Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10434


This item is only available as the following downloads:


Full Text

AMO XI. IfPIEBQ 178.
Por tres mezes abantados 5$O00
Por tres mezes vencidos 6$000
Porte ao correio por tres mezes. $750
** V

SEXTA FE1RA 5 DE AGOSTO
Por aiao adiantado.....19$O0O
Porte ao correio por im anno. 3$90

WCARREGADOS DA SUB3CRJPCO NO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Aleandrino de Lima!;
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Aracatv, o
Sr. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Uliveira; Maranhao, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Manoel Pinheiro & C; A-
mazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO NO SUL.
Alagas, o Sr. Claudino Falcao Dias; Baha, o
rr. Jos Martins Alves; Rio de Janeiro, os Srs. Pe-
inera Martins & Gasparino.
PARTIDA D03 ESTAFETAS.
Olinda, Cabo e Escada todos os dias.
Iguarassu", Goyanna e Parahyba as segundas e
sextas-feiras.
Santo Antao, Gravat, Bezerros, Bonito, Caruaru',
Altinho e Garanhuns as tercas feiras.
Pao d'Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqueira,
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Tacaratu', Cabrob,
Boa Vista, Ouricury e Exu" as quartas eiras.
Serinhaem, Rio Formoso, Taraandar, Una, Barrei-
ros, Agua Preta e Pimenteiras as quintas eiras.l
Ilha de Fernando todas as vezes que para ali sahir .
navio. Pnmeira as
Todos os estafetas partem ao Vi dia. I Segunda as
KPHEMER1DES DO MEZ DE AGOSTO.
2 La nova aos 13 m. e 12 s. da t.
10 Quarto cresc. as 3 n., 37 m. e 38 s. da t.
17 La cheia as l h., 16 m, e 44 s. da m.
24 Quarto ming. a$ 3-h., 44 m. e 20 s. da m.
PREAMAR DE HOJB.
5' horas 18 minutos da man Via |
S horas e 42 minutos da tarde.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEJRO.
Para o sul at Alagas a 5 e 25; par3 o norte at
a Granja 7e22 decadamez; para Fernando nos
oas 14 dos mezes dejan, marc., maio, jul, set enov.
I PARTIDA DOS MNIBUS.
Para o Recife : do Apipucos as 6 Vi, 7, 7 Vi, 8 e
8 V da m.; de Olinda as 8 da m. e 6 da tarde; do
Jaboatao s 6 Vi da m^ do Caxang e Vanea s 7
da m.; de Bemlica s 8 da m.
Do Recife : para o Apipueos s 3'/,, 4, 4 lU, 4 Vi,
o, 8 Va 6 Vi e 6 da Urde; para Olinda s 7 da
manha e 4 Vi da tarde; para Jaboatao s 4 da tar-
de ; para Cacbang e Vanea s 4 >/ da tarde; para
Bamflca s 4 da tarde.
AUDIENCIA DOS TRIBl'NAES DA CAPITAL
Tribunal do commercio: segundas e quintas.
Relacao: tercas e sabbados s 10 horas.
Fazenda: quintan s 10 horas.
aixo do commercio: segundas s 11 horas.
Dito de orphaos: tercas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel: torgas e sextas ao meio
dia.
PR9FFICIALTE
GOVERNO DA PROVINCIA.
Expediente do dia 2 de agesto de 1864
Officio ao commandante das armas uterino.
Remello inclusos por copia o aviso da reparligo
da guerra, de 12 de julho ultimo, e o relatorio que
o acompanhou relativamente s contas do eonse-
lho econmico do 7o batalhao de infamara conrer-
nentes ao semestre do anno civil de 1862, para
que V. S. mande observar as indicagoes cuntidas
no mesmo relatorio.
DKo ao mesmo.Mande V. S. abrir assentamen-
to de praca nos corpos em guarnigo nesta provin-
cia aos recrutas Manoel Francisco, Manoel Satyro
{ornes, Beroardino de Sena Dias e Valerio Manoel
dos Prazeres, que foram considerados aptos para o
servigo, segundo V. S. declarou em seu officio n.
1307 do Io do crreme, fazendo por em liberdado
os de Mam Victorino Ferreira Guimares e Ma-
noel do Nasciraento que foram julgados incapazes
em inspeccao de sade. Communicou-se ao te-
oente-coronel recrutador.
Dito ao raesmo. Deferindo o requerimento do
major reformado Joaquim da Rocha Moreira sobre
que versa a informacao de V. S. n. 1369 do Io do
corrente, Ihe conced licenga para ir provincia
do Cear, levando guia de soccorriment. Fize-
ram-se as necessarias communcagoes.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
Communico V. S. que o tenentc-coronel Jos Lu-
c Soares Rapozo da Cmara reassumio o exerci-
eii de director do hospital militar no dia 30 de ju-
lho prximo findo, por haver terminado a sesso
do jury em que seachava servindo, revertendo pa-
Ta o seu emprego o 1" cirurgio do mesmo hospi-
tal militar; o que constou-me de ofllcio do com-
mandante das armas daquella data.
Dito ao mesmo. Remetto por copia V. S., pa-
ra ter execucao na parte que Ihe toca, o aviso de 9
de julho prximo lindo em que o Exm. Sr. minis-
tro da guerra nao s manda pagar ao Dr. Prxe-
des Gomes de Souza Pitanga, na qualdade de pro-
curador do eapito Brasilio do Araorim Bezerra,
a quantia mensal de 205000 que este Ihe consig-
nou a contar de julho prximo (Indo al o fin do
mez de junho do anno vindouro, mas tambem exi-
ge urna guia da qual conste desde qnando Heou
suspensa a consignacao que fez o mesmo capilo
quando seguio des'a provincia para a corte.
Dito ao mesmo. Nao turnado inconveniente,%
em vista da folha junta em duplcala, mande V. S.
pagar os vencimentos relativos ao mez de julho
ultimo, dos offlcaes enc3rregados do recrutamento
neste municipio e no de Olinda.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.
Inteirado do contedo do seu officio de 29 de julho
ultimo sob n. 322, tenho a dizer em respo pode V. S., de conformidade com a resolucfto da
junta dessa thesouraria, mandar por novamenle
em praca, com o abate da qnarta parte no respec-
tivo prego, o dizimo do gado vaccum da comarca
do Bonito, visto nao ter sido arrematado por falla
de licitantes.
Dito ao mesmo. Annuindo ao que solictou o
crele de polica em ufficio de 30 de jalho ultimo,
so n. 927, recommendo a V. S. que, na > havendo
inconveniente, mande papar Faustino de Souza
Ferraz a quantia de 169,5200, despendida com o
sustento dos presos pobres da radeia da Villa de
Flores durante os mezes de abril e maio (leste an-
no, como se v das duas inclusas contas.f.ommu-
nicou-se au Dr. chefe de polica.
ilo ao mesmo.Medante as devidas cautellas,
mande V. S. entregar ao vgaro da freguezia do
Cali, Jos Luiz Pereira de Queiroz, o cont de res
votado pelo 7o, art. 14 da le do orcamenlo vi-
gente para as obras da groja matriz daquella fre
guezla.
Dito ao director do ar.-enal de guerra da corte.
Pela leitura do ofcio constante da copia inclu-
sa, liear V. S. sciente de terem sido entregues
exactamente no arsenal de guerra, onde foram
examinados, os volumes contendo marmitas que
V. S. na forma das ordens mperiaes remetleu pa-
ra esta provincia no vapor Paran, como me com-
municou em seu ofcio n. 302 a que respondo.
Dito ao director do arsenal de guerra desta pro-
vincia. Fca approvado o contrato que V. S., se-
gundo o seu officio n. 24 de 30 de jullio ultimo,
celebrou com Andie de Abreu Porto para (azor
transportar no patacho nacional Andr, de que
proijrielario. os objectos destinados s provincias
do Cear e Maranhao.l'.cmetti-u-so copia do con-
trato thesouraria de fazenda e rommuuicou-sc
aos Exms. presidentes daquellas provincias a re-
messa de laes objectos.
Oito ao commandante superior da guarda nacio-
nal de Santo Anto. Recommendo novamente a
V. S. que providencie convenientemente para que
os guardas naciooaes, Bernardo Pereira de Brito,
Manoel Jos dos Santos e Luiz Antonio da Franca
ou de Aadradi', venliam a esia capital quanto au-
tes, como determioei em officio de 10 de marco
prximo passado, afim de depdrem no eonselho de
Investigarlo que se inMaurou ao soldado do 7" ba-
talhao de infamara Manoel Marianno.
Dito ao inspector do arsenal de marinlia.Faco
apresentar V. S. o menor Henrique Antonio Al-
ves, para que o mande alistar na companliia de
aprendizes marinheiros, se fr considerado apto
para isso em inspeccao de sade.-Communicou-se
ao Dr cuefe de pulida.
Dito ao mesmo.Para imprmenlo de aviso do
tnin.-teno da jiislica de 7 do mez que acahou, haja
V. S. de informar 'com urgencia qnantos Africanos
lvres foram efectivamente remedidos parara pro-
vincia do Amazonas em virtudc do aviso daquelle
ministerio de 30 de setembro de 1836, de que se
Ihe envou copia em 6 de novembro do mesmo an-
n?. declarando se, alm dos doze mencionados na
relacao junta ao officio dessa inspectora de 5 de
margo de 1857, foram remettdos outros para com-
pletar o numero de 2o determinado no referido
aviso, e a quem foram entregues, ministrando co-
pia do documento comprobatorio da entrega que
alii czi>tir.
Dito ao Dr. juiz dos feitos da fazenda.Convem
que Vmc. ministre com urgencia as nforinacoes
sobre Arcanos livres exigidas em 19 do mez li-
do, para cumprmento de aviso do ministerio da
justica de 16 de junho ultimeIgual ao curador
de Africanos livres.
D to ao cnefe interino da reparlicao das obras
puhlicas.Pelo officio que Vmc. dirigi em 30 de
julho ultimo sob h. 194, fiquei iateirado de haver
empreiudn com Jesuino da Costa de Albuquerque
Mello os reparos, de que necessitam as pontes da
sirada de Olinda, mediante as concoes constan-
tes do termo que por copia veio annexo ao seu ci-
tado officio e do qual dei sciencia thesouraria
provincial.Remetteu-se copia do termo the-
souraria provincial.
Dito ao mesmo. Concedo a autorisaco que
Vmc. pedio em seu officio de 30 de julho ultimo,
sob n. 193, para mandar lavrar o termo de recebi-
mento da obra dos reparos da ponte do Guerra so-
bre o ro Gurja a qual j se acha concluida de
conformidade com o respectivo orcamonto, segun-
do consta de seu citado officio. e bera assim passar
o competente certificado afim de que possa o arre-
matante de tal obra receber na thesouraria pro-
vincial a importancia que tem dreito.Commu-
nicou-se thesouraria provincial.
Dito ao director da colonia militar de Pimentei-
ras.Recommendo Vmc. que faga ter todo cui-
dado no tratamento e cooservacao dos animaes
empregados no servigo dessa colonia, pois que faz-
se reparavel terem morrido no espago de 2 annos
3 cavallos ea bois mansos, sen) que tenha havdo
nenhuma epizootia.
Dito ao eonselho administrativo.Recommendo
ao eonselho administrativo que compre com nr-
gencia para serem enviados ao Exm. presidente da
provincia do Amazonas os instrumentos bellicos
e mais objectos mencionados na relagao por copia
inclusa, contando o mesmo eonselho com 2:0005
parala respectiva despeza.
Dito cmara muuicipel deGoianna.Remeta-
me a cmara municipal da cidade de (oianna o
requerimento de Domingos Nolasco do Espirito
1 Santo que deixou de acorapanhar a sua informa-
; gao de 18 de julho ultimo.
Dito cmara mnnicipal de Garanhuns.Re-
commendo cmara municipal de Garanhuns que
, mande extrahir do livro competente e remetta-me
I cun toda a urgencia, copia da acta da installagao
I do collegio eleitoral dessa villa para a eleigao de
um senador a que se procedeu no dia 10 de'jitlho
uitimo.Communicou-se s cmaras municipaes
do Bonito e Tacaratu'.
Dito ao gerente da Companhia Pernambucana.
Pode Vmc. faier seguir para os portos dos seus
destinos os vapores Persinunga e Parahyba nos
dias e horas indicados no seu officio de hontem.
Dito aos agentes da idinpanhia Brasileira de
paquetes a vapor. Pdem Vraes. fazer seguir
boje para os portos do sul o vapor Pnrrw ficando
assim respmdido o seu ofllcio datado do hontem.
Portara.-Os Srs. agentes da Companhia Brasi-
leira de paquetes inandem dar transporte at a
Babia no vapor Panmem lugar de proa deslina-
do passageiro de estado Jos Francisco de
Alencar Alcantarino.
Dita.Os Srs. agentes da Companhia Brasileira
de paquetes mandem dar transporte at o Rio de
Janeiro, em lugar de r destinado passageiro de
estado ao baehasel Domingos Montnro Peixoto,
juiz municipal do termo de Mangaratiba naquella
provincia.
Expediente do secretario do gorerno do dia 2
de agosto de 18W.
Officio ao commandante das armas interino.
Por despacho desta data autorisouso ao director
do arsenal de guerra a satisfazer o pedido do com-
mandante do corno de guarnicao, de que traa o
officio de V. S. n. 1339 de 30 de julho prximo
lindo ; o que Ihe communico de ordem de S. Exc.
o Sr. presidente da provincia.
Despachos do dia i de agosto deiS6i.
Requerimentos.
Claudio Dubeux.A'vista da informacao do ins-
pector da thesouraria provincial, nao pode o sup-
plicante ser attendido.
Catharina Felicia de Gouvoa.Pede seguir.
Ernesto Isidoro Casado Lima.Nao tem lugar
vista da informacao do coronel commandante das
armas.
Francisco Manoel da Rosa.Informe o Sr. ins-
pector da thesouraria de fazenda.
Francisco Gomes Ferreira de S Leiao.O me-
nor de que trata o supplicante s pode ser alista-
do na companhia de aprendizes marinheiros. visto
nao haver vaga na de artfices.
Francisco Xavier Carneiro da Cunha.A'vista
da informacao nao pode ser attendido.
Junta administrativa da Santa Casa de Miseri-
cordia do Recife.Remettido ao Sr. inspector da
thesouraria d fazenda para mandar passar titulo
na forma da lei e ordens em vigor.
Major Joaquim da Rocha Moreira.Passe porta-
ra coocudendo a liconca requerida.
Padre Jos Lins Pereira Gome>.Dirija se
thesouraria provincial.
Julio da Silveira Lobo.Informe o Sr. inspector
! da thesouraria de fazenda.
Jo-iqnim Jos de Veras.Fira marcado o prazo
de 40 das para dentro delle provar que escravo
Vicente Ferreira do Nascirnento, que se acha com
praca no stimo batalho de nfantaria.
Mara Bartholeza da Conceigao.- Remettido ao
Sr. director geral interino da instrurcao publica
para attender a supplicante nos termos'de sua in-
formacao de 30 de julho ultimo, sob n. 119.
de Azevedo e Torres Bandeira e do padre mestre
Lino do Monte Carmello,' contendo nomes para
socios honorarios e correspondentes.
Nao tendo o Sr. 1. secretario trazdo a chave do
archivo, deixa de proceder-se continuacao da
votagao adiada. O Sr. presidente levanta a sosso,
dando para a ordem do da da seguinte, que deve
ter lugar 18 do corrente, leitura do pareceres e
continuagao da votagao adiada.
Por portara de hontem foi removido para a
cadeira de instruccao primaria da povoago de
Alfogados, o professor da villa de Nossa Senhora
do O' de Ipojnea, Vicente de Moraes Mello J-
nior.
Algnns moradores da ra do Imperador, se nos
queixam do abusivo costme, que tem alguns visi-
nhos, de mandaren! deitar ra aguas ptridas,
nao so noite como Jurante o dia.
A polica- hontem nuniou por em liberdade
os dous cobradores da Caixa Filial, Francisco An-
tunes Ferreira e Francisco da Silva Reg, e proce-
den ao interrogatorio do director Jos Joaquim
Dias Fernandes.
DIA3 DA .SEMANA.
1. Segunda. Ss. Fe, Espranos eCardade vv.mra
2. Tsrra. N'os>a Setihora ilos'Anjos.
3. Quaila. Ss. (iamalicl e Nicomos min.
4. Quiuta. _. Domingos de Gu-siio.
). Sevta. Nus^a Senhora das Nevos.
6. Sabbado. S. Xisto p. m.; S. Agapito diac.
71 Domingo. S. Caelano Theatino fundador.
ASSIGNA-SE
Segada vara do civel: quartas sabbados a 1 honfc 'f'lZ! ^^S^&St
da tarde iF&r*. & Filho. D roa e
lilha legitima de Francisco
de Lourenco Justino-
Bemviiidav branca
Duarte da Silva.
Jos, branco, filho legitimo
da Silva Lobo.
Manoe^, brauco, filho legitimo de Francisco Fir-
mino Monteiro.
Portliano, semi-branco, filho legtimo do Antonic-
Lopesde'Ohveira.
Paulina, semi-branca, escrava de D. Maria Fran-
cisca de Paula Correa de Araujo.
Maranpa, crioula, lilha de Antonia da Costa.
Manoel, pardo,
] Casamentos.
Manoel Fernandes dos Santos com Ignez Luiza
do Espirito-Santo.
Jos Antonio Viera com Marianna Maria da
Conceigao!.
Antonio Tavares da Costa com Maria Benigna
dos Santos.
Jos Antonio Ricardo com Sophia Caetana Maria
da Conceigao.
Antonio Rodrigues Viera com Genoveva Mara
do Espirito-Santo.
Idelfon o Jos dos Santos com Mara Alves de
Com o interrogatorio-do rectores de semana
da Caixa Filial tem a polica ,por lim ver se pode Castro Sil veira.
chegar ae conhecimeato de quem fosse o antor do Antonu Roberto Cordeiro
extravio, e nunca porque recaiam sobre elles qual-' de Cerqu lira.
quer saspeita, como atguraas pessoas suppoem, nao
s porque sao ellos de reconhecido crdito e ac.
conislas de valores superiores, como porque sao,
responsaveis por qnalqner desfalque, devendo en- i
trar in continenti com o importe do extravio, como
agora succedeu.
No dia 29 do passado foiassassinado Joaquim
Peixoto de Albuquerque Mello, com um tiro sobre
o peilo esquerdo, por Antonio Jos Franciseo, em
Ierras do eogenbo Mrepe do termo de Goyanna,'
em consequencia de urna pequea discussao. O
assassino logrou evadir-se.
Em trras do engenho Buranhem, do termo
do Cabo, foi assassinado, ao amanhecer de 28 do
passado, Antonio Jos de Santa Anua, por Francisco
Antonio da Silva, que fugio.
. A' urna hora da madrugada de hontem proc-!
pitu-se do seguodo andar do hotel do Universo,
com Olindina Paula
3 de
Movimento da casa de detencao no dia
agosto de 1864.
Existam..... 362 presos.
9
19
Existcm...... 332 1
A saber :
Nacionaes..... 282
Estrangeiros... 18 1
Mulheres...... 0 1
Estrangeiras ... 1
Escravos...... 41
3 a
352
Alimentados a custa dos cofres provncacs. 144
Pas.sageiros do | vapor nacional Persinunga,
ra do Irapiche, o Sr. Antonio Valentim da Costa sabido paraos portos do norte : Pedro de Souza
Magalhaes Sobnnbo. filho do Sr. Joao Valentim da Tenorio, Francisco Xavier de Oliveira, Joao Perei-
Costa Magalhes, natural do Rio de Janeiro, do 23 raRabello Braga e 1 filha menor, Luiz Amavel
annos de idade, fracturando em diversas partes a Dobourcq, Manoel Marques Das, Joaquim Jos Ro- adT David"WUKaflT!tai!!f
*!&**> ? W? ia(r o queixo e a face drigues da Cunha, Augusto Jos de Oliveira Cas-1 Appellantes, o presXnTe e directores da caix
tro, Jos Feliciano Noronha Fe.tal, Joao Teixeira filial do Banco do Brasil appellados, Manoel Jos
Haja vista ao Sr. desembargado!- procurador da
eora.
Appellante, Joao Pinto de leemos Jnior : appel-
lada, D. Anna de Souza e Silva.
Desprezaram-se os embargos.
Appellante, Manoel Gouveia de Souza : appel-
dos. os curadores fiscaes-de Amorim, Fragoso, San-
ios & C.
Foi confirmada a senlenga appellada.
Appellante, Antonio toncalves da Silva ; appel-
lados, Mello, Lobo & C.
Desprezaram-se os embargos.
Appellantes, o Dr. Felippe Nerv Collago & C.;
appellado, Geraldo Henriques de Mira.
Adiado o julgamentiv a pedido do Sr. deputado
Rosa, que juiz certo. *
DKS10NACA0 DK DI.V.
Appellante, Basilio Alves de Miranda Varejfko ;
appellado, Antonio Gongalves de Ulveira.
Primeiro dia mil.
PASSACENS.
Appellante, o coronel Jos Pedro Velloso da Sil-
veira ; appellados, os herdeiros de Francisco Car-
neiro da Silva.
Appellantes, o Dr. Antonio Agripino Xavier de
Brito e outros; appellado, Jos Gomes Leal.
Appellantes, Caelano Cyriaco da Csta Moreira,
e outros ; appellados, Barroca 4 Medeiros.
Appe|lante, Joaquim Mauricio Lins ; appellada,
D. Zeferina Maria de Jess.
Do Sr. desembargador Silva Guimares ao Sr.
desembargador Accioli
Appellante, Luiz Caetano da Silva Campos; ap-
pellado, Joo de Almeida Monteiro.
Appellante, Ignacio Barroso de Mello : appella-
do, Antonio de Azevedo Villarouco.
Do Sr. desembargador Accioli ao Sr. desembar-
gador Reis e Silva.
DISTMBUICOKS.
Appellantes, os administradores da massa fallida
de Bastos & Lemos ; appellados, Camplano & Cor-
deiro.
Appellante, Bento Jos da Costa ; 3ppellado, Jos
Frederico de Abreu Reg.
Ao Sr. desembargador Reis e Silva
Appellante, D. Maria .^melia Constancia de Frai-
tas ; appellado, o cnsul porluguez.
Appellante. Francisco Antonio de Brito ; appel-
SciJiares reductores.Tendo sido restituidos boje
:i liberdade, por determinagao do Ulm. Sr. Dr. che-
fe de polica, apos 42 huras de prisao, faltaramos
ao mais sagrado dever, o da gratdo, se nao vies-
semos a mprensa agradecer do fundo d'altna, e de
um modo solemne, ao dguo administrador da casa
de-detencao o Illm. Sr. Dr. Rufino- Augusto de Al-
muida, pelo modo bondadoso com que se bouve pa-
ra comnosco, dando mais um testemunho edifican-
te das nobres quididades que o recommendam co-
.mo um distinelo cavalleiro, sem quebra do cumpr-
mento de seus deveres, fazendo assim jus ao nosso
eterno reconbecimenlo.
Nao us fuaremos ao agradecimonlo que deve-
nios a lodos aqnelles, que fazendo-nos jusliga, de-
ra/n-nos provas inequvocas de que Ibes nao ti-
nuainos desmerecido em conceito pela injusta ac-
cusago, que sobre us pesou, em virtude do des-
apparecimenlu da quantia de 20:0005 do cofre do
expediente da Caixa Filial do banco do Brasil nesta
cidade, facto em que nenhuma parte ti vemos, e
acerca do qual ncn mesmo por bvpuihese se uos
podia attribuir razoavelmente qualquer criminalt-
dade, ltenlas as circunstancias, que o acompanha-
rain, o fazemos com especialidade aquelles que nos
procurarara em nossa prisfio para testemunbar seus
senfimentos para comnosco.
Nao podemos esqueccr u iratameuto que nos dis-
pensaram os demais empregados desse eslabeleci-
mento aos quaes somos gratos.
A uns e outros nossa eterna dedcagao.
Sem pretendermos ofiVnder a modestia do digno
magistrado, a quem se acha confiada adirecgaoda
polica desta provincia, com a devida venia, agra-
decemos ao'Illm. Sr. Dr. Jos Pereira da Silva Mo-
raes, o ter dado um exemplo edificante de amor a
justiga, nao concorrendo para que, desvando-se a
aecusagao de sobre os verdadeiros criminosos,
quem quer que sejam, se augiuenlasse a affliceao
aquelles que innocentes em todo esse negocio, pa-
reciam destinados a supportar as consequencias de
actos que no praticaram, e nem para elle concor-
reram.
Recife, 4 de agosto de 1864.
Francisco Aulunes Ferrara.
Francisco da Stlinlieyo.
DE
norte, tomou elle passagem para o Rio de Janeiro, Thomaz Fernandes da Cunha Jnior, Francisco i ApoeU; a curidore* da faltenria do Am
e embarcou a bagagem, resolvende-se a licar outra Jos Gomes, Joaquim (Jomes da Silva, Jos Antu-' rm Fraooso antosTr anneladnt Cosu A
vez aqu; na hera ra sahida do vapor, e quando j nes Guimares, Dr. Jorge de Brito Inglez e sua se- FiiV Mr^n nro orador appe"ad5' r,05ta &
.a ero cam.nho para bordo. nhora, major Joaquim Rocha Moreira e 1 escravo, tSJS^SSSSfLkM
Na madrugada de hontem atou diversos tecos* Jos Joaquim da Silva Gomes, John Gati?, e 1 es- aesemoargaaor acuoii.
Aggravante, Antonio Joaquim de Vasconcellos;
aggravado, Bento Jos da Costa.
Aggravante, Jos Francisco de Barros Reg; ag-
gravado, Octaviano de Sou/.a Franga.
O Exm. Sr. presidente negou provimento.
! Aggravante, Jos Lopes da Silva; aggravado,
I Jos Vieira dos Santos.
O Exm. Sr. presidente deu provimento.
Nada mais houve, e encerrou-se a sesso 2
horas da tarde.
e urna toalha janella do seu quarto, que d'eita crava a entregar."
para a ra dos Tanoeiros, e, depois de vestir-se OninAniodo ckmitenio i-liiuco no da 3
convenientemente, poz-se a descer pela tal escada agosto de 1864
I de lenges, cabindo na ra por se haver desatado Um prvulo encontrado junto ao caes era edifi-
um dos nos. cagad da ra do Sol em Santo Antonio.
ompareceu ao lugar o Sr. subdelegado da fre- Joao, Pernambuco, l anno, Santo Antonio ; den-
i guezia com os Srs. Drs. Cosme de S Pereira e. tigao.
I Bocha Bastos, que lizeram o tratamento que o caso Vernica, escrava, Pernambuco, 19 annos, sol-
mogo sof- teira, Boa-vista; varila*.
Trajano, escravo, Pernambuco, 3 mezes, Boa-
vista; repentinamente.
4 -
Zefirino, escravo, Pernambuco,8annos, Boa-Vista;
phtysica.
Antonio da Silva Bruno, S. Paulo, 38 annos, sol-
da 4 de agosto de leiro, Boa-Vista ; tubrculos-pulmonares.
Anselmo Alves de Mello, Pernambuco, 22 annos.
Foram recolhidos a casa de detencao no da 3 soltero, Boa-Vista ; varilas,
do corrente : Joaquim, escravo, Afriwa, 70 annos, soltero, Santo
A ordam do lilm. Sr, Dr. chefe de polica, Lydia Antonio ; diarrhea.
avenguacoes sobre Alexandrina Tavares de Souza, Pernambuco, 30
! annos, viuva, Boa-Vista ; desynteria.
Um prvulo exposto na porta da greja da Penba ;
S. Jos.
Manoel, Pernambuco, 3 me zes, Santo Antonio
hepatite-aguda.
exiga, verificando ao depois estar esse
frendo de alienago meutal.
Amanha se exlrahira a primeira parte
primeira lotera em beneficio do convento de
Francisco desta cidade, sendo
10:0005.
REPAHTICAO DA POLICA.
Extracto das partes do
1864.
o maior premio
da
S.
rs.
Mana do Espirito Santo, para
a sua verdadeiracondgao.
A' ordem do Dr. delegado da capital,
e-cravo de D. Joaquina Bonifacia Pires
Monteiro, por infraccao de posturas.
" ordem do subdelegado do Recife. Manoel Uo-
Trajano.
Carneiro
PERNAMBUCO.
REVISTA DIARIA.
Hontem funecionou o Instituto Archeologico e
Geographico Pernambucano, com a assisiencia do
Exm. Sr. monsenhor Muniz Tavares, e dos Srs. Drs.
Aprigio, Joaquim Portella, Soares de Azevedo,
Feitosa, Henriques de Souza, Manoel de Figuera
e Torres Bandeira, padre mestre Lino do Monte
Carmello, Jos de Vasconcellos e major Salvador
Henriques.
Depois da leitura e approvacao da acta da ante-
cedente, o Sr. presidente pedio,' aos socios quem
foram deslri buidas theses, apresentassem os res-
pectivos trabalhos no mais curto espaco possivel,
bem como aos membros das diversas commissSes
os pareceres sobre as materias que Ihes tem sido
enviadas.
O Sr. 1." secretario partecpuu haverem sido
offertados ao Instituto as seguintes obras:
Kxposicao nacional de 1861, 4 volumes ; Utos-
sarta hmjaarnm brasiliensium, 1 volume ; Memo-
ria sobre a sericultura, i volume; Manual do
agricultor, 1 volume; Monographia do algodoeiro,
1 volume; O aviador pratico, 1 volume; e Novo
Methodo rfo plantador do cafe, 1 volume; pelo so-
co Dr. Francisco de Paula Salles; Orarao fnebre
de U. Fre Pedro de Santa Marianna, pelo Rvm.
socio padre mestre Lino do Monte Carmello.
Foi tambera presente ao Instituto um peso duro
do reinado de Felippe III em 1631, offerecido pelo
Sr. Antonio Rufino de Mello.
O Sr. major Salvador Henriques declarou que,
necessitando muitas pesquizas o bom resultado
do trabalho que Ihe foi confiado pelo Instituto, e
anda nao havendo sido possivel concluir todas
ellas, pedia mais algum lempo para a aprsenla-
gao do relatorio circunstanciado.
Em seguida esse mesmo Sr. justificou a se-
guinte proposta que, sendo approvada, Ihe foi des-
tribuda pelo Sr. presidente:
t Proponbo que se mande tirar por certido
o bito de D Maria Cesar, vuva de Joao F'er-
nandes Viera, a qual fallecer em Olinda, como
consta de um dos livros respectivos da freguezia
de S. Pedro Martyr, afim de que tenhamos no ar-
chivo do Instituto este documento. Salla das
sessoes do Instituto Archeologico e Geographico
Pernambucano, 4 de agosto de 1864.O secre-
tario, S. H. de Albuquerque. >
Sao ldas, e romettidas commissao de admis-
sao de socios, tres propostas dos Srs. Drs- Soares
A"
berto dos Santos, por desobediencia.
A' ordem do de Santo Autonio, Elias Joaquim
dos Santos, por briga.
A' ordem do da Boa-Vsl Cbagas e Joao Duarte de Oliveira, para averigua-
goes tm crime de roubo ; Domingos Francisco,sem
declaragao do motivo ; Joao Maria da Rosa,
suspeito.
O chefe da segunda secgao,
/. G. de Mesquita.
Lista dos baptisados na freguezia de Santo
Antonio do Itecife em julho de 1804.
Bernardino, branco, filho legitimo de Quiriue
(abra I.
Thereza, crioula, filha legitima de Jos.; Monteiro
da Silva.
Rita, crioula, filha do Joanna de Tal.
Amelia, branca, filha legitima
Cabral.
tllliOMQ JLICIAHI4
lilha legitima
de Jos Joaquim Go
Joanna. parda,
de Jess.
Manoella. crioula. escrava
mes de Abreu.
Jos, pardo, escravo de Jeronymo Jos Tavares.
Mara, parda, lilha legtima de Adolpho Gauden-
cio da Silva.
Flix, branco, filho legitimo de Joaquim raocen-
cio Gomes.
Basilia, parda, escrava de Manoel Jos Lopes.
lCstevao, pardo, escravo de Antonio Henriques
de Miranda.
Joaquim, branco, filho legitimo de Antonio da
Silva Barbosa.
Maria, branca, lilha legitima de Jos Cabon.
Julia, tranca, filha legitima de Bernardino Ribei-
ro Bello
Jos, filho legitimo de Antonio Martiniano Gon-
galves.
Miguel, branco, filho de Manoel Slvno de Barros
Falcao.
Ernesto, pardo, filho natural de Rayraunda Mara
da Conceigao,
c Marcellino, pardo, filho legitimo de Manoel Cae-
tano Barbosa.
Francisca, filha de Francisca Maria do Espirito
Santo.
Maria, crioula, escrava de Antonio Jos da Ro-
cha.
Izdoro. crioulo, escravo de Gaspar Antonio
Viera Guimares.
, Francisco, branco, filho legtimo de Francisco
Gomes Castellao.
Cosme, crioulo, escravo de Flix Venancio Can-
talice.
Aura, crioula, filha legitima de Cosme David.
| Ennelinda, branca, filha de Austriclana Lima
\ Pereira Barbalho.
Jos, branco, filho de Anna Jacntha de Soaz
Cirne.
Celestina, branca, filha legitima de Jos Martins
I Dias.
Manoel, branco, filbo legitimo do Dr. Francisco
Lucas de Souza Rangel.
Anna. branca, filha legitima de Francisco Celes-
tino Ramos Jnior.
Lidia, branca, filha de Francisca Maria. do Nas
emp0t0;
TIII I VAL ]>0 COJmKKCIO.
como | SESSO ADMINISTRATIVA EM 4 DE AGOSTO
DE 1864.
PRESIDENCIA DO EXM. SK. DESEMBARGADOS
PEIIETTI.
As 10 horas da manhaa, reunidos os Srs. depu-
lados Reg, Lemos e Rosa, o Sr. presidente de-
clarou aberta a sesso.
Lida, fui approvada a acta da ultima.
Leu-se o seguinte
EXPEDIENTE.
I'm ofllcio da presidencia do mentssimo tribu-
de Ignacio Jos ina' do commercio da capital do imperio, de 16 de
junho prximo passado, aecusando o recebimento
Cmara Municipal do Hecifc.
Matadouro publico da cidade do Itecife.
Mataram-sc para o consumo desta cidade no
mez de julho do corrente anno 2.841 rezes, a
saber:
Lilianio Candido Riheiro & C........ 832
Virgilio Horacio de Froitas..... 346
Joao Chrisostomo de Albuquerque. 234
Bellarmino Alves de Arocla .... 21 i
Manoel Joaquim Duarte de Souza. 211
Francisco Candido da Paz..... 199
Wenceslao Machado Freir Pereira
da Silva........... 192
Bellarmino Constantino Costa Medeiros 143
Manoel Paulo de Albuquerque 120
Manoel Francisco do Souza Lima 109
Ernesto Celestino de Mendonga. ... 57
Geminiano .lose- de Albuquerque 31
Joao Francisco da Silva............ 43
Manoel de Souza Menezc-...... 34
Luiz de Franca Soares........ 31
Simplicio Fortunato Ferreira ........ 14
Ignacio Adriano Monteiro..... 7
Cmara
1864.
2,8*1
municipal do Itecife 1." de agosto de
O procurador.
Jorge Yictor F"erreiraLoi>es.
de Manoel Vieira do officio em que Ihe fui communicado a entrada
em exercicio do actual presidente deste tribunal.
Onlro do deputado C. Casemiro G. Alcoforado,
datado de boje, communicando nao poder compa-
recer a presente sesso.Inteirado.
Foi presente a cotago official dos precos cor-
rentes da praga, relativa ultima semana.
Archive-se.
DESPACHOS.
O requerimento deAndr de Abreu Porto, pe-
dindo por certido o termo de vistoria do patacho
Andr, de sua proprieilade.-Dse.
O de Almeida, Hibeiro & C, pedndo o registro
do seu contrato de sociedade. Vista aoSr. desem-
bartjador fiscal.
0 de Jos do Reg Mello, pedndo certido do
theor do contrato e do distrato social de Borges &
Mello.Como requer.
Outro do mesmo. pedindo igual certido. O
mesmo despacho.
O de tustoilio Rodrigues Vieira, pedinJo o re-
gistro da procuracao e carta de ordens que apr-
senla. Registre-se.
I.oudou A Ili'n.sili:in
mited).
Capilal do banco 15,000 aegoes
a 100.......
Accoes emittidas 13,000 a 100
Capital pago a S 40 por aegao.
Bank ( i.i-
13,333:333*330
ll,533:333g'330
4,622:2225220
BALANCO DA CAIXA FILIAL EM PERNAMBUCO.
' EM 31 DE JULHO DE 1864.
ACTIVO.
Letras descontadas .... 1.368:1005010
Crditos sobre diversos outros
bancos e caixas filiaes. 1.635:7375830
Caixa :
Em raoeda corrente. 573:0175180
3.576:8555040
SESSO JUDICIARIA EM 4 DE AGOSTO
DE 1864.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. DESEMBARGADOR
A. K. PERETTI.
Secretario, Julio Guimares.
^ As 11 i/j da manha, o Sr. presidente abri a ses-
so, estando reunidos os Srs. desembargadores Reis I
e Silva, Silva Guimares, e Accioli, e os Srs. depu-
tados Reg, Lemos, e Rosa.
Lida, foi approvada a acta da sesso antece-
dente.
Assgnaram-se os accordaos proferidos na ultima
sesso, entre partes :
Appellantes, Ferreira 6\ Matheus ; appellados, os
curadores fiscaes da massa fallida de Rostron Roo-
ker & C.
Appellantes, Francisco Xavier de Oliveira, e ou-
tro ; appellado, Jos Cordeiro do Kego Pontes.
Appellante, o Dr. Manoel Buarque de Macedo ;
appellado, J. F. G. Kladt.
JCLGAMENTOS.
Appellante, Joaquim Martinbo da Cruz Correa ;
appellados. D, Felicia Relaves e a fatena provin-
cial.
PASSIV0.
Capital fornecido pela caixa ma-
triz ........
Depsitos.......
Crditos diversos, outros ban-
cos c caixas filiaes. .
888:8885*90
2.141:9835930
545:9805220
3,576:8555040
Recife. 4 do agosto de 1864.
W. J. Haynes,
Accoutant.
CORRESPONDENCIAS.
Srs. redactores. Lendo cora attengao a lei do
orgamento municipal, ltimamente publicada na
collecgao das leis provnciaes do corrente anno,
deparamos com diversas alteracdes, que nao foram
mencionadas no authographo mandado pela assem-
bla para a sanegao, e como essas alteragoes de-
monstren! o abuso de conflanr-a de alguetn, com
grave prejuizo de lerceiro, vimos chamar a atten-
gao de quem compete para que sofTra a de vida
correcgo essas reformas, s filhas de mseravev;,.
0 inimigo dos infames.
Srs. redactores. Arredado da cidade, vi vendo
em absoluto solamente, larde e por casualidade
sei as vezes dos acontecimentos, que se dao na ca-
pital, por tradiego, de leitura de jornaes antigos.
Ignorando inteiramente o que ha cscripto o jor-
nal Liberal, acerca da nomeago do Dr. Carneiro
Monteiro para o lugar da 1 cadeira de raathemati-
cas do Gymnasio Pernambucano, li no Jornal do
Recife n. 163 de 20 do corrente, e na parte das pu-
blcagoes sollictadas, a sua resposla ao Liberal.
As generalidades dos termos om que concebi-
da, as obscuridades em que involve o individuo ou
individuos, a quem ataca, a irascibilidade e viru-
lencia com que accommette cegamente no mpetu
e ardor de sua defeca, que julga baseada em soli-
dos fundamentos, me constrangein a romper o si-
lencio apresentandome abertamente em publico,
afim de dizer alguma cousa respeito.
Pretend de algum modo esse lugar, soccorr-m
neste sentido ao valimento de alguns amiges, sin-
ceros e verdaderamente dedicados ao Illm. e Exm.
Sr. presidente Domingos de Souza Leao; conside-
ro-me com habilitagoes precisas para o bem preen-
eber, julgo-me com alguns direitos adquiridos
contemplago do governo de meu paiz, portanlo nao
posso retrahir-me as sollicitagdes do dever impe-
rioso, em que me collocou a 'situacao creada por
essa respo^a, de explcar-me sutlicientemente, e de
maneira quepossa : primeiro, inspirar no animo de
meus amigos a conviego de que esleve e est bem
longe de mim o pensamento de censurar ao Kxm.
Sr. presidente, por me haver preterido nessa pre-
lencao : secundo, fazer algumas rellexes acerca
do desvanecimento com que o Dr. Carneiro Mon-
teiro se inculca em Pernambuco o nico habilita-
do para oceupar ese c.irb') ; terceiro, finalmente.
provar com auxilio dos traeos estoicos de minha
intelligencia. que nao ihe assistem to valentes di-
reilos, como pretenden fazer prevalecer.
Consagro sinceros seniimentos de consideracao
e respeito nos amigos, que tiveram a bondad e
benevolencia de se inleressarem por esta minha
pretencao, faco alto conceito da justiga e reciidu
com o Exm. Sr. presidente deseja gerif os negocios
pblicos, para offender o melindre e susceptibili-
dade dos primeros c censurar ao segundo por me
haver preterido*porquanto.coinprehend i perfeita-
mente, despeno de nao voagar as altas regide*
governamentaes, e nao pelot;ir no alto mar da~pro-
funda poltica; a.- difficuldades com que lula um
administrador para bem cumprir as importante*
funeces de que est encarregado, e o empenho
com que se procura envolver em densas uuven* de
opacidade a verdade, razio e jusliga com que elle
deve marchar na recta vereda dos 'pblicos nego-
cios.
Tenho alm de todos os preparatorio-;, 3 anno>
de mathematicas estudados no antigo lyceu desta
cidade, onde liz exame e ful sempre p'lenamente
approvado. F'ui o terceiro lilho di provincia que
se aproveitou da existencia das cadeiras de mathe-
maticas daquelle antigo estabelecimenio de ns-
truego publica, havendo antes de inim as fre-
quentado o Sr. Raposo, hoje lente na academia mi-
litar no Kio de Janeiro, e o Sr. Dr. Collaco.
Nao podendo terminar regularmente 'a minha
educago scientica, consagrei-me exclusivamente
parte do servigo publico, em que meus estudos
tivessem alguma applicacao : entrei ao servigo das
obras publicas em 1845, quando esta repartig era
dirigida saba e dignamente pelo engenheiro Wau-
thier, na qualidade de ajudante de engenheiro, de-
pois de ter respondido exame em concurso publi-
co, subslituindo o ajudante Alfredo deMorny, que
ento se retirara. Fui della despedido pela sua dis-
solacio em 30 de setembro de 1846, c entrei em
outubro do mesmo anno para o servigo da cmara
municipal na qualdade de seu engenheiro cordea-
dor por expontanea nomeago da mesma cmara,
onde estivo empregado at o dia 23 de fevereiro
de 1857, em que fui exonerado. Fiz em 1831 op-
posigo em publico concurso, ao lugar de ajudante
de stereometro daalfandega desta provincia. Quac>
foram os resoltados desses exames eoppostores
com que tive de lutar ? a provincia pequea e
todos sabem, podendo a (firmar com seguranga,
que alguns, a quem nada fiquei a restar, teem ocru-
pado o cargo de engenheiro das obras publicas da
provincia. Quaes aptido, inlelligencia e probida-
de, que desenvolv no desempenho de meus deve-
res de funecionario publico o allestam os difforen-
tes documentos que tenho em meu poder, do Sr.
engenheiro Wauthier, de diversas cmaras inuni-
cipaes, e a opioio publica de que gozo.
Durante o lempo que oceupei esses cargos para
bera e dignamente satisfazer as funegoes nberen
tes ao seu desempenho, procorei seriamente dela-
tar a esphera de meus conhecimentos escolsticos,
cultivando cuidadosamente as materias de enge-
nheiro, civil, de engenheire de pontes e cargadas, de
art,'nitecto e constructor, e por espago desses lti-
mos 7 annos, em que teuho estado desempregado.
lenho para bom poder exercer o lugar de agrimen-
sor, aprofundado toda selenca que deve saber per-
fatamente o engenheiro geographo.

i

1




blarU e rermumhmf sexta letra 5 le Agosto e i 4.
Conscguintomente aprend de algum modo a lin-
guagem dos Laplaees, dos Newtons, Monges, La-
grange, elainbre, Lacroix, Reiuaud, Bourdous, Ci-
rodde, Jorge Ritl, Vuntzel, Poisson nos estados es-
peculativos das mathematicas intciramente puras,
ou phisieo-mathematicas, e as suas immensas ap-
plieacoes praliea e utilidades da vida social, a dos
Prony. Perront, GaylTrier, Polanesau, Pussaut Be-
no'ute, Gauthier, Durandt Duval; Vignliolo.
T -nlio o desvanecimiento de atravs das obscuri-!
dades de urna expresse difflcil recoahecer e apre- ]
ciar o vigor da intelligencia, a profundidad^ e vas-
lidio de conhecimentos mathematicos do tenente
Antonio Egydio da Silva, meu anligo e digno lente
de calculo, e hoje respcdavel lente da 2" eadeira de
geometra do Gymnasio Pernambucano, de saber
aquilatar devidamente a energa de penetraco e a
elegancia das verbosas expressoes com que digna-
mente conserva o discute sobre assumptos mathe-
maticos o Sr. Manoel Coelho Cintra, antigo offlcial
da marinha brasilea e boje babil stareometra da
alfandega da provincia ; aprend, traqueando com
o Sr. Wimtbier, aadmirar seu brilhante talento e
consumada habilidade em engenharia, faco concei-
te mu favoravel e lisongeiro dos conhecimentos em
mathematicas puras do Br. Collaco, do Illm. Sr.
Bernardo Pereira do Garmo ; em summa, creo
que existen) em Pernamlmco muitos mocos habis
e versados nessa scioncia, por tanto, nao posso
conceder ueste ponto superioridade ao Sr. Dr Car-
neiro Monteiro e menos ir ouvr suas prelecces
le mestre no Gymnasio Pernambucano, para oque
fez convite geral.
Entretanto serei o primeiro a admira lo e procla-
mar que se acha dignamente cullocado na parte
culminante do edificio social, em que o elevou a
academia de medicina da Baha Na qualidade de
medico ouvirei com prazer e admirado, e o tenho
eito, suas brilhantes diseuss5es e pomposas dis-
sertacoes nos jomaos, ou assemblas.
O lilm. Sr. Dr. Carneiro Monteiro considera
direitos poderosos eadeira em questo o facto
nicamente de sua nonieccio feita peloSr. Ambro-
zio Leilao da Cunha para o lugar de professorde
geometra no collegio dos orphos, que nunca exer-
ceu. segundo parece, pelo motivo talvez de soa
suppressao.
Bu nao enchergo argumentaco cerrada, lgica
vigorosa nessa sua proposigo, que a constituan)
insupplantavel, e sem ser legista, narece-ine nao
assistir razo alguma. porquanto, nao sendo o Sr.
A. Leitao da Cunha nenhuma academia ou univer-
sidad* para Ihe conceder carta de capacidade,tan-
to mais quanto S. S. nao respondeu exame em
publico concurso, sem o qual mesmo aquellas cor-
poraeoes nao podem conferir ttulos de habilitaciio,
uetn adquerio ao menos direitos contemplado do
governo pelo seu exercicio, restando, pnrtanto, ni-
camente o dire'u > salvo de como cotitribuintc de
mu imposto Indevido e Ilegal, rehaver as reparti-
eses competentes pagos para a ol.teneo de seu ti-
tulo de professor do referido collegio.
Quanto aos seus protestos de fazer opposicao
em publico concurso 1" eadeira que se apresen-
tar vaga, e em que se ensine arilhmetica, algebra,
geometra e talvez trigonometra, pareee-me tar-
dos, e trivialidades em assumpto de arduidade e
transcendencia, porquanto a occasiao era infinita-
mente propicia para ostentar seu talento e habili-
dade, c at ah se limitaran) ltimamente minias
solieitaces junto de S. Exc, caso a le o facultasse
a assim proceder.
Nada drei acerca de sua qualidade de autor de
arilhmetica, algebra e geometra, e sinto demasia-
do qui sna profi-so de medico nao o leona habi-
litado a fazer fortuna.
Em resumo, condemnado a um ostracismo injus-
to e cruel, lutando constantemente com as aneie-
dades do inl'ortnnio, e s vezes com a; agonas do
desalent, lerei com tudo as alegras de urna des-
grana immerecida, os estremecimentos deleitosos
de urna consciencia tranquilla, no que diz respeito
vida publica, a grandeza d'alma de proferir com
satisfacao semeihante do Spartano Pecheretesha
em i'ernainburo talvez 300 concidadAos mais habi-
litados do que eu para o lugar de professor de
geometra, e a resignacioevanglica para aguardde
deUeus, tao smente Deas a terminacao final ar
meus solfrmentos.
Sea constante leitor
A. F. R. Sefli.
PUBLICARES i PEDIDO.
Despedida.
Tendo obtido do governo imperial minha refor-
ma, e chegando o momento em que tenho de se-
parar-me de meus dignos companheiros d'armado
2o batalhao de infamara, a que pertenci na qua-
lidade nao s de major fiscal, como tamben) de
coinmaiidante interino, eu faltara a um sagrado e
rigoroso dever, se do alto da imprensa nao viesse
testemunhar a tao charos companheiros os verda-
deirqs sentimenlosd< eslima c reconhecmento que
Ihcs voto.
Eesta minha estima, e esto meu reconhecimeato
mais >e augmentan), quando reconheco, que duran-
te o lempo que fui encarregado de exercer tao
ardua misso, par das bellas qualidades de tao
nobre oflicialidade encoutrei real o sincera dedica-
cao e excessivo amor ordem e disciplina.
* Assim, ja que me forgoso deixar esta provin-
cia, nao posso e ucm devo oceultar a viva saudade
que experimento.
Ao inui distineto Sr. coronel Luiz Jos Ferreira,
digno commandante do 2" batalhao de infamara,
cu trbulo os respetos de minha estima e conside-
raran, e nunca esquecere as suas qualidades ele-
vadas, qur como particular, qur como militar
distineto que Fue sempre ser.
A' nobre oflicialidade do mesmo batalhao cu de-
dico a minha estima e amizade ; assim como a to-
dos os meus companheiros de armas desta guarni-
nicao, aos quaes asseguro que tudo que tenho
sincero.
Nao me esqueco lambem dos Srs. cadetes o n-
feriores do 2o balalhio,aos quaes igualmente voto-
Ihes amizade e graldao, pelo mudo digno e hon-
roso com que se conduzram nos cumprimontos de
tao espinhosos cargos.
Na cidade da Forlaesza, pois, all achanto um
amigo e companheiro dedicado, e sempre prompto
acumpriras ordenscom quesedignaren) honra-lo.
liccife, i de agosto de 1861.
Joaquim da Hucha Moreira.
Anacahuita pcitoral le Kemp.
A celebre anacahuita peitoral de Kemp, de cu-
jas virtudes especificas tantos aonuncios appare-
ceram em nossos jornaes, urna eomposieao de
vegetaes peitoraes e nao contem nenhum'astrin-
gente venenoso ou mortalmente narctico. E' pre-
parada em forma de um xarope delicioso e um
poderoso e efllcaz cemedio para irritacao dos pul-
moes, anginas, catarrho, tosse, resframento. rou-
qnidao, alfeccoes catarrhaes, escarros de sangue,
e todas as innumeraveis molestias que affectam os
orgos da respiracao. Cuidadosa e scientifica-
mente preparada por Lanman & Kemp em .Nova-
York.
Acha-se venda as lojas de Caors & Barboza,
ra da Gnu, e na de Joao da C. Bravo c C. ra
da Madre de Deus.
Golta, rheumatismo, paralysia, qnzertm encarregar da factura de tal obra, or^a-
Dores, impotencia, csterilidade, da om 2o5, comparecerem a esu reparticao
Marasmo, hypocondria, eramagrecimento. [ at odia 8 do corrente, munidas de suas compe-
to xarope alchoolico de veame sobre tudo, da lentes propostas em carta fechada,-na conformida-
maior utilidade para curar radicalmente, e em, de da portara da ihesourara de fazenda n. 102 do
pouco tempo o rheumatismo.
Adverte-se que o verdadero xarope s se vende
nesta cidade na botica cima indicada, do abaixo
assignado ; eem outra qualquer parte que se tera
annunciado nao da mesma eomposieao, e nem o
abaixo assignado se responsablisa.
Jos da P.ocha Paranhos.
GHHEICIO.
CA1XA FILIAL
DO
as l\CO DO IfKASBIi
EM PERJNAMBCO.
A directora desla caixa, em Yirtude de ordem
da directora do Banco do Brasil, avisa aos Srs.
accionistas que o respectivo thesoureiro esta autoj Benjamn Fraklin da Cunha Torreao.
risado a pagar o dividendo das accoes da meema' Joao Pamphilio Cavalcanti.
caixa do semestre Ando em 30 de junho prximo Jos Candido de Souza Castro Jnior,
passado, na razAo de 8300 por accao.
Recite 14 de julho de 18C4No impedimento do
secretario, Ignacio ones Correia.
do corrente.
Alfandega de Pernambuco 3 de agosto de 1864.
O 9 escrpturaro,
Godofredo Henriqoes de Miranda.
Perante o conselho de revista da guarda na-
cional deste municipio sao chamados comparecer
para serem inspeccionados por junta medica, na
sala das sessdes da cmara municipal, s 10 horas
da manha do da 12 do corrente, os guardas abai-
xo mencionados.
Io batalhao de artilharia.
Francisco Felisberlo da Silva
Joa'jatm Manoei Branaao.
Jos Mana do Reg Albuquerque.
Carlos Cyriaco llidich.
Joao Evangelista Gomes.
1 de infantaria.
Candido Jos dos Santos.
2 dito.
Jezuino Rodrigues Cardoso.
Alfandega
Antonio Joaquim de Carvalho Menezcs.
3 batalhao.
Galdino Jos Bandcira.
Francisco Brugcl de Almeda Guedes.
Francisco Antonio da Silva Rios.
Sala das sessoes do conselho de revista 3
Firmino Jos de Oliveira.
de
Movliionfo da alfandega
Volumes entrados com fazendas...
com gneros
Voiumes sahidos
c t
com
com
(uzeadas...
gneros...
452
531
87
l,3
------ 1,370
Descarregam no dia 5 de agosto.
| Barca inglezaIinwjenemercadorias.
Brguc inglezitfona Burrasdem.
Lugre francez Rio Grandeidem.
Brigue inglez-A'a-'bacalho.
Polaca hespanholaNoyavinhos.
Lugre norueguense-fifjma farinha. de trigo.
Barca porluguczaDespique 11carvao.
Importacio.
Barca ingleza Imogene, entrada de Liverpool,
consignada a James Ryder & C manifeslou o se-
guinte :
.'iO saceos arrqz, lo caitas cha; a Amorim
&G
2.">0 saceos arroz, 4 barris vinho, 4 gigos- garra-
fas vazas, 1 caixa oculos de alcance, 09 ditas e 11
fardos tecido dealgodao, panno de dito, madapolao,
cassas, lencos de dita, e ele.; a ordem.
130 8C4577' I"m- Sr- insPectr da thesouraria provin-
=__1__=__ eial, em camprimento da ordem do Exm. Sr. pre-
| sidente da provincia de 30 de junho ultimo, manda
fazer publico, que no da 13 de outubro vindouro,
perante a junta da fazenda da mesma thesouraria
v se ha de arrematar quem por menos fizer, a cons-
M trcelo de 9 bracas de caes de cada lado do ca-
nal da ra da Aurora, avallado em lo.9145000.
A arrematarlo sera feita na forma da lei pro-
vincial n: 3i3"de 15 de maio de 1854, e sob as
clausulas especaes abaixo declaradas :
As pessoas que se propozerem a essa arremata-
cao comparecam na sala das sessoes da referida
junta no da cima mencionado pelo meio dia, e
competentemente habilitadas.
E para constar se mandou publicar o presente
pelo jornal.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
buco, 9 de julho de 1864.
O secretario
Antonio Ferreira da Annunciacao.
Antonio Candido Guimaraes c Silva.
A mir Alves Res.
Antonio Joaquim de Barros Luna.
Bonto Francisco da Cunha.
Antonio da Silva Azevedo.
Dr. Jos dos Santos Nunes de Oliveira.
Manoel Luiz da Veiga.
Manoel Pirmino Monteiro.
Caetano Aureliano de Carvalho Como.
Empregado publico Carlos Augusto Lins de Souza.
Empregado publico Domingos da Silva Guimaraes.
Elpidk) (FAraujo Ferreira Jacobina.
Empregado publico Eduardo Firmino da Silva.
Jos Antonio Pinto de Medeiros.
Thomai Tinoco.
Tertuliano Scepiao da Fonseca.
Pedro d'Alcantara e Silva.
Fmrencio Rodrigues de Miranda Franco.
Francisco Joaquim Ramos e Silva.
Francisco Jos da Silva Guimaraes.
Francisco Alfonso Ferreira.
Dr. Joa Goncalves da Silva Montarroyo.
Artista Francisco Antonio du Menezes.
Dr. Joaquim da Cosa Dourado.
Joaquim Mendes de Souza Ferreira.
Jos Manoel dos Santos Rocha.
Joao de Dos Quintclla.
Empregado publico Jos Clemente Pereira dos
Santos.
Tenenle coronel Jos Thomaz d'Aguiar.
Empregado publico Joao Tiburcio da Silva Gui-
maraes.
Jos Mana Giraldes.
Joaquim Galeno Coelho.
Joao Antonio dos Res.
Luiz Melanio Franco. *
Luiz Jos Antunes.
Fredereo Velloso Koop.
Artista Manoel Coelho da Silva.
Manoel Jos de tamos Barros.
Capitao Manoel de Mello Albuquerque.
E para que o presente chegue ao conhccimcnto
de todos ser o presente afixado na porta da igreja
matriz, e publicado pela imprensa; certo que os
que deixarem de comparecer sera motivo justifica-
do sero multados na forma da lei.
Dado e passado nesta cidade do Recife ao I.* de
agosto de 1864.
Eu Francisco de Barros Correa, escrivao que o
escrevi.
Gustavo Jos do Reg.
- i i
Pelo consulado de Portugal nesta cidade s3o
chamadas as pessoas a quem possam pertencer al-
guns objectos de ouro e prata que Dearam descrip-
tos no inventario dos bens do subdito portuguez
Jos Femandes Pereira Villa-Rica, fallecido na ci-
dade de Olinda, a virem requerer a sua entrega
dentro do praso de 30 das da data deste com
justificaco previa do direlo que tiverem aos mes-
mos; e nao o fazendo dentro deste praso sero
trastos em arrematagio publica por conta do espo-
lio do dito tinado. Recife 29 de julho de 1864.
Cooselhe administrativo.
0 conselho administrativo para fornecimento do
arsenal de guerra tem de comprar os objectos se-
guiles :
Para o nono batalhao de infantaria.
1684 corados de panno verde.
Para o laboratorio do fogos.
1 livro de talo Itnpressos com 200 folhas.
1 balanca orisontal de Keverbal.
1 ariometro de vidro. .
Quem quizer vender taes objectos aprsente a
a sua proposta em carta fechada oa secretara do
conselho s 10 horas da manhaa do dia 10 do cor-
rente.
Sala das sessoes do conselho administrativo para
fornecimento do arsenal de guerra, 3 de agosto de
1864.
Antonio Pedro de S Barreto,
Coronel-presidente.
Sebastiao Jos Basilio PyrrhOj
vogal secretario.
FcnMade de Direito,
De ordem do Exm. Sr. director se faz publico,
que no da 8 do correte, s 2 horas da tarde, (e
nao 4 como por engao Coi publicado) expira o
praso de quatro mezes marcados para a inscrip-
cao dos concurrentes eadeira de iallm do curso
preparatorio desta Faculdade.
Secretara da Faculdade de Direito do Recife, 4
de agosto de 1864.
Jos Honorio Bezerra de Menezes.
Secretario,
Correio.
Pela adminstracao do correio se faz publico que
bofo (5) pelas 3 horas da tarde em ponto fechar-
se-hao as malas que tem de conduzir o vapor cos-
teiro Parahiba com destino aos portos do sul at
Sergipe smente.
LEILES.
Feira semanal
DE
Movis, crystaes e outros ar
tigos
DECLAHACOES.
f.LAtSL'LAS ESPKCIAES PARA A ARKE*ATArA0.
1* A obra do caes margem do canal da ra da
| Aurora, ser* executada de conformidadecom o or-
namento e planta respectiva apresentados pela di-
rectora das obras publicas na importancia de
115:914*.
25 barricas vidros, 90 caixas folha de (landres, 2' O empreiteiro dar execuco aos trabadlos no
5 ditas e 3 tinas cobpc.. 5 barricas ferros de ei- prazo de 20 dias, e os terminar nos de,60 das,
gommar, 1 caixa tecido de algodao; a Izidoro Netto' contados na forma da lei.
3* O pagamento ser effectaado em prestaces
mensaes, de valor correspondente ao frabalho exe-
li|i | mumufiu uc iguarassu, no resiaue uo menino
46784868 rorren,e' servndo de base a arreraatacao a quantia
i*7t7l3iu! ^e "-150A000.
* 1 A arromatacao ser feita por tempo de dous an-
.t
/.-.<
Uencfio
Xarope alchoolico de veame, preparado pelo
pharmaceutiro Jos da Rocha Paranhos, estabele-
<-ido com botica na ra Direila n. 88 em Pernam-
buco.
E.-te xarope nconteslavelmente superior a to-
dos os xaropes depurativos, de cuja eomposieao
o seu maior elemento a salsa parrilha, pois que se
tem cotilleado ser o veame mais enrgico para a
prompla cura das molestias, cuja base essencal
depende da purlicacao do sangue ; assim pois se
tem verificado por muitas pessoas que se achavara
desengaadas, as quaes acham-se hoje restableci-
das com o referido xarope alchoolico de veame ;
mtretanto que alguns, tendo asado do xarope de
Curnier, de Larrey, de salsa parrilha, de sapona-
ria, oleo de ligado de bacalho, e outros agentes
desta ordem nada conseguirn). elle de fcil
digestao, agradavel a paladar e ao olphato. Al-
guns mdicos desla cidade e da de Macei o teem
recommcadado para a cora das
Impigens, tmha, escronhuias,
Tumores, ulceras, escorbuto,
Cancios, sarna degenerada, fluxo alvo.
Todas estas affeccoes provra de urna causa in-
terna ; nao ha poisrazo alguma em crer que el-
las se podem curar com remedios externos. Tam-
ben) se prescreve o xarope alchoolico de veame
para o tratamento das affeccoes do systema nervo-
so e fibroso, tac; como :
END1MENTO DA MESA 1)0 CONSULADO PRO-
VINCIAL EM O ME/, DE JULHO DE 1864,
A SABER :
Direitos de 90 rs. por fS do as-
lucar exportado.......
Dito dc20rs. por caada d'aguar-
dentn, ele......................
dem de 30 rs. sobre caada d'al-
cool........................
Dito 3 Olrj idem do algodao expor-
tado ..............
t.. de 7 Olrjdo mel.......
Dilo de 8 por cento de couros
seceos, verdes e espichados...
dem idem de 5 idem dos mais
gneros exportados.......
Dcima dos predios urbanos .
2"OI|) lo C(in.nni'> d'aguardenle .
Imposto de 12 por c?nio sobre
diverso! eslatielecimentas .
8()|snbre consultorios mdicos
e escriptorios..............
20^ rs. por meia siza de es-
clavos .............
Imposio <)e 4 por cento sobre di-
versos i'stabeleciixeiitiis fr
di cilade.....................'.-
Imposto sobre carro*, mnibus,
carrosas e vehculos........
SQfi .-ol.re chapeos estrangeiros e
roupa ele....................
505 rs. sobre escravos exportados.
Emolumentos de polica.....
10 por eeiito de novos e velhns di-
reitos dos empregados provin-
ciaes...............
Restituicoes c reposiees......
Dilo de 4 0|0 sobre os preaos
m.-iions das loteras ..........
Sello de herancas e legados.. .
1005 sobre corrector commercial.
2 0|Q sobre liancas crimes ......
Matrcula da Escola Normal......
10 0|0 sobre producto de cada lei-
lao........................
Multa por infrac^o.............
Mesa do consulado provincial. Io de -agosto
de 1864.
O 3- escripturario,
Pedro Smoes da Silva Braga.
& C.
1 caixa louca, 100 volumes cha; a J. Gates.
100 barris manteiga, 3 lardos saceos de linho I cutado, em cada mez, deduzindo-se nm dcimo,
palha a Johnston Paier & C. | que ser entregue seis mezes depois da conclusao
18 caixas e 5 fardos tecidos de algodao; a da obra.
Phipps Brothers & C. 4' O empreiteiro nao poder sob qnalquer pre-
209 feixes arcos de ferro, 298 ditos e 2,249 bar- texto exigir indemnisacao alguma que nao seja
ras de ferro, 25 barricas ferragens, 300 fogareirot fundada no excesso de trabalho previsto no orca-
5 feixes com gulhas por ditas, 1 barricas corren-: ment.
te de ferro, 2 ditas creotn.de dito, 3 ditas cutelern, 5" O empreiteiro na execuco dos trabalhos ob-
1 dita estaoho, 200 caitas gaz, 25 ditas enxofre, 8: servar as prescripcSes dadas pelo engenheiro fis-
fardos lencos de linho, 10 barricas breu, 5 caixas | cal da obra.
linha de aigodao, 1 barrica carros de chumbo, 4 6* Para tudo quanto nao se adiar aqu disposto,
ditas chumbo, 60 caixas folha de (landre?, 3 ditas' observar-se-ha o que dispoe a lei n. 286.
folhas de lato, 1 dita machina para descarocar; al Conforme.Antonio Ferreira da Annunciacao.
S. P. Johnston A C. O Irrm. Sr. inspector da thesouraria provin-
Brigue inglez Neta, entrado deTerra-Nova, con-' cial, em camprimento da ordem do Exm. Sr. pre-
signado a Sanders Brothers de C, manifestou o sidente da provincia, de 23 do corrente, manda fi-
seguinte : er publico que no dia 11 de agosto prximo vin-
3,190 barricas bacalho o 700 ditas farinha de douro, perante a junta da fazenda da mesma the-
trigo; aos mesmos. | sonraria se ha de arrematar a quem mais der, o
Recebedoria de rendas Internas' imposto de 25500 do gado vacetrm consumido n
"f raes de Pernambuco. | municipio de Iguarass, no restante do triennio
Rendimento do dia 1 a 3........ 4
dem do da 4................. _>- a arremataco ser feita F tempo
r ooataM no^ e dez mezes a contar do de Setembro proxi-
____= mo vindouro 30 de junho de 1867.
. 1 T 1 As Pessoas 1ue se propozerem a essa arremata-
ConsiliadO prOTlncial. cao comparecam na sala das sessoes da referida
Rendimento do dia 1 a 3......... 7:8275814: ;iInta no dia cima mencionado, pelo meio-dia, e
dem do dia 4................. 6385424 competentemente habilitadas.
--------------- E para constar se mandou publicar o presente
8:4665738 pelo jornal.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
buco, 26 de julho de 1864.
O secretario,
A. F. d'Annunciacio.
O major Gustavo Jos do Reg, offlcial d impe-
rial ordem da Ro*a, juiz de paz mais votado do
1. districto da freguezia do Santissimo Sacra-
mento do bairro da Boa-Vista, do termo da ci-
dade do Recife de Pernambuco, em virtude da
lei, etc.
Faco saber que em virtude do disposto no arl.
92 da lei n. 389 de 19 de agosto de 1846, e mais
disposieoes em vigor, se proceder no dia 7 de
setembro prximo, a eleico para juizes de paz do
1, 2. e 3." districtos desta freguezia, e para ve-
readores da cmara municipal do Recife, e assim
sao convidados todos os cidadaos. que estejam qna-
lilicados votantes, a se reunirem na igreja matriz,
afim de prestaren) os scus votos como dispoe o
art. 100 da citada lei, bem como os eleitores e
supplentes residentes em dita freguezia, os quaes
tod^s comparecero s 9 horas da manhaa.
Eleitores.
Os senhores :
2:61353321 Tenente Decio d'Aquino Fonseca.
j Dr. Silvio Tarquinio Villas-Boas.
Capitao Joaquim Francisco Franco.
Dr. Joao Maria Seve.
Capitao Jos Francisco Lavra.
1745000 Major Manoel dos Santos Nunes de Oliveira.
Proprietario Clorindo Ferreira Cato.
4005001) Negocio Francisco Accioly de Gouveia Lins.
Despachante Joao Bartholmeu Goncalves da Silva.
Proprietario Joo Pacheco de Queiroga.
Major Manoel do Nascimento da Costa Monteiro.
Empregado publico Bernardo Jos Martins Pe-
reira.
Artista Jos Joaquim Ramos e Silva.
! Dr. Lourenco Trigo de Loureiro.
1:6485000; Thomaz Garre.
1:7565888 ] Proprietario Francisco Rufino Carneiro de Mello.
2775900: Proprietario Flavio Ferreira CalO.
005000'. Major Gustavo Jos do Reg.
6375500! Proprietario Vicente de Paula Oliveira Villas-
Boas.
1585226 Dr. Aprigio Justiniano da Silva Guimaraes.
20G5050 Br. Jos Mamede Alves Ferreira.
---------------Tenente-coronel Feliciano Joaquim dos Santos.
89:4505568; Despachante Joaquim Gandi Monteiro Jnior.
Dr. Joao Honorio Bezerra de Menezes.
Tenenle Joaquim Jorge de Mello.
Dr. Joaquim de Oliveira e Souza.
Capitao Manoel Porfirio de Castro Araujo.
Tenente Symphronio Olimpio de Queiroga.
Proprietario Thomaz de Carvalho Soares Brando.
Tenente-coronel Antonio Carlos de Pinho Borges.
Capitao Antonio Jos da Costa e Silva.
Empregado publico Francisco Antonio da Silva
Cavalcante.
Jeronyrno Jos Ferreira.
Proprietario Manoel Antonio Teixeira de AlbH-
nha de mandioca ; Amorim Irmaos.
12:4125670
8385210
695900
19:7905518
145238
3:3705501
6355116
35:9755197
2:4625190
2:8795140
325O0O
2005080
1:8505000
135000
3895988.
5855214:
MOYIMENTO BO PORTO.
iWii'ios entrados no dta 4.
Alagoas2 dias, lugre nacional Emilia, de 236 to
Artista Manoel Francisco Honorato.
Proprietario Antonio Carneiro da Cunha.
Rio-Grande do Sul20 dias, brigue nacional Co-
rumba, de 14o toneladas, capitao Manoel Jacin-
tho Telves, equipagem i, carga 8,000 arrobas
de carne ; Maia & Espirito-Santo.
Rio de Janeirola dias, brigue nacional Almiran
Negociante Artlonio Jos de Castro.
Negociante Francelino Xavier da Fonseca.
Major Manoel Jos da Silva Guimaraes.
Empregado publico Pedro Alexaodrino de Barros
Cavalcante.
te, de 218 toneladas, capitao Jos Moreira Maia, VS^SiSSSSSt
Capitao Joao Athanazio Botelho.
Dr. Nabor Carneiro Bezerra Cavalcante.
Supplentes.
Os senhores :
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo A C.
Navios sahidos no mesmo dia.
Portos do nortevapor brasileiro Pertinvmja, com-
mandante Ratis.
^vSSK^SSS D8'eZa Mn mhCXl' caPilSoJDrT MTuo'''joaqoim Silteira.
Tenrrte Leopoldo Ferreira Martins Ribeiro.

Kerlin, em lastro.
EDITAES.
Tendo-se de proceder ao alargamento da se-
gunda porta de sahida desta alfandega, convida o
Illm. Sr. inspector da mesma s pessoas que se
Artista Manoel Theodoro Rodrigues Pinto.
Antonio da Silva Ferreira Jnior.
Empregado publico Antonio da Silva Guimaraes.
Dr. Antonio Ferreira Martins Ribeiro.
Empregado publico Antonio Carlos de Lemos Du-
arle.
Augusto Garlos de Lemos Duarle.
Antonio Elizio Antones Ferreira.
Santa Casa da Misericordia do
Reeife.
De ordem da Illma. junta administrativa da San-
I la Casa de Misericordia do Becife convido s pes-
i soas que se interessarem pelas menores orptias
1 abaixo declaradas, para comparecerem nesta se- '
1 cretaria, afim de assignarem o termo de responsa-
1 bilidade de que trata o | 3* do art. 66 da lei pro-1
: vineial n. 396 de 13 de marco do corrente auno.
i para que pos ter lugar a admisso das referidas
menores no collegio de orphas.
Leocadia e Joaquina, lilhas de Umbelina Joaqui-
1 na da Costa e Mello. 1
Mara, fiiha de Antonia Mara Machado Freir.
Francisca, urna de Auna Francisca Paos Barreto.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do Re-
cife Io de agosto de 1864.
O escrivao,
F. A. Cavalcanti|Cousseiro.
O escrivao de paz do segundo districto da
freguezia de S. Frei Pedro (ioocalves, continua a
lavrar escripturas de compras e vendas de escra-
vos : na ra da Senzala Nova casa n. 33.
Inspecro a arsenal de marinea.
Faz-se publico que a comraissao de peritos exa-
minando, na forma determinada no regolamento
annexo ao decreto n. 1,324 de 5 de fevereiro de
1834, o casco, machina, caldeira, apparelho, mas-
treaco, veame, amarras e ancoras do vapor Pa-
rahyba, da companhia Pernambucana de navega-
cao costeira, achou tudo em regular estado.
Inspecgiio do arsenal de marinha de Pernambu-
co, 4 de agosto de 1864.
O iuspector,
H. A. Barbosa de Almeida.
O lanzador da recebedoria de rendas nter-.
Das geraes, de conformidade com o art. 37 e scus
do decreto de 17 de marfo de 1860, tendo de
1 fazer a collecta no bairro de Santo Antonio dos
' impostos a qne eslao sujeitas as lojas e casas com-
merciaes, e oatras u*e diversas ciasses e denomina-
coeS; avisa aos donos dos respectivos eslabeleci-
menles para que tenham presente no acto da col-
lecta os recibos e papis de arrendamentos de
suas casas, visto que elles lero de servir de base
ao processo de lancamonto, o qual ter principio
no dia 1 de agosto as ras seguintes : ra do
Imperador, praca de Pedro II, caes de 22 de No-
vembro, e de S.' Francisco, travessa do Ouvidor,
ra do Crespo e do Queimado, travessa da mesma,
praca da Independencia, ra do Cabug e ra No-
va. Recebedoria de Pernambuco 30 de julho de
1864.Jos Theodoro de Sena.
Conselho de compras navaes.
Promove o conselho em 3 de agosto prxima-
mente vindouro vista de propostas reeebidas nes-
te mesmo dia at as 11 horas da mauha a compra
do seguinte :
Objectos do material da armada.
10 arrobas de secante, 200 pecas de linha alca-
troada e merlim, 60 grozas de parafusos de ferro
sonidos com rosca para madeira, 5 arrobas de
pregos francezes sortidos, 20 libras de linha crua,
20 arrobas de estopa de algodao, 20 arrobas de es-
tanho em verga, 12 ditas de zarciio, 1,400 libras de
tinta branca de zinco,100 pecas de linha de barcas,
100 saceos proprios para couduccao de carvao de
pedra, 40 caivetes de aparar penas, 80 cadernos
de papel matta-borro, 20 garrafas de tinta de es-
crever, 6 arrobas de alvaiade, 400 colhcres de fer-
ro, 240 broxas sorlidas, 1,000 folhas de zinco para
forro, 10 duzias de taboas de louro para assoalho,
de 20 25 palmos de compn monto, c largura de
2 palmos para mais, 80 arrobas de oleo de linha-
ca, 40 duzias de taboas de lonro para forro, 30 ar-
robas de ferro inglez em barnnhas, liames de si-
cupira para embarcacoes miudas, e madeira de
construc;.ao para um transporte de guerra.
Sao sjeitos os vendedores destes objectos
multa de 10 0|0 no caso de demora na entrega del-
les, e de 2(1 0|0 senao reabsarem a entrega, ou fo-
rem elles de m qualidade.
Tamben) o conselho no dia 5 de agosto prxima-
mente vindouro, contrata, vista igualmente de
propostas reeebidas at as i 1 horas da manha, os
servicos de barbeiro s enfermaras de marinha c
dos atrieanos livres, por tempo a decorrer at ju- j
nho de 1865, e o fornecimento at setembro do cor-
rente anno de cobertores e colchas de algodao pa-
ra os apreudizes artfices; snjeitos os contratantes
s mesmas multas cima declaradas ; isto de 10
00 pela demora do fornecimento ou dos servicos,
e de 20 0|0 nao sendo realisados, ou se forem fei-
tos inconvenientemente.
Sala do conselho de compras navaes 30 de julho i
de 1864.
Alexandre Rodrigues dos Anjos.
Secretario.
Conselho administrativo.
0 conrelho administrativo para fornecimento do
arseual de guerra tem de comprar os objectos se-
guintes :
Para a msica da companhia de artfices,
do alto Amazonas.
2 flautn de f.
2 requintas.
4 clarinetas em sib.
2 ditas em d.
2 trompas e pistn com as competentes voltas.
2 plstoes em sib.
1 opheleide em d.
1 dito em sib.
1 clavica era mi b.
1 dita em si b.
2 trombonos de vara em si b.
1 bombo.
1 rufo.
2 pares de pratos.
100 pal netas para clarinetas.
2 resmas de papel de msica.
6 pares de pelles de pergaminho para bombo.
6 ditos de dito para rufo.
Quem quizer vender taes objectos aprsente a
sua proposta em caria fechada na secretaria do
conselho, s 10 horas da manha do dia 8 do cor-
rente.
TE.IlTIIO
APOLLO.
Domingo, 7 e agosto de 1864.
Recita rm favor do bilbeleiro
Andr \ ve lino Sobrelrade Mello
Primeira representarlo da muito chistosa come-
dia em um acto,
PiLATOS NO CREDO.
A muito applaudida seena-comiea
0 photographo
desempenhada pelo Sr. Goncalves.
Terminar o espectculo com a muito applaudi-
da comedia em tros actos,
OS AMORES
DE
Principiar s 8 1|2.
No dia do espectculo os bilhetes que restaren)
estaro venda no escriptorio do theatro.
EXTRAORDINARIO BAILE
Sabbado 6 de agosto.
Espera-se nesle da una das mais brilhantes
concurrencias, tanto de damas como de cavalleiros.
Os salos acham-se ricamente adornados para
receber os concurrentes.
Tocar-se-ho nesta noite- lindas vanacocs pelo
primeiro professor que temos em nosso repertorio
moderno, pois um da de toda a pompa, por fa-
zer annos a casa, e ser beneficio do administrador
da mesma.
Ser cumprido o reguiamenlo do Illm. Sr. Dr.
chefe de polica.
Scxla-feira 3 4 carrate s 11
horas.
O agente Olympo far.leilo de urna mobila de
amarello, urna dita de Jacaranda, um guarda rou-
pa de amarello, urna cama franceza de Jacaranda.
urna mesa elstica de amarello, urna cama de ja-
caranda, urna secretaria de Jacaranda, um rico
santuario, apparadons, quartinheiras, cabides, la-
vatorio com pedra, cadeiras de abrir e fechar, di-
tas de balanco, {ditas de guarnicao de diversas
madeiras, marquezas estrellas para soltcros, lan-
lernas, copos, garrafas, machina para costuras e
outros muitos artigos de gosto.
1JB1LAO
DE
2 casas terreas em chaos foreiros.
HOJE
Sexta-feiiia s U horas.
48 Ra da Cadeia 48
primeiro andar.
O agente Olimpio tem autorisaco para vender
etu leilao 2 casas terreas sendo urna na ra im-
perial do lado da matriz nova n. 9, a qual tem 3
salas, 2 quartos, cosinlia Ifra, quintal murado e
cacimba meeira, rendendo a mesma 16 por mez
e urna outra na ra do Nascenle n. 14 por detraz
da ra Imperial a qual tem urna sala, um quarto,
quintal murado e cacimba meeira e tem mais um
terreno na frente, sendo tudo vendido em um s
lote visto pertencer a urna s pessoa e esta achar-
se na Europa.
DE
Um terreno de marinha.
HOJE.
O agente Aureliano competentemente autoriza-
do c por despacho do Exm. presidente da provin-
cia vender em leiio um terreno de marinha na
ra do Hospicio, em frente ao quartel com 45 pal-
mos de frente e 130 de fundo, j beneficiado.
No dia cima indicado no escriptorio do Sr.
commendador Amonio Jos de Castro, na ra do
Vi gario.
LEILAO
DE
Predios e acedes.
TUH
Urna casa terrea na roa dos Pires n. 5.
Urna dita dita na mesma ra.
Urna dita dita na ra das Crazes n. 14.
I ira dita dita na ra do Pilar n. 80.
lina dita dita na mesma ra n. 24.
Urna dita dita na mesma ra n. 3.
Urna quarta parte da casa terrea na mesma
n. 7.
Urna meia agua na ra dos Guararapes 39.
Um sobrado de um andar e soto na ra do Se-
bo n. 37.
Um sitio de trras denominado Londiu do Boquei-
rao na Ibura freguezia dos Aogados, com gran-
de casa e diversos arvoredos.
25 accoes da Companhia Vigilante.
50 ditas da Companhia Pernambucana.
O agente Almeida far leilao requerimento dos
administradores da massa fallida de Amorim, Fra-
gozo, Santos C. e por despacho do Illm. Sr. Dr.
juiz especial do commercio dos predios c accoes
cima pertencentes a mesma massa.
iio.ii;
s 11 horas do da a porta da Associacao Com-
mercial. O agente presta se a dar qualquer in-
formaexo.
LEILAO
nn-nene* t ctanto'
A1S0S MARTIMOS.
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR
Dos portos do sul esperado
al o da 1 4 do corrente o vapor
Princeza de iointille, comman-
dante o primeiro tenente Araujo
o qual depois da demora do cos-
tume seguir para os portos do norte.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no dia de sua chegada : encom-
mendas e diuheiro a frete at o dia da sahida s 2
horas, agencia ra da Cruz n. 1, escriptorio de
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo cV C.
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR.
Dos portos do norte espera-
do at o dia 15 do corrente o va-
por Oyapock, commandante An-
tonio Marcelino de Pontos Ribei-
-:/:---3SSHP ro, o qual depois da demora do
costume seguir para os portos do sul.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no dia de sua chegada, encommen-
das e dinheiro a frete at o dia da sabida as 2 ho
ras : agencia, roa da Cruz u. 1, escriptorio de An-
tnoLio uiz de Oliveira Azevedo & C
DE
ESCRAVOS.
iio.ii:.
0 agente Olimpio vender em leilao no
zem ra da Cadeia n. 48, duas cscravas
proprias para qualquer servco.
Dar principio o leilao ao meio dia.
arma-
mocas-
PREDIOS
1 sobrado de um andar na ra Imperial n. 64.
1 casa terrea na mesma ra n 66.
I sobrado de 2 andares na ra do Ltvramento
n. 9.
O agente Almeda levar a leilao por ordem da
directora da caixa filial os predios cima.
iio.ii;
A' porta da Associacao Commercial s 11 1|2
horas.
Predios na povoaco do Montairo to-
dos em chaos proprios.
Cordeiro Simes levar de novo a leilao os pre-
dios situados na poveacao do Monteiro, pertenecn.
tes a massa fallida de Joaquim Vieira Coelho &
C, a mandudo do Illm. Sr. Dr. juiz especial do
commercio, em um ou mais lotes vontade dos
prelendentes.
Terca-feira 9 do corrente
as 11 horas, fu da Cadeia n. 48, primeiro
andar.
AVISOS DIVERSOS.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DR
Xavegaco costeira a vapor.
Partos do sul at Aracaj.
A Companhia Pernambucana ex-
pedir para os portos cima no dia
5 do corrente o vapor Parahyba,
commandante Martins. Recebe
'carga at o dia 4. Encommendas,
passageiros e dinheiro a frete at as 3 horas da
tarde do da da sahida : escriptorio no Forte do
Mattos n. 1.
Para.
Segu para o indicado porto com a possivel bre-
vdade o hiato Lindo Paquete, capitao Antonio Ma-
ra da Costa e Silva; para carga trata-se com o
de Almeida Gomes, ra da
consignatario
Cruz n. 23, 1
Antonio
andar.
Para a Babia pretende sahir com
muita brevidade o veleiro patacho D.
Luiz, capitao Jos Teixeira de Azeve-
do, por ter parte da carga engajada;
para o resto que Ihe falta, trata-se
cornos consignatarios Palmeira fe Beltro,no largo
do Corpo Santo n. 4, primeiro andar.
Para o Cear e Maranho
Sahirem poucosdias a barca nacional Barreto,
por 1er parle da carga engajada, quem na mesma
quizer carregar dirija-se a Palmeira & Beltro,
Sala das sessoes do conselho administrativo para prgo do Corpo Santo n. 4, primeiro andar
fornecimento do arsenal de guerra, 3 de agosto
de 1864.
Antonio Pedro de S Barreto,
Coronel presidente.
Sebastiao Jos. Basilio Pyrrlio,
Vogal secretario.
Cear e Maranho.
O patacho Valente segu com brevidade para
ambos os portos por ter meia carga a bordo : para
o resto tratase com os consignatarios Marques,
Barros & C, largo do Corpo Santo n. 6.
Faltaudo aluda ao archivo
desta typographia 41 volunto*
encaderuados deste oiario. ro-
ga-se as pessoas que os levaram
por eiupeestlmo se dignein man-
da-ios entregar, nao se mandan-
do buscar suas moradas ( bem
que uo se ignore) pela incerte-
za da hora em que se encontra-
ro em casa.___________________
Ti
Aos 10:0OO$OQ0.
Corre amanha.
No sabbado 0 do corrente mez ter lugar
a extracco da primeira parte da primeira
lotera em beneficio do convento de S. Fran-
cisco do Recife.
Os bilhetes, meios e quartos acham-se a
venda na respectiva thesouraria ra do
Crespo n. 15.
Os premios de 10:000000 at 20000
sero pagos urna hora depois da extraeco
at s 4 horas da tarde, e os outros ao dia
seguinte depois da distribuicao das listas.
O thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
Jos Rodrigues de Andrade, sendo aconse-
Ihado pelos facntaiivos de ir fazer urna viagem
Europa, aonde se deve demorar pelo menos dous
invernos, nao tem remedio se nao dispor de seus
eslabelecimentos de hotel e botequim, collocados
na casa de 3 andares n. 28 da ra do Trapiche,
pelo que convida a todas as pe.-soas que os pre-
tenderen) de se dirigirem aos mesmos estabeleci-
menios para se tratar do ajuste e condiccoes.
O abaixo assignado pede a qualquer pessoa
que se julgar credor da extiacta firma Joaquim
Luiz Vieira k C, haja de apresentar suas coritas
ou ttulos se os tiver, afim de serem examinadas e
pagas.Joa
W
i


. -
Diario e *eraaaBbnro Ht-x letra & le Ag
ttt .

11.

#
0 cirui'gio ^ Leal inudou
a sua residencia da ra do
Queimado para a ra das
Oruzes sobrado n. 36, pri-
meiro andar, por cima do
armazem Progressista, aon-
de o acharo como sempre
prompto a qualquer hora pa-
ra o exercicio de sua pro-
fissao, chamado por escripta.
C4S4 D4 FORTUNA.
AOS 10:000.000
Bilhetes garantidos
V rua do Crespo 23 e casas do costume
O abaixo assignado tendo vendido nos seus mu-
to felizes bilhetes garantidos os dous quartos n.
147 com a sorte de 6:0005, e numero 1193 nom a
de 600J, e outras muita- di* 2005, 1005, 405 e
300 da lotera que se araboa de extrahir a benefi-
cio do tlieatro de Santa Isabel, convida aos psssui-
dores de ditos bilheles a virein receber seas res-
pectivos premios sera os descontos das leis, em
seu estabelecimealo ra do Crespo n. 23.
O mesmo tem exposto venda os novos e fetizes
bilhetes garantidos da primeira parle da primeira
lotera a beneficio do convento de S. Francisco do
Recife, que se extratur sabbado 6 de agosto.
Precos.
Bilhetes inteiros..... 125000
Meios......... 65000
(juartos........ 35000
Para as pessoas que comprarem
de 1005 para cima.
Bilhetes........ 115000
Meios......... 35500
Cuartos......, 2*730
Manoel Martins Fiuza______
Aluga-se a pasa da ra do Jasmim, com 2
salas, 2 quartos coznha, quintal e cacimba, por
eommodo preco de 145 mensal : na ra dos Pires
numero 6't._________________________________
Precisa-se de urna mulher livre ou escrava'
que saiba rozinhar e que tenha bons costumes
preferndo-se livre : a tratar na ra do Trapiche
D. 17.
1CS1
Precisa-se de um caixeiro habilitado a tomar
conta de um dos memores armazens de molhados
nesla praca, que seja fiel, diligente e saiba cumprir
cem suas obrigacoes, fazendo despachar o expe-
diente da casa na ausencia do pairao : qaem se
adiar habilitado dexe carta fechada nesta typo-
grapha com as iniciaes A. H. P. para ser procu-
rado._______________________________________
Precisa-se alugar tima preta escrava para o
servieo de nina pequea familia : na na das Cru-
zes n. 28, primeiro andar.____________________
Desappareceu da casa n. 1 do boceo da cam-
boa do Carnio um crioulinho livre, de idade de 4
anuos, com os signaos segrales : nariz um tanto
chato, com marcas de bexgas, levou vestido tmao
branco com ura buraquinho ao lado : quem o ti-
ver, queira ter a bandada de o levar dita casa.
Elle chama-se Anselmo.__________________
Precsa-se de urna ama para todo o -servieo
de urna casa de pouca familia : na ra do Vigario
o. 27, segundo andar.____________________
JoaoCarlos Mendes da Cunha Azevedo de-
clara ao respeitavel corpo do commercio que dei-
xou de ser caixeiro da casa commercial do Sr. J.
da Silva Faria.____________________________
Aluga-se o primeiro andar do sobrado da ra
da Senzala Vclha n. 48 : a tratar na loja do
mesmo.
CO.XSILTOBIO MKIMKIRlR(iltO
DO
S4HI0 4 LUZ
EST A VENDA XA LIVRAHIA DO Sil. GkRAI.DO
RA F.smRlTA DO P.OSA1UO X. 12 AS
NOCOES
DK
PARTIDAS DOBRADAS
omntsowAS
AAssoeianio Com inercia I Beneficentc
DK
ii:h\ \>im < o
POH
Fonseca de Medeiros.
M
DENTISTA DE PARS
' 19Ra Nova-19
Frederico Gautier, cirargio dentista,
faz todas as operaeoes de sua arte, o. col-
loca dentes artifieiaes, tudo c.-im superio-
ridade e perfeicao, que as pessoas enten-
didas lhe reconhecem.
Tem agua e pos dentfico.
DR. PEDRO DE ATTAHYDE LOBO HOSCOSO,
I KD1C O. I" VI! lilil OPER ADOR,
3 Ra da Glora, casa do Fundo 3
O Dr. Lobo Moscoso d consultas gratuitas aos pobres lodos os dias das 7 s i
horas da mambla, e das 6 e meia s 8 horas da noite, excreto dos das santificados
Pharmacia especial liomeopatliica
No mesmo consultorio ha sempre o mais appropriado sorlimento de carteiras
tobos avulsos, assim como tinturas de varias dymnamisaces e pelos preess seguintes
Carteiras de 12 tubos grandes. ISjjOOO
de 24 tutos grandes. 18000
de 36 tubos graudes. 246000
de 48 tubos grandes. 306000
defiO tubos grandes. 350000
Prepara-se' qualquer carteira conforme o pedido que se fizer, e com os remedios
que se pedir.
Um tubo avulso ou frasco de tintura de meia onca 16' 00.
Senda para cima de 12, custaro os precos establecidos para as carteiras.
Ha tubos mais pequeos cada um a 500 ris.
LITROS.
A raelhor obra da homeopathia, o Manual de Medicina Homeopathico do Dr. Jahr,.
dous grandes volumes cem diccionario............ 206000 AtteilyuOi
Medicina domestica do Dr. Hering............ 106000 \ Acha-se justa e contratada a casa terrea sita no
Repertorio d Dr. Mello Moris............. ^rS?52!,5* ?' ^^SuuJ;
36000 & ! mtlia
A tte n cao
Precisa-se do una ama para casa de pouca fa-
a tratar na casa n. 12 na ra da Paz.
Beseja-ae allar eora o Sr. Antonio de PreiUs
Barbosa negpciu que nao ignora : na ra da
Imperatrit n. 48. _______________
Aluga-se a casa da ra do Calabouco n. 3 :
a tratar na ra do Livraraento n. 3(5, segundo
andar.
'ORTGIEZ DfiUllUJUEM PER-
K41IIHJC0.
i Nao leudo comparecido numero sufllcienle de
; senhore socio? para haver sesso lije, por ordem
I do Illm. Sr. presidente convido do nuvo a lodos os
sentares socios efTeclivos comparecerem domin-
go 7 do corrente, pelas 10 horas da mnhaa, nos
sables do Gabinete, para copstilureiu a asseabla
eral que tem de proceder a elecio do* membros
do consellio e commissaode exam'e d i comas, como
determina o J nico do arl. 11, e pela forma que
faculta o arl. 10 dos estatutos.
Secretara do cunselho del Iterativo do Gabinete
Portugus de Leitura en Pernambuco aos 3 de
agosto de 1861.
F. 1. Tinoco de Suuza
I." st-cretano.
I Companhla fldelidade de ||
S seguros martimos e ter-
restres estabeleclda no
IIlo de Janeiro.
AUE.VTKS KM PBPNAURUCO
JHt Anlonin Lrtii de Olivrira Jzewd k C,
cinn|etentemente autorisados pttla dirw-
toria da cornpanhia de seguros Fidelida-
de, tomam seguros de navios, mercado-
ras e predios no seu escriptoro ra di
Cruz n .1.
Diccionario de termos de medicina
por tre.- djas. ltecife 3 de agosto de 1861.
Ainda est para alugar a casa da ra .ugus-
ta n. 112 : a tratar na ra Nova n. 50.
Na na estrella lo Uosario u. 34
Lidio Marianno de Alhuqiierque
I acha-se competentemente provisio-
I nado para solicitar causas no foro
civil e commercial desta ridade,
fljl para o que ped' ser procurado na I
H ra do Imperador ti. 12. fli
A' ra Nova n. 18, na taberna, aluga-se urna
escrava mo^a, que lava, cusinha, compra e faz os
dentis servieos ordinario de una casa._________
Na ra da Praia n. 22. precisa-se de urna
una que saiba cosinhar e engommar para casa
Je rapaz solteiro.
FURTO
DR
No sabbado 30 de jolln, s para as 10 horas
do da, fui um individuo de cor parda, estatura re-
gular, na casa do abaixo assignado, segundo sitio
ja estrada doCajueiro da Magdalena, antes de che-
gar ao Hospital Portuguez, e procurou fallar com
i dona da casa dizendo ter ordem do abaixo assig-
nado para levar 6 cadeiras das que fazia parle da
moblia para asenvernsar e pintar a palhinha, a
lona da casa recusou-se a fazer entrega das ra-
deiras, poriiii o tal individuo a p'">de convencer, e
elle mesmo csco'heu as ti cadeiras e as levou, ten-
i ma da casa as entregado, atlendendo o ler
: i o i da aiti n i >\n o abaixo a->-igna-
-- p ira fazi'i *i'rvir is de marcinei-
:: ir-se Han I Antonio, e morar na i ta
n, i'i : na) tendo 'ii dado autorisacao
aigunia ao tal individuo, pois n>'in o conhecia. por
isso as julgo furtadas ; e por ioforniagoes consta,
ter pausado pela ponte grande da Magdalena com
litas cadeiras no mesmo da e hora ; sendo as
.-adeiras de Jacaranda, linas, as palhinhas enverni-
-1 las ou pintadas, e nodoadas ; quem del'as der
nifticia cciia ao abaixo assignado no siti i cima,
-/una ra da i'.adea do Recife u. 61, segundo an-
lar, T graticado, e se gurdala segredo.
Antonio Botclh Pinto de Mesqua.
otol italiano.
Madama Ferro avisa -a.k sen; freguezes e ao res-
'.I publico, que acaba i'e mudar seu estabe-
leciuiento da ra do Trapiche n. 11 para a niesma
ran, "i, aonde fui o hotel Francisco, e espera sa-
tlsfazer s pessoas que a honrarem com sua fre-
quencia, por isso mesmo que nao se tem poupado
i des|iezas para poder offerecer actualmente bons
comniodos, promptidao e aceio do servieo e modi-
L'dade do prefos.____________________________
Aluga se a loja do sobrado n. 16, no largo do
Carnn : no largodo l'araizo n. 26._____________
Antonio Ltiiz de Oliveira Aze-
vedo A C
Ajenie- do Uaiico l iiiao do Porto.
Competentemente autorisados sacam jior to 1 o
>s paquetes sobre o mesmo Banco para o Porto s
Lislioa, e para as segnintes agencias.
Londres sobre Hanh o( l.ondon.
Pars
Haroborgo
Barcellona
Madrid
Cdiz
Sevtlha
Valencia
vinarantes.
Vrcos de Val de
Vez.
Vveiro.
Rarcellos.
listo?,
iteja.
Braga.
i'.raganca.
Faro.
Oliveira d'Aze-
ineis.
Penaflel.
I'avira.
Villa do Conde.
:/iHa Real de
S. Antonio.
N'O IMPEHIO.
Babia. Maranhao.
Rio de Janeiro. Para.
Qualquer soturna prazo ou vista,podendo logo
>s saques prazo serem descontados no mesmo
Basco a razio de 4 por cento ao anno : a tratar
na ra da Cruz n. 1.
Club comiuereial.
A reuniao familiar do corrente mez de agosto
era lugar na noite do da 13 do mesmo.
Aluga-se urna casa terrea assobradada, na
. la do Lima .-.n Sanio Amaro, com milites com-
ii'idos fiara familia, com quintal murado, e boa
iciiiiha, por 184 por mez : alallar com Jos Gon-
i\ks Ferr-ira >.osu.
Offerece-se urna ama que sabe lazer todo o
lervieo de nina casa de familia, de muito bons cos-
tumes, atian^ando-se a sua conducta : a tratar na
-u* Augusta n. >>__________________________
/iluga-se urna preta que cose, engomma e
- tbe tratar dos arranjos de urna casa, menos cozi-
nliar ou comprar, afianca-se a conducta : a tratar
u roa larga dfl Rosario n. 31. botica.
Precisa-se de um praticante de botica qne
enha aloiinia pratica : a fallar na ra larga do
Horario n. 3t______________________________
~ Precsa-se alugar ama eanrava que saiba
.otuprar, coziniur. lavar e engimmar. paga-se
bem ca ra do Raagel. -obrado n. 33.
Advogado Alfonso de Albu-
querque Mello,
lide ser procurado a qualquer hora ; as sextas-
eiras, porm, na villa do Cabo.
Lata Domingues de Wouza
faz seleate que de lioje por dian-
te se asslgnar I.ulz Wominsues
de Mou/a loutinho. Reeife. I*
de agosto de 1*4*64._____________
Mohllla.
Envemisa se mobilia mais em conta do que em
outra qualquer parte : no pateo do Carino n. 84.
Na praca da Independencia, loja de ourives
n. 33, compram-se obras de ouro, prata e pedras
preciosas, assim como se faz qualquer obra de en-
commenda, e todo e qualquer cnucertn.________
Aluga-se o 2' andar do sobrado n. 7t>. na rw
do Imperador : a tratar na ra do Crespo n 15.
~No~escriptoi o de M J. Ramoso Silva A; Gen-
ros, na ra do Vigario, compra-se um caleche em
bom estado : qoem tiver para vender annuncie.
Precisa-se de um menino para caixeiro de
taberna, com pratica ou sem ella : na ra dos
Guararapes. em Fra de Portas, n. 8, preferindo-
se Portuguez, e dando Banca sua conducta.
Precisa-se de urna de lete, escrava : na ra
da Cadeia de Recife n. ;i2. ti-rceiro andar._______
Belarmino Guedes Alcoforado, professor pu-
Iblico da V cadeira da freguesa da Boa-Vista, de-
I clara que tem aberto a sua aula na ra da Amiza-
de da povoaco da Capuuga : adverlindo s pes-
soas que tiverem menino? para matricular, de lira-
rem do delegad Iliterario da referida freguezia as
competentes guias.
Preri-a-se de um caixeiro para taberna que
tenha pratica : a tratar na ra do Nogueira nu-
mero V.V
Os remedios deste estabelecimento sao por deuwis conhecidos e dispensam portan- "_ Precisa.^ de rj00 a .ur03 dan,1,).e w pa.
to de 6erem nevamenle recommendados as pessoas que quizerem usar de remeaios ver- ranti_ _,_ tsanMt em hypotheea : na ra da
dadeiros, enrgicos e duradores : ha tudo do melhor que se pode desejar, globos de ver- Penhan. 17, segundo andar se dir quem preci.-a.
dadeiro assucar de leite, notaveis pela sua boa conservacao, tintura dos mais acreditados J Gomes de Amorim, Brasileiro, val
estabeleciraentos europeos, a mais exacta e aecurada preparacao, e prtanlo a maior ener- Europa,
gia e certeza em seus efleitws.
Casa de sade para escravos.
Recebe-se escravos para tratar de qualquer enfermidade ou fazer-se-lhe qualquer |j
operaco, para o que o annunciante julga-se suflicientemente habilitado.
Otratamento o melhor possivel, tanto na parte alimentar, como na medica, el!
funecionando a casa a mais de quatro annos, ha muitas [Hjssoas de cujo conceito se nao
pode duvidar, que pdera ser consultados por aquelles que desejarem mandar seus
doentes.
Paga-se 2)9000 por da durante 60 dias ed'ahi em diante I5500.
As operagoes sero previamente ajustadas, se nao se quizerem sujeitar aos precos
razoaveis que costuma pedir o annunciante.
Falleuela de Francisco comes
Castellao.
Os senhores credores silo convidados vir rece-
ber o 1' dividendo da massa, no escriptorio dos
administradores, ra da Cadea u. -r>7.
APROVEITEiM APROVEITEM
AOS
m^ 7,158 COVADOS
de sedas de cores de todas as finalidades.
Na loja da ra do Crespo numero 17.
Importante compra de 7130 cavados de seda de todas as qnalidades, proprias
vestidos de senhoras e de meninas, e vende-se por precos admiraveis.
Giros inultos objectos de apurados gostos para senhoras, vestidos de blonde
casamento a *(),5 cada um, capas pretas, soutambarques decores e pretos, chpensele.
Fazendas le linho e de algodao as melhores que uxistem no mercado.
O proprietano deste importante estabelecimento vai a Europa muito brev
prar fazendas de apurados gostos. presentemente vende as suas mercadorias por
baratissimos para liquidar.
O Dr. Cosme de S Pereira conti-
na a residir na ra da Cruz n. 53,
1" e f andar, onde pode ser procu-
rado para o exercicio de sua profis-
so medica, c com especialidade
sobre a seguinte
1* molestias
V
3o
do- gp
com-
premos
de olhos;
de peito :
dos orgaos geniti
urinarios.
Em seu escriptorio os doentes se-
ro examinados na ordem de suas
entradas comecando o trabalho pelos
doentes de olhos.
Dar consultas todos os dias d s
6 as 10 da manliaa, menos nos
mingos.
Platicar toda e qualquer opera-
cao que julgar conveniente para o ^
prompto restabelecimento dos seus _9
'oeutt's. |
- Precisa-se de urna criada livre ou escrava
que saiba cozinhar e engommar : na ra das Cruz.
u. 12, primeiro andar.
Precisase de urna criada
que saiba cezinhar e comprar:
Amaro (Mundo Novo), sobrado
Dr. Sabino.
livre ou escrava
na ra de Santo
onde morou o Sr,
(ip Protejan! todos. Protejan! todos a importante
$ LIQUiDACO
A loja da ra do Crespo n 17
Precisa-so de urna senhora ou de um sacer-
dote que queira ir ensinar duas meninas em um
engenho etn Serinhaem, e se souber msica me-
lhor. pois dar-se-ha bom ordenado : a tratar na
camboa do Carino n. 16.
%1A.
,im i p ira engommar e
n. ra da Imperatriz
Prederic S. Balln & C.
. Joao Gabe & Fillio.
Francisco Halioba A Ballista.
Jaime Meric.
Crdito commercial.
> Gonzalo Segoria.
> M. Pe rera V Hijos.
Em Portugal.
Angra Terceira. Pigueira.
Caminba. Guarda.
Caslello B'ranco. Guimaraes.
Chaves. Lagoa.
Goimbra. Lagos.
Cnvilha. Lamegw.
El vas. Le ira.
Extremos. Evora. Moncao.
Fafe. Moncorva.
Pinlial. Regoa,
Porto-ilegre. Selubal.
Thomar. Vianna de Cas-
Villa Nova do telki.
Portimao. Villa Real.
Vizeu. Madeira.
Faial. S. Migue!.
f
Precisa-se de urna ama para engommar para
duas pessoas e lavar : na na do Hospicio n. 11.
lia para alugar urna ca-a terrea na ra da
Alegra, urna loja na rus i!o Amorim. e um lercel-
ro andar c solo muito fresco, na ra do Encanta-
mento : a tratar com Jo'j Ribeii I. pe;, ra da (
Cadea n. .'l.'t. loja, _________________ i
Na ra da Impcratri" n. 'O. paJaria france-
za, precisase de nm escravo pata entregar pao e
fazi-r o servieo interno._______
Pwi&v-se de urna
eospr pira duas pessoas
n. tHI. padaria.______________________________ .
As pessoas que tiverem Jadj alguns objectos
para guardar em inao d i abaisn a-signado, na ra
dasCrii7.cs u. 1. baja de os tirar no praso de olo
di;.-. | "is que tem de se retirar para fra.
Joao Francisco Lupi s do Loureiro.
No largo do Paraizo n. 25 lav: se, engorama-
se e faz-se comida, tudo por p.vc. commodo e a
Voiltade de cada um. ___________
Consultor Forense
Acaba de sabir a luz na livraria do editor I!. L.
Garnier, na do Ouvidor n. tl'J, u
CONSULTOR GERAL DO TORO
I'elo Dr. Curios Antonio Gordctro.
1 grossos volumes em i-, bem encadernados,
30-5000.
Araba de coniplelar-se e>ta importante obra do
muito distinctci e conhecido nrisconsulto o Dr.
Carlos Antonio Cordeiro, honrada com pareceres
laudatorios los Srs. conselheros senadores Ange-
ls Mnniz da Silv Ferraz. Bernardo de Souza Fran-
co. Euzebio de Queirez i'.outinho Mattoso Cmara
e Jos Tliomaz Nabuco de Araujo.
Compoe-se esta obra eminentemente pratica e
ao alcance mesmo das pessoas interamente cx-
tranhasao foro, dos consultores civil, criminal,
commercial e nrphanologico e forma tuna Biblia-
theca completa indispensavil nac s a todas as
pessoas do fra mas lamben a lodos aquelles que
quizerem intentar ou tiverem causa dependente de
qualquer juizo.
Vende-se separadamente rada urna das parles
segnintes a 85'HK) :
Consixtob Civil acerca de todas as accoes se-
guidas no foro civil, segundo o systema adoptado
por Correa IVIles no seu Manual do Processo Ci-
vil, com as suppressoes, aitoraefies e accrescimos
exigidos |iela legilai;ao, estylos e pratica do foro
brasileiro.
CoNSLLTon Criminal ou formulario de todas as
accoes seguidas no foro criminal, precedido das
disposicaes roncernenies organisaijo jndiciaria
e attribul{dos das autoridades policiacs e crimi-
naes. .
Conmixto CoMmuciAL ou formulario de todas
as acedes rommerria.s. segundo o regulamcnto de
25 de nov-i-mbro de 1850, conlendo os modelos de
todas as peticSes, despachos, termos, autos, alle-
gaeoes, embargos, sentenoas, finalmente todos os
termos'dos processos, seguido do processo das que-
bras, qur no juizo commercial, qur no juizo cri-
minal. .
Cwsulxq* Okphanologico ou formulario de to-
das as acedes seguidas no juizo dos orplios, pre-
cedido das attribnicSes das diderentes iiessoas que
nelle ligara, enriquecido com diversas regras e
preceitos tendentes ao mesmo juizo de orphaos, e
bem assim ao da provtdoria, com a legblac,ao res-
pectiva. .
Na mesma livraria se encostra a seguinte obra
do mesmo autor.
Corono Cmminxl do imperio do Brasil, conlendo
nao s tola a legislacaq alterante ou modificante
de suas disposiees. como as penas de seus diffe-
rentes artigo, calculadas segundo os seus graos
e as diversas qualidades dos criminosos; 1 volume
em 4, encadi-rnado, 4*000.
Vende-se na livraria econmica ao p do arco de
Santo Antonio._____________
' A pessoa que annunciou por este Diario
querer entrar de socio em urna taberna com ra-
uital.dirija__ ao largo do Carino n. 13, para tratar.
A pessoa que annunciou no Diario de Per-
nambuco n. 177 querer sociar em urna taberna
ou compra-la dirija-se na das Cinco Ponas b.
140. quu achara n m qaem tratar
fiNADAdkLEO FIGAD.0bBACALHO
XAROPE DE RBANO IODADO
Segundo o> atteslados dos mdicos dos liospilaes de Pariz, emisignadus no ''ro^JClo. ^_:,_?Pr'rJ.'YaCLj?
de varita Acti'
BACALHAO
pallidez e mi
f umma o mais poderoso depurativo contiendo. Elle nunca ean<;a o estmago ou os intestinos como o
ioduro de potassiumeo iodurode ferro; eadministra-te com a maior eflicacidade aos miminos tujeitos
aos humores ou ao entupiment das glndulas. O nontor Cnennvr, do hospital deSan'Luii de Pars,
o recommenda d"um modo inteiramente particular nas molestias da pelle, conjunctaniente com as {lulas
que teem su nome.
Depsito geral : em Paris, en casa de Mi. Grlmanlt e C, pharmaceuticos, 7, ra de la Feuillade;
em Lisboa, en casa de Rodrigo da Coota-Carvalho; no Porto, en casa de Miguel Joa de souxa-
rerrelru, em o Rio-dt-Janeiro, vluva relxoto c niniz, ra do SaliSo, II em Baha, en casa de
Jo*-Caelano Frrr<-iri<-E|liihclra em Jlio-Crande, en casa de Joaqun de Godoy ; em Maran-
hao, en casa de Ferrelra e C em Pernambuco, Sboum e O, ra da Crui, 22 Sonsa, e nas principaes
pharmncias do Brazil.
Precisa-se alugar um mole pie para os ser vi-
*i? | eos de urna casa : a tratar na ra Nova n. !J8, ter-
^V ceiro andar.________________________
" Aluga-se a lo a da casa n. 10 da ra das Trin-
cheras : na ra da Aurora n. !|fi.
Prec-a-se alugar nina preta que saiba
r.bar e engommar : quem a liver, dirija->e a ra
do TrapiclH' u. I, que a.-bar com quem tratar.
Vtdito innlrz,
e habilitado pela faculdade medicinada Baha,
leudo vjliajo a Pernainbueo, piule -; coiiMillad i
todos os dias ,.(u seu gabinete, ra do llnun nu
inoro 7'i.
Miguel Jos5 llirh'isa (jiumaraos socio prln-
cpal da firma de Guimaraes A Urna, faz sciente
a todos os devedores a i sta tirina j11 tendo falle-
cido o sucio Jo- de Almeida Nunes Lima, esta
procedendo a lqiiidacao da mesma c por isso pe-
de a lodos os devedores o especial favor de mau-
darem saldar seus debites o mais brev.' possivel.
ltecife,'.' de jolho (le lHli'l.
R0SARI0-3
Francisco Pinto Ozorio contina a coi-
locar denles arOlieiaes tanto por ocio de
molas como pela pressao do ar, ii:1< re-
cebe paga algunia sem que as obras na i
li'piem a vontade de SiUs dorios, tem pos,
contras preparacesas mais acredil idas
para conservaejio da bocea.
Tcrca-fera i do corrento fugo do .ni' ni i O'ian-
(!<. em Sanio Anta '. n n evr.ivo por i -ne ,!,..,;
Ferrera. com os sisnaes seguint-' : crioulo. de
idade de o) annos, pouco mais ou ineii "-'atura
regular, cara hoiigusa e ps apab; :. -. :,'"<-
se elle ter viudo para esla praca: portan! i ja-
a quem o apprehender leva-l-i : r n*
referido engenho, ou ii"st,i praca a llennrlino
Francisco de Azevedo Campos no Ihn da r 11 es
ln Ha do llosaro ao voltar para u lai gn d i arm ,
que jera generosamente recompensado.
- ,^v.s- *-.:-' -'^' tf x r>'s'i ~-t *MfyfiX*t .^w^vj

rancisco l.ma > in- 2
M
x
O Dr. Carolino
lo*, contimia a residir nn rua d i Pnpi
r.elor ii. 17.2' an lar. onde po |- si i
curado a qual pi r li >l :i o da e da ;. '
pura o exercicio de sua pi ili- i i n
dic : 'lid i que i rham i !
nieio da ate '-. h iras .; i t:n \
deix "i por i srnpto. ii refei
nao aban nand" nunca .....i
molestia-: d i interior, i ro-i-.'ti-
maior;.! i i i no das mais difliev !
cadas ; i '-. como : ri -'
ourinai io.. 'i olhos. pai i.-. i le.
m
m
m
Offerece-se oa mulher para ca ,-olleiro. para S-TVco de portas
ruado Uosario da Boa-Vista n. 2-V
Pre i de todo o servie
inoro s.
, : ii.l
um Iralialli I
nadara : :i i
Deposito geral em Pernambuca rua -i;i Cruz n. 22 emeasa Je Caros ABarboza.
RA do queimado numero u
Loja de fazendas d-- Augusto Frederict dos Santos Porto
lJnds chnpclinas c chapeo* para scahora*.
Chegaram a este estabelecimento as mais modernas chapelinas e chapeos ara senhoras.
Superiores corles de laade barra de 1<'5 a 205.
As mais superiores capas e soutembarques de seda preta eeasemira de r res para senhoras de
205 al 505.
Excedentes lias para vestido a :!20, 500, 560 e l>00 rs. o covado. -
Cassas eorgandys de cores a 240 e ,'!20 rs. o covado.
Os melhores tapetes para sof com riquissimos desenlios.
Lencos de cambr.iia de linho e (l bordados a 1-5 cada um.
Superiores casemires mescladas de diversos gostos lano em preco como em cortes.
E outras muitas fazendas como sejam: percalles flnlssimas, bretanhas, silecias, esqniao, filis-;
trina preta muito fina, cantao para vestidos de, luto, grosdenaple de bonitas cores e as superiores
Ivssesras para salas.
As pessoas (jue pretenderen! forrar suas salas ou gabinetes, encontrarlo oeste estabelecimealo
a melhor qualidade de esleirs de todas as larguras pelo mais mdico preco.
O Siacliarel
Francisco Augusto da
.>!
AUN -l'.ADo
[mperatlor
Imagem
numero
W.
hmm DE FiZE^\S
DE
^
Custodio, Carvalho & Companhia.
lllTA 150 f^UKI^IAl0 99
Superiores saiasde fustao para senhoras a K.
Toalhas de linho para mesa a 3J0OO e 45.
Lenciiihos para meninos um 100 rs.
Lencos brancos para algibeira a 25 a duzia.
Toalhas para man duzia 45-
Rramante de linho vara 25-
Fil de linho liso vara 500 rs.
Grande perhiocha.
Pecas de ntremelos bordados a 15.
Tiras bordadas a peca 25.
Gollinhas de cambraiaa 600 e 8P0 rs.
Precisa-se de ama imagem de Xossa Senhora da
Conceiciio : quem liver e quizer dispdr por troca,
pode levar ou mandar no sobrado da rua da Cruz
n^'18._____________________________________
Na padaria em Santo Amaro atraz da fun-
, dico do Sr. Starr, vende-se legumes de Hambur-
go, diversas marcas.
Precisa-se alugar urna ama que saiba cozi-
! nhar. preferindo-se escrava : na rua da Impera
! triz n. 40.
Joao da Silva Hamos, medico pela Ini ,
versidadede Coimbra, d consultas em _E
sua casa das 0 s 11 horas da manhiia, e |
das 4 s 6 da tarde. Visita os doentes
ca suas casas regularmente Das horas
para isso designadas, salvo os casos ur-
gentes, que sero soecorridos em qual-
quer occasio. D consultas aos pobres
que o procurarem no hospital Pedro II,
aonde encontrado diariamente das 6
s 8 horas da manha.
Tem sua casa de sade regularmente
montada para receber qualquer doente,
anda mesmo os alienados, para o que
tem commodos apropriados e nella pra-
tica qualquer operaco cirurgica.
Para a casa de sade.
Primeira elasse ;i5O00diarios.
Segunda dita.... 25300 >
Terceira dita.... 25000
Este eslabeleciinenl j bem acredi-
Ltado felos bons servieos que tem pres-
' tado.
O proprietario espera que elle conti-
nu a merecer a confianca de que sem-
pre tem gozado.
DE
DE
J. TIGNES.
%. 45. RIJA DO IHPKRADOR N. &&.
Os pianos desta antiga fabrica sao hoje assaz conhecidos para que seja Mcaesario insistir sobre o
sua superioridade, vantagens e garantas (pie fferecem aos compradores, qualidades estas ineontesta-
veis que elles tem definitivamente conquistado sobre todos os qae ten aparecido nesla praca ; pos-
sundo um teclado e machinismo que obedecem todas as vontades o capnclws das pianistas, sem-
nunca falhar. tior serem fabricados de proposito, e ler-se fetu ulmamente melhoramentos importan-
tissimn* para o clima deste paiz ; quanto s vozes sao melodiosas e- flautadas, e por isto muito agrada-
veis aos oovidos dos apreciadore.'-.
Fazem-se conforme as encummendas. Cinto i!f^:a fabnca ct>mo nado Sr. Biondel, deJParis, socto
i correspondente de J. Vienes, em cuja casual fsram sempre preaiados era todas as exp^sicoes.
No mesmo es'r.lielrim-nto se achn setnpre nm esplendido e vanado sortimento de mancas dos
] melhores antores da Europa, assjm, mi harmnicos e pianos, Dammleos. -endo tudo vendide por
i pieess commodos o rvov is.
K
.Sociedad** de seguros mntno
de vida installada pelo Banco
Unlio na cidade do Porto.
Os agentes nesla cidade e provincia Antonio
Luir, de Oliveira Azevedo & C escriptorio na rua
da Cruz do Recife n. 1, estao autorisados desde j
a tomar assignaturas e prestar todos os esclarec
raemos que forem necessarios, as pessoas que de
sejarem concorrer para to til e benfica empre
__________ ura _____ ________ aos aBsociadti-^
a. SrhalTter A C- na rua do Trapiche n. 17,
sacam por todos os paquetes para a ftahia e Itio
-' poi a!u ir-se a ia
,i : :.l l'lliao : .' ru.i v A :: r.i D
10, dir-si -Ir. quem aiuga.
rmaulaili* ju-ailp;::t'i ".' \<>y
Senil-ra ti IJiin Conse lio- __
g_
m
Km iioine da mesa regi-nora roiiviuo !
a loilos os Irmos a romp ri-cerem do-
miiijM 7 do n 'tile, i- Ii b-iras la i
nhaa em o r.o ceder-se a ule:c,.iu da me>a que leiu de
reger a irmandade no anc i I isrti
1803. O secretario,
Jo* Coerca de Araujo Jritii ir.
ji^iii-il;-
nr.i'ica
n 81.
i'CISa e li-
le tabeen..
um pequeo p ira cai^eu i
: a tratar rua do linpi lot
'/*
Os ah.iixn a-isnados estalHi.ridos
berna sita rua da Cruz n .14, do barro do ,
cife. que gyrava ictii a lirma de Azevedo A Ti,
res, dissolveram amigavelmente a mesma ron !.
.le em 30 de julbo de 1864, ticando o socio Aze-
vedo com o esialel-cinieiit i encarregado la Ii-'
rpiidaco do ar|i Torres desonorado e mu responsabilidadealgu.na
1,'Se (ioucalve- de Azevedo.
Agostnho da Silva Torres.
A Caixa Filial do LonJou e Brasi
Bank saca sobre Lisboa e Porto.
:_ Saquen sobre l'ortiifial.
SU abaixo assignado, autori>ado pelo
Banco Mercantil Portuense. e na ausencia
| do Sr. JoaqililB da Silva Castro, saca cf-
feetivamcnlo |K>r lodos os paquetes sobre
as prayas de Lisboa e Porto, mais luga-
| res do reine, por qualquer s mina vis-
a ta, e a prasi podendo, os qn turnareu'i
So saques a praso,receberem avista, no mes-
M no Uanco. .'.escontando 4 O|0 an anno: na
_ loja do chapos da rua do Crespo n. 6, ou
na rua do Imperador n. 63, segundo an-
dar.lis Joaipiini da Costa Maia.
i.-ill
de Janeiro, avista ou a praso,
vencionar.
conforme se con-
\'
Prerisa-se de urna ama para cdelunar e comprar
em casa de homem solteiro : na rua do Queimado
rt. :H, loja.________________._________________
Precisa se do um monioo para caixeiro : na
rua da Senzala Velha. n. 'K. nadftria
'reci.-a se de urna ama coro |"
ilo Im|ierador n. ili, primeiro aud.tr.
Os abaixo assignadus participara ao.respfi.
vel iiiiblico e ao corpo do commercio. que tem dis-
selvido amigavelmente a tirina social que gyrava
nesta praca sobre a razie de Joaquim Lnil Viera
Ai C, desde* da M de pilho passado. '
cargo e nico responsavel ou activo e ,msi\ |x
mesma sociedade o ex-soci Joaquim Luiz Vie.ra
joiqui-n lav- v-fljra. ^^
Antonio nauwo. aslos.
Aos treg-uexos.
Ja freguezia de S Jos*1, travessa do Alecrim :,
I, acha-se aberla una famosa casa de rancho oq
t.xla as accommoilacoes precisas para adniiltir
matulos e animaes, por ter um excellento ipunta
morado para guardar os unimaes e. bons comnui.
Ais para os matulos, tem redes para dormidas
bom capim e garapa para os ravaPos. (.' don .!
esMbelecimento tendo lulo interesse em acredita
lo, dar boas ceiasde camaroes. etc Ihejiim ,
guezes.
i
MUTILADO
ILEGfVEL



k>-'
- c^erambuee Kexia felra S de Agmo de 1S4.
Desapparecca no da SO a escrava Luixa, de
30annos, com os signaes seguimos : criolita, rosto
bastante descarnado, falla-tina, finge-sc unto boa,
lera um pequeo sigaal abaicu rio qucixo,ttjo sig-
nal tem uns cabellinhos, seeea do corpo, um pouoo
baixa, levou vestid* branoo com pintas rxas, fei
Iiw de oraooes.
Vende-se W res, na liviana ns. 6 8
da praca da Independencia, um livrinlio con-
tetido o seguiute: louvor.ao .santo norae Grande liquidaco
de fazaidas na lojadoiFavo, ra da Imperatriz n.
60, <*p 4an & Silva.
AeCa-se este estabelecimento completamente sor-
lidc-de fazendas inglecas, francezas, Jieoies e
vista no .lia i" vea ienrio pola Passagem at o Ca- j t>eus, cora dos actos de amor de Deus, ora- ..sui3ag Droras uf ,9 Zn
Sr. Dr. Tenorio.
Chrislovo l'ratho, subdito italiano, retina-se
para Europa com mra lil he menor.
Est para alugar-se o*' andar e grande-eo-
tao que forma um 2o andar, <.'om vista para a-rua
do Imperador : do sobrado da ra das Gruzes n.
de Santo Ambrosio Nos*i .-Senhora, jacula- ^ caixeir-os to |oja do Pav5o.
tobas ao Saaitiss-Ho bacivimaato, exercicio da. \s chitas do Pavin.
via-sacra, <;omrem.oiacao; Nossa Senliora1 Vesdem-se superares caitas dam evocaras pe
Os cortinados do pavo.
Vendem-se ricos cominades proprios pap janel-
la e camas pelo barato praoo de 9* o par, sendo o
melfeor que ha no mercado: na ra da Imperatriz
o. W, de Gama & Silva.______________
Attenco
O dono da lujado Beija-flor, na ra do Queimado
n. 61, acaba de .afcnr um outro espacoso estabcle-
cimento de miudezas na mesma ra n. 69, por isso
* I avisa aos seus negnezes e amigos, que nestes dous
do Carmo ao iS. Sacramento, directorio : lo barato prega de 2M o 280 rs. sendo Untas segu- esul>elecimenioseo'.ur.aro em'pre grande sorti-
para a orafo mental,.dividido pelos diasda } *<* francezas finas a 320,340, 380, i
semana, obsequio ao corceo de Jess, sau-
Um menino
filho do fallecida Domrag
Caturna, e de sua mulher Angela Mara da Gen- j do purgatorio.
ceico, ja lamben fallecida, tem belides nos olhos | .-----------------
que' ticar.-un quando teve bexlgxs; julga-se ter ido
para Porto de Gahnlias para a casa da sua ma-
drasta : quem o pegar, queira entrega-lo a ua
madrinha D. Mara da Concedi, na praca da
Boa-Vita n. 18, que ser hem recompensado.
300 re., o covado, ditas pretas largas e estreitas,
riscados escocezes finos a 240 rs. o evado, isto na
ra da emperatriz o. 60 de -Gama &
I <:es a Nossa Sonhora, S Jos, ao anio da I Silva.
Pavo a 210, 280, 300 e 20 rs.
U, lado direito quera vai da ra do Queimado para ,i..-s ,i>vAt9: .i.,,," .i,, pi,..ln' ..., r'-a>sescoi
S! Francisco, quem pretenda falle no tnesmo se- d^oes .?OTW clldas Cbrisl0' .<** i Pja da Pavao
brado, das 9 horas al 1 hora da larde.
por nome Ao7hTdTSo6r; 8uarJa. a Deus.eai obsequio i qulquer san- ** J
aimdsps da Rosa, por appelido lo e para a noute, e responso pelas almas *?H*? "'s*!
ment de miudezas, perfumaras e objeelos de gos
ARJIAZEM
FRONTEIRO
DE
JULVES l'OUTIXlf O 21Largo do Tergc"l
Aluga-se a casa do Caminho Novo n. 2, com
eommodos para familia : a tratar na mesma ra
nnmro 31.______________________________
Dase pequeas quantias a premio : na ra
Augusta n. 45.
ft*erece-se urna preta para ama, que f*z
qulquer servico de urna easa satisfacao, e de
tuuito boa ndole : a tratar na ra de
n. 13, segundo andar_______________________
D-se dinheiro sobre hypotheca em escravos:
na ra de Santa Rila n. 27, loja, ^e dtr.i quem da.
Preeisa-se alugar um bom usmbeiro ou cu-
sinhera, que lambm encarregue-se de fazer as
compras : quem para isso quizer se contratar di-
rija-se ra do Vigario n. 9, Io andar^ que acha-
r com quem tratar.______________________
Precsa-se de urna ama livre ou escrava para
todo o servigc de casa de pouca amiJia: ao pateo
da matriz de Santo Antonio n. 8._____________
Aluga-se o 2" andar da casa da ra da Ca-
deia do Hecife e. 24, entrada pelo becco largo : a
traiar noescripterio do 1' andar.
Atlencao.
Tendo Jeremas, escravo de Eugenio Antonio de
Sloraes, perdido dous meios bilheles da 1* parte da
i' lotera do convento de S. Francisco do liecife,
cajos nmeros sao 32" e 17i, bilheles estes que
Ihe pertencem, roga ao Sr. thesourero das 'oterias
o obsequio de nao pagar a outrem. caso saiam pre-
miados. Recife i- de agoslo de i864.__________
Salsa parrilha de Ayer
PARA A CURA DA
ESCRFULA
e todas as molestias
pro ven ion I es dekla
todas as molestias ta
pellc
her\si|ifllas, (unieres, ulceras,
sarnas,
nascidas, eiii|iin<|oiis,
REUMATISMO
SYPHlIiIS
om ludas as suas formas, assim como lodo
ti mal (jue provm do uso excessivo do
MKRCURR)
t Iceraeo do fgado
e em summa lodos os males que ti-m sua
origem na
IMPUREZA l>0 SANGUE
i: 11:11 aUcrante poderoso para a
RENOVAUVO DO SANGUE
e para dar nova lona c vigor ao corpo ja
enfraquecido pela doenca.
Vende-se na ra Direita ns. 1 e 70 e
Hospicio n. 40.
O major Joaquim da Rocha Horeira, tendo de |
retirar-s1 para .. provincia do Oar, e nao jioden-
do pela nspera la sabida do vapor cosleifo des- i
pedir-se pessoalmente de indas aquellas pessoas. I
>iue se dignaram honra-lo rom sua amizade, apro- i
ii;i desle meio para fazo lo. e olerecer-lhes o |
sea diininuio presumo nadita cidade.
COMPRAS.
Compra-se
ra Nova n. )'.'.
urna earroca para cavado : na
Compra-sc una escrava que seja perita en-
gommadeira e cozinheira, agradando pagase bem:
a tratar.na ruado Hospicio n. 52, ou na ra dos Snani
Prazeies n. 4.
Compram-se jornaes para embrulho : na fa-
brica do cigarros na amiga ra dos Quarleis nu-
mero -I.
Compra-se ouro e prata em obras velhas
daga-se hem: na loja de bilheles da praca da Inde
pendencia n. 22.
Comprare cobre velho : na ra dolirum nu-
mero 78.
NOVORIVAL.
Antonio da Silva Ferrera Santos, dono da loja
de miudezas da ra da Queimado, O. 16, acaba de
receber pelo ultimo paquete um niquissimo sorti-
mento de miudezas linas e do mais apurado gosto,
dS quaes est dsposto a vender baratissimo.
X.lGRuadotueimaxloN.16
Fivelas para sinio.
Santa Hita Dimitas (velas douradas para sintos a 15280 e
15600.
jtqussimas ditas com pedrnhas .a 25000 e
25500.
Bonitos cintos com (velas douradas c $edrinhas a
25000, 25-500 e.-15000.
Bonitas litas de gorgorao para sintos, .vara 15000.
iUquissimas litas de grosdenaple labrada e lisas
de lodas as cores com 3, 4 e o dedos de largura,
a 15280, 15600, 25000 e 25500 a vara.
Bonitas litas de gosto imitado de seda, de 2, 3,
i, o e 6 dedos de largura a 200, 300, 46U, 500
e 600 rs. a vara.
Fita de velndo preto e de cores a 120, 160, 200,
240, 320, 400,500, 600, 800 e 15000 a vara,
sendo em peca ser mais barato.
Peea de cascar'rllia de seda de lodas as core* para
enfettesa 15280, 15800 e 25"00.
Peaunas de tranca preta lisa e de caracol a 80 rs.
Pecas grandes de tranca lisa preta e de cores
a 160.
Pecas de fita de lila preta e de cores a 800 rs.
Pe?as de lila de seda de retroz preto e de cores a
1510') e 15800.
Pecas de Ota de linho branca para debrum a 240
e 320.
Hnfcitcs de cabera.
Rlquissmos enfctes pretos e de todas as cores
guarnecidos com cascarrilbas e frocos' (fazenda
de goslo) a 3-5000.
Conservadores pretos e de cores com laco a 15280
e 15600.
Conservadores pretos sem laco a 800 e 15000.
Conservadores de cores sem laco a 640 e 15000.
Conservadores de froco de cores a 15600.
Bonitas capellas para nova a 15000 e 35000.
Pentes.
Pequeos pentes dourados para atar cabello, ultimo
gosto a 25000.
Pentes de taboa dourada para alar cabello, a 15280.
Riquissimos penles dourados balao a 55000.
Riqossimos pentes dourados com folhas de car-
valho dourado, obra de muto goslo, a 55000.
Riquissimas guarucoes de pentes do marraras
dourados com cacbinlios de uvas, pedrnhas, c
cornalinas a 55000.
Goarnicoes de penles de marrafas esmaltados a
45000.
Pentes de massa, de laco, virados e a balao a
I5OOO.
Ditos de massa, diversos, a 500, 646 e 800 rs.
Bonilas marrafas douradas com pedrnhas a 15500
e 25U0U.
Marrafas de massa e tartaruga a 15000 e 25500.
Pentes dourados com pedrnhas para regajo a
25000.
Ditos de massa e borracha, lisos e recortados a
800 e 15000. .
Pentes para suissas, diversos, a 400, 500 e 600.
Pentes de baleia, licorne, e borracha para desem-
barazar a 320, 400, 600, 720 e 15000.
Ditos de licorne, borracha e inarlim legitimo de
Lisboa para tirar caspa o piolhos a 500, 800 e
I5OOO.
Pnlseiras c voltinhas.
Bonitas pnlseiras de cotilas cora edrinhas a
15000.
Ditas ditas de cintas sem pedrnhas a 800.
Ditas ditas de aljofares de cores muito grandes a
15000.
Ditas ditas de missanga a 640.
Voltas de coral a 100, 15200 e 25000.
Ditas de aljofares de cores com cruza 720.
Ditas de aljofares com cruz a 800, 15000 e
15200.
I Ditas pelas com cruz de pedrnhas a 720.
Bonitas golinhas de missanga a 640.
Golinhas e ptinhos de eambraia bordada a 35500.
Corpinhos completos de eambraia bordada com
grvala, boloes de punho, etc. a 55500.
Gravalinhas bordadas de laco para senliora a
15200.
Sapatos de tranca e tapete a 15600.
ios de a para cranca a 640 e 15000.
Sapatinbos de merm bordado para baptisado a
15000 e 250O0.
nos cassas persianas cores l- m
xas 320 rs. o covado, ditas francezas imiko finas j Queimado ns. 63 e f).
Delicados pentes dourados de travessa para me-
ninas a 15500 cada un, ditos sein ser dourados a
500 rs. cada um : as lujas do Beija-flor, ra do
a 240 280 rs., ditas ugzezas a 240 e 3M rs. o
covado, finssimo organuy matisado com desenhos
miudinhos a 320 rs. o covado, cassas garibaldinas
muito linas a 320 rs., isto na loja do Pavo ra da
(mperatriz n. 60, de Gama &. Silva.
As laaznlias da ciposif i Pavo.
Vendem-se as mais modernas liazinhas mossan-
bique oliegadas pelo ultime vapor franeez sendo
de urna cor ou de listas mudinhas com t pal;
mos de largura, proprias para vestido de seshora,
mujia para meninos e capas, e pelo baratissimo
preco de-SftO rs. o covado, ditas entestadas .trans-
parentes de quadrinhos a 500, 400 e 360 rs. o co-
vado, ditas matisadas muito linas a 500 e 408 rs.,
ditas mais baratas do que chita tambera matisadas
a 320 rs. o covado, ditas a Mara Pia eom palma
de seda e palmos de largura a 800 rs. o encado,
e ditas de urna s cor parda, azul, cor de lyrio e
perola proprias para vestidos, sautembarquee e
garibaldes a 720 rs. o covado, ditas escoeczas a
800 e 400 rs,, isto s na loja do Pavao, ra da Im-
peratriz n. &, de Gama & Silva.
Os chales do Pavg.
Vendem-se finos chales de crepon eslampados
V41Itildas de aljofares.
Lindas voltinhas de aljofares com cruzes de pe-
drnhas imitando a brilbantes a 15 cada urna : as
lojas do Beija-flor, ra do Queimado ns. 63 e 69.
Luvas de Jeuvln
Chegaram pelo ultimo vapor as tosejadas luvas
de Jouvia de indas as cores, tanto para liomens
como para senhoras : as lojas do Beija-flor, ra
do Queimado ns. 63 e 60.
ialhcrcs para uirnin*.
Vendem-se lalheres de cabo de bataneo para me-
ninos a 280 rs. o talher : as lujas do Beija-flor,
ra do Queimado ns. 63 e 09.
Collieres de metal principe.
Vendem-se colheies de metal principe muito fi-
nas para sopa a 35600 e 45400 a duzia, ditas para
cha a 25 e 25400 a duzia, ditas para assucar a
500 rs. cada urna, ditas para terrina a 25 cada
urna, e s quera vende por estes precos as lojas
do Beija-flor, ra do Queimado us. 63 e 69.
Facas e garlos.
Vendem-se facas e garios oilavados a 25800 a
duzia, ditas ornadas, cabo preto e branco a 35 a
Ao publico.
.riitad?n iailafldt-nnu"eiar? jl.ue acabamos de abrir um estabelecimento de molbadb
na locaiisaae e sob a denominacao cima indicada.
.,"^?-e.5,a,b(,ccimenl0' (""lado ao gosto moderno, tornase recommendavel pelo sen acera,
sortmento,
frescos que
Esliramos, pmulo, que mereceremos a prolereao de lodos em eeral nrererinrfn.nnc n
compra dos eneros que necessitarem, cerlos de que venderemos a precos niulo cwimiedos e nd?.
em vista somente urna pequea vantagem, que compense nosso Irabalho. nmedos, e tendo.
. 1 -j AWi,t'r?m10S duyida em aceitar qulquer artigo, que por acaso nao agrade e nos sea lo-m
devolvido, reslituindo enlao seo importe, ou trocando noF nutro, como nwdbo, 55?. le}?'
Desejamos muito qi
racidade de oossas palavras
tos; e vndela sewpre mais barato que outro qoal- e pela regularidade de suas operacoes mercantis; alem do que, lera um Brand e com Kr
quer, como tono e en. possumde lodos os arligos concernentes molhados, cuidadosamenle escolbidm e os mak frescc
Penles AiaradoK.de-travessa. se possa desejar. w-e w nrais iresw
o seu importe, ou trocando por outro, como melhor convenba ao cnmnraHor
Desejamos muito que o publico nos proporcione occasies repetidas de darmos Brevas l ve
is; e terminamos inscrevendo aqu nossa constante divisa.
Barato s no fronleiro,
Porm vende a dinheiro.
pelo barato proco de 65, 75, 85, ditos de ponta re-1 duzia, ditas de bataneo de i boto finas a 55200
donda a 75 e 5, ditos pretos ricamente bordados ditas de 2 botoes mu lo finas a 65500 a duzia, ditas
a retroz com vidrilho a 125, ditos pretos lisos a de 1 bolao para doces e fructas a 55 a duzia, ditas
55, ditos de cores a 45500 e 55, ditos de merm de 2 botoes a 55200 a duzia : as lojas do Beija-
estampados a 25 35, ditos de la a 15280 e 25,; Oor, ra do Queimado us. 63 e 69.
ditos de retroz preo para luto a 65, isto na loja
do Pavao ra da leiperalriz n. 60, de Gama &
Silva.
Tiras bordadas.
Vendem-se tiras bordadas, a peca a 15100, 15200
A e 15300 : as lojas do Beija-flor, ra do Quemade
0 Pavas ende para luto. I ns. 63 e 69.
Vende-se superior setim da China fazenda toda Hallados bordados.
de la sem lustro tendo 6 palmos de largura pro
prio para vestidos, paletots, capas etc., pelo bara-
t prego de 25, 2*200, 25500 o covado, cassas
pretas lisas, chitas pretas largas e estreitas, chales
de merino lisos e bordados a vidrlho, manguitos
com gollinhas e outros mutos artigos que se ven-
dem por precos razoaves : na loja do Pavao ra
da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Os vestidos do Pavo
Vende-se reos vestidos de grosdenaple preto ri-
camente bordados a veludo pelo barato preco de
405, sendo fazenda que sempre se vendeu a 1005
e 1205 ; ditos de eambraia brancos ricamente bor-
dados a croch, sendo proprios para baile e casa-
mento a 10, 15, 20 e 305; ditos de lita com lindas
barras a 18 e 155; isto na loja do Pavao ra
da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Os.pannos do Pavo.
Vende-se pannl preto muto superior pelo barato
preco de 25, 25w0,35 e 3#500, ditos muito finos a
45, 55 e 65, corles de casemra prea enfestada a
45, 45500 e 65, casemira preta fina de urna s
largura muto lina a 158OO, 25. 25500 e 35, cor-
les de casemira de cor a 55, 55500 e 65, casem-
ras enfestadas de urna s cor proprias para calca,
paletots, colleles, capas para senhora, roupas para
meninos a 35 e 39500 o covado, isto na loja do
Pavao, ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
A roupa do Pavo.
Vendem-se paletots de panno preto sobrecasa
Vendem-se lobados bordados de varias larguras
a peca a 15600, 15800, 25, 25200 e 25400 : as
lojas do Beija-flor, ra do Queimado ns. 63 e 69.
Lindos sapalinlios.
Vendem-se lindos sapaiinhos para baptisados de
enancas a 15500 e 25 o par : as lojas do Beija-
flor, ra do Queimado ns. 63 e t9.
Botoes para punhos.
Vendem-se botoezinhos demadreperolaedemar-
fim para punhos a 320 rs. o par, ditos encarnadi-
nhos a 120 rs. o par : as lojas do Beija-flor, ra
do Queimado ns. 63 e 69.
Filas para debrum de vestidos.
Vendem-se fitas de laa de todas as cores para
debrum de vestido a 900 rs. a pega, ditas pretas
de seda a 15100 a peca : as lojas do Beija-flor,
ra do Queimado ns. 63 e 69.
Filas brancas para debrum.
Vendem-se pecas de fita branca de linho para
debrum a 400 rs. a pega : as lojas do Beija-flor
na ra do Queimado ns. 63 e 69.
Ricas lilas lavradas.
Vendem-se muto ricas fitas lavradas para snto
de senhora e meninas : as lojas do Beija-flor, ra
do Queimado ns. 63 e 69.
Espellios de Jacaranda.
Vendem-se espelhos de columnas, de Jacaranda,
a 35 e 45500 cada um, ditos de madeira araarella
a 25400 e 25800 : as lojas do Beija-flor, na ra
ROUPA FEITA
NO
A RBKA ZEBI
DE
t TOffi*
eos fazenda muto boa a 125, ditos muito finos a jdo Queimado ns. 63 e 69.
165, 20?, 255 c 305, calcas de casemira preta boa 1 Fitas de velludo estreitas.
fazenda a 45500,55, 65, 75 e 85, paletots saceos, Vendem-se btmbas estreitas de velludo para en-
Comp
pra-se
obre,*Jalao o chumbo: no armacerada 00.
aigarella 110 oiUto a secretaria da polica
Compra-se urna mulatinlia ou negrinha com
.Je de 11 14 annos: na na Direita n 113.
Aluga-se o 2" andar do sobrado da ra da
lurora n. 14: a tratar na mesma roa n. 10.
de panno preto a 75, ditos de casemira de cor a
65 e 75, ditos de alpaca preta, ditos de merino
preto, ditos de brim de cores, calcas de casemira
de cor a 45, 55,65,75, ditos de cazemira da
Escossia a 35, ditos de brim pardo a 25500, ditos
de cor a 25 e 25500, ditos brancos muito finos,
sto na loja do Pavao, ra da Imperatriz n. 60, de I
Gama c Silva.
As colchas do Pavo.
Vendem-se colchas de linho alcochoadas pro-
prias para cama pelo barato prego de 55 cada nma
na ra da Imperatriz 11.60, de Gama & Silva
Las de nma s cor.
Vendem-se liazinhas de urna s cor, sendo en-
carnada, azul, cinzenla, cor de caf, lirio claro, li-
rio roxo cor de perola pelo baratissimo proco de
640 o covado, fazenda multo fina s o Pavao, ra
da Imperatriz u. 60 loja e armazem de Gima ic
Silva.
As prccalas do Pavo.
Vendem-se as mais lindas prccalas que tem viu-
do ao mercado chegadas pelo ultimo vapor fran-
eez, pelo barato prego de 600 rs. o covado, ditas
de listrinha muito mudinhas proprias para vestidos
e roupas de meninos e meninas pelo barato prego
de 500 rs. ; s o Pavao ra da Imperatriz n. 60,
loja de Gama & Silva.
As chitas do Pavo 9#400 c
2800 o corte.
Vendem-se cortes de chita com doze covados
cada corte, ditos com dez covados a 25400, fazen-
Bonitas toucas de selm e blonde para baptisado a da muito boa, e que nao desbola, s na loja do Pa-
25000 e 35000. vao tem esta pechincha ; a ra da Imperatriz n.
fete de vestido a 900, 15 e 15200 a pega : as lo
jas do Beija-flor, ra do Queimado ns. 63 e 69.
Trancas e la para bordar.
Vendem-se irancinhas de laa pretas para bor-
dar camisinhas e vestidos a 80 e 160 rs. a pecinba,
ditas brancas com 40 varas a 600 rs. a pega, e ou-
tras muitas cousas que setornarao enfadonho men-
: clona-las, pois s com a vista se peder ver o gran-
! de sortmento das lojas do Beija-flor, na ra do
' Queimado ns. 63 c 69.
I VNDESE
um engenho, fazenda de gci
do, diversos predios, porgdo
de escravos, animaes vac
cuns e cava llares.
Scxta-fcira 5 de agosto.
.Vi cidade da Parahiba, ra do
Yaradouro n.
Jos Luiz Percira Lima, tendo resolvido tenni-
: nar a responsablidade que tomou sobre parle do
; passvo de sua eztncla firma conimercal, expor
concurrencia publica, por venda em lelao, lo-
dos ou parle de seus bens constando de :
X.KTREXRO TEROS.
Neste estabelecimeido ha sempre um sortiraento completo de roupa feita de
S| todas as qualidades, tambem se manda fazer por medida, vontade dos concor-
m rentes, para o que tem um dos melhores professores, assim como tambem tem um
m grande e vanado sortimento de fazendas de todas as qualidades, para senhoras,
fH homens e meninos.
P Casacas de panno preto, 354 e 30(5000 Ditos de setim preto. .
*g Sobrecasacas dem, 303 e 250000: Ditos de ditos e seda branco,
m Paletos idem e de cores, 250, 64 e
^ 204, 150 e...... 104000; Ditos de'gorguro d seda
m Ditos de casemira, 200, 150, pret0s e de cores, fi0, 50 e
m 120, 100 e...... 74000 Cohetes de fustao e brim bran-
p> Ditos de alpaca, 50, 40 e 30500
Ditos ditos pretos, 90, 70,
50, 44 e......30500
Ditos de brim e ganga de co-
res, 40300, 40, 30500 e. 30000
Ditos branco de linho, 60, 50 e 40000
co, 30500, 30 e .
Seroulas de brim de linho,
20400 e......
Ditas de algodo, 10600 e. .
Camisas de peitos de linho,
30 e......
500001
50OOO|
40000
20500
20000
10400
Ditos de merino preto de cor- Ditas de madapolo, 20500,
do, 100, 70 e.....50000 20 e........
Calcas de casemira preta, 120, Chapeos de massa, pretosfran-
100, 80 e...... 70000 cezes, 100, 90 e .
20500
10600
Ditas de cores, 90, 80 e.
Ditas de meia casemira de co-
res, 50000 e.....
Ditas de princeza e merino pre-
to de cordo, 40500 e. ,
Ditas de brim branco e de co-
res, 50, 40500, 40 e .
Ditas de ganga de cores, 30 e
Cohetes de velludo preto e de
cores, 90 e......
Ditos de casemira preta, 50 e
Ditos de ditas de cores 50
40 e........
ora
70000 Ditos defltro, 50, 40,30500 e
Ditos de sol, de seda, 120,
40000 110, 70 e......
Collarinhos de linho fino, ulti-
40000 ma moda duzia. .
' Sortimento completo de grava-
20500 tas.
20500 Toalhas para rosto, duzia, 110,
70000 Chapeos deso, dealpaca, pre-
40000 tos e de cores.....
Lences de bramante de linho.
30500 Cobertas de chita chineza.. .
isk
**Mjm*
*%
xxmMMmmwmm*
Compra-se urna casa, cujo valor nao exceda
a 1:6005, na freguezia de Santo Antonio ou S. Jo-
s. : trata-se na ra do Queimado, loja n. 36.
VENDAS.
COMPENDIO DOLOROSO
que conlem o olficio de Nossa Senliora das
Itres; o modo de resar e offerecer a co-
ra, um setenario e mais outros exercicios
de piedade e devoco; ordenado pela ir-
ma^lade dos servos da mesma Senhora,
que se acha -recta na egreja de N. S. da
Penlia do impetial hospicio dos reveren-
dos padres missonarios apostlicos capu-
Cbinhos italianos de Pernambuco, approva-
dr*.)or S. M. I., que Deus guarde; dado
a luz por devocao do muito reverendo
padre Fr, Placido de Messina.
Tide-se a 320 rs. na livraria ns. 6 e 8
praca da Independencia.
Vendem-se caixes vastos a 1:760
cada um : na ra das Cruzes a. 44.
Touquinbas de laa para criangaa 15000.
Luvas brancas de Jouvin a 2o00 e 1^000.
Varas de labvrimo, erade de todas as larguras
para lencos" e fronhas, a 120, 160, 200, 240,
320 e 100.
Varas de bicos pretos a 120. 160, 200, 240, 320 e
100.
I)uz>as de aneis de vidro a 320.
Perfuma ras.
1 madapolo fino a 7*300, 8*, 9* e 10*, ditas de
Camnbas com 0 irasquinhos, extractos finos a; a|g0dozinho a 6*, 6*500 e 7*, e outras muitas
15U00. : fazendas brancas que se vendem muito
Laixinhas com 12 garrafinhas de ditos a 15600.
GRANDE
liquidaco de baldes na loja e armazem
da Arara, p, juntamente de fazen-
das novas vindas nclo vapor, que se
>cnde |>or | ecos baralissimos, na
loja da Arara, ra da 'mperatriz n.
(), i)e Loui cuco l'ercira ilcudcsGui-
marftes.
Arara vende os balees a 22i0.
Vendem-se baloes de 16, 20. 23 e 30 arcos a
25210,25300, 35, 3*300.1-3 : s na loja da Ara-
ra, ra da Imperatriz n. .*>6.
Challes a 10000. na Arara.
Vende-se challes do l.iazinha a 1*600 e 25. ditos
de merino a 2*."J0Oe 4*500, ditos linos estampados
a 65, ditos de pona redonda a 7*300 e 85 : s na
loja da Arara, ra da Imperatriz n. 56.
As laaziuhas da tiara a 320 rs. o covado.
Vendem-se liazinhas para vestidos a 320, 360,
Um engenho denominado Graga, distante oma|*Le SOOrs, o covado, ditas lisas proprias para
pequea legua da cidade, com todas as bemfe.to-! ?ffi ? ." COVildo : na rua da ""P0"
rias e obras, como sejam : um magnifico sobrado ramz Ja ua Ara.ra-
apalagado com 16 ianellas de frente, greja e urna Ll),t,'s "e clll,a a 2;>00.
casa terrea com 70 palmos em quadro, casa de1 Vende-se cortes de chitas escuros e claros a
engenho firmada em columnas todas de pedra, ca-! 25100, djtos francezes a 35200, corles de cassa a
sa de caldeira o em seguimento casa de purgar; 25 e 25300 : na rua da Imperatriz n. 36. loja da
com 70 palmos de largura e 280 de compriment' Arara.
inclusive casa de destilagao, sendo estas obras lo- Roupa feila da Arara.
das de pedra e cal. O engenho moe nicamente Vende-se palitots de brim a 25300, 35. 3*500,
com agua de urna vertente extraordinaria sobre a ditos de casemira de cores a 1*300, 35, 6*, 7* 85,
roda que nova e de madeira de amarello com 441105, ditos pretos fino a 10*, caigas pretas de ea-
Hamburgo com 20 varas 11 9*,10* e11*, pegas de I palmos de dimetromoenda nova e toda de fer- semira a 4*300, 6* e 8*, caigas de brim de cor a
mariarm :in finn a 7&0 8X 9A n 40JI (lilas Hp' n^_._____._______i.,____ ..ti-z________las attnn.nn' -.___--' i.V_i__ > j. -!_.
KM
Cassas da Arara a 280 rs.
Vende-se cassas linas organdys a 280 e 320 rs.
o covado, gollinhas para senhoras a 210, 320. 100,
300 e 800 rs., manguitos a 300 rs., camisinhas a
I* : na rua da Imperatriz n. 50, loja da Arara.
A Arara vende chitas a 2i0 rs.
Vendem-se chitas para vestidos de cores fixas a
240e 280 o covado, ditas francezas largas a 320.
360. 400, 110 rs., ditas percalas muito linas :i 300
e 360 rs., riscado franeez a 280 rs., gurguro de
linho para vestido a 280 rs. o covado : na loja da
Arara, rua da Imperatriz n. 30.
60 de Gama & Silva.
Panno de linho.
Vende-se panno de linho com 4 palmos de lar-
gura propro para lenges, toamas e ceroulas pelo
barato prego de 640 rs. a vara, bramante de linho
com 10 palmos de largura a 2*300, algodaozinho
monstro com 8 palmos de largura a !*,_pecas de
eom 12 frascos grandes de
com banha e extracto a 15000
Bansinhoi
3*000.
Frascas grandes
e 1*280.
Garrauhase frasqunhos com extracto 160, 200
e 320.
Frascos grandes de extractos finos a 300, 800 e
1*000.
Frascos com extracto de sndalo a 1*000.
Frascos com banha franeeza a 300, 800 e 1*.
Frascos com oleo de babosa a 400, 300 e 640.
Frascos com oleo philocome a 720 e 1*000.
Frascos com agua de Colonia a 400, 300, 800 e
1*000.
Sabonetes de familia a 80, 160, 240 e 320.
Canudos de pomada a 100, 160, 240, 590, 800 e
1*000.
Pacoles cora pos de arroz a 100, 600, 700 e 800.
Carvo animal.
Farello de Lisboa superior.
Cal virgem nova : na rua do Vigario n. 19,
primeiro andar.
- -
wa
fia
' nde-se das seguintes marcas:
(E E)
emith< C c C /de FF o barril por 13*.
U I)
Ji C. de FF o barril por 135.
'liamante deFF o bairil por 14*3811.
-uperor qualidade FF 2 espingarda
or 16*.
inho de munigao de toda a grossura
5300.
o armazem de J. A. Moreira Dias a nue.>{
i n. 26, onde enconiraro a araostras. j
f
c '.arril
.f.prdi.-i
Farinha de mandioca
ensacada e da melhor que ha : vende Miguel Jos
Alves no seu escriptorio, casa n. 19, na rua da
Cruz.
asa
400 rs. a garrafa.
Vende-se tinta preta a 400 rs. a garrafa, para
acias de meninos e para marcar fardos de fazen-
da : na .travessa do Queimado n. 1.
Chitas baratas
lhitas baratas
iCkilas baratas
Vendem-se-ohitas multo boas m pan-
nos, ores e-padioes a 220 e 140 rs. o
covado so
viniii do Crespo u. I
Loja do bftrateiro.
fazendas brancas que se vendem muito baratas
I afim de apurar dinheiro : na loja do Pavo rua da
extracto a | |mf>rairiz n. 60, de Gama & Silva,
O bramante do Pavo com doze
palmos de largura.
Vende-se bramante de linho puro, muto fino com
doze palmos de largura o melhor e mais largo que
tem vindo ao mercado pelo barato prego de 2*800
rs.a vara -, s na loja do Pavao de Gama & Silva,
aua da Imperatriz n. 60.
As preealas do avSo.
Vendem-se as mais lindas prccalas qus tem vin-
do ao mercado chegadas pelo ultimo vapor franeez,
pelo barato prego de 600 rs. o covado, ditas de lis-
trinha muito mudinhas proprias para vestidos e
roupas de meninos e meninas pelo barato prego
de 300 rs.: s o Pavo rua da Imperatriz n. 60,
loje de Gama 4 Silva.
Os bales do Pavao.
Vendem-se crinolinas ou baloes de 30 arcos tan-
brancos como de cores, sendo americanos qu#
sao os melhores por se nao quebraren) a 3*500 e
de 35 arcos a 4*, ditos de musselina com babados
4*, ditos para menina a 2* e 3* : na loja do Pa-
vo rua da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
O Pavao vende 8.
Vendem-se os mais lindos cortes de vestidos a
Mara Pa, com lindas barpas de seda, sendo ene-
gados pelo ultimo vapor franeez pelo barato prego
de 8* cada um : s na loja do Pavao rua da Impe-
ratriz n. 60, de Gama & Silva.
Os bales do Pavo.
A 2*506 s Pavie.
Vende-se baloes com 20, 23 e 30 arcos pelo ba-
ratissimo prego de 2*500, assim como tem um
completo sortimento de baloes para meninas, de to-
dos os lmannos pelo baratissimo pre$o de 2*300,
notando que sao baloes de arcos os melhores que
tem vindo da America Ingleza, vendem-se por ste
prego para liquidar : s na loja o armazem 4o
Pavo rua da Imperatriz n. (o, de Gama A Silva.
Os souteaabarqnes do Pavo
IOjl e 150 so o Pavao.
Vendem-se os mais lindos sotrteanbrques que
tem vindo ltimamente de lazinha caxcrora ri-
camente bordados e enfeitados, coree muito delica-
das pelo barato prego de 10* e 15* ; fazenda esla
qne em outras lojas se vendem por 20* 25*, 6
s para liquidar : na loja e armazem i Vjwq
rua da Imperatriz n. 60 de roassentamento completo com as caldeiras pre-
cisas todo o fabrico.
As trras de que o engenho se compoe lem urna
exlenso de legua quadrada, bem devisada e de-
marcada, com porto de embarque, e varios sitios
com casa e muilo arvoredo de fructo, e bem assim
2*, 2*500 e 3*, seroulas de'lmho a 2*. de algo-
do a 1*600, camisas francezas a 25 e 25300, de
linho a 3* : na rua da Imperatriz n. 56, loja da
Arara.
itrini de linho a 13200.
Vende-se brim liso de linho para caiga branca a
. .. .. j ----- --- .---.' -----,------- ciiuu-^c tn 1111 iimj ui: iiiinu i'.ii inlinitas pedreiras para cantara, lasca c cal, para 1*200, 1*280, 1*400 e 1-5000, de algodao a 7oO
o que tem varios frnos slidamente construidos.
Urna casa de sobrado de tres andares e soto,
com cinco portas de frente na rua do Varadouro.
Urna dita de dous andares e soto, com tres
portas de frente na mesma rua.
Urna dita terrea com cinco portas de frente e
soto tambem na mesma rna.
l'm grande terreno de marinha com fronteiras
para armazens na rua do Zumb.
I na casa terrea junto ao quartel de primera
linha.
L'ma aita de sobrado com cinco portas de fren-
te, muito bem construida e ao goslo moderno na
rua ireila da cidade alia.
Urna dita dita com quatro portas de frente,
igualmente bem construida e annexa anterior.
Duas ditas terreas no becco da Companhi.
Urna fazenda de gado situada na Hiheira de
Crumata em duas leguas de Ierras com duas si-
tuages de gados, curraes, agudes, e boas calingas
para plantacoes de todo o genero.
Vinte e cinco escravos de todas a< idades.
Animaes de roda, boiada mansa, e vaccas tou-
rinas.
...H. II. O lelao lera lugar no da cima designa-
do pelas 10 horas da manha em urna das casas
da rua do Varadouro.
Os pretendemos qulquer das propiedades
podem desde j dirigr-se sen proprietario para
obter informales de qulquer naloreza que se-
jam relativas posse, dominio e demarcago de
imites.
Para sefpassar a festa.
Vndese urna casa na rua do Fogo, casa de qui-
na, na freguezia da.Vartea, com 2 salas, 2 quar-
tos, cozinha fra, cacimba, 280 palmos de funde,
eom diversos arvoredos de fructo, e banho
pela frente, barato seu prego: os pretendentes
podero dirigirse rua da Cadeia n. 53, armazem
do agente Euzebio, qne est auiorisado a vende-la.
rs. a vara, bretanha de linho a 610 e 800 rs. a va-
ra : na rua da Imperatriz n. 56.
Arara vende os veos pretos e de cores a 1000.
Vendem-se veos pretos e de cores para chape-
linas de senhoras pelo prego de 1* cada um, para
acabar : na rua da Imperatriz n. 56, loja da Arara.
liraiiianif da Arara' a 2*500.
Vende-se bramante de buho com 10 palmos a
2*500, dito muto superior de 12 palmos de largu-
ra a 2*800, brim liso para lengoes a 500 e 560 rs.,
panno de linho de 4 palmos de largura a 640 rs.
a vara : na rua da Imperatriz n. 36, loja da Arara
de Mendes Guimares.
As percalas da Arara a 560 rs.
Vende-se ricas percalas para vestidos de senho-
ra, fazenda muilo fina a 500 e 560 rs. o covado,
na loja da Arara, rua da Imperatriz n. 56.
Soutemharqiie e capas a 20* e 22$.
Soutembarques c capas (tretas do grosdenaples
para senhora, pelo barato preco de 20* e 22* :
na rua da Imperatriz n. 36, loja da Arara,
Colchas da Arara a 4*
Vende-se colchas de chita a 2*, de damasco a
4*, de fasto a 5* : na rua da Imperatriz n. 56,
loja da Arara.
A Arara vende madapoln fino a 6;>o00.
Vende-se madapolo fino de 14 jardas, n. 60, a
0*500, dito R. G. a 6*600. dito n. 7 a 7*, dito n.
2 a 7*500, di lo n. 40 a 8*, dito a 8*500, dito a
9*, dito S a 10*, dito II a 11*, para acabar, algo-
do a 5*500, 6*500, 7* e 8* : na rua da Impera-
triz n. 56, loja da Arara.
Cassas para cortinadas a 8$.
Vende-se pegas de cassas para cortinados, de 20
Vende-se a taberna da rua Imperial n. 195 : a
traiar na mesma.
Vende-se una negra moga, de bonita figura :
no pateo do Terco n. III.
Vende-se um sobrado de 2 andares silo
rua das Cruzes n. 7, acabado ha pouco tempo e
com todas as commodidades para familia, com
duas salas cosinha fora e 4 quartos, quintal e ca-
cimba : a tratar na rua Imperial n. 16 com Anto-
nio Brochado Soares Guimares.
Casa.
Vende-se urna pequea casa terrea sita na rua
da Bica dos quatro caraos em Olinda : a tratar na
rua da Senzalla Velha n. 96, padaria.
Queijos, queijos.
Nos armazens da Brilhante Aurora n. 12, e Au-
rora Brilhante no largo da Santa Cruz, chegaram
os verdadeiros queijos do vapor, muto frescaes, a
2* e 2*500, queijos prato e de manteiga do Seri-
d, muilo novos a 640 a libra, ditos de qualha viu-
dos de urna casa particular de Sobral (o melhor a
desejar) muito proprios para mimos por seren
queijos grandes a 640 a libra.
Milho, farelo e farinha.
Chegou aos armazens da Brilhante Aurora e Au-
rora Brillianle no largo da Sania Cruz, novo sorti-
mento de farelo em saceos com 1*23 libras a 55,
saceos com farinha de Goianna a 5*, 35300 e 0*,
ditos com milho a 3*800 e 4*.
Carne do Serid
A verdadeira carne de sol muito gorda a 320 rs.
a libra : nos armazens da Brilhante Aurora e Au-
rora Brilhante, no largo da Santa Cruz.
porto i varas, a 8* cada urna, eambraia de salpicos para
entes j vestidos a 2*500 a pega, ditas lisas a 3*. 3*500 e
azem *# : ua rua da Imperatriz n. 56, loja da Arara.
Lazinlias de nma s cor.
Vende-se lazinhas de urna s cor, laes como
HfClimClid azul> ^de. rosa, Ivrio, caf e etc., proprias para
r........ R.mv.ra lAn.. iKr, c-ip*8 e vesl'dos de senliora, a 000 rs. o covado : e
^Sd2e,?i?ie 2 m TS- *1,bra VI**"* juilas fazendas novas, que se vendem por
baratissimos pregos e a dinheiro : na rua da Im-
na rua da Imperatriz n. 88.
Vende-se Jarte; na rua da Imperatriz nu- perairiz n. 56, loja da Arara, que e acha aberta
mere 52 at as 9 da noile.
Loja de fazendas da rita
do Crespo n 7.
Miguel Jos Barbosa Guimares, socio princi-
pal da firma de Guimares Si Lima, faz sciente ao
i respeilavel publico que tendo de liquidar lodas as
1 fazendas existentes em seu estabelecimento por
ter fallecido o seu socio Jos de Almeida Nunes-
Lima, que consta de um grande sortimento de fa-
zendas linas, como sejam ricos vestidos de seda
com algum toque de mofo, capas de velludo preto
muilo finas e outras muitas fazendas que tudo
vende por baratissimo prego.
RELOGIOS,
Vende-se em casa de Johnslon Pater A
C, rua do Vigario, n. 3. um bello sorti-
mento de relogios de ouro patente n-
glez, de um dos mais afamados fabricantes
de Liverpool, e tambem urna variedade de
bonitos trancet||ns para os mesmos
INJECCO BROW.
Remedio infallivel contra as gnorrheas
antigs e recentes, nico deposito na bo-
tica franeeza, rua da Cruz n. 22, pre-
'o 3|





-
r*-
Diario de Feruambneo Meita felra A tic Agosto de 18*4.
>- ^f^j^'^-rmm^*' ^s *~.

b&m
RA 1M> QUEIMLillO S. 15.
Passando o becco da Congregacao segunda casa.

smmu d
NOV1DAE.

Pereira Rocha 4 C. acabam de abrir na ra do Queimado n. 45 um armazem de molhados denominado Claika Cemmercial,
ende o respeitavel publico encontrar sempre um completo sortimento dos melbores gneros que vem ao nosso overeado, os quaes
aero vendidos por precos muito resumidos como o respeitavel publico ver pela tabella abaixo mencionada ; garante-se o bom peso
e boa qualidade dos gneros comprados neste armazem.
Arroz do Maranho, da India e Java a 60, 80 Cevadinha de Franca muito superior a 220
e 100 rs. a libra e I800 a 2#600 e U i rs. a libra.
a arroba. Cevada a 80 rs. a libra.
*meixas francezas em latas e em frascos a Ervilhas portugoezas a 640 rs. a lata.
1)5200 e 1(5600 emira seos grandes a Mem seccas muito novas a200rs. a libra.
20500. (Figos de comadre e do Douro em caixinhas
dem em caixinhas elegantemente enfeitadas' de oito libras e canastrinhas de 1 arroba a
com ricas estampas no interior das caixas \ 1800, 5(5-500 e 280 rs. a libra.
a 1230O0, 10400, 10600 c 20. I Farinha do Maranho a 160 rs. a libra.
Amendoas cera casca muito uovas a 280 rs. Farinha de trigo a 120 rs. a libra.
a libra. Genebra de ollanda verdadeira marca VD
Aipista a ICO rs. a libra c 40600 a arroba. I a 560 rs. frasco e 60200 a frasqueira.
Aceite doce francex muito fino em garrafcs dem em gatrvafoes de 3 e 5 gafes a 50500
grandes a 960 rs. a garrafa. e 70560 rada um com o garrafao.
Peras seccas muilo novas a 600 rs. a libr*
Painco a 200 rs. a libra.
Polvo secco muito novo a 400 rs. a libra.
Presuntos de Lamego em calda de aroite e
muito novo a 640rs.
Qucijos flamengos do ultimo vapor a 20800
dem crato.
dem londrino chegado no ultimo vapor e
900 rs. a libra.
Sal refinado em frascas de video a 600 rs.
cada um.
Sardinhas de Nantes a 30 rs.
Sag muilo alvo e novo a 230 rs. a libra.
Toucinho de Lisboa a 320rs. a libra.
O
SENT IIO!
ii
VAI FALLAR
N. 38 Ra do Livramento N. 38
(Hcfronte da grade da igreja)
n
dem de Lisboa a 640rs. a garrafe.
v\rarute verdadeira de taatarana a 320 s. a
libra.
Avelas muito grandes e novas a 180 ts. a
libra.
Biscoutos ingtezes e diversas marcas a
Graixa a *00 rs. a late e 104*50 rs. a duea. Tijolos de impar facas a 150 rs.
Licores muito finos a 700 rs. a garrafa. ;Vellas de carnauba pura a 360 rs. a libra.
dem, qualidade especial e garrafas lauilo dem stearisas muito superiores a 600 rs. a
grandes, a 10800 rs. a gtrrafa. libra,
dem garrafas mais pequeas a 800 rs. i Figos em caixinhas ormelicamente lacradas
dem, garrafa forma de,p3ra e rolba^e vi-1 a 10600.
dro, ? 10000 rs., s a garrafa vale o di-1 Vinho do Porto engarrafado o mekor que
ua neste genero e de varias marcas, como
sejam : Velho de 1815, Duque do Porto,
Madtira, D. Pedro, D. Luiz I, Maria Pia,
40300 reis.
Bolachinhas-desda, latas grandes, a 20 rs. nhoiro".
a lata. Manteca ingleza perfeitsmente flor, desem-
Ditas inglesas muitcnovas a 30008 a barr-,' barcada de pouco a 900 rs. a libra, e da
quinlia c a 200 rs. a libra. de^egunda qualidade a 800 rs.
Banha de porcor efinada a 440>rs. a libra eI dem franceza muito nova a 640 rs. a libra.
e embanrii a 400 rs. : dem de tempero a 480 rs.
Cha hyssen, huobm e perola a -5-5600, ,! Maesa de tomates em barril a 430 rs. a libra, j dem em pipa, Porto, Lisboa e Figueire a
20500,208O0e 30000 a libra. dem em lata a 640ts. 480, 500 e 360 rs. a garrafa Bocage, Chamisso e outros a 800, 900 *
10000 a garrafa, eemcaixa coro urna da-
zia a 90000 e 100000.
dem preko muito superior a SfiOOO a libra. Marmclda imperiel dos melheres coBservei-
Cervejapreta e brenca, das memoresmarcas ros de Lisboa a 600 rs. a lata.
que vera ao mercado, a 500rs. a garrafa Marrasquinho de-Zara, fraseos grandes, a
e 50890 a duzia. "800 rs.
Cognac mglez fino a 900 rs. a garrafa. dem regular a 500 rs.
Conservas a 720 rs. o frasco. /Massas finas para-sopa : esU'llinha, pevide,
IoYm,-sede pepino, a 720 rs,
Idom, su de azettonas, a 750?rs.
Ctarutos dos mebores fabriecntes da Babia
rodinhas c letr'aohas a 600 rs. a'Sbra e a
40 a caixinha com 12 libras.
Nozes muito novas a 160 rs. a libra,
e especialmente da fabrica imperial de Peixe em latas preparado pela primara arte
Candido Ferresra Jorge da?Costa, a 10SOO, de cozinha a 1< rs. a hila.
2-5000, 20200, 20500, 20800, 30OGO e Palitos de dentes a 160 rs. o masso.
30500 a caix. Palitos de dentes a 120 rs.
Cafe de Rio muito suponer a 280 e 320 dem de flor a 200 rs.
rs. a libra e 80500 e 80800 rs. a arroba.; Amendoas eonfeitadas a 90 rs. a libra.
Cartes-de boiRli3s franeezes muito novos e l>o?o de goiaba em latas o melhor possivel a
muile bem eodtados a.703 e 600 rs. | 2 e em caixao a 640 rs.
Chouiif.ase paioc muito novas a 800 rs. a PaiiUisdo gaz a 20200 rs. e grosa.
libia. l'assas muito novas a 180 rs. a libra.
e 40 a canaSa.
Idom branco de Lisboa muito fif>o a 506 rs.
a garrafa,
dem de Bordeaux, Medoc e S. Julien a "700
e 800 rs. a garrafa, e 70006 e 70500 rs.
a duzia.
Itlcrh MorgaBx eChateauluminide 1854, e 10
a garrafa,
dem moscatel a 800 rs. a garrafa.
Vinagre de Lisboa a 200 re, a garrafa e
10200 -re. a caada.
'Kirsk garrefas muito grandes e 10800 re.
Alm dos gneros cima mencionados te-
mos grande porco de outros que deixamos
O Vigilante est alerta, nao Ihe era permettido
deixar passar desapercebido sem que nao dsse o
seu canto afim de annunciar ao respeitavel pablico
o grande sortimento degalantarias do melhor gosto
propiiamenle para qualquer mimo, qne acaba de
ctiegar neste uliimo paquete, assim como muitos
outros objectos que recebe por diversos navios,
tanto de sua coma como de consignacao, que est
resolvido a vender por preros muilo baratos para
vender muilo c gannar poco, e dar extraccao ao
grande ^deposito que icm, que espera merecer a
proteceSo do respeitavel publico, empregando para
isso todas e as tnelhores diligencias para que li-
3uem satisfeftos : isto s no Gallo Vigilante, ra
o Crespo n. ?.
Ricas porU-joias.
Cofre de muito gosto por 16000
Ccstinhas transpareules, forradas de madre-
perol* por 18^000
Liadas }ardineiras 105000
Ricos cofres com camapheu 105000
Lindas caixinhas com pedras brancas 105000 i
Lindo balo com calunga dentro tambem
para joias 165000
Tambalier para ditas S50O0
Gestionas dem idera (,imh)
Cosmorama idem dem 65000
Unnzinha 5000:
S no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Ricos porta-bouquetes de diversos gofios e pre-1
Qos : s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Kics siiilus
'om bolcinhas ao lado a 10, 12 e 135, ditos sern
talca, porm do mesmo gosto, a 25300, 35, 35300
c 45, ricas fivetas avulsas para sintos, o melhor
que se pode encontrar, 15300, 25, 25300 e 35 :
s no Vigrtawte, ra do Crespo n. 7.
Cabazes n cestinlias.
At qoe -chegaram as desejadas cestinhas ou ca-
bazes para as meninas trazerem no braco, o mais
rico possrvel, a 25300, 35300, i, S, 7 e 105 : s I
no Vigilante, rna do Crespo n. 7.
feotes.
Neste artigo tem m grande sortimento, tanto
J iflVjJI
\ 1KIIA IMIKO E PRIMCIPAIi
Ordem do dia.
Est em discusso a tabella dos precos que o BALIZA tem a boina de ol. re-
cer ao respeitavel publico tanto dacidade cono docenlro.
Se por esta publicacaa qualquer mu dos nobres coltegas entender necessario
fazer alguma alterao em seis annuncios, digne-se mandara sua emenda para o jornal,
que o incansavel Baliza nao Ihe pora peas nem o embararara de forma alguma a benefi-
ciar o povo.
Amigo de vender barato o Baliza nao expe a venda.senao os gneros bons.
Elle se julga no caso de vender lito mdicamente corno outro au o exceder,;
Soldado soprador toma o clariin
E firme como a rocha fiea assim
Nao toques nesse pessimo instrumento
Do Balisa ollia s o movimento.
t que dos mitrados t'iis as coras
Me tudo vendedor de propria conta
!Vo pasmes vendo como sobeaneelro
Do regresso o Ualisa a ira af'i onta.
O grande depesiio que temos de vinho nos obliga a abaixar
achando-se vista dos compradores cerca de 3-"i a 40 pipas dcste genero,
barris e aneoretas.
scus precos,
entre pij as
para alisar como pana atar cabello, o mais lindo
que se pode desejar,*ssHri como -de arregacar ca- Amendoas eonfeitadas em lindos laseos a 800 Lmgoas americanas milito m
bello, tamo de borracha como de tartaruga, com r g libra
mfiVSn^ meDmaS"' S V8an,e' I(1em',:om rasca :| 3" rs' a lib,a-
Penles Ameixas francezas em caixinhas e frascos a
Tambsm chegaram os riqusimos lenles de ,,1.^00' '.f e 2,ooo rs.
conchabe tariaruga* de massa fina, que se vende AlpiSta a IbO rs. a libra C 4,oo a airoua.
por 25,3_e 5> : s >no Vigilante, ra do Crespo Arroz do Maranho, Java e do Penedo a 8o.
muito gran-
des a i ,ooo rs. cada urna.
Linguicaspromplasetn latas a I ,'ioo cada ata.
Manteiga ingleza flor a Soo rs. a libra neste
genero ha mais de 1(1 baris abertos oim d'
serem salifeilus os compradores.
Idem.menos sujteriora Gio rs.
I o rs. a
e 3,2o.
libra, em arroba a2,000, > Manteiga ingleza a oo,
ll'ii
32o rs. alibra
d3 mencionar, e quo tudo ser vendido por | rato pwco, a 85 e 105, chiaezes, muito bonitos,
pecas e carnadas, tanto em porcoes como : lambem por barato prego de 4 e 35, beniarallas
retalho I muito'bonilas tambem por barato preco de 4 e 55,
Quem comprar de 100000 ;para cima te-! ^fs r o abate de 5 por eento.
numero 7. |0 c
icques. 2,800 e 3,2oo. I ^em franceza a uGo, Uoo e Oio rs. e emuar-
Riqossimos leques de roadreperola, lano para \zt,te doce refinado a 800 e loo rs. a gar-1 ril por menos.
senhorf.como para. mocinlras, pelo barato preco de f j[as de lmale a 64o rs. a libra.
12 e 145 : so ~ Vjsjjnte,,rg*> Crespo n. /. ^ .^ cm ^ ^ ^ n a gan|jft c Marmo,eaa jos m ((,.,s fa|jri,ail(,
Com pequeo defeito, leques de sndalo, por ha- 4-8nn rs" a Mnada-
a 85 e "
de drabalkar x nio para CeidlUL QOUraaa COBfl 111S-
descar4>^*ai* al^odo
/i-.racADAS
Por Pla Brothers & Ce
'LDAM
Estas nuehifl&c
pcdemdescsro(;:ir
aalqner epcie
?;de algodao sem
-jaatrayar o fio,
J daaspessoas para
otrabalho; pode
descaro^ar urna
arrcba.de algo-
dao em carolo
em 40 minutos,
oa 18 arrobas
por dia ou 3 ar-
robas de algodao
limpo.
-,:;_ machina
a nica que
po>>U': ai vaniag3ns de nao da&lruir olio do al-
godao e dt azor tender o dobrode qualquer ou-
tra com raeiios .trabalho, a sua ntroduceao para
as provineta deste imperio ser le muito valor
para lodos .o interesados na laveara do pajz.
Assim com machinas em ponto grande do mes-
mo s\sii-ma/jraql serem movida; por animaes,
i ua ou vapor, pis use.* podem debcarocar il ar-
ofias de algodij ampo por dia.
algodao desearocao por estas maciiir(as mm
muito mais estiotafo sos mercados de Europa e
venjie-se por niiorpre^o.
.-V machinas acha: venda unicamenie ..em
casa Je
Siiiii(('-> !flh(iis & C.
V. I a. pi-aea do C'orpo auto
KECFE.
i is oqsos agentes nesie pa.
fariiha de mandioca superior
em caeeosgrandes : vende Antonio Luiz de Olivei
ra AietredoA C, no seu escriptorio ra da Cruz
numero t
>to* maeitcs para entaora.
A asuia-b^aiEca acaba de receber um bello e va-
riado .-urtimealo de enfeles de diversas qualidades,
c o que de i3 moderno possivel encontrar-se
aqui, fazendo-se octavis por suas novidade e ele-
rancia uns, cuja grade de um fino e delicado te-
iio a que apropradamente se chama fnvisivel.
.'.-..ni. vista desse completo sortimento, qualquer
ddifjao munido de diaiieiro est habilitado a eom-
pna^es : na ra do Queimado, Joja d'aguvbranca
n..
Capachos inglezes.
Xa l<4'i da aguia branca, ra do Queimado n. 8
\nd.'in'-.< Ihui< capaelvos ioglezes, os quaes alera
de bonitos sao de immensa duracao, pelo que se
tornam baratos pelos precos de 45, "5, 65 e 75
cada um.
Cartas francezas.
A aguia hr-nca. na ra do Queimado n. 8, rece-
beu um novo sortimento de finas cartas francezas
eom boiras douradas e brancas, e as est venden-
do baratamente a dinheiro vista.
Bonitas nonecas.
Cora rosto de cera, massa e porcellana.
Acha-se na loja d'aguia-branca ra do Queima-
do n. 8, um grande sortimento de bonecas de di-
versos lmannos, com rosto de cera, massa e por-
cellana os prelendentcs munidos de dinheiro
achanto badisposicao para os vender.
SAPA TOS DE BlRRCHA
a IKOOO, I05OO e #500 o par
na ra do Queimado loja d' Aguia-Branca n. 8.
Vende-se alpaca prela a SOO rs. t eofado.
Vende-se alpaca preta para vestidos a 500, 600,
700 e 800 rs., Ona de cordo a 800 rs. para pale-
tot, princeza prela a 800 e 640 o covado, bombazi-
na preta fina a 15400 o covado, laazinhas preta
para senhora que estilo de luto a 720 o covado :
na ra da Imperatriz 56. A loja est alerta at
4 9 hora? da noite.
cripcoes.
fL he condecida pela boa freguezia d'.aguia
brance a sii|ierioridat3 da banha que vem dos co-
pos de porcelana dourada com maviosas e jocose-
rias iuscripedes, as qoaes agora \ieram de .novo
, gosio, pelo que, essa tina banha pode anda ser
mais conhecida |ior aqnelles que quizerem ftzer
, um Iiui presente, com auto que comparecam mu-
nidos de dinheiro na ruado Queim
qranca n 8.
avelopes bordados c carlees coiu ber-
ras diiai'adasr
Na luja ia aguia branca, rdit aehavam-sc venda bonitos enonapes bordados-e
eartSes rom beiras doura.'.s, leudo oj uns e do
outros, maicres e menores .proprios para partici-
pacOes de. easamentos, bailes.etc.
CBiipIeo Koi' Ci..s. lisas c:*% cadas.
A aguia branca recebou um grande e completo
sortimento de lilas de diversas largurase qnalida-
des, tafilo lisas como lavrada?,.e em lodas ellas co-,
nhece-ee a superioridade da agenda, noinndo-se
as lavradas o bom gosto dos nevos e lindos dese-
nos, isso lano nss malisadas como as brancas,
e pela potnmodidade dos precos o pretndeme que
se dirigirjTiunido.de dinheiro ra Jo Queimado
loja da agtia branca n. 8, ser bem servido.
Latas com banha fina.
J por diversas vezet a aguia branca texn rece-
bido dessa basta fina em latas, e tal 1em sido a
prompta e rapada e\lracJio della, que nSotem da-
do lugar a aj;uLa branca avisar a sua boa fregue-
zia, pelo que Ulv saliera da vinda dessa boa banha. Ella vem em
latas de l|2 e 1 libra, c contina a ser vendida pe-
ios baralissimos precos de 25 e 35000. Apar da
eoperioridade da qualidade deila estao os agrada-
ras e linos cheiros de rosajasmim, laranja, bou-
quet, c flor de Italia. A boa freguezia assim scien-
te dirigir-se com dinheiro ra do Queimado,
loja 'aguia branca n. 8.
llotes de cornalina
:' outras qualidades para coletes
A Aguia branca acaba de receber um novo e
variado sortimento daquelles apreciados botoes de
cornalina brancos e encarnados, chatos e redon-
dns para coleles, cujas abotuaduras conlinuam a
ser vendidas pelo com modo e inalteravel preco de
25 cada urna.
Alm desees recebeu tambem outros de madre-
perola, massa e osso, com diflerentes moldes para
o mesmo lim.
J se v, pois, que o pretndeme munido do di.
nbeiro achara sortimento vontade na ra do
Qoeimado loja d'Aguia branca n. 8.
BAI'SIMIOS l CAIXINHAS
com perfilniarias.
Na ra do Queimado n. 8 loja d'Agna-Branca, os
freguezes munidos de dinheiro encontraro, boni-
tos bausinhos cobertos de couro e com 6 frasqui-
nhos de extractos por 15300 cada um, e outros
cobertos de papelo com 9 frasquinhos por 25000
um; caixinhas com 6 frasquinhos de ditos por
I50OO urna, outras com 12 dilos por 25000 urna,
outras com 3 ditos, cuja coberta parece tartaruga,
a 15300 cada urna, e outras com pastiihas de chei-
ro a 500, 15000 t 25000.
AGENCIA
FNDICAO DE L0W-M00R.
Rna da Sf nuil a ora n. 12.
Neste estabelecimento contina a haver
om completo sortimento de moendas e meiai
moendas para engenho, machinas de vapor
e tachas de ferro batido e coado, de todos 01
tamanhos para ditos.
No armazem de fazendas ba-
ratas de Santos Codito rmi
do Queimado n. 1'9
VcatTe-.se o seguate:
ATTENJAO.
Ricas liiazinlias para vestido, faceoda a melhor
que lem vindo ao merend, iznto em gosto como
em qualidade pelo baratissno preco .de 360 rs.
o covado.
Lasinhas miutinhas carmezins proprias para
( vestidos de meninas e eamisithas a -640 rs. o co-
I vado.
ar, perdendoe te, ra do Crespo n. 1.
Palseiras.
Lindas pulseiras de conlas e de missanga, cores
muilo lindas e de muito gosto a le l00.
Para segurar manguitos.
Tamtem chegaram as ligoinhas estreilinhas de
borracha que as senhoras tanto precisam para se-
gurar os manguitos por ser muito commodo e mui-
to barato, a 320 o par: s no Vigilante, ra do
Crespn. 7.
Camelas.
dem idom em barril a Co rs. a garrafa c
4,8oo rs. a caada.
Ancoras eom vinho do Porto, encommenda Mollios nglezes a 4oo e 04o rs. a garraficha.
feita pelo propietario do Baliza a 3o,ooo Moslanla preparada a 4oo e ti'io rs. u fi a o.
rs. a ancora com 7o garrafas. Massas para sopa a 4oo rs. a libra das de la-
Bolaxinhas de Lisboa, ingleza e americanas llu-irini, aletria emacarrao.
em latas a l.ioo, 1,000, 2,ooo e .'i,000 rs.
e americanas em barricas a 3,ooo rs. a
barrica.
Banlia de porco a 4oo rs. a libra e cm barril,
a 30o rs.
Hlalas em gigos a l.iiooo gigo.
Cha perola a 3,ooo rs. a libra,
dem uxim a 2,600 e ,8oo a libra,
dem hvsson a 2,ooo, 2,4oo c 2,800. a libra.
iS ;i ICo rs. a 1 :
1
Cortes de laa com 15 covadoe pelo barato preco (e vollinhas, pelo barato preco de 15 e 15200, as
: de 65. cruzes avulsas a 400 rs. : so no Vigilante, ra do
Cobertas de chita da India a 22(800 e 35. Crespo n. 7.
Lences de panno de linho a fi5 e ^5300. Sapalinhos e meias de seda.
JS" ca"'bra,a dc fn' COffl 8 1|2 varaS a aiQuissimos sapalinhos de seda e de merino en-
| feilados, assim como meiaszinhas de seda, gorra-
zinhas e touquinhas para as criancinhas se bapti-
sareu : s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Golinlias.
dem do'Hio a l,6oo rs. a libra.
n,;,'(UV!1'mas carrelf e .""'''cperola proprias dem preto a i.Soo e,ooo rs. a libra.
?Seg'er Preseme' ^ bara"S,mo prec de Charutos dos tnelhores fabricantes da Babia
Yo'iuiuis c "'" '''" ';||U''1'" a 8oo rs. e I,Soo, 2,ooo,
Lindas vollinhas deperolas falsas eom cruzinhas
Sngindo bnJhantes, assim cobio cruzinhas avulsas
2,oo,
dem finas eslrellinha epevitle a 3,o<
caixa.
Milito miado para passa
e i.8oo a arroba.
Marrasquino de zara do vertladeiro a \/iOot.
frasco,
dem menos superior a 8oo
frasco.
Nozes ;i 2o rs, a libra.
lVezunto portiigiiez o superior qtialit
(So rs. a libia nleiro por ioo rs.
dem inglez para iambie a U4o rs. a :o.!.
nao agn md i n smodi 11 ;-i!''pre] ai
t Si r devolvido, (tic se trocar, i m
oul.10 ou ser resliluitlo seu importe-
l'assas novas ; ioo rs. a libra.
Polvo a I Toailiasaicoclioadas proprias para maos aja
doria.
Ricos cortes de laa cem barra & Mara Pa a
18-5000.
Pegas de piatbfts de algodao ri.e 10 varas
proprias para saia a 45-
A'fioiao entestado com \\i palmos de largura
a 15100 a vara.
Esleir da ind propria para forro de sala de
4, 5.e palmos de largura por menos preco do
que era outra qualquer parte.
Neste armazem tambem se encontrar um grack
dc sortimento de roupas feitas e por medida.
.'l,ooo, 3,ooo, .ooo e i),ooo rs. o
cento.
Chocolate dos melbores fabricantes de Pars,
Allemanha, Hamburgo o Lisboa
Copos lapidados para vinho a 2,8oo a duzia. l'ainen a li'.o rs. a libra.
dem idem para agua a5,000, 5,5ooe 6,ooo Pomada a 24o rs a duzia.
rs. a duzia. Pimenta do reino a 30o rs. a
Peras
seccas a Peixe em latas a l,ooors. n lata.
Papel a I masso e de peso, de diversas i-...1
lidades c pre<;os doferenti s.
Palitos do gaz a 2,2oo a groza.
dem [.ara dentes a 8o, 10o e 24o rs. o ma-
ro com vinie macinhos.
r^ w e
O oa
i BS'g
h'S.B'
a "S ^ g 5
3 1*8 o.8 5S
a91 ,__9 -
o o H s"-s S o o K o
BII||ie|
*o(pP,.S'S
a 2.
vi

C-"
.J8*
a, ^ a -i S
< err3 B 2 S
a, 2 ^ vi
" OS Cfl mf
O
en "*
c te
-| B "
9 B
a u
h
B 2.
B.5
if
ai cd
Charutos de Havana
de superior qualidade vendem-se em casa
de Schadeitn & C, ra da Cruz n. 42.
Si
f ff
"O
S2.S

Z?!^ -
lis
V O 2
&^ 3
" I g
o 5
K ti .
o
3
O O 3
3- n
-= 2 3
o _5
m, O. S. H "^ W^-=?
^wn.&2Ts:o
O
w a> B s
ni

4
D
B
se
ES
o
a, -j
- _.
||
||
S cj
ir
B
2.
1


t
9
Cerveja das melbores marcas a i.ooo, 0,000
e C,ooo rs. a duzia.
Cravo canda e cominhos.
.5!2^Jns*nM^m^ e.s' Ceblas em molbos restease solas.
to possivel, a 25, 25500 c 35: so no Vigilante. ~ i e, n
ra do Crespo a 1^ Conservas inglc/.as a 8oo, Ooo e I,ooo rs. o
Enfriles para scnbora. frasco.
Riquissimos eaeites com lago e sem laco e de Diltas francezas a 5oo e Co rs. 0 frasco,
(outros muitos gostos a 15, 15300 e 35 : so no Vi- Cognac ingle/, e francez a I ,ooo rs. a garrafa. Gueijos flamengos a 2,6oo, do ultimo vai r
gialnie, ra do Crespo n. 7 Caf de { ^ c 3 a (];,|(|afje a y;"j00 9,000 dem prato a 64o rs. a libra.
Irancelms. e 9^00 rs. dem londrino a 800 rs. a libra.
J^filffiSU ?heJ' 81?.-^^-? '' Cevadinlia de Franca a 2io rs. a libra. Rap Meuron a I.ooo rs. a libra.
Sc^T PeC de,5S00' d"0Sde Champagne de muito boa qualidade a I2,ooo Sevadinlta a 24o rs. a libra. (i nova).
Babadjnhos ntremelos. c 2o,'000 rs- ,a dllzia- M ??.a, -s", v\? Iibra- ,, .
I Riquissimos babadinhos entremeios com lindos Doccs da W da S0li,Da cm la,as preparadas Sai'ditibas de Nantes a 6 O, oCo e 300 l ?. .
desenhos tapados e.transparentes, pelo baratissimo (m muito accio, propria para memoziar' lata.
!>re-A~r}Jf!?y0J. i^300' 2^ e 35: s no Vigilante, algum amigo na Europa, por ser inallcra- Sabao massa a 12o, 19o, 2oo e 2lo rs. a
vel por mais dc um anno, a 3,ooo rs. a lata bra.
com 7 libras. c em caixes por muilo menos.
Dittos em caixoes a 56o, 61o, 8oo c 1,000! Sai refinada a 6oo rs. o pote de vidro.
Toucinho de Lisboa, de Sanios c ameri na
a IGo, io e II2o rs. a libra, e em arroba
a 5,ooo, 7,ooo e 9,ooo rs.
ra do Crespo n. 7.
Cascanillias.
Grande sortimento de cascarrilhas de diversas
larguras, assim como galozinho e tranciuhas pro-
! prias para enfeites : s no Vigilante, ra do Cres- rs- caixaO.
po n. 7. Ervilhas portuguezas em latas com 1 '/i h-
Fltas. bras por 7oo rs.
Grande sortimento de filas de diversas larguras dem francezas em latas a ooo rs.
e qualidade, por precos que admiran) aos compra- i,\am -.,,,( Qnn rc i.Kri
dores, havendo flus largas proprias para sinteiros Iuem ,eclaf, a Z0 ts: d "UI .
! que se pode vender a 300 rs. a vara, e pega de 3 Espermacete americano primeira qualidade a
varas a 25 : s no Vigilante, ra do Crespn. 7. 1.2oo rs. a libra.
Fita de lia. dem francez a 56o rs. a libra, c em caixas
Fitas de laa de todas as qualidades, proprias para a "aQ _s
debrum de vestido a 700 rs. a peca : s no Vigi- /. ...
| lante, roa do Crespo n. 7. Familia d araruta verdadeira a 18o rs. a libra.
Ricos espelhos, Farinba de trigo a 12o, I o e 16o rs a libra.
Riquissimos esnelhos com moldura dourada e Farinha de inilho a 16o rs. a libra.
9 fm e!\dc',0'.12 ,e iW-assiI" como con co- Fi(?os em caxnhas e em latas lindanmente; canai
i lumnas de diflerentes tamanhos a 25, 3, 4, 5 e 65: Qn ~n ,..u ,., i i,i..m ,
I s no Vigilante.rua do Crespo n. 7. enfeitadas a 8oo e 1 ,uoo cada um. | dem el
?T I lilndos jarros e figuras. Fui10 americano em latas para cigarros a' rafas
^0 Riquissimos jarros e figuras de porcelana fina 1,800 TS.
para enfeite de sala, sendo o melhor gosto que aqui dem em paCOtCS a 200 rs.
tem apparecido : s no Vigilante. Wem em la a ,/2u0 rs .
Tijollo para impar taras a 16o rs. cada um.
Vinho do Porto em ranadas a 3,5oo, I.ooo e
Id
Empreza dailluminaco
gaz.
Todas as vendas de apparelhos e reclamacSes
(por escripto dando o nome, morada, data, etc.), Grande sortimento de extractos e banhas, poma- rs fi-tsnueira
devera ser feitas no armazem da ra do Imperador das, assim como os lindos copos eu vasos com dis- .* i i 9
n. 31. Os machinisus mandados para atlendera tinctivos e offerecimentos as sinhazinnas, dos me- "t'3|Xa cm la lab a i.zoo
estas, apresentaro um livro que os reclamantes Inrese mais afamados autores de Paris e Ingla- Limonadas de diversas fructasa l.ooo rs. a
deverao assignar logo depois de prompto o servico trra, assim como os grandes copos de banha japo- garrafa.
reclamado ; isto para que a empreza fique sciente neza a 25 e a 15 ; assim como ontros objectos que 1 icres ificlezes 6 franeezes a i 000 1 500
de haverem os mesmos senhores sido devidamen-! nao possivel por boje annunciar, e vista dos n a .._,,_ _,.jm
te attendidos.__________________________ freguezes se far todo negocio : na loja do Gallo e ->000 rs- gariaias gr.inttes e
- Vende-se uraescravo de meiaidade, proprio Vigilante, ra do Cres[K) n. 7.
5,000 rs. u eni ancoras com 7o garrafas per
3o,000 rs.
m de Lisboa sem confeiceao, (deencorr.en-
da) por O.ooo rs. o barril com 17 '-.na-
das,
dem de Lisboa mais baixo a 45,ooo rs.
; dem em pipas a 3,000, 3,5oo e 4,00o rs. a
caada.
em barril de Bordeaux com Lio gar-
por 5o,000 rs.
dem idem de Bordeaux com 70 garrafas por
3o, 000
dem em caixas por 5,ooo rs. a caixa com 12
garrafas da melhor qualidade que vem ao
nosso mercado.
iuem cu. pasta a l,2oo rs. a libra.
Riquissim;!^L?c^fm!J.necaara0r*ps de ar- Ginebra de laranja a l,ooo rs. o.frasco.
roz, cousa de muito gosto a 15500 e 25, assim co- Mam '"gleza marca Gat0 a '00 rs- a gwrala.
: mo pacotes s com os pos a 320 rs. cada um : s dem de Hollanda a 6io e 1,600 rs o frasco Vinho branco para missa de Lisboa e Porto
no Vigilante, ra do Crespo n. 7. pequeo c grande. em pipa, barril e ancoras a 4,ooo o 5.000
Perfumarlas. \em e Hamburgo, a 56o rs. o frasco e 6,000! rs. a caada.
I Vinagre de Lisboa, Porto, tinto o branco a
rs. a duzia. l,6ooe 2,ooo rs. a caada
dem era ancoras por 16,000 rs.
Velas estearlinas a 56o rs. o maco, e em cai-
xas a 52o rs.
Vassouras americanas a 6io rs. una.
pequeas.
para o servico de campo, ou sitio na Boa-Vista,
ra do Cotovcllo n. i, se dir quem vende.
Arados americanos e machinas para i GR A X A IV *7
lavar-roupa: em Casa de S. P. Johnston 4 C, vende.8e a verdlddrllraa inglez! n. 97 no
ra da Senzalla Nova n. 42. arraazem de J. A. Mereira Das na ra da Cruz
--------, numero 26.
Rea da Senzalla 11. 42.
Vende-se, em casa de S. P. Johnston C ,
sellins e silh5es inglezes, candieiros e casti- dm u8 JgJ RJSBUPJ ara ven- Q 7 ,
caes bronzeados, lonas inglezas, fio de vela, eer Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C, no seu &eO las
chicotes para carros e montara, arreos para escriptorio roa da cruz n.,._______________| na a-- da alfande(?a n 3 arniaiem da viuva
carros de um e dOUS CiVallO, 6 relOgiOS de Vende-se um methodo para rabeca, cm bom de Paula Lopes, a ;>00 e 800 rs. o cento I 11 che-
Ouro patente inglez. estado, por Casse : na praia do Caldeireiro n. 26. guem-se em quanto se nao acaba.
Vendc-sc urna cscrava moga, perfeila en-
gommadeira e cozinhena, com urna cria de pin
anno : a tratar na ra da Praia, primeiro andar
P. '.'i._______________________________
Yende-sc urna cadeirinha em muito bom
tado : quem quizer comprar dirija-se ra do lio-
gueira n. 49, taberna da quina.
Sal do Asstf
Vende Antonio Luiz de Oliveira Az-vedo & C,
no sea e;criptorio>rua da Cruz n 1.
i

..

__!_

....


J
% *"*
..
i/
Diario 4e rerasakae* Wexa felrn & de Agosto > I s4.
ESPLENDIDO SORTIMENTO DE MOLHADOS
>. 9 RA 1M> CRESPO X. 9
Esqaioa qoe volta para a roa de Imperador
PRINCIPAL
DE
(IVio se enganem rom a mitra)
AMIGOS!
Nao leiam esle annuncio com precipitado.
. Confronten) os precos dos outros annunciantes.
Venhara ver os gneros que temos expostos a venda.
A vista faz t.
Nao temos palavras bombsticas.
Nao nos encnlcamos o primeiro recebedor de corita propria.
Nao desacreditamos ao collega porque nao quiz ser nosso socio.
Val a quena toca.
Para abastecer a todos os babitantes desta bella provincia anda nSo So suflicieo-
tes as casas que actualmente oxistem abortas com grandes propor$oes para terem um
magnifico sortmento de molhados; assim, pois, os propriotarios do Armazen Principal
nao invejam a sorlo dos seus collegas.
Habitantes de Pernambuco.
Nos temos um excellente sortimento dos melhores gneros que se pode aenax
em nosso mercido. Vinde ao nosso eslabolecimento, e se a vossa boa fcJor Iludida
wma s vez ao menos, castigai-nos nao voltando mais a nossa casa.
Amendoas confeitadas de bonitas cores a
1,000 rs. a libra.
dem de casca muilo novas a 3oo rs. a libra.
Avellas a 2oo rs. a libra.
Ameixas francezas em caixinhas com lindas Licores francezes de todas as quftedes a
estampas a l,2oo, l,4oo c i,6oo rs. cada! 8oo e l.ooo rs. as garrafas grandes
uma- Manteigainglezaperfeitamente flora 800 e
dem em frasco de vidro com rolha do mes- 96o rs. a libra.
mo ou de metal, a l,2oo e 14oo rs. ca- dem franceza nova j-deste anno a-Goaurs.
da um. a |bra, e 56o rs. em barra inleiros.
dem em fiasco grandes 2,5oo rs. cada um. Marmelada especial dos melhores fabricantes
dem em latas de 1 */ e 3 libras a l,2oo e de Lisboa a tioo e6io rs. a libra, ha latas
2,oo rs. de differentes tamanhos.
Arroz da india e Maraoho o melhor que se; Mtsaa de tomate em latas- I Hora 56o rs
GRANM ALLM
57 RA DO IMPERADOR 57
PE
NEM COROAS NEM MITRAS

Pattlo Ferreira da Silva s Companhia
Grande sartimenio de molhados em grosso e a retamo. nico armazem que mais
vantagens Aerees ao publico.
Desenganem-se todos.

.%llla*f a o verdadeiro hornera do progressso.
V. o lili anca o verdadeiro e principal armazem de molhados.
V. o Al llanca o armazem que vende mais barato.
K o Alllanra o armazem que vende os melhores gneros.
ti Alliaaea o armazem onde preside o melhor aceio.
FUjuem todos sabedores desta verdade,
Venham todosra do Imperador n. S7.
Venham ver os gneros que temos expostos a venda.
PARA AS FESTAS
PE
S. JOAO ES. PEDRO.
I'dem de Hollanda em garrafies com 24 gar-
rafas a 7,2oo rs. com o garrafao.
Lentilhas excellente legurae para sopa e gui-
zados a 2oo rs. a libra.
Licores-francc7.es de todas
de bonitas cor
a 3oo rs. a libra.
dem de Hollanda em garrafoes com 24
garrafas a 7,2oo rs. com o garraao.
Lentilhas excellente legume para sopa e gui-
zados a 2oors. a libra.
cada nma.
dem para soda eslrelmhn, pevtffre rodinha
em cnixinlias surtidas- a- 3,ooo' e 3,5oo rs.
cada nma e 5oo rs. a libra.
p le desejar a loo e I2o rs. a libra e
2,8oo e 3,4oo rs. a arroba.
Azeite doce de Lisboa a 600 rs. a garra/a,
e 4,8oo rs. a caada.
dem francez clarificado em garrafas bran-
cas a 9oo rs. cada urna, c io,ooo rs. a a libra.
caixa com I duzia. .Mostarda francesa preparada-em Irasco-a 4oo
Aiazema muilo nova e limpa a 32o rs. a li-: rs. cada irm.
k.ra- j M0II10 inglez em garrafibtaas cem rolhas de
Aloisia a 1Go a libra, c i.Goo rs. a arroba. vidro'Me rs-. cada urna.
Bolachinhas de Lisboa da fabricado Beato Marrasquino verdadeiro de Zara* a l.oeors.
Antonio das segundes qualidades: agua e a garrafa, lo,ooo rs. a caixa com I dozia.
sal doces, e imponaos em latas de 6 U- finas milito novas a 16crs. a Jifera.
bras a 3,ooo rs. e de 3 2 libras a r,5oo prezunto de- fiambro superior a 60o rs.
rs. e em libra a 64ors., estas bolachinhas j i.iem do Porto para pan-illa a ioo rs. a i'i
Amendoas confeitadas
800 rs. a libra,
-dem de casca muito nova
Avelas a 2oo rs. a libra.
Ameixas francezas em caininhas com lindas
estampas a l,2oo, I,ioo c l,6oors. cada
urna.
dem em frasco de vidro coro rolha do mes-
rao ou de metal, a l,2oo c 1.4oo rs. cada
mu.
dem em frasco grandes a iJSoo rs. cada
um.
dem em latas de I e 3 libras a t,2oo e
2,ooo rs.
Arroz da India e Maraoho o melbor que se
pode desejar a lo e 12o rs a libra e
2,8oo a 3,4oo rs. a arroba.
Aze.ite dore de Lisboa a 600 rs. a garrafa, e
4,800 rs. a caada.
WTn francez clarificado em garrafas bran-
cas a 9oo rs. cada un,, e 10,000 rs. a
caixa com I duzia.
Alwma mdito nova e limpa" 9 32o rs. a li-
bra.
Alpiste a 16i> rsra libra e 4,600 rs. a ar-

GRAIDE lllMAZEn
-
DE
ra mpi:it a non \, 40
Junto ae sebrade em qie mora o Sr. O.-, borne,
Para a festa de Santo Antonio, S. Joflo e S. Pedro.
liuarte Almeida tfc C, receberam de siia propria eneommen-
da o mais Hado e variado sortimento de molhados, proprios
da presente estacSo.
Manteiga ingleza
da safra nova vinda nesle vapor de 28 de
m?io a 800 rs. a libra.
Manteiga franceza
da safra nova a 560 rs. alibra, e em barril
a 300 rs.
Amendoas
todas as qualidadesa. .... ... v_*vlv"kJ
800 e l.ooo rs. as garrafas grandes. I "S*"* de **" cores a 800 rs.
a800! libra.
Manteiga ingle/.a perfeitamentc flor
e 9Go rs. a libra. AnidXaS
dem1 vaneen nova j deste anno a 600 rs. em frascos de vidro com 3 libras liquido a
2 Cartoes
com bolos francezos a 500 rs. caia um.
Latas
com bolachinhas de soda de todas as qua-
lidadea a Id300.
Chocolates
de todas as qualidades a 15000 a libra.
Presuntos mfflezwi
Marmelada especial dos melhores fabrican-
tes de Lisboa a 600 e Gio rs. a libra, ha
latas de diflerentcs tamanhos.
Massa de tomate em latas de I libra a 56o
rs. cada urna.
dem para soda estrellinba, pevidee rodinha
em caixinhas sortidasa 3,ooo 3,5oo rs. cada
urna e 5 rs. a libra.
dem macarrb. talbarim ealetria a 4oo rs. a
libra.
rs.
roba
dem macarra, laerim e"aetria a ioo rs. Bolachinhas de-IJsboa da fabrica do Beatoj
AiHtoaio das3eguintes qualidades": agua e|No/.es rocsito novas a f6o rs a libra.
sel deees, e imperiaes em lalas-de-6 libras
a 3,oeo rs. e de- 3 *. libras- a l,5oo rs.
e- em libra a 64o-r?., estas bolachinhas
(orna-se muilo- recommendavei! coa espe-
cialidade para os dbens.
Bcoito 8 Bolachinhas de soda mulatos de
todas a*qualidades- e marcas qie-se- pro-
curar a t,35o r. a Ihta-
Befos franoezes era- cartkes e de- diversas
qualidades a Oiors. ca um.
Mostarda franceza preparada em fiasco a ioo!.
rs. cada um "os mell,ores fabricantes a 800 rs.. lamben
Molbo inglez em garrafinhas rom rolhas de I temos velhos Para 50 rs-
aro a 54o rs. cada 1 QuejOS flaiMDgOS
chegados ueste ultimo vapor a t&Goo.
Macas brancas
para sopa a melhor que se pode desejar,
macarro, talharim e aleiria a 400 rs. a
libra e 4300 a caixa.
Vinko
Figueira J A A e outras muitas marcas acre-
ditadas a 500 rs. a garrafa.
dem de Lisboa
c de outras marcas a 400 rs. a garrafa, e
24800 a caada.
dem do Porto
generosos engarrafado des melhores fabri-
cantes da cidade do Porto a 15 e 1/1200
a garrafa e de 10$ a 12i5 a caixa, as mar-
cas sao as seguintes: Chamisso & Ftlho.
F. & M., Nctar ou vinbo dos De07.es,
lagrimas do Douro e outros mu i tos.
Latas
com 10 libras de banha a 4(5000.
Bolachinha ingleza
a 15800 a barrica da mesma que
vendem a 23000 e 2400.
Nozes
1 as mais novas do mercado a 120r? A bra.
Ceryejas
ora.
torna-se muito reeommendavel com es- lassas novas a 48o rs. alibra.
pecialidade para os doentes. Pixe em latas-de- difTerentes qislitlade3 co-' Banha de porco vendadeira refinada- a 4oo
Biscoilos e Bolachinhas de soda em latas, de mo, savel. cor;ina. govas. pescadiahae! ps a libia-eem barril a 38o rs.
todas as qualidades r. marcas que so pro-i outros a 1,000 rs. a Talas. Batetas novas-a 16o- rs-. a-libra.
curar a 1,35o rs. a lata. i Palitos para (lentes a l'Joe 16o rs. o masso Bohachinhas-inglezas-ullimMBente desembar-
Bollos francezesem cartoes e de diversas! dos melhores.
aoalidades a 64o rs. cada um. I Pafoco o mais novo e limpo a 16a rs. a Sbra.
a looi .. '.
lijaba de porco verdadeira refinada
rs, a lili a e era barril b :8o rs.
:; i novas a 160rs. a libra.
Bolachinhas ingiezas.ltimamente desembar-
cadas a 24ors. alibra e 2,000ts. a bar-!Queya naraengos cliegadosne
1 ., I por. a
Champagne das marcas mais superiores que Memralo mmlo fresco a 8ooe9oo
1!.'. iir.n irm viudo v. nOSSO metcado :> libra.
"''; 4,5oo rs. a arroba.
; Palitos do gaz a 2,too ps a grosa-, 2oo rs. a
duzia. o 2o rs. a cantabas.
ste ukiao va-
re.
ate boje lem
Gtidas a 24o rs. a-libra e 2,000 tas a bar-
rica.
Champagne*das ma:vMs mais sjipe,ri<;ps que
ate boje tem vindo ao.nosso merKiado a
18(ooo rs. o giga. c l,3oors. a garrafa
inteira, (--Soo rs. a*-moias-.
CA.ii uxim melliof iue se pode desojar, o
que outr qiialqoer nSo rende por menos
de 3,000 a 2.7oo rs. a libra.
dem pero-la de csp^ cial quaudade a 4600 e
i8 000 rs. o cien,' l,5oo rs. a garrafa in-' IJem suisso a melhos .ualidaJe que al bo- 2^00 rs. a libra garntala a quelidade
teira, c 800 rs. as m :as
rh uxim o melhor que se pode desejar c
que outro qualquer nao vende por menos
de 3,oi)0 a 2,7oo rs. a libra
dem parola especial qualidade a 2,6oo e
2.800 rs. a libra, garante-se a qualidade
d'este ch.'i
dem hysson o melbor que posivel en-
conlrar-se a 2.4oo c 2,6oo rs. a libra.
1 lem do Rio era latas de 2, 4, 6 c H libras
a l,2oo e I,ioo rs. a libra.
je lem viudo ao nssso mercado a Soo rs.
a libra.
d'este cha.
BJem hysson o meihor que possivel encon-
Sal refinado em poes de vidro a 5oo- rs. ca- ., trar:se=! -Am, + ^J rJ-a Hbr8i ,.u
j., um dem do H10 em latas de 2; 4, 6 e^-. libras
Serveja las melhores marsas a G.c^o rs. a!,.3 !--f;" e 4-*oc ''"
duzia, e 56o rs. a garra*. '.em P"to. muil0;1'0 ;1 M r/. a ..bra.
Sardinha de Usbin c Nanes em quarlos c,;Ul0Cf,la,:d?8 "^bores qualidades, iancez,
meia latas a 38o 58o rs. cada r.Bin.
1-1 ;n |.irelo mmt-< fino a l.fioo rs. a libra.
Chocolate das meiiiores qualidades, francez. Traques de I." qualidade a 8,3oo rs. a cai-
Sag mnilo novo e alvo a 2io rs. a libra.
Sevadiaha de Franca 18a rs. a libra.
Scvadaa loo rs. a libra, e 2,8oors. ,1 arroba.
hespaihol c suisso-a l,eoo, l-,2oo e l.ioo
rs. a libra.
Sfarrasqaiinho verrladeiro#c Zaraa 1,000 rs.
a garrafa, lo.oc rs. a eaixa eom 1 dn- QuelJs I dos melhoirs fabricantes|e de toda* as ma
: ehegados no ultimo vapor a 2*600 cadaam. eas cIe *:?S0O a 6^500 a duzia.
e e excellante maree a 800 rs. a l*.ra ^35 caixinhas a lSOO.
sendo inteiro &* 900 rs, a relamo. trroz
idem do- Porto para ponella a oo rs. a libra.
Passas oras-a 48o rs. libra.
Peixe em latas de differentes qoalidadej co- (JonseiTaS lglezaS
mo, savel, corvina, govas, pescadirAa e
outros a- 1,000 rs. a latas.
Pajitos para- den-es a 14>-e a 16e- rs. o mas-
so dos awtfieres.
Pamco o mais novo e lirapo a 1 o rs, a li-
a* mais novas que se pode esperar a 760 rsv
9 frasco.
Figos
em libras r* caixinhas- ricamente douradas
proprias para miraos a 900 e 15200.
Chl uxim
o melhor qi* se pode desejar, que outro
qualquer nao pode-vender por menos de
3;$ a 2*5606;
dem perola
especial qualidade a 2*700 rs. a l)ra.
dem suissoa- melbar qualtdade qos-ate- he- j(jem hv>vson
8" '- o mais aromtico que'tem vindo ao nosso
mercado a 2^600.
Massas amarcllas
bra, e a i,5oo rs. a arroba.
Pasitos do gaz a 2,loo rs. a gros% e2oo fs.
a duzia, e 20 rs~_ a caixwhai.
Queijos flamengo chegaos oeste ullinsj
vapor, a 3>ooo
dem grato muito fresco a 800 e 9oo rs. a
libra.
vnii'o a .oo r*.i
para sopa, macarro, talharim e aleiria a
480rs. alibra.
COCiVAC
o mui<) afamado cognac Pal Brandj a 1,8ou -
Charutos do acreditado fabricante Jos Fur-
tado de Simas, era caixas dassegnin-
tes marcas: Pnrizieiisas, Suspinos, ili-
cas, NapoleCes e Guiabaras a 2,3oo rs.,
hespanhol e suisso a l,ooo. l,2oo c .ioo: xa. e 22o rs. a carta. e em caixas- inteiras Trovadoras, a 3,oco
rs a ||,ra< -|Toucii!'i novo de Lisboa a Sio e 32o rs. a; rs. cada una.
Charutos do acreditado fabricante .!':' Fur- li,,r;, We cte outros muitos fabricantes e de dic-
tado de Simas em caixas das seguin- Tiiollo para limpar facas a 15o rs. casia um. ferentes marcas paga ,5oo ?s.. as metas
tes marcas Pariziences Suspiros, DiK-|vinhon pipa Porto, Lisboa c Figueira das | T^SSll *,6' %00 e ^^
cas, Napoleoese Guanabaras a %..00 rs.,; mp:n,... 4 marm a 3 ttnn rs a eanada e n l x mleiras.
e em caixas inteiras Trovadores a 3.000 ll5 "^ a J'80 ,S- a taMda- e Conservas mglezas a 800 rs. o frasco.
rs cada urna ,i ..T. ? .- 4 blem franceza a Seo rs.
m de ooU-os mullos fabricantes 3 de ,,,em do l,Hl\' Llfa e,1,gl,eira t ,nfrcas, Cognac mgle/. das melhores marcas a 1 000
iraue ouuos niuiius aon.aiiu o uc conhecidas a 4oo rs. a garrafa, e a(,1mf-1(>iI,nnftr5 ,d,,
differentes mares para l,5oo rs. as mei- a o .... n ,k rs- a garrata e 10,000 rs. a d-u/ia.
a libra.
IJem londriao a 9i.o rs.
Sai reflnad -.- i-m peles de
cada un.
Cesveja das-melhorss mareas a 6,000 rs. a
dtizia, eC'o rs, a garrafa.
Sardinha de Lisboa, e Nantes em quartos z
meias latas a 38o>e58o rs. cada urna.
Sag muito novo e alvo a 24o rs. a libra. des a 1,00o e 800 rs. a garrafa.
Sevadinba de Franca. 18o rs. a libra. COICOS
Sevada a loo rs. a libra, e 2,800 as. a ar- lapidados para agua a &,5oo e 5,eoo rs. a
roba. duzia, e a 440 e Eioois. cada un.
Traques d- I.' qualidade 3 9,5oo rs. a cci- ...
xa e 2$0 ps -i -arla 1 Ai'fcL
Toucinhcnovode-Lboa a 24o o 32o rs. aalra5: g'eye^peso e d& outras maitas qua-i
do Maranhao 9 100 rs. a libra, e d;y india
a 80 rs. a libra, e 26500 a 3->000 a ar-
roba desses que vendem por 35100.
CAF
de 1. e- 2.1 sorte-d'o Rio de Janeiro a 83f
e 8^800 a arroba, e 280 a 300 rs. a !;br
(arrafcs
com 4 ','j garrafascom vinagre-a 1^000a
o garrafao.
GENEBR'A DK LARA3JA
Terdadeira a 1,5000 o frasco, e-de H500C
a caixa.
DEM
?m frasqoeiras de-Hollanda 5/5800 com
12 frascos.
G1PEBRA
de Hollanda verdadeira em fiuqueira a 6uO
rs. cada urna.
PALITOS
os verdaderos palitos lio gaz a 2,2oo a .-roza
e 2o rs. cada caetinha.
IJCORES
rs. a garrafa e de outras muitas qualida- finos de todas as qualidades. a fo.oon a caixa
com urna duzia e a l.ooo a garrafa.
Marmelada
os melhores fabricantes de Lisboa, como se-
jam Abren e ostros muitos- a oo rs. a
libra.
i bra.
"Tijolo para- limpar facas a 13o rs,. cada um.
Vinbo en pipa Porto, Lisboa e Figueira das
melheres marcas a 3>8oo rs. a caada, e,
ioo ?s a garrafa.
h
as caixas de suspiros a 1,600, 2.000 e Me Clares ^p^^j vinho a 6oo ra#agar.
l.ooo
rs. a
3,oo rs. as caixas inteiras.
Conservas mglezas a 800 rs. o frasco
dem franceza a 5oo rs.
Cognac inglez das melhores marcas
rs. a garrafa e lo,ono rs. 3 duzia.
dem francez suporior qualidade 80c
garrafa e 9,ooo rs. a duzia.
Cominho e Erva-doce a 4oo rs. a libra.
Cravo da India a 600 rs. a libra.
Cmella a l.ooo rs. a libra.
Copos finos para agua a 3,000 rs. a duzia, e
Soo rs. cada um.
Caf do Rio superior a 28o e 32o r>. a li-
bra, e 8,800 e 9,5oo a arroba.
Hoce fino de goiaba a 600 rs. o caixao.
Lrvilhas portuguezas ltimamente c'iegadas
a 7oo rs. a lata,
dem seccas a 16-) rs. a libra.
dem j descascadas a 2oo rs. a libi ..
Farinha de aramia verdadeira a 32o rs. a
libra.
rafa.
dem Lavradio muito fresco no levando com-
posico a 56o rs. a garrafa, e 4,000 rs. a
caada,
dem branco de uva pura a 56o rs. a gar-
rafa, e 4.5oo rs. a caada,
dem mais baixo a 4oo rs. a garrafa, e 3,ooo
rs. a caada.
dem Bsrdeaux em caixas de 12 garrafas das
marcas mais acreditadas a 6,5oo e 7,ooo
rs. a caixa.
dem muito especial que raras vezes vem ao
nosso mercado a 1,2oo rs. a garrafa, ga-
rante-se que por este mesrao preco d pre-
juizo e s se encentra n'este armazem.
dem do Porto em caixas com 12 garrafas
das seguintes marcas Lagrimas do Douro,
Duque, do Porto, Genuino, Velho Particu-
lar, malvasio -fino, D. Pedro V, I). Luiz
I. Nctar e outros a 9,ooo e lo.ooo rs.
a caixa e 9oo a 1.000 rs. a garrafa.
Figos em caixinhas muito bem c-nfc.tadas a, Mom Musealei superior a l.ooors. a garra-
a l,ooo rs. cada urna. fa e \0>000 rs_ a ytt com 1 duzia.
dem em latas erradamente lacradas a|t
IJkM e 2,.j)o rs. cada urna, | 4n'0 r< da 6
dem em caixas de / arroba a 2,*o rs. ca-' J(]em m gj com 5 afas ,
da urna, e 2oo rs. a libra. rs cm\ r^
Graixa muito nova a loo rs. a lata e l,ooo|
rs. a duzia. Vassouras do Porto de arcos de ferro a 32o
{enebro de Hollanda era frasqueiras com 12
frascos por 6,000 rs. e 56o rs. o frasco, j
dem de laranjaa l,ooo rs. os frascos gran-
des e ll.ooo rs. a caixa com 12 frascos.
dem de Hollanda em botijas a 4oo rs. ca-
da urna.
Mera em garrafoes de 16 garrafas a 'i,8oo
rs. com a garrafao.
dem de escora para esfregar casa 36o rs.
cada urna.
Vellas de espermacete superiores a 060 rs.
a libra, e S2o rs. em caixa. .
Wem de carnauba retinada e de composteo a
aflore.a libra,ede 10,000a tl.ooo n a
arroba,
A Uenco.
Vende-se ama taberna na ra Dirella dos
AIogaAo, eom poneos fundo, propria para urn Vende-so a padaria n. 44. sita na i'rua Direita,
f ittcipmle, o tem muitos commodos para familia, frcRuezia do> Afogadus ; esle eslabcler.imcnto es-
. ende lano para o mato como para a trra : e 1,. traballiaiulo c tuni boa freguezia. tanto de p3o
f 1 ;bem vendem-se dnas carroras, nma para ven- como de bolacha : tjuem pretender, diriia-seao
.1 agua c outra de caixao, ludo em bwu estado mismo, que adiar com>(|iv>m tratar.
l-m construidas : (ju'-in ijni/.er comprar todos ------.--------------------------_______________
e;!"1; objectos, diiij.i-se ;i panana -.i mesma ; .i\ Venlc-sn um bum moteque de '. annos de
: 5, que i vista do comprador far-M-ha nfigsrio dade, haslanti-espurio : na fna Jo Imoervior n- *
|i?ij que poir ajn-tar com c comprador.
dem francez superior qualidade a 800 rs.
a garrafa e 9,ooo rs. a duzia.
Cominho e erva-doce a 4oo rs. a libra.
Cravo da India a 60a rs. a libra.
Canellaa 1,000 rs. a libra.
Copos finos para agua a 5,ooo rs. a duzia, e
Soo rs. cada um.
Caf do Rio superior a 280 e 320 rs. a libra,
e 8,800 e O,Soo a arroba.
Doce fino de goiaba a.Goors. o caixao.
Ervilhas porluguezas ltimamente chegadas
a 7oo rs. a lata,
dem ceceas a 16o rs. a libra,
dem j descascadas a 2oo rs. a libra.
Farinha de araruta verdadeira a 320 rs. a
libra.
Figos em caixinhas muito bem enfeitadas a
l,ooo rs. cada urna,
dem em I?las ermiticamente lacradas a
1 ,Soo e 2,5oo rs. cada ma.
dem em caixas de '/a arroba a 2,5oo rs.
cada urna, e 2oo rs. a libra.
Graixa muito nova a loo rs. a lata e i,00o:
idades de 2,2oo. ai^Sooa resma doine-l
Ihor.
Papel de botica
lente-qualidatte a 2200
Pregunto
1'- C'\CI'
resma,
i o verdadeiro prezanto de Lamago a 52o rs.
a libra.
ARROZ
; 1,
dem do Porto Lisboa ft Figueira de marcas! azule pardo para erabrulho de L4ooa2,2oei
menos conhteidas a 4oo rs. a garrafe, e a cesma.
2,8oo rs. a caada. Coviutll^lS
dem Colares especial vinho a 600 rs. a <'ar-L,,., -- .. i '"
rar., ^ ivicsas connthias mtato novas proprias para
IdemLavradao. muito fresco nao levaodo com- j podira a 8o r^f ,lbra-
coraposicJo a, 5to rs. a garrala, e 4,0001 r U111C
Maranhiio, Java e India, a loo- rs. a libra e
de 2,000, a 3,2oo rs. a arroba.
VELAS
de espermacete de diversas marcas a .Mo rs.
a lihra e em eaixa ter aUatimenlo.
VELAS
de carnauba en caixas de arroba a 9,'.too e
caixa e 34o fs. a libra.
Hlalas nova
rs. a caada. o verdadeiro fumo americ \n. em chapa a em caixas de 2 arrobas a 5 a caixa c 80 rs.
dem branco de uva pura a 36o rs. a garra- l,4oo rs. alibra a libra.
fa,e 4,3oo rs. a cenad, Yin'!0'!1!* Passas muito aovas
dem mais baixo a 4oo rs. a garrafa, a 3,ow>; "^J v. ... em quartos o inteiros a i$ o quai-to e- 85500
rs. a caada. PRR em ancoretas de 9 caadas a la,ooo- rs. a caxa &400 rs a ,^ 9>iW
dem Bordeaux em caixas de 12 garrafas das oada um*' Cliocofaite
marcas mais acreditadas a 6,000 e 7,ooo: ebollaS portagoea o mais especial que se pd* de-
rs. a caixa. as raais novas do ,]iei.c,lj0, a 7ooo rs a caixa sejar a 800 rs. a libra e 140 rs. o pao.
dem mudo especial que raras vezes vem ao e l,ooo rs. o molho. Frats **m calda
nosso mercado a i.2oo rs a garrafa, ga- Almota a PaiiPA chegadas ltimamente p,-ra, pecego, gima e
rante-se que pur este mesrao proco d; -tlipiMtl t? rdi 11LV outros muitos a GiOrs. alafa,
prejuizo e so se encontia n'este arma-1 o mais novo do mercado a 140 rs. a libra, btu da easi da goiaba
zem. e 44400 a arroba. a 600 e !$ o caix.
dem do Porto em caixas com 12 garrafas; Os proprielarios do grande armazem o Verdadeiro Principal laclaran aos *eus
' s seguintes marcas Lagrimas do Dou-; freguezes e amigos o ao publico em geral, que para facilitar a commodidade de lodos e-
. Duque do Porto, Genuino, Velho Par-'. tipularam os mesmos precos nos seguintes lugares:
das
ro.
ticular, Malvasio lino, D. Pedro V, D.
Luiz I, Nctar e outros a 9,ooo e lo,ooo;
rs. a caixae 9oo e l,ooo rs. a garrafa.
IdemMuscatel superior a 1,000 rs. a garra-i
fa, e lo.ooo a caixa com 1 duzia.
Vinagre puro de Lisboa a 2oo a garrafa e'
2,4oo rs. a caada.
Idemem garrafoes com 5 garrafas a l.ooo-
rs. com o garrafao.
32o
l'niao e Commerao ra du Queimaiia o. 7
O Verdadeiro Principal ma do Imperador n, 40
MOVIMENT
rs. a duzia. Vassouras do Porto de arcos de ferro a
Genebra de Hollanda em frasqueiras com 12 rs. cada urna,
frascos por 6,000 rs. e 560 rs. o frasco ; dem Ae escora para esfregar casa a 36o rs.! BAIRRO DO RECIFE. FtlA Ti A T A TIFIA 1M RA
dem de laranja a l.ooo rs. os frascos gran- cada urna. ** ^' elu-
des e H.ooe rs. a caixa com 12 frascos, i Velas de espermacete superiores a 56o rs.
dem de Hollanda em botijas a 4oo rs. cada; a libra, e 52o em caixa.
urna. i dem de carnauba refinada e de cnmpocao !
dem em garraloes de 16 garrafas a 4,800 a 36o rs. a libra, e de 4o,ooo a 11,00o rs.
rs. com o garrafao. a arroba.
GAZ GAZ GAZ
Algedo 4a Babia
O mais novo e o melhor
A HIA% 12M Um VIOJLHA|>ft
Esquina defronte da ra da Madre de Dos
Vende-se gaz da melhor qualid de a im'SSSBfSSSRJ S8SSS
a lata e em lfites qe 10 latas pa/a cima, se C, no sea eanwpterio na d* Cruz n. 1.
fer abatimento. no armazem da ra do fa>- j At perador n. 16 e ra do Trapiche Novo n. 8. | um grande tamuv de bico f
ATT
ft^if5t\aW,su^f^*M,*oNwlto defrontedo beeco Urto, bem
Fio de alyodao da Italiia em saceos de 100
libras.
Tem para vender Amonio Luiz de Oiiveira Aze-
vedo A: C, no seu escriptorio na da Cruz n. 1.
renda oren de S2fi^ praCa'arab? do tra,,sferir seu sUteledmento ,-ar. a rasa .ma
SLP2!' t' ? "2 bene s '* e freguezes, bem con>o u resueiUvel milH Wn eral eotoi
indicada, onde
, novo modelo chamado (guip) o melhor'quo g| 1 ZZ.~ZZmZ rag^.gg?SgrVga.% reapeitevel po^y^ o mais
pode desejar ueste artigo e que se vende muito ba-' ScSnelto 8trl'roeu, d olhido, a par do aceio. eiegaam e bom reg.men do esla-
rato : na loja do gallo vigilante ra do Crespo
n. 7.
VemlifcM queijrts do coa I ha do Sf
T
a 560 rs. a libra, ditos do reino
Grvalas ae seda a aio:no ",,imo *wa **: na rna das Crim,>n -2i-;
e?nwna da traversa do Ouvidor.
O anntinciante, tendo fcilo uma complet reforma no locanle a casa e gneros, possuindo bons
------ corn-sponoentes na Europa para remessas de conta propria, acna-se-canvencidg que merecer a pre-
ndo minio teccSo de lodosos amigos do bom e barato, a nual desde i reclama, asseverando-lhes que jamis def-
ino vindos merecer a contianra com nue se diimarom Ha n h^r,r
65. pr'meiro andar.
res.
Preta? p de cores para lmmam
ido Madre de Dos 11. 20.
ns
loja 4 r"
onfianra com que se dignaren) de o-'honrar.'
fcm resumo, visite o respeitavel publico o novo o superior armazem Movimento, compre-lbc aJ-
| gnn.* gneros, e entao tirar convencido da jwalidade do presente aviso, verificando por ruesmo que
nenhuin outro estabeleckiiento o serve melhor que este, seja em commodidade de precos, agrado e
delicadeza, qa legalidadede pesse medidas.
Fi nal mente, todas e quaesquer arantws que estbelecimer.to '"dcn'i'os :wra offerecido aos
tan -se todo^ os ferros e otencilfe ir "utive. concorr -rrtes.. seo maniidas neste em grao nulior.
Ferros para ourivea.
Na ra larga do Rosario n. 24, loja de joias, ven-



ILEGVEL


Diarlo 4e PiruahiM Sexta tele* 4 de Agosto Je lt4.
AO PUBLICO
Sem o menor constran-
imento se entregar o
importe do genero que
nao agradar.
ARMAZEM
ATTENCO
Os preco da seguale
tabella para todos, po-
dendo assim servir de ba-
se para o ajuste de contas
com os portadores.

RIJA DA CAWEIA DO RECIFE W. 53.
(Logo passando o arco da Coneeieiio)
ttrande rednceSo de precos, equivalente a ez por cento menos o que outro qualqner
aannnciaate.
Collegas.Nao posso por mais lempo sustentar o prego da manteiga ingleza a l.ooors. a libra, bem assim o de outros
amitos objectos, etc., dando com isto ocasio a todas as espeluncas acabarem porbom prego a manteiga de tempero, e gritarem em
alta voz, que podem vender pelo prego que en vendo!! 1 Ora, cu offendido cora estas obscuridades e receioso em adoptar o mesmo
-ysthema que vim encontrar, de so se vender com nm por cento a carola, resolv fazer esta grande reduccao de precos, como veris
pela seguinte tabella, pois como sabis ca pelo meu bairro, at a abertura do momoravel armazem de molliados Uniao Mercantil nao
s sabia de outro prego de manteiga ingleza a nao ser o de 4,loo a l,6oo rs. a libra. Hoje porem, resentidos da reduccao a que
estn obrigados, encarando todos os dias de seus freguezes rcclamaco de pregos, e qualidades, vingam-se de um e outro portadores
mal informado deste novo estabelecimento. para Ibe vender goneros nao proprios de um estabelecimento desta ordem que o sen fim
t, tao smente obter a concorrencia de seus freguezes.
Para bem de todos.
Senhores e Senboras o aceio que presidio, aos airamos deste novo estabelecimento, e mais que ludo apromptido e entei-
ren com que serio tratados, convida a urna vizita ao mesmo, certos de que sem duvida me daro a proteccao e preferencia na compra
dos gneros que precisarem, e croando nao poram vir podero mandar seus portadores, anda que estes sejam pouco praticos, pois
sero tao bem servidos como se viessem pessoalmente, havendo para com estes toda reeommendaeo, afim de que nao vio em outra parte.
Manteiga ingleza (safra nova) especialmente
escolhida a 800 rs. a libra, em barril se
faz abatimento.
dem franceza a mais nova que tem vindo ao
mercado a 56o rs. a libra, c em barril ou
meios a 000 rs.
Cha hysson de superior quadade a 2,Goo rs.
a libra.
dem perola o mais superior do mercado a
2,800 rs.
dem liuxim o melhor que se pode desejar
nrsle genero 2,6oo rs.
dem preto homeopathico por ser de superior
qualidade a 2,ooo rs. a libra.
dem liysson, huxim e perola mais proprio
para negocio o l,6oo, l,8oo e 2,000 rs. a
libra, garante-se ser muito regular, igual
ao i|uese vende em outra parte por 2,4oo
e2,(ioo rs.
Linguicas, chourigas e paios em latas de 8
libias, emticamente lacradas a S.ioo rs.
garante-se serem superiores aos que vem
em barris.
Chourigas e paios em barris de meia e urna
arroba a 8,000 rs. e l.uoo e 600 rs. a libra.
Queijos flamengos muito frescos cliegados
neste ultimo vapor a .2oo rs. e do vapor
passadn a l.Goo e l,8oo rs.
dem londrinos os mais superiores que tem
viudo ao mercado a 800 rs. a libra eritei-
ro se faz abatimento. .
dem pialo muito fresco a 800 rs. a libra,
dem (lo Alentejo o que se po-le desejar de
fresco e superior a 800 rs. a libra, a elles
antes que se acabem.
Ervilhas e favas porluguezas em latas ja pre-
paradas a lo rs.
Nfarraefada imperial dos mais acreditados fa-
bricantes de Lisboa a 600 rs. a libra.
Prezunto do reino vindos do casa particular
a .">(>o rs. a libra, t a 5oo rs. inteiro.
dem inglezas para fiambre chegado neste
vapor Tai 1 rs. a libra.
Copos lapidados para a gua a 5,ooo e 5,5oo a
duzia,
Choculate francez, suisso e hespanol a 9oo
1 ,oo e l,2oo rs. a libra.
rs. c em barricas de 4 duzias se faz abati-
mento.
Caf do Ro a 26o e 28o rs. a libra, e 7.800
e 8,5oo rs. a arroba.
dem lavado de primeira quadade a 3oo rs.
a libra, e 9,ooo rs. a arroba.
dem do Cear de superior qualidade a 24o
e 28o rs. a libra, e 7,8oo a 8,000 rs. a
arroba.
Arroz do Maranhao a loo rs. a libra, e 3,ooo
rs. a arroba.
dem da India muito alto egraudo a loo rs. a
libra, e 3,ooo rs. a arroba.
dem de Java a 80 rs. a libra, e 2,2oo rs.
a arroba.
Paingo e alpisla a 14o rs. a libra, e 4,300
rs. a arroba.
Massa de tomate em latas de 1 e 2 libras a
600 rs. e do barril muito superior a 5oo
rs. a libra.
Aletria, macarro e talharim a loo rs. a li-
bra, e 9,ooo rs. a caixa.
dem e lalherim branco a 32o rs. a libra,
estas massas tornam-se recomendaveis as
pessoas doentes por serem propnamente
l'eitas para esse fim.
Estearinas a 56o rs. a libra, e em caixa com
25 libras a 52o rs.
Vinho do Porto muito fino escolente qua-
dade proprio para engarrafar em ancore-
tas com 9 canallas por 4S,ooo rs.
Antonio de Lisboa em latas com 6 libras
por 2,oo; ditas doce em latas com o mes-
mo peso a 2,5oo; ditas imperiaes em latas
de 3 libras por l,5oo rs.
Ameixas francezas em latas de 1 e meia libra
por 1,2oo; ditas em caixinhas de deversos
tamanos com bonitas estampas na caixa
exteriora I,2oo, !,5oo, e4,8oors.
Azeite doce refinado Penanol ou do Kempes
de Lisboa' a 85o rs. a garrafa e 9,5oo a
caixa com nma duzia.
Batatas muito novas a 5o rs. a libra e 2,ooo a
caixa com 2 arrobas.
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e
8,5oo a duzia.
Vassouras de escova para esfregar casa a 32o
Nozes muito novas a 16o rs. a libra.
Molho inglez em garrafa de vidro com
rolba do mesmo a 5oo rs.
Mostarda ingleza dos melbores fabricantes a
800 rs. o frasco.
Mostarda franceza em potes ja preparada
a 4oo rs.
Lentilhas excellente legume para sopa a 2oo
rs. a libra.
Marrasquino o verdadeiro de Zara em garrafas
grandes a l.ooors. e 11,000 a duzia.
Palitos para denles a !4oe 16ors. o mago.
Sal refinado em frascode vidro com rolha do
mesmo a 5oo rs.
Vinho de pipa Porto, Figueira, e Lisboa a32o, >Cerveja branca e preta das marcas mais a
4oo e5bo rs. a garrafa, em ranada a 2,5oo, j creditadas que vem ao mercado a 5,ooo e
3,ooo o 3,8oo rs. } 5,500 a duzia e 48o rs. a garrafa-.
Vinho branco de Lisboa de excellente quali- sag muito novo e alvo a 24o rs. a libra,
dado a ioo e 5oo rs.a garrafa, em caada Sevadinha de Franca muito nova a2oors.
a 3.000 e 3,5oo rs.
Vinho branco para missa em caixa de l duzia
a 8,000 e a 08o rs. a garrafa.
Vinho do Porto das memores marcas, que
vem ao mercado como sejam Lagrimas do
Douro, Duque do Porto, DuqueCenuino,
I). Luiz L, Madeira secca, Malvazlo fino,
Fetoria em caixa de I duzia de 9,ooo a
lo.ooo rs. e a 9oo e l,ooo a garrafa.
Vinho Colares o mais superior que tem
viudo ao mercado a 64o rs. a garrafa.
Espermaccteem caixinhas contendo O libias SardinhasdeNantesem quartose meiaslatas
por 4,ooo rs.. garante-se serem transpa- a 36o e 5(io rs. cada una.
rente e de superior qualidade, tambem tem Sardinhas portuguezas em latas grandes
de 12 por libra propria para carro. preparadas pelo melhor conserveiro de Lis-
Peixe em posta sovel, corvina, gors. pesca- boa a 04o rs.
da, salmto, ostras echernee, vezugo em Bolachinhas inglezas as mais novas do mor-
alas grandes a 800 e l.ooo rs. cada urna. I cado a 2,8oo rs. a barrica, e 24o rs. a
Vinho Bordeaos das marcas mais acredita- libra.
das qae tem vindo ao nosso mercado a Bolachinlia de soda em latas com diversas
6,000, 7,000 e 8,000 rs. a caixa,garante-1 qualidades a l,3oo rs.
se ser de qualidade superior, que outro Bolo francez em caixinhas muito proprias
qualquer nao pode vender por este prego. | para mimo a 64o rs.
Genebra de Hollanda a 50o rs. o frasco, e'Passas muito novas de carnada a loo rs. a
:;.7oo rs. a frasqueira. libra e 6,000 rs. a caixa com 28 libras.
dem de laranja verdadeira de Altnrja em Figos de comadre a 2> rs. a libra e
frascos grandes a l.ooors. o frasco, c> 1,800 rs.a caixa com 8 libras.
H,ooors. a duzia. Amendoas de casca mole a 32o rs. a libra.
dem de Hollanda em botijas grandes a 4oo 1 Bolachinhasd'agua em sal da fabrica do Beato
SgggSSPi
Ruarte ameida?
^^^^^^^^^^^^^^-^^^^^^^^
Acaba de receber de sua propria encommenda um grande e variado sortimento
de molhados todos primorosamente escolhidos, por isso apressa-se o proprietario em
offerecer aos seus freguezes e ao publico em geral a seguinte tabella dos seos gneros e
resumidos pregos, afianzando todo e qualquer genero vendido neste bem conhecido ar- PaplsTde agulba com um pequeo toque a 10 rs.
! RIVAL SEIH SEGUNDO
, Rna do Queimadons.J.9 c 35, loja de miudezas
; de Jos de Azcvedo Mata e Silva, est continuando
I no seu progresso de vender baratsimo :
. Capachos grandes e superiores a SSOOrs. cada um
Caixas de superiores obreias de cola e maa .
40 rs.
Cordao branco para vestido e espanilho, vara ->i;
rls.
Lichas de carretel (130 jardas) de superior quali-
dade a CO rs.
CartOes de linda Pedro V (200 jardas) f muito
condecida a 10 rs.
i Crozas de pennas de ac de muitas qualidades e
superiores a 500 rs.
Caivetes de duas folhas porm linos a oOO rs.
Caixas com catangas muito bonitas para rap a
^ 100 rs.
I Franja branca e de cores para toallas a 160.
, Pares de botoes para punlio muito bonitoa ;i i-.;.
Caixas com soldados de chumbo muito buinlus
\ 120 rs.
Tinteiros de vidro com superior tinta a 160.
Hilos de barro com superior tinta a 1U0 rs.
Croza de botoes de louea pratiados, o melhor, 1
160 rs.
Tesouras para costura, o mais superior, a 400 rs.
Ditas para unlias muito finas a 400 rs.
Escovas para limpar dentes muito superiores &
200 rs.
Libras de laa de todas as cores (pesada) a 75.
Caixas de phosphoros de seguranza a 160.
Ditas de papel amizade pautado e liso a tOt rs.
Ditas com 100 anvelopes muito superiores a 800
ris.
Cadernos de papel branco e de cores, pequeo, a
20 ris.
Cartas e tabeadas para meninos a 80 rs.
Caixas com superiores seas de acender charatas
a 40 rs.
Carreteis de linha Alexandre (200 jardas) de cores
a 60 rs.
Baralhos para voltrete muito linos a 240.
Carlas de allinetes francezes muito linos a 40 rs.
Meadas de linha fioxa para bordar a 20 rs.
Pares de sapatos de tranca muito superiores ;.
15600.
Groza de
Licores francezes e.portuguezes das seguin-1 5tiP w"
tes marcas creme de violetas, girofls, ro-; I'aq8 C
mazem.
Amendoas confeitadas de 800 rs. a libra.
Manteiga ingleza perfeitamente flor, a 800 rs,
libra,
dem franceza a 5Co rs. a libra, e ioo rs.
sendo em barril.
Cb uxim a 2,7oo rs. a libra, e de 8 libras
para cima a 2,6oo.
dem perola a 2,800 rs. e de 8 libras para
cima a 2,7oo,
dem hysson o mais superior que se pode
desejar a 2,600 e de 8 libras para cima
af,5oo rs.
dem menos superior a 2,4oo ede 8 libras
para cima a 2,3oo rs.
dem proprio para negocio a 2,3oo, de 8 li-
bras para cima a 2,2oo.
dem do Rio em latas de 2, 4,6 e 8 libras
cada urna a 2, 3, 3,5oo e 4,8oo rs. a lata,
dem preto o melhor que se pode desejar
neste genero a 2,8oo rs.
dem menos superior a esse que se vende
por, 2 e 2,4oo, a 4,8oo rs. a libra,
dem mais baixo bom para negocio a l5oo' Presunto para fiambre inglezes a 7oo e 800
rs. a libra. rs. a libra.
dem miudinho proprio para oegocio a l,5oo Chouricas e paios nmito novos a 64o a libra.
rs. a libra. I Caixas de traque n. 1 a 8&300 cada urna.
Queijos do reino chegados neste ultimo va-1 Massas para sopa macarro, talharim aletria
por a 2,6oo. a 4oo rs. a libra.
Queijos chegados no ultimo vapor a 2,Goo rs Cognac verdadeiro inglez a 8,5oo rs. a caixa:
Ideni londrino o mais fresco que se pode! e 800 rs. a garrafa.
esperar e de excellente marca a 800 rs. a dem francez a 7,ooo rs. a duzia e 7oo rs. a
libra sendo inteiro, e a 9oo rs. a retalho. garrafa,
dem prato hs melbores emais frescos do charutos em grande quantidade c de todos os
bolues de madreperola muito linos
xas de clchete* rancezes soperiore*
sa, absinto vespeiro, amor perfeito, amen- Eooeis para meninos muito finos a 15300 e 25.
dua amarga, percicot. de Turin, Botefim, Macos de grampos superiores e limpos a 4o rs.
morangos, iimo, caf, laranja, cidra, cin- r,roza de phosphoros do gaz muito novos a 2200
a canella cravn nrlel nimprtla a A nao All'ia l)rela mu." saPcnr a 10 rs-
ja, caneita, travo, oriea pimema a 1,000 Caixas de rap com espelho a 100 rs
rs. a duzia l,ooo rs. a garrafa, garaate-se Realejos para entreter meninos a 80 rs.
que os melhores que temos tido no mer- Pecas de lita de linho muito boas a 40 rs.
(ado ] Pontos de lago muito bonitos a 15.
Passis mnilo novas pm uuartos inteiros a Enfeites de la? de todas as corcs a ,^30-
passas minio novas em quarios e inieiros a Rodas CQm allinetes franCezesa 20 rs.
2,000 rs. o quarto, a 0,000 a caixa e 4oo caixas com quatro papis de agulhas imperiaes a
rs. a libra. 240 rs.
dem corinthias proprias para podim a 9oo. jabonetes de familia a 80, ico e 320.
tihra Caivetes de duas folhas muito tinos a .120.
rs. a llora. .... : Pares de sapalos de laa para meninos a 400 rs.
Marmeladas dos mais afamados fabricantes de Sapalos de tranca para senhora e para hornero, os
Lisboa a 64o rs. a libra. melhores que lera viudo, e por prego muito barato:
Ervilhas secas muito novas a 16o rs. a libra, guem quizer yr, venha i roa do Queimado ns
Grao de bico muito novo a 16o rs. a libra. w e 5o- e vera tndo como bom e barato.
Ervilhas francezas em latas a 600 rs.
Potes com sal refinado a 48o rs.
Fumo de chapa americano a i,ioo rs. a libra
fazenda especial.
l'm Deseobrimcnlo Espantoso!
O Mundo Srimtififo imauimaurntr o apprcva.
Charutosde lodos os fabricantes da Bahiae das
mais acreditadas marcas conhecidas no
nosso mercado a 2,ooo, 2,5(>o, 3,ooo,
3,oo e 3,8oo a caixa de loo charutos.
Cognac ingle/, das raelboros marcas a
l.oeo rs. a garrafa.
Doce da casca da gojaba em latas de 4 li-i
bras por 2,000; dito em caixoes a 600 rs.
cada um.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Velas de carnauba de 6 e 12 por libra a
32o rs. a libra e lo,ooo rs. a arroba.
Azeite doce de Lisboa a Gio rs. a garrafa
e 4,8oo a caada.
Banha de pono refinada a ioo rs. a libra
e 36o rs. em barril.
Capil de diversas frutas muito frescas a
64o rs. a garrafa.
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a graza.
Toucinho de Lisboa muito alto e alvo a
32o rs. a libra e 8,5oo a arroba.
Ameixas francezas em latas de 3 libras por
2,ooo. rs.
Cebollas solas a l.ioo o rento ; ditas em
molhos com cento e tantas por 1,2oo rs.
Malte excellente cha para os navegantes a
a 2oo rs. libras.
kriiMOL
Si
Salitre refinado, superior qualidade, vinho lor-
deaux, dilliienies qualidades, mais barato que em
qualquer parte : no armazcm de E. A. Burle &
C, 1 ua da Cruz n. 48.
0 0 Q - H-3 P 0 > QQ p Ci p* 5
tt jn- 73 O r**_
0 0 es no e- <-2 B Sc
M CJ es CE> p-
i r' ct> i-i < pe
r-* <* & CL, i CO T3
P 0 ( 0 g 0 &3 P- O
05 00 Ja un 0 P- O
-b r-K
V p> D
POR 1GEN0S DE 20 A 30 POR CENTO
VATIVO
28Largo do Terco23.
mercado a 76o rs. a libra sendo inteiro.
Biscditos era latas de 2 libras das seguintes
marcas : Osborne, Craknel, Mixed, Victo-
ria, Pec-nic, Fance, Machineeoutras mui-
tas a l,3oo e l.ioo rs.
Polvos chegados ltimamente do Porto a 32o
rs. a libra.
Batatas novas em caixas de 2 arrobas a 5$ a
caixa e Oo rs. a libra*
Balacbinha de Craknel era latas de 5 libras
bruto a 4,ooo rs.
dem inglezas em barricas a mais nova do
mercado a 2,5oo rs, a barrica e 24o rs. a
libra.
Chocolate portuguez o mais especial (pie se
pode desejar a 8oo rs. a libra e 14o rs. o
pao.
Cartes com bolas francezas proprios para
mimos ou para anjos que vio as procis-
ses a (oo rs. cada um.
Papel de botica de excellente qnalidade a
22oo rs. a resma.
Peras seccas as mais novas do mercado a ioo
rs. a libra.
Figos de comadre em litas de 4 e 8 libras
lacradas hermticamente a l,4oo e 2,2oo
rs. a lata.
Frutas em calda chegadas ltimamente, pera,
pecego, ginja e outros muitos a 64o rs. a
lata,
dem em caixinhas de 8 libras a l,8oo, e
24o rs. a libra.
iSozes muito novas a 120 rs. a libra, e 4,ooo
rs. a arroba.
Amendoas confeitadas a 8oo rs. a libra.
Vinhos engarrafados no Porto e Lisboa das
fabricantes mais a creditados a l,5oo,
2,ooo, 2.5oo, 3,ooo e 4,ooo rs. a eaixa,,
os mais baixos sao dos que por ahi se ven
dema 2,ooo e 2,Soo rs.
Caf de premeira qualidade a 8.800 e fJ.ooo
rs. a arroba.
dem de segunda qualidade a 8,5oo rs. a ar- j
roba e 26o rs. a iibra.
Arroz do Maranhao a 12ors. a libra, 3,ooo rs.
a arroba.
dem da India muito superior a 2,9oo rs. a
arroba, e loo rs. a libra.
dem mais baixo redondo a 2,6oo rs. a libra.
dem da India comprido a 2,4oo rs. a arro-
ba, e 80 rs. a libra.
Vellas de carnauba do Aracaty a 9,ooo rs. ar-
roba, e 32o rs. a libra.
dem de sebo muito dura fingindo esparmace-
te 36o rs. a libra.
dem de esparmacete a 54o rs. a libra, e em
caixa a 52e rs.
Papel o melhor que se pode desejar para os
Srs. empregados pblicos a 5,ooo rs. a res-
ma, ja se venden por 7.000 rs.
dem almaco pautadoe liso a 3,ooors. a resma.
dem de peso pautada e liso a2,5oors. a
resma.
dem a zul de botica ou fugueteiroa 2,2oo rs.
a resma,
dem embrulho de 1,2oo a 1,4oo rs. a resma. |
Ameixas francezas em latas de 1 i/t libra a
l,2oo e8oors. a libra.
dem em frascos de 3libras a 2,5oo rs., s o
frasco valle 1,000 rs. tambem temos em
frascos para 1,4oo rs.
Conservas inglezas a 800 rs. o frasco.
A Cfiiposicao AiMftihuita
SVioral de keuiji.
Por cspr.co de nmito tempo se ha tiz lo >
tensamente en Tamuico para a cura TSICA
PULMONAR,
CATERHO, ASTHMA,
BRONCITE, TOSSE
seguintes marcas: duque, genuino, velho
secco especial, lagrimas doces, vinho es-.
d! Pedro V, nctar suDerior de Mostarda preparada em potes muito nova a
Joaquim Simio dos Santos, dono de.-!- armasen) de molhados, tem feito nma grande vait'- cern
quem seu armazcm tem frequentado, liqui I iu todos os seus gneros mais amigos que tinha 1 > s
neste armazem como fura, e tendo feito urna grande reforma neste estabelecimento tanto em tamaito
como cm gneros que mandou vir por sua prop ia encommenda a maior parte, que os pode vender por
menos de que qualquer annunciante, para isso se n>, onsabilisa pela superior qualidade.
tteneao.
.
Batatas as mais novas a"l$400 a arroba e 'O rs. a, Queijos do vapor a 2#800.
libra. Vinho de Figueira, marca JAA, a 300 rs. a gar-!
Toucinho de Lisboa novo a 280 rs. a libra e 8$00' rafa.
a arroba. I I^tto de Lisboa a 400 rs.
Caf do Rio de primeira e segunda sorte a 280 e, Dito de outros paizes a 360 rs.
300 rs. a libra e 85300 a arroba.
i Dito para negocio a 320 rs. a garrafa e em caada
Fumo imperial
Cortado igual ao francez muito proprio para ca-
chimbo, em latas de 1 libra, quando nao seja me-1
Ihor igual ao americano por 15200 rs., para veri-
ficar a verdade os Srs. fumantes podem-se dirigir
fabrica vapor de cigarros antiga ra dos Quar-,
teis de Polica n. 21.
&wmmm mmmMmmmm
Fabrica Conc^iQao da. I
Bahia.
Andrade Reg, receben constante-
mente e tem venda no seu armazem n.
34 da ra do Imperador, algodo d'aqnel-
la fabrica, proprio para saceos de assu-
car, embalar a igodio em ploma etc., etc.,
pelo preco mais razoavel.
se faz abatimento.
Genebra de Hollanda cm frasqueiras a 65000 e 300
rs. o frasco,
dem em botijas de conta a 400 rs.
Azeite doce de Lisboa fino a 600 rs. a garrafa.
Dito de carrapato a 320 rs. a garrafa.
a libra, e 540 em
Arroz pilado a 80 e 100 rs. a libra e 25500 e 25300
a arroba.
Sardinba de Nantes novas a 320 rs. cada urna.
Sabao massa supertor a 180 e 220 rs. a libra.
Passas as mais novas deste genero a 400 rs. a libra
Ameixas franceza* com 1 e meia libras a !5-
Belachinhas inglezas novas a 240 rs. a libra.
Charutos de diversas marcas e superior qualidade Manteiga franceza a 560 rs.
de 15200, 15300, 25, 35 e 45. barril.
Phosphoros do gaz groza 25200. Dita ingleza flor a 720, 800 eOOO rs. a libra, e em
Velas de esperraacete de 5 e 6 por libra a 540 rs. a barril ha abatimento.
libra, e em caixa a 320. Massa de tomate em latas de libra a 600 rs. cada I
Velas de carnauba a 115 a arroba e JbO a libra. uma
Sevadinha e sag muito novo a 240, 260 rs. a 1-, Conservas inglezas, francezas e portuguezas a 6401
bra. Garntese a superior qualidade. I o fraseo.
Alm desles gneros ha outros muitos que enfadonho seria menciona-los. Qnem duvidar ve-
er nhav.
________________________* ___________________ I
Carne do serto a 320 rs. a libra
s no armazem da Estrella largo do Paraizo nu-
mero 14.
Ra da Se zalla Nova 11. 42.
Neste estabelecimento vendem-se: tachas de
ferro coado libra a 110 rs., idem de Lov
Moor libra a 120 rs.
Trina, volantes e aloes.
Vende-se trina, volantes el galSes de todas ae
larguras por precos muito barato: s no vigilants
roa do Crespo n. 7.
Bichas hamburguezas.
Vendem-se bichas de primeira qualidade : na
ra Nova n. 61, defronte da Illma. cmara muni-
cipal.
Plano e guarda-roupa.
Vende-se um piano de Bloadel & Vigoes, e um
guarda-roupa de armar e desarmar, quasi novos,
. e por preco muito commodo: na ra Augusta nu-
1 mero 54.
pecial D. Pedro V, nctar superior
1833, duque do Porto de 1834, vinho do
Porto, velho superior, madeira secca, Por-
to superior D. Luiz I, e outras muitas
marcas, em caixa de uma duzia a 10,000 e
l,ooo rs. a garrafa.
dem branco de uva pura a 64o rs. a garra-
fa e 4,ooo a caada.
dem superior a 5oo rs. a garrafa e 3,2oors.
a caada.
dem em pipa Porto, Lisboa e Figueira das
marcas mais acreditadas a 3,8oo a caada
e 5oo rs, a garrafa.
dem de marcas pouco conhecidas a 4oo rs.
a garrafa e 3,ooo rs. a caada.
Especial vinho Lavradio sem a mais pequea
composico a 560 a garrafa e 4,ooo rs. a
caada.
Farinha do Maranhao a 240 rs. a libra.
Ricas caixas com figos a l,ooo rs. cada uma.
Ricos vros com figos 1,00o rs.
Pomada a 200 rs. a duzia, sevada muito no-
va a 80 rs. a libra, e 2,Soo a arroba.
Garrafes com & '/garrafas de vinho supe-
rior a 2,5oo rs. com o garrafao.
dem com 4 4/j ditas de venagre a 1,000 rs. o
garrafao.
Vinagre PRR em ancoretas de 9 caadas a
15,ooo rs. com a ancoreta
dem em pipa puro sem o batismo a 2oo rs.
a garrafa e l,4oo rs. a caada.
Caixas com 1 duzia da garrafas de vinho Bor-
deaux fazenda muito especial a 6,800 rs.
2oo rs.
CONVULSA
CRPO O GABBOmHO, 3
Inflammc5es da Garganta e Jo Pe:,o,
. isto com u'n re*nltailo tao feliz e verdad' i-
laiiientu asombroso o pao 011 madeira !' .
arvorc ;': que chamao Anacaiii ita, e qiii 1
su cncontra no Mxico.
A Composico Anacahuita Peito-
al de Eemp < um JUaropedelicioso, nm
ramuiitc differente na sua composioo '.<
> 1 Dais l'citoracs c ExpeeturauU-s 11..1-
nufacturados de frnctos astringentes, cast .5
e raizes, &c., > incsmo nao conten ncuhum
Acidi) Pmxsko 011 outros quaesquer ngre
dientes venenosos.
Todas as molestias c affecyles (ln 'v.r'ra! '>
o dos pnhnocs clcsapparecem como por nm
mgico encanto, mediante a acc.ao dote :;i
r. niparavel c irrcsistivcl remedio.
venda as boticas de Caors & Barboza,
ra da Cruz, e Joao da C. Bravo C, ra
da Madre de Dos. _______ -________
Farinha de millio a 100 rs. a libra.
A mais lina e nova do mercado : vende-se na
Latas com 2 a 4 libras de caj seeco o mais padaria de A, F. da Silva Beiris, ra dos Pires nu-
bem afranjado possivel a l,8oo e 2,800 mero 42.
ira a 6,800 rs. a
rs. a lata.
Cerveja Tenente ven
duzia.
dem de outras marcas preta e branca a 5,5oo
e 6,000 rs. a duzia inteiras.
Vassouras de piassava com 2 arcos de ferro
vindas do Porto a 32o rs.
Cebollas muito novas a 1,000
800 rs. o cento.
ac j ii^t:****
escetos fgidos.
Genebra de Hollonda em frasqueiras
e 56o rs. o frasco,
dem em botijas a 4oo rs.
dem em garrafes de 11 garrafas a 5,2oo rs.
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a groza e 2o rs. a
caixa.
dem de dentes lutados em macos grandes
eom 2o rs. o macinhos a 12o rs. e masso.
Cominhos muito novos a 32o rs. a libra e
lo,ooo a arroba.
Sag muito novo a 24o rs. a libra.
Cevadinha de Franca a 18o rs. a libra.
Milho alpista a 14o rs. a libra e 4,5oo rs. a
arroba.
Gomma a 28o rs. a libra e 5,4oo a arroba.
Peixcs em latas a 1,00o rs. a lata j prompto
a comer-se.
Farello de Lisboa marca N. e Biato saceos
grandes a 4,ooo rs.
Doce da casca da goiaba a 600 e l,ooo rs. o
caixSo.
Fugio Da noite de 23 do correte judie di
! 1864 o escravo Jos, preto, crioulo, de S annos,
I baixo, corpo regular, beicos grossos e estufados,
i orelhas pequeas, e cachago grosso, pouca barba
., porque tem apenas na ponta do queixo, levou duas
rs. O molno e 1 calcas, uma branca e outra de castor escuro que
1 parece preto, de listras, paletot preto, sem camisa,
6 000 i com uma carapuca encarnada na cabeca, a lata
de marujo: quem pegar leve-o ra Direita u
54, que ser generosamente recompensado.
a caixa e 7oo rs. a garrafa.
O proprietario do grande armazem nio e Commercio declara aos seus fregu
zes e amigos e ae publico em geral, que para facilitar a commodidade de todos estipulou
os mesaos precos nos seguintes lugares:
Uniao e Commercio ra do Queimado n. 7.
O Verdadeiro Principal ra do Imperador n. 40.
Fugio na tardo do dia 16 do crreme um
escravo pardo, de norae Marcos, desembarcado
do hiate Sania ./tnna, vindo do Aracaty, tena
de idade 28 annos pouco mais ou menos, e os sig-
naes seguintes : altura regalar, secco do corpo.
pouca barba, cabello crespo, levou camisa e
caiga de algodaosinho de riscado azul e cha-
peo de palha, tendo levado comsigo uma trouxa
com mais roupa, e rendido de uma das venillas,
3uem o appreender queira leva-lo ra da Madre
e Deus n. 38, ou ra do Brum n. 55, que sera
recompensado.
Attenco
Fugio na noite do dia 1 do correte, do sitio do
abaixo assignado, o escravo Joao, pardo escuro,
idade 45 annos, tem urna cicatriz no peito de um
dos p, tem falta de dous dentes do lado direit.
cosluma trabalhar de servente de pedreiro, e tew
principios do officio de sapateiro, foi muitos annos
escravo da Sra. D. Antonia Francisca Cadaval Pin-
to, intiwla-se as veres de forro e drz chamarse
Joao Leopoldo Marque-, bem vestido, caiga de ca-
semira escura e camisa branca, casado com uma
escrava de nonie Francisca da referida Sra.D. An-
tonia : quem o pegar pode-o levar ao sitio n. 6 da
travessa de Joo Fernandes Vieira, ou ra do
Crespo n. 4.
\
MUTILADO


Mario de Pernambaco metia letra 5 de Agosto de i ift-l.
LITTEETURA.
Deus.
Infinitos milhoes de mundos lindos,
Fulgores laucar meigos intrads,
Sobre as narcos dblradas espalhados,
Por mo mysteriosa combinados,
.mlibram, sastenlain-se no espaco, ___
iminoso azul, clare regajo
Da eterna universidade; oh quem o; rege,
1 Litni o move. os govuna, quem protege,
t. veda que se cbooaem, qoe se paguen),
Ou de fogo c de luz o mundo alaguem ?
E' Deas! smente Deus!
Que gire o sol, e espalue sobre a trra,
os seus Loijos de ha, tadQ que encerra
Ce bens a doce esphera, encantadora,
E na chava e calor, que ora demora.
P.or myslerio insondave! e profundo,
ora appressa, derrame sobre o mundo
I eriilidade, e tudo que preciso
Ao slo, p'ra lorna-lo un paraso ?
Que gire o sol, e sobre a trra brillie,
E era seu vasto caminho certo trilhe
Os das produzindo, em paz serena,
Paz tranquilla, oh! queni manda quemordena?
E' Deus! smente Deas I
Quem diz la, que, de noute. bella
Dos cos pura e gentil, nieiga donzella-
Passe as raias escuras do horisonte,
E fulja l no cu, lanzando ao monte
Seos saudosos clares, bauhando as louras
Frouxasmadeixas as encantadoras
Verdes vagas do mar ? quem manda a la
-rQur pdica divague, ou bnlhe nua
. Serrir aos campos, visitar os valles,
Minorar da saudade os doces males,
Descaucar sobre o cume dos oileiros
Robertos de elevados castanheiros,
De palmeiras esbeltas, em que a brisa
Galante e sublilmente se desusa ?
Quem brilhar manda a la tao siDgela,
Melancholica e triste, argntea e bella ?
E' Deus! smente Deus !
Quem as orlas longiquas do oriente,
ende a vista perder-se o homem sent,
Ao romper seductor da linda aurora,
Que encanta, que fascina, que ennamora,
Tao sublimes paineis debuxa e traca ?
Quem tintas tao gentis, de tanta graca
i de acliar ou compr ? quem na alvorada,
\o primeiro sorrir da madrugada,
Tanta graca espargir, tantos encantos
Ja pude combinar, acbar? quem tantos
Delicados e mgicos primores ?
Quera tao bellas, gentis, celestes cores ?
S Deus! smente Deus!
Quem pode no morrer do sol saudoso
No horisonte longiquo, nebuloso,
Quaudo dc astro-monarcha no occidente
.Soberbo se recosta, e complceme
tiui;a o ultimo olhar, vacilla e treme,
E a trra de saudades chora e geme ;
Com lio lindos paineis doirar os ares,
As nuvens busilar ? n'esses altares
Quem tem preitos ? que Deus ? que divindade 1
Quem pode ao peito humano tal saudade
Como a que nos devora n'esse instante,
ragoada, fuuda, pesarosa, amante,
I-.e viver e animar? quem no horisonte,
\o monte, ao valle, sobre o mar, e a fonte,
Kos grandes bosques, as rasteiras llores
Dardeja fogo e luz, risos e amores ?
E' Deus! smente Deus!
Quem disse .seja feita a luz !e logo
t.i luzeiros no cu lancaram fogo,
E luuudaram de luz o firmamento ?
Faca-de o mundo !e logo... n'um momento
Do cabos, do nada revolveu-se a massa
lafonne e vaga, mas depois com graga,
E o mundo resurgiu brilhante c bello,
Das bellezas humanas qual modello
Que do lempo os ferozes nao coosomem ?
Oh quem disse alinal ;-faga-$e o hornera
E da argila se erguera esse portento,
Kascido de um olhar de nm pensamento.
De um gesto do Creador,sabio composto
Le dores e prazer, riso c desgosto,
De luz e trovas, de materia e d"alma?
Quem as maos collocou-lhe a regia palma
Do saber, como rei da natureza
Tendo n'aima ora amor, ora fereza ?
Foi Deus! smente Deus I
Quera diz s plantas;vicejae ? aos prados;
-De florionas gentis sede esmaltados t
Quem diz s flores; -germinae formo***
Quem diz s fontes; serpejae quei sosas?
As brisas;sussurrae? aos passarinhos;
Adejae, fabrcae macios ninhos
Forrndoos de algodo, pennas e relva,
Canlae, enchei de cnticos a selva ?
E selva, onde se abrigara faes cantores :
Crescei, e enchei-vos de engranadas llores?
E s flores;transforhiae-vos em mil fruetos?
E antes que sejara pobres e corruptos
Aos fruetos;atirae, lancee seraentes ?
E s sement? ;-crescei; plantas ingentes?
E' Deus I smente Dens !
Quem as mitos do poeta entrega a lyra,
Que em diversos accordes falla, expira?
Quem Ihe accende na mente o sacro fogo
Da sacra inspiraco i em desafogo.
Dos seos duros, crois, fataes resabios,
Das dores, quem Ihe faz flor dos labios
Subir do coraco cantos divinos.
De infinda meloda gratos hymnos,
Que fluz do coragao nascem, transbordam,
E os ares fascinando, chos arordam ?
Quem d-lhe inspiradlo ? quem faz ao peito
Temo amor, virginal, puro e perfeito
Nascer, de gozo o estro illuminar-lhe,
Segredos da harmona revelar-Ihe?
. E Deus! smenle Deus f

Ao pobre, ao desgracado que se torce
Xas ancias do morrer, ou que se extorce
Xo leilo da miseria sem conforto,
Na alma anda vivo, mas no corpo morto
Quem allivios Ihe d ? quem na sua alma,
Que a descrenca atropella, antes acalma,
Por dores ineroaes dilacerada,
Faz nascer a esperanga bemfadada ?
Aos miseros ,que os ha em toda a parte
Quem offerece a taca, que reparte
Pelos labios febris dos desgranados.
Trem'los d'odio, famiotos, azulados,
O vinho do consol, que os vigora,
Que os males e que as dores Ibes minora 1
,' Deus! smente Deus I
Quem vae nos podres membros do leproso,
Despresado dos horneas, asqueroso,
Verter o balsamo, enchugar-lhe a chaga,
Cora modo humilde que ao soberbo esmaga ?
: Quem vae as horas tristes e fallazes,
! Aos seus ouvidos derramar, em phrases
; Que adora amor tao carinhosas, ternas,
Consolagoes sem Gm, gratas, supernas ?
Quem vae-lhe as penas adocar e as dores,
Os tormentos delles, e os dissaboi es ?
Quem d-lhe a raao ? quem diz-lhe,paciencia,
Levado por amor, s por clemencia,
Mais um dia de dores, de amarguras I
i Mais um momento decruels torturas I
E por elles depois a flicidade,
t E por elles nos cus a eternidade!
E' Deus 1 smente Deus!
Quem por nos poderia no patbulo,
P'ra rerair-nos dos vicios do prsiibulo,
P'ra remir-nos dos males do peccado,
Acontado, cuspido, maltratado
Da populaca infrene, que o cercava.
Que em tomo delle maldiges lanyava,
Sotfrer, tendo nos labios s bondade,
Rogando de seu pae perdao, piedade
P'ra os mesmos, que o faziam tantas dores
Padecer, tao atrozes dissabores ? -
Quem por nos poderia, entre essas lutas,
Morrer,vendo seus ps gemer de angustias
A pobre mae chorosa, afilela, e triste ?
Quem dr tao cruel, horneas, resiste ?
De quem aos labios s bondades acode?
Quem pode tanta dr soffrer I quem pode?
S Deus! smenle Deus!
Maldito aquello, que renega a crenc-a
Sagrada e pura, verdadeira, immensa.
Que sellou-se no beres do universo,
Do erro ainda as trevas submerso,
Por sentenca fatal, atra, illegilma
Co'o sangue justo de urna injusta victima!
De urna victima injusta da maldade
Dos homens infernaes daquella edade !
Mas ohl eslava escripto I..... quem tal morto
Soffrer j pode lo cruel, tao forte?
S Deus smente Deus I



Quem j pode alcan$ar triumpho eterno
Sobre os duros grilboes do horrendo inferno?
Quem do imperio da morte taomedonho
A' trra j voltou, meigo e risonho ?
Quem a.lousa do glido sepuleb.ro
Despfedacou; o reaurgindo pulchro,
Sobre os homenf.anis pobnes pescadores.
De sua palavra humildes pregadores
Fez descer, fez baixar sabedoria,
Xo fogo ardente qoe do cea descia ?
S Degs! smente Deus!
Mentirosos philosophos, calae-vos I
; Sophisticos grossetros, humilhae-vos I
Curve-vos ao saber.! Elle,o Gerdeiro
Dos philosophos sabios o primeiro,
Da verdade era a luz lmpida e pora,
Que vinha fulgurar, banio a impora
Cegueira do pagao, e em toda aparte
j Plantar da liberdade o ureo estandarte
| Da verdade era o Verbo sacrosanto
Que vinha nos mostrar singelo e santo
As virtudes e os bens do Paraizo!
Veio trra eosinar n'um seu sorriso.
E ni moral divina, que pregava,
E no gesto bondoso, que annunciava.
E no amor do semblante sempre triste,
Tudoqoanto no cea de justo existe!
Curvae-vos I Blle,da verdade o Verbo -
Soffrendo assim por nos martyrio acerbo,
E' Deus Deus Deas!
.....................................:......
Mas um dia vr; sobre o universo
Aos erros conquistado, e ainda immerso
Em delicias sem cont, e bens intensos,
Aos fulgidos claroes de ses immensos,
Aos cnticos sublimes de mil anjos,
Aos tangeres festivos dos a re banjos,
O anjo da verdade, entre os hosannas
Das turmas celestinas, sobrehumanas,
I Se equilibrando em suas azas d'ouro,
j Mostrando em cada olhar rico thesouro,
i Passar. Sobre a trra os entes todos,
No p se revolvendo, sobre os lodos,
I Curvando ao poder, luz do Verbo,
Que por nos soffreu martyrio acerbo.
Co'as maos ferndo o criminoso 6eio
Exclamaro submissos;em Ti creio,
t O' Deus I O' Deus I Deus!
28 de julho de 1864.
Joaquim' Mana Garneiro Vileltii.
DM POICO DK TUDO.
No Jornal das Familias l-se o que segu sob
denominagao de
UMA HISTORIA DE TODOS OS DIAS.
I
No pavimento inferior da casa em que morava,
habitava urna pobre moga com a filhinha, linda
como um anjo.
Muitas vezes, ao vollar de minhas oceupacoes,
encontrava porta da casa, e ao p da escada que
Iconduziaao meu aposento, a intcressanle pequeni-
na, que me eslendia sorrindo a mo ou a fronte,
! em que cosiumava pousar um beijo.
A mae era moga, bem moca ainda ; mas nao sei
o que Ihe passara pela vida, que tempestade
Ihe rugir do coracao, qae as rugas da velhice sul-
cavam aquelle semblante de moga, e (ios de prata
se misiuravam s longas trangas de seus cabellos
prctos.
Rara vez a encontrava ; mas quando a via, aper-
tava-se-me o coracao ao contemplar-lhe a tristeza
profunda que Ihe ininava a vida, e faza-me mal o
sorriso fri e melanclico com que acolhia a sau-
dagao que Ihe diriga e as caricias que prodigali-
sava Bina.
Urna noute, veltando mais tarde, encontrei jun-
to porta a pobre pequenina, que solucava.
Apenas viu-me, ergueu-se e desatou a chorar.
O que Ihe aconteceu ?... o que tem 1... Ihe
porgante).
Mame est doente... muto doente... e eu
Ihe vim pedir para ir ve-la.
Mas nao chore, nao ha de ser cousa de novi-
dade.
E dirigme ao aposento que oceupavam ambas.
Era a primeira vez que ali entrava, e compre-
hendi ao primeiro aspecto quanto de pobreza pai-
rara por ali.
completamente despida se achava a sala I... | Oh! que noutes de delirio c de paixao
Era urna cmara pequea e sombra eslava a que noutes de febre e de amor
doente, sobre urna cama.
Ao ver-me, rogou-lhe nos labios sorriso fugitivo,
e, estendendo-me a m5o, apontou-me para urna ea-
deira que ali se achava.
Assentei-me. A menina continnava^ chorar na
ouf'ra extremidado da cmara.
Olhei para a doente, e vi que a molestia Ibeha-
via escripto na fronte a derradeira palavra. De-
i'orava-a a febre ; nao havia. mais esperanca de
L'm dia, senhor, esta que aqui est vendo sal-
picou de infamia os cabellos brancos de sna role!..
Puniu-me Deus, porque nao pude occultar aos
Olhos do mundo o fructo de meu crime.
Nem urna cadeira, nem um movel qualquer !... Deus a filha.
salva-la.
Acha-me muilo mal, nao 6 assim ? pergun-
tou-mo.
Nao respond... E o que Ihe houvera eu res-
pondido?... Como a luz da alampada prestes a
flndar-se, assim eslava ella. Animava-a febre; mas
era o derradeiro lampejar da vida : a morte esla-
va li.
Sei-o, disse-me ella, sei que bem poueofem-
po me resla, e quiz aproveita-lo para confiar-vos o
nico thesouro queme resta na vida... A nin-
guem tenho neste mundo, a ninguem conheco
mas como poderei dcxar minha pobre Una ao de-
samparo ?... Pareces-me bom, senhor, e Deus
vos recompensar se vos encarregardes da pobre-
zinha, se servirdes de pae e de protector or-
phia... Aceitaes o legado, senhor ? poderei mor-
rer em paz ?
Sim, Ihe respond commovido, servir] de
pae orphazinha que nao tem pae.
E urna lagrima correu silenciosa pelas faces ca-
vadas da moga.
Creio no que me diz, senhor, e morro tran-
quilla.. Deus Ihe pague o bem que me faz !
Houve um momento de silencio, interrumpido
apenas pelo tossir frequente da enferma.
Vou contar-lhe a minha historia ; tem o di-
reito de ouvi-la; deve saber que dores curtiu a
mae daquella que vae adoptar por fllha.
Ergueu-se um pouco, e meio reclinada sobre o
travesseiro, comegou :
Fui formosa, senhor... Deixc que Ihe falle
assim : nesta hora, em face da morte, desappare-
cera as raidades que tanto nos oceupam na vida.
Fui formosa, e, apezar dos estragos da moles-
tia, ou antes apezar da venanla rija da desgraga,
que tao cedo me creslou o coragao, ainda conservo
tragos do que fui.
E um sorriso fri Ihe sobrio os labios paludos.
Era feliz a vida que levava em companhia de
minha pobre mae, que bem soffreu ella as dores de
suafilha... Era um anjo, e Deus levou-a depois
de ler aqu padecido.
t Cresci asombra daquella santa. Quanto a meu
pae, nao o cenheci.
Era nma noute ehuvosa e fra. Assentada jun-
to mesa, lia eu em voz alta essas lindas historias
da Biblia de que tanto gostava.
c E mioba mae rezava.
c Ouvimos enlo bem ao p da porta, do lado
da ra, como vozes que altercavam ae depois um
grilo, e como um corpo pesado cahindo na cal-
gada.
t Corremos ambas para a porta, abrimo-la, e
encostada a ella vimos um mogo lavado em sangue.
t Grossa caba a chuva l fra. nem viva alma
passava pela roa. Ti vemos d do moco e o reco-
I hemos nossacasa.
t Nao era grave a ferida : resvalara o ferro, que
nao pudera aprofundar.
t Contoa-nos elle que fra assaltado, ao vollar
para casa, por um vulto, algum ladrao talvez, que
o fenra e fugira, sem duvida receioso de que o
grito que dera attrahisse gente.
Mas pedia-nos que nada dissessemos, nao sei
porque razSes que dera. 3
Era mentira : soube ao depois que era a vin-
gancade nma affronla de honra, deque ru se
constituir o miseravel.
Que ihe direi eu, senhor ?... amei-o... Eo
seductor sabia tao bem fingir amor !... Tinha tan-
ta expresso nos olhos, tanta dogura na voz!...
Amei-o por meu mal!
Todas as noutes vinha elle ter comnosco, e to-
das as noutes eu o esperava anciosa.
Quanta vez ambos janella, luz paluda da
la, apenando as minhas maos as suas, litando
os seus olhos nos meu, me nao dizia essas pala-
vras de fogo que escaldam o sangue e penetram
fundo no coragao!
E minha pobre mae rezava. eneommendando
FOLHETIM
vi.vn: non.!* fat: lituir.i
ron
CIMILLO C.YSTF.LL0 BRINCO.
(Conlinuaco.)
IV
Porque nao fazes t um volme deste facto?
perguntou Antonio Joaqulm.
Hei de ver se fago seis voluntes, meu amigo.
Ters t muitas historias que me contar ? V l
meu lilho. Se eu achava nesta liteira esqueletos
para os cem livros que (eoeiono escrever em dez
annos!...
Entao voces chamam esqueletos as historias
que apanham de orelha ? E' bem posto o nome, at-
tendendo a magreza dos livros que fazem........ Que
historias queres l? de dinheiro?
E sem dinheiro; servem-me lodas.
Queres t urna que succedeu ha tres mezes
no meu conceibo? Se duvidares, vae l sabe-Io.
O' hornera, eu creio em ti; e, se nao acredi-
tarse, tambem nao iria informar-me. Eu dispen-
so-te de me dar provas que o leitor me nao pede a
mira.
Ahi vae a historia :
Xo tempo da invaso franceza, havia, na minha
trra, urna rapariga de dezessete annos, filha de
urna mulher, que fabrica va rosarios de osso com
tal perfeigo e lustro, que ainda hoje parecem de
inarfim, e excedem o primor dos melhores compra-
dos em Roma.
Rosalinda, a filha da conteira, sahiu mais imagi-
oosa que sua mae no fabrico das contas : facetava
as cruzes, floreava-as, lavrava as peanhans, e con-
eguiu esculpir pequenissimas iraagens, seno cor-
rectas, muitissimo admiraveis na proporgo das
rmas.
Este offlcio, sobre ser de portas a dentro, limpo,
c de bom servigo s almas, era rauito rendoso, at-
tendendo a barateza da materia prima, sem embar-
go da concorrcncia dos cuteleiros de Guimares
aos ossos de que faziam cabos para as suas j ago-
ra desacreditadas ferragens.
As conteiras viviam remediadas e alegres; ti-
nham o sea mealhelro para urna necessidade, e
eram aceiadas como nenhumas das mais abastadas
lavradeiras.
Emqnanto a costumes, as mogas mais honestas
C morigeradas tinham que esludar em Rosalinda*
As suas affuigdes erara o culto divino, a mae, e o
trabalho.
Xa egreja, dislinguia-se pela reverente compos-
tura ; e tambem por assistir a missa com o seu li-
vro.
Das raparigas de sua creagao s ella vmgara
aprender a ler, amando o abbade abriu escola gra-
tuita para ambos os sexos. Emqnanto a casamen-
tes, offereceram-se-lhe alguns de rapazesde offlcio,
como pedreiros, teceles, carpinteros; Rosalinda,
porm, modestamente lhes cortou as esperancas,
allegando que era muto nova. As velhas, todava,
que eram cachopas naquelle tempo diziam que a
orgulhosa conteira mirava a mais alto, e cntaro-
java esta popular trova :
Quem eu quero nao me quer;
Quem me quer nao me faz conta.
Estes dous versos mareavam-lhe algum tanto os
crditos no conceito dos prelendentes; mas na opi-
nio das pessoas desapaixonadas, Rosalinda, aman-
do de preferencia os -gados das primeiras ca-
sas, estava no seu direito de ser (ola sem ser des-
honesta.
Naquelle tempo, um offlcial do exercito francez,
commandado por Lolson, desgarrou-se do piquete,
forgado pelo tiroteio dosguerrilhas, e eahiu ferido
n'iiraa bonca visinha da casa das conteiras, e es-
conderse n'um gestal a fugir da furia carniceira
do povo.
Rosalinda vira do postigo do seu quarto a luta
dos Francezes com a guerrilha, e a entrada do offl-
cial na bouga. Assim que anouteceu, e a mae sa-
hiu a saber novidades, foi ella ao gestal, e viu go-
tas de sangue. Encaminhou-se por ellas, e foi dar
cora um gentil Francez prostrado, sem alemos, o
ferido na fronte. Ousou ajoelhar convulso ao lado
do bello agouisante, e levemente apoiar-lhe a mo
no brago que elle tinha sobre o peito. O Francez,
segundo creio, abria os olhos, viu a camponeza es-
belta, e ferabrou-se do here de lord Byron, aquel-
lo eterno D. Joo, o qual, revessado a praia pelas
ondas, que nao puderam impiedosamente come-lo,
abre os olhos expirantes, e v a formosa fllha do
pirata.
O Francez pediu agua. Se alguma vez deres a
estmpa este cont, podes dizer que o joven offlcial
pediu o coragao a moga, em exclamages de quem
se gosa de ama perfeta saude; diz o que te flzer
conta; mas o exaclissimo que elle pediu agua ;
e, depois de beber a expeliente agua do nosso Mi-
nti, cobron cores, e pediu um bocado de pao. A
rapariga como se o amor ihe dsse naquelle ins-
tante sciencia infusa de linguas estrangetras, en-
tendeu qae elle quera comer.
Foi a casa, e levou-lhe un? ovos cosidos, e urna
malga de leite de vacca. O Francez poz as maos
agradecidas, e tirou do bolso interior da farda um
pequeo dinheiro em ouro, que offereceu a bemfei-
tora. Rosalinda gosticulou negativamente, disse-
lhe a seu modo que estivesse ali, e foi a casa con-
tar o succedido a me, e pedir-lhe debulhada em
lagrimas que fosse com ella a bouca.
Foram, e pouco depois o Francez amparado nos
hombros de ambas, quando a noute era j cerrada
foi recolhido ao casebre aceiado e alegre das con-
teiras.
O repartmenlo interior, onde ellas trabalhavam.
passou a ser a alcova, e do seu quarto, ruis escon-
dido, e assombrado de carvalhos, fizeram o quarto
do enfermo.
O Francez ensinou-as a fazcrem-lhe o curativo
de urna fougada que levara na cabega, e urna pe-
drada n'uma perna. A cabega cicatrisou depressa.
mas a fractura da tibia soldou vagarosamente. Ha-
via mais de mez que se hospedava o offlcial na casa
das boas creaturas, que desvelavam as noutes
sua cabeceira. Ao lira deste breve tempo, Rosalin-
I da sabia o mais preciso do idioma francez em go-
verno de casa. O offlcial dava-lhe ligoes, aponlan-
I do e noraeando, urna a uraa, as cousas que o ro-
deavam, e destas infera para outras invisiveis,
com tao engenhoso systema que Rosalinda, auxilia,
da pelo coragao, compoz um vascongo, muito mais
francez que as francezias das meninas sabidas dos
I nossos collegios, e menos palois que o de alguns
| traductores de romances.
Eu admiti que Rosalinda, e o snjeito, que por
nome nao perca, fossem capazes de inventar ama
lingua para seu uso e intelligencia. E tu ?
Tambem admiti too, respond cora a gravi-
dade que a perguota phlologicamente demandava.
Creio que a primeira linguagem nasceu cora o pri-
meiro colloquio amoroso entre mulher e hornera.
Discutamos esta importante questo das linguas, se
te apraz. Coraecemos pelo paraizo terrea!, se nao
queres comecar de mais longe.
Mas, se te parece, reflectia Antonio Joaquim,
acabemos a historia, e depois coraecemos a ques-
to...
Pois a historia est a fiudar ?!
Principia agora.
Bem!... Eu j ia dizer-te qae nao d um
capitulo a tua Rosalinda...
A miuha ?! do Francez que has de dizer.
Enlo amaram-se ?
E fugiram, assim qne elle concertou a perna
e a cabega.
Pagou bem a hospitalidad da velha conteira,
que naturalmente morreu afflicta de vergooha e
saudade !...
Nao morreu, Continnou a trabalhar nos seu-
Disse-o a elle, pedindo-lhe que apressasse o dia
de nosso casamento.
' A' noute recubi urna carta : era sua.
t U infame dizia-me que, a instancias de sua fa-
milia, tinha resolvido casar-se com urna oulra mu-
lher, e que me nao vera mais.
t Quiz chorar; nao pude. Parece que, quando a
dr profunda, seccain as lagrimas, porque o co-
ragao referve.
Nao sei; mas o.que cerlo que nao pude
chorar.
t Sem dizer palavra, enireguei a carta a miuha
me, que rezava.
> Lea ; delle.
Leu-a, e depois olhou-me ixamente.
Airavessava-me como urna lamina aquelle
olhar fixo e profundo de minha me.
Bem, me disse, foi ainda a tempo : resigna-
te e ora.
Resignar-mel gritei louca, atirando-me a
seus ps ; resignar-me !----E' que ainda nao sa-
bes que vou ser me I...
Quem!... tu?...
Sim !
t Tu?... minha filha?...
' E nem mais urna palavra me disse a pobre
velha... Olhou-me, olhou-me sempre, por muito
tempo; depois abriu os labios, e soltou urna risada,
murmurando:
Pobre lilha I... pobre filha !...
< E comegou a cantar urna dessas cantigas com
que me em; alava crianga.
< Tinha enlouquecido. >
II
i Que dias passei eu, conlinuou a moca depois
de repousar alguns momentos, que dias horriveis
passei cu, senhor, pensando no crime do homem
que eu havia amado com tao puro e tao santo afTecto,
no abysmo a que me arremessra em um momento
defascinacao e de delirio, e obrigada a supportar o
olhar sempre fri e sempre fixo de minha infeliz
me, a murmurar constantemente : tPobre filha!...
pobre filha!...
c E definhava ella. Fra-lhe bem profundo o gol-
pe. Diminuiam-se-lhe as forgas, e j nem mais po-
da erguer-se da cadeira era que rezava e olhava.
t Ura dia, passou-o ella bem mal; mais cavados
Ihe estavam os olhos, mais palhdas as faces, emur-
murava ou antes solugava nao sei que palavras que
nao pude comprehender.
A' noute quiz erguer-se, como costumava, pa-
ra se ir deitar; nao pode. Levei-a eu para cama
mas apenas deitou-se, senti-lhe o estertor da agona
Ihe apertar as fauces.
Morria ella, senhor, aquella santa que tanto
rae havia amado ; morria... e era eu, sua filha,
quem a matava.
< Matou-a a deshonra com que Ihe enxovalhra
eu os cabellos brancos, e as palavras derradeiras
que proferio foram ainda as que constantemente
rae diriga:
Pobre lilha!... pobre filha!...
Herrera...
< E a seu lado cahi sem sentidos no chao fri,
t Em meio da noute tornei amim; ergui-me
sem saber o que fazia, sera rae lembrar de cousa
alguma ; dei alguns passos, e cahi sobre a cama,
junto ao corpo inanimado de minha me.
t A luz mortica da vela alumiava aquella scena
de luto e de desgraga.
O que deveria eu fazer !... Mil pensamentos
confusos me turbilhonavam na mente, ardia-meja
cabega. batiam-meas fontes, e a lembrangada mor-
te me perpassou vaga pela idea.
t Pareca-me que era a felicidade, porque era o
terminar de meus soffrimentos.
t Acanciei-a no pensamento,o senti-me attrahida
por nao sei que forga irresstivel.
i Em face do cadver de minha mae, resolv
morrer.
t Faltava-me o ar ; quera respirar. Corri para
a janella : abri-a.
t Estava tao linda a noute '... A la passea-
va em pino no meio do cu, e os seus reflexos pra-
teavam as aguas do mar, que parecan) adorme-
cidas ao rcflexo da la.
t Olhei por muito tempo para aquelle mar lito
calmo... Ah bella mbrtalha, dizia comigo, para
quem solre taes torturas .'...
E parecia-me que me cbamava o mar, e que
urna voz me murmurara aos ouvidos:
i Vae : ali esta o repouso, ali a calma.
Sabida janella, resolvida a commetter mafe
outro crime. %
A luz da vela havia-se exjjngudo. l'm raio
da la tinha penetrado na cmara, e fra cahir tre-
rosarios. Quando Ihe perguntavam pela sua Rosa-
' linda, responda : t nao sei. O desappareci-
mento da moga, e a serenidade da velha. deram que
pensar a cunosidade. Igooro que funecionario da
jusliga se arrogou aribuiges para interrogar a
conteira acerca do destino da filha. Atemorisa-
ram-na, e ella confessou que a sua Rosalinda fra
para Franga casar-se com um militar do exercito
francez, por consentimento della.
Assim que se divulgou isto, o povo de tres fre-
guezias quiz ir queimar a casa da velha, e vingar
a nagao, assando a jacobina que dra sua filha a
um herege, quando o patriotismo ordenava que ella
o acabasse de matar na bouga onde o encontrou
moribundo. Foi meu av que teve mo da furia
popular.
D'ahi em diante, a mae de Rosalinda viva como
leprosa, ou excommungada na freguezia. Ninguem
Ihe venda ossos nem comprava os rosarios. As
beatas nao rezaram mais por contas que ella tives-
se feito. A pobre mulher mudou de trra ; creio
que foi para o Porto, e de l, passados lempos, foi
para Franga, chamada por sua filha.
O povo, sabendo que ella fugira, nao se dispen-
sou de Ihe reduzir crazas a casa, e aspergir estas
crazas com ablugoes de agua benta, e outros exor-
cismos. Ouvi eu contar a velhos que nos arredo-
res da casa arrasada havia um tal ou qual fedor de
enxofre, signal concludente de por ali ter arreben-
lado urna legiao de demonios.
Corridos alguns annos, o sopro da cvilisagao es-
palhou os miasmas sulphuricos. Pouco lembravam
j as fugitivas ; e, se a nova geragao as recordava,
era sem odio, e talvez com uns vislumbres de porl
sa romntica.
Eu, pelo menos, em rapaz, ia sentar-me no en-
tulho da casa das conteiras, e scismava com a Ro-
salinda e com o Francez. Figurava-me o quarlo
della, com a vidraga por onde ella vira entrar no
gestal o ferido ; ia 'bouca phantasiar o sitio onde
ella o achara ; parava junto do prtelo por onde o
passaram para a casa protectora. Compunha o
meu romance cora a cor local, e commovia-me i
recontava estas cogitages minha me, que co*
nhecra Rosalinda, epedia-lhe que ra'a descrevesse
pela centesima vez.
Quera eu que se averiguasse se ella aindavma.
Com o meu abbade que eu tinha a expanso des-
tes puers desejos. O padre perguntava-me se eu
quera ir Franga castigar o roubador da nossa
formosa patricia ; e, com estas e outras galhofas,
promettia escrever ao rei Lulz Felippe no sentido
da mioha exigencia, qual o monarcha havia de
responder minuciosamente,
Era eu j hornera de vinte annos, quando o meu
abbade me disse que um sujeito Ihe havia pergun-
tado no Porto, se se lembrava de ler conhecido na
freguezia de *"* urna Rosalinda, que fugira com
um offlcial francez. E ajunlou que o Fraucez ca-
sara com ella, e era general, e o informador os vi-
ra ambos em lladen-laden, no uso de banhos, e
conversara em portuguez com Rosalinda, que era
j velha.
Hei de confessar-te que o meu romance da pue-
ricia se despoetisou algum tanto com esta noticia.
A poesia da-se mal com os quadros folizes. O que
ella quer lances de lagrimas. A filha do cu pa-
rece que s para chorar baixou trra. como
as flores que se fechara aos grandes fulgores do
sol : e se abrem na escurido melanclica da
noute.
O dissolvente da tua poesa, observei eu, fo'
o dizerem-te que a mulher envelhecra, meu caro
Antonio Joaquim !...
Seria... Volvidos dez annos, chegou Braga
urna senhora edosa vestida de luto, com duas cria-
das, e alugou urna casa modesta nos arrabaldes da
cidade. Na primavera daquelle anno, de 1830, a
senhora, que suas criadas denominavam madama
simplesraente, andou visitando o Miuho em liteira,
e foi minha freguezia. Disse que Ihe agradava
muito aquelle sitio, e mostrou vontade de se deter
alguns dias por ali, o que faria, se encontrasso casa
arrendavel. Meu pae tinha vaga urna casa de
quinta, e cedeu-lh'a gratuitamente.
Esta senhora, em quem tu j adevinhaste Rosa-
linda, acceitou com breves palavras de gratido a
casa offerecida, e raandou Braga buscar a sua
bagagem, que eram alguns bahus.
Sahia, raras tardes, com urna criada, ou sozi-
nha. Passava curta distancia das ruinas da casa
das conteiras ; mas, se a viam, relirava-se para
nao dar nos olbos da bogal curiosidade dos iavra-
dores.
Meu pae e eu, com minha me e mulher. fomos
visita-la. Recebeu-nos com uns ares de polidez de
palacio. De sua vida nada nos disse, nada Ihe per-
guntamos.
A gente sentia-se constrangida na presenga da-
quella esplendida velha, qae no garbo e geito com
que se sentou, pareca estar-nos dizendo que nos
nao nos sabamos sentar.
Ao despedirmo-nos, madama offereceu a minha
mae um riqtiissimo livros de orages, e a minha
mulher um broche de ouro com um genuino caraa-
pheu.
Passados dias, pagou-nos a visita, quando j a
nao esperavaraos.
Minha me, por nao ter com que entrete-la, fal-
lou-lhe dai ruinas da casa das conteiras, Ouvia
ella a historia, em silencio, at que minha m3e Ihe
mulo sobre urna imagem do Christo que pendia 3
cabeceira de minha mae.
Fra elle que Ihe ouvira e recebra seu derra-
deiro gemido.
Lerabrei-me entao de tudo quanto me havia
ella eusiuado, e desperlaram-se-me no coragao as
ideas religiosas que ella havia procurado incu-
tirali.
E cahi solugando aos ps do crucfixo.
E tu tambem solfreste, murmurei eu, e tu
tambem foste victima da perfidia dos homens I..-
Perdoa-me o mal que fiz a ella, a minha pobre
luae......perdoa-me o crime, porque tambera
hei sollrido muito !...
a Chore!; pela primeira vez de meus olhos sec-
eos e ardentes goltejarain lagrimas... pude orar...
Abengoadas as lagrimas que consolara, e a ora-
cao que fortalece I
Senti-me reanimada.
Ouvira-me o Christo, e dera-meaforca deque
eu careca.
c Ah nao perdoouelle a Magdalena, que solu-
gava tambem?
Cinco mezes depois me naseia aquella pobre
chanca.
Todo o affecto de meu coraco, dei-o eu a ella,
a poorezinha,que nao tinha culpa do crime de seu
pae.
Conhecia porm eu que tantas desgragas rae
consumiam a vida. Foram o delirio e a vertigera
da dr substituidos por urna tristeza perpetua, que
me nao abandonava nunca. Quera viver para
minha filha ; mais senta que la rpidamente ca-
minhado para a morte e esta certeza me augmenta-
va ainda mais a margura dos dias.
t Quera viver para ella smente, porque para
mira insupportavel me continaava a vida.
t E J l vao cinco annos, cinco annos de mar-
tyrio e de lagrimas, cinco annos de soffrer intonso,
sem tregoas, sem descanso !...
Vou morrer, conhego-o ; sinto abandonar-me
a vida, e o corpo pesado parece proenrar o repou-
so da sepultura. Amanha. hoje mesmo, quem
sabe ? terei cessado de soffrer. porque terei cessa-
do de existir : mas bem horrivel me seria a mor-
te se nao soubesse que dexava amparada minha
filha.
Em presenca da morte, o senhor, disse fitan-
do-me os olhos cheios de lagrimas, aceita o legado
que Ihe dexo ? servir de pae orphazinha t
Aceito, respond.
E correndo para a pobre crianga, apertei-a em
meus bracos.
Ergueu-se a cusi, apertou tambem a filhinha
contra o seio, deu-llte um beijo na fronte, e cahio
sobre o travesseiro, soffocada pela tosse e inundan-
do-o de sangue.
No outro dia, aos priraeiros raios do sol, aper-
tando minhas maos as suas dava ella o derradei-
ro suspiro.
Os anjos do cu tinham mais um anjo, que voa-
ra da trra.
O martyrio a havia purificado, e- a mesqumha
tinha idodescangar no seio de Deus.
A' orpha tenho eu servido de pae, porque acei-
tei o legado deixado a beira do sepulcro.
O Jornal de Lisboa conta o seguirte :
Falleceu em Olivet, contando 96 annos, de idade
o commandante Hagard, oflicial da legio de honra-
cavalleiro de S. Luz e da ordem militar de S. Fer-
nando de Hespanha, offlcial das ordens reaes crea,
das em aples e Hespanha pelo re Jos, e conde-
corado em Santa Helena.
O commandante Hagard, que se alistara aos 11
annos no regiment de seu pae, era um dos pou-
cos que ainda restam da campanha do Egypto, e
dos que percorrerara quasi todos os campos" de b>
talha da Europa.
Depois de ter seguido a corte do rei Jos em a-
ples e em Hespanha, voltou para o exercito fran-
cez em cujo servigo foi ferido no campo da batalha
de C.raonne.
Gravemente ferido em Waterloo, onde fazia par-
te da divisao commandada pelo principe Jernimo,
s passados annos tornou a entrar no servigo, reli-
rando-se pouco depois para junto de sua familia,
em cujo seio fallecen como verdadeiro homem
honrado e bom christao.
disse que seu sogro salvara a raae de Rosalida de
ser queimada pelo povo.
Madama fez um tregeito de repugaancia, e
disse :
Anda bem que existia um homs entre m
fras.
Continuou minha me a sna narrativa, at coc
ar o incendio da casa, e as superstkes do povo
a respeilo do enxofre e do demonio.
Madama riu-se, e observou que o povo fazia de:-
crer do demonio ; e que era preciso muita f para
nao descrer em Deus, se a voz de Deus era a vo:
do povo, como dizia o blasphemo proverbio.
Cora esta sentenciosa reflexo ia fecliar-sea px..-
tica.
De repente perguntou a senhora micha me'
se conhecra a tal conteira
Muto bem. Eu tenho sessenta annos, e ella
era mais nova que eu tres airaos. Andamos am-
bas na escola do Sr. abb:ide ; mas foi ella smente
quem aprendeu a ler. Era muito bonla, e tinha
uns ares de cidade, e urnas palavras muito doces.
Havia de ser da altura de V. Exc. Gragas a Deus.
o Francez casoii com ella ; mas eu continuou
minha mae com a perdoavel ignorancia da sna
virtude pens que os casamento., l na Fran-
ca nao sao como a nossa retigo ordena, e, se
assim, nao tem valor aos olhos de Deus.
Pens qne tem, minha senhora, responden
com affavel sorriso a dama. O Deus dos Fran-
cezes segundo creio, o DeUs de todo o mundo.
V.Exc. j l esleve era Franga ? perguntou
miuha me.
Muitos annos, minha senhora. E l encontrei
casados, muito em harmona com os preceitos da
nossa religiao santa.
Conhecia-se queficaram muitas outras perinolas
atravessadas na garganta de minha me ; porm,
a lacnica senhora levantou-se para despedir-se.
Minha me mostrou-lhe enlo um rosario, di-
zendo :
Pego licenga para olerecer V. Exc. o mais
bonito rosario, que tenho dos que fez Rosalinda.
A senhora acceitou-o, rerairou-o com sensivel
eomniogo, e agradeceu nestas palavras :
Penhora-me muito esta dadiva.
E' passados momentos de recolhida meditaco
.junten : '
Quem sabe se a Rosalinda, que fabricou es-
tas, contos ter hoje pejo de ter sido a obreira deste
bonito lavor ?!
F,' verdade disse minha mae.
(Contimar-$e;ha-)


PERNAMBC -TYP DE M. F. DE F. S PILHO


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ERNA6CESF_GL1NBB INGEST_TIME 2013-08-27T21:04:47Z PACKAGE AA00011611_10434
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES