Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10425


This item is only available as the following downloads:


Full Text
-
AHIO XL.
// sJ -


Per tres ezes adiantados 5$O00
Por tres mezes vencidos 6[000
Porte ao correio por tres mezes. #750
TERCA FEIRA 26 BE JLHO
Oh
Por auno adiantado.....I900O
Porte ao correio por um aono. 3$000
INCARREGADO DA SUBSCR-gO NO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Aracatv,
r. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos d9
Oliveira; Maranhao, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Manoel Pinheiro & C; A-
mazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPTO NO SUL-
Alagoas, o Sr. Claudino Falcao Das; Baha, o
rr. Jos Marlins Alves; Rio de Janeiro, os Srs. Pe-
riera Martins ^ Gaspariuo.
PARTIDA DU ESf AFEAS.
Olinda, Cabo e Escada todos os dias.
Igutvrassu', Goyanna e Parahyba as segundas e
sextas-feiras.
Santo Antao, Gravat, Bezerros, Eonito, Caruaru',
Altinho e Garanhuns as.tercas feiras.
Pao d'Aiho, Nazareth, Limoeiro, rejo, Pesqueira.
Iugazeira, Flores, Villa Bella, Tacanm', Cabrob,"
Boa Vista, Ouricury e Exu' as quartas feiras.
Serinhem, Rio Formoso, Tamandar, Una, Barrei-
ros, Agua Preta Pimenteiras as quintas eiras.
Ilha de Fernando todas as vezes que para ali sahir
navio.
Todos os estafetas partem ao >/j da.
KPHEMER1DES DO MEZ DE JULHO.
3 La nova as 10 h., 5 m. e 13 s. da m.
12 Quarto cresc. a 1 h., 26 m. e 14 s. da m.
I!) La cheia as 1 h., 15 m. e 14 s. da ni.
25 Quarto ming. as 6 h., 2G m. e 8 s. da t.
PRKAMAR DE HOJK.
Primeira as 9 horas e 18 minutos da manhaa.
Segunda as 0 oras e 42 minutos da tarde.
PARTIDA DOS VAiORE3 COSTEIRO.
ParOKU at Alagas a 5 e 25; par* o norte at
a Granja 7 e 22 de cada raez; para Fernando nos
dias 14 dos mezes de jan. marc., maio, jal, set. enov.
PARTIDA DOS MNIBUS.
Para o Recife : do Apipucos s 6 Vi, 7, 7 Vi, 8 e
8 Vi da m.; de Olinda 8 da m. e 6 da tarde; de
Jaboatao as 6 >/2 da m.; do Caxang e Varzea s 7
da m.; de Bemtica s 8 da m.
Do Recife : para o Apipucos s 3 '/. *. 'A. Vi,
5. 8 Vt> Vi e 6 da tarde; para Olinda s 7 da
manhaa e 4 Vi da tarde; para Jaboatao s 4 da tar-
de ; para Gachang e Varzea s 4 /i da tarde; para
Bemficas i da tarde.
AUDIENCIA DOS TRibUNAd DA CAPITAL
Tribunal do corumercio: segundas e quintas.
Relaco: tercas e sabbados s 10 horas.
Fazenda: quintas s 10 horas.
Juizo do commercio: segundas s 14 horas.
Dito de orphaos: terca- e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel: tercas e sextas ao meio
da.
Segunda vara do civel: quartas e sabbados a 1 hora
da tarde
DIAS DA 8SMANA.
25. Segunda. S. Thago ap.; S. Christovao ni.
26. Terca. Ss. Symphronio e Olympio nim.
27. Quarta. s. Pantaleao medico.
28. Quinta. S. Innocencio p.; S. Nazario ni.
29. Sexta. S. Martha v.; S. Beatriz ni.
30. Sabbado. S. Donalilla v.; S. Itulino m.
31. Domingo. Santa Auna mae da mae de Deus.
ASSIGNA-SE
no Recife, em a Ifvraria da praca da Independencia
ns. 6 e 8, dos proprietarios Manoel Figueiroa de
iFaria t Filho.
PARTE QFFiCIAL
(OTOO DA PROVINCIA.
Continuario do expediente do da 21 de julho
de J 861.
Oflcio ao inspector da tliesouraria de fazenda.
Remeti V. S. em duplcala, para os convenientes
exames, as conlas documentadas da despeza do hos-
pital militar no mez de junho ultimo.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.
Em sulucao as duvidas suscitadas por V. S. em
lucio de 13 do corrente, tenho a responder :
1." Que havendo sido Horneado os professores de
instruegao elementar e de mathematicas do Gym-
uasio e os da Escola Normal e mais empregados
por forca da le n. 398 nos arls. 4 e 19 g Io e 33,
e lateado parte do corpo de eosino da provincia
aquellas instituigoes pela verba Instruccao publi-
ca que devem correr as despezas necessarias
para o pagamento do respectivo pessoal e satisfacao
de outros mysteres, convindo abnr-se opportua-
inente um crdito supplementar, se por ventura for
esgotada aquella consignagao, conforme a autorisa-
go da lei n. 375;
2. Que os professores nomeados para as duas
cadeiras ltimamente creadas no Gymnasio devem
pereeber os mesmos vencimentos dos que all exis-
tiam, segundo a disposigao da lei que nivelou os
honorarios de todos os professores, exceptuando
determinadamente os que deviam ter menor retri-
buico.
Assim o entendo por julgar que a palavraor-
denadode que se serve a mencionada lei em re-
ferencia ao professor de mathematicas comprehen-
de em sua excepgo genrica os vencimentos de
gratificacao concedida aos demais professores do
Gymnasio, nao militando razio alguma procedente
para que lique menos favorecido o que foi nova-
mente creado.
Tambera julgo que, sendo o Gymnasio um esta-
Lclecimenlo todo especial e dirigido sob condigoes
propnas, e diversa da que regulam as escolas de
ensino elementar, seus professores devem auferir
vantagens diferentes.
A' vista do que recommendo V. S. que mande
abonar opportunamente aos dous referidos profes-
sores o mesmo ordenado e gratificagao que ora
percebem os demais do Gymnasio;
3." Que tendo a lei clasificado no mesmo grao
todas as cadeiras de instruccao primaria, conser-
vando os vencimentos dos actuaes professores,
claro que nenhuma alteracao quiz fazer acerca dos
seus vencimentos que continuaro a ser percebidos
como at aqui.
Mas como outro possa ter sido o pensamento da
lei referida acerca das duvidas levantadas e que
por mim estao resolvidas na forma que fica expres-
sada, esta presidencia opportunamente sollicitar
da asseuibla legislativa provincial, a precisa inter-
prelacao authentica.
Dia 22
Oflicio ao commandante das armas interino.
Pode V. S. mandar dar baixa ao soldado do corpo
de guarngo Francisco das" Chagas Paes Brrelo,
aceeitando o paisano Antonio Jos de Carvalho,
para acabar o tenipo complementar de servico do
mesmo soldado, visto que o substituto ofiereeido
est as condicoes do regulamento de 28 de setem-
bro de 1839, segundo V. S. declarou em sua infor-
macao n. i,292 de 21 do corrente.
Dilo ao mesmo.Informe V. S. sobre o que pede
Maria Anglica oe Mello no incluso requerimento.
Ditoo ao mesmo. Com copia do offlcio do juiz
de .iireito interino da comarca de Cabrob, datado
de 20 de junho ultimo, remetto V. S. o resultado
da inqoircao de testemunhas a que se proceden no
alzo municipal daquelle termo acerca do proced-
ment criminoso com que se houve o 2" sargento
do corpo de guarnieao Joao Evangelista Leal em
urna deligencia para capiura do criminoso de mor-
te Josa da Costa Araujo, quatro lilhos deste e tres
escravos.
Fica assim satisfeito o que sollcitou esse com-
mando Je armas em offlcio n. 708, de 18 de abril
prximo passado.
Dilo ao mesmo.Informe V. S. sobre o que pe-
di- o 2' lente reformado do exercito Epiphanio
Borges de Menezes Doria no incluso requerimento.
Dilo ao mesmo.Em deferimenlo ao requer-
ment incluso do soldado da companhia de caval-
laria Januario Leonor de Albuqu'-rque sobre nue
versa a sua informacao n. 1291 de 21 do corrente,
autoriso V. S. a mandar dar-llie baixa, aceitando o
paisano Manoel Jonqtiim de Sant'Anna que o sup-
plicante offerece para acabar o tenipo complemen-
tar de servico, visto estar as condicoes do regula-
mento de 28 de selembro de I8-j9 corno consta de
.sua informacao.
Dilo ao inspector da tnesouraria de fazenda. -
l'orconla da qaantia posta disposic'w da presi-
dencia t>ara concerios e reparos do respectivo pa-
lacio mande V. S. pagar a Theodoro Kampk
l.SS-*il)0, constantes da inclusa conta.
Dito ao mesmo.Mande V. S. ajustar contas e
passar guia de soccorrimenlo ao 1" lente da ar-
mada Lucio Joaquim de Oliveira, u.ue foi exonera-
do ilo lugar de ajudante da inspeecaodo arsenal de
mannha e teni de seguir para a corle.Olllciou-se
agencia dos vapores para dar passagem ao predi-
to lente para a corte no primeiro vapor que pa-
ra all seguir, e commniiicou-se ao commandante
das armas.
Dito ao inspector da ihesourarn provincial.Se
nao houver inconveniente, mande V. S. pagar a An-
tonio Domingues de Almeida Pog-as a quantia de
Hi'i5200, sendo 1035200 despendidos no trimestre
de abril a junho de;t anno, com o sustento dos
presos pobres da cadeia do termo Agua Preta, e
6O000, preveniente do aluguel de G mezes, venci-
dos em junho j citado, da casa que all serve de
cadeia, como se v dos inclusos documentos que
para esse lim me form remeltidos pelo chefe de
polica com oflicios de hontem, sob n. 873 e 878.
Communcouse ao Dr. chefe de pnlicia.
Dito ao mesmo. }Em vista dos inclusos do-
cumentos, e nao havendo inconveninte, mande V.
S. pagar ao pharmacenltco Leocadio Jos de Figuei-
redo a quantia de 29,5660, despendida durante o |
trimestre de abril a junho de-te anno, com o cura-
tivo dos presos pobres da cadeia do termo de Goian-
na. Communicou-se ao Dr. chefe- de polica.
Dilo ao desembargador Alexandre Bernardino
dos Res e Silva. Coostando-me que V. S. foi no-
meado para o lugar de adjunto do tribunal docom-
mercio desta provincia, recommendo-lhe que entre
quanto antes em exercicio independente de titulo,
que apresentar no praso de 3 mezes.
Dilo ao commandante do presidio de Fernando.!
Para ser submeltido a novo julgamento, como
solicitou o Dr. chefe de polica em officio n. 875 de
21 do corrente faga V. S. reguessar a esta capital
na primeira opportunidade o sentenciado de ustica
condemnado a 8 annos de prlsn com trabalho pelo |
jury de Serinhem Antonio Florencio da Paixo j
Communicou-se ao Dr. chefe de polica.
Dito ao mesmo.Communico V. S. que falle-1
ceu na enfermara da casa de detencao em 17 do
corrente, como participou-me o r. chefe de poli-
ca em oflicio de 20, o sentenciado Joo Luiz Pl
reir que veio desse presidio em consequencia de!
requsicao do juiz municipal da 1* vara datada de
22 de novembro de 1862.
Dito ao commandante-superior da guarda naci-1
nal do Recife.Com copia da informacao ministra-
da pelo delegado do 2o distrido desta capital, res-
pondo ao offlcio de V. S. n. 93 de 30 do mez Ando
sobre a suspenso do servico de rondas nocturnas
solicitadas pelo respectivo commandante para os
guardas nacionaes do balalhao n. 8 de iiitautaria
deste municipio.
Dito ao mesmo.Tendo sido postos em liberda-
de, como se v do expediente do governo publica-
do no jornal encarregado desse servico, os guardas
nacionaes meucionados na relacao junta ao oQlcio
i desse commando superior n. 100 de 19 do corren-
te com excepeo dos de nome Jos do Monta Fer-
reira e Luiz de Franca e Souza : assim o declaro
V. S. em resposla ao seu citado oOlcio.
Dilo ao commandante superior da guarda nacio-
nal do Rio Formse.Para que eu possa solicitar
do governo imperial providencias no sentido de ser
creada, como propoe V. S. em seu oflicio de 28 de
junho ultimo, urna seecao de reserva no municipio
do Serinhem, faz-se necessario que esse com-
mando superior demonstre por meio de mappa a
forfa de reserva existente no mesmo municipio.
Dito a direclor das obras militares.Approvq o
ajuste que V. S. fez com Francisco Jos de Brito
segundo o seu oicio n. 90 de 21 do corrente, para
executar a caiadura e pintura do quartel da com-
panhia de artfices pela quantia de 3405.Com-
municou-se ao inspector da thesouraria de fazenda.
Dito ao mesmo.Fica approvado o ajuste que V.
S. segundo communicou em oflicio n. 89 de 21 do
corrente a que respondo, fez com Jos Pereira de
Alcntara do O', para executar a pintura de que
precisa o hospital militar.-Communicou-se a the-
souraria de fazenda.
i Dilo ao chefe interino das obras publicas.To-
mando em consideracao o que Vmc. expoz em seu
oflicio de 18 do corrente, sob n. 183, tenho a dzer
em resposla que approvo a proposta, nelle contda,
de ser o conductor interino Manoel Lourenco de
Mallos encarregado provisoriamente das funecoes
de secretario dessa repartico e o conductor elfec-
livo Joaquim Galeuo Coelho, incumbido de inspec-
cionar os trabalhos da estrada do norte.Com-
municou-se ao inspector da thesouraria provin-
cial.
Dito ao mesmo.Inteirado de quanto Vmc. ex-
poz, em sua informacao de 20 do corrente, sob n.
1880. o autoriso a mandar executar por empreila-
da ou arrematacao, como mais conveniente for aos
interesses da fazenda os concertos de que necessi-
tain as pontos da estrada de Olinda, que deixaram
de ser arrematados por falta de licitantes, urna
vez que nao se exceda a quantia em que foram el-
le oreados.Communicou-se thesouraria pro-
vincial.
Dito ao promotor publico de Garanhuns.Infor-
l me Vine, com urgencia em quanto poder impor-
l larannualmenle (termo medio) o imposto de 23O0
. rs. do gado vaceum consumido nesta comarca, des-
enminando-se cada um do seus municipios.
; Iguaes aos prouioiores pblicos do Breje, Flores,
', Cabrob e Roa-Vista.
Dito ao vigario da freguezia de Santo Antao.
Cumpre que Vmc. me remetta com toda a urgen-
cia e sob responsabilidade o mappa dos bitos ha-
vidos nessa freguezia no anno de 1861 a que se
referem os oflicios desta presidencia de 31 de ja-
' nciro, 29 de julho do anno passado, 2i de feverei-
ro e 28 de abril ultimo.Igual ao vigario da fre-
guezia de Quipap.
Dito ao juiz de paz mais votado do 1' distrcto
da freguezia do Poco da Panella.Respondendo ao
oflicio que Vmc. dirigio-me em 19 do corrente, pro-
pondo novas duvidas pelas quaes nao fez a convo-
cacaoda junta de qualilicaco dessa parochia, co-
mo Ihe fui determinado eni oflicio de 20 de junho
ultimo, e 16 do corrente, tenho a dizer-Ihe que as
referidas duvidas encontram soluco na lei regu-
lamentar das eleicoes e avisos do governe cnados
por Vmc. em :-eus uilferentes oflicios, e Ihe deter-
mino que sob responsabilidade convoque a referi-
da junta para proseguir nos trabalhos de sua se-1
gunda reaoiao no dia 28 de agosto prximo vln-
douro : cerlo de que nesta dala oflicio ao seu subs-
ltalo legal para que no caso de demora no cun-1
primento desta ordem Ihe d prompta execucao.eo-
mo ver Vine, da copia annexa.
Portara.-O presidente da provincia, confor-,
mandse com a proposta apresenlada pelo teen-
te-coronel commandante do balalhao n. 32 de in-1
antaria da guarda nacional do municipio do Ex,,
sobre que iuformou o respectivo commandante su-
perior em oflicio de 24 ultimo, resol ve nomear ca-1
pitaes os cidados Pedro Alves de uliveira Castro'
e Amonio Luiz Peixolo de Barros, este para a l'l
companhia e aquelle para a 5* do mesmo bata-1
Ihao, visto que na organisaco deste nao foram |
pi eeneliidos esses postos.Cornmunicou-se ao res-;
peclivo commandante superior.
Dita.-U presidente da provincia, lomando em
consideracao o que solicitou o inspector da tiie-,
souraria provincial em oflicio de hontem, sob n. |
298, resol ve abrir um crdito supplementar na im-
portancia de 1:1615708 rs. para que pelas consig-
nagoes votadas nos s, Io, 2o e 3 do art. 31 da lei
do ornamento do exercicio prximo lindo em liqui-
dacao possa ser paga a porcentagem vencida no
trimestre de abril a junho deste anno pelos pro-
motores scaes, collectores e escrivaes destes. '
Remelteu-se por copia thesouraria provincial.
Dita. O presdeme da provincia, attendendo ao
(pie Ihe requereu o ajudante do porteiro do hospi-
tal militar Manoel Pereira Camello Pessoa, e ten-
do em vita a informacao da thesouraria de fazen-'
da datada de hontem, resol ve conceder-lhe tres me-!
zes de licenca com vencimentos para tratar de sua
sade dentro da provincia.
Despachos do dia 22 de jnlho de 1861.
Requerimentos.
Antonia Felicia da Coflceicao. Concedo, sendo
este requerimento presentado ao Sr. capito do
porto.
Antonio Pereira da Silva.Indeferido em vista
d informacao.
Benjamn Viriies Dulra.Indeferido em vista da
informacao.
Candida Carolina do Nascimenlo Mello. Infor-
me o Sr. desembargador provedor da Sania Casa
do Misericerdia.
Cosma Joaquina de Lima Nunes.Nao estando
contemplada a cadeira da Boa-Viagom as que fo-
ram ltimamente creadas, nao pode por ora ter
lugar o que requer a supplicante.
Feliciaoo Rodrigues da Silva.D-se nao haven-
do inconveniente.
Isidoro de Freitas Gamboa.Nao tem lugar.
Jeronymo Theotonio da Silva Loureiro.Passe
portara concedendo a licenca pedida com venci-
mentos.
Joaquim Antonio de Castro Nunes.-Nao pode
ter lugar o que requer o supplicante.
Tenente Lucio Joaquim de Oliveira.Expedo-
se ordem no sentido que reqner.
O mesmo. dem dem.
Luiz Antonio Joaquim de Azetedo. O suppli-
cante nao priva isengo legal.
Landelino de Luna Freir.Informe o Sr. des-
embargador provedor da Sania Casa de Miseri-
cordia.
Manoel Nunes Correa. O lugar que requer o
supplicante tem de ser prvido por concurso, no
qual peder apresentar-se querendo.
Prxedes da Silva Gusmao. Em vista da infor-
macao do Sr. engenheire chefe da repartigao das
obras publicas, nao pode ser aceita a proposta do
supplicante.
Thomaz Antonio Ramos Zanv. Nao pode ter
lugar. I
INTERIOR.
RIO DE Jtviiuo.
0 conselheiro Sergio de Mace-io
E
AS DISCl'SSOKS SOBRK ESTRADAS DE FERRO.
| Pensava poder conservarme at o fim estranho
I a discussao de incidentes.a que se tem alludido na
cmara dos senhores depntados, relatorlos a tran-
saegoes que precederam conslrucgao da estrada
de ferro de D. Pedro II.
Ha muilo tempo que no mais completo silencio
tenho deixado dizer tudo o que cada um tem que-
rido sobre esse acto de minha gest'0 em Londres,
e_ tenho dexado repetir urna miseravel insinuagao,
lao absurda que por si cahe, e quando nao fosse
tao absurda ainda assim nao podia ferir-me.
O que se passou, porm, na sesso da cmara
dos senhores deputados de 30 do mez findo, veio
lirar-me deste proposito. Disse o Sr. C. Madu-
reira :
O nosso ministro foi Iludido, fez um contrato
milito oneroso, o qual tambem se explica por
essa transacrao orculta que se deu para arredar
a concurrencia, ou para que a concurrencia nao
apparecesse em publico. Assim o contrato Pri-
ce teve de carreyar com um premio, arrhas ou
commissao estranha ao custo da estrada.
O Sr. C. Otloni, respondendo" a isto e negando a
existencia de concurrentes, ajuntou:
Se em Londres o emprezario deu alguma
gorgeta, f-lo s oceultas, nada consta offlcial-
. mente.
Comecarei pelo Sr. C. Madureira, que labora em
.dous grandes erros:
1." O contrato Prlce nao foi nem muito oneroso,
I como elle disse, nem levemente oneroso.
O que foi demonstrado sem reutago em 1855, a
evidencia dos fados, a confronlagao com tudo o
que subsequentemente se tem feito em materia de
contratos e conslrucgoes anlogas nao deixam so-
bre isto a menor duvida, apesar do constante em-
penho de fazer sobresal ir os menores defeitos desse
contrato e de repetir que elle foi mo.
2. Nao verdade que houvesse concurrencia a
Mr. Price nem que elle tivesse tido de pagar para
arreda-la somma alguma estranha ao custo das
obras. Elle pagou 5,000,0,0 pelas plantas, nive-
lamenlos, desenhos, orgaraento, etc., feitos pelo en-
genheiro Auslin por conta de urna tercelra pes-
soa. O levantamento desses planos despeza in-
dispensavel de toda a empresa deste genero, e se o
nobre denotado quizer informar-se ha de achar
que, mesmo guardadas todas as proporgoes, em
outras se dispendeu muito mais.
Serei o mais conciso que puder na exposieao a
que sou provocado.
Para ter as estradas de ferro quanto antes e nao
esperar o fim da guerra da Russia, nao se duvidou
impr ao thesouro e s provincias dous grandes
onus: 1, os pregos elevados d lempo de guerra
e crse; 2, o pagamento desses mesmos pregos
quatro ou pelo menos tres vezes, porque a tanto
monta a garanta de juros de 7% por 90 annos,
quando o governe podia obter em Londres os mi-
Ihes que quizesse a juro menor de 5%.
_0 contrato Pnce celebrado per mim no intuito
nos de desembaragar a empreza das difliculdades
com que eslava lutando, mas de combater e inuti-
Usar este desproposito (posso boje exprimr-me!
assim sem temor de olfender aos nobres caracteres,'
que, reconhecendo e confessando agora o seu en-
gao, mas se elevam) foi o meio com que o govor-:
no imperial cou habilitado para evitar ou minorar
aquellos dous onus, formando aqu urna companhia '
nacional.
Se os precos doconlrato Price sao exagerados, I
limii iram-se a menos da 7" parle da empreza, e a I
garanta de juro pode ser limitada a 33 annos, e
portante ao pagamento do seu cusi urna s em
lugar de (res vezes.
Calculado o custo da estrada em 38,000.0005 a
economa resultante desta limtacao de lempo vem
a ser de 76,000:000;>000.
Um contrato de 5,000:0005, de que provm tao
avallado lacro, rousa pouco conbecida no mundo
linanceiro. Cliama-io oneroso contrariar a ver-
tltitlt- conlieciJn por tal.
Picoa demonstrado em 1835 que os pregos do
conlrato Price foram o resultado da comparacao
dos ornamentos feitos em 1832, e admiltidos pelo
governo imperial como base de ajustes e contrtalos
com as pessoas que aqui dispatavam a concessao
do privilegio.
Basta repetir a seguinte confroniacao. O cusi
por milhadas estradas de ferro centradas naquellc
tempo, nao comprehendidas estaces de trem ro-
dante, foi, na da Babia 21,621, na de Pernambu-
co boje se reconbece que excedeu de 18,000, na
de Mau pouco mais ou menos 13,000, na do con-
trato Price 13,870.
Se para desembaragar a empreza do Rio de Ja-
neiro dos obstculos "que Ihe oppunha o conflicto
dos interesses, se para proporcionar ao governo
um meio de livrar o thesouro de tao grandes encar-
gos, oneroso o sacrificio que pode representar
aquelle prego de 13,870 por mlha, como qualifi-
car os precos daqaellas outras estradas em que se
nao teve de aiiender a tao grande consideracao
unaaceira ?
Nao de menos importancia a outra considera-
gao que ti ve em vista. As circunstancias eram
ms, breve deviam melhorar. A experiencia e
estudos nos habilitaran) mais larde a fazer as
mesmas obras com menos dispendio. Concedendo
a urna companhia, ou a tim individuo a empreza
toda, aceilavam-se para sempre, como se fez as
outras, os encargos daquella quadra e o tributo da
inexperiencia. Celebrando um contrato por menos
da 7* parte do valor oreado, ficou segura a vanta- i
gem de se aproveitarem as seis outras partes
melhores lempos, as lices da experiencia, e os
recursos que se baviam de crear.
l'm dos beneficios do conlrato Price foi reve-
lar-nos^ os talentos do Sr. C Oiloni. Em materia
porm lia complicada, mesmo aos grandes talentos,
inevitavel apalpar lanto, errar tontas vezes antes
de acertar, que apesar de tres annos de experien-
cia e de muilo trabalho, o contrato que S. Exc. fez
em 1858 para as obras da 2 secgn, confrontado
com o contrato Price nos pontos em que este foi
censurado, aprsenla tristsimos resultados, de
que passo a expr smente alguns:
Era natural que contratando um servigoem pato
descoubecido, e onde elle era inteiramente novo,
os primeros empreileiros, mesmo os da Babia e
Pernambuco, que linham levantado planos e orga-
mentos seus, e com mais razo Price que se servia
de planos feitos por conta de outros, exigissem
maior margem do que na Europa se d para as
despezas imprevistas, erros de apreciagao e de
calculo, difliculdades inherentes ao clima, e outras
circunstancias.
A companhia fazia sua cusa a medgao c exa-
me dos trabalhos executados, e o calculo do custo
segundo o conlrato. Os empreileiros de nada mais
se oceupavam do que de receber da companhia os
pregos do seu contrato, metler na algibeira seu lu-
cro, e pagar aos sub-empreiteiros o quinhao que
Ibes toca va.
Segundo ex poz o Sr. conselheiro Otloni em ofli-
cio ao ministro do imperio em data de 17 de Ja-
neiro de 1839, o contrato com o sub-empreiteiros
da decima dirisao dava os resultados seguintes :
'veros pagos por jarda cubica.
Pela com- Pelos em- Lucro
panhia
aos emprei-
leiros.
como j vimos que as obras facis elles oblinham
lucro muito maior, ficou de lodo nulla esta cautela.
Nem os instrumentos machinas serviam de ga-
ranta por que se estipulou ( clausulas 13a e 17* )
que a companhia emprestara aos empreileiros o
que a lei os faz de
Excavagao em trra.
Dila em pedra sola.
. Dita em pedreira...
I Transporte exceden-
te a 600 ps por
100 ps.........
I Boeiros direitos___
Calcamento........
i Paredoes verlicaes..
i Ditos inclinados___
15000
25300
45000
5081)
165000
95000
ram emprestados contra hypotheca de machinas
que naquella data S. Exc. avaliava em 100:0005.
O resultado desta ausencia absoluta de garanta,
preiteiros dos e de ter sido a directora eonstrangida a acceitar
aos sub- emprei' os nicos empreileiros que c vicram, foi que estes
emprei- leiros.' quando Ihes conveio, declararam nao poder execu-
I tar o contrato de 1838. e-a directora, para evitar
5230 os males que viriam da fallencia dos empreileiros,
15000 teve de passar pelas forcas cantinas. Por contrato
15100 de 15 de junho de 1861 exom-rou-os das obras dif-
ficeis (tunis;, em que elles nao queriam perder
parte dos ganhos oblidos as facis. A caugo re
teiros.
5730
15300
25000
5030
65000
45000
45000
45000
5030
IO5OOO
55600
45000
4500
claro
sujeitar-sc s condicoes de
pender.
Apresenlaram-se concurrencia duas emprezas
rom seus orcamenlos, planos, nivelamentos, etc.
Teixeiras Leite, e ouira do Sr. tiscon-
com aquelles
apresentou-se
mpromeltendo-se
capital de
prescindir da garanta de juros,
entregando no fim de 90 annos a estrada e seu Irem
ao governo.
0 Sr. Cochrane declarou que tambem prescinda
da garanta de juros, e reclamara ao dreto que
linha ao seu contrato de 1849. Esle dreto Ihe foi
reconhecido.
As garantas de exeengao offereeidas pelo Sr. T.
Ottoni se redaziam ao seguinte :
Prometlia incorporar a sua companhia denlro de
um anno; se dous annos depois nao desse comego
aos trabalhos, ou >e em doze os nao concluissc.pa-
de outras cencessoes.
Poda entrar em mais
rilhar outros factos. Parece-me
85001)
Ha aqui evidentemente lesao enorme,
que a favor dos empreileiros, porque ou recebem
I da companhia pregos enormes, ou pagam aos sub-
I empreileiros precos lesivos.
I Para pensar-se que sao estes as victimas, ha o
: fado de em Janeiro de 1839 lerero elles levantado
! quexas que ne meu relatorio ao corpo legislativo
expuz nos seguintes termos :
Asqueixis dos sub-empreiteiros tem-se refe-
I rido nao s ao baixo prego por que se encarrega-
ram das obras, mas principalmente :
1." Ao arbitrio com que sao feilas, segundo
allegam, as medigoes e avaliagoes por faltarem n-
teiramenle os dados que a sciencia prescreve ;
t 2., a demora dos pagamentos e retengao de
, parte destes;
3.", Mace diligencia com que os engenheiros
da companhia Ihes fornecem os planos, niveiamen- do e procurando aggratar nesse contrato Price,
tos, e perfis que devem dirigir seus trabalhos, cau- feito pressa, por que a occasiao fugia, feito sem
sando-lhes com isso perda de tempo. os mesmos elemeutos para acertar e debaixo da
Cumpre observar que todos estes vexames de-' preoecupagao de questoes linanceiras de tao
viam, em razio do dispendio em salarios a obrei-1 de alcance,
ros parados, elevar muito consideravelmente as
despezas dos sub-empreiteiros, entretanto elles sup
ou ultimar os trabalhos e Ihe comminaria a mulla
de 6:0005 por semestre, e imposta a multa do 2"
semestre segnia-se a perda do conlrato.
Nao procuro explicagoes a esta proposta
los empreileiros a favor da companhia pelo fado
de nao concluirem as obras. Essa quantia eleva-
va-se a 665:1675153, como se v no j cita-
do oflicio ; a directora deixou-a toda aos em-
preileiros. Finalmente contralou com um delles
mesmos aconclusao das obras di ficis, el
nun-
rto
van 1 ca iit0 se disculi0 l"-'la imprensa. O que ce
,."". "P"-'. se a ajudicaco do privilegio, com a garanta
StSBR WOSXlfJStXS J ? En
bica, passaram a ser pagas a raziio de 605,e as ex-
^ava??_es.eni tune,-Passaram e 225600 a 255,alm : Visconde de Barbacena, ou pelos capitalistas "a quem
r\ C r" Pnnh man* >i> ^ I- %___. # .'1.__... .
narticiilarid- ^r" Cocnrane J ,in,u Iransferdo seos direitos.
norm t>r hf, CrrHU m;"3 Uln :,DQ0- e em Janeiro de 1853 '"
para mostrar que o contrato americano" n.ham "as3adP.os V' P'>eiros da contrato Co-
gran
Execurao dos dous contratos.
Price obrigou-se a construir urna boa e solida es-
K22L5* 0S facrificios durante ci"co : Irada de ferro (clausula I" in principio) e a empre
eisso prova que os pregos convenc.onados anda m ^ ^ ^
davam margem para esses inesperados dispendios.
Elles s se revoltaram e pediram providencias tai-
vez quando souberam a que ponto eram explorados
pelos empreiteiros, que realisavam lucros fra de
toda a proporgao, e assim mesmo os sub-empreitei-
ros declararam poder executar seus contratos logo
que nao soflressem as outras vexacoes que se Ihes
faziam.
Para pe osar que era a
xlensao geralmente os mais so-
lidos t apropriados maleriaes (art. 8o 5U.)
No art. 23 se estipula que o engenheiro do gover-
no (ou o da companhia que tomasse o seu lugar),
fosse admittido a examinar e inspeccionar as obras,
e no art. 12" que esle engenheiro apresentasse suas
objeegoes a qualquer parte da obra qae julgnsse
mal feito durante o progresso da construegao.
Se isto se nao fez, se foi aceita e paga urna cousa
companhia que pagava uc uJo bm solida eslmla ^ feri.0 constmi.
i precos lesivos, comparemos os pregos dos | ,.|, 5a fn Ha ,. -, J ..,.,
trabalhos mais communs e numerosos do contrato
americano com os do praguejado contrato Price.
J observei que nos pregos do contrato america-
no nao se comprehendem nem as despezas preli-
minares, nem asdeexame, inspeegao, etc., as quaes
tendo pesado sobre Price devera accrescer a seus
pregos.
A excavagao em trra, que no conlrato america-
no paga a 15000 a jarda cubica, comprehendido
o transporte s por 600 ps, Price se obrigou por
contrato a fazer, em quaesquer obras addicionaes,
a raziio de 2 shillings ou 888 rs., comprehendido o
transporte por urna milha ou 5,000 ps.
O transpone alm de urna milha nunca deveoc-
correr; por lano o prego do contrato Price inva-
riavel, o transporte porm alm de 600 ps pode
occorrer amda que poucas vezes, basta que elle se
eleve a 1,000 ps, isto ao 5o de milha para que o
cusi da jarda de excavagao em trra suba a 15320,
e se o transpone ebegasse a 5,000 ps subira a i
45520, Picando o prego de Price sempre em 888 rs.'
culpa nao foi do contrato, foi da execugo.
Em urna carta com carcter officiat que ao mi-
| nistro do imperio dirigi em fevereiro de 1859 o
Sr. presidente da directora, ha o seguinte trecho :
Tal foi o motivo por que intervim para que os
engenheiros da companhia fechassem os ollios ade-
feitos de construccao e nos babiltassem a receber
a estrada apenas fosse declarada prompta.
A fiscalisagao na execugo doconlrato Price foi
confiada a pessoa ou pessoas cujo amor proprio
eslava de cerlo modo empenhado em mostrar que
nao haviam errado ou sido injustas as extempo-
rneas censuras que Ihe lizeram. u contrato ame-
ricano pelo contrario tem sido desde o principio at
boje execulado debaixo da inspeegao e direceo do
Sr. conselheiro Ottoni, que o concebra e cele-
brara.
Entro os agentes de Price c o Sr. presidente da
directora reiuou sempre urna luta em que os acui-
tes da parle daquelles deviam consistir em dar e
fazer as obras o
Quando, porm, em 1858 se fez o conlrato que
por brevidade chamarei americano, tudo isso j
eslava bem estudado e experimentado.
Adoplou-se o systema chamado de series de pre-
cos em lugar do conlrato a risco dos empreileiros.
Fixaram-se os pregos que a companhia devia pagar i
de cada porgao de trabalho, retalhada a empreza [
em 17 divisoes. Os empreiteiros eram contratos
de subempreilada com pessoas que deviamcome-
gar logo a execugo das obras mais facis, reser-
vando elles para si as mais difficeis, os tunea.
A companhia tinha sua cusa feito todas as des-
pezas de nivelamentos, plantas, orcamenlos, etc.,
etc.
15000, que podiam subir at 45520.
Como este um dos artigos de maior despeza
as conslrucgoes de estradas, intil alongarme
em comparacoes nos tulros. O que est dilo basta
para mostrar que os pregos do contrato americano
nada tiveram de baixos, nem podem autorisar essa
conlnuagao de censuras ao contrato Price. Pre-
gos altos em contratos a risca explram-se pelo ris-
co, em contratos por series de precos, como o ame-
ricano, nao ha o mesmo risco.
Vejamos se em outros artigos mostra este con-
trato alguma vantagem.
2." Juizo arbilal.
No contrato Price, como as concessiies das es-
tradas da Babia e Pernambuco foi adoptado um
systema de arbitramento que sujeitava as questoes
techinas ao juizo das summidades da scicncia e da
pralica residentes em Londres. Foi Isto muilo cen-
surado, niio as concesses da Bahia e Pernambuco
por que nao eram obra minha, mas no conlrato
Price. Na 2.* secgao quiz-se evitar este inconve-
niente, eslabelecendo as condicoes geraes que o
arbitro seria o engenheiro da companhia com o re-
curso nico para a directora, e renuncia de qual-
quer outro derivado das lea cwis.
Para acceitar esta clausula era necessario, pelo
menos, estar seguro de achar urna constante bene-
volencia da parle do engenheiro. Como este e lodo
o seu eslado maior eram dos Estados-Unidos, s
dali podia vir alguem que contasse com essa bene-
volencia. Nos Estados-Unidos, naquelle momento,
importa va-se e naa se exporta va lrabalho,nem cons-
lava que estivessem ali ociosos muitos empreitei-
ros e os profissionaes que estes coslumam empre-
gar. S na certeza de vir .aqui obter grandes van-
tagens poderiam alguns resolver-se a emprehende-
rem a viagem.
Com effeio de parte nenhuma vieram empreilei-
ros ; aqu apenas se improvisou urna sociedade de
cuja proposta quasi se nao fez caso, e dos Estados-
Unidos apenas veio urna sociedade de empreiteiros,
e tanta seguranga tinha de obter a empreza, que
nenhuma pressa teve cm chegar. Ou por benevo-
lencia para com ella, ou para poder ter quem con-
corresse, a directora e seu engenheiro adiaran a
hasta publica at chegada desses esperados em-
preiteiros.
Vio-se depois e foi publico em 1862 que a bene-
volencia do engenheiro para com seus compatriotas
chegou a ponto de Ihes emprestar dinheiro, e nao
consta que pronunciasse muitas decisoes de que os
empreileiros tivessem de appellar para a equidade
da directora.
O systema de arbitramento, pois, substituido ao
do contrato Price foi de lerriveis consequencias
para a empreza, que privou de obter empreileiros
serios, e para a companhia, que entregou ao juizo
arbitral do amigo ou do credor da parte com que
leria de contender.
3. Garanta de solidez das obras.
Consideron-se no contrato Price insufflcienle a
responsabilidade do empreiteiro pela solidez das
obras por espago de um anno ; entretanto no con-
feo com "todo o vagar, depois de Iras annos de es- u^'Zt deelfr;,do ,!adu- E?,re'an' nel"
tudo e experiencia? cm todas as inforn.agoes e i6''v .? "ha ,e^'t JE? l^r'^' T
auxiliares/e sem preoecupacao alguma de ques- f22,* ""J, 8'm Sr- Cochrane protestou
toes alhe.as sua materia, contera defeitos muito I e2 T< TZ"- "T*
raais essenciaes, e deu muilo n.aores prejuizos T^O^mS^ t, JP ? T "f 1von,,ou
companhia e ao thesouro do qae todas as imperfe-' '} '"""' *?" 'e l0 m^"eu para
s que de tao.boa vonlade se andaram desc^brin- i SgE" e^X^aeStemore3S
offerecesse. Em abril se me apresentaram os Srs.
Cochrane e vsconde oe Barbacena.
Declarei-lhes que, estando eu em Londres, nao
precisava de intermediarios entre mim e os direc-
ores de companhias que se propuzessem a forne-
cer capitaes e executar a empreza ; que me apre-
sentassem reunes de pessoas taes que me des-
sem garanta suQIciente ; e eu eslava prompto a
tratar directamente com cada nina dellas e outor-
gar o privilegio quem melhores condiges offe-
recesse.
Cochrane linha perdido terreno, porque se re-
tirara o mais possanie dos membros de seu direc-
torio, e eu nao queria tratar com quaesquer.
Eslavamos em 1833. A occasiao tinha passa-
do, mas podia vollar. A guerra eslava inmanen-
te sobre a Europa, o commercio eslava inquietis-
simo. S algum aventurero poda entao con-
tralor obrigagoes dependentes de emisso de ae-
goes.
Nao havia proposla de parte nenhuma que niio
fosse para o funda guerra, e ainda assim com to-
das as reservas, porque ninguem poda prever em
que estado dcixaria ella a Europa quando chegas.
se a paz.
Declarada em selembro a guerra, nem empre-
za convinha que tudo fleasse no ar, nem podiam
os concurrentes estar retidos indefinidamente em
Londres. Formado um directorio com nomes que
eu aceitei e outros que exigi ou impuz, liruie o
contrato de novembro de 185'!, que todo o mundo
vioe applaudio. Estava segura a empreza com a
simples garanta de 5 OpO de juros logo que a la-
xa desles estivessem no banco de Inglaterra a
4 0|0.
Nenhum homem prudente poda comprometer-
se a levantar por aeges dinheiro no mercado de
Londres havendo all um homem como o Sr. Co-
chrane di-putando-lhe a concessao de privilegio
dado previa-
e, portante,
nao poder mais concdelo a outro. Nao havia,
pois, empreza segura sem a aunueucia do Dr. Co-
chrane, cujo direito alias foi plenamente reconhe-
cido em 1853, quando elle j nao podia oppor em-
barago nenhum empreza.
Por sua parteaos concurrentes, que linham feito
despezas, nao podiam abandonar-lhe o campo. Eu
nao podia reformar a decisao do governo que me
ordenava dar o privilegio, nao a Cochrane, mas a
quem melhores condicoes olferecesse.
Os concurrentes fizeram cora sciencia minha.
mas sem que eu nisso tomasse parte, suas tran-
saegoes, procurando mais urna indemnisagao de
despezas feitas, do que os lucros que cada ura po-
deria tirar da empieza se a oblivesse em virlude
de concurrencia. E de certo todas as indemusa-
ces a que a companhia se comprometteu nao
montavam metade das S 90:000,000 em que
outra empreza calculou suas despezas prelimi-
nares.
Eis-ah ao quecreio ter alludido quemquer nue
ao Sr. C. Madureira fallou de arrhas, ou premios
dados a concurrentes para desistir da concurren-
cia. Concurrentes j nao existiam, a guerra linha
posto a todos fra do combate.
Estava-se, pois, com os bracos cruzados espe-
ra que a taxa dos juros descsse a 4 0|0, (piando
appareceu a trisle idea de dar estrada da Bahia
urna garanta de 7 0|0. Ninguem hoje defende
este grave erro. Seus consectarios pesam sobre a
forluna do Brasil cora o peso de muitos militares
de conlos de ris.
peior possivel; entre os emprei- com o fundamento de ter o governo
, teiros da 2- secgao e o mesmo Sr. presidente pre- melo a elle esse mesmo privilegio,
.M?*.. j ueuuzr, ao menos, a valecram sempre os mais benvolos senlimenlos.'
,%'n^u'r 2X3 e.ame' e dan Para S0 i 0i ^versarlos polticos de S. Exc. nunca lizeram
1 K, Slf [esn,tdoj ?" Pr""e. sen0^r|-! desla questo arma de partido ; os meus adversa-
ftAn*/ 'T-884 rt,S8 fflS" amer",anos a ros, pilo contrario ainda nao pe
perderam occasiao
de converter em arma de partido e de vinganca
as justas ou injustas censuras do conlrato Price, e
as illogcas e perversas insnuages que nellas que-
rem basear.
A demonstracao do primeiro erro do Sr. C. Ma-
I dureira e de outros que o repetirn) cou comple-
, la ; mas este arligo j vai longo, guardo o resto
I para oulro.
Sergio de Macedo.
Rio, 3 de junho de 1864.
II
O marquez de Barbacena na regencia Feij em
1835, e de volt de urna viagem Europa, foi o
primeiro que avenlou a idea da constroccao de
urna estrada de ferro, parlindo do Rio de Janeiro
na direccao que leva a de D. Pedro II, e at trou-
xe urna "proposta da companhia da estrada de fer-
rode Durrham Birmingbam. Nao conseguio, porm
despertar a alinelo do publico, que outros pensa-
mentos agilavam entao.
Em 1839, o Dr. T. Cochrane, baseado em planos
e orcamenlos levantados pelo baro de Schnebourg,
e eni alleslados de fazendeiros e dados estatisticos
que andou colhgindo, requereu ao poder legislativo
um privilegio para a conslrucgao dessa estrada. A
cmara dos deputados deferio este requerimento,
approvando o parecer de urna sua commissao, que
declarava pertencer a materia, segundo a le de 29
de agosto de 1828, ao governo, que com este devia
o supplicante tratar, e s no caso de conter o con-
trato alguma clausula dependente de medida legis-
lativa teria^ de ser solicitada do competente poder
a approvago dessa clausula.
Em 1810 celebrou o Dr. Cochrane com o minis-
tro do imperio Antonio Carlos o desejado con-
trato.
Seguio-se a rebellio e Minas e S. Paulo ; pas-
sou o momento de enthusiasmo que renava em
Londres por essas emprezas, enthusiasmo com que
o Sr. Cochrane contava, e estava a ponto de apro-
veilar, quando expiraram os quatro annos de seu
contrato : pagou a multa nelle imposta, mas, alle-
gando a forca maior constante daquella rebellio,
requereu renovagao da concessao.
Foi j o marqez de Monte-Alegre que Ufa con-
ceden em 1849, e no novo contrato se esiipulou
que ficavam dependentes de approvacio do poder
legislativo smenle s clausulas relativas a iseucao
de direitos de exportagao para machinas e male-
riaes, e garanta de juros de 5 por centopor 90
annos. ._ ,. _
Em 1831 comegou, a requerimento do Dr. Co-
chrane, a ser discutido na cmara dos deputados
um projecto approvando estas duas clausulas, o
qual cahio e foi substituido por outro que dava ao
governo a faculdade de conceder aquelles dous fa-
vores, nao a Cocnrane determinadamente, mas a
qualquer que melhores condig5es offerecesse. Este
projecto s veio a ser sanecionado como lei 26 de
junho de 1852. J muito e muito precioso lempo
se linha perdido, mas a opportunidade ainda uo
tinha de todo passado. No eutaoto o Sr. Cochrane
ralo americano nao se pode obter essa responsabi- tlul)a conseguido organsar em Londres urna dj-
lidade por mais de 6 mezes, prazo que nao abran-
ge todas as estagoes do anno 1
4. Garanta de execurao do contrato.
Foi censurado como insufficiente o deposito feito
por Price de 25,000,0,0 como garanta da termi-
nagao da obra ; entre tanto des empreiteiros ame-
ricanos nem urna caurao se exigi, smente se es-
tipulou a retengao d 20 Ojo nos pagamentos, e
rectora valentsima pela riqueza e repulagao de
seus membros.
Depois de dicussoes e duvidas, entendeu-se que
devia ser a concessao do conlrato ou do privilegio
dada a quem melhores condigoes offerecesse, sendo
Cochrane, aeteris paribus, preferido, porque seu
contrato em todos os artigos estava em p, e s
para obter aquelles dous favores, que recelan
Desde que a idea appareceu, eu s levaulei-me
contra ella ; depois de adoptada, eu s oppuz-lhe
todos os travoes que pude oppr. Nunca aitribu
este erro seno ao patriotismo e aos mais nobres
sentimentos, desvairados pela solTreguido natural
aos povos, meridionaes. Mas os cardosos libe-
listas, tao facis em ver ma f e corrupgao eni
tudo, porque nao atiraram sobre es que entao a-
eonselharam o erro alguinas de suas sellas ? fi"
que elles pouco curain do bemoudo mal que Ibes
cabe.
Os sabios discutidores, os esmerilhadores dos
menores defeitos dos contratos que nao sao por
elles feilos, onde estavam, que nao vieram bal-
buciar um arguimenlo contra aquelle erro fatal e
custoso 1 Estavam deilando abaixo suas livrarias
para esraagarem com o peso de seu saber o mi-
nistro em Londres, que pode vencer tantas difli-
culdades com o relativamente insignificante sa-
crificio de aigumas centenas de conlos de ris,
que quanto pode representar tudo o que parecor
elevado uos pregos do contrato Price.
Guardo ainda para outro artigo o que devo ex-
pr com o fim de esclarecer o fado, j suficien-
temente explicado em 1855, de decidir a contratar
a prompta execugo da primeira secgao ; e entao
Bcar completo tudo o que tinha de responder ao
Sr. C Madureira, em cajos discursos alias nao en-
xergnei o proposito de me aggredir.
O Sil. COESBLIIEIRO OTTONI.
Com S. Exc. a questo mudou de face depois
da declarago que fez no Jornal do Commercio de
hontem. Agradego-a coi reservas, e somonte ps-
so a dar por agora a razo por que vi, e muitos
amigos meus viram, urna ferina aggressao no t-
pico que ci'ei do seu discurso.
Arrhas significa o dinheiro ou penhor que se d
para obter a promessa de fazer ou nao fazer al-
guma cousa.
Gorgeta significa o presente que se faz em sig-
nal de contentamento ao empregado de pessoa
que nos fez algum servico : paga-se o aluguel de
urna carruagem ao don della, dase gorgeta ao




'- .
\rj
Diario e rer**Kfciie Terca feira e Jnlho de lf4.

cocheiro ; pgase um casaca ao alfaiate, da-sc
gorgtta ao oflicial que a traz.
O Sr. Madureira fallou de anhas pagas a cer-
n pessoas para que nao concorressem, nunca
fallou de gorgeta. O Sr. C. Ottoni sustenlou que
atritas nunca exisliram, e se (al houve o nosso mi-
nistro em Londres o ignovava.
Yolia depois mesma idea, e, depois de insistir
que nao se pagaran) atritas, ajuma (devia-enten-
derse que por cautela)se era Londres o empre-
zario deu attjuma gorgeta....
Concedo que na discanto se empregam muilas
veres termos i npropnos, mas a ordem da argu-
mentado da este pensamento : fQuantia estra-
nha ao custo da estrada, paga para afastar con-
currentes, assegan que nao houve ; presente por
ter conseguido urna grande vantagem, isso ou-
tra codsa, se houve foi as oceultas: nada se sabe
oficialmente.*
Ainda podia eu entender que a allusao ia a ou-
tro, se essa palavrinha ja nao tivesse sido empre-
gaJa pela calumnia, dirigindo-se a miin.
As injurias e as allusoes calumnios parlindo
de certa gente, ou em certas occasioes, podem-se
despresar ; nao, porm, quando partera de pes-
soa que tem urna responsabilidade seria, nao esta
debixo da impresso de urna momentnea exal-
tago, e que alm disso tem sobre a materia mais
informagoes do que o commum.
. Por isso rompi o raen estado silencioso, vim de-
ender-me, e nao com este pretexto brindar com
aggressoes o Sr. C. Ottoni. O mesmo direito que
Jhe reconheci de censurar em 1833 o meu arto,
C repetir essas censuras sempre e a todo o propo-
;'in sito. S. KxC. (leve rceouher
dos sens actos. .Sergio di Macuio.
Rio, 8 de junho de 18(4.
IU
I apparico no mercado de Londres da garanta
de 7 O' de juros para urna estrada de ferro no
Brasilia da Hahia) equivala a desligar de seu coin-
promisso a directora coraposta de homens podero-
sos e serios que eslava ligada a comeear a empre-
za do Itio de Janeiro com a garanta dr o 0|0, logo
que a laxa dos juros no banco da Inglaterra des-
cee a 4 0|0. Eslava perdido todo o terreno por
mim gaoho com tanto trabalho. Ninguem poz isto
em duvida, e fui autorisado a offerecer a essa mes-
ma directora, ou a outra qual(|uer, a mesma ga-
ranta de juros de 7 O|0 que se dava empreza da
Babia.
()s maiores vultos daquella directora cram os
agentes fiuanceiros do Brasil, baro Goldsmid e
Alderaraan Thompson. Este liaba, no intervallo,
fallecido ; aquelle considerava essa elevada garan-
ta de juros como urna falta de f e urna iniquida-
de da parte do Brasil para com seus credores, isto
, os portadores de seus bonds (apolices de di-
vida).
Quando elle (e era verdade) tanto se esforcara
para que os juros que o governo pagava de sua di-
vida doscessem a 4 1|2 0|0, e mesmo durante a
guerra nao subissem de 3 0|0, vinha o Brasil las-
car no mercado, em coucurreacia com os seus pro-
prios bomls, accoes cora 7 6|0 de juros garantidos
pelo mesmo governo, provocando assim a baixa
dos bonds e prejudicando as pessoas que haviam
concorrido para a alta, e especialmente a elle Gol-
dsmid, que era o possuidor de maior numero des-
se bonds.
A directora ento (Janeiro de 1833) decidi por
este e por outros motivos pedir-me a rescisao do
contrato, e esu deliberacao proposta, e votada na
minha presenta, me foi communicada em carta, a
que respond annuiudo rescisao.
Fiquei de novo armado do poder de fazer a con-
cesso do privilegio a raen bem me parecesse, por-
que flquei constituido juiz nico do que eram me-
Ihores condicoes.
Com uio avallada garanta de juros muita gente
capaz quera encarregar-se de formar companhia
que tomasse a empreza.
As propostas nao faltavain e erara feitas com ins-
tancia, empregaudo cada proponente os meios que
Ihe parecan mata proprios para obter preferencia.
E' ocioso repetir agora aquillo que se acha tao
circumstenciadamenie explicado na pag. 9 e se-
guintesdo opsculo que publiquen em 1833, do qual
ainda me reslam alguns exemplares que offereco
s pessoas que o quizerem agora ver. as quaes po-
dem ir bscalo a lypographia do Jornal do Com-
mereio.
Nessas paginas se ver :
1." Porque entend nodever formar companhia
em Londres;
" Como entrei em relacoes rom Mr. Auslin ;
3. Como me appareceu Mr. Pnce ;
4." (-orno depois da recusa do emprezaro apre-
sentado por Mr. Austin resolv tratar logo com
Pnce;
3." Finalmente, que Mr. l'rice foi o nico que
depois de fazer examinar por Steplieuson os traba-
lho tic Mr. Auslin, os aceitou como base de seu
contrato, emquanto todos os outros quenain man-
dar levantar novas plantas e ornamentos, isto ,
novas despezas, novas demoras.
Picar a vista do exposto convencido o Sr. Ma-
dureira, de que, leudo sido rescindido o contrato
feito em novembrode 1853, uo qual houve o com-
promiso de p;!gar aos diversos concurrentes o va-
lor das despezas feitas em levanlamento le planos,
etc., e nao tendo liaviio concurrenuia a Mr. l'rice,
porque elle foi o nico que se submetteu a-base de
ajuste por mim proposta, nunca se pagou nesta
empieza quantia alguma eslranha ao costo das
obra-, e nein mesmo se pode como tal considerar
a que o governo mandou pagar ao Dr. Coclirano,
porque essa mesma representa despezas e estados
feitos e ndispensaveis.
E' inuiil demonstrar que se eu nao tenho por
meio do contrato l'rice desembarzalo e segurado
a prompta execucao da obra, ella tao cedo se nao
faria.
A estrada da Baha, que ninguem hoje tiesconhe-
ce ter sido pessiinamente concebida, e muito cus-
tosa, e a de Pernambuco, que pouro menos o foi,
iriam por diante, esgotariam os recursos do paiz,
e dando os mos resultados que tem dado, desa-
creditaran) completamente estas emprezas no Bra-
sil ; e a nica estrada bem concebida d'entre
aquellas tres, a nica que na parte por mim con-
tratada ja se mustrou ter dado dividendos de 9 0|0,
e prestado servido real lavoura, essa teria licado
na massa dos possiveis.
Por isso podia allirmar.e nao diz.x irnicamente
o Sr. C. Uttoui, que o contrato que celebrei em
Londres enriquecen 0 Brasil, ao passo que os coii-
tratosposteriores o empobrecern : o contrato Pri-
ce enriqueceu o Brasil 1". porque dotuu em lem-
po o Itio de Janeiro de una estrada que ha dado
aquelle rendimeulo, que lein sido til a lavoura, e
que devia ser boa e solida sendo embregados em
toda a sua extensao gerulmente os mais solidos c
apropriados materiaes ; c 2", porque esse contrato
deu lugar a que se limitasse a garanta de 7 -/ de
juros a 33 anuos em lugar de 90, o que equivale a
pagar o capital urna, em lugar de tres vates, isto ,
a que se econoniisassem dous capitaes de........
38,000:0005 ou 70.000:0005; e portento anda ava-
llando em 2,000:0005 qualquer exageracao no cus-
to das obras, a economa conseguida seria de.....
7i.U00.0005, que de certo i riqueza. Esse coutra-
to den mais ao governo o meio ; Io, de livrar o
paiz de um directorio governando de Londres as
suas arterias essenciaes de comiuunicacao: 2, de
acostiimar a nossa gente a essas adrainistragoes.
empresas o combinages; :{", de nao lancar no
mercado Je Loudres acees com tao vantajosa ga-
ranta de juros que podessem alfecter o preeo das
apolices do governo. Se algosas destas vanla-
gens se estragaram, e outras se desconhecem, a
culpa nao do contrato.
\'ejamos se os contratos posteriores empobrece-
ram o Brasil.
I." i) da Baha ja produzio a verilicada fallencia
da thesouraria da provincia. Fallido c-l;i quem
na poca do veucituento de um pagamento promet-
tido por contrato declara nao poder pagar.
A Baha obrigou-sea pagar companhia de Lon-
dres 320:0005 por anno ; quando se Ihe pedio o
prime!ro pagamento responden que nao tinha para
appcar a elle nem um cintem, t o credor leve de.
dirigir-se ao governo geral, que pagou e vai pagan-
do aquelle encargo; logo este contrato empobrecen.
2. E* sabido que igual desastroso resultado leve
para a provincia de Pernambuco e para o thesouro
o contrato para a estrada de ferro do Recife. O que
talvez esteja esquecido, .que tendo-se lomado iqe-
vitavel para esta a garhtia addicional de 2 "/, e
sendo eu incumbido de negociar a sua concessao,
a reduzi a 20 annos, e que esle meu acto foi des-
manchado eslendeudo-se a 90 annos aquella gara-
na addicional.
3." O coulralo para a 2* seccao da estrada de fer-
ro de D. Pedro II... Mas esta exposieao toda ja se
tem tornado longa e fastidiosa em excesso, devo
pr-lhe termo. As questes que hoje oceupam a
atlenco publica sao todas do futuro e nao do pas-
sado destas emprezas, c por isso temo fatiga-la com
tantas considerantes retrospectivas. Agradeco de
novo a prompdao e generosidade com que o Sr.
C. Ottonideclarou estar longe de sua mente urna
insinuacao injuriosa ao meu carcter.
Agradego tambera ao Jornal do Commercio a hos-
pilaldade de suas columnas.
Sergio de Macedo,
Rio de Janeiro, 13 de junho de 1864.
PERRAMBCO.
REVISTA DIARIA.
Acaba de sahir publicada dos nossos prelos a
Memoria Historia Acadmica, que o Ilustre Sr. Dr.
Antonio de Vasconcellos Menezes de Drummond
apresentou congregacao dos lentes da nossa ra-
culdade de Direito, em sessao de 13 de marco pr-
ximo passado.
Genio prescrotador, que se nao satisfaz com su-
perficialidades tao somente na indagacao de um i
facto ou na debeoberta de urna verdade, o Sr. Dr. |
Menezes de Drummond rctratou-se nessa Memoria
em seu verdadeiro caracler, dando assim om duplo
valor ao seu trabalho, onde a par de rudtco suc-
clenla, ha o esludo serio e reflectldo das necessi-
dades reaes, de que se resente a instruccao secun-
daria e superior, estudo que se inanifesta por suas
dilTerentes indicaces de medidas para fazer remo-
ver aquellas necessidades. E nessas medidas que
aprsenla apreciagao.e que fura para desejar ti-
vessem alguma applicagao pralica, o illustrado len-
te vai buscar exemplos e justificacoes as mais
acreditadas Faculdades da Europa, no que se pra-
lica em Coimbra, na Franca, na Hollanda, na Bl-
gica, ua Prusiia, na Alletnanha e na Inglaterra
com relacao aos pontos por elle indicados como
carecedores de reforma.
A parte que se refere a instrnegao secundaria,
que seda no collegio das artes ou curso anuexo,
digua por certo de ser allendida com as modica-
coes propostas pelo Sr. r. Menezes de Drummond.
Alli prepara-se o terreno que deve mais adianto ser
semeado para a conveniente cultura. Ora, se esse
preparo tur imperfeito, se a limpa fr superficial
sem revolver-se devldamenle a trra, ser o resul-
tado a perda da sement pela absorpgao que dM'.i
farao os mos principios comidos na msma ierra,
e que entilo se desenvolverfio com o vigor luju-
riante da vegetacao dos trpicos, nao dcixando lu-
gar a boa sement.
E' isto o que se deve precaver, e j nao 6 tao
difficil faz-lo, por que as medidas esto apontadas
na Memoria, resultando dellas uma methodsaglo
no estudo e exame dos preparatorios, bem como
uma acquisicao previa de conliecimenlos, que sir-
vam de introduegao ligada e connexa aos estudos
superiores, a que tem o estudante de ascender.
Langando aqai estes consideragoes, nao temes
em vista uma apreciagao da Memoria do illustrado
Sr. Dr. Menezes de Drummond; mas nao podemos
deixar de recommenda-la leitura de todos como
uma necessidade e cousa que nteressa geralmente.
Alm disto, o estylo fcil e correcto, a animago
que elle soube ligar s materias du que tratou, e
finalmente a illustragSo que lhes deu com o estudo
comparado impoem essa leilura, em que o espirito
repousa satisfeito na conteraplgao de uma erudi-
go agradavel e instrucliva.
Depois d'amanhaa se extrahir a 3" parte da
2* lotera do iheatro de Santa Isabel.
Concluio o Sr. Dr. Braz Florentino Henriques
de Souza a impressio do seu EnsaiOde direitocons-
titucional com relacao ao poder moderador, e con-
tendo a analyse do Tit. V cap. I da nossa consti-
tuigao.
Acha-se, pois. esta obra hoje no dominio do pu-
blico, que mais um documento tem para avallar
do talento, estudo e illustragao do seu autor, ao
passo que ahi encontra a apotheose mais brilhante
do nosso pacto fundamental, cuja sabedorla e li-
beralidade elle faz sobresahir na comparagao que
estabelece com grande erudigao, e na sustentago
da verdade e dos interesses das grandes instllui-
c5es, que sao as bases de todo o edificio poli -
tico.
O poder moderador apreciado desde a sua
necessidade e importancia poltica al a sua irres-
ponsabilidade absoluta; e nessa escala como de-
gros intermedios ha o desenvolvimento philoso-
phico e o estudo de todas as suas attribuigCes le-
gaes, com refutacao de quanlo se disse na impren-
sa e no parlamento em contrario, sendo ahi o Sr.
conselhero Zacharias pulverisado ultima evi-
dencia em sua argumentago falsa e capciosa.
O trabalho do Sr. r. Braz de grande signi-
ficaco, principalmente pela opportunldade. Vai
hoje" por cosiume entre nos zombar d& ludo e a
nada ligar respeito, por mais digno que seja disto;
e assim tudo quanlo fizer calar os bons principios,
tudo quanto separar o joio do trigo, ludo quanto
liualmente rasgar as falsas vestes da impostura
c da mentira para apresentar a verdade em seu
brilho, 0 ura favor que se faz nossa sociedade,
onde a novidade sempre aceita sem se indagar
de sua filiacao, e menos das rea,oes damnosas,
que dclla possam resultar a mesma sociedade.
Sr. Dr. Braz para eslabelecer a sua reputa-
cao nao carece por certo de nossos encomios ; e
era temos em vista um elogio das poucas linhas
que ahi licam. o entretanto, nao podemos dei-
I xar de felicita-lo pela arguiuenlaeo lgica, com
i que fere aos adversarlos, fazendo sobresahir assim
a verdade do principio que sustente.
A commisso, nomeada pela junta adminis-
tralivr do Hospital Portuguez de Beneficencia, para
agenciar os OhjectOS que devem fa/.er parte do
leilo no da anniversario, compSe se dos Srs. :
Joan Pereira Mouiinho.
(uslodio Jos Alves Guimares.
Albino Jos da Silva.
Francisco Pinto Ozorio.
Jos Marlins da Silva Borges.
Jos Joaquim da Cunta.
Joao Ferreira da Silva.
Domingos Ribeiro da Cunha Oliveira.
Joaquim da Silva Costa.
Do zelo e aciividade desses senhores depende o
' bom xito da idea, que tao bem acolhida foi o an-
, no passado, e tao bello resultado deu.
Sob proposta do rommaudanle do balalhao
n. 32 da guarda nacional do Exu', foram n-
meados :
Capilar da prnneira companhia, Pedro Alves de
Oliveira Castro; e
Dito da quinta dita. Antonio Luiz Peixoto de
Barros.
Mandou-se aggregar ao balalhao n. 24 da
Escada, o major Jos Gomes da Silva.
0 resultado dos collegios eleitoraes do Reci-
fe, Pao d'Alho, Olinda, Iguarassu', Goyanna, N'aza-
ret. Limoeiro, Cabo. Escada, Santo Anlao, Bio For-
moso, Serinhem, Barrelros, Bonito, Garanhuns,
Cmara', S. Bento. Cimbres, Flores, Ingazera,
Buique, I'apacaca e Brejo. excluidas as duplcalas
de L'ua, Quipap e I'apacaca, o seguinle :
Votos.
Conselheiro S e Albuquerque 1213
Dr. Saldanha Marinho....... 1033
r. Fetosa................ 1047
Escrevem-nos do Pao d'Alho, em 24 do cor-
rente :
t As chuvas reappareceram, o apezar do j nao
aproveitarem servem para as canuas, que pouco
cresceram falta dellas.
i O rio toraou agua, mas em lo pequea quan-
lidade, que apenas su fez sensivel.
i Dizem que (eremos jurados l para setembro,
por falta de prncessos, que os nao ha no ca torio
de jury.
hm'ahticao da polica.
Exlracto da's parles do dia 24 e 23 de julho de
1804.
Foram recolhidos casa de detenco no dia 23
do corrente:
A' ordem do subdelegado de Santo Antonio, Joa-
quina Thereza Nenes, por disturbios.
A" ordem do de S Jos, Valentim, Samuel e
Joaquim, escravos, o primeiro e secundo de Anto-
nio Francisco Marlius de Miranda e o ultimo de
Joo Moraes du Carvalho, Domingos Candido Xa-
vier e Bernardo Gomes dos Sanios, para averigua-
res policiaes -, UetlannKO Lourenco da Silva, para
correegao; Silvestre Lopes de Sena, por offensas
physicas ; Ignacio Calisto dos Santos, por espan-
camento.
A' ordem do da Boa-Vista, Antonio Joaquim de
Sanl'Anna, por crimede fuo; Anglica, escrava
de Joo Ribeiro, por fgida.
24
A' ordem do Dr. delegado da capital, Anna Rita
de Sant'Anna, para correegao.
A" ordem do subdelegado do Recife, Luiz Jos
Ferreira Galvo, para averiguacoes policiaes.
A' ordem do de Santo Antonio, Rosa Mara Joa-
quina, por embriaguez ; Manoel, escravo de Nar-
ciso Mara Carneiro, por fgida.
A' orderrt do de S Jos, Silvestre Felippe Santia-
go, por suspeito.
A' ordem do da Capunga, Jos Antonio dos San-
tos, por Insultos.
O chefe da segunda secgao,
J. 6. de Mesquita.
Movimento da casa de detenco do dia 22 de
julho de 1864.
Existiam....... 366 presos.
Entraram...... 11
Sahtrai i ..... 9
Mulheres...... 4
Escravas...... 5
Escravos...... 47 >
367
Alimentados custa dos cofres pblicos 145
Movimento da casa de detenco do dia 23 de
julho de 18oi :
Existiam....... 367 presos.
Entraram...... 11
Sahiram....... 9
Existen....... 369
A saber :
Nacionaes..... 294 >
Estrangeiros... 16 >
Mulheres...... 4 c
Kstrangeira---- 1 .
Escravos...... 48
Escravas...... 6
369
Alimentado cusa dos cofres provinciaes 143.
Movimento da qasa de detenco no dia 24 de
julho de 1864.
Existiam..... 369 presos.
Entraram..... 11 >
Sahiram...... 10 >
-----
Exislera...... 370
A saber :
Nacionaes..... 297 >
Estrangeiros... 16
Mulheres...... 5 >
Estrangeiras ... 1 .
Escravos...... 45 >
Escravas...... 6
370
Alimentados a cusa dos cofres provinciaes. 147
Movimento da enfermara no dia 26 de julho
de 1864.
Te ve alta :
Manoel Severino dos Santos.
Passageiros do vapor brasileiro Versinunga,
sahido para o Aracaj e portes intermedios :
Jos Correa de Miranda Sobrmho, Francisco
Salles de tirito Menezes, e Felicidade.
Passageiro do patacho hespanhol Themoteo II,
sahido para Barcelona pela Parahyba:
Antonia Alves Pereira da Silva,
GOMMNIGADOS.
Lendo um avulso, que traigoeiramente se espa-
Ihou pela cidade sabbado da semana passada, nao
possodeixar de recorrer s paginas de seu con-
ceituado jornal para protestar contra o que ha na-
quelle escripto de offensivo ao carcter do Sr. Ma-
noel Luii Vires, que no exercicio do lugar de
administrador do cemiterio publico desla cidade
ha prodozido tao exuberantes provas de zelo e
probidade, assim como de uma generosa presta-
bilidade, que muito dilficl de encontrar-se nesta
poca de egosmo.
Que ealbrgos tem o Sr. Vires empregado para
que o cemiterio do Recife seja um dos mais im-
portantes do imperio, quanto de seu bolso ha des-
pendido para que no deposito commum nao fl-
quem confundidos os ossos de pessoas distinctas,
cujas familias por carencia dos recursos lhes nao
tem podido levantar tmulos condignos de sua
memoria, nao ha felizmente quem desconhega nes-
ta provincia. Essas familias ahi esto para les-
temunhar a verdade do que hei dito.
E' de esperar que era breve se vejara explica-
dos os faclos adulterados no citado avulso, e mais
uma vez confundidos os depredadores do mrito.
L. F.
Jloviaiento da alfaudega
Volumes entrados com fazendas..
t com gneros...
Volumes sahidos
com
com
fazendas...
gneros...
32)
44
285
77
1,816
----- 1,893
signal o sello deste juizo, valha sem sello ex-causa,
aos 18 das de julho de 1864.
Eu Francisco das Cbagas Cavalcanii Pessoa, es-
crivo o eserevi, Maneel Antonio dos Passos Sil-
va Jnior. Ao sello 300 rs., valha sem sello, ex-
causa. Passos Jnior.
Descarregam no dia 26 de julho.
Brigue inglezF/a/tseferro e pedras.
Polaca italianaLindadiversos gneros.
Brigue inglezJane Thompson farinba de trigo.
Brigue portuguezSoberanovinhos e outros ge
eros.
Brigue hespanhol Themoteo I fariuha de trigo.
Recefeedorla de rendas internas
geraes de Pernanibuco.
Bendimento do da 1 a 23........ 36:836*799
dem do da 23................. 4:198297
DECLARARES.
41:0335096
Consulado provincial.
Rendiraento do da 1 a 23......... 73:6065707
dem do dia 23..
3:5615904
79:1685611
PUBLICARES A PEDIDO.
villa do (olio da Parahyba do
Norte, de julho de 1964.
TARA SER LUJO E APRECIADO PELOS PODERES
COMPETENTES.
Acaba de haver na freguezia do Coil um casa-
MOVIMENTO DO PORTO.
Navio entrado no da 25.
Barcelona36 dias, sumaca hespanhola Noya, de
119 toneladas, capito D. Pablo Pagos, equipa-
gem 11, carga violto; a Ballhar & Oliveira,
Navios sahidos no mesmo dia.
Aracaj e portos intermediosvapor brasileiro
Persinunga, commandaute Rales.
ment a respeito do qual chamamos a attengao de Barcelona pela Parahyba-Patacho hespanhol Tin-'
A saber
Existem.......
r :
Nacionaes.....
Estrangeiros...
Estraogeira___
367
293
17
1
CIIRO\ICA__Jl!IMCIARU
TRIBUNAL DO COifflHEBCIO.
SESSAO ADMINISTRATIVA EM 23 DE
JULHO DE 1864.
PRESIDENCIA DO BXH. SR. DESEMBARGADO*
narn.
s 10 horas da manhaa, reunidos os Srs. depu-
tadosRego, Lemos.Rosa e Alcoforado, oSr. presi-
dente declarou aberta a sessao.
Lida, foi approvada a acta da ultima.
DESPACHOS.
O requer ment de Alfredo Miranda Pinheiro da
Cunha, pedindo o registro de sna nomeago da ca-
xeiro de Maia & Espirito Santo.Registre-se.
O de Tasso Irmaos, pedindo certido de estar
recolhida a carta de registro do patacho Anna,
e se est por isso desonerado a propretaria do
mesmo patacho.Como requeren).
O de Manoel Antonio da Silva Moreira, pedindo
quo se d baixa a nomeago de Joaquim Jos da
Silva Moreira, que deixou de ser seu caixeiro des
de o dia 15 do corrente.Fagam-se as annotagoes
como requer.
O de Augusto Coelho Le i te e Francisco Antonio
de Albuquerque, pedindo que seja registrado o seu
contrato social que ajuntem. Vista ao Sr. desem
baigador fiscal.
O de Maia Si Espirito Sanio, pedindo o registro
do uma procurago que ajuntem. Como reque-
ren!.
O de Manoel Joao de Amorim, pedindo registrar
uma escriptura ante-nupcial que ajuma. Regis-
tre-se.
O de Francisco Gomes da Silva Saraiva, pedindo
que se Ihe d a carta de registro do hiate Santo
Amaro, que passou a denominar-se ous Amigos,
com as annotagoes que requeridas foram. Como
requer, prestado o juramento e assignado o termo
de responsabilidade.
O tribunal resolveu que smente at as 10 horas
dos dias de sessao se recebessem peticoes adminis-
trativas.
SESSAO JUD1CIARIA EM 23 DE JULHO
DE 1864.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. DS&BMPABUADOR
A. F. PERETTI.
Secretario, Julio Guimares.
As 11 i/j da manhaa, o Sr. presidente abri a ses-
sao, estando reunidos os Srs. desembargadores Sil-
va Guimares, Acciole Dominguesd Silva, e de-
putados Reg, Lemos, Rosa eC. Alcoforado.
Lida, foi approvada a acta da sessao antece-
dente.
Assgnaram-se os accordaos proferidos ua ultima
sessao, tntre partes :
Appellante, Jos Francisco Pinto Guimares
appellado, o Dr. Gabriel Soares Raposo da C-
mara, como administrador de sua mulher e tutor
de suas anteadas.
Appellantes, Jos Jeronyino Monleiro e outros ;
appel lados, N. O. Bieber & C. successores e outros.
Appellante, Simplicio T. de Mello ; appellado, o
commehdador A. F. Pereira.
Appellantes, Antonio Luiz de Oliveira Azovedo
& C., agente da companhia de vapores brasileiros;
appellados, Jos Francisco Pardelhas e outros.
JII.C.AMENTOS.
Appellante, Manoel Alves Ferreira; appellados,
Manoel Antonio Soares da Fonscca e Belarmino
Antonio Soares da Fonseca.
Foi confirmada a senteuca appellada.
Appellantes, Biancone Klee & C.; appellados, os
curadores fiscacs de Carlos J. Astley & C, e ou-
tros.
Foi confirmada a sentenga appellada.
Appellantes, os curadores fiscaes da massa falli-
da de Ser, Filhos A; C. ; appellado, Beruliard
Spiro.
Foi confirmada a sentenga appellada.
Appellantes, os administradores da fallencia de
Bastos & Lemos ; appellados, Bozano Inio.
Foi reformada em parte a sentenga appellada com
o voto do Evm. Sr. presidente.
ESIGNACAO DE DIA.
Appellante, Basilio Alves de Miranda Varejao ;
appellado, Antonio Gougalves de Oliveira.
Appellantes, o Dr. Antonio Agripno Xavier de
Brito e os curadores fiscaes da massa fallida de
Martinho de Oliveira Borges ; appellado, Jos Go-
mos Leal.
Appellante, Antonio Jos de Siqucira ; appella-
dos, os administradores da massa fallida de Joao
Jos de Flgueiredo.
Appellante, Virgilio de Castro Oliveira e Joao
Maria de Oliveira ; appellado, Jos Alves da Silva
Guimares.
Primeiro dia til.
PASSAOENS.
Appellante, o coronel Jos Pedro Velloso da Sil
veira ; appellados, os herdeiros de Francisco Car-
neiro da Silva, por seu tutor Dr. Angelo Henriques
da Silva.
Do Sr. desembargador Domingues da Silva ao Sr.
desembargador Silva Guimares.
Appellantes. os curadores (iscaes da massa falli-
da de Amorim, Fragoso, Santos & C.; appellados,
Daniel & Guimares.
Appellante, o visconde de Suassuna -, appellados,
Patn Nash & C.
Appellantes, os curadores fiscaes da massa falli-
da de Amorim, Fragoso, Santos & C. : appellado,
Henrique Jos Alves Ferreira,
Appellante, Domingos da Silva Campos; appel-
lada, D Anna Josepha Pereira dos Santos.
Do Sr. desembargador Silva Guimares ao Sr.
desembargador Accioli.
Appellante, Antonio Gongalves da Silva; appel-
lados, Mello, Lobo & C.
Do Sr. desembargador Accioli ao Sr. desembar-
gador Domingues da Silva.
DISTRIBCigSES.
Appellantes, Francisco Luiz Carreira & C.; ap-
pellados, Tasso lrmo.
Ao Sr. desembargador Silva Guimares.
Appellante, Jos Soares Leite da Costa ; appella-
do, Antonio Ferreira da Silva Maia.
Ao Sr. desembargador Accioli
Appellantes, Novaes & Lima ; appellado, Fran-
cisco Soares Retumba.
Pela suspeigo do Sr. desembargador Silva Gui-
mares ao Sr. desembargador Domingues da
Silva.
Appellante, Henri appellado, Gabriel Antonio de Castro Quintaos.
Ao Sr. desembargador Domingues da Silva.
CARTA TESTBMUNHAVEL.
Do juizo especial do commercio.
Aggravaote, Francisco Jos da Coste Araujo ;
aggravada, a companhia de seguros Utllidade Pu-
blica.
O Exm. Sr. presidente negou provimento.
Nada mais houve.
S. Exc. Btm. o Sr. governador do bispado.
Francisa das Mercez Lima, de idade de 13 para
14 annos, filha e tutelada de D. Jesuina da Nati-1
yidade Silva, roubada violentamente do poder da:
justiga, visto como achava-se judicialmente deposi-1
teda, casou-se clandestinamente no lugar Mrlo da '
provincia do Rio Grande do Norte, lendo sido o <
sacerdote que ofUciou uesse acto o verdadeiro pa-
rodio desta freguezia, Maneel Jacome Bezerra Ca-
valcante lili..
Vejamos porm, se um tal casamento poda ser
feito em conformidade cora as les civil e eclesis-
tica.
No 1.* dia em que leu o vigario a primeira de-
nunciago relativa ao dito casamento, depois da
missa conventual, dirigise a mi da menor ao
vigario em sua propria casa, em companhia de tres
testemunhas de f, e declarou, que ia apresentr-
Ihe o impedimento de menor idade de sua tuba, \
acrescenlando que, negava absolutamente o seu
concenso a semelhante casamento: e que, em <
motlteoll, capito Ezequiel Pages, carga fariuha
de trigVe-aJgodao.
Ilhade Cabo Vetiec-barca porlugueza Corsa, ca
pito Rodrigo Joaqirkn Carneiro, ein lastro.
se a na
Fundeou no lamaro um brigue"
gao por nao ingar bandeira.
EDITAES.
O Illra. Sr. director da escola normal manda
fazer publico que no da 23 do corrente estarao
abenas as aulas da referida escola das 7 horas eai
diante.
Secretaria da escola normal de Pernambuco 22
de julho de 1864.O secretario,
Maximiano Lopes Machado.
O Illm. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial, em cumprimento da ordem do Exm. Sr. pre-
-Santa Casa da Misericordia
do Recife.
A Illm.* junta administrativa da Santa Casa da
Misericordia do Recife, manda fazer publico que
no dia 28 do correte pela 4 ln.ras da Urde na
sala de suas sessoes tem de ir praga as rendas
das casas em seguida declaradas por tempo de
; um ires aunos.
Os pretendentes devem comparecer acompa-
nhados de seus fiadores ou munidos de cartas
destes.
Eslabelecimentos de caridade.
Ra Direita.
N. 3 particular e 8 publico, 2 andares. 1:067,5000
Ra do Padre Floriano.
N. 5 particular e 49 publico casa ter-
rea........unlflOO
X. C particular e 47 publico casa ter-
rea........ 18G000
, N. 8 particular e 43 publico casa ter-
rea........ 1695000
Becco da Carvaii,
: N. 3 particular e 10 publico casa ter-
rea........ 1495000
Ra do Faguiides.
N. 11 particular e 32 publico casa ter-
rea........1535001
Bt. 12 particular e 34 publico casa ter-
rea....... 15000
Ra da Calgada.
N. 12 particular o 38 publico casa ter-
rea. ./. 1365000
Travessade S/Pedro.
N. 28 partcujarjXpabC;2 andares. 3005000
Ra de Hortas.
N 29 particular e 41 publico, um an-
dar e solio. 2885000
Ra de Santa Thereza.
N. 31 particular e 7 publico casa ter-
tempo dara ao poder competente as razoes deste i rifme da provincia de 30 de junho ultimo, manda
seu procedimento. I fazer publico, que no da 13 de outubro vindouro, i
Segunda vez foram- lidos os banhos, e segunda peraDle a junte da fazenda da mesma thesouraria
os banhos, e segunda
vez apreseulou-se a viuva, e declarou em altas
vozes e publicamente, que havia impedimento
contra o casamento annunciado, ao qual se oppu-
nha olla como mi da menor.
Mas, nao obstante tudo isso effectuou-se o casa-
mento.
Em quanto que as proprias leis da igreja en-
contramos a seguinte disposigao:
Nao podero os parochos assstr aos matri-
monios, em cujas denunciagdes sahiram impedi-
mentos, sem mandado, ou sentenga de nosso viga-
ro geral por escripto, sob pena de seren grave-
mente castigados etc... >
Mas dir o vigario do Coito : nao me sahiram
com impedimento derimente, ergo eslava no meu
direito.
Desde que o impedimento apresentado era mera-
mente de carcter civil, pelo facto da menoridade
da nubente, ficava sabido que sem a competente
licenga da autoridade civil, nao poda ser efectua-
do um semelhante casamento.
E nem o parocho pode dar licenga em casos
tees, sem que passe a competente ceriido na ulti-
ma denunciago que leu,em que declarar os impe-
dimentos que Ihe sahiram : segundo dispoe a C
do bispado T. 63, n. 276.
Isto porm, nao fez o vigario de quem tratamos,
porque se Ihe pedindo o theor dessa certido, Be-
gou-se a dar, declarando que os banhos haviam ti-
do o destino conveniente.'
Reputamos e facto denunciado de mxima im-
portancia, e esperamos que tanto o poder eclesis-
tico, como o civil, procurando obter mais com-
pletos esclarecimentos, d as provideucia que
em sua sabedoria entendeiem de acert.
O justo.
rea........1975000
Ra do Cbug.
N. 34 particular e 1 D publico loja. 4775O0U
Rna da Roda.
N. 36 particular e 5 publico casa ter-
rea........ 965000
N. 92 particular e 1 publico casa ter-
rea. ... ... 1205000
Ra da Imperatriz
N. 47 particular e 68 publico casa ter-
rea........30C5001
Becco do Quiabo.
se ha dearrematar quem por menos Qzer, a cons-1 N. 49 particular e 8 publico casa ter-
truego de69 bragas de caes de cada lado do ea- rea- .,' '5O0O
nal da ra da Aurora, avahado em 13:9145000. 2* d\ ,Glona-
N. 51 particular e b9 publico casa ter-
en cao
s
Xarope alchoolico de veame, preparado pelo
pharmaceutico Jos da Rocha Prannos, estable-
cido com botica na ra Direita n. 88 em Pernam-
buco.
Este xarope incontestavelmente superiorato-
dos os xaropes depurativos, de cuja composico
o seu maior elemento a salsa parrllba, pois que se
tem conhecdo ser o veame mais enrgico para a
prompta cura das molestias, cuja base essenclal
depende da purilicaro do sangue ; assim pois se
tem verificado por umitas pessoas que se achavam
desengaadas, as quaes acham-se boje restableci-
das com o referido xarope alchoolico de veame ;
entretanto que alguns, tendo usado do xarope de
Curinier, de Larrey, de salsa parrilha, de sapona-
ria, oleo de figado de baealho, e outros agentes
desta ordem nada conseguirn!. elle de fcil
digcslo, agradavel ao paladar c ao olphato. Al-
guns mdicos desla cidade e da de Mamo o ieein
reeommendado para a cura das
lrapigens, tinha,escrophulas,
Tumores, ulceras, escorbuto,
Cancios, sarna degenerada, tluxo alvo.
A arremstago sera feita na forma da lei pro-
vincial n. 343 de 15 de maio de 1834, e sob as
clausulas especiaes abaixo declaradas:
As pessoas que se propozerem a essa arremata-
| cao comparecam na sala das sessoes da referida
junta no da cima mencionado pelo meio dia, e
competentemente habilitadas.
E para constar se mandou publicar o presente
pelo jornal.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
buco, 9 de julho de 1864.
O secretario
Antonio Ferreira da Annunciacao.
CLAUSULAS ESPECIAES PARA A ARREMATAQO.
1* A obra do caes margein do canal da ra da
Aurora, ser executada de conformidade com oor-
camento e planta respectiva apresentados pela di-
rectora das obras publicas na importancia de
15:9145.
2* O empreileiro dar execucao aos trabalhos no
prazo de 20 dias, e os terminar nos de 60 dias,
contados na forma da lei.
3a O pagamento sera effectuado em prestagoes
mensaes, de valor correspondente ao trabalho exe-
culado, em cada niez, deduzindo-se um dcimo,
que ser entregue seis raezes depois da concluso
da obra.
i" O empreileiro nao poder sob qualquer pre-
texto exigir indemnisacao alguma que nao seja
fundada no excesso de trabalho previsto no orga-
menio.
3* O empreileiro na execucao dos traOalhos ob-
servar as prescripges dadas" pelo engenlieiro lis-
cal da obra.
6a Para tudo quanto nao se adiar aqu disposto,
observar-sc-ha o que dispoe a lei n. 286.
Conforme.Antonio Ferreira da Annunciacao.
rea........1445000
Ra de S. Bom Jess das Crioulas.
N. 61 particulare8 publico casa ter-
rea........ 1315000
Ba do Padre Floriano.
N. 66 particular e 63 publico casa ter-
rea........ 1445000
Ra da Senzala Velha
N. 71 particular e 25 publico casa ter-
rea. ..... 1455000
Patrimonio de orphos.
Ra de Imperador.
X. 2 particular e 81 publico 2 andares. 1:2025000
Ra de S. Gongalo.
X. 10 particular e 22 publico casa ter-
rea........1835000
Ra dos Pires.
X. 13 particular e 39 publico casa ter-
rea. ....... 101500O
Ra do Vigario.
X. 72 particular e 27 publico 2 anda-
res........6035O0O
Ra da Senzala Velha.
N. 80 particular e 132 publico 2 anda-
res........ 4105O0O
X.82 particular e 16 publico casa ter-
rea........2015000
Ra do Pilar.
X. 91 particular e 103 pnblico casa ter-
rea........ 1635000
X. 94 particular e 99 publico casa ter-
rea........ 23450OO
X. 105 particular c 94 publico casa
lerrea........... 173,5000
Ba da Madre de Dos.
X. 36 particular e 2 publico casa ter-
rea..... ... 18-2-jiiOO
Becco das Boias.
0 cidado Luiz Antonio Goncalves Penna, juiz d
paz do 2." districto da freguezia de S. Frei Pe-1 .Y 39 particular e 18 publico 2 auda-
dro Gongalves, da cidade do Recife. era virlude da res........
lei etc. Ra do Amorim.
Fago saber aos que a presente carta de editos | N. 56 particular e 26 publico casa ter
virem, que por parte de Joaquim da Silva Lopes,
me foi feita a petico do tlieor seguinle :
Diz Joaquim da Silva Lopes, que a bem de seu di-
reito quer fazer citar Mara Thereza de Jess,
viuva do finado Domingos da Rosa, pela quanta
de cincoenta mil ris, da casa numero noventa e
dous, na ra do Pilar, em Fora de Portas, alaguis
da mencionada casa, vencidos at desasseis de ju-
lho do corrente auno, e isso por escriptos editaes
em' virlude da mesma viuva se ter ausentado com
toda a sua familia para lugar nao sabido, pelo quo
3605000
1205000
rea......
Miruera.
N. 4 particular sitio.
Secretaria da Santa Casa da
Recife, 22 de julho de 1864,
O escrivo,
F. A. Cavalcanti Coussero.
Pela adminstraco do correio deste cidade
se faz publico a quem convier, que as cartas aba!
xo mencionadas deixaram de seguir seus
pelo vapor Mama aguape, por so acuareui
. 2135000
Misericordia do
deslino
Clin sel
o supplieante na conformidade do art. 43, do re- los j servido*,
gulaineuto n. 737, de 23 de novembro de 1830, Dr. Antonio Domingues da Silva.
quer justificar a supphcada a certeza de que mu- Antonio da Silva Fialho.
don de lugar de sua residencia, e que provado, Domingos Henrique de Oliveira.
julgado se passe escripto de odilos ua couforiiida- Joe da Silva Villar,
de da lei, alim de que seja citada sobre todo o Liborio Ferreira da Ponte,
couledo do estyllo, e sob pena de revelia, assig-
nado o da e hora para as testemunhas jurarem.
Todas estas aTecgoesprovm de uma causa in- Xestes termos pede V. S. Illm. Sr. juz de paz do
terna ; nao lia pois razo alguma em crer que el-
las se podein curar com remedios externos. Tam-
ben! se prescreve o xarope alchoolico de veame
para o tratamento das alleccoes do syslema nervo-
so e fibroso, tees como :
Golta, rheumatismo, paralysia,
Dores, impotencia, esterilidade,
Marasmo, hypocondria, emmagrecimeiito.
0 xarope alchoolico de veame sobre ludo, da
maior utilidade para curar radicalmente, e em
pouco lempo o rheumatismo.
Adverte-se que o verdadeiro xarope s se vende
nesta cidade na botica cima indicada, do abaixo
assignado ; e em oulra qualquer parte que se tem
annunciado nao da mesma eomposigo, e nem o
abaixo assignado se re.-ponsabilisa.
Jos da Rocha Paranhos.
2." districto do Recife, deferimento. E. R M.
Joaquim da Silva Lopes.
E mais senao conlinh em dita petico, na qual
dei o despacho seguinle :
Desguo o dia 20 do crreme, peas 4 horas da
tarde, para que o supplieante justifique a ausencia
da supplicada, para poder ella ser citada por editos,
i." districto do Recife, 16 de julho de 1864.Gon-
galves Penna.
Em virlude do qual despacho o supplieante pro-
duzio suas testemunhas, sendo-me os autos conclu-
1 sos dei a sentenga do theor seguinte :
Julgo por sentenga e justilicago do follias 3 o 4,
Mara Sevcrina da Bocha.
Pela subdelegada da freguezia de S. Fr. Pe-
dro Goncalves do Recife se faz publico que foi ap-
preheudido e recolhido deposito um cavallo de
cor caslanho e magro, com uma caogalha em bom
estado, o qual foi encontrado vagando pelas mas
desta freguezia : quera se julgar com direito a el-
le comparega neste juizo, que provaudo Ihe sera
entregue.
Subdelegacia do Recife 23 de julho de 1864.
O subdelegado,
Luiz Antonio Gongalves Penna.
Goiisclho administrativo.
O comeiho administrativo para fornecimento do
arseual de guerra tem de comprar os objectos se-
gurares :
e mando que se passe carta de editos requerida Para 0 por 30 das, pagas as custas pelo jusnneaute.. z. j Alagoa*.
districto do Retife, 22 de julho de 184.-Luiz An- Bonc(s m, mantas de la 100, brlra branco 500
Pastiihas vermfugas de fiemo.
As pastilhas vermfugas de Keinp,'sao por sem
duvida alguma infinitamente mais efficazes e uleis
,.1' dentro do dilo prazo comparega por si, ou po
bastante procurador na primeira audiencia deste
Ellas nao somente expeliera edestroem csses in- fe^ g"JJ J*JStn?Smttt
comniodos parasylas, mas tambem removem a mu- l0>-p'
por esta forma
encontra um so caso em q
de produzir o desejado effeito de una maneira sa- f
tisfacioria. '
Em virtude de se acharem isemptas de ingre-
dientes irritantes, no causam ellas dr ou incom-,
modo de qualdade alguma e por meio da sua ac-
gao balsmica suavisa o ventre e o deixain noes-
! lado de uma salubridade perfeita. As criangas as
i confundem fcilmente com outros confeitos ordina-
rios em razo da sua apparencia e sabor, e gostam
aellas tanto quanto de proprios doces. A' venda
as boticas de Bravo & C, Caors & Barbosa.
CAIXA FILIAL
DO
i \C O DO BRASEL
EM PERNAMBUCO.
A directora desta caixa, em virtude de ordem
da directora do Banco do Brasil, avisa aos Srs.
accionistas que o respectivo thesourelro est auto.
risado a pagar o dividendo das aegoes da meema
caixa do semestre fiado era 30 de junho prximo' do do nVrnte^ rom ^rtaTjaeiia na irente7cm
passado, na razio di 85a00 por aegao. duas sa|aSj ura quart0 e C0ZlDna fora coul 24 pal.
Recife 14 de julho de 1864No impedimento do mos de frente, c 36 palmos de fundo, tambera em
foi exposto alim de que nao fique indefeza.
O porteiro deste juizo publique este nos lugares
mais pblicos desta freguezia, e alfixar passando
ceriido em forma, e ser publicado pela im-
prensa.
Dado e passado neste 2." districto da freguezia
de S. Frei Pedro Gongalves do Recife, 23 de julho
de 1864.
Eu Antonio da Silva Reg, escrivo o es-
erevi.
Luiz Antonio Goncalves Penna.
O Dr. Manoel Autonio dos Passos o Silva Jnior,
juiz municipal de orphos e ausentes do le 1111
de Olinda, em virlude da lei etc.
Fago saber aos que o presente edital virem, que
no dia 28 do correute mez, depois da audiencia
deste juizo, a porta da casa da mesma audiencia,
se hade arrematar por venda quera maior lango
offerecer sobre seus valores os bens seguales per-
tencentes a heraoga do finado Bernardo Jos de
Sena.
Cia casa de Hipa coberte de telhas, com uma
porta e duas jaoellas na frente, com dous quartos
o duas salas e coznha lora, cora 26 palmos de
frente e 36 ditos de fundo, em chaos foreiros e
com seu quintal pequeo em aberto.
Outra dita contigua a casa cima referida do la-
secretario, Ignacio Nunes Correia.
Alfandega
Rendimento do dia 1 a 23.......
dem do dia 23................
chaos foreiros, e pequeo quihtal em aberto; am-
bas sites no lugar do Urub de Beberibe, deste ter-
mo, aquella avallada por 2505000 e este por.....
5C9:7995304; 2005000.
17:2645004 j E para que chegue a noticia de todos mandei
-------------passar o presente que ser afflxado no lugar do
587:0635308 cosiume e publicado pelo Dmno de Pernambuco.
ir m I Dado e passado nesta cidade de Olinda, sob meu
:
ionio Gongalves Penna. vara5 a|godozinho 230 varas.
Nada mais se contralla era dita sentenga aqu para 0 (.QppQ ,ja g1]arnco
copiada, por bem da qual se passou ao justificante Bonei5 116, mantas de la 1.19, divisas para sar-
a prsenle carta de editos, com prazo de 30 das |0 ajudan(e e ,,UarLel-mestre 2, panno azul 827
pelo qualse chama e ca a referida Mana Thcrez,covadoSi casemira amarella 211|2 covados, dita
do quo todos os mais remedios pergosos e nausea- d,e *% *'* ^ZT.L Llf^n9^ ''n encarnada 12 covados, hollanda de forro 643 cova-
bundos dos que existem para a expulso das lom- deil'ro,f dl [J'rf?rCnTS!ra *, ai Zlih-Z dos' aniaRem 86 '"2 varas> brira branco 1'030
J' ras, algodoziiibo 682 varas, botoes grandes dc-
metal amarello 2,422, ditos pequeos de dito 1,337,
clcheles pretos 173 pares.
cosidade em que elles se engendram impedndo lr>T,''"^".1 PTJZJZ2L 'ZZ.ZTrXEZ, Para o 9 balalhao de infantera.
Compendios de doutrina chnsla 6, ditos de ari-
thmetica 6, pautas 6, taboadas 6.
Quem quizor vender laes objectos aprsente a
sua proposta em carta fechada na secretaria do
conselho.s 10 horas da manhaa do dia Io de agos-
to prximo vindouro.
Sala das sessoes do conselho administrativo para
fornecimento do arsenal de guerra, 23 de julho
de 1864.
Antonio Pedro de S Brrelo,
Coronel presidente.
Sebastiao Jas Basilio Pyrrlio,
Vogal secretario.
Correio.
Pela administragio do correio deste cidade se-
faz publico que em virtude da convengo postal,
celebrada pelos governos brasileiro e francez, se-
ro expedidas malas para a Europa no dia 30 do
corrente pelo apor francez Navarrc. As cartas
sero recebidas at 3 horas antes da que for mar-
cada para a sabida do vapor, e os jornaes at 4 ho-
ras antes.
Administrago do correio de Pernambuco 20 de-
julho de 1864.-0 administrador,
Domingos dos Passos Miranda.
Crrelo geral.
Pela administrago do correio desta cidade se
fa# publico para fins convenientes, que em vinude
do disposto no art. 138 do regulamento geral dos
correos de 21 de dezenibro de 1844, e art. 9 do>
decreto n. 185 de 15 de maio de 1831, so procede-
r o consumo das cartas existentes na administra-
cao pertencentes ao mez de julho de 1863, no da.
3 de agosto prximo, s 11 horas da manhaa, na
porte do mesmo correio, o a respectiva Usa se
acha desde j exposta aos interessados.
Administrago do correio da Pernambuco 20 de
julho de 1864.O administrador,
Domingos dos Passos Miranda.



\ '......m n


i
Mario de Pema&ibnro
Tt*f felfa & de Jnlho de i 6*4.
II
I
A enmara municipal desta cidade, em cum-
primento do ufficio do Eim. presidente da provin-
cia, datado de 7 de julho do corrente anuo, e de
conformidade com o art. 3 do decreto n. 353 de
12 de julho de 1845, convida aos propietarios dos
predios sitos na ra do Trapiche, lado da mar,
com parecerm no paco municipal, aflm de fazerem
as dedaracoes e reclamacoes qne jolgarem neces-
sarias a bem de seas direitos, relativamente a de-
saproprtaeao de parte dos mesmos edificios para
alargameuto da dita ra.
No mesme pago municipal tea eiposto ao exa-
me dos ditos propietarios per espaco e 10 dias, a
contar da data deste, o plano do aJargameitto da
dita roa, podendo os mesmos proprietarios faxer
as suas reclama^oes verbalmeale ou por escripto,
com unto que nao excedam ao praso cima mar-
cado.
Paeo da cmara municipal do Recife 14 de ju-
lho de 1864.
Luiz Fraeclsco de Barros liego,
Presidente.
Francisco Canato da Boaviagem,
Secretario.
De erdem do nim. Sr. inspector da thesoura-
ria de fazenda desta provincia se faz publico que
no dia 27 do corrente s 2 oras da tarde, peran-!
te a mesma thesodraria irSo a praca para serem
arrematatados por qnem mais dr, os materiaes
que se poderem aproveitar dos proprios nacionaes
sitos em frente do arsenal de marinha que teem de
ser demolidos por ordem do governo imperial, sen-!
do a demolicao feita casta do arrematante dos \
materiaes.
As pessoas quem convier -dita arrematacao de-
vrao comparecer no referido dia e hora marcado.
Secretaria da thesouraria de tazenda de Pernara-
buco, em 20 de julho de 1864.
Servindo de ofcial-maior,
Manoel Jase Piulo.
Iiispecro d# arsenal de marinha.
Faz-se publico que a commissSo de peritos exa-
minando boje, na forma determinada no regula-
ment annexe ao decreto n. 1324 de 5 de fevreiro
de 1834, o casco, machina, ealdeira, apparelho,
mastreacao, veame, amarras e aacoras .do vapor
Cainarrgibe da companhia Vigilante, achoa que j
poda essenavio continuar no servico de reboque;
m qoe se emprega, mas a ealdeira nao podendo
funeciooar com mars de 11 libras de presso de
vapor per cada pollegada quadrada pela sua m j
cravacao depois do ultimo concert.
Inspecco do arsenal de marinha de Pcrnambu-'
co, 22 d julho e 1864.
O inspector,
Jl. A. Barbosa de Aluieui...
fivmna-io provincial.
O lllm. Sr. regedor interino do Gymnasio man-
da declarar q-ie no dia Io de agosto prximo yin- j
douro principia a funecionar a aula de primeiras
letras do mesoio Gymnasi creada pela lei pro- !
vincial n. 598. Os alumnos dessa classe sao em j
tudo equiparados aos de mais que frequentam o :
estabelecimento, e por isso obrigados a pagar : os
internos 305 mensaes, os meio-pensionistas 155,'
os externos 5$.
Secretaria do Gymnasio Provincial de Pernam-
buco 22 de julho de 1864.O secretario,
A. A. Gabral.
De ordem do lllm. Sr. inspector da thesou-
raria de fazenda desta provincia declara-se
quem estiver de pone do terreno de marinha n. j
24, que esteve no dominio til de Juliao Beranger
entre a ponte da Boa-Vista e a de ferro de Santa
Isabel, que dentro do prazo de 15 dias cootados
desta data deve solicitar o respectivo titulo de afo-
ramento reconhecendo assim o senhorio directo!
da fazenda no dito terreno, sob pena de ser consi-
derado devoluto o mesmo terreno e arrematado a
Secretaria da thesouraria de fazenda de Per-
nambuco em 25 de julho de 1864.
Servindo de oflicial maior,
Manoel Jos Piuto.
LEILOES.
DE
Urna mobilia de Jacaranda com tamno de pedra,
1 dita de amarello, 1 mesa elstica, 1 dita com
2 cabect-iras, i guarda vestido, 2 lavatorios,
marquetas, mesas, cadeiras, i carteiras, 1 relo-
gio de mesa, 3 ditos de parede, 6 quadros, 1 es-
pingarda, 4 castieaes e mangas, 2 grandes es-
pelhos moldura dourada, 17 eaixas com charo-
tos, 16o libras chocolate, 64 dntias cinturoes, e
9 pecas elstico de seda.
iioji.
O agente Pinto far leilo por cenia de diversos
de todos os objectos cima mencionados existen-
tes no armazem do sobrado da ra da Cruz n. 57,
aonde se effeetuar o leilSo s 10 horas do dia ci-
ma dito.
&7 31 i.
Pede-se as pessoas que tem movis e mais ob-
jectos no armazem da ra da Cruz n. 57, que ha-
jam de retira-los no prazo de 3 dias a contar fles-
ta data. Recife. 23 de julho de 1864.
LEILSO
DE
IO pipas com vin lio de Lisboa.
IKI.
O agente Pestaa awndera em leilo por conta
e risco de quem pertencer 10 pipas com superior
vinho tinto de Lisboa em um ou mais lotes : ter-
ca-feira 26 do carrate pelas 10 horas da maaha
no largo da alfandega.
r'eijo, niuntciga franceza e i>0 duzias
de vinho tlti Porto.
H04I!.
Por conta de quem pertencer serao expostos e
vendidos pelo maior preco e por conta de quem
pertencer 50 eaixas com 50 duzias de vinho do
Porto, 10 harris com excedente manteiga france-
za e 7 saceos com feijo todo para fechar cootas :
terca-feira 26 do.eorrente pelas 11 horas da ma-
nhaa na porta do Annes.
LEILO
to
Brigue nacional Algrete.
Quarla-feira 27 de jiilliu. s 11 horas, (a frente
da associaro commercial,
O agente PinD far leao requenmento de
Joaquim Juvencio da Silva e por despacho do lllm.
Sr. Dr. juiz de orphaos, do brigue nacional Alegre-
te, ancorado ueste porto cora todos seus pertences,
de conformidade com um inventario existente em
poder do mesmo agente : o leilo ser eflectuado
n > dia, hora e lugar cima dito podendo os pre-
ondentes examinarem desde j o mesmo brigue.
AVISOS MARTIMOS.
COMPANHIA BRASILEIEA
DE
PAQUETES A VAPOR
Dos portos do norte esperado
at o dia 2 de agosto o vapor
Paran, eommandante o capitao
de fragata Santa Barbara, o qual
depois da demora do coslume se-
guir para os portos do sul.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
;;er embarcada no dia de sua chegada: encom-
rnendas e dinheiro a frete at o dia da sabida s 2
ioras, agencia ra da Cruz n. 1, escriptorio de
Antonio Lote de Oliveira Azevedo C.
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR.
Dos portos do sul espera-
do al o dia 30 do corrente o va-
por Ouapeck, commandantc An-
a Ionio Marcelino de Pontes Ribei-
ro, o qual depois da demora do
ostume seguir para os portos do norte.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
er embarcada no dia de sua chegada, encommen-
das e dinheiro a fretc at o dia da sahida as 2 ho-
ras : agencia, ra da Cruz n. 1, escriptorio de An-
jQoI.io uiz de Oliveira Azevedo & C.
COilIPAIHIA
DAS
MESSAGERIES IMPERIALES
No dia 30 do corrente espera-
se dos portos do sul o vapor fran-
cex amare, commandante de
Somer, o qual depois da demora
do coslume seguir para Bor-
deaax locando em S. Vicente e Lisboa.
Em S. Vicente ha um vapor em correspondencia
com Coree.
Para as coodicoes, fretes e passagens trata-se
na agencia ra do Trapiche n.9.
Para o Kio de Janeiro pretende sahir com
brevidade a barca Brrelo, tem parte da carga
pajada para c resto que Ihes falta e escravos a
rete, trata-se com os consignatarios Palmeira &
Beltro largo do Corpo]Santo n 4,'primeiroandar.
Para Lisboa pretende sahir com brevidade o
patacho portuguez Jareo, lem alguma carga enga-
jada, para o resto que ilie falla, a frete commodo,
trata-se com os consignatarios Palmeira & Beltrao,
largo do Corpo Santo n. 4, primeiro andar.
I'ara UsIhm.
Vae sahir em poucos dias com a carga que tiver
brigue partuguez Con/vinca, qnem quizer car-
regar ou ir de passagem entenda-se com os con-
signatarios Carvalho & Nogueira na ra do Apol-
io n. 20 ou com o capilo.
Festividade de N. S. das Ne-
ves na Parahiba.
Ha vendo numero suHkienle de passageiros, lar-
;ar deste porto para o da Parahiba, um dos va-
pores da Companhia Pernambucana, na tarde de
4 de agosto prximo, devendo voltar no dia 8. As
,>essoasque desejarem assistir aquella Testa, quei-
ram inscrever seus nomes, desde j, e at odia 30
no escriptorio da Companhia, Porte do Mattos nu-
mero 1.
Cear, Maranho e. Para
Segu at o flm do mez o patacho nacional An-
hv, de 1* marcha e 1' classe, recebe carga: a tra-
tar com A. de A. Porto, na ra do Vigario n. 10,
ou com o capilo Ralis, a bordo, ou no trapiche
do algodo.
Para a Babia pretende sabir com
muita brevidade o veleiro patacho I).
Luiz, capilo Jos Teixeira de Aieve-
.do, por ter parte da carga engajada;
para o resto queche falta, trata-se
com os consignatarios Palmeira '& Beltrao, no largo
d< Corpo Santo n. 4, primeiro andar.
LjEILAO
DE
CIMENTO MIMADO
O agente Olimpio far leilo por conta e risco
de quem pertencer de 121 barricas de cimento
avariado a bordo do patacho inglez fortnala, na
sua viagem de Londres para este porto.
Quinta-feira 28 fio corrente
s 10 horas da manha no armazem do Exm. ba-
rio do Livramento no caes d'Apollo.
rimo
DE
Urna grande casa de campo assobradada com
grand e sitio, arvoredos e baixa de capim na
ponte de Ueboa, em frente a casa e sitio do Sr.
Jo.- Moreira Lopes.
Quinta-feira 28 de julho em frente a associaro
coramercial.
O agente Pinto far leilo requerimento do
administrador da massa fallida de vinva Amorim
& Filhos e por mandado do lllm. Sr. Dr. juiz es-
pecial do commcrcio, do sitio da ponte de Uchoa
com grande casa de sobrado, pertencente a refe-
rida massa, s 11 horas do dia supradito em fren-
te a associaco commercial.
DE
Movis e outros art'gos
Quinta-feira 28 de corrente,
Ra da Cadeia do lleeife u. 48
O agente Olimpio far leilo de diversas obras
de marcineiria novas c usadas, machinas para
costura, candieiros, relogios, louga, lanternas, joias
de ouro, miudezas e outros muitos artigos.
Dar principio o leilo s 11 horas.
VNDESE
um engenho, fazenda de ga-
do, diversos predios, porciio
de escravos, animaes vac-
cuns c cava llares.
Sexta-feira ') de agosto.
Vi cidade da Parahiba, ra do
Varad ouro n.
Jos Luiz Pereira Lima, tenJo resolvido termi-
nar a responsabilidade que toinou sobre parfe dn
passivo de sua extincta lirma commercial, expor
concurrencia publica, por venda em leilo, to-
dos ou parte de seus bens constando de :
[.'ni engenho den'.mina lo Graca, distante urna
pequea legua da cidade, com todas as bemfeito-
rias e obras, como sejam : um magnifico sobrado
apalacado com 16 janellas de frente, igreja e urna
casa terrea com 70 palmos em quadro, casa de
engenho firmada em columnas todas de pedra, ca-
sa de ealdeira e em seguimento casa de purgar
com 70 palmos de largura e 280 de comprimenlo
inclusive casa de deslilago, sendo estas obras to-
das de pedra e cal. O engenho moe nicamente
cem agua de urna vertente extraordinaria sobre a
roda que nova e de madeira de amarello com 44
palmos de dimetromoenda nova e toda de fer-
ro assentamento completo com as caldeiras pre-
cisas todo o fabrico.
As trras de que o engenho se compde tem urna
extenso de legua quadrada, bem devisada e de-
marcada, com porto de embarque, e varios sitios
com casa e muito arvoredo de fructo, e bem assim
infinitas pedreiras para cantara, lasca e cal, para
o que tem varios frnos slidamente construidos.
Urna casa de sobrado de tres andares e soto,
com cinco portas de frente na ra do Varadouro.
Urna dita de.dous andares e soto, com tres
portaste frente na mesma ra.
Urna dita terrea com cinco portas de frente e
solio tambera na mesma ra.
Um grande terreno de marinha com fronteiras
para armazens na ra do Zumb.
Urna casa terrea junto ao quartel de primeira
linha.
Urna dita de sobrado com cinco portas de fren-
te, mnito bem construida c ao gosto moderno na
ra Direita da cidade alta.
Urna dita dito com quatro portas de frente,
igualmente bem construida e annexa anterior.
Duas ditas terreas no becco da Companhia.
Urna fazenda de gado situada na Bibeira de
Crumata em duas leguas de trras cem duas si-
tuacoes de gados, curraes, acudes, e boas catingas
para plantacoes d Udo o genero.
Viole e cinco escravos de todas as dados.
Animaes de roda, boiada mansa, e vaccas tou-
rinas.
N. B. O leilo ter lugar no dia cima designa-
do pelas 10 horas da manha em urna das casas
da ra do Varadouro.
Os pretendemos qualquer das propriedades
podem desde j dirigir-se seu proprietariojiara
obter informacoes de qualquer nalureza qne se
|am relativas posse, dominio e demarcaco de
imites.
LEILaO
pc
Urna grande arraaco de amarello envidracada,
balcao, earlera, armarios, eadelra, soft, me-
sas, espelho, e algumas pecas de roupa feita
existentes no estabeteciinento de alfaiate na ra
Nova n. 60.
oxla feira de julho s II
horaM en ponto.
O agente Pinto far leilo requerimento do
depositario geral e por despacho do lllm. Sr. Dr.
juiz especial do commercio dos objeetes cima
mencionados, as 11 horas do dia cima dito, na
loja da ra Nova n. 60, casa da esquina junto a
ponte da Boa-Vista.
DE
1 sof, 1 ni arque/.i, 2 consoles, 1 ban-
ca Can ga eU e 12 radeiras.
Sexta-feira 29 de julho s 10 hora em pon-
to ra Nova n 60.
O agente Pinto far leilo requerimeiio do
depositario ueral e por despacho do lllm- Sr. Dr.
juizespnttaJ 4t> rumawm, 4t lyecKw acwaa
meneiados, depositados raabos mmho .aor rte Jope ories Cidreira,
para caber e* dftno lammgo P*H*, J!lliilJ
sera eftMhno*o iii/ima ittgut m indi-
cado.
Arrenda.se, Tdnde-se, ou mesmo trocase por
casas na praca um sitio na Varzea margem do
ameno Capibaribe, com dnas grandes casas, com
7 quartes, 4 salas, 2 cozinhas e um soto, tendo a
parle cocheira, estribara, e quartos para criados,
todo plantado de arvores de frtiete, abacates, sapo-
tis, frncta-pio, limio doce, limas de umhigo e da
Persia, larangeiras de nmbigo, seletas, tangorinas,
ele:, nm grande cafesal cora froctas, jaqueiras,
mangaeiras, coqueiros, dendexeiros, com mais no
fundo na casa de uipa, e bem assim mais 4 ca-
sas de lijlo acabadas de pouco lempo, com frente
para o nascente, muito frescas, tend cada urna i
salas, 2 quartos e cozrttha fra : os pretendentes
dirijam-se ra do Quermado n. 27, loja de fazen-
tfas dos Srs. Custodio & Carvalho._____________
Miguel Jos Barbota Guinjares socio prin-
cipal da firma de Goimares & Lima, faz scieote
a todos os devedores a esta firma que teodo falle-
cido e socio Jos de Almeida Nuues Lima, est
procedendo a liquidaco da meama e por isso pe-
de a todos os devedores o especial favor de man-
daren) saldar seusdebitos o mais breve possivel.
Becife, 9 de julho de 1864.
OPA FEITA
s

NO
ABIAKESI
ii
dMi
*erraw
ei
por tit|if wail maiai
lulos entregar, uo se maadan-
do buscar anas moradas ( bem
qne nSo se Ignore) pela Incerte-
za da hora era que se eneomtra-
r5o em casa._________________
0 cirurgio Leal mudou
a sua residencia da ra do
Queimado para a ra das
Oruzes sobrado n. 36, pri-
meiro andar, por cima do
armazem Progressista, aon-
de o acharo como sempre
prompto a qualquer hora pa-
ra o exercicio de sua pro-
fissao, chamado por escripta.
Precisa-se de urna ama que sai-
ba bem cosisbar e que &eja muito
aceada e faca compras : na raa a
Cadeia do Kecife n. 38, primeiro
andar-
Na Gapunga Velba est a disposico dos
concurrentes um xcellenle bilfaar das 9 i
horas do dia at s 42 da noite. j
I>. Baria Herminia dos Passos, competente-
| mente auloi.isada pelo Dr. director geral da ins- '
truccio publica, laz scieote ao respeiuvel publico
e com especialidade aos pas de familias, que tem
aberto sua aula de primeiras letras e costura, na
ra de Hortas n. 64, casa terrea, onde oferece seu :
prestimo, e espera concurrencia dos mesmos pais
de familias.
Prt'cisa-se de urna criada livre ou escrava
I que saiba cezinhar e comprar : a ra de Santo
i Amaro (Mundo iNovo), sqbrado onde morou o Sr,:
Dr. Sabino.
O Sr. Joo Francisco de Pontes com padaria
em Caruar tenha a hondade de dirigir-se ao lar-
n de Pedro II n. 27, terceiro andar, a negocio que '
Ihe diz respeito.___________^_________
Aluga-se um escravo para o servido de bo-'
leeiro : qnem quizer. dirija-se botica de Jos ;
Mara Gameiro, das 10 s duas horas da tarde, que i
ahi achara com quem tratar.
\qs 6:0U$UUU..
Corre depois d'amanhSa.
Quiata-feira 28 do correte mez andaro
as rodas da terceira parte da segunda lo-
tera do tbeatro de S. Isabel.
Os bilbetes, meios e quartos acham-se
venda na respectiva thesouraria ra do
Crespo n. 15.
Os premios de G:000,->000 ate lOOO
sero pagos urna bora depois da extracto
at s 4 boras da tarde, e os outros no dia
seguinte depois da distribuico das listas.
O thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
"CASA DA FORTIM"
AOS 6:000,000
nllhetcs garantidos
A' roa do Crespo h. 23 e casas do eostume
O abano assignado tendo vendido nos seus mui-
to felizes bilhetes garantidos o inteiro n. 1207 com
asorte de 1:4005. e do numero 817 com a sorle
de 6005. e outras muitas de 200,3, 1005, 405 e
205 da lotera que se acabou de exlrahir a benefi-
cio da igreja de S. Francisco de Serinhiiem, con-
vida aos p- ceber seus respectivos premios sem os descontos
das leis, em seu estabelecimento ra de Crespo
n. 23.
O mesmo tem exposto venda os novos e felizes
bilhetes garantidos da terceira parle da segunda
lotera a beneficio do theatro de Santa Isabel, que
se extrahir quinta-feira 28 do corrente.
Preeos.
Bilhetes inteiros..... 75000
Meios......... 35500
Quartos........ 15900
Para as pessoas que comprarem
de 1005 P^ra cima.
Bilhetes........ 65300
Meios......... 35260
Quartos........ 15700
Manoel Martins Fiuza
Pero emprestadas ou compro as car-
tas de Pillia a Damio, por Fre Joaquim
do Amor Divino Caneca.
Antonio Joaquim de Mello.
SAMO 4 LIZ
KST A VBNDA NA LIVBAklA DO Sr. GeRALDO
ni"A KSTREITA DO ROSARIO X. 12 AS
NOCES
a
DE
PARTIDAS COBRADAS
OFFF.RECIDAS
DI
im:kv\jiiu < o
POR
M. Fonseca de Medeiros.
Adverte-se aos moradores do sobrado n. 30
sito na ra @s(reita do Rosario, freguezia de Sanio
Antonio, qne tenham cuidado em deitarem agua
na na para nao ser molhado quen passa junto
desse sobrado, como aconteceu as 9 horas da noite
do dia 23 do corrente, e se islo nao for possivel
vedar-se, entao seria bom que osses senhores mora-
dores mudem-se para casa terrea, onde com aquel-
le proceder pouco incommodarao as pessoas que
passarem pela porta. _______
Urna pessoa com pratica de agricultura se
offerece com Ires escravos bons para ongajar-se
em algum engeaho ou plautacao de algodio : pode
ser procurado na ra Direita, loja de miudezas de
Laurentino.______________________________
Oefronte da escada do passadico, do lado de
Santo Antonio, fornece-se comedorta por preeo
commodo, promptidio e milita limpeza, o lugar
de fcil condueco, tanto para o Recife como para
Santo Antonio.
----1
a 8 i i i i 15 1 f I & i i f! P 1 S o S O K -1 = M Si %> -i a a, o 1 ~-> o 8 Br O 5 -i 5. i > S 9 D (A -i S3 -. O ?. 9 > O a i ;

Aluga-se o andar do sobrado da ra da
Aurora n. 44: a tratar na mesma roa n. 10.
\a ru t estreita do Rosario u. 34
Advocado Affonso de Albu-
querque Mello,
urrnnBO veraz.
Neste estabelecimento ba sempre um sortimento completo de roupa feita de
todas as qualidades, tambem se manda fazer por medida, vontade dos icoocw-
rentes, para o que tem um dos melbores professores, assim como tambem tem ani
grande e variado sortimento de fazendas de todas as qualidades, para seonoras,
bornens e meninos.
Casacas de panno preto, 35* e 305000 Dits de setim preto. 5.J000]
Sobrecasacas idem, 30,5 e 255000' Ditos de ditos e seda branco,
Paletos idem e de cores, 25$, ftj e.......OmSt
SOI, 15*e......100000 Ditos de gorguro de seda 5
Ditos decasemira, 2t$, 15*, pretos e de cores, *, 5* e 4*000^
12*, 10* e...... 7*000 Colletes de fusto e brira bran-
Ditos de alpaca, 5*, 4*e 3*500 co, 3*500, 3* e 2*509
Ditos ditos pretos, 9*. 7*, Seroulas de brim de linbo,
W, 4e......3*500, ^480 e......sfleoo
Ditos de brtm e ganga de co- Ditas de algodSo, 1*600 e. 4*400
res, 44500, 4*, 3*500 e. 3*000 Qamisas de peitos de linbo,
Ditos branco de linbo, *, 5* e 4*000 4$, 3* e......2*500
Ditos de merino preto de cor- Ditas de madapolo, 2*500,
dio, 10*, 7* e.....5*000 2*e........l*t00
-Calcas de casemira preta, 12*, Cbapos de massa, pretos fran- ^|
10*, 8*e......7*000 cezes, 10,5, 9* e 0*009 m
Ditas de cOres, 9*, 8* e. 7*000 Ditos dfltro, 5*, 4*, 3*500 e 2*000 g
Ditas de meia casemira de co- Ditos de sol, de seda, 12*, -t*
res, 5*000 e.....4*000 H*, 7* e...... 6*000 3
Ditas de prince2a e merino pre- Collarinhos de linbo fino, ulti-
to de cordo, 4*500 e. 4*000 ma moda duzia. 6*000 W
Ditas de br'm branco e de c- : Sortimento completo de grava- Mf|
res, 5*, 4*500, 4* e 2*500 [ tas. m
Ditas de ganga de cores, 3* e 2*500 Toalhas para rosto, duzia, II*, g
Colletes de velludo preto e do e........ 6*000 s
cores, 9* e...... 7*000 Chapeos deso, de alpaca, pre- W?
Ditos de casemira preta, 5* e 4*000 tos e de cores..... 4*000 SI
Ditos de ditas de cores 5* Lenccs de bramante de Imito. 3*000 pj
i* e........ 3*500 Cobertas de chita chineza.. 2*500 r
mmmmmmmmmmi mmmmmmmmmmm
ARMAZEM DE FAZEND4S
DE
Custodio, Carvalho & Companhia.
Superiores salas de fastao para senhoras a 55-
Toalhas de linbo para mesa a :t."00 e 4$.
Leneinhos para meninos um 100 rs.
Lencos brancos para algibeira a 25 a duzia.
Toalhas para mi duzia 45.
Mramante de linbo vara -'-3.
Fil de lnho liso vara 300 rs.
Glande peehlncha.
Pec.as de entremeos bordados a 15-
Tiras bordadas a peca 2$.
O'illinhas de cambraiaa 6O0 e 800 rs.
as sextas-
pde ser procurado a qualquer hora
feiras, porm, na villa do Cabo.
A fabrica de calcado sita na ribeira de S-'
Jos n. 2o, precisa de urna pessoa que saiba coser
em machina de costura, que se Ihe pagara 2-3000
por dia._______________________________
Aviso em tempo.
O abaixo assignado lem entregue as contas dos
devedores da extincta lirma de Vidal & Bastos, de ;
i|iie e liqaidalario, ao seu procurador Luix Fran-
cisco Helio lavares, para serem cobradas amigavel
ou judicialmente.
Recife, 18 de jullio da 1764.Joiio Carlos Bas-
tos Oliveira.
^^~^^^ i
Aluga-se o r andar do sobrado n. 79, na ra |
do Imperador : a tratar na ra do Crespo n. lo.
ASS0CI\tl\O
Commercial Beneficente de
Pernambuco.
Em conformidade do artigo 28 dos estatutos sao
convidados os senhores socios elfectivos da Asso-
ciacao Commercial Beneficente a cotnpareccrem a
reuniao da assembla geral da mesma. que ter
lugar segunda-Ieira Io de agosto vindouro, ao meio
dia, na sala das sessoes, alim de ser apreciado o
relatorio da actual direccao, e nomearem-se os
noves membros que devein substitui-la.
Associaco Commercial Benelicenle de Pernam-
buco 25 de julho de 18ti4.
Jos de Vasconcellos.
________________________Secretario.
Creme.
Sorvete de creme hnje ao meio dia na ra do
Trapiche n. 18.
RA DO QEIMADO NUMERO 11
Loja de fazendas d' Augusto Fredericodos Sanios Porto
Chapeos para seoboras.
Chegaram de Paris as mais lindas chapelinas e chapeos de palha da Italia para senli^ra^.
Picas capas e soutembarques de seda preta c casemira de rr para senhoras.
Corles de superior morentique branco para vestidos de noivas.
Camisas inglesas muito superiores fiara homens, peitos, punhos e colarlnhos de iinho.
Chapeos de soda para eabeca e chapeos de sol de seda icglezes.
Lencos de labyrintho francezes a 1 cada um.
Camisas de menino muito superiores.
Cortes de lia de barra para vestidos de senhoras de 13,5 a i8.
A mesma loja tem o maior e mais superior sortimento de
Ksteiras para salas.
Neste estabelecimento encontrarlo os senhores que precisarem forrar suas salas eom esteiras
'ida e qualquer quantidade que desejarem de 4, 5 e 6 palmos de largura, sendo a a quahdade muito
! uperpior e por mdico prero.
Roub.
No dia sabbado 23 do corrente, a 1 hora da tar-
de, foram arrumbadas as portas da casa da ra do
Rosario da Boa-Vista n. H, pelo lado de detraz,
que d para a ra da Caixa d'Agua, e levaram
duas sdalas de 50* e urna de 10*, e algumas
moedas de 200 rs. de prata e tres camisas marca-
Consultor Forense
Acaba de sahir a luz na livraria do editor B. L.
Garnier, na do Ouvidor n. 60, o
CONSULTOR GERAL DO FORO
Pelo Dr. Carlos Antonio Conleiro.
4 (rossos voluntes em 4", bem encadernados,
305000.
Acaba de cumpielar-.-e esta importaute obra do
muitodistinclo e conlucido jurisconsulto o Dr.
Carlos Antonio Cordeiro, honrada com pareceres
laudatorios dos Srs. conselheiros senadores Ange-
| la Muniz da Silva Perras, Bernardo de Souza Fran-
co, Euzebio de Queiroz Continuo Mattoso Cmara
e Jos Thomaz Nabuco de Araujo.
j Corapoe-se esta obra eminentemente pratica e
ao alcance mesmo das pessoas inteiramente ex-
tranhas ao foro, dos consultores civil, criminal,
commercial e orphanologico e forma urna Bibho-
' theca completa indispensavel nao s a todas as
pessoas do foro mas tamben a todos aquelles que
quizerem intentar ou tiverem causa dependente de
qualquer juizo.
Vende-se separadamente cada urna das partes
seguintes a 85000
CoNSLLTOit Civil acerca de todas as accoos se-
guidas no foro civil, segundo o systema adoptado
das com as iniciacs J. A. V. S.: a pessoa que der por Correa Telles no seu Manual do Processo Ci-
noticia exacta sera recompensado. vil, com as suppressoes, alteragoes e accrescimos
para lodo o servico exigidos pela legislacao, estylos e pratica '
Precisa-se de urna ama
' de casa de poucalamUia : na Iravessa da matriz
de Santo Antonio n. 8.
Precisa-se de 5:000 a premio, dase para
garantia um predio de muito mais valor, silo nes-
ta praca: a quem convier, pJe dirigir-se ra
Imperial n. 209, ou indicar sua morada nesta ty-
pographia em carta fechada a J. C.
do foro
brasileir.
Consultor Ciiiminal ou formulario de todas as
acedes seguidas no foro criminal, precedido das
dispesicaes concernentes organisaco judiciaria
e attribuioes das autoridades policiaes e crirai-
naes.
CoNSL-LTOK Commeiicial ou formulario de todas
as accoes commerciaes, segundo o regulamento de
25 de novembro de 1830, contendo os modelos de
todas as peticoes, despachos, termos, autos, alle-
gacoes, embargos, sentencas, (inalmente todos os
Pergunta-se
aos snhores depositarios da massa fallida de Gui-
maraes .Irmao, se ainda nao acham lempo para
darem conta aos credores do resuKado da dita
massa tanto tempo liquidada.
Um credor.
Irmandade da Senhora San-
t'Annna.
Nao se tendo procedido a eleigao da futura me
regedora da irmandade da gloriosa Sen hora San-
t'Anna da igreja da Madre de D*w. dominga 24-10
corrale, por faiU de numero legal, de novo sao
convidados lodus o> -nossos charos innaus atim de
comparecerem quarta-feira 27 do corrente mez,
nelas 6 horas aa tarde, para o mesmo Ora.
M. S. C Simoes Jnior.
Gscrivo.
Francisco Anastacio Pire Loureiro retira-se
para o Ro de Janeiro.
Est fgida desde o dia 17 do correte a
preta escrava de nome Mana, crioula, do meia
idade, que ha pouco foi comprada ao Sr. Cliri-tia-
no Jos Ta vares, com os signaes seguintes : cheia termos dos processos, seguido do processo das que-
do corpo. falla de um dedo na mao esnuerda, bem bras, qur no juizo commercial, qur no juizo cri-
prela. tem algumas marcas as costas que parece minal.
ler sido dechicote, foi escrava em aigum tempe I Consultor Ohphanolocico ou formulario de lo-
do engenho Sanl'Anna, levou vestido de chita, saia das asaccoes seguidas no juizo dos orphus, pre-
preta e panno da Costa, julgase ter ido para es cedido das attribuicoes das differentes pessoas que
lugares do mato Jaboalo ou S. Loureoco da Mal- nelle guram, e enriquecido com diversas regras e
ta em razao de ahi ter prenles e conhecidos; e preceitos tendentes ao mesmo juizo de orphaos, e
protesla-se desde j contra quem a tenha oceulta ; bem assim ao da provedoria, com a legislado res-
e roga-sc s autoridades policiaes e capitaes de pectiva.
campo, tanto destes lugares como da praca a ap- j Na mesma livraria se encontra a seguinte obra
prehenso da dita escrava e levem-na a seus se-! do mesmo autor.
nhores na Iravessa do Caldeireiru n. 12, que sero I Cdigo Criminal do imperio do Brasil, contendo
generosamente gratificados. i nao s toda a legislacao alterante ou modificante
Milita llunr_\ "~ ^e 80as disposiges, como as penas de seus difle-
ti 114 'MiCRCM. j rentes artigos, calculadas segundo os seus graos
Aos amadores do bom e excedente vinho puro e as diversas qualidades dos criminosos; t volume
se reconuaenda uwa partida chegada uliimamen- em i, encadernado, 4,^000. .
le de Lisboa, e mandada vir por encommenda da i Veude-se na livraria econmica ao pe do arco ae
fazenda de um amigo. Este vinho particular, li- Santo Antonio.
vre de toda e qualquer confdocao se recommenda
particularmente para as pessoas doentes Vende-se
em ancorelas de 3 e 9 caadas linio e branco no
deposito dama da Cruz n. 36 Recife. Aproveitar
amadores do bello nctar em guamo se nao acab-
Ama
Precisase de ama ama qo eoslnhe, engomme
e compre : a tratar na ra Imperial n. 45, sobra-
do da esquina.
sciente que o Sa-
mis seu caixeiro
Precisa se de mu pessoa
afiancada para cobrar as asig-
naturas deste Diario : na livra-
ria u. e s da j>r;sv:t d inde-
pendencia.
O abaixo assignado faz
Victorino Lopes da Costa au
desde o dia 21 do corrente.
Antonio Joaquim de Mello. .
Na ra das Larangeiras n. 10, lava-se e en-
gomraa-se com toda a perfeicao.
Acha-se desde terca-feira lil do corrente um
boi na cocheira do caes'do Ramos, que tendo sido
olferecido ao abaixo assignado para c morar, veio
para este ver; e como o seu dono at hoje nao o
tenha procurado, por isso se faz ver a quem for
seu dono, qne nao o vindo buscar por estes dias.
ser botado no deposito geral.
Antonio Soares Neves.
Jos Joaquim Gomes de Abreu, Portuguez, vai
ao Rio de Janeiro.
lima pessoa solteira moradora na villa do
Brejo, precisa de um criado que saiba cosinhar e
fazer os mais servicos de casa : quem pois quizer
prestar-se appareca na loja n. 13 e 15 na praca
da Independencia!
Arrendam-se duas boas casas e sitios no
Monteiro sendo a primeira no pateo da capella de
S. Pantaleao, com boa sala e gabinete de frente,
sala de jantar muito fresca, diversos quartos. to-
dos com janellas, com un optini' sotao, com sala
e quartos com janellas, toda corrida de pateo e
gradeamento de ferro na frente, boa estribara,
cocheira e casa para escravos, um bello jardim e
sitio mui bem plantado, com boas arvores de frur-
tos e lem encllente banho de duque etc.. etc., a
segunda fica confronte da povoaeiu margem d
rio, com 6 salas c diversos quartos e grandes es-
tribaras casas para escravos, toda corrida de pa-
teo com gradeamento de ferro, boa baixa de ca-
pim, bem plantado, abrumas arvores de fructos e
bastante terreno para plantacao: a tratar na rui
-do Apollo n. 1, segundo andar.
D-su dinheiro
n. 45.
a premio : na na Augusta
O >>acharel
Francisco Angesto da Cosa
ADVOCADO
ciflHetro.
-Quer-se alngar. preferindo se qu nao seja cap-
tiva : trata-se na ra do Crespo n. 8, esquina da
do Imperador.________________
Aluga-se urna ncgrinlia de 14 annos de ida-
de, muito sadia e esperta para todo o servico in-
terno de urna casa de familia : a tratar na praja
da Boa-Vista, sobrado.que voltaparaarua do Ara-
go, primeiro andar._______________________
g Raa do Imperador numero
4v__'vl y&'MWt
Promettemos que em qnanto o Sr. D. A. de L.
S. nao vier ra Nova u. 37, dar cenia do di-
nheiro que recebeu mais de um anno para cus*
tas de urna queslao e que comendo o dinheiro na-
da fez at que fui preciso ser cassada a procuradlo,
nao o deixaremos de chamar por este Diario e
passaremos a cliama-lo em termos mais esclareci-
dos para que o publico entre em completo conhe-
- Precisa-se alugar um moloque para os servi- cimento de seu mao proceder para com aquelles
eos de uma'casa : a tratar na ra Nova n.*58, ter- que como eu) infelizmente Ihe entregara as suas
cciro andar. causas;
Franeisco Pinto Ozorio contina a coi-
locar dentes artiflciaes tanto jx>r meio de
molas como pela pressao do i-.r, nao re-
cebe paga alguma sem que as obras nao
tiquern a vontade de seus donos, tem pos
e outras preiiara^oes as mais acreditada?
para conservacao da bocea.
Precisa-se de urna criada livre ou escrava,
que saiba cozinhar e engommar : na raa das Cruz
n. 42, primeiro andar.
i
**"
1 II
r^
^ptflBBSK II
m.. r. -i -
, I
i


Diarlo de Pcrnamlmeo Terca felra 16 de lulio de 18 I...
0 Dr. Cosme de S Pereira conti- m '
na a residir na ra da Cruz n. 53, a
Io e 2 andar, onde pode ser procu-
rado para o exercicio de sua profis-
so medica, e com especialidade
sobre o seguate
Io molestias de olhos;
2o depeito:
3o dos orgos geniti
urinarios.
Em seu escriptorio os doentes se-
rao examinados na ordem de suas
entradas comecando o trabalho pelos
doentes de olhos.
Dar consultas todos os dias d s
6 as 10 da manhSa, menos nos do-
mingos.
Praticar toda e qualquer opera-
cao que julgar conveniente para o
prompto restabelecimento dos seus
doentes.
O Dr. Carolinu Francisco de Lima San-
tos, contina a residir na ra do Impe-
rador n. 17,2* andar, onde pode ser pro-
curado a qualquer hora do diae da aoite
para o exercicio de sua profisso de me- .
dico ; sendo que es chamados, depois do ]
meio dia at 4 horas da tarde, devem ser'
deixados por escripto. O referido Dr.
nao abandonando nunca o estudo das
molestias do interior, prosegue, com
maior afumo, no das mais difflceis e deli-
cadas operages. como sejam dos ergos'J
ourinanos, dos olhos, partos, etc.
Tga-se a lo a da casa n. 40 da ra das Trin-
cheiras: na ra da Aurora n. 38.__________;_^
Precisase alugar urna preta que saiba cozi-
i nbar e eogoramar : quem a tirer, dirija-se ra
do Trapiche n. 4, que achara com quem tratar. I
Aluga-se o terceiro andar da casa n. 48 na
roa do Trapiche : a tratar no armazem da mesma
.casa.____________________________________
Grammalica ingleza e portogueza.
, D. Appleton & C. livreiros,editores e importado-
,. A________,____ j _ijia resern New-York, Estados Unidos da America,
- Aluga-se urna preta para vender .pao-de-l, | acabam de W|pa; um ,h d og J
bolos, ou outra qualquer cousa, de 1 as 7 horas da | lezes apreD(ler,m a ,D ezap F.
tarde : quem precisar, dirija-se a esta typogra- Granert.l vol. 12 mo. i""S- i*
Este livro, o melber at lioje publicado ex-
presamente impresso para supprir a immensa fal-
uma grammatica ingleza e portu-
45 Rua Direita 45
Oigam! oi^amlll
CALCADO
ttlfia4KrtinSSS^para a sau' LoJa ii(i fuyendas da rua
do Crespo n 7.
I
phia que achara com quem tratar.
Na praca da Independencia, loja de ourives
n. 33, compram-se obras de ouro, prata e podras ta que ha de
preciosas, assim como se faz qualquer obra de en- guez, para aquclles"que fallam o inglez e que de-
commenda, e todo e qualquer concert, e igual-
mente se dir quem d diuheiro a premio.
Precisa-se de urna ama para cozinhar, en-
gommar e comprar; familia de duas pessoas : na
ra de Santa Thereza n. 14.
________________________________________________________________ i
Antonio Luiz de Oliveira AzeA
vedo A C
Agrillo- do Banco l'niao do Porto.
Competentemente autorisados sacam por tod o
os paquetes sobre o mesmo Banco para o Porto s
Lisboa, e para as seguintcs agencias.
Londres sobre Bar.h of London.
sejam aprender a lingna portugneza.
D. Appleton & C. sao os editores das obras em
hespanhol para educago muilissimo usadas no
sul da America. Tambem publicara os melhores
albuns para candes de visita.
Revistado Instituto Archeota- n-C3 acaba de abnr um ootro espaosoestabele
rlco e Geoarmilico Pernam- cent0 de m,u.dczas na mesn)a rua 9> Prjss
fecu c ijiOgLiiiimu t ru.tu : avisa aos seus fregUez9S e amigos, que nestes dora
Dlicano. I estabelecimentos encontrarSo sempre grande sorti
Meu Dos I... que pea de pavao se lobrigam por
essas ras! que figura horrenda e nauseante a
de ura paletot bem talhado sobranceiro a ura Miguel Jos Barbosa;Gumaras, socio princi-
guedes rodo em duas solas I um balo bem ter- pal da firma de Guimaraes Lima, faz sciente ao
neado e baujbaleanle dcscubrindo urna ponte de respeitevel publico que tendo de liquidar todas as
botina safara e carcomida I! fazendas existentes cm scu estabelecimento
Santa Barbara 11 Corram rua Direita, bellas e
rapazesl sacudam napraia esses malditos guedes
e comprem :
Borzeguins de Nantes 8^000.
Ditos francezes de bezerro 7$.
Ditos francezes de lustre para homem ."$.
Ditos para senhora, de lustre, enfeitados, 55500.
Ditos para senhora, gaspia alta, 45800.
Botinas de menina 2*300.
Ditas de cores para menina 25000.
Sapatoes de Nantes de duas solas o.
Ditos de sola e vira 45300. '
Sapates de borracha para senhoras 1*500
Ditos para meninos 1*000.
Sapatos de lustre para senhora 1*. *
Ditos de tapete para homem e senhora 800 rs.
Ditos da liga constitucional 300 rs.
Chineldes rasos do Porto a 1*600.
E um sortimento comple.o em sola, vaquetas,
eouros, bezerro francez como nenhum, couro de
lustre muito grande, e tudoquanto pertence arta
de S. Ghrispim._______________________
Aeiici
8
O dono da loja do Beija-flor, na rua do Queimado
GRANDE
IVovos enfeltes para senhora.
A aguia-branca acaba de receber um bello e va-
sOI'll lile IIIO de fazendas HOVaS Dar- nado sorlimento de enfeilcs de diversas qualidades,
lissimas na loia c armazem de fa- e qu? de ,mais ,n.oderno possive cm-ontrar-se
J "^ciu uc ia a(JUI) fazeD(_0.se nouveis por suas uovidade e ele-
Zt'lillas baratas na rua da ImpcratriZ gancia un?, cuja grade 6 de um lino e delicado te-
D. 56 loia da AraPt de I.OIlt ene cido a 1ue apenadamente se chama iovisivel.
.' IUJ, j LWUm,V, Assim, vista desse completo sortimento, qualquer
rCreir Henees 1>U1IU;< I acS. cidado munido de diuheiro est habilitado a com-
Cot tes de chita a 2#-_00. pra-los : ua rua do Queimado, loja d'aguia-branca
Vndese cortes de chitas para vestidos a 2*100, ,, __
ditas de dita franceza com 10 covados a 3*200, i Bonitas nonecas.
cortes de cassa francezes a 2* e 2*300 : na rua Cora rosto de cera, massa e poreellaiia.
ter fallecido o seu socio Jos deXlmerta" Noms da Imperatriz ?JZ' S2A?L I J^^t a '^^'aguia-branca roa do Queima-
Lima, que consta de um grande sortimento de fa-1 Ar,ra ede iW ts' w8rande sortimento de bon.ecas de di-
zendas finas, como sejam ricos vestidos de seda Vende-se fil de linho decores a 160 rs. o co- versos tamaito?, eom rosto de cera, mas?a e por-
com algom toque de mofo, capa? de velludo' Dreto vado> dil Dranc0 Para forro a 32 rs- a v"> tar-,cel,ana os protendentes munidos de dinheiro
muito finas e oulras muilas fazendas que tudo lataDa de corcs a i0 rs-a vara> len50S brancos a acnarao boadisposicao para os vender,
vende por baratissimo prego. '
Garvo animal.
Farello de Lisboa superior.
Gal virgem nova : na na do Vigario n. 19,
pnmeiro andar.
ou Ona a vontade do comprador

i Vende-se um grande itio na travessa do Lu-
200 e 240 cada um : na loja da Arara rua da Im-
! peratriz n. 56.
As laziuhas da Arara a 320 rs. o covado.
Vendem-se liiazinhas para vestidos a 280, 320,
400, 500 e 640 o covado, ditas lisas proprias para
capas e vestidos de senhoras a 400 e 600 rs. o co-
' vado: na rua da Imperatriz n. 56, loja da Arara.
Arara vende as chitas para coberta a 320 rs.
Vendera-se chitas para cobertas a 320, 360, 400
e 300 rs. o covado, dte encarnada adamascada a
500 rs. o covado: na rua da Imperatriz n. 56, loja
da Arara.
Cassa onjand>s da Arara a 210 rs
Vendem-se cassas prgandys para vestidos a 240,
280 e 320 rs. o covado, riscado francez para ves-
tidos a 280 rs. o covado, gurguro de linho para
vestidos a 280 rs. o covado : na rua da Impera-
triz n. 56, loja da Arara.
As chitas da Arara a 240 rs. o corado.
Vendem-se chitas para vestidos de cores fixas a
240e 280 o covado, ditas francezas largas a 320,
360, 400, 440 e 500 rs. o covado ; na loia da Ara-
ra rua da Imperatriz n. 56.
Leacos de seda da Arara a 800 e i&.
Vendem-se lengos de seda para algibeira de
homem a 800 e 1*, loncos de cassa a 100 e 240
Paris Frederic S. Ballin & C.
Hamburgo Joao Gabe Barcellona > Francisco Bahoba & Ballista.
Madrid Jaime Meric.
Cdiz > Crdito commercial.
Sevilha Gonzalo Segoria.
Valencia M. Perera Y. Hijos.
Em Portugal.
Amarante?. Angra Terceira. Figueira.
Arcos de Val de Caminha. Guarda.
Vez. Castello Branco. Guimaraes.
Aveiro. Chaves. Lagoa.
Barnellos. Coimbra. Lagos.
Bastos. Covilhia. Lamcgo.
Beja. ICIvas. Leiria.
Braga. Extrem?. \ffin(.n
Braganea. Evora. Moncao.
Faro. Tafe. Moncorva.
Oliveira d'Aze- Pinlial. Itegoa.
meis. Porto-alegre. Setubal.
Penafiel. Thoniar. Vianna do Cas-
Tavira. Villa Nova do tello.
Villa do Conde. Portimao. Villa Keal.
Villa Beal de Vizeu. Madeira.
S. Antonio. Faial. S. Miguel.
NO IMFERIO.
Baha. Maranhao.
Hio de Janeiro. Para.
Qualquer somma prazo ou vista,podendo logo
os saques prazo seren descontados no mesmo
Banco a razao de i por cenlo ao anno : a tratar
na rua da Cruz n. I.
ve para esta Revista
Por anno..
Nmeros avulso.
5*000
15500
Precisase alugar urna preta escrava para
servico de urna pequea familia : rua das Cru-
zes n. 28, primeiro andar._____________________
Urna pessoa habilitada para algum estabele-
cimento nesta prac.a, e d Gador: quem delle pre-
cisar deixe seu nome na praca da Independencia,
loja do Sr. Figueiroa.
O abaixo assignado faz sciente ao respeitevel
publico que deixou de ser caixeiro do Illm. Sr. ca-
pitao Antonio Joaquim de Mello desde o dia 21 do
crreme mez, e llie agradece o bom tratemento,
e ao seu socio gerente o Sr. Carvalho.
Victorino Lopes da Costa.
Anda est para alugar a casa da rua >ugus- \
ta D. 112: a tratar na rua Nova n. 59.
Juao da Silva Ramos, medito pela L'ni
u versidadede Coimbra, d consultas em
3 sua ('a;;a das 9 as 11 horas da manhaa, e
igra das 4 s 6 da tarde. Visita o? doentes
' eai suas casas regularmente as horas
para isso designadas, salvo os casos ur-
i' gentes, que serao soccorridos cm qual-
quer occasio. D consultas aos pobres
que o procurarem no hospital Pedro II,
8 aonde encontrado diariamente das 6
u- H huras da inauhiia.
Tciii sua casa de sade regularmente
montada para receber qualquer doente,
/Su anda mesmo n? alienados, para o que
g5| tem commodos apropriados e nella pra-
vii tica qualquer operacao cirurgica.
Para a casa de sade.
& Primeira classe 3*000 diarios.
M Segunda dita.... 23500
ijp Terceira dita.... 25000 >
4i Este estabelecimento j bem acredi-
^g| tado pelos bous serviros ipue tem pres-
tado.
0 proprietario espera que elle conti-
nu a ini'ivci-r a cimanra de que sem-
pre tem gozado.
ISA
Precisa-?.! alugar um escravo fiel e capaz
para fazer as compras diaria?, tirar leite de vac-
cas c trabilhar no sitio, e quando preciso for, tra-
tar de cavallos : qiem tiver, procure no escripto-
rio n. 17, rua do Trapiche.
Aluga-se o quarto andar da casa da rua do
Trapiche n. |3 : a tratar no escriptorio.
Joaquim Crrela de ezende Reg, sua mu-
lhcr e dous filhos menores, retiram-se para a Eu-
ropa.
.Na rua do Queimado n. :ii. loja do Sr. Lavra,
se dir quem precisa de um menino portuguez de
10 a 12 annus de idade para urna taberna na ei-
dade de S. Jos de Mipilm.
Companhia fldelidade de
seguros inaritimos e ter-
restres estabeleclda no |
Rio de Janeiro. S
AGENTES EMPEr-NAMBUCO
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C, cg|
competentemente autorisados pela direc- jfi
toria da companhia de seguros Fidelida- H
de, tomam seguros de navios, mercado- I
ras e predios no seu escriptorio rua da 8
jjjjg Cruz n .1. p|
iifii mmmmmmmmmmm
Precisa-se de urna mulher forra ou escrava
para ama de urna rasa de familia : no pateo de.
S. Pedro n. 6, segundo andar. E tambem na mes-
ma precisa-se de urna mulher para curar urna
doente._________________________________
Precisase alugar urna ama escrava : a Ira"
tar na rua Augusta 11. 52, das quatro horas da lar-
de em diante
Pentes delirados de travessa.
Delicados pentes dourados de travessa para me-
ninas a 1*500 cada um, ditos sem ser dourados a
500 rs. cada um : as lojas do Beija-flor, rua do
Queimado ns. 63 e 69.
Voltinlias de aljofares.
Lindas voltinhas de aljofares com cruzes de pe-
drinhas imitando a brilbantes a 1* cada urna : as
lojas do Beija-flor, rua do Queimado ns. 63 e 69.
Lavas de Jouvii
Chegaram pelo ultimo vapor as desejadas Invas
de Jouvin de todas as cores, tanto para homens
como para senhoras : as lojas do Beija-flor, rua
do Queimado ns. 63 e 69.
Talberes para meninos.
Vendem-se talheres de cabo de balanco para me-
ninos a 280 rs. o talher : as lojas do Beija-flor,
rua do Queimado ns. 63 e 69.
Colheres de metal principe.
Vendem-se colheres de metal principe muito fi-
nas para sopa a 3*600 e 4*400 a duzia, ditas para
cha a 2* e 2*400 a duzia, ditas para assucar a
500 rs. cada urna, ditas para terrina a 2* cada
urna, e s quem vende por estes precos as lojas
do Beija-flor, rua do Queimado us. 63 e 69.
Facas e garios.
Vendem-se facas e garios oitavados a 2*800 a
: duzia, ditas cravadas, cabo preso e branco a 3* a
duzia, ditas de balanco de 1 botao finas a 5*200
! ditas de 2 botes muito finas a 6*500 a duzia, ditas
de 1 botao para doces e fructas a 5* a duzia, ditas
I de 2 botoes a 5*200 a duzia : as lojas do Beija-
flor, rua do Queimado ns. 63 e 69.
Tiras bordadas.
Vcndem-se tiras bordadas, a pea a 1*100, 1*200
e 1*300 : as lojas do Beija-flor, rua do Queimado
ns. 63 e 69.
bailados bordados.
1 Vendem-se babados bordados de varias larguras
a peca a 15600, 1*800, 2*, 23200 e 2i00 : as
lejas do Be'ja-flor, rua do Queimado ns. 63 e 69.
ser melhor para planta?oe?,e tem porto muito per- linas de senhoras pelo prego de I* cada um, go-
to para embarque e desembarque: a tratar em linhas para senhoras a 240 e 320 rs., manguitos a
Olinda com o promotor publico Manoel Izidrode 1*, camisinhas para senhoras a 2*, ditas finas
Miranda, ou no mesmo Luca com o lente Jos com gravatinha e punhos bordados os mais mo-
Thoniaz Cavalcaiiti Pessoa.____________________j demos que tem vindo a 4*500 : na loja da Ara-
77. .' : 7------------------ ra rua da Imperatriz n. 56.
I (1IHH1S dr. p tntlO. Arara vende os balees a 2,4500.
Anda tem um resto de ta boas de pinho daSue-1 Vendem-se baldes de 20, 25, 30 e 35 arcos a
ca para vmder
che n. 18.
no escriptorio na rua do Trapi- 25300,3*, 35500, 4* 4*500, ditos de brilhantina
______________ a 4* : na rua da Imperatriz loja da Arara n. 56.
Em Sanio maro de, Jaboato na loja Cortes de lia a Maria piaa 8# e 'W-
junto ao professor vende-se bilhetes de to- Vendem-se cortes de laa a MuiaFtai 8*e 18*,
rlac as lntei.e Peas de mbraia lisa fina a 3*, 35300 e 4* : na
rua da Imperatriz n. 56 loja da Arara.
Cortes de ganga a 1 ">(;(ni
Vendem-se cortes de ganga francezapara calca
a 1*600, ditas de casemira a 3*, ditas finas a 3*
- Offercce-se urna ama para casa de pouea fa-1 Lindos sapatiohos.
mila ou homem solteiro. para servir de portas vendem-se lindos sapatinhos para baptsados de
dentro : a tratar na rua dos Martvrios n. 21. mangas a 15300 e 25 o par : as lojas do Beija-
------s.--------^--------;:-----------------77.r~ flor, rua do Queimado ns. 63 e 9.
Precisa-se de 11111 Portuguez que saiba iraba- Hmsno ... 1
Ihar bem em servico de campo para tomarconlai uotoes para plinnos.
de um sitio: quem pretender dirija-se ao pateo' v endem-se botoezmhos demadreperolae de mar-
do Hospital n 8 I fim Para P"nbos a 320 rs. o par, ditos encarnadi-
-------^-'-r^.--------.--------------------------- : nhos a 120 rs. o par : as lojas do Beija-flor, rua
Na hvraria popular n. 67, rua do Imperador, | do Queimado ns. 63 e 69.
precisa-se de um caixeiro
13 14 aonos.
portuguez, de idade de
COMPILAS.
Compra-se ouro e prata em obras velhas
daga-se bem: na loja de bilhetes da praca da Inde
pendencia n. 22.
t'onipra-sc cobre velho : na rua do Brum nu-
mero 78.
Comprase urna negra de bonita figura e sem
vicios, que saiba cozinhar e engommar bera : na
rua de Apollo n. 28.
Compra-se um carro americano, novo ouconi
pouco uso : na rua do Crespo n. i9, loja.
li elogio
quem (ver e quizer vender um relogio de ouro
bom regulador dirija-se rua do Livramcnte n.
13, que se dir quem quer.
Compra-se um escravo serrador
das Trincheiras n. 48, primeiro andar.
na rua
1 DENTISTA DE PARS |
19Rua Nova-19
Frederico Gautier, cirurgo dentista, |
faz todas as operacoes de sua arte, e col- m
loca dentes artiliciaes, tudo com superio- 5
ridade e perfeicao, que as pessoas enten- fifl
didas lhe reconhecem.
Tem agua e pos denuncio.
ATTMCAO
Filas para delirum de vestidos.
Vendem-se fitas de laa de todas as cores para
debrum de vestido a 900 rs. a pega, ditas' pretas
de seda a 15100 a peca : as lojas do Beija-flor,
rua do Queimado ns. 63 e 69.
Filas brancas para debrum.
Vendem-se pegas de fita branca de linho para
debrum a 400 rs. a pega : as lojas do Beija-flor
na rua do Queimado ns. 63 e 69.
Ricas lilas laxadas.
Vendem-se muito ricas fitas lavradas para sinlo
de senhora e meninas : as lojas do Beija-flor, rua
do Queimado ns. 63 e 69.
Espedios de Jacaranda.
Vendem-se espelhos de columnas, de Jacaranda,
I a 35 e 45300 cada um, ditos de madeira amarella
: a 25100 e 25800 : as lojas do Beija-flor, na rua
do Queimado ns. 63 e 69.
Filas de velludo estrellas.
Vendem-se (itinhas estreitas de velludo para en-
, feite de vestido a 900, 15 e 15200 a peca: as lo-
I jas do Beija-flor, rua do Queimado ns. 63 e 69.
Trancas de 15a para bordar.
Vendem-se trancinhas de laa pretas para bor
dar camisinhas e vestidos a 80 e 160 rs. a pecinha,
ditas brancas com 40 varas a 600 rs. a pega, e ou-
tras muilas cousas que setornarao enfadonho men
Vende-sc a oitava parle do predio n. 'ift sito
rua do Trapiche, os pretndeme? podero ir
examinar e a tratar com o agente Euzebio em cu-
jo poder existem os ttulos legaes para se efTectuar e 5*500 : na rua da Imperatriz'n. 36.
a venda, servindo de base o prego da avaliagao. Houpa feila da Arara.
At^otlO da Hillliit I Vendem-se paletots pretos de panno fino a 16*.
nara saceos de assucar p mnna Ho ,>>,/, tam 145 e 12& ditos sarcos de Panno fino Pret0 e azul
U, no seu escriptorio rua da Lruz n. 1._________ a)paca preU 3ietJiSO0> camisas francezasbran-
Farinha de mandioca superior cas a 25 e 25500, ditas de linho de pregas largas
em saceos grandes : vende Antonio Luiz de Olvei- a 280t e35, seroulas de algodao a 15600, ditas
ra Azevedo c C, no seu escriptorio rua da Cruz dn ,inho a -. caigas de brim e gangas de cores a
numero 1. 25, dilas de brim pardo a 25300 e 35, ditas bran-
oas a 35500 : na rua da Imperatriz 11. 3 loja da
Arara.
Colchas da Arara a 1-5
Vendem-se colchas de damasco para cama a
45, ditas de fusto a 55, dilas de chita a 25 : na
rua da Imperatriz n. 36, loja da. Arara.
Vendem-se gangas para calcas e paletots.
Vendem-se gangas para palelols e calcas a 440
e 500 rs. o covado, fusto para caiga a 500 rs. o
covado : na rua da Imperatriz n. 36, loja da Arara.
Madapolo francez a i .
Vendem-se pecas de madapolo enfestado com
12 jardas a 45 c' 45500, dilas de 24 jardas ns. RG
a 75, ditas n. 60 a 6*300, dito moca a 75500, dita
n. 40 a 85, dita n. 30 a 85500, dten. 7 a 105, di-
Sebo do Porto
Para os fabricantes de velas.
Vende-se sebo do Porto de superior qualidade
em caixas de urna arroba especial para velas de
composigo : na rua do Vigario n. 26.
Fumo imperial
Corlado igual ao francez muilo proprio para ca-
chimbo, em latas de 1 libra, quando nao seja me-
lhor igual ao americano por 15200 rs.. para veri-
ficar a verdade os Srs. fumantes podem-se dirigir
fabrica vapor de cigarros antiga rua dos Quar-
leis de Polica n. 21.
Sal do Assq'
Vende Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C,
no seu e?eriptororua da Cruz n I.
Rotes de cornalina
e outras qualidades para coletes
A Agoia branca acaba de receber um novo e
variado sortimento daqoelles apreciados botoes de
cornalina brancos e encarnados, chatos e redon-
dos para coletes, cujas abotuaduras continuam a
ser vendidas pelo commodo e inalteravel prego de
2* cada urna. *
Alm desses recebeu tambera, oulros de roadre-
perola, massa e osso, com difleren/es moldes para
o mesmo fim.
J se v, pois, que o pretndeme munido do di
nheiro achara sortimento vontade na rua do
Queimado loja d'Aguia branca n. 8.
BAUSINliOS K CAIXINHAS
com perfumarlas.
Na rua do Queimado n. 8 loja d'Agua-Branca, os
freguezes munidos de dinheiro encontrarlo, boni-
tos bausinhos cobertos de couro e com 6 frasqui-
nhos de extractos por 15500 cada um, e outros
cobertos de papelSo com 9 frasquinhos por 2*000
um; caixinbas com 6 frasquinhos de ditos por
1*000 urna, outras com 12 ditos por 2*000 urna,
outras com 3 dilos, cuja coberta parece lartaruga,
a 1*500 cada urna, e outras com pastilhas de chei-
ro a 500, 15000 e 25000.
Eavelopes bordados e carles eom bei-
ras douradas.
Na loja da aguia branca, roa do Queimado n. 8,
achavam-se a venda bonitos envolopes bordados e
carloes com beiras douradas, tendo de uns e de
outros, maiores e menores, proprios para partici-
pagoes de casamentas, bailes etc.
Completo sortimento de Otas
Anas, lisas e lavradas.
A aguia branca recebeu um grande e completo
sortimento de fitas de diversas larguras e qnalida-
des, tanto lisas como lavradas, e era todas ellas co-
nhece-se a superoridade da fazenda, notando-se
as lavradas o bom gosto dos novos e lindos dese-
nos, isso tanto as matisadas como as brancas,
e pela commodidade dos precos o pretndeme que
se dirigir munido de dinheiro rua do Queimado
loja da aguia branca n. 8, ser bem servido.
Capachos inglezes.
Na loja da aguia branca, rua do Queimado n. 8
vendem-se bons capachos inglezes, os quaes alm
de bonilos sao de immensa dnragao, pelo que se
tornara baratos pelos pregos de 4*, 55, 65 e 7*
cada um.
Cartas francezas.
A aguia branca, na rua do Queimado n. 8, rece-
beu um novo sorlimento de finas cartas francezas
com beiras douradas e brancas, e as est venden-
do baratamente a dinheiro viste.
SAPATOS DE BlRRAfHA
a IJOO, 10AOO e *#.>00 o par
na rua do Queimado loja d'Aguia-Branca n. 8.
latas com banha fina.
J por diversas vezes a aguia branca tem rece-
bido dessa banha tina em latas, e tal tem sido a
prompta e rpida extraegao della, que nao tem da-
do lugar a aguia branca avisar a sua boa fregue-
zia, pelo que lalvez a maior parte della s agora
saber da vinda dessa boa banha. Ella vem em
latas de 1|2 e 1 librar e contina a ser vendida pe-
los baratsimos pregos de 2* e 35000. -Apar da
superoridade da qualidade della esto os agrada-
veis e finos cheiros de rosa, jasmim, laranja, bou-
quel, e flor de Italia. A boa freguezia a?sim scien-
Uia confeito c especifico
expeliir os Vermes.
t! I a
a; a
ta SS 95, dita XX 85500, algodao muito cncorpado te dirigir-se com dinheiro rua du Queimado,
- loja d'aguia branca n. 8.
Banha fina em copos de por-
celana donrada com ins-
, a 55300 e 65, dito carne de varea a 75 : na rua
da Imperatriz n. 56 loja da Arara.
Brim de linho a 1-V280,
Vende-se brim de linho para calca a 15280,
15400, 15800 e 1*600 a vara, brim liso para se-
roulas e lenges a 300, 560 e 640 a vara, braman-
te de linho a 25200 a vara lera 10 palmos de lar-
gura, brelanha de linho a (540 e 800 rs. a vara,
brim pardo a 800, 640 e 15 a vara : na rua da Im-
peratriz n. 56 loja e armazem da Arara, a loja es-
t aberta at as 9 horas/da noite.
en c: T~. < C5 zz 5:
g- g a o o
2-= g B-gSw
i.f
Ti
n g a
a
3 S

O JJ =!
c
-

v.
ra 2. ~~. K en
u r-. y-
c 9

PsiStilfelS Vi '!fiIgSI>S
DE K2MP,
' ^'; IllCllill'if: is p<
ellas sfu> de c!u;r>i
veis. A oU-j
-! ~
=; 3

s. -rz. o, H
-, &
- ir. ; ^3
C as
c/> co =i ~.
03
r
"' C as
O.
'
O CE -j
!''!:i :i ^i-i-iis. ponjue
cor ugnidu-
do
til
::i!!c:i, u segtli : ..
-,:
!'.(.'
n~-n ^ .._. t 3 ~ a i.hi.,1- i.uu:ao uug ."ctuiudinu uiiumuiiuu lucir
Compra-se um casal de escravos casados, que a clona-las, pois s com a viste se poder vero gran-
llnor ivfpia rrmiili nt> linnc pac nmo cando n a. ___. r ^ X
-wiBMM-wmm
Precisa-se de urna ama de leite : na rua Im-
perial, sobrado n. 87.
Calmet
diccionario histrico, critico, chronologico. geo-
graphico e ltteral da Biblia, enriquecido de um
grande numero de estampas, em 4 v.
Aluga-se um sitio na estrada da Ponte de
Lchoa e a margen do rio, pouco adianto do Illm.
mulher esteja criando, de bons costumes, saude, e
sem vicios, proprios para servigo de urna casa de
familia, exige-se a mulher com' leite para ajudar a
senhora criar urna crianga, e para isso necessa-
rio que a dila j esteja acostumada criagao de
changas : na rua Imperial n 3. __________
Compra-se urna escrava de bonita figura, de!
idade de 18 20 annos : no pateo da Paraizo n.
18, segundo andar.___________________________I;
' achorro.
Compra-se um ou dous cachorros nascidos de \ \
pouco tempo, de raga fila : na Boa-Viste, rua do
Destino n. 3, das 4 s 6 horas da tarde; nao se
olha a prego, agradando ao comprador.
de sortimento das lojas
Queimado ns. 63 e 69.
do Beija-flor, na rua do
Todos querem
Do grande sortimento de lazlnhas mui-
to bonitinhas de lodas as qualidades,
gostos e precos seguintes a 360, 400 e
480 rs. o covado que se vendem
S na roa do Crespo n. 1,
Loja do barateiro.
Comprase urna balanga grande usada com
pesos, urna rolula e vidracas usadas para portas :
na rua das Trincheiras n 48.
Compra-se urna escrxva de bonita figura, de
idade de 16 22 auno? : no pateo do Paraizo n.
18, segundo andar.
gao, 'i inutf'lish'n i!:is
Pastilhas Vermfugas de
A PAR DA SCA
Composigo exclusivamente feget.il,
Kemp
S 0 0 5
es a. .
a 0 ce %Bk zz
ce g j. ~. _
O as 0.5" r- X
* 3 1f, cerca ferie e ferr
0 0 O Y' v
0 3 ct> as as
c- se ~ 2
23 as 3. V
0 L as c.
'/". a.
as 0 5 -
as
3
ro as
CD

3 S 3
w
en rs Cu o
8*2.5
CO"
Cti ,
-o as 0
s-g
c
-J O O
5? 3 r .-
i.
co
U.
(6
8?|
S a.
o sr?
"c o
as -s
em
m
-
o
oq as ~3
Compra-se um ornamento para celebrar mis
Sr. commendadBor'erV'Ferreira, TendTbnh'iro qa'l este]a e"V ,'0'?, US' Send ? Casul eDCaf'
palanqne, galinheiro e outras commodacoVs e ?a e branco> um c&Ux> uin missal e ura ferro de
- acommodagoes: e
oulro dito no Monteiro, em frente ao oitao da iere-
ja : a tratar ---- -' *-'-
tratar com Antonio Jos Rodrigues de Sou-
za, rua do Crespo n. 15, ou estreite do Rosario nu-
mero 32.
Maques sobre Portugal.'
O abaixo assignado, autorisado pelo
Banco Mercantil Portuense. e na ausencia
do Sr. Joaquim da Silva Castro, saca ef-
fectivamente por todos os paquetes sobre
as pragas de Lisboa e Porto, e mais luga-
res do reino, por qualquer somma vis-
te, e a praso; podendo, os que temarem
saques a praso,receberem aviste, no mes-
mo Banco, descontando 4 OO ao anno: na
loja de chapos da rua do Crespo n. 6, ou
na rua do Imperador n. 63, segundo an-
dar.Jos Joaquim da Costa Maia.
4 fazer hostias : quem tiver dirija-se casa do sa-
christao da ordem terceira de S. Francisco.
Compra-se a collecgao do peridico denomi-
nado o Commercial Pernambucano que teve a pu-
blicago do seu primeiro numero a 20 de maio de
1861: no sobrado da rua de S. Francisco n. 10,
como quera vai para a rua Bella desta cidade.
Compra-se um negro de meia idade para o
servigo de sitio, e que saiba tirar leite, assim como
urna negra engommadeira e cozinhelra, sem acha-
qnes e nem vicios : na rua da Imperatriz n. 19.
BOTIfii B4KTH0L0U G
Una larga de Rosario n. 34
Vende:
Todos os remedios do Dr. Cbable.
Capsulas o injecgo ao mal ico.
Injecgo Faug
Pilulas do Dr. Alian.
Pilulas do Br. Laville.
Pilulas do pobre-homera, excellentes contra rheu-
matismo.
Pilulas para sezos.
Pilulas e ungento Hollovay.
Phosphato ferro de Lerrs.
; i Todos os remedios de Kemp : pastilhas, pilulas,
an ahuite.e salsa de Bristol, etc. etc.
Eacuitos outros medicamentos e especialidades
que sempre se encontraro em dita botica.
Compra-se urna mulatinha ou negrinha cora
idade de 11 14 annos: na rua Direita n. 103.
VENDAS.
Vendem-se
Soeledade de segaros mataos
de vida Installada pelo Banco
I nio na cidade do Porto.
Os agentes nesta cidade e provincia Antonio
Luiz de Oliveira Azevede & C,, escriptorio na rua
da Cruz do Reeife n. 1, estao autorisados desde j
a tomar assignaturas e prster todos os esclarec
mentos que forera necesarios, as pessoas que de
sejarem concorrer para to til e beaefica empre
as, egurando um futuro lisongeiro aos assocada-
im.
c. w. *:vm'ii v,
Medico inglez,
habilitado pela faculdade de medicina da Babia,
tendo voltado Pernambuco, pode ser consultado
todos os da m seu gabinete, rua do Brum nu
mero 74.
as Revue des Deux Mondes de 15 de margo, Io de
abril, Io e 15 de maio, Io de junho, 15 de agosto,
15 de outubro, 15 de novembro, 1. e 15 de de-
zembro de 1863,1 e 15 de Janeiro, Io e 15 de fe-
vereiro de 1864, a 15200 cada volurae; A mmiio
especial do visconde de branles por 25 ; na rua
du Crespo n. 4 loja.
Vendem-se caixoes vasios a
cada um : na rua das Cruzes n. 44.
1:760
INJECCAO BROW.
Remedio infallivel contra as gnorrheas
antigs e recentes, nico deposito na bo-
tica franceza, rua da Cruz n. 22, pre-
co U
pao estas pois as pnaa inelliores e mais
completas Je tntiss as reeommendncoes
que se possa fazer e coi justa raziio as
eolloeu na categora d'u'iu favorito uni-
versal.
A superoridade das
Pastilhas de Kemp
sobre todas as preparaces destinadas
para o mesmo lini devido sua sim-
ples composieSo o seu aroma agrada-
vel e rapidez e infallibilidade coiu
que alcaja a destrnicao total das
LOMBRIGAS.
j
A venda as boticas de Caors i Barboza,
rua da Cruz, e Joo da C. Bravo &{C, rua
da Madre de Deo&.
o
as
.
3
5
-
11
Cf*
5
o,
I
t
as
a
a

9
RELOGIOS,
Vende-se em casa de Johnslon Pater &
C, rua do Vigario, n. 3. um bello sorti-
mento de relogios de ouro patente in-
glez, de um dos mais afamados fabricantes
de Liverpool, e tambem urna variedade de
bonitos trancellins para os mesmos
Vende-se a taberna sita nobecco Largo n. 1:
tratar na mesma, ou na rua Imperial n. 269.
Vndese urna armacao nova de amarello,
para tirar da casa, e gaz : na Passagem n. 1.
Vende-se a meiago de urna casa terrea em
bom local, com os commodos seguintes : 6 quar-
tos, 2 salas, cozinha fra. quintal grande : a tratar
j na rua da Imperatriz n 6, ou Mondego n. 24. Veo-
de-se toda tambem no caso de fazer-se negocio.
Vende-se a casa terrea na Boa-Vista, traves-
sa de Joo Francisco n. 9, tem 3 portas, 2 janellas
e porto para o oitao, faz esquina para o becco do
Quiabo, e foi reedificada toda o anno passado : a
tratar na rua da Alegra, casa n. 28.
Vende-se a armagao da loja da rua larga de
Rosario n. 3$, muito propria para miudezas ou
oulro qualquer negocio por ser em muito boa lo-'
calidade : a tratar na mesma loja, ou rua de
Apollo n. 8 com o Dr. Jos Joaquim de Souza.
Vendem-se velas de carnauba muito bem fei-
las, por menos prego que cm outra qualquer parte,
sendo em libras a 360 rs. : na travessa dos Expos-
tos n. 18.
Vende-se
Vndese una casa terrea sita na rua do
Jasmim, freguezia da Boa-Vista : na rua do Ale-
crim n. 10._______________________________
Na rua da Praia n. 25, ha linguas do Rio
Grande por prego da carne e para mais barato, e
dous caixoes para armagao de taberna.
BOTIC i E DROGARA-
BARTHOLOMEU i c.
Raa Larga do Rosarlo a. 34.
Vende:
Ventosas de gomma elstica. -
Esmaltes para ourives.
Fundas iuglezas.
Vidros de bocea larga com rolha.
Tint branca em massa para pintura fina a 200 rs
a libra.______________________
Alcatrao.
Vende-se alcatrao do gaz pelo prego da fabrica f
, no armazem da bolla amarella no oitao da secreta-
ha de polica.
na livraria do Sr. Nogueira junto ao arco de Santo
Antonio, Calmet, diccionario, etc.
Venham ver.
Na rua estreite do Rosario n. 33 vende-se por Vinho do Porto superior
prego barato urna mobila de Jacaranda com pouco em caixas de urna e duas dzias : tem para ven-
uso e moderna, urna cama franceza e um lavatorio der Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C, no seu
com pedra de amarello. escriptorio rua da Cruz n. 1.
MACHINAS DEPATENTE
de trabalhar nio para
descarocar algodao
FABI1ICA0AS
Por Plant Brothers & C.
OLDAH
Estas machinas
podem descarocar
qualquer especie
de algodao sem
estragar o fio,
sendo bastante
duas pessoas1 para
o trabalho; pode
descarocar urna
arroba de algo-
dao em carogo
cm 40 minutos,
ou 18 arrobas
por da ou 5 ar-
robas de algodao
lmpo.
Esta machina
a nica que
possue as vantegens de nao destruir o fio do al-
godao e de I azor tender o dobro de qualquer ou-
tra com menos trabalho, a sua ntroducco para
as provincias deste imperio ser de muito valor
para todos os interessados na lavoura do paiz.
Assim com machinas em ponto grande do mes-
mo systema.oraql sercm movidas por animaos,
agua ou vapor, pas uae* podem descarocar 18 ar-
robas de algodao ampo por da.
O algodao descanteado per estas machinas lem
muito mais estmago nos mercados de Europa e
vende-sepor maior prego.
As machinas se achara venda unicamene em
casa de
Saunilt'i's Brolhers k G.
IV. 11, praea do Corpo Manto
RECD7E. ,
Os nicos agentes neste paiz.
cripcoes.
E j bem condecida pela boa freguezia d'aguia
' branca a superoridade da banha que vem nos'co-
, pos de porcelana dourada com maviosas c jocose-
rias nscrpeoes, as qnaes agora vieram de novo
1 gosto, pelo que essa fina banha pode anda ser
mais conherida por aquellos que qnizerem fazer
ura hora proente, eom tanto que comparecam mu-
nidos de dinheiro na rua do Queimado, luja" d'aguia
qranca 11.8.
Vende-se alpaca preta a 500 rs. o covado.
Vende-se alpaca preta para vestidos a 500, 600,
700 e 800 rs., fina de eordo a 800 rs. para pale-
tot, princeza preta a 800 e 640 o covado, bombazi-
na preta fina a I5'i00 o covado, laazinhas preta
j para senhora que estao de lulo a 720 o covado :
i na rua da Imperatriz n. 56. A loja est aberta at
as 'J huras da noite.
\o armazem de fazendas baratas de
Santos Coelho, rua do Queimado, n.
19, vende-se o seguintc
Attcnca.
I.aziiihas.
Ricas laazinhas para vestido, fazenda a melhor
que tem vindo ae mercado, lano em goslo como
em qualidade da fazenda, "pelo baratissimo preco
de 560 rs. o covado.
Laazinhas miudnhas carmezns, proprias para
vestidos de meninas, c camisinhas a 640 o covado.
Corles de laa com 15 covados pelo baratissimo
prego de 6.
Cobertas de chita da ludia pelo baratissimo preco
de 25500. F v
Lengoes de panno de linho a 25.
Lencoes de bramante de linho fino pelo baratsimo
prego de 35200.
Bramante de linho fino com 10 palmos de largura
pelo baratissimo preco de 25500 a vara.
Atoalhado adamascado proprio para toalhademesa
25000 a vara.
duzia.
mos- a 55 a
Fio de algodao da Babia em saceos de 100
libras.
Tem para vender Antonio Luiz de Oliveira Aze-
vedo & C, no seu escriptorio rua da Cruz n. 1.
Vende-se a taberna da
53: a tratar na mesma.
rua de Santa Rita n
Cambraia de forro a 25600 e 35200.
Guardanapos adamascados a 35800 a
Toalhas alcochoadas proprias para
duzia.
Corles de caiga de ganga amarella de listras e
delquadros, pelo baratissimo prego de 15200 o
orte.
Cambraia adamascada com 20 varas, propria
para cortinado, pelo baratissimo preco de lOaOOO
a pega.
Ricos cortes de laa Maria Pa pelo baratissimo
prego de I85.
Pegas de cambraia de salpcos com 8 1|2 varas
pelo baratissimo prego de 45-
Pegas de platilha de algodao cora 10 varas, pro-
pria para saia a 45200.
Esteiras da India, proprias para forro de sala,
de 4,5 e 6 palmos de largura, por menos prego do
que em outra qualquer parte.
Neste armazem tambera se encontrar um gran-
de sortimento de ronpas feilas, e por medida.
Attenco
6
Vende-se o engenho Soccorro, na freguezia de
Santo Amaro de Jaboatao, sito margem da estra-
da da Victoria, distante 6,800 bracas da cidade do
Reeife, com boa casa de vivenda, senzala e casas
dfrmoenda, caldeira, distilaelo estribarte, tudo
de pedra e cal, em bom estado, sendo o cercado o
melhor que se conhece na freguezia, com trras
para safrejar 1,500 pcs do assucar, e proporgoes
para ser transformado em moenda de agua por ser
banhado por detraz pelo famoso rio Jaboatao, e
pela frente pelo riacho Mocaba. Tambem se ven-
dem alguns escravos, bois, animaes de roda, com
os mais utensis proprios ao fabrico de assucar :
os pretndenos podero entender-se no engenho
com a viuva e herdeiros.
Salitre refinado, superior qualidade, vinho Bo
deaux, differentes qualidades, mais barato
qualquer parte : no armazem de E. a.
C., rua da Cruz n. 48. _________
Vende-se urna machina americana de costu-
ra, com muito pouco uso, e por prego barato : na
rua do Encantamento n. 11.
-

1
'




*
.38
Otarlo de fcruaubucu Terca feira Stt *c lulbo c 18U4.
1
Grande liquidacao
de faiendas na ioja do Pavio, ra da Inperatriz i.
60, de Gama & Silva.
AeOa-se esta eslabelecneoto completamentesor-
tido de fazends inglezas, francezas, allemes e
suisaas, proprias tanto para a praca como para o
mato, prometiendo vender-se mais barato do qne
em outra qualquer parte principalmente sendo em
porcio e de todas as fazends dao-se as amostras
deixando ficar penhor ou mandam-se levar em ca-
sa pelos caixeiros da loja do Pavo. .
As chitas do Pavao.
Vendem-se superiores chitas claras e escoras pe-
lo barato preco de 240 e 280 rs. sendo tintas segu-
ra, ditas francezas finas a 320, 340, 360, 400 e
500 rs., o covado, ditas pretas largas e estreitas,
riscados escocezes finos a 240 rs. o covado, isto na
loja do Pavao ra da lmperatriz n. 60 de Gama &
Silva. ^fc .
As cassas do Pavo a 210, 280, 300 e 320 rs.
Vendem-se nuissima* cassas persianas cores fl-^
xas a 320 rs. o covado,ditas francezas muito finas
a 240 e 280 rs., ditas ingzpzas a 240 e 280 rs. o
covado, uissitnu organdy matisado corn desenhos
miudinhos a 320 rs. o covado, cassas garibaldinas
muito finas a 320 rs., isto na toja do Pavao ra da
lmperatriz n. 60, de Gama & Silva.
As lazinhas da etposico do Pavo.
Vendem-se as mais modernas lazinhas mossan-
bique chegadas pelo ultime vapor francez sendo
de urna s cor ou de listas miudinhas com 4 pal}
mos de largura, proprias para vestido de senhora,
roupa para meninos e capas, e pelo baratissimo
preco de 530 rs. o covado, ditas enfestadas trans-
parentes de quadrinhos a 300, 400 e 360 rs. o co-
vado, ditas matisadas muito finas a 500 e 400 rs.,
ditas mais baratas do que chita tambem matisadas
a 3i0 rs. o covado, ditas a Maria Pia com palma
de seda e 4 palmos de largura a 800 rs. o covado,
e ditas de omaso cor parda, azul, cor de lyrio e
perola proprias para vestidos, sautembarques e
garibaldes a 720 rs. o covado, ditas escocezas a
800 e 400 rs isto s na loja do Pavao, ra da lm-
peratriz n. 60, de Gama & Silva.
Os chafes do Patio.
Vendem-se finos chales de crepon estampados
pelo barato preco de 6, 7, 8, ditos de ponta re-
donda a 7A e 8, ditos pretos ricamente bordados
a retroz com vidrilbo a 12J, ditos pretos lisos a
5, ditos de cores a 4*300 e 5, ditos de merm
estampados a 2 e 35, ditos de lia a 15280 e ti,
ditos de retroz preto para luto a 65, isto na loja
do Pavao ra da lmperatriz n. 60, de Gama
Silva.
0 Pavo vende para luto.
Veode-se soperier setim da China fazenda toda
de la sem lustro tendo 6 palmos de largura pro-
prio para vestidos, paletots, capas etc., pelo bara-
to preco de 25, 25200, 25500 o covado, cassas
pretas'lisas, chitas pretas largas e estreilas, chales
de merino lisos e bordados a vidrilho, manguitos
comgollmhas eoutros muitos artigos que_ se ven-
dem por precos razoaveis : na loja do Pavio ra
da lmperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Os vestidos do Pavo
Vende-se ricos vestidos de grosdenaple preto ri-
camente bordados a veludo pelo barato preco de
405, sendo fazenda qoe sempre se venden a 1005
e 1^05 ; ditos de cambraia brancos ricamente bor-
dados a croch, sendo proprios para baile e casa-
mento a 10, 15, 20 e 305; ditos de lia com lindas
barras a 18 e 135 ; ista na loja do Pavio ra
da lmperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Os pannos do Pavo.
Vende-se panno preto muito superior pelo barato
preco de 25, 25500,35 e 3*500, ditos muito finos a
45, 55 e 65, cortes de casemira prela enfestada a
45, 45500 e 65, casemira preta fina de urna s
largura muito fina a 15800, 25, 25300 e 35, cor-
tes de casemira de cor a 35, 55500 e 65, casemi-
ras enfestadas de urna s cor proprias para calca,
paletots, colletes, capas para senhora, roupas para
meninos a 35 e 3-3300 o covado, isto na loja do
Pavao, ra da lmperatriz n. 60, de Gama & Silva.
A roupa do Pavo.
Vendem-se paletots de panno preto sobrecasa-
cos fazenda muito boa a 125. ditos muito linos a
165. 0?, 235 e 305, calcas de casemira preta boa
fazenda a 'i5o00,55, 65, "5 c 85, paletots saceos
de panno preto a 75 ditos de casemira de cor a
65 e 75, ditos de alpaca preta, ditos de merino
preto, ditos de brim de cores, calcas de casemira
de cor a 45. 35. 65, 75, ditos de casemira da
Escossia a 35, ditos de brim pardo a 25300, ditos
de cor a 25 e 25500, ditos brancos muito finos,
sto na loja do Pavio, ra da lmperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Os cortinados do pavo.
Vendem-se ricos cortinados proprios para janel-
la e camas pelo barato proco de 95 o par, sendo o
niellior que ha no mercado : na ra da lmperatriz
d. 60, de Gama & Silva.
As colchas do Pavo.
Vendem-se colchas de linho alcochoada* pro-
prias para cama pelo barato preco de 55 cada nma
na ra da lmperatriz n. 60, de Gama \- Silva
As recalas do Pa*o.
Vendem-se as mais lindas precalas*qne tem viu-
do ao mercado chegadas pelo ultimo vapor fran-
cez, pelo barato preco de, 600 rs. o covado, ditas
de listrinha muito miudinhas proprias para vestidos
e roupas de meninos e meninas pelo biralo preco
de 500 rs. ; s o Pavo ra da lmperatriz n. 60,
loja de Gama & Silva.
Os souteanbarques do Pavo
10# e 108 s o Pavo.
Vendem-se os mais lindos souteanbarques que
tem vmdo ltimamente de laazinha e caxemira ri-
camente bordados e enfeitados, cores muito delica-
das pelo barato preco de 105 e 155 ; fazenda esta
que em mitras lujas se vendem por 205 e 255, e
s para liquidar : na loja e armazem do Pavo a
ra da lmperatriz n. 60 de Gama & Silva.
As chitas do Pavo 40 e
SOO o corte.
Vendem-se cortes de chita coin doze covados
cada corle, ditos com dez covados a 25'i00, fazen-
da muito boa, c que nao desbota, s na loja do Pa-
vao tem esta pecluncha ; a ra da lmperatriz n.
60 de Gama & Silva.
Las de nma sO cor.
Vendem-se lazinhas de urna s cor, sendo en-
carnada, azul, cinzenta, cor de caf, lirio claro, li-
rio roxo cor de perola pelo baratissimo preco de
640 o covado, fazenda muito fina s o Pavao, a ra
da lmperatriz n. 60 loja e armazem de Gama &
Silva.
Panno de liuho.
Vende-se panoo de linho com 4 palmos de lar-
cura proprio para lences, toalhas e ceroulas pelo
barato preco de 640 rs. a vara, bramante de linho
com 10 palmos de largura a 25500, algodaozmho
monstro com 8 palmos de largura a 15, pecas de
Hamburgo com 20 varas a 95, 105 e 115, pecas de
. madapolio fino a 75500, 85, 95 c 105, ditas de
algodiozinho a 65, 65500 e 75, e outras muitas
fazends brancas que se veadem muito baratas
aflm de apurar dinheiro : na loja do Pavao ra da
lmperatriz n. 60, de Gama & Silva,
O bramante do Pavo coin doze
palmos de largura.
Vende-se bramante de linho puro, muito fino com
doze palmos de largura o melhor e mais largo que
lem viodo ao mercado pelo barato preco de 2*800
rs.a vara ; s na loja do Pavio de Gama & ailva,
aua da lmperatriz o. 60.
As precalas do Pavao.
Vendem-se as mais lindas precalas qus tem viu-
do ao mercado chegadas pelo ultimo vapor francez,
D|o barato preco de 600 rs. o covado, ditas de lis-
innha muito miudinhas proprias para vestidos e
roupas de meninos e meninas pelo barato preco
deoOO rs.: s o Pavo ra da lmperatriz o. 60,
loje de Gama 4 Silva.
Os balees do Pvao.
Vendem-se crinolinas ou baldes de 30 arcos tan-
braocos como de cores, sendo americanos m
5o os melhores por se nio quebraren a J**J-*
ESPLENDIDO SORTIMENTO DE MOLHADOS
IX. 9 RA SO CRESPO *. O
Esquina que volta para a roa do Imperador
DE


(Xo se engaueuu com a mitra)

AHOGOS!
Nao leiam esle annuncio com precipitado.
Confrontem 03 jrecos dos outros annunciantes.
Yenham ver os geueros que temos expostos a venda.
A vista faz f.
Nao temos palavras bombsticas. ..
Nao nos enculcamos o primeiro recebedor de conta propria.
Nao desacreditamos ao collega porque nao quiz ser nosso socio.
Val a quem toca.
Para abastecer a todos os habitantes desta bella provincia anda n3o sao suficien-
tes as casas que actualmente oxistem alertas com grandes proporces para lerem um
magnifico sortimento de molhados; assim, pois, os proprietarios do Armazem Principal
nao invejam a sorte dos seus collegas.
Habitantes de Pernambuco.
Nos temos um excellente sortimento dos melhores gneros que se pode achar
em nosso mercado. Vinde ao nosso estabelecimento, e se a vossa boa f fr illudida
urna s vez ao menos, castigai-nos n5o voltando mais a nossa casa.
Amendoas confeitadas de bonitas cores a dem de Hollanda em garrames com 24
l,ooo rs. a libra. garrafas a 7,2oo rs. com o garrafo.
dem de casca muito novas a 3oo rs. a libra. Lentilhas excellente legume para sopa e gui-
Avcllas a 2oo rs. a libra. zados a 2oo rs. a libra.
Ameixas francezas em caixinhas com lindas Licores francezes de todas as qualidades a
mM

SElTIfiftO!
O
VAI FALLAR
2. 38 Ra do Livramento N. 38
(Defronte da grade da igreja)
GRANDE
.
estampas a l,2oo, l,4oo el.Coors. cada
nma.
dem em frasco de vidro com rolha do mes-
800 e l,ooo rs. as garrafas grandes.
Manteiga ingleza perfeitamente flor a 800 e
96o rs. a libra.
& mo ou de metal, a 1,2oo e i 4oo rs. ca- dem franceza nova j deste anno a 600 rs.
da um.
dem em frasco grandes 2,5oo rs. cada um.
dem em latas de I / e 3 IDras a 4>2o e
2,ooo rs.
a libra, e 56o rs. em barris inteiros.
Marmelada especial dos melhores fabricantes
de Lisboa a 600 e 64o rs. a libra,lia latas
de differentes tamanhos.
Arroz da India e Maranhao o melhor que se: Massa de tomate em latas de 1 libra 56o rs.
de 35 arcos a #, ditos de musselina com
41 ditos para menina a 2* e 35: na loja do Pa-
vio ra da lmperatriz n. 60, de Gama & Silva.
0 Pavo vende 84.
Vendem-se os mais lindes cortes de vestidos a
Maria Pia, com lindas barpas de seda, sendo che-
eados pelo ultimo vapor francez pelo barato proco
de 85 eada um : s na loja do Pavao ra da lmpe-
ratriz n. 60, de Gama & Silva.
Os
pic desejar a loo e 12o rs. a libra e
2,8oo e 3,4oo rs. a arroba.
Azeite doce de Lisboa a 600 rs. a garrafa,
e 4,8oo rs. a caada.
dem francez clarificado em garrafas bran-
cas a Doo rs. cada urna, e 10,000 rs. a
caixa com I duzia.
Alfazcma muilo nova e limpa a 32o rs. a li-
bra.
Alpista a 16o a libra, e 4,6oo rs. a arroba.
Bolachinlias de Lisboa da fabrica do Beato
Antonio dasseguintes qualidades: aguae
sal doces, e imperiaes em latas de 6 li-
bras a 3,ooo rs. e de 3 '/a libras a l,5oo
rs. eemlibraa 64ors., stas bolachinlias
torna-se muilo recommendavel com es-
pecialidade para os doentes.
Biscoilos e Bolacliinlias de suda em latas, de
todas as qualidades e marcas que se pro-
curar a 1,35o rs. a lata.
Bollos francezes em cartes e de diversas
qualidades a 61o rs. cada um.
Banha de poico verdadeira refinada a 4oo
rs. a libra c em barril a 38o rs.
Btalas novas a 160 rs. a libra.
Bolachinhas inglezas ltimamente desembar-
cadas a 24o rs. a libra e 2,ooo rs. a bar-
rica.
Champagne das marcas mais superiores que
al boje lem vindo a nosso mercado a
I8,ooo rs. o glgo, l.oo rs. a garrafa in-
icua, e 800 rs. as meias
Cha uxitn o melhor que se pode desejar e
qne outro qualquer nao vende por menos
de 3,ooo a 2,7oo rs. a libra
dem perola especial qualidadc a 2,6oo e
.800 rs. a libra, garanlc-sc a qualidade
deste cha
dem hysson o melhor que 6 possivel en-
contrar-se a 2.4oo e 2,Gno rs. a libra.
dem do Rio em latas de 2, 4, 6 e 8 libras
a l,2oo e l,4oo rs. a libra.
dem prelo muito lino a l.lioo rs. a libra.
Chocolate das melhores qualidades, francez,
bespanhol e suisso a l.ooo, l,2oo e l,4oo
rs. a lihra.
Charutos do acreditado fabricante Jos l'ur-
tado de Simas em l: caixas das seguin-
tes marcas Pariziences, Suspiros, Dili-
cias, Napoleese Guanabaras a 2,3oo rs.,
eetn caixas inleirs Trovadores a 3,ooo
rs. cada urna.
dem de outros muitos fabricantes e de
differentes marcas para l,5oo rs. as mei-
as caixas de suspiros a l,6oo, 2,000 e
3,ooo rs. as caixas inteiras.
Conservas inglezas a 800 rs. o frasco.
dem franceza a 5oo rs.
Cognac inglez das melhores marcas a l,ooo
rs. a garrafa e lo.ooo rs. a duzia.
dem francez suporior qualidade 800 rs. a
garrafa e 9,ooo rs. a duzia.
Cominho e Erva-doce a 4oo rs. a libra.
Cravo da India a 600 rs. a libra.
Canella a l.ooo rs. a libra.
Copos finos para agua a 5,ooo rs. a duzia, e
5oo rs. cada um.
Caf do Rio superior a 28o e 32o rs. a li-
bra, e 8,800 e 9,5oo a arroba.
Doce Gno de goiaba a 600 rs. o caixo.
Ervilhas portuguezas ltimamente chegadas
a Too rs. a lata,
dem seccas a 16o rs. a libra,
dem j descascadas a 2oo rs. a libra.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Figos em caixmhas muito bem enfeitadas a
a 1,000 rs. cada urna,
dem em latas ermilicamente lacradas a
l,5oo e 2,5oo rs. cada urna,
dem em caixas de */ a"roba a 2-5orSl ca"
da urna, e 2oo rs. a libra.
Graixa muito nova a loors. a lata e l,ooo
rs. a duzia.
Genebra de Hollanda em frasqueiras com 12
frascos por 6,000 rs. e 56o rs. o frasco.
dem de laranjaa l,ooo rs. os frascos gran-
des e H.ooo rs. a caixa com 12 frascos.
dem de Hollanda em botijas a 4oo rs. ca-
da nma.
dem em garrames de 16 garrafas a 4,8oo
rs. com a garrafo.
cada urna,
dem para soda estrelinha, pevide e rodinha
em caixinhas sortidas a 3,ooo e 3,5oo rs.
cada urna e 5oo rs. a libra,
dem macarrao, talerim e aletria a 4oo rs.
a libra.
Mostarda franceza preparada em frasco a 4oo
rs. cada um.
Molho inglez em garrafinhas com rolhas de
vidro 64o rs. cada urna.
Marrasquino verdadeiro de Zara a l,ooors.
a garrafa, 10,000 rs. a caixa com 1 duzia.
Nozes muito novas a 16o rs. a libra.
Prezunto de fiambre superior a 600 rs.
dem do Porto para panclla a 5oo rs. a libra.
Passas novas a 48o rs. a libra.
Peixe em latas de differentes qualidades co-
mo, savcl, corvina, govas, pescadinhae
outros a l,ooo rs. a latas.
Palitos para dentos a 14o e 16o rs. o masso
dos melhores.
Painco o mais novo e limpo a 16o rs. a libra.
e 4,5oo rs. a arroba.
Palitos do gaz a 2,loo rs. a groza, 2oo rs. a
duzia, e 2o rs. a caixinhas.
Queijos fiamengos chegados nesle ultimo'Va-
por, a
dem pralo muito fresco a 800 e 9oo rs.
a libra.
dem suisso a melhor qualidade que at bo-
je lem vindo ao nosso mercado a 800 rs.
a libra.
Sal refinado em potes de vidro a 5oo rs. ca-
da um.
Serveja das melhores marcas a 6,000 rs. a
duzia, e 56o rs. a garrafa.
Sardinha de Lisboa e Nantes em quartos e
meia latas a 38o 58o rs. cada nma.
Sag mnito novo e alvo a 2 So rs. a libra.
Sevadinha de Franca 18o rs. a libra.
Sevadaa loo rs. a libra, e -2,8oors. a arroba.
Traques de 1.a qualidade a 8,5oo rs. a cai-
xa, e2o rs. a caita.
Toucinho novo de Lisboa a 24o e 32o rs. a
libra.
Tijollo para (impar facas a 15o rs. cada um.
Vinbo em pipa Porto, Lisboa e Figueira das
melhores marcas a 3,8oo rs. a caada, e
5oo rs. a garrafa.
dem'do Porto Lisboa e Figueira de marcas
menos conhecidas a 4oo rs. a garrafa, e
2,8oo rs. a caada.
dem Colares especial vinbo a 600 rs. a gar-
rafa.
dem Lavradio muito fresco nao levando com-
posico a 56o rs. a garrafa, e 4,ooo rs. a
caada.
dem branco de uva pura a 56o rs. a gar-
rafa, e 4,5oo rs. a caada.
dem mais baixo a 4oo rs. a garrafa, e 3,ooo
rs. a caada.
dem Bsnleaux em caixas de 12 garrafas das
marcas mais acreditadas a 6,5oo e 7,ooo
rs. a caixa.
dem muito especial que raras vezes vem ao
nosso mercado a 1,2oo rs. a garrafa, ga-
rante-se que por este mesmo preco d pre-
juizo e s se encentra n'este armazem.
dem do Porto em caixas com 12 garrafas
das seguintes marcas Lagrimas do Douro,
Duque do Porto, Genuino, Velho Particu-
lar, malvasio fino, D. Pedro V, D. Luiz
I, Nctar e outros a 9,ooo e 10,000 rs.
a caixa e 9oo a 1.000 rs. a garrafa.
dem Muscatel superior a l.ooors. a garra-
fa, e lo,ooo rs. a caixa com 1 duzia.
Vinagre puro de Lisboa a 2oo rs. a garrafa
e 2,4oo rs. a caada.
dem em garrafes com 5 garrafas a l,ooo
rs. com o garrafo.
Vassouras do Porto de arcos de ferro a 32o
rs. cada urna
dem de escova para esfregar casa 36o rs.
cada urna.
Vellas de espermacete superiores a 56o rs.
a libra, e 52o rs. em caixa.
dem de carnauba refinada e de composico a
36o rs. a libra, e de 10,000 a 11,000 rs. a
arroba.
O Vigilante est alerta, nao lhe era permettido
deixar passar desapercebido sem que nao dsse o
seu canto aflm de annnnciar ao respeitavel publico
o grande sortimento degalantarias do melhor gosto
propiamente para qualquer mimo, que acaba de
chegar neste ultimo paquete, assim como muitos
outros objectos que recebe por diversos navios,
tanto de sua conta como de consignacao, que est
resolvidp a vender por precos muito baratos para
vender muito e ganhar poco, e dar extraccao ao
grande ^deposito que tem, que espera merecer a
proteccio do respeitavel publico, empregando para
isso todas e as melhores diligencias para que fi-
auem satisfeitos: isto s no Gallo Vigilante, ra
o Crespo n. 7.
Ricas porta-joiis.
Cofre de muito gosto por 165000
Cestinhas transparentes, ferradas de madre-
perla por 185000
Lindas jardineiras 105000
Ricos cofres com camapheu 105000
Lindas caixinhas com pedras brancas 105000
Lindo balao com caluoga dentro tambem
para joias 165000
Tambalier para ditas (5000
Cestinhas dem idem C5000
Cosmorama idem idem 65000
Urnazinha 5000
S no Vigilante, roa do Crespo n. 7.
Ricos porta-bouquetes de diversos gostos e pre-
cos : s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Ricos sintos
com bolcinhas ao lado a 10, 12 e 135, ditos sem
bolea, porm do mesmo gosto, a 25500, 35, 35300
e 45, ricas fivelas avulsas para sintos, o melhor
que se pode encontrar, a 15300, 25, 25300 e 35
s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Gabazos on cestinhas.
At qne chegaram as desejadas cestinhas ou ca-
bazes para as meninas trazerem no braco, o mais
rico possivel, a 25300, 35300, 4, 5, 7 e 105 : s
no Vigilante, rna do Crespo n. 7.
Pentes.
Neste artigo tem um grande sortimento, tanto
para alisar como para atar cabello, o mais lindo
que se pode desejar, assim como de arregacar ca-
bello, tanto de borracha como de tartaruga, com
enfeite e sem elle para meninas : s no Vigilante,
rna do Crespo n. 7.
Pentes
Tambem chegaram os riquissimos pentes de
concha de tartaruga e de massa fina, que se vende
por 25, 3 e 35 : s no Vigilante, ra do Crespo
numero 7.
Leques.
Riquissimos leques de madreperola, tanto para
senhora como para mocinhas, pelo barato preco de
12 e 145 : s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Mais leques.
Com pequeo defeito, leques de sndalo, por ba-
rato preco, a 85 e 105, hieres, muito bonitos,
tambem por barato preco de 4 e 55, bentarallas
muito bonitas tambem por barato preco de 4 e 55,
leques de chario tambem por 45, ludo isto para
acabar, perdendo-se talvez 80 0|0 : s no Vigilan-
te, ra do Crespo n. 7.
Pulsciras.
Lindas pulseiras de contas e de missanga, cores
muito lindas e de muito gosto a 15 e 15-00.
l'jira segurar maupitos.
Tambem chegaram as liguinhas estreitinhas de
borracha que as senhoras tanto precisara para se-
gurar os manguitos por ser muito commodo e mui-
to barato, a 320 o par : s no Vigilante, ra do
Crespo n. 7.
Caricias.
Riquissimas carretas de madreperola proprias
para qualquer presente, pelo baratissimo preco de
15300 e25.
Voluntas.
Lindas voltinhasdepcrolas falsas com cruzinhas
fiogindo brilhanles, assim como cruzinhas avulsas
e voltinhas. pelo barato preco de 15 e 15200, as
cruzes avulsas a 400 rs. : so no Vigilante, ra do
Crespo n. 7.
Sapatinbos e meias de seda.
Riquissimos sapalinhos de seda e de merino en-
feitados, assim como meiaszinhas de seda, gorra-
zinhas e touquinhas para as crianrinhas se bapti-
sarem : s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Golinlias.
Riquissimas gotinhas e manguitos, o melhor gos-
to possivel, a 25, 25300 e 35: s no Vigilante,
ra do Crespo n. 7.
Enfciles para senhora.
Riquissimos enfeites com laco e sem laco e de
outros muitos gostos a 15, 15300 e 35 : s no Vi-
gialnte, ra do Crespo n. 7.
Trancclins.
Lindos trancclins de cabello para relogio ou lu-
netas, pelo baratissimo preco de 15300, ditos de
retroz a 200 rs.
|{;tl)'.(linlios entrentcios.
Riquissimos babadinhos ntremelos com lindos
desenhos tapados e transparentes, pelo baratissimo
preco de 15200, 15500, 25 e 35 : s no Vigilante,
ruado Crespo n. 7.
Oscarrlhas.
Grande sortimento de cascarrilhas de diversas
larguras, assim como galaozinho e trancinhas pro-
prias para enfeites : s no Vigilante, ra do Cres-
po n. 7.
Fitas.
Grande sortimento de fitas de diversas larguras
e qualidade, por precos que admiram aos compra-
dores, havendo fitas largas proprias para sinteiros
e peca de 3
VERDADEIRO E PRINCIPAL
Ordem do dia.
Est em discusso a tabella dos procos que o PALIZA tem a honra de ofTere-
cer ao respeitavel publico tanto da cidade como do cenlro.
Se por esta publicaca qualquer um dos vobres coltegas entender necessark)
fazer algttma aIterac3o em seus annuncios, digne-se mandar a sua emenda para o jornal,
que o incansavel Baliza nao lhe pora peias nein o embaracar de forma alguma a benefi-
ciar o povo.
Amigo de vender barato o Baliza uno expoe a venda seno os gneros bons.
Elle sejulga no caso de vender tao mdicamente como outro nlo o exceder
Soldado soprador toma o clarim
E firme como a rocha fica assim
Nao toques nesse pessimo instrumento
Do Bausa olha s o movimento.
2 t que dos mitrados tcns as cordas
De tildo vendedor de propria conta
*io pasmes vendo eomo sobranceiro
Do regresso o Balisa a ira affronta.
seus presos,
pipas,
O grande depesiio que temos de vitiho nos obriga a abaixar seus i
achando-se ;i vista dos compradores cerca de 3 a 40 pipas deste genero, c-ntie
barris e ancoretas.
Amendoas confeitadas em lindos frascos a 8oo Lingoas americanas muito novase muito gran-
rs, a libra
dem com casca a :12o rs. a libra.
Ameixas francezas em caixinhas c frascos a
l,2oo, I,5oo e 2,ooors.
Alpista a IGo rs. a libra e &,6oo a arroba.
Arroz do Maranhao, Java e do l'enedo a 8o,
loo e 12o rs. a libra, em arroba a2,ooo,
2,8oo e 3,2oo.
Azeite doce refinado a 8oo e loo rs. a gar-
, rafa,
dem idem em barril a 6o rs. a garrafa e
4.8oors. a caada.
Ancoras com vinbo do Porto, encomuicnda
feita pelo proprielario do Baliza a 3o,ooo
rs. a ancora com 7o garrafas.
Bolaxinhas de Lisboa, ingleza e americanas
em latas a 1.4oo, l.ooo, 2,ooo c 3,ooo rs.
e americanas em barricas a 3,ooo rs. a
barrica.
Banha de porco a 4oo rs. a libra c em barril,
a 3Go rs.
: Batatas em gigos a I,iiooo gigo.
I Cha perola a 3,ooo rs. a lihra.
dem uxim a 2,6oo e 2.8oo a libra.
des a l.ooo rs. cada urna.
Linguicas promptasem latas a I ,">oo ada lata.
Manteiga ingleza flor a 8oo rs. a libra neste
genero ha mais de lo baris abertos afim do
serena satifeitos os compradores.
dem menos superior a O o rs.
Manteiga ingleza aSoo, ioo e 32o rs. a libra.
Idem franceza a 5Go, (ioo c 61o rs. e cmbar-
ril por menos.
Massa de lmale a Go rs. a libro.
Marmolilla dos melhores fabricantes a G4<>
rs. a libra.
Mlhos nglezes a 4ooeG4o rs. a g.ralnlia.
Mostarda pr parada a ioo e 6io i i Ira: co.
Massas para sopa a ioo rs.a libra tas de ta-
lliarim, aletria e macano.
dem finas estrellinha e pevide a 3,ooo rs. a
caixa.
Milho miudo para [ asan 8 16< i ;. a lrr:
e 4.8oo a arroba.
Marrasntiinn de zara do verdadeiro a l.booo
frasco,
dem menos rtip-rior a 800 e Looo rs. o
frasco.
94n r<. n libra.
dem hvsson a 2,ooo. 2,4oo e2,8oo.alibra. Nozes a 24o rs, a
Prezunto porttignez de superi qua .ido a
C'.u 1 >. a libra e iuteiro ifir oo rs.
qoe se pode vender a 300 rs. a vara, e pe?a dt
varas a 2,5 : s no Vigilante, rna do Crespo n.
Fitas de la.
Fitas delaa de todas as qnalidades, proprias para
debrum de vestido a 700 rs. a peca : s no Vigi-
lante, rna do Crespo n. 7.
Reos cspelhos.
Riqnissimos espelhos com moldura donrada e
sem ella de 8, 10,12 e 14, assim como con co-
lumnas de differentes tamanhos a 25, 3, 4, 5 e 6|:
s no Vigilante.rua do Crespo n. 7.
Lindos jarros c figuras.
Riquissimos jarros e figuras de porcelana fina
para enfeite de sala, sendo o melhor gosto que aqui
tem apparecido : s no Vigilante.
Para pos de arroz.
dem do Rio a I,Goo rs. a libra.
dem prelo a i.Soo e 2,ooo rs. a libra.
Charutos dos melhores fabricantes da Balna
eRio de Janeiro a 8oo rs. e i.Soo, 2,000,
2,'ioo, 3,ooo, 3,uoo, l.ooo c 5,000 rs. o
cento.
Chocolate dos melhores fabricantes de Taris,
Allemanha, Hamburgo e Lisboa
Copos lapidados para vinbo a 2.8oo a duzia.
dem idem para agua a5,ooo, .*i,.l'ooe G.ooo
rs. a duzia.
Ceneja das melhores marcas a 4,ooo, 5,000
e G.ooo rs. a duzia.
Cravo canella e cominhos.
Ceblas em mullios resteas c solas.
Conservas inglezas a Soo, 9oo e l,ooo rs. o
frasco.
Diltas francezas a 5oo e G4o rs. o frasco.
Cognac inglez c francez a I .ooo rs. a garrafa.
Caf de i.\ 2.a c 3 nqualidade a 85oo 9,ooo
e 9,5oo rs.
Cevadinba de Franca a 24o rs. a libra.
Champagne de muito ba qualidade a I2,ooo
c 2o,ooo rs. a duzia.
Doces da casca da goiaba em latas preparadas
com muito aceio, propria para memoziar
algum amigo na Europa, por ser inallera-
vel por mais deum anno, a 3,ooo rs. a lata
com 7 libras.
Dittos em caixoes a 56o, 64o, 8oo e I,ooo
rs. o caixo.
Ervilhas portuguezas em latas com 1 i li-
bras por 7oo vi.
dem francezas em latas a 5oo rs.
dem seccas a 2oo rs. a libra.
Espermacete americano primeira qualidade a
l.toors. a libra,
dem francez a 56o rs. a libra, e cm caixas
a 52o rs.
Farinha d'araruta verdadeira a I8o rs.a libra.
Farinha de trigo a i2o, 14o e IGo rs a libra.
Farinha de milho a 16o rs. a libra.
Figos em caixinhas o em latas lindanmente
enfeitadas a 8oo e i,Soo cada um.
Riquissimos vasos com boneca para pos de ar- Fumo americano em latas para cigarros
ro, cousa de mnito gosto a lioOO e 2$, assim co-1 q. _
mo pacotes s com os pos a 320 rs. cada um : s i ,
no Vigdanle, ra do Crespo n. 7. i Wem cm patoies a -00 i.
Perfumarlas. dem em pasta a l,2oo rs. a libia.
Grande sortimento de extractos e banhas, poma- i Genebra de laranja a 1,000 rs. o

AGENCIA
DA
FNDICO DE LOW-MOOB.
Ra da Sennlla nova n. 42.
Neste estabelecimento contina a haver
um completo sortimento de moendas e meiai
moendas para engenho, machinas de vapor
e tachas de ferro batido e coado, de todos o
tamanhos para ditos.
;
baldes do Pavao.
A 2i$J00 s o Pavio.
Vende-se baloes com 20, 2o e 30 arcos pelo ba-
ratissimo preco de 2500, assim como tem um
completo sortimento de baloes para meninas de to-
dos os tamanhos pelo baratissimo preo de 2*oU,
notando que sao baloes de arcos os melhores quer Arados americanos e machina para
tem vindo da America Ingiera vendem-se por este i j Q pa: em CXSil de S. P. Johnston & u,
attSAMP* Garlv ra da SeUa Nova n. 42.
Empreza dailluminacao
gz.
Todas as vendas de apparelhos e reclamaQes
(por escripto dando o nome, morada, data, etc.),
devem ser feitas no armazem da rna do Imperador
n.31. Os machinisus mandados par a a [*
isTo pafa qu a empreza fique scienle
deverao assignar logo
te attendidos._________________
Ferros para nrlves.
Na ra larga do Rosarlo n. 24, loja de ounves,
vendem-se toSos os ierres e utencilios de ounves.
das, assim como os lindos copos eu vasos com dis
tinctivos e offerecimentos as sinhazinnas, dos me-
lhores e mais afamados autores de Pars e Ingla-
terra, assim como os grandes copos de banha japo-
neza a i, e a {& ; assim como outros objectos que
nao possivel por hoje annunciar, e vista dos
freguezes se far todo negocio : na loja do Gallo
Vigilante, roa do Crespo n. 7.__________
- Euzebia Raphael Habello tem para vender
em seu escriptorio, roa da Cade.a n. 55, os segura
tes gneros'.
Cera em velas. .
Cal em pedra de Lisboa.
Vraho poro em ancoretas.
Trina, volantes c Raides.
Vende-se trina, volantes el galoes de todas ae
larguras por precos muito barato: so no vigilants
ra do Crespo n. 7. ^^__^^____^^_
Rna da Senz&lla Nova n. 42.
Neste estabelecimento vendem-se: tachas de
ferro coado libra a i 10 rs., idem de Lov
Moor Ubra a 120 rs.
dem ingleza marca Gato a I ,ooo rs. a garraft.
dem de Hollanda a G4o e l.Coon.. o fiasco
mJSBKiES o rs. o frasco e 6,ooo
rs. a frasqueira. .
Graixa em latas a I,2oo rs. a duzia.
Limonadas de diversas fructasa i,ooo rs. a
garrafa. '
Licores, inglezes e francezes a l.ooo, t.5oo
e 2,ooo rs. garrafas grandes c pequeas.
dem ingle/, para Hambre a 64o rs. a libra,
au agradando mesmo depois de preparado,
poder ser devolvido, que se trocar por
oui.io ou ser restituido seu importe.
Passas novas a ioo rs. a libra.
Polvo a 16o rs. a libra.
Painco a IGo rs. a lihra.
Pomada a 24o rs. a duzia.
Pimenta do reino a 36o rs. a libra.
Peras seccas a 64o rs. a libra.
Peixe em hilas a l.ooors. a lata.
Papel almassoe de peso, de diversas qua-
idades o precos deferentes.
Palitos do gaz a 2,2oo a groza.
dem para denles a 8o, IGo e 24o rs. o ma-
co com vinte macinhos.
Gueijos Ilamengosa 2,6oo, do ultimo vapor.
dem prato a Gio rs. a libra.
Idemlondrino a 8oo rs. a libra.
Rap Meuron a l.ooo rs. a lihra.
Sevadinha a 24o rs. a libra, i nova).
Sag a 28o rs. a lihra.
Sardinhas de Nantes a 64o, 5Go e 30o rs. a
lata.
Sabo massa a 12o, 19o, 2 bra,
e em caixoes por muito menos.
Sai refinada a Ooo rs. o pote de vidro.
Toucinho de Lisboa, de Santos e americana
a I6o, 2o e 32o rs. a libra, e cm arroba
a 5,ooo, 7,ooo e 9,ooo rs.
Tijollo para limpar facas a tOors. cada um.
Vinbo do Porto em caadas a 3,5oo, -i.oooe
5,ooo rs. e em ancoras com 7o garrafas por
. 3o,ooo rs.
dem de Lisboa sem confeiceo, (de cncomen-
da) por 5o,ooo rs. o barril com 17 cana-
das.
dem de Lisboa mais baixo a 45,ooo rs.
dem em pipas a 3,ooo, 3,5oo e 4,ooo rs. a
dem em barril de Bordeaux com 13o gar-
.rafas por oo.ooo rs.
dem idm de Bordeaux com 70 garrafas por
30,000 ,_
dem em caixas por 5,ooo rs. a caixa com i -i
garrafas da melhor qualidade que vem ao
nosso mercado.
Vinbo branco para missa de Lisboa e Porto
em pipa, barril e ancoras a 4,ooo c 5.ooo
rs. a caada.
Vinagre de Lisboa, Porto, tinto e branco a
l,6ooc 2,ooo rs. a caada
dem em ancoras por 16,ooo rs.
Velas estearlinas a 56o rs. o maco, e em ca-
xas a 52o rs.
Vassouras americanas a 64o rs. urna.
Grande peehincha.
Vende-se a 8 a peca de panno de linho puro e
limpo com 25 varas cada urna : na ra da lmpera-
triz n. 20.
"_ Vende-se urna caixa de ferros de engommar,
fiados ltimamente de Franca, urna cama de ca-
sal, e troca-se urna imagem da Conceicao, ludo isso
de urna familia que se retira para fra da provin-
cia : na ra da Gloria n. 60 ss dir quera vende
esses objectos.
JU$000apeca.
Vendem-se pecas de algodozinho com pequeo
toque de avaria, proprio para roupa de esclavos e
toalhas, pelo barato prego de 4$ a peca : ra do
Queimado n. 14. ________^_
Vende-se o sitio da travessa dos Remedios,
freguezia dos Afogados n. 21, no estado em que se
acha : quem o pretender, entenda-se com o seu
proprielario Caetano Pinto de Veras, na ra de S.
Francisco, sobrado n. 10,como quem vai para a ra
Belle



'-
*


Diarlo r Prrnafenfo ... Trrcn felra de Julbo t 13 51.
POR MENOS DE 20 A "0 l'OK CEMO
ARMAZEM CONSERVATIVO
GRANDE ALLIANCA
57
23-Largo do Ter$o-23.
Qaeijos do vapor a 2,8900.
Vinfco de Figueira, marca JAA, a 900 rs. a gar-
rafa.
Dii* de Lisfcoa a M rs.
Dito de outros paites a 360 rs.
Dito para negocio a 320 rs. a (arraa e em caada
se faz aliafimenlo.
l*elira de JiuUauUa ea> frasqueiras a 6000 e 500
rs. o fraseo.
dem em botijas de conta a 400 rs.
Ateite 4oee4e Lisboa lino a 600 rs. a garrafa.
Dito de carapato a 330 rs. a garrafa.
Manteista franceza a 560 rs. a libra, e 5W em
barril.
Joaquiro Simo dos Santos, dono dcste armaiem de molliadus, tem feito nina grande vantagem
quem seu armazem tena frequentado, liquidou todos os saos (aaervs mais amigos que tinha nao s
neste armazem como fra, e tendo feito urna grande reforma nesle estabelecimento tanto em tamanha vantagens Gfferece ao puWlCo.
como em generes que mandn vir por sua propria eocomineada a maior porte, qne os pode vender por
ajenos de que qualquer annunciante, para isso se responsabilisa pela superior qualidade.
Attenct.
Batatas as mais novas a 15400 a arroba e 50 rs. a
libra.
Toucinho de Lisboa novo a 280 rs. a libra e 8#'00
a arroba.
Caf do Rio de primeira e segunda sorte a 280 e
360 r* a Kbra e 84500 a arroba.
Arroz pilado a 80 c 100 rs. a libra e 25500 e 20300
a arroba.
Sardioha de Nantes novas a 320 rs. cada urna.
Sabao massa superior a 180 e 220 rs. a lihra.
Passas as mais novas deste genero a 400 r>. a libra
Ameixas franceza* com 1 e meia libras a 15.
Bolacbinhas inglezas novas a 240 rs. a libra.
Charutos de diversas marcas e superior qualidade
de 15200, 15500, 25, 35 e 45.
57 RA DO IMPERADOR
Paulo Ftrrtira da Silva & Companhia
o
NEM COROAS NEM MITRAS


Grande urttoento do molltados em grosso e a retalho. nico armazem que mais
GR11DE
AIU1AKEI91
DE
ltesenganem-se todos.

K o AlHMfcea o verdadeiro hornera do progressso.
K Alllan?a o rerdadeiro e principal armazem de molhados.
K o Alltaaea o armazem que rende mais barato.
K o Alllaae* o armazem que vende os raelhores gneros.
15 Alliaoca o armazem onde preside o melhor aceio.



FESTAS

Phosphoros do gaz groza 25200. Dla iDg|eza flor a 720, 800 o 900 rs. a libra, e em
Velas de espermacete de 5 e C por libra a 540 rs. a barril ba abatimento.
vJff V!w *.a f-.....k Mav. m. Ma88a ** em latas de libra a 600 rs. cada
Velas de carnauba a 115 a arroba e 360 a libra. I uma
Seyadinlu e sag inuito novo a 240, 2G0 rs. a li-' Conserva inglezas, fraacezas e portuguezas a "640
bra. Garntese a superior qualidade. o frasco.
Alm destes gneros ha outros mnitos qne enfadonho seria menciona-los. Quem duvidar ve-
er nhav.
consultorio .neo-cnico
do
DR PEDRO DE ATTAHYDE LORO MOSCOSO,
MEDICO, PARTllltO K 0>>l IIADOR.
3 ua da Gloria, casa do FundSo 3
O Dr. Lobo Moscoso d consultas gratuitas aos pobres lodos os das das 7 s 1
horas da manha, edas 6 e meias 8 horas da noite, a excepcao dos dias santificados
Pharmacia especial liomeopathica
No mesmo consultorio ba sempre o mais appropriado sortimento de carteiras
tubos avulsos, assim como tinturas de varias dymnamisaces e pelos preces seguintes
Carteiras de 12 tubos grandes. 42,{K)00
de 24 tubos grandes. 18f$000
de 30 tubos grandes. 245000
i de 48 tubos grandes. 305000
de 60 tubos grandes.
33(0000
Antonio das seguintes qualidades: agua
Prepara-se qualquer carteira conforme o pedido que se fuer, e com os remedios n-ia,i,K- Aa r;,~ a e i
quf se pedir. i Boiacninnas^ de Lisboa da fabrica do Beato
Um tubo avu'so ou frasco de (futura He meiaonca 1$ 00.
Sendo para cima de 12, custaro os procos estabelecdos para as carteiras.
Ha tubos mais pequeos cada um a 500 rtis.
M VltOS.
A melhor obra da homeopathia, o.Manual de .Medicina Humeopathicodo Dr. Jahr,
ms graneles volumescem diccionario............ 205000
Medicina domestica do Dr. Hering,........... 105000,
Repertorio do Dr. Mello Moraes............. 65000
Diccionario de termos de medicina ........... 35000
Os remedios deste estabelecimento sao por deraais eonhecidos e dispensam portan-
to de serem nevamente recommendados aspessoaj que quizerem usar de remedios ver-
daderos, enrgicos e duradores : ha ludo do melhor que se pode desejar. globos de ver-
sal doces, e imperiaes em latas de 6 bras
a 3,000 rs. e de 3 '/a libras a l.Soo rs.
e em libra a 64 rs., estas bolacbinhas
torna-se mtiilo recommendavel com espe-
cialidade para os doentes.
Biscoitos e Bolachinhas de soda em latas de
todas as qualidades e marcas que se pro-
curar a 1,35o rs. a lata.
Bolos francezes em carloes e de diversas
qualidades a 64o rs. cada um.
Banha de porco verdadeira refinada a 4oo
rs. a libra e em barril a 38o rs.
notaveis pela sua boa conservarlo, tinturados mais acreditados Batatas novas a 16o rs. a libra,
los, a mais exacta e aceurada prepararlo, e portanto a maior ener- Bolachinhas inglezas ltimamente desembar-
a 24o rs. a libra e 2,ooo rs. a bar-
cadas
rica.
dadeiro assucar deleit
estabelecimenios em
gia e certeza em seus e/Jeitos.
Cam de sade para escrams. Champagnc *.. *,,*.
Recebe-se esclavos para tratar de qualquer enferraidade ou fazer-se-lhc qualquer at boje tem vindo ao nosso mercado a
' p iracfto, para u que o annunciante julga-se sufficientementi' habilitado. 18,ooo rs. o gigo e l,5oo rs. a carrafa
O tratamenlo o melhor possivel, tanto na parte alimentar, como na medica, e inteira, o 8oo rs. as meias.
ha tnuilas pessoas de cojo conceito se nao Cha uxim o melhor que se pode desejar, e
Fiqoem todos sabedores desta verdade,
Venham todos ra do Imperador n. 57.
Yenham ver os gneros que temos expostos a venda.
PARA AS
DE
S. JO JO E. S. PEOR0.
confeitadas de bonitas cor dem de Hollanda em garrafoes com 24 gar-
rafas a 7,2oo rs. com o garrafo.
a 3oo rs. a libra. Lentilhas excellente legume para sopa e gui-
zados a 2oo rs. a libra.
Licores francezes de todas as qualidades a
8oo e l,ooo rs. as garrafas grandes.
Manteiga ingleza perfeitamente flor a 8oo
96o rs. a libra.
dem franceza nova j deste anno a 6oo rs.
a libra, 58o rs. em barris inteiros.
Marmelada especial dos melbores fabrican-
tes de Lisboa a 6oo e 64o rs. a libra, ha
latas de differentes tamanhos.
Massa de tomate em latas de 1 libra a 56o
rs. cada uma.
dem para soda streUmita, pevideerodinha
em caaiabas sortidasa 3,ooo 3,5oo rs. cada
uma e 5oo rs. a libra.
dem macarro, tallutrim e aletria a loo rs. a
libra.
Mostarda franceza preparada em irasco a 4oo
rs. cada um
Molho inglez era garrafinhas com roluas de
vidro a 64o rs. cada uma.
iMarrasquinho verdadeirode Zara a l.ooo rs.
a garrafa, lo,ooo rs. a caixa com 1 du-
zia.
Nozes muito novas a 16o rs a libra.
Prezunto de fiambre superior a 6oo e 8oo
rs.
dem do Porto para panella a 5oo rs. a libra.
iPassas novas a 48o rs. q libra.
l'eixe em latas de differentes qualidades co-
mo, savel, corvina, govas, pescadinha e
outros a l,ooo rs. a latas.
Palitos para dentes a 14o e a 16o rs. o mas-
so dos melbores.
Pango o mais novo e limpo a 16o rs, a li-
bra, e a 4,5oo rs. a arroba.
grosa, e2oo rs.
a duzia, e 20 rs. a caixinha.
Queijos flamengos cliegados neste ultimo
vapor, a 3,ooo
dem prato muito fresco a 8oo e !)oo rs. a
libra.
I
RIJA DO IMPERADOR V. 40
JunU ao sfbrado em qie Bra Sr. 0>btre,
Para a festa de Santo Antonio, S. Joo e S. Pedro.
Uarte Almeila t C, receberaot dr sua proprla rurowiurn
a o uals lindo e Tarlado ^or timen I o de molhados, proprlos
da presente estaeilo.
Amendoas
8oo rs. a libra.
dem de casca muito nova
Avelas a 2oo rs. a libra.
Ameixas francezas era caixinhas com lindas
estampas a i,2oo, l,4oo e l,6oors. cada
tima.
Idera em frasco de vidro com rolba do mes-
mo ou de metal, a l,2oo e l,4oo rs. cada
um.
dem em frasco grandes a 2,5oo rs. cada
um.
dem em latas de 1 '/i e 3 libras a 1.2oo e
2,000 rs.
Arroz da India e Maraobo o melhor que se
pode desejar a loo e 12o rs a libra o
2,8oo a 3,4eo rs. a arroba.
Azeile doce de Lisboa a 6oo rs. a garrafa, e
48oo rs. a caada.
dem francez clarificado em garrafas bran-
cas a 9oo rs. cada uma, e lo.ooo rs. a
caixa com I duzia.
Alfazeraa muito nova e limpa a 32o rs. a 1-
i bra.
Alpista a 16o rs. a libra e 4,<>oo rs. a ar-
roba
funecionando a casa a mais de quatro annos,
pode duvidar, que pdem ser consultados
por aquelles que desejarem mandar seus
doentes.
Paga-se 25000 por da durante CO dias ed'ahi em diante 15500.
As operamos serao |ireviamente ajustadas, se nao se quizerem sujeitar aos precos
rozoaveis que costuma pedir o annunciante.
*1*&GJ!&^jraqg>.QgQn ^9tt2Q fCLOSA* .JZZirzGSi- J3QQAQ. J^r Xx\ 'W
de
APROVEITEM APBOVE1 TEM
AOS
7,11)0 COVAI
sedas de cores de todas as qualidades.
Na toja da ra do Crespo numero 17.
Importante compra Jo 7I30 covados de seda de todas as qualidades, proprias para
vestidos de senhoras e de meninas, e rende-so por precos admiraveis.
Outros mnitos objeclos de apurados gostos para senhoras, vestidos de blonde para
casamento a 1)05 cada um, capas pretas, soutamharques decores e pretos, chapeos ele.
Fazendas de linho e de algodao as melhores que existem no mrcalo.
O proprietano deste importante estabelecimento vai a Kuropa muito breve com-
prar fazendas de apurados gostos, presentemente vende a? soas mercadorias por preco*
baratissimos para liquidar.
Protejam todos. Protejan! todos a importante
LIQUIDACAO
Urja da ra do Crespo n 17.
4
"fjfifOl
INJECCAO E CAPSULAS
GRIMLT E C' PHARMACEUTICOS EM PARS
Novo tratamenlo preparado r.orv as foltatu de Mailco, riorr da Gonorrhea gem recelo algum da contracto do canal ou da inflammaeo dos intestinos. O clebre
doutor Ricord, de Pars, ter renonciado, desde sua apnaricSo, ao emprgs de qualquer outro tratsmento.
hmprega-se a injrrro no comQO do fluxo, as capsulas em todos os casos chronicos e inveterados, que
resistirSo s preparaQees do copahu, cubeta e is injecefies com base metallica.
Depsito geral: em Parts, em casa de MM. Grlmault e C, pharmareuticos, 7, ra de la Feuillade;
em Lisboa, Joar Agoiitlnho da Coata-Carvalhn Janlar no Porto, Mleurl Jone de Houia Fer-
relra; em o llio-de-Janeiro, Gestan, 102, ra S. Pedro; em Baha, Jo.Cactano Ferrelra-Enpln-
hrira-, em Rio-Grande, Jaaqala de Gaday; em Marantio, Ferrelra e C; em Pernambuco,
shoum e c, ra da Cruz, 22 souaa, e as principis pharmacias do Ltraiil.
Deposito geral em Pernambuo ra da Cruz n. 22 emeasa de Caros & Barboza.
DE
J. VIGNES.
M. 55. RA DO IMPERADOR \. 65.
Os pianos desta antiga fabrica sao hoje assaz eonhecidos para que seja necessario insistir sobre o
saa superioridade, vantagens e garantas que offerecem aos compradores, qualidades estas inconteste-
veis qne elles tem definitivamente conquistado sobre todos os que tem apparecido tiesta praca ; pos-
snrndo um teclado e machinismo que obedecen) todas as vontades e caprichos das pianistas, sem-
nunra falhar, por serem fabricados de proposito, e ter-se feito ltimamente melhoramentos importan-
nssimofi para o clima deste paiz ; quanto s vozes sao melodiosas e flautadas, e por isto muito agrada-
veis aos ouvidos dos apreciadores.
Fazem-se conforme as encommendas, tanto nesta fabrica romo na do Sr. Blonde!, de Pars, socio
correspondente de J. Vignes, em cuja capital foram sempre premiados em todas as expesicoes.
Ne mesmo estabelecimento se acha sempre um explendido e variado sortimento de msicas dos
rr dhores autores da Europa, assim como harmnicos e pianos harmnicos, send*. rudo vendido por
presos commodos e razoaveis.
que outrn qualquer nao-vende por menos
de :j,ooo a 2,7oo rs. a libra.
dem perola de esp cial qualidade a 2,6oo e
2,8oo rs. a. libra, garante-se a qualidade
deste cli.
dem liysson o melhor que possivel encon-
trar-so a 2,4oo e 2,6oo rs. a libra.
dem do Rio em latas de 2, 4, 6 e 8 libras
a l,2ooe l,4oo rs. a libra.
dem preto muito fino a i,0oo rs. a libra.
Chocolate das melhores qualidades, francez,
hespanhnl e suisso a I.ooo, I,2oo e l,4oo
rs. a libra.
Charutos do acreditado fabricante Jos Fur-
tado de Simas-em li caixas das seguin-
tes marcas: Parizionses, Suspiros, Dili-
cias, Napoleoes e Guanabaras a 2,3oo rs.,
e em caixas inteiras Trovadores a 3,ooo
rs. cada urna.
dem de outros muitos fabricantes e de dif-
ferentes marcas para i ,5oo rs. as meias
caixas, de suspiros a i.too, 2,ooo e3,ooo
rs. as caixas inteiras.
Conservas inglezas a 8oo rs. o frasco.
dem franceza a Joo rs.
Cognac ingle/, das melbores marcas a 1 ,ooo
rs. a garrafa e .0,000 rs. a duzia.
dem francez superior qualidade a 800 rs.
a garrafa e 9,000 rs. a duzia.
Cominho e erva-doce a 4oo rs. a libra.
Cravo da India a Goo rs. a libra.
Canellaa 1,000 rs. a libra.
Copos finos para agua a 0,000 rs. a duzia, e
800.1*5. cadaum.
Caf do Rio superior a 280 e 320 r& a libra,
e 8,800 e 9,000 a arroba.
Doce fino de goiaba a 600 rs. o caixo.
Ervilhas portuguezas ltimamente chegadas
a 7oo rs. a lata.
dem ceceas a 16o rs. a libra.
dem j descascadas a 2oo rs. a libra.
Farirtlia de araruta verdadeira a 320 rs. a
libra.
Figos em caixinhas muito bem enfeitadas a
l.ooo rs. cada uma.
dem em litas ermiticamente lacradas a
1,5oo e 2,5no rs. cada uma.
dem em caixas de '/* arroba a 2,5oo rs.
cada uma, e 2oo rs. a libra.
Graixa muito nova a loo rs. a lata e l,ooo
rs. a duzia.
Genebra de Hollanda em frasqueiras com 12
frascos por 6,000 rs. e 560 rs. o frasco
Manteiga ingleza
da safra aova vinda neste vapor de 28 de
maio a 800 rs. a libra.
Manteiga franceza
da safra aova a 560 rs. alibra, e em barril
a 500 rs.
Amendoas
confeitadas de lindissimas cores a 800 rs. a
libra.
Ameixas
em frascos de vidro com 3 libras liquido a
2)5400, muito propios para mimos.
Cartees
com bolos francezes a 500 rs. cada um.
Latas
com bolachinhas de soda de todas as qua-
lidades a l >300.
Chocolates
de todas as qualidades a i 000 a libra.
Presuntos inglezes
dos melhores fabricantes a 800 rs., tambem
temos velhos para 500 rs.
Queijos flamengos
cliegados neste ultimo vapor a 206oo.
Queijos
chegados no ultimo vapor a 2)600 cada um.
Queljo
londrino o mais fresco que se pode esperar! charutos Thom n[ "^ out
e de excellante maree a 800 rs a libra; meias caixiahas a moo
sendo tnteiro e a 900 rs, a retalho.
Macas brancas
para sopa a melhor que se pode desejar,
macarro, talbariu e aleiria a 400 rs. a
libra e 4#5O0 a caixa.
Vinho
Figueira J A A e outras maitas marcas acre-
ditadas a 500 rs. a garrafa,
lile ni de Lisboa
e de outras marcas a 400 rs. a garrafa, e
2800 a canuda.
dem do Porto
generosos engarrafado dos melhores fabri-
cantes da cidade do Porto a 1 e 10200
a garrafa e de 1 o a 125 a caixa, as mar-
cas so as seguintes: Chamisso Filho,
F. d M., Nctar ou vinho dos Deuzes,
lagrimas do Douro e outros muitos.
Latas
com 10 libras de banha a 4OftO.
Bolachinha ingleza
a 1(5800 a barrica da mesma que
vendem a -26000 e 2,>400.
Nozes
as mais novas do mercado a HKk* A bra.
Cervejas
dos melhores fabricantesje de todas as mai
cas de 4)5500 a 60500 a duzia.
CHARUTOS
Conservas inglezas
as mais novas que se pode esperar a 760 rs.
o frasco.
Figos
em libras e caixinhas ricamente douradas,
proprias para mimos a 900 e 1,5200. j
Cha uxim
Palitos do gaz a 2,loo rs. a grosa, e2oo i0 meI^or quC-se ^e deseJi,r' ^ue outl
qualquer nao pode vender por inferios de
3?) a 2-)000.
dem perola
especial qualidade a 2*700 rs. a libra.
dem hysson
dem suisso a melhor qualidade que at ho-' mais aromatco que tem vindo ao nosso
je tem vindo ao nosso mercado a 800 rs. mercado a 2#600.
Massas amarellas
para sopa, macarro, talharim e aletria a
480 rs. alibra.
CO-VAC
a jo muito afamado cognac Pal Brandy a 1,800
rs.
a libra.
dem londrino a 9oo rs.
Sal refinado em potes de vidro a 000 rs,
cada um.
Cerveja das melhores marcas a 6,000
duzia, e56o rs, a garrafa.
Sardinha de Lisboa e Nantes em quartos e
meias latas a 38o e 58o rs. cada uma.
Sag muito novo e alvo a 24o rs. a libra.
Sevadinha de Franca 18o rs. a libra.
Sevada a loo rs. a libra, e 2,8oo rs. a ar-
roba.
Traques de 1.a qualidade a 9,5oo rs. a ca-
Arroz
i do Maranho a 100 rs. a libra, e da India
a 80 rs. a libra, e 2,5500 a 3000 a ar-
roba desses que vendem por 35iOO.
CAF
de 1.a e 2.* sorte do Rio de Janeiro a 85|
e 8,5800 a arroba, e 280 a 300 rs. a lib/
Ciarrafoes
com i 'i garrafas com vinagre a 1*000 m
ogarrafao.
GENEBRA DE LAKA.NJA
verdadeira a 1,5000 o frasco, e de 1 l00C
a caixa.
DEM
em frasqueiras de Hollanda a 5->800 com
12 frascos.
GENEBRA
i de Hollanda verdadeira em frasqueira a oo
i rs. cada uma.
PALITOS
os verdadeiros palitos do gaz a 2,2oo ;i groza
e 2o rs. cada caixinha.
LICORES
rs. a garrafa e de outras muitas quaida- finos de todas as qualidades, a lo,ooo a caixa
des a l,ooo e 800 rs. a garrafa. com uma duzia e a l,ooo a garrafa.
copos Mnrmplflfli
lapidados para agua a 4.5oo 5,ooo rs. a ,7 ,a, .
duzia, e a 440 e 000 rs. cada um. dos mellires fabricantes de Lisboa, como se-
jam Abreu e outros muitos a 600 rs. a
xa, e 24o rs. a carta.
dem de laranja a l,ooo rs. os frascos gran-; cada uma.
des e 41,ooo rs. a caixa com 12 frascos,
dem de Hollanda em botijas a 4oo rs. cada
uma.
Idem^em garrafoes de 16 garrafas a 4,800
rs. com o garrafo. i
Toucinho novo de Liiba a 24o e 32o rs. a
lihra.
Ti jlo para limpar facas a 15o rs. cadaum.
Vinho em pipa Porto, Lisboa e Figueira das
melhores marcas a 3,8oo rs. a
5oo rs. a garrafa.
dem do Porto Lisboa e Figueira de marcas
menos conhecidas a 4oo rs. a garrafa, e
2,8oo rs. a caada.
dem Colares especial vinho a 600 rs. a gar-
rafa.
IdemLavradio muito fresco nao levando com-
composico a 56o rs. a garrafa, e 4,00o
rs a caada.
dem branco de uva pura a 00 rs. a garra-
fa, e 4,ooo rs. a caada,
dem mais baixo a 4oo rs. a garrafa, a 3,ooo
rs. a caada.
dem Bordeaux em caixas de 12 garrafas das
marcas mais acreditadas a 6,000 e 7,ooo
rs. a caixa.
dem muito especial que raras vezes vem ao
nosso mercado a l,2oo rs a garrafa, ga-
rante-se que por este mesmo prego d
prejuizo e s se encontra n'este arma-
zem.
dem do Porto era caixas com 12 garrafas
das seguintes marcas Lagrimas do Dou-
ro, Duque do Porto, Genuino, Velho Par-
ticular, Malvasio fino, D. Pedro V, D.
Luiz I, Nctar e outros a 9,ooo e lo,ooo
rs. a caixa e 9oo e 1,000 rs. a garrafa.
dem Muscatel superior a I.ooo rs. a garra-
fa, e lo.ooo a caixa com 1 duzia.
Vinagre puro de Lisboa a 2oo a garrafa e
2,4oo rs. a caada.
Idemem garrafoes com 5 garrafas a I.ooo
rs. com 0 garrafo.
Vassouras do Porto de arcos de ferro a 32o
rs. cada uma.
I dem de escova para esfregar casa a 36o rs.
PAPEL
almaco, greve, peso e de outras muitas qua-
lidades de 2,2oo, a 4,5oo a resma do me-
lhor.
Papel de botica
de excellente qualidade a 2,5200 a resma,
PAPEL
caada, e azul e pardo para embrulho de l,4oo a 2,2oo
rs. a resma.
Corinthias
passas corinthias muito novas proprias para
podim a 800 rs. a libra.
Fumo
o verdadeiro fumo americano em chapa a
l,4oors. alibra
Vinagre
PRR em ancorelas de 9 caadas a 10,000 rs.
cada uma.
Cebollas
as mais novas do mercado a 7,ooo rs. a caixa
e 1,000 rs. o molho.
Alpista e Painco
o mais novo do mercado a 140 rs. a libra,
e 4(5400 a arroba.
libra.
Prezunto
o verdadeiro prezunto de Lamego a 52o rs.
a libra.
ARROZ
Maranho, Java e India, a loo rs. a libra e
de 3,ooo, a 3,2oo rs. a arroba.
VELAS
de espermacete de diversas marcas a 56o rs.
a libra e em caixa ter abatimento.
VELAS
de carnauba em caixas de arroba a 9,3oo e
caixa e 34o rs. a libra.
Batatas uoTas
em caixas de 2 arrobas a H a caixa e 60 rs.
a libra.
Passas muito netas
em quartos e inteiros a 2,5 o quarlo e ({500
a caixa e 400 rs. a libra.
Chocolate
porluguez o mais especial que se pode de-
sejar a 800 rs. a libra e 140 rs. o pao.
Frutas em calda
chegadas ltimamente, pera, pecego, ginjae
outros muitos a 640 rs. a lata-
Dase da casca da goiaba
a 600 el o caixe.
Os propietarios do grande armazem o Verdadeiro Principal declarara aos *eus
regtiezes e amigos e ao publico em geral, que para facilitar a commodidade de todo-; es-
tipuiaram os mesmos precos nos seguintes lugares:
llmo c Commercto ra do Queiniatio n. 7
^^^^^ 0 Verdadeiro Principal roa do Imperador n. AO
Velas de espermacete superiores a 56o rs.
a libra, e 52o era caixa.
dem de carnauba refinada e de compesico
a 36o rs. a libta,.e de lo,ooo a H.ooors.
a arroba.
GAZ GAZ GAZ
mmt Anua. i Cal de Lisboa cm pedia.
Agte-M a venda a novena da gloriosa SanfAn Cbraila honItl
.i iM-m impre?sa, c cm brochara : na ra du rm-. Ha para V(,nd(!r .A lratar n ,arco do
Parador n. 13. sm(0 n^ ({V ;irn)azem_
Corpa
PIXE
Vende-se gaz da melhor qualicLde a 124
a lata e cm lotes de 10 latas para cima se
far abatimento. no armatem da ra do Im-
perador n. 16 e ra do Trapiche Novo n. 8.
Hua da Senzalla n. 42.
Vende-se, em casa de S. P. Johnston 4 C,
ellins e silhes inglezes, candieiros e casti-
caes bronzeados, lonas inglezas, fio de vela,
chicotes para carros e montara, arreios para I
carros de um e dous cavallos, e relogios de 1
miro patente inglez.
Charutos de Havana
de superior qualidade vendem-se em casa
de Schafleitlin C, ra da Cruz n. 42.
At que chegoH
um grande sortimento de bico e renda preta de
novo modelo chamado (gmp) o melhor que se
pode desejar neste artigo e que se vende muito ba-
rato : na loja do gallo vigilante ra de Crespo
MOVIMIENTO
BAIRRO DO RECIFE RA DA CADE1A tt 50.
0 mais novo e o melhor
Ainil/i;!l E 9IOLHADO
equina defronte da ra da Madre de Dos
h-M A?tonio,da Silva ^Pos. successor do amigo Nascimento defronte do becco Lartro b^n,
"h!Cj0^ "c3.??Vacaba de ,ransferr o seu estabelecimento nara 1 ?JS $J
os seus benvolos" amigc e fregueresVbem" cVmo" oTes^UveTpubhco'em gml 7jt*' m"t
asssss*'*e me,bor sor,,mento de mo,hados-a p^r d 25 *ff? inss. s ss
O annunciante, tendo feito ama completa reforma nn rnrant ., ..___. a
correspondentes na Europa para remessas d'e conta SSS. !32lt^2ffiJ22^
propria, aeha-se convencido tjne merecer a
boas
pro-
jmais de;-
teccao de todos- amigos d bom e ta^SJe*tf4taS^iSS^ merece
merecer a coDfianCa com que se dignarem de o nonrl^!* ""' *SS6VfnaM^ 9l
nenhum outro estabelecimento o serve mSffmSS BETSl mSSSt*!? *" "**">JP
delicadez, ou legalidadede pesse medida" 'J commodidade de prejos, agrado e
XT&lffiM^TmaSr ***-- *- eem offerecido
concorrenles
aos
Taoerna
Vcode-se uma taberna bem afregaezada tanto .
\ ende-se pi\.e duro mais barato do que era ou- para a trra como para o mato ; quem pretender I para lampos de mesas e para tmulos, vasos gran- I
tr.i qualquer parto : no armazem da bola amare!- (dirija-se a mesmn na na do Arng3o c. 36. qne ] des para .ardim, on para ornar tntnnlos, por pre-.'
la ao oitao da secretaria de polica. achara com quem tratar. I co muito razonis
.Na ra de Apollo n. 32 ha um grande sorti-
mento de marmore para ladrilho, saeadas, hom-
breiras e degros de 8, S e 10 palmos de compri-
do e 2 112 de largo, folhas du marmore proprias
Fabrica Conce$o da
Bahia.
Andr.ide & Reg, reeebem constante-
mente e tem venda no sen armazem n.
34 da ra do Imperador, algodao d'aquel-
la fabrica, proprio para saceos de assn-
car, embalar algodao em pluma etc., etc.,
pelo preco mais razoavel.
LZIMhN BARITAS.s<,paosde ****itt
Vendem-se lazinhas decores (xas o de boa qua-
lidade para vestidosde senora a pataca o cavado
e outras militas fazendas que o dono esta resol vid
a vender muito barato afim de apurar os eobres :
na ra da Imperatriz n. 20, outf"ora aterro da Boa-
Vista.
I"
Vende-se um eabrolet:
zo n. 26.
no pateo do
Parai-
o par
No armazem de Joaquim Francisco de AIem lar-
goda Assemblan. 1.
GAZ.
\ende-se gaz liquido americano da melhor
qualidade em lat s de um, dous e cinco galdes,
por menos que em outra qualquer parte : no ar-
mazem do caos o Ramos n. 16.


*


IItari* r
TfPa Ielr 4c Jiilho de 1S4.
UNIAO MERCANTIL
RA 11ACADEIA DO RECIFE IV. 53.
** NOVO E
GSAHDS AEMASBM DE MOLHADOS
RA DA CADEIA DO KECIFE W. 53.
Francisco Fernandes Duarte acaba de abrir na roa da Cadeia do Recife n. 53, rnn grande e sortido armazem de molbados de
nominado Vnide Mercantil. Neste grande armazem encontrar sempre o respeilavel rublico um ccmplelo sor lmenlo dos melboiei !
ceneros que vem ao mercado, lanto estrangeiros, como nacionaes, os quaes sero vendidos em portees ou a relall;o por piejos assi
gomraodos.
Vinagre de Lisboa a 200 rs. a garrafa e
Manteiga ingleza especialmente escolhida
de primeira qualidade a 900 rs. a libra,
em barril se faz abatimento.
Manteiga franceza a mais superior do mer-
cado a 6oo rs. a libra, e 580 rs. em barril
ou meio.
Prezuntes inglezes para fiambre, de superior Geneora de Hollaoda a 500 rs.
qualidade, chegados neste ultimo vapor, a j 580O a frasqueira.
720 rs. a libra. ; Caxinhas com ameixas francezas,
Queijos lamengos ebegados neste ultimo
40000.
rs. a
13200 a caada.
Azeite doce refinado em garrafas brancas a
800 rs.
Azeite doce de Lisboa, a 640 rs. a garrafae
4)5800 a caada.
o frasco e
vapor a
Queijo prato muito fresco e novo a 640 rs
a libra.
Castanhas muito novas a 120 rs. a libra e
34000 a arroba.
Cha uxin o melhor que ha neste genero,
mandado vir de centa propria a 2J800
rs. a libra.
Cha hyson omito superior a 20560 rs. a li-
bra ; cb hyson proprio para negocio a
40500 rs. a libra.
Cb preto muito superior a 25 a libra.
Biscoutos mglezes em latas com difiranles
totalidades, come sejam craknel, victoria,
piquetes, soda, captaio, seed, boroez e
outras muitas marcas a 40350.
Bolachiaha de soda em latas grandes a 20.
Figos em caiiinha* hermetiramente lacra-
das, mnito proprias para mimo a 40500.
Caxinhas de 4 e 8 libras de figos de coma-
dre a 10e 20 cada urna.
Passas muito novas, chegadas neste ultimo
vapor a 500 rs. a libra e 30 um quarto ;
e em caixa se faz abatimento.
Ameixas francezas em latas de meia a 3 li-
bras a 800 rs.
Champagne da marca mais superior que
tem vindo ao nosso mercado a 180 o gigo,
garante-se a superior qualidade..
Vinho Bordeaux das melhores qualidades
que se pode desejar de 70500 a 80000 a
caixa e 720 a 800 rs. a garrafa.
Caixas com vinho do Porto superior de 90
ornadas
com ricas eslampas na caixa exterior,
muito proprias para mimo, a 40200,10500
e20.
Frasco de vidro com tampa do mesmo, con-
tendo meia libra de ameixas francezas, a
Sardinbas de Nantesa 340 rs. o quarto e 56(
rs. meia lata.
Latas com peixe em posta: savel, corvina,
vezugo, cherne, linguado, lagostinba, i
10300r i
Salm3o em latas, preparado pela nova arW
de cozinha, a 800 rs.
Macaa de tomtes em latas.de 1 libra a 6(K
ris.
Chouiicase paios em latas de 8 e meia libr
por 70.
Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra i
80600 a arroba.
Bolaxinha ingleza a 320 rs. a libra e 40 >
barrica.
., ... ., ,. Sag muito novo a 240 rs. a libra.
Marmelada imperial, dos melhores conser-, ,. Fran._. a0fl r.. Uh
veiros de Lisboa, em latas de 1 e meia a
2 libras a 600 rs a libra.
Eructas em calda das melhores qualidades
que ha em Portugal em tatas hermtica-
mente lacradas a 500 rs.
Peras seccas muito novas a 640 rs. a libra.
Nozes muito novas a 160 rs. a libra.
Amendoas de csea molle a 400 rs. a libra.
Aveliias muito novas a 200 rs- a libra.
Amendoas confeitadas de diversas cores a
800 rs. a libra.
Macas e peras chegadas neste ultimo vapor,
muito perfeitas, so vista se faz o preco.
Conservas inglezas em frascos grandes a 750
rs. cada um.
Erviltias francezas e portuguesas em latas de
4 libra a 640 rs.
Ervilhas seccas muito novas a 160 rs. a
libra.
Chocolate fr'aocez, o que ba de melhor neste
genero, a 10200 a libra.
Chocolate hespanhol a 10200 a libra.
Genebra de laranja em frascos grandes a 1>.
Cerveja branca e preta das melhores marcas
que ha no mercado a 500 rs. a garrafa e
5*800 a duzia.
a iWaduzia. e 9OOal0a garrafa; deste Cognac inglez de superior qualidade a 800
genere ha grande porco e de difiereotes o *0*W a garrafa,
marcas acreditadas que j se venderam Licores francezes das seguintes qualidades :
por 14* e 150 a caixa, como sejanu Duque Anizete de Bordeaux, Plaisir des Dames
do Porto, Lagrimas do Douro, D. Luiz, e de outras muitas marcas a 10 a garrafa
Cambes, Madeira secco, Carcavellos, Nc-
tar de 1833, Duque Genuino.
Vinho de pipa: Porto, Figueira e Lisboa, a
400,480 e 560 rs. a garrafa, e 30, 30200
e 30500 a capada.
Vinho branco de superior qualidade, vindo
j engarrafado a 640 rs. a garrafa e a 500
rs. de barril.
e 100 a caixa.
Marrasquino de Zara a 800 rs. a garrafa e
90 a duzia.
Mostarda ingleza em potes j preparada a
400 rs.
Cevadinha de Franga a 200 rs. a libra.
Farinlia de Maranhao a 120 rs. a libra.
Araruta verdadeira a 320 rs. a libra.
Cevadaa 120 rs. a libra e 30 a arroba.
Alpista a 160 rs. a libra e 40800 a arrobar
Batatas muito novas em gigos com 40 libra
por 10500.
Cebollas a 10 o molbo com mais de 100 ca-
da um.
Caf lavado de primeira qualidade a 300 n,
a libra e 90 a arroba.
Caf do Cear muito superior a 280 ts. a li-
bra e 80400 a arroba.
Cafa do Rio, proprio para negocio, a 80,
Arroz do Maranhaoa 100 s. a, Iibrae.20800
a arroba.
Arroz de Java a 80 rs. a libra e 2*4001
arroba.
Vellas de spermaceti a 560 rs. a libra e
540 rs. se for em caixa.
Vellas de carnauba reGnada a 320 rs. o roa*
so e a 90 a arroba.
Doce de goiaba a 640 rs. o caixo.
MacarrSo, talbarim e aletria a 480 rs. a li-
bra ; em caixa se faz abatimento.
Estrellinha,pevide earroz demassa para sopa
a 600 rs. a libra e 30 a caixa com 6 libras.
Palitos de dente lixados com flor a 200 rs
o masso, ditos lixados sem flor a 160 rs
o masso com 20 massinhos.
Gomma de eogommar muito fina a 180 rs. a
libra.
Banha de porco refinada a 480 rs. a libra e
400 rs. em barril pequeo.
Charutos dos melhores fabricantes de S. F-
lix, em caixas inteiras ou em meias, de
10600, 20 e 30.
Meslarda ingleza em p, em frascos grandes, Presuntos do reino, vindos de conta propria
a 10 cada um.
Sal refinado a 500 rs. o pote.
de casa particular, a 400 rs. a libra; intei-
ro se faz abatimento.
Ossenhore que comprarem de 1000000 para cima, tero o descont de 5 por cento, pelo prompto pagamento.
RA DO QUEOfADO 45,
Passando o becco d Congregado segunda casa.

r"
.
(L

wmm%
NOF1DADE.
Pereira Rocha & C. acabam de abrir na ra do Queimado n. 45 um armazem de molhados denominado Clarim Commercial,
onde o respeilavel publico encontrar sempre um completo sortimento dos melhores gneros que vem ao nosso mercado, os quaes
aerao vendidos por precos muito resumidos como o respeitavel publico ver pela tabella abaixo mencionada ; garante-se obom peso
e boa qualidade dos gneros comprados neste armazem.
Cevadinha de Franca muito superior a 220, Peras seccas muito novas a 600 rs. a libra-
RIVAL SEM SEGUNDO
Ra do (Jucimado ns. 49 e jo, loja de iniwfezas
de Jos de Azevedo JUaia e Silva, est continuando
no seu progresso de vender baratsimo :
Capachos grandes e superiores a ou rs. cada um.
Caixas de superiores brelas de cola e massa a
40 rs.
Cordao branco para vestido e espartilho, vara 20
ris.
Lionas de carretel (150 jardas) de superior quali-
dade a 60 rs.
(200 jarda?) j muito-
Acaba de receber de sua propria encomineuda um grande e variado sortimento
de molhados todos primorosamente escolhidos, por isso apressa-se o proprietario em
offerecer aosseus freguezes e ao publico em geral a segninte tabella dos seas gneros e
resumidos precos, aOancando todo e qualquer genero vendido neste bem conhecido ar-
mazem.
PARA A FESTA
S. JOAO
de 8oo rs. a libra.
w;

Amendoas confeitadas
Manteiga ingleza perfeitamente &r, a 8oo rs,
libra,
dem franceza a 56o.rs. a libra, eSoors.:
sendo em barril.
Cha uxim a 27oo rs. a Bota, e de 8 libras
para cima a-2;6oo.
Wem perola 2,8oo rs. e de 8 libras para
cima a 2,7oo,
E S. PEDRO
Licores francezes e portuguezes das seguin-
tesmarcas creme de violetas, gerofles, ro-
sa, absinto vespeiro, amor perfeite, amen-
dua amarga, percicot. de Turi, Botefim,
morangps, limito, caf, laranja, cidra, gin-
ja, caaella, cravo, ortela pimenta a l.ooo
us. a duzia l,ooo rs. a.garrafa, garante-se
que os melhores que temos tuto no mer-
cado.
dem hy6soo onais saperior que se pode Passas muito novas em quartbs e inteiros a
2,ooe rs o quarto, a 6,5oo a caixa e 4oo
rs. a libra.
dem cerintbias proprias para podim a 9oo
rs. a libra.
Marmeladas dos mais afamados fabricantes de
Lisboa a 6io rs. a, libra.
Ervilhas secas muito novas a 16o rs. a libra.
Grao debico muito novo a 16o rs. a libra.
Ervilhas francezas em latas a 6oo rs.
Potes com sal refinado a 48o rs.
Fumo de chapa americano a 1, loo rs. a.libra
fazenda especial.
8oo
desejar a 2,6oo e de 8 libras para cima
a2,5oo rs.
dem menos superior a 2,4-00 e de 8 libras
para cimaa 2,3uors.
dem proprio para negocio a 2;3oo, de 8 li-
bras para cima a 2,2oo.
dem do Bio em latas de 2, 4,6 e 8 libras
cada urna a 2, 3, 3,5oo e 4,8oor8. a lata.
dem preto o melhor que se pode desejar
neste genero a 2,8oo rs.
dem menos superior aesse que se vende
por, 2 e 2,-ioo, a 4,8oo rs. a libra,
dem mais baixo bom para negocio a l,5oo Presunto para fiambre inglezes a Teo e
rs. a libra. rs. a libra,
dem miudinho proprio para negocio a 1,5oo Chouricas e paios mnito novos a 64o a libra.
rs. a libra. j Caixas de traque n. 1 a 80500 cada urna.
Queijos do reino chegados neste ultimo va- Massas para sopa macarrao, talharim aletria
por i 2j6oo. a 4oo rs. a libra.
Queijos chegados no ultimo vapor a 2,6oo rs Cognac verdadeiro inglez a 8,5oo rs,. a caixa
dem londrino o mais fresco que se pode ; e 8oo rs. a garrafa.
esperar e de excellente marca a 8oo rs. a dem francez a 7,ooo rs. a duzia e 7oo rs. a
libra sendo inteiro, c a 9oo rs. a retalho.' garrafa,
dem prato es melhores e mais frescos do' charutos em grande quantidade e de todos os
mercado a 76o rs. a libra sendo inteiro. fabricantes mais a creditados a l,5oo,
Biscoitos em latas de 2 libras das seguintes 2,ooo, 2.5oo, 3,ooo e 4,ooo rs. a caixa,
marcas : Osborne, Craknel, Mixed, Victo-' os mas baixos sao dos que por ahi se ven
ria, Pec-nic, Fance, Machine e outras mui- em a 2>000 e 2,5oots.
tas a l,3oo e 1 4oo rs. | c.(f de premeira qua|dade a 8.800 e 9,5oo
Cartoes de linha Pedro V
conhecida a 40 rs.
Grozas de pennas de ajo de muitas qualidades e
superiores a oOO rs.
Caivetes de duas folhas porm finos a i()0 rs.
Caixas com ealungas muito bonitas para rap a
100 rs.
Franja branca e de cores para toalhas a loe.
Pares de botSes para punho muito bonitos a 120.
Caixas com soldados de chumbo muito bonitos a
128 rs.
Tinteiros de vidro com superior tinta a ICO.
Ditos de barro rom superior tinta a 100 rs.
Groza de botoes de louca pratiados, o melor. a
160 rs.
Tesouras para costura, o mais superior, a 400 rs.
Ditas para nabas muito finas a 400 rs.
Escovas para limpar denles muito superiores a
200 rs.
Libras de laa de todas as cores (pesada) a 7.
Caixas de phosphoros de seguranza a 160.
Ditas de papel amizade pautado c liso & 600 rs.
Ditas com 100 anvelopes muito superiores a 8C0
ris.
Cadernos de papel branco e de cores, peejueno, a
20 ris.
Carlas e taboadas para meninos a 80 rs.
Caixas com superiores iscas de acender charutos
a 40 rs.
Carrcteis de linha Alexandre (200 jardas) de cores
a !i0 rs.
Barataos para voltarete muito linos a 240.
Carlas de alfinetes francezes muito finos a 40 rs.
Meadas de linha Txa para bordar a 20 rs.
Pares de sapatos de tranca muito superiores a
15600.
Papis de agulha com um pequeo toque .1 10 rs.
Groza de botoes de madreperola muito tinos a
06O rs.
Ca loes e caixas de clcheles francezes superiores
a 40 rs.
Bonels para meninos muito finos a 15500 e t'5.
Macos de grampos superiores e liuipos a '0 rs.
Groza de phosphoros do gaz muito novos a 5200.
Areia preta muito superior a 100 rs.
Caixas de rap com espelho a 100 rs.
Realejos para entreter meninos a 80 rs.
Pecas de fita de linho iuuilo boas a 40 rs.
Pcntcs de laco muito bonitos a 15-
Enfeites de laco de todas as cores a 15300.
Rodas com allmetes francezes a 20 rs.
Caixas com quatro papis de agulhas imper.aes a
240 rs.
Sabonetes de familia a 80, 160 e 320.
Caivetes de duas folhas muito finos a 320.
Pares de sapatos de laa para meninos a -00 rs.
Sapatos de tranca para senhora e para homem, os
melhores que tem vindo, e por preco muito barato:
quem quizer ver, venha ra do Qucimadc ns.
49 e 55', e ver ludo corno bom e barato.
Arroz do Maranhao, da India e Java a60, 80
e 100 rs. a libra e 1,>800 a 2600 e 3
a arroba.
Ameixas francezas em latas e em frascos a
1;200 e 10600 emraseos grandes a
25500. ;
dem em caxinhas elegantemente enfeitadas
com ricas estampas no interior das caixas
a 12)5000, 1*400, 1*600 6 20.
Amendoas com casca muito novas a 280 rs.
a libra.
Alpista a 160 rs. a libra e a 4*600 a arroba.
rs. a libra.
Cevada a 80 rs. a libra.
Ervilhas portnguezas a 640 rs. a lata.
dem seccas muito novas a 200 rs. a libra.
Figos de comadre e do Douro em caxinhas
de oito libras e canastrinhas de 1 arroba a
1*800, 5*500 e 280 rs. a libra.
Farinha do Maranhao a 160 rs. a libra.
Farinha de trigo a 120 rs. a libra.
Genebra de Hollanda verdadeira marca VD
a 560 rs. o frasco e 6*200 a frasqueira.
Azeite doce francez muito fino em garrafas dem emgarrafes de 3 e 5 galoes a 5*500
grandes a 960 rs. a garrafa,
dem de Lisboa a 640 rs. a garrafa.
Araruta verdadeira de matarana a 320 rs. a
libra.
Avelas muito grandes e novas a 180 rs. a
libra.
Biscoutos inglezes de diversas marcas a
1*300 ris.
Bolachinhas de soda, latas grandes, a 2* rs.
3 lata
Ditas inglezas muito novas a 3*000 a barri-
qninha e a 200 rs. a libra.
Banha de porcor efinada a 440 rs. a libra e
e em barril a 4tO rs.
Cha hysson, huchin e perola a 1*600, ,
2*500, 2*809 e 3*000 a libra,
dem preto muito superior a 2*000 a libra.
Cerveja preta e branca, das memores marcas I
e 7*500 cada um com o garrafo.
Graixa a 100 rs. a lata e 1*100 rs. a duzia.
Licores muito finos a 700 rs, a garrafa.
dem, qualidade especial e garrafas muito
grandes, a 1*800 rs. a garrafa.
dem garrafas mais pequeas a 800 rs.
dem, garrafa forma de pera e rolha de vi-
dro, a 1*000 rs., s a garrafa vale o di-
nheiro.
Manteiga ingleza perfeitamente flor, desem-
barcada de pouco a 900 rs. a libra, e da
de segunda qualidade a 800 rs.
dem franceza muito nova a 640 rs. a libra.
dem de tempero a 400 rs.
Massa de tomates em barril a 480 rs. a libra.
Wem em ata a 640 rs.
Marmelada imperial dos melhores conservei-
ros de Lisboa a 600 rs. a lata.
que vem ao mercado, a 500 rs. a garrafa Marrasquinhe de Zara, frascos grandes, a
e 5*800 a duzia.
CognaG inglez fino a 900 rs. a garrafa.
Conservas a 720 rs. o frasco
dem, sde pepino, a 720 rs.
dem, s de azeitonas, a 750 rs.
800 rs.
! dem regular a 500 rs.
Massas finas para sopa : estrellinha, pevide,
rodinhas e letr'anhas a 600 rs. a libra e a
4* a caixinha com 12 libras.
Charutos dos melhores fabricantes da Babia Nozes muito novas a 180 rs. a libra.
e especialmente da fabrica imperial de Peixe em latas preparado pela primeira arte
Candido Ferreira Jorge da Costa, a 1*800, de cozinha a 1* rs. a lata.
2*000, 2*200, 2*500, 2*800, 3*000 e Palitos de dentes a 160 rs. o masso.
3*500 a caixa. | Palitos de dentes a 120 rs.
Caf do Rio muito superior a 280 e 320. Mem de flor a 200 rs.
rs. a libra e 8*500 e 8*800 rs. a arroba. Amendoas confeitadas a 900 rs. a libra.
Cartoes de bolinhos francezes muito novos e' Doce de goiaba em latas o melhor possivel a
muito bem enfeitados a 700 e 600'rs. 2* e em caixo a 640 rs.
Chouricas e paios muito novos a 800 rs. a, Palitos do gaz a 2*200 rs. a grosa.
libn, I Passas muito novas a 480 rs. a libra.
Painco a 200 rs. a libra.
Polvo secco muito novo a 400 rs. a libra.
Presuntos de Lamego em calda de azeite e
muito novo a 640rs.
Queijos flamengos do ultimo vapor a 2*800
dem prato.
dem londrino chegado no ultimo vapor e
900 rs. a libra.
Sal refinado em frascas de vidro a 600 rs.
cada um.
Sardinhas de Nantes a 360 rs.
Sag muito alvo e novo a 260 rs. a libra.
Tocinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tijolos de limpar facas a 140rs.
Vellas de carnauba pura a 360 rs. a libra,
dem stearinas muito superiores a 600 rs. a
libra.
Figos em caxinhas ermelicamente lacradas
a 1*600.
Vinho do Porto engarrafado o melhor que
ha neste genero e de varias marcas,.como
sejam: Velho de 1815, Duque do Porto,
Madeira, D. Pedro, D. Luiz I, Mara Pia,
Bocage, Chamisso e outros a 800, 900 e
1*000 a garrafa, e em caixa com urna du-
zia a 9*000 e 10*000.
dem em pipa, Porto, Lisba e Figueira a
480, 500 e 560 rs. a garrafa e 3*, 3*500
e 4* a caada,
dem branco de Lisboa muito fino a 500 rs.
a garrafa,
dem de Bordeaux, Medoc e S. Julien a 700
e 800 rs. a garrafa, e 7*000 e 7*500 rs.
a duzia.
dem Morgaux eChateauluminide 1854, al*
a garrafa,
dem moscatel a 800 rs. a garrafa.
Vinagre de Lisboa a 200 rs, a garrafa e
1*200 rs. a caada.
Kirsk garrafas muito grandes a 1*800 rs.
Alm dos gneros cima mencionados te-
mos grande porc3o de outro* que detxamos
de mencionar, e que tudo ser vendido por
pecas e cantadas, tanto em porcoes como a
retalho.
Quem comprar de 100*000 para cima to-
ra o abate de 5 por cento.
Polvos chegados ltimamente do Porto a 32o
rs. a libra.
Batatas novas em caixas de 2 arrobas a 5* a
caixa e 60 rs. a libra*
Balachioha de Craknel em latas de 5 libras
bruto a 4,000 rs.
dem inglezas em barricas a mais nova do
mercado a 2,5oo rs. a barrica e 24o rs. a
libra.
Chocolate portuguez o mais especial que so
pode desejar a 800 rs. a libra e 14o rs. o
pao.
Cartoes com bolas francezas proprios para
mimos ou para anjos que vio as procis-
soes a 600 rs. cada um.
Papel de botica de excellente qnalidade a
22uo rs. a resma.
Peras seccas as mais novas do mercado a 4oo
rs. a libra.
Figos de comadre em Utas de 4 e 8 libras
lacradas hermticamente a l,4oo e 2,2oo
rs. a lata.
Frutas em calda chegadas ltimamente, pera,
pecego, ginja e outros mullos a 64o rs. a
lata,
dem em caxinhas de 8 libras a l,8oo, e
24o rs. a libra.
Nozes muito novas a 120 rs. a libra, e 4,ooo
rs. a arroba.
Amendoas confeitadas a 800 rs. a libra,
dem de casca mole a 32o rs.
Vinhos engarrafados no Porto e Lisboa das
seguintes marcas: duque, genuino, velho
secco especial, lagrimas doces, vinho es-
pecial D. Pedro V, nctar superior de
1833, duque do Porto de 1834, vinho do
Porto, velho superior, madeira secca. Por-
to superior D. Luiz I, e outras muitas
marcas, em caixa de urna duzia a 10,000 e
l,ooo rs. agarrafa,
dem branco de uva pura a 64o rs. a garra-
fa e 4,ooo a caada,
dem superior a 5oo rs. a garrafa e 3,2oors.
a caada,
dem em pipa Porto, Lisboa e Figueira das
marcas mais acreditadas a 3,8oo a caada
e 5oo rs, a garrafa,
dem de marcas pouco conhecidas a 4oo rs.
a garrafa e 3,oeo rs. a-caada.
Especial vinho Lavradio sem a mais pequea
composic3o a 560 a garrafa e 4,ooo rs. a
caada.
Farinha do Maranhao a 240 rs. a libra.
Ricas caixas com figos a l.ooo rs. cada urna.
Ricos livros com figos l,ooo rs.
Pomada a 200 rs. a duzia, aerada muito no-
va a 80 rs. a libra, e 2,5oo a arroba.
Garraffjes com 4 */j garrafas de vinho supe-
rior a 2,5oo rs. com o garrafSo.
dem com 4 */dita3 de ?enagre al,ooo rr.o
garrafo.
Vinagre PRRemancoretas de 9 caadas a
15,ooo rs. com aancoreta _
dem em pipa puro sera o batismo a 2oo rs.
a garrafa e f,*oo rs. a caada.
Caixas com 1 duzia da garrafas de vinho Bor-
deaux fazenda muito especial a 6,800 rs.
a caixa e 7oo rs. a garrafa.
rs. a.arroba.
dem de segunda qualidade a 8,5oo rs. a ar-
roba e 26o rs. a ibra.
Arroz do Maranhao a 12ors. a libra, 3,ooo rs.
a arroba.
dem da India mnito superior a 2,9oo rs. a
arroba, e loo rs. a libra.
dem mais baixo redondo a 2,600 rs. a libra.
dem da India comprido a 2,4oo rs. a arro-
ba, c 80 rs. a libra.
Vellas de carnauba do Aracaty a 9,ooo rs. ar-
roba, e 32o rs. a libra.
dem de sebo muito dura fingindo esparmace-
te 36o rs. a libra.
dem de esparmacete a 54o rs. a libra, e em
caixa a 52e rs.
0 O 0 0 ir- PC O & O P- M BD P2 O f- 2
bd p- *S> O ^
0 0 Q P p- 3 '/-'
| bd B "*> .
i S5 i-t ge
s >-* 1< ej S3 -^
~ __, C> - so *
p P- H QO .T^
P 0 0 0
O P B P-f. -
GO es 30 tapo i pj 0
1 e*D
ATTENC40.
Vende-sc en afora-sc em pequeas porcoes nm
terreno contiguo barrelra de Santo Amaro de Ja-
boatao : na ra de Apollo n. 22. aonde se daraoo?
esclarecjmenlos precisos.
BMrinliti le mandioca
ensacada e da melhor que ha : vende Miguel Jos
Alves no seu escriptorio, casa n. 19 da ra da
Cruz.
Milho
Vendem-se saceos grandes com milho a 3^300 o
sarco : na ra da Madre de Dos n. .________
Michas Itamb urque zas
Vendem-sc bichas de primeira qualidade : na
ra Nova 11. 61, defronte d.i tilma, cmara muni-
cipal.
itraMt'ifr ?.'x:.-^ai
ESGRA70S FGIDOS.
Fugio no dia 10 do corrento o eseravo por
nome Semio,.de napao Mossambique, com os -sg-
naes seguintes : estatura alta, eheio do rurpo,
rosto liso, nao leni barba, tem un; tainos no rosto
Papel o melhor que se pode desejar para os jUnl0 a duas romes do rosto, levou calca de brlm
Srs. empregados pblicos a 5,ooo rs. a res-, pardo, camisa branca de algodao, paleto
ma, j se vendeu por 7.000 rs.
dem aimaco paulado e liso a 3,ooors. a resma,
dem de peso pautada e liso a 2,5oo rs. a
resma..
dem a zul de botica ou fugueteiro a 2,2oo rs.
a resma.
dem embrulho de 1,2oo a l,4oo rs. a resma.
Ameixas francezas em latas de 1 '/ libra a
l,2oo e8oors. a libra.
dem em frascos de 3 libras a 2,5oo rs., s o
pardo, e chapeo de palha : roga-se s autoridades
civis e militares de o apprehender u manda-lo a
seu senhor, na ra Direila n. 30, que serio gene-
rosamente recompensados.
Ao amanhecer do dia (i do crreme fugio do
eogenho Penanduba, silo na freguezia de Muribe-
ca, urna escrava de nome Sabina, reprsenla ler
2o annos de idade, com os signaes seguintes : cn-
oula, fula, cabellos caraplnhos. baixa, grossa, seos
grandes, rosto redondo e com muitas marcas de
bexiga, maos pequeas e ps, peraas arqueadas, e
mais alguns que niio se recorda *, levou comsigo
urna fllha com idade de tres mezes tambera preu .
quem a apprehender leve-a ao referido engenho,
fr-iRM vall I nno rs tambem temos em quem a appreuaiuer ieve-a .10 raarrau euseuui.,
ti asco vane 1,000 rb. idiuuem lemus eiu a a0 patl.o de Terco n. i4, que sera generosa-
frascos para l,4oo rs. i mente recompensado.
Conservas inglezas a 800 rs. o frasco.
Molhos inglezes a 800 e i,000 rs. o frasco.
Fugio de casa de seus senhores, no dia 14 do
corrente, o eseravo Izidro, crioulo, de idade 2o an-
Mostarda preparada em potes multo nova a \ ms p0u'co mais ou menos, estatura regular, ebeio
2oors.
Latas com 2 a 4 libras de caj secco o mais
bem arranjado possivel a l,8oo e 2,800
rs. a lata.
Cerveja Tenente verdadeira a 6,800 rs. a
duzia.
Mem de outras marcas preta e branca a 5,5oo
e 6,000 rs. a duzia inteiras.
Vassouras de piassava com 2 arcos de ferro
vindas do Porto a 32o rs.
do corpo, cr um pouco fula, cabellos carapinhos,
olhos pardos, beieos um pouco grossos, nariz regu-
lar, ps grandes e grossos, bem desembaracado no
fallar, nao malcriad*, levou calca de bnm bran-
hyba do Norte ; velo em 1861 em pagamento para
os Srs. Guimaraes & Alcoforado desta cidade, sop-
poe-se ter seguido para aquelle lugar : roga-se* a
todas as autoridades e capilaes de campo a sua an-
prehensao'e lvalo ao pateo da Santa Cruz n. O,
Cebollas muito novas a 1,000 rs. 0 molho e ggg recompensados com 100_________
__ Ausenlou-se no dia 3 do corrente mez da es-
800 rs. o cento.
Genebra de Hollonda era frasqueiras a 6,000
e 56o rs. o frasco,
dem em botijas a 4oo rs.
dem em garrafoesde 14 garrafas a 5,2oo rs.
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a groza e 2o rs. a
caixa.
dem de dentes lixados em macos grandes
com 2o rs. o macinhos a 12o rs. o masso.
Cominhos muito novos a32ors. a libra e
lo.ooo a arroba.
Sag muito novo a 24o rs. a libra.
Cevadinha de Franca a 18o rs. a libra.
Milho alpista a 14o rs. a libra e 4,5oo rs. a
arroba.
Gomma a 28o rs. a libra e 5,4oo a arroba.
Peixes em latas a 1,000 rs. a lata j prompto
a comer-se.
Farello de Lisboa marca N. e Biato saceos
grandes a 4,000 rs.
Doce da casca da goiaba a 600 e l.ooo rs. o
caixo.
O proprietario do grande armazem Unio e Commercio declara aos seus fregu
zes e amigos e ae publico em geral, que para facilitar a commodidade de todos estipulou
os meamos precos nos seguintes lugares: ("" """ "
Unifio e Commercio ra do Queimado n. 7.
O Verdadeiro Principal ra do Imperador n. 40.
sa de seu senhor o eseravo Targino, cabra, de ida-
de 20 annos pouco mais ou menos, com ofllcio (te
ourives, alto c seco, sera barba e espadado, boni-
ta fieura levou vertido calca de ganga de qiiadros
miados j usada, camisa branca. e chapeo de ba-
a tal e&avo do IHm. Sr. Theodoao Francisco
Dbiz morador em Porto Calvo, suppoe.se ter viu-
do cara o Recife aonde j esteve e tem conheci-
mento, a titulo de procurar senhor, e igualmente
se ausentou a escrava Graciosa, cabra, de idade
16 anuos, bonita figura, cheia do corpo, rosto lar-
go, estatura baixa, bragos e pomas grossas, de
suppr que seguisse o mesmo destino do referido
cabra, e rogase a toaas as antoridades policiae?,
capitae de campo e qualquer pessoa do povo di
se os virera os capturar eos mandar conduzr
a seu legitimo senhor Manoel de Souza Conha re-
sidente na villa de Porto de Pedras, oa na villa
do Paco do Catnaragibe a Antonio de Soma- 6
nha, em Rio Formoso ao Illm. Sr. Dinii c no R%-
cife a Thomaz Fernandes da Cunha na ra da Ca-
deia n. 44, que scrao generosamente gratificados.
Fugio na tarde do dia 16 do corrente uib
eseravo pardo, de nome Marcos, desembarcado
do hiate Santa Auna, vindo do Aracaty, tendo
de idade 28 annos pouco mais ou menos, e os sig-
naes seguintes : altura regular, secco do corno,
pouca barba, cabello crespo, levou camisa e
caiga de algodaosinho de riscado azul e cha-
peo de palha, tendo levado comsigo urna trouxa.
com raais roupa, e rendido de ama das venillas
quem o appreender queira leva-lo ma da Madre
de Deus n. 38, ou ra do Brum n. oo, que ser
recompensado.


-


f
Diarlo de Pernambaeo Terca felra te de inlho de !*.
LITTERATURA.


Itedempco.
Eu entrei no mundo trmulo:
Nao sei mesmo d'ondo viin!
Fito olhei-o, eslava florido,
Mais formoso f|tie um jardim.
Vi o cu, era tuna abobada
Nao do pedra, do setim.
Atiioi-me a vida scffrego,
A alma ungida pela lo.
Dou um passo, o peito limido
Palpitou, nao sei o que .
Outro passo, e em plano lubrlcc
Vacilar sinto meu p.
Ergo os olhos, ai I de sbito
Desfizera-se a illuso I
Grito, em balde, mudo o vacuo;
Morre a voz na solido.
Palpo o seio, o seio glido
Diz-nic: E' inorlo o coragao.
Que do sonho, e sonho candido
Que ruinh'aima aiimcnlou ?
Quem matou-me a esp'ranca flgida
Que meu peito illnminon
N'um momento duro, achronico,
Tudo, ai, tudo se acabou!
Tomo a mim do sonho prfido
Duendo: Deuses nao ha !
Inda ha puuco aurora explendida, .
E horrivel procella | I
Jardim hontem, hoje plago
Que esta alma devorar?...
Cruzo os bracos, fleo atnito;
Corre-me o mundo era redor.
Vejo-o, escuto-o, qual estatua
Que agita a rala da dr;
Estranho a tudo, adiaphoro
A' compaixao, ao terror.
Si uto as faces fras, mdidas
Dos prantos que derramei.
Meu olhar trescala trbido
Em busca do que eu amcl:
Nada mais j resta ao misero !
Nada mais resta : acabei!
Oh, meu Deus! Que sina pessima
A que dste ao trovador I
De esperanza o seio tmido,
A alma cheia de amargor.
Os dias de dores trgidos
Sao pesadelos de horror.
Assim eu caminho paludo,
Olhos litos para o chao,
Toque possa achar n'um tmulo
O repouso da afflicgao.
So na morte dorrae placido
O maguado corago.
o viver na hora ultima
Unja ao menos compaixao.
Oh, meu Deus! Salvae-me o espirito
Ja que morto o coragao.
P'ra meu corpo as trovas hrridas
P'ra minlfalma a redempgo.
Victoriano Palmares.
0 QUE VAE PELO MUNDO
Damss em seguida a continuago do relatorio
do Exm. Sr. ministro da justiga Zacaras de Ges
e Vasconcellos.
Recolheram-se as respectivas cartas do lOeui-
barcagoes com 1,432 toneladas, sendo 5 por nau-
fragio, 4 por venda e 1 por ionavegavel.
Eram :
3 bngues.
1 barca.
* patachos.
1 palhabote.
1 sumaca.
' t Alm destas ha mais 2 lanchas.
Pela secretaria do mesmo tribunal lizeram-se
200 registros, a saber :
12 cartas de commercianles, sendo 8 nacinnaes, e
4 estrangeiros.
26 cartas de cmbarcages.
28 instrumentos de mandato.
72 sociedades mercantis.
20 distratos.
4 hypothecas commerciaes.
9 crditos martimos,
! contrato ante-nupcial.
16 nomeages de caixciro;.*
3 patentes de trapicheiros.
6 ditas de correctores.
! dita de interprete.
1 titulo de avaliador commercial.
1 carta de frelamento.
t A receita da secretaria sabina 2: "i:! 45330
A despeza, inclusive aluguel da
casa do tribunal a.......1:3185600
1:0135950
t Este saldo ja foi recolhido a thesouraria de
fazenda.
O mesmo tribunal concedeu 5 habilitacoes :
sendo :
1 de commerciante matriculado.
2 de commercianles nao matriculados.
1 de Orina de commorciautes matriculados.
!de firma nao matriculada.
Pernamhuco.
O tribunal funcionou regularmente em 79 ses-
oes.
O mesmo ribunal concedeu :
2 reahabilitacoes a 2 commercianles.
1 moratoria por 3 annos a um commerciante.
Estao em andamento 2 processos de rehabili-
lagao.
> Rubricaram-se :
195 livros do commercio.
Declarando o presidente que o tribunal fixara
aintelligencia da tabelladas commisses que com-
peter aos curadores fiscaes, depositarios e admi-
nistradores de massas fallidas, em coasequencia
da apresentacao de urna carta testemunhavel de
juizo municipal e do commercio do Aracaty -, nao
diz a natureza da intcrprelagao firmada.
Declarou mais que o tribunal ndefirio pre-
tengao do bacharel Francisco Lucas de Souza Ran-
gel, que como denunciante, reclamara metade do
valor de um navio apprehendido como proprieda-
de estrangeira na capital da provincia da Parahy-
foa, determinando conservatoria da dita provin-
cia que recolhesse thesouraria de fazenda res-
pectiva a importancia da arrematagao do navio.
Tratando da secretaria, informa favoravelmen-
ie quanlo marcha dos trabalhos e conducta dos
flmpregados; inslstindo pelo melhoramento dos
respectivos ordenados.
Durante o anno expediu-se 148 officios e 64
certidoes.
t Inforra a da mesma sorte bem a respeito dos
conservadores do commercio, correctores, agentes
de leiloes, administradores de armazens de depo-
sit e trapicheiros.
Foram reconduzidos e tiraram ttulos 2 ava-
liadores do commercio da cidade do Recife, e no-
meou-se um para o da Parabyba, por espaco de
Ja nnos.
< Malncularam-se :
15 commercianles, sendo 11 brasileiros 4 es-
trangeiros.
Foram nomeados e tiraram patentes :
3 agentes de leiloes.
1 corrector.
Matricularam-se e tiraram carta de registro :
3 embarcagoes, a saber: 3 patachos, 1 galera, e
{ escuna, com o porte de 1,393 toneladas.
t Por naufragio e innavegabilidade foram inu-
tilisadas 2 cartas de registro de embarcagoes.
Concedeu-se licengA para viajarem sem carta
do registro i a :
0 embarcagoes; 2 por nao pertencerera prag do
Becife, e quatro por nao te-las podido obter em
tempo.
c Foram tambera registradas as cartas de 4 em-
barcagoes, excedidas pela conservatoria da pro-
vincia das Alagas ; a saber :
1 brigue, 2 hiates e 1 patacho, cora 453 toneladas.
160 foram preparadas;
42 estao pendentes de preparo;
101 confirmadas;
30 reformadas;
19 reformadas em parte;
16 aiio.se tomou conhecimeni
16 annulladas;
as -

^tfrv^
43 em andamentos pendendodejnlgamento
a A estas deve-se acetSceiitar :
21 preparadas de annos anteriores
46 pendentes de |u1aments ds mesmosanaes;
Os 120 embargos tiveram o seguinte (festino :
110 desprczadus
9 recebendo julgando provadoj;
4 recebendo .em parte;
6 juigamentos convertidos em diligencia;
1 desistencia. -~
Deve-se accrescentar 18, que pendiam de jul-
gamento, dos annos anteriores.
As 22 revistas tiveram o seguinte destino :
pital da provincia do Piauhy; 1 do juizo municipal
da capital da provincia do Amazonas.
Todos estes processos tiveram origem em :
13 acedes ordinarias.
8 ditas arbitraes.
2 ditas decendiarias.
2 embargos de terceiro.
2 execugoes.
4 embargos.
O expendido abrange o disposto nos arts. 49i
6, o 494 do regulamonto n. 737 na parte que
trata da alienagao em fraude da execugao.
O presidente, fundando-se na dofinicao da al-
forria dada pelo direilo romane, e nos favores con-
cedidos por nossas leis a liberdade, sustenta a af-
irmativa da segunda proposito; laato mais quan-
lo, diz elle, nao ha praxjsta algum que affirme po-
sitivamente qnanto execugao que o liberto se
A importancia total destes pleitos subiu a___ acIie cn're os que recebera causa de vencido para
232:486,8688. j contra elle competir a mesma execugao.
O presidente do tribunal da corto
, esta doutrlna, pilos abusos
Das appellagoes 7 estira fin das.
Alm destes processos.houve :
oppoe-se a
a que poderia dar oc-
Registraram-se : 11 preparadas ;
32 contratos de sociedades commerciaes, repre- 4 por preparar
sentando o fundo social do 1.136:8875733. 1 annullando em parte:
1 decreto de ncorporagao, o os estatutos da caixa, 1 pendente de julgamento.
. filial do Ijmion and Basilian Banlc, cora 'agen- i Dos annos anteriores existiam 3.
cia da cidade do Recife. *-0* 214 aggravos den petigao tiveram
23 distratos de sociedades. 'te destino :
51 escripturas de hypothecas. 202 preparados;
9 eonlratos ante-nupcia*s.
3 ditos de vendas.
3 ditos de locagao de servigos. *>">k
1 dito de transferencia de hypothecas.
58 procuragoes.
27 nomeagoes de caixeiros.
1 testamento.
9 documentos nao especificados no art. 58 do regu-
lamento n. 738de 23 de novembro de 1850.
Recolheu-se recebedoria de sello de livros e
cartas de commercianles, a importancia de......
1:8033500
-------------
Receita :
Durante o anno findo............... 25405700
Saldo do anno de 1862.............. 5255480
3:0665180
Despeza :
Aluguel da casa.................... 1:0005000
Expediente do tribunal, secretaria e il-
luminago em dias de festejos nacio-
^ naes............................ 2795760
Gratificagao ao thesoureiro........... 1205000
- do servente................. 3005000
Salario
U

iguoes-

I
I
12 por preparar;
135 negando proviniento;
32 dando proviniento;
40 nao conhecendo;
2 desistencias.
i Preparados de annos anteriores haviaih 7.
Os 16 aggravados de instrumento tiveram o
seguinte destino :

Saldo.
........................ 1:366542o
Recolhido thesouraria da fazenda em
jolho de 1863.................... 9595620 39 por aPDella5ao i
Saldo que passa para 1864........... 4065800
14 preparados;
2 por preparar ;
4 negando provimento;
9 dando ;
5 nao conhecendo.
c Do anno anterior havia 1.
As 13 cartas testemunhaveis tiveram o seguin
te deslino:
12 preparadas
4 por preparar;
I negando provimento;
II nao conhecendo.
Baha.
< Quanto reguiaridade no servico no tribunal
informa o ex-presidente favoravelmente.
< Durante o anno foram apresentados 33 pro-
cessos, formando o computo de 35 com 22 que ha-
viara licado do auno ultimo.
| c Perlenciam provincia da Baha 50, 1 Ser-
gipe e 4 vierara do supremo tribunal. Procediam
do juizo especial do commercio 30, e de differentes
juizos commerciaes 25.
t Houve 74 juigamentos, a saber :
A creagode urna junta de agentes de leiloes
para flscahsar os actos destes auxiliares do com-
mercio, e communica-ios ao tribunal administrati-
vo, aiim de providenciar.
f A pratica tem demonstrado a utilidade desta
medida, pois alguns agentes desta praga, conside-
rando-s fra das vistas do tribunal, tem coraraet-
tido abusos que muito convm prevenir.
3."

Maranhao.
Informa o presidente que o tribunal funecio-
nou com reguiaridade, havendo as saas sessoes
49 faltas por motivos j allegados nos precedentes
relatorios.
Matricularam-se 9 coramerciantes, a saber :
5 estrangeiros e 4 nacionaes; sendo 4 da capital do summarla
30 por embargos;
1 por desistencia ;
4 em revista.
< A importancia dos pedidos nao excedeu da
somma de 421:4105753.
As aegoes foram classlficadas da forma se-
guinte :
30 ordinarias.
Maranhao, 4 da do Para e 1 da do Fiauhy.
Foram nomeados:
3 correctores.
1 interprete.
Registraram-se:
24 escripturas de sociedades commerciaes: sendo revis1,,a-
10 da capital do Maranhao, 5 do interior da pro-! HUVe ol *wraT0S
viacia, 7 da do Para e 2 do Piauhy.
7 escripturas de distratos de sociedades.
2 de liquidagao.
1 > de ratificagao.
1 de fornecimento de carvSo.
103 procuragoes.
9 ttulos de caixeiros.
3 conhecimenlos de imposlos de corretores.
3 de agentes de leiloes.
1 escriptura de hypotheca.
1 proposta de ficar com o activo e passivo de urna
casa commercial.
i circular coramunicando continuar com as opera-
goes do urna sociedade dissoivida.
13 execugSes.
1 executiva.
1 arbitral.
Destas aegoes 13 pendem por embargos, 8 es-
tao em andamento e 34 findas, e de 6 interpoz-se
8 aggravos de petigao, tendo apenas 2 pravi-]- easiao ; lelerando-se actos que podem ter o cunho
ment. j da m f c o Orme proposito de prejudicar os ere-:
Questdes commeiciaes. dores, mxime podendo dar-se o fado de alforrias
Differentes questSes sobre a execugao e lacu- Inteiraraenle phantasticas.
as de nossa legislagao commercial e respectivo
seria, tem sempre que se queixarem, ora por que
as cousas nao Ihe correm bem, ora porque nao pos-
sucra bens em demasa, ou para esperdigalos, ou
para ostentar que muilo tem.
Olhe que ha tres dias que andam atorada-
mente comigo, e nao- tem que comer : e se os des-
pedir em jejum para sttas casas, virao a desfalle-
cer no caminho, porque alguns delles vieram de
longe.
E seus discpulos lhe respondern] :
De oude poder alguem farta-los de pao aqu
nesta soldao ?
E Jess llies pergunten .
Quantos paes lendes vos ?
Responderam elles :
Sele. .
E mandou a gente que se recostasse sobre a
trra.
processo foram apresentadas pelos presidentes dos as fallencas as acedes activas e passjvas do E lom,nje os .^
tribunaes do commercio da corte, Bahia e Maranhao, devedor filara sendo psojurt commerciaes 1 I. paes, dando gragas, os par-
. A opiniao do presidenta que as dividas ac- "'e d,u a seus d'cpulos, para que os distri-
livas nenhuma questao pode haver quanlo aos ac- j "^ e d,s,r,buiram Pdo povo
tos do ai i. 808 do cdigo, pela excepgao do art. I. eP'"'/rt* de nossa poca cmlisada e
116 do regulaincnto n. 738, menos nos outros ca- i >a'lra,ai' d,rao Po^sera possivel que sele paes
sos, se Dio tiver a seu favor os caps. 3- e V do til. P,d''iSe m;"ar a fme de 1 pessoas ? S
1" (primeira parte) do regulaniento n. 737. hvai^"' cot1' suas fbulas poder mencionar
. Concorda plenamente cora esla opiniao o pre- !*"* llarei' esses '*<* 1e nao entrara na
sidente do tribunal do commercio da corle. i^T ST"" S MM 'eCd de men,-
ras- collecc.onado por cortos homens, poderia nos
?" apresentar esse prodigio I
As (langas serao consideradas obrigagoes ii
e aqui as consigno para que as tomis era couside-
ragao.
Corte.
n O presidente deste tribunal julga necessario o
seguinte :
1.a
t Alterar a legislagao commercial quanto s pes-
soas que exercem era pequea escala actos do coni-
rhercio, comprando para vender, e cujas transac-
goes feitas a dinueiro a vista escusam escripturago
circumsianciada, nao parecendo de equidade snjei-,
ta-los s obrigagees dos arts. 801 e 802 6- do co"'reCtaS paraf ,!lass,"car e cull'0a a falle,lc,a no
caso do art. 800 4" do cdigo commercial, ou con-
digo commercial.
2.'
lianas, para nao comporera o delicio f
O presidente, partindo da delinico de obrga<
goes directas, que resultara logo do primitivo con-
E como esses homens pensam, porque infeliz-
mente desconhecem que aqoelle que nos d dia-
riamente o sol para vivificar os campos, a chuva
para refrescar os fructos, o mar para nos dar os
penes, o ar para nos alimentar, nao fosse tam-
bera capaz de operar ura milagre, multiplicando
trato, opina era favor destas, e porlanto julga as os seIe P;,es em 1atro mil para sustentar a
fiangas convencionaes era circumstancias de pode
rem influir sobre a qualidade da fallencia.
Mas sem urna declaragao legal, ou interpreta'
gao uestes casos, pode essa lacuna dar lugar a du-
vidas prejudiciaes ao interesse da justiga.
Esta opiniao partilhada pelo presidente do
esse
novembro de 1851.
%.'
t Designar-se o promotor publico para o encar- ,r.|Duaal da c"rte, em vista das disposigoes do art.
go de solicitar no competente juizo a execugao das j258 e se8uinles> e WO 4o do cdigo coraraer-
seniengas do tribunal administrativo contra os cor- ciaL
retores, agentes de leilo, armadores de embarca- i.*
goes, administradores de trapiche, etc., visto cwmo 1 A mulher que tiver casado com um individuo
nao ha na lei pessoa incumbida de desemoenhar \na0 comrae;ciante, tendo bens dolaes e parapher-
ps fnncean fipnH,, n ,hnj / 'Daes Pssuioos antes do consorcio, e outros que ti-
essa unegao, ficando ao abandono no referido juizo | ver adquirido na constancia do matrimonio, de con-
aquellas sentengas, remettidas de conrormidade i formidade com o art. 874 6o do cdigo, o os res-
com o disposto no art. 9 do decreto n.832 de 15 de Pectivos ttulos nao foram langados no registro do
commercio e depois seu marido, se fr commer-
ciante e veiu a fallir, ter esses bens j sujeitos
fallencia pela falta de registro ?
Ou os salvar, como se o marido nao fora com-
merciante, retrotrahindo-se ao estado do casamen-
to, quando nao lhe corra a obrigago do registro,
o que depois nao pode mais satisfazer por ter de-
corrido o prazo de 15 dias marsado pela lei para
essas formalidades ?
Havendo de um lado a obrigago ao registro
para dar-se o privilegio de dominio, e do outro a
disposigao do 6o do art. 620 do regulamento n.
737, dando-se esse privilegio mulher do devedor
nao coramerciante, no caso de insolvabilidade sem
obrigago do registro: parece necessaria urna de-
ciso para os quesitos sujeitos, pois nao se acham
prevenidos na lei.
O presidente de opiniao que os bens da mu-
Alterar a disposigao do art. 284 do cdigo
commercial por demasiadamente severa, senao in-
justa.
Das palavras do artigo citado, e da doutrjna
do art. 275 do regulamento n. 737 se deduz que o
depositario que nao ouder entregar o deposito, ou
nao tiver meios de dar o equivalente fica condem-
nado pnso perpetua.
f Comparada esta pena com a imposta pelo art.
525 do mesmo regulamento ao devedor doloso que
esconde bens para nao serem penhorados, e com as
que decreta nossa legislagao criminal no3 delictos
de furto, roubo e estellionato, a desproporgao lher em laes circumstancias nao estao sujeitos ao
estrema. reB,slro.
..,. ,. O presidente do tribunal da corte adhere
e rede a equidade que se modifique a pena, (i-1 mesma opiniao, pela seguinte razao :
8 avisos e ordens imperiacs.
67 officios de diversas autoridades.
17 portaras do presdeme do tribunal.
Foram apresentadas ao governo duas consul-
tas em 29 de setembro de 1863 para prcenchimen-
lo da vaga de porteiro do tribunal.
Despacharam-se :
132 requerimentos.
Deram-se :
29 certidoes de differentes registros.
Rubricaram-se :
23 livros ; sendo 17 de casas commerciaes, 4 de
corretores, 1 da companhia de navegacao va-
por do Maranhao e 1 da caixa filial do Banco do
Brasil.
Receita:
Durante o anno de 1863............. 1:4025700
Despeza:
Expediente da secretaria :
Gratificagao do thesoureiro........... 6155740
Saldo
Este saldo foi entregue na thesouraria da fa-
zenda.
Declara o presidente :
1. Que o tribunal contina a funecionar na
casa da relagao, e que a secretaria do mesmo est
collocada n'um estreito corredor d'aquelia casa,
reclamando a raudanga tanto de um como de outra!
pelos inconvenientes que resultam para o bom an-
damento do servico.
2.' Que o edificio, cuja planta foi remedida ao
governo imperial era 19 de Janeiro de 1856, ainda
nao foi comegado.
3. Que o aluguel da casa destinada ao tribu-
nal, cusa dos emolumentos, como autorisa o
governo, ainda se nao poude obter, porque as
quantias colindas tiveram outro destinlo paga-
mento dos movis do tribunal.
Parte contenciosa.
Corte.
O servico nesta parte do tribunal fez-se com
toda a reguiaridade.
No anno ultimo tiveram entrada 593 proces-
sos, a saber :
202 appellagoes
126 embargos;
22 revistas;
214 aggravos de petigao;
16 aggravos de instrumento;
13 carias testemunhaveis.
Foram julgados 548, assim distribuidos:
182 appellagoes;
130 embargos;
3 revistas; i
209 aggravos de petigao ;
15 aggravos de instrumento;
12 cartas testemunhaveis.
< Dos processos entrados
423, e de outros lugares 170.
16 com provimento.
27 denegados.
8 de que se nao tomou conhecimento.
Foram apresentadas 3 cartas testemunhaveis ;
tomou-se conhecimento de duas, desprezando-se a
outra.
Pernambuco.
Informa o presidente o seguinte :
t 1." Que as causas no tribunal tem augmenta-
do, tornndose sensivel a falta de juizes.
t 2." Pede a revogago do decreto de 27 de Ja-
neiro de 1860, que determinou a retirada do tribu-
nal de um juiz o desembargador Agoslinho Moreira
j Guerra.
t Foram apresentados no tribunal no anno ulti-
mo, e nos anteriores 144 appellagoes das quaes
117 toram preparadas e destribuidas aos escrivaes,
ficando 27 paradas por falta de preparo.
Aos juizes relatores foram destribuidas 103
appellagoes, sendo :
100 do juizo especial do commercio ;
2 pelo juizo municipal do Cear ;
1 pelo do Cabo.
c A importancia do pedido das aegoes subiu
612:5105946.
O tribunal proferiu :
107 accordos; 37 confirmando sentengas dos
juizos inferinres ; 25 reformando ; 2 confirmando
em parte, e 1 Julgando a acgo incompetente ; 28
desprezando embargos opposlos aos accordos ; 7
recebendo-os ; 1 desprezando em parle; 3 man-
dando proceder a diligencias, e 3 em revistas, as
quaes foram condemnados os recorrentes.
c Pende de decisao do tribunal 1 revista.
t Dos seus juigamentos manifestaram-se 10 re-
7865960 rtst, das quaes 3 estao em andamento, e 7 foram
conclusas no supremo tribunal.
Foram presentes ao tribunal :
156 aggravos, dos quaes foram decididos 145, fican-
do 11 por falta de preparo ;
134 de petigao ;
6 de instrumento;
5 cartas testemunhaveis.
Do juizo especial do commercio foram inter-
postos 133; dos quaes 52 tiveram 'provimento, 73
nao o tiveram, e de 10 nao se tomou conheci-
mento.
t Dos differentes juizos mnnicipaes foram pre-
sentes 10 ; dos quaes deu-se provimento a 3, ne-
gou-se a 5, o nao tomou se^conhecimento de 1.
No mesmo relatorio refere o presidente que
exigindo o da relagao que as sentengas do jaizo
xando um prazo em que deva terminar, quando
nao seja possivel a restituigao do deposito.
5.*
Interpretar o art. 433 do cdigo commercial
sobre interrupgo da prcscripgao das dividas com-
merciaes.
A doutrina deste artigo tem na sua exocugo
suscitado muitas questoes.
t Sustentam uns que aquella disposigao laxa-
tiva, e fra dos meios indicados no artigo nao se
pode interromper a prescripgao.
t Outros opioam diversamente, entendendo que
sao tambera adraissiveis os meios permittdos pelo
direito civil, como o pagamento dado por conta da
divida, o pedido da espera, o reconhecimento da
obrigago por cartas, etc. E neste sentido j houve
um julgamento.
6.'
t Eslender por acto legislativo a obrigago do
art 463 do cdigo commercial, impondo multa ao
armador de urna embarcagao que nao entrega na
secretaria do tribunal a carta de registro dentro de
um anno, no caso de venda, perda ou incapacida-
de de navegar, ao comprador, herdeiro ou possui-
dor de embarcagao.
Dessa lactina do cdigo tem resultado graves
abusos, navegando embarcagoes com registro pas-
sado em nome de oulras pessoas.
7."
Promulgar le, regulando os seguros terres-
tres, de que existem no paiz algumas companhias.
O cdigo commercial na parle 2. tit. 8. cap.
Io oceupando-se tao sjnente cora os seguros ma-
rtimos, deixou essa lacuna.
8.
Declarar por acto legislativo qual o tempo da
prescripgao superveniente depois da sentenga que
o execuiado pode allegar por embargos na execu-
gao, segundo o disposlo nos art. 577 7 e 578 2
do regulamento n. 737.
Uns sustentam que esta prescripgao deve ser
regulada pela materia do titulo ou obrigago que
servio de base acgo, de conformidade com os di-
versos prazos marcados nos arls. 441 e seguales
do cdigo, que tratara da prescripgao.
Outros pronuneiam-se em sentido diverso. Di-
zem que tendo havido urna sentenga passada em
julgado, e em va de execugao, os artigos citados
nao podiam ter applicagao, por isso que referem-se
a ttulos ou obrigag5es nao ajuizadas dentro dos
prazos all designados. E sendo este ponto omisso
no regulamento devo guardar-se o direito civil,
adoptando-se a opiniao dos praxistas de que s
passados 30 annos pdese allegar a prescripgao.
O tribunal da corto tem julgado neste sentido,
e pensa o presidente que sua decisao curial.
9."
Interpretar ou reformar o art. 43 do decreto
commercial transitassem pela chancellara, houve "" 1j>597 do Io de mato de maio de 1853, no senti-
de sua parte opposicao fundada no art. 731 do re-
gulamento n. 737 de 25 de novembro de 1850, cuja
execugao impoz aos escrivaes do jaizo, sob pena de
serera responsablsados ; sujeilando-se sua decisao
approvago do governo imperial.
Da mesma sorte relata que por decisao sua de-
terminou que se nao cumprisse a ordem dada pelo
do de aulorisar o julgamento de urna causa pelo
mesmo juiz deputado, que tendo solicitado o ada-
ment da decisao para a mraedata conferencia
afim de ver os autos, nao lhe foi possivel compa-
recer.
Ha quem opine que nao coraparecendo o juiz
em questao na conferencia aprazada os autos de-

pertencem corle "
juizo especial do commercio, para que as certidoes vem ser remettdos ao tribunal e sorteado novo de-
passadas pelos offlcaes de justiga fossem acompa- Pu,ado
nhadas das assignatoras da parte ou de duas teste-
munhas, tanto para a propositara das aegoes, como
para os demais actos do processo; fundando-se
para islo nos inconvenientes resultantes desta pra-
tica, e na defflciencia de lei; nao se podendo pres-
cindir do que se acha decretado na anterior legis-
lagao.
Maranhao.
Informa o presidente o seguinte :
No anno de 1863 subiram ao conhecimento do
tribunal:
t 2 revistas.
26 appellagSes ; sendo 16 Interpostas do juizo
O presidente entende que esta opiniao nao po-
de ser aceita.
Baha.
O presidente deste tribunal prop3e as segra-
les questdes:
!.
Os arts. 827 e 828 do cdigo do corambrera
comprehendem: o primeiro as palavrasdoagdes
por titulo graluito-e o segundo em-actos alena-
0 art. 874 6" do" cdigo impoe a obrigago
do registro dos ttulos dentro de quinze dias, subse-
quentes a celebrago do matrimonio ou do recebi-
ment dos bens.quando a mulher casa-se com com-
merciante : e o art. 620 6o do regulamento n. 737
refere-se mulher casada com o que nao com-
merciante (devedor civil na phrase do art. 618), e
qual nao imposto o dever de registrar o titulo
dos bens. Ora, na hypothese figurada, o facto de
tornar-se o marido commerciante, depois de estar
j casado, nao pode prejudicar os direitos da mu-
lher para urna suppost. falta de cumprimento da
lei, a que ella nao eslava obrigada. >
5.*
O cdigo, no art. 672, nao quer que na desig-
nago ueral de fazenda* se cornprehenda moeda
de qualidade alguma, nem joias, etc.; sendo em
seguros desta natureza necessario que se declare
a especie do objecto, sobre que recahe o seguro ;
mas se a designagq (drqualquer carreijnmento
poder esta comprehender aquelles objectos T Ou
ambas as designages se comprehendem na prohi-
bigo da lei ?
Julga o presidente necessaria urna solugo,
porque nos carregamenlos das procedencias do na-
vio pde-se no respectivo porto onde faz o seguro,
mui bem satisfazer a lei, por conhecer-se o carre-
gamenlo ; mas enteudendo-se o mesmo seguro ao
carregamenlo da volta, pode escapar as declara-
coes da apolice alyum daquelles objeclos, que por
acaso baja necessidade de transportar, mxime dos
portes da Costa d'Africa.
a O presidente, nao obstante entender o artigo
do cdigo estrictamen.e, de parecer que se de-
clare ser essa a intelligencia, para que s partes
nao fique duvdosa, ainda nos casos pelo mesmo
presidente apontados.
O presidente do tribunal da corte 6 de opiniao
que o arl. 672 muito expresso e terminante, e que
seja qual fr a designaco que se empregue na apo-
lice, v. g.qualquer carreijamento, nao dever
entender-se seno com a reslncgao desse artigo, e
nao poder comprehender os objectos nclla excep-
tuados.
Maranhao.
Eis as questes apreseniadas pelo presidente
do tribunal do commercio :
1.*
Pode ser registrada ncr tribunal do commercio
a procuracao de urna firma social, 30 dias depois
da sua data ?
(i tribunal do commercio do Maranhao susten-
lou unnimemente a aflirmativa, fundando-se em
que o_ prazo de 15 das, estabelecido no 20 do art.
10, nao estricto ; mas declarou que o effeito le-
gal da procuragao s comegara da data do regis-
tro ; doutrina deduzida da ultima parte do art. 139
do cdigo commercial, e do art. 14 do decreto n.
482 de 14 de novembro de 1846.
2.'
Se verificada a hypothese do art. 457 do cdi-
go commercial (segunda parle), haja ou nao ap-
prehensao do navio, que foi registrado debaixo do
nome de brasileiro, sendo propnedade estrangeira,
qual o processo a seguir-se ?
O presidente do tribunal reconhece que ha na
nossa legislagao commercial essa lacuna, como le-
ve occasio de observar no processo mandado in-
tentar por ordem do governo imperial a respeito do
brigue escuna Laura, que nunca mais voltou ao
porto do Maranhao, suppondo-se naufragado.
t O presidente prope que na imposgo da pe-
na do art. 457 se mando observar os decretos ns.
862 de 13 de novembro, e 879 de 29 de novembro
de 1851, com as alterages que para o caso forera
mais convenientes.
povo que eslava faminta de tome.
Tinham tambera uns poucos de peixinhos : e
elle os abengoou, e mandou qne Ih'os pozessem
comeram, pois, e Heararn Tartos, e dos pedacos que
tinham sobejado, lavantaram sote cestos.
Eis o milagre feito por Jess Christo, segundo
refere o Evangelho de hoje.
E quem ha que duvide desse prodigio ?
Se sete paes parece um impossivel, nos pegun-
taremos, como que o mundo inteiro sustentado
todos os das T
Nao sera por esse mesmo que fez esse milagre
que manda que a ierra prodnza, e que alimente o
homem ?
Logo devoraos crer nesse prodigio, e sentimos
as verdades da f para que o Senhor tambera te-
nha compaixao de nos.
Traduzimos do Tintainarre o seguinte :
EM UM CAF.
- O1 H., sabes o que seja urna infanta ? per-
gunta um amigo outro.
- Certamente I responde H. que tem preten-
coes a saber a lingna, a mulher que commelte in-
fantecidio.

Um advogado achando-se embaragado para con-
cluir a defeza de um cliente, exclamou para o au-
ditorio :
- Senhores, a prova deque omeuclienle um
?Teliz, que escolheu-me para seu advogado.

A um ladro que Irazido polica correccio-
nal de Pars, aecusado pelo roubo de um relogo,
diz o juiz :
- Sois aecusado pelo roubo de ara relogo do
prata.
- Senhor, fui levado isso pelo amor.
- Explicae-vos.
- Senhor, tendo ajustado entrevistas todas as
noutescom uraa bella joven, e necesslando saber
a hora certa, apossei-me do relogio, que apenas
era de prata.

Os prejuizos sao sentioellas postas porta daci-
vilisagao para gritar ao progresso :
Nao se entra !
L-se na ferolurfio de Selctnbro :
Um regedor da parochia enviou ao governador
civil do respectivo districto os seguintes dados e<-
tatisticos :
Relardo dos dados estatismos pedidos pelo governa-
dor ende fazenda militar. Anno sem data.
Morios no povoado : nenhum. (Aqu lodos mor-
rem em suas casas.)
Naseidos idem.
V.zinhos: dezoito, e a ta Caneja.e o Jos Caloso
e outros.
Almas : nenhuma ; ca na trra nao ha almas.
Subsistencias: nao as ha c no povo.
Casas publicas : nao se consentem.
Contribuigo : devera paga-la os pobres, que
os demais nao tem com que.
Cereaes : nao ha cera, nem mel, porque nao lia
mais abelhas que vespas.
Do que o Sr. governador se esqueceu foi da pa-
Iha e da ceba que s se colhe para consumo da
trra.
(Continuar-se-ha.)
1M POICO DE TUDO.
Sobre o Evangelho de S. Marcos capitulo VIH
Tenho compaixao deste povo escreve a Cruz :
Comegando Jess Christo, irmos meus, a der-
ramar por todas as cidades a sement de sua pa-
lavra, e como concorresse grande numero de pes-
soas para ouvi-lo, viu que essas pessoas nao ti-
nham que comer, e chamando a seus discpulos,
Ihes disse :
- Tenhe compaixao deste povo.
Nestas palavras devemos observar o quanto
prompto o nosso Deus era acudir s nossas neces-
sdades, e o zelo que tem era repartir os seus be-
neficios coranosco; devemos reparar que nao se

livos ae semoventes,as alforrias para serem nul- esquece de nos distribnndo seus favores de bon-
lasde pleno direito, ou aonullaveis as hypotheses dade e comraiseragao sobre as nossas mais palpi-
que cada um dos mesmos artigos figura, e segundo tantes precises, e no entanto que nos recebendo
os arts. 864 e 16 do regulamento n. 737? | quotidiaoamente tantas gragas, nao nos lerabramos
TaaSaHMifabu. ., 2 Maranha0 dos J,os iPaes da capital (Ord. do L 4. Tit. 63), e oatras coramuns aos actos sincero pae. veraadeiro e
dos homens embora vivam na epulenciaou na mi- PERNAMBUCO. -TYP. DE M. F. DE F. & P1LHO
L-se na Gazeta de Portugal :
Morreu ha bastantes annos em Lisboa um brasi-
lero rico
Falleceu rom disposigao testamentaria mu con-
cisa, na qual deixava ao cuidado de um sobrnho
a dislnbuigo da sua riqueza, segundo as instruc-
coes que lhe dera em vida.
No da seguinte recebara todos os amigos e vi-
sitas do morto o respectivo convite de enterro no
Alto de S. Joo, s 6 horas da manha immediata.
Espanto geral da hora to desusada !
Chacota e murmuragao.
- Ora vo l s 6 da manha enterrar este pa-
tife, dizia um devedor do fallecido.
- O sobrnho est doudo. A'a 6 da manha
que o enterra elle, exclamara ura parsita encar-
tado na mesa do brasileiro.
- Entao que tol est a brincadeira? No Alto
deS. Joaoas6 da manha Al primo nrgere del
matutino albore, como na Luca. Pois nio Atetes
murmurava langando com desdem a caria para
cima de urna cadeira, o elegante que polkava nos
bailes com a sobrinha do finado.
A hora do enterro nao se mudou.
A's 6 horas da manha eslava o prestito no ce-
milerio, apenas acoinpanhado por cinco individuos,
amigos velhos do brasileiro, qne o tinham obse-
quiado em vida, e que raras rotea lhe punham os
ps era casa.
Concluidas as solemnidades religiosas, o direc-
tor do enterro entregou a cada um dos cinco sujei-
tos ura papel dobrado e retirou-se.
O papel dizia assim :

t Ao portador deste se pagar no escriptorio do
Sr. Fulano a quantta de 5:0005000, legado do Sr.
Stcrano aos que acompanhassem o seu corpo der-
radeira morada.
Estes cinco homens tinham adivinhado no con-
vite das 6 horas da manha a alma do licenceado
de que. se falla no prologo de Gil-Braz, e por isso
ganharam aquella somma.
Aos esiou vados fleou a promessa do reino do cu
por ser de f que ha de pertencer aos pobres de
espirito.

.






Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E72I0A3OV_9KVU19 INGEST_TIME 2013-08-27T23:43:01Z PACKAGE AA00011611_10425
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES