Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10449


This item is only available as the following downloads:


Full Text
NO
i
AMO u. mi
.4*1 3* ,#*.$.: v I



Por tres Mezes adianlaos 5gO00
Por tres mezes veucidos 6JUU0.
Porte ao correio por tres mezes. OOARTA FEHk 24 DE 60ST0 E 1864.
Por aiDO adiantado.....9JU0O
Porte a^eorreiopornm vsm- 3^000
NCAKRaADOS DA SUBSCRii/GAO .NO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrino do Lima';
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Aracatv o
8r.A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira; Maranbo, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Manoei Pinheiro & C; A-
mazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
BNCARREGADOS DA SUBSCRPCAO NO SL.
Alagas, o Sr. Claudino Falcao Dias; Bahia, o
rr. Jos Martins Alves; Rio de Janeiro, os Srs. Pe-
riera Martms & Gasparino.
PARADA DOS ETAFETAS.
Olinda, Cabo e Escada todos os dias.
Iguarassa', Goyanna e Parahyba as segundas e
sextas-feiras.
Santo Antao, Gravat, Rezerros, Bonito, Caruaru',
Altinho e Garanhuns as terpas feiras.
Pao d'Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqueira
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Tacaratu', Cabrob
Boa Vista, Ouricury e Exu' as quartas reiras.
Serinhaera, Rio Formoso, Tamandar, Una, Barrei-
m,rj' JP13, Pre,a e P'^nteiras aas quintas feiras.
una de Fernando todas as vezes que para ali sahir
DlVIO.
Todos os estafetas pai tem ao '/, dia. j
KPHBMERIDES DO MEZ EE AGOSTO
2 La nova aos 13 m. e 12 s. da t.
i Quarto rese, as 3 h., 37 m. e 38 s. da t.
17 La cbea as H h., 16 m. a 44 s. da ni.
21 Quarto niing. as 3 h., 44 m. e 20 s. da in.
PRBAMAR DE HOJB.
Primeiri as 8 horas e 30 minutos da manaaa.
Segunda as 8 horas e 54 minutos da tarde.
MRTU>a OOd VAOREi COSTEIRO.
Para o sul at Alagas ae?; pr* acorte at
a Granja a 7 e 22 de cada mez; para Ferrando nos
das 14 os mezes dejan, marp., maio, jui^set. enov.
PARTIDA DOS MNIBUS.
.., ? Recife: d0 Apipncos s 6 /a, 7 7 /j, e
9 Vt m.; de Olinda as 8 da m. e 6 da Carde; de
Jaboatao as 6 da m.; de Bemfica s 8 da m.
Do Recife : para o Apipucos s 3 % 4,. 4 A, 4 /*,
B, B Vj, o Vi e 6 da tarde; para Olinda s 7 da
manhaa e 4/, da tarde; para Jaboatao s 4 da tar-
de ; gara Cachanga e Varzea s 4/da tarde; para
Bemfica as 4 da tarde.
AUDIENCIA 003 TIUBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commercio: segundas quintas.
Relaco: tercas e sabbados s 10 horas.
Fazenda: quinta as 10 horas.
Juizo do commercio: segundas s 11 horas.
Dito de orphaos: tercas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel: tercas e sextas ao meio
da.
Segunda vara do civel: quartas a sabbados a 1 hora
da tarde
DIAS DA SEMANA.
(22. Segunda. S. Fabriciano-m.; S. Anlhuza m.
z.I. Terpa. S. Felippe Benicio; S. Davina.
zt. Quarta. S. Bartholomeo ap.; S. urea v. m.
2.j. Quinta, s. Luizcei du Frauea.
so. Sosia. S. Zeferino p. m.;S. Constancia m.
27. gibado, s. Jos de Salazans fundador.
tS. Domingo. S. AgostiDbo b. e dout. daegr.
ASSIGNA-3E
no Recife em a linaria da praca da Independencia
ns. t> 8, dos propneurios Manoei Figueirna a.
PARTE 8FFIGIAL
GOVERJIO DA PROVINCIA.
Expediente da dia 20 de agosto de 186i.
mente mediante a gratilicapao annual de 6005000,
a segunda cadeira de instruepo primaria da villa
de Cimbres, creada por portara de 9 de julho ulti-
mo.Fizeram-se s necessarias communicacoes.
Dita.O presidente da provincia altendendo ao
que informou o juiz municipal da segunda vara
cipemente oa da 20 de agosto de 1861. destacidade, em data de 18 do crreme, resolve
Offlcio ao r. chefe de polcia.-Para satisfazer- pr.oro8ar Pr 6 mezes a licenpa concedida ao tabel-
oque exige o inspector da thesouraria provin- !iao,de no,as Francisco Baptista de Almeida, para
tratar de sua saude, continuando este a ser substi-
tuido pelo serveniuario para isso nomeado tempo-
rariamente Ismael Augusto Cavalcanti de Mello.
Dita.O Sr. gerente da companhia Pernambu-
cana mande dar urna passagem at o Cear no va-
por Jaguanbe em lugar de proa destinado a passa-
geiro de estado a Joo Carlos Isleber.
Dita.O Sr. gerente da companhia Pernambu-
cana mande dar transporte al o Cear no vapor
12 do crreme, e em lugar de r destinado a
.a oque exige o inspector da thesouraria provin
mi na informacao n. 251, de 13 deste mez, junta
4>or copia, devolvo V. S. as comas da despeza fei-
U com o forneclmento de presos pobres da cadeia
do Nazareth nos mezes de abril junlio ultimo.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda. |
Participando o bacharel HisbelloTlorentino Carva-
Jhode Mello lerem 10 do corrente, deixado o excr-
cirio de juiz municipal e de orphaos do termo do
Brejo por se achar anojado pelo fallecimento de
sua mi; assim o communico V. S. para seu co-
oheci ment.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.Po-
do V. S., conforme indica em sua informacao de
hontem, sob n. 561, mandar por novamente
ca poltica, ello nao pode competir com o Dr. Car-
los Fernando Ribeiro. Este com mui pequea dif-
ferenpa pode coolar com toda votapo do 1. dis-
tricto como sua, e com a grande maieria do f
por intermedio dos seus amigos e Influentes do seu
lado. Aquelle se quizer entrar em lula, fica ape-
nas com um terco dos votos dos collegios desta ca-
pital e do do Itapucr-mirim.
A lisia trplice que se tem de razer se compor
dos dous que flcarem da que j se acha submetti-
da ao conhecimento do Imperador, e de um outro.
Esse outro suppunha-se que fosse o Dr. Fabio,
mas tendo-se apresentado o Dr. Carlos excusado
teimarem pela incluso d'aquelle, salvo se for ex-
cluido da composico da lista qualquer dos outros
dous que Qcarem, e que milito duvido.
O que maior mal tem nesta provincia feito aos
progressistas, a ambipao e a inveja que lavra en-
tre o seus influentes.
"" *f """Mu i '' i ii'' nuil ni I "I I
praca o imposto de 2,5500 rs. proveniente do con-
sumo do gado vaceum no municipio de Iguarass Pr'meiro yapor que passar do sul, ao cabo de es-
e bem assim o dizimo do mesmo gado na comarca 9*dra Joo da Silva, que foi transferido do 9 ha-
do Bonito, sendo este com o abate da terca parte e | talna1 de infartara |iara o corp de guaruicao da-
aquelle com o da quarta em substituipao dos pre-11ue."a provincia.Communicou-se aocommandan-
os por que jforam elles prapa sem resultado. le das armas.
D[to ao mesmo.Estando provado com a infor-
macao, junta por copia ministrada pelo administra-
dor da casa de detencao, que Antonio Francisco de
Jess Pre o mesmo individuo, que com o nome
de Amonio Francisco de Jess quando recolhido
quelle estabelecimento, trabalhou como servente
as respectivas obras ; recommendo V. S. que
mande pagar-lhe em vista ds documentos, que,
pela exthesoureiro pagador da reparticio das obras
publicas, foram recolhidos essa thesouraria, a
quantia de 535200 rs., que segundo con ta de ofTi-
co do engenheiro chefe interino d'aquella repart-
cao datado de 4 do corrente, c sob n. 200, se esta a
dever ao mencionado Pre, proveniente de seus sa-
larios.
Dito ao cnsul dos Estados-Unidos.Inteirado
de haver o Sr. Thomaz Admson Jnior, cnsul dos
Estados-Unidos, como me partieipou em seu offlcio
de hontem, encarregado ao Sr. Dr. W. Henry M.
Grath da agencia do consulado durante a vlagem
que vai fazer ao Rio de Janeiro, tenho a declarar-
le em resposta queapprovo provisoriamente a sua
deliberacJo ; fleando porm o predito Sr. Dr. Wm.
obrigado a apresentar o imperial exequtur no
prazo de 3 mezes contados de hoje.
Renov ao mesmo Sr. cnsul os meus protestos
de estima e eonsideraco.Fizcram-se as outras
communicaedes.
Dito ao viee-consul de Hespanha.Sciente de
tiaver o Sr. Camillo de Andrade, viee-consul de
ilespanha, encarregado o Sr. Leando Sanches do
virv.ronculado como me part'mipou om oBieio da
16 do corrente, por ter de ausentar-se de^-ta pro-
vincia, cabe me dizer-lhe em resposta que approve
provisoriamenta a sua deliberaran, fleando porm o
predito Sr. Sanches obrigado a apresentar o impe-
rial exequtur no prazo de 3 mezes contados de
hoje.
Renov ao mesmo Sr. vicecnsul os meus pro-
testos de estima e eonsideraco.- Fizeram-se as ne-
cessarias communicacoes.
Dito ao inspector do arsenal de marlnha.No
primeiro vapor da companhia de paquetes que
passar do sul, remetta V. S. para o Rio Grande do
Norte, o escaier construido nesse arsenal em vir-
tude do aviso da repanicao da marinha de 17 de
marco ultimo, para o servico da alfandega d'aquel-
la provincia Remetteu-se' thesouraria de fazen-
da a conta da despeza feita com esse escaler, afim
de ser esm'pturada, de conformidado com o aviso
da repanicao da marinha de 17 de marco ultimo,
e nfflciou-se aos agentes da companhia brasileira
de paquetes que faca transportar para a capial
d'aquella provincia mencionado escaler.
Dito ao director das obras militares.-Mande V.
S. caiar o quartel do Hospicio nomo snjicilou o com-
mandante das armas em offlcio n. 1486, de 19 do
corrente.
Dito ao tenente-coronel reerntador -Expeca V.
S. as sus ordens alim de que, de conformldade com
SSS dC eSt*da Raymuud0 MoDleir d0 Re- i Nesto vap'or sgue para essa o Germano com
niu Vi=spS ,,, h. u. Dar'e.dos seus contratados. Artista consumado ha
una. us srs. agentes da companhia Brasileira de deixar sempre gratas recordacoes de nualaucr
de paquetes a vapor, mandem dar transporte para parte d'onde sahir N SnLlsiaHna
o Maraa, por coma do ministerio da guerra no cional nao tem sido feliz S! mS 4 seusl?-
Despachos do dia 20 de agosto de 186-1-
Requerimentos.
Bacharel Antonio Fernandes Trigo de Loureiro.
Passe portara concedendo a liceoca que re-
quer.
Antonio Antunes Lobo.Satisfaca o supplicante
a exigencia constante do art. 28 do dec. n. 722 de
25 de outubro de 1850.
Antonio Francisco de Jess Pre. Dirija-se
thesouraria provincial.
Albino Remira da CosU.Informe o Sr. len-
te coronel recrutador.
Domingos Jos da Cunha Lages. Requelra ao
Sr. engenheiro chefe das obras publicas.
Bacharel Jos Patrocinio Pereira da Silva.Di-
rjase ao Sr. inspector da thesouraria de fazenda.
Joao Joaquim de Figueirdo Barbosa.-Informe
o Sr. director geral da instruccao publica.
Lourenco Francisco de Almeida Calando.- Diri-
ja-se ao Sr. inspector da thesouraria de fazenda.
Manoei Henrique de Miranda Accioli. Passe
portara.
Prxedes da Silva Gusmo. Em vista do dis-
poslo no art. 6 da lei provincial n. 299 de 6 de
maio de 1852, nao tem lugar o que requer o sud-
plicante.
Rosa Maria da Conceico.-Informe o Si. len-
te coronel recruiador.
INTERIOR.
CORKESPOXDEffCIAS BO IA
RIO DE IKR\AniUC O.
nviiAMilo.
S. I.uiz, 10 de agosta de 1861.
No numero 168 do seu Diario encontrei a mi-
nha missiva de 12 de julho; grapas s cautellas
que tomei passou ella sem embargo pelo correio
desta, onde tenho bons amigos.
a nona das condipoes que baixarain com o decreto
n 1030 de 7 de agosto de 1832, sejam isentos do
recrutamento os trabajadores da estrada de ferro
dos termos dos Afogados e Muribeca constantes
das relapoes inclusas por copia.
Dito ao director geral da iostroccao publica.-
Haja Vmc. de, ouvindo o conselho director da ins-
iriiico publica, informar-se sobre a conveniencia
de ser adoptado as escolas da provincia o opscu-
lo que a este acompanha intitulado Cathecismo
de Agricultura-publicado pelo Dr. Antonio de
Castro Lopes.
Dito ao juiz de paz mais votado do primeiro dis-
tricto da freguezia de Goianna =Nao estando an-
da approvada a eteipao dos elellorea de diputados
dessa freguezia, segundo consta do aviso expedido
pelo ministerio do imperio em 9 de Janeiro passa-
do, e das discussoes havidas ltimamente na ca-
riara temporaria, cumpre que Vmc. em vista do
disposio no artigo 2. do decreto n. 1812 de 12 de
agosto de 1846, convoque desde j osoilo cidados,
juizes de paz para organsarem a mesa parochal
na eleicao a que ahi se tem de proceder no dia 7
de setembro prximo vindouro.
E porque possa suscitar duvida a falta de lempo
para essa convocacao, tenho a dizer-lhe que essa
circumstancia nennuma importancia temdepois do
aviso de 9 de fevereiro de 1850, que declarou nao
ser tao esseneial o prazo de um mez para a con-
vocacao que algumas vezes nao possa ser prete-
rido.
Por tanto fap Vmc. sem perda de tempo a refe-
rida convocacao, oficiando a cada um d'aquelles
cidados, _e proceda na organisapao da mesa, no
caso de nao coinparecerem elles de conformidade
com o disposto no supradito decreto n. 1812 de 23
de agosto de 1856. Iguaes aos juizes de paz das
freguezias do Limoeiro, Nazareth e Bom-Jardim, e
communicou-se s respectivas cmaras.
Dito cmara municipal do Recife.O inspec-
tor da thesouraria de fazenda declarou-me em om-
co de 18_ do correte sob n. 444, que segundo a
informacao ministrada pelo agrimensor dos terre-
nos de marinha eo que consta n'aquella repartas
dos ttulos passados por aforamenlo de taes terre-
nos, nao se ha aforado a alguem terreno no alaga-
do de que trata o offlcio que me dirigi a cmara
municipal do Recife em 20 de julho ultimo, sob n.
30, que assim fica respondido.
PortaraO presidente da provincia resolve no-
mear a Candida Brgida dos Santos, para reger in-
terinamente e mediante a gratitieapo annual de
0005000 a cadeira de instruccao primaria da villa
do Granito, ereada por portara de 9 de julho ulti-
mo.-Commuoicou-se ao director geral.
Dita.O presidenle da provincia altendendo ao
que requereu Manoei Henrique de Miranda Accio-
li, e tendo em vista a informapao do director geral
interino da instruepao publica, datado de hoje sob
11. 170, resolve nomea-lo para reger interinamente
e mediante a gratfleapao annual de 6005000 a ca-
deira de instruccao primaria da povoapo de Nossa
Senhora do O" de Ipojuca.Communicou-se ao di-
rector geral.
ella
tenho bons amigos. Nao menos de
tres segnidas mssivas foram bifadas: todos sao
innocentes, no entretanto tenho nido em pessoa
entrega-las no correio, ellas ahi nao chegaram ao
seu poder. E, zangase o Sr. Francisco Maltos
com os repetidos queixumcs contra a sua m ad-
minstrapao I
Ter boas (calidades, porm, menos para diri-
gir urna repanicao qualquer.
Ao passo que se vai aproximando o dia 7 de
setembro, em maior escalla se vai desenvolvendo
o brutal recrutamento, que ha um mez se poz em
pratica nesta capital e provincia.
O Sr. desembargador Ayres do Nascimento de
bou 011 m vontade duixa correr esses alternados
reveia.
O partido progresista sabe que est em minora
que nao possvel vencer a eleipao de vereadores
e juizes de paz, se a eleipo correr livre. Em Tal-
la de votantes que Ihe deem o triumplio recorre
aos mcios do terror, empreando para isso a in-
fluencia official de que se acha de posse.
Os conslitucionaes sao processados por da r
aquella palha : o asilo dos mesmos dia e noile va-
rejado, elles agarrados, amarrados e levados em
continente a assenlarem praca de voluntarios!...
be. como dizem os progressistas teem elles em
cada parochia una superioridade de duzentos vo-
tos, para que tanto terror, tanta perseguicao aos
da insignificante miona? A razao clara' que
elles sahem que o partido constitucional o verda-
dero e legitimo da provincia, que a maioria est
do seu lado.
As mesas qualificadoras em Janeiro, tendo por
si maiona de progressistas, exclniram um nume-
ro consideravel de votantes conslitucionae?, e in-
ciuiram todos qoantos votassem com elles, mas
nem assim se podem dizer seguros.
Estivemos para ficar sem imprensa. E o caso
foi este.
A Situacao, o Constitucional, o Paiz, e o Porto-
------ "*v iviia vuiii iuuiiu UUJ onu.' 11 -
maos da arte que Ihe devem o que sao, como Tho-
maz e outros.
E' natural que tenha de substituir alguns artis-
tas dos que d'ahi trouxe. Thomaz, Lisboa e Tei-
xeira, depois de terem aqui sido pateados horri-
velmente seguiram para o Para, na suppesico de
seren tao felizes como foi o Couto Rocha que ali
recebeu urna cora de ouro.
Como vai ahi o processo relativamente ao incen-
dio do theatro Santa Isabel? E' natural que Furta-
ao coeiho seja plenamente absolvido, e que at
para anda mais o purificaren! algum outro se fapa
oceupar o lugar que a lei destina aos autores de
crimes taes; porm, urna cousa existe que nada
podedestruir, era mesmo os empenhos, a con-
viecao publica.
Contina na villa de Moncao a por-se em
pratica o morticinio contra os odios. Em vez de
Ihe levarem a paz levam-lhe a morte e a destrui-
cao, ludo devido aos miseraveis que nos cargos
pollciaes servem de instrumento.
Ha dous mezes atacaram urna tribu, to feroz-
mente que Ihe mataram uns trnta quarenta in-
dios f E viva a cathechese e cmli$a$ao dos indios,
que mais civilisados sao do que esses que se no-
meam em algumas localidades para oceupar car
gos pblicos.
Sublevaram-so na noite de 6 do corrente Hm
grande numero de aprendizes marinheiros, e leva-
yam em mente assassinar o imperial marinheiro
h I'ancisco da Cunha. Os cabecilhas em nume-
ro de doze acham-se presos, cinco bordo do bri-
gue escuna Tonelero e 7 no quartel da companhia.
a busca e revista que se passou immediata-
mente, foram encontrados muitos aprendizes ar-
mados, e muitas armas, isto toreados escondi-
dos nos dormitorios.
Se o digno coramandante 1." tenente Jos Fran-
cisco Pinto nao os traiasse com mais amor ainda,
ao que um bom pai trata aos seus filhos, talvez
que esse acto contrario disciplina nao se dsse.
O governo imperial tem dado as mais terminan-
tes ordens para que se nao infrinja castigo algum,
nem mesmo o de palmatoria aos aprendizes, e el-
les que sanen) disso zombam grando dos seus
superiores; gosam de mais regalas do que os
nossos filhos e os meninos as escolas publicas.
Lom simples admoestacSes nao que se ha de
educar meninos, muitos dos quaes nascidos e
?hS em uma s00'6113-38 corrompida : muitos
ueiies Oaos de facinoras, e agarrados em abando-
no pelas ras. Nao direi a chbala, mas a palma-
toria, deve ser til.
A festividad? da virgen santa Philomena,
que venerada na igreja do convento do Carmo,
esta sendo feita com grande pompa e brilhantis-
Neste momento chegou o Paiz s minhas maos,
e lendo a transcripcao que faz do seu Diario, inti-
mamente convencido fieo de que o artista Furlado
Uuoho fui o autor do incendio do bello theatro
santa Isabel, que felizmente poude ser salvo das
garras do incendio.
Honra seja feita ao Dr. delegado de polica do
I. Uisincto dessa capital, que soubc as snas pes-
quizas cumpnr o seu dever. Se o hroe por c
tambemse demorasseincendiava por ceno o Sao
I.uiz. Su algum dia por c apparecer o teremos
bem vigiado, e cautella convm ter-se por l, que
e capaz de uma segunda e mais segura tentativa.
U nosso governo o deve fazer deportar, depois
que nouyer cumprido as penas estabelecidas no
ai tigo 1/8 do cdigo criminal combinado corno
34.
Concluirei a presente declarando-llie que o algo-
dao fica a 283000 dinheiro, e a 31 praso
Em julho renderam :
^(ande8.a.....,................. 188:2655516
Ullectoria geral................. 18:82230'5
Lorreio...............
sando, e pela factura do uma ponte de madeira,
procure ouvir em renniao o dito engenheiro Mello,
o capitao do porto, o rapito do estado maior de *
classe Lu- Estanislao Rodrigues Chaves e o ins-
pt'ctor dd thesouro provincial bacharel Joo da
Malta torrea Lima. O resultado dessa conferencia
toi que seria em pora perda toda e qualquer quan-
tia, que se continuasse a empregar na obra da pon-
te sobre as bases actuaes, que era necessario dar
curso franco s aguas do rio e da mar em bene-
ficio do porto, e que mais econmica e proveitosa
sena a factura de uma ponte de madeira.
Por offlcio de 29 do mez findo, ineumbi ao mes-
mo inspector de propor ao empreiteiro Retumba a
rescisao do contrato, cujo cumprimento havia '
i ASXv)Sdan,e as condicSes de se Ihe pagar....
4o:0005000 rs. inclusive os 11:7605000 rs. que pe-
dia como indemnisaco de servicos felos fura do
contrato, e de ficar para a provincia todo o mate-
rial destinado a obra : devendo elle por tanto resti-
tuir a quantia de 17:0005000 rs. visto j ter era-
boleado a de 62:0005000 rs.
A resposta do empreiteiro foi que para a resciso
00 contrato queria que, alem da quantia recebda
se Ihe desse, 22:9605000 rs. com os materaes da
obra, ou 32:7605000 rs., finando estes para a pro-
vincia, que assim, em vez de ponte, achar-se-hia
n?m,PUnm^rro de Pedras na importancia de..
94:7605000 rs., ou de 84:9605000 rs. em qual
quer dos casos muito superior da ponte contra-
tada pelo mesmo empreiteiro, que foi de 71:1505.
Lerto de que o empreiteiro, por ter j recebido a
indicada quantia de 62:0005000 rs., se nao pres-
tara a um accordo rasoavel para a resciso, que
alias ton lugar, por ter rallado especialmente ao
cumprimento da primeira condico de seu contra-
to, e nem devendo esperar d'elle melhores disposi-
Coes a vista de sua terminante resposta; e por ou-
tro lado reconhenendo a nanveniencia do ser quan-
to antes decidid essa importante questo, assim
por bem dos dioheiros como do porto da provincia,
seriamente compromettido, delerminei rescindir o
mencionado contrato, o que fiz por acto de 12 dcs-
tei mez,j-ecommendando a thesouro provincial a
se-
por
JOjMoaoio instruccao .primaria tudo est por j, o aso. em que, como, medida de polica, ou
.Oprofessoradotdo e procurado na provin- '. SSS9^^ '***' 0rdem SUperr
ca como um meio de vida, o sen desempenho t,, imir a;.,; ,__. r
reseme-se em geral da negligencia e da U [ *A^J^ XJZStSS.
Apezar do professor de primeiras letras estar S*" ** ""e Sempr'1 "que precis*-
%?^WJ*n*l* a eonsideraco e"ga- Entretanto.qnasi tolos os arrematantes teem
rantias, que deve merecer pela misso importante,
de que acna encarregado, o que tao immediatamen-
te influe nos coslumes e religiao dos povos, como
mesmo seno esmera por bem cumprir os seus
deveres; s quer receber o ordenado, e ganhar
tempe- para aposenladoria.
Felizmente algumas excepedes honrosas devem
ser feitas.
entendido o contrario, e de certa hora da noile em
oanle, trancam as cancellas.
_ E' notavel esse facto na barreira desta povoa-
cao de Jaboatao, onde o arremtame julga dever
determinar aljquohora da noile se pode livremente
transitar.
t Muitas pessoas queixam-se de graves incora-
modos resultantes desse proced;nouto do arrema-
S
que a portado cidado, que obtivesse um pessoal
habilitado e uma boa fiscalisapiio do desempenho
dos deveres dos professores" seria um impor-
tante e muito proficuo beneficio feito a pro
vinca.
Estou certo de que V. Exc, Ilustrado como ,
nao deizara de dota-la com uma til reforma no
ensino ; e me persuado tambem de que encontrar
m valioso auxiliar no intelligente director geral
da instruccao publica, bacharel Joao Florentino
Metra de Vasconcellos.
Havendo melhorado as circumstancias financei-
ras da provincia, e autorisado pelo art. 3> do re-
gulamento de 11 de marpo de 1852, restabeleci as
cadeiras de instruccao elementar das povoapoes de
Tambad, Mulung, Belm e Alagoa do Monleiro,
nomeando para rege-las professores interinos.
SAUDE PUBLICA.
Constando de partieipacao da cmara municipal
da cidade de Souza de 27 do mez passado ter-se
alli desenvolvido a cholorina, e dado ltimamente
um caso fatal de cholera-morbus, epidemia esta,
que se acha grassando em diversas localidades da
provincia do Cear visinhas daquelle municipio,
nomeei em data de 9 do corrente uma commissao
ATnori('.5n IZZm"" "'oouu'" iii"ci ,S rtev,?LPro,v,den(:,as. de raud0 a ser a pro- da mesan cidade para promoverem os soccorros
oo^nneirT^ra8ar?nt'da- prec,sos s Pessoas' forem accomettidas do
nontrdemiil?^",OUToor?m^to,dLu^ mal> fazend0 remetter-lhe una ambulancia de
lr^ masVmn^, -'nprUrae .3V7*?2!2 medicamentos homcopath.cos, e mais a quantia de
!' I ?s" A- Ps.e a Tn, que ?"* sub,ra a 4?:6005 2005000 rs- coni aptorisacio de contratar um me-
" o\ra^?ri^Mda-res a a enttnder raa,s ul1' e acertado. descer
Exc nnei!miC.l^r.eSteJ4SSUmi)l0- dJwl"rV'1 A' faI,a de credit0 na "'ouraria de fazenda
^nrovinci n n ,r desPe.rdlC10 dos d'nheiros para tes despeas, resolv abri-le sob minha res-
de 2222?, SXSI.,lu,nze annt|, que alem poosabilidade, secando o decreto n. 2884 do !. de
S't^facn derave|adei63:;(4i5780 ftverejro da l8(.2i Da|inpor|aiMJ,tde|:00W100
fejgiS^Sri!^*1^. dunmdpraPar'e 'Ud 3 ^^ ** Cm m
oraSffm,2i.Vu?m qaA T resultad0,. POM? a' Felizmente pelas ultimas noticias receb.das cons-
nl ^.i ed,fic' verdadeiramente digno deste ta que o mal nao tem tido incremento,
de aop Vi oiKp *' 'res. mais imPrtnles, obr,as. Ao terminar a presente exposipao, cujas lacunas
t^^fSZS&tL^'^*** Sa- serio suppridas pela esclarecida inteligencia de
dispendeu a afaT^oS?ue Cm q-' S-e >V" *",enho SQmmo T^osi'i de ftlic'la"10 Pela
gunda, que e a nica, que presta servipo, nao of-
rerece a necessaria seguranpa, e a terceira foi aban-
donada pelo perigo de inminente ruina, passando
a repariipao para o mosleiro do S. Rento d'onde sa-
nio ltimamente o respectivo cofre para ser guar-
dado na thesouraria de fazenda, em consequencia
de tentativa de arrombamento contra elle.
h urgente prodenciar em ordem que esta ul-
tima obra nao fique de todo perdida.
MATRIZES. I
Continua em mo estado as matrizes da provin-
cia ; e sao bem poucas aquellas, onde se podem ce-
lebrar com decencia os actos religiosos.
A da capital, alm de pequea em relaco a pa-'
puiapao da freguezia, necesita de grando's concer-
n,SK,,Sm.,H 1 a inPe]a subdelegacia de polica da freguezia da
moveu uZ^nhtri?,^ dafl;l Pj^'^ucia pro- BoaVisia fo, pronunciado Zorenco Just.nano Pe-
mar>iz \^23& em avor das obras dessa re,.ra dos Sa"tos. conhecido pe\ogenro do mi da
l"8M8M)rl? fifi r^i ? i"3 ,mP;,aDC,a *: P*'' nas Penas d0 264 do cdigo criminal,
saurol rovinciai m em f mar5 a '"f" ,pr ,e'.' venddo a um malu, ,res ranceiins de co^
da obra n^a'1a,e V?. s,! rtsolvesse a respe.to bre galvanisado por ouro verdadeiro.
no e ielo?o nr^r-h^ TSi e.pela qua 'nta 0.,.lit" A policia nao dcVt cansar ei aeos?ar a esse e
no e zeoso parocho o padre Joaquim Antonio Mar-
ques, a V. Exc. cabe deliberar sobre este objec-
10 de que nao pude ecopar-me por falla de lempo.
a. SJSDCUW0 dos fii:- t auxilio da quantia
aV r:i- 1UC' a seu pedido, mandei dar-lho
pelos cofres pblicos, esta fazeodo o conego missio-
nario padre Joao Chrysosiomo de Paiva Torres as
obras, de que necessitava cora urgencia a matriz
de Mamanguape.
Semelhantemente mandei auxiliar a obrada ma-
triz do Calle do Rocha, que j se acha em respal-
do com a quantia de 1:0005000 rs. sendo logo en-
tregue metade, e o restante depois de provado o
bom emprego dessa preslapo.
Foresta forma foi satisfeito o Instante pedido do
respectivo parocho o padre Rernardino Jos da Ro-
cna foranga, qu- muito se ha interessado em con-
,. ,. IIIDIIOS
Lma rofrma, que trouxesseadlvisaoda instruo- iani,,. nriiiiinabi.ta *na~~L~Z
&v*^APJ&**+jfe.a.!ovasse como.iSS offso*S7 qne ,nd0 d0,n,e"
1:1755640 cluir a nova matriz, que custa de donativos parti-
culares e do concurso dos fiis <
,,-.....__ -------....v. ,., liiui, ouruuu- su n uriuieiios a as de minia adrn in siracm
ginamente essas violencias e sustentado com ener-
ga o partido constitucional.
SulTocar o clamor publico pareceu um meio sa-
lutar; mas como? Recrular aos redactores oppo-
siciomstas ou corrmpelos era um impossivel, foi
por tanto resolvido o recrutamento de alguns typo-
graphos, para que assim fossem morios os joraes
opposicionistas.
fa noite de 30 foi recrutado pelo tenente Almei-
da do corpo de policia o administrador e impres-
sor do jornalPor/o-LitT-Jacintho Antonio da
Silva, nao obstante ser filho nico de viuva e sar-
gento da guarda nacional, e isto ao sabir elle da
casa do rodador do jornal e proprietario da tvpo-
graphia.
Na manhaa seguirte foi posto em liberdade, por
calcular S. Exc. o alcance que poderia ter essa
medida.
Na freguezia de Viohaes, e na do Racanga os
volantes conslilucionaes andam fungidos como
ver do edilal e offlcios do respectivo juiz de paz
estampados na Situacao.
Apezar do todas eias violencias o partido cons-
titucional nao esmorece, e conta triumphar nessa
eleipao.
Ainda nao se marcou o dia da eleifo para a
substituico que se deu no senado com o falleci-
mento do conselheiro Joaquim Vieira.
Os prenles do Dr. Fabio querem qne elle entre
na lista, e para isso j em urna correspondencia
d aqui enviada o apresentaram nas columnas do
Jornal do Commercio, dando-o depois do conselhei-
ro Furlado como o mais digno Maranhense I
Sem olender ao mrito do Dr. Fabio, drei com
tudo que nessa apresentapao ha um equivoco, e
uma grande e grave offensa.
Equivoco, porque o conselheiro Furlado nao
Maranhense e sim Pyauhiense ; offensa, porque
quando muito o Dr. Fabio ser igual aos mais. tis-
liocros Maranhenses, mas nunca superior elles-
PARAHYBA.
Kealorio que, ao passar a administraro da pro-
vincia ao presidente elleclivo, apresenlou o E\m.
Sr. Dr. Foliarla Toscano Brrelo.
Encarreguei ao engenheiro Mello, que chegou
logo nos pnmeiros dias de minha administrapo,
.., que correram a ou-
vir a poderosa voz do missionario padre Dr. Jos
Antonio Pereira Ibiapina, foi principiada, e vai ten-
do nao pequeo impulso.
- INSTM.-CCAO PUBLICA.
ao era possvel que no curto perodo de minha
administrapo me oecupasse seriamente, como de-
Ciiiivi liaren lnn.u.__. ...
opporlunamente o re-
a respeito, e apresentarme
sallado.
Esse engenheiro em seu officio de 17 de marco
pronuncioii-se contra o systema de construepao por
meio de enrocainento p^ras perdidas em um
terreno lodoso, declarando nao confiar nas bases
existentes, e que a ponte sobre ellas levantada se-
ra compromettida para o futuro. E accrcscenla
que, a querer-se aproveltar o servipo feito, inds-
pcnsavel admitjir allerapes importantes, como se-
jam, alem de outras, nove aberturas de trinta pal-
mos cada uma, em vez de quatro, reb;.ixamento
al a baixa-mar e nao al o lveo do rio, por acar-
retar grande despeza a subsituipao da cantara pe-
lo tijolo. F
O empreiteiro, quem pessoalmente oavi res-
peito dessas alterapdes, e que declarou nao conti-
nuar n obra, se outro, que nao elle, fosse o encar-
regado do servipo das aberturas exigidas pelo en-
genheiro, apresentou, conforme Ihe ordenei o or-
pamento das despezas fazer-se, que importam na
quantia de o9:6:!95600, descerni as aberturas al
meia mare, e nao baixa-mar, visto que s por
administrapo se encarregaria de semelhante tra-
ba iho. Essa despeza, porm, foi orpada pelo enge-
nheiro quarto a cinco aberturas pelo menos que
julgava indisp,nsaveis, finando as quatro dos lados
na'allura de meia mar, em a quantia de 8:3335833
Exigi mais o empreiteiro 11:7805 de servipos
que diz ler feito fra do contrato. E por que a pon-
te fosse contratada por 71:1505 havendo elle rece-
bido ja 62:0005, vria essa obra oustar aos cofres
_ ponte sem poderem passar a
cancella para bater e acordar o cobrador que
sempre se levanta de m vontade.
Hoje fomos leslemunha de um facto que nao
podemos deixar de censurar, j por ter sido elle
provocado por parte de um agente da policia, que
deve ser o primeiro a dar provas de prudencia e
respeito moral, ja porque d'ahi|vai resultar pre-
juizo aos passageros dos mnibus da linha de Ja-
boatao.
Achando-se o mnibus j com alguns passa-
geros em marcha para essa capital, no lugar da
barreira parou para tomar um passageiro ; era o
arrematante da barreira. o qual entrando disse ao
boleeiru, que linha um sacco com cobre, para elle
transportar, este com bons modos Ihe respondeu
que nao poda ser naquella occasiao, mas qne no
da seguirte levaria, o que dizendo parti.
Nesta occasiao, parou mais adiarte algnns
passos, e ento o soldado da barreira entendeu
romper em insultos contra o dito boleeiro, para as-
sim prestar servipos ao dito arrematante. Isto deu
lugar ao boleeiro relorquir, e largar o mnibus.
Apendose o arrematante na ra Imperial,
disse ao boleeiro que daquella hora em diante pa-
gara todas as vezes que passasse na barreira, o
nao por mez como tinham justo e costme.
D'ahi resulta que nos os passageiros Acarnos
bem prejudcados, porque es$6 capricho do Sr. ar-
rematarte obriga o mnibus a ficar quem da
barreira.
Hoje se extrahir a segunda parte da pri-
meira lotera da matriz do Ouricury (105*.)
Itemettem-nos o seguirte, pedindo sua publi-
ca;ao:
Constando-nos que o papelim, qne mais tem
compromeiiido a causa do subdito hespanhol Epi-
phano Astudillo e Uussams, achando-se no meio
da gente de baixa extraepao com que faz choro,
pretende ter descoberto em uma obra de 26 volu-
ntes, escripia pelos homens mars notaveis de Fran-
ca, cousa que servir de prova irresstvel para
mostrar que seu amigo doutor, reservando-a pa-
ra apreserta-la no fin da questo, vamos publicar
a traduepao do famoso ponto encontrado por esse
genio, e s ofaremos na intencao de ver se conse-
guimos que nao continu a desfructar esses que
nelle se confiara, preslando-lhe por este modo o ser-
vipo de nao esiar daodo motivo s risotas da|uel-
les que empregam seu tempo antes em ler, do que
em percorror as ras desta cidade.
' ??1 diccionario da conversapao e da leitura,
2* edipao em 16 volumes, e nao em 26, como diz o
papelao, tom. l, pag. 308, col. 2", se l o seguirte
extrahido e traduzido do artigo licence, assigna-
do pelo .Sr. Malter :
Na jerarchia universitaria a liconca confere
certas direilos e privilegios. El 14 conslitue nas di-
versas faculdades de que se compe uma acade-
mia um gran intermediario entre o bacliarelado e
duulorado. Os rcgulamenlos universitarios desig-
nam as provas pelas quaes devera passar os can-
didalos .que querem obter a licenpa em cada uma
dessas faculdades. O grao de licenciado existe em
todas as faculdades,excepto na de Medicina.'
' K c Por este modo que se especula com a ere-
dniidade de certos individuos que levam a irrefle-
xao a ponto de nao verem, que |uem nao sabe ad-
a outros W5rl^*%a ai.^qVaadlm132.5JEST """ ^^ "" eDC3rre'
das ClinbVmA.^ '",CaU,0S com.,aes Ven_ i Se quiaessemos proceder de m f, ou dar pro-
HSSSS1"! =a=sts wsrzr.
mo i nin esfe n fnnir, SSLSSS ', 'J^ '^"^'^ existindo em todas as faculdades,
moja nao e este o primeiro processo a que respon- nao existe na de Medicina e or consenuencia di
u Zr^^&^r^^,,^ 0CapaZ riam0s "ue oSr.SfdTto els m sTfo pod
nue nrofessa rlf in r X commtrc'-0' PWitoMe da escapatoria de que linha esse grao.
drixpTnmrM,iT 2KLK J:'' porem' n5 f nor '"'" nAo lhe era permittldo servir-sedoW
_'2TSf ?R?l-^Sa^ide.eSn- "d("to''-; '"as nos queremos proceder con.
de Janelf. n nZ,J"a Bufn4-yres pel? S| '"*!". Purquanlo nossd llm esclarecer e nao
ue Janeiro o pequeo vapor ron hmg, construido uiudir
em New-Castle pelos Srs. Heppel & C, destinado
rial, e ao mesmo" lempo de congratular-me com
minha cara provincia pela acertada escolha do
V. Exc. para reger os seus destinos.Dos guar-
de V. ExcPalacio do governo da Parahyba. 18
de maio de 1864. Illm. e Exm. Sr. Dr. Sinval
Odorico de Moura, presidente da provincia.
O vice-presidenle,
Felizardo Toscano de Brito.
RAMBCOT
REVISTA DIARIA.
aos reboques naqnelle porto.' 'Tem 10.T ps Ingle-
es de compnment, 18 de largura e 9 de porta!;
movido rodas e deita 15 milhas per hora.
Este navio encontrou, perto da ilha de S. Vi-
cente, com a escuna hanove iana Mida, em via-
gem de New-Porl para liuenos-Avres, com 25
dias..
Falleceu e foi ante-hontem sepultado o com-
missano do vapor de guerra Paraense, Silvestre
Ignacio do Bum-Successo, d'uma phtysica pul-
monar.
A nova directora do Gabinete Portuguez de
..ivi iWn ;, """p" 'wwj luiiiu u<.~ n uu* uireciona ao uaomeie ronugufz ae
SaiZKr,an,eramodo servipo publico, Leitura, que acaba de ser empossada, compSe-sc
WZtnao a reformas, nilft san indsnpneawoe dne Src
- ~f~. MOH IHIIIU uu aci Tll (I
lazenao as reformas, que sao indispensaveis.
O lyceu desta cidade, quo alias possue professo-
res mtelligentes e habilitados, nao lem trazido os
beneficios, que se devia esperar de semelhante ins-
tiluipao. suas aulas, principalmente as de scien-
cias, eslao sempre dispovoadas ; e algumas apenas
se matriculam um ou dous estudantes, e mesmo es-
tes nao as frequentam.
Somonte nas aulas de linguas ha maior concur-
rencia, sobre tudo na de lalim, e ainda assim o
numero dos mairicu'ados nao est em relapao com
a popnlapao da provincia, nem com o que se ob-
serva nos lycus de oulras.
Senao ha pois algum vicio na organisapao
daquelle estabelecimento, que tao mos efeitos
tem produzdo, e que merece ser esludado, deve-se
conyir que cmiribue grandemente para isso a es-
pecialidad; de nos acharmos muito prximo
provincia de Pernambuco, onde existe a Faculdade
de1 Direito, e se pod com outras vantagens estudar
todos os preparatorios, que se ensinam no lyceu,
cujos exames nao sao all valiosos.
Aquelle que, morador no centre, tem deliberado
que seu filho se forme em ireito, manda-o logo es-
tudar os preparatorios ne Recife, onde certo que
nao oncontra maiores difficuldades, que nesla ci-
dade, arcreseendo que alli gosa o estudante do col-
tagto das artes a vantagem de ser chamado de pre-
ferencia para os exames, nos quaes de ordinario
obtem feliz resultado.
Essa especialidade faz-me crer que ser em
pura porda a contlnuapao do lyceu pela forma por
que se aefta organisado; e assim pens que s de-
vem ser conservadas as aulas de linguas.
Podesse a provincia fazer levar a instrueeaa pri-
dos Srs. :
Director, Dr. Antonio Jos Alves Ferreira.
Vice-dito, Manoei Jos Carneiro.
1.; secretario, Joaquim Ferreira d'Araujo Gu-
maraes.
2. dito, Joao Jos Marques.
Thesoureiro, Antonio Gonpalves do Azevedo.
Substituto do vice-direcior. Albino Jos da
Silva.
O Sr. Mador, quando trata do grao de licencia-
do, so se refere Franpa e outros palzes que Ihe
sao condecidos, ecomo em Franpa e nessespaizes,'
as faculdades de Medicina nao conferem esse grao,
assim se exprime ; mas isto nao lem applicapao
absoluta, e a prova est na l'niversidade de Coim-
bra, cuja Faculdade de Medicina anda confere o
grao de licenciado, como se pode verificar reror-
rendo se a seus Estatuios, quo temos diante de nos.
_ A questo nao est em saber-se se existe 011
nao o grao de licenciado, ou se este ou nao inter-
mediario entre o de bacharel e doutor : est sim,
e este o poni capital, em que o Sr. Asludillo e
Russams nao tem o grao de licenciado, massmento
licenpa ou permissao para exercer a arte medica,
o que bem differeote, e na Hespanha se d
a denominapo de licenciado quelle que obtem
essa licenpa ou permissao, e nao vale mais do que
qualquer amigo cirurgio de navio, nao valendo
mesmo o que em Franca se denomina de ofUficial
de saude.
O grao de licenciado, postoque rus elevado
do que o de bacharel formado naquellas faculdades
Dito do segundo secretario, Joao Martins d'An-', que ainda o do, todava inferior ao de doutor, e
. por consequencia nao equivalente a este ; e, se o
i-! Sr. Astudillo e Bussams lera esse grao, na i dou-
tor, nem pode usar deste titulo. J diosemos, e re-
petiremos : o grao de doutor nao tem equivalente,
e desafiamos que senos moslrem Estatutos unversi-
a vu^vS!^a~l ^o'^no^ear 1
a r rancisco Maiaquias Soares, para reger interina- E na actual emergencia 9 em relapao tafloe* do que exista, que se ira p-uco
da nroviucia a anaiia Tie 4v-faA "J,WT provincia razer levar a iostrueeaa pri-
ft*U de nao nein n^ ,?* ^-o?**^. ccao mana anda aos menores podados, conswvando
ou mal em "ffiE ^L can,ana de -que bom > nao s "ffi" al oguas, corno as que exis-
Jeitro. ,r laQ5U maooera- teronascidadea do interior, e mito haverra conse-
Desejoso de acertar, e reconbecendo que ia dis- O mopo, que souber bem as m>jmiran Inirac 0
pender tac. avultada somata sem probamlidade ao tiver co6hecimenu7dL ta,K frS l
menos de qw a porte tena durapo, mesmo por- ingleza,aehar-se- mSXttnmiu^^
que-a engenheiro se proaunciava pelo abandono braes da sciencia P r'os Dfn'
- pouco l,iU.' V. Exc p*^ reeohecer .* tempo
Dito do thesoureiro, Francisco Jos de Aze
vedo.
Concluio-se sabbado o concurso para prcen-
chiraento da cadeira de ialira do Collegio das Ar-
tes, sendo approvados todos os candidatos, e apo-
sentados em primeiro lugar o Rvm. padre Flix
Rarrelo de Vasconcellos, e Joaquim Jos Henri-
ques da Silva.
Pela Caixa Filial acabam de ser chamados
a juizo os Srs. Jos Pereira da Cunha e Manoei
Ignacio de Oliveira, direclores da semana na occa-
siao do descorto da lettra de 50:0005, para enlra-
rern eom a referida quantia.
Acham-se merinamente incumbidos dos
consulados: dos Estados-Unidos, o Sr. Dr. W.
Henry Me. Grath ; e de Hespanha, o Sr. Leandro
Sanches.
Foi nomeado para exercer interinamente a
segunda cadeira de instruccao primaria de Cim-
bres, mediante 6005 de gratifieapo annual, Fran-
cisco Malaquias Soares.
Escrevem-aos de Jaboatao, em 22 do cor-
rente :
Nao possivel supeortar por mais tempo em
silencio a constante vioiaco da lei; e por isso vi-
mos chamar a attenpo da autoridade competente
sobre o seguirte faeto :
O regulamenlo de 5 de maio de 1839, tratan-
do da maneira de arrecadar o impost de pedagio
das barreiras estatu no art. IIquo o arreraa-
tante ou administrador da barreira nao poder,
t son. pretexto, conservar o respectivo portao fe-
citado, qur durarte o dia, qur de noite, salvo
taos ou acadmicos que facara o grao de licencia-
do synonimo do de doutor. o mesmo Lesage em seu
Gil Braz faz dilTerenca entre licenciado e doutor; e
mnguem ainda disse" que elle ignora va os usos e
costumes de Hespanha.
Admitamos por um momento que o grao de
licenciado o mesmo que o de doutor. Ora, sendo
aquelle superior ao de bacharel formado, que
mais do que bacharel simples, e nao podendo ser
conferido senao depois que se tem obtido o de
bacharel, ento o Sr. Astudillo j foi bacharel for-
mado, e s depois obteve o grao de licenciado:
mas, nao havendo bacharel, nem mesmo em ledras,
que nao tenha seu diploma, deve elle apresenta-lo.
Se o tem, apresente-o, e deixem-se de diccionarios,
que nao sao Estatuios universitarios ou acadmi-
cos, e a prova est nos da Cniversidade de Coimbra.
Com historias e Ifuses o? protectores do Sr.
Astudillo e Bussams s tem feito emmaranhar sua
questo, e comprometi lo. Dizem agora, depois da
condenmapao, que no flm apresentaro o grande
achado, para livra-lo dacontlrmapao; mas isto revela
m f. Quem tem provas capitaes, apresenta-as lo-
go ; mas nao espera pela condenmapao, para cor-
rer o risco da confirmapio. E o que diro, se de Ma-
drid ver tudo isto explicado de modo que nao res-
te duvida ?
< A questo bem simples e s pode ser resol-
vida por meio de provas. Se o Sr. Asludillo e Bus-


- n
ti

Iilftl ie Per r ... tunta clra t e Agosto c ll4.
f



sams doutor em Medicina a cirurgia pela Fa- i
cuidado de Madrid, como dtsse em scu alteslado,'
aprsente o diploma que lio toooriu esses gros.re-
vestido de todas as solemnidades que se encontram
m todos esses que existem entre nos. Se porm s
lem o grao de licenciado, ento teve o de baclutrel,
rilaremos a sua these, na qual se inculca como
tal: se assim enlo aprsente o diploma que Ihe
confera o grao de bacharel. Masqual: as Univer-
sidades hespanliolas estiveram fechadas por muitos
annos, e por consequencia a Faculdade de Madrid
nao podia conferir un grao que exige uns cinco
u seis anuos de estados acompanhados do* respec-
tivos exames. Nao ha diploma de doutor, bacharel
ou licenciado, em ^ue ^ nao encontr a designa-
do iki grao que conferido : se se nao tem diplo-
ma que eonflra grao, se nio pode usar do titulo
correspondente a grao que o diploma nao designa. |
Z porque entre nos um bacharel em I is nao podo
assignar-se sorvindo-se do titulo de doutor ? Por-
gue scu diploma nao Ihe da esse grao, e bacharel
nao doutor. E quer o Sr. Astudillo e Bussams,
grao de formatura, servir-se do titulo de doutor
em Medicina e era Cirurgia, isto duas vezes
doutor I '
t Ha consideragoes, que nao poden deixar de
ser fritas. O Sr. Astudillo e Bussams, em seos an-
uncios publicados no Diario de Pernambuco de 5,
6 e 7 d'Agostode 1851, se diiiadoutor pela Fa-
culdade de Medicina e Cirurgia de Madrid : no
frontispicio da these, que apresentou Faculdade
de Medicina do Rio de Janeiro em Novembro de
1863, apenas se dizbacharel em Medicina pela
Faculdade de Madrid: na capa, que mandou juntar
a essa these, servio-se do titulo de doutor : no al-
testado, que deu lugar ao prucesso, se dissedou-
tor am Medicina e Cirurgia pela Faculdade de Ma-
drid : na apostila, que se le no verso de sua carta
de erase, lancada pela Faculdade de Medicina do
do Bio de Janeiro, se Ihe deu a deoominagd de
licenciado : em urna petigo, quedirigiuao Inspec |
tor de Saude Publica, em' 28 de Julho deste auno,
o j quando corra o processo, allegou ter-lhe apre-
sentado, logo depois do sua elegirte, seu diploma
de medico pela Escola de Madrid, e isto raesme se
acha repetido na representago que dingiu ao vice-
cnsul de Hespanha nesta provincia.
< E digam os <|ue confrontarem ludo isto, o que
o Sr. Epipliauio Astudillo e Bussams, que usa de
tantos ttulos, e nao aprsenla diploma que os pro-
ve. Ora doutor smente em Medicina, ora em
Medicina e Cirurgia: ora tem o grao de licenciado,,
e ora se serve do titulo de bacharel simples : ora
formado na Faculdade de Medicina de Madrid, ora
na de Medicina e Cirurgia daqueila cidade, e ti- |
mmenle medico pela Escola de Medicina de
Madrid!
Para desengao daquelles que querem que o
Sr. Astudillo e Bussams tenha o grao de doutor, ci-
taremos a these que apresentou Faculdade de
Medicina do Bio de Janeiro, na qual, dzendo-se
bacharel simples, se leem as linhas que passaremos I
a extractar da ntrodueeo que nella se acha. bis
o que diz o Sr. Astudill* e Bussams :
Parece temeraria a escolha do urna enfermida- j
de tal como a plhy.-iea para sebre ella versar o
tutu exame de suficiencia, atteodendo difflculdade |
dade da materia e eseassez de miuhas forcas.
Assim, pois, sendo de suficiencia o exame, nao
podia a Faculdade de Medicina do Bio de Janeiro
conferir-lhe o grao de doutor; porquanto anda nao
foi derogado o Decreto N. 1387 de 28 d'Abril de
1834.
E' para notar que o Sr. Astudillo e Bussams,
dizendo-se discpulo da Faculdade de Medicina de
Madrid.nao houvesso citado escriplor algum de sua
naci, e anda o que muitos dos nomes de escrip-
tores francezes citados estejam erradamente es-
criptos, repetindo-se isto mesmo as erratas! Em
nenhuma vez serviu-se do nome de Laennec, que
o nao errasseI
Rkparticao da polica.
Extracto das parles do da 23 de agosto de 1861.
Foram recolliidos casa de deteoco no dia 22
do crlente :
A' ordem do subdelegado do Recife, Luiz Nelson,
manijo inglez, por briga.
A' ordem do de Sauto Antonio, o porluguez Ma-
noel Jos da Silva Pimente!, por insultos ; Theo-
doro, africano livre, e Braz, escravo de Joao Mar-
ques de Amorra), ambos por embriaguez ; Felip-
pe, escravo da viuva de Manoel Antonio Goncal-
Tes, rcquerimenlo da mesma vluva,
chefe da 2* seccao
J. G. de Mesquila.______ i
Passageiros do hiato nacional Sania Anua,
sahido para o Aracaty :
Manoel Teixeira Peqneno, Luiz Alves Pequeo
Jnior, Miguel Jos Fialho, Jos Cavalcanti de Al-
buquerque, Gamillo Brasilicnse de Hollanda Ca-
valcanti.
OBITUAIUO DO CKilTERIO PUBLICO NO DU 23 DE
AGOSTO DE 1864.
Damiana Maria da Conceicao, Pernambuco, 40
annos, solteiro, Boa-Vista ; bexigas.
Jos Pereira Coelho, Portugal, 47 anuos, viuvo,
Santo Antonio; laryngile chronica.
Josepha Maria das Dores, frica, 50 annos, soltei-
ra, S. Jos ; pbthysica pulmonar.
Joao, escravo, Pernambuco, 7 annos, S. Jos;
phthysica.
Antonio Nohre d Almeida Jnior, Pernambuco,
32 annos, casado, Afogados; estupor.

=T I V \
I P 3
: l
: I
>
o
a.
> ? . i- s 1 1 Masculino. 1 z i > > o
ss ^ S Femenino.
5 - . . t Masculino. 'f a 2
i i i Feminino.
. . . 1 Masculino. n II
. - . Feminino.
1* . - X. Masculino. 1 2 i "1 l 5 >
'> 1 . o Feminino.
. . . 8 Masculino. m 'r. \
ex - 9 Feminino.
1 -1 SI 1 ii. P- TOTAL.

w
zr.
2
ADVERTEi\aA.
Na lotalidade dos doentes existem 124. entre
bomens e mulheres.
Foram visitadas as enfermarlas estes das :
Pelo Dr. Ramos s 7 I|4, 7, 6 50, 6 3|4.
6 50,7.
Pelo Dr. Sarment s 8 34, J, 9, 9, 9 19, 94
Movimento da casa de delengo do da 21 de
agosto de 1864.
Exisliam....... 352 presos.
Enlraram...... 7 >
Saturara ..... 3 >
356
A saber :
Nacionaes ... 287
Eslrangeiros.. 16
Mulheres..... 4
E-lrangeira .. 1
Escravos..... 43
Escravas..... a
.
356
Alimenlados custa dos cofresprovinciaes 145
Movimento da enfermara no dia 23 de agosto.
Teve baixa :
Severino Jos de Franca, anemia.
Movimento da casa de detencao do dia 22 de
agosto de 1864 :
UiltlIMCV JUHCIARIi
TR!il(\U DA HELADIO.
SESSAO EM 23 DE AGOSTO.
Presidencia interina do Exm. Sr. desembargador
Caelano Santiago.
As 10 hor}s da manhaa, presentes os senhores
desembargadores Gitirana, Lourenco Santiago, Al-
meida e Albuquerque, Molla, Assis, Ucha Caval-
canti, Domingues da Silva, e Guerra, procurador
da cora, abrio-se a sessao.
Passados os feilos e entregues os distribuidos,
deram-se os seguintes
JLGAMENTOS
Aygravs de pelicao.
Aggravante, Francisco Joaquim Cavalcauti Gal-
va o ; aggravado, ojuizo.
Relator o Sr. desembargador Gitiraua.
Sorteados os senhores desembargadores Motta,
e Ucha Cavalcanti.
Nao tomaram conhecimento.
Aggravante, Manoel Jos Pereira de Mello; ag-
gravado, o juizo.
Belator o Sr. desembargador Lourenco Santiago.
Sorteados os senhores desembargadores Assis,
e Motta.
Negaran provimento.
Recurso de eleicao.
Recrreme, o Dr. Abdon Felinto Melanio ; re-
corrido, o conselho.
Belator o Sr. desembargador Gitirana.
Sorteados os senhores desembargadores Motta,
e Ucha Cavalcanti.
Xegaram provimento.
Appellaijes crimes.
Appellante, o juizo ; appellado, Joao Severo Mar-
ques.
A' novo jury.
Appellante, Antonio Pereira Coimbra ; appel-
lada, a Justina.
Improcedente.
Appellante, o juizo ; appellado, Jos Ferreira de
Sampaio Jnior.
A' novo jury.
apellante, o promotor ; appellado, o escravo
Belmiro.
A' novo juiy.
Appella^oes ciceis.
Appellante, o juizo ; appellado, o brigadeiro Gas-
par de Menezes Vasconcellos de Drummond.
Confirmada a senlenca.
Appellante, o juizo ; "appellado, Jos Tenorio de
Albuquerque.
Improcedente a habilitadlo.
Appellante, Cosme Ferreira Lima; appellado,
Manoel Gomes da Cunta Lima.
Reformada a sentenca.
Appellante, Paulina' Maria Bastos appellado,
Antonio Goncalves da Silva.
Reformada a sentenca.
Appellante, Jos Gabriel Pereira de Lyra; ap-
pellado, Antero Vieira da Cunha.
Confirmada a senlenca.
DESIf.NACO DE DIA.
Assignou-se dia para julgamento dos seguintes
feitos :
A appellacAu crime.
Appellante, Antonio Luiz da Silva ; appellada, a
justica.
A appellarao civel.
Appellante, Joaquim Jos de Mello ; appellado,
Flix Pereira deSouza.
DILIGENCIAS CHIMES.
Com vista aoSr. desembargador promotor da
justica
Ai appetlacoet crimes.
Appellante, ojuizo; appullados, Jos Mualo da
Silva e outro.
Appellante, Joao Gomes Coutinho ; appellado, o
juizo.
DILIGENCIAS CITIS.
Com vista ao Dr. curador geral
As appellacoes eiveis.
Appellante, o coronel Jo.-e Gomes dos Sanios Pe-
reira de Bastas ; appellado, Dr. Fraucisco Elias do
Bogo Dantas.
Appellante, a preta Caetana ; appellada, D. Ma-
ra Joaquina da Silva Mana.
Com vista ao Exm. Sr. desembargador procura-
dor da cora
A appdlaco cicel.
Appellante, o juizo ; appellado, Jos Vaz Teno-
rio do Albuquerque.
PASSAfiE.NS !
O Sr. desembargador Gitirana passou ao Sr. i
desembargador Lourenco Santiago
As (ippellacAJcs crimes.
Appellante, Antonio Xixi l'.ogominho ; appella-
da, a justica.
Appellante, o juizo ; appullados, Leandro e Al-;
herir, e.-cravns.
Do Sr. desembargador Lourenco Santiago ao Sr.
desembargador Almeida e Albuquerque
As appellticoes crimes.
ARpellante, Luiz Gonz'aga dos Saulos; appella-
do, Juao de Siqueira Ferrao.
Appellante, Candido Alves de Barros : appella-
da, a justica.
Appellante, ojuizo'; appellado, Juio Ignacio de,
Medeiros.
Appeilantes, Tobas Manoel do Nascimento e ou-
tro ; appellada, a jusca. !
DoSr. desembargador Almeida e Albuquerque ao
desembargador Assis
A appellacao crime.
Appellante, Manoel Cabial de Mello ; appellada,
a justica.
O Sr. desembargador Assis passou ao Sr. desem-
bargador Motta
A appe.lluco cicel.
Appellante, JosAutenio Gomes Guimaraes; ap-
pellada, a fazenda.
Do Sr. desembargador Ucha Cavalcanti ao Sr.
desembargador Domingues da Silva
As appellucoes crimes.
Appellante, o juizo; appellado, Francisco Anto-
nio de Moura.
Appellante, Ludano Jos de Barros; appella-
da, a justica.
As appellucoes citis.
Appellante, a fazenda ; appellado, Antcnio Joa-
quim de Oliveira Badem.
Appellante, o juizo ; appellado, D. Joanna An-
glica BasNs.
Do Sr. desembargador Domingues da Silva ao Sr.
desembargador Caetano Santiago
A appellacao civel.
Appellante, os administradores da massa de
Manoel dos Santos Pinto ; appellado, Manoel Jos
de Carvalho.
Do Sr. desembargador Motta ao Sr. desembar-
gador Ucha Cavalcanti
.4 appellarao crime.
Appellante, Florencio Bispo dos Sanios: appella-
dos, o juizo e Joaquim Flix de Oliveira.
A appellarao civel.
Appellante, o bacharel Luii Rodrigues Villares ;
appellada, a Sama Casa da Misericordia.
A 1% horas da tarde enrerrou-se a sesso.
um concurso,em virtude de victoria kan< ada pela
inlelligencia sobre a inteliigeneia 1.....'.......
A leitura d'esse nome nessa lista, esse nome que
nos infunde profundo respelto e admiraeao, princi-
palmente nesta poca, em que a corrupeo dos
costumes habita no regio pago e pastoril choupana,
mpressionou.nosa tal ponto, que por raais de urna
vez a nossa memoria lendo e relendo as paginas da
vida do padre Amaneio Leite, nao encontrn um
s arlo por elle praticado qne o possa fazer corar
diante d'esse gratuito inimigo, d'esse misera! e
especulador informante.
Esse padre, cuja vida publica e privada enchen-
do de orgolho sua familia e amigos, commelteu
durante toda sua vida um gravttrro. Ei-lo : ce-
dendo a instancias de seus numerosos amigos, to
mou parte no notavel concurso que teve lugar lti-
mamente nesta diocese, no qual provou anda urna
vez a sua inteliigeneia nao vulgar, e aturado estudo
das materias ecclesiasticas.
Qualquer que .--ja a m nformaco ou denun-
cia, dada contra o padre Amando, tem o sello da
mentira, a expressao genuina da calumnia.
Quando um dia rasgarse o vu, que hqje impene-
travel nos impede de conltecer o objeeto da infor-
macao ou denuncia, e o nome de seu infame au-
tor, provaremos o. que acabamos de afjlrmar ao
leilor, a quem o padre Amando desconheddo :
provaremos cabalmente, porque elle nao tem, como
seu advogado, a fraqulssimapennaqueora escreve,
porm a propria verdade e jusiwa.
Finalmente l-se ainda no lugar por nos citado :
com o maior segredo e imparcialidade que estas
iofermacoes foram solicitadas.
Nao me persuadindo que isso sejauma zomba-
ria dirigida ao boin senso publico, quero crer an-
tes, que estas palavras exprimea) urna vil e mes-
quinlia insinuadlo ao le tor incauto, u deposita-
rio dos'segredos do concurso, pois, prestae-nos-hia
um relevante favor, publicando o cootedo da iw-
formaco acerca do padre Amando Leite, e desta
sorte perderla menos lempo do que o que gasta,
fabricando njentas insinuaces.
Um Ptancense.
ao ministro da religiao do cordeiro inmaculado,
ao apostlo do Evangelho, ao pastor de um aprisco,
que devra dar exemplos de mansidao e virtude I
NO direr do reverendo vigario, sao prfido?, in-
fames, miseraveis, canalhas, calumniadores, des-
cendentes do diabo, e nao sei que mais, todos quan-
tos, reprovando os seus trawvios, nao ooenltam a
indignadlo que llies causara seus escndalos 1 E,
entretanto^ notavel que o Sr. pad-e Antonio Eusta-
quio, allegando ser anonymo o sea aecusador, nao
se atreva a chamar responsabilidade o artigo,
que, segundo elle mesmo confesa, fere a sua repu-
tadlo, marea e conspurca a sua honra A falla de
um nome motivo no cdigo de sua probidade,
para que corram revelia as imputaedes que Ihe
forera dirigidas.
Urna tal evasiva, bem se v, s pode ser dictada
por urna consciencia pungido pelo aguilhao do
remorso : mas o oom senso a repelle.
O meio nico que lem o Sr. padre Eustaquio,
muito puro e beato vigario d'Aguas-Bellas, para
justificar-se e por a sua reputaeao salvo de qual-
quer ataque, nao vomitar sua negra bilis sobre
aquel les cuja perdieao deseja e promove,; nao
vociferar e gritar que est ameacadoera sa vida;
nao dirigir desafios ridiculos, do lucas atiradas
cara ; mas sim provar e convencer que, como
parocho, nao tem abandonado a freguezia, dexan-
do os povos privados do pasto espiritual, a ponto
de morrerem algumas pessoas sem os necessarios
sacramentos; que nao est envolvido em tenebro-
sas intrigas polticas, constituindo-se chefe e motor
de toda a incitacao e lucia de odios, que laceran)
as ovelhas confiadas aos seus zelos sacerdolaes, as
quaes certamente viveriam em harmona, se as
izesse ouvir a palavra do Evangelho, apoiada pela
uneco da virlude e pela pratica das bss aproes ;
que nao amasiado ; que, finalmente, nao c ir llo-
rador e causador da desgraca de lhas honestas.
Era quanto, pois, o reverendo vigario d'Aguas-
Bellas isto nao fizer, ha de consentir que o tenba-
ino- na couta em que o descreve o artigo era ques-
to, cujo autor nao tem receio de erguer a viseira,
onde o quando S. Rcvm. quizer.
Recife, 23 de agosto de 1864.

EDIT1ES.
Existlam.......
Entraran)......
Sahiram.......
Existem.......
A saber :
Nacionaes.
Eslrangeiros...
Mulheres......
EstrangPrra....
Escravos ......
356 presos.
5 >
5
356
287
18
4
9
>
>
>



.
iS.
Escravas...... 4 H
~356
Alimentados costados cofres provinciaes I4,i.
Movimento da enfermara do dia 23 de agosto
de 1864 :
Teve baixa:
Ursulino Francisco de Castro, angina.
Fallecen :
Jos Pereira Coelho.
Eccft homo.
O Sr. Luiz Candido Furtado Coelho um here 1
Desde o Rio Grande do Sal, at o Para, tem esie
senhor dado imraensas provas de ama sapiencia
infuza I Nao s d theatro que esta capacidado
illustrada, ou genio da illustracao, se tem oceupa-
do;legislaco do pan tem o Sr. Furtado Coelho
feito consideraveis servieos. as lutas em que se
tem empeohado, tem sempre dado quinao de mes-
tre aos_ jurisconsultos mais abalisados, isto quan-
do o saooS seus adversarios, porque aos outros...
aos que sao credores...queremos dizer credores
do seu despreso, desses nao faz elle caso, piza-os
como se fossem capachos dos saldes onde S: S.
mestre d'arnvas em freqnentar. Ved o seu prin-
cipio de folheto, intituladoO processo de Furtado
Coelhoe admirai como derrota tudo, como tildo
cahe por ierra vista desse montao de descom-
posturas justificativas I Tudo vacila.. .tudo tre-
me. .. .e a nullificaclo apparece I E' um here, o
Sr. Luiz Candido Furtado Coelho 1
Smente o soldado de cavallaria Cllnio, que
firme no seu posto, nao trepida, e conta a quem
quer ouvir a historia de um janota que o convi-
don para deitar fogo a um theatro 1 Bravo solda-
do, nao recuae em quanto todas as cabecas se
perdem om admirar o genio... Clinio, diz, como
Pilatosquodscrtps, scripsi.
Mas deixemos todas estas insignificantes bagate-
las, deixemos mesmo repousar ainda o passado de
tao distmeto here, a seu tempo oceupar-nos-hemos
com isso : estamos organisando em um folheto to-
das as gentilezas deste cavalheiro, desde que che-
gou a esta trra de macacos, at que Ihe imputa-
ran! o horrendo crime de incendiario, e em breve
ter o publico muito com que se divertir ; a bio-
graphia mais interessante que temos visto, s es-
peramos por uns apontamentos que pedimos a
mesdames Gabriella e Eugenia, logo que cheguem
parir a montanha, nao um ratinho. mas um ra-
lo que o roer soffrivelmente, j que Ihe. nao
roem na consciencia os remorsos de tantas ca-
vallaras altas que por esse mundo de Deus tem
praticado.
Desviamo-nos um pouco de nosso flm, descul-
pem-nos.
Vamos entrar na materia. j
as publicaces solicitadas do Jornal Ko Recife
de 19 do eorrente, sob a epigraphemttka atten-
cao apparece o nosso bere o Sr- Luiz Candido
Furtado Coelho, convidando para um duelo, de
lingua, o Sr. Duarte Coimbra, para que no fim de
umom fu, dir* eue Isto perante urna assem-
bia de doze, se julgue quem o incendiario.
Ora, quo o nosso bere, o Sr. Luiz Candido Fur-
tado Coelho fosse um perfeito rbula em materia,
de descomposturas, acreditavamos porque temos
era vista o seu libello de refutadlo, masque fosse
um pedante fanfarrao o qne gnoravamos.
Como tudo o que tem publicado o here, acer-
ca da aecusacaoque Ihe pza, o seu ultimo escrip-
to digno de lastima, seno um insulto s autori-
dades correcionaes ; e nao sabemos como se su-
porta um reo de polica cojos precedentes clamara
bem alto era desabono seu, raenospresar o direito
e-a autoridade, chincalhando a legislarn do paiz
que o hospeda, pretendendo constituirse com fa-
tuidade juiz em urna causa errfque est provado
e considerado reo.
Temos noticia de que a proteedio c os empenhos
fazem voar burros; mas n'um caso destes, n'um
caso em que o reo convicto deve beijar a inao
bcmla/.eja que o livra da pona merecida, ousa al-
taneiro insultar o co e a trra, pretendendo asso-
ciar sua infamia homens probos e de urna vida
sem mancha, s com o infernal intento do nao ser
o nico malvado, com effeito o requinte do cynis-
rao, para nao dizermos outra cousa.
E no enlamo o Sr. Fuado Coelho zomba de tu-
do c de todos, e festejado :
Oh I lempore, oh mores!
Deixe, pois, o Sr. Duarte Coimbra, entregue a si
proprio o nosso here, que o pretende sujar com
sua peconhenta baba, nao Ihe d o menor cavaco,
que aqui hade elle desinascarar-se afinal como em
todos os lugares por onde tem andado. Esses
mesmos que ora o rodeam iludidos pelas manei-
ras estudadas de que usa paia bem disfarcar as
pessimas qualidades de que formado, bao de
apedreja-lo logo que Ihe caa de todo a vizeira
que o cobre.
Os homens sensatos cabalmente informados e
senhores de tudo quanto diz respeito tentativa de
incendio do thealro de Santa Isabel, fazem a devida
justica, o reconhecem o verdadeiro culpado.
J varaos muito longo, paramos por agora aqui,
mas breve voltaremos ao assumpto.
Recife, 19 de agosto de 1864.
.4 panella do combustwel.
Patente como est nesta capital a probidade do
muito digno cavalleiro o Sr. Antomo Jos Duarte
Coimbra, nao podamos deixar de vir por meio da
imprensa manifestar-lhe os nossos sinceros senti-
mentos pelas maoeiras ultrajantes com qne Ihe ha
tratado o Sr. Furtado Coelho ; porm, estando a
dignidade e os sentimentos probos do Sr. Duarte
Coimbra muitojalm dos sentimentos do Sr. Furta-
do, dizemo-lhes que s o desprezo far tonter o
malversado, e que essa bal peconhenta que Ihe
aiira, nao Ihe olfender na mnima cousa, porque
todos os homens sensatos sabero dar o devido
apreco ao offendido, e o merecido desprezo ao ag-
gressor.
Queira. pois, o Sr. Duarte Coimbra aceitar do
povo recifense um voto de verdadeira estima e ami-
zade.
Recife, 23 de agosto de 1864.
Os sinceros.
PUBLICACES 1 PEDIDO.
Eleicao em 7 de setembro.
Temos de nesse dia depositar livreniente quatro
nomes na urna para juizes de paz da freguezia de
S. Jos, e de mister que esses suffragios reca-
ham em homens inteligenies e eircumspeclos que
bem possara desempennar as respectivas funecoes
cora o criterio necessario, por isto apresentamos
aos nossos briosos parochianos da fregu-zia de S.
Jos os seguintes senhores :
1." Aprigio Jos da Silva.
2. Manoel Antonio Ribeiro.
3." Antonio Carlos Pereira de Burgos Ponce de
Len.
4." Joao Pacheco Alves.
Um votante de S. Jos.
PARA VEREADOR.
Dr. Prxedes Gomes de Souza Pitanga.
Muitos votantes.
FREGUEZIA DA BOA-VISTA.
Convida-se a todos os membros do partido libe-
ral-progressista, residentes na freguezia da Boa-
Vista, para uina reunio hoj s 6 horas da tarde
no segundo andar da casa n. 84 da ra da Aurora;
afim de confecciooar-se as chapas para juizes de
paz da mesma freguezia.
Boa-Vista, 24 de agosto de 1864.
PABA VEREADORES^
Commendador Antonio de Souza Leo.
Manoel Pires Ferreira.
Commendador Thomaz de Aquino Fonceca.
Dr. Prxedes Gomes de Souza Pitanga.
Major Luiz Jos Pereira Simes.
Advogado Antonio Joaquim Ayres do Nascimento.
Capitn Silva Brasil.
Major Manoel do Nascimento da Costa Monleiro.
Dr. Jos Eustaquio Ferreira Jacobina.
Um progressista.
Pllulas vegetaesas encaradas de
k i-iii |.
Agradaveis vista, exemptas de todo o sabor re-
pugnante, tao suaves quo efflcazes, tnicas e pur-
gativas, estas famosas plalas, possuera pois todas
as inapreciaveis qualidades pertencentes a um re-
medio cathartico, alterativo e restaurante. Tal
o juizo medico confirmado pela experiencia de mi-
niares de doentes. Qiundo as funecoes do ligado
e do ventre se acham por qualquer forma desar-
rapadas, devem ser restituidas boa ordem re-
gularidade com estas pilulas irresisliveis. Ellas
sao t5o iofalliveis quanto sao agradaveis e sera
controversia algoma o melhor aperitivo geral, o
nico remedio anti bilioso que se pode conseguir
quer nesta ou em qualquer um outro paiz. Em
conspquencia dellas se acharen acondicionadas
em frasquinhos de crystal, o lempo nao altera as
suas propriedades : veuda nos cstabelecimemos
pharmaceuiicos de Caors Barbosa, ra da Cruz e
J. da C. Bravo ra da Madre de Dos.
0OMMER8IO.
Ck\U FILIAL
DO
55 1\C'O DO BRASIL
EM PERNAMBUCO.
A directora desta caixa, em virtude de ordem
! da directora do Banco do Brasil, avisa aos Srs.
accionlas que o respectivo thesoureiro est autoi
risado a pagar o divideudo das accoes da raeema
caixa do semestre findo em 30 de- junho prximo
passado, na razio de 8ol)0 por aeco.
Recife 14 de julho de 1864No impedimento do
! secretario, Ignacio Nunes Correa.
I '
Alfaudega
Renmento do dia 1 a 22........ 368:8245067
dem do dia 23................. 20:2745-.01
Volumes sabidos com fazendas...
t c cora gneros...
A proposta de 30 de dezembro de -IS63 e o padee
Amando Leite da Silva.
L-se no numero 191 deste jornal, sob a epigra-
phe publicaQes pedido o seguiute : 1 Op-
positores exclusos da proposta de 30 dt dezembro
de 1863 em consequencia das informages obtidas
em dezembro de 1863, pelas quaes jraais podera
ser admittidosa exercer o ministerio parochial. .
Sorprendeu-nos, por ce rio, o ler os nomes de ai-
guns ditmctos sacerdotes nessa lista, e especial-
mente o do padre Amando Leite da Silva. Pobres
victimas da aspiracu nobrj de obter a digni-
dade de parocho de certas freguezias, nao pela si-
mona e ou'ros nielo* reprovarto?, mas'por meio de
0 Sr. vigario de Aguas-Bella.
No Diarto a. lttO, de 20 do eorrente, apparecen*
tinalnitiiie o Sr. padre Amonio Euetaqim Alves dar
Silva, vigario d'Aguas-Bellas, a cumprir a prumes-
sa, que auteriormente bavia feito, de dar cabal res-
posta a um communioado que. publicado no Mr-
canlil, de Macei, fra traoscripto no mesmo Dia-
rio do 18 de julao.
Longe, purera, de refutar e repel ir as graves ae-
cusaces, que, no duplo carcter de parocho e c-
dado, Ihe furaai ah dirigidas de modo o muifi po-
sitivo, o Sr. padre Eustaquio veio smente enfir-
mar o mao couceilo com que n'aquelle escripto foi
qualilkado. O descommedimento de suas uxpres-
ses e a desenvoltura apaixonada, com que se diri-
ge ao publico, serven) antes para revelar o homem
le costumes dissolutos, desbocado ran-
coroso,do quo par abrigar de j'ulzog desfavoraveis
589:098,3068
ffovlmeato da alfaadega
Volumes entrados com fazendas...
< t cora gneros... 324
----- 324
186
1,043
------- 1,231
Descarregam no dia 24 de agosto.
Barca inglezaSilver Craig(arlaba de trigo.
Barca inglezaFavotirite -carvo de pedra.
Brigue porluguez Bella Figueirense diversos g-
neros
Brigue portaguezEsperanzaidem.
Patacho inglezMaru Blockcarvao de pedra.
Polaca hespanhola Virgem del Carmecarne de
charque.
Importado.
Barca ingleza Favorita, entrada de Cardiff, con-
signada, a Wilson & lien, manftsloC o seguinte :
378 toneladas de carvo de pedra : aos mesmos.
Exportado.
Barca franceza Coligny, carregou para o Havre
pela Parahyba o seguinte :
544 saceos com 2:862 arrobas e 9 libras de al-
godo, 1:012 couros verdes cora 30:583 libras.
Reeebedorla de rendas Internas
geraes de Pernambuco.
Rndimento do dia 1 a 22........ 28:3955 WI
dem do da 23................. 69IJ953

Manoel Joaquim Baptisla, escrivao vitalicio do ci-
vel nesta cidade do Becife de Pernambuco por
Sua Magestade o Imperador, a quem Dees guar-
de, etc.
Certifico ser o theor da carta de edictos, abaixo
transcripta, da forma seguinte :
Carta de edictos. O Dr. Hermogenes Scrates
Tavares de Vasconcellos, juiz municipal da 1" vara
n'esta cidade do Becife de Pernambuco por Sua
Magestade Imperial e Constitucional o Sr. D. Pe-
dro II, a qu-m Dos guarde, etc.
Fago saber aos que a presente carta de edictos
virem, e della noticia tiverem, em como a junta
administrativa da irmandade da Saula Casa da Mi-
sericordia do Becife rae dirigi por escripia a peli-
cao e replica do theor seguinte :
Diz a junta administrativa da Santa Casa da Mi-
sericordia do Recife, que quer fazer citar a Fulix
da Cunha Teixeira, D. Eugenia Teixeira de Moura,
Bernardo da Cunha Teixeira, o Dr. Joao Francisco
Teixeira, D. Bosa Maria de Jess, o Dr. Manoel
Francisco Teixeira, Dr. Jos da Cunha Teixeira,
D. Anna Maria Teixeira, Francisco da Cunha Tei-
xeira, e o menor Joaquim da Cuhha Teixeira, sen-
do o quarto por si o como tutor de seu irmao me-
nor e o Dr. Angelo Heraiques da Silva, como cu-
rador ad hoc do mesmo menor, para fallaren) aos
termos da anead ordinaria, quo vai propor 1*
desle juizo para nullidade da partillia, que se fez
"os_ bens do fallecido Jos Bento Fernandes pela
Icsao, que dedu'.ir em seu libello; Hcando logo
citados para todos os termos da causa : pena de
revelia. E porque o primeiro supplicado seja mo-
rador no engenho Cuinbi, termo de Iguarass, co-
marca de Olinda, requer por isso a supplicaute
V. S. que se sirva mandar passar carta precaloria
| citatoria dirigida justica daquelle termo, e em
1 geral para quaesquer outros, para em seu cumpri-
raento ser o mesmo supplicado citado por lodo o
canteado n'esta. N'estes termos pede ao Illra. Sr.
, Dr. juiz municipal da 1* vara a detira. Espera re-
ceber merc. Como procurador Jos Theodoro
Gomes. Distribuida, clte-se na forma requerida.
Becife, 22 de margo de 1864.Tavares de Vascon-
cellos.A. Baptisla Oliveira.Armas imperiaes. -
N. 1Pagou 400 rs. Becife, 16 de abril de 1864.
- Chaves.Sena.
Illra. Sr. Dr. juiz municipal da 1" vara. Diz a
supplicante que, devendo ser tambem citadas D.
Marianna da Cunha Teixeira e D. Bosa Maria de
Jess, para fallaren) aos termos da aegao, a que se
refere a petigo relro, e porque ellas sao fallecidas,
ignorando a supplicante os nomes e lugar da resi-
dencia dos herdeiros das mesmas fallecidas, quer
por isso faz-los citar por carta de edictos com o
prazo de 30 das, por todo o cootedo em dita peti-
go : requer V. S. que se sirva deferir-lhe. Es-
pera recebor merc Como procurador, Jos
Theodoro Gomes.Justificando come requer. Re-
cife, 23 de abril de 1864.Tavares de Vasconcellos.
Nada mais se cootiuha era dita petigo, replica
e meus despachos, em cumprimento dos quaes pro-
duzindo a supplicante suas teslemunhas, jusiilicau-
do a ausencia e incerteza do lugar da residencia
dos herdeiros das finadas Marianna da Cunha Tei-
xeira e Rosa Maria de Jess, subrado os autos a ml-
nha concluso, n'elles dei a senteuga do Iheor se-
guinte :
Vistos estes autos, julgo provada a ausencia dos
justificados, pelo que se passe carta de edictos por
30 das, pagas as custas pelo justificante. Recife,
30 de abril de 1854. Hermogenes Scrates Tava-
res de Vasconcellos.
Nada mais se continha em dita minha sentenca,
em cumprimento da qual o escrivao, que esta
subscreveu, fez passar a presente carta de edictos
cora o prazo de 30 dias, pelo theor da qual chamo,
cito, e hei por citados os herdeiros das finadas Ma-
rianna da Cunha Teixeira e Bosa Maria de Jess
para nesle juizo responderem por si ou seus pro-
curadores a todos os termos da aegao de libello re-
ferida na petigo supra transcripta, sob pena de
se proceder s suas revelias.
Pelo que toda e qualquer pessoa, parentes,amigos
e conhectdos dos herdeiros das tinadas (*) Marian-
na da Cunha Teixeira e Rosa Maria de Jess Ihes
poderao fazer seientcs do que cima lica exposto ;
e o porteiro do juizo publicara e affixar no lugar
do costume raais publico.
Dada e passada nesta cidade do Recife de Per-
nambuco aos 4 de maio de 1864. Eu, Manncl Joa-
quim l.i| ti-ia, eserivo qUe a*sfiusuiei? ffermo-
genes Scrates Tavares de Vasconcellos. Vai pa-
gar 230 rs. de direilos de chancellara. Recife, 4
de maio de 18GI. Bautista. N. 1391.Pagan
230 rs. de direitos de chancellara.
Becife, 6 de maio de 1864. -Chaves.Soriano.
Armas imperiaes n. 12,-Pagou 800 rs. Recife, 6
de maio de 18G4. Chaves.Sena.Eslava o sig-
nal do sello da chancellara. D. Francisco lialllia-
sar daSilveira, presidente. Transitou pela chan-
cellara.
Becife, 7 de maio de 1864. O escrivao Francis-
co dos Reis Nunes Campello Jnior. Lancada
l'olhas 37 do competente livro n. 13. Recife, 7 de
maio de 1864.Campello Jnior.
{*) Esta herdeira foi citada pessoalmente era 21
do correle, por ter sido encontrada depois de mili-
tas diligencias, e de passada a presente carta.
O Dr. Tristao de Alencar Araripe, official da impe-
rial ordem da Bosa, e juiz de direlo especial do
commercio, por S. M. Imperial e Constitucional
o Sr. D. Podro II, a quem Deus guarde, etc.
Fago saber aos que o presente ediul virem e
delle noticia tiverem que no dia 5 de selembro do
eorrente anno se ha de arrematar por venda a
quem mais dr em praga publica de>le juizo, os
escravos seguintes:
Guilhprme, pardo, representa ter treze anuos,
avahado por quinlientos rail res: Diomedio, pardo,
representa ter quinze annos, avahado por seis ren-
tos rail ris.
Os quaes foram ponhorados por execugao do
desembargador Joaquim Teixeira Peixoto d'Abreu
Lima, como cissnmario do Manoel Alves Guerra,
contra Manoel doRegO Barros e nao havendo lan-
zador que cubra o prego da avaliaao, a arremata-
cao ser feita pelo prego da a Ijudicaco na forma
da Ici.
E para que chegue ao conhecimento de todos
maodei passar o presente que ser publicado pela
imprensa, e affixado nos lugares do costume. Re-
cife, 12 de agosto d<- 1864.
Eu Manoel Maria Rodrigues do Nascimento, es-
crivao, esubscrevi.
Tristao de Menear Araripe.
1965000
29:087*384
Consalado provincial.
Rndimento do da 1 a22......... 40:9675201
dem do dia 23................. 2:3435931
-
43:3115192
MMB
MOVIMENTO DO PORTO.
Navio entrado no dia 23.
Cardiff 43 dias, barca ingleza Favorite, d 231
toneladas, rapilo A. Robertson, equipagem 12,
carga carvao ; a Willson A Hett.
Navio sahido no mesmo da.
AraeatyHbitrt nacional Santa Anna, capitoAn-
tonio Juaquim Alves, carga dihVrentes gneros-
Ra do Padre Floriano.
N. 6 particular e 47 publico casa ter-
rea........18650W
N. 8 particular e 43 publico casa ter-
. rea........oy^uov
Becco da Carvalha.
N. 5 particular e 10 publico casa ter- ilft,-nA
rea........1495000
Ra do Fagnndes.
N. U particular e 32 publico casa ter-
rgj........ioDjpOw
Becco do Calabouce.
N. 39 particular e 2 publico casa ter-
rea
Roa de Santa Tbereza.
N. 31 particular e 7 publico casa ter-
rea. '- i7#ouu
Ra da Roda.
N. 36 particular e 5 publico casa ter- n/!.nftn
rea........965000
N. 92 particular e publico casa ter-
rea........1205000
Ra da Imperatriz
N. 47 particular e 68 publico casa ter-
rea........3065000
Becco do Quiabo.
N. 49 particular e 8 publico casa ter-
rea. 1445000
Ba da Gloria.
N. 31 particular e 63 publico casa ter-
rea ....... 1145000
Ba de S. liam Jess das Crioulas.
N\ 61 particular c 8 publico casa ter-
rea. ....... 1315000
Ba do Padre Floriano.
N. 66 particular e 63 publico casa ter-
rea........ 1445000
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do
Becife, 22 de agosto de 1864,
O escrivao.
F. A. Cavalcanti Gousseiro.
Hospital militar.
O hospital militar desta gnarnigo contrata a la-
vagera e costura da roupa pertencente ae esiabe-
leciraento por tempo de quatro mezes, contados
do 1 de selembro vindouro ao ultimo de dezem-
bro : os que pretenderen) arrematar, comparegam
respectiva secretaria no dia 25 do eorrente, pe-
las 11 horas da manhaa.
Hospital militar de Pernambuco 20 de agosto de
1864.O escrivio interino,
Joao Tiborcio da Silva Guimaraes.
Conselho administrativo.
O conselho administrativo para fornecimcnlo do
arsenal de guerra tem de comprar os objectos se-
grales :
Para o 4 batalho de artillara.
Cordoes para os canudos dos inferiores16
Para provimento do arsenal de guerra.
Boles grandes brancos de osso grasas 1000,
ditos pequeos brancos grosas 1000, ditos pretos
grosas 1000, vassouras de palna 1000. ditas de
piassava 1000, ditas de junco 1000, lio do algodo
$ 3.
Para o batalho n. 10 da guarda nacional.
Cornetas de toque 6.
Para a fortaleza do Bru ai.
Bandeira grande imperial de flele 1, dita peque-
a dito dito1, adrigas para ditas 2.
Para o corpo d guarnigo desta provincia.
Papel almassoresmas 2, pennas caligraphicas
caixas 2, canelas duzias 2, caivetes 1, tinta
pretagarrafas 2, lapis de pao duzias 2, area
preta-libras 2, cartas de a b c 12, taboadas 12,
grammaticas 3, arithmeticas 3, pautas 3, traslados
12, pedras de lousa 2, creioes 6.
Quem quizer vender taes objectos aprsente a
sua proposta em carta fechada na secretaria do
conselho, s 10 horas da manba do dia 26 do eor-
rente.
Sala das sessoes do conselho administrativo para
fornecimento do arsenal de guerra, 19 de agosto-
de 1864.
Antonio Pedro de S Brrelo,
coronel-presidente.
Sebasiiao Jos Basilio Pyrrho,
vogal secretario.
AiTemataQfio.
No dia 24 do eorrente, depois da audiencia d
Dr. juiz municipal da 2a vara, vai praga de veu-
da a parte da propriedade de Sanl'Anna, denomi-
nada de dentro, penhorada por execugao de Joao
Venancio Machado da Paz Joauuim Ignacio da
Costa, avahada por 7575749.
Vai praga sexta-feira 26 do eorrente a casa
de tres andares da ra do Trapiche n. 40, por ar-
icndaraento trienal c pela quanlia de 1:5005000 :
quem na mesma quizer laucar, comparega na pra-
ga do juizo de orphos que achara o escripto em
mao do porteiro.
crrelo geral.
Pela adminstracao do correio desta cidade se
faz publico que em vulude da eonvengo postal,
celebrada pelos governos brasileiro e fraucez, se-
rio expedidas malas para a Europa no dia 30 do
crrenle pelo vapor francei Extremadure. As car-
las sero recebidas at tres horas antes da que for
marcada para a sabida do vapor, e os jornaes at
quatro horas antes.
Adminstracao do correio de Pernambuco 2i de
agosto de 1864.-0 administrador,
Domingos dos Passos Miranda.
A7IS0S MARTIMOS.
BESLARAOOES.
Santa Casa da Misericordia
do Recife.
A Illra.'junta administrativa da Santa Casa da
Misericordia do Becife, manda fazer publico que
no dia 25 do eorrente pelas 4 horas da urde na
.-ala de suas sessoes tem de ir praga as rendas
das casas em seguida declaradas por tempo de
um tres annos.
Os pretendemos devem comparecer acompa-
nhados de seus fiadores ou munidos de carias
destes.
Pali iiiioiiiu de orphos.
Ba do Imperador.
N. 2 particular e 81 publico 2 andares. 1:2025000'
Ba de S. Gongalo.
N. 10 particular e 22 publico casa ter-
rea........1835000.
Ra dos Pires.
N. 13 particular e 39 publico casa ter-
rea. ....... 1045000
Ra do Vigario.
N. 72 particular e 27 publico 2 anda-
res...... 6035000
Ra da Senzala Velha.
N. 80 particular e 132 publico 2 anda-
re.- 4105000
N.82 particular e 16 publico casa ter-
rear: .....". : 2015000
Rna do Pilar.
N. 91 particular e 105 publico casa ter-
rea. ... ...
Becco das Boias.
N. 39 particular e 18 publico 2 anda-
res........
Ra do Amorim.
N. 56 particular e 26 publico casa ter-
roa
Mirueira.
N. 4 particular sitio.
1635000
3605000
I205OOO
2135000
Eslabelecimentos de caridatte.
Ra Direita. ..
N. 3 particular e 8 publico, 2 andares. 1:0675000
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR.
Dos portos do sul esperado
al o dia 30 de agosto o vapor
Paran, commandanle o capilo-
de fragata Santa Barbara, o qual
depois da demora do costume se-
guir para os portos do norte.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no dia de sua chegada, encommeu-
das e dinhcro a frete al o dia da sabida as 2 ho-
ras : agencia, ra da Cruz n. 1, escriptorio deAn-
tonio Luiz de Oliveira Azevedo A C _______
Para o Rio de Janeiro
pretende seguir com mula brevidade o veleiro
brigue nacional Almirante, tem parle de seu car-
regamento prorapto : para o resto que Ihe falla e
escravos a frete, para os quaes tem excellentes
comraodos, trata-se com os seus consignatarios An-
tonio Luiz de Oliveira Azevedo & C, no seu es-
criptorio ra da Cruz n. 1.
COMPANHIA BSASILEIRA
DE
PAQUETES A TAPOR
Dos portos do norte esperad
at o dia 31 do crreme o vapor
Princeza de loiuvil, comman-
danle o primeiro tenente Araujo
o qual depois da demora do cos-
tume seguir para os portos do sul.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no dia de sua chegada: encom-
mendas e dinheiro a frete at a dia da sahida s 2
horas, agencia ra da Cruz n. 1, escriptorio de
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C.
Para Lisboa.
Sahe impretervelmente at odia 30 do eorrente
para o mencionado porto a barca portngueza Des-
pique II, quem na mesma quier carregar on ir de
passagem para o qae tem excellentes comraodos
entenda-se com Ferreira & Loureiro na travessa
da Madre de Dees n. 10.
--------------------i
l'orto.
O brigue porluguez Esperanea, capitSo Louren-
co Fernandes do Carmo, segne em poueos dias, po-
de adiuitiir algoma- carga- miada t passageiros :
tratare com os consgnaries Marques, Barros *
C-, largo do Corno Santn. $ oh com o capit3o a
bordo. :"
Rio de Jaa.eiroJ
O brigue Belisario segne com brevidade, recebe
carga e escravos frete : trala-se com os consig-
natarios Marques Barros 4 C, largo do Corpo Sau-
to n. 6.______________ ,...".
Para a Babia pretende sabir com
moila brevidide o wlfiro patacho D.
nja. capitn-Jos TWxeira de Aievc-
do, por ter parte da caria engajada;
para o resto que Ihe falla, trala-se
com os consignatarios Paimelra Beltro. no largo
do Corpo Santo n. 4Jprimeiro andar.
'



K
\y
Diario de l'eranrhnf <|nara letra 9 i e Agosto 4e 194.
QOMPANHIA PERNAMiJUCANA
Xavegaco eostlra vapor.
nYaraniba, Nati!, Maeo, Araealy.'Cear, Scaracu* e
Granja.
0 vapor Persiminija, commao-
d;> n t o Ratis, segu no da 7 de se-
tembro prximo para os portos
cima indicados. Recebe carga
M e dia 3. Eneommendas, pas-
sageiros edihoiro a frele ata o dia da sahida as
1 horas da tarde : escriptorio no Forre do Matios
n. 1.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Mavegaeio eostlra a vapor.
O vapor Mamanguape que se-
gu no dia 25 para os portos do
_sul, ir at Penedo, para onde re-
"rebe carga at o da 23. Encom-
ftnendas, passageiros e diaheiro a
frete at as t horas da tarde do dia da sahlda :
escriptorio no Porte do Mallos n. 1.
Para Lisboa
o tingue portogoec Bella Figueireme, capito J. C.
de Carvalho Sobrinho, recebo carga e passageiros
paraos quaes tem excelientes commodos, para
tratar com Euzobio Raphae) Rabello, ra da Ca-
deia n. 55, escriptorio.
Freguezia dos Afogados
Escola publica do sexo masculino.
O abaixo issigoado faz sciente aos pais dos
alumnos que se adiar no exercicio de seu ma-
gisterio do dia 26 do correte em diante, na me-
ma casa em que (uncciooou seu antecessor.
O prufessor,
Vicente de M. Mello Jnior.
i
16 A LUZ
Ktsrk
ATTNCIO
a vnmtk ka t.ivraiiia o 8n. Gkraldo
A ROA RITMfTA DO R08AWO W. tt AS
!
NOCOES
wt
PARTDAS DOBRADAS
BenftlM'ftHlP
OFFKRbUIDAS
AA*Mcaeo Cvmmeri-if
BE

M
i"i:nv%um c o
MR
Fonsvca de Medeiros.
LEILES.
Feira semanal
IIO JE.
No armazem da ra da Cadeia do Re-
cifen. 18.
O agente Olympio vender cm leilo diversos
trastes notos e usados, miudezas, cortes de panno
litio para easacas e palctots, borras de ferro, crys-
taes e outros muitos artigos que estao patentes.

LElLftO
DK
ao calvas rom al nos.
IIOJE
O agente Pestaa vender por conta e risco de
luem peri'-nrar .'Ocaixas com excelientes alhot
desembarcados ltimamente em um ou mais lotes
vonlade : boje 2i do corrente pelas 10 horas da
manhaa no armazem do Annes.
Importante leilao
DE
Mobilias completas, pianos, guarda roupa-,
apparadores, crystaes etc., etc., jotas de
ouro e prala e
Escravss de versos sc\s.
CORDEIHO SM10ES
far leilao requerimiento dos administradores da
massa fallida de Amorim, Fragoso, Santos A C-, e
despacho do lllm. Sr. Dr. juiz de direito- especial
do commercio dos objccios existentes no sobrado
ra do Sel* n. 37, pertencente ao fallido'Joo
taptista Fragoso.
Ciih folha avulsa destnbuida na vespi>ra dar o
detalhe deste importante leilao.
Quiota-feira 25 4 corrente
s 10 horas em ponto.
37 RA DO SEBO 37
urea peninsular.
NOVA FABRICA DE LICORES'Di TODA6 AS
'QUALIOADB6, GE.VBrHtAS COGNACS, AGUR-
DENTE E MAIS GNEROS.
Pelo svs tem a francez
DE
Manoel Marques de II ve ira c.
Ra dos Burgos n. 31 entrada pela ra
do Amorim.
Arh-sp rSHirrPsui Iheto rAnns ^i6 estabelecimento, se encontra toda a quaii-
ACna-se reimpressa em lOUteOS a respOS- dade de genere* cima mencionados, feitos com
tadoSr. Pinto de Campos ao depulado Pe- perfeieao, bondade de materias primas cem apuro
di'O Luiz: to diminuto o preco porque d'ane, por um preparador habilitadissiimo.
se vai extragir este nolavel escripto, que at Assi.m 9mo se rece'>em eneommendas tanto para
,.nr.tr. nAntn iKn jiminnn ;vnn>n i 'i a provincia como para o estrangeiro, cm grande e
certo ponto Ihe diminue a importancia I L JqueBa escaiia, Ldo hm acondicionadas da me-
bem critica a posicao de quem escreve e im- Ihor forma possivel, por presos mni diminutos, os
prime nesta trra, onde parece a muita gen- quaes devem agradar aos senhores consumidores.,
te que o autor de qualquer obra deve escre- Conyidam( aorespeiuvel publico a visitar o domo
vola favor indo nmtL a hi.,.....n, estabelecimento para se certificarem da verdade...
ve-la, tazer todo o costeto da tmpressao, e NSo pedimos que nos acredite, mas sm que se-,
(tepois distriDui-la de graca vende-se a 1% ja julza vista das provas que temos a honra de
na ra do Imperador n. 79, toja dehvros. apresantar. _________________
0 cirurgiM) Leal mudou.^^"hK^.feTI,|P*<*
a sua residencia da ra do *9eDcia e,n easa de Ro,he & Bidooiac.
nnoimoiA t\q i\ ^a con'orm'dade do que fui deliberado
uUeiUIauO para a ra aS em assembla geral dos accionistas da com-
CrUZeS SObradO n. 36. Dri- Panhia vigilante, que se reuni no dia 18
. FV de abril do corrente anno, sao os Srs. accie-. ,
meirO andar. por Cima dO nistas convidados a entrar com 40 por cen- S^f -f8todo *?**'"? &*" de fer" I
armazem rWrWrifl^ ti- to sobre o valor de cada urna de suas .l^*"- *-^ para fam.ha : atra.ar^
armazem rrogressisia, aon- #& al 0 dia 20 do crrante., se o nao n-
de 0 aCnanO COmO Semre z<'iem incoii.'rao na [jeida da .iiinliaj/i en-
nwviYtTvtrv r, \r, Ym o trada e faz-se este aviso pela inprensa, o
prOmpiO a qUaiqUer ora pa- qualser intimado a cada um dos Srs. accio- commenda, e todo e qualquer concert.
ra 0 exerciCO de SUa prO-' ni8^sem particular, os quaesterao a bon-


.


a)^ 3
b% '

A
NO
'."-
ARWAZFB
u
S
\


t|II-lIo

^Ul' JUBTREIRO VBO
Neste estabelecimento ba semprc um sortimento completo de roupa feita de,
todas as qualidades, tambem se manda fa2er por medida, vontade dos oonwr- \
rentes, para o que tem um dos melhores professores, assim como tambem tem um ;
grande e variado sortimento de fazendas de todas as qualidades, para senhora?,
borneas e meninos. I
Casacas de panno preto, 350 e 30/WOO Dits de sem preto. 5*0005
Sobrecsacas idem, 30/1 e 25^000 Ditos de ditos e seda branco,
Aluga-sft nm bom sitio na Soledde, ra da
N prac* da Independencia, toja de ourives
n. 33, compram-se obras de oo.ro, prata e pedras
trada e faz-se este aviso pela inprensa, o preciosas, assim como sy faz na mesilla.
dade de participar por escripto, que ficam I
SSaO, CiamadO por eSCnpta. iuterado e sua resolucao definitiva, para go \
verno da direccao. Kecife, 8 de agosto de
1864.
Os directores
Assignado-Henry Forster & 6.
Bar5o do Livramento.
Saunders Brothers & C,
Aluga-se o segando andaa da ra da mpe-
ratriz n. :il traa-se na taberna do mesmo.
Aluga-se a casa terrea da rna da Trempe n.!
II, com boas aecommodacoes: a tratar na pada-
ra da ra Bireita n. 84.
LEILAO
_____ DE
PREDIOS
lima casa terrea na ra do Pilar n. 3.
Tmaquarta parte da casa terrea da mesma
ra n, 7.
Um sobrado de um andar e soto na ra do Se-
bo n. 37.
i'in sino de ierras itenuintoatfQ frondio do Bo- J
queiro na Ibura freguezia dos Afogados, com
grande casa e diversos arvoredes.
O apern Atmeida far leilao requerimento dos
administradores da massa fallida de Amorim, Pra-
gozo Sanios & C. o por despacho do lllm. Sr. Dr. i
juiz do commercio, dos predios cima pertencen-
ies mesma massa.
Sexta-feira 26 do corrente.
As II horas do dia porta da Associaco Com-
nercial.
Aosl0:0Ow$O0.
Quinta-feira 1* de setembro do corrente
anno, se extrahir a terceira parte da ter-
ceira lotera (106a) em beneficio da Santa
Casa da Misericordia, no consistorio da igre-
ja de Nossa Senhora do Rosario da fregue-
zia de Santo Antonio.
Os bilbetes, meios e quartos acham-se
venda na respectiva thesouraria ra do
Crespo n. 15.
Os premios de 10:000;W00 at 20*000
ser5o pagos urna hora depois da extraeco at s 4 horas da tarde, e OS OUtrOS SO dia Offerece-se urna ama para
seguinte depois da dislribuico das listas.
Servindo de thesoureiro,
Jos Rodrigues de Souza.
Puhlkario Iliteraria.
DO PODER MODERADOR
ENSAIO DK DIREITO CONSTITUCIONAL
Contendo a aoalyse do Til. V Cap. Io da
Constiluico do Brasil
TELO
Br. ftraz Florentino enriques de Souza
Lente de direito civil na Facnldade de Direito
do Rrcife.
nharpreerindo.se escrava : na ra da Impera-' ,jmil(>s do Podcr MoJerador> e parlcularmeute
______________________________ acerca da responsabilidad dos ministros de esta-
IMnheiro d 'W08 do palos actos proprioedegao Poder, desperlarara
. ..____.- .-. J ... .. no autor o desejode amiltir tambera asua humil
Na ra do Livramento n. 20, se 3^000
4*000
5000
se dir quem da i dt. opniao a rsjfcito 'de um assumpto to mo
_____________ mentoso. Nao qnerendo porm fazer inteiramente
casa de lamilla,' n,na 0Dra de circumstancia, a persuadido por ou-
de muito boa conducta para todo o servico, excep-! T0 I**'0 ?e qoe o bom senso dos Brasileiros sabe
Paletos idem e de cores, 250,
-200, 454 e......10,5000
Ditas de casemira, 2u, 150,
120, 100 e...... 70000
Ditos de alpaca. 50, 40 e 3^500
Ditos ditos pretos, 90, 70,
50, 45 e......30500
Ditos de brim e ganga de co-
ces, 44500, 40*, 34500 e. .
Ditas branco de.linho, 60,50 e
Ditos de merino preto de cor-
dao, 100, 70 e ....
Calcas de casemia preta, 124,
100, 80 e......70000
Ditas de cores, 90, 80 e. .
Ditas de meia casemira de co-
res, 50000 e.....40000
Ditas de princeza e merino pre-
to de cordo, 40500 e. ,
)j Ditas de brim branco e de c-
)aj res, 50, 40500, 40 e .
jj Ditas de ganga de cores, 30 e
5 Cohetes de velludo preto e de
cores, 90 e......
-|w Ditos de casemira preta, 50 e
" Ditos de ditas de cores 50
40e........
lo-cozinhar e sahir ra : quem
ao pateo do Hospital n. 35.
GASA DA rORTUNA. I AeDCil
o
AOS 6:000,000
Bilhetes garanlldos
A' rna do Crespo n. 23 e casas do costante
O abaixo assignado vendeu nosseus muito feli-
zes bilheles garantidos da lotera que se acabou
de extrahir a benelicio do Gymnasio os seguintes
premios:
N. lili bilhete inteiro com 1:1005000
N. 797 mcio bilhete 600000
E outras muilas de 2005, 1005, 405 e 205-
Os possuidores podem vir receber sem os des-
een.os das leis na Casa da Fortuna ra do Cres-
po n. 23.
Acham-se venda os da segunda parte da pri-
meira lotera da mitriz do Oaricnry que se ex-
tralur quarta-feira 21 do corrente.
Preeos.
Bilhetes inteiros..... 7500C
Meios......... 35500
Quartos......... 15900
Para as pessoas que comprarem
de 1005 para cima.
Bilhetes........ 65S00
Meios......... 35230
Quartos......, 15700
Manoel Martins Fiuza
Precisa-se de um lornciro para N. S. do O
de Ipojura ; a tratar na ra do Rangel n. 9.
quizer dirija-se > r_ guardar ainda por niuios annos a bella consti-
i tnicao poltica, a cuja sombra tem prosperado o
i imperio, entendeu que prestara melhor ervicoas
leUtas, Miu mats til em particular mocida-
de esperancosa do paiz dando urna analyse ou
! commeniario aprofundado de todo o Cap." 1 do
i Tit. V da Constiliiieo do Brasil, irabalho este
PiP.-iea so filiar rnm n Sr JnSa bts Par par,1 que tin,iam habilitado os sens estudosco-
riettsa-sc lanar tom^o br. jpao Jus.e.uai-: rao |enl0 da Ja cadl.ira do 2 all0 da Facuidade
reiro Jnior, natural da Illia de b. .Miguel, de Direito durante quasidous annos.
vindo ;'i tres me/.es no patacho Souzn, para i Hcste modo s depois de analysado o relerido
se llic entregar urna encommenda em mSo. pa!,i,ul? ***& o amor a tratar da gravo questo
nrnnria vin.la da mftsma llha- na na ,li' acim* n propna Miia aa mesma lilla na l ua ua concorrer para.babilliar o leiior aa conhecer muite
Cadeia do ttectre n. .1. melher a niilvreza do Poder qtje se dUcnte, e a
.60 e.......5000
Ditos de gorguro de suda
pretos e de cores, 64, 54 e 44000!
Cohetes de fustao e brim bran-
co, 30500, 30 e 24500 .J
Seroulas de brim de linho,
20400 e......20000
Ditas de algodo, 10600 e. 10400 <
Camisas de peitos de linho,
40, 30 e......20500
Ditas de madapolo, 20500,
20 e........ !0OO
Chapeos de massa, pretos fran-
cezes, 104, 94 e. 80500
70000 Ditos defltro, 50, 40,30500 e 20000
Ditos de sol, de seda, 120,
110, 70 e......600^0
Collarinhos de linho fino, ulti-
ma moda duzia. 60000
Sortimento completo de grava-
tas. 0
20500 Toalhas parroste, duzia, 1 !0,
e .......64000
70000 Chapeos deso, de alpaca, pro-
40000 tos e de cores.....
Lences de bramante de linho.
30500 Cobertas de chita chineza. .
40000
20500
m
m
m
'*' vy vw vf
40000
30000
20500
MaPaQBK

CONSULTORIO NEDICO-GIRIJRtilGO
DO
DR. PEDRO DE ATTAHYDE LOBO MOSCOSO,
iieic o. piiiTuiRO i<: oi*i:kai>oh.
3 Ra da Gloria, casa do Fundio 3
'Antonio Luiz de Oliveira
vedo A C
Agente* do llamo Uniao do Porto.
Seitufeira 215 de agaslo s \ I horas
ra da Cadeia armazem n 53.
DE
Urna purco de tapetes de la, oleado
para carro, e dito para coherla
de mesa.
,'lla
S.
d'Aze-
30
vender en leilao os objectos aciraa pelo maior
preco que se achar para ultimar contas, e por or-
dem e conla de quem pertencer.
IIK
Predios e acQoes
Manoel Azevedo deAn-;|g
drade, Antonio de Souza ufanea,
llego e Domingos da Silva Sn
pampos, tendo comprado e pe3t
recebido em pagamento qua- Vmirad0
si toda a heran por fallecimento de Jos
Themotio Pereira Bastos,
ultimo administrador do ex-
ticto morgado de Alagoas
ou de S. Francisco, commu-j
nicam aos foreiros dos s-!
los pertencentes ao refirido
extincto morgado que o con-
Competentemente autorisados sacam por todo
os paquetes sobre o mesmo Banco para o Porto s
Lisboa, e para as seguintes agencias.
Londres sobre itanh of Condn.
Paris i Frederic S. Ballin & C.
Hamburgo > Joo Gabe i\ Filho.
Harcellona Francisco Hahoba >S Balli-sta.
Madrid Jaime Meric.
Cdiz i Crdito commercial.
Sevilha Gonzalo Segoria.
Valencia M. Perera Y. Hijos.
Em Poiitiae.
Amarantes. Angra Terceira. Pigumra.
Aritos de Val de Caminha. Guarda.
Vez. Castalio Branoo. Gnimaraes.
Aveiro. Chaves. Lagoa.
Barcellos. Combra. Lagos.
. Covilhaa. Lamego.
Elvas. Leiria.
Extremos. ., ,, -
Evora. MoiH*-
Fafe. Moncorva.
Pinhal. Itegoa.
Porto-alegre. Setubal.
Thomar. Vianna do
Villa Nova do tello.
Portimao. Villa Keal.
Beal de Viren. Madeira.
Antonio. Faial. S. Miguel.
No IMPEKIO.
Baha. Maranho.
Rio de Janeiro. Para.
Qualquer somiua prazo ou visia,podendo logo
os saques prazo screm descontados no mesmo
Banco a razio de 4 por cento ao auno : a tratar
na rea da Cruz n. I.
0 Dr. Lobo Moscoso da consultas gratuitas aos pobres todos os dias das 7 s I
; formar com soguranca um juizo acerca da rspon-' horas da manhaa, e das 6 e meta s 8 horas da noile, e\cepeao dos dias santificados
*3C"saAnmde^ Pharmacia especial komcomtilica
\SSSSS^S^ aSOmma d? No mesmo cnsultorio ha sempre o mais appropriado sortimento de carteim
Depois de competente Prefacio, segue-seCap.. tubos avulsos, assim como tintaras de varias dymnamisaces e pelos preces seguiows
t" Da npcessidade e importancia potitica do Poder
Moderador.Cap. 2." Do Imperador como orgo
d.i Poder Moderador.Cap. 3. Da inviolaliilidade
da [essoa do Imperador.Cap. Das attribui-
f3es do Poder Moderador.Cap. 5." Do di-
reito de escolheros Senadores.Gap. 6.- Do direito
de invocar extraordinariamente a Assembla Ge-
ral. ^Jap. 7." Do direito de sanreo.Cap. 8." Do
direito de approvar e suspenders resolueOes das
As embicas Legislativas Provinriacs.Cap.!)." Do
direito de prorogar ou adiar a Assembla Geral, e
dissolver a Cmara dos Depntados.Cap. 10. Do
direito de Hornear e demittir livremerlte os minis-
tros de Estado.- Cap. II. Do direito de suspender
os magistrados. Cap.'12. Do direito de perdoar o
moderaras penas.Cap. 13. Do direito de conce-
der amnistias.-Cap. i', e 15. Da rresponsabilidade dnn
absoluta do Poder Moderador.Coneluso.
Acaba de sahir a luz esta inleressant publicafo,
em um velume de 600 paginas, e aeha-se venda
as livrarias de J. Nogueira de Souza junio ao arco
1 de Santo Antonio, e dos editores Guimaraes & Oli-
veira, pelo mdico prego de (35000.
Carteiras de 12 tubos grandes. 120000
de 24 tubos grandes. 180000
de 36 tubos grandes. 20OOO
de 48 tubos grandes. 300000
de60 tobos grandes. 3i>0OOO
Prepara-se qualquer carteira conforme o pedido que se fizer, e com os remedios
que se pedir.
Um tubo avulso ou frasco de tfntura de meia onca 10 00.
Sendo para cima de 12, custaro os precos eslabelecdos para as carteiras.
Ha tubos mais peejuenos cada um a 500 ris.
LITROS.
A melhor obra da homeopathia, o Manual de Medicina Humeopathicodo Dr. Jahr.
grandes volumescem diccionario............ 205000
Medicina domestica do Dr. llering,........... 100000
Repertorio do Dr. Mello Moraes...........' 64000
Diccionario de termos de medicina ........... 3AO0O
Os remedios deste estabelecimento sao por demais conhecidos e dispensam portan-
sacam
d
veneionar.
o i servico interno ]
na praca do Cor-'
mmMWMMmm i
i caixao de pedra e cal em altura de receber
travejamento na ra da Concordia de n. 67 e 69,
com 61 palmos de frente e 120 de fundo, em cujo
terreno estaocollocadas cinco casas que rendem SeiinOr da JieranCa MailOel'
85 mensaos cada urna, foreiro a manaba e paga i
25100 por anno.
8 mni.is aguas na traversa da Palma de. ns. 4
11, que rende cada urna 105 measaes, foreiro
marinha.
lo accoes da estrada do ferr.
Sexta-feira 26 do corrente s 10 1/2 horas,
aporta da Amciaco Commercial.
O ageute Aimeida far leilo por autonsaco do
Sr. Antonio Joaquira dos Santos Andrade, dos
prediose accoes no dia e hora cima.
LEILAO
Sabbado 27 do corrente.
Por ordem do consulado de Portugal ir.io a lei-
lo por intervenco do agente Pestaa os bens
abaixo declarados pertencentes ao espolio do fina-
do suodiio po-tuguez Jos Fernandes Pereira Vil-
la-rica, a saber:
A armacao e mais gneros existentes na taber-
na pertencente a* mesmo finado, 3 bois de carro,
I cavallo de carga, 1 carrosa em bom estado, 1
dita quebrada, 1 dita nova por acabar, 9 canoas
de carreira, sendo urna deteriorada, planlacao
de capiui na ra do Baldo.
O leilo ter lugar era Olinda sabbado S7 do
rorrete pelas i t horas da manhaa.
avisos ivmm.
Constando ao abaixo assignado que alguns
dos seus amigos e homens do povo desejam que o
mesmo abaixo assignado seja um dos quatro cida-
daos votados para juiz de paz da freguezia de Santo
Antonio desia cidade, no dia 7 de setembro prxi-
mo futuro, vem por ineio deste agradecer-Ibes as-
tea aeus4>ejos, t palir-lbc* que votem em.a me-
nor descrepanea,-nos culado que foniu apresen-
tados^ra os qatro juizes de paz da mesmajre.
uezia peto panido lii/cral progressista, ao que o
mesmo abaixo assignado tem a honra de perten-
cer.Caetano Pinto de Veras.
O Dr. Carolino Francisco de Lima San-
tos, contina a residir na ra do Impe-
rador n. 17,5 andar, onde pode ser pro-
curado a qualquer hora do diae da noile
para o exercicio de sua profisso de me-
dico ; sendo que os chamados, depois de
meio dia at i horas da tarde, devem ser
deixadns por escripto. O referido Dr.
nao abandonando nunca crestudo das
molestias do interior, prosegue, com o
maior affinco, no das mais difliceis deli-
cadas operacoes. como sejam dos ergSos
ourinarios.dosolhos, partos, etc.
Cas- -,.SciM.er 5 C, na ra do Trapiche i?, 5 t E"? novamont.e recornmenda.os aspessoas que qu.zerem usar de remedios ver-
.cam por todos os paquetes para a Baha e Ri dadeiros, enrgicos e; duraderos : ha ludo do melhor que se pode desojar, globos de ver-
) Janeiro, vista ou a praso, conforme se ,con-, dadeiro assucar de leite, notaveis pela sua boa COnservacao, tinturados mais acreditados
estabelecimenios europeos, a mais exacta e aecurada preparacao, e portanlo a maioi' ener-
ga e certeza em seus effeitos.
Casa de sade para es era vos.
Recebe-se escravos para tratar de qualquer enfermidade ou fazer-se-lhe qualquer
operaco, para o que o annunciante julga-se suficientemente habilitado.
0 tratamento e melhor possivel, tanto na parte alimentar, como na medica, e
funcionando a casa a mais de quatro annos, ha muitas pessoas de cujo conceite se nao
pode duvidar, que pdem ser consultados por aquellos que desejarem mandar seus
doentes.
Paga-se 20000 por dia durante 60 dias ed'ahi em diante 10500.
As operacoes sero previamente ajustadas, se nao se quizerem sujeitar aos procos
azoaveis que costuma pedir o annunciante.
Ama.
Precisase do urna ama para
de urna casa de penca familia
po Santo n. 17, terceiro andar.
m-
Azevedo de Andrade se a-,
cha autorisado a receber os!
foros e laudemios, bem co-|
mo as rendas dos predios,
e o competente para pas-
sar recibo.________________
cu"0""000!,1 hunlem em 2 d0J Sr-,Fon!eca e, pode ser procurado a qualquer hora : as sextas-
Silva, na ra da Praia, um chapeo de sol, queren-;
O bachure!
Francisco Augusto da Cosa
ADYtXUDO
de desfazer a troca, appareea
primeira rasa depois do Starr.
em Santo Amaro,
Ka na estreita do Rosario
Advogado Affonso de Albu-
querque Mello,
. ocurado a qualquer I
teiras, porm, na villa do Cabo.
Ra do Imperador numero 69. g|
mmm mwm-wmmm
Costureiras.
Pre costuras de alfciate para trabaihar por dia:
na ra Nova n. 47, toja.
Perdeu-se hontem desde a na da Cruz at a
Estancia, um estojo de barba : quem o achou,
pierendo restitui-lo, pode leva-lo ra da Cruz
que ser recompensado.

n. 42, armazem,
Queit) precisar de uir eaixeiro para arma-
zem de assncar ou para cobranza, e que d lian-
ca a sua conduela, annuncie por este jornal.
Precisa-se de um eaixeiro de idadede 12
13 anuos, quertenba pralica do taberna c queda
liador a sua conducta : a tratar na ra da Praia j
numero 43.
Maques' solare Portugal, j
! 0 abaixo assignado, autorisado pelo >
'Hanco Mercantil Portuense. e na ausencia 1
do Sr. Joaquim da Silva Castro, saca ef- j
fectivamente por todos os paquetes sobre i
as pracas de Lisboa e Porto, e mais luga- 1
res do reino, por qualquer soturna vis- ]
ta, e a praso ; podendo, os que tomarem i
saques a praso.receberem avista, no mes- i
mo Banco, descontando 4 0|0 ao auno: na j
loja de chapos da ra do Ci es|>o n. 6, ou .
na ra do Imperador n. 63, segundo an- i
dar.Jos Joaquim da Costa Maia.
Precisa-se de urna criada livre ou escrava
Precisare de urna ama que rozinhe e en- i -ue sail,a Czinliar e engommar : na ra das Cruz
gomme para casa de pouca familia : na ra do n- 42> Pr,n,eiro andar-
= O Sr. relujooiro Castao Moreira Fon les quei-
ra declarar sua inorada para entregar meu re-
logiode ouro. de algibeira, que Ihe entreguei 18
de agosto do auno paiado 4iara ser concertado.
Becife, 23 de agosto de'1864.
Marcelino Jos Lopes.
Amorim n. 41, segundo andar.
rtlbert Callier, subdito belga, relira-se para o
Rio de Janeiro.
Na easa^). 3, sita na ra do Arago, cozinha-
se com perfeicSo.
Precisa-se alugar um moleque para o servi-
do de nma casa de pasto : na ra das Larangeiras
numero 10. ____________
Antonio Lourenco Teixeira Marques, subdito
portuguez, vai Europa.________
DngaM C. Simpsom, subdito ioglez, vai
Baha.______________
Madama Bernel com um fttho menor retira-
se para Franca._____________________
Precisa s de um eaixeiro para um deposito
no pateo do Ca|rmo n. 43, que d fiador a sua con-! |
ducta : a tratar na ra Imperial, padaria n. 51.
Precisa-se, de urna ama para comprar e ce-1
zinhar para ca Queimado q. 7-____________________
Existe na ra do Fogo n. 32 urna carta para
Joaquim Francisco da Silva, vinda no brigae Es-
peranza. ___
O alvoga"o Cicero Peregrino mudou a sua
residencia para a rna Nova n. 39, segundo andar,
e contina om seu escriptorio ra do Livramen-
to n. 19, primeiro andar.
Aluga se a loja do sobrado da ra Velha n.
93, a qual bastantemente grande, e se aluga por
preco comraodo : quem a pretender, dirija-se
proprietaria que reside no sobredilo sobrado.
Wm. Dugle, subdito britannico, retira-se des-
la provincia.
%Mencio
Na ra da caixa d'agua appareceu agora mn
I insirnmento de som anglico, muito aritna do forte
i piano, elle tem corrfas e se atiaa, por um pistad de
cylindro que d 10 tons em si b.; o habilidoso que
jtoca d hgfles gratis porque vejo tanta gente junto
porta a ouvir, que priva artdar-se na calcada:
bello, nao ba duvida, u se canta o jovon oooa a soa
| bocea bamba o o pista n > ayudo, ento ninguem
j dorme I xjue lal o da msica, e o nosso tbeatro
vasipl! portanto, pedimos ao inspector da ra
que facj os taes jovens fazerem os sens onsaios na
lieienfao, pois o lugar bem fresco e os accoramo-
dara hcm.At logo.
_---------------------| Joaquim Gomes Donrado retir-so. para Por- Aloga-sc a-casa da rna Apgoista n. 4, com
para moco soiteiro :. tugal a tratar de sna saude e deixa por seus pro- j grandes commodos, oto e grande quintal com
'Curadores a seu Irmao Jos Gomes Donrado, Joa- ifmrlo : a iratar na segunda;casa nova e sera nu-
Atsencia de passaporte.
Claudino do Bago Lima, despachante de passa-
porte, tira-os para dentro e ra do ^imperio por
commodo preco e presteza : na ra da Praia n.
47, primeiro andar._____________
Precisa-se alugar urna ama para cosinhar
em casa de pouca familia e tambem um moleque:
na roa do Crespo n. 23.
Precisa-se alugar urna preta escrava para'o
servico de urna pequea familia : na ra das Cru-
zes n. 28, primeiro andar.
O abaixo assignado, tendo realisado todos os
seus dbitos para com seus credores nesta prnea,
e mesmo lora della, at esta data, faz ver a lodos
que com elle ho coulrabido negocio, que por aca-
so seachem cotn direito a haver alguma quanlia'
se dirijam no praso de tres dias ra do Itaogel
n. 9, que ah sero embolsados.
Joo de AirtuUf Cabral.
Precisa-se de urna ama :
Verdes n !.
na roa das Aguas
A ttenco.
[ Offerece-se urna senhora portu-
l-gueza para tratar da educacao de
[ meninos em alguma casa de fami-
I lia : na ra da Cadeia do Recife n.
i 38, primeiro andar.
I
Precisa-se je urna ama
na roa do Imperador n. 13.
Augase i un segundo andar e setao com QU'mGoncalves Salgado e .'utooio Dotingues de
commodos para i ;rande familia, tendo sido ha pou- Alme'da "^'as-
ca caiado c pintado
numero 8 B.
a tratar na rna do Crespo
Precisa-se de nina ama para todo servico de
casa de pouca fanilia preferindo-sc escrava: no
paleo da matriz i le S. Antonio n. 8.
. Hermann Koesing, r.idado bremea^e, vai a
Europa.
Precisa-se de nm escravo pan o servico in-
terno e externo de urna casa, pagando se 18JS000
por mez : na ra do Queimado n. 9.
mero em fenle ao porlo do gas.
Trocam-se lernas iior lijlos de ,ilvenara
crussa, faz-se bom negocio : a tratar na rua'do
Mondego, olariam. 13.________
Quem annunciou querer comprar um braco
e conchas de balanca, dirija-se ra do Mondego,
olaria n. 13.
Ama de leite.
Quem precisar de urna ama de leite sem filbos
pode procurar na rna do Mondego n. 2.
Na livraria n. 6 e 8 da praca da Inde-
pendencia existe urna carta de importancia
para o Sr. Antonio Fernandes Corredor.
Joo Luiz Goncalves, vendo no Diario n. 188
no edilal do lllm. Sr. juiz especial do commercio
annunciando a venda das dividas do fallido Ben-
to Antonio Carplhtelro da Silva, para o dia 29 do
correnle como na relacio a qne se refere visse
seu nomo debitado pela qnantia de 105480, declara
quem possa inieressar que nada deve ao dito
Beiuo, c para que chegue ao conhecimento de lo-
ri>s faz o presente_________________________
Que precisar de orna criada (porlugueza) para
servir em casa de algutn hoinem soltero : dirja-
se na Ca punir ao sim do Sr.'Atbuquerqne.
O abaixo assignado lendo neste Diario a po-
blicaeo das dividas do fallido Bonlo Antonio Car-
pinteiro da Silva que'tem de ser arrematadas por
execuc/io dos Srs.Tasso Irmaos, t vendo o seu
nome contemplado com % quaiWia de 758f)0 rs.,
declara a qilem iftlereisiaS possa que nada dfeve ao
dilo Sr. Bento nem nrinca feve transac^oes com
elle. Recife, 24 de agosto de 1861.
Joa jnim Antonio da Silva.
I Jojio!!
Ao actual e mu digno Sr. Dr. ebefe de polica,
pede-se nao s comoautoridadeproba,epai familia,
que chame aocumprmeniodeseus deveres lauto ao
Dr. delegado, como aos subdelegados de Santo An-
tonio, Boa-Vista, e S. Jos, a lim de se aeabarem
com as casas de jogos que exisleni as referi-
das freguezias. No spguinte annuncio sere-
mos mais explicilos, spoiitando cada nina das
casas existentes, tanto da roda grande (chamada)
como da pequea, assim como as que se forem or-
I ganisando. Havemos de chamar a polica ao cuin-
primento de seus deveres, relativamente ao jogo.
O utives mitra.
Ao publico.
Eu abaixo assignado venbo pela imprensa de-
clarar que tenho deixado de ser eaixeiro na casa
commercial dos Srs. Soulhall Mellor K resulta-
do de tima desarenen toda ridicula entre mini e
um dos embregados d'aqueila casa .
Sobre iodo penhorado indas urbanas e afiaveis>
maneirascom que setnpre fui tratadttpelosSrs. Fen-
nelly, Merrelield Coockshott, Sdsume, Serodio, Ma-
chado, A. Gibson, Monteiro e Flix, venbo cordial-
mente agradecer a esses senhores es-a benevolen-
cia, que para mim teslemunharain, aproveitando a
occasio para renovar meus protestos de estima e
consideraco, offerecer-lhes meus servicos em
qualquer parte que me achar.
Becife, 23 de agosto de 1864.
Anttocko Antonio Altes; Ribeiro.
Lasa banearia.
A. Schaffter & C, ra do Trapiche n. 17,
recebem dinheiro>a premio pela taxa de 6
por cento ao anno em conta corrente, sa-
cam qualquer somma vista ou a prazo so-
bre London,'Paris, Hamburgo. Rio de Ja-
neiro. Bahia e divorsas praras do Norte do
Brasil.-
Podem ser retirados os depsitos :
At rs. 3: At rs. 10:0000 com 3 dias de previo aviso.
At i's. 50:11000 com 8
Abrir-se-lia crditos (^n conta corrente
com as casas cotnmerciaes tiesta praca.
Preeisa-se alugar um preio para o servico de
easa : na na da Cadeia do Becife n. 20.
Precisa-se de nma ama para casa de pouca
familia, que saiba lirvar e engommar : a tratar na
botica franceza, ra da Cruz n. 22.
MUTILADO


OSarlo de rcraaatbaeo
5
pablleaco Iliteraria.
Sabio luz o opsculo intitlalo
a iki:kdal
BRASIL
Salsa parrilha de Ayer
pra a c8a da
$CROFUIjA
e todas as molestias
provenientes del la
a
POR
H'onso de Albuqutrqu* MMo
Convidarase os assignantes a mandar-ern receber
seus exemplares na praga da Independencia os. 6
e 8, que serio entregues vista dos recibos das as-
signaturas ; ahi tambero esli epostos venda a
35000 cada uin. Sao seb os seguintes ttulos as
materias de que se occupa:
Introduccao. Nogo da liberdade.O Brasil co-
lonia. Revolucao de 1817A IndependenciaA
constitu nteA constiluii1,o-A revolueao de 1824.
A espulso ou abdicago. A gencia livre. O
partido regressista.-Ameaga dos corcundas e que-
da dos livres. A regencia eorcunda.Causa dos
niales da regencia livre. Regencia ercunda e
rnaioridade.Principios do reinado de>D. Pedro.
Revolla de Minas c S.Paulo.-Dominio da Praia
Luzia.O dominio liberal nao ioquietava os cor-
cundas. Fetos do dominio liberal.-A praiaeChi-
chorrosenatoria.A revolu e a revolucao de
1848 A constimintc-A ronstituinte. -Derrota
da revolucao. Negociacao de Honorio cora os libe-
raes : traidores. Venda da handeira Ja cons-
tiluinte.- O partido liberal durante o&quirterze an-
uos do chamado ostracismo. Os corcundas e o
liberaes durante osquatorzeaunos.Capliveiro re-
signado e voluntario dos liberaes durante os qua-
lorze annos.0 povo eorcunda, ou os vermeahos e
os sabios. A situacao propriamente poltica. Ins-
tituicoes livres, e direitos politieos que liuemos
at o flm da regencia livre, e o que actualmente
temos mi lugar delles. Os representantes da ua-
cao e das provincias.Situacao administrativa.
0 que sao uella os Portuguezes. Como o gover-
no obrigadu a corromper o paiz c a .fazer-fee
sempre maior mal.Como se multiplica e se paga
a clienlella Uu governo para sustcntar-sc o impe-
rio eorcunda. O procnsul.O procnsul da co-
marca. Dos cargos, aos crimes e da puigo.A
'ustiga. Juizes municipaes.Juizes de direito.
Yibunaes.
mercio.Supremo Tribunal de Jm-tica
Os advogados.Coneluso. Garanta dos direitos.
A moral publica.-Dos crimes.As eleigoes.
Corollario da obra saqiiarema.- O que a pa-
tria. Situayiu para com o exterior. Situacao
flnanceira. As (naneas do oslado.-A miseria.
Perigo e salvamento d . Como se congregam os elementos para ella. Con-
siderarles retrospectivas. A romtiluirte. Trepa-
ros antecedentes. Couciliacao e opposigo parla-
mentar.Monta a liga.-O que sao os liberaes na
liga.Que bem ferio os liberaes ao paiz.O pro-
gresso.Seus fetos.O que o progresso e que
far.Como se dore ver nesta trra echegada
ao progresso. Purque o progresso s vem com-
pletar nossas desgragas e sem mais remedio.Se
ha salvacao para nos qual seria o meio e bem f-
cil. Resumo. -A's cinco provincias pemainbuca-
nas. Histrico e poltica eorcunda. De que pro-
vin a miseria. Como se corrompe na eleigo.A
restricto da liberdade (>ar do progresso da immo-
ralidade.-Corollario.
todas as molestias
pelle
Chensipcllas, Uwnrts, ulceras,
sarna;,
\
nascidas, empiugens,
REUMATISMO
svriiiLis
em todass suas formas, assim como todo -do purgatorio.
o mal que]rovni do uso excessivo do
MERCURIO
Uf ceracao do ligado
e em summa todos os males que tera sua
Iivro "Vende-se 16* res, w'lijwra ns. 6 e
da praca da Independencia, tirhlivrtnhocon-
kendo o seguate: louwor ao santo neme de
f)eus, cora dos actos de amor de Deus, ora-
i^coe's e petic5es,fcynui9ao Espirito Santo, co-
-r-a do Sensor, rtoi& h qualquer alma de-
>vota, desengaos ta vida humana, hymne
de Santo Ambrorio- Notsa Senhora, jacula-
da ftorias ao SantissiMO Sacramento, exercrio i!a
via-sacra, comroemoracSo Nossa Senhora
do Carmo e ao SS. Sacramento, directorio
para a oraran mental, dividido pelos dias da
semana, obsequio se eoracSo de Jess, sau-
dages devotas s chagas de Christo, ora-
res Nossa Senhora; S Jos, ao anjo da
guarda, Deus em obsequio qualquer san-
to e para a noule, e responso pelas limas
LOJADOBEIJAFLOR.
Ra do Queimado ns. 63 s 69.
tintos ilotirailns.
Sao chegados os lindos cintos bordados ouro,
pelo barato prego de 2^500 e 35000: no Beija-flor,
ra do yueimado ns. 63 e 69.
Fivellas para ciuliis.
Chegaram tambem ricas fivellas duradas de
ac para cintos a 1*000 e IJtOO : no Beija-flor,
ra doQueimado os. 63e-69.
Peales de tartaruga.
Grande liquiacao
Roa da Imperatriz n. o.
loja de fazendas de Pavo de Gama A Silva.
Acha-se este estabelecimerrto completamente sor-
tido de fazendas ingieras, fraocezas, allemaes e
sussas. proprias tanto para a praca como para o
mato, prometiendo vender-se mais barato do que
em outra qualquer parte principalmente sendo em
porcao e de todas as fazendas do-se as amostras
deixando ficar peubor ou aiai.dam-se levar em ca-
sa pelos caizeiros da loja do Pavan.
As editas do l'avao.
Vendem-se chitas inglezas claras e escuras pelo
ongem ua
IMPUREZA
,,,.
DO SANGUE
um alterante poderoso para a
RESOVAGO DO SANGUE
e para dar nova forca e vigor ao corpo j
enflaquecido pela doenca.
Vende-se na ra Direita ns. 12 76 e
Hospicio n. 40.
Vende-se em Pernambuco:
na pliarinaeia franeeza de
P. MAURER i C.
BA NOVA N. 18.
LIVRARIA ECONMICA
Hua do Crespo n. 2
^d^^Sti^SS^tSS: ao P d0 arco de S Obras ltimamente receladas
LITTERATURA.
Joao da Silva Ramos, medico pela Un
versidadede Coimbra, d consultas em
sua casa das 9 s 11 horas da mauha, e
das 4 s 6 da tarde. Visita os doentes
em suas casas regularmente as horas
para isso designadas, salvo os casos ur-
gentes, que sero soecorridos em qual-
quer occasio. D consultas aos iwbres
que o procurarem no hospital Pedro II,
aonde encontrado diariamente das 6
s 8 horas da manhaa.
Ttm sua casa de sade regularmente
montada para receber qualquer doente,
ainda mesmo os alienados, para o que
tem commodos apropriados e nella pra-
lica quahpjcr opera^ao cirurgica.
Para a casa de sade.
Primeira rlasse 35000diaros.
Segunda dita.... 25300
Terceira dita.... 25000
Este estabelecimento j bem acredi-
tado pelos bons servicos que tem pres- i
tado.
O proprietario espera que elle conti-
nu a merecer a conlianca de que sem- L
pre tem gozado. V
- Aluga-se o grande telheiroda ra da Concor-
dia confronte ao porto de embarque, hom arma-
mi com tres portas na frente : a fallar com Ilen-
rique Jorge.
Precisase de um c.iixeiro com bastante pr a
tica de taberna : qaem se adiar nestas circums-
tancias, dando fiador a sua conducta, appareca na
ra do Amorim n. 36.
0> abaixo assignados fazem publico, que
acha-se atnigavelmente dissolvida, a contar de 13
do correle em diante, a sm-iedade que exista en-
tre os annunciants e que girava sob a razo coin-
mercial de Rlbeko & Braga ; ficando o estabele-
cimento pertoncendo ao sucio Manoel Barbosa Hi-
beiro. que fica encarregado da liquidaeao da ex-
tincla sociedade por cotila de ambos.Hecife, 20
do agosto de 1864.
Manoel farhosa B'eiro.
Antonio Avelino Istte Braga.
Aluga-se o 2" andar do sobrado n. 79, na ra
do Imperador : a tratar na ra do Crespo n 13.
O Sr. Sebastian Jos Peixoto tem urna carta
na praca da Independencia, livraria ns. 6 e 8.
Aluga-se a lo a da casa n. 10 da ra das Trin-
cheiras: na ra da Aurora n. 36.
Creme
Sorvcte de reme boje ao meio da : na ra do
Trapiche n. 18.
Sorvete
Sorvete todas as noites : na ra do Trapiche
numero 18.
Precisa-se de urna ama forra ou escrava, e
que tenha bons costumes, para todo o servico de
urna casa de familia : na ra do Aragao n. 23.
Aluga-se a ea*a com pequeo sitio na traves-
sa de Jofw Pernandes Vieira, era que morou lti-
mamente o Sr. Thom.iz Coinber : no armazem de
Samuel P. Johnston & C, ra da Senzala Nova nu
mero 42.
Frederico Cierre, Vieenso Thadvr, Demetrio
de Giovani de Francisco, subditos italianos, reti-
ram-se para fra da provincia.
- Permula-se pjr qualquer dos lugares desla
cidade do Kecife. ou em Santo Antonio, ou na Boa
Vista, por una das duas casas que offerece. s-mdo
ambas de pedra e cal, urna na villa de Iguarass
na na do Livramento n. 18, com rotula e envjdra-
i;ada. com urna sala, dous quartos, sala de jantar,
cozinha fra, urna pequea estribara, quintal atea
margem do rio. Outra na cidade de Oltnda na
ra do Amparo n. 9, com uma boa sala, dous
quartos, cozinha e quintal pequeo, por oatra que
tenha iguaes commodos, anda que venha o annun-
ciante a voltar a'guma cousa, mostrando-6e esta
permuta livre c desemharacada de hypotheca :
qum livor a dita casa em um dos lugares mencio-
nados, dinja-se ra do Sol n. 37, primeiro andar,
que achara cora qaem tratar, e se dir a razo por
que ee faz esla permuta.
Historia da Fundac.o do Imperio Bra-
silero por J. M. Pereira da Silva, pri-
meiro vol.......
Calabar, historia brasilera do seculo 17
por J S. Mendes Leal Jnior, 1 vol.
ene.........5*000
Theatro do Dr. Joaqum Manoel de Ma-
cedo, 3 vol. ene......95000
Obras de II. A. A. de Azevedo, 3 vol. ene. 95000
Suspiros Poticos, de D J. G. de Haga-
Ihes, 1 vol.......350TO
Mocidade de D. Joao V por L. A. Rahello
da Silva, 3 vol......85000
Um anno na corle por J. A. Corvo, 3 vol. 85000
Os Miseraveis, por Vctor Hugo, 10 vol. 165000
Crimes espantosas, 2 vol.....65000
Marida de Dirceo, ntida ediccao, 2 vol. 65000
Historia de Napoleao, com estampas, 2
vol. Obras poticas de M. I. da Silva Alvaren-
ga, 2 vol.......65000
O Outono, poesas de A. F. de Castlho, 1
vol..... 45000
Revelacoes, poesas de E. A. Zaluar, 1
vol.........55OOO
Peregrinaeao provincia de S. Paulo, pe-
lo mesmo. i vol......65000
A marte moral, novella por A. D. de Pas-
cual, 3 vol.......65000
Agulba em palheiro por Camillo Castello
Branco, 1 vol. ... 25000
Vsao dos tempos, Antiguidade Homrica,
Harpa de Israel, Rosa Myslira, poema,
por Theophilo Braga, 2* edifao, 1 vol. 15300
Cynsmo Sceplicismo e Crenca, comedia
por A. Cesar de Lacerda, 1 vol. 15000
.ilm dcstas obras recebeu mais, de litteratura
franeeza, portugueza e brasileira, as quaes vende
precos muito razoaveis.
Sociedade de seguros mutuos
de vida installada pelo Banco
Unio na cidade do Porto.
Os agentes nesta cidade e provincia Antonio
Luiz de Oliveira Azevedo & C escriptorio na ra
da Cruz do Hecife n. 1, esto aulorisados desde j
a tomar assignaturas e prestar todos os esclarec
mentos que forem necessarios, as pessoas que de
sejarem coneorrer para lao til e beneea empre
as, egurando urn futuro lisongeiro aos associado-
Aluga-se o primeiro andar do sobrado da ra
Direita n. 82, com bons commodos para pouca fa-
milia : a tratar na padaria n. 84.
SSnVSS!* de. .l?A^ta^,ll^a 80St0 raoderno' a bara'o preco de 240, 260 e 280 rs o covado, tintas
a500, 55500 e 6|000 : iua ~d# -Queiinadons.
63 e 69.
Peules de liavensa.
Vendem-se penies de travessa de nove gosto para
meninas a 600 e 800 rs. : s no Beija-flor, na do
Queimado ns. 63 e 69.
Feotes para atar eabHos.
Lindos pentes pequeos para* atar cabellos, pro-
prios para se andar em casa a 400 e 500 rs.:
no Beija-flor, ra do Queimado os. 3 e 69.
Botdes de inadreperala.
seguras; ditas fraurezas de (ores seguras 320,
340, 360, 400,440, 480 e 500 rs. o covado, fazenda
muito superior e bonitos padroes : s na loja do
Pavao.
EXTRAORDINARIA
Iiqnidacao de fazendas de (odas as qua-
li 'ns iii Ija e armazem da Arara,,
ra da 'mperatriz n. 56, de lourcn-
co Pereira Mende> itiiinwraes.
Attendam freguexea i
Soatembarque a I0s 12 c isl pechiuclia.
Vende-se soutembarques muito bem enfeitados
e de cores, para senhoras, a 105 125 e 155, ditos
preos a 205,225 B 255 ; capas pretas do gros-
denaple a 205 e 255 -' na ra da Imperatrii n.
56, loja da Arara,
Cottes de chita a 2^400.
Vende se corles de chitas de cores fixas com 10
se a 400 rs. abotuadura
Queimado ns. 63 e 69.
Eufeites para seirboras.
no Beja-iflor, ra
do
Vende-se das seguioies marcas:
Semithj Ce C |de PF barril por 155.
P N & C. de FF o barril por 155.
P diamante de FF o bair-il por 145500.
De superior qualidade FF 2 espingardas o barril
por 165-
Chumbo de municao de teda a grossura arroba
55500.
No armazem de J. A. Moreira Dias a ra da
Cruz n. 26, onde encontrarse as amostras.
Vende-se
ama escrava sadia que sabe bem engommar e co-
iuliar, de meia idade : a tralar em Santo Amaro,
sitio junio ao amigo quartel .cavailara.
Farinha de mandioca
ensacada e da melhor que ha : vende Miguel Jos 114208e 15-t0() o pacote,ditssemserdouradoe nem
Alve6 no seu
Cruz.
covados a 25400 e 35200, cortes de cambraia de
barra a 25, ditos de salpics a 25o00 : na ra da
As liazinhas da exposico do Pavao. ; Imperatriz n. 56, loja da Arara, de Mendes Guima-
Vendem-se as laazinhas as mais modernas que raes.
I tem vindo ao mercado, propruu para vestidos e Fazendas especiaes para enfolra.
soutembarques por serem lisas e de cores muito Vende-se gollinhas para senhoras e meninas a
delicadas a 06O-6OO rs.: ditas lisas com um lus- 240, 320, manguitos a 500 rs., eamfsinhas a 15,
I tre que parece seda a 640 rs. o covado, ditas ma- 15500, 25 e 45500, entre-meios e tiras bordadas
O e o( rs. o covado. ditas com para eufeitar vestidos brancos a 15.15200 e 15400
Tendo recebido um variado sortimento dos de- 1uadrinhos de seda 500 rs. o covado, s para a pega, enfeites para casaveqne a 15, gravatinhas
sejados botes para abertura de roupao, vendem- *cabar : na l0Ja e armazem do Pavao de Gama para senhora, muito Unas a 15 e 15500 : na ma
CB a '1MI re .'. nl,~i.l... .__n.iJ M_______ J- SllVa. TOA il:i lllll 1T1I1 17 n lili .|.. l ,,,,,.,.. i. se l.:.
Lindos enfeites modernas a 2500G e 25400,
ditos de rede a,900rs. : no Beija-flor, ra do
Queimado ns. 63 e 69.
Talheres para meninos.
Chegaram novos sortmontos de talheres para
meninos a 280 e 320 rs., ditos cabo de halanco de
cm boto a 400: as lejas do Beija-flor, ns. 63
e<69.
La para bordar.
Vende-se laa de superior qualidade e de lindas
cores a 65800 a libra : no Beija-flor, ra do Quei-
mado, ns. 63 e 69.
Papel de diversas qnalidades.
Vende-se papel de beira dourada pautado a
Silva, ra da Imperatriz n. 60. j da Imperatriz n. 56, loja da Arara!
Os vestidos do Pava o Vende-se pal i luis de panno lino a 165, <45 e
[ Vendem-se os mais modernos cortes de vestido 124, ditos saceos com litas a 124, 104 e 84, ditos-
de laa, qua vieram pelo ultimo vapor, com ricas de casemira linos a 104-85 e 64, ditos sem fita-e
barras de cor, rorpinho e collete separado; dilos 45500,55, dilos de brim a 25500, 35, 34500, ds
com listas de seda e tambem com barras e enfeites alpaka a 35 e 35500, caigas de brim e de ganga
para o corpo, por prego mais barato do que era ou- 25, 25500 e 35, ditas de meia casemira a 35500 z
tra qualquer parte, e se quizerem uma prova do 45500, tinas a 55, 65 e 75, coletes e camisas Tran-
que se diz, mandem ver loja e armazem do Pa- cezas a ?5 e 25500 e 35, seroulas de algodao a.
vo, ra da Imperatiiz, n. 60, de Gama & Silva.
Os vestidos Hara Pa. S o Pavao (8,000 rs.)
Vendem-se os mais lindos vestidos Mara Pia
de laaznha transparente com listas, e palminhas
de seda pelo barato prego de 840011 cada corte :.
s na loja do Pavao ra da Imperatriz n. 60, de 1, Vende-se panno de Imho para lenges
i las a 640 rs. a vara, brim liso de Hamb
Gama & Sil\
15000, de Imho a 25, e colarinhos a 400 s. : na
ra da Imperatriz n. 56, loja da Arara.
Vende-se colchas de chila a 25, de damasco a
45, de fasto a 55 : na rna da Imperatriz n. 56,
loja da Arara.
e seren-
mburgo a 500
As cassas du Pavao a 210, 280, 300 320 e 360 rs. Ie. 56 rs-> ,lenvos d seda a 800 rs. e 15 :
S o Pavao vende as lnissn.s cassas persianas ** ,mPeralnriz f. loja la Arara.
escriptorio, casa a. 19, na ra da
Vende-se
um lindo moleque de idade de 10 anuos, dous es-
cravos para todo o servico, uma escrava boa qui-
ta ndejrajnalravessa do Carmo n. I.
Vendem-se qoeijos dos ltimos com capa de
chumbo, muito frescaes, pelo diminuto preco de
25000, e tambem uma quantidade de trates de
lour, que algumas servem para forno de otaria, e
faz-se todo o negocio para fechar contas ao dono :
na ra Direita ns. 99 e 100.
YEMIE SE
o deposito no pateo
com poucos fundos
do Carmo n. 5 junto a botica,
: a tratar no mesmo.
- Vende-se um casal de escravos do servlgo de
campo : na ra Augusta n. 4, das 7 s 10 boras
a manhaa, e das 3 s 5 da tarde.____________
Vinho do Porto superior
dm caitas de uma e duas duzias : tem para ven-
eer Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C, no seo
escriptorio ra da Cruz n. 1.________________
Na ra da Madre de Dos n. 14 vende-se
uma mulata de idade de 25 26 annos, que cozi-
nha, engomma e lava, e nao tem vicios, com uma
cria de 16 mezes.
PUUKIA
COMPRAS.
Compra-s ouro e praia cm obras velhas
daga-se bem: na loja de bilbeles da praca da Inde
pendencia n. 22.
Compra-se couro de carneiro : na ra larga
do Rosario n. 10.
Conipta-se eflectivamente
ouro e prata em obras velhas pagndose bem :
na ra larga do Rosario n. 24, loja de ourives.
Compra-se cobre velho : na ra do Brum nu-
mero 78._____________________
Xa ra do Livramento n. 11 2. an dar.com-
pram-?e pennas de emma, paga-se bem.
Na ruado Livramento n. 11, segundo andar,
compram-se pennas de ema, e pagam-se bem.
Vende-se urna excellente padaria com todos os
perienc.es. e que se acha trabalhando, sita na ra
do Varadouro em Olinda, ou mesmo se faz socie-1
dade com pessea que para este fim tenha habilita-
goes; o motivo da venda por seu dono nao en-
tender do fabrico: a tratar no pateo do Carmo nu-
mero 5.________________________________!
Vende-se muito barato um bom cavallo de
cabriolen para ver, na ra do Canno n. 13,e para
tratar, na ra da Imperatriz n. 20, loja.
..mmmmmmm
Cidade de Goianna"
Vendem-se e alugam-se bixas bambnr-
guezas por prego cominodo : em casa de
Jos dos Anjos Avellar ra Direita jun-
to a botica do Sr. Francelino Ferrera
Crespo em
Cioianna.
pautado a 640, 800 e 5000 : no Beija-flor, ra do
Queimado ns. 63 e 69.
Erivelopes para carias.
Vende-se envelopes de cores a 600 rs. a caixa,
ditos braocos a 640 e 800 rs. : no Beija-flor, ra
do Queimado ns. 63 e 69.
Pentes dourados para atar.
Vende-se pentes dourados para atar cabellos a
15000, '5200, 25800 e .5000 : no Beija-flor, ra
do Queimado ns. 63 e 69.
Penles para marralas.
Vende-se lindos p^nlinhos dourados com pedra
para marrafa a 15200 : no Beija-llor, ra do Quei-
mado ns. 63 e 69.
Sapalos de Iranca.
Vende-se sapatos de tranga muito bons a 15500,
dilos de tapete a 15600 : no Beija-flor, ra do
Queimado ns. 63 e 69.
Balaios com sabo.
Lindos balaios com 6 sabonetes de varas frnc-
tas a 255OO cada um : no Beija-flor, ra do
Queimado ns. 63 e 69.
as mesmas lojas se encontrar lindo sorti-
mento de perfumaras e variado sortimento de
Bramante da Arara a 2S00.
Vende-se bramante du linho com 10 palmos
de largura a 25500, dito de 12 palmos a 25800
a vara, chitas para roberas a 320, 360 e 4ii0 rs.,
dita encarnada muito Gna a 480 rs. o covado chi-
As mais Iradas percalas que tem vindo ao tner- to^oSchi&Sai?!! SfSS S
do pelo ultimo vapor tem na loja do Pavao pelo ; frar "**SS*S|S?rf i?,"h'a ""
ralo prego de 600 rs. o covado; ditas de listi- lrar na,ru.a *aImperatr D. 06, loja da Arara,
miudinhas proprias para vestidos e: A Arara leiBa, nao Teode, qnetna.
roupoes de senhoras, meninos e meninas, pelo ba-:__vendem-sebab^sduel6, 20, 25 e 30 arcosa
ratissimo prego de 500 rs. o covado, garantem-se 'f??A ,*oW e *4, ditos de musselina
as cores por serem do melhor fabricante que as ***e **O : Da loJa da Arara. ra da Impera-
imitago de laa, com cores fixas, a 360 rs. o co-
vado ; dilas francezas muilo linas a 240,280, :t(K)
e 320 rs. o covado, isto para acabar : ra da Im-
peratriz, loja de Gama & Silva.
As percalas do l'avo.
m
cado
barato
nhas muito
que
tem em Pars : isto na loja do Pavao ra da Im-
peratriz n. 60, de Gama & Silva.
Bramaute de linho do Pavo a
oo. ,44>o, e eoo
Vende-se o melhor bramante de linho puro rom
dez palmos de larirara por pregs muito rommodo.
A GRANDE GURA
PAR TODAS AS MOLESTIAS DO
triz n. 56.
Vende-se challes de laazinhaa 15600 e 25, dilos
de merino a 25500 e 45500, ditos finos a 65, ditos
estampados a 75 : na loja da Arara, rua.da Impera-
triz n. 56.
As laziubas da Arara a 210 rs. o covado.
por ter de acabar a factura, avara por25200, 25400 iiftSTSftEJffi 2S*" 3. 2r' 32,'
c 25600, s o Havo : a ru'a da Imperatriz 60 de JJ?'Skae. "S hSte T ? "**
Gama & Silva I s de ,yr,0> "e rosa- azu' e encarnada
Panno de linho do Pavo. lJ>Sa"'Ca?d0 ;^ rUa da ***"'** D' 3&'
Vende-se panno de linho com 4 palmos de lar-. 4 \nri ,. ,_de h. ti
gura proprio para lengoes e toalhas de mao pelo r2.VS! <*
baraiissimo prego de 640, 720, e 800 res, a vara, oin.t^n l Ffra yeS,'dS de "S? E? *
40e HO u covado, ditas francezas a 320, 360 e
covado.orgaa-
da Arara, rna
da Imperatriz n. 56.
A Atara vende corles ilc la a MariaPia.
miudezas que se tornara enfadonhe menciona-las, algodaoznho com oilo palmos de largura proprio "^_ -80 u covado, ditas francezas
porm afianga-se ser ludo bom e mais barato que para lencoes pelo baratissimo prego de 15 a vara, Srr"xJS?"^ 'ur,a Z8 *3*
cm outra qualquer parle. assim como tem o melhor algodaoznho tanto em 2ai*. ""\rWn S : na loja d
largura como em corpo, proprio para lenges, ca-
misas de escravos etc., etc. prego muito commodo
a vista da fazenda s o Pavo : a ra da Impera-
triz n. 60 de Gama & Silva.
I Alyodoziaho com loque de avaria a 4,000
e 1,800
Vende-se pega de algodaoznho por ler um pe-
I queno loque de avaria mas que est em bom esla-
do pelo barato prego de 45 e 45800 a pega s o
Pavo : a ra da Imperatriz n. 60 de Gama &
j Silva.
Os yuardanapos econmicos do Pavo t s do
Pavo.
Vendem-se os mais lindse modernos guardana-
Vende-se cortes de la com barra a 85, ditos
tinosa Mara Pa por 185000, laazinhas a Mara
Pia a 460 e 800 rs. o covado : na ra da Impera-
triz n. 56. loja da Arara.
A Arara vende madapolo a 6o00, 7&, 8$,
10o e il.
Vende-se madapolo fino de 24 jardas, n. 60 a
65500, dito n. 7 a 75, dito n. 2, 85, dito de mar
ca duas ernzes a 95, dito S a 105, dito H H a 115-
ditoB b a 1^5, todos estes madapoloes sao muitc-
linos ; algodao a 55 e 65, dilo carne de vacca a
65500, dito mestigoa 75, dito sicupira a 85,ditode
diversa qualidade a 85500, dito pao ferro 95 a pega
de 20 jardas, todos estes algodes sao de boa qoa-
pos econmicos e todo linho, tanto liara ca-as de
fami 1a como para botis, bolequms etc., etc., pelo dade : na ra da Imperatriz n. 56, loja da Arara
baratissimo preco de o5 a duza, isto so no Pavo : e Mendes Guimares
l a ra Ja Imperaliiz n. GO, Je Gama Silva.
Os souteanbarques do Pavo
AS
Velas de composleo
Vendem-sc velas de cbmposigo de superior
qualidade, sendo a luz superior s stearnas, pro-
prias para casas particulares : na ra do Vigano'
fabrica n, 26..
At que chegon
um grande sortimento de bico e renda preta de
novo modelo chamado (guip) o melhor que se
pode desejar neste artigo e que se vende muito ba-
rato : na loja do gallo vigilante ra de Crespo
n. 7.___________________________________
Ferros para ourives.
Na ra larga do Rosario n. 24, loja de joias, ven-
dem-se tedos os ferros e utencilios de ourives.
Esleirs do Aracaty
Vendem-se na travessa da Madre de Dos n. 10.
YENDAS.
Cozinheiro.
Precisa se alugai um cozinheiro, prefenndo-se
livre : na loja da ra do Crespo n. 18.
Qucm precisar e uma ama para casa de
homem solteiro, procure na ra de S. Bom Jess
das Crioulas 11. 23.
R. Grosz vai para Baha. ________
vi:\F.n-Ni:
as seguintes obras: Garnier, Economa po-
ltica, i vol. por 2OO0; MackeUey, Direi-
to romano, i vol por 4; Du Caurr&y,
Commentario do cdigo civil francez, 2 vol.
por 85000; Hacine, obras completas, 1
vol. por 800)5; G. Mass, Diccionario do
contencioso commercial, 1 vol. por 65;
Chabut de l'Allier, commentario sobre suc-
cessoes, i vol. por 65; A. Arnaud, obras
philosuphicas, I vol. por 25; Sauvage-Har-
dy, creago de bancos de deposito, i vol.
por 25; Lotus tlatic, organisagao do traba-
Iho, i vol. por 25; na ra doJCabug loja
"compendio doloroso
que contem o oflicio de Nossa Senbora das
Dores; o modo de resar e offerecer a ce-
ra, um setenario e mais outros exercicios
de piedade e devoco; ordenado pela ir-
mandade dos servos da mesma Senhora,
que se acha erecta na egreja de N. S. da
Penha do impeiial hospicio dos reveren-
dos padres missionarios apostlicos capn-
chiohos italianosde Pernambuco, approva-
do por S. M. I., que Deus guarde; dado
luz por devoco do muito reverendo
padre Fr, Placido de Messina.
Vende-se a 320 rs. na livraria ns. 6 e 8
da praca da Independencia.
De.-appareceu da villa de S. Bento, fazenda
do Agude Novo, duas burras, sendo uma nrela e
outra rastanha escura, e aquella maior do que esla,
e ambas tem a marca A ; rnga-se pot t qnem as
achar ou a quem dellas tenha noticia, do dirigirse
i mesma villa Luiz Paulino de Valonea ; na ei~
dade do Re<-ife ao Dr. Fenelon Alcolorado. ra do
Imperador n. 4; ou a Antonio dos Santos Siqneira
Cavalcauti no engenho Bellomonte, que ser re-
compensado. O mesmo aviso m faz s autoridades
p Charutos de Havana
de superior qualidade vendem-se em casa
de Scnalleitlin & C, ra da Cruz n. 42.
AGENCIA
DA
FUNDICAG DE L0W-M00H.
Rna da Seaulla nova n. 42.
Neste estabelecimento contina a haver
um completo sortimento de moendas e meiat
muetulas para engenho, machinas de vapor
e tachas de ferro batido e coado, de todos 01
tamanhos para ditos.
9#e 1.
Vendem-se os mais lindos soutembarques que
leem vindo no mercado, sendo de caxemira de co-
res pelo baratissimo preco de 123 cada um, dilos
de musambique pelo diminuto prego de 'J3, s na
loja do Pavo, mas que nao se engaen) : a ra
da Imperatriz n. 60 : de Cania & Silva.
Ii" s o Pavo ( 3500).
Queta leni baldes por tal proco I
Vendem-se os baldes americanos muito superio-
res com 20 e 23 arcos pelo baratissimo prego de
i&oOO rs. ; ditos de 2o; 30 e 3o arcos com lilas
muito bem armados, e tambem tem cor escura pe-
lo barato preco ile 3*>00 e 45 cada um : s na lo-
la do Pavao, "roa da Imperatriz, u 60, de Gama &
Silva.
0 Pavo vende para luto.
Vende-se superior setim da China fazenda toda
de laa sem lustre lendo 6 palmos de largura pro-
prio para vestidos, capas, paletots, cagasete, pelo
baratissimo prego de 23,2200, 23500, e 33 o co-
vado, cassas pretas lisas, chitas pretas largas e
estreitas, manguitos, colarinhos, punhos e infeiies
tudo preto pioprio para lulo fechado e muito ou-
Iros artigas que se vendem por pregos mais em con-
ta do que cm outra qualquer parte por estar liqui-
dando, s na loja do Pavo : ra da Imperatriz i
n. 60, de Gama 4 Silva.
Os madapnloes do Pavo.
Vende-se pega de madapolo infestado com 12
: jardas cada peca pelo barato prego de 43, 43500 e
cada pega, fazenda muito superior,
Plalas Vegeta Assacaradas
De Kemp
Compostas dos dois novos resinoides chama-
dos Podophilina e Leptandrina, c nteira-
niente livres de Mercurio ou outros venenos
mincraes ou metallicos, sao de grande utili-
dade nos paizes clidos era cazos de
DYSFEPSIA, EKCHAQECi,
Constipaco ou Prizao do Ventre,
PADECIMENTOS DO FIG1D0,
Affecc,ues Biliosas,
BEMORRHOIMS. CLICA,
Ictericia,
FEBRE GASTBO-HEPATICA,
E outras enfrrmidadei anlofa.
Ellas vo rpidamente substituindo os ant'gos
purgantes drsticos.
r a o, caaa pega, tazenda mutlo superior, so o Havao
venda as boticas de Caors or Barboza, a ra da Imperatriz n. 60, notando que a pega leva ,
ra da Cruz, e Joo da C. Bravo & C, roa 2?* etiqueta com o Pavo pintado para nao haver i
j n 4_ j r duvida nem engaos, isto previne o Pavao, de
da Madre de Dos.____________________ Gama & s,iva.
Vende-se uma pequea taberna na ra da As chitas do Pavo 2#400 e
Conquista, fregueza da Boa-Vista, casa n. 16 : ai 24800 o corte.
tratar na ra dos Copiares com o Sr. Jos Louren-1 Vendem-se cortes de chila com dez covados a
goda Silva, fregueza dcS. Jos.______________ 23400, dilos a2*800 com doze covados sao chiUsin-
lllftios pai'3 IllCninaS. I B'ezas> mas padres bonitos e tintas seguras assim
1 tem as melhores chitas francezas c de tintas segn-
JEZISL PJf m.enin:,.s: ras por pregos cmodos a saber 320, 340, 360,400,
s se encontra na loja do Be.- m ^ rJjs 0 codo na |oja do Pavao a rua-
GAZ GAZ GAZ
Vende-se gaz da melhor qualid.-de a 125
a lata e em lotes de 10 latas para cima se m
far abatimento. no armazem da rua do Im-1 flor-rua doQein">do ns. 63 e 69.
perador n. 16 e rua do Trapiche Novo n. 8.
Lindos balaios de varios
trazerem no brago
ja-flor, rua do Queimado ns. 63 e 69.
Extractos e sabo em < i\nli.is-
Lindas caixinhas com um carto com a familia
! imperial, e dentro de cada caixa um frasco ou sa-
bio o mais lino que possivel: na loja do Beija-
AUenco.
Vende-se superior vinh do Porto em caifas de.
uma duzia : em casa de Johnston Pater & (]., rua
do Vi gario n. 3__________________
ft't.
Vende-se latas de cinco galdes 113500 e gar-
rafa 500 rs. garante-se a qualidade : na rua Di-
reita ns. 99 e 100.
Esleirs para forro de sala a
.85" rs n. jarda
Na rua tfo na rna do Crnsno loja n. 17.
Vendem-se dous bois grandes e um cavallo,
chegados de prximo do mato, bons para carroga,
alianga-se a boa qualidade : quew pretender, diri-
ja-se ao caes do Ramos n. 20, que achara com
qucm tralar.________________________
Vende-se um escravo de 28 annos, perito co-
zinhero, e com especialidad de massas e doces,
que se d a contento : na rua das Larangeiras n
18; segundo andar, das 7 s 9 boras da raaoba.
achara com quem tratar.
Piano
Vende-se um piano dos bem conhecidos fabri-
cantes Blondel & Vignes, em perfeito estado, de
ptimas vozes : na rua do Queimado n. 33 A, loja
da Esperan-, a.
Vende-se cal de Lisboa muito superior e a
mais nova que ha no mercado : no trapiche do Cu-
nta, rua da Moeda n. i
Chocolate 4* musgo
rhwttirtiia de
P. MAVRER & C.
S-ntti 3tora-i8
Attcnco.
-------- Vendem-se telhas e lijlos pelos precos que offe-
ISlttJllCO recerem os compradores, sendodinhoiro vista :
as otaras de Jos Carneiro da Cunha, rna dos
Prazeres nos Coelhos.
Vende'se uma armagao de amarello para es-
criptorio, com balaustre e cora porta, obra de ros"
to : a tratar ua ruado Motidego, otaria n. 13.
Trina, volantes e galoes.
Vende-se trina, volantes e~ galSes de todas ae
larguras por pregos muito barato: s no vigilants
rua do Crespo n. 7.
Venda de predios
cm particular ou cm leilo.
Vendem-se duas propriedades de casas conti-
guas, de dous andares e solo, com grandes arma-
zens oceupados actualmente peloSr. Feliciano Jos
Gomes, para o trafico de assucar, sitos na rua de
Apollo ns. 34 e 36, edificados pelo actual proprie-
tario, com ptimos alicerces, superiores madeiras,
e acabados em 1861, lendo ambos 52 palmos li-
vres de paredes, de largura, e os altos do de n.
34, e o primeiro andar do de n. 36 215 palmos de
comprimento, o segundo andar do de n. 36 tera se-
ment 120 palmos de comprimento, com um ter-
rago, e os armazens tera 340 palmos de compri-
mento cada um. leudo ambos tambem frente para
a roa do caes de Apollo, e o de n. 36 tambem para
a travessa do antigo porto das canoas : os prete-
dentes estes valiosos predios queiram dirigir-se
ao seu proprietario na rua da Cadeia do Recite n.
44, segundo audar, ou ao agente Oliveira na mes-
ma rua n. 62.
Rap Princeza Gasse.
Grosso, meio grosso, lino.
Paulo Cordeiro.
Paulo Cordeiro meio grosso.
Paulo Cordeiro Viagado.
Todas estas excedentes e acreditadas qnalidades
fabricadas no Rio de Janeiro aonde tem grande
aceitago e as domis provincias do imperio, pe-
lo seu bom aroma e materias de que fabricado,
vende-se no nico deposito nesta provincia no ar-
mazem de Jos Joaqum Lima Bairao, rua da
Cruz 18.
da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Os bordados do Pav3o.
Vendem-se camismhas com manguitos e golinhas
bordadas pelo barato prego de 13 e 13280 cada
um, manguitos s a 500 ris carta par, ditos comgo-
linha a 8tK) ris, golinhas a 400 e 480 rs., de fil a
240 ris cada gobnha bordada, romeira de cassa
e de fil muilo bem bordadas a 23 cada uma, man-
guitos que servem para calcinita de meninas a
640 ris cada par, camisa com manguitos e golas
com a competente grvala de seda, fazeuda fina
polo barato prego de 33 e muilas oulras bordadas
que se vendem por prego muito em conla : s na
loja do Pavo a rua da Imperatriz n. 60 de Gama &
Silva
As roupas do Pavo.
Vende-se panno preto fino rnuito superior pelo
barato prego de 23, 24500,33, 33500 e 4, dito
muito fino a 53 e 63 o covado, casimira preta de
uma s largura e umita fina a 13800, 23,23500 e
33000 o covado, cortes de casimira de cores a 53
5350O e 63, casimiras enfesladas de uma s cor
proprias para caigas, paletots, coletes, capas e para
roupas de meninos a .'5, 33300 o covado, i>to : na
loja do Pavo a rua da Imperatriz n. 60, de Gama
& Silva.
Atoalbado do Pavo.
Vende se panno ae linho adamascado proprio pa-
ra toalhas de mesa, pelo diminuto prego de 23500
rs. a vara, guardanapos de linho a 53 rs. a duzia,
toalhas d mo a 53 rs. cada duzia, na loja do Pa-
vo, rua da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva,
As percalas da .tiara a 500, 560e 600 rs.
Vende-se finas chitas percalas a 500, 560 e bOO
rs. o covado, liegas de cambraia finas a 33, 33500
43500 e 53OOO a peca, ditas para cortinados com
20 varas a 93 : na loja da Arara, rua da Impera-
triz n. 56.
A Arara vende brim trancado de linho a 1200.
Vende-se brim angado de linho branco para
caigas a 15200 15400 e 15600 a vara, dito pardo
de linho a 610, "20, 800 e 15120; bretanba de
linho a 640 e 800 rs. a vara ; ganga para caigas e
brim de cores a 5U0 e 480 o covado, cortes de ca-
semira preta para calca a 35500 e 45, dilas linas
c de cores a 55. '55(10 e 75 o corle : na rua da
Imperatriz 11. 56, loja da Arara.
0 proprielario da I-ja e armazem da Arara re-
commenda toda a attencSo aos Srs. freguezes que.
mandem ver as amostras de todas as fazendas que
, aununcia, prometiendo vende-las barata, pois que
;a Arara tema, nao vende, queima.
MACMINASDEPATENTE
de trabalhar mo para
descai-ocar algodao
FABRICADAS
Por Plant Brothers & C.
Uil
Estas machinas
podemdescarogar
qualquer especie
de algodao sem
estragar o fio,
sendo bastante
duas pessoas para
o Irabalbo; pode
desea rogar uma
arroba de algo-
dao em caroca
em 40 minutos,
ou 18 arrobas
por da ou 5 ar-
robas de algodao
limpo.
Esta machina
a nica que
possue as vantagens de nao destruir o fio do al-
godao e de fazer render o dobro de qualquer ou-
tra com menos trabalho, a sua introduccao para
as provrncias desie imperto ser de muito valor
para todos os interessados na lavoura do paiz.
Assim com machinas em ponto grande do mes-
mo systema.oraql serem movidas por animaes,
agua ou vapor, pas uaes poden descarocar 18 ar-
robas de algodao ampo por da.
O algodao descarocado por estas machinas tem
muito mais estimago nos mercados de Europa e
vende-se por maior prego.
As machinas se acham venda onicamenie tro
casa de
Saunders Brothers k C
.V II, praca do Corpo Santo
RECu?E.
Os nicos agentes neste paiz.
Vende-so a taberna sita praga~da Boa-Vist
n. 14, sendo muito afreguezada e com poneos fon-
dos, a casa tem um grande snto para morar fa-
milia : a tralar na rna do Rangel ti. II.
602
Na fabrica de sabo da rua do Ranfel n. 34,
vende-se a 00 rs. a garrafa e 123 a lata.
Cilindros para padaria.
Na padaria da rua Direita n. 84 ha para vender '0 A
os conhecidos e acreditados cylindros para pada
ria, ltimamente chegadosd America.
Vende-so um sitio no principio da estrada de
Joo de Barros, na proximidade da nova rua que
se abri, com duas frentes, proprias para edifica-
Altenc*.
Vende-se carne e linguicas verdadeiras do Seri-
d : no largo do Carmo, esquina da na de Hurtas
numero 2.
Vende se uma escrava crioula de 30 a 35
annos de idada, com duas crias, sendo orna de 9
anuos e outra de 3 annos, lava, engomma, e co-
zirma o diario de uma casa : sem vicios nem ac.ha-
qutf ; t rua do Aragao n. 14.
ces : a tratar na rua do Crespo n. 20 com Alva-
Xa
livraria acadmica, roa do
imperador n. 911,
vendem-se lindos papis p;.ra forrar sala a 13000
a pega._______________>
Vendem-se caixes vasios a 1:760
cada um : na rua das Cruzes n. 4 i.
Vende-se um terreno de marraba sito no
caes de Capibaribe, com 57 palmos de frente e 275
de fundo: a tratar na rua da Imperatriz 1. 63, se-
gundo andar.
1





l


I
Diario de Fejraanbueo tetara elra 21 de Agosto te 1804.
*
, ,.
smw

i
RA DO QUEIJIAIIO W. 45,
Passando o becco da Congregado segunda casa.
mmi m\Mm
'


NO VID ABE.





onde
Pereira hocha 4 C. acabam de abrir na rua do Queimado n. 4o um armazem de molhados denominado Clarim C&mmerciai
) respeitavel publico encontrar sempre unr completo sortimento dos melhores gneros que vem ao nosso mercado, osquaes
aero vendidos por precos muito resumidos como o respeitavel publico ver pela tabella abaixo mencionada ; garante-se o bom peso
e boa qualidade dos gneros comprados neste armazem.
Arroz do Maranho, da India e Java a60, 80 Cevadinba de Franca muito superior a 220, Peras seccas muito novas a 600 rs. a libra
libra.
e 100 rs. a libra e 10800 a 2^600 e U rs. a
a arroba. Cebada a 80 rs.. a libra.
Ameixas francezas em latas e em frascos a Erviihas portugoezas a 640 rs. a lata.
1(5200 e 10600 emtaseos grandes a dem seccas muito novas a 200 rs. a libra.
20500. Figos de comadre e do Duuro em caixinhas
dem em caixinhas elegantemente enfeitadas! de oito libras e canastrinhas de 1 arroba a
com ricas estampas no interior das caixas] 1(5800, 5(5500 e 280 rs. a libra.
a 120000, 10400, 10600 e 20. ; Farinha do Maranho a 160 rs. a libra.
Amendoas com casca muito novas a 280 rs. Farinha de trigo a 120 rs. a libra.
a libra. Genebra de Hoanda verdadeira marca VD
Alpista a 160 rs. a libra e a 40600 a arroba. I a 560 rs. o frasco e 60200 a frasqueira.
Azeite doce francs muito fino em garrafas dem em garrames de 3 e 5 galoes a 50500
grandes a 960 rs. a garrafa. e 70500 cada um com o garrafao.
Painco a 200 rs. a libra.
Polvo secco muito novo a 400 rs. a libra.
Presuntos de Lamego em calda de azeite e
muito novo a 640rs.
Queijos flamengos do ultimo vapor a 20800
dem prato.
dem londrino cbegado no ullimo vapor e
900 rs. a libra.
Sal refinado em frascas de vidro a 600 rs.
cada um.
Sardinhas de Nantes a 360 rs.
Sag muito alvo e novo a 260 rs. a libra.
Toucinbo de Lisboa a 320 rs. a libra.
dem de Lisboa a 640 rs. a garrafa.
Graixa a 100 rs. a lata e 10100 rs. a duzia. Tijolos de limpar facas a 140 rs.
Araruta verdadeira de mataraoa a 320 rs. a Licores muito finos a 700 rs. a garrafa.
libra. dem, qualidade especial e garrafas muito
Avelas muito grandes e novas a 180 rs. a grandes, a 10800 rs. a garrafa.
libra. dem garrafas mais pequeas a 800 rs.
Biscoutos inglezes de diversas marcas a! dem, garrafa forma de pera e rolha de vi-
10300 ris.
Bolachinhas de soda, latas grandes, a 20 rs.
a lata.
Ditas inglezas muito novas a 30000 a barri-
quinha e a 200 rs. a libra.
dro, a 10000 rs., so a garrafa vale o di-
nbeiro.
Manteiga ingleza perfeitamente flor, desem-
barcada de pouco a 900 rs. a libra, e da
de segunda qualkiade a 800 rs.
Banba de porcor efinada a 440 rs. a libra e i dem franceza muito nova a 640 rs. a libra.
e em barril a 4C0 rs. | Idea de tempero a 400 rs.
Cb taysson, huchin e peroa a 10600,
20500, 2080 e 30000 a libra. dem em lata a 640 rs.
dem preto muito superior a 20000 a libra. Marmelada imperial dos melbores conservei-
Cerveja preta e branca, das memores marcas ros de Lisboa a 600 rs. a lata.
que vem ao mercado, a 500 rs. a garrafa Marrasquinho de Zara, frascos grandes, a
mmm
SENTIftO!

VAI FALLAR
N. 38 Rua do Livramento N. -38
(l>efrontc da grade da igreja)
GRANDE
n 11
Vellas de carnauba pura a 360 rs. a libra.
dem stearinas muito superiores a 600 rs. a
libra.
Figos em caixinhas emticamente lacradas
a 10600.
Vinho do Porto engarrafado o melhor que
ha neste genero e de varias marcas, como
sejam: Velho de 1815, Duque do Porto,
Madeira, D. Pedro, D. Luiz I, Maria Pia,
Bocage, t:hamisso e outros a 800, 900 e
10000 a garrafa, e em caixa com urna du-
zia a 90000 e 100000.
I Massa de tomates em barril a 480 rs. a libra. I dem em pipa, Porto, sba e Figueira a no Vigilante, rna do Crespo n. 7
P Vigilante est.alerta, nao Itae era permettido
Qeuar passar desapercebido sem que nao dsse o
seu canto atim de annunciar ao respeitavel publico
o grande sortimento degulaniarias do melhor gosto
propriamente para qualquer mimo, qne acaba de
chegar nesie ultimo paquete, assim como muitos
outros objectos que recebe por diversos navios,
tanto de suaconta como de consignacao, que est
resolvido a vender por precos muito baratos para
vender muito e ganhar pouco, e dar extraccao ao
grande deposito que tem, que espera merecer a
proteccao do respeitavel publico, empregando para
isso todas e as melhores diligencias para que li-
quem satisfeitos : isto s no Gallo Vigilante, rua
do Crespo n. 7.
Ricas perta-joias.
Cofre da muito gosto por 164000
Cestinhas transparentes, forradas de madre-
perola por 18,8000
Lindas jardineiras 105000
Ricos cofres com camapbeu 10,5000
Lindas caixinhas com pedras brancas 10,5000
Lindo balo com calunga dentro lambem
para joias 165000
Tambalier para ditas 95000
Cestinhas dem idem 65000
Cosmorama idem idem 65000
Urnazinha S no Vigilante, rna do Crespo n. 7.
Ricos porta-bouquetes de diversos ostos e pre-
cos : s no Vigilante, rua do Crespo n. 7.
Ricos sinios
com bolcinhas ao lado a 10, 12 e 134, ditos sern
bolea, porm do mesmo gosto, a 25500, 35, 35500
e 45, ricas Qvelas avulsas para sintos, o melhor
que se pode encontrar, a 15500, 25, 25500 e 35 :
s no Vigilante, rua do Crespo n. 7.
Calmes on cestinhas.
At que chegaram as desejadas cestinhas ou ca-
bazes para as meninas trazerem no braco, o mais
rico possivel, a 25500, 35500, 4, 5, 7 e 105 : s
e 50800 a duzia.
Cognac inglez fino a 900 rs. a garrafa.
Conservas a 720 rs. o frasco,
dem, s de pepino, a 720 rs.
dem, s de azeitonas, a 750 rs.
Charutos dos melbores fabricantes da Babia
800 rs.
dem regular a 500 rs.
Massas finas para sopa : estrellinha, pevide,
rodinhas e letranhas a 600 rs. a libra e a
40 a caixinha com 12 libras.
Nozes muito novas a 160 rs. a libra,
e especialmente da fabrica imperial de \ Peixe em latas preparado pela primeira arte
Candido Ferreira Jorge da Costa, a 10800,1 de cozinha a 10 rs. a lata.
20000, 20200, 20500, 20800, 30000 e Palitos de dentes a 160 rs. o masso.
30500 a caixa. Palitos de dentes a 120 rs.
Caf do Rio muito superior a 280 e 320 dem de flor a 200 rs.
rs. a libra e 80500 e 80800 rs. a arroba. \ Amendoas confeitadas a 900 rs. a libra.
Cartoes de bolinhos francezes muito novos e Doce de goiaba em latas o melhor possivel a
muito bem enfeitados a 700 e 600 rs. 20 e em caixo a 64U rs.
Chouricas e patos muito novos a 800 rs. a Palitos do gaz a 20200 rs. a grosa.
libra. Passas muito novas a 480 rs. a libra.
480, 500 e 560 rs. a garrafa e 30, 30500
e 40 a caada,
dem branco de Lisboa muito fino a 500 rs.
a garrafa,
dem de Bordeaux, Medoc e S. Julien a 700
e 800 rs. a garrafa, e 70000 e 70500 rs.
a duzia.
dem Morgaux eChateauluminide 1854, a 10
a garrafa,
dem moscatel a 800 rs. a garrafa.
Vinagre de Lisboa a 200 rs, a garrafa e
10200 rs. a caada.
Kirsk garrafas muito grandes a 10800 rs.
Alm dos gneros cima mencionados te-
mos grande porcao de outros que deixaaoos
de mencionar, e que tudo ser vendido por
pecas e carnadas, tanto em porcoes como a
retalho.
Quem comprar de 1000000 para cima te-
r o abate de 5 por cento.
APROVEITEM APROVEITEM
.los
7,150 C0Y4I0S f
c> de sedas de cores de todas asqmdades. m
Na loja da rua do Crespo numero
17.
para
Importante compra de 7150 covados de seda de todas as qualidades, proprias
vestidos de senhoras e de meninas, e vndese por precos admiraveis.
Outros muitos objectos de apurados postas para seuhoras, ve.-lidos de blonde para
casamento a 905 cada um, capas prelas, soutanbarques de cores e prelOS, chapeos etc.
Fazendas de linho e de algodo as melhores que exislem no mercado.
O proprietano deste importante estabelecimento vai a Europa muito breve com-
prar fazendas de apurados gostos, presentemente vende as suas mercadorias por precos
baratsimos para liquidar.
Protcjam lodos. Protejam todos a importante
LIQUIDACO
A loja da rua do Crespo n 17.
UWAZiU
FROINTEIRO
DE
A I, Y ES COITTIMHO 21Largo do Terco21
Ao publico.
No armazem de fazendas ba-
ratas de Santos Coelho rna
do Queimado n. 19
Yende-se o seguate:
ATTENflAO.
Ricas laazinhas para vestido, fazenda a melhor
que tem.vindo ao mercado, tanto em gosto como
em qualidade pelo baratissimo preco de 560 rs.
o covado.
Laazinhas iniudinlus carmezins proprias para
vestidos de meninas e camisinhas a 6'tO rs. o co-
vado.
Cortes de laa com lo covados pelo barato preco
de G5.
Cobertas de chita da India a 25500 e 35.
Lences de panno de linhoa 25 e 25500.
Pecas de cambraia de forro com 8 Ii2 varas a
35200.
Toalhasalcorhoadas proprias para maos a 55 a
duzia.
Ricos cortes de la com barra a Mara Pia a
185000.
Pecas de plalhas de algodo com 10 varas
proprias para saia a 44-
Algodo enfestado com 7 l|2 palmos de largura
a 15100 a vara.
Esleir da India propria para forro de sala de
4, S e 6 palmos de largura por menos preco do
que em outra qualquer parte.
Neste armazem lambem se encontrar um gran-
de sortimento de roupas feitas e por medida.
Pentes.
Neste artigo tem um grande sortimento, tanto
para alisar como para atar cabello, o mais lindo
que se pode desejar, assim como de arregacar ca-
bello, tanto de borracha como de tartaruga, com
enfeite e sem elle para meninas : s no Vigilante,
rua do Crespo n. 7.
Pentes
Tambem chegaram os riquissimos pentes de
concha de tartaruga e de massa una, que se vende
por 25, 3 e 55 : s no Vigilante, rua do Crespo
numero 7.
Leques.
Riquissimos leques de madreperola, tanto para
senhora como para moemhas, pelo barato preco de
12 e 145 : s no Vigilante, rua do Crespo n. 7.
Mais leques.
Com pequeo defeito, leques de sndalo, por ba-
rato preco, a 85 e 105, chiuezes muito bonitos,
lambem por barato prego de 4 e 55, bentarallas
muito bonitas tambem por barato preco de 4 e 55.
leques de cbarao tambem por 45, tudo isto para
acabar, perdendo-se talvez 80 0|0 : s no Vigilan-
te, rua do Crespo n. 7.
Pulseiras.
Lindas pulseiras de comas e de missanga, cores
muito lindas e de muito gosto a 15 e 15200.
Para segurar manguitos.
Tambem chegaram as liguinhas eslreitinhas de
borracha que as senhoras tanto precisam para se-
gurar os manguitos por ser muito commodo e mui-
to barato, a 320 o par: s no Vigilante, rua do
Crespo n. 7.
Carretas.
Riquissimas carrelas de madreperola proprias
para qualquer presente, pelo baratissimo preco de
15500 e 25.
Volliulias.
VERU i III I50 I-: PltlM1P.lL
Ordem do dia.
Esta em discussao a tabella dos precos que o BALIZA tem a honra de ofere-
cer ao respeitavel publico tanto da cidade corLO do centro.
Se por esta publicacSa qualquer um dos nobres collegas entender necessario
fazer alguma alteracao em seus annuiicios, digne-se mandar a sua emenda para o jornal,
que o incansavel Baliza nao lhe pora peias nem o embancara de forma alguma a benefi-
ciar o povo.
Amigo de vender barato o Baliza nao expoe a venda senSo os gneros bons.
Elle sejulga no caso de vender liio mdicamente como oulro nao o exceder
Soldado soprador toma o clarim
E firme como a rocha fica assim
Nao toques ues.se pessimo instrumento
Do Balisa olha s o movimento.
b: que dos t!2i rados leus as coras
De tudo vendedor de propria eonta
*Io pasmes vendo eomo sobraneelro
Doregresso o lialisa a ira affronta.
O grande depesiio que temos de vinho nos obriga a abaixar seus precos,
acbaudo-se vista dos compradores cera de 3 a 4U pipas deste genero, entre pipas,
barris e ancoretas.
Amendoas confeitadas em lindos frascos a 800 Lingoas americanas muilo novase muito gran-
rs. a libra
dem com casca a
32o rs. a libia.
des a 1,000 rs. cada urna.
Unguicas. promplaseaa latas a I ,."oo cada lata.
Ameixas francezas em caixinhas e fiascos a i Manteiga ingleza llor a 800 rs. a libra neste
1,2oo, 1,5oo e 2,000 rs. genero ha mais de K) baris ahertos aGm de
Alpista a IGo rs. a libra e 4,6oo a arroba. seren satifeitos os compradores.
Arroz do Maranho, Java e do Penedo a 80, j dem menos superior a tilo rs.
loo e 12o rs. a libra, em arroba a2,ooo, 1 Manteiga ingleza a 5oo, loo e 32o rs. a libra.
2,8oo e 3,2oo. j Idem franceza a jtio, Goo e (54o rs. e cm bar-
Azeite doce refiuado a 800 e loo rs. a gar-
rafa.
dem idem cm barril a 64o rs. a garrafa e
4,800 rs. a caada.
ni por menos.
Massa de tomate a 64o rs. a libra.
Marmelada dos melhores fabricantes a tito
rs. a libra. ,
Ancoras com vinho doPorlo, eiicommendajMolliosiiglezesa -ooe G4o rs. agarrafinla.
feita pelo propietario do Baliza a 3o,ooo
rs. a ancora com 7o garrafas.
Ancoreta americana
vinho Figueira a 3,ooo rs.
Bolaxinhas de Lisboa, ingleza e americanas
5 garrafas de
Mostarda preparada a 4oo e 64o rs. o frasco.
Massas para sopa a 4oo rs. a libra das de la-
Iharim, aletria e macarrao.
dem finas estrellinha c pevide a 3,ooo rs. a
caixa.
em latas a i.4oo, I,5oo, 2,ooo e 3,ooo rs. jjho mindo para passaros a 16o rs. a libra



3e
B8
' S; 3 SI U &g
ES o O
n =r B O a
_,3a.coto5-a.=-SOM>
ce
^ "S a-, a & 'S.1^
*? -^ ** v' en r* rr,
t "' en
ft
i
TO
2-ffB
. w>
Isa
V.
ga
a>
O.
m
ja c
"i i-i r*
3a (X- en . -
a>
o "" 3,0 o >g
a ^ 8 S a"a c.-^ 2" o sr g s o. _
-5 o B c g g a w S| a.g's-.o
^5
13
"5 W i
rr-te
^^i^s.s.ss-flB
Lindas voltinhas de perolas falsas com eruz.inhas
fingindo brilhanles, assim como cruziuhas avnlsas; phiruins ros m'pllmro* f.lu-innt^
e vollinhas, pelo barato preco de 15 e 1*200, as (
circes avulsas a 400 rs. : so no Vigilante, rua do
Crespo n. 7.
Sapaliuhos e mcias de seda.
Biqaissimos sapatinhos de seda e de merino en-
feitados, assim como meiasziuhas de seda, gorra-
zinhas e touquinhas para as criancinhas se bapli-
sarem : s no Vigilante, rua do Crespo n. 7.
Golinhas.
Riquissimas goiinhas e manauitos, o melhor gos-
to possivel, a 2, 2lo00 e 3*: s no Vigilante,
rua do Crespo n. 7.
Enfeites para sendera.
Riquissimos enfeites com toco e sem taco e de
outros muitos gostos a 1$, 1*300 e 3 : s no Vi-1 o
gialnie, rua do Crespo n.,7. I Conservas inglezas a 800, 9oo C 1,000 rs. O
Trancciins. I .fias,'.
Lindos trancciins de cabello para reloeio ou lu-' '),lla:i ancezas a uo e 64o rs. o frasco,
nelas, pelo baratissimo prejo de 15300," ditos de j Cognac inglez e francez a 1,000 rs. a garrafa,
retroz a 200 rs. ; (^f de | ,e3' qualidade a 8aoo 9,000
Babadinhos Piilreraeias. j e 9,5oo rs.
Riquissimos babadinhos enlremeios com lindos Cevadinba de Franca a 24o rs. a libra.
g% &:\UnTT: s no vigis:! chdc muitba ^^a ^
e americanas em barricas a 3,ooo rs. a
barrica.
Boies com 10 garrafas de azeite doce de
Lisboa a 5,oe rs.
Banba de porco a 4oo rs. a libra o em barril,
a 36o rs.
Batatas em gigos a l,5ooo gigo.
Cha parola a 3,ooo rs. a libra,
dem iimiii a 2,6oo e 2,8oo a libra,
dem bysson a 2,ooo, 2,4oo e 2,8o. a libra,
dem do Rio a 1,6oo rs. a libra.
Idem preto a i.Soo e 2,ooo rs. a libra.
la Babia
eltio de Janeiro a 8oo rs. e l,5oo, 2,ooo,
2,4oo, 3,ooo, 3,5oo, 4,5oo e a.ooo rs. o
cento.
Chocolate dos melhores fabricantes Je Pars,
Allemanha, Hamburgo e Lisboa
Copos lapidados para vinho a 2,8oo a duzia.
dem idem para agua a.ooo, 0,000 e 6,000
rs. a duzia
Ceneja das melbores marcas a 4,000, 3,000
e 6,000 rs. a duzia.
Cravo canella e cominhos.
Ceblas em molhos resteas e soltas.
5 o ers
ce g
oitH^IS
O u
;|
o W
_. ^ W H. ^. M
-r en o cuas -
f.; II '
V> m O c
Chouricas muito novas a 64o rs. a libra ; chocolate francez a 1,000 rs. a libra;
ameixas idem ; alpista a 16o rs. a libra, e 4,6oo rs. a arroba ; arroz do Maranho e da
India de 80 a loo rs. a libra, e em a arroba de 2,6oo e 3,ooo rs. : azeite doce refinado
a i ,00o rs. a garrafa e em porcao, menos; idem de barris a 64o rs. a garrafa, e em cana-
da a 4,8oo rs. ; banha de porco a 4oo rs. a libra, e em barril a 36o rs.; batatas muito
novas a 4o rs. a libra, e I,2o4rs. a arroba ; cha perola, bysson, miudinhoa l,8oo, 2,4oo
e 2,5oo rs. a libra ; charutos des melhores fabricantes da Babia de 2,ooo e 4,000 rs. ;
cerveja branca cpreta a 5oo rs. a garrafa ; cravo, canella, cominlio e erva-doce, conser-
vas inglezas em frascos e meios de iuo a 9oo rs.; cognac inglez superior a i,000 rs. a
garrafa ; eaf de 1.a, 2/ e 3.a qualidade de 8,oo, 9.000 e 9,5oo rs. a arroba ; cevadi-
nba a 00 rs. a libra ; erviihas portiiguezas em latas de 1 '/j libra a 7oo rs. ; spermacete
a 060 rs. a libra, e em caixas a 52o rs.; farinba de araruta verdadeira a 2oo rs. a libra,
e em a arroba a 6,000 rs ; genebra de laranja a l.ooo rs. o frasco ; idem de Hollanda
a tito rs., e 4oo rs. a botija; graixa em latas a l,iuo rs. a duzia ; manteiga ingleza per-
feita flor a 800 rs. a libra ; idem franceza a 56o rs. a libra, e em barris a 52o rs.; maca
de tomate a 600 rs. a libra; marmelada dos melhores fabricantes a 64o rs. a libra ; ale-
tria, talbarim e macarrao a 4oo rs.; marrasquino de Zara verdadeiro a l.ooo rs. cada fras-
co ; nozes muito novas a 2oo rs. a libra; passas a 4oo rs. a libra ; painco a 16o rs. ; po-
mada a 24o rs. a duzia; pimenta do reino a 36o rs.; papel almaco e de peso de diver-
sas marcas; palitos do gaz a 2,2oo rs. a grosa e 2o rs. a caixinha ; ditos de seguranca
individual a 2o rs. a ciixinha e 36o rs. o maco ; queijos flamengos do vapor a 2,ooo rs.
cada um; cevadinba a 2oo rs. a libra; sardinhas de Nantes de 4oo a 64o rs. a lata ; sa-
bo massa muito super r a 2oo rs. a libra; toucinbo de Lisboa muito alvo a 3oo rs. a li-
Q.5
o o ? 8
8 o S. s
P.O
I S a
-O a
, O.- *
3'woi-

a o.
C-
ck} a "O *
_. a>

-1
t
B
3S?
a 5
a> 1
Ir
2

B
o
S
B


0
s
rua do Crespo n. 7.
Cascarrilhas.
Grande sortimento de cascarrilhas de diversas
larguras, assim como galaozinho e trancinhas pro-
prias para enfeites : s no Vigilanle, rua do Cres-
po n. 7.
Vitas
Grande sortimento de fi.as'de diversas larguras I Dill0s em caix5es a 64' ^ e l'600
e qualidade, por precos que admiram aos compra-'
e 2o,ooo rs. a duzia.
Doces da casca da goiaba em latas preparadas
com muito aceio. propria para memoziar
algum amigo na Europa, por ser inallera-
vel por mais de um anno, a 3,ooo rs. a lata
com 7 libras.
e 4.800 a arroba.
Marrasquino de zara do verdadeiro a l.fiooc
frasco,
dem menos superior a 800 e 1,000 rs. o
fiasco.
Nozes a 2o rs, a libra.
Prezunlo porluguez de superior qualidade a
6io rs. a libra e inteiro [ior 5oo rs.
dem inglez para fiambre a tilo rs. a libra,
nao agradando mesmo (lepois de preparado,
peder ser devolvido, que se trocar jjor
oiii.io ou ser restituido seu imporle.
Passas novas a loo rs. a libra.
Polvo a I (Jo rs. a libra.
Painco a 16o rs. a libra.
Pomada a 24o rs a duzia.
Pimenta do reino a 36o rs. a libra.
Peras seccas a 64o rs. a libra.
Peixeem latas a I,ooors. a lata.
Papel almasso e de peso, de diversas qua-
lidades e precos deferentes.
Palitos do gaz a 2.2oo a groza.
dem [.ara dentes a 80, itio e 24o rs. o ma-
co com vinte macinhos.
Gucijos flamengos a 2,too, do ultimo vapor.
dem prato a 64o rs. a libra.
dem londrino a 800 rs. a libra.
Rap Meuron a l.ooo rs. a libia.
Saceos com mitin> nmila novo com 2o cuias
rs. o caixao.
Erviihas porluguezas em latas com 1
bras por 7oo rs.
Vi b-
Empreza dailluminaco
gaz.
Todas as vendas de apparelhos e reclamacoes
(por eseripto dando o nome, morada, data, etc.),
leven ser eius no armazem da rua do Imperador
0. 31. Os machinistas mandados para atlender a
estas, apresenlaro um livro que os reclamantes
devero assignar logo dapois de prompto o servico
reclamada ; isto para que a empreza flqne sciente
de haverem os mesmos seahores sido devidamen-
te atendidos.
dores, havendo lilas largas proprias para sinteiros
que se pode vender a 300 rs. a vara, e pe{a de 3
varas a 2J : *0"j Vigilanle, rua do Crespn. 7. I(]em francezas em latas a 500 rs.
! de 13a de .odas as qualidade's, proprias para l^m seCCas a 29 rs- a libra
debrum de vestido a 700 rs a peca : (i no Vigi-1 Espermaceteamericano primeira qualidade a
hmte, rua do Crespo n. 7. 1.2oo rs. a libra.
ticos espelhog, dem francez a 56o rs. a libra, c em caixas
Riquissimos espelhos com moldura dourada e j a 52o rs.
sera ella de 84,10,12 e 144, assim como com co-, Farniia ,1'arariita vcrrldpi-a a ifto is a lihia
lunmas de differentes lmannos a U, 3, 4, 5 e 64: ar!n!ia "rula Ytraaueira a 1001S. a pi a.
s no Vigilante,rua do Crespo n. 7. Farinha de trigo a 12o, 140 e IbO rs a libra.
Liados jarroA e figuras. Farinha de milho a itio rs. a libra.
Riquissimos jarros e liguras de porcelana fina Figos em caixinhas C em latas lindaiiiiiente
para enfeite de sala, sendo o melhor gosto que aqui 1 enfeiladas a 800 e 1,500 cada um.
- _-*; -- X2^ ; FTo mcrioo o,n I. para .^.ros
Riquissimos vasos com boneca para pos de ar- r
! roz, cousa de muito gosto a 14500 e 24, assim co-, dem em pacotes a 200 rs.
rao pacoies s cora os pos a 320 rs. cada um : s j dem en pasta a l,2oo rs. a libra,
no Vig.lante, rua do Crespo n 7. : Genebra de laranja a 1,000 rs. 0 frasco.
l8* I dem ingleza marca Gato a 1,00o rs. a garrafa.
Kia da Senzalla i. 42.
Veude-se, em casa de S. P. Johnston & C,
bra; vinho do Porto velho engarrafado a l,3oo rs.; idem em barril a 800 rs. a garrafa, jsellins e silhes inglezes, candieiros e casti-
sendo porc5o faz-se differenea e em caada a 5,ooo rs.; idem de Lisboa muito superior a caes bronzeadoa, lonas inglezas, fio de vela,
4oo rs. a garrafa e 2,8oo rs. a caada ; idem da Figueira J. A. A. a 5oo rs. a garrafa e chicotes para carros e montara, arreios para
3.6oo rs. a caada; idem do Estrejto a 36o e 320 rs. a garrafa e em caada a 2,56o; carros de um e dous cavallos. e relogios de
idem Bordeaux a 56o rs. a garrafa ; idem branco de Lisboa, proprio para missa a 5oo rs.
a garrafa; vinagre de Lisboa muito superior a 2oors. a garrafa, e l.ioo rs. a caada ;
soda, cavada, alfasema, gaz e tjolo de limpar facas a I io rs. e outros muilos generes que
desnecessario menciona'los.
'
ouro patente inglez.
a 3,3oo e a 2oo rs. a cuia.
Sevadinha a 24o rs. a libra, ( nova).
Sag a 28o rs. a libra.
Sardinhas de Nantes a 64o, itio c 36o is- a
lata.
Sabao massa a 12o, 19o, 2ooe 24o rs. a li-
bra.
e em caixes por muito menos.
Sai refinada a Roo rs. o pote de vidro.
Toucinbo de Lisboa, de Santos e americana
a Itio. 24o c 32o rs. a libra, e emanla
a i.ooo, 7,oon e O.ooo rs.
Tjollo para limpar facas a 16o rs. cada um.
Vinho do Porto em caadas a 3,5oo, 4.000 e
5,000 rs. e cm ancoras com 7o garrafas por
3o,ooo rs.
dem do Lisboa sem rrcfefccao, (deencorn**-
da) por 5o,ooo rs. o barril com 17 caa-
das.
dem de Lisboa mais baixo a 45,ooo rs.
dem em pipas a 3,ooo, 3,5oo e 4,ooo rs. a
caada.
dem em barril de Bordeaux com 13o gar-
rafas por 00.000 rs.
dem idem de Bordeaux com 70 garrafas or
3o, 000
dem em caixas por 5,ooo rs. a caixa com 12
garrafas da melhor qualidade que vem ao
nosso mercado.
Grande sortimento de.extractos e banbas, poma- IderadeHoilanda a 6io e lfCoo frasco Vinho branco para missa de Lisboa e Porto
das, assim como* os lindos copos eu vasos cora dis- ,
tinctivos e offerecimentos s sinbazinas, dos me-1 peijueno e grande.
Ihores e mais afamados autores de Paris e Ingla- dem de Hamburgo, a 56o rs. o frasco e 6,000
ierra, assim como os grandes copos de banha japo-1 r a fnsmie 11 a
na a 24e a 14 assim comoontros onjectosqne'p ,T j <, 1. :
nao possivel pr hoje annunciar, e vista dos ^.,a,3U e,m laus l.xoo rs. UUZa.
regueiesse far todo negocio : na loja do Gallo Limonadas de diversas fructas a l.ooo rs. a dem em ancoras por 16,000 rs.
em pipa, barril e ancoras a 4,000 e S.ooo
rs. a caada.
Vinagre de Lisboa, Porto, tinto e branco a
l,6oo c 2,ooo rs. a caada
Vigilante, rua do Crespo n. 7.
Charnios da Havana.
Vndese superiores charutos da Havana em ca-
tete Rabe Schmettau & C : rua da Cadeia n. 18.
Farinha de mandioca superior
em saceos grandes : vende Antonio Luiz de Olivei-
ra Azevedo & d, no sea escriptorio rua da Cruz
numero 1.
Gaz, Gaz, Gaz.
Loas de um, dous o cinco galoes,
c sqperutr qualidade, preco commodo :
?ia rua do Apollo, armazem n. 2.
garrafa.
Licores, inglezes e francezes a 1,000,
1 Velas estearlinas a 56o rs. o maco, e em r-
.5oo xas a 52o rs.
e 2,ooo rs. garrafas grandes e pequeas. I Vassouras americanas a (54o rs. tima.
Vende-se
i urna rica esteira propria para forro de ama sala,
com 20 p;ilmos de comprida e 19 de'largura, e
I urna dita menor : na rua do Codorniz n. 8
Vende se
mu bonito escravo de 18 annos, ptimo para
geni ou para nlro qnalqner servico : na ni
Praia n. \7. primeiro andar.
%
h




GRANO
Diario f rrrianHorn ... t|niiin felra 14 e igoso df 1 34.
AEM CQROAS NEM MITRAS

57 RA DO IMPERADOR 57
DE
Paw/o Ferreira da Si Ir a Companhia
Grande sortimeoto de molhados em grosso e a retalho. nico armazem que mais
vantagens efferece ao publico.
. Desenganenirse todos.
AI lianza o verdadeiro homem!do progressso
K o Alilaya o verdadeiro e principal armazem de raolliadns.
E o tlllanca o armazem que vende mais barato.
o Alllan^a o armazem que vende os melhores gneros.
o Alliauca o armazem onde preside o mellior aceio.






.
Fiquem todos sabedores desta verdade,
Venham todos ra do Imperador n. 67.
Yenbam ver os gneros que temos expostos a venda.
PARA AS FESTAS
be
S. JOflO E S. PEDRO.
Amendoas confeitadas de bonitas cor dem deHollanda em garrafoes com 24 gar-
8oo rs. a libra. rafas a 7,2oo rs. com o jjarrafao.
dem de casca muito nova a 3oo rs. a libra. Lentilhas excellente legumepara sopa c gui-
Avelaas a 2oo rs. a libra. zados a 2oo rs. a libra.
Ameixas francezas em caixinhas com lindas Licores francezes de todas as qualidades a
estampas a l,2oo, l,4oo e l,6oo rs. cada 8oo e l.ouo rs. as garrafefcgrandes.
urna. Manteiga ingleza iperieitdmte flor a 8oo
Jdem.em frasco de vidro com rolha do mes- e08o rj. a libra!
mo ou de metal, a l,2oo e l,4oo rs. cada dem franceza nova, ja deste aano.^ 6oo rs.
um. a libra, e 58o rs.-em barrisihftros.
dem em frasco grandes a 2,5oo rs. cada Mannelada especial] dos metbores abrican-
um.

-
NOVA EXPOSIQftO DE GNEROS
NO
AHMAZfXl
E "
1RM1KEM
DE ***

NA
III 1 DO 1 .tlPliII.41)011 V. 41
Junto aa sriirad em que mora e Sr. (Mi a ni o,
Para a festa de Sawto Antonio, S. Joo e 8. Pedro.

______% %%m% ,,,
A. O RIJA JIO CRESPO V 9
Esquina que volta para a roa do Imperador
...-
I
linarfe Almeida A C, recehrrum de sua proprla encommei-
da o mais Hd<1 e variado ortiincnt de molhados. proprlos
da presente estaeo.
Manteiga ingleza Masas brancas
da safra MR vmda neste vapor de 28 de jpara sopa a melhor que se pode desejar,
m?io a 800 rs. a libra. macarrao, talharim e aleiria a 400 rs. a
nantclga franceza libra e 4$500 a caixa.
1 da safra nova a 860 rs. alibra, e en barril Vinh.0
o
provavel que nao sega bem aceita a verdade, quando a boa f de tocios anda
dudidaSpor esta epidemia de iiaWaiicos anuncios de cornetas, tambores, coras mi-
tras, etc., que todo o dia enebem as paginas deste jornal.

.
ALERTA.

dem em latas de I *[% e 3 libras a I,2oo c
2,ooo es.
Arroz da India e Maranhao o melhor que se
pode desejar a loo e 12o rs a libra e
2,8oo a 3,4oo rs. a arroba.
Azeite doce de Lisboa a Goo rs. a garrafa, e
4,8oo rs. a caada,
dem francez clarificado em garrafas bran- j
cas a 9oo rs. cada urna,
caixa com I duzia.
Alfazema muito nova e limpa
bra.
Alpista a I6o rs. a libra e 4,Goo rs. a ar-
roba
Bolacliinhas de Lisboa da fabrica do Beato
tes de Lisboa a Coo e 64o rs. a libra, ba
latas de dilTerents tamanhos.
Massa de tomate em latas de 1 libra a 56o
rs. cada urna,
dem para soda estr:Binba, pevidee rodioha
em caixinhas sortitiasa 3,ooo 3,>oo rs. cada
urna e 5oo rs. alibra.
dem macarrao, talharim e aletria a 4oo rs. a
libra.
e 1 o,ooo rs. a'jMostarda franceza preparada em frasco a 4oo
rs. caJa um
Molho inglez ein garjafiohas com rolhas de
vidro a 64o rs. cada urna.
Marrasquinbo verdadeiro de Za l.ooo'a dja -
rs. a caom 1 usi.trc a
a 32o rs. a li-
Anlonio das seguimos qualidades: agua e
sal doces, e imponaos em latas de 6 libras
a 3,ooo rs. e de 3 'i libras a l.'ioo rs.
e em libra a 64o rs., estas bolachinhas
torna-se muilo recommendavel com espe-
cialidaJe para os doentes.
Ciscoilos e Bolachinhas de soda em latas de
todas as qualidades e marcas que se pro-
curar a 1,35o rs. a lata.
Bolos francezes em carines e de diversas
qualidades a 64o rs. cada um.
Bantaa de porco verdadeira refinada a 4oo
rs. a libra e em barril a 38o rs.
Batatas novas a I fio rs. a libra.
Bolachinhas inglezas ltimamente desembar-
cadas a 24o rs. a libra e 2,ooo rs. a bar-
rica.
Champagne das marcas mais superiores que
at boje tem vindo ao nosso mercado a
18,ooo rs. o gigo e l,5oo rs. agarrafa
inteira, e 8oo rs. as mcias.
Cha uxim o mellior ipie se pode desejar, e
que outro qualqucr nao vende por meaos
de 3,ooo a 2,7oo rs. a libra.
dem perol? de esp -ciai qualidade a 2,Goo e
2,8oo rs. a libra, garante-se a qualidade
d"estc cha.
dem bysson o melhor que possivel encon-
trar-se a 2,4oo e 2,6oo rs. a Hbra.
dem do Rio em latas de 2, 4, 6 e 8 libras
a l.2ooe l,4oo rs. a libra
dem preto muito lino a l,6oo rs. a libra.
Chocolate d.is melhures qualidades, francez,
hespanhol e suisso a l.ooo, I,2oo e I,4oo
rs. a libra.
Charutos do acreditado fabricante Jos Por-
tado de Simas em '/s caixas das seguin-
tes marcas: Parisienses, Suspiros, Dili-
cias, Napofeoes e Guanabaras a 2,3oo rs.,
e em caixas inteiras Trovadores a 3,ooo
rs. cada urna.
dem de outro? muitos fabricantes e de dif-
ferentes marcas para 1.5oo rs. as meias
caixas, de suspiros a i.fioo, 2,ooo e3,ooo
rs. as caixas inteiras.
Conservas inglezas a 8oo rs. o frasco,
dem franceza a 5oo rs.
Cognac inglez das melhores marcas a l,ooo
rs. a garrafa e lo,ooo rs. a duzia.
dem francez superior qualidade a 8oo rs.
a garrafa e 9,ooo rs. a duzia.
Cdminho e erva-dor.e a 4oo rs. a
Cravo da India a Goo rs. a libra.
Canellaa l,ooo rs. a libra.
Copos finos para agua a 5,000 rs. a duzia, e
5oo rs. cada um.
Caf do Rio superior a 280 e 320 rs. a libra,
e 8,8oo e 9,i>oo a arroba.
Doce fino de goiaba afioors. ocaixao.
Lrvilhas porluguezas ltimamente cliegadas
a 7oo rs. a lata,
dem ceceas a 10o rs. a libra,
dem j descascadas a 2oo rs. alibra.
Farinna de ararota verdadeira a -'120 rs. a
libra.
Figos em caixinhas muito bem enfeitadas a
,ooo rs. cada urna.
dem em I?tas errailicamente lacradas a
i,5oo e2,5oo rs. caila urna.
IdenV em caixas de */* arroba a 2,5oo rs.
cada urna, e 2oo rs. a libra.
Graixa muito nova a loo rs. a lata e l.ooo
rs. a duzia.
Genebra de Hollanda em frasqueiras com 12
frascos por 6,ooo rs. e 560 rs. o frasco
dem de laranja a 1 ,ooo rs. os frascos gran-
des e ll.ooo rs. a caixa com 12 frascos.
dem de Hollanda em botijas a 4oo rs. cada
urna,
dem em garrafoes de 1G garrafas a 4,8oo
rs. com o garrafo.
libra.
agarrafa, lo.ooo
zia.
Nozes muilo novas a
Prezuuto de fiambr
rs.
dem do Porto para-panella a 5oo rs. a libra.
Passas novas a 48o fs. i libra.
a 500 rs.
Amendoas
MlAitadas de lindisslmas cores a W)0 rs. a
libra.
Ameixas
em frascos de vidro com 3 libras liquido a
2-> ioo, muito propios para mimes.
Oartoes
com bolos francezes a 500 rs. cada nm.
Latas
com bolachinhas de soda de todas as qua-
lidades a L>3G0.
OboeoMes
de todas as qualidades al i$000 alibra.
Presuntos inglezes
dos melhores fabrieantes a 800 rs., tambera
temos velaos para 500 rs.
Figueira J A A e outras muitas marcas acre-
ditadas a 500 rs. a garrafa.
dem de Lisboa
e de outras marcas a 400 rs. a garrafa, e
2^800 a cariada.
dem do Porto
generosos engarrafado dos nvelhores fabri-
cantes da cidede do l'orto a 1 > c 1/1200
a garrafa e de 105 a 125 a caixa, as mar-
cas so asseguintes: Cbamisso Filho,
F. M., Nctar ou vinho dos Deuzes,
lagrimas do Douro e outros muitos.
Latas
com 10 libras de banha'a 40000.
Bolachinka ingleza
10800 a barrica da mesma que
vendem a 20000 e 20400.
Nozes
as mais novas do mercado a ISOf^ *t bra.
as mai
bra. e a 4,5oo rs. a arroba.
Palitos do gaz a 2,1 oo rs. a grosa, e2oo rs.
a duzia, e 20 rs. a caixinba.
Queijos flamengos ebegados neste ultimo
vapor, a 3,ooo
dem pralo muito fresco a 8oo e 9oo rs. a
libra,
dem suisso a melhor qualidade que at ho-
je tem vindo ao nosso mercado a 8oo rs.
a libra,
dem londrino a 9oo rs.
Sal refinado em potes de vidro a 5oo rs,
cada um.
D frasco re')a desses que vendem por 30400.
FiVos CAF
... ^ de 1.a e 2. sorte do Rio de Janeiro a 8S|
em libras e caixmhas ricamente douradas, e 80800 a arroba, e 280a 300 rs. a libr
propnas para mimos a 900 e 10200.
Cha uxim
o melhor que se pode desejar,
GEXEBRA RE LARAIUA
verdadeira a 10000 o frasco, e de 110OOC
a caixa.
IDIftf
em frasqueiras de HoManrkt' a 5;>800 com
j 12 frascos.
'T0 GENEBRA
Os annunciantes nao tem em visla geo garantirem ao respeit;ivel puWico a
sua palavra de honra, vendendo com o lucro suficiente para suas subsistencias e mo para
assehtarem fortunas a forga da regra de liga como outros annunciantes deste genero.
PARA TOItOS
No armazem principal vende-se a todos pelos presos marcados na se^uinte fa-
Ijella, mas n5o se vende por todo o prefo fazendo-se peso de arroba hespanhola, garan-
te-se as qualidades dos gneros trocaudo-se todo aquelle que nao seja do asrtidb do
comprador.
j Lentilhas muito novas excellenle legume na-
Queijos flamengos frmiSk
chegados neste ultimo vapor a 206oo. | VD1 TCJ,C5
Qiie||os idos melhores fabricantesje de todas
! chegados no ultimo vapor a 20600 cada m. cas de 40500 a 0500 duzia.
16o rs a libra. Qael|o CHARUTOS
} londnno o mais fresco que se pode esperar charutos Thom Pmto,. Beis e outros em
e de excellante maree a 800 rs. a libra meaS caixinbas a 10500.
sendo inteiro e a 900 rs, a retalho. Arroz
Peixe cm latas de diferentes qualidades co-1 Conservas lglezaS do Maranhao a 100 rs a libra, e da Jodia
mo. savel, corvii a, govas, pescadinha e' as mais novas que se pode esperar a 760 rs. n' e
outros a l,ooo r. a latas.
Palitos para dentes a 14o e a 16o rs. o mas-
so dos melhores.
Painco o mais novo e limpo a 16o rs, a li-
Ciarrafoes
com 4 '/ garrafas com vinagre a lOOOt*
que outro o garrafo.
qualquer nao pode vender por menos de
30 a 20600.
Idean pcrela
especial qualidade a 20700 rs. 3 libra
dem hysson
o mais aromtico que tem viudo ao n
mercado a 20600. ^ Holte^a verdadeirsem frasqwira a Goo! Wwna hysson o melher que ha neste genero
MaSSaS amareliaS rs. cada urna. a 2,ooo,. 2,4oo e 2!,6oo rs. a 8bra.
i para sopa, macarrao, talharim e aletria a PALITOS | Mem do Rio em latas de 2 a 8 libras, a l,3oo
Amendoas confeitadas de
64o rs. a libra.
dem de casca dura a 24o rs. a libra.
dem de casca mole a 32o rs. a libra.
Ameixas francezas em caixinhas com lindas
estampas, a l,2oo e l,5oo rs.
dem em frascos de vidro a l,2oo rs.
dem em frascos grandes a 2,5oo rs.
dem em latas de 1 '/a libra a l,loo rs.
Arroz do Maranhao e da ludia o melhor que
ha neste genero de 8o a loo rs, a libra, e
de 2,5oo a 2,8oo a arroba,
Azeite dore de Lisboa a 6oo rs. a garrafa, e
4,8oo rs. a caada.
dem francez c de Lisboa refinado cm gar-
rafas brancas a 9oo rs. a garrafa e lo.ooo
rs. a duzia.
Alfazema muilo nova e limpa a 32e rs. a
libia.
Azeitonas muito novas a 2.ooo rs, a anco-
reta.
Alpista limpo a 14ors. alibra,e 4,4oors. a
arroba.
Bolachinhas de Lisboa (la fabrica do Beato
Antonio de diversas qualidades, em latas
de 6 e de 3 libras a 3,ooo e l,5oo n. a
lata, e 64o rs. a libra.
dem ingleza em latas de 2 e de 4 libras
das melhor marcas a 1,300 e 2,2oo ra.
a lata.
Hanha de porco refinada a oo rs. a libra?
em barril a 36o rs.
Batatas em caixas de 2 e de 4 arrobas a
1,1 oo rs. a arroba.
Champagne das rnrihores marcas a 2o.ooo
rs. o gg, I,8oo rs. a garrajb, e 9oo rs.
as roeias garrafa*.
Cha uxim o melhor possivel a 2,7oo rs. a li-
bra,
.Men* pirla qualidade especial a 2.7oo rs.
a libra,
Cerveja das melhores marcas a 6,ooo rs. a! 480 rs. a lib*.*. os verdaeiros palitos di gaz a %2m a groza
duzia, c56o rs, a garrafa. CTOCVAC e 2o ra. cada caixinha-.
Sardinha de Lisboa e Nanles em quartose o muito afamado-cognac Pal Tirandy a l,8oo' LIC0RE3
meias latas a 38o e 58o rs. cada urna. rs. a garrafa e de outras muitas qualida- finos de-todas as qualidadtes,.a 10,000 a caixa
Sag muito nove e alvo a 24o rs. a libra. des a 1,000 e 800 rs. a garrato. com rana duzia e a 1,000 a garrafa.
Sevadinha-dcFranca 18o rs. a libra. COPOS Maniieltl'da
Sevadaa loo rs. a lihra, e 2,800 rs. a ^^^^^jj^jj^ rs- a dos melhores fabricantes de Lisbor,, como se-
roba. I duzia, e a 440 e 5oo rs. cada um.
Traques de 1.a qualidade a 9,5oo rs. a cai-, 1 %ii;i,
xa, e 2o rs. a carta. almacn, greve, peso e de outras- muitas qua-
loucmho novo de Luboa a 2o e 32o rs. a
bra. :
Tijolo para limpar facas a loo rs. cadaum.
jam Abreu
libra.
e outros muitos a- 600 rs. a
lidades de 2;2oo, a 4,5oo resma do me-
lhor.
Papel de Iboiea
Prezuioito
rs. a libra.
Idtomprete homeopafhico 2,000 rs-. a libra.
Cerveja di melhores marcas a 6,000 rs. a du-
zia, e 56o rs. a garrafa.
Chocolate francez, suisso e hespanhol a
.ooo, l^ooe l,4oors. a libra.
Charutos do afamado fabricante Jos Furia
do de Simas e oulros da Babia como se-
jam Regala,.Trovadores, Guanabaras, De-
licias c Suspiros, a I,6oo, 2,ooo,3,ooo e
4,000 rs. a caixa.

o verdadero prezuuto defeanegoa i2o rs. Conservas inglezas a 7.To rs. o frasco,
a libra-. Wem francm> surtidas ou de uma so
menos conhecidas a 400 rs. a garrafa, c
2,8oo rs. a caada.
dem Colares especial vinho a 600 rs. a gar-
rafa.
IdemLavradio muilo fresco nao levando com-
composiclo a 56o rs. a garrafa, e 4,000
rs. a caada.
dem branco de uva pura a 56o rs. a garra-
fa, e 4.5oo rs. a caada.
dem mais baixo a 4oo rs. a garrafa, a 3,ooo
rs. a caada.
dem Bordeaux em caixas de 12 garrafas das
marcas mais acreditadas a 6,000 e 7,ooo
rs. a caijia.
dem muilo especial que raras vezes vem ao
nosso mercado a l,2oo rs. a garrafa, ga-
rante-se que por este mesmo preco d
prejuizo e s se encontra n'este arma-
zem.
dem do Porto em "catxas com 12 garrafas
das seguintes marcas Lagrimas do Dou-
ro, Dngwe do Porto, Genuino, Velho Par-
ticular, Malvasio fino, D. Pedro V, D.
Luiz I. Nctar e outros a O.ooo e 10,000
rs. a caixa e 9oo e 1,000 rs. a garrafa.
dem Mostatel superior a "1,000 rs. a garra-
fa, e 10,000 a caixa com:l duzia.
Vinagre puro de Lisboa a 2oo a garrafa e
2,4oo rs. a caada.
Idemem garrames com 5 garrafas a l.ooo
rs. com o garrafSo.
Vassoui as do Porto de arcos de ferro a 32o
rs. cada urna.
dem de escova para esfregar casa a 36o rs.
cada urna.
Velas de espermacete superiores a 56o rs,
a libra, e 52o em caixa.
dem de carnauba refinada e de composicio
a 36ors. alibra, e de lo,ooo a 11,000rs.
a arroba.
i,______i________________
RA DO QUELMADO NUMERO 11
Lja de fazendas d- Augusto FredeHc dos Santos Porto
Lindas chapelinas e chapeos para senhoras.
Chegaram a este estabeleeinn'iilo a> mais morternas cliaplinas e chapos para sonhoras.
9hpet'wte corles do tai de barra de 105 a 20.
As mais snjtnriorescanas e sout-m-anino de soda-(tota ecsemira de core? para fenhoras de
2i t alcoOf.
Excellenls las para vestido a 320, ,"0l\ .)60 o 600 rs. ocovado.
'assas e i-rpan-lys de cores a 240 e 320 rs. o covado.
Os melhores lceles para sof com riqnissimug desenlius.
I/'hqo de camhrain de linlioe. fli bordados a l cada mu. k. ..v..
Superiores casomirps mescladas de diversos io.-Hos tanto ern pc^.as'c'etTK eh> icoles.
E i-utra.s iiuiias lazendas como smain: percaM finissimas. bretanhas, silecias, esi|Hio, silis-
trina preta muito tina, caula-, pira mMmok de luto, gro8deni|4.- deturntos cores e as superiores
f IJsleisis para sal**.
As pesaoa*'|"c pn-leridnrem forrar suas satasou gahiu. tbs, .--coniraiao deste estahelecimeoio
melhor afjualidade de esleirs de todas as larguras e pelo mai mdico preco,
Vinho em pipa Porto, Lisboa e Figueira das' ...
melhores marcas a 3,8oo rs. a caada, ede excel,onl, *rallade a 2*00 a resma,
5oo rs. a garrafa. PAPEL
dem do Porto Lisboa e Figueira de mareas azul e pardo para embrulhode l/ooa 2,2oo
ABRO*
Maranhao, Java e India, loo rs. a libra e
de3,eoo, a 3,2oo rs. a. arrobo.
VELAS
dade d<" cada frasco a 'oo rs.
Cognac iii
fa, e lo,ooo rs. a duna.
'Cominho e erra-doce a 4oo rs. a
quali-
z e francez a l,ooo rs, a garra-
s&ra.
rs. a resma.
Gornthiss
de espermacete de diversas morcas a 060 rs. Cravo da India a 600 rs. a libra.
libra e em caixa te* abatimento.
passas coriiilhias muito novata proprias para VELA
podim a 800 rs. a libra. 'de ca"sub0;,,em e*^ *? roba a 0,3oo,
1 p caixa e 34o rs. a libra.
I' UDI*. batatas aovas -
o verdadeiro fumo americano esa chapa a em caixas de 2 arrobas a 5$ a caixa e 60 rs.
1,4oo rs. a libra a libra.
VH90TP Passas uto antas
_, t 1. em qoartos e inteiros a 2^ o miarlo e 6^300
PRRem ancoretasde 9 caadas a 15,ooo rs. > ^ixa e'400 rs a libia ^^
03(13 uma- i C'linrolai-
> i ^nucwiaae
IjODOIaS : poftaguez o mais especial que se pude de-
as mais novas do mercado a 7,000 rs. a caixa s9ar a 800 rs. a libra e 140 rs. o pao.
e l,ooo rs. o melbo. Frutas rw calila
Alnktt A PoiiifA chegadas ultimamefite, ptra, pecego, ginja e
iiipiCMU c xamvu outros muitos a 640 rs. a lata,
o mais novo do mercado a 140 rs. a libra,, toce da rasca da goiaba
e 40400 a arroba. a 60 e U o eaixae.
Os proprietarios do grande armazem o Verdadeiro Principal deejaram aos sen?
freguezes e amigos e ao publico em geral, que para facilitar a commodrdade de todos es-
tipularam os mesmos precos nos seguintes lugares:
Iniao e Gommereio ra do Queiaia O Vefdadeiro Principal ru do Imperador n. 40


mm SOBTIflEMO DE FAZEMIAS

DE
5
Custodio, Carvalho & Companhia.
Y Kll DO QlJIOIADO
9


Pecas de ntremelos bordados a i
Tiras bordadas a peca .
Cobertas de chita a chineza a 25200.
I^nces de liobo tinos a 2*200.
Toallias de llano para mes duzia 4*.
Sapatos de tapete para meninos, senhoras e horneas pelo barato prejo de 1*600 o par.
Toalhas de linho para mesa a-33300 e \&.
Balees de arcos para seoboras^i 3*.
Fil de linho liso vara 500 rs.
Grande sortimento de lias para testidos.
Superiores saias de fastao para senhoras a S*.
iaTMW&C)
------------ta

---------------------1----------___---------------------i---------

Fel|ao.
Vende-sc iVij.'m molaiiulio muiu novo velo ba-
rato prero-de M, saceos com 22 caias jarantidas
_ ., ,.,... pelo vendedor: na ia da Madre de De* n. 9.
Salitre refinado, superior qualidade, vinho Bor-i
deaux, dtfferenie cualidades, mais barato.que em]
qualquer parte : no armazem de E. A. Burle &
, ra da Cruz n. 48.
i..... 1 .....
i 1 .< ......
Sn bao.
YendMe constantemente sabio massa, tanto em
caixas romo a retalho, ;i 300 e 540 re* a libra : na
fabrica da ru 'do Itan"'l ri. 34.
4.>iiiiii;i de mandioca.
Vende-se na' roa da Madro ue Dos n. 38,
mazem.
i%
ar-
4 :ib a mil
Su|*rior rap de Lisboa, idem l'aolo (ordeiro,
idem dito viajado, idem gaaae prossu. meio gros-
so, tinoc Mearen':-*elde-5i;r(Tiiilnnamcn^, tanto
emtibra como a retalho ; garanie-se ao compra-
dor a boa qualidade : na praca da Independencia
n. 5, lo]a de violas.
Canella a 1,000 rs. a libra.
Copos finos para ajrua e
vinho a 4.800,
5,ooo e5,yoo rs. a amia, e 5oo rs. cada
um.
Caf do K\m- superior 2o e 3oo ?s. a libra,
e 8,ooa 9,ooo rs. a arroba,
dem do Cear a Go, 28o e 3oo rs. a lihra,
e 8,000 a 8,5oo rs .t arroba.
Doce de oiaba a Goo rs. o caixo.
Ervilhas porluguezas em latas, tiiegadas ul-
timami^nie a Too i-s. a lata,
dem soccas a Iflo rs. a !B>ra.
dem j descascadas a 2oo rs. a libra.
Farinha de ararota verJUeira a 32o r
libra.
Figos em caixinhas bem enfeitadas a 9oo rs.
cada ma.
G1 a isa kv.i a 100 rs. a 1 ala, 1,100 rs. a
duzia.
Genebra de Hollanda em fraHjneiras tfc 12
frascos a 5,8oors., e S60 rs. o frasco.
dem em botijas a 4oo rs. cada urna.
rs. com o garrafo.
dem idem de 3 caadas a7,2oo rs. cada um.
dem ingleza cm garrafas brancas bordadas
com rolfta de vidro, qualidade superior
a l,ooo rs. a garrafa.
dem de laranja verdadeira a 1,000 rs. o fras-
co, e H.ooo a frasqueiras do 12 frascos.
Kirsch Wasser excellenle bebida Snissa a
l,8oors. a garrafa.
ra sopa a 2oo rs. alibra.
Licores franceses de todas as qualidades de
Too c 9oo rs. a garrafa.
Manteiga ingleza perfeitamente flor a 800 rs.
a libra, desnessesario mais elogios nes-
te genero que s se pode verinrar com a
vista.
dem franeeza a 56o rs. a libra, e em barril
ou meios a Soo rs.
Marmelladado i."fabricante de Lisboa 3600
rs. a libra, ha latas de 1, 1/, e t libras.
Maca de tomate em latas de orna e dos li-
bras, a 600 rs. a lihra.
dem para sopa estrellinha, pevide, rodiwt,
etc. a 3,5oo rs. a caixa e 56o rs. a libra'
Macarrao, talharim e aletria a 4oo rs. a l
bra.
Mostarda franceza preparada a 4oo rs. o fras-
co.
dem ingleza era p> a 64o rs. o frasco.
Molho inglez em garrafinhas com rolha de
vidro a 64o rs. cada urna,
Marrascbino verdadeiro de Zara a l,ooo rs.
a garrafa, e 10,000 rs. a duzia.
Nozes mirito novas a 16o rs. a libra.
Ostras preparadas em laae a 7oo rs. a lata.
Prezunto para fiambre inglez verdadeiro, ga-
rantindo-se a qualidade, a Toors a libra.
Passas novas de carnada a 4oo rs. a libra, e
6,5oo rs. a caixa.
Peixe em latas hermticamente fechadas das
seguintes tjualidades, sabel,. cernina, go-
raz, eavallinha e pescada % 11,000 73. la-
ta.
Palitos para denles liebadas l4o rs. o ma-
co de 20 maeinhos.
Jdem do gaz a- 2oo rs. a diniii; e 2,lao rs.
a. JJ1>,
raro- ,mh>
Painco muilo navoa I fin rs
rs. a arroba.
Queijos flamengos do ultimo vapor.
Icfem prato muito fresco a 8ot 1.. a litara, e
sendo inteiro ,* T2o rs.
Sal'refinado em pufes de vidro a: 5oo reca-
da um.
Sardinhas de Lisboa e de Nautas- a Goe-"rs.
ameia Iat3, e toors. o quasto..
S;>g muito novo- e alvo a 24o rs-, a libra.
Sardinha de Fransa a 18o rs. a> libra..
Sevada a loors. libra.
ToHCinho de Lisboa a 24o e 3oo rs. a lilra.
Tijolos para limpar facas a loo rs. cada san".
Visbo em pipa, Porto, Lisboa e Figneira das
marcas menos canhecidas a 4oo rs. a gar-
rafa, ea 2,8oo rs. a caada.
Idmi Figueira especialmente escelhido Dgste
togar a 6on rs. a garrafa, e 4,3oo a caada.
dem Lavradio, Colares muito< fuesco sena
gomposii.oa Geors agarrafa,a 4,5oo 7S. a
Ganada.
htem Lisboa em ancoras com 9 sanadas mar-
ea especial a 22>oo rs. a ancora.
Idfem branco uva. pura a 56o rs. a garrafa,
e a 4,5oo a casada.
Idfem Porto lino em pipa a 56a. rs. a garra-
fa.
I Douro, Duque do Porto, D. Luiz I, Efe. Pe-
dro V, Nctar, velho secco, Malvazra, 0
genuino partictdar de Oooal.Soo rs. a gar-
rafa e a lo/ioa rs. a caj em urna duzia.
dem Madeira^&egitimo a l,2oo rs. a garrafa,
ea f2,ooo rs. a duzia.
IderaMuscatel a looors. a garrafa,
fldem Bordeaux dos acreditadas marras St.
, Julien St. Esteph, chteaa la Ro Margoux ^ outros a 6,000 rs, a caixa e 56o
rs. a ganaH.
Vermouth a melhor bebida estomacal a 2,000
rs. a garrafa.__|
Vinagre de Lisboa a 2oo rs. a garrafa e l,4oo
rs. a caada.
dem em garrafoes de 16 garrafas a 4,800 |?etn" garrames com 5 garrafas a l.ooo rs.
re mm ,v nopi-.Pin vassouras do Porlo com arcos Ae, farra a .tn
-----,
Roa da Senzalla aova a. 42.
Neste estabelecimento vendem-se: tachas de
ferro coado libra a 110 rs., idem de Low
Moor libra a 120 rs.___________________
Arados americanos e machinas para
lavar roupa: em casa de S. P. Johnston & C,
ra da Senzalla Nova n. 42.
Fabrica de chapeos de sol de,
Francisco Maestrali, ra
do ueimado u. 22.
che. adii um grande sortimento do fumo car-
ral, cachimbos, e r.bopetas para obarulos, e lam-
ber bengalas e chicles para montara, de (odas
is qualidades, e sempre se acha nesta fabrica um
grande sortimento de chapeos de sol de todas as
qualidades, tambera se cobrem chapeo e ?>. coa-
eertam, e se fu ludo pertencenic a esta arle.
Gomma
muito sniierior era barricas : vende Francisco Go-
mes de Manos Jnior, na ra larga do Rosario nu-
mero 24.
1 Porto com arcos de forro a 32o
rs. cada-urna,
dem de esoovas para lavar casa a 36o rs.
cada ama.
Vedas de espermacete superiores a 56o'rs.
a libra, e sendo em caixa a 52o rs.
dem de carnauba refinada e de composio
bl a 96o rs. a libra, e lo,5oo e M.ooo rs. a
arroba.
- 1i--------------i^------------------___1__________________

Fumo imperial
Cortado igual ao francei muito proprw para ca-
chimbo, em latas de 1 libra, quando nao seja roo-
iher igual ao americano por 1,8200 rs., para veri-
ficar a verdade os Srs. temantes podem-e dirigir
fabrica a vapor de cigarros antiga raa dos Coar-
tis de Polica o. 21. -
--------

Pnru passar-se a festa.
Vndese a melbor casa terrea m>f qm te
na' Bo-viagein, sita a'beira da estrada, leudo de
frente 30palmos, 'fttrtWs e porta, 2 sAlas, &
quartos, solo e eoainha fra, eoplar grande, ca-
cimba com KQeUente agua, diverso.! ar veredas
Sue se rolhcm baos (ruejos, leudo este terrena du-
cado 70 palmos sobre 350 de fundo : os prelon-
dentes ouniram dirigir-so ra da Cadeia n, 53,
armuem do agente Euiekio, que est anloriado.
,- A hordo de lugre Umilin ha pata veader fc-
rioliade mandioca ova e de boa qnalkMdf, de
Santa Catharina, retalba-se a presos ooiumodos :
para tratar, a bordo do mesmo navio, ou no osera-,
lorio de Amoriro Irmos, ra da Crui n. 3.
1


.

>;

~~


Diarto e reriamhiw litarla fclra 4 de Age*** de 1S4.
.

AO PUBLICO


Mtm o menor eonstran-
glmento se entregar o
importe do genero qne
nao agradar.
. .
flTTENCO
Os precos da segulne
tabella para todos, po-
dendo assim servir de ba-
se para o ajuste de contas
eom os portadores.
MERCANTIL


RIJA DA CADEIA DO RECIFE N. 53.
(Logo passando o arco da ConceifS)
Grande reduceo de precos, equivalente a dez por cento menos to qne outro qnalqner
annnuciante.
*
Collegas.Nao posso por mais lempo sustentar o preco da manteiga ngleza a l,ooors. a libra, bem assim o de outros
rauitos objectos, etc., dando com isto ocasiao a todas as espeluncas acabarem por bom preco a manteiga de tempero, e gritaren em
alta voz, quepodem vender pelo preco que eu vendo I! 1 Ora, en offendido com estas obscuridades e receioso em adoptar o mesmo
systhema. que vim encontrar, des se vender com um por cento a carola, resolv fazer esta grande reduefao de precos, como veris
pela seguinte tabella, pois como sabis ca pelo men bairro, at a abertnra do momoravel armazem de molbados Unio Mercantil nao
se sabia de outro preco de manteiga ingleea a nao ser o de 1,4og a l.Goo rs. a libra. Iloje porem, resentidos da reduceao a que
esto obrigados, encarando todos os dias de seus freguezes reelamacao de precos, e qualidades, vingam-se de um e otrtro portadores
mal informado (leste novo estabelecimento. para lhe vender goneros nao proprios de um estabelecimento desta ordem que o seu fim
136 somonte obter a concorrencia de seus freguezes.
Para liem de todos.
Senhores e Senhoras o aceio que presidio, aos arranjos (leste novo estabelecimento, e mais que ludo apromptido e entei-
reza com que sero tratados, convida a urna vizita ao mesmo, certos de que sem duvida me daro a proteegao e preferencia na compra
dos gneros que precisaren!, e quando nao pocam vir podero mandar seus portadores, anda que estes sejam pouco pratices, pois
sero tio bem servidos como seviessem pcssoalmente, havendo para com estes toda reeommendaco, afim de que nao vaoem outra parte.
rs. e em barricas de 4 duzas se faz abat- Antonio de Lisboa em latas com 6 libras
Manteiga ngleza (safra nova) especialmente
eseolhida a 8oo rs. a libra, em barril se
faz abalimenlo.
dem franceza a mais nova que tem vindo ao
mercado a 5Go rs. a libra, e-em barril ou
meios a ioo rs.
Cha liysson de superior qualidade a,Goe rs.
a libra,
dem perela o mais superior do mercado a
2,8oo rs.
dem boxim o melhor que se pode desejar
neste genero 2,6oo rs.
dem prelo homeopatliicoporser de superior
qualidade a 2,ooo rs. a libra.
dem hysson, huxira e perola mais propro
para negocio o I,6oo, I,8oo e 2,ooo rs. a
libra, garante-se ser msito regu'ar, igual
ao que se vende em outra. parte por 2,4oo
e2,oo rs.
Linguicas, chouricas e paios em latas de 8
libras, ermelicamente lacradas a o.Soe rs.
garante-se serem superiores aos que vem
em bairs.
Chouricas e paios em barris de meia e urna
arroba a 8,ooors. e t,5oo e Coo rs. a libra.
Queijos llamengos milito frseos chegados
neste ultimo vapor a 2,2oo rs. e do vapor
passado a t,6oo e -4,8oo rs.
dem londrinos os mais superiores que tem
vindo ao mercado a 8oo rs. a libra entei-
ro se faz abatimento.
dem pratomuito fresco a 8oo rs. a libra,
dem (lo Alentejo o que se pode desejar de
fresco e superior a 8oo rs. a libra, a el les
antes que se acabem.
Ervilhae o favos porlngnaB em latas j;'i pre-
paradas a G4o rs.
Marmelada imperial dos mais acreditados fa-
bricantes de Lisboa a too rs. a libra.
Prezonlo do reino vindos de casa particular
a dfio rs. a libra, e a 5oo rs. inteiro.
dem inglezas para fiambre chegado neste
vapor 72o rs. a libra.
Copos lapidados para a gua a 3,oooc 5,r>oo a
duzia,
Chocolate franeez, susso c hespanol a 9oo
I,ooo e l,2oo rs. a libra.
monto.
Caf do Rio a 2Go e 28o rs. a libra, e 7.8oo
e 8.5oo rs. a arroba.
dem lavado de primeira qualidade a 3oo rs.
a libra, e 9,ooo rs. a arroba.
dem do Cear de superior qualidade a 2lo
e 28o rs. a libra, e 7,8oo a 8,ooo rs. a
arroba.
Arroz do Maranho a loo rs. a libra, e 3,ooo
rs. a arroba.
dem da India muito alvo egraudo a -loo rs. a
libra, e 3,ooo rs. a arroba.
dem de Java a 8o rs. a libra, c 2,2oo rs.
a arroba.
Painco e alpista a lio rs. a libra, e 4,3oo
rs. a arroba.
Massa de tomate em latas de I e 2 libras a
6oo rs. e de barril muito superior a 5oo
rs. a libra.
Aletria, macarrao e talharim a 4oo rs. a li-
bra, e 9,ooo rs. a caixa.
dem e talherim branco a 32o rs. a libra,
estas massas tornam-se recomendaveis as
pessoas doenes por serem propriamente
feitas para esse lim.
Estearinas a 56o rs. a libra, e em caixa com
25 libras a 52o rs.
Vinho do Porto muito fino excellente qua-
lidade-proprio para engarrafar em ancore-
tas com 9 caadas por 43,ooo rs.
Vinho de pipa Porto, Figueira, e Lisboa a32o,
4oo e5oo rs. a garrafa, emeanada a 2,5oo,
3,ooo e 3,8oo n
Vinho branco de Lisboa do excellente quali-
dade a i no p. Sao rs. a garrafa, emeanada
a 3,ooo e 3,5oo rs.
Vinho branco [tara missa em caixa do I duzia
a 8,ooo e a 68o rs. a garrafa.
Vinho do Porto das melhores marcas, que
vem ao mercado como sejam Lagrimas do
Douro, Duque do Porto, DuqueGenuino,
D. Luiz I., Madeira secca, Malvazl fino,
Fcitoria em caixa de 1 duzia de 9,ooo a
I0,000 rs. e a 9oo e 1 ,ooo a garrafa.
Vinho Colares o mais superior que tem
vindo ao mercado a G4o rs. a garrafa.
Espermacete em caixinhas contendo 6 libras Sardintis de Nntesem quartos c meias latas
por l.ooo rs., garante-se serem transpa-j a 36o e 56o rs. cada urna,
rente e de superior qualidade, lamben) tem j Sardinhas portuguezas era latas grandes
de 12 por libra propria para carro. preparadas pelo melborconserveiro de Lis-
Peixe em posta svel, corvina, guras, pesca- boa a 64o rs.
da, salmo, ostras echernee, vezugo em Bolachinhas inglezas as mais novas do mer-
latas grandes a 8ooe I,ooo rs. cada urna. cado a 2,8oo rs. a barrica, e 24o rs. a
Vinho Bordeaux das marcas mais acredita-' libra,
das que tem vindo ao nosso mercado a Bolachinha de soda em latas com diversas
6,ooo, 7,ooo e 8,ooo rs. a caixa, garante- qualidades a!,3oo rs.
se ser de qualidade superior, que outro (Bolo franeez em caixinlias muito proprias
qu.ilquer nao pode vender por este preco. | para mimo a 64o rs.
Gnebra de Ilollanda a 56o re. o frasco, e Passas muito novas de carnada a loo rs. a
5,7oo rs. a frasqueira. j libra e 6,ooo rs. a caixa com 28 libras,
dem de laranja verdadeira de Altona em Figos de comadre a 24o rs. a libra o
frascos grandes a l.ooors. o frasco, el l,8oo rs. a caixa com 8 libras.
ll/ioors. a duzia. Amendoas de casca mole a 32o rs. a libra,
dem de Hollanda em botijas grandes a ioo Bolachinhasd'agua em sal da fabrica do Beato
por 2,5oo; ditas doce em latas com o mes-
mo peso a 2,5oo; ditasimperiaes emlalas
de 3 libras por l,5oo rs.
Ameixas francezas em latas de I e meia libra
por I,2oo; ditas em caixinhas de deversos
tamanhos com bonitas eslampas na caixa
exterior a 1,2oor,5oo, e 1,8oo rs.
Azeite doce refinado Penanol ou do Kempes
de Lisboa a 85o rs: a garrafa e 9,5oo a
caixa com urna duzia.
Batatas muito novas a 5o rs. a libra e 2,ooo a
caixa com 2 arrobas.
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e
8,5oo a duzia.
Vassouras de escova para esfregar casa a 32o
Nozes muito novas a I6o rs. a libra.
Molho inglez em garrafa de vidro com.
rolha do mesmo a 5oo rs.
Mostarda inglesa dos melhores fabricantes a
8oo rs. o frasco.
Mostarda franceza em potes j preparada
a 4oo rs.
Lentilhas excellente legume para sopa a 2oo
rs. a libra.
Marrasquino o verdadeirode Zara em garrafas
grandes a -l.ooors. e H.ooo a duzia.
Palitos para dentes a I lo e Wo rs. o maco.
Sal refinado em irasco de vidro com rolha do
mesmo a 5oo rs.
Cerveja branca e preta das marcas mais a-
creditadas que vem ao mercado a 5,ooo e
5,36o a duzia e 48o rs. a garrafa.
Sag muito novo e alvo a 24o rs. a libra.
Sevadtnha 'le Franca muito nova aoors.
Charutos de lodosos fabricantes la Bahiaerins
mais arrediladas marcas conheeidas no
nosso mercado a 2,ooo, 2,5 3,5ooe3,8oo a caixa de loo charutos.
Cognac inglez das melhores marcas a
'4,090 rs.- a garrafa.'
Doce da casca da guiaba em, latas de i II-
Acaba de recener de sua propria encuiumeuaa um grane e variado sortimento
de molhados todos primorosamente escolhidos, por isso apressa-se o proprietario em
offerecer 3os seos freguezes e ao publico em geral a seguinle tabella dos seus gneros e
resumidos precos, afian?ando todo e qualquer genero vendido neste bem conheeido ar-
mazem.
Amendoas confeitadas de8oors. a libra.
Manteiga ingleza perfeitamenteflr, a 8oo rs,
libra,
dem franceza a 56o rs. a libra, e 5oo< rs.
sendo era barril.
Cha uxim a 2,7o rs. a fibra, e de 8 fibras
para cima a 2,6oo.
dem perola a 2,8oo rs. e de 8 libras para
cima a 2,7oo,
Licores francezes e portuguezes das seguin-
tes marcas creme de violetas, gerofles, ro-
sa, absinto vespeiro, amor perfeito, amen-
dua amarga, percicot. de Turin, Botefim,
morangos, limo, caf, laranja, cidra, gin-
ja, canella, cravo, ortel pimenia a l.ooo
rs. a duzia l,ooo rs. a garrafa, garante-se
que os melhores que temos tido no mer-
cado.
dem hysson o mais superior que se pode Passas muito novas em quartos e inteiros a
desejar a 2,tiuo e de 8 libras para cima
a2,5oo rs.
dem menos superior a 2,4oo ede 8 libras
para cima a 2,3oors.
dem proprio para negocio a 2,3oo, de 8 fi-
bras para cima a 2,2oo.
dem do Rio em latas de 2, 4,6 e 8 libras
cada urna a 2, 3, 3,5oo e 4,8oo rs. a lata,
dem preto o melhor que se pode desejar
neste genero a 2,8oo rs.
dem, menos superior a.esse que se vende
por, 2 e 2,4oo, a 4,8oo rs. a fibra,
dem mais baixobom para negocio a l,5oo
rs. a libra.
dem miudinho proprio para negocio a 1,5oo
rs. a libra.
Queijos do reino chegados neste ultimo va-
por a 2,2oo.
Queijos chegados no ultimo vapor a 2,2oo rs
dem prato es melhores e mais frescos do
mercado a 76o rs. a libra sendo inteiro.
Genebra marca gato a 1.7oo rs. a garrafa.
Biscoitos em latas de 2 libras das seguintes
marcas : Osborne, Craknel, Mixed, Victo-
ria, Pec-nic, Fance, Machine e outras mu-
<|tas a l,3oo e l.loo rs.
1' umo americano em chapa a 1,6oo rs, a
libra.
Araruta de todas as qualidades.
Batatas novas em caixas do 2 arrobas a 5# a
caixa e 6o rs. a libra-
Balachinha de Craknel em latas de 5 libras
bruto a 4,ooo rs.
bras por 2,ooo; diloemcaixuesa6oors.*Idera jngiemem barricas amis novado
cada um.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Velas de carnauba de 6 e 12 por libra a
32o rs. a libra e Io,ooo rs. a arroba.
AzeitedocedeLisboaa 64o rs. a garrafa
e 4,8oo a caada.
Banha de porco refinada a loo rs. a libra
e 36o rs. em barril.
mercado a 3,5oo rs. a barrica e 24o rs. a
libra.
Chocolate portuguez o mais especial que se
pode desejar a 8oo rs. a libra e 14o rs. o
pao.
Papel de botica de excellente qnalidade a
2loo rs. a resma.
I Potes com sal refinado a 48o rs. cada um.
Capil de diversas frutas muito frescas a Figos de comadre em latas de 4 e 8 libras
64o rs. a garrafa.
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a graza.
Toucinho de Lisboa muito alto e alvo a
32o rs. a libra e 8,5oo a arroba.
Ameixas francezas em latas de 3 libras por
2,ooo. rs.
Cebollas solas a l,4oo o cento ; ditas em
molhos com cento e tantas por 1,2oo rs.
.Mallo excellente cha para os navegantes a
a 2oo rs. libras.
lacradas hermticamente
rs. a lata.
a l,4oo e 2,2oo
ADEllEgOS DE MOSAICO
A aguia branca da ra do Qucimado n. 8 rece-
ben booilos aderecos de mosaico e fino dourado, e
os est vendando wr preco razoavel.
Ilolsas para caca.
Esse hjVcto aqui lo cusloso de enconlrar-se, e
tao preciso aos apreciadores da cara, acba-se hoje
a venda na ra do Queimado luja da aguia branca
d. 8, onde o comprador ser servido conforme o di-
liheiro ijuc quizer dispor para tal lim.
Esseneia de rosa.
Em pequeos frasquinhos a i#000. Vende-se na
ra do Queimado o. 8.
Ten tos para vol trete
A aguia branca na ra do Queimado.n. 8 rece-
beu caixinhas com tentos de marfim e madrepero-
ta para vollarete, havendo dioheiro chegnem-se a
elies antes que se acaben.
Craxa econmica.
Cbegou novo sortimento dessa boa graxa, e con-
tinua a ser vendida na ra do Queimado luja da
aguia branca a. 8.
Vitas
para a iiinndade do Bom Conselho, e cartas de
hachareis. Vende-se na luja da aguia branca, ra
do Qm-imado ti. 8
Leqnes de sndalo, madrepero-
la, osso, ete.
A aguia branca recebeu um bello sortmento de
Jeques de sndalo, madreperola e osso, sendo el les
de diversos moldes e variadas cores, ieclosive a
preta : agora, pois, quem comparecer com dinheiro
pode bem eseolher um bonito Icque, na ra do
Queimado loja da agou branca n. 8.
C aixialias para costura eoutra
com perfumarlas
A loja da aguia braoc-a, onde constantemente se
vendem essas bonitas caixinhas com arranjos para
cosiurfl, aoha-se mui bem.prorid por ter afr'
recebido um bello alimento de ditas caixinhas.;
assim como outras com finas perfumaras, por isso
quem quter fazer um bom presente, tenddinnei-
ro dirija-se r#*k) Queimado loja da agtli* bran-
ca n. 8 que ser bem servido.
Boa tinta para marcar ronpa.
Vndese na ra do .Queimado loja da aguia
branca n. 8.
-----------------------'-------'---------ii?-----',------- ; ,
GRAXA N. 97 I
Vndese a verdadera graza inglesa Dv 97 nd
armazem de J. A. Mereira Dias pa ra da Cruz i j
numerse. ,/t i ./
DE
DE
J. VIGNES.
i
X. 55. RIJA DO IMPERADOR N. 55.
Os pianos desta antiga fabrica sao hoje assaz conhecidos para que seja aecessario iasisr sobre o
sua superioridade, vanlagens e garantas que ofTcrecem aos compradores, qualidades estas incontesta-
yeis que elles tem definitivamente conjuistado sobre todos os que tem apparecido nesta praca pos-
suindo un teclado e machinismo que obedecem todas as voatades e caprichos das pianistas, sem-
aunca falhar, por serem fabricados de proposito, e ter-se feito ltimamente melhoramentos importan-
tissimo* para o clima deste paiz ; quauto s vozes sao melodiosas e flautadas, e por isto muito agrada-
veis aos ouvidos dos apreciadores.
Fazem-se conforme as encommendas, tanto nesta fabrica como na do Sr. Blondel, de Pars, socio
correspondente de J. Vignes, em cuja capital foram sempre premiados em todas as expesreoes.
No mesmo estalielecimento se acha sempre um esplendido e variado sortimento de msicas dos
melhores autores da Europa, assim como harmnicos e pianos harmnicos, sendo ludo vendido por
precos commodos e razoaveis.
2,000 rs o quarto, a 6,560 a caixa e 4oo
rs. a libra,
dem corinthias proprias para podim a 8oo
rs. a libra.
Marmeladas dos mais afamados fabricantes de
Lisboa a 64o rs. a libra.
Ervilhas secas muito novas a 16o rs. a libra.
Gr5n de bico muito novo a 16o rs. a libra.
Ervilhas francezas em latas a 64o rs.
Potes com sal refinado a 48o rs.
Fumo de chapa americano a i,6oo rs. a libra
fazenda especial.
Presunto para fiambre inglezes a 7oo e 8oo
rs. a libra.
Chouricas e paios mnito novos a 64o a libra.
Caixas de traque n. 4 a 8$500 cada urna.
Massas para sopa macarrao, talharim aletria
a 4oo rs. a libra.
Cognac verdadeiro inglez a 8,5oo rs. a caixa
eSoors. a garrafa,
dem franeez a 7,ooo rs. a duzia e 7oo rs. a
garrafa.
Charutos em grande quantidade e de todos os
fabricantes mais a creditados a l.ooo,
2,ooo, 2,5oo, 3,ooo e 4,oo rs. a caixa,
os mais baixos sao dos que por abi se ven
dem a 2,ooo e 2,5oo rs.
Caf de premeira qualidade a 8.3oo e 9,ooo
rs. a arroba e 28o a 22o rs. a libra.
dem de segunda qualidade a 8,2oo rs. a ar-
roba e 26o rs. a iibra.
Arroz do Maranho a 12ors. a libra, 3,ooo rs.
a arroba.
dem da India muito superior a 2,9oo rs. a
arroba, e loo rs. a libra.
dem mais baixo redondo a 2,6qo rs. a libra.
dem da India comprido a 2,4oo'rs. a arro-
ba, e 8o rs. a libra.
Vellas de carnauba do Aracaty a 9,oo rs. ar-
roba, e 36c rs. a libra.
dem de sebo muito dura fingindo esparmace-
te 36o rs. a libra.
dem de esparmacete a 56o rs. a libra, e em
caixa a 52o rs. com 25 libras.
Papel o melhor que se pode desejar para os
Srs. empregados pblicos a 5,ooo rs. a res-
ma, j se vendeu por 7.ooo rs.
dem almaco pautado e liso a 3,ooors. a resma.
dem de peso pautada e liso a 2,5oo rs. a
resma.
dem a zul de botica ou fugueteiro a 2,oo'rs.
a resma.
RIVAL SEM SEGUNDO
Una do Queimado n. 49, esta vendando muU;
. boas fazeadas e muito baratas, quem quizer i.odera
vir ver ou mandar para experimentar, ssfin como
801401 I
Gollinhas muito linas para senhora a 500 rs
Dilas e punhos de fusto muito bonitas a 040.
.artas de alflnete de cabeca chata de todos os ta-
manhos a 80 rs.
Resmas de papel de pesa muito bom a 2.
Capachos redondos e comprids a otO rs.
Caixas com superiores obreias de colla e de massa
a 40 rs.
Cordao branco grosso que lem muita applicacao a
vara a 20 rs.
I.inhas de carriteis garante-se toO jardas a 40 rs.
Cartees de lioba Pedro V com 200 jardas a -10 fs.
Grosas de peonas de ac muito linas a 300 is.
Varas de franja de 13a para vestido a 40 rs,
Ditas de franja branca larga para toalbas a i rs.
Pares de butes de punho a 120,320 e OO rs.
Tinteiros de vidro com tinta a 160 rs.
Ditos de barro com superior tinta a 100 rs.
'irosas de botdes de louca praleado a ICO e a du-
zia a 20 rs.
Tesouras para costura a 80, 200, 400 e 300 rs.
Escoras para limpar denles, superiores a 200 rs.
abra de laa para bordar da melhor qualidade a
(8500.
Caixas de phosphoros de seguranza a 160.
; Caixas e pacotes de papel auiuade superior a 000,
ris.
Caixas com IOO envelopos muito finos a 800 rs.
Quadernos de papel pequeo azulado a 20 rs.
Carriteis de linha Alexandre com 200 jardas a
100 rs.
Baralhos para vol trete a 240 e mais tinosa 300 rs.
Metadas de linha frouxa para bordar a 20 rs.
Pares de sapalos de tranca de todos os lama til us
1 a 1300.
Grosas de botes de madrepcrula muito finos aSQO
ris.
Carlas e caixas de colchetes de superiores quali-
dades a 40 rs.
Massos de grampos superiores e limpos a '10 r*.
Grosas de palitos de gaz a 25200.
Libras de areia preta da melhor qualidade a 120
ris.
Caixas redondas para rap e lem muito bonitos ca
lungas a 100 rs.
j RIVAL SEM SEGUNDO.
Ra do Queimado n. 49 leja de miudezas de Mt-
i s Bigodinho, venbam ver a pichincha que se esta-1
acabando certas qualidades de fazenda.
Pegas de fitas elsticas com 10 varas a.. 210
Dilas de tranca branca lisa com 10 varas. 100 '
Ditas de tranca preta iisa a............ (
Realejos para'meninos, pechintha a... ISO
Rodinhas com superiores alfinetes a..... fO
Caixas com superiores agulhas e limpas a 20l>
Saboneles de familia, muilo finos a 80 e.. 160
Pares de sapalos dela para criancas a.. 4(10
Varas de babado do. Porto muito bom a
100, 120e......................... KO
Ditas de bico largo grosso a............ ICO*
Potes de superior tinta tem mais de meia
garrafa a.......................... 3S0
Caixas com perfumaras muito bonitas a. 500
Frascos de oleo de macaca muito fino a 100'
Ditos de oleo de babosa superior a 240,
320, 400 e......................... uOO:
Ditos de cheiros muito superiores em qua-
lidade a........................... 320
Ditos de agua de colonia muito ba a.... 400
Ditosde dita dila grande a........... 800
Saboneles de todo o preco 60, 160, 200,
320 e............................. 400*
Frascos de superior banha a 320 e....... 800-
Caixas de p para limpar dentes muito
fino a-............................ 100
Ditos de banha transparente a.......... 600
Pares de liga.- muito linas para senhora a 300
Sabonetes inglezes da melhor qualidade a 320
Frascos de agua dentrice superior ga-
rantida a.......................... 15000
Massos com 25 envelopes grandes azula-
do a.............................. ICO
Yaras de fita preta com clcheles a..... 100
Frascos de macaca perola milito superior 20O-
Caixas com peonas grandes a......... 200
Grosas de botoes para calca preta, miudos 100
Libras de memento da r upa de lavar a.. 200
Carriteis de retroz de todas as cores e
tem meia oitava de retroz a......... 200
Varas de Lieos de differentes larguras a 60
XAROPE TNICO REGENERADOR
DE QUINA E DE FERRO
Preparado por GBIHtll.T e C\ pharmaceuticos deS. A. I. o Principe Ntpoleo, lauretdoc
da Escola de pharmacia de Pars, ra de la Feuillade, 7,
Esta nova combinadlo rene detallo de um pequen* volume urna forma agradavel e um goto delicio**.
Ha multo que os mdicos desejavo ardentfmeiite a reunlao destes dous medicamentos, a todava, apeiar
dos maiores esfor^os, nem a aciencia medica, nem oa qumico* oa mala distinctos o poderlo conscfulr
1 al* aqu; Kr<;s porm pereveranf;a humana aehio-se hoje aaaocladas eataa.dua* poderoaa* aubstao-
ciae. a |uioi, o tnico, restaurador por excedencia, o rerr*, a bate de nosso sangie, e conseguinte-
mente o reparador dos forjas e da taude alterada ou perdida.
As molestias contra as qoaes o Xarope tnico regenerador se tem mostrado muito effiuas alo: a* anae-
norriietaa, talla? de menttronco, dore* d'estomago, bati, digestSes penosas e tardas, Adre* brancas,
nienftrubcoes duTiceis, o ivmpbatismo,oempobrecimento do 6ngue, as escrfulas, os estragos produtido*
pelas motertta i ajfptuiiticas. ,
Ha apenas um'anno que o Xarope de quima a de ferro (ol applicado nos hpspitaes de Paria, e elle
hoje o medicamento mais em voga, subs ti tu indo, por assim diter, oa medfcamentoe rerruemoes conhecidos.
O pros i ecto enema numerosos certificados de multo* membros da Academia de Medicina e proteseere*
. da faculdade que atiesta que este precioso medicamento o conservador da aaude por excellencia,
*9 fenmstitirnte da economa animal, Indlspensavel 4s pessoas que habitio o* paites qnentea, como
preservativo das epidemia*.
Acba-se i venda no deposito geral, em Par, na pharmacia Grimault e c, ra de la Feuillade, 1;
em Lisboa, em cata do Mir ndrio m Coi crvlho. Barral e c) no Porto, na pharmacia do
>r Mlsiii-I Jo- de Sou Krrcir.; no Hio-de-Jannru, em cala da vtava Feliat* e Blnlm, r* *
Sabio, 11; na Bahia, em casa do Siir Jone-Cataoo f,i rrlr. i:Pinh.li ; no Rio Grande, em casa do
Sfir Jouqiiin de Godoj ; no Maranho, em casa dos Sra Ferrelra e C*; em Fenuimbvco, em cata
do Sm Biirihoionien-Franeim o dr sou( em casa dos Srs sboum e o, bem assim as prln-
ci|iaes pharmiicias do Brasil e de Portugal.
MBBBH
^

Deposito geral em PeruawJbuca ra da Cruz n. 22 de emcasaCaro* ABarboza.
dem embrulho de 1,2oo a 1, 4oo rs. a resma.
Ameixas francezas em latas de 1 V* libra a
l,2ooc8oors. a libra,
dem em frascos de 3 libras a 2,5oo rs., so o
frasco valle l,ooo rs. tambem temos em
frascos para l,4oo rs.
Conservas inglezas a 8oo rs. o frasco.
Mostarda preparada em potes muito nova a
2oo rs.
Frotas em calda chegadas ltimamente, pera,
pecego, ginja e outros muitos a 12o rs. a
lata d 2 lr2 libras,
dem cm caixinhas de 8 libras a 1,800, e
24o rs. a libra.
Nozes muito novas a 120 rs. a libra, e 4,ooo
rs. a arroba.
Amendoas confeitadas a 6oo rs. a libra.
dem de casca mole a 32o rs.
Vinhos engarrafados no Porto e Lisboa das
seguintes marcas: duque, genuino, velho
secco especial, lagrimas doces, vinho es-
pecial D. Pedro V, nctar superior de
1833, duque do Porto de 1834, vinho do
Porto, velho superior, madeira secca. Por-
to superior D. Luizl^e outras muits MolhosDglezesa8ooe l.ooors. o frasco,
marcas, em caixa de urna doz.a a lo,ooo e Cmo a j*, rg ,bra
i,ooo rs. agarrata. Cerveja Tenente verdadeira a 7,ooo i
dem branco de uva pura a 64o rs. a garra- duziae 6oo rs. a garrafa.
fa e 4,ooo a caada. i,jem de outras marcas preta e branca a 5,5oo
Idm superior a 5oo rs, a garrafa e 3,2oors. e 6,ooo rs. a duzia e 5oo rs.a garrafa.
a caada. Vassouras de piassava com 2 arcos de ferro
dem em pipa Porto, Lisboa e Figueira das ^33 fj0 porto a 32o rs.
marcas mais acreditadas a 3,8oo a caada Cebollas muito novas a l,ooo rs. o molho e
e 5oo rs, a garrafa. 800 rs. o cento.
dem de marcas pouco conheeidas a 4oo rs. Ge**Ja de Hollondaem
a garrafa e 3,ooo rs. a caada. e 5t>0 ? rra^-
Especial vinho Lavradio sem a mais pequea ldem emK,tlJas a *oo rs.
composicao a 5601 a garrafa e 4,000 rs. a dem em garrafSes de 14 garrafas a 5,2oo rs.
caada. Palitos do gaz a 2,2oo rs. a groza e 2o rs. a
Farinha de matarana a 240 rs. a libra. rijxa
Ricas caixas.com figos a l,ooo rs. cada urna. Idem de dentes lixados em m3 Ricoa hvrosjo figos Looors. com 2o rs 0 macinhos a 12o rs. e masso.
Pomada a 200 rs a duzia sevada muito no- Cominhos mnit0 novos a32ors. ihbne
va a 80 rs. a libra, e2,5oo a arroba. j0 000 a gw^tu
Garwfoescoia 4 /i garrafas de vinho supe- sagu^uito novo a246rs. a 1ibra.
or 32*500 rs. com o garrafao. Cevadinha de Fr'anca a 18o rs. a libra,
dem cqm 4 '/ dtas ^e venagre al,ooo rs.o Milho alpista a 14o rs. a libra e 4,Soo rs. a
garrafao. arroba.
Vinagre PRR em ancoretas de 9 caadas a Gomma a 28o rs. a libra e 5,4oo a arroba.
15,ooo rs. com aaneoreta Peixes em latas'<,ooo a lata j prompto
dem em pipa poro sera o batisme a 2oo rs. a comer-se.'
a garrafa e 1,4'obfs. a Canad. Farelf de Lislloa marca N. eBato saceos
Caixas Com 1 duniadgarrafas de vinho Bor- grandes a 4,ooo rs.
deaux fazenda moito especial a 6,800 rs. Doce da casca da'goiaba a 600 e 1,000 rs. o
a caixa e7oo rs.a garrafa. | caix5o.
O proprietario do grande armazem Unio e Commercio declara aos seus fregu
zas e amigos e ao publico em geral, que para facilitar a commodiJade de todos estipulen
o meDaws^eco&noisegumteslugares:. # ,
, Unio e Commercio ra do Queimado n. 7.
O Verdadeio Principal wa do Imperador n. 40.
>- O
O
I
b
g
0
C
e-K
r-t-
Pu
es
go
r-5 ^1 K S
*-* o
r*

.-- r
rt & h'
Cs
OQ '
O Cu
3 CD
5^ <
-! 3 '-
HJ Si T3
O O
3 T
o- o
ps CD
o
cr>
E3
P-
3B
As verdadeiras brides de
ip<
ojuca.
Vende-se na ra do Queimado n. 32, loja de fer-
ragens de Azevedo & Irmao.
Fabrica Conceicao da
Babia.
Andrade & liego, recehem constante-
mente etem venda no s<:u armazem n.
34 da ra do Imperador, algodo d'aquel-
la fabrica, proprio para saceos de assu-
car, embalar aisodao empluma etc., etc.,
pelo preco mais razoavel.
mm%
wrnmmM
Ra dacadeia doRecife
numero 50.
Vende 1 balcao muito bom, 3 fileiros, 3 caixoes*
1 reyi.-to de gaz, ludo por prego commodo.
55 Vondem-se tres partes do predio de dous an-
dares sito a ra da Lapa n. t : a tratar na nn
Velha n. 57.
Vendem-se sacros grandes com muito bom
milho a 45, moito proprio para retalhar na ribel
ra : ij armazem do Teixeira defronte da escadi+
nha da alfandega.
ESGBATOS rOGIDOS. j
Fugio na noile d( 23 do corrente julho de
1864 o escravo Jos, preto, crioulo, ae 26 annosk
baixo, cori>o regular, bei^os grossos e estufados,
orelhas pequeas, e cachaco grosso, pouca barba
porque tem apenas na poma do queixo, levouduas
caigas, urna branca e outra de castor eseuro que"
pai ere preto, de listras, paletot prelo, sem camis,*
e com urna carapuca encarnada na cabera, a laiai
de marojo : quera pegar leve-o ra Direita u..
54, que ser generosamente recompensado. ^^
Fusiona liUi- do da 16 do corrente: um
escravo pardo, de nome Marcos, desembarrado,
do hiate Santa Anna, vindo do Aracaty, tendo
de idade 28 annos pouco mais ou menos, eos-Wy*
naes setraintes : almra regular, secc do eorpo,
pouca barba, cabello crespo, levou camisa:e*
calca de algodutiuho de riscado azul echa-.
peo de palha, tendo levado comsigo urna trouia,
com mais roupa, e rendido de urna das veninas r'
quem o appreender qveira l*va-lo a ruada Madre/
de Drus n. 38, ou u ra do Brum a. 55, queserA
recompensado.
i
Mu i la nltORCo.
Ha dias fugio o escravo africano, de nome Aos
Ionio, levando calca e camisa de bata azul es-
cura: quem o encontrar e levar sua senhora a,
baroneza da Victoria, ra do Hospicio, i'n bem
gratiScado.



Krlo de Penanbneo *a*r
SCIEHCAS E ARTES.
A MATERIA E A FORgA DA MATElUA QUE SF. TRATA
CLASSIKICAc'aO CHIMICA DOS CORPOSAFFINIDA-
r.F ANALYSE DO AI AGUA NA ATHMOSPHE-A
ACIDO CAIU10.NIC0 OX1G.KNIO E AZOBESTADOS
UA MATElUA, SOLIDO, LIQUIDO E GAZOSO SYN-
THB8I E ANALYSE DA AGUA NA WATURSZA HA
V.UITO ACIDO CARBNICOO DIAMANTE K CARVAO
A UBSPiiiAi; O k USA coMMr.si'AOohI'os siif-
PLUS B CORPOS CO.MPOST-'S LEIS DE COMBI lAClO
DOS CORPOS UNIDADE 0 MULfIPLIClOADB DA MA
TKIUA THEORIA ATMICARBLAQSS AS BOMBI-
HABOBS CIIIICAS il SYSTEMV DOS MINUS li 0
TOMOS DOS CORPOSOS CORPUS SIMPLES SAO TOE-
DADEIROS CORPOS COMPOSTOS PRINCIPIO DO DE.
TnOUT H DE DUMASAHALYSBS DO SR. STAS009-
SIDERAgOES EIRAES.
(Continuacao.)
Entre os numerosos corpos que a sciencia hoje
conhece, uus sao por ella considerados corpos sim-
ples, outros corpos compostos.
lisia classilicago feila sob o ponto de vista da
sua natureza, da sua constituirlo intima. l:in ramo
imporlantissuno da sciencia, a chimira, esluda os
corpos em relago as mndangas que podem solTrer
em conseqoenuia da aegao mutua, que entre elles
se d, accao de que resulta urnas vezas combina-
rom-se corpos dessimilhantes, c fonnarem pela
combinago cutros corpos inteiramente dilTerentes
dos componentes, outras separarem-se de massas
liomogenas corpos dessimilhantes.
A' torga que co:nbiaa entre si corpos dessimi-
Ihantes de modo :i formarem juntos uro lodo que
parece perfeilamente homogneo, chama a chimira
affiniiade. Os corpos unidos pela affinidade pode-os
.a chimira separar, empregando diversos meios,
mais ou menos poderosos ; mas depois de chegnr
a obter a separacao de muitos corpos, reconhece
qne o sea poder actual para diante de urna grande
multiplicidade de substancias sobre as quacs Dio
teem accao os recursos de que dispoe, isto de
substancias que couservam inalteraveis as suas pro-
priedades fundamentaes, de substancias que se Dio
l'iadeitt deeompr em outras de diversa natureza.
lisia accao de aftinidade, que corpos com proprie-
lades diferentes exercem uns sobre os outros, so
lata lugar entre as partculas mais tenues da ma-
cona, pois que indispensavel que a aproximago
das partculas dos corpos suceptiveis de combinar-
a seja o mais intima possivel, para que a combi-
nago se d.
A fusao de um oa de alguns dos corpos pelo ca-
lur, ou a divisao resultante da dissoluco n'um li-
quido sao condicoes para se unirem os corpos so-
lidos em combinacao chimira; quando nm ou mais
corpos dos que lende a combinar-se, esto no es-
lado de gazes ou de lquidos, a combinacao pode-
fazer-se inmediatamente na maior parle dos rasos.
Busquemos esclarecer o que tica dito, por meio de
exemplos.
0 ar, deutro do qual nos estamos, os habitantes
da trra, inteiramente merguliados, um gaz ;
mas o seu cstudo chimiro mostra que elle se pode
separar em varias substancias gazosas, com pro-
piedades definidas.
Quando urna massa de ar posta em contacto
com a superficie fra de um corpo, urna quantida-
de mais ou menos eensideravel de agua se deposi-
t em gottas sobre esse corpo.
Um copo de agua nevada, cbrese pela parle
exterior de gotus d'agua, tanto mais rapidament
guamo mais quente est o ar que o cerca. Se em
vez de agua novada, o copo estiver de urna mistu-
ra frigorfica, cuja temperatura seja muito baixa,
ss gottas d'agua depositadas na sua superficie ex-
terior, tornar-se-hao solidas, transformar-se-hao
em gelo.
Um corpo vido de agua nao tarda em hnmede-
ccr-se em contacto com o ar livre. Estas simples
observaeoes mostram que no ar ha agua em esta-
do gazoso, e que em determinadas condicoes a
agua se separa do ar, passando do oslado gazoso
ao estado liquido, ou mesmo ao estado solido. Em
qnalquer (lestes estados, a agua trm relativamente
a sua natureza intima as mesmas qualdades.
ou eewemndo.se suspensa no ar, ero nevoetros Debati da accao de om forte calor, o diamante, de formar com os dons corpos simples A e B Es
enarena, ou anda ero chovas, ou depositando- arde, Isto Combina-se com o oxigenio do ar, e ta lei nao se applica so aos cornos simples que se
se a superficie dos corpos fros, ou momando os^ forma acido carbnico. A pedra de lapis carvao combinam dous a dous,como aos exemplos cita-
corpos vidos de humidade. Quando baixa mu- muito compacto, e com brilho metlico. Na dille- dos, applica-se tarabem s combinagoes dos cor-
S5 Tsatce%lTa\Z ZTX*t' tme% qmides de "* ordinario "~' pos compostos : ass.m, por exemplo a petassa, com-
tura do geT aZ Z vTde T' TT"* "S"* PrPreda*S PhySCaS "nacS bera COnhecida de um *>> 9***
T2T J^ depas- nadas; urna paseatas condicoes apparentessp com o oxigenio, pode formar
ar de gazosa a liquida, soffre urna nova mudan- devidas a misluraVcorfto cstranhos, de cinzas
cade estado, gela, torna-se solida. A agua nos mas, a parle mais imprAble depende da disposi-
por que passa nesta operacao nao gao relativa das partculas do carvao. Subraetiido
muda de natureza semprc agua com todas as
iuas propriedades essenciaes : o que variou foi a
agregacao das partculas que a compoem. Uni-
das entre si itimamente, e sem mudarem
parentemente de posicao a nao ser por mcios vio-
lentos, por esforgos relativamente consideraveis,
partculas da agua foruiam um corpo solido : a
acgo do calor, diminuindo a adherencia das par-
tculas de gelo, muda este em agua, em um li-
quido que, como todos os lquidos, aprsenla
urna grande mobljade, obedecendo a todas as
a urna temperatura mal* ou menos elevada, segun-
do a sua maioj- ou menor densidad, o carvao arde
em presenga do ar e forma acido carbnico : ueste
ap--| composto a relacao entre os componentes, um soli-
do, oulro gazoso, eVdd'b' de carvao para 16 de oxi-
genio. -"
formas.
Se sobre a agua actual o mesmo calor, notase
que a agua se vaporlsa. e toma o estado gazoso.
Salvas algumas nfltveis anomalas, que se dio
na agua, e que nao vero para o nosso proposito
expor agora ; os phenomenos que ella aprsenla
lela iofluencia do calor, sao os mesraos que se
observam em todos os corpos d natureza. Todos
os corpos augmentam de voluroe, dilalam-se peto
calor e podem mudar de estado de agregago,
sem mudarem de naturesa. a menos que se nao
decomponham antes de se effectuar essa mu-
dauga.
ar duas combinacoes
coro o acido carbnico, na prirocira 47,? partes de
potassa cstao unidas a 22 partes de acido carbni-
co, e na segunda a 44.
as combinagoes chimicas os corpos podem
substituir-se uns aos outros, mas em proporgoes
determinadas para cada corpo. Matando da ana-
lyse da agua, dissemos, que na presenga desta e
do acido sulphnrico o zinco se combnava com o
oxigenio, formando o oxido do zinco, unindo-se es-
Pondo em contado com o ar um vaso ebrio de
sgua de cal, lmpida e transparente, ver-sc-ha
a agua tornar-se mais ou menos rpidamente
leitosa. Esta mu.lanea o resultado da combina-
(ao de um gaz que existe na atmosphera ( o acido
carbnica ) com a cal ; urna accao de affinidade
Privado de agua c de acido carbnico, o a*- fiea
ainda gazoso e transparente : n'elle porm nao se
arha urna substancia nica ; mas duas inteira-
mente distinctas, ainda que itimamente mistu-
radas.
Tomando um rerto vnlume ('00 centmetros cn-
A transformaco do estado de agregagao de
termina-se pelo gru de calor, sendo idnticas
as outras circumstancias physicas.
A precedente observagao faz conhecer urna das
mais notaveis propriedades physicas dos corpos,
a de mudarem o seu estado de agregagao por
jtfeilo do calor. Foi a agua que, por assim di-
zer, se esconda no ar sob a forma de vapor, e
cuja eiistencia foi revelada pelo fro, a substan-
cia que serviu para reconhecermos aquella pro-
priedade interessante dos corpos
gar agora o que seja a agua.
Quando com o ar se mistura o gaz hydrogenio,
e pela mistura passa a faisca elctrica, o ar, como
atraz se disse, diminue de volume, o hydrogenio
desapparece, desapparecendo com elle o oxigenio
do ar, e em vez de dous gazes encontra-se a agua.
A agua pois a combinado dos dous gazes, que
se unem pela affinidade.
Citando esta experiencia, dissemos que o dy-
drogeoio era uro gaz muito combustvel, que ar-
da com pallida luz e intenso calor no exigemo :
acendendo urna luz de hydrogenio n'uma camp-
nula de vidro fechada, em que entre urna cor-
rente de oxigenio, depositam-se as paredes da
campnula gotas do agua. A chama do hydro-
genio devida sua combinacao com o oxigenio;
o hydrogenio arde porque se est formando
agua.
A combinacao dos dous gazes faz-se n'uma re-
lagao invariavel: dous volumes do hydrogenio
oombinam-sc com um uolume de oxigenio : se-
gundo estas proporcoes, e pelos processos indica-
dos, pode fabricar se agua, isto fazer-se a syn-
the.se da agua. Para obter pouco mais de gram-
ma e meio de agua, preciso combinar dous li-
tros de hydrogeoio, que pesam prximamente
dezoito centesimos de gramma, com om litro de
oxigenio, que pesa quasi gramma e meie : isto
mostra a grande differenga de peso no mesmo
volume dos dous gazes, e ao mesmo terapo faz
conhecer que em relacao ao peso estes gazes se
combinam, em nmeros redondos, na relago de
onze de hydrogenio, para oitenta e nove de ox.
genio, outomando o peso do hydrogenio para ter-
mo de comparacao, para unidad* -na relacao de
um para oto.
A agua pode decompor-se nos dous gazes que
a consiituem por diversos modos ; e conhecimen-
to de um dos processos empregados para obter a
(lecomposicao da agua, pode esclarecer o leitor
sobre a maneira por que se passam as acg5es
chimicas entre o* corpos. Se n'um frasco se dei-
tarem alguns pedagos de zinco e sobre elles so
derramar urna porgao de acido sulphurico (com-
binacao do enxofre e oxigenio) unido a oito vezes
o sen peso de agua, ver-se-ha urna effervescen-
cia, saindo bolhas de gaz atravs do liquido,
e manifestndose urna elevago de tempera-
ura.
O gaz que sae era torrente o hydrogenio, nm
dos componentes da agua. O que se passou nes-
A respirago dos animaes um phenomeno ana- ,e cmicamente ao acido sulfrico para constituir
logo ao-da combuslao do carvao; na respirago' suJPna, "6 zinco.
urna parle do oxigenio do ar combina-se nos or- Esta reaego prova a grande affinidade entre o
gaos respiratorias com carvao,. que existe em ex-1acido su'Phunco e o oxido de zinco : esta atraegao,
cesso no organismo vivo, e expirado sob a forma
de acido carbnico.
Assim como o Carvao ardendo se combina com o
oxigenio, e forma um gaz acide, assim tambem o
phosphoro, ardendo no ar, se combina, com o oxi-
genio e constitue um acido, cujcT&specto compa-
ravel ao da nev. Empregando 'esta propriddade
do phosphoro, p6de*se, como vimos, determinar a
quantidade do oxigenio que existia n'urn dado vo>
lume d ar.
Nesta rpida descripgo da analyse do ar livemos
occasio de distinguir um certo numero de corpot
com determinadas propriedades; uns simples, ou-
tros compostos. Sao corpos simples, corpos ele-
mentares, elementos, aquellos, como j se disse, qui-
se nao podem separar ero substancias de difieren-
te natureza, que se nao podem decompor, mesmo
empregando os mais poderosos roeios de quo a
sciencia pode dispor, para modificar a materia.
Sao j muitos numerosos os corpos elementares que
conhece a chimira, e coratudo ella nao conhece lo-,
dos aquellos que em relacao aos seus vicios actuaes
de estudo, merecem esta desigoago. Um novo pro-
cesso analyse, por meio da luz, que apenas comer
Vamos inda-! agora a entrar na pratica commum da sciencia, j
tem feito descobrir alguns corpos simples de. que a
sciencia nem se quer suspeitava a existencia; o
numero destes corpos deve, provavelmente, cres-
cer com tanta rapidez como tem erescido o numero
dos pequeos planetas conhecidos, desde que a at-
tenco dos astrnomos se fixou sobre esses curiosos
asteroides, que giram como a trra em torno do sol;
o augmento do numero dos corpos simples conheci-
dos deve ser rpido, e dar nova luz ao estudo ge-
ral da materia. Dos corpos que na analyse cima
descripta, se ficou ten do eonheeimento, sao elemen-
tares : os corpos solidos metlicos ztnwoe calcinm
e os nao metlicos dos corpos metalindes dos cliy-
micos, oxigenio, hydrogeneo, azote, carrito, phospho-
ro, enxofre: sao compostos a agua, a cal, o oxido
de zinco, o acido carbnico, o ando phosphonco, o
acido sulphurico, o carbonato de cal e o sulpliato
de zinco.
ticos) de ar assim purificado de acido carbnico, e ta interessante operacao? Decompoz-sc a agua,
privado de agua rm vapor, e fazendo arder n'esse
ar urna porco de phosphoro ( I gramma), v diminuir o volume do ar, na proporcao de 21 por
cenlo, suppondo que antes e depois da experiencia
os gazes esto sujeitos egual presso.
Por esta operagao um dos gazes que entram na
coustituigo doar, o gaz que promove a combustao
dos corpos, que serve respirago dos anmaos, o
oxigenio combinoa-se com o phosporo, deixando
livre o oulro gaz com que se acbava misturado
Esle gaz que tica, depois que fica consumido o oxi-
genio pela combustao do phosphoro, o azote, gaz
sem cor e sem chero, em que os corpos em com-
bustao se apagam instantneamente, em que os ani-
maos nao encontram as condigOes necessanas para
a respirago.
O oxigenio podo separar-se do azote com que
est mi.-turado no ar, por um processo diverso
d'aquelle que fica indicado. Se dentro de um
apparelho convenientemente construido (um cu-
iometro) se encerrarem dous volumes eguaes
de ar, e de um gaz notavel pela sua extrema li-
geireza, e grande facilidade em arder com urna
pallida chamma e um intensissimo calor, de gaz
hydrogenio, e se atravs da mistura passar urna
faisca elctrica, ver-se-ha diminuir o volume dos
gazes, logo que se ponham debaixo da mes-
ma presso em que cstavam antes da experi-
encia.
O que se passou aqu ? Teve lugar a urna tem-
peratura elevada produzda pela electncidade, a
combinago dos gazes oxigenio e hydrogenio, na
relago de um volume do primeiro com dous do
segundo, o esta combinago de dous gazes deu
um liquido bem commum na natureza, a agua.
Oque tica en posto apenas rpida noticia de
um processo de analyse do ar ; anda que incom-
pleta, comtudo essa,noticia sufflcienle para fi-
xarmos algumas ideas indispensaveis para a in-
elligencia da importante questo da unidade da
materia ; questo complexa e ainda nao resol vi-
da defiuiuvainenie. Aoalysemos o que se obser-
va as operacas cima deacriplas.
Primerramenle reeonhece-se que o ar livre,
perfeilamente transparente c ainda que apparen-
lemente secco, contm urna certa quanlidade de
agua em estado gazoso, e como nelle dissolvida ;
nara a agua se manter neste estado, preciso
(fue o ar tenha urna certa temperatura; quando
em presenga do metal e do acido sulphurico, o
oxigenio combinou-se com o zinco, e este com o
acido sulphurico, formando o que se denomina
um sal, o sulphalo de zinco, o hydrogenio ficou
livre. Este phenomeno complexo, e mostra que
as atlragoes entre s partculas de diversas subs-
tancias sao mais ou menos intensas, e podem ser
afastadas em circumstancias especiaos : deve no-
tar-se alm dissoque lodas as combinagoes se fa-
zem era proporges constantes. O oxido de zinco
formase na relago prximamente de 80,5 de zin-
co para 19,5 de oxigenio : a relago entre o acido
sulphurico eo oxido de zinco, para formar o sul-
phato de zinco tambem constante e invariavel.
A agua de cal em presenga do ar torna-se le-
losa, esta mudanga devida, como indicamos,
absorpgo do acido carbnico, que existe no ar.
Nesle phenomeno ha a notar varias circumstan-
cias, que podem esclarecer e preparar o espirito
para a intelligencia da questo importante da na-
tureza da materia. A cal pura, a cal viva, e urna
combinago ecalcium, que 6 um metal amarello,
comparavel na apparencia ao metal dos sinos,
com o oxigenio : esta combinago de calcium e
oxigenio, este oxido, a cal emfim, dissolve-se na
agua, na relago de pouco mais de um gramma
por litro deste liqnido. A cal muito vida de
acido carbnico, isto tem grande tendencia a
combinar-se com esle gaz ainda formando o car-
bonaio de cal, a pedra calcrea commum : por
isso a agua de cal se torva e faz leitosa em pre-
seRga do ar livre, em que ha acido carbnico. Es-
te acido abunda na naturesa e esl-se continua-
mente formando e decempoodo, por isso se encon-
tra em toda a parte a cal combinada com elle,
formando mui grande parte da crosta terres-
tre.
O carvao um corpo muitp commum na nature-
za ; encontra-se este corpo em diversas formas;
Entre estos corpos compostos deve notar-se, que
uns sao o resultado da combinago de dons corpos
e outros sao produzidos pela unio chimica de cor-
pos compostos-, raras vezes um corpo com posto se
combina innnediatamente com um corpo simples i
quasi sempre combinam-se os simples com os sim-
ples dous a dous, e em determinadas relages de
peso, e os compostos com os compostos, satlsfa-
xendo tambem a condigo das proporges defi-
nidas.
E' das leis a que os corpos elementares obede-
cem as suas combinag5es, qne precisamos ter c
nhecimento para apreciarmos o ruado da questo
sobre a unidade da materia. Suppomos que os
fados de que demos noticia sao bastantes para se
formar idea da differenga que ha entre os corpos
reputados simples ou elementares e os corpos com-
postos; assim como do modo porque erageral se
fazem as combinagoes chimicas, se exerce a atrae-
gao das partculas de substancias heterogneas para
formarem corpos homogenios e bem caracterisados
pela acgo da energa natural, que se designa pelo
nome de affinidade.
Corpos elementares sao os qne at agora se nao
puderam decompor. Nada ha que nos leve a arar-
mar que as substancias hoje reputadas simples nao
possam amanha, pelo emprego de um novo pro-
cesso. ou de urna aegao mais enrgica do que essas
a que hoje a sciencia pode recorrer, decompor-se
n'outras substancias com propriedades differentes
das que caracterisam os corpos at agora estoda-
dos; pelo contrario, se nos Icmbrarmos das mara-
vlhas fcitas pela sciencia ha menos de um seculo,
se buscarmos os exemplos que nos ministra a his-
toria da chimica, seremos levados a reconhecer
que a idea de corpos elementares apenas urna
idea relativa aos nossos actuaes meios de analyse,
e de modo algum urna idea absoluta. Na falta de
meios directos de verificar se effectivamente sao
ou Do corpos simples, corpos inalteraveis e homo-
genios, aquello que, como taes sao conhecidos na
srienria, u se todos elles nao sao mais do qne
grupamentos, em condigoes variadas de urna nica
quahdade de materia, teem os sabios recorridos a
meios indirectos, comparacao dos fados e in-
duccao, para defenderem uns a multiplicidade da
materia e outros a sua unidade..
Os argumentos nesta grave discusso sao prin-
cipalmente deduzidos das leis das combinagoes,
que conduzem theoria atmica. Buscaremos, por
meio dos factos que expuzemos nesta revista, am-
pliados apenas per outros que tem cora elles im-
mediata relago, fazer entender as leis das com-
binacoes chimicas e as deduegors que deltas e da
theoria atmica se podem tirar para o estudo da
materia.
O carvao combina-se com o oxigenio para for-
mar acido carbnico. Em condigOes diversas das
da combuslao livre, quando o carvao por as>im
dizer, meto queimado, o carvao combina-se com
urna quantidade relativamente menor de oxigenio,
e forma o oxido de carboneo, gaz transparente, sem
cor e sem cheiro, muilo nocivo vida dos animaes.
Comparando as proporges em qne o carvao se
combina com o oxigenio para formar estes dous
compostos, acha-se que : no oxido de carbone, 6
partes deste corpo se combinam cora 8 de oxigo-
nio, no acido carbnico 6 partes de carbone unem-
se ebrneamente a 16 de*oxigenio, ao dobro exac-
tamente do que se encontra no primeiro com-
posto. |
O acido sulphurico orna combinago de 16 de
enxofre com 24 de oxigenio.
2o, q-ue entre o peso dos tomos dos corpos de
nominados simples devem existir relages numri-
cas tambem simples, visto que o peso dos tomos
desses corpos nao pode ser seno um mltiplo do
peso dos tomos inadmissiveis e uniformes da ma-
teria nica.
A unidade da materia urna hypothese em per
felta harmona com a acgo egual da gravidade so-
bre todos os corpos. Newton teve o maior empe-
nho em provar que toda a qualidade de substancias
eram egualmente acceleradas ao cahir, e por con-
seguinte egualmente pesadas. Esta egualdade de
acgo da gravidade sobre lodos e quaesquer corpos
prova-se fazendoos cahir nao onde o ar pela sua
resistencia Ihes altere os movmentos, mas um es-
pago em que haja o vacuo ; ento v-se cahir urna
penna com rapidez egual aquella com que cae urna
bala.
A delermoago, feita com minuciosos cuidados
por Berzelius, do peso atmico dos corpos simples
nao leven este notavel chimico a determinar relacao
S -T
(Continuar-se-ha.)
LITTERTRA.
esla sympathia entre os dous corpos ainda se v
n'uma outra experiencia, que nos pode dar idea do I
modo porque os corpos se subslituem as combi-; aam* man,fe?Ia en,re oi numeros que represen-
nagoes. ,,am esses Pesos-
O acido sulphurico combina-se com o oxido do '__________
cobre, formara um composto, um sal azul, bera co-
nhecido no comroercio : este sai seluvel na agua.
Se n'uma dissolugo de sulphalo de cobre se mer-
gulha urna lamina de zinco, este metal substitue-se
ao cobre na combinago, acbando-se no Om de al-
gum tempo solphato de zinco em vez de sulphato
de cobre, e depositando-se este ultimo meral sobre
o zinco.
Na substiluigo acha-se que 33 partes de zinco
correspondem a 32 de cobre. Os cidos podem as
combinagoes subsliluir-se uns aos outros, os oxktes
e os corpos simples do mesmo modo, mas sempre
em proporges constantes, em retacos de pesos fr
xos e invariaveis para cada corpo."
Esteunodo de combinago dos corpos em propor-
g5es defioidasexpllca-se satisfactoriamente admit
lindo, o que est de accordo com muilas proprie-
dadts physicas bem conheeidas da materia, que os
BM POUCO DE TDO.
TradozimoedoCo/To do Ultramar o seguinte:
SPECTACULO BRBARO.
Um peridico dos Estados-Unidos fala de um
circo de lutadores chiuezes, estabelecido ultima-
mente na cidade de Sacramento.
Os actores, depois de engolirem punhacs, sabres
etc., e de servrem de alvo tiros de arlrlharia,
rasgam o ventre al p&rem mostra os intestinos,
dansando ueste estadnm bailado infernal.
Apesar de parecer norrivel, esle espectacu-b
muito commum no celeste imperio.
Quando finda o bailado, os artistas retiranr-se
corpos sao formados de pequeas partculas, nv-1 yara coser o ventre, fazendo grandes- contorses.
siveis pela sua extrema pequenez, as quaes nao
esto em immediato contado urnas das outras, mas
sim afastadas por espagos grandes, relativamente
extrema pequenez das panculas eonstituintes dos
corpos.
As panculas da materia, que caracterlsa os cor-
pos cujas propriedades se podem estudar, as par-
tculas penderaveis, chamam-se tomos : os inter-
vallos do tomos sao os poros, l'm pedago de
marraore, urna lamina de metal, que aos olhos pa-
recen porgoes de materia continua, nao sao- mais
do que aggregados de tomos, separados por con-
sideraveis interrallos.
E' fcil conceber a unio dos tomos em vista
do systema dos mundos, que no espago podemos
observar.
O sol orna enorme esphera laminosa, em roda
da qual, e as distancias maiores ou menores gi-
Suas sades nada solTrcm com esse excrcico.

BXBCUCOES S-OCCULTAS.
Os comits secretos de vigilancia que existem
nos Estado-Unidos exercem a justiga da seguinte
forma :
Um criminoso chamado J. a. Slade, anligo ban-
dido da cidade de Deuver (Colorado), estabeleceu-so
em Dago, onde cenlinuou commeltendo crimes e
depredagoes com a raesma audacia.
Em una nianhaa appareceram tresenies indivi-
duos, sem se saber o como ali vieram ter, armados
de revolvers e carabinas, c cabiraiv sobre a tropa
de Slade, prendendo a este, que foi conduzdo
presenta de um comit secreto. De balde preten-
den elle commover aos seus jukres, que o condem-
naram morrer enforcado em urna arvore.
Pouco depois de lida a seui.-uga-, quatro indivi-
rara a trra e os ouiros planetas, uns de grandes I dos se adiantaram, e, passando urna corda no
outros de pequeas dimenses : alguns destes pa- j pescogo do ru, executaram a sentenga, desappare-
netas lera satlites, que em torno delles se movem | cendo os iresentos homens da mesma forma,
como a la, satlite da trra, se niove em torno do *
planeta que o homem habita. O sol e todos os as- Um astrnomo de Tolouse descobro um novo
iros secundarios queformam com elle systema, nao cometa telescpico na constellago de Aries.
eonstiiue seno urna partcula de um todo vastis- Sua ascengo recta era. em a de julho, de duas
simo composlo de estrellas, que sao verdadeiros; horas e 57 minutos, e sua ioclinago boreal
ses, em roda dos quaes gyram infinitos planetas ; 18o12".
esse vasto conjuncto de estrellas, de que o nosso i o cometa, representa ama nebulosidade.
systema planetario urna parle apenas, observa-1
mo-lo nos como estrada luminosa no cu e cha- A passagem do planeta Venus por perto do nosso
mamos-lhe va ladea. deve venfiear-se em 1874.

No tbeatro da Opera Cmica, &e Pars, prepa-
ram-se tres novas operas, para serem cantadas no
invern prximo, sendo urna derlas de Feliciano
David.
O espago est povoado de mullidlo de maesas
W>lM-as, compar.iveis via lctea. Entre lodos es-
tes corpos celestes, ainda os mais remolos, e nos
interpoe se uro fluido tenue, cuja existencia nos
revelada pela transmisso que por elle se faz de
luz e de calor entre todos os astros. Se agora re-
duzirmos, pelo pensamento as grandezas desses
astros luminosos ou obscuros, e as das distancias
que os separam, at se tornarem, grandezas e dis-
tancias, inapreciaves aos nossos sentidos, conser-
vando cora ludo as proporg5es relativas, teremos
idea do modo porque os tomos se devem grupar
nos corpos, conservando-se afaslados, mas tendo os
inlervallos que os separam cheios de substancia
etherea.
Se os corpos sao effectivamente formados de ato.
mos, como numerosas observaeoes e experimeDta-
ges nos levam a afflrmar, fcil conceber a razo
porque elles se combinara em proporges definidas.
Admillindo, que ha Da natureza substancias perfei-
lamente disnctas, diversas qualdades de materia,
como geral doutrina at hoje seguida na chimica
classica, deve considerar-se que cada corpo simples
formado de tomos de dfferente grandeza de di-
verso peso, e mesmo talvez de distincta forma ;
em quanto forma, porm, a theoria de Ampere,
que s admitte tomos esphericos a mais adopta-
da, e sem duvida a mais era harmona com as con-
digoes geraes da materia na natureza. Nesta hy-
pothese as proporges definidas em que os corpos
simples entram as combinagoes sao o resultado
do diverso peso dos seus tomos ; n6s nao pedemos
alcangar o peso absoluto dos atamos, mas podemos
reconhecer o seu peso relativo, e comparar debaixo
deste ponto de vista os corpos tomando o peso alo-
mico de um corpo simples para unidade, o do hy-
drogeneo por exemplo, por ser menor de todos.
as combinagoes chimicas os tomos reunem-se
intimamente, em virtude da aceito de torgas cuja
natureza nao discutiremos agora, e nnem-se em
proporcoes simles.
Ora, se os tomos das materias heterogneas, que
se combinam, teem diverso peso, quando urna ma-
teria se substituir a outra n'uma combinago, a
substiluigo ha de fazer-se, em relago ao peso, oa
mesma proporcao em que se acharem os tomos
dos corpos que se subslituem.
Se o corpo A se combina com o corpo B, alomo
alomo, e se o tomo do corpo A tomado como
unidade. sto representa um na relago dos pesos
atmicos, eo tomo de B 6 oilo vezes por exemplo,
mais pesado do que o alomo de A, quando a B, qui-
zerraes substituir om corpo simples C.cnjos tomos
pesem o dbbro dos de B para formar um composto
symtrico ao de A com S, precisamos dezesels em
peso de C para substituir oto em peso de B.
Se nos conseguimos faxer comprehender em tao
breve artigo alias diflkil theoria das combinagoes
chimicas, podemos agora ver o modo porque os sa-
bios lem encarado a transcendente questo da ni-
dade eu da multiplicidade da materia, sendo os cor-
pos simples apenas agregacoes em especaes con-
digoe, de tomos de urna materia nica, mas por
tal forma grupados, que nos apresentam aos nossos
^ --------_ ,Cu,^.fl,ula, 4u*uuo larnatoraL O diaraanie o carvao puro crystali-
esta baixa, a agua apparece em forma liquida, llado.
O enxofre, porro, combina-se com esle gaz em
outras proporges, formando corpos com proprte-1 meio de observagao propriedades bem distinctas
mais ou menos denso, transparente ou opaco, com dades bem distinctas; ora, se tomarmos para ter-' estando ao mesmlempo, tao fortemente unidos en1
formas regalares ou amorfo, coro brilho metlico mo de comparagao urna determinada quantidade I re si que nao bastam os meios de que a sciencia
ou fosco, e em todos os casos, abstrahindo de algu- de enxofre (16 de enxofre) veremos que as combi-' dispoe scpara-los, segae-se
tancias eslranhas as nag5es com 0 oxigeoio so ^ 8 eslc gai> ^ ^ | qu(J f ^ JJ de [^ ^ ^
o producto desta quantidade por 2, por 21/2, por ra na razao directa das massas dada identdade as
3. Em goral reconhece-se que dados dous corpos outras condigoes, acgo que se maaifesta na queda
A e B, que se possam combinar em varias propor- dos corpos superficie da trra, se deve exercer
g5es, se mullplicarmos a menor quantidade do cor- egaalnoente ero todos os corpos sintples ou cranos-
po B qne se possa combinar cora o corpo A, pelos tos, por ser o tomo limite, o alomo da materia un-
numeros 1 1/3, 11/2, 2, i 1/2, 3,4, 5, tereroos as versal Idntico e da mesma densdade em todos os
proporges exactos de todos os cranoslos poasiveis corpos da natureza;
eslranhas que com elle esto as
vezes misturadas, lem serapre o carvao as mesmas
propriedades chimicas.
O diamante mais explendido, de mais elevado
prego, nao seno carvao puro, o carbone dos chi-
raicos, muito condensado, e com urna forma regu-
lar natural
Os jomaos de Londres annunciam que um in
dustrioso vae abrir em Princes-street-saint-Guilles,
um curso publico para o ensno do mendigar.
O original professor explicar todos os estrata-
gemas e artimanhas do odelo. Ensinar a commo-
ver o corago dos passantes, fingir feridas e enfer-
midades, imitar dbitos no corpo, em fim a ganhar
honradamente a vida.
O mesmo professor tem para vender ou alugar,
pregos commodos, vanedade de moletas, pus,
peroas de madeira, corcundas, chapus de sol ve.
Ihos, roupas velhas c remendadas, caes, clarinetos
e guitarras para os cegos, e um exercito de meni-
nos^de todas as edades, perfeilamente instruidos
nos primores da vagabundagera.
L-sc no Cummcrcio do Porto o que segu t
A Ordem, jornal de Montreal, de 30 de junho,
d a seguinte noticia de urna terrivel cataslrophe
no ramiuho ae ferro do Grande Tronco, no Ca-
nad :
Segunda-feira ultima, 538 emigrados allemaes,
norueguezes e polacos, que tinham partido de
Hamburgo 18 de maio, chegaram Quebec, a
bordo do Neckar, com intengo de se estabelece-
rem a maior parte no Alto Canad e alguns no
Oaixo. O maior numero d'elles pertencia classe
abastada.
Na terga-feira de tarde emharcaram em um
trein especial, composlo de 12 wagn*, e dirigi-
ram-se para Montreal. S uns trinta fiearam em
Quebec.
O trem ia a grande velocidade, e como nao
linba de parar em nenhuma estago ietermediaria,
ludo fazia esperar que chegariam Montreal a boa
hora da noute, quando hora e meia se deu o ac-
cidente que vamos contar.
A linha do Grande Tronco entre Montreal e San-
to Hilario atravessa o rio Richelieu por urna ponte
de uns 1,108 ps.
Esta ponte abre-se para dar passagem aos na-
vios. Quando se abre a ponte, ha certos signaes,
que do aviso para longe. N'esta occasio esla-
va aberta a ponte para dar passagem- a um
vapor que rebocava cinco golettas. Fez-se o sig-
nal do coslume, arvorando o fanal vermelho,
que se poda descobrir a uraa distancia de 1623 ps.
Infelizmente, por urna falta de attencao, que ain-
da n est justificada, o engenheiro nao viu o
signal de perigo, ou, se o viu, era tarde para parar
a locomotiva.
Vinha esta a iodo o vapor,e n'um momento cahiu
no abysmo, arrastando os 12 wagons com tudo o
que continhara I
Figure-se um trem de doze wagons precipitados
uns sobre os outros de urna altura de mais de 50
ps, e figrese sobretodo 500 victimas, pela maior
parte entregues ao somno, urnas nao despertando
mais, e outras mutiladas, estropiadas, esmag*-
das, mas conservando um resto de vida para o sof-
frimento I
Naquelle sitio a agua nao tem mais que^ det
ps de profundidade, porra a crrante rooito
forte.
Urna das golettas que passava por baixo da
ponte foi esmagada pela locomotiva, que cahiu so-
bre ella.
Por um acaso miraculoso, duas ou tres pessoas
que estavam a bordo tiveram lempo de se precipi-
tar no rio e salvarem-??,
Quando a noticia d'esta borrivel catastrophe che-
gou aqui, causou uraa profunda sensago.
A's 4 horas da manha, M. Brydges, direc-
tor do Grande Tronco, alguns dos seus em-
pregados e os Drs. Horward, Scott, Hiogston
e Brosseau, dirigiram-se ao logar da catastrophe.
Durante o diaexpediram-se mais dous trens com
trabajadores, mdicos, camas e medicamentos pa-
ra os feridos.
Em todo o dia trabalharara sem descanso mais
de cem operarios a tirar os feridos e os cadve-
res de debaixo das ruinas e destrogos dos wa-
gons.
uas aldeias visinhas acudiu urna mullido im-
mensa com soccorros para as victimas, s quaes
s mdicos presiarara todos os possiveis cuidados-
Dos 500 e tantos passageiros.at esta manha s
se puderam salvar 384, porm o estado de alguns
desesperado.
Os feridos foram conduzidos para os differentes
hospitaes de Montreal, onde se Ihes prodigali-
sam todos os cuidados que a sua triste posigo re-
clama.
Continua-se hoje a tirar o resto das victi-
mas, entre as quaes ha um grande numero de
creangas.
Dos empregados do trem s se salvou o enge-
nheiro tforney, que, vendo o abysmo em que ia
cahir o comboio, se langon agua, por cima da
ponte, salvando-se a nado.
Este individuo, em- quera recabe a terrivel
responsabilidade d'esta espantosa desgraga, est
preso.
Depois de esripto o que precede, sabemos que
appareceram 87 cadveres. Sao era numero de
80 os feridos que se acham nos hospitaes d'esta ci-
dade ; o resto, isto perto de 300, estao quasi lo-
dos salvos.
Transcrevemos a seguinte:
ATE MARA MODERNA.
Ave Mara.
Vv sempre diza,
. Que a jusliga justiceira
Quando v dinheiro a beira,
De escrives, advogados
E tantos outros empregados.
Cheia de Graca.
Neste mundo de chalara,
S se v na gente rica,
O pobie soffrendo fica
Sem ter um s vinlem,
Por que o rico levou tambem.
O Senhor convosco.
Se assim nao fr com nosco
Temos multo que soffrer,
Com justiga responder,
O que um sugeitinho
Que tenho c como visinho.
Bemdita sois.
Se fosse um, mas sao dous,
Que me trazein em dirandina,
Quer o homem, quer a menina.
Nao me deixam descangar,
Marotos, ho de pagar.
Entre as mulheres,
Fra eu, d'alguma rels
Que me cheguc a captivar,
E depois de assim ficar,
Nao se pode escapar.
O remedio aguentar.
Bendito o fructo,
De quem rouba sem susto,
E fica logo potentado
O seu sangue misturado
Nao, mais ha de ser fallado,
O dinheiro alheio tem apagado,
De vosso ventre, Jess,
Tudo que clrela luz,
E a lei tambera clara,
Mas, quando s, esbarra
Urna algibeira bem socada.
Para ento azer morada !..
Transcrevemos do Doze de Agosto o seguinte :
Soln mandava que antes de habitar com seu
marido a mulhor comease dos (roclos mais doces
e delicados, querendo d'esl'arte dar a entender que
com a docura e suavidade de suas palavras que
urna esposa deve fazer-se amar.
Desde o primeiro dia de matrimonio convero
evitar rom cuidado as dissensoes e as offensas.
Um vaso que se quebrou e cujos pedagos ha neces-
sidade de juntar-se de novo, depressa torna a que-
brarse : ao contrario, o ferro e o fogo coro difTU
cuidado podem quebrantar a unio firmada & for-
talecida pelo lempo.
*
Foi j comprado em Londres o orgo que lora
de ser collocado no grande salo do palacio de crys-
tal portuense.
Este magnifico instrumento, que tero nao menos
de 2:800 respiradores e pesa para cima do cerca
de 45 toneladas, o mesmo que se achava no sa-
lo da ultima exposigo que leve lugar em Lon-
dres.
Esta acquisigo mais urna prava do quanto a
benemrita direcgo d'aquella sociedade se erape-
uha em que o palacio da industria no Porto hom-
bree em tudo com o que ha mais perfeito na Eu-
ropa.

Pouco depois de Junot ter invadido Portugal
com o exercito francez em 1807, tratou de desor-
ganisar o exercito portuguez.
Para esse fim, re marchar de Chaves para Lis-
boa, dous regimentos de cavallaria, n. 6, hgeiros e
n. 9, dragues ; um regiment de infantera n. 12,
e outro de milicias; e urna corapanhia de arti-
Iheria.
No caminho foram desarmadas, a infantera e-
milicias no Porto, e a cavallaria om Coimbra. Ao.
ser teslemunha deste vexame, o ofBcial de uni dos
regimentos de cavallaria Lua Paulino, pae de Bea-
to de Franga (conde d Fonte Nova, ha poucos an-
nos fallecido) diriga ao nclito fundador da mo-
narchia, D. Affonso Henriques, cujas einzas repou-
sam no templo de Santa Crnz, o seguinto.
SONETO
A teus ps, fundador da uionarchia,
Vae ser a Lusa gente desarmada I
Hoje cede traigo a forte espada,
Que ja mais se renden valenta t
O' rei, se a minha dor, mnha agonia,
Penetrar podem sepulchral morada,
Arroraba a campa, e com a mao myrrada,
Corre a vngar a afJroota deste dia I
Eu fiel, qual te foi Moniz, leu pagero,
Fiel sempre serei; grata esperaoga
Me sopra o fogo de immortal coragem I
E as lagrimas, qne a d&r aosolbos langa,
Aceita-as, grande rei, por vassaHagern,
Recebe-as em protestos da vinganga t


PERNAMBL'CO.-TYI'. DE M, F. E F. & FTLHO



Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EV94ITLF4_FQQKXS INGEST_TIME 2013-08-28T00:03:55Z PACKAGE AA00011611_10449
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES