Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10453


This item is only available as the following downloads:


Full Text
N.
E
>
i

> ANUO L. ifOMEaO 197.
Por re* mezes adiaotados 5$M)0
p0f-.tres mezes vendaos 6J0OO
Porte ao &f$* por tres mezes. 5750
i v
,->a* > fcMf*
Su '
F\

Por amo adiantodo.
tNCARRGADOS LA SUBULFgAO NO NORTE
Parahyb, o Sr. Antonio Alejandrino de Lima';
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Aracatv, o
8r. A. de Lemos Braga; Gear, o Sr. J. Jos de
Oliveira; Maranhao, o Sr. Joaquim Marque Ro-
drigues; Para, os Srs. Manoel Pinheiro & C; A-
maionas, o Sr. Jeronymo da Costa.
INCARREGADOS DA SITOSCRFPCAO NO SUL.
Alagas, o Sr. Claudino Faleo Dias; Bahia, o
rr. Jos Martins Alves; Rio de Janeiro, os Srs. Pe-
rlera Martins & Gasparino.
PARfJA DOS BSfAFBtAB.
Onda, Cabo e Kscada lodos os das.
Iguanssu', Goyauna e Parahyba as segundas e
seitas-feiras.
Santo Antao, Gravat, Bezerros, Bonito, Caruaru',
Altinho e Garanhuns as tercas feiras
SEGUNDA FEIRA 29 DE AGOSTO DE 1864.

195000
. Porte ao eorreio por um tuno 3J00O
-- .


J

RPHKMERIDES
E AGOSTO.
2 La nova aos 13 m. e 12 s. da C
10 Quarto cresc. as 3 h., 37 m. e 38 s.
17 La cheia as 11 h., 16 m. e i4 s. da m.
>in 4'iik. v7-----< v- ..-. ,/ L,Ua cnea as t n., u m. e H S. ua ra.
Fao d Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqueira, n,t n! ,, A .
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Taearatu', Cabrob i 2i Qaart0 mn*- as 3 h"> M m- e 20 s- da m-
Boa Vista, Ouricury e Exu' as quartas feiras.
Sermhaem, Rio Forfnoso, Tamandar, Una, Barrei-
ros, Agua Preta e Pimenteiras as quintas feiras.
Ilha de Fernando todas as vezes que para ali sabir
navio.
Todos os estafetas partem ao Vi dia.
PRKAMAR DK BOJK.
Primeira as 0 horas e 30 minutos da tarde.
Segunda as 0 horas e 54 minutos da manha.
PaR I UM tipk, Vai-OR 68 COBTEIROa.
Para o sul at Aiagoas a"ua_5: nar* o Lorie at
a Granja 7 e 22 de cada inez; paralernando nos
dias 14 dos mezes de jan. marc., raaio, jul,*ei. enov.
PARTIDA DOS MNIBUS.
Para o Recife : do Apipucos s 6 l/t, 7, 7 y,, S\
/ da m.; de Olinda s 8 da m. e 6 da tarde; de
atao s 6'/ da ni.; do Caxang e Varzea s 7
daNji de Bemficas8 dam.
ecife : para o Apipucos s 3 y,,4, 4 /4, 4 >/*,
5 5 'A, X '/* e 6 da Urde i Para Olinda s 7 da
manhaa e 4 Vda tarde Para Jaboatao s 4 da tar-
de i para Cacn*Infc e Varzea s 4 y, da tarde; para
Bemnca4datavde-
aUD'-NCIA DO TRIBUNA DA CAPITAL
TriNunai do conunercio: segundas quintas.
Relago: tercas e sabbados s 10 horas.
Fazenda: quintas s 10 horas.
-JSP do commercio: segundas s 11 horas.
Dito de orVbaos tejas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do ~7& tercas e sextas ao meio
dia.
Segunda vara do civel: quatue abados a 1 hora
da larde
DAS DA EMANA.
2'.'. Segunda. IVgolagilo do S. Joo ltaptista.
30. Terca. S. Rosa do Lima v. americana-
31. Quinta. S. Raymuado Nonnato card.
1. Quinta. S. Egvdio ab.: Ss. Gedeio eJo?n.
2. Sext;i. S. K-levau re de Hungra.
3. Sabbado. S. Eufemia v. ; S. Sndalo m.
V Domingo. S. da Penba; S. Rosala v
ASSIGNA-SE
no Recife, em a lirraria da praca da Independaacia
ns. 6 e 8, dos proprietarios Manoel Figueiroa da
V-
PARTE OFFIGIAL
GOVERH0 DA PROVINCIA.
ipedieale do dia 2o de agosto de 1861.
Olllcio ao commandante das armas interino.
Respondo ao ofllcio que V. S. me dirigi hontm,
suh n. 1,522, declarando-lhe que em 12 do corrente
snllcilei do govprno imperial providencias no sen-
tido de vir da corte o panno verde necessario para
o fardamento das pracas do 9o batalho de infao
lana.
Dito ao mesmo.Informe V. S. acerca do que
pede Jos Ferro, no incluso requerimento.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda. -
Devolvo inclusos es requerimientos de Antonio Mo-
reira Reis e Antonio Soares de Carvalho para que
do terreno de marinha na praia das Ciueo-Pontas,
a que allHde a sua informagao n. 457 de 23 do
corrente, mande V. S. passar ttulos de aforamen-
to, sendo ao Io dos nomeados da parte correspon-
dente ao fundo da casa n. 49 e ao do metade da de
n. 47, ambas sitas na ra das Calcadas, e ao 2o do
restante do referido terreno.
Dito ao mesmo.Communico V. S. que por
ter o bacharel Joaquim do Reg Barros, deixado
m 7 e reassumido em 15 do corrente, o ejercicio
do cargo de promotor publico da comarca do Bo-
nito, em confluencia de ter sido chamado ser-1
vico a esta capital, o juiz de direita respectivo no- I
mwu em 8 do mesmo mez o advogado Joao Izidoro |
Goncalves da Cruz, para exercer interinamente j
aqnelle cargo.
Dito ao mesmo.Communico V. S. que segn-1
do constou de participac/io da directora geral in-
terina da secretaria de estado dos negocios da jus-
tica de 2 deste mez S. M o Imperador por portara
de 29 do mez lindo, houve por bem conepder seis
mezes de licenca rom ordenado ao juiz de direito
da comarca de Cabrob, Leocadio de Andrade
Pessoa para tratar de sua sade
Dito ao mesmo.Tendo esta presidencia resolvi-
do em 13 de junho prximo flndo, que V. S. man-
darse alionar ao capito de engenheiros Domingos
Jos Rodrigues, as suas gratificares concedidas
pelo ministerio de agricultura, commercio e obras
publicas, como fiscal da ponte de ferro do Recife,
fndependente de qualqoer deliberaco, que se hou-
vesse de tomar a respeito do descont que se man-
dava proceder pelo ministerio da guerra em vista
los avisos de 20 de abril e 20 de junho prximo
lindo, por isso que nada tinha a melle ministerio
com as decisoes ou deliberares deste, julgo con-
veniente recommendar V. S. que contine a pa |
gar integralmente ao referido engenheiro as suas
gratificaedes de fiscal da ponte de ferro, proceden-
do-se ao descont somente no< venc men tos que
houver de receber pelo ministerio da guerra, a l
qn*m elle devedor, em quinto sollicto esclareci-
menlos do governo imperial sobre a especie, por
quante nao sao explcitos a semelhante respeito os
avisos citados por V. S.. os quaesdetermmam ape-;
as que as thesourarias de fazenda facain os des-
contos independente de ordens das presidencias, e
parece oppor-se interpretacao dada a elles, e
pratica seguida nessa repartico o aviso exnedido
pelo ministerio da guerra em 24 de dezeinbro de
1859 para em caso idntico, ao de que se trata.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.To-
mando cm considerado o que expoz o porlpiro do
onsolado provincial, Francisco Antonio da Silva
Cavalcanti no incluso requerimento, recommendo
V. S. que mande igualar os veucimentos do suppl-
cante aos de 3 escripturano do mesmo consulado,
de conformidade com a portara de 17 do corren-
te, a contar do da Io de julho ultimo em que oc-
mecou o exercicio vigente.
Dito ao mesmo.Autoriso V. S. nos termos de
sua infiirinagao de 23 do corrente, sob n. 366,
mandar entregar ao vigario da fregnezia de l,i-
moeiro, padre Manoel Ignacio de Lima, guardadas
as cautellas legaes, o cont de ris votado pelo 7o
do artigo 14 da le do orcamento vigente, para as
obras da matriz d'aquella fregnezia.
Dito ao commandante do presidio de Fernando.
Respondendo ao ofllcio'de V. S. sob n. 80 e data
la das inclusas informacops do desembargalor pro-
vedor da Santa Casa de Misericordia e do adminis-
trador da casa de Detenco nao podem ser reco-
Ihidus aquelles eslabelecimenlos os 2 sentencia-
dos que solTreni de alienacao mental, como V. S.
declarou em dito ofllcio.
Dito ao capilao do porto.Mande V. S. p^r em
liberdade o recruta Elias Joaquim dus Santos, que
tem isencao do recrulamento.
Dito ao commandante superior da guarda nacional
de Olinda e Iguarass Em deferiment ao roque-
rmenlo do alferes da sec?ao de reserva n. 1 da
guarda nacional do municipio de Olinda, lienjamim
Oonlaol da Cunha Sales sobre que ver-a a sua in-
formacao de 22 do crente, autoriso V. S. a man-
dar passar a esse ofiBcial a guia de que trata o arti-
go 45 do decreto n. 1130t de 12 mano de 1853,
visto ter transiendo a sua residencia para o mu-
nicipio do Recife.
Diio ao mesmo.Mande V. S. postar cm frente
da igreja matriz da fregezia de Iguarass no 2 de
outubro prximo vindouro, s 10 horas da manhaa
urna guarda de honra tirada do batalho n. 10 de
infamara da guarda nacional d'aquelle municipio
atim de assistir a festa de S. S. Cosme e Damiao.
Dito ao director das obras militares.Declaro
V. S. para os fins convenientes e em addiamenlo
ao meu oflicio de 22 do corrente que o capilao do
corpo de engenheiros Domingos Jos Rodrigues fu-
ra desligado dessa repartatieso por assim o haver
pedido.
Dito ao engenheiro chefe interino da repartico
das obras publicas. -Inteirado do COOteudo d ofll-
cio que Vmc. me dirigi hontem, sob n. 226, tenho
dizer em resposta : 1 que o pedido da quantia
necessaria para o expediente dessa repartico esl
comprehendida na regra estahelecida em meu
ofllcio de 22 do corrente dirigido thesouraria pro-
vincial, para pagamento das feriase documentos nao
excedentes de 20O; 2,que approvo o alvitre, por
Vmc. leinbrado em sea citadootBcip, de remetiera
esta presidencia no principio de cad i mez urna nota
em duplcala dasdespezas precisas ou provaveis no
fiiesmo mez para que dentro do- limites nella es-
tabelecdos sejam satisfeitos os pedidos semanaes
que devero ser inderecados directamente poz essa
repartico thesouraria provincial.Remetteuse
por copia ihesouraria provincial.
Dito ao superintendente da estrada de ferro.
Recorameodo ao Sr. superintendente da estrada de
ferro a expedico de suas or Jens aos chefes das
estacoes da inesma estrada, para que deem ao en-
genheiro civil Henrque Augusto Milet, sempre que
o requisitar por escripto, em qualquer das referi-
das estacoes urna passagem de primeira classe e
outra de terceira, das que dispoe o governo, e
transporte para um cavallo, devendo quando este-
jam preenchiihs considerar-se sem efleito qualquer
outro passe concedido pelo governo se o contrario
nao tur determinado.
Dito ao cooselho administrativo.Remoliendo
ao conselho administrativo a quantia de 1:1190,
em que segundo o seu ofllcio de 19 do corrente
importan) os instrumentos bellicos comprados para
a msica dos educandos artfices da provincia do
Amazonas : tenho a recommendar-lhe que mande
acondicionar do melhor modo possivel esses ins-
trumentos, afim de seren enviados para aquella
provincia na primeira opportunidade.
^ Dito a cmara municipal da cidade da Victoria.
Constando-me que anda nao foi arrematado o rs-
tame da obra de assougue da cidade da Victoria,
recommendo a respectiva cmara municipal que a
mande executar poradministraeao, nao excedendo
a despeza da quantia de 3:0005, em que esta orea-
da, segundo declarou a referida cmara em ofllcio
de 19 de fevereiro ultimo.
Portara.O presidente da provincia ordena que
pela respectiva secretara se passem carias de
lerceiros machinistas, n forma das nstruccoes de
2 de junho de 1860, a Jeronymo Duarte Rodrigues
e Abraham Eustwoord, que foram examinados e
approvados como informou o inspector de arsenal
de marinha.Communcou-se ao inspector do ar-
senal de marinha.
Dita.*O presidente da provincia attendenoo ao
que requereu o alferes do 3o batalho de infanta-
na da guarda nacional deste municipio, Antonio
Jos Leopoldno Arantes, resorte conceder-lhe seis*
mezes de licenca para tratar de seos negocios.
Communicou-se ao commandante superior do Re-
cife.
Expediente de secretario do gorerno do dia 2'i
de agosto de IM'..
Ofllcio ao juiz de paz mais votado do Io dstricto
da fregezia de .iossa Senhora do O' de Goyanna.
S. Exc. o Sr. presidente da provincia manda ac-'
cusar recebido rom o sen ofllcio de 20 do corrente,'
a lista dos cidadaos qualilicados nessa fregezia no
corrente anno.
Despachos do dia 2.'i de agosto de 1861.
Requerimenlos.
Alexandre Amerco de Caldas Brandao.Infor-
me o Sr. inspector da thesouraria provincial.
Antonio Malaquias de MacedO Lima.Iuformo o1
Sr engenheiro chefe da repartico das obras pu- j
blicas.
O mesmo.-Informe o Sr. inspector de thesoura-
ra provincial.
Alferes Amonio Jos Leopoldino Arantes.Passc
portara concedendo a licenca requerida.
Antonio Joaquim Salgado*Aguarde que venha
o crdito j requerido.
Albi'.o Ferreira da Costa.Nao tem lugar a vis-;
ta da informacao.
Antonio de Moura Rolim.Informe oSr. director
da iustruccao publica.
Francisco de Salles da Costa Monteiro.Informe
o Sr. juiz municipal da 1" vara.
Alferes Joaquim Velloso da Silveira.Aguarde
que venha o credit j pedido.
Jos Domingues Lodeceira.Informe o Sr. ins-
pector da thesouraria de fazenda.
Joanna Francisca Regis. Indeferido era vista da
informacao.
Joaquim Ignacio de Carvalho Mendonca. Infor-
me o Sr. inspector da thesouraria de fazenda.
Luiz Ferreira Ikndeira de Mello.Dirija-se ao
Sr. commandante superior da guarda nacional dos \
municipios de Olinda e Iguarass.
Licinio Nestrem de Andrade.Informe o Sr. ins-
pector da thesouraria de fazenda.
Padre Manoel Ignacio de Lima.Dirija-se a the-
souraria prouincial.
Victoriano Ferreira Gui maraes.D-se.
EXTERIOR.
CORRESPONDENCIAS RO OA
RIO OE PER.VAHHI'CO.
i.omuii:s.
8 do agosto de 1861.
A mala do Brasil, vinda pelo Magdalena, trouxe-
nos noticias commerciaes favoraves, o que causou
nesta praca boa impresso. A cotacao do cambio
de~ta praca sobre as principies do imperio foi des-
ta vez de 25 d. por mil ris. O Magdalena despa-
cliou em Suutliampton 7.500:00n em dinlieiro
com destino a Londres.
A aceitacao pelo general Flores dos termos que
que Ihe haviam sido propostos pelo governo de
Montevideo, deixa esperar que o Brasil arranjar
as suas justas reclamacoes com a repblica orien-
tal ; e essa noticia fui aqui commeniada desse mo-
do. A imprensa rngleza nada tem dito por em
qnanto da mediacao de Mr. Thornton naquella
questao, seja ponpie nao deseje assignalar a incon-
veniencia do ministro inglez em mediar no conflic-
to oneuto-brasileiro, seja porque ache iiielhur co-
Iher silenciosamente as vantagens desse passo, que
sempre troux? um cerio prestigio para o nome bri-
tannico. No parlamento mesmo o gabinete inglez
nao fui interpellado semelhante respeito, com
quanto isso parecesse natural, at pela razao do
empenho com que a opposieao busca sempre ense-
jos para renovar a discussao alli da questao brasi-
leira.
O estado das nossas emprezas frreas oeste mer-
cado o mesmo. Acham-se depreciados os fundos
das nossas tres lindas aqu cotadas, e islo pela ra-
zao da insistencia com que o governo imperial se
recusa a ser liberal para com essas emprezas. Na
opinian dos accionistas dessas sociedades, o gover-
no do Rrasil deveria subvencionar com a garanta
de 7 0|0 qualquer capital necessario para o com-
pleto acabamento dessas lianas frreas, garantndo
demais aquelle juro liquido do costeamento. Ora,
ninguem pretender justamente que nenhum go-
verno se submetia condicoes lao exageradas, sen-
do certo que o governo imperial foi ja asss libe-
ral em estender a garanta de juro para e capital
lixado para a eonstroeeao da esleda de ferro da
Rabia, havendo anteriormente concedido mesma
extenso de garanta ao capital de um milhoe du-
zentas mil libras esterlinas, em que por sua libe-
ralidade foram lixadas as obras da estrada do Re-
cife. As contingencias que tem occorrdo nos ne-
gocios dessas emprezas nao podem correr por con-
ta do thesouro imperial, qne enfranquecera o seu
crdito se houvesse de acceilar onus sem razao jus-
tificativa, embora se diga que ao governo imperial
cumpre ser liberal aquello respeito, afim de attra-
hir para o Brasil os capitaes de que tanto carece-
mos para exploracao de novas linhas. Fui de opi-
nio, e anda sou, que se a companhia do Recife
podesse justificar todas as despezas fetas com a
construeco. da linha, o governo imperial deveria,
por um espirito liberal bem entendido, flxar essas
despezas como capital para o flm da garanta do
juro, exemplo do que fizera com a companhia da
Bahia, que nao menos companhia brasileira do
que a do Rerlfe; mas responsablisar-se pelo juro
liquido de 7 Oja seria lancar-se. n'um caminho va-
go e quic prejudicial para os interesses do the-
souro. E' devdo nenhuma perspectiva de gran-
des lucros nessas emprezas frreas que os seus
fundos se acham em grande depreciacao: as ac-
c&es de Pernambuco ficarn com o descont de 3
por ac?ao; as da Bahia com o de f 2 1|2 ; e as
de S. Paulo com o de i 1|2.
Os consolidados inglezes 3 Ojo ficam 90. Os
fundos brasileiros 5 0|0 99-101 ; os de 4 1|2 0o
de 1860 86 7|8 : e os de 4 1)2 0|0 de 1863 87.
Portuguezes 3 % 47 7|8. Hespanhes 3 0|0 50.
Mexicanos 3 0|a S9 1|! Sardos 5 01o 85. Conso-
lidados turcos 6 Ojo 0. Gregos 5 0|O 23 7(8. E
italianos 6 0|0 68.
Na uliima qunzena chegaram de diversos portos
do norte do Brasil Inglaterra os seguintes na-
vios : de Pernambuco The Netherton (23) Liver-
pool ; da Parahyba The Porttu (23) Liverpool;
do Rio Grande Diamond (24) Britol ; do Para
The Nova Central (24) a Gravesend ; da Babia
Abeona (24) Liverpool ; da Bahia Sytpheden 26)
Falmouth ; do Rio Grande Sultana (26) Plv-
moutli do Rio Grande Hannah Codner (26) a Li-
verpool ;da Parahyba Corimbe (26) Liverpool ; e
da Bahia Bohemia (28) l'lymouth.
De Inglaterra seguiram para o norte do imperio
os seguintes: de Gravesend Johann (26) para Per-
nambuco ; de Gravesend Frederik (29) para Per-
nambuco ; e de Liverpool fessie Scotl (4) para
Pernajnbuco.
O alsodao de Pernambuco e do Maranhao, que
na nltima quinzena chegou 32 d. por libra, tica
a 30 d. sendo o pedido firme e bom. O de Macei
e o da Rabia Oca 28 d. e 29 d. Cacao do Brasil
fica de 45 s. 60 s. per cwt. Caf de primeira
qualidade de 72 s. 80 s. per cwt; dito de segun-
do de 70 s. 73 ; e ordinario de 60 s. 70 s. Pao
Brasil 75 s. por tonelada. Assucar branco de Per-
nambuco e da Parahyba 30 s. 6 d. 34 s.; mas-
cavado de 26 s. 31 s. per cwt. Dito branco da
Baha de 30 33 s. 6 d.; e mascavado de 27 s.
30. s. 6 d. per cwt. E cooros seceos do Rio de 7 d.
9 d. 1|2 por libra.
No dia 29 do prximo passado teve lugar por
eommissiio regia o encerramiento do parlamento
britannico. depois de urna sessSo de 6 mezes. Sua
magostado agradeceu cmara dos communs o
ampio supprimento de meios feito ao seu governo,
congratulndose com o paiz pela prosperidade des-
te que apezar da cnse americana tem podido obs-
tar ao maior mal das classes operaras do mais im-
portante districta manufacturerodestes reinos. Te-
ve todava de assignalar a estado desfavoravel de
urna das colonias nglezas, a *ova Zelandia, onde a
iusurreicao tem gaitho terreno cuntra a autoridade
legitima: enlretauto manifestou a crenca de ver
em breve aquella situaco resolvida, pea energa
com que as tropas britanuicas esto combatendo
essa sublevacao.
Tratando dos negocios exteriores, sua magestade
a rainha comeeou por fallar d guerra existente no
norle da Europa, lamentando que os esforcos do
seu governo em favor da paz tivessem sido balda-
dos ; mas disse ao mesmo lempo que esperara ver
reallsada essa desejada paz, gracas s ngociacoes
pendentes neste momento para aquelle flm. Anun-
ciou a final separacao das llhas Jonias do protec-
torado britannico, aclo que tivera lugar com o
assentmento das potencias que em Vienna haviam
firmado aquelle protectorado. Finalmente relerin-
do-se guerra da America, sua magestade asseve-
rou mais urna vez que continuara a inanter a neti-
tralidade que tem guardado naquella luta, f.izendo
comtulo votos pela cessacao daquelle conflicto.
Raras veze a corda iugleza tem prenunciado um
discurso tao pouco significativo. Sem entrar na
questao do dever que a Inglaterra tinha de apoiar
a Dinamarca, a soberana se limiton a dizer que
vira com pezar baldados os esforcos feitos pelo seu
governo em favor da paz no norle da Europa; ena
quesio americana, repeli a mesma phrase de ou-
tras occasoes anlogas, sem ousar criticar a des-
honra que sobre o povo americano recabe por aquel-
la desbragada lula fratercida! Em summa, o espi-
rito do discurso da cora brilannca no recente
encerramento das cmaras significa ainda o refina-
do egosmo poltico desta nagao, que pelo receio de
comprometier o seu bem estar nao se attreveaqua-
lificar certos actos, em que alias inleressada,
quantlo uutr'ora, em pocas mais felices para a in-
fluencia exterior da Inglaterra, o gabinete de Lon-
dres intervinha e dictava respeito dos successos
polticos do mundo inteirol E' assm que a polti-
ca actual deste paiz a consevacao da paz com as
grandes naces a todo custo!
Encerrado o parlamento al 13 de outuhru para |
ser entilo de novo prorogado at o nidz de Janeiro j
prximo futuro, o ministerio Parmerston-Russell.
podercontar com mais lempo de vida; sendo que
espera reforcar a sua existencia com a nova elei- j
cao que lera lugar depois da prxima sessao legis-
(ativa.
A actual cmara dos communs foi eleita em 1858
durante o ministerio de lord Derby, de modo que
esl prestes, a tocar seu termo legal, que segundo '
a constituicaobrilannca de 7anuos; e o visconde
de Palmeision, espera formar urna nova cmara com
ama materia importante, apezar da influencia ga-
Dha pelo partido conservador, que ltimamente tem
vencido todas as eleicoes parciaes. Esta adminis-
Iracao vive boje principalmente pela pouca vonta-
de que tem o partido lonj de assumir as redeas do
governo, emquanto cerlas questes de poltica ex-
terior nao estiverem resolvidas; ella est caneada,
e teria j sido derrotada, mesmo na questao ina-
marqueza, se nao fusse a nsuflkiencia do program-
la que promedia o partido conservador. Demais
na questao allemaa, aqu se emende que lord l'al-
merston tem conseguido conciliar a vontade pessoal
da rainha com os deveres deste gabinete, e porsso
nao era muito desejada urna mudanca ministerial
neste caso.
N urna das ultimas sessoes da cmara dos lords,
o conde de Eilenborough censaron de novo a pol-
tica deste gabinete na questao dinamarqueza, e a'
resposta do lord Russell foi descrever as vantagens
materiaes extraordinarias, de que se acba de posse
o paiz, para concluir que por nenhum modo o go-
verno britannico deveria ter arriscado a paz I O
ministro inglez tratou apenas de justificar a sua
poltica pela utildade da causal Anda ha pouco o
visconde de Palmerston, fallando do Rrasil, disse |
qne as relacoes commerciaes entre esse paiz e a
Gra-Brelanlia haviam augmentado no ultimo anno,
apezar da cessacao das relacoes polticas, explican-1
do-se assim pela mesma ut'ilidade da cousa a pol-
tica ingleza acerca da questao brasileira I Tal a
feico que tem tomado a marcha dos negocios ex-
teriores da Graa-Bretanha; quando se trata de
combate/ a Allemanha, evite-se a guerra porque
deste expediente resulla grande vantagem material
para o commercio inglez; quando se trata de urna
nacao inferior em meios de aggressao, lcito re-
correr forga bruta, porque d'alil pode at provir
um accrescnio na estalistica commercial do Reino-
Unido, como est succedendo entre o Brasil e a In-'
glaterra I
A presente questao dano-allemaa demais una
prova do pouco respeito que o gabinete de Londres
consagra aos tratados por elle celebrados com na-1
goes chamadas de ordem inferior. Ninguem igno-
ra que o tratado de Londres de 1852 nteressava
todas as partes que uelle tomaram parte, embora
esse interesse fosse para uns mediato e para outros
immediato ; ora nestas crcumstancias quem dir
que a assignatura da Gra-Bretanha naiuelle do-
cumento nao equivala urna verdaderagarantia.e
sendo assim quem nao dir igualmente que este
governo, respeitando a f dos tratados, devia sus-1
tentar a Dinamarca, cuja integridade elle Ihe havia!
garantido ? Se a necessidade de evitar um mal;
maior, urna guerra geral europea, determinou a
actual poltica deste gabinete bem como a dos ga-
binetes da Franca, Russia e Suissa, qual sera a
nagao franca que no mundo deseja jamis ligar-se
a compromissos que na occasio urgenle Ihe nao
aproveitam T Foi era nome desses compromissos |
que este gabinete levantou muitas vezes sua voz'al-
tiva para interpellar a Dinamarca acerca da sorte
dos ducados, e no entanto. chegada a occasio para
, seguir levantar um novo omprestmo em Nova- O rei da Dinamarca, no seu discurso s cmaras
i York, mas j se fallava em outro com o carcter de j^orou os sacrificios a que o paiz foi (breado, ac-
eftipresumo nacional. O ouro licava com 174 de cresceltanao 'lu<; aposar du valor de que esqua-
I premio.
0 presidente Davis mandara propor indirecta-
mente a paz ao presidente I.incolu : mas, havendo
este declarado que r tratara sob o principio da
reintegragao da unao e da aboligaoda esrravatura,
aquelle respondeu que a confederagao prefera
ombaler sem termo a acceilar laes condicoes.
DIARIO DE PERNAMBUCO
Estiveram hotflem, durante a demora do paque-
te inglez, entre nssSS. AA. os Srs. conde D'Eu,
el-rei Chrislano pedir o abi governo inglez Ih'o negou vet^onhosamente !
A Dinamarca adiase desmohbrada, gracas ao
engao em que Lord Russell troMJse por muto
tempo o gabinete de Copenhague, queViareca acre-
ditar sempre na efflcacia da protecgaovjngleza !
Esto j assignados em Vrienna os prelmin\ares da
paz, em virlude dos quaes el-rei Christiano faXses-
sau perpetua dos ducados do Schleswig, Holstein\
Lauemburg, em favor dos belligerantes; e agora
mesmo a imprensa semi-offlcial iogleza parece
querer assumir para si a gloria deste resultado, a
qual con>i>te na terminacho da guerra por influen-
cia do gabinete de Londres I A serio dos ltimos
successos polticos em relagao questao daoo-al-'
lemaa importa para o governo britannico urna ver-
gonhosa pagina na historia ; e qual ser a nacao
de ordem inferior que jamis queira ligar-se por Luiz Felippe Mara FVg-iian lo-Gaslao de Orleans,
tratados com e.-^te governo, quando elle se decide e principe Luiz AugustbvMaria Eudes, duque de
petas eventualidades do momento A' Russia, Saxe, futuros conjuges daX serenissiinas prince-
rrangaeSuissa nao cabe outra critica nesta con-, zas brasileraj. n
junctura ; milita porm em favor dessas potencias O primeira lilho de SS. AA. o duque de Xe-
a circumsiancia de iiao haverem illudido o gabi-1 mours e a princesa Victoria Augusta, de Saxe-Co-
neie de Coponhague, como alias fez este "gabinete burgo-Gotha, nascou 28 de abrfkde 1842 e
anda mesmo depois do encerramento da conferen- tem 22 annos.
ca aqu celebrada. | o segundo filho de SS. AA. o principe Aysiu-
.\aoa mais occorreu nesta capital de extraordi- to, duque de Saxe, irmo de 3. M. el-rei D. .'or-
narloacerca do nosso conflicto com este gabinete.! nando de Portugal, e .la princesa Maa Clernt
Depois de haver envenenado o seguimenlo da ne-' tina, filha deS. M. el-rei Luiz Felippe de Orleans.
gociagao com urna discussao extempornea, lord nasceu 9 de agosto de 1845 e tem 19 annos.
i almerston sollon no parlamento, como disse na Apenas saltaran), SS. AA. foram ouvir missa
minha ultima missiva algumas palavras de conci- matriz do Corpo Santo, almoearam no palacio da
liacao que todava nem atiennam o insulto feto e
immerecido. E' aguardada aqui a deciso do go-'
Temo imperial nessa questao, e a opinio publica
em Inglaterra mostra-se sempre desejosa de ver
de prompto reslabelecidas as relacoes polticas des-1
te governo com o do Brasil, parecendo al acredi- 119 para o sul.
lar que esse resultado est prestes, visto como o Acha-se em
gabiuete do Rio de Janeiro nao dexar de aceitar' raizo com
os termos olferecidos pelo conde Russell mediante
o governo lidelssirao. Tem-se mesmo fallado j
na escolha da pessoa que a Inglaterra mandar
para o Brasil, o Sir Charles Wyke que eslava de mi
SVlSS? t 'r ?diX,duo "to .Pfra, i d'4'ua. Depois de tomar earvio seguir a crusar. I A oceupacao de Rendsburgo pelas tropas prus-
KS ii miniMro da Graa-Bretannha na corte do, Acerca de noticias commerciaes diz a c.r- sianas, produz.o a maior sensacHo nos estados se-
nli(,wi,ln .. cular dos Srs. Pinto Leite c Irmo, de Liverpool : cuudarios. No llauover, Ba viera e Saxonia sao
O ministerio inglez se repousara brevemente das Numerar.o.-No da 25 do passado o bancode unnimes os prot-stos contra esta oceupacao. A
>>^ ** .Vndo?maiorparl,e dos n"nis-, "glaterra elevou o juro mnimo de6para70|0e segunda cmara da Saxonia declarou, depois da
f "S,f 222 d uma llcfQ?' (c.onforme co?" em 4 do corrente de 7 a 8 0|0 e a procura para CQiniminieaco de Mr. Benot, que tal occopato le-
i?,! ^ S -M Cvvde Uaren.don J?ar,u descontos a esta laxa activa. vada etfe.to por meio de um abuso de torga; cons-
rf?i v Para W,esbaden 0IJde se dem^ A'godao.-A subida e a procura, que este ar- tituia uma violaco dos diretos da confederagao.
nmin?,IT* *V,sua Passagem por Pars, aquel- |,go tinha experimentado, paralisou com a subida assim como um ataque honra do exercto fe-
je miuisiro da rainha de luglaterra teve uma con- f do juro mnimo, e os precos n'algumas especies de deral.
,metnnlaii?^r-, Drm?a. dt L'tt^\ c st f,nirma' algodo baixaram 1|2 d! a 3,4 d. que tinham ad- A Baviera pedio dieta a retirada immediata
que nena tratara anda da questao dano-allemaa. quirido na semana posterior nossa ultima publi- das tropas prussianas do Rendsburgo
A circunstancia de haver assistido aqu a um con- ( cagao. A procura para consumo mediana e os As explicarles dadas por Mr Savicnv renresen-
Slrn!e Tarfnl 'X fa ^r^x^u pre?0S 0aS* ?!? corr?n,e **'*> Bes- Ef" Untl! da ^^a, nao de.xam duvida sobre os de-
ir quei Lord Llarendun fora encarregalo pelo fectuaram-se vendas dealgodao achegar: Parahyba sejos que aciualmunie tem o eabinete de Berln
B5?SS5Sff-Sb&Atnte/: sfid-e^0atvfJ32-*1!&S**dta,tenuarSStSpStSSS.
,nr,n,> i,"tiruacelebracaod amoratado para dao em viagern da India sao 412,000 saccas contra Pretende o ministro prusiano me aquella medi-
garannr a Dinamarca o resto do territorio cem que 320,000 do anno passado. As entradas do Brasil da fura tomada por c.rcumst nc a, puramente ra-
SSBLSTffgSi qsoaov,oerJgftSia s-,,,,la en' ^regula por l d-por ,lbra- die,a em KendsburK0 a rorca
marquez viesse a regeit-lo.
que a esqua-
dra e o e&Ti':' haviam dado pruvas, fora forgoso
terminar a luta pai.iv'tar maiores desastres.
As cmaras foram addao"* Para 3 dt naV^~ "
As noticias de Copenhague i 'ra,n *\.
geral pelo resultado da luta, receallt'"* ll* a
agitacao que se nota, em todas as classes da Vapu-
laran, possa produzir graves desordens.
Fallase em urna men tos membros do Rigsrad, propondo assemblea que
rndenme pelo menos com o seu silencio a manei-
ra de proceder do governo. O prndente do con-
' selho apresentou-se no conselho privado e leu alli
urna exposigo desenvolvida solire a situacao da
Dinamarca, o que ainda mais augmentuu arca-
nunaco do paiz.
Mr. de Bismarck e Mr. de Rechberg lmitaram-
se a dar aos plenipotenciarios dinamarquezes caos
: embajadores de Franca e da Inglaterra em Vicu-
a, explicages verbaes sobre o modo porque os
dous gabinetes enlendiam dever dispor dos terri-
torios cedidos.
Nos dous gabinetes contesta-se os direitus da
i dieta, julgaudo que ja nao existem os motivosiqu.'
jjustllleavara a execucao federal no llolslein* no
Lauemburgo; dizem que lora s Austria e l'rus-
a, como potencias belligerantes que a Dinamarca
cuilbii os ducados e nio dieta, que nao tomara
ou vi r missa a j parte la guerra. Deste modo a Austria ea irussia
no palacio da mautein'?* sua tutella uo< ducados, deixando s
presidencia e vi-itaram os arrabaldes, aecompa- dieta nicamente o encargo de conhecer os direi-
nhados pelo seu ajudante de ordens general Du- tos que tem os pretendentes ao throno. A Gazeta
mas, e& Exc. o Sr presidente da provincia. da Allemanha do Norte, que orgo de Mr de Bis-
\ eram da Europa, a bordo do vapor Paran, mark, diz que a confederagao germnica nao su-
' r?!!3^""?5- s vaes para Pernambuco e serana dos ducados, e assim como a situacao dos
ducados nao mudou, porque um enviado sardo con-
nosso porto, vinda de Valpa- tinua a estar acreditado em Francfort, tambem o
, caso tivesse de Ihe ser
olferecido.
O armisticio que fora assignado cm 20 do pr-
ximo passado entre os belligerantes, teve de ser
reservada
mar Bltico.
Os enclaves da Jullandia, que entram pelo terri-
torio do Schleswig, sero rectificados, buscando-se
constituir urna fronteira militar para o pequen
reino da Dinamarca.
--urgo a forga necessaria para sus-
Assucar.O mercado desde a nossa ultima pu- tentar a ordem e tranquillidade naquella praga/o
blicagao tem continuado em apath a, e os pregos commandante em chefe do exercito alliado fora
baixaram 2| por quintal. A causa immediata des- lorgado a prover aos meios de impedir a repeticao
ta apathia o elevedo estado do descont e o de descordias que podenam comprometier a segu-
, grande desejo e parte dos possuidores de reali- ranea dos hosnitaes dos dpnosiios e as commnni-
amda renovado ate 3 do corrente, e agora se acha Uar. Os pregos ltimamente obtidos foram 25,6 cag.es do exerci o O ministro mussianoTcl--
de na'z a'C 3 fial COnClUSa dSS neScia5es p?10de Pernambuco e Parahyba, e 26, pelo da Ba- ro qtt?a^governoS?&b!SjPda fiSSr
L,,,,,.,, .. hia e Rio Grande, porm hoje para poder effec- sahir de Rendsburgo as tropas federaes, e que
No da 3 do corrente foram assignados em Vien- tuar-se v.mdas, -eria necessario concederle mais longe disso se nao oooona ao racresso dessas tro-
naos preliminares da pax, tendo por base aquelle uina baixa de6dal| por quintal. Venderam-se paspara a praca ao regresso dessa, tro
uS!SL9^SSLat ,Iu,'"'"!kS ^..^'"irlcf^amentosem viagern da Bahia (6,600 sac ; Os defensores de Mr. Bismark dizem ainda que
ernS 2,lt nS S ^ H "" d H*." i* cos) l *!L,|uintal caes- a eXeCUVao federal no Holslein lora confiada pela
niadas no mar do norte licando todava Cafe.-O do Brasil tem sido mais procurado e dieta nao s as tropas saxonias e hanoveriaoss
a de Arroe no venderam-se 170 saceos aos pregos de 65|6 a 68 : mas tambem s prussianas e austracas, e qu
pelo do Rio ; e 55| pelo da Bahia. por isso a oceupacao de Rendsburgo pelas prussia-
Couros do Brasil.-Seceos salgados continuam as nada tinha de arbitrario e se nao oppunha
i com procura para consumo e exportago, particu- autoridade da dieta, e eslava nos raesmos casos da
larnvute couros pesados. Os pregos baixaram 1|8 oceupacao de Kiel e de Altona.
O represntame da Saxonia declarou que, tendo
Taos sao os preliminares dad. por lib. causado pelo elevado es'tadodo descont,
paz, que estao actualmente sendo discutidos em c Borracha.-O mercado contina frouxo. A
vienna e que se espera
Prussia e a Austria ac
marea aquillo que ha muito
P0rJS'?..?^ hao le.n>?81rar-se agJ-ra conciliadoras 11,3 l, a l|2 3|4 pela cabeca denegro ; esta uti- no da Saxonia seria obrigado a oppor-se elles por
na mantin o prego por haver muito pouca no mer- meio da Corea.
mua se.iuu u.m.ui.uus um | uorractia.-u mercado continua frouxo. As ,a experiencia mostrado nao possuir a dieta torcas
serao levados a ceito. A vendas foram somonte 35 toneladas aos seguintes sullicientes para manter a sua autoridade, nao po-
abam de arrancar a Dina-1 pregos, a saber : IjlO 5|4 pela fina velha da im- deria fazer ne^se sentido as propostas que devia,
nuifo cobieavam ; e pois,, |,rtagao de 1860, l|'J a 1|0 i|t pela fina nova ; e mas que se se repetissem casos anlogos, o gover-
na discussao dos detalhes 1
A Dinamarca pedir quando muito que os duca-
dos liquen) com uma parle das despezas da guerra,
e isso sera'talvez de fcil concesso, 'piando cer-
to que nao convrn exasperar o vencido.
A imprensa allemaa exulta deste resultado, com
quanto lora da Prussia e Austria ninguem confia
na boa f dos gabinetes de Vienna e de Berlim : a
cessad dos ducados feita em favor da Prussia e da
Austria naoagradou Allemanha, que a exiga em
favor da confederagao.
O imperador d'Austria e o rei da Prussia se
moslram enlretauto conciliadores, parecendo fir-
mes no proposito de deixarem aos ducados comple-
ta liberdade de escolha acerca do principe que de-
ver rege-los. A Prussia muito estimara empol-
ga-los, mas tem de disfarcar a sua ambiguo, por
que a Austria Ih'a nao consentirla, mesmo cusa
de urna guerra, na qual se alliana com as potencias
secundarias da Allemanha.
A oceupacao violenta, que acaba de fazer o rei
da Prussia, "da praca de Rendsburg, em coloquen-
cia dos disturbios entre as tropas federaes ali pos-
tadas e as prussianas, tem provocado por toda a
Allemanha vivas protestagoes contra o attaque fei-
to jurisdiceao federal; de modo que este episodio
tem levantado ali grande celeuma contra o gabine-
te de Berlim. Este desculpa-se com a necessidade
que teve de proteger as suas tropas contra os in-
sultos dos soldados federaes, e -om quanto declare
respeitar a jurisdiego federal vai sempre oceupau-
do Rendsburg onde se achava o general Hake, com-
mandante federal, em nome da Confederagao Ger-
mnica I
Do Per escruvem que o almirante Pinzn con-
tinuava na oceupacao das llhas Chinchas, julgando-
se habilitado para manler-se at receber novos re-
forgos. Haviam chegado Callao muitos volunta-
rios chilenos, que vinliam alislar-se para combater
a ambigao da Hespanha, e no Chile o congresso vo-
tara um crdito extraordinario de cincoenla mi-
Ihoes de dollars para defeza do paiz, na eventuali-
dade de uma guerra contra a mesma Hespanha. O
governo da Repblica do Chile mandara fortificar
Valparaizo, bem como comprar nos Estados-Unidos
vanos vasos de guerra de grande forga. Por sua
parteo almirante Pinzn aguardava a chegadado9
reforcos navaes que Ihe haviam ja sido expedidos.
As noticias do Mxico chegain at 2 de julho ul-
timo. O imperador Maximiliano continuava a me-
recer as svmpalhias do seu povo, e conseguir j
a submissao de Uraga e Doblado ao governo impe-
rial. Uma parte das tropas francezas se dispunha
a deixar o Mexico,ondeeram alias esperadas as tro-
pas auxiliares que a Austria e a Blgica vo forne-
cer para ali.
As ultimas noticias do tbeatro.da gnerra ameri-
cana sao mais favoravefs s armas federaes. O ge-
neral Hod deixra de ameagar Washington, e Sher-
man attacra e tomara Atlanta, fazendo quatro mil
piisioneiros. O general Grant mantinha-se de-
fronte de Petersburg. ameacando Richmond, que os
confederados defendem com summa persistencia.
A invaso da Maryland pelas tropas confederadas
fra meramente estratgica, com o fim de obrigar
Grant a levantar o cerco de Petersburg para correr
em defeza da capital.
O novo ministro da fazenda, Mr. Fessenden, con-
cado. Em ser ficam cerca de 630 toneladas
cluinde 46 toneladas pelo TU lid.
in-1 No i." de agosto reuno-se em Oflenbaeh tuna
' assemblea nacional de seis mil pessoas, e resolve-
rn] expedir uma mensagem aos governos allemaes
pedindo o reconhecimento dos diretos do duque
de Augustemburgo. pondo-se termo ao governo
provisorio; exigiudo que os governos federaes de-
claren) sem fundamento as pretenges do duque de
O vapor inglez Paran, chegado hontem da Eu-
ropa. oj portador de cartas e jornaes de Hambur-
go at 5, de Londres 8, do Porto 11 e de Lisboa a
,,!ld. co.rrente. lOldemburgo, por se opporem aos despjos dos habi-
da finalmente terminada a questao dnamar- Unles dos ducados, e porque poda toroecer
foram assignados pelos Rassia prt.lexi0 ara uma ntervencao. A as-
queza. N i. de agosto
plenipotenciarios austracos, prussianose dinamar-
quezes os preliminares da paz e um armisticio de
tres mezes.
A Dinamarca cede os ducados exeepcao do Dis-
tritte Rebe.
ao Schleswi
com a ilha de Arroe.
teiras do Schleswig de
assemblea pronunciou-se pela convocacao inme-
diata dos representantes de Schleswig-Holstein, e
de urna parlamento allemo.
Estas resoluces foram lomadas por unanimi-
A.lha deAlsen ficara pertencendo idae> e Cm gr.4Uu(, enlhnsiasma Em Munich
! houve uma reuniao anloga, sendo adoptadas as
mesinas resolugoes de Olfenbach. E' esperado
Sero verificadas as fron-
modo que se possa formar brevemente na Dinamarca o principe de Galles.
Acha-se em
tas entrevis-
. tas com o ministro dos negocios estrangeiros Mr.
As despezas da guerra se- J Drouyn de Huys.
Fui laucada a primeira pedra no monumento de
Ocounell em Dublin. Houve grande entliusiasmo.
uma linha estratgica, sem prejudicar a integrida- _Foi prorogaiJo |,arlamelllu inK|et..
de dos ducados Pars lord Clarendou. tendo tido varia
Acessao dos ducados e eila em toda a sua ex- t;is <.,, (1 mnclm ,lnc ntn,.c
leusao e sem reserva.
rao pagas pelos ducados; a Jutlandia ser oceupa- i
da pelas tropas alliadas durante o armisticio e es-'
sas despezas sero pagas pela propria Jutlandia. |
A situacao das potencias belligerantes na confe-1 Publicouse na folha ofllcial franceza a reso-
rencia de Vienna era difireme da conferencia de lugao do imperador sobre a questao do canal de
Londres; nesta as potencias neutras, em quali- Suez, sondo a iudemnisagao da companhia fixada
dade de arbitros, empregavam mais ou menos a em oitenta e quatro milboes de francos,
sua influencia a favor do mais fraco, em Vienna Diz-se que o imperador Napoleao tenconava fa-
porm nao havia moderadores; a Dinamarca zer uma visita tolos os estados da Allemanha;
apresentou-se como vencida, a Austria e Prus- mas que, sendo consultados os ministros franceses
sia como vencedores dctaram as condi oe> da paz, nos pequeos estados allemaes sobre as probabili-
e a Dinamarca no abandono em que se achou, dades da recepgo do imperador, a resposta fra
teve de ceder em Vienna o que havia recusado pouco satisfatoria, e o imperador limitar-se-ha a
com firmeza na conferencia de Londres. urna visita Badn.
As condigoes impostas pelos adiados Dinamar-1 Falla-se muito ,no casamento do filho mais
ca causou profunda impresso na Inglaterra e na novo do rei da Blgica com a princeza Anna Mural,
Franca. Sao clamores impotentes, e que antes de-, e parece que este enlace est definitivamente re-
viam envergonhar quem os levanta depois dos fac- guiado. Julgase que ha idea de os fazer declarar
tos consumrnados, mas que nada fez para os evi-1 successores da corda imperial do Mxico, no ca-
lar ; trabalhou a diplomacia, mas quando era ne- so do imperador Maximiliano nao deixar suc-
cessario um auxilio mais declarado, retiraram-se j cessor.
todos.deixando os Dinamarquezes merc dos seus O imperador Maximiliano e a imperatriz Car-
Inimigos. Iota fizeram a sua entrada solemne no Mxico
A trance diz que as condigoes impostas s tem j 12 de junho, sendo recebidos com muito enthu-
uma classificaco : sao draconianas; que a Dina- siasmo.
marca nao poda perder mais, salvo se fosse com- Os primeiros actos do novo imperador foram a
pletamente despojada de tudo e nscada da carta da erganisago de algumas commissoes especiaos, que
Europa ; mas que taes condicoes j eram espera- foram confiadas horaens competentes que devem
das; que as duas potencias alliadas nao tiveram interinamente oceupar aquelles lugares,
por muito tempo de discutir as condigoes de paz; Partirara 2 de julho d'aquella capital para a
3ue a sua vontade era lei; que hao aitenderam ao i Europa delegados do governo mexicano, para noti-
ireito dos tratados ou direito das nacionalidades, I flcar s diversas cortes o estabelecimento do n-
aos convenios escriptos, nem mesmo ao voto dos perio.
povos; que as potencias allemaas pela sua attltu-1 O Sr. Faci vai Hespanha e Portugal; o mi-
de respeito da Dinamarca, fizeram sobresahir o j nistro Arrangois Inglaterra e Hollanda; o repre-
principio que se nao pode j reconheeer senao o sentante Barandiaran Italia; o ministro Mora a
direito que a forga estabelece. Russia, Suessia e Dinamarca; o Sr. Muphi, que
O Stnrwnij Post diz que o desmembramiento da actualmente se acha em Vienna, todos os membros
Dinamarca acaba com o equilibrio europeo, e que da confederagao germnica.
necessai la agora a intervengan da Inglaterra, e Diz-se que as noticias sao excellentes para a
que em presenga da paz assignada em vienna te- consolidacio do imperio.
das as potencias se devem preparar para a guerra,' Os jornaes francezes publican) uma carta do
pois a Europa est perdida. presidente Jurez ao imperador Maximiliano, ne-
A Gazete de Vienna, porm, chama s condicoes gandose a acudir um convite feito pelo impera-
estabelecidas uma paz honrosa I dor para uma conferencia no Mxico, com os oa-
.
,-\


.-**
*!*
_-


i

&f*rift F**
^au<
SW0
Segunda fclra t 4c A*ko 4c 11C4.
tros ctipfW ."ihexicanb "que frtntla- esttd" cm-armas, 'balhos.' Hiz-s'e que o governo franeez pedio nov
para se tratar d.rpai e Micidado du povo finen
p'no, e ijueo imperio o enllocar a em urna posicao.
distinrfa, conforme os seus servaos, conhecJmeo-
jlos e patriotismo.
Esta ca ta, que alunas julgam apocripha, escrip-
ia com mnjta dignidade, e du ao novo imperador
algunas verdades amargas.
Diz que o cargo delirado e Importante de ore
sidente de repblica Ihe tra lodo o tempe, e por
isso s responde rpidamente e sem escolher orna
redaeeo meditada.
mente corte de Roma para fazer sabir aquella
rutad* FraftBJson II. O. Smnino Puntillee recusou
formalmente, fundando-sa-ao principio de asylo o
liosiiiti)dade unto* que tem sido invocado.
O Papa escreveu ao imperador d'Austria acerca
das prrseguicrjes dos calholicos na Russia.
Tcm causado inquieaco ao governo romane
s numerosas conversoes protestantes em Constan-
tinopla. O governo fe prender os chefes da pro-
paganda protestante que eram missionarios ameri-
canos e ingieres, appreliendendo-lhes as biblias e
a- Oliveira, para eorrcrc.3o c Francisco Jos du Naj-
Admirase da generosidade com que elle e sua urna imprensa clandestina. As diligencias empre-
esposa l). Carlota deixaram a snecessao de un gadas pelas legacSes iBgleza e americana a favor
thnmu na Kuropa, e deixaram familia, bes, ami^ dos misAiarios, tiveram pouco resultado, pois as
gos e patria para virem em lotiginquaes e desccr auJ>ridaaoe dtemanas tem mostrado a maior nr-
nhecidas regidos corresponderem ao ehamameuto moa as suas resistas, fundadas as luis do pas,
espontaneo de um povo gue cifra n'elle a felicidade e ern razao de oslado
do seu futuro.
cimento, por emhri*ftuoz.
A' ordem do do Peres; Felismin Jecuta Baptt-
ta, para averiguacoes em rrime a* furto.
# O chefe da 2" secco
J. G. de desquita.
Movimento da casa de detengan do dia 26 de
agosto de HMl :
Existan)....... 381 presos.
Entraram...... 11
4
A saber
Diz Jurez que Ihe causa grande sorpresa o
ckamamente espontaneo, pois quandoos traidores
mexicanos se apresentaram em Miramar offere-
cemlo a cora do Mexco, autonsados per noye oti
dez povoavdes, logo o archiduque Maximiliano
deveria ter visto 'aquellas manifestacoes urna far- lacao turca. Os
ea ridicula e indigna de ser atlendida seriamente mas precaucoes
e
7
Entretanto sempre Mr. Bulwcr conseguio a li-
berdade dos missionarios, a reabertura dos seus
cstabelecmenl.os, mas os chrislos sao mandados
para as provincias do imperio.
Ha grande pnico em Smyrna, pois os chris-
15o* n-eeiain a cada momento um ataque da popu-,
negocios esto suspensos e algu-
se tinham tomado para resistir a
por um liomem honrado e decente, e por .-so elle qualquer tentativa. Este resultado jtevido falla
exigir urna vunlade livremente manifestada pela de pagamento do exercito, e situad pouco pros-
nacao, resultando de um sufragio universal; per- pera do paiz, ondo a menqiridade augnicula lodos
guilla pois como se nao ha de deixar de admirar,' os das, e as pregacoes los fanticos, que operarn
vendo o aceitar a cora sem se terem cumprido as'. no anima do povo turco, alimentam estes boatos.
cmdicoes impostas, e vendo-o condecorar e por; Robentou urna revoluto prxima de Bagdad,
ao seu servico homens taes como marques de Her- mas por ojlfnad ha mais pormenores,
van e rodear-fe de toda essa paite corrompida da E' esmerado em Par? o principe Couza. Abdel-
sot-iedade iiiexieana. : Kad.jr fei convidado pelo imperador Napoleao, e
Diz Jurez nae soffrera una grande decepeo,'. lleve ir Franca em outubro prximo. E' tam-
pois que o jnlgava urna dessas orgamsaeoes puras, bem esperado em Paris o principe alliauez Mehida,
que a ambicao nao atranca corromper. i chefe da tribu dos MyreliUs.
O presidente da repblica mexicana conclue, re-1 Estabeleceu-se um aecrdo entre o bey de
Sahiram.......
Existen).......
r :
Naclonaes.....
Esirangeiros...
MuhVres......
E-tram*'ira------
Escravos......
Escravas......
/
296
12
i
1
41
4
358

c
Caf.....
Cha.....
Cerveja..i
220 caixas sajwo; a J. Pater & C. ,
3 fardos b 43 caixas tecido dealgodao; a Gree- i
Mp d Swiud. | Batatas.........
2 ealxas tecido de algodao e 13a, 1 dita tapetes Bolachinha......
para sof ; a Joao Keller.
22 fardos e 19 caixas tecido de linho, e dito de Carne secca____
algodao, 2 fardos lio, 13 liarru maateiga e 12 tone-
ladas carao ; a ordem.
2 caixas biseoutos, 200 calxai sab.o, 10 ditas
phospboros a Tas9o Irmaos.
12 caixas e 3 fardos lencos de algodao o tecido
de dito ; t A. C. de Abreu.
12 caixas phosphoros; aFerrelra & Martin' .
9 linas e 4 caixas cobre, 10 ditas n'.'fiaipBoros, 1
dila e I barricas enxofre, 4 d,vus ferragens, 20
chapas para fog;io.; A 'upreas e 1 raix graxa, 5
caixas nV /'rardos lonas, e 1 dito eslopa, 200 foga-
|V'r.',,j, 33 fardos e SS/caias cobertores de algo-
dao, tecidos de linbj e dito de algodao,; a Isidoro
Netto & C. /
2 barris oj/tfo do linha^a, 2 barricas e 2 caixas
drogas merfnrinaes; a Caors & Barbosa.
Alimentadas costados cofres provincies 14o. i cana briquedos e livfos ; a M. J. dos Santos.
Movimento da enfermara de da 27 de agosto. Brgtie bremense Ctartssa, entrado de Buenos-
Teve baixa : ty*, consignado a Maia & Espirito Santo, mani-
Joo Jjs de Santiago, rheumalismo. j^festou o seguinte :
Pas6ageiros irrr hiato brasileiro Santa J?'^ 5,191 quintaes (hespanhes) de charque, e -'JO.
sabido para b Araraty : couros de poltros seceos; a ordem.
Antonio Jos Ferre'ira da Silva Junior, Francisco lxporta^o.
Brgue ingles Ullswater, carregou para Liverpool
pela l'arahyba :
1,000 saceos com 5,000 arrobas de assucar mas-
cavado.
Barca francesa Rio Grande, carregou para o
Havre :
697 saceos com 4,090 arrobas e 18 libras de al
a lfflOO, haveudo em deposito j:
3,tOO barricas. Rio de
Veideram-se a 800 rs. a arroba. commai
w.
iuo* fahido< mio diar
Jaleiro p nahiaVapor inglez Paran,
..nie Jellieoe.
Veadeuse a 2,5400 a barriqui- Ara<-;<,ty_Hial<, j^asilciro &mfa Hita, capitao Joa
nba. quim Antodio
A do Rio-rande do SuLye^aea- Beros.
se de 300 a iSOOOopor arroba,
fleando r.n'VeposUo 70,000 ar-
!' ;.as, e a do Mu da I'rata de
de Figueiredo, carga varios ge
Hf
vindo
Jos de Jess.
PassagHiros do vapor ingles
de Southainpton e |>ortos interine
Antonio Vicente da Costa, Ju^Marlins de Bar-
ros, Jos bneos Ferreira, ^winlo da Silva, He-
rai-lio P. M. Monteiro, Ped*o Ferreira, Joao Tra-
vasso, Antonio Soares oV -ambronne, Laura/Chrlslianni, Welbam Otto, | ^jp e 2,944 couros verdes com 128,933 libras e
Pearson Mowissoo< William F. Danson, 119 ptraj yjo arrobas de ossos.
o snl.
'15000 a :}4120O, ticaudo em de
psito 27,315 quintaes : inclusi-
ve 5,191 quiulaes do brigue br-
mense Ctauue, chegado boje.
Vendeu-se de "200 a 7500 a
arroba.
dem de 15000 a 25300 a libra.
dem de 55000 a5U)0 por duzia
de garrafas.
Carvao de pedra. dem a 195000 a tonelada.
Farinha de trigo. A de Philadelphia e New-York
rctalhou-.-e de 145000 a 165000
por barrica, a hespanhula a
I55OOO, e a de Trieste a 225;
(cando em deposito 7.500 bar-
ricas da primeira, 3,000 da se-
gunda, 500 da lerceira e 4,000
da quaria. Chegou um carrega-
meato o qual ainda niio so deci-
di se deveria descarregar ou se
seguir para o sul.
Drta de mandioca Vendeu-se de 45500 a 55000 o
sarco.
dem a 85000 o dito.
A inglesa ordinaria vendeu-se
com 330 por cento de premio so-
bre a factura.
Manteiga.......A inglesa vendeu-se a
Feijao..........
Louca..........
IDITiSS.
O Dr. Tristao de .Menear Ararkie, ofBcial da im-
perial ordem da lo>a e juiz de direito especial
do commercio dcsta cidado do Recite,' capital da
provincia de Pernambuco e seu termo, por S.
M. I. e C. o Sr. D. Pedro II, a quein Dos guar-
de etc.
Fai sber ans que o presento edltal virem e del-
le noticia tisvrem, que no dia 29 de agosto do cor-
rente armo, se ha de arrematar prfr venda a quem
mais der em pesca publica desie juiso, na sala das
auditorios, depos da audiencia, as dividas .ais-
lantes da seguale relacn :- Joo Anlonio Carpia-
telro da Silva, 12:9673537; Mano.! Comes Pinto,
155540 : Mauricio Alv.-sde Brllo, 425610 ; Manoel
Carpinteiro da Silva, 265440; Jos Fenaudes Mou-
ra, 55577 ; Joao Luiz Goncalves, 105480 ; Henri-
que Manoel de Sousa, 5895045 ; Mauoel Srbliio
Bezerra, 5725390; Ventura Ivo Bairoso, 5675"-'";
Manoel Gongalves de Otireira Santos, 3735300 ;
Justino da Silva Soares. caixHrodo Fontes, 4952('0;
Benti Jos Pernandes Lino, 464*000 ; Jos Pereira
da Silva, 2205420 ; BeOJ 665000 ; Co>la, 665000;
Ladislo Jos de Sant'Anna, 615600; Antonio 8>
ronimo Ferrara. 3005000 ; Heinique da Fonceca
Coutinho, 373340 ; Man-nd Vieira Fortes Pimentei-
720 rs. ras, 733420 ; J..5o Antonio da Silva, mMOO; J' D0 CEMITKniO nnUOO NO DIA 26 DE
j seus propnos partidos e a tudo o que existe
do mata sagrado para o homem de honra; une nes-
sas traicVs os traidores tem sido guiados pela terne
airrtiica do mando, e de um vil desejo de salisfzer
suas paixoes e seus proprios virios; porm (ico
cncariegado actualmente da presidencia da rep-
blica, sabia das massas obscuras do povo, e suc-
cambir (se a Providencia assim o determinar)
nimpriado com os seus juramentos as esperanzas
4a nacao a que preside, e satisfazeudo as inspira-
dado do boy, e o chufe di revolta Ben-Ghadam ob-
tivera autorisa{o fara abandonar a reg"ncia.
Parece que o bey lamben) prometteu demittyxi
ministerio.
O bey, que se ach* sem eieriilo, pro*
al lamento de europeus. r
Nao se confirman) por:ra os nttentadosde Reau-
val. /
Nao se acha ainda rest>beleeida completa-
mente a tranquilidad*! em Argel. Falla-se na ne-
eessidade de urna nova expedicao militar que po-
5>;s oh sua consciemia.
t E' dado ao homem (diz Jurez) atacar os di-: nba termo a agitado ue existe, em consequencia
reitns alhcii>s, apoderar-se dos bens que Ihe nao da rcenle insurreic50 dos Fliltes e ^le inais algu-
pertenrem, tentar contra a vida dos que defen-' mas tribus.
em a sin nacionalidade, fazer da virtude um Na India ingleza espera-so nova guerra.
erfifte e do vicio urna virtude ; mas existe, nina; povos B cousa que est fura do alcance da perversidad?, ; litares, e consullam os seus sacerdote? e orculos,
a fa|la tremenda da historia. Ella nos julgar! i sobre e devem ou nao atacar os Ing4jes. Os ota-
cu
aconselham a que nao invadatn os dominios
ezes, mas annunciam-lhes que alrancariam
OBITUAPffO D
oosTo 0E/864..
iquin*; Pernambuco, 24 horas, S. Jos ; hydro
do,
das Dores Cordeiro, Pernambuco, 38 annos,
casada, Recife ; pentonite.
Maximiano Machado Gomes de Oliveira, Pernam-
buco, 50 annos, viuvo, Santo Antonio ; hypetro-
pbia.
Helena, viuva, Pernambuco, 43 annos, Recife ;
plitysic i pulmonar.
Anglica, Pernambuco, 24 annos, Recife ; hemor-
rhagia.
27
Thereza, liberta, frica, 56 annos, solteira, Boa-
Visla hii'iiyplazia antiga.
Theodnra Mara da Conceicao, Aracaty, 40 annos,
solteira, Boa-Vista-, -ynhilis primitiva.
Os Joo, escravo, frica, 65 annos, solteiro, Sao Jos ;
indigeslao.
Mara Nubru do Almeid Candeias, Pernambuco, 29
annos. viuva, Argados ; parlo.
DLvida so com razao da yraridnde desia carta.
-fiord Lavan! declarou ri cmara dos coiniuuns
que a Inglaterra recouheceria o actual estado dr -ipa seria do triumphos seporventura os Inglezes; Moa-\i>la
cousas no Mxico, logo que Ihe fosse communi-a- rompessemaaggresso. Aquellespovoslomainunw: F
da offlcialmente a uxaltacau do imperador Mximi- attiliide hostil, sendo acumpanbados pelos demais
liano a.> throno. Disse" que ba muitos auno ne- que habitarnein tuda a extenso da fronteira bri-
nhum governo podo ter a presumpeo. de exener taunica.
ALFANDEGA DE PERNAMBUCO.
PAUTA DOS PHEgO DOS qENEBOS SI'JEITOS A D1UE1TO DE
EXPORTAGlO. SEMANA DE 29 DE AGOSTO A 3 DO
MES DE SETEMBltO E 1864.
Massas.........
Oleo de linhaca..
Passas..........
Presuntos...
Mercaduras.
Abanos.........
Agurdente de cana, .
dem -estilada ou do reino .
dem eaxaca........
dem genebra.......
dem rIcooI eu espirito de agua-
ardente. ........
Algodao em caroco.....
Ideqi oni rama ou em lia- .
Arroz com casca......
dem descascado ou pilado .
Assucar mascavado.....
dem branco........
dem refinado.......
Azeite de amendoim ou niendo-
bim...... .
dem de coco.......
di-m de mamona.....
Batatas alimentieias.....
a libra, e a franeesa de
470 r,s.
Venderain-se a 75'iOO a caixa.
Veudeu-se a 1590 o galio,
dem a "5000 a caixa.
dem a 145000 a arroba.
Unidades. Valores.; Queijos.........Os fiameogos venderam-se a
. cento
. caada
, >
arroba

Luia, Pernambiieo, 2 annos, Afofados; seeoes.
Anlonio Joaquim Ferreira, Pernambuco, 18 annos,
Boa-Vi>ta ; varila.
Boa-Vista
vulsoes. Htm
fronteira bri-1 Jos, Pernambuco, 18 mezes, Boa-Vista ; convul- Xa \^a
dem esoolha ou restolba.
ranada
arroba
'Bolachaordinaria, propria para
embarque.......
a sua autoridade sobre toda a repblica ; (me os, Chegaram a entabolar-se negociacSes para o \ Francisco Antonio Jardim, Portugal, 30 annos, sol- yeuj inn?^ _
ltimos presidentes com difficuM'de estendiain o restabeleqimenlo da pas entre os estados do norte teiro, IJoa-Vista; tubrculos pulmonar. ^ JCaibros
seu poder alm da capital de Vera Cruz, e. de o do suida America. Apezar da
mais um dos dpuS iiontos, prximos do Mxico, e j gens qu os confederados tein
Richmond publicara um manifest dirigido aos po-
vos do norte e s naces da Europa, em que se
manifeslava o sincero desejo que os estados confe-
.derados tinbam de alcancur a paz, declarando que
u.i i tiiiliam a menor idea de conquista uu de vin-
surgido.; e accresc.enla, sidade.'fez com uae ato agora se reconh.-cessa
quaqui-r gQvprnjnjue esllvessede posso da capital
do paiz, B qiiejprcqiflujqtte Maximiliano est ac-
lu:ilinent<: jfgrhiov nao s do Mxico mas de una
paite conwueravrl do paiz.
Jor eccasio do encerramento das cmaras
mgjjiBtas fui bdoo discurso da corda, do qualeis os
tpicos mais importantes :
Sua mage.- mar que sent vivamente-que os esforcos quo era-
pregn, de accordo com .-na mageslade o impea-
dor dos franceses, o imperador da Russia e- o ri
de Suena, com o proposito de conseguir urna re-
coueibago entre as poteucas allemas o o rei de.
Dinamanea, nao teuliam sido coroadas de boin xi-
to, que as hostilidades, suspensas em quanto du-
raraiu as negociacoes, leubam continuado. Sua
Mage.-tadc espera com tudo que as negociacoes en-
celadas entre as partes beligerantes possa.ni resti-
tuir a paz ao norte da Europa.
Tendo-se a rainha dirigido directamente s po-
tenriasqne tomaram paite no tratado que colloeou
a repblica jonia si b o pro ectorado da Gia-Brcta-
nha, e naveodo alcancado o sen assentmento para
a annexacao d'aqui-lla repblica ao reino da Gre-
cia, e tejido os estados da repblica jonia sancwo-
nado n-to ajuste, a repblica das sote Ibas Coi, por
censequencia formalmente reunida ao reino da
Grecia ; e a rainha loin a copfianca'de que a unio
assim verificada ha de ass-.guiar o hem estar e a
prospe-dado de t dos os subditos de sua magesla-
de el-rei dos helenos.
' As relaces desuamagestade com o imperador
da China coutinnam a ser amlgaveis, o commerrio
dos inglezes com imperiochinez nao deixa de pro-
gredir.
A rainha, de accordo com os imperadores da
\ns*ri.i, Franea e Husria, e com o rei da Prussia,
occiijioii-s; dos principados danubianos, com tiles,
esfurcou-se para chegar a um accordo amigavel da
de Moldo-Valachia, e o sultao, seu suzerano.
A rainha tem a salisfaco de vos informar que
esses esforcos liveram 0 meilior xito.
A rainha lamenta profiindamente que a guer-
ra civil na America do Norte, nao lenlia ainda che-
gado ao sen termo. Sua magostad hade conti-
nuar a observar a mais strirla neutralidado
Jas grandes vanta- Torqnato, escravo, frica, 60 annos, solteiro, Boa- ^
ltimamente tido, a Visla; bexiga. ~ dem branca .
Ignez Mari* da Conceicao, Pernambuco, 51 aunes, | fjj|fi secca (xarque)
vi ova, Santo Antonio ; tubrculos pulmonares. Quciros
Paula Pranoi.-ca de Mello, Pernambuco, 42 annos.: Ca,v-W vegetal
stdteira, Sao Jos ; catarrho pulmonar.

gauea, e que na guerra s tinham em vista a sua
independeucia e ronservsco.
O presidente federal Mr. Lincoln declarou, po-
rm, que jamis consentira em enlrar em ne-
goeayoes coin o sul, urna vez iiue nao tivessem
por base a oonserva^o da uniao, o aholi^ao da Be-
cravatura. A guerra contina portante, e os con-
federados vao proseguir as suas operacoes.
Lincoln chamou as armas quindenios mil volun-
tarios ; pede doze. mil homens ao estado da Pen-
sylvama, e declara em ostade de sitio o Kenlueley.
porque eerlo numero de cidades daqueile estado
leiu-se rrunido aos coufederados, e deseobriuse
urna cunspiraij-ao para desenvolver a guerra civil,
auxilindoos moviraenloada tropas do sul, ecrear]
diOic.uldades aos exercitos federr.es que operain
na Viruinia e Georgia. linaimenti
Eutrouna i'ensylvana numerosa cavallaria con-1 \ sa|5a
federada. O general Granlenlrinchairou-se a quln-]
se kii-iiiielros de Richmond.
Houve um combate de.-esjierado em Allemia, is-
noraiido-SH ainda o sen re>uliad.>. O genoral Shes-
mau oceupou parle das foitilicices. Os federaes
oi-cuparam Decaluro, sessmia inilhasa leste de
Atlanta. O general aori tentn desaloja-t, mas
fi repullido.
wroBjgg a wm.
Invistas civeis.
N. 6o26'.Villa do Cabo.Helacao de Pernam-
buco. Recrreme, Joaquim Manoel do Reg
Barreto e sua mulher ; recorridos, D mingos
Franscisco de Sousa Leo e sua mulher.Juizes
revisores, os Srs. Machado Nunes, Mejsias de Leo
e Cerqueira. Foi negada a revista pelos 10 votos
dos Srs. presentes. .
(Do Con-eio Mercantil.)
Salsa de Kristol.
Mortos causadas por mineraes. Fazem-se u*o
de todo* os venenos activos na medicina e todos
encurtan) a vida.
. anilha de Bristol um dos poucos r-
medios, veiHadeirae puranunle vegetal. Ella nao
conten mu s grao.de mercurio, arsnico, slrichm-
nia, hromine, indine ou uiro qualquer veneno.
Alm disso um antidoto contra osmesmose cura
as molestias que estes causam.
Pela maior parte, das vetea estes venenos curam
. una molestia substtuindo-a por entra : porCn a
Nn dia immedia tu houve um combate; sa|s;, ,,arritha de Bristol opera com a natureza a
rernl, ficando Shesinau victorio?o. Os confederados
liveram de abandonar Allanta.
O niinislro iia marinha probiluo aos coifiman-
danie.s dos navios federaes que acceitasseni o> de-
salios navaes (iropustos pelo.- confederados. Os na-
vios feeraes deiem atacar os inimi:{os em qual-
quer parte que os enconlri-ni, mas nao devem rte-
tenninar antecipadainente as condices do comba-
te cmo aconlcce nos de.-afios.
Em Portugal tinham sido Usada.; as eleicoes
genes para I i de srleuibro. Os partidos trabalha-
vam comactividade.
Conlmuava a imprensa a interrogar as folhasgo-
v;rii;.uienlaes sobre os boatos de que o.gabinete
eslava negociando o restabeleeiinento de conventos
de freirs. O as-uuiplo nao tinhaaiuda sjdii posi-
tivamente e-elarecido por declaraces oficiaes.
O governo hespaiihol tiritia apreseotado urna re-
cia maeao de l'orlngal, por causa de um navio aura-
entre as parte belligerantes, averia com alegiia
urna reCOnciliacSe amigavel entre os dmis campos. sado na costa d'Afric pelos cruzadores porlugue-
A revolta de algomas nibus na Nova blanda j zes e jugado boa pr-a pela commw>io mixta,
anda nao est sulfurada ; mas satisfactorio paraj Prosegnam com grando aciividade as conslrue-
a rainha saber que una grande parte da populaeao: i^in:.< navaes, lano nos e.-ialeiius de Lisboa, ludia
indgena d'essas ilhas nao loniou parle na revolta. i e China, como em Inglaterra, por conta do governo
A rainha vio com muila salisfaco o rpido I portugus,
desenvolvinii uto dos recursos dos seus estados as A fome em Cabo Verde cqnlinnava a sentirse,
indias orcdeiiUw's, e o contentamente universal do O calor dos caniculares era ardenti.inn em Por
povo que habita aquellas vastas rcgies. lugal. O preco do pao
Foi nonieado novo ministerio em Alhenas, mente,
presidido |v>r Canaris.
! Cavernas de skupira ....
Cura de carnauba em bruto. .
i dem dem em velas -.
'Cha..........
I Charutos........
; Cevados dioicos)......
' Cocos (seceos).......
Colla.........
Couros de boi, salgados .
dem idem seceos espichados. .
dem dem verdes.....
dem idem cabra cortidos. .
dem idem de onca.....
Doces seceos.......
dem em gela ou massa. .
dem em calda......
Espanadores grandes ....
Idem pequeos.......
Esleirs para forro de estivas
de navio........
Estepa nacional......
Farinha de de mandioca. .
dem de aramia.....
Feijao de qualquer qudlidade. .
Frecbaes........
Fumo em tulla, boin ....
dem ordinario ou reslolho .
dem em rolo bom......
dem ordinario ou reslolho .
Galliuhas........
Gomma.........
Ipecacuanlta (raiz)......
Lenha em acbas......
Toros. .........
l.iuhas o esleios.......
nao contra ; removendo para sempre pelo seu po-
der neutrabsador as causas de molestias ulcerosas,
cancrosas e eruptivas, regulando o ligado, dando
vigor ao estomago e iulestiuos, alliviaudo o sysle-
ma de sub-lancia> epidmicas e dando terca aos
orguS enfraqneeidos.
As enancas e as scnboras delicadas podem lo- Mel ou melaco. .
ma-la sem .-usto j Milha .
E' a salva o dos doentes. Papagaios. .
Cautela para evitar as imilayoes e lalsilieacoes, Pao Brasil .
das quaes existen) tres no Brasil. dem de jangada.
A legitima vende-se por Caors & Barbosa e Joo Podras de amolar
>
libia
um
arroba
>
>
um
arroba
urna
libra

>
cento
um
cent
libra
c
>
>
um
libra
>
>
um
cento
arrolia
alqueire
arroba
um
arroba
urna
arroba
>
cento

um
cauada
arroba
um
quintal
um
nina
da C. Bravo & C.
Sitt BOECIO.
Foi dssolvido o parlamento italiano. As
eleiyes bao de vericar-se em outubro ou no-
vembro.
Falla-se de negociacoes conlidenciaes com a
corte francesa sobre a queslan romana; parece, po-
rm, que o imperador Napoleao se moslra firme-
mente resolvido a manter a aiiiludn que tomn em
relaco aoPapa. Entretanto V^iU chegou no dia
11 a Turiii eom (le-i-aeiios ioi|>urtaiites de Pins,
que se ignora o conteudo.
(]orreu em aples o boato de urna grande revo-
Ineo em aples, coineidindo eim a chegada de
Gaiihaldi a Na|H)les. O ytaeto, se o huuvp, foi
adiado liis-eran que a repblica sena imiitedia-
tamenle proclamada, como precursora da restaura
cao da Italia.
Asseuura-se que para a resoluco de Garibaldi
nada intentar nesta occasiio, muito nfimo oas-
cendente que tem sobre o here italiano, o rei
Vctor fimmanuel O governo italiano enl-tanio
tomou as precancoes necessarias para impedir a
expedieao. A fragata /tafia foi mandada para as
aguas de aples ; a corveta Archunedes lancou
ferro em Zicbiu em frente da residencia de Gari-
baldi, e a fragata Tnncredi foi mandada ciusar
as aguas de Gaeta.
Diz-se que a expedieao gatbaldina havia sido
supetida pelos patriotas inglezes, quando julgaram
que a. Inglaterra ira rm auxilio na Dn.amarra ;
tenciitiiaam assim destrahir as forcas militares
da Austna, com um desembarquu as cosas
orientaos do Adritico. O* fundos rram forneci-
ilos por urna commissao ingleza, eslabeleciila em
Malla, que eslava em relaco com Caprera e com
I.-tria.
Nao tendo, porm, o governo Inglez soccorrido
a Dinamarca, noera o|iportuno um desembarque
no Adritico.
O governo italiano val prximamente publicar
um decreto prohihmdo o u^o das rondVroraces
concedidas pelos soberanos dos estados que foiam
incorporados monarchia italiana. Os que tinham
sido agraciados rom coudecorafoes pelos principes
das Unas Sicilias, Tscana, Modena eParniMin-
dero, se osolln-iiarem, receer em tpoca a ordem
de S. Mauricio e S. Lzaro.
O senador Vigliam apresentou, antes dadissolu-
co das tmaras, o seu | arecer sobre o ineiruno-
nio civil Nfste parvrer flean completanieiite in-
dependente^ o matnmoiiio civil e o matrimonio
religioso. So o matrimonio civil deve pn duzir
)s sens efleite rivis. Ilcaiids aos contrabenteso ar-
hiirio de irem egreja antes ou depois do acto
civil.
O | orto de Spezzia est rmasj concluido. O gene
ral la Marmora par'io para all para tHW '.ira
C.4IX\ liHAl
DO
BAXCO OO JBRASIIi
EM PERNAMBUCO.
A directora desta caixa, em virtude de ordem
da diivetnna do Uam-o d Brasil, avisa aos Srs.
aci ionisias que o respectivo thsoureiro esta autoi
tiuha subido considciavel-! ri-ailo a pagar o dividendo das accoes da nieema
i caixa do semestre lindo em 30 de junho prximo
i uassado, na razao de 85o(Kl por aeco. .
Recife Hdejuihodo 1864No impedimento do XaUjuba!
ccretario, Ignacio Nunes Correa. Travs '.
dem de. filtrar
I Idem de rebolo.......
jPiassava.........mollK
; PonUs, ou cbifres de vaccas ou
novilhos.........cento
i Pranchoes de ainai ello de dous
costados........um
dem de louio.......
i Kap..........libra
Sabo..........
i Sal..........alqueire
Salsa pari'ilha.......arroba
Sebo em rama.......
dem em velas.......
Sola em vaqueta. .
Taboas de amarello.
dem diversas. .
Tapiocas.....
REVISTA DUP.IA.
Acaba de fallecer o Sr. VlriatoSergio de Monra
Mallos, i-rofessur adjunto do Curso Commereial
Permimhuenan, vii-tima do tumores scrofnlosos.
4pezar de joven, o Sr. Viriato era estimado e
apreeiado, nao s por suas disiinelas qnaliilades^
como pela sua idtistraeo, por todos os que entreli-
nham relaedes Ruin file.
Damos nossos sincerus sentimentos sua desola-
da familia.
Em sninal de luto deixon sabbado de funecionar
O Curto Ceinnwrcint.
O bi igue breni' ns Clmu**, chgado sahha-
do do Rio de Janeiro, rom l.'i das, nao foi porta-
dor de noticia aldonta,
Consta-nos que o nosso distncio comprovin-
ciano primeiro teueoM Francisco Romano Stepple
da Siiva, seguir para o sul 4u im|>eri.>,coni oca|ij-
lo lente Manuel Antonio Vital te O iveira tam-
bem no [llanta das oosi,.s ilcsse lado. Folgamns de regis-
te >f mais e-.sa prova de aproen que aeaba de dar
ogovernri esses dist.netos ffli-iaes.
Informam-nos que existe, j tres dia*, no
Mondeg >, prximo a ca-a dos Sr.-. Meoron&C,
um eavajlo em estado de putrefai-co. Chamamos
a altenco da autondadepara essa infraccao.
Foram nomeailas :
Ds. Maria it'Assuiiipcq d'Andradc Luna e Cos-
ma Joaquina de Luna Nunes, professoras de ins-
truefao primaria da Esiada e da Victoria.
Rgpaiitiqmi da polica.
Extracto das parles do dia 27 de agosto ite 1864
Foram recnlhidos 4 casa de delenyo no da 26
do rorrete :
A' ordVm do sulidelepailn do Recjfe, Ananias, li-
berte, sem deqlarago do motivo ; Jo Oliveira, para curre.cao; BwdHoe Marianno,
escravos, este de Jos Franci-ce de Castro, aipiel-
|e de Jjs Rodrigues da O Ha Magalhos O 1 iwr
fimido, e o ultimo requeriineuto do respectivo
senhor.
A' ordem do d* Santo Antonio, Antonio Fran-
cisco da Silva Praieiro, por embriaguez ; e Manoel
e espanealuellt A' ordem do do S. Jos, Joao Francisco dni San-
tos e Aiirinno, escravo de Mana do Es; tO, amlms para averi)fuaciOes pobci
,V ordem do da Boa-Visto, Laar
%lfr;indega
ttendimento do dia I a 2.......
Idem do dia 27................
no vi meato du alfandega
Voluaies entrados com fazendas...
< t com gneros...
Volames sahidos
<
com
com
fazendas...
gneros...
. urna
. duzia
>
. arroba
. quintal
. urna
Uuhas de boi.......Cento
Vassouras de piassava. ...
640:2465338 Ditas de timb......
12:2!J553 Dilas de carnauba.......
---------------Vinagre..........caada
661:348188! Alfandega de Pernambuco, 27 de agosto de 1864.
(Assiguados):
O 1." conferente, Antonia Carlos de Pinho Barges.
O 2. conferente, Jos Tluiinaz de Campos Quh-
resma
Approvo. Alfandega de Pernambuco, 27 de
90 agosto de 1864.A. Eulalw.
80 Conforme.-O 3. escriturario, Isao dos Saittos
----- 370 Porto-
15-"O0
800
800
300
800
900
75000
285000
15o00
258(10
25700
45400
5*1*0
25000
I5OOO
8U0
15'iOO
35000
75000
85oOO
75300
440
360
280
300
45000
45000
15000
5000
300
360
15500
25-W0
155000
3550U
600
165
240
100
350
105000
15000
320
500
45000
25000
155000
I-3VM
25000
4500
15800
550IX
145000
5500
850C0
55000
600
25000
255000
25000
11500
85000
240
000
351100
55000
55000
840
45000
152(H
120
35500
205000
105000
15000
120
400
25501KI
5*000
75000
25-00
1405000
8O5OOO
2*000
25WK1
65tKK)
200
105000
8*060
6*0iK)
500
Sabao......
117
241
------358!
Recebedorla de rendas Interna
geraes de Pernambuco.
31:1585464
5745-tOO
Dcscarregam no da 20 de agosto.
Brgue inlezZi-grimercaduras.
Barca maleza Favjurile -carvo de podra,
patacho iniilo'. Mari Blockcarvao de pedra. Rendimento do dia i a 26.
Rsi-una dinamarquezaf/ya/wfarinha de trigo. dem do da 27.................
Polaca hespanholaVirgem del Carmocarne de 1
Charque.
Barca americana Tmipesttaboado. ===
lmprlaeo. Consalado proTlnclal.
Brigue inulez Zegri, entrado de Liverpool, con- Rendimento do dia 1 a 26.........
signado Greenup iv Swiud, manifestou o se- Idem do dia 27.................
gliinle :
8 fexes aros de ferro, 2 caixas e 20 fardos te-
cidos de alg gluliown Si C.
1 caixa tecido de algodao e dito de linho; a J.
M'k-re & t.
4 caixas iccido de alumlo c de linho e algodao,
e eassas de dito ; a E. Frutea.
fardos io,-,io de. la, 1 caixa cassa de algodao;
a Phipp* Brothers t C.
3a liareis preyos : a Rothe t Bidoulae.
3 barricas o 3 caixas f rragens, 40 ditas folha
de Flandres; a Brender a Brandjs.
2 caixas tecido de linho ; a Tneodoro Christian-
sen j i..
2 caixas tecido de alpoJo ; a Linden Wild A C.
17 caixas e 32 fardos brim de linho, teiidode
di lo e dito de alendo; a Ferreira Araujo.
2 eaixas tecido de algodao ; a Carnein V C.
8 harneas enxadas. 2 fardos panno para vela, 1
dito t> ridd de linho ; a J. A. M. I lias.
31:73259711
46.771551*
1:8135324
48:586*876
PRACA DO RECIFE
93 !i: AGOSTO BE 1NB4.
AS TIIES HORAS DA TARDE.
Revista semanal.
Cambio.......Saecwi-se sobre Londres 60,000
irt/(,Vi"X lrl#,
sobre Paris a 344 rs. por fr. e -o-
bre Lisboa de 90 a 93 por cento
de premio, etevando-se os saques
pff.-ciuados dorante a semana a
73,000.
O desta provincia vendeu-se de
29*000 a 29*300 por-arroba, o
de Macei, posto a bordo, de
295700 a 30*000, e o da Para-
hyha, da mesma forma, a 3i*,
a ultima venda.
4 caixas tecido de buho, 19 toneladas de pedra Agurdente.....Vendeu-se a 73*000 a pipa.
Arroa..........O pilado da ludia' vendeu-se de
2*400 a 2*500 pnr arroba, e e
Algodao.
de la-iro ; a Sannders Brothers & C.
26 fardo- e 97 caixas tecidos de algodao, de laa,
0 mixtee, rohertore* de ateodn. n.eias re dito, etc
3 fardos eslora ; a Perreira & Mathens.
28 fardos tecido* de alg ulw ; a Simpsnn 4 C
a**. 1 18 caixas e 13 fardos tecidos de algodao e dito
arenco Antonio de o 15a ; a J. A. de Araujo & C.
Vinagre........"
Viudos.........
15600 cada um.
O inglez veudeu-se a 135 rs. a
libra, o o do Mediterrneo a
240 rs.
Toucinho....... Vendeu-se o de Lisboa de 85200
a 8*300 a arroba.
O de Portugal veudeu-se de 100*
a 115* a pipa.
Os de Lisboa venderam-se de
1705000 a 200*000 a pipa, e os
de oulros paitos de 1675000 a
1855000.
As de composico venderam-se
a 520 rs. o pacole de seis velas.
0 rebate de telina regulou de 8
por rente ao anuo.
Fretes......... Para Liverpool pelo lastro 12
6 por tonelada, pelo algodao Vi
d. por libra.
Haoilniruo. o de agosto.
Relatono commerciat.
Velas......
Descontos..
i60 a I *!"',n ue Oiiveira *le Moraes Carvalho, documento,
5775565; Manoel Joaquim Alves, 695300; Antonio
Carneiro Lcenla, letra, 3005000; Feippe Anlonio
de Moraes, 172*460 ; Flix Cavaleanti de Aluu-
queique, 384*680 ; Dr. Netto, 19*740 ; Manoel
Antonio Sahoia, 265720 ; Jo- Bento de Freitas,
25*780; Joo Germano de Paula, 17*8i0; Flix
Jo? da Silva, 11*600 ; Manoel Joaquim Pereira da
Silva, 500*430: Joo Barroso de Carvalho, 338*680;
Joo Bruno de Carvalho, 28:1*060 : Thruloniu Pe-
reira de Alhuquerque, 11*640-, JacinllioBeneviUe*
Falco, 155750 ; Joaquina Novacs, 685085 ; Can-
dido Jos da Silva. 69*000 ; Anlonio Flix da Sil-
va, 95020 ; Florencio Jos Rodrigues, 126*000 ;
Joaquim do Atierro, 205560 ; Claudino Allaiate,
175000 ; Marcelino, 35080; Napoleao, 1*240 ; Ma-
noel Borges da Vanea, 4*400 ; Manoel Thenioteo,
2*440 ; Jos Pinto dos Santos, 12*20 ; Vicente,
morador no engenho Paraizo, 14*520: Antonio Fu-
mino Mendes, 4*740 ; Joo Nepunmceiio, 4*800 ;
Aleixo Jos Gomes, 2*400; Beulo Luiz Alves Vian-
na, 6*880 ; Margarida de Belm, 42*240 ; Seziuo,
morador en Santo Autao, 13*960 ; Manuel Ignacio
de Oliveira, 1*146; Franci.-co Chuute Mariuho,
145560 ; Thenioteo da Silva Loureuco, 55120; Jos
Barros, 500 rs.; Joo Campello Aleixo, 2*400 ; An-
tonio Hallo?, 2*740 ; Maria Vieira da Silva, 1*000;
Bernardo Luiz Ferreira, 8*400-, Antonio Flix da
Silva, 5*440; Flix Lopes da Silva, 5*400; Jos
Ferreira da Trindade, 4*280 ; Pompeo, 1*560 ;
Francisco MarliPho, 2*88" ; Franci.-cu Guimares,
0 mercado nao mudou sua posico nostas ditas 6*100 ; Joo Anlonio Rodugui-s, i7*740 ; Jacinlho
ultimas semanas, oceupando-se exclusivamente do' Ribeiro, 15000 ; Anacletu F.-bppc, 15000 ; Seralim
supprimento do consumo regular. 11 avalcanli, 22*500 ; Camilio Vicente Ferreira,
Caf.os precos baixaram, e apezar das espe-
ranzas de urna prumpta paz, devem ser anda con-
siderados fluetuantes. Os aspectos para o futuro
sao favoraveis; mas muilo depende do que occor-
rer nos outros mercados eiiroiieus competidores. A
escoUia de caf do Rio nmbo limitada. Entraram
na quinzena 44,076 saceos de caf, dos quaes...
10,058 do Bra>il; venderam-se 11,000 saceos do
Rio e Santos a 6 3|47 3)4 scb. o 1,000 saceos da
Baha a 6 3,16 scb.
O caf regular ordinario do Rio colado a 7 1|8
7 )( scb., e o dito dito de S. Domingos a 6 3|4 -
7 scb.
Importayo geral de caf de Janeiro al fim de
j 111 lio.
1861-57,500:000 libras.
1862-54.900:000
1863-511,000:000
186430,600:000
En ser em lim de julho:
186l-22.oOu-.0OO libras.
186217,000:1100
186315,000:000 .
1864 8,000:000
Assucar.Muilo frouxo, leudo os precos baixado
8 srbllings por 100 libras. Nao temos de notar
Iran.-accao alguma em assucar do Brasil.
Importacau de assucar al lim de julho.
186140.000:000 libras.
186235,000:000
1803 47,000:000
186421,000:000
Em ser at lim de julho:
1861-13.500:000 libras.
186211,0110:000
186315.000:001)
1804- 3,000.000 v
Algodao.Nos ultimes das o algodao foi menos
procurado, e os possuidores mosiram-se promptos
para vender; mas nao bou vera m transaecoes de
importancia. Em algodao brasileiro nao houveram
vendas, uada sendo offerecido.
Tabaco. Pouco animado, visto a estao. 0 ta-
baco hraslleiro obtem preces melbores. sobretudo
as qnalidades mais linas. Venderam-se 9:J0 bailas
de tahaco da Babia. Em ser 7,000 bailas.
Couros.-Os couros conlinuan em boa aceitacae
sobretodo sao procurados os pesados. Em julho
venderam-se 10,000 couros do Rio Grande do Sul e
1.642 de Pernambuco. Em ser 7,000 couros
Cacao.Sem transaecoes; mas em posiuiomui
to lirme.
Tapioca.Trinla e cinco barris de tapioca do Rio
venderam-se a 45|8 sch. a libra.
Jacaranda-Em leilao venderam-se80,000 libran
de Jacaranda da Babia a 5 3i414 'i marcos ban-
co as 100 libras. Em jer cerca de 2,000:000 de
libras.
Navios chegados do Brasil:
Marguret, do Rio de Janeiro.
.Miirinnwi III e AntM, de Sanios.
Joliann Gwfried, Progresista e FJeoneire da
Baha.
Sea Biid, lklene e Fim, do Rio Grande do Sul.
Partiram :
Para o Ro de Janeiro. Bydra.
Pan Porto Alegre, Helene e Kerstelling.
Para a Baha. Zebra.
Para Pernambuco e Cear, Ernl e Maria.
Navios caiga :
Para o Rio de Janeiro o Sanios, Hinvkh.
Para o Rio de Janeiro, Aune.
Para a Babia, Vernus 0 Presto.
Para Pernambuco, Supero c Regina.
Cambios.
Sobre Londres, 3 m. d., 13 marcos i 3(4 sch.
banco por t.
Praso curto 13 marcos 3 l|2.
Sobre Pars, 3 m. d., 102 francos pir 100 marcos
banco.
Praso curto 189 1)2.
Sobre Lisboa, 3 m. d. 45 7|8 schs. por 15000.
Descont 4 1|25 sch.
do Maranhao de 2500 a 3*000.
Azeite doce.....Vendeu-se o do Esireito a 2*450
o galn.
Barslhao....... Vendeu-se em atacado a 15*000!
por barrica, e a retalho de 14* i
MOVIMENTO DO PORTO.
Sanios entrados no dia 27.
Bahia5 dias, sumaca nacional Hortencta, de 94
toneladas, capitu Felippe Santiago da Cruz,
equipagem 8, carga farinha de mandioca e ou-
lros gneros ; l'aliiieia a Beiuu.
Rio de Janeiro13 das, brigue bremense Clarisa,
de 192 toneladas, capitao G. D iioidls, equipa-
gem II, carga 3,191 quintaes hespaniics ue car-
ne ; a M.oa Havre41 dias, barca framcia kan Baptiste, de
358 toneladas, capitao Bejeaii, equipagem 14,
carga niercadorias ; a Ttsset Freres A C
Valparaizo Caubom-ira russiana Renda, com-
niaudaute Ba>arywue.
Nuio suhido no mestuo da.
HavreLugre francez Rio Grande, capitao Mi-
chel, carita ah(o Nucios entrados m dia 28.
Southamplon porto? iutermednis18 dias, vapor
inglez Paran, de 1720 toneladas, cumuan-
dante Jeilucoe, equipagem 131, caiga fazeudas
e outros geneos.
Maranbo 24 dia?, barca ingleza Constancia, de
324 l.'iieladas, capioThiiiuaz Se.k'ik, equp.
geni i'i, c^riia carvo ; a Wil.son a HrtL
Barceluna48 dias, sumaca hespanhola l'ma. de
234 toneladas, capitn Francisco II litan, equi-
1 pagem 14, carga viuho ; a Aitiorim Irmo.
Lisboa
32*720 ; Claudino Serrador, 10*00' ; Beuto Jos
Gomes, hespanhol, 3*080 ; Ju.ino Ju.-e de Mello,
16*000; Jutio, 'soldado, 7*200 ; Antonio, procu-
rador da casa, 1*980: Jos da Silva Lucio, 17*500;
Ignacio Raimundo, 4*060 ; Antonio, mestre de as-
sucar, 24*080; Manoel Pereira da Silva. 2*220;
Francisco Jos arduzo, 4*800 ; Cosme, serrador,
1*280 ; Hygino, escrevente do Albuquerque-----
125860; Antonio Campos Lima, 13*460 ; Francis-
co Paz, 2*020; Joaquim Rufino de Aguiar, 29*160;
Joaquim Flix, 3*040; Flor de Santa Rosa, 166*000;
Joo lia Cunta Nevos, 14*801 : I..1111 eiiliuo Raplis-
la, 12*600: Flix Jos da Silva, 51*520 ; Antonio
Gumes, 405280 ; Joo Barbo-a do? Res, 53*560 ;
Hollina Maria da i.oneei^", 39*940 ; Jes Fchppe
Santiago, 2i*800: Manoel Amonio de Almeida,
40*840 ; Jariiitho de Almeida Falco, 1550 0; Je-
rnimo Jo.- dos Sanios, 35200 ; Bento, do Dantas,
25440 ; Luiza da osla, 6*OlH); Cusa, carroc/iro,
Carvalh-,6*000; Joaquim Krauc.iscodaSiiva,3*l40,
Manoel Firmiuo Molla, 1*120 ; Joao Vala Franco,
2*440; Manoel Pereira da Rocha, 6*446 ; Mana
Francisco da Conceicao. 35000; Melquades, 25420;
Francisco Jiorges Gnyalvi-s, 420 rs. ; Jo.- Maice-
lino, 38*320; Malinas, 165000 ; Manoel Emig.iio,
15040 ; Jo.h: Cleincnte, 70 rs. ; Gustavo Jos da
Silva Freilas, 7*40 ; S.-verno dos Santos, 45000 ;
Joo Antonio d- Farias, 75680 ; Manuel Severiuo,
15OOO ; Manoel Gomes Ferreira, 35000 ; gagdie
Ja- P.ssoa, 235660 ; Auna, malilla, 720 ss.; Fian-
cisco Jos, 1*720 ; .los Anlonio de Faria, 11*520;
Antonio Rodrigues de Sania Ro-a, 10524U ; Flix
da Silva, 1*280 ; Benedicto, 1*140; Joo Vasi|uus,
hespanlrd, 175*000; Capuuga, pivto, 3*000;Fran-
cisco, preto, 8*100; Manoel Flunuuo Bornes,
11*720 ; Antonio Tiieuiuteo, 650o0, Antonio Jos
Pereira, .50U ; Antonio de Campos Lima, 35000 ;
Manoel Aua< lelo Borges, malulo, i i*S60; Febx Jos
da Silva, 3*980: Jos Joaquim de Sani'Auua 0*060
Joo Francisco da uuba, 654(>0; Jo>> Aniomo,
1*200 ; Emigdio Jos IVssoa, 14*340; Manuel, ne-
gro, 25080 ; Justino Antonio l'iuio, 6*600 ; Iter-
nardinn Jos da Silva, 2795250 ; Eugenia Mana
da Cnnceico, 125400 ; Fallas, pedreiro, 500 rs. ;
Claudino da Ribeira, 25440 ; Seratim Cavaleanti,
13*120; Fralelos, 11*500; Jos da Lmgoea,
2*400 ; Framiseo Serrador, 65680 ; Castro, vende-
dor de farinha, 7*380 : deVedoics miuuu?, cuino
da cosan-ira do batean 28*700 ; Viceiil" Ferreira,
16*320; Marques da cid.de deOlinda, 3*700; Ma-
no.-l du Suassuna, 2*560; Manoel Fehx Feneira,
040 rs. ; Jo.. Hibi iro, 80*300 Joo Aiitmiiu da
Silva, 5OO.-30.',; Einigdio Jos Pessoa, 12*740; Ma-
Ihias de Mu beca, 1*260 ; Tranqueliuu, 980 rs. ;
Joo Antonio da Silva, 107*200 Thcodoro, Qlho
do Bello, 3*940 ; Jos Roberto dos SajUMt, 38*540;
Manoel Feix Ferreira, 6*660 ; Jos Aleixo na Sil-
va, 1*66 1; Joo Pinto Fran-o, 10*210 ; Jos Bento
de Fieitas, 35280 ; Manoel Gome- Ribeiro, 4*380 ;
Manoel Febx. 2*300 ; D. Amia, 55920 ; ||>rano
Lipes, 30*880 ; Vicente, 3*000; Malinas, 16*950;
Joaquim Antonio da Silva, 4725860: nmu do
EiiiigdioJu- Pena, 35640; Joaquim, 3640 ; Joa-
ijiiiiu 2*200 ; Jo.-t- da Lmgoea, 35480 ;-Jo.- An-
lonio, piofes-or, 10*440; Mara, da relinayo,
1 05200; Ignacio, besp-nhol, 695870; Francim-o Al-
1 "es de Almeida Jnior, 22*7liO, .Marques daeidade
de Olimla, 135600 ; Jernimo Jo.- Gomes, 35000 ;
Caoiaii" Barballiu, 12*760 ; Fauslino Jos de Mel-
lo, 215640 ; Jos da Lint-eta. 2*620; Franci.-co
Alve.? de Almeida Silva, 3*440 ; Penna, da retina-
cao, 1*920 ; Caetano Barlialbo, 3*240 ; Maiian d
Audrade, 715340 ; Malhias, 55400 ; Francisco Al-
vos de Almejda Jnior, 5*040; Joo Caetano
105520: Joaquim Jos de Sania Anna7780 rs.; Ma>
noel de SoiUa Brasil, 65080 ; Jos Joaquim Gue-
des, 1165420; Anselmo, do ariuazem, 25000 ; Joo
Antonio da Siiva, 2455303: Manoel Ohveiiiuha.
11*000; B rnardo Vellio Fidalgo, 15000; Jos da
Lmgi.eia. 2t560; F.bx Jo- da Sda, 115040;
Joo do Boteqoiin, 5*000; Jos Ribeiro. 515720
Jos Paulino de Almeida, 945020; Manuel Francis-
co Coelbo, 125060; Malinas, malulo, l*2U; Ma-
inel Moreira (uncido, 15*00 ; Thomaz de A quino
Carvalho, 65*403 ; Manoel Jos da Alenla,
355660; Antonio Botelhe de Meodonca 69*917;
Cruz & Irmaos, 32*480; Joo Amonio 0*io,
68*160; Vicente Ferreira da Costa, 324*900;
Tliomaz Thiine-, 3155643; Bernaroino Rodrigues
Gramo.-o (^i-ta, 39*100; Maree iuu Henriques; Pe-
reira, 18.'!5200 ; Manuel Obveirinba, 585*850 ;
Pedro- Aives Mun Falcan, 615320: Jos Mana
Cavbante, 31*200; Joe da Co-ta Leal, h*tNK>;
Ra? 23:6795771 ; cujas divida? fO'am pcnhora.ias
por ex'-enco de Tasso Irmo, rputia Reate Anto-
nio Car|iinteiro da Silva.
E ni haveudo lancadnr que cabra o preco da
avaliaeo, a aireiuauco sera fe na pelo valor da
adjudicado com o aliatiiueiite da le.
E para que cnegue o coiibeeiuiento de todos,
mandei passar edilaes, que ser publicados pela
iiii(ireiisa e aftixadee nos Injieres do rjtuine.
Dado e pas?i|o nesla cidade du Reeife capital
da provincia de l'ei nambuco, sok me.11 siunal e
fello que i>u vaina st-m seHo *x causa aos (1
da* do inez de aposto do aune du Nascirre-nto de
Nosso Srltbor Jess Chri.-te de 1864, quadrayMUH>
terci-irn da imlepeiidencia e do iiiiperio En Manuel M..na Rolrigues do Nascimeiite, es-
envao o sutecievi.
Tristao de Alenear Araripe.
O Dr. Tristao de Alenear Aranpe, olHciaJ da im-
perial ordem da Rosa e juiz de Uireite especial
du couunerco, por Sua Mae>tade Imperial, ,
CuBstilucioiial 11 Sr. H. Pedro 11, a quem I)-,,,
jinarile etc.
Faco saiier aos que o presente edita! virem,
29 do nez 4e
33 dias, brigue pm tu-uez Consiuuie U,
de 220 toneladas, catnlo Eiijiei.j., Jos da Cusa, d lie uote-ia iiverem, que no dia
equipagem 13, Cirjia vinhe e outrus gneros ; a amiste cu Tome, se ha de arrematar por venda a
Manoel!. dy Oliveira & Pilno. quem mais dr, em praca publica, depois da au-
y
1 MUTILADO I
ILEGVLi


^mmw*m
d
de PtraMb*
Hegnmhi felra te dr Agosto e I S*34.

dinaia res|fcli,"mov(}is aeghintes: dous conso-
l! Jb Jacaranda coja umpo de pedra, anldos
cm 100 ; I sof da menina madera avallado em
60J ; 18 cadeiras da mesma madeira, cora asento
de paliuha, i 6J rada urna, por 108,8; cujas bens
sao pertencentes Jos Francisco Carneiro, e vio
a placa por enecuca ijae contra o niesrao movem
Campos & Lima.
E na falla di. licitantes ser a arreroatacao feita
pelo prrco da adjudieaco com o abalinento res-
peeitm
E para que chegue ao conhecimento de todos
uiandei uwr o presenta edital que ser aflOxado
ws Jugares do cosame, e publicado pela im-
arensa.
Dado e paseado nesta cidade do Recife de Per-
nambuco, aos 17 de agosto de 1864.
rutf avaliadq em...............,
O doannJb recto A seto efn que
assenla a casa a. 46 da mesma
ra, avaliado em......... ......
O dominio directo do solo en que
assenla a casa n. ,48 da mesma
ra, avallado em..............
Cujo escripto se acha em mi
Amaro Antonio de Farias.
do
444,5500
4W#0
325)1680
porteiro,
m

DECliRi?OES.
GASA BANCARIA
A. Scliaffter A C ra do Trapiche n. 17,
Eu Manoel de Carvalho Paes de Andrade, escri-; recebem diflheiro a premio pela taM du 6
por cento ao anuo em cunta corrate, sa-
cam qualquer somma v.sta ou a prazo so-
i 304o corrente ao meloda a porta des- hre London, Par, llaaibargo. Rio de Ja-
3o, se hao de rremaur em ha*Bi pu- oeiro, Baha diversas Aneas do NOfW dO
392,3300
2044900
360-5450
389,5250
391*250
4093680
491,5720
3335680
3815250
4095680
2495660
3415680
2995500
2515060
2415100
333.5680
1855380
1745180
1845180
2475420
3525420
3035330
1455750
4095680
4014680

1775750
S065S40

3075820
2955930
i o sunscrevi.
Tristao de Alencar Araripe.
Pela inspectora da alfandega se faz publico,
que no di "
U repartir
Mica ir* barricas com 573 libras liquido nao R
verificado de centeio, vindo do Porto no brigue *
porluguez Lspei- por Antonio da Silva Campos, as quies fjram ava-
llada em 915680. A arremalaco iivre de di-
reitos ao arrematante.
4* sereno da alfandega de Peroamboco 27 ie
agosto > I8ft4.O t" esrripturario,
Caetaao Gomes de Si.
Arrematado.
CTndas as tres primeiras audiencias do Iflm. Sr.
Di', juiz de orpho, depois da publieacao deste,
iro a praca por venda os seguales beas do casal
do finado br. Jos Aaymumfo da Cosa Henezes.
A casa de sobrado de um andar sito
na ra do Imperador a. 32, avalla-
da por.........5:00050000
O dominio directo do solo em que
assenta a asa sita na ni* Nova
desta cidade o. i, avallado por 1215320
O dominio directo do solo em que as-
sen la a casa sita un mesma ra
n. 3, avaliado em..... 182,5200*;
O dominio directo le loto em que as-
enta a casaita ha mesma ra n.
5, avaliado ai....... 3645370
O donanlo directo lio solo em que as-
ienta a casa n. da mesma ra .
avallado era........ 5355000
O dominio directo do solo em que as-
senia a casa da mesma ra n. 9,
avahado em........ 2595600
O dominio directo do noto em <|Ue as-
ienta a casa n. 11 da mesma ra,
avaliado em........ 2755500
O dominio directo do solo em que as-
senta a casa n. 13 da mesma ra,
avaliado em........ 2655300,
O dominio directo do solo em quoas-
seut i a casa n. 15 da mesma ra,
avaliado em........ 3485800
O dominio directo do solo em que as-
senla a casa n. 17 da mesma ra,
avaliado em........ 26755001
O dominio directo do solo em que as-
seula a casa n. 19 da mesma ra,
avallado em........ 5285230
O dominio directo do solo em que as-
seula a casa n. 21 da mesma ra,
avahado em........ 5155000
O dominio directo do.solo em que as-
senta a casa n. 23 da mesma ra,
avahado em....... 3615800
O dominio directo do solo em que
assscnta a casa n. 25 da mesma
ra, avaliado em......
O dominio directo do solo em que
absenta a casa n. 27 da mesma ra,
avahado em........
O dommio directo do solo em que
assenla a casa n. 29 sita na mes-
ma ra, avaliado em.....
O dominio directo do solo em que
asienta a casa n. 31 da mesma ra,
avahado em ........
O dominio directo do solo em que
assenta a casa n. 35 da mesma
roa, avahado em......
O dominio directo do solo em que
assenta a casa n. 37 da mesma ra
avahado em .
O dominio directo do solo em que
assenta a casa n. 39 da mesma
na, avaliado em ......
O dominio directo do solo em que
asesuta a casa n. 41 da mesma
ra, avaliado em......
O dominio directo de solo m que
assenla a casa n. 43 da (mesma
ra, avaliado em......
O dominio directo do solo em que
assenta a casa n. 45 da mesma
ra, avahado em......
O dominio directo do solo em que
assenta a casa n. 47 da mesma
ra, avahado em......
0 dominio directo do solo em que
assenta a casa n. 49 da mosma
ra, avaliado em......
O dominio directo do solo em que
assenta a casa n. 51 da mesma ra
avaliado em........
O dominio directo do solo em que.
assenta a casa n. 53 da mesma ra
avaliado em ........
O dominio directo do solo em que
assenta a casa n. 55 da mesma
ra, avahado em.....i
-O dominio directo do solo em que
assenta a casa n. 57 da mesma ra
avaliado em........
O dominio directo do solo em que
assenla a casa n. 2 da mesma roa,
avaliado cm........
O dominio directo do solo em que as-
senta a casa n. 4 da mesma ra,
avahado em..........
O dominio directo do solo em que as-
senta a casa n. 6, da mesma ra,
avaliado em..........
O dominio directo do solo em que as-
senta a casa n. 8 da mesma ra,
avahado em..........
O dominio directo do solo em que as-
enla a casa n. 10 da mesma ra.
avaliado em..........
0 dominio directo do solo em que as-
senta a casa n. 12 da musina ra,
avaliado em...........
O dominio directo do solo em que as-
senta a casa n. 14 da mesma ra,
avaliado em..........
O dominio directo do solo em que as-
senla a casa n. 16 da mesma ra,
avahado em.. '........
O dominio directo do solo em que as-
senta a casa n. 18 da mesma ra,
avaliado em..........
') dominio directo do solo m que as-
senta a casa n. 20 da mesma ra,
avaliado em............
O dominio directo do solo em que as-
senta a rasa n. 22 da mesma ra,
avaliado em..........
1) dominio directo do solo em qne as-
senta a caa 21 da mesma ra,
avallado em........ .'
O dominio directo do solo cm que as-
senta a casa n. 26 da mtama ra,
avahada em .. .'.' '.
O dominio directo do sol em que as-
senta a rasa n. 28 da mesma ra,
avahado era. .. .. .. } .
O dominio directo do solo em qua as-
senta a casa n. 30 da mesma run,
avallado em. ......... 575750
O dominfe directo do solo em que as-
senla a casa h. 32 da mesma ra, ''
avaliado cm...........' 5065410
O dominio directo dn solo em que ai;
senta a casa n. 36 da mesma roa,
avaliado em............ f
O dominio directo do- solo em que
assenta a-casa n.J6 da mesmnrua
avahado eitt- ........ 1995820
O dbmtnlo 'mheto rio solo em que
assenta a casa n. 33 da mesma roa
avahado em................... 498J00
*) dominio directo do solo em que
assenla a caa n. 40 da mesma na
avaliada em... ...........'r.?
o donmiio direrto do folo em que
assenta a casa n. 42 da iflesma rna
avahado em....................
t) dommio directo do solo em gtte
assehta i rasa n. 44 da mesma
COMPANHIA BRASIXEIRA
DE
PAQUETES A VAPOH-
Dos portos do norte esperado
al o o 31 do frrente o vapor
Prinrezu ie loinvillr, eomman-
dante o prinieiro tenrnie Araujo
o qual alepols da demora do cos-
tume seguir para os portes db sol.
Desde j recebom-se passarairos e engaja-se a
carga que o vapor poder conduiir, a qual devera
ser embarcada no da de sua cfaegada: encom-
mendas dinheiro a frete al o da da saluda as 2 mesmo ahalko assigiado tem a honra
horas, agencia ra da Cruz n. 1, escriplorio d eer.Caetano Pinto de Veras.
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & &
ATISOS DIVKISGS. !
-------------------<------------*------z------__------------- |
Constando ao abatxo aasifnadb* aun alguna'
dos sotu amigo* homens do povo ilesejam que o ;
mesmo abaixo assignado seja um dos qtiatro cida-'
daos votados para juiz de paz da reguczia de Santo L
Antonio desta cidde, no dia 7 do setombro pnrxi-,
nto liarov tm por meio deste agradecer-laess-.
les seus desejos, e pedir-lhes que votem sem a me-'
uor desc.repaucia. eWadbs que forem presen-
tados para os quatro iuizes de paz da mosma fre. '
guezia pelo partido liberal prugrussLsta, ao quu o,
de perten-!
l>eibllc.i?o Iliteraria.
Sabio Int4 oposculo mtHulado
A libi:hwaih;
BRASIL
t-

Antonio Luiz de Olivcim Aze-
vedo A C
*$r*\t* do Banco Inio 4o
Compelentemenie aulorisados sacam por todo
os paquetes sobre o mesmo Banco para o Porto s
Lisboa, epara as seguales awncia*.
Londres sobre IJanh o Undon.
POR
Podem ser retirados os depsitos:
At rs. 3:l>005 vista.
At r. i:0i>0* com 3 iiag de prriaviso.
Atrs. Mlfla|aetart
Abrir-se-ha crditos em 0ta corrente
com as easas eomraertiaes desta praca.
Cdi&eiho admioistratrve.
Parahffca, Natal, Mario, Aracity, Cear, Acaraca' e
Graqja.
O vapor PiT4ini*!<(i, comman-
dame Ralis, segu no dia ? de ao-
tembro prximo para os portos
ima indicados. Recebe carga
_ 'al o dia 5. Enoommendas, pas-
saffeiros e dialieiro a frete at o dia da sabida s
3 horas da tarde : escriptorio no Forte do Mallos
n. 1.
O conselho administrativo para forneetmento do
arsenal de guerra tein de comprar os objectos se-
fuintes :
Para o corpe de gaarnicao da l'arabiba.
288 bonets.
26 mantas.
1,785 covados de panno azul.
1,920 covados de panno azul para capotes.
22 covados da caemira verde.
1,120 covados de baeta verde.
1,338 covados do hollanda de forro.
178 varas de aniagetn.
3,377 varas de brim braneo.
2,477 varas de algodaozinho.
4,98 botoes grandes de metal amarello lisos.
3,213 ditos pequeos.
2,240 botoes para capotes.
677 pares de clcheles.
Para a enerroaria militar da villa de
Tacaratn.
4 cassarokts de ferro forradas de porcelana de
diQerenles unannos.
15 pares de chinelas de couro.
15 colchoes.
Queru quizer vender Ues objectos aprsente I
a sua proposta em caria fechada na secretaria do ,
conselho s 10 horas da manha do dia 30 do cor- guir para Bordeaut tocando
reme. i Lisboa.
Sala das sessoes do conselho administrativo para | Em S. Vicente ha um vapor
COMPANHIA PERNAMBCANA
DE
Narregac-o co^telra a vapor
Hha de remando it Noronha.
No dia 14 de setembro seguir
ao incio dia, um
Companhia para
femando de Norooha
ecebe carga at o
metidas, pasjaireiro e dinheiro a frete at 10
Horas do dia da sahida : esoripforio no Forte do
Mattos n. 1.
Aes10:0lMR(UHI.
Qninta-feira Io de etombr*o do
anfio, se ettrahir a tercelra partfi
A[onso ie Albuqutrqm: Mello
ConVidam-se os assignantes a mandaren! receber
i seus exemplares na praca da Independencia ns. t
, e 8, que srrii entretursi vista dos recibos das as-
signaturas ; ah tamben) estn expoos venda a
j 35000 cada um. SSo Sofc os seguirWes ttajostifa
rnri-Pnto l"ak'1 i;,s (,e 1" occopa : ^
coneme introduceA.Hucioja Hbofda%.-U Brasil co-
da ter- lonia.Revolucio de 1817A IndependenciaA
d&
Frederic S. Rallin & C.
Joao Gabe i\ Filno.
Francisco Rabona & Ballista.
Jaime Meric.
Crdito commercial.
Gonzalo Seguria.
M. Perera Y. Hijos.
Em Pomtg.'i..
COMPANHIA PERNAMBUCANA
M
IVavegafio etostelra a vapor.
zia ih Sanio Antonio.
Os bilhetes, meios e qaartos
wnda na respectiva
Crespo n. 15.
regencia
niales da regencia Iivre.-Regencia corcunda e
aeham-se maiortdade. Principios do reinado de P. Pedro. -
thesouraria ;i na do R*vo"* do Minas e S. Paulo. Dominio da Praia
i Luzia.-O dominio literal Jo inqmMava os cor-
r. ,.!, .1 aftjirtft cundas.Feilos do dominio liberal. -A praiaeChl-
U8 premiOS a ltJ:OOW^UW ai* zU^OOO I chorroseaumt.A revoila e a revolucao de
serio pagos urna hora depois ta0 extraccao 1848 a conWtuinte.-a coosiitulnte.-lWroia
ats 4 horas d tarde, OSOGtros BOdilida ''Cao. fegociacao de Honorio com os libc-
.a.w,;,- a. i; .h;s, j. i;.*- raes : traidores. Venda a eandeira na coes-
segutatA epots da distnbuicSo das listas. lil9iale,. 0 parlKt ^^ duranlt. Z%*ma an-
SerVindO de thesOUreiro, nos do chamado ostracismo. Os corcumlas
Jos Rodrigues de Souza.
COIPAtfHIA
DAS
MESSAGERIES IMPERIALES
No da 3 do
corrente espera-
se dos portos do
sul o vapor fran-
cez Estrtmadure
commandante
Enoul, o qual de-
pois da demora
do coslume se-
em S. Vicente e
era corresponden-
, cia com Goro.
Para as condicoes, frotes e passagens trata-se
na agencia ra do Trapiche n. 9.
Para o Rio de Janeiro
fornecimento do arsenal de ierra 24 de agosto de
1864.
Antonio Pedro de S Brrelo,
Coronf I-presiden te.
Sebastian Jote. Bmilio P/trho,
\uraj secretorio. pretende seguir com muita brevidade o veleiro
LHSeill0 aliminiSlPallTO. brigue nacional Almirante, tempane de seti car-
O conselho administrativo para fornecimento do regamento prompto : para o resto que llie falta e
arsenal de gnerra tem de contratar o forneiimento escravos a Trete, para os quaes tem excellentes
dos menores do arsenal nes mezes de setembro e commodos, trata-se com os sen* consignatarios An-
outobro prximo vindouro. "Ionio Luiz de Oliveira Azevedo it C., no seu es-
Pao de 4 on^as, bolacha, manteiga franceza, cha criptorio ra da Cruz n. 1.
hysson, assucar refinado de 2" sorte, caf cm grao,
carne fresca, dita secca, toucinho de Lisboa, baca-1
Iho, az-'ite doce, vinagre, farinha do mandioca da
trra, arroz do Maranho, feijo preto ou oiula-
tinho.
Quem quizer contratar taes gneros, aprsente a
sua projHisla em caria fechada na secretaria do
conselho, s 10 horas da manha do dia 30 do cor-
rente.
Secretaria do conselho administrativo para for-
necimento do arsenal de guerra, 24 de agosto de '
1864.
Antonio Pedro de S Barreta,
Coronel presidente.
Sebasliao Jos Basilio Pyrrho,
Vogal secretario.
Xo dia 30 do corrente agesto, s 11 hars da
manha, linda a audiencia do Sr. Dr. juiz de or-
phaos e ausentes, ter lugar a arrematado dos
bens da heranca de Mana Luiza da Gonreicao,
constando de movis, urna oscrava e um pequeo
sitio com casa na Capunga, rna das Pernamhuca-
nas n. 23, segundo o escripto e pelo cartono do
escrivo Vasconcellos.
No dia 30 do corrente mez de agosto se ha
de arrematar, por ser a ultima praca, perantc o
Sr. Dr. juiz municipal da Ia vara, na sala das au-
diencias, um sitio no lugar da Ibura, por execu-
co de D. Abbade do Mosteiro de S. Dent de
Olinda contra Joaquina Rodrigues dos Santos.
t.ousMio de compras oavaes.
Contrata o conselho no dia 5 de setembro proai-
mamente vindouro, vista de propostas entregues
em cartas fechadas at as 11 horas da manha, o
fornecimento por tres -mezes at dezembro prxi-
mo vindouro dos objectos abaixo declarados para
consumo dos navios da armada e eslabelecimentos
de mariiiha.
Objectos.
Agurdente branca de 20 graos, assucar braneo,
grosso, azeite doce de Lisboa, arroz do Maranho,
ararula, aletria, assucar braneo refinado, bacalho,
bolacha, bolachinba americana, cal preta, dila
branca, carne secca do Rio Grande, caf em grao,
carnauba em velas, carne verde, eangica ou milho
pilado, cevadinha, cha, farinha de mandioca da tr-
ra, feijao, galinhas, toaba, manteiga ingleza, dita
franceza, malte, pao, sal, sabo, lijlo de alvenaria
grossa, toucinho de Lisboa, tapioca, vinagre de
Lisboa, velas stearinas e vinho de Lisboa.
Alem desse fornecimento contrata mais o con-
selho no mesmo dia e por iitual forma o de carvo
de pedra durante o lempo de seis mezes, tambera
para cousumo dos navios da armada e eslabeleci-
mentos de marinha.
Sao sujeitos os contratantes multa de 10 0|0
no caso de demora na entrega dos objectos, e de
20 0|0 se nao os fornecercm, ou forera de m qua-
lidade.
Sala do"conselho de compras navaes 27 de agos-
de 1864. *
Alexandre Rodrigues dos Aojos.
Secretario.
Retirndose o proponente que a 25 do cor-
rente arrematou a lavagem
dgsle eslabclecjmento por lempo de quatro mezes,
a contar do Io de setembro ao ultimo de dezembro
do presento anno, de novo se convida aes preten-
dentes a apresentarem suas propostas por cartas
fechadas na respectiva secretaria, pelas 11 horas
da manha do dia 30 deste mez.
Para Lisboa.
Sabe impreterivelmente at o dia 30 do corrale
para o mencionado porto a barca portugueza Des-
pique II, quem na mesma quizer carregar ou ir de
passagem para o que tem excellentes commodos
entenda-se com Perreira & Lonrelro na travessa
da Madre de Dees n. 10.
Pono.
i O brigue portoguez Esperanca, capito Lourcn-
; co Fernandes do Carmo, segu em poucos dias, po-
de admitlir alguma carga miada e passajreiros :
trata-se com os consignatarios Marques, Barro* l(
C, largo do Corpo Santo n. 6, on com o capitao a
bordo.
Para Lisboa
o brigue porluguez Bella Fijaeirenie, capilo J. C.
de Orvalla. Sobrinho, recebo carga e pawageiros i><
para os quaes tem ozcelienies commodos, para ii
tratar com Euzebio Raphael Rabello, na da Ca-
deia n. 55, escri ptorio.
lo de Janeiro^
O brigue Belisario segu com brevidade, recebe
carga e escravos frete ; tra!a-se rom os consig-
natarios Marques Barros & C, largo do Corpo San-
to n. 6. _________________________
Eio Grande do Sul.
O brigue Mondego, de primeira rtasse, recebe
carga, e segu com brevidade : Irala-se cora os
consignatarios Marques, Barros & d, largo do Cor-
po Santo D. 6.
Quem tiver contas com o patacho boUandez
Adrianas Joannes, recentemente condeinnado.
qaeira apresenta-las no escriptorio do consulado
bollandez, ra da Cadeia n. 58, para serem exami-
nadas e pagas al o dia 29 do corrente mez, pas-
sando desta data nao stro attendidas. Recife, 25
de agosto de 1864.
O brigue nacional Cor muid sahir no dia 31
o corrente para o Rio Grande do Sul com escala
pelo Rio de Janeiro, podando levar para este porto
escravos a frete : quem prelonder, poJer dirigir-
se ra do Trapiche n. 4.
ni iiin.i !! ii i... iaa
LEILuES.
[**>* uw UHIUMB inUiGDINVi O) CUM'.UliUiiA e OS
; liberaes durante osquatorzeannus. Gapliveiro re-
! signado e voluntario dos liberaos durante os qua-
| torzeaiiDos.-U povo corcooda, ou os vermellios e
I os sabias.-A.*iluSo propriaincnte |iothica. Ius-
tituicoes livras, direitos politices que (vemos
i at o fim da regencia iivre, o que actualmente
i temos em lugar delles.Os representantes da na-
So e das provincias.Silnaoo administrativa.
t i que sao nella os Poriuguezes. Como o gover-
; no obrigadu a corromper o paiz e a fazcr-lhe
sempre maior mal.Como se multiplica e se paga
| a clrenfella do roreriio para sustentarse o mp-
rio coreortda. O procnsul. O procnsul da co-
| marca. Dos cargos, dos r.rimos e da punico.A
Angra terceira.
Caminha.
Caslfllo Rrauro.
Chaves.
Coimbra.
Govilna.
Klvas.
Extremos.
Evora.
Fafe.
Pinhal.
Porlo-alegre.
Thomar.
Villa Nova do
Figueira.
Guarda.
Saluiaiies.
1Of03.
Ufo.
Lamrgo.
Le i ra.
Moncao.
Moncorva.
Regoa.
Setiibal.
Vianna d
(ello.
Villa Real.
Metra.
S. Miguel.
Cas-
CASA DA FOBilM
AOS 10:000.000
lbete garantida
A' roa do Crespo a. 83 o catas do eesteao
O abaixo assignado venden, nos seus muilo felt-
zes bilhetes garantidos da lotera que se acaben
de extrahir a beneficio da matriz do Ourcury os
seguintes premios:
N. 3330 meio bilnete con 6:0U0Of.u
N. 559 bilhete inleiro im l:4tX)-50W0 i iustica. Juizes municipaes.Juizes de dlreito. -
N. 2061 meio bilhete com 600000 Tribunaes.Os das Relacoes. Tribunaes do Com-
E oatras multas de 2003, 1003, 403 e JOJ. 1 mercio.-Snpruio Tribunal de Ju-aica.0 lary.
Os possuidore|M)deni vn* receber sera os des-1 Os advogados.Concluso. Garanta oes direilos.
cou.os das leis aa Casada Fiftiuna ra do Cres-1 A moral publica.-Dos crimes.As elelcoVs.
po n: 23.
Acham-se venda os da lerceira parte da ter-
rerra lotera da Santa Casa da Misericordia que
se extrahir na quinta-feira 1- de setembro pr-
ximo.
Precos.
Bilhetes int-iros .- I3300G
Meios. i ....... (ftflOO
Quartos. ...... 33000
Para as pessoas que comprarem a
de 101)3 para cima.
Bilhetes........ 1 i 3000
Meios......... 33500
Quartos......, 23750
Manoe.l Afartins flua
0 commandante e ofllciues da corveta i
vapor Paraense, convidam aos parentes,
amigos o eamafadas do finado commissario
de primeira r.lasso da armada Silvestre Ig-
nacio do Qara Suceas, para assistirom a
missa do stimo dia que por sua alma se
ha de celebrar rurje s 8 1|2 horas, no con-
P veato dos religiosos do Carmo.
laflatagaaaaMBBnaaar.iafWM.y'imi'7 ,/,, mu u
Aluga-s! o primeiro amkii' da casa da ra
da Cadeia 11. 4, muilo propna para escriplorio : a
tratar no armazem da mesma.
Precisa-se da urna ama Se leiio sera ftlho :
aa ra do S*l n. 35, ______ _______
Na ra de Santo Amaro n. 8 so dir qoem
precisa da qnantia de 2003000 a premio de 1 1|2,
dando por garanta urna casa.
Aluga-se urna casa em Olinda ra do Carmo
propria para b.inhos, Ciiin 5 quartos, salas, estri-
bara, qnintal maa grande com arvoredos : a
raiar no paleo da matriz de Santo Antonio .n. 8.
GJL1IIWETE
P0RTU6UEZ m UII'L'Ki 11 PfiH-
Por nrdem do Illra. Sr. director scienlifica-se
aos senhores socios que a sesso ordinaria da di-
rectora uas segundas-feiras as 6 112 horas da
tarde.
Secretaria da directora do Gabinete Porluguez
de Leitura era Pernainhuec aos 27 de agosto de
1864.
F. de Araujo Guimares.
, 1." secretario.
No largo do Corpo Santo n. 6, segundo an-
dar, deseja-se fallar ao Sr. Joo Evangelista de S
Souto Maior.
Joo Vasquus Hespanhol protesta contra o fi-
gurado debito inserto no edal pobbcado nesto
Diario em 18 do corrente, que conlm as dividas
activas de Bento Antonio Carpinteiro da Silva, pe-;
anortadas por exeeocao dos Srs. Tasso Frotaos, vis-
to que nada deve ao' indicado Rento.
i Corollario da obra saquarema. O que e a pa-
i Kia^ Situaco para com o exterior. Silnaco
' financeira.-As (mancas do estado.-A miseria
iPerigo e salvaiuento doscorcundas.A liga.-
! Como se congrrgam os elementos para ella. Con-
sideracoes retrospectivas. A coiblituintc. Prea-
ros antecedentes. Co.:ciliaco e opposicao parla-
mentar.Monta a liga.-O ipie sao os liberaos na
liga.Que bem (avio os liberaes ao paiz.O pro-
gresso- Seus fetos.O (jue o progresso e que
far.Como se deve viver nesta trra ochegada
ao progresso.Porque o progresso g vem com-
pletar nossas desgranas e sem mais remedio. Se
ha salvado para pos qual seria o meio e bem f-
cil. Resumo. -A's cinco provincias pernanibuca-
nas. Histrico e poliliea carcunda.De (jae aro-
vtu a miseria. Como se corrompe na eleico.A
restneo da liberdade apar do progresso da iinmo-
rahdade. Corollario.
Joao da Silva Ramos, medico pela l'ni jBj
versidade de Coimbra, d consultas era ;Mi
sua casa das ) s 11 horas da manha, e B
das 4 s 6 da tarde. Visita os doentos n
eoi sua* casas regularmente as horas Mf
para isso designadas, salvo os casos nr- Hj
geutes, que sero soccorridos em qual- ;Kf
quer orcasiao. D consullas aos pobres Jai
que o procuraren! no hospital Pedro II, *
aonde encontrado diariamente das 6
s 8 horas da manha.
Tem sna casa de sade regularmente
montada par* receber qualquer doente,
ainda mesmo os alienados, para o que
tem commodos apropriados e nella pra-
lica qualquer operacao cirufgica. '
Para a casa de sade. .
Primeira ciasse 33000diaris.
- Segunda dita.... 23500
Terceira dita.... 23000 >
Este estabelecimenlo j bem acredi-
tado pelos bons servicos que tem pres-
tado.
O proprietario espera que elle conti-
nu a merecer a coiifianca de que sem-
pre tem gnzjdo.
LIVRARA ECONMICA
fua do Crespo n 2
ao p do arco de Santo Antonio
Obras ltimamente recebidas
LITTEB ATURA.
Aluga-se ara primeuo e segundo andar na
ra da l'cnha, e as lojas. proprias para negocio,
juntos ou em Separado, uraa sala c urna alcova : a
tratar no mesmo.
LEiLAO
DK
Lma casa frrea edificada de novo
roa Yelda n. 82, freguezia da
Boa-Vista.
Cordelro Slme*
*?iSJJ!'?.-* I?.?.?* levar pela seguuda vez lello requer ment
do inveolariante do tinado Joo da Cruz de Men-
donca e mandado do Illra. Sr. Dr. juiz de crphaos,
i a casa terrea cima mencionada.
Os pretendeBles quereudo examina-la podorao
procuraras chaves na casa contigua sdti n. 84
Terca-feira 30 do correot
da
-4S--(;adeia tl Ke Hospital militar de Pernambuco 27 de agosto do s horas leTii lagar na rQa
1864.O esenvao interino,
Joao Tiburcio da Silva Guimares.
Crrelo ger.il.
Pela administrarlo do correio desta cidade se
faz publico que em virtude da convenco postal,
celebrada pelos governos brasilero fraucez, se-
ro expedidas malas para a Europa no dia 30 do
corrate pelo vapor franca* Kxlreatmiure. As car-
tas sero recebidas at tres horas antes da que for
marcada para a sabida do vapor, e os jornaes at
quatro horas antes.
Administraco do correio de Pernambuco 24 de
agosto de 1864. -O administrador,
Domingos dos Passos Miranda.
prnneiro andBr.
rv
w
horas
aTISOS MARTIMOS.
Qnarla-feira 31 de agosto s ti
roa da Cadeia 11. 53,
Urna mobilia de Jacaranda e outra de amarello
novas. '
Utoa porcao de oleados para carro e dito para
cubrir mega, e capachos de rali de esparto.
Pelo agente Euzebio se vondero os objectos
aefina.

Feira. semanal


COMPANHIA BRASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR. ^V8 P*MScof* de ferro, relt-
Dos portos do sul esperado 0S, mill'ie/as t Olllros artS0S.
at dia ao de agosto o -vaporj ^oarta-felra 31 la corrente.
Historia da PundaCo do Imperio Bra-
sileiro por J. H. Pereira da Silva, prr-
meiro vol.......
Calabar, historia brasiletra do secuto 17"
por J S. Mandes Leal Jnior, 1 vol.
ene. ........
Thealro do Dr. Jo iquim Manoel de Ma-
cado, 3 vol. ene......
Obras de M. A. A. de Azevedo, 3 vol. ene.
Suspiros Poticos, de D. J. G. de Maga-
Ihes, 1 vol. .......
Mocidade de D Joo V por L. A. Rabello
da Silva, 3 vol......
l'm anno na corto por J. A. Corvo, 3 vol.
(Js Miseraveis, por Victor Hugo, 10 vol.
Crimes espantosos, 1 vol.....
Orna professora aposentada competentemente! Marilia de Dirceo, ntida edieco, 2 vol.
abilitad olTerere-se para ensinar fra um algum Historia de Xapoleo, com estampas, 2
Pars
Haraburgo
BaroeUoaa
Madrid
Cdiz
Sevilha
Valencia
Amarantes.
Arcos de Val de
Vez.
Aveiro.
Bn-los.
Bastos.
Beja.
Braga.
liraganca.
Paro. ^
Oliveira d'Aze-
nwis.
Peaao).
TaVira.
Villa do Conde. Portimao.
Villa Beal e> Vizea.
S. Antonio. Faial.
Su larKaio.
Baha. Maranho.
Kio de Janeiro. Para.
Qualquer somma prazo on vffla.nodendo log-
os saques prazo serem iluseontaaVs no mesmo
Banco a raza d.: 4 por cento ao anno : a tratar
na rna da Cruz n. 1.____________..... ______
Precisa-se afngar imo ama que saiha cozi-
uhar, iref.triiid j->e osrrava : na ra da bopera-
triz n. 40._________________
Diuheivt* a jr.i
Na ra do U\ ramento rt. 20, se dir quem d
Kiog >:00t>3. ________________________
Offereee-se urna ama para casa de lamilia,
de mmtn boa conducta para to cervico, eacop-
i to coztnhar e sabir ra : quem quizer dii ija-se
ao pateo do Hospital u. 3&
Manoel Azevedo de An-
drade, Antonio de Sonza
llego e Domingos da Suva
Qampos, tendo comprado -e
recebido em pagamento qua?
si toda a herainn mp ficou
por fllecimento de Jw
Themotio Pereii-a Bastos,
ultimo administrador do ex-
tincto morgado de Alagoas
ou de S. Francisco, comnm-
nicam aos breiros dos si-
tos perteneentes extincto morgado que o coa-
senlior da heranca Mano
Azevedo de Andrade s a-
'clia autorizado arecener m
foros e ladennos, bem c#-
mo as rendas dos predios*
e o competente para pas-
sar recibo.
I AMAo
Precisa-se do urna cozinlieirae outra engora-
madera, sen.lo captiva melhoi*: na ra do Hospi-
I co n. 30.
Aluga-se o sobrado de um andar com bas-
tanles commodos, ou asesino segundo estas enn-
dlces tambem servir o co dous an lares mais pe-
queos Qgm tanto que tenlia quintal, cacimba, den-
tro desta cidade menos no llecifo, la/teinlo-- van-
lagens ao proprietario : quem o tiver dii ija-se
roa da Penba n. o.
B ALUGA-SE jgt
S a grande I .ja do sobrado de 2 andares ^
?^ da travessa do Veras n. 13, muito pro- j
[gj pria para deposito na taberna e por pre- ^
S eo cominodo : a tratar no mosma a qual- S
andar da
commodos
Aluga-se r segundo e o lerceiro
casa da ra da Cruz n. 7, com niuit a
para famila.__________________________
Antonio Bernardo Dias, subdito porluguez,
ratira-so para fra do imperio.
Chcrubino di l'ietro Bamlicre,
no, retirase para fra da provincia.
subdito italia-
S|000
o^OO.
951)00 :
ijooo ;
33000 j
83000
83000
lOOO
(,5II)
03000
4
engenho ou mesmo dentro da raaital primeiras
letras, as qnatro operaeftes de arithmotica, gram-
matica da lingua nacional, e as prendas domesti-
cas : quera pretender dirija-se a Soledade, casa n.
II, que achara com qnvm tratar.
vol.
Procuradoria
53000
65000
43000
80901!
63000:
63000!
35O0
13000
Paran, commandante o capitao
do fragata Santa Barbara, o anal
depois da demora do costunl se-
guir para es portos do norte.
Desde j recebem-se paasaaeiros e engaja-se a
carga que. o vapor poder conduzir, a qual devera
ser embarcada no da de sua chegada, encommen-
as e dihheiro a frete at o dia da sahida as 2 ho-
ras : agencia, ra da Cruz n. 1, escriptorid de An-
tonio tu i de Oliveira Azevedo & C n .
- lili i ).......< 1---------------1---------------
U63HO ftra a Hahia
pretende sahir com muita brevidaSe a Vrfe>ir*rt sn-
maca nacional Horfet^ia .por ter.-fiarte da carga
3133680 tratada : para o rest que me falla. tr.ata-se .coaj
os consignatarios Pshnih & Beflrao, .IJfao do
rCorpo Santo n. 4. primelro andar:
OLYMPIO far leilode mobilias e oalros raui-
tos objectos de raarciueiria novos e usad..s, diver-
sos pianos de armario e de mesa, burras de ferro,
crystaes, candieiro a.gaz, espe.hos, relogios de al-
gibeira, ditos de furee, camas de ferro, e outros
mullos artigos que se torna' enfadonho mencionar.
Dar principio 0 leilo s II horas no armazem
rna da Cadeia do Recit h. 48.
Pedro Alexandrino da Costa Machado, solicita-
dor de causas anlo os auditorios desta cidade, se
encarregada procuradoria de qualquer cansa cora-1
mereial, em, criminal o eclesistica ; aceita de |
partido a procuradoria de |t.il.|iier casa commer-
cial: pode ser procurado das 6 s 1) horas da ma-'
nhaa, e da? 4 s 6 da tarde, m casa de sua resi-
dencia na ra imperial n. 124, sobrado ; e fra j
dessas horas, na ra estreita do Rosario n. 34, es-
criptorio do Dr. Alfonso de Albinjuerque Mello ;
as quinfas-forras, porm, em Ipojnca. e as sex-
tas feiras rtb Cabo, em cojos foros continda a tra-
balhar como d'antes.
En abaixo assignado tenho justo e conlcatado
como Sr. Antonio Goncalves Das a compra de sua
oocheira aa ra da Sezala Vcllia ; e se algnem se ,
julgar cora direito a mesma lenha a boadade de
seapresedtar no praso de tres dias desta data. Re-
cife 20 de agosto 4el,1864.
Thomaz Pereira.
O ser ladrao mnito fe o. Comer O dinheiro
alheio u nao dar conta da commisso de que se en-
carrega mnito deshonroso nm solicitador que
qur granjear crdito no foro Oh Sf. D. A. o
abuso do crmOanra crime, Vmc. o praticoo, por
con.-epuint.) est sojeito s disposicoes do cdigo
criminal ; mas como quero ser ainda mais esta vez -7 *iW};m ?**'** Pi">> "a lrsvf complceme com Vmc. rogo-lhc qne venha dar-ow'! de Joo. Fernandos Viejra, em qae morn ultt-
tonta do negocio que Ibe encarteguei, pois do ron- ma,uen,\0,^r- Tlwmax Gomber : np ?"* de,
trario succede-lhe ifnt inw .maior do que Vmc.
Obras poticas de M. I. da Silva Alvaren-
ga, i vol. .....>
O (lutono, poesas de A. F. de Castilho, 1
vol..... .
Kevelares, poesas de E. A. Zaluar, I
vol. .*........
Peretfrinaco provincia de S. Paulo, pe-
to mesmo, 1 vol. .
A marta moral, novclla por A. D. de Pas-
cual, 3 vol.......
Agnllia em palheiro por Gamillo Castello
Braneo, 1 vol......
Viso dos tempes, Aniiguidade Homrica,
Harpa de Israel? Rosa Myslica, poema,
por Theophilo Braga, 2 edico, 1 vol.
Cynismo Scepticismo e trenca, comedia
por A. Cesar de Lacerda, 1 vol. -
Alem dcstas obras recebeu mais, de litleratura
franceza, portugoeza e brasieira, as quaes vendo
precos mnito razoaveis.
~Hermann Koesing, cidado bremensc, val a
Europa. _______________^________
Na livraria a. 6 e 8 da praca ta Inde-
pendencia existe urna caria de importancia
para o Sr. Antonia. Farnatades Corredor.
-^ IV. Sebastiao fose1 Peinlo tem urna carta
na praca da Independencia, livraria ns. 6 e 8.
Precisa-se de una criada Iivre ou oscrava
qaa aaiba eozinhar e enfoaxnar : na ra das Crac
n. 41, primeiro andar. __________^
Precia-se de urna ama forra ou escrava, e
qtte tenria bons costnmes, para todo o servlco de
urna casa de familia : na ra do Aragao n. 25.
O abaixo assignado declara que por senlenca
proferida pela relaco desta cidade, se ada conso-
lidado o prazo constituido no fWfeno cm que so
aeha editlrada a casa da rna das Cinco Ponas n.
102. de propriedade do padre Jos An'onio dos San-
tos Lessa, e qne nao Ihe convindo renovar o loro.
contina a ser oannuncianie senhor dos dominios
dilecto 1! iitil .-obre dito terreno, que de moloal-
gnm poder ser vendido pelo referido padre qnan-
rlo tenha 4a alienar as b.mfetorias neile existen-
tes. Recite, 26 de agosto de lMJi
Joaqmm Texeira Peisoto.
Precisa-se dti um poqnoon para.caixsko-da
urna taberna na ridade da Wt Ta. preferndo-se
(lortngnez: a tratar na p;uuia da ra .'!, -.ti
n. 84.
O dvtgado Josi'^dd &do) Vaspowel-
los pode ser.procurado na na esfreila
do Rosario n. 34, (tas W s 3 horas da
tarde dos dias uteis.
fensa. Venha logo, a rna Nova n. 37, dous anees
em que Vmc. comau esto otnheirp, o ainda nao
9e confessou, por que se o tivesee fono, por ee?ta
a,ue o sen rimfessor o obligara a .dar conta; tenha
onsclencia, o furto /Ho'Mo principalmente
para um Uomem velho e que se diz honrado.
Samuel P. Johnstou & C, ruada Senzala Nova nu-
mero 4t_____________
Precisase de nma ama que edzlnhe* com-3
pre para homeav solteiro, prefere-se. escrava : na
ra do Quimado, n. 41, toja.
Manoel Pueran Qnerol, subdito peruano, n-
taral de Lima, retra-se para o Para,
i Precisa-se fallar ao Sr. Antonio Jos & ra estreita db'Aosaflo n. S, segundo an-
Teixeira de Mnrlonca RHerh : nesta lypy dar, precisa-se de runa ama.
Parordem do coa*jlalo de Portugal o agen-
te Pestaa far lelHto no dia 31 do corrente. pelas
10 hor,asvom frente a Asaowacao Com mereial, das
dividas activas perten^ente ao espolio do tinadu grapow, ou na livraria ns. b c 8 da praca da
subdito portnguez Fortunato Ferreira da Silva na tldepeodoncia.
$S^&"Jn*Z^&g^L"K O Sr. $*>vmJosl- Peixoto, teraomajo primeiro andar da mesma ra n.
examinada. carta oesta ty^ograplna. ] Jos Luiz Pereira.
O abaixo assignado randou a sna resi-
jdencido sobrado da rtia Novan. 30 para
O abaixo assignado previne a qdalqiier pes-
soa que n5o faca negocio algum cora a^ casa da.
rna do Calabjugo o. 4, pertencenle a Juan, do Fal-
sario Azevedo, por qoaato a mesma s acha hy-
puihticada pela quamia de IK)>. Jiecfe ib de
agosto de 1864.
Joao Pedro iaptsta.
Aluga-se o soJ>rado amareUo. dtv Pon* de
Ucha, concerlado de novo e pntilo, tendo o sitio
murado e ptimos commodos para familia : a 1ra-
lar no largo o>t P^raizo n 16.
Aluga-se a esa terrea nu na Irapetial n.
270, caiada e piulada de novo, quintal i.r.n :. V>
al* a lieira do rio, eortl banho-> a Irlar-s junto
ou na roa da Boda n. 6.____________________
Teado kio uva moco alagar um carvallo na
cocheir da'praca do Capim, oiio dac.isa em ipje
marou o Dr. Sabino, na nou de 25 do cerrante, c
cofto te boje ainda nao tciUia appareeklo, o pro-
prietario da mesma oocheira gratificar a quem der
noticias ou o entregar na wesma roefeir : o ca
vaflb (einos signaos seguiates : a asi claro, ten
a frente abarla, m quatro |*s arregazados, as di-
nas [grandes, o topete regular, o, p dueito
corta o p unerJ, ^mla be.mdebaizo meio,
esta' ferMn na bocea pela bride, meio duro de
qtWixo ; oi sellado o enfreiad eJavou um couro
de bode ver niel lio ; tuem u p-'*'" Pde levar
cochrra cima, o pede-so s automlade policiaea
suas pesqizas.
Na ra dos 0>tarieis 11. o, casa particular,
convida o respeltavel publico que ha comida de
todas as qualidades e. com muito asseio e promp-
tido, o a salisfac.au dos reguezes, assim como
tambem se vende a retaho o conlrala-se por mea
on por semana : quem pretender, dirjase rna
cima mencionada, que achara com quem tratar.
Notiotel Vigilante precisa-sede um cozinhei-
ro eum escravo.
i i,- .. ^.
Preciso se oe ama ana, prefere-se escrava.
para todo o servico de duaspessoas: na ra uilrei-
ta do Rosario n. 18, nrimeiro andar.

V

1II FGVEL h


Diario *e Perasuboeo -
j___.__________=_________
oda letra tft t Agosta 4c t _.
hh_l'i3*----------::----------:--------------_____
3*


Precisa-se
de BOOi a juros, dando-se hypotheea etn dma es-
crava mora com urna cria : o/iern quizer dar an-
nancie para ser procurado.
Joao A'nifmlo' Carpinteiro da Silva, por seu
procurador nesta cidade, vem declarar publica-
mente quedada deve a Bento Antonio Carpinteiro
da Silva, ao contrario eredor, pelo que j protes-
tou contra a inrlusao de seu nome na riacao de
devedores que foi em edital eztrahido dos autos
de execucao dos Srs. Tasso Irmaos, publicado no
Diario de Peruambuco de 18 do correte.
Manoel Carpinteiro da Silva tendo visto seu
nome incluido no numero dos credores do Sr. Ben-
to Antonio Carpinteiro da Silva, declara nada de-
ver a este senhor, tanto que contra semelhante de-
bito imaginario protestou perante o lllrn. Sr. Dr.
juido coromercio na respectiva execucao.______
Jos Fernandes Moreira nada deve a Bento
Antonio Carpinteiro da Silva, pelo que falsa a
verba que no edital publicado neste Diario no da
18 do crreme se'refere ao annunciante, e por cu-. em todas as suas formas,
ja falsidade protesta na execucao a que se refere o mal que provm do USO excessivo do
Salsa payrillia de Ayer
MRA A COTA DA '
ESROFLXV
e tf otlas a molestias
proven! rotes dekla
__,-_$$__
todas as molestias da
pelle *
ehcrysipellas, tumores, ulceras,
sarnas,
nasudas, emniigens.
REUMATISMO
SYPHILIS
assim como todo

o mesmo edital.
MERCURIO
i leeraeo do ligado
em summa todos os males que tem sua
Precisase de urna ama escrava para engom-
mar e cozinhar i>ara pouca familia : na ra do
Brum n. 70, segundo andar.
~0~Sr. Jos Ferreira Pinto de Magalhaes te- n& m nj_nimi?yA nn akurrv
nlia a bondade de mandar ou vir ra da Cruz n.' f\ "" uno* uu enutCKj t
i rereber urna carta viuda da Parahiba, a qual; E um alterante poderoso para a
nao se I De tem entregue por ignorar-se sua mo-; RE.\! iVACO DO ^NGUE
e para dar nova forra e vigor ao corpo j
rada.
<;ha\iii:
Fabrica
DE
Pogos (le artificio da vi uva
Rufino.
Nesta acreditadissima fabrica recebem-se en-
commen las de fogos de artificio para dentro ou
lora da provincia, garantindo-s s pessoas que se
dingtrem este estabelecimento acharem reunidos
os gustos perfeicao nos artigos alii fabricados,
As encommendas recebem-se no armazem da bola
amareila no oitao da secretaria da polica.
Alugam-se tres casas pequeas na Torre,
caiadas e pintadas, para se passar a festa com pou-
co dinheiro, e tambem se vendem todas juntas ou
cada urna em separado, em conta.
COMPRAS.
Compra-se onro e prata em obras velhas
i daga-se bem: na luja de bilbetes da pracada lude
pendencia n. 22.________________________
Compra-se couro de carneiro : na ra larga
do Rosario n. 10.
' Jos Denis, subdito portuguez, retirase para enfraquecdo pela doenca.
fora da provinria. ------------------------ Vei>de-se na ra Direita
A caixa filial do London e Brasiliao Hospicio n. 40.
Rank saca sobre Lisboa e Porto, prazo ou
i vista.________________________ i
Aluga-se muito barato urnas poucas de meias i
aguas pouco acabadas de edificar na entrada dos'
portees da travessa das Barreiras, do bairro da
Boa-Vista : a tratar na ra do Cotovello n. 25.
DENTISTA DE PARS
19Roa Nova-19
Frederco Gautier, cirargiio dentista,
faz todas as operarnos de sua arte, e col-
loca dentes artificiaes, tudo cena superio-
ridade e perfeicao, que as pessoas enten-
didas lhe reeonhecem.
Tem agua e pos dentiflcio.
Vende-se em Pernambuco:
na pbarmacla f raneeza de
P. MAURER i C.
___________RA NOVA N. 18._________
SANIO A LUZ
estA a venda ka utru r>o Sr. Gkraldo
Rf A ETHEITA DO ROSARIO N. 12 AS
:
Precisa-se de iim
da ra Imperial n. 39.
bom forneiro
: na padaria
N
Na ra Imperial n. 124, sobrado, precisa-se de
dina escrava que compre, cozinhe e engomme.
NOCOES
DE
PARTIDAS DOBRADAS
OFFERECIDAS
AAssociaco Commer. ial Nimio fie en le
_
DE
ii:r\iiki o
POR
M Fonscca de Medeiros.
Compra-se efectivamente
ouro e prata em obras velhas pagando-se bem :
ns. 1 i e 76 e na ra larga do Rosario n. 24, loja de ourives.
Comprase cobre velho : na ra do Brum nu-
' mero 78.
i .i ,i .
CoBpra-se
As Seguintes obras de Macedo :b Moco I/>uro,
a Rosa, os Bous Amores : que as liyer annuienc
. para ser procurada_______
Compra-se poreo de eaibros j servidos de
andaimes e tambem novos de qualidade para co-
berta, assim como travs de qualidade : na ra da
; Penha n. 5.______________________________
Compra-se urna mobilia de amarello que te-
nha pouco uso, quem a tiver e queira vender din-
ja-se ra dos Quarteis loja de calcados n. 22, ou !
annuncle aonde se pode ir ver.
Esteiras para forro de sala a
85" rs a jarda
Na rna Nova da Santa Rita annaiem 18, e
na ra do Crespo loja h. 17. V w
Vende-se nm: sitio no priucipio da estrada de
Joo de Barros, na proximidade da nova ra que
se abri, com duas frentes, proprias para edifica-
coas : a tratar, na ra dp Crespo n. 20 cora Alva-
ro Augusto de Ahneida.
Vende-se a fabrica de sabao da na do RaD-
gel n. 34, propria para qua'quer principiante por
ter poucos fundos, e ser negocio de vantageni ; o
fabricante obriga-se a ensinar gratuitamente a
quem a comprar a maneira d fabricar o sabao,
garantindo-se o aluguel da casa : a tratar na
mesma._________________________________
Vendem-se duas casas terreas na travessa
do Pocinho ns. 5 c 7 : quem pretender, dirija-se
Boa-Vista, ra Velha n. '82," que dirao quem os
vende._______________________ ________
GAZ GAZ GAZ
Vende-se gaz de primeira qualidade a
100 a lata : nos armazens da roa do Im-
perador n.-16 ra d" Trapiche Novo n. 8.
Nova liquidacilo.
Pecas de algodao superior com um pequeo de-
feito a 55, dito Com.20 jardas a 65. dito com 24
ditas, largo, muito superior a 65500, pecas de
cassas {tara balados ou cortinados, em. boni esta-
do, e coui 10 varas a 25, toaihas brancas adamas-
cadas e qnadradas de cambraaa 500 rs estoupa
larga a 440 rs. a vara : cheguem a estas pechin-
chas antes que se acabem, na loja do baraleiro,
ra da Madre de Deus n. 16, defronte da guarda
da alfandega.________________.
<5~
VENDAS.
Maques' ohre Portugal.
O abaixo .assitmado, autori>ado pplo
Bance Mercantil Portoense. e na ausencia
do Sr. Joaquim da Silva Castro, saca ef-
fectivamente por todos os paquetes sobre
as pracas de Lisboa e Porto, e mais luga-
res do reino, por qualquer somma vis-
ta, e a praso ; podendo, os que temarem
saques a praso.receberem avista, no mes-
mo Raneo, descontando 4 0|0 ao anno: na
loja de chapos da rna do Crespo n. 6, ou
na ra do Imperador n. 63, segundo an-
dar.Jos Joaquim da Costa Maia.
Precisase alugar urna preta escrava para o
servicude urna pequea familia : na ra das Cru-
zes n. 28, primeiro andar.
Chocolate de musgo Islndico
Pharmacia fraiceza
DE
P. MAURER & C.
______18 Ra Xova-18
VEMDEM-Si:
as seguintes obras: Garnier, Economa po-
ltica, 1 vol. por2000; Mackeldey, Direi-
| to romano, 1 vol por 4(5; u Camroy,
Commentario do cdigo civil francez, i vol.
por 8S0O0; Racine, obras eompletas, 1
vol. por8('0)5; G. Mass, Diccionario do
contencioso commercibl, 1 vol. por 6$;
Chabot de l'Allier, commentario sobre suc-
- Na pracada Independencia, loja de ourives 'cf.fes- VL ****i ^"rf. obras
n. 33, compram-se obras de ouro, prata e pedras PUOS-phicas, 1 vol. por2fl!; Sauvage-Har-
preciosas, assim como se faz qualquer obra de en- dy, crearo de bancos de deposito. 1 vol.
cpmmenda, e todo e qualquer concert.______ por- 0; Louts lae, organisacaO do traba-
Publicaco litteraria. lbo, i vol. por 2^; na ra doCabug loja
D0 mjWnMI "compendiodoloros-o
LOJA 1)0 BEIJA FLOR.
Ra do Qaeimado ns. 63$ 69.
.MACHIAS EPTEME
de trabalhar i mo par
descarocar al^odo
FABRICADAS
Por Plant Brothers & C#
OLDAi
- -

Ciatos donrados.
Sao chegados os lindos cintos bordados onro,
peto barato preco de 2300 e 3000: no Beija-flor,
ra do Qoeimadu ns. 63 e 69.
Fuellas para cintos.
Chegaram tarnijem ricas livellas douradas e de
aro para cintos a 1OO e 1*200 : no Beija-flor,
ra do Queiraado ns. 63 e 9.
Penles de tartaruga.
Lindas penles de tartaruga, gostomoderno, a
5*200, '3*306 e. 0*000 : ra. de Queimado ns.
63 e 69.
Penles de travessa.
Vendem-se penles de travessa de novo gosto para
meninas a tOO e 800 rs. : s no Beija-flor, ra do
Queimado ns. 63 e 69.
Pen tes para atar cabellos.
Lindos penles pequeos para atar cabellos, pro-
prios para se andar em casa a 400 e 300 r$.:
no Beija-flor, ra do Queimado us. 63 e 69.
Botes de madreperola.
Tendo recebido um variado sortimento dos de-
sejados botoes para abertura de roupao, vendem- J j^ne u vantagens de nao destruir

Estas machinas
podem descarocar
qualqner especie
de algodao sera
estragar o no,
sendo bastante
duas pessoas para
olrakilho; pode
descarocar urna
arroba de algo-
dao em caroco
em 10 minutos,
ou 18 arrobas
por dia on 5 ar-
robas de algodao
limpo.
L>ta machina
nica que
fio
se a 400 rs. jibotuadnra: no Beja-flor, rna do ^^^'"^:i^t94tk^dt'qatiiMetOQ-
Quemaflo ns. 63 e 69. fra com menos trabalho, a sua introdueco para
Eoteiles para seuboras. ; as provincias deste imperio ser de muito valor
Lindos enfeites modernas a 2*000 e 2*400, para todos os interessados na lavoura do paij.
ditos de rede a 900 rs. : no Beija-flor, ra do: Assim com machinas era ponto grande do mes-
Queimado ns. 63 e 69. mo systema.oraql serem movidas por animaes,
fallieres para meninos. I agua ou vaporeas uaes podem descarocar 18 ar-
Chegaram novos sortimentos de lalheres para! robas de algodao ampo por dia.
meninos a 280 e 320 rs., ditos cabo de balanco de I O algodao descansado por estas machinas tem
um botao a 400 : as lejas do Beija-flor, ns.' 63 muito mais estimacao nes mercados de Europa e
m
A tleii{Un.
Offerece-se urna senbora portu-
gueza para tratar da rhlcacSo de
meninos em alguma c^isa de fami-
lia : na rm da Cadeia do Recife n.
38, primeiro amlar.
K.NSAIO DE DIHEITO CONSTITUCIONAL
Contendo aanalyse do Tit. V Cap. Io da Constiiuiro do Brasil Dores; o modo de resar e offerecer a co-
ruLo
Dr. Braz Florrnlino Henr-qnesdeSoaza
, tente de direito civil na Faculdade de Direito
do Recife.
A raridade e importancia da disrussao ultima-
mente levantada na corte acerca da natureza e
imiti-s do Poder Moderador, c particularmente
acerca da responsabilidade dos ministros de esta-
Macliiiias para descarocar
algodao dos mais acreditados
fabricantes: na fundico do
Brum n. 38._______________
Milko o mais novo que ha
no mercado a 3$osacco
Na rna de Santa Rita n. 1, taberna.__________
Vende-se urna negra de 19 annos por preco
commodo : no pateo da matriz de Santo Antonio
n^*;________________________________
SE
genebra fina hollandeza em caixas de 15' frascos :
no esiTiptorio de Brender a Brandis & C, ra da
Cadeia n. 58^____________________________
Superior cal de Lisboa
Vende-se superior cal de Lisboa a mais nova
que ha no mercado tanto em porcao cerno a reta-
lho por barato preco, afflancando-se aos compra-
roa, um setenario e mais outros exercicios doreFs a supi.ror qSlidade: a tratar as seguin-
de piedade 6 devocao ; ordenado pela ir- tes ras : do Crespo n. 7, Imperador n. 28, Forte'
matUde dos SeTVOS da mesma Senhora, do Manos armazem doSr. Avila dcfionte do tra-
que se ada erecta na egreja de N. S. da __g do altfod3- -___________________\____
Penha do impenal hospicio dosreveren-! Bichas liniiilmi urH'/.;is,
dos padres missionarios apostlicos capo-1 Na ra Nova n 61 di-lronte da Illma. cmara
Chinhos italianos de PernamhufO, anprova-' municipal, vendem-se constantemente bichas novas
rln or ; M t ano Wen*. oiiardp dado ,lr weuO i& c,,nt (lu,i vm oulra 1UHl(luer Pal'"
ao por &. m. i., qut ueu> guar.ie, oaoo ltJ. rt!Crbtm_se por U)dos os vapores.
a luz por devocao do muito reverendo .... ,nnm,nhrn K...hn ___"_t.
A F Pl i 1 M '^oe-sc urna taberna aberta ha pomos das
paare rr, i laciuo ae Messina. p0r fa,|i;a (]C haver desavengas com um dos socios,
Vende-se a 320 rs. fia livrar3 ns. 6 e 8 na ruado Jasmim, atraz de S. Goncalo, com os
e 69.
Lia para bordar.
Vende-se IFia de superior qualidade e de lindas
cores a 6*800 a libra : no Beija-flor, ra do Quei- j
mado, ns. 63 e 69.
Papel de diversas qualidades.
Vende-se papel de huir dourada pautado a
1*200 e 1*300 o pacole,ditiissemserdouradoe ncm
pautado a 640, 800 e !*000 : no Beija-flor, ra do
Queimado ns. 63 e 69.
Envelopes para cartas.
Vende-sc envelopes de eores a 600 rs. a caixa,
ditos brancos a 640 e 800. rs. : no Beija-flor, ra
do Queimado ns. 63 e 69.
Pentes donrados "para atar.
Vende-se pentes dourados para atar cabellos a ,
1*000, i*200, 2*800 e 3*000
do Queimado ns. 63 e 69.
vende-se por maiorpreco.
As machinas se arham venda unicamenie em
casa de
Saunders Brolhers C.
TV. II, pra^a do Corpo Santo
RECIFE.
Os nicos agentes neste paiz.
Penles para marrafas.
Vende-se lindos pmlinhos dourados
EXTRAORDINARIA
liquidnco de fazendas de todas as qua-
li tas na lja e armazem da Arara,
ra da 'uiperatriz n. 56, de Lmu cu-
ro Pereira tiende* liuimraes.
Atiendan) fregiiezes!
no Beija-flor, ra Soutembarque a 10*. iU e \W i pecbincha.
Vende-se soutemharques muito bem enfeilados
para marrafa a 1*200 : no Beija-flor, ra do Quei-
mado ns. 63 e 69.
Sapalos de tranca.
Vende-se sapatos de tranca muito bons a 1*500,
ditos do tapete a 1*600 : no Beija-flor, ra do
Queimado ns. 63 e 69.
Balaios com sabao.
e de cores, para senhoras, a 10* 12* e lo*, ditos
com pedra pretos a 20*, 22* e 2o* ; capas pretas do pros-
denaple a 20* e 25* : s na ra da Imperatriz n.
36, loja da Arara,
Coi tes de chita a 2&I00.
Vndese cortes de chitas de cores ixas com 10
covados a 2*400 e 3*200, cortes de cambraia de
barra a 2*, dilos de salpicos a 2*300 : na ra da
Imperatriz n. 56, loja da Arara, de Mendes Guima-
Lindos balaios com 6 sabonetes de varias frnc-; raes.
tas a 2*500 cada um : no Beija-flor, ra do i Fazendas especiaos para senhoras.
Queimado ns. 63 e 69. Vende-se gollinhas para senhoras e meninas a
as mesma* lojas se encontrara lindo sorti- 240, 320, manguitos a 500 rs., camisinhas a 1*
ment de perfumaras e variado sortimento de i*:joo, 2* e 4*500, entre-meius e liras bordadas'
miodezas que se tornara enfadonhe menciona-las, para eofeilar vestidos brancos a i*, 1*200 e 1*400
porm afianga-se ser tudo bom e mais barato que a peca, enfeites para casaveque a ]*, gravatiiihas
em oulra qualquer parte.
Os Vasos
OS MUS AiGRAVAiVTES
K
\X\Y\\\'A \wxi\mu uiiracao
ESCRFULAS,
Companhia vigilante de vapores
de r* boque.
tip'iiria fin rasa de llini.e & Bidoulac.
Na conformidade do que fot deliberado
em assefflbl&a cera! dos accionistas dacom-
generos a vontade do comprador : a tratar com
Anbinio do Repo Medeiros, em Santo Amaro, con-
'. fronte ao chafariz. No mesmo se vende urna ca-
! noa de carreira propria para familia.
_3 do pelos actos proprios desse Poder, desperiaram
Joaquim Gomes Dourado retira-se para Por-1 autor o desojo de emittir tambem a sua humil-
tugal a tratar ile sua saiMe e deixa por seus /,ro- de 0"";WLa. resl'<'ito de um assumpto tao mo-
euradnpes a seu irmao Jo Gomes Honrado, Joa- I mentoso. Nao querendo porem fazer inteiramente
qmm Goncalws Salgado o Antonio Domingues de nmi} ? eircumstancia, e persuadido por ou-
Ahneida Pocas. w lro lado de que o bom senso dos Brasilniros sabe- da praca da Independencia.
i r puardarainda por mu i tos annos a bella consti- ------- .--------------------------;-----
ituicao polilica,acuja sombra tem prosperado o JjIVI'O (IG Ol'lCOGS
imperio, entended que prestara melhor servico as ,. ..<. '
tetras, e seria mais til em particular j mecida- Vende-se a 160 ras, na liviana ns 6 e 8 _Em,.asa de m,da Silv:1 FarH rua S Cruz
| de esperanzosa do paiz dando urna analyse ou da praca da Independencia, nm livnnlin con- n gg vende-se vinho tinto Bordeaux em barris e
commentario aprofundado de todo o Cap 1- do tendo o segninte : louvor ao sanU nome de en caixas, hem c .mo branco santernes, absiuth,
Sra-ue'o S__!!!_Sl__l^^ Bf. croados actos de amor de Deus, ora. kirsk, das Chores y^m.___________
mo lente da 1- cad^ira do 2 anno da Faculdade Coes e pettgoes, hymnoao Espirito Santo, CO- Vende-se urna taberna com poucos fundos,
rommodos
commercio, na
. tanto para o
06 santo AmhrozO a Nossa beniora, jacula- mato como para a trra e tambem se vende urna
toas ao SantissimO Sacramento, exercicioda carr.fa de vender apua na rna, urna canoa de;
via-sac.ra, commemoracao Nossa Senhora ^00 lijlos e um cavaiio de cor rodado e bom an-1
do Carmo e a SS. Sacramento, directorio ^SSJ^^^^S^^S^.
O ERUPCOES ESCROFULOSAS,
Uicenis le toda n esjM'eie.
SYPHILIS. 0lT UAL VENREO,
panliia
vigilante.
ijiie se reuni no dia 18
de abril do Crtenle anco, sao os Srs. accio- de Dirrito durante quasi duas annos.
nistas convidados a entrar Com 40 porcen-i Peste modosdepois de analysado o referido
to sobre o valor de cada urna de suas ac- "!,'!ulo{'1he"Ha,0;"tor a lrataHr A\ *ra,ve S__
.. c_ cima indicada, dewndo sem duvida este methndo
coes ate 0 da 20 do crrente, e, seo nao fi- coneorrer-para habilitar o leitor a conhecer muito
zerem incorrerao na perda daquanlia j en- melhor a natureza do Poder que se di.-cute, e a
trada e fa/.-se este aviso pela imprensa, 0 formar com sHguiaaga um jnizo acerca da r--spon
Iser intimado a cada um dos Sr-. accio-
ra do Senhor, aviso qualquer alma de-' Propria para principiante, e tem muitoscc
vota descanos.da vida Immana, hymno ^^^^Tl^2
sabilidade ministerial, pelos actos di-lle.
qual sera intimado a cada um dos Sr-. aceto- "_S# dar to publico" nm idea da obra jalea-' Para a rac^ mental, dividido pelos dias da 66,' que vista dos compradores se far todo o
rustas em particular, os quaes terao a boa- mos conveniene iransrre.ver aqm a somma dos semana, obsequio ao coraco de Jesas, sau- \ nepocio.________________
dade de participar por enripio, que cam diversos captulos que a rompSem. idacoes devotas s chacas de Christo, ora- Srirm-ia as chariNsimii-s irm r-
ititeirado e sua resoluto definitiva, parado- ne.-.ois do competente Prefacio, segue-?e-Cap. Qoes Nossa Senhora, S Jos, ao anio da '
yerno da direccSo. Recife, 8 de agosto de SSO^irSStJSt^^ guarda, Deus en. obseq.-i
1804.
Os directores
AssignadoHenry Forster G
Bario do Livramento.
Saunders Brothers & C,
mmwmmmmmmmmL
| Companhia Odelfdadc de
S seguro martimos e ter-
restres estabelecida no
Rio de Janeiro.
AGRWTKS EM PEl'IAMBtCO
Antonio Lniz de Oliveira Azeveds k C,
competentemente autorisados pela direc-
tora da companhia de seguros Fidelida-
de, tomam seguros de navios, mercado-
ras e predios no seu escriptorio roa da
Cruz n .1.
o qualquer san-
dop.ider.Moderador.Cap. 3.' Da invioiabilidad lo e para a noute, e responso pelas almas
da pessoa do Imperador.Cap. 4. Das attribui- do purgatorio,
goes do Poder Moderador.Cap. 5." Do di-
reito de escolhers Senadores.Cap. 6. Dr. direito
de convocar extraordinariamente a Assembla Ge-
ral. Cap. 7." Do direito de sanecao.Cap. 8." Do
direito de approvar e suspender as resolucoes das
As emblas Legislativas Provinciaes.Cae 9." Do
direito de prorogar u adiar a Assembla Geral, e
dissolver a Cmara dos Deputados.Cap. 10. Do
direito de nomear e demittir livremente os minis-
tros de E>tado. Cap. 11. Do direito de suspender
os magistrados. Cap. 12. Do direito de perdoar e
moderaras peuas.Cap. 13. Do direito de conce-
der amnistas.-Cap. 14 e. lo. Da irresponsabilidade
absoluta do Poder Moderador.Concluso.
Acaba de sabir a luz esta inleressanli publiraco, t
em um volme de 600 paginas, e aeha-se venda Cruz n. 26, onde encontrarao as amoscas
as livrarias de J. Nopueira de Souza junto ao arco ( '.> j 1 \\>c\\
de Santo Antonio, e dos editores Guimares & Oli- < *""'
veira, pelo medico preco de 000.
&l
Vende-se das seguintes marcas:
(E El
Sem'th l C e C f de FF o barril por 15
P N C. de FF o barril por !5.
P diamante deFF o bairil por l<5">00.
De superior qualidade FF 2 espingardas
por I5.
Chumbo de municao de toda a grossura
5J9QO.
No armazem de J. A. Moreira Dias
o barril
arroba
rua da
Na caa n. 3, sita na rua do Arago, coziuha-
se eom perfeicao.
AI nga se um secundo andar e soto eom '
commo'los para grande familia, tendo sido ha pou-
c.j caiado e pintado : a tratar na rua do Crespo .
numero 8 B.
Prncisa-se Je urna ama para todo servico de
casa de pouc i familia |>rriVi-u\do- pateo da matriz deS. Antonio n. 8.___________
Aluga-se a lo adacasa n. 40 da rua dasTrin-
cheiras: na rna da Aurora n. 36.
' O Dr. Carolino Francisco de Lima San-
#*; to, contina a residir na rua do Impe-
y radur n. 17.2* andar, onde pode ser pro-
ffi, curado a qualquer hura do dia e da norte
5P5 para o exercicio de sua profissao de me-
mt ilico ; sendo que o* chamados, depois de
O meio dia at 4 horas da tarde, deretn ser
3H deixadus por escnptn. O referido Dr.
2at nao abandonando nunca o estado das
lg* molestias do iuterinr, proeoe, coni
t maior a Hinco, no das mais dinVeis e rteli-
III cadas o|MTacoes. romo sejam dos ergaos
^ ourinarios, dos olhos, partos, ele.
Vendem-se 200 eaibros de embiriba e cocn
tratar na rua do Trapiche, armazem n. 9.
TtiMOUES. Ebulii^es,
EERTOEJA?, s$k
0PHTHLM1A, _7*^^__'' !_' *^"
Hydrupisia, ri e_?'^
Empgerts.
HERPES, I^^^P
Pariros. El.'VSIl'fl.tS ESfoRurro. fllE illiP
Tin ha.
9ffi.
O hacha re
Francisco Angoste da Cosa
Farinha de
ensacada e da melhor que ha :
Alvesnoseu escriptorio, casa
Cruz.
mandioca
vende Miguel Jos
n. 19, na rua da
ADVeOADO
jtf Rua do Imperador numero
69.
Alt en cao
Esteiras Vendem-se na travessa da Madre de Dos n. 1
Na rua da
eaixa d'agua appareceu agora ura
Charutos de Havana
de superior qualidade vendem-se em casa
de Scnafleitlin C, rua da Cruz n. 4.
Ma~ livraria aeadeileo, rna do
imperador n. 39,
instrumento de un angetie, muito aeima'do forte vendem-se lindes papis para forrar sala a 1JO0O
piano, elle tem rordas e se altoa per nm pisto de a pega.
cytindro que da 10 tons em si b.; o habilidoso que, B T 0.,--n- \-va n B------
toca da ludes gratis porque vejo tanta gente junto Wt aa SCulalla \\QV* u. a.
pona a oovir, que priva andar-se na calcada: i Neste estabelecimento vendem-se: tachas d#
bello, o3c.ha duvida e' cinl o joven com a sua feFro rjfo bra a !10 ., dem C_ L(*
bocea bamba e o pista ni agudo, entao mnguem M Bhp, pe
dormel qie tal o da msica. < a nnsen- rhpMirn "ioor HDra ZU rs.
vasio I t portanto,
da msica,
pedimos ao
e o Bosso- theatro
inspertnr da rua I
Aluga se a loja do sobrado da roa Velha n.
93, a qual e bastantemente grande, e se alnga por
preco commodo : quem a pretender, dinja-se
proprietaria fue reside rio sobredito sobrado.
OfTerere-seiiara~admmistrador de qualquer
etujenh
habilit
o pretfi
achara fom quem
qoe fa^a os taes jovens fazerem os seus ensaios na
detencao, iwis'o lugar bem fresco e os accommo-! Vende-se potassa emharris, por commodo preen
dar bem.Al l< _o._______________, no esiriptono de Antonio de Almeida Gomes, rua
-- Desapparecen da villa de S. Bento. fatpnda d Crni 23> *" *n,,!,r-
[ do Acude Novo, duas burras,
S. Bento, hienda
. sendo orna preta e
oulra easianha escura, eaquella maior do que esta,
o ambas tem a marca A ; roga-se nois a quem as
actoar
dade do Recite ao Dr. Fenelon AlcofuraJo. rua do
IQueima
No larg.-i do arsenal de marinha, loja de calca-
liar ow a qnem derlas tenha utirla, de dirigir se dos n. 8, queima-s_
mesthajilla Luiz Paulino de Vlenca ; na ri- Marroquim preto de boa qualidade,!,-
aduzia a...........'..........
ijnoo
180
assim como \m*
i'inqadtv, que lujo
umprador.
ceinisde yo Francisco
Na rua da Cadeia, loja n. 44, exi>tem cordoes
do verdadero esparto para uso dos irmaos profes-
sos, preparados com tuda a pn l'eicao : seu prego
commodo.
lardo, milito, .Mtilia e IVija .
No armazem da. Aurora Bullante ao largo da
Santa Cruz n. 81 ha farelo em ecos com 120 li-
bras a Si, milho novo a 25800, farinha a 55000, e
saceos com 23 cuias de fejo mnlatinbo novo a I
105, saceos com arroz de casca 55.
AGENCIA
FUNDICO DE LOW-MOOB,
Rua da Sentada nevi n. Ai.
Neste estabelecimento contina a haver
nm completo sortimento de moendas e meias i
moendas para erigenho. machinas de vapor
I e tachas de ferro batido e coado, de todos o
tamanhos para ditos.
Arados americanos e machinas para \
lavar roupa: em casa de S. P. Johnston C,!
rua da Senzalla Nova n. 42.
Viuho de Porto siserior
dm caixas de urna e duas duztas : taro para ven-
eer Antonio Luiz de Oliveira Azevedo_ C, no seo
escriptorio rua da Cruz n. 1.
m*mm mmmmm
& Fabrica Conceicao da i
1 Bahia,
^_J Andrade 4 Reg, receben) constanle-
JP| mente e tem venda no seo armazem o. ^
y 34 da rua do imperador, algodao d'aquel-
^ la fabrii-a, proprio jtara sacros de assu-
GHAGAS ANTIGS,
Rheum.atsrn.Q Chronicot^
DEBLIDADE (JliRAL
Neivosidadc, Ncrnil^ias,
W\ m APPfflffi. F1STI,
SUPPRESSAO DAS KEGRAS, ou
AMENORRHEA,
lilil 13 FLUS BRANCAS.
Itt'tciii das Irinas,
KMACIACO,
On iiiUiHtyftctnmnto (eral ilv coi'jmk /<
ni' ate to estado vtttoO do sotiyi"-.
MFLAMACOES CHR0N1CAS,
Afec9oes Chronicaa do Figado,
car, embalar algodao empluma etc. elq-i W
.SvilM COMO TOrU6 A3 MAIS elMII.HAMKfe MO-
LKSTlita, l'UINOIIMI Mr.K'l'K QI-'ANDO SAO
VACSAOAK, DL" _H__UD8 PKLO MCI
ursi tso no Mkkci,i;io oc
k QtMVINO.
A 111I111 < mmbrm irl frrqnrnie nan da \ K-
MBKICO e autnia rmftrn^t 'MIMnkmi
1 para senhora. muito finas a "15 e 15300 : na rua
' da Imperatriz n. 86, loja da Arara.
Vende-se palitots de panno lino a 165, '45 e
125, ditos saceos com litas a 125, 105 e 85, dilos
I de csemira linos a 105. 85 e 65. dilos sem fila c
45300,o'5. dilos de briol a 25300, 35, 35300, ds
I alpaka a 35 e 35300, calcas de brini e de gangas
25. 25300 e 35, dias de "rnuia casemira a 35300 e
' I53OO, linas a 35, 65 0. 75, coleles u camisas fran-
; ceza a 25 e 25300 e 35, seroulas de algodao a
115600, de linlio a 25, ecolarinhos a 400 rs. : na
ruada Imperatriz n. 36, loja da Arara.
Vende-se colchas de chia a 25, de damasco a
45, de fostao a 35 : na rua da Imperatriz n. 36,
loja da Arara.
Vende-se panno de linlio para lences e serou-
las a 640 rs. a vara, brim liso de Hamburgo a 500
I e 560 rs., lencos de seda a 800 rs. e 15 : na rua
da Imperatriz n. 36, loja da Arara.
(tramante da Arara a 26'OO.
Vende-se bramante de linho com 10 palmos
I de largura a 25500, dito de 12 palmos a 25800
a vara, dulas para cuberas a 320, 360 e 4i.O rs.,
, dita encarnada muito fina a 480 rs. o covadn, rhi-
I tas para vestidos a 240, 2^0, 320 e 400 rs. o cova-
I do : esta peclimclia, tao barata, s se pode encon-
: trar : na rua dalmpcratriz n. 56, loja da Arara.
A Arara 1 finia, nao vende, queima.
Vendem-se baldes de 16, 20, 23 e 30 arcosa
25240, 25300. 35, 35300 e 45, ditos de mnsselin
a 45 e 45500 : na loja da Arara, rua da Impera-
j triz n. 06.
Vende-se challe- de laazinlia a 15600 e. 25. ditos
de merino a 25300 e 45500, dilos linos a 65, ditos
', eslanipadoa 75 : ii loja da Arara, rua.da Imiiera-
[ triz 11. 50.
As laaziulias da Arara a 210 rs. o covado.
j Vendem-se lazinhas para vestidos a 240, 320,
400, 500 e 560 rs, o rovado, dilas muilo linas de
cores, lisas, de ly'rio, de rosa, azul e encarnada
a 600 rs. o corado ; na rua da Imperatriz n. 56,
loja da Arara.
A Arara vende chilas a 210 rs.
Vendem-se chitas para vestidos de cores fixas a
240e280o covado, ditas francezas a 320, 360 e
400 rs., cassas de cor a 280 e 320 o covado.organ-
| dys a 320, 280 o covado : na loja da Arara, rua
da Imperatriz n. 36.
A Arara vende cortes de 15a a Maria'Pia.
Vende-se cortes de la com barra a 85, ditos
; linos a Maria Pa por 185000, lazinhas a Mara
; Pa a 460 e 800 rs. o cuvado : na rua da Iropera-
triz u. 36. loja da Arara.
A Arara vende madapoln a (iooOO. 7,-j, 8>,
I0 e 12,5.
Vende-se madapolo fino de 24 jardas, n. 60 a
?5500, dito n. 7 a 75, dito n. 2, 85,dim de mar
ca dlias cruzes a !l, dito S a 105, dilo 11 H a 115-
dito B b a 1Z, todos estes madapuloes sao muito
linos ; algodao a 55 e 65, dito carne de varea a
165300, dito mesticoa 75, dito sicupira a 5.dito de
diversa qualidade 85500, dito pao ferro 95 a pera
de 20 jardas, todos estes algodoes sao de boa j lidade : na rua da Imperatriz n. 06, luja da Arara
de Mendes Guimares.
A Arara veude brim trancado de linbo a 1,-joO.
Vende-se brim trancado de linho branco para,
calcas a 15200 15400 e 15600 a vara, dito pardo
de liuho a 640, 720, 800 e 15120 ; bretanha de
linho a 640 e 800 rs. a vara ; ganga para calcas e
brim de cores a 5o0 e 480 o covado, cortes de ca-
semira prea para calca a 35500 e 45, dilas finas
e de cores a 55, 35500 e 75 o corle : na rua da
'- I Imperatriz n. 56, loja da Arara.
As percala da Arara a 500, 560 e COO rs.
VenJe-se tinas chitas percalas a 500, 560 e uOO-
rs. o covado, pecas de cambraia finas a 35. 35500
45500 e 55000 a peca, ditas para cortinados com
20 varas a 95 : na loja da Arara, rua da Impera-
triz n. 56.
O pro|iretario da loja e armazem da Arara ie-
commenda toda a attenco aos Srs. frepuezes que
mandem ver as amostras de todas as fazendas que
annuncia, prometiendo vende-las barata, pois que
a Arara teima, nao vende, queima.
.-----
ge pelo preco mais. razoavel. V
i_>_2_ >__?_* _e _,,_f, _yr____ ___
mmmmmm mtJmX zKmzmfmM
Fum imperial
Cortado igual ao francez muito proprio para ca- \ .
chimbo, em latas de 1 libra, ojiando nao seja me-1 f,?-.
Ihor igual ao americano p<.r iJiflOrs., para veri- .._. .... ,.*..- .k-/_ a
Arar a verdade os Srs. fumantes podem-se dirigir l"lt% ^ de '" ^HS a!*00. 6 ^'
a fabrfra i vapor de cigarros anl.garta dos ur- "&* W5,rs-1frMl'""se ^^ M rMW'
teis de Polica n. 21. reitans. 9 einq.
Trio, volantes e aloes.
Vende-se trina, volantes e galdes de todas ae-
Toda es_ Enfennldado prompta e effic.s i largura* or precos muito barato: s no vigilants
mente cedem benfica, poderosa e rua do Crespo n. 7.
Venca de predios
msiPHiRiJi m BBisim.
fm particular ou em lcilio.
Vendem-se duas propnedades de casas conti-
venda as boticas de Caors & BarDOZa, pas, de dous andares e soto, com grandes arma-
roa da Crufc, e JolO da C. Bravo 4 C, rn! *,,|(5 orenpados actualmente peloSr. Feliciano Jos
A* Madrp An !W Gomes, para o trafico de assucar, tos na rua de
1 AypUo ns. 34 e 36, edificados pelo actual preirie-
___.
Cvlindl'OS pai_ padaria. i Ven lem-s^ sacros grandes com milito bom
Na padaria da rua Direita n. 4 ha para vender milho ** nit.. rrnprio nararetalharnarihen
os conhe-idos e acreditado* eylindros para pada- '
ria, ltimamente chegados d America,
ra
nhada alfandega-.
-Vende-se cal de Lisboa mult" superior e a FerfOS para _Hvi8.
mats'niira qneha nomer_d'j Vj.trapiche do Cu-
nha, rua da Moeda n. .
Na roa larga do Rotarlo n. 24, loja de jolas, veo-
dem-se twtos os ferros e utatnilios de ourives.
tario, eom ptimos aiieerces. *nperiores madeiras,
e acabadas em 1861, tendo ambos 52 palmos li-
vres de paredes, de largura, e os altos do de n.
34, e o primeiro andar do de n. 36 2.1S palmos de
eomprimento, o segundo andar do de n. 36 lera se-
ment 120 palmos de eomprimento, com umfter-
rico,e os armazeas .fcm 340 palmos de eompri-
mento cada um. ^njlo arabos tambero frente para
a ru* do caes de Apollo, e o de n. 36 tambem para
a travessa do anligo iiorto das caneas : ns preten-
.dentes estes valiosos jiredios queiram dingir-so
ao sen proprietario Antonio Riifelho Pinto de Idos-
quila na rua da Cadeia do Ikcife n. 64, segundo
andar, ou ao agent Oliveira na mesma rua n. 62



Uiaro.d*rcra*anbtteo.-.-- fteguada eira 4c Agosto de 184.
mm
z. 3
]J
CL4RIM
ti i m
CIAL
K-. m
RA DO QUEOIAHO M. 43,
Pausando o beccp da Congregado segunda casa.



mmi i





jl t C-/ ^ x MJ ^L JLM JOj .
Pereira Rocha 4 C. acabam de abrir na ra do Queimado n. 45 um armazem de molhados denominado Claiim Commercial,
onde o respeilavel publico encontrar sempre um completo sortimento dos melhores gneros que vem ao nosso mercado, os quaes
aero vendidos por procos muito resumidos como o respeitavel publico ver pela tabella abaixo mencionada ; garante-se obom peso
e boa qualidade dos gneros comprados neste armazem.
Arroz do Maranhao, da India e Java a 60, 80 Cevadinha de Franca muito superior a 220, Peras seccas muito novas a 600 re. a libra-
e 100 rs. a libra e 1800 a 260D e H rs. a libra.
a arroba. CeVada a 80 rs. a libra.
*.meixas frncezas em latas e em frascos a Ervilhas portuguezas a 640 rs. a lata.
1,5200 e 1(5600 e miras eos grandes a, dem* seccas muito novas a 200 rs. a libra.
2A5Q0 Figos de comadre e do Douro em caixinhas
dem em' caixinhas elegantemente enfeitadas; de oito libras e canastrinhas de 1 arroba a
com ricas estampas no interior das caixas; 1#800, #500 e 280 rs. a bbra.
a 125000,1)5400, 14600 e 2*. Farinha do Maranhao a 160 re. a libra.
Amendoas com casca muito novas a 280 rs.; Farinha de trigo a 120 rs. a libra.
a |Dra Genebra de Hollanda verdadeira marca VD
Alpiste a 160 rs. a libra e a 4,5600 a arroba. I a 560 rs. o frasco e 64200 a frasqueira.
Azeite doce francez muito fino em garrafas dem em garrames de 3 e 5 gales a 5,55
grandes a 960 rs. a garrafa.
e 7,5500 cada um com o garrafo.
Graixa a 100 rs. a lata e 1*100 rs. a duzia.
Licores muito finos a 700 re. a garrafa,
dem, qualidade especial e garrafas muito
grandes, a 1,5800 rs. a garrafa,
dem garrafas mais pequeas a 800 rs.
dem, garrafa forma de pera e rolha de vi-
dro, a 1000 rs., s a garrafa vale o di-
nheiro.
Manteiga ingleza perfeitamente flor, desem-
barcada de pouco a 900 rs. a libra, e da
de segunda qualidade a 800 re.
dem franceza muito nova a 640 rs. a fibra,
dem de tempero a 400 rs.
Massa de tomates em barril a 480 rs. a libra.
dem em lata a 640 rs.
Marmelada imperial dos melhores conservei-
ros de Lisboa a 60<* rs. a lata,
'que vem aVmercado, a.500 rs. a garrafa I Marrasquinho de Zara, frascos grandes, a
e 53800 a duzia. I 800 rs.
Cognac inglez fino a 900 rs. a garrafa. i dem regular a 500 rs.
Conservas a 720 rs. o frasco. Massas finas para sopa : estrellinha, pevide,
dem, s de pepino, a 720 rs. rodmhas e letranhas a 600 rs. a libra e a
dem, s de azeitonas, a 750 rs. 4# a calucha com 12 libras.
Charutos dos melhores fabricantes da Bahia Nozes muito novas a 160 rs. a libra,
e especialmente da fabrica imperial de Peixe em latas preparado pela primeira arte
Candido Ferreira Jorge da Costa, a 13800, | de cozinha a 13 rs. a laia.
23000, 23200, 23500, 23800, 33000 e Palitos de dentes a 160 rs. o masso.
33500 a caixa. Palitos de dentes a 120 re.
Caf do Rio muito superior a 280 e 320 dem de flor a 200 rs.
rs. a libra e 83500 e 83800 rs. a arroba. Amendoas confeitadas a 900 rs. a libra.
Cartes de bolinhos franceses muito novos e Dore de goiaba em latas o melhor possivel a
muito bem enfeitados a 700 e 600 rs. | 23 e em estafo a 64o rs.
Chouricas e paios muito novos a 800 rs. a Palitos do gaz a 23200 rs. a grosa.
libra. i Passas muito novas a 480 rs. a libra.
dem de Lisboa a 640 rs. a garrafa.
Ararute verdadeira de matarana a 320 re. a
libra.
Avelas muito grandes e novas a 180 re. a
libra.
Biscoutos inglezes de diversas marcas a
13300 ris.
Bolachinhas de soda, latas grandes, a 23 rs.
a lata.
Ditas inglezas muito novas a 33000 a barri-
quinha e a 200 rs. a libra.
Banha de porcor efinada a 440 rs. a libra e
eembarrila 4(.0 rs.
Cha hvsson, huchin e perola a 13600, ,
23500, 23801 e 33000 a libra,
dem preto muito superior a 23000 a libra.
Cerveja preta e branca, das melhores marcas I
Painco a 200 re. a libra.
Polvo secco muito novo a 400 rs. a libra.
Presuntos de Lamego em calda de azeite e
muito novo a 640rs.
Queijos flamengos do ultimo vapor a 23800
dem prato.
dem londrino chegado no ultimo vapor b
900 rs. a libra.
Sal refinado em frascas de virtro a;600rs
cada um.
Sardinhas de Nantes a 360 rs.
Sag muilo alvo e novo a 260 rs. a libra.
Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tijolos de 1 impar facas a 140 rs.
! Vellas de carnauba pura a 360 re. a libra,
dem stearinas muito superiores a 600 re. a
libra.
Figos em caixinhas ermeticamente lacradas
a 13600.
Vinho do Porto engarrafado o melhor que
ha neste genero e de varias marcas, como
sejam: Velho de 1815, Duque do Porto,
Madeira, D. Pedro, D. Luiz I, Mara Pia,
Bocage, Chamisso e outros a 800, 900 e
13000 a garrafa, e em caixa com urna du-
zia a 93000 e103000.
dem em pipa, Porto, Lisboa e Figueira a
480, 500 e 560 rs. a garrafa e 33, 30500
e 43 a caada,
dem branco de Lisboa muito fino a 500 re.
a garrafa,
dem de Bordeaux, Medoc e S. Julien a 700
e 800 rs. a garrafa, e 73000 e 73500 rs.
a duzia.
dem Morgaux eChateauluminide 1854, a 13
a garrafa,
dem moscatel a 800 rs. a garrafa.
Vinagre de Lisboa a 200 rs, a garrafa e
13200 rs. a caada.
Kirsk garrafas muito grandes a 13800 rs.
Alm dos gneros cima mencionados te-
mos grande porcao de outros que rimamos
de mencionar, e que ludo ser vendido por
pecas e carnadas, tanto em porces como
retalho.
Quem comprar de 1003000 para cima te-
r o abate de 5 por cento.
O
SENTIDO!
\*
.

^KTl
VMJEAIXAR
Ra do Livraiiiento N. 38
(Defronte da grade da Igreja)
CRV\1VE


iM
O Vigilante est alerta, nJo Ibe era permettido
deuar passar desapercebido sem que nao dsse o
seu cauto alim de annnnciar'a* respeitavel publico
o grande sortimento de galanlarias do melhor gosio
propnamente para qalquer minio, que acabale
ehegar neste ultimo' fMtqbtefe, assim como mnitos
outros objectos que recebe jwr diversos navios,
lauto de suacontt como de conslgriacao, que est
resolvido a vender por precos muito baratos para
ven a .muit0 e ganhar poco, e dar extracco ao
grande deposito que tem, que espera merecer a
proteegao do respeitavel publico, empregando para
isso todas e as melhores diligencias para que li-
quen) satisfeitos: isto s no Gallo Vigilante, ra
do Crespo n. 7.
Rifas porta-jnias.
Cofre de muito go.sto por 16000
Ccstiuhs transparentes, forradas de madre-
perola por 18*000
Lindas jardineiras 105000
Ricos cofres com camapheu 10*000
Lindas caixinhas com pedras brancas 10*000
Lindo balo com calunga dentro tambem
para joias 16*000
Tambalier para ditas 9*000
Cestinbas idem idem 6*000
Cosmorama idem idem 6*000
Urnazinha e*000
S no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Ricos porta-bouquetes de diversos gostos e pre-
cos : s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Reos siatos
com bolcinhas ao lado a 10, 12 e lo*, ditos sem
bolea, porm do mesmo gosto, a 2*300, 3*, 3*500
e 4*, ricas velas avulsas para sintos, o melhor
que se pode encontrar, a 1*500, 2*, 2*300 e 3* :
s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Cabazes on cestinbas.
At que chegaram as desejadas cestinhas ou ca-
bazes para as meninas trazerem no braco, o mais
rico possivel, a 2*500, 3*500, 4, 3, 7 e 10* : s
no Vigilante, rna do Crespo n, 7.
Pentes.
Neste artigo tem um grande sortimento, tanto
para alisar como para atar cabello, o mais lindo
que se pode desejar, assim como de arregacar ca-
bello, tanto de borracha como de tartaruga, com
enfeite e sem elle para meninas : s no Vigilante,
ra do Crespo n. 7.
Pentes
Tambem chegaram os riquissimos pentes dejAlpista a 16o rs. a
concha de tartaruga e de massa fina, que se vende
por 2*, 3 e 3* : s no Vigilante, ra do Crespo
numero 7.
Leques.
Riquissimos leques de madreperola, tanto para
senhora como para mocinhas, pelo barato preco de
12 e 14* : s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Mis leques.
Com pequeo defeito, leques de sndalo, por ba-
rato prego, a 8* e 10*, chinezes, muito bonitos,
lambem por barato preco de 4 e o*, bentaraltas
muito bonitas tambem por barato preco de 4 e 3*,
leques de charo tambem por i*, tudo isto para
VER1IADE1KO E PRINCIPAL
Ordem do dia.
Est em discussao a tabella dos precos que o BALIZA em a honra de offere-
cer ao respeitavel publico tanto da cidade cono do centro.
Se por esta publicacaa qualqner um dos nobrvs collegas entender Decenario
fazer alguma alteracao em seus anuuncios, digne-sg mandar a sua emenda para o jornal,
que o incansavel Baliza nao lhepor peias nem o embaraeara" de forma alguma a benefi-
ciar o povo.
Amigo de vender barato o Baliza nao expe a venda seno os gneros bons.
Elle sejulga no caso de vender to mdicamente como oulro nao o exceder
-
Soldado soprador toma o elarim
E firme como a rocha fica assim

Nao toques nesse pessimo instrumento
Do Bausa olha s o movimento.
E t que dos mitrados fens as corda*
De tudo vendedor de propria conf a
Xo pasmes rendo como sobrancelro
Do regresso o Balisa a ira affronta.
O grande depesiio que temos de vinho nos obliga a abarcar seus precos,
achando-sc vista dos compradores cerca de 3a a 40 pipas desle genero, entre pipas,
barra e ancoretas.
Amendoas confeitadas em lindos frascos a 8oo, Lingoas americanas muito novase muito gran-
rs. a libra
dem com casca a 32o rs. a libra.
Ameixas Irancezas em caixinhas e
1,2oo, 1,5oo e 2,00fl rs.
ihra e i,6oo a arroba.
, des a l.ooo rs. cada urna.
i Linguicas promptasem latas a 1,3oo cada lata.
frascos a Manteiga ingleza flor a 8oo rs. a libra nesle
genero ha mais de 10 bai'is abertos afim de
serem satifeitos os compradores.
Arroz do Maranhao, Java e do Penedo a 8o, dem menos superior a io rs.
loo e lio rs. a libra, em arroba a2,ooo,| Manteiga ingle/a a 5oo, 4oo e 32o rs. ahbia-
2,8oo e 3,2oo. Idem franceza a 56o, 6oo e 64o rs. e em bar-
Azeite doce relinado a 8oo c loo rs. a gar-, ril por menos.
rafa. Massa de tomate a 64o rs. a libra,
dem idem em barril a 64o rs. a garrafa e Marmelada dos melhores fabricantes a t4o
4,8oors. a caada. rs. a libra.
Ancoras com vinho do Porlo, encommenda Mullios inglezes a iooe Go rs. agarrafinha.
feita pelo proprielario do Baliza a 3o,ooo Hostarda preparada a 4oo e 64o rs. u frasco,
rs. a ancora com 7o garrafas. Massas para sopa a 4oo rs. a libra das de ta-
Ancoreta americana com seis garrafas de [ Iharini, aletria e macarrao.
Grande liguidacao I s am*TSS7!S. ""* *
Ra da lmperatriz i. ttO. Vendem-se os mais lindos souteinbarques que
loia Acha-se este esubelecimento compieumcniesor- i ros pelo baratsimo preco de 12* cada
lido de fazendas inglezas, frncezas, aJlemaes e
suissas, proprias tanto para a praca como para o
mato, prometiendo vender-se mais barato do que
em outra qualquer parle principalmente sendo em
porcao e de todas as fazendas do-se as amostras
deixando ficar penhor ou mandam-se levar em ca-
sa pelos caiseiros da loja do Pavao.
As chitas do Pavo.
Vendem-se chilas ioitlezas claras e escuras pelo
barato preco de 2*0, 2fiO e 280 rs o covado, tintas
seguras; ditas frncezas de cores seguras 310,
:JiO, JO, 400, iiO, 480 e oOO rs. o covado, azeoda
muito superior e bonitos padroes : s na loja do
Pavao.
As lazinhas da exposico do PavSo.
Vendem-se as Iazinhas as mais modernas que
tem vindo ao mercado, propflas para vestidos e
soutemuarqnes por serem lisas c de cores muito
delicadas 600-600 rs. : ditas lisas com um lus-
tre que parece seda 640 rs. o covado, ditas ma-
tizadas 320, 400 e oOO rs. o covado, ditas com
quadrinhos de soda 500 rs. o covado. s para
acabar : na loja e armazem do Pavo de Gama \
Silva, ra da Imperairiz n. 60.
Os vestidos do Pavo
Vendem-se os mais modernos cortes de vestido
de la, qua vieram pelo ultimo vapor, com ricas
barras de cor, corpinho e collete separado; ditos
com lisias de seda e tambem com barras e eufeites
para o corno, por preco mais barato do que em ou-
tra qualquer parte, e se qoizerera urna prova do
que se diz, mandem ver loja e armazem do Pa-
vo, rna da Iinperalriz, n. 60, de Gama A Silva.
Os vestidos Mara Pia, S o Pavio (8,000 rs.)
Vcndem-se os mais lindos ve.-tidos Mana Pia
de lazinha transparente com li-ias, e palininhas
de seda pero barato preco de 80OO cada corte :
s na loja do Pavao ra' da lmperatriz n. 60, d*
Gama Silva.
A cassas do Pavo a 210, 280,306 320 e 3fi0 rs.
S o Pavao vende as linissims cassas persianas
mitscao de laa, com cores (xas, a 360 rs. o co-
vado | ditas frncezas muito finas a 240, 280,300
e 320 rs. o covado, isto para acabar : ra da lm-
peratriz, loja de Gama & Silva.
As percalas do Pavo.
As mais lindas percalas que tem vindo ao mer-
cado pelo ultimo vapor tem na loja do Pavao pelo
barato preco de 600 rs. o covado; ditas de listi-
nhas muito miudinhas proprias para vestidos e
roundes de senhoras, meninos e meninas, peto ba-
ratsimo prego de 500 rs. o covado, garantem-se
as cores por serem do melhor fabricante que as
tem em Paris : i.-to na loja do Pavo ra da lm-
peratriz d. 60, de Gama & Silva.
Bramante de llnho do Pava a
9.VOO. -400. e' OOO
Vende-se o melhor bramante de linho puro com
dez palmos de larcura por prec,s muilo commodn.
de musambique pelo diminuto prego de 9& s na
loja do Pavo, mas que nao se enganem : a ra
da lmperatriz u. 60 : de Gama 4 Silva.
5' s o Pavo ( *500).
Quem tem baloes por tal preco 1
Vendem-se os balos americanos muito superio-
res com 20 e 2o arcos pelo baraiissimo preco de
2;j' arcos com fitas
muilo bem armados, e lambem tem cor escura pe-
lo barato preco de 3->>00 e 44 cada um : s na to-
la do Pavo, roa da lmpuratri/., n 60, de Gama &
Silva.
0 Pavo vende para luto.
Vende-se superior selim da China fazenda toda
le la sem lastre leudo 6 palmos de largura pro- ,
uno liara vestidos, rapas, paletols, clcasete, pelo "%5^v,
bratissimo hre,;ode 2*.2*300, 2*500, e 3*0 0, fallasalcochoadas propnas para maos
vado, cassas pretas isas, chitas pretas largase aa.z'a- ,_. ,ll5,
estrenas, manguilos, colarlnhos, punhos c iufeiies g" d"-laa com
ludo preto tuoprio para lulo fechado emuitos ou- ? .... ,.JS. .....,.
irWartojesqoi.se venden, por precos mais em con-1 PWS dt P'aihas de algodao com
em ontra qualquer parle por oslar liqui-
na loja do Pavao : ra da lmperatriz
No armazem de fazendas ba-
ratas de Sanios Celho ra
do Queimad n. 11)
Vende-se o seguiul:
ATTEN9A0.
Ricas lazinhas para vestido, fazenda a melhor'
que tem vindo ao mercado, tanto em gosto como
em qualidade pelo baratsimo preco de 360 rs.
o covado.
Lazinhas miudinhas carmezins proprias para
vestidos de meninas e camisinhas a 640 rs. o co-
vado.
Cortes de la com lo ovados pelo barato preco
de 65.
Cobertas de chita da India a 2o'00 e 3*
Lenges de panno de linho a 2* e 25500. j
Pecas de cambraia de forro com 8 I i varas a
aoja
barra a Mara Pia a
O v
-
la do que
dando, .- na
n. 60, de Gama & Silva.
Os mailapolocs do Pavo.
Vende-se peca de madapoln infestado com 12
jardas cada peca pelo barato prego de 4*, 4*500e
55, cada pega,'fazenda muilo superior, s o Pavo
a ra da lmperatriz n. 60, noiamlo que a pega leva
urna diquela como Pavo pintado para nao haver
duvida uent' engaos, isto previue o Pavo, de
Gama & Sil#a.
As chitas do Pavo SK-lOO e
1(800 o corte.
Vendem-se cortos de chita com dez covados a
25400, ditos a25800 com doze covados sao chitas in-
glezas, mas padroes bonitos e tintas seguras assim
tem as melhores chitas frncezas e de tintas segu-
ras por pregos cmodos a saber 320, 340,360,400,
440, 50Q, ris o covado : na loja do Pavo a ra
da lmperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Os bordados do Pavo.
Vendem-se camisinhas com manguitos egolinhas I "
bordadas pelo barato prego de 15 e 15280 cada \ "* g
um, mangniloss a 500 ris cada par, ditos comgo-17> ^
linha a 800 ris.goliuhas a 408 e 480 rs., de fu a
246 ris cada golinha bordada, romeira de rassa
e de fil muito bem bordadas a 2* cada urna, man-
guitos que servem para calcinha de meninas a
640 ris cada par, camisa com manguitos e golas
rom a competente grvala de seda, fazenda fina
pelo barato prego de 3* e mollas oulras bordadas
quo se vendein por prego muilo em conta : s na
loja do Pavo a ra da mperatriz n. 60 de Gama &
Silva
As roupis de Pavo.
Vende-se panno preto fino muito superior pele
barato prego de 2*. 2*500,3*, 3*506 e 4, dito
muilo fino a o* e 6* o covado, casimira preta de
de .
proprias para saia a 45-
Algodo enfestado com 7 1)2 palmos
a 15100 a vara.
Esleir da India propria para forro de sala d<
4, 0 e 6 palmos de largura por menos prego d<
que em outra qualquer parte.
N'este armazem tambem se encontrar um gran
de sortimento de ronpas feitas e por medida.
, acabar, perdendo-se taivez 80 0|0 : s no Vigllan-
| te, ra do Crespo n. 7.
Medras.
Lindas pulseiras de contas e de missanga, cores
muio'lindas e de muito gosto a 15 e 15200.
Para segurar manguitos.
i Tambem chegaram as liguinhas estrellinhas de
borracha que as seuhoras tanto precisan) para se-
gurar os manguitos por ser muito commodo e mui-
to barato, a 320 o par: s no Vigilante, ra do
Crespo n. 7.
Canelas.
Riquissimas carretas de madreperola proprias
para qualquer presente, pelo baratsimo preco de
15o00e2*. v
YoMiuhas.
Lindas voltinhas de perolas falsas com cruzinhas
fingindo brilhantes, assim como cruzinhas avulsas
e voltinhas, pelo barato preco de 15 e 15200, as
cruzes avulsas a 400 rs. : s no Vigilante, ra do
Crespo n. 7.
Sapatinhos emeias de seda.
Riquissimos sapatinhos de seda e de merino en-
feitados, assim como meiaszinhas de seda, gorra-
zinhas e touquinhas para as crianrinhas se bapti-
sarem : s no Vigilante, rna do Crespo n. 7.
Gol i II lias.
Riquissimas goiinhas e manguitos, o melhor gos
vinho
Figueira
a 3,ooo rs. dem finas estrellinha o pevide a 3,ooo rs. a
Bolaxinhas de Lisboa, ingleza e americanas caixa.
em latas a 1.4oo, l,5oo, .ooo e 3,ooo rs. Milho niindo para passaros a 16o rs. a libra
e americanas em barricas a 3,ooo rs. a e 4,800 a arroba.
barrica.
Boioes com 10 garrafas de azeite doce de
Lisboa a 8,8oe rs.
Banha de porcoa oors. a libra e em barril,
a 36o rs.'
Btalas em gigos a l,5ooo gigo.
Cha perola a 3,ooo rs. a libra,
dem nxim a 2,6oo e 2,8oo a libra,
dem liysson a 2,ooo, 2,4oo e 2,8oo. a libra,
dem do Bio a 1,60o rs. a libra.
Idem preto a l.Soo e 2,ooo rs. a libra.
Charutos dos melhores fabricantes da Babia
e Bio de Janeiro a 800 rs. e 1,000,2,ooo,
2,4oo, 3,ooo, 3,ooo, l,3oo e .ooo r$. o
cento.
Chocolate dos melhores fabricantes Je Paris,
Allemanha, Hainburgo c Lisboa
Copos lapidados para vinho a 2,8oo adozia.
jldem idem para agua a 0,000, ,,ooe 0,000
rs. a duzia
, j to possivel, a 25, 25500
de Jargnra rarSTcrespon. lT
e 3*: s no Vigilante,: Cerveja das melhores marcas a 4,oo, 0,000 ,
( rru 1 ft n n '-< mO o ai ~
2 o
en
CUS
3
9
3
3) -ji
= 063
3 sis s
o S
- K. Q. Q, B _
a; a STaTO.3
i W S m_US A w K fi ii>9

re
o
ai
g.*
o
ce
< o cr? 3 3
B -
a. o e
g 6 S.o 2.


69*2
g
3
Enfrites para senhora.
Riquissimos enfeites com lago e sem laco e de
outros muilos gustos a 15, 15300 e 35 : so no Vi-
gialnle, ra do Crespo n. 7.
Trancelins.
Lindos trancelins de cabello para refugio ou lu-
netas, pelo baratissirao prego de 1*500,' ditos de
retroz a 200 rs.
laliadi 11 los enlremeios.
e t>,ooo rs. a duzia.
Travo canella e cominhos,
Ceblas em molhos resteas e soltas.
Conservas inglezas a 800, 9oo e 1,00o rs. o
frasco.
t Diltas Irancezas a ouo o tio rs. o frasco.
Cognac inglez e francez a l,ooo rs. a" garrafa.
Caf de 1.', 2.a e 3 aqualidade a 8000 9,ooo
e 9,000 rs.
M
i M1 -
o o
m
o .OT
OJO
o _S-
- ="d-?m;
3,0.5,6 z a ^
- S 0-ST3 _o-S^
O o w
o S
_ n
T3 CD
s -
Riquissimos b.ihadinhos enlremeios cora lindos I Cevadinha de FraDCa a 2io rs. a libra.
8-2.
5*11
2B3
g
a:
I g
-o J o
J V .2" S
i
%
t I
.__ u i> 71
a?
B
09
ra do Crespo n. 7.
O sea minas.
Grande sortimento de cascarrilhas de diversas
larguras, assim como galozinho e trancinhas pro-
; prias para enfeites : s no Vigilante, rna do Cres-
po n. 7.
Fitas.
Grande sortimento de fitas de diversas larguras j
! e qualidade, por pregos que admirara aos compra-
I dores, ha vendo fitas largas proprias para sinteiros ]
que se pode vender a 300 rs. a vara, e pega de .1:
si
i
I
.
:

Doces da casca da goiaba em latas preparadas
com muito aceio, propria para memoziar
algum amigo na Europa, por ser inaltera-
vel por mais de um anno, a 3,ooo rs. a lata
com 7 libras.
Diltos em caixes a 56o, 64o, 800 e l,ooo
rs. o caixo.
Ervilhas portuguezas em latas com I V- '*
bras por 7oo rs.
varas a 25 : s no Vigilante, ra do Crespo n. 7. ,)]em frdnoezas em 1^3 a oOO rs.
R.asdeladetSsqnalidSs, proprias para |Mem.iecct 200 rs. a libra,
debrum de v*>tdo a 700 rs a pega: s 00 Vigi- Espermaceleamericano primeira qualidade a
lant.!, roa do Crespo o". 7. 1.2oo rs. a libra.
Ricos espelhos, dem francez a 36o rs. a libra, c em caixas
Riquissimos espelhos com moldura doarada e a 52o rs
sem ella de 8*, 10,12 e 14*, assim _como con co- Farin,m j-araruta verdadeiraa 18o rs. a hbra.
por temeacaenra-fwwn, a nra per-MBOO, *400 me-se-terrora e mtifa au 1*800,^5, e
e 25600, t OYarto :..a ft da haperatrt n.OO'de
Gama Sih'a. J JJ J M
Paun* le linho do Pavo.
Vende-se panno de Imito rom 4 palmos de lar-
gura iroprio para lenraes e toalhas de uio pelo
baratfesimo prego de 640, 720, e 800 ris, a vara,
algodlozinho rom oito palmos de largura proprio
para lences peto bsrtrtiwimo ptveo de 1* a vara,
assim cuino lem o melhor algod zinho tanto em
largura como em curpo, proprio para lenge?, ca-
misas de escrai3 etc., etc. prego muilo cmmodo
a vista da"fazenda s o Pavao : a ra da lmpera-
triz n. 60 de tama & Silva.
AlgoiaeaelN ram to^ne > wri a 1,000
3MOOo covado. cortes de casimira de cores a55
:*iJU0 e 65, casimiras i-ufe.-tadas de urna s cor
pr'torias paca caigas, paletols, coletes. capas e para]
riipas de meninos > 3* 35500 o covado, isto : na
loja do Pavo a ra da lmperatriz D. 60, de Gama
* Silva.
Atoalliado do Pavo.
Vende se panno a tinho adamascado proprio pa '
f
Empreza da illuminacao

e 1,800
Vende-** |mi de a*udoinho ^er ter um pe-
queo tenle de* avaria mas i|U est em bom esta-
do peto barato niveo de 4* o 4*800 a [vea s o
Pavo : a roa da lmperatriz n. 60 de Gama &
Silva.;
Os ynardanai>es eomomiees Pavae t s do
Pav% "';"
Vendem-se os mais lindse modernos gaardaaa-
pos econmicos e todo linho, tanto para caa de
farai 14 como para hoieis, bon-qoius etc., etc., pelo
baratsimo pregu de 3* a duzia,oto s no Pavao :
a ra da imperatra -dJO, Gem*^lv.
. iumnas de diflerents tamanbos a 2*, 3, 4, 5 e 6*:
s no Vigilante.roa do Crespo n. 7.
Lindos jarros e figuras.
.Btqursslnfos jarros e figuras de porcelana fina
; para enfeite de sala, sendo o melhor gosto que aqui
tem apparecido : s no Vigilante.
Para pos de arroz.
Riquissimos vaso com boneca para pos de ar-
roz, cousa de muito gosto a 15500 e 2*, assim co-
mo pacotcs s com os pos a 320 rs. cada um : s
no Vig lante, jua do Crespo n. 7.
Perfumarlas.
Grande sortimento de extractos e banhas, poma
gaz.
Todas as vendas de apparelhos e rerlamagoes
(por eseripto dando o nome, morada, data, etc.),
ra toalhas de mesa, pelo diminuto prego de 2550GL devem ser feitas no armazem da ra do Imperador > ,
rs. a vara, guardanapos de linho a 55 rs. a duzia, n. 31. Os machinisUs mandados para atlender a i f-as;.a*sini ^i"10 lmdos "*? ^u H"? f"
toalhas d. mo a 6* rs. cada duzia, na loja do Pa-j estas, apresenlarao om livro que os reclamantes I }{,B^*0os e recimentos as sinhaanbas, dos me-
.a, roa da lmperatriz o. 60, de Gama A Silva, devero assignar logo dejwis de prompto o servigo! zr* ma,s afamadus atores de Pan-S eu Ingla-
-^--------rr-r~.-------------------r-'-------------- reclamado ; isto para que a empreza flque sciente lerra' Sf como os grandes copos de banha japo-
Halais para nieninafc 'de haverem os meamos seahofes sido devidam^-1 nZi i ''* ? a 1* ? a?s.m como outros ob|ectos que
Lindos btalos de varios gostos para menina te attendidos.__________________________
so se enema na loja do Bei-j Hta da SeOVaJU B. 42.
trazerem no brago
ja-flor, roa do Qoeinud os. 63 e 69.
fcxtnnt* e sabe era c ixishas* ****** "2 & s- P-Jp^tonA C,
Lindas caixinhas coro om ca'rfeo com a famiUa3 >luns 'hoes mglezes, candieiTOS 6 castl
imperial, o dentro de cada raixa um Irasco ou sa- caes bronzeados, lonas ingieras, fio devela,
bao o mais ime que posivei: na luja do Beija-- chicotes para carrOB e montara, arreios para
Por, na do Qnwmao ns.03 e 9. | g^^ de am e fom cavaOS. 6 relogios de
Veode-se o' sitio ila travessa do Remedios! onro patente inelez.
frcguezia do Afugados, n. 21 : quero- o pretender} ----------------------u l _m ..


pnumda-ae com o se WwfMnfto Caetano Pirtol Charutos d llavaiaa.
de Veras, na roa de S. Francisco, obrado n. fOj Vende-se saperiores charutos da Ha vana em ca-
wwwtjafffi Tt para tmm lieiflr."1 """"^**M" seda Rabe Scbmittau & C.: roa da Cadeia o. 18.
nao poesive| por t^fa anmlociar, e a vista dos
fregiieafs se far todo negocio : a loja do Gallo
Vigilante, ra do Crespo n. 7. .
Izrinha de mandioca soperior
em saceos grandes : vende Antonio Luiz de Olivei-
ra Azevedo & C, no seo escriptorio roa da Cruz
numero 1. ill'Btm ^ Ktmm*
A ti en cao.
Vendom-M- tenas e tijolos pelos precos que offe-
Farinha de tripo a 12o, 14o e 16o rs a libra.
Farinha de milho a 160 rs. a libra.
Figos em caixinhas e em latas iinrianmento
enfeitadas a 8oo e l,5oocada um.
Fumo americano em latas para cigarros a
l,8oo rs.
Hem em pacotes a 2oo rs.
dem em pasta a l,2oo rs. a libra.
Genebra lo laranja a l.ooo rs. o.frasco;
dem ingleza marca Gato a I ,ooo rs. agarrafa,
dem de Hollanda a 64o e l,6oors. o frasco
pequeo egrande. ,
dem de Haro(urgn*a 36o rs. o Irasco e 6,ooo
ra. a frasqueira.
Graixa em latas a l,2oo r?. a duia.

Marrasquino de zai a do verdadeiro al,Sooo
frasco,
dem menos superior a 8oo e l,ooo rs. o-
frasco.
Nozes o 24o rs, a libra.
Prczunlo porliiguez de superior qualidade a
(iio rs. a lilia e inlciro por ioo rs.
IJcm ingle/, para fiambre a b4o rs. a libra,
nao agradando mesmo depois de preparado,
peder ser devolvido, que se trocar por
ouuo ou ser restituido seu importe.
Passas novas a 4oo rs. a libra.
Polvo :i 16o rs. a libra.
Painco a 16o rs. a libra.
Pomada a 24o rs a duzia.
Pimenta do reino a.30o rs. a libra.
Peras seccas a6in rs. a libra.
Peixe em latas a l.ooors. a lata.
Papel aimassoe de peso, de diversas qua-
lidades e precos deferentes.
Palitos do gaz a 2,too a groza.
dem para denles a 8o, 16o e 24o rs. o ilia-
co com vintc macinhos.
Gueijos flamengos a 2,rioo, do ultimo vapur.
dem prato a 64o rs. a libra.
dem londrino a 8oo rs. a libra.
Rap Meuron a l.ooo rs. a libra.
Saceos com milho murta" novo com 2o cuias
a 3,5oo e a 2oo rs. a cuia.
Sevadinha a 24o rs. a libra, ( nova).
Sag a 28o rs. a libra.
Sardinhas de Nantes a 6io, S6o e 36o rs. a
lata.
Sabio massa a 12o, 19o, 2oo e 2'io rs. a li-
bra,
e em cafooes por muito menos.
Sai refinada a 600 rs. o pnte de vidro.
Toucinho de Lisboa, de Santos c americana
a 16o, 24o c 32o rs. a libra, e em arroba
a .*i,ooo. 7.000 c 9,ooo rs.
Tijollo para limpar facas a 16o rs. cada una.
Vinho do Porto em cariadas a 3,ooo, 4.0000
- u.ooo'rs. e em ncoras com 7o.garrafas |o
3o,ooo rs.
dem de Lisboa sem confec<;ao, (de cncomen-
da) por io.ooo rs. o barril com 17 caa-
das.
dem de Lisboa mais baixo a 45,ooo rs.
dem em pipas a 3,ooo, 3,.'oo e 4,ooo rs. a
caada,
dem em barril.de Bordeaux com 13o gar-
rafas por io.000 rs.
dem idem de Bordeaux com 70 garrafas por
3o, 000
dem em caixas por 5,ooo rs. a caixa com 12
garrafas da melhor qualidade que vem ao
nosso mercado.
Vinho branco para missa de Lisboa e Porto
em pipa, barril e ancoras a 4,000 e 0.000
rs. ? caada.
Vinagre de Lislwa, Porlo, linio c branco ?
l,6oe 2,ooo rs. a caada
VIIOIAO '.111 11.vt f "W ... ;-------------- -,---------- ~ 7--------------------- --------_-.-...
Limonadas de diversas fructasa l.doo rs. a'dem era-ancoras por I6,ooon.
garrafa. Velas eslearlinas a 56o rs. o maco, e em cu.
Licores. inlezese francezes a l.ooo, l.ooo xas a 52o rs.
e 2,ooo rs. garrafas grandes c pequeas Vassouras americanas a 64o rs. nnw.
.
.
At que ehegon
om grande sortimento de Neo e renda prett de
novo modelo rhamado (grupo) o melhor que se
recerem os compradores, sendo dibhoi'ro vista : i pode desejar neste artigo ooe se vende muito ba-1
as otarlas de Jos Carnoiro a Cunha. ra ios rato : na loja do gallo vigilante roa da Crespo Yqpde-M na ra do On raado o. 3S, t( & &:
Prazares no? Coflbos. in. 7. ragoos de Azevedo & Irmao.
1 .!::
As verdadeiras brides de
Ipojca.


?
'
II F6TVF \
TT'




c frrwBkHf --- ftrgMnttti tetra ste Agosto t> l4
NEM COROAS NEM MITRAS
7 RA DO IMPJERADOR 57
DfcV
Pawto Ferre>ra da ffyfca rjj*. Campan Ha
V
Grande sortimeato de moluados em groajo e a relaloo. nico armazem que. mais
vantagens fferece ao publico.
Desenganein-se todos.

i o
j o
K O
K O
K O
Al llanca o verdadeiro homem do progressso
Alllan^a o verdadeiro e principal armazem de ruoltiados.
Alllaoea o armazem que rende mais barato.
Ufanea o armazem que \ ende os atibares generas.
Alllan^a o armazem cade preside o mellior aceio.
K%\m:
NOVA EXPSITO DE GNEROS
NO
A1MUXEM
%
DE


i I
PRINCIPAL

.


-




Fiquera todos sa)>edores desta rwdade,
Venham todos a ra do Imperador u. 57.
Venham ver os gneros que temos expostos a venda.
PARA AS FESTAS
ME
S. JOO E S. PEDRO.
Amendoas confeitadas de bonitas cor letn de Hrbllanda em garrafoes cora 24 gar-,
8oo rs. a libra. rafas a 7,2oo rs. com ogarrafao. da safra
I Ayelaa* a 2oo rs. a libra. zados a 2oo rs. a libra.
A'meixas francezas em eaxiahas com lindas Licores francezes de todas as qualidades a
estampas a i,2oo, l,4oo e l,6oo rs. cada 8o e l.ooo rs. as garrafas grandes.
tima. j Maoteiga ingleza perfeitaaiente flor a 8oo
dem em frasco de vidro com rolba do mes- e 96o rs. a libra.
mo ou de metal, a 1,200 e I.ioo rs. cada dem franceza nova j deste armo a 6oo rs.
um. a libra, e 58o rs. em barris nteiros.
dem em frasco grandes a 2,5oo rs. cada Marmelada especial dot melhores fabrican-
mi. j tes de Liaba a Goo e 64o rs. a libra, ha
ra no mr mi % non \. o
Junto aw sebradt em qae mura 0 Sr. Os borne,
a feeta de Santo Antonio, S. Jofto e 8. Pedro.

DE

WUlii % mgt

Dnarte Almeida tfc c, reeefreram de saa propria eoeomue
da o nial fiado e variado
da presente e taca o.
Mhnteiga ingleza
Y. 9 RA IIO CRESPO IV. O
Esquina qae volta para a roa do Imperador
t provavel que nao saja bem aceita a veriade, quando a boa f de todos anda
Iludida por esta epidemia de naazealions annuncios de cornetas, tambores, coras mi-
u tras; etc., que lodo o dia enebem as paginas deste jornal.
ALERTA


aortlmeato de molhadoa. proprlos
Magas brancas
da safra nova viada neste vapor de 21 de i para sopa a melhor que se pode desejar. assentarem fortunas a forca da regra de liga como outros WpnniSitniSr!?0 F
mo a 800 rs. a libra. macarro, talharim e aleiria a 400 rs. a rHiikkk: *
HintPiff fea n >*>* Mira o. AAMTn M, r A K 1 MAtlflIVS
Os annunciants nao tem em vista sendo garantirem ao respeitave! publico a
i palavra de honra, vendendo com o lucro suficiente para saas subsistencias eMo para
ilirri /\a I inri innii hiiIpaj o & .. .- n!.u<__a
naeteiga franceza libra e 4o00 a caixa. PARA TifrROS
noVa a 860 rs. aiibra, e em barril VinVn i ., ^armazem principal vndese a todos pelos pre?os marcados na seguinte u-
|_. .. V ma0. :bella mas "*> yende por todo o meo fazendo-se pasta de arroba bcsiuahola aaran-
Figuera J A A e outras limitas mareas acre- te-se as qualidades dos gneros trocando-se lodo atraolfe que nao ffl do airVi L
ditadas a 500 ts. a garrafa. : comprador. *v*& ao
Amendotfi !
confeitadas de lindissimas cores a 800 rs. a
libra.

dem em latas de I '/j e 3 libras a t,2oo e latas do differentes tamanhos.
2,ooo rs. jMassa de Rmate em latas de 1 libra a 56o
Arroz da India e Maranho o melhor que se, rs. cada urna,
pode desejar a loo e 12o rs a libra e dem para soda estrellinua, pevide rodinha
2,8oo a 3/too rs. a arroba. em caixinhas sortidasa3,ooo3,5oors. cada
Azeite doce de Lisboa a 6oo rs. a garrafa, e I urna e 5oo rs. a libra.
4,8oo rs. a capada,
dem francez clarilicado em garrafas bran-
cas a 9oo rs. cada urna, e io.ooo rs. a
caixa com I duzia.
Alfazema multo nova e limpa a 32o rs. a li-
bra.
Alpista a 16o rs. a libra e 4,fioo rs. a ar-
roba
Bolacliinlias de Lisboa da fabrica do Beato
Antonio dasseguinles qualidades: agua e
sal doces, e imperiaes em latas de 6 libras
i 3,000 rs. e ile 3 *% libras a l.8oe rs.
e em libra a 64o rs., estas bolachinhas
torna-se mullo recommendavel com espe-
cialiitade para os doentes.
Biscoilos e Bolachinhas de soda em latas de
todas as qualidades e marcas que se pro-
curar a 1,35o rs. a lata.
Bolos francezes em cartees e de diversas
qualidades a 64o rs. cada um.
Banha de" porco verdadeira retinada a loo
rs. a libra e em barril a 38o rs.
Batatas novas a 16o rs. a libra.
Uotacliinhas ingiezas ltimamente desembar-
cadas a 2io rs. a libra e 2,ooo rs. a bar-
rica.
Champagne das marcas mais superiores que
at boje lem rindo ao nosso mercado a
18,ooo rs. o gigo e l,5oo rs. ;> garrafa
inteira, e 8oo rs. as meias.
Cha uxim o mellior que se pode desejar, e
que outro qualquer nao vende por menos
de 3,ooo a 2,7oo rs. a libra.
dem parola de esp cial qualidade a 2,Goo e
2,8oo rs. a libra, garante-sc a qualidade
d'esle cha.
idem hysson o melhor que possivel encon-
trar-sc*a 2,4oo e 2,6oo rs. a libra.
dem do Bio em latas de 1, G e 8 libras
a 1.2ooe |,4oo rs. n libra.
dem preto muito fino a I.Goo rs. a libra.
Cfiocolate das melhores qualidades, francez,
bespanhol e suisso a l,ooo, l,2oo e l,4oo
rs. a libra.
Charutos do acreditado fabricante Jos Fur-
tado de Simas em [!> caixas das seguin-
tes marcas: ParUienses, Suspiros, Dili-
cias, Napolees c Guanabaras a 2,3oo rs.,
e em caixas inteiras Trovadores a 3,ooo
rs. cada urna.
dem de outros muilos fabricantes e de dif-
ferentes marcas'para l,5oo rs. as meias
caixas, de suspiros a l.Goo, 2,ooo e3,ooo
rs. as caixas inteiras.
Conservas ingiezas a 8oo rs. o frasco.
dem franceza a 5oo rs.
Cognac ingle/, das melhores marcas a l,ooo
rs. a garrafa e lo.ooo rs. a duzia.
dem francez superior qualidade a 8oo rs.
a garrafa e 9,600 rs. a duzia.
Cominho e erva-doce a oo rs. a libra.
(Travo da India a Goo rs. a libra.
Cabella a l,ooo rs. a libra.
(Topos finos para agua a 5,ooo rs. a duzia, e
5oo rs. cada um.
Caf do Rio superior a 280 e 320 rs. a libra,
p 8,8oo e l),.')Oo a arroba.
Doce fino de goiabs a Goo rs. o caixo.
Lrvilhas porluguezas ltimamente chegadas
a 7oo rs. a lata.
idem ceceas a 16o rs. a libra.
dem j descascadas a 2oo rs. a libra.
I'arinha de araruta verdadeira a 320 rs. a
fibra.
Fijos em Caixmbas muito bem enfeiladas a
l,ooo rs. cada nma.
! lem em I? tas ermiticamente
l,5oo e 2,5oo rs. cada urna.
Idem em caixas de '/* arroba
cada urna, e 2oo rs. a libra.
Craixa muito nova a loo rs. a
rs. a duzia.
Cenebra de Hollanda em frasqueiras com 12
frascos por 6,o0o rs. e 5G0 rs. o frasco
dem de laranja a l.ooo rs. os frascos gran-
des e ll,ooo rs. a caixa com 12 frascos.
; dem macarro. talharim e aletria a 4oo rs. a
libra.
Mostarda franceza preparada em frasco a 4oo
rs. cada um
Moho inglez em garrafinbas com rolhas de
vidro a 64o rs. cada urna.
Marrasquinho verdadeiro de Za l.ooo'a dja -
agarrafa, lo,ooo rs. a caom 1 usi.xrc a
zia.
Nozes muito novas a IGo rs a libra.
Aineixas*
em frascos de vidro com 3 libras liquido a
2#!00, muito propios para mimos.
Cartees
com bolos francezes a 500 rs. cada um.
Latas
com bolachmbas de soda de todas as qua-
lidades a 10300.
Chocolates
de todas as qualidades a 15000 a libra.
Presnntos inglezes
dos melhores fabricantes a 800 rs., tambero
lemos v.'llios para 5uo rs.
ueijos flamengos
chegados neste ultimo vapor a 256oo.
Qiieljos
'- a- ^.-oe I de l* < Amendoas confeitadas de diversas cores a
* 2raS Su* 40 rS' a garrafa' C 64 s- a bra.
2d800 a nada Iem de casca dura a 24o rs. a
Mna n fN>r?1 i. Idera de c**3 mole a 3io rs. a
generosos engarrafado des melhores fabri-
libra.
libra.
Ameixas francezas em caixinhas com
cantes da odadado Porto a 4* e 1*200, estampas, a l,2oo e l,5oo rs.
a garrafa e de 10* a m a caixa, as mar- Wem ew fraaeos de viUro t 2oo r.
cas sao asseenmtes: Chamisso AFilho, Mem em frascos grandes a 2,5oo rs.
F. & M., Nctar ou vinno dos Deu/.es,'
lagrimas do Douro e outros muitos.
lindas
Latas
com !0 libras de banha a 4(5000.
Bolachinha ingleza
a 1*800 a barrica da mesma que
veadem a 2*000 e 2#tO0.
Nozes
as mais novas do mercado a 120f<" A
Cervejas
jdos melhores fabricantesfe de todas as mai
' cas de 4*500 a nf5t00 a duzia.
rs.
lacradas a
a 2,5oo rs.
lata e l.ooo
dem do Porto para panella a Boo rs. a libra.
Passas novas a 48o rs. q libra.
Beixe em latas de differentes qualidades co-
mo, savel, corvina, govas,
outros a l.ooo rs. a latas.
Palitos para dentes a lo e a 16o rs. o mas-
so dos melhores.
Pamco o mais hoto e limpoa 16o rs, a li-
bra, e a i,5oo rs. a arroba.
Palitos do gaz a 2,1 oo rs. a grosa, e2oo rs.
a duzia, e 20 rs. a caixinha.
Queijos flamengos chegados neste ultimo
vapor, a 3,ooo
dem prato muito fresco a 8oo e 9oo rs. a
libra.
dem suisso a melhor qualidade que at ho-
je tem viudo ao nosso mercado a 8oo rs.
a Htm.'
dem londrino a Ooo rs. '
Sal refinado em potes de vidro a 5oo rs,
cada um.
e outros em
de 1.a c 2.
CAF
sorte do Bio de Janeiro a 8*$f
chegados no ultimo vapor a 2^600 cada um.
Quciio (' AH T()>
^rnbre superior a 6oo e 8oo te&'m o mais fresco que se pode esperar' Charutos Thom Pinto Beis
e de exceante maree a 800 rs. a libra mcias caixinhas a 1*500,
sendo inteiro c a 900 rs, a retalho. Arroz
Conservas inglezaS do Maranho a OO rt. a libra, e da India
pescadinha e. as mais novas que se pode esperar a 760 rs.! a ? r*- a libra' e 2^300 a 3?>000 a ar"
o frasco. reba desses que venden por 3*400.
Figos
em libras e caixinhas ricamente douradas,
proprias para mimos a 900 e 1*200.
Cha nxim
o melhor que se pide desejar, que outro
qualqner nJio pode vender por menos de
3 a 2,?000.
I lien pero I a
| especial qualidade a 2*700 rs. a libra.
dem hysson
o mais aromtico que tem vindo ao nosso
mercado a 2*600.
Massas amarellas *
para sopa, macarro, talharim e aletria a
e 8*800 a arroba, e 280 a 300 rs. a liby
Ciar raides
com 4 Vi Rarrafas com vinagre a l/)000ia
o garrafao.
ENEBRA E LARANJA
a 1*000 o frasco,
verdadeira
a caixa.
IDEM
de Hollanda
a 5*800 co
Ceneja das melhores marcas a 6,ooo rs. a) 480 rs. a libra.
duzia. e tfGo rs, a garrafa. COGNAC
Sardinha de Lisboa e Nanles em quartose!omui,o;,f;adocognacPalBrandy a
1,800^
em frasqueiras
12 frascos.
GENE Bit A
de Hollanda verdadeira em frasquera a 6oo
rs. cada urna.
PALITOS
os verdadeiros palitos do gaz a 2,2oo a groza
e 2o rs. cada caixinha.
LICOBES
des a l.ooo e 8oo rs. a garrafa.
COPO
lapidados para agua a 4,5oo e o,ooo
duzia, e a 440 e 5oo rs. cada um.
rs. a
rs. a resma.
Corinthias
podim
a 8oo rs. a libra.
Fumo
dem de Hollanda em botijas a 4oo rsV'cada
"Urna. i dem de carnauba refinada e de coraposicao
dem em garrafoes de 16 garrafas a 4,8oo a 36ors. a libra, e de lo,ooo a H.ooors
rs. com o garrafao. a arroba.
meias latas a 38o e 58o rs. cada urna.
Sag mullo noto o alvo a 24o rs. a libra.
Sevadi'nha de Franca (Sors. a libra.
Sevada a loo rs. a libra, c 2,8oo rs. a ar-
roba.
Traques de 1.a qualidade a 9,5oo rs. acai-j PAPl<:i^
xa, e 24o rs. a carta. almaco, greve, peso e de outras muitas qua-
Toucmho novo de Luboa a 2o e 32o- rs. a; lidad(Jns de jjj a 4>8oo a resraa ^
Tj.,*ra' .. I Ihor.
Tijolo para limpar facas a ISors. cadaum.
Vinho em pipa Porto, Lisboa e Figueira das
melhores marcas a 3,8oo rs. a caada, e
5oors a garrafa.
dem do Porto Lisboa e Figueira de marcas
menos couhecidas a 4oo rs. a garrafa,
2,8oo rs. a caada.
dem Colares especial vinho a Goo rs. a gar-
rafa.
IdemLavradio muito fresco nao levando eom-
composicao a 56o rs. a garrafa, e 4,ooo
rs a caada.
dem branGO de uva pura a 5Go rs. a garra-
fa, e i.lioo rs. a caada.
dem mais baixo a 4oo rs. a garrafa, a 3,ooo
rs. a caada.
dem Dmftafn em caixas de 12 garrafas das
marcas mas acreditadas a 6,5oo e 7,ooo
rs. a caixa.
dem mnitn especial que raras vezes vem ao
nossmercado a l,2oo rs a garrafa, ga-
raate-se que por este mesmo preoo d
prejwzo e so- se encontra n'este arma-
zem.
dem do Porto em 'caixas com 12 garrafas
das seguintes marcas Lagrimas do Dou-
ro, Duqwe do Porto, Genuino, Velho Par-
ticular, Malvasio fino, D. Pedro V, D.
Luiz I, Nctar e outrH a 9,ooo e lo,ooo
rs. a caixae 9oo e l.ooors. agarrafa.
dem Muscalei superior a l.ooo rs. a garra-
fa, e lo.ooo a caixa com 1 duzia.
Vinagre pwo de Lisboa a 2oo a garrafa e
2,4oo rs. a caada.
Idemeia gnrrafies com 5 garrafas a l.ooo
rs. tom t garrafa.
Vassouras 'Porto de arcos de ferro a 32o
rs. ida wna.
dem de escova para esfregar casa a 36o rs.
cada urna.
Velas de espermacete superiores a 56o rs.
a libra, e 52o em caixa.
J_Uli
__-
Jh.


BA DO OEIMADO NUMERO II
Laja de fazmd'as d- A injusto Frederic > dos Santos Porto
sJuilas chapelfaas e chapeo* para aenhora*.
tlhegaram a este eslbelecinVinto as mais modernas ctijeliVias c FliapY't.s para enfloras.
Superiores eorts de ladc^rn ^OS'a -"i-
A ni:is superiores.capas e suiteiurvinjaes de se*tpl-el era^eaiira decores para tenboras de
*' .i.c OJk Uh
Exedleiits l.ias para vestido a 320, 500, 560 e 600 rs. coVado.
Cassas e organdys de cores a 240 e 320 rs. o covado.
Os melhotes tapetes para sof com riquissimos desenhos. .
Lencos de eajibrai t liohoe fil liordados a ii cada um. "a^' '-P -
Superiores easemires mescladas de diversosj?osto tanto em M^as cono em cartas.
E oalras muitas faiendas amo sejam: perealles flnlwima. fetaiihaj, sileeias, esqaie, silis-
tnna preta inuit'j fina, catao \thfa vestid de loto, grosdent*>,4eVrjiiaMere8*-8asapert(jres
KatHraa para aaalaw.
As pessoas que prelenderem forrar sdas salas ou gabinele*, encontcaro neste eslabelecimenl*
Wtftor aquadade de esteiras de todas as larguras e pelo mais mdico preoo,
rs. a Karrafa e de outras muitas quailda- finos de todas as qualidades, a lo,ooo a caixa
com urna duzia e a l,oooa garrafa.
Marmelada
dos memores fabricantes de Lisboa, como se-
jam Abren e outros muitos a Goo rs. a
libra.
Pregunto
o verdadeiro pregunto de Lamego a 52o rs.
Papel de botica a libra-
de excelleute qualidade a 2*200 a resma, I Marann;0) ^ e g |ofl ps ^ fi
p- *^, de 3,000, a 3,2oo rs. a arroba,
l e pardo para embrulho de 1,4oo a 2,2oo VELAS
de espermacete de diversas marcas a 5Go rs.
a libra e
em caixa ter ahatimento.
passas corinthias muito novas proprias para VELAvS
n/vtim a nn ro iKm de cariKiuba em caixas de arroba a9,3oo v
\ caixa e 34o rs. a libra.
Batatas novas
o verdadeiro fumo americano em chapa a em caixas de 2 arrobase 5$ a caixa e 60 rs.
1.400 rs. a libra a libra.
Passas muito oras
em filarles e inleiros a 2$ o quarto e 6#500
a caixa e 400 rs. a libra.
Chocolate
| dem em latas de 1'/libra a l.loo rs.
Arroz do Maranho e da ludia o melhor que
ha neste genero de 8o a loo rs, a libra, e
de 2,5oo a 2,8oo a arroba,
Azeite doce de Lisboa a 6oo rs. a garrafa, e
4,8oo rs. a eanada.
dem francez e de Lisboa refinado em gar-
rafas brancas a Ooo rs. a garrafa e lo,ooo
rs. a duzia.
Alfazema muito nova e limpa a 32o rs. a
libia.
Azeitonas muito novas a 2.ooo rs, a anco-
rela.
Alpista limpo a liors. a libra, e 4,4oo rs. a
arroba.
Bolachinhas de Lisboa da fabrica do Beato
Antonio de diversas qualidades, em latas
de 6 e de 3 libras a 3,ooo e l,3oo rs. a
lata, e 64o rs. a libra.
dem ingleza em latas de 2 e de i libras
das melhores marcas a 1,3oo e 2,2oo rs.
a lata.
Banha de porco refinada a 4oo rs. a libra e
em barril a 36o rs.
i Batatas em caixas de 2 e de 4 arrobas a
l.loo rs. a arroba.
Champagne das melhores marcas a 2o.ooo j
rs. o gige, l,8oo rs. a garrafa, e Ooo rs.
as meias garrafas,
e de HjjfOOf |Ch uxim o mellior possivel a 2,7oo rs. a li-
bra.
dem perola qualidade especial
a linca.
dem hysson o melhor que ha neste genero
a 2,ooo, 2,4oo e 2,6oo rs. a libra.
dem do Rio em latas de 2 a 8 libras, a l,3oo
rs. a libra.
dem preto homeopathico 2,ooo rs. a libra.
Ceneja das melhores marcas a 6,ooo rs. a du-
zia, e 5Go rs. a garrafa.
Chocolate francez, suisso e bespanhol a
1,000, l,2ooe l,4oo rs. a libra.
Charutos do afamado fabricante Josi': Furia
de de Simas e outros da Babia romo se-
jam Regaba, Trovadores, Guanabaras, De-
licias e Suspiros, a l,6oo, 2,ooo, 3,ooo e
4,ooo rs. a caixa.
Conservas ingiezas a 75o rs. o frasco.
dem franceza surtidas ou de urna s quali-
dade de cada frasco a 5oo rs.
Cognac inglez e francez a l,ooo rs. a g
fa, e lo.ooo rs. a duzia.
Cominho e erva-doce a 4oo rs. a libra.
Gravo da India a Goo rs. a libra.
Ganella a l.ooo rs. a libra.
Copos finos para agua e vinho a 4.8oo,
Lentilhas muito notas encllente legume pa-
ra sopa a 2oors. a libra.
Licores franczes de todas as quahdades de
7oo e 9eo rs. a garrafa.
Manteiga ingleza perfectamente flor a 8oo rs.
a libra, desnessesario mais elogios nes-
te genero que so se pode verificar cora a
vista.
dem franceza a 56o rs. a libra, e em barril
ou meios a uoo rs.
Marmelladado 1." fabricante de Lisboa a 6oo
rs. a libra, ha latas de I, i/, e 2 libras.
Maca de tomate em latas de nma e duas li-
bras, a 6oo rs. a libra.
dem para sopa estrellinha, pevide, rodinha,
etc. a 3,5oo rs. a caixa e 060 rs. a libra.
Macarro, talharim e aletria a 4oo rs. a li-
bra.
Mostarda franceza preparada a 4oo rs. o fras-
co.
dem ingleza em p a 64o rs. o frasco.
Molho inglez em garrafinhas com rolha de
vidro a 64o rs. cada urna.
Mairaschiuo verdadeiro de Zara a i,ooo rs.
a garrafa, e lo.ooo rs. a dozia.
Nozes muito novas a IGo rs. a libra.
Ostras preparadas em latas a 7oo rs. a lata.
Prezunto para fiambre inglez verdadeiro, ga-
rantindo-se a qualidade, a "oors a libra.
Passas novas de carnada a 4oo rs. a libra, e
6,5oo rs. a caixa.
Peixe em latas hermticamente fechadas das
seguintes qualidades, sahel, corvina, go-
rz, cavallinha e pescada a I,ooo rs. la-
ta.
Palitos para dentes fichadas a 1 io rs. o ma-
co de 20 macinhos.
dem do gaz a 2oo rs. a duzia, e 2,loo rs.
a groza.
a 2,7oo rs. Pataco muito novo a 16o rs. a libra, e 4,5oo
rs. a arroba.
Queijos flamengos do ultimo vapor.
Idem prato limito fresco a loa a. a libra, e
sendo infeiro a 72o rs.
Sal refinado em potes de vidro a 5oo rs. ca-
da um.
Sardinbas de Lisboa e.de Nantes a 6oo
a meia lata, e 4oo rs. o quarto.
Vinagre
PKRem ancorelasde 9 caadas a 15,ooo rs.
ca]a uma.
Cebollas portuguez o mais especial que se pode de-
as mais novas do mercado a 7,ooo rs. a caixa seiar a 800 rs. a libra e 140rs. o pao.
e l.ooo rs. o molho. Frutas em calda
Alnktfl A Pniufti chegadas ltimamente, pera, pece*go, ginja e
Aij/isui C X UIIVU ostros matas a 640 ^ a ,a(a
0 mZ* dd meread0 a 410 rs- a l'bra, Dsce da casta da nniaha
e 40400 a arroba. a 800 e l o caixae.
Os propietarios do grande armazem tVerdadeiro Principal declarara aos seus
fregiiezes e amigos e ao publico em geral, que para facilitar a commodidade de todos es-
tipularam os mesmos precos nos seguintes lugares :
Inio e Commcreio raa do Queraiado b. 7
___________OVeriadeira Principal roa do Imperador n. 40
GR4N0E SOITlIRVro DE FAZENDAS
rs.

9
DE
Custodio, Carvalho & Companhia.
ra do o i:i u \ m

*
5,000 e 5,5oo rs. a duzia, e 5oo rs. cada
um.
Caf do Rio superior 28o c 3oo rs. a libra,
e 8,5oo a 9,ooo rs. a arroba,
dem do Cear-a26o, 28o e 3oo rs. a libra,
e 8.000 a 8.5oo rs. a arroba.
Doce de goiaba a 6oo rs. o caixao.
Crvilhas porluguezas em latas, chegadas l-
timamente a 7oo rs. a lata.
dem seccas a 16o rs. a libra,
dem j descascadas a 2oo rs. a libra.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Figos em caixinhas bem enfeiladas a 9oo rs.
cada uma.
Graixa-nova a loo rs. a lata, l.loofs. a
duzia.
Genebia de Hollanda em frasqueiras de 12
frascos a 5,8oors., e 56o rs. o frasco,
dem em botijas a 4o rs. cada uma.
dem em garrafoes de 16 garrala a 4,8oo
rs. com O garrafao.
dem idem de 3 caadas a 7,2oo rs. cada um.
dem ingleza em garrafas brancas bordadas
com rolha de vidro, qualidade superior
a l.ooo rs. a garrafa,
dem de laranja verdadeira a l,ooo rs. o fras-
co, e ll.ooo a frasqueiras de 12 frascos.
Kirsch Wasser exewmVi bebida Suissa a
1,8(1015. a garrafa.
Sag muito novo e alvo a 24o rs. a libra.
Sardinha de Franca a 18o rs. a libra.
Sevada a loors. a libra.
Toiicinho de Lisboa a 24o e 3oors. a libra.
Tijolos para limpar lacas a 15o rs. cada um!
Vinho em pipa. Porto. Lisboa e Figueira das
marcas menos couhecidas a 4oo rs. a gar-
rafa, ea 2,8oo rs. a caada.
dem Figueira especialmente escolhido neste
lugar a Goors. agarrafa, c .'oo a caada.
dem Lavrad.o. Colares muito fresco sem
composiroa feors. agarrafa, e 4,5oo rs a
caada.
dem Lisboa em ancoras com 9 caadas mar-
ca especial a 22,ooo rs. a ancora.
dem branco uva pura a 56o rs. a garrafa,
e a 4,9*0 a caada.
dem Porto fino em pipa a 56o rs. a garra-
fa.
dem engarrafados generosos, Lagrimas do
Douro, Duque do Porto. D. Luiz I, I). Pe-
dro V, Nctar, velho secco, Malvazia, o
genuino particular de Ooo a I,too rs. a gar-
rafa e a lo,ooo rs. a caixa com uma duzia.
dem Madeiralegitimo a l,2oo rs. a garrafa,
ea 12,ooo rs. a duzia.
dem Muscatel a I ooo rs. a garrafa.
dem Bordeaux dos acreditadas marcas St.
Julien St. Esteph, ehteau la Roze,chatau
Margoux e outros a 6,ooo rs, a caixa e 56o
rs. a garrafa.
Vermouth a melhor bebida estomacal a 2,ooo
rs. a garrafa.
Vinagre de Lisboa a 2oo rs. a garrafa e l,4oo
rs. a caada,
dem em garrafres com 3 garrafas a l.ooo rs.
Vassouras do Porto com arcos de ferro a 32o
rs. cada uma.
dem de escavas para lavar casa a 36o rs.
cada uma.
Vellas de espermacee superiores a 56o rs.
a libra, e sendo em cabra a 52o rs.
dem de car.nauba refinada e de crpoSicSo
a 36o rs. a libra, e lb,5oo e 11,ooo rs. a
arroba. '*

\
Pecas de cntremeios bordados a i},
Tiras bordadas a pera i.
Coberias d chata a chinera a 25200.
Lenoes de lrsbo finos a 22U0.
Toallas de tinto para maes duzia 4J.
Sapatosde tapete para meninos sen llorase horneas pelo barato preede 1A00 o par.
Toalhas de linho para mesa a 35500 e 4 F
Baldes de areo para wtoras a 3*.
Pilo de hnho liso vara 500 rs.
Grande sortimento de laas para vestidos.
Superiores satas de fnstao pra senhoras a NI.


m
''o".

Salitre retinado, superior qualidade, vinho Bor-
deaux, differentes qualidades, mais barato que em
qualquer parte : no armazem de E. A. Burle &
C,, roa da Crot n. 48. ________
Ciomma de mandioca.
\finnn *f> na
vwww ."u ira
Buen.

ra da Madre o> Dos n. 3gr,
-----------------
Gomraa
muf*sii|>rioT e barrieas r trod francisco Go-
mes de. Manos Jnior, na ra larfca *o Rosario nu-
mero 2i.
. FcIJio. .,
vende-ge fejao molatinho muito novo palo ha-
rato preeo 4e 8, saeeos com i cuias garaniidas
pelo vendedor i a na da adra de Dos n. 9.

-
liav
i *i t m% mj %^s

..),
I
Superior rap de Lisboa, idem Paulo Cofdeiro,
idem dito viajado, kjgft98e-grosso, meto Rros-
$0, tinoe M**tf': v*ait-#canriB*BroeiHe, tanto
m libra corra a retalho ; f*fnnt-* ao compra-
dor a boa qtndade : na prara da Independencia
n. 5,1 oja de violas.
-
XAROPE TNICO REGENERADOR
DE QUINA E DE FERRO
Preparado por lHMAULTeC', pharmaceutioos de S. A. I. o Pfincp NaMleJo laureados
,ba d*se^depknaadeParis, rnadeUFeuaiade,^. '*""''""
EU dots couablnQio reane dbala de um pequeo volum uma fomu uradavdeumtta4ri^*a.
Ba wuitn que os medico desevio rdentemente a reuniio detes dou raedieamaptoa. tadaiiaTlDeur
doi malorea ealbros, nem a ciencia medica, nein o qumicos o mal diitincto* o podero coBtesuir
at* aqni; graca porem jiereveranca humana ach3o-se hoje associadas esta doa podroslajubstao-
ch, a qainn, o-tonico, restaurador por excellencla, o rerr, a bate de noao anime i coflniinle-
menle o reaaradbr dos feroa e da Hade alterada ou perdida. ijw, .uh<-
As moleslias contra a qua->. o Xarope tnico regenerador se lem mostrado multo loa *So i am*'
!ln"!l!!"u",!!^.lPT^!%L4M ^est?m*f0' f"!lu' digeMes peaan e taNUaa, flfira branca*.
do tangue, u escrfulas, os estrag prdutldo
1
meotrua&es dlfflcei, o IjmpluaUsnio, e empobrecimento
pela molestias sjphillttca.
Ifa apenas um armo que o Xarope de qnlaa e de ferr
.! tol applicado ros hotpitaM a* Paria, e He
O ^^S3!?---^-8.--?*.' ,B*fi'foindo lni diter, as medicamento ienugmvm eenhecldos.
da facTdiS><,_.
a o i*eottetflufnte
arssarTaHvo^la* euMuailu.
Aeha-ee Venda na taMito g.ral, etn Parfc, M pdarmacia OftaM.lt t C*, nw4e k FeAHMa, 7;
em Lisboa, em can do Sni K*4rta. >nr Mgtael^aw; Sabio, 11; na SBfcia, em casa do Sr i~-t*Hmm reiretv* aaraaerrai m> tfo-tfrnmr, em casa do
hfirja,..i a ...a.,; no Maranho, an> asa eos Sara ran-eira o*; tm J^aiasW., em casa
*l Sur krlhilMwa-lnirlm ae suaa(
eipaes piuumacia 4a Kral e dePsriagjJ.
em easa dos Sars sattaaa o, e bem attsitn as sria-
Deposito geral em Pernambuco ra da Crua n. 22 de emcasaCaros d Barbou.

,-. t.
/



PHHtf F^HM^N.*- 1#jnJWK e \gtmim e t4.
3
RIJA DA CA1&EIA DO REIIFE W. 53.
(Logo passando o arco da Conceipio)
Grande redneeio de precos. equivalente a dez poi* cento menos *io que outro qualquer
annnnclante.
Collegas.Nao posso por mais lempo sustentar o preco da manteiga ingleza a l.ooors. a libra, bem assim o de outros
inuiios objectos, etc., dando com isto ocasiio a tudas as espeluncas acaharem por bom preco a manteiga de tempero, e gritarem em
alta voz, quepodem vender pelo prego que ou vendo!.!! Ora, eu offendido com estas obsciu idades e receiOH. em adoptar o mesn
sysitiema que vira encontrar, de so se vender com um por cento a carola, resolv faaer esta giande redurcao de precos, como veris
pea segrate tabella, pois como sabis ca pelo meu bairro, at a abertura do momoravel armazem de moihados Unio Meicaniit nao
se sama de outro prego de manteiga ingleza a nao ser o de l,4oe a i,600 rs. a libra. Hoje porem, resentidos da reduccao a que
estao onrigados, encarando todos os dias de seus fregue/.es reclamarao de precos, e qualidades, vingam-se de um e nutro portadores
m:>l mrormado deste novo estabelecimento. para lhe vender goneros nao proprios de um estabelecimento desta ordetti que o sen flm
g uo somonte obter a concorrencia de seus freguezes.
Para bem de todos.
Senhorcs e Senhoras o aceio que presidio, aos arranjos deste novo estabelecimento, e mais que ludo api omplido e entei-
reza com que serio tratados, convida a urna vizita ao mesmo, certos de que sem duvida me darn a proteccao e preferencia na compra
dos gneros que precisarem, e quando nao pocam vir poderao mandar seas portadores, ainda que estes sejam pouco pratcr.s, pois
serao tao bem servidos como se vicssem pessoalmente, havendo para com estes toda recommondacao, afim de que nao vao em oulra parte.
Manteiga ingleza (safra nova) especialmente rs. e em barricasde 4 duzias se faz abati-
escoibida a 800 rs. a libra, em barril se
faz abatimento.
dem franceza a mais nova que tem vindo ao
mercado a 5 meios a 5oo rs.
Cha hysson de superior qualidade a 2,6oo rs.
a libra.
dem perola o mais superior do mercado a
2,8oo rs.
dem huxim o uielhor que se pode desejar
neste genero 2,Goo rs.
dem preto homeopathico por ser de superior
qualidade a ,ooo rs. a libra,
dem hysson, huxim e perola mais proprio
para negocio o .ljoo, l,8ooe 2,ooo rs. a
libra, garante-seser milito reguar, igual
ao que se vende em oulra parte por 2,4oo
e 2,oo rs.
Linguicas, chouricas e paios em latas de 8
libras, ormeticamente lacradas a 5.fine rs.
girmimio serena superiores aos que vom
em barris.
Chouricas e paios em barris de meia e urna
arroba a 8,000 rs. el,aoo e Gao rs. a libra.
'Jueijos tlamengos mallo frescos chegados
neste ultimo vapor a 2,2oo rs. e do vapor
passado a I,(loo e i,800 rs.
Idein londririos os mais superiores que tem
vindo ao mercado a 800 rs. a libra entei-
10 se faz aba lmenlo,
dem pratomuito fresco a 800 rs. a libra,
dem do Alentejo o que se pode desejar de
fresco e superior a 800 rs. a libra, a elles
antes que se acabein.
Ervflhas e favas poriuguezas em latas j pre-
paradas a Gio rs.
Manmetfatla imperial dos mais acreditados fa-
bricantes de Lisboa a Goo rs. a libra.
Favonio do reta* rindes de casa particular
a oo rs. a libra, e a Seo rs. inteiro,
dem in-de/as para fiambre chegado neste
vapor 72o rs. a libra.
Copos lapidados para a gua a 0,000 e B,9oo a
duzia,
Chocolate francez, suisso e
I.ooo a I,2oo rs. a libra.
Espermacele em caixinhas contendo
ment.
Caf.do Rio a 26o e 28orsl a libra, e 7.8oo
e 8.5oo rs. a arroba,
dem lavado de primeira qualidade a 3oo rs.
a libra, e 9/>oo rs. a arroba,
dem do Cear de superior qualidade a 2io
e 28o rs. a libra, e 7,8oo a 8,000 rs. a
arroba.
Arroz do MaranhSo a loo rs. a libra, e 3,000
rs. a arroba,
dem da India muito avoegraudo a loo rs. a
libra, e 3,ooo rs. a arroba,
dem de Java a 80 rs. a libra, e 2,2oo rs.
a arroba.
Pnico e alpista a 14o rs. a libra, e 4,3oo
rs. a arroba.
Massa de tmale em latas de 1 e 2 libras a
600 rs. e de barril muito superior a 5oo
rs. a libra.
Aletria, macarro e talharim a 4oo rs. a li-
bra, e 9,000 rs. a caixa.
dem e talhcrim branco a 32o rs. a libra,
estas massas tornam-se recomendaveis as
pessoas doentes por seren propriamente
feitas para esse lira.
Estearinas a 5Go rs. a libra, e em caixa com
25 libras a 52o rs.
Vinho do l'orto muilo fino excellcnte qua-
lidade proprio para engarrafar era ancore-
tas com.9 caadas por 43,oo rs.
Vinho de pipa Porto, Figneira, e Lisboa a32o,
-ioo ooo rs. a garrafa, emeanada a 2,5oo,
3,ooo e 3,8oo rs.
Vinlio branco de Lisboa de excellcnte quali-
dade a loo e 000 rs. a garrafa, emeanada
a 3,ooo e 3,5oo rs.
Vinho branco para missa em caixa de I duzia
a 8,000 e a 680 rs. a garrafa.
Vinho do Porto das melhores marcas, que
vem ao mercado como sejam Lagrimas do
Douro, Duque do Porto, DuqueGenuino,
D. Luiz L, Madeira secca, MSIvazio fino,
Fetoria em caixa de I duzia de 9,ooo a
lo;ooo rs. ea9oo e l,oooa garrafa.
bespaol a 9oo.Viiibo Colares ornis superior que tem
vindo ao mercado a Gio rs. a garrafa.
G libras Sardinbas de Nantesom quartos e meias latas
por fc.ooo rs., garante-se serem transpa-' a 36o e 56o rs. cada urna.
reate e desnperior qualidade, tambera tem Sardinbas portuguesas em latas grandes
de 12 por libra propria para carro. preparadas pelo melhoroonseiveiideLis-
Peise em posta sovel, corvina, gors. pesca-1 boa a Gio rs.
da, salmao, ostras echernee, vezugo em Bolacbinhas inglezas as mais novas do raer-
latas grandes a 800 e I,ooo rs. cada urna.; cado a 2,8uo rs. a barrica, e 2io rs. a
Vinho iJordeaux das marcas mais acredita- libra.
das que tem rindo ao nosso mercado a Bolachinha de soda em latas coja diversas
6,000, /,00o e 8,000 rs. a caixa, garante-j -qualidades a I,3oo rs.
50 .^1-'!e Jualill,a,le superior, que outro Bolo francez en caixinhas muito proprias
para mimo a Gio rs.
Passas muito novas de carnada a loo rs. a
libra e G,ooo rs. a caixa com 28 libras.
Figos de comadre a 2lo rs a libra e
l,8oo rs. a caixa com 8 libras.
i Araendois de casca mole a 32o rs a libra.
Antonio de Lisboa em latas com 6 libras
por 2,000; ditas doce em latas com o mes-
mo peso a 2,5oo; ditas imperiaes em latas
de 3 libras por 1,5oo re
Ameixas francezas em latas de 1 e meia libra
porl,2oo; ditas era caixmhus de deverses
tamaitos com bonilas estampas na caixa
exteriora I.2oo, l,5uo, el,'8oors.
Azeite doce refinada Penanol ou do Kempes
de Lisboa a 83ors. a garrafa e 9,5oo a
caixa com urna duzia.
Batatas muilo novas a 5o rs. a libra e 2,000 a
caixa com 2 arrobas.
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e
8,5oo a duzia.
Vassnuras de cscova para esfregar casa a 32o
ores moho novas a 160 rs. a fibra
Molho ingtez em garrafa de vidro com
rolha do mesmo a 5oo rs.
Moscarda ingle/.a dos melhores fabricantes a
800 rs. o frasco.
Moslarda franceza em potes ja preparada
a 4oo rs.
Lentilhas excellente legume para s&pa a 2oo
rs. a libra.
Marrasquino o verdadero de Zara em garrafas
grandes a l.ouors. e 11,000 a duzia.
Palitos para denles a 14o e 16o rs. o mago.
Sal refinado em irasco de vidro com rolha do
mesmo a to rs.
Ceneja branca e preta das mareas mais a-
creditadas que vem ao mercado a 0,000 c
5,300 a duzia o 80 rs. a garrafa.
Sag muilo novo e alvo a 24o rs. a libra.
Sevadinha de Franca muito nova a2oors.
Charutosdetodososfabr'rcantes da Bahaedas
mais acreditadas marcas eomVcidas m
nosso mereado a 2.000, 2,5> o, 3,00o,
3,5oo e 3.8oo a oaixa de loo charutos.
<>)gnac ingle/, das melhons marcas a
l,omo rs. a garrafa.
1
vetldellilo MU>(
o
Acaba uk lece^ei de sua propria eiicirinmeiiaa um
de moihados todos primorosamente escolhidos,
RIVAL SEM SEGUNDO
Rna do Queima*>a. 4, esla ~
boas to-ndas e muito Ltalas, vir^ver ou mandar para experimentar, aVM
Gollinlias muito linas para senhora a 500 rs
pilan e punhos de fuslao muilo bmias. (i4U
(.artas de alfinetc de caneca chata de todus os l-
mannos a 80 rs.
Resmas de papel de peso muilo bom a 2J.
Capachos reJondos e compridos a 300 r-.
Caixas com superiores obreias de colla e de mas--,
a 40 rs.
Cordao branco grosse que tem muila appricaeo a
vara a 20 rs.
Lianas do rarrileis garante-se 150 jardas a 40 r.
Hart5e de linlia l'edro V com 200 jardas a rs
Grusas de pennas de ago muito finas a 500 ...
varas de franja de lia para vestido a 40 rs,
Ditas do fr.mja branca larga para toala* a iW; rs
Pares de botSes de punho a 120,320 e 500 rs.
JiTinteiros de vidro com tinta a 160 rs.
OJtos de barro com superior tinta a 100 i.-.
Brocas de botoes e lauca pralt-adu a lli e a du-
zia a 20 rs.
Tesouras para co.-tura a 80, 200, 400 c 500 ri.
Escoras para limpar denles, superiores a 200 is.
Libra de la para bordar da melbor qualidade .
05500.
Caixas de pliosphoros de seguranza a H>0.
Caixas c pacotes de papel an.izade superior a 600
ris.
Caixas com 100 envelopcs muito tinos a 800 r^
Quaderuos de papel pinjueno azulado a 0 n.
Carriteis de liona Alexandre coui 200 jardas,
loo rs.
Baralhos para vollaretea 240e mais Unos a JOC rs
Meiadasde linlia frouxa para bordar a 20 rs.
Pares de sa|iatos de tranca de todos os laman!:'
_ a 1,3500.
Grosas de bolees de madreperla muilo fir.iu a5
ris.
Carlas c caixas do colchetes de superiores Quan
dades a 40 rs.
grarie e vanado sotlimento
por isso apressa-se o proprietario em J Massos de grampos superiores e limposaW re.
1 a offerecer 3os seus freguezes e ao publico em geral a seguinte tabella dos seus gneros e' p'*** e-palitos de gaz a 23200.
is resumidos precos, afianzando todo e qualquer genero vendido neste bem conhecido ar-1 j de ar,a pretil da m,;lhor M'fl*
ixas redondas para rap o tem muito boni
ungas a 100 rs.
BiVAL SEM SEGUNDO
mazem.
Amendoas confeitadas de 800 rs. a libra.
Manteiga ingleza perfeitaraente flor, a 800 rs,
libra,
dem franceza a 56o rs. a libra, e 5oo rs.!
sendo em barril.
Cb uxim a 2,7o rs. a libra, e de 8 libras
para cima a 2;6oo.
dem perola a 2,8oo rs. e de 8 libras para
cima a 2,?oo,
a 120
tem muilo benitas ra
Litores francezes e portnguezes das segoin-
tes marcas crerae de violetas, gerofles, ro-
sa, absinto vespeiro, amor perfeto, amen-
miuduzas de k]
morangos, hmao, cafe, laranja, cidra, gm-, a,-abando certas qnaiMrtes de razenda.
ja, canella, cravo, rlela pimena a 1.0001 Pecas de litas elsticas rom 10 varas a..
rs
q
'" Hodinhas com superiores allineies a
dua amarga, pereicot. de tur, Botefim, I. Hl H",malclu"' 4,9
.____i'-. t 1 '., se igodiuiiO, venliam ver a pecbmilia iiie
norangos, hmao, cafe, brama-, cidra, gm-, a,-abando certas qualidades de razenda.
a, canella, cravo, OPteIS pimenta a 1 .OOO j Pecas de litas elsticas cem 10 varas a.. <&')
s. a duzia l,ooo rs. a garrafa, *arante-se'DiIas dl' 'ranea bianca lisa rom 10 varas. i&)
jne es melhores que temos tifa raer-1 5* JSlStti**i' &
dem nysson o mais superior que se pode Passas muito novas em quartos einteiros a Caixas com superiores ajiiiihasc limpas a
desejar a 2,600 e de 8 libras para cima
a,5oo rs.
dem menos superior a 2,oo ede 8 libras
para cima a 2,'3oors.
dem proprio para negocie a 2,3oo, de 8 li-
bras para cima a 2,2oo.
dem do Rio em latas de 2, 4,6 e 8 libras
cada urna a 2, 3, 3,5oo e 4,8oo rs. a lata,
dem preto o melhor que se pode desejar
neste genero a 2.800 rs.
dem menos superior a esse que se vende
por, 2 e 2,-loo, a 4,8oo rs. a libra,
dem mais baixo bom para negocio a 1,5oo
rs. a libra.
1

qualquer nao pode vender por este preco.
Gcnebra de Ibillanda a 060 rs. o frasco,' e
5,"00 rs a frasqueira.
dem de laranja verdadeira de Aliona em
frascos grandes a 1.000 rs. o frasco,
I l,ooo rs. a duzia.
ei
dem de Hollanda em botijas grandes a 4oo Bolachinhasd'agua em sal da fbrica do Beato
Doce da casca bi as por 2,ooo; dito em caixes a 600 rs.
cada um.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Velas de carnauba de 6 e 12 por libra a
32o rs. a libra eio,poo rs. a arroba.
Azeite doce de Lisboa a 61o rs. a garrafa
e l,8oo a canaila.
Banha de poico refinada a loo rs. a
e 36o rs. em barril.
dem miudinho proprio para negocio a l,5oo
rs. a libra,
ijueijos do reino chegados neste ultimo va-
por a 2,2oo.
Queijos chegados no ultimo vapora 2,2oo rs
dem prato ws melhores e mais frescos do
mercado a 76o rs. a libra sendo inttro.
Genebra marca gato a 1.7oo rs. a garrafa.
Biscoito em latas de 2 libras das seguintes
mareas : Gsborne, Crakntl, Mixed, Victo-
ria, Pec-nic, Fance, .Machine eoutras mui-
las a l,3ooe l,4oo rs.
Fumo americano em chapa a 1.6oors. a
libra.
Araruta de todas as qualidades.
Batatas novas em caixas de 2 arrobas a 5$ a
caixa c 60 rs. a libra*
latas de 5 libras
2,000 rs o quarto, a 6,5oo a caixa e loo Saboiiftes de familia, muito linos aso *>..
rs a libra I ''art,::''" s;'Pa'0i deiia para rriancas a..
,,._ .!. ,. n Varas de babado do Porto muito bom ,1
dem cormthias proprias para -podim a8oo 100.120 e.........................tw
rs. a kibra. Ditas de bico largo grosso a.....'...... *t;0
Marmeladas dos maisaimados'ftbricantesde Putes ,,e wperior tima tem mais Je meia
Lisboa a 64o rs. a libra-. P ?a' ra!a *;...........;' : ; v* ffl
c. -. _____., ,a ui. Caitas com perfumaras mono bonitas af. U&>
Ervdhas secas muito novas a !<6 Grao de bico mudo novo a 46ors. a Rbra. i it<>s de oleo de babosa superior a 240,
Brvilhas francezas em latas a-64o rs. 320, 400 e......................... 5C0
Potes com sal refinado a 48o rs. "J* aheiro" mui, 5UPeriortS em *lua- m
Fumo de chapa americano a 1 ,fto rs. a libra j Ditos de ag'd colonia muito boa a.'.'.'. W>
fazenda especial. Ditos de dita dita grande a........... wO
Presunto para fiambre ingleses a7oo e 800: Sa,)"nelPS de ,odo preco 60, ido, 200,
5 a lihra i 320 e............................. 60
is. d iiuia. Fraseos de superior banha a :)20 e....... W)
Chouricas e paios rarato nevos a-64o a libra. < caixas de p para limpar dentes nnri
Caixas de traque b. 1 a &&5G0 cadaiuma. fino a-............................ m
Massas para sopa macarrSo, tmarim aletria i f,i,os & h,nha traspsente a.......... m
a ioo r a lihra Pares de hpa< muilo linas para senhora a SJ
n ": a iSabonetes inlezes da melhor qualidade a .CO
Cognac verdadeiro inglez a 8,oo rs. a caixa j Frascos de agua dentriuVe superior ga-
e 800 rs. a garrafa. ranudaa:......................... dem francez a 7,000 rs. a duzia e 7eo rs. a Massos com 2o euveopes grandes aza-
.,. ... ,__ ,. i Varas de lila preta com clcheles a..... 3S
Lharutosem grande quantidade e4e todos os; Fras,-os de maraca perola muito superior 8
fabricantes mais a creditados a 4,5oo, Caixas com nennas grandes a.........
2,ooo, 2,000, 3,ooo e 4,ooo rs. a mtin, Grasas de botSes para calca preta, rnloflu
, Balacbiuba de Craknel era
bruto a 4,000 rs.
dem ingle/as em barricas a mais nova do
mercado a 3,5uo rs, a barrica e 24o rs. a
libra. -
Chocolate portuguez o mais especial (pie se
pode desejar a 800 rs. a libra e 14o rs. o
pao.
Papel de botica de excellente qrialidade a
libra', 2Loors. a resma.
! Potes com sal retinado a 48o rs. cada um.
fruas muito frescas a!Figos de comadre em litas de 4 e 8 libras
lacradas hermticamente a l,4oo e 2,2oo
rs. a lata.
Capil de diversas
6lo rs. a garrafa
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a gra?a.
Toucinho de Lisboa muilo alto e alvo a
32o rs. a libra e 8,oo a arroba.
Ameixas francezas era latas de 3 libras por
2,"oo. rs
Cebollas sodas a l,ioo o cento ; (litis em
mol!ios com cento e tantas por l,2oo rs.
Mane excellente cha para os navegantes a
a 2oo rs. libras.
ADEBBQ08 DE MOSAICO
A agoia branca da ra do Quemado n. 8 reee-
beu bonitos aderecos de mosaico e fino doiirado, e
os esta vendando pur preco razoavel.
Oolsns para <;4a.
_ Esse objecto aqui tao custeso de encinlrar-se, e
tao preciso aos apreciadores da caca, aclia-se hoje
a venJa na ra do Queiinado leja daaguia branca
n. 8, mide o comprador ser servido conforme o di-
nheiro que (uizer dispor para tal fim.
Kseneia de rosa.
Em pequeos frasquinhos a 15000. Vende-se na
ra do Queimado n. 8.
Tcotos para volt arete
A agnia branca na ra do Queimado n. 8 rece-
ben caixinhas rom lentos de marfim e madrepero-
la para vul trete, havendo diuheiro cheguera-se a
elles antes que se acabem
Ciraxa eeonomiea.
Chegou novo sortiiq^nto dessa boa graxa, e con-
tinua a ser vendida na ra do Queimado loja da
aguia branca n. 8.
Fitas
para 2 irmandade do Bom Conselho, e cartas de
AIMIAZIH

DE
AjLVES COCTI^lIO dfc BRAIVDAO
21 L aryo Uo Terca21
Ao publico.

Chouricas muito novas a 64o rs. a libra ; chocolate francez a l.ooo rs. a libra;
ameixas idem ; alpista a 16o rs. a libra, e 4.oo rs. a arroba ; arroz do Maranhao e da
India de 8o a ioo rs. a libra, e em a arroba de 2,rtno e 3,ooo rs. ; azeite doce refinado
a I ,coo rs. a garrafa e em porc5o, menos; idem de barris a 6lo rs. a garrafa, e em cana-
da a 4,8no rs. ; banha de poico a loo rs. a libra, e em barril a 360 rs ; batata-e muito
novas a 4o rs. a libra, e 1,2o >. a arroba ; cha perola, hysson, miudinl.oa 1,800, 2,ioo
e 2,5oo rs. a libra ; charutos des mediores fabricantes da Biliia de 2,<>oo e 4,000 rs
Fruas em calda chegadas ltimamente, pera,
pecego, ginja e outros rauitos a 12o rs. a
lata de 21)2 libras.
dem em caixinhas de 8 libras a i ,80o, e
24o rs. a libra.
Nozes muilo novas a 120 rs. a libra, e 4,000
rs. a arroba.
Amendoas confeiladas a 600 rs. a libra.
dem de casca mole a 32o rs.
Vinhos engarrafados no Porto e Lisboa das
seguintes marcas: duque, genuino, velho
secco especial, lagrimas doces, vinho es-
pecial D Pedro V, nctar superior de
1883, duque do Porto de 1834, vinho do
Porto, velho superior, madeira secca. Por-
to superior D. Luiz I, e nutras muitas
marcas, em caixa de urna duzia a 10,000 e
1,00o rs. a garrafa.
dem branco de uva pura a 64o rs. a garra-
fa e 4,ooo a caada.
dem superior a 5oo rs, a garrafa e 3,2oors.
a caada.
dem em pipa Porto, Lisboa e Fgueira das
marcas mais acreditadas a 3,8oo a caada
e 5oo rs, a garrafa.
os mais baixos sao dos que por abi se ven
dera a 2,ooo.e 2,5oo rs.
labias de memeniu da roupa de lavara..
Carriteis de relroz de todas as cores e
^ tem meia oit&va de retroz a.........
Varas de bicos de difiranles larguras a
Bous, bonitos e baratas.
Caf de premeira qualidade a 8.3oo e 9,ooo;
rs. a arroba e 28o a 22rrrs. a libra.
dem de segunda qualidade a 8,2oo rs. a ar- i a aguia branca tem a satisfacao d mm
roba e 26o rs. a iibra. a sua boa freguezia que ha chegado mais uma i
Arroz do Maranhao a 12ors. a libra, 3,ooo rs. I ?.s'.r,,) ,1 Pr,,.var a.!:lli,. !lvavel bar.#ia, rty
a arroba.
dem da India muito superior a 2,9oo rs. a
arroba, e loo rs. a libra.
dem mais baixo redondo a 2,6oo rs. a libra.
dem da India comprido a 2,4oo rs. a arro-
ba, e 80 rs. a libra.
da boa qualidade do objecto, por isso rnnvd/S
todos que tiverem rlinhriro para se dlrlfirem'*l
rua do Queimado n. 8, loja da aguia branca,.affl i
de coiiiprarem os objectos seguintes
Bonitos collarinh-w bordados, e punhos etni
boldes, todo flor U500.
utr.is lisos, mas de liohe e tamhem com botec*.
por 15000.
Manguitos com gnllinhas bordados por 2fl
Ditos sollos por 15.
O iMihhas de cambraia bordadas, obra inulto
'y
(UO
Vellas de carnauba do Aracaty a 9,ooo rs. ar-
roba, e 36o rs. a libra,
dem de sebo muito dura fiogindo esparmace- b<>a> i'1"- 3(, r
te 36o rs. a libra. Ditas de trapasso, lambem bordadas, {fO:
dem de esparmacete a 56o rs. a libra, e em | "udS^milhliias com pejio bordado, goNMn*!
caixa a oto rs. com 2o libras. manguitos e grvalas, ludo por j'. .
Papel o melhor que se pode desejar para os1 'in Rrande sortimento de entremeios mol
Srs. empregados pblicos a 5,ooo rs. a res- ?'.'s,e ,,(",i,")s; :1l:sln' ,'"m'! >''a< nord.das, o
ma i sp verwlen or 7 000 rs po'!e ?er ,le n"'lhur' e n,a,:i l'erfeltn. 'ande OOB
ma, ja se venueu por /.000 rs. e DlrilS nns (ir,.cos mifljrrm, a |arfura L9
dem almago pautado e liso a 3,ooors. a resma.' ratos em todo o caso.
dem de peso pautada e liso a2,5oors. a| No/ase lindas gaavaias brancas de filo, nr.t
resma. Don,'"s u difficeis bordados (mui procrios para 6',
u "1 1 i_ e r, I vertidos a Mara l>ia)"bra inteiram'cutc no<*a a-nl
dem a zul de botica ou fugueteiroa 2,co rs. 1 e ^ tl,timo ^0< a'u r^'m,r r>
a resma. Bont< vestnarion brancos com lindos 9 dclica-
,. dos bordados para baidi-ados.
dem embrulho de 1,2oo a l,4oe rs. a resma.-----------------vy-----------------------'
Ameixas francezas em latas-de I % libra a Mu^AaS.
l.oo e 800 rs. a libra,
dem em frascos de 3 libras a 2,5oo rs., s o
frasco valle 1,000 rs. lambem temos era
frascos para l,4oo-rs.
Conservas inglezas a 800 rs. o frasco.
Moslarda preparada era potes muito nova a '
2oo rs.
X 25->00 ca.xa
to : na rua nova n.
em porciio se far uDadmeti
loja do l^ha.
Vende-se urna preta propria para todo o s^f
vico : a Halar junto a matriz de S. Jos com Ber-
nardo Jos da ilocha.
ESCBAVOS FGIDOS.
Molhos inglezes a 800 e 1,000 rs. o frasco.
Cravo a 48o rs. a libra.
Cerveja Tenente verdadeira a 7,ooo rs.
duziae 600 rs. a garrafa.
de diverso* moldes e vanadas rres, inclusive a
preta : agora, pois, qnpin comparecer com dinheiro
pode bem es'-olher um bonito leqne, na rua do
Queimado Uja da puta branca n. 8.
Cai\lahas para costara eoutras
eona perfuaiarias
e em a arroba a 6,000rs ; genebra de laranja a I.ooo rs. o frasco ; idem ile Holianda
a 61o rs., e ioo rs. a botija; graixa em latas a tySno rs. a duzia ; manteiga ingleza per-
fetta flor a 800 rs. a libra ; idem franceza a 56o rs a libra, e era barris a 52o rs.; maca
de tomate a 00 rs. a libra ; marnicdada dos melhores fabricantes a 61o rs. a libra ; ale-
tria, talharim e miearraoa 4oo rs.; marrasqnino de Zara verdadeiro a l.ono rs. cada fras-
Idem de marcas pouco conbecidas a 4oo rs.
a garrafa e 3,000 rs. a caada.
Especial vinho Lavradio sem a mais pequea
composicao a 560 a garrafa e 4,000 rs. a
caada.
I Farinha de matarana a 240 rs. a libra,
cas caixas c<.m ligos a l,ono rs. cada uma.
Ricos vros com figos l,ooo rs.
Pomada a 2(X) rs. a doza-, sevada muito no-
va a 80 rs. a libra, e 2,5oo a arroba.
Garrames com 4 '/a garrafas de virjho supe-
rior a 2,5oo rs. com o garrafao.
dem com 4 '/a ditas de^enagre a 1,000 rs.o
garrafn.
Fugio na noite de 23 do corrente julho da
1864 o escravo Jos, preto, crionlo, ae 26 anno<,
baixo, corpo regular, Deicns prossos e estufados,
. orelhas peipienas, e cachabo grosso, nonca Itar
11 or>|ue tem apenas na pota do queixo, levo deas
dem de outras marcas preta e branca a 5,5oo caicas, uma branca e'outra de casu.r escoro e
e 6,000 rs. a diwia e 5oo rs agarrafa. I v*>*e preto, de bstras, paietot preto, sem euro
Vassouras de piassava co 3 areee de forro 2 l'"'n uma Ci,ra"uta "ar"a vindas do Porto a 32o rs l n,arnjn:- gUH,n l"'tar leTe'0 n,a birerta n
viwiai uu ruf tu d oso 1 s. ^ fli %k.T3 generosamente recompensado.
Cebollas muito novas a 1,000 rs. o molho e

800 rs. o cento.
Genebra de Hollonda em frasqueiras a 6,000
e 56o rs. o frasco,
dem embotijas a 4oo rs.
Fugi.ma larde do dia 16 do correntp um
escravo pardo, de noine Marcos, (leseniban-ailo
du hiate Satita Anmi, vindo do Aracaty, tendo
de idade 28 anuos pouco mais oo menos, eos sig-
naes seguintes : altura regular, secco do corpo,
pouca barba, cabello crespo, levou cano.* e
dem era garrames de 14 garrafas a 3,2oo rs. ra'ca >e aig.i*iiiho ip r.scado azul eea-
n i- j r. r> r l,e" "e l'a'ba, lendn levado cone-ipo uma tronxa'
Falitos do gaz a 2,200 rs. a groza e 2o rs..a rom mais roupa, e rendido de uma das venlha^r
Caixa. 1 quem o aopreeniler quein leva-lo a rua da M-.in!
Lldem de dentes lixados em macos grandes *D,,us n- ^8- u0 a rua do Brum n- K. V serS
com 2o rs o macinhos a 12o rs. e masso., r^!l"'e!,-^!2___________________________
Cominhos muito novos a'SSon. a libra e' ~ T d0 T!lh0uGnPrra rtp '""J"!;3 um fii:
lo non aarroha d>*" 4JUBB,m de nome Jos Mon.t, stutnr, naM,-e;flE
1 u,uuu a ai 1 uud. cnoulo : qnem o apprehender ou der noticia a
Sag multo novo a 24o rs. a lfba. dito engenho, ou na rua da Aurora em casa do S*.
Cevadinha de Franca a 18o rs. a fibra. | E,ias R;'i'ii>ia da Silva, ser generosamente
iU'-m miizer fazer um boiu presente, tendo'dwihei- c?('a '
ro dirija-se roa do Queimado loja da agnia bran-
ca- n. 8 ipie fer bem ser,fdf.
Boa tinta para marear roupa.
Vende se ua rua do Quemado h^ja da aguia
branca n. 8.
1 .........
GRAXA N. 97
Vende-ge a verdadeira graxa ingleza n. 97
armazem de J. A. Mureira D>as na roa
o u mero 26.
cevadinha a 2oo rs. a libra; sariinlus de. Nantes de 4oo a 4o rs. a lata ; sa-
bae massa rauilo sujieri r a oots. a libra; toucinho de Lisboa mo>io Ivo a fro rs. a li-
bra ; vinho do Prtru velho MW rafwlo a l.SJon ra ; itlt-m era barrd 800 ra. a garrafa,
sendo porvn lu-se diffetvnca e era caada a 5.non fs.; i iem de Lisboa nraito superior a
4oo r&. a tarrafa e 2,io rs. a carwda ; idem da Figueira J. A. A. a fioo r*. ttarrafa e
3.6oo rs. a caada; iilem do B^traUo a 38o e 320 rs a garrafa eem cangda a 2,56o;
idem Bor leanx a 5ia rs. a garraf 1; idem branco de Lisboa, prujrjp.pa a misw a 5oa rs.
a garrafil; vinagra do Lwboa mura salariar a 2oo rs a garrafa, e f ,Wrs. a caoa>l|;
da Cruz s03 ^vada, alfasoma, gaz e tijulo de limpar facas a 1 lo rs. e outros mudos generes que
garrafa
Caixas com 1 duzia da garrafas de vinho Bor-
deaux fazenda muito especial a 6,800 rs.
a caixa e 7oo rs. a garrafa.
Miiho alpista a 14o rs. a libra e 4,50o rs. a, Cumppnsa,1"\
arroba. Roga-sc a poliela
Gomma a 28o rs. a libra e 5,4oo a arroba.'a ^'ehen-ao de um mulato mn de no
Peixes em latas al,000 rs. a lata j prompto
a comer-se
Farello de Lisboa marca N. e Biato saceos
grandes a 4,ooo rs.
Doce da casca da goiaba a 600 e l,ooo rs. o
caix3o.
Paulo, cheio do eorpo, cabellos erescidns, irtade."^
anno", anda va vendendo miuderas e faeendas eoflll
um caixeiro pelosairahaldes desta cidade e coos-
la ailar p-lo bairro da B-a Vista : qnem o pesain
leve-o a rua do Livramento n. 19, que ser rectin
pensado.
Pnefo na manha do dia IK do mez protoft)'
psad.ia preta escrava de mrnie Waria, crtMlf
de meia idaile, altura regular, i-heix do 'ortv, i4-"
desne^jssario menciona-los.
O proprietario do grande armazem UniSo e Commercio dedara' a seos fretoe
zes e amigos e a., publico em geraf, que para facilitar a comraodidad* do todos estirn SftSS SS&%5?tt!t
os mesmo^precos nos segamtes htrares: de rh}f.,tMi *Wvm ^m, rtP (.hit>, sa.a preta paw
! no la O*!, jnlea se tr ido par o mato : r-<*n-
se a.- autnriilade i)liciaeseaiisrii|i(iatis de ri.ii,
i qin' aii|ire)>enda-a o U vem na rna da travess^
I Caldeireiro n. 12, que soru gratilicadus.
Uuilo e Commercio rua do Queimado n. 7.
O Verdadeiro Principal rua do Imperador m

-t
r
i
ILEGVEL
____
iM


DUrlo 4c i'trn-.BikB*.-. ftegn.da lelra S Agesto de I44.

i i
LiTTERATORA.
rvxuUarveiru&~UUa>~4*:ittr l a creado de nm costlko de estalo que podes- goma face nao fosse aopticaval, sem detrimento ou
-eoavir em tolos os negocios graves "e principal- dvanlagm da opTimo que advopamos.
O monarcha brasileirosabe o Sr. Gargfl-ljo
neale nos relativos,de ejercicio do poder raode-'
|>IH Eli O ADMINISTRATIVO
Ucrutafo ao Ensaio Jurdico n. 2.
O conselho do estado creado
pela lei de 23 de novembro de
1811, alm de intil, inconsti-
tucional.
1
Se nos fossemos acollcccioriar todas as leis ordi.
Daras acuiuiadas de iaconstitueiouaes em nosso
paiz, eremos que puras e immaculadas seriara mili-
to poucas e de pequea monta. Quasi nao tem si-
do decretada urna s le* importante que nao hou-
vesse sido bauhada as aguas desse Jordao.
/jnstada ou nao, filha de urna intengao pura e
gelosa na guarda da constituigao, ou do espirito de
oppositjio sy.-temalica, o certo que a pecha de
i n.conslilucional a primeira arma de que lanzara
mi os que se arvorara em opposicionistas e ou- tvraona, cm cada conselhq urna cidadella do
.amcombater o poder; fazem deste epilheto a pn- d*es(M<,smo. Estas reflexoes explicam bem a pai- pareceres.,
meira alavanra com que procurara cercar em to xlo ^ que se achavam p0;;sudos ()0r uma Mva Quid (jirff? Reixarao pela ventura de sereip por
dos os pontos o poder executivo. E infelizmente|ordomm. cousas.usse furor reformador nao deixa- i*'meritorios necessanos e-immensamcnU pro
erase nao poucas vezes envolvidos no mesmoj rape(]ra S0Dri) pe(1ra se os (einpos e as cirenms- veitosos osnselhos que ouviu? uleis e dispon.-
rador. I
E' iamenlavel que as ideas democrticas proAt-
ziadp'tao doces fructos, fazendo naseer a diifasao
da feljcidadc e das luzes as el asses inferiores, e
senda uma condicao para o progresso dos senti
mentas de equidade e de humanidade as das
ses superiores, inspire ao. mesmo tempo preten-
des taiquas, egoalmcnte funestas e destruidora
da ordein c da liberdade ; e, o que ma'w para
admirar, supjtondo servir a mesma liberdade I
E' que, como bem diz o Sf. Viscomle del'rugay,
us reformadores daquelles lempos tiuliam tomado
lalogensa a tudo quanto era conselho, que en-
tendiam que tudo quanto era exame, deliberado
e conselho era prdjidicial liberdade Seme-
Ihanles aos phanlasraas do que nos falla Mllton,
viam em cada instituigo nm enthronisamento da
primeiro representante da naci, muguen) melbor
do que elle se'acha era contacto com os grandes in-
teresses'ito paiz pea sua mesma posl^o. Cullocado
na cpula do edllfcj^Kiciai, oHa do arto com vistas
largas, benficas, deslntorftsadas, despidas de am-
bicies mundanas, porque alnado quasi corto di-
vindade ; nao pdeNeonhecer. vinganeas, nem ter
cromes de ninguem : emm. jaira a prali'ca do
bem, o imperio da justica, e o que de razao, por"
que um soberano, e o soberano reprsenla a ra-
zao, a verdade e a justica.
Com ludo, como bomem pode errar em saas opi-
nides, pode olnar is rousas por um prisma diffe-
renle dos outros e ter nm pajecer discordante dos
raals pareceres de seus copselheiros : roncedemos.
Concedemos raais que discord as tnais das ve-
zes, e que, vivamente compenetrado da jusleza de
saas opfnies, delire era sentido opposto a esses
manto e confundidos as mesinas aguas os queda-, ,anca? ,nes fSemmas fav0raveis. Se algum
verdadeiras
mam contra verdadeiras violacoes das garantas
estabelecidas pela lei fundamental e os inimigos da
iranquillidade do estado, ou ambiciosos ligados con"1
Ul os miuislros, aos quaes alinejam succeder.
baldo de ideas polticas assenladas e justas cm
.--.ua maioria, inimigos por systema de toda medida,
linda a raais vantajosa, cuja Iniciativa nao Ihes
coasa importante resulta
inutilidade de uma reuniio de varoes cheios de
experiencias, encanec los no traquejo dos negocios
vers- as brilhantes, fecundas e laminosas licoes a
daqui nao c por certo* Q^'assistu, que asculip, qae combaten, que
pblicos, guiando e auxiliando o monareba e os
ministros nos assumptos polticos e admnisfrsti-
ves, tao vanados e tao cumpticados. Se resulta
daqui alguma cousa importante, que o espirito
- les* T t?itjz\ -* -* --
das tendencias sociaes, sembr impotente di- da ,na")r,a' po^^e-hao cora fundamento e bom
ante da grande lei, me de tolas as invencoes e senso ner que foram molis, e infructferos os
apreciou e aprenden?
E, se depois de vivamente esclareciJo, instruido
e alumiado por esses sabios pareceres, focos de lu.
zes, fulgeutes luminares, filhos da grande experien-
cia e louga pratica no traquejo e nitrito dos nego-
cios pblicos, tanto polticos como administrativos,
se depois disto, dizemos, tomar elle uma delibera-
nho em'repellir a proposicao dos-ministros, sendo
que seu uuicofim destruir aquelles a quemolbam
como um poderoso e forte obstculo sua assencao
ao poder. D'alii esse niiseravel jogo.de intrigas e
ameacas, que, se nao fosse passageiro, certo nao
valia a pena que os povos envidassera tantos esfor-
(s, fizessem tanlos sacrificios e t derramassem
(anto saogue para eslabelecer o governo represen-
lalivo.
Grande desgraeadamente o numero das leis que
de todos os progressos humanos, mola de lodo o
principio de vida, a necessidade. Ao passo que
esses socialistas das leis e das insiituicoes juradas
'(>/ instar dos socialistas da propriedade em 48 na
l-'ranca, extinguan) em 12 de agosto de 1834 o
conselho de estado, creado pela constituiQao, e os
cooselhos de provincia, creados pela constituirte,
vtoiam maiiifestamente o nosso pacto fundamental', em lugar de Ihes darem uma melhor organisago,
c desgragadamente anda apezar das mil reclama- em 13 de maio de 1840, em 3 de raaio de 1841 c
f,o"es enrgicas, que algumas vezes se tem fcito
ettoar no parlamento, nao poucas e estas muilo
,aportantestem sido as garantas que nos bao si-
do tiradas pelo corpo a que a nacao confiou a sua
ntella e defeza. Mas deste numero esta longe de
afinal em 29 de noverabro do mesmo anno, sur-
ga a idea de seu restabelecimento e, em summa,
de sua realisacao II
IV
Se a palavra inutilidade applicada pelo Sr. Gur-
sabios conselhos que recebeu? Decididamente que
nao.
Alm de que parece demasiado gratuito o sup-
por-se que um monarcha Ilustrado e ardentetneo-
te animado do bem da nacao se possa achar, em
questao grave e importante, em funesta opposicao
a lodos os seus conselbeiros, deliberando no senti-
do de seu modo de pensar, bem como nao menos
gratuito que os repula, nao os queira ouvir em to-
dos os negocios graves, importantes e de subido in-
teresse nacional, taes como os relativos assump-
tos de guerra, a tratados de paz cora as potencias
estrangeiras, etc. etc., em que pode a patria estar
; em perigo, compromettidos os mais caros interes-
1 ses naconaes, a vida, a liberdade e mais dreitos
de seus semelhantes. Qaem quereria trocar, como
elle, as alegras domesticas,-todos os posos, todos
os bens quejo horaens procojjam tao vidamente
por trabalhos obscuros, por deveres penosos, por"
moceos espinhosissimas, que muitas vezes nao
deixam o'atro fructo senaoo despreso, a ingratido
e o insulto (i6)"! '^'I :
Grto,.charis6imos irmos, esta nossa nica
partilha neste. mundo de decepc-Ses e de contra-
riedades A misSao do sacerdocio fiatnolico nao
hojemas fcil do que nos lempos primitivos. Nes-
ta ra de progresso, como Ihe chamara os philoso-
phos, edade de ouro da industria e dos caminhos
de ferro, como Ihe cncommiam os proselytos do
interesse ; o sacerdocio levado no rpido turbl-
Ihao de todas as cousas, mal podendo respirare
sem raesmo se quer enxugar o suor da frpnte que
o excesso desta luta titnica das santas creucas do
catholicismo cora todos os erres e vicios da socieda-
dade moderna Ihe suscita cada instante. Ah 1 e
quem nos hade sustentar em tao critica conjunctu-
ra, nesse rude bracejar da materia contra o espiri-
to, das pai xoes contra o dever, do erro contra a
verdade? As palavras eloquenlissmas de Pedro
que na effusao de seu amor e da sua caridade fiao
cessa de dizer-nos : Antes de todas as cousas ten- veas e arterias, os quaes obstrundo raais ou me-
de entre vos mesmos uma constante caridade... nos completamente a sanguicacao pulmonar ou
Sealgnm de vos falla, seja como palavras de Deus: heraaiose, sao considerados como uma das causas
se algum de vos ministra, seja conforme a virtude das morles repentinas, que antes se attribuiara
de Deus que d; para que em todas as cousas soja quasi sempre a iuloxcacao, ou apoplexia cere-
Deus louvado por Jess C.hristo. "Ante, omnia axt- bral oa pulmonar, syncope. ruptura do coracao
tem carilatem continuara habentes... Si quis toqui- \ e grossos vasos, ele.
tur, quasi sermone Dei: si quis ministrad, tamquam i As mortes sbitas, que sao um fado frequente,
exvirtute quam administral Deus : ut tu mnibus e de todos os lempos, olferecendo pathologia um
Iwnorificelur Deus per Jesum Christum (ti). vasto campo para observares, deviam ter sido
Trabalheraos, pois.com todas as potencias oe assumpto que raerecesse oceupar mais detdamente
nossa alma para o glorioso desempenho do tao im- i a allenao dos homens dasciencia; e comludo nao
portante conselho. Nao recuemos, para glora de! raode numero au doenas a nosso Divino Mestre, para mostrarmo-nos dignos eslt 8euero de morte4' nem 'tl,as se lem V-
de nossa vocacao, diante dos maiores e dos mais
longou por muito maia, lempo que nos ataques
antecedentes, succedndb a esta especie de luta
e ao cansajo d'ella resultante um somno inquieto
e pouco reparador de amas quatro hoij^.,finias
as quaes voltoa de novo o mesmo cortej de symp-
tomas, raais alarmante, a que a doente suecum-
biu. Nao houve tempo para emprehender traia-
mento algum efflcaz, porque quando o facultativo
chegou, a doente eslava expirante. Nao se.fez au-
topsia, nem nos consta que tkasse bem determina-
do o capitulo da doeuca.
O conhecimento d'estas circumstancias poderia
hiduzr-nos a um exame mais cabal e dellhado,
se nos tivessemos outro proposito alm do j euun-
i'ado; estes dados, o conhecimento pessoal da
senhora, victima do desastrado acontecimento, e o
carcter do nosso informador, apesar da distancia
que nos separava do thealro em que uvera lugar
este successo, precerara sufficientes a este nosso
intuito, suggenndo-nos a presumpcao que a doente
perecer do que boje se chama mbolismo pul-
monar.
O embolismo, termo usado pela antiga medicina
com differente accep^ao, serve hoje para designar
a existencia de coalhos ffbrinosos do sangue as
ser por certo a lei de 23 de novembro de 1841, que Sel a e*a Ilustre corporacao de bomons eminen
j tes collocados junto do governo para o auxiliar \dS c,dadaos acon,ece 1ue a verdade nao pode
com seus conselhos e s^bedoria, qur dizer so- ser e ua0 aPanag' e nenhum noinem, e, por
mente que o conselho de estado que temos nao consegrante", o imperador, a quem moral e legal-
oraais perfeito e o raelhor organisado, a conIro.j mente, de A'co e de versia desapparece, ento-a questo, toraa-se do a guaraa( a defeza da integridade e independencia
numero daquellas, que, na opiniao de um celebre
nacional, a quera uago constituiu seu priraeiro
creou o actual conselfio de estado, como contra o Sr.
urgel pretendemos chegar al a evidencia.
Has nao smente como contraria constitui-
do que o Sr. urgel impugna a actual instituicao
o conselho de estado, o tambera, segundo elle por
:.ar de nenhuma utilidado poltica ou adminis-
trativa. Portauto. cabe que acompanhemo-lo em
t,ua dupla proposicao.
II
Ao lermos as primeira
nos referimos, confessamos ingenmmente que o r'um0
iosO inleresse em aeabar a leitnra de todo elle foi js d fevereiro de 1842, tem muitos senoes e re-
caual ao nosso desapontamento postcior. clama muitos melhoramentos; ninguem anda
.. I i.ii iiiiiii^iiii r.ti i.......... a.......i, i ,,. iu uma pu-eza de intencoes e de vistas que o elevara
nesgamos a discuss; Ihe q J^^ ^ ^^ g ^ de seus sub,
(ditos.
DifUcil de compreliender que nm cidadao as
se-
jeto, basta apresentarem.se para serem logo re- e perpetuo defensor de seus bros e de seus drei-
futadas,enslbentemen.e nos despensamos de os. ^ lera por novel determinantes de suas accoes
proseguir; por quanto ninguem ainda poz em o6emPu tc0-
linhas do artigo a que 'luvida que o nosso actual conseMo de estado, tal i seu ,artcer Pode. er erroneo- fde 8er f,lh/
' que 0! como creou a lei referida e o regulou o decr. de ; de uma falsa aPre(iiava ** Pblicos interesses (e
esta lei todos eslao sugeilos); mas sempre un
gido pelas ablugoes do uma sao consciencia, de
Terapos depois, solicitando o principe Esterhazy
e Peter o crneo do grande hornera, elle e Rosen-
baum Ihe entregarais um, asstf urapda^lhe ser
aquelle ; exames porm de peritos cot^eilcerara o
principe de que fra engaado, e de que o suppos-
to crneo de Haydn pertencera a um individuo
ie vintc annos pouco mais ou menos, quando Haydn
llecera aos setenta e sete.
Novas supplicas, novas exigencias.
Entregaran ento outro crneo, que apezar de
nao ser ainda o verdadeiro foi eollocado no tmu-
lo do mutilado como havendo-lhe pertencido. Mas
a verdade que o pirrnico Rosenbaum guardou
em seu poder at ao fim da vida o verdadeiro cr-
neo de Haynd, quando morreo legou o Pedro, seu
primeiro possuidor, s com a condicao de que esse
por sua morte o offereceria aocon-ervatorode Vien-
na. Peler, porm, ainda uma vez falseou, e legan-
do-o em testamento quelle conservatorio, foi da-
lo em realidade ao seu amigo o Dr. H., que offere-
ceu aquella reliquia artstica a um dos mais il-
lustres institutos anatmicos da Europa, onde hoje
em dia ainda se conserva.
Que Odyssa que peregrinajes I que serie de
profanad-oes aos restos de um bomem como Haydn!!

Para concluir, contaremos, a proposito dos fras
do presente invern, um galantissimo exemplo de
humanidade. Refcre-o a um jornal scientifico de
Franca um seu correspondente em Vienna d'Aus-
tria, o conde Marschall.
Padeceram immenso dos frios e neves os arra-
baldes daqaella cidade. Os campos ns e ermos;
a vegetacao pobre e escassa os rebanhos na hy-
bernacao do aprisco. A florescencia das arvores
andava atrazada um mez, pelo menos, comparada
com a do anno ultimo.
As pobres das aves, essas entao era abrigo, nem
refugio, nem um raio de sol, nem um grao se
cupado muilo o sentimento publico, parecendo| quer andavam a introduzir-se em toda aparte;
penosos sacrificios. Por sem duvda, que o mundo I ('ue ou lS"oracia invencivel, ou impotencia me- j chegavam a raetter-se, de desesperadas, nos corti-
esquecer nossos esforcos, ou, quando muito os dica conspiram para por em esquccimenlo acci- eos de abelbas ; morram todas de forae e de fro
amesquiuhar, como outr'ora amesquinharara os i den,es- *l*ai dS 1uaes Mhariam porvenlura na
emees daquelles que, ultima hora chegaram med,ciua preventiva a sua tabua de salvaco.
viuha do Pae de Familia; mas, como Este nao ava-' Q trabalhos do Sr. Wirchow em 18)6, os do I pobres fugitivos, cahidos durante a noute na geada
lia nossas accoes pelo que dizem, o sira pelas n- j Sr- Col'n de Berln, these do Sr. Ball sustentada ] dos campos edosjaidins.
era uma lastima era um d I Apanhavam-se ca-
da manbaa aos cestos e cestos, quantidades desses
tengoes com que as praticaraos, retribuir-nos-ha na Faculdade de Pars 3 de Janeiro de 1862, e fl-
com a mesraa generosa liberdade com que retri- nalraenie a communicaco feita recentemente pelo
buiu aquelles que supporlaram todo o peso de dia e I Sr- Velpeau academia das sciencias d'este paiz,
da calma (W). Nao, que nao sejamos do numero! resuraem um certo numero de observacoes, que
daquelles que, chamados communicaco dos fa- laucam molla luz sobre a ndole d'esta ndivdua-
vorescelestes, nao foram achados dignos de tao lidade mrbida, que nao podendo ser prevista p
sublime escolha (29). margem a pensar no modo porque devem preve-
nir-se, ou pelo menos modificar-se em algumas
Mas como, grande Deus, como poderemos dar o ereQm?toncas os desastrosos effe.tos da solidifica-
menor passo no caminho do bera e da joslica, sera | ^^ do sague) ^^ ^.^ de frma.
cllo-para no embate de nossas opioides comas do d, como na Franca eem Porlug.l, uma direc
collega com que houvesseraos de eombaler... po- &0 uniformc nas materias administrativas. To
Cirraos avahar o criterio de nossas argumentacoes.
dos os nossos mais profundos estadistas notam
sem descrepancia todos esses delitos, defeitos i ""'vues do imperante brasileiro fuja de obrar
. Sira; porque sera urna nova prodcelo de bons que ohstain a ,naimiencao da coherencia e uni- 8und a justica e a verdade, deixe de fazer da le
urgumeolos, sem uma cadeia lgica de, raciocinio forrai(kue nas oecisiies. e (na,monie, mui,os on- i o seu dolo,
gradualmente raais polente, e florido cortejo de pro
VBi robustas e couvinceutes que houvessem sido
destobertos criamos que a intelligencia doSr. Gur-
gei nao se bouvera eclipsado ao ponto de acudir-se
a recursos extranhos, e ser preciso lomar aos col-
ligas lunetas emprestadas para avallar o crlerio
do suas ai gumeutacoes I
Se o Sr. Gurgel quizesse de veras fazer sabbalmu
para disculiyi questao com os talentos que Ihe sao
recouhecidos e as vantageus que Ihe sobravam de
fcaverd'algibeiraaprofundado a materia, era o
caminho mais curto offerecer-se lempo c com an-
(.-cipacao a medir as langas nas lutas da palavra
: azar assim occasiao de esmagarqualquer que fos-
:,e oousado adversario que semettesse em cavalha-
las altas.
Entretantoforcoso que digamosgrande foi
O nosso desapontamento quando abordamos as ulti-
Qas conclusoes, pois que apezar de suas promessa?
preliminares e avantajada opinian que formamos
de seus conhccimentns.o ponto controvertido achon-
r.e no msmo terreno sem amolgar seqoer meta po-
gada; o por conseguinte, a nossa oplniSo adquiri-
da sobre a utilidade e conslitnconalidade da-
queliainstitugaocada vez mais firme, segura eina-
balavel.
' Chame o Sr. Gurgel saas as deas que lem con-
cebido acerca da lei de 23 de novembro de 1841.
que nos as chamaremos avadas. Sabemos bem
qne nos objectar no supposto de nao haver ura
juiz: mas para a uosjadistincgao temos quanto a
sua utilidade um symbolo plulosophico c outro
fornecido pela historia, proclamado pelo universo
luteiro e repetido por todos os povos, cujo governo
lenha sido regularmente eslabelecido, e temos-
quanto sade constitucionaluma respeitavel au-
loridade encarregada de proclamar a verdade e a
alsidade em todas as materias, que a ella concer-
nen!a mesm,a constiiliqaoem seu arl. 178.
Devemos, porm, prevenir ao Sr. Gurgel, que a
parte a energa da expressao com quecosiuma-
luos sempre argumentar, esperamos nao lome a
n parte a dureza dos termos.
I
O conselho de estado uma dessas super-
fluidades sustentadas talvez mais por um luso da
corte, do que mesmo por uma medida de interesse
publico, diz o Sr. Gurgel cora toda emphafe e
cnlhusiasmo.
Deus nos livre de nos suppormos depositarios
da verdade e rafalUveiS nas opimoes que susten-
tamos ; e por isso -elle mesmo nos guarde de a-
venturarmos taes proposicSes sem juntar-mes im-
Hiiediataraenle a razo do nosso dito.
Defeito, ter o Sr Gurgel provado o que dog-
*natisou ? Seriara suas premissas verdadeiras e
legitima a concluso de que intil e luxuriosa
a instituicao de um conselho de estado, mesmo sem
a perfeieo do conselho de estado de Franca, de
Inglaterra, de Portugal e Hespanha ? Encontrare-
mos ah um s argumento serio, que mereca as
booras de uma refutacao cabal ?
Nao seria antes o desejo do Sr. Gurgel fazer-se
ocho do que disseram apposionistas polticos, sys-
tematicos e inimigos irreconciliaveis de todo o me-
Ihoramenlo ? E note-se que, quando apresenlou-
se do senado o projecto para um conselho de es-
tado, e depois nas discussoes successivas brilhan-
tes, e aprofundadas, que esse projecto provocou,
nioguem, nem urna s voz se ergueu paVa contes-
tar a idea- e a necessidade da creaco de um con-
seibo para o governo. Pelo contrario, tal era a
necessidade dessa auxiliar instituicao, que, suppri-1 no saudo em- qae opinou a maioria delie; eis o
mida a do cap. 7 da const, em 1834 pela lei da grande argumento contra a utilidade daqaella ins
reforma constitucional, em 1840, foi apresentado utusao,
elle, cuja existencia, iranquillidade e
tros defeitos sem so mesma rganisasao, qae nao ; explendor deseaaca sobre o sea exacto cBjnprimeo-
produziremos por amor brevidade. l0 e in,ftira appcacao, como a columna descanca
Mas decididamente nao pode ser este o sentido! SO^re o seu pedestal,
nas expresses atiradas pelo Sr. Gurgel contra o' Sun, a razao coropreheade diHlcilmeete que a
conselho de estado, desde que attendermos que elle verdade o espante, a jui?a o atterre a luz o enfra-
nds diz, que o nosso conselho de estado, existindo' queca, que renuncie elle o caminho que a sciencia
como um fundo de reserva (I1) no meio de nossas 'he indica e o dever Ihe ordena. Framister pri-
instituicoes puliti ras e administrativas, uma ver- meiro desconhecer a nobre e elevada missao que
dadeira inutilidade, e a razao porque livre ao' Ihe foi commetlida, quer como depositario uraco e
imperador consltalo e segui-lo sobre quaesquer j exclusivo do poder moderador, quer como priraeiro
materias I Aqu mostrase o Sr. Gurgel desconhe-'; e supremo motor do brago da nae/io.
cido do sabio preceilo de Montesquieu ; quando' VI
nos di/, que poucas vezes conveniente prohibir'[ Al)ui pederamos percorrer com o Sr. Gurgel pe-
uma cousa que nao m sob pretexto de alguma ,0 braco 0 grande cltha|0g0 das portantes e es-
perfe.cao que se imagina.....Certo, a cousa de pjnnosa3 aUribuc5es correspondentes aquelles
que nos oceupamos nao s nunca foi siraplesmente doU5 modes de manfestacoes da sobeeania nacio-
m, mas ao contrario presta immenso servico ao nal e m0sirarmos como o monarcha per si s nao
imperador e o coadjuva poderosamente na poltica c|,ega a habilitarse suficientemente a exerc-las
e admtuistracao; e aqui cabe que recorramos com smente pelo concurso de seus ministros de estado.
0 Sr. Gurgel pelo braco s t sabias e dootas consi- sobre isto nos nos contentamos de reraelter "o Sr.
deraces do Sr. Dr. P. do Rfgo. Quem tiver fiurgel essa poucas, porm mui bellas, eruditas
idea do que seja administracaodiz este dislincto e fecundas prelecefles que correm por ah impres-
professornao deixar de reconhecer que sao de sas, que materia brilhaulenienle discutida e cui-
indeclinaveis necessidades para o bbm governo de dadosamente exhaurida pelos que sanem a sciencia
qualquer paiz o trplice objecto de que cura o ac-l essencial das sociedades constituidas,
tual conselho de estado; isto : 1." assistir ao mo-
narcha com seus conselhos sobre negocios de Nao yiu Sr- Gurgel que cahia era palmar con-
maior transcendencia que dependem de sua'imnie-' jradicjao ?
diata solugao ; 2." discutir os projectos de leis, re- Acha intil o conselho de estado porque o mpe-
gulamentos e instruccoes ; 3." servir de centro pa- rador ouve-o e o segu se quizer, desattendendoas-
ra onde convirjam lodas as questoes suscitadas nas sim a vantagem que resulta para elle de ver sua
espiaras inferiores do poder executivo. opiniao discutida, combatida e at mesmo desttui-
E poder-se-ha seriamente chamar intil a uma da e Psta Pr trra om uma larga e doula sessao:
sabia corporacao destinada a penetrar nesse laby- entreunto o Sr. Gurgel morria de amores por en-
rinlho inextrincavel de nossa anmala legislacao, lrar "l.^baUaa, iular com os col legas e ouvir
d'onde nem o proprio fio de Anadnanos fariasahir as sabias. e dou,as "derac6es do seu dis-
com facilidade ? intil ella que se enrarrega do 'neto profossor, a fita de porcr avaliar o criterio de
estudo de materias graves e importantes, difflceis seM argutaenU* e justea de seu pensar I Nao era
e espinhosas, que exigem lempo e minucioso exa- Sr- ^rl livre em ouvir e seguir esta ou aquel-
me ? e lero os ministros, j tao atarefados, o lera- la PWo, porque tanlos desejos de dsoussao ?
po necessario para estuda las convenientemente, C^"36 1ue 'ndo um dia pajeando juntos-
aconselbar ao imperador e applica-las com jus- Rousseau e Bernardin de S. Pierre, este observara
,.za f aquelle que dizia heresias e blaphcmas contra a
1 '. ,.t religio christa, quando viu que tirava o chapeo
Que imporla que o monarcha enha liberdade de aQ de sejs noras fazia Q da cmz.
nao ouvir e nao seguir os pareceres desses conse- 0|a, qw ss0 ao que resjl0lldeu 0 rcVolu-
Iheiros, se aUnal a necessidade exige que os ouca, cioa;irio. Eu> neste momento, era cathol.co 1
o dever obriga que os atienda, a eapenencia que Fa?a a moralidade e applique o Sr. Gurgel.
os escute e a razao que os siga ? os acceite ?
Quando lemos a parte da these do Sr. Gurgel, Dividimos a nossa these em duas partes: uti-
que estamos combatendo, lembramo-nos de uma (;,J(fe e constituctonalidade do conselho de estado;
ancdota que li algures. Permitta-nos, pois, que a lemos nos ocenpado mais do qae era necessario da
os auxilios de vossa graca efflcacissirna?! Conce-
dei-no-la, pois, por quera sois! Fazei que os meus
ouvintes, invocando-vos hoje sob os auspicios da-
quelle quem o vosso lilho adoravel commetteu a
missao de representa-lo sobre a trra experimentem
os effeitos de sua poderosa intercessao junto de Vos.
Lancae vossas vistas de misericordia sobre os ha-
bitantes de toda esta provincia, do Brasil todo. Di-
latae os das precisos do Monarcha que dirige os
seus destinos. E sobretudo, continu, como al boje,
pjoteger a vossa egreja ; abencoae o seu Augus-
to chefe ; fazei que a duplicada cruz, que Ihe pesa
sobre os hombros, seja um titulo de gloria que o
leve vossa presenta adoravel.
Oh! e poderiamos esquecer neste momento a
bondade verdaderamente paternal com que esse
digno successor de Pedro acolheu as supplicas hu-
cao nio sao por ora bem condecidas.
Os detallie.- sobre o uiechaoismo d'esta coagula-
do, e sobre os eteitos mrbidos d'ella, consumera
o verdadeiro escopo por onde tem de ser um dia
alenda a theoria, da qual se deduz j, com alta
probabilidades uma especie de migragao, que se
atlribue s emboltdes ou fibrina coagulada, pelo
centro de uma das correnles vitaos do organismo,
onde ellas obram como corpos inertes ou anles
como corpos estranhos, capazes de dar a morle de
uma maoeira instantnea.
t Por raais incompletas que sejain as nocoes so-
bre o mechanismo da cjrculacao do sangue, diz o
illuslrado professor do hospital da caridade, qual-
quer pode coraprehender o genero de perigos a
que expoe a presenca na corrente circulatoria de
mudes, que o ultimo dos padres desla diocese ou-; om cor', es,ranho nwvel' ^] um coa8.ul de
saogue, sabendo que este fluido reconduzido da
cavas
sou dirigir-lhe, e a generosidade sem egual com
que S. S. abriu com tanta profusao os thesouros da : cabea' dos_I"eibri>s *> tre Pelas
egreja em favor deste pobre templo situado tao
longa mstancia de seu excelso Throno ? Ah I como
soam-nos ainda as palavras que, ao pedirem-lhe a
graga de benzer essas vestes que ora adornam os
ministros deste raesmo sanctuario, disse o sobera-
no pontfice com a candura sobrenatural que o dis-
tingue :Eu nao smente as he de benzer; mas
celebrarei com ellas o santo sacrificio da missal
Que prova mais lisongeira poderiamos ter da terna
sollicitude com que nos olha o nosso Pae com-
mum ? Que outro algum monarcha mostrar-se-hia
tao affavel, lao insinuante e accessivel ao mais
obscuro e desconl'iecido de seus subditos ? Oh! e
quanto urna tal recordaco deve suavisar as fad-
gas que por ventura encontrarraos era nosso peri-
grinar por este mundo ?!.... Eia, pois, Senhor, rc-
cebei o sacrificio incruento de Vosso Filho Divino,
que por elle vos offerecemos nesia hora. E' este o
raeio nico de manifestarmos uma divida que ja-
mis peder ser correspondida.
Fazei, finalmente, Deus Eterno, que todas as ove-
Ihas de seu immenso aprisco o vejara triumphar
no cu, e ah entem ao Vosso Santo Nome, hosan-
nas eternas, cnticos sem fim.
at o coracao, parte d'aqui para lancar-se na ar-
teria pulmonar atravessando os pulmdcs, d'onde
volta ao coracao pelas veias pulmonares, para
sahir pela aorta, espalbando-se por todas as partes
do corpo.
(Confitmar-se-aa.)
refiramos, porqu com o cont passa a moral, diz
Montesquiu.
Ei-le: I
Havia no Egypto um certo Theut que paseara
entre os Egvpcios pelo inventor da escriptura; dis-
se um da Thamus, re do Egypto : Eis aqui
uma descoberta que far os Egypcios mais sabios,
e Ihes dar maior facilidade de conservar de me-
moria. ao que respondeu o rei : Pae da es-,
criptura, por amor da tua descoberta, Ihe attribues
effeitos que ella nao tem, porquanto, aquelles que
souberem esta arte desprezaro sua memoria e fa-
i ao nascer o esquecimento em suas almas, porque,
repousando sobre a facilidade da escriptura, procu-
rarn lembrar-so das cousas exlenormente cora o
auxilio de caracteres estranhos e nao ioteriormen-1
te 4>or seas proprios esforcos I
V
O imperador, sendo livre em seguir os pareceres
primeira parte ; mas comonada obstantemuito
nos reste a dizer sobre ella, prometleraos mais ou-
tro artigo que continuar a este.
Recite, 10 : agosto : 18>34.
F.S.

influencia benfica
do sacerdocio, sfrmo pelo
Itvilm. Dr. coneijo Joaqnim do Monle-Carmelle,
em S. Paulo.


Et ego dico Ubi, qma tu es
Petras, el super hanc petram
edifcabo ecclcstam meam.
Eu te digo que tu s Pedro, e
sobre esta pedra edihearei a mi-
nha egreja. >
(S. Math. 16. '
(Conclmao,)
UM POCCO DE Tl'DO.
Extrahimos o que segu das cartas de Julio Cas-
tilho :
Trata-senocantao natal do grande compositor Jo-
s Haydn, de Ihe erigir um monumento no largo
fronieiro egreja principal.
Como, por isso, o nome de Haydn est na ordem
do da, nas noticias de certos jornaes artsticos al-
lemacs, referen) alguns delles curiosas particulari-
dades acerca da exhumac/io do seu cadver, que
por diligencias do principe Esterhazy foi feita era
1820. Ei-las pouco mais ou menos.
O corpo de Haydn licou por largos annos no cc-
miterio do lugar onde elle tiuba fallecido. Em 1820
raaudou o principe Esterhazy, como assentimento
das autoridades, desenterra-lo e transporta-lo para
uma das suas quintas.
Mas quando desenterraram o corpo, achou-se s
o tronco ; faltava ; i ..eca E por mais pesquizas
e diligencias que tez a justica, nao pude colher in-
12nibolisniO pulmonar. dicaces satisfactorias. Nao se falla n'outra cou-
r,oiA a* mn.,n ....,:...i sa. Todos conjeciuravam e ninguem acerlava. Co-
Om tacto de morle quasi sbita cm uma senhora; ,, .
da provincia do Alemtejo, que nos foi referido com mo l*erdeu "a>',lu a ,"""':* ? Que t' fe,t0 da ca"
certas circumstancias, fez-nos crer que tinhamos I ^ do 8rande comiM'A !
diante um d'essos problemas, cuja solvabilidade _A Bnai.saWdas as contas, deuse com a explica-
sempre dfflcil, quando nao Impossivel. Esta
senhora estava em um grau adiantado de gravidez,
e nada seno uma languidez pronunciada, e al-
guns ataques raros de dyspnea,que se extinguiam
gao do caso, lyii :;ra tal J. N. Peter administrador
de nao sei que pusona Austria. Inferior o pri-
meiro que se apoileron da insigne cabeca. Di-lo
elle mesmo, e d grandes explicacoes e porraeno-
denlro de alguns minutos, contrariavam a marcha!res no Msamplo no seu proprio testamento feilo em
regular d'este estado, cujo desenlace se esperava 1832.
cora anciedade, porque esta senhora. que era dota-
da d^1 ;ierigrina formosura, tinha outros dotes de
maiui valia, que faziara esperar, que este primeiro
geuito vina encher o vasio, que experinieulava um
corago to bera formado, sabendo-se que a ma -
teruidade seria para ella ura encargo suavissimo
e um penhor de fortuna domestica.
O faci ti vera lugar a muitas leguas de distan-
cia da capital, e s o podemos por isso esbocar
muito incompletamente, porque os dados que obti-
vemos nao esclareeem bem o lio dos acoutecimen-
tos, e menos ainda todo o quadro mrbido, que an-
tecedeu a hora do passameuto, porque tudo nos foi
referido por um profano.
Nao temos mesmo intengo de o esclarecer par-
ticularmente, mas chamar smente a attencao so-
bre casos semelhantes de mortes sbitas, e sobre a
origera de algumas d'ellas, porque nos parece que
sao poucos os estudos fetos sobre accidentes d'esta
ordem, que iufelizraente sao um argumento con-
cludente das incertezas e deficiencia da arte me-
dica.
Algumas horas antes de fallecer, esta senhora
conversava era familia de um modo que nada fazia
suspeiiar que teria lugar acontecimento tao extra-
ordinario; despediram-se d'ella as pessoas que
frequenlavam a sua casa por nove horas de uma
das noules do mez de jaaeiro do corrente anno,
I e por uma hora da madrugada fra ella acomet-
por cinco senadores um projecto que creava um
conselho privado. Depois em 3 de maio do anno sua asserco, poderia al considerar-se offensiva
Sabis o que um padre ? Pergantava m
dos conseUieiros, pode sobre materia muila vez grande genio. Um padre por dever o amirfa, a j tida por ura ataque de toase violenta, e de dyspna
grave e importante recusar tomar sua deliberacao providencia viva de todos os desgranado.; o con-
solador dos alBictos, o defensor dos desvalidos, o
arrimo da viuva, o pae do orphio, o reparador de
lodas as desordens e males que produzem vossas
paixSes e vossas funestas don trinas. Sua vida in-
teira urna longa e heroica dedicaeo a felicitado
Era Peter um partidario enthusiastico e mania-
co G < encade Gall ; e como fazia colleccao de
eran. .s celebres, tinha concebido um desejo ar-
dcnisimo de possuir o de Haydn.
Pur occasiao do fallecimento deste, consegua su-
uornar c comprar o coveiro, e n'uraa noute escura,
oito das depois do enterro, tinha ido ao cemiterio
com mais tres amigos muito ntimos, um dos quaes
era Carlos Rosenbaum, secretario do principe Es-
terhazy. Abriram o tmulo, descerraram o caixo
e tirando para fra o cadver, Ihe separaram a ca-
beca do tronco por meio de urna serra.
Cora aquella preciosidade correu Peter sua ca-
sa, e com muito trabalho a podo preparar, limpar
e branquear, para depois a collocar por suas mos,
como de feilo collocou, em urna especie de sarco-
phago, onde religiosamente a conserva.
Pasiaram annos. Circumstancias o obrigaram a
desapossar-se da sua riquissima eollecQo. Repar-
tiu-a entre os amigos, e aconleceu que o crneo de
Haydn veiu para s mos de Rosembaum, ura dos
quatro ou cinco cumplices daquella pledosa pro-
fanarlo.
Foi por esta occasiao q ue a polica comecoo as suas
pesquizas para descobrir a cabeca do maestro, que
faltava no tmulo ; dirigiram-se primeiramente as
pesquizas a casa de Peter, por se farejar que elle,
a possuiria. Quando foram ter com elle, respon-
deu que nada tinha do qne se. Ihe pedia, mas qae
Esta razio dada pelo Sr. Gorgel, era abono de
l'ra dia (as aves marcara esse dia fasto nos seus
annaes com uma pedra branca), um dia o Lano de
Siuna, opulento proprietaro austraco, ordenou
que lodas as portas e janellas das suas magnificas
e vastas estufas se abrissem de par'em par aos
emplumados mendigos errantes, que nem lnham
onde abrigar-se.
Agradeceram-lhe de veras as avesitas, aceitando
o convite do seu hospitaleiro amigo, e povoando em
chusma e por bandos de milheires os magnficos
palacios e crystal, lo tepidos, to perfumados, to
abundantes de graos, to primavera que a munifi-
cencia do coudoido fidalgo Ihes franqueava.
Era para ver como todas as estufas regorgila-
vain daquella plebe farainta e inoffensiva, .,ue nos
seus cantares e vos de alegria expressavam a seu
modo a sua gratido.
Este rasgo de humanidade, diz o conde Marshal',
to singelo de si, mas to grande ao raesmo tempo,
faz-rae de veras prazer ; e baveis por certo esti-
mar muito communica-lo a alguns dos vossos as-
signantes, memores da sociedade protectora dos
animaes.
L-se na Verdade o segulnte !
PAH0D4A.
ARMACO ornameolo de sala ou cmara
que nasce na cabeca dos toaros e dos veados.
BANCO ulencilio de ferrador onde ha di-
nheiro como trra.
BARDO poeta com que se cerra e tapa os
campos.
BOLO dinheiro que se disputa ao jogo de que
as criancas fogem como o diabo da cmz.
CACHOPO rapaz que se encontra no mar.
CARA parte do corpo humano que custa mais
do justo preco.
CaSCA parte exterior das arvores a que se
nao deve ir sera ter basto ou espadha.
CA VALLO animal que conduz gente e cargas
cora pernas de pu usado por pedreiros, pinto-
res, etc.
CEU da bocea para onde vio as almas dos
justos.
CHAPA lamina de metal de que.se serven)
os partidos nas eleiedes.
CHAVE parte do p com que se afina instru-
mentos de msica e d corda nos relogios.
COBRE metal de que se faz tachos, alambi-
ques e caldeiras do verbo cobrir.
Du' nota musical que algumas vezes faz
chorar a gente.
NGENHO talento em que se faz nielado
rapadura.
FALCO ave de rapia com que amigamen-
te se dava tiros.
FOLIIA das arvores e das plantas de que se
faz panel las, candelas, ele.
JlZO-facuidade da alma em que s vezes nao
ha uma partcula de bom senso.
JUDAS santo que vendeu a Chmto.
LATA cara d'embirra, de ferro estanh.ido.
LEITO fundo dos ros onde se dorme regala.
damenle.
LINHA fio com que se pesca e divide o globo
terrestre em duas partes eftoaes.
MAO parte do corpo humano de folhas de pa-
pel com qne se soca nos pilSes e almofarizes.
MESA reunio dos mesarios ordinariamente
de quatro ps.
MEDIDA precaucoes tomadas de quatro gar-
rafas.
NABO hortalice que se encontra dentro das
bombas.
ONCA moeda de ouro que se encontra viajan-
do era matto virgem.
PATO ave paludal que pagam os papalvos e
os lapuzes.
PIO homem que doma animaes que jogam
as crianzas.
PAGODE templo indiano cora que se arrui-
nan) extravagantes e pagodtiros.
PECA logro que alguem prega a outrem que
e monta era carretas para dar tiros.
PHOSPHORO preparacio chimica para ac-
cender cigarros qae (procurador comprado de de-
fundos e ausentes) serve a perverter escandalosa-
mente as eleiedes.
PEPINO de que em Franca se fizerara monar-
chas, e em muitos paizes salada.
QUADRA estancia de quatro versos que se
faz jngando vspera.
RE' mnlher criminosa na popa de navios de-
pois de d e antes de mi.
REGIMENT das rdac5es e das custas que
vae guerra.
ROSCA peca espiral em qne entra o parafuso
qne se come como blscooto das cobras e ser-
peles.
ROSA nome de malher qae se cultiva nos
jardn?.
S1GNAL bandeira qne embeleza o rosto das
mocas e se d em alguns jogos de cartas.
fossem ter pin Rosembaum. Este, que era esperto
que ameagava suffoeacao, estado mu que so pro-,e suspeitara j o alvo da visita do commissario da
---------------------n----------'----------------------I polica tinha precavido lado, e tomado todas as I tfERMO declarado escripia qne limita o tem-
.ft^S^ necessarias providencias para d.fender o sea ihe- i%- ^Kn. plantado *T paridas do
.i. ., a sciiini nana nu>nrw na /h-aa-j.i i^v HuMnn t\nc < ... '
i

.




par
(27) Episi. 1, 4,8 e seg.
(28) S. Math. 20, 9.
(291 Ibid. v. 16.
sooro : nada menos que esconde-k) debaixo dos' verbo vlr.
colxes da sua propria cama, onde sua malher se ______^________^_^_-____
achava doente. PERNAMBUCO.-TYP. DE M. F. DE F. 4 FILHO


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E4ZYGQBIV_4AFYIU INGEST_TIME 2013-08-27T22:39:11Z PACKAGE AA00011611_10453
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES