito novas a 4,ooo rs. o molho e
800 rs. o cento.
Genebra de Hollonda em frasqueiras a 6,000
e 56o rs. o fraseo,
dem em botijas a 4oo rs.
dem em garrafes de 44 garrafas a 5,2oo rs.
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a groza e 2o rs. a
caixa.
dem de dentes lixados em macos grandes
com 2o rs. o mannos a i2o rs. o masso.
Cominhos muito novos a 32o rs. a libra e
10,000 a arroba.
Sag muito novo a 24o rs. a libra.
Cevadinha de Franca a 18o rs. a libra.
Milho alpiste a 44o rs. a libra e 4,5oo rs. a
arroba.
Gomma a 28o rs. a libra e 5,4oo a arroba.
Peixes em latas a i,000 rs. a lata j prompto
a comer-se.
Farello de Lisboa marca N. e Biato saceos
grandes a 4,000 rs.
Doce da casca da goiaba a 600 e 1,000 rs. o
caixao. '
que
que
Machinas para descarocar
algodlo dos mais acreditados
fabricantes: na fundiejo do
Bomann, rna do Brnm n. 38.
\ llvraria acadmica, ra do
imperador n. 99,
vendem-se lindos papis para forrar sala a 15000
a peca.______________________^_^_^__
Roa da Senzalla Nova n. 42.
Neste estabelecimento vendem-se: tachas ta
ferro coado libra a 440 rs., idemdeLow
Moor libra a 420 rs.
Q proprietario.do grande armazem Uniao e Commercio declara aos seus fregu
zes e amigos e ao publico em geral, que para facilitar commodidade de todos estipulou
os mesmos precos nos sogumtes lugares: _.___-JJ \ J
Uniao e Commercio ra do Queimado n. 7.
ama de mj
Vende-se na ra da Madre
maiem.
dloca.
de Dos n. 38,
ar-

n. 66, vende-se vinho tinto Bordeaux em
em caixas, Lea como, branca, nantei nas
kirsk, das melhores qualidades.
Gomma
muitojnowiar e* tetffic veod* Fraueiseo Go-
*2S* soda, cevada, atfasema, gaz e tijoo de limpar facas a 14o rs, e outros marte*geflerrs que mes deMaitos Jnior, na ra larga
! desnecessario menciona-los. 'rrtprn n
do Rosario nu-
Sopwwr cal de Lisboa "
Vende-se superior cal de Lisboa a mais, nova
que Ha no mercado tanto em porc2o cemt> a mi-
lho por barato preco, .iffiancando-se aos eemfra-
dores a superior qualidade: a trata as senuia-
les ruas^: dp Crespo n. 7, Imperador n. 18, Forte
do Mattos armazem do Sr. Avilla defronte uq tra-
pich do algodao. 1 '
ESCRAVOS FGIDOS.
Fugio na noite de 23 do corrente julbo d*
1864 o escravo Jos, preto, crioalo, de 26 annos.
baixo, corpo regular, beicos grossos e estufados,
orelhas pequeas, e cachaco grosso, pouca barba
jorque tem apenas na ponta do queixo, levou duas
calcas, urna branca e outra de castor escuro qae
parece preto, de listras, paletot preto, sem camisa,
o com uma carapuca encarnada na cabecil, a lau
de marujo : quero pegar leve-o ra Oiraita ii.
54, que ser generosamente recompensado.
Fugio na tarde do dia 16 do corrente um
escravo pardo, de nome Marcos, esettibarf ade
do hiate Santa Anua, vindo do Aracaty, teedo
de idade 28 annos pouco mais ou menos, e os sig-
naes seguintes : altura regular, secco do corpo,
pouca barba, cabello crespo, levou camisa e
calca de algodaosinho de riscado aiul e cha-
peo de paiha, tendo levado comsigo uma trousa
com mais roupa, e rendido de orna das venidas;
Juera o appreender queira leva-lo ruada Madre
e Deus n. 38, ou ra do Brum n. 55, que ser
recompensad. ______
Fugio do engenho Guerra de Ipojuca um e*-
cravo de nome Jos Muniz, estatura baixa, V-
crinlo: qtwm o apprehender oa itt nelicia
dito eogeoho, ou na ra da Aaror* em casa do Sr.
Elias Baptista da Silva, ser generosamente re-
compensado.

I


"m< '
Dl.rW de Ferbeo -. arto felra 81 e Agwo 8e 11841.
LITIERATOM.
Kniboiismo pulmonar.
(Concluido)
0 Sr. Van Swiclun passa por 1er sido o primei
ro que denunciou esta especie de mlgracao dos
cogulos sanguneos na lorenle circulatoria nao
o peim claro su seriam corpos eslrahos de ouira
naiurera, porque os ha constituidos por laminas
.Icreas, restos valvulares, fragmentos atheroina-
i >dS o de malcra enccphaloide ; assim como so
icein confunaido estes e aalras especies com as
vnbolides, na hypothese que a fibrina do sangue sa
irganisava depois da coagularlo, como pensavs
Muda ha pouco o Sr Looncc e apiros pathologistaa
"tistinctos da escola anatmica franceza, sendo
iioje cousa provada que nenlium principio imme-
liato, solado dos outros, 6 susceptivel de organ-
ago, acontecendo que n'cstas condiges ella per-
!e at o sea aspecto fibrH^r, tornando-se mais
I): agenea e granuloma, e podendo era alguns
asos ser reabsorvida, mas nunca constituir-so
'entro de operacoes vitaos, pela formago de vasos,
fibras ou cellulas.
D jsta sorte as embolides formadas por coalhos
F'irinosos, consideradas corpos estranhos, nao po-
dem deixar de ser ontc de graves jierturbagoes,
naiotes ou menores, segundo o lugar onde se ellas
fixHtj e seu maior ou menor diamelro.
Em geral pode aflirmar-se que os Huidos circu-
anles de economa percorrem sem diffieuldade to-
do c organismo, senenhum corpo estratilio se melle
de permeio ; mas se o sangue conliver parcellas
Heterogneas ou molculas iuassimilaveis, qualquer
que seja o seu Volme ou forma, a sua existencia
ser logo denunciada pelo obstculo mechanico que
ollas oppoe'm ao exercicio regular das funeces do
u-cido ou do orgo.
Tudo no sangue pode ser corpo estranho ; urna
eouuego, um fragmento de epithelio ou de qual-
loria serio transportados at onde o calibre dos
vasos Ih'o permiltir j semelhaotes a um rio em sua
correte, estas substancias, qualquer que seja a sua
forma ou o seu estado, sao como a areia, arrasta-
das no seumovimeuto, dando assim a razo de uma
;re infinita de lesoes,entre as quaes avulta como
<. quo mais prompta e gravemente compromelte a
existencia o embolismo pulmonar.
O quadro que esbogamos, e as consideracoes qne
dduzzmos, sao escassas de mais, para que por
lies se possa avaliar todo o alcance que este ponto
de pratica medica importa.
O embolismo, o pulmonar em especial, carece de
.xr ainda mais profundamente estudado, para que
se possa precisar o papel que elle tem a represen-
lamas doencas do centro circulatorio, assim como
.s eondigesdo seu desenvolvimenlo e meios'de o
'.revinir.
O conhecimento dos corpos movis no sangue
Jinda um problema para moitos, e um grande de-
Udertum para a maior parle ; e ser um tacto de
grande valor e um passo mais no progresso da me-
dicina, se a physiologiapathologica nos nossos hu-
nores poder revelar o segredo da formaeao destes
cogulos fibrinosos do sangue, causa presumida de
to graves desordens do organismo.
[Jornal das Scicncias Medicas.)
A razao.
i
Depois que a vida do espirito sahindo da geral
npatliia e inaego, (esta funesta praga, que con-
tamiooa o mundo inteiru) e lomando nova attilude
hamo da sociedade e condemnou eterna execra-
Cao as mximas deleterias e os costumes barbaros
da meia edade; depois dessa famosa revolucao
moral, que reagiu contra todos os absurdos e pe-
ripelas, que lango por trra essa soberana, com
o seu manto humectado no sangue, essas testas
coroadas que se banqueteavam ao sacrificio de mil
hecatombes humanas; dessa revolucao, diziamos,
que nos trouxe a redempeo do espirito, a deifica-
cao do pensamenlo, o prdromo de toda a civilisa-
fao, dogma sagrado da legenda do progresso, o sa-
cerdocio da scienciaacpmpanhou pan passu todo o
fiiottmenlo social, e os novos Samueis forano cha-
ntados para se revestirem com a tnica branca
dessa religio santa.
Religio, sim; porque ella tem a sua missao
providencial, que libertar o espirito da tyrannia
da ignorancia, do jugo do materialismo, da pree-
minencia das propriedades do corpo sobre as do
espirito, doutrina que se perde no epicurismo, e
no aniqulamento d'alma, que urna blasphemia
:pnate a religio, um erro aos olhos da philoso-
I-.-.
FOLHETIM
Vi.WE HORAS IJ II I lllt \
POR
GAMILLO CASTELLO BRINCO.
(Coanuaco.)
XIII'
Vaos agora ouvir a mirifica historia de um
ermitao.
Dei um sculo na fronte escampada de Antonio
Joaqnim, e exclamei :
E's um anjo e una gloria nacional! Eu co-
gito, ha mu tos annos, em dar aos mcus leitores a
historia de um ermitao. Nao vinguei anda o in-
tento. Eram a minha desesperarlo os ermitaes
com virtudes, que dessem a urdidura de um vo-
lurae...
Olha que as virtudes do meu ermitaointer-
rompeu Antonio Joaquimnao urdem dous captu-
los. E' ama historia menos editicativa do que pro-
melle o titulo; porm, foi minha me, qne m'a
contou : signal de que 6 boa para contar-se a toda
a geote.
Nao sei se sabes que a relago do Porto, situada
no mesmo local em que hoje est, cahiu ha cento e
tantos annos.
Abre-se um entre-parentess na narrativa do meu
amigo para de passagem referir ao leitor, nao in.
formado, a procedencia d'aquelle quadrilatero de
granito denegrido, que ali est na Porta do Olival.
E, se o leitor, aborrecido de velharias, se anojar
com a historia da relacao do Porto, d um sallo de
olhos sobre tres columnas do folhetim, e prenda a
sua attengo no ponto em qoe Antonio Joaquim
nterrompdo.
Antes do oascmento de Christo, 226 annos.. .
Vejam onde eu vou I pouca gente comeca de to
longe uestes tempos em que o progresso n :s est
empurrando a todos para diante 226 annos, pols*
antes de Christo, houve chancellara ou convento
jurdico era Santarem. Ninguem ignora que os
celtas e gregos fundaram, e os romanos ampliaran!
Santarem, que se chamou Presidium Julium por
graga de Julio Cesar. as Hespanhas, a descrip-
cao do Universo, mandada fazer por Augusto, e
phia. E queris saber o que a sciencia ?
Lycargo e Soln formando as primeiras repbli-
cas dessa soberna Alhenas, rendo por base a reli-
gio ; Plalo e Aristteles convindo em que a
sociedade s perfeita e feliz osando se propio*
summo bem. Com effeito, a sciencia sem a reli-
gio fatua e orgulhosa, e tudo confia de si
mesma...
II'
A philosophia do secuto XVIII complelou a sua
missao no terreno da liberdade dando razo hu-
mana a mais alta independencia; mas essa liber-
dade, que reagiu contra o principio de autoridade,
que impoz limites Iheologia, legou ao seculo XIX
suas tradQoes, como salvo conduelo quo-deva-
guar o espirito e o pensamenlo do homem ao
grande seculo da regeneracao social, tradlcBes
alias pouco lisongeiras causa da religio, porque
os plulosophos entenderam que s a philosophia
podia trazer ao mundo a luz c a verdade.
Cusamos a crer, que Rousseau, Smil, e Red,
com toda a reclidao e nobreza de espirito que a
critica de Coflsin devisou em suas doulrinas, t-
vessem firmado a repalacio do seu seculo profli-
gando as extravagancias e desvarios de Iiolbach
e Lametrie. E o que a aclualidade no dominio
dessa philosophia rebelde ? E' um lirado de uror,
urna njgnaco contra a veracidade das mais
puras crengas, dos principios os mais saos, sobre
as quaes anda oo poderam triumphar as arma5
envenenadas da impedadc e da heresia...
E, cabe-nos aqu lavrar um protesto contra a
astucia e subtileza com que rnuitas vezes se procu-
ra calar ro animo da mocidade theorias que senao
coinpadecem com o carcter religioso que a des-
tingue.
Protestamos, porque a mocidade a flor que, ao
desabrochar na manhaa da primavera, s se apraz
em recebar em seu mimoso calix a gtla crystal-
lina do orvalho, que symbolisa a graga de Deus,
que se infiltra em seu animo ainda tenro, e
repelle para louge de si o spide venenoso do erro
que com seu hlito pestilente quer infeccionar o
seu aroma ainda puro e delicioso.....
O desejo de tudo profundar, de descer pela ana-
lyse e pela observago at as ultimas consequen-
cias do rigor lgico, de perserntar os mysterios da
natureza, sonda-la em seu seio tenebroso, de ele-
varse altara do iBnito, quasi sempre o pre-
ludio de milhares de erros e falsidades. E" uma
mana dominante querr-se entrar em indagarles
iheoiogicas, e discutir sobre os dogmas e myste-
rios.
A theologia, sciencia divina dictada pelos ora-
culos immorlaes dos Agoslnhos, Tbomaz de Aqu-
no e Llguori, oo poder jamis ser a obra do or-
gulho humano, da razao depravada, nem ser cr-
cumscripla ao dominio absoluto desses demagogos,
crneos cos da verdadeira sciencia, mas fartos de
orgulho I
A moral, legislarlo eterna, verbo de Deus exa.
'ado no grande livro da verdade, ensinada pelos
Apostlos, nao poder tambera passar pelo ca-
dinho da philosophia ostensiva e maliciosa dos dis-
cpulos de Kant.
A' forca de confiar tudo de suas proprias luzes
de nada admiitir une nao esteja crcumscripto as
raias da razao, o homem rnuitas vezes vacilla,
duvida e acaba por descrer. A doutrina do hvre
exarao das senas protestantes conduziodo o espi-
rito, em suas affanosas indagaces, pelo caminho
sempre tortuoso da duvida, arrasta infallivelmente
aquella eonsequencia. O calholicismo, na phrase
de Guisot, ama grande escola de respeilo ; o pro-
testantismo anarchia ; uma a ordem, outra a
desordena. Por isso exclamava Thomaz Moore'
em transportes de jubilo .salve, egreja uma e
verdadeira t s o nico caminho da vida, e leus
tabernculos sao os nicos que no conhecem acn-
fuso das linguas ; descance minha alma sombra
de teus santos mysterios !
E o protestantismo a revolla da razao, e por
isso que nao hesito em dizer que muitos catholicos
sao protestantes de facto.
III
E o que a razao sem o auxilio da revelaco ?
Dizei-me o que sao essas nuvens que gyram no
espaco ao ludibrio dos ventos, o que esse balao
aerosttico sera lerae e sera hussola ; o que o
Icaro fabuloso com as suas azas de cera aos ardo-
res do sol -e eu vos direi o que o homem er-
guendo-sc do p at as regioes do infinito,o que
a razao.... A experiencia de tantos seculos j de-
via ter feilo asss conhecer ao homem at que
ponto a philosophia pode exercer livremente o seu
dominio, quando se trata de verdados, s quaes
nao podemos altlngir senao por um auxilio sobro-
natural. Por isso exclamava S Agouinho : rac('o-
ciHoe vos, eu admiro ; discut vos, eu crerei. Veto
^asublimidade, no penetre a profundiiade Entre-
tanto, a moral christaa; ou a theologia, nao impfe
razao do hornera o i cqnsciencia essa submissao
i passiva, esse servilismo tantas vezes exprobado
pelos nossos phlosophos, porque a razo vae at
aonde pode ir, para nao invadiros dominios da f-
f-a >**' arca no diluvio universal dos princi-
pios religiosos, a raao o nosso No, e a verdade
o nosso ramo de ollveira, que nos da a paz do
espirito, a alliamja com Deus, o nos atsegura a es-
peranza de uma recompensa futura.
A independencia da razao com toda a sua sobe-
rana e omnipotencia uma utopia, e um contra-
senso todas as luzes. A f o fogo sagrado que
as veslaes do chrislianismo devem manter sempre
puro e aceso, afim de que a razo se nao desvair
e prostitua em suas saturnaes.
IV
E' cousa admiravel, que neste seculo em que o
progresso moral e scieotitlco o thremometro que
regula todo o movimento da sociedade, luz de
mil ses e maravlhas com que o chrislianismo
tem provado a sua missao sobrenatural ajravz da
marcha serodia dos tempos ; depois de luminosos
tratados, com que o philosopho christo tem de-
monstrado at evidencia a necessidade e utiiida-
de do christianismo,que fez dizer um escriptor
allemoque no hacia outra philosophia mais que
a religio christaa, cousa admiravel, diziamos,
que se nao lenha dado sciencia da religio o seu
valor intrnseco pel estudo profundado dos su-
blimes preceitos que ella encerra. das verdades
que ella ensna, e das praticas geralmente aceitas1
no exercicio de sen culto, e despeito disto se le-
vantem com incrivel audacia e animosidade os ti-
tiles modernos para escala-em o co, como se a
sua vontade caprichosa e o seu livre entender de-
vem ser a ultima expressao da verdade e a supre-
ma le de suas consciencias. Phariseus rebncados
com o manto aurifulgente da liberdade e do pro-
gresso, elles vivem no seio da religio e da egre-
ja, como phantasmas ominosos, que vem em toda
parte elementos de dissoluco, e vagam em tomo
dos templos e dos altares aguardando o momento
de sua total ruina, para entoarem sobre elles o
nymno dos mortos t
Missao lgubre e pavorosa, missao ngloria des-
ses novos Erostratos que nao coram de tancar fo-
go aos templos para adquirirem celebridade It -
Ha aqu uma luta encarnigada entre a razo e ,,
f, entre a verdade e o erro ; um grito de raa
infernal que se levanta no seio da sociedade, a
revolta da materia contra o espirito !
E' mi-ter uma resignaco acrysolada, um stoi-
cismo toda prova para que sobranceiros dexe-
mos passar a onda soberna que se ergue para que
furiosa ella se quebr contra as penedias, fatal
desengao de seu proprio orgalho. Deixemos qoe
a impiedade se enraive, e que, como a serpete
levante o seu eolio audaz ; nos lhe daremos em
troca um sorriso, e ella se revoltar contra si mes-
ma mordendo a propria canda.
Tal a inlluencia que a religio tem exercido
no espirito de todos os povos, tal o zlo e inte-
resse que tem tido cada nagao em manter e eonser-
I var illesas as suas crencas, qne nao duvdaram :
i langar mao dos meios mais rigorosos, sempre qne j
tiveram de defende-los contra os innovadores, ou
| vinga-los dos ultrajes que por ventura Ihes fossem
dirigidos.
Scrates na Grecia foi condemnado por impieda-
de, Alcibiades por ter blasphemado contra os mys-1
teos de Ceres, e a cabega de Diogenes fui posia j
em leilo por atheismo.
J em Roma Mecenas aconselhava a Augusto
! que reprimisse toda a innovago em materia de re-
ligio. E que I nesta poca de tolerancia religo-
sa os paizes proicstantes, como attesta Bayle, pro-
mulgara leis muito severas contra os catholicos. E
, se o protestantismo, que na phrase do douto Rasel- ;
I y, nao nem religio, nem mesmo uma plnloso-
phia, mas a soberana da razao : cujo (feito natu-
[ral uma contradiccao permanente,assim procede,
O que deve dzer-se dessa religio que tem o carac-
ier de perpetuidade, e imprime na fronte do no-1
mem o sello de uma mmortal redempgo? O qne
dessa religio fez estremecer as musas do Jerusa-
lm, abalou o throno dos Cezares, e fez rojar seus
ps mil coras ? O que dessa religio que faz a fe-
licidade e a grandeza das naedes, o socego das fa-
milias, a paz e o consolo do homem nos paramos
da vida ? Eis multas das razoes que temos para I
reagr contra as aecusages que se fazem as dou-
(rias catholicas.
Sem querermos levar as nossas theorias uma
regidez e severidade de principios incompatveis
com a fragilidade de homem, profligamos todava o
exclusivismo da razo, a desenvoltura do pensa-
menlo, ao passo qne admittimos uma analyse se-
ria e refleciida dessas mesmas doutrina?, porque
ella mmtas veas pode fraier, pela le da discusso
e do racciocinio, ptimos resultados e preciosos
frucios para o individuo, para a egreja e.para a so-
ciedade. '
Reeie, 27 de agosto de W64: ,;J;
Jos Leandro iurtins.Soares.
UN POUCO DE TUD.
Do Charivari, jornal humorstico de Pars, extra-
himos a seguinte scena, que reprsenla o estado das
priucipaes quesloes que prendera a allenco da
Europa :
t A Europa esta era sua casa.
Esta pobre parle do mundo parece morta de fa-
diga.
Com effeilo, desde pela mauha al noute nada
tois faz do que dar audiencia a uma muitidao de
quesles que vem sollicita-la e importuna-la com
reclamages.
A Europa (s)Acabara a massada ? Terei, era-
flm, um momento de descanso? Puf!... nao pos-
so mais. J nem sei por onde trago a cabega.
(Chamam a poria.7
A Europa (sobresa liada)Ora esta !... Ahi te-
mos outro... Quem est ahi ?
A questao americana (entrando)Sou eu.
Vsl... Ainda outra vez f
E sempre, at acabar com o meu ultimo bo-
gme com a minha ultima libra.
Se isso o qne queris dizer-mc para me
tranquilizar, melhor seria que tivesseis ficado em
casa. E o meu algodo ? Quando me haveis de
daralgodo? Bem vedes que rae est a fazer gran-
de falta.
E' exactamente disso que desejava fallar-
vos. Se quizesseis reconhecer a independencia do
sul...
En!... Consagrar a escravdo I... Isso nun-
ca I Seria indigno de mira.
Pois enlo, passo muito bem.
Viva. (A Europa, depois de fkar s, alimpa
a testa com um leogo marolinlio.) E o caso que,
se esta teimar, muito posslvel que em pouco tem-
po nao lenha eu um lengo para...
(Chamam outra vez.)
Ahi temos outra.
A questao polaca (entrando)Son eu.
Ah, sois vos ?
Tendes tratado dos raeus interess*s ?
Querida amiga...
Nada de mentiras.
Mas que...
Repito : nada de mentiras. J sei bem o
que valem as vossas inuleis proroessas. Nao fago
caso deltas.
A Europa (chofrada)Pos bem... sim ; conhe-
go tudo o que teodes dreito a dizer-mc. Tenho vos
dado motivos de queixa. Sei que nao tenho pro-
cedido como devera... roas...
A questao polaca (com gravidade)Mas nao ha
pressa, nao ha grande pressa, visto quo j l vo
tres quarias partes dosmeus filhos.
Pobre mulher 1
Salvareis, ao menos, a qoarta parte que
resta 1
Veremos, veremos... Farei tudo o que po-
der. .. Km pregar'-i a brandura...
A questao polaca (com irona)Sempre a mesma
cousa! Adeas! Quando queiraes fazer alguma
cousa por mim, espero que nao m'n communiqueis
con antecipagTto, porque j nao creio.
A Europa (vendo* sahir)Realmente, um co-
rago nobre e grande. Eslimo-a:.. sim, estimo-a
sinceramente. Mas os negocios sao negocios... O
sentimentalismo poderia fazer-me passar as raias
das conveniencias. Emlim, parece-me que poderei
agora descansar.
(Chamam terceira vez.)
Vo para o demonio !
A questao dinamarqueza (entrando precipitada)
Venho incommodar-vos ?
Alguma cousa.
Sinto muito, mas tenho a dizer-vos cousas da
maior importancia.
Ah por fin, sempre vos entendis com os
Alleinaes.
Acho que viremos a entender-nos.
E como ?
E' muito simples. Olhae. A Prussia, quero
dizer, a Dinamarca, ronsente... nao. nao digo
bem, nao consente... Mas intervindo a Austria
com um armisticio... Nao, nao a Austria, mas
sim a... perdcae, eu dizia bem, a Austria... De
sorte que, cedida a Jutlandia... Nao digo bem, nao
isso...
E esse o eselarecimente que julgaes siifll-
cente ?
E' isto mesmo. Poa>-que mais queris ? Cada
um faz o que pode. Contado negocio nao est
bem* desembrujado. Voltarei era outra occa-
sio. >
Ser o melbor.
Boas tardes.
Viva. (A Europa prepara-se para sahir.) J
basta por hoje. Estou alordoado e preciso des-
cansar. Vamos a comer. (A Europa vae para fe-
char a porta, quando lhe sae de um canto uma
sombra ameagadora.)
A Europa-Quem anda ahi ?
A sombraE' a questao rormma.
Ah! e eu que j era me lenibrava de tal
cousa.
Mas eu que nao me esquego e nao te deixo.
Escata... (A Europa deixa-se cahir com todo o
peso sobre urna cadeira.)
Decididamente, nao posso ter um momento
de socego.
A culpa tua Ha dez annos que me trazes
pela ra da amargura.
Muilu querida, agora nao tenho lempo.
Nao importa 5 vollare todas vezes que te sin-
tas com disposico para descausar.
Pois sim, sim. At vista. (.A Europa pre-
para-se para sabir)
Nao, nao. Devagar com essas gragas. Eu
quero ir atraz de li. (A queslo romana vae se-
gurado a Europa passo passo.)
A Europa (com a maior desconsolago)Que vi-
da I que vida esta !
No Jornal do Commercio, de Lisboa, l-se o qoe
segu :
Um jornal do Egypto publica noticias d'Abyssi-
nia mui dignas de attengo. Theodoro, imperador
d'Abyssioia, j conhecido por suas excentricidades,
ouvindo que a rainha Victoria estava viuva, man-
dou-lhe otlerecer a sua mo. Mr. Camoron, cnsul
ingles, foi encarregado de transmitlr esla carta,
com que de certo a rainha Victoria se devia ter
julgado muio honrada.
Como a resposta se demorou, S. M. negra forma-
lisou-se e poz ferros o cnsul iuglez.
Emiten, a resposta chegou. A rainha Victoria
recusava com muila polidez, e dando razoes muito
plausiveis. Este imperador nao feliz coro as suas
correspondencias. Ficou, como se sabe, sem res-
posta, quando escreveu Said-Pach una caria
provocando-o a um combate singular, frente cada
mu dos seus exercitos, e sobre os limites de seus
estados.

Segundo referem alguns jornaes franceses, a
Virgem Santissma appareceu mais uma vez na
Ierra.
Na aldea de la Bastide, no departamento do Var
e dos Baixos Alpes, apresenlou-se com effeitoNos-
sa Senhora, e estove fallando com um pastor, com
um operario e com uma menina de oito annos.
Agora j se moslra todos os dias em uma gruta,
quo eseolheu para seu domicilio. Demas de 2& le-
guas em redor correu o povo a visitar a Me de
Deus.
A' porta da grua eslo dous gendarmas, para
manter a ordem. Cada um dos visitantes cede o
seu lugar a outro, depois de tres minutos de vi-
sita.

Refere um jornal belga, que orna camponeza de
Brunswich, leve 11111 filho com todas as apparen-
eias de um macaco, todo o corpo cobertode pel-
lo, e al a cara padece deste defetto.
Esta mulher ea.-ada lia doze annos, c perfeita-
mente conformada, e todava ainda nao leve fimo
que nao fosse gravemente defeituoso.
A rtlha mais velha eorcunda e com feiges de
polichinello.
O segundo leso da cintura para baixo.
O lerceiro, idiota e surdo mudo.
O quarlo totalmente ceg.
Qnal a causa deste phenomeno ?
Nao pode a sciencia explica-la.
Sobre o assassinio de Mr. Bnggs colhemos mais
o seguinte de jornaes europeas :
Segundo dizero os jornaes inglezes, a deseo-ber-
ta do assassno de Mr. Briggs deve-se aodepoimen-
lo de um cocheiro, chamado Jonathan Malhews,
que eslava em relages com nm lal Muller, alfaia-
te, de 25 annos de edade, natural de Colonia.
Muller, indo a casa delle, levou urna cadea de
onro, com a qual deixou brincar um menino do
cocheiro, e esqueceu depois a calxa, que tinha o
nome do ourives Mr. Dealhs.
Uma photographia que Muller deixou em rasa
do cocheiro foi .-presentada a Mr. Dealhs. que re-
conheceu as feicoes do homem a quem dra uma
cadeia em trocada de Mr. Briggs, e pela deserip-
go que o ourives fez do annel. o cocheiro decla-
rou que vira um assim no dedo de Muller.
Heconbeceu tambem que era de Muller o cha-
pen abandonado no wagn, porque fra elle pro-
prio que, a pedido de Muller, Ih'o comprara ha
mezes.
Appareceu tambem um individuo qne compra-
ra a Muller o bilhete da cadeia que elle tinha em-
penhado, annunciando ento a intengo de ir para
a America. -
Averiguou-.se que Muller partiu da doka de Lon-
dres, na tarde de li, no navio de vela Victoria,
frotado para New-York.
Mr. Blah, dono da casa que habilava Muller, eu-
Iregou polica uma carta deste, que fra trazida
para trra pelo piloto que pilotou o navio Victoria
na sahida, e langada na posta do Worthing 16.
A carta era dirigida por Mullir ao sen compa-
nheiro de quarlo Goodin, dizendo-lhe um eteri?
adeus e declarando que nao pisara mais o slo in-
glez.
Cm jornal de Londres de 23 diz :
r- Briggs foi visto por nm dos seus amigos al-
guns minutos antes do momento do assassinato.
E'tava eniao bem Vivo no wagn, em companhia
de dous individuos,
Suppoe-se que fui mono por ambos.
Lm individuo, que se suppoe ser um delles, foi
preso cm StafTird.
A cada inslanle diz o Moming Posl. de 23 de
julho, se recebem novas informages acerca de
Muller at ao da em que embarcou para a Ame-
rica.
Diz-sequena quarta-feira, 13,foi aoescriptoriode
Mr. Grinell, situado as dokas de Londres, e pa-
gon passagem no Victoria.
Na raanha seguinte J caes para a manifestar. **
Conla-se que pediu ao empregado respectivo o
favor de lhe guardar no seu escriplorio um sacco
e um pacote.
Este pacote pareca ter sido felto pressa e ti-
nha um cheiro nauseabundo.
A partida do navio foi adiada para sexta-feira,
comiudoos passageiros liveram aulorisagao para
irem na vespera para bordo.
Muller foi tambem, mas as suas maneiras eram
desordenadas e estava paludo como um defunto,
evitando fallar aos seus companheiros de viacem.
Um dos passageiros, vendo-o, exclamou :
E>te homem est lo agitado como se Uves-
se commetfido um assassinato. De certo fez algu-
ma cousa ni I
Os guardas da alfandega julgam que elle nao
o assassino, mas o cuinplice, porque nao parece
ter a sufllciente energa para um assassinato.
Agora eisahio que se acaba de passar em Staf-
ford :
; O coronel llogg, director geral da polica de
Staflord, mandou prender um eslrangeiro, cujos
I signaes correspondem exactamente aos de Muller.
1 A principio, pareca inglez ; mas peta falla, sup-
i poe-se ser um francez que esleve muito lempo na
Irlanda.
A prisao revestiu-se das seguintes cireumstan-
cias :
A' estacao de Staflord chegou hontem nm dos
; viajantes a procurar uns pacotes que liaba dei-
! xado a um canto da sala de espera e que nao en-
contrava.
A' fcrca de pergunfas, chegou a saber que um
individuos mandara eonduzir para um betel vi-
| znho.
O viajante correu logo ao sitio indicado e reco-
nheceu aos seus pacoles.
Apresentou-se-lhe um eslrangeiro, dizendo que
I se engaara, porque a mala se lhe tinha extra-
viado.
O viajante nao se satislcz e quiz absolutamente
que a expticago fosse dada a um policeman.
Revistoa-se o individuo e encontraran}-lhe ama
colher de prata quebrad, com o nome ainda tegi-
vel do proprietario de um hotel, uma charuteira e
; nma carleira, dentro da qual um blhcte de vksita
de Muller, um retrato photographico de mulher e
um conhecimento do Monte de Piedade, em qae se
l : a Reiogio de ouro, 2 lib. 5 so.
Este homem diza ser natural de Cork e ter pas-
sado muitos annes em Avignon.
No inlcrrogalorio roWradisse, dizendo a prin-
cipio que era a piiroeira vez que vinha Londres,
e depois que j ali tinha estado seis semanas e que
chegava de Paris na intengo de embarcar para a
America.
Nao tinha consigo senao seis sheilings e seis
penen.
Em quanto nao aecusaram senao de rottho,
pareca tranquillo, mas assim que lhe fallaram no
assassinato de Mr. Briggs. tornou-se trmulo e es-
caparam-lhe algumas lagrimas dos olhos.
Desde ento, recusou responder s pergua-..
que lhe fizerara.
O coronel llogg escreveu irrmediatamente para
que de Londres lhe mandassem pessoas que rero-
nhecessein a identidade do preso, que llcou duran-
te a noute, com dous guardas vista.
referida por S. Lucas, fui proclamada primeiro cm
Saotarem.
N'aquelle lempo, os goveroadores das provincias,
durante o bom lempo, iam guerra : e, assim qua
o invern Ihes esfriava o sangue bellcoso, reco-
lliiam-se a sentenciar causas nos conventos jurdi-
cos. Depois, os mouros invadiram a Lusitania em'
71i, e as formas jurdicas foram alteradas. O go-
vernador mouro nomcava para cada comarca um
conde christo, que julgava consoante a legislacao
goda, afora os crimes de pena ultima, que eram
exclusivos dos alcaides.
Estou a ver o desfastio adoravel com que alguns
centenares de leitoras deixam cahir o jornal, e
murmuram no tom dos anjos agaslados :
Que impertinencia! que narctico!
En qaeria ter a audacia dos apostlos das gran-
des ideas para ousar dizer a VV. Excs. que che-
gada a hora em que se faz misler ao sexo das gra-
gas vestir-se da armadora da sciencia para entrar
em luta com a tyrannia do homem. Se os dons
maviosos, os encantos, e a magia dos a decios bas-
tassem emancipacao das senhora*, emancipadas
estariam todas, desde que Dalila tosqaeou Sanso <
e Omphal e fez que Hercules fiasse na roca. Mas |
defigualdade dos direitos assenta o sea arbitrio
odioso na desigualdade dos dotes intellectaaes.
Muitos Sansoes continuam a ser tosqueados; rnui-
tas Omphales obrgam, com a violencia de nm re-'
lance dengoso de olhos, enormes individuos a Ha-
rem na roca; e, todava, as frageis vencedoras'
realezas ephemeras, continuam na sabmissSo, no
ostracismo dos grandes cargos da repblica, na I-
legioiiidade aos parlamentos. Nem sequer serias
das academias! nem as academias, coasas futeis
e irrisorias, que parecem ter sido inventadas espe*
ruin lente para senhoras ociosas I Ja I
A estlida argumeutago dos feios impugnadores
da emancipago das senhoras, como dwse, apoia-
se na mingoa de sciencia dos doces-seraphins, que
tudo sabem do cu, e tudo desdenham do saber
dos borneas. E', pois, forgoso desalojar os selva-
gens deste baluarte cora as armas da sciencia E'
preciso que as damas, entre cousas egnalmente in-
digestas, aprendan no folhetim o como se instituiu
o convento jurdico no Porto.
V3o agora SS. Exes. saber qne o Sr. re D. Af-
fonso Henriques conquislou Santarem em io de
margo de 1147, c ordenon que os ancios nobres
julgassem as causas, at que D. Sancho, o capello
instituiu ali relago e casa do civel. Em 1211, D.
Affonso II creou juizes ordinarios, e leis geraes :
cessou enlo o governo das leis municipaes, ins-
criptas no foral de cada ierra.
Os nossos monarchas, naquelles tenebrosos das,
sahiain animalmente a administrar justica aospo-j
vos, e hospedavam-se cusa dos administrados,:
recebendo uma contribulgo chamada o jantar de ;
el-rei. Os advogados, como fossem salariados pela !
nago, nao podiam receber dinheiro dos litigantes.
Requereram os povos D. Jo I, em corles de :
Coimbra 10 de abril de 1383, a trasladago da \
casa do civel de Santarem para Lisboa.
D. Sebastao nomeou duas relages ambulantes
qoe andavam justigando pelo reino. D. Felippe II,:
finalmente, mudou a casa do civel para o Port.
A primeira junta de julgadores fez-se na casa da
cmara em 1583..
O mesmo Felippe, em 158i, ordenou que os des-
embargadoresusassem becas ou granachas, e bar- i
ha larga para representaren] a autoridade dos se- j
nadores romanos.
Os Poriuenses,n"umapeligo que fizerara ao re,!
conseguirn, ao qoe parece, commov-lo sobre ob- ]
jecto de mxime parte na salvago das almas. As,
leis destes reinos determinavam que os condemna-1
dos morte tivessem antes da execogo o tempo
smente necessario para se confessarem, sem on-
tro sacramento. Sua Magestade, compadecido das
llml dos justtgados, consentlu que se Ihes dsse o[
Sagrado Viatico.
Mudou-se a relago da casa da cmara para o '
palacio do conde de Miranda no Corpo da Guarda -.
e a cadea conlinuou na ra Cna, j ento chama- j
da a cadeia velha, porque fra reformada em 1490.1
Eqi 1606 prinepiaram as obras da cadeia e rea-':
5S0 i Porta do Olival. Duraram dous annos. Neste !
espago de tempo foi prohibido ooostroir casa* no [
Porto, e cdndemnado o operario que se esquivasse i
ao trabalho do nageilee edificio. Para eeeorrer s!
ingentes despezas, foi concedido aos condemnados
degredo remirem a pena a dinhoiro.
Cento e quarenla e quatro annos depois, esta
obra de dous annos, e de pparencas eternas, al-
luiu-se. Era n'tiiri sabbado de Alleluia, de abril
de 17-52.
A relago estabeleceu-se na praga das Hortas, on.
; de esteve vinte annos, esperando a roedificago, co-
; mecada em 1767.
O romance do meu amigo recomega agora:
Quando a cadeia abriu o primeiro rombo, en-
tre os presos fugitivos e Ilesos, fugiu um crimi-
noso de consderago. Era nada menos que o ma-
tador de um bispo, cujo nome e bispado ignoro,
porque a historia, em respeito christandade nao
transmilliu aos vindouros o nome deste principe da
egreja. O que a tradiego diz que o bispo incerto
planeara um crinie do horrendo nome na lareira
domestica de um fidalgo transmontano, deshonran-
do-o ; e que o fidalgo, com a melhor espada de
seus avs, soldados de Christo o degolra no estra-
do do leito nupcial, ao tempo que a esposa se lan-
gava da janella ra, em desesperada fuga.
O defunto bispo era muito do affetlo do Sebas-
tio Jos de Carvalho, rei de Portugal ao passo
que Nuno de Mondonga, o bispicida, era figada
inmigo do dito rei, como todos os fidalgos esma-
gados debaixo do omnipotente sallo do seu sapato.
Nuno de Mendonga foi condemnado forca. O
da do supplicio, na povoago de Villariga, estava
marcado para o da 3 de maio; mas a cadeia arra-
zou-se no Io de abril.
.0 criminoso, ignorante do destino da esposa, por
entre selvas e penhascos foi em demanda della,
com a mo convulsa no cabo do punhal. Tnham
sede de mais sangue aquellas nobiiissiraas entra-
nhas de rico hornera atraigoado refecemente! In-
dagou dos mendigos, quo sabiam, ao repomar a
manhaa, da albergara de sua casa, e soube que a
fidalga estava, desde muito, n'um rigoroso mos-
teiro.
Fugla da trra onde nascera antes quo o conhe-
cessem, apezar das barbas intensas e alvas como a
nev. E apenas tinha quarenla annos Dous annos
de carcere, dous annos de paroxismos a espera da
ultima hora na ignominia da forca, dous annos de
ancias de vinganga sera desafqgo nem speranga,
fizerara do galhardo Nuno aquella velho que se af-
fastava da Villariga pelas gargantas das serras.
Meu |bisavd era mu devoto de S. Gens, vene-
rado n'ucna ermida que dista de minha casa tres
qturtos de legua.
Conla-se que, ama vez, o honrado lavrador ama-
nhecera no cume do outeiro, onde est a ermida, e
encontrara, sentado na raz de um agigantado zam-
bugueiro, a porta da capella, um homem desconhe-
cido. mal enirajado c com semblante macerado de
fome.
Fez-lhe perguntas com demon>lrages de pena
e boa vontade de ser-lhe til. Nuno de Mendonga,
quebrado de fraqueza, escassamente responden-
Meu'bisav levou-o comsigo, agasalhou-o, alimen-
tou-o, respeitou o silencio de hospede infeliz.
Os avisos derramados pelas comarcas, depois da
fugados presos, repetiamse rigorosos. Os signaes
de Nuno de Mendonga, como um dos principaes
criminosos eram inequvocos. O lavrador descon-
ioa do mysterioso silencio do hospede, sem o sus-
peitar o homicida do libertino mitrado.
:Nuno, recuperado o vigor, disse ao hospedero
que segua d'ah para Caslella. Meu bisav, tocado I
de compaixo,obsorvou-lhe que se nao arriscasse a |
ser preso, jorque as ordens de captura de lodos os
viandantes desconhecidos as comarcas eram aper-
ladas.
O fidalgo sastevese : comprehendea a magnni-
ma delicadeza do velho; julgou-o digno de sua con.
lianea, e contou-lhe as desgragas de sua vida. Em
paga da confidencia, e lavrador dava-lhe dinheiro
que facillasse a passagem para outros remos; po-
rm, Nuno de Mendouca senliu-se desamparado de
animo: o temor de recahir as garras do valido de
D. Jos I, a viso do patbulo, que o chamava para
3 de maio, prosirarara-no no catre, que o hospedei-
ro velho lhe offerecia com a mxima segurauga de
sua vida.
Nuno esteve um anno e mais em casa de meu
bisav. Sahia as noutes glidas a beber o ar das
serras. O seu posto habiiual era na ermida de S.
Gens, sobre a raiz do zambugueiro.
Decorrido esle largo espaco de um trislissimo vjrer
o fidalgo pediu aoseu amigo que lhe consiruisse uma
choga entre as fragas visnhas da ermida, para que
a vida se lhe nao escoasse na e-tagnacao do pe-
queo quarlo, onde passava os dias. O velho nao
o contrariou. Fez-lhe por sua mo, e cpm os seus
criados, urna casinha de pedra, coberU de colmo,
e argamassada no Interior. Deu-lhe um catre e um
banco; uma panella, o um podoparaeortar lenha.
Dava-lhe nma arma cacadsira, e uma cadelta de
coelho j Nuno dispensou estes ltimos dons e pe-
diu uma tnica de estamenlu e um rosario.
L-se n'um pequeo monumento fnebre ds re-
miterio do Per-Lachaise em Paris :
Mes chers amit, quand je mourrais
Plantez un sanie au cemitire ;
J'aime son feuillage eplor;
La paleur en est doee el chri :
Et son onbre sera lgrre
A la tambe ou je donmrai.
Estes versos sao de Alfredo de Musset: e o t-
mulo citado o sen.
Um poeta americano do sul. o coronel Hilario
Ascasubi, tendo visitado este pequeo mausoleo
formou lengo de eonduzir do Rio da Prata um
salgueiro, que servisse de companheiro ao que o
poeta tinha exigido dadedicaco e da saudade. A
proinessa acaba de ser cumprida. Apenas chega-
do a BuenosA y res o coronel Ascasubi mandou
vir das margeos do Paran um salgueiro (Sauce
Llorn), que foi cuidadosamente tratado em Bue -
nos Ayresai 12 de maio ultimo.
O salgueiro saiu do Rio da Prata, com o coronel
Ascasubi ;i burdo do Samtonge para ser conduzi-
do depois no grande palhabole Guije-me e foi con-
siderado como uma reliquia pelo comniandante,
officiaes, e passageiros. Depus de ter alravessado
por esta forma o grande ocano o arbusto argen-
tino foi planudo no sabbado 15 de julho, sobre a
campa ao autor da Rolla c das Nmtes.
Devenios soppor que a solido, povoada de hor-
riveis pliantasraas, em que olidalgo viven. Iheacrl-
solou a piedade, e o afervorou em crencas na justl-
ga divina. Pode ser que a larva do bispo ensau-
guenlado llie perturbarse as breves horas do re-
pouso; e o desgragado.enfraquecida a razo peto.-
ncessantes rebates do infortunio, e terror da forca,
se convertesse as demasas da religiosidade.
O ceno que Nuno de Mendonga vestiu a esia-
raenha, e senfou-se na testada da choga espera
que a pomba dos antigos anachorelas lhe deixasse
cahir da regio aeria o cibo nutriente.
Meu bisav, porm, antecipava-se, todos os dias,
aos cuidados da pomba, mandando-lhe alimentos
para o jantar, e indo pessoalmente a noutinha le-
var-lhe a ceia, e passar com elle algumas horas. O
povo das visnhangas descobriu a existencia do ho
mem das barbas brancas, e denorainou-o logo er-
mitao de S. Gens. Comegarara a ir procura-lo oes-
soas que soflriam da alma e do corpo. Aos infeli-
zes enntava elle a historia dos desgragados, que co-
nhecera,edespedia-os consolados; aos doenles ap-
pltcava-lhes o conselho de pedircm Deus que os
curasse, se a vontade divina Ihes nao conceda a
vida para grandes tribulaces. Este proceder, que
na mente popular, devia ser o descrdito de qual-
quer ermitao, grangeon o renome de Nuno de Men-
donga. Pessoas distiacias das cercanas quzeram
conhecer o hornera, que fallava a linguagem, que o
povo nem sempre entende, mas sempre admira.
Meu bisav teve medo desta popularidade, bem que
houvessem volvidos tres annos, depois da fuga da
cadeia arrazada Pediu-lhe, prtanlo, que se es-
quivasse a pralicas com o povo, ou mudasse de
trra.
Felizmente que as justigas das provincias se ha-
viara relaxado na pesquiza dos presos, depois do ter-
remoto de 1755. As providencias do marque?, de Pora -
bal todas-eram absomdas na reedificago de Lis-
boa. Nuno de Mendonga, o ermitao de S. Gens,
confiado no descuido dos quadrilheiros, deixou a
choga, e foi caminho. de sua trra, aa in lengo de
arranjar dinheiro para passar-se a Franca,eacbar
os seus dias n'um mosteiro,
(Continuar-se-ha.
PERNAMBUCO. -TYP. DE M. F, DE F. & FILHO .



:
I

r


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EF0KXPNFF_URP46W INGEST_TIME 2013-08-28T03:40:46Z PACKAGE AA00011611_10455
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES