Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10430


This item is only available as the following downloads:


Full Text
)
'.

)


'
I

AMO 11. HOMERO 174.
Por tres nezes adiantados ojOO
Por tres mezes vencidos 68000
Porte ao correio por tres mezes. 5750

l

SEGUNDA FE1RA 1 DE AGOSTO DE 1864.
mssFt
Por amo adiautado.....495000
Porte ao correio por am anuo 3$000
Ww
KNCARREGADOS DA SBSCRipgO NO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alejandrino do Lima|;
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Aracaty, o
Sr. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. i. Jos de
Oiiveira; Maranhao, o Sr. Joaquim Marque* Ro-
drigues ; Para, os Srs. Manoel Pinheiro (i C-; A-
mazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
BNCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO NO SUL.
Alagas, o Sr. Ca ud i no Faico Dias; Baha, o
rr. Jos .Martina Al ves; Rio de Janeiro, os Srs. Pe-
riera Martins & Gasparino.
EPHEMEKIDES DO MEZ CE AGOSTO.
PARiDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo e Escada todos os dias.
Iguarassu', Goyr.nna e Parahyba as segundas e
sextas-feiras.
Santo Antao, Gravat, Bezerros, Bonito, Caruaru',
Altinho e Garanhuns as tercas feiras.
Pao d'Alho, Nazareth, Lirooeiro, Brejo, Pesqueira,
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Tacaraiu', Gabrob,
Boa Vista, Ouricury e Exu' as quartas feiras.
Sennhaem, Rio Formoso, Tamandar, Una, Barrei-j
ros, Agua Preta e Pimenteiras as quintas eiras.l
Dha de Fernando todas as vezes que para ali sahir! n a .____ .___ __.
navio r I Primeira as 2 horas e 0 minutos da tarde.
Todos os estafetas partem ao '/ dia. I Segunda as 2 toras e 30 minutos da manha.
2 La nova aos 13 m. e 12 s. da t.
10 Quarto cresc. as 3 h., 37 m. e 38 s. da t.
17 La cheia as 11 h., 16 m. e 44 s. da ni.
i'v Quarto ming. as 3 h., 44 ni. e 20 s. da m.
PREAMAR DE HOJB.
Partida dos vapores cosamos.
Para o sul at Alagas a 5 e IS; p;..-* o norte at
* Granja 7e22 decadamez; para Fernando nos
das 14 dos mezes dejan, marc., maio, jul, set. enov.
PARTIDA DOS MNIBUS.
Para o Recife : do Apipucos s 6 % 7, 7 /,, 8 e
8 V* da m.; de Olinda s 8 da m. e 6 da tarde; de
Jaboatao s 6/, da m.; do Caxang e Varzea s 7
da m.; de Bemfica s 8 da m.
Do Recife : para o Apipucos s 3 % 4, 4 'A, 4 o, 5 74, o Vi e 6 da tarde; para Olinda s 7 da
manha e 4 Vi da tarde: para Jaboatao s 4 da tar-
de ; para Cachang e Varzea s 4 Vi da larde; para
Bemfica s 4 da tarde.
AUDIENCIA DOS 1RBUNAS3 DA CAPITAL.
Tribunal docommercio: segn Jas e quintas.
Relaco: tercas e sabcados s 10 horas.
Fazenda: quintas s 10 horas.
Juizo do commercio: segundas s 11 horas.
Dito de orphos: torgas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel: tercas e sextas ao meio
dia.
Segunda vara do cive!: quartas e sabbados a 1 hora
da tarde
DAS DA SEMANA.
1. Segunda. Ss. Fe, Esperanca eCaridade vv.mra
2. Turca. Nossa'Senhora dos Anjos.
3. (Juai la. Ss. Gamaliel c Nlcodemos mil),
i. Quinta. S. Domingos de Gusmo.
5. Sexta. Nossa Senhora das Nejrcs.
ti. Sabbado. S. XiStu p. ni.; S. Agapilo diac.
7. Domingo. S. Gaelaiio Tlieatino fundador.
ASSIGNA-SE
no Recife, em a livraria da praca da Independencia
,ns. 6 e 8, dos proprietarios Manoel Figueiroa da
iFaria & Filho.
PARTE QFFICIAL
GYERN0 DA PROVINCIA.
Expediente do dia 28 dp julho de 186!.
Circular aos Exms. presidentes das provincias
do sul e norie.Passo s mos de V. Exc. dous
exomplares da collecfo das leis promulgadas nes-
ta provincia no corrente anno.Igual remessa se
fez ao conselheiro presidente da relaco, ao desein
bargador presidente do tribunal do commercio u a
todos os juizes municipaes.
Dito ao commandante das annas interino.A \.
S. ser apresentado o recruta Antonio Joaquim de
Sanl'Anna para que o mande alistar em algum dos
corpos em guarnilo nesta provincia, se fr julga-
do apto para isso in inspecro de sade.Com-
municou-se ao lenente-coron"! recrulador.
Dito ao mesmo.Mande. V. S. apresentar con
urgencia ao Dr. chefe de polica 6 pracas de pret
para escoltarem um criminoso de morte al a villa
de Tacaratu'.Communicou-se ao Dr. chefe de po-
lica.
Dito ao mesmo.Ao olllcio de V. S. o. 1,289,
datado de 20 do correle, respondo declarando- Ihe
que o recruta Anionio Francisco de Paula, foi lti-
mamente destinado para o servir da armada.
Dito ao Dr. chefe de polica. Em resposta ao
ollicio que me V. S. me dirigi hontein, sob n. 918,
leona a declarar-lhe que por oflicio de 25 desle
mez mandei entregar ao alferes Bernardino Yieira
Ribeiro, nomeado para coramandar o destacamento
do termo do Exu' o quantlativo necessario para
ocrorrer aos pagamentos do mesmo destacamento
por tempo de tres mezes ; o que V. S. far constar
ao delegado daquelle termo.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
Transmillo V. S., para o fin convenieote, o at-
tesiado junto em duplicata, que me remetteu o com-
mandante das armas interino com o ofDcio de 26
do correte, sob n 1,329, e do qual consta haver o
1 sargento almoxarife da fortaleza de Itamarac,
Antonio Joaquim de Freitas, appehendido o sol-
dado desertor do corpo de guarnieao desta previ n-
cia, Trajaoo de Jess. Communicou-se ao com-
mandante das armas.
Di lo ao mesmo.Mande V. S. entregar ao quar-
tel-mestre geral da guarda nacional do municipio
do Po-d'Alho, oua pessoa competentemente'aoto-
risada pelo respectivo commandante superior, a
quantia de 2965 em que segundo o orcamenlo in-
cluso a que se refere a sua informacao n. 381, de
27 do corrente, imporlam os livros e objeclos ne-
essarios ao expediente do batalho n. 16 de infao-
laria da mesma guarda naciooal.Commuoicou-se
ao respectivo commandante superior.
Dito ao mesmo.Mande V. S., se nao liouver in-
conveniente, pagar conforme solicilou o encarrega-
oflicio de 26 do corrente, a quantia de 7:0005 cor-
respondente a subvengo relativa a este mez, com
que o governo auxilia'niensalmente aquella compa-
nhia, visto haver ella cumprido com as suas obri-
gaces.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.
Recommendo V. S. que, em vista dos inclusos do-
cumentos, c nao havendo inconveniente, mande
pagar aos empreiteiros da illuminaro publica des-
ta capital, conforme solicitou o chele de polica em
olllcio de 26 do corrente, sob n. 905, a quantia de
3955 proveniente do gaz consumido, durante os
mezes de abril junho deste anno.com a illumina-
ro da casa de dctenco.Communicou-se ao che-
le de polica.
Dito ao mesmo.Annuindo ao que solicitou o
chefe de polica em oflicio de 26 do corrente, sob
n. 909, recommendo V. S. que se nao liouver in-
conveniente, mande pagar a Autonio Joaquim de
Carvalho Menezes, a quautia de 91.5400 despendi-
da com o sustento dos presos pobres da cadea da
villa do Bonito, durante os mezes de Janeiro ju-
nho deste anno, como se ve das duas inclusas can-
tas. Cominnaicoa-se ao Dr. chefe de polica.
Dito ao mesmo.Por contada verbaExpedien-
te da secretaria do governono corrente exerci-
eio, mande V. S. pagar em vista do incluso docu-
mento, e a pessoa que para isso se mostrar autori-
sada a quantia de 288-5137 em que imporlam as
despezas feilas com 14,000 envlopes encommen-
daJos para a mesma secretaria.
Dito ao mesmo. Antonio Domngues de Al-
ni'ida Pocas, mande V. S. pagar, se nao liouver
inconveniente, quantia de 195-3000, despendida
nos mezes de abril a junlio deste ami), com o sus-
nto dos presos pobres da cadea de Nazareth,
como se v das tres inclusas contas que me foram
remettidas pelo chefe de polica com ollleio de 26
do corrente, sob n. 904. Communicou-se ao Dr.
chefe de polica.
Dito ao mesmo.Em vista da inclusa conta, e
nao havendo inconveniente, mande V. S. pagar
Manoel Jos da Silva Oliveira, para esse lim indi-
cado pelo chefe de polica, em ollicio de 26 do cr-
reme, sob n. 902, a quantia de 235 em nuo impor-
taram as desperas feilas com o sustento dos presos
pobres da caieia da villa da Escada, durante o
mez de maio ultimo. -Communicou-se ao Dr. chefe
de polica.
Dito ao cnsul de Portugal.Respondo ao olllcio
que em 23 do corrente me dirigi o Sr. Dr. Clau-
dino de.vraujo Guimaraes, cnsul de Portugal nes-
ta provincia, remetlendo-lhe por copia a informa-
do de 26 desie mez, cm que o juiz municipal sup-
liente do termo de Olinda', declara o sea proeedi-
menio acerca dos bens deixados pelo finado subd-
do portuguez Jos Fernandos Pereira Villa-Rica.
Renov ao mesmo Sr. cnsul os meus protestos de
estima e considerarn.
Dito ao commandantf! superior da guarda nacio-
nal do Recife.Em deferimento ao requerimento
dos negociantes matriculados Soulhal Mellors & C ,
sobreque versa a sua informacao n. 103, de 25 do
corrente, recommendo V. S. que mande dispen-
sar do servico o guarda nacional do 3o batalho de
infanlaria, Anliocho Antonio Alves Ribeiro, caixei-
.ro dos supplicantes, al a primeira reuno docon-
selho de qualidcagao.a quem de ve o mesmo guar-
da requerer o seu direito nos termos do art. 18 uo
decreto n. 1,130, de 12 de margo de 1853.
Dito ao commandante superior do Rio Formoso.
Ao tenente do batalho n. 42 do municipio de
Serinhem, Joo Florentino Cavalcanti de Albu-
querque, que pretende flxar residencia no munici-
pio desta capital e acerca do que informou esse
commando superior, em data de 15 deste mez,
mande V. S. passar a gua de que trata o art. 45
dD decreto n. 1,130, de 12 de mar?o do 1853
Dito ao commandante superisr da guarda nacio-
nal de Santo Anlo.Para que se possa autorisar
o forneciment de livros, papel e mais objectos
para o expediente da guarda nacional, sob seu
commando superior, faz-se necessario que V. S.
aprsente um orQamento da despeza a fazer-se com
a acquiscao dos que forem absolutamente neces-
sarios para aquelle lim, declarando ao mesmo lem-
po se as caixas dos corpos, existem fundos que
possam ser applicados a essa quantia.
Dito ao capitao do porto.A' V. S. ser apre-
sentado o rerruta de marnha Joo Bernardo Tei-
xeira, aOm de que lhe d o conveniente destino, de-
pois de inspeccionado. Communicou-se ao Dr.
befe de polica.
Dito ao director do arsenal de guerra.A' vista
da sua informacao o. 22 de 27 do corrente, auto-
riso V. S. a elevar a 15000 rs. diarios o salario de
700 rs., que actualmente percebe Miguel Luiz da
Puriflcacao, empregado na offlcina de ferrelro des-
ge arsenal.-Communicou-se ao inspector da the-
souraria de fazenda.
Dito ao director das obras militares.Mande V.
S. fazer os rncenos de que necessila o ladrlho da
casa da guarda da presidencia, como solicilou o
commandante das armas, cm oflicio n. 1340 de 27
do corrente.Fizeram-se as necessarias communi-
cacoes.
Dilo ao mesmo.Fica approvado o ajuste que V.
S., segundo o seu oflicio n. 95 de 23 do corrente,
fez com Joaquim Jos l'erreira da Penlia, para col-
locar balauslres de ferro, em 2 Janellas da cosinha
do quarlel do corpo de guarnic/io e tres fechaduras
em diversas portas do mesmo quarlel, tudo pela
quantia de 405000 rs.Communicou-se thesou-
raria de fazenda.
Dito ao mesmo.Approvo o ajuste que V. S. fez
com Jos Pereira de Alcntara do O" como me
participou eir seu oflicio n. 93 de 25 do corrente,
para executar pela quantia de 6055000 rs. a fac-
tura de ladrilhos novos c cenceos de outros no
quartel do 9o batalho de infamara.Communi-
cou-se thesouraria de fazenda.
Dito ao chefe interino da reparlicSo das obras
publicas.-Inteirado de quanto Vine, expoz em seu
olllcio de 26 do corrente, sob n. 191 acerca do re-
ce ment definitivo do 13 lauco da estrada do nor-
te ( empreza Mamede ), (enho a dizer em resposia
que nao obstante a alleragao, que fez o respectivo
empreiteiro, sem o consenso dessa reparlic.5o man-
de Vmc. effectuar tal recebimento, visto nao haver
inconveniente nessa alteraco segundo consta do
seu citado oflicio e bem assim passar o competente
certificado afim de que possa elle receber na the-
souraria provincial a quantia de 6005000 que lhe
foi descontada na occasio de ser esse lanco de es-
trada recebido provisoriamente.
Dilo ao Dr. Joao Francisco da Silva Braga Juiz
de direito de Palmares. Pelo seu ollicio de 23 do
corrente, fique inteirado de que por doente dexou
Vmc. de reassunir o xcrcicio do seu cargo.
Communicou-se ao inspector da thesouraria de fa-
zenda.
Dito cmara municipal do Granito.Accuso a
recepcao do oflicio datado de 11 do corrente, em
que a cmara municipal da villa do Granito me
communca que a qualiticacao desle anno nao pode
servir na prxima eleicao de juizes de paz e verea-
dores por que, tendo a junta de reunir-se para os
.trabalhos dos cinco dias em 17 do correnle.s pode
funecionar o conselho de recurso no dia 5 de se-
tembro prximo vindouro.
Em resposta ao citado oflicio cabe-me dizer que,
se da segunda reumao da predia junta nao houver
reclamaco ou interposicao de recurso, pode servir
na eleicao, a que allude, a qualificacao deste anno,
por que ento se considera concluida, como declara
o aviso n. 337 de 15 de outubro de 1856, mas se
houver reclamaco, ser neste caso a eleicao feita
pela ultima qualiliracao que liouver acabado.
Dito ao juiz municipal de Villa Bella.Nesta da-
ta levo ao conhecimento do governo imperial a
materia do seu oflicio de 10 deste mez, relativa-
mente ao partidor e contador nomeado para esse
termo Jos Balsabino Goncalves Lima.
Dito ao mosmo.Inteirado pelo seu oflicio de 10
do corrente, de nao ter funeconado no devido tem-
po o conselho municipal de recurso pelas razocs
nelle ponderadas, determino Vmc. que guardados
os prazos e mais formalidades da lei, convoque e
rena extraordinariamente o referido conselho no
dia 28 de agosto prximo vindouro que para isso
designo.
E por que ermste da acta da segunda reunao da
junta quallicadora da freguezia de Vilta Bella no
corrente anno, nao ter havido queixas ou rorlamacdes
durante os 5 das de seus trabalhos, pode dita qua-
HflcacSo servir na eleirao de juizes de paz e verea-
dores que se tem de fzer no dia 7 de setembro
vindouro por considerar-se concluida como decla-
ra o aviso n. 337 de 15 de outubro de 1836.Com-
municou-se respectiva cmara municipal.
i Portana.O presidente da provincia, resolve no-
mear a Joao Baptista do Amaral para reger interi-
namente e mediante a gratifiraro annual de 600-5
a cadeira de inslrurcao primaria da villa de Inga-
zeira.Communicou-se ao director geral da ins-
trucco publica.
Expediente do secretario do goveruo do dia 28
de jiillin de 1864.
Ollicio ao visconde de Camaragibe director da
Facnldade de Direito. De ordem de S. Exr. o Sr.
presidente da provincia, transmuto V. Exc. um
exemplar da colleccao das; leis promulgadas nesta
provincia no corrente anno.Igual remessa se fez
ao Eira, vigario capitular.Baro de Vera-Cruz.
I'rovedor da Santa Casa de Misericordia.-Direc-
tor da Esrola Normal.Director geral da instruc-
cao publica.Inspector da thesouraria provincial.
Engenheiro fiscal da estrada de ferro.Thesou-
raria das loteras.Inspector da saude do porto e
todas as cmaras munieipaes.
Dito ao commandante dss armas interino.=Com-
munco V. S. de ordem de S. Exc. o Sr. presiden-
te da provincia, que por despacho desta data anlo-
risou-se o director do arsenal de guerra a satis-
fazer o pedido do corpo de guarnieao a que allude
o ollicio de V. S. n. 1339 de 27 do corrente.
Despachos do dia 28 de jnlliu de 1861.
Requerimentos.
Antonio Leal de Castro Delgado.Concedo per-
i misso para o fim que requer, derendo ser este
apresentado ao Sr. commandaute do presidio de
Fernando.
i Clara Eugenia da Silva Ramos.Remeltidn ao
Sr. director geral interino da iostrnecio publica
para attender a supplicante nos termos de sua in-
formarn de 26'do corrente, sob n. 145.
Segundo tenente Epiphanio Borges de Menezes
Doria.A' vista da legislaco vigente nao pode ter
lugar o que requer o supplicante.
Francisco Gomes Ferreira de Sa Leitao.Infor-
me o Sr. inspector do arsenal de marinha.
Bacharel Joaquim Jos de Oliveira Andrade.
Passe portara prorogando o prazo por 2 mezes.
Jos Peixoto e Silva.Passe portara na forma
requerida.
Matheus da Cruz.Prove o supplicante nao ser
0 seu nome Ramuudo Nonato c sim Matheus da
Cruz. ,
Maria Constancia Theodora da Conceicao.In-
forme o Dr. chefe de polica.
Maria Bertholesa da Conceicao.Informe o Sr.
director da instruccao publica.
Rita Maria do Bom Fim. filho da supplicante
s pode ser admiltdo na companhia de aprendizes
marinheiros.
Soutnall Mellors & CSoja o guarda nacional
Antiocho Antonio Alves Ribeiro despeosadodo ser-
vido at a prxima reunao do conselho de qualili-
cacao a quem nos termos do arligo 18 do decreto
n. 1130 de 18 de marco de 1853 deve requerer o
seu direito.
U0M1A3D6 DAS ARMAS.
Quarlel do eommando das armas de Pernambnce,
era 28 de julho de 1861.
Ordem do dia ti. 343.
O coronel commandante das armas interino de-
termina que na manha do dia Io de agosto pr-
ximo vindouro, se passe revista geral de mostra
\ nos seus respectivos quarteis, aos corpos movis
do exercito aqu existentes, ao de guarnieao, e as'
companhias soladas, pela ordem segu nte : s 6
horas a companhia de artfices, s 6 1(2 ao 7 ba-
talho de infanlaria, s 7 a companhia de cava-
laria, s 7 1|2 ao 2o batalho de infanlaria, s
7 3|i ao 9a da mesma arm, s 8 ao corpo de
guarnieao, e finalmente s 9 ao 4 batalho de arti-
llara a p em Olinda.
1 O mesmo coronel fax corto para os necessarios
fins, que nesta data contratou para servir por tres
annos na msica do referido 9" hatalhao de in-
famara, nos termos da imperial provisSo de 11
de Janeiro de 1833,precedendo inspeccao de sa-
de, ao msico Evaristo Barboza, o qual por sobre
os vencimentos que por lei lhe competirem, per-
cebera o premio de 2005000, por j ter servido no
exercito, pago de conformidade com o decreto e
regulamento do 1* de maio de 1858; e que appro-
vou e enganjamenlo que no dia 23 do corrente
mez, contrahio para servir por mais seis annos
segundo o decreto e regulamento citado, o cabo
de esquadra da 6a companhia do 2 batalho de
infanlaria, Porfirio Antonio dos Anjos, como de-
clarou o respectivo Sr. commandante interino era
oflicio marcado com o n. 689.
Assgnado.Luiz Jos Ferreira.
Conforme.Jos Ignacio de Medeiros Reg ton-
tn, capitao encarregado do detalhe.
EXTERIOR.
A proposta do governo oriental modificada nes-
sa conferencia, e os seus coniimssarios. accetam o
accordo frito por intervenro dos ministros, reser-
vando para o seu governo a libi rdade de approva-
lo ou nao.
|bo. duque de Loul ao seu prente marquez de
Vallada, que fra o nterpellante, nao lhe constar
cousa alguma a tal respeito.
Voltou-se, como disse o feitico e-mira o feiticeiro,
os marqueses de Vallada de l'clamam agora con-
! tra urnas phantasiosas e nao menos supposlas con-
quistas e usurpacSes que Portugal, ou alguem por
elle, anda planeando, com a mira de accrescentar
cora portuguesa as mais valiosas pedranas da co-
rea hespanhola.
Urna parte da mprensa do visnho reino, depois
I de nos ter aconselhado, cousa mais fecunda solucao
do problema peninsular a fuso dos dous paizes,
est manifestando neste momento os mais serios resol va, concordando com o brigadeiro general D.
receios de que sejamos nos os seus conquistadores. Venancio Flores sobre a maneir de prafica-locom
Com muita propriedade escreveu, ha dias, urna as forcas que esto debaixo de suas ordena.
da nossas melhorcs pennas jornalistcas, que, a 3. Reconhecimenlo dos postes conferidos pelo
pnr o que havia concordado, principiaran! a espa-
lliar de proposite na capital que as negociarles
tnham abortado, porque o general Plores apresen-
taya novas exigencias, quaes as de mudanra de
ministerio, e sua nomeaco de commandante'geral
Este accordo era o seguinte, conforme se depre-' ,i. ,1
hende dos documentos olliciaes publicados : i a'"'^''>- '/ludo isto eran, intrigas para fazer
i.' Todos os cidados orienlaes Bcarao desde u'.^--^^"""^*'1"1 -e
asta data no pleno gozo do seus direites polticos e ,;' "'' "J^ /U 5EE i" W fora pnini"
rivis, quaesquer que tenham sido suas opinioes 2,nS W&fJ1 "iVtl^S nmM ?"
anteriores. onicacoea de detalhe, que liaviam sido propostas
2. Por consequencia, o desarmamento das forcas r^r? eli2',, f
se fara pelo modo e forma que o poder exerulvo 'T* ,p T *' com- mo,-U ra7ao'
resolva. concordando com o brieadeiro treneral 53^X1h^.^^rJSS!^5e
pouenam ilar-lne a mesma sorie que tiveram Cesar
Dias e Freir, martyres de Quinteros, snecumbin-
do tambem com elle todas as esperancas de seu
partido. Ninguem pode, por tanto, cndemna-lo
CORRESPONDENCIAS BO DIA
RIO DE PERXASIRUCO.
IIK*P.t\HA.
(Do nosso correspondente de Lisboa.)
Em Hespaoha tinham-se concluido os trabalhos
pai lamentares, nos ltimos dias do mez lindo.
Alguns orgaos da situaco exhortavam, por essa
occasio, o governo a proceder a dissolucao da
da casa electiva.
No l.u do corrente a corte parti para o real sitio
i da Granja.
Continuava a afflrmar-se na eorte do visnho
reino que a raiaha Maria Christina vm pennsu-
la este vero e que fixar a sua residencia na pro-
vincia das Asturias.
Aflirma-se que S. M. o rei de Hespaoha v bre-
vemente a Franca pagar a visita imperatriz.
Houve receios de sublevaco em Madrid antes
d'honlem, tomaram-se medidas de precauco. Re-
conheceo-se que eram sem fundamento, dizem te-
legrammas que tenho vista.
I A commisso encarregada d'e hannonsar os
preceiios da antiga lei de mprensa que ho de
: vigorar par dos que contm o projecte ultima-
mente \otado em cortes, reumo-se, ha dias no mi-
nisterio do reino, e oceupa-se em examinar detida-
menle os quatro primeiros ttulos de um projecto
de regulamento preparado pelo Sr. Casaval, por
ordem do respectivo ministro.
A commisso eslava tratanto de concluir a sua
tarefa no mais breve espaco de tempo possivel,
i alirn de que a nova le de imprensa vigorasse quau-
| lo antes.
O ministro Cnovas del Castillo, que n'este as-
sumpto- tem mostrado interesse e assiduidade dig-
nos de todo o elogio, propoe-se formular, tom bre-
' vidade, o regulamento acerca da organis^co e at-
tribuiroes do jury, para que apenas promulgada a
lei da imprensa liquem os peridicos sujeitos sua
aeco, continuando a existir o tribunal de juizes de
direito, smento o espaco indispensavel para que o
ministro conclua a sua tarefa. Resulta pois que a
nova legislaro da mprensa melhora consideravel-
mente.
I A excursao do general Prim Logroo e o seu
encontr com o general Espartero, contraria viva-
mente os retrgrados. Aquelle persouagem consi-
gui hannonsar o ex-regente com os progressistas
do bando de Olsaga, segundo aflirmou ha dias o
jornal de Madrid Novedades, e a concliac.o do
grande partido.liberal precursora do seu tritlin-
pho na urna e da sua legitima ascendencia po-
ltica.
O marechal de campo Primo de Rivera, e q bri-
gadeiro Izquierdo, que se distinguirn! no ataque
de Monlechristi (Iba de S. Domingos) foram pro-
movidos, o primeiro tenente geueral, e o segun-
do marechal de campo.
O Sr. Salazar y Mazarredo tinha ldo larga con-
ferencia com os ministros dos negocios estrangei-
i ros o da marinha, pondo-os ao facto de muitos pro-
menores polticos e martimos de que nao poude
dar conta nos seus oflicios acerca do conflicto com
o Per.
Para o Pacfico vo partir importantes refor-
jes.
Para o Calhu de Lima segueni as fragatas
Villa de Madrid, de 50 pecas, Blanca, icrcnguella
e a escuna Vad-Ras.
Dz-se que a corveta Vencedora, surta em Mon-
tevideo tomar o mesmo destino. 'Verificando-so
a compra de um vaso couracado nss Estados-Uni-
dos por conta do Per, partir de rlospanha a fra-
gata Olindada Niemancia, um dos navios de niaior
forra d essa classe. Essas embarcacoes iro aper-
i cebidas do tudo o que necessario' para operar
i n'aqnellas paragens.
Aflirma-se que o gabinete de Santo Ildefonso
. est resolvdo a nao prescindir da aUitude decis-
| va para obrigar o presidente do Per a dar satis-
fago cabal Hespanha.
O Sr. Pacheco ministro dos negocios estrangei-
ros, redigiu urna circular para ser dirigida aos
' agentes diplomticos acreditados junto s dilTeren-
; les cortes, expondo as allegacoes em que se funda
o governo hespanhol para proseguir na exigen-
cia de reparaco pelos aggravos recebidos no
Per.
Esta circular foi publicada. Reccnhece n'ella o
ministro os excessos dos Srs. Mazarredo e Pinzn,
1 e mostra-se disposlo a entregar as ilhas Chinchas,
, apenas o presidente Pezet d satisfar o, acolhendo
jum representante de Hespanha, i; prometiendo
' proseguir com aclivdade no processo dos assassi-
i nos de Talacado.
O documento em questo desagrada imprensa,
I especialmente aos orgaos moderados, que o repu-
i lam dbil, e indecoroso para aquellos que no Per
mantveram a dgnidade de Caslella.
No fim do mez passado tinha chegado um oflicial
da esquadra hespanhola das Chinchas, sendo por-
tador de olas do general Pinzn para o governo
de Jlespanha. Constava que os Hespaohocs de
Cura liaviam mandado couragar urna fragata es-
trangeira para o Per.
Por um recente despacho telegraphco consta
que se fallava all muito do projecto de accordo
apresentado ao governo hespanhol pelo cnsul pe-
ruano ern Madrid.
O Moniteur de Paris do dia 6 oceupa-se tambem
d'esse assumpto.
Em Hespanha contiua o enlhusiasmo por
causa do caminho de ferro portuguez para a Regoa,
at fronteira. E' animador um mappa demons-
traiivo da riqueza da provincia de Salamanca, vin-
do ha pouco de Lumbrales, e feite por um Portu-
guez all fesidente, visia de recentes documentos^
Colhe-se d'esse trabalho estatistico, ser em cereaes
empregados a parte mais importante do terreno
cultivado. E como os cereaes sao em grande
abundancia exportados, evidente que muito con-
vinha provincia de Salamanca facilitar a criacao
at barra do Douro, o que tambem convinha
muito ao commercio do Porto. Os esforcos dos
Hespanhoes sao multo superiores n'este ponto
inciatva portugueza.
A antiga e to decantada questo ibrica,
raorta hoje, amanha resuscitada em Portugal por
sonhadores meticulosos, parece entrar era nova
phase actualmente.
as ultimt- horas da pretrita legislatura portu-
gueza, um par do reino, lasmavam-se em altos cla-
mores da supposta indiflerenca do governo em pre-
senca de machinarles ibricas. Com a sua habi-
tual serenidade, redarga o presidente do conse-
e-
e
partida com o lim de ver se o presi-
dente reconsderava a sua deliberaco como Ihes
premeltia.
Desde esse dia at 6 o presidente vo-se nos
maiores apuros, sollieitado por um lado pelos exal-
tados, abalado por entro pelas sensatas pondera-
gees dos ministros mediadores, e dos amigos da
paz. Dolado, porm, de um carcter fraco e de
pouco tino poltico, se conservava em urna perple-
xidade deploravel, sem lomar urna resolucjio de
deliinitiva, sem coragem para cumprir o compro-
misso solemne que havia contrahido, nem valor
para negar-sc sua execucao.
No dia 5 ooute reuuio em casa do governoos
ento sempre se animou a de-
promeltido mudar o ministe-
rio. Fallou-se muito, disparatou-se bastante, appa-
SI nnhLPrg ,ae &W Swm> Ac Quinteros, porm, predominou sempre a idea
Ori-ntal *^e l'az'e Pre:iiden[e sahio desta reunao inclna-
la .t t8fi? do a cedtr' e ,nandou avisar aos mediadores que
i ^- .,h deseIava ter com clles tuna ultima confereucia uo
gentina ; e como, om consequencia do rompmenlo ~' t"'o'"f.-uep.Jis de ter dado por minha dia 7
destas negociares, o imperio vai ser necessaria- KEte_?.pv*m?s? ^Sllivas de m.eu arden!e aD?
mente arrastado ao emprego de urna poltica fort
julgo conveniente historiar os acontecimentos o
toda a imparcialidade, para que a opinio publ
se forme convenientemente, e se prepare para
; sacrificios que a nossa honra e dignidade exige
afim de que os interesses brasleros, e a vida di f,"."" j-mw wm^mmuivi. V10|ei
nossos concidados sejam devidamente respeitados : 4^';* **"*? esteris, edar.am lugar a novas minisleno f,0rm quer um r insterio
no Rio da Prala. i Jl.sc.or,ias se nao prevalecesse no animo de V. Exc.
as armas de Aljubarrola. e que montado no seu cor
cel d batalha, arraaca.'de Lisboa para saltear te-
merosamente as povoaces fronleras.
Parece que o velho marquez das Minas endireta
as suas columnas sobre Madrid.
Os nossos visinhos hespanhoes nao tem realmen-
te o menor motivo para taes inquietacoes. Procu-
rem ter seguras as suas fronteiras do lado do Ebro
1 e dos Pyreneos.por que nao lhe ha de viro mal das
bandas do occidente.
As nossas glorias, primitivamente sao coramuns;
cumpre-nos mante-las e conservar por ellas essa
reciprocdade de acatamento em que se fundam as
boas relacoes de povos convisinhos equasi irmos.
L.
Montevideo, 8 de jnllio de -186-1.
Snto muito ter que dizer-lhe que esto desvane-
que
conhecer os que necessitarem este requisito pela i
constituigao da repblica.
4. Reconhecimenlo como divida nacional de to-
dos os gastos feitos pelas forcas do brigadeiro ge-
neral 1). Venancio Flores at' somma de quinhen-
tos mil pesos nacionaes.
5. As sommas arrecadadas por ordens emana-
das do brigadeiro general D. Venancio Flores, pro-
cedentes de contribuigoes, patentes ou qualqner
outro imposto, se considerarao como entradas no
thesour nacional.
Este convenio firmado aos 13 de junho as Pau-
tas del Rosario, pelos ministros pacificadores, e
rom o aceite do general Flores, sem restribes, e no;.(Veis foJJJ
com o aceite ad referendum dos commissarios do carar nUt iinho
governo, submettido ao presidente da repblica, r' p.ii,OII.M muir,
anda subsis-
toda a
Todos sabem o m esscncal da misso mpor
tante confiada ao Sr. Saraiva, nao s porque ella foi
urna consequencia das interpellagoes fetas na ca
niara dos Srs. deputados, como "porque c governo
imperial, com urna nobre franqueza, puhlicou logo i
no relatorio as instrurgSes dadas ao enviado bras-
leiro, declarando solemnemente que era o ultimo
tippello amigarel que diriga ao governo oriental, e j
que a forca que mobilisava na fronteira seria em- j ficado pelos Exms. Sr. mnistr
pregada em proteger os nossos direitos efflcazraen-! para a paci'icacao do paz, que
1858, que se responsabilisou
udanga
como o de
por a, piel la horrivel
prestar-se a dar-
te, se este governo nao quizesse
nos a satisfagao devida.
Antes de chegar o Sr. Saraiva, e ao simples an-
nuncio de sua prxima vinda a imprensa de Mon-
tevideo, toda assalariada pelo governo, quiz fazer
crer que as lutencoes do Brasil eram prfidas, e
e Za Fernandes ; os tres prmeiros blancos da
t nesta confianca e certeza, em que fui forti-. gemma, que teem tomado parte activa na presente
tros que cooperaram guerra civil em diversas posices olliciaes, e ape-
ateile com todo o as o ultimo colorado moderado que seria por elle
patriotismo essas condieoes, na idea de combinar inutilizado na administracio; reconhecem cum
pieriamente com V. Exe. essa garanta, para cujo' desgosto que nada mais era possivel fazer-se, e
Jim estou disposto a acudir ao lugar e dia que V.' que nao havia vontade da parte do eoverno em
,_ parte do governo
Lxc. me designar. > j reconciliar a familia oriental.
h evidente, pelo conteudo desta carta do gene-1 Com effeito, a susreplibihdadc do presidente e
ral, trazida ao presidente pelos mediadores, que a de ministerio uao se revolta em tratar de igual
que o fim reservado da misso era procurar um icondico essencial para a execucao do compromis-; para igual com o chefe rebelde, em pasar as des-
pretexto de rompimento, para o exercito e a mari- | so contrahido era a mudanra precia da ministerio,; pezas da guerra feilas por elle contra seu poder, em
nha Imperial operaren! depois a absorpeo da re-1 Pr outra admioistracoifue mspirasse geral con- reconhecer os poslos por elle conferidos aos revol-
publica. j lianca.e olferecesse solidas garantas. I tesos, e so se julga ollendida quando se trata de
Por este meio se procurava exacerbar na popu- > Tambem por outra pa?te esta mudanca se de- realisar a mudauca ministerial?
lago nacional a animosidade que ella sempre nos | Wn operar, porque se iuaugurava una situaco in
tem, e alarmar as nacoes e.trangeiras, principal- teiramente nova, que precisava de una admiras
mente a confederaco Argentina e o Paraguay, para traro nova, nao devendo, nem podendo por sua
obriga-las a intervr em nossa questo ; chegou al I propria dignidade os ministros que suslenlarama
J*t ir..".'.l'll -i .. .4.^ ^-^..'-^ >i!atl>i>aal> r. iTlII't"* lilil llOll I <1 l!! rlife !.. II *!> '
o governo ao ponto, de enviar precipitadamente a
esta ultima repblica um miuislro, que nao duvi-
dou mendigar a sua amizade, rebaxando os bros
. nacionaes de urna maneira inslita, dando-lhc urna
I completa satisfago pela supposta olfensa que o
presidente Lopes considerou feita sua bandeira. i
guerra, que declararam por mais de urna vez nao
ser possivel transigir-se com o cndalo, com orou-
dilho rebelde, servir no restablecmento da paz,
em una poca para a qual se tornavam precisos
homens calmos e conciliadores. Em um paiz ver-
daderamente representativo esta mudanca nao se
Para dizer ludo, o ministro oriental, novel na di- i feria esperar um dia.
plomacia, mas grande tallador contra o Brasil em | Ha nutro documento que prova igualmente que
todas as occasioes, parodiou o aclo de conlricro a substitoirao ministerial foi combinada verbal-
em sua celebre nota, que deve lerenchido do mais mente com o presidente da repblica, nao figuran-
fofo orgulho ao Paraguay, e ha de ser archivada do as condieoes escripias por una delicada at
Que importa que os-ministros tenhanapresenta-
do sua renuncia, se por detraz da cortina maneja-
ran! para ser conservados 1
Pareee-me, pois, que posso com certeza afOrmar
que houve mais questo de ambico, de amor do
poder, do que de dignidade, porque as prime ras
concessoes sao muite mais importantes do que a
que se dexava de cumprir.
Rotas definitivamente as relacoes, nessa mesma
noute embarcaran) para Bueoos-Ayres, no vapor
de guerra Ingles Tritn, o ministro da Confedera-
cao, o ministro inglez e o Sr. Andr Lamas.
Quanto ao Sr. Saraiva, tendo observado nw de-
curso deslas mesmas negociares, a m f do go-
verno oriental, a fraqueza de carcter do presiden-
corno a prova da maior homilhaco que um estado tencSo dos mediadores, que a queriam fazer appa- i te, parece que se convenceu de que em Montevideo
soberano possa oflerecer outro". recer como um acto espontaneo do poder execut- nao ha presentemente administracio publica com
l', \- A'.n ni, Ij*a_...___^_t_____________ ^k^..?_ ..n, V lilil nilllpql .ninvll. r.^.:...v^.*.._M r.*..^- _-.....
(Jada dia os jomaos expteravam a situaco com
mais ou menos habilidade, porm sempre empres-
tando-nos^ um pensamento odioso, at que com a
propagago das noticias do Per, principiaran! a
escrever que a poltica da Hespanha se figava a da
Franca e que do Brasil no Estado Oriental nao
era mais do que a execucao do plano de monarehi-
sar toda a America, iniciado no Mxico pelo impe-
rador Napoleao.
Sabendo-se perfe lamente que aqu ninguem es-
creve senao o que o governo quer, a linguagem
vo, mu natural naqnella conjunctura. quem se possa tratar, e ento embarcou tambem
Reliro-me nota dos comniisarios a seu governo, para Buenos-Ayres com seu s ;crelario no dia 8,
publicada com o n. 15, na qual se l o seguinte I bordo da corveta Nitluroy, que foi acompaohana
trecho, que julgo mu expressvo : [ pela canhoneira Parnakyoa. Houve nessa nouto
t Particularmente nos manifestou o general segunda reunao popular para agradecer ao presi-
Flres, sincero desejo de paz. Temos recorrido denle a energa com que havia sabido resistir s
varios departamentos desolados pela secca e pela
guerra, e que necesstam entregar-se inmediata-
mente ao reparo dos estragos desle duplo acoile ;
temos visto os elementos que, sem vencer a auto-
ridad,', podem arruinar o paiz prolongando una
violenta e prefinida da imprensa contra nos deixa- j guerra destruidora ; temos ouvdo os votos das po-
va claramente perceber as difliculdades que se pre- i putocoes commovidas antes a esperanza da paz, e
paravam misso brasileira, e o proposito firme nos assisle a conviccao intima de que o Exm. Sr.
em que se achava o mesmo governo de negar-lhe presidente pode abrir urna nova era para ota nos-
a saiisfaco quo ella vinha reclamar. I sa amada patria, dando-lhe a paz pelo nico facto
Aportu Montevideo o Sr. Saraiva ; com o seu I de reunir a todos os Orienlaes sob o amparo de
juizo recio e esclarecido apreciou logo a situaco, e i urna administracao que nao veja nem faca entre os
estudou os moios de desempenhar a grave misso Orienlaes mais distinccrs do que as que faz a
de que se encarregra com um espirito puramente
americano.
Dirigi sua primeira nota ao governo oriental em
termos dignos o cortezes, e depois de conferencias
verbaes mu amaveis, recebe urna resposta inso-
lente, que foi mister replicar com firmeza, resta-
belecendo os factos, e responsabilisando por eiles o
governo oriental. Nesta nota, que me dizem ser
constitualo do estado, e Ihes garanta a todos, sem
excepcao, o llore exercicio de seus legtimos direi-
tos. Verbalmenle teremos honra de dar V.
Exc. os dealhes que nao cabem nesta nota, ele.
O presidente recebe o primeiro documento, eou-
ve os ministros estrangeiros, e seus commissarios
que lhe fallam claramente na necessidade desta
mudanca. que adhere positivamente; o ministe-
um documento nolavel, o enviado brasileiro insina i rio tem conhecimento do segundo, e nesta ntelli
hbilmente que s a paz poderia' aplainar as dilU
culdades internas e exlernas com que tufara a re-
publica.
claro que neste estado de nossa questo estava
imminente um rompimento, e quo desde logo sur-
ga a necessdade de appellar para o exercito collo-
cado na fronteira.
Nesla grave conjunctura sahem de Bueoos-Ayres
e apresentam-se enrMontevido, o ministro das re-
lagoes exteriores da repblica, e o enviado extra-
ordinario de S. M. Britannica, com o louvavel de-
signio de intervirem, de accordo com o ministro do
Brasil, para a pacicacao do paiz. inmediatamente
o procuran), e nao tardara os tres a mostrar a
gencia expede um accordo em 23 de junho appro-
vando aquellas bases :
Visto a i murmuran dos commissarios do go-
verno, ouvidas as explieacoes verbaes fetas ao po-
der executivo pelos ditos commissarios, e por Ss.
Exrs. os ministros da Repblica Argentina, de Sua
Magostada o Imperador do Brasil e Sua Magestade
Britannica. >
Depois desta declaraco solemne, o que deviam
fazer os mencionados ministros ? Esperar natural-
mente que o presidente chamasse ao ministerio aos
dous Orientaes que encarnavam a idea da paz, que
eram Lamas e Castellanos, os quaes tnham sido
seus commissarios na obra da pacicacao, e reu-
niam todas as condieoes para torna-la solida e
real.
E tanto mais deviam confiar nislo, porque o pre-
maior harmona em suas relacoes.
O ministro brasileiro nao tinha por misso tratar
da paz; mas sim fazer as reclamacoos de que fora
incumbido ; considerando, porm, as circumstan-1 sidente, depois da promulgacao do referido decreto
cias dfllceis em que encontrou o governo oriental,' de paz, fez a cada um delles urna visita particular,
nao s apresentou aquella fecunda idea, como se e Ihes afiancou que na entrevista solicitada pe-
prestou voluntariamente a cooperar com seus dous' lo general, o que era urna resposta carta em que
distinctos collegas, deixando aquella para resolver se estabelecia a mudanra previa de ministerio, da
quando a familia oriental eslivesse completamente qual elles mesmos foram portadores,
recoocliada. A grandeza desta poltica, que ins- ] No dia 89 partem Elizalde e Thornton outra vez
pira va conllanca aos nacionaes e desvaneca os te-! para a Campanha e sao portadores de urna carta
; mores dos estrangeiros, c muito saliente para que do presidente para o general Flores. Acompa
rae seja necessario pd-la em relevo.
' O presidente da repblica e o ministerio acolhem
com sympalhia as propostas dos mediadores es-
trangeiros e elles nao duvidam fazer urna fastidiosa
viagem campanha, com dous commissarios do
governo, os Srs. Andr Lamas e Castellanos, atim
de terem urna entrevista com o general Flores.
A idea da paz, acariciada na capital por nacio-
naes e estrangeiros, saudada com enthusiasmo pelos
departamentos, echa patriticamente no coracao
do general, que se presta com docilidade aos coa-
j seibos dos ministros, e nao exige seno o quora-
zoavel na posicao favoravel em que se colocou,
| gracas aos erros multiplicados de seus tnhabeis e
! desunidos adversarios.
nha-os o coronel Peres, levando um decreto para o
desarmamento da terca. Encontram-se com o ge-
neral, que se havia approximado por aviso delles,
e lera a caria de que eram portadores, que nao
coniinha senopalavras banaes, e nadadizia sobre
o essencial.
Desconfiam logo disto, e, apenas de regresso
capital, vo pedir urna explieacao ao presidente,
que j faga de outra maneira, e nao quer mudar o
ministerio seno depois do desarmamento.
A' vista desta perfidia deram como rompidas as
negociarles e expedirn! aviso desta desagradavel
oceurrencia ao general Flores. Entretanto, os
exaltados, que ja tioham conseguido abalar o ani-
mo do presidente a demov-to do proposito de com-
exigencias csirangeras.
Es a situaco deploravel em que hoje nos adia-
mos, a capital, at ha pouco to satisfeita cun as
prpbabilidades da paz, est mergulhada em una
profunda tristeza, e a populacao receiosa do futuro,
que se desenlia bem.carregado; porque ninguem
se Ilude sobre os lins que couluziram o enviado
brasileiro a conferenciar com o Ilustrado presiden-
te da Confederaco Argentina.
li de julho.-
Parle boje para essa corte a canhoneira tama-
hijba, com escala pelo Rio-Grande, e como leva
mala, remetlo-lhe' a presente correspondencia, que
j havia escripto com anticiparn.
O governo oriental nao pblicou senao docu-
mentos que lhe convinha dar luz, para fazer
crer que a razo se aclia do seu lado. Porm em
Buenos-Ayres foi desmascarada esta especularlo
pelo governo argentino, e convem que no Rio de
Janeiro se laca o mesmo.
No dia 9 o presidente Aguirre expedio urna pro-
clamaco manifestando aos Orientaes e aos estran-
geiros, que a paz nao se fez, porque os ministros
mediadores, invadindo suas allribuieoes, preleude-
ram impr-lhe um ministerio. Nao se pode men-
tir com mais escndalo.
No mesmo dia sabio luz outra edicao da am-
nista, j por vezes coocedida, com o augmento da
conservaco dos poslos aos ofllcia.es do exercito
que esto com os revoltosos e largarem as armas.
Muita gente er anda na eflicacia deste remedio,
e por toda a parle surgem pacificadores. Dos os
ajude em sua misso. Anda no prembulo deste
decreto se fazem allusoes pouco proprias aos me-
diadores.
O El Plata tem-se oceupado com os mesmos de
urna maneira que escandahsa, e diz-se que o mi-
nisterio nao estranho taes artigos.
No meio de toda esla contado e balburdia s o
El Pays mostra tino, c sabe apreciar a situaco.
Tem apparecido em suas columnas excellentes ar-
tigos editoriaes, e nao me posso esquivar a trans-
crever o seguinte trecho de um publicado no dia 8
sob o tituloA paz.
A rebellio nao um direito, bem o sabemos,
e muito menos quando ella nao tem pretexto algum
legtimo; porm, quando a rebellio nao so repri-
me, e ae contrario disso toma corpo, cresce c chega
at o ponto de tornar indefinida a luta e com ella
os males para o paiz, a rebellio um fado, que
intlue poderosamente nos destinos de toda urna lia-
rn, cm sua ruina, em seu atrazo, em seu aniquil-
lamento. >
Islo que fallar com juizo, com calma, com
perfeita previso do futuro.
Propala-se que os ministros de Franca, Hespa-
nha, Italia e Portugal se prop'e a fazer a paz.
Consta que foi para Buenos-Ayres com oflicios
importantes para o Sr. Lamas, um filho do ox-
presidente Berro.
Hontem tarde seguio para a mesma capital em
misso especial junto ao governo argentino o Sr.
Requena, hoje parte para o Paraguay no mesm^a-


,*,
J*


V.
I
^w
* .
i*?fd t E*eps&ai9R*o Segunda felra i e Agosto 4e 1**4.

racler D,. Antonio de las Carrera?- o ministro de
Qointero*, o estilado, que ttm promovido as rcu-
nioes populares ltimamente-. Vivoz se qaeiram
ver livre delle agora aquH epor isto Ihe derara esta
commisso.
Annunria-se timbera a parlida prxima para o
Rio de Janeiro como ministro, do Sr. Nin Reys.
A paz o o desejo, a aspragao geral deste povo, |
e Ulvci os exaltados jestejam recuando perante a ;
opiniao publica. Creio que se maneja alguma cou-1
sa para eonsegui-la, que o arrependimento ja
vein ciieganrlo.
Da Confederago-Argenlina as noticias nesla se-1
mana sao de pouco interesse. O publico ra des-
agradavelincnie sorprendido em Bucnos-Ayres, no
meio das feslas de julho, que se celebravain com
loda a pompa, com a noticia da continaacao da
guerra no EMado-Orieiital.
O Sr. conselheiro Sarava teve all urna brilhante
recepeo, quando desembarcou no dia 10 de bordo
da canhoneira Parnahyba, (ue o ievou bahias
interiores. A linda galeota do presidente e um
magnifico carro, tambem do seu uso, foratn obse-
quiosamenie pollos disposicao do nosso enviado
nue fui recebido no mlhe pelo ministro da guerra
e oulras autoridades da repblica. No dia seguin-
te teve elle logo urna entrevista particular com o
general Mitre, qual consta que assistiram todcs
os ministros.
_\'ns provincias ha soreg.
Paraguay, donde lia datas trazidas pelo Para-
(utiii al i do correte, contina tranquillo.
Finalmente chegaram as rommunicacoes do Pe-1
r, lio aimio=ameute esperadas. A questo desta
repblica com a Hcspanha se modilica. A attitude
do governo era, por assim dizer, espectante, e nao j
parece disposto a atacar as forgas hespanholas, em
juanto nao conhecer o juizoda Hes-anha sobre o
apoderamenlo das illias de Chincha.
Sem embargo continuam os preparativos de de-1
lesa, e as nunifeslagoes de sympathia se succedem
com crescenle enthusiasmo. I
As rcilamacoes diplomticas sao um novo moli- \
vo para crer que a questo pode tomar diverso ru-'
mo Os ministros de Franca, Inglaterra e Chile
linham ido s ilhas de Chincha para conferenciar
com Pinzn e Mazanedo ern nome do corno diplo-
mtico eslrangeiro.
Mazanedo liona sabido das ilhas, c um commu-
nicado que fez publicar nos peridicos annuncia
que renuncio* a seguir no desempenho das (une-
-oes dt (ue se ada investido.
Alm disto, ha um novo manifest publicado pe-
lo Sr. Mazanedo e Pinzn, no qual declaran) em
consequencia dos traballios diplomticos, que a
Hespanha nio pretende intrometter-se na forma de
governo do Peni, que a oceupago das ilhas de
Chincha ama mera represalia, at a resolugo do
governo; que nem se quer sero exploradas senao
pelos navios que apreseotarem permisso do gover-
no peruano; que a esquadra hespanhola se conser- i
vara na defensiva; que nao reclamar crditos se-
nao aquellos que reunain as tres condicoes de ori-
gem hespanhola, contiuuidade e actualidade de d-
reilo em subditos hespanhoes ; e por ultimo, que
carecem de todo fundamento os rumores de que a
Hespanha deseja estabelecer no Per ou em al-
guma outra repubpca americana dynastias euro-1
Peas- ... !
J se v que o almirante e commissano nespa-1
nhol, reconhecetido a imprudencia que commette-
ram com o seu primeiro manifest, recuam diante
da importante demonstrado de toda America do ,
Su!, que condemnou as theorias da reivindicago
e tregoas que ciles inventaram.
No Chile ha ainda grande enthusiasmo a favor
da guerra com a He.-panha, e a opiniao dominante
essa. Nao exacto o bombardeamento de Pisco.
As noticias das outras repblicas do centro da
America carecem de inleresse para o Brasil.
Fica sem eUoito a homeagao do Sr. lente
do corpo Jfl Bngenheiros Jos Eduardo Barbosa,
para servir na provincia de Sergipe (ordem do da
o. 404) ; devendo recolber-se a esta corte.
Remogijes.-Dos Srs.: primeiros cirurgioes do
corpo de s'aude, Drs. Cyrillo Jos Pereira de Al-
buquerque e Antonio de Jess e Sonza, este da
provincia da Bahia para esta corte, e aquello da
provincia de Matto-Grosso para a da Bahia ;
Segundos cirurgioes do mesmo corpo, Drs. Fran-
cisco Antonio Fernandos Jnior, da provincia de
Minas-Geraes para a da Parahyba ; e Jacintho Sil-
vano de Sania Rosa, desla provincia para a da
Baha.
Transferencias.Dos Srs. : 2* tenenle do 2o ba-
talhao de artilharia a p, Jos Chrysostomo Go-
mes da Silveira, para o 3* batalhao da mesma ar-
ma, como reqaereu ;
Alferes do lf> batalhao de infamara, Pedro
Joaquim lveo, para o batalhao de caladores da
provincia da Bahia, como requercu.
Alferes do corpo de guarnicao do Piauhy, Belar-
mino Acciole de Vasconcellos, para o corpo de
guarnicao do Cear, a que se acha addido ;
i tenenle secretario do 2o batalhao de artilharia
a p Joaquim Jos do Santa Anna, para a Illeira do
mesmo batalhao, como requereu.
INTERIOR.
rio ni: jim:hio.
24 de julho de 1864.
O senado occupoQ-se hontem com a discussao do
requerimento do Sr. Silveira da Molla a respeilo
dos ltimos aeontecimenlos do Rio da Prata.
(i Sr. presidente do conselho orou em primeiro
lugar : Exc. depois de expor o que so passou,
t de que ja demos nolicia aos nossos leitores, ac-
cresceotou qne o Sr. conselheiro Saraiva itnha de
vollar a Montevideo para apresentar o nosso ///
matum, concluindo necessariamente com a amea-
ga de represalias ; que essas represalias poileriam
consistir em passar o cxercilo brasileiro a frontei-
ra e penetrar no Estado Oriental, afim de obter sa-
lisfaco dos aggravos de que se queixa o Brasil,
regrosando depois ao nosso territorio ; que o go-
verno imperial nao pretende, pois, senao usar do
direito de represalia**, que nao a guerra propria-
mente dita -. e que s aceitara a guerra no caso
della ser indispensavel.
Ao Sr. presidente do conselho surcederam na
tribuna os Srs. Silveira da Mola, ministro dos ne-
gocios estrangeiros, Pimenta Bueno e Ferraz, fl-
cando a discussao adiada pela hora.
A cmara dos depulados approvou honlem em
3* discussao, sem debate, o prometo que aulorisao
governo a promover ao posto de segundos len-
les os primeiros pilotos Alfonso Henriques de Al-
buqoerque e Mello eJoao Jos Lopes Ferraz.
Occu|iou-se depois com a 3" discussao do pro-
jeclo que crea urna freguezia em Mataporcos^ De-
pois d>' ;ilgumasobse.'vcoes dos Srs. Leitao da
Cunha e Jacobina, licou a discussao adiada pela
hora.
a Sr. Franco ile Almeida offereceu urna emenda
mandando supprimir as palavras comidas no pa-
renihesis-ladoda Cidadc Nova.
Traton em ultimo lugar da 2' discussao do pro-
jecto sobre a companhia l:mo e Industria. Ora-
ram os Sis. Souza Carvalho, Ranshona, Paula San-
tos, Fialho e Marliulto Campos, lieando a discussao
encerrada.
Fo'i apresenlado o seguinte parecer :
BLBICAO DE l'EIINAMIU T.O.(3o distrkto),
A cummso de constitnicao e poderes, lendo
examinado as acias e documentos concernentes ao
prorc-o eleiloial das parochias de S. Miguel de
Barreiros e Una, pertencenles ao 3" disiricto da
provincia do Pernambuco, val dar sen parecer.
S. Miguel de Barreiros.Ao comecarem os
trabaIhos, susctou-se duvida sobre a competencia
do primeiro juiz de paz para presidir a mesa, alle-
gando o eleitor Dr. Lourengo Avelino de Albuquer-
que Mello que, estando aquelle juiz na sua quali-
dade de coadjuctor no exercicio das funegoes pa-
rochiacs, por isso que o respectivo parocho se
achava ausente, era incompaiivel, cooforme dispo-
sifoes em vigor.
Desaltendida esta exigencia como carecedora
de fundamento, oito eleitores e nove supplentes,
depois de protestaren) retiraram-se, e sob a presi-
dencia do 3 juiz de paz procederam a outra elei-
^ao na igreja nova destinada matriz.
Nao est provada a allegada ncompatibili-
pade.
I'un.-Organisadaa mesa sob a presidencia
do Io juiz de paz, nada mais se fez no da 9.
No seguinte foi todo o tempo consumido em
discus.-es a proposito de um protesto requerido
pelo cidadao llenrique Augusto Met, fundado em
que o subdelegado e a parochia linham forea ua
dispo-icao.
No dia II, depois de lanzados o referido pro-
testo e um rontra-proiesto, retiraram-se o juiz de
paz presidente e, os dous mesarios eleitores, sob o
pretexto de consultaren) o governo e pedirem pro-
videncias contra a torca disposicao do subdele-
gado, declarando adiada a.eleico para o dia 18.
Esta segunda eleigo foi realisada em urna ca-
pella do engenho l'na, pelo que consta da acta do
collegio do Itio Formoso e nao porque a respectiva
authentica viesse commisso.
Retirada, como dito fica, a maioria da mesa, a
minoria, convidando o 3o juiz de paz, padre Anto-
nio Jacome de Araujo, c completando a mesa, den
seguimento aos Irabalhos, os quaes corrern) re-
gularmente.
< Em vista do exposto, parece commisso que
devem ser approvadas as .eleicoes presididas em
S. Miguel de Barreiros pelo Io'juiz de paz, e em
i 'na pelo 3, annuliadas as duplcalas elTectuadas
as referidas parochias.
t Sala das commissoes, em 20 de jalho de 1864.
Jos Caetano.A. C. de S e Albnquerque.
Da ordem do dia n. 408, publicada em 21 do
crreme mez, consta o seguinte :
Nomeaeoes.Dos Srs. : segundos cirurgioes do
corp;. ue saude Drs. Joaquim Mariano de Macedo
Soai /i, Macoel Joaquim Rodrigues de Macedo e
Manoel Alves Ferreira Serrao, para servirem, o
1* nessa corte, o 2 na provincia do Piauhy, e o 3
na do Rio Grande do Sul;
Alferes do corpo de guarnicao do Espirito Santo;
Jos Marcobnode Andrade Vaseoncellos, para se-
cretario do dito corpo;
Gapello alferes da repartir,) eclesistica padre
Francisco de Paula Cavalcanli de Albuquerque,
paraexercer as funccSes de sen ministerio na
uarieio da provincia do Amazonas.
DIARIO DE PERNAMBUCO
Recebemos jornaes do Rio al 24 e da Baha at
28 do crreme, dos quaes foi portador o vapor fran-
cez Savarre, chegado honlem.
Sob as rubricas Exterior c Interior euconlraiao
os leitores o que de mas impof tante ha, alm do
que apenas encontramos o que segu.
Por decreto de diversas dalas foram Hornea-
dos :
Presidente do Imperial Instituto Sergipano de
Agricultura, o Dr. Cincinato Pinto da Silva ;
Primeiro e segundo ajudantes do correio de
Marvo. no Piauhy, Malaquias Gomes de Mello e
Jo= Antonio da Cunha e Silva.
Foram creados, por decretos de 20 de maio,
dous commndos superiores da guarda nacional,
um no municipio de lgarap-mirim e outro nos de
Chaves, Soure e Monsars, na provincia do Para.
L-se no Correio Mercantil:
Teve lugar hontem (23) o funeral do viceal-
mirante graduado Antonio Pedro de Carvalho, fal-
lecido s 9 e meia horas da noitc de 22 do cor-
rente.
t O sahimento fnebre dirlgio-se s 5 horas da
tarde para o cemiterio de S. Francisco Xavier,
acompanhado por um esquadrao do primeiro regi-
ment de cavallaria.
A' porta da residencia do finado eslava posla-
do um parque de artilharia de artfices com quatro
pecas, e o primeiro batalhao de fuzileiros, que de-
ram as descargas do eslylo na occasio de sabir o
corpo.
t No cemiterio eslava o batalhao de imperiaes
marnheiros que deu tres descargas quando o cor-
po descia a sepultura, e em frente ao mesmo cemi-
terio, estava fundeada a corveta Imperial Mari-
nheiro, que na mesma occasio deu urna salva de
19 tiros.
Em consequencia de ser hontem dia de gala
nao se fez no mar o funeral.
do fallecido vice-almirante os seguintes aponia-
menlos :
Amonio Pedro de Carvalho, filho do desembar-
gador Antonio de Carvalho Fontes Henriques Pe-
reira c de D. Anna Anglica Pereira de Carvalho,
natural da villa de Cedorico na Beira, nasceu em
11 de fevereiro de 1797.
Embarcou como voluntario bordo da corve-
ta Princeza Real, nn dia 23 de Janeiro de 1819, ten-
do o curso maihen...:ico da academia do Rio de Ja-
neiro ; foi promovido segundo lente no dia 3
de maio de 1819, desembarcou da referida corveta
em 28 de julho de 1820 por doente ; no 1 de de-
zembro seguinte embarcou no brigue Balo ; em
1823 commandou a presa Conde de Pcuiche.
t Foi promovido primeiro tenenle por decreto
de 22 de Janeiro de 1824; em 27 de fevereiro do
mesmo anno, tomou o commando da canhoneira
Guaratiba \ commandou o brigue Januario, no
qual foi prisioneiro em 1827.
Foi promovido a capilao-tenenle por decreto
de 12 de oulubro de 1827 ; pelo de 12 de junho de
1830, nomeado intendente da marinha na provin-
cia de Pernambuco ; desla provincia foi para to-
mar igual cargo na da Babia, por decreto de 30 de
agosto de 132 ; pelo de C d novembro de 1833,
foi nomeado inspector do arsenal de marinha da
provincia de Pernambuco. e exonerado deste em-
prego em 8 de agosto de 183", data em que pas-
sou a commandar divisao naval estacionada no
Para.
t Promovido capitao de fragata em 7 de se-
tembro de 1837, contando antiguidade deste posto,
substituido do commando das forjas navaes da
provincia do Para, foi nomeado inspector do arse-
nal de marinha da mesma provincia; igual cargo
oceupou no Rio Grande do Sul, d'ahi passou para
ollicial adjunto da conladoria de marinha o rece-
beu o ofcialato do Cruzeiro, por servidos presta-
dos no Rio Grande, durante o tempo em que ahi
foi inspector do arsenal.
t Promovido capilaode mar e guerra em 23
de julho de 1842 nomeado ajudante de ordens e
encarregado do quartel general da marinha em 31
de dezembro de 1842; em maio de 1843 nomeado
commandante da divisao naval do Rio Grande do
Sul ; chefe da divisao graduado em 14 de marco
de 1847, eflectivoem 14 de margo de 1849; em
21 de maio de 1849 foi nomeado intendente da ma-
rinha da curte, leudo deixado a inspeefao do ar-
senal : por decreto de 22 de junho de 18."i3 foi
nomeado vogal do conselho supremo militar.
t Chefe de esquadra em 2 de dezembru de 1854,
recebeu a commenda da Torre Espada, por carta
regia de Sua Mageslade Fidelissima, em 30 de de-
zembro de 1850 em galardao dos servicos presta-
dos nao Xasco da Gama ; foi nomeado comman-
dante da academia de marinha por decreto do 1"
de agosto de 1855 ; conselheiro de guerra por de-
creto de 3 de fevereiro de 1857,e em novembro de
1860 presidente da commisso de presas. Nomea-
do cavalleiro professo da ordem de S. Bento do
Aviz em 8 de outubro de 1839, recebeu o titulo de
conselho em 185 ; foi feiio lidalgo cavalleiro da
casa imperial e commendador da ordem de S.
Bento de Aviz em I8CI. Promovido vicealmi-
rante graduado em 2 de dezembro de 1862, e con-
cluio os irabalhos da commisso de presas em ou-
tubro de 1863..
Baha. L-se no Jornal :
Depois de vintee oilo mezes de cruel enfermi-
dade, falleceu hontem (25) s 9 1|2 da ntanhaa,
contando apenas trinia annos de idade a Exm.Sra.
D. Antonia Tbereza de S Pilla Argollo Wander-
ley, filha do Exm. Sr. Conde de Pass, e esposa do
Exm. Sr. conselheiro Joiio Mauricio Wanderley,
baro de Cotegipe.
O cambio Pirara : sobre Londres 27 1|4 e
27 3|4 d. por 1,8000, sobreParis 350rs. sobre Ham-
burgo 630 rs. e sobre Portugal 96 0(0.
NOTICIAS COMMERCIAES E MARTIMAS.
Rio de Janeiro, 23 de julho.
Cambio. Sarcaram-se boje S 20,000 sobre
Londres a 27 e 27 i|4 d. sendo ao primeiro alga-
rismo um saque de 8,000 em circumstancias
excepclonaes.
Sommam portanto as operacoes fechadas pelo
paquete francez Navarre :
Sobre Londres : S 370:000 27 1|8, 27 1|4 e
27 3|8 d. incluindo 50,000 tomadas pelo governo
27i|4d.
Sobre Franca c Antuerpia : 1,800:000 francos
a 346, 47. 48, 49 e 50 rs.
Sobre Hamburgo : 200,000 tn. b. 600 rs.
Sobre Lisboa e o Porto sacou-se de 97 99 0|0
a 90 das.
Desceios.Conservaram-se nos bancos a 8 0|0.
Na praea tem-se ellectuadu negocios de 7 I|2a9
"Id. A procura do numerario pequea.
Acharam-se carga para Pernambuco : bri-
gue S, Manoel 1, e patacho Albetto.
Chamamos a altenco dos leitores para o fo-
Ihetim que hoje encelamos cm nossa oitava pagi-
na, escripto pelo disiincto romancista portuguez
Gamillo Castello Branco.
Ao meio dia de 30 do mez passado, pouco
| mais ou menos, em a ra da Guia, Manoel Mxi-
mo Rodrigues tentou contra a existencia de Joo
Pereira da Costa, descarregando quatro punhaladas
. com uih caivete de molla, das quaes acertando
tres sobre o peito direito e a ultima em o braco
esquerdo.
O criminoso foi preso em flagrante, e o subde-
legado respectivo proceden auto de corpo de
j delicio, e vai instaurar o competente processo.
Manoel Mximo Rodrigues, bem como Joo Pe-
1 reir da Costa, eram vendedores de capim na pra-
j ga deste nome, ra do Sol, onde na tarde de dito
; mez, por causa do baixa no preco da venda desse
genero, tiveram urna altercacao", na qual liouve
troca de palavras desagradaveis, dando Rodrigues
urna queixa por crimo do injurias verbaes contra
Costa, perante a delegacia do primeiro districto des-
ta capital, sendo dita queixa julgada improcedente
por falta de provas.
Rodrigues, vendo que Ihe havia falhado esse
meio de vingar-se de Cosa, resolveu tentar contra
a existencia deste, o que realisou como fica ex-
| posto. .
Na occasio cm que foi Rodrigues preso, tinha
na manga do braco da jaquea urna mancha bem vi-
si vel do sangue de sua victima, e para tira-la pe-
dio agua s duas prajas que o guardavam, e re-
cebendo o vaso que a continha, tomou|um bochexo
e fez desapparecer essa prova que poda ser ap-
1 proveitada.
Rodrigues mostrou um cynismo inqualiicavel
em todo o trajelo para a priso, e Costa est lu-
tando entre a vida e a morte.
Por ser hontem o dia do 52 anniversario de
S. M. a duqueza de Braganca, estiveram embandei-
rados os navios de guerra e fortalezas, salvando a
do Brnm 1 hora da tarde.
Reniettemnos o seguinte, pedindo a sua pu-
blicado :
Pde-se ao Sr. Dr. Martins Pereira, 'delegado
depolicla desla capital, que antes de proferir julga-
mento no processo a que est respondendo o Sr.
Epiphanio Astudillo, se digne de fazer o seguinte :
; 1. uuvir os dous amigos membros do extincto
conselho de salnbridade publica, que se acham
presentes nesta cidade, e sao os Srs. Drs. S Pe-
reira e Pereira do Garmo :
2.* Pedir e lr a copia do officio que o mesmo
i conselho dirigi presidencia desta provincia cm
! 19 de agosto de 1851, que deve existir archivado
, na respectiva secretaria, acompanhado da infor-
maco que deu o vice-dlrector da Faculdade de
Medicina do Rio de Janeiro em 30 de julho, desse
mesmo anno;
3. Exigir do mesmo Sr. Astudillo a apresenta-
cao do titulo que Ihe devia dar a Faculdade de Me-
dicina do Rio de Janeiro, como costama, se el e
approvado ;
4.a Nao deixar passar sem reflexo, que no at-
testado, que deu lugar ao processo, o Sr. Astudillo
se diz doutor em medicina e cirurgio pela Facol-
j dade de Madrid; entretanto que na these impres-
| sa em 1863, que apresentou como prova de ter sido
i approvado, elle declara que apenasbacharel,
o que nao a mesma cousa ; sendo conveniente
; recorrer esse titulo dado pela Faculdade de Ma-
drid.
5.* Finalmente, pedir informagoes Faculdade
de Medicina do Rio de Janeiro afim de que se
saiba como um individuo reprovado em exame de
habilitadlo perante ella em 1851, foi approvado
em segundo exame em 18^3.
Pedem-nos esta publicaco :
A' ra da Imperatriz n.... residem uns mo-
cos cstudantes, que nao satisfeitos cora os repeti-
dos alaridos que fazem, deram agora em dar pa-
teadas as pessoas que passam pela mesma ra ;
e o que mais que, lsto pralicam a noite, e al-
gumas vezes estendem o dicertimento al duas ho-
ras da mannaa, como aconteceu no dia 27 do cor-
rente incommodando assim a visinhanca.
Compre que a polica ponha termo semelhante
dicertimento, j que taes mocos pensam, que a qua-
lidade de atildantes lhes da direito a insultar e a
incommodar pessoas, que muiU bem dispensam
gracas de to mo gosto.
A Companhia de Beber be pretende fazer exe- i
quivel a condigo que impon a mulla de 1005 aos
contraanles de pennas d'agua, que abusara, forne-'
ceudo agua para outras propriedades e uso estra-
nho, ao estatuido nos contratos.
BKPARTICXO DA POLICIA.
Extracto das partes do da 30 de julho
de 1864.
Foram recolhidos casa de detencao no dia 29 j
do rorrente:
A' ordem do Illin. Sr. Dr. Chefe de pelicia, Jos
Pedro d'Albuquerque Lima, como desertor do bri-
gue barca Ilamnrac.
A' ordem do Dr. delegado da capital, Manoel Pe-
reira da Silva, e Simao Antonio Rufino, ambos
para correegao.
A' ordem do subdelegado do Recife, Emydio
Manoel dos Santos, Mara Gomes da Silva, e Palri- j
ci, liberto, todos por briga.
A' ordem do de S. Jos, Mara !> imaza da Con- j
ceigao, por desturbios, e Antonio da Costa, por I
i briga.
A' ordem do da Boa-Vista, Luiz Antonio do as-
cimento, Antonio Gomes Benicio, e Joaquim The- j
reza Nones, todos para avergusedes em crime de
roubo.
O chefe da segunda seegao,
J. G. de Moquita.
Movimento da casa de detencao no dia 28 de
julho de 1864.
Exstiam..... 351 presos.
Entraran)..... 15
Sahiram...... 11
Exislem...... 3oo
A saber :
Nacionaes..... 284
Estrangeiros... 18
Mulheres...... i
Estrangeiras .. 1
Escravos...... 43
Escravas...... 4
PEMAMBOCO.
REVISTA DIARIA.
O vapor francez Navarre condnzio seu bor-
do dos portos do sul, 183 passageiros, sendo 8
para Pernamboco e 177 para a Europa, dos quaes
37 para Lisboa e 140 para Brdeos.
Pelo vapor Oyapock vieram, para a nossa
praga, 387:6005000 rs., sendo : para o London and
Brasilian Bank 353:6004000; paraos Srs. Phipps
Brothers & C 20:000*000; e para o Sr. Augusto
Frederico de Oliveira 12:0004000.
Acaba de ser prorogado, por qaatro mezes,
o recolhimento das sedulas de 2004000 rs. da 1." e
2.* estampas, comecando a soffrer descont do !.*
de dezembro em diante.
Pelo vapor francez Navarre vieram mais
43:4304000 rs. em soberanos.
353
Alimentados a cusa dos cofres provine iaes. 143
Movimento da enfermara no dia 29 de julho
de 1864.
Teve baixa :
Flix Jos de Souza; bronchitc.
Passageiro do patacho nacional Salto sahido
para o Rio Grande do Sul: Jeronymo Pinto de
Souza.
Passageiros do hiate nacional Nicolao I sahido
para o Aracaty :Antonio Pereira da Graga c Jos
Francisco Ramos.
Passageiros do vapor francez Navarre, vindo
do Rio de Janeiro:
Amodeu Schaffter e sua senhora, Francisco de
S Araujo, Jos Martins Teixeira, Jozeno Barroso,
Sebastian Verges y Roig, Antonio de Souto Maior
Rapozo, e Jos Velloso Soares.
Passageiros do vapor francez Navarre, sahi
do para Bordeaax e portos intermedios :
P. C. von Schosten, e 2 filhos menores, Emelio
Robbes, I-s Corollos Pombo, Margarida Verdini e
seu filho menor, Francisca Nina Albert, Antonio da
Silva Ferreira, Antonio Domingos Marques Romao,
Victorino Domingos Alves Maia, Joaquim taval-
cante de Albuquerque, Antonio Jos Pereira, Joao
Rapozo de Souza e sua familia, barao de Jaragu,
D. Maria do Carmo Mondonga Sanches, Francisco
Antonio Geffone, Vicenzo Marsglia, Beago Schet-
teno, Beagio Rufego.
Passageiros do vapor nacional Oyapock, sa-
hido para os portos do norte :
Anspecada Cassiano Jos Theroaz e a soldados
do exercito, Ernesto Augusto de Athayde, Domin-
gos H. de Oliveira e 1 filho, Mara Isabel da Concci-
cao, Emilio Alves Coutinho, 6 pracas do exercito e
1 preso, coronel Joo Baptista Pereira Lobo, Ange-
lo Antunes de Faria Torres, cabo de esquadra An-
tonio Joo Santiago, cnsul ioglez J. W. Stwdort.
Improcedente.
Appellanle, o juizo ; appellado, Secundino Gue-
des.
A' novo jury.
- Appellanle, Theodoro Gomes da Silva ; appella-
da, a juslica.
Improcedente.
Appellanle, o juizo; appellado, .Lucas Antonio
Evangelista.
A' novo jury.
Appellanle, o juizo ; appellado, Manoel Caetano
dos Santos.
A' novo jury.
Appcllacoes ciceis.
Appellanle, Joo Gomes da Costa ; appellado,
Joaquim Jorge de Mello.
Reformada a sentenca.
Appellante, Maoei'Ribeiro da Cunha Oliveira ;
appellado, Joao Evangelista Bello.
Receberam-se os embargos do appellante.
DILIGENCIAS CHIMES.
Com vista ao Sr. desembargador promotor da
justiga
.4$ appcllacdes crvnes.
Appellanle, o juizo ; appellado, Pedro Francisco
de Lima.
Appellante, Manoel Tavares do Nascimento ; ap-
pellada, a justiga.
DILIGENCIAS CIVEIS.
Com vista ao Exm.' Sr. desembargador procura-
dor da cora
A appellaeao cicel.
Appellante, D. Isabel Slaria das Chagas Gui ma-
raes ; appellada, D. Rita de Cassia Pereira Vianna.
DESIG.NAQAO DE DIA.
Assignou-se dia para Julgamento dos segrales
feitos :
A appellacao civel.
Appellante, a vi uva de Manoel de Almeida Cata-
nho ; appellada, a fazenda.
TASSAGENS
O Sr. desembargador Gitirana passou ao Sr.
desembargador Lourengo Santiago
As appellacocs ciceis.
Appellante, Jos Gabriel de Mello ; appellado,
Francisco Jos Pinto.
Appellante, Manoel Elias de Moura ; appellado.
o bacharel Manoel Firmino de Mello.
Appellante, Joaquim Jos de Mello; appellado,
Flix Pereira de Souza.
A appellacao crime.
Appellante, o juizo ; appellado, Jos Caetano dos
Santos.
Do Sr. desembargador Loureneo Santiago ao Sr.
desembargador Almeida e Albuquerque
As appella^oes civeis.
Appellantes, os herdeiros de D. Maria Jacinlha
de Abreu ; appellado, Jos Peres da Cruz.
Appellante, o Dr. Joao Ferreira da Silva ; appel-
lado, Joaquim Jos Alves Lima.
Appellante, Manoel Elias de Moura; appella-
do, Joaquim Francisco Cavalcanli de Albuquerque.
Appellante, Manoel Patricio dos Santos; appel-
lado, Fabricio Gomes Pedrosa.
Appellante, Paulina Maria Bastos; appellado,
Antonio Gomes da Silva.
Appellante, Cosme Ferreira Lima ; appellado,
Manoel Gomes da Cunha.
O conflicto de jurisdiegao entre o juiz municipal
do termo do Ouricurv e o do termo de Ba-
Vista.
Ao Sr. desembargador Ucha Cavalcanli
A appellacao civel.
Appellantes, a preta Maria e scus filhos ; appel-
ado, Guilherme Augusto de Miranda.
DoSr. desembargador Almeida e Albuquerque ao
desembargador Assis
A appellacao crime.
Appellante, o juizo ; appellado, Pedro Celestino
de Almeida Cavalcanli.
A appellacao civel.
Appellante, o brigadeiro Gaspar de Menezes Vas-
concellos de Drummond ; appellada, a junta da
Santa Casa da Misericordia.
O Sr. desembargador Assis passou ao Sr. desem-
bargador Motta
.4 appellacao crime.
Appellante, o promotor ; appellado, Jos Gui-
Iherme da Silva.
As appellaces ciceis.
Appellante, D. Maria Felicia da Conceigao Leite ;
appellado, Manoel Ferreira da Silva.
Appellante, o juizo ; appellado, D. Joanna An-
glica Bastts.
Appellanle, D. Joanna Maria das Dores; appel-
lada. Dr.. Augusto Crneiro Montero da" Silva
Santos.
Do Sr. desembargador Motta ao Sr. desembar-
gador Ucha Cavalcanti
As appcllacoes crimes.
Appellante, o juizo; a'ppellado, Joo Dionisio.
Appellante, Amaro Nery dos Santos; appellada,
ajustiga.
Ao Sr. desembargador Domingues da Silva
As appeHacoes ciceis.
Appellante, D. Barbara'Francisca de Jess; ap-
pellado, Manoel Francisco da Cruz.
Appellante, Agoslinho Lucas Correia ; appella-
da, a escrava Lina.
Appellante, Bernardino Lopes de Oliveira ; ap-
pellada, a prela Eugenia, por seu curador.
Entregon ao Sr. desembargador Assis, por Ihe
terem sido passados por engao
As appellardes crimes.
Appellanle, o juizo : appellado, Antonio Francis-
co Gomes.
Appellanle, o juizo; appellado, Jos Joaquim de
Santa Anna.
.4 appelliieo civel.
Appellante, Jos Antonio da Costa Braga, como
curador ; appellado, Francisco Muniz Pontes.
Do Sr. desembargador Ucha Cavalcanti ao Sr.
desembargador Domingues da Silva
As appellacves civeis.
Appellante, Dr. Francisco de Paula Baptista; ap-
pellada, D. Anna Maria das Dores.
Appellante, Felippe Gomes da Frota Jnior; ap-
pellado, Domingos Gomes da Frota.
Appellanle, Jos Ignacio de Mello; appella-
do, Alexandrino Martins Correia de Barros.
Appellante, Antonio Lopes Braga ; appellado, o
menor Graciano.
Appellante, a mesa do ordem terceira de S. Fran-
cisco ; appellado, o juiz de capellas.
Appellante, Jos Maria da Silva Ferreira j ap-
pellado, Domingos Bernardino da Cunha.
Appellante, Estevo Jos Paes Brrelo ; appella-
do, Gabriel Germano Montarroyos.
Appellante, Pedro Cavalcanti de Albuquerque
Ucha ; appellado, Joao de S Albuquerque.
A'iJ horas da tarde encerrou-se a sessao.
Mas se ludo isso nos opprimio, livemos sutnma
salisfagao de 1er no Diario de Pernambuco, a sua
excellente defeza, pelo qual ficou bem patente o
irregular proceder do seu gratuito inimigo.
O Sr. ommendador Vires fallou com a consci-
enca do homem de bem, provou com attestages
irrecusaveis a injustiga e a protervia daquelle des-
gragado anonymo, e os seus amigos e imparciaes
ficaram alegres e satisfeilos.
E' assim que um bom empregado no Brasil cos-
luma fazer calar o rancoroso e desleal eslrangeiro,
que suppoe valer pelo seu dinheiro e nao pela sua
individualidade.
Verilas.
CHR0.MCA_JlDltl.4KIA
TRIIHVAL DA RELAlO.
SESSAO EM 30 DE JULHO.
PRESIDENCIA DO EXM. Sn. CONSELHEIRO
SOUZA.
s 10 horas da manhaa, presentes os senhores
desembargadores Gitirana, Lourengo Santiago, Al-
meida e Albuquerque, Assis, Motta, Ucha Caval-
canti, e Domingues da Silva, abrio-se a sessao.
O Sr. desembargador Guerra, procurador da co-
ra, nio comparecen.
Passados os feitos e entregues os distribuidos,
deram-se os seguintes
JULGAMENTOS
Appellardes crimes.
Appellante, o juizo ; appellado, Viriato de Sou-
za Trindade e outro.
Improcedente.
Appellante, o juizo; appellado, Joo Francisco
do Nascimento.
A' novo jury.
Appellante, o juizo ; appellado, Angelo Pi.
CORRESPONDENCIAS.
Senhores redactores.Nao ha paiz onde o func-
cionario esteja to exposto a malevolencia como
este nosso.
O titulo de empregado publico no entender
dessa gente urna porta aberta por onde qualquer
tem entrada livre para dizer quanto Ihe vem
mente, porque o empregado publico urna especie
de distraccao para a qual concorrem todos com o
seu dinheiro.
Uns sao soberbos e orgulhosos, outros sao humil-
des e servs, este ignorante, aquelle corrompido,
e at a vida anterior do individuo um cavallo de
batalha contra o empregado embora Dada se posta
dizer delle, que se diga do geral dos boraens.
E no entretanto nao ha paiz, onde o funecionario
seja to mal compensado, e ao mesmo tempo onde
sejam tao honestos e to honrados I
O Sr. commendador Manoel Luiz Vires An
desses empregados, a quem deve a capital de Per-
nambuco o seu magnifico cemiterio, o primeiro do
Brasil. Para conseguir a justa importancia, que
se Ihe nao pode recusar, nao tem poupado esforgos,
dedicagao eal sacrificios pecuniarios. Alm desse
inleresse, o seu amor pelo nome Pernambuco tem
feito arrancar do esquecimento de urna obscura
sepultura as ossadas de um crescido numero de
Pernambucanos Ilustres para as ter em jazigos,
onde sero seropre lerabrados com saudade e re-
conhecimento.
A' expensas snas, e por lembranga tambem sua
esto livres desse esquecimento que gera a-pobreza
tantos nomes, qne fazem oulras taas glorias da
provincia e da patria.
A' nm homem desses, que parecen) formados
pela natureza para ama tal especialidade, um to
destinelo cidadao para quem s deviara baver
phrases de reconhecimento, lembrou-se um desgra-
nado de o abocanbar, fazendo-lhe censuras to in-
justas e infundadas que tremeu ante a propria
responsabilidade do seu nome.
Foi urna desagradavel sorpreza esse estpido
avnlso que correu sabbado contra o Sr. commen-
dador Vires.
Pensavam todos que o seu nome assente no co-
rago de tantas familias, estivesse amparado dos
Solpes da malevolencia; foi mais urna amarga
ecepgo porque pastamos vendo-o arrancado da
quietacao do seu lar, e do publico reconhecimento
para ser exposto analyse por esse direito que
cada um quer ter em devassar a honra do empre-
gado publico por mero desenfado.
r\
PUBLICARES A PEDIDO.
O dever de gratido e amzade, esse sentimnuto
que jamis se estrague no corago do homem, foi
o motivo que nos arrastou a apparecer.hoje em
publico. Aquelle que v o seu amigo de quera
tem recebido provas deamizade, que jamis podem
ser olvidadas, atassalhado no que o homem tem de
mais charo, a reputagao, nao deve ficar em silen-
cio, mas sira langar um brado de indignago cen-
tra aquelle- que converte a liberdade de imprensa
instituida somente para dizer-se a verdade em li-
cenga, e faz della echo de calumnias. O Sr. com-
mendador Manoel Luiz Vires, cidadao de carcter
illibado, acaba de ser calumniado na sua reputa-
gao de administrador do cemiterio publico, cargo
este, que como sabido por todos desta cidade,
exerce com o mais excessivo esmero, esmero que
tem tornado aquelle estabeleciment como um dos
mais bellos da Europa. As calumnias ijue o autor
da publ cacao descarrega na pessoa do Sr. com-
mendador Manoel Luiz Vires jamis podero des-
merecer o carcter desse fuoccionario honrado,
porque todos os que conhecem de perto o Sr. Vi-
res sabero desprezar vw> vil calumniador, que
para poder a salvo offender a reputagao deste no
bre funecionario publico acobertou-sc sob a capa
do anonymo. Nao enchergue quem quer que se
ache despeilado para com o Sr. commendador Ma-
noel Luiz Vires, nestas minhas poucas palavras
urna baga de incens laneada no thuribulo da adu-
lagao, mas sim o echo fiel do senilmente da verda-
de que uo sabe transigir com raesquiuhos inte-
resses. Recife 28 de jolln de 1864.
Joaquim da Costa Ribeiro.
V;i occasio do feliz consorcio da
jExma. Sva. D. Anna Augusta
Ferreira, Olha do uicii espe-
cial amigo o i Um. Mr. Manoel
Firmino Ferreira. com o i: vm.
Sr.
Soneto cm lingua italiana oll'erecido aos Ilustres
esposos.
Scritta nel ciel sul cdice de Fati,
Di Reppe ed Anna la felice uniane ;
;>orsc Minerva ad ecciiar tenzone
A qual de Dei fian in custodia dati.
Venere i tratti avea dispiegali,
Di lirio d'amore e fea di gi menzione ;
Quando l'altra sdegnosa al paragone,
Cedon riprese, i preg tuoi vantali.
Giove sorrise, e in quel sereno ciglio,
Con cui regola il giorno e al sol da lume :
Chi virlude onor, disse: mi figlio.
Tacquer le Dive c furon paghe allora,
Ma se tai dclti non udian dal Nume,
La gran questione penderebbe ancora.
JOSEPH FACHI.NETTI.
Attenro.
Para que o publico, e com especialidade o res-
peiiavel corpo do commercio, posea apreciar o pro-
cedimento que comnosco teve o comraercianle ma-
triculado Antonio Francisco Martins de Miranda,
para eximir-se ao pagamento de urna letra, que
com seu endosso nos dra em pagamento, trans-
crevemos o que por parte do mesmo senhor foi al-
legado.
Recife, 29 de julho de 1864.
Tasso limaos.
Em embargos assignaco de dez das diz Anto-
nio Franeisco Martins de Miranda, contra Tasso Ir-
raos o seguinte:
S. N.
P terem os embargados proposlo-lbe a presente
accao decendial, afim de baver do embargante o
principal e juros do titulo de folhas tres, como so-
lidario na responsabilidade do pagamento em razo
do endosso no verso do referido titulo, e por elTeito
do qual nao empregarara os meios conciliatorios
arl. 23 I" do reg. 7:t7. arts. 36 a -562 e 242 do
cod. do com.
Pque dita letra foi protei-tada por falta de pa-
gamento no dia do vencimento; protesto que foi
tirado a 3 de junho de 1863, mas a presento acgo
teve sua iniciago a 7 do crreme mez (julho) de
1864, e portanto um anno, um mez e i dias da data
do protesto folhas 2 e 4.
P que em taes circumstancias acha-se peremp-
to o direilo da acgo dos embargados contra o em-
bargante, e somonte o conserva contra o acceitante
e garante, arl. 382 do cod.
Pque quando isto nao fosse, o embargante a-
\ cba-se no gozo dos direitos que confere a morato-
, ra que Ihe foi concedida pelo merilissimo tribunal
i do commercio desta praga. Portanto.
Pque os presentes embargos acham-se nos ter-
mos do art. 250 do rogulamento n. 737, e que de-
; vera surtir os seus effeiios.
Nestes termos e nos de direilo devem ditos em-
'. bargos ser receidos e lego julgados pro vados, alim
de ser o embrgame absolvido do pedido, cusas e
mais pronuuciacoes de direito F. P. C.
Advocado,
Castello Branco.
Lemos o Diario de Pernambuco de 25 de julho e
n'elle deparamos com um comniunicado do digno
! professor publico da freguezia dos Afogados Sera-
i phim Pereira da Silva Montero, recntenteme re-
' movido para urna das cadeiras desta capital, no
] qual se despeda dos briosos afogadenses.
E' nosso dever declarar ao publico que leu seu
i comniunicado, que o Sr. professor Seraphim eap-
j tou a amisade nteira da populago afogadense du-
; ranle o tempo que all exerceu funeces no raagis-
: terio publico, que sua vidaallfoi um completo
exemplo de virtudes, e honradez; e com uuanto eu
, presentemente tenha de corago adherido poltica
! dominante, todava nao posso deixar de prestar o
meu culto ao disiincto varao que por todos os prin-
cipios e digno de louvores e estima geral, mas que
entretanto tem convicees polticas de lodo em op-
i posigao s minhas. este caso, falla a voz da ver-
dade.
l O distinelo professor Seraphim foi, nos Afoga-
i dos, um verdadeiro homem da caridade Sua pre-
i senga fazia ver-se lano na porla do abastardo co-
\ mo no alvergue do mendigo, quando era chamado
por forca de circumstancias.
as differentes pocas epidmicas porque passou
! a freguezia dos Afogados, os seus actos de philan-
1 tropia foram demais, consolava o afflicto, acuda ao
mendigo e com gosto espalhava a consolago nos
nimos aterrados.
Dolado de to raras virtudes, elle senta jubilo
em preslar-se para esses actos de caridade; e nos
I que livemos occasio de o ver acudindo urna po-
; pulacao aterrada, temos hoje gloria e prazer em
i mostrar ao publico quo bellas e distincus sao as
' suas qualidades I
| No magisterio publico, portou-se sempre digna-
mente e com bastante illuslrago para educar os
; meninos que Ihe eram confiados, elle coma em sua
: vida urna pagina asss brilhante a de educar a
infancia conforme esses preceitos religiosos e mo-
raes atirados a face do magisterio pubiieo para ser
< posto em pralica.
Rectba o Sr. professor Seraphim as nossas sau-
' dades e ao mesmo tempo felicitamos a freguezia
que o vai receber em seu seio.
Recife, 1 de agosto de 1864.
Marcelino Santiago Vasconcellos Leitao de Albu-
1 querque.
Salsa de Bristol.
O grande puriOcador do sangue.
A nica preparacao original e genuina para a
cura radical dos mais perigosos e confirmados ca-
sos de escrophulas ou mal do rei, chagas antigs,
leicensos, tumores, abeessos, ulceras e todas a
qualidades de erupgoes escabrosas e escrophulosas
e a legitima salsaparrilha de Bristol, preparada por
Lanman & Kemp.
E' igualmente um remedio certo para rheuma-
tismo, empigens, tinha, escorbuto, tumores branco?
e affeccoes nevralgicas, debilidade geral c nervosa
do systeraa, falta de apetite, languidez, tonteiras,
e todas as molestias do ligado, febres, febres bilio-
sas, fros e ictericia.
O melhor, e emfim o nico remedio certo para a
cura de todas as molestias provenientes de um es-
tado impuro e viciado do sangue.
Os que soffrera destas molestias podem estar na
certeza que nao tem a menor partcula de substan-
cias mineraes, mercuriaes, ou outro qualquer ve-
neno nesta medicina.
Ella inteiramente innocente, e pode ser toma-
da por pessoas no maior estado de fraqueza ou as
mangas mais delicadas sem lhes causar o menor
mal.
E' preciso acautelar-se contra as tres falsifica-
gocs e imitagoes que existem, pedindo a legitima
salsa de Bristol preparada nicamente por Lanman
& Kemp.
venda em casa de Caors & Barbosa e J. da C.
Bravo C.
ten cao
Xarope alchoolico de veame, preparado pelo
pharmaceutico Jos da Rocha Paranhos, esiabele-
cido com botica na ra Direita n. 88 em Pernam-
buco.
Este xarope ncontestavelmente superior a lo-
dos os xaropes depurativos, de cuja composigao
o seu maior elemento a salsa parrilha, pois que se
tem condecido ser o veame mais enrgico para a
prompta cura das molestias, cuja base essencial
depende da nurificagao do sangue ; assim pois se
tem verificado por muitas pessoas que se achavam
desengaadas, as quaes acham-se hoie restableci-
das com o referido xarope alchoolico de veame ;
entretanto que alguns, tendo usado do xarope de
Curinier, de Larrey, de salsa parrilha, de sapona-
ria, oleo de Dgado de bacalho, e qntros agentes
desta ordem nada conseguirn). elle de fcil
digeslo, agradavel ao paladar e ao olphato. Al-
gn mdicos desla cidade e da de Macei o teem
recommendado para a cura das
Impigens, tinha, escrophulas,
Tumores, ulceras, escorbuto,
Cano os, sarna degenerada, lluxo alvo.
Todas estas affecgoes provin de urna causa in-
terna ; nao ha pois razao alguma em crer que el-
las se podem curar com remedios externos. Tam-
bem se prescreve o xarope alchoolico de veame
para o tratamento das affecgoes do systeraa nervo-
so e fibroso, taes como :
Gotta, rheumalismo, paralysia,
Dores, impotencia, eslerilidade,
Marasmo, hypocondria, emmagrecimento.
O xarope alchoolico de veame sobre tudo, da
maior utilidade para curar radicalmente, e em
pouce tempo o rheumatsmo.
Adverte-se que o verdadeiro xarope s se vende
nesta cidade na botica cima indicada, do abaixo
assignado ; e ero outra qualquer parte_ que se tem
annoociado Do da mesraa composigo, e nem o
abaixo assignado se responsabilsa.
Jos da Rocha Paranhos.
COMMERCIO.
CAIYV FILIAL
DO
IJAVO llO KKASIL
EM PERNAMBUCO.
A directora desla caixa, em virtude de ordem
da directora do Banco do Brasil, avisa aos Srs.
accionistas que o respectivo thesoureiro est auto)
rsado a pagar o dividendo das aegoes da meema
caixa do semestre lindo em 30 de junho prximo
passado, na razo de 8500 por aeco.
Recife 14 de julho de 1864No impedimento do
secretario, Ignacio Nones Correia.
Alfandega
Hend ment do dia la 29.......
dem do dia 30................
706:lo350o6
2*045*49)
728:195o.jo
.Hovlmento da alfandega
Volumes entrados com fazendas... 124
i c com gneros... 227
-------351
Voiumes sahi dos com fazendas... 174
i i com gneros... 726
------894
Descarregam no dia Io de agosto.
Barca ingleza Juhn Matheus farinba de trigo-
Brigue inglezC/iacemercaduras.
Barca portuguezaDespique IIcarvo.
Polaca hespanhola A'oiywvinhos.
Escuna dinamaquezaJ/dn/arcMediversos g-
neros.
Brigue porluguezSo/rano=por baldeagao sal.
ALFANDEGA DE PERNAMBUCO.
PALTA DOS PRECO DOS GENEI10S Sl'JEITOS A D1BE1T0 DE
EXPOKTACAO.SEMANA DE 1 A 6 DO MEZ DE AGOS-
TO DE 1864.
Mercadorias. Unidades. Valores.
Abanos.........cento 1&.(K)
Agurdente de cana.....caada 800
dem postilada ou do reino 800
dem caxaea........ 480
dem genebra........ 800
dem alcool ou espirito de agua- 900
ardente.....,
Algodo era caroco.....arroba 6&loU
dem era rama o em ia. t 275000
Arroz com casca...... 1500
dem descascado ou pilado i 25800
Assucar mascavado...... 2570O
dem branco........ 45400
dem refinado........ 55120
Azeite de amendoim ou mendo-
bim......... caada 250W
dem de coco....... i600
dem de mamona..... 8(W
Batatas alimenticias..... arroba 15200
Bolacha ordinaria, propria para
embarque........ 35000
dem lina........ 75000
Cafe bom........ 85500
dem eseolha ou restolhe ... 75300
dem torrado....... libra 440
Caibros......... um 360
Cal........... arroba 280
dem branca........ .'00
Carne secca (xarque)..... 45000
Carneiros........ um 45000
Carvo vegetal...... arroba 15000
Cavernas de sicupra .... una 85000
Cera de carnauba em bruto. libra 300
hiera idem em velas .... 360
Cha.......... 15500
Charutos........ cento 25500
Cevados (porcos)...... um 155000
Cocos (seceos)....... cento 35509
Colla.......... libra 500
Couros de boi, salgados ... 16o
dem idem seceos espichados. 240
dem idem verdes ...... 100
dem idem cabra cortidos. um 350
dem idem de onga..... 105000
Doces seceos....... libra 15000
dem em gcla ou massa. > 320
dem em calda...... 500
Esparcidores grandes um 45000
dem pequeos....... > 25OOO
Esleirs para forro de estivas
de navio........ cento 155000
Estopa nacional...... arroba 15600
Farinha de de mandioca. alqueire 25000
dem de araruta..... arroba 450OC
Feijao de qualquer qudlidade. t 158OO
Frecuaes........ um 55000
Fumo em tolha, bom .... arroba 145000
dem ordinario ou restolho 85500
dem era rolo bom...... 85ao
dem ordinario ou restolho 55000
Gallinhas........ urna 600
Gomma......... arroba 25000
Ipecacuanha (raz)...... 2o000
Lenha em acnas...... cento 25000
Toros........... 115000
Linlias c esteios....... um 85000
Mel ou inelaco....... caada 200
Milho.......... arroba 900
Papagaios........ um 35000
Pao Brasil........ quintal 55000
dem de jangada...... um 5J000
Peoras de amolar..... urna 840
dem de filtrar....... 4*000
I dem de rebolo....... 15200
.Piassava......... molho 120
Pontas, ou chifres de vaccas ou
novilkos........ cento 35500
Prancndes de amarello de dous
costados........ um 205000
I dem de louro....... 105000
Rap.......... libra 15000
Sabo.......... > 120
Sal.......... alqueire 400
Salsa parrilha....... arroba 255O0O
! Sebo em rama....... h 55000
f


Diarlo de rrashcro ... fjeguada felra 1 de Agosto de 1S4.
m
>i


f
Hein era velas......
Sola ciu raqueta. ..... uuu
Taboas de amarello..... duzia
dem diversas....... .
Tapiocas......... arroba
Tatajuba,........ quintal
Travs......... urna
Unhasdeboi....... Ccnto
Vassouras de piassava. ...
Ditas de timb ......
Ditas de carnauba..... >
Vinagre......... caada
Alfandega de Pernambuco, JO de julho de 1S64.
(Assignados):
01.
conferente, Florencio Dommgue* da Silva.
O 2.* conferente, Jos Miguel de Lira..
Approvo. Alfandega de Paernmbuco, 30 de
janho de 1854. A. Eulalto.
Conforme. Bazilio B. Furtado.
Recebedoria de rendas Internas
gernes de Pernambuco.
Rend ment do da 1 a 9........ 45:209*990
dem do da 30................. 6:380J069
51:590*059
'5000 Nano entrado no din 31.
a*800 Para eAss-43 das do priraelro porto e 10 do
140*000 segando, escuna nacional Ernestina, de 135 to-
neladas, capitio Manoel Jos Pereira Marinho,
equipagem 11, carga vinho.sal esabao ; a Pal-
meira & Beltrao.
Navios sahidos no memo da.
Liverpool -Brigue lubeckense Nauttlius, capitao
Steffen, carga assncar, algodao e outros gneros.
Rio_Grande do SolPatacho nacional Sallo, capi-
llo Antonio Francisco de Carvalho Jnior, carga
assucar outros gneros.
AracatyHiate nacional Nicolao I, capillo Trajano
Theodomiro de Moura, carga varios gneros.
80*000
2*800
2*000
6*000
200
10*000
8*000
6*000
500
DEGLAEAtOES.
COMPANHIA
Correio.
Pela administracao do correio desla cidade se
faz publico que em virtud; da convenci postal,
celebrada pelos povernos brasileiro e francez, se-
rle expedidas malas para a Europa no dia 30 do
correle pelo apor francoz Nararre. As carias
serio recebidas at 3 oras antes da que for mar-
cada para a sahida do vapor, e os jornaes at 4 ho-
ras antes.
Administradlo do correio de Pernambuco 20 de
julho de 1864.-0 administrador,
Domingos dos Passos Miranda.
Crrelo.
O Sr. Dr. Lourenco Bezerra Carneiro da Cucha
tem duas cartas na administradlo do correio, re-
commendadas, vindas de Maceio pelo vapor Oya-
pock.
CORREIO GERAL
Rean*) das carias seguras existentes
ua administradlo d correio desta
cidade para as senhores abaixo de-
claradas
Che?ando ao eonhecimento da directora ,
de>ta Companhia que alguns Srs, contra- Francisco de Mello Brrelo.
tantos do pennas d'agua furneeem-na para Joaquim Leopoldino Barreto Maciel.
RENMMENTO DA RECEBEDORIA DR RENDAS
INTERNAS GERAES DE PEnNAMBUCO DO
7.HEZ DB JULHO, A SABER : i
Renda da typographia nacional. 2*00 otras propnedades e oso exlranho do es- JS*Z&. fe
Renda dos proprios nacwnaes____ 2:208*700 tabelecido no contrato, com infracro da y22XjK2 i im>
nST Sconlfd;-..... 9:790*ao quarta condict3dos seus contra,os' abaixo! S^SSS nSii*n.
riSde HMmoru cerpora~ -mixta 'transcripta, de Ordem da directora previ- Coronel Manoel Xavier Paes Barreto.
SE? .m. VJ 0m*mm i no a quem convier que se far efTectiva a ID'- Tiburtino Barbosa Nogueira.
1:073*441; multa estipulada nos mesmos contratos, e
Din-itos novos e veihes e de
chancellara....................
Ditos de patentes dosofOciaes da
suarda nacional................
Diurna de chancellara...........
Mulla por infraeces do regula-
monto.........................
Sello do papel fino................
Dito do proporcional.............
Premios dos depsitos pblicos...
Emolumentos.................
Imposto de corrector e agente de
leilao...............
Imposlo sobre lojas e casas de
descontos...........
Dilo sobre casas de movis, rou-
pas, ele. fabricados em paii es-
trangeiro............
Taxa de escravos.........
Cobranca da divida activa .
lndemnisac,oes...........
Deposito de diversa? origens.....
de Pernambuco,
, que se por ventura nao cessarem taes fados
4015235 sera a mesnia directora levada a mandar
sospender as concesses fetas, visto que es-
ses abusos sao prejodiciaes nao s a Com-
panhia como aos arrematantes dos chala-
rizes.
Escriptorio da Gompanhia do Boberibe.
28 de julho de 1864.
O secretario,
Jos Eustaquio Ferreira Jacobina.
4.a condiccao. O Sr. F. obriga-se a nao
empregar a agua que I he fornecida pelo
ramal, senao em usos domsticos ou do
predio a que fornecida, e nao consentir
que sata do predio
1535935
5:336*740,
9:6795804 !
129*599
724*900
6:8005000
11:134*200
AVISOS MARTIMOS.
6405000
5245000
6335730
1935240
248*750
gira para
51:5905039
30 de julho
Recebedoria
i- 1864
O escario,
. Manoel Antonio Simoes do Amaral.
Consulado provincial.
Rendimento do dia 1 a 29......... 86:505*106
dem do dia 30................. 2:945*462
Assucar........
Agurdente.....
Couros.........
Arroz..........
Azeite doce.....
89:450*508
PRAQA DO RECIFE
30 1E ,11' lili BE 1 H I.
AS TRES HORAS DA TARDE.
Revista semanal.
Cambios........ Saccou-se sobre Londres a 27
, 27 /i e 27 Vi d. por 15000,
sobre Paris de 342 a 344 rs. por
fr. e sobre Lisboa a 95 por ccn-
to de premio; elevando-se os
saques effectuados durante a se-
mana a 140,000 e 600,000 fr.
Algodao........O desta provincia vendeu-se de
285000 a 285200 por arroba, o
de Macei, posto a bordo, de
28*600 a 29*400, e o da Para-
hvba, da mesma forma, de ris
30*300 a 31*000.
Sem transaccoes.
Vendeu-se de 78*000 a 80*000
a pipa.
Os seceos salgados venderam-se
a 165 rs. por libra.
O pilado da India vendeu-se de
25" 100 a 2*600 por arroba, c o
do Maranhao de 25000 a 25800.
O de Lisboa vendeu-se de 2*150
a 2*500 o galao, e o do Estreito
a 25200.
Bacalho.......Vendeu-se em atacado a 15*500
a barrica e a retalho de 105000
a 17*000; licando em deposito
4,500 barricas.
Venderam-se a 800 rs. a arroba.
A do Rio-Grande do Sul vendeu-
se de 4*600 a 5*200 por arroba;
licando em ser nicamente 0,000
arrobas.
Vendeu-se de 8*000 a 8*400 por
arroba.
Cha............ dem de 15600 a 25300 a libra.
Cerveja......... dem de 4*800 a 5*200 por duzia
de garrafas.
RetalhC-n-se de 155000 a 17*000
por barrica a de Philadelphia
e Xew-York, a 225 a de Trieste,
de 15*000 a 10*000 a hespa-
nhola, e de 7*000 a 7*500 por
sarco do 100 libras; licando em
deposito 800 barricas daprimei-
ra. 1,200 da segunda, 3,000 da
terceira e 1,600 da quarta, ao
todo 13,800 barricas e 1500 sac-
eos, inclusive um carregamento
entrado de Philadelphia.
Dita de mandioca Vendeu-se a ."5000 o sacco.
Feijio.......... dem a 10*000 o aito.
Louca.......... A ingleza ordinaria vendeu-se
com 320 por centode premio so-
bre a factura.
Manteiga....... A ingleza vendeu-se de 700 a
750 rs. a libra, e a franceza a
480 ris.
Vendeu-se a 7*400 a caixa.
dem de 45000 a 6*000 a dita.
Os flamengos venderam-se de
1*300 a 1*500 cada um.
O inglez vendeu-se a 140 rs. a
libra, e o do Mediterrneo a
240 rs.
Toucinho....... Vendeu-se o de Lisboa a 8*500
a arroba.
Vinagre........ O de Portugal vendeu-se de 100*
a 110* a pipa.
Vinhos.........Os de Lisboa venderam-se de
170*000 a 200*000 a pipa.
As de composicao venderam-se
do 500 a 520 rs. o pacote de seis
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR-
Dos portos do norte esperado
at o dia 2 de agosto o vapor
Paran, commandante o capitao
de fragata Santa Barbara, o qnal
depois da demora do costme se-
portos do sul.
Desde j recebem-se rAssageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qua dever
ser embarcada no dia de sua chegada: encom-
mendas e dinheiro a frete at o dia da sahida s 2
agua alguma SOb que horas, agencia ra da Cruz n. 1, escriptorio de
pretexto for. Pela infraeco desta coadic- Antonio Ut de 0liveira Azevedo & C-________
Cao fica o Sr. F. obrigado a pagar Com- COMPANHIA PERNAMBUCANA
panbia uma multa de cein mil ris por cada D^ .
vez que Or provada a infracto, Wavegae.ao costeira a vapor.
Conforme.0 secretario, Parahyta, Natal, Maco. Araealy, Cear, Acaracu
Jos Eustaquio Ferreira Jacobina. _e *"raBJa,
1' iim-imo 1 A Companhia Pernambucana ex-
liWI rtlO, i Oi^-|Q\ pedir um de seus vapores para
As malas que deve conduzir o vapor Oyapock T^vJ7f%v portos cima indicados no dia
para os portos do norte fechar-se-hao hoje (30) as |'i^Mfefag:i'l de agosto s ."i hora- da tarde.
3 horas da tarde. Os seguros serao fetos at 2 ; ^^EB ^Recebe carga at o dia 5. Encom-
horas, e os jornaes serao recebidos at o meio dia. meadas, passageiros e dinheiro a frete at o dia
Na segunda-feira 1 de agosto, na sala das da sahida s 3 horas da larde: escriptorio no For-
audiencias, e linda a do lllm. Sr. Dr. juiz de direi- te do Mallos n. 1.
to especial do commercio se ha de arrematar uma i
parte do engenho Collegio, avahada por 1:203*, I
por execuQaode Manoel Pereira Lemas contra Jos
Espindola Bitencour'.'
Pelo consulado de Portugal nesta cidade sao!
chamadas as pessoas a quem possam pertencer al-
guns objectos de ouro e prata <|ue flearam descrip-
tos no inventario dos bens do subdito portuguez
Jos Fernandes Pereira Villa-llica, fallecido na ci-;
dade de Olinda, a viren) requerer a sua entrega
dentro do praso de 30 das da data desle com
justificaro previa do direito que tiverem aos mes-
mos -. e nao o fazendo dentro desle praso serao
postos em arremataco publica por conta do espo-
lio do dito liuado. Hecife 29 de julho de 1864.
JHIOnTAi\TE
LEILAO
DE
Mobilias completas, pianos, guarda roupa, appara-
dores, crystaes etc., etc., joias de ouro e prata,
e escravos de diversos sexos.
Quinla-feira 4 de correte s iO-ho-
ras em panto
37RA DO SEBO37
CordeiroSirades far leiliio requenmento dos
administradores da massa fallida de Amorim, Fra-
gozo, Santos & C. e despacho do lllm. Sr. Dr. Juiz
especial do commercio, dos objectos existentes no
sobrado ra cima perteBcentes ao fallido Joao
Baptista Fragozo.
Uma folha avulsa distribuida na vespera dar o
delalhe deste importante leilao.______________
LEILAO
Quinla-feira A de agosto s 11 horas
roa da l'adeia o. 53.
i M
Im eacravo- prela, cnoulo, de nome
Pedro, dade 35 anuos, ranoeiro,
e serviro do mar.
Sem limite.
Pelo agente Euzebio se vender em leilio o es-
cravo cima pelo maior prefo que se achar, pe-
chincha, os pratendentes devem aproveitar a com-
pra, por quanto um escravo robusto 'e proprio
at para o campo.
LEILAO
ra
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DR
Xavega$5o costeira a vapor,
l'ortos do snlal Aracaj.
No dia 5 de agosto s 5. horas
da tarde expedir a Companbia
Pernambucana um de seus \apores
para os portos cima. A carga se-
'r recebida al o dia 4. Encom-
mendas, passageiros e dinheiro a frete at as 3
horas da tarde do da da sahida : escriptorio no
Forte do Mattos n. 1.
Cousellio administrativo.
O con>elho administrativo para fornecimento do
Para Lisboa pretende sabir com brevidade o
patacho portuguez Jareo, tem alguma carga enga-
jada, para o resto que Ihe falla, a frete rommodo'
irata-se com os consignatarios Palraeira & Beltrao,
arseual de guerra tem de comprar os objectos se- largo do Corpo Santo n. 4, primeiro andar.
guintes:
Para o deposito de artigos bellicos da provincia de
Alagoa?.
Bonels 100, mantas de laa 100, brini branco 500
varas, algodozinho 250 varas.
Para o corpo da guarnicao.
Para a Babia pretende sabir com
muita brevidade o veleiro patacho I).
Luiz, capitao Jos Teixeira de Azeve-
do, por ter parto da carga engajada;
tara o resto que Ihe falla, trata-se
com os consignatarios Palmeira & Beltrao, no largo
Bonets 116, mantas de la 139, divisas para sar- do Corpo Santo n. 4, primeiro andar.
Btalas........
Carne secca
Caf...
Farinha de trigo.
Massas.........
Passas..........
Sabao..........
Velas.
Descontos...
Fretes .....
genio ajudante e quartel-mestrc 2, panno azul 827
covados, casemira amarella 21 1|2 covados. dita
encarnada 12 covados, hollanda de forro 643 cova-!
dos, aniagem 86 1|2 varas, brim blanco 1,030 va-
ras, algodozinho 082 varas, botoes grandes de
metal amarello 2,422, ditos pequeos de dito 1,557. |
clcheles pretos 173 pares.
Para o 9" balalho de infantaria.
Compendios de doutrina chnsta 6, ditos de ari-
thmetica 6, pautas 6. taboadas 6.
Quem quizer vender taes objectos aprsente a
sua proposla em carta fechada na secretaria do
conselho,s 10 horas da manhaa do dia Io de agos-
to prximo vindouro.
Sala das sessoes do conselho administrativo para
fornecimento do arsenal de guerra, 25 de julho
de 1864.
Antonio Pedro de S Brrelo,
Coronel presideute.
Sebastiao Jos Basilio Pijrrho,
Vogal secretario.
Tribunal do commercio.
Pela secretaria do tribunal do commercio de Per-
nambuco se faz publico que nes'a data fica regis-
trado o contrato de sociedade de Francisco Jos
Fernandes Pires o Antonio Joaquim Fernandes,
Portuguezes, estabelecidos nesta cidade sob a fir-
ma de Francisco Jos Fernandes Pires & C, de
vendo a mesma sociedade durar por espaco de
tres annos, contados do Io de abril do corrente,
com o capital de 8:875*410, fornecidos 8:000*000
pelo socio Pires, importancia dos fundos existentes
no estabelecimento, e 875*410 era dinheiro pelo
socio Antonio Joaquim.
Secretaria do tribunal do commercio de Pernam-
buco 22 de julho de 1864.
Julio Guimarae?,
Offlcial-maior.
O lancador da recebedoria de rendas inter-
nas geraes, de conformidade com o art. 37 c seus
DS
Predios e aeges.
Uma casa terrea na ra dos Pires n. 25.
i Urna dita dita na mesma ra.
Lina dita dita na ra das Cruzes n. 14.
lua dita dita na ra do Pilar n. 80.
Una dita dita na mesma ra n. 24.
I ma dita dita na mesma ra n. 3.
Lma quarta parte da casa terrea na mesma
B. 7.
Uma meia agua na ra dos Guararapes n. 39.
Lm sobrado de um andar e sotao na ra do Se-
bo n. 37.
Um sitio de trras denominado Londin do Boquei-
ro na Ibura freguezia dos fugados, com gran-
de casa e diversos arvoredos.
23 accoes da Companhia Vigilante.
50 ditas da Gompanhia Pernambucana.
O agente Almeida far leilao requerimento dos
administradores da massa fallida de Ainorim, Fra-
gozo, Santos & C. e por despacho do lllm. Sr. Dr.'
juiz especial do commercio dos predios c accoes |
cima perlencentes a mesma massa.
Se\ta-feira 5 de agosto
s 11 horas do dia a porta da Associacao Com-
mercial. O agente presta se a dar qulquer in-
formado.
LEUDES.
LEILAO
DE
Um engeaho com bom cerrado e mal-
tas, com casas de Bocudas, caldeiras
e de purgar, todas il' pedra c cal.
HOJE.
O agente Pinto autorisado pela rommissao en-
carregada de liquidar os bens de Joaquim Elvirio |
de Moraes Camino, levar pela segunda vez i
leilao o engenho S. Joaquim, em Munbeca, o qual i
limita ao norte e ao oeste com trras do engenho!
Suassuna e ao sul com trras do engenho Muribe-1
quinha e ao leste com trras de Santo Andr. O
leilao sera electuado no dia cima indicado, s
11 horas, em frente a associacao commercial. Po-
dendo os pretendentes desde j examinaren) o di-
to engenho.
avisos mam.
Faltando anda no archivo
dsta typographia 4 volnmes
encadernados deste Diario, ro-
ga-se as pessoas que os levaram
por empeestimose digneiu man-
da-Ios entregar, nao se mandan-
do buscar sisas moradas ( hem
qne nao se ignore) pela incerte-
za da hora em que se encontra-
ro em casa.
Aos10:0Ol>$OQ0.
No sabbado G do corrente mez lera lugar
a extraern da primeira parte da primeira
lotera em beneficio do convento de S. Fran-
cisco do Recite.
Os bilhetes, meios e quarlus acbam-se
?enda na respectiva thesouraria ra do
Crespo n. 15.
Os premios de 10:000.5000 at 2O0OCO
serao pagos uma hora depois da extracco
at s 4 horas da tarde, e os outros ao dia
seguinte depois da distribuipao das listas.
O thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Soma.
LEILAO
DE
Uma casa de campo de pedra e cal, edificada em
chaos proprios com terraco na frente, quartos
fora para pretos, cacimba com boa agua, tan-
que e casa para banho, grande sitio e arvoredos.
HOJE
Segnnda-feir; 1 de agosto ero frente a
associacao commercial.
O agente Pinto far leilao precedida a comps-
lente aulorisacao da casa e sitio, com os commo-
velas.
O rebate de lettras regulou de 8
a 10 por rento ao anno.
Para Liverpool pelo lastro de 20'va-, Kecebeoria ae
a 15-5%, pelo algodao de V)' *86t-Jose Theodoro
a V por libra, para o Canal in-
glez carregando em Macei 40
5 % e carregando na Parahvba
40-5 /.
3 do decreto de 17 de marco de 1800. tendo de "J05 "S1* mencionados, a direita da estrada de S.
fazer a collecta no bairro d Santo Antonio dos Jos do Manguinho, entre os sitios do desembar-
impostos a que eslao sujeitas as tojas e casas com- ador Dona e do coronel Menezes de Drummond,
merciaes, e outras de diversas ciasses e denomina- a? h0PM (1" **.* ,,ft agosto em frente i asso-
coes: avisa aos donos dos respectivos eslabeleci- n3Ca0 "ommercial, os pretendentes poderao desde
meles para que tenham presente no acto da col- Ja examinarem a referida casa e sitio.
lecta os recibos e papis de arrendamenlos de ___________________________i----------------
suas casas, visto que ellos lerao de servir de base
ao processo do lancamanto, o qual lera principio
no dia Io de agosto as ras seguintes : ra do
Imperador, prar^a de Pedro II, caes de 22 de No-
vembro, e de S. Francisco, travessa do Ouvidor,
ra do Crespo e do Queimado, travessa da mesma,
praca da Independencia, ra do Cabug e ra No-
Recebedorla de Pernambuco 30 de julho de
de Sena.
MOVIMENTO DO PORTO.
Navios entrados no dia 30.
far pelo Assu'28 dias do primeiro porlo e 8 do
segando, hiate nacional Lindo Paquete, de 205
toneladas, capitao Antonio Maria de Castro o
Silva, equipagem 12, carga sal; a Antonio de
Almeida Games.
Daltimore43 dias, brigue inglez Escape, de 183
toneladas, capitao John E. Adams, equipagem
10, carga 2,048 barricas com farinha de trigo \ a
Saunders Brothers & ',
P.io de Janeiro e Babia6 dias, vapor francez Na-
rarre, de 1271 toneladas, cominandante H. de
Sower, equipagem 116, carga varios gneros.
llavra 38 uias. lugre francez Ato Grande, de 204-
toneladas, capitao E. Michel, ei|uipagi>m 11, car-
ga diflereotes aaereadorias ; a E. A. Hurle iS C.
Liverpool52 das, brigue inglez Atona Burris,
de 213 toneladas, capitao James Wharnowd,
equipagem 9. carga fazendas e outros gneros ;
a Greenup Schwind.
Liverpool38 dias, barca ingleza lmogeni, de311
toneladas, capitao \V. Smith, equipagem 9, car-
ga fazendas e outros gneros ; a James Ryder
&C.
Nanos sahidos no mesrno da.
ParahvbaBrigue inglez Fterist, capitao Thomaz
T. Corpenter; em lastro.
Barcelona pela Parahyba Brigue hespanhol Tlie-
motheo I, capitao Antonio Casis, carga al-
godao.
itordeaux e portos intermediosVapor francez Na-
varrr, commandante II. de Sower.
l'ortos do norte Vapor nacional Oyapock, com-
mandante Antonio M. deP. Ribeiro.
no
Brigue nacional Algrete.
iio.ii:
O agente Pinto levar novamenle a leilao re-
querimento de Joaquim Jos da Costa e por despa-
cho do lllm. Sr. Dr. juiz de orphaos o brigue na-
cional Alenrete, sers'indo de base a quantia de
1:000> offerecida pelo mesmo Sr. Joaquim Jos
da Costa, s 11 horas do dia cima dito em frente
Feira semanal
LEILXO
DE
Trastes emais n Higos de casa.
Terca-feira 2 do correte s 11
horas,
48Armazem ra da Cadf.ia do Recife48
O AGENTE OLIMPIO
vender em leilao diversos movis e mais objec-
tos que estarao patentes no dia cima indicado.
(iviiiiia-io provincial.
O lllm. Sr. regedor interino do Gymnasio man-
da declarar qae no dia Io de agoslo prximo vin-
douro principia a funccion?r a aula de primeiras a Associagao Commercial.
letras do mesmo Gymnasi -, creada pela lei pro-
vincial n. 598. Os alumnos dessa classe sao em
tudo equiparados aos de mais que frequentam o
estabelecimento, e por isso obrigados a pagar : os
internos 305 mensaes, os meio-pensionistas 150,
os externos 5&.
Secretaria do Gymnasio Provincial de Pernam
buco 22 de julho de 1864.O secretario,
A. A. Cabral.
De ordem do lllm. Sr. inspector da thesou-
raria de fazenda desta provincia declara-se
quem esliver de posse do terreno de marinha n.
24, que esteve no dominio til de Juliao Beranger
entre a ponte da Boa-Vista e a do ferro de Santa
Isabel, que dentro do prazo de 15 dias contados
desta data deve solicitar o respectivo titulo de afo-
ramento reconhecendo assim o senhorio directo
da fazenda no dito terreno, sob pena de ser consi-
derado devoluto o mesmo terreno e arrematado a
quem mais der na forma das ordens em vigor.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Per-
nambuco cm 25 de julho de 1864.
Servindo de official maior,
Manoel Jos Pinto.
Crrelo ge ral.
Pela admlnistraco do correio desta cidade' so
faz publico para fins convenientes, que em virtude
do disposto no art. 138 do regulamento gcral dos
correios de 21 de dezembro de 1844, e art. 9 do
decreto n. 185 de 15 de maio de 1851, se procede-
r o consumo das cartas existentes na administra-
co perlencentes ao mez de julho de 1863, no dla;
3 de agosto prximo, s 11 horas da manhaa, na
porta do mesmo correio,. e a respectiva lista so
acha desde j exposta aos interessados.
Administracao do correio de Pernambuco 20 de
julho de 1864.O administrador,
Domingos dos Passos Miranda.
Casa (Le buhar da ra do /m-
peraaor junto a ordem ter-
ceira de S Francisco.
O agente Almeida competentemente autorisado
levar novamenle a leilao a casa de bilhar da ra
do Imperador constando de 2 buhares ltimamen-
te ferrados com todos os seus pertences, bancas de
pedra, um rico liteiro de amarello envidragado,
pipelho, quadros, gamoes, bancas e mais objectos
constantes da relacao que se acha em poder do
mesmo agente, bem como o titulo pelo qual o do-
no 6 possuidor de dito estabelecimento o qual se
acha desembarazado de imposto-.
QdTta-feira 4 de agosto
s 11 horas do dia.
CAS4 114 FOHTllA.
aos io:ooo.oo
Itllhetes garantidos
.4' ra do Crespo b. 23 e casas do eostume
0 abaixo assignado tendo vendido nos seus mui-
to felizcs bilhetes garantidos os dous quartos n.
147 com asorte de 6:0005. e numero 1193 com a
de 6005, e outras multas de 2005, 1005, 405 e
205 da lotera que se acabou de extrahir a benefi-
cio do theatro de Santa Isabel, convida aos psssui-
dores de dilos bilhetes a virem receber seus res-
pectivos premios sem os descontos das leis, em
seu estabelecimento ra do Crespo n. 23.
O mesmo tem exposto venda os novos e felizes
bilhetes garantidos da primeira parte da primeira
lotera a beneficio do convento de S. Francisco do
Recife, que se extrahir sabbado 6 de agosto.
Precos.
Bilhetes inteiros..... 125000
Meios.........- 65000
Quartos........ 35000
Para as pessoas que comprarera
de 1005 para cima.
Bilhetes........ 11*000
Meios......... 55500
Quartos......, 25750
Manoel Martins Fiuza
0 cirurgio Leal mudou
a sua residencia da ra do
Queimado para a ra das
Cruzes sobrado n. 36, pri-
meiro andar, por cima do
armazem Progressista, aon-
de o acharao como sempre
prompto a qulquer hora pa-
ra o exercicio de sua pro-
fisso, chamado por escripta.
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo convida
aos seus amigos e aos do Sr. Antonio Jos
Dias Pereira, para assistirem uma missa
! no dia 1* de agosto (hoje), na igreja do Corpo
1 Santo, s 7 horas da manhaa, pela alma da
chara mi daquelle amigo, fallecida em Por-
tugal, desde j se confessa grato por esse
acto religioso.
APROYEHEM APROVEITEM
AOS
13h 7,150 COVADOS
de sedas de cores de todas as qualidades.
Na loja da ra do Crespo numero 17.
Importante compra de 7150 covados de seda de todas as qualidades, proprias para
vestidos de maderas o de meninas, e vende-se por precos admiraveis.
Outros muitos objectos de apurados gostos para s'enhoras, vestidos de Monde para
casamento a 905 cada um, capas pretas, coutambarques de cores e pretos, chapeos etc.
Fazendas de linho e de algodao as melhores que existeui no mercado.
O propietario deste importante estabelecimento vai a Europa muito breve com-
prar fazendas de apurados gostos, presentemente vende as suas merradorias por precos
baratsimos para -liquidar.
Protejan* todos. Protejam todos a importante
LIQUIDACAO
A loja da ra do Crespo n 17
INJECTION BROU
JARABE DE CORTEZAS DE NARANJAS AMARGAS
)t J.-P. HHOIE, Qumico, Paraacutice de la Esti'la siperm de Pars
Este Jarabe, al regularizar las funciones del estmago intestinos, destruye esas
indisposiciones proteitormes, y hace abortar las enfermedades de que son signos precur-
sores. Mdicos y enfermos han reconocido que restablece la digestin, haciendo desa-
parecer las pesadeces de estmago; qjue calma las jaquecas, pasmos, y calambres, qne
son el resultado de digestiones penosas. Su gusto agradable, y la facilidad con que se
soporta, lo han hecho adoptar como el especlfieco infalible de las enfermedades nervio-,
sas, gastritis, gastralgias, clicos de estmago y entraas, palpitaciones, males de co-
razn, vmitos nerviosos. Su accin sobre las funciones asimiladoras es tal, que los
mdicos mas ilustres lo han adoptado por escipicnte real de los dos primeros agentes
teraputicos : el Ioduro de potasio y el Proto-Ioduro de hierro, habiendo
observado que bajo su influjo, el primero pierde su accin irritante, y el segundo
su efecto astringente.
JARABE DEPURATIVO
DE CORTEZAS DE NAIAIUII AMARGAS
CON IODURO DE POTASIO
El Ioduro de pntaio, admtnistrailo en solu-
cin li.ijD forma slida, causa al enfermo una
gran repugnancia, determina accidentes que
lo obligan i renunciar este eticaz remedio.
Unido al larabe de cortezas de naranjas, no
causa ni gaMralgia ni desarreglo del estmago
. intestinos, y gracias este salvo-conducio,
las curas depuradas [iuoden seguirse sin inter-
rupcin, en las afecciones escrofulosas, lulier-
culosas, cancerosas, y en las segundarias ter-
ciarias, inclusas las reumticas, de que es u
mas seguro especifico. l.a dosis est definida de
tal manera que el mdico la varia com quiere.
t frasco i 4 fr. 50
JARABE FERRUGINOSO
DE CORTEZA! DE NARANJAS AMARCAS
con PROTO-IODURO de HIERRO
La asociacin de la sal frrea con el Jarabe
de cortezas de naranjas es tanto mas rarional
cuanto que este Jarabe, empleado solo para
esmidar el apetito, activar la ecrecion del
jugo gstrico, y por consiguiente, regularizar
las funciones abdominales, neutraliza los tristes
efectos de los ferruginoso y de los ioduros (pe-
sadez du cabeza, constipacin, dolores epigs-
trico*), al paso que facilita su absorcin. Di-
suelto en el Jaral., se toma y soporta fcil-
mente por bailarse en el estado puro mal
asimilable; y asipuedc seguirte la cura de los
coluros plidos, prdidas blancas, anemia,
afecciones escrofulosas y raquitismo. El frasco:
4 fr. 50.
Los Jarabes de J.-P. LAROZE estn siempre en frascos especiales (jamas en medias
botellas ni frascos redondos'. Expediciones: en casa J.-P. LAROZE, ru de la Fontaine-
Molierc, 30bi*. Depsito general: farmacia Larozc, ru Neuve-des-Petits-Champs, 26,
y en casa de todos los farmacuticos antiguos de Francia y del Estrangero.
Desgnese en que engua deben eslar las instrucciones que acompaan cada producto.
PERFUMERA mdico-hyginica
De J.-P. LAROZE, Qumico. Parmacntico de la Escuela especial de Pars
Estas productos son el resultado de la aplicacin de las leyes de la higiene la per-
fumera,que se elevay convierte en farmacia de la belleza, encargada de atender la hi-
giene del cutis, cabellos y dientes, que todosson rganos tan importantes; sirven para evi-
tar y destruir las causas de las enfermedades que su hermana primognita, la farmacia
propiamente dicha, est llamada curar.
elixir dentfrico paia curar
los ilolui**.- fie mufla : el frasco
inmediatamente
... 1 Ir. 15
POLVOS DEimriUCOS ROSADOS, ron base de
magnesia, para emblanquecer y conservar los
dicnti-s; el frasco........1 fr. 50
opiata dentfrica para fortificar las encis y
evitar la- nevralgias dentales 1 fr. 50
CURATIVO DENTAL, para curar los dientes ca-
riado antes de la emplomadura, y evitar los abee-
sos y dolores; el frasro con el instrumento. & fr.
aoua UOCODERMINA, para conservar la her-
mosura de la lez y las funciones de la piel; el
frasco.............S fr.
BMRITD DB ANI8 RECTincado complemento
del lacador de la boca despus de cada comida;
el frasco...........1 fr. 25
jabn lenitivo medicinal, para el tocador ;
i la violera, almendras amargas, ramillete, etc.,
et Jabn............1 fr. 50
jabn LENITIVO medicinal con yemas de
huevo, para evitar las Rriel? en el cutis, hendiduras
y enfermedades de la piel; la violeta, ramil-
lete, etc.; el Jabn.........2 fr.
CREMA OS JABN LENITIVO MEDICINAL en
polvos. Es especial para la barba, como tambin
r el tocador de lis mugeres y nios; et
............J fr.
K
aoua lcstral para conserr y embellecer los
cabellos, fortificando sus races ; el frasco 3 fr.
aceite de avellanas PERFUMADO, para re-
mediar i la sequedad y atona de los cabellos ; el
frasco.............2 fr.
VrNAQRjs D> TOCADOR SUPERFINO, renom-
brado por su suavidad y accin refrescante; el
fiasco.............1 fr.
COLD cjream superior, para conservar el culis
blanca, fresco, difano, y evitar las consecuencias
del uso de los afeiten; el bote. 1 fr. 50
aoua de colonia superior, con mbar sin
I. La estabilidad de su perfume la hace bascar
Ka el locador, barios locales y generales; el
ico..............1 fr.
PASTLAS ORIENTALES del doctor Paul Ciernen r,
para quitar el olor del tabaco y neutralizar los hli-
tos fuertes; al caja........1 y 2 fr.
AOUA DB FLORES DE ALHUCEMA, cosmtico
muy buscado par destruir las comezones, fortale-
cer y refrescar ciertos rganos; el frasco* 1 fr. 50
espritu be menta superfino. Es el mas
perfecto indispensable complemento del loca-
dor de la boca despus de la comida; el
frasco............1 fr. 25
pomada CONSERVADORA cou quinina pura, para
fortificar los cabellos, hermosearlos y evitar que
se pongan ranos antes de tiempo; el bote. 3 fr.
Depsito en todas las ciudades en casa de los farmacuticos, perfumistas, peluqueros,
mercaderes de modas y novedades. Venia por menor : En la Farmacia tarne, ru
Ncuve-dcs-Petits-Champs, 26.
Expediciones: en casa de J.-P. LAROZE, ru de la Fontaine-Molirc,39frt.v,enPars.
Desgnese en que engua deben estar las instrucciones que acompaan cada producto.
6 2
1

I!
tt.g

I!
-
30 CU
i
re
BU
a
a
B'
re
k
-3
3 l
C9
E r
Si
l
2.
i m
3. o" _
-8 p
i
e
m
1
i
9
I
s

31
m

3 S
I p, f
s
s
m

M
C/l
H
o
s
"419 -a
cr.
J ? f*. a
i-iirsus-
T, W
SO Hrj
a
c
o
o-
S
2.
d'
o
t3
"7.

= a
V

r=>|S SB"
^ > K 9
rtttp!
Vende-se na ra do Imperador botica franceza n. 38.
GABINETE
PORTUGUEZ DE LEI I'l IIV EM PER-
NAMBUCO.
De ordem do lllm. Sr. presidente do conselho de- ~ 2 r-arariro de Azevedo, subdito pjrta
liberativo, convido a todos os senlioressocios effec- K re,,rase l,ara L,sl)0a no br,Sae Portuguez
tivos para a sessao ordinaria da assemblca geral, ?_ ""
= e9t
S-"3Sf2.S
SS-|^3
;
V 3 s" w O
i? ^ 5 o r- I 3 2
|*|il!n
I#i.ls|*
O
f
O

que dever ter lugar na ijuarta-feira 3 de agosto
prximo, para se tratar das elcicoes do conselho
e commissao de exame de comas, como dispije o
S tnico do art, 44 dos estatutos, no dia cima in-
dicadoras 6 horas da tarde.
Secretaria do conselho deliberativo do Gabinete
Portuguez de Leitura em Pernambuco aos .10 de
julho de 1864.
F. I. Tinoco de Souta
I.* secretario._______
Antonio Domingues Marques Romao retirn-
dole para Europa, e nao Ihe sendo possivel des-
pedir-se pessoalmente de todas as pessoas de sua
amizade, o faz por meio deste, ofTerocendo-lhes os
seus insignificantes servicos aoode quer que es-
tiver.
Precisase de uma ama com leite: na ra
do Imperador n. 46, primeiro andar.
Attenco
Precisase de uma senhora de dade e de bous
costomes, que possa dai disso eonhecimento, e que
achando-se desvalida, queira recvlher-s casa de familia para fazer companhia a urnas me-
ninas e tratar dellas, emprogundo-se no interior
da casa no servido que quizer fazer, dando-se-lho
- Offerece-se um criado para o servico de uma cama, mesa e uma ratificaciio mensalqne se ajus-
Aluga se um senundo andar na' ra da Pe-
nha, com minios commodos, e uma grande casa
terrea na ra da Matriz da Boa-Visla : a tratar na
casa n. 36.
casa : a tratar na padara do gaz,
dia n. ti.
Ptecisa-se de uma ama que seja idosa : na
ra da Aurora n. 74._________
Aluga-se nvtade do primeiro andar da ra
Direita n. 4 : a tratar na taberna.
Precisa-so de um feilor Portuguez ou Brasi-
leiro para urna propriedade de plantardes, distan-
te desta praca oito legoas : na ra das Trincheiras
numero 48."
ra da Concor- tai" : servindo estas cotidiyoes, pode dirijjir-sc a.
ra dos Guararapes, sobrado n. 28, para tratar.
A administracao da massa fallida de Jos
UM Pereira, fallecido, chama aos credores habili-
tados para receberem as contas que Ibes cal no
primeiro rateio da referida massa, vislo achar-se
este approvado pelo juizo.______
Cascao i Puntual partiripam ao respeitavel
publico que deixou de ser seu procurador judicial
o Sr. Joaquim Cavalcanti de Albuquerque Mello
desdo o ultimo de julho prximo passado, ineum-
Jos Domingues Goncalves Torres relira-se bindo por essa occasiao ao Sr. Joaquim Joi dr
para lora da provincia. I Abreu Jnior da mesma procuradora.


uiai iu w
iwuev ""~n*cjMiau* iuiw v. .^imiu
>/ *!
1
S4HI0 A LUZ
KST A VENDA NA LIVRARIA 00 Sr. GrRAI.DO
RCA ESTREITA DO ROSAMO N. 12 AS
NOCES
A
DE
PARTIDAS DOBRADAS
OFFERECIDAS
A Associace Commercial Iieneficentc
DE
PER.VAHRUCO
POR
M Fonseca de Medeiros.
TINTURARA.
Tinge-se com perfeifo para qualqner
cor, e o mais barato possivel: Da ra do
fapgel d. 3K. segundo andar. _______
Antonio Luiz de Oliveira Aze-
vedo & C
Agente" do Banco l nio do Porto.
Competentemente autorizados sacam por tod o
os paquetes sobre o mesmo Banco para o Porto s
Lisboa, e para as seguintes agencias.
Londres sobre Banh o London.
Paris- Frederic S. Ballin & C.
Hamburgo > Joo Gabe & Filho.
Barcellona > Francisco Rahoba Madrid > Jaime Meric
Cdiz > Crdito commercial.
Sevilha Gonzalo Segoria.
Valencia M. Perera Y. Hijos.
Em Portugal.
Figueira.
ASSOCIACiO.
Commercial Beneficente de
- Pernambuco.
Os senhores socios effeclivos da Associagao Com-
mercial Benefieente sao convidados a se reuoirem
na sala das sesses da mesma Asseciagao no da
i* de agosto prximo futuro, ao meio'.dia, afim de
apreciarem o relatorio e contas da actual direcco,
o eleger a que deve dirigir os trabalhos da Asso
eiaco no anno que va i comecar.
Associago Commercial Beneficente de Pernam-
buco 25 de julho de 18Gi.
Jos de Vasconcellos.
________________________Secretario._________
Aluga-se o 2o andar do sobrado n. 79, na ra
do Imperador : a tratar na ra do Crespo n 15.
Aluga-se o 2 andar do sobrado da ra da
Aurora n. 41: a tratar na mesma ra n. 10._____
Aviso em tempo.
Q abaixo assignado tem entregue as contas dos
devedores da extincta firma de Vidal & Bastos, de
que liquidatario, ao seu procurador Luii Fran-
cisco Mello lavares, para serem cobradasamigavel
ou judicialmente.
Recife, 18 de julho de 1764.Joao Carlos Bas-
los Oliveira.
Precsa-se de 5:000$ a premio, d-se para
garanta: um predio de muito mais valor, sito nes-
ta praca: a quem convier, pode dirigir-se ra
Imperial n. 2(i9,ou indicar sua morada nesla ty-
pographia em caria fechada J. C.______________
ROUBO
Bwhas hamburguezas.
Vendem-se bichas de primeira qualidade : na
No dia 2o deste mez, urna lavadeira Tai atacada roa Nova n. 61, defronte da Illma. cmara muni-
e roubada do caminhe do Cordeiro para o Recife cipal._____________________
por um preto que levou urna trouxa q*e continha Vpndp *p nma r-i*a m fllinda r
34 fronhas de linho sem marca e Ucapas de col- T ,? !L ."
chao de linho pardo com a marcaParan: do JogO da Bolla n. 25, em Chaos propnos
quem apprehender todos estes objectes, dirija-se com a frente e O fundo de pedra e cal e os
ra de Santo Amaro n. 12, junto a m Nova. oites de taipa, cosinha na sala de detraz :
Lidio Mariano de Albuquerque acha-se pro- quema pretender dirija-sc ao Recife tra-
visionado para solicitar causas tanto no foro civel yessa do Veras n 10
VNDESE
Amarantes.
Arcos de Val de
Vez.
Aveiro.
Barcenos.
Bastos.
Beja.
Braga.
Braganca.
Faro.
Oliveira d'Aze-
meis.
Penafiul.
Tavira.
Villa do Conde.
Villa Real
S. Antonio.
Angra Terceira.
Caminha.
Castello Branco.
Chaves.
Coimbra.
Covilha.
El vas.
Extremos.
Evora.
Fafe.
Pinhal.
Porto-alcgre.
Thoma r.
Villa Nova do
Porlimo.
de Vizeu.
Guarda.
Gnimaraes.
Lagoa.
Lagos.
Lamego. .
Leiria.
Moncao.
Moncorva.
Regoa.
Selubal.
Vianna do
tello.
Villa Real.
Madeira.
S. Miguel.
como commercial desta cidade, para o que pode
ser procurado na ra do Imperador n. 12.________
O abaixo assignado faz sciente que o Sr. Vic-
torino Lopes da Costa contina a ser seu caixeiro.
______________Antonio Joaquim de Mello.
A pessoa que precisar de um criado, dirija
Fie de algodao da Babia em saceos de 100
libras.
Tem para vender Antonio Luiz de Oliveira Aze-
vedo & C, no seu esenptorio ra da Cruz n. 1.
Vende-se urna porcao.de gneros de diversas
se ra Direita n. 4, que achara com quem tratar, qualidades, proprios para sortimento de algum es
Ainda est para alugara casa da ra >ugus-
ta n. 112 : a tratar na ra Nova n. 59.
ARJUAZEM
m
Aluga-se urna negrinha de 14 annos de ida-
de, muito sadia e esperta para todo o servlco in-
teao de orna casa de familia : a tratar na praga
da Boa-Vista, sobrado que voila para a ra do Ara- j pela regularidade de suas operares mercantis ,
gao, primeiro andar.__________________________| alem do que, tem um grande e completo sortimen-
tabelecimento de taberua -, vende-se tambem a ar-
raaco e todos os penences de taberna ; todos es-
tes gneros vendem-se por precos razoaveis por
querer o dono acabar com o seu negocio, e tambem
liquidar as suas contas : quem pretender algum
destes gneros, dirija-se travessa do Pombal,
casa n. 20, freguezia da Boa-Vista.
Carvo animal.
Farello de Lisboa superior.
Cal virgem nova : na ra do Vigat o n. 19,
primeiro andar.
Farinlia de mandioca superior
em saceos grandes : vende Antonio Luiz de Olivei-
Temos a satisfaco de annuneiar, qne acabamos ra Azevedo & C, no seu esenptorio ra da Cruz
de abrir um estabelecimento de molhados na loca- numero 1.
lidade e sob a denominaco cima indicada.
il-Largodo Tergoii
Ao publico.
Precisa-se de urna criada que saiba f?> possuindo todos os arligos concernentes mo-
mm.,.. nolnh nn nn rtn Imiuin mados, cuidadosamente escolhidos e os mais fres-
engommar e cosiuliar na rita do impea- cos que M desejar.
Cas-
Faial.
No imperio.
Bahia. Maranhao.
Rio de Janeiro. Para.
Qualquer somma prazo ou vista.podendo logo
os saques prazo seren descontados no mesmo
Banco a razo de 4 por cento ao anno : a tratar
na na da Cruz n. 1.
Offerece-se urna pessoa para caixeiro de ar-
mazem de assucar : quem precisar annuncie por
este jornal.
"iwtmm wm Mmmm
O Dr. Carolino Francisco de Lima San- ^
tos, contina a residir na ra do Impe- Wi
rador n. 17,2- andar, onde pode ser pro- *^,'
curado a qualquer hora do diae da noite >i
W para o exercicio de sua prolissao de me- J5
l dico ; sendo que os chamados, depois de \
Si meio dia at i horas da tarde, devem ser *?
2j deixados por escripto. O referido Dr. 3R
nao abandonando nunca o estudo das >i
SS molestias do interior, prosegue, com o B
SR; maior aflinco, no das mais dilDceise deli- ?R
$SS cadas operaces. como-sejam dos ergos
^5 ourinarios, dos olhos, parto?, etc. li
mmmm mmmm wmmm
AVISO AOS SRS. MDICOS.
Cura ca'arrho, losset
coqueluches, irritacei
nervosa sa dos bron-
chios e todas a dm-
eos do peito; basta ao
lente urna colhe rchtlea deste xarope D' Fobgr.
Dr. cibi.k. em Pariz, roa t>ienne, s.
Pars, 36,RuaVivienne, D"
Sipop du
DrFORGET
CHABLEmdecin
DASENFERMIUADAS DESSEXUAES, AS AFFEO
CQF.S CUTNEAS, F. ALTERAgOESDO SANGUE.
lOOOOcuras Jasm/.iiye)i
I "i.('i/(is. herpes, sarna
|i: oniixoes, acrimonia, cat-
l'crcoes, viciosas do san-
___iguc; viril, e alteracoe
do fungue. iXaropc vegetal sem mercurio).Dcpu-
rativun rgctueH iliMii 1IIM IUI 1
tomao-se dous por semana, seguindo o tractamemo
Depurativo .- t1 emiircpadonas mesmas molestiai.
Este Xarope Ci tracto de
ferro de CIIABLE, cura
immediatamente qualquer
puraacao, relaxacao,
4 e debilidade, e igual-
mente os fluxos e lores brancas das raulheres..
Esta injeccao benigna emprega-se com o Xarope d
Cilracto de Ferro.
Hemorroida*, Pomada que as cura em tres das.
POMADA ANTIHERPETICA
Contra: as affeccoes cutneas e comixoes-
PILULAS VEGETAES DEPURATIVAS
do O' Chable, cada frasco vai accompabado da
um folhelo.
Vende-se na ra do Imperador botica
lYanceza n. ']$.
DEPURATIF
dn SAIVG
PLUSvDE
COPAHU
dor n. 17, segundo andar
Precisa-se de urna criada livre on escrava,
que saina cozinhar e engommar : na ra das Cruz
n. 42, primeiro andar. ____________________
Precisa-se de ama criada livre on escrava
que saiba cezinhar e comprar : na ra de Sanjo
Amaro (Mundo Novo), sobrado onde morou o Sr,
Dr. Sabina_________________________________
Precisa-se de urna senhora ou de um sacer-
dote que queira ir ensinar duas meninas em um
engenho em Serinhem, e se souber msica me-
Ihor, pois dar-se-ha boro ordenado : a tratar na
camboa do Carino n. 16.______________________
Arrendam-se duas boas casas e sitios no
Monteiro sendo a primeira no pateo da capclla de
S. Panlaleao, com boa sala e gabinete de frente,
sala de jantar muito fresca, diversos quartos, to-
dos com janellas, com um ptima sotao, com sala
e quartos com janellas, toda corrida de pateo e
gradeamento de ferro na frente, boa estribara,
O novo estabelecimento, fundado ao gostomo- NO dMiaZem (le fazenalS Oa~
ratas de Santos Coelho ra
do Queimadn n. 19
Vea ATTENQAO.
Ricas lazinhas para vestido, fazenda a melhor
possa desejar
Esperamos, portento, que mereceremos a pro
tecgo de todos em geral, preferindo-nos na com-
pra.dos gneros que necessitarem, certos de que que tem vindo ao mercado, tanto em gosto como
venderemos a precos muito commodos, e tendo em em qualidade pelo baratissimo preco de 560 re.
vista somente urna pequea vantagem, que com- o covado.
pense nesso trabalho. | Lazinhas miudinhas carmezins proprias para
Nao teremos duvida em aceitar qualquer artigo, vestidos de meninas c camisinhas a 640 rs. o co-
que por acaso nao agrade e nos seja logo devolv-, vado.
do, restituindo ento seu importe, ou trocando por
outro, como melhor convenha ao comprador.
Uesejamos muito que o publico nos proporcione
occasioes repetidas de darmos pravas da veraci-
dade de nossas palavras; e terminamos inscreven-
do aqu nossa constante divisa.
Barato so no fronteiro,
___________Purm vende a dinheiro._________
A ttenco.
Cortes de la com lo covados pelo barato preco
de 65.
Cobertas de chita da India a 2o00 e \i6.
Lences de panno de linho a 25 e 2500.
Pecas de cambraia de forro cora 8 ii2 varas a
35200.
Toalhasalcochoadas proprias para maos a 63 a
duzia.
Ricos cortes de la com barra a Mara Pa a
183000.
Peras de platilhas de algodao com 10 varas,
O abaixo assignado declara ao Sr. juiz munici-" proprias para saia a 45
pal da cidade do Ass, provincia do Rio Grande do A,gol,'5o enfeSlado corn 7 i,2 paimos de largura
Norte, nao poder fazer executivo nos bens da sua a jjn a vara
cocheira e casa para escravos um bel o jardim e familia sem a sua presenca, porque o abaixo as-, E*lejra da India Dr0Dria D-ra forro de saia dc
sitio mal bem plantado, com boasarvores de frac | signado pag0u em 13 de nio do correnle anno ', s e omos c larCa no? menos nreco do
tos e tem excellente banho de choque etc., etc., a divida activa relativa ao imposto de 4 por cento de !'* e* *uTaiSauer nirte
segunda tica confronte da povoacao a margem do Sua loja de imagens n. 72, ao consulado provincial q
rio, com 6 salas e diversos quartos e grandes es- de pernambuco, como consta de documentos que
tribarias, casas para escravos, toda corrida de pa- poSsue. Constando, porm, ao abaixo assignado
teo com gradeamento de ferro, boa baixa de ca- qUe 0 mesmo Sr. juiz quer fazer executivo nos
pim, bem planudo, abrumas arvores de fructos e bens de seu sogro, morador nessa cidade. faz o
Neste armazem tambem se encontrar um gran-
de sortimento de roupas feitas e por medida.
bastante terreno para plantaco:
do Apollo n. 1, segundo andar.
a tratar na ra
Precisa-se alugar um molcque para os servi-
cos de urna casa : a tratar na ra Nova n. 58, ter-
cciro andar.________________________________
Aluga-se a lo a da casa n. 40 da ra das Trin-
cheiras: na ra da Aurora n. 36.______________
Precisa-se alagar urna preta que saiba cozi-
nhar e engommar : quem a tiver, dirija-se ra
do Trapiche n. 4, que achara com quem tratar.
Aluga-se o terceiro andar da casa n. 48 na
ra do Trapiche : a tratar no armazem da mesma
casa.
- Offerece-se urna pessoa bastante habilitada
para feilor de um engenho: quem pretender diri-
ja-se ra de Aguas-Verdes n. 100, segundo an-
dar, que se dir com se trata.
Ama
Precisa-sc de urna ama que compre e cozinhe,
para casa depouca familia : a tratar na ra Impe-
rial n. 15 ou 124, sobrado.
Emilio Alvos Coutinho, subdito portuguez,
retirase para o Para._________________________
mi. c. iv. ihTVYkii V,
Medico ina^tez,
e habilitado pela faculdade de medicina da Baha,
tendo rollado Pernambuco, pode ser consultado
todos os dias em seu gabinete, ra do Brum nu
mero "i'-t.___________________________________________
Miguel Jos Barbosa Gnimaraes socio prin-
cipal da firma de Guimares & Lima, faz sciente
a lodos os devedores a esta firma que tendo falle-
cido o socio Jos de Almeida Nunes Lima, est
procedondo a liqnidaclo da mesma e por isso pe-
de a todos os devedores o especial favor de man-
darem saldar seus dbitos o mais breve possivel.
Recife, 0 de julho de 1864.____________________
Na pTaca da Independencia, loja de ourives
n. 33, compram-se obras de ouro, prata e podras
preciosas, assm como se faz qualquer obra de en-
commenda, e lodo e qualquer concert, e igual-
mente se dir quem d dinheiro a premio.
Consultor Forense
Acaba dc sabir luz na livraria do editor B. L,
Garnier, roa do Ouvidor n. CO, o
CONSULTOR GERAL DO FORO
Pelo r. Carlos Antonio Cordeiro.
\ urossos voluntes em 1, bem encadernados,
305000.
Acaba de completer-se esta importante obra do
milito dislincto e conhecido jurisconsulto o Dr.
Carlos Antonio Cordeiro, honrada com pareceres
laudatorios dos Sis. eonselheiros senadores Ange-
le Mtinizda Silva Ferraz, Bernardo de Souza Fran-
co, Bozebio de Queiroz Coutinho Maitoso Cmara
e .lose Tliomaz Nabuco de Araujo.
1 Jjmpe-se esta obra eminentemente pratica e
ao alcance mesmo das pessoas inteirainente ex-
tranhas ao foro, dos consultores civil, criminal,
commercial e orphanologico e forma urna Biblw-
thecn completa indispensavel nao s a todas as
pessoas do foro mas lambe. 11 a todos aquelles que
qnizeiem intentar ou liverem causa dependente de
qualquer juizo.
Vende-se separadamente cada urna das partes
seguintes a 5000 :
CoxsuLTOR Civil acerca de todas as accoes se-1
guida.s no foro civil, segundo o systema adoptado I
por Correa Tollos no seu Manual do Processo Ci-|
vil, cora as suppresses, altcracoes e accrescmos
exigidos pela legislacao, estylos e pratica do foro
brasileiro.
(>d\si i.TouCiii.MisAi. ou formulario de todas as j
acgdes seguidas no foro criminal, precedido das
dtspwiyM concernentes organisaco judiciaria
e attrbuieoes das autoridades polici^* e crimi-
naes. .
CoMSOLTOa Commkucui. 011 formulano de todas
as accoes commerciacs, segundo o reculamente de
2*> de novembro de 1850, contendo os modelos de
todas as petieSes, despachos, termos, autos, alle-
gaeoes, embargos, sentencas, finalmente todos os
termos dos processos,seguido do processo das que-
bras, qur no juizo commercial, qur no juizo cri-
minal.
Consultor Oiipiianalogico ou formulario de to-
das as aecoce seguidas no juizo dos orphaos, pre-
cedido das atlribuicoes das differenles pessoas que
nelle liguram, enriquecido com divprsas regras e
preceitos tendentes ao mesmo juizo de orphaos, e
bem assiffi ao da provedoria, com a legislaco res-
pectiva.
Na mesma livraria se cnconlra a srguinte obra
do mesmo autor.
Cupiuo CaflUlAL do mnerio do Brasil, contendo
nao SO tola a legislaco alterante ou modificante
de suas disposiefifis, como as penas de seus diffe-
rentes arligos,'calculadas segundo os seus graos
- as diversas qualidades dos criminosos; 1 volme
em 4, encadernado, 43000.
Vende-se na livraria econmica ao p do arco.de
Sanio Antonio.______
Precisa-fe de um Portuguez para etor de
engenho: quem pretender, drija-se praca da
Boa-Vista, sobrado n. o, segundo andar, das 6 s
10 horas da manha, e das 3 s 6 da tarde.
Precisa-se de um criado eslrangeiro para o
fcervico de urna ca^t de pouca famiii ; na ra do
Imperador n, 29,
m
MW
O bacharcl
Francisco Angosto da Cosa
;*
presente annuncio para levar ao conhecimento de
todos os habitantes dessa cidade do Ass, que sen-
do all negociante ha 4 annos, nada deve em dito
lugar, e se alguem se julgar seu credor aprsente
suas contas, ou letras que tenha aceitado, a seu
procurador, o Sr. Joo Francisco Pereira, para se-
rem pagas. Recife, 1 de agosto de 1864.Manoel
Ignacio de Oliveira Martins.
Na ra do Imperador n. 46, precisa-se de
urna ama para cozinhar.
COMPRAS.
Compra-se ouro e prata em obras velhas
daga-se bem: na loja dc bilhetes da praca da Inde
pendencia n. 22.
Compra-se cobre velho : na ra do Brum nu-
mero 78.
Itcloyio
quem tiver e quizer render um relogio de ouro
bom regulador dirija-se ra do Livramento n.
15, que se dir quem quer.
Compra-se a colleccao do peridico denomi-
nado o Commercial l'ernambucano que leve a pu-
blicaco do seu primeiro numero a 20 de maio de
1861: no sobrado da roa de S. Francisco n. 10,
como quem vai para a ra Bella desta cidade.
Compra-se um alambique de cobre ou de
ferro em bom uso : na ra do Imperador n. 12.
I na escrava.
Compra-se urna escrava que saiba engommar e
cozinhar com perfeicao : na ra da Cruz n. 45,
segundo andar.________________________
Compra-se
cobre, lato e cliumho: ito armacem da bo-
la amarella no oitao da secretaria da polica.
Compra-se urna escrava moga, bonita figura,
e que saiba engommar e cozinhar bem : na ra
Nova n. 67, segundo andar, ou da Senzala Nova
numero 38.
Compra-se um moleque de 10 12 annos,
que soja bem preto, prefere-se algum queja esteja
com paseaporte para fra da provincia : a tratar i
no hotel francez, ra do Trapiche, das 8 s 9 ho-
' ras da manha, com o dono do hotel.
ADVOCADO
Ra do Imperador numero 69. ^
Mmmm mmmm wmm*
Imagem
VENDAS.
n. 38.
Na padaria em Santo Amaro atraz da fun-
dico do Sr. Starr, vende-se legumes de Hambur-
go, diversas marcas._____
Aluga-se urna preta que cozinha, engomma
c ensaboa, para pouca familia, e s se aluga para
casa terrea : na ra das Flores n. 7.____________
Aluga-se una preta para vender pao-de-l,
bolos, ou outra qualquer cousa, de 1 s 7 horas da
larde : quem precisar, dirija-se esta typogra-
phia que achara com quem tratar.
IMSeHli8-ttHHI|
i DENTISTA DE PARS
19Ra Nova-49
Frederico Gautier, cirurgio dentista,
faz todas as operacoes de sua arte, e col-
loca dentes artDciaes, tudo com superio-
ridade e perfeicao, que as pessoas enten-
S (lida.~ lhe reconhecem.
Tem agua e pos denuncio.
COMPENDIO DOLOROSO
se de urna imagem de Nossa Senhora da que COnlem O officio de Nossa Senhora das
Concelcao : quem tiver e quizer dispor por troca, Dores; o modo de n-sar e ollerecer a co-
pode levar ou mandar no sobrado da ra da Cruz roa, um setenario e mais outros exercicios
de piedade e devorao ; ordenado pela ir-
mandade dos serves da mesma Senhora,
que se acha erecta na egreja de N. S. da
Fenha do impeiial hospicio dos reveren-
dos padres inissonarios apostlicos capu-
chinhos ilalianosde Pernambuco, approva-
do por S. II. L, que Deus guarde; dado
a luz por devocao do muito reverendo
padre Fr, Placido de Mssina.
Vende-se a 320 rs. na livraria ns. 6 e 8
da praca da Independencia.
Livro de oracoes.
Vende-se 100 res, na livraria ns. 6 e 8
da praca da Independencia, um livrinho con-
1 tendo o seguale : louvor ao santo nome de
Deus, cora dos actos de amor de Deus, ora-
ces e petices, hymnoao Espirito Santo, co-
ra do Senhor, aviso qualquer alma de-
vota, desengaos da vida humana, hymno
de Santo Ambrozio Nossa Senhora, jacula-
torias ao Santissimo Sacramento, exercicio da
via-sacra, commemoracao Nossa Senhora
do Carmo e ao SS. Sacramento, directorio
para a oracao mental, dividido pelos dias da
semana, obsequio ao corac5o d,e Jess, sau-
daces devotas s chagas de Christo, ora-
ees Nossa Senhora, S Jos, ao anjo da
guarda, Deus em obsequio qualquer san-
to e para a noute, e responso pelas almas
do purgatorio.
Vende-se a meiago da casa terrea da ra
do Nogueira n. 41, livre e desembarazada : a tra-
tar na ra das Flores n. 33, das 3 horas da tarde
em diante.__________________________________
Vendem-se charutos da imperial fabrica de
S. Flix, na Bahia, de Candido Jorge Ferrelra da
Coste, das seguintes marcas : regala imperial,
aprasiveis, ipiraogas, suspiros, etc., etc., recebidos
de conta proprla : roga-se s pessoas que sabem
apreciar o que boa fumaca, de prevenir-se antes
que se acabem : na ra do Imperador n. 46, ar-
mazem, que estenio patentes a quem quizer com-
pra-Ios.
Na ra* estrella do Rosario n. 34
Advogado Alfonso de Albu-
querque Mello,
pode ser procurado a qualquer hora ; as sextes-
feiras, porm, na villa do Cabo.________________
Quem tiver e quizer vender, embora esteja
j usada, as obras complete intituladas as Memo-
rias de Um Medico: dirija-se a ra estreita do
Rosario travessa do Queiraado n. 18 C, loja de
miudezas. _______._________________________
O Sr. Manoel Jos de Araujo tem urna carta
vinda do norte, na ra do Encantamento n. 11, no
Recife.
O abaiKO assignado, pela sua rpida viagera
para Europa, e nao podendo pessoalmente cumprir
as suas obrigacSes de despedida para com os seus
amigos, lanca mo desle meio para supprir este
falla involuntaria, pedindo desculpa pelo motivo
indicado.P. C. vor Sohstor.___________________
Precisa-se alugar urna ama que saiba cozi-
nhar, preferindo-se escrava; na ra da Impera-
tria n. 40._________________________ ______
Vicente Teixeira e Nicolao Fixiue, retiram-
se para Maro. ^^^^
Precisase alagar urna escrava para
pouca familia : na ra Augusta n. 52,
cata de
Os (! SINOS
08 MAIS AGRAVANTES
K
D'iiitia pollina/ iiracao
DI'.
ESCRFULAS,
O ERPCOES ESCROFULOSAS,
ulceras de teda i especio,
SYPHILIS, OU MAL VENREO,
TV.V0RES,
Ebullicoes,
BERTOEJAS,
OPITHLMA,
Hydropisia,
Empigens,
HERPES,
Mtartros,
EBTSIPELAS
ESCORBUTO,
Tinlia,
CHAGAS ANTIGS,
Rheurnattsrno ChronfcOg
DEBILIDADE GERAL,
Nervosidade, Neuralgias,
FALTA DE APPETITi, FASTIO,
SUPPRESSAO DAS REGRAS, ou
AMENORRHEA,
IfllMBL i BB BRMCAS.
Reteucao das trinas,
KMACIAgO,
Ou eiiiniagrecimente geral do carpo, prore-
nie/ite IKFLAMMACOES CHIONICS,
Affec9bes Chrouicas do Figado,
ASSIU COMO TODAS AS MAIS SIVIL1IAXIKS MO-
LESTIAS, PRINCIPA LMKNTE QfANDO SAO
CAUSADAS, OC l'ODU/.IDAS PELO Mil
UVRB USO DO MuKCfKlO OU
QciNIBO,
AmIiii como Itimbriii pelo rreqnrnlr uno lio AR-
SNICO e outritx iirrpiirn; c lilil mm i
Todas estas Bnferr.-jdades prompta e eicaa
mente cedem A benfica, poderoza e
purificantes qualidades da mu
justamente afamada
SMAPARMJM DE DRISTOL.
A venda as boticas de Gaors & Barbbza,
ra da Cruz, e Joo da C. Bravo & C, rna
da Madre de Dos.
Vende-se a casa terrea na Boa-Vista, traves-
sa de Joao Francisco n. 9, tem 3 portas, 2 janellas,
e portao para c oitao, faz esquina para o becco do
Quiabo, e foi reedificada toda e anno passado : a
tratar na ra da a legria, casa n. 28.
Fabrica Concei$to #da
Bahia.
. Andrade & Reg, recebem constante-
mente e tem venda no sea armazem n.
34 da ra do Imperador, algodao d'aquel-
la fabrica, proprio para saceos de assu-
car, embalar algodao empluma etc., etc.,
pelo preco mais razoavel.
um tngenho, fazenda dc ga
do, diversos predios, poredo
de escravos, animaes vac-
cuns e cavo llares.
Sexta-feira o dc agosto.
\a cidade da Parahlba, ra do
Varadouro n.
Jos Luiz Pereira Lima, tendo resol vido termi-
nar a responsabilidade que lomou sobre parte do
passivo de sua extincta tirma commercial, expor
concurrencia publica, por venda em leilo, to-
dos ou parle de seus bens constando de :
Um engenho deuominado Grana, distante urna
pequea legua da cidade, com todas as bemfeilo-
ras e obras, corno sejam : um magnifico sobrado
apalacado com 16 janellas de frente, igreja e urna
casa terrea com 70 palmos em quadro, casa de
engenho firmada em columnas todas do pedra, ca-
sa de caldeira e em seguimento casa de purgar
com 70 palmos de largura e 280 de comprimento
inclusive casa de destiacao, sendo estas obras to-
das de pedra e cal. O engenho moe nicamente
com agua de urna vertente extraordinaria sobre a
roda que nova e de madeira de amarello com H
palmos de dimetromoenda nova e toda de fer-
ro assenlamentocompleto com as caldeiras pre-
cisas todo o fabrico.
As trras de que o engenho se compoe tem nma
Cxtensao de legua quadrada, bem devisada e de-
marcada, com porto de embarque, e varios sitios
com casa e muito arvoredo de fructo, e bem assim
infinitas pedreiras para cantara, lasca c cal, para
o que tem varios frnos slidamente construidos.
. Urna casa de sobrado de tres andares e sotao,
com cinco portas de frente na ra do Varadouro.
Urna dila dc dous andares e sotao, com tres
portas de frenie na mesma ra.
Urna dita terrea rom cinco portas de frente e
sotao tambem na mesma ra.
Um grande lerreno de marinha com fronteiras
para armazens na i na do Zumb.
Urna casa terrea junto ao quartel de primeira
linha.
Urna aita de sobrado com cinco portas de fren-
te, muito bem construida e ao gosto moderno na
ra Direita da cidade alta.
Urna dita dte com quatro portas de frente,
igualmente bem construida e annexa anterior.
Duas ditas terreas no becco da Companhia.
Urna fazenda de gado situada na Hibeira de
Grumala em duas leguas de trras com duas si-
tuacoes de gados, curraes, acudes, e boas catingas
para plantacoes de todo o genero.
Vinte e cinco escravos de todas as idades.
Animaes de roda, boiada mansa, e vaccas tou-
rinas.
N.B. 0 leilao ter lugar no dia cima dcsigna-
j do pelas 10 horas da manha em urna das casas
da ra do Varadouro.
Os pretendentes qualquer das propriedades
| podem desde j dirigir-se a seu proprietario para
obter informagoes dc qualquer natureza que se
.un relativas posse, dominio e demarcacao de
imites.
GRANDE
sortimento de fazendas novas bara-
tissimas na luja c armazem de fa-
zendas baratas na roa da 'mperatriz
n. 56, loja da Arar*, de Louicnco
Pereira Jlendestiuimaies.
Cortes de chita a 2-> 500.
Vende-se cortes de chitas para vestidos a 25 00,
ditas de dita franceza com 10 covados a :i^200,
cortes dc rassa l'rancezes a 25 e 25300 : na ra
da Imperatriz n. 56, loja da Arara.
Arara vende a 160 rs.
Vende-se fil de linho de cores a 160 rs. o co-
| vado, dito branco para forro a 320 rs. a vara, tar-
latana de cores a 610 rs. a vara, lencos Lrancos a
200 o 2i0 cada um : na loja da Arara ra da Im-
peratriz n. 56.
As laaziulias da Arara a 320 rs. o royado.
Vendem-se lazinhas para vestidos a 280, 320,
400, 'OO e tiO o covado, ditas lisas proprias para
capas e vestidos de senhoras a 400 e 600 rs. o co-
vado: na ra da Imperatriz n. 56, loja da Arara.
Arara vende as cliilas para caberla a 320 rs.
Vendem-se chitas para cobertas a 320, 360, 400
e 500 rs. o covado, dita enramada adamascada a
500 rs. o covado: na ra da Imperatriz n. 56, loja
da Arara.
Cassa organdys da Arara a 20 rs
Vendem-se cassas organdys para vestidos a 240,
j 280 e 320 rs. o covado, Oseado francez para ves-
tidos a 280 rs. o covado, gurgurao de linho para
| vestidos a 280 rs. o covado : na ra da Impera-
triz n. 56, loja da Arara.
As chitas da Arara a 2 SO rs. o corado.
Vendem-se chitas para vestidos de cores fixas a
; 240c 280 o covado, litas frannezas largas a 320,
i 360, 400, 440 e 500 rs. o covado na loja da Ara-
| ra ra da Imperatriz n. 50.
Lencos de seda da Arara a 800 e 1-5.
Vendem-se lencos de seda para algibeira de
! homem a 800 e 1$, lencos de cassa a 200 e 240
! rs. : na ra da Imperatriz n. 56, loja da Arara.
Arara vende os veos netos c de cores a 1-5000.
Vendem-se veos prtos e de cores para chape-
; linas de senhoras pelo preco de 15 cada um, go-
; linhas para senhoras a 240 e 320 rs., manguitos a
15, camisinhas para senhoras a 25, ditas linas
! com gravatinha e punhos bordados os mais mo-
| demos que tem viudo a 45500 : na loja da Ara-
ra ra da Imperatriz n. 56.
Arara vende os bales a 2,-jOO.
Vendem-se bales de 20, 25, 30 e 35 arcos a
25500,35, 350, 45, 45500. ditos de brilhanlina
a 45 : na ra da Imperatriz loja da Arara n. 56.
Corles de lia a Alaria Piaa 8:5 c 18$.
Vendem-se corles de laa a Mara Pia a 85e 185,
pecas de cambraia lisa fina a 35, 35500 e 45 : na
ra da Imperatriz n.56 loja da Arara.
Cortes de ganga a I ;>t>00
Vendem-se cortes de ganga franceza'para calca
a 15600, ditas de casemira a 35, ditas linas a 55
e 55500 : na ra da Imperatriz n. 56.
Itoupa frita da Arara.
Vendem-se paletots prelos de panno fino a 165-
145 e 125, ditos saceos de panno fino preto e azul
debrnados de fita a 95 e 105, ditos de casemira a
65, 85 e 55, ditos de hrim a 25500 e 3$, ditos de
alpaca preta a 35e 25500, camisas francezasbran-
cas a 25 e 25500, ditas de linho de pregas largas
a 25800 e35, seroulas de algodao a 15600, ditas
de linho a 25, caifas de brini e gangas de cores a
25, ditas de brim pardo a 25500 e 35, ditas bran-
39U a 35500 : na ra da Imperatriz n. 56 loja da
Arara.
Colchas da Arara a i5
Vendem-se colchas de damasco para cama a
45, ditas de fuslo a 55, ditas de chita a 25 : na
ra da Imperatriz n. 56, loja da Arara.
Vendem-se gangas para raleas e paletots.
Vendem-se gangas, para paletots e calcas a 440
e 500 rs. o covado, fu.stao para calca a 500 rs. o
covado : na ra da Imperatriz n. 56, loja da Arara.
Madapolao francez a !>.
Vendem-se pecas de madapolao entestado com
12 jardas a 45 e" 45500, ditas de 24 jardas ns. RG
a 75, dita n. 60 a 65500, dito moga a 75500, dita
n. 40 a 85, dita n. 50 a 85500, ditan. 7 a 105, di-
ta SS 95, dita XX 85500, algodao muito encorpado
a 55500 e 65, dito carne de vacea a 75: na roa
da Imperatriz n. 56 loja da Arara.
rimdr linho a MISO,
Vende-se brim de linho para calca a 15280,
15400,15800 e 15600 a vara, brim liso para se-
roulas e lences a 500, 560 e 640 a vara, braman-
te de linho a 25200 a vara tem 10 palmos de lar-
gura, bretanha de linho a 640 e 800 rs. a vara,
brim pardo a 800, 640 e 15 a vara : na ra da Im-
peratriz n. 56 loja e armazem da Arara, a loja es-
t aberta at s 9 horas'da noite.
Gal de Lisboa era pedra.
Chegada hontem.
Vende-se
Ha para vender : a tratar no largo do Corpo na livraria do Sr. Nogueira, junto ao arco de San
Santo n. 19, armazem, o) Antonio, Calme!, diccionario, etc*
Chitas (tralas
Chitas baratas
Cimas baratas
Vendem-se chitas muito boas em pan-
nos, cores e padroes a 220 e 240 rs. o
covado s
Ka ra do Crespo u. i
Loja do haraleiro.
Vende-se a armagao da loja da ra larga de
Rosario n. 33, muito propria para mudezas ou
outro qualquer negocio por ser em muito boa lo-
calidade : a tratar na mesma loja, o u ra de
Apollo n. 8 com o Dr. Jos Joaquim de Souza.
Grande liquidadlo
de fazendas na loja do Pavao, roa da Imperatriz t.
60, de Gama & Silva.
AcOa-se este estabelecimento completamente sor-
tido de fazendas inglezas, francezas, alinales e
suissas, proprias tanto para a praca como para o
mato, prometiendo veoder-se mais barato do que
em outr qualquer parte principalmente sendo em
porcao e de todas s fazendas do-so as amostras
dexando ficar penhor ou mandam-se levar em ca-
sa pelos caxeiros da loja do Pavao.
As chitas de Pavo.
Vendem-se superiores chitas claras e escuras pe-
lo barato preco de 240 e 280 rs. sendo tintas segu-
res, ditas francezas finas a 320, 340, 360, 400 o
500 rs., o covado, ditas pretas largas e estretas,
riscados escocezes finos a 240 rs. o covado, isto na
loja do Pavao ra da Imperatriz n. 60 de Gama &
Silva.
As cassas do Pato a 240, 280, 300 e 320 r.
Vendem-se finssimas cassas persianas cores fl-
ias *. 32,rs- covado, ditas francezas muito finas
; a 240 e 280 rs., ditas ingzezas a 240 e 280 rs. o
covado, finissimo organdy matisado com desenhos
, miudinhos a 320 rs. o covado, cassas garibaldinas
muito finas a 320 rs., isto na loja do Pavo ra da
[ Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
As lazinhas da exposicie dt Pavao.
Vendem-se as mais modernas lazinhas mossan-
i bique chegadas pelo ultime vapor francez sendo-
; de urna s cor ou de listas miudinhas com 4 palj
\ mos de largura, proprias para vestido de senhora,
roupa para meninos e capas, e pelo baratissimo
pre^o de 500 rs. o covado, ditas entestadas trans-
parentes de quadrinhos a 500, 400 e 360 rs. o co-
vado, ditas matisadas muito finas a 500 e 400 rs.,
! ditas mais baratas do que ehita tambem matisadas
a 320 rs. o covado, ditas a Hara Pa com palma
de seda e 4 palmos de largura a 800 rs. o covado,
e ditas de urna s cor pmrda, azul, cor de lyrio e
perola proprias para vestidos, sautembarques e
garibaldes a 720 rs. o covado, ditas escocesas a
800 e 400 rs isto s na loja do Pavo, ra da Im-
peratriz n. 60, de Gama & Silva.
Os chales de Pavo.
Vendem-se finos chales de crepon estampados
pelo barato preco de 65, 75, 85, ditos de pona re-
donda a 75 e 85, ditos pretos ricamente bordados
a retroz com vidrilho a 125, ditos pretos lisos a
55, ditos de cores a 45500 e 55, ditos de merm
estampados a 25 e 35, ditos de la a 1*280 e 25,
ditos de retroz preto para luto a 65, isto na loja
do Pavo ra da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
0 Pavo vende para lulo.
Vende-se superior setim da China fazenda toda
de la sem lustro tendo 6 palmos de largura pro-
prio para vestidos, paletots, capas etc., pelo bara-
to preijo de 25, 25200, 25500 o covado, cassas
pretas lisas, chitas pretas largas e estreitas, chales
de merino lisos e bordados a vidrilho, manguitos
comgollinhas e outros muitos artigos que se ven-
den) por precos razoaveis : na loja do Pavo ra
da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Os vestidos do Pavo
Vende-se ricos vestidos de grosdenaple preto ri-
camente bordados a veludo pelo barato preco de
' 405, sendo fazenda que sempre se vendeu a "1005
I e 105 ; ditos de cambraia braneos ricamente bor-
dados a croch, sendo proprios para baile e casa-
mento a 10, 15, 20 e 305; ditos de la com lindas
narras a 18 e 155 ; isto na loja do Pavo ra
; da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Os pannos do Pavo.
I Vende-se panno preto muito superior pelo barato
| prego de 25, 25500,35 e3j>500, ditos muito tinosa
45, 55 e 65, corles de casemira prela entestada a
45, 45500 e 65, casemira preta fina de urna s
largura muito tina a 15800, 25, 25500 e 35, cor-
tes de casemira de cor a 55, 55500 e 65, casemi-
ras enfestadas dc urna s cor proprias para caiga,
paletots, colletes, capas para senhora, roupas para
meninos a 35 e 3500 o covado, isto na loja dr>
Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
A roupa do Pavo.
Vendem-se paletots de panno preto sobrecasa-
nos fazenda muito boa a 125. ditos muito finos a
I 165, 20?, 255 e 305, calcas de casemira prela boa
fazenda a 4^500,55, 65,'75 e 85, paletots saceos
j de panno preto a 75 ditos de casemira de cor a
i 65 e 75, ditos de alpaca preta, ditos de merino
preto, ditos de brim de cores, calcas dc casemira
de cor a 45, 55,65,75, ditos de caxemira da
I Escossia a 35, ditos de brim pardo a 2550*', ditos
| de cor a 25 e 25500, ditos brancos muito finos,
sto na loja do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
As colchas do Pavo.
Vendem-se colchas de linho alcorhoada* pro-
prias para cama pelo barato preco de 55 cada nma
na ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva
.as dc una s coi*.
Vendem-se lazinhas de nma s cor, sendo en-
carnada, azul, cinzenta, cor de cal, lirio claro, li-
rio roso cor de perola pelo baratissimo preco de
; 640 o covado, fazenda mi'.ito lina s o Pavo, ra
da Imperatriz n. 60 loja e armazem de Gama t
' Silva.
Os coi'tf uados do pavo.
Vendem-se ricos cortinados proprios para janel-
I la e camas pelo barato preo de 95 o par, sendo o
1 melhor que ha no mercado^ na ra da Imperatriz
n. 60, de Gama & Silva.
As prccalas do Pavo.
Vendem-se as mais lindas precalas que tem vin-
do ao mercado chegadas pelo ultimo vapor fran-
! cez, pelo barato preco de 600 rs. o covado, ditas
, de lisftinha muito miudinhas proprias para vestidos
e roupas de meninos e meninas pelo birato prego
de 500 rs. ; s o Pavo ra da Imperatriz n. 60,
loja de Gama & Silva.
Os soiiteanbarqiies. do Pavo
IO e 15$" o Pavo.
Vendem-se os mais lindos souteanbarques que
tem vindo ltimamente de lazinha e caxemira ri-
camente bordados e enfeitados, cores muito delica-
das pelo barato prego de 105 e 155 ; fazenda esta
que em ontras lejas se vendem por 205 e 255,6
s para liquidar : na leja e armazem do Pavao ;
ra da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
\a chitas do Pavo 3$400 e
2SOO o corte.
Vendem-se cortes de chita com doze covados
cada corte, ditos com dez covados a 25400, fazen-
da muito boa, e que nao desbota, s na loja do Pa-
vo tem esta pecliincha ; a ra da Imperatriz n.
60 de Gama & Silva.
Panno de linho.
Vende-se panno de linho com 4 palmos de lar-
gura proprio para lenges, toalhas e ceroulas pele-
barato preco de 640 rs. a vara, bramante de linho
con> 10 palmos de largura a 25500, algodozinliO'
monstro com 8 palmos de largura a 15. pegas de
Hamburgo com 20 varas a 95, 105 e 115, pecas de
madapolao fino a 75500, 85, 95 e 105, ditas de
algodozinho a 65, 65500 e 75, e outras :nu i tas
fazendas brancas que se vendem muito baratas
atim dc apurar dinheiro : na loja do Pavo ra da
imperatriz n. 60, de Gama & Silva,
O bramante do Pavo com doze
palmos de largura.
Vende-se bramante de linho puro, muito fino com
doze palmos de largura o melhor e mais largo que
tem vindo ao mercado pelo barato prego de 250O
rs.a vara ; s na loja do Pavo de Gama & Silva,
aua da Imperatriz n. 60.
As precalas do Pavo.
Vcndem-se as mais lindas precalas qus tem vin-
do ao mercado chegadas pelo ultimo vapor francez,
pelo barato prego de 600 rs. o covado, ditas de li-
trinha muito miudinhas proprias para vestidos e
roupas de meninos e meninas pelo barato prego
de 500 rs.: s o Pavo ra da Imperatriz n. 60,
loje de Gama & Silva.
Os bales do Pavao.
Vendem-se crinolinas ou baldes de 30 arcos tan-
brancos como de cores, sendo americanos que
sao os melhores por se nao qnebrarem a 35500 e
de 33 arcos a 45, ditos de musselina com baados
45, ditos para menina a 25 e 35: na loja do Pa-
vo ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
O Pavo vende 8.
Vendem-se os mais lindos cortes de vestidos a
Mara Pia, com lindas barpas de seda, sendo che-
gados pelo ultimo vapor francez pelo barato prego
de 85 cada um: s na loja do Pavao rna da Impe-
ratriz n. 60, de Gama & Silva.
Os bales do Pavo.
A 2#00 s o Pave.
Vende-se bales com 20, 25 e 30 arcos pelo ba-
ratissimo prego de 25500, assim como tem um
completo sortimento de baldes para meninas de to-
dos os tamanhos pelo baratissimo preto de 25500,
notando que sao bales de arcos os melhores que
tem vindo da America Ingleza, vendem-se por este
preco para liquidar : s na loja e armazem do
Pavao ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.


/




*l


*- ihuaHavv-----.* vgimuun nnariv .Kgtrmu Mt' JL 9
i** -
V
i
i
COMMERC
RA DO QIEMAUO M. 45,
Passando o becco da Congregado segunda casa.
NOV1DADE.
Pereira Rocha 4 C. acabam de abrir na ra do Queimado n. 45 um armazem de molhades denominado Clarim Commercial,
onde o respeitavel publico encontrar empre um completo sortimento dos melhores gneros que vem ao nosso mercado, os quaet
aerSo vendidos por precos muito resumidos como o respeitavel publico ver pela tabella abaixo mencionada ; garante-se o bom peso
e boa qualidade dos gneros comprados neste armazem.
Arroz do Maranho, da India e Java a 60, 80
e 100 rs. a libra e i 800 a 2600 e U
a arroba.
Ameixas francezas em latas e em frascos a
l(K) e l()00 emfrascos grandes a
2*500.
dem em caixinhas elegantemente enfeitadas
com ricas estampas no interior das caixas
a 12*000,1*400,1*600 e 2*.
Amendoas com casca muito novas a 280 rs.
a libra.
AI pista a 160 rs. a libra e a 4*600 a arroba.
Azeite doce francez muito no em garrafas
grandes a 960 rs. a garrafa,
dem de Lisboa a 640 rs. a garrafa.
Araruta verdadeira de matarana a 320 rs. a
libra.
Avelaas muito grandes.e novas a 180 rs. a
libra.
Biscoutos nglezes de diversas marcas a
. 1*300 ris.
Bolachinhas de soda, latas grandes, a 2* rs.
a lata.
Ditas inglezas matto novas a 3*000 a barri-
quinha e a 200 rs. a libra.
Banha de porcor efinada a 440 rs. a libra e
e em barril a 410 rs.
Cha hvsson, huchin e perola a 1*600, ,
2*500, 2*808 e 3*000 a libra,
dem preto muito superior a 2*000 a libra.
Cerraja preta e branca, das melhores marcas!
que vem ao mercado, a 500 rs. a garrafa
e 5*800 a duzia.
Cognac inglez fino a 900 rs. a garrafa.
Conservas a 720 rs. o frasco,
dem, s de pepino, a 720 rs.
dem, s de azeitonas, a 750 rs.
Charutos dos melhores fabricantes da Babia
e especialmente da fabrica imperial de
Candido Ferreira Jorge da Costa, a 1*800,!
2*000, 2*200, 2*500, 2*800, 3*000 e
3*500 a caixa.
Caf do Rio muito superior a 280 e 320
rs. a libra e 8*500 e 8*800 rs. a arroba.
Carlitas de bolinlios francezes muito novos e
muito bem enfeitadosa 700 e 600 rs.
Chourifas e patos muito novos a 800 rs. a
libra.
Cevadinha -e Franca muito superior a 220
rs. a libra.
Cevada a 80 rs. a libra.
Ervilhas portuguezas a 640 rs. a lata,
dem seccas muito novas a 200 rs. a libra.
Figos de comadre e do Douro em caixinhas
de oito libras e canastrinhas de 1 arroba a
1*800, 5*500 e 280 rs. a libra.
i Farinha do Maranho a 160 rs. a libra.
Farinha de trigo a 120 rs. a libra.
Genebra de Hollanda verdadeira marca VD
! a 560 rs. o frasco e 6*200 a frasqueira.
dem em garrames de 3 e 5 galoes a 5*500
i e 7*500 cada um com o garrafo.
Graixa a 100 rs. a lata e 1*100 rs. a duzia.
Licores muito finos a 700 rs. a garrafa.
dem, qualidade especial e garrafas muito
I grandes, a 1*800 rs. a garrafa.
I dem garrafas mais pequeas a 800 rs.
dem, garrafa forma de pera e rolha de vi-1
dro, a 1*000 rs., s a garrafa vale o di-
nheiro.
Manteiga ingleza perfeitamente flor, desem-
barcada de pouco a 900 rs. a libra, e da I
de segunda qualidade a 800 rs.
dem franceza muito nova a 640 rs. a libra. I
dem de tempero a 400 rs. -
Massa de tomates em barril a 480 rs. a libra,
dem em lata a 640 rs. [
Marmelada imperial dos melhores conservei-
ros de Lisboa a 600 rs. a lata.
Marrasquinho de Zara, frascos grandes, a
800 rs.
dem regular a 500 rs.
Massas finas para sopa :
rodinhas e letr'anhas a 600 rs. a
4* a caixinha com 12 libras.
Nozcs muito novas a 160 rs. a libra.
Peixe em latas preparado pela primeira arte
de cozinha a 1* rs. a lata.
Palitos dedentes a 160 rs. o masso.
Palitos de dentes a 120 rs.
dem de flor a 200 rs.
Amendoas confeitadas a 900 rs. a libra.
Doce de goiaha em latas o melhor possivel a
2* e em caixiio a 640 rs.
Palitos do gaz a 2*200 rs. a grosa.
Passas muito novas a 480 rs. a libra.
estrellinha, pevide,
libra e a
Peras seccas muito novas a 600 rs. a libr*"
Painfo a 200 rs. a libra.
Polvo secco muito novo a 400 rs. a libra.
Presuntos de Lamego em calda de azeite e
muito novo a 640rs.
Queijos flamengos do ultimo vapor a 2*800
dem prato.
dem londrino chegado no ultimo vapor e
900 rs. a libra.
Sal refinado em frascas de vidro a 600 rs.
cada um.
Sardinhas de Nantes a 360 rs.
Sag muito alvo e novo a 260 rs. a libra.
Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tijolos de 1 impar facas a 140 rs.
Vellas de carnauba pura a 360 rs. a libra,
dem stearinas muito superiores a 600 rs.a
libra.
Figos em caixinhas emticamente lacradas
a 1*600.
Vinho do Porto engarrafado o melhor que
ha neste genero e de varias marcas, como
sejam: Velbo de 1815, Duque do Porto,
Madeira, D. Pedro, D. Luiz I, Maria Pia,
Bocage, Chamisso e outros a 800, 900 e
1*000 a garrafa, e em caixa com urna du-
zia a 9*000 e10*000.
dem em pipa, Porto, Lisboa e Figueira a
480, 500 e 560 rs. a garrafa e 3*, 3*500
e 4* a caada,
dem branco de Lisboa muito fino a 500 rs.
a garrafa,
dem de Bordeaux, Medoc e S. Julien a 700
e 800 rs. a garrafa, e 7*000 e 7*500 rs.
a duzia.
dem Morgaux eChateauluminide 1854, a 1*
a garrafa,
dem moscatel a 800 rs. a garrafa.
Vinagre de Lisboa a 200 rs, a garrafa e
1*200 rs. a caada.
Kirsk garrafas muito grandes a 1*800 rs.
Alm dos gneros cima mencionados te-
mos grande por cao de outros que deixamos
de mencionar, e que tudo ser vendido por
pegas e carnadas, tanto em porcoes como
retalho.
Quem comprar de 100*000 para cima te-
r o abate de 5 por cento.
MACHIMS EPTENTE
de trabalhar a nio para
descarocar algodao
FABRICADAS
Por Plant Brothers & 0.
OLDAM
Estas machinas.
podem descarocar '
qualquer especie ;
J^de algodao sem '
~ i. estragar o fio,
' sendo bstanle
duaspessoas para
o tral-albo; pode
descarocar urna
arroba *de algo-
dao em caroco
ern 40 minuto.-'.
ou 18 arroba?
por dia ou 5 ar-
robas de algodao
limpo.
Esta machina
a nica que
possue as vanlagens de nao destruir o fio do al-
godao e de fazer tender o dobrode qualquer ou-
tra com menos trabalho, a sua introducciio para
as provincias deste imperio ser de mullo valor
para todos os inleressados na lavoura do paiz.
Assim com machinas em ponto grande do mes-
lo systema.oraql seren movidas por animaes,
agua ou vapor, pas uaes podein descansar 18 ar-
robas de algodao ampo por dia.
O algoilio dcscarocado por estas machinas lem
muito mais estimacao nos mercados de Europa e
vende-se por maior preco.
As machinas se achara venda nicamente em
rasa de
Sa lindis Brothers & C.
X. II, praca do Corpo Manto
RECIPE.
Os nicos agentes neste paiz.
T
" as s o o -i sr'-< os o o i
s-2.=rc 2 S o.!
^ 3 Q 5 w o
-
2 B'V.'S'S 3.
3 B_
5 5 oa
0g,3fi 313 'gBo.crg
-c- ,3asac.utD
cd a> g = =, 252o3
o o a s ^3 oto g >
< o crF s 2 a H 2
3,Hl8>V|ig
BiS'S
_
o.riG' B _
8-1
3.8
55 = a a. _
5
5I|H
O (3Q
W O U
efll
5 S a
O _
o 2.8
o.
X3
u

s. w
j-
CJ
B'
9*9 A u
o 9 9 m
u p
O
M
->

i =
8i
a I
O T
I
8S
B> .
O.
O
8
m
a>
a-
Qt

i-
g
\ov(is rnfcilrs para senhora.
A aguia-branca acaba de receber um bello e va-
riado sortimento de enfettes de diversas qualidades,
e o que de mais moderno c possivel encontrar-se
aqu, fazendo-se notaveis por soas novidade e ele-
gancia uns, cuja grado de um fino e delicado te-
rido a que apropiadamente se chama invisivel.
Assim, vista desse completo sortimento, qualquer
cidado manido de dinheiro est habilitado a com-
pra-Ios : na ra do Queimado, loja d'aguia-braffc
n. 8.
Capachos loglezes.
Na loja da aguia branca, ra do Queimado n. 8
vendem-se bons capachos ingle/es, os quaes alm
de bonitos sao de imroensa doracao, pelo qae se
tornara baratos pelos pregos de 4J, 5, 6 e 7#1
cada um.
Banha fina em copos do por-
cefana dourada com ins-
crip(;oes.
ja bem conhecida pela boa freguezia d'aguia'
branca a superioridade da banha que vem nos co-
pos de porcelana dourada com maviosas e jocose-
rias inscripc.oes, as qnaes agora vieram de novo
gosto, pelo que essa lina banha pode anda ser
mais conhecida por aquellos que quizerem fazer
um bom presente, com tanto que comparecam mu-
nidos de dinheiro na ra do Queimado, loja J'aguia
qranca n. 8.
melones bordados c car I oes coi bei-
ias doorada*.
Xa loja da aguia branca, ro achavam-se venda bonitos en<-jiopes bordados e
cartoes com beiras douradas, tendo de uns e de
outros, maiores e menores, proprios para parlici-
pacoes de casamento.*, bailes etc.
Vende-se alpaca preti a 500 rs. o corado.
Vende-se alpaca preta para vestidos a 500, 600.
700 e 800 rs., fina de rordao a 800 rs. para pale-
tot, princesa preta a 800 e 640 o covado, bombazi-
na preta fina a 1.100 o covado, laazinhas preta
para senhora que estao de luto a 720 o covado :
na ruada Imperalriz n. 56. A loja est aberta al
s 9 horas da noite.
Completo soriimento de filas
flaas, Usas e lavradas.
A aguia branca receben um grande e< completo
fortimento de litas de diversas larguras e qnalida-
des, lano lisas como lavradas, e em todas ellas co-
nhece-sc a superioridade da fazenda, nolando-se
as lavradas o bom goslo dos novos e lindos dese-
nhos, isso tanto as matisadas como as branca?,
e pela rommodidade dos presos o pretndeme que
se dirigir munido de dinheiro ra do Queimado
loja da aguia branca n. 8, ser bem servido.
Cartas francezas.
A aguia branca, na ra do Queimado n. 8, rece-
beu um novo sortimento de finas carias francezas
com beiras douradas e brancas, e as est venden-
do baratamente a dinheiro vista.
Bonitas bonecas.
Cun rosto de cera, massa c porcellann.
Acha-se na loja d'aguia-branca ra do Queima-
do n. 8, nm grande sortimento de bonecas de di-
versos unanhos, com rosto de cera, masfa e por-
celana os pretendentes munidos de dinheiro
acharao boa disposicao para os vender.
SAPA IOS DE HIP.I! K II \
a I0OOO, i500 c 8500 o par
na ra do Queimado loja d'Aguia-Branca n. 8.
latas com banha fina.
J por diversas vezes a aguia branca tem rece-
bido dessa banha fina em latas, e tal tem sido a
prompta e rpida extraccao delta, qoe nao tem da-
do lugar a aguia branca avisar a sua hoa fregue-
zia, pelo que talvez a maior parte dclla s agora
saber da vinda dessa boa banha. Ella vem em
latas de 1|2 e 1 libra, e contina a ser vendida pe-
los baratissimos precos de 25 c :t000. Apar da
superioridade da qualidade delta esto os ag.ida-
veis e finos cheiros de rosa.jasmim, laranja, bou-
qnei, e flor de Italia. A boa freguezia assim scien-
te dirigirse com dinheiro ra do Queimado,
loja d'aguia branca n. 8.
Ootes de cornalina
e ootras qualidades para coletes
A Aguia branca acaba de receber um novo e
variado sortimento daquelles apreciados boloes de
cornalina brancos e encarnados, chatos e redon-
dos para coletes, cujas abotuaduras continuam a
ser vendidas pelo commodo c inalteravel preco de
2-5 cada urna.
Alm desses recebeu tambem outros de madre-
perola, massa e osso, com differenfes moldes para
o mesmo liin.
J se v, pois, que o pretndeme munido do di.
nheiro achara sortimento vontade na ra do
Queimado loja d'Aguia branca n 8.
BAISIMlS K CAIXINHAS
com perfumarlas.
Na ra doQneimado n. 8 loja d'Agua-Branca, os
freguezes munidos de dinheiro encontraro, boni-
tos bausinhos cobertos de couro e com 6 frasqui-
nhos de extractos por 1,5500 cada um, e outros
cobertos de papelo com 9 frasquinhos por 25000
um; caixinhas com 6 frasquinhos de ditos por
15000 urna, outras com 12 ditos por 25000 urna,
outras cora 3 ditos, cuja coberta parece tartaruga,
a 15500 cada urna, e outras com pastilhas de chei-
ro a 500,15000 e 2*000.
Aenco
0 dono da loja do Beija-flor, na ra do Queimado
n. 63, acaba de abrir um outro espacoso estcele-
cimento de miudezas na mesma ra n. 69, por isso
avisa aos seus freguezes e amigos, que nestes dous
estabelecimentos encontraro sempre grande sorti-
mento de miudezas, perfumaras eobjectos de gos-
tos; e vender empre mais barato que outro qual-
quer, como abaixo se ver.
Penlcs dourados de travessa.
Delicados pentes dourados de Iravessa para me-
ninas a 15500 cada um, ditos sem ser dourados a
500 rs. rada um : as lojas do Beija-flor, ra do
Queimado ns. 63 e 69.
Vollinlias de aljofares.
Lindas voltinhas de aljofares com cruzes de pe-
dilonas imitando a brilhantes a 15 cada urna : as
lojas do Beija-flor, ra do Queimado ns. 63 e 69.
Luvas de Jouvin
Chegaram pelo ultimo vapor as desejadas luvas
de Jouvin de todas as cores, tanto para homens
como para senhoras : cas lojas do Beija-flor, ra
do Queimado ns. 63 c 69.
Xalhrres para meninos.
Vendem-se talheres de cabo de balaceo para me-
ninos a 280 rs. o talher : as lojas do Beija-flor,
ra do Queimado ns. 63 e 69.
Coleres de metal principe.
Vendem-se colheres de metal principe muito fi-
nas para sopa a 35600 e 45400 a duzia, ditas para
cha a 25 e 2400 a duzia, ditas para assucar a
500 rs. cada urna, ditas para terrina a 25 cada
urna, e s quem vende por estes precos as lojas
do Beija-flor, ra do Queimado us. 63 e 69.
Facas e garfos.
Vendem-se facas e garfos oitavados a 25800 a
duzia, ditas clavadas, cabo preto e branco a 35 a
duzia, ditas de balanco de 1 bolao finas a 55200
ditas de 2 botos muito finas a 65500 a duzia, ditas
de 1 bolao para doces e fructas a 55 a duzia, ditas
de 2 botn a 520 a duzia : as lojas do Beija-
flor, ra do Queimado ns. 63 e 69.
Tiras bordadas.
Vendem-se tiras bordadas, a peca a 15100, 15200
e 15300 : as lojas do Beija-flor, ra do Queimado
ns. 63 e 69.
Hallados bordados.
Vendem-se babados bordados de varias larguras
a p.ra a 15600,15800, 25, 25200 e 25400 : as
lojas do Be>ja-flor, ra do Queimado es. 63 e 69.
Lindos sapatinuos.
Vendem-se lindos sapaiinhos para baptisados de
enancas a 15500 e 25 o par : cas lojas do Beija-
flor, ra do Queimado ns. 63 e < 9.
Motees para ponhos.
Vendem-se bolezinhos demadreperolaedemar-
lim para punhos a 320 rs. o par, ditos encamadi-
nhos a 120 rs. o par : Das lojas do Beija-flor, ra
do Queimado ns. 63 e 69.
Fitas para debrum de vestidos.
Vendem-se litas de laa de todas as cores para
debrum de vestido a 900 rs. a peca, ditas cretas
de seda a 15100 a peca : cas lojas do Beija-flor,
ra do Queimado ns. 63 e 69.
Fitas brancas para debrum.
Vendem-se pecas de fila branca de linho para
debrum a 400 fs. a peca : as lojas do Beija-floi
na ra do Queimado ns. 63 e 69.
Kicas lilas lavradas.
Vendem-se muito ricas Atas lavradas para sinto
de senhora e meninas : as lojas do Beija-flor, ra
do Queimado ns. 63 e 69.
Espelhos de Jacaranda.
Vendem-se espelhos de columnas, de Jacaranda,
a 35 e 45500 cada um, ditos de madeira amarella
a 25400 e 25800 : as lojas do Beija-flor, na ra
do Queimado ns. 63 p 69.
Fitas de velludo estrellas.
Vendem-se Alionas estrellas de velludo para en-
feite de vestido a 909,15 e 15200 a peca: as lo-
jas do Beija-flor, rna do Queimado ns. 63 e 69.
Trancas de la para bordar.
Vendem-se trancnhas de la pretas para bor-
dar camisinhas e vestidos a80 e 160 rs. a pecinha,
ditas brancas com 40 varas a 600 rs. a peca, e ou-
tras muitas cousas que setornarao enfadonbo men-
ciona-las, pois s com a vista se poder vero gran-
de sortimento das lojas do Beija-flor, na ra do
Queimadyis. 63 e 69.
0 Vigilante est alerta, nao Ihe era permettido
deixar passar desapercibido sem que nao dsse o
seu canto atim de annonciar ab respeitavel publico
o grande sortimento degalantarias do melhor goslo
propiamente para qualquer mimo, que acaba de
chegar neste uilimo paquete, assim como muitos
outros objectos que recebe por diversos navios,
tanto de sua conta como de consignacao, que est
O
SENTIftO!

VAI FALLAR
N. 38 Ra do Liramento K 38
(Defronte da grade da Igreja)
GRANDE
VERDADE1KO JE PRINCIPAL
Ordem do dia.
Est em discusso a tabella dos procos que o BALIZA tem a honra de oflere-
Q72B?!!*&SKSS,cerao,esritavelp,,blic?,,anl?dacadeC0IE0,docer- ,
grande deposito qne tem, que espera merecer' ,e Por osla publicacaa qualquer um dos nobres collegas enlcndcr necessiio
proteccao do respeitavel publico, empregando para fa^r alguma alteraco em seus annuncios, digne-se mandara sua emenda para o jornal,
isso todas e as melhores diligencias para que fl- que o incansavel Baliza nao lhe pora peias nem o embaracar de forma alguma a beneti-
quem satisfeitos: isto so no Gallo Vigilante, ra cinr n nnvn
do Crespo n. 7.
Vigilante, ra cjar o povo*
Ricas porta-joias.
Cofre de muito gosto por 165000
Cestinhas transparentes, forradas de madre-
perla por 185000
Lindas jardineiras IO50OO
Ricos cofres com camapheu 105000
Lindas caixinhas com pedras brancas 105000
Lindo bailo cora calunga dentro tambem
para joias 165000
Tambalicr para ditas 95000
Cestinhas idem idem 05000
Cosmorama idem idem 65000
Urnazinha 65000
S no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Ricos porta-bou que tes de diversos gostos e pre-
sos : s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Ricos siulos
com bolcinbas ao lado a 10, 12 e 155, ditos sem
bolea, porm do mesmo gosto, a 25300, 35, 35500
e 45, ricas ivelas avulsas para sintos, o melhor
que se pode encontrar, a 15500, 25, 25500 e 35 :
s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Caliazes on eeslinhas.
At que chegaram as desejadas cestinhas ou ca-
bazes para as meninas trazerem no braco, o mais
rico possivel, a 25300, 35500, 4, 5, 7 e 105 : s
no Vigilante, rna do Crespo n. 7.
Pentes.
Neste artigo tem um grande orlimento, tanto
para alisar como para atar cabello, o mais lindo
que se pode desejar, assim como de arregacar ca-
bello, tanto de borracha como de tartaruga, com
enfeite e sem elle para meninas : s no Vigilante,
ra do Crespo n. 7.
Pentes
Tambeni chegaram os riquissimos pentes de
concha de tartaruga e de massa fina, que se vende
por 25, 3 e 55 : s no Vigilante, ra do Crespo
numero 7.
Loques.
Riquissimos leques de madreperola, tanto para
senhora como para mocinhas, pelo barato preco de
12 e 145 : s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
,11 ais leques.
Cora pequeo defeito, leques de sndalo, por ba-
rato preco, a 85 e 105, chineze?, muito bonitos,
tambem por barato preco de 4 e 55, bentarallis
muito bonitas tambem por barato prego de 4 e 55,
leques de cbaro tambem por 45, ludo isto para
acabar, perdendo-Se tairez 80 00 : s no Vigilan-
te, ra do Crespo n. 7.
Pulseiras.
Lindas pulseiras de conlas e de mis?anga, cores
muito lindas e de muito gosto a 15 e 15200.
Para segurar manguitos.
Tambem chegaram as liguinhas estreitinhas de
borracha que as senhoras tanto precisara para se-
gurar os manguitos por ser muito commodo e mui-
to barato, a 320 o par: s no Vigilante, ra do
Crespo n. 7.
Canelas.
Riquissimas carretas de madreperola proprias
Banlia de poico a 4oo rs. a libra
a 3o rs.
Batatas em gipos a l,.*iooo gigo.
parMuaj(|uer presente, pelo bara'tissimo prego de jCh perola a .'{,000 rs. a libra.
.. ... dem uxim a 2,600 c 2,8oo a libra.
HUiiihas.
Amigo de vender barato o Baliza nao expe a venda senao. os gneros bons.
Elle se jolga no caso de vender tao mdicamente como outro nao o exceder
Soldado soprador toma o clarim
E firme como a rocha fica assim
Nao toques nesse pessimo instrumento
Do Balisa olha s o moviinento.
K t que dos mitrados tens as coras
De tudo vendedor de proprla conta
Np'o pasmes vendo como sobranceiro
Do regresso o Bausa a ira affronta.
O grande depesiio que temos de vinho nos obliga
acbando-se vista dos compradores cerca de 35 a 40 pipas d
barra e ancoretas.
a abaixar seus presos,
pipas desle genero, entre pipas,
Amendoas confeitadas em lindos frascos a 800 Lingoas americanas muito novase muito gi an-
rs. a libra
dem com casca a 32o rs. a libra.
Ameixas francezas em caixinhas e frascos a
l,2oo, l.ooo e 2,oon rs.
Alpista a 160 rs. a libra e V,6oo a arroba.
Arroz do Maranho, Java e do Penedo a 80,
loo e 12o rs. a libra, em arroba a2,ooo,
2,8oo e 3,2oo.
Azeite doce refinado a 800 c loo rs. a gar-
rafa.
dem idem em barril a 6io rs. a garrafa e
4,800 rs. a caada.
des a l.ooo rs. cada urna.
Lingaicaspromptasem latas a 1,'Joo cada lea.
Manteiga ingleza flor a 800 rs. a libra neste
genero ha mais de 10 baris abertos am de
serem satifeitos os compradores.
dem menos superior a G'10 rs.
Manteiga ingleza a 000, ico e 32o rs. a libra.
dem franceza a 56o, Goo e Oio rs. c em bar-
ril por menos.
Massa de tomate a G4o rs. a libra.
Marmelada dos melhores fabricantes a Co
rs. a libra.
Ancoras com vinho do Porto, encommenda 'Mullios nglezes a 4ooe64ors. agarrafinha.
feita pelo propnelario do Baliza a 3o,ooo j Mostarda preparada a 4oo e Gio rs. o frasco.
rs. a ancora com 7o garrafas. Massas para sopa a 4oo rs. a libra das de a-
Bolaxinbas de Lisboa, ingleza e americanas Ibaiini, alelria emacarro.
em latas a -I.-loo, l.fioo, 2,uoo e 3,eoo rs. dem linas estrellinha e pevide a 3,ooo rs. .1
e americanas em barricas a 3,oco rs. a caixa.
barrica. Milbo nimilo para passaros a
IGo rs. al:' ra
e em barril, e 4.800 a anu
1*500 e 25.
Lindas voltinhas de perolas falsas com cruzinlias
fingindo brilhantes, assim como cruzi.nhas avulsas
e voltinhas, pelo barato preco de 15* e 15200, as
cruzes avulsas a 400 rs. : so no Vigilante, ra do
Crespo n. 7.
Sapaiinhos emeias de seda.
Riquissimos sapaiinhos de seda e de merino en-
feitados, assim como meiaszinhas de seda, gorra-
zinhas e touquinhas para as criancinhas s bapti-
sarera : s no Vigilante, na do Crespo n. 7.
(iolinlias.
Riquissimas gotinhas e mansuilos, o melhor gos-
to possivel, a 25, 25600 e 35: s no Vigilante,
ra do Crespo n. 7.
Enfeiles para senhora.
Riquissimos enfeites com laeo e sem laco e de
ouiros muitos goslos a 15, 15500 e 35 : s no Vi-
gilnte, ra do Crespo n. 7.
Traneclins.
Lindos traneclins de cabello para relogio ou lu-
netas, pelo baratsimo preco de 15500, ditos de
retroz a 200 rs.
Da 1^(ii 11 los ciili-cicius.
Riquissimos babadinhos enlremeios com lindos
desenhos tapados o Iransparcnles, pelo baratissmo
prego de 15200, 15300, 25 e 35 : s no Vigilante,
ra do Crespo n. 7.
Oscarrilbas.
Grande sortimento de cascarrilhas de diversas
larguras, assim como galaozinho e trancinhas pro-
prias para enfeites : s no Vigilante, ra do Cres-
po n. 7.
Fitas.
Grande sortimento de fitas de diversas larguras
e qualidade, por precos que admirara aos compra-
dores, havendo filas largas proprias para sinteiros
que se pode vender a 300 rs. a vara, e pega de 3
varas a 25 : s no Vigilante, roa do Crespo n. 7.
Fitas de lia.
Fitas de la de (odas as qualidades, proprias para
debrum de vestido a 700 rs. a pega : s no Vigi-
lante, ra do Crespo n. 7.
Ricos espelhos,
Riquissimos espelhos com moldura dourada e
sem ella de 85,10,12 e 145, assim como com co-
lumnas de diflerenles lamanhos a 25, 3, 4, 5 e 65:
s no Vigilante,roa do Crespo n. 7.
Lidos jarros e Ognras.
Riquissimos jarros e figuras de porcelana fina
para enfeite de sala, sendo o melhor gosto que aqu
tem apparecido : s no 'Vigilante.
Para pos de arroz.
Riquissimos vasos com boneca para pos de ar-
roz, cousa de muito gosto a 15500 c 25, assim co-
mo pacotes s com os pos a 320 rs. cada um : s
no Vig lante, ra do Crespo n. 7.
Perfumarlas.
Marrasquino de zara do verdadeiro a 1,000o
liasen,
dem menos superior a 800 c 1,000 rs. o
frasco,
dem hysson a 2,000,2,4oo e 2,8oo. a libra. Nozcs a 24o rs, a libra.
dem do Rio a I,Goo rs. a libra.
Mein preto a 1,5oo e 2,000 rs. a
libra.
Prezunto porluguez de superior qualidade a
G5o rs. a libra e inteiro por 5oors.
Charutos dos melliores fabricantes da Babia dem inglez para fiambre a 64o rs. a libra,
e Rio de Janeiro a 800 rs. e 1.3co, 2,ooo,; nao agradando mesmo depois de preparadf.
2/mo, 3,ooo, 3,ioo, 4,5oo e u,ooo rs. o peder ser devolvido, que se trocar por
cento. 1 out.10 ou ser restituido seu importe.
Chocolate dos melhores fabricantes Je Taris, Passas novas a oo rs. a libra.
Allemanba, Hambu'rgo e Lisboa j Polvo a 16o rs. a libra.
Copos lapidados para vinho a 2,8oo a duzia.! Painco a IGo rs. a libra,
dem idem para agua a 0,000, ;,5oo e 6,000 Pomada a 24o rs a duzia.
rs. a duzia. Pimenta do reino a 36o rs. a libra.
Cerveja das melhores marcas a i,ooo, >,ooo Peras seccas a 64o rs. a libra.
e 6,000 rs. a duzia. Peixe em latas a l.ooors. a lata.
Gravo canella e cominhos. Papel almasso e de peso, de diversas qua-
Cebolas em moflios resteas e soltas. lidades c precos deferentes.
Conservas inglezas a 800, 9oo e l.ooo rs. o Palitos do gaz a 2,2oo a groza.
frasco.
Diltas francezas a 000 e 64o rs. o frasco.
Cognac inglez e francez a 1,000 rs. a garrafa.
Caf de 1.a, 2.a e 3 "qualidade a 8000 9,ooo
e 9,5oo rs.
Cevadiaha de Franca a 24o rs. a libra.
Champagne de muito boa qualidade a 12,000
e 2o,ooo rs. a duzia.
Doces da casca da goiaba em latas preparadas
com muito ceio. propria para memoziar
algum amigo na Europa, por ser inaltera-
vel por mais de um anno, a 3,ooo rs. a lata
com 7 libras.
Diltos em caixoes a 56o, 64o, 800 o 1,000
rs. o caixo.
Ervilhas portuguezas em latas com l */* li-
bras por 7oo rs.
dem francezas em latas a 5oo rs.
dem seccas a 2oo rs. a libra.
Espermacete americano primeira qualidade a
l.2oors. a libra.
dem francez a 56o rs. a libra, e em caixas
a 52o rs.
Farinha d'araruta verdadeira a !8ors. a libra.
Farinha de trigo a 12o, lio e 16o rs a libra.
Farinha de milho a leo rs. a libra.
Figos em caixinhas e em latas lindanmente
enfeitadas a 800 e 1,5oo cada um.
Fumo americano em latas para cigarros a
l,8oo rs.
dem em pacotes a 2oo rs.
dem em pasta a I,2oo rs. a libra.
Grande sortimento de extractos e banhas, poma-Genebra de laranja a l,ooo rs. o frasco,
das, assim como os lindos copos ou vasos cora dis- dem ingleza marca Gato a 1,00o rs. 1 garrafa.
tinctivos e ofTerecimentos s sinhazinhas, dos me-
lhores e mais afamados autores de Pars e Ingla-
terra, assim como os grandes copos de banha japo-
neza a 25 e a 15 ; assim como outros objectos que
nao possivel por hoje annunciar, e vista des
freguezes se far todo negocio : na loja do Galo
Vigilante, ra do Cres|>o n. 7.
Vinbo 4o Porto superior
dm caixas de urna e duas duzias : tem para ven-
eer Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C, no seu
escriptorio roa da Cruz 1?, 1.
Trina, volantes e galoes.
Vende-se trina, volantes e" galoes de todis ae
larguras por precos muito barato: s no vigilants
ra do Crespo d. 7.
TH da Senzalla Nora b. 42.
Neste estabelecimento vendem-se: tachas de
ferro coado libra a HO rs., idem ele Lo*
Moor libra a 120 rs.
PIXE.
Vende-se pixe duro maij barato do que em ou-
tra qualquer parte : no armazem da bola amarel-
la no oitao da secretaria de polica.
dem de Hollanda a 64o e l.Ooors. o frasco
pequeo e grande,
dem de Hamburgo, a 56o rs. o frasco e 6,oo o
rs. a frasqueira.
Graixa em latas a I,2oo rs. a duzia.
Limonadas de diversas fructas a l.ooo rs. a
garrafa.
Licores, inglczes e francezes a 1,000, l.5oo
e 2,ooo rs. garrafas grandes e pequeas
dem para dentes a 8o, 16o e 24o rs. o ma-
ro com vinte macinhos.
Gueijos flamengos a 2,6oo, do ultimo vapor.
dem prato a 64o rs. a libra.
dem londrino a 800 rs. a libra.
Rap Mearon a 1,000 rs. a libra.
Scvadinba a 2io rs. a libra. ( 0 nova ).
Sag a 80 rs. a libra.
Sardinhas de Nantes a 61o, 56o e 36o rs. a
lata.
Sabao massa a 12o, 19o, 2oo e 2io rs. a li-
bra,
e em caixoes por muito menos.
Sai refinada a 600 rs. o pote de vidro.
Toucinho de Lisboa, de Santos e americana
a IGu, 2'io c 32o rs. a libra, e em arroba-
a 5,ooo, 7,ooo e 9,ooo rs.
Tijollo para limpar facas a IGors. cada um.
Vinbo do Poi'to em caadas a 3,5oo, 4.000 e
5,ooe rs. e em ancoras com 7o garrafas por
3o* 000 rs.
dem de Lisboa sem confeiceao, (deencomen-
da) por 5o,ooo rs. o barril com 17 cana-
das.
dem de Lisboa mais baixo a 45,ooo rs.
dem em pipas a 3,ooo, 3,5oo e 4,ooo rs. a
caada.
dem em barril de Bordeaux com 13o gar-
rafas por 5o.000 rs.
dem idem de Bordeaux com 70 garrafas por
3o, 000
dem em caixas por 5,ooo rs. a caixa com l
garrafas da melhor qualidade que vem ao
nosso mercado.
Vinho branco para missa de Lisboa e Porto
em pipa, barril e ancoras a 4,000 e 5.ooo
rs. a caada.
Vinagre de Lisboa, Porto, tinto e branco a-
i,600e 2,ooo rs. a caada
dem em ancoras por IC.ooo rs.
Velas estearlinas a 56o rs. o maco, c em cai-
xas a 52o rs.
Vassonras americanas a 6io rs. urna.
Queijo de Minas.
Vende-se na roa Nova n. 61, defronte da Illma.
cmara municipal.
Venham ver!
' Na roa eslreila do Rosario n. 33, vende-se por
prego barato urna mobilia de Jacaranda com pouco
uso e moderna, urna cania franceza e um lavatorio
cora pedra de amarello.
Altenco.
Chegaram pelo ultimo vapor do su 1 os
verdadeiros queijos de Minas, e vende-so
mais barato do que em outra qualquer
parte: no deposito da 1 ua do Rosario da
Boa-Vista n. 43.
;
.*^
1*




IMM


*
'-3T

Ull
Diario l"eft-*a.alneo --: "STegnnda lera de \(to 1elflV4.
x
ESPLENDIDO SORTIMENTO DE MOLHADOS
W. 9 RIJA 1IO CRESPO W. 9
Esquita que volt a para a roa de Imperador
DE
GRANDE ALLIANCA
57 RA DO IMPERADOR 57
DE
Paulo Ferrera da Silva &. Companhia
Grande sortimento de molhados em grosso e a retalho. nico armazem que mais
I vantagens oCferece ao publico.
0
NEM COROAS NEM MITRAS

(xo se enganem eom a mitra)
K

O
PARA
AMIGOS!
Nao leiam este annuncio com precipitaco.
Confrontem os precos dos oulros annonciantes.
Yenham ver os gneros que temos expostos a venda.
A vista faz fe.
Nao temos palavras bombsticas.
Nao nos enculcamos o primeiro recebedor de conta propria.
Nao desacreditamos ao collega porque nao quiz ser nosso socio.
Val a queui toca.
Para abastecer a todos os habitantes desta bella provincia anda nao siio suflieieo-
tes as casas que actualmente oxistem abenas com grandes proporcoes para lerera um
magnifico sortimento de molhados; assim, pois, os preprietarios do Armazem Principal
n3o invejam a sorte dos seus collegas.
Habitantes de Pemambuco.
Nos temos'um excellente sortimento dos melhores gneros que se pode acbar
em nosso mercado. Vinde ao nosso estabelecimento, e se a vossa boa f fr illudida
urna s vez ao menos, castigai-nos nao voltando mais a nossa casa.
Amendoas confeitadas de bonitas cures a dem de Hollanda em garrafes com 24
l,ooo rs. a libra. | garrafas a 7,2oo rs. com o garrafo.
dem de casca muito novas a 3oo rs. a libra. Lentilhas excellente legume para sopa e gui-
Avollas a 2oo rs. a libra. zados a 2oo rs. a libra.
Ameixas francezas em caixinhas com lindas Licores francezes de todas as qualidades a j,jem em iatas je | i/j c 3 i|jras a l,2oo
Deseagauein-se todos.

K o Alllaaca o verdadeiro bomem do progressso
K o Alliaaca o verdadeiro e principal armazem de molhados.
Alllanca o armazem que vende mais barato.
Alllanca o armazem que vende os melhores gneros.
Allianca o armazem onde preside o melhor aceio.
Fiquem todos sabedores desta verdade,
Venham todos ra do Imperador n. 57.
Yenham ver os gneros que temos expostos a venda.
GRAIDE VHMA/En
Amendoas
800 rs. a

confeitadas
libra.
AS FESTAS
DE
S. JOtO E S. PEDRO.
de bonitas cor Klem de Hollanda em garrafes com 24 gar-
rafas a 7,2oo rs. com o garrafo.
RIJA DO IMPERADOR 40
Jante ae obrado em que mora e Sr. Osberne,
Para a testa de Santo Antonio, S. Joao e S. Pedro.
l> liarte Al meidu le C. receberam de sua propria encomnien-
da o mais linde e variado sortimento de molhados, proprios
da presente estaeSo.
dem de casca muito nova a 3oo rs. a libra. Lentilhas excellente legume para sopa e gui-
Avelas a 2oo rs. a libra.
Ameixas francezas em caixinhas com lindas
estampas a i,2oo, l,4oo e l,6oors. cada
urna,
dem em frasco de vidro com rolha do mes-
mo ou de metal, a l,2oo e l,4oo rs. cada
um.
dem em frasco grandes a 2,5oo rs. cada
um.
estampas a I,2oo, l,4oo e l,6oo rs. cada 800 c l.ooo rs. as garrafas grandes.
urna. Manteiga ingleza perfeitamente fldr a 800 e
dem em frasco de vidro com rolha do mes- 96o rs. a libra. '
mo ou de metal, a I,2oo e 14oo rs. ca- dem france/.a nova j deste anno a 600 rs.
da um. a libra, e 56o rs. em barris inteiros.
dem em frasco grandes 2,5oo rs. cada um. Marmelada especial dos melhores fabricantes
dem em latas de 1 */a e 3 libras a l,2oo e de Lisboa a 600 e 64o rs. a libra, ha latas
2,ooo rs. dedifferentestamanhos. i
Arroz da India e Maranbao o mdhor que se Massa de tomate em latas de 'i' libra 56o rs.
p le desejar a loo e I2o rs. a libra e cada urna.
2,8oo e 3,4oo rs. a arroba. dem para soda estrelinha, pevide e rodinha
A'-oite doce de Lisboa a 600 rs. a garrafa, | em caixinhas surtidas a 3,ooo e 3,5oo rs.
e 4,8oo rs. a caada. cada urna e 5oo rs. a libra.
dem francez clarificado em garrafas bran- \ dem macarro, talerim e aletria a 4oo rs.
cas a 9oo rs. cada urna, e lo.ooo rs. a a libra.
caixa com 1 duzia. Mostarda franceza preparada em frasco a 4oo
Alazema muito nova e limpa a 32o rs. a li-
ta,
Alpisla a -IGoalibra, e 4,0oo rs. a arroba.
Bolachinhas de Lisboa da fabrica do Beato
Antonio dasseguinles qualidades: aguae
sal doces, e imperiaes em latas de 6 li-
bras a 3,ooo rs. e de 3 [' libras a l,5oo
rs. eemlibraa 64ors., estas bolachinhas
torna-se mnito recommendavel com es-
pecialidade para os doentes.
Biscoilos e Bolachinhas de suda em latas, de
lod:ia as qualidades e marcas que se pro-
curar a 1,35o rs. a lata.
Bollos francezes em ca les e de diversas
qualidades a Oio rs. cada um.
Banha de porco verdadeira retinada a 4oo
rs. a libra e em barril a 38o rs.
Baialas novas a 160 rs. 3 libra.
Bolachinhas inglezas ltimamente desembar-
cadas a 24o rs. a libra c 2,ooo rs. a bar-
rica.
Champagne das marcas mais superiores que
at boje tem vindo a nosso mercado a
18,000 rs. o gigo, I.Spors. a garrafa in-
teira, e 8oo rs. as meias
Cha uxim o melhor que se pode desejar e
que outro qualquer nao vende por menos
de 3,ooo a 2,7oo rs. a libra
dem perola especial qnalidade a 2,fioo e
2,8oo rs. a libra, garante-se a qnalidade
d'este cha
dem bysson o melhor que possivel en-
contrar-sc a 2.4oo e 2,6oo rs. a libra.
dem do Rio em latas de 2, 4, 6 e 8 libras
a f,2oo e l,4oo rs. a.libra.
rs. cada um.
Molho ingle/, em garrafinhas com rolhas de
vidro 64o rs. cada urna.
Marrasquino verdadeiro de Zara a l,ooors.
a garrafa, lo.ooo rs. a caixa com 1 duzia.
Nozes muilo novas a 16o rs. a libra.
Presunto de Oambre superior a 6oo rs.
dem do Porto para panfila a >oo rs. a libra.
Passas novas a 48o rs. a libra.
Peixe em latas de differentes qualidades co-
mo, savel, cor fina, gotas, pescadinhae
oulros a l.ooo rs. a latas.
Palitos para dentes a 14o e 16o rs. o masso
dos melhores.
Famcn o mais novo e limpo a 16o rs. a libra.
e 'i.oo rs. a arroba.
Pablos do gaz a 2, loo rs. a groza, 2oo rs. a
duzia, e 2o rs. a caixinhas.
Queijos flamengos ebegados oeste ultimo va-
por, a
dem prato muilo fresco a 8oo e 9on rs.
a libra.
dem suisso a melhor qnalidade que at bo-
je tem vindo ao nosso mercado a 8oo rs.
a libra.
Sal refinado cm potes de vidro a ooo rs. ca-
da um.
Serveja das melhores marcas a 6,ooo rs. a
duzia. e .vGo rs. a garrafa.
Sardtnha de Lisboa e Nantes em quartos e
meia latas a 38o 58o rs. cada nma.
Sag mnito novo e alvo a 2lo rs. a libra.
Sevadinba de Franca 18o rs. a libra.
Sevadaa loo rs. a libra, e 2,8oo rs. a arroba.
2,ooo rs.
Arroz da India e Maranbao o melhor que se
pode desejar a loo e 12o rs a libra e
2,8oo a 3,4oo rs. a arroba.
Azeile doce de Lisboa a 6oo rs. a garrafa, e
4,8oo rs. a caada.
dem francez clarificado em garrafas bran-
cas a 9oo rs. cada urna, e lo.ooo rs. a
caixa com I duzia.
Alfazema muito nova e limpa a 32o rs. a li-
bra.
Alpista a 16o rs. a libra e 4,6oo rs. a ar-
roba
Bolachinhas de Lisboa da fabrica do Beato
Antonio das seguintes qualidades: agua e
sal doces, e imperiaes em latas de 6 libras
a 3,ooo rs. e de 3 V* libras a 1.5oo rs.
dem prelo muilo lino a l,Goo rs. a libra.
Chocolate das melhores qualidades, francez, Traques de 1.a quabdade a 8,uoo rs. a cai-
hespanhol e suisso a i,ooo, l,2oo e l.ioo | x: e -2" rs. a ca la.
rs. a libra. iToucmho novo de Lisboa a 24o e 32o rs. a
Charutos do acreditado fabricante Jos Fnr- 'bra.
tado de Simas em /i caixas das segote- Tijollo parabmpar facas a loo rs. cada um.
tes marcas Pariziences, Suspiros, Dili- vinlio em pipa Porto, Lisboa e Figueira das
cas, Napoleoese iuanabaras a 2,3oo rs., me|hores marcas a 3,8oo rs. a caada, e
e em caixas inteiras Trovadores a 3,ooo
rs. cada urna.
Id ni de, oulros muitos fabricantes e de
differentes marcas para l,5oo rs. as mei-
as caixas de suspiros a l,6oo, 2,ooo e
3,ooo rs. as caixas inteiras.
Conservas inglezas a 8oo rs. o frasco.
dem franceza a 5oo rs.
Cognac inglez das melhores marcas a l,ooo
rs. a garrafa e lo.ooo rs. a duzia.
dem francez soporior qnalidade 8co rs. a
garrafa e 9,ooo rs. a duzia.
Cumiuho e Erva-doce a 4oo rs. a libra.
Gravo da India a 6oo rs. a libra.
Canella a l.ooo rs. a libra.
Copos finos para agua a 5,ooo rs. a duzia, e
joo rs. cada um.
Caf do Rio superior a 28o c 32o rs. a li-
bra, e 8,8oo e 9,.rJoo a arroba.
Doce fino de goiaba a 6oo rs. o caixao.
El vilhas porluguezas ltimamente chegadas
a 7oo rs. a lata.
dem seccas a 16o rs. a libra.
dem j descascadas a 2oo rs. a libra. ,
l'arinba de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Figos em caixinhas muilo bem enfeitadas a
a l.ooo rs. cada urna.
dem em latas ermilicamente lacradas a
l,5oo e 2,5)0 rs. cada urna.
dem em caixas de */j arroba a 2,5to rs.,ca-
da urna, e 2oo rs. a libra.
Graixa mnito nova a loo rs. a lata e l.ooo
rs. a duzia.
(enebra de Hollanda em frasqueiras com 12
frascos por 6,ooo rs. e 56o rs. o frasco.
dem de laranja a l,ooo rs. os fiascos gran-
des e 11,000 rs. a caixa com 12 frascos.
dem de Hollanda em botijas a 4oo rs. ca-
da urna.
dem em garrafes de 16 garrafas a 't,8oo
rs. com a garrafo.
5oo rs. a garrafa.
Idem'do Porto Lisboa e Figueira de marcas
menos conbecidas a 4oo rs. a garrafa, e
2.8oo rs. a caada.
dem Colares especial vinho a 6oo rs. a gar-
rafa.
dem Lavradio muito fresco nao levando com-
posiejo a 56o rs. a garrafa, e 4,ooo rs. a
caada.
dem branco de uva pura a 56o rs. a gar-
rafa, e 4,5oo rs. a caoada.
dem mais baixo a 4oo rs. a garrafa, e 3,ooo
rs. a cariada.
dem Bsrdeaux em caixas de 12 garrafas das
marcas mais acreditadas a 6,5oo e 7,ooo
rs. a caixa.
dem muito especial que raras vezes vena ao
nosso mercado a 1,2oo rs. a garrafa, ga-
rante-se que por este mesmo prego d pre-
juizo e s se encontra n'este armazem.
dem do Porto em caixas com 12 garrafas
das seguintes marcas Lagrimas do Douro,
Duque do Porto, Genuino, Velho Particu-
lar, malvasio fino, D. Pedro V, D. Luiz
I, Nctar e outros a 9,ooo e lo.ooo rs.
a caixa e 9oo a I ,ooo rs. a garrafa.
dem Muscatel superior a l.ooors. a garra-
fa, e lo,ooo rs. a caixa com 1 duzia.
Vinagre puro de Lisboa a.2oo rs. a garrafa
e 2,4oo rs. a caada,
dem em garrafoes com 5 garrafas a l,ooo
rs. com o garrafo.
Vassouras do Porto de arcos de ferro a 32o
rs. cada urna
dem dt,.'escova para esfregar casa 36o rs.
cada ria.
Vellas de esperncete superiores a 56o rs.
a libra, e 52o rs. em caixa.
dem de carnauba refinada e de composico a
36o rs. a libra, e de 1o,ooo a ll.ooo rs. a
arrobal
e em libra a 64o rs., estas bolachinhas
torna-se muilo recommendavel com espe-
cialidade para os doentes.
Biscoilos e Bolachinhas de soda em latas de
todas as qualidades e marcas que se pro-
curar a 1,35o rs. a lata.
Bolos francezes em carloes e de diversas
qualidades a 64o rs. cada um.
Banba de porco verdadeira refinada a 4oo
rs. a libra e em barril a 38o rs.
Batatas novas a 16o rs. a libra.
Bolachinhas inglezas ltimamente desembar-
cadas a 24o rs. a libra e 2,000 rs. a bar-
rica.
Champagne das marcas majs superiores que
at hoje tem vindo ao nosso mercado a
18,000 rs. o gigo e l,5oo rs. a garrafa
inteira, c 8oo rs. as meias.
Cha uxim o melhor que se pude desejar, e
que outro qualquer nao vende por menos
de 3,ooo a 2,7oo rs. a libra.
dem perola de esp cial qnalidade a 2,6oo e
2,8oo rs. a libra, garanle-se a qualidade
d'este cha.
dem bysson o melhor que possivel encon-
trar-'sc a 2,4oo e 2,6oo rs. a libra.
dem do Rio em latas de 2, 4, 6 e 8 libras
a l,2ooc l,4oors. a libra.
dem prelo muilo fino a l,6oo rs. a libra.
Chocolate das melhores qualidades, francez,
hespanhol e suisso a 1,000, l,2oo e l,4oo
rs. a libra.
Charutos do acreditado fabricante Jos Fur-
lado de Simas em caixas das seguin-
tes marcas: Parisienses, Suspiros, Dili-
cias, Napoleoes e Guanabaras a 2,3oo rs.,
c em caixas inteiras Trovadores a 3,ooo
rs. cada urna.
dem de oulros muilos fabricantes e de dif-
ferentes marcas para 1,5oo rs. as meias
caixas, de suspiros a l,6oo, 2,ooo e3,ooo
rs. as caixas inteiras.
Conservas inglezas a 8oo rs. o frasco.
dem franceza a 5oo rs.
Cognac inglez das melhores marcas a l.ooo
rs. a garrafa e lo.ooo rs. a duzia.
dem francez superior qualidade a 8oo rs.
a garrafa e 9,ooo rs. a duzia.
Cominbo e erva-doce a 4oo rs. a libra.
Cravo da India a 6oo rs. a libra.
Canella a I,ooo rs. a libra.
Copos finos para agua a 5,000 rs. a duzia, e
500 rs. cada um.
Cafe do Rio superior a 280 e 320 rs. a libra,
e 8,8oo e 9,5oo a arroba.
Doce fino de goiaba a 6oors. o caixo.
Ervilbas porluguezas ltimamente chegadas
a 7oo rs. a lata.
dem ceceas a 16o rs. a libra.
dem j descascadas a 2oo rs. a libra.
Farinha de araruta verdadeira a 320 rs. a
libra.
Figos em caixinhas muito bem enfeitadas a
l.ooo rs. cada urna.
dem em l?las ermiticamente lacradas a
l,5oo e2,5oo rs. cada urna.
dem em caixas de '/a arroba a 2,5oo rs.
cada urna, e 2oo rs. a libra.
Graixa muito nova a loo rs. a lata e l.ooo
rs. a duzia.
Genebra de Hollanda em frasqueiras com 12
AGENCIA
DA
PNDICAO BE L0W-M001.
Ra da Senzalla nova n. 42.
Nesle estabelecimento contina a hayer
um completo sortimento de moendas e meiai
moendas para engenho, machinas de vapor
e tachas de ferro batido e coado, de todos os
tamanhos para ditos.
Arados americanos e machinas para
lavar roupa: em casa de S. P. Johnston & C
ra da Senzalla Nova n. 42:
Empreza da illiiminacao
gaz.
Todas as vendas de apparelhos e reclamares
(por escriplo dando o nomc, morada, data, etc.),
devera ser feitas no armazem da ra do Imperador
n. 31. Os maohinistas mandados para allender a
estas, apresentarao um livro que os reclamantes
deverao asignar logo depois de prompto o servico
reclamado ; isto para que a empreza flque sciente
de haverem os mesmos senhores sido devidamen-
te altendidos.
zados a 2oo rs. a libra.
Licores francezes de todas as qualidades a
8oo e l.ooo rs. as garrafas grandes.
Manteiga ingleza perfeitamente flor a 8oo
e 96o rs. a libra.
dem franceza nova j deste anno a 6oo rs.
a libra, e 58o rs. em barris inteiros.
Marmelada especial dos melhores fabrican-
tes de Lisboa a 6oo e 64o rs. a libra, ha
latas de differentes tamanhos.
Massa de tomate em latas de 1 libra a 56o
rs. cada urna.
dem para soda estrellinha, pevide e rodinha
em caixinhas sortidasa 3,ooo 3,5oo rs. cada
urna e 5oo rs. a libra.
dem macarro, talharim e aletria a 4oo rs. a
libra.
Mostarda franceza preparada em frasco a 4oo
rs. cada um
Molho inglez em garrafinhas com rolhas de
vidro a 64o rs. cada urna.
Marrasquinho verdadeiro de Zara a l.ooo rs.
agarrafa, lo.ooo rs. a caixa com 1 du-
zia.
Nozes muito novas a 16o rs a libra.
Prezunlo de fiambre superior a 6oo e 8oo
rs.
dem do Porto para panella a 5oo rs. a libra.
Passas novas a 48o rs. 9 libra.
Peixe em latas de differentes qualidades co-
mo, savel, corvina, govas, pescadinha e
oulros a l.ooo rs. a latas.
Palitos para dentes a 14o e a 16o rs. o mas-
so dos melhores.
Painco o mais novo e limpo a 16o rs, a li-
bra, e a 4,5op rs. a arroba.
Palitos do gaz a*2,loo rs. a grosa, e2oo rs.
a duzia, e 20 rs. a caixinba.
Queijos flamengos chegados neste ultimo
vapor, a 3,ooo
dem prato muito fresco a 8oo e Ooo rs. a
libra.
dem suisso a melhor qnalidade que at ho-
je tem viudo ao nosso mercado a 8oo rs.
a libra.
dem londrino a Ooo rs.
Sal refinado em potes de vidro a 5oo rs,
cada um.
Gerveja das melhores marcas a O.ooo rs. a
duzia, e36o rs, a garrafa.
Sardinha de Lisboa e Nantes em quartos e
meias latas a 38o e 58o rs. cada urna.
Sag muito novo e alvo a 24o rs. a libra.
Sevadinha de Franca 18ors. a libra.
Sevada a loo rs. a libra, e 2,8oo rs. a ar-
roba.
Traques de i." qualidade a 9,5oo rs. a cai-
xa, e 24o rs.: a carta.
Toucinho novo de Liiba a 24o e 32o rs. a
libra.
Tijolo para limpar facas a 15os. cada um.
Vinho em pipa Porto, Lisboa e Figueira das
melhores marcas a 3,8oo rs. a caada, e
5oo rs a garrafa.
dem do Porto Lisboa e Figueira de marcas
menos conbecidas a 4oo rs. a garrafa, c
2,8oo rs. a caada.
dem Colares especial vinho a 6oo rs. a gar-
rafa.
dem Lavradio muilo fresco nao levando com-
Manteiga ingleza
da safra nova vinda neste vapor de 28 de
mio a 800 rs. a libra.
Manteiga franceza
da safra nova a 560 rs. alibra, e em barril
a 500 rs.
Amendoas
confeitadas de lindissimas cores a 800 rs. a
libra.
Ameixas
em frascos de vidro com 3 libras liquido a
2^400, muito propios para mimos,
uartoes
com bolos francezes a 500 rs. cada um.
Latas
com bolachinhas de soda de todas as qua-
lidades a I300.
Chocolates
de todas as qualidades a I $000 a libra.
Macas brancas
para sopa a melhor que se pode desejar,
macarro, talharim e aleiria a 400 rs. a
libra e 45500 a caixa.
Vinho
Figueira J A A e outras muitas marcas acre-
ditadas a 500 rs. a garrafa.
dem de Lisboa
e de outras marcas a 400 rs. a garrafa, e
2;>8O0 a caada.
dem do Porto <
generosos engarrafado des melhores fabril
cantes da cidade do Porto a 1)5 e 10200
a garrafa e de 100 a 12(5 a caixa, as mar-
cas siio as seguintes: Cbamisso AFilho,
F. & M., Nctar ou vinho dos euzes,
lagrimas do Douro e outros muito.
Latas
com 10 libras de banha a 4000.
Bolachiha ingleza



dos melhores fabricantes a 800 rs.,
temos velhos para 500 rs.
os flamengos
chegados neste ultimo vapor a 26oo.
Queijos
chegados no ultimo vapor a 21600 cada um.
Queijo
Pipimtn rranraius mgitzeb vendem a 25000 c 25400.
,_.:!... lambem Nozes
Queij(

as mais novas do mercado a 120r* j< bra.
Cervejas
dos melhores fabricantesje de todas as mai
cas de 45500 a 65500 a duzia.
CHARUTOS
londrino o mais fresco que se pode esperar charutos Thom Pinto,. Reis e outros em
e de excellante maree a 800 rs. a libra
sendo inleiro e a 900 rs, a retalho.
Conservas inglezas
as mais novas que se pode esperar a 760 rs.
o frasco.
Figos
em libras e caixinhas ricamente douradas,
proprias para mimos a 900 e 15200.
Cha uxim
! o melhor que se pode desejar, que outro
meias caixinhas a 15500.
Arroz
do Maranbao a 100 rs. a libra, e da India
a 80 rs. a libra, e 25500 a 35000 a ar-
roba desses que vendem por 35400.
CAF
de 1.a e 2.a sorte do Rio de Janeiro a 855#
e 85800 a arroba, e 280 a 300 rs. a libr
Garrafoes
com 4 V garrafas com vinagre a 15000**
o garraf3o.
GEXEBRA DE LARANJA
qualquer nao pode vender por menos de ... ", /...* i .. ^
35 aN5600 verdadeira a 15000 o frasco, ede!I500C
a caixa.
compsicao a 56o rs. a garrafa, e 4,ooo
rs a caada.
dem branco de uva pura a 56o rs. a garra-
fa, e 4,5oo rs. a caada,
dem mais baixo a 4oo rs. a garrafa, a 3,ooo
rs. a caada'.
dem Bordeanx em caixas de 12 garrafas das
marcas mais acreditadas a 6,5oo c 7,ooo
rs. a caixa.
dem muito especial que raras vezes vena ao
nosso mercado a l,2oo rs a garrafa, ga-
ranle-se que por este mesmo proco d
prejui/.o e s se encontra n'este arma-
zem.
dem do Porto em "caixas com 12 garrafas
das seguintes marcas Lagrimas do Dou-
ro, Duque do Porto, Genuino, Velho Par-
ticular, Malvasio fino, D. Pedro V, D.
Luiz I, Nctar e outros a 0,ooo e lo,ooo
rs. a caixa e Ooo e I,ooo rs. a garrafa.
dem Muscatel superior a l,ooo rs. agarra-
fa, e lo.ooo a caixa com 1 duzia.
Vinagre puro de Lisboa a 2oo a garrafa e
2,4oo rs. a caada.
dem em garrafoes com 5 garrafas a 1 .ooo
rs. com o garrafo.
Vassouras do Porto de arcos de ferro a 32o
rs. cada urna.
dem perola
especial qualidade a 25700 rs. a libra.
dem hvsson
o mais aromtico que tem vindo ao nosso
mercado a 25600.
Massas amarellas
para sopa, macarro, talharim e aletria a
480rs. alibra.
COGVAC
o muito afamado cognac Pal Brandy a l,8oo
rs. a garrafa e de outras muitas qualida-
des a l.ooo e 8oo rs. a garrafa.
COPOS
lapidados para agua a 4,5oo e 5,ooo rs. a
duzia, e a 440 e 3oo rs. cada um.
PAPEL
almaco, greve, peso e de outras muitas qua-
lidades de 2,2oo, a 4,ooo a resma do me-
lhor.
Papel de botica
de excellente qualidade a 25200 a resma,
PAPEL
azul e pardo para embrulhode l,4ooa 2,2oo
rs. a resma.
Corinthias
passas corinthias mnito novas proprias para
podim a 8oo rs. a libra.
Fume
o verdadeiro fumo americano em chapa a
l,4oo rs. alibra
Vinagre
PRRem ancoretasde 9 caadas a 15,ooo rs.
cada urna.
Cebollas
as mais novas do mercado a 7,ooo rs. a caixa
e l,ooo rs. o molho.
Alpista e Painco
o mais novo do mercado a 140 rs. a libra,
e 45400 a arroba.
DEM
em frasqueiras de Hollanda a 55800 com
12 frascos.
GENEBRA
I de Hollanda verdadeira em frasqueira a Ooo
rs. cada urna.
PALITOS
os verdadeiros palitos do gaz a 2,2oo a groza
e 2o rs. cada caixinba.
LICORES
finos de todas as qualidades, a lo.ooo a caixa
com urna duzia e a l.ooo a garrafa.
Marmelada
dos melhores fabrican les de Lisboa, como se-
jam breu e outros muitos a 6oo rs. a
libra.
Pregunto
o verdadeiro prezunto de Lamego a 52o rs.
a libra.
ARROZ
Maranho, Java e India, a loo rs. a libra e
de 3,ooo, a 3,2oo rs. a arroba.
VELAS
de espermacete de diversas marcas a 56o rs.
a libra e em caixa ter abatimcnlo.
VELAS
de carnauba em caixas de arroba a 9,3oo e
caixa e 34o rs. a libra.
Batatas novas
em caixas de 2 arrobas a 55 a caixa e 60 rs.
a libra.
Passas nniiio novas
em quartos e inteiros a 25 o quarto e 65500
a caixa e 400 rs. a libra.
Chocolate
portuguez o mais especial que se pode de-
sejar a 800 rs. a libra e 140 rs. o pao.
Frntas em calda
chegadas ltimamente, pera, pecego, ginja e
outros muitos a 640 rs. a lata.
Dsee da casca da goiaba
a 600 e 15 o caixe.
i
Os propietarios do grande armazem o Verdadeiro Principal declaram aos seus
freguezes e amigos e ao publico em geral, que para facilitar a commodidade de todos es-
tipularam os mesmos procos nos seguintes lugares:
llnio e Com nimio ra do Queimado n. 7
O Verdadeiro Principal na do Imperador n. O






frascos por 6,ooo rse 560"rs. o frasco \ dem de escova para esfregar casa a 36o rs.
dem de laranja a l.ooo rs. os frascos gran- cada urna.
des e H,ooo rs. a caixa com 12 frascos., Velas de espermacete superiores a 56o rs.
dem de Hollanda em botijas a 4oo rs. cada a libra, c 52o em caixa.
urna. dem de carnauba refinada e de compsicao
dem em garrafoes de 16 garrafas a 4,8oo
rs. com o garrafo.
a 36ors. a libra, e de io,ooo$a ll.ooors.
a arroba.
Sal do Assit'
Vende Antonio Lmi de OHveira Azevedo &
no seu escriptorioyrua da Cruz a l.
C,
\ \n\... oi.koi.lFk; \i>()m i;\(. \lii \o
XAROPE DE RABAIVTO IODADO
Sfgundo os attMtados dos mdicos dos hosplta.es de Para, consignados no Prospecto, e a approYacSo
di t-ort'o cademicoi, este Xarope emprega-se com o maior successo, em lugar do OLEO DE FIGADO DE
B1CALHA0, ao qual elle realmente superior. Cura as molestias de pelto, as escrfulas, e lympbatismo, a
paidei e mollea das carnes, as perdas d' appetlt, e regenera a eonstltuiQao purificando o sangue. Em
summa o maie poderoso depuritWo conheo do. Elle nanea eaaca o estftmago ou es Intestinos como o
ioduro de potassium e o oduro de ferro e admlnlstra-se com a malor efilcacidad aos meninos sujelto
aos humores ou ao entuplmento das glndulas. O Donter caaenavr, do hospital deSan'Loii de Pars,
o recommend d'um modo Inteiramente particular as molestias da pelle, eonjunctamente cora as pillas
que teem en nme.
Depsito geral: em Pai, en casa de MM. 6rlanaalt e C, pharmacenUcos, 7, roa de la Feuillade ;
en Liiboa, en cisa de Rodrla m C**-C*rlh; no Porto, en casa de Miguel Jas de sbm-
rerrrlra; era I Rio-de-Janeiro tiut relie* e Dlnls, ra do Sabio, II em Bahia, en casa de
Joa-Caetaae ryrelra-Eaa|Belra em Bt'o-Cronde, en casa de Joaa.ala de Godey ; em Baron-
Mo, en de reWeiraec:eniPrnain6co, Shanna e O, ra da Cros,; Saaaa, enas prlnclpaes
pharmacias do Braal. 4
BAIRRO DO RECIFE, RA DA CADEIA N 50.
O mais novo e o melhor
A ltiff A % HJE 11.E HIOIiHADOS
Esquina defronte da ra da Madre de Dos
Antonio da Silva Campos, successor do amigo Nascimento defronte do beceo Largo, bem c
nhecido j nesta praga, acaba de transferir o sea estabelecimento para a casa cima indicada, onde
os seus benvolos amigos e freguezes, bem como o respeitavel publico em geral encontraro o mais
variado, escolhido e melhor sortimento de molhados, a par do aceio, elegancia e bom rgimen do esta-
belecimento.
O annunciante, tendo feito urna completa reforma no tocante a casa e gneros, possuindo bons
I correspondentes na Europa para remessas de conta propria, acha-se convencido que merecer a pro-
teccao de lodosos amigos do bom o barato, a qual desde j reclama, asseverando-lhes que jamis des-
merecer a conflanca com que se dignarem de o honrar.
Era resumo, visite o respeitavel pnblico o novo e superior armazem Movimento, comire-lhe al-
guns genero?, e entao flear convencido da realidade do presente aviso, verificando por si mesmo que
nenlium outro estabelecimento o serve melh'or que este, seja em commodidade de precos, agrado e
delicadeza, ou legalidade de pesos e medidas.
Finalmente, todas e qnaesquer garantas que estabelecimentos idnticos teera oferecido aos
conconvntes, serao mantidas neste em grao maior.
t
Deposito geral %i pernambuce ra da Cruz n. 22 emeasa de Caros ABarboza.
\
LZIMUS BARITAS.
\endem-se lazinhas de cores lixas ede boa qua-
! lidade para vestidos de senhora a pataca o cavado,
! e outras muitas fazendas que o dono esta resolvido
1 a vender muito barate afim de apurar os cobres :
na ra da Imperatriz n. 20, outr'ora aterro da Boa-
Vista.
Vendem-se caix5es vasios a 1:760
cada um: na ra das Cruzes n. 44.
Alcatrito.
Vende-se alcatrao do gaz pelo preco da fabrica :
no armazem da bolla auiarella no oitaoda secreta-
ria de polica.
Vende-se um escravo de nacao, de idade de
23 26 annos, com pratica de catraia : na ra da,
Lingoeta n. 4.____________________
Vende-se nma canoa grande, propria de car-
regar capim, on mesmo para familia, por prego
commodo : a tratar na roa Forraosa n. 12.
i
ADQ1


Diarlo 4e Feraambaeo Segunda felra 1 de Agesto de 1S4.
AO PUBLICO
* Seni o menor constran-
iniento se entregar o
importe do genero que
nao agradar.
ATTENCiO
Os presos da segulnte
tabella para todos, po-
dendo assini servir de ba-
se para o ajuste de contas
coni os portadores.

ARMAZEM UNIAO MERCANTIL
RIJA DA CADEIA DO RECIPE IV. 53.
(Loga passaudo o arco da Ceneeico)
Grande reduecSo de precos, equivalente a dez por cento menos o que outro qualqiier
annunefante.
Collegas.Nao posso por mais tempo sustentar o proco da manteiga ingleza a l,ooors. a libra, bem assim o de oulros
uiuitos objectos, etc., dando com isto ocasio a todas as espeluncas acabarem por bom preso a manteiga de tempero, e gritarem em
a'ta voz, que podem vender pelo preco que eu vendo!!! Ora, eu offendido com estas obscuridades e receioso em adoptar o mesmo
systliema que vim encontrar, de s se vender com um por cento a carola, resolv fazer esla grande reduceao de precos, como veris
pela seguinte tabella, pois como sabis ca pelo meu bairro, at a abertura do momoravel armazem de mediados Uniao Mercantil nao
$e sabia de outro-preco de manteiga ingleza a nao ser o de l,4oo a l,6oo rs. a libra. Boje porem, resentidos da reduceao a que
esto obrigados, encarando todos os das de seus freguezes reclamacao de precos, e qualidades, vingam-se de um e outro portadores
mal informado deste novo estabelecimento. para Ihe vender goneros nao proprios de um estabelecimento desta ordem que o seu fim
lo smente obter a concorrencia de seus freguezes.
Para bem de todos.
Senhores e Senboras o aceio que presidio, aos arranjos deste novo estabelecimento, e mais que tudo apromplidao o entei-
reza com que serao tratados, convida a urna vizita ao mesmo, certos de que sem duvida me dai io a proteccao e preferencia na compra
dos_gneros que precisarem, e croando nao pocam vir podero mandar seus portadores, anda que estes sejam pouco praticos, pois
sero Uto bem servidos como se viessem pessoalmente, havendo para com estes toda recommendacao, afim de que nao vio em outra parte.
Manteiga ingleza (safra nova) especialmente
eseolhida a 800 rs. a libra, em barril se
faz abatimento.
dem franceza a mais nova que tem vindo ao
mercado a 5Go rs. a libra, e em barril ou
1 ueos a loo rs.
Cha hysson de superior qualidade a 2,6oo rs.
a libra.
luYm perola o mais superior do mercado a
2,8oo rs.
Uem Imxim o mellior que se pode desejar
noste genero 2,600 rs.
dem preto homeopatlico por ser de superior
qualidade a 2,ooo rs. a libra,
dem liysson, huxim e perola mais proprio
para negocio o l,6oo, l,8oo e 2,000 rs. a
libra, garante-se ser muito regu'ar, igual
ao (juese vende em outra paite por 2,4oo
e 2,6oo rs.
l.inguieas, chouricas e paios em latas de 8
libras, erniecamenle lacradas a 5,5oo rs.
garante-se serem superiores aos que vem
em barris.
Chouricas o paios em barris de meia e urna
arroba a 8,000 rs. e 1,5oo e 600 rs. a libra.
Queijos llamengos muito frescos ebegados
' nesle ultimo vapor a 2,2oo rs. e do vapor
liassado a l,Coo e 1,800 rs.
dem londiinos os mais superiores que tem
vindo ao mercado a 800 rs. a libra entei-
10 se faz abatimento.
dem prato muito fresco a 800 rs. a libra.
1 I lem do Alentejo o que se pode desejar de
fresco e superior a 800 rs. a libra, a elles
antes que se acabem.
Emilias e favas porluguezas em latas ja pre-
paradas a 6io rs.
Marmelada imperial dos mais acreditados fa-
bricantes de Lisboa a 600 rs. a libra,
l'rezunlo do reino vindos de casa particular
a 060 rs. a libra, e a 000 rs. inteiro.
dem inglezas para fiambre chegado neste
vapor 72o rs. a libra.
Cupos lapidados para a gua a 0,000 e o,5oo a
duzia,
Clioculate francez, suisso e hespanol a 9oo
l.ooo e l,2oo rs. a libra.
Espermacete em caixinhas contendo G libras
rs. e em barricas de 4 duzias se faz abati-
mento.
Caf do Rio a 2Go e 28o rs. a libra, e 7.8oo
e 8,5oo rs. a arroba.
dem lavado de primeira qualidade a 3oo rs.
a libra, e 9,ooo rs. a arroba.
dem do Cear de superior qualidade a 2lo
e 28o rs. a libra, e 7,8oo a 8,000 rs. a
arroba.
Arroz do Maranlio a loo rs. a libra, e 3,ooo
rs. a arroba.
dem da India muito alvo egraudo a loo rs. a
libra, e 3,ooo rs. a arroba.
dem de Java a 80 rs. a libra, e 2,2oo rs.
a arroba.
Painco e alpista a 14o rs. a libra, e 4,3oo
rs. a arroba.
Massa de tomate em latas de 1 e 2 libras a
600 rs. e de barril muito superior a 5oo
rs. a libra.
Aletra, macarro e lalharim a ioo rs. a li-
bra, e 9,ooo rs. a caixa.
dem e tallierim branco a 32o rs. a libra,
estas massas tornam-se recomendaveis as
pessoas doentes por serem propriamente
feitas para esse fim.
Estearinas a 56o rs. a libra, e em caixa com
25 libras a 52o rs.
Vinho do Porto muito fino excellente qua-
lidade proprio para engarrafar em ancore-
tas com 9 caadas por 45,000 rs.
Vinho de pipa Porto, Figueira, e Lisboa a32o, j Cerveja branca e prela das marcas mais a-
creditadas que vem ao mercado a5,ooo e
Antonio de Lisboa em latas com 6 libras
por 2,5oo; ditas doce em latas com o mes-
mo peso a 2,5oo; ditasimperiaes emlatas
de 3 libras por l,5oo rs.
Amelias francezas em latas de 1 e meia libra
. por 1,2oo; ditas em caixinhas de deversos
tamaitos com bonitas estampas na caixa
exteriora l,2oo, l,5oo, e 1,800rs.
Azeitedoce refinado Penanol ou do Kempes
de Lisboa a 85o rs. a garrafa e 9,5ou a
caixa com urna duzia.
Batatas muito novas a 5o rs. a libra e 2,ooo a
caixa com 2 arrobas.
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e
8,5oo a duzia.
Vassouras de escova para esfregar casa a 32o
Nozes muito novas a 16o rs. a libra.
Molho inglez em garrafa de vidro com
rolda do mesmo a 5oo rs.
Mostarda ingleza dos melhores fabricantes a
800 rs. o frasco.
Mostarda franceza em potes ja preparada
a 4oo rs.
Lentilhas excellente legume para sopa a 2oo
rs. a libra.
Marrasquino o verdadeiro de Zara em garrafas
grandes a 4,000 rs. e 11,000 a duzia.
Palitos para dentes a 14o e lOo rs. o maco.
Sal refinado em frasco de vidro eomrolha do
mesmo a 5qo rs.
Acaba de receber de sua propria encommenda um grande e variado sortimento
de molhados todos primorosamente escolhidos, por isso apressa-se o proprietario em
offerecer aos seus freguezes e ao publico em geral a seguinte tabella dos seus gneros e
resumidos precos, a flaneando todo e qualquer genero vendido neste bem conhecido ar-
mazem.
PARA A FESTA
S. JOAO
Amendoas confeitadas de 800 rs. a libra.
DE
Manteiga ingleza perfeitamente flor, a 800 rs,
libra,
dem franceza a 56o rs. a libra, e 5oo rs. 1
sendo em barril.
Cb uxim a 2,7oo rs. a libra, e de 8 libras
para cima a 2,600.
dem perola a 2,8oo rs. e de 8 libras para |
cima a 2,7oo,
E S. PEDRO
Licores francezes e portuguezes das seguin-
tes marcas creme de violetas, gerofles, ro-
sa, absinto vespeiro, amor perfeito, amen-
dua amarga, percicot. de Turin, Botefim,
morangos, limo, caf, laranja, cidra, gin-
ja, canella, cravo, rlela pimenta a .ooo
rs. a duzia l.ooo rs. a garrafa, garante-se
que os melhores que temos tido no mer-
cado.
dem hysson o mais superior que se pode Passas muito novas em quartos e inteiros a
desejar a 2,6oo e de 8 libras para cima
a2,5oo rs.
dem menos superior a 2, ioo e de 8 libras
para cima a 2,3oors.
dem proprio para negocio a 2,3oo, de 8 li-
bras para cima a 2,2oo.
dem do Rio em latas de 2, 4,6 e 8 libras
cada urna a 2, 3, 3,5oo e 4,8oo rs. a lata,
dem preto o melhor que se pode desejar
neste genero a 2,800 rs.
dem menos superior a esse que se vende
por, 2 e 2,4oo, a 4,800 rs. a libra.
2,ooo rs o quarto, a 6,5oo a caixa e 4oo
rs. a libra,
dem corintbias proprias para podim a 9oo
rs. a libra.
Marmeladas dos mais afamados fabricantes de
Lisboa a 64o rs. a libra
Ervilhas secas muito novas a I60 rs. a libra.
Grao de bico muito novo a 16o rs. a libra.
Ervilhas francezas em latas a 600 rs.
Potes com sal refinado a 48o rs.
Fumo de chapa americano a l,4oo rs. a libra
fazenda especial.
RIVAL SEM SEGUNDO
Ra do Queimado ns. 49 e 55, loja de miudezas
de Jos de Azcvedo Maia e Silva, esl continuando
no seu progresso de vender baratissimo :
Capachos grandes e superiores a 500 rs. cada mi -
Caixas de superiores obreias de cola e massa a
40 rs.
Cordao branco para vestido e espartilho, vara 20
ris.
Linhas de carretel (loO jardas) de superior qnali-
' dade a 60 rs.
Cartoes de linha Pedro V (200 jardas) j muito
conhecida a 40 rs.
Grozas de pennas de ac de muitas qualidades
superiores a 'UO rs.
Caivetes de duas folhas porem finos a 500 r?.
Caixas com calungas muito bonitas para rap a
100 rs.
Franja branca e de cores para toallas a 160.
Pares de botdes para punho muito bonitos a 120.
Caixas com soldados de chumbo muito bonitos a
' 120 rs.
Tintciros de vidro rom superior tinta a 160.
Ditos de barro com superior tinta a 100 rs.
Groza de botoes de louca pratiados, o meihor a
160 rs.
Tesouras para costura, o mais superior, a 400 rs.
Ditas para unhas muito linas a 400 rs.
Esrovas para limpar dentes muito superiores a
: 200 rs.
Libras de lila de todas as cores (pesada) a 7.
Caixas de phosphoros de seguranza a 160.
Ditas de papel amizade pautado e liso a 600 rs.
Ditas com 100 anvelopes muito superiores a 80ti
ris.
Callemos de papel branco e de cores, pequeo, a
! 20 ris.
I Cartas e taboadas para meninos a 80 rs.
Caixas com superiores iscas de acender charotoa
a 40 rs.
Carreteis de linha Alexandre (200 jardas) de cores
a 0 rs.
Raralhos para voltarete muito finos a 240.
Cartas de allinetes francezes muito finos a 40 rs.
Meadas de linlia f xa para bordar a 20 rs.
Pares de sapatos de tranca muito superiores a
15600. v '
Papis de agulha com um pequeo toque a 10 rs.
Groza de botoes de madreperola muito tinos a
560 rs.
Cartoes e caixas de celchetes francezes superiores
a 40 rs.
Ronets para meninos muito finos a 1,5500 e 25.
Macos de grampos superiores e limpos a 40 rs.
Croza de phosphoros do gaz muito novos a 2200.
! Areia preta muito superior a 100 rs.
Caixas de rap com espelho a 100 rs.
Realejos para entreter meninos a 80 rs.
I Pecas de fita de linho muito boas a 40 rs.
1 Pentes de lago muito bonitos a i$.
I Enfeites de laco de todas as cores a 15300.
! Rodas com alneles francezes a 20 rs.
Caixas com quatro papis de agulhas imperiaes a
240 rs.
Sabonetes de familia a 80, 160 e 320.
Caivetes de duas folhas muito finos a 320.
Pares de sapatos de liia para meninos a 100 rs.
Sapatos de tranca para senhora e para homem, os
melhores que tem vindo, e por preco muito barato:
quem quizer ver, venha ra do Queimado ds.
49 e 55, e ver tudo como bom e barato.
4oo e5oo rs. a garrafa, em caada a 2,5oo,
3,ooo e 3,8oo rs.
Vinho branco de Lisboa de excellente quali-
dade a loo e 5oo rs. a garrafa, ein caada
a 3,ooo e 3,5oo rs.
Vinho branco para missa em caixa de I duzia
a 8,000 e a 680 rs. a garrafa.
Vinho do Porto das melhores marcas, que
vem ao mercado como sejam Lagrimas do
Douro, Duque do Porto, DuqueGcnuino,
D. Luiz I., Madeira secca, Malvazio fino,
Fetoria em caixa de 1 duzia de 9,ooo a
l.ooo rs. e a 9oo e l.ooo a garrafa.
Vinho Colares o mais superior que tem
viudo ao mercado a 61o rs. a garrafa.
P
Sardinlias de Nantesem quartos e meias latas
por 4,000 rs., garanle-sc serem transpa- a 36o e 56o rs. cada urna.
reate e de superior qualidade, tambem tem J Sardinhas portuguezas em latas grandes
de 12 por libra propria para carro. preparadas pelo mellior conserveiro de Lis-
xe em posta sovel, corvina, gors. pesca-1 boa a 64o rs.
da, salmio, ostras e chernee, vezugo em Bolachinhas inglezas as mais novas do mer-
latas grandes a 800 e
l,ooo rs. cada urna, cado a 2,8oo rs. a barrica, e 24o rs. a
Vinho Rordeaux das marcas mais acredita- libra.
das q'ie tem vindo ao nosso mercado a Bclachinha de soda em latas com diversas
6,000, 7,ooo e 8,000 rs. a caixa, garante- j qualidades al,3oo rs.
se ser de qualidade superior, pie outro Bolo francez em caixinhas muito proprias
qualquer nao pode vender por este preco. para mimo a 64o rs.
Passas muito novas de carnada a loo rs. a
libra e 6,000 rs. a caixa com 28 libras.
Figos de comadre a 24o rs. a libra e
l,8oo rs. a caixa com 8 libras.
Amendoas de casca mole a 32o rs. a libra.
(enebra de Hollanda a 56o rs. o frasco,
5,7oo rs. a frasqueira.
dem de laranja verdadeira de Aliona em
frascos grandes a 1.000 rs. o frasco, e
11,00o rs. a duzia.
dem de Hollanda em botijas grandes a ioo
Bolacliinhasd'agua em sal da fabrica do Beato
5,5oo a duzia c 43o rs. a garrafa.
Sag muito novo e alvo a 24o rs. a libra.
Sevadinlia de Franca muito nova a2oors.
Charutosde todos os fabricantes da Bahiae das
mais acreditadas marcas conhecidas no
nosso mercado a 2,ooo, 2,5oo, 3,000,
3,5oo e 3,8oo a caixa de loo charutos.
Cognac inglez das melhores marcas a
i,oso rs. a garrafa.
Doce da casca da goiaba em latas de 4 li-
bras por 2,ooo; dito em caixoes a 600 rs.
cada um.
Farinlia de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Velas de carnauba de 6 e 12 por libra a
32o rs. a libra e lo.ooo rs. a arroba.
Azeitedoce de Lisboa a 6lo rs. a garrafa
e 4,8oo a caada.
Banlia de poico refinada a ioo rs. a libra
e 36o rs. em barril.
Capil de diversas frutas muito frescas a
64o rs. a garrafa.
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a graza.
Toucinho de Lisboa muito alto e alvo a
32o rs. a libra e 8,5oo a arroba.
Ameixas francezas em latas de 3 libras por
2,ooo. rs.
Cebollas soltas a I,ioo o cento ; ditas em
mollios com cento e tantas por 1,2oo rs.
Matic excellente cha para os navegantes a
a 2oo rs. libras.
dem mais baixo bom para negocio a l,5oo Presunto para fiambre inglezes a 7oo e 800
rs. a libra. rs. a libra.
dem miudinho proprio para negocio a l,5oo Chouricas e paios mnito novos a 64o a libra.
rs. a'libra. Caixas de traque n. 1 a 8#500 cada urna.
Queijos do reino ebegados neste ultimo va-1 Massas para sopa macarrao, talharim aletria
por a 2,6oo. a 4oo rs. a libra.
Queijos ebegados no ultimo vapor a 2,6oo rs Cognac verdadeiro inglez a 8,5oo rs. a caixa
dem londrino o mais fresco que se pode e 800 rs. a garrafa.
esperar e de excellente marca a 800 rs. a 1 dem francez a 7,ooo rs. a duzia e 7oo rs. a
libra sendo inteiro, e a 9oo rs. a retalho. [ garrafa.
AITITBJSCA POR MENOS DE 20 4 30 POR CENTO
Salitre refinado, superior qualidade, vinho Ror-
deaux, differentes qualidades, mais barato que em
qualquer parte : no armazem de E. A. Rurle &
C, ra da Cruz n. 48.
O O o"" P fe-P--O p-gg p & p- X ge Machina Moendas
te) P- p
o CS (SU m P-B & so 2
53 te 0 1' o
man. p i i!2b
p g p^ ^ co ^o
p .
i o p r. moendas
co ce r Ui CD ir p- i 9
fe
Taberna
Vende-se urna taberna no Caminho Novo da
'1 oledado urna das mnlhores do lugar n. 26, faz
qualq uer negocio em vista de seu done precisar
retirar-se : a fallar nos armazens da Rrilbante
\urora largo da Santa Cruz.
"
Fumo imperial
Cortado igoal ao francez muito proprio para ca-
chimbo, em latas de 1 libra, quando nao seja me-
lhor igual ao americano por 1200 rs., para veri-
ficar a verdade os Srs. fumantes podem-se dirigir
fabrica vapor de cigarros antiga ra dos Qoar-
teis de Polica n. 21.______^^^
Em Santo maro de Jaboato na loja
junto ao professor vende-se bilhetes de to-
das as loteras da provincia.
ATTENCAO
Vende-se urna taberna em ama das melhores
ras do bairro da Roa-Vista, muito bem afregue-
zada para o mato e para a trra : a tratar na ra
do Aragao n. 36.
M'lho
Vendem-se saceos grandes com railho a 3*500 o
sacco : na ra da Madre de Dos n. 9.
23-Largo do Terco-23.
Joaquim Simao dos Santos, dono deste armazem de molhados, tem feito urna grande vantagem
quern seu armazem tem frequentado, liquidou todos os seus gneros mais amigos que tinha nao s
neste armazem como fra, e tendo feito urna grande reforma neste estabelecimento tanto em tamanho
como em gneros que mandn vir por sua propria encommenda a maior parte, qne os pode vender por
menos de que qualquer annunciante, para isso se responsabilisa pela superior qualidade.
Attencao.
Ratatas as mais novas a 1|>400 a arroba e 50 rs. a
libra.
Toucinho de Lisboa novo a 280 rs. a libra e 8*00
a arroba.
Caf do Rio de primeira e segunda sorte a 280
300 rs. a libra e 85500 a arroba.
Arroz pilado a 80 e 100 rs. a libra e 2*500 e 25300
a arroba.
Sardinha de Nantes novas a 320 rs. cada urna.
Sabio massa superior a 180 e 220 rs. a libra.
Passas as mais novas deste genero a 400 rs. a libra
Ameixas franceza com 1 e meia libras a 1-
Rolachinhas inglezas novas a 240 rs. a libra.
Charutos de diversas marcas e superior qualidade, Manteiga franceza a 560 rs. a libra, e 540 em
de 15200, 15500, 25, 35 e 45- barril.
Phosphoros do gaz groza 25200. Dita ingleza flor a 720, 800 e 900 rs. a libra, e em
Velas de espermacete de 5 e 6 por libra a 540 rs. a barril ha abatimento.
libra, e em caixa a 520. Massa de tomate em latas de libra a 600 rs. cada
Velas de carnauba a 115 a arroba e 3bO a libra. uma
Sevadinha e sag muito novo a 240, 260 rs. a li-, Conservas inglezas, francezas e portuguezas a 640
bra. Garante-se a superior qualidade. j o frasco.
Alm destes gneros ha outros muitos que enfadonho seria menciona-los. Quem duvidar ve-
er nhav.
Queijos do vapora
Vinho de Figueira, marca JAA, a 500 rs. a gar-
rafa.
Dito de Lisboa a 400 rs.
e Dito de outros paizes a 360 rs.
Dito para negocio a 320 rs. a garrafa e em caada
se faz abatimento.
Genebra de Hollanda em frasqueiras a 65000 e 500
rs. o frasco.
dem em botijas Tic conta a 400 rs.
Azeite doce de Lisboa fino a 600 rs. a garrafa.
Dito de carrapato a 320 rs. a garrafa.
Raa da Sen zalla n. 42.
Vende-se, em casa de S. P. Johnston 4 C,
sellins e silhes inglezes, candieiros e casti-
caes bronzeados, lonas inglezas, fo de vela,
Chicotes para carros e montara, arreios para
carros de um e dous cavallos, e relogios de
curo patente inglez.
GAZ GAZ GAZ
Charutos de Havana
de superior qualidade vendem-se em casa
de Schafleitlin 6 C, ra da Cruz n. 42.
At que chego
(um grande sortimento de bico e renda prela de
novo modelo chamado (guip) o melhor que se
pode desejar neste artigo e que se vende mnito ba-
rato : na loja do gallo vigilante ra de Crespo
n. 7. a
Vende-se gaz da melhor qualidide a 125
a lata e em lotes de 10 latas para cima se
far abatimento. no armazem da ra do Im-
Idem prato es melhores e mais frescos do
mercado a 76o rs. a libra sendo inteiro.
Biscoitos em latas de 2 libras das seguintes
marcas: Osborne, Craknel, Mixed, Victo-
ria, Pec-nic, Fance, Machine eoutras mul-
tas a l,3oo e l 4oo rs.
Polvos ebegados ltimamente do Porto a 32o
rs. a libra.
Batatas novas em caixas de 2 arrobas a 3:j a
caixa e 6o rs. a libra-
Balachioha de Craknel em latas de o libras
bruto a 4,ooo rs.
dem inglezas em barricas a mais nova do
mercado a 2,oo rs, a barrica e 24o rs. a
libra.
Chocolate portuguez o mais especial que se
pode desejar a 8oo rs. a libra e 14o rs. o
pao.
Cartoes com bolas francezas proprios para
mimos ou para anjos que vio as procis-
soes a 6oo rs. cada um.
Papel de botica de excellente qualidade a
22oo rs. a resma.
Peras seccas as mais novas do mercado a 4oo
rs. a libra..
Figos de comadre em Utas de 4 e 8 libras
lacradas hermticamente a l,4oo e 2,2oo
rs. a lata.
Frutas em calda chegadas ltimamente, pera,
pecego, ginja e outros muitos a 64o rs. a
lata.
dem em caixinhas de 8 libras a l,8oo, e
24o rs. a libra.
.Nozes muito novas a 120 rs. a libra, e 4,ooo
rs. a arroba.
Amendoas confeitadas a 8oo rs. a libra.
dem de casca mole a 32o rs.
Vinhos engarrafados no Porto e Lisboa das
seguintes marcas: duque, genuino, velho
secco especial, lagrimas doces, vinho es-
pecial D. Pedro V, nctar superior de
1833, duque do Porto de 1834, vinho do
Porto, velho superior, madeira secca, Por-
to superior D. Luiz I, e outras muitas
marcas, em caixa de uma duzia a lo,ooo e
l,ooo rs. agarrafa.
dem branco de uva pura a 64o rs. a garra-
fa e 4,ooo a caada.
dem superior a ooo rs, a garrafa e 3,2oors.
a caada.
dem em pipa Porto, Lisboa e Figueira das
marcas mais acreditadas a 3,800 a caada
e 5oo rs, a garrafa.
dem de marcas pouco conhecidas a 4oo rs.
a garrafa e 3,ooo rs. a caada.
Especial vinho Lavradio sem a mais pequea
composicao a 560 a garrafa e 4,ooo rs. a
caada.
Farinha do Maranlio a 240 rs. a libra.
Ricas caixas com figos a 1 ,ooo rs. cada uma.
Ricos livros com figos l.ooo rs.
Pomada a 200 rs. a duzia, sevada muito no-
va a 80 rs. a libra, e 2,5oo a arroba.
Garrafes com 4 / garrafas de vinho supe-
rior a 2,5oo rs. com o garrafao.
dem com 4 '/j ditas de venagre a 1 ,ooo rs. o
garra fio.
Vinagre PRR em ancoretas de 9 caadas a
15,ooo rs. com a ancoreta
dem era pipa puro sem o batismo a 2oo rs.
a garrafa e l,4oo rs. a caada.
Caixas com 1 duzia da garrafas de vinho Bor-
deaux fazenda muito especial a 6,8oo rs.
a caixa e 7oo rs. a garrafa.
Vi libra a
Charutos em grande quantidade e de todos os
fabricantes mais a creditados a l,5oo,
2,ooo, 2.000, 3,ooo e 4,ooo rs. a caixa,
os mais baixos sao dos que por ah se ven
dem a 2,ooo e 2,5oo' rs.
Caf depremeira qualidade a 8.800 e 9,5oo
rs. a arroba.
dem de segunda qualidade a 8,000 rs. a ar-
roba e 26o rs. a iibra.
Arroz do Maranho a 12ors. a libra, 3,ooo rs.
a arroba.
dem da India muito superior a 2,9oo rs. a
arroba, e loo rs. a libra.
dem mais baixo redondo a 2,6oo rs. a libra.
dem da India comprido a 2,4oo rs. a arro-
ba, e 80 rs. a libra.
Vellas de carnauba do Aracaty a 9,ooo rs. ar-
roba, e 32o rs. a libra.
dem de sebo muito dura fingindo esparmace-
te 36o rs. a libra.
dem de esparmacete a 54o rs. a libra, e em
caixa a 52e rs.
Papel o melhor que se pode desejar para os
Srs. empregados pblicos a 5,ooo rs. a res-
ma, j se vendeu por 7.000 rs.
Idemalmacopautadoelisoa3,ooors. aresma.
dem de peso pautada e liso a 2,5oo rs. a
resma.
dem a zul de botica ou fugueteiroa 2,2oo rs.
a resma,
dem embrulno de l,2oo a I,ioo rs. a resma.
Ameixas francezas em latas de 1
l,2oo e8oors. a libra.
dem em frascos de 3 libras a 2,5oo rs., s o
frasco valle l,ooo rs. tambem temos em
* frascos para l,4oo rs.
Conservas inglezas a 800 rs. o frasco.
Molhos inglezes a 800 e l,ooo rs. o frasco. -
Mostarda preparada em potes muito nova a
2oo rs.
Latas com 2 a 4 libras de caj secco o mais
bem arranjado possivel a l,8oo e 2,8oo
rs. a lata.
Cerveja Tenente verdadeira a 6,800 rs. a
duzia.
dem de outras marcas preta e branca a 5,5oo
e 6,000 rs. a duzia inteiras.
Vassouras de piassava com 2 arcos de ferro
vindas do Porto a 32o rs.
Cebollas muito novas a l,ooo rs. o molbo e
800 rs. o cento.
Genebra de Hollondaem frasqueiras a 6,000
e 56o rs. o frasco,
dem em botijas a 4oo rs.
dem em garrafes de 14 garrafas a 5,2oo rs.
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a groza e 2o rs. a
caixa.
dem de dentes lixados em macos grandes
com 2o rs. o macinhos a 12o rs. o masso.
Cominhos muito novos a32ors. a libra e
lo.ooo a arroba.
Sag muito novo a 24o rs. a libra.
Cevadinha de Franca a 18o rs. a libra.
Milho alpista a 14o rs. a libra e 4,5oo rs. a
arroba.
Gomma a 28o rs. a libra e 5,4oo a arroba.
Peixes em latas al,000 rs. a lata j prompto
a comer-se.
Farello de Lisboa marca N. e Biato saceos
grandes a 4,000 rs.
Doce da casca da goiaba a 600 e l.ooo rs. o
caixao.
Lt'ja (fe fazendas da rita
do Crespo n 7.
Miguel Jos Rarbosa Guimaraes, socio princi-
pal da firma de Guimaraes & Lima, faz sciente ao
respeitavel publico que tendo de liquidar todas as
fazendas existentes em seu estabelecimento por
ter fallecido o seu socio Jos de Almeida Nones
Lima, que consta de um grande sortimento de fa-
zendas linas, como sejam ricos vestidos de seda
com algum toque de mofo, capas de velludo preo
muito linas e outras muitas fazendas que tudc
vende por baralissimo preco.
ttenc

da Baha
para saceos de assucar e roupa de escravo; tem
para vender Antonio Luiz de Oliveira Azevedo &
perador d. 16 e rua do Trapiche Novo n. 8.1 c., no seu escriptorio ra da Cruz n. 1.
O proprietario do grande armazem UniSo e Commercio declara aos seus fregu
zes e amigos e ao publico em geral, que para facilitar a commodidade de todos estipulou
os mesmos precos nos seguintes lugares:
Uniao e Commercio rua do Queimado n. 7.
O Verdadeiro Principal rua do Imperador n. 40,
Vende-se o engenho Soccorro, na freguezia de
Santo Amaro de Jaboa(ad|>siio i margem da e.-tra-
da da Victoria, distante 6,800 bracas da cidade do
Recite, com boa casa de vivenda, senzala e casas
de moenda, caldeira, distilacao e estribara, tudo
de pedra e cal, em bom estado, sendo o cercado o
I melhor que se eonhece na fregoezia, com trras
I para safrejar 1,300 paes de assucar, o proporyes
l para ser transformado em moenda de agua por ser
\ banhado por detraz pelo famoso rio Jaboato, e
! pela frente pelo riacho Mocaiba. Tambem se ven-
] dem alguns escravos, bois, animaes de roda, com
os mais utensis proprios ao fabrico de assucar :
os pretendemos poderao entender-se no engontio
I com a viuva e herdeiros.
Ferros para ourives.
Na rua larga do Rosario n. 24, loja de joias, ven-
dem-se ledos os ferros e utencilios de ourives.
No da 26 do correte fugio do engenho Pia-
bas, freguezia de Serinhiiein, o pardo escuro, d
\ nome Malaquias, alto e pernas grandes, olbos pe-
queos, rosto magro, pouca barba no queixo, quan-
do anda manqueija, tem o quarto esquerio mais
baixo que o direito e ps chatos : quem o appre-
j hender e o levar rua de Apollo n. 30, ou ao re-
': ferido engenho, ser bem recompensado._______
Fugio no dia 10 do crlente o escravo por
: norne Semino, de nacao Mossambiqne, com os sig-
! naes seguintes : estatura alta, obeio do corpo.
rosto liso, nao tem barba, tem uns talhos no rosto
junto as duas fonles do rosto, levon calca de hrim
pardo, camisa branca de algodao, palelut do hrim
pardo, e chapeo de palha : roga-se s autoridades
civis e militares de o apprehender e raanda-lo a
seu senhor, na rua Direita n. 30, que sero gene-
rosamente recompensados.
fugio na noite de 23 do corrente julho de
1864 o escravo Jos, preto, crioulo, ae 26 annos,
baixo, corpo regular, beicos grossos e estufados,
orelhas pequeas, e cachago grosso, ponca barba
porque tem apenas na ponta do queixo, levou duas
caigas, uma branca e outra de castor escuro que
parece preto. de listras, paTetot preto, sem camisa,
e com uma carapuga encarnada na cabega, a laia
de marujo : quem pegar leve-o rua Direita n.
54, que ser generosamente recompensado.
Ausentouse no dia 3 do correte mez da ca-
sa de seu senhor o escravo Targino, cabra, de ida-
de 20 annos pouco mais ou menos, com ofJTicio de
ourives, alto e seco, sem barba e espadado, boni-
ta figura, le\on vestido caiga de ganga de quadros
miudos j usada, camisa branca e chapeo de bai-
la, foi escravo do Illm. Sr. Theodozio Francisco
Diniz, morador em Porto Calvo, supp5e-se ter vin-
do para o Recife aonde j esteve e tem conheci-
mento, a titulo de procurar senhor, e igualmente
se ausentou a escrava Graciosa, cabra, de idade
16 annos, bonita figura, cheia do corpo, rosto lar-
go, estatura baixa, bragos e pernas grossas, de
suppr que seguisse o mesmo destino do relerido
cabra, e rogase a toaas as autoridades policiaes,
capites de campo e qualquer pessoa do povo de
se os virem os capturar e os mandar conduzir
a seu legitimo senhor Manoel de Sooza Cunha re-
sidente na villa de Porto de Pedras, ou na villa
do Pago de Camaragibe a Antonio de Souza Cu-
nta, em Rio Formoso ao Illm. Sr. Diniz e no Re-
cife a Thomaz Fernandes da Cunha na rua da Ca-
deia n. 44, qoeserSo generosamente gratificados.
Fugio na tarde do dia 16 do corrente um
escravo pardo, de nome Marcos, desembarcado
do hiate Santa Auna, vindo do Aracaty, tendo
de idade 28 annos pouco mais ou menos, e os sig-
naes seguintes: altura regular, secco do corpo,
pouca barba, cabello crespo, levou camisa e
caiga de algodosinho de riscado azul e cha-
peo de palha, tendo levado comsigo uma trouxa'
com mais roupa, e rendido de uma das veninas;
quem o appreender queira leva-lo rua da Madre
de Deus n. 38, ou rua do Rrura n. 55, que sera
recompensado. ______
Desappareceu na noite de 24 do corrente a
preta de nome Luiza, tendo os signaes seguintes:
vestido e chales escuros, de estatura regular, (em
marcas de bexigas no rosio e no bra?o Jireito al-
gumas sicatrizes de feridas, representa ter 23 a
27 annos de idade, o proprio senhor julga que a
mesma anda nesta cidade e roga as autoridades
policiaes e capites de campo a pegar o leva-la a
rua dos Pires n. 34, que generosamente recom-
pensar.





-


Diarlo de Peraambneo Segunda letra 1 de Agosto de 19*4.


{
imimnk.
0 QUE VAE PELO BURDO
Dames em seguida a conclusao do relatorio
do Esm. Sr. ministro dajustig* Zicarias de Ge
e Vasconcellos.
Por aviso de 20 de patubro do anno passado foi
.ralorisado o brigadero commandante superior da
cort a man Ja:' adjptar das instruccocs portugue-
r3 :. = .mif.iins noxercito, a parle que fosse
.: ipte, a fim de liavor liarmonia as respec-
ti .as evoluges, quando esta torga coiicorre com a
dal'linha. Esta medida convm ampliar-se
guarda nacional das outras parles ds imperio.
Faldamento.
S. Pedro.
Rio-Grande do Sul....... 37
S. Jos................. 13
Fronteira do Chuy....... 32
Bag................... 78
Fronteira de Bag^........ 177
S.-Gabriel............... 83
Rio Pardo............... 33
Fronteira de Quarahy___ 500
Postos militares......... 5
Companhia de transporte. 40
Fronteira de Misses..... 95
Curpo policial Ja corte.
A organisaco deste corpo, que to bons servi-
da 3,611 pracas, segando as ultimas informarles ditos urna sobra de 691:4915007, que pouco pode
Nao alcanza a cifra decretada pelas assemblas pro- mudar no bataneo definitivo,
vinciaes, que sobe a 4,407.
Bem se v que lio diminuta torga nao bastante
para o servigo da polica do imperio.
Os presidentes, a despeito das ordens terminan-
tes deste ministerio, tem recorrido como ci-
ma ficou dilo, aos destacamentos de guardas nacio-
naes.
Cadeias.
Continuam as prisoes no mu estado que descre-
vem os relatnos de meas antecessores.
As provincias nao teem, cm geral, meios para
as possuirem as condigoes convenientes, e lodavia
eos presta i poiicia da corte e municipio neutro, i indispensavel que Do permanega to triste si-
foi decretada pelo regulamcnto de 16 de Janeiro de luac0
1858, segando o qual deve comprse de no?e com-
Nenhuma alterago.lcm havido quanto ao un- |)aohias, sendo seis de infamara, e tres do caval-
fornie da guarda nacional alm do notado no ul- i aria.
O seu estado completo de 1,002 pragas, mas
at o presente anda nao o conseguiu.
Hoje conta tao somonte 612 pragas elTeetivas,
nsufficienles para o servigo a que obrigado.
Sulicitei conseguiniernente do ministerio da
As tres mil carabinas Mini que toram por i guerra em vs|a dQ artgo 2 do mesmo regu|ameQ.
timo relatorio.
Cumpre porm certiflcar-vos que tora da corte,
capitaes de provincia, e de algunas cidades ou
villas importantes esta torga nao se acha far-
dada.
Armamento.
meu antecessor encommendadas na Europa com
destino a guarda nacional ainda nao chegaram.
Estas carabinas, e mais 522 espingardas do mes-
mo autor, que se acham depositadas no quartel do
corpo policial, ainda nao sao suflccntes para sa-
mfazer aos pedidos do armamento que existem na
repartieao meu cargo.
Presentemente esses pedidos excedem de 8,000
espingardas.
Depois do ultimo relatorio nao houve distribui-
do alguma de armamento.
Entre os annexes veris o mappa onde se acha
notada a ustnbuigo de armamento que se tem
feito com esta torga do imperio.
Servico.
Esta torga tem sido empregada no servico de
guarnigao, coadjuvando a de 1" linba.
as provincias, cm falta de outra contina a sea
destacada, nao obstante as recommendagoes do go-
verno. Os presidentes fundados no artigo 87 Io
da le n. 602, nao dexam de lanear mao deste re-
curso.
Entretanto nao se pode desconhecer quanto
oneroso para o cidadao esta especie de servigo que
recabe sobre classes menos abastadas.
Farei todo o estorgo para que se diroinua o mais
possivel o emprego de semelhanle recurso, quando
de todo nao possa veda-lo.
Depois do ultimo relatorio tem diminuido, anda
que pouco, o algarismo da torga destacada as pro-
vincias. Actualmente estao destacados 1,537 guar-
das. Eis o que consta a este respeito, segundo as
ntorraagoes recebida9 :
Alagas.
Capital................. 132
eve-se a continuago deste destacamento ao nao
tiaver-se ate agora creado all um corpo de guarni-
go.
Para.
Viga................... 9
Manta................. 9
Visen.................. 10
Iguarap-mirim.......... 8
Santarem............... 18
Braganga............... 12
Minas Geraes.
Ouro-Preto............. 79
Passos.................. 13
Sania Luzia............. 7
Sabara................. 7
Minas Novas............ 8
Januaria................ 9
Campanba.............. 1"
S. Romo............... 1!
Espirito Santo.
Itapcmirim.............. 8
Este destacamento substituido por outro de
igual numero le 10 em 10 dias.
Piauhy.
Parnahyba.............. 11
S. Raymundo Nonato.....
Bom Jess de Gorgueia.. -
Piracuruca.............
Batalha................
O meu antecessor lembron no ultimo relato-
ro o estabelecimento de colonias penaes, com
o proposito de alliviar as prisoes dos rus condecir
nados.
Essa medida demanda tempo para ser levada a
effeito, tanto mais quanto indispensavel refor-
ma na nossa legislagao penal e por isso desde
j nao pdeoccorrer urgente necessidade das ca-
deias.
to um contingente de 209 pragas, que ainda nao
to prestado.
Com a compra que fez o meu antecessor de 600
carabinas a Mini, se acha o corpo conveniente-
mente armado.
Por avisa de 2 de novembro ultimo, foi o len-
te general baro de Suruhy encarregado de inspec-
cionar o corpo, trabalho de que o dito barao de-
sempenhou-o como era de esperar de sua profl-
ciencia.
Acharis entre os annexos o relatorio que me
data de 30 de abril prximo passado, enviou-me, e
lendo-o formareis do estado desse corpo, um juizo
seguro.
Desse relatorio se v que de 612 pragas de pret
do corpo, que tantas sao as actualmente existentes,
363 sao naconaes e 349 estrangeiras, isto que
quas metade da torga do corpo policial estran-
geira.
O inconveniente e perigo que ha nisso sao intui-
tivos ; urna providencia no sentido de restringir a
faculdadc de admitlir estrangeiros no corpo ur-
gente.
O corpo cm vez de possuir um s quartel espa-
coso e commodo,como exigem a disciplina e a sa-
de das pragas, tem tres, collocados em lugares dif-
ferentes, e em mas condigoes hygienicas. O que a
este respeito pondera o relatorio indicando a neces-
sidade de comprarse o terreno comprehendido en-
tre o hospicio de Jerusalm e a chcara do con_
vento da Ajuda, merece ser tomado em conside.
rago.
O hospital por seu acanhamento e m situagao,
-">
G
3
A sorte dos carcereirso nao pode ser mais de"
ploravel. Os vencimeatos que percebem, sao mu'
limitados, nao obstante ser consideravel a sua res-
ponsabiiidade. *
Como adiar pessoal habilitado para tacs func-
ges, em que sem duvida se requerem nones-
tidade e independencia, cora to reduzidos orde-
nados ?
Parece-me que estes servidores do estado teem
justo fundamento para seren attendidos.
Casa de correcqao.
Pouco tenho a addiconar ao qu* sobre este esta-
belecimento expoz o meu antecessor no seu ultimo
relatorio.
E' indispensavel separar a casa de detengao da
penitenciaria, o para esse fim j mandei orgar a
importancia da obra. Parece que sem grandes
dispendios se poder leva-la execugao em breve
tempo, se assim o autorisardes.
Da mesma sorte julgo indispensavel que d'ali se
remova o instituto dos menores artesaos, ou que
pelo meaos se torne independente da direegao da
da penitenciaria.
Nao possivel que a pessoa encarregada de di-
rigir a penitenciaria, a qual tantos cuidados exige,
possa tratar convenientemente de edacar menores
artesaos.
CreAitoTvipplementares.
De Janeiro para c nenhum crdito supplementar
mi creado, e presumo nao haver delles necessida-
de no corrente exercicio.
( Contratos.
Depois que entrei para o ministerio ainda nao
celebrou-se contrato algum na reparlico.
Os que meu antecessor realisou para forneei-
mento de armas tem sido cumpridos exactamente.
Secretaria de estado.
0 pessoal da secretaria contina quasi no estado
que indicam os dous ltimos relatorios.
Se passar a suppressao votada na cmara dos
Srs. depulados ficar reduzido ao seguate :-
1 director geral ;
3 directores de secgao;
6 Io" oflkiaes;
6 2o" ditos;
8 amanuenses ;
1 porteiro;
1 ajudante desto;
1 continuo i
4 correios.
Em vrtude da portara de 21 do abril ultimo fo
exonerado o pralicante Jos Joaquim de Azeredo
Coutiuno, porque obteve a serventa vitalicia de um
offlcio de justiga.
Por decreto de egual data foi exonerado do car-
go de director geral o conselheiro Josino do Nasci-
ment Silva, o qual nao s abusara da confianga
inherente sua posigao, mas constituira-se em
formal insubordinagao para com o respectivo mi-
nistro.
Esta vaga ainda nao foi preenchda,
O mappa dos trabalhos desta repartigao, de abril
de 1863 at o presente, encontrareis entre os an-
nexos deste relatorio, bem comu a relago de avi-
sos expedidos, fixando a intelligenca de varios
pontos de legislagao, de 18 de abril do anno passa-
do at agora.
O expediente eo registro esto em dia.
Sao estas as inforraages que pareceram-me dig-
nas de ser-vos presentes : assegurando-vos que
sempre me acharis disposto a ministrar quaes-
quer oulros esclareciraentos que julgardes neces-
sarios.
Ro de Janeiro, em 14 de maio de 1864.laca-
\ rias de Ges e Vasoacdlos.
Compre entretanto reconhecer que entre os me-
nores do instituto convm haver urna separagao.
Os que ali foram levados por virtude do art. 13 do
cdigo criminal, nao devem ser educados de com-
panhia com os outros. Aquelles de feito esto sof-
riendo urna peualidade.que o legislador julgoucom-
demanda ser relirado do ponto em que se acha, I porlar sua edade; estes nao estao as mesmas con"
rislo como, segundo informa o dito tenente-gcneral | digoes.
Sergipc.
S. Christo\ao..........
23
Itabaana............. 10
seria baldado qualquer estorgo que se fizesse para
melhora-Io.
O numero de doentes ha crescido e alguns de
molestias graves.
Estes devem estar separados dos outros, o que
ora nao c possivel; notando-se que nao existe ali
um quarlo para onde se conduzam os doentes pres-
tes a expirar.
O inspector propon a compra do predio nobre
visinho ao porlao da cavaliaria para nelle estabe-
lecer-se o hospital alargando assim os pequeos
commodos do quartel da ra dos Barbnos. Havia
alm disto a vaotagem de aproveitar o pavimento
terreo dessa casa para a arrecadagao geral do dito
corpo, o que tamben se faz preciso.
Propoe egualmente a creagao de mais um major
atienta a impossibilidade de um s poder fiscalisar
a complicada escripturagao do corpo; assim como
lembra a urgencia de crear-se mais urna compa-
nliia de cavaliaria.
rolo que toca ao bom estado da disciplina e ins-
trurgao do corpo, assim como ao zelo de sua admi-
nistragao, o inspector faz justiga ao respectivo com-
mandante, o coronel Manoel Pedro Drago.
Do relatorio deste offlcial, que tambem se acha
entre os annexos, podereis colher uteis informa-
ges.
Forra policial das provincias.
FOLHETIM
vivn: ioit.ts in: i,i-ri-:ui.i
pon
CASILLO GASTELLO BRASCO.
Portanto meu parecer, que os menores de art.
13 do cod. crm. devem em todo o caso, ficar su-
;eitos ao director da penitenciaria.
Entre os annexos se acha o relatorio do zeloso
director deste estabelecimento, onde estao notados
os servigos ali feilos durante o ultimo anno. Por
elle podereis conhecer e apreciar ,a situagao pre-
sente daquella casa.
Ornamento.
Balango provisorio.
As verbas orgadas paraos servigos do ministerio
a meu cargo no anno financeiro de 18651866 ele-
vam-se a 3,123:452#5U1.
Comparndose esta cifra com a votada para 1863
1864 3,155:2945935, ha urna differeoga para me-
nos de 31:8425434.
Em relagao a despeza calculada para o anno fi-
nanceiro de 1864-1865 3,209:6153833, a differen-
ga para menos anda maior, pois sobe a.......
86:1635334.
No orgamento acharis a explicagao detalhada
das despezas concernentes a este ministerio, e sua
usiilicago.
O corte que se fez em algumas verbas justficou
a diminuigo, nao obstante, ter havido augmento
de termos e de novos municipios.
Pelo balango provisorio observareis que no exer-
0 estado ellectivo desla torga as provincias cco de 18621863 houve na totalidade dos ere-
Di POUCO DE TUDO.
Falleceu em Stlugard o re do W'urtemberg,
Guilherme I.
Era o decano dos soberanos da Europa.
Tinhanascido 27 de setembro de 1781, e con-
tava, portanto, 83 annos menos tres mezes.
Era filho de Frederico 1 e da princeza Augusta
deBrunswich-Walfenbuilel, favorita de Cathari-
na II da Russia, que, fazendo-a passar por morta,
a desterrou para a Sbera em 1788.
O principe, depois de ter habitado a Silesia, a
Russia, a Suissa e as provincias do Rheno, foi
para Wurtemberg, d'onde foi expulso pelas tro-
pas francezas em 17% e em 1799.
Em 1790 alistou-se no exercito austraco para
combater a Franca.
Expatriou-se voluntariamente de 1803 1806
para fugir ao despotismo domestico de seu pae e
residiu durante este tempo em Franca c na Ralia.
Voltando ao Wurtemberg em 1806, viveu reti-
rado, condemnando a facilidade com que seu pae
se dobrava fi vontade de Napoleao I, a que elle,
por seu turno, se sugeitou, esposando a priuceza
Carolina da Baviera, porm este casamento foi
apparente por accordo dos contratantes c dssol-
vido em 1814.
Em 1812 nfio pode recusar o commando do con-
tingente wurtemburguez que fez parte do grande
exercito, porm depois recebcu com o maior pra-
zer o commando do 7o corpo do exercito alliado e
tomou parte dislincta nos combates de Rothiere e
de Montmerail.
Subiu ao throno, por morte de seu pae, 30
deoutubrode 1816, e promulgou una constitui-
go. que os estados acceitaram em 1819, e que
ainda rege no Wurtemberg.
Introducto.
O progresso urna voragem !
A liteira j se debate as fauces do monstro.
Vae cabir a fatal hora D'aqoi a pouco, a liteira
desapparecer da face da Europa.
O derradeiro refugio da anciaa era Portugal.
Nem aqui a deixafam oeste musou de antigualhas !
Nem aqu I A pobresinha, a decrepita coberta do
n e suor de sete scalos, tirita estarrecida de pa-
vor, escutando o hrrido fremir do wagn, que
bate as crepitantes azas de infernal hippogrypho-
Ao passo que o vapor talava os plainos. galgava
ella, espavorida, os desliladeiros para esconder-sc.
Mas o camartello e o rodo escalaran! o agro e pe-
nhascoso das sorras, c a liteira, acossada pelo
Char--bancs, sumiu-se anda as veredas pedre-
gosas, c acoutou-se sombra do solar alcantilado
e inaccessivel ao rodar da sege.
E' ahi que a coeva do Portugal das chronicas se
estorce e vasqueja no ultimo alent.
A trra de D. Joo I e Nano Alvares agonisa
com a liteira de Joao das Regras e Pedro Ossein I
Volvidos doze annos, a liteira de alquilara ser
urna tradigo, era se quer perpetuada na gravu-
ra. No recanto de alguma cavallariga de palacete
provincial, apodrecero anda as reliquias da litei-
ra tidalga ; mas esta ne- a liteira posta cm ho-
locausto ao macadam, diligencia, mala-posta,
e ao carril. A liteira sacrificada, a liteira dos
dous machos pujantes c das ciacoenta campanhas
estridulas, essa a que se vae de urna asseatada,
desfeita serra e enx para reraends de ignobeis
carrinhos e carroges. Esta que a liteira das
minhas saudades, porque se embalaram nella as
minhas priineiras peregrinages; porque, dos pos-
tigos de nma, vi eu, fra das cidades, os primei-
res prados e bosques e serras empinadas; porque
o tilintar das suas campainhas me ategrava o ani-
mo, quando a toada festiva me ioterrompia as co-
gitages da urde por essas estradas do Minho e
Traz-os-montes; porque, finalmente, foi n'uma li-
teira, que eu eocontrei o livro, que o leitor, com
a sua paciente benevolencia, vae folhear
Ha poneos annos que eu jornadeava de Villa
Real para o Porto, o cheguei, quebrado de corpo
c alma, a urna pvoa escondida nos traguedos do
Marao, chamada Oveihinba. O rocim, que me ali
trouxera, ganhra pulmoeira na sabida da serra,
de raaneira que, na assomada onde chamara c as
rodas >, os bofes arqaejavam-lhe com tal impeto,
e encavernada tosse, que nao ha ahi cousa triste
que mais diga I
Quando dcscavalguci, na Ovelhinha, devolv o \ dado grangeada em cinco annos, a qual, diz elle,
garrano ao proprietario, e procurei quem me alu- uo valia mais que a mitra,
gasse cavalgadura, menos poilrinaria, at Ama- Antonio Joaquim esta rico. Reuniram-se doas
rante. Vollando estalagem, achei urna liteira casas que rendem, cm anno de colheita regular,
parada, que chegra n'aqnelle ponto. Perguntci; duzeutos carros, afr vinho, azeite, castanhas, e
ao liteireiro se ia de retorno. Respondeu-me que btalas. Cria puldros, cora que tem sido muitas ve-
levava patrio. Contemple! a liteira cora magoa e \ zes engaado, c com os quaes tem engaado os
inveja, principalmente quando a eguasinha galle
ga, que eu ajustara, comegou a espirrar urna tos-
seus melhores amigos : cousa que nao mancha de
leve a reputagao de quem quer que negocia em
se mais que rauito significativa de pulmoeira e'. poldros.
mormo real. -
Nesta. cogitagao me surpreheudeu o inquilino da
invejada locomotiva. O' raio de luz!.. bafa-
gem de esperanga que me vens perfumada do pa-
raizo terreal I...Era o meu amigo Antonio Joa-
quim I
Tu aqui I ?exclamou elle da janella da es-
talagem.
Eu aqui...e tu?!
Eu tambem aqui neste orco, neste vestbulo
do inferno / Para onde vaes?
Para o Porto, se me levarem.
Quem le leva ?
Esta pulmoeira de quatro ps.
Tem juizo, homem I Deixa i toras do Ma-
rao a burra, e senta-te ahi dentro nessa liteira.
Quando bem me convenc de que nao sonhava,
a miaba gratido
Tambem engorda bois para Inglaterra, e estu-
da, entretanto, a inconveniencia econmica da ex-
portaco dos bos.
A sua vida gasta-se as feiras, na fiscalisagao
das quintas, alguma hora muito feriada na leitura
delivros agrcolas, e sabe magistramente carpiu-
teirar.
E' elle quem faz os carros aos pequeos, as do-
badouras esposa, os engagos e as ps aos criados,
e tambem faz rocas e fusos e gamellas, tudo com
perfeigao.
J quizeram manda-lo ao parlamento, porque
Antonio Joaquim tem aptido para estudos econ-
micos, falla correntemente e ao nivel do entendi-
mento popular.
O meu amigo regeitou a candidatura, porque
egosta do sea bem-estar, e diz que nunca foi es-
! couceado dos poldros rebelles que amansou
No interior introduziu numerosas reformas ad-
ministrativas e no exterior combatea; por seu
turno, a influencia da Austria e da Prussia, esfor-
gando-se por manter a independencia dos estados
secundarios da Allemanha.
Em 1848 compriraiu os estorgos dos demcra-
tas e a muito custo se submetteu constituigao
germnica votada em Francfort em 1349.
Em 1850 recusou reconher o rei da Prussia
como imperador da Allemanhaa e foi nm dos que
mais contribuirn) para restabeleccr a confedera-
gao as suas antigs bases.
Tendo no principio do seu reinado, abrandado
a severidade da disciplina militar, em 1835, res-
tabeleceu a pena da bastonada, que estendea aos
deudos polticos c da imprensa.
Foi tres vezes casado : cm segundas nupcias
com a princeza russa Calharina Panlowna (em |
1816) eem terceiras com a actual rainha, Pauli-
na Tliereza Luiza, sua prima.
Sua irmaa Catharna foi casada com o principe
Jernimo lionaparte.
O rei Guilherme leve do segando casament0
duas Hitas e do terceiro duas filhas e um filho, o
principe real Carlos Frederico, que nasceu 6 de
margo de 1823.
Este principe, que conta 41 annos, hoje o no-
vo rei do Wirlembcrg.
O re Carlos dirigu urna proclamagao ao povo
de Wurtemberg, e garantiu por urna acta solem-
ne a inviolabilidade da constituigao.
O testamento do ultimo re dtalo de 1844, S-
M. declara nelle que trabalhra a favor da unidade,
independencia e gloria da Allemanha, c ordena que
o seu funeral seja feito sem pompa.
O prestito ha de compor-se s de tres pessoas,
alm das tropas da guarda.
O enterro ha de ter lugar em Rothemberg-Zel,
ao romper da manhaa.
No Commerao do Porto l-se o que segu :
A princeza de Galles, que pertence familia rei-
nante da Dinamarca, estava na cmara dos pares
durante o discurso de lord John Russell.
Tanto Ihe moveram o animo as explicagoes da-
das pelo ministro, que suas feigoes aecusaram a
sua dr, e grande numero de membros da cmara
alta Ibe fallaram palavras de consolaco.
Na Succia acaba de dar-se mais um passo para
a emancipagao da mulher.
O governo daquella Ierra declarou aptas as sue-
cas para o servigo dos tclegraphos, e na Gazeta
Official publicou o programma de exame a que de-
veriam sujeilar-se as aspirantes e telegraphistas.
Parece que as mulheres suecas sao as nicas
de quem pode liar-se os segredos de um fio elc-
trico.
Depois di uvengao dos canhoes raiados, eis que
se inveuta urna nova plvora de guerra, mais ter-
nvel do que o fulmi-algodo.
O Dr. Swift, chiraico americano, descobriu que
o bydrogenio sulpburado, misturado com carbone,
torma um composto muito explosivel.
O carbone absorve nvenla a c.em vezes o seu
volume de hydrogenio sulphurado, e a plvora re-
sultante, consderavelmente mais enrgica do que
a ordinaria, vera a ficar mais barata.
No dia 24 de junho de 1541 foi assassinado Fran-
cisco Pizarro, conquistador do Per e fundador da
cidade de Lima.
Nasceu na cidade de Trujillo (Kxtremadurahes-
panhola) no anno de 1430. Neste ponto ha discor-
dancia nos histiiadores. Era filho natural de Gon-
galo Pizarro, que pelejou as guerras dallaba, de-
baixo das ordens do grande capito Gongalo de
Cordova e de Tbereza Gonzlez.
L'm dos dotes que sobresahirarn em Pizarro foi
a constancia no soffnmento dos trabalhos.
Efectivamente era preciso que tosse dotado de
urna alma extraordinaria o homem que, acompa-
nhado s por treze companheiros, se atreveu a pe-
netrar em desconhecidas regies sem outro ampa-
ro seniio o do cu. Com cento e quatorze homens
sahiii do Panam o conquistador do Per, e os tra-
balhos e calamidades que soffreram toram taes.que
na ilba do Gallo o abandonaram quasi todos os expe-
dicionarios : s treze correspondern) sua con-
fianga por nao faltarem ao juramento que lhe ti-
nhara feito.
a piedade, de lhe nao quizer : Sers escriptor !
O que lhe disse foi : Viveras trabalhando at
suar. Considera, amigo, que necessario suar
para viver. E o escriptor nao sua ; logo, raorrer
anazado, qual te vejo, pobre homem Sahistes
das prescripges da natureza; torna sobre ti e cor-
rige o vicio.
Isto nao se corrige, repliquei eu.
Queres dizer-me que a imaginagao urna es-
pora ? Pe cabegoes ao espirito ; colhe as redeas,
e, se elle teimar, bate-lhc com a cabeg n'uma pe-
dra. A imaginagao que faz novellas, um talen-
to perdida, como os talentos escondidos de que fal-
la a parbola de Jess. Porque nao has de tu apro-
veitar a imaginativa em cousas, uteis ? Inventa
ura arado, um moinho, um alcatruz, nm esgotador
do ros, urna ratoeira de apanhar toupeiras, um
visco de desbastar grillos e pardaes. Dirige a ou-
tra ordem de inventos a tua phantasia, de modo
que os movimentos corporaes te fiquem desembara
Quando Francisco Pizarro viu que todos os seus,
despresando o juramento que lhe tinham feito, es-
tavam perplexos e mais inclinados a retirar do
que a avangar, e tambem para ver quaes se decla-
ravam seus amigos, langou mao da espada e com
a ponta delta fez um comprdo risco na trra para
o lado do Per, onde se encarainhavam os seus de-
sejos, dizendo :
Senhores, este risco significa trabalho, tome,
sede, cansago, feridas, doengas e todos os mais pc-
rigos e fadigas, que nesta conquista se ho de pas-
sar at acabar a vida : os que tiverem animo de
passar por elles e vence-los em tao heroica con-
quista, passem o risco em signal do seu valor em
testemunho e certeza de que me serao fiis com-
panheiros, e os qac se sentirem indignos de to
grandes faganhas voltem para o Panam, que en
nao quero torear pessoa alguma, pois que com os
que me ficarem, ainda que sejam poucos, espero
em Deas que, para maior honra e gloria sua e per-
petua fama dos que me sobreviverem, nos ajuda-
r a sua eterna magestade, de maneira que nao
nos acam falta os que se forem embora.
Fundou as cidades de Lima, Prata, Arequipa,
Parto, Len de Guaraneo e outras povoages im-
portantissimas.
Francisco Pizarro foi morto traigoeiramente por
Juo de Roda e seus companheiros quando eslava
ouvindo mssa em urna egreja da cidade de Lima,
para vingarem deste modo infame a morte de Dio-
go de Almagro.
Um sacerdote recolheu o cadver do insigne
guerreiro, envolveuo em um lengol e deu-lhe se-
pultura secreta na egreja, por lhe constar que os
amotinadores tencionavam cortar-lhe a cabega e
andar com ella pelas ras em signal de triumpho.
Assim morreu Francisco Pizarro, digno de ou-
tra fortuna, e sobretudo de melhor sorte, na edade
de 65 annos.
Francisco Pizarro teve da bella Ignez de Huayl-
las Nusta, filha do Juca Atalmapa, dous filhos, qae
se chainaram D. Gongalo c D. Francisca Pizarro :
o prirneiro falleceu ainda menino e a segunda
transmitliu posteridade o seu nome por meio do
casamento com seu lio D. Fernando Pizarro.

Ha urna cousa entre nos tao mysteriosa como o
mar, tao sublime como o recordar de perdida feli-
cidade, to magestosa e severa como o selvagem
silencio dos ermos.
E' a solido.
A soido a companheira dos sepulcros, a filha
da noute, a rma do silencio.
A soido recolheu as amorosas lagrimas da Vir-
gem Maria junto Cruz do Redemptor.
Ella falla pela lingaagem das folhas que cahem
do salgueiro que se debruga sobre a lousa de urna
sepultura, do insecto que rasteja silencioso na raz
da montanha e da noute, que a me dos amores
tristes.
A solido a alma da meditagao e o verdadero
asylo dos que choram longe do mundo.
Quantas creages grandiosas se teem arrojado
(rente dos seculos, arrancadas soido pelo ima-
ginar do sabio I
Ha alguma cousa mais phantaslica e mais so-
lemne do quo um cemiterio T Eo cemitero o
bergo da soido.
Quem dir que nao deleitosa a soido dos
bosques T
llavera porventura alguma cousa que mais eom-
movaa alma do que a soido dos mares T|
A soido urna cousa invisivel que nos extasa
onde quer que se aprsenla.
E' o porto das Virgens do Senhor, que voam a
fechar a |carreira dos seus dias na soido de um
claustro.
E* a generosa amiga dos que sofTrem e o mys-
terioso livro em que se estuda a medi'ago.
Fallecen em Java o celebre viajante e naturalis-
ta Junghuhn, muito conhecido pelos seus trabalho
curiosos e consideraveis sobre a botnica, os tos-
seis e ethnographa.
As vcisstudes da sua existencia nao abranda-
ram nunca o seu ardor scientifleo.
Sendo medico no exercito prussiano toi em con-
sequencia de ura duello conderanado 20 anuos
de priso.
Eradiu-se passados mezes, e foi depois medico
na legio estrangeira de Argel e mais tarde ao
servigo da llollanda as ilhas da Sonda, recolhen-
do nestas diversas situaces urna mullida) de ob-
servagoes que consignou em numerosas obras.
Tinha apenas 52 annos de edade.
Cala-te ahi Tu nao sabes nada do coraco
humano Antonio Joaquim! redargui eu. Casaste
mogo, ha dez annos; envelheceste no dia em que
casaste; s a materia feliz; nao cntendes o que
a desgraga nem as alegras do coraco, alegras
que se revezara com os dissabore.s, isso verdade;
mas tambem certo que tora da esphera dos teus
gozos, ha delicias da aleada no espirito, ha mulhe-
res salvadoras que as trouxeram do cu, e as der-
ramara como blsamos colhidos as colmeaes dos
anjos...
Ahi vem o estylo raraalhudo aecudiu elle.
O absurdo nao tica melhor justiticado com a lin-
guagein absurda. Voces, os narradores de iflfortu-
nios maierialissunos, os almotacs das mais puru-
lentas citagas soclaes, deviam de ser obrigados a
calarem-se, pela mesma razo quj a polica das ci-
dades obriga os mendigos a esconderem os seus
aleijoes e cancros nauseabundos E sao voces, os
expositores de ulceras, que nos aecusara de mate-
gados, e ar purc te nao v coado por vidragas aos riaeSj a nS) os que lemos uma nguagem cnaa e
for-
a minha gratido a Antonio Joaquim mal rae ca- "*" r "~ H ,,,ml
bia no peito, dilatado pelo jubilo. Marinhe ja- ,uua 1e lhe sena de Cert0 esqmva no Parlamenl
com os oulros.
Nomearam-no outras cousas da governanga, e
nella, trepando-rae n'um tronco de videira, e aper-
tei-lhe a mo, exclamando :
Para a vida e para a morte I Antonio Joa-
quim, salvaste-me Esta liteira, e as campainhas,
e os machos nao de pesar na balanga das tuas ac-
ges misericordiosas I
Disse, e desci pendurado nos galhos da cepa.
Essa apostrophedisse elleextenuou-te i...
Vem lomar caldo de gallinha.
Antonio Joaquim uma pessoa de quareota an-
nos, proprietario, casado, e residente n'uma de
suas quintas- do Minho, as cercanas de Braga.
Tem urna biographia serena, breve, e consolati-
va para quem est vezado s biographias reveza-
das e tempestuosas.
Estadou para bispo. Sua santa me sonhra
que seu lho havia de por mitra. Assim que o
menino deu tino do alphabeto, maudou-o estudar
era Braga. O pequeo foi, contra vontade do pae.
que desadorava clrigos de rquiem; mas a vonta-
de e o sonho da mulher prevalecern).
Antonio, ao quinto anno de latim,longo espa-
go que oxcedia o tempo marcado no computo de
sua mao para se realsar o sonhofoi a ferias, e
namorou-se de uma filha uaica de abastados la-
vradores. A' conta disto, corren grandes tormen-
tas o coraco de Antonio Joaquim, urnas em casa
cora a me, outras fra de casa com um rival, co-
mo ao diante se dir; mas, a final, casou, e de-
todas dechnou sobre quem as quiz, reservando
para si a gloria de escanhoar com lamina aliada
de epigrammas os queixos das autoridades, n'uns
artigos, que elle ha dez annos, manda para as ga-
zetas com esta assignatura imaginosa : Constante
leitor.
Nao ha mais que dizer do Antonio Joaquim, que
en encontrei em Ovelhinha.
Bebemos na estalagem uma agua quente oleosa
por fartar malgas, que tinham no fundo pintados
uas callos, que parecan) scorpies. Eogulimos
' uns pedagos de galliuha, que zombavam do mecha-
nsmo da tritarago, e entramos na liteira.
Erara dez da manha.
Aqu principiam as vinte horas.
Anda faies romances ? perguntou o meu
amigo.
_ Ainda... Stcdet eternus que sosdeb,
Infelix.....
fago romances, e expi os peccados de meus a vos,
neste incessaotc rodar do penedo ao alto do mon-
te, e resvalar cora elle ao fund.
Ests magro, homem I observou elle, apal-
pando-me o pescogo, provavelraente com o tacto
magistral de quem ajuizava a nutrigo dos potros
pela fibra atuchada e nediez do pescogo. Deixa-te
desse modo vis-ente, se nao aspiras mumifleago.
poz s plantas da galante menina a mitra episco- Olha que a natureza fe?, homens, nao fez litteratos.
pal, que sua me soahra, e a scienca de latini-10 Creador quando expulsoa Adao do paraizo teve
pulmoes. Dislende os msculos, agilando-os ; exer-
cita as funegoes respiratorias, aprumando o corpo
na posigao vertical; regenera o sangue, c vers
que ainda s homem.... Tenho sincera pena te ti I
Tambem eu tenho... atalhei eu.
E, depois, pego licenga, continuou Antonio
Joaquim, para ponderar que as tuas phantasias
romanescas sao, na maior parte, desnatur3es e fal-
sas.
Ora essa !....
Espanta-te; mas n3o te agastes com esta ru-
deza. Sabes que eu leio os teus romances : o
mximo sacrificio que posso fazer-te das minhas
horas de repouso. Em louvor dos teus hvros, bas-
ta dizer-te que os leio. Prendem-me a curosida-
de uns paradoxos de virtude que tu estendes a
trezentas paginas. J fizestes chorar minha mu-
lher : quasi que m'a ias fazendo nervosa t Foi-
me preciso dizer-lhe quo tu mentas como dous
ministerios, e que timbravas em ter um estylo de
cebla ou de mostarda de sinapismos que fax re-
bentar chafarizes de pranto. Nem assim conse-
gu desacreditar-te I Assim que sahe romance
teu, minha mulher, combinada com o edictor, sec-
ca-me a paciencia, at que o livro chega de Braga
entre um papeligo de assucar, e o sacco do arroz.
A pobre mulher comega a chorar no titulo ; estre-
nouta-se a 1er ; e, ao outro dia, est desolhada, e
amarella como as doze mulheres phthysicas, que
tens levado sepultura n'um rio de lagrimas. Tens
romances, meu amigo, que montem desde o titulo.
Comeoei, pouco ha, a ler nm que se chama : < A
malher qae salva.
Entao, acud eu, qae tem esse titulo 1
Nao tem senso-comjnum.
Bslou pasmado 1....... Pois a mulher que
salva...
Nao ha mulher nenhuma que salve. Homem
perdido por uma, nao pode ser salvado por outra.
juizo claro como ella, para censurar e desadorar
demonios incriveis que nos apresentam, ao lado de
uns anjos nnpossiveis. Se vos vamos mo, pondo
em duvida a existencia sublunar de muUieres que
salvam, ahi vens tu e os teus collaboradores da
mentira, gritando em estylo frondoso que ha mu-
lheres portadoras de blsamos eulestiaes, colhidos
as colmas dos anjos. Ceboloriol Tanto creio eu
nessas mulheres como as colmas dos anjos, cujas
abelhas sao os proprios anjos. Anjos para tudo!
um desperdicio espantoso de potestades celestiaes
o que fazem os escripiores moda. Se vos fecham
o cu, como fecharam o empyreo aos poetas de ha
sesseuta annos, palavra de honra que nao sei onde
voces ro buscar o lastro dos seus poemas e ro-
mances I Iris a pique falta de peso as frageis
(abombas..
Parece que chegas impando scienca das co-
vas de Salamanca I interrompi eu offendido em
dome dos meus collegas. Ser isso molestia de es-
pirito que se te pega do macrob smo da liteira?!
Eu nao admiro que Volney sentado as ruinas de
Palmyra pregasso cavatnente acerca das ruinas dos
imperios e da humanidade; e menos admiro que
um homem de razao esclarecida como tu, bambea-
do n'uma locomotiva como esta, se sima levado aos
tempes do Feliz independente, e desdenbe do ro-
Imanee moderno, contemporneo do vapor!
A minha questo outra, contraveo o meu
amigo. Nao louvo nem detraio o que se fazia ha
cem annos. Reprovo a contrafaccao dos typos que
modernamente se do no romance, e com particu-
lardade nos teus romances. Qundo eu lia novel-
las, pretoria as da escola dos castellos lbregos, dos
phantasmas da meia noute, dos vampiros qae dis-
pensa vam as sanguesugas e dos carnfices de olhos.
esbugalhados, que relampejavam as trevas das
masmorras. Isto entretinha-me e horrorisava-me,
em quanto lia. Lido o volume, clava uma gargalha-


da, e dizia em elogio do autor : Que grande pa-
tusco Porm, se lia algum raro romance da es-
cola real ou realista, como dizera os Francezes,
acabada a leitura, nao ra; ficava-me ascismar
tristemente, e dizia comigo: Isto c verdade ; o
mundo assim; as miserias do genero humano ar-
gumentan) contra a perfeigao das obras divinas des
astros para baixo. O physico do homem admi-
ravel como o physico do Insecto microscpico ; mas
o moral do hornera repeliente, hediondissimo !
Aqui tens a causa da minha abominacao dos ro-
mances trasladados da natureza. Agora, cuido eu
que ha uma escola mixta, qual pertence os teus
livros.
Mixta?!
Sim : voces inventan) virtudes mpossiveis
de par com perversidades incoinbnaveis. No mes-
mo capitulo offerecem-nos a mulher nua exsudan-
do o pus da gangrena moral, e outra mulher ves-
tida com o manto das virgens, e rescendendo aro-
mas das fiorinhas do Hybla. Ao lado do plebeismo
da laverna o orientalismo das magnificas figuras
da Biblia.
Pois se a sociedade isso repliquei eu. Se
a vida esse mixto, que te repugna, como queres
tu que se escreva, Antonio Joaquim?
. A sociedade nao isto, homem! Toda a des-
graga commum tem uma razao de ser; todo o cri-
me tem uma face commovente qne exora perdo
para o delicio repugnante. Nao ha crime absolu-
tamente imperdoarel; tambem nao ha virtude im-
maculada. Neg que se confrontem duas mulheres
e se diga: < Esta mulher perdeu um homem ;
aquella mulher salvou-o. > A que perdeu resvala
de degru em degru ; a que salvou levanta-so por
entre as nuvens fra, at se esconder analyse do
espirito hnmano. Uma entra no inferno sem dar a
razo por que o romancista a mandou para l; a
oulra bate s portas do cu, e enlende que nao vi-
ve honestamente em companhia das onze mil vir-
gens.
Isso nao questionar ; fazer espirito, in-
terrompi. Seja o que fr, uma cousa que depoe
vantajosamente a fazer da tua habilidade galho-
feira. Era todo o caso, emendes tu que nao ha mu-
lher qne salve I
Emendo. Cousa que salve ha uma s :
experiencia das mulheres que perdem. Ainda ha
uma outra que nao ouso dizer-te com medo quo
julgues um zorabeteiro de mu gosto.
Qae cousa essa ?... diz l !
E' uma egna brava.
Uma egua brava? Quemaganol
Ouve l a historia de uma egua que salva.

i
'
(Continuar-te-ha.)
PERNAMBUCO.-TYP. DE M. F. DE F. c FILH
-1EGVELI


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EL5MUT1X6_7W60XS INGEST_TIME 2013-08-27T21:00:48Z PACKAGE AA00011611_10430
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES