Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10436


This item is only available as the following downloads:


Full Text
r

ANUO XL. IUIEBO ISO.
-
O

-
4/JiH!?f/7S> ^ tres *ezes adiantados S$O00
i/fil F Jfl I f ir Por tres mezes vencidos 6JO0
" Porte no correio por tres mezes. 075
_________ -' I." l^*J-U.IIB|lfiiM----.--------

HtfMfft9*l fc *fl*j-j
SEGUNDA FEIR 8 B AGOSTO DE 1864.
Por asno aflautado.....19J00O '
Porte ao correio por um auno. 3$000
BNCARREGADOS DA SBSCRIPCO NO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrio de Lima!:
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Aracatv o
8r.A. deLemos raga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira; MaranhSo, o Sr. Joaquim Marones Ro-
drigues; Para, osSrs. Manoel Pinheiro & G- A-
mazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS- DA SBSCRIPCO NO SUL
rr^,runsrAlve^Rn?oLaf !>' ^l^^lSX^SZ^SW^St
rr. Jos atartins Alves; Rio de Janeiro, os Srs. Pe- navio.
rien Martas & Gasparrao. j Todos os estafetas partera ao V, da.
PARTIDA DO ESTAFE TAS.
Olinda, Cabo e Escada todos os dias.
Iguarassu', Goyanna e Parahyba as segundas e
settas-feiras.
Santo Anto. Gravat, Bezerros
SPHEMEUIDES DO MBZ LE AGOSTO.
Alnbo e Garanhuns as tercas feiras.
Pao d'Alhd, Nazareth; Liraoeiro, Brejo,- Pesqueira,
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Tacaratu', Cabrob,
Boa Vista, Ouricury e Exu' as quartas eiras.
Serinhaem, Rio Formoso, Tamandar, Una, Barrei-
ros, Agua Preta e Pimenteiras as quintas feiras.
2 La nova aos 13 m. e 12 s. da t.
Bonito, Caruaru',110 Quarto cresc. as 3 h., 37 m. e 38 s. da t.
17 La cheia as 11 h.,. 16 m. e 44 s. da m.
24 Quarto ming. as 3 h., 44 m. e 20 s. da m.
PREAMAR DE HOJB.
Primeira as 7 horas e 42 minutos da manhaa.
I Segunda as 8 horas e G minutos da tarde.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROi. ,
Par* o snl at Alagus a 8 e K; para o norte at
a Granja 7 e 22 de cada mez; para Fernando nos
dias 14 dos mezes dejan, marc., maiojul, set.enov.
PARTIDA DOS MNIBUS.
Para o Reoife : do Apipucos as 6 V* 7, 7 /i> 8 e
8 / da m.; de Olinda as 8 da m. e 6 da tarde; de
Jaboatao as 6 i/2 da m.; do Caxang e Varzea s 7
da m.; de Bemfica s 8 da m.
Do Recife : para o Apipucos s 3 /,, 4, 4 Vi, 4 %
o, o v4, b /i e 6 da tarde; para Olinda s 7 da
manhaa e 4 % da Urde; para Jaboatao s 4 da tar-
de ; para Cachang e Varzea s 4 '/i da tarde; para
Bemnca s i da tarde.
AUDJSNCIA DOS TRIBUNAS* DA CAPITAL.
Tribunal docommercio: segundas e quintas.
Relacao: tercas e sabbaaos s.10 horas.
Fazenda: quintas s 10 horas.
Juizo do commercio: segundas s 11 horas.
Dito de orphos: tercas a sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel: tercas e sextas ao meio
dia- _..
*rra do cm: quams e Mbba4os a i hora!iHl ssuffiffftSK
DAS DA SEMANA.
^,''c"nd;t- S.Cvriaeodiac. m. S. Emiliano b.
9. Terca. S. Alfonso Maria de Ligorio.
10. Quarta. S. Louren^o diac. m.;S. Astheria v. m
If. Quinta. s.<. Tihiircioc Suzana mm.
1 *. Sexta. S. Clara v. f. s. Aniceto m,
13. Sabbado. Ss. Ilypoliio e Cassiano mm.
1 *. Domingo. Ss. Demetrio e Mercurio mu.
ASSIGNA-SE
PARTE OFFIGIAL
GOTttlW DA PROYIMIA.
Expediente du dia 1 de agosto de lSii i
Oflkio ao commandante das armas interino.
Informe V. S. acerca do incluso requerimento de
Clara Maria do Espirito Santo.
Dito ao mesmo. Ordene V. S. que o comman-
dante da fortaleza de Itaraarac rectifique as di-
munses que aevem ter as quartolas cowprehendi-
das no pedido que apresentou ltimamente, deven-
do aquelle commandante ter em vista
o que a se-
uielhante respeto declara o director do arsenal de
senal de guerra no incluso officio que me ser de- jroa .desuado passageiro de estado Raymundo
volvido. seipiao de Andrade.
Portara.O presidente da provincia, em vista
do disposto no art. 23 da lei n. 598 de 13 de maio
ultimo e depois- de ter ouvido o director geral in-
terino da instruccao publica, resolve remover por
assim o haver pedido o professor publico de ins-
truccao elementar Vicente de Moraes Mello Jnior,
da cadeira de Nossa Senliora do O' de Ipojuca,
para a da freguezia dos Ahogados. Communicou-
se ao director geral da Instruccao publica.
Dita.O Sr. gerente da conipanhia Pernambu-
cana, mande dar transporte para o Cear no vapor
Persinunga, em lugar de r destinado passageiro
de estajo Jos Feliciano de Noronha Feital.
Dita.O Sr. gerente da cbmpanhia Pernarobu-
cana, mande dar transporte at o- Cear no pri-
meira vapor que seguir para o norte, em lugar de
ido.
Dito ao Dr. chefe de polica. Recommende V.
S. aos delegados e subdelegados dos diferentes ter-
mos e districtos da proviucia que empreguem lodo
o prestigi de sua autoridade para que as eleigoes
de juizes de paz e vereadores, a que se tem de pro-
ceder no dia 7 de setembro vindouro, se facam
om toda a moderacao, regularidade e paz, obser-
vndole tridamente a lei, e respeitando se reli-
giosamente os direitos de cidado sem atleoeo a
cor alguma poltica, prevenindo-os de que a sua
missao eiu taes casos se deve limitar a acalmar os
espirito e ruanter a ordena publica pelos meios
marcados as leis, onde quer que ella for alterada,
abstendo-se de influir no resultado das mesmas
eleices.lguaes recommendaces foram feitas ao
juizes dedireito, municipaese promotores.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
Para os convenientes exames transmiti V. S. as
inclusas copias das actas do conselho administrati-
vo do arsenal de guerra, datados de 23 e 27 de ju-
llio ultimo.
Dito ao mesmo.Attendendo ao que no incluso
requerimento expoz o juiz de direito da comarca
de Palmares bacharel Joo Francisco da Silva Bra- tor da thesouraria provincial,
a, recommendo V. S. que considerando justifi- Antonia Felicia da Conceicao. nforme o Sr. Dr.
cadas as faltas, que, por doente, deu o supplicante chefe de polica.
a contar de 23 at o ultimo de julho prximo fin-
do, mande pagar-lhe os seus vencimentos relativos
quelles dias.
Dito ao mesmo. Tendo o Dr. Jos Pereira da
Silva Moraes; assumido independentemente de a-
presentaco de titulo o exercicio de seu cargo de
chefe de polcia desta provincia no dia lo de julho!
Dita.O presidente da provincia, tendo em vis-
ta o que ponderou o coronel commandante das
armas interino, em offtcio n. 136!, datado de 30
de julhc ultimo, resolve de conformidade com
o 8., art. 6. da lei n. 38 de 3 de outobro de
1834, suspender o lente Antonio Villeia de Cas-
tro Tavares, e o alferes Clemente Francilio Tava-
res, o 1." do exercicio de director da colonia mili-
tar de Pimenteiras, e o 2. do de ajudante do mes-
mo director, aGm de serem responsabilisados em
conselho de investigacao por seus actos como pro-
poz o mesmo coronel commandante das armas no
citado offleo.Fizeram-se as necessarias commu-
nicacoes.
Despachos do dia 5 de agoste de 1861.
Reqnerimentos.
Antonio de Souza Marinho. Informe o Sr. ins-
pector da thesouraria de fazenda.
Antonio Francisco de Jess Pra.Informe o Sr.
Dr. hefe de polica, ouvindo o Sr. administrador
da casa de deteneo.
Antonio Ferreira Lustosa.Informe o Sr. inspec-
Antonio Velloso. Informe o Sr. Dr. chefe de
polica.
D. Clara Adelayde Paes de Andrade.Dinja-se
a thesouraria provincial.
Claudio Dubeux.Informe o Sr. inspector da the-
souraria proviucial.
Direcco do novo banco e outro.Concedo a 1-
ultiino, em que prestou o juramento do estylo, as-! cenca que pedem, pagos os direitos nacionas.
siin o declaro V. S. para seu conhecimenta e pa- Francisco Emigdio de Gusuio Lobo.O supli-
r que lhe mande abonar os respectivos vencimen- cante, pode concorrer quando forem concurso
tos, licando elle obrigado a apresentar o seu titulo os lugares de praticantes.
no prazo de 3 mezes contados d'aquella data. Jos de Oliveira Guimaraes. Informe o Sr. Dr.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.Au- juiz de orphos deste termo,
toriso V. S. em vista de sua informaco de bontem Joaquim Francisco Borges Ucha.J foi provi-
so!) n. 333, a mandar pagar a D. Clara Adelaide : da a cadeira a que allude o supplicante.
Paes de Andrade, a quautia de 300JWU0 votada no Jos Elias Machad Freir.Em vista da in-
quadro da divida de exercicios lindos, para indem-1 formacao, nada ba que deferir admnistrativa-
nisaco dos prejuizos que soffreu a propriedade da I mente.
supplicante denominada -sitio dos Coqueirosno Januaria, africana livre.Nao tendo a suppli-
cngenbo Ucha, com urna vala que foi all aberta cante anda o tempo da lei, nao pode por ora ser
para esgoto das aguas da estrada da Victoria. deferida.
Dito ao mesmo.Accuso recebido o oflicio de 29 Joaquim Theodorico de Vasconcellos.Avista do
julho ultimo, sob n. 323, em que V. S. me partid-1 parecer da commissao approvado pelo conselho
pou haver Manoel Augusto Candido Pereira oflere- director e da ioformacao de 2 do corrente, nao
cido I00U0 pelas maderas velnas de urna tanm-! pode ser deferido o supplicante.
ba que se desmanchou no quartel do corpo de po- i Manoel Jos da Luz.Nao tem lugar.
Jicia e em resposta tenho a dizer que mande por
novamente em praca as referidas madeiras.
Dito ao commandante superior da guarda nacio-
nal do ltecife. Expeca V. S. suas ordens, afim de te ainda o tempo da
ij'i" o batallio n. 1 de infantaria da guarda naci- ferida.
nal deste municipio, assista aos actos da festa e Je-
Deum de S. Vicente Ferrer, que se tem de celebrar
na igreja do convento de Nossa Senliora do Carino
desta cidade no dia 7 do correte.
Dito ao capito do porto. Faro apresentar V.
S. para ter o conveniente destino depois de inspec-
cionado o remita Ermclino Jos dos Santos.
Communicou-se ao tenente coronel recrutador.
Dito ao inspector do arsenal de mannha. Em
vista do que expoe o regedor do Gimnasio Provin-
cial no oflicio junto por capia, mande V. S. reco-
llier a esse arsenal substituindo por outro o Afri-
cano livre de nome Itaphael que se acha ao serv-
co d'aquelle estabelecimento.Communicou-se ao
director gerai interino da inslrucco publica.
Dito ao presidente da cmara municipal do Rio
Formoso. Communlcando-me o juiz de paz mais
volado da freguezia desse municipio, que nao re-
cebera anda copia aulhenlica da acta da ultima
rleico de juizes de paz, alim de poder em tempo
aze'r a convocaco das pessas que devem organi-
sar a mesa da assembla iiarorhial na eleico, a
ijue se vai proceder no dia 7 de setembro prximo
vimfuuro, tendo-a solicitado de V. S. que nao se
dignara de responder ao seu oflicio, recommendo
V. S. que com toda a urgencia faca eflectiva a
remessa d'aquella acta providenciando para
como for de lei.
Dito ao tenente coronel Luir.
Maria Jos dos Sanios.J se mandou por em
liberdade o recrula de que trata a supplicante.
Porcina, africana livre.Nao tendo a supplican-
lei nao pode por ora ser de-
INTERIOR.
parte dos productores de algodjo no modo de fa-
ze-lo vir ao mercado. MeUdo eotre dous pedacos
de panno, que nocheganV para cobri-lo, alm'de
se perder nao pouco pelas estradas, e de facilitar
assim o furto, que ltimamente se tem desenvolvi-
do pela alca do preco, cuga muitas vejes, sobre-
ludo no invern, cm tal estado na inspeceo que
mistar dar mais libras de bom peso para ser ven-
dido, e obtem sorte inferior que teria direito se
viesse bem acondicionado e limpo.
Urna medida qualquer, que obngue o productor
do algodao a mandar as saccas perfectamente fe-
chadas, me parece iodispensavel, assim para cr-
dito nos mercados consnmidores desse o mais im-
portante genero de nossas rendas, como para aug-
mento destas, no que se far nao pequeo benefi-
cio aos meamos productores.
A experiencia acaba de dar disto um prova ir-
recusavel. Estou informado de que o algoJiw des-
carocado na machina da Independencia, que ci-
ma me refer, logra sempre mnihor preco do que
outro qualquer, subindo a difTereoc-a d-z por
cento.
O fabrico do assucar na provincia nao tem sof-
frido melhoramento algum ; e nao errarei dizendo
me pelo contrario havemos neste ponto retrogra-
dado multo.
O assucar, que hoje se fabrica, o que se cha-
ma bruto, sempre mal feito, e de m qualidade. O
comprador que paga pelo mesmo proco, tanto o
melhor como o pessimo, por que de ordinario o
mistura no armazem para exporta-lo, obriga o
productor a nao se esmerar no seu fabrico, e o re-
sultado tem sido o descrdito, em que se acha o
assucar da provincia, que em pocas atrazadas, e
quando a cultura desse genero de industria princi-
piava a desonvolver-se era considerado de primei-
ra qualidade.
A Ilustrada inteligencia de V. Exc. c o inleres-
se que ha de tomar pela prosperidade da provincia
que vai administrar, lhe ditaro medidas promptas
e efflcazes a ser obviado te grave mal, que amea-
ca, se nao acabar com o planto da canna, pelo mo-
nos diminuir consideravelraenle sua cultura em
consequencia do baixo prego, que lhe far obler
sua m qualidade.
Nao obslaute, minha opiniao, que se as chu-
vas continuaren) regulares, a safra futura do algo-
dao subir a sessenta mil saccas, e a de assucar
ser maior do que a precedente. E visto nao ha-
ver por ora probabilidade de que diminua a pro-
cura do primeiro genero, e fazendo crer as ultimas
noticias commerciaes da Europa, onde era muilo
diminuto o deposito do assucar, que este genero
lograr melhores precos na prxima safra, nao se-
r extraordinario, que venha nesse lempo a exce-
der de qunhentos contos a renda da provincia.
Foram despachadas pelo consulado no corrente
anno at o dia 7 deste mez32,582 saceos de as-
sucar na importancia de 300:0025 rs. e 18,912 le
algodao na de 2,407:9495941 rs. ; pagando estas
de direito a quantia de 120:3975395 : e aquellas a
de 14:2503080.
(Continua! -se-ha)
186, lllho legtimo de Jos Paulino de Almeid "J
e Anna Josepha de Almeida.
Jos pardo, de idade um anno, filho legitimo de
Candido e Anna, escravos.
Luiza, prcla, com 3 annos de nascida, filha natural
de Dellina, escrava.
Elvira, preta de idade 10 dias, filha natural do The-
reza, escrava.
Manoel, preto, de idade 2 annos, filho legitimo de
Claudino de Souza e Francisca Maria B-medieta.
Jesuina, parda, de idade 2 mezes, filha legitima de
Francisco Antonio Campos e Ignacia Maria da
Conceicao.
Olympia,' branca, nascida em 17 de novemt>ro de
1863, filha legitima de Miguel Duarte de Olivei-
ra e Luiza Amancia Teixeira.
Carlos, pardo, de idade 8 mezes, filho natural de
Luiza Mara da Coneeteio.
Xumeriaoo pardo com 8 das de idade, filho na-
tural de Gonzalo Pereira da Silva e Antonia Ma-
na da Conceicao.
Julia, branca, nascida em 5 de marco deste anno,
filha legitima do alferes Joaquim Americo da Sil-
va e Generosa Thomazia da Silva.
Adolpho, braoco, Santos leos, nascido no 1" de
no que tenho de dizer, porei, por em quauto de
parle este ponto, e vou desde j oceupar-me do
projecto em s, que faz o principal objecto da pre-
sente discusso.
Apenas ouvi lr nesta sala o projecto que creava
o imposto de 2005000 por cada caixeiro estrangei-
ro, e que ora se acha em discusso, pronunciei-me
logo particularmente contra elle por considralo
ante-humanitario, por ser opposto aos preceilos
econmicos, e prohibido pelos tratados commer-
ciaes celebrados pelo Brasil com varias nacoes.
O Sr. Silveiha Lobo :Veja como eu adevinhei
ludo isto.
O Su. Silva Ramos : Vou responder ao meu
illustre collega dando a razao de cada urna das
minhas asseredes.
Se eu cnchergasse no projeclo denominado dos
caixeiros urna idea rasoavel, e una medida de
posslvel realisaco, que trouxesse um verdadeiro
beneficio para a mocidade pernambucana, que dese-
ja encelar a carreira commercial pela vida de cai-
xeiro, eu seria o primeiro a defender essa idea, e
a dar-lhe o meu voto; porque Sr. presideole a nin-
guem cedo a dianleira em amor minha provincia
natal, e em dedicacao meus patricios : ninguem
Janeiro de 1859, filho legitimo de Alexandre Ame- e mais patriota, nem mais liberal do que eu; tudo
RNAMBDCO.
REVISTA DIARIA.
ros llego 2. juiz de paz da freguezia de S. Lou-
renco da Malla.Tenho presente o ollicio que V.
S. dirigio-me hontem consultando se o juiz com-
petente para presidir as prximas cleicoes de
juizes de paz e vereadores, a.que se vai proceder
nessa freguezia V. S. ou o 1. juiz de paz, que
tem sua moradia em territorio que actualmente
perteoce freguezia da Varzea em virtude da lei
provincial n. 600 de 13 de maio ultimo, que alle-
rou os limites dessas duas freguezias.
Em resposta rabe-me dizer-lhc que a lei de 19
de agosto de 1846 exigindo no art. 99 a condico
de residencia no districlo para que o cidado possa
ser eleito juiz de paz. e diferentes avisos do go
verno, entre os quaes os de n. 99 de 25 de
agosto de 1848 1., n. 161 de 13 de de-
zembro de 1848, n. 340 de 14 de agosto de 1860,
declarando que o juiz de paz, que se muda da
parecida perde por isso o seu cargo, estabeleceu
a doutrina de que a residencia indispensa-
savel para o exercicio do cargo de juiz de
paz.
Assim pois. se o 1." juiz de paz dessa freguezia
mora em territorio de outra, claro que nao pode
exercer as funecoes do seu cargo, por conseguinte
presidir na freguezia, em que nao morador s
eleices de que cima se trata.
Pouca.importa que a mndanra tenha sido por
forra da lei c nao voluntaria, porque essa cir-
cumstancia nao muda a natureza do fado, que no
caso oceurrente v o principio ou a razo de de-
cidir.
Poitanlo V. S., visto ser o imraediato em
votos o juiz competente para presidir as clcicSes
dessa freguezia.
Dito ao director geral interino da instruccao
publica.-Ao seu oflicio de 28 de julho ultimo, sob
ii. 148, respondo dizendo que approvo que seja
adoptado para os alumnos internos de pnmeiras
letras do Gymnario provincial, um uniforme difi-
reme d'aquelle de que usam os alumnos das cas-
ses superiores.
Dilo ao procurador fiscal da Ihesouraria pro-
vincial.Communicandome o engenhelroem che-
fe da reparticao das obras publicas no oflicio junto
por copia, que as obras do cano de esgoto em
construeco na ra de Santa Isabel, foram em-
bargadas por Thom Rodrigues da Cunta, sob o
fundamento de serem feitas em lerreno de sua
propriedade, recominendT Vm* que proceda
contra o embargante, como for de direito, e em;
vista do que consta dos papis inclusos.
P.4RAII1B.4.
Relalorio que, ao passar a administrarn da pro-
vinca ao presidente elTeclivo, aprcsenlou o Iaiii.
Sr. Dr. Felizardo Toscano Brrelo.
(Continuada).)
Corpo policial.Em virtude de reoresenticao do
niajor commandante do corpo de polica, Jos Vi-
cente Monteiro da Franca, nomeei por. portara de
7 de marfo urna commissao composta do major Mi-
guel Ferreira Cabral, tenente Amalia Maio, ambos
do corpo de guarnicao e do procurador fiscal do
thesouro provincial, bacharel Astolpho Jos Meira.
para examinar o estalo daquelle corpo, assim
respeilo da escripturacao, como do seu armamento
e equipamento. O relalorio apresenlado pela mes-
ma commissao em data de 2 de abril foi minucio-
so e complet).
Tratava de fazer um regulamenlo para esse cor-
po, como indispensavel em vista da organisago,
isto i que lhe deu a lei provincial n. 88 de 13 de novem-
| liro do anno passado; nao tendo porm por falta
Francisco de Bar- de tempo concluido esse trabalho, que alias ja se
achara bem adiantado, deixo-o no gabinete da pre-
sidencia, onde V. Exc. poder examina-lo.
O corpo de polica em seu estado completo deve
ter 190 pracas, de pret. Existem actualmente 146;
fallam pois 44. Eslo doenlcs 7 ; em priso 2;
servindo de ordenanzas 8 ; de camaradas dos ofli-
ciaes 8: em diligencia 22 ; destacados na cidade
de Ara 23: na villa de Bananeiras 10; na de
Campia 10 ; de S. Joo 10 do Inga 9 ; do Pilar
12 ; de Cabaceiras 8 ; e as povoacoes de Alagoa
Grande 5, e de Mulungii 4 : ao todo 138 pracas.
Restarn no quartel 6.
Corpo de guarnicao.Este corpo contina a pres-
tar bons servicos, e a merecer toda minha confian-
za o seu digno commaulante o coronel Ernesto
Emiliano de Medeiroe sua briosa oflicialidade.
Diffieilmente poder elle chegar ao seu estado
completo, visto como, s lhe cabendo engajar vo-
luntarios, sao bem poucos os que para isso se ofle-
recem. A' semelhante respeilo solicitei providen-
cias do governo imperial.
U corpo de guarnicao, cujo estado completo de-
ve ser de 317 pracasde pret, tem actualmente 264,
faltando portanto 53. Existem 26 em priso, 5 in-
capaces do servico e 3 estudando na corte. Restan)
em elTectividade de servico 230.
Eslo destacadas as cidades. d Pombal 20 c de
Mamanguape 13 ; na villa do Teizeira 10; na for-
taleza do Cabedello 8 ; e servindo de camaradas
aos ofliciaes na capita' 16 : ao todo 67. Resiam
por conseguinte no corpo 165 pracas, que se em-
pregam nt> servico da guarnicao da cidade, do
quartel e da enfermara militar. Os destacamen-
tos sao commandados por alferes.
RENDA PROVINCIAL.
E' bem satisfatorio o estado do cofre provincial,
onde V. Exc. encontrar cerca de ceato e oitenta
contos de ris, (180:0005) inclusive o que se ai-ha
arrecadado em Pernamhuco, importancia dos direi-
tos dos gneros, que desta provincia seguem e vao
ser vendidos na praca do Recife.
Este estado florescente de nossas rendas devdo
ao alto preco do algodao c ao augmento que no
corrente anno teve o do assucar
Tem-sedesenvolvido na provincia e de um mo-
do espantoso o cultivo do algodao ; os agricultores
deste genero vo largando a roiina no descaroga-
mento, e j hoje existem nella muitas machinas de
ferro, alm da que em ponto grande foi levantada
na villa da Independencia esforcos do commer-
cante Joo Luiz Pereira Lima.
Noque porm ha anda iraperdoavel incuria da
rico de Caldas Brandao e Carlota Francelina de
Caldas Brando.
Paulina, branca, de idade um mez e meio, filha le-
gitima de Jos Maria dos Santos e"Maria Cesara
dos Sanios.
Trajano, pardo, de idade J mezes, filho natural de
Pomposa, escrava.
Maria, prela, de idade 20 mezes, filha natural de
Franklina Maria da Conceicao.
Manoel, branco, nascido em 26 de maio deste an-
no, filho legitimo de Francisco Teophilo Paes Bar-
reto e Maria da Penha de Abren Barrete.
Idalina, branca, nascida no Io de junho deste anno,
filha legitima de Jos Brando da Bocha, e Lau-
rana Rosa Bigueira Ramos Brando.
Valentina, prela, de idade 4 mezes, filha natural de
Mxima, escrava.
Manoel, pardo; de idade 3 mezes, filho natural de
Germina, escrava.
Joannisia parda, de idade 2 annos e 9 mezes, fi-
lha legitima de Andr Francisco dos Santos e Fe-
lippa Santiago Nunes da Silva.
Justiniana, parda, de idade 7 mezes. filha legitima
de Manoel dos Santos Fraga e Candida Maria dos
Santos.
Severino, preto, de idade um anno e meio, filho na-
tural de Alexandrina Maria da Conceicao.
Emilia, preta, de idade 3 mezes, filha natural de
Rozalina Mara da Conceicao
Casameitos.
Jos Joaqnim Ramos de Oliveira com Maria Fran-
cisca de Hoilanda Cavalcanti, pardos.
Jos Maria de.Somt com Eulalia Luiza Mara do
Reg, brancus.
Jos Francisco da Silva Ferreira com Anna Libe-
rata da Silva, brancos.
Joo Francisco Regis com Theotonia Maria do Sa-
cramento, pardos.
Joaquim Jos Antunes cora Alexandrina Ludovina
da Silva Duarte, brancos.
Candido Mi lilao de Freitas Fragoso com Sil vina Ma-
ria do Espirito-Santo, pardos.
nEPAnTigXo da polica.
Extracto das partes do dia 6 de asosto de
1864.
Foram recolhidos casa de deteneo no dia 5
do corrente :
da
Costa Santos, e Honorato, escravo de Francisco
Candido, ambos por infraccao de posturas.
A' ordem do da Boa-Vista, Francisca Maria do
Rosario, para carreceo ; Maria Luiza da Concei-
cao, pnr briga : Manoel, escravo, de Joaquim Mar-
ti ns, por infraccao de posturas.
O chefe da segunda seccao,
J. G. de Mosquita.
Movimento da casa de deteneo no dia 5 de
agosto de 1864.
Existan)..... 356 presos.
Entraran)..... 8
Sahram...... 16
No concurso para preenchimento das eadmras
de nstrurco prima-a do sexo feminoo, que deve
ter lugar no dia 12 do corrente, serlo examinado-1 reir Ramos, requisicao do cnsul portuguez
res os Srs. professores Serafim Pereira da Silva I Rosa Maria Joquina, para correceo.
Monteiro, Joao Jos Rodrigues e D. Digna de San- A' ordem do de Santo Antonio. Benedicto
la Rosa.
Durante o impedimento do Sr. Jos Joaquim '
Pereira de Oliveira, acha-se no exercicio de conta-
dor do geraldo termo do Recife o Sr. Antonio Joa-
quim Pereira de Oliveira.
Foi removida, seu pedido, a professora de
instruccao primaria da villa de Serinhaem, D. Ma-
ra do Rosario Pinheiro, para a da villa de Nossa
Senliora do O" de Ipojuca.
Para reger interinamente, mediante a grati-
ficarlo de 6005 annuaes, a cadeira de pnmeiras
lettras do collegio dos orphos, foi noraeado o Sr.
Landelino de Luna Freir.
Em vista de ponderacoes do Sr. coronel com-
mandante das armas, foram suspensos e mandados
entrar em conselho de investigacao, o director e o
ajudanto da colonia militar de Pimenteiras, tenente
Antonio Villeia de Castro lavares e alferes Cle-
mente Francilio Tavares.
Emquanto durar o impedimento do Sr. len-
te Villeia Tavares, servir de director da colonia
militar de Pimenteiras o Sr. capitao Jos Ignacio
de Medeiros Reg Monteiro.
Ante-hontem, estando urna pobre mulher
lavando roupa junio urna cacimba da ra da
Aitraco, na Soledade, tendo perto de si tres filhi-
nhos, cabio um delles dentro da cacimba, sem que
ella desse por sua falta, por julga-lo brincando.
A tarde, porm, ao v.diar para casa, reconheceu
ella lhe faltava um, e, pedindo soccorro aos visi-
nhos-, vio-o lirar morto daquelle lugar.
Peio brigue inglez Escape foram encontrados
os seguintes navios, em sua viagem de Baltimore
ao nosso porto : na lat. N. 32o54' e long. O. 45
10', a galera ingleza Daphne, de Melbourne para
Londres, com 92 das de viagem na lat. N. 7
10' e losg. O. 32o15' a barca ingleza WtMorak,
de New-Tork paraTable Bay ; na lat. N. i -13' e
long. O. 25 -39' a galera ingleza O. J. Baker ; e
na lat. S. 4"-2' e long. O. 29"50', a barca ingle-
za Bu rus, de Liverpool para Calho do Lima. Ne-
nhuma novdade havia bordo.
farei por minha provincia, e tudo farei pelo no-
vo : (apoiados) mas nao quero de modo algum
embalar o povo em vaas esperanzas, quero realisar
os beneficios, que lhe offerecer, e nao ntrete-lo
com promessa inexequveis.
Trese annos de ausencia, cm paiz extranho, que
consum com minha educaco, nao apagaram em
meu peito a nobre chama do amor da patria; eu
me desvaneco em ser brasileiro, e tudo quero paia
i o meu paiz, embora com sacrificio de meu bem
; estar, e de minha indivdualdade.
. _0 Su. Presidente : O projecto que se discute
nao jide de modo algum receber a approvaco
, desta casa, porque se oppSe tratados expressos, e
1 que eslo ainda em vigor.
O Su. Silveiha Lobo : Desejava que me apre-
sentasse estes tratados.
O Sr. Silva Ramos :Eu logo irei aos trata-
1 dos.-Em consequencia desses tratados foram sus-
pensas e derogadas duas leis neste sentido appro-
vadas pela assembla geral, e varias outras, que
1 diversas assemblas provinciaes do imperio tem
feito promulgar.Tendo eu destas cousas cabal
conhecimento, como jioderia eu deixar de prean-
ciarme contra tal projecto de lei? llavera nesta
minha opposico urna prova de pouco interesse
' pela mocidade pernambucana, um pronunciamento
a favor dos estrangeiros 1
Se ninguem nesta casa se manifestasse contra
| elle, de modo que at fosse unnimemente appro-
. vado, o poder competente o sanecionaria, sendo elle
1 opposto a tratados expressos?
Cerlameote que nao. Esta casa teria o desgoslo
de nao ver sanecionado um projecto de lei, nella
discutido e approvado. por ter andado com pouca
lucidez e reflexao.
E para que fazer passar nesta casa um tal lei,
i para que ir com ella encher de esperanzas os mo-
pos, nossos comprovincianos, fazendo-lhes conce-
ber risonhas esperanzas de um porvir mais ditoso,
quando ella nao poda, de modo algum, ser sancio-
nada ? Melhor procedo eu, e os que tem tido a
franqueza de declarar que o projecto nao pode
merecer nossa approvaco.
Anda mais, se por qualquer circunstancia a lei
merecesse a sanlo do poder competeule, mesmo
348
A saber :
Nacionaes----- 280
Estrangeiros... 18
Muflieres...... 6
Kstrangeiras .. 1
Escravos...... 38
Escravas...... 5
Tendo sido exonerado o guarda da casa de
deteneo Caetano Augusto Rosas, foi noraeado para
substuui-lo Eustaquio Antonio Gomes.
Teve hontem lugar, no convento do Carmo,
a fesla de S. Vicente Ferrer, padroeiro do |. ba-
talhao de infantaria da guarda nacional, com a
pompa do costume. Ouru ao Evangelho e no
Te-IJennt o Rev. padre Leooardo Joo Grego.
S acadmica do Bom Conselho, eleico da meza
administrativa para o anno de 1865
- A's 3jioras e meia da larde de hontem de-
ram as torres das egrejas signal de fogo, que se
descobrira em urna das oflicinas do Arsenal de
Marinha, e que foi extincto pelos empregados do
mesmo.
Lista dos baptisados havdos na freguezia da
Boa-vista no mez de julho de 1864.
Bernardiuo, branco, com mez e meio, filho natural
de Jos Gomes Vanderley e Maria Magdalena di
Jess.
Maria. branca, nascida 27 de marco de 1861, fi-
lha legitima de Francisco Rodrigues dos Santos e
Leonor Mana Francisca dos Santos.
Jos, branc nascido em 31 de marco de 1863, (ilho
iegitiino de Francisco Rodrigues dos Santos e
Leonor Maria Francisca dos Santos.
Joauna, parda, de idade um mez. filha natural de
Vivalda, escrava.
Sudoberto, pardo, de idade um anno, filho natural
de Luiza, escrava.
348
Alimentados a custa dos cofres provinciaes. 143
Obituario do ce.miterio pibi.ico no da 5 de
agosto de 1864
Antonio, escravo, frica, 40 annos, solteiro, Boa
Vista, anemia.
Joo, Pernarnbuco, 11 mezes, S. Antonio, denlicao.
Maria. Pernarnbuco, 7 annos, S. Jos, malacia.
Antonio, Pernarnbuco, 18 mezes. S. Jos, febre in-
termitente
Hilario Viera Caldas. Maranhao, 35 annos, soltei-
ro, Boa-Vista, phlysica pulmonar.
Maria, Pernarnbuco, 5 mezes, S. Jos, convulsoes.
6
Flix, Pernarnbuco, 3 annos, Boa-Vista, afogado.
Manoel, Pernarnbuco, 3 mezes, Boa-Vista, interite.
Benla de Freitas, frica. 70 annos, soltcira, Boa-
Vista, diarrhea.
Margarida Martniana Tavares Padilha, Pernarn-
buco, S. Jos, hydropesia.
Maria Pires, Pernarnbuco, 46 annos, Boa-^sta. be-
xigas.
Francisca Rila do Espirito Santo, Pernarnbuco, 84
annos. vi uva, S. Antonio, paralisia.
Ignacio. Pernarnbuco. 9 mezes, S Jos, parolite.
Thereza, escrava, frica, 37 annos, solleira, Reci-
fe. apoplexia.
Maria Magdalena Ribeire, Pernarnbuco, 75 annos,
viuva, S. Antonio, una esplanete.
assim sua execucao sena embaracada por justas
A ordem do subdeleado^de Becife, Manoel Pe- reclamarles, de quera se julgasse ofTcndido em
seus direitos.
O Sr Silvkira Lobo:-E' sempre a covardia,
, que se Iraz por diante.
O Sr. Silva Ramos :Nisto nao ha covardia,
porque tal se nao pode chamar a lidelidade no
cumprimento dos tratados -. e o nosso governo, se
por qualquer motivo, permittisse a execucao de
urna lei. que se oppoe a tratados inlernacionaes,
| elle seria prompto em manda-la suspender, quan-
do qualquer naci lhe lembrasse, que a le se
oppunha a direitos de seuscidados, adqueridos por
esses tratados. Proceder por igual modo, mos-
; trar-se leal, e respeitador dos convenios, e nao
merecer o epitheto de covarde.
O Su. Silvira Lodo :O nobre depulado nao
fallou em diminuir este imposto : logo adniiltia a
possibilidade do projecto ser sanecionado?
O Su. Silva Ratos: J vejo que me nao fiz
entender, quando em conversa particular tralei
deste assumpto cora o illustre collega.
Disse eu, Sr. presidente, que o projecto se oppu-
nha tratados celebrados pelo Brasil com a Fran-
ca, Inglaterra, Estados-Unidos emais ontros paizes,
e tendo-os eu todos neste iivro, para nao fatigar a
attenco da casa limitar-me-hei a fazer a letura do
11 do tratado com a Franja. (Le.)
O Su. Silve ia Lobo : Independenle de imposto
ni" diz ahi.
O Sr. Silva Ramos: Nao diz independente de
impostes, mas diz liberdade reciproca. Ora se est
estipulada a liberdade reciproca, o Brasil nao pode
tolher a liberdade de commercio qualquer subd-
to das mencionadas nacoes, do mesmo modo que
! ellas nao podem embarcar que qualquer Brasilei-
ro ahi se stabelecam com casas de negocios.
O Su. Jacobina :E boje existir esta recipro-
cidade ?
O Sr. Silva Ramos :Entao nao entendeu meu
raciocinio. Se est estabeleeida a reciprocidade nos
direitos, para haver perfeila igualdade, nao deve-
nios por peias e embarazos aos cidados desses
paizes, com que temos tratados para a liberdade
reciproca no commercio.
Sem que examine outras parles dos tratados,
que neste ponto sao todos idnticos, julgo ter de-
monstrado exuberantemente pelo que li, e pelas
considerazoes, que expend, que as najoes com
3uem o Brasil celebrou estes tratados tero direito
e se queixar, se nos crearmos embarazos aos seus
subditos, que commerciam entre nos, embarazos
que os Brasileiros nao encontram nesses paizes, e
3ue entre nos nao affectam os Dacionaes, porque
este modo se torna de nenhum efleito a clausa de
liberdade reciproca.
O Sr. Silvira Lobo :Podem pedir indmnisa-
Zoes.
O Sr. Silva Ramos : Nao leve a questo por
esse lado, e at peco ao illustre collega, que nao
repila mais esse aparte.
O Sr. Si.vkira Lobo:Eu como estou so.nesta
queslao. entendo, que tenho direito de dar alguns
apartes.
ASSEMBLA PROVINCIAL.
Discurso proferido pelo depulado Silva Hamos, na
sesso da assrmbla provincial, de 19 de abril
passado.
Sr. Presidente. Como j tive occasiao do dizer
nesta casa, sou forzado a entrar na presente dis-
cusso, por ter dado um aparte, quando por Inci-
dente se tocou aqu neste projecto.
O Sr. Silvira Lobo :Por mira nao.
O Sr. Silva Ramos :Tomei entao o compro-
misso para com um illustre collega, que se acha
ausente, de dar este meu aparte o devido desen-
volvimento.
Por occasiao do se discutir o projecto acerca da
construezo de urna estrada do rodagem da estacao
de Trombetas para o Bonito, nao sei como, se tocou
no projecto dos caixeiros, e dizendo o nosso illustre
collega o Dr. Sabino, que o eonmercio j era bas
Margarida, parda, de idade 3 annos, filha natural tante brasileiro, eu retorcei sua opiniao cora as
de Raimunda, escrava.
Fabio, branco, de idade 4 mezes, filho natural de
Florinda Germana de Alnmida.
seguintes palavras, i*> se nao era mais, parte da
culpa era dos Brasdeiros.
Eu darei a este assercao o desenvolvimento e a
Ricardo, branco, nasrido em 6 de feyereiro de explicado necesarias,, mas para melhor melhodo
O Sr. SiLva Ramos : Aceito com prazer seus
apartes, porque tenho em milita consideraco o
carcter do illustre collega, o estou convencido de
suas boas intencoes, quando se esforca na defeza
deste projecto, mas julguei um pouco inconvenien-
te o aparte que agora deu
O fim principal, se nao o nico do projecto
difllcultar a entrada dos mozos estrangeiros para
os lugares de caixeiros e facilitar a aceitacao dos
Brasileiros : deste modo fica estabeleeida a des-
igualdade. e nao havendo em nenhum paiz urna lei
igual, que lira os direitos dos Brasileiros, claro
que tica estabeleeida urna desigualdad'1 e urna in-
justica, contra as quaes reclaman) os tratados de
liberdade reciproca para o commercio
Disse o illustre collega que nosso governo cele-
brou voluntariamente esles tratados : quid inde :
nos nao somos poat isso resgoosaveis, mas nao pode
o Brasil hoje ;, por si rvoga-los.
Um Sr. Deputado :Mas podemos fazer alguma
cousa.
O Sr. Silva Hamos : Tudo poderenios fazer,
menos legislar contra condizoes expressas nesses
tratados. Eu estou na melhor boa f, emquanto
opiniao que defendo ; e se o Ilustres collegas me
convencerem de que estou em erro, serei dcil, e
yotare favor do projecto; mas defender um pro-
jecto, que cu pens que nao ser sanecionado por
um motivo to justo o poderoso, qual o de se op-
por a tratados expressos, a meu ver urna imper-
doavel leviandade, e una improficua condescen-
dencia.
Agora, Sr. presidente, eu quero considerar que
o projecto nao se oppoe a taes tratados, que elle
esta no caso de ser approvado por esta casa, de
ser sanecionado pelo poder competente, e de ser
mandado pr em execuzo ; mas elle to fcil-
mente soplusraado, que se tornara urna lei intil,
bm primeiro lugar os cheles das casas que teera
caixeiros brasileiros e estrangeiros, tiraran) dos
ordenados daquelles o sulliciente para o imposto
destes : e assim, sem que elles despedissem os
caixeiros estrangeiros, os Brasileiros leriam de sof-
frer um prejuizo cora a diminuico de seus or-
denados.
L Su. Deputado :J era urna vantagem, por
que isio suppunha a existencia de caixeiro brasi-
leiro.
O Su. Silva Ramos : Mas se este caixeiro j
existe hoje sem soffreruma diminuico em seu or-
denado, a lei do imposto so ia nfoduzir-lhe um
mal.
Depois, convm considerar as cousas como ellas
realmente sao : o numero dos caixeiros brasileiros
hoje considerabilsimo ; tedas as casas de gros-
so trato teem mais caixeiros brasileiros que estran-
geiros, e poucas casas de realho deixaro de ter
caixeiros brasileiros : isto urna verdade incon-
testavcl, que qualquer pode por si compenetrar-se
estudando o objecto.
Podem ainda os negociantes Iludir a lei, dando
a seus caixeiros estrangeiros o titulo de socios de
industria.
O Sr. Silvira Lobo : Melhor, porque alarga-
vam as assoeiazoes.
O Su. Silva Ramos : Mas qual a vantagem
que d ahi provinba para os mocos brasileiros ; nao
vejo como elles poderiam lucrar ?
O Sr. Silvira Lobo Tirava-se sempre um re-
sultado vanlajoso.
O Sr. Silva Ramos : Mas nao se satisfara ao
fim que se tem em vista, porque s<5 nevemos apre-
ciar este projecto pelos beneficios que pode trazer
aos mozos-brasileiros.
E finalmente, quando tudo licasse como hoje esl,
e que os negociantes, sem procuraren) sophismar a
lei, se sugeilassem a pagar o imposto j nao teria
este de recahir sobre as mercadorias, e por conse-
guinte ferir o consumidor, que em sua quasi lota-
lidade brasileiro 1 Aonde, poi, o patriotismo de
tal lei, amos proteger os Brasileiros, que procu-
ram a vida commercial com prejuizo dos consumi-
dores brasileiros.
Procuraran) os autores do projecto estabelecer
o equilibrio entre os nacionaes e os estrangeiros,
porque quelles pagam um imposto para serem
isenlos da guarda nacional : mas o que tem o es-
trangeiro cora isto ? ao nosso governo e s a elle
que devemos pedir contas. e ao mesmo tempo exi-
gir providencias.
J se v, pois, que o projeelo quando podesse
merecer a* honras de urna lei sanccionada e posta
era execuzo, se toroava intil, porque fcilmente
e, por varios modos, podia ser sopbsmado.
O Sr.Silvira Lobo : Todas as leis sao fcil-
mente sophismadas.
O Su. Silva Hamos : -Mas o sophisma aqai ata-
ca a le em sua essenria e ainutilisa.
O Sr. Silveiha Lobo : -Se apresentei sophismas
foi de boa f.
0 Su. Silva Ramos : 'a e creio. Disse eu tam-
bem que a lei era anti-humanitana, por se oppor
aos principios do direito natural, que nao permit-
iera que qualquer seja embarazado no trabalho li-
vre e honesto, com que deve procurar os meios
para conservazo de sua vida, e para melhorar as
condizoes de sua existencia ; ora, dilliculiaudo o
projecto aos mozos estrangeiros o aoderem-sc ar-
raujar como caixeiros as casas commerciaes, elle
estabelece sem duvida urna medida vexatoria e
anii-humanitaria.
O Sr. Silvira Lobo : Entao todos os outros
impostos esto no mesmo caso.
Sr. Silva Ramos : Nao assim, porque neste
ha urna injustica maniesta, e nao ha a igualdade.
que se tem sempre em vista na creacao dos im-
postos. Costara o Ilustre deputado, sendo um dia
expalriado, que em qualquer paiz era que fosse re-
sidir, lhe pozessem embarazos aoetiiprego dos meius
honestos, com que procurasse ganhar para sua
subsistencia? Certamente que nao, e sem duvida
julgara deshumana a le que creasse taes emba-
razos.
O projecto traz sem duvida um eonsideravel aug-
mento na receita provincial, porm devemos se-
ment ter em vista com a creazo de um imposto
o augmento da receita : nada mais deve merecer
nossas attenzdes ?
O legislador deve em todos os seus actos proce-
der com a mxima reflexao e prudencia, para nao
causar niales raaiores, do que os benefidos que
pretende crear.
O projecto em discusso tem a meu ver o gra-
vissimo inconveniente de diminuir a emigrafo
estrangeira para a nossa provincia. as condizoes
em que nos acharaos, tudo devemos esperar dos
estrangeiros, ser da maior vaniagem que venham
liara nosso paiz estrangeiros habilitados para pre-
parar os Brasileiros as 'diversas artes: tudo o
que fr embarazar a aflluencia desses homens para
o nosso paiz, por tropez-os seu desenvolvimento
e progresso.
Deste modo se v, que o projecto se oppoe ao
que,nos recommendam as sciencias econmicas
para as condizoes em que nos acharaos.
Disse o nobre deputado, que cora seu projecto
consegua um bem, que era a naturalisazo dos
estrangeiros. Pode ser que assim acontecesse,
mas.......
O Sr. Silvira Loro : O mas que o diabo.
O Sr. Silva Ramos : Mas os lugares de cai-
xeiros teriam de continuar a ser oceupados por
esses estrangeiros oaturalisados, que entao nao te-
ro de pagar o imposto.
O Su Silvira Lobo : Mas sao Brasileiros ?
O Sr. Silva Ramos : Por conseguinte a falta
de emprego para nossos patricios continuava na
m esma.
O Sn. Silvira Lobo : O nobre deputado cha-
ma aos estrangeiros naturalisados, estrangeiros.
O Sr. Silva Ramos : Chamos Brasileiros ;
mas o nobre collega com o seu projecto quer esta-
belecer urna preferencia para os filhos do paiz.
O Sr. Silvira Lobo : Quer* estabelecer a
igualdade.
O Sa. Sn.*A Ramos : Mas como naturalisados,
nao pagando o imposto, nao largaro seus lugares,
e os Brasileiros nao tero que fazer
O Sr. Silvira Lobo : Se elles sao entao Bra-
sileiros.
O Sr. Silva Ramos : Os filhos do paiz. Creio
que me explico com bastante clareza, e nem vejo
razao para nm tal jogo de palavrt&i
o
1

m


/
------------------------------------------------ -. -'.-- ...........
Diaria *r rernaunna> ... rgunda letra H 4c Agosta) ate 1 4

O Sk. Silvmm Loso : O estrangeiros natu-
ralisados sao perfeitamenle Brasileiros.
O Su. Silva Ramos : -r- E quem nega isto ? SSo
colisas to comesinhas, que a ninguem dado o
ignora-las. Mas o que me parece que o sobre
autor ilo projecto e seus signatarios querem que
mocos filhos do paiz tenham preferencia nos luga-
res de caixeiros ; e isto e que se nao consegue,
logo que os estrangeiros se naturalisem, porque
continuaran a oceupar seus lugares, e nem a fa-
zenda publica lucrar, porque entao elles eslo
isentos do imposto. Assim deixa de existir o be-
neficio, que com o projecto se queria prestar aos
mocos nascidos no paiz.
O Su. Sileira Lobo : Est acanbando mul-
to minhas ideas. .
O Sn. Silva Ramos : Estou traduzmdo fiel-
mente o seu pensamento.
A' vista das considerares que tenho expendi-
do....
m Sn. Dbputado : Tem dito o mais que se
pode dizer.
O Sn. Silva Ramos. ... Ja ve esla illustrada as-
.-cmbla, que .
tad serias acerca deste projecto, eu nao poda de
modo algum apuia-lo cora o mcu voto; o nao o fa-
rei, sem que todas estas duvidas sejam completa-
mente dissipadas.
Tenho o mals vivo desejo de prestar, quer n es-
ta casa, |tier onde eu me achar, todo o meu apoto
a qtialquer medida, que tenha por lim beneficiar a
mondad.; brasleira. Ha dias dei meu voto a urna
indicacao, que passou n'csta casa, para que se pe-
disse ao governo geral a isenco do scrvlco da
guarda nacional para os caixeiros e artistas : mas
votar cm um projecto, cuja execucao nao pode ja-
mis ter lugar, mrmenle sendo elle aoti-humaoi-
PUBLICiSQES 1 HEDIDO.
Salsa de Bristol.
Mortes causadas por tnineraes I
Fazem-se uso de todos os venenos activos na
medicina e todos finalmente encartam a vida. A
salsaparrilha de Bristol um dos poneos remedios
verdaderamente e puramente vegetal. Ella nao
conim um s grao de mercarlo, arsnico, stry-
clioina, bromioe,iodine ou otitro qualqaer veneno.
iGomma......... arroba
Ipccacuanha (raiz)...... *
Lenha em adas...... cento
Toros..........
Linios e esteios....... um
Mel ou nielaco........ caada
Milho.......... arroba
Papagaios........ nm
Pao Brasil........ quintal
Mem de jangada...... um
Pedras de amolar..... tona
Mem de filtrar ..'.... .
Am disso um antidoto contra os mesmose casa I ]^em e reboto
as molestias que estes causara, Pela maior parle | pass4va. ........ molho
das vezes estes venenos curam urna molestia sube- pons ou lufres de vafeas on
tituindo-a por oatra : porm a salsaparrilha da
Bristol opera com a natureza e nao contra ; re-
movendo para sempre pelo sen poder neutralisa-
dor as causas de molestias uleerosas, eanerosts e
eruptivas, regalando o ligado, dando vigor ao es-
tomago e intestinos, aliviando o systema de subs-
norilhos.........cento
Pranches de ainarello de dons
costados........um
dem le toar........
Rap..........libra
Satino.
tancias epidmicas c dando forca aos igaos en- g^..........alqueire
fraquecids. As crianzas e as senhoras delicadas
. podem toma-la sem susto. E' a salvacJo dos do-
reinando em meu ospu-uo duyidas | J~ Cau,e|a fm eviUr u mto55es e alsifi.
cacoes, das quaes existem tres no Brasil.
As legitimas sao vendidas por Caors & Barbota,
e Joao da C. Bravo c C.
Xarope alchoolico de veame, preparado pelo
pharmaceutico Jos da Rocha Paranhos, estable-
cido com botica na ra Direita n. 88 em Pernam-
Este xarope iucontestavelmente superior a toj
dos os xaropes depurativos, de cuja composicao
o sea maior elemento a salsa parrilha,- pois que se
tem conhecido ser o veame mais enrgico para a
base essencial
assim pois se
tendo sido levado par fra desta casa por um mo-
do todo alterado, me forcou a lomar parte na pre-
sente discusso. Serei breve.
Disse eu em o tal aparte, que parte da culpa do
commercio nao ser mais nacional era dos Brasi-
leros.
Todos nos sabemos que a escravido entre nos,
alrn de outros males que nos causou, concorrea
poderosamente para deshonrar o trabalho. Todos
nos estamos leiiibrados que, lia annos, a condicSo
de caixuiro era entre nos humilhante, porque elles
erara obrigados a fazer servicos, que as casas
brasileiras competiam aos esclavos, e ate mesmo
eram sujoitos rudes castigos corporaes. Os mo-
dar seus escravos fazer certos servicos, de modo
alga ni se queran) sujeitar a fa/.er_ as casas de
seus patroes sofrios iguaes e entao nao aceita-
vam os lugares de caixeiros.
Eis o motivo porqae nao nos devemos admirar
de nao haver hoje entre nos um grande numero
de casas commereiaes brasileiras antigs e fortes,
e porque a mocidade de outr'ora nao se quiz sujei-
tar ao tyrncinio do coinmercio.
Porm com a marcha da civilisacao, c com a
modiheacao nos lames, a condicao de cai
foi melliorando; os
.orando esses lugares
entao para c vo-se abrindo casas commereiaes
brasileiras, porqae os nissos patricios vao tendo as
necessarias habiiitacoes.
Eis como urna condicao inherente nossa edu-
cacao tem causado o mal que se pretende comba-
Xer, qual o do coinmercio retalho em poder do
estrangeiro.
Creio ter dito quanto basta para explicar o meu
aparte ; e nada mais dirci por nao vrr proposito
o fazer largas considerarles acerca de tal assump-
lo. que se preste, meu ver, a urna seria analyse,
pois ostras sao as cansas, que nao as apontadas
por ahi, que tem retardaMo o desenvolvimento do
coinmercio retalho enlrc os mocos brasileiros.
No que tenho dito nada enxergo de ofensivo
meus patricios s5o vicios inherentes educacfto,
c que s o lempo peder lentamente extirpar, co-
mo felizmente j o comeea a fazer.
CORRESPONDENCIAS.
arroba
urna
dnzia
Salsa parrilha.
Sebo em rama. .
dem em velas. .
Sola em vaqueta. .
Tabeas de amarello.
dem diversas. ...... >
Tapiocas.........arroba
Tatajuba.........quintal
Travs.........una
l'nhas de boi........ Cento
Vassouras de piassava. ...
Ditas de timb.......
Ditas de carnauba.....
Vinagre. .....caada
tario, e opposto aos verdadeiros intercsses do meu ouco.
paiz, nao podero conseguir que eu o faca, porque,
como depuiado, men primeiro ever curar do
nem de minna provincia, e do me fr de verdadei-
%6na9ataMr^*Mtt6 vossa benevolen-'. prompla cura das molestias, coja
cia meus Ilustres .llegas (nao apoiados), mas te-! depende da purificado do sangue ;
nh MMM dad s .te exphear anda o parle, a que tem verificado por mu.tas pessoas que se achavam
nw refer no principio de meu discurso, e que, desengaadas, as quaes acham-se hoje resubeleei-
Zl..T".^ ,,c ~,r .,m mn. das com o referido xarope alchoolico de veame
entretanto que alguns, tendo asado do xarope da
Curinier, de Larrey, de salsa parrilha, de sapona-
ria, oleo de figado de bacalhae, e ootros agentes
desta ordem nada conseguiram. E elle de fcil
digestao, agradavel ae paladar e ao olphato. Al-
guns mdicos desla cidade e da de Macei o teem
recommendado para a cara das
Impigens, tinha, escrophulas,
Tumores, ulceras, escorhute,
Cincios, sarna degenerada, tloxo alvo.
Tedas estas affecefes provm de ama causa in-
terna ; nao lia pois razad alguma em crer que el-
las se podem curar com remedios externos. Tam-
bem se prescreve o xarope alchoolico de veame
para o tratamento das affec{5es do systema nervo-
so e fibroso, taes cerno :
c.oita, rheumatismo, paralysia,
Dores, impotencia, esterilidade,
Marasmo, hypocomlria, eramagreciraento.
O xarope alchoolico de veame sobre ludo, da
maior utidade para curar radicalmente, e em
pone lempo o rheumatismo.
Adverte-se que o verdadeiro xarope so se vende
nesta cidade na botica cima indicada, do abaixo
munha, e subindo os autos conclusos dei a sen-
tenca do Iheor seguiute :
Em vista dos depoimentos de folhas a folhas,
julgo justificado o deduztdo na peticSo a folhas 2
para o fira de passar-se carta de editos com o pra-
zo de 30 das para o lim requerido na mesma pe-
tirio folhas 1 Pagne o justificante as casias.
Freguexia de S. Jos do Recite, 4 de agosto de
1864.r'rancian) Antonio Vi Chagas.
E mais se nao continua em dita seateica aqa
copiada. Em virtude do qual oeserivo que esta
escreveu passou a presente carta de editos com o
prazo de 30 dias ; pelo qual e sea tncor se chama,
cita, e hei por citados os supplicados herdeiros de- j
clarados na peticao aqui neu transcripta, afim de
que comparceam ueste juizo por si ou sea proca-
rador bastante na primeira audiencia, depois de
UM
KW
ym
0M
8*000
940
90O
3|000
s#Se
5*000
8V0
uno
uno
180
3*500
20*000
10*000
1*000
140
400
5*000
5*000
7*000
2*800
140*000
80*000
2*800
6*000
200
10*000
8*000
6*000
500
Alfandega de Peraambuco, 6 de jalao de 1864.
(Assignados):
O !.- conferente, Jos Affonco Ftrrttra.
O 1" conferente, Francisco Alfonso Ferrara.
Approvo. Alfandega de Pernambuco, 6 de
agosto de 1864.A. Entaho.
Conforme.-O 3. escriplurario, Joao dos Sanios I das casas em seguida declaradas por lempo de
Porto.
Hecebedorla de rendas Internas
geraeg de Peraambuco.
Rqndimento do dia 1 a 5........ 7:455*521
dem do ata 6................. 778*903
Maranh&o e Para.
Segu para os indicados portos, com a poasivel
brevidade, o hiate Lindo Pwjuete, capito Antonio
Maria da Costa e Silva para carga trata-se com
Antonio de Almeida Comes, ra da Cruz n. 23, !
andar.______________________________^^
COMPAflHIA PERNAMBUCANA
DE
IVavegaeSo costclra a vapor.
Parahyba, Natal, Iaea, Aracaty, Cetri, e Aearae
No dia 22 do crreme, segu o
apor Jaguartbe, commaodaote
Lobato, para os portos cima. Re-
cebe carga at o dia 20. Encom-
mendas, passageiros e dinheiro a
lindo o dito prazo para aooneiliaeao equerida na frote at o 4* da sithida as 5 horas da tarde do
dita petifo, sob pena de revelia. dia da sabida: escriptorio no Forte do Mattos nu-
Pelo que toda e qualqaer pessoa. amigos paren-1 mero 1. .______
tes, ou condecid 3S dos justificados, os poderao fa- SSSfS i htttt anoianvnil *
zer sciente do que cima flea exposto. wnfAJllA J5HA.OMirii rfcft
O porteiro do juizo affixar e publicar esta nos | DE
lugares do costume, e ser publicada pela impren-1 p a ATT|?rr'|?0 \ \f \ POR
Dos portos do norte espera-
do al o dia 15 do corrente o va-
por Oyapock, com mandante An-
tonio Marcelino de Ponte? Ribei-
ro, o qual depois da demora do
i cestume seguir para os portos do sul.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
| carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no dia de sua chegada, encommen-
das e dinheiro a frete al o dia da sabida as 2 lio-
ras : agencia, ra da Cruz n. 1, escriptorio de An-
tnoLio uiz de Oliveira Azevedo & C
C3
Dada e passada nesta freguezia de S. Jos do Re-
cife aos 5 de agosto de 1864.
Eu Jos Goncalves de S, escrivao, a escrivi.
Francisco Antonio das Chagas.
DECLiligfiES.
Santa Casa da Misericordia
do Recife.
A film.'junta administrativa da Santa Casa da
Misericordia do Recife, manda fazer publico que
no dia 11 do corrente pelas 4 horas da urde na
sala de suas sessdes tem de ir praga as rendas
8:234*424
Consulado provincial.
Rendimento do dia 1 aS......... 8:965*179
dem do dia 6................. 313*435 N. 8 particular e 43 publico casa
9:278*614
assignado ; e em outra qualquer parte^ que se tem
i brasileiros foram" pro-1 annunciado nao da mesma coraposiao, e nem o
resultado disto que de abaixo assignado ^ffg^^^
PARAIIVB.4.
negocios de Cabaceiras.
Nao sendo leitor assiduo de gazetas, ignorara-
mos t.ilvcz por milito temuo a apparico de uina
cousa. a que s com umita impropriedde poder-
se-ha dar o pomposo uomeartigo de gazela, si
porventura um nosso intimo amigo nao tives-e o
cuidado de certicar-nos que era exacta a existen-
cia desse parto feht do jornal Parahyba, 9 qual
teve lugar 27 de abril desle anno.
iieixaremos em completo silencio essas lamen-
tagoes, que naturalmente as dores de um parto ar-
raucam por assim dizer, dos labios daquelle que
sempre infeliz nesses actos, para tratarmos so-
mente de restabelecer a verdade dos Tactos liorri-
velmente desfigurada peto correspondente daqui
para o jornal l'arahijba.
Cooleiitar-nos-liemos p'r ora em historiar os
mesmos factos narrados pelo tal correspondente, e
de sua historia ver o leitor que a verdade foi ala-
viada com urna roupagem que nao sua, antes se-
r a de certo clrigo.......
O ex delegado desta villa Themoteo da Cunlia
Siqueira mandou varejar a casa de Bento Bernar-
dino dos Saulos. em virtude de ter recebido denun-
cia qae esse individuo coMumava a matar gados
alheios sem licenca de seus donos, para alimento
seu.
Despenado Bento por esse acto do ex-delegado
insoltu o asss, ao que respondeu o ex-delegado,
dandollie voz de prisao. Mas infelizmente o ex-
delegado acliava-sequasi sosinho e nao pode impe-
dir que o preso auxiliado por muitosr individuos, a
renlo dos quaes estava o Sr. padre Tejo,
zombar da ordem legal da autoridade.
GOMMERGIO.
CAIXA FILIAL
DO
lll\(0 1IO BKASIIi
EM PERNAMBUCO.
A directora desta cai xa, cm virtude de ordem
da directora do Banco do Brasil, avisa aos Srs.
accionistas que o respectivo thesoureiro est auto)
risado a pagar o dividendo das. accoes da meema | Cha............ Vendeu-se
FRAC A DO RECIFE
E AGOSTO JJB im4.
AS TRES HORAS DA TARDE.
Revlata semanal.
Cambios..*.....Saoeoa-se sobre Londres % 27
Vt por 1*000, sobre Pars a i
344 rs. por fr. e sobre Lisboa a .
95 por cento de premio; elevaa- |* 36 particular a publico casa ter-
do-se
um a tres annos.
Os pretendentes devem comparecer acompa-
nhados de seos fiadores ou manidos de cartas
destes.
Estabelecimentos de caridade.
Ra Direita.
N. 3 particular e 8 publico, 2 andares. 1:067*000
Ra do Padre Floriano.
N. 6 particular e 47 publico casa ter-
rea. 1865000
ter-
rea........ 169*000
Herr da Carvalha.
N. 5 particular e 10 publico casa ter- ___
rea. ...... 149*000'
Roa do Fagundes.
;N. 11 particular c 32 publico casa ter-
rea........15o*000
Ra de Santa Thercza.
'-N. 31 particular e 7 publico casa ter-
rea........
Ra da Roda.
Para a Baha pretende sabir com
muia brevidade o veleiro patacho D.
Luis, capito Jos Teixeira de Azeve-
do, por ter parte da carga engajada;
para o resto que Ihe falta, trata-se
com os consignatarios Palmeira & Heltro. no largo
do Corno Santo n. 4, primeiro andar.
Para o Cear e Maranho
Sablra em poneos dias a barca nacional Barreto,
por ter parte da carga engajada, quem na mesma
quizer carregar dirija-se a Palmeira & Beltro,
largo do Corpa Santo n. 4, primeiro andar.______
CLUB PERHJCiNO
A rennio familiar do corrente mn
lera lugar na aoile da dia 16.
CAS4 04 F0RTUN4.
AOS 000.000
llilhrirft garantidos
i' nm 4a Crespa i. 23 su i* cosame
O abaixo assignado tanda vendido nos seus mul-
to felizes bilhetas garantidas os dous quartos n.
2815 com a sorte de 10:000* e o de numero 133
em a 2:009*, e o mero n $#* com 2:000* e ou-
tras sones de 500*, 200* e 180*. da lotera que
se arbou de extrahir beneficio do convenio de
S. Francisco do Recife, convida aos pessuidores
de ditos burieles a virem receber seus respectivos
premios sem os descontos das leis, em seu esta-
belecimento i roa do Crespo n. 23.
O mesmo tem exposto venda os novos a felizes
bilhetes garantidos a beneficio da matriz do Li-
moeiro que se extrahir sabbado 13 do corrente.
Preeo*. .
Bilhetes inteiros..... 7*000
Meios......... 3*500
Qaartes. ...... 1*900
Para as pessoas que compraren-
de 100* para cima.
Bilhetes........ 6*500
Meios......... 3*250
Quartos........ 1*700
Manofl Martms Fiuza
Cear e Maranho.
O patacho Valtnte segu com brevidade para
ambos os portos por ter meia carga a bordo : part
! o resto trata-se com os consignatarios Marques,
Barros & C, largo do Corpo Sanio n. 6.
197*000
os saqnts enectuados du
raate a semana a 40,000.
Algcdao........O desla provincia vendeu-se a
28*500 por arroba, e o de Ma-
celo, posto a bardo, a, 29*000,
nao havendo vendas de da Para-
hyba.
Assucar........Nao houveram alterar oes nos
preces.
Agurdente.....Vendeu-se a 78*000 a pipa.
Couros.........Os seceos salgados venderan-se
a 165 rs. por libra.
Arroz..........Opilado da India vendeu-se a
2*500 por arroba, e o do Mara-
nho a 3*000.
Azeite doce.....O de Lisboa vendeu-se a 2*450
o gata*.
Venderam-se a 800 rs. a arroba.
Vendeu-se a 7*500 por arroba.
A do Rio-Grande do Sul vendeu-
se de 3*700 a 4*300 por arroba;
ficando em ser 72,000 arrobas,
de 1*600 a 2*300 a
Batatas.........
Caf...........
Carne secca.....
eaixa dosemestre Ando em 30 de junho prximo: libra.
passado, na razan de 8*100 por aeco. Cerveja......... dem de 5*500a6*000 por dnzia
Recife 14 de julho de 1864No impedimento do
secretario, Ignacio Nunes Correia.
Farinha de trigo.
Alfandega
Rendimento do dia 1 a 5.......
dem do dia 6.................
de garrafas.
A de Pliiladelphia e New-York
vendeu-se de 14*000 a 16*000
96*000
rea.
N. 92 particular e 1 publico casa ter-
rea........ 120*000
Ra da Imperatriz
N. 47 particular e 68 publico casa ter-
rea. 306*000
Beeco do Quiabo.
N. 49 particular e 8 publico casa ter-
rea ....... 144*000
Ra da Gloria.
N. 51 particular e 65 publico casa ter-
rea. 144*000
Hua de S. Bom Jess das Crioulas.
N. 61 particular e 8 publico casa ter-
rea........
Ra do Padre Floriano.
X. 66 particular e 63 publico casa ter-
rea........
Roa da Senzala Yetha
N. 71 particular e 25 publico casa ter-
rea........14o*000
Patrimonio de rphaos.
Ra do Imperador.
N. a particular e 81 publico i andares. 1:202*000
Ra de S. Goncalo.
N. 10 particular e 22 publico casa ter-
rea........ 183*000
LEILOES.
131*000
144*008
152:585*198
22:205*620
174:790*818
Jlovimenio da alfandega
Ra dos Pires,
por barrica, a hespanhola de i jj, ft particular e 39 publico casa ter-
14*000 a 15*000, a de Trieste: rea. ...... .
a 2*000, e o sacco da hespanho- Ba do Vigario.
la de 7*000 a 7*500 com. 100 >. 72 particular e 27 publico 2 anda-
libras cada um ; ficando cm res........
deposito7,000barricasdaprimei- Ba da Senzala Vellia.
ra. 800 da segunda, 1,000 barri- pj. 80 j.articular e 132 publico 2 anda-
Volumes entrados com fazendas...
com gneros.
Voiumes sabidos
com
cora
fazendas...
gneros...
367
832
------ 1:199
153
544
------ 697
Descarregain no dia 8 de agosto.
Barca ingleza Imogene inercadorias.
Barca franrez.i- Coijnii idein.
Brigue inglezMana Burrissidem.
Lugre norueguenseDagma farinha de trigo.
Patacho hollandezGerberdina & Jeannetlaidem
Brigue inglezNevaidem.
Barca portuguezaDespique //carvo.
Brigue nacionalAlmirantediversos gneros.
Importaeo.
Patacho hollandez Gerbirdina & Jeannette End-
ite, entrado de Trieste, consignado ordem ; ma-
nifestou o seguinte :
2,000 barricas farinha de trigo e 5 toneladas de
pedra para lastro ; ordem.
.No arlo da resistencia apenas houveram algumas!
pa'avras offensivas dirigidas por esses individuos |
ao ex-delegado, o qual apezar de ter-se portado
com toda energa, revestio-sc da prudencia que Ihe
natural, evitando desta sorte que talvez se veri-
ficasse o dito chistoso c malvolo do tal correspon-
dente, expresso uas seguimos palavras :grande
cruzamento de tapas, de sorte que o delegado sen-
tn a cara na mo de Bento. > Assim pois o desejo
de certos individuos, para quem o crime a lei,
foi satifeito, sem que houvcsse cruzamento de ta-
pas entre o ex-delegado e Bento, que desapparece-
ra rpidamente entre a numerosa multido de ca-
pangas do Sr. padre Tejo.
Passemos a historiar o segundo e ultimo facto
narrado pelo correspondente.
0 liberto Caetano Victorino de Barros, cuja pro-
fissao a de arrieiro, tendo sido, om 1862, alugado
por Cyrillo de Souza Cavalcanti, para exercer sua
profisso, conduziudo para essa cidade a bagagem
do seu irino o seminarista Eneas Cavalcanti, re-
cebeu deste varios objectos para entregar Cyrillo
e algum dinheiro Caetauo de Souza Varejao.
Nao tendo cumprido exactamente a sua missao,
deixaudo de entregar alguns desses objectos, bem
como o dinheiro, perdeu Caetano a proteccio de
Cvrillo e seus parentes. Para recuperar essa per-
da e lembrando-se ainda de seu antigo estado de
cscravo, buscou abrigar-se sob o tecto de um dos
adversarios polticos de Cvrillo e coberto com a
ALFANDEGA DE PERNAMBUCO.
r-At:TA DOS PRKfjO DOS GNEROS SUJEITOS A DIRECTO DE
EXPORTACAO. SEMANA DE 8 A 11 DO MEZ DE A-
gosto m 1864.
Mercadorias. Unidades. Valores.
Abanos.........cento 1*500
Agurdente de cana.....caada 800
dem resillada ou do reino 800
dem caxaca........ 500
podesse! dem genebra........ 800;
! dem alcool ou espirito de agua- 900
cas e 200 saccas da terceira e
4,800 da quaria. Chegou duran-
te a semana um carregamen-
to de Trieste e 700 barricas da
America.
Louca.......... A ingleza vendeu-se com 330 por
cento de premio sobre a factura.
Manleiga.......A ingleza vendeu-se de 720 a
750 rs. a libra, e a franceza a
440 ris.
Massas......... Vendeu-se a 7*000 a caixa.
Passas.......... dem a 5*500 a dra.
Queijos.........Os flamencos venderam-se de
1*300 a 1*600 cada nm.
Sabao..........O inglez vendeu-se a 140 rs. a
libra, e o do Mediterrneo a
140 rs.
Toucinho.......Vendeu-se o de Lisboa a 8*200
a arroba.
Vinagre........ O de Portugal vendeu-se de 110*
a 120* a pipa.
Vinhos.........Os de Lisboa venderam-se de
160*000 a 200*000 a pipa, e os
de outros paizes a 167*.
Velas.......... As de composico venderam-se
a 520 rs. o parole de seis velas.
Descontos....... 0 rebate de lettras regulou de 8
a 10 por cento ao anno.
Fretes......... Para o Canal carregando cm
Macei 40 para Liverpool pelo
lastro 155 pelo algodao Vi-
res.
N.82 particular e 16 publico casa ter-
rea........
Ra do Pilar.
N. 91 particular e 105 pnblico casa ter-
104*000
603*000
410*000
201*000
LEU
HOJE.
DO
Fazendas avariadas
Mills Latham C. faro leilo por intervencao
do agente Pinto e por conta e risco de quem^ per-
tencer de alguns algodaozinhos, madapol5es e
cambraias lisas com avaria d'agua salgada, s 10
horas do dia cima dito em seu arraazem da ra
da Craz n. 38.
Predios na povoaco do Mouteiro to-
dos em chaos proarios.
AGENTE SfflOES
levar de novo a leilo os predios situados na po-
veaco do Monteiro, perlencentes a massa fallida
de oaquim Vieira Coelho & C, a mandado do
I lim. Sr. Dr. juiz especial do coinmercio, em
um ou mais lotes vonlade dos pretendentes.
Terca-feira 9 do corrente
s II horas,
andar.
ra da Cadea n. 48, primeiro
rea...... 163*000 gosto que estaro patentes no dia cima.
Feira semanal
Terca-feira 9 do corrente.
f0 ARMAZKM RA DA CaDEIA DO KSCOT tf. 48.
O agente Olympio, far leilo de urna mobilia de
amarello, um guarda roupa, urna mesa elstica,
urna cama franceza, urna dita, um lavatorio de
mogno com pedra, um santuario, um piano, duas
marquezas largas, diversos cabides de gosto, quar-
tinheiras, lanternas, jarros, quadros. relogio para
cima de mesa, ditos para algibeira, joias de ouro,
diversas obras velhasde marcineiria, que se torna
enfadonho mencionar, e outros muitos artigos de
rdanle.
Algodao em caroco.....arroba
dem em rama ou cm lia. c
Arroz com casca.......
dem descascado ou pilado
Assucar mascavado..... t
dem branco.........
dem refinado.......
Azeite de amendoim ou mendo-
bim.........caada
dem de coco.......
dmi de mamona......
Batatas alimenticias. .... arroba
Bolacha ordinaria, propria para
embarque........
dem fina.........
Caf bom........
dem eseollia ou restolha ...
dem torrado....... libra
Cabros.........um
Cal...........arroba
dem branca.......
Carne secca (xarque) ....
Carneiros........um
Carvao vegetal......arroba
Cavernas de sicupira .... urna
Cera de carnauba em bruto. libra
dem idem em velas.....
Cha.......... i
Charutos........cento
Cevados (porcos)......um
6*873
27*500
MOYIMENTO DO PORTO.
Natos sahidos no dia 6.
,S Cabo-Verde Patacho portuguez Jareo, capito
Fernando Pereira, em lastro.
LiverpoolBrigue inflez James Stwart, capito
Ross, carga algodao e outros gneros.
Nao houve entradas.
Navios sahidos no dia 7.
Genova pela BahaBrigoe italiano Lindo, capi-
to Angelo Geherses. carga diversos gneros.
BahaPatacho hespanhol Vencedor, capito Je-
ronymo Millete, carga a mesma que trouxe de
Barcelona.
Observaco.
Nao houveram entradas..
25800
2*700
4*400
5*120
2*000
1*600
800
1*200
Becco das Bias.
N. 39 particular e 18 publico i anda-
res. ....... 360*000
Roa do Amorim.
N. 56 particular e 26 publico casa ter-
rea 120*000
Mirueira.
N. 4 particular sitio.....213*000
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do
Recife, 6 de agosto de 1864,
O escrivao,
F. A. Cavalcanti Cousseiro.
Pelo consulado de Portugal nesta cidade sao
convidados os credores do finado subdito portuguez
Domingos de Castro Maia a virem receber a im-
portancia de suas contas.
FacuUade le Direita,
De ordem do Exm. Sr. director se faz publico,
que no dia 8 do corrente, s 2 heras da tarde, (e
nao 4 como por engao foi publicado) expira o
praso de qualro mezes marcados para a inscrip-
to dos concurrentes cadeira de latlm do curso
preparatorio desta Faculdade.
Secretaria da Faculdade de Direilo do Recife, 4
de agosto de 1864.
Josc Honorio Bezerra de Menezes.
Secretario,
Dar principio o leilo s 11 horas.
LEI LIO
DE
Urna taberna
Quarla-feira 10 do corrente.
O agente Pestaa,legalmente autorisado vender
em leilo em um ou mais lotes os gneros, arma-
c,o e gaz existentes na taberna sita na ra das
Crtizes n. 1 : quarta-feira 10 do corrente peas 10
horas da manha.
LEILA
Xa
3*000
75000
8*500
7*500
440
360
i EDITAES.
THE1TRO
DE
APOLLO.
Terca-feira 9 de agosto de 1864.
0 especiacalo em beneficio do bilketeir*
Andrc Avelino Sonreir de Mello
7, FICA TTANS-
DE
Urna taberna.
Qniata-feira 11 do corrente.
ttoledadc rna de .loo Fer-
nandez Vieira.
O agente Olympio, autorisado por una pessoa de
sua amisade, far leilo de urna taberna sortida,
situada em bom lugar, propria para um princi-
piante do commereio, por ter pouco capital e ven-
der-se diariamente de 10* a 36*.
Ser effectuado o leilo na mesma taberna s 11
horas.
ANUNCIADO
PARA DOMINGO
FERIDO PARA
500 ;
4*000 ,
4*000 |
1*000,
iuba desse poderoso leo nao hesitou em insultar Cocos (seceos).......cento
' i-______T_ /__-ii. _______...ll_..^__l._ radia !!!.
300
360
1*500
2*500
15*000
"publicamente Cyrillo, hornera cxcellente pelas
quahdades moraes que o ornam, agricultor e cria-
dor abastado e membro importante de urna nume-
rosa familia.
Em remuneracao pois desses numerosos insul-
tos leve o liberto nm novo fundo bstado por
Cyrillo. Eis ah o facto tal qual succedeu e as cau-
sas que Ihe deram origcm ; tal qual todos satem
neste lugar. O que aqui ignora-se ter Cyrillo
dado ordem de pristi por ordem do delegado Cae-
tano e o conduzido amarrado para esta villa.' Isto
produeco do engenho do tal correspondente, en-
genho esse frtil de inexactiddes.
Tendo opposto narrarn narracao, a verdade
mentira, paramos aqui, esperando a brilhante de-
eza que certamente ha de fazer o correspondente
aos seus importantes amigos.
Nao podemos deixat de lembrar ao correspon-
dente que nao se esqueca de Caetano ; pois com-
quanto eja liberto pode votar as eleicoes prima-
rias e estas nos hat.Mn p irla.
Cabaceiras, 1 de julho de 1864.
Um amigo da verdade.
Colla. ........ libra
Couro de boi, salgados ...
dem idem seceos espichados.
dem idem verdes......
dem idem cabra curtidos. um
dem idem de onca.....
Doces soceos....... libra
dem em gela ou massa. >
dem em calda...... >
Espanadores grandes .... um
dem pequeos. .....
Esteiras para forro de estivas
de navio....... cento
Estopa nacional...... arroba
Farinha de de mandioca. alqueire
dem de aramia..... arroba
Peijao de qualquer qudlidade. i
Prechaes........ um
Fumo em tolha, born .... arroba
Wem ordinario ou reslolho *
dem cm rolo bom......
dem ordinario ou restolho
Gallinhas........ urna
O cidado Francisco Antonio das Chagas, juiz de
paz do quarto anno desta freguezia de S. Jos
do Recife em virtude da lei etc.
Faco saber aos que a presente carta de edito3
virem, ou della noticia tiverem, em como Euzebio
de Paula Pinto, me fez a peticao do iheor se-
guinte :
petcXo.
Illm. Sr. juiz de paz da freguezia de S. Jos.
3*50 Diz Euzebio de Paula Pinto, por si e como adrni-
600 nistrador de sua muiher, que tendo effectuado em-
1651 bargo em bens dos herdeiros de D. Caiharina Rita
240 de S. Jos Annes, e cumprindo proceder-se a con-
100' ciliaco com os mesmos herdeiros, acontece que
350 alguns desses herdeiros Manoel, Cornelio, Lniz e
10*0001 Antonio, fllnos de D. Caiharina Maria Annes j
1*000 fallecida, se acbam fra do imperio em lagar nao
320 sabido, e saiba o suplicante que alm desses her-
500 dei ros cujos nomes indica ex islam outros, cujos
4*000! nomes e moradas sao ignorados, qur o suppli-
2*000 cante justificar o que allega em sua peticao, para
que sejam citados os ditos herdeiros por carta de
editos na forma da lei, afim de que, na primeira
audiencia segdint, venham este juizo conciliar-
se com o suppltoante, pena de revelia : assim
Pede V. S. deferimentoE R. M.O advoga-
do. Cunh Teixeira.
E mais se nao continha em dita peticao na qnal
dei a despacho do theor seguinte :
Jostiflqne. Freguezia de S. Jos do Recife, 28
AMANHAA 9.
15*000
1*600
2*000
4*000
1*800
5*000
14*000
8*500
8*090
5*000
600
AVISOS MARTIMOS.
COMPANHIA BRASILERA
DE
PAQUETES A VAPOR
Dos portos do sul esperado
at o dia 14 do corrente o vapor
Princesa de oinville, commau
dante o primeiro tenente Araujo
o qual depois da demora do cos-
tume seguir para os portos do norte.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no dia de sua chegada: encom-
mendas e dinheiro a frete at o dia da sahida s 2
horas, agencia ra da Craz n. 1, escriptorio de
Antonio Lniz de Oliveira Azevedo & C
de julho de 1864.- Chagas.
E mais se
se nao continha ern dito despacho, por
forca do qual o supplicante prodnzio suas teste-
Para [o Rio de J aneiro
fretende seguir com muita brevidade o veleiro
rigue nacional Almirante, tem parte de seu car
regamento prompto : para o resto qae Ihe falta e
escravos a frete, para os quaes tem encllenles
comraodos, trata-se cora es seus consignatarios An-
tonio Luiz de Oliveira Azevedo & C, no seu es-
criptorio ga da|Cruz n. I.
AVISOS DIVERSOS.
Faltando ainda no archivo
desta typographla 4 voiumes
eneadernados deste Diarlo, ro-
ga-se as pessoas qne os levaram
por einpeestlmo se dlgueni man-
da-Ios entregar, nao se mandan-
do buscar suas' moradas ( bem
qne nao se ignore) pela Incerte-
za da hora cm qne se encontra-
rlo em casa.
OU. C IV. U E\A Eli Va
Medico inglez,
e habilitado pela faculdade de medicina da Baha,
tendo vottado Pernambuco, pode ser consultado
todos os dias em seu gabinete, ra do Brum na
mero 74.
Transferencia
O abaixo assignado, mestre dos novicos, partici-
pa aos seus irmaos, que por motivos alheios sua
vontade, transferio a festa da Senhora Sant'Anna
para o da 21 do corrente.
Francisco Jos da Costa.
Aos 6:000$000.
Sabbado 43 do corrente mez ter logar
a extraego da segunda parle da primeira
lotera em beneficio da matriz do Limoeiro,
Os Bilhetes, meios e quartos acham-se
venda na respectiva thesonraria ra do
Crespo n. 15.
Os premios de 6:0004000. at 10JO00
serao pagos urna hora depois da extraeco
at s 4 horas da tarde, e os outros ao dia
seguinte depois da distribuicSo das listas.
O thesoureiro,
Antonio Jos ftodrigue* de Souza.
na larde do dia 1 do correle
mez o tiseravo Sabino, crioulo, de
annos. estatura regular, um
pouco dentnco, tendo apenas um
pequeo baco, falta-lhe um den-
te na frente e parece que nm ou
dons quoitaes, foi vestido de cal-
. ca preta, camisa branca e chapeo
de feltro preto, e levou urna trouxa com ronpa de
seu aso, indo desta cidade no dia cima dito para
o engenho Sania Rita em S. Lonreneo da Matta
com ama carta para Domingos da Meta Nunes ;
suppoe-se ter id para Santo AntSo oo andar mes-
mo nesta cidade, onde tf m parceiros : quem o-
appretiender queira leva-lo ao engenho cima dito
ou nesta cidade i roa da Cadea do Recife n. 48,.
primeiro andar, que ser recompensado. _______
O abajxo assignado vendo urna parle
que tem no engenho liihanran, sito no ter-
mo de Iguarassu,a qual excede de cinco con-
t de ris c juntamente urna divida grande
que tem de ser tirada do mesmo engenbo
ou de ontro* bens que fiearam do finado
Moraes e de sua finada muiher D. Britis :
os pretendentes dirijam-se casa do Sr.
Laurino de Manas Piolieiro dentro do Re-
cife ou no engenho Carauba1 sHo no termo
de Pao d'Alho. Tambem vende urna parte
que tem no engenbo Curcahi dando a pre-
ferencia aos herdeiros- dessa casa.
;_______Joo Marques Bacalho.
LOJAhOBEUAFLOR.
Ra do Queimado ns. 63 e 69,
Catas duirid..
Sito chegados os lindos cintos bordados i. ouro.
pelo barato preco de 2500 e .'1,5000: no Beija-flor,
ra do Queimado ns. 63 e 69.
Firellas para cintas.
Chegaram tambem ricas fivcllas douradas e de
ac para cintos a 1JW00 e 1A200 : no Beija-flor,
rna do Queimado ns. 63 e 69.
Pcntes de tarlarnga. i
Lindos pentes de tartaruga, gosto moderno, a
55200, 55500 e 6*000 : ra. de Queimade n*.
63 e 69.
Pentes de travessa.
Vendem-se pentes de travessa de novo gosto para
meninas a 600 e 800 rs. : s no Beija-flor, ra do
Queimado ns. 63 e 69.
Pentes para atar cabellos.
Lindos pentes pequeos para alar cabellos, pro-
prios para se andar em casa a 400 e 500 rs.:
no Beija-flor, ra do Queimado as. 63 e 69.
I'cates para alisar.
Pentes de borracha finos, guarnecidos de metal
para alisar a 900 e 15000, ditos sem ter metal
porm de caracol a 00 e 800 rs. : no Beija-flor,
ra do Queimado ns. 63 e 69.
Rotors de nradreperola.
Tendo recebido um variado sorlimenlo dos de-
sejados botoes para abertura de roupao, vendem-
se a 400 rs. abotuadura : no Bejaflor, ra do
Oueimado ns. 63 e 69.
u'ravatas para senhora.
Lindas gravatinhas do laco para senhora a 15.
ditas sem laco a 640, 800 e 15000, sao as mais
lindas que tem viudo : s no Beija-flor, ra do
Queimado ns. 63 e 69.
Enfeites para senhoras.
Lindos enfeites modernos a 25000 e 25400,
ditos de rede a 1900 rs. : no Beija-flor, ra do
Queimado ns. 63 e 69.
Talheres para meninas.
Chegaram novos sortimentos de lalheres psra
meninos a 280 e 320 rs., ditos cabo de bataneo de
um botao a 400: as tojas do Beija-flor. ns. 63
e69.
Lia para bordar.
Vende-se laa de superior qualidade e de lindas
cores a 65800 a libra : no Beija-flor, ra do Quei-
mado, ns. 63 e 69.
Papel de diversas qualidades.
Vende-se papel de beira dourada pautado a
15200e 15300 o pacote.ditossemserdouradoe nem
pautado a 640, 800 c '.5000 : no Beija-flor, ra do
Queimado ns. 63 e 69.
Kiivelooes para cartas.
Vende-so envelopes de eores a 600 rs. a caixa,
ditos brancos a 640 e 800 rs. : no Beija-flor, ra
do Queimado ns. 63 e 69.
Pentes doitrados para alar.
Vende-se pentes dourados para atar cabellos a
15000,15200, 25800 e 35000 : no Beijar-flor, ra
do Queimado ns. 63 e 69.
Penles para marrafas.
Vende-se lindos pentinhos dourados com pedra
para marrla a 15300 : no Beija-flor, ra do Quei-
mado ns. 6) e 69.
Sapalos de tranca.
Vende-se sapatos de tranca muito bons a 15500,
ditos de tapete a 15000 : no Beija-flor, ra do
Queimado ns. 63 e 69.
Dalaios com sabio.
Lindos balaios com 6 sabooetes de varias frnc-
tas a 255OO cada um : no Beija-flor, roa do
Queimado ns. 63 e 69.
as mesmas lojas se encontrar lindo sorti-
mento de perfumaras e variado sortimento de
miudezas que se tornara enfadonho menciona-las,
porm afianca-se ser ludo bom e mais barato que
em outra qualquer parte.
Glueck auf!
Corte fra e deite na algibeira
Qainta-feira 11 do corrente, s 10 horas da ma-
nha, ter lugar a arrematarlo dos seguiotes mo-
vis, a saber : 1 sof de Jacaranda, 1 dito de ama-
rello, 2 mesas redondas,. 2 carteiras, das quaes
ama grande e bonita, um runfio com mesa para
copiar cartas, 2 camas de ferro, sendo urna gran-
de e de casal com colchao ingleza, 5 mesas de
janUr, 1 banquinha com duas gavetas, 2 candie-
ros i gaz, 2 consolos de Jacaranda, 1 burra de fer-
ro, 1 goarda-roupa, 2 cadeiras de balanco, 2 com-
modas, i2 cadeiras de Jacaranda, 4 ditas de faia,
6 ditas de amarello Luiz XV, 2 aparadores, lou-
ca, panellas da ferro, etc. : quem quizer comprar
barato comdtfaca no dia e hora marcado, na ra
da Cruz n. 40, terceire andar.
Val a qnen tacar.
Perganta-se se a cmara municipal aatorisou a
alguem a botar padaria no pateo do Terco ; e se
ha preferencia para alguem mais bem apadrinbado.
Um dos que tera de ser incommodado.
Precisa-se de orna preta eserava cozinheira :
na ra do Queimado n. 16, loja.



laajai
guada lelra ft 4 Agosto 4c l
0
He Francisco Ciorues
Caatellio.
O* sentares oradores sao convidados rir rece-
tor & i* dividendo da masa, no escriptorio dos
administradores, ra da Cadea n. 57.
Ausentou-se dia 10 de jalho do crreme aino,
da casa do abaixo assignado, o escravo caplnheiro
por nome Francisco, de naci Cosa, idade mais
* o annos, nsiatnra e corpo regulares, rendid
das veninas, beiri desembarazado no Tallar, lem
sido encontrado na Tregneiia da Boa-Vista, na ei-
dade de Ol oda, em Beberrbe, nos engenhos do dis-
tricfo de Iguarassti, e nltlmamente na povoacio de
Pasmado, consta mtttular-se de forro, qae anda
vendendo miudezas e comprando oves; de sup-
por qne tomasse a direc^ao de Golanna : portanlo
roga-s s autoridades policiaca e capities de cam-
po a sna apprchensao, e leva-lo Ignacio Marques
da Costa Soares, na ra do Progresso n. 3, bairro
da Boa-Vista, ou sen senbor Frederico Marques
da Costa Soares, em Iguarass, no siuo Pitangas
das Freirs, qne grao generosamente gra tincados
Alaga-se un preto fue cotinha bem o dia-
rio de ama casa : a tratar do armaawn da roa
do Trapiche a. 7.
OfTerece-se una mulher para casa de hemem
soltoiro, pan o servido de portas i dentro : na
ra do Besarlo da loa-Vista a. 18.______________
Precisase tto um trakalhador que cateada
de todo o servieo de padaria : na ra Direita nu-
mero 84.
Anda est por ahigar-sr a ca n. 3* a rta 10, dir-se-ba quem alaga
Precisa-se de um pequeo para eaixeiro con
pratica de taberaa : a trata: a roa do imperador
- i. _______
svamvsun
Naque* sobre Pni
O abaixo assignado, autorisado pelo
Banco MereaaMI Portnense. e na ausencia
do Sr. Joaquim da Silva Castro, saca cf-
fccu vareaje por todos os paquetes sobre
as pracas de Lisboa e Porto, e ruis loga-
res do fino, por -analqarr s ta, a praso ; pedeade, os que teaarem
saques a nraaotrecbew avista, no mes-
mu Banca, 4escontaado 4 0|0 a* ana: na
loja do chapeos da roa do Crespo n. 6, en
na ra da Imperador n. 63, segundo an-
dar.fos Joaquim da Cesta Maia.
=**
A jiolkstia ou infecto peca-
liar-cunbecida pelo nome de Es-
crfula um dos males mais
prevalecentes e uiiiversaes que
ha era toda a extensa lista das
enfermidades de que seffre o
genera hnmano : disse um cele-
bre escriptor da medicina que
mais de urna terca parte de
todos aqueles que morrem anles
da velbice sao victimas, ou direc-
ta ou indircolametHe da tisctofkr
la :por ai nao o des-
tructiva, porm a principal causa de mili-
tas outras enfermidades que ri5o 1he slo jpe-
ralmente attributias.
K' urna atm directa da phykmica pri-
meriar, das moksias do fgado, do estoma-
ga e affecedes dn cerebro: Entre es saus
CONSULTORIO IEMGfHM]KICO
DO
DR. PEDRO BE AfTAHYDE LOBO MOSCOSO,
ni;m< i. ptRTi:ino u opdrimor. '
3 Bit da Gloria, casa do Fnndo 3
0 Dr. Lobo ataso di considt gratuitas o* pobres lodos os das das 7 s 1
lloras da manhaa, e dS 6 meia as 8 horas da noite, excepcao dos das santificados
Pharmmia especial homeopathica
No -iwsno consultorio fca senpro o mais appropriado sortimento de carteiras
tdbos atolsos, issim como Cataras de lirias dynmamisacoes e pelos preces seguintes
Carteiras de 12 tafos grandes. tafOOO
de 24 tabes grandes. 18*000
de 36 tafos grandes. 240000
de 48 tafos grandes, 30#000
SAMO A LIZ
BST A TKNDA M 'LIVHAHIA tXt Sn. GbHU.DO
RCA ESTRBITA 00 ROSARIO N* 12 AS
NOCOES
m
m
PARTIDAS COBRADAS
WTOmOBAs
1 fcitcfflela Commercial Benefleent*
Ama
Precisa-se de una urna par coslnhar em casa
de honiem soltelro: na ra do Qnemado n. Si
loja.
Precisa-sede um preto escravo para feitor de
ura sitio, que entenda di; hortalice e jardim, men
quizer alugar pdese dirigir roa da Cruz,
n. 48.
numerosos symptowas achum-ee os segata- que M pedir.
de 6 tufo grandes. 35*000
?rpar*-se qalfaixvafteir* oa'ftrme o pedido que se Our, coi
s renedies
tes : falta de appetile ; o semblante pat-
udo e s vezes luchado, is raes e tuna
hura transparente e outras eorad -'j
ttmrellento arrrtm*-da bocea ; {raqueta *
neza nos msculos : disggsto frari e \
Um tuba avuteo ou frasco de tfatara de meia onca !* 00.
Sen4oapara cima de \i, custarlo Os precos estabeleodos para as carteiras.
Ha tubos mais .pegenos cada M a 500 ris.
, ^ ^ ,, i J^ nos.
fpetite irrtgnlar, Jaita de energa, ventre! A melhor obra da fiDmeopatMi, Manual de Medicina Hoowopathicodo Br. Jafer,
imhado e trac*nr mal tem sciiaseutti hatu spuDutSy ucu
cr azulada mostra-se em roda dos Ihos; *
(fiando ataca os orgos digestivos, os olTtm
loroam-se avermelhados :o hlito futido,
im
4
eoScaiadomeatiaadoDr. HetaAja, ,..,.."..... | Repertorio do br. Mello MoraU. .... w ..... 0*000
Diccionario de termos de medfM........... 3*000
Os remedios deste estabelecin|OUslo por dentis canhecklos e dispeBsam portan-
a hmjua varregada, dores de cabeca, ton-' !P_f_e:_serem Jl9yamente recommendyMtas^easaa que aizerem usar de reaedios wr- (
a'rtw etc. | j*4^|f8J; e<*0'*w ^dafadaim: fon do melhor que se pode desejar, globos de yer- r
Ras pessoas de disposic3o escrofulosa ap- '~~f^^Ml*y^e^*e *&***** pet,a boa conservacao, tintura dos mais acreditados
pareoem frequentement rupcoes na pele ^Ufotecimentos europeos, a inais/eT3cTa e aecurada preparaco, e por tanto a maior ener-
da -cabeca e outras partes do corpo, s3o pre- ia ? certeza em seus effettos.
disposlas toafa^ do pdmoei. dofiga-] CmO, de Mde puta eSTUVOS.
do, dos mis e dos orgaos digestivos e ule- nv ,.**-^* .- .
rinos Portante nao smente aquelles ecebe-se escravos para tratar de qalquer enfermtdade ou fazer-se-Ibe qualquer
que padecem das frmas ulcerosas e tuber- Peraco- para o que o annunciante julga-se suficientemente habtliUdo.
ariosas da escrfula que necessitam de pro-: tratamento e o melhor possivel, tanto na parte alimentar, owo na medica, e
E ORtra os seus estragos: todos a- SSSS0 a asa a.mais de "8*08. te ranites "P*890" "g "jo conceito se nio
quelles em cujo sangae existe o virus laten- J* duvidar, que podem ser consultados por aquelles que desejarem mandar seus
te d'este terrivel flagello (e s vezes her- aoenle-
ditario) esto expostes tembem a soffrer das ******* 24000 P2r a d.urante *? du* e enfermlades uue elle causa que sao operacoes serao previamente ajustadas, se n5e se pMM sujeitar aos precos
A phthysica, kerartes dofigado, do es- \razoaveis ^ costama Pedir annunciante.
tomago e dos rim : empees e enfermida-
ptuvtantu
POt
Fonseca de Medeiros.
imanminisn
0 Dr. Cosfie de S4 Pereira conti-
na a residir na ra da Cruz n. 53,
! e 2* andar, onde pode ser procu-
rado para o exercioiu dtisua profis-
sao medica, cora eepeciatidade
sobre o seguinte
1" molestias de olhos;
2* de pette :
3" dos Orgaos geniti
armarios.
Em sea escriptorio os doentes se-
! fSo eianrmados na otdem de sitas
j entradas comecando o trabamo pelos
doentes de olhos.
Dar consultas todos os das d s
OasiOdamannaa, renos nes do-
mingos.
Praticar toda e qualquer opera-
eo que jolgar conveniente para o
ptompto festabelecimento dos seos
doentes.
Qnem precisar de urna ama de Iclsc, que
o tem inuito bom : dlnja-so a ra do Crespo n. i
loja__________^^^^
Precisa-se de urna mulher livre ou eaerava
que saiba cozinhar e que tunha booe costuines,
preferindo-se livre : a tratar na ra do Trapiche
n. 17.
Quem precisar de urna ama de leil forra,
dirija-se ra do Imperador n. n, prime i ro andar.
' Precisa-se alugar um preto : a tratar na rua
da Concordia, padaria do pz._______
O Sr. Joaqnim Cavalcanli de Alliuquerque,
morador em Jaboatlo, tem una carta para Ihe ser
entregue com urgencia, na" rua do Quoimado n.
29, loja.
O abaiso assipnado ^endeu no da lo de ju-
Iho prximo pasuda a soa taberna sita n. rua da
Cacimba n. 2 aoSr. Manoel Jos da Silva Oliveira.
^________ Joao Jw da Cunta Lages.
Precisa-se de urna anta para casa de pone
familia : na rua da Cruz h. 2t. primeiro andar.
O abaixo assrgnado pe5 a qualqner Ea
que se julgar rrodor da exhncta firma de Jonquiro
Luiz Vieira 4 C. haja de apraswlar snas contas
m\ ttulos, se os (ver. afim de seren examinados e
pagos.
Joaqnim Lm Vianna.
Ausenton-se de Caa no da 4 do cerrente inei
de agosto urna urna escrava de 22 anuo*, estatura
baixa, cor fula, rosto cheio, faltas de denles na
frente, mos e ps ettrtos, (^ bastante grossos: le-
vou chaile de chita azul, osado, um vestido de chi-
ta novo e outro usado, e co-auma dizer ser lorra -,
qnom leva-la rua Nova leja n. 7 ser recompen-
sado.
1
William Treuch
Dueos-A v res.
e sua seora retira-se para
O abaixo asstgoade faz seiente ao respeita-
vel publico que aesla daU vendeu ao Sr. Francis-
co Celestino Ramos a sua taberna da travessa dos
Expostos n. t8. livre e desembarscada Recite 1
de julho de jj*6fc.Maooel Joaquim Loliato.
- Jos Rodrigos de Andrade, sendo aconse-
Ihado pelos facultativos de ir fazer tima viagem
Europa, aonde se deve demorar pelo menos dons ,
invernos, nao tem remedio se nao drspor de seus i tao. enfraqmcimento e debiltdade geral.
des eruptivas da cutis ; rosa ou erysipela ;
borbmlhas. pstulas nascidas, tumores, rh-1
cumacarbunculos. ulceras c chagat, rheu- \
Matismo, dores vos ossos, na-s costas e na
cabeca, debilidades femininas, flores bran-
cas causada pela nlceracao interior, e en-
fermidades uterinas, hydropesia, indiges-
estabelecimentos de hotel e boteqnim, collocados
na casa de 3 andares n. 28 da rua do Trapiche,
pelo que convida a todas as pe.-soas que os pre-
tenderen) di: se dirigirem aos mesmos estabeleci-
mentos para se tratar do ajuste e condiccOes.
0 abaixo assignado pede a qualquer pessoa
que se julgar credor da extincta tirina Joaquim
l.ni Vieira & C, haja de apresentar suas contas
ou ttulos se os tiver, adm de serem examinadas e
pagas.Joaquim Luiz Vieira.
Club coiumcreial.
A reuniao familiar do crreme mez de agosto
lera lugar na noite do dia 13 do mesme.
AMA.
Precisa-se de urna
duas pessoas e lavar :
ama para engommar para
na rua do Hospicio n. 44.
Ha para alugar una casa terrea na rua da
Alegra, urna loja na rua do Amorim, e um tercei-
ro andar e sotao muito fresco, na rua do Encanta-
mento : a tratar com Joao Ribeiro Lopes, rua da
Cadeia n. 33, loja.
- No largo do Paraizo n. 23 lavase, engomma-
se e faz-se comida, tudo por preco commodo e a
vontade de rada um.
O abaixo assignado
laz publico
que deixou
Aos pimoes a escrfula pradal tubrcu-
los e finahnente conmmpco pulmonar :
nas glanulas ella produz inchaces e ternam-
se ulceras: nos orgos digestivos causa
desarranjos que produzem indigesta, dis-
pepsia, molestias do ligado e nos rins :
na pelle produz erupces e affecees cut-
neas.
Todos estes males tendo a mesma ori-
gem, carecem do mesmo remedio: a sa-
ber : purificar e fortalecer o sangue.
A salsa parrilha de Ayer
composta dos antidotes mais efficazes que
a sciencia medica lem podido descobrir,
para esta m lestia assoladora e para a cura
de todos os males provenientes d'ella que
contm virtudes verdaderamente extraordi-
narias provado ncontestavelmente pelas j
curas nolaveis e bem conhecidas que tem
feilo de tumores, eruprdes cutneas, erysi-
pelas, borbulhas, nascidas, chagas antigs,
ulceras, rheuma, sarna, parchas, hydrope-
sia, tosse quando causada por depsitos tu-
berculosos nos pulmes. Debilidade ge-
APROVEITEM APROVEITEM
7,180 COVADOS
de sedas de cores de todas as qualidades.
Na loja da rua do Crespo numero 17.
Importante compra de 7130 covados de seda de todas as qualidades, propras para
vestidos de senboras e de meninas, e vende-se por precos admiraveis.
Outros nuitos objectos du prad casamento a %& cada um, capas pretas, soutamtiarqnes de cores e pretos, chapeos etc.
Fazendas de lnho e de algodo as menores que existem no mercado.
O propretano deste importante estabelecimento vai a Europa muito breve com-
prar fazendas de apurados gostos, presentemente vende as suas mercadorias por precos
baratissimos para liquidar.
Protejan todos. Protejan todos a Inoortaate
LIQUIDACAO
.4 loja da rua do Crespo n 17.
Precisa-se de orna criada
qoe saiba cozinhar e engommar
n. 41, prlmeiro andar.
ivre ou esefav
; na rua das Cru
Precisa-se de urna criada
que saiba cezinhar e comprar :
Amaro (Mundo Novo), sobrado
Dr. Sabino.
livre ou escrava
na rua de Santo
onde raorou o Sr,
Pre*isa-se d* urna senhora ou de nm sacer-
dote que queira ir ensinar duas meninas em um
engenho em Serinbem, e se souber mnsica me-
lhor, pois dar-se-ha bom ordenado : a tratar na
c a ni boa do Carino n. 16.
Precisa-se alugar um moleque para os serv-
eos de urna casa : a tratar na rua Nova n. 58, ter-
ceira andar.
Aluga-se a lo a da casa n. 40 da rua das Triu-
cheiras: aa rua da Aurora n. 30.
Precisa-se alugar urna preta qne saiba cozi-
nhar e engommar : quem a tiver, dirija-se rua
do Trapiche n. 4, que achara com quem tratar.
Miguel Jos Darbosa Guimaraes socio prin-
cipal da firma do Guimaraes & Lima, faz seiente
a todos os dfivedores a esta firma que toado falle-
cido o socio Jos de Almeida Nnnes Lima, est
procedendo a liquidaran da mesma e por isso pe-
de a todos os devederes o especial favor de man-
daren) saldar seus debites o mais breve possivel.
Recife, 9 de julho de 1864.
O bacharel
Francisco Augusto da ('.osla
ADVtGAM
Pelo presente convidarse a todos os
MMac,' pata assistirem Secc.-. Mag.\ de
lili.', e inic.-. que celebra iioje s 7 %*as
da noite a oflici.\ Uuio e Benificenfra ao
val da rua Direita.
Desde o dia t do correte que desappareceti
una canon grande que se achava amarrada no
caes da roa do Sol, cuja cam* tem paneftto, e*st
com o sob-paneiro arrecentado, e s tem Hmanco
de vela, en a popa o letreiro de G. N. n. 6 :^ueto
"della tiver noticia laca o favor de ir rua Famosa
n. 12. que sera pago de sen tiabaltio.
Annel.
Quem perdeu um annel d; brilhante, procure
nesta typographia.
Alnga-se urna casa grande rom sotao; tem 8 quartos, cozinha fra, quintal murado, es-
tribara, e grande sitio com bom viveiro dpeiie.
no pateo da l'az dos Afogados n. 88 : a tratar na
rua do Imperador, sobrado n. !, com Jos Dias da
Silva.
Quem precisar de urna ama que se presta a
todos os serviros de una casa, como seja, cozi-
nhar, lavar e engommar rom exeepca-i de Mdos o*
servicos de rua, dirija-se rua da Gloria n. 106.
COMPRAS.
IKMi/IW
de ser seo caixeiro desde 4 do correte o Sr. An-
tonio Jos Rodrigues Draga, e nao se responsabili-1 "^'i'T"'^*"'rJ',.T1'l^"'T'>i- *" ""'" u. K"
sa por qualquer negocio feito em seu nome. Re- al.Indigeitio, Syphihs constitucional e
cife i de agosto de 1864. j molestias mercuriaes, molestias das mulhe-
__________________Jos Mara Machado._______res, ulceraces do ulero, a nevralgia e con-
cnristovo t'ratii), subdito italiano, retira-se; vultoes epilpticas e em siimina, toda serie
pra Europa com um uiho menor._______________ de enfermidades que nascem da impureza |
Em consequencia de ne ter havido audien- do sangue. Vede as ceilidoes no Alma-
canoda6 Qcou transferido para o da 10, fiada nack e Manual de sadft do D|. Aver que ,
a audiencia do juizo municipal da 2" vara, a arre-: ... .,___ .___. ., H i '
matacao de oito mei-aguas penhoradas viuva e distribllC gratuitamente nos lugares onde,
hordeiros de Joao de Santa Rosa Muniz._________ : Se vendem OS remedios.
Precisa-se de um ciixeiro, preferindo-se
portuguez, de 14 i 18 auno, para servir em um
engeaho perto desta ciJade : a tratar
Imperalriz n. 3!>, priniciro andar.
Antonio Jos Marques Ferreira l'ombal faz
seiente ao corpo do commercio que nada deve
praca de Pernambuco, e que muda o seu nome de
Antonio Jos Margues Kerreira Pombal para o seu
antigo nome de Antonio Jos Marques Guimaraes,
pelo qual de boje em (liante se chamar.
IRO
A1/VE^ 1 O TI A IlO 21 L aryo do Terco21
Costiii eiras.
Precsa-se de co.Ntureiras que saibam coser cos-
turas de alfaiate para trabalhar por dia : na rua
Nova h. 47, loja.
- Pedimos ao lllrn. Sr. subdelegado do Recife
que lance suas vistas sobre um grupo de. indivi-
duos armado; de cceles, que depois de 7 horas da
noite apparecem em urna esquina de um becco da
rua de Apollo defronte do theatro, segundo pensa-
mos e ouvmos dizer, estes individuos procuran)
atraicoarem um dos nossos visinhos.
'______Mullos moradores da rua de Apollo.
R. von Seyfried vai a Europa, e deixa encar-
regado da gerencia da casa commercial de Scha-
iheitlin 4 C. aos Srs. Cansa Noppel & Q. Ruhn.
Marceliae Baupaire, Franceza, vai para Eu-
ropa^_________________________
No da 10 de agosto corrente. Onda a au-
diencia do Sr. Dr. provedor de capellas e residuos,
se arrendar em hasta publica o sobrado de dous
.indares na rua da Cadeia n. 44 por um trienio, a
lo publico.
Temos a salisfacao do annuneiar, qne acabamos de abrir um estabelecimento de niolhados
Lste remedio e o fructo de longas e labo- na localidade e sob a deneminac^o cima indicada.
riosas experiencias, e ha abundantes provas novo estabelecimento, fundado ao gosto moderno, tornase recommendavel pelo seu aceio,
na rua da I das suas V,(U ies DOSi0 (,.,,, /, offerecido e pe rfSu,a>r,dad,; <** sas operacues mercanlis; alem do que, tem um grandec completo sortimento,
' ao publico sob o nome de Isa pancha, ^S0 gK "^ nCern0n,eS BOfh,de' *>*** ****** "- que
COmposlO de diversas plantas, algumas das Esperamos, portanto, quo mereceremos a protercao de todos em geral, preferindo-nos na
qoaes sao superiores a melhor salsa parrt- compra dos gneros que necessitarem, cortos de qne venderemos a preeos muito commedos, e tendo
Iha no seu poder alterante iem v,sla ^,eB,e "m:l oe'iuena vantagem, qne compense nosso (rbano.
1 N*0 teremos duvida em aceitar qualquer artigo, que por acaso nao agrade e nos seja logo
PEITOIUL DE CKlil.H DE AVER. devolvido, restilnindo entilo sen importe, ou trocando por outro, como melhor convenha ao comprador.
Gura nromnlim,>nlP a 9rhmi hrnnM.a ?ese,mos m,ui, "P* pnWico nos proporcione occasiSes repetidas de darmos provas da ve-
1 astlima, bronchite, racidade de nossas palavras; e tormiaamos instrevendo aqu nossa constante divisa.
Barato s no ffonteiro,
Porim vende a dinheiro.
tosse, deluxo, angina, coqueluche,
phthysica primaria, tubrculos
pulmonares, e todas as
molestias pulmo-
nares.
Allivia os etlicos declarados.
Todas as molestias da garganta, do peito
e dos puliiioes pdem ser curadas em pou-
co tempo pelo pkitokal de ceukja do dr. I
AYF.H. .
A' venda nas principaes boticas e droga-'
rias do imperio, e na agencia central do
Rio de Janeiro rua Direita n. 15.
Fugo do engenho Pontal, no dia 18 de maio
prximo pasando um cabra de nome Malinas, com :
os signaes seguintes: cor fula, corpo regular, com
pequea barba
RUA DO QUEMADO NUMERO 11
Loja de fazendas d- Augusto Frederico dos Santos Porto
Lindas chapellaas e chapeos para senhoras.
Chegaram a este esfabelecmento as uns modernas chapeliase chapeos para senhoras.
Superiores cortes de la de barra de fUf a 20$.
As mais superiores capas o soutembarques de seda preta e casemira de cores para senhoras de
iOi at 503.
Excellents liias para vestido a 320, 500, 560 e 600 rs. o covado.
Cassas e organdys de cores a 240 e 320 rs. o covado.
Os mcihores tapetes para -of com rqnissimos desenhos.
Lencas d camhraia de lnho e fil bordados a 15 cada um.
Superiores casemires mescladas de diversos gostos tanto em proco como em corito.
E outras militas fazendas como sejam i percalles finissimas, hretanhas, sleCias, esqaio, sils-
Rtta do Imperador
. Mi mmmm
Na praca da Independencia, loja de ourives
n. 33, compiam-se obras de ouro, prata e pedras
preciosas, assim como so faz qualquer obra de en-
commenda, e todo e qualqner concorto.
Na nadara em Santo Amaro alraz da fun-
dicao do Sr. Starr, vende-se legumes de Ilambur-
go, diversas marcas.
Precisase alugar urna ama que saina cozi-
nhar, preferindo-se escrava: na rua da Impera-
triz n. 40.
"SS^a "-so w
Joao da Silva Ramos, medito pela Un
vesidadede Coimbra, d consultas em
sua casa das 9 s 11 horas da manha, e
das 4 s 6 da tarde. Visita os doentes
em suas casas regularmente nas horas
para isso designadas, salvo os casos ur-
gentes, que sero soccorridos em qual-
quer occasio. D consultas aos pobres
que o procuraren) no hospital Pedro ,11,
aonde encontrado diariamente das 6
s 8 horas da maiihiia.
Tem sua casa de sade regularmente
montada para recober qualquer doente,
anda mesmo os alienados, para o que
tem commodos apropriados e nella pra-
tica qualquer operacao cirurgica.
Para a casa de sade.
Primeira classe 35000 diarios.
Segunda dita.... 2500 >
terceira dita.... 2000
Este estabelecimento j bem acredi-
tado pelos bons servicos que tem pres-
tado.
O propretano espera que elle conti-
nu a merecer a confianca de que sera-
pre tem gozado. '
Compram-se jornaes para entornillo : na fa-
brica de cigarros na antiga rua dos Quarteis nu-
mero 21.
Compra-se ouro c prata em obras vettia
daga-se bem: na loja do buhles da praca da Inde
pendencia n. 22.
Compra-se cobre velho : na rua do Brum nu-
mero 78.
Compra-se
cobre, lato e chumbo: no armaccm da bo
la atnarclla no oito da secretaria da polica.
Compra-se urna mulatinha ou negrnha cora
idade de II liannos: na rua Direita n 113.
No cscripmrio de M J Ramos eSilva i\-(eu-
ros, na rua no Vigario, compra-se um caleche em
bom estado : quem tiver para vender amiuncio.
Compram-se 20 aeeios da companhia de-Be-
beribo : na rua do Amorim n. 43, armazem.
Compra-se nm melhodo Bevienne para apren-
der a tocar flauta : na rua larga d) Rosario i. 36
se dir.
no queixo, tem urna das pernas
mais grossas que a outra de urna ferda, e tem um trma Preta WOlto una, cantao para vestidos de luto, grosdenaple de bontis cores o as superiores
, dedo do p por cima do outro : quem o pegar le-' Estelras para salas.
i.nio" tem nnllrteirn ? con.um uo escrip- { ve^ seu seBnor n0 raesino engenh( 01, em caga : As pe5Soils qne pretenderem forrar suas salas on gabinetes, encontfarao noste estabelecimento
-,' yoi :------------------------------------- d0 sr. Manoel A Ivs Ferreira nesta praca, que ser a melhor qualidade de esleirs de todas as larguras e pelo mais mdico preco,
Precisa-se de um capellao para um engenho bem recompensado. No dia 2 de jumo prximo :
na comarca de Porto-Calvo, sendo homem de ida-! passado fugio do mesmo engenho um cabra de no-
de, de boa conducta e que se ache habilitado para me Joao Canuto, este escravo e bem conhecido que
ensinar primeiras lettras, latim e francs ; aos j foi do Sr. Francisco Accioly do Gouvea Lins, com
pretendenles se dir as conveniencias que so of- os signaes seguintes : cor cabra, corpo grosso, est
ferece, e lambem as que offerece o lugar. Trata-
se na rua da Concordia na casa defronte do n. 44.
GRANDE SOHTIHEMO DE FAZENDAS
bugando, tem as pernas om pouco gambetas, j foi'
visto em Ponte de Uchoa e Montoiro : quem o ap-
prehender pode entender-se eom o Sr. Francisco
Accioly de Gooyeia Lins, ou no escriptorio do Sr.
DE
FURTO.
Na noule de 29 de julho ultimo, furUram do si- Ma.noel *,v?s f*5 fl"e ora ^m recompen-
lio do Br. Mamede, no Poca da Panella, um caval-
lo rudado pedrez, pequeo e novo,-o qual in duas
marcas pretas na p d'uma das maos, poucas car-
nes, e urna pequea ferida no serr do lombo ;
quem encontra-lo leve-o ao referido sitio ou rua
da Imperalriz d'esta cidade n. 17 2. andar, que
aera recompensado.
Um meu desalfeicoado, querende insinuar al-
guma idea indecente contra o mea carcter, diz,
eom quanto nao chame pelo meu oome, om um
dos nmeros do Constitucional do mez ultimo, que
?>u tirera parte no arranjo de um testamento, de
que tem conhecimenlo o Dr. Rigueira Costa.
Fui testeinunha no testamento nuncuiiativo de
Jos Francisco Collares, mas" esse testamento por
falta de provas foi'julgado improcedente poraquelle
Joutor. 0 anouymo, que qniz abocanhar-nie, tire a
"Mascara, e venha aceusar-me era publico, direndo
o que por mira foi praticado nesse acto, que me
lique mal. i
S os covardes e salteadores infames costumam
atacar de emboscada.
sado : o primeiro lera 30 annos, pjnco mais ou
menos, o segundo 20 annos.
Precisa-se da urna ama de leite : na rua Au-
gusta n. 2 1' andar.
*T DE PARS
19Rua Nova-I9
Frederico Gautier, cirurgiao dentista,
faz todas as operacSes de sua arte, e col-
loca dentes artiflciaes, tudo cem superio-
ridade e perfeico, que as pessoas enten-
didas lhe reconhecem.
Tem aguae pos dentitcio.
99
Custodio, Carvalho & Compankia.
KlA 1IO QUEIIflADO
*f
i

Peras de enlremeios bordados a
Tiras bordadas a peca 2a.
Cobertas de chita a chtneza a 22O0.
Lences de linho finos a 25200.
Toalhas de linho para mos duzia 45.
Sapatos de tapete para meninos, senhoras e horneas pelo barato preco de 15600 o par.
Toalhas de linho para mesa a 35500 e 45.
Raides de arcos para senhoras a 35.
Fil de linho liso vara 500 rs.
Grande sortimento de liias para vestidos
Superiores saias de fusto para senhoras a 55.

Aluga-se o 2 andar do sobrado n. 79, na ru
do Imperador : a tralar na rua do Crespo n 15.
Os abaixo assignados participan! ao respeita-
vel publico e ao corpo do commercio, que tem dis-
Tire 'orabusteiro a mascara, repito, e lera res- selvido amiaarelmonie a lirma social que gyrava
nesta praca sobre a razo de Joaqnim Luiz vieira
A C, desde o dia 11 de jumo passado, fieando
cargo e nico responsavel do activo e passivo da
mesma sociedade o cx-soclo Joaquim Luiz Vieira,
Jo.v|uiffl I.ni/ Vieira.
Antonio Manoel R.istos.
i i -.......... ......
Precisa-se e urna de leite, escrava : na ru
>'-ia plena e cabal
Iguarass. i de julho de 1864.
_________________ Joao Canallio Raposo.
TINTURARA.
Tinge-se com -perfeiee para qualquer
cor, e o mais barato possivel: na roa do
Rangel n. 38. segundo andar.
W88iscalOT m mm mmmmml
Wd Lidio Marianno de Allmmierque
acha-se competentemente jtrovisio-
nado para solicitar cansas no foro
civii e commercial desta cidade,
para o que pode ser procurado na
rua do Imperador n. ti.
da Cadeia d'. Recife n, 32, terceiro andar.
Preeisa-se alugar urna escrav qne snbfti
comprar, cozinliar. lavar e onjfbmma*, paga-so
bem : na na dd Rrfilget. sobrad rr. 33.
........ *' i' *' *
Pwcisa-se de nm menino para ralxcir : na
rua da Senzala Velha n. 96, padaria.
Hotel itaKano.
Madama Forro avisa aos seus fregueses e ao res-
peitavel ?>ulfact Ircimanfc-dnilaij "ftapiche n. 44-para a mesma
rua n. 5, aonda fot o-hotel Franciseo, e espera sa-
tlsfazor s posioas qae a honrarem com sua fre-
qiieiicia, p#> fta> irtesino que no se tem poupado
a desperas para poer offececer actualmente bons
, ro modo; p+omptidSo e aceio do^ervieo e modt-
riJadejie prejo.

Wociedatle de secnros mu nos
de vida InstaHada pelo Banco
UoiSo na cidade do Porto.
Os agentes nesta cidade e provincia Antonio
Luiz de Oliveira Azevedo & C escriptorio na rua
da Cruz do Recife n. 1, estao autorisados desde j
a tomar assignaturas e prestar todos os esclarec
meatos que forem necessarios, as pessoas que de
sejarem concorrer para tae til e benfica empre
s, egurando tirri futuro lisongeiro aos associado-
a. Schaffter A C, na rua do Trapiche n. 17,
sacara por todos os paquetes para a Rahia e Rio
de Janeiro, vista ou a praso, conforme se con-
vencional
TO)>rolaW
YENDAS.
COMPENDIO DOLOROSO
que contem o cilicio de Nossa Senhora da
Dores; o modo de rosar e offerecer a co-
ra, um setenario e mais otros exercicios
de piedade e devoco : ordenado pela ir-
mandade dos servos da mesma Senhora,
que se acha erecta na egreja tic N. S. da
Penha do impetial hospicio dos reveren-
dos padres missionatios apostlicos capn-
chinlios italianos de Pernambuco, approva-
- do por S. .M. L, que Deus guarde; dado
luz por devoco do muito reverendo
padre Fr, Placido de Jlessina.
Vende-se a 320 rs. na livraria ns. 6 e 8
da praca da Independencia.
Vendem-se caixes vasios a 1:760
cada um : na rua das Crtizes n. 44.
Precsa-se de urna anta para cozinhar e comprar
em easa de homem solteiro : na roa do Quemado
n. .12, loja.___________________________________
Chrislovao Pralho, subdito italiano, retlra-se
para Europa com um filho menor._______
_ Est para alugar-se o 2 andar e grande so-
to qae forma um 2 andar, com vista para a na
do Imperador : do sobrado da rua das Cruzes n.
9. lado direito quem vai da rua do Queimado para
, Francisco, quem pretender falle no mesmo so-
brado, das 9 horas al 1 hora da tarde.__________
Aluga-se a casa do Caminho Novo n. 2, eom
commodos para familia : a tratar na mesma rua
numero 3k__________
Bse pequeas quantias a premio : na roa'
Augusta n. 45.
- Alagase a toja do sobrado n. 16, ro largo >
Carmo : no largo \> Paraizo n. 2tt.
Precisase aligar urna preta esrrava para o
servieo de urna peqncm faiailt: na roa d KTu-
zes n. 28, prlmeiro andar.
-- D-sc dmlk'hVi sobCe hypothera ei escravos:
na roa de Sania Rita n. 27, loja, se dir qdem d.
Precisa-se alugar nm bom cosinhelro on c'o-
irtheira, que tartlbCm enc*rrogue-se de faer as
compras : quem para isso quizer se contratar -'
rija-se rua do Vgario n. 9, i" andar, que acha-
ra com quem tratar.
.----- '------------------.------*-. Tu
Precisa-se donna ama IKt ou-eseVava-para
todo o servieo de casa de penca familia: no pateo
da matriz de Santo Antonio n. 8.
Vende-se das seguinte? marcas:
E El
SemhfGcC >de FF o barril por lo5.
(A i)
P l & C. de FF o barril por 13.3-
P diamante de FF o bairil por 145'(Ml.
De superior qualidade FF 2 espingardas 0 barril
por 165-
Chumbo de rounico de toda a arossura arroba
55300.
JVo armazem de J. A. Moreira Dias rua d.\
Cruz n. 16, onde encontraran as amostras.
Aos foyuefeiros.
Chogoa o desejado papel azul e hranco para os
fogueteiros e para emhrulho : vemte-se om bala>
on resmas : na rua larga do Rosario n. "ti, Rar-
tholomeu & C
Veridane-umaeserava moja, atrfeita engon:-
madeira e Czlnhoira, com urna cria de nm anno :
a tratar na rna da Prata n. ;i, prtnielro andar.
Vende-se p>ir proco commodo a metadle de
um pequeo sitio na Varzea, era boa Joclidale.
multo perto d"o banho. o qual tem multas aores
fructferas e casa de falpa : na rua Bella n. 40 se
dir. ________________
VeMtem-se dous escravos de anua idade : oa
rua Augusta n. 2i.
ae opportua oeasiao para
ftiem tpli/elrtviro^^ar .ilgatra, as-
sucr, etc ele.!..
Na esraco do Pn vendem ** por bnrtthV.iiniO
Aluga-se o 2" andrtr da casa da roa da Ca- proco duas excellentes casas em chaos nroprlos,
deia do Recife n. 24, entrada pelo becco Largo : a noaiellior ponto do Ingsr, or seren rolloe.idas
trajar no escriptorio do i* andar. junto ao pau>o da foira; e twm assim urna tema de
ntrratn Pofri uur^n^si^iTVf^------u~ futilleiro stffUWentement moni ida para rabalhai.
.rL.%,J.ri..?*lroBer,,n,.eTn0,nzllV.. e porro** de obra feita. ruja tonda oocupa urna
subditos' italianos, vao para o Cear.
1 das ditas casas. Td-sa vende por ter o proprie-
Na rua da Praia n. 37 deseja-se faHar ao taro de se retirar do lugar : trato-s* no- moamo
Sr. Joao ValenlimDiasVilrtto, chefe da olacSode logar com Jos Carneiro de Paria, ou-ni! Rveifu
Frexeiras. a no ocio > r>articna snltr iateresse. : na travesea das Cruzes n. 2 A, loja de calcado.
i
1

;
t


i
i

-
ILEGfVEL>
^


m^*mm9*

c> .
i
A**
+fr


Diario de JPernambu Segunda feira 8 de .tgosto de f$*4.
t^-^4,.'gt >*> nUl <>* r iii>4
AO PUBLICO
Sen o nicnor eonstran-
siiuento se entregar o
Importe do genero que
nao agradar.
ARMAZEM U
llii
Os preeos da segnlnte
tabella vara todos, pp-,
dendo assini servir de ba-
se para o ajuste de eontas
eom os portadores.
CANTIL
RA IIX CA1IEIA 1IO I1ECIFE M. SM.

I.(jo passando o arco da Coiieeicio)
Grande redueeo de preeos, equivalente a dez por cento menos o que ontro qualquer
anounclante.
Collegas.Nao posso por maistempo sustentar o preco da .manteiga in$eza a l.ooors. a libra, bem assim o 3e oulrds
oiuitos objectos, etc., dando com islo ocasiip a todas as espeluncas aeabarem por boupreco a manteiga de tempero, e grilarem em
alta voz, ijuepodem vender pelo preco que en vendo!! 1 Ora, cu offendido com estas obscuridades e receioso eradoptar omesmo
systhema que vim encontrar, de s se vender com um por cenlo a carola, resolv fazer. esta grande redueeo de pregos, como veris
pela seguinte tabella, pois como sabis ca pelo meu bairro, at a abertura do momorvel armazem de molhados Uniiio Mercantil nao
se sabia de outro prego de manteiga ingleza a nao ser o de i,loo a i.Coo rs. a libra. Hoje porem, resentidos da redueeo a que
estao obrigados, encarando todos os das de seus freguezes reclamacao de pregos, e qualidades, vingam-se de um e outro portadores
mal informado deste novo estabelecimento. para lhe vender goneros nao proprios de nm estabelecimento desta ordem que o seu 6m
to somonte obler a concorrencia de seus freguezes.
Para bem de todos.
Seuhores e Senlioras o aceio que presidio, aos arranjos deste novo estabelecimento, e mais que ludo apromptido e entei-
reza com que sero tratados, convida a urna vizita ao mesmo, certos de que sera duvida me daro a proteceo e preferencia na compra
dos.generos que preeisarem, e quando nao pocam vir poderao mandar seus portadores, anda que estes sejam pouco praticos, pois
serao tao bem servidos como se viessem pessoalmente, havendo para com estes toda recommendaco, afim de que n5o v3o em outra parte.
Manteiga ingleza (safra nova) especialmente
cseolhida a 800 rs. a libra, em barril se
faz abalimento.
dem franceza a mais nova que tea vindo ao
mercado a 5(So rs. a libra, e em barril ou
meios a "ioo rs.
tilia hvsson de superior qualidade a 2,6oo rs.
a libra,
dem perola o mais superior do mercado a
,8oo rs.
dem huxim o melhor que se pode desejar
ncsle genero 2,6oo rs.
dem pretohomeopatbicoporserde superior
qualidade a 2,000 rs. a libra,
dem bysson, huxim c perola mais proprio
para negocio o l,6oo, 1,800 c 2,ooo rs. a
libra, garante-se ser muito regu'ar, igual
ao.quese vende em outra parte por 2,4oo
e2,0oo rs.
kinguicas, chourigas e paios em latas de 8
libras, emticamente lacradas a 5.5oo rs.
garante-se serem superiores aos que vem
em barrs.
Chourigas e paios em barra arroba a 8,000 rs. e l,5oo e 600 rs. a libra.
QueijOfi llamengos muito frescos chegados
neste ultimo vapor a 2,2oo rs. edo vapor
passado a 1,600 e l,8oo rs.
dem londrinos os mais superiores que tem
vindo ao mercado a 800 rs. a libra entei-
ro se faz abalimento.
dem pralo muito fresco a 800 rs. a libra.
Mem lio A (entejo o que se pode desejar de
fresco e superior a 800 rs. a libra, a elles
antes que se acabem.
Ervilhas e Cavas porluguezas em latas j pre-
- paladas a (iio rs.
Marmelada imperial dos mais acreditados fa-
bricantes de Lisboa a 600 rs. a libra,
l're/.unto do reino vindos de casa particular
a 56o rs. a libra, e a 000 rs. inteiro.
dem inglezas pora hambre chegado neste
vapor 72o rs. a libra.
Copos lapidados para a gua a 5,ooo e 0,000 a
duzia,
Choculate francez, suisso e hespanol a floo
I,ooo e l,2oo rs. a libra.
Espennaceteem caixinhas contendo 6 libias
por t,00o rs., garanie-se serem transpa-
rs. e em barricas de 4 duzias se faz abali-
mento.
Gaf do Rio a 26o e 28o rs. a libra, e 7.8oo
e 8.000 rs. a arroba.
dem lavado de primeira qualidade a 3oo rs.
a libra, c 9,ooo rs. a arroba.
dem do Cear de superior qualidade a 24o
e 28o rs. a libra, e 7,8oo a 8,000 rs. a
arroba.
Arroz do Maranho a loo rs. a libra, e 3,ooo
rs. a arroba.
dem dalndia muito alvoegraudo a loo rs. a
libra, e 3,ooo rs. a arroba.
dem de Java a 80 rs. a libra, e 2,2oo rs.
a arroba.
Painco e alpisla a lio rs. a libra, e 4,3oo
rs. a arroba.
Massa de tomate em latas de 1 e 2 libras a
600 rs. e de barril muito superior a 000
rs. a libra.
Aletria, macarro e talharim a 4oo rs. a li-
bra, e 9,000 rs. a caixa.
dem e lalherim branco a 32o rs. a libra,
estas massas tornam-se recomendaveis as
pessoas doentes por serem propriamente
feitas para esse lim.
Estearinas a 56o rs. a libra, e em caixa com
2o libras a 52o rs.
Vinho do Porto muito fino excellente qua-
lidade proprio para engarrafar em ancore-
tas com 9 caadas por io.000 rs.
Vinho de pipa Porto, Figueira, e Lisboa a32o,
4oo e.'ioo rs. a garrafa, emeanada a 2,5oo,
3,ooo e 3,8oo rs.
Vinho branco de Lisboa de excellente quali-
dade a ioo c 000 rs. a garrafa, em caada
a 3,ooo e 3,5oo rs.
Vinho branco para mssa em caixa de i duzia
a 8,000 c a 680 rs. a garrafa.
Vinho do Porto das melliores marcas, que
vem ao mercado como sejam Lagrimas do
Domo, Duque do Porto, DuqueGenuino,
D. Luiz I., Madeira secca, Malvazio lino,
Fetoria em caixa de 1 duzia de 9,ooo a
io.ooo rs. eaOoo e I ,ooo a-garrafa.
Vinho Colares o mais superior que tem
viudo ao mercado a 64o rs. a garrafa.
Sardinhas de Nantesem quartos c meias latas
a 36o e 060 rs. cada urna.
rente e de superior qualidade, lambem tem Sardinhas portuguezas em latas grandes
de 12 por libra propria para carro. preparadas pelo melliorconserveirodc Lis-
Peixe em posta sovel, corvina, gors. pesca-1 boa a 64o rs.
da, salmao, ostras echernee, vezugo em | Bolacbinhas inglezas as mais novas do mer-
latas grandes a 800 e l,ooo rs. cada urna. ( cado a 2,8oo rs. a barrica, e 24o rs. a
VinhoBordeaos das marcas mais acredita-' libra.
das que tem vindo ao nosso mercado a Bolachinha de soda em latas com diversas
quididades a l,3oo rs.
Bolo francs em caixinhas muito proprias
para mimo a 6io rs.
Passas muito novas de carnada a 4oo rs. a
libra e 6,000 rs. a caixa com 28 libras.
Figos de comadre a 24o rs. a libra e
1,80o rs. a caixa com 8 libras.
Amendoas de casca mole a 32o rs. a libra.
6,000, 7,ooo e 8,000 rs. a caixa, garante-
se ser de qualidade superior, que outro
qualquer nao pode vender por este prego.
Genebra de llollanda a 56o rs. o frasco, e
*>,7oo rs. a frasqueira.
dem de laranja verdadeira de Aliona em
frascos grandes a 1.000 rs. o frasco, e
11,000 rs. a duzia.
dem de llollanda em botijas grandes a ioo
Bolacbinhas d'agua em sal da fabrica do Beato
Antonio de Lisboa em latas com 6 libras
por 2,5oo-; ditas doce em latas com o mes-
mo peso a 2,ooo; ditas imperiaes em latas
de 3 libras por l,5oo rs.
Ameixas francezas em latas de 1 e meia libra
por t,2oo; ditas em caixinhas de deversos
tamanhos com bonitas estampas na caixa
exteriora i,2oo, l,000, e!,8oors.
Azeitedoce refinado Penanol ou do Kempes
de Lisboa a 85o rs. a garrafa e 9,5oo a
caixa'com urna duzia.
Batatas muito novas a 5o rs. a libra e 2,ooo a
caixa com 2 arrobas.
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e
8,5oo a duzia.
Vassouras de escova para esfregar casa a 32o
Nozes muito novas a 16o rs. a libra-
Molho inglez em garrafa de vidro com
rolha do mesmo a 5oo rs.
Mostarda ingleza dos melhores fabricantes a
"800 rs. o frasco.
Mostarda franceza em potes j preparada
a 4oo rs.
Lentilhas excellente legume para sopa a 2oo
rs. a libra.
Marrasquino o verdadeiro de Zara em garrafas
grandes a 1,00o rs. e II ,00o a duzia.
Palitos para denles a l4oe 16o rs. o mago.
Sal refinado em frasco de vidro com rolha do
mesmo a 5oo rs.
Cerveja branca e preta das marcas mais a-
creditadas que vemao mercado a 5,ooo e
5,5oo a duzia e i8o rs. a garrafa.
Sag muito novo e alvo a 2io rs. a libra.
Sevadinha de Franca muito nova a2oors.
Charutos de todos os fabricantes da Bahiae das
mais acreditadas marcas conhecidas no
nosso mercado a 2,ooo, 2,5oo, 3,ooo,
3,ooo e 3,8oo a caixa de loo charutos.
inglez das melhores marcas a
1,090 rs. a garrafa.
Doce da casca da guiaba em latas de 4
Cognac
RIVAL SEIW SEGUNDO
Ra do QueHMd de Jos de Azevedo Maia e Silva, est continuando
no seo progresso de vender baratsimo:
Capachos graades e superiores a 300 rs. cada m.
Caixas de superiores obreias de cola e massa a
40 rs. '
Cordo branco; para vestido, e espartrlho. vara 29
ris.
Linhas de carretel (130 jardas) de superior quali-
dade a 60 rs.
CartSes de linha Pedro V (200 jardas) j muil
conhecida a 40 rs."
Grozas de peonas de ac de muitas qualidades s
superiores a 500 rs.
Caivetes de duas folhas porm finos a 500 rs.
Caixas com calungas muito bonitas para rap a
Franja branca e de cores para toallas a 160.
Pares de boloes para punho muito bonitos a 120.
Caixas com soldados de chumbo muito bonitos a
i 120 rs.
Tinteiros de vidro com superior tinta a 160.
Ditos de barro com superior tinta a 100 rs.
Groza de botdes de louca pratiados, o melbor, a
160 rs.
Tesouras para costura, o mais superior, a 400 rs.
Ditas para unhas muito ftoas a 400 rs.
Escovas para limpar dentes muito superiores a
200 rs.
Libras de la de todas as cores (pesada) a 7$.
I Caixas de phosphoros de seguranca a 160.
Ditas de papel amizade pautado e liso a 609 rs.
Ditas com 100 anvelopes muito superiores a 800
ris.
Cadecnos de papel branco e de cores, pequeo, a
20 ris.
Cartas e taboadas para meninos a 80 rs.
Caixas com superiores iscas de acender charutos
a 40 rs.
Carreteis de linha Alexandre (200 jardas) de cores
a SOrs.
------------- Baralhos para voltarete multo finos a 240.
Acaba e recener e sua propria eiicoumieuua um grande e vanado sortimento Cartas de alfinetes francezes muito finos a 40 r
de molhados todos primorosamente escolhidos, por isso apressa-se o propietario era Meadas de linha lixa para bordar a 20 rs.
offerecer aos seus freguezes e ao publico em geral a seguinte tabella dos seus gneros e Pares, de saPa,0S de tranca multo superiores a
nSZdS PreCS' aBanCand t0d0 e ua,1uer , Groza de botoes de madreperola muito finos a
Licores francezes e portuguezes das seguin-1 560 rs.
tes marcas creme de violetas, gerofles, ro- i Cart?J.s e caixas de celchetes francezes superiores
sa, absinto vespeiro, amor perfeito amen-; Boanets Jsa'ra meninos muito finos a 1*500 e L
dua amarga, percicot. de Tunn, Botefim, Magos de grampos superiores e limposa 40 rsT
morangos, limSo, caf, laranja, cidra, gin-, Groza de phosphoros do gaz muito novos a 2KK>.
ja, canella, cravo, rlela pimenta a t,ooo ^r?ia Peta mait0 suPerior a 100 rs.
rs a duzia 1 non r* a oirrafa oiranfp o i cJ1,xas de raB com espelho a 100 rs.
rs. a uuza 1,000 rs. a garrata, garante-se. H(,a|ej0S para emre[er meninos a go rs
que e os melhores que temos do no mer-: Pecas de fita de linho muito boas a 40 rs.
cado. 1 Pentes de laco muito bonitos a 1.
dem hvsson o mais superior que se pode Passas muito novas em quartos e inteiros a Enfeiles de la de todas as cores a l300.
desejar a 2,600 e de 8 libras para cima 2,000 rs o quarto, a 6,5oo a caixa e ioo | t&'S^SSSSTVSSi 1
a 2,5oo rs. rs. a libra,
dem menos superior a 2,4oo ede 8-libras
para cima a 2,3oo rs.
dem proprio para negocio a 2,3oo, de 8 li-
bras para cima a 2,2oo.*
dem do Bio em latas de 2, 4,6 e 8 libras
cada urna a 2, 3, 3,5oo e 4,8oo rs. a lata,
dem preto o melhor que se pode desejar
neste genero a 2,800 rs.
dem menos superior a esse que se vende
por, 2 e 2,4oo, a 4,8oo rs. a libra,
dem mais baixobom para negocio a I,.5oo
rs. a libra.
dem miudinho proprio para negocio a l,5oo
rs. a libra.
Queijos do reino chegados neste ultimo va-
por a 2,6oo.
Queijos ghegados no ultimo vapor a 2,6oo rs
dem londrino o mais fresco que se pode
esperar c de excellente marca a 800 rs. a
libra sendo inteiro, c a 9oo rs. a retalho.
dem prato os melhores e mais frescos do
mercado a 76o rs. a libra sendo inteiro.
Biscoitos em latas de 2 libras das seguintes
marcas : Osborne, Crakml, Mixed, Victo-
ria, Pec-nic, Fance, Machine eoutras mui-
tas a l,3oo e i 4oo rs.
Polvos chegados ltimamente do Porto a 32o
rs. a libra.
Btalas novas em caixas de 2 arrobas a o;) a
caixa e 60 rs. a libra*
mazem.
Amendoas confeitadas de 800 rs. a libra.
Manteiga ingleza perfeitamente flor, a 800 rs,
libra,
dem franceza a 56o rs. a libra, e 5oo rs.
sendo em barril.
Cb uxira a 2,7oo rs. a libra, e de 8 libras,
para cima a 2,6oo.
dem perola a 2,800 rs. e de 8 libras para
cima a 2,7oo,
.
Caixas com quatro papis de agulhas imperiaes a
240 rs.
a 320.
i"
bras por 2,ooo; dito em caixoes a 600 rs.
cada um.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Velas de carnauba de 6 e 12 por libra a
32o rs. a libra e lo.ooo rs. a arroba.
Azeitedoce de Lisboa a 61o rs. a garrafa
e 4,8oo a caada.
a ioo rs. a libra
Banha de poico refinada
c 36o rs. em barril.
Capil de diversas frutas muito frescas a
61o rs. a garrafa.
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a graza.
Toucinho de Lisboa muito alto e alvo a
32o rs. a libra e 8,5oo a arroba.
Ameixas francezas em latas de 3 libras por
2,ooo. rs.
Cebollas solas a l.ioo o cento ; ditas em
molhos com cento e tantas por 1,2oo rs.
Malte excellente cha para os navegantes a
a 2oo rs. libras.
Salitre retinado, superior qualidade, vinho Bor-
deaux, differentes qualidades, mais barato que em
qualquer parte : no armazem de E. A. Burle C, ra da Cruz n. 48.
O
O
td
o
1
es
&
s
p
00
g9
B
EL
fe-
p-
O
co
Se
B
S
P
O
00

ar
o
p-
p

Cu
I
P
w
p-
cp
<
1
M
O
P
P-
ce
O
B
p
ai
ca-
ce
POR JIMS UE '20 \ .10 POR CENTO
ZFJI CONSERVATIVO
23-Largo do Terco-23.
Joaquim Simio dos Santos, dono deste armazem de molhados, tem frito urna grande vantagem
qufin seu armazem tem frequentado, liquidou todos os seus gneros mais antigos que linha nao s
neste armazem como tora, e tendo feito urna grande reforma neste estabelecimento tanto em tamanho
como en gneros que mandou vir" por sua propria encommenda a maior parte, que os pode vender por! Mm^nAprinr a Siu m -i parrif-i p 1 nn rs
:iante, para Isso se responsabilisa pela superior qualidade. Idem suPenor a ao rs a garrala fi J,zoo rs.
Balachinha de Craknel em latas de 5 libras
bruto a i,ooo rs.
dem inglezas em barricas a mais nova do
mercado a 2,5oo rs, a barrica c 2lo rs. a
libra.
Chocolate portuguez o mais especial que se
pode desejar a 800 rs. a libra e 14o rs. o
pao.
Ca loes com bolas francezas proprios para
mimos ou para anjos que vo as procis-
ses a 600 rs. cada um.
Papel de botica de excellente qnalidade a
22oo rs. a resma.
Peras seccas as mais novas do mercado a 4oo
rs. a libra.
Figos de comadre em lilas de 4 e 8 libras
lacradas hermticamente a l,4oo e 2,2oo
rs. a lata.
Fruas em calda chegadas ltimamente, pera,
pecego, ginja e outros muitos a 6io rs. a
lata.
dem em caixinhas de 8 libras a 1,800, e
2io rs. a libra.
Nozes muito novas a 120 rs. a libra, e 4,000
rs. a arroba.
Amendoas confeitadas a 800 rs. a libra.
Vinhos engarrafados no Porto e Lisboa das
seguintes marcas: duque, genuino, velho
secco especial, lagrimas doces, vinho es-
pecial D. Pedro V, nctar superior de
1833, duque do Porto de 1834, vinho do
Porto, velho superior, madeira secca. Por-
to superior D. Luiz I, e outras muitas
marcas, m caixa de urna duzia a 10,000 e
l.ooo rs. agarrafa.
dem branco de uva pura a 64o rs. a garra-
fa e 4,ooo a caada.
dem corinthias proprias para podim a 9oo Sabonetes de familia a 80,160 e 320.
rs a libra Caivetes de duas folhas muito finos
*&&&&!&!*"fabricantes de i SBftaataaffft^K os
melhores que tem vindo, e por preco muito barato:
quem quizer ver, venha ra do Queimado ns.
49 e ">.")', e ver tudo como bom e barato.
OS MAIS luliRWMTIIS
tt'imsu pertinaz o 11racao
ESCRFULAS,
O ERUPCES ESCROFULOSAS,
Ulceras de toda a especie.
SYPHILIS, OU MAL VENREO,
TB.IIO RES,
Ebtilli^ocM,
BERTOEJAS,
OPHTHALffiA,
Hydropisia,
Emp:gensT
HERPES,
Mfartros,
ERSIPILAS
BSCORBGTO,
Ti ha.
Lisboa a 04o rs. a libra.
Ervilhas secas muito novas a 16o rs. a libra.
Grao de bico muito novo a 16o rs. a libra.
Ervilhas francezas em latas a 600 rs.
Potes com sal refinado a 48o rs.
Fdmo de chapa americano a l,4oo rs. a libra
fazenda especial.
Presunto para fiambre inglezes a 7oo e 8001
rs. a libra.
Chouricas e paios mnito novos a 64o a libra.
Caixas de traque n. 1 a 8fJ500 cada urna.
Massas para sopa macarro, talharim aletria
a 4oo rs. a libra.
Cognac verdadeiro inglez a 8,5oo rs. a caixa
e 800 rs. a garrafa,
dem francez a 7,ooo rs. a duzia e 7oo rs. a
garrafa.
Charutos em grande quanlidade e de todos os
fabricantes mais a creditados a l.ooo,
2,ooo, 2,ioo, 3,ooo e 4,000 rs. a caixa,
os mais baixos sao dos que por ah se ven
dem a 2,000 e 2,3oo rs.
Caf de premeira qualidade a 8.800 e 9,.'ioo
rs. a arroba.
dem de segunda qualidade a 8,3oo rs. a ar-
roba e2o rs. aiibra.
Arroz do .Maranho a 12ors. a libra, 3,ooo rs.
a arroba.
dem da India muito superior a 2,9oo rs. a
arroba, e loo rs. a libra.
dem mais baixo redondo a 2,Goo rs. a libra.
dem da India comprido a 2,4oo rs. a arro-
ba, e 80 rs. a libra.
Vellas de carnauba do Aracaty a 9,ooo rs. ar-
roba, e 32o rs. a libra.
dem de sebo muito dura lingindo esparmace-
te 36o rs. a libra.
dem de esparmacete a 54o rs. a libra, e em
caixa a oo rs.
Papel o melhor que se pode desejar para os
Srs. empregados pblicos a J>,ooo rs. a res-
ma, j se venden por 7.000 rs.
dem almaco pauladoe liso a 3,ooors. a resma.
dem de peso paulada e liso a 2,000 rs. al
resma.
dem a zul de botica ou fugueteiroa 2,2oo rs.
a resma,
dem embrulho de l,2oo a l,4oo rs. a resma.
Ameixas francezas em latas de 1 '/a libra a
l,2oo e8oors. a libra.

Cu
5
O
o
menos de que qualquer annunciante.
Attentfo.
Batatas as mais novas a l4O0 a arroba e 30 rs. a Queijos do vapor a 28O0.
I Vinho de Figueira, marca JAA, a 500 rs. a gar-
Cu


Fumo imperial
Cortado igual ao francez muito proprio para ca-
diiiiibo, em latas de 1 libra, quando nao seja inc-
itar igual ao americano por 1,5200 rs., para veri-
ficar a verd&de oe Srs. fumantes podem-se dirigir
fabrica vapor de cigarros antiga ra dos Quar-
teis de Polica n. 21.
libra.
Toucinho de Lisboa novo a 280 rs. a libra e 85'00
a arroba.
Caf do Rio de primeira e segunda sorta a 280 e
300 rs. a libra e 8500 a arroba.
Arroz pilado a 80 e 100 rs. a libra e 2oOO e 2300
a arroba.
Sardinba de Nantes novas a 320 rs. cada urna.
Sabao massa superior a 180 e 220 rs. a libra.
Passas as mais novas deste genero a 400 rs. a libra
Ameixas franceza" com 1 e meia libras a 15.
Belachiohas inglezas novas a 240 rs. a libra.
Charutos de diversas marcare superior qualidade
de 1#M0, 1*300, ti, 3* e 4*.
Phosphoros do gaz groza 2*200.
rafa.
Dito de Lisboa a 400 rs.
Dito de outros paizes a 360 rs.
a caada,
dem em pipa Porto, Lisboa e Figueira das
marcas mais "acreditadas a 3,8oo a caada
e Soo rs, a garrafa,
dem de marcas pouco conhecidas a 4oo rs.
a garrafa e 3,ooo rs. a caada.
Dito para negocio a 320 rs. agarrafa e em caada]Especial vinho Lavradio sem a mais pequea
raSnJarZai^uTnn,0i' n.~,__J composico a 560 a garrafa e 4,000 rs. a
Genebra de Hollanda em frasqoeiras a 6*000 e 500 an-,u
rs. o frasco. canaua.
dem em botijas de conta a 400 rs. [ Farinha do Maranho a 240 rs. a libra.
Azeite doce de Lisboa fino a 600 rs. a garrafa, iR,cas caixas com figos a l,ooo rs. cada urna.
Dito de carrapato a 320 rs. a garrafa. R'COS 1V0S com figos 1,000 rs.
Manteiga franceza a 560 rs. a libra, e 540 em' Pomada a 200 rs. a duzia, sevada muito no-
barril, va a 80 rsr a libra, e 2,5oo a arroba.
Dita ingleza flor a 720,800 e 900 rs. a libra, e em Garrafes com 4 '/j garrafas de vinho supe-
barril ha abatimento. ror a 2,5oo rs. com o garrafo.
Fabrica GmceicSo da
Baha.
Andraie & Reg, recebem constante-
mente e tea venda no seu armazem n.
B 31 da ruado Imperador, algodo d'aquel-
la fabrica, prefiri para saceos de assa-
car, embalar aigda empluma te., etc.,
pelo preco mail" razoavel.
Vetas de espermacete de 3 e fi por libra a 540 rs. a
VeSde'carnSl'a3 U#a arroba e 360 a libra. | M^a.de *""* em la,as de libra a rs- cada
Sevadinha e sag muito novo a 240, 260 rs. a l-1 Conservas inglezas, francezas
bra. Garante se a superior qualidade. I o frasco.
AJm destes gneros ha outros muitos que enfadonho seria menciona-los.
er uliav.
e portuguezas a 640
Quem duvidar ve-
Vende-se a taberna da ra i>p0rial D, 193 ;
sratar na mem,
GRANGEIASANJIBLENNORRHAGICAS DE DUNAND
ExJNtiD HOSH^ d PREMIO 1854
6>i|wrjar to4af apr|iara{Se coiilioeM^alhjicoouaai' ooMrt* e U>Brrhm(u> a m ni Inlcmiin rrtljrtii
Bffaiio Ufara e promplo, ta nugat,fm colka. n*m irevor. Fac#is 3 lomur un sefttiio um litmt
Injacpo curativa e preserva ti va
Ir.f.m.t!. cura con tpWti wa il""- <' (cCTiuienl*-' tunt*i/.tos d imbu ju. riorckraaeM. A.!-irir.eei.w (
fetluir.ica un taulUHadt. UtWmt I IfffutneBiM i >' ftttiii* Je 'luifiquer allfratio. f AIIIS, 5, r du Uarck-Sl-Ri-ntr.
dem com 4 '/ dilas de venagre a 1,00o rs. o
garrafo.
Vinagre PRR em ancorelas de 9 caadas a
45,000 rs. com a ancoreta
dem em pipa puro sem o batisrad a 2oo rs.
a garrafa e l,4oo rs. a caada.
i Caixas com 1 duzia da garrafas de vinho Bor-
.deaux fazenda muito especial a 6,800 rs.
a caixa e 7oo rs. a garrafa.
dem em frascos de 3 libras a 2,5oo rs., s o
frasco valle l,ooo rs. tambem temos em
frascos para l,4oo rs.
Conservas inglezas a 800 rs. o frasco.
Mostarda preparada em potes muito nova a
2oo rs.
Latas com 2 a 4 libras de caj secco o mais
bem arranjado possivel a l,8oo e 2,8oo
rs. a lata.
Cerveja Tenente verdadeira a 6,800 rs. a
duzia.
dem de outras marcas preta e branca a 5,5oo
e 6,000 rs. a duzia inteiras.
Vassouras de piassava com 2 arcos de ferro
viudas do Porto a 32o rs.
Cebollas muito novas a l,ooo rs. o molho e
800 rs o cento.
Genebra de Hollonda em frasqueiras a 6,000
e 56o rs. o frasco,
dem em botijas a 4oo rs.
dem em garrafes de 14 garrafas a 5,2oo rs.
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a groza e 2o rs. a
caixa.
dem de dentes lixados em macos grandes
com 2o rs. o macinhos a 12o rs. e masso.
Cominhos muito novos a 32o rs. a libra e
10,000 a arroba.
Sag muito novo a 24o rs. a libra.
Cevadinha de Franca a 18o rs. a libra.
Milho alpista a 14o rs. a libra e 4,5oe rs. a da Madre de Dos.
arroba.
Gomma a 28o rs. a libra e 5,4oo a arroba.
Peixcs em latas a 1,00o rs. a lata j prompto
a comer-se.
Farello de Lisboa marca N. e Biato saceos
grandes a 4,000 rs.
OKAGAS ANTIGS,
Rheurrtatisma Ch.roqtco,,
DEBILIDAD]- GERAL,
Nmosidade, Nerralgias,
FALTA DE PPETITE. F.iSTIO,
SPPRESSO DAS REGRA.S, ou
AMENORRHEA,
Itctiiicao das l"rinas,
e.uacia<;o,
Ou eiHMriffY-cii/ic)il& gem do corpo, prore-
ttiente do estado vicioso do sanmte,
IRFLMACES CHBONICAS,
Affec9des Chrouicas do Figado,
Assim como todas as mais simii.iiamks mo-
lestias, I'K1.N'II'AI.MKNTK (CANDO A0
AL8A0AS, OL' l'KODl'ZIDAB Pt.LO SIl'I
LivisB i>o no Mkiici'iiio ol"
Qcim.vo,
Aliu rama Inuibrm pelo lirqnrinc ama lo AK-
*KMfO r eiliu i.rr|mrii..r MlMrrara i
Todas estas Eufenoidades prompta e efcas.
mente cedem A benfica, poderosa e
purificantes qualidades da mui
justamente afamada
XILS.IP.IRIIIIJ1 DE BIlKflIL
A venda as boticas de Caors & Barboza,
ra da Cruz, e Joo da C. Bravo C, ru
Bichas hamburguezas.
Vendem-se bichas de primeira qualidade : na
ra Nova n. 61, defronte da Illma. cmara muni-
cipal.
Vendem-se charutos da imperial fabrica de-
. S. Flix na Baha, de Candido Jorge Ferreira da
Doce da casca da goiaba a 600 e I,OOO rs. O C^, das-seguintesmarcas : regalaimperial.apra-
caixSo. sive's' ypirangas e suspiros etc. etc recebidos de
1 conta propria : roga-se as pessoas que sabein apre-
O propr'tetario do grande armazem Unio e Commercio declara aos seos fregu ciar mie ba fumaca de prevenir-se antes quo
ze e amigos ao publico em geral, que para facilitar a commodidade de todos estipulou ^Sp"^^ a ftS^iSKT'
os mesmos precos nos seguintes lugares:
Uniao e Oominercio ra do Queimado n. 7.
pasito gerai n perwunboc ka da cruz n. 22 de emeasacaros Barboza. I O Verdadeiro Principal ra do. Imperador n. 40.
Farinha de milho a 100 rs. a libra.'
A mais fina e nova do mercado : vende-se na
padar'ia de A. F. da Silva Beir, ra dos Pires nu-
mero 41
i

ti
i




I
-v*~

-
r
x -*
*&** #fcJWIIP*W*T- *eauaOa IcL* 8 *x lgU 4c 1SC4.
X
---------
^ffli^ re* i
C'LitKIM
ifaix
Ti
RA DO
QUEIM
Passando o becco da Congrega^ao .segunda casa.
M

NOVIDADE.
Perera Rocha 4 C. acabam de abrir na ra do Qneimado n.' 45 rnn armazem de molhados denominado Claiim CommerciaL
ond o respeitavel publico encontrar empreum completo sortimento dos melhores gneros que vem ao nosso mercado, oaquaei
aerSo vendidos por prccos muito resumidos como o respeitavel publico ver- pela tabella abaixo mencionada ; garante-s o bom pe
e boa qualidade dos gneros comprados neste armaiem. %
Arroz do Maranho, da India e Java a 60, 80 Cevadinha de Franca muito superior a 220 [ Peras seccas muito novas a 600 rs. aHibr3'
e 400 rs. a libra e 1*800 a 2*600 e.30 rs. a libra.
a arroba. Cevada a O rs. a libra,
^meixas francezas em latas e em frascos a Ervilhas portuguesas a 640 rs. a lata.
10200 e 1*600 emfrascos grandes a dem seccas muito novas a 200 rs. a libra.
23900, Figos de comadre e do Douro em caixinhas
dem era caixinhas elegantemente enfeitadas i __de oito libras e canastrinhas de 1 arroba a
com ricas estampas nointerior das caixas i 1*800', 5*500 e 280 rs. a libra.
a 12)0000, f*400, 1*600 e 2*. I Farinba do Maranho a 160 rs. a libra.
Araendoas com casca muito novas a 280 rs. Farinba de trigo a 120 rs. a libra.
a libra. Genebra de Hollanda verdadeira marca VD
.-Mpista a 160 rs. a libra e a 4*600 a arroba, i a 560 rs. o frasco e 6*200 a frasqueira.
Azeite doce francs muito no em garrafas dem emgarrafoes de 3 e 5 galoes a 5*500
grandes a 960 rs. a garrafa. | e 7*500 cada um com o garrafo.
dem de Lisboa a 640 rs. a garrafa. Graixa a 100 rs. a lata e 1*100 rs. a duzia.
Araruta verdaeira de mataraua a 320 rs. a Licores muito finos a 700 rs. a garrafa.
Painco a 200 rs. a libra.
Polvo secco muito novo a 400 rsj'a libra.
Presuntos de Lamego em calda de azeite e
muito novo a 640rs.
Queijos flamengos do ultimo vapor a 2*800
dem prato.
dem londrino chegado no ullimo vapor e
900 rs. a libra.
Sal refinado em frascas de vldro a 600 rs.
cada um.
Sardinhas de Nantes a 360 rs.
Sag muito alvo e novo a 260 rs. a libra.
Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tjo los de limpar facas a 140rs.
lib
libra.
Aveinas mu-itc grandes e novas a 180 rs. a
libra.
Biscoutos inglezes de diversas arcas a
1*300 ris. T
Bolachintoas de soda, latas grandes, a 2* rs.
a lata.
Ditas inglesas muito novas a 3*000 a barri-
quinha e a 200 rs. a libra.
Banba de porcor eGnada a 440 rs. a libra e
eembarrila 410 rs.
Vellas de carnauba pura a 360 rs. a DDra.
dem, qualidade especial e garrafas muito dem stearinas muito superiores a 600 rs. a
grandes, a 1*800rs. agarrafa.
dem garrafas mais pequeas a 800 rs.
dem, garrafa forma de pera e rolha de vi-
^-dro, a 1*000 rs., s a garrafa vale-o di-
nheiro.
Manteiga ingleza perfeitamente flor, desem-
barcada de pouco a 900 rs. a libra, e da
de segunda qualidade a 800 rs.
dem franceza muito nova a 640 rs. a libra.
| dem de tempero a 400 rs.
Coi hvssoD, huchin e perc4a a 1*600, Massa de tomates em barril a 480 rs. a libra.
2*800, 2*809 e 3*000 a libra. dem em lata a 640 rs.
dem preto muito superior a 2*000 a libra. Marmelada imperial dos melhores conservei-
Gervcja preta e branca, das memores marcas | ros de Lisboa a 600 rs. a lata.
.'iuc vem ao mercado, a 500 rs. a garrafa Marrasquinbo de Zara, frascos grandes, a
-, 5*800 a duzia. 800 rs.
Cognac inglez fino a 900 rs. a garrafa. dem regular a 500 rs.
, Conservas a 720 rs. o frasco. Massas finas para sopa: estrellinha, pevide,
dem, s de pepino, a 720 rs. rodinhas e letr'anbas a 600 rs. a libra e a
> dem, s de azeitonas, a 750 rs. 4* a caixinlia com 12 libras.
Charutos dos melhores fabricantes da Baha Nozes muito novas a 160 rs. a libra.
e especialmente da fabrica imperial de Peixe em latas preparado pela primeira arte
Candido Ferreira Jorge da Costa, a 1*800,! de cozinha a 1* rs. a lata.
2*000, 2*200, 2*509, 2*800, 3*000 e Palitos de dentes a 160 rs. o masso.
3*500 a caixa. Palitos de dentes a 120 rs.
Caf do Bk) nfuito superior a 280 e 320 dem de flor a 200 rs.
rs. a libra e 8*500. e 8*800 rs. a arroba.! Amendoas confeitadas a 900 rs. a libra.
Cartes de bolinhos francezes muito novos e [ Doce de goiaba em latas o melhor possivel a
muito bem enfeiladosa 700 e 600'rs. 2* e em caixo a 640 rs.
Chouricas e patos muito novos a 800 rs. a Palitos do gaz a 2*200 rs. a grosa.
libra. iPassas muito novas a 480 rs. a libra.
libra.
Figos em caixinhas ermeticamente lacradas
a 1*600.
Vinho do Porto engarrafado Q melhor que
ha neste genero e de varias marcas, como
sejam: Velho de 1815, Duque do Porto,
Madejra, D. Pedro, D. Loiz I, Maria Pia,
Bocage, Ctamisso e outros a 800, 900 e
1*000 a garrafa, e em caixa com urna du-
zia a 900O e10*000.
dem em pipa, Porto, Lisba e Figueira a
480, 500 e 560 rs. a garrafa e.3*, 3*500
e 4* a caada.
dem branco de Lisboa muito fino a 506 rs.
a garrafa.
SENTIDO!
J
VAI FALLAR
iia do Linimiento N..- 3
(Defirontc das grade da Igs-eja)
O \ gilante esta alarla, nao Ihe era permettido
deixar passar desapcrcebido sera que nao dsse o
seu caoto afini de annunciar ao respeitavel pblico
o grande sorlimenlo de galanteras do melhor gosto
propiamente para qaalqucr mimo, que acaba de
chegar nesle ullimo paquete, assim como muitos
"outros objertos que recebe por diversos navios,
tanto de sua conta como de consignadlo, que est
resolvido a vender por prccos muito baratos para
vender mullo e ganhar pouco, e dar extraccao ao
grande deposito que tem, que espera merecer a
proteeco do respeitavel publico, empregando para
isso'todas e as melhores diligencias para que fi-
ouem satisfeitos : isto s no (Jallo Vigilante, roa
do Crespn. 7.
Ricas porla-jiiias.
Cofre de muito gasto por I65OOO
Cestinhas transparentes, forradas de madre-
perola por 185000
L mdBs jardineiras 105000
Ricos cofres com camapheu 105000
Lindas caixinhas com pedras brancas 105000
Lindo balo com calunga dentro tambem
parajoias 165000
Tambalier para ditas 9,5000
Cestinhas dem dem 65000
Cosmorama idem idem 65000
Urnazinha 65000
S no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Ricos porta-bouqueles de diversos gostos e pre-
cos : s no Vigilante, ra do Crespo n: 7.
Ricos sintos
com bolcinhas. ao lado a 10, 12 e 155, ditos sem
bolga, porm do mesmo gosto, a 25500, 35, 35500
e 45, ricas flvelas avulsas para sintos, o melhor
que se pode encontrar^ a 15500, 25, 25500 e 35 :
s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Gabazos on cestinhas.
At que chegaram as desejadas cestinhas ou ca-1
bazes para as meninas trazerem no braco, o mais:
rico possivel, a 25500, 35500, 4, 5, 7 e 10J : s
no Vigilante, rna do Crespo n. 7.
Pentes.
Vf 1CU t DE1KO E l-ltl\ 11Ali
Ordeni do dia.
Est em discuss5o a tabella dos procos que o BALIZA tcm a honra de offere-
cer ao respeitavel publico tanto da'cidadc cono do centro. .
Se por esta publicacaa qualquer um dos nobres collegas entender nccessario
fazer alguma alteracao em seus annuncios, dignc-se mandar a sua emenda para o jornal,
que o incansavel Baliza nao lhe pon peias nem o embaracara" de forma alguma a benefi-
ciar o povo.
Amigo de vender barato o Baliza nio expoe a venda senao os gneros bons.
Elle se julga no caso de vender tilo mdicamente como oulro nio o exceder



Soldado sopnulor toma o clarim
E firme como a rocha fica assim

Nao toques uesse pessimo instrumento
Do Balisa olha s o movimento.
l'] t que dos mitrados tens as coras
De tildo vendedor de proprfa conta
\o pasmes vendo como sobranceiro
Do regresso o Balisa a ira affronta.

Neste artigo lera um grande sortimento; tonto
' para alisar como para atar cabello, o mais lindo
que se pode desejar, assim como de arregacar ca- Amendoas confeitadas em lindos frascos a 800
bello, tanto de borracha como de tartaruga, com rs, 3 |jDra
O grande depesiio que temos' de vinho nos obliga a abaixar seus preces,
achando-se vista dos compradores cerca de 35 a 40 pipas desle genero, entre pipa?,
barris e ancoretas.
dem de Bordeaux, Medoc e S. Julfen a 700 ; e*m elle ^ara mentnas: s no Vigilante, ,dem' com ma a 32o r5 a ,bra
e 800 rs. a garrafa, e 7)5000 e 7,5500 rs. |
a duzia.
Crespo
Penles
Tambem chegaram os riquissimos pentes de
demMorgauxeChateanluminide 1854, a if Sfcrf3K*SSSWSSJS
a garrafa. | por 25, 3 e 55 : s no Vigilante, ra do Crespo
dem moscatel a 800 rs. a garrafa.
Vinagre de Lisboa a 200 rs, a garrafa e
1#200 rs. a caada.
Kirsk garrafas muito grandes a 1)5800 rs.
Alm dos gneros cima mencionados te-
mos grande porraq de outros que deixamos
de mencionar, e que tudo ser vendido por
pecas e carnadas, tanto em porcoes como a
retalho.
Ameixas francezas em caixinhas e frascos a
l,2oo, l,5ooe 2,ooo rs.
Alpista a IGo rs. a libra e i,6oo a arroba.
Arroz do Maranho, Java e do Pencdo a 80,
loo e 12o rs. a libra, em arroba a2,ooo,
2,8oo e 3,2oo.
800 e loo rs. a gar-
de trabalhar i mo para
descarocar algodo
FABRICABAS
Por Plant Brothers & C.
OLDAM
Estas machinas
podemdesearocar
qaalqaer especie
|de algodae sem
'estragar o lio,
1 sendo bastante
duaspessoaspara
0 lra-albo : pode
descarojar urna
arroba de algo-
do em caroco
em 40 minutos,
ou 18 arrobas
por diaou 5 ar-
robas de algodo
kmpo.
Esta machina
a nica que
possHeas vantagens de nao destruir o fio do al-
gudSo de fazer render o dobro de qualquer ou-
traco menos trabaIho, a sua introduc^-ao para
as provincias desie impeno ser de muito valor
para lodos os interessados na lavoura do paiz.
Assim com machinas em ponto grande do mes-
mo pyslema.oraql serem movidas por animaes,
aguau vapor, pas uaes podem descarocar 18 ar-
robas de algodo ampo por dia.
O agodo desearocado por estas machinas tem
muito mais estimaciio nos mereados de Europa e
vende-6e|>or maiorpreco.
As maclaas se acham venda unicamenie em
casa de
Saunders Brothers & C.
V II, praca do Corpo Manto
RECIPE.
Os nicos agentes neste paiz.
Farfulla de mandioca superior
em saceos grandes: vende Antonio Luiz de Olivei-
ra Azevedo 4 C, no seu escriptorio ra da Cruz
numero 1.
Xovos enfeites para senhora.
A aguia-branca acaba de receber um bello e va-
riado sortimento de enfeites de diversas qualidades,
e o que de mais moderno possivel encontrar-se
aqui, fazendo-se nota veis por suas novidade e ele-
paacia uns, cuja grade de um fino e delicado te-
cido a que apropriadamente se chama invisivel.
Assim, vista desse completo sortimento, qualquer
cidadao munido de dinheiro est habilitado a com-
pra-tos : na ra do Queimado, loia d'aguia-branca
n. 8.
Capachos inglezes.
Na luja da aguia branca, ra do Queimado n. 8
vendem-se bons capachos inglezes, os quaes alm
de beoitos sao de. inmensa duraco,-pelo que se
tornara baratos pelos preros de 45, 55, 65 e 75
cada um.
Cartas francezas.
A aguia branca, na ra do Queimado n. 8, rece-
beu um novo sortimento de linas cartas francezas
com beiras douradas e brancas, e as est venden-
do baratamente a dinheiro vista.
Bonitas bonecas.
Com rosto de cera, massa e porte llana.
Acha-se na loja d'aguia-branca ra do Queima-
do n. 8, um grande sortimento de bonecas de di-
versos tamanho, com rosto de cera, "massa e por-
cellana os pretendentes munidos de dinheiro
acbaro boa disposico para os vender.
SAPATOS DE Bl'RRACHA
a I^OOO, I500 e 9^500 o par
na roa do Queimado loja d' Aguia- Branca n. 8.
Vanse alpaca preta a 500 rs. covadt.
Venderse alpaca preta para vestidos a 500, 600,
700 e 806 rs., fina de cordao a 800 rs. para pale-
to!, prinreza preta a 800 e 640 o covado, bombazi-
na prta fina a 15400 o covado, lazinhas preta
para senhora que estSo de lato a 730 o covado :
na ra da Impera triz n. 56. A loja est aberta at
s 9 horas da nolte.
di
Banha fina em copos de por-
celana dourada com ins-
cripcoes.
j bem conhecida pela boa freguezia d'aguia
branca a superioridade da banha que vem nos co-
pos de porcelana dourada oom maviosas e jocose-
rias inscripcoes, as quaes agora vieram de novo
, gosto, pelo que essa fina banha pode anda ser
mais conhecida por aquelles que quizerem fazer
um bom presente, com unto que compareeam mu-
nidos de lUulieiro na ra do Queimado, loja J'aguia
qranca n. 8.
nveiopcs bordados e carlees com bei-
ras douradar
Na Inja da aguia branca, toa j Quintado n. 8,
acbavam-se venda bonitos cn>.vjpes bordados e
cartees com beiras douradas, ido de uns e de
outros, usaiores e menores, proprios para partici-
pacoes ie casamentos, bailes etc.
Completo sortimento de filas
finas, lisas e lavradas.
A apuia branca recebeu um grande e completo
sortimento de litas de diversas larguras e qnalida-j propicias para saia a 45-
des, tanto lisas como lavradas, e em todas ellas co- Algodo entestado com 7 I [i palmos
nhece-se a superioridade da fazenda, notando-seja 15100 a vara.
numero 7.
Leqaes.
Riquissimos leques de madreperola. tanto para iypi'fi senhora como para mocinhas, pelo barato preeo de U0Ce reaao a
12 e 145 : s no Vigilante, ra do Crespo n. 7. ., ra.\
Mais leques Illem ldem em ,arr'1 a "io re" a arraa e
Com pequeo defeito, leques de sndalo, por ba- 48O BS. a caada,
rato prego, a 85 e 105, chineze, muito bonitos, Ancoras com vinho do Porto, encommenda
tambem por barato prego de 4 e 55, bentarallaa 1
muito bonitas tambem por barato prego de 4 e 55,! rg a ancora com 7o "arrafas
r ^TtZ^jrVS000 para cima tejss&stastf; svfyc Bia^iniias dc uMa-rngleza an!>e,icanas
ra o abate de 5 por cento. te> rua'd,0 Crespo n. 7 em ialas a j >4oo> | j00 2>000 e 3j000 rs.
--------------------------------------------------Pulseiras. o americanas em barricas a 3,ooo rs. a
/Vi nrmitTpm fh farpndnx /in-i jindas pulseiras de comas e de missanga, cores! barrica.
nu uimux.ua ur, u~vnuub uu muito lindas e de muito gosto a 15 e 1*200. Banba de porco a 4oors. a libra e em barril,
ratas (le SantOS Coclho ra Para segurar manguilos. a 3Go rs.
Tambem chegaram as liguinhns cstreitinhas de Raalas em triaos a i 5oo o e\o
borracha que as senhoras tanto precisara para se- "^ Z,,"u !TLi ..' n bra
Liogoas americanas muito novase muilo gran-
des a 1,000 rs. cada urna.
Linguicas promptasem latas a l,5oo cada iata.
Matefga ingleza llor a 800 rs. a libra neste
genero ha mais de 10 baris ahertos afim de
serem satifeilos os compradores.
dem menos superior a Gio rs.
Manteiga ingleza a 000, ioo e 32o rs. a libra.
dem franceza a Go, Goo e Gio rs. e em bar-
ril por menos.
Massa de tomate a G4o rs. a libra.
Marmelada dos melhores fabricantes a Co
rs. a libra.
o Queimado n. 19
Vende-se o seguint:
ATTMgAO.
Ricas lazinhas para vestido, fazenda a melhor
que tem vindo ao mercado, tanto em gosto como
em qualidade pelo baratissimo preeo de 560 rs.
o covado.
Lazinlias miudinhas carmezins proprias para
vestidos de meninas e camisinnas a CiO rs. o co-
vado.
Cortes de laa cora 15 covados pelo
de 65-
Cobertas de chita da India a 25500 e 35-
Cha
em gigos
, gurar os manguitos por ser muito commodo e mui- ^"a PCOla a 3,000 rs. a
to barato, a 320 o par : s no Vigilante, ra do dem lixim a 2,6oo e 2,8oo a libra.
: CresP n- 7- dem hysson a 2,ooo, 2,4oo e 2,8oo. a
. Canelas. i,|em do Rio a l,6oo rs. a libra.
simas carretas de madreperola proprias Mem preto a r>00 e 2 000 rs. a iihra.
pelo baratissimo preeo de; charutos d,s melhores fabricantes da Baha
para qualquer presente,
15500 e 25.
Yoltiuhas.
Lindas voltinhas de perolas falsas com cruzinhas
,,. ,rA/1 fingindo brilhantes, assim como cruzinhas avulsas:
oaraio prego : e voltinhas pelo barato prego de 15 e 15200, as Chocolate dos melhores fabricantes .Je Pars,
Cres^ mU7.SSS '' S n ^^^ Ta!{ d I Allemanha. Hamburo o Lisboa
Mdllios inglezes a 4oo e Gio rs. a garraflnha.
feita pelo proprielario do Baliza a 3o,ooo; Mostarda preparada a ioo e Gio rs. u frasco.
' .Massas para sopa a ioo rs. a libra das de ta-
lliarm, alelria e macarro.
dem linas estrellinha e pevide a 3,ooo rs. a
caixa.
Milbo miudo para passaros a IGo rs. rTbra-
e 4,8oo a arroba.
Marrasquino do zara doverdadeiro a l,Sooo
frasco,
dem menos superior a 800 e l,ooo rs. o
fiasco.
Nozes a 2o rs, a libra.
Prezunlo porluguez de superior qualidade a
Gio rs. a libra e inero por 000 rs.
libra.
)s uos memores taniicanies 1
e Ro de Janeiro a 800 rs. e 1,500, 2,ooo,
2,ioo, 3,ooo, 3,3oo, 4,000 e ,ooo rs. o
cento.
dem ingle/, para fiambre a o rs. a libra,
nio agradando mesmo depois de prepai ado,
peder ser devolvido, (pie se trocar per
ouo ou ser restituido seu' importe.
Passas novas a ioo rs. a libra.
Polvo a IGo rs. a libra.
Lengesde panno de linhua 2,5 e 255ti0. "sanatinhos e meia l**A% Copos lapidados para vinho a 2,8oo a duzia. jPamco a IGo rs. a libra.
Pecas de cambraia de forro COm 8 ll2 varas a; .*m*'"' ru"- Mam iilom n-jri imu > > nnn ? ''r\no 15 nnn Pum-uh 1 ^n re i ilnvil
3*200 Riquissimos sapatmhosde seda e de merino en- lllpl" uiem Paia dolia ao,ooo, >,-oot o,ooo 1 omaiiu ,1 10 r. .1 uuza.
Toahasalcochoadas proprias para raaos a 55 a, *!!** asim.c?mo meiaszinhas de _seda, gorra- rs. a duzia. I l'imenla do reino a 3Go rs. a libra.
duzia.
Ricos cortes de
185000.
Pegas de platilhas de
s proprias para maos a 55 a
aa com barra a Maria Pia a
algodo com 10 varas
de largura
as lavradas o bom gosto dos novos e lindos dese-
nhos, isso tanto as matisadas como as brancas,
c pea commodidade dos pregos o pretndeme que
se dirigir munido de dinheiro ra do Queimado
loja da aguia branca n. 8, ser bem servido.
Latas com banha fina.
Ja por diversas vetes a aguia branca tem rece
bido dessa banha fina em latas, e tal tem sido a
prompta e rpida extraccao delta, que nao tem da-
do lugar a aguia branca avisar a sua boa fregu
zia, pelo que talvez a maior parle della s agora
saben da vinda dessa boa banha. Ella vem em
latas de 1|2 e t libra, e contina a ser vendida pe-
los baratissimos precos de 25 e 35000. Apar da
superioridade da qualidade della estao os agrada
veis e finos cheiros de rosa, jasmim, laraoja, bou-
quet, e flor de Italia. A boa freguezia assim scien-
te dirigir-so com dinheiro ra do Queimado,
loja d'aguia branca n. 8.
toldes de eornalina
e outras qualidades para coletes
A Aguia branca acaba de receber um novo e
variado sortimento daquelles apreciados botes de
cornalina brancos e encarnados, chatos e redon-
dos para coletes, cujas abotuaduras continuam a
ser vendidas pelo commodo e inalteravel prego de
25 cada urna.
Alm desses recebeu tambem outros de madre-
perola, massa e osso, com differentes moldes para
o mesmo tim.
J se v, pois, que o pretndeme munido do di.
oheiro achara sortimento vontade na ra do
Queimado loja d'Aguia branca n. 8.
BALSIMIOS K CAIXINHAS
com perfumarlas.
Na roa do Queimado n. 8 loja d'Agua-Branra, os
freguezes munidos de dinheiro encontrarlo, boni-
tos bausinhos cobertos de couro e com 6 frasqui-
unos de extractos por 15500 cada um, e outros
cobertos de papelo com 9 frasquinhos por 25000
nm; caixinhas com 6 frasquinhos de diios por1
15000 urna, outras com 12 ditos por 25000 urna,
outras com 3 ditas cuja coberta parece tartaruga,
a 15500 cada urna, e outras com paslhasde (hui-
ro a 500, 15000 c 25000.
A.GBNCIA
FMCQ DE L0W-M00H.
Ra da Sf alia nota n. 42.
Neste estabelecimento contina a haver
um completo sortimento de moendas e meiai
moendas para engenho, machinas de vapor
e tachas de ferro batido e coado, de todos o
tamanhos para ditos.
Esleir da India propria para forro de sala de
4, 5 e 6 palmos de largura por menos prego do
que em outra qualquer parte.
Neste armazem tambera se encontrar um gran-
de sortimento dc roupas feitas e por medida.
CflOO>02S'H2
zinhas e touquinhas para as criancinhas s'bapti-' Cerveia das melhores marcas a l.ooo, 5,000! Peras seccas a Gio rs. a libra,
surera : so no Vigilante, ra do Crespo n. 7. e 6ooo rs a duzia j Pcix0 em I;as a ,000 rg< lala
"0'ln',as* Travo canella c cominhos. Papel almasso e de peso, de diversas
to STiP^Sm TT-it0S- mf0TJ,s- Ceblas em mollios resteas e soltas. lidades c preros deferentes.
10 possivel, a 2#, 25000 e 35: so no vigilante, /.
a do Crespo n. 7. Conservas m
qua-
rua
Enfeites para senhora. frasco.
Riquissimos enfeites com lago e sem laco e de | Dillas francezas a 5oo e 64o rs. O frasco,
outros muitos gostos a 15L15500 e 35 : s no Vi-. Cognac inglez e francez a 1,000 rs. a garrafa.
Caf de 1.a, 2.a e 3 a qualidade a 8Soo 9,ooo
e 9,5oo rs.
iglezasa 8oo, 9oo e l,ooo rs. o Palitos do gaz a 2,2oo a groza.
gialnte, ra do Crespo n. 7.
Trancelins.
Charutos de Havana
de superior qualidade vendem-se em casa
de Scbafleitlin & C., rus da Cruz n. 42.

1
1|
g-I
"I
CD-
ta
3 STETo.3 3 s-.
-i
63
a
-. OS
o.c'S.
o
=r n
2^3-8?

ja
r a
(O
M
as
US
o
o
CO CD
5 CnK
< O 0"= SOS
a 5 n -?aT w
8 B. S e bj
S'-'S'S 2. =.3
S 8
__ a. os
2 o M s -
q v -. a. a
o o.as"o*2
o
co

(D
O
CD
3
EL
" Q,S
3
O
erg
a m

Lindos trancelins de cabello para relogio ou lu- rvva.lnlia rloVranra t 91n r* a lihn
netas, pelo baratissimo preeo de 15500, ditos de ^3dinlia ^ ^"'^d ^ilT t*
retroz a 200 rs. ., Champagne de muito boa qualidade a 12,ooo
Babadinhos enlremcies. e 2o;000 rs-a d,,zia- ,
Riquissimos babadinhos entremeios com lindos Doces da casca da goiaba em latas preparadas
desenhos tapados e transparentes, pelo baratissimo: com muito aceio. propria para memoziar
4? o 0
8
B S
2 S I.

as
as
.R3
o
& o
"1 CC Sr
aj co
O
09
lfJ
o g "
ocS
as 1
|
2 B1
preeo de 15200, 15500, 25 e 35 : s no Vigilante,
ra do Crespo n. 7.
Cascarrilhas.
Grande sortimento de_ rasrarrilhas de diversas
I larguras, assim como (falaozinho e trancinhas pro-
1 prias para enfeites : s no Vigilante, ra do Cres-! rs- catxao.
^1 po n. 7. i Ervilhas portuguezas em latas com 1 '/i li-
I!',!,S bras por 7oo rs.
algum amigo na Europa, por ser inaltera-
vel por mais de um anno, a 3,ooo rs. a lata
com 7 libras.
Dillos em caxQes a 56o, 6io, 8oo c l,ooo
9
srp- =
3
3
o
r-
CD
co
CD

3
3
2







Empreza dailluminago

Grande sortimento de filas de diversas larguras, dem francezas em latas a ooo rs.
e qualidade, por precos que admiram aos compra-: Mpm oprri< ., q^n rs a lihn
dores, havendo fitas largas proprias para sinteiros , ; que se pode vender a 300 rs. a vara, e "peca de 3 Espermaccte americano primeira qualidade a
varas a 25 : s no Vigilante, ra do Crespn. 7.1 1.2oo rs. a libra.
.- J*,'*8 de ,'*a* dem francez a 56o rs. a libra, e em caixas
i ritas de laa de todas as qualidades, proprias para < a c>n ra
1 debrum de vestido a 700 rs. a peca : s no Vigi-1
i lante, roa do Crespo n. 7. Farinba d'araruta verdadeira a 18o rs. a libra.
Reos espelhos, Farinba de trigo a 12o, 14o e 16o rs a libra.
Riquissimos espelhos com moldura dourada e'Farinba de milho a 16o rs. a libra.
1 EEA^ft l0,,!a,e.14*I assil".c?,m ?< Figos em caixinhas e em latas lindanmente
raninas de differentes tamanhos a 2A, J, i, 5e65:; B t i o __,i.
s no Vigilante,rua de Crespo n. 7/ enfetladas a 8oo e 1,500 cada um.
Lindos jarros e ligaras. Fumo americano em latas para cigarros a
Riquissimos jarros e figuras de porcelana fina i 1,800 rs.
para .afeite de sala, sendo o melhor gosto que aqui dem em pacotes a 200 rs.
tem apparecido : s no VfeUaate. ,dem em pasta 2oo- rs a ,bra#
Riquissimo8 vso^on, bonefa'paa pos de ar- f fnebra **+ a J'00? rS" f,'aSC0- .
roz, cousa de muito gosto a 15500 e 25, assim co- I(,em ingleza marca Galo a I ,ooo rs. a garrafa.
mo pacotes s com os pos a 320 rs. cada um : s, dem de Hollanda a 6lo e 1,6oo rs. o frasco
pequeo e grande.
<* no VigJante, ra do Crespo n. 7.
Htttt?w3tt'tihR\ r Pe,r!,,TP,,a8-| IdemdelIamburgo,a56ors.ofi-aseoc6,ooo
ipor escripio aanuo o nome, moraaa, data, etc.;,, Grande sortimento de extractos e banhas, poma-1 tmemui*
devem ser futas no armazem da ra do Imperador das assim ^^ os |indos copos 9Q va?os ^ dis. rs. a li asqnen a.
n. 31. Os machimstas mandados par atlendera tnctivos e offerecjoientos s smhaiinhas, dos me- Graixa em latas a I,2oo rs. a duzia.
estas,jipresenlarao umi hvro que os reclamantes | |hores e mas afamados autores de Paris o Ingla- Limonadas de diversas fructasa 1,000 rs. a
deverao assignar logo depois de prompto o servio lerra assjm ^^ ^ grandes copos de banha lapo-1 carrafa
reclamado ; isto para que a empreza fique sciente neza a 25 e a 15 assim como outros ohjectos que', *wT ;* iP7P< P fran.WP, n I onn I Hno
de haverem os mesmos sniores sido devidamen- ao possivel por boje annunciar, e a vista dos, Ucor,es' in8,ezese anceze a
freguezes se far todo negocio : na loja do Gallo
Vigilante, ra do Crespo n. 7.
te allendidos.
Kua da Senzalla n. 42.
Vende-se, em casa de S. P. Johnston & C ,
sellins e siUiSes inglezes, candieiros e casti-
e 2,ooo rs. garrafas grandes e pequeas.
dem pata dentes a 8o, 16o e 2io rs. o ma-
co com vnte macinhos.
Gueijos flamengos a 2,6oo, do ultimo vapor.
dem prato aji'to rs. a libra.
dem londrino a 8oo rs. a libra.
Rap Mearon a l.ooo rs. a libra.
Sevadinha a 2o rs. a libra. (6 nova).
Sag a 28o rs. a libra.
Sardinhas de Nantes a 6io, 56o e 36o rs. a
lata,
Sahao massa a 12o, 19o, 2oo e 2io rs. a ii-
bra.
c em caxes por muito menos.
Sal refinada a 6oo rs. o pote de vidro.
Toucinho de Lisboa, de Santos e americana
a 16o, 2io.e 32o rs. a libra, e em ancha
a 5,ooo, 7,ooo e 9,ooo rs.
Tijollo para limpar facas a IGo rs. cada um.
Vinho do Porto em ranadas a 3,5oo, 4.000 e
5,ooo rs. e em ancoras rom 7ogarrafas, por
3o,ooo rs.
dem de Lisboa sem confciccao, (deencomen-
da) por 5o,ooo rs. o barril com 17 cana-
das.
dem de Lisboa mais baixo a 15,ooo rs.
dem em pipas a 3,ooo, 3,5oo e i.ooo rs. a
caada.
dem em barril de Bordeaux com 13o gar-
rafas por 5o,ooo rs.
dem idem de Bordeaux com 70 garrafas por
3o, ooo
dem em caixas por 5,ooo rs. a caixa com 12
garrafas da melhor qualidade que vem ao
nosso mercado.
Vinho branco para missa de Lisboa e Porto
em pipa, barril e ancoras a 4,ooo e S.ooo
rs. a caada. "
Vinagre de Lisboa, Porto, tinto e branco a
l,6oo e 2,ooo rs. a caada
dem em ancoras por 16,ooo rs.
Velas eslearlnas a 56o rs. o maco, e em cai-
xas a 52o rs.
Vassouras americanas a Gio rs. urna.
Arados americanos e machinas para i f T) \ \ 4 TVT Q7
lavar roupa: em casa de S. P. Johnston 4 C.,! vende-se a^rda^eirraa 'imtifz
caes bronzeados, lonas inglezas, fio de vela, roa da Senzalla Nova n. 42. ^JSro de j a!KSnoB nTS
chicotes para carros e montara, arreios para,--------------._u. A, ..........._------------- numero 26.
n. 97 oo
da Cruz
onro patente inglez.____________________!
Charutos da Havana.
Vende-se superiores charutos da Havana-em ca-
sa de Rabe Schmettau & C.: ra da Cadeia n. 18.
Sebo las
j eer Antonio Luiz de 01 iveira Azevedo & C, no seo
escriptorio roa da Cruz n. i.---------------------- na escadinha daalfendega n.3 araiaiem daviuva
Vende-se a casa terrea da ra da Roda n. de Paula Lopes, a 500 e 800 rs. o cento 111 che-
36 : a tratar na mesma. J guem-se em quauto se. nao acaba.
Casa.
Vende-se urna pequea casa terrea sita na raa
da Bica dos quatro cantos em Olinda : a tratar na
ra da Senzalla Velha n. 96, padaria.
Vende-se nm sobrado de 2 andares sito
ra das Cruzcs n. 7, acabado ha pouco tempo e
com todas as commodidades para familia, com
duas salas cosinha fora e 4 quartos, quintal e ca-
cimba : a tratar na ra Imperial n. 16 com Amo-
no Jarochado Soares Guimaraes.
S
* '
/
J.
i



.
)

i

>-<^ '
;^,^-v^7\
rsr
ESPLENDIDO SORTIMERTO DE MOLHADOS
ar. TOJA O CRESPO ur.
Esquita qoe volta para a roa da Imperador
PRINCIPAL
DE
fe
(! ae enganem cora a
iltra)
Nao leiam este annuncio com precipitacao.
Confrontem os presos dos oulros annuncianles.
Venham ver os gneros que temos expostos a venda.
A Tlsta faz .
Nao temos palavras bombsticas.
Nao nos enculcamos o primeiro rccebedor de conta propria.
N3o desacreditamos ao collega porque n5o quiz ser nosso socio.
Val a quem toa.
Para abastecer a todos os habitantes desta bett provincia ainda nao sao suificien-
tes. as casas que actualmente oxistem abertas com grandes proporces para terem um
magnifico sortimenlo de molhados; assim, pois, os proprietarios do Armazem Principa!
n3o invejam a sorle dos sens collegas.
Habitantes de Pernambuco.
Nos temos um excellente sortimento dos melbores gneros que se pode actor
em nosso mercado. Vinde ao nosso estabelecimento, e se a rossa boa f fr illudida
urna s vez ao menos, casgai-nos no voltando mais a nossacasa.
Amendoas confeitadas de bonitas cores a dem de Hollanda em garrafes cora 24
GRANDE ALLIANCA
57 BA DO IMPERADOR 57
DE
Paulo Ferrmra da Silva & Companhia
0
NEM COROAS NEM MITRAS
K
7
-
Grande ortweoto de molhados em grosso c a retalho. nico arraazem que mais
.'antagens olfeff ce a* pnMico.
Deaenganem-se todos.
.tlllaaif o verdadeiro hwmom do progressso.


i,ooo rs. a libra,
dem do casca muilo novas a 3oo rs. a libra.
Avellas a 2oo rs. a libra.
Ameixas francezas em caixinhas com lindas
estampas a i,2oo, I,loo ei,6oors. cada
urna,
dem em frasco de vidro com rolha do mes-1
garrafas a 7,2oe rs. com o garrafo.
Lentilhas excellente regume para sopa e gui-
zados a 2oo rs. a libra.
Licores francezes de todas as qualidades a
8oo e 1,ooo rs. as garrafas grandes.
Manteiga ingleza pcrfeitamente flor a 8oo e
96o rs. a libra.
mo ou de metal, a l,2oo e 14oo rs. ca- dem fraoceza nova j deste ara a 8oo rs.
da um. a libra, e 56o rs. em barris inteiros.
dem em frasco grandes 2,5oo rs, cada um. Marmelada especial dos melbores fabricantes
dem em latas de I *ft e 3 libras a 1,2oo e j de Lisboa a 6oo e 64o rs. a libra, ha latas
2,ooo rs. de (Merentes tamanbos.
Arroz da India e Maranho o melhor que se Massa de tomate em latas de l libra 56o rs.
p le desejar a loo e I2o rs. a libra ej cada urna.
2,8oo e 3,4oo rs. a arroba. dem para soda estrelinha, pevide e redinha
Azeite doce de Lisboa a 6oo rs. a garrafa, | em caixinhas surtidas a 3,ooo e 3,5oo rs.
e 4,8oo rs. a caada. cada um e 5oo rs. a libra. .
dem francez clarificado em garrafas oran- dem macarrao, talerim e aletria a 4oo rs.
cas a 9oo rs. cada urna, e lo,ooo rs. a a libra.
caixa com 1 duzia. .Mostarda francez* preparada/ica (cseo a 4oo
Alfazema muito nova e limpa a 32o rs. a li-| rs. cada uro.-. **
bra. j MoLI?a inglez em garrafinhas com rolhas de
Alpista a 16o a libra, e 4,6oo rs. aarcofea.1; vidro 64o rs. cada urna.
tgaj&tatafs -feraDa da abrc'do Reato Marrasquino verdadeiro de Zara a I.ooors.
K o AlIIaaifa o verdadeiro e principal armazem de molhados.
lj Alllaa^a o armazem que vende mais barato.
K Alllaaca o armazem que vende os melhores gneros.
K Alilaya o armazem onde preside o melhor aceio.
Fiqaem todos sabedores desta verdade,
Venham todos ra do Imperador n. 57.
Venham ver os gneros que temos expostos a venda.
PARA AS FESTAS
GRAIDfi
ARMAZE9I
DE
S. JOAO
de bonitas cor
DE
a 3oo rs. a libra.
Antonio dassegnintes qualidades: aguae
sal doces, e imperiaes em latas de 6 li-
bras a 3,ooo rs. e de 3 j libras a 1,5oo
rs. eemlibraa Oiors., estas bolachinhas
torna-se muito recommcndavel com es-
pecialidadc para os doentes.
Biscoilos e Bolachinhas de soda em latas, de
todas as qualidades e marcas que se pro-
curar a 1,35o rs. a lata.
Bollos francezes em carles e de diversas
qualidades a 6io rs. cada um.
Banha de poico verdadeira refinada a loo
rs. a libra e em barril a 38o rs.
Batatas novas a 1601*, a libra.
BQlviiinhas ioglezas ltimamente desembar-
cadas a 24o rs. a libra e ,ooo rs. a bar-
rica.
Champagne das marcas mais superiores que
at boje tem viudo a nosso mercado a
18,000 rs. o gigo, l,5oors. a g ir rafa in-
teira, e 8oo rs. as meias
Cha uxim o melhor que se pode desejar e
que outro qualijer nao vende por menos
de 3,ooo a 2,7oo rs. a libra
dem perola especial qnalidade a 2,6oo e
2,8oo rs. a libra, garante-s a qualidade
d'este cha
dem hysson o melhor que possivel en-
conlrar-se a 2,4oo e 2,6oo rs. a libra.
dem do Rio em latas de 2, 4, 6 e 8 libras
a l,2oo e l,4oo rs. a libra.
ld.jm preto muito fino a I,6oo rs. a libra.
Chocolate das melhores qualidades, francez,
hespanhol e suisso a l.ooo, l,2oo e 1,4oo
rs. a libra.
Charutos do acreditado fabricante Jos Fur-
tado de Simas em '/j caixas das seguin-
tes marcas Pariziences, Suspiros, Dili-
cias, Napoleese Guanabaras a 2,3oo rs.,
e em caixas inleiras Trovadores a 3,ooo
rs. cada urna.
dem de outros muilos fabricantes e de
differenles marcas para l,5oo rs. as mei-
as caixas de suspiros a 1,6oo, 2,ooo e
3(ooo rs. as caixas inteiras.
Conservas inglezas a 8oo rs. o frasco.
dem franceza a 5oo rs.
Cognac inglez das melhores marcas a l.ooo
rs. a garrafa e 10,000 rs. a duzia.
dem francez suporior qualidade 800 rs. a
garrafa e 9,ooo rs. a duzia.
Cominbo e Ei-va-doce a 4oo rs. a libra.
Cravo da India a 600 rs. a libra.
Canella a l.ooo rs. a libra.
Copos finos para agua a 5,ooo rs. a duzia, e
5oo rs. cada um.
Caf do Rio superior a 28o e 32o rs. a li-
bra, e 8,800 e 9,5oo a arroba.
Doce fino de goiaba a 600 rs. o caixo.
Krvilhas portoguezas ltimamente chegadas
a 7oo rs. a lata.
Idemseccas a 160 rs. a libra.
dem j descascadas a 2oo rs. a libra.
Farinha de ararota verdadeira a 32o rs. a
libra.
Figos em caixinhas muito bem enredadas a
a i,ooo rs. cada urna.
dem em latas ermilicamente lacradas a
I,5oo e 2,8oo rs. cada urna,
dem em caixas de lk arroba a 2,5f o rs. ca-
da urna, e2oo rs. a libra.
Graixa muito nova a loo rs. a lata e l.ooo
rs. a duzia.
Genebra de Hollanda em frasqueiras com 12
frascos por 6,000 rs. e 56o rs. o frasco.
dem de laranja a l.ooo rs. os frascos gran-
des e H.ooo rs. a caixa cora 12 frascos.
dem de Hollanda em botijas a 4oo rs. ca-
da urna.
dem em garrames de 16 garrafas a Mo
rs. com a garrafo.
a garrafa, 10,000 rs. a caixa com 1 duzia.
Nozes muito novas a 16o rs. a libra.
Prezunto de fiambre superior a 600 rs.
dem do Porto para panella a 5oo rs. a libra.
Passas novas a 48o rs. a libra.
Peixe em latas de differentes- qualidades co-
mo, savel, corvina, govas, pescadinhae
outros a 1,00o rs. a latas. ,
Palitos para dentes a 14o e 16o rs. o masso
dos melbores.
Pataco o mais novo e limpo a 16o rs. a libra,
e 4,5no rs. a arroba.
Palitos do gaza 2,loo rs. a groza,2oo rs. a
duzia, e 2o rs. a caixinhas.
Queijos flamengos chegados ueste ultimo va-
por, a
dem [trato muilo fresco a 800 e 9oo rs.
a libra.
dem suisso a melhor qualidade qu> r>t bo-
je tem viudo ao nosso mercado a 800 rs.
a libra.
Sal refinado em potes de vidro a 5oo r?. ca-
da um.
Serveja das melhores marcas a C,ooo rs. a
duzia, e 56o rs. a garrafa.
Sardinha de Lisboa e Nantes em q.ialos e
meia latas a 38o 58o rs. cada nma.
Sag mnilo novo e alvo a 2io rs. a ibr?.
Sevadinha de Franca 18o rs. a libra.
Sevadaa loo rs. a libra, e 2,8oo rs. a arroba.
Traques de I." qualidade a 8.5oo r?. a cai-
xa, e22o rs. a carta.
Toucinho novo de Lisboa a 24o e 32c rs. a
libra.
Tijollo parafimpar facas a 15o rs. caa um.
Vtaho cm pipa Porto. Lisboa e FigueJra das
melhores marcas a 3,8oo rs. a caada, e
5oe rs.- a garrafa.
Idem'do Porto Lisboa e Figueira de marcas
menos conhecidas a 400 rs. a gairafa, e
2,8oo rs. a caada.
dem Colares especial vinho a 600 rs. a gai-
rafa.
dem Lavradio muito fresco nao levando cora-
posico a 56o rs. a garrafa, e 4,ooo rs. a
canaila.
dem branco de uva pura a 56o rs. a gar-
rafa, e 4,5oo rs. a caada.
dem mais baixo a 4oo rs. a garris, e C.ooo
rs. a caada.
dem Bsrdeaux em caixas de 12 garrafas das
marcas mais acreditadas a 6,800 e 7,ooo
rs. a caixa.
dem muito especial que raras vezes vem at
Amendoas confeitadas
800 rs. a libra,
dem de casca muito nova
Avel5as a 2oo rs. a libra.
Ameixas franceza6 emcaitmhas com lindas
estampas.a I,2oo, l,4oo e f,6oors. cada
urna,
dem em frasco de vidro com rolha do es-
mo ou de metal, a l,2oo e l,4oo rs. cada
um.
dem em frasco grandes a 2,5oo rs. cada
um.
dem em latas de I '/j e 3 libras a f,2o0 e
2,ooo rs.
Arroz da India e Maranho o melhor qoe se
pode desejar a too e 12o rs a libra e
2,8oo a 3,4o rs. a arroba.
Azeite doce de Lisboa a 600 rs. a garrafa, e
4,800 rs. a caada,
dem francez clarificado em garrafas bran-
cas a 9oo rs. cada un, e 10,000 rs. a
caixa com I duzia.
Alfazema mnito nova e limpa a 32o rs. a li-
bra.
AlpisU a 16o rs. a libra e 4,6oo rs. a ar-
roba
Bolachinhas di t&osi da fabrica do Beato
krttonio das segrales qualidades: agua e
sal doces, e rmperiaes em Tatas de 6 libras
a 3,000 rs. c de 3 '/* libras a f ,5oo rs.
c em libra a 64o rs., estas bolachinba6
torna-se muito recommendavei com espe-
cialidade para os doentes.
Biscoitos e Bolachinhas de soda em latas de
todas as qualidades e marcas que se pro-
curar a 1,35o rs. a lata.
Bolos francezes em cartes c de diversas
qualidades a 64o rs. cada um.
Banha de porco verdadeira refinada a 4oo
rs. a libra e em barril a 38o rs.
Batatas novas a 18o rs. a libra.
Bolachinhas inglezas ltimamente desembar-
cadas a 24o rs. a libra e 2,oo0 rs. a bar-
rica.
Champagne das marcas mais superiores que
at boje tem vmdo ao nosso mercado a
18,ooo rs. o gigo e l,5oo rs. a garrafa
inteira, e 800 rs. as meias.
Cha uxim o melhor que se pode desejar, e
que outro qualquer nao vende por menos
de 3,ooo a 2,7oo rs. a libra.,
dem perola de especial qualidade a 2,6o e
2,8oo rs. a libra, garante-se a qualidade
d'este cha.
dem hysson o melhor que pos-si ve I encon-
trar-se a 2,4oo e 2,6oo rs. a libra,
dem do Rio em latas de 2, 4, 6 e 8 libras
a l,2ooe 1,4o rs. a libra,
dem preto muito fino a 1,600 rs. a libra.
Chocolate das melhores qualidades, francez,
hespanhol e suisso a l.ooo, l,2bo e l,4oo
rs. a libra.
Charutos do acreditado fabricante Jos'; Fur-
tado de Simas era 4/* caixas das segra-
les marcas: Parizienses, Suspiros, Dili-
cias, Napoleoes e Guanabaras a 2V3oo rs.,
e em caixas imteiras Trovadores- a 3,ooo
rs. cada urna,
dem de outros mu tos fabricantes e de dif-
ferentes marcas pora l,5oo rs. as meias
caixas, de suspiros a l,6oo, 2,000 e-3,ooo
rs. as caixas inteiras.
Conservas inglezas a 800 rs. 0 frasco.
dem franceza a 5oo rs.
E S. PEDRO.
lilem de Hollanda em garrafes com 24 gar-
rafas a 7,2oo rs. cora o garrafo.
Lentilhas excellente legume para sopa e gui-
zados a 2oo rs. a libra.
maio a 800 rs. a libra.
Manteiga franceza
da safra nova a 560 rs. alibra, e em barril
a 500 rs.
Amendoas
Licores francezes de todas as qualidades a .... t-,-rf_M ,.. oaa ^ ,
800 e l.ooo rs. as garrafas grandes. I confeitadas de lmdissimas cores a 800 r*. a
a 800
Manteiga ingleza perfectamente flor a o
e SMio rs. a libra. AllieiXS
dem franceza nova j deste anno a 600 rs. em frascos de vidro com 3 libras liquido a
a libra, e 58o rs. em barris inteiros.
Marmelada especial dos melbores fabrican-
tes de Lisboa a 600 e 64o rs. a libra, ha
latas de diferentes tamanhos.
Massa de tomate em latas de I libra a 56o
rs. cada urna.
dem para soda estrellinha, pevide e rodinha
em caixinhas sortidasa 3,ooo 3,5oo rs. cada
urna e 5oo rs. alibra.
dem mucarri>, talharim e aletria a 4oo rs. a
libra.
Mostarda franceza preparada em frasco a loo
rs, cada um
Molho inglez em garraut&s com rolhas de
vidro a, 64o rs. cada urna.
Marrasquinho verdadeiro de Zara a l.ooo rs.
agarrafa, 10,000 rs. a caixa com 1 du-
zia.
Nozes muito novas a 16o rs a libra.
Prezunto de fiambre superior a 600 e 800
rs.
RIJA IIO IMPERADOR IV. 40
Junte at srbrude em qae mera Sr. Oborne,
Para a festa de Santo Antonio, S. Joao e 8. Pedro.
Duarte Aimelda fc CU receberaiu de Ma propria fiieominen-
da o avala linde e variado sor timen o de naolliados. proprles
da presente estaco.
Manteiga irigleza Ma^as brancas
da safra aova viada neste vapor de 28 de'para sopa a melhor que se pode desejar,
macarrao, talharim e aletria a 400 rs. a
libra e 4 $500 a caixa.
Vinho
Figueira J A'A e nutras militas marcas acre-
ditadas a 500 rs. a garrafa.
dem de Lisboa
e de outras marcas a 400 rs. a garrafa, e
2#800 a caada.
Idean do Perla
generosos engarrafado des melhores fabri-
cantes da cidade do Portea 15 e 10200
a garrafa e de 10$ a 12$ a caixa, as mar-
cas sao asseguintes: Charaisso AFilho,
F. A M., Nctar ou vinho dos Deuzes,
lagrimas do Douro e outros muito.
Latas
com 10 libras de banha, 3,'|)fu.
V Bolachinha ingleza
! a 1-5800 a barrica damesntaque
venden a 2$000 e 2*400.
Nozes
libra.
20400, muito propios para mimos,
Cartoes
com bolos francezes a 500 rs. cada um.
Latas
com bolachinhas de soda de todas as qua-
lidades a 1$300.
Chocolates
de todas as qualidades a 13000 a libra
Presunto mglezes
den memores fabricantes a 800 rs., tambern'
temos velhos para 580 rs.
Queijos flamengos
chegados neste ultimo vapor a 2$6oo.
tneijos
chegados no ultimo vapor a 2$60O cada um.
Qneljo
londrino o mais fresco que se pode esperar
c de excdante maree a 800 rs. a libra
, as mais novas do mercado a 120r*. -^ bra.
dem do Porto para panella a 5oo rs. a libra. sen(J Dter0 e 900 n retalh(,.
Passas novas a 48o rs. i libra. p ivlir7rtc<
Peixe em latas de differentes qualidades co-; IjOUSe VaS lllgieZclh^
mo, savel, corvina, govas, pescadinha e as mais novas que se pode esperar a 760 rs.
outros a l.ooo rs. a latas. i o frasco.
Palitos para denles a 14o e a 16o rs. o mas- F?OS
Cervejas \
fabricantesje de todas as mar
utrosV
so dos melhores.
Painco o mais novo e limpo a 16o rs, a li-
bra, e a 4,5oo rs. a arroba.
Palitos do gaz a 2,loo rs. a grosa, e2oo rs.
a duzia, e 20 rs. a caixinha.
Queijos flamengos chegados neste ultimo i
vapor, a 3,ooo
dem prato muito fresco a 8oo c 9oo rs. a
libra,
dem suisso a melhor qualidade que at ho-!
je tem vindo ao nosso mercado a 8oo re.
a libra,
dem londrino a 9oo rs.
Sal refinado em potes de vidro a 5oo rs.
iia\
r-J
cada um. I para sop.t, macarrao,
Cerveja das melhores marcas a 6,ooo rs. a 480 rs. a libra.
duzia, e 56o rs, a garrafa. COCiXAC
Sardinha de Lisboa e Nantes em quartos e o muito afamado cognac Pal Brandy ;
meias latas a 38o e 58o rs. cada urna.
Sag muito novo e alvo a 24o rs. a libra.
nosso mercado a l,2oo rs. a garrafa, gar-
rante-se que por este mesmo prego da pre-
juizo e s se encentra n'esle arraazem.
dem do Porto em caixas com 12 garrafas
das segrate* marcas Lagrimas do Douro,
Duque do Porto, Genuino, Velho Particu-
lar, malvasio fino. D. Pedro Y, D. Luiz
I, Nctar e outros a O.ooo e Io,000 rs.
a caixa e 90o a I .ooo rs. a garrafa.
dem Muscaiel superior a l.ooors. a garra-
fa, e lo,ooo rs. a caixa com 1 duzia.
Vinagre puro de Lisbda a 2oo rs. a garrafa
e 2,4oo rs. a caada.
dem em gurrafes com 5 garrafas i l,ooo
rs. com o garrafo.
Vassouras do Porto de arcos de ferro a 32o
rs. cada urna
dem de escora para esfregar casa 36o rs.
cada tima. .
Vellas de espermacete superiores a 060 rs.
a libra, e52ors. em caixa.
dem de carnauba refinada e de composico a
3flo rs. a libr, e de lo.ooo a ,00o rs. a
arroba.
. i Roa da gtoall Nova 42.
_ vndese urna taberna miraDirdtt Jos Ne3te estaDe^cimento vendem-se: tachas t
i&^&^^^^f^^^^, a 110 rs., dem de Lo,
e vende taoto para o malo como para >Prra i u^r bhr, 490 rs.
ierra ; c Moor libra a 120 rs.
i'imbTm vendem-se duas carrora?. mna para yen-
^ agua b outra de caixo, ludo em bnm o lado
po
r C6,quetvSaJdo comprador far ?c>. BP|Al
, o qoe poder ajuslar com c roWpwaoi
Pimo e guariln-roup.
Vendc-?c um pianu de Blondcl & \jgns, e um
5unrda-mn|:aitp srmar o d<>>armar. t|da novw,
por pnHNt w?o -omrro(to : nn rva Angu'fa nn-
Sevadinha de Franca l8ors. a libra.
Sevada a loo rs. a libra, e 2,8oo rs. a
roba.
Traques de I.' qualidade a 9,5oo rs. a cai-
xa, e 24o rs. a carta.
Toucinho novo de Liiba a 2 lo e 32o rs. a
libra.
Tijolo para Hmpar facas a 15o rs. cadaum.
Vinho em pipa Porto, Lisboa e Figueira das
melhores marcas a 3,8oo rs. a caada, e
5oo rs. a garrafa.
dem do Porto Lisboa e Figueira de marcas
menos conhecidas a 4oo rs. a garrafa, e
2,8oo rs. a caada.
dem Colares especial vinho a 6oors. a gar-
rafa.
dem Lavradio muito fresco nao levando eora-
composica" a 56o rs. a garrafa, e 4,ooo
rs a caada.
dem branco de uva pura a 56o rs. a garra-
fa, e 4,5oo rs. a ranada,
dem mais baixo a loo rs. a garrafa, a 3.ooo
rs. a cariada.
dem Bordeaux em caixas de 12 garrafas das
marcas mais acreditadas a 6,5oo e 7,ooo
rs. a caixa.
dem muito especial que raras vezes vem ao
nosso mercado a 1,2oo rs. a garrafa, ga-
rante-se que por este mesmo prec,o d
prejuizo e s se encontra n'esle arma-
zem.
dem do Porto em caixas com 12 garrafas
das seguintes marcas Lagrimas do Dou-
ro, Duque do Porto, Genuino, Velho Par-
ticular, .Malvasio fino, D. ledro V, D.
Luiz I, Nctar e outros a 9,ooo e lo.ooo
rs. a caixa e 9oo e l,ooors. a garrafa.
dem Moscatel superior a 1 ,ooe rs. a garra-
fa, e lo.ooo a caixa com 1 duzia.
Vinagre puro de Lisboa a 2oo a garrafa e
2,4oo rs. a caada.
dem em garrafes com 5 garrafas a 1 .ooo
rs. com o garrafo.
i Vassouras do Porto de arcos de ferro a 32o
rs. cada urna.
1 dem de escova para esfregar casa a 36o rs.
: cada urna,
des e ll.ooo rs. a caixa com 12 frascos.' Velas de espermacete superiores a 56o rs.
dem de Hollanda em botijas a 4oo rs. cada a libra, e 52o em caixa.
uma. dem de carnauba refinada e de composico
dem em garrafes de 16 garrafas a 4,8oo, a 36o rs. a libra, e de lo.ooo a 11,ooo rs.
rs. com o garrafo. | a arroba.__________________
fi7 CA7 1A7 A4 ^we ehegeii
\MAm4 \FxlXi \MXMd | un) grande sortimento de trico c renda' preta de
Vende-se gaz da melhor qnalidde a 12$ novo modelo chamado (guip) o melhor que se
a lata e em lotes de 10 latas para cuna se pode desejar neste ariigo e que se vende multo ba-
far abatimento. no armaaem da ra do ra> : H all "*,lme rua de "f*
perador n. 16 e rua do Trapiche Novo n. 8.
fio de alyodio da fifi M saceos fi 100
libras.
Tem para vender Antonio Luiz da Oliveira Aze-
vedo & C, no seu escriptorio rua da Cruz o. 1.
dos melhores
cas de 4^500 a fl#500"a duzia.
CHARUTOS
Charutos Thom Pinto,. Res e outrosV11
meias caixinhas a 1^500.
Arroz
do Maranho a 100 rs. a libra, e da Indi
a 80 rs. a libra, e 24500 a 3000 a ar-
roba desses que vendem por 35400.
CAF
de .' e 2.* sorte do Rio de Janeiro a 8:S5f
e 8)^800 a arroba, e 280 a 300 rs. a br
Ciarrafes
com 4 l'i garrafas com vinagre a IiOOO
o garraf3o.
GENEBRA DE LARANJA
verdadeira a IjJOOO o frasco, o de 11600C
a caixa.
DEM
em frasqueiras de Hollanda a 5*800 com
12 frascos.
GENEBRA
de Hollanda verdadeira em frasqueira a 6oo
rs. cada uma.
PALITOS
os verdadeiros palitos do gaz a 2,2oo a groza
e 2o rs. cada caixinha.
I,8ool LICORES
rs. a garrafa e de outras moitas qualida-i finos de todas as qualidades, a lo.ooo a caixa
des a l.ooo e 8oo rs. a garrafa. com uma duzia e a l.ooo a garrafa.
em libras e caixinhas ricamente douradas,
proprias para mimos a 900 e I #200.
Cha uxim
o melhor que se pode desejar, que outro
qualquer nao pode vender por menos de
3-3 a 2:$600.
dem perola
especial qualidade a 25700 rs. a libra.
dem hysson
i o mais aromatieo que tem vindo ao nosso
mercado a 2#600.
Massas amareas
talharim e aletria a
COPO
ar-! lapidados para agua a 4,5oo e 5,oo(
duzia, e a 440 e 5oo rs. cada nm.
rs. a
Cognac inglez das melhores marcas a 1 ,oo&
rs. a garrafa e to,ooo rs. a duzia.
dem francez superior qualidade a 8oo rs^
a garrafa e ),o@o rs. a duzia.
Cnroinho e ervanJocea 4oo rs. alibra.
Cravn da India a 6oo rs. a libra.
Canella a 4,ooo rs* a libra.
Copos finos par agua a 5,ooo rs. a duzia, e
mu rs. cada um.
Caf do Rio superior a 280 e 320 rs. a libra,
e 8,Seo e !),5oo- a arroba.
Doce fino de goiaba a 6oo rs. o caixo.
Ervilhas portuguezas ltimamente chegadas
a 7oo rs. a lata.
dem ceceas a I6ors. a libra.
| dem j descascadas a 2oo rs. a libra.
Farinha de aramia verdadeira a 320 rs. a
libra.
Figos em caixinhas muito bem enfeitadas a
l.ooo rs. cada uma.
dem era litas ermiticamente lacradas a
l,5oo .2,5oo rs. cada urna,
dem em caixas de '/* arroba
cada uma, e 2oo rs. a libra.
Graixa muito nova a loo rs. a lata e
rs. a duzia.
Genebra de Hollanda em frasqueiras com 12
frascos por 6,ooo rs. e 560 rs. o frasco
dem de laranja a l,ooo rs. os frascos gran-
a 2,5oo rs.
l.ooo
PANEL
alraaco, greve, peso e de outras mutas qua- (
lidades de 2,2oo, a 4,5oo a resma do me-
lhor.
Papel de botica
de excellente qualidade a 2)5200 a resma,
PAPEL
azul e pardo para embrullio de 1 ,4*jo a 2,2oo;
rs. a resma.
Corintkias
Marmelada
dos melhores fabricantes de Lisboa, como se-
jam Abreu e outros inuitos a Ooo rs. a
libra.
Prezunto
o verdadeiro prezunto de Lamego a 52o rs.
a libra.
ARROZ
Maranho, Java e India, .i loo rs. a libra e
de 3,000, a 3,2oo rs. ; arroba.
VELAS
de espermacete de diversas marcas a 50o rs.
a libra e em caixa ter abatimento.
^^^^Sr P,'P,aS Pafa!de rarnaub* em S** arroba a 9,3oo .
podim a 8oo rs a libra. m|m e ^ rs libra#
riliriC Batatas novas
o verdadeiro fumo americano em chapa a \ em caixas de 2 arrobas a 5 a caixa ^ 60 rs.
I,4oors. alibra. a libra.
V Ulrtt^l e em q,,ar{0S e inteiros a 2> o quarto e 60800
PRR em ancoretas de 9 caadas a 15,ooo rs. a caxa e jqq ,^ a j^^
cada uma. Chocolate
(jebOllaS I portuguez o mais especial que se pode de-
as mais novas do mercado a 7,ooo rs. a caixa scJar a m) J- a libli',! Wrs- Pao-
e l.ooo rs. o nwlho. i. Rentas eaa calda.
A lio+o a Ponon chegadas nftimamente, pera, pecego, ginja e
AipiSta e raiip outrosmmtosalOr8.aIata.
o mais novo do mercado a 140 rs. a libra, Jtsee da casta da goiaba
e 4#400 a arroba. a 600 e 1 O caixe.
Os proprietarios do grande armazem o Verdadeiro Principal declarara aos seos
freguezes e amigos e ao publico em geral, que para facilitar a commodidado de todos es-
tipularam os mesmos precos nos seguintes lugares:
l'iiiiio e Commercio ras do Qoeimado n. 7
O Verdadeiro Principal rua do Imperador n. 40

MOMENTO
BAffiRO DO RECIFE, RUA DA CADEIA N. 50.
O mais novo e o inellior
AKiUAXEJI DE nOIillAUOS
Esquina defronte da rua da Madre de I>eos
'fi. 97
Perros para ourives.
Na rua larga do Rosario n. 24, loja de joias, ven-
dem-se tdos os ferros e utencilios de ourives.
Sal da A >sh*
Vende Antonio Luir, de Oliveira Azevedo I-no seu eoriptoriomta da Cnu n i.________
Q
1'eckmeha
mro 54.
Vende-se a verdadeira gfaxa ingleza n.
i97 (legada poneos dias: no escriptorio YenJe-se prosuoto de. fiambre 9.400 rs. a libra;
He Eduardo Fenton rua V) TnpiHi? n. 17.1 cama da Imperatri n. 88.
&TT
Aaloui da Silva Campos, successor do intigo Nascimenlo defronte do berco Largo, hm\ c
nhecido j nesta praja,araba de tnanserir o sea estabelecimenlo para a casa cima murada, onde
os seus benvolos amigos e tregeles, kem como o respeitavel publico em eral encontrar/io o mais
variado, escolhido e melhor sortimenlo de molhados, a par do aceio, elegancia e bom rgimen do e*ta-
belecimeBto.
O annuociante, tendo Coito ama completa reforma no locante a casa e gneros, possuindo bons
correspondntes na Europa para remessau do conta propria. acha-se convencido qno mereorri pro-
teegao de todos os amigos do bom e barato, a qual desde ja reclama, asseverando-lhes que jamis des-
merecer a coDanga com qae se dignairm de o honrar.
Em resumo, vi&ite a respeitavel publico o novo e superior armazem Movimento, compre-lhe al-
guns gneros, e-ealao ficar cowencido da renlidade do presente aviso, verificando por si mesmn qne
nenhum outro estabelecimento o serve melfi'or que este, seja em comodidade de precos, agrado 4
delicadeza, ou legalidade de psese medidas.
Finalmente, todas equaesauer garaotias que estabelecimentos idnticos teem effenecido toe
concorrentes, seras mantidas neste em grao maior. .
ILEGVELl
A.
t MUTILA



~*w
VUW i*
r

NOVO RIVAL.
Antonio da SilYa Frreira Santo?, dono da toja
de miudezas da ra do Queimado, n. 16, acaba de
reccber pelo ultimo paquete nm riqoissimo sorlf-
mento de miudezas finas e do mais apurado gosto,
as quaes est desposto a vender baratissimo.
N. 16 Kua do Queimado N. 16
Flvela para sinio.
lionitas flvelas douradas para sintos
15000.
Riqnissimas ditas com pedrinhas a 25000 e
2*500. -
Bonitos ciatos com (lvelas douradas e pedrinbas a
2*000, 2*500 e 3*000.
rcrfwi otarla.
Caixinhas com 6 trasqatahos, extractos finos a
1*000.
Caixinhas com .12 garraflnhas de ditos a 15600:
Bausinhos" com M frascos grandes de extracto a
3*000.
extracto a 15000
Frascos grandes com banba e
e 1*280.
Garrafmliase frasquinhos com extracto a 160, 200
e320.
Frascos grandes de extractos finos a 500, 800 e
1*000.
Frascos com extracto de sndalo a 1*000."
a 1*280 e Frascos com banha franceza a 500, 800 e 1*.
Frascos com oleo de babosa a 400, 500 e 640.
Frascos com oleo philocome a 720 e 15000.
Frascos com agua de Colonia a 400, 500, 800 e
1*000.
Sahonetes de familia a 80, 160, 240 e 320.
Bonitas litas de gorgorao para sintos, vara 1*000. Canodos de pomada a 100, 160,240, 500,800 e
lliquissimas filas de gro'sdenaple lavrada c lisas
de todas as cores com 3, 4 e 5 dedos de largura,
a 1*280, 15600, 25000 e 2*900 a vara.
Bonitas Otas de gosto imitaco de seda, de 2, 3,
4, 5 e 6 dedos de largura a 200, 300, 400, 500
e 600 rs. a vara.
Fita de veludo preto o de cores a 120, 160, 200,
240, 320, 400,500, 600, 800 e 15000 a vara,
sendo ein peca sera mais barato.
Pecas de cascarrilha de seda de todas as cores para
nfeilesa 15*80, 1*800 e 25000.
15000.
Pacotes com pos de arroz a 400, 600, 70O e 800.
Grande liquidado
de faiendas na leja do Pavo, ra da Inperatrii 1.
60, de Gama k Silva.
AcOa-se este estabeleclmento completamente sor-
lidode fazendas inglezas, francezas, allemaes e
suissas, proprias tanto para a praca como para o
I mato, prometiendo vender-se mais barato do que
Pccinnasde "tranca preta lisa e de caracol a 80 rs.! em outra qualquer parte principalmente sendo em
Pecas grandes de tranca lisa preta e de cores porclo e de todas as fazeudas do-se as amostras
a joo. 1 deixando ficar penhor ou mandam-se levar em ca-
peras de fita de laa prea e de cores a 800 rs. sa pelos caixeiros da loja do Pavo.
e de cores a
Pecas do lila de seda de retroz preto
1516 > e 1*800.
Pecas de fita de linbo branca para debrom a 240
320.
Enfeltes de eabeca.
Biquissimos enfeiles prelos e de todas as cores
guarnecidos com cascarrilhas e frocos (fazenda .t loja do Pavao ra da Imperatnz n.
de gosto) a 35OOO. I Silva.
' As cassas do Pavo a 210, 280, 300 e 320 rs.
Vendem-se finissimas cassas persianas cores fi-
As chita d Pavo.
Vendem-se superiores chitas claras e escoras pe-
lo barato prece de 240 e 280 rs. sendo tintes segu-
res, ditas francezas finas a 320, 340, 360, 400 e
500 rs., o covado, ditas pretas largas e estreitas,
riscados escocezes finos a 240 rs. o covado, isto na
60 de Gama &
xas a 320 rs. o covado, ditas francezas muito finas
a 240 e 280 rs., ditas ingzezas a 240 e 280 rs. o
covado, tmissimo organdy matisado com desenhos
miudinhos a 320 rs. o covado, cassas garibaldinas
muito finas a 320 rs., isto na loja do Pavo roa da
Conservadores pretos e de cores com laco a 15280
e 15600.
Conservadores pretos sera lato a 800 e 15000.
Conservadores de cores sem laco a 640 e 15000.
Conservadores de froco de cores a 15600.
Bonitas capellas para noiva a 15000 e 35000.
Penu de taboa doorada para atar cabello, a 15280. | Vendem-se as mais modernas laazinhas mossan-
Riquissi.nos pentos dourados balo a 55000. bique chegadas pelo ultime vapor francez sendo
Ri.iuissimos pentes dourados com folhas de car- de urna so cor ou de listas miudinhas cora 4 pal.
valho dourado, obra de muto gosto, a 5*000. 1 mos de largura, proprias para vestido de senhora,
Riquissinias Kuaruicoes de pentes de marrafas roupa para meninos e capas, e pele baratissimo
dourados com cacliinbos de uvas, pedrinhas, e proco de560 rs. o covado, ditas entestadas trans-
de marrafas esmaltados a
cornalinas a 55000.
Gunrnices de pentes
45000.
Pe"tes de massa, de laco, virados e balao a
15000.
Ditos de massa, diversos, a 308, 640 e 800 rs.
Bonitas marrafas douradas com pedrinhas a 1*500
e 2*000.
Marrafas de massa e tartaruga a 15000 e 25500.
Pentes dourados com pedrinhas para regaco a
25000.
Ditos de massa e borracha, lisos e recortados a
800 c 15000.
Pentes jiara suissas, diversos, a 400, 500 e 600.
Pentes de baleia, licorne, e borracha para desem-
barcar a 320, 400, 08, 720 e 15000.
Ditos de licorne, borracha e inarfim legitimo de
Lisboa para tirar caspa e piolbos a 500, 800 e
15000.
Pnlseira e voltinhag.
Bonitas pulseiras de contas com pedrinhas a
15000.
Ditas ditas de contas sem pedrinhas a 800.
Ditas ditas de aljofares de cores muito grandes a
15000.
Ditas ditas de missanga a 640.
Voltas de coral a 400,15200 e 25000.
Dilas de aljofares de cores com cruz a 720.
Ditas de aljofares com cruz a 800, 15000 e
15200.
Ditas pretas com cruz de pedrinhas a 720.
Bonitas golinhas de missanga a 640.
Golinhas e pnnhos de eambraia bordada a 35500.
Corpinhos completos de eambraia bordada com
grvala, boloes de punho, etc. a 55500.
Gravatinlias bordadas de laco para senhora a
15200.
Sapatos de tranca e tapete a 15600.
Sapalinho* de laa para manca a 640 c 15000.
Sa|iatinUos de merm bordado para baptisado a
{000 a 25000.
Bonitas toncas de setim e Monde para baptisado a
25000 e 3*000. nnn
Touquinha6 de lia para enanca a 1*000.
Luvas brancas de Jouvin a 25*00 e 15000.
Varas de labyriuto, grade de todas as larguras
para lencos e fronlias, a
320 e 400.
parentes de quadrinhos a 500, 400 e 360 rs. o co-
vado, dilas matisadas muito finas a 500 e 400 rs.,
ditas mais baratas do que chita tambem matisadas
a 320 rs. o covado, ditas a Mara Pia com palma
de seda e 4 palmos de largura a 800 rs. o covado,
e ditas de omaso cor parda, azul, cor de lyrio e
perola proprias para vestidos, sautembarqnes e
garibaldes a 720 rs. o covado, ditas escocezas a
800 e 400 rs isto s na loja do Pavo, ra da Im-
peratriz n. 60, de Gama & Silva.
Os chales do Pavo.
Vendem-se finos chales de crepon estampados
pelo barato proco de 65, 75, 85, ditos de ponta re-
donda a 75 e 8*. ditos pretos ricamente bordados
a retroz com vidrilho a 12*, ditos pretos lisos a
55, ditos de cores a 4*508 e 5*, ditos de menuw
; estampados a 25 e 3*, ditos de laa a 15280 e 25,
ditos de retroz preto para luto a 65, isto na loja
do Pavo ra da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
0 Pavo vende para luto.
Vende-se superior setim da China fazenda toda
de la sem lustro tendo 6 palmos de largura pro-
prio para vestidos, paletots, capas etc., pelo bara-
to preco de 25, 25200, 25500 o covado, cassas
pretas lisas, chites pretas largas e estreitas, chales
de merino lisos e bordados a vidrilho, manguitos
comgollinhas e outros muitos arligos que se ven-
dem por precos razoaveis : na loja do Pavo ra
da Imperatnz n. 60, de Gama & Silva.
Os vestidos do Pavo
Vende-se ricos vestidos de grosdenaple preto ri-
camente bordados a veludo pelo barato preco de
405, sendo fazenda que sempre se venden a 1005
e 1205 ; ditos de eambraia brancos ricamente bor-
dados a croch, sendo (iroprios para baile e casa-
mento a 10, lo, 20 e 305; ditos de lia com Jindas
barras a 18 e 155 ; i**o na loja do Pavo ra
da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Os pannos do Pavo.
Vende-se panno preto muito superior pelo barato
preco de 25, 2*300,35 e3->500, ditos muito linos a
4*, 35 e 65, cortes de casemira preta enfestada a
45, 45500 e 65, casemira preta fina de urna so
, largura muito lina a 15800, 25. 8*800 e 35, cor-
120 1GO *00 240 tes de casemira de ir a 55, 55500 e 05, casemi-
ras enfestadas de urna s cor proprias para
* reapa favftf.
Vendem-se paletoU de panno preto sobrecasa-
cos fazenda muito boa a 12*, ditos muito fiaos a !
16*, 208,25* e 30*, calcas de casamira preta boa
fazenda a 4*300, SJ, 6*i 7* e 8*. paletots saceos
1 de panno preto a 7*, dHoe de casemira do cor a
6* .e 7*, ditos do alpaca rete, ditas de merino
preto, ditos de brim de cores, calcas de casemira
de cor a 4*, 5*, 6*, 7*, ditos de caxemira da
1 Escossia a 35, ditos de brim pardo a 2*500, ditos
de cor a 2* e 25500, ditos brancos muito finos,
sto na loja do Pavo, roa da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
As colchas do Pavia.
Vendem-se colchas de linio aleocboadas pro-
prias para cama pelo barato proco de 5* cada nma
na ra da Imperatriz n. 60, de Gama A Silva
Lias de nma so cor.
Vendem-se laazinhas de urna s cor, sendo en-
ramada, azul, cinzente, cor de caf, lirio claro, li-
rio roxo cor de perola pelo baratissimo preco de
640 o covado, fazenda multo fina s o Pavao, ra
da Imperatnz 11. 60 loja e annazem de Gama t
Silva.
As precitas do Pavo.
Vendem-se as mais lindas precalas qne tem viu-
do ao mercado chegadas pelo ultimo vapor fran-
cez, pelo barato preco de 600 rs. o covado, dlias
de lislrinha muito miudinhas proprias para vestidos
e roupas de meninos e meninas pelo barato preco
de 500 rs.; s o Pavo roa da Imperatriz n. 60,
loja de Gama & Silva.
As chitas do Pavo 104OO e
2JIHOO o corle.
Vendem-se cortes de chita com doze covados
cada corte, ditos com dez covados a 2*400, fazen-
da muito boa, e qne nao desbote, s na loja do Pa-
vo tem esta pechincha ; a roa da Imperatriz n.
60 de Gama & Silva.
Panno de linho.
Vende-se panno de linho com 4 palmos de lar-
gura proprio para lences, toalhas e ceroulas pelo
barato preco de 640 rs. a vara, bramante de linho
com 10 palmos de largura a 2*500, algodozinho
monstro com 8 palmos de largura a 15, pecas de
Hamburgo com 20 varas a 95, H>5 e 115, pecas de
madapolao fino a 75500, 8*, 9* e 105, las d-
algodozinhu a 6*, 6*500 e 75, e outras multes
fazendas brancas que se vendem muito baratas
afira de apurar dinheiro : na loja do Pavo roa da
imperatriz- a. 60, de Gama & Silva,
O bramante oto Pavo com doze
palnsoN de largura.
Vende-se bramante de linho poro,mnito fino cora
doze palmos de largura o melhor e mais largo que
tem vindo ao mercado pelo barato preco de 2*800
rs.a vara 5 s na loja do Pavo de Gama & Silva,
aua da Imperatriz n. 60.
As precalas do Pavo.
Vendem-se as mais lindas precalas qus tem vin-
do ao mercado chegadas pelo ultimo vapor francez,
pelo barato preco de 600 rs. o covado, ditas de lis*
trinha muito imudiahas proprias par vestidos e
roupas de meninos e meninas pelo barato preco
de 500 rs.: s o Pavo roa da Imperatriz n. 60,
loje de Gama & Silva.
Os baldes do Pavao.
AO PUBLICO.
RA DA CADEIA N. 1 ARMAZEM
nuncios
cdarie
JVovidades
Chegaram ra Direita n. 91 os muilo desea-
dos e verdadeiros queljos flamengos com 10.1|2 li-
bras cada um, e se vendem a 6*, e 648 rs. a 16ra
Vende-se urna negra moca, de bonita figura
no pateo do Tergo n. 141.
Quando por toda a parte lavra a descrenca, produzida por essa alluvio de an-
falsos e verdadeiros, que diariamente enchem as paginas do jornalismo desla
na verdade grande temeridade apresentar-se alguera fallando a linguagem da
verdae, exposto indifferenca de alguns e ao desprexo de mnitos que, tendo sido Ilu-
didos por embusleiros, ttribuem todos as mesmas qualidades. O annunciante, porm,
collocada no firme pedestal de sua consciencia nao pede que o acrediten), mas sir que o
julguem vista das pravas qne aprsenla, expondo venda para liquidaco, o muito
acreditado vinho d'kxtrewadi'rk, com 40 por cento de abatimento do preco amigo (ou-
trora 30(0000 hoje 18W00).
Esta nova qualidade de vinho, feito da melhor uva que ha na Extremadura co-
mida no ultimo grao de sua perfeita maturacao e quasi em estado de passas, conserva em
sr toda a parte saccharina que Ihe d um agradavel sabor, e se recommenda todas as
pessoas que queiram ter a certeza de beber vinho km me m a, neste lempo em que vis
traficantes infroduzem no mercado suas drogas damnosas saude publica, acobertados
pela impunidade de semelhante crme.
Vinho tinto da Extremadura sem confei#lo,
em ancoretas de oito caadas. .
Loja de fazendas da ra
do Crespo n 7.
Miguel Jos Barbosa Guimaraes, socio princi-
pal da firma de Guimaraes & Lima, faz sciente ao
respeitavel publico que tendo de liquidar todas as
fazendas existentes 'em scu estabelecimento por
ter fallecido o sen socio Jos de Almeida Nunes
Lima, que consta de um grande sortimento de fa-
zendas finas, como sejam ricos vestidos de seda
com algum toque do mofo, capas de velludo preto
muito finas e outras muitas fazendas que tudo
vende por baratissimo preco.
Vende-se egualmenle a armaco do mesmo estabelecimento toda de amarello,
urna das mais ricas desla praca que, com urna pequea alteracao, pode servir parafazen-
das, miudezas ou moldados.
4. A. Silva Jnior.
a 24SOO.
com 10 palmos
npi IVTTYE1 Bramante da Arara
iJAiv mJj Vende-se bramante de linho
liuntdacao t baldes na lia e armazem 25500, dito muito superior de 12 palmos de largu-
H- Vai m amamant* 4 f. ra a *8,)0' brim lis0 Para ]m^WS a0 e IR ""
da Arar, t jiintaineuie ee vnxn-\lianno de |iDh0 de 4 pa|m06 ae largura a
das BOVaS Viadas pelo Vapor, que Se a vara : na roa da Imperatriz n. 36, lja
veade por p ecos baralissimos, m
loja da Arara, "roa da Imperatriz a.
Chitas baratas
Chitas baratas
Chitas baratas
Vendem-se chitas muito boas em pan-
nos, cores e padroes a 220 e 240 rs. o
covado s
Na ra do Crespo n. I
Loja do barateiro.
640 rs.
da Arara
a vara
de Mendes Guimaraes.
A Arara vende inadapolt tino a tjjMfc
Vende-se madapolao fino de 14 jardas, n. 60, a
uL de Uum-A Pprpira HeadesGli- i W300' di, R-G-a 65600'dit0 n-7 a 75' dit0 D-
o^ocLOurtuioieretia hchhcsuhi 2 a 75[i00j dit0 n, Wa $s drt0 aa?woo, dito a
). dito S a Mi, dito 11 a 11*, para acabar, algo-
da a o^SOO, 65500, 75 e 85 : na ra da Impera-
triz n. 56, loja da Arara.
A Arara vende ebilas a 210 rs.
Vendem-se chitas para vestidos de cores fixas a
240e 280 o covado, ditas francezas largas a 320,
360, 400, 440 rs., ditas percalas muilo finas a 500
e 560 rs., riscado francez a 280 rs gurgurao de
Carvo animal.
Farol lo de Lisboa
Cal virgem nova :
primeiro andar.
superior.
na roa do Vigario n. ', 0.
maraes.
Arara vende ts balSes a 2240.
Vendem-se baloes de 16, 20, 25 e 30 arcos a
2240,25500, 35, 35600, 45 : s na loja da Ara-
ra, roa da Imperatnz n. 56.
Challes a loGOv, na Arara.
Vende-se challes de lazinhaa 15600 e 25, ditos
de merino a 25500 e 45500, ditos finos estampados
Farinha de mandioca
ensacada e da melhor que ha : vende Miguel Jos*
Alves no seu cscriptorio, casa n. 19, na ra a
Cruz.
a 65, ditos deporta redonda a 75500 e85 : s-na-1'nho para vestido a 280 rs. o covado na loja da
toja da Arara, fu da lmperatrirn. 56. i ATara, ra da Imperatnz n. 5
na
Vendem-se crinolinas ou balos de 30 arcos Un- Arar,
brancos como de cores, sendo americanos qup
sao os melhores por se nio quebrarem a 35500 e
de 3o arces a 45, ditos de musseltaa com tobados
45, ditos para menina a 25e 35: na loja do Ba
As laxrbas da Arar a 320 rs. o cavada.
Vendem-se laazinhas para vestidos a 320, 360,
460, e 500 rs, o covado, ditas lisa* proprias para
capas a 400 o 600 rs. ocovado : na roa da Iope-
ratriz n. 56, loja- da. Arara.
Cortes dt chita i 2A'4O0.
Vende-se cortes de chitos escaros e claros a
25100, ditos francezes a 35200, cortes de cassa.a
25 e 25500 : na ra da Imperatriz n. 56, loja da
vao ra da Imperatriz n. 60, de Gara & Silva.
0 Pavo vende 8.
Vendem-se os mais lindos cortes de vestidos a
Maria Pia, com lindas harpas de soda, sendo che*
gados pelo ultime vapor francez pelo barato preto
de 85 cada um : s na loja do Pavo ra da Impe-
ratriz n. 60, de Gama & Silva.
Os baldes do Pavao.
A 205OO s Paria.
Vende-se baloes com 20, 25 e 30 arcos pelo ba-
ratissimo preco de 25500, assim como tem um
completo sortimento de baloes para meninas de to-
dos os tamanhos pelo baratissimo pre,o de 25500,
notando que sao baloes de arcos os melhores que
tem vindoda America Ingleza, vendem-se por este
preeo para liquidar : s na loja e armazem do
Pavao ra da Imperatriz n.60, de Gama & Silva.
Rauta frita da Arar.
Vende-se- palitots de bHm a 25500. 35, 35-V*>,
ditos de casemira de cores- a 45500, 55, 05,75 85,
105, ditos prelos fino a 105, calcas pretas de ca-
semira a 45500, 65 e 85,calcasde brim de cor a
25, 25500 e 35. seroulas de hato a 25, d algo-
dao a 15600, camisas franeezas a 95 e 25500, de
linho a 35 : na roa da Imperatriz i. 56, loja. d
Arara.
Brim de linht a i:V200.
Vende-se brim liso de linho para calca branca a
15200; 15280; 15400 e 15600, de algodao a ?00
rs. a vara, bretanha de lirmo a 640 e 800 rs. a va-
ra : na ra da Imperatriz n. 56.
Arara veade as veas pretos e de teres a 1)5000.
Veadem-se veos pretos e de cores para chape-
linas de senhoras pelo preco de 15 cada um, para
acabar ** *"'* "** rmnorafr* n ^n inia i).* Arara.
Cassas para cortinados a 80.
Vende-oe pecas de cassas para cortinadas, de 20
varas, a 85 cada urna, eambraia- de satoicee para
vestidos a 25500 a peca, ditos lisas a 35, 35500 e
45 : na ra da Imperatriz o. 56, loja-da Arara.
Laazinhas de una s cor.
Vendse laazinhas de urna s cor, taus como
azul, verde, rosa, lyrio, caf e etc., proprias para
capas e vestidas de senhora, a 600 rs. o eovado ; e
entras muitas fazendas novas, que so venden por |
baratlssimos precos e a dinheiro : na ra da Im-
peratriz n. 56, loja da Arara, que- se acttt aberta
at as 9 da noite.
fll
480 rs. a garrafa.
Vende-se tinta preta a 400 rs. a garrafa, para
B>las de meninos e para marcar fardos de fazen-
au : na travessa do Queimado n. 1.
Trina, volantes e cales.
Vende-se trina, volantes el gales de todas ae
larguras por precos muito barato: s no vigilan is
ra do Crespo n. 7.
Vende-se leite
mero 52.
na ra da Imperatriz na-
ESCRAYOS FGIDOS.
Livro de orajes.
Vende-se 160 reis, na livraria ns. 6 e 8
da praca da Independencia, um livrinno con-1 parece preto, de listras, paljot peta
tendo seguinte : louvor ao santo nome de
Ueus, cora dos actos de amor de Deus, ora-
ces c peti$es, bymnoao Espirito Santo, co-
ra do Senhor, aviso qualquer alma de-
vota, desengaos da vida humana, hymno
de Santo Ambrozio Nossa Senhora, jacula-
torias ao Santissimo Sacramento, exercicio da
via-sacra, commemoraco Nossa" Senhora
do Carmo e ao SS. Sacramento, directorio'peo'de palha7 tendo
rs. I ,,.,_ n-arfl mpntal dividido opios dias da om mais rouPa'c e rendido de urna das venlhas;
Vende-se ficas percalas para vestidos de senho-1 ^^S 2SJEX I "WS-* *?. t!*
Varas de bicos pretos
400.
Duzas de an.is de vidro a320.
a 120, itO, 200, 240, 320 e
calca,
paletots, eolletcs, caas para senhora, roupas para
meninos a 35 e 3*500 o covado, isto na loja do
Pavio, ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Os soiiteanbarqnes do Pavio
IO& e 1 ~*jf so o Pavo.
Vendem-se o< mais lindos souteanbarques que: para senhora, pelo barato prero de 205 e 225 .
tem vindo ltimamente de liaiinha e caxemira n-: na ra da Imperatriz n. 50, loja da Arara,
camente bordados e enfuitados, cores muito delica-1 rufc 4> Wm* A
i\ npio barato ureco de 105 e 155 i fazenda esta i tlelas da Arara a W
f,ue em out s loj!si vendem ?Sr 205 e 255, Vh colchas de chita a 25, de damasco a
so nara liquidar : na loja e armazem do Pavao a! 45, de fastao a o5 : na ra da Imperatnz n. 06,
ra da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva. I loja da Arara.
Os cortinados do pavo. Cassas da Arara a 280 rs
Vendem-se ricos cortinados proprios para janel-; Vende-se cassas finas organdys a 280le 320 rs.
la e camas nelo barato preco de 95 o par, sendo o o covado, gollinhas para senhoras a 240, 320 400,
lKeCllolnerado: na ra da Imperatriz 500 e 800 rs manguitos a 500 rs camisinhas a
ro!d Gama & Silva. ** "a -ua da Imperatna n. 56, loja da Arara.
na ra da Imperatriz n. 56, loja da Arara.
As percalas da Arara a 500 rs.
, fazenda muitoOna a 500 e^Ttc^:^^^^^^^^^ Z
na loja da Arara, ra da Imperatriz n. 56. | da^oes devotas as chagas de CbnstO, ora-
Soutembarque e capas a 205 e 22,5. I ges Nossa Senhora, S. Jos, ao anjo da
Soutembarques e capas pretas t, grosdenaples | guarda, Deus em obsequio quatqoer san-
to e para a noute, e responso pelas almas
Fugio na noite de 23 do crreme julho de
1864 o escravo Jos, preto, crioulo, ae 26 anuos,
baixo, corpo regular, beicos grossos e estufados,
orelhas pequeas, e cachabo grosso, pouca barba
porque tem apenas na ponta do queixo, leven duar
calcas, urna branca e outra de castor escuro que
psr'ere preto, de listras, paletot preto, sem camisa,
e com urna carapnca encarnada na eabeca, a lata
de marojo : quem pegar leve-o ra Direita n.
54, que ser generosamente reotnnpensaiK______
~^~Fugio na tarde do dia 16 do correntc um '
escravo pardo, de nome Marcos, desembarcado
do blata Santa Auna, vindo do Aracaty, tendo
de idade 28 annos pouco mais ou menos, e os sig-
naes seguintes : altura regular, secco do corpo,
pouca barba, cabello crespo, levou camisa e
calca de algodosinho de riscado azul echa- l
levado comsigo umatrouxa
roa da Madre
de Deus ri.'38, ou ra do Brnm n. 55, que sera
recompensado. ______
do purgatorio.
ATTENCiO
A lieiicao i(leurao !
Vendem-se urnas cartas proprias para
lasquinet, competntemente guiadas ; garante-se se elle er vindo para
serem da ultima edicao por terem servido na noite
de 2 do crreme na covtoticados Anjos de S. Jos
na ruada Otpedagem n. 33 : quem as qaizer com-
prar, dirija-se ra das Patotas, casa da porta
grande.
Terca-feira 2 do correntc fugio do engenho Quan-
ds, em Santo Antao, um escravo por nome Jos
Frreira, com os signaes seguintes : e crioulo. Je
idade de 30 annos, pouco mais ou menos, estatura
o jogo de regular, cara bexigosa e pes apalhetados, suppoe-
esta praca : portanto roga-
se a quem o apprehender leva-l a seu senhor uo
referido engenho, ou nesta praca BernarJiuo
Francisco de Azevedo Campos no fim da ra es-
treita do Rosario ao voltar para o largo do Carme,
que ser generosamente recompensado.
LISTA GERAL.
102
DOS PREMIOS DA 1. PARTE DA
\
[. LOTERA CONCEDIDA POR LE PROVINCIAL N. 370, A BENEFICIO DO CONVENTO DE S. FRANCISCO DO RECIFE, EXTRAH1DA EM 6 DE AGOSTO DE 1864.
1005
105
NS. PREMS-
1 105
2
4 -
6 -
8
13 -
15 -
18
22
23
31
36 -
39
40 -
42 -
44
46
47
48
49
56
59
60
64
68
66
68
72
75
76
77
80
83
90
93
99
100
1
4
5
8
9
10
19
21
26
27
29
31
NS. PREMS-
137
38
39
M
44
4S
48
90
52
54
56
60
66
7(1
93
'.17
205
'.
lil
12
17
18
25
27
28
39
53
57
62
64
66
67
68
75
78
81
82
85
86
87
88
9i
92
94
96
300
2
4
13
105
NS. PREMS.
405
105
33 2:0005| 16
319
21
1005! 24
105 30
33
34
205! 37
38
39
43
44
45
M
51
55
60
61
66
68
70
82
83
87
88
96
98
400
1
4
5
6
9
11
12
15
17
18
24
27
28
37
38
46
48
50
51
64
69
73
76
lOf
105
NS. PREMS.
105
405
105
205
105
405
105
480
81
83
84
86
87
93
95
99
500
i
4
5
7
11
30
40
41
48
M
N
04
73
78
76
78
89
90
95
96
97
98
603
8
12
16
17
18
23
28
29
38
40
45
53
54
55
58
62
64
405
105
205
105
405
NS. PREMS. I NS. PREMS. NS. PREMS
105 815 105
060
82
80
87
69
93
94
95
96
702
4
7
8
9
13
17
405
105
2051 18
105! 23
27
:ii
34
36
41
45
46
59
66
67
68
69
73
74
77
78
80
81
83
85
90
96
98
99
800
1
405
105
205
s
7
11
205 18
815
19
20
24
25
31
38
39
40
41
46
40
51
57
01
69
63
67
68
75
79
80
84
80
90
95
98
904
13
14
16
20
26
32
33
34
36
46
47
48
57
59
64
66
67
69
80
83
86
405
105
205
105
1005
105
205
105
995
97
99
1001
8
13
17
19
27
28
29
i
36
41
17
59
68
69
70
78
79
S8
92
%
99
1104
9
10
16
26
30
33
34
35
39
40
43
44
45
51
56
59
60
63
66
68
70
78
86
l
105
205
105
NS. PREMS. |NS. PREMS.
205
105
205
105
1005
105
205
105
1192
1200
6
10
11
18
21
24
25
27
38
39
49
Ul
GO
64
68
71
72
75
77
81
82
811
85
87
88
89
91
15
97
98
1301
4
5
11
12
13
16
27
32
33
40
4f
47
51
" 54
56
60
70
205
105
205
105
105|1375
77
80
90
%
97
98
99
1400
4
7
9
16
18
19
20
38
41
42
43
48
51
54
56
58
61
70
71
76
78
79
97
98
1501
4
5
10
15
17
18
25
26
29
30
31
35
36
39
41
45
1005
105
2005
105
105
105
105
205
105
105
205
105
405
105
NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. iKS. PREMS. NS. PREMS.NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS.
1546
47
49
53
60
63
77
79
83
88
89
91
94
95
96
1607
10
13
14
22
24
23
29
34r
35
36
46
48
53
54
55
64
65
69
72
74
76
83
99
1702
4
10
23
25
26
27
30
32
41
43
205
105
205
405
105
1005
10*
1748
49
51
o3
60
66
67
69
70
71
77
8:i
89
90
91
92
97
1800
9
11
13
tu
10
21
26
28
36
M
39
41
44
51
54
57
59
03
68
84
87
90
94
%
97
_fl904
5
6
8
22
- 28
405
105
105
405
105
2005
105
405
105
205
105
1005
405
105
205
1051
1932
33
31
39
45
46
53
54
55
02
63
66
67
69
74
76
78
89
90
2004
9
11
10
20
21
28
30
36
45
48
49
51
57
59
61
65
67
75
80
81
105'2119
405! 20
405 25 '
105
205
105
105
205
105
205
105
82
84
85
86
96
98
2106
9
11
16
205
105
26
28
31
36
37
40
44
45
46
47
51
59
64
70
75
79
83
85
88
89
94
90
97
99
2201
2
5
7
9
10
12
19
20
23
25
26
28
32
33
35
36
37
41
44
45
46
55
205
105
205
105
2260
61
63
65
66
70
74
76
84
85
86
1)2
95
96
07
99
2301
4
0
7
12
18
17
25
31
32
40
41
44
40
48
51
56
58
67
73
76
77
80
84
87
94
97
2400
3
105 2428
30
205
105
205
105
32
33
2005; 34
35
205
105
2005
105
205
105
2005
105
205
105
10
12
14
24
- 25
Pern.
40
42
44
46
54
o7
58
60
02
04
00
70
71
79
82
80
90
92
9o
n
2501
6
8
14
17
19
24
28
3U
32
37
40
42
14
45
47
48
50
51
53
54
56
37
66
1005
105
205
105
205
105
2569
71
73
7 i
75
83
85
87
89
90
9!
95
96
97
98
2601
3
10
17
19
2 i
20
27
|J
32
35
36
38
41
II
45
49
51
55
58
64
67
70
72
84
88
89
91
95
96
98
2707
9
18
22
105
405
105
'Typ. de Manoe
2723 105
25
28
30
33
37
39
43
49
50
53
57
59
60
01
02
70
71
72
73
74
75
78
81
82
85
87
89
95
2809
12
15 10:0005
16 105
22
27
28
29
46
47
49
m
64
68
69
71
73
74
76
77
86
2889
94
99
2901
2
7
II
17
20
31
32
42
15
46
50
55
70
79
81
84
88
90
93
97
99
3000
4
9
11
12
17
20
27
33
39
45
51
56
37
61
66
69
74
76
80
92
3112
13
16
105
405
105
205
Figueiroa de Farkrit Fitho
205
105
1864.
3122
27
31
10
43
50
59
53
57
02
66
07
09
70
77
78
79
85
80
88
89
90
92
93
95
3201
4
8
9
15
22
25
30
34
38
42
44
48
50
52
63
73
78
80
81
82
84
85
86
91
105
203
105
2:0005
105
205
105
205
105
NS. PREMS.
3292
99
3318
20
21
24
27
31
32
35
39
60
02
03
70
76
81
82
85
86
87
ios
205
105
5005
105
405
105
405
105
1005
105
95 405
3401 105 :
6 i
8
15
18
19
32 405 1
37 105 i
41 ' ,
43 1
44
49
50
54
55
59 205 1
61 105 (
67 !
70 i
75
'85 5005
86 105 .
87
89
90 ' !
93 98 (
O e8criv3o, Jos Pedro das Ifeees.
>.
----------------


-T^->
LITTEBTBA.
A tradi$o constitucional cni
Franca.
'(Coalinuacao.)
i 111
T,! rcjuijdo
I
"l : j
'sus expressao mais simples e
coai restabfferimgnto
io*c yermhMfcie# ftegnnda fclra n e Aeo(o de f i
mmm
de, pensamenro pol
erofl chamada a exereor alguma Influencia sobr
os seus destinos pela expresa* de sua vontade. A
idea, que appareceu nos grandes comicios de 8>, e
que qs temos oavido avocar pela dictadura mes-
Hio, imprime ueste quadro o sello de urna magnifi-
ca unidade, porque nunca povo alguna mai? obsti-
nado na perseveranca de suas esperaoeas, quando
mesmo eslas lecra parecido engana-lo.' Emquamo
i .dea de 89, resiste ao assalto das faeges, c do-
mina as assemblas representativa?, transforma-
Cora reputadas imposslvcis se operara con. urna fa-
citidade sobrehumana. Quando a anarebia on o
despotismo vence, essa iJa refugiase no fundo
dos coragoes, at quando os espritus parecem nao
ter ma,s consciencia della, e logo que se serena o
bisonte clla
depois da tempeslade.
Quando un grande governo militar, rasgando as
csipulacoes de 1804. imaginou tomar a romeear,
era plena civlsago moderna, as expedicoes de
Alexandr-, este pensamento veio de repente encher
gencia polilica, antesque o paiz o reclame bastan-
te imperioAmento para tiraf ao poder o proveilo
legitimo dlima ialciativa.opporttina. A partir do
decreto do 21 d*noveml|ro, .a constituigo de 14
de janei de 1852, fue at enTSo tnha sido, como
a do anno VIII .uma surte de loira mona, tornou-
se uma verdad, a quaVs Itgaraw inieresses, urna
esperanza, que as ambiges honrosas acceitaram,
urna egide, sob a qual nao hesitara ruis abrigar-se
as famas as mais brilbantes.
Eu nao conheco para' urna legislado fundamen
I fin*tnr>* fo ,____** i -
-servad* m? sua
uc ^ulc^dWefeadHra Ar^M** I AXTSiK ***#>to
fe era Tranca de^ que a n,^S^^^^^f^
. -----.*...., ^ quando eu
considero o estado interior dos partidos, nao vejo
para o poder tentativa, que seja no fundo menos
porigosa; esta tentativa com efTeilo nao poderia sor-
tir effeito, mesmos aos mais Ilustres, se nao se el-
la fosse realisada sem segunda intencao e do
interesse exclusivo do paiz.
Pelaprimeira vez, vae dar-se tal vez livre de to-
da preoecupago pessoal, o grande combate da li-
berdade ; tambera pela primeira vez que a Fran-
ca de 89, de 1814 e de 1830 vae esforgar-se em
continuar, era condigoes um pouco dilTerentes da'
qucllas que clla tinha admittdo at o presente-
a obra que toca de tao peno a nossa honra nacio-
nal, pois que esta obra continuara a levar nosso
nome era toda a Europa, quando mesmo nos tives-
semos a insigne fraqueza de repudia-la.
O problema submettido depois das eleivoes ge
raesasagacidade do poder se acha concebido em
termo mui simples. Animada dtquj por diante
pela forga do governo, e voltada s suas nobres
curiosidades de espirito, a Franca aspira reconquis-
Transforma^em inimigos do governo os ho-
mens mais c mderaveis denaizAee ella} se apre-
sentaos aos suffeagios dos saas roofeidadies sem au-
torisajflo previa da adnn'ni-tteciojl sawazcr seus
I rancres a cusa dos seus interesses : poltica ha-
bitual aos emigrados,;fUgellos de iodas as restau
rar-oe, sol qualqner^andeira que se operem. Se
I o effeito dessas exelusfies dasagradavel para as
localidades onde ellas deixam o eleilo sem concur-
rente, mas tambem sem influencia, este effeito
raaior anda sobre a opiniao publica que conserva-
so rainha do mundo al ero plena democracia. Se-
ria mui perigoso com effeito acostnmar a naeao a
distinguir na legislatura os deputados dos distri-
tos usuaes dos deputados das grandes piedades son-
co mais ou menos como se distingua em Inglater-
ra anles do bil do reforma, os representantes dos
condados.
Nao crear-se-ha gratuitamente taes cathegorlas
e nnguem querer sem duvda imputar a si a par-
te tao bella a opposgao, attribuindo-lhe o mono-
polio das ideas que constttaem boje seu nnico
poder.
ou archines, como se diz as ilhas, que tinhi|u
seu solar patrimonial em Kuse, na ferlil planicie
de Mesura, da qual a maior parte Ihe pertencia
Os cuetes da tribu, pouco lempo anles da tomada
digo singular relativa ao homem bfanco e sua su-
perioridade sobre as outras raras. E-la :
Quando o Grande-Espirito creou o mundo, deu
o ser ao mesmo tompo a tres homens,- todos da
de Canda fiociram ai,PP T- 7 i ser ao m'mo ,omi>0 a lres homens,- todos da
n^mTcZ?\ mSm: PrelU mesmacr; dePls lcvou-os Pa margem de


r------
(Centinuar-se-ha.,


poder.
fContinuar-se-ha.)
A Hjy DE CRETA.


reproduzir o mesmo phenomeno em circumstancias
fetizes.
Em 186,' a nagao lorna a achar. como por effei
to de nma le natural, as preoecupacoes elevadas"
que se tioham encoberto para ella em presenc
dos pergos pblicos.
Libertada, cm um gru, que nunca se encontrn
em pocas anteriores, de tedas as illusoesdos par-
tidos, ella empregar na rcvind.Yarao de seus di-
rentos uma vontade cada vez mais decidida, porque
el'asabe claramente o que exige. Por toda parte
so levanta esla disposigao geral do espirito publi-
co : ella, que d aos acontecmentos de uma im-
portancia secundaria um alcance immenso ella so
tu dos tristes acasos da morie uma positiva reve-
-lacq para o paiz e um ensino solemne para o po-
gimen representativo Ihe parece terduas vezescho-
cado-se.
O governo imperial tem sem duvda inslincto
mateo seguro para nao comprehender, que o estado
do espirito publico o convida neste momento uma
nussao nao contraria, a que elle deveria preencher
na primera parte de sua carreira, mas de um al-
cance mais elevado e mais duravel.
A" 10 de dezembro de 1818, a Franca tinha evo-
cado onome do imperador Napoleao como um la-
fcsman contra a anarch.a. Menos firme pelo espiri-
to do que pelo corarao, ella erigi um altar aoine-
do sob a ag.tagao profunda de um praso, em que
parec.a-se ter accumulado como que por prazer
lodos os problemas e todos os pergos. Do terror
geral saba a dictadura de 1851, c sua sombra re-
fl-diu rau.tos anuos sobre o segundo imperio, do
qual esta dictadura tnha sido o silencioso berco
IV'rfeitamente indiferente, durante esse periodo ao
valor theonco das iosiituiges para as quaes recia-
ava-se a sangao de seus suffragios, considerando-
so anda como collocado sob a eminencia de um
grande perigo, o paiz nao aspirara senao desviar
do lar domestico os pergos, cuja obscura perspec-
tiva Ihe tinha causado algum susto e desmao de
terror.
Dentro em pouco o temperamento nacional, h-
bilmente provocado, achou as emprezas realisa-
das no exterior satisfceles bastantes vivas para
que o provimento do pensamento publico parasse
durante cerca de dez annos em presenga de obras,
que nao eram sem importancia.
Nao se falta com o respeto ao poder, assignalan-
do como uma das stias preoecupacoes as mais cons-
tantes o cuidado de manter o equilibrio entre os
dous elemento consiliativos do genio nacional. Se-
em uma das conchas da palanca elle tem feto pas-
sar por sua vez, a Crimea, a Italia, a China, a Co-
ehnchina, e o Mxico, em outra lancou o decreto
de 21 de novembro de 1860, a memoravel carta a
Mr. Fould, e certas manifestagoes, que nao deixam
davidar, que uma parle notavel ser feiat intell"
FOLHETIM
vi.vru hok4 di: r.iri:iitv
POR
CIMILLO CASTILLO BRAXCO.
Conlinuacao.)
VI
Conta-me agora uma historia sem dinheiro-pe-
di cu ao meu amigo.
Qucres entao uma historia seolimenlal ?
Isso.
Historia de sentunento aldeao ? Eu nao pos-
so contar de outras. P,em sabes que da vida das
cidades nada sei.
Vejamos : pode bem ser que me vas referir
cousas muito originaos!
Onde tu vens I.. .originalidade!
Onde devo ir. as cidades que j nao lia
sentimento de originalidade nenhuma. As paixoes
de l, boas e mas, teem tal analoga, que parece
l:aver uma so manivela para todos os eoraedes.
Esta identidade grande parte na monotona dos
meas romances. Ha duas ou tres situagoes que,
mais ou menos, ressahem. no enredo de vinle dos
meus volumes, cogitados, estudados, e escriptos
as cidades. Quando quero retemperar a imagna-
{ao gasta vou caldea-la incude do viver campez-
ho. Avoco lembrangas da rainha infancia e ado-
lescencia, passadas na aldela, e at a linguagem
me sahe de outro fetio, singela sera affectagao,
casquilha sem os requebrados volteios, que Ihe dao
es nvezados estylistas buclicos. Assim que des-
caho em dispr as scenas da vida culta, ah vem
a verbosdade estrondosa, o tom declamatorio, as
infladas objurgatoras ao vicio, ou panegvriros, ti-
rados forga da violentada consciencia, a urnas
innocencias e virtudes, que me teem grangeado
descrditos de romancista da la. Conta-me, pois,
ama historia sentimental, meu amigo.
E' a historia das janellas fechadas, ha trinta
annos.
Historia das janellas fechadas, ha trinta an-
nos Ah est j um titulo original, se me nSo en-
gao i
Foi assim o caso. A scena passa-se na rai-
nha fregneza. Eu conheco a ta Felicidade Per-
petua, o nome que eu conheco mais contradictorio
Feliz em dar prova de perseveranga depois de
terpraticado actos de sabedoria e de consolidar a
ordem publica pela conquista da liberdade, ella
espera a realisago dos seus desejos ou da iuciati.
va imperial, ou de um senalus-consultus orgnico,
ou euiGm de um plebiscito, se este recurso supre-
mo a sua propria soberana tem sido reputado ne-
cessario.
As preoecupagoes do mundo poltico versara so-
bre diversos pontos, e o carcter essencialraente
perfectivel do acto constitucional nos autorisa a
indcalos, pois que esta indicagao um recurso
regular s vas abenas pela lei fundamental.
Quando as eleiges do mez de junbo de 1863
as ideas hberaes ganhavam urna victoria, que nao
contestara seus adversarios os mais decididos a
confianga publica flcou affeclada de uma extranha
desproporco entre a grandeza do successo moral,
e os resultados expressos pelo escrutinio. A lgi-
ca natural do espirito francez devia conduz.-lo
desejar uma modficaco profunda, nao no princi-
pio de nossa legislago eleitoral, sobre o qual a
consl.tu.gao lem estatuido, mas no modo por que
esta legislagao applieada por uma admioistragao
pouco raals ou menos omnipotente na maior parte
das communas ruraes..
Para ceriificar o desaccordo que separa o rgi-
men administrativo do lempo das ideas de 89, bas-
tara por os antigos directorios depariameolaes em
queaautoridade central era apenas representada
por um commissaro diante da formidavel machi-
na prefectoral do primero imperio, reforcada pelos
actos que a apprehensao do socialismo sugerio ao
segundo depois do dia 2 de dezembro.
Nao ha exforcos tentados para restringir um dos
abusos da ceniralisarao por uma expedigao mais
prorapta dos ne2ocios que nao tenham concorrido
por uma consequencia provavelmente imprevista a
por o remate ao poder, no qual se observara todos
os oulros.
O decreto de 25 de margo de 1832 poz a chave
de todas as carreiras e o reglamento da maior
parte dos interesses privados as maos dos prefei-
tos, ja dictadores da imprensa departamental, e
que nao encontrara em face de si a circular minis-
terial de 12 de agosto de 1863 hasta para atistalo
siniao conselhos genes destituidos de sua princi-
pal prero?aiiva por uma situagao financeira anor
mal.
Designando populacao candidaturas, as quaes
succede algumas vezes nao exislrcm se nao pelo
facto desta desigoacao mesma, assegura-se, eu o
reconheco, volos facis, mas perde-se o imnnso
proveito moral que resulta ao poder do concurs
espontaneo das existencias independemos e dos ca-
racteres respeitaveis.
Recordaces de viagem.
Parae para onde fugis, covardes ? Parae, que
eu quero mostrar-vos como que combatem os no-
; mens corajosos! Ou/o capito grego Anagnostis,
| que Ihe responde em termos que a tradigao con-
, servou, porque assim como as ultimas palavras de
Patroclo moribundo, conlinham uma predieco,
que em breve ,e realisou. Sahste boje para corn-
bater, Ali-Aga; pois eu espero que Deus nao te dei-
xe voltar a tua casa, que tua me nao te torne a
i ver vivo, e que este seja o ten ultimo dia. > Oulro
chefe christo, Antonio Meidoni, flzera, no primei-
ro anno da guerra, taes prodigios de energa e de
| actvidade que o pacha de Megulo-Kastro, maravi-
llado por tanto valor e por tantos iriumphos.soli-
ctou a permssao do v-lo. c D'aqui aalguns das,
respondeu o Cretense, como se fosse um sparclata
dos velhos lempos, estars prisioneiro da mlnha
i tenda e ters bastante lempo para contemplar-me
a teu gosto.
I Nao foi isso uma vaa fanfarronada; d'ahi a
pouco tempo eslava o pacha captivo dos Gregos. As
proezas de Meidoni custaram-lhe caro; antes de
| acabar o primeiro anno, roorreu clima do cume
que os seus Iriumphos causaram ao feroz capito
Roussos, chefe dos Sfakiotas. Antonio Meidoni era
natural de uma aldeia situada as fraldas do raon-
I te Ida.
Tendo em vao procurado desfazer-se do seu ri"
val manJando-o combaier forgas mullo superiores,
ROBIMa, furioso por ver que em eada novo encon-
tr elle mais se engrandeca na opiniao dos ehris-
laos, convdou o montanhez para um festim, que
I este aceitou sem a menor desconflanca. Insultado
1 pelo chefe sfakota, aecusado de ambiguo e de pr-
fidas tramas, Meidoni justificou-se com algumas
palavras chelas de nobreza que drigiu aos solda-
dos, e retirou-se no meio de acclamagoes dos pro-
prios Sfakiotas, que solemnemente lite prometieran)
i combater e morrer por elle. A colera e o odio de
j Roussos, vendo-se abandonado pelos seus, nao co-
| nheceram mais limites; fingiu que quera uma re-
concihago, e i.a entrevista que leve cora Meidoni,
, abnu-lhe a rabeca de rneio meio. Nao se deve
reconhecer neste faci uma dessas violentas inve-
Ijas, uma dessas excessivas vadades que descarre-
jgaram seus golpes sobre a esquadra e o exeral
(dos Gregos antes das batalhas deSalamina e de
| Platea, e que por muitas vezes estiveram a ponto
de romper a solidariedade e entregar Grecia ao
inimigo ?
M POUCO DE.JUDO.
o Coireio do Havre ftnnunea; que em 1865 um
cometa tanto se ha de aproximar da Ierra, que tai-
vez ponha em perigp este planeta. ;. *
l'ma consolagao, porem, offerece o astrnomo,
que annuncia-esle phenomeno, o professor New-
mager, de Melbourne. Se os dous corpos nao fo-
rera mutuamente absorvidos como dous glbulos
de mercurio postos em contacto, o espectculo ser
o mais magnifico de quantos trrTcontemplado a
especie humana.
No decurso de lres vezes vinle c quatro horas
nao se distinguir a nonte, estando a atmosphera
constantemente banhada de uma luz deffusa, mais
radiosa e brlhante do que os raios do sol.
-----.
Mr. Betheder, pintor, tem conseguido reproduzir
pela photographia antigos manuscritos, impressoes
mais ou menos deterioradas, o autographos con-
temporaneos.
| A imitagao de tal modo perreita, que neces-
saria mu.ta attengao para distinguir o original da
copia em certos casos.
i
A marinha militar do Per compSe-se de 11 em
barcages, que monlam 74 boceas de ogo : 1 ira'
gala com 39 pegas 10 vapores cora 19; 1 brigue"
com 12 ; oulro com 4; 8 pontSes com 2 e 2 irans-
porles com 4.
n i -i publico.
O pessoal consta do 1 coBtra-almirante, 2 cap-
taes de mar e guerra, 6 capites :do fragata, 3 ca-! ...
pitaes lenles, 9 leaentes de primeira e segunda Ura '(,ue tem li,uI Rosa En'-
i XBei.,^ h r... Ida rePreeutado ha poucos dias n'am dos gran-
des ihealro da Allemanha, cujo nome nao dire-
mos por um sentimento de reserva farl de com-
prehender-se, figura um carro de nuvens, que
iransporia as regioes das fadas oegenios do amor.
sem agua para banhar-se.
Cm delles obedeceu immediatamente, e sahu da
agua, brauco e formoso; o segundo vacllou um mo-!
ment, e guando se ^aiirou ao banho, j a agua se'
tinha enlurvado, polo que sahiu elle cyr de cobre ;
o lerceiro n.o se aniniou senao quando a agua' se !
havia cuturvado totalmente, ficando negra, pelo que
sahiu elle com essa cor. I
bntao o Grande-Espirito apresentou-llies lies pa-
cotes, e, condoendo-se do homem preto, de-lhe i
preferencia na escolha.
Este escolhcu o mais pesado ; o homem cor de
Cobre que se Iheseguiu, tomou tambera o mmedia-!
lo, nao restando para o homem brauco senao orne-
no's pesado.
Quando abrram os seus pacotes acharam : o
homem preto pi, enxadas e oulros utenclios ara-1
torios; o Indio utencis de pesca e armas para caca I
e para a guerra ; e o homem branco achou apenas
no seu pacote papel, pennas e tinta, utencis da in-
ellgenca, e coin el les conquistou a superioridade
obre os seus irmaos.
Transcrevemos do Jornahlc Lisboa o que segu :
Anles de honlem noule, lemos no Telegrapho,
jornal de Barcelona, os pescadores que rompoem a
iripolacao da barca por nome Pacifico, de que
mestre Pedro Orial, apanhou as alturas de Mon-
jerich um grande animal amphiblo, com 17 ps de
eomprimeuto, e da gros5ura de um homem.
Parece qut a gcnle do mar o conhece pelo nome
de cantarich.
A Larca vio-se em mnenle perigo quando os
tripolanies pretenderam pesca-lo.
Pediram licenga a autondade para mostra-lo ao
N'uma das ultimas representacoes deste bailado
classe, 31 guardas-marinhas, 48 offlciaes de reser-
va 1,070 raarinheros, 469 pragas de infantaria de
marinha e 3d4 de artilharia naval.
-----
MeaTrod S'* 1 nma ^ I'0r'ngUeza :
^^^S'^Tft^r^J^reea' Pr efciI dC U' """* chi-
quero dizer, os operario' Ro i reS' nis,a^ueoearroem vez d descerno lerceiro
ber nao cupa !? Te^T tSSSl da I ^ ^ "^
ra de la Paix, as do Quai Salaquas e as da sala i Mas'(|ual nao foi assombro do publico vendo
Bartbelemy. A respeto des-tas- ah vae ancdota < D0 carro>e'" d& eraos, uma joven dangarina
PhiloxneBoyer foi dos mais assduos proesso"l *** -^ l"" ^^ l"a,f m0C'"* aSaCa
res desles cursos, mas infelizmente a.traha poucos
ouvmtes Lma vez chegou, eno hav.a ninguem;
Era quanto Ihe era uecessario. Sub.u tribuna e
pnncipiou o seu discurso acerca do rei Lear. Foi
tongo, rauto tongo, e, vendo

Sblta em ucar, aJnda mais longo oi, porque enlen-
deu que o homem gosiava.
- Talvez fui demasiadamente prolixo, dsse Phi
lozene Boyer em forma de interrogaeo.
Nada, respondeu o homem. Bu nao tenho
pressa.
- Ah Nesse caso, visto que nao tendes pres-
Que pressa hei deeu ler, replicou o ouvmte-
V- bem o sabe. Eu eslou a ganhar a hora.
Sentoqueoprofessor recooheceu no seu
umeo oilviate o coeheir qae o linh* levado, e
o eslava esperando.
Foi ha pouco essaiado, em Toulon, um novo-ly-
po de canhoneiras'Tonracadas, aperfeigoadas de
modo qnepodera circular com grande velocidade
tanto por ierra, como pelo mar.
Estes pequeos navios, mu pouco elevados ci-
ma da superficie da agua, tem na tolda um reduc-
to couracadoe com seis poriinholas para boceas de
fogo.
Podendo ser desarmados em poucas horas, ed,-
v.d.das em desoll parles, comprehendendo a ma-
chma poderao estas canhoneiras, em caso de ue-
cessidade, dar um combate naval as cosas da
Provenga, lendo no mar a velocidade media de oi-
o nos; poderao, desarmadas, ser transportadas
em cam.nho de ferro com uma velocidade de ses-
senta kilmetros por hora e combaier ainda as
costas do ocano, depois de ler alravessado a Fran-
ga de um a outro exlremo.
* *
Com quanlo profundamente perturbada pela gner-
ra, esla muito longe de se achar aniquilada a cul-
tura do aleodo nos Estados do Sul.
Resulla de um documento oflicial submellido ao
congresso de Richemond, que. do 1 de Janeiro a
Jt de margo ullimo sahiram do nico porto con-
federado de Wilminglon (Carolina do Sul) por cun-
ta do governo, 6,430 fardos do peso de 200 kilo^
grammas, pagos em Liverpool pelo prego medio de
50 libras por cada fardo, e 14,398 fardos para..
commereio particular.
Mais de 20,000 fardos de algodo, representan-
do um m.lhao esterlino (25 milhoes de francos) fo-
ram assim expedidos em tres mezes de um do<
pontos secundarios do sul.
Devemos acrescentar, que o prego enorme do
algodao era, 1860, de libras esterlinas por fardo
prego que se acha boj i quintuplicado.
sa
Lina cousa muilo curiosa e que se nao rae enga-
o especial Crea, o papel que durante
guerra da independencia representaran certas fa-
milias apparentemenle convertidas ao mahometis-
mo, depois da conquista, mas que, de corago e de
ideas, sempre se conservaran! fiis religo de
seus paes. Assim que pareceu apresenlar-se a oc-
casiao tao desejada de abaler o crescente e de -
beriar Creta, apressaram-se logo em abjurar uma
- dissmulagao que Ihes pesava, voltaram publica-
mente ao christiansmo, e derramaram seu sangue
por essa religo que se exprobravam de ter por
um momento renegado anda que nao fosse senao
dos labios para fra. A mais celebre dessas fami-
lias memoria e gralido dos Cretenses, a dos
Kurmulidas, boje despojada de seus bens e quasi
! destruida. Era uma rica e aolga casa de Kdalgos
prefa e lavas brancas f
Oamoroso par necessilara de cerlo conversar
as regies das bambolinas, e parecer-Ihe que
achana lugar commodo e apropriado no carro de
nuvens.
Ma*, deste modo, a dangariita e o elegante cahi-
ram realmente das nuvens I
*
Os numerosos boatos, que ter* circulado ltima-
mente acerca de Francisco Listo, sao desmentidos
pelas seguinles lnha escripias de Ronia pelo ce-
lebre msico, e comraunicadas a Poste de Hungra :
Acln>me aqui muilo a meu gosto, e nao pos-
so compsehender a razio porque nos jornaes- me
recommendam lo calorosamente a vida monas-
tica.
t Nao pensei nunca em me retirar a um conven-
to, e bom seria que todos os melanclicos tivessem
tao boa apparencia cobo eo.
a Que deseje acabar os- meus dias em Peslh,
o que de ceno comprehendereis sem muitas expl-
cagoes; mas comprehendereis tambero, que vem
longe ainda esle tempo;
Em primero lugar espero, que no esteja tao
prximo o moa fim ; e depois, Boma detem-cne
com forca. verdaderamente mgica, e basta o sVu
com a vida de sua dona. E' uma mulher de cin-
coenta annos, lavradora remediada, e o mais bella
que pode ser mulher de cincoenta annos, com uma
paixao de alma, e no trafego da lavoura, em que
a belleza se vae depressa.
Ha trinta e dous annos que ella era um mojlo
para Baphaeis que nao podessem phautasiar belle-
zas. Agora mesmo, aconlece-me ltala com nao
sel que ternura, e digo muitas vezes minha me o
--\ao na cincoenta anuos assim !- Se tu a vis-
es, quando ella ia de Sania Magdalena as pro-
cissoes!... .-responde minha me.
Comecando pelo principio, deves saber que Feli-
cidade Perpetua era jilha nica de um lavrador
cujos bens valeriam enlre viole c cinco e trinta mi
cruzados. Creou-a mimosamente o pae, recelando
que a vida do campo Ihe damnificasse a delicada
compleicao. Contava casa-la com lavrador enal
em haveres, poupando-a assim a entender no ama-
nho da lavoura. Excellenies casamentos se ihe
olfereceram; mas Felicidade, voluntaria senhora
na escolha, declinava de si o arbitrio, acceitando
conslrangida o marido que Ihe dsse o pae.
Cora a casa deste lavrador defrontava o maior
propietario da minha frepuezia n'aquolle lempo.
Era homem de setenta annos, sem familia, e scis-
raaiico. Dizam la que o peccado Ihe amargurava
o invern da vida, Iraspassando-lhe de remorsos o
coragao, e ennoutecendo-lhe os ulllmos annos com
a esenndade das sombras eternas. Esle homem
aos quarenia e Untos annos, abandonara uma mu-'
Iher cora uma filha ao peito. A abandonada aca-
bara de desgosto e miseria; a filha nnguem sba
se morrera obscura como nascera, se mo carita-
tiva a levou d'entre os andrajos em que morreu a
mae.
-Que tristeza de historia I -alalhe eu. -Nao
fa ped. tao sentimental !...Vae-se parecendo com
as historias das cidades...Eu cuidei que nao ha-
via disso as aldeias, meu amigo!
' Eolo retiro e como ?
- Ja agora.. .Mas earrega o menos que pude-
res as cores negras. Esse teu estylo vae-se pare-
cendo com o meu. Quando me fallaste da Magda-
lena das procissoes, cuidei que me is encher e
peito dos aromas de rosmaoinho e alecnm dos es-
pectculos religiosos do teu alegre Minho. De re-
pente, despouhas a rainha espectativa n'uns andra-
jos em que morre uma mulher desvalida com uma
filhinha aconchegada do seio mortal...Ora, pelo
amor de Deus!., .s muito peior romancista que
eu!.. .Se lu vistes em que coojuncluras eu tenho
escripto as novellas, que fazem chorar tua senho-
ra !.. .Basta dizer-le que escrevo sempre luz do
crepsculo. Os meus olhos nao comportara oulra
luz. Quando os. dias estao lucidissmos do bruan-
| lsmo do sol, eu lomo do favor de Dous a irona
claridade do um raio coado por transparentes ne-
gros. O meu gabinete de trabalho, durante os me-
zes esplendidos do auno, u,n continuado comgo
de noute. De.-ta escuridade, muilissirao de entris-
tecer, diffundida em volla de mim, de forca a mi-
nha unaginacao ha de senlir-se. A Ierra sem o
: sol uma cousa de fazer pena e afuVcao, como se
ella houvesse de voliar ao cabos primitivo : assim-
e sombra a alma, que nao pode banhar-se nos oc-
ceanos de luz, que os leus olhos fliam sem dor
Eu afliz-mc a ver uma quasi noute no mundo ex-
terior : o meu mundo subjectivo est povoado de
imag.nagoes escuras. Tu, porra, meu amigo
tao feliz, tao sadio de olhos, lo em contacto com
o sol com as arvores, e riberos, e flores, onde
aprendesle essa linguagem plangente ?! Se me
descrevesses os jbilos da peregrina Felicidade
sem me contares que a lavrador visinho desampa-
rou a mae de sua filha...
- E' um episodio uecessario ao enredo da his-
toria.
- E ? Enlao, vaes agora dzer-me aue o lavra
dor, picado pelo remorso, foi procura da filha
- Nao : o lavrador, como se visse ssnho to-
mou para fetor um arllhado, filho de um jornlei-
ro. Este rapaz, que velho hoje, e se chama Lou-
renco Pires, foi no seu tempo um gentil moceto
tocava clarinete as chulalas, era o bemquisto das
malhadas e espadeladas, homem para o seu ho-
mera, estimado das raparigas, e amado de algu-
! mas. que, por amor delle, se fingiram endiabra-
das para nao casarem vontade dos paes.
Perpetua amou Lourenco. A esquiva, tao reques-
, tada dos lavradores abastados, a senhoril menina
i que pareca enfeitar-se para levar o seu dote a uma
I casa de brasao, amoa o feitor do sen visinho Con-
tara os velhos que Lourengo, as noutes calmosas
qnando o padnnho se fechava cora o seu remorso
no quarto mais recndito do vasto casaro de can-
tara, sahia elle ao roci, copado de carvalhos gi-
gantes, e ah sentado n'am toro de madeira, canta-
va ao arpejo da viola esta e outras coplas senslbi-
lisadoras :
J fui canario do re,
J Ihe fiig da gaiolla; .
Agora sou pintasilgo
D'estas meninas d'agora
Em nra jornal allemao encontrase o segaiet
aonuncio, que tem sido reprodmido por muiios
oulros jornaes :
tfl Uma.Hnda seDh(>ra, que recebeu uma brilhan-. ^
eaucap e lem o maior nso da sociedado, deseca < aspecto para me inspirar as mais estrenuas har
fazer conhec.mento com um cavaltoiro de dislinc- monlas.
gao para casar com elle.
A senhora oosse i naro ,,^ A Treze obras novas 6,ram condemnadas pela con-
tSZZViSZSlZZZ 715d M" te' *-
ram .
Os Marrareis, de Vctor Hugo ;
Jess, Moyses c Muhomet, do baro d'llolbaeh ;
A Vida de Jess, de Renn ;
Us Mates da Egreja, de Salvoni;
Os i/uadros sinpticos da Divina Comedia, de
Maucini;
Os romances de- Balzac e Fred.. Souli.

moda, um leilo grande, umrelogio-, um dedal e uma
frigideira.
' As cartas sero dirigidas a A. '/.., adminis-
tracao do jornal, devendo o pretndeme enviar
duas pholographias,'uma de frente e outra de
perfil. >
Entre os Indios seminlos existe a segunte tra-
Parece que esle o estylo que queres.
- Assim vaes melhor. Essa tolice muito mais
sincera que outras maiores que se escrevem as
cidades.
- E' o que eu a dizer. se o nao dissesses tu
e o primero exemplo. que me acuda memoria
eras tu mesmo.
- Eu? obrgado!... Aproveilo a occasio de
saber .piando fui mais tolo que o Sr. Louren.ro
Pires.
- Quando screveste e publicaste uma poesa
com estes tres versos:
Sou ura martyr do amor ;
Sou umanjo soffredor;
Nem um prazer me sorri!
n
nao ha parvoicada que eu nao te-
sta leu t
Deve ser :
nha escripto.
Pois bem : Lourengo Pires, dizendo que era
pintasilgo, foi menos irrisorio que tu, di/endo que
eras anjo. Anjo, tu I.... que anjo I.... No tempo
em que decretasse a tua angehsacao, foi que eu te
conheci a comer ostras cruas na Aguia de Ouro
Olha se te lembras I... Comecei enlao a descrer-
dos poetas, e a crer as ostras...
Lembrome muilo bem, meu amigo. Foi en-
tao que eu estrague! o ligado e o bago. Os tres ver-
sos, que ultrajas com sensata irona, revelara amol-
lecimentode cerebro. Ora agora, quando entende-
ros que o anjo esta sobejamente castigado, conta-
me a historia do pintasilgo.
Foi amado, amado como todos os tolos, que
vo direitos ao coracao da mulher por caminho
desembargados de senso-commnm.
hiram contra ella as mies de familias, apontando-a
como exempte, o escalavrando a chaga da des-
honra para Ihe lornarem mais visivel o squalor e
fealdade aos olhos das Albas. Eslas, que a tinham
em odio con i a dos seus ares de senhora e geitos
dengosos, vingavam-se eaxovalhando-a com remo-
ques e risos.
Perpetua apressou-se em correr os banhos para
casar com Lourengo Pires. O rapaz, contente dos
successos que Ihe trouxeram mo uma bella mo-
ga e uma boa casa de bens, foi fallar ao abbade, e
apresentou as suas certiddes.
Na primeira dominga, quando o abbade acabava
de ler o proclama, sahiu d'entre o povo uma rapa
riga de outra freguezia; e, parando no arco da
egreja, apregoou que Lourengo Pires Ihe prometie-
ra casamento com aleivosia e roubo de sua hones-
tidade.
Houve grande reboligo. Perpetua, que assistia
missa no recanto escuro d'entre a pa de agua ben-
la e o confissonario, sahiu da egreja em solugos.
Lourengo...
O pintasilgo... atalhei eu com rancor ao mal-
dito, que devia, na ordem das aves, chamar-se
abutre.
O pintasilgo tambem se escoou por outra por-
ta a fumegar de raixa. u abbade aquietou a des-
ordem e chiadera das mulhcres, que metteram a
riso o escandal), e conlinuou a missa. Depois cha-
mou a mulher, que sabia aos banhos, arrolou tes-
temunhas, e instaurou o processo, que foi para a
cmara ecclesiaslica de Braga.
Conta o folhetinista da Recolara de Setembro
Julio Cesar Machado, alguns episodios da sua via-
gein Hespanha, com esle titulo
EM MAD1UD.
Bfom d"esses episodios refere elle o seguinle :
Estamos em pleno baile de Capellanes.
Entrada de convento, corredores solemnes, sale-
ta para guardaras bengalas com ares de sacrestia.
duas grandes salas ctaustraes por onde se espre-
guigam os sons de uma orcheslra enferma, diver-
sas muchachas ao centro balougando a valsa, c, em
redor, sentadas gravemente, muitas menina de ar
sisudo e attitude tiroida a ensaiarem com xito in-
certo um sorriso casto.
Cada uma deslas meninas tem a seu lado algu-
ma matrona venerabilsima, velha hespanho!av ca-
paz de embrujar o mundo em uma prega da man-
tilha, creatura anafada e luzda, que despreaa pro-
fundamente o amor como a mais prejudicial imbe-
cidade que pode atacar uma pessoa, e que, enlje
oulros consellws, ao encaminhar sua filhaporque
a menina sua filhaa aceitar a corle um ho-
rnera Ihe recommenda sempre :
Principalmente, nao gestes delle !
Tem a Franca, como sabem, a filie de mrbre
mas, se a r ranga tem a filie-, a Hespanha.... tem a
mae Conla-se de um cavalheiro que gastara to-
dos os seus haveres com uma andaluza de psregri-
na belleza; j pobre e velho, encontrou anaos de-
pois era um diverlimento a sua amante amiga, que
eslava mais formosa que nunca, e cuja vista lh? ac-
cendeu de novo o amor no peito. Foi a casa della
no dia seguinte, mas appareemm-lhe ella ea me.
A mae dase :
Por c Entao. anda tem alguma cousa de
seu Tf
Infelizmente nao. respondeu melanclicamen-
te o homem; j nada, tenho, a nao ser o meu lu"ar
no cemitorio, nojazigo de minha familia :
A rapariga ia consola-Io ; a mae dsse :
ludo se pode arranjar !
Como?
Ceda a cova a nuha filha !
Que?
- Mais officialmenfe, regularmente, plmen-
te, por escrpturas I
O homem consentio em tuto, e as escrutaras ta-
rara lavradas, pelo labelliao, ficando a menina con,
d.re.ta acuelles lanos pk de Ierra no. mausuleo-
Em quanlo rae.. Que Ibes parece que fez a
mae a este contrata ? Tornou a vender a cova per
muito bora prego no Ilustre monumento a um cai-
ga de couro, cujo maior empenho era ser enterra
do em boa companhia.
Lourengo, animado por ella, pediu-a ao pae. O
velho cuidou morrer de assombro e angustia, quan-
do Felicidade Perpetua Ihe dissse que nao casara
com oulro... Agora vaes ouvlr um relango iris-
tissjmo deste como, ur-fo-hei breve e seccamen-
te. Passados alguns mezes, a moga, coberla de la-
grimas, dsse ao pae o quer que foi tao afllicti-
vo, que o velho sahiu a brados pelos campos alm,
e passou tres dias e lres noutes fra de easa. Trou-
xeram em uma maca, j quando a febre Ihe tirara
o lino. Viu a filha, e nao a recooheceu. Cobrou os
seniidos para perdoar-lhe ; e, perdoando-lhe ex-
pirou.
Perpetua desfez-se cm pranto sincero, mas a vin-
dicta publica, apezar do perdao do pae, nao Ihe
perdoou. A desgraca da rapariga era notoria, Sa-
Perpetua tai procurar o val ment de minha fa-
milia, e desamparou a casa Meu pae foi em Braga
o sollicilador da demanda Lourengo Pires. As pro-
vas contra o seductor eram frouxas e contramina-
das por testemunhas que depunham contra a ho-
neslidade da atravessadora. O processo, velpen-
dioso acervo de vergonhosas divulgagoes, como
costumam ser estas reelamag5es da chamada hon-
| ra, esieve mais da um anno sem despacho. No en-
tretanto, Felicidade, escondida zombara estup-
da e cruel do gento da aldeia, achou misericordia
em minha mae, e olhos de pedoso amor para a ve-
rem com um filhinhonos bracos do qual fbram pa-
dnnhos meus paes.
Ifeste tompo, de uma Ierra, dez legnas affastada
da nossa, veio um padre procurar o lavrador. pa-
drnho de Lourenco,
Este padre veio dar ao homem dos remorsos a
nova da .'xistencia de uma mulher de vinle e tan-
to annos, lilha de uma tal Quitea, qu., antes de
morrer, n'uma aldeia das abas do Gen, pedir a
outro padre que Ihe escrevesse a sua historia, para
a iodo lempo, a filha a saber quera era seu pae. A
qual historia, o padre que a escreveu, conservou
em seu poder para entrega-la moga, quando ella
soubesse dar valor a noticia do seu nasei.nenlo.
Como quer. porm. que o historiador falleeesse, an-
tes do tempo opportuno para confiar da rapariga o
importante escripto, e a familia do fallecido nen-
hum casofizesse do papel envolvido neutros sen;
valia, decorrerara vale annos al que culro clrigo
da mesma familia, examinando papis velhos que
as l.as destinavam ao forro das massarocas do l-
cao, encontrou aquelle, e averigen com grande
custo a residencia de Maria, lilha de Quiteria.
De paragem em paragem, foi encontra-la na co-
marca de Monf Alegre, servid0 uns lavradores
com bom concoito, e estimago do seus amo< Ou-
tro padre d'esta familia tomou coma do escripto
dictado pela moribunda Quiteria, com taes prome-
nores, que o velho lavrador, ouvindo a leitura do<
consellios que o historiador, por ventura, era nome
da desgragada me, dara de alera tmulo a sua li-
lha, rorapeuem clamores e confissoes, pedindo que
Ibe trouxessem a sua (liba com brevidade. antes
que o demonio ocolhesse, sem elle merecer o per-
do de suas culpas enormes.
Volvidos poucos d.as, o rico lavrador recebia em
casa a filha, e, no delirio do seu contentamente,
langava-lhe ao ;pescogo quatro cent os mil res de
cordoesde ouro, com uns coragSes tamanhos, que
o arquejar do peito alvorooado da moca nao os fazia
se quer tremer.
Mana Marlns era, desde esla hora, a maior her-
deira d'aquella corda do Minho mas, em descon-
t, podia gabar-se de ser a mais feia- mulher da
provincia.
Ainda agora, qnando a encontro^digo entre mim:
' Em quanlo esta mulher viver, o horror Ideal da
fealdade humana impossivel I
Era a cara do pae, segundo dizem, correcta pe-
las parcas.
(Conlinuar-se-ha.)
PERNAMBL'CO.-TVP. DE M. F. DE F. i FILHO

'



II
mrm /mn.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EQKYWE7YV_RUH4SC INGEST_TIME 2013-08-28T03:35:01Z PACKAGE AA00011611_10436
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES