Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10448


This item is only available as the following downloads:


Full Text
)
1
illilO It. HP8ERO 1S2.
Pp tres nezes adiantatlos >$O00
Ptr tres mezes vencidos 6$000
Pirte ao correio por tres mezes. (5750
lit i 9k nhw%i
? l
TERCA FERA 23 DE AGOSTO DE 1864.
Pw jubo adia.itado.....lMOflO
Parte at correio pop nm anno. 3$)o
NCARREGADOS DA SUBSCRJPCO NO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima';
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Aracaty o
8r. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira; Maranhao, o Sr. Joaquim Marones Ro-
drigues; Para, os Srs. Manoel Pinheiro & C: A-
mazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
INCARREOADOS DA SUBSCRIPCAO NO SL.
Alagoas, o Sr. Claudino Falco Dias; Bahia, o
rr. Jos Martins Alves; Rio de Janeiro, os Srs. Pe-
der Martins d Gasparino.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo e Escada todos os dias.
Iguarassu', Goyanna e Parahyba as segundas e
sextas-feiras.
Santo Anto, Gravat, Bezerros, Bonito, Caruaru',
Altinho e Garanhuns as tercas feiras.
Pao d'Alho, Nazareth, Limoeiro, Breio, Pesqueira,
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Tacaratu', Cabrob,
Boa Vista, Ouricury e Exu" as quartas feiras.'
Serinnaem, Rio Formoso, Taraandar, Una, Barrei-
rosj APa Preta e Pimenteiras as quintas feiras.
lina de temando todas as vezes que para al i sahir
navio.
Todos os estafetas partem ao Vi dia- J
EPHEMERfDES DO MEZ DE AGOSTO
2 La nova aos 13 m. e 12 s. da t.
10 Quarto cresc. as 3 h., 37 m. e 38 s. da t.
17 La cheia as 11 h., 16 m. 44 s. da m.
24 Quarto ming. as 3 h., 44 m. e 20 s. da m.
PREAMAR DB HOJB.
Primeira as 7 horas e 42 minutos da manhaa.
Segunda as 8 oras e 6 minutos da tarde.
PARTIDA D03 VAPORES COSTEIROS.
Para o sul at Alagoas a 5 -e 25; para o norte at
a Granja 7 e 22 de cada mez; para Fernando nos
flus 14 dos mezes dejan, marc., maio, ful, set. enov.
PARTIDA DOS MNIBUS.
Para o Reclfe : do Apipucos s 6 >/,, 7, 7 /,, 8 e
y da m.; de Olinda s 8 da m. e 6 da tarde; de
Jaboato s 6 i/z da m.; do Catanga e Varzea s 7
da m.; de Bemfica s 8 da m.
Do Recife : para p Apipucos s 3/,, 4, 4 */t, 4 A,
o, o Vj, 5 V e 6 da tarde; para Olinda s 7 da
manhaa e 4 de ; para Cachang e Varzea s 4 /i da tarde; para
'Bemfica s 4 da tarde.
AUDIENCIA DOS TR1BUNAE3 DA CAPITAL.
Tribunal do commercio: segundas a quintas.
Relacao: tercas e sabbados s 10 horas.
Fazenda: quintan s 10 horas.
Juixo do commercio: segundas s 11 horas.
Dito de orphos: tercas sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel: tercas sextas ao meio
dia.
Segunda vara do civel: quartas a sabbados a 1 hora
da tarde
DAS DA SEMANA.
22. Segunda. S. Fabriciano m.; S. Xnthuza m.
23. Terca. S. Felippe Benicio; S. Davina.
24. Quarta. S. Uaciiiolomeo ap.; S. urea v. m
2>. Quinta, s. Luiz re de Franga.
?',' ^'xla- s- Zeeriiio p. m.; S. Constancia ni.
27. Sabbado. S. Jos de Calazans fundador.
23. Domingo. S. Agoslinlio b. e doul. da egr.
ASSIGNA-SK
no Recife, em a livraria da praca da Independencia
PARTE OFFIGIAL
GOVERNO DA PROVINCIA.
Expediente do dia 19 de agosto de 1861.
Ocio ao commandante das armas interino. -
Jnforroe V. S. sobre o que pede Sebastiana Maria
Isabel de Jess, no incluso requerimento.
Dito ao mesmo.Em resposla ao seu ofllcio que
V. S. me dirigihontem, son n. 1447,tenho adizer-
Jha que pode o commandante do corpo de guarn-
cao propor epportunamenle por intermedio desse
commando de armas as allerages que a bem da
disciplina e acerca das pracas dos destacamentos,
a que se refere V. S. julgar de necessidade fazer-
se a fim de serem attendidas como o permiltirem
as conveniencias do ser vico publico.
Dito ao mesmo.Mande V. S. por em liberdade,
dando-lhe baixa se j estiver com praca, o recruta
Ciciliano Lopes Ribeiro, vislo ter provado isengo
do recrutamento.
Dito M inspector da thesouraria de fazenda.
Restituo V. S. a conta junta em duplcala, sobre
que versa a sua informaco de 10 do crreme, n.
1 e na importancia de 87J300, despendida no
422,
devem ser comprados sua custa, visto receeer
emolumentos dasfpartes.
Dito ao director da colonia militar de Pimentei-
ras. Communico Vmc. que, segundo me cons-
tou de aviso da reparligo da guerra de 2 do
corrente, foi Horneado o seguudo cirurgio do cor-
po de saiide Dr. Joaquim da Silva Gusmo para
servir nessa colonia Fizeram-se as outras cora-
municages.
Dito a cmara municipal de Cabrob
posta ao ofllcio que me dirigi a cmara ...
de Cabrob em 13 dejulho ultimo, cabe-me deca
rar-lhe, que nao pdem:as cmaras municipaes
crear, supprimir, ou alterar os districtos de paz
por ser essa attribuigo das assemblas legislati-
vas provinciaes em vista do que dispoe o 1."
art. 10 do acto addicional constituigo do impe-
rio e declara o aviso n. 393 de 19 de setembro de
M:z"l"g IgS1!*?**"*JWg* &**> Martins de Barros, o 1-por insultos e o
de47 tan?.i-..i i L"apor IDglcz Iron A"!?' u"lmo por"!" e,n cri d tarto-
Bucuo^AvS Dest,Da-se a v,a8ens nos nos de A wdem do do Poco, Sebastio Bautista Teixei-
- se exlrahir a 2- parte da 1- lote- CSme 'S ^S*" fUr,-
^^l^eguiSRodindo sua pub.l- UVlWS^ <+* ** ^
aira* cora-, cagao j A ordem do subdelegado do Recife, Luiz Jos
I Constando-nos que, nao obstante os esclarec- Ramos de Franca, por brisa
Em res-1 meatos que tem sido fornecidos por meio dest fe-1 A' ordem do d Santo n
i municipal vista, anda se procura fazer crer que a denomina-: por ferimento p MarMIinn
semestre de janeiio junho deste anrio, com a
onduccao de fardamento e quipamento e diversos
objeclos, remedidos de arsenal de guerra para o
4 batalho de artilharia ap na cidade de Olinda, e
le outros que d'aquella cidade foram embarcados
com destino ao presidio de Fernando e a provincia
da Bahia, a fim de que em vista do que expoe o
coronel commandante do predito batalhlo na infor-
maco inclusa por copia e a que se refere a do
commandante das armas interino datada ;de hon-
tem e apta n. 1474, mande pagar essa qiiantia.
Communicou-se ao commandante das armas.
Dito ao mesmo.Devolvo V. S. os inclusos do-
cumentos a flm de que de conformidade com a sua
informaco de hontem sob n. 442, dada com refe-
rencia a da contadoria dessa thesouraria, mande
?gar ao encarregado da gerencia da companhia
eroambucaaa, naoaquantia de l:218*Vi81 ris,
constante de taes documentos, e sim a de___
1:14381 ris, em que segundo indica a mencio-
nada contadoria importam os fretes, passagens e
comedorias dadas por conta do governo abordo
dos vapores d'aquella companhia, visto ter-se de
descontar 144000 proveniente de 3 passagens de
! classe, a que o mesmo governo tem direito des-
ta capital at a Granja nos termos do respectivo
contracto.
Dito ao mesmo.Autoriso V. S. nos termos de
sua informaco de hontem sob, n. 443, dada com
referencia a da contadoria dessa thesouraria, a
mandar pagar ao encarregado da gerencia da com-
panhia Pernambucana a quantia de 1:0230028 rs.,
em que segundo os documentos que devolvo, im-
portara o frete e passagens dadas por conta do go-
verno bordo do vapor Parahyba, pertencente
aquella companhia, na viagem que fez desta capi-
tal ao presidio de Fernando e vice-vesa.
Dito ao mesmo. Mande V. S. entregar Fran-
cisco Maria Duprat a quantia de 3600, que pela or-
dem do (hesoureiro nacional de 26 de julho ultimo
se mandou por a disposigo desta presidencia para
ser applicada asslgnatura de ejemplares do pe-
riodido Brasil Agrcola. .. ,
Dito ao mesmo.Annuindo ao que socitou o di-! Despachos do da 18 de agosto de 1851.
rector das obras militares em officio de hontem,; Mmequernetos.
sob n. 122, recoramendo V. S. que em vista dos Antonio Fernandes de Castro.Informe
inclusos documentos, e nao havendo inconveniente, insPcct?r da thesouraria da razenda.
mande pagar Antonio Ferreira Guedes a quan-'
tia de 620, a que tem direito por se haver incum-
bido de caiar e pintar os compartimentos contignos
capella da fortaleza de Itamarac e j se achar
prompto esse servico bem como o concert de que
precisava a beira e soleira do respectivo telhado,
segundo constado predito ofllcio.-Communicou- zen(Ia-
se ao predito director. i 'rman(,aile de Nossa Senhora do Rosario de Ti-
Dito ao mesmo.Remeti V. S. para os conve- 8'P' da fregueria de AfogadosPasse portara,
nientes exames as inclusas copias das actas do Dr. Joaquim de Aquino Fonseca.Eotregue-se
conselho administrativo do arsenal de guerra data-, ao supplicante.
das de 1, 8 e 10 do corrente. I. Jos Severino Lopes.Dirija-se ao Sr.
Dito ao raesrao.-Constando de sua informaco bar[;,dr provedor da Santa Casa de
de hontem, sob n. 441, que nao existe crdito co!;d.,a- .
para pagamento dos vencimentos relativos ao mez Miguel Archanjo Pimentel.Dirija-se a thesou-
raria provincial.
Leocadio Jos de Figuqiredo. -Informe o Ss. ins-
1860.
PortaraO presidente da provincia,attendendo
que o professor publico de instrueco primaria da
villa do Cabo Claudino dos Santos Lopes Castello
liranco, j completeu os 25 annos de magisterio, e
contina a servir na mesma cadeira, como consta
da informaco do director geral interino da ins-
trueco publica datado de 16 do corrente, sob n.
169, rosolve conceder Ihe, de conformidade com o
art. 24 ds lei provincial n. 598 de 13 de maio pr-
ximo lindo, e a contar dessa data a gratificaco de
melada dos seus vencimentos na qual deve ser
coraprehendida a da fiuaria parto-do ordenado que
ja percebe em vrlude da portara de 13 de abril
do corrente anno.
Dita.O presidente da paovncia, conformndo-
se com a proposta do Dr. chefe de polica n. 1019
de 18 do corrente, resol ve noraear Pedro da
Cunta Cavalcanti de Albuquerque para o lugar
vago de subdelegado do dslricto de S. Vicente.
Communicou-se ao Dr. chefe de polica.
Dita.O presidente da provincia, conformndo-
se com a proposta do Dr. chefe da polica n. 1020
de 18 do corrente, resol ve noraear Jos de Barros
Brrelo Coutinho para o lugar de primeiro sup-
plente do subdelegado do districto de Nazareth
primeiro da fregueza do mesmo nome por ter
mudado de domicilo o individuo que o oceupava.
Communicou-se ao Dr. chefe de polica.
Dita.O Sr. gerente da Companhia Pernambu-
cana de navegacao eosteira mande dar transporte
para a Paralaba, por conta do ministerio da guerra
no primeiro vapor que seguir para a linha do nor-
te ao alferes Joaquim Rodrigues Vianna, que foi
transferido para o corpo de guarnicd daquella
provincia.Commnicou-se ao commandante das
armas.
Dita.O Sr. gerente da Companhia Pernambu-
cana mande dar transporte em lugar de r desti-
nado passageiro de estado at a Parahyba no
vapor Jagunribe ao ofllclal da secretaria do gover-
no daquella proviica Leocadio Rodrigues Chaves.
Expediente da secretaria da forerna de dia 19
de agosto de 1861.
Ofllcio ao commandante superior da guarda na-
cional de Olinda e Iguarassu'. De ordem de S.
Exc. o Sr. presidente da provincia, devolvo V.
S, j apostillada, a patente do tenente-coronel da
guarda nacional sob seu commando superior Ma-
noel Antonio dos Passos e Silva
o Sr.
Bazilio Rodrigues de Senas.Passe portara con-
cedende a licenca na forma da lei.
Francisco Jos de Arauje.Satisfaga a dilTcren-
ga de sello de'que trata a informaco da contado-
ria de fazenda constante da copia inclusa.
Fielden Brothers.Dirija-sj a thesouraria de fa-
desem-
Miseri-
de junho ultimo, do juiz municipal e de orphaosdo
termo de Cimbres bacharel Joaquim Theotonio Soa-
res de Avellar, cujo requerimento devolvo, autori- peclor da 'hesouraria provincial.
so V. S. a mandar effectuar esse pagamento sob Di> 19.
Antonio Ferreira Lusfosa. Requeira
minha responsabilidade, nos termos do decreto n.
2884 do lde fevereiro de 1862, fazendo extensiva
esta tnmha ordem a todos os juizes de 1" instancia
que ainda nao tiverem recebido os seus vencimen-
tos, correspondentes aquelle mez.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.
Transmiti V. S. para o fim conveniente as in-
clusas relages, que me foram remedidas com of-
ficio do chete de polica de 17 do corrente, sob n. .
10H, cpntendo os nomesdos escravos, cujos senho- 'asse Portara na firnia requerida,
res residem na fregueza de S. Jos desta cidade e
na Capunga.
Diio ao desembargador provedor da Santa Casa
de Misericordia.-Communico V. S. para seu
conhecimenlo e em resposta ao seu ofllcio de 12
do correle, que segundo consta do ofllcio do Dr.
chefede polica datado de hontem e junto por co-
pia nao preso criminoso o alienado Jos Jerni-
mo de que trata o seu citado ofllcio.
Dito ao inspector do arsenal de marinha. -Era
derenraenlo ao requerimento de Jos Gomes de irmandade de Nossa Senhora do Livramento des-
Freitas, sobre que versa a sua iuforraago n. 731. r cidade.Nao sendo a alteragao pedida de con-
de 18 do corrente, autoriso V. S. a mandar relirar torandade com a escala estabelecida na lei nao
da thesouraria de fazenda pelo commandanlj da Pode Ier lu8ar o que requer o supphcante.
companhia de artfices desse arsenal a quantia de Jose ''"mes l.avalcante.Informe o Sr. comman-
2380740 rs., que perlence ao supplicante como pe- dan,le ?"perior da guarda nacional de Goianna.
culio relativamente o lempo em que fez parte da Mana Therez de Jess.Informe o Sr.
predla aompanhia.Communicou-se thesoura- ,or do arsenal de marinha.
ria de fazenda. I _______.
Dito ao engenheiro chefe interino da repartigao
das obras publicas. Concedo a autorirago que
Vmc. pedio em seu ofllcio de hontem, sob o. 222,
para lavrar o termo de recebimenlo definitivo dos
concerlos e piniura do theatro ie Santa Isabel,
ticando na inlelligencia de que nesta data recom-
iendo thesouraria provincial, que, visla do
compleme certificado.
- o suppli-
cante o embargoaquem/ competir: a esta presiden-
cia, sa cabe ordenar, i/ue se cumpra o mandado
que para aquelle fin Mr expedido.
Andr de Abreu Porto.Informe o Sr. inspector
da thesouraria de fazpnda.
Antonio Morera de Mendonoa. Informe o Sr.
inspector da thesoura/ria provincial.
Claudino dos San/os Lopes Castello Branco.
sse portara na forma requerida.
Carlos Stember.-Iufonne o Sr. director da ins-
truegao publica.
Francisco Baptista de Almeida.-Passe portara
prorogando a licenca por 6 mezes nos termos da
informagao.
Francisco de Souza Guerra.Informe o Sr. ins-
pector da thesouraria de fazeuda.
Francisco Jos dos Sarrios.Nao tem lugar em
vista da informago do Sr. commandane das
armas.
inspec-
PERNAMBGO.
RKl
VISTA DIARIA.
Por ler completado 25 annos de magisterio e
, pague ao empreiteiro da- continuar a servir, o nrofessor nrimarin da vil a .in
fuellas obras a quantia de 2:8150, proveniente da Cabo, Claudinf tfi'SKt^SSlo^e
segunda preslacao que elle tem direito. segundo' co, fo-lhe concedida a"raufiS ds art o K
SSSSi^que flca assiTrespoa-leiprjinc,al toWffioiifiof da
dido.ffieiou-se a thesouraria provincial. i Foram nqmeados :
Dito ao director geral da insiruccao publica., Subdelegadolde S. Vicente Pedro da Cunha fi
Em vista do que informa o inspector da thesoura-' valcanti de Aipuquraue e
n \^ hmto'ir'Srfi? \".do ^"^ sob p"Inelr0 suf pente do subdelegado do 1- distrc-
n. 3o6 junio por copia, nao pode ter lugar o que to de Nazaretli Jos de Barros Brrelo Coutinho
2 jy% SSSl offlcio 1ue -^bbado deu a sociedad! Cory!an,na .'fu
acompanhou o de Vmc. de 25 dejulho, aque res- partida mensa que foi concorrid por mais de
pondo, relativamente aos eommodos precisos para ceolo e trila i entraras e um grande numero de
que pessa funccionar a cadeira de mstruegao pri-1 cavalleiros, daisando-se al 4 horas da manhaa
inlerinamen-
- .. gratificaco de 6000 annuaes, na-
wlucao, que houver de tomar semelhante res-, ra cada um, Manoel Henrque de Miranda Accio-
pel?,\ .____- le a cadeira de instrucgSo primaria da povoa-
hJStJtSSSSfSJi* nied'Cao ** erras pu- cao de Nossa Senhora do O' de Ipojuca e Candida
bhcas do maolcipio de Cimbres.-Em additamen-- Brgida dos Santos para a de Granito,
to ao meu ofllcio de I6|de junho ultimo, comrauni- Foi prorogada por seis mezes i
ihn^S!llJwr alis da.Mparl53o f agri" i ^dida M>WiTJo" d' ootaYnsu capHaL Rraeisep
ra, commorcio e obras publicas de 3 do cor- ] Baptista de Almeida, para tratar de -- '-
prorogada por seis mezes a licenga con
ineiset
;ua sade,
. que
gao vaga de licenciado equivale, em Hespanha,
de doutor, e que deste ttulo pode servr-se aquel-
le, a quera se concede licenca para exercer sua
profissao, devemos declarar que nao eslamos em
Hespanha, onde se fazem castollos no ar, e que,
mesmo assim, nao exacto que o licenciado lenha
o direito de usar do titulo dedoufor, e a prova es-
ta na mesma carta de exame qne apresenta o sub-
dito hespanhol Epiphamo Astudillo e Bussams, na
qual se Ihe nao concede grao algum, como se faz
em lodos os diplomas acadmicos ou universitarios;
entretanto que os examinadores, que a assignaram,
nao deixarara de mencionar o grao que tinham,
embora omitlissem os cargos.
Repitamos anda : a denominagao vaga de licen-
ciado se daquelle que teve permisso ou licen-
ga para exercer sua profissao, e essa denomi-
nagao. passando de Hespanha a Portugal, foi ap-
plicada aos cirurgies de navios mercantes que ob-
liubam licenga para exercer a arte de curar, como
se pode ver recorrendo-se ao diccionario poriu-
guez de Moraes, 6- edigo.
Para que se nao confunda a denominacao de
licenciado com o grao de licenciado, que concede a
Lniversdade de Coimbra, nao basta mais do que
recorrer-se aos estatutos dessa Universidade, len-
do-se dos captulos 5o a 9* do til. 5 do curso me-
dico, onde se v que esse grao smenle conferi-
do quelles que se deslinam ao magisterio, sendo-
Ihes necessario que tenham, alera dos cinco annos
de curso e exames correspondentes, e o grao de
bacharet formado, mais om auno de frequencia,
que passem por exaraes mais rigorosos, denomina-
dos acfos grandes, su sien tem conclusoes magnas,
agam acto privado e recebam a collagao do grao,
o que se torna mu pesado, e tem por isto cahido
em desuso; entretanto que o Sr. Astudillo e Bus-
sams, com um nico exame, e sem as solemnida-
des acadmicas ou universitarias, foi anprovado e
teve a permisso de exercer a arte medica, nao se
Ihe conferindo todava grao algum. Isto, que di-
zemos, se acha escripto nos estatutos supracitados,
e a leitura da carta de exame,que esl escripia
em papel ordinario, e nao em pergaminho, como
coslumam ser os diplomas, nao deixa a menor du-
vida.
Nao obstante ser ludo isto sabido por quelles
que tem cursado Universidades ou Faculdades, es-
clarecimenlos j foram pedidos, pelo vapor inglez
Oneida, ao ministro do Brasil em Hespaoha, o Exra.
Sr. Antonio Jos Duariu d'Araujo oodim, a quem
se remeiteu copia authentica da carta de exame
que apresenta o Sr. Astudillo e Bussams, dizendo
ser emanada daFaculdade de Medicina de Madrid,
reconhecida pelo vice-consul de Hespanha oesla
provincia, o Sr. Camillo d'Andrade, que afflrmou
em commumeago ofHcial que o referido subdito
eradoutor em medicina por aquella Facnldade ,
indo ludo bem recoraraendado ao cnsul geral des-
te imperio naquelle reino, o Sr. Dr. Flix Peiioto
de Brito e Mello. Da Baha, Rio de Janeiro, Cear
e Maranhao tambem se pediram esclarecimenlos, c
todos estes devem chegar.
Por ora, nao se lem (eito mais do que esclare-
cer o publico : depois que tvermos os esclareci-
raenlqs pedidos, nos oceuparemos largamente desta
questao, para que, quando se tenha de tratar de
qnesloes similhantes, se nao procure embar os
juizes. A questao sera, e presta-se a considera-
goes reflectdas.
J dssemos urna vez: se oSr. Astudillo e Bus-
sams tem o grao de licenciada, ento nao pode dei-
xar de ter tido o de bacharel formado; mas onde
estao d/plo/naque Ihe confere esto grao? Elle nao
apresenta diploina algum : sua carta de exime,
em que se Ihe nao confere grao, qualquer que se-
ja, e despida de todas as formulas solemnes acad-
micas ou universitarias, nao tendo nem mesmo o
sello magno da Universidade ou Faculdade de Me-
dicina de Madrid. E ha diploma, emanado de Uni-
versidade ou Faculdade, sem sello f Recorrain to-
dos os formados aos seus diplomas, e voro se te-
mos razao. Em nome de quem foi dada essa car-
la de exame ? Isto nao faina nos diplomas acad-
micos ou universitarios, e vem logo escripto no al-
to desses ttulos, que sempre sao passados era per-
gaminho. No frontespicio Ja these, apresen!ada
pelo Sr. Astudillo e Bussams Faculdade de Me-
dicina do Rio de Janeiro, em novembro de 1863, is-
to e, doze annos e nove mezes depois de sua repro-
vagao, em 31 de margo de 1831, elle se diz simples
bacharel em Medicina pela Faculdade de Madrid,
o que prva que nao linha outro grao,nao leu-
do nem mesmo este, poisque delle nao apresenta
diploma; como diz agora que tem, nao a denomi-
nacao, mas o grao de licenciado, que superior ao
de buchurel formado f Para que se possa ser ma-
triculado cm qualquer Universidade ou Faculdade
e indispensavel que se tenha sido approvado em
humanidades, isto nos exames preparatorios;
mas onde existen] as provas de que o Sr. Astudillo
e Bussams fez exame de humanidades e foi appro-
vado ? r
Ninguem tem mais inleresse de mostrar que
nao e um impostor do que o Sr. Astudillo e Bus-
sams. Com as commnncagoes repetidas por meio
dos vapores nada mais fcil do que munir-se dos
documentos precisos : procure-os o Sr. Astudillo
e Bussams, e apresente-os para convencer-nos de
nosso erro.
Nao somos meros curiosos: desde muilo nos
oceupamos de materias que lem relacoes com a
inslrucgao publica.
Concluindo estas linha?, devemos nao omitir
de dizer que somos informado que os partidarios
00 Sr. Astudillo e Bussams, isto essos que s lera
feto prejudica-lo, dizem que o Sr. Camillo d'An-
drade, vice-consul de Hespanha nesta provincia,
re irando-se d'aqui, foi exigir do governo imperial
satisragoes, e que nao lardar que venham as re-
preliengoes, e mesmo os castigos I Isto s a carea-
da se pode levar I Pobre gente I Eslamos persua-
dido que mnguem desejou mais retirar-se desta
provincia do que o Sr. Camillo d'Andrade, para
nao ver o desfecho deste negocio, principalmente
depois que foi informado que esclarecimenlos iam
ser pedidos ao ministro do Brasil em Madrid.
. Antonio Pedro Vasques,
por ferimento, e Mareolino, escravo de Antonio
Luiz dos Santos, por ser encontrado armado.
A' ordem do de S. Jos, Joo Jos de Souza am-
bos por disturbios.
A' ordem do do Muribeca, Joo Pedro da Santa
Cruz, por ferimenlos graves.
O chefe da 2* secgo
_ J. G. de Mesquita.
Movimento da casa de detengao do dia 19 de
agosto de 1864 :
Existiam....... 355 presos.
A saber
Entrarara
Sahiram.
Existem.
8
3
357
Nacionaes..... 286
Estrangeiros... 16
Muflieres...... 9
Estrangeira___ 1 .
Escravos...... 40
Escravas...... 5
357
Alimentadas custa dos cofres provinciaes 145.
Movimento da casa de detengan do dia 20 de
agosto de 1864.
Existiam....... 357 presos.
Enlraram...... 11 >
Sahiram...... 16 >
A saber
Existem....... 352
r :
Nacionaes____ 284
Eslrangeiros... 16
Mulheres...... 4
Estrangeira ... 1
Escravos...... 42
Escravas...... 5 >
352
Alimentados custa dos cofres provinciaes 146
Movimento da enfermara ne dia 21 de agosto.
Tireram baixa :
Antonio Francisco Pernarabuco, bronchite,
Emygdio, escravo de Joaquim de Albuquerque
Mello, pleurodinia.
Passageiros do brigue portuguez Esperanga
vindo do Porto : Antonio Francisco dos Santos,
Joo Carlos, Antonio Caetano M. Marques, Antonio
Francisco Camacho, Jos Joaquim da Cunha, Joa-
quim da Costa Andrade, Jos da Costa Aodrade,
A. da Silva Borges, Custodio de Almeida,
Jo^Rodrigues, Jos Marques Pinto, Jos Gongal-
vejjj Jeronymo Corren, Antonio Francoso, Maxi-
miano da Silva, Domingos uarte Ferreira, Manoel
G. G. Porto, Antonio de Azevedo, Joao Fernandes
Marques, Manoel Fernandes, Antonio da Fonseca,
Antonio Fernandes de Amorim, Albino Jos Ma-
na de Souza, Joaquim Ferreira, Jos Alves Pinto,
Jos Francisco de Abreu.
~7 Passageiros do vapor nacional Jaguaribe,
saludo hontem para os portos do norte : Raymundo
(escravo), Dr. Manoel G. de Mallos c 1 escrava, Jos
Rufino da Silva Ramos, Leoradio Rodrigue Chaves,
Joaquim. Jos Henriques da Silva e 1 criado, alferes
Joaquim Rodrigues Vianna, Severino Guedes Aleo-
forado, Miguel Francisco do Monte, Antonio Mar-
ques da Silva, Vicente Gomes do Nascimento e 2
criados, Domingos Carlos de Saboya, Raymundo
Monleiro do R->go Barros, Herminio Francisco dos
Santos, Antonio .Vello, Joo Carlos Isleber, Braz
(menor), e Joaquim Antonio Pereira Vinagre.
Passageiro do patacho nacional Sergipano,
sahido para o Aracaty : Antonio R. da Silva.
Movimento da enfermara do dia 20 de agosto
de 1864 :
Teve baixa :
Joo Lourengo de Santa Anna, sarnas.
Obituario do cemiteuio publico no da 20 de
agosto de 1864.
Luiza, escrava, Pernarabuco. 15 annos, solteira, S.
Jos ; febre typhoide.
Gertrudes Maria da Concego, frica, 80 annos,
solteira, Boa-Vista; desioteria.
Isabel, escrava, Pernambuco, 5 annos, Recife : mi-
negile.
Joaquim Antonio Vieira, Portugal, 80 annos, soltei-
ro, Boa-Vista ; interite.
_2i _
Bernardo da Silva Franco, Portugal, 50 annos,
solleiro, S. Jos ; gastro enterite.
22
Joao da Silva Mello, Pernambuco, 19 annos, soltei-
ro, Boa-Vista; epilipsia.
V cenle, Pernambuco, 3 mezes, Santo Antonio;
convulses.
Dorothea, Pernambuco, 18 mezes, Sanio Antonio;
desinteria.
Manoel, Pernambuco, 10 dias, Boa-Vista; espas-
mo.
Pedro, Pernambuco, 1 mez, S. Jos, escravo; ana-
zarca.
Silvestre Ignacio do Bom sucesso, Rio de Janeiro,
46 annos, solleiro, Recife; plhysica pulmonar.
appellado, Paulo Dias da
appellado, Targino Gemi-
appellado, Joao da Gama,
appellada,
Relator o Sr. desembargador Ucha Cavalcanti.
Sorteados os senhores desembargadores Gitiraua,
e Almeida Albuquerque.
Negaram provimento.
Appellaces dimes.
Appellante, o juizo ; appellado, Apngio Arnaud
de Soulo-maior.
A' novo jury.
Appellanles, ojuizo e Francisco Rodrigues da
Silva; appellados, ojuizo e Francisco de Salles
Homero.
Improcedente a appellago do reo, e procedente
a do juizo.
Appellante, Manoel Antonio de Moraes; appella-
da, a justiga.
Improcedente.
Appellante, o juizo
Silva.
A' novo jury.
Appellante, b juizo ;
niano de Brito.
Improcedente.
Appellante, o juizo
A' novo jury.
Appellante, Jos Bernardo de Lima :
a justiga.
Reformada em parte a sentenga.
Appellante, ojuizo ; appellado, Pedro Amancio
de Lima.
A' novo jury.
Appellanles, o juizo e Manoel Gomes Ocleto; ap-
pellados, o juizo e Jos Francisco de Paula.
Improcedente a appellago do juizo de direito.
Appellacoes civeis.
Appellante, Gabriel Germano de Aguiar Montar-
rovos ; appellado, Estevao Jos Paes Brrelo.
Desprezaram-se os embargos.
Appellante, Manoel Elias de Moura ; appellado,
o bacharel Manoel Firmino de Mello.
Reformada a sentenga em parte.
Appellante, Joo Cleofas de L. Vasconcellos ;
appellado, Simplicio Jos do Andrade.
Confirmada a sentenga.
DKSIGNAQAO DE DIA.
Assignou-se dia para julgamento dos seguintes
fetos :
Ai appellacoes crimes.
Appellante, o juizo ; appellado, Luiz de Franca
Carvalho.
Appellante, o juizo ; appellado, Pedro Celestino
de Almeida Cavalcanti.
Appellante, ojuizo ; appellado, Bernardo Anto-
nio de Moura.
Appellante, o juizo; appellado, Joo Severo Mar
ques.
Appellante, Antonio Pereira Coimbra ; appel-
lada, a justiga.
Appellante, o juizo ; appellado, Jos Ferreira de
Sampaio Jnior.
Appellante; o juizo ; appellado, Vicente Ferreira
de Souza.
Appellante, Alexandre Marinho da Costa
pellado, Antonio Rodrigues Aleixo.
As appellacoes civets.
Appellanles e appellados conjunctamente, Anto-
nio Carlos Pereira de Burgos e Antonio de Siquei-
ra Cavalcanti.
recorridos, Ale-
ap-
ap-
Appellante, Armonio Torquato Felippe Mai; ao-
pellado, Manoel Rodrigues da Silva.
Appellante, Antonio Francisco Anastacio ; ap-
pellado, Jos Francisco da Cosa.
Do Sr. desembargador Ucha Cavalcanti ao Sr.
desembargador Domingues da Silva
A appellacao civel.
Appellante, 1*. Mara do' Carmo Nones Ferreira ;
appellado, AntoDio Jos Pinto.
Appellante, Ernesto Augusto Manguaba e Silva ;
appellada, a Maria Joaquina Accioli Wanderley
Appellante, Flix Soares da Cosa; appellado
Manoel Alves Brrelo.
Appellanle, o visconde de Suassuna; appellados
os herdeiros de Sebaslio Antonio Paes Brrelo.
A revista civel,
Recrreme, Jos Pilla Maciel ;
xandre Jos Dias e oulros.
Do Sr. desembargador Domingues da Silva ao Sr.
desembargador Santiago
A appellacao civet.
Appellanle, D. Barbara Francisca de Jess ; ap-
pellado, Manoel Francisco da Cruz.
Appellanle, Thomaz Machado de Aquino :
pellados, Epiphanio & Casaca.
A revista trime.
Recrreme, Manoel Marlins de Coulo Res ; re-
cornd.,o colleclor das rendas geraes de Piauhv.
A 1 } horas da tardo encerrou-se a sesso.
TRIBUNAL DO COMflERCIO.
EXTHi9.T9 A ACTA DA SESSAO ADMINISTRA-
TIVA DE 22 DE AGOSTO DE 1864.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. DESEMBARGADOR
i 1A wANSELM0 FRANCISCO PERBTTI.
. j i oras d0 dia' munidos os Srs. Depu-
jauos Lemos, Alcoforado, Rosa e Reg, o Exm.
r. yesera bargador Presidente declarou aberta a
Mwao. Lida, foi approvada, a acta da antecedente.
Passando-se ao
EXPEDIENTE.
ro prsenle um ofllcio da Presidencia, de 19 do
corrente, pedindo informagoes sobre o procedimen-
lo uo Depositario dos assucares da Provincia das
Alagoas.
Foram despachados
tos :
De Joao Frederico Jorge Kladt, pedindo por cer-
dao o theor do requerimento com que Gabriel
Amonio impetrara moratoria que aproveilasse aos
- COODr'8ados, e do despacho proferido respeito
pelo Tribunal.Como requer.
,_ De Luiz Antonio Vieira, gerente Viuva Manoel
Goncalves da Silva, recolhendo a Carta de Regis-
tro do Brigue Algrete, por ler passado elle ao do-
Rsca "Utrem' ~~ VSU desembargador
De Antonio Henriques Rodrigues, pedindo que
fosse competentemente registrada a Escriplura de
nypotheca que, por copia, aprsenla. Regs-
IC'M,
os seguintes. requerimen-
Dos Administradores da massa fallida Amorim,
t ragoso, Santos <& Companhia, pedindo por certi-
dao o registre do contracto dessa sociedade feito
em 23 de Margo de 1860, declarando-se na certido
de todos os socios commanditarios que
Appellante, Jos Gabriel Pereira de Lyra; ap- ^'.Snaram, e as quantias por que cada un se
pellado, Antero Vieira da Cunha. ""'god Passe do que constar.
Appellanle, D. Maria Felicia da Conceigo Leite ; Ue Josr Rodrigues Pereira, e Leandro Sanches,
appellado, Manoel Ferreira da Silva. i Para m Appellanle, Cosme Ferreira Lima ; appellado, "P^atam, n'aqual sao constituidos procuradores
Manoel Gomes da Cunha Lima. ,aa ''rn,a commercial de Aranaga, Hijo 4 Com-
Appellante, o juizo ; appellado, Jos Tenorio de i pan.ma'.~nfR'stre-se.
Albuquerque. I "e Joao da Cunha Neves, pedindo por certido
passagens I Ine.or d0 despacho do Tribunal exarado no re-
0 Sr. desembargador Caetano Santiago passou ?u.':!'ment0 de ^briel Antonio em 15 de Junho de
ao Sr. desembargador Gitirana ,80', Pe|o qual se declarou, que, ao induciado s-
As appellacoes crimes. mente e_ nao a outrem, aproveitando a moratoria,
Appellante, Antonio tfixi Cogominho ; appclla- jnao Poja comprehender os coobrigados ou Hado-
da, a justiga. res do devedor.Passe do que constar.
Appellante, o juizo ; appollados, Leandro e Al- ,a"i'.a,vendo mais a despachar, o Exm. Sr. Des-
appellado, Manoel Joaquim
REPARTigAO DA POLICA.
1861traCt ^ par,esdos dias 21 e 22 de aosto de
Foram recolhidos casa de detengao no dia 20
do corrente : *
* ardom d0 D **!**>da capital, Bento Jos
ou Pedro Jos, e Francisco de Tal, ambos para re-
A'ordem do subdelegado de Santo Antonio Ama-
ro e Emlgdio, escravos, este de Joaquim de Aibu-
querque Mello, e aquelle de Joo Vignes! o pri-
meiro por embriaguez e o ultimo por brisa
do S" Astt oaf>nira da &nceica
btos Gaudencio, ambos por distur-
A' ordem do da Capunga, Antonio c Guilherme
escravos, este de Manoel Gentil Alves, TCpSe
CHBOMCA jIUDICIARIi
TIU IIIWL DA KKLAV*0.
SESSAO EM 20 DE AGOSTO.
PRESIDKNCU DO EXM. SR. CONSELHEIRO
SOUZA.
As 10 horas da nianha
appellada, a
appellado,
.na, presentes os senhores
desembargadores Santiago, Gitirana, Lourengo San-
tiago, Almeida e Albuquerque, Motta, Assis, Ucha
Cavalcanti, e Domingues da Silva, abrio-se a ses-
so.
O Sr. desembargador Guerra, procurador da co-
roa, nao compareceu.
Passados os feitos e entregues os distribuidos,
deram-se os seguintes
JULGAMENTOS
Aggravos de petteo.
Aggravantc, Manoel Barbosa da Silva ; aggrava-
do, o juizo.
Relator o Sr. desembargador Uchda Cavalcanti.
Sorteados os Srs. desembargadores C Santiago,
Deram provimento.
Aggravante, Custodio Manoel Peixoto Soares;
aggravado, ojuizo.
Relator o Sr. desembargador Domingues da
Silva.
Sorteados os senhores desembargadores Ucha
Cavalcanti e Santiago.
Deram provimento.
Aggravante, Galdino Ferreira Gomes; aggrara-
do, o juizo.
Relator o Sr. desembargador Ucha Cavalcanti.
Sorteados os senhores desembargadores Assis,
e Motta.
Deu-se provimento.
Carta testemunhavel.
Aggravante, Trajano Guedes da Rocha Moreno;
nfgrav-aijo, o juizo.
berto, escravos.
Appellante, o juizo
da Silva e outros.
O Sr. desembargador Gitirana passou ao Sr.
desembargador Lourengo Santiago
As appellacoes crimes.
Appellantes, Manoel Fabricio do Nascimento e
outros ; appellado, o juizo.
Appellanle, o juizo ; appellado, Joo Ignacio de
Medeiros.
Appellante, Candido Alves de Barros; appella-
da, a justiga.
As appellacoes civeis.
Appellante, Malhias Lopes da Cosa Maia ; ap-
pellada, D. Maria de Jess Cordeiro.
Appellante, Adriano Xavier Pereira de Brito ;
appellada, a fazenda.
Do Sr. desembargador Lourengo Santiago ao Sr.
desembargador Almeida e Albuquerque
A appellacao crime.
Appellanle, o juizo ; appellado, Rufino Pereira
da Silva.
As appellacoes civeis.
Appellante, bacharel Felippe Carneiro de Olinda
Campello; appellado, Jos Duarte Rangel e ou-
lros
Appellante, Bernardo Jos de Barros ; appella-
do, Jos Antonio Marques.
DoSr. desembargador Almeidae Albuquerque ao
desembargador Assis
A appellago crime.
Appellante, Jos Francisco Lins ;
justiga.
As appellacoes civeis.
Appellantes, Rabe Schmetlau & C.
Jos Mara Gongalves Vieira Guimares.
Appellante, Jos Joaquim Antuncs; appellado,
Manoel Firmino Ferreira.
Appellanle, Joaquim Coelho Cintra ; appellados,
Figueiredo & Irmao.
Da de apparecer.
Appellado, F ancisco Mamede de Almeida ; ap-
pellantes, os curadores da massa de Manoel Alves
Guerra.
O Sr. desembargador Assis passou ao Sr. desem-
bargador Motta
As appellacoes crimes.
Appellante, Francisco Alves Bezerra ; appellada,
a justiga.
Appellante, o promotor ; appellado, o tenente-
coronel Joo Baptista Accieli.
Appellante, Feliciano Antonio da Silva ; appel-
lada, a justiga.
A appellacao civel.
Appellante, D. Anna Josepha Pereira dos San-
tos ; appellado, Domingos da Silva Campos.
O conflicio de jursdieco entre o juiz munici-
pal de Tacaratu e o de villa Bella.
Appellantes, os administradores da massa de
Manoel dos Santos Pinto ; appellado, Manoel Jos
de Carvalho.
Do Sr. desembargador Motta ao Sr. desembar-
gador Ucha Cavalcanti
As appellaces crimes.
Appellante, Jos Bento Ferreira da Silva; appel-
lada, a justiga.
Appellante, o promotor ; appellados, Joo Flix
e outro.
Appellante, Marcolino da Costa Nascimento ; ap-
pellada, a justiga.
As appellacoes civeis.
Appellante, Antonio Alves Vianna ; appellados,
Geo. Keuworth 4 C.
, embargador Presidente eceri ou sesso.
' SESSAO JUDICIAItIA EM 22 DE AGOSTO
DE 1864.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. DESEMBARGADOR
A. F. PEHETTI.
Secretario, Julio Guimares.
_ As 11 '/, da manhaa, o Sr. presidente abri a ses-
so, estando reunidos os Srs. Desembargadores Rete
e Silva, Silva Guimares e Accioli, e os Srs. Depu-
tados Reg, Lemos, Rosa e C. Alcoforado.
Lida, foi approvada a acta da sesso antece-
dente.
Assignaram-se os Accordaos proferidos as
sessoes de 16 e 18 do corrente nos feitos entre
partes :
Recrreme, Jos Tiburcio dos Santos ; recorri-
do, Antonio de Souza Ribeiro.
Appellante, Luiz Caetano da Silva Campos; ap-
pellado, Joao de Almeida Monleiro.
Appellante, Ignacio Barroso de Mello ; appella-
do, Antonio de Azevedo Villarouco.
Appellanles, Guimares & Oliveira ; appellados,
Silvino Guilherme de Barros7e outros.
Appellantes, o Dr. Jos Cardoso de Queiroz Fon-
seca o outros ; appellado, David William Bow-
man.
JULGAMENTOS.
Appellante, o embargante 3* Joaquim Jos Fer-
reira ; appellado, Joaquim Elviro Alves da Silva.
Foi reformada a sentenga appellada.
Appellante, Joo Flix de Mello ; appellado, Jos
Pedro Velloso da Silveira, embargante 3."
Foi reformada a sentenga appellada.
Appellantes, os curadores fiscaes da massa falli-
da de Amorim, Fragoso, Sanios 4 C.; appellados,
a viuva .Nevos 4 Cardoso.
Desprezaram-se os embargos.
DESIGNACAO DE DA.
! Appellante, o embargante terceiro Manoel da
Silva Lopes; appellado, Joao do Couto Alves da
j Silva.
Appellante, Jos Fortunato dos Santos Porto; ap-
pellado, Joo da Silva Faria.
Primeiro dia til.
PASSAGENS.
Appellante, Bento Jos da Cosa ; appellado, Joo
Frederico de Abreu Reg.
Do Sr.Desembargador Reis e Silva ao Sr. Desem-
bargador Silva Guimares.
Appellantes, Guimares & Oliveira ; appellados,
o presidente e Directores da Caixa Filial do Banco
do'Brasil nesla Cidade.
Do Sr. Desembargador Silva Guimares ao Sr.
Desembargador Accioli
Appellantes, os curadores da fallencia de Amo-
rim, Fragoso, Santos & C.; appellados, Cosa 4
Filhos, por seu procurador.
Do Sr. Desembargador Accioli ao Sr. Desembar-
gador Reis e Silva.
DISTBIBUIQK.S.
Appellante, Francisco Santiago Ramos ; appel-
lado, Joaquim Elviro Alves da Silva.
Appellante, Antonio Jos Alves Souto; appella-
dos, Silva Leo & C
Ao Sr. desembargador Reis e Silva
Appellantes, Guimares 4 Bastos ; appellados,
os curadores fiscaes da massa fallida de Amorim,
Fragoso, Santos & C
Ao Sr. desembargador Silva Guimares.
Appellante, Antonio da Cruz Ribeiro; appellado]
Luiz Antonio da Silva.
Ao Sr. desembargador Accioli.
Aggravo Interposto do juizo especial do

---------
MUTILADO



tMrl* 4t PerftMhk* -- Tere Iclra ISle Agosto e i4.
--------r=;------------------t
rommtrrio,
Aggravanle, Antonio osc Paulo de Carvalho i
aggravada, D. Merina Mara de Jess.
O Exm. Sr. presidente dea provimento.
Nada mais se pude tratar, e o Sr. presidente en-
cerrou a sussabs 2 horas da tarde.
C0MMUNIC1D0S.
Ao publico.
Tollos tem visto o modo desabrido e insolente
pelo igual o Sr. Furtado Goclho me ha aggredido, no
seu desespero por ver-;e as mos da polica, como
se fosse eu o causador de tal desastre acontecido a
um tfio alto personagem.
Quer a forca o Sr. Furtado Coelho, qne o publico
se entretenha" rom o meu nomo a proposito do in-
cendio do theatro de Santa Isabel; quer compa-
n/iVf... Nao lhe farei a vontade.
Despreso, como de qneni vem, as injurias, que
me aiira : o auanto a calumnia do attribitir-me o
incendio do th'ealro, toniar-lhc-hei contas opportu-
namonte, se vencer certas repugnaociss.de inno-
velar-me com oSr. Fnrtado Coelho. Por ora de-
vo respeitar acalma das conferencias do Sr. Furtado
Coelho com a polica.
RecolhcRdo me ao silencio, de ante-miio subscre-
to ao juio do publico ensato sobre o incendio do
theatro com relacao a minha pessoa.
Continu o Sr. Furtado Coelho a injuriar a seu
salvo al as propnas autoridades do paiz, que o
hospeda: um fiajastiea Me sjr feita.
Fico tranquillo na e-phera da min^a obscurida-
de, diveriinio-me com a gimnstica do Sr. Furta-
do Coelho, e por cautella dando daas voltas na cha-
ve do theatro de Santa Isabel
S. S. eserere ou manda escrever do si, que M
fatuo abano de Dos ; e que no Sinai do-theatro
de Apollo haixou alguem superior aos hoinens para
arregnrando mangas de tmvein, dar palmas ao
monstro de genio Furtado Coelho----Ora, perante
esse novo Moyss de to burlesca especie, declara-
se fraco e abatido, ao menos emquanto o relmpago
tutear a nttvem, e a trgmbeta tocar forte, o simples
mortal.
Antonio Jos Duarte Coimbra.
------------.------------------1~~ -- '----------
! D. Balbna Julia de Barros, (ilha da Mana. Sra. D.
Alcxaudrina de Figueiredo Barros,
u. Tbereza Mara da Lacio'Lumaky.
D. Francotiaa Eudocia Aceoly de Vasconcellos.
D. Porcia Constancia de Mello, fllha do Illm. Sr.
commendador Antonio Joaquira de Mello.
D. Clotilde Violanta de Almeida. Oliveira, mttlher
do Illm. Sr. Francisco Augusto de Almeida.
Escrives.
Os Illms. Srs. :
Dr. Jos Vicente da Costa Bastos.
Manoel Jos de Oliveira.
Manuel Pinto Dmaso.
Jos Joaquim Ide Lima Bairo.
Protectoras.
A Illma. e Exraa. Sra. viscondessa da Boa-
Vista.
As lllmas. Sras. :
D. Isabel Joaquina do Figueiredo, mulher dobriga-
deiro Joaqim Bernardo de Figueiredo.
D. Luiza Candida de Moraes Campello, mulher do
Illm. Sr. Dr Francisco Cordeiro da Bocha Cam-
pello.
D. Octavia Candida de Quintal, mulher do Illm. Sr.
Joao Al ves de Quintal.
1). Escolstica Francisca de Albuqnerque, mai do
Illm. Sr. Dr. Hermogenos Scrates litoral de Vas-
concellos.
. Anna Teertulia da Conceico Rios, mulher do
Illm. Sr. Joaquim Bernardin de Castro Rios.
D. Maria Francisca das Chagas, mulher do Illm. Sr.
1 volume sceos; Joao Baptisla Goncalves. dem S. Filhos, C. n. 2.Urna caixa, vi ma de
20 ditos objectos de louca, 5 ditos garrafas, 2 Soutlnmpton, no vapor inglez Paran, entrado em
ditos mesas de louza; a Joao Pereira Monunuo. M de raaio de 1862, consignado Seve Filhos
1 lata salpicoes; a J. P. (tabello Braga. & C.
1 cana presunto; Joao dos Santos Lolho. dem J. J. Costa, S. n.Um volume, vindo de
H de pipa viuho; J. E. Christiant. Bordeaux no vapor francez Bearn, entrado em 12
1 barril presuntos, 2 caixas viuho, 1 dita retroz,
2 ditas ferragens; a J. Ferreira de Araujo tfui-
marfies.
i caixa palitos 1 dita pentes, 2 ditas calcado; a
Joaquim Francisco da Silva Jnior.
1 lata salpicoes; a Joaquim Gomes Dourado.
1 dita ditos; a Joaquim de Souza Maia.
1 amarrado cestos; a J. A. Fernandes Fradique.
2 caixoes linhas; a J. A. Moreira Dias.
1 dito salpicoes; a Jos Caetano de Carvalho.
1 sacco rolhas, 3 volumes drogas, 1 dito cadinhos,
3 ditos tonga; a Jos G. da Silva Pinto.
2 caixas linhas, 21 barris vinho; a Jos J. de
Lima Bairao.
2 barris presuntos, 1 caixa vinho; a Jos Pere-
ra da Cunta & Filhos.
2 volumes cordavao; a Luiz Antonio da Silva.
4 ditos roupa e um santuario; a Luiz Jo Rodri-
gues de Souza.
1 barril vinho; a Luiz de M. Gomes Ferreira.
100 canastras alhos; a Luiz da Sorra Pinto.
32 cunhetes pomada; a Manoel J. Ramos e Silva
& Genros.
1 ba lis presuntos, 1 caixa retratos; a Manoel
Jos Martins.
1 volume amostras, 1 dito cordavao; a Manoel
Joao da Malta Beltrao.
D. Carlota Maciel de Oliveira Salgado, mulher do Paulino do Nascimento. .
Illm. Sr. Joaquim Goncalves Salgado. 8 barris vinho; a M. J. Goncalves da Fonte.
D. Benvenuta Quedes da Silva Ribeiro, mulher do 3 ditos alcatrao, 8,000 resleas ceblas; a Marques,
Illm. Sr. Manoel Joaquim da Silva Ribeiro. : Barros & C.
D. Adoba Josephina Ferreira de Mira, mulher do 7 caixas vinha; a Mendes 4 Coelho.
Illm. Sr Antonio Jos Conrado. 50 ditas dito, 1 dita macella; a Palraoira & Bel-
Protectores perpetuos. tro.
O Illm. eRvm. Sr. provincial Fr. Jorge de Santa o ditas linhas, 2 ditas coxins, 1 dito cartilhos, 1
Anna Locio.
i ma lagrima de saudade
sobre a lousa funeraria do meu devotado amigo
Sebastin de Mello Vicile, dedicada sita in-
ronsoiavel familia.
................ Nuvem risonha
Que um instante corrou no mar da vida;
Romper da aurora que nao leve oceaso,
Reaiidade no co, na trra um sonho.
(G. Das).
Nao ha muilo, quo urna fronte juvenil se ergua
explendidae altiva.idourada luz da glora de um
porvir brillante, quando o vendaval do passamen-
to feudo a fez iwider empalidecida, e em breve
poasar na campa.
Semelhantea urna lior de suavissimo perfume,
que alentada dos bafejos temos da brisa, expanda
sua corulla setioosa e candida, se desprende repen-
tinamente da mimosa bastea que lhe dera a suiva,
indo rojar no p ; ou como um astro scintillante e
bello que apenas comogava a percorrer a sua r-
bita, desmaia sorprendido pelo eclipse, assim tam-
Im'ih Sebastio de Mello Ar.ciole, apenas attingira
dezesete anuos de urna existencia lmpida u sere-
na, sentio iroear-selhe prestes o diadema perfuma-
do dos seus sonhos alvos de mancebo, pela capella
roirrada e fnebre de finado.
Urna enfermidado terrivel accommctiendo-o no
decurso ligeiro de tres dias, prctextou-lhe a morte,
por quanto no dizer bello de um rysne, cujo per-
passar por sobre a ierra foi lamben ligeiroquan-
do as harpas santas rompem suas cordas, que o
vento de Deus rocou terrivel por ellas. E quem
dira entretanto, meu amigo, que havias de fugir-
nos t.o depressa, consentindo em a morte vir eei-
ar-le I
Presentiste, sem duvida, que este mundo era nni
espaco por dumais eslreito para conteros leus vos,
o accedendo ao chamamento de teu pai, que anhe-
lavas abracar na eternidade, despis-te o manto
impuro da materia e ao som da msica dos anjos,
foste em amoroso adejo habitar o empvreo...
l'ois hem I E tua pobre mai que te enterneca
tanlo, que se alegrava quando um sorriso deslisa-
va-se em leus labios, conlistando-sc, pornl, se
algum pezar le anuviava a alma, permanecera
boje inconsolavel, nao podeudo talvez sobreviver-
te, se a dr inioiensa que a punge, incxoravel, no
houvesse encontrado na religiao sublime do Martyi
do Golgotlia urna fonie perennal de lenitivos para
os mais extremos soffi enlos, ou se atravez do
claran da f que a Ilumina, nao devisasse Deus.
Os teus citaros irmaes, os.leus amigos, em cujos
coracGes sompre acordavas uina pulsacao mais i
velwmente, nao cessam de pranlear-te.
Nao se perturbe, p.trm o teu dormir placido de
crianca 1
E quando os anjos olTerecerem a Deus as enter-
oecedoras freces do tua santa mai, fecundadas pelo
orvalho beuetico de suas lagrimas, quando eroa-
reni ues cees suspiros maviosos dos leus trmaos
queridos, tm harmona ineffavel com as saudades
de todos os -teus amigos, que juntamente oram por
ti, intercede tambem por todos csses que te ama-
ran tanto-er. vida, e naodeixarao jamis de amar
tua knferanca.
B
O litan. Rvd. Sr. irnio confrade Joao Leonardo
Grego.
O Illm. Rvd. eapellao Antonio de Albuqnerque I
Mello.
Os Illms. Srs.:
Coronel Joao Goilherme Bruce.
Tenente-coronel Mariana de Sa Albuquerque.
Tenente Francisco de Paula S Peixoto.
Procuradores.
Ato bairro do fecife.
Os Illms. Srs.:
Capilao Caetano Cyraco da Costa Moreira.
Francisco de Salles de Andrade Luna.
Antonio Theodoro dos Santos Lima.
Em Santo Antonio.
Basilio Baptista Furtado.
Francisco Jos da Costa.
Leonel Raphael de Moraes e Silva.
Bairro de S. Jos.
Joaquim Jos Moreira.
Hermenegildo Jos de Alcntara.
Francisco Marcelino doAmaral.
Bairre da Boa-Vista.
Tenente Benjamim Vires utra.
Jos Joaquim da Silva Guimares.
Antonio Machado Pereira Vianna.
Encarregados da festa.
Os Illms. Srs. :
Dr. Ignacio Firmo Xavier.
Marcolino dos Santos Pinhelro.
Firmino Jos de Oliveira.
Mordomos.
Todos os devotos da mesma Scnhora.
Pastilhas vermfuga* de fcemp.
As pastilhas vermfugas de Kemp sito por sem
duvida alguma infinitamente mais efflcazes e utels
do que todos os mais remedios perigosos e nausea-
bundos que existe m para a expnlsao das lombrigas.
Files nao jmente expellem e destroem esses in-
commodos parasytas, mas tambem removem a mu-
cosidade em que elles se engendram, impedindo
por esta forma a sua reproduccao. Anda nao se
encontra um s caso em que ellas tenharn deixado .
de produzir o desejado effeilo de nma maneira sa-1 a Antonio Das Pinto. _
lisfactoria. Em virtude de se acharem isentas de |-barricas
ingredientes irritantes, nao causam drou incom- ,e'J..s
modo de qilalidade alguma, c por meio de sua ac-
cao balsmica suavisa o ventree odeixa no estado
de urna salubridade perfeita. As criancas as con-
fundem fcilmente com outros confeitos ordinarios
em razo da sua apparenca e sabor, e gostain
dellas tanto quanto dos proprios doces.
Vonitc-se as boticas de Bravo & C. c de Caors
\ Barbosa.
sacco feijo; a Prente Vianne" & C.
2 caixoes porcelana; a Manoel Joaquim Gon-
calves.
1 lata chouricos; a Paulo Jos Gomes. -
2 meias pipas vinho; a R. E. Rabello.
83 barris e 113 caixas vinho, 6 barricas pregos,
2 volumes retroz e rendas; Thomaz de Aquino
Fonseca Jnior.
97 volumes ferragens, linhas e retroz; a Thomaz
Fernandes da Cunha.
0 barris vinho; a Tasso & Irmaos.
6 ditos dito; a ordem.
1 volume salpicoes, i dito livros, 3 ditos batatas,
30 canastras macas; Tito Livio Soares.
Patacho hollandez Cnsul Voelkel, entrado do
Rio Grande do Sul, consignado Maia & Espiri-
to Santo, manifestou :
14,508 arrobas de carne secca de charque, e
68 couros seceos ; ordem.
Pataeho nacional Adelina, entra do do Rio Gran-
de do Sul, consignado Maia & Espirito Santo,
manifestou :
i caixoes chales de la, 11,790 arrobas de char-
que, 256 ditas de graxa em bexigas, 50 barricas
com 325 arrobas de sebo coado, 55 couros sec-
eos ; ordem.
Brigue portuguez Esperanza, entrado do Porto,
consignado Marques Barros & C, manifestou :
13 barris alcatrao, 50 caixas batatas e 8,000
resfeas de ceblas ; aos consignatario*.
i pipas vinho ; J. E. Christiani.
I caixa santuario, 6 barris vinho, 1 caixao do-
ce em latas ; a Gama & Silva.
22 cunhetes fechaduras, 4 ditos enxs e sachos,
1 dito feixos,. 18 caixoes machados, 4 ditos fou-
ces, 3 ditos frcios e brides, o ditos pentes e pa-
litos, 23 barris pregos, 2 ditos enxadas, 6 cai-
xoes hnha; a Thomaz Fernandes da Cunha.
1 barril vinho ; Luiz de Moraes Gomes Fer-
reira.
5 ditos dito, 1 caixote azuleijos ; i Tasso Ir-
maos.
1 pacote com 12 pelles de cordavoes ; Ma-
noel Paulino do Nascimento.
1 barrica presuntos, 1 caixa saia de bretanha
asu-
CQMMEBGIO.
CORRESPONDENCIAS.
&. redactares.Aproximnndo-se o da 7 de se-
tembro, dia em que os cidados tem de concorrer
cffBi os seus velos para a deicto de juizcs de paz e
vareadores, o para que os seu* rolos recaiam em
pessoas que bem possam exeroer tao importantes
cargos, tomo a Hberdadu de apresentar para a Ire-
guem de S. Jos os nomes dos qnatro dstinctos c-
dadius abaio declarados, visto que nuiles concor-
rem ijualidades que os fazem reoommendaveis aos
nossos correligiomarios. Ei-Ios :
Jeito das Virgans Molla.
Custoiio Manoel Theodoro.
Braz Antonio da Cunha Albuquerque.
Frar.i*co Joaquim de Souza Viega6.
Um ijjrMno.%
CAIXA FILIAL
DO
ES l\ O DO BRASIL
EM I'EH.NAMBCO.
A directora desta caixa, em virtude de ordem
da directora do Banco do Brasil, avisa aos Srs.
accionistas que o respectivo thesoureiro est autoi
risado a pagar o dividendo das acedes da meema
caixa do semestre lindo em 30 de junho prximo
passado, na razio de 8{ia0 por aocte.
Becife 14 de julho de 1864No impedimento do
secretario, Ignacio Nones Correia.
.%11'andega
Rcndimento do dia 1 a 20.......
dem do dia 22................
525:1785734
43.6455333
568;82450C7
Hovlmeoto da all'andega
Volumes entrados com fazendas...
com gneros..
Volumes sahidos
com
com
fazendas...
gneros...
345
166
726
345
02
e I caixao peanhas de louca 6
miarle Pereira & C.
46 caixas asuleljos, 1 caixao pentes de chifre,
9 pacotes fio de cordas, 10 caixoes fechaduras,
20 ditos nmada, 70 barris pregos, i lata acafrao,
1 caixa linha, 50 canastras alhos, e 15 barris
azeite de oliveira 5 Carvalho & Nogueira.
2 caixoes escovas, 2 ditos linha ; Domingos
Rodrigues de Andrade.
5 caixoes linha, i ditos coxins, i dito Ihas, e 1 sacco feijao ; Prente Vianna & C
2 caixoes linha ; Jos Antonio Moreira I as.
10 ditos obras de prata cm caixa para faqui-
ro, e imagen), 4 caixoes linha ; Cunha & Ir-
maos.
1 caixao chioellas de orello, l dito impressos,
1 dito e 24 barris vinho, 1 fardo borel : Anto-
nio Luiz de Oliveira Azevedo.
1 caixao retroz, 1 dito objectos de linho e em
obras de dito, 1 capoeira galinhas ; Antonio de
A. Gomes.
70 caixoes vinho ; Mendes & Coelho.
1 dito choricas ; Joao Baptista Goncalves.
2 caixdes porcelana ; Manoel Joaquim Gon-
calves.
30 caixas batatas, 1 pacote salpicoes, 30 ca-
nastras macaas, 1 caixa livros, 1 sacco rolhas;
Tito Livio Soares.
2 caixoes vinho, 1 barril presuntos, 1 caixao
retroz, 1 dito brides, II dito feehadurss 5 Joa-
quim Ferreira Araujo Guimares.
8 meias pipas, 30 barris e 62 caixoes vinho : ji
Bailar & C.
1 lata salpicoes ; Joaquim Gomes Dourado.
1 caixa retroz, 1 dita pentes de chifre ; a Fer-
reira & Araujo.
12 barris ferragens, 1 caixao pentes de chifres
e freos ; a Antonio Luiz Machado.
; Recebedorla de rendas Internas
geraes de Pernambueo.
Rendimento do dia 1 a 20........ 26:2545571
dem do da 21................. 2:140860
rmiCltuES A PEDIDO.
Aprtsaamos para um dos notsosmzes de paz o
Sr. amiuiadador Antonio Joaquim Algum; membros do partido progresista da fre-
gueza de Jos tem a honra de apresentar aos
sen- efeskmqaioi, para juizes de pac os se-
nhores :
Joao Pacheco AI ves.
Jovencio Aunetiano da Cunha Cesar.
Jos Francisco 4e Souza Lima.
Antonio Goncalves Pereira Lima.
Eleico l jaixes 1 mais devoto^, que
lio de IV.aejar a Nessa Seihora do
I.;>fino futuro auao de 18(w.
Juzo.
O Illm. o Exm. baro de Cu' ensenh Matapu-unta.
O Illm. Sr. Joio Manoel de Barros Accioly, pta-
pnietario do engeoho Xangu.
Juize* protectores.
6s#llms. Srs.:
Mantel Joaquim do Reg e Albuijuerque, proprie-
tario do engeoho Peres.
Luiz Pancisco de Barros B^;o, pronrietario doeo-
genhc Caiar.
Juizas.
As IIlitas. Sras.:
I). Rita Maria da Natlvidade, mulher do llim. Sr.
capilao Flix Francisco de Souza Magalaaes.
i). Joaquina Olimpia Domingues da.Silva, lllba do
Illm. Sr. Florencio Domingues da Silva.
, ... Juizas protectoras.
As lllmas. Sras, i
D. Felismina Alexandrna Gomes de Araujo, ma-
Iher do Illm. Sr. Francisco Augusto de Araujo.
D. Isabel Emilia de Andrade Brederodes, mulher
do Illm. Sr. Henrique Soares de Andrade Brede-
rodes.
Escriviai.
As lllmas. Sras. :
D. Candida Amelia Lins Soriano, filha do Illm. Sr.
Joao Carneiro Lins Soriano.
Descarregam no dia 23 de agosto.
Barca inglezaSilrer Craigfarinha de trigo.
Brigue portuguez Helia Figueirense diversos g-
neros.
Brigue portuguez Esperanraiicm.
Patacho inglezMary biockcarvao de pedra.
Polaca hespanholaVtrgm del Carmocarne de
charque.
ImporAaeo.
Brigue portugue Espcraiua, entrado do Porto,
manifestou o seguinte : *
1 caixao retroz, toalhas c colxas; a Antonio de
AJmeida Gomes.
1 barrica presuntos 1 -caixa saia de bretanha;
a Antonio Dias Pinto.
i caixao urna imagem, fcotoes e Otas; a Antonio
Ferreira Braga.
1 caixao retroz, 1 dito pentes, 40 ditos pomada,
1 fardo capachos; a Antonio Jos Coimbra Gui-
inaries.
15 barris e 1 caixa ferragens; a Antonio Luiz
Machado.
1 caixao calcado, 1 dito ipressos, 1 dito e 21
barrk vinho; a Antonio Lute de Oliveira Aze-
vedo.
2 barris vinhe; a Antonio Martins de Carvallio
Azevedo.
3 ditos centeio, 1 dito trigo, t ditos presuntos, 1
dito ginjas, 10 ditos vinho, i aixao palhocas;
Antonio da Silva Campos.
7 barricas e 5 caixoes ferragens; Antonio Va-
leniiui da-Silva Barroca.
15 cunhetes ditas, 400 aaeo*tas azeitonas;
Angelioo Jos dos Santos Andrade.
2 caixas palitos, 2 ditas coxins, Wditas batatas,
62 ditas, 3 barris e 10 pipas vinbo, 50 conhetes
pomada; Bailar & Oliveira.
10 caixas eM barricas ferragens,* Jala acafro,
f dita linha, 8 canastras alhos, 20 caicoes poma-
i, 1 dito nenies, 9 pacotes fio, 1.5 barws azeite;
Carvalho j NogBelra.
30 barris e 3 anheles ferragens, 4 papales linha
le Jurquinba; Cbristovao Guilherme ibrecken-
felds.
fc.caixoei linhas, l ds'o urna imagens, i dito obras
de prata; a Cunha trmaos & C.
2 cttos couros e freius; a Domingos JasiFarfei-
r Cu maraes.
2 dos escovas, 2 dito linhas; Domingos Ro-
drigues de Andrade.
12 harria e 1 caixao louca; a Duarte Pereira
JcC.
1 barril viabo; a Eusebio Bapbael Rabello.
1 sacco patacas; Feliciano Jos Gome..
i caixas psalM e retroz; a Ferreira & Araujo.
i fardo lona; a Ferreira & Loureiro.
& barris presante; a Francisco Guodes de
Araujo.
1 dito vinagre; & Franei-co Jos de Mello.
6 ditos vinho, 1 caixao doce, 1 dito um santua-
rio ; Gama & Silva.
28:3955431
Consulado provincial.
Rendimento do dia 1 a 20...'...... 37:2795954
dem do dia 21........*........ 3:6875307
40:9675261
MOTIMENTO DO PORTO.
Conlinuaro dos navios entrados no dia 21.
Porto35 dias, brigue portuguez Espranos, de
184 toneladas, capiiio Lourenco Fernandes do
Carmo, equpagem 17, carga vinho e outros g-
neros ; a Marques Barros & C.
New-Yorck38 dias, patacho inglez Eaglet, de 198
toneladas, capit-ao Ferry, equpagem 10, carga
2,000 barricas com larinha de trigo; a Sawnders
Brothers A C. Seguio para a Baha.
Valparaizo60 das, barca hamburgueza Heligh, de
350 toneladas, capilao 11. Heiderech, equpagem
17, carga borra de cobre; ao capilao. Veio re-
frescar e seguio para Falmonth.
- 22--
New-Casile, Falmonth, Madeira e S. Vicente35
dias, do primeiro porto e 12 do segundo, vapor
inglez ron King, de 47 toneladas, commandante
E. R. Wichbold, equipagem 13, em lastro 5 a E.
Fenton.
Naci sahido no mesmo dia
Aracatyhiate brasileiro Sergipano, capitao Henri-
que Jos V. da Silva, carga differentes gneros.
Rio de Janeirobarca ingleza Imperador, capitSo
I Power, carga parte da que trouxe de Phita-
delphia.
Havre pela Parahyba-Barra franceza Coliegny;
capilao Nicols, carga algodo e couios.
Portos do norteVapor naeional Jaguaribe, com-
mandante Manoel Joaquim Lobalo.
Observaco.
Fondeou no lamario um barca ingleza, mas nao
teve communicacao com a trra.
EDITIS.
Pela inspectora da alfandeg se faz constar
aos Srs. consignatarios ou denos das mercadorias
mudas nos volumes abano designadas mu ve-
nbam despacha-las dentro do prazo de 30 dias con-
ttados da data deste, sob pena de serem as manas
arpemaiadas em has publica, por conta e a cS
e qtjem pertencerem, como dispde o 8 4 do art
209 do fegulamento das alfandegas.
Marca S. C. F. M. n. 557.-Um embrulho vindo
de Southaajpton,.no vapor Inglez Oneidaem'
dejunbode 1862, consignado i Jos Joaquim da
Costa.
dem Raymond, S. n.Urna caixa, vi oda de Soa-
ihampion no vapor inglez Magdalena, entrado em
31 de marco de 1862, consignado a viuva Hay-
mundo.
dem diamante W. S. H. C. n. I.Um volume,
vindo de Liverpool na barca ingleza Queen of the
Siiulhampton, entrada em 10 de maio de 1863, con-
signado a Scott Wilsoo & C
dem diamante B. M. C. Wild Just n. 516.Um.
volume, vindo de Liverpool no patacho inglez Flo-
rista, entrado em 12 de junho de 1862, coasignado
a Wild Just.
dem D. G. & C, S. n.Urna caixa, viuda do Ha-
vre na barca franceza Adele, entrada em 17 de
junho de 1862, consignado Daniel Guimares
&C.
dem S. F. & C. n. 1516.Um embrulho, vindo
do Havre na galera franceza Adele, entrada em 17
de junho de 162, consignado Seve Filhos ii C.
dem H. F. R. n. 4319/4320.Um embrulho, vin-
do do Havre na galera franceza Adele, entrada em
17 de junho de 1862, consignado a Wild Just
4C.
dem S. L. T. n. 172/177.-Um embrulho, vindo
de Hamburgo no brigue dinamarquez Harta, entra-
do em 16 de maio de 1862, consignado Schaffei-
tlin Jk C
dem triangulo S. n. 33/36.Um embrulho, vn -
do de Hamburgo no brigue dinamarquez Maria,
entrado em 16 de maio de 1862, consignado Schaf-
fetlin A C.
dem N. M. R. n. 10.Um embrulho, vindo do
Havre no brigue francez Occidente, entrado em 27
de marco de 1862, consignado Rabe Scham-
teau.
dem B. & P. n. 561/564.Um embrulho, vindo
de Hamburgo no patacho hamburguez Cofrimfttts,
entrado em 10 de fevereiro de 1862, consignado
Geb Kalkman & C.
dem D. P. Wil, S. n.3 embrulhos, vindos do
Havre no brigue francez Palestro, entrado em 10
de Janeiro de 1862, consignado Daniel Power
Wilder & C.
dem A. A S. n. 4476.Um embrulho, vindo de
Hamburgo no brigue hamburguez Etnma, entrado
em 5 de dzombro de 1861, consignado ordem.
dem J. E. C. n. 2.Urna caixa, vinda de Ham-
burgo no brigue hamburguez Capibaribe, entrado
em 14 de novembro de 1861, consignado or-
dem.
dem triangulo B. S. n.Urna caixa, vinda de
Liverpool na barca ingleza Enthvsiastica, entrada
em 26 de agosto de 1861, consignada David
Bowman & ('..
dem P. J. F. C. S. P C. n. 31Urna caixa,
vinda de Bordeaux, no vapor francez Navarre, en-
trado em li de julho de 1862, consignada Seve
Filhos C.
dem A. Resuelle n. 561.Um embrulho, vindo
de Soutbamplon no vapor inglez Onetda, entrado
em 27 de outubrode 1862, consignado madama
A. Bestache.
, dem G. G. C. J. I* J. n. 33/37.Duas caixas,
viudas do Havre na galera franceza Berlha, entra-
da em 27 de agosto de 1862, consignadas Guilher-
me Carvalho & G.
dem J. B. C. n. 273.Um embrolho, vindo de
Bordeaux no vapor francez Extremadure, entrado
em 13 de dezembro de 1862, consignado J. Kel-
ler & C.
dem H. Forster n. 544.Um embrulho, vindo de
Soulhampton no vapor inglez Pcirnn, entrado em
28 de fevereiro de 1863, consignado Henry Fors-
ter &C
dem L. Wild & C. n. 40.-Um embrulho, vindo
de Soulhampton no vapor inglez Paran, entrado
em 28 de fevereiro de 1863, consignado Linden
Wild & C,
dem G. E. & C. n. 532.Um embrolho, vindo
de Soulhampton no vapor inglez Magdalena, entra-
do em 29 de dezembro de 1862, consignado Gus-
ion Edc A C.
dem S. B. & C, S. n.Um embrulho, viudo de
Bordeaux no vapor francez uienne. entrado cm
12 de maio de 1863, consignado Saunders Bro-
lers & C.
dem G. G. & C. e J. L. J. n. 39/40-Duas cai-
xas, viadas do Havre na galera francesa tertlia,
entrada em 27 do agosto de 1862, consignada a
Guilherme Carvalho & C.
dem G. G, & C. e J. L. J. n. 38. Urna caixa,
vinda do Havre na galera franceza Bertha, entra-
da em 27 de agosto de 1862, consignado a Gui-
lherme Carvalho A: C
dem M. G. S., S. n.lim embrulho, vindo do
Porto no brigue |rtuguez Amelia I, entrado em 7
de julho de 1862, consignado a Manoel Goncalves
da Silva Santos.
S. Marca, S. n.-Louro, vindo do Porto na bar-
ca portugueza Restauracao, em 13 de fevereiro de
186), consignada Domingos da Silva Rangel.
Marca B. R. B., S. n Um sacco, vindo de Lis-
boa uo brigue portuguez Constante, entrado em
24 de abril de 1863, consignado Leopoldo Jos
da Costa.
dem H. & T., S. n.Una barril vazio, vindo de
Liverpool na escuna ingleza Sea Nimpha, entrada
em 5 de ontubro de 1863, consignada a Admson
Howie & C.
dem I., S. n.L'm caixao, vindo do Porto na
barca portugueza Sympathia, entrada em 9 de de-
zumbro de 1863, consignada Jos Francisco de
Oliveira.
S. Marca S. n.Urna canastra, vinda do Porto
na barca portugueza Sympathia, entrada em 9 de
dezembro de 1863, consignada Jos Francisco
de Oliveira.
Marca G., S. n.Urna canastra, vinda do Porto
na barca portugueza Sympathia. entrada em 9 de
dezembro de 1863, consignada a Guilherme Luiz
de Souza Lobo.
S. Marca S. n.Um sacco, vindo do Porto na
barca portugueza Sympathia, entrada em 9 de de-
zembro de 1863, consignada Guilherme Luiz de
Souza Lobo.
Marca L. A K. 974/1023.Cincoenta caixas, vin-
das de New-York, na escuna ingleza Merfy, en-
trada em 9 de dezembro de 1863, consignada a
Henry Forster & C.
Letreiro Ermelindo de Souza Leao.Urna caixa,
vinda dos portos do sul no vapor nacional Paran,
entrado em 31 de julho de 1861, consignada Er-
melindo de I.cao.
Marca F. J. C, S. n.Urna lata, vinda dos por-
tos do sul no vapor nacional Paran, entrado em
16 de outubro de 1862, consignada Francisco Jo-
s da Costa.
dem J. R. Seuza, S. n Urna lata, vinda dos
portos do sul no vapor Cruzeiro do Sul, entrado em
30 de outubro de 1862, consignada Jeronymo Ri-
beiro de Souza.
dem Kalkman, S. n.-Um embrulho, vindo dos
portos do sul no vapor Paran em 28 de fevereiro
de 1862, consignado Kalkman Irmo. (Como
encommenda.)
dem Kalkman, S. n.-Um embrulno, vindo dos
portes do norte no vapor nacional Cruzeiro do Sul,
entrado em 16 de maio de 1863, consignado Kalk-
man. (Como encommenda)
dem Kalkman, S. n.-Um embrulho, vindo dos
portos do norte no vapor nacional Oyapock, entra-
do em 21 de julho de 1863, consignado a Kalkman
& Irmo.
dem J. B. W., S. n.Um embrulho, vindo dos
portos do norte no vapor nacional Apa, entrado em
14 de outubro de 1863, consignado Joao Pedro
Belford Vieira.
dem P. 61 B., S. n.Um volume vindo dos por-
tos do norte no vapor nacional Apa, entrado em
18 de dezembro de 1863, consignado Palmeira &
BeMro.
Quatro volumes sem indicaeao nem marca, no
armazem n. 10.
Com marca S. n.Um barril vazto da barca por-
tugueza Gratidao, S. & C. do 1 de maio de 1863,
consignado Thomaz de Aquino Fonseca Jnior.
Quarta seccao da alfandeg de Pernambueo 22
de agosto de 1864.O 2 escripturario.
Caetano Gomes de Sd.
O Dr. Trislao de Alencar Araripe, offlcial da im-
perial ordem da Rosa, e jais de direito especial
do eommercio, nesta cidade do Becife de Per-
nambueo, jwr sua inagcstade imperial e consti-
^conal o Sr, >- Pedro II, a quem Dos guar-
Faco saber aes qtt presente ediul virem e
d'elle noticia tiverem que do dia 12 de selerobro do
crrante anno.se ha 'de arrematar por venda a
auam mais derem praca publica deste mizo o se-
Tr_. .,ow rasa errea na estrada de Aptpucos
quartos fra ; bom como urna olaria no fundo da
casa de pedra o cal, cercado do lado do rio, e a
frente com baixa para capm, em trras fcreiras
aos herdeiros de Apipncos avahada por 6.:05000.
A qual fora penhorada por execugo de Jos Ocla-
viano Talles Saldanha contra o major Joo Fran-
cisco'de Reg Maia; e-naohavendo laneador que
cubra o preco da avaliacao a arremataco ser fei-
(a pelo preco da adjudiccao na forma da le. 1
E para que chegue ao conhecimento de todos,
mandei passar o presente que ser publicado pela
imprensa eafflxado no lugares do coslume.
Recife, 20 de agosto de 1864.
Eu Manoel Maria Rodrigues do Nascimento, es-
crivao, o subscrevi.
Tmiuo de Alencar Araripe.
Q De Trislao de Alencar Araripe, official da im-
perial ordem da Rosa, e julz de direito especial
do commercio desta cidade do Recife capital da
provincia de Pernambueo e seu termo por sua
magestade imperial o constitucional o Sr. D. Pe-
dro II, a quem Dos guarde, etc.
^ Faco saber aos que o presente edilal virem e
d'elle noticia tiverem que por parte de D. Josepha
Justina de Jess Goucalves, liquidataria da firma
Oliveira & Goncalves* me foi dirigada a peticao do
theor seguinte :
Illm. Sr. Dr. julz do commercio.Diz D. Josepha |
Justina de Jess Goncalves, liquidataria da firma
Oliveira A Goncalves, que, sendo a viuva e herdei-
ros do finado Joaquim Francisco Bezerra devedores
mesma firma da quantia de 6:6365070 res, cons-
Unta das duas letras, do acceite d'aquelle tinado,
vencidas, urna a 6 e outra a 8 de agosto 1859, na
importancia a prmeira de 5:3345920 rcis, e a se-
gunda na de 1:1015150 res.qucr interromper a pres-
cripeo das mesmas para o que faz o necessario
protesto, na forma do paragrapho 3." do artigo 453
do cdigo do commercial; e por que nao seja sabi-
do lugar onde presentemente morarn os suppli-
cados, requer a supplicanto para que se passe car-
tas de editos na forma do mencionado artigo 453,
paragrapho 3."
Pede V. S. deferimento e receber merc.Dr.
Agniar.
Nada mais se va em dita peticao aqui mu bem
fielmente copiada e iranscripta, na qual dei o des-
pacho que do theor, forma, modo e maneira se-
guinte :
Tenha lugar a justificacao amanhaa s II horas
do da.
Becife, 4 de agosto de 1864.Tristo de Alencar
Araripe.
E nada a mais se via c mostravamem dito despa-
cho aqui mui bem e fielmente copiado e transcrip-
to, por forca do qual fora a mesma pelico destr-
buda ao escrivo deste juizo Manoel Maria Rodri-
gues do Nascimento, que fez lavrar-se o termo de
protesto que do theor, forma c maneira se-
guinte :
Aos 5 de agosto de 1864, nesta cidade do Recife,
em meu cartorlo compareceu a supplicanle por seu
bastante procurador Antonio Pinto de Barros, epor
este foi dito perante mim e as testemunhas infra
assignadas qne reduzia a protesto o contedo de
sua pelico retro, a qual offereceu como parte do
presente, no qual depois de lido se assignou com
as indicadas testemunhas.
Eu Adolpho Liberato Pereira de Oliveira, escre-
vente juramentado o escrevi.
Eu Manoel Maria Rodrigues do Nascimento, es-
crivo o subscrevi.Antonio Pinto de Barros.Sil-
vano Thomaz de Souza Magalhes.Ignacio Nery
Ferreira da Silva Lopes.
Nada mais se via em dito termo aqui mui bem e
fielmente copiado e transcripto. E sellados e pre-
parados os autos subiram a minha conclusao e nel-
les dei a sentenca que do theor, forma, modo e
maneira seguinte :
Julgo procedente a justifleaco 'e assim hei por
provada a ausencia dos justillcados, que mando se
citem por editos de 30 dias para o tim requerido.
Becife, 11 de agosto de 1864.Trislao de Alen-
car Araripe.
E mais se nao eontinha em dita sentenca aqui
mui bem e fielmente copiada e transcripta dos pro-
prios autos.
E em cumprimento o referido escrivo fez pas-
sar o presente edita! com prazo de 30 dias, pelo
qual chamo, cito e hei por citados os referidos sup-
plicados para que comparecam ueste juizo, dentro
do indicado prazo, munidos de seus documentos,
afirn de allegaren) o que for de direito, sob pena
de revelia ; por tanto qualqucr pessoa, prente ou
amigo dos referidos supplicados Ibes podera scien-
iifii-ar de ludo quanto lira dilo.
E para que chegue ao conhecimento de todos
mandei passar ediiaes que serao publicados pela
imprensa e alfixados nos lugares do costume.
Recife, 17 de agosto de 1864.
Eu Manoel Maria Rodrigues do Nascimeulo, es-
crivo o subscrevi.
Trislao de Alencar Araripe.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do
Recife, 22 de agosto de 1864,
O escrivo,
F. A. Cavalcanti Coasseiro.
Tribunal do commercio.
Pela secretaria do tribunal do commercio de
Pernambueo, se faz publico que nesta data (ira
registrado o conlrato de sociedade, que em 6 de
julho do correte anno ce|ebraram Antonio Fer-
nandes de Azevedo e Antonio Ferreira Alvos, por-
tuguezes; a qual sociedade deve durar por espago
de tres anuos contados d aquella data, com o capi-
tal de 6:80050000 fornecidos 3:8005000 pelo so-
cio Azevedo, e 1:000|000 pelo socio Alves, e sob a
Arma de Azevedo A Alves.
Secretaria, 19 da agosto de 1864.
Julio Guimares,
Oflicial-maior.
Pela mesma secretaria se faz igualmente publico
que tendo expirado o prazo marcado para duracao
da sociedade de Henrique d'Oliveira Soares, Joa-
quim Francisco da Silva Azevedo, Antonio Luiz
d'Oliveira Azevedo e Joo Jos Rodrigues, sob a fir-
ma Henrique & Azevedo, foi a mesma sociedade
dissolvida por papel de trato assignado pelos mes-
mos tm 11 de julho do crreme, que fica regis-
trado nesta data.
Secretaria, 19 de agosto de 1864.
Julio Guimares,
Oflicial-maior.
Pela mesma secretaria se faz igualmente publico
que nesta dala foi inscripto no livro da matricula
dos commerciantes o Sr. Antonio Joaquim Carnei-
ro, cidadao portuguez, estabelecido na cidade da
Fortaleza, capital do Cear, com armazem de g-
neros de estiva, em grosso.
Secretaria, 22 de agosto de 1864.
Julio Guimares,
Ofticial-maior.
Hospital inllltu.
O hospital militar desta guarnieao contrata a la-
va-rom e costura da roupa pertencente ao estabe-
lecimento por lempo de quatro mezes, contados
do 1- desetembro vindouro ao ultimo de dezem-
bro : os que pretenderem arrematar, comparecam
I respectiva secretaria no dia 25 do corrente, pe-
las 11 horas da manha.
Hospital militar de Pernambueo 20 de agosto de
1864.O escrivo interino,
JooTiburcio da Silva Guimares.
Conselho administrativo.
O conselho administrativo para fornecimento do
arsenal de guerra tem de comprar os objectos se-
gu ntes:
Para o 4 batalho de artilbaria.
Cordoes para os canudos dos inferiores16
Para provjmento do arsenal de guerra.
Botoes grandes brancos de oeso gretas MK>,
ditos pequeos brancos grosas 1000, ditos pretos
grosas 1000, vassouras de paiha 1000, ditas de
passava 1000, ditas de junco 1000, fio de algodo
% 5.
Para o batalho n. 10 da guarda-nacional.
Cornetas de toque 6.
Para a fortaleza do Brum.
Bandeira grande imperial de Alele I, dita peque-
a dito ditoI, adricas para ditas 2.
Para o corpo da guarnce desta provincia.
Papel almassoresmas 2, pennas caligrapbicas
j caixas 2, caetas duzias 2, caivetes 1, tinta
: pretagarrafas 2, lapis de pao duzias i, area
1 preta-libras 2, cartas de a b c 12, taboadas 12,
grammaticas 3, arithmetcas 3, pautas 3, traslados
i 12, pedras de lousa 2, creioe6 6.
Quem quzer vender taes objectos aprsente a
sua proposta em caria fechada na secretaria do-
conselho, s 10 horas da manha do dia 26 do cor-
rente.
Sala das -es-oes do conselho administrativo para
fornecimenio do arsenal de guerra, 19 de agoste-
de 1861.
Afon coronel-presidente.
Sebasiiao Jos Basilio Pyrrho,
vogal secretario.
No dia 23 do corrente mez, depois da audien-
cia do Illm. Sr. Dr. juiz municipal da 1^ vara ten>
de serem arrematados por quem mais dr os uten-
! cilios e armaco de urna pequea taberna, penho-
1 rados a Ludgerio Balorindo Soares de Carvalho,
por execuco que contra o mesmo encaminha 1).
Joanna do Rosario Guimares Machado, escrivo
Baptisla.
ArreniataQfio.
BECJLARCOES.
No dia 24 do corrente, depois da audiencia do
Dr. juiz municipal da 2* vara, vai praca de veu-
da a parle da propriedade do Sanl'Anna, denomi-
nada de dentro, penhorada por execuco de'Joo
Venancio Machado da Paz Joaquim Ignacio da-
Costa, avahada por 7575749.
urna casa terrea na
iWSK?1 C. F. Miranda. M Jjm P^^ ^.^ ^ Maria, senzalla, e
Santa Casa da Misericordia
do Recife.
A Illm.* junta administrativa da Santa Casada!
Misericordia do Recife, manda fazer publico que I
no da 25 do corrente pelas 4 horas da tarde na j
sala de suas sessoes tem de ir praca as rendas
das casas em seguida declaradas por lempo de j
um tres annos.
Os pretendentcs devem comparecer acompa-
nhados de seus fiadores ou munidos de cartas |
destes.
Patrimonio de orplios.
Roa de Imperador.
N. 2 particular e 81 publico 2 andares. 1:2025000
Ra de S. Goncalo.
N. 10 particular e 2z publico casa ter-
rea........1835000
Ra dos Pires.
N. 13 particular e 39 publico casa ter-
rea. ....... 1045000
Ra do Vigario.
N. 72 particular e 27 publico 2 anda-
res........ 6035000
Ba da Senzala Velha.
N. 80 particular e 132 publico 2 anda-
res........ 4105000
N.82 particular e 16 publico casa ter-
rea. .......2OI5OOO
Ra do Pilar.
N. 91 particular e 105 publico casa ter-
rea. .-.....1635000
Bccco das Boias.
N. 39 particular e 18 publico 2 anda-
res........ 3605000
Ra do Atnorim.
N. 56 particular e 26 publico casa ter-
rea........ 1205OOO
Mirueira.
N. 4 particular sitio.....2135000
Estabelecimentos de caridade.
Ra Direita.
N. 3 particular e 8 publico, 2 andares. 1:0675000
Roa do Padre Floriano.
N. 6 particular e 47 publico casa ter-
rea........1865000
N. 8 particular e 43 publico casa ter-
rea........ 1695000
Becco da Camina.
N. 5 particular e 10 publico casa ter-
rea........ 1495000
Ra do Fagundes.
N. 11 particular e 32 publico casa ter-
rea. ....... 1555OOO
Becco do Calabouce.
N. 39 particular e 2 publico casa ter-
rea ... 1965000
Ba do Santa Tbereza.
N. 31 particular e 7 publico casa ter-
rea. ....... 197*000
Ba da Roda.
N. 36 particular e 6 publico casa ter-
rea. ....... 965000
N. 92 particular e 1 publico casa ter-
rea........1205000
Roa da Imperatriz
N. 47 particular e 68 publico casa ter'
rea........3065000
Becco do Quiabo.
N. 49 particular e 8 publico casa ter-
rea........1445000
Ra da Gloria
N. 51 particular e 65 publico casa ter-
rea...... 1445000
Rna de S. Bem Jesns das Crionlas.
N. 61 particular e 8 publico casa ter-
rea. ....... 1315000
Roa do Padre Floriano.
N. 66 particular e 63 publico casa ter-
rea. ....... 1445000
TEiTRO
DE
APOLLO.
Terca-feira 30 de agosto de 1864.
BENEFICIO DO ARTISTA JORGE.
Coadjuvado pelos artistas da companhia do thea-
tro de Santa Isabel, Pontes, Borges, Pinto, Pontes
Filho, eSr." DD. Maria Viclorina, Emilia Bernar-
dina, e dous curiosos que tambem se prestara ge-
nerosamente.
Depois que os professores da orehestra tiverem
execulado urna bella e escolhida ouvertura, repre-
sentar-sc-ha pela primeira vez nesta capital, o su-
blime e bello drama em 3 actos, poca actuali-
dade.
DIANA DE RIONE
Finalisara o espectculo com a muito linda e
graciosa comedia em 3 actos.
HOVELLA EM ACCIO
ou
0 RETRATO DE MUTAS SENIORAS.
- O beneficiado mais urna vez conta com a prote-
co do Ilustre publico de Pernambueo, que semprc
generoso, nao se recusa ajudar aquellos que a elle
recorren), por isso desde j se confessa reconhecido..
Principiar s 8 }i horas,
AVISOS M1MTIM0S.
COMPANHIA PERNAMMJCANA
DR
Vivegnvo coNteira a vapor.
Haceii e escalas.
No dia 25 do corrate segu
para os portos do sul um des va-
pores da Companhia Pernambuca-
na. Becebe carga at o dia 24. En-
_ 'commendas, passageiros e dinhei-
ro a frete at o dia da sahida s 2 horas da tarde
escriptoro no Forte do Mallos n. 1.
COMPANHIA BBASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR-
Dos portos de sul esperado
at o dia 30 de agosto o vapor
Paran, commandante o capitao
de fragata Santa Barbara, o qual
depois da demora do costume se-
guir para os portos do norte.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder eondsnir, a qual dever-
ser embarcada no dia de sua chegada, eneommen-
das e dinheiro a frele at o dia da sahida as f ho-
ras : agencia, rna da Cruz n. i, eseriplorio de An-
tonio Luiz de Oliveira Azevedo & C
Para o Rio ite Janeiro
pretende seguir com mulla brevidade o veleiro
brigue nacional Almirante, (em parle de seu car-
regamento promplo : para o reslo que llie talla e,
escravos a frete, para commodQs, trata-se com es seus consignatarios An-
tonio Luiz de Oliveira Azevedo & C, no sea es-
eriplorio roa da.Cruz n. 1,



MUTILADO 1
r
ILEGVEL
'



eOKPANXU BRASILEIEA
D8
PAQUETES A VAPOR.
Dos portos do norte esperado
at o da 31 do corrate o Yapor
Princesa de lohivilte, coraman-
danle o primeiro lente Araujo
o qual depois da demora do cos-
ame seguir para os pertos do sol.
Desde j recebenvse passageiros e engaia-se
carga que o vapor poder eonduzir, a anal dever
ser embarcada no da de sua chegada: eneou-
raaeodae e dinheiro a frote al o da da sahida s S
horas, agencia ra da Crtu a. 1, eseriptorio de
Antonio Luii de Olivara Aievedo l C.
Para Lisboa.
Sahe mpreteri velraente at o da 30 do corren le
para o mencionado porto a barca portuguesa Des-
pique IT, qnem na mesma quizer carregar oa ir de
passagem para o que tem excellentes comraodos
entenda-se com Perreira & Loareiro na travessa
da Madre de Dees n. 10.
Porto.
O brigue portngne*. Esperanza, eapitio Loaren-
co Psrnandes do Carmo, segu em poucos dias, pe-
de admiltir algn carga miada e passageiros :
trata-so cero os consignatarios Marques, Barros &
C-, largo do Corpo Santo n. 6. oa com o eapitio a
toado.______________________
Rio de JaneiroJ
O brigue Beluario segu com brevidade, recebe
carga a escravos frete : trata-se cora os consig-
natarios Marques Barros C. largo do Corpo San-
Ion. 6._________________________________
Para a Babia pretende sabir com
Baila brevidade o veleiro patacho D.
*
* J \
t Pcrmtmbneo ~. Terea felra 3 e Ago*o e lfl_.
fino para casaca* e paletols, burras de ferro, crys-
taes outros mullos arligos que estar ao patentes.
Importante leilflo
DE
auoel zevedo de An-
drade, Antonio de Souza
Reg e Domingos da Silva
--
Mobilias completas, pianos, guarda roupa*,
apparadores, crvstaes etc., etc., joias de gampOS, teilttO COmradO e
ooro 6 prataj e
Escravas de diversos sexos.
CORDEIRO SIMOES
far leilao requeriinento dos administradores da
receido em pagamento qua-
si toda a heranca que ficou
a irn.iw* icqunriiiieuiu us .unmisiraaores ua _.ii i Y T r
nuss* aida de Amorira, Fragoso, Santos *C.,e pOr falleCimentO de JOSe
despacho do film. Sr. Dr. juiz de direito especial mi _. t* t_ a
do commerek) uoSlobjectos existentes no obrado; memOtlO r ereira JXiStOS,
urea peninsular.
NOVA FABfllCA DE LICORES D_ TODAS AS
QUALIDADES, GE.VEBRAS, COGNACS, AGIAK-
DENTBEMAIS GNEROS.
Pelo svstonta fraacez
DE
el Marques de Olive!ra dcC.
aa das Bargas a. 31 eatrada pela roa 1
da Aaiarim.
Neste estabeleclraento, se encontra toda a qoali-
dadn de gneros cima mencionados, feiios eom i
perfeijao, bondade de materias primas com apuro A ASttCiaCO Camnei'cial BeoelicCHle
SAINO A LUZ
"*T A YKJfW A LttHAtUA K) S. GEHALDO
A RA BTMlTA DO ROSARIO K. 11 AS
NOCES
s
PE
PARTIDAS DOBRADAS
OFnWKIDAS
M.
,, v^^.v^ 0.suh uo .ur-u x_viixvlav xcill jLKioivo, d'arie, por um preparador habiltadissiimo.
BantisiSrl perteBCent ao falUd0 kM iiltimn fl^minia+vo^AT. /.A ftT Asslm como erecebemencomraendas tanto para!
r. fi&.. ^, u ; "AIUO aaminiStraaOr UO eX-; a provincia como para o cstrannero. em erando e
urna roma avulsa destribuida na vespera dar o
detalhe deste importante leilao. uvw *_veuv viv xjlu^^^ ><>rm in-itoi, por p~cos mai aiminoios, os
ou de S. Franeisw, commuHSn^^
DE
Quinta-fe i ra 25 dii
canale
10 Horas em ponto.
37 RA DG SEBO 37
LEILAO
tincto morgado de Alagoasff^
aos senhores consumidor
tavel publico a visitar o nosso
niCam aOS OreirOS UOS SO" Nao pedimos qne nos acredltem, mas sim que se-
los pertencentes ao refirido
M
FEItVlMBI CO
roa
Fonscca de Medeiros.
n -^ ri""r^ -w s\ rv ex^nc*0 morgado que o eon-
l JJx Joj U J_ (jtSrjsenllor da branca Manoel
Azevedo de Andrade se a-
Urna casa terrea na roa do Pilar n. 3.
Urna fiara parte da casa terrea da mesma
ra n. 7.
Um sobrado de am andar c sot5o na raa do Se-
bo n. 37.
Um sitio de trras denominado Londin do Bo-
provas que temos a honra de
cha autorisado areceber os
fros e ladennos, bem eo-
ib ierras uenoininaao i.nnain oo uo- 3 j
qneiraona Itmra fregnetia dos Afolados, comimO 8S rendaS dOS DreCllOS,
grande casa e diversos arvoredos. r
O arente Almeid* far leilao reqaerimento dos e 6 O COmpetentC pailt PaS"
administradores da massa fallidade Amorim, Fra-i i r r *
ioxo Santos 4 C. o por despaeho do lllin. Sr. Dr., Sar rCClDO.
ja jad a vista das
presentar.
Joo Bernardo de Magalhes subdito porta- :
f aez retira-se para a Babia.
Conipaahla vlgllaate de vapores
de reboque.
Agraria em casa de Rtthe k Ridnnlac.
Na cotiformtdade do que fot deliberado
em assembla geral dos accionistas da com-
panhia vigilante, que se reuni no 4ia 18
de abril do correntc anno, sao osSrs. accie-
nistas convidados a entrar com 40 porcen-
to sobre o valor de cada urna de suas ac-
Publiraco liberarla,
Sahio luz 0 oposenlo Intttalado
A i ihiiiii %ih:
BRASIL
roa
Afonso de Alupmqiu Mello
Convidam-se os assignaotos a mandaren ruceber
sens exemplares na pfa^a da independencia ns. u
i '8, que ser.lo entregues vista dos recilws das as-
' ^S1'*8 i*' J""*;ni e*ao expostos venda a
^pOOO cada um. Sao sob os seguirte* ttulos as
materias de que se oi-cupa:
l Iutroducco. Macis da iiberdadt,- O Brasil oo-
imiia. Revolusao de 4817A Independencia.A
constituirteAconstituico-A revoluto de !8Si.
A expuisao oo al>dipa(;ao. A rcjwncia liVre. O
partido reBressista.-Aeaco dos corewodas e joe-
da dos livres. A regencia eoreunda.Causa dos
niales da regencia livre.-Regencia coreuRtla e
maioridade.-Priiii-ipios do reinado d D. Pedro.
Hevolta d Minas e 5. Paulo.-Dominio da Prala
Luzia.O dominio liberal nao inquietara os cor-
cundas.Feitos do dominio liberal.-A praboChi-
chorrosenatoria.A revolta e a revolican de-
1818 A euHiuiH.-A consliliMle.-rH-rrota
da revuluc.au. Negociaciio de Honorio com o* llfce-
raes : traidores.-Ve'oda da bandeira sww-
tilumte.- O partido liberal durante os<|uiturze_an-
iios do cliamado ostracismo.- Os carcundas e o-
S^JSSiSS engK ~***. Predios cima
'parao resto que Ihe falta, traia-se
com o consirn.oarins Palmeira & Beltrao, no largo
do Corpo Santo 4, primeiro andar.
C0MPANH1A PERNAMBUCANA
XavegaeS* eotelra a vapor.
Parabiba, Natal, Maco, Aracat;, Gear, Aearac' e
firaaja.
O vapor Prjinuni/d, comman-
darte Ratis, segu no da 7 de se-
tembro prximo par os portos
cima iadlcados. Recebe carga
t o dia o. Euconimendas, pas-
sageiros e dinheiro a fruto at o dia da sabida s
^ horas da tarde : eseriptorio no Forte do Mallos
. i._________________________________
O vapor Mamanguape que se-
gne no dia 2o para os portes do
sul, ir al Penedo, para onde re-
leen* carga at o da 23. Encom-
"mendas, passageiros e dinheiro a
frete at as 2 horas da urde do dia da sahida :
eseriptorio no Forte do Mallos n. 1.
les a mesma massa.
Sexta-feira 26 do corrente.
As 11 horas do dii porta da Associarao Com-
mercial.
Consultor Forense
editor B. L
Precisa-se de urna mulber livre oa escrava,
qqe saiba cozinhar e que tenha bons eosiumes,
preferindo-se livre : a iratar na ra do Trapiche
Aloga-se nm bom sitio na Soledade, ru d"a ".,,eri,fs nranla os quatorae annos.-Capliveira fe-
. Esperanga n. 68, todo murado, com portao de fer- ?J*?ad0 e volu,nlar, d" liberaes durante us .pia-
C)es ateo da 20 do corrente, e, seo nao fi- ; ro, e boa casa de morada para familia : a iratar toranno-0 povo esrraida, mi os vermeluWe
zerem incorrerao na perda da quantia ja en- na mesma. os sabios.-a simacao propriaiiientejH>iiea.-inb-
trada e faz-se este aviso pela iraprensa, o ^"Na~p7a7ada Indejiendencia, -'- a. ...,.=.-1'. ?T2 ''.vre^ e dirci.,os M tjue rem
LEIIAO
dade de participar per es'crlpto, que fteam *m^*^*+*P' **
iuteirado e arfrwohicao definitiva, para go T^t^^lZil^lJZL
LEIL OES.
LEILAO
DE
Sabreeelentes lo pa'acho hollaadcz
Adrianas Jananes e 50 "a 70 pipas
com grava do Kio da Prala.
M
Terea-feira 2'Si de agosio as lO
horas.
William Addens, capitao do patacho hollandez
Adrianm Joannes, legalmente condemnado ne^te
porto, far leilao por corta e risco de quera per-
tencer, com autorisacSo do inspector da alfaudega
em presenca de um empregado da mesma repar-
ti(;ao com asistencia do cnsul de S. M NeerJan-
dnl, dos sobreeienles e 50 a 70 pipas de graia,
parte do earregamenlo do referido patacho, tantos
quartos forem precisos para occorrer as despezas
i'eitas pelo mesmo patacho nesse porto.
leilao ser efectuado no armazem alfandega-
do do barao do Livramento.
Principiara as 10 horas.__________________
DE
Sabbado 27 do corrente.
Por ordera do con$ulado de Portngal rao a lei-
Hojior interveocao do agente Pestaa os bcus
abaixo declarados pertencentes ao espolio do Aa-
do subdita potrJguez Jos Fernandes Pereira Vil-
la-rica, a saber:
A armagao e mais gneros existentes na taber-
na perfencente ao mesmo finado, 3 bois de carro,
1 cavado de carga, 1 earroca om hom estado, 1
dita quebrada, t dita nova por acabar, 9 canoas
de carreira, sendo urna deteriorada, 1 plantario
de capim na ra do Baldo.
0 leilao ter lugar em Olinda sabbado 27 do
rorrete pelas 11 horas da manhaa.
Araba de sabir lnx na livrarix do
Garnier. ra do Oovidor b. 19, o
CONSULTOR GERAL DO FORO
Pela Dr. Carlas Antonia Cardeiro.
4 erossos volantes em 4*, bem encadernados,
Araba de completar-se esta importante obra do
muito distinelo e conhecido jurisconsulto o Dr.
j Garlos AntoBio Cordeiro, honrada com pareceres
laudatorios dos Srs. conselheiros senadores Ange-
: le Muniz da Silva Ferraz, Dernardo de Souza Fran-
co, Euzebio de Queiroz Coulinho Mattoso Cmara,
e Jos Tnomaz Nabaco de Araujo. Aloga-se a casa terrea da ra da Trempe n.
Compoe-se esta obra eminentemente pratica e J *. com boas accommodages : a tratar na pada-
ao alcance mesmo das pessoas ioteiramente ex-: ria da ra Direita n. Hh,. ______
tranhas ao foro, dos consultores civil, criminal, i m~
commercial e orphanologico e forma urna tibho- '* A
, loja de ourives
qnal sera mtmtado a riada Htwdos Sr. accio- 33 compram-se obras de ouro, prala e pedras
nistas em particular, os quaes tero a lion- i??f",as*,J^0B?o-.s?.[a.z ?"a''juer ubra deen-
para go
verno da direceo. Recite, 8 de agosto de
1864.
Os directores-
AssignadoHenry Forster & C.
Bario do Livramento.
Saonders Brothers & C, j
da trape-
trata-se na taberna do mesmo.
I tituicoes livres, e'direitos
ale olim da r^enm livre, e o.ipie actualmente
temos ein lugar delles. Os representantes di na-
cao e das provincias.Situaran administMliva.
| O que sao uella os Portugoezes. Como o gover-
no d abrigado .i corromper o pair. e a f.izer-lhe
seinpre maior nial.Como se mulli[ilica e se paga
a clientella do governo para sustentarse o impe-
rio eoreunda. O procnsul.O procnsul da eo-
Pablicaco Iliteraria.
nn DnnCD winncoflnnD marca- '.)u.s '"*<* ^criraes fi da iHini.,-.io.-A
UU rUUCn IrlUUtnAUUn J',s,'Ca.-Jiuzes municipaesJuizes de di re. lo.-
Inbunaes.-Us das Itelacoes.-Tribtin.ies do Com-
ENSAIO DR DIHEITO CONSTITUCIONAL
Contendo a analyse do Tit. V Cap. Io da
Constituicao do Brasil
TELO
Itelacc
mercio.-Supremo Tribunal de Jusiica.O jui v.
Os advugados.(^mclosao.-Garanti dos direitos.
Amoral publica.-Dos crimes.As elciioes.
Corollario da obra saquareina. O que e a pa-
Dr. lraz To ii-n Lino HeDi'iuaesdeSouza Bia" ?i,uas? uara co|n < '-xienor.- situado .
lenU Je direito civil na Faculdlle de ireito 23Ef,?,T!^SSMjf? 25 A "S*?1**
rfo Recite, "er,5 salvaim-iito des enreundas.A ligar.**
Predios e lo ac^oes da es-
trada de ferro.
7, solo seguinte depois da distribuico das listas.
1 casa terrea na ra do Caldeireiro n.
ioreiro a Sania Casa, rende 235 mensaes.
I dita dila na ra de Santa Rita n. 49, solo fo-
reiro, rende 145 raensaes.
1 dita dita na travessa do Carcereiro n. 2, solo
foreiro, rende 16.5 mensaes.
1 dila dita na ra das Trincheiras n. 33, solo
proprio. rende 235 mensaes.
1 dila dita na ra do Fogo n. 2, solo proprio.
rrade 20> mensaes.
1 dita dita as Cinco Ponas n. OS, solo proprio,
com nm terreno no fundo e frente para ODtra ra,
rende 265 mensaes, esta casa onde existe urna pa-
daria cujos pertences bem como forno, maceira,
tendedeira, cabide, 2 caixes envidracados, 1 dito
para deposito de bolacha,! balcao, grade que divi-
de a casa, 1 estada, 2 pesos e G bilhas, sers veu-
didos juntamente com a propriedade.
8 rneias aguas na travessa da Palma de ns. 4 a
II, que rendem cada urna 103 mensaes, foreiro a
marinha.
3 casas terreas pequeas na mesma roa de ns.
1 a 3, rendem 125 mensaes. foreiro a Misericor-
dia de Olinda.
1 caixao de pedra e cal em altura de receber
travejamento na ra da Concordia n. 07 com 40
palmos de frente e 70 de fundo, em cujo terreno
esto collocadas cinco casas que rendem 85 cada
urna, foreiro a manaba e paga 25100 por anno.
15 accSes da estrada de ferro.
1 casa terrea na ra imperial n. 260 dividida em
duas, a qual rende 225 mensaes.
ElMI.
0 agente Almeida autorisado por Antonio Joa-
|uim dos Santos Andrade, vender em leilao os
predios cima, porta da Associacao Commercial,
as 11 horas do dia cima.
LTiLiO
DE
D liquides e carne salgada.
iioai:
rer^a-felra 29 do corrente s
IO horas.
agente Pestaa vender, por corta e risco de
jiieiu pertencer, 6 barricas com diversos lquidos,
cerno cognac, genebra. whist, e 10 barris com car-
ne salgada em lotes para fechar comas ; no ar-
mazem do Sr. Annes.
AVISOS DIVERSOS.
ATTENQiO
Acha-se reimpressa em folliotos a respos-
(a do Sr. Pinto de Campos ao depulado Pe-
dro Luiz: tao diminuto o preco porque
se vai exliagir este notavel escripto, q,ue at
certo ponto Ihe diminue a importancia
bem critica a posii;3o de qnem escreve e im-
prime nesla tena, onde parece a omita gen-
te que o autor de qualquer obra deve escre-
ve-la, fazer todo o costeio da impressao, e
depois distribu-la de graca vende-se aij
na ra dn Imperador ti. 79, loja delivTOS.
Aos 6:0SO0.
Corre aiuanha.
Quarta-feira 24 do corrente mez se cx-
trahir a segunda paite da primeira lotera
da matriz do Ouiicuiy (105a)
Os bilhetes, meios e quartos acham-se
venda na respectiva thesouraria ra do
Crespo n. 15.
Os premios de G:000,jO0O at ltfOOO
serao pagos urna hora depois da extraccao
at s 4 horas da tarde, e os outros no dia
theca completa indispensavel nao s a todas as
pessoas do furo mas tamben a todos auoelles que
qnizercm intentar ou tiverem causa dependente de
(jualqner juizo.
Precisa-se de urna
roa do Rarigel n. 6B.
ama para engommar
Offerefio-se ama aa |iar* arnamentar urna
Vende-se separadamente cada urna das parles ?"*". sadia e do pelos actos proprios desse Poder, desperlaram
seguintes a 850O0 : em bastante leite : na ra dos Martynos n. 6, no autor o desejode emiltir tambera a sua liumil-
Consultor Civil acerca de todas as accoes se- 925:________________________________ de opinio a respeito de ora assumplo lo mo-
AMA M LEITE
guidas no furo civil, segundo o systema adoptado
por Correa Telles no seu Manual do Proceeso Ci-
vil, com as suppressoes, alteraces e accrescimos
exigidos pula legislaco, estylos e pratica do foro!
brasileiro.
Consulto Ciuminal ou formulario de ludas as
accoes seguidas no foro criminal, precedido das
disposicus concernentes
Offerece-se urna escrava com mnito bom leite,
aem cria : quem precisar, dirija-se ra da Im-
peratriz n. 43, fabrica de charutos, para tratar.
Precisa-se alugar urna ama que saiba cozi-
liga.Que ben laro os liberaes ao p.iiz.-O pro-
gressoSeus feitos.O que c o progresso e qu
far.Como se deve viver nesta Urra eebegada
ao progresso.Porque a progresso s vem com-
pletar nossas desgraras e seni mais remedio.Se
ha salvaco para ims ijual seria o meto e bem fa-
r guardar anda por inultos annos a bella consti-inlr'm''XT^'iri^-''''^ Bf*"*a-
tuicopollica,aenja sombra lem prosperado ffiS!?? facunda.-
imperio, entendeu que prestara melhor servico as'
mentoso. Nao querendo porm fazer inteiramente
unta obra de circumstancia, e persuadido por ou-
tro lado de que o bom senso dos irasileiros sabe
que oro-
omo se corrompe na eleicao.A
orgamsacao judic.aria nhar prtferindo-se escrava: na ra da fmpera-
e atlnbuigues das autoridades policiaes e cnmi-; ,rjz ,,_ 4o_ '
Servindo de thesoureito,
Jos Rodrigues de Souza.
LEILAO
DE
UM SOBRADO
0 agerte Almeida far leilao de um sobrado de
un andar grande familia, com armazem proprio pitra qual-
quer estatolecimeiila com zaauao um outr ar-
mazem pequeo em segnimnto sito ra do
ApeUo b. 8 : terea-feira 22 do corrente s 11 ho-
<. ?s de dia porta da Associacao Commeraal
LEILAO
I eaiiuis om wlakey.
HOJEo
' O agente Pinto far leilu por corta e risco de
1'iinftperder de iaailM cn ynttaji *** em
continuago ao U*l*i das sobrefiailMBiM do patacho
iiMaodez Adrianas Joannes, no armazem alaade-
gado bario doliivramenlo, caes do Apodo.
C4SA M POHTINA.
AOS 6:000.000
Bilhetes garantidos
A' rn do Crespo n. 23 e casas do eostnme
O abaixo assignado venden nos seus muito fel-
zes bilhetes garantidos da lotera que se acabou
de extrahir a Ix'aeficiodo Gjmnasio os seguintes
premios:
N. 14 bilhete inteiro com 1:4005000
N. 797 molo bilhete 6005000
E oulras umitas de 2005, 1005. 405 e *)5.
Os possuidores podem vlr receber sem os des-
can.os das lela na Casa da Fortuna na do Cres-
po n. 23.
Acham-se venda os da segunda parte da pri-
meira lotera da matriz do Ouricury que se ex-
Irahir quarla-feiri 2i do corrente.
Precos.
Bilhetes inteiros..... 7500C
Meios......... 35500
Quartos. 15900
Para as pessoas que comprarem
de IOO5 para cima.
Bilhetes........ 6o00
Meios......... 35350
Quartos........ 15700
______________ Manoel Martins Fiuza
Precisa-se de um torneiro para N. S. do O'
de Ipojuca ; a tratar na ra do ltangel n. 9.
naes.
Cu.NSUi.Ton Co.MMKtcuL ou formulario de todas
as aegoes cornmerciaes, segundo o regulamenlo de
2,'i de novembro de 18o0, conlendo os modelos de
todas as peti(es, despachos, termos, autos, alle-
gares, embargos, senten^as, (inalmente todos os
Dinheiro
Na ra do Livramento
1005 1:0005.
a juros
n. 20, se dir
quera d
lettras, e seria mais'utii em ^rlituhr^'iniii^^SX^SS^ **"*" '"'iSa'S!0 (,:i,ll"l-
de esperanzosa do paiz dando urna analyse ou raMjggzgoroa*g.______________________
commentario aprofundado de lodo o Cap. Io do Aluga-seo grande telheiroda ra da '.oncor-
Tit. V da Constituicao do Brasil, trabalbo este "" confronte ao porto de embarque, bom arma-
para que o tinbam habilitado os seus esludos co- 7!,", (!"m 'res portas na frente : a fallar com Hen-
Offerece-se urna ama jura casa de
mo lente da 1" cadeira do 2" anno da Faculdade rique Jorg
de Diruito durante quasi dous anuos.
Dcste modo s depois de analysado o referido
familia, capitulo chpga o autor a Iratar da grave qoesto
termos dos processos,seguido do processo das que-! d muito boa conducta para todo o serviro, excep- cima indicada, devendo sem duvida este melhodo
bras; qnr no juizo commereial, qur no juizo cri- t* cozinhar e sabir roa : quem quizer dirija-se concorrer para habilitar o leitor a conbecer muito
n n nllnn Ha II 1 n 1 >. '\ k' im ill. ,i n
minal.
Consultor Obphanoloc.ico ou formularlo de to-
das as aegoes seguidas no juizo dos orphos, pre-
cedido das attribuices das dilferenles pessoas que
nelle figuram, e enriquecido com diversas rearas e
preceilM ledenles ao mesmo juizo de orjiliaos, c
bem assim ao da provedoria, com a legislaco res
ao pateo do Hospital 11. 35.
i
Aeocao
Precisa-se fallar com o Sr. Joo Jos Car-
PL!\ mesma livraria se encontra a* seguinte obra I reiro ** "atl,ral da Ilha de S. Miguel, | M3feradei'.-Cap. i.
do mesmo autor. vitido a tres mezes 110 patacho So/i:a, para d" I'd'r Moderador.Cap. 3."
Comeo Ciuminal do imperio do Brasil, contendo se Hh entregar urna encoinmcttda em mo *
nao so toda a Ic^islago alterante 011 modificante
de suas disposices, como as penas de seus difle-
IMOna vir hmud 11 na mu ,1a c"es (l ',ler Moderador.(.ap. o." Do di-
ia "a reito de escolber os Senadores.
melhor a nnlnreza do Poder que se discute, e a
formar com seguranca um juizo acerca da respon-
sabilidade ministerial, pelos actos dellc.
Alim de dar ao publico urna idea da obra, julga-
mos conveniente transcrever aqu a somma dos
diversos captulos que a rompiem.
Depois do competente Prefacio, segoe-seCap.
' Da necessidade e importancia poltica do Poder
Do Imperador como orfeo
Da inviolabilidade
da pessoa do Imperador.Cap. i.* Das attribni-
do Poder Moderador.t^ap. o." Do
Precisa-fe de um caixeiro com bastante pri
tica de taberna : quem se aehar nestas circums-
tanrias, dando fiador a sua conducta, appare^a 11a
ra do Amorim n. 36.
mmmmsmrimsmm
rentes arligos, calculadas segundo os seus graos
e as diversas qualidades dos criminosos; 1 vourae
em 4., cncadernado, 45000.
Cadeia do Hecile 11. 38.
-Cap. 0." Do direito
Quem pretender urna ama de ba conducta
para casa de homem sollelro, ou para casa de pou-! ,irci,,df all"'l)v;ir. Slll
Vende-se na livraria econmica ao p do arco de ca familia, dirija-se ra do Sr. Bom-Jesus das | ,..c:"2" i'as ^l' '*r
Sanio Antonio.
^4 ttenco.
^ Offerece-se uma.senhora porlti-
^'iii-za para tratar da eJuca(j5o de
|g mollinos em alguma casa de l'ami-
jg? lia : na na da Cadeia do Recife n.
S 38, primeiro andar.
f'.roulas, n. 36-
de convocar extraordinariamente a Assembla Ge-
ral. Cap. 7." Do direito de sanecao.C*\\. 8.* Du
suspender as resolucoes das
rovinciaes.Cap. 9. Do
! Antonio Luiz de Oliveira Aze-
vedo A
Ageste." do Banco Uniao do Porto.
Competentemente autorisadis sacam por todo
os paquetes sobro mesmo Banco para o Porto s
Lislioa, epara as seguintes agencias.
Lundres sobre Banli of Londim.
Paris Frederic S. Balita & C.
baques' sobre Portugal.
O abaixo assignado, autorisado pe i
Banco Mercantil Portuense. e na ausencia i
do Sr. Joaquina da Silva Castro, saca ef- i
fectivamente por todos os paquetes sobre i
as pracas de Lisboa e Porto, e mais" loga- i
res do reino, por qualquer somma vis-
ta, e a praso ; podendo, os que temaren)
saques a praso,receberem avista, no mes- 1
mo Banco, descontando k 0|0 ao anno: na j
loja de chapos da ra do Crespo n. 6, ou j
na ra do Imperador n. 63, segundo ao- 1
dar.Jos Joaquina da Costa Maia.
Joaquim Gomes Oourado retira-se para Por-
tugal a tratar de sua saude e deixa por seus pro-
curadores a seu irmao Jos Gomes Domado, Joa-
quina Gongalves Salgado e Antonio Domingues de
Almeida Pocas.___________________
Herinaun Koesing, (dadlo bretneose, vai a
Europa.
Quem trocou buniem em casa do Sr. Funseca e
Silva, na ruada Praia, um chapeo de sol, queren-
do desfazer a troca, apparera em Santo Amaro,
primeira casa depois do Siar'r.
Precisa-se de urna ama que cozinlw e en-
gomme para casa de pooca famiba : na ra do'
Amorim n. 41, segundo andar.____________
ilbert t;alber, subdito belga, retirase para o
Rio de Janeiro.
.Na casa n. 3, sita na ra do Aragao, cozinha-
se com perfeiyao.
Precisa-se alugar um moleque para o servi-
co de urna casa de pasto : na ra das Larangeiras
numero 10.
Antonio Lourenco Teixeira Marques, subdito
portuguez, vai Europa.
Dugald
B^hia.
> Joiio Gabe i\ Filho.
Francisco Rahoba & Ballista.
> Jaime Meric.
Crdito commercial.
1 Gonzalu Segoria.
< M. Perera Y. Hijos.
Em PonTiT.At..
Angra Terceira.
Caminln.
t^asiello Branco.
Chaves.
Coimbra.
Covlhaa.
Klvas.
Extremos.
Evora.
Fafe.
Pinhal.
Porto-alegre.
Thomar.
Villa Xova
Portmao.
do
Figueira.
Guarda.
Gumarcs.
Lagoa.
Lagos.
Fvamegia.
Siria.
Moncao.
Moncorva.
Regoa.
Selubal.
Vianna do
tello.
Villa Real.
Madeira.
S. Miguel.
Cas-
C. Simpsom, subdito nglcz, val
Madama Bernei com um
se para Frarnja.
filho menor relira-
O abaixo assignado, tendo realisado todos os
seos dbitos para com seus credores nesta pra^a,
e mesmo lora deila, at esta data, faz ver a todos
que com elle ho contrahido negocio, que por aca-
so se achem com direito a haver alguma quantia'
se dirijam no praso de tres dias ra do Rangel
o. 9, que ah serao embolsados.
1 Joo de Arroda Cabial.
Francisco Alves Montwro Jnior tendo em
sea poder a importancia reeebida por corta do
produelo da taberna rendida em leilao por conta
do Sr. Francisco Antonio de Medeiros, pede a
Feira semanal
H"a rta-fclra 24 da corrate.
No arnmem da fu* da Cadeia cife.Ti. 18.
0 agertet)tyhipi'vert'de? em IeiT5 "*versos
tra-les oovos e usado?, miudezas, cortes de panno
Precisase de umraixero para um deposito
no pateo do Carmo n. 43, que de fiador a sua con-
ducta : a tratar na raa Imperial, padaria n. 51.
_ Precisa-se de urna ama para comprar e cn-
zinhar para Queimado-n. 7.
Exasie na ra do Fogo n. 32 urna caria para
Joaquina Francisco da Silva, vinda no brigue Es-
peronea.
Precisa-se de urna ama
na roa do Imperador n. 13.
para moco solteiro
Preetsa-se de um escravo para o servieo in-
terno e externo de urna casa, pag*ndo-se 185000
por mez : na na do Qoelmado n. 29.
Aloga-se um segundo andar e seto com
coramudus para grande familia, tendo sido ha pou-
ca caiado e pintado : a tratar na roa do Crespo
numero 8 B.
Precisa-se de um forneiro: na padaria ib
Santo Antaro, aira da Uuti^m d* Sr. Starr.
Hamburgo
Bircellona
Madrid
Cdiz
Sevilba
Valencia
Amarantes.
Arcos de Val de
Vez.
Aveiro.
Barcenos.
Bastos.
Beja.
Braga.
l Braganca.
Faro.
Oliveira d'Aze-
meis.
Penallel.
Tavira.
Villa do Conde.
Villa Real de Viten.
S. Antonio. Faial.
Xo IMi'KUIO.
Babia, Maranho.
Rio de Janeiro. Para.
Qualquer somma prazo ou vista,podundo logo
os saques prazo serem descontados no mesmo
Banco a razo de 4 por cento ao auno : a tratar
na ra da Cruz n. 1.
mmmm wmx nmmmmm
M
S1 O Dr- Carofino Francisco de Lima San-
JU tos, continrt a residir na ra do Impe-
rador n. 17,2* andar, onde pode ser pro-
curado a qualquer llora do diae da lioite
para o exercicio de sua profissao de me-
dico ; sendo que os chamados, depois de
mel dia at 4 huras da tarde, devem ser
deixados por escripto. O referido Dr.
nao abandonando nunca o estudo das
molestias do interior, |>ru maior atrinco, no das mais difliceis e deli-
cadas operacies. como sejara dos ergios
ourinarios, dos olbos,-partos, etc.
Ka ra estreita do Hasaria n. ,\
direito de prorogar 011 adiar a Assembla Geral, e
! dissolver a Cmara dos Depntados. Cap. 10. Do
I direito de nomear e demiltir livremente os minis-
Itros de Estado.- Cap. 11. Do direito de suspeader
os magistrados. Cap. 11 Do direito deperdoar e
1 moderaras penas.Cap. 13. Do direito de conec-
der amnistas.Cap. 14 e 15. Da irresponsabilidad!:
absoluta do Poder Moderador.Concluso.
Acaba de sabir a luz esta interessanle publicacao,
: em un velume de 600 paginas, e acha-se venda
ras livrarias de J. Noguera de Souza junto ao arco
i de Santo Antonio, u dos editores Guimares & Ol-
veira. pelo mdico preco de 65000.
*. SehalTler & C, na roa do Trapiche n. 17,
I sacam por todos os paquetes para a Babia e Rio
de Janeiro, vista ou a praso, conforme se con-
vencional
3-RA KMREITA DO HOSARI-3
Francisco Pinto Ozoro coutina a col- .
locar deutes artificiaos lano por rucio de
molas como pela pressSo do ar, nao re-
ceiie paga alguma sem que as obras nao 1
flquem a vontade de seiis dono?, tem pos
e oulras preparares as mai acreditadas
para conservacao da bucea.
va
Precisase de urna ama
Horlas n. 130.
de leite : ra do
C'ompanhla fhlelidade de
seguros martimos e ter-
restres estabelecida no
Ro de danoiro.
AfiKSTBS EM PEPNAMBUCO
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo k C,
competentemente autorisados pela direc-
tora da companba de seguros Fdelida-
de, tomara seguros de navios, mercado-
ras e predios no seu eseriptorio ra da
Cruz n .1.
Os abaixo. assfgnados hzem publico, 1
I acha-se amigavelmerte dissolvid.i, a cortar de 13
do corrente em diante, a soefedad que existia en-
, tre os annuncianie o que girava gob a razo com-
| inerclal de llibeiro & Braga ; lieando o eslabele-
i cimento porteiicendo ao socio Manuel Barbosa Ri-
jberro, que Oca encarregado da liquidacao da es*
linrta sociedad-e por conta de a-nb.-s.tecife. 20
! de agosto de 1864.
Manoel li-uiota Hibeiro.
Antonio Atclino Leite Braga.
O abaixo assignado tendo revolvido nao 10-
mar partera eleicao de 7 de selembro vindouro,
muito agradece aos seus amigos c s pessoas que
Ihe prometteram os seus votos.
Beeife, 30 de agosto de 1864.
Ignacio Antonio liorges.
mmm wmm mmm mmwtm \ mm-mmm-mm mmr
Fa:rmaeeu L'm pharmaeeulico formado offerece-se para di- S /--, jy n "U I Kl
rigir urna pharmacia, qur como simples adrainis- H
trador, ou como socio : quem precisar, deixe car- j
ta fechada neste escriptorincomas iniciaes A. B.C
Ama.
Precisase de urna ama para
de urna casa de pouca familia :
po Santo n. 17, terceiro andar.
o servico interno
Dapraga do Cor*
Frederico Gautier, cirurgiao dentista,
faz todas as operacSes de sua arte, e col-
loca denles arliticiae, Mdo eom niperiv*
ridade e perfei^cSo, pie as pessoas erteft-
didas Ihe reconnecem.
Tem agua e pos den ti tac o.
, W-A- -- X^m. Uf#9l Aluga-se o 2 andar do sobrado n. 79, na ra
Os senhores que tiverem negros ou molequesde do Imperador : a tratar na ra do Crespo n !.">.
olilcio de sapateirw, o os queiram alugar para os ------ttsn i.1 :-,-,; -----
ler com seguranca, e mesmo para aprenderem 01 Sr Sebastiao Jos Pelxoio tem urna carta
offlcio, drijam-se ra dos Quarteis, fabrica de I na Praga da Independencia, hvraris ns. g e .
sapatos n. 22 junto a leja de funrterro. Alu4a.StJ a ,(1 adacasa B> 4a da rua das Tria.
cheiras: na rua da Aurora n. 31
Advogado Aifonso de Albu-
querque Mello,
pode ser procurado a qualquer bfra ; as sextas-
le ras, porm, na tilla de Cat.
Precisa-se de
Precia-se de um caixoiro de idade de 12
<|nem se julgar eredor do dito senhor para aere- *3 anno^ que tenha praUca de taJieroa e queM \hnrm-iri**nrtri dT
sentarwns titules no praso de olto dias, e fortolnader- -eondueta anrter n*rt da iraftp ?z!2Z
este se proceder ao'competente rateio. Recife 19 nnraero43. Precisa-se de orna criada
de agosto de 1864.
do
Recife 19
Precisa-se de um nadeiro para ir para a villa
Cabo : ao pateo do Terco u. 141.
K rua das Aguas
um cam
io_Cabaga
caixeiro que entenda da
- n. 11.
Precisa-se de urna arria :
Verdes 91
Ama de
isar do ama 3
pode tirocurar na rua do Mondego a. i.
Na linaria n. R e 8 da praga da Inde-
pendencia existe uhiacarta de importancia
para o Sr. Antonio Fernandes Corredor.
ou esuaia-
o feaeharel
Francisca ogusta da Casia
AOVOGADO
Rua do Imperador nume/o 69.

Cslu reiras.
Prtxisa-sede costureiras que sailta casar
costura* de alAiiate para trabailiar par dia :
bu rua Nova a. 47, loja.
Pece,-* tonteo) desde a roa daCrnz al a'
Estaoc, um e*lojo do barba: quem q. aeJiou
'"qoerendo festitui lo, pd-e lvalo ru da Cruz
O advoga"o Cicero Peregrino rutidou a sua
residencia para a rua Nova n. 39, sgnndo andar
e contina em seu eseriptorio a rua do Livramcn
to n. 19. primeiro andar.
__' qae saiba cozinhar e engommar : na rua das Cruz a. 4, armawm, que ser reawaoensado
ua ; n. 42, primeiro andar. I -;------f> ,.Ti K, ,, t
,r ----------------------------1--------------------------1 Precisa-se atdga/ urna ama para cosmfiar
J\ AK\ (V Imo *** P*0** familia e tambera om molenne:
RLOGIOS,
faite- Vende-se era casa de Jofmstoa Pater A
9"em Freeisarton^an-a de telie sem Blhos C, rua o Vigario, a. 3. -um. belloserti-
rua. do Opo n. 2.
Precisase de
a rallar na loja
Antonio.
meninos :
reo de Sanio
ment de relogios der oare patent in-
glez, de uirt dos mais afamados fabricantes
oa Liverpool,
AjRfnria Claudino do Hege fmu, dwpichaete de passr-
porta, tiraos para dentro e -Wf dVi imperio pdr
e tambem Utna variedad? dai^raodo preco e Prste*a : na ra da Praia-a.
bonitos trancei||ns para os mesmos 47, primeiro andar.
O Dr. Cosme de S l'xcira cont-
: na a residir na roa *l Cruz n. 53,
i* e 2* andar, onde pode ser procu-
rado para o exerefeio e sera profis-
s5e medica, com especialrdade
sobre osegtnte
T molestias *;ohos;
2 dt peflo:
3* dos- orgSos jgeniti
arfnarios.
Em seu scriptorfe os doentes se-
tBo CTSmfrra** na irdem de sn;
entradas cortiecatid o traballio pelos
doenles de olhos.
Darii consahas toaos os dias d si
6#Odknwu>ha, fliefios ftos do-
mingos.
Praticart toda e qealquef opera-
do que julgar conveniente para o
prempto reStabeleciffl*nto dos seas
doentes.
Preclsikse atogar orna preta esi?rava: para o
servico de unu pequea fam4a : na rua das Cru-
zes n. 18, primeiro andar.
------- j'*- i ii i
* Practsa^se alagar utna criada forra ou'
-escrata para o servido interne de urna casa:
1 tratar na raa da Aurora junto a foadico i
do Star mi na nn mlrpUa rtra Rrvtar'm n ~ (Juem precisar A* nm caixeiro para arma-
-aoaiar, nunaioa estrena o Rosario nu-,2emdeassucaroui>atVcDbrtm<;a, o que d ika-
mero. |

TLEGVEL


Mario tfe ronaMfcaeo
- Terca lefra tS 4c A*** e as4.
WtftW Si W^^fc
>6
'
LETREXRO VERDE.
Neste estabetecimento ha sempre ura partimento complete de roupa feila de
todas as qualidades, tamban se manda fuer por medida, wontade dos concer?
rentes, para o que tem um os melkores profcssores, assim coho ttambem tera un
grande e variado sorUmento de fazendas de todas as qualidades, para seaaoras,
homens e meninos.
Casacas de pnnopNfcvSSI 6 30^ a$ de setiai preto. .
Sobrecasacas idem, 300 250000. Ditos de ditos e seda tranco,
Paletos idem e de cores, 255, W *.......
200, 15)5 e......10)>000 Ditos de gorguro de seda
Ditos decasemira, 20& 15& pretos e de cores, ^Wa
12)5 10tf e...... 70000 (Metes de fustao e brim brac-
Ditos de alpaca, 55, 4e 30500 co, 30500, 30 e ,
Ditos ditos pretos, 90, 70* Seroulas de brim de linbo,
50.40e......30500, ^400 e......
Ditos de brim e ganga de c- l Ditas de algodo, 10600 e. .
res, 40500, 40, 30500 e. 30000 Camisas de peitos de linho.
Ditesbrancodelinho,60,50e 40000 40, 30 e......20500
Ditos de merino preto de cor- Ditas de madapolo, 20500,
dio, 100,706.....500001 20e .
Calcas de casemira pre, 120, j Chapeos de massa, pretos iran-
ia, 80 e......70000! cezes, 100, 90 e. .
Ditas de cores, 90, 80 e. 70000 Ditos de fltro, 50,40,30500 e
Ditas de meia casemira de c- ; Ditos de sol, de seda, 120,
res, 50000 e. .... 40000 110, 70 e......60000
20000
10400
10600
80500
20000
Ditas de princeza e merino pre-
to de eord2o, 40500 e. ,
Ditas de brim brance e de co-
res, 50, 40500, 40 e .
Ditas de ganga de cores, 30 e
Colletes de velludo preto e de
cores, 90 e......
Ditos de casemira preta, 50 e
Ditos de ditas de cores 50
40e........
| CoUarinhos de linho fino, u lti-
40000 \ ma moda duzia. 60000
I Sortimento completo de grava-
20500; tas. 0
20500 Toalhas para rosto, duzia, 110,
| e........60000
70000 Chapeos deso, de alpaca, pre-
40000 i tos e de cores.....40000
1 Lences de bramante de linho. 30000
30500 Cobertas de chita chineza.. 20500
CONSULTORIO MEDICO-CIRURGICO
DO
DR. PEDRO DE ATTAHYDE LOBO MOSCOSO,
MEDICO, P.1RTEIRO E OPERADOR.
3 Ra da Gloria, casa do Fundo 3
O Dr. Lobo HOSCOSO d consultas gratuitas aos pobres lodos os dias das 7 s 1
horas da manha, e das 6 e meia s 8 horas da noite, excepcao dos dias santificados
Pharmacia especial komeopathica
No mesmo consultorio ha sempre o mais appropriado sortimento de carteiras
tubos avulsos, assim como tinturas de varias dymnamisaces e pelos preces seguintes
Carteiras de 12 tubos grandes. 120000
r de 24 tubos grandes. 180000
de 36 tubos grandes. 240000
de 48 tubos grandes. 300000
de 60 tubos grandes. 350000
Prepara-se qualquer carteira conforme o pedido que se fuer, e com os remedios
que se pedir.
Um tubo avulso ou frasco de tfntura de meia onca 10' 00.
Sende para cima de 12, custaro os precos estabelecdos para as carteiras.
Ha tubos mais pequeos cada um a 500 ris.
I E VltOS.
A melhor obra da homeopathia, o Manual de Medicina Homeopathico do Dr. Jahr,
dons grandes volumes cm diccionario............ 200000
Medicina domestica do Dr. Hering, ........... 100000
Repertorio do Dr. Mello Moraes. ..."......... 60000
Diccionario de termos de medicina ........... 30000
Os remedios deste estabelecimento sao por deraais conhecidos e dispensam portan-
te de screm novamente recommendados aspessoas que quizerem usar de remedios ver-
daderos, enrgicos e duraderes: ha tudo do melhor que se pode desejar, globos de ver-
dadero asucar de leite, notaveis pela sua boa conservaco, tintura dos mais acreditados
estabelecimentos europeos, a mais exacta e aecurada preparacao, e portante a maior ener-
ga e certeza em seus effeitos.
Casa de sade para escravos.
Recebe-se escravos para tratar de qualquer enfermidade ou fazer-se-lhe qualquer
operaco, para o que o annunciante julga-se suficientemente habilitado.
O tratamento o melhor possivel, tanto na parte alimentar, como na medica, e
funecionando a casa a mais de quatro annos, ha muitas pessoas de cujo conceito se nao
pode duvidar, que podem ser consultados por aquelles que desejarem mandar seus
doentes.
Paga-se 20000 por da durante 60 dias e d'ahi em diante 10500.
As operaces sero previamente ajustadas, se nao se quizerem sujeitar aos precos
azoaveis que costuma pedir o annunciante.
IKUA/iJI
Boelcdadc de seguros mataos
de vid lasfctflada pelo ilaaeo
Xlalo na Hade do Porto.
VEXDEH-Src
.-as seguintes obras: Garnier, Economa po-
ltica, 1 vol. por 20000.; Maceldey, Direi-
Oe-agentes nesu iade e provincia Amonto to romano, 1 vol. por ;40; Da Caunoy,
UiizdeOIiveiraAzeie& C estnptono w^ua rm_,_nLr:n ,\a eaA\ffn CKn rrint.V. a\n\
daCruz dohecife n,*, eslo autorisados desde j tommentano.flo coa go en* irancep, vol.
ateaar assignaturae-e prestar todos os esclarec por 80 ; Vie Complete Tfork of lord By-
ron, 1 vol. por 80; Matine, -obras comple-
tas, 1 vol. por 80; G. fass. Diccionario do
contencioso commercfal, 1 vol. por 60;
Chabotde l'Allier, commentario sobre suc-
cessoes, 1 vol. por 60; A. Arnaud, obras
philosophicas, 1 vol. pbt20: Sauvage-Har-
di/, creafcSo de bancas, de deposito. 1 vol.
por 20; Latas Blatic, ocganisaco dotraba-
lho, 1 vol. por 20; na ra dojabug loja
n.2A. | .,
FRONTEIRO
DE
^AI/IBS COIJTIMHO 21Largo do Terco%\
1 lo publico.
Chourigas muito novas a 64o rs. a libra ; chocolate francez a l,ooo rs. a libra;
ameixas idem; alpiste a 16o rs. a libra, e 4,6oo rs. a arroba; arroz do Maraoho e da
India de 8o a loo rs. a libra, e era a arroba de 2,6oo e 3,ooo rs. ; azeite doce refinado
a 1 ,ooo rs. a garrafa e em porclo, menos; idem de barris a 64o rs. a garrafa, e em cana-
da a 4,800 rs. ; banha de porco a 4oo rs. a libra, e em barril a 36o rs.; batatas muito
novas a 4o rs. a libra, e l,2odrs. a arroba ; cha perola, bysson, miudinhoa l,8oo, 2,4oo
e 2,5oo rs. a libra; charutos des melhores fabricantes da Babia de 2,ooo e 4,ooo rs.;
ceneja branca e preta a 5oo rs. a garrafa ; erave, canella, cominho e erva-doce, conser-
vas inglezas em frascos e meios de 5oo a 9oo rs.; cognac inglez superior a l,ooo rs. a
garrafa ; caf de 1.a, 2.a e 3.* qualidade de 8,8oo, 9.ooo e 9,5oo rs. a arroba; cevadi-
nha a 2oo rs. a libra ; ervilhas portuguezas em latas de 1' '* libra a 7oo rs.; spermacete
a 56o rs. a libra, e em caixasa 52o rs.; farinbi de araruta verdadeira a 2oo rs. a libra,
e em a arroba a 6,ooo rs ; genebra de laranja a l.ooo rs. o frasco; idem de Hollanda
a 64o rs., e 4oo rs. a botija; graixa em latas a l,2oo rs. a duzia ; manteiga ingleza per-
f<:ila flor a 8oo rs. a libra; idem franceza a 56o rs. a libra, e em barris a 52o rs.; maca
de tomate a 6oo rs. a libra ; marmelada dos jnelhores fabricantes a 64o rs. a libra; ale-
tria, talharim e macarroa 4oo rs.; marrasquino de Zara verdadeiro a l,ooors. cada fras-
co ; nozes muito novas a 2oo rs. a libra; passas a 4oo rs. a libra ; painco a 16o rs.; po-
mada a 24o rs. a duzia; pimenta do reino t 36o rs.; papel' almaco e de peso de diver-
sas marcas; palitos do gaz a 2,2oo rs. a grosa e 2o rs. a caixinha ; ditos de seguraoca
individual a 2o rs. a ciixinha e 36o rs. o maco ; queijos flamencos do vapor a 2,ooo re.
cada um; cevadinha a 2oo rs. a libra; .sarcHahas de Nantes de 4eo a 64o rs. a lata; sa
bo massa muito superior a 2oo rs. a libra; toucinho de Lisboa muito alvo a 3oo rs. a li-
bra ; vinho do Porto velho engarrafado a l.Soo rs.; idem em barril a 8oo ra. a garrafa,
sendo porco faz-se diffureaea e era caada a 8,ono rs.; idem de Lisboa muito superior a
4oo rs. a garrafa e 2,8oo rs. a aada ; idem da Figueira J. A. A. a 5eo rs. a garrafa e
3.6oo rs. a caada; idem do Estreito a 36o e 329 rs. a garrafa e em caada a 2,56o;
idem Bordeaux a 56o rs. a garra/a; idem branoode Lisboa, proprio para snitsa a 5oo rs.
a garrafa; vinagre de Lisboa auilo eaperior a 2oairs. a garrafa, e 1,4oo rs. a caada ;
soda, cevada, alfasema, gaz e lijte de loopar facas a i 4i> rs, e out>6 moitos fenerce ^ue
desnecessario menciona-los.
meaos qae forem necessarios, as pessoas que de
ejarera concorrer psra t ntil e benellc empre
as,gurando um futuro lisongeiro aos aasoctaf-
Joaoda"S7ikBamos, raedicopela bni
versidade de Goimbra, d consultas em
na casa das 9 as 11 horas da manhaa, e
das 4 s 6 da tarde. YisUa os doentes
ai suas casas regularmente as horas
para isse designadas, salvo os casos ur-
[ gentes, que erao soccorridos era quat-
.quer oecasio. D consultas aos pobres
l -que o procurarem no hospital Pedro II,
.aonde enoeotrado diariamente das 6
s 8 horas da manha.
Tem sua casa de sade regularmente
montada .para receber qualquer doente,
inda mesmo os alienados, para o que
; (em commodos apropriados e nella pra-
tiea qHalquer opera^ao cirurgica.
Para a casa de sade.
Primeira classe 3*000 diarios.
Segunda dita.... i*500
Teroeira dita.... 2*000 >
Este estabeleciments ja bem acredi-
tado pelos >bns servicos qae tem pres-
tado.
O proprietario espera que elle tonti-
nue a merecer a conflanca de que sem-
pre tem gocado.
Aluga-se o pfHneiro andar do sobrado da roa
Direita n. 82, com bons commodas para pouca fa-
milia : a tratar na padaria n. 84._____________
PIIXXA9 VKtJIJTAIi*
00
DR. AYER.
Nao ha necessidade mais ge-
ral em lodos os paizes do que a
de um purgante que seja ao
mesmo lempo innocente, efficaz
e digno de toda a confianca.
As pi lulas que ora offerece-
mos ao publico preenchem estas
condices ; pois pdem ser to-
madas pelas pessoas mais fracas
sem perigo algom, nao tendo em
sua composicSo mercurio nem
outro ingrediente nocivo sa-
de, mas sendo composto de a-
gentes vegelaes mu i fortes, sSo bastante
efOcientes e activas para purificar os corpos
mais robustos.
Estas pilulas exploram e purificam toda
a extenso do canal alimenticio, e do vigor
a todas as partes do organismo, corrigindo
sua acc3o viciada e fazendo recuperar so
vitalidade. -
Um remedio inestimavel contra dr de
cabera nervosa, enxaqueca, priso do ven-
ir, hemorrhoidas, molestias do figado, fe-
bre gastro-hepatica, e todas as molestias
biliosas que teem sua origem no entorpeci-
mento do figado que causa a escassez da
bilis na inflammace d'esle orgo que pro-
duz derramamente da bilis no estomago ou
em um desarranjo geral dos orgos diges-
tivos.
A Ictericia
produzida pela absorpco da bilis n
sangue, dando pelle e aos olhos urna c6
amarellenta ; nao smente dolorosa po
si, porm conduz aos mais serios soffrime-n
tos.
Para cura-la toma-se de 1 5 pilulas to-
das as manhas, isto bastante para mover
o ventre smente al que se recupere a ac-
co sa do syslema.
Mal do figado, febre gastro-hepatica,
arrhea biliosa, indigesto, a nevralgia
ou tic douleureux, sao todas molestias que
tem seu comeco n'um desarranjo da bilis.
A observaco dos ductos da bilis taz esta
volver ao sangue, com que circula de pois
em todo o corpo e causa estragos desas-
trosos saude e produz urna serie innu-
meravel de males.
Todos estes incommodos sao curados com
as pilulas do Dr. Ayer.
Di recebes minuciosas acompanham cada
frasco.
Vende-se na pharmacia franceza de Mau-
rer C, ra Nova n. 18.
AGENCIA CENTRAL
i. ltiia Direita 15
RIO DEd .HUIRO.
Vende-se em Pernambuco:
na pharmacia franceza de
COMPENDIO DOLOROSO
que contera o officio de Nossa Senhora das
Dores; o modo de resar e offerecer a co-
ra, um setenario e mais outros exercicios
de piedade e devocio; ordenado pela ir-
mandade dos servos da mesma Senhora,
que se acha erecta na egreja de N. S. da
renh'a do imperial hospicio dos reveren-
dos padres missionarios apostlicos capu-
chinhos italianos de Pernambuco, approva-
do por S. M. I., que Deus guarde; dado
luz por devoro do muilo reverendo
padre Fr, Placido de Messina.
Vende-se a 320 rs. na vraria ns. 6 e 8
da praca da Independencia.
Livro de oracoes.
Vende-se a 1CO reis, na livraria ns. 6 e 8
da praca da Independencia, um livrinho con-
tendo o seguinte: louvor ao santo nome de
Deus, cora dos actos de amor de Deus, ora-
coes e pelicoes, hymnoao Espirito Santo, co-
ra do Senhor, aviso qualquer alma de-
vota, desengaos da vida humana, hymno
de Santo Ambrozio Nossa Senhora, jacula-
torias ao Santissimo Sacramento, exercicio da
via-sacra, commemoracao Nossa Senhora
do Carmo e ao SS. Sacramento, directorio
para a oraco mental, dividido pelos dias da
semana, obsequio ao coracao de Jess, sau-
daces devotas s chagas de Christo, ora-
Graade. iiquidaeo
Rna da emperatriz n. SO,
loja de hiendas do Pa>o de Gama & Silva.
Acha-se este estabelecimento completamente sor-
lido de fazendas inglezas, francezas, allemaes e
suissas, propriafi tanto jara a pra$a como para o
mato, prometiendo vender-se mais barato do que
em outra qualquer parte principalmente sendo em.
porco e de todas as fazendas do-se as amostras
deixando ficar penhor ou mandam-s le^ar em ca-
sa pelos caixeiros da loja do Pavao.
As chitas l'irao.
Vendem-se hitas inglezas claras e escoras pelo
barato preco de 240, 260 e 280 rs. o covado, tintas
seguras; ditas francezas de cores segaras 320,
340, 360, 400,440, 480 e 500 rs. o covado, fazenda
muito superior e bonitos padrSes : s na loja do
Pavo.
As luinhas da exposifo do Pavo.
Vendem-se as laazinhas as mais modernas que
tem vindo ao mercado, propinas para vestidos e
soutembarqoes por serem lisas e de cores muito
delicadas a 560-600 rs.: ditas lisas com um lus
EXTRAORDINARIA
liquida cao de fazendas de todas as qua-
li 'as ua luja e armazem da 4i araT
ra da Imperatriz u. G, tic Loureii-
co Pereira flendes (iuiroares.
Attendam frcgiiczes 1
Soutcmhrque a |0, 125 e \i>& peetiincba.
Vende-se soutembarques muito bem enaltados
e da cores, para senhoi as, a 10 US e iii&, dito
Sretos a 205, ti& e 2," ; capas preUs do grse-
enaple a tO& e 235 s na ra da Imperatris i.
56, loja da Arara,
Cotes de chita a 3(940.
Vende-se cortc,s de cbias do cores Dxas com 10
covados a 25400 c 15200, cortes de cambrala de
barra a 25, ditos de salpicos a 25500 : na roa da
Imperatriz n. 56, loja da Arara, de Mendes Guiraa-
raes.
Fazendas especiaes para seniwras.
Vende-se gollinhas para eenhoras e menmas a
240, 320, manguitos a 500 rs., camisinbas a 15,
P. MAURER & C.
RA NOVA N. 18.
Creme
Sorvete de creme hoje ao meio dia : na ra do
Trapiche n. 18._________________________
Sorvete
Sorvete todas as noites : na ra do Trapiche
numero 18.
COMPRAS.
Compra-se ouro e prata em obras velhas
daga-se bem: na loja de bilhetes da praca da lude
pendencia n. 22.
Compra-se couro de carneiro : na ra larga
do Rosario n. 10.
Compra-se effectivamente
ouro e prata em obras velhas pagando-se bem
na ra larga do Rosario n. 24, leja de ourives.
Compra-se cobre velho : na ra do Rrum nu-
mero 78.
Na ra do Livramento n. 11 2.* and arcoin
pram-se peanas de emma, paga-se bem.
VENDAS.

Vende-se
urna escrava sadia que sabe bem engommar o eo-
zinhar, de meia idade : a tratar em Santo Amaro,
sitio junto ao antigo quartel de cavallaria.
Farinha de mandioca
ensacada e da melhor que ha : vende Miguel Jos
Alves no seu escriptorio, casa n. 19, na ra da
Cruz.
vende-se
om lindo moleqne de idade de 10 annos, dons es-
cravos para todo o sen-ico, urna escrava boa qui-
tandeira : na travessa do Carmo n. I.
Vendem-se queijos dos ltimos com capa de
chumbo, muilo frescaes, pelo diminuto preco de
25000, e tambem urna quantidade de travs de
teuro, que algumas serven) para /orno de olaria, e
tu-te todo o negocio para tachar'coritas ao dono.
tre que parece seda 640 rs. o covado, ditas ma- 15500, 25 e 45500, entre-meios e liras bordadas
tizadas 320, 400 e 300 rs. o covado, ditas com para enfeiiar vestidos brancos a 15.15200 e 15400
quadrinhos de seda 500 rs. o covado, s para a peca, enleites para easaveque a 15, gravatinhas
acabar : na loja e armazem do Pavo de Gama & para senhora, muito finas a 15 e 15500 : na ra
Silva, ra da Imperatriz n. 60. j da Imperatriz n. 56, loja da Arara.
Os vestidos do Pavas Vende-se palilots de panno uno a 165, 145 "e
Vendem-se os mais modernos cortes de vestido [ 125, ditos saceos com litas a 125, 105 e 85, dito
de la, qua vieram pelo ultimo vapor, com ricas de casemira Unos a 105. 85 e 65, ditos sem fita e
barras de cor, corpinho e collete separado; ditos 45500,55, ditos debrim a 25500, 35, 35500, ds-
com listas de seda e tambem com barras e enfeites j*lpaka a 35 e 35500, caigas de brlrae de ganga
para o corpo, por prego mais barato do que em ou- 25, 25500 c 35, ditas de meia casemira a 35500 z
tra qualquer parte, e se quizerem urna prova do 45500, finas a 55, 65 e 75, coletes e camisas tran-
que se diz, raandem ver loja e armazem do Pa- cezas a 25 e 25500 e 35, seroulas de algodo a
vo, ra da Imperatriz, n. 60, de Gama & Silva. : '5600, de linho a 25, e colannhos a 400 rs. : na
Os vestidos Maria Pia. S* o Pavo (8,000 rs.), ra da Imperatriz n. 56, loja da Arara
Vendem-se os mais lindos vestidos a Mara Piah.Ven%^s de""*M*i? .*"g*3
delaazinha transparente com lisias, e palminhas ** **"**[* na roa da Imperatru n. 56,
de seda pelo barato preco de 85000 cada corle : ra-
s na loja do Pavo
Gama & Silva.
ra da Imperatriz n. 60, de
Vende-se panno de linho para leoces e sertu-
las a 640 rs. a vara, brim liso de Hatrrourgo a SOO
As sus do Pavo a 2-10, 280,300 320 360 rs. I SfeirK tf$ OSS.' S ?P
S o Pavao vende as finissims cassas persianas Uramai da irara > 1IM1
peratnz, loja de bama & MI va dita encarnada muito fina a 480 rs. o covado, ehl-
A8 percalas do Pavo. tas para vesUdog a 2i0; 260j m e 400 rs. o ova-
As mais luidas percalas que tem vlndo ap mer-, o esta pechincha, to barata, s se pode encon-
cado pelo ultimo vapor tem na loja do Pavao pelo [ ,rar na rua da Imperatriz n. 56, loja da Arara,
barato prego de 600 rs. o covado j ditas de l.sti- A A d ^
nhas muito iniudinhas proprias para vestidos e
roupoes de senhoras, meninos e meninas, pelo ba
c5es Nossa Senhora, S Jos, ao anjo da
guarda, Deus em oBsequio qualquer san- SSSa^S jTiUts!!
to e para a noute, e responso pelas almas
do purgatorio._______________
Vendem-se baloes de 16, 20, 25 e 30 arcos a
ratissimo prego de 500 rs. o covado, garantem-se Vl^f'^^ae^r^n^i^'T^
as cores por serem do melhor fabricante que as a^e S800 : na loJa da Arara, rua da Impera-
istp na loja dO Pavo rua da Im-1 ^ cha|les d(j 1Sunha a {m e
por
tem em Pars
\mm se
o dejioeito oo pateo
com poucot fundos
do Carmo n. 5 junto a botica,
; a tratar no mesmo.
Vende-se das seguintes marcas:
(E E)
SemiuVCeC W FF o barril por 155.
P N & C. de FF o barril por 155.
P diamante de FF o bainl por 145500.
De superior qualidade FF 2 espingardas o barril
por 165.
Chumbo de municao de toda a grossura arroba
55500.
No armazem de J. A. Moreira Dias rua da
Cruz n. 26, onde encontrarao as amostras._____
Tinta para imprimir em latas de nove
libras.
Vende-se na rua do Queimado, loja d'Aguia
Branca n. 8.
k GRANDE GURA
PAR.I TODAS AS MOLESTIAS DO
Efflffl i FU S EfflffliS
Bramante de linho do Pavo a
s,90o, *.4oo, e*,eoo.
Vndese o melhor bramante de linho puro com
dez palmos de largura por pregs muilo commodo,
por ler de acabar a factura, a vara por25200, 25400
e 25600, s o Pavo : a rua da Imperatriz n. 60 de
Gama Panno de linho do Pavo.
Vende-se panno de linho cora 4 palmos de lar-
gura proprio para lengoes e toalhas de mao pelo
baratissimo prego de 640, 720, e 800 ris, avara,
algodaozinho com oito palmos de largura proprio
para lencoes pelo baratissimo prego de 15 a vara,
assim coino tem o melhor algodaozinho tanto em
largura como em corpo, proprio para lenges, ca-
misas de escravos etc., etc. prego muito commodo
a vista da fazenda s o Pavo : a rua da Impera-
triz d. 60 de Gama & Silva.
Aluodoziaho com toque de avaria a 1,000
e 4,800
Vende-se peca de algodaozinho por ter um pe-
queo loque de' avaria mas que est em bom esta-
do pelo barato prego de 45 e 45800 a pega s o
Pavo : a rua da Imperatriz n. 60 de Gama &
Silva.
Os guardanapos econmicos do Pavo e s do
Pavo.
Vendem-se os mais lindos e modernos guardana-
pos econmicos e todo liabo, lauto (;ir;i casas de
familia como para hoteis, botequins etc., etc., pelo I lidade": na rua da Imperatriz n.
baratissimo preco de 35 a duzia, isto s no Pavo : de Mendes Guimares.
. ditos
de merino a 25500 e 45500, ditos linos a 65, ditos
eslampados a 75 : na loja da Arara, ruajda Impera-
triz n. 56.
As laazinhas da Arara a 240 rs. covado.
Vendem-se laazinhas para vestidos a 240, 320,
400, 500 e 560 rs, o covado, ditas muito finas de
cores, lisas, de lyrio, de rosa, azul e encarnada
a 600 rs. o covado ; na rua da Imperatriz n. 56,
loja da Arara.
A Arara vende chitas a 240 rs.
Vendem-se chitas para vestidos de cores fixas a
240e 280 o covado, ditas francezas a 320, 360 t
400 rs., cassas de cor a 280 e 320 o covado.organ-
dys a 320, 280 o covado : na loja da Arara, rua
d Imperatriz n. 56.
A Arara veudc cortes de la a HarialPia.
Vende-se cortes de la com barra a 85, ditos
finos a Maria Pa por 185000, laazinhas a Maria
Pia a 460 e 800 rs. o covado : na rua da Impera-
triz n. 50. loja da Arara.
A Arara vende madapolo a G-S'iOO, 7,-5, 8$,
m e W.
Vende-se madapolo fino de 24 jardas, n. 60 a
65500, dito n. 7 a 75, dito n. 2, 85, dito de mar
ca duas cruzes a 95, dito S a 105, dito H H a 115
dito B b a 125, todos estes madapoloes sao muito.
finos; algodo a 55 e 65, dito carne de varea a
65500, dito mestigoa 75, dito sicupira a 85,ditode
diversa qualidade 85500, dito pao ferro 95 a pega
de 20 jardas, lodos estes agodoes sao de boa qua-
56, loja da Arara
AS
Pilulas Yrgetae s Azucaradas
De Kemp
Compostas dos dois novos resinoiJes chama-
dos Podopilika e Leptaxdkina, o inteira-
mente Hvres de Mercurio 011 outros venenos
mincraes ou mctallicos, sao de grande utili-
dade nos pases clidos em cazos de
DYSPEPSIA, EHCHAQUECA,
Constipado ou PrizSo do Ventre,
PADECIMENTOS DO FIGADO,
AffecQes Biliosas,
HEMORRHOIDAS, CLICA,
Ictericia,
FEBRE GASTRO-HEPATICA,
E outrasenfcrmidadcianlogat
a rua da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Os souteanbarqnes do PavSo
tel3.
Vendem-se os mais lindos soutembarques que
teem vindo no mercado, sendo de caxemira de co-
res pelo baratissimo prego de 125 cada um, ditos
de musambique pelo diminuto prego de 95, s na
loja do Pavo, mas que nao se enganem : a
da Imperatriz n. 60 : de Gama & Silva.
ir s o imo ( *#.>o).
As percalas da Arara a 500, 5601600 rs.
Vende-se finas chitas percalas a 500, 560 e 600
rs. o covado, pegas de carabraia finas a 35, 35500
45500 e 55000 a peca, ditas para cortinados com
20 varas a 95 : na loja da Arara, rua da Impera-
triz n. 56.
A Arara vende lirim trancado de linho a I-v20().
rua i Vende-se brim trangado de linho branco para
caigas a 15200 15400 e 15600 a vara, dito pardo
de linho a 040. 720, 800 e 15120 ; bretanha de
linho a 640 e 800 rs. a vara ; ganga para caigas e
Quem tem balos or tal preco I
Vendem-se os bales americanos muito superio-1 br"" de m* 480,.21"do,co!s V3-
rescom 20 e 25 arcos pelo baratissimo preco de "ra preta Pa c';lea a 3*a00 e 4* duas finas
25500 rs.; ditos de 25 30 e 35 arcos com filas: f dt & gf* c.7* cor,e : na rua da
nmito bem armados, e tambem tem cor escura pe- i ImPe" ?? 'oja, da A?/* to ro
lo barato preco de 35500 e 45 cada um : s na lo-' Propnela 10 da, loja e armazem da Arara re-
la do Pavo, 'rua da Imperatriz, n 60, de Gama & commenda toda a atlencao aos Srs. freguezes que
' mandem ver as amostras de todas as fazendas o
Silva.
0 Pavao vende para lnto.
Vende-se superior setim da China fazenda toda
de la sem lustre tendo 6 palmos de largura pro-
prio para vestidos, capas, paletols, cagasete, pelo!
baratissimo prego de 25,25200, 25500, e 35 o co-
vado, cassas pelas lisas, chitas pretas largas e
estrellas, manguitos, colannhos, punhos c inieiies |
ludo preto proprio para luto fechado e muitos ou-
tros artigas que se vendem por precos mais em con-
ta do que cm outra qualquer parle por estar liqui-
dando, s na loja do Pavo : rua da Imperatriz
n. 60, de Gama & Silva.
Os madapoloes do Pavo.
Vende-se pega de madapolo infestado com 12
jardas cada peca pelo barato prego de 45, 45500 e
55, cada pega,'fazenda muilo superior, s o Pavo
a rua da Imperatriz n. 60, notando que a pega leva
urna etiqueta com o Pavo pintado para nao haver
duvida nem engaos, isto previne o Pavo, de
Gama & Silva.
As chitas do Pavo a 9 #400 e
..-. *80 o corte.
EUasvao rpidamente substituindo os antigoi Vendem-se cortes de chita com dez covados a
purgantes drsticos. ; 25400, ditos a25800 com doze covados sao chitas in-
. ... .u glezas, mas padroes bonitos e tintas seguras assim
A venda as DOtteas de Caors 4 BarbOZa, tem as melhores chitas francezas e de tintas segu-
ma da Cruz, e Jo5o da C. Bravo 4 C, roa ras por pregos cmodos a saber 320, 340,360,400,
da Marlrft d nana 1440, 500, ris o covado : na loja do Pavo a rua
daMaare Qeueos. .--------------------- da ^ W| de Gama & Silva.
- Vende-se urna pequea taberna na rua da, qs Dorja(}os (J0 Pavo.
da Boa-Vista, casa n. Ib : a | Vendem.se Camisinhas com manguitos e golinhas
bordadas pelo barato preco de 15 e 15280 cada
um, manguitos s a 500 ris cada par, dito comgo-
annuneia, prometiendo vende-las barata, pois
a Arara teima, nao vende, queima.
que
que
Conquista, freguezia
tratar na rua dos Copiares com o Sr. Jos
go da Silva, freguezia de S. Jos.________
Balaiits para meniaas.
Lindos balaios de varios gostos para meninas
trazerem no brago : s se encontra na loja do Bei-
ja-tlor, rua do Queimado ns. 63 e 69.
Extractos e sabo en eminhas*
Lindas caixinhas com um cartao com a familia
imperial, e dentro de cada caixa um frasco ou sa-
bo o mais fino que possivel: na loja do Beija-
flor, rua do Queimado ns. 63 e69.____________
Trina, volantes e gales.
Vende-se trina, volantes e" gales de todas ae _
larguras por precos muito barato: s no vigilants muilo fino a 55 e 65 o covado, casimira pretade
linba a 8U0 ris, golinhas a 400 e 480 rs., de fil a
240 ris cada golinha bordada, romeira de cassa
e de fil muito bem bordadas a 25 cada urna, man-
guitos que servem para calcinha de meninas a
640 ris cada par, camisa com manguitos e golas
com a competente grvala de seda, fazenda Gna
pelo barato prego de 35 e multas nutras bordadas
que se vendem por prego muito em conta : s na
loja do Pavo a rua da Imperatriz n. 60 de Gama 4
Silva
As roapas dt Pavas.
Vende-se panno preto fino muito superior pelo
barato prego de 25, 25500,35, 35500 e 4, dito
rua do Crespo n. 7.
Vende-se um casal de escravos do servico de
campo: na rua Angosta n. 4, das 7 s 10 horas
da nuafea, das .3 s 5 da Urde.
Vinho 4o Porto superior
dm caixas de urna e duas duzias : tem para ven-
eer Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C, no sen
escriptorio roa da Cruz n. I.
Aluga se a loja do sobrado da rua Velha n.
93, a qual bastantemente grande, e se aluga por
prego commodo : quem a pretender, dirija-se
proprietaria que reside no sobredito sobrado.
__Precisa-se de urna ama forra ou escrava, e
que tenha bons costumes, para todo o servico de
urna casa de familia : na rua do Aragao n. .
Na rua da Madre de Dos n. 14 vende-se
nma mulata de idade de 25 26 annos, que cozi-
nha, engomma e lava, e nao tem vicios, com nma
cria de 16 mezes. _______/r______
PAAHIA

Vende-se urna cxcellente padaria com lodosos
pertences, e que se acha trabalhando, sita na rua
do Varadouro Olinda, ou mesmo se faz socie-
dade com pesssa que para este lira tenha habilita-
coes; o motivo da *e*iad por seu dos nao en-
tender do fabrico a IrUr no pateo do Cara nu-
mere*.
urna s largura e muita fina a 15800, 25,25500 e
35000 o covado, cortes de casimira de cores a 55
55500 e 65, casimiras enfestadas de urna s cor
proprias para caigas, paletols, coletes, capas e para
roupas do meninos a 35,35500 o covado, isto : na
loja do Pavo a rua da Imperatriz n. 60, de Gama
4 Silva.
Atoalhado do Pavao.
Vende se panno de linho adamascado proprio pa-
ra toalhas de mesa, pelo diminuto prego de 25500
rs. a vara, guardanapos de lioho a 55 rs. a duzia,
toalhas de mao a 55 rs. cada duzia, na leja do Pa-
vo, rua da Imperatriz o. 60, de Gama de Silva,.
Cjilndros para padaria.
Na padaria da rua Direita n. 84 ha para vender
os conhecidos e acreditados ryliudros para pada-
ria, ltimamente chegados d America. '
MACHINAS DEPATENTE
de trabalhar mi para
desearocar algodo
PANUCADAS
Por Plant Brothers & C.
OLDAH
Estas machinas
podem desea rogar
qualquer especie
de algodo sem
estragar o fio,
sendo bastante
duas pessoas para
o Irabalho; pode
descarogar urna
arroba de algo-
do em caroro
em 40 minutos,
ou 18 arrobas
por dia ou 5 ar-
robas de algodo
limpo.
Esta machina
a nica qne
possue as vantagens de nao destruir o fio do al-
godo e de fazer reader o dobro de qualquer ou-
tra com menos irabalho, a sua introdueco para
as provincias deste imperio ser de muito valor
para todos os iuteressados na lavoura do paiz.
Assim com machinas em ponto grande do mes-
mo systema,oraql serem movidas por animaes
agna ou vapor, pas naes podem descarogar 18 ar-
robas de algodo ampo por dia.
O algodo descarocado por estas machinas tem
muito mais estimaco nos mercados de Europa e
vende-se por maior prego.
As machinas se achara venda nicamente em
casa de
Saunders Brothers k C.
M. II, praea do Corpo Santo
RECIFE.
Os nicos agentes neste paiz._____________
Veode-se a taberna sita praga da1 Boa-Vista
n. 14, sendo multo afreguezada e com poneos fun-
dos, a casa tem um grande sotao para morar fa-
milia : a tratar na rua do Kangel n. 11.'
Gaz
i
0.34,
Atlcncat.
Vende-se carne e linguigas verdadeiras do Seri-
d : no largo do Carmo, esquina da ra de Horlas
numero 8._______*_____'' ____________
Vende-se urna escrava crionla de 30 35
annos de idada, com duas crias, sendo urna de 9
annos e nutra de 3 annos, lava, engomma, e co-
zinha o diario de urna casa; sem vicios neui acha-
ques : na rua do AragSon. 14.

Na fabrica de sabo da rua do Ranjrel
vende-se a 500 rs. a garrafa e 125 -l*i-
Vende-se um Silfo no principio d estrada de
Joo de Barros, na proximldade da nova rua que
se abri, com duas frentes, proprias para edifica-
edes : a tratar na rua do Crespo n. 20 com Alva-
ro Augusto de Almeida.___________i
Ma ll-rarla acadmica, raa do
imperador n. t,
vendem-se lindos papis para forrar sala a 15000
'Pega- _____________________ __
Veodo-naa. eaixes roioa a feWO
cadaiim: ua rua das Cruzes fl. 4^.,, It j,
Vendo-tse, um terreno de marinha sito d*
caes de Capibaribe, com. 57 palmos de frente e 275
de fundo: a tratar na rua da Imperatriz a. 63, se-
gundo andar.

i.


lariHPB^V
Diarlo de Pern&uibueo Ter^a feira 2 de Agosto de l&4.
/
?or


CLIIUiU
s s r\

COMMEBCIAL
^ ftlA DO UEIMADO I. '**'*
Pausando o becco da Congregado segunda casa.
NOFIDADE.

'

Pereira Rocha 4 C, acabam de abrir na ra do Queimado n. 45 um armazem de molhados denominado Cliim Commercial,
onde o respeitavel publico encontrar empre um completo sortimento dos melhores gneros que vem ao nosso mercado, os quaes
aerio vendidos por precos muito resumidos como o respeitavel publico ver pela tabella abaixo mencionada ; garante-se obom peso
e boa qualidade dos gneros comprados neste armazem.
a 220
Arror do MaranhSo, da India e Java a 60, 80 Cevadinha de Franca muito superior
o 100 rs. a libra e 1*800 a 2600 e U I rs. a libra.
a arroba. Cerada a 80 rs. a libra.
Kmeixas francesas em latas e em frascos a Ervilhas portuguesas a 640 rs. a lata.
4(5200 e 10600 mraseos grandes a dem seccas muito novas a 200rs. a libra.
,5500. I Figos de comadre e do Douro em caixinhas
tem em caixinfeas elegantemente enfeiudas de oito libras e canastrinbas de 1 arroba a
com ricas estampas no interior das caixas
a 12,5000, 1*400, 1*600 e 2*.
Amendoas coa. casca muito novas 280 rs.
a libra.
Alpiste-a 100 rs. a libra e a 4*000 a arroba.
Azeite doce francez muito fino m garrafas
grandes a 960 rs. a garrafa,
dem de Lisboa a 640 rs. a garrafa.
Ararata verdadeira de malaraca a 320 rs. a
libra.
1*800, 5*500 e 280 rs. a libra.
Farinha to Maranhao a 160 rs. a libra.
Farinha de trigo a 120 rs. a libra.
Genebra de Hollanda verdadeira marca VD
a 560 rs. o frasco c 6*200 a frasqueira.
Idm em garrames de 3 e 5 galoesa 5*500
e 79500 cada tai rom o garratlo.
Peras seccas emito novas a 600 rs. a libra
Painco a 200 rs. a libra.
Polvo secco muito novo a 400 rs. a libra.
Presuntos de Lamego em calda de azeite e
muito novo a 640rs
Que jos flamehgos do ultimo vapor a 2*800
dem prato.
dem londrino cftegado no ultimo vapor b
"900 rs. a libra.
Sal refinado em frascas de vidro a 600 rs.
cada um.
Sardinhas de Nantes a 360 rs.
Sag muito tvo e novo a 290 rs. a libra.
Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Avenas maito grandes e novas a 180 rs. a
lito*,
iscoetos inglezes de diversas marcas a
1*S00 ris.
Bolachinhas de soda, latas grandes, a 2$ rs.
a lata.
Ditas inglezas muito novas a 3*000 i barr*
quinha e a 200 'rs. e libra.
'Ifcuha de porcorefinade a 440rs. lbrate
eembarrila 410 rs.
Cha hysson, buchin-cperola a t#80Q, ,
2*500, 2*80 e 3*030 a libra,
dem preto tcito superior a 2*000 a'llbra.
Cerveja preta branca, das memores nrcrcas
que vem ao merced
e 5*800 a duzia.
'Cognac inglez fino a'GOO rs. agarrafe,
Conservas a 720 ts. c frasco,
dem, s de pepino, 720 rs.
dem, s de azeitonas, a 750 rs.
Charutos dos melhores fabricantes da Babia
e especialmente a fabrica imperial de
Candido Ferretoatorge da Costa, a 1*800,
2*000, 2#200, 2*500, 2*800, 6*000 e
3*500 a-caa.
Caf do Rio rauio superior a 280 e 320
rs. a libra e 8*500 e 8*800 rs. a arroba.
CarlesdebcliBliesfrancezes mantonovos e
Gratea a 100 rs. a lata e 1*100 n. a'finia. Tijolos de Simpar facas a 140 rs.
Licores muito fines a 700 rs. a garrafa. ; Vellas decarnaba pura 360 rs. a libra.
' dem, qualidade especial e garrafas muito dem stearinas muito superiores a 600 rs. a
grandes, a 1#800 rs. a garrafa.
I9em garrafas -mais pequeas a 800 rs.
lem, garrafa forma de pera e rdlha de vi-
dro, a 1*000 rs., s a garrafa vale o di-
nheiro.
Manteiga ingleza perfeitamente ffr, desem-
barcada ds pouco a 900 rs. a libra, e da
de segwna qualidade a 800 rs.
dem franeeza muito nova a 640 rs. a libra.
dem de t?mpero a 400 rs.
Massa de tomates em barril a SO rs. alibra.
dem em lata a 640 rs. ,
Marmolada imperial dots melberes conserve:-1
ros *: Lisboa a 600 ts. a:tata.
a 500 rs. a -garafa Marrasoainho de Zara, frascos grandes, a
800 ts.
dem Tequiar a 500 rs.
Massas'finas para srpa : -cstrellinha, pevide,
rodirias e letr'anhas a'GOO rs. a libra ee
4#acaixinha cora 12:libras.
Nozes muito novas a 160-rs. a libra.
Peixe-eo latas preparado pela primeira arte
deoezinha a 1* rs. a1 tata.
Palitos de dentes a 160 rs. o masso.
Palitos de dentes a 120'rs.
dem de flor a 200 rs.
Amendoas confeitaas a' 000 rs. a libra.
Doce* de goiaha em latas o melhor possivsi a
2* e em caixao a 640 muito bem enfeitedos a 700 e 600 rs.
Chouricaseipaies'Hiuito novos a 800 rs. a.'Pa'litoedo gaz a2*200'rs. a grosa,
libra. Passa-s muito nevase 4*0 ts. a libra.
libra.
Figos em caixinhas reneticamente lacradas
a 1*600.
Viuhc do Porto engarrafado o melbor que
fes neste genero e de varias marcas, como
sejam: Yelho de 1815, Duque do Porto,
Madeira, D. Pedro, D. Luiz 1, MariaPia,
tBocage, Chamisss e outros a 800, 900 e
1*000 a garrafa, e em caixa eom urna du-
zia a 9*000 e 10*000.
dem em pipa, 'Porto, Lisboa -e Figueira a
480, 500 e 580 rs. a garrafa e 3*, 3*500
e 4* a caada,
dem bianco de Lisboa muito'Bao a 500 rs.
a garrafa,
dem de Bordsiux, Medoc cls. Juliena 700
e 800 rs. e garrafa, e 7*030 e 7*5O0t*.
a duzia.
dem Morgaox e Chateaulmnirii de 1854, 1 *
a garrafa,
dem moscatel a 800 rs. "a-garrafa.
Vinagre de Lisboa a 293 rs, a garn-'a e
1*200 rs. a caada.
Kirsk garre&s muito grandes a 1*800ts.
Alm des gneros aoiraa mencionados te-
mos grande porco de outros que deixamo
de mencionar, e que tudo ser vendido por
pecase cacadas, tanto em porces como
retalho.
Quero comprar de 100*000 para-cima te-
r o abate -de 5 por cetto.
l^

.PROYELTEM ^ROVEITES
AOS
7,150 COVADOS
de sefas de cenes de todas as quafdades.
Na Ifoja da raa do Crespo numero 17.
Importante/iompra de 7130-cwados de seda devtodas as quadades, .proprias para
vestidos de senijoras c de menina?, e veade-se porprecos admiraveis.
Oalros muitos objeclos de apurados gostos paca -PHnhoras, vesiiils e lilonde para
casamento a 90-cada um, capas gratas, soutambar^Kes decores e preos, ciapos etc.
Faeendas de Jinho e de algotas as melhores que existen) no mercado.
Opropritamodeste importaD'-eestabeleeimenlevvai a Europa muito breve com-
prar faieadasue. apurados gostos, presentemente vende as suas mercaderas por precos
baratissinos para liquidar.
PnoQiem todos. JProtejaiu dos a lu portaste
LKUIDACiO
A toja da rita do Crespo n \ 1.
"*HW*
^
No armazem e, fazendas ba-
ratas de Santos CoeUho na
do Queimado n. 19
%mle-s* <* segukc:
AOEN9A0.
Ricas laatinhas para- vestido, fazc&da a melhor
que teta vudo ao mereato, tanto em 'sto como
em quatidade pelo bKstissimo preoo de -560 rs.
o covado.
Laauoha^ oiiudinluts -carmezins proprias para
vestidos de meninas e ounisinhas a-640 rs. o co-
vado.
Cortes-e laa com t-oovados pelo barato preco
de 65. ^
I Cubera:-, de chita da1 iadia a i&StO c 3&.
Lences de pannod&iinhoa -3 e^j$o00.
I Pecasdocambraiadeorrocom8 412 varas ;
3200.
i Toalhasakochoadas proprias paca>raaos a .4
duzia.
i Ricos entes de la oa barra a Mara Pita
; 185000.
Ptvas de pialilhas de algodao osr. 10 varas
proprias paca saia a 45-
Algodo ftfestado com' 7 1|2 palmes de largura
a 15100 a vara.
Esleir da Jodia, propr para forro-de sala de
'i, S e 6 palmes de largura por meses preco do
4ue em outra qoalquer parte.
Neste arnueam tambero se encontrar um gran-
i sortimento de roupasfitas e por medida.
IBM
o

^EIVTIilO!
VAI FALLAR
N. 38 Ra do Iivramento N.
(iHfione da grade da fgreja)
38
LW\ 110 BFiJA FLOR
Piua(do Queimado ns. 63 e
CiflUg kaes-ios.
So,ciliados os lindos oiotos bordados oiko,
,ptj!o. barate pre^o de 25300 e ^5000: no Reija-dor,
lia do (Jue:mado ns. 63 e (59.
lircllas para cintos.
Cfjegaramambem ricas liwelUs douradas e de
.v o ;.ara.ciiuas a 150(10 e 15*W : no Beija-flor,
rugido Queinudo ns. 63 e 69.
Pentes de larUruji.
Lnfr?s pentec de tartaruga, goslo moderno, a
55206, :o5o00 .e 65000 : ra de Queimado ns.
63e.ee,
Pintes de traveiiM.
Veadan-se penlts de travessa de evogosto para
menioae .a 600 e 800 rs. : s no Beija-Jor, ra do
Queimado s. 63.e9.
PoDto.s (it/a atar cabellas.
Lidos pestes pequeos para atar cabellos, prc-
prios para e andar em casa a 400 e 500 rs.:
no Beija-flor, raa do Qseimado us. 63 e 69,
Batfs.de iadreperala.
Tendo reeefaule um variado sortimento dos de-
jjadu.- botoes paca abortara de roupao, vendem-
e a 400 rs. aioiuadura : no Beja-flor, na. do
Queimado ns. 63 69.
Eaffir* para aoboras.
(Judos enfcites edernts a 25000 e 25400,
ditos de rede a|4O0rs. : no Beiia-flor, ra do
Quedado ns. 63 e 69.
Talhre ttr* meikws.
Chefaram novos sortimentos de talheres para
meninos x 280 e 320 rs., dito* cabo da bataneo de
um bole a 400: na, lujas do Be ja-flor, ns. 63
69.
Lia para bordar.
Vende-se lia de superior qualidade e d lindas
cores a 65800 a Jk>ra : no Beija-flor, ra d Quei-
mado, ns. 63 e 69.
Papel de versas qaaldids.
Vende-se papel de l>eira dourada pautado a
15200 e ltf.300 o paeoii,dtos semser dourado e nem
pautado a V), 800 e 15000 : no Beija-flor, rna do
Queimado na. 63 e 09.
Eif elopes para cartas.
Vende-se en velones de cores a 600 rs. a cal na,
ditoi brancus a fiit e 800 rs. : no Beija-flor, roa
do Queimado ns. 63 e 69.
Fcniea- dettfMM para atar.
Vende-se pentes dourados para atar cabellos a
15000,15a. J5800 e 3^000 ; no Beija-flor, ra
do Queimado ns, 63 e 69.
ll'enles para narraras.
Vende-se tiedos penlinhos dourados com pedra
para marrad a 15200 : no Beija-flor.nca do Quei-
mado 11 s. 63 t. 69.
Sa|ialos de trate*.
Vende-se sapatos de tranca muito bont a 15300,
ditos de tapete :i 15600 : no Beija-f or, ra do
Queimado ns. 63 e 69.
Kalaios com sabio.
Lindos halaios com 6 sabonetes de varias frnc-
us a 25dOO cada um : no Beija-flor, ra do
.Queimado ns. 63 e<&9.
>'as mesmas lojas se encontrar lindo sorti-
mento de perfumaras e variado sortimento de
mradezas que se tornara enfadonhe menciona-las,
postra afanca-se ser Uido bom e mais kanato quv
eui.Qutra qualquer parto.
Bap Princeza Gasse.
Grosso, meio grosso, fino.
Paulo Cordeiro.
Paulo Cordeiro meio grosso.
Paulo Cordeiro Vagado.
Todas esla* excedentes e acreditadas qualidade*
fabricadas ao Rio de Janeiro aonde tem grande
aceitaco e oas demais provincias do imperie, pe-
lo seu bora aroma e materias de que fabricado,
vende-se no uaico deposito nesta provincia no ar-
mazem de Jos Joaquitn Lima Bairao, ra da
Cruz b. 18.
T B B ?
P1J
9
_> ^^ *-^ -* .~*.
0 2 CS^HZ
-t as o p -

" e-i
^^^^
-. S5 OT c =
B9
.
o.-
g en a-
f
^w s-----
ce -j
j*#i;
I Kfi.o SI g.go.
O Vigilante est alerta, nao lhe era permettido
deixar passar desapercebido sem que nao dsse o
seu canto aflm de annanciar ao respeitavel publico
o grande sortimento de gala ruaras do melhor gosto
proprtamenle para qaalquer mimo, que acaba de
chegar neste ultimo paquete, asslm como muitos
outros objectos que recebe por diversos navios,
laujj de sua conta como de consignacao, que est
resolvido a vender por precos muito baratos para
vender muito e ganhar pouco, e dar extraerlo ao
grande deposito que tem, que espera merecer a
protec^ao do respeitavel publico, empregando para
isso todas e as melhores diligencias para que fi-
3uem satisfeitos : isto s no Gallo Vigilante, ra
o Crespo o. 7.
Ricas porta-joias. '
Cofre de muito gosto por 165000
Cestinhas transparentes, forradas de madre-
pecla por 185000
Lindas jardineiras 105000
Ricos cofres com camapheu 105000
Lindas caixinhas com pedras brancas 105000
Lindo balao com calunga dentro tambem
_ para joias 105OOO
Tambalier para ditas !*(KK)
Cestinhas dem dem 65000
Costnorama dem idera 65000
Urnazinha (5000
S no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Ricos porla-bouquetes de diversos gostos e pre-
cos : s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Ricos sintos
com boteiohas ao lado a 10, 12 e 155, ditos sem
bolea, porm do mesmo gosto, a 25300, 35, 35500
e 45, ricas fivelas avulsas para sintos, o melhor
que se pode encontrar, a 1,5500, 25, 25500 e 35 :
s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
abaies on cestinhas.
Al que Chegaram as desejadas cestinhas ou ca-
bales para asoieninas trazerem no braco, o mais
rico possiveL, a 25500, 35500, 4, 6, 7 e 105 : s
no Vigilante, rna do Crespo n. 7.
Pentes.
Neste artigo tem um grande sortimento, tanto
para alisar como para atar cabello, o mais lindo
que se pc-Se desejar, assim como de arregacar ca-
bello, lauto de borracha como de tartaruga, com
enfeite e sem elle para meninas: s uo Vigilante,
ra do 'Crespo n. 7.
Pentes
Tanf>em chegaram os riquissmos pentes de
conlm de tartaruga e de massa fina, que se vende
por^S, 3 e 55 : s ns Vigilante, ra do Crespo
numero 7.
Leqnes.
Riquissimos leques de madreperola, lato para
seofcora como para mocinhas, pelo barato proco de
12-e 145 : s no Vigilante, ruad Crespo n. 7.
Mais leques.
Com pequeo dceito, leques de sndalo, por ba-
HKo preco, a 85 e 05, chinezes, muito bonitos,
tambem por barato preco de 4 e 55, bentarallas
aiuito bonitas taobem por barato preco de 4 e 55,
Jeques de charo-tambera por 45, tudo islo para
a.-aliar, perdendose tatve 80:0jO : s no Vigilan-
e, rfia do Crespo -n.7.
Porseiras.
Lindas pulsaras de contas e de mssanga, cores
muito lindas ede>rauito gosto a 15 e 15^00.
Para egurar mangnilos.
Tambem cheparam as liguirmas estreitidnas de
borracha que as seahoras taole precisam para se-
gurar os manguitos por ser muito commodo e mui-
to barato, aMO-cpar: s ne Vigilante, ruado
Crespo n. 7.
Carrclas.
Riquissiraas carpetas de madreperola proprias
para qualquer presente, pelo bsratissimo preco de
15500 e 25-
Yolliiilta*.
Lindas voteinhas-de perolas talsas com oruainhas
fingindo briirames.^ssm como-cruznhas avalsas
e vollinhas, pelo-barato preco-de 15 el5M0, as
cruzes avulsas a'400 rs. : so .ao Vigilante, ruado
Crespo n. 1.
fepaiinlMs e meias df seda.
Riquissmos apatiuhos de sed* e de merino en-
feitados, assim como meiaszinnas de seda,^ca-ra-
zinhas e touqutnhas. para as criaacinhas se bspti-
s oe Vigilante, ra doCrespo n. 7.
Goliohas.
YERDADEIRO IM5I\CIPAI,
Ordem do dia.
Est em discussao a tabella dos procos que o BALIZA tem a honra de oere-
cer ao respeitavel publico tanto da cidade coito do centro.
Se por esta publicacaa qualquer um dos nobres coltegas entender necessario
fazer alguma alteracao em seus annuncios, tignc-se mandar a sua emenda para o jornal,
que o incansavel Baliza nao lhe pora peas nem'o embancara de forma alguma a benefi-
ciar o povo.
Amigo de vender barato o Baliza nao expe a venda senao os gneros bons.
Elle se julga no caso de vender trio mdicamente como oulro nao o excede ni

Soldado soprador toma o clarim
E firme como a rocha fca assim
Nao toques nesse pessimo instrumento
Do Balisa olha s o movimento.
1Z t que dos mitrados tens as cordas
De tudo vendedor de proprla conta
X'io pasmes vendo como sobrancelro
Do regresso o Dalssa a ira a6"irona.
O grande depesiio que temos de vinho nos obriga a abaixar seus precos,
achando-se i vista dos compradores cerca de 3 a 4 pipas desle genero, entre pipas-,
barris c ancoretas.
-sarem
Amendoas confeitadasem lindos frascos a 800
rs. a libra
dem com casca a 32o rs. a libra.
Ameixas francezas em caixinhas e frascos a
1,2oo, 1,00o e 2,000 rs.
Alpista a IGo rs. a libra e 4,6oo a arroba.
Arroz do Maranbao, Java e do Penedo a 80,
loo e 12o rs. a libra, em arroba a2,ooo,
2,8oo o 3,2oo.
Azeite doce retinado a 800 e loo rs. a gar-
rafa,
dem idem em barril a 61o rs. a garrafa e
4,800 rs. a caada.
Ancoras com vinho do Porlo, encommenda
feita pelo proprielario do Baliza a 3o,ooo
,rs. a ancora com 7o garrafas.
Aneoreta americana com seis garrafas de
vinho Figueira a 3,ooo rs.
Bolax'mhas de Lisboa, ingleza c americanas
em latas a I.ioo, l,5oo, 2,000 e 3,ooo rs.
e americanas em barricas a 3,ooo rs. a
barrica.
Boios com 10 garrafas de azeite doce de
Lisboa a 5,ooe rs.
Banda de porco a 4oo rs. a libra e em barril,
a 36o rs.
Batatas em gigos a l,5ooo gigo.
Cha perola a 3,ooo rs. a libra,
dem uxim a 2,6oo e 2,8oo a libra,
dem hysson a 2,ooo, 2,4oo e 2,8oo. a libra.
dem do Rio a l,6oo rs. a libra,
dem preto a 1.5oo e 2,000 rs. a libra.
Charutos dos melhores fabricantes da Babia
eJio de Janeiro a 800 rs. e l,Soo, 2,000,
2,ioo, 3,ooo, 3,5oo, 4,5oo e i.000 rs. o
cento.
Chocolate dos melhores fabricantes de Paris,
Allenwnha, Hamburgo e Lisboa
Copos lapidados para vinho a 2,800 a duzia.
dem idem para agua a 5,ooo, o,5oo e G,ooo
rs. a duzia.
Lingoas americanas muito novase muito gran-
des a l.ooo rs. cada urna.
Linguicas promptasem latas a l.aoo cada lata.
Manteiga ingleza Cor a 800 rs. a libra neste
genero ha mais de 10 baris abertos fim de
serem satifeitos os compradores.
dem menos superior a 64o rs.
Manteiga ingleza a 5oo, 4oo e 32o rs. alibra.
dem franceza a ?JGo, Goo e 64o rs. e em bar-
ril por menos.
Massa de tmale a 64o rs. a libra.
Mai melada dos melhores fabricantes a 64o
rs. a libra.
Mullios inglezes a 4ooe 64o rs. a garrafip.na.
Mostarda preparada a 4oo e 64o rs. o frasco.
Massas para sopa a 4oo rs. a libra das de ta-
lharim, aletria e macarrao.
Ulum luas estrellaba e pevide a 3,ooors. a
caixa.
Milho miodo para passaros a 16o rs. a libra
e 4,8oo a arroba.
Marrasquino de zara do verdadeiro a I,5eoo
frasco,
dem menos superior a 800 e 1,000 rs. o
frasco.
Rliuissimasoiinbasfl maneuitos, o melhor gas-
to possive, a S5, 25M} e 35: no Vigiiaate, Cerveja das melhores marcas a 4,000, 5,ooo
ra do Crespea.-7. 1 ,e 6,ooe rs. a duzia.
. *"tf*8'iw senhaea. Cravo canella e cominhos.
arKss?s,1,jj5ots,:,s vt ebo,as ? m,oihos '*sr *?
ialnte, ra do-Crespo.n3 Consorvas inglezas a 800, 9oo e l,ooo rs. o
Tranec-iins. L .fras- B,
Lindos traoeelis de.eabdlo para.relogie ou lu- i0lllasfranoezas a Doo e 64o rs. o frasco,
stas, pelo baratisuno .pneo de 1580, ditos de Cognac inglez e francez a l.ooo rs. a garrafa.
Fstroz a 200 rs.
lia badiH los entremeidc
Caf de 1.a, 2.a
e 9,ooo rs-
e 3 a qualidade a 8000 9,ooo

iRiquissimos bataidinhos eRtremeos ^om lindos Cevadinha de Franca a 24o rs. a libra.
MMOnos Upados earansparejtes, pelo tiaratissimo rhmnnaonpiipmnitn hAa nimli.larfp 1 19 nnn
Lprro de 15200, 15W0, 25 e:5 : s nov/igilante uae[iPaiieoer lul.t0 f103 quahdade a 12,000
ru* do Crespo n. 7.
Caearrilhas.
a w a,
S B
Venda de predios
en particular u em leilo.
Vendem-se duas propriedades de casas conti-
guas, de do ns andares e solio, com grandes arma-
sene oceupados actualmente pelo Sr. Feliciano Jos
Gome*, para o trafico de atsucar, sitos na roa de
Apollo os. 34 e 36, edificado* pelo actual propie-
tario, ean ptimos alicerca*. superiores madeiras,
e acabada*n 1801, lendo ambos 52 palmos li-
vres de paredes, de largura, e os altos do de n.
34, e o primeiro anda du de n. 3d 2la palmos de
comprimento, o segundo andar do de D. 36 tem so-
monte 120 palmo* de comprimento, com um ter-
raco.e os armazn* tem 340 palmos da compri-
mento cada um. tendo ambos tambem frente para
a ra do caes de Apoll, i o de n. 36 tambem para
a travessa do antigo porto das canoas : os preten-
den tes estes valiosos predios queiram dirigir-ge
ao seu proprielario na raa da Cadeia do Recite n.
44, segundo andar, on ao agenta Olivelra na mes-
illa ra n. G2.
- Vende-se muito larato nnr bom cavallo de
cabriolee para ver, na ra do Canno n. 13,e para
tratar, na roa da imperatrii n. SO, toja.
X3 as
3a
=2
S i
2 &r
1

srp- =
w
w i 3
-O S O
m "o s
2 3 So
o
5
ai


G*ande sortimento de cascarrilhas de.diversas
o'5 o a> ^(i-*) i larguras, assim comoalaoiinho trancinbas pro-
- *^L !prias,para enfeites : 80 no Viailaale, ra do pftea
s
se
e
X
e 2o,ooo rs. a duzia.
D0&66 da casca da goiaba em latas preparadas
com muito aceio, propria para memoziar
algum amigo na Europa, por ser inallera-
vel por mais de um anno, a 3,ooo rs. a lata
com 7 libras.
Graode sortimento de je fluaiidade, por precos que admiran aos comara-! rs- CMaiOi
|.dores, havendo fitas arga propnias ipara sinteicos j Ervilhas portuguezas em latas com 1 l/i li-
que se,pede vender a 300rs. a vara, e peca de2 bras por "00 rs.
*aras zU : s'jjifjj* d ***>* dem francezas em lats a 5oo rs.
Flasde.ea de todas a. qoaad, pwprias para !Idem SeCCa,S a *. rS" a libra'.
debrum de .vestido a 700 rs a peca : so ao Vigi- Espermacoteamericano primeira qualidade a
laote^irua de Crespn. 7. j 1.2oors. a libra.
Reos rsprlhmi. [Hot francez a 56o rs. a libra, e em caixas Wem de Lisboa sem confeiccao, (deencomen-
mSS^ sem Hade 5, 10,12 e 145, assim como coa co- pv-inha d'ararnta vprrladira a lftnr a Khn das
luma de drflrentes tamanbos a 25,3, 4, Se 6*:. ,ar*!ia a araruia veraaaeira a 100rs. a ipra. i r*8-
s no Vigiante/ua do Crespo n. 7. Farinha de trigo a 12o, 14o e 16o rs a libra. WeiQ de Lisboa mais baixo a 46,ooo rs.
M,JaJg jarros e fl^urac. j Farinia de milho a 16o rs. a libra. i dem em pipas a 3,ooo, 3,5oo e 4,ooo rs. a
RiquiMkBos jarros e figuras de poreeiana fina Figos em caixinhas e em latas lindanmente: caada.
Eff~^^*tfggSff s0"0 Ia ***' enfeitadas a 8oo e l,5oo cada um. j dem em barril do Bordeaux com 13o gari '
Para W* de arroz. Fumo americano em latas para cigarros a! rafas por 5o.ooo rs.
Riquissimos rasos com boneca para pos de ar-i.. *>8 rs
roz, cousa de muito gosto a 15500 e 25, assim co- dem em pacotes a zoo rs,
mo jacotes s eom os nos a 320 rs. cada um : s dem em pasta a 1,20o rs. a libra. .
no velante, roa do tresp, n. 7. ; Genebra de laranja a 1 ,ooo re. o frasco.
** dem ingleza marca Gato a ,ooo rs. a garrafa.
Nozes a 2!o rs, a libra.
Prezunto porluguez de superior qualidade a
64o rs. a libra e inteiro por fioo rs.
dem inglez para fiambre a 64o rs. a libra,
nao agradando mesmo depois de preparado,
poder ser devolvido, que se trocar por-
ouo ou ser restituido seu importe.
Passas novas a ico rs. a libra.
Polvo a 16o rs. a libra..
Painco a I Co rs. a libra.-
Pomada a 24o rs. a duzia.
Pimenta do reino a 36o rs. a libra.
Peras seccas a 64o rs. a libra.
Peixeem latas a l.ooors. a lata.
Papel almasso e de peso, de diversas qua-
dades e precos deferentes.
Palitos do gaz a 2,2oo a groza.
dem para dentes a 8o, 16o e 24o rs. o ma-
co com vinte macinhos.
Gueijos flamengosa 2,6oo, do ultimo vapor.
dem prato a 64o rs. a libra.
dem londrino a 8oo rs. a;libra.
Rap Meuron a l.ooo rs-. a libra.
Saceos com milho muita/novo com 2o cuias
a 3,ioo e a 2oo rs. acuia.
Sevadinba a 24o rs. a libra, ( nova).
Sag a 28o rs. a libra.
Sardinhas de Nantes a 64o, 56o e 36o rs. a "
lata.
Sabo massa a 12o, 19o, 2oo e 24o rs. a li-
bra,
e em caixoes por muito menos.
Sal refinada a 6oo rs. o pote de vidro.
Toucinho de Lisboa, de Santos e americana
a 16o, 24o e 32o rs. a libra, e em arroba
a 5,ooo, 7,ooo e 9,ooo rs.
Tijollo para limpar facas a J6ors. cada um.
Vinho do Popto em caadas-a 3,5oo, 4.oooe
5,ooe rs. e em ancoras com 7o garrafas por
3o,ooo rs.
dem idem deBordeaox com 70 garrafas por
3o, ooo
dem em caixas por 5,ooo rs. a caixa com 42
garrafas da melhor qualidade que vem ao
nosso mercado.
Empreza da Ulumina$o
gaz.
Todas as vendas de apparelho* e reclamacoes
(por eseripto dando o nome, morada, data, etc.),
devem ser feitas no armazem da ra
Ssu!" apresSriom "Sffue "ri'ZaS t!?cliTOS e ^eciretos" Zs^inhal, doT me- '< pequeo e grafito!- *.. m em pipa, barril e ancoras a 4,ooo e 5.ooo
^t^^^A^^^^,\^l^^^^^^^^ e ingu- IdemdeHamburgo,a56ors,ofracoe6,oool rs. a caada.
trra, assjm como os grandes copo* de banha japo-! re. a f i Vinagre de Lisboa, Porto, tiato e branco a
l.fiooe 2,ono rs. a caada
assignar logo depois de prompto o servico
reclamado ; isto para que a empreza fique seiente
de haverem os mesmos senhores sido devidaioen-
le attendidos.
Raa da Seazalla a. 42.
Vende-se, em casa de S. P. Johnston & C,
sellins e silhes inglezes, candieiros e casti-
caes bronzeados, lonas inglezas, lia de vela,
chicotes para carros e montara, arelos para
carros de um e dous cavallos, e relogios de
ouro patente inglez.
k aTS' *^S^S^ *%? iIdem de Ho'Handa a 64 e '6o re frasco,vinh0 branco Para niissa de Lisboa e Porto
1 tioclivos e offereciraentos as sinbazinhas, dos me-; pequeo e grande.
Ihores e mais afamados autores de Pars e logia- dem de Hamburgo, a 5&
trra, assim como os grandes copos de banha japo-1 rs a frastraeira
neza a 25 e a 15 ; assim como outros objectos que r.P9, Am i,,,8 a I 9/ui r< a rliwin
nao possive per tojo; aanuneiar.e ste Jes, i".ra,xa ^m ? j..1 a ,,
freguezesse far todo negoci: na roja do lio Limonadas de diversas fructas a l,ooo
garrafe.
Licores, inglezes e francezes a 1 ,ooe, 1.5oo! xas a 52o rs.
e 2,ooo rs. garrals grandes e pequeas. I Vassouras americanas a 64o rs. urna.
________________________________________________________. ...!_____________,______________________________________________________________________________
Charutos da ilavaua.
Vende-se superiores charolo* da Havana era ca-
seda Rabe Sclimettau t C. : ra da Cadeia n. 19.
:odo negocio
Vigilante, ra do Crespo n. 7.
loja
Farinha de mandioca superior
em saceos grandes: vende Antonio Luiz de CHivei-
ra Azevedo ti C, no seu escriptorio roa da Cruz
numero 1.
Gaz, Graz, Gaz.
Latas de um, dous e cinco galoes,
De sqperior qualidade, preeo commodo :
Na ra do Apollo, armazem n. 1
a dem em ancoras por 16,ooo rs.
Velas estearlinas a 56o rs. o maco, e em cai-

Vende-se

urna rica esteira propria para forro de urna sala,
com 20 palmos de edmprida e 19 de'largura, e
urna dita menor : na roa do Codorniz n. 8.
Vende se
um bonito escravo de 18 annos, ptimo para pa-
gem ou para eurro qualqner servico : na; ra da
Praia n. 47, primeiro andar.

ILEGVED







m-
Mari* e reravaa*a>ne ... T^rf letra 99 de Agosto de lfl4.
GRANDE ALLIANCA
57 RA DO IMPERADOR 57
DE
Paulo Ferrera da Silva & Companhia
Grande sorlimento de molbados em grosso e a retalho. nica armazem que mais
vanlagens efferece ao publico.
Desenganeni-se todos.
*

I-: o Alllaaca o verdadeiro homem do progressso.
li Alliava o verdadeiro e principal armazem de molhados.
V. o Allian^a o armazem que vende mais barato.
i o Alllanpa o armazem que vende s melhores gneros.
k All tanca o armazem onde preside o mellior aceio.
Fiquem todos sabedores desta rwdade,
Venbam todos ra do Imperador n. 57.
Venham ver os gneros que temos expostos a venda.
I

0
NEM COROAS NEM MITRAS

NOVA EXP0SIQ10 DE GNEROS
NO
ARHAKGlIf
h.
c.k%\im:
ARMAKEM
DE


PAR
S. JOAO
de bonitas cor
AS
DE
FESTAS


ES. PEDRO.
Amendoas confeitadas de bonitas cor I*dem de Hollanda em garrafes com 24 gar
8oo rs. a libra. rafas a 7,2oo rs. com o garrafao.
dem de casca muito nova a 3oo rs. a libra. Lentilhas excellente legume para sopa e gui-
Avelaos a 2oo rs. a libra. zados a 2oo rs. a libra.
Ameixas francezas em caixinhas com lindas Licores francezes de todas as qualidades a
estampas a i,2oo, l,4oo e l,6oo rs. cada 8oo e l.ooo rs. as garrafas grandes.
urna. I Manteiga ingleza perfeitanente Jlr a 8oo
dem em frasco de vidro com rolha do mes-, e 96o rs. a libra.
mo ou de metal, a l,2oo e l,4oo rs. cada dem franceza nova j deste anno a 6oo rs.
um. a libra, e 58o rs. em barris inteiros.
dem em frasco grandes a 2,5oo rs. cada Marmelada especial dos melbores fabrican-
um. tes de Lisboa a 6oo e 64o rs. a libra, ba
dem em latas de I '/ e 3 libras a l,2oo e latas de differentes tamanhos.
2,ooo rs. I Massa de tomate em latas de 1 libra a 56o
Arroz da India e Maranhao o meihor que se, rs. cada una.
pode desejar a loo e 12o rs a libra e dem para soda estrellinha, pevidee rodioba
2,8oo a 3,4oo rs. a arroba. em caixinhas sorlidasa3,ooo 3,5oo rs. cada
Azeile doce de Lisboa a 6oo rs. a garrafa, e urna e 5oo rs. a libra.
4,8oo rs. a caada. dem macarro, talharim e aletria a 4oo rs. a
dem francez clarificado era garrafas br'an- libra.
cas a 9oo rs. cada urna, e 10,000 rs. a iMostarda franceza preparada era frasco a 4oo
caixa com 1 duzia. rs. cada um

RA DO IMPERADOR 40
Junto m sebrado em que mar e Sr. (Mame,
festa de Santo Antonio, S. Joo e 8. Pedro.

Duarte AlaaeMa fc c. recefeeram de sua preprla riicouiineu-
4a nafa liad* e rarlado sorlimento de molhadoa, proprlos
da presente estaef
Manteiga ingleza
da safra nova viuda neste vapor de 28 de
m?io a 800 rs. a libra.
Manteiga franceza
limpa a 32o rs. a li-
e 4,Goo rs. a ar-
Alfazema muito nova e
bra.
Alpista a 16o rs. a libra
roba.
Bolacliinhas de Lisboa da fabrica do Beato
Antonio das seguintes qualidades: agua e
sal doces, e imperiaes em latas de 6 libras
a 3,ooo rs. e de 3 Va libras a I,5oo rs.J
e em libra a 64o rs., estas bolachinhas
torna-se muito recommendavel com espe-
cialidade para os doentes.
1 liscoilos e Bolachinhas de soda em latas de
todas as qualidades e marcas que se pro-
curar a 1,35o rs. a lata.
Bolos francezes em cartes e de diversas
qualidades a 64o rs. cada um.
Banlia de porco verdadeira refinada a 4oo
rs. a libra e em barril a 38o rs.
Batatas novas a 16o rs. a libra.
Solacliiiilias inglezas ltimamente desembar-
cadas a 24o rs. a libra e 2,ooo rs. a bar-
rica.
Champagne das marcas mais superiores que
at hoje tem viudo ao nosso mercado a
t8,ooo rs. o gjgo e I.Soo rs. a garrafa
inteira, e 8oo rs. as meias.
Cha mina o raellior que se pode desejar, e
que outro qualquer nao vende por menos
de 3,ooo a 2,7oo rs. a libra.
dem perola de espacial qualidade a 2,6oo e
2,8oo rs. a libra, garanle-se a qualidade
d'este cb.
dem hysson o mellior que po'ssivel encon-
trar-so a ,4oo e 2,6oo rs. a libra.
dem do Rio era latas de 2, 4, G e 8 libras
a 1.2ooe l.ioo rs. a libra.
dem prelo muito fino a l,0oo rs. a libra.
Chocolate das melbores qualidades, francez,
hespanhol c suisso a i.ooo, l,2oo e 1,4o
rs. a libra.
Charutos do acreditado fabricante Jos Fur-
tado de Simas em i!> caixas das seguin-
tes marcas: Parisienses, Suspiros, Dili-
cias, Napoleocs e Guanabaras a 2,3oo rs.,
e em caixas inteiras Trovadores a3,ooo
rs. cada urna.
ldm de outros muitos fabricantes c de dif-
ferentes marcas para 1,5oo rs. as meias
caixas, de suspiros a l.Goo, 2,ooo e3,ooo
rs. as caixas nteiras.
Conservas inglezas a 8oo rs. o frasco.
dem franceza a 5oo rs.
Cognac inglez das melbores marcas a I.ooo
rs. a garrafa e lo,ooo rs. a duzia.
dem francez superior qualidade a 8oo rs.
.a garrafa e 9,ooo rs. a duzia.
Cominho e erva-doce a 4oo rs. a libra.
Gravo da India a Goo rs. a libra.
Canella a l.ooo rs. a libra.
Copos finos para agua a 5,ooo rs. a duzia, e
5oo rs. cada um.
Caf do Rio superior a 280 e 320 rs. a libra,
e 8,8oo e 9,5oo a arroba.
Doce fino de guiaba a 6oo rs. o caixao.
Ervilhas porluguezas ltimamente cliegadas
a 7oo rs. a lata.
dem ceceas a 16o rs. a libra.
dem j descascadas a 2oo rs. a libra.
Farinha de araruta verdadeira a 320 rs. a
libra.
Figos em caixinhas muilo bem enfeitadas a
l.ooo rs. cada urna.
dem em litas ermiticamente lacradas a
l,5oo e2,5oo rs. cada urna.
dem em caixas de "i arroba a 2,5oo rs.
cada urna, e 2oo rs. a libra.
Graixa muito nova a 4oo rs. a lata e l.ooo
rs.. a duzia.
Genebra de Hollanda em frasqueiras com 12
frascos por 6,ooo rs. e 560 rs. o frasco
dem de laranja a l,ooo rs. os frascos gran-
Molho inglez em garrafinhas com rolhas de
vidro a 64o rs. cada urna.
Marrasquinbo verdadeiro de Za l.ooo'a dja -
agarrafa, lo.ooo rs. a caom 1 usi.xrc a
zia.
Nozes muito novas a 16o rs a libra.
Prezunto de fiambre superior a 6oo e 8oo
, rs.
dem do Porto para panella a 5oo rs. a libra.
Passas novas a 48o rs. i libra.
Peixe em latas de differentes qualidades co-
mo, savel, corvina, govas,
outros a l.ooo rs. a latas.
Palitos para denles a 14o e a 16o rs. o mas-
so dos melbores.
Painco o mais novo e limpo a 16o rs, a li-
bra, e a 4,5oo rs. a arroba.
Palito* do gaz a 2,loo rs. a grasa, e2oo rs.
a duzia, e 20 rs. a caninha.
Queijos flamengos cliegados nesle ultimo
vapor, a 3.000
dem pralo muito fresco a 8oo e 9oo rs* a
libra.
dem suisso a meihor qualidade que at bo-
je lm rindo ao nosso mercado a 8oo rs.
a libra.
dem londrino a 9oo rs.
Sal refinado em potes de vkfr) a 5oo rs, i
cada um.
Cerveja das melbores marcas a 6,ooo rs. a
da safra nova
a 500 rs.
a 560 rs. alibra, e em barril
Amendoas

confeitadas de lindissimas cores a 800 rs. a 1
libra.
Ameixas
em frascos de vidro com 3 libras liquido a
2-5400, muito propios para mimos.
Cartoes
com bolos francezes a 500 rs. cada um.
Latas
com bolachinhas de soda de todas as qua-
lidades a 10300.
Chocolates
de todas as qualidades a 15000 a libra.
Presuntos inglezes
dos melbores fabricantes a 800 rs., tambera
temos velbos para 500 rs.
Queijos flamengos
ebegados neste ultimo vapor a 256oo.
Ma^as brancas
para sopa a meihor que se pode desejar,
macarro, talharim e aleiria a 400 rs. a
libra e 4500 a caixa.
Vinho
Figueira J A A e outras muitas marcas acre-
ditadas a 500 rs. a garrafa.
dem de Lisboa
e de outras marcas a 400 rs. a garrafa, e
2800 a caada.
dem do Porte
generosos engarrafado des melbores fabri-
cantes da cidade do Porto a 1 e 15200
a garrafa e de I O a 120 a caixa, as mar-
cas sao asseguintes: Chamisso AFilho,
F. A M., Nctar ou vinho dos Deuzes,
lagrimas do Douro e outros muito.
Latas
com 40 Hbras de banha a 40000.
Bolachinha ingleza
a 1800 a barrica da mesma que
vendem a 24^00 e 2400.
Nozes
as mais novas do mercado a lOr* .n bra.
Cervejas
PRINCIPAL
DE
M. 9 RIJA DO CRESPO 31*. 9
Esquina que volla para a roa da Imperadar
ainW, J' Prom,?,1 aludida por esta epidemia de naazeaUco* annancios de cornetas, tambores, coras mi-
, tras, etc., que todo o dia enchera as paginas deste jornal.
| AliERTA
Os anunciantes nao tem em vista seno garantirem ao rM>eitavi ooblice a
sua palavra de honra, vendendo com o lucro suficiente-para suas subsistencias eno para
assent;rem fortunas a forca da regra de liga como outros annuncianles deste gener
PARA TODOS

No armazem principal vende-sc a todos pelos precos marcado na sesainta ta-
bella, mas oao se vende por todo o preco fazendo-se peso de arroba hespanhola iraran
le-se as qualidades dos gneros trocando-se todo aquclle que nio seja do airrado do
comprador. 7*7^-
Amendoas confeitadas de diversas cores a Lentilhas muito novas excellente leizunMiw.
64o rs. a libra. ra sopa a 2oo rs. a libra.
libra.
?Infijos i dos melbores fabricantes^ de todas as mai
ebegados no ultimo vapor a 2^600 cada um. &s de -4^300 a 6,5500 a duzia.
ncljo C-ARUTOS
londrino ornafresco que se pode esperar, charutos Thom Pinto,. Rois e outros em
meias caixinhas a 1500.
Arroz
do Maranhao a 100 rs. a libra, e da India
a 80 rs. a libra, e 2#500 a 35000 a ar-
roba desses qoe vendem por 3#400.
CAF
de 1.a e 2. sortcdoiio de Janeiro a 85f
metas latas a 38o e 58o rs. cada'urna.
Sag muilo novo o alvo a 2o rs. a libra.
Sevadinha de Franca 18o rs. a lib?.
Sevada a loo rs. a libra, e 2,8oo rs. a ar-
roba.
Traques de 1.* qualidade a 9,5oo rs. acai-i
xa, o 24o rs. a arla.
Toucinbo novo de Liiba a 2o e 32o rs. a
libra.
Tijolo para limpar facas a 15o rs. cadaum-
Vinho em pipa Porto, Lisboa e Figueira das
melbores marcas-a 3,8oo rs. a caada, e
5oo rs a garrafa.
dem do Porto LsIma e Figueira
e de escollante maree a 800 rs. a
sendo inteiro e a 900 rs, a retalbo.
Conservas inglezas
pesadinha e as mais novas que se pode esperar a 760 rs.
o frasco.
Figos
em libras e caixinhas ricamento douradas, e 8800 a arroba, e 280 a 300 rs. a
pmpnas para m.mos z 900 e 1*200. tJarrafw
UU3 UXim j com 4 '/ garrafas con vinagre a IfiOQOltm
o meihor que se poVe desejar, que outro f o garrafa,
qualquer nio pode-vender por menos de; ...
3^ a 2,-5000. verdadeira
dem perola
especial rjoalidade a 24700 rs. a Ifra. i
dem hv.r,on )
o mais aromtico que tem vindo a& aosso
mercado 32^600. de Ho|1and, Ter(]adeira em fFm}i(.iu a 6oo
Massas amarellas rs. cada ma.
talharim e alrtri a PALITOS
os verdadeirspalitos do gaxa*2,2oo a groza
e 2o rs. cada carxinha.
a IJbo! LICORES
GENEBRA VE LARANJA
a 1,5000 o frasco, e de 11#00
a caixa.
era frasqneiras
12 frascos.
0
IDE
de Hollante
GENEBRA
a ;,-J800 com
dem de casca dura a 24o rs. a libra,
dem de casca mole a 32o rs. a libra.
Ameixas francezas em caixinhas com lindas
eslampas, a l,2oo e l,5oo rs.
dem era frascos de vidro a 1,2oo rs.
dem em frascos grandes a 2,5oo rs.
dem em latas de I / libra a I,loo rs. .
Arroz do Maranhao e da India o meihor que
ha neste genero de 8o a loo rs, a libra, e
de 2,5oo a 2,8oo a arroba,
Azeite doce de Lisboa a 6oo rs. a garrafa, e
4,8oo rs. a caada,
dem francez e de Lisboa refinado em gar-
rafas brancas a 9oo rs. a garrafa e lo,ooo
rs. a duzia.
Alfazema muilo nova e limpa a 32o rs. a
libra.
Azeitonas muilo novas a 2,ooo rs, a anco-
rela.
Alpista limpo a !4ors. a libra, e 4,4oo rs. a
arroba.
Bolachinhas de Lisboa da fabrica do Beato
Antonio de diversas qualidade*, em latas
ele 6 e de 3 libras a 3,ooo o l,5oo rs. a
lata, e 64o rs. a libra,
dem ingleza em latas de 2 e de libras
das melhores mareas a l,3oo e 2,2oo rs.
a lato.
Banha de porco refinada a 4oo rs. a libra e
em barril a 36o rs.
Btalas em caixas de c de 4 arroba a
l.loors. a arroba.
Champagne das melbores marcas a 2o.oo
rs. o gigo, l,8oo rs. a garrafa, e 9oo r*.
as meias-garrafas.
Cb uxim o meihor possivel a 2:,7oo rs. a li-
bia .
[dem perola mialidade especia? a 2,7oo rs. Painco amito novo a Mora a libra,e
para sopa, raocarrao,
480 rs. alra.
duzia, e 56e rs, a garrafa. COCiVAC
Sardinia de Lisboa e Nanles ero rjuartos e omratoafamailte'COgnacPalBrandy
rs. a fjairafa e de outras muitas qislidh'-
des a f,ooo e 8oo rs. a garrafa.
COPO*
5,000
re-., a-
de marcas
4oo rs. a garrafa, e-
menos condecidas a
2,8oo rs. a caad.
dem Colares especial vinho a Ooors. a gar-
rafa.
IdemLavradio mui lo fresco Do levandocom-
composicao a 56o rs. a garraf*, e 4,ooo
rs a caada.
dem blanco de uva pura a 56o rs. a garra-
fa, e 4,5oo rs. a caada,
dem mais baixo a 4oo rs. a garrafa, a 3,ooo
rs. a caada.
dem Bordeaux em caixas de 12 garrafas das-
marcas mais acreditadas a 6,5eo e 7.ogo
rs. a caixa.
dem muito especial que raras vezes vem ao
nosso mercado a i ,2oo rs a garrafa, ga-
ranle-se que por este mesmo preeo d
prejuizo e so se encontra n'este arma-
zem.
dem do *orto em 'caixas com 12 garrafas
das seguintes marcas Lagrimas do Dou-
ro, Duque do Porto, Genuino, Veldo Par-
ticular, Malvasio fino, D. Pedro V, D.
Luiz I, Nctar e outros a 9,ooo e io,ooo
rs. a caixa e 9oo e t,ooo rs. a garrafa.
dem Museatel superior a 1 ,ooo rs. a garra-
fa, e lo.ooo a caixa com I duzia.
Vinagre puro de Lisboa a 2oo a garrafa e
2,4oo rs. a caada.
dem em garraf&es com 5 garrafas a I .ooo
rs. com o garrafao.
Vassouras do Porto de arcos de ferro a 32o
rs. cada urna.
dem de escovapara esfegar casa a 36o rs.
cada urna.
des e H,ooo rs. a caixa com 12 frascos.! Velas de espermacete superiores a 56o rs.
dem de Hollanda em botijas a 4oo rs. cada
urna,
dem em garrafes de 16 garrafas a 4,8oo
rs. com o garrafao.
a libra, e 52o em caixa.
dem de carnauba refinada e de compoeicSo
a 36ors. a libra, e de lo,ooo a H,ooors.
a arroba.
----------,--^ .... f-----rfg------------1------------
' '-------------!;
AGENCIA _, ***Jg *! 2
jumgiwe stnieiKo4e Woo b renda prela de
^^^ Dk i ovo modelo chamado {guip) o meihor que se
PlIMTlTf! A f\ Tl T.fl W-MOflH pode desejar oeste arligo e qe e vende muilo ha-
X U11IIAbAU AlAi JlUffl iUVUU. |oJ do ]J0 ^^10 ra de Crespo
Ra 4a SemaUa ova n. 42. i,. %
Neste estabeiecimento contina a
um completo sorlimento de moendaa e raeiai;
moendas para eugenho, machinas de vapor
e tachas de ferro batido e coado, de todos o
tamanhos para ditos.
: ferro para rivea.
Na ra lavga do Rosarw n. 34, loja de joia, ven-,
dem-se lodoso ferrose irtencilios de ourives.
Esteiras do. Aracaly
Vendem-s* a lraa hrlftri le Dos n. 16.
GAZ GAZ GAZ
Vende-se gaz da meihor qqahdide a I2A j rftvftnfl
a iau e em lotes de 10 latas para cima se i ^QfuTllfp. -QC IlHYillin
far abatimenlo no armaxem da na do Im-. de sup'riw qualidade veadeavse em casa
perador n. 16 e ra do Trapiche Novo n. 8.1 de Schafleitlm 4 C, ra da Cruz n. 42.
finos de todas se qualidades, a to',090 a caixa
com urna duzia e a 1,00o a garrafa.
Marmelada
dos melhores fabricantes de Lis&fl', romo se-
jam Abreu e-outros muitos- a-600 rs. a
libra.
jftrezuiito
o-verdadeiro prazanto de Laanega* j2o rs.
a libra.
ARBOZ
Maranhao, Java a&idia, a loo re-.. a Sbra e
de 3,ooo, a 3Q& rs. a arroba.
VELAS
de espermacete de-diversas marero- a-56o rs.
a libra e em esiow ter abatimento.
lapidadas para agua a 4,5oo e
duzia", e a 440 e 5oo rs. cada' um.
FAPKL
almaco, greve, peso e de outrs muitas qwn-
liilades- de 2,2oe, a 4,5oo a resma do u-'
Ihor.
Papel de hotitti
de excellnle-quaJidnrle a 2^20% a resma,
PIPKL
azul e par*} para eiabrulhode li,4oo a 2,2o'
rs. a resma.
Coriathias
passas corintiiias maiito novas peoprias para ___K Y^AS
podim a 800 rs. a libra. ^ earnaub era eaixas de arrola.>,3oo c
-rr caixa e 34o rs. a-libra.
rlTUL Hlalas aova
o verdadesiO' fumo americano sm chapa a Wfc caixas de 2 arrabas a o& a caica 60 rs.
1,4oo rsv alibra- a libra.
YllBtflITfi Pasa miite aeras
em quartos e inteiuos a 2,A o quarte- e- 6^500
caixa e 400 rs, a libra,
0 u Cltocolale
UODOllS portuguez o maes- especial que se pede de-
as mais iMwas-d caercado a 7^oo rs. a caixa ^J31- a 80^ rs- wa e 140 s. o- pao.
e 1,000 rs. o innlho. Frutos em eatda
41nAi$i a Pciiw>a ehegadas ultimaaaente, pera, peeegov ginja e
iu|/tMi c xclllirpu outros muitos a 640 rs. a Ial.
o mais novo do mercado a I ? rs. a libra Dse* casca da goia&*
e 4,5480 a arroba. a 600 e 1^ o cafevie.
Os proprietarios do grande armacem o-Verdadeir Principal declara aos seos
fregueaes e amigos e ao publico em geraf, q>e para facilitar a commodidade & todos es-
tipularam os mesmos precos bos seguintes- lugares:
Uniae Commercio rita do Queimaiia 11. 7
_______ O Vertaairo Pi incida! roa do Imperador n. 40
PftR em anaoretas e 9 caada a> 15,ooo rs
cada urna.
GK4ME SORTWE.VTO DE FAZEMUS
-
D
'
I
Custodio, Carvallio & Companhia.
Vt MJJL DO QUEIIflAUO

Pecas de entrnelos bordados a i.
Tiras bordadas a pe^a i.
Caberlas de cbUa a chineza a 2320o.
Lences.de linho Gnos a 22O0.
Toalnas de linho para maes duzia 4.
Sapaios de tapete para meninos, sanaras e horaens pelo barato prwo de 15600 o na
Toalnas de Imlw para mesa a 3,'00 e 4.
Baldes de reos para senfioras "a 3.
Fil de linho Ffso vara 500 rs.
Gnade sorlimento de las para vestidos.
Superiores saias de fustSo para sentoras a 5J.
-----------llfca--------'
r.

^TMl^^


Salitre refinado, soperior qualidade,
deaux, differentes qualidades, inai
qualquer parte : no armazem de
C, roa da Cruz n. 48.
Il'cljo.
Vende-se feJjao molalinho muilo novo pelo b*.
ralo freoo de 8fc, saceos com coias garantidas
pelo vendedor: oa ra da Madre de Dos n. 9.
vinho Bor-
ii.......... .......
ue em
orle &
.

Sabo.
Veirie-se eowslantemente saWo massa, tanto em
calas como a rea Me, a 200 ( 840 rs. a libra : na
fabrica da ra 80 ftangej n. 34.
Canana de fHoa.
Vendc-se na ra 4>lfadre Dcw n. 38, ar-
mazem.

Superior rap de Lisboa, idein Paulo Cordoiro,
idem dito viojdoj idem gasse^grosfo, meto gres-
so, fino e Mei*#f-f*a-s*eoiUBmenf, -tanto
em titira como a retalb t jywante-se ao compra-
dor a boa qualidad : ma praca da lndependewia
n. 5, loja de violas.
a libra.
Mein hysson o meihor que ha ne*te genero
- a 2.000. 2,4oo e 2,6oo rs. a 8>ra.
Sdieni do Rio envalas de 2 a 8 libras, a 1,300
rs. a libra.
[dtempreto homeopathco2,ooo rs-, a libra.
Cerveja das melhores marcas a G,ooors. a du-
aia, e 56o rs. nj garrafa,
Gbecolate francs?,, suisso e hespetihol a
l.ooo, l,2ooel,4oo rs-. a libra.
Charetos do afamado fabricante Jos Furia-
de de Simas e-outros A\r Babia como se-
jaai Regala, Trovadores, Guanabaras, De-
licias e Suspiros, a I',Goo, 2,000, 3,ooo e
rs. a r;li ,i.
Conservas inglezas a 75o rs-. o frasco,
dem franceza surtidas-ou de-urna s yiali-
dare d<' cada frasco a 5eo rs.
Cornac ngl.'ze francez a t,ooo rs. a garra-
fa. e lo.ooo rs. a duna.
Comi.?ho eerva-doeo a 4oo r^. a libra.
Cravo da India a 60o rs. a fibra.
Caneil:iia 1,000 rs. a libra.
Copos- finos para agua e vinho a Soo,
5,000 e 5,5oo rs. a duza, e 5oo rs. eada
um.
Cafr do Rio superior 29o e 3bo- rs. a Sbra,
c 8>5bo a 9,ooo rs a arroba,
dem do Cear a 26v>; 28o e 3oo rs. a libra,
e 8-,000 a 8,5oo rs. a arroba.
Doce de goiaba a 600 rs. o caixao.
Ervilhas porluguezas- em lats, chegadas- ul-
tiaamenle a 7oo rs. a lata,
dem seccas a 16o ik a libra,
dem j descascadas a 2oo rs. a libra.
Parfaaa de araruta- verdadeira a 32o es. a
libra.
Figos em caixinhas bem eafiladas a lo rs.
cada urna.
Graaa nova a lowrs. a tata, l.loors. a
duzia.
Genebra de Hollanda em frasqueiras de 12
friceos a 5.8oo rs., e 56o rs. o frasco.
dem em botijas a 4oo rs. cada urna.
Man em garrafres da 16 garrafas a 4,8oo
rs. com o garrafao.
dem idem de 3 caadas a 7,2oo rs. cada um.
dem ingleza em garrafas brancas bordadas
rom rolha de vidro, qualidade superior
a l,ooo rs. a garrafa,
dem de l.'tfanja verdadeira a looors. o fras-
co, H,-ooo a frasqueiras oV 12 frascos.
Kirsch Wasser excellente bebida Suissa a
l.Soors. a garrafa.
Licores francezes de todas as qualidade* da
7oo e 9oo rs. a garrafa.
Manteiga ingleza perfeilamente flor a 800 rs
a libra, desnessesario mais elogios nes
te genero que s se pode verificar com a
vista.
dem franceza a 56o rs. a libra, e em barril
ou meios a 5oo rs.
Marmellada do 1 .u fabricante de Lisboa a 600
rs. a libra, ha latas de 1, 1/, e 2 libras.
Maca de tomate era latas de urna e duas li-
bras, a 6on rs. a libra. .
dem para sopa estrellinha, pevide, rodiaha,
etc. a 3,5oo rs. a caixa e 56o ra. a libra
Macarro, talharim e aletria a 4oo rs a li-
bra.
Mostarda franceza preparada a 4oo rs o fras-
co.
dem ingleza em p a 64o rs. o frasco.
Molho inglez em garrafinhas com roHia de
vidro a 64o rs. cada urna.
Marrascbino verdadeiro de Zara a l.ooo rs.
a garrafa, e lo.ooo rs. a duzia.
Nozes muito novas a 16o rs a libra.
Ostras preparadas em lata* a 7oo rs. a lata.
l'rezunto par.i fiambre inglez verdadeiro, ga-
rantindo-se a qualidade, a 7oors. a libra.
Passas novas de ramada a 4o rs. a libra, e
6,5oo rs. a caixa.
Petra em latas hermticamente fechadas das
seguintes qualidades, sabe!, corvina, go-
rz, cavallinha t pescada a tm rs. la-
ta.
Palitos para dentes Sobadas a lors. o ma-
co de 20 macinhos.
dem do gaz a 2o rs. a duzia, e 2,loo rs.
a ros!.
i,00
bbra.
rs. a arroba.
Queijos flamengos do irilimo vapor.
Mpiu pr.it muito fresco a 800 rs. a Sbra, e
sendo infeiro a 72o rs-.
Sa da um.
Sardinbas de Lisboa e de Nanles a Coo rs.
a-meia lata, e -ioors. o quarlo.
Sag muito novo ealvo a 24o rs. a
Sariiiha de Franca a 18o rs. a libra.
Sevadiaa ioors. aiibra.
Toucinho de Lsboa a 24 e 3oors. a libra
Tijolos para limpar facas 315o rs. cadu- um".
Vinho-em pipa, Porto, Lisboa e Figueira- das
mascas menos- conhecidas-a 4oo rs. gar-
rara,ea2,8oo rs. a caada.
dem Figueira especialmente escolhid neste
lugar a 600 rs. a garrafa, e4,5oo a caada.
dem Lavradio.. Colares muito fresco em
composirao a 6ors. agarrafa, e 4,5o.r* a
caada.
dem Lisboa em ancoras cora 9 caadas- mar-
ca especiaJ a 22,ooo rs. a ancora.
dem branco uva pura a 56 rs. a garrafa,
e a i,5oo a caada.
dem P&ru> liao em pipa- a 56o rs. a garra-
fa.
dem engarrafados generosos, Lagrimas do
Douro, Duque do Porto, D. Luiz I. 8; Pe-
dro V, Nctar, ralbo secco, Malvazia, e
genmo particular de 9ooal,oo rs. a gar-
rafa e a f,ooo rs, a cajxa com urna duzia.
dem totdetr;iegiliffl a l.2oo rs. a arrafa,
ea 12,ooo rs. a duzia.
dem Afuscatel a 1000 es. a garrafo.
dem Itordeaux dos acreditadas marcas St.
Julien-St. Estepa-, chteau la Ko^.chatau
Mai-goux e outros a 6,000 rs, a caixa e 56o
rs. a> garrafa.
Vermotith a meihor aehida estomacal a 2,ooo
rs. a garrafa.
Vinagre de Lisboa a 2oo rs. a garrafa e 1,4o
rs.a caada,
dem em garrafes eom 5 garralas a 1.000 rs.
Vassouras do Porlo com arcos (Jeferro a 32o
rs. cada urna.
dem de escoras para lavar ca a 36o r*.
eada urna.
Vd las dfe espermacete superiores a 56o rs.
a libra, e sendo em caixao Stitus.'
dem de carnauba refinada de cow|*>sico
a 36o rs, a fibra, e ioJtoo- 11.ooors. a
arroba.
--------------------------------a*. h> ,a.

Rna da Senzalla Xova n. 42.
Neste es ubelecimento vndem-se: tachas de
ferro coado fibra a 410 rs., idetaa de Lovr
Moor libra a 120 ra.___________________
Arados americanos e machinas para
lavar roupa: em asa da S. P. Johnston C,
ra da Senzalla Nova n. 42.
!
Fumo

imperial
Fabrica de chapeos desold
Francisco Maestrali, ma
do Qaeimado n. 22.
che.-aJo um grande sortiinea.to de fumo capo-
ral, cachimbos, e rbopetas para charutos, e tam-
ben bengalas e chicotes para montara, de todas
as qualidades, e sempre se acha nesla fabrica um
grande sorlimooto de chapeos de sol de todas as
qualidades, tarabem se cobrem chapeos o se coa-
certam. e se fit tudo pertencenfe esta arte.
Gomma
'- VIIII1UI
muito uperisr em barricas : vmtde PVanciseo Go-
mes de Maitos Juntar, na' rna tara* o Rosario tm-
mero li
Corlado igual ao francez muito pronrip r>ar ca-
chimbo, em lata* de libra, miando-n) seja me-
ihor igual ao americano per 1390 ffc, par veri-
Soara verdade es Sr. faamMs peeiD-sff diri|ir
a fabrica i-apor de cwarrejannw dw; Qnr-
lels de Polica n. 21.
Pitra pasmase a festa,.
Vndese a meihor ea tereea.'neva, que ha
a Bua-vttgem, siu peira da estrada, tenas de
(rente 30 palmos, i jaaellas e porta, salas, A
quartos, solo e coiaha fura, copiar grande, ea-
cimba com excellente agua, diversa* arvoMiog
que se rolhem bons frucigl leuda, este terreo edi-
Ifcart ) 70 palmos .obre SSOTe nwtk cspreln-
denies queiram dlrigir-se ra a eadVia n. 53,
arraaietn do agente Erebi, qne est autorisadp,
-r- A bordo do liisrp Emilia ha para vender b-
rinha de mandioca nova e de be>a qualliiatW., da
Santa Catharina, retama-s a precos comBostos :
para tratar, a bordo do mesmo navio, ou aoeserp
tono de Araoriin lrm3os, ra da Crtu t. X

ILEGfVEQ
r t
J


1HM-1* JTMFMIWW
Hviy^gpfMB^MPl9|PV>
"
y


t
10 PUBLICO
Sem o menor constran-
glmentto se entregar o
Importe dio genero qne
nao agradar.
ATIENQtO
O* preeos 4a segninle
tabella para todos, po-
dendo assim servir de ba-
se para o ajuste de eontas
con os portadores.
ARMAZEM UNIAO MERCANTIL
RA DA C V1>EIV 1IO ECIFE M. 53.
(Ufo passando o reo da Conctico)
Grande reduceo de precos. equivalente a dez por cento menos do que entro qnalquer
annunciante.
Collegas.N'o posso por mais lempo sustentar o preco da manteiga ngleza a i,ooors. a libra, Lea assim o de outros
rauitos objectos, etc., dando com isto oeasiao a todas as espeluncas acabarem por bom preco a manteiga de tempero, e gritarem em
alta voz, que podem vender pelo preco que eu vendo!! I Ora, eu offendido* com estas obscuridades e receioso em adoptar o mesmo
systliema que vim encontrar, de s se vender corn um por cento a carola, resolv fazer esta grande reduceo de precos, como veris
pela seguinte tabella, pois como sabis ca pelo mcu bairro, at a abertura do momoravel armazem de molbados Unio Mercantil nao
se sabia de oulro preco de manteiga ingleza a nao ser o de .,4oe a i.Goo rs. a libra. Hoje porem, resentidos da reduceo a que
estao obrigdos, encarando todos os dias de sens freguezes rcclamaco de precos, e qualidades, vingam-se de um e outro poi-tadores
mal informado deste novo estabelecimento. para lhe vender gneros nao proprios de um estabelecimento desta ordem que o seu fim
tao smente obter a concurrencia de seus freguezes.
Para beui de todos.
Senhorcs e Senhoras o aceio que presidio, aos arranjos deste novo estabelecimento, e mais que rudo apromptido c entei-
reza com que serao tratados, convida a urna imita ao mesmo, certos de que sem duvida me daro a proteccSo e preferencia na compra
dos gneros que precisarem, e quando nao pocam vir poderao mandar seus portadores, anda que estes sejam pouco pratices, pois
serio Uto bem servidos como se viessem pessoalmentc, havendo para com estes toda recommendacao, afirn de que nao v3o em outra parte.
Manteiga ingleza (safra nova) especialmente
escoHiida a 800 rs. a libra, em barril se
fe* abatimento.
dem franceza a mais nova que tera vindo ao
inercado a 56o rs. a libra, e em barril ou
me i os a fioo rs.
Cha hysson de superior qualidade a 2,6oe rs.
a libra,
dem perfila o mais superior do mercado a
2,8oo rs.
dem tiuxim o melhor que se pode desejar
oeste genero 2,6oo rs.
lilern preto homeopa tilico por ser de superior
([iialnlade a 2,ooo rs. a libra,
dem hysson, huxirn e perola mais proprio
para negocio o 1,600, I,800 e 2,ooo rs. a
libra, garante-se ser muito regular, igual
ao que se vende em outra parte por 2,4oo
e 2,600 rs.
Linguicas, chouricas e paios em latas de 8
libras, ermeticamenle lacradas a 5,ioe rs.
garante-se serem superiores aos que vem
em barris.
Chouricas e paios em barris de mea c urna
arroba a 8,000 rs. e l,5oo e Goo rs. a libra.
Queijos flamengos muito frescos chegados
neste ultimo vapor a 2,2oors. edo vapor
passado a l,6oo e 1,800 rs.
dem londrinos os mais superiores que tem
viulo ao mercado a 800 rs. a libra entei-
ro se faz abatimento.
dem prato muito fresco a 800 rs. a libra.
dem do Alentejo o que se pode desejar de
fresco e superior a 800 rs. a libra, a elles
antes que se acabem.
Ervilhas e favas portuguezas em latas ja pre-
paradas a C4o rs.
Marmelada imperial dos mais acreditados- fa-
bricantes de Lisboa a oo rs. a libra.
Prezunto do reino viudos de casa particular
a 5Go rs. a libra, e a 5oo rs. inteiro.
dem inglezas para fiambre cliegado neste
vapor 72o rs. a libra.
Copos lapidados para a gua a .'i.ooo e 5,500 a
amia,
Cboculate Granees, suisso c hespanol a floo
I.ooo e l,2oo rs. a libra.
Espermacete em caixinhas contendo G libras
por l.ooo rs., garante-se serem transpa-
rs. e em barricas de 4 duzias se faz abati-
mento.
Caf do Rio a 26o e 28o rs. a libra, e ".800
e 8,5oo rs. a arroba.
dem lavado de primeira qualidade a 3oo rs.
a libra, e 9,ooo rs. a arroba.
dem do Cear de superior qualidade a 24o
e 28o rs. a libra, e 7,8oo a 8,000 rs. a
arroba.
Arroz do Maranho a loo rs. a libra, e 3,ooo
rs. a arroba.
dem da India muito alvo egraudo a loo rs. a
libra, e 3,ooo rs. a arroba.
dem de Java a 80 rs. a libra, e 2,2oo rs.
a arroba.
Pataco e alpista a i 4o rs. a libra, e 4,3oo
rs. a arroba.
Massa de tomate em latas de I e 2 libras a
600 rs. e de barril muito superior a 5oo
rs. a libra.
Aletria, macarrao e talharim a loo rs. a li-
bra, e 9,ooo rs. a caixa.
dem e talherim branco a 32o rs. a libra,
estas massas tornam-se recomendaveis as
pessoas docntes por serem. propriamente
feitas para esse lim.
Estearinas a 5Go rs. a libra, e em caixa com
25 libras a 52o rs.
Vinho do Porto muito fino excellente qua-
lidade proprio para engarrafar em ancore-
las com 9 caadas por 45,ooo rs.
Antonio de Lisboa em latas com 6 libras
por 2,5oo; ditas doce em latas com o mes-
mo peso a 2,5oo; ditas imperiaes emlatas
de 3 libras por l,5oo rs.
Ameixas francezas em latas de 1 e mera libra
por 1,2oo; ditas em caixinhas de deversos
tamanhos com bonitas estampas na caixa
exterior a 1,2oo, l ,5oo, e .,800 rs.
Azeite doce retinad Penanol ou do Kempes
de Lisboa a 85o rs. a garrafa e 9,5oo a
caixa com urna duzia.
Batatas muito novas a 5o rs. a libra e 2,ooo a
caixa com 2 arrobas.
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e
8,aoo a duzia.
Vassouras de escova para esfregar casa a 32o
Nozes muito novas a i 60 rs. a libra.
Molho inglez em garrafa de vidro com
rolha do mesmo a 5oo rs.
Mostarda ingleza dos melhorcs fabricantes a
800 rs. o frasco.
Mostarda franceza em potes j.i preparada
a 4oo rs.
Lcntilhas excellente legume para sopa a 2oo
rs. a libra.
Marrasquino o verdadeiro de Zara em garrafas
grandes a l.ooo rs. e il.ooo a duzia.
Palitos para dentcs a 14o e IGors. o maco.
Sal refinado em frasco de vidro com rolba do
mesmo a 5oo rs.
Vinho de pipa Porto, Figueira, e Lisboa a32o, i Cerveja branca e preta das marcas mais a-
4oo e5oo rs. a garrafa, emeanada a 2,5oo, creditadas que vem ao mercado a 5,ooo e
3,000 e 3,8oo rs.
Vinho branco de Lisboa de excellente quali-
dade a 4oo e 5oo rs. a garrafa, em cariada
a 3,ooo e 3,ooo rs.
Vinho branco para missa em caixa de I duzia
a 8,000 e a (80 rs. a garrafa.
Vinho do Porto das melhorcs marcas, que
vem ao mercado como sejam Lagrimas do
Douro, Duque do Porto, Duque Genuino,
I). Luiz L, Madeira secca, Malvazio fino,
Fetoria em caixa de 1 duzia de 9,ooo a
io.ooo rs. e a 9oo e l.ooo a garrafa.
Vinho Colares o mais superior que tem
vindo ao mercado a 64o rs. a garrafa.
Sardinhas de Nantesem quartos e meias latas
a 36o e 5Go rs. cada urna.
rente e de superior qualidade, tambem tem | Sardinhas portuguezas em latas grandes
de 12 por libra propria para carro. preparadas pe o melhor conservei rod Lis-
Peixe em posta sovel, corvina, gors. pesca-! boa a 64o rs.
da, salmao, ostras cchernee, vezugo em Bolaeh'mhas inglezas as mais novas do mer-
latas grandes a 800 e I,ooo rs. cada urna. I cado a 2,8oo 1 s. a barrica, e 24o rs. a
Vinho Bordeaux das marcas mais acredita- libra.
das que tem vindo ao nosso mercado a Bolachinha de s( da em latas cora diversas
6,000, 7,ooo e 8,000 rs. a caixa, garante-1 qualidades a 1,3oo rs.
se ser de qualidade superior, que outro Bolo francez em caixinhas muito proprias
qualquer nao pode vender por este preco. para mimo a Gfco rs.
Genebra de Hollanda a 56o rs. o frasco, e Passas muito novas de carnada a 4oo rs. a
5,7oo rs. a frasqueira. ; I libra e 6,000 rs. a caixa com 28 libras.
dem de laranja verdadeira de Alto em Figos de comadre a 24o rs. a libra e
frascos grandes a i.ooo rs. o rao, e .,800 rs. a caixa com 8 libras.
11,00o rs. a duzia. Amendoas de casca mole a 32o rs. a libra.
dem de Hollanda em botijas grandes a 4oo Bolaeh'mhasd'agua em sal da fabrica do Beato
Acaba e receoer de sua propria encommenda um grande e variado sortimento
de molhados todos primorosamente escolhidos, por isso apressa-se o proprietario em
ofierecer aos seas freguezes e ao publico em geral a seguinte tabella dos seus gneros e
resumidos precos, afiancando todo e qualquer genero vendido neste bem conhecido ar-
mazem.
Amendoas confeitadas de 800 rs. a libra.
Manteiga ingleza perfeitamente flor, a 800 rs,
libra.
dem franceza a 56o rs. a libra, e 5oo rs.
sendo em barril.
Cha uxim a 2,7oo rs. a libra, e de 8 libras I
para cima a 2,6oo.
dem perola a 2,8oo rs. e de 8 libras para
cima a 2,7oo,
Licores francezes e portoguezes das segura-
tes marcas creme de violetas, gerofles, ro-
sa, absinto vespeiro, amor perfeito, amen-
dua amarga, percicot. de Turin, Botefim,
morangos, Iimao, caf, laranja, cidra, gui-
ja, caneila, cravo, ortel pimenia a 1,00o
rs. a duzia l,ooo rs. a garrafa, garante-se
que os melhores que temos tido no mer-
cado.
dem hysson o mais superior que se pode Passas muito novas em quartos e rateiros a
que
5,5oo a duzia e 48o rs. a garrafa.
Sag muito novo e alvo a 24o rs. a libra.
Sevadinha de Franca muito nova a2oors.
Chaiutosde todos os fabricantes da Bahiae das
mais acreditadas marcas conbecidas no
nosso mercado a 2.ooo, 2,5oo, -3,ooo,
3,5oo e 3,8oo a caixa de loo charutos.
Cognac inglez das melhores marcas a
1,090 rs. a garrafa.
Doce da casca da goiaba em latas de 4 li-,
bras por 2,ooo; dito em caixes a 600 rs.'
cada um.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Velas de carnauba de 6 e 12 por libra a
32o rs. a libra e lo,ooo rs. a arroba.
Azeite doce de Lisboa a 64o rs. a garrafa
e 4,8oo a caada.
Banha de porco refinada
c 36o rs. em barril.
Capil de diversas frutas muito frescas a
64o rs. a garrafa.
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a graza.
Toucinho de Lisboa muito alto^ o alvo a
32o rs. a libra e 8,5oo a arroba.
Ameixas francezas em latas de 3 libras por
2,ooo. rs.
Cebollas solas a 1,400 o cento ; ditas em
molhos com cento c tantas por i,2oors.
Matie excellente cha para os navegantes a
a 2oo rs. libras.
a 4oo rs. a libra
ADERECOS DE MOSAICO
A agttia branca da ra do Queimado n. 8 rece-
ben bouilos adereces de mosaico e fino dourado, e
os est vendendo por preco razoavel.
Bolsas para caca.
Esse objeclo aqui to custoso de encontrar-se, e
tao preciso aos apreciadores da caca, acha-se hoje
a venta na ra do Queimado leja da agnia branca
n. 8, onde o comprador ser servido conforme o di-
nheiro que quizer dispr para tal m.
Ksseucla de rosa.
Em pequeos frasquinhos a 1,5000. Yende-se na
ra do Queimado n. 8.
Tentos para voftarete
A aguia branca na ra do Queimado n. 8 rece-
ben caixinhas corn tentos de mar lim e mad repero-
la para voltarcte, haveado dinheiro ebeguem-se a
elles antes que se acabem.
Graxa econmica.
Chegou novo sortimento dessa boa graxa, e con-
tinua a ser vendida na ra do Queimado loja da
aguia branca n. 8.
Fitas
para a irmandade do Bom Conselho, e cartas de
Lachareis. Vende-se na loja da aguia branca, ra
do Qtwimado n. 8
Lequcs de sndalo, madrepero-
l.n.osso. ete.
A aguia branca receben um bello sortimento de
leques de sndalo, madreperola e osso, sendo elles
de diversos moldes e variadas cores, inclusive a
preta ; agora, pois, quera comparecer com dinheiro
pode bem escelher um bonito leqne, na ra do
Queimado loja da aguia branca n. 8.
C aixlnbas para costura contras
com perfumarlas
A loja da aguia branca, onde constantemente se
vendem cssas bonitas caixinhas com arranjos para
costura, acha-se mol bem provida por ter agora
recebido um bello sortimento de ditas caixinhas ;
assim romo outra* com flaas perfumara, por isso
quem quier azer um bom presente, tendo dinhei-
ro dirija-se ra do Queimado loja da aguia bran-
ca b. 8 que ser bem servido.
Moa tinta para marear ronpa.
Vende-se na ra de Queimado loja da aguia
branca n. 8.
DE

J. VIGNES.
M. .".. RA DO IMPERADOR W. ftft.
Os pianos desta antiga fabrica sao hoje assaz conhecidos para que seja necessario insistir sobre o
sua superioridade, vanlagens e garantas que offereccm aos compradores, qualidades estas incontesta-
veis que elles tem depnitivamente conquistado sobre todos os que tem apparecido nesta praca ; pos-
suindo um teclado e tnachinismo que obedecem todas as vontades e caprichos das pianistas, sem-
nunca falhar, por serem fabricados de proposito, e ter-se feito ltimamente melhoramentos importan-
tissimos para o clima veis aos ouvidos dos anreciadores.
Fazem-se conforme as enconvnendas, tanto nesta fabrica como na do Sr. Blondel, de Pars, socio
correspondente de J. Vkmes, em cuja capital foram sempFe premiados em todas as expesicSes.
No mesmo estabel cimento se acha sempre um explendido e variado sortimento de msicas dos
melhores autores da I uropa, assim como harmnicos e pianos harmnicos, sendo tudo vendido por
preces commodos e razoaveis.
GMNGEIASNT IBIENORRHAGICAS OE DUNAND
Ex-INT. do HOSP. dos VENREOS DE PARS APREMIO 1854
Superiores a toda as prtparafOes conhecid.is al hoje contra as Oonorrheas c Blennorrhagias as mais intensas rtbtldM.
Bffeilc seguro e prompto, Injec^o curativa e preservativa
InfalIlTSl, cura com rariidei ttm doni o% escorrimentos coniaitiosos H air.hos roos. MorM branca. AJstrlnjrenta
fccUaimca mu cauticidodci lorlilira os tegumenoi e oa preaerva da i|uaH|iNr aluracio. CAKIS, 5. ru Jm U*r4ki-ShHnsr.
Deposito gerajl em Pernambucs roa da Cruz n. 22 de emcasaCaros ABarboza.
- Velas de composlco
Vendem-se velas de composico de superior
qaalidade, sendo a lu* superior s stearlnas, pro-
pria para casa particnlaras: na roa do Vigario
fabrica n, 26.. i _________________
Vendem-se doas cabras
taberna da roa da Roda n. 18.
boas de leite : na
Milho novo
GRAXA N. 97
Vende-se a verdadeira graxa ingleza n. 97 no
armazem de i. A, Mereira Dias na roa da Cruz
numero K.
a 34 a sacca, em cuia, a 180 rs. :
Estrella, largo do Paraizo n. 14.
no armazem da
Vendem-se tres partes do predio de dous an-
dares sito roa da Lapa n. 6 : a tratar na roa
Yelh P. 57.
ttnaWin
anna II
Cidade de Goianna
Vendem-se c alogam-se bisas hambnr-
gnezas por preco comrnodo : em casa de
Jos dos Aojos Avellar roa Direita jun-
to a botica do Sr. Francolino Perreira
Crespo em
.olanna.
Vendem-se saceos grandes com inbilo boi
milho a 45, muito proprio para retalbar na ribei-
ra': no armazem do Teixeira defronte da escadi-
nha da alfandega.
desejar a 2,6oo e de 8 libras para cima
a2,5oo rs.
dem menos superior a 2,4oo e de 8 libras
para cima a 2,3oo rs.
dem proprio para negocio a 2,3oo, de 8 li-
bras para cima a 2,2oo.
dem do Rio em latas de 2, 4, 6 e 8 libras
cada urna a 2, 3, 3,500 e 4,8oo rs. a lata,
dem preto o melhor que se pode desejar
neste genero a 2,8oo rs.
dem menos superior a esse que se vende
por, 2 e 2,4oo, a 4,8oo rs. a libra,
dem mais baixo bom para negocio a I,5oo
rs. a libra.
dem miudinho proprio para negocio a 1,500
rs. a libra.
Qoeijos do reino chegados neste ultimo va-
por a 2,2oo.
Queijos chegados no ultimo vapor a 2,2oo rs
dem prato es melhores e mais frescos do
mercado a 76o rs. a libra sendo inteiro.
Genebra marca gato a I.7oo rs. a garrafa.
Biscoitos em latas de 2 libras das seguintes
marcas: Osborne, Crakntl, Mixed, Victo-
ria, Pec-nic, Fance, Machineeoutras mu-
tas a i ,3oo e 1,4oo rs.
Fumofcmciicano em chapa a 1,0oo rs, a
libra.
Araruta de todas as qualidades.
Batatas novas em caixas de 2 arrobas a 5$ a
caixa e 6o rs. a libra*
Balachinha de Craknel em latas de 5 libras
bruto a 4,ooo rs.
dem inglezas em barricas a mais nova do
mercado a 3,5oo rs', a barrica e 24o rs. a
libra.
Chocolate portuguez o mais especial que se
pode desejar a 8oo rs. a libra e 14o rs. o
pao.
Papel de botica de excellente qnalidade a
2ioors. a resma.
Potes com sal refinado a 48o rs. cada um.
Figos de comadre em litas de 4 e 8 libras
lacradas hermticamente a 1,400 e 2,2oo
rs. a lata.
Frutas em calda chegadas ltimamente, pera,
pecego, ginja e outros mu i tos a 12o rs. a
lata de 21|2 libras.
dem em caixinhas de 8 libras a l,8oo, e
24o rs. a libra.
iSozes muito novas a 120 rs. a libra, e 4,ooo
rs. a arroba.
Amendoas confeitadas a 6oo rs. a libra.
dem de casca mole a 32o rs.
Vinhos engarrafados no Porto e Lisboa das
seguintes marcas: duque, genuino, velho
secco especial, lagrimas doces, vinho es-
pecial D. Pedro V, nctar superior de
1833, duque do Porto de 1834, vinho do
Porto, velho superior, madeira secca, Por-
to superior D. Luiz I, e outras muitas
marcas, em caixa de urna duzia a 10,000 e
l,ooo rs. a garrafa.
dem branco de uva pura a 64o rs. a garra-
fa e 4,ooo a caada.
dem superior a 5oo rs, a garrafa e 3,2oo rs.
a caada.
dem em pipa Porto, Lisboa e Figueira das
marcas mais acreditadas a 3,800 a caada
e 5oo rs, a garrafa.
dem de marcas pouco conhecidas a 4oo rs.
a garrafa e 3,000 rs. a caada.
Especial vinho Lavradio sem a mais pequea
composico a 560 a garrafa e 4,ooo rs. a
caiiada.
Farinha de matarana a 240 rs. a libra.
Ricas caixas com figos a l,ooo rs. cada urna.
Ricos livros com figos l.ooo rs.
Pomada a 200 rs. a duzia, sevada muito no-
va a 80 rs. a libra, e 2,5oo a arroba.
Garrafoes com 4 V garrafas de vjnho supe-
rior a 2,5oo rs. com o garrafao.
dem com 4 '/ ditas de venagre a 1,00o rs. o
garrafao.
Vinagre PRR em ancoretas de 9 caadas a
i5,ooo rs. com aancoreta
dem em pipa puro sem o batismo a 2oo rs.
a garrafa e l,4oo rs. a caada.
Caixas com 1 duzia da garrafas de vinho Bor-
deaux fazenda muito especial a 6,800 rs.
a caixa e 7oo rs. a garrafa.
2,ooo rs. o quarto, a 6,5oo a caixa e 4oo
rs. a libra,
dem corinthias proprias para podim a 800
rs. a libra.
Marmeladas dos mais afamados fabricantes de
Lisboa a 64o rs. a libra.
Ervilhas secas mnitonovasa 16o rs. a libra.
Grao de bico muito novo a 16o rs. a libra.
Ervilhas francezas em latas a 64o rs.
Potes com sal refinado a 48o rs.
Fumo de chapa americano a l,6oo rs. a libra
fazenda especial.
Presunto para fiambre inglezes a 700 e 800
rs. a libra.
Chouricas e paios mnito novos a 64 a libra.
Caixas de traque n. 1 a 8500 cada urna.
Massas para sopa macarrao, taUtarim aletria
a 4oo rs. a libra.
Cognac verdadeiro inglez a 8,5oo rs. a caixa
e 800 rs. a garrafa,
dem francez a 7,ooo rs. a duzia e 7oo rs. a
garrafa.
Charutos em grande quaotidade e de todos os
fabricantes mais a creditados a l,5oo,
2,ooo, 2,5oo, 3,ooo e 4,ooo rs. a caixa,
os mais baixos sao dos que por ahi se ven-
. dem a 2,ooo e 2,5oo rs.
Caf de premeira qualidade a 8.3oo e 9,ooo
rs. a arroba e 28o a 22o rs. a libra.
dem de segunda qualidade a 8,2oo rs. a ar-
roba e26o rs. aiibra.
Arroz do Maranho a 12ors. a libra, 3,ooo rs.
a arroba.
dem da India muito superior a 2,9oo rs. a
arroba, c loo rs. a libra.
dem mais baixo redondo a 2,6oo rs. a libra.
dem da India comprido a 2,4oo rs. a arro-
ba, e 80 rs. a libra.
Vellos de carnauba do Aracaty a 9,5oo rs. ar-
roba, e 36o rs. a libra.
dem de sebo muito dura fingindo esparmace-
te 36o rs. a libra.
dem de esparmacete a 50o rs. a libra, e em
caixa a 52e rs. com 25 libras.
Papel o melhor que se pode desejar para os
Srs. empregados pblicos a 5,ooo rs. a res-
ma, ja se vendeu por 7.000 rs.
dem almaco pautadoe liso a 3,ooors. a resma.
dem de peso pautada e liso a 2,5oo rs. a
resma.
dem a zul de botica ou fugueteiroa 2,oo rs.
a resma.
dem embrulho de 1,2oo a 1,400 rs. a resma.
Ameixas francezas em latas de 1 V* hbra a
l,2oo e8oors. a libra,
dem cm frascos de 3 libras a 2,5oo rs., s o
frasco valle l.ooo rs. tambem temos em
frascos para l,4*oo rs.
Conservas inglezas a 800 rs. o frasco.
Mostarda preparada em potes muito nova a
2oo rs.
Molhos inglezes a 800 e l.ooo rs. o frasco.
Cravo a 48o rs. a libra.
Cerveja Tenente verdadeira a 7,oeo rs. a
duziae 600 rs. a garrafa,
dem de outras marcas preta e branca a 5,5oo
e 6,000 rs. a duzia e 5oo rs.a garrafa.
Vassouras de piassava com 2 arcos de ferro
vindas do Porto a 32o rs.
Cebollas muito novas a 1,000 rs.omoll.oe
800 rs. o cento.
Genebra de Hollonda em frasqueiras a 6,000
e 56o rs. o frasco,
dem em botijas a 4oo rs.
dem em garrafSes de 14 garrafas a 5,2oo rs.
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a groza e 2o rs. a
caixa.
dem de dentes lixados em macos grandes
com 2o rs. o macinhos a 12o rs. e masso.
Cominhos muito novos a 32o rs. a libra e
lo.ooo a arroba.
Sag muito novo a 24o rs. a libra.
Cevadinha de Franca a 18o rs. a libra.
Mjlho alpista a 14o rs. a libra e 4,5oo rs. a
arroba.
Gomma a 28o rs. a libra e 5,4oo a arroba.
Peixes em latas a l,ooo rs. a lata j prompto
a comer-se.
Farello de Lisboa marca N. e Biato saceos
grandes a 4,ooo rs.
Doce da casca da goiaba a 600 e l,ooo rs. o
caixSo.
RIVAL SEM SEGUNDO
Ra do Queimado o. 49, est vendendo muito
boas fazendas o muito baratas, quem quixer podera
vir ver ou mandar para experimentar, assim como
sejam :
Goilinnas muito linas para senliora a 500 rf.
Ditas e punhos de fusio muito bonitas a (40.
tartas de alflnete de caneca chala de todos es ta-
manhos a 80 rs.
Resmas de papel de peso muito bom a 2
Capachos redondos e compridos a oO rs.
Caixas com saperiores obreias de colla e de raatsa
a 40 rs.
Cordao branco grosso que tem multa applicar-ao 'a
vara a 20 rs.
Lionas de carriteis garante-se 150 jardas a 40 rs.
Candes de lnha Pedro V com 200 jardas a O rs.
Grosas de pennas de ac muito linas a 500 rs,
Varas de franja de laa para vestido a 40 r.*.
Ditas de franja branca larga para toalhas a IGO rs.
Pares de botoes do punlvj a 120,320 e ,"G0 rs.
f Tinteiros de vidro com tinta a 160 rs.
Ditos de barro com superior tinta a 100 r.;.
Grosas de botSes de luuca pratcados a lO e a du-
zia a 20 rs.
Tesouras para costura a 80, 200, 400 e 500 rs.
Escovas para limpar dentes, superiores a 200 r*.
Libra de laa liara bordar da mellior qualidade a
05500.
Caixas de phosphoros de seguranca a 160.
Caixas e pacotes de papel amizade superior a 600
ris.
Caixas com 100 envelopes muito finos a 800 rs.
| Quaderuos de papel pequeo azulado a 20 rs.
Carriteis de linha Alexandre com 2U0 jardas a
. 100 rs.
Baratos para vollaretea 240e mais tinosa 300 rs.
Meiadas de linha frou.xa para bordar a 20 rs.
' Pares de sapaios de tranca de lodos os tamanl.os
a 15500.
Grosas de botocs de madreperola muito finos ao'60
ris.
Carlas e caixas de clcheles do superiores quali-
dades a 40 rs.
Massos de grampos superiores e lmpos a 30 rs.
Grojas de palitos de gaz a 25200.
i Libras de areia preta da mellior qualidade a 120
ris.
Caixas redondas para rap e tem muito bonitos ea>
"lungas a 100 rs.
RIVAL SEM SEGUNDO.
Ra do Queimado n. 49 loja de miudezas de fo-
s Bigodinlio, venham ver a pechincha que se esta
acabando certas qualidades de fazenda.
Pecas de litas elsticas com 10 varas a.. 240
Ditas de tranca branca lisa com 10 varas. 100
Ditas de trauga preta lisa a............ DO
Realejos para meninos, pechincha a... 120
Rodinbas com superiores alfinetes a..... 20
Caixas com superiores agulhas e limpas a 200
Sabouetes de familia, muito linos a 80 e.. 160
Pares de sapalos de laa para criancas a.. 400
Varas de babado doj Porto milito bom a
100, lOe......................... ICO
Ditas de bico largo grosso a............ 100
Potes de superior tinta tem mais de meia
garrafa a.......................... 30
Caixas com perfumaras muito bonitas a. o'OO
Frascos de oleo de macaca muito fino a 100
Ditos de oleo de babosa superior a 240,
320, 400 e......................... 300
Ditos de ebeiros muito superiores em qua-
lidade a........................... 320
Ditos de agua de colonia muito boa a___ 4G0
I Ditos de dita dita grande a............. 800
! Sabonetes de lodo o preco 60, 160, 200,
320 e............................. 400
Frascos de superior banha a 320 e....... 800
Caixas de p para limpar dentes muito
lino a-............................ 100
Ditos de banha transparente a.......... 6C0
Pares de ligas muito finas para senhora a 500
Saboneles inglezes da melhor qualidade a 320
Frascos de agua dentrilicc superior ga-
rantida a.......................... 14000
Massos com 25 envelopes grandes azula-
do a.............................. 100
Varas de fita preta com clcheles a..... 100-
Frascos de macaca perola muito superior 200
Caixas com pennas grandes a......... SCO
Grosas de botes para calca preta, miudos ICO
Libras de memento da roupa de lavar a.. 200
Carriteis de retroz de todas as cores e
tem meia olava de retroz a......... 200
Varas de bcos de differentes larguras a 60
O
O
fcd
o
i
B
es
B
O
I
B
>- o
P-i 3
O
xn p
so"
B g
ls>. &
S
es
o-
o
So
P
o
O

pj
g.
P-
P
P
p
ce
p-
S5
o
P
P-
O
ex>
O P
et r?
3 p-
p
p r-*
7. /*
r
CD
p
D
ii.
r
@
P
P
S5
P-

O
As verdadoiras brides de
Ipojuca.
Vende-se na ra do Queimado u. 32, loja de er-
ragens de Azevedo & Irmao.
WM"
25 W"
>.bb
O proprietario do grande armazem Unio e Commercio declara aos seos fregu
zes e amigos e ao publico em geral, que para facilitar a commodidade de todos estrpulou
os mesmos precos nos seguintes Ingares:
Uni&o e Commercio ra do Queimado n. 7.
O Verdadeiro Principal ra do Imperador n. D.
<
Fabrica Conceicao da
Bahia.
^ Andrade & Reg, recebem constante- S
i* mente etem vendano seu armazem n. |H
^ 34 da ra do Imperador, algodao d'aquel- j^
^ la fabrica proprio para saceos de assu- ^
JjR car, embalar algodao empluma etc., etc., |g| pelo preco mais razoavel.
hhh mwm mmmm
Ra dacadeia doRecife
numero 50.
Vende 1 balcao muito bom, 3 fiteiros, 3 caixoesfc
1 registo de gaz, tudo por preco commodo.
ESCBAVOS FGIDOS.
Fugio na noite de 23 do corrente julho de
1864 o escravo Jos, preto, crioulo, e 26 annos.
baixo, corpo regular, beicos grossos e estufados,
orelhas pequeas, e cachago grosso, pouca barba
porque tem apenas na ponta do queixo, levou duas
calcas, urna branca e outra de castor eseoro que
parece preto, de listras, paletot preto, sem camisa,
e com urna carapuca encarnada na cabeca, a (ala t
de marojo : quem pegar leve-o ra Direita u.
54, que ser generosamente recompensado. "
Fugio na tarde do dia 16 do correute m
escravo pardo, de nome Marcos, desembarrado
do hiate Santa Atina,* vindo do Aracaty, tendoi
de idade 28 annos pouco mais ou menos, e os sig-
naes seguintes : altura regular, secco do corpo.
pouca barba, cabello crespo, levou camisa e
calca de algodosinho de riscado azul echa-*
peo de palba, tendo levado comsigo nina trouxa ,
com mais roupa, e rendido de urna das veninas; (
quem o appreender queira leva-lo ra da Madre
de Deus n. 38, ou roa do Brum n. 55, qne sera'
recompensado. n
Milita a tt en can.
Ha das fugio o escravo africano, de nome An-
tonio, levando calca e camisa de bata azul 'es-
cora : qoem o encontrar e levar i sua senhora a
baroneza da Victoria, ra do Hospicio, ser bem
gratificado.____________________,
Quaria-feira, 17 do corrente, pelas 9 horas,
da noute fugio da casa do coronel Jos Mara Il-
defonso, urna escrava crioola de nome Rosa, e le-
vando om vestido de ehita ja usado, e nos hom-
bros um chale encarnado tambem usado, e mais
urna roupinha debaixo do braco ; roga-se s auto-
ridades policiaes que a prendara e levem-a casa
do mesmo coronel, ra do Hospicio n. 40.
V


Diario t Ieralne* .-rteFfSTHrii 11 de Agosto de i *.
LITTERATRA.
OS ANTIGOS PASTORES DA ESTRELLA.
(FRAGMENTO.)
Cada vez os fugitivos se iam elevando mais ci-
ma da superficie da ierra ; cada vez o seu horisou-
le fo ampiiava a perder de vista. De chapada em
chapada, de pinculo era pinculo, de eaogosto em
(angosta, iara vingando os mais elevados cumes, e
i a lhes pareca a trra da encosla como que sepul"
via no tundo de uta ahysnio. As nuvens do cu
gm> o chapad*inferiores o alinala ft-iua vora-, luante, e at o banco, Ferno Gil se asunta-' fundar um vasto Imperio de negros musultnanos
cidade- va o por do sol, do esto, era forrado pelo sellm
Repetidas vfzes, alta noute, quando nem mesmo das mais variegadas plantas.
nrnc"Y d!S eSlK^e!li'!, eD,Db.'*daS P^Pf^i No averno toaos esses ornatos desappareciam,
1 ? ^ ab0baJa CTf' *'JJ 'eVa'' d% lu#o, so desvaneca, mas o conchlgo la
am era coro qm u.vo as.us.adof, annnntiando as Iarjra e a m 5o domest ^ XompUa
povoaC5es quq seus gado^ corren, perigo. O pas-' sen5o pHo ^rij* do
foto das cabanas, e urnas vezes encon- nido ua Chuva e pela voz sonora das troteadas,
lobo, rondando cabisbaixo volla dos
no Alto Ni
'' :^_
lores sem
tram um
apriscos c dos factos das cabras ; outras vezes s
nao consegueta descobrir nada
na prxima si|be, que obstruo a entrada de um sar-
cal,
d^xsr^
ras iuQhitas e so aproxtmavam das lombadas da
serra, como para firmarem Bella os seus mobeis
fundamentos. A magostada do espago celeste, raeio
obscurecida pela caligem da noute e aclarada pe-
los primeiros arrehoes da madrugada, tornavase
cada vez mais assombrosa.
Raras eram as arvores que se crtavam aos lados
to canutillo ; apenas urna multidao de urzes, e de
sargal e espinheiros se erricava em crespos ren-
gues, ao longe, sobre os outeiros, as cordilheiras,
as chapadas e os corucheus mais) remotos. Aqu e
Entretanto, os
caes nao cessam de ulular modonhamente, corren-
do
Ld-se no Commercio do Porto o que segu :
Inaugurou-se ltimamente em Salomo a estatua
de Garlos Pisacane, chefe da celebre e desastrada
o vento exterior, dlo ai- expedico do Saprt, que leve logar em 1837.
Carlos Pisacane quiz tentar oque Garibaldi fez
substitua dignamente oCeaantos passado3 da pri- mais tarde, quando tinha atraz de si Vctor Manoel
mavora e oom o catar genial doj penates fazia es- e o reino de Italia.
s ouvero quecer as saudades do estio. Pisacane, desembarcando em Sapri, leve a m-
FernoGl, logo no comeco do invern, cdllocava prudencia de gritar -.Viva a repblica! com o
no meio da cabana, um cepo desmesurado emgrs- Que assustou os povos e foi batido, sendo um dos
i snra e altara, que Uvera o cuidad* tJe corlar ao primeiros que cahiu n um combate deseguai e ver-
acodados da caban ear. sou! mai$ Tisinh0' quaudo a suavidade do anno dadeiram|eD'e heroic-
caes para a cabana P r ri a Perram,a- A e3,e e"P se laneavao fogo O que ba de mais notavel nesta expedicao de
le um demonio interior Te Thes na^cXnm D0S prkDerS daS ** meZ d QVern e fog0 aU Um PUhad de homeDS- 'Iue foi improvisada para
descanco de minutos; 'o pello escuro do dorso se TT r* M* qU2ra .r,*,roM* D*" "T" *T an,a mm *"*** de des~
lhes ourica com aspecto aterradoT-s orelhS al-1 eMand0 Vapprar 3 SUS effluv,OS conforUti- embarque tramada pelo partido muralista,
code-lhas o phrenesi da raiva seus olhos, injec- VS'f0*0qa.Mdo a ''""TaPn,a no"mett-
lados de vermelhido funesta, reduzem as tretas i,e pe'3 TTVaTZ ?"* S ^^ ^
da meia noute como dous tlgoes abrasados; o gr- S SeUS *? btdt<* de aZU'' parpura e ooro-
lo surdo que bes rompe dos gorgomilos, passando: A'quella pyra fumegante, romanesco e potico
atravez dos colmilhos agudos, toma urna ntonacao llar, em qae se fazia o sacrificio do deus Invern,' fflW,"u ul
acola, mais cima ou mais abaixo na escala aseen- j sibilante, que se afigura urna voz diablica, esuj se chegavara os melhores moradores do povoado, nesPannola-
denle da serrana avultava um prado, urna veiga | tada deshoras em oiteiro descoberto. [temperando a longura dos das e noute com pra-1 ca0 coaservu-se a' a ceremonia fnebre
solitaria e mal cultivada. iVoutros sitios deseo-j testas occasioes tem acontecido que esse ulalar ticas matizadas por suas imafioages opulentas, iun, do cadver, com olhos taciturnos e pello eri-
briara-se montoes de pedras enormes accumuladas furiaso, em vez de descahir a poueo e pouco em posto que rudas. Muitoa instrumentos de.futnra; *ado- na0 sabido da sua a,tilude lri9le senao Pa
sem arte urnas sobre cairas e ja desconjunctadas gruubido sussurrante, vae.crescendo gradualmente olidade se prefazam ao ciarlo da fogueir. Deas ra lamber o rosto e as mos que estava habituado
Nao sem razao que se figura o cao como sym
bolo da amizade fiel.
No Havre deu-se ltimamente urna nova prova
Morreu um individuo que tinha um cao de raga
pelo lempo, reminiscencias tal vez do culto e das
antigs geracoes do Herminio. Mais altn, ao so-
p do de um alcantil medonho, cavava-se urna fen-
pousada os filhos obscuros e meio-selvagens dessa
rifa primitiva, que ah vagueou n'outras eras.
Passado algum tempo, comecaram a apparecer
nas eminencias da serra toscas moradas, habita-
res isoladas e pobre-, urnas cobertas de colmo,
outras apenas revestidas de folhagem. Divisava-
se nao longe rebanhos de ovelhas e de cabras, pas-
cendo sombra dos arbustos serranos, e alguns
raontanhezes guardando meio mis as confiadas
greis, alegres e descuidosos de sua vida, como se
vivessem por commodos e opulentos palacios, que
nao rudes choupanas e humildes tugurios.
A um destes pastores perguntou Pedro :
Onde param, bom montanhez, os mais velhos
pastores desta serra ?
Acola, respondeu o pegureiro, mostrando ao
loege urna choupana grande, distincta entre as ou-
tras pelo seu bem colmado tecto e largas propor-
ces.
Qual o sea nome de baptismo ?
Adonsa se chama a boa da mulher, maridada
ha bons sessenta anuos com Fernao Gil...
Sao os nomes dos meus pastores, interrom-
|ieu iiranca, cheia de alegra.
Se nos indicasteis, continuou Pedro para o
pegureiro, o melbor e mais curto caminho para
chegar quelle outeiro de Fernao Gil...
Pela me de Christo
rei o caminho.
Mas que nao se derrame esse gado...
Nao hajaes medo. Boa guarda e sentinella
tem...
e engrossandojat se converter em ladrido sonoro,; inclinava-se para essa pousada, inoundando os co-,a ler ordens qae logo execntava-
que retuba ao largo pela solido, cheia de ecos, das racoes de satisfago, as almas de socego, os-corpos I Quando levaram o cadver, o c3o flcou junto do
eu proprio vos mostra-
pavorosas serranas. Entao v-se apparecer ra de calor,
dos ramos da floresta um focinho escuro, que como
por escarneo amostra para ra seas dentes alvos
e polidos. Recrescendo o alarido, o focinho aug-
menta de volume e pouco depois rompe tora da
selva um lobo voracissimo, que se arremessa de
chofre sobre cao mais prximo e Ihe enterra at
s gengivas os colmiuhos agucados. Em quanto,
porm, o lobo se oceupa de transmudar os mem-
bros do misero animal que Ihe cahiu nas garras
em monto confuso e sanguinolento de carnes dila-
ceradas, a matilha dos maslins cerca-o por todos os
lados ; uns agarram-no pelo lorabo, oulros pelas
orelha?, outros pela cauda hirsuta, outros pelas al-
catras, outros, eraflm, estorcem-se pendurados das
costellas, e neste cmenos os pegureiros, armados
de varas ferradas e agudissimas, (dio sobre o
feroz habitante da serra e o varam com repetidos
golpes sobre o eorpo todo. Entao elle, exhausto de
sangue e torgas, suecumbe com uivos aterradores
e agonisa sobre as urzes, mastigando anda as car-
nes ensanguentadas de suas victimas.
Tudo oque vedes desde acola de junto quelle
Leonel Sampaio.
(Commercio do Porto.)
DI POUCO DE TUDO.
Traduzimos do Monde Musir o seguinte :
O general Roberto Edmundo Lee, nasceu em
1808 e foi educado em West-Point.
Estreou a carreira das armas na gnerra do M-
xico, alcanzando rpida promoco, por sua bravu-
ra. Foi ferido gravemente em Chapultepec, e pro-
movido major em 1832, sendo nomeado intenden-
te da academia militar e tres annos depois envia-
do Europa com o capitao Mac-Clellan aflra de
estudarem as operagoes dos exercitos francez e in-
glez durante o cerco de Sebastopool. Ao voltar foi
nomeado tenente-coronel do 2 regiment de caval-
laria, abracando nesse posto a causa do sal.
O general Lee tem 56 annos, seis ps nglezes
de altura, olhos negros, cabellos castanhos e bar-
ba cerrada; usa de ordinario de um chapeo de
lelto e recusou todo o alimento. No domingo se-
guinte encontraram-no mono 1
marco at ao outeiro, qae se levanta pertoda errai-1fellro pre,_ornado de 8ala estreito de ouro, farda
da, vosso. Esta cabana como vossa a podis ha-
ver. O leile d>s mnhas vaccas, das rainhas ove-
lhas e cabras nao de outrem seno vosso, o a me-
sa das nossas pobres refeicoes chega bem para nos
todos >
Dzia o velho Fernao Gil estas palavras, escolta-
do por sua octogenaria esposa, ambos encarquilha-
dos e seceos, mas risonhos e do boa avenga, como
gente vilaaesca affeita a ver os sorrisos de Deus e
a tranquillidade beatifica da creagao.
A pousada dos velhos nao conhecia o estrondo do
Dizendo estas palavras. o pastor apontava para I mundo e collocada muito cima das regifles tumul-
um desmedido cao, de medonho aspecto, carranca
feroz e focinho pintado de negro, que volta do
pescogo tinha passada urna rodella grossa de cou-
ro cravada de ferros agudissimo, de modo que
bastara o cao rocar-se pelos membros de qualquer
para Ih'os dexar escorrendo em sangue. Se a
gente da serra estivesse menos habituada a por os
olhos nesses aniraaes hediondos, e os viese passar
ao crepsculo pela clareira da floresta ou na aba
pedregosa da collina, toma-Ios-hia por vidos e car-
uiceiros lobos cernes ou por almas do oulro mun-
do, expiando em metamorphose raedonha medo-
nhos crimes.
Nao aeontece, porm, assim, e estes caes sao co-
rno os genios benficos do lugar, porque melhores
c mais incorruptives vigas nao poderam ter og
copiosos rebanhos, em que se cifran os haveres da
gente serrana. Comprehendcr-se-hia que o Deus
Anubis ahi fosse adorado, como no Egypto, vend-
se na figura symbolica do co um attributo mais
honroso para a divindade do que nos gerogliphi-
cos'da India ou no antropomosfismo da Grecia.
Estes socios inseparaves dos vaqueiros e pasto-
res na Serra Ja Estrella defendem os gados nao s
dos ladroes, que por ventura se podes.'cm introdu-
zir na serra, mas tambera dos lobos, que mailas
vezes deixam os recessos cavernosos dos alearais,
descem das cordilheiras, em rajos cabegos arveja
luz do sol a nev secular, e procurara nas pla-
FOLHETIM
vavru iioui>. de si i jii .
ron
CHILLO CASTELLO BRANCO.
fContinuacao.)
XI '
' Vaes ouvr agora a historia de um engeitado
da minha fregueziadisse o meu amigo.
Estaes dedilhando as cordas todas da lyra
dos modernos romancistas e dramaturgosobser-
vei eu.-0 engeitado uva rica exploragao que ha
vnte annos faz geraer os prelos e chorar a gente.
Desde o Martn de Eugenio Sue at ao teu engeita-
do quenosei como se chama, a sympathia, que
elles conquistam, nao ha fllho nenhum legitimo
que a merega. Este facto demonstra a desmorali-
*agao da poca, se nao demonstra prmeramente a
eslerilidade das phantasias. Os escriptores andam
competencia com as amas em irem roda pro-
curar expostos. Depois, pegam das creancinnas,
e do com ellas, defecadas de doenea e fome, na
cara da sociedade.
Na minha histeria nao ha dissointerrom-
peu Antonio Joaquim.O Luiz, de alcuoha o
engeitado ; foi pegureiro de cabras em minha ca-
sa, e hoje.. -ia dizer-te j o que elle contra to-
das as regras da narrativa. Nao sei de quera era
filho, nem o interesse do cont requer que se Ihe
inventem paes. O pequeo creara-se ao seio de
orna pobre jornaleira, qae, aos sete annos, o poz a
servir.
Aos vnte, despedia-se de mea pae, e foi servir
em casa de urna viuva, que tinha uns pequenissi-
*nos bens, que mal a sustentavara. A minha gen-
te adraoestou-o a nao trocar um bom ordenado pe-
ga miseria do casalejo para onde ia, e onde nunca
bonvera criado. Lui respondeu que a viuva, se
nao tivesse am bomem que Ihe grangeasse as tr-
ras, morreria mingua.
Esta viuva tinha duas filhas em casa, e am filho
oo Brasil. Urna das filhas, que era bonito, casoa
com Hm lavrador rico, hornera de ms entranhas,
flue no s recusou auxiliar a sogra, mas ainda a
sbulliou de uns cera mil ris, que tanto somma-
ria o dote da mulher. A outra' filha era sapera-
\ bondaotemenle feia, mas boa de coragao, quanto
irma era descaroada e egosta.
tuosas do globo va o espectculo das lulas huma-
nas com a indiflerenga que mostrava s trovoadas
nebulosas, que repetidas vezes ihe pairavara pelos
vales inferiores, nadando os corucheus da serrana,'
na mais crystalina e azul das espheras. Emquanto
que a civilisago oriental, encontrando-se nas pla-
nicies e montanhas portuguezas com a civilisago
christaa, tentava os derradeiros osforgos para ac- ^Kountah sao aguerridos corabatentes. Seus. maio-
res ioimigos sao os Oaled-bou-Radda, ao ojsle de
Tombouklou, nos arredores de Oualata, e" Ou-
led-Sidi-Mahmoud, prximo do Tagant, seis dias
de vagem ao norte de Babel.
bar com ella, cobnndo de corpos morios, de sangue
e de lagrimas os campos da pennsula, quelle re-
canto da Serra da Estrella, onde vivia Ferno Gil,
nao chegra a degeneragao dos primitivos coslu-
UM8 porluezes. L morava a paz, em quanto em
baixo ruga a guerra. L alvorecia a aurora co-
roada de luz. emquanto que nas planicies a poeira
de brigadeiro com tres estrellas na gola.

O FILHO DO REI DE TOMBOUKTOC.
Cada vez mais estreitas se tornara as relagdes
da nossa colonia do Senegal com as tribus do Sa-
hara ; de sorte que Sidna-Mohamed, filho de Ah-
med-el-Bekhay, da tribu dos Koantah, cheik de
Tombouktou, veio visitar essa colonia.
Acerca dessa tribu fornecem-nos as seguintes in-
fermacoes :
Os Kountah dizem-se descendentes dos Beni-Ou-
mejatad, tribu khoriebita, qual perteace o ka-
lfe Mo-awiah. Sidi-Okba, o rabe conquistador da
frica, que tem um tmulo em Kairouan, um
dos seus antepagados.
Os Kountah vivera dispersos no Sahara, habitan-
do o Toual, nos pazes comprehendidos entre o
Touat e Tombouktou, o Adrar e o Tagant, tendo
nestes dous ltimos aldeias jardins e palmeiras. A
raaior parte, porm, da tribu nomado; todos os
tm 1826, o celebre guerreiro Kountah-el-Mokh-
tar foi chamado do oasis de El-Mabrou Tombouk-
dos campos de batalha Ihe ennubjava o esplendor itou por ne*ociantes mouros, originiarbs de Rad-
L a magem do Cruficado, recatada no silencio das! ms' 1aere8idem ne9sa dade, afim de ajuda-los
ermidinhas, estova cima das blaspheraias sarra- Cora
cenas e dos insultos da ncredulidade.
Na primavera, um circulo de flores abragava em
violencias dos Foullandes du Macina.
O Mokhtar tornou-se omnipotente em Tombouk
ton, onde se conta urna intinidade de actos pratica-
roda aquella choupana ; trepando-lhe pelas pare-! dos por elle.
des, os silvados floridos, a< roseiras abotoadas, os I Seu filho Mohammed-el-Khalifa, succedeu-lhe, e
festoes de hera penetravim pelas frestas, pelo tec- j de presente reina sea neto, Ahmed-el-Bakkaj, de
to, pela porta e por todos os lados. Como nas co-11uem e li,u0 Mohammed, que ve> agora visitar o
lumnas de templo sumptuoso, nos umbraes se en- governador do Senegal.
tretecia urna multidao de redes florescentes, dos I Ahmed-el-Bekkaj sustenta de presente, frente
fustes das janellas toscas penauravam-se bambo- j &os Touaregs, dos Mouros do Sahara e de urna por-
lins de parra vcosa, em derredor do frontao es-i vSo dos Foullanes du Macina, urna luta terrivel
trellava-se urna gloriosa arcara de vegetogao pul-
contra bosso antigo El-Hadj-Omar, que procura
Vamos buscar nossa vida em outra. parte j
que nao podemos valer a nossa me. Eu. volto a
servir os araos antigos, e tu irs commigo. Se
Luiz tinha os seus ordenados juntos em mao de
meu pae : cobrou-os, e comprou urnas vaccas pa-
ra fazer a lavoura la sua nova ama. Arroteou al-
gumas trras que andavam descullivadas, aforou I eQS adiar o tempo para o anno que vem,. volta-
montados, e trabalhou incansavelmente. Chegado remos a graugear os bens.
o fim do primeiro anno, a viuva nao ousava offe-! A entrevada, sabedora disto, de saciada e affli-
recer-lhe ordenado: chamou-lhe filho, e offereceu-: g'da quiz saltar do seu catre, para eonter o genro,
Ihe a roo da sua Thereza. Pobre mae smente 1ue eslava chorando no sobrado fra. A velha
ella pensava que sua filha no era feia t O engei- dlsse 1ue Vtntleria urna cortinha a meu paj^ o a
lado tarabem via Thereza pelos olhos da me. Am-, empenharia para remediaremso. Foi Luiz lava-
bos se tinham visto de coragao para coragao. Ha- do em lagrimas, onde ao sea antigo amo, e pediu
viam passado, a sos, um anno, debaixo das cal-' de eraprestmo o pao para semear no anno. uturo,
mas e fros da lavoura. Tinham comegado e con- \ i sustentar sua mulher e sogra : tudo Ih* foi con-
cluido a tarefa de trezeotos e cinceenta dias ale- cedido, porque o engeitado aha urnas palavras
gremente. A face de Thereza, aljorada de suor, graves e breves que valiam o mais idneo abono,
e talvez de lagrimas de gratido, tinha-lhe parec- i A velhinha, que tinha assoraos do pundonor,
do formosa^ao desinteresseiro operario. Amavara- quando viu segurada a subsistencia do sua familia,
se. Luiz, para Thereza o sua me, nao era o en-! comprou tres roscas de pao de lo, e mandou-as
geitado : era o amigo, o compensador do desampa- aos tres netos da sua filha rica, em resposta ao of-
ro em que a deixaram Giho e filha, um esquecido ferecimento de a nao deixarem morrer de fome,
no Brasil, e outra abastadamente casada na fre-' expulsando ella o marida de sua filha pobre. Isto
guezia prxima. j faz lerabrar o caso de Martin deFreitas, cercado
Luiz acceitou a proposta de sua ama. Leram-se no castello de Coimbra, que mandou ao inimigo
os pregos. Assim que a noticia deste vilipendio' nina appelitosa trusa assada, quando os soldados
chegou ao conhecimento da filha rica, ella ahi vae' de Alfonso III cuidavam que a fome dos cercados
com o marido insultar a me, a irma, e o engei- j Ihe ia entregar a praga. A m filha devolveu as
tado. Ouviram silenciosamente as injurias, e Luiz [ roscas do pao de l, dizendo que os seus filhos aao
as ameagas; porm, o meu santo abbade, em recebam favores de engeitados.
Extraamos o seguinte :
DISPABATES MMAD0S.
(Sorriso das aboboras.)
Sorrindo na manha to fulgurosa
Estava minha ta,
Respirando o perfume de urna rosa,
Sentada n'agna fra.
Eis que o destino sem chapu de sol,
Abrindo una gaveta
Tendo nas ventas um famoso anzol,
Lhe faz nma careta.
Oh riso.I oh sombra! oh sostenido eterno
De minha bisav t
Porque razao no ritinir do averno
Tu me deixaste s ?
I
Nos templos das ondas, na vida dos mares
Enxergam-se estrellas fumando cigarros,
E entre as formigas com grandes azares
Impera o ruido do bom Joo de Barros.
Mas ai 1 qae os suspiros dos montes d'alm
Nao deixam vestigios na esphera de leite,
E es chos das noutes que dizemmea bem
Nao calcam as botas sem grande deleite.
E tu, oh 1 belleza, de azeite e vinagre
Que tens o destino das flores de liz
Porque me appareces montada n'um bagre
Scismando sosinha, corando o nariz ?

Mas serenou-se a tormenta
Que nao quiz tocar trombeta.
Mas eu pregui urna peta
Para evitar morte lenta.
Qaem tiver annos sessenta
Pode tocar marimbu,
Mas nunca passar o vu
Onde a triste humanidade,
Por obra de caridade,
Se sustenta de cacu.

Sorrisos eternos
Do monte Sinai,
Deixae, oh f deixae,
No venlre dos autos,
Os homens incautos.
Nas cncavas urnas
Dos vil les da noite,
A' costa de agoite
Nao raorre o defanto
Que come presunto.
Nos crespos bigodes
De fina cambraia
Afunda-se a saia,
Soltando esse grito
Que vem do infinito.
A morte ensopada
Com toda candura
Na sua impostura
Engeito brilhantes
De mil estudantes.
quem te rallo sempre que ha virtudes a historiar
na minha trra, tomou a peilo a defeza dos fra-
co?, e casou os.
Comei-as vos,disse a velha aos* sease
dae-me um pedacinbo, para eu poder beber vossa
sade, meus fllhos I Deus queira que os netos
Era cousa racional agourar um viver alegre e nao paguem pela bocea da mae.
bafejado de prosperidades a estes casados, que se J J vs que a entrevada, alm da pundonor, t-
tanto, e mourejavam sempre. Pois nao nha bom estomago para o pao de l e para os ul-
trajes da filha.
O anno seguinte sahiu abundantissimo dos the-
souros da Providencia. As eolheitas foram uber-
foi assim.
A vmva entreveceo logo depois; as vaccas mor-
reram da epizotia; o anno foi mnito secco e de to-
me ; o bicho comeu os batataes ; o lagarto devo-' rimas. Luiz pagou a sement, qae lngara a ler-
rou as hortas; a toupeira remexeu a trra do li- ra, e comprou outra junta de vaccas. Encarreirou
nhoj duas pipas de vinho azedaram-se: emflm, outra vez no prosperado arranjo da sua vida, e
urna cadeia de infortunios, rematada pelas malei- botou um capotinho de castorina aos hombros de
tas da Thereza, qne j no podia ajudar os esfor- sua mulher, e agellon por suas maos um confor-
gos do marido contra a perspectiva da fome no an- tavel carrinho, om que transportiva sua sogra aos
campos, onde Ihe ontrancava com ramagens om
no futuro.
A filha rica soube o estado de sua m5e, e, para
remedia-la e consola-la, mandou-lhe dizer que po-
zesse fra de casa o engeitado, qae ella lhe man-
dara alguma cousa.
A viuva esconder dos seus bons filhos este re-
cado ; mas Luiz, qae, por lionas traversas; o sou-
bera, diise mulher;
abrigo sombro nas horas calidas.
N'este anno teve Thereza o seu primeiro filho.
O meu abbade, que nao quera ninguem mal-avin-
do com o prximo, e de nenhum modo com p-
renles, lembrouse de fazer pazes entre a m Alba
e a sua boa me, aventando o pensamento de se
convidaren) 09 ricos para serem padrinlws da
6reanga. Aceden alegremente Luiz, e-a. entreva-
da poz as mos* clamando :
Oxal opa eu ainda veja minha filha Jbsepha,
e os nieus tres netos, antes de morrer t
O abbade foi com o convite, e voltou agastado,
prophetisando que Deus havia de abateros sober-
bos, e levantar os humdcs. Josepha e- -eu marido
repelliram furiosos o convite, clamando que ti-
nham vergonha de seoem prenles do.Luiz engei-
tado.
Veremos que Deus engeita....responde-
r o abbade, sacudiodo o p dos sapatos na so-
leira da porta.
Ao eseurecer d'este da, mandou Deus casa
dos pobres felizes um padrinho para a creanga.
Era um hornea bem trajado, do meia edade, que
apeou de urna liteira, e perguntou pela Sra. Cus-
todia Ferreira.
Minha mi est entrevadjaha na camadisse
Thereza.
O sujeito entrou na cosinha, e perguntou so po-
dia ir ao leito da entrevada. Thereza pegou da
candeia, e foi dizer a sua mae que estava ah um
fidalgo.
Nao fidalgo,ajuntou o desconhecido
seu filho.
A entrevada esqueceu-se da paralysia, e quiz
saltar do catre, exclamando:
Bemdito seja o Senhor l
O brasileiro entrou no quarto, dobrou o joe-
Iho, beijando a mao convulsa da velha.
O abbade, chamado pelas companhias da litei-
ra, foi dar a casa da viuva, e assistiu scena ma-
viosa e commoveote. Manoel Ferreira, que assim
se chamava o negociante, perguntou pelas restan-
tes pessoas da sna familia. O abbade expendeu a
-historia da familia nos ltimos trila annos. Con-
loo o casamento de Josepha, e a ruindade de sua
condigo. Exaltou as virtudes de Lniz, e a dogura
filial de Thereza. N5e lhe esqneceuporque ain-
da o resentimeto o azedava o caso feto do orgu-
lho de Josepha, recusando fazer christaa a creanoi-
nha, que Thereza estava amamentando-
Manoel Ferreira poz a mao na face do menino
e disse :
Depois de araanha seremos os padrinhos
deste anjo, minha mae.
Pez-se o baptlsado com as possiveis pompas da
aldeia. Era en pequenote, e lembra-me que fui
com mea pae assistir ao jantar que se dea na sala
da residencia s pessoas mais gradas da freguezia,
Mas ai I deixemos o cjaro funesto
Da paluda natura,
E como a sinecura, _
Que nada inveja do qtie eu mais detesto,
Deixemos oscillar ao som do vento
Os horrores de mgico portento.
Oh gloria, oh miserando pedestal I
Tu que viste a rainha de Sodoma
Vir implorar em.Roma
O direito feroz de ser fiscal,
Porque deixaste borda dojazigo
quelle sacrosanto e gordo figo ?
Mas eis que era seu furor
Gentil Catliarlneta
De eterna formosura,
Depois de ter tocado clarinete
Se aprsenla clamando-amor amor !
E os chos lhe respondemrapadura I

Tufos do nfiato;que gemem nos ares,
Atando a gravata do verbo encarnado,
Mostrando aos humanos os dentes do fado.
Que as ondas renegam nas grimpas dos mares.
Cascatas que pendem com grande decoro,
Chorando na gruta das fontes sem termo,
Aonde o susurro se ouve do inferno,
Com as mos affagando gentil meteoro,
Do indio tacape e o bronze da historia,
O echo das noutes quebrando as janellas,
A cilha que estoura quebrando asfivellas,
E a brisa cinzenta que perde a victoria.
Nao sao to vermelhos nem to furibundos,
Quaes sao os suspiros de quem perde a falla,
De urna alma innocente vestida de galla
Buscando os limites dos orbes rotundos.

Assim gemendo nas selvas
A donosa mariposa,
Com sua voz de raposa,
Coma talos de alface.
E com sua mao na face
Como quem coma cobra,
Para dar um desenlace
A' sua famosa obra,
Vaporosa susurrando,
Desprende com gesto brando
O seu sorriso de aooftwa.
Doces sorrisos da manhaa do averno,
Gentil estrophe, meiga saracura,
Objectos da f sera ter ternura
Rico capote, de setim moderno,
Vos que fazeis o movimento eterno,
No centro de gentil caricatura,
Que comis guardanapos sera forgura,
Girae com vento rispido e galerno.
Eu que outr'ora incensei dos beija-flores,
O sophisma gentil e catadupa,
E que nunca perda as rainhas cores;
Hoje em dia no remo da chalupa,
Decantado meus tepidos amores,
Devo andar com os alforges na grupa.
Do Correto do Ultramar traduzimos o que se
segu :
Segundo leraos em um peridico estrangeiro,
acha-se empenhada urna renhida discusso entre
os sabios de Aliona, Berlin e Leipzig, por causa de
um tratado sobre as pulgas, que se attribue
Goethe.
A reimpresso em Altona daquelle livro, que
tem por tituloDissertatio de eo qnod justnm est
circa spiritus femmarum ia est publices, urna
edigo de luxo com varias lythographias, entre as
quaes urna apresentando a difTeren^a entre urna
pulga nobre e urna pebla.

Um correspondente de Nova York, diz ao Stan-
dart, que acaba de ser descoberto um novo meio
de desinfectar os navios, procedentes deportes in-
feccionados de febre amarella.
A operago consiste em submetter os passsagei-
ros e carga urna temperatura de Tinte grus
centgrados, que se obtem por meio do gelo.

Para preservar qualquer objecto de panno, pen-
nas e pellos da traga, basta tocar-lhe com um pou-
co de vitriolo verde pulvwisado.
Nenhum mal d'ali vira ao objecto.
E' do Sr. Jefferson Mirabeau a seguinte poesa "
Quando geme o piano em voz dorida
Ao sedoso tocar dos dedos teus,
Dir-se-hia no cu nenia sentida
De un> anjo poe suspira aos ps de Deus.

Estas notas snblimes se aproximara
Aos barpejos de um'alma innocentinha,
Quando em threnos de amor, nos ares rmam
Com os ais da soidao pela tardtaba. .
Nao tem o sabia trinos cadentes
Quaes tu sabes ferir no tea piano;
Quando tocas, do cu aojos pendentes
Tem ciumes ouvindo o som humano.
Deus te pague, mulher, este momentos
Em que a vida rae arroubas na harraooiaj
Acordando ao piano esses lamentos
Da pobre Traviata na agona.
.*.
E' do Sr. Dr. J. P. M. Portella o seguinte sone-
to, que transcrevemos da Estrella do Norte:
Lmbran$a da Morte.
Memento, homo, qoia pulvis es,
et in pulverera reverteris.
O' vos, que sem temor, ousaes da vida
Todo o espago votar ao crime infando,
E, os preceitos divinos quebrantando,
Tornaes a consciencia entorpecida :
Vaidosos que em deleites iucendida
Trazeis a mente stulta Inda peccando ;
Avaros, que ureos cofres apinhando,
A alma tendes dorgulho intumecida :
Vos todos, mortaes, que allucinados,
Sem fim julgando a vida, eterno o mundo
Andaes em torpes crimes engolfados ;
Lembrae-vos com pezar grave e profundo,
Que de srdido p sendo formados,
Em p vos tornareis ftido, Iramando
SGIEWCIAS ARTES.
A MATEBIA E A FOBgA DA MATERIA QE SE TRATA
CLASSIKICACAO CHIMICA DOS COBPOSAFF1NIDA-
DEANALYSE DO ABAGUA A ATHMOSPHBHA
ACIDO CABBONICO OXIGENIO E AZOTEESTADOS
DA MATERIA, SOLIDO, LIQUIDO E OAXOSO STN-
THBSE E ANALYSE DA AGUAHA NATUREEA HA
MUtTO ACIDO CARBNICOO DIAMANTE t CARTAO
A BESP1BAQA0 CMA COMBUST0=COBPOS SIM-
PLES E COBPOS COMPOSTOSLEIS DE COMBINACO
DOS COBPOS l'NIDADE OU MULTIPLICIDAD! DA MA-
TERIATHEORIA ATMICABELACOBS NAS COMBI-
NAQOES CHIMILAS-O SYSTEMA DOS MUNDOS EOS
TOMOS DOS COBPOSOS CORPOS SIMPLES SAO VEB-
DADEIROS COBPOS COMPOSTOS PRINCIPIO DO DR.
PROUT E DE DUMASANALYSES DO SR. STASCON-
SIDERACES FI.NAES.
E' o universo formado de materia. A' materia
imprime a torga, a energa da naturna, movimen-
tos. Sao esses movraentos que modifican) a mate-
ria, que a transfrmala, que lhe dio a proporcao,
a harmona em relagao ao tempo e ao espaco, a
actividade e as qualidades caractersticas, que para
nos tornara distinctos uns dos outros os corpos que
observamos no universo.
Esta proposigo, para nao parecer a rauitos lei-
lores enigmtica, precisa ser explicada; e como
ella a expressao de urna verdade que a sciencia
moderna tem ido pouco a pouco descobrindo por
laboriosas invesligagoes, e profundo estudo da na-
tureza, e essa verdade destinada a ser um dos
mais importantes principios fundamentaes das
scencias phy.sicas e naturaes, por isto buscaremos
dar dVlia urna explicago to clara, quanto o per-
mittir a natureza d'esta publicago, e a difflculda.
de do assumpto, cujo estudo ainda est longe de
achar-se completo.
Hoje oceupar-nos-hemos da materia, da sua cons-
tituigo, e de alguraas das suas mais notareis pro"
priedades, afim de tornar inteltigivel a importante
queslo, que a sciencia trabalha para resolver: a materia nica, sendo as suas prepriedades dis-
tinctvas o resultada de modificagoos estranbas i
sua essencia, ou se ha tantas qualidades differentes
de materia na natupeza quantos os corpos simples
conhecidos.
Antigos pbilosophos formavam dos corpos da na-
tureza quatro grupos ou qnatro elementos, o fogo,
o ar, a trra e a agua, esta dirigi mostrava ape-
nas conhecimento dos estados de agregacao em
que a materia se pode encontrar, e um completo
desconhecimento das propriedades que physica e chi-
micaraente dstinguem os diversos corpos. A dou-
trina dos quatro elementos cooservou-se por muito
lempo, mesmo entre os homens que cnltivavam as-
scencias, e estudavara a natureza ; porm, com os
descobrimentos successivos da chimica, chegou-se
emflm ao conhecimento de que dos corpos da natu-
reza sepodem formar militas divisoes, reunindo enr
cada urna numerosas especies bem caractensadas
pelas suas propriedades apparentes, pelas modifica-
oes que polem receber da aegao das torgas da,
natareza, e pelo modo por que obram uns sobres c>
outros.
(Continuar-se-ha.)
era quanto no eirado os pobres se delcavam no
bodo que o brasileiro lhes mandou dar. Record-
me de ouvir contar a Manoel Ferreira que passra
no Brasil vnte e nove annos desgragados de con-
A vida m que elle, nos vinte e nove annos fes-
graga' s do Brasil, vivera por sertoes, e perigosas
arrem ..das fortuna adversa, minaram-lhe a sa-
de, e antecparam-llie graves doencas, que o>des-
tinuada pelej com os revezes ;:que, n'esse longo: canso nao curou.
espago duas vezes escrevera a seu pae, dizendo-lhe i Ao p dos cncoenia annos, perdeu esperanzas de
que era infeliz ; e se abstivera de escrever, noj melhorar, e testou era sua irma, e afilhado bens
podendo acudir necessidade de sua familia.! de fortuna consideraveis. Morreu nos bracos de
Acrescontou que inesperadamente enriquecer por j todos, abengoaudo o praxer de encostar a face mor-
hecanca do um amigo ; e, sem demora, liquidara! ta ao coragao de sua familia.
os seus haveres, e viera patria com o coragao
nasancias da duvida sobre a vida de seus paes.
A velhinba assistiu ao jantar e, no fim, queren-
do imitar os brindes que meu pae, e o boticario, e
o abbade Dzeram ao brasileiro, propoz ella o se-
guinte brinde :
A' sade de todos os meus ttlhos, para terem
vida, e serem bons aqpelles que o nao tem sido.
O abbade festejou muito o honrado e santo cora-
gao da velha; porm, o brasileiroy levando o copo
aos beigos, disse :
Eu s bebo sade dos bons filhos.
E de loa irmaa Josepha, acudiu a mae.
Manoel Ferreira nao respondeu.
Agora vers, tu, com assombro, a mudaaca que a
fortuna operou no animo de Luiz engeitado.
Fez-se miu ? perguntei eu.
Nada ; fez-se outra vez lavrador. Assim que
o cunhado se collocou a distancia de o nao censu-
rar, despiu o casaco oppressor que lhe intallava as
espaduas, e botou-se ao arado, como o faria Tnta-
lo, se o deixassem, por fim, beber do ro e comer
das fructas do seu supplicio. Andava anazado e>
arganaa, o engordou assim que pude rossar dous.
carros de mallo, e passar os calores de um estio. a
sachar o milho com os criados.
Como se via com muito' dinneiro, e muitas fira&s
i Ilustres a pcdircm-lh'o para caridades de estaiele-
Passados das, o brasileiro foi ver nos arrabaldes; cimentes pios, Luiz Ferreira, appellido qne ella to~
de Braga ama quinta magnifica. O proprietario. mou de sua mulher, dava aos neeessilados ovis do
cedeu-a por um preco exorbitante, dinheiro de ca- que lhe pediam. O resoltado disto, afora os cents
pricho, que denunciou os grossos cabedaes do com- por um, promettdos peto Divino Mestre, foi laze-
prador. Desta quinta fez Manoel Ferreira doago rem-no commendador. Luiz acceitou pagou o
a sua irma Thereza, e quiz que ella com seu ma- diploma como acceitaria e pagarla a bulto da santa
rido e me se transferissem para ali. o engeitado cruzada, ou o diploma de irmo da orttem lerceira
quiz continuar no trafego da lavoura ; mas o ou- Quando elle conheceu que nao era om mortal vul-
nhado tirou a partido que elle acceitaria a prospe- gar, foi ao lerem-lheqae elle nao sabia ler os
ridade com o repouso e limpeza da vida que os seus' sobrescriptos das cartas, em que o intitulavam dia^
baveres lbe permittiara. A viuva, quasi obrigada' mua commendador da ordem 4e Christo porm.
pelo filho, foi para Franga com elle, e voltou, pas-jcomo era bom chrlstio, emenden que pertencer
sado um anno, muito memorada, suslendo-se em ordem de Christo era urna boa censa por tae ponco
muletas ; mas com sobejas torgas Para visitar todos dinheiro. Todava, qnando amas pessoas distintas
os das o Lausperenne, o agradecer ao Supremo lhe deram excellencia, o homem olhou para ama-
Bem as alegras da sua velhice. O amor, as cari- Iber, e^esatou a rlr, a rio tanto, e por Unto lempo
cias, os extremos de ternura nao conseguirn), ain- que a boa da Thereaa coidoa que o marido ia re.'
da assim, dilatar a existencia deste ditosa me alm' bentar pelas cruies, salvo tal logar,
dos setenta e quatro annos. Deixemos o commendador a rir da excelencia
Depois da morte delta, o filho mandn avaliar o com mais sioceridado do qne Aristophanes, Eras-
quinho dos bens pertencentes a Josepha, e enviou-' mo, e Boileau riram da mucura do enero humano
lhe o valor da sorte ; depois mandou arrazar a e vamos ver se se reasou a prophecia do mea ab-
casa, dizendo qae n5o de va flear memoria da casa bade, qne dissera : t Deus abate os soberbos, e le-
nde nascra ama filha, que injuriara sua me ve- vaDla os humildes.
Ihae pobre. Dos chaos e leiras mandou fazer re-1 (Ctar-se-ka.J
talho?, e diseribm-los com pequeas e alegres choa*
panas aos pobres da freguezia, PERNAMBCO. -TYP. DE M. F. DE P. & rtLHO


<.


iMLLTILALXl


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E5TKKQ43I_4HAKIL INGEST_TIME 2013-08-27T21:32:14Z PACKAGE AA00011611_10448
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES