Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10415


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AMO II. NUMERO 159.
Por tres mezes ada lados 58000
Per tres mezes vencidos 6$0
Porte ao correio por tres mezes. 750
*

QUINTA FEIRA 14 BE JOLHO D 1864.
Por asno adaitado.....i9$OO
Porte ao correio por om anno 3$00
NCABISGAOS DA SUBSCR:iryAO NO NORfE
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Aracaty,
Sr. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira; Maranhao, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Manoel Pinheiro & C.; A-
mazonas, o Sr. Jeronynio da Costa.
KNCABBEGADOS DA SUBSCBIPQAO NO SUL-
Alagas, o Sr. Claudino Falcao Dias; Bahia, o
tr. Jos Marlins Alves; Rio de Janeiro, os Srs. Pe-
riera Martins Gasparino.
rARTiDA DOS fiSl'AFTA.
Olinda, Cabo e Escada todos os dias.
Iguansu', Goyanna e Parahyba as segundas e
sextas-feiras.
Santo Auto, Gravat, Bezerros, Bonito, Caruaru',
Altinho e Garanhuns as tergas feiras.
Pao d'Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqueira,
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Tacara tu', Cabrob,
Boa Vista, Ouricury e Exu' as quartas feiras.
Sennhem, Rio Formoso, Tamandar, Una, Barrei-f
ros, Agua Preta e Pimenteiras as quintas feiras. I imAmAn ua niu.
liba de Fernando todas as vezes que para ali sahirl
navio. frimeira as 11 horas e 42 minutos da manhaa
Todos os estafetas partem ao Vj dia. J Segunda as a horas e O minutos da urde.
EPHEMEH1DES DO MEZ DX JULHO.
' La nova as 10 h., 5 m. e 13 s. da m.
12 Quarto cresc. a 1 h., 2fi m. e 14 s. da ro.
l) La cheia as i h., 15 m. e li s. da m.
2o Quarto ming. as G h., 20 m. e 8 s. da t.
PREAMAR DE BOJE.
PARTIDA DOS VAPORES COSTElROd.
Para.o ralI at Alagas a 5 e 25; pr* o norte at
GranJa.a 7 e 22 de cada niez; para Fernando nos
dias 14 dos mezes dejan, marg., maio, jul, sel enov.
n PARTIDA DCS JmMBL'S.
Para o Recife : do Apipucos s 6 /& 7, 7Vj,8e
8 V da ffl.; de Olinda s 8 da m. e 6 da tarde; de
Jaboatao as 6 "/j da m.; do Caxang e Varzea s 7
da m.; de Bemfiea s 8 da m.
Do Recife : para o Apipucos s 3 A, 4, 4 >/, 4 %
o, 5 Vt. Vi e 6 da tarde; para Olinda s 7 da
manhaa e 4 'A. da tarde; para Jaboatao s 4 da tar-
de ; para Cacnarg e Varzea s 4/. da tarde; para I
Bemflca as 4 da tarde.
| AUDIENCIA DOS TRBUNaES DA CAP'TAL.
! Tribunal docommercio: segundas e qnintas.
Relago: Sergas e sabbados s 10 horas.
Fazenda: (cintas s 10 horas.
Juizo do cortraercio: segundas s 11 horas.
Dito de orphoa: tercas e sextas s 19 horas.
Primeira vara do civel : ter;as e se's ao meio
dia.
Segunda vara do sivel: quartas sabbadoa-a 1 hora
da Urde
DJAS DA SEMANA.
fc* Segunda. S. Sabino m. ; S. Silvano m.
12>Ten;a. S. Juno Gualberlo ob; 9. Jason.
13. Quarta S. Adelo p. ni..: S. Jod prof.
li. Quinta. S. Boarentura b. card. dr. seraphico.
15. Sexta. S.Catnilfo de Lclls fundador.
10. Sabl)ado. Nossa Senhora do Carmo.
17. Domingo. O Aojo Custodio do iinpurio.
ASS1GNA-SS
no Recite, em a livriria da praca da Independencia
U3. 6 e 8, dos proprietarie* Manoel Eiguwroa de
Fla & Filho.
PARTE QFFICIAL
*
(.OVEREO DA PROVINCIA.
Eipediente do dia i i de jnnho de 1861.
Oflicio ao commandnte das armas interino.
Haja V. S. de mandar por em liberdade, dando-lhe
baixa, se j estiver com praga, o recrula Jos Al-
bino dos Santos que tem isengo do recrulamento.
Cominuncou-se ao tenente-coronel recrutador.
Dito ao mesmo. Em vista do disposto no aviso
circular do ministerio da guerra, datado de 23 de
uiaio ultimo, nao pode o alteres Francisco da Fon-
seca Figueredo continuar no servido em que se
arha empregado no arsenal de guerra, cumpre pois
que V. S. o faca recolber ao 2" baulho de infan-
taria a que pertence.Communicou-se ao director
Dito ao mesmo.Mande V. S. por em liberdade,
laudo-lhc baixa, se j estiver com praga, o recru-
la Joo Cancio Ferreira, que tem isenco do recru-
tamento.Communicou-se ao tenente-coronel re-
crutador.
Dita ao mesmo.Haja V. S. de mandar por cm
liberdade, dando-Ibes baixa se j estiverem alista-
dos, os recrulas Florencio Gomes dos Santos, An-
tonio Gomes do Nascimenlo e Joo Dantas Ferraz,
que teem isenco do recrulamento.Communicou-
se ao tenente-coronel recrutador.
Dito ao mesmo.Haja V. S. de informar acerca
do que pede Ignacia Maria do Espirito Santo no in-
cluso requerimento.
__ Dito ao inspector da tbesouraria de fazenda.
Com copia do oflicio do coinmandantc das armas
-j merino n. 1,220 de 9 do corrente, remetto inclusa
a conla em duplcala, dos objecios comprados para
o expediento da delegada do cirurgo-mr do
exercito, no trimestre decorrido de abril juubo
ultimo, afim de que V. S. mande pagar a Julio de
Vasconcellos a respectiva importancia (565500) se
estiver nos termos legaes essa despeza.Commu-
nicou-se ao commandnte das armas uterino.
Dito ao mesmo. Annuindo ao que solicitou o
ebefe de polica em oflicio de 8 do corrente, sob n.
814, recommendo V. S. que nao havendo incon-
veniente, manije pagar a Bernardo Ferreira de Bar-
ros Campello, a qunntia de 90$ em que segundo a
eonia em duplcala importou o aluguel de 3 mezes \
vencidos no ultimo de junho prximo lindo, da ca-
sa que serve de quarlel ao destacamento da villa
do Cabo.Communicou-se ao Dr. chefe de polica.
Dito ao mesmo.Transmiti V. S. a inclusa
cunta em duplcala, que me foi remetlida com o
oflicio do presidente do conselho administrativo do
arsenal de guerra, datado de 8 do corrente, sob n.
43, aflm de que nao havendo inconveniente, man-
de pagar a Manoel Figueira de Paria & Filho a
quantta de 1045760, proveniente de annuncios
mandados publicar pelo mesmo conselho no Diarto
de Pernambuco no trimestre de abril junho deste
anno.Communicou-se ao presidente do conselho
administrativo.
Dito ao mesmo.O Dr. Alexandre de Souza Pe-
reira do Carmo inspector interino da sade do por-
to desla capital, participou-me em oflicio de 8 do j
corrente haver nessa dala entrado no exercicio
desse cargo : o que communico V. S. para seu!
conhecimeulo.
Dito ao inspector da tbesouraria provincial.;
Respondendo ao oflicio que V. S. me dirigi em 9 ,
do corrente. sob n. 269, tenho a dizer em resposta
que pela verbaInstrucrao publicano corrente
exercicio deve correr a despeza a fazer-se com a '
acquisigo dos objectos mandados fornecer secre-
taria da Escola Normal.
Dito ao mesmo. Ao ex-delegado do termo de
Flores major Joao do Reg Barros Falcao, mande
V. S. pagar a quanlia de 735420 por elle despen-
diiia. segundo consta de offldo do chefe de polica
de 24 de fevereiro ultimo, sob n. 235, com varios.
concertos, de que neeessitava a respectiva cadeia.
Dito ao mesmo.A' Luiz Jos da Costa Amoro),
mande V. S. pagar se nao nouvcr inconveniente, a,
quantia de 335, proveniente do aluguel, vencido-i
desde abril at junho desle anno, da casa, que na
Oponga serve dequartelao respectivo destacamen-
to, segundo consta de oflicio do chefe de polica, da-
tado de 9 do corrente e sob n. 815. Communi-
cou-se ao Dr. chefe de polica.
Dito ao mesmo.Respondendo as oflicio que V.
S. me dirigi em 8 do corrente. sob n. 268, tenho
a dizer que concedo a autorisacao nelle pedida pa-
ra serem postes novamente em praca os pedagios
das pontes dos Carvalhos e Tapacur, niio com,
o abate da 5' parte nos respectivos procos como |
j se bava autorisado, e sim com o da i4 parle.
visto nao haverem comparecido licitantes a laes
pedagios.
Dita ao mesmo.Mande V. S. por em hasta pu-1
tilica alim de seren arrematadas as madeiras ve-'
llias de urna tarimba, que segn Jo declara o rom-1
mandandante do corpo de polica no oflicio de 9
do corrente por copia incluso, exstem no respec-
tivo quart'-l Communicou-se ao commandnte do j
corpo de polica. I
Dito ao mesmo.Pode V. S. conforme indica em
seu oflicio de 8 do corrente. sob n. 267, mandar
por novamente em hasta publica com o abate da j
5'parte nos precos da ultima praca, o dizimo do
gado vaceum as comarcas de Flores, Bonito, Ca-
brob, Boa-Vista e Tacaratli, visto nao haverem ap-
parecido licitantes a elle, segundo consta do seu
citado oflicio a que respondo.
Dito ao mesmo. Mediante flanea idnea e nao
havendo inconveniente mande V. S. entregar ao I
administrador das obras da igreja de Nossa Se- (
nhora das Grabas na Capunga, tenente-coronel j
Francisco Carneiro Machado Ros, ou ao seu pro-'
curador a importancia do beneficio da lotera ex-
trabida ltimamente a favor das obras daquclla
igreja.
Dito ao capitao do porto.Mande V. S. por em
liberdade os recrulas Joao Francisco da Silva e
Manoel Francisco do Nascimenlo, que foram julga-|
do incapazes do servigo em inspeccao de sade,
segundo consta do termo por copia annexo ao seu
oflicio n. 74 de 8 do corrente, providenciando V. S. |
ao mesmo lempo para que sigam ao seu deslino os
que foram considerados aptos para a armada.
Dito ao inspector do arsenal de marinha,-Em
deferimento a peticao de Manoel Carneiro Caval-
canti de Albuquerque Lacerda, sobre que versa a
sua informacao n. 707 de 8 do corrente, autorisei
o inspector da tbesouraria de fazenda a mandar
entregar ao commandnte da companhia de apren-
d es arliflces 535867 importancia do peculio que
pertence ao supplicante relativamente ao tempo
em que fez parle da predila companhia o que com-
munico V. S. para seu conhecimento.Communl-
couse ao inspector do arrenal de marinha.
Dito ao juiz de direito Dr. Joo Paulo Monteiro
do Andrade.Remello Vmc. o incluso offlcio do
director geral interino da secretaria de estado dos
negocios da justica que para ler esse destino me
foi transmitido pelo Exm. Sr. presidente da pro-
vincia da Parahyba com oflicio de 4 do corren-
te. Communicou-se este.
Dito ao juiz de paz do 2o districto da freguezla
do S. Frei Pedro Goncalves do Recife.-Respondo
ao seu oflicio de 9 do crreme, dizendo-lhe que a
soluco dada ao joiz de paz do 2 districto desta
fregezia, mandando que continu elle a exercer
jurTsdircao no districto para o qual foi eleito, at
decisao do governo Imperial, extensiva Vmc,
e neste sentido offlciei a cmara municipal desta
cidade. r. _
Portara.O senhor gerente da companhia Per-
nambucana, faca transportar para o presidio de
Fernando no primeiro vapor que para ali seguir,
alem da farinha de que trata a portara de 8 do
corrente, com vaquetas, trinta barras de madeiras
e 60 ps de ferro para ellas, convindo que o mes-
mo senhor gerente designe urna pessoa para asss-
tir por sua parle a medco da farinha logo que
para isso seja avisado pelo arsenal de guerra.
Communicou-se ao director do arsenal de guerra,
e ao commandnte do presidio de Fernando.
Dita.O senhor gerente da companhia Pernam-
bucana, faca transportar no vapor que, tem de se-
guir para o presidio de Fernando no dia 14 do
corrente, os ofliciaes, pracas de pret, sentenciados
militares e volum s, que, relacionados, forem re-
metlidos para bordo do mesmo vapor por parte do
commandnte das armas com destino ao referido
presidio.Communicou-se ao commandnte das
armas interino.
Dita.O presidente da provincia, tendo em vista
o regulamento de 9 do corrente, que reformou a
reparlicjio das obras publicas, resol ve nomear a
Flix Ramos Lieulhier, Manoel Lourenco de Maltos
e Ita> mundo da Silva Maa, para servrem interi-
namente, os 2 primearos os lugares de conductor,
e o 3- o de agente Bel pagador da mesma repart-
cao.Fizeram-se as necessarias communicacGes.
Dita.O presidente da provincia, tendo em vista
o regulamento de 9 do cerrente, que reformou a
reparlcao das obras publicas, resolve nomear os
engenheiros Francisco Raphael de Mello Reg, An-
tonio Vicente do Nascimento Feitosa, e Francisco
Apoligorio Leal, o primeiro para servir interina-
mente o lugar de engenheiro em chefe da reparti-
co, o segundo para ajudante do engenheiro em
chefe, e o terreiro para engenheiro do districto do
su I; o ajudante de engenheiro Joaquim Galeno
Colho, para o lugar de conductor, e os cidadaos
Bernardiuo de Oliveira Coragem e Francelino
Amerco de Albuquerque Mello, para desenhislas
da mesma repartico.Fizeram-se as necessarias
communicacoes.
Despachos do dia 11 de jnllio de 1861.
licinerimentos.
Augusto, africano livre. -O supplicante ter de-
ferimento logo que complete o praso legal necessa-
rio para a sua emancipacao.
Tenente-coronel Francisco Carneiro Machado
Ros.Dirija-se Ihesouraria provincial.
Francisco Pereira da Silva. inlorme o Sr. Dr
chefe de polica.
Manoel dos Santos Nunes de Oliveira. -Informe
de novo o Sr. engenheiro fiscal da illuminacao.
Miguel Arcbanjo Pimentel.Informe o Sr. ins-
pector da tbesouraria provincial.
Tihurcio Valeriano Baptista.Em vista do que
informou o Sr. inspector da tbesouraria de fazenda
deve o supplente requerer a elle por certido o t-
tulo de que trata.
EXTERIOR.
o nico meio para faze-las entrar n'uma carreira
prospera c til s potencias amigas est em sojei-
talas benfica accaoda diplomaciabrasileira.
Nesta praca os nossos principaes gneros ficam
pelos seguimos presos : cacao de 42 s. 60 per cwt
pago 1 d. de direito por libra; caf l'qualidade
73 s, 80 per cwt, 2" dita 71 s. 74, e ordinario 60 s.
70 s. 6 d.; pao Brasil 70 s. 75 s. por tonelada; as-
sucar branco de Pernambuco e da Parahyba 31 s.
6 d. 34 s. 6 d.; dito mascavado 26 s. 6 d. 31 s. per
cwt; dito branco da Bahia 31 s. 34 s. per cwt;
mascavado 27 s. 30 s. 6 d.; couros seceos do Rio
7d. al) d. 1|2 por libra; e dito salgados do Rio
Grande 4 d. 1|2 a 6 d. por libra.
Em Liverpool o algodao de Pernambuco tem si-
do vendido a 29 d. 1|4 por libra; o da Bahia a 28
: d. 1|2; e o do Maranhao a 29 d. 1|4 por libra.
No Stock-Excbange tem tido lugar as segnintes
cotacoes: consolidados inglezes 3 % 90 3|8 90 1|4.
1 raraeios pacficos para trazer a retoncliacao dos mediacao ad referendum, no dia 22 reunio-se con-
betligcrantes. fereacia sem resultado algum, para se-lornar a ren-
epois que escrevl a minha ultima carta, tive- nir no dia 25; o Timm considera porm que os
rara lugar varias sessoes da conferenda seHdo que traoalhos esto ultimados, e que se reumain os re-
na de 10 mi renovado at 26 do corrente o armis-: preseoiantes para assignar o relatoro das suas
, tirio que dena expirar a 12. I sesg'S*.
Na sessao le 18 e na de 22 discutio-se a propos-; Dia que a Austria aceka a arbitragem, mas que
: ta allndida, semqoeos plenipotenciarios podessem a Prossa est na intencb de recusar oflicialmen-
I todava reso'y?;'a- te, e que a Dinamarca recusa tanto a arbitragem
Algumas romas desla capital tem asseverado que como armisticio,
a Suecia se retirar da conferencia se fr adoptada ; Diz-se que a Dinamarca, tivesse consentido em
a proposta ragleza, visto como insiste pelo tratado acceitar as propostas dos neutros que querem con-
de Londres como base ; entretanto isto parece ser siderar a lnha do Schlei como fronteira da Dina-
nverosimil, desde que a propria Dinamarca se dis- marca, ese esia proposla fosse recusada pelos al-! iu |i
iro que recnsou a proposta do eengresso gera} feita
pelo imperador aple;, ea recusou em termo-,
pouco hsongeiros e mesmo' poucv urbanos para o
imperador dos Francezes.
Chegou Copenhague Sr. Sche^-Pless-n repre-
sentante do-re Christiano em-S: Petwsburgo .-:..
diplmala irouxe o desengaoo- acerca de un con-
curso active |>or parte da lassia, e > conselho do
principe de GortschakolT para- luanto intes se for-
mar um ministerio dispo>to a acceitar a critica si-
tuagao creada pela ultima guerra evitando a indis-
posicao das potencias neulraes, pela franca acquies-
cencia aos devsres do vencido.
ditos 4 .',' /o de 1860 89
(OKItlSPOVUEVCIAS WO IHA
RIO l>F. Pfilt\AIIRIICO.
i.omhii:s.
23 de junho de 1861.
Entre as noticias mais importautes que nos trou-
xe do Brasil a mala de Brdeos, que foi aqu rece-
ida 20 do corrente, acha-se a do provavel casa-
mento da prlnceza imperial do Brasil com um prin-
cipe de Gotha, sobrnho de el-rei D. Fernando de
Portugal, sendo destinada a segunda filha de Sua
Magostado o Imperador para casar com o duque de
Penthvre, tillio de Suas Altezas Reaes o principe
e a princeza de Jonvlle.
Commcniando esta noticia, as folhas inglezas
teem applauddo tal escolha, que prometi um bom
resultado nao so pelas excellenles qualidades dos
CMiilliidos como tambero pela posico perfeitamen-
te neutral, em que esses principes virao a collo-
car-se no imperio.
Integramente estranhos as cousas do Brasil, os
futuros esposos de Suas Altezas Imperiaes podero
estudar sem perigo o carcter do povo ao qual vao
alliar-se no interesse das princezas quem Ibes
cumpre acon^elliar sempre com sabedoria.
Domis, o duque de Penthivre estreitamente
unido familia imperial pelos lagos de sangue, ac-
crescendo que por sua profissao martima poder
vir a prestar valiosos servieos marinha de guer-
ra do Brasil.
Dizem as mesmas folhas que no Rio de Janeiro
se preparava j grandes festejos, que serao ejecu-
tados por occasio dos consorcios imperiaes; e que
urna embalsada especial vira Europa buscar os
augustos neivos.
A felicidade que reinava na familia de Orleans
por motivo do recente casamento enlre Sua Alteza
Real o conde de Pars e a infanta de Hespanba, l-
Iha dos duques de Montpensier, parece encamnhar-
se para urna phase fatal, sendo ijue se acha j
cruelmente perturbada Sua Alteza Real o duque
de Montpensier, que aqu viera para assistir em
Claremont ao casamento de sua augusta fllha.adoe-
ceu gravemente com urna congestao cerebral, dan-
do serios cuidados pela sua vida. Acaba de rece-
ber os ltimos Sacramentos, parecendo |ue o seu
estado nimiamente precario. Deus permita que
Sua Alteza Real se restabeleca de um to grave
incoinmodo, como misler para toda sua real fa-
milia e todos os que justamente admiram esse prin-
cipe.
O governo brilannico acaba de dar a >ua defini-
tiva resposta, segundo sou informado, no conflicto
anglo-brasileiro
Parece que lord lussell se presta a significar
formalmente, em nome do governo da ranina, o
sentimento que aqu causara o mencionado con-
flicto, ponderando que no caso e modo da execu-
go das represalias o governo brilannico procedeu
assim para evitar mais desastrosas coiisequencias
que poderiam seguir-se aaijuella lameolavel even-
tualidade.
Na opiniao deste ministro, represalias foram fei-
tas as nossas aguas terntoriaes sem intenco de
offender nossa diguidade nacional, e a converso
de um porto brasileiro em deposito de prezas uve-
ra por firn evitar que os navios capturados fossem
levados para um porto inslez com maior prejuizo
para a propriedade brasileira. Mas poder este ex-
pediente, que se attribue ao gabinete de Londres,
salisfazer o governo imperial f E' diffln! prever
em laes circumstanclas, quando certo que nesta
queslo o nosso amor proprio nacional esta alta-
mente empenhado; entretanto ha desejos de ambas
as partes para urna reconcihaco, e por tal motivo
possivel que venha a terminar desse modo a des-
avenga entre os dous gabinetes. Essa decisao que
se diz haver tomado o gabinete da rajona, foi j
i'iiininuncada ao ministro de Portugal nesia corte
para ser transmillida ao governo fldelssimo ; e pa-
rece que ser expedida para o Brasil pela mala
franceza de Brdeos, que seguir de Lisboa no flm
do corrente mez.
As noticias vindas pela mala do Brasil annun-
ciam que a misso especial de Sua Magestade o
Imperador junio da repblica de Montevideo fra
bem succedida, accedendo o governo da repblica
s justas reclamagoes que perante elle acabamos
de fazer : entretanto essas mesmas noticias acres-
centam que o governo imperial flzera aproximar
da fronteira um corpo de exercito.
Ha aqui a impressao de que sem meios enrgi-
cos o Brasil nao conseguir daquella repblica o
cumprimento dos deveres que esta tem para com o
imperio, e comquanto em Inglaterra se nao dissi-
mule o ciume quando actuamos contra aquellas
repblicas visinhas, existe todava a crenca de que
Brasileiros 5 % 101:
e os de 1863 87 3|4. Gregos 3 % 14 7(8. Egvp-
tiacos 7 |0 101 314. Mexicanos 3 OO 44 1|2. Hes-
panhoes 3 0|0 53. Portuguezes 3 0|0 49. Perua-
nos 4 1|2 0|0 de 1862 86 1(2. Italianos 5 0|0
68 )(. Turcos 4 0|0 100 3|4.
Seguirn) para o Brasil: de Cardiff Ihe Orean
Wane, (2 do corrente) para o Rio; de Cardilf The
Adelina Mariamo (3) para a Baha; de Liverpool
The Constancia (4) para o Maranhao; e de Liver-
pool The Guzellan (9) para o Rio de Janeiro.
A Inglaterra chegarara : da Bahia Ann King (6)
, a Porlsmouth ; da Bahia Malefen (9) a Falmouth ;
: Sappho e Noro Activo (10) a Falmoulh pro-
cedentes da Bahia; do Rio de Janeiro Elisabeth
; (Uj a Falmouth; e do Rio Grande (13) Winderva-
nha a Falmouth.
S. M. a ramlia e toda a real familia continuam a
passar bem, e os prncipes de Galles permanece)
, ainda nesta capital, onde tem dado recepcoes oftt-
! ciaes em nome da soberana. No meado do prox-
j mo mez suas altezas reaes seguram para Sandri-
; gham Hall, onde passar o algum tempo antes de
! partirem para a Escossia.
Espalha-se do novo o boato de que S. M. a rainha
' tenciona abdicar a cora. Contrariada pelos suc-
j cessos polticos que se passam na Allemanha, e pre-
ferindo antes deixar o manto real a declarar a
guerra a Prussia, a rainha parece haver mostrado
aquello desejo, que alias estara de accordo com os
hbitos da vida quasi privada em que se langou
issa augusta senhora depois do fallecimento do
I principe Alberto. Este boato nao assenta todava
! sobre fundamento assaz serio para que possamos li-
gar-lhe urna inteira crenga.
Na queslo dano-allema tem comludo a rainha
i mostrado decedida sympatha pela Prussia n Aus-
i tria, em contradico com o prncipe de Galles que
l alliado a familia "real da Dinamarca, se mostra lo-
do partidario do rei Christiano; provlndo desse en-
coutro de opinioes a persuaso de que se a opiniao
publica aqui vier a forrar o governo a pro-
nunciarle pela causa dinamarqueza, a rainha dei-
xara de governar, cedendo o seu lugar ao principe
herdeiro que Desse caso viria a identiticar-se com
a maioria nacional. Mas por emquanio o gabinete
de Londres, receioso sempre de assumir a grave
responsabilidade da guerra, tem conservado na-
quella queslo o meio termo; pelo que tem conju-
rado athoje a crise em que parece terse colloca-
do S. M. por haver seguido com lenacidade um dos
iuleressados naquella famosa questao diploma-
; tica.
A Inglaterra se deseja por um lado salvar a an-
tonomia da Dinamarca, por outro rereia a guerra,
chegando a ponto de fazer a Allemanha concessdes
que at cerla altura sao a negaeao daquelle prin-
cipio. E' assim que na conferencia aqui reunida,
o conde Bussell desisti do tratado de Londres de
1852 como base das uegociacoes pendentes, acei-
tando pelo contrario como principio a desmembra-
gao do Holstein o de parle do Schlewisg d.. reino
da Dinamarca ; ora estar este resultado de accor-
do com as terminantes clasulas do citado docu-
mento? Nao por certo; eesta derradeiraphase
que aprsenla a questao dano-allema servir de
provar as naedes de quo pouco vale a letra dos
tratados! A circunstancias variam com os lem-
pos, e valendo-se disto os politices nao duvidam
langar por ierra os monumentos que a diplomacia
levantara com o llm de regular um futuro.
Entretanto o gabinete de Londres parece haver
locado o limite das concesses, e ludo indica que a
opiniao publica neste paiz o (orear a sustentar a
posico em que se collocou. Lord Russell, presi-
dente da conferencia propoz como assenlimentoda
Dinamarca a separaco do Holstein e do Schlewisg
meridional mediante o voto popular nessa par-
te da mouarcbia dinamarqueza e a solemne
promessa por parle das potencias representadas na
conferencia, de garantirem a integridade da Dina-
marca, como esta tem de licar constituida.
A Allemanha insiste, porm pela applicacao do
sufTragio universal a todo oSehleswig, recusando-se
por ouiro lado a reconhecer como demarcatoria a
lnha do Sclilei, que a Inglaterra propozera o da
qual tem l'eito queslo prejudicial, nao querendo
acceder a proposta allema, que apresentou como
divisoria a lnha do Apenrade (icando nella inclui-
da a cidade de Fleusbnrg. Nestas circumstancias
o ministerio Palmerston-Russell tera de actuar
enrgicamente, por que do contrario onde iria pa-
rar com tanta condescendencia com a Allemanha,
cuja amncao na questao dinamarqueza por de-
mas pronunciada? Com elTeito o governo brilanni-
co acaba de ordenar que a esquadra estacionada
em Plymouth, se, rena em Spilhead prompta para
seguir para o Bltico ; havendo o almiranlado or-
denado de mais i|ue os vasos de que se compoe essa
esquadra, completen) as suas guarnigoes em p de
guerra.
Falla-se igualmente n'utn corpo de desembarque'
de 25,000 bomens. que a esquadra ingiera levar
Copenhagne, se vierem a romper-se as negocia-
coes da Inglaterra com a Allemanha ; bem como
no projecto que tem lord Palmerston de communi-
car ao parlamento todos os documentos resultantes
das negociages tratadas na conferencia, solicitan-
do ao mesmo tempo de ambas as casas urna men-
sagem para pedir rainha que apoie a Dinamar-
ca na presente crise. Eslara porein ludo islo es-
cripto em bronze, quando certo que esle gabinete
tem sempre tergiversado na questao dinamarqueza,
e que a Franca parece persistir na sua poltica de
observago?" S no ultimo extremo o governo bri-
lannico ordenar esquadra que largue para o Bl-
tico com o fim de comecar as hostilidades ; e a nao
ser que na sessao de 26 do corrente a Austria e a
Prussia recusen) a renovacao do armisticio que
tem de lindar nesse dia, duvido mesmo que por
emquanto as forcas navaes inglezas saiam de Spi-1
thead, embora com a simples misso de observa-
rem os movimentos dos b.-lligeranies.
A Dinamarca parece desejar a reoovagao do ar-
misticio, urna vez que as potencias allemas reco-
nhecam como base das negociages a proposta de
lord Russell, ainda quando a queslo da demarca-
gao, sobre a qual se aprsenla duvidas, haja de ser!
decidida por arbitragem como igualmente propoe
0 gabinete bralannico.
Por sua parte a Prussia resiste ao arbitramento,
querendo que a linha divisoria apresentada pelas
potencias allemes seja absolutamente aceita ; esta
resistencia que actualmente conslitue a grande .
difflculdade em que se acham as negociages, com-
quanlo a Prussia e Austria se mosirem desejosos
de prolongar tambem o armisticio.
A sessao do dia 26, porm, vira esclarocer o
presente estado de cousas, por qoe se nella nao for:
renovarlo o armisticio ser Isso indicio da relucan-1
ca da Austria e Prussia em acceder a proposta de I
mediagao. e indicio de que se lem esgotado lodos!
Tem-se agravado nesles ltimos tempos a
que viria camplicar-maissdifflculd-ades confque :" Diz-se qea Franga annuiria a esta dea, e pro-! uSS^Tlmn?001^^' 'e"*>S' A'
ja lula a conferencia de Londres. ": '--------u~- --.... _L.r?..J
concurrente rom o principe de Augustenburgo, o resse da paz.
Na cmara dos communs Mr. Hay propoz urna
L" -^S,? SU.a 0P!n-'"S gab'De,eS -Sl'' Mr Barrot embaixador de Franca jnnto corte
SStSSSStflff/S2S?*" ^ Madrid; foi elevado dignidad^ Jeritoria ; fo-
mogao para condemnar a actual poltica de lord idnticas aos gabinetes austraco e prussiano. n ti****
Palmerston na questao dinamarqueza, e tendente; mj^NQp. m JSR. ^S^^^a%^SSSt.
tendente
a exercer sobre o governo urna forte' pressao em '' deve ser co'nfiada ao imperador rtapoleao" mas se"
favor do re Christiano ; mas, havendo sido com- gundo se dir, o gabinete francez exigie que antes
batida por lord Palmerston, foi ella rejeitada por da sua resposta definitiva se soubesse se as polen-
urna maioria de 7 votos, sem que a opposigo bou- cas beligerantes aceiavam aquella intervengo
vesse aprovetado o ensejo para apresenlar um amigavel, e neste caso quaes serian), as condigoes
programma poltico, caso viesse a tomar as redeas da arbitragem.
de governo. Esta tibieza foi talvez a causa princi-1 A Inglaterra de accordo com a Franga propoe
pal que determinou smelhanie rejeigo | como limite a lnha do golpho de Getting Breds-
Lord Clarincarde interpellou o governo na ca-, tadt. A Dinamarca recusa-se, mas o que prelen-
mara dos Ic-ds acerca da arbitrariedade com que; dem asduas potencias aitrahir a Austria e Prus-
os federaes tm forcado numerosos subditos da I sia a arceitarem a nova demarcacac-; e depois con-
rainha a se .istarem no exercito federal, urgindo j vencero a Dinamarca a fazer mais esse sacrificio
porque o ministerio reclame contra taes abusos. acceitaodo o arbitro.
ainda a cus i de urna guerra contra os Estados-; Os alliados mostram-se renitentes propondo a
Unidos. I imha de Apeurade que subtrahe a parte princip;'
O conde Russell reiterou suas declaragoes aflm! do Schleswig aos dominios do re de Dinamarca .
de assegurar cmara de que o governo da ra- i mas esta solfreguido depois das repetidas condes-
nba nao transr.ura to importante assumpto, e sem : cendencias da potencias compromette a Austria e
compromettnr-se quanto aos meios coercitivos de I a Prussia; e a Europa nao consentida que ponhara
que a Gra-Brelanha lngara mo caso nao sejam
attendidas suas justas queixas, nao desconheceu
todava que por tal motivo tem as vezes rebentado
a guerra. Esta resposta, porm, foi antes calcu-
lada para satlsfazer o melindre da cmara do que
para dar a medida real do que far este governo
no caso de ser desattendido ; porquanto a julgar-
mos pelos precedentes o gabinete de Londres nao
estara disposto a entrar tao fcilmente n'uma guer-
ra contra o presidente Lincoln.
Annuncia a mprensa ingleza que no da 21 do
corrente fra medido pique defronte de Cherbur-
go o corsario confederado Alabama. Tendo sabi-
do daquelle porto no dia 20, foi encontrado fra
das aguas territoriaes por urna fragata federal,
com a qual Iravou renhido combate, que durando
algumas hwas,com muito calor de ambas as par-
tes, fiodou todava na destruigo do mencionado
Alabama. Mettido pipie, estava a ponto de sub-
mergir-se com toda a tripolago, quando foi soc-
corrido pela, chalupas da fragata inimiga e pelas
de um vaso "de guerra Inglez, que se achara ao al-
cance. Houve mullos morios e feridos de anida'
as partes, sendo que a causa determinante da per-
da daquelle vaso esteve em tirar com o parafuzo
quebrado logo no principio da peleja, nao podendo
manobrar com a agilidade de que era capaz, e que
s podena dar-lhe superioridade ao navio inimigo,
ludo a ferro e bgo por causa de urna nesga de ler
reno.
Dividem-se as opinioes; querem uns que as de-
ligencias dos membros da conferencia nada pode-
ro produzr em resultado pacifico trazendo a um
accordo as potencias belligerantes, embora haja
concesses mais ou menos vanidosas; considerara
oulros que os esforgos inujjjafc sao inuteis c que
esta potencia precisar'1* recorrer s armas para
sustentar a sua posii^dtoriineira potencia eu-
ropea. / '--f
O Morning Post diz que se a guerra recfmegar
a Austria abandonar a Prussia que quer a^Kdo o
custo annexar os ducados. i;
No da 26 devia reunir-sc em Copenhague o
rujsraad. Esperam-se uo/os protestos bellicosos e
novas decepces.
fon ; o general Martemprev,' goveruador interino
da Argelia, e Mgr. Darlxiv, arcebisp de Pars.
Acha-se em Inglaterra b duque de Mbrov presi-
dente da cmara electiva para assistir -algumas
corridas de cavallos, segundo se diz ; mas parece
que esta viagem lem relaco com algumas negocia-
ges pendentes.
O imperador dos Francezes recebeu no dia 15em
audiencia particular o baro de Budberg, ministro
da Kussa, que se dirige Klssingen parapreses-
tar os seus respeitos ao imperador Alexandre ; as
| relages entre os dous gabinetes sao fras reserva-
das, e nada indica que por em quanto melhorem.
,.;,>,i i ?lz'se. 1ue "aperador- Alexandre tenciona- visitar
a parte principal Zorleh na Sussa, e que por essa occas.o lera-urna
entrevista com o imperador Napoleo, mas a reza
entre os dous governos, o o estado de sade do im-
perador dos Francezes nao tornam provavel este
boato.
O embaixador de Italia na Russia, marquez de
Pepoli permanece em Pars, e nao parte pra- o
seu destino emquanto o czar se achar ausente dos
seus estados.
J se acham em Kissingen os imperadores da
Russia e das Austria; esperado o re da Prussia
para completar a conferencia dos tres monarchas
do norle, de que se esperara serios compromisos.
A Insurreicao de Argelia vai cedendo-terre-
no s armas francezas. Urna panicipago de 2 de
julho do general Delgny feita de Ain-el-Orat diz
UUe as IlODUlaCeS siihli.viiln ,, ni ra nruvi ni'i '
ue as populages sublevadas ao sul da provincial
de Oran renunciam a lula ; o general cortou-lhe
as aguas, o que os obrigou a enviar proposlas de
submisso.
A entrada do general Jussuf no Djebbel-Anior
determinou as tribus das moutanhas a implorar
ni, rj-. I- | noKiiimauu as iriuus uas mouiannas a implorar
O Dagbladet diz que o projecto destinado a con-, perdo. Acceitaram quantas condices Ihes iiapo-
yerier o Schleswig ao Holstein em estado separado era.n, entregaran refens e pedem' o aman. Os
e incompativel com a honra da Dinamarca ; e que habitantes de El-Maa apesar das suas promessas
re algum da bmamarca poderia acccittr seme- hafiam franqueado cereaes ao inimiga O general
Ihanie projecto sem conhecer que o povo mnamar- pifra dar um exemplo an asou a povoaco
quez nao quer de modo algum sacrificar a sua n- o general Rose, com importantes forgas dh-ga-
dependencia. ...... das de Franga bateu os insurgentes em Darln-n-
E realmente Jnsle a situagao do rei Christiano Abdallah, e poz-se em commumeago com as co-
IX cuja abdicacao parece inevitavel e que talvez lumuas do general Mirtmeau e
apressasse a solucao da crise se tivesse lugar quan- u inimigo dirigido pelo caudi
to antes. Sustenta-se que elle rei em virtude do El-Azerev apparec<-u cm grande
e coronel Lapasset.
lilho principal Si-
por ser este de lotagao e armamento superior. As- tratado de 1852, hoje annullado, e que a annulla- ra e'de^nfaoaria "o'lenTral'ltos^deix^u^aD-
s.m terminou o Alabama que durante dous annos, gao destre os seusdreilos. : proximar a meio alcance de fuzil e acotheu os ara-
percorreu impune os mares do mundo, zombaodo. o partido scandinavo agita-se para tirar partido bes com urna descarga eral oue estendeu no
da caga que elledra a esquadra federal I desta crise ; o que nao ser dillicil, pois se suppoe I campo dozentos morios: carrcea'los denois a baio-
Esie successo era favor dos federaes servir de I que el-rei abdicara, antes da assgnalura do con-1 neta fugirant em todas as direcces. Morreu no
compensa-los das perdas que lem recentemenle
soffrido por trra, se que essa vantagem pode
compensar a perda quasi total do exercito do Po-
tomac sob o commando do general Grani.
As noticias de Nova-York chegam al 11 do cr-
reme, e nessa dala licava aquelle general federal
espera de novos reforgos, com que projeclava ata-
car mais urna vez o exercito de Lee. Balido nos
diversos ataques que successivamenle dra s for-
gas confederadas, Grant havia perdido tanta Ren-
te, que fra obrigado a snslar as suas operages,
e ninguem espera que quando reforgado venha a
ser mellier succedido, porque o general Lee oceu-
pa pesiges excellenles, e est disposlo a defender
Richmod a todo cusi. O general federal Hunter
havia comludo alcangado algumas vantagens, ten-
do conseguido estabelecer-se em Dispatch Itation.
Em Nova-York o cambio subir 97 pela [per-
suaso de que o presidente Lincoln ser reeleito |
venio que em Londres se prepara. recontrb Si-I-Azerey, que M enterrado" ionto a
A Prussia acaba de comprar em Franca duas! Ouled-bel-Haia.
corvetas e um navio eouragado, que j ehegra a
IStettin. Prevalecendo-se dos seus recursos pecu-
i niarios procura desafTronta-se de sua inferioroda-
de naval em relaco a Dinamarca, e pretende col-
locar-se as circumstancias de aggredir em lugar I
de soffrer os ataques martimos da potencia con-
traria.
Conservn-se tranquilla a provincia da Constanti-
na._ O coronel Lapapel manlm os Flittas em su-
jeigo e fez fugir todos os seus auxiliares.
As ultimas noticias de Tunes iudieavam urna
complicacao de divergencias e intrigas entre os
agentes francezes e inglezes, que estove a ponto de
ameagar um conflicto entre os navios de guerra do
O almiranlado brilannico expedio ordens para | almirante Bonet Willaumez e os do commodoro in-
se completaren) as equipageos dos navios de guer-
ra ; sendo provavel que a esquadra ingleza v ao
Bltico.
i) imperador Alexandre eedeu das suas prelen-
ges sobre o ducado de Holstein em favor do reino
mais novo da casa de Oldemburgo, isto o grao-
duque de Oldciiibui'go. Como a attitude da Russia
na queslo dos ducados nao tem sido formalmente
hostil Prussia ; de crer que esta cesso fosse
glez Campbell. Os Inglezes favorecem os desig-
nios do governo o t loma no, que deseja aproveitar
a insurreicao para restabelecer a sua autoridad
na regencia. Os Francezes e Italianos ligaram-se
com o bey e querem-o defender a todo o transe.
Preteude-se fazer desembarcar tropas ottomanas
na Goulelta, mas o almirante francez quer oppor-
se, mas como as forgas do sulto sC appresenta-
ram escolladas por vasos de guerra inglezes de-
Depois dos desastres do general Grant o onro se combinada entre o principe de GorlschakolT e Mr. I baleu-s o asstin s recuo
achavacom o premio de 81. Em julho prximo, Bismark. do risco de dar as aguas de Tune- o signal do
ter com effeito lugar a execugo da le do recru- Diz-se que quando o czar passou por Berln de temeroso conflicto das-grandes potencias europeas
lamento, receiando-se para entao graves successos passagem para Darmsladt; o rei Guilherme da l]Ue tantos esforgos se tem feilo para evitar.
provocados pela populaga. Prussia combinara com elle a preferencia que leu- ,:"--------
Corre aqui que Garibaldi deixou claudestina-1 cionava dar ao grao-duque de Oldemburgo, e que o
mente a ilha de Caprera, e que decombinago com grao-duque ira Kissingen para se avistar com o
um coronel ganbaldino, de uaeionalidadeIngleza, imperador. E' verdade que o prncipe de Augus- i Azis para auxiliar os insurgentes que proclaman)
mandara fazer aqu um alislamento de dez mil ho-, lembiirgo perdo grande parte da importancia que a soberana do sullo para se verein livres do bev
mens. Suppoe-se que com essa forga aquelle pa- linha para os gabinetes austraco e prussiano, e que :,. ,| khasnadac, una parle das tropas francezas
triota buscar sublevar a Hungra, afim de dcsira- essa decadencia devida firmeza com que regei-i postadas as fronteiras para expedir os torcos e
hir as forcas da Austria no intuito de offereeer ; ta as propostas do conde de Bismark para conver-. restabelecer definitivamente' a auioridade de Sdi-
um bom ensejo ao exercito italiano que dever ter Kiel em arsenal prussiano, c Rendsburgo em Sadock. Da Italia e\pedio-se reforcos Jiara Tunes
atacar o Venci. Entretanto osla larefa de na- pracas fortes da confederago. O principe conla e a idea do desembarque e da oceupacao da re-
Formulou-se onlro plano para obstar a supre-
maca oltomana sem aggredir de frente a lira-
Brelanlia, desembarcando os soldados de Abdul-
na peniosuli italiana, para impedir a qual o rei prussiana, para a qual os Holsteinezes tem grande
da Italia nao parece eslar prevenido ainda. 0 averso.
marquez de Pepoli acaba de partir para Pars com Toda a imprensa ingleza se pronuncia a favor da
urna misso especial do rei dallaba, que se diz ter Dinamarca, que tem sabido sustentar urna luta glo-
relago com o actual estado da queslo italiana i riosa, contra um inimigo poderoso.
Oimperador do Mxico era esperado em Vera-
Cruz no flm de maio.
Chegou Southamptou no vapor Atrato o Sr.
Salazar e Mazarreda, que ha pouco interrompeu as
relages polticas da Hespanha com o Per. Nessa
repblica reinava grande excitago.
mar Pacifico ou da India, onde posa constituir
urna colonia. O general Longaui indigilado para
commandar as (ropas de desembarque.
O ministro dos estraogeros francez Mr. Drouvo
de Lhuys recebeu do kasnadac do bey de Tunes
O gabinete inglez parece ter lomado urna resolu-1 urna caixa de ouro guarnecida di- brilhantes no
DIARIO DE PERNAMBUCO
Temos vista cartas e jornaes da Europa, tra-
das pelo vapor francez Navarre, chegado hontem,
comdatas.de Hamburgo 20, de Londres 24, de
Porto 26 e de Lisboa 29 do passado.
As infelzes probabilidades do prximo fallec-
menlo do santo padre Po IX, sao a causa de nu-
merosos planos polticos.
A Europa esla na expectativa; em Pars, Lon-
dres e Turin, fazem-se preparativos. As melhoras
do papa sao ephemeras. E' verdade que se tem
nestes ltimos tempos mostrado ao publico em car-
roagem; mas os deliquios amiudam-se, at mesmo
dentro do vehculo; e os familiares do Vaticano
nao occullam as suas apprehenses. Os tumores
Sbr^ ffJSK p^gTOV 'SSB Hussel. n pondendos arguigoes de lord El.embo-
Dodem deixa-lo durar muflo, principalmente com a rongh membro tory do parlamento, dase que a es-
quadra eslava prompta a sahir para toda a parte, e
que se acha em Spilhead 48 horas de distancia de
Bltico. Esla resposta evasiva nao a acompanhan-
do a certeza de que a marinha de guerra ingleza
ira bloquear os portos da Allemanha Septentrional,
pois indica que o governo inglez se acha preso pela
influencia do chefe do estado, e reconhecendo a in-
justica das exigencias dos adiados nao pode cohi-
bi-los pelo nico recurso da forga.
Dizia-se que lord John Russell pedir a sua de-
misso e que o seu saccessor sera lord Clarendon ;
a demisso de mioislro dos negocios estrangeros
tornase necesaria se a Inglaterra resolver a en-
trar era Iota eom a Allemanha; nesse caso torna-
se irapossi.wf a CQoiouaro no gabinete, do mio.s-%
cao definitiva, pois diz-sc de Londres 24 que lord
Palmerston tenciona, quando communicar ao par-
lamento os documentos relativos conferencia, pe-
dir urna mensagem a rainha para que o governo
seja autorisado a sustentar a Dinamarca.
Mr. Hay, membro do partido conservador, apre-
sentou cmara dos communs um vol de censura
ao governo pelo seu procedmenlo na questao di-
namarqueza. Este voto foi regeitado em sessao do
dia 17 pela maioria de 7 votos; o governo acha-se
em urna falsa posigo, sempre reprimida pelo chefe
do estado as suas sympathas dinamarquezas. O
resultado da votacao ser outro se se nao conheces-
se que os adversarios da situago nao estavam ha-
bilitados para seguir oulra poltica na queslo pal-
pitante, pois nenhum se comprometiera a fazer a
guerra Allemanha. A maioria parlamentar de-
seja favorecer os legtimos inleresses da Dinamarca,
deter a marcha invasora dos Allemes, circnnscre-
ver as exorbitantes pretengoes, mas pela simples
prsalo das potencias neutraes. A Prussia e a Aus-
tria nao ceden a essa pressao diplomtica em
quanto a Franga se raantiverem urna attitude vaga,
inerte e reservada.
O ministro dos negocios estrangeiros lord John
pod
idade que tem. .
O gabinete inglez e o italiano tem procurado ob-
ter do gabinete francez informagoes sobre o modo
porque o imperador tenciona conduzir a questao
romana depois da morte de Po IX, mas segundo
se diz os esforgos de lord Cowley e do Sr. Nigra
tem at hoje sido baldados para conseguir devassar
o mysterio e reserva do governo francez.
Se no sul a poltica trabalha com todo o affan
para a unidade, no norte trabalha pelo desmembra-
ment da Dinamarca.
As sesses da conferencia de Londres tem-se
reunido sem obter resultado algum positivo.
Na sessao do 18 de junho es representantes das
potencias neutraes propozerara que fbsse aceita a
valor de 60 mil francos, e ao mesiro lempo solici-
lago para que removesse o cnsul francez Mr.
lieauval. O ministro entregou a caixa ao impera-
dor, que adeu ao vice almirante Bonet Willaumes.
alim de que a restituisse ao khasnadac em presen-
gado bey. A' vista da caixa o ministro lnesino
disse que havia engao, e que o presente era des-
tinado ao director de um collegio de Pars, onde
tem seus hlhos a educar .' O vicealmirante esira-
nhou que urna caixa com aquelle desuno fosse pa-
rar s mos do imperador !
Participan) de Tnger qne se promulgou um de-
creto concedendo aos europeusa liberdade de com-
oercio com o unporio de Maocos.
O senado hespanhol concluio a dscusso do
orgamento, c na casa electiva foi approvada a lei
de liberdade da imprensa.
Era geral a satisfago pela victoria das armas
hespanholas em S. Domingos. Todos os partidos
applaudem o vigoroso impulso do governo para
comprimir a revolta.
O governo hespanhol approvou os co do Sr.
Mazarredo e do almirante Piuzou no Per. Os re-
presentantes de varias potencias cm Lima, dibalde
tentaram formular compromisso entre a repblica
e a Hespanha. O general Pezct nao admit nego-
ciages emquanto as forgas de Castella oceuparem
as ilhas Chinchas. Pretenderam prender Mazarre-
do bordo do vapor inglez Talca, mas o comman-
dnte da corveta ingleza a vapor Leanier dedarou
ao almirante peruviano, que se occorresse serae-
Ihante desacato, inmediatamente tomara posse da
esquadra da repblica, arneaga que produzio o seu
elleto.
O imperador e a imperalriz do Mxico toca
ram na Jamaica no dia 31 de maio, e era Vera-
Cruz a 29, partindo logo para o Mxico
Consta do Mxico que Jurez anda errante sem
poder livar um centro de residencia ms cidades.
Escrevem da China que vai sendo coroado
de feliz successo o erapenho do principe Kong, em
Injrodtuir na.qn.elle imperio, a tanca europea. A lo.
1

y



Mario e ferasafeen Quinfa felra 14 ic ulho de IIC4.
mada de lliutcheou pelas tropas knpenaes, com
mandadas pelo primeiro lente da marinha fran-
ceza, Mr. de Aiguebelle, a 10 de abril, foi um no-
lavel fciio d'armas. Os soldados depois de so apo-
derarem de todas as obras avancadas que defen-
diam Haulclieou, tiveram de faier brecha nos mu-
ros e deram dous assaltos sem resultados. Foi se-
ment depois do terceiro que conseguiram sup-
plantar os insurgentes.
O almirante Jamis passou revista a 14, junto de
Hautcheou, s tropas de Mr. de Aiguebelle, e ad-
mirou a docilidade com que os Chins se sujeitam
disciplina europea, o a perfeico das suas mano-
bras. O governo de Pekn pela sua parte, abasta-
se dos precedentes deploraveis da costumada incu-
ria pelo bem estar dos seu& soldados. Manda pa-
gar regularmente s pracas de pret e aos offlciaes.
ASSEMBLA PROVINCIAL.
SESSAO DE ENCERRAMENTO AOS 7 DE MAIO
DE 1864.
PRESIDENCIA BO SR. C0NSELHEIHO TRIGO DE
LOOREIHO.
Ao meto dia feia a chamada e achando-se pre-
sentes numero legal dos Srs. deputados abre-se i
sessae.
E lida a acta da anterior approvada.
O Su. 1 Sbchetario d cnta do seguinte
EXPEDIENTE:
Urna petico de Manoel Joaquim Pereira Lobo,
esmer-se*'era"que recebm nunOmetc*"da melhor pedindo ser nomeado offlcial maior desta assembla.
anlimin a *A -..v mm ntm os mandarms A commissao de polica.
E' lido e vai a imprimir o seguinte parecer:
A commisso de agricultura etc., havendo exa-
qualidade, e nada poupa para qoe os mandarms
auxiliem por todos os meios ao seu alcance o cor-
no de Mr. de Aiguebelle.
As ultimas noticias r*ferem a inesperada minado a petico de Jomi Mana Ramonda, acerca
conversao do principe Satsuma, cuja cidade os In-, de um privilegio para eslabelecer urna fabrica de
glezes ha mezes bombardearan!, metiendo a pique; macarrao, e attendendo a que diversas assembleas
os seus navios de guerra. | provinciaes tem concedido igual privilegio e de pa-
] recer que seja approvado o seguinte projeclo de
! lei.
Art. 1." Fica concedido a Jos Mara Ramonda
um privilegio por cinco annos para o fabrico de
Satsuma boje o mais intimo partidario da paz
e das relacdes rom os Inglezes. O commercio ope-
rou o milagre. Os curopeus conseguiram ensinar
quelle prncipe o partido que poda tirar dases-
peculacoes : efectivamente comprou por sua conta
e risco toda a seda que bava em Yeddo, venden-
do-a aos barbaros de cabello rnivo em Hakodari e
Naugasoki com lucro de 30 ou 40 por cento. Tendo
avahado as dezenas do commercio, sem olTensa da
sua dignidade, Satsuma mostra o ardor do neo-
phito e tenciona proseguir naquella carreira to
auspiciosamente encelada,
Conta-se alm disso no Japo com a proteccao
do taicoun em favor dos europeus. o com o apoio
de varios daimios importantes, at agora postas
s relagoes com as principaes potencias.
Os emba xadoresjaponezesassgnaran um tra-
tado de commercio com a Suissa.
O vapor confederado Alabama sabio na ma-
nnaodc 18 de Cherburgo, onde tinha ido prever-
se de carvo, nao pdendo demorar-sc naqoelle
porto alm do lempo necessario. As autoridades
francezas convidaram o commandante do navio de
guerra federal Kearsage a conservar-sc nffastado
daquelle porto. O Alabama nao evitava o inimigo,
e rompeu o fogo que durou desde as 10 horas e
10 minutos da manhaa at a i j hora depois do
ineio dia. O Alabama foi pique e um vapor
francez, que distancia ohservava o combate, aju
dou a equipagem do Kearsage a salvar a tripolaro
do Alabama. Salvaram-se 40 homens, entre os
quaes figuram o capitao c 13 offlciaes. Do Alabama
afogaram-se I offlcial e 1 soldado, e teve 1 offlcial
e S soldados mortos no combate e 13ferdos. O ca-
pitao ferido gravemente na mo, e o resto da equi-
pagem j chegaram a Souihamplon. O terror dos
mares acabou no campo da honra. O Kearsage
apezar de vencedor na lula, ficou muto damnili
cado.
Annunciam de Nova-York 10 de junho que
houve outra batalha cujo resultado ficou indeciso;
os federaes abandonaram a cidade de Fredericks-
burgo, fazendo-se as communica^oes por va de
Port Royal sebe o Rappahannok. Grant corre
sempre o risco de ver cortada a sua base de ope-
raees, o que j Ihe teria acontecido se os separa-
tistas dispezessem de forea maior.
Urna parte das forcas de Grant atravessou Chi-
ckohorang
A posicao do exercito confederado cxccllente
e pode resistir aos ataques das forcas federaes por
mUltO lempo.
Encerrou-se, com a legislatura, o parlamento
portuguez em 18 do passado. Eis o discurso da
cora :
> Dignos pares do reino e senhores deputados
da nacao portugueza:
Vindo ao seio da representaco nacional en-
cerrar a presente sesso, com a qual termina e se
completa a legislatura, ns termos da consttuco
do estado, muito me praz teslemunhar-vos a minha
plena salisfaco pelo zelo e iilusiraco que haveis
desenvolvido* no desempenho das vessas arduas
fonecoes, pela dedicaco e actividade que tendes
manifestado n'um periodo legislativo tao ampio c
to ebeio.
i us seis mezes menos poucos dias, que vm
ilecorridos em aturadas Mdas parlamentares, foi ara
applicados a adantar com perseverancia e lirmeza
a obra sempre difflcil das reformas.
No solemne auto de conhecimento do principe
D. Carlos, meumuito amado e prezado filho, como
herdeiro da corOa, assegurasles a successao d'estes
reinos, prestando ao direito estabelccido a contir-
maro do assentimento nacional.
liestes vigoroso impulso viaeo ordinaria,
geral e vidual, e decidisles a prolngaco de al-
gumas linhas frreas, provando assim ao paiz como
zelaes a continuaco d'estes melhoramentos, que
sao a base da sua transformaeo interna. Rea-
lisastes una parte essencal da reorganisacao do
exercito. que tanto precisavj e mereca ser alten-
dido. Melhorastes importantes institniedes na-
vaes, e destes os possiveis subsidios marinha.
cuja passada gloria renasce em legitimas espe-
rancas.
Accrescentastes os estabelecimeutos de crdi-
to, que se multipliram no paiz, e dotastes d'elles
as provincias do ultramar, que devem com esse
poderoso auxilio florescer rpidamente. Provestes
ao argente regulamento dos importantissmos con-
sulados do Brasil, quo to vastos e respeitaveisin-
teresses representam.
Com a aboliro do monopolio do tabaco, que
se tornar brevemente um facto, avancastes um
larguissimo passo no caminho dos progressos eco-
nmicos. Em diversos ramos de servico effectuas-
tes necessarias e numerosas moditicacoes.
Finalmente u'uma pratica fecunda provastes
que nada avigora o vivifica mais as forcas do
paiz do que o livre exerccio das instituicoes li-
vres.
Com o exame, diseosslo e approvacdo do or-
ramento do reino do orcamento do ultramar,
consulidastes as bases da ordem e da regularidade
fmanceira, d'unde procede o desenvolvimento do
crdito ; e cumprndo este primeiro dever cons-
lilucioRal coroastes dignamente os vossos traba-
lhos.
Se nao permittio o tempo consuinmar outras
graves reformas que o publico interesse e a opi-
niao esclarecida com instancia solicitam, se anda
ficaram pendentes importantes proposlas, j a
indiraco das respectivas necessidades um ser-
vico realisado, e instruccao preparatoria que sobre
taes assumptos disposestes conslitue um legado
valioso, que facilitar a sua prxima solucao. Sao
as reformas necessariamente successivas, e nao ha
edificio qae surja completo de um jacto.
Os servicos dos mandatarios do paiz nao ces-
sam com a conclusao das funegoes legislativas:
vo continuar entre os povos a sua missao bene
tica, advertindo-os, encaminhando-os,
cendo-os.
Belga, a casa de Hapshurgo ver tres dos seos
niembros revestidos da purpura imperial, um na
Europa e dous na America. >
Hontem, por ser o dia do aonivrsario de S.
A. I. a Sra. D. Leopoldina, esliveram embandera-
dos os navios de guerra nacionaes surtos no porto
e as fortalezas, salvando a do Brum nroa hora
da tarde.
0 vapor francez Navarre, entrado hontem da
Europa, trouxe sen bordo 180 passageiros, sen-
do 26 para Pernambuco, 4 para a Babia, 116 para
o Rio de Janeiro, 2 para Montevideo, 32 para
Buenos-Ayres. Entre os do Rio acha-se o Exm.
Sr. conselhoiro Miguel Maria Lisboa, ministro ple-
nipotenciario do Brasil nos Estados-Unidos.
A' bordo desse vapor veio tambem de Portu-
gal a companhia de Campagnloe hespanhoes, de
que j demos noticia aos leitores.
Foram nomeados Interinamente pralicantes
da repartigao de obras publicas, os Srs. Pedro Ce-
lestino Mindello e Joao Joaquim de Siqueira Va-
rejo.
Foi aposenudo, com os vencimentos corres-
pondentes ao tempo de exerccio o secretario da
mesma reparticao Antonio de Paula Mello.
O Exm. Sr. desembargador Anselmo Fran-.
cisco Peretti remelte-nos o seguinte, pedindo sua
pnblicacao :
Srs. redactores da Revista Diaria.Agrade-
Juizas protectora?.
As famas. Sras. :
Mulber do iJlm. Sr. Dr. Jos Nicolao
CosU.
Mulber do Illm. Sr. Dr. Sabino Olegario
Pinbo.
Manoel
Silva
da Revista Diaria
macarrao, que nao peder em caso algum ser ven- cendo pessa, que mandou publicar meu res-
dido por mais de 320 rs. a libra. peito algumas linhas na licesta Diaria de seu jor-
Art. 2. Revogadas s disposices em contrario, nal de boje o conceilo, que demiin faz e as obse-
Silveira Lobo.Campello.Rego Barros.
E' lido e vai a imprimir o seguinte projecto :
Artigo nico. Fica creado um districto de paz
em Belmonte no termo da villa Bella, tendo os mes-
inos limites que tem a respectiva subdelegada.
E licam revogadas s disposicoes em contra-
rio.
Paco da assembla provincial de Pernatnbnco, 7
do maio de 1864.Estevo Benedicto Franca.
D. Anua Leopoldina de Siqueira Ferreira,
do lllm. Sr Luiz Gomes Ferreira.
D. Olympia, mulher do Illm. Sr. Serafim.
D. Rita, sobrinba do Rvra.Sr. conego Dr.
Thomaz de Oliveira.
D. Joanna, mulher do Illm. Sr. Manoel da
Amorim.
D. Maria, mulher do Illm. Sr. Antonio da Silveira
Lins.
IrmSa coafrade D. Anna de S. rsula.
D. Francolina, mulher do Illm. Sr. Manoel da Sil-
va Neves Coulinho.
D. Helliodora, mulher do Illm. Sr. Antonio Jos'
dos Reis.
D. Clara, mulher do Illm. Sr. tenente-coronel Ma-
noel Antonio dos Passos e Silva.
D. Calharlna Nobre Cavalcanti Pessoa, mulher do
lllm. Sr. Francisco das Chagas Cavalcanti Pes-
soa.
Convento de Nossa Senhora das Neves da cida-
de deOlinda, 13 dedezembro de 1864.
(Assignado).Frei Joao Baptista do Espirito
Santo, guardio.
dante H. de Sommer, equipagem 115, carga dif-
frenles mercaderas.
Rigueira Lisboa30 dias, patacho portuguez Jareo, de 164
toneladas, capitao Fernando Pereira, equipagem
Ludgero' 9, carga viuho e outros gneros ; a Palm eir &
Bellro.
mulher New-York-38 dias, brigue lubequense Naulilut,
de 280 toneladas, capitao Sleffen, equipagem 9,
carga 2,300 barricas de farinha de trigo; a
Pbipps Brothers & C.
.\(ivi0s saludos no mesmo Ha.
ValparaizoBrigue inglez Caider, capitao Irwin,
carga assucar.
Rio de Janeiro e BabiaVapor francez Navarre,
commandante H. de Somer.
Observaco.
Fundeou no lamariio urna galera americana, mas
nao teve communicagao com a trra.
EDITAES.
S?IS ^SSH=
E' lido e fica adiado por ter pedido a palavra o de 1864.
Sr. Rochael o seguinte parecer :
A commisso de orcamento municipal de pa-
recer que a cmara municipal de Olinda d por
aforamento a Antonio da Silveira Lima, o terreno
pertenceote a mesma que est arrendado ao dito
Silveira; segundo consta da petico junta.
Sala das commissoes, 7 de maio de 1864.Car-
valho Moura.Reg Barros.
Vai mesa e apoia-se o seguinte requerimento:
Requeiro que o presidente desta assembla no-
meie urna commisso para no intervalo da presen-
te,- sessao futura, examinar as repartieses provin-
Xiaes, e propr opportunainente as reformas ten-
dentes a econemia dos cofres pblicos e a melhor
distribuicao do trabalho nessas repartieses.-Buar-
que.
Vai mesa est'outra emendainclusive o corpo
policial.Buarque.
Urna commisso para cada reparticao. Jaco-
bina.
O Sr. G. Camcello solicita algumas explicacoes
sobre o requerimento que Ihe sao dadas pelo Sr.
remuneracoes da parte do governo do meu paiz,
pois que no exerccio dos cargos, que tenho oceu-
pado, nao tenbo feito mais do que cumpriroimens
deveres, e infelizmente nem sempre os tenho cum-
prido medida dos meus desejos. Son com esti-
maDe Vmc. attento venerador e obrigado criado
, Anselmo Francisco Peretti. Recife, 13 de julho
O Illm. Sr. director da escola normal manda
fazer publico, que desta data at o fim do corrente
mez se acham abertas as matriculas do 1" anno
da referida escola, devendo para isso os prelen-
dentes provar perante o mesmo director :
1* Que sao maiores de 18 annos.
2o Que sabetn ler, escrever e conlar.
3o Que sao de costumes puros, e qne nao teem
sido condemnados por crime oflensivo moral pu-
blica ou religio do Estado.
4o Finalmente, que satisfizeram a primeira pres-
Eis o resultado dos collegios, chegados at
hontem tarde, na eleicao de um senador, Reci-
fe, Olinda, Ignarass, Pao d'Alho, Goyanna, Ca-
bo, Estada, Serinhem, Limoeiro, Nazareth Vic-
toria, Barraros, Bonito e Rio Formoso :
Conselheiro S e Albuquerque. 957
Dr. Feitosa.................. 827
Dr. Saldan! Marinho........ 826
Conselheiro Chichorro........ 346
Dr. Urbano................. 331
Conselheiro Baptista......... 102
Dr. Brando................ 30
etc. etc, por isso nomeio a minha embaixatriz, ou fi* "JE "la,na re?arl. :, ""ptenle. .
procuradora, para obter de quem de d.reito foro J^*J?^J0^!mm de ^uen! ,nle-
Diario de Pernambuco de hje sob pena de eu ir s^ mauui,u-se publicar o presente pela im-
l-lo no Gabinete Gallego.
O orador Pinheiro.
Salsa de Bristol.
As enfermidades externas produzem muitas ve-
zes resultados terriveis, e se a massa viciosa do
sangue. o quai a causa das raesmas nao se puri-
fica do seu veneno mediante o uso da salsaparri
prensa.
Secretaria da escola normal de Pernambuco, 7
de julho de 1864.
O secretario,
Maximiann lapes Machado.
O Illm. Sr. inspector da tliesouraria provin-
cial, em cumprimento da ordem do Exm. Sr. pre-
sidente da provincia de 30 de junho ultimo, manda
fazer publico, que no da 13 de outubro vindouro,
peranie a junta da fazenda da mesma lliesouraria
Iba de Bristol (o abstersivo mais poderoso de ', se ha de arrematar quem por menos fizer, a cons
quantos se cenhecem), os doentes nao s buscariam truccao de 69 bracas de caes de cada lado do ca
alivio em vio, mas sim tambem transmiltiriam
saas enfermidades seus filhos como urna heran-
ca maldita. As pessos de ambos os sexos acba-
ro em todos os periodos da vida, que este admi-
ra w l e imcomparavei remedio vegetal cura de
Depois d'amanha se extralr a 2' prrte da urna maneira rpida e radicalmente as chagas,
j- lotera da Santa Casa da Misericordia. erupeoes, ulceras, inflamacoes glandulares, rheu-
repartiqo da polica. | inatismo c todas as mais molestias anologas, in-
Extracto das partes dos dias 13 de julho de cluindo as affeccoes mereuriaes que desGguram
1864. ou contrahem as feicoes.
Foram recolhidos casa de detencao no dia 12 Achar-se-ha venda em todos os estabelecimen-
do corrente: tos pharmaceuticos do Brasil, eem Pernambuco por
A" ordem do Illm. Sr. Dr. chefe de polica, Ma-: Bravo C., Caws & Barboza.
noel Joaquim da Silva, Francisco Xavier de Arau-'
Buarque, e protestando votar contra o requeri-
mento.
Posto o requerimento a votos approvado, sen-
do nomeados para essa commisso os Srs.: Ro-
chael, Silva Ramos, Soares Brando, Ayrcs Gama
e Jacobina.
E' lida a redaeco do projecto de orcamento pro-
vincial.
Depois de algumas considerares que fazem so-
bre a redaccao os Srs.: Silva Ramos, Silveira Lo-
jo, Antonio Nunes da Silva, Aniceto Nones da
Silva, Liberalino Jos Pereira da Silva, e Lauren-
tino COrreia de Mello, viudos de Garanhuns, como
sentenciados.
A' ordem do subdelegado do Recife, Paulo da
Guia, para correccao, e Augusto, escravo de Joa-
quim Gomes de Mello, por suspeito de estar f-
gido.
A' ordem do da Boa-vista, Mara Fabricia do
Rosario, por ferlmentos; Domingos Francisco,
para averiguacoes em crime de roubo; Jos Go-
COMMERCIO.
bo, Ayres Gama, Jacobina eG. (empello, esta ap- mes Ferreira, por furto de cavallos.
provada attendendo-se as redamarles feitas pelos
dous primeiros senhores.
E' lido o seguinte parecer:
O ebefe da segunda seceo,
/. G. de \tesauita.
Passageiros do vapor inglez Navarre, vindo
Foi preseote a commisso de polica o requer-' da Europa
ment do offlcial maior desta assembla, Francis- j Fr. Bento do Monte Carmello Flores, Justino Jo-
co Duarte Cocino, em que solicita urna prorogaco s Baptista, Pietro Regone, Geovann Flsrencnza-
de seis mezes lcenca que Ihe foi concedida em no, Francisco Antonio Puglecese, Carafa Guiseppe
data de 15 de marco ultimo. de Geovanni, VicenzoCornecheaio, Crassous Louis,
A commisso considerando que o estado de sa-! Broun Moise, Khu Flix, Pierre Antonio Roberto,
de daquelle funecionario, anda Ihe nao permitte Tuchs Ernesto, Joaquim dos Santos, Guilherrae
assumir o exerccio do seu cargo; e que segundo ; Brenne, Eduardo W.Sawey, sua senhora e 7 filhos,
informacoes que obteve, esse estado se prolongar Madama Oliver, e B. Santiago,
anda por aquelles mezes de parecer que seja' Passageiros do brigae lubequense Nantdus, vin-
concedida a referida lcenca de seis mezes com os do de New-York :
respectivos vencimentos. George W. Morris e sua senhora e Jantes C.
Sala das commissoes, 7 de maio de 1864.Dr. Scobel.
Loureiro.Buarque.-Ferreira Jacobina. \ Movraento da casa de detencao no da 12 de
O Sn. G. Campello oppoe-se ao parecer, o qual julho de 1864.
NOVO BANCO
DE
JPRIVAHBUCO
EM 12 DE JULHO DE 1864.
O banco descoma na presente semana a oito por
cento ao anno at o praso de quatro mezes, e nove
por cento at o de seis mezes, faz emprestimos
sobre ttulos commercaes, e toma saques sobre as
pracas do Bo de Janeiro e Baha.
Alfandega
Rendimento do dia 1 a 12........ 304:1633732
dem do da 13................. 25:7333381
329:8975133
e posto a votos e approvado.
ordem do da.
Segunda dscussao do additivo orerecido em ter-
ceira ao projecto n. 24, que divide em dous dis-
tritos de paz as freguezias de Pao d'Alho e Ipo-
jura. E' approvado.
Terc.eira dscussao do projecto de ornamento mu-
nicipal.
Depois de breves consideraedes do Sr. G. Cam-
pello contra o art. 39 da despza, e Jos Joaquim
do Reg Barros favor, elle approvado.
Terceira discusso do substitutivo ao projecto n.
13, que manda pagar a cada um dos escrives de
fazenda provincial a gratificaco de 300^000.
E' approvado depois de breves consideraces,
que fazem contra o mesmo os Srs. G. Campello c
Silva Ramos, e a favor o Sr. Jacobina.
Segunda discusso das emendas oflerecidas em
terceira ao projecto concedendo loteras.E' ap-
provado.
-^ Entra em terceira discusso o projecto n. 17 que
crea a inspeccao do algodao.
O Sr. G. Campello manfesta-se contra o projec-
to mandando mesa a seguinte emenda:
Stippnrna-se o art. 2.
Km vez do art. 3o, dga-se, a inspeccao sera feita
por um empregado do consulado designado pelo
respectivo administrador.G. Campello.
0 Sr Silva Ramos : (Nao devolveu seu dis-
curso.)
E' remettido mesa e apoiada a seguinte emen-
da :
Ser facultativo aos agricultores sujeitarem a
inspeccao as saccas de algodao que mandarem ao
mercado. G. Campello.
Encerrada a discusso o Sr. G. Campello requer
a votaco nominal no quo satsfeito.
Yolaram a favor do projecto os Srs.: Jacobina,
Soares Brando, Araujo Barros. Soulo Lima, Gon-
calves da Silva, Audrade Lima, Nabor, Maranho,
S Pereira, Lopes, Amynlhas, Jos Joaquim Reg
Barros, Rochael, Joaquim Reg Barros, Paula Bap-
tista, Silveira l/)bo, Silva Barros, B. Franca e Tei-
xeira de Mello, e contra os Srs.: Arminlo, G. Cam-
pello, Ayres Gama, Francisco Pedro, Silva Burgos,
e Buarque.
Foi o projecto approvado por 19 votos contra 6.
Procedendo-se a votacao da emenda, fica ella empa-
tada, e por conseguinte dependendo anda de outra j
votacao, e preso tambem o projeclo em face do re-
giment.
Terceira do projecto n. 36, que interpreta a pos-
tura da cmara municipal desta cidade, acerca do
contrato Cambronne, tornando-o facultativo aos
proprietarios e nao obrgatorio.E' approvado.
Existiam..... 348
Entraram..... 13
9
Exstcm...... 352
saber :
251
Estrangeiros... 33
Mulheres------- 7
Estrangeiras ... 1
Escravos...... 5't
6
presos.
352
Alimentados a custa dos cofres pblicos... 137
Movmento da enfermara no dia 13 de julho
de 1864.
Teve baixa :
Luiz Francisco Pereira Braga, ferimentos.
Luciano Jos Carlos de Aguiar, sezoes.
Severno Jos de Franca, anemia.
Lonrencp Antonio de Oliveira, contusoes.
Teve alta :
Manoel Candido de Soma.
Obituario do da 10 Dt julho no cemiterio
p.iblico :
Romualdo Gomes da Costa, Pernambuco, 24 an-
nos, solleiro, Boa-vista ; astate purulenta.
Manoel, Pernambuco, 3 horas, Boa-vista; es
pasmo.
11
Eugenio, escravo, Pernambuco, 44 annos, sol-
teiro, Boa-vista ; pulmona.
Um prvulo que appareceu na igreja da Penha
3 mezes, S.Jos; ignora-se a molestia.
Manoel Jos Flix da Silva, Pernambuco, 19 an-
nos, soltero, Boa-vista; varila.
Henrique, Pernambuco, 2 mezes, Santo Anto-
nio : varila.
Anna Mara de Souza, Pernambuco, 67 aunos,
sollera, S. Jos ; paralsa.
12 -
Jeronima da Silva Mello Samico, Pernambuco,
63 annos, vuva, Santo Antonio ; m\lite.
Joaquim, escravo, frica, 40 annos, soltero, Re
cifefe; ttano.
Joo Antonio Gil, Portugal, 45 annos, solteiro,
Boa-vista; tubrculo pulmonar.
Uovimcnto da alfandega
Volantes entrados com fazendas...
. com gneros.
Voluraes sahidos com
< com
fazendas...
gneros...
218
192
296
786
410
1,082
nal da ruada Aurora, avahado em 13:9145000.
A arrematarlo sera feita na forma da lei pro-
i vincial n. 343 de 13 de maio de 1854, e sob as
clausulas especiaes abaixo declaradas :
As pessoas que se propozerem a essa arremata-
cao comparecam na sala das sessoes da referida
junta no da cima mencionado pelo meio dia, e
competentemente habilitadas.
E para constar se mandou publicar o presente
i pelo jornal.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
buco, 9 de julho de 1864.
O secretario
Antonio Ferreira da Annunciaro.
clausulas especiaes para a arremataqao.
1* A obra do caes margem do canal da ra da
Aurora, ser executada de conformidade com oor-
| camento e planta respectiva apresentados pela di-
rectora das obras publicas na importancia de
15:9145-
2 O empreiteiro dar execuco aos trabalhos no
prazo de 20 dias, e os terminar nos de 60 dias,
contados na forma da lei.
3* O pagamento ser effectuado em prestacoes
mensaes, de valor correspondente ao trabalho exe-
cutado, em cada mez, deduzindo-se um dcimo,
que ser entregue seis mezes depois da conclusao
da obra.
4* O empreiteiro nao peder sob qualquer pre-
texto exigir indemnisaeao alguma que nao seja
fundada no excesso de trabalho previste no orca-
mento.
3* O empreiteiro na execuco dos trabalhos ob-
servar as prescripcoes dadas pelo engenheiro Us-
; cal da obra.
6' Para tudo quanto nao se adiar aqu dsposto,
observar-se-ha o que dspoe a le n. 286.
Conforme.Antonio Ferreira da Annuncwrao.
O Dr. Tristo de Alencar Araripe, offlcial da impe-
rial ordem da Rosa, juiz de direito especial do
commercio desta cidade do Recife de Pernam-
buco, e seu termo, por sua magestade imperial e
constitucional o Sr. D. Pedro II, a quem Dos
guarde etc.
Faro saber aos que o presente edital vrem, e
tina tiverem que Mathas Lopes da Costa
Maia por seu advogado me dirigi a petico do llieor
seguinte :
lllm. Sr. Dr. juiz do commercio.Diz Mathas
Lopes da Costa Mala, que sendo-lhe a viuva e her-
defros de Manoel Jos da Silva Cravo, devedores ao
cas couiraerciaes do sobredito logar, afiro de se-
ren citados para toda o expendido, noraeando V.
Exc. um curador adlitem, para que, por parte
do menor tome i defeza da causa. Nestes termos
pedo a V. Exc. assim Ihe defira.Espera receber
merc.Dr. Drummond.
E mais nada se fia em dita petico aqu trans-
cripta, na qual dei e profer o despacho qne dr
theor, forma, modo e maneira seguinte :
Citem-se, cono reqoer. Recife 3 de maio de
1864.Alentar Araripe.
E mais nada va-se em dito despacho aqu rom
bem e fielmente copiado e transcripto, depois do
|ue se via que se fizeese a distribuirn do theor,
orma, modo e maneira segwrte.A Manoel Ma-
ra.Oliveira.
Em seguimenlo dos proprios sotos mni bem e
fielmente se va e mostrava do que se fizera a se-
guinte policio:
Illm. Sr. juiz de direito substituto do commercio.
D. Claudina Senhorinba Vieira de Carvamo lea-
do. feito citar a D. Clementina Theodora da Sirva e
a outros, viuva e herderos do finado comroenda-
I dor Manoel Goncalves da Silva, para fallaran aos
termos de orna accao ordinaria, sobre ajuste de
contas havidas entre o dilo finado commendador
e a supplicante, acontece que Guilherme Frederi-
eo de Souza Garvalbo, casado com D. Hara da
Silva, tambem herdeiro do supradito finado, se
actiem ausentes em lugar nao sabido, pelo qoe a
supplicante na conformidade do artigo 45 do re-
gulamento n. 737 de 25 de novembro de 1830.
quer justificar a ausencia dos supplicadose a incer-
teza do lugar de suas residencias, a que provado e
julgado, se passe carta de edites na forma do e; -
lylo. aliinde que sejara citados sobre todo o eon-
tedo cima referido, sob pena de suas revehas
Nestes termos.Escrivao Nascmento. Pede a V.
S. assim Ihe defira, designando o dia para a inqoi-
rico das lestemuohas, pelo que espera receber
merco.O procurador, Macario de Lusa Freir.
E mais se nao rontinha em dita petico aqu
transcripta,na qual eslava o despacho do tbeor N
-Miinte: ,
Como pede e designe o eserivio dia e hora. Re-
cife 24 de maio de 1864. Frats Henrqoes.
E mais se nao rontinha em dito despacho aqu
mu i bem e fielmente copiado e transcripto e tendo
a supplicante produzido suas testeYnanhas, que
justificaran] a ausencia do sopplicado, sellados e
preparados os autos, subiram a minha condao e
neiles dei a sentenca que do tbeor, forma, modo
e maneira seguinte :
Hei por justificada a ausencia de Guilherme
Frederico de Souza (arvalho, que se provou estar
em lugar ineerto, pelo qne seja citado por edito*
de 30 das para o fim requerido. Pague a justifi-
cante as cusas. Kecif.: 9 de junho de 1M4.
Tristo de Alencar Araripe.
E mais se nao continha e nem algnma outra
cousa mais se declarava e mostrava em dita sea-
tenca e em cumprimento passon-se o presente pe-
lo qual chamo, cito e hvi por citado o sopplicado
para o fim cima expendido ; portanto qualquer
pessoa a poder scientilicar.
E para que ebegue ao conhecimento de tedos
ser o presente publicado na forma do envo.
Recife 10 de junho de 1864, 43* da independen-
cia e do imperio do Brasil.
Eu Manoel Maria Rodrigues do Naecimeoto, es-
crivao o subscrevi.
Tristo de Alencar Araripe.
(.111.1.1.1,1(1 IIA VILLA DE IGUARASSr.
i'Ieivo para nm senador
Conselheiro S e Albuquerque.......... 74votos.
Dr. Nascmento Feitosa................60
Sao approvados em ua nica discusso os pro-1 Dr. Saldanha Marinho.................50
jacios que approvam as posturas das cmaras mu-! Dr. Urbano Sabino.................... 14
nicpaes de Ipojuca e Iguarass. j Conego Joo Chrisostomo de Paiva Torres. 11
Segunda do de n. 69, que transiere para a fre- i Conselheiro Chichorro da Gama......... 8
guezia doGranitoado Senhor Bora Jess do Ex.' Conselheiro Paula Baptista............. 2
esclare- approvado. Dr. Alcoforado....................... i
Segunda do de n. 72, que iguala o ordenado dos Conselheiro Saraiva................... i
n.. m empregados da thesouraria provincial aos de igual i
ia". a designara a urna os novos cathegoria da thesouraria geral.E regeitado,
' nL JKS? ? SfiS eMa *lnot5 SSo lidas e approvadas as redacfoes de todos os
do dever. Quea hberdade do suffrag.o lenha por projectos que foram approvados em terceira dls- i
moderacao cusso.
nico limite o respeito da lei; .pie a
e a cordura presidam s francas manifestacoes''da
opimao.
Estes os meus votos como soberano consttu-1
conal ; estes os meus desejos como extremoso
amigo do meu povo e da minha patria.
Deixaes em heranca aos vossos successores
0 exemplo de elevados e notaves commettimen- I
tos. A posterdade e o futuro os apreciaro nos i
seus grandes resultados.
< Est encerrada a sessao. >
Os partidos preparavam-se com actividade para
a prxima iuta eleitoral.Afflrma-se que o actual
ministro da justca ia ser, dentro em pouco, sub-1
stituido pelo reverendo bispo de Vseu A.ves Mar-; |h tj/SSSSlSBmX
~ No da 19 fez el-re D. Luiz I a distribuicao
solemne dos premios aos expositores, que os obti-
yeram na exposico promovida em 1863 pela as-
sociacao promotora da industria fabril.
1 i7n-'^Si?vTlfl.d0 v ta,?eo !*. amatado por
1 410.5005000 (fortes ) pelos 6 mezes de julhb
aezemoro de 184. Os arremauntes sao os nro-
Tpaulo Sfre Ve"0 &** H' ^K RW Dr AranJ BarrF.sJeTn.o^ oJS
J, *1, [?' ,M9' Perera Marinho, Fon- Dr. ju de direito presidente a sesso.
h E52L*a2!2l Ped/ d?,Cos,a Coim-' ~.Dos r1*868 de Por,ual transcrevemos o se-
fira, Antonio Gomes Brando. Antonio Alves de gmnte, sobre o casamento da
PUBLICARES 1 PEDIDO.
Vai mesa c dei xa de ser recebido em vista do
regiment o segninte requerimento:
Requeiro que se proceda hoje no desempate da
emenda ao projecto n. 17, que cra a inspeccao do
algodao, visto que hoje se tem de encerrar os tra-
balhos desta assembla, e o projecto de tal impor^
tancia que nao pode ficar adiado para o anno fu-
toro. Nabor.
Suspende-se a sessao, visto nada mais haver
tratar, emquanto o Sr. segundo secretario redige a
acta de encerramenio.
Pouco depois feita pelo Sr. segundo secretario
lelura da acta, e sendo esta approvada.
O Sn. Presidente declara encerrados os traba-
REVISTA DIARIA.
Hontem teve logar a installacao da 4" sessoju-
diciana do jnry desta cidade com o numero de
quarenta e oito Srs. juizes defacto.
Depois da apresentagSo dos processos pelo juiz
Eleicao dos jnzes c juiznsque tem de
festejar a Nossa Seahora das Reyes,
padroeira do convento dos religiosos
Franciscanos da cidade de Olinda,
no corrate anuo de 1864.
Ignacio Francisco dos
Souza e Jos Goncalves Franco & Fimo.
penal
nossa princeza im-
aereas-fciWssa
aa Austria, e jornal sempre bem
aguas, por^ 'ia, e jornal sempre bem informado a
Juizes.
O Exm. e Rvm. Sr. D. abbade frei Antonio do Pa-
trocinio.
O Rvm. Sr. padre-mestre
Santos.
Os Illms. Srs. major Luiz Jos Pereira Simos, e
Joaquim Mauricio Goncalves Rosa.
Juiaas.
AsExmas. Sras. :
D. Maria, ilba do Illm. Sr. Dr. Alexandre Pereira
do Carme.
D. Gertrudes Cavalcanti de Albuquerque Noberto,
mulher do Illm. Sr. JoSo Ignacio defMedeiros
Reg.
Mulher do Illm. Sr. Jos Nogueira de Sotua.
Juiaes protectores.
Os Illms. Srs.:
Rvm. conego Firmno de Mello Aido.
Irroao confrade Joaquim Francisco dos Santos
Maia.
Dito Jos dos Santos Nave.
Dito syndico Luiz Jos Gonzaga.
Manoel Nascmento dos Santos.
Francisco Landellno da Silva. .
Jos Filgueira Curado.
Joao Coelho do Resarlo.
Jos Nogueira da Costo Soares.
Alferes Joao Francisco da Lapa.
Collector Manoel Jos de Azevedo Amorim,
Pr, Francisco Llns Caldas.
Descarregam no dia 14 de julho.
Barca inglezaJareogneros de estiva.
Barca inglezaTown of Liverpool mercadorias d'elle noticia tiverem que Maihias
e fazendas.
Barca franceza Maria Nicols mantega, ce-
mento e farinha.
Brigue inglezJmvinhos e sal.
Barca inglezaOlindacarvo de pedia.
Barca nacional Brrelodiverses gneros. t supplicante da quantade 1:600(000 e de juros de
Barca inglezaFTrefioingbacalho. ; um Pr cento ao mez, importancia de urna letra
Reeebedorla de rendas internas iaceita Pel dito fallecido, vencida a 18 de julho de
cerae* de rrn-imbiirn -'(|Uer tuPPli(ante protestar para nterrup-
RHi^ni h a, i dem do du 13 ........ v K skn '""dar que' o escrvo lavrando o competen-
taem ao da u................. l0t*aJ8 te termo; e como os suplicados se acham em lu-
a, fiin-t Gar nao sabido quer justificar a ausencia, para que
_" 1 Jl Sl>Jam cila(los l'or edittl designando v. s. dia e
_,_ ~:~'. : = hora para inquirieao de testemunhas : pede a V.
Consulado prOTlncfal. S. assim Ihe defira e espera receber merc.Fon-
Rendimento do dia 1 a 12......... 50:5544063 ceca.
dem do dia 13................. 1:617,83341 Segnndo o que assim se continha em dita peti-
------------- cao depois da qual se mostra o despacho, da forma
52:201(397 j c tbeor seguinte :
Sim, e para justificacao marco o dia 9 do cor-
' rente mez, as 11 horas da manhaa. Recife, 7 de
julho de 1864.Alencar Araripe.
Seguindo o que assim se continha em dito des-
Retatorio commercial. j pacho, depois do qual se mostra que sendo a mes-
O movmento do mercado durante a qunzena ma petico apresentada ao destribuidor do juizo
passada foi muilo inslgnificante, e antes de termos Jos Joaquim Pereira de Oliveira, este em otear-
certeza de paz ou de um armisticio por tempo vancia ao dito meu despacho, lizera a destribur.o
maior, esse estado nao sofriera mudanca. \ ao escrvo deste juizo Manoel de Carvalho Pes
Care.Na qunzena recebemos 28,558 saceos de de Andrade, depois do que tendo o supplicante pro-
a\r?J?Uats de Sant05- As vendas foram j duzido suas testemunhas quedeposeram convenien-
de 11,500 saceos do Rio e de Sanios 7, 7 3|4 i temen te acerca da ausencia dos supplicados, o res-
schillmgs, do de 17,000 saceos de outras qualida-1 pectivo escrvo, fazendo sellar e preparar, os au-
des, Apesar de serom favoraveis as ultimas no-j ios me os fez conclusos, e nos quaes dei e profer
lio de 23 de maio, o mercado conserva-1 a sentenca do theor e forma seguinte :
uryu, 21 dejimho de 186!.
DECLA1AC0ES.
se na mesma posicao, e os precos bem que firmes,
nao sao mais altos. Os possudores mostram-se
excessivamente reservados, e os offerecmentos sao
limitados.
O leilo hollandez realisou-se a cerca 1|2 cento
abaixo das taxas, mas nenhuma influencia exerceu
sobre este mercado. Colamos o caf regular ordi-
nario do Rio de Janeiro 7 1(4, 7 7|16 schillings.
Assucar.Nos ltimos dias houve mais anima-
cao no mercado d'assucar, sustentando-se firme-
mente as cotacoes. De assucar brasileiro vende-
rain-se 1,700 saceos da Baha, e mais 150 ditos
chegar.
Tabaco. Movmento regular, e as qualidades
do Brasil sempre em boa acceilaco. Venderam-
se 715 bailas de tabaco da Baha, e receberam-so
972 dessa mesma qualidade. Em leilo venderam-
se 123 bailas de tabaco da Baha avariado a 3, 4 1|2
schillings.
Algodao.O deposito muto limitado ; apenas
ha 800 bailas das Indias Occidenlaes, pelas quaes
exigem 19, 23 sen. Aqu nao houveram trans-
saccoes algumas. Urna partida de algodao de Per-
nambuco muto avariado foi vendida 4 16
schillings.
Couros.Sem novdade, nao tendo havido nen-
hum movmento no mercado. Deposito : 5.300
couros do Rio Grande e 200 de Pernambuco e
Babia.
Cacao. Todas as qualidades sao procuradas e
os precos subidos.
Jacaranda.De 960 pecas de Jacaranda do Rio
apresentadas em leilo, apenas se venderam 33.
27 3(4 marcos banco por 100 libras, sendo reti-
rado todo o resto por serem de mais alto os presos
limitados.
Entraram do Brasil os navios seguinte :
Da Babia Johanna.
De Santos Cornelia Maria.
Partiram :
Para o Rio e Santos August.
Para Sania Catharina Najaie. "
Para o Rio de Janeiro Kronprmds Cari.
A' carga :
Para a Babia Hannch, Pfe e Zebra.
Para o Rio de Janeiro Suometar e Vally Forge.
Para Pernambuco Ernte e Levante.
Para o Para August.
Sobre Londres -3ro. dato, 13 marcos 1 3|4 soh.
banco por S prazo cario, 13
marcos 4 3|4.
Sobre Pars 3 m. dala, 192 francos por 108
marcos banco prazo curto, 1891 [2
Julgo procedente a jnstficacao pela qual se mos-
tra achar-se em lugar lacerto a viuva e herdeiros
de Manoel Jos da Silva Cravo, pelo que mando,
que sejam os justificados citados por edital de 30
das para o fim requerido.
E pague o justificante as cusas. Recife, 11 de
julho de 18G4.Tristo de Alencar Araripe.
Seguindo o que assim se continha em dita sen-
tenca, depois da qual se mostra, que o respectivo
escrvo Manoel de Carvalho Paes de Andrade que
este subscreveu c fez passar o presente edital com
o prazo de 30 dias pelo qual e seu theor chamo, ci-
to e hei por citados aos mencionados justificados, a
viuva e herdeiros de Manoel Jos da Silva Cravo,
afim de que comparecam ante este juizo dentro do
referido prazo allegando- e provando o que for a
bem de fea direito e justira sob pena de revelia.
Por lanto toda e qualquer pessoa, prente, amigo
ou conhecido dos ditos justificados poder-lhe-ho
fazer sciente de todo o expendido.
E para que chegue ao conhecimento de todos
mandei fazer o presente edital, que ser afxado
nos lugares do costume e publicaJos pela imprensa.
Dado e passado nesta cidade do Recife de Per-
nambuco aos 13 de julho de 1864.
E Manoel de Carvalho Paes de Andrade escr-
vo o subscrevi.
Tristo de Alencar Araripe.
O Dr. Tristo de Alencar Araripe, offlcial da im-
perial ordem da Rosa o juiz de direito especial
do commercio desta cidade do Recife, capital da
provincia de Pernambaco e seu termo, per S.
M. I. e C. o Sr. D. Pedro II, a quem Dos guar-
de etc.
Fafo saber aos que o presente edital vrem e
delle noticia tiverem que por parle de D. Claudina
Senhorinha Vieira de Carvalho me foi dirigida a
petico do theor, forma, modo e maneira seguinte:
Illm. e Exm. Sr. Dr. juiz especial do commer-
cio.D. Claudina Senhorinba Vieira de Carvalho,
vem requerer a V. Exc. se sirva de mandar citar
a D. Clementina Theodora da Silva, vtuva do com-
mendador Manoel Goncalves da Silva, e os mais
herdeiros do mesmo finado, que sao JoSo Gardozo
Ayres como administrador de sua mulher D. |Ma-
na Rosa Ayres, Joaquim Juvencio da Silva como
administrador de sua mtriher D. Henrhjncta da
Silva, Dr. Jos Antonio de Figoeiredo como admi-
nistrador de sna mulher Claudina de Figueire-
do da Silva, Eduardo Burle como administrador
de sus mulber D. Carolina Burle da Silva, D.
Clementina Theodora Vieira da Silva Jnior, de
maior idade, Manoel Goncalves da Silva.LnizG. da
Silva menor de 21 annos, e seu tutor Joao Cardozo
_ Ayres, todos em suas proprias pessoas e ao Dr.
trancos por 100 marcos banco. < curador geral por parte do menor para fallaren)
Sobre Lisboa 3 m. data, 45 7)8 schillings ban-
co por 1#00, descont 44 1|2
por cento.
WIMHIT8 BO MITO.
JVctm entrados no da 13.
Bordeaux e portos intermedios 17 dias, vapor
francez Navarre, de J281 toneladas, comman-
aos termos de ama accao ordinaria que lhes vai
propor, para ajuste de contas havidas entre o dito
commendador e a sapplicante, tudo como melhor
expressar em dito llbello, fleando logo citados os
mesmos_ supplicados para todos os termos da mes-
ma accao e 9ua execocao, sob pena de snas reve-
lias e cusas. E como quer que os supplicados Dr.
Jos Antonio de Flqueiredo e sua mulher D. Clau-
dina sejam residentes na corte do imperio, a sap-
plicante requer mais a V. Exc. se digne de man-
dar expedir carta precaloria citatoria para as just-
Directora das obras militares.
A directora das obras militares convida as pes-
soas que se quizereni incumbir da caiacao e pin-
tura do quartel da companhia de artfices a apre-
sentarem suas propostas nos dias 18, 19 e 20 do
corrente mez, das 10 horas ao meio -da, onde po-
derao obter os esclarecmentos de que necessiurem
a respeito.
Directora das obras militares de Pernambuco
11 de julho de 1864.Luiz Francisco de Paula de
Albuquerque Maranho,
Amanuense.
Sabbado 16 do corrente, ao meio dia, depois
da audiencia do Sr. Dr. juiz municipal da 2* vara,
vai prara pela ultima vez urna escrava moca e
alguns movis por execuco de Tranquilino Soun
Sesse contra Guilhenne da Costa.
Correie geral.
Pela adinnistraco do correo desta cidade M
faz publico que em virlude da convenco portal
celebrada peles governos brasileiro e francez, se-
ro expedidas malas para a Europa no dia 15 do
corrente pelo vapor inglez Magdalena. As carta
sero recebidas at 2 horas antes da que fr mar-
cada para a saluda do vapor ; e os jornaes at 4
horas antes.
Administraco do correo de Pernambuco 11 de
julho de 1864.O administrador,
Domingos dos Passos Miranda.
Censulad de Pertnjai.
Sao chamados os credores do ausente Manorl
Correia de Souza apresentarem dentro do praso
de 15 das os seus ttulos de crdito para serera
verificados. Recife 27 de junbo de 1864.
Directora das obras mililarfs.
A directora das obras militares tendo de man-
dar proceder a diversos concertos no ladrilno d>
alguns compartimentos do quartel do 9* batalbo
e fazer de novo em outros o fadnlho; assim cjnn>
a collocagao de balaustres de ferro em duas jatel-
"as do quartel do corpo de guarnco, e tasar
quatro fecliaduras em quatro portas do mesmo
quartel; e tambem se mandar pintar todas as por-
tas, jaoellas e caixilhos do edificio do hospital Mi-
litar, e alu fazer alguns pequeos concertos; as-
sim como nos dous quarteis cima mencionados;
convida s pessoas que quizercm empreiiar os di-
tos servicos, a apresentarem suas propostas aa dita
directora nos dias 18, 19 e 20 do corrente mez,
das 10 horas ao meio da, onde podero obter aa
esclarecmentos de que necessitarem para esse fim.
Directora das obras militares de Pcrnambura
13 de julho de 1864. Luiz Francisco de Paula
de Albuquerque Maranho, amanuense.
Sabbado 16 do corrente, Onda a audiencia do
juiz de paz do 2o districto da fregnezia de Santo
Antonio, vo a praca para serem arrematados os
objectos seguimos : 1 mesa redonda de amarello
avahada por 8, 1 cama com lastro de paJhinha
dem avallada por 10, 1 meacommoda idea ava-
hada por 105. 5 cadeiras com palhinha dem ava-
hada por 105, 2 lanternas de vidro avahadas por
l.j'j'K), 2 redomas com jarros avadadas por ~>,
1 castical de vidro avahado por 500 rs., 1 pnlseira
de coral avahada por 8-5, 1 par de brincos dem
avahados por 3j, 1 altinete de peito por 3#. 1 vol-
ta para pescoco dem avahada por W : cojos ob-
jectos vo praca por execuco de D. Anna Joa-
quina Ferreira, que move contra Francisco de Sal-
les e Silva perante o mesmo juizo.
No dia 15. depois da audiencia do Sr. Dr.
juiz de orphos, vai praca por arrendamenlo de
tres annos o sitio denominado Tacaruaa, aa fre-
gueza da Boa-Vista, avahado por 3001 por aooor
vai praca requerimento de um dos coasenbores.
Conselho administrativo.
O conseibo administrativo para fbrnerimento do
arsenal de guerra em cumprimento ao art. 22 do
regulamento de 14 de dezembro de 1852, faz pu-
blico que foram aceitas as propostas dos Srs. abai-
xo declarado.
Para o arsenal de guerra.
Joo Bapiista da Matta-2 arrobas de salitre a
1040 a arroba.
Antonio dos Santos Oliveira50 quiatoes de fer-
ro inglez de 1 W nollegada de largura e 40 oitavas
de grossura, a 6800 o quintal, 90 resmas de pa-
pel pautado a 44400 a resma.
Manoel Rodrigues da Costa Magalhaes50 res-
mas de papel almasso liso a 34000 a ruana.
Marcou-se o dia 16 do corrale para Jareas re-
colhidos os objectos cima.
Joo do Cauto Alves da Silva500 Ifci de
azeite de carrapato a 10*500 a enasta.
Joao Deotodo Bowman6 dotas 4a cairo ia I
pollegada de grossura de 8 H) de largura a rr
26*400 a dnzia.
Joao Jos da Silva20 granas de parjrtszus a>
lati com 2 pllegadas de cansartenaaio a 080
groza, 20 ditas de dilo de torra, surtido, ia asesa
pollegada ai1, dito a 1*200 a groas.
Marcou-se odia 18 do correte para reeoiher-se
os objectos comprados, na secretaria do ecamMn)
10 horas da manhaa, dos referidos Otas.
Secretaria do conselho administrativa, para far-
neciment do arsenal de guerra, 8 ia Ma ia
1864.
Seiasttio Jote aaitfa ffrrU,
vogal secretaria.
Juizo de orphos.
Sexta-fera 1S do correte, nada a lomeara
deste juizo, tem de ir em praca de reada por 3
annos a casa terrea sita ra da Sasta luto .
58, requerimento dos consenbores Lab Candido
Ferreira e D. rsula Mara da CoaeeicSo. F a
ultima praca.


e eermtmtmf ninfa lelr 11 de lilil* de 14.
Santa Casa da U'scricor.lia do Recife.
Olllm. Sr. comaaeadaaor Jos Hres Ferreira
thesoureiro da Sania Casa da Misericordia do Re-
ctfe, manda fazer publico que no dia 20 do cor-
rale p8las 9 horas di manha paga as amas que
conjparecerem na casa dos expjstis acompanha-
das das respectivas crianzas, as mentalidades ven-
cidas at junho do corrente anno.
Secretaria da S ma Casa da Misericordia do
Recite, 13 de julho de 1*6*.
O cscnvao,
F. A. Cavalcaoli Cousseiro.
cooselu aamlolstrallvo.
trienal e guerra tem de comprar os objectos se-
grales :
Para hospital militar de Alagoas.
Baca grande de rame para banhos 1, Crapu-
Cas de algodao 50, cassarollas de (erro i, chalei-
ras grandes de ferro 2, chnellas pares 50, escar-
radeiras de metal 50, estojo com 2 navalhas 1, fa-
cas e garios 12, mantas de algodao 46, ditas de la
30, ourins de louca com lampa 8, panno de mesa
1, panellas grandes de ferro 2, dita pequeas de
dito 2, travesseiros 10, tigellas pequeas de louca
40, chitas de coberta covados 210 brim branco va-
ras 1009, madapolo varas 96, caixo de madeira
para defnoto 1.
Quem quizer vender taes objectos aprsente a
sua proposta em carta fechada na secretarla do
conseibo 10 horas da manha do dia 18 do cor-
rente.
Sala das sessoes doconselhoadministrativo para
feroectento do arsenal de guerra, 11 de jolho
de 1864.
Antonto Pedro e S Barreto,
Coronel, presidente.
Stbastiao Jos Baztlio Pyrrho.
Vega* secretario.
LEILO
M
Deposito da roa 4a Ungoeta n. 6
Sexta-feira 15 de julho.
O agente Pinto far leilo por cenia de quem
perlencer da armac.no, balco, bataneas, candiei-
ros de gaz com o compleme registro, vinhos, cer-
vezas e mais gneros do deposito da ra da Lin-
goeu n. 6, as 10 horas do dia cima dito no refe-
rido deposito.
""i m mi ...... .......ir.....!!
GR1IM1
Sabliado 16 do corre ule
Nos majestosos sal5es do
Caes de Apollo.
Com toda a pompa e brilhantismo, um dos me-
Ihores professores de msica executar diversos
toques Jos mais dfficultosos do nosso repertorio,
como sejam a ftattha de Mourow e ouira polka
Caca, a estrada de ferro, e outras.
Ser cumprido o regulamento do Illui Sr. Dr.
chefe de polica.
Entrada para homem 2J.
Senhora gratis.
GOMPANIIIA PERNAMBCANA
M
V-tvegace eostelra a vapor.
Hha de l'ernaudo de Noronoa.
No dia 14 de julho ao meio dia
segu o vapor Prtohiba, comman-
dante Martins, para o presidio de
Fernando de Noronha. Recebe j
__icaria al o dia 13. Encommen-
das passageiros edinheiro a frete al o dia da
sabida as 11 horas escriplorio no Forte do Mat-
tosn. 1.
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR.
Dos portos do sul esperado
at o dia 14 do correnle o vapor
Paran, commandante o capito
de fragaia Santa Barbara, o qual
i depois da demora do costume so-
pnos do norte.
Desd j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual devera
ser embarcada no dia de sua chegada, encommen-
das e dinheiro a frete at o dia da sabida as 2 ho-
ras : agencia, ra da Cruz n. 1, escriptorio de An-
4uoLio uiz de Oliveira Azevedo & C
avisos urasos.
- Os senhores que tem le-
vado por emprestmocolle^Oes
deste Diario, queiram man-
da-las restituir com brevida-
de pois silo precisas.
0 cirargi&o Leal mudou
a sua residencia da ra do
Queimado para a ra das
Cruzes sobrado n. 36, pri-
meiro andar, por cima do
armazem Progressista, aon-
de o achar&o como sempre
prompto a qualquer hora pa-
ra o exercicio de sua pre-
fissfto, chamado por escripta,
- SAHIO 4 LUZ
E KST A VEMDA NA LIVnARIA DO Sn. GERALDO
M'A ESTREJTA DO ltOSARlO H. 12 AS
NOCES
DE
PARTIDAS OOBRADAS
OFFKRECIDAS
A Associaco Commereial Beneficenie
DE
pi:R\\niin-o
ron
M Fonseca de Medeiros
SOCIEDADE
UNIAO BENEFICENTE
MARTIMA
Em virtade de nao se ter podido do dia 8 do
corrente proceder as eleicoes da nova, administra-
ba, sao de novamente convidados todos os senho-
res socios a se reunirem em aesembla geral, do-
mingo 17 do corrente, as 10 bofa da nuaba, no
, saino do theatru de Apollo para esse te, lembran-,
! do-se aos mesmos sensores que se devero por qoi-
1 tes at esse dia, sob pena de incorrerera no- art. 12
3* dos estatutos. |
Secretaria da Sociedade Uniao Beneflcente Ma-.
. ritima 11 de julho de 1864. '
Balthazar Jos dos Res.
Io secretario. '
RA DO QUEIMADO NUMERO 11
guir para os
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR
Dos portos do norte esperado
at o dia 1 7 do corrente o vapor
Princeza de loimilU; commau-
', dante o primeiro tenente Araujo
_l o qual depola da demora do cos-
tume seguir para os portos do sul.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no dia de sua chegada: encom-
mendas e dinheirn a frete at o dia da sahida s 2
boras, agencia ra da Cruz n. 1, escriptorio de
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C.
Cmiijimhia Pernambiicana
DE
Navegado eostelra a vapor.
'Paradina, Natal, Mario, Araeitj, Cear, e Acaran'
0 vapor Mamunguape, comman-
danle Moura, segu no dia 22 do
correte s S horas da tarde. Re-
eebe carga ate o dia 21. Encom-
_Jmendas, passageiros e dmheiro a
frete at o dia da sahida s 3 horas da tarde : es-
criptorio no Porte do Mallos n. 1. x
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Xavegaco costelra vapor.
Mam e escalas.
Segu no dia 25 do corrente s
5 horas da tarde um dos vapores
da companhia, para os portns acl-
ama indicados. Recebe carga al
I itia 23. Encommendas, passa-
geiros e dinheiro a frete at s 3 horas da tarde
-do dia da sabida : escriptorio no Forte do Mal-
tos n. 1.
Para o Rio de Janeiro
pretende seguir com muita brevidade o veleiro e
lien) conhecilo palhabote nacional Piedade, tem
parte do seu carregamento engajado : para o res-
to que lhe falta e escravosi a frete, para os quaes
tem excellenles commodos, trata-se com os seus
<:inisigDatarios Antonio luiz de Oliveira Azevedo,
la da Cruz n. 1.
Pan o Aracaty c Cetri
pretende seguir com muita brevidade o hiate na-
cional Uous Amigas, tem parte de seu carregamen-
o prompto ; para o resto que lhe falta, trata-se
cora os seos consignatarios Antonio Luiz de 011-
veira Azevedo & C, no seu escriptorio ra da
Cruz n. 1, ou cora o capilo no trapiche do algodao.
Rio Grande do Snl.
Sshe na seguirte semana o brigue nacional
Horma de linda, recebe earga a frete commo-
lo : a tratar no escriptorio de Manoel Ignacio de
Oliveira & Filho, largo do Corpo Santo n. 19.
Massa fallida ue Amorhu. Fra-|
goOj Santos 4k~$i
Aos senhores credores pedese pela (juarUvej,1
que mandem ao escriptorio da massa fallida de!
Amorim, Fragoso, Santos & C, na ra do Vigario
p, 21, primeiro andar, os seus ttulos para >erei
verificados, dentro de oito das, contados da pre-:
sent data.
Tendo os administradores de fazer o 1 dividen-
do ser sontente contemplados os crederes qne j |
apresentaram seus titnlos, e os que o tizerum no
praso que ora se Ibes marca. ______
^ ;\lnga-se a casa n. 2 da ra do Socego ne.
Campo Verde, cora 3 quartos, 2 salas, corredor se-1
parada, costana fra, quintal grande e murado,'
cora parto ao lado e cacimba : a tratar na roa I
do Rangel taberna n. 7._____________________ j
Roga-se ao Sr. alteres Secundino Ayres Vel-
lose de M. M. queira ter a bondade de appareeer
ra do Palacio do Bispo casa n. 40, a tratar de ora
negocio.____________________________________ I
Precisa-se de urna ama capaz para todo ser-; I
vico de easa de pouca familia: na travessa da
matriz de Santo Antonio n. 8._________________ j
A pessoa que annunciou um menino do malo l
para caixeiro de 13 i liannos queira dirigir-se
roa estrella do Rosario o. 1, taberna do Pocas.
PaJaria.
Precisa-se de ama pessoa devidamente habilita- '
da para tomar conta e dirigir um estabelecimento
desta ordem, no bairro do Recife : detxe carta
nesta typographia com as iniciaes D. L., indicando
atguera que possa informar sobre sua conducta e
habilitadla?. I
Aluga-s um segundo andar na ra da Penba
e a casa terrea n. 36 na ra da Matriz da Boa-Vis-
la: a tratar na mes ni a. __________
Perelas.
A loja da Aurora na ra larga do Rosario n. 38
receben flos de perolas de diferentes cores, muito
proprios para fazer voltas, tanto para senhoras co-
mo para meninas.
Ka ra ou becco dos Ferreros n. 7, se pre-
cisa de urna ama forra ou escrava que cozinue e en-
gomme perfectamente._________________________
Loja de fazendas de Augusto Frederico dos Santos Porto
Chapeos para senhoras.
Chegaram de Pars as mais lindas chapeinas e chapeos de palha da Italia para senhoras.
Ricas capas e soutembarques de seda preta e casemira de cor para senhoras.
Cortes de superior morentlque branco para vestidos de noivas.
Camisas inglezas mtuto saperiores para homens, peitos, punhos e colarnhos de iinho.
Chapeos de seda para cabera e chapeos de sol de seda iaglezes.
Lencos de labyrntho francezes a 15 cada um.
Camisas de menino muito superiores.
Cortes de laa de barra para vestidos de senhoras de 135 a 18J.
[ A mesraa loja tem o maior c mais superjpr sortiraento de
, Kstclras para salas.
Neste esta'"'^"^. encootraro os senhores que precisare forrar suas salas com esleirs
' otda e qnalquer quanv'.^1^ "" dpsejarem de \, 5 e 6 palmos de largura, sendo a qnalidade muito
superior e por tumbeo prego:
i_< _r_r,_iavt'ii'\
ROUPA
Aos 6:0OU$O0.
Corre depois d'anlanha.
Sabbado 10 do corrente rnez se extrahir
a segunda parte da terceira lotera da Sania
Casa da Misericordia, no consistorio da
igreja de N. S. do Rosario da freguezia de
Sanio Antonio.
Os bilhetes, meios e quartos acham-se
venda na respectiva thesonraria ra do
Crespo n. 15.
Os premios de G:0O0O00 at 12#OO
serio pagos urna hora depois da extraeco
at s 4 horas da tarde, e os outros no dia
seguinte depois da distribuico das listas.
O thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
C4SA 1)4 FORTUNA
AOS 6:000.000
Bilhetes garantidos
A' ra de Crespo n. 23 e casas do costume
O abano assignado tendo vendido nos seus mui-
to felizes bilhetes garantidos os dous quartos n.
lOii com a sorte de 2:0005000, e os dous quartos
n. 1780 com a outra sorte de 2:0005 e outras
mnitas de 2005, 1005, 405 e 205 da lotera que
se acabou de exlrahir beneficio da igreja de N.
S. da Boa-Viagem, convida os p'*ssuidores de ditos
bilhetes a virem receber seus respectivos premios
sem os descontos das leis, em seu estabelecimen-
to ra do Crespo n. 23.
O mesmo tem exposto venda os novos e felizes
bilhetes garantidos da segunda parte da terceira
lotera a beneficio da Santa Casa da Misericordia
que se extrahir sabbado 16 doeorrente.
Precos.
Bilhetes inteiros..... 75000
Meios......... 35500
Quartos........ 159 Para as pessoas que comprarem
de 1005 para cima.
Bilhetes........ 65000
Meios......... 35250
Quartos......, 15700
Maneel Martins Fiuza
cosnhar,
S. Pedro
Quem precisar de uaia ama para
lavar e eogommar dirija-se ao pateo de
n. 10. .____________________________________
Aluga-se o armazem da ra do Imperador
n. 35: a tratar na mesma ra armazem de louca
n. 41.______________________________________
Na ra de Aguas-Verdes n. 14 precisa-se
fallar com o Sr. Fernandes Jacobson a negocio de
sen inlere.s-e.
OITerece-se um moco portuguez de i dada de
16 annos para caixeiro de padaria, deposito ou re-
finacao, ou mesmo taberna, o qual sabe bem 1er,
escrevet e contar : quem precisar annuncie, ou
dirija-se ra Nova n. 1, que ahi o encontrar.
andar da
NO
AfiSAZHM
4D--*--'_f_ DD !J'B,3_ill_'D!)--4
isTKxmo VEKOE.
Neste estabelecimento ha sempre mn sormento completo de roupa feita de JJ
todas as qualidades, tambera se manda fazer por medida, vontade dos concer- ^
rentes, para o que tem um dos melhores professores, assim como tamben tem um
grande e variado sormento de fazendas de todas as qualidades, para senhoras,
homens e meninos.
Casacas de panno preto, 350 e 300000. D't*>s de setim preto. .
Sobrecasacas idem, 300 e 250000 Ditos de ditos e seda branco,
Paletos idem e de cores, 250, 60 e.......
200, 150 e......401000 Ditos de gorgurSo de seda
Ditos de casemira, 200, 150, pretos e de cores, 60, 50 e
120, 100 e...... 70000 (Metes de fuso e brim bran-
Ditosdealpwa, 50, 40 e 30500 co, 30500, 30 e .
Ditos ditos pretos, 0, H, 'Seroulas de brim de linho,
9iM0e......14500 jjigo e......20000
Ditos M Mi e ganga e- ^^ I Dttas de algodSo, 10600 e. 10100
res, 40500, 40, 30300 e. *|OO0 Camisas de peitos de aho,
Ditos branco de linho, 60, 50 e 40000 40, 30 e......20300
Ditos de merino preto de cor- Ditas de madapolao, 20500,
dio, 100, 70e.....50000! 20e........
Calcas de easemira preta, 120, Chapeos de massa, pretos fran-
100, 80 e......70000 cezes, 100, 90 e. .
Ditas de cores, 90, 80 e. 70000 Ditos de fltro, 50, 40,30500 e
Ditas de meia casemira de c- Ditos de sol, de seda, 120,
res, 50000 e.....40000 110, 70 e
m
50OOO||
50OOOS
40000^
20500
10600 M
80500
20000 _-
Aluga-se raetade do primeiro
Direita n. 4 : a tratar na taberoa.
na
Escriplnrae&o mercantil por partidas;
dohradas.
Na praca da Independencia n. 4 se dir quem
escreve com aceio e premplido, nao s em casa
dos pretendentes como na sua propria.
Quem precisar de una ama para casa de
h-mera solteiro, paracozinhar ; dirija-se ao pateo
do Carmo n. 10. \_____________
Precisa-se de urna ama que compre e COti-
nbe, para casa de pouca familia : na na do Viga-
gario n. 16, sagando andar.____________________
Aluga-se urna casa na Capunga, ra da Ami-
zade, com 3 quartos, cozinha fra, quintal grande
e murado, com cacimba de agua de beber : quem
I pretender, procure a chave na taberna da mesma
; ma, e tratar na roa da Imperatriz n. 74__________
Precisa-se alugar um moleque para o* serv-
eos de urna casa : a tratar na ra Nova n. 58, ter-.
ceiro andar.____________________J____________I
Precisase de urna ama de leite: na ra Ini-
: perial, sobrado n. 87.________________________
iONTBflOMftfJDBllEZ
Ditas de princeza e merino pre-
to de cord5o, 40500 e. ,
Ditas de brim branco e de co-
res, 50, 40500, 40 e .
|2 Ditas de ganga de cores, 30 e
1 Colletes de velludo preto e do
cores, 90 e......
Ditos de casemira preta, 50 e
Ditos de ditas de cores 50
40 e
.Collarinhos de linho fino, ulti-
40000 ma moda duzia. .
Sortimento completo de grava-
20500 tas.
20500 Toalhas para rosto, duzia, 110,
! ........
70000 Chapeos deso, de alpaca, pre-
tos e de cores.....40000
60000
6$000
0
60000
40000
30500
Lences de bramante de linho. 30000 $
Cuberas de chita chineza.. 20500 ^
Por ordem da directora provisoria sao convida- que se pedir.
CONSULTORIO MEDKMIRURGICO
DO
DR. PEDRO DE ATTAHYDE LOBO MOSCOSO,
vi Hinco, i ais i i:mo : operador.
3 Ra da Gloria, casa do Fundao 3
O Dr. Lobo Hoscoso d consultas gratuitas aos pobres lodos os das das 7 s 1
horas da manliaa, e das 6 e meias 8 horas da uoite, excepeo dos_dias sanlicados
Pharmacia especial liomeopatilica
No mesmo consultorio ha sempre o mais appropriado sortimento de earteiras
tubos avulsos, assim como tinturas de varias dymnamisacSes e pelos precs seguintcs
Carteiras de 12 tubos grandes. 125000
de 24 tubos grandes. 180000
de 36 tubos grandes. 24-3000
de 48 tubos grandes. 300000
deOO tubos grandes. 330000
Prepara-se qualquer carteira conforme o pedido que se fi/er, e com os remedios
dos todos os cidadaos portuguezes, que pelo, farto
| da sua assignalura moslram ter adherido ao pen-
' smenlo da fundacio da sociedade beneficente, co-
| nhecida ppla denominacao de MoU Pi Porta- j
mes, a reunirem-se em assemblca geral nos sa-
I loes do Gabinete Portuguez de Leitura, domingo
17,do corrente, s 10 horas da manhaa, afim de
se convenientemente discutido o projecto de esta- rJons grandes volumes cwm diccionario
DENTISTA DE PARS
19Kna Nova -19
Frederico Gantier, cirurgiao dentista,
faz todas as operacoes de sna arte, e col-
loca denles artificiaes, tudo com superio-
ridade e perfeicao, que as pessoas enten-
didas lbe reconnecem.
Tem agua e pos dentificio.
wmm-nmmmmmmm
Antonio Luiz de Oliveira Aze-
vedo A C
tutos la associaco.
A directora convida igualmente todos os dig-
nos membros das commissoes que foram nomeadas
I para tratarem da acquisicao de socios, e que anda
nao devolveram as listas que Ibes foram entre-
gues, a fazerem-no at ao dia 13 do corrente. A-
quelles, que por qualquer motivo nao tiverem po-
dido desempenhar a misso que Ihes foi confiada,
roga a directora ainda assim o mesmo favor, con-
tente de obter ao menos as honrosas assignaturas
desses cavalheiros
As listas podem ser entregues no Gabinete Por-
tuguez de Leitura, ou ao 3 secretario, na ra da
Cruz n. 23, primeiro andar.
Secretaria do Monte Pi Portuguez 10 de julho
de 1864.
Joaqtiim Gerardo de Bastos.
2.* secretario.
Alenle- do Banco I niao do
Porto.
Competentemente aulorisados sacam por lodo
! os paquetes sobre o mesmo Banco para o Porto s
! Lisboa, e para as seguinles agencias.
Londres sobre Banh of London.
Paris Frederic S. Ballin & C.
Hambnrgo > Joo Gabe & Filho.
Barcellona > Francisco Itahoha Ov Ballista.
Madrid > Jaime Meric.
Cdiz Crdito commercial.
Sevilha Gonzalo Segoria.
Valencia M. Perera Y. Hijos.
El PonTLGAL.
Segoe com brevidade o hiate Dous Irmosa. tem
i>arte da carga, e para o resto trata-se cora Tasso
I maos.
Amarantes.
Arcos de Val de
Vez.
Aveiro.
BarceMos.
Bastos.
Beja.
Braga.
Braganca.
Faro.
Oliveira
meis.
Pnale!.
Tavra.
Villa do Conde.
Villa Bal
S. Antonio.
ff Ase-
Angra Terceira.
Caminha.
Castello Branco.
Chaves.
Coimbra.
Covilhaa.
Elvas.
Extremos.
Evora.
Fafe.
Ptnhal.
Porto-a legre.
Thomar.
Villa Ivbva do
Portimao.
de Vizei.
Figueira.
Guarda.
Goimaraes.
Lagoa.
Lagos.
Lamege.
Leiria.
Moncao.
Moncorra.
Rogoa.
Seliibal.
Vianna do
teilo.
Villa Real.
Madelrit.
S. Miguel.
Um lubo avulso ou frasco de tintura de meia onea 10 00.
Senda para cima de 12, distarlo os prefos stabelecdos para as carteiras.
Ha tubos mais peijuenos cada um a 500 ris.
IJVIU^i.
A melhor obra da homeopathia, o Manual de Medicina Homeopathicodo Dr. Jahr,
........... 200000
Medicina domestica do Dr. Ilering,........... 100000
Repertorio do Dr. Mello Moraes............. (0000
Diccionario de termos de medicina ........... 30000
Os remedios deste estabelecimento sao por demais conhecidos e dispensam portan-
to de serem novamente recommendados as pessoas que quizerem usar de remedios ver-
daderos, enrgicos e duradores : ha tudo do melhor que se pode desejar, globos de ver-
dadero assucar de leite, notaveis pela sua boa conservaco, tintura dos mais acreditados
estabelecimentos europeos, a mais exacta e aecurada preparaco, e portanlo a maior ener-
ga e certeza em seus effeitos.
Casa de sade para escravos.
Beccbe-se escravos para tratar de qualquer enfermidade ou fazer-se-lhe qualquer
operaefio, para o que o annunciante julga-se sufficientemente habilitado.
O tratamento o melhor possivel, tanto na parte alimentar, como na medicare
; funecionando a casa a mais de quatro annos, ha militas pessoas de cujo conceito se ne
Precisa-se de urna pessoa para lee-!pode dttvidar, que pdera ser-consultados por aquellos que desejarem mandar seus
cionar portuguez e I'rancez em um engenho: doentes.
perto da via frrea : a tratar na ra larga; Paga-se 20000 por dia durante 60 dias e d'ahi em oante 10500.
do Rosario n. 34, segundo andar,______ As operaces serao previamente ajustadas, se nao se quizerem sujeitar aos precos
Precisa-se de um caixeiro : na ra Direita ; razoaveis que COStUliia pedir 0 annncianie.
n. 30, deposito.______________________
Precisa-se comprar e nlugar
Comprase urna ou duasvaccasde leile, paridas
de pouco, e que sejam boas mansas na corda, e
alugam-se dous escravos mocos ou de meia idade,
que entendam bem do servigo de campo ; paga-se
adiantado, no caso que se agrade do servico : quem
tiver annuneie.
Ser* ponta ou cabera-
Pergunta-se as Srs. Prenle Vianna 4 C ad-
ministradores da massa fallida de Francisco Go-
mes Castellao quando preteodem fazer o rateio da
me>ma massa, se o prazo de mais de dous annos
iio ser suflic.iente para estes senhores fYarem
mais bem aquinhoados *
Um credor que voltar se fr preciso.
Pergunta-se aos Srs. Prente & Vianna admi-
nistradores da massa de Guilherrae Luiz de Al-
meida, quando pretender fazer o primeiro divi-
dendo dessa massa, pois que lia mais de dous au-
no., segando consta, que se procedeu .-i liqnidaciio.
sem que at boje tenham rerehido os credores
cousa alguma. Desejmos urna resposta satisfac-
toria para nos nio vermos nbrigailos a voltar
carga, continuando a tratar desse negoeio, o que
faremos em raso contrario.
Um credor.________
A abaixo assignada tendo obtido licenca pa-
ra ensinar particularmente as materia* de ns-
trnegao primarla do segnndo r'u, e teBdo abert
5 ania na roa Direita primeiro andar n.t, of-
ferece seu prestimo aos pais de ramillas, afnrraau
do-Hies lodo o esforco para o adiantamenla oe sua-.
alumnas, tanto de leitura como de costura, labj-
rioto e de diversos bordados, podendo ser procu-
-..,',;., .i.Hiftr hora do dia e raesmo i mm 3**-
9 horas na mesma easa cima referida.
Ilermilla Lidia Guedes Alcoforad^.
mMmmWMmmwmm
o
Carolino Francisco de Lima San-
tos, contin
a a residir na roa do lnipi
. ^ andar, onJe pode ser pro-
para o cemelo de ras p.. ..lude
dico ; sendo que os chamados, ,, J
meio dia at 4 horas da larde, devpn -.
deixados por escripto. O referido Dr.
nao abandonando nunca o esludo das
molestias d interior, prosejjne, com o
maior ahinco, no ilas mais difltreis e deli-
cadas operacors. como sejam dos orgaos
ourinarios, dos olhos, par'liis, tic.
t> J_____ _f _f_s>_;5
Na rin eslreila do Kosnrio u. 3i
Advogado AtTonso de Albu-
querque Mello,
pode ser procurado a qualquer hora ; as sextas-
feiras, porm, na villa do Cabo.
Jaeintho Rodrigues da Silva retira-se par. o
Maranbao.________________________^____^
Aluga-se um escr^vo, ni n;u. perfttito roti-
nheiro : quem o pretender dirija-se a ra da Ca-
deia do Recife n. %, I" andar, que achara > >:n
quem tratar. _______________________
Desappareci-u de casa dos al.aixo assi^nato
um escravo d>? nome Anastacio, cabra fulo, de ti
annos, altura maior que regular, este SSctWO
pertenijenle ao Sr. tenente-coronel Antonio rVfeira
da (iraca, do Araraty, rt'onde veio no dia 10 do
corrente no va|ior mamamgtiape, e foi visto cora
calca de castor riscado, camisa de algodao branca,
chapeo de palha, levando um sacro de chita cora
roupa sua ; tem boa presenea e com lodos >s den-
tes da frente : a todas as autoridades policiaes e
capitaes de campo se roga a sua captura, e entre-
gar ra da Cadeia do Recife n 5$. onde generosamente recompensado quem o apre?enlar.
Recife, 13 de julho de 1864.
Vianna & Goncalves.
Aluga-se urna escrava qne faz todo o serv"
de nina casa : quem pretender dirija-se ao Forie
do Mallos n. 30, que achara com quem tratar.
Aiuga-sea casa terrea da na do nro n. i
com commodos : a tratar com Manoel Luiz da
Vega.__________________________________
Roga-se ao Sr. Joao Paulino Marques que te-
nha a bondade de dirigir-se ma Xova de Santa
Rita n. V), das li s 9 horas da inanhn, e das 1
da tarde em diante, a negocio de seu muito inte-
resse.
Jos Beato de Souza, Portuguez, vai ao l!io
de Janeiro.
A fi.\ dofir,-. trek.-. i lni/.
Pergunta-se ao Sccr.\ da Loj.-. (Jalao e Uene..,
se em seu convite sao ocluidos os iraans da l.ij..
a i|uem S. S., e de mais o Cr.-. inda nao lueram
restituir a quantia de 3 05. levado- da ra do i_-
bug para o pateo do Paraizo, dous annos: e la-
to apesar da riqueza (|ue profajMMl os irados Cin-
tos.0 cosmorama.
immmmm
Cas-
LEILOES.
^
^
Faial.
No Afriio
Baha. Maranhao.
Rio de Janeiro. Para.
Qualquer somma prazo ou vsta.podendo logo
os saques prazo serem descontados no mesmo
i Banco a razao de i por cento ao anno : a tratar
; na roa da Cruz n. 1._________________________
Est arribada a mulata de nome Josepha, cor
DE
31 o veis, crystai's e de outros
muitoi fbjectos de gusto.
We_ta-feii*:i IS l crrenlo.
Ai armizea ni 1] CiIb da Rcife namerj 1S.
O agente Olunpn f ira Mlao da diversas obras
i, metaes, miudezis, livr>s de-litieratura, selins,
rfresde ferro, camas de ferro, relogios, oculos e
lunetas.
Dar priacipij o leilio s 11 horas.
' parda, altura regular, cabellos caxiados e compri-
dos, no fallar morosa, lem no lado esquerdo das
cjslas urna cicatriz fechada, foi vestida com nma
saia cor de caf, com pintas encarnadas e cabe-
, cao: protesta-se desde j contra quem a tenha
: acontada pelo toinpe decorrido, quem della sou-
I ber pode leva-la roa do Arago n. ii ou do Cal-
deireiro n. 4._______'_________________________
Na rita da Gloria n. 33, d-se comida para
fra recebendo mensal e tarabem quersndo pode
comparecer a mesma e la se servir.____________
Offeroce-se urna ama sem lilho, quo tem mui-
to bom leite, da primeira barriga, vinva : a tratar
na ra de S. Francisco n. 51, casa terrea.
Manoel Jos do NasHuieotO e Silva, qc ou-
tr'ora /ora estaelecido esta cidae a roa da Ca-
deia do Recife, e de prsente sendo representado
nesta mesma cidade por seu bastante procurador
Joaquim Francisco da SHva Jnior, rdea a todos
os seus devedores, qne no praso de 30 litas do pre-
sente annunrio dirijam-se aO referido seunrocura-
dor e liqaidetn sus etrfM cetn o *nnancant>',
porque se no Sm do dito pnto o rfo tlvreln-feito
! serao notificados nos termo; da le tiara v|rtm in-
1 terromper prescripcSo em Seus Wrios. Ifecife 11
I de julho de 1884.Com procrJrac3o,
Josqitn Francisco' da Silva Jftiiior.
O abaixo assignado vehtfo no iario de Per-
natnbuc de 6, 7 e 8 do corrente nm amtuncio do
| St. Jtmfypotito de Metra Lima, m qfsl esle ?e-
nhor prlende fazer crer e persuadir que ninguem
comigo negocie a propriedade Duas-Uuas, situada
na freguezia de Jaboatao, illudndo dcsl'arte quel-
les que a prelenderem, apressa-se m declarar ao
! publico que senhor e pnssu'dor da referida pro-
i priedade, da qual se acha de posse por titules que
i em temp alguin lhe podero ser contestados ; pelo
que quem a pretender, pode dirigr-se ra Im-
perial n. 61 Recife 11 de julho de 1864.
Manoel Joaquim Ferreira Esteves.
N. 55.
DE
J. VIGNES.
III'A DO IMPERADOR
9J. 55.
Os pianos desta antig fabrica sao hoje assaz conhecidos para que seja necessario insistir sobre o
sua snperioridade, vantagens e garantas que oflerecem aos compradores, qualidades estas inebntesta-
vis ffue elles tem definitivamente conquistado sobre todos os que tem appareeido nesta praca ; pos
suindo um teclado e machinismo que obedecem todas as vontades e caprichos das pianistas, sem
nunca falhar, por swem fabricados de proposito, e ter-se feito ltimamente melhoramentos importan-
tissimos para o clima deste naiz; quanto s vozes sao melodiosas e flautadas, e por isto muito agrada-
reis aos onvidos dos apreciadores.
Fazem-se conforme .is encommendas, tanto nesta fabrica como na do Sr. Blondel, de Paris, socle
correspondente de J. Vignes, em caja capital foram sempre premiados em todas as expwsicfo8-
No mesmo estaDelecimento se acha sempre um esplendido e variado sortimento de msicas dos
melhores autores da _uropa, assim como narrnonicos e pianos harmnicos, sendo tudo venarac por
nrecos commodos e razoaveis. '
O Dr. Cosme de S Pereira conti-
na a residir na ra da Cruz n. 53,
1" e 2o andar, onde pode ser procu-
rado para o exercicio de sua profb-
so medica, e com especialidade
sobre o seguinte
Io molestias de tdhos ;
2o de peho:
3o dos orgos geniti
urinarios.
Em seu escriptorio os doentes so-
rao examinados na ordem de suas
entradas comecando o trabalho pelo
doentes de olhos.
Dar consultas todos os dias d si
6 as 10 da manhaa, menos nos do-
mingos.
Praticara toda e qualquer opera-
c3o que julgar conveniente para o
prompto restabelecimento dos seus
doentes.
mwmm^mmmmmmmm
Francisco Joao Carneiro da Cunha e sua mu-
Iher D. Hcrmina Poppes da Silva t'.arneiro da Cu-
nta declarara a quera possa inlcressar, que tem
constituido, como em tudo seu bstame procoraf,
nao s em todos os seus negocios commernaes.
como tambem as pendencias jus limes, ao st-n
correspondente o Sr. Anloaio da 11.. i. Arrioly
Lin*, cora o qual se poJerao entender os inl res-
sados.
liramntalica intile/.a e porliiti.v;i.
D. Appieton & C. livreiros.eilitores r MMrMo-
res em New-York, Estados Unidos da Amerir i.
acabara de publicar un novo melhodo para ..- in-
glezes aprenderem a lingua portugueza j-ir K.
Granert, 1 vol. 12 mo.
Este litro, o melhor at hoje publicado ex-
presamente impresso pata supprir a immensa fal-
ta que ha de una grammatin ingleza e portu-
gueza, para aquetles que laUam o inglez a qu. ae-
sejam apfender a lingua portugueza.
D. Appieton & C sao os editores das obras em
hfesprihol para cdocacao mni issimo usadas no
sul da America. Tambem publicam os melliores
alhuns para cartoes de visita.
V
T>! CAllO BEXKFIEfTE DOS CO-
fiA \r_:^fto Tiirlom. ciiEaos e-[ iebxaw-
Seffuros Martimos lnaem- BIJCO
,. I,.,,., COM O CARCTER DE MONTE PI.
IllStllUI ti. por ordem do Sr. presidente convido a todos os
\ directora desta companhia convida os sonho- sennores socios da mesma para se acharem no dia
> accionistas para reunirnm-sc em asamblea ge- 43 ao corrtQte mez, s 10 horas do dia, na sala de
._:_ .1. ._.. nnmnunhi i l\f f 1 i 1 711 ______ ___*.- -.__ ______.-_ J,__ O :._.
Joo da Mi va Ramos, medico pea l ni
versidade de Coimbra, d consultas era
sua casa das 9 s i 1 horas da manhaa, e
das 4 s 6 da Urde. Visita os doentes
em suas casas regularmente as horas \
para iss* designadas, salvo os casos ur-
gentes, que serao soccorridos em qual-
quer oeeasio. D cousult.ts aos |iobrc
que o procurarm no hospital Pedro II,
aonde encontrado diariamente das 6
s 8 horas da manha.
Tem sua casa de Banda regularmente
montada para receber qualquer doente.
ainda mesmo os alienados, para
qne
CLUB PKBNAIHIMO
A reunan familiar da correnle uie
ter liijsar na noi'.e do dia 21._______
Precisa-se u*e um caixeiro portuguez de 14
18 annos de linde para taberna : em Olinda, ra
do Amparo u. 2o._________________________
ni no escriptorio da mesma companm i, no uia zu Uossas sessoes, para tratarmos do art. 8o e junta-
rlo'corrente, pelas H horas da manha, afim de
! procoder-se a discussao ilos novos estatuios, j dis-
tribuidos pelos mesmos senhores accionistas.
Recife 13 de julho de 186i.O directores,
Joao da Silva Regadas.
Francisco Joao de Barros.
Miguel Jos Arres.
Aluga-se o armazem da ra do Imperador n.
33 : a tratar na mesma ra armazem de louca
n. 41.
-- A pessoa que annunciou precisar do 3005, e
offerece para caixeiro um menino de 13 ou 14 an-. -----
nos, appareca no largo da Penha n. G, que achara I
com quem tratar.
mente o 53 de nossos estatutos.
Sala das sessoes 13 de julho de 1864.
Venceslao de Castro Maduretra.
Io secretario.
Ama de leite.
Precisa-se de urna ama de leite, s.;in filho : a tra-
tar na loja de livros ao pe do arco de Santo An-
tonio.
tera commodos apropiiadu. e nella pra-
tca qualquer operacao cirurgica.
Para a casa de nde.
Primeira classe 3uu0diarios.
Segunda dita.... 2."00
Terceira dita.... 23000
Este estabelecimento 4 j bem acredi-
tado pelos bons servidos que ten pres-
tado.
0 proprietario espera qne elle cor.ri-
nne a merecer a conlianca de qu: sem-
pre tem gozado.
1
22
V

Alugam-so as casas terreas ns. 3 e 7 da ra
1 do Hospicio : a tratar na ra do Seve n. 2.


Diario de Icraxnhim Quinta felra 14 de tiiillio de 184.
Para alugar.
Alaga-se urna sala na ra do Queimado n. 39 no
Io andar, ptimo para um escriptorio : quem j>re
cisar dirija-~c 'toja da mesma casa. -
Precisase de um feitor que entenda de plan-
tagoes, e que saiba tratar de jardim : .1 tratar no
Mondegono sitio do finado commeodador Luiz Go-
mes ferr ira.
Precisa-se alugar urna preta que saiba cozi-
nhar e engommar : quem a tiver, dirlja-se ra
do Trapiche n. 4, que achara com quera tratar.
Aluga-se o terceiro andar da casa d. 48 na
i' doTraPlcne : iratai* noarmazem da mesma
casa. '______________-*-___________
Socledade de seauros inuti-s
de vida instau peo Banco
Unio na cldade do Porto.
Os agentes nesla cidade e provincia Antonio
Luiz de Oliveira Azevede & C .escriptorio na ra
da Cruz do Recife n. 1, esto autorisados desde j
a tomar assignaturas e prestar todos os esclarec
mentos que forem neeessarios, as pessoas que de
sejarera concorrer para lao til e benfica enipre
as, egurando um futuro lisoogeiro os associado-
APROVEITEM APROVEITEM
Ao
Maques sobre Portugal.
O abaixo nssiguado, autorizado pelo
Banco Mercantil Portuense, e na ausencia
do Sr. Joaquim da Silva Castro, saca cf-
fectivamente por todos os paquetes sobre
as pracas de Lisboa e Porto, e mais luga-
res do reino, por qnalquer smma vis-
ta, e a praso ; podendo, os que temarem
saques a praso,receberem avista, no raes-
mo Banco, descontando 4 0|0 ao anno: na
loja de chapos da ra do Crespo n. 6, ou
na ra do Imperador n. 63, segundo an-
dar.Jos Joaqun) da Costa JJaia.
Deseja-.se fallar eom os senhores abaixo de-
Uarados, na ra do Codorniz, arrnazem n. 12 A.
Manoel Dionizio Gomes do Reg & Inno.
cose Lopes Vianna.
Manoel Osmundo da Cmara Pimentel.
Manoel Baptista Barbosa.
Joaquim Antonio da Costa.
Antonio Francisco Domingues.
Soan'S de Almeida._____________________________
Joo Machado Guimaraes, subdito portuguez,
clira-se para a provincia do Para.______________
Joao Itulino da Silva, morador no |>ovoado de
Gamelleira, termo de Sormhem, pelo presente pre-
vine a todos em geral, que nao negociem com Elias
Prederco da Veiga Figueiredo, morador 110 rnesmo
povoado, urna letra da quantia de 4505, por ven-
cer, que diz ter em seu poder, aceita pelo annun-
ciante, tendo assignado a seu rogj Piogo Jos da
Silva Pinto, por quanto a dila letra fraudulenta,
como precisamente o annunciante cm juizo com-
petente mostrar, para o que j den as providen-
cias necessarias, e para que chegue ao ronheci-
nipnto do publico faz o presente annuacio.
Manoel Jos de Azevedo Amorim, collector
das rendas provinciaes da comarca de Oiinda, tem
para arrendar seu sitio na estrada de Bellem, com
exeellentc casa e muto bons arvoredos de fructo ;
assim come tem para vender oiio vaccas, sendo
algumas paridas e ouiras prenbes, tambera harro-
tes e garrotas, ludo em estado de agradar a quem
as quizer comprar : para ver, dirijam-se seu fi-
llio Demetrio de Azevedo Amorim, em cojo sitio
esto os preditos animaes, e para tratar do arren-
damento e compra se entenderao com o aiinun-
cianle na sua residencia em Oiinda, no largo do
Varadouro. _______________^
Aluga-se o u andar do sobrado n. 7!l, na ra
do Imperador : a tratar na ra do Crespo n lo.
Precisa-se na ra do Trapiche n. 44, segun-
do andar, de um criado, preferindo-se eslrangeiro
e de urna preta que seja escrava e saiba lavar e
engommar.
Aluga-se o primeiro andar da casa da ra
da Cruz n. 39, tendo a preferencia para escripto-
rio, por prego muito em conta : a tratar na loja
da mesma casa, rio Recife.
.iloga-se o arrnazem da casa sita na ra de
Apollo n. 47, eo primeiro da casa sita na ra da
Senzala Velha n. 22 : a tratar na ra da Cadeia
ii. 44.
7,150 C0V4D0S
de sedas de cores de todas as qualidade
Na loja da ra do Crespo numero 17.
Importante compra de 7150 covados de seda de todas as qoalidades, "pr0prias para,
vestidos de senhoras e de meninas, e vende-se por pregos admiravels.
Outros muilos objectos de apurados gostos para seuhoras, v*'jos je D]0nae nara
casamento a 90,5 cada um, capas pretas, soutambarques da^ga e pretos cheos etc
Fazendas de linho e de algodao as melhores qu ,,jstCIn ho mercado
O proprietaro deste importante ^L^ioiento" vai a Europa muito breve com-
prar fazendas de aparados gostos, presentemente vende as suas raercadorias por preces
baratissimos para liquidar. /
Protcjam todos. Protejan todos a importante
LIQUIDACAO
A loja da ra do Crespo n 17.
AMAZEfl DE FAZENDAS
GRANDE
soi tmenlo de fazeBd;<3 noVilH
lissimas na l,j ft armazera
bara-
je fa-
\otos cnfeltes para senhora.
A aguia-branca acaba de receber um bello e va-
riado sortimento de enfeites de diversas qualidades,
e o que de mais moderno possivel encontrar-se
AttencAo
teidag baratas na ru", Oapcratriz ga!nciafazend0"seno,aveispor SQas novidadeeel9"
u. 56, loja da Arjff do Lourenco
PereipaSlP-e&6umKres.
.. f^tl8 de chita a J04OO.
Vende-f
' ditas d'
n.
0 dono da loja do Beija-flor, na roa do Queimado
63, acaba de abrir um outro espacoso minan
'<* cortes de chitas para vestidos a 2,8(00,
. dita franceta Com 10 covados a 33200, Bonitas bonecas.
"!" ,s de cassa Trnceles a i& e 2#500 : na ra Com rosto de cera, massa e poreellaaa.
* Imperatriz n. 56, loja da Arara. i Acha-se na loja d'aguia-branca ra do Queima-
Arara vende a 1(50 rs. j do n. 8, um grande sortimento de bonecas de di-
Veude-se fil de linho de cores a ICO rs. o co- versos tamanho, com rosto de cera, massa e por-
vado, dito branco para forro a 320 rs. a vara, lar- cellana : os pretendentes manidos de dinheiro
lataua de cores a 6i0 rs.a vara, lencos blancos a acharao boa disposigo para os vender.
uns, cuja grade de um fino e delicado te- '
cido a que apropiadamente se chama lovlsivel.
Assim, vista desse completo sortimento, qualquer tirnento'de mudezas na mesma rua~n. 69, por
cidadao munido de dinheiro teta habilitado a com- avisa aos scus reguezes e amigos, que nestes fc.us
pra-ios : na ra do Queimado, loja d'aguia-branca estabelecimentos cnconlrarao sempre grande sorti-
" ment de miudeza., perfumaras e objectos de gos-
tos; e vender sempre mais barato que outro qual-
lloles de cornalina
e outras qualidades para coletes
quer, como abaixo se vera.
Peales dourados e travesu.
Delicados pentes dourados de travesrt para ate-
nlnas a 15G0 cada um, ditos sem ser doaradra
500 rs. cada um : as lojas do Beija-Bor, roa do
Queimado ns. 63 e 69.
Volliulias de ajjcfarn.
Lindas voltinhas de aljofares com cruzes de pe-
A Agnia branca acaba de receber um novo e drinhasimitando a brilhintes a ideada orna: wu
variado sortimi^nlo daquelles apreciados botoes de lojas do Beija-flor, ra do Queimado ns. 63 e 99.
cornalina brancos e encarnados, cliatos e redon- Lavas de Joavii
s |iara coletes, cujas aboiuaduras continuam a | Qiegaram pelo ultimo vapor as desojadas tava.*
e inalteravel preco de de Jouvin de todas as cores, tanto para hnifr.s
; como para senhoras : as lojas do Ihija-flor, na
do Queimado os. 63 e 69.
ser vendidas pulo commodo
-> cada urna.
Alm desses recebeu tambem outros de madre-1
DE

99
Custodio, Carvalho & Companhia.
RA DO QfJEIlffA1IO
9
Superiores saias de fusto para senhoras a 5.
Toalhas de linho para mesa a 3500 e k$.
Lencinhtis para meninos um 100 rs.
Lencos brancos para algibeira a 2,8 a dtizia.
Toalhas para mao duzia 15.
Bramante de linho vara 2-5.
Fil de linho liso vara 500 rs.
Grande pechlncha.
Pecas de ntremelos bordados a 1.
Tiras bordadas a peca 2j.
Gollinhas de cambraiaa 600 e 800 rs.
XAROPE TNICO REGENERADOR
DE QUINA E DE FERRO
Preparado por <>uiil.tt/i/r e (", pharmaceucos de S. A. I. o Principe Napoleao, laureados
da Escola de pharmacia de Pars, ra de la Feuillade, 7.
Esta nova combinado rene debaixo de um pequeo volume urna forma agradavel e um goeto delicioso.
Ha muito que os mdicos desejavao ardentemente a reuniao destes dus medicamentos, e todava, apeiar
dos maiores esforcos, ncm a sciencia medica, nem os qumicos os mais distinctos o poderlo conseguir
at aqui; gratas porm perseveranca humana achSo-se hoje associadas estas duas poderosas sutistan-
cias, a quina, o tnico, restaurador por excelencia, o ierra, a baie de nosso sangue, e conaeguinte-
mente o reparador dos forjas e da saude alterada ou perdida.
As molestias contra ns qtiaes o Xarope tnico regenerador se tem mostrado muito effica sao as ame-
norrbeias, faltas de menstruaqo, dores d'estomago, fastio, digest&es penosas e tardas, flores brancas,
menstruaces utilicis, o lympbatismo, o empobrecimento do sangue, as escrfulas, os estragos produiidos
pelas molestias syphiliticas.
Ha apenas um anno que o Xarope de quina e de ferro foi applicado nos hospitaes de PtI, e elle
hoje o medicamento mais cm voga, substituindo, por assim diter, os medicamentos ferruginosos conhecidos.
O prospecto encerra numerosos certificados de muitos membros da Academia de Medicina e profesares
da faculdade que altesto que este precioso medicamento o conservador da saude por excellencia, e
o recoiutituintc da econonda animal, ndisper.savel s pessoas que habito os paites quentea, como
preservativo das epidemias.
Acha-se venda no deposito geral, em Parte, na pharmacia Grmault e c, ra de la Feuillade, 7;
em Lisboa, em caza do Sor iioiIi-Iko da Coata-Carvalha, Barral e c 5 no Porto, na pharmacia do
Sir .MiKiici-Jn.st- de Soucu Ferreira; no Jto-dc-Junei'ro, em casa da vluva Pelzoto e Binic, ra do
SabSo, 11; na Hahia, em casa do Sur Joe-(:nrlnu Fi-ri'rlra-i:n|ilnhelra; no Ko Grande, em casa do
srn jouquin de Godoy; no Maranho, em casa dos Srs Ferreira e C; em fernambuco, em casa
do Sfir Iitirluolomcu-Franrlsco de Soaaai em casa dos Srs Shoum e C, e bem assim as prin-
cipaes pharmacias do Brazil e de Portugal.
Precisa-se de tima criada
que saiba cezinhar e comprar:
Amaro (Mundo Novo), sobrado
Ur. Sabino.
Iivre ou escrava
ua ra de Santo
onde morou o Sr,
Vendem-se oseravus (tc^as de ambos
xos: na ra Direila n. 54.
xmaMmMwamm
200 e 2i0 cada um : na loja da Arara" ra da Im-
peratriz n 56.
As laziulias da Arara a 320 rs. o rovado.
Vendem-se laazinhas para vestidos a 280, 320,
400, 500 e 6i0 o corado, ditas lisas proprias para
capas e vestidos de senhoras a 400 e 000 rs. o co-
vado: na ra da Imperatriz n. 56, loja da Arara.
Arara vende as chitas para eoberta a 320 rs.
yendem-se chitas para tuberas a 320, 360, 400
e 500 rs. o covado, dila encarnada adamascada a
500 rs. o oovado: na ra da Imperatriz n. 5G, loja
da Arara.
Cassa organd)s da Arara a 210 rs
Vendem-se cassas organdys para vestidos a 240,
280 e 320 rs. o covado, riscado francez para ves-
tidos a 280 rs. o covado, gurgurao de linho para
vestidos a 280 rs. o covado : na ra da Impera-
triz n. 56, loja da Arara.
As chitas da Arara a 210 rs. o covado. tos bausinhos robertos de couro e com 6 frasqui- umai e so quem vende por estes precos as lojas
Vendem-se chitas para vestidos de cores fixas a' nnos d" extractos por l;i00 cada um, e outros do Beija-flor, roa do Queimado as. 63 e 69.
240e 280 o covado, ditas francezas largas a 320, cobertos de papelo com 9 frasquiuhos por 2000 Facas e garfat.
360, 400, 440 e 50 rs. o covado na loja da Ara- nnis eaixinhas com 6 frasquinlios de ditos por Vendem-se facas e garios oitavados a 2*80a
ra ra da Imperatriz n. 56. 1-5000 urna, outras com 12 ditos por 2,5000 urna, duzia, ditas cravadas, rabo preto e branco a M a
Lencos de seda da Arara a 800 e i&. 0l'ls1/C0,n ;s "*, <-uja eoberta parece tartaruga, duzia, ditas de balanco de 1 botio finas a 5#a08
Vendem-se lencos de seda para algibeira de a l*^W "da urna, e mtras coin pastilhas de chei- ditas de 2 botSes muito finas a 6*500 a dozia. ditos
homem a 800 e 1, lencos de cassa a 200 e 240 a a" 15U"(, e -^WO- de 1 botao para daces e fractas a 51 a dnxia, dus
rs. : na ra da Imperatriz n. 56, loja da Arara. LllVelopCS UOI'lhxIOS e CaiMCS COID bC de 2 botoes a 54200 a duzia : as lojas do Beija-
Arara vende os veos pretos e de cores a 15000. ras jouradaf) nr' rua do Qneimado ns- M e 69-
Vendem-se veos pretos e de cores para chape- Na ,oja da agui'a ^^ 'rua Qafim
perola, massa e osso, com differenes moldes para
o mesmo fim.
J se v, pois, que o pretendente munido do di.
, nheiro achara sortimento vontade na rua do
Queimado loja d'Agtiia branca n. 8.
BAISINIIOS BGAIXINHA8
eoui per fu mar fas.
Talheres para ^neaiaes.
Vendem-se talheres de cabo de balanco para me-
ninos a 280 rs. o talher : as lojas do Beija-flor,
rua do Queimado ns. 63 e 69.
Colueres de metal ariaciaf.
Vendem-se colheres de metal principe muito fi-
nas para sopa a 34600 e 44400 a duzia, ditas para
Na rua do Queimado n. 8 loja d'Agua-Uranca, os cna 24 e"24400 a duzia, ditas para assorar a
freguezes munidos de dinheiro enceotrarao, boni- SOO rs. cada urna, duas para terrina a 24 cada
riirSLKs^ts^ !fi^aaw=st5
14, camisinhas para senhoras a 24, ditas linas
cam gravatinha e punhos bordados os mais mo-
dernos que tem viudo a 45500 : na loja da Ara-
ra rua da Imperatriz n. 56.
Arara vende os balocs a 2,-,>:00.
e 35 arcos a
de brilhanlina
a 45 : na rua da Imperatriz loja da Arara n. 56.
Cortes de laa a Mara Piaa 8$ e 18#.
Vendem-se cortes de laa a Maria Pia a 85 e 185,
pecas de cambraia lisa fina a 35, 35500 c 45 : na
Vendem-sc baloes de 20, 25, 30
25500,35, 35500, 45, 45500. ditos
Tiras bordadas.
Vendem-se tiras bordadas, a peca a 15100, 14200
cartoescom beiras douradas, teudb de uns e de ^^WO ^nas lojas do Beija-flor, rua do Queirnado
outros, maiores e menores, proprios para nartic- Hshfl hAr pacoes de casamenlos, bailes etc. ,. ?Tao? "
Coninleiia ni'tfliiipnn do fitfie \endem-se babados bordados de vana* larguras
i [< iu soi iiinento ae utas a poca a liGOf) ,800 25 im e j^,^ Ms
Unas, lisas e lar radas. lojas do Beija-flor, rua do Queimado ns. 63 e 69.
A aguia branca recebeu um grande e completo Lindos
sortimento de litas de diversas larguras e qnalida-!
des, tanto lisas como lavradas, e em todas ellas co- erj iar .
itttzTSsa ,da f;'zenda-1no,iand1c i^vsssssx'js j j
as lavradas o bom gosto dos novos e lindos dse-' i,,,,fi.c r. .
nhos, sso tanlo as matisadas como as brancas, j ,. otoes para puaaas.
e pela commodidade dos precos o pretendente que Vendem-se botoezinhos de madreperola edema r-
se dirigir munido de dinheiro rua do Queimado '
sapalladas,
sapaiinhos para baptiakw d
rua da Imperatriz n 56 loja da Arara | WlMJS^SSZi dTahelro roa do'Queimado' lim Pra pannos a 320 rs. o par, ditos encarnad.-
Cortes de ganga a I 600 ; |0ja ja aguia ranca n. 8, ser bem servido, 5ho a 12 ," P : lojas do Beija-lter. rua
Vendem-se cortes de ganga franceza para calca' Capachos iufilezOS do Queimado ns. 63 e 69.
e o5o00 na rua da Imperatriz n. oO. | vendern.se bons ca(1achos ingleses, os quaes alm J ^ndem-se litas de laa de todas as cores para
Itotipa Telia da Arara. de bonitos sao de inmensa daracao, pelo que se debrum de vestido a 900 rs. a peja, ditas pn-ta&
\endein-se paletots pretas de panno lino a 165. tornam baratos pelos precos de 45, 55, 6-3 e 75 e se,(la a l5100 a Pea : nas loai do Beija-flor,
145 e 125, ditos saceos de panno fino preto e azul cada um. rua d Queimado ns. 63 e 69.
debrnados de fita a 95 e 105, ditos de casemira a | Cartas Ir mec/ts ritas ''raneas para drhrnra.
xJHHk d* d5S? a SSSPf6 3ft dt? de' A aguia "ranea. a do Queimado n. 8. rece- Vendem-se pecas de lita branca de linho pari
i^Jffi&'M&to^AVS?*!? ten um novo sortimento de linas cartas francezas debrum a .K) rs. a peca : nas lojas do Beija iWr
cas a 25 e 25o00, ditas de linho. de pregas largas com ,,eir.K dlinPalfta hranMa n as oel d na rua do Queimado ns. 63 e 69.
Deposito geral em Pernambuci rua da Cruz n. 22 emeasa de Caros Barboza.
os se-

Jos Joaquim ta Cunhn, Jase Francisco
de Paula Hamos, Emilia da Piedade Albu-
querqae Hamos e Thereza Hara Pires Dows-
ley, genros e lillios do Uado Francisco de
Paula Pires Ramos, vem por este meio dar
um testemunho de sua gratidao a todas as
pessoas que se dignaram assistir as exequias
fetas ao mesmo linado, em occasiao de se-
guir seas restos mortaes ao ultimo iazgo,
como lambem se confessam agradecidos as
pessoas tjue compareceram missa do s-
timo dia.
Cavailo fgido.
Fugioou furtaramde um dos sitios da estrada
dos Afilelos um quario castanho claro, andador
de baixo : quem o pegar, leve-o ao quarto sitio
depois da capel la, que ser recompensado.
_Miguel Jos Barbosa Guimaraes socio prin-
cipal da firma de Guimaraes & Lima, faz sciente
a todos os d-'.vcdores a esta firma quo u-ndo falle-
cido o socio Jos de Almeida Nones Lima, est
procedendo a liquidarlo da mesma e por isso pe-
de a todos os devedores o especial favor de man-
daren) saldar seus dbitos o mais breve possivel.
Recife, I de julho de 1864.
H
i
9 annos Pela demora
o suppoe-se elle desen-
No dia 29 do mez prximo passado foi alugado
para esfe dia rnente, por Carlos de Souto Gondin,
na civallaiioa da rua da Roda n. 45, um cavailo ro-
silho, frente aberta, calcado de branco nos quatro
ps, ainunhecado das mos, dinas e cauda curtas,
e que parece ter de idade
da restituidlo do dito cava
caminhado', e por isso quem delle der noticias ou
apprehende-lo, e mesmo indicar aonde existe o
mencionado Gondim ser generosamente gratifica-
do pilo abaixo assignado, proprietaro da mencio-
nada caval larica.
___________________Jos Duarte Pereira.
- O juiz de paz do segundo dislricto da fre-
gueza de Santo Antonio da cidade do Recife, con-
tina a dar audiencia nas quartas-teiras e sab-
bados na casa de sua residencia na rua Direita n.
10, e sendo csses dias impedidos, nos antecedentes
ae meio dia.
Aluga-sc ou
da padaria da
mesma.
ATCENQAO.
vende-se urna parte dos ntencilios
rua Imperial n. 199 : a tratar na
!WP ***MlW'WWnwiaMMaWaMBaMWalB
COMPRAS.
Comprase
cobre e latao : no arrnazem da bola amarella no
oitao da secretaria de. polica.
Compra-s urna barcaca de OO saceos, em
estado de navegar, e que sej de boa construecao,
tambem aluga-se no caso de convir : a traiar na
rua do Trapiche n. 17, primeiro andar.
Compra-se ouro e prala em obras velhas'
daga-se bem: na loja de bilhetes da praca da Inde
pendencia n. 22.
Comprase urna negra moca que saiba en-1
gommare cosinhar e seja bonita" figura e nao te- pelo baratissimo precode 44-
nha achaques nem vicios : quem tiver annuncie Pecas de platlha de algodao com 10 varas, pro-
pria para saia a 44200.
Esteiras da India, proprias para forro de sala,
de 4,5 e 6 palmos de largura, por menos prego do
que em outra qualquer parte.
Neste arrnazem tambem se encontrar um gran-
\o armazem de fazendns baratas de
Santos < oellio, roa do Queimado, n.
19, vende-se o segointe
Attcncae.
laazinhas.
Ricas laazinhas para vestido, fazenda a melhor
que tem vindo ao mercado, tanto em gosto como
em qualidade da fazenda, pelo baratissimo preco
tle 560 rs. o covado.
Laazinhas miudinhas carmezins, proprias para
vestidos de meninas, e camisinhas a 640 o covado.
Cortes de laa com 15 covados pelo baratissimo
prego de 65-
Cobertas de chita da India pelo baratissimo preco
de 25500. '
Lencoes de panno de linho a 25-
Lencoes de bramante de linho lino pelo baratissimo
preco de 35200.
Bramante de linho fino com 10 palmos de largura
pelo baratissimo preco de 25500 a vara.
Atoalhado adamascado proprio para toalhademesa
! a 25000 a vara.
Cambraia de forro a 25600 e 35200.
Guardanapos adamascados a 35800 a duzia.
Toalhas alcochoadas proprias para mos a 55 a
duzia.
Cortes de caiga de ganga amarella de listras e
de quadros, pelo baratissimo prego de 15200 o
orte.
Cambraia adamascada com 20 varas, propria
para cortinado, pelo baratissimo prego de lOjfOOO
a pega.
Ricos cortes de laa Maria Pia pelo baratissimo
prego de 185.
Pegas de cambraia de salpicos com 8 1|2 varas
a 24800 e 35, seroulas de algodao a'15600, dita
de linho a 25, caigas de brim o gangas de cores a
25, ditas de brim pardo a 25500 e 35, ditas bran-
cas a 35500 : na rua da Imperatriz n. 56 loja da
Arara.
Colchas da Arara a io
Vendem-se colchas de damasco para cama a
45, ditas de fustao a 55, ditas de chita a 25: ua
rua da Imperatriz n. 56, loja da Arara.
Veudem-sc gangas para cairas e paletots.
8; com beiras douradas e brancas, e as est ve
iras litas lavradas.
Vendem-se rnuito ricas fitas lavradas para snto
de senhora e meninas : nas lojas do Beija-fk.r, rua
do Queimado ns. 63 e 69.
EspelbM de Jacaranda.
Vendem-se espelbos do columnas, de Jacaranda,
a 35 e 45500 cada um, ditos de madeira amar lia
a 2-5400 e 25800 : nas lojas Jo Beija-flor, na rua
o enfestado rom
a 45 e 45500, ditas de 24 jardas ns. RG
a 75, ditas n. 60 a 65500, dito moga a 7-5500, dita
n. 40 a 85, dita n. 50 a 84300, dita n. 7 a 105, di-
la SS 95, dita XX 85500. algodao muito encorpado
a 55500 e 65, dito carne de vaeca a 75 : na rua
da imperatriz n. 86 loja da Arara.
Urim de linho a 1 5280,
Vende-se brim do linho para calca a 15280,
15400, 15800 e 15000 a vara, brim liso para se-
roulas e leuges a 500, 560 e 6i0 a vara, braman-
te de linho a 25200 a vara tem 10 palmos de lar-
gura, brelanha de linho a 640 e 800 rs. a vara,
brim pardo a 800, 640 e 15 a vara : na rua da Im-
peratriz n. 56 loja e arrnazem da Arara, a loja es-
t aberta at as 9 horas'da noite._____________
MACHINAS DEPATENT
do baratamente a dinheiro vista.
SAPAOS DE BIRKAHA
a IgOOO, 1500 e 3#500 o par
na rua do Queimado loja d'Aguia-Branca 11.8.
latas eom banha fina.
J por diversas vezes a aguia branca tem rece-
bido dessa banha fina em latas, e tal tem sido a do Queimado ns. 63 e 69.'
prompta e rpida extraeco della, que nao tem da- pjjjs ,],. velludo estrellas.
Vendem-se Dtinhas estreilu de reliado pan en-
feite de vestido a 900, 15 e 15200 a pega: nas lo-
jas do Beija-flor, rua do Queimado ns. 63 e 69.
Trancas de lia para bardar.
Vendem-se trancinhas de la pretas para bor-
'; veis e finos cheiros de rosa, jasmim, laranja," bou-1 *r amistonas e vestidos a 80 e 160 rs. a nwnha,
* quet, e flor de Italia. A boa fregaezia assim scien- dllas ran<"as com 40 varas a bOO rs. a pega, e oa-
te dirigir-se com dinheiro rua do Queimado, tras "Ullas couas 1ae *etoroarao eDadonho men-
loja daguia branca n. 8. 1 ciona-las#pois so com a vista se podera vero gran-
1J^-.U .___~ ____,. ,1~ de sortimento das lojas do Beija-flor, na ruad
mua tina em copos de por- Queimado ns. 63 e 6
Vendem-se gangas para paletots e caigas a 440, do lugar a aguia branca avisar a sua boa freguc-
e 500 rs. o covado, fusto para calca a 500 rs. o z'a. pelo que talvez a maior parte della s agora
covado : na roa da Imperatriz n. 56, loja da Arara, saber da vinda dessa boa banha. Ella vem em
liadapolo francez a #. Iatas de 1|2 e 1 libra, e contina a ser vendida pe-
.. .__ i j i- f 'os baratissimos precos de 25 e 35000. Apar da
Itff^JF^S^J&SS^ T! saporioridade da qualidade della estao os agrada-
de tfrabalhar a mo para
descarocar algodao
FABRICADAS
Por Plant Brothers & C.
OLDAH
por esta folha.
Na ruado Imperador n. 35, segundo andar,
compra-se um escravo moco e sadio, sendo bom
ollicial de pedreiro.
Compra-se um selim inglez em bom uso: na
rua do Crespo loja n. 18.
YENDAS.
Olimpio Ferreira da Silva
AGESTE DE LKII.OES
Ilua da Cadeia do Kecj/e n. 48,
Pi imtiro andar.
Arrendase, vende-se, ou mesmo troea-se por
casas na praga um sitio na Varzea margem do
ameno Capibaribe, com duas grandes casas, com
7 qnartos, 4 salas, 2 cozinhas e um sotao, tendo a
parte coeheira, estribara, e quarios para criados,
todo plantado de arvores de frucl.., abacates, sapo-
lis, frucla-po, limo doce, limas de umbigo e da
Persia, larangeiras de umbigo, seletas, tangerinas,
etc., um grJnde cafesal com fractas, jaqneiras,
inangueiras, coqueros, dendezeiros, com mais no
fundo urna casa de taipa, e bem assim mais 4 ca-
sas de tjolo acabadas de pouco tempo, cora frente
(tara o nasecnte, muito frescas, tendo cada tima 2
salas, 2 quartos e cozmha fra : os pretendentes
dirijam-se rua do Queimado n. 27, loja de fazen-
das dos Srs. Custodio & Carvalho.
Aluga-se um sitio na estrada da Ponte de
Uchoa e a margem do rio, pouco adianto do Illm.
Sr. commendadnr Nery Ferreira, tende banheiro,
nalanqo, galinheiro e outras acommodagoes; e
outro dito no Monteiro, em frente ao oitao da igre-
ja : a tratar com Antonio Jos Rodrigues do Soa-
za, rua do Crespo n. la, ou eslreita do Rosario na-
ruero 32.
Na praga da Independencia, loja de onrives
n. 33, conipram-se obras de ouro, prata e pedras
preciosas, assim como se faz qualquer obra de en-
eommenda, e todo e qualquer concert, e igual-
mente se dir quem d diuheiro a premio.
Una prssoa com bastante pratlca de estabe-
lecirncnto de molhados, offerecc-se para caixeiro:
na rua das Flores, casa terrea n. 29.
Vendem-se
(as aue des Deux Honda de 15 de margo, Io de
i abril, Io e 15 de maio, Io de junho, Io e 15 de agos-
'" e 15 de outubro, lo de novembro, Io e 15 de
de sortimento de roapas feilas, e por medida.
Vende-se urna mobilia deamarello com pou-
co uso, constando de 12 cadeiras, 1 sof, 2 conso-
los, 1 mesa de meio de sala e urna cama franceza,
por prego commodo : na rua do Queimado lo a
de ferragens n. 14.
AVISO
Na fabrica de sabo da rua do Rangel n. 34 ven-
to, !
dezembro de 1863, Io e 15 de Janeiro, Io e 15 de
fevereiro de 1864, a 15200 cada volume; Hittotre]
populaire de la guerre tttalu, por 25000; Jornal negocio de graud Interessc.
das Bellas Artes por 25000 ; Isndat Peninsulares Vende-SO lima fabrica de iazer colla com
porJos de Torres por 25000-. Flores tem fruto por um laboratorio para fabricar a quantidade
A. Garret por 14000; l'asseios e phantasias por mlp c,i nu7(>r nndpniln Julio tezar Machado per 14500; Urna hora de le-1 q |,on(-"". ser """? para
fura por S. Ribeirod Spor 600 rs.; Archivo Pit- qua|qu-'' Wgar conveniente, obrigando-se
torneo do anuo de 1860 por 35000 ; Tableaux hit- flOflOI vende a ensinar todo O processo da
tonque de la retolution de 1848; por 15200; O; fabricado ; na rua do Qi eimado loja n. 13,
que ha de ser o mundo no anno de tres mil por
25000 ; Cancioneiru de JvSo de temos por 14600;
A missuo esoecial do visconde de branles por 25 ;
na rua do Crespo n. 4 loja.
Estas machinas
[todein descarocar i
qualquer especie;
de algodao sem
estragar o fio,
sendo bastante
duas pessoas para
o trabalho; pode
descarogar urna
arroba de algo-
dao em caroco
em 40 minutos,
ou 18 arrobas
por dia ou 5 ar-
robas de algodao
limpo.
Esta machina
a nica que
possue as vantagens de nao deslruir o fio do al-
godao e de fazer render o dobro de qualquer ou-
tra com menos trabalho, a sua introdueco para
as provincias deste imperio ser de muto valor
para todos os inleressados na lavoura do paiz.
Assim com machinas cm ponto grande do mes-
mo systcma.oraql seren movidas por animaes,
agua ou vapor, pas uaes podem descarogar 18 ar-
robas de algodao ampo por dia.
O algodao descarogado por estas machinas tem
celana dourada com ins-
cripcoes.
E j bem conhecida pela boa frepuezia d'aguia
branca a superioi idade da banha que vem nos co-
! pos de porcelana dourada com maviosas e jocose-
i rias inscripcoes. as quaes agora vieram de novo
gosto, pelo que essa lina banha pode anda ser
mais conhecida por aquellos que quizerem fazer
j um bom presente, com tanto que comparecam mu-
! nulos de dinheiro na rua do Queimado, loja' d'aguia
l branca n. 8.
Vende-se alpaca preta a ;00 rs. o covado.
Vende-se alpaca preta para vestidos a 500, 600,
700 e 800 rs., lina de cordao a 800 rs. para jiale-
tot, princeza preta a 800 e 610 o covado, bombazi-
na preta fina a 15400 o covado, laazinhas preta
liara senhora que estao de luto a 720 o covado :
na rua da Imperatriz n. 56. A loja est aberta at
s 9 horas da noite.
i
\ ende-se
w
achacados.
Quem os possuir e os qaizer curar perfeitamen-
te recorra ao afamadissimo oleo de Merchant, que
se vende no armazem da bola amarella, oitao da
secretaria da polica.
m
s<
m
Vende-se
em Jaboato em urna das primeiras lo-
calidatles de negocio o bi-m coalK-cido
estabelecimento Progressista, d^ taberna
e padaria com alguns lindos, muito pro-
prio para urna pessoa que qoeira se de- I
(litarao negocio, servindo para solteiro 3
ou casado visto a casa ter todas as rom- [
modidades suulcientes k otar l*m afre- \
guezada, por uxL-tr no mesmo mais ne-
gocio, porm au conviado ao comprador j
querer todo negocio, o proprietaro suf**i- i
lase a vender o que a paite couver e a i
vista do pretendente se dir as circuios- j
>Mt cias da venda : quem convier dirija-se i
*R ao mesmo lugar que se pagar o Irans- '
8B porte do mnibus ou na rua Din-ila ca- <
Sr sa n. 76, que ahi lambem achara rum >
*K quem tratar restrictamente.
M ^a mesma casa vende-se
gjf um carro com 6 cavallos com os sens i
SE competentes arreios tudo em bom estado *
$& de trabalhar, faz-se lo-lo negocio oa a di- J
^ nheiro ou a prazo com garante, os apai- I
xonados aproveitera a occasiao do ven- i
dedor. \
Sal do Assn'
Vende Antonio Luiz de Oliveira Azevedo &
m
latas com 3 Ii2 caadas de alcatrao do gaz por
25200: no armazem da bola amarella oito da se- !no seu escriptorio rua da Cruz n-1
cretaria da polica.
:.
Charutos de Havana de su-
perior qualidade e pelo pre-
co seguinte:
SALSAPAERILHA
de-se constantemente sabao massa, unto em caixas mu,l mais estimago nos mercados de Europa e La Begra mulata regala imperial en
como a retalho a 200 e 220 rs. a libra. vende-se por maior p reco. e 50 135 : no Razar Pernambucauo,
i^zaZ 3EI j .i^-___- I As machinas se achan venda unicamenie em Rosario n. 30.
As machinas se acham venda unicamenie
casa de
Sauoders Brothers k C.
V. II, pra^a do Corpo Manto
RECIFE.
Os nicos agentes neste paiz.
ou Una a vontade do comprador
Vendem-se caixes vasios a 1:760
cada um : na rua das Cruzes n. 44.
Bvfto para escriptorio
Aluga-se o primeiro andar da rua da Cruz n.
24 : a tratar na rua da Cadeia n. 57.
A o publico
O bacharel Jeronymo Salgado de Castro Accioly,
amigo advogado do tribunal da relagao e mais au-
ditorios da cidade do Recife, mudou sea escripto-
rio para a rua das Cruzas n. 21, onde pode ser
procqra(]Q para os pusieres de sua profissao,'
Xa engel t em o que barato.
Na rua de Santo Amaro n. 8, no estabelecimen-
to do Sr. Domingos Jos da Cunha, vende-se amei-
xa em eaixinhas de 2 1|2 libras cada urna por
15200, e a 500 rs. a libra, passas muito novas a
400 rs. a libra, figos em eaixinhas de 4 e 8 libras,
animas francezas em caixas, proprias para mimo,
a 15500 cada urna caixinha, doce de goiaba a 600
rs. o caxo, muito superior. O mesmo Sr. Cunha
no caso que nao queiram vir pode mandar, porque
o dono do estabelecimento dar urna conta impres-
sa para nao haver desconfianga, c vender pelo
menos prego que o mesmo Sr. Cunha poder.
se dir quem vende.
GAZ.
Vende-se gaz liquido americano da melhor
qualidade em lat-s de um, dous e cinco galoes,
por menos que em outra qualquer parte : no ar-
mazem do caes do Ramos n. 16.
AtteneSo
Vende-se um bom sitio muito prximo a esta
cidade, com casa de vivenda, senzala para pretos,
estribara, cacimba cora boa agua, tanque com casa
para banho, bastantes arvoredos de fructo, muito
boa trra para horulice, e vende-se barato : quem
o pretender, dinja-se rua Nova n. 7, loja. t
Vende-se
por pregos coramodos tres moradas de caas ter
I r,easn/- 4' 54 e 73.' na rua d. Motocolomb i^'eW^cSi^^^'iStaa^r!^
I dos Afogados : a tratar na rua do Imperador n. Vt^d^^^SU^mn^S^Z
Plano e guarda- roupa. 57,;armazem Allianca^____________Babia multo bons a 25 a caxa ; a elle* que eslo
Vende-se um piano de Blondel e Vignesf e um j -----------larinha de mandioca saaerior
guarda-roupa de cedro,de armar e desarmar, qua- l,rmlla m*nfllf "f""f .
1 mmi .... r. ..... i em saceos grandes: vende Antonio Luiz de Olivei-
Xa rua do Rangel n. 2 vende-se o verdadei,
ro papel de linho hespanhol, e de palha de niilho-
a acabar-se.
ra Azevedo & C, no seu escriptorio
numero I.
rua
si novos : na rua Augusta n. 54.
Sapatos dt borracha a 1$UU0
o pa>-
No armazem de Joaquim Francisco de Alem lar- para saceos de assncar e roupa de escravo; tem
go la Assembla n. I. para vender Antonio Luiz de Oliveira Azevedo &
C, no seu escriptorio rua da Cruz n. 1.
Algodao da Baliia
Vinao do Porto superior
da Cruz m c.aiias. d^ urna e duas duzias : tem para ven-
der Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C, no seo
-----------oscnptorio rua da Cruz n. I.
Eldorado 125000.
La flor de Albuerne 105000.
Regala britnica 115000.
La flor de morales 95.
La circassiana imperial 145.
La negra non plus ultra 185.
galia imperial em caixa de 100
rua larga do
Rosario n. 30.
UZINHtS iaiutas.
Vendem-se laazinhas de cores fixas ede boa qua-
lidade para vestidos de senhora a pataca e cavado,
e outras muitas fazendas que o dono esta resolvido
a vender muito barato afim de apurar os cobres :
na rua da Imperatriz n. 20, outr'ora aterro da Boa-
Vista;__________________________________
Vende-se um cabriolet: no pateo do Para-
zo n. 26.________________________________
Farinha de niaiidioca
ensacada e da melhor que ha : vende Miguel Jos
Alves no seu escriptorio, casa n. 19 da rua da
JUZ
Fumo imperial
Vende-se a taberna da rua das Cruzes 11. i
Cortado igual .10 francez multo proprio para ca- be,n a"-eguezada para a trra c bons commodos
chimbo, cw '
A.i$0()0nprca.
Vendem-se pegas de algodaozinho com pequeo
toque de a varia, proprio para roupa do escravos e
toalhas, pelo barato prego de 45 a pega : rua do
Queimado n. 14.
Vendse o sitio da travessa dos Remedios,
"gJMJ1*?.* "i*" KuaTaute fregaezia dos Afogados n. 21, no estado em que se
:-----------1____________________________ acha : quem o pretender, entenda-sc com o seu
Vende-se urna carteira grande propria para proprietaro Caelano Pinto de Veras, na rua de S.
Loja. de fazendas da rua
do Crespo n 7.
Miguel Jos Barbosa Guimaraes, socio princi-
pal da firma do Guimaraes & Lima, faz sciente ao
respeitavel publico que tendo de liquidar todas as
fazendas existentes em sea estabelecimento por
ter fallecido o seu socio Jos de Almeida Nunes
Lima, que consta de um grande sortimento de fa-
zendas finas, como sejam ricos vestidos de seda
com algum toque de mofo, capas de velludo preto
muito Unas e outras nimias fazendas que todo
vende por baratissimo prego.
'77*
DE BRISTOL.
As cursis inilagroeM de
rr iimum n.
UliCERAS,
i IJADAS A.VI'IUAS,
EKFERKDADES SYrHILITICAS,
Erysipeias. Rheumatismo,
Nevralgias, Esorbulo,
etc., etc., etr.,
que tem
lime
grangeado dado <> alto
re
Salsaparrillia .de Bristol
por todas partes do
smente devidas
universo, sao tao
Ihor igual ao americano por 15200 rs., para veri-
ficar a verdad* fiftrs, fumantes podem-se dirigir
fabrica vapor Oe t&arros aaga ruaidos Quar-' escriptorio '. na "rua eslreita" doi Rosario' T 3.
t.ejs de foj.icia n. SC do trastes.
loja Francisco, sobrado n. 10,como quera vai para a rua
Bella.
Vende-se um sitio na praa do Rio Doce, dis-
laule da cidade de Oiinda urna legoa, com 600 pea
de coqueiros que dio fructo, com boa casa de vi-
venda de pedra c cal, chaos pronrios, com banho
no fundo : quera pretender, dinja-se mesma ci-
dade, rua do Carmo, casa do conego Souza Gomes
que achara com quem traiar._______
Esteiras do Araeaty.
Vende-se na travessa da Madre do Dos 'nume-
ro 10.
nica Legitima c Original
SALSAPARRILHA DE BRISTOL,
PREPARAD KXCLl'MIVAMKNTK POH
I.AY'IAN L KElir DE NOVA YORK,
Mediante a reoeita do I)r. C. C. Br*ttii
venda nas boticas de Caors d- Barbou,
rua da Cruz, e Jlo da C. Bravo dnJC, rua
da Madre de Dos.
Rua da Scozalla fova i. 41
Neste estabelecimento vendem-se: tachas da
ferro coado libra a 110 rs., idemdeLow
Sloor libra a 120 rs.
i
-

V

i ILEGVEL i
" i w>




iHaro de PerouBfeaeo Quinta elra 14 c Julho de i4.
>*

m

ESPLENDIDO SORTIMENTO. DE MOLHADOS
V. O IMi 1IO CltE^l'O X. 9
ti Esquina que volta para a roa do Imperador
flnlk*
PRINCIPAL
iV

Grande liquidado
de futadas na loja do Paviio, na da Imperalrii i.
60, de Gama k Silva.
AcCa-se este estabelecimento completamente sor-
ullo de fazendas inglezas, franeetas, allemes e
suissas, proprias tanto para a praca como para o
mato, prometiendo vender-se mais barato do que
em outra qualquer parte principalmente sendo em
porcao e de tedas as fazendas dao-se as amostras
deixando flcar penhor eu manda m-se levar em ca-
sa pelos caiwiros da loja do Pavo.
As caitas da Pava*.
Vendem-se superiores chitas claras e escuras pe-
lo barato' preco de 240 e 280 rs. sendo tintas stgu-
res, ditas franeezas Anas a 320, 310, 360, 400 e
500 rs., o covado, ditas pretas largas e estreitas,
riscados escocezes finos a 240 rs. o covado, isto na
loja do Pavo ra da Imperatriz n. 60 de Gama &
Silva.
Aseassas do Pavita 240, 280, 300 e 320 rs.
Vendem-se finissimas cassas persianas cores Q-
xas a 320 rs. o covado, ditas franeezas muito finas
a 240 e 280 rs., ditas ingtezas a 210 e 280 rs. o
covado, finissimo organdy matisado cora desenhos
miudinhos a 320 rs. o covado, cassas garibaldinas
muito finas a 320 rs., isto na loja do Pavao ra da
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
As lazinhas da exposico do Pavo.
Vendem-se as mais modernas lazinhas mossan-
bique chegadas pelo ultime vapor francez sendo
de nma s cor ou de listas miudinhas com 4 pal;
mos de largura, proprias para vestido de senhora,
roupa para meninos e capas, e pelo baratissimo
prego de 530 rs. o covado, ditas enfesladas trans-
parentes de quadrinhos a 500, 400 e 360 rs. o co-
vado, ditas matisadas muito finas a 500 e 400 rs.,
ditas mais baratas do que chita tambem matisadas
a 320 rs. o covado, ditas a Maria Pia com palma
Tm&+^&^'& *m nos^" m^dorvinde ao nosso estabelecimento, e s a vossa
perola proprias para vestidos, sautembarques e' uma so vez ao menos, casligai-nos nao voltando mais a nossa casa,
garibaldes a 720 rs. o covado, ditas escocezas a ........ ,, j
800 e 400 rs isto s na loja do Pavao, ra da im- Amendoas confeitadas de bonitas cores a dem de Ilollanda em garrafoes com 24
peratriz n. 60, de Gama & Silva.
Os chales do Pavo.
DE
____% WISfe
(Xo se enganeiu cona a mitra)
AMIGOS!
Nao leiam este anniincio com precipilaclo.
Cgnfrontem os precos dos outros annnnciantes.
Venham ver os gneros que temos expostos a venda.
A vista faz f. *
Nao temos palavras bombsticas.
Nao nos encolcamos o primeiro recebedor de conta propria.
Nao desacreditamos ao collega porque nao quiz ser nosso socio.
Vai a quena toca.
Para abastecer a todos os habitantes desta bella provincia anda nao sao suficien-
tes as casas que actualmente oxistem atierlas com grandes proporcoes para terem um
magnifico sortimento de molhados; assim, pois, os proprietarios do Armazem Principal
nao invejam a sorte dos seus collegas.
Habitantes de Pernambuco.
Nos temos um excellente sortimento dos melhores gneros que se pode achar
1,000 rs. a libra. garrafas a 7,2oo rs. com o garrafao.
dem de casca muito novas a 3oo rs. a libra. Lentilhas excellente legume para sopa e gui-
zados a 2oo rs. a libra.
Vendem-se finos chatas de crepon estampados | ^ve||5as a 2oo rs. a libra.
^bu^|^, a retroz com vidrilho a 12,5, ditos pretos lisos a
55, ditos de cores a 45300 e 55, ditos de merm
estampados a 25 e 35, ditos de laa a 15280 e 25,
ditos de retroz preto para luto a 65, isto na loja
do Pavo ra da Imperatriz n. 60, de Gama A
Silva.
0 Pavo vende para lulo.
Vende-se superier setira da China fazenda toda
de la sem lustro tendo 6 palmos de largura pro-
pno para vestidos, paletols, capas etc., pelo bara-
to prego de 25, 25200, 25500 o covado, cassas
pretas lisas, chitas pretas largas e estreitas, chales
de merino lisos e bordados a vidrilho, manguitos
estampas a 1,200, l,4oo e i.Coo rs. cada 8oo e 1,ooo rs. as garrafas grandes.
uma. Manteiga ingleza perfeitamente flor a 8oo e
dem em frasco de vidro com rolha do mes- 96o rs. a libra.
mo ou de metal, a l,2oo e 14oo rs. ca- dem franceza nova j deste anno a 6oo rs.
da um. a libra, e 56o rs. em barris inteiros.
dem cm frasco grandes 2,5oo rs. cada um. Marmelada especial dos melhores fabricantes
dem em latas de 1 / e 3 libras a I,2oo e de Lisboa a Goo o 64o rs. a libra,lia latas
2,000 rs. de differentes tamanhos.
Arroz da India e Maranho o melhor que se Massa de tomate em latas de i libra 56o rs.
a libra e
p le desojar a loo e 12o rs.
2,8oo e 3,4oo rs. a arroba.
comgollinhas e outros muitos arligos que se ven- ...,:. .in.p ip i si.fta a n00 rs a garrafa,
dem por precos razoavels : na loja do Pavao a ra! A/tiie ClOCt Ue LiaUOa a uoo rs. d caud.c,
da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva. e 4,8oo rs. a caada.
dem francez clarificado em garrafas liran-
Os vestidos do Pavao
Vende-se ricos vestidos de grosdenaple preto ri-
camente bordados a veludo pelo barato preco de
cas a 9oo rs. cada uma, e lo,ooo rs. a
caixa com i duzia.
fi^^xjfl^s^Ei: ***** muilnova e limpa a 32rs-a H"
bra.
Alpisla a 16o a libra, e 4,Goo rs. a arroba.
. ditos de cambraia blancos ricamente bor
Jados a croch, sendo proprios para baile e casa-
mento a 10, 15, 20 e 305; ditos de laa com lindas
barras a 18 e 155 j isto na loja do Pavao ra Bolachinhas de Lisboa da fabrica do Beato
da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva. Antonio das seguintes qualidades: agua e
Vende-s, JL'^Z ISUpCb. f "*
preco de 25, 25500,35 e 3o00, ditos muito linos a bras a 3,000 rs. e de 3 \ -> Ubi as a 1 ,ooo
45, 55 e 65, cortes de casemira preta enfestada a rs. e em libra a 64ors., estas bolachinhas
45, 45500 e 65, casemira preta fina de uma so torna-se muito recommendavel com es-
largura muito fina a 15800,25, 25o00 e 35, cor- nA-aiMJtoifl na,.a os doentes
tes de casemira de cor a 55, 55500 e 65, casem- pecaiulaue pata OS OeDi.
ras enfestadas de uma s cor proprias para calca,! Biscoilos e Bolachinhas de Suda em latas, de
paletots, cohetes, capas para senhora, roupas para todas as qualidades e marcas que se pro-
meninos a 35 e 3500 o covado, isto na loja do curar a ^350 rs> a iata.
Pavao, ra da Imperatriz n. 60, de Gama &i>iIva.,Bol[os fj.ancezcsem carl5es e c diversas
Vendem-se pri^Rta?^ "brecas* f ^'desa eos fazenda muito boa a 125, ditos muito linos a Banha de poico verdadeira1 refinada a loo
165. 2O5, 255 e 305, calcas de casemira preta boa rs. a libra e em barril a 38o rs.
fazenda a 45500,55, 65, 75 e 85, paletots saceos | atalas novas a 100 rs. a libra.
de panno preto a 75, diios de casemira de cor a
65 e 75, ditos de alpaca preta, ditos de merino
preto, ditos de brim de cores, caigas de casemira
de cor a 45, 55,65, 75, ditos de casemira da
Escossia a 35, ditos de brim pardo a 2550o, ditos
de cor a 25 e 25500, ditos (trancos muito finos,
sto na loja do Pavao, ra da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Os cortinados do pavao.
Vendem-se ricos cortinados proprios para janel-
la e camas pelo barato preco de 95 o par, sendo o
melhor que ha no mercado : na ra da Imperatriz
n. 60, de Gama & Silva.
As colchas do Pavo.
Vendem-se colchas de linho alroehoada pro-
prias para cama pelo barato preco de 55 cada nma
na ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva
As precaias do Pavo.
Vendem-se as mais lindas precaias que tem viu-
do ao mercado chegadas pelo ultimo vapor fran-
cez, |ielo barato preco de 600 rs. o covado, dias
de listri'nha muito miudinhas proprias para vestidos
e roupas de meninos e meninas pelo Jarato preco
de 500 rs.; s o Pavo ra da Imperatriz n. 60,
loja de Gama & Silva.
Os souteaufoarques do Pavo
lO e 15$s o Pavo.
Vendem-se os mais lindos souteanbarques que
tem vindo ltimamente de laazinha e caxemira ri-
camente bordados e enfeitados, cores muito delica-
das pelo barato prego de 105 e 155 ; fazenda esla
que em outras lojas se vendem por 205 e 2o5,
s para liquidar : na loja e armazem do Pavao a
ra da Imperatriz n. 60 de Gama 4 Silva.
As chitas do Pavo i *40 c
20SOO o corte.
Vendem-se cortes de chita com doze covados
cada corte, ditos com dez covados a 25'*00, fazen-
da muito boa, e que nao desbota, s na loja do Pa-
vo tem esta pechincha ; a ra da Imperatriz n.
60 de Gama A Silva.
Las de uma s cor.
Vendem-se lazinhas de uma s cor, sendo en-
carnada, azul, cinzenta, cor de caf, lino claro, li-
rio roxo cor de perola pelo baratissimo prego de
640 o covado, fazenda muito fina s o Pavo, ra
da Imperatriz n. 60 loja e armazem de Gama A
Silva.
Panno de Huno.
Vende-se panno de linho com 4 palmos de lar-
cura proprio para lenges, toalhas e ceroulas pelo
barato prego de 640 rs. a vara, bramante de linho
com 10 palmos de largura a 25500, algodaozmho
monstro com 8 palmos de largnra a 15, pegas de
Hambureo com 20 varas a 95,105 e H5, pegas de
madapoln fino a 75500, 85, 95 e 105, ditas de
algodozinho a 65, 0*500 e 75, e outras muitas
fazendas brancas que se vendem muito baratas
afim de apurar dinheiro : na loja do Pavao ra da
imperatriz n. 60, de Gama & Silva,
O bramante do Pavo com doze
palmos de largura.
Vende-se bramante de linho puro, muito fino com
doze palmos de largura o melhor e mais largo1008
tem vindo ao mercado pelo barato prego de 2*800
rs.a vara s na loja do Pavao de Gama & Silva,
aua da Imperatriz n. 60.
A precaias do Pavao.
Vendem-se as mais lindas precaias qus tem vin-
do ao mercado chegadas pelo ultimo vapor francez,
pelo barato preco de 600 rs. o covado, ditas de lis-
trinha muito miudinhas proprias para vestidos e
roupas de meninos e meninas pelo barato prego
de 500 rs.: s o Pavo ra da Imperatriz n. 60,
loje de Gama 6i Silva.
Os baloes do Pavo.
Vendem-se crinolinas ou baloes de 30 arcos tan-
brancos como de cresi sendo americanos que
sao os melhores por se nao quebraren! a 35500 e
de 35 arcos a 45, ditos de musselina com babados
45 ditos para menina a 25 e 35: na loja do Pa-
vo ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
O Pavo vende 8,5.
Vendem-se os mais lindos cortes de vestidos a
Maria Pia com lindas harpas de seda, sendo che-
cados Del ultimo vapor francez pelo barato prego
de 85 cada um : s na loja do Pavao ra da Impe-
ratnTn.60, de Gama A Silva.
Os baldes do Pavo.
A 2#300 s o Pavo.
Vende-se baloes com 20, 23 e 30 arcos pelo ba-
ratissimo prego de 25500, assim como tem um
completo sortimento de baloes para meninas deJo-
Es tamanhos pelo baratissimo^o JeJnOO,
Bolachinhas inglezas ullimamentc desembar-
cadas a 24o rs. a libra e 2,ooo rs. a bar-
rica. f
Champagne das marcas mais superiores que
at lioje tem vindo a nosso mercado a
18,ooo rs. o gigo, l.'oo rs. a garrafa in-
teira, e 8oo rs. as meias
Cha uxim o melhor que se pode desejar e
que outro qualquer nao vende por menos
de 3,ooo a 2,7oo rs. a libra
dem perola especial qualidade a 2,6oo e
2.8oo rs. a libra, garanle-se a qualidade
d'este cha
dem hysson o melhor que possivel en-
contrar-se a 2.4oo e 2,6oo rs. a libra.
dem do Rio em latas de 2, 4, 6 e 8 libras
a l,2oo e I,4oo rs. a libra.
dem preto muito lino a I,(loo rs. a libra.
Chocolate das utelhoi es qualidades, francez,
hespanhol o suisso a l.ouo, l,2oo e l,4oo
rs. a libra.
Charutos do arredilado fabricante Jos Fur-
tado de Simas em 'a caixas das seguin-
tes marcas I'ariziences, Suspiros, Dili-
cias, Napoleese Guanabaras a 2,3oo rs.,
e em caixas inteiras Trovadores a 3,ooo
rs. cada urna.
dem de outros muitos fabricantes e de
differentes marcas para I,5oo rs. as mei-
as caixas de suspiros a l,6oo, 2,ooo e
3,ooo rs. as caixas inteiras.
Conservas inglezas a 8oo rs. o frasco.
dem franceza a uoo rs.
Cognac inglez das melhores marcas a l.ooo
rs. a garrafa e lo,ooo rs. a duzia.
dem francez suporior qualidade 8oo rs. a
garrafa e 9,ooo rs. a duzia.
Cominho e Erva-doce a 4oo rs. a libra.
Cravo da India a 6oo rs. a libra.
Canella a l.ooo rs. a libra.
Copos finos para agua a 5,ooo rs. a duzia, e
5oo rs. cada um.
Caf do Bio superior a 28o e 32o rs. a li-
bra, e 8,8oo e 9,5oo a arroba.
Doce fino de goiaba a 6oo rs. o caixo.
Ervilhas porluguezas ltimamente chegadas
a 7oo rs. a lata.
dem seccas a 16o rs. a libra.
dem j descascadas a 2oo rs. a libra.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Figos em caixinhas muito bem enfeitadas a
a l,ooo rs. cada uma.
dem em latas ermilieamente lacradas a
1,5oo e 2,5 )0 rs. cada uma,
dem em caixas de / arroba a 2,5oo rs. ca-
da uma, "e 2oo rs. a libra.
Graixa muito nova a loo rs. a lata e l.ooo
rs. a duzia.
Genebra de Ilollanda em frasqueiras com 12
frascos por 6,ooo rs. e 56o rs. o frasco.
dem de laranja a l,ooo rs. os frascos gran-
des e ll.ooo rs. a caixa com 12 irascos.
dem de Hollanda em botijas a 4oo rs. ca-
da uma.
dem em garrafoes de 16 garrafas a 4,8oo
rs. com a garrafao.
cada uma.
dem para soda estrelinha, pevide e rodinha
em caixinhas sortidas a 3,ooo e 3,5oo rs.
cada uma e 5oo rs. a libra,
dem macarro, talcrim e aletria a 4oo rs.
a libra.
Mostarda franceza preparada em frasco a 4oo
rs. cada um.
Molho inglez em garrafinhas com rolhas de
vidro 64o rs. cada uma.
Marrasquino verdadeiro de Zara a l,ooors.
a garrafa, lo.ooo rs. a caixa com 1 duzia.
Nozes muilo novas a 16o rs. a libra.
Prezunto de fiambre superior a 6oo rs.
dem do Porto para pancha a 5oo rs. a libra.
Passas novas a 8o rs. a libra.
Peixe em latas de differentes qualidades co-
mo, savel, corvina, govas, pescadinhae
outros a l,ooo rs. a latas.
Palitos para denles a 14o e 16o rs. o masso
dos melhores.
Painco o mais novo e limpo a 16o rs. a libra.
e 4,5oo rs. a arroba.
Palitos do gaz a 2, loo rs. a groza, 2oo rs. a
duzia, e 2o rs. a caixinhas.
Queijos fiamengos chegados neste ultimo va-
por, a
dem pialo muito fresco a 8oo e 9oo rs.
a libra.
dem suisso a melhor qualidade que al bo-
je tem vindo ao nosso mercado a 8oo rs.
a libra.
O
SE'lTIftlO!



VAI FALLAR
N. 38 Rua do Livramento N. 38
(Oefroatfe da grade da fgreja)
ftKAlllE


notando, que sao baloes de arcos os melhores qt
S!"Sdoda America Ingleza, vendem-se por es
. nnidar s na oja e armazem do
K?rua 3a I^'raair n. 60,J de Gama & Silva.
Sal refinado em potes de vidro a ooo rs. ca-
da um:
Serveja das melhores marcas a 6,000 rs. a
duzia. e 50o rs. a garrafa.
Sardinha de Lisboa e Nantes em quartos e
meia latas a 38o 080 rs. cada nma.
Sag mnilo novo calvo a 2o rs. a libra.
Sevadinha de Franca 18o rs. a libra.
Sevadaa loo rs. a libra, e 2,8oors. a arroba.
Traques de I.* qualidade a 8,5oo rs. a cai-
xa, e22o rs. a caita.
Toucinho novo de Lisboa a 24o e 32o rs. a
libra.
Tijollo para limpar facas a 15o rs. cada um.
Vinho em pipa Porto, Lisboa e Figueira das
melhores marcas a 3,8oo rs. a caada, e
000 rs. a garrafa.
Idem'do Porto Lisboa e Figueira 'de marcas
menos conhecidas a 4oo rs. a garrafa, e
2,8oo rs. a caada,
dem Colares especial vinho a 600 rs. a gar-
rafa,
dem Lavradio muito fresco nao levando com-
posicao a 56o rs. a garrafa, e 4,ooo rs. a
caada,
dem branco de uva pura a 56o rs. a gar-
rafa, e 4,5oo rs. a caada,
dem mais baixo a 4oo rs. a garrafa, e 3,ooo
rs. a caada,
dem Bsrdeaux em caixas de 12 garrafas das
marcas mais acreditadas a 6,800 e 7,ooo
rs. a caixa.
dem muito especial que raras vezes vem ao
nosso mercado a 1,2oo rs. a garrafa, ga-
rante-se que por este mesmo preco d pre-
juizo e s se encontra n'este armazem.
dem do Porto em caixas com 12 garrafas
das seguintes marcas Lagrimas do Douro,
Duque do Porto, Genuino, Vellio Particu-
lar, malvasio fino, D. Pedro V, D. Luiz
I, Nctar e outros a 9,ooo e lo.ooo rs.
a caixa e Ooo a 1.000 rs. a garrafa,
dem Muscatel superior a l.ooors. a garra-
fa, e lo,ooo rs. a caixa com 1 duzia.
Vinagre puro de Lisboa a 2oo rs. a garrafa
e 2, ion rs. a caada,
dem em garrafoes com 5 garrafas a l,ooo
rs. com o garrafao.
Vassouras do Porto de arcos de ferro a 32o
- rs. cada uma
dem de escova para esfregar casa 36o rs.
cada uma.
0 Vigilante est alerta, nao Ihe era permettido
deixar passar desapercebido sem que nao dsse o
seu canto afim de annunciar ao respeitavel publico
o grande sortimento degalantarias do melhor gosto
propriamente para qualquer mimo, que acaba de
chegar neste ultimo paquete, assim como muitos
outros objectos que recebe por diversos navios,
tanto de sua conta como de consignaco, que est
resolvido a vender por precos muito "baratos para
vender mnilo e ganbar poco, e dar extraeco ao
grande deposito que tem, (pie espera merecer a
proleccao do respeitavel publico, empregando pan
isso todas e as melhores diligencias para que fi
3uem satisfeitos : isto s no Gallo Vigilante, ru;
o Crespo n. 7.
Ricas porta-joias.
Cofre de muito gosto por 16500X |
Cestinhas transparentes, forradas de madre-
perola por 185000
Lindas jardineiras IO50OO
Ricos cofres com camapheu 105000
Lindas caixinhas com pedras brancas 105000
Lindo balo com calunga dentro tambem
para joias 165000
Tambalier para ditas 95000
Cestinhas idem idem 65000
Cosmorama dem idem 65000
Urnazinha 65000
S no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Ricos porta-boaquetcs de diversos gostos e pre-
cos : s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Ricos sintos
com boleinhas ao lado a 10, 12 e 155, ditos seto
hulea, porra do mesmo gosto, a 25500, 35, 35500
e 45, ricas flvelas avulsas para sintos, o melhor
que se pode encontrar, a 15500, 25, 25500 e 35 :
s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Gabazes on cestinhas.
At qne chegaram as desejadas cestinhas ou ca-
bazes para as meninas trazerem no brago, o mais
rico possivel, a 25500, 35500, 4, 5, 7 e 105 : s
no Vigilante, rna do Crespo n. 7.
Peotes.
Neste artigo tem um grande sortimento, tanto
para alisar como para alar cabello, o mais lindo
que se pode desejar, assim como de arregacar ca-
bello, tanto de borracha como de tartaruga, com
enfeite e sem elle para meninas: s no Vigilante,
ra do Crespo n. 7.
Peales
Tambem chegaram os riquissimos pentes de
concha de tartaruga e de massa fina, que se vende
por 25, 3 e 55 : s no Vigilante, ra do Crespo
numero 7.
Leqnes.
Riquissimos leques de madreperola, tanto para
senhora como para mocinhas, pelo barato prego de
12 e 145 : s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Mais leqoes.
Com pequeo defeito, leques de sndalo, por ba-
rato prego, a 85 e 105, chinezes, muito bonitos,
tambem por barato prego de 4 e 55, bentarallas
muito bonitas tambem por barato prego de 4 e 55,
leques de charao tambem por 15, ludo isto para
acabar, perdendo-se talvez 80 0|0 : s no Vigilan-
te, ra do Crespo n. 7.
Pulseiras.
Lindas pulseiras de conlas e de missanga, cores
muito lindas e de muito gosto a 15 e 15200.
-Para segurar manguitos.
Tambem chegaram as liguinhas cstreitinhas de
borracha que as senhoras tanto precisain para se-
gurar os man ii i tos por ser muito commodo e mui-
to barato, a 320 o par: s no Vigilante, ra do
Crespo n. 7.
Canelas.
VERDADEIRO E l'HIM'IP.IIi
Ordem do dia.
Est em discussiio a tabella dos precos que o BALIZA tem a honra de offeif-
cer-ao respeitavel publico tanto dacidade coilo do centro.
Se por esta publicaea qualquer un dos obres eoltegas entender neCMNTk)
fazer alguma alteracao em seus innuncios, digne-se mandara sua emenda para o jornal,
que o incansavel Baliza nao Ihe pora peias nem o embancar de forma alguma a benefi-
ciar O pOVO. -s=-7=^:
Amigo de vender barato o Baliza nao expije a venda seniin os gneros bons.
Elle sejulga no caso de vender to mdicamente como outro nao o exceder
Soldado soprador toma o elarini
E firme como a rocha fica assim
Nao toques nesse pessimo instrumento
Do Balisa olha s o movimento.
i: t que los ni lirados teus as roroa*
De tildo vendedor de propria conta
^iao pasmes vanlo eoiuo .oln-aneeiro
Do regresso o Ilalisa a ira affronta.
0 grande depesiio (pie temos de vinho nos obliga a abaixar se
achando-se avista dos compradores cerca de 3o a 10 pipas deste genero, ei
barris e ancoretas.
\mendoas confeitadas em lindos frascos a 8oo Lingo americanas muito m .vas.
rs< a |j|)ra des a l.ooo rs. cada urna.
dem com casca a 32o rs. a libra.
Ameixas franeezas em caixinhas e frascos a
1,2oo, 1,5oo 2,ooo rs.
Alpista a IGo rs. a libra e i.fioo a arroba.
Arroz do Maranho, Java e do Penedo a 8o,
loo e I2o rs. a libra, em arroba a2,ooo,
2,8oo e 3,2oo.
Azeite doce refinado a 8oo e loo rs. a gar-
rafa.
dem idem em barril a Ci rs. a garrafa c
4,8oors. a caada.
Ancoras com vinho do Porto, encommenda
seus pn ts,
otro pi| s,
mitii
:..- i-
Lingnicas promptasem latas a l,-"5oo -na ata.
Manteiga ingleza flor a Sen rs. a libra neste
genero ha mais de 10 baris abortos afim '.
seren satifeilos os compradores.
dem menos superior a 6o rs.
Manteiga ingleza a ooo, loo r 32o rs. a libia.
dem franceza a oOo, Goo e Oio rs. e em bar-
ril por menos.
Massa de tomate a 64o rs. a libra.
Marmelada dos melhores fabricantes a 64o
rs. a libra.
M"
inglezcs a iooe (Un rs.
a garrafinha.
feita pelo proprielario do Baliza a 3o,ooo: Musanla [.reparada a loo e 64o rs. u rra? :o.
rs. a ancora com 7o garrafas. | Massas para sopa a loo rs. a libra das de la-
Bolaxinhas de Lisboa, ingleza e americanas
em latas a l.ioo, l.ooo, 2,ooo e 3,ooo rs.
e americanas em barricas a 3,ooo rs. a
barrica.
Banha de porco a 4oo rs. a libra o em barril,
a 30o rs.
Btalas em gigos a l,Sooo gigo.
e macarro.
linha e pevide
a -i,......i a
Riquissimas carretas de madreperola proprias
para qualquer presente, pelo baratissimo preco de Cha perola a 3,000 rs. a libra.
Io00e25. > i ijem ux\m a 2,6oo o 2.8oo a libra.
Yollinlias. j dem hysson a 2.ooo. 2,4oo e 2,8oo. a libra.
Lindas voltinhasdeperolas falsas com cruzinhas ],|ern do Uio a I.Goo rs. a libra,
fingindo brilhantes, assim como cruzinhas avulsas ., .' a .,,,. rs a |pra.
e voltinhas, pelo barato preco de 1 e 15200, as i "O prclO a I
cruzes avulsas a 400 rs. : so no Vigilante, ra do
Crespo n. 7.
Sapalinbos e meias de seda.
Riquissimos sapatinhos de seda e de merino en-
feitados, assim como meiaszinhas de seda, gorra-
zinnas e touquinnas para as crianrmhas se bapti-
sarem : s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Golinhas.
Riquissimas golinhas e manguitos, o melhor gos-
to possivel, a 2, 2o00 e 35: s no Vigilante,
ra do Crespo n. 7.
Eofeites para senhora.
Riquissimos enfeites com lago e sem laco e de
outros muitos gostos a 15, tb'00 e 35 : s no Vi-
gialnte, ra do Crespo n. 7.
Trancclins.
Lindos trancelins de cabello para relogio ou lu-
Charutos dos melhores fabricantes da Rabia
e Rio de Janeiro a 8oo rs. e l,8oo, 2,000,
2,4oo, 3,ooo, 3,3oo, 4,ooo e 5,000 rs. o
cento.
Chocolate dos melhores fabricantes !e Pars,
Allemanha, Hainburgo e Lisboa
Copos lapidados para vinho a 2,8oo a duzia.
larim, aletria
dem finas cstrel
caixa.
Milho mindo para passaros a 16o rs. a i
c l.8oo a arroba.
Marrasquino de zara du verdaili'iro al.-'- -
frasco. x
dem menos supeir a 8(0 e l/-oo rs. o
frasco.
Nozes a 2lo rs, a libra.
Prezunto portugus de superior qualidade a
Go rs. a libra e inteiro |or Soors.
dem ingle/ para Hambre a 64o rs. a libra,
nao agradando mesmo depois de preparado.
poder ser devolvido, que se trocar por
oul.10 ou ser restituido seu importe.
Passas novas a loo rs. a libra.
Polvo a 16o rs. a libra.
Painco a IGo rs. a libra.
dem idem para agua a o,ooo, 3,5ooe6,ooo Pomada a 2io rs. a duzia.
re ., dll7a Pimenia do reino a 30o re. a libra.
Cerveja das melhores marcas a 4,ooo, o.ooo
e 6,ooo rs. a duzia.
Cravo canella e coniinhos.
Ceblas em molhos resteas e soltas.
Conservas inglezas a 8oo, Ooo e I,ooo rs. o
frasco,
netas, pelo baratissimo preco e i^iKK), ditos de j Ditlas franeezas a oOO e 64o rs. 0 frasco.
retroz a 200 rs. I Cognac inglez e francez a I,ooo rs. a garrafa.
Caf de 1.a, 2.a e 3 a qualidade a 85oo 9,ooo
e 9,3oo rs.
Cevadiaha de Franca a 24o rs. a libra.
I!ali id'nihos entremeias.
Riquissimos babadinhos entremeios com lindos
desenhos tapados e transparentes, pelo baratissimo
preco de 15200, 15500, 25 c 35 : s no Vigilante,
ra do Crespo n. 7.
('..sean-i llias.
Grande sortimento de cascarrilhas de diversas
larguras, assim como galozinho e trancinhas pro-
prias para enfeites : s no Vigilante, ra do Cres-
po n. 7.
Fitas.
Grande sortimento de Atas de diversas largaras
e qualidade, por precos que admiran) aos compra-
dores, havendo filas largas proprias para sinleiros
que se pode vender a 300 rs. a vara, e pega de 3
varas a t$ : s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Fitas de la.
Pitas de la de todas as qualidades, proprias para
debrum de vestido a 700 rs. a peca : s ao Vigi-
lante, ra do Crespo n. 7.
Ricos espelhos,
Riquissimos espelhos com moldura dourada e
sem ella de 85, 10,12 e 145, assim como con co-
lumnas de differentes tamanhos a 25, 3, 4, 5 e 65:
s no Vigilanie.rua do Crespo n. 7.
Liados jarros c Aginas.
Riquissimos jarros e figuras de porcelana fina
para eneite de sala, sendo o melhor gosto que aqu
tem apparecido : s no Vigilante.
Para pos de arroz.
Riquissimos vasos com boneca para pos de ar-
roz, cousa de muito poste, a 15500 e 25, assim co-
I mo pacotes s com es pos a 320 rs. cada um : s
! no Vlg lante, ra do Crespo n. 7.
Perfumarlas.
Grande sortimento de exl relos e banha', poma-
Vellas de esoermacete superiores a 50o rs. das, assim como os lindos copos eu va. . m. Kn ro om miva tinclivos e offerecimentos as sinhazinhas, dos me-
a libra, e 52o rs. em caixa.
dem de carnauba refinada e de composico a
36o rs. a libra, e de lo.ooo a ll.ooo rs. a
arroba.
AGENCIA
DA
FNDICiO DE LOW-MOOR.
Ra da Senzalla nova a. 42.
Neste estabelecimento contina a hayer
um completo sortimento de moendas e meiai
moendas para engenho, machinas de vapor
e tachas de ferro batido e coado, de todos 01
tamanhos para ditos.
u Arados americanos e machinas pan
lavar roupa: em casa de S. P. Johnston 4 C.
ra da Senzalla Nova n. 42.
Empreza daillumina^o
gaz.
Todas as vendas de apparelhos o reclainacoes
(por eseripto dando o nome, morada, data, etc.),
devem ser feitas no armazem da ra do Imperador
n. 31. Os machinistas mandados para attendera
estas, apresentarao um livro que os reclamantes
deverao assignar logo denois de prompto o serv.co
reclamado ; isto para que a empieza fique sciente
dehaverem os mesmos senhores sido vidamen-
te attendidos.
Ferros para ourlves.
Na ra larga do Rosario n. 24, loja de ourives,
vendem-se lodos os Ierres e ntencilios de ourives.
Ihores e mais afamados autores de Paris e Ingla-
terra, assim como os grandes copos de banha japo-
neza a 25 e a 15 ; assim como outros objectos que
nao possivel por boje annunciar, e vista dos
freguezes se far todo negocio : na loja do Gallo
Vigilante, ra do Crespo o. 7.
Euzebio Raphael Kabello tem para vender
cm seu escriptpno, ra da Cadeia n. 5o, os seguin-
tes gneros'.
Cera em velas.
Cal em pedra de Lisboa.
Vinho puro em ancoretas.
Champagne de muito boa qualidade a 12,000
e 2o,ooo rs. a duzia.
Doces da casca da goiaba em latas preparadas
com muito aceio, propria para memoziar
algum amigo na Europa, por ser inallera-
vel por mais de um anno, a 3,ooo rs. a lata
com 7 libras.
Dittos em caixes a oGo, 64o, 8oo e I,ooo
rs. o caixao.
Ervilhas porluguezas em latas com 1 i li-
bras por Too rs.
dem franeezas em latas a 5oo rs.
dem seccas a 2oo rs. a libra.
Esperncete americano primeira qualidade a
1.2oo rs. a libra,
dem francez a oGo rs. a libra, c em caixas
a 52o rs.
Farinha d'araruta verdadeira a I8o rs. a libra.
Farinba de trigo a 12o, I lo e 16o rs a libra.
Farinha de milho a IGo rs. a libra.
Figos em caixinhas e em latas lindanmente
enfeiladas a 8oo e I,$00 cada um.
Fumo americano em latas para cigarros a
l,8oo rs.
dem em pacotes a 2oo rs.
dem em pasta a 1,2oo rs. a libra.
Genebra de laranja a l,ooo rs. o frasco,
dem ingleza marca Gato a I ,ooo rs. a garrafa,
dem de Hollanda a 64o o l.Goors. o frasco
pequeo e grande,
dem de Hamburgo, a 060 rs. o frasco e 6,ooo
rs. a frasqueira.
Graixa em latas a l,2oo rs. a duzia.
Limonadas de diversas fructasa l.ooo rs. a
garrafa.
Licores, inglezes e francezes a l,ooo, I.Soo
e 2,000 rs. garrafas grandes e pequeas.
Serveja
A verdadeira serveja, marca lente, em botijas
e sempre nos armazens da Rnlhante Aurora e Au-
rora Brilhante, no largo da Santa Cruz n. 12.
Trina, volantes e gales.
Vende-se trina, volantes e' gales de todas ae
larguras por precos muito barato: s no vigilants
ra do Crespo n. 7.
Peras seccas aG4o rs. a libra.
Peixe em latas a i.oonrs. a lata.
Papel almasso e de peso, do diversas -, ia-
lidades o precos deferentes.
Palitos do gaz a 2.2oo a groza.
dem para denles a 8o. IGo e 24o rs. o ma-
co com vinle macinhos.
Gueijos fiamengos a 2,6oo, do ultimo vapor.
dem pratoa 64o rs. a libra.
dem londrino a 8oo rs. a libra.
Rap Meuron a 1,000 rs. a libra.
Sevadinha a 24o rs. a libra. ( nova i.
Sag a 28o rs. a libra.
Sardinbas de Nantes a 64o, o6oaJt>p rs. a
lata. *
Sabo massa a 12o, 19o, 2oo e 24o rs. a li-
bra,
e em caixes por muilo menos.
Sai refinada a Goo rs. o pote de vidro.
Toucinho de Lisboa, de Sanios c amcriona
a IGo, 24o e 32o rs. a bi>ra, e em arroba
a o.ooo, 7,ooo e 9,000 rs.
Tijollo para limpar facas a IGo rs. cada um.
Vinho do Porto em caadas a 3,ooo, l.ooo e
0,000 rs. e em ancoras com 7o garrafas por
3o,ooo rs.
dem de Lisboa sem confeiccao, (deencomen-
da) por o,ooo rs. o barril com 17 cana-
das.
dem de Lisboa mais baixo a 13,000 rs.
dem em pipas a 3,ooo, 3,5oo e 4,ooo rs. a
dem em barril de Bordeaux com 13o gar-
rafas por 5o,ooo rs.
dem idem de Bordeaux com 70 garrafas por
3o,ooo
dem em caixas por 5,000 rs. a caixa com 12
garrafas da melhor qualidade que vem ao
nosso mercado.
Vinho branco para missa de LiabOa e Porto
em pipa, barril e ancoras a 4,ooo c o.ooo
rs. a caada.
Vinagre de Lisboa, Porto, tinto e branco a
l,6ooe 2,ooo rs. a caada
dem em ancoras por IG.ooo rs. .
Velas estearlinas a oGo rs. o maco, e em cai-
xas a 52o re.
Vassouras americanas a 64o rs. uma.
Ricos albitas para cincuenta
retratos.
Chegaram para a loja do Gallo Vigilante os ri-
quissimos albuns para cincoenta retratos, os qoaes
vendem-se pelo baratissimo preco de 65, /# o #;
que sempre se venderam por 125 : isto so na loja
do Gallo Vigilante, rna do Crespo n. 7._________
Bichas hamburguezas
Vendcm-sc bichas de qualidade : na ra Nova
n. 61, defronte da Illraa. cmara municipal.
LUYAS DE PELUCA
Para horneas, mnlheres e meainas.
A Agnia-branca, na ra do Queimado n. 8 rece-
ben lavas de pellica, para homens, mulhere* e
eninmas__________.______._________-
Grande pechincha.
Ricos cortes de cambraia de cor com barra *
Maria Pia, fazenda inleiramenle nT, a 4*uuw
s para acabar; na loja de Paredes Porto n. ig.
ra da Intuirnu.


Diarla de Penankaeo Qntntfa felrn 14 de Jullio te !**.
Largo da
'Santa Cruz
numero
12 e 84.
Esquina daj
ra do
Sebo n. 12*
e84.
BKI HANTE
k:



AURORA RILHWTK
GRANDES ARMAZENS DE MOLHADOS.
Francisco Jos Feraandes Pires proprietario dos armazens do molhados denomina-
dos Brilhante Aurora e Aurora Brillante, ao largo da Santa Cruz ns. 12 e 84 (esquina
da ra do Sebo), faz sciente ao respeilavel publico desta eidade e do interior que nos
seus importantes eslabelecimentos vender sempre gneros novos o de primeira quali-
dade e vender a todos pelo mesmo preco.
O completo sortimento de todos os gneros Anos e grossos que costumam ter outros
esubeleeimentos desta ordem se encontrarao sempre nos armazens da Brilhante Aurora
e Aurora Brilhan'.e e sempre em grande escala a rontade dos Srs. compradores.
O proprietario dos armazens Brilhante Aurora o Anrora Brilhante pede a todos os
senhores e senhoras que quando tiverem do mandar suas felaeoes a estes eslabelecimen-
tos por seus criados seja em carta fechada ou com grande recommeudacjio a estes arma-
ns, certos de que erao tao bem servidos como se viessem pessoalmente.
A Brilhante Aurora e Aurora Brilliante troca qualquer um genero que por acaso
nao aaxade erecebe as libras esterlinas a 9$,scnflo por compra: a tabella de seus gneros
sera mudada todas as semanas.
Amendoas confeitadas para serles a libra 1,5- Vinho muscatel duzia *0,Je garrafa li
Manteiga ingleza flor a 800, e 960 rs. Dito braacopYoprio de Lisboa canuda 4J&00
Dita mais abaixo a 640 e 720 rs. e garrafa 640 rs.
D'franceza nova libra 640 e e barril a Vinho branca de muito boa qualidade cana-
_W n i da 45 e garrafa 480 rs.
Chocolate sant muilo novo a!5200 a libra. DitoXerez fino a caada 75500 e ttrafa a
Cha perola o melhor que ha ( redondo) a 15909.
libra 35200. Dito Madeira seca caada 105 e garrafa 25
Dito dito mais abaixo a 25500 e 25800. Dito em caixas de urna duzia do Porto dos
Dito uxim muito fino a 25800 e 35- melhores autores a 125 145 e 165
Dito hysson superior a 25600 e 25800. \ Carrafas com licor fino francez e Bortufluez
Dito mais abaixo ,1 25 e 25500. a 15.
Dito preto muito lino a 25500. Ditas com vinho de caj muito claro a 15
Dito em massos a 25. Ditas com mel de abelha puro a 15
",.^Rl0em latas de *' c l libra a frascos cora geoebra deHollanda de 2 ear-
15o00. rafas a 15.
Caf de moca superior arroba 105500 e II- Dito de una garrafa a 560 rs.
iv. 1 .^ rs', DitD de lara"Ja verdadeira a 5200.
Dito do B10 e do Ceara arroba 95500 e libra Duzia de graxa latas grandes a 15.
n720 r#- ,__ Caixas com 2o massos de velas de sperma-
Dito mais abaixo arroba 85500 e libra 280. cete a 560 rs. a libra.
Barricas com bolachina ingleza ingleza nova Dilai maiores a 600, 640 e 720 rs. a libra.
a ,. Caixas com urna arroba de velas do Araca-
Latas com bolaclnnha de soda de 5 libras ty 105500 e libra 400 rs.
a 25500. Ditas de coiaposicao arreba 105o libra 360
unas com Jilas sortidas de 2 libias a 1-5400. Saceos grandes com farinha deGoiannamui-
rrseos com ameixas francezas s o frasco to boa a 55500.
val o dinheiro a 25800 e 35- Dito de Pono Alegre mellior que de Muri-
Latas com ditas a 15400, 25200 e 45. beca a 65.
Ditas com ligos de comadre a 15500. Ditos com milho novo com 24 cuias a I50OO
Caixinhas hermticamente lacradas eproarias Dito com farello de Lisboa 120 libras a
para mimo a 25 e 25800. 55500.
Caixinhas com ditas a 15, 25500 e 55 de Dito com arrez de casca a 5550.
arroba. Duzia de garrafas de serveja branca e preta
Presunto de La mego muilo novo a libra 5:0 55800 e em barricas a 55500
rs. ipteira e a retallio 600 rs. Arroz do Maranhao em saceos arroba 281500
Choiincas e paios dovos a libra 800 r?. e libra 100 rs.
Latas com chouricase linguicas novas vin- Dito da India e Java arroba 35 e libra 120.
das nesle vapor com 9 libras por 65500. Aramia verdadeira arroba 85 e libra 3_2
Pitas com peixe ensopado de umitas quali-' rs., matarana.
dades a 15- Gommado Aracalv para engommar arroba
Diiascom ervllhas francezas e portuguezas 55 e libra 160 rs.
a 880 rs. Tapioca ou farinha do Maranhao nova libra
Ditas com fejao verde francez a 800 rs. 160 rs,
Ditas com massa de lmale novo libra Ervilha seccas muilo novas libra 200 rs
560 rs. Sag e sevadinha a 240 rs.
Ditas com oslras a 720 rs. Sevada arroba 352C0 c libra 120 rs
uitas com marmelada dos melhores autores Grasa de lioio 97 a 280 rs.
de Lisboa a libra 640 rs. Sabs massa a 200, 240 e 280 rs. a libra.
Potes com mustarda franceza preparada a Dito hespanhol verdadeiro a 400 rs. a libra.
libra 180 rs. Balaios do Porto diversos taannos de 320
frascos com conservas de pepinos, mexides a 25.
e azeitonas verde a 15.
Dita dila franceza a 800 rs.
Gigos com trila e tantas libras de btalas
novas a 35500.
Queijos aovas do vapor a 35200 e 35500.
Ditos de prato cnplieado a 1-5.
Dilo suisso a 800 rs.
Dito de manteiga do Serid a 800 rs.
Caixas com passas novas de 1 arroba 75,
meia 3-3500 e quario 2> e libra 480 e
610 rs.
mendoas rom casca a libra 240 rs. c arro-
ba 65.
Nozes libra 1G0 e arroba 55.
Caixas e meias ditas com charutos finos da
Babia dos melhores labricantes de Jos
Furlado de Simas, Beis e oulros, sendo
Suspiros, Parisienses suspiros, Delicias,
Normas de Havana, Exposicao, Almiran-
tes. Barateiros, varetas, Gua'nabaras, Re-
a600,
Capachos para portas de varias cores
700 o 800 rs.
Grao de bicu arroba 45500 e libra 160 rs.
Painco arroba 55500 e libra 200 rs.
Milho alpista arroba 45800 e libra 160 rs.
Azeite doce de Lisboa garrafa a 040 rs.
, Vinagre do Lisboa caada 15500 e garrafa
200, 240 e 320 rs.
Massos de palitos de denles com 20 massi-.
nhosa 160 rs.
Tijolos de limpar facas a ICO e 120 rs.
Caixas cora 40 carias de traques a 95500 e
a carta 280 rs.
Besmas de papvl almaeo pautado a 55.
Ditogreve liso o melhor que ha a 45500.
Dito de m'-so e paulado a 25500 e 25800.
Garrafoes com 25 garrafas de verdadeira
genebra de Hollanda por 85500.
Azeile de coco garrafa 560 rs. e carrapato
360 e ranada 25560.
galia imperial, Acadmicos de Olinda, Se- CaixSes com doce de goiaba a 610,800 e 15
nadores c Apraziveis de 15500 a 85 a cai- Toucinho de Lisboa arroba 85500 e libra
xa de 50 a 100 charutos. 320 rs.
Grozas de caixinhas de palitos do gaz a Dito de Santos arroba 75 e libra 280 rs.
252OO c 200 rs. a duzia. Molhos com grandes ceblas a 15600.
Barriscan] azeitonas novas a 3, e 45 bar- Cento de dita sola a 15500.
ris graudes. Mauncos de albos a 240, 320 e 400 rs.
Vassouras do Porto piassava muito seguras Esteiras de varias qualidades.
a 400 rs. Cordas de postar e de andaime.
zeite toce francez dos melhores fabrican- Pavas da ilba de S. Miguel arroba 35200 e
tes caixa 105e agarrafa 15. libra 120 rs.
Caixas com vinho Bordeaux branco c tinto Copos lapidados para agua e vinho a 35500
S. Julien, S. Estife e outros a 75500 e 85. | 55800. 65 e 75.
Vinho do Porto fino em barris de 5o que ra- Ditos lisos para varios preco;.
raszesaPPnrere por 805 eem canada a Calix lapidados grandes e pequeos duzia
55500 e garrafa a 800 rs. i 3,4 e ;>* e 400 e 500 rs. cada um.
Dito da Figunra puro caada 4-5 c 45500 e Massas para sopa macarro, talharim e ale-
garr'a a 480 e 560 rs. tria a 480 rs.
Dn<^.d Listioa de boas marcas a 35500 e Eslrelinha e pevide libra 560 rs.
45 e# carrafa a 440 e 480 rs. Xaropes de frnctas nncionaes a garrafa
Cognac Verdadeiro a garrafa 15 e 15280. 500 rs.
^E muitos outros gneros que nao possivel men-'
W ciona-los todos de primeira qualidade.
R A SHsfe3o da Brilhante Aurora e Aurora Brilhante vender muilo embora
>v~P to, mas a DINHEIRO.
GRANDE ALLIANCA
NEM COROAS NEM MRRAS
57 8UA DO IMPERADOR 57
Panto Ferr&ra da Silva & Companhia
GranrJ rfmwito de molhatlos em grosso e a fetalho. nico armazem que mais
vanlagens offreee a*> publico.
0
GRANDE
K
K
K
K
K
Begenganem-se todos.
4f liase* o verdadeiro homem do progressso.
Alliaa^a o verdadeiro e principal armazem de molhatlos.
AI Hataca o armazem qno vende mais barato.
Allianca o armazem que vende os melhores gneros.
Allianca o armazem onde preside o melhor aceio.

Fiquem todos sabedores desta verdade,
Venhara todos i na do Imperador n. 57.
Vento ver os gneros que temos expostos a venda.
PARA AS
DE
S. JOJO
de bonitas coi'
Amendoas con fei tadas
800 rs. a libra.
dem de casca muito nova a 3oo rs. a libra.
Avelas a 2oo rs. a libra.
.Ameixas francezas em caixinhas comandas
estampas a i,aoo, f,4oo e 1,600rs. cada
f awta.
Vfrt em frasco de vidro com rolha do mes-
j rro ou de metal, a f,2oo e ,4oo rs. cada
1 um.
Idetti em frasco grandes a 2,5oo rs. cada
om.
dem em latas de 1 '/j e 3 libras a i.ioo e
2,ooo rs.
.Arroz da India c iMaratlhSo o melhor que se
pode desejar a loo e I2o rs a libra e
I 2,8oo a 3,4oo rs. a arreba.
Azeite doce de Lisboa a 600 rs. a garrafa, e
I 4,8oo rs. a canada.
Idetoi francez clarificado em garrafas bran-
cas 9oo rs. cada tima, e 10,000 rs. a
caixa com I duzia.
Alfazema muito nova e limpa a 32o rs. a li-
bra.
Alpista a IGo rs. a libra e 4,6oo rs. a ar-
roba
Bolachinhas de Lisboa da fabrica do Beato
Antonio dasseguintes qualidades: agua e
, sal doces, e imperiaes em latas de 0 libras
a 3,ooo rs. e de 3 /* libras a i.5oo rs.
e em libra a Gio rs., estas bolachinhas
torna-se muito recommendavel com espe-
cialidade para os doeutes.
Biscoitos e Bolachinhas de soda em latas de
todas as qualidades e marcas que se pro-
curar a 1,35o rs. alafa.
Bolos francezes em cartes e de diversas
qualidades a 64o rs. cada om.
.Banha de porco verdadeira refinada a oo
rs. a libra e em barril a 38o rs.
Batatas novas a 16o rs. a libra.
Bolachinhas inglezas ltimamente desembar-
cadas a 24o rs. a libra e 2,ooo rs. a bar-
rica. I
Champagne das marcas mais superiores que
at hoje lem vindo ao nosso mercado a
I8,ooo rs, o gigo e 1,000 rs.
FESTAS
E
ES. PEBRO.
dem deHollanda em garrafoes com 21 gar-
rafas a 7,2oo rs. com o garraao.
DE
m-Jio a 800 rs. a libra.
Ifanrfga francex
da safra nova a 560 rs. alibra, e em barril
a 500 rs.
Lentilhas excellente legme para "sopa e gui-1 AfflendoaS
zados a 2oo rs. a libra. I confeitadas de lindissimas cores a 800 rs. a
RIJA DO IMPERADOR A 40
JbmI a* sobrado em que mura 9 Sr. 0btrae,
Para a festa de Santo Antonio, S. Joflo e S. Pedro.
Dnarte Atuelda A C, rerehrran de bu proprfa rarommru-
I.i o mata limlo e variado soi-timento de moIltadoM. prmmrto*
da presente r Manteiga ingleza | Macas brancas
safra ova vinda neste vapor de 28 de para sopa a melhor qoe se pode desejar.
macarlo, talharim e aleiria a 400 rs. i
POR MENOS DE 20 k U POR CEMO
rw
siRWnvfl
'JTI t
23Largo do TerQo-23.
deste armazem de molhados, tem feito urna grande vantageh
iqnilou lodos os seus gneros mais amigos noe linha nao so
Joaqun) Siiniio dos Santos, dono
quem sen arnitz.'n) ion frecuentado, li
neste armazem como fura, e tendo feito una grande reforma nesle estalielecimento
i|i unn.1 nao s
tanto em tamanho
cienos de que qualquer annunciante, para Isso se responsahilisa fela superior qualidade.
Atencilo.
a l^iOO a arroba e ,"50 s
Batatas as mais novas
libra.
Toucinho de Lisboa novo a 280 rs. a libra e 8-3100
a arroba.
CaM do Rio de primefrs o segunda sor te a 2S0 e
300 rs. a libra e 8,8500 a arroba.
Arroz pilado a 80 e 100 rs. a libra e 20300 e 25300
a arroba
Sardinha de Mants novas a 320 rs. enda lima.
Sabio massa superior a 180 e 220 rs. a lihrn.
Passas as mais novas deste genero a WOrs. titira
Ameixas franceza- eom i e meia libras a 1,3.
I'.olachinhas inglezas novas a 240 rs. a libra.
CbarotOS de diversas marra* O superior qualidade
de 10200, lo'OH, 25. :!-.*> R 45-
Phosphoros do gz groza 2-5200.
Velas dee*perrnae-ie libra, e em ralta a ">:!').
VeJa.1 -le enrnasiba a 115 a arroba e .1(30 a libra.
S.vndinlia esi-ii muilo novo a 21\ 2G0 r<. a li-
bra. Garante se a su.er .r qualidade.
Queijos do vapora 23800.
Vinho de Figticira, marca JAA. a 500 rs. a gar
rafa.
ito de Lisboa a 400 rs.
f de oulros p'aizes a 360 rs.
garrafa
inteira, c 8oo rs. as meias.
Cha uxim o melhor que se pkte desejar, e
que outro rjualquer nao vende por menos
de :j,ooo a 2,7oo rs. a libra.
dem perola de esp cial qualidade a *,6oo e
2,8oo rs. a libra, garanle-se a qualidade
deste cha.
dem hysson o melhor que possivel encon-
trarse a 2,4oo e 2,6oo rs. a libra.
dem do Rio em talas de 2, 4, G e 8 libras
a l,2ooe I.ioo rs. a libra.
dem preto muito fino a l,(5oo rs. a libra.
Chocolate das melhores qualidades, francez,
hespanhol e suisso a I.ooo, I,2oo e I,ioo
rs. a libra.
Charutos do acreditado fabricante Jos Fur-
tado de Simas em '/a caixas das seguin-
tes marcas: Parizienses, Suspiros, Dili-
cias, Napoleoes e Guanabaras a 2,3oo rs.,
e em caixas inteiras Trovadores a 3,000
rs. cada urna.
dem de outros muilos fabricantes e de dif-
ferentes marcas para I.ooo rs. as meias
caixas, de suspiros a I.Goo, 2,ooo e3,ooa
rs. as caixas inteiras.
Conservas inglezas a 8oo rs. o frasco.
Klem franceza a 5oo rs.
Cognac inglez das melhores marcas a
rs. a garrafa e lo,ooo rs. a duzia.
dem francez superior qualidade a 8oo rs.
a garrafa e 9,000 rs. a duzia.
Commho c erva-doce a ioo rs. a libra.
Gravo da India a 6oo rs. a libra.
Canellaa I,ooo rs. alibra.
Copos finos para agua a 5,000 rs. a duzia, e
5oq rs. cada um.
Gaf do Rio superior a 280 e 320 rs.
e 8,8oo e 9,5oo a arroba.
Doce fino de goiab a 600 rs. o caixao.
Ervilhas portuguezas ltimamente chegadas
a 7oo rs. a lata.
dem ceceas a 16o rs. a libra.
dem j descascadas a 2o0 rs. a libra.
Farinha de aramia verdadeira a 320 rs. a
libra.
Figos em caixinhas muito bem enfeitadas a
I.ooo rs. cada urna,
dem em I? tas ermiticamente lacradas a
1,5oo e 2,800 rs. cada urna,
dem em caixas de % arroba a 2,5oo rs.
cada urna, e 2oo rs. a libra.
Graixa muito nova a loo rs. a lata e I.ooo
rs. a duzia.
Genebra de Hollanda em frasqneiras com 12
frascos por 6,000 rs. e 560 rs. o frasco
dem de Inranja a l ,00o rs. os frascos gran-
Licores francezes de todas as qualidades a
800 e I.ooo rs. as garrafas grandes.
Manteiga ingleza perfeitamente flor a 800
e 96o rs. a libra,
dem franceza nova j deste anno a 600 rs.
a hbra, e 58o rs. em barris inteiros.
Marmelada especial dos melhores fabrican-
tes de Lisboa a 600 e 64o rs. a libra, ha
latas de differentes tamanhos.
Mas de tomate em latas de I libra a 56o
rs. cada urna.
dem para soda estrellinha, pevide e rodinha
em earxinhas sorlidasa 3,000 3,5oo rs. cada
urna e'Soo rs. a+ibra.
dem macarro, talharim e aletria a ioo rs. a
libra.
Mostarda franceza preparada em frasco a loo
rs. cada um
Alolho inglez em garrafinhas com rolhas de
vidro a 64o rs. cada urna.
Marrasquinho verdadeiro de Zara a l.ooo rs.
agarrafa, lo.ooo rs. a caixa com I du-
zia.
Nozes muito novas a 16o rs a libra.
Prezunto de fiambre superior a 600 e 800
rs.
dem do Porto para panella a 000 rs. a libra.
Passas novas a 48o rs. a libra.
Peixe em latas de differentes qualidades co-
mo, savel,
libra e 40500 cala.
Vinho
Figffeira JA A e ootras muitas marcas arre-
a garrafa.
ditadas a 500 rs.
Idn de Lisboa
de outras marcas a 400 rs. a jrarrafa e
20800 a canada.
dem do Porto
generosos engarrafado dos melbores fabri-
cantes da eidade do Porto a 10 e 10200
a garrafa e de 100 a 120 a eaixa, as mar-
cas so as seguintes: Cbamisso dFilho,
F. 4M., Nctar ou vinho dos Deuzes,
lagrimas do Douro e outros muitoa.
Latas
com 10 libras de banha a 40000.
Bolachinha ingleza
a 10800 a barrica da mesma a^ie
venden a 20000 e 20400.
Nozes
as mais novas do mercado a 120f alibra.
Cervejas
dos melhores fabricantes^ de todas as mai
cas de 40500 a 6>500 a duzia.
libra.
Ameixas
em frascos de vidro com 3 libras liquido a
20400, muito propios para miraos.
Cartoes
com bolos francezes a 500 rs. cada um.
Latas
com bolachinhas de soda de todas as qua-
lidades a 10300.
Chocolates
de todas as qualidades a 10000 a libra.
Presuntos inglezes
dos melhores fabricantes a 800 rs.. tambem
temos velhos para 500 rs.
Queijos flamengos
chegados neste ultimo vapor a 20(ioo.
Queijos
chegados no ultimo vapor a 2-3600 cada um.
Queijo cameros
sendo mteiro e a 900 rs, a retalho. \rrox
Conservas inglezaS do Maranhao a 100 1*. a libra, e da India
a 80 rs. a libra, e 20500 a 3*000 a ar-
as mais novas que se pode esperar a 760 rs. i
o frasco.
l,ooo
corvina, govas, pescadinha e I T?*rt^
oulros a l,ooo rs. a latas. JJlgOS
Palitos para dentes a 14o e a 16o rs. o mas-! em libras e caixinhas ricamente donradas,
so dos melhores. proprias para mimos a 900 e 10200.
Painco o mais novo e limpoa 16o rs, a li- PVi nvrm
bra, e a 4,5oo rs. a arrobo. Vil U2LUJ1 ,
Palitos do gaz a 2,loo rs. a qrosa e^oo rs me que se pude deseJar Que outro;
a dozia, e 20 rs. a cirinha! I '.ual(1"er ."Jj0 P^e vender P01" menos de |
Queijos namengos chegados neste ultimo; ** a "?> ,',_
vapor, a3.ooo ., 106111 perola
dem prato muito fresco a 800 e loo rs a eI>ecial libra. Idc hysson
dem suisso a melhor qualidade que at lio-, mais armaco que tem vindo ao nosso \
je tem viudo ao nosso mercado a 800 rs.'
a libra,
dem londrino a '9oo rs.
Sal refinado em potes de
roba desses que vendem por 30400.
CAF
de l.1 e 2.a sorte do Rio de Janeiro a
e 80800 a arroba, e 280 a 300 rs. a libr
Ciarrafes
com i 'i garrafas com vinagre a IrjOOOw
o garraao.
GENEBRA DE LARA.NJA
verdadeira a 10000 o frasco, o de H#0OF
a caixa.-
DEM
em frasqueiras de Hollanda a 50800 m
12 frascos.
s.
vidro a 5oo
cada um.
Cerveja tbs melhores marcas a 6,000 rs. a
duzia, e56o rs, a garrafa.
Sardinha de Lisboa e Nantes em quartos e
meias latas a 38o e 58o rs. cada urna.
Sag muito novo e alvo a 21o rs. a-libra.
Sevadinha de Franca I80 rs. a libra.
Sevada a loo rs. a libra, e 2,800 rs. a ar-
roba.
Traques de I.' qualidade a 9,5oo rs. a cai-
xa, e 2io rs. a carta.
Toucinho novo de Liiba a 24o e 32o rs. a
libra.
Tijolo para mpar facas a 15o rs. cada um. de excellente qualidade a 20200 a resma
Vinho em pipa Porto, Lisboa c Figueira das
melhores marcas a 3,8oo rs. a canada, e
5oo rs. a garrafa.
mercado a 20600. GENEBRA
lassas amarellas \sS^ra*iraem fras"ci"a "
para sopa, macarro, talharim e aletria a PALITOS
480rs. a libra. ; os verdadeiros palitos do gaz a 2,2oo a groza
COUSAC e 2o rs. cada cai.irnha.
o muito afamado cognac Pal Brandy a 1,8o1 LICORES
rs. a garrafa e de outras muitas qualida- finos de todas as qualidades. a lo.ooo aeai.ia
des a l,ooo e 800 rs. a garrafa. com urna duzia e a 1,000 a garrafa
copos MWmpiodo
lapidados para agua a 4,5oo e 5,ooo rs. a
duzia, e a 440 e 5oo rs. cada um.
a 600 rs. a
PAPEL
almaeo, greve, peso e de outras muitas qua-
lidades de 2,2oo, a i,5oo a resma do me-
lhor.
Papel de botica
a libra,
dem do Porto Lisboa e Figueira de marcas
menos conhecidas a 4oo rs. a garrafa, e
2,8oo rs. a canada.
dem Colares especial vinho a 600 rs. a gar-
rafa.
IdemLavradio muilo fresco nao levando com-
composico a 56o rs. a garrafa, e 4,000
rs a canada.
dem branco de uva pura a 56o rs. a garra-
fa, e 4,5oo rs. a canada.
dem mais baiso a 4oo rs. a garrafa, a 3,ooo
rs. a canada.
dem Bordeaux em caixas de 12 garrafas das
marcas mais acreditadas a 0,5oo e 7,ooo
rs. a caixa.
dem muito especial que raras vezes vem ao
nosso mercado a 1,2oo rs a garrafa, ga-
rante-se que por este mesmo preco d
prejuizo e s se encontra n'este arma-
zem.
dem do Porto em caixas com 12 garrafas
das seguintes marcas Lagrimas', do Dou-
ro, Duque do Porto, Genuino, Velho Par-
ticular, Malvasio fino, D. Pedro V, .
Luiz I, Nctar e outros a 9,ooo e 10,000
rs. a caixae 9oo e l.ooo rs. a garrafa.
dem Muscatel superior a l.ooors. agarra-
fa, e lo,ooo a caixa com 1 duzia.
Vinagre puro de Lisboa a 2oo a garrafa e
2,4oo rs. a canada.
dem em garrafoes com o garrafas a 1.000
rs. com o garraao.
Vassouras do Porto de arcos de ferro a 32o
rs. cada urna.
! dem de escova para esfregar casa a 36o rs.
1 cada urna.
dos melhores fabricantes de Lisboa, como se-
jam Abreu e outros muitos
libra.
Pregunto
o verdadeiro prezunto de Lamego a 52o rs.
a libra.
ARROZ
Maranhao, Java e India, a loo rs. a libra e
r-v ., de 3>000> a 3>2f)o rs. a arroba,
azul e pardo para embrolho de 1, 4oo a 2,2oo: VELAS
rs. a resma. de espermacete de diversas marcas a 56o rs.
bOnntlliaS a llDra e em caixa ter abatimenlo.
passas corinthias muito novas proprias para' a L VELAS
podim a 800 rs. a libra. e caanoa em cartas de arroba a 9,3oo e
Fumo
o verdadeiro fumo americano em chapa
l,4oo rs. alibra
Vinagre
caixa e 34o rs. a libra.
Batatas botos
em caixas de 2 arrobas a 50 a caixa e 60 rs.
a libra.
Passas Mito afras
PRR em ancoretas de Ornadas a 15,ooo rs. -.?E.SS0 *0 quart0 e ^^
cada urna.
Cebollas
as mais novas do mercado a 7,ooo rs. a caixa!
e l,ooo rs. o molho.
Alpista e Painco
o mais novo do mercado a 140 rs.
e 40400 a arroba.
Os proprietarios do grand
a caixa e 400 rs. a libra.
Chocolate
portuguez o mais especial que se p.te de-
sejar a 800 rs. a libra e 140 rs. o pao.
Frntas en calda
j chegadas ltimamente, pera, pecego, gmia e
outros muitos a 640 rs. a lata.
1 hbra, \ |>Ke da csea i oiaba
a 6OOel0ocaixe.
armazem o Verdadeiro Principal declaram aos seus
es-
des e H,ooo rs. a caixa com 12 frascos.; Velas de espermacete superiores a 56o rs.
dem de Hollanda em botijas a 4oo rs. cada a libra, e 52o em caixa.
i.u'T'1; I,lem (,e carnauba refinada e de composicao
S, ^?^.de '6 8arrafas a *.8oo I a 36o rs. a libra, e de lo.ooo a 11,00o rs.
a arroba.
rs. com o garrafo.
GAZ GAZ GAZ
Vende-se gaz da melhor qualid.de a 120
a hita e em lotes de 10 latas para cima se
far abatimento no armazem da ra do Im-
Dito para'negodo"a 30 rl garrafa c en canada Piador n. 16 e ra do Trapiche Novo n. 8.
se faz abatimento.
Genebra do Hollanda em frasqueiras a 60000 e 500
rs. o frasco,
dem om botijas do conla a iOO rs.
Azeile doce de Lisboa Tino a 600 rs. a garrafa.
Dito de carrapato 3 320 rs. a garrafa.
Manteiga franceza a 560 r?. a Hbra. e 540
barril.
em
!'.Hi ta Senzalla n. 42.
Vende-se, em casa de S. P. Johnston C.,
sellins e silhSes inglezes, candieiros e casti-
ces bronzeados, lonas inglezas, fio de vela,
chicotes para carros e montara, arreios para
e relogios de
Charutos de Havana
de superior qualidade vendem-se em casa
de Schalleitlin & C., ra da Cruz n. 42.
rreguezes e amigos e ao publico em geni, que para facilitar a commodidade de todos
ttpuiaram os mesmos preces nos seguintes logares:
Inio e Gomnercio ra do Qneimaro b. 7
m___________ Verdadeiro Principal raa do Imperador i. 40
OVIMENTO
BAIRRO DO RECIFE, RA M CADEIA N. 5ft
0 mais novo e o melhor
AMMAmemmmMmM aiios
Esquina defronte da ra da Madre de Dos
r
i carros de um e dous cavados.
Dita ingleza flor a 720, 800 e 900 rs. a libra c em 0,ir0 )a,ente "lez.
n.irnl ha abamonto.
Na ra de Apollo n. 31 ha um grande sorti-
ssa de tomate em latas de libra a 600 rs. cada ment de marmore para ladrilho, sacadas, ho;n-
nma.
n^/j
Atrn destex g<
rer.
eros lia oulros
monos
CoTiprva^ inffia. fro. ,* l?reir!ls H 1''WBs de 8, 9 c 10 palmos de rompri-
o fralo g francms"e Portuguezas a 640. do e 2 112 de largo, foihas de marmore proprias
j para lampos de mesas o para tnmolos, vasos gran-
Quem duvidar ve- des para jardim, on para ornar tmulos, por pro-
1 eos muito raioaveis
no enfadonho seria mencona-!os.
lf que chegon
um grande sortimento de Meo c renda p'oia de
a ?' chan,ad0 ('l) o melhor que se
mHmmL
m rabnca Coneei^lo da
' Baha.
Anlrade & llego, rerebem constante-
mente e tem venda no sen armazem n.
34 da ra do Imperador, algodo d'aqnol-
la fabrica, proprio para saceos de assu-
car, embalar aigodao empluma etc., etc.,
pelo preco mais razoavel,
, Antonio da Silva Campos, successor do antigo Nascimento defronte do beceo Larso bem
nheeido ja nesla praca, acaba de transferir osen estabeleclmento para a rasa cima indr-nla
os seus benvolos amigos e freguezes, bem como o respe.tavel publico em geral encontrarao rt
beledmento0 me sorl,men, de rao 0 annunciante. tendo feito urna complet reforma no tocante a casa e teneros nossoindo bou*
corresjwndenies na Europa para remessas de conta propria, acba-se convencido me Merecer a pre-
uwcao de lodosos amigos do bom barato, a <,nal desde j reclama, assererando-lhes que jamis dcV-
merecera a conllanca com que se dignaren) de o honrar.
Em resumo, visite o respeitavtl publico o novo e superior armazem Movimento, roninn-lhe al-
guns gneros, e entao licara convencido da realidade do presente aviso, verificando por *i mesmo nenbum outro estabelecimento o serve melh'or que este, seja em commodidade de arteos, agrado
delicadeza, ou legalidade de pesos e medidas.
Finalmente, todas e quaesquer garantas que eslabelecimentos Idnticos leem offerecido am
concorrentes, serao mantidas nesle em grao maior.
Saal'Aona.
Acha-se venda a novena da gloriosa Sanl'An-
na, bem impressa, o cm brochura : na ra do Im-
perador n. lo.
Peleja.
Tendo se extinguido a edicao daPeina enirt o
itabo, urna turna e S. JfipiW-acha-se reimpressa
corrigida e consideravelmente augmentada, ven -'
de-se pelo mesmo prejo; na na do Imperador
numero 15,
Salitre refinado, superior qualidade, vinho B>
deaox, differentes qualidades, mais baratn "
qualqiier parte : no armazem de E. A. 8r >
C, ra da Cruz n. 48.__________
Carne do sertSe '
Chegou aos armazens da Brilhante Aurora Au-
rora Brilhante, ao largo da Sania Croz, a verdades
ra carne de sol,


"
I
_i



Diarlo 4e Ttmnnmlmm Quinta felra 14 de fnlho de t*4.
UNIAO MERCANTIL
RUI 11ACAJIEIA DO RKCIFE tf. 53.
NOVO fc
GEAMDB AB1CASBM DE MOLKADOS
RA DA AIIEL1 HO RECIFE W. 53,
Francisco Fernandes Doarte acaba de abrir Da ra da Cadeia do Kecifen. 53, me grande e sortido armaztm de molledos dt
nominado Unie Mercantil. Neste grande arniazem encontrar sempre o respeitavel publico om ccmpleio soitimeMo dos mellioret
ceneros que vem ao mercado, tanto esirangeiros, como nacionaes, os quaes serao vendidos em pereces ou a retall o jor piejos asea
gommodos.
Manteiga ingleza especialmente escolhida I Vinagre de Lisboa a 200 rs. a garrafa e
de primeira qualidade a 900 rs. a libra, \ i 200 a caada.
Azeite doce refinado em garrafas brancas a
860 rs.
Azeite doce de Lisboa a 640 rs. a garrafa e
48O0 a caada.
em barril se faz abatimento.
Manteiga franceza a mais superior do mer-
cado a 6oo rs. a libra, e 580 rs. em barril
oa meio.
Prezuntes inglezes para fiambre, de superior Geneora de Hollaoda a 500 rs. o frasco e
qualidade, chegados neste ultimo vapor, a 5,5880 a frasqueira.
720 rs. a libra. Caixinhas com ameixas francezas, ornadas
Queijos flamengos chegados neste ultimo
vapor a 40000.
Queijo prato muito fresco e novo a 640 rs.
a libra.
Castanhas muito novas a 120 rs. a libra e
e 34000 a arroba.
Cha axin o melhor que ha neste genero,
mandado vir de conta propria a 2,5800
rs. a libra.
Cha hyson muito superior a 20560 rs. a li-
bra ; cb hyson proprio para negocio a
1^500 rs. a libra.
Cha preto muito superior a 25 a libra.
Biscoutos inglezes em latas com differentes
qualidades, como sejam craknel, victoria,
piquelez, soda, cptalo, seed, bornez e
oulras muitas marcas a 10350.
BolachiBha de soda em latas grandes a 20.
Figos em caixinhas hermticamente lacra-
das, muito proprias para mimo a 10500.
Caixinhas de e 8 libras de figos de coma-
dre a 10 e 20 cada urna.
Passas muito novas, chegadas neste ultimo
vapor 50u rs. a libra e 30 um quarto ;
e em caixa se faz abatimento.
Ameixas francezas em latas de meia a 3 li-
bras a 800 rs.
Champagne da marca mais soperior que
tem vindo ao nosso mercado a 180 o gigo,
garante-se a superior qualidade.
Vinbo Bordean* das melhores qualidades
que se pode desejar de 70500 a 80000 a
caixa e 720 a 800 rs. a garrafa.
Cateas com vinho do Porto superior de 90
tO a duzia. e 900 a 10 a garrafa; deste
genero ha grande porcSo e de differentes
marcas acreditadas que j se venderam
por 14 e 150 a caixa, como sejam: Buque
do Porto, Lagrimas do Douro, D. Luiz,
Cames, Madeira secco, Carcavellos, Nc-
tar de 1833, Duque Genuino.
Vinho de pipa: Porto, Figueira e Lisboa, a
400,480 e 560 rs. a garrafa, e 30, 30200
e 30500 a caada.
Vinho branco de superior qualidade, vindo
j engarrafado a 640 rs. a garrafa e a 500
rs. de barril.
Via
Ossenhore que oemprarem de 1000000 para cima, terao o descont de 5 por cento, pelo prompto pagamento.
com ricas estampas na caixa exterior,
muito proprias para mimo, a 102Ot, 10500
e20.
Frasco de vidro com tampa do mesmo, con-
tendo meia libra de ameixas francezas, a
10200.
Marmelada imperial, dos melhores conser-
veiros de Lisboa, em latas de 1 e meia a
2 libras a 600 rs. a libra.
Fructas em calda das melhores qualidades
que ha em Portugal em latas hermtica-
mente lacradas a 500 rs.
Peras seccas muito novas a 640 rs. a libra.
Nozes muito novas a 160 rs. a libra.
Amendoas de casca molle a 400 rs. a libra.
Avelaas muito novas a 200 rs a libra.
Amendoas confeitadas de diversas cores a
800 rs. a libra.
Macas e peras ehegada.s neste ultimo vapor,
muito perfeitas, s vista se faz o preco.
Conservas inglezas em frascos grandes a 750
rs. cada um.
Ervilhas francezas e portuguezas em latas de
1 libra a 640 rs.
Ervilhas seccas muito novas a 160 rs. a
libra.
Chocolate francez, o que ha de melhor neste
genero, a 10200 a libra.
Chocolate hespanhol a 10200 a libra.
Genebra de laranja em frascos grandes a i*.
Cerveja branca epreta das melhores marcas
que ha no mercado a 500 rs. a garrafa e
59806 a dnzia.
Cognac inglez de superior qualidade a 800
10200 a garrafa.
Licores francezes das segointes qualidades :
Anizete de Bordeaox, Plaisir des Dames
e de outras muitas marcas a 10 a garrafa
e 100 a caixa.
Marrasquino de Zara a 800 rs. a garrafa e
90 a duzia.
Mostarda ingleza em potes j preparada a
400 rs.
Sardinbas de Nantesa 340 rs. o quarto e 56
rs. meia lata.
Latas com peixe em posta : savel, corvina,
vezugo, cherne, linguado, lagostinha,
10300 rs.
Salmo em latas, preparado pela nova artt |
de cozinha, a 800 rs.
Macaa de tomtes em latas de 1 libra a 60(
ris.
Chouricas e paios em latas de 8 e meia libra
por 70.
Toucinbo de Lisboa a 320 rs. a libra t
80600 a arroba.
Bolaxinha ingleza a 320 rs a libra e 40
barrica.
Sag muito novo a 240 rs. a libra.
Cevadinha de Franca a 200 rs. a libra.
Farinha do Maranho a 120 rs. a libra.
Araruta verdadeira a 320 rs. a libra.
Cevada a 120 rs. a libra e 30 a arroba.
Alpistaa 160 rs. a libra e 40800 a arroba-
Batatas muito novas em gigos com 40 librai
por 10500.
Cebollas a 10 o molho com mais de 100 ca-
da um.
Caf lavado de primeira qualidade a 300tt,
a libra e 90 a arroba.
Caf do Cear muito superior a 280 rs. a t-
bra e 80400 a arroba.
Caf do Bio, proprie para negocio, a 80.
Arroz do Maranhoa 100 rs. a libra e 20800
a arroba.
Arroz de Java a 80 rs. a libra e 2*400
arroba.
Vellas de spermaceti a 560 rs. a libra e
540 rs. se for em caixa.
Vellas de carnauba refinada a 320 rs. o mas-
so e a 90 a arroba.
Doce de goiaba a 640 rs. o caixao.
Macarr5o, talharim e aletria a 480 rs. a li-
bra ; em caixa se faz abatimento.
Estrellinha.pevide e arroz demassa para sop
a 600 rs. a libra e 30 a caixa com 6 liaras.
Palitos de dente lixados com flor a 200 rs.
o masso, ditos lixados sem flor a 160 rs
o masso com 20 massinbos.
Gomma de engommar muito fina a 180 rs. j
libra.
Banha de porco refinada a 480 rs. a libra t
400 rs. em barril pequeo.
Charutos dos melhores fabricantes de S. F-
lix, em cateas inteiras ou em meias, di
10600, 20 e 30.
Mostarda ingleza em p, em frascos grandes,' Presuntos do reino, viudos de conta proprii
a 10 cada um. I de casa particular, a 4100 rs. a libra; inteV-
Sal refinado a 500 rs. o pote. ro se faz abatimento. .
RA DO 0UEI9IARO N. 45,
Passando o beeeo da Congregado segunda casa.
ILiJ
NOV1DADE.
Pereira Rocha C. acabam de abrir na ruado Queimado n. 45 um armazem de mofeados denominado Clarim Commorcial,
onde o reaeitavel publico encontrar sempre um completo sortimento dos melhores gneros que vem ao nosso mercado, os aero vendaos por preces muito resumidos como o respeitavel publico ver pela tabella abate mencionada ; garante-se o bom peso
e boa quadade dos gneros comprados neste armazem.
Arroz do Maranho, da India e Java a60, 60 Cevadinha de Franca muito superior a 220 j Peras seccas muito novas a 00 rs. a labra-
Acaba de receBer de sua propria encommenda um grande e variado sortimento
de molhados todos primorosamente escolhidos, por isso apressa-se o proprietario em
offerecer aos seus freguezes e ao publico em geral a seguinte tabella dos scus gneros e
resumidos precos, afiancando todo e qualquer genero vendido neste bem conbecido ar-
mazem.4
A FESTA
DE
PARA
S. JO&O
Amendoas confeitadas de 8oors. a libra.
Manteiga ingleza perfeitamente flor, a 8oo rs,
libra,
dem franceza a 56o re. a libra, e ooo rs. i
sendo em barril.
Cb uxim a 2,7oo rs. a libra, e de 8 libras.
para cima a 2,6oo.
dem perola a 2,8oo rs. e de 8 libras para
cima a 2,7oo,
E S. PEDRO
Licores francezes e portuguezes das seguin-
tes marcas creme de violetas, gerofles, ro-
sa, absinto vespeiro, amor perfeito, amen-
dua amarga, percicot. de Turin, Botefim,
morangos, limo, caf, laranja, cidra, gin-
ja, canella, cravo, rlela pimenta a l.ooo
rs. a duzia l,ooo rs. a garrafa, garante-se
que os melhores que temos tido no mer-
cado.
2,ooo rs o quarto, a 6,5oo a caixa e 4oo
rs. a libra,
dem corinthias proprias para podim a Ooo
rs. a libra.
Marmeladas dos m..is afamados fabricantes de
Lisboa a 64o rs. a libra.
Ervilhas secas muito novas a I6o rs. a libra.
Grao de bico muito novo a 16o rs. a libra.
Brvilbas francezas em latas a 6oo rs.
Potes com sal refinado a 48o rs.
Fumo de chapa americano a l,4oo rs. a libra
fazenda especial.
8oo
dem hysson o mais superior que se pode Passas muito novas em quartos e inteiros a
desejar a 2,6oo e de 8 libras para cima
a2,5oo rs.
dem menos superior a -2,4oo e de 8 libras
para cima a 2,3oors.
dem proprio para negocio a 2,3oo, de 8 li-
bras para cima a 2,2oo.
dem do Bio em latas de 2, 4,6 e 8 libras
cada urna a 2, 3, 3,5oo e 4,8oo rs. a lata,
dem preto o melhor que se pode desejar
neste genero a 2,8oo rs.
dem menos superior a esse que se vende
por, 2 e 2,4oo, a 4,8oo rs. a libra,
dem mais baixo bom para negocio a l,5oo Presunto para fiambre inglezes a 7oo e
rs. a libra. rs. a libra,
dem miudinho proprio para negocio a l,5oo Chouricas e paios mnito novos a 64o a libra.
rs. a libra. i Caixas de traque n. 1 a 80500 cada urna.
Queijos do reino chegados neste ultimo va-1 Massas para sopa macarro, talharim aletria
por a 2,6oo. a 4oo rs. a libra.
Queijos chegados no ultimo vapor a 2,6oo rs Cognac verdadeiro inglez a 8,5oo rs. a caixa
dem londrino o mais fresco que se pode e 8oo rs. a garrafa.
esperar e de excellente marca a 8oo rs. a dem francez a 7,ooo rs. a duzia e 7oo rs. a
libra sendo inteiro, c a 9oo rs. a retalho. garrafa,
dem prato es melhores emais frescos do' charutos em grande quantidade e de todos os
mercado a-76o rs. a libra sendo inteiro. fabricantes mais a creditados a 1,500,
Biscoites em latas de 2 libras das seguintes, 2,000, 2.000, 3,ooo e 4,000 rs. a caixa,
marcas : Osborne, Craknel, Mixed, Victo-1 os mas baixos sao dos que por ah se ven
ria, Pec-nic, Fance, Machineeoutras mu- em a 2)0oo e 2,5oo rs.
Portosachdos uiumamente do Porto a 32o *'* *? Premeira ^alidade a 8-*00 e >**>
rs. a libra.
RIVAL SEM SEGUNDO
Ra do Queimado n. 49 e S, loja d miud?za<
d<3 Jos de Azevedo Maia e Silva, est continuando
no sea progresso de vender baratissimo :
Capachos grandes e superiores a 500 rs. cada um.
Caixas de superiores obreias de cola e raa1 -a a
40 rs.
Cordao branco para vestido e espartilho. vara ai
ris.
Lionas de carretel (150 jardas) de superior nualf-
dade a 60 rs.
Cartoes de linba Pedro V (200 jardas) j muitr.
conhecida a 40 rs.
Grozas de pennas de ac de muitas mtalidad*, p
superiores a 300 rs.
Caivetes de duas fulhas porm tinosa ."00 r<.
Caixas com calungas muito bonitas para rap a
i tOOrs. '
Franja branca e de cores para toalhas a 10*.
Pares de botoes para punho mnito booim .. 12b
Caixas com soldados de chumbo muito bon;-.(.> ,1
! 126 rs.
Tiiileiros de vidro com superior tinta a 160.
Ditos de barro rom superior tinta a 100 rs.
Groza de boloes de louca pranados, o meior, *
160 rs.
1 Tesouras para costura, o mais superior, a 400 rs.
Ditas para unbas muilo linas a 400 rs.
Escovas para limpar denle-; muilo super. ..
200 rs.
Libras de laa de todas as cores (pesada) a 7J.
GaiMB de phosphoros de sepuranca a 160.
Ditas de papel amizade pautado e'-o a <-00 r?.
Ditas com 100 anvelopes muito superiores .. BOU
ris.
Gademos de papel branco e de cores, peqn
20 ris.
Carlas e laboadas para meninos a 80 rs.
Caixas com superiores iscas de acender cturoto
a 40 rs.
Carreteis de linha Alexandre (200 jardas) de -ores
a ttOrs.
Baralhos para voltarele muilo finos a 240.
Carlas de alfinetes francezes milito linos a id rs.
Meadas de linha f xa para bordar a 20 rs.
Pares de sapalos de tranca inuilu superiores a
15600.
Papis de agulha com um pequeo loque a 10 rs.
Groza de botoes de madreperola muito Sao! i
360 rs.
Cartoes e caixas de clcheles francezes wperiorrs
a 40 rs.
Bonets para meninos muilo finos a 1500 < H.
Macos de grampos superiores e limos a 40 r-.
Groza de phosphoros do gaz muilo novos a 2.52fO.
Areia prela muito superior a 100 rs.
Caixas de rap com espelho a 100 rs.
Realejos para entreter meninos a 80 rs.
Pegas de lila de linho muilo boas a 40 rs
Pentes de lago muito bonitos a l.
Enfeites de laco de todas as cores a IJtMO.
Rodas com alfinetes francezes a 20 rs.
Caixas com quatro papis de agulhas imperi. a
240 rs.
Saboneles de familia a 80, 160 e 320.
Cauivetes de duas folhas muito finos a 320.
Pares de sapalos de la para meninos a 400 r>.
Sapalos de tranca para sentara e para homein, os
melhores que tem vindo, e por preco mnito barato:
qnem quizer ver, venha ra do Queimado os.
49 e 55, e ver ludo como bom e barato.
e 100 re. a libra e l#iOO a 20600 o 3 rs. a libra.
a arroba. I Cevada a 80 rs. a ubra.
Ameixas fraocezas em latas e em frascos a Ervilhas portuguezas a 640 rs. a lata.
1200 o 10600 emfiascos grandes a, dem seccas muito novas a 200 rs. a libra.
2(5300. \gos de comadre e do Douro em caixinhas
dem em caixiahas elegantemente enfeitadas de oito libras e canastrinhas de 1 arroba a
com ricas estampas no interior das caixas 1#800, 5#500 e 280 rs. a libra.
a 12000 iJ400, 1600 e 23- Farinba do Maranho a 160 rs. a libra.
Amendoas cm casca muito novas a 280 re. Farinha de trigo a 120 rs. a libra.
a |bra Genebra de Hollanda verdadeira marca VD
Alpista a '160 rs. a libra e a 40600 a arroba, a 560 rs. o fraseo e 60200 a frasqueira.
Azeite doee franeez mnito fino em garrafas dem emgarrafes de 3 e5 galoesa 50500
grandes a 960 rs. a garrafa. | e 70500 cada um com o garralao.
dem de Lisboa a 640 rs. a garrafa. Graixa a 100 rs. a lata e 10100 r. a duzia.
Araruta verdadeira de matarana a 320 rs. a Licores muito finos a TOOrs. a garrafa.
libra.
Avelaas muito grandes e novas a 180 rs. a
libra.
Biscoutos inglezes de diversas marcas a
10300 ris.
Bolachinhas de soda, latas grandes, a 20 rs.
a lata.
Ditas inglezas mnito novas a 30000 a barr-
quinha e a 200 rs. a libra.
Banha de porcor efinada a 440 rs. a libra e
e em barril a 400 rs.
kk'tri, qualidade especial e garrafas muito
grandes, a 10800 rs. a garrafa.
dem garrafas mais pequeas a 800 rs.
dem, garrafa forma de pera e-rolha de vi-
dro, a 10000 rs., s a garrafa vale o d-
nheiro.
Manteiga ingleza perfeitamente flor, desem-
barcada de pouco a 900 rs. a libra, e da
de segunda qualidade a 800 rs.
dem franceza muito nova a 640 rs. a libra.
Painco a 200 rs. a libra.
Polvo secco muito novo a 400 rs. a libra.
Presuntos de Lamego em calda de azeite e
muito novo a 640rs.
Queijos flamengos do ultimo vapor a 20800
dem prato.
dem londrino ebegado no ultimo vapor e
900 rs. a libra.
Sal retinado em frascas de vidro a 600 rs.
cada um.
Sardinhas de Nantes a 360 rs.
Sag muilo alvo e novo a 260 rs. a libra.
Toucinbo de Lisboa a 320 rs. a libra.
Ti jlos de limpar facas a 140 rs.
Vellas de carnauba pura a 360 rs. a libra.
dem stearinas muito superiores a 600 rs. a
libra.
Figos em cafiinhas ermeticamente lacradas
a 10600.
Vinho do Porto engarrafado o melhor que
ha neste genero e de varias marcas, como
sejam: Velho de 1815, Duque do Porto,
Madeira, D. Pedro, D. Luiz I, Mara Pia,
Boeage, Chamisso e outros a 808, 900 e
10000 a garrafa, e em caixa com urna dn-
zia a 90000 e 100000.
dem de tempero a 400 rs.
Cb hvsson huchin e perola a 10600, Massa de tomates em barril a 480 rs. alibra. i dem em pipa, Porto, Lisba e Figueira a
205OC? 20800 30000 a libra I dem em lata a 640 rs. 480, 500 e 560 rs. a garrafa e 30, 30500
dem preto muito superior a 20000 a libra.' Marmelada imperial dos melhores conserve- e 40 a caada
Cerveja preta e branca, das melhores marcas ros de Lisboa a 60 rs. a lata. dem branco de Lisboa muito fino a 500 re.
que vem ao mercado, a 500 rs. a garrafa Marrasqoinho de Zara, frascos grandes, a
e 50800 a duzia.
Cognac inglez fino a 900 rs. a garrafa.
Conservas a 720 rs. o frasco,
dem, s de pepino, a 720 rs.
dem, s de azeitonas, a 750 rs.
Charutos dos melhores fabricantes da Bahia
800 rs.
dem regular a 500 rs.
Massas finas para sopa : estrellinha, pevide,
rodinhas e letr'anhas a 600 rs. a libra e a
40 a caixinha com 12 libras.
Nozes muito novas a 160 rs. a libra.
e especialmente da fabrica imperial de Peixe em latas preparado pela primeira arte
Candido Ferreira Jorge da Costa, a 10800,
20000,20200, 20500, 20800, 30000 e
30500 a caixa.
Caf do Rio muito superior a 280 e 320
rs. a Ubra e 80500 e 80800 rs. a arroba.
de cozinha a 10 rs. a lata.
Palitos de denles a 160 rs. o masso.
Palitos de dentes a 120 rs.
dem de flor a 200 rs.
Amendoas confeitadas a 900 rs, a libra.
Cartoes de bolinhos francezes muito novos e Doce de goiaba em latas o melhor possivel a,
muito bem enfeilados a 700 e 600'rs. 20 e em caixao a 640 rs.
Chouricas e paios muito novos a 800 rs. a Palitos do gaz a 20200 rs. a grosa.
jjbra. Passas muito novas a 480 rs, a fibra,
a garrafa,
dem de Bordeaux, Medoc e S. Julena 700
e 800 rs. a garrafa, e 70000 e 70500 rs.
a duzia.
dem Morgaux eChateauluminide 1854, a 10
a garrafa,
dem moscatel a 800 rs. a garrafa.
Vinagre de Lisboa a 200 rs-, a garrafa e
10200 rs. a canda.
Kirsk garrafas muito uraitdes a 10800 re.
Alm dos gneros aoima mencionados te-
mos grande por?9o de ooroa que deixMBO
de mencionar, e que tudo sera vendido por
pecas e camadas, tanto em por$8es como i
retalho.
Qnem comprar de 1000000 para cima ta-
ra o abate de 5 por cento.
Bsalas novas em caixas de 2 arrobas a 50 a
caixa e 6o rs. a libra-
Balachinha de Craknel em latas de 5 libras
bruto a 4,ooo rs.
dem inglezas em barricas a mais nova do
mercado a 2,5oo rs, a barrica e 24o rs. a
libra.
Cliocolate portuguez o mais especial que se
pode desejar a 8oo rs. a libra e 14o rs. o
pao.
Cartoes com boias francezas proprios para
mimos ou para aojos que vio as procis-
ses a 6oo rs. cada um.
Papel de botica de exoeUenle qnalidade a
22oo rs. a resma.
Peras seccas as nms novas do mercado a 4o
rs. a libra.
Figos de comadre em litas de 4 e 8 libras
lacradas hermticamente a l,4oo e2,2oo
rs. a lata.
Frotas em calda chegadas ltimamente, pera,
pecego, ginja e-outros rouitos a 64o rs. a
lata.
dem em caixinhas de 8 libras a 4,8oo, e
2&o rs. a libra.
iSozes muito novas a 120 rs. a libra, e 4,ooo
rs. a arroba.
Amendoas confeitadas a 8oo a libra.
dem de casca mole a 32o rs.
Vinhos engarrafados no Porto e Lisboa 4as
seguintes marcas- duque, genuino, velho
secco especial, lagrimas dooes, vinho es-
pecial D. Pedro V. nctar superior de
1833, duque do Porto de 1884, vinho do
Porto, velho superier, madeira secca, Por-
to superior D. Luiiz I, e outras muitas
marcas, &m caixa de urna duzia a lo,oooe
l,ooo rs. a garrafa.
dem branco de uva pura a 64o rs. a garra-,
fae 4,ooo a caada.
dem superior a 5oo rs. a garrafa e 3^oo rs.
a caada.
<4em em pipa Porto, Lisboa e Figueira das
marcas mais acreditadas a 3,8oo a caada
e 5oo rs, a garrafa.
dem de marcas pouco conhecidas a 4oo rs.
a garrafa e 3,oee rs. a caada.
Espeeial vinho Lavradio sem a mais pequea
composico a 560 a garrafa e 4,ooo rs. a
caada.
Farinha do Maranho a 240 rs. a libra.
Ricas caixas com figos a l.ooo rs. cada urna.
Ricos livros com figos \,ooo rs.
Pomada a 200 rs. a duzia. sevada muito no-
va a 80 rs. a libra, e 2,5oo a arroba.
Garrames com 4 '/ garrafas de vinho supe-
rior a 2,5oo rs. como garrafao.
dem com 4 '/> d*186 ^e venagre a I,ooo rs.o
garrafd. ,
Vinagre PRR em ancoretas de 9 caadas a
15,ooo rs. com a ancoreta
dem empipa puro sem o batisnw a 2oo rs.
a garrafa e 1,4oors. a caada.
Caixas com 1 duzia da. garrafas de vinho Bor-
deaux fazenda muito especial a 6,8oo re.
a caixa e 7oo rs. a garrafa.
o

o
te
g
$
GO

P-
o
g
d
9
g


r o
e
/
n
se ~i.
9
o 0
Q -f-
P
CD Pd
r-t- rr
P 5o

c-t-
O
o

P
CD
i>.

s-
-z.
so Q
P-
o
o
c r


= %
S- r-
si
O C
v.

-y.
2 S,
es Ja tu
a
-
rs. a arroba.
dem de segunda qualidade a 8,5oo rs. a ar-
roba e 26o rs. a iibra.
Arroz do Maranho a 12o rs. a libra, 3,ooo rs.
a arroba.
dem da India muito superior a 2,9oo fs. a
arroba, e loo rs. a libra.
dem mais baixo redondo a 2,6oo rs. a libra.
dem da India comprido a 2,4oo rs. a arro-
ba, e 8o rs. a libra.
Vellas de carnauba do Aracaty a 9,ooo rs. ar-
roba, e 32o rs. a libra.
dem de sebo muito dura fingindo esparmace-
te 36o rs. alibra.
dem de esparmacete a 54o rs. a libra, e em
caixa a 52e rs.
Papel o melhor que se pode desejar para os
Srs. empregados pblicos a 5,ooo rs. a res-
ma, j se vendeu por 7.ooo rs.
Idemalmaco pautadoe lisoa3.ooors. a resma.
dem de peso pautada e liso a 2,5oo rs. a
resma.
dem a zul de botica ou fugueleiroa 2,2oo rs.
a resma,
dem embrulho de 1,2oo a 1,4oo rs. a resma.
Ameixas francezas em latas de 1 */ libra a
l,2oo e8oors. a libra.
dem em frascos de 3 libras a 2^oo rs., s o
frasco valle 1 ,ooo rs. lambem temos em
frascos para 1,4oo rs.
Consenvas inglezas a 8oo rs. o frasco.
Molhos inglezes a 8oo e i ,ooo pb. o frasco.
Mostarda preparada em potes muito nova a
2oo rs.

es
a es
<
CD
c o
3
5|

o -, sj 5 o 5> a ? ^ 2 -
-,P'g" "" 2 i o 2. I
52"' riC5="3-3_ r: *
8
4
20(9

53^~S
r. r3 TI ^T.
o z-^.^Ty- 9 5 g
2 3 SSl5 sas' B3,2
m
J. .
o. o
y.
113
2 3 u
CD ai
^ 5= =
o S* *
5 3 2.
o a.

5 ct> = ~i
-i -' o
C,-i T
cq "5 ~~_
o i fs ^
t) 61 SI *
-

M

2 ="
5 P

--j
f o 5 O
1 o f f
GO
ESCBAYOS FGIDOS.
Ao amanheccr do (lia i', do rorreiiie luwto >
engenho Penanduba, silo na freguezia de .'.unir-
pa, nma escrava dn nome Sabina, NfMMBIa '-er
2o annos de idade, com os sign;ies seguinics : en-
oala, fula, cabellos carapinbos. baixa. grossa, seos
grandes, rosto redondo e com mu!'T marcas de
besiga, inaos pequeas e ps, peinas Vqueada-
mais alguns que nao se rerorda ; levuu com..-
urna lllba com idade de tres mezes tambem prei
quem a apprebender leve-a ao referido eDgenbo.
oa ao pateo de Terco n. ii, que ser generosa-
mente recompensado.
Fugio de casa de seus senhores, no din I i d.'
correte, o escravo Izidro, crioulo, de idade 2." :in-
Latas com 2 a 4 libras de caj secco o mais I nos, pouco mais ou menos, estatura regular, ehen
bem anranjado possivel a l,8oo e 2,8o, do corpo, cor nm pouco rala, cabellos rarapinho*.
lato 'nos fardos, beifos um pouco gros>os, nariz reg-
rs. a u-ta.
Cerveja Tenente verdadeira a
6too i
duzia.
Mem de outras marcas preta e branca a 5,5oo
e 6,ooo rs. a duzia inteiras.
Vassouras de piassava com 2 arcos de ferro
vindas do Porto a 32o rs.
Cebollas muito novas a l.ooo rs.oaolho e
8oo rs. o cento.
Genebra de oUonda em frasqueiras a 6,ooo
e 56o rs. o fraseo.
dem em botijas a OO rs. fc^____ Acha-se fgido o escravo de nome Antonio des.te
Idemem garrafesde 14 garrafas a 5,2oo rs. p d^a 8 de jono d0 mtm^ anno, com os apM
Palitos do az a 2.2*0 rs. a irroza O 2o rs. a seguintes: idade 40 annos, crioulo, allura regular
caixa.
lar, ps grandes e grossos, bem desembararado n>
fallar, nao malcriad, levou caiga de bnm bran-
co, camisa de madapolo, chapeo de feltro j Na-
da ; cajo escravo filho de Calista Mara da Con
ceicao, do Brcjo de Ban'aneiras, provincia da P.ira-
byba do Norte ; veio cm 1861 em pagamento p.na
os Srs. Guimaraes & Alcoforado desta cidade, sup-
poe-se ler seguido para aquello logar : roga-se a
todas as autoridades e capitaes de campo a sua aa-
preheoso e lvalo ao pateo da Sania Crm n. 6,
que serao recompensados com 100^.
AttencAo.
dem de dentes lixados em macos grandes
com 2o rs. o macinhos a 12o rs. o masso.
Cominhos muito novos a 32o re. a libra e
lo,ooo a arroba.
Sag muito novo a 24o re. a libra.
Cevadinha de Franca a 18o rs. a Ubra.
Milho arpista a 14o rs. a libra e 4,5oo rs. a
arroba.
Gomma a 28o rs. a Ubra e 5,4oo a arroba.
Peixes em latas a l.ooo rs. a lata j prompto
a eomer-se.
Farello de Lisboa' marca N. e Biato saceos
grandes a 4,ooo re.
Doee da casca da goiaba a 8oo e l.ooo re. o
caixao.
O proprietario do grande armazem UniSo e Commercio declara aos seus fregu
zes e amigos e ao publico em geral, que para facilitar a coramodidade de todos eslipulou
os mesmosprecos nos seguintes lugares:
IM&o -e Commereie ma do Queimado u. 7.
0 Verdadeiro Principal ra do Imperador n. 40.
desdentado, barba feila, nariz chato, pescoeo con 3.
um tanto inclinado para a frente, orna marca te
ferida no estomago, ps grossos, e as costas mar-
cas de chicote, tem cicalrizes as caoellas, em orna
das maos nao abre bem os dedos, levou vestido car-
ea parda, paletot preto j velho, camisas brancas
duas, sendo orna de aberrara bordada, 2 pares de
calcas, 1 branca e 1 parda, i cobertor, sendo mt-
tade de estopa e metade de algodao. foi encontrad-)
na ribeira de Santo Antonio no Peres : por Uso
roga-se as autoridades policiaes e capitaes de cam-
po que o peguera e levem-no a casa de seos saibo-
res, na ra da Imperatriz n. 80, que serao muito
bem recompensados.
Desappareceo da roa das Crmes w> 8 dt
correte o escravo Joao que reprsenla ler 40 an-
nos, com falta de qoasi todos os dentes perores,
levando vestido calca e camisa novas, de algwiau
de listra azul, altara regular, chelo do corpo, ca-
bra escoro, tem as nadegas signaes de aroMes
sarnas peto corpo : qnem apprebender leve-* a
seo swbor o capltio Francisco MaaoH de Sean
Ollveira, no engenho Jacir, e no Recite i Leal A
Irmao, que gratlficarao.
. MUTILADO l


PM
T
Diarlo de Pernambnco Quinta lelra 14 de tliillio de 1SC4.
LITTERTRA.
sera jactancia ; o ministro de Deas, que teve ama ser inspirado pelas grandezas do catholicismo, que
vida toda reserrada e simples, cercada de virtudes so pode ser contemplado e aprendido as paginas
cvicas e religiosas ; o homem, cuja caneca coroa- I do Evangelho. Semelhantes escada mysleriosa
Qrarao fnebre aue, as solemnes exequias cele- da J" Kelos da edade, chamou a venerago de Jacob, que conservava suspensas aos'ssios do
"liradas pelos religiosos carmelitas desla cidade, | ***** e os rP sinceros de quom o co- Eterne todas as aspiragoes da humanidade, os su-
ca sua enreja, nela alma do E\m. hispo de nnecia o Sr. D. Fr. Pedro |de Santa Marianna, j blimes segredos da caridade formara a magestosa
(lirvsopoiis 1) Fr Pedro de Santa Marianna, esmo,er-ra -elinioso que'roi 'd'aquella ordem, recilou no exi*te- Sahiu da Ierra da '.eregrinago, e calroa- incomprehens.v.d cada, que prende o contingente
dia ') de junlio do eorrrnle anuo o padre noiB1Perio ds finados; foi prestarse ante o Miro- ao necessano, o tempo eternidaile, a creatura ao
mestre Lino .lo Moole Carmello Luna, pegador "da Wvmdade, P reeeber a corta da mraor-
,1a pella imperial ele. ele. ,a"dade' ,as, preimo de suas v,rludes-
(Concluido.) i Carmelo Afortunado Carmelo, pardesles ago-
Sua fama bem acolhidao magno Vaticano, ad- ra uma das tuas glorias mais brihantes, ou antes
mirada pelo chefe supremo da egreja ; seu nome a Unm;i vergontea da tua frondosa e copada arvo-
inscripto nos annaes das sociedades Iliterarias, quer, re. mas cons0|a.t8i porque a mem.,ra. deste gran-
nacionaes, quer estrangeiras sua pessoa benigna- d(J vu|t0j f|U8 (e ornaraenlavaj e le daYa laQt0 bn.
mente acatada e venerada da realeza, o Sr. Fr.) |no e fu|gor> flcara registrada Q0S teus annaes. o
Pedro de Santa Marianna, no leilo da morlc, quasi j oracn|0 divino nos diz, que o sabio, o virtuoso ad-
despegado do universo, lutando com as angustias I qaire para gj nonras enlre 0 p(JV0> e sca nome v.
da eafermidade, recebeu gracas e favores mu es- ver eternamente XSapins i populo hcereditabit
peciaes, que baixaram do throno imperial. Elle
viu aberto para elle o cofre da amizade do sobera-
no, percebeu o riso da benevolencia da augusta
imperalriz, e dos sagrados penhores desse consor-
cio, que faz a gloria e a ventura do imperio do
cruzeiro.
E efectivamente, qual. senliores, qual outro per-
sonagem gozou a subida honra de ver junto do seu
honorem, cinojjtfi illius erit viven in aternum.(lO)
Discpulos de Elias, eclpsou-se, sumu-se na
opacidade medonlia esse astro, que derramava tan-
tos fulgores sobre o jardim do vosso Carmelo ; que
tanto ennobrecia a vossa ordem. Ja nao conlaes
esse companheiro, que, comquanto segregado delta
pela torga do episcopado, nunca se despojou do
monarcha, p'restando-ihe h:ioi, santimonial, qne Ihe dra o claustro. Subam
caldosamente alimentos, ministrando remedios, e as vossas Preces ao thno do Altissimo, e alean-
Creador.
em a verdade ? c sem a verdade, responde o pro-
fundo e ameno Magalh3es, seria a intelligencia um
ceg instincto em servgo do corpo, sem a verdade
a sensibilidade se reduziria grosseiros appetites
e jamis se elevara ao sentimento; sem a verda-
de a aclividade se excrceria fatalmente, drizara
de possur-se e de personalisar-se ; sem a verdade
o homem seria o mais miseravcl de todos os irra-
cionaes. E para ella que o homem Irabalha.
9
leito Je dr o soberano
dirigiodo-lbe palavrasde consolado?
Qnom j me- cem ',ara e"e reP'>uso eterno, a felicdade peren-
Nesses
Mas como alcaoear o homem essa bella fada de
Mas como opera a caridade esse prodigio ? quaes seus dourados sonhos ? como apanbar essa mys-
sao os seus meios de accao? o Evangelho no-Ios terosa imagem, i|ue, sempre seu lado, o embala
apresenu : a intelligencia eo corago devotado no lindo berco das mais formosas esperangas?
ao servico constante e nao interrumpido da huma- porque meio, rompendo as densas nveos de erros
nidade. Se essa? sao as duas mais prodigiosas sem fim, conseguir elle descobrir essa lmpida
torgas, que o homem pode empregar para alcancar' estrella, nica, que o pode salvar em seu to peri-
a gloriosa corda de seu destino, claro que a cari- goso curso ? por meio do ensino.
dade s cngir o diadema de sua complicacao I _,
quando representar a dupla dedicado da doutrina E *>r cnsequcnc.a o ens.no a cond.cao indis-
e do sentimento, da intelligencia e do coracao. ^ "? que home1m possa sc clevar as al"
v {tas regioes da moral e chegue a representar no
Demonstremos nossa proposigo, apesar de se scenario do mundo o papel condigno sua magos-
achar ella garantida as paginas do codige di- tosa posigao de rei da creaeao. Ora se o ensino
urna necessidade poderosamente reclamada pelas
les mais vitaes da organisaeao humana, necessi-
dade impresendivel para a consecucao dos altos
destinos reservados humanidade, e se a carida-
de a inteira dedicago do homem ao homem, o
sacrificio completo da personalidade em proveito
do prximo, a lgica nos autorsa concluir que
a intelligencia nao pode, nao deve esquivar-se
vino.
t Jess Christo prximo deixar seus discpulos
e o mundo, dita-lhes sua ultima palavra, seu su-
premo testamento......... Idee ensinae a todas
as nardes. Ide, nao esperis que a humanidade
vos precure, mas sahi eocontra-la ensinae, nao
como ensina o philosopho, que discute e que de-
monstra, mas como se aprsenla e afflrma quera
rcceuagloriadevorSS.MM.il. cas serenissimas Be- lNes3es umbraes celestes, nessa claridade, procedecom a autoridade; fallae nao um novo, entrar com seu contingente para que a caridade.
pnncezas seguidas de seus semanarios formarem o f naojse .en,eon,ra noute> encontr elle aquella : a uma regia0 ou a am secu,0i mas sim ao3 quatro | se aprsente era todo seu brilhantismo, realisando
prestito no solemne acto de ser-lhe ministrado o sa-
jpazperduravel.no seio da luz, na habitacao dos
5rado viatico ; de ver a realeza de maos dadas com JU8to8 no ceD,ro de ,odas as eHdas, que sempre
a humildade prosternada, repetiudoeom o ministro existem, existencia que sernpro dura, duraco que
do Senhor as preces da egreja ; de ver o soberano
monarcha sustentar a toalha na ocrasiao em que o
vario virtuoso recebia religiosamente a hostia sa-
crosanta, o corpo real de Jess Christo ?!
Admirare! coincidencia, saodosa recordacao I
Xaquella era, seuhores, o Imperador joven re-
cebia do levita, seu mestre, saluiares couselhos ;
boje 6 o mestre enfermo, que recebe das raaos do
imperial discpulo, alimentos e remedios para mi-
tigar os seus padecimentos acerbos. Naquelle
tempo, era o preceptor que na cadeira do ensino
faia chegar ao coracao do imperial discpulo, os
sentimentos da sa moral, as mximas da religio
do estado : luje o Imperador que, junto do leilo
do seu mestre enfermo Ihe dirige palavras de aoi-
maao e de consolo. Em outro .tempo era o Impe-
rador que, atiento recebia as gracas do ensino, ou-
via as preleegoes de uma intelligencia superior ;
boje o mestre octagenario que, desfigurado por
uiua vida austera, e por aturados solTrimentos, hu-
milde recebe da realeza exhorlacoes santas, as pro-
vas mais significativas de amizade particular, e do
subido apreco de uma verdadeira estima ; em uma
palavra, a realeza na hora extrema exhibindo as
prevas nconcussas de bondade de um coracao ge-
neroso, e sobremaneira reconhecido ; ao mesmo
tempo o bispo, que, attenuado de torcas e adelga-
zado seu corpo pelos tormentes doridos do seu mor-
bo, fazia esforco para beijar a mo do seu augusto
monarcha, que Ihe havia liberalizado mercs e
gracas singularsimas !... Jamis se vera scena
to tocante
Se a caridade
primeira d
deve ser o primeiro de todos os deveres. O agrade-
cimento Irio sublime como o beneficio. A gene-
rosidade est da parte de quem d ; porm a sin-
geleza existo na pessoa, que recebe e que confossa
o beneficio.
O Exm. Sr. bispo de Chrysopoiis. quz dar uma
prova nao equivoca, uma pro va robusta de sua
acrisolada gratidao, ao seu augusto Imperador, de-
xando-llie sua biblia, cruz e annel: objectos de sua
tnaior estimago.
Era, em verdade, pouco, era nada, para tao alto
personagem : mas era muto, porque eram as ex
pressoes sinceras de um coracao grato ; era o si-
nal vivo de um poito sobremodo reconhecido.
A transmssao da cruz e annel, insignias do epis-
copado, ao soberano monarcha. t.>m um alcance
grandioso ; tem una significacao mui especial.
Era, sim, a fiel entrega em suas imperiaes maos
das honras que de suas maos generosas havia re-
ecbdo I
pontos cardeaes do universo e do futuro, aos mais
remotos confus do tempo e do espaco, e, medida
que a ventura ou a ousadia do homem for deseo-
brindo novas trras, de vos tao velozes como a sua
coragem e a sua fortuna : preveni mesmo ambos,
de sorteque a doutrina de que sois os arautos seja
sempre e era toda a parte a primeira e a ulti-
et requies- raa- Que testamento! Apenas tres palavras, tres
palavras, porm, que anda nao tnham sido pro-
nunciadas por bocea humana. Procurae onde
quizerdes e jamis encontrareis estas tres pala-
Os jesutas, os lazaristis t as irmaas de caridade j vrasIdee ensinae a todas as nacoes. Nao houve
defendidas por si mesmas no tribunal da razie senao um homem que as dissesse, nao houve seno
nunca se termina. Meu Deus I Indulgencia, eu
vos imploro I Concedei-lhe o descanco eterno ,
aquella paz, que por si mesma o vosso imperio,
a vossa recompensa I
Rquiem atenan dona ei Domine....
cant pace. Amen.
c da historia.
(Continuacao.)
VIH
S o catholicismo capaz de operar o que ha de
maior e de mais extraordinario na ordem da natu-
reza. A perfeita harmona, que existe entre suas i
um homem, que as podesse dizer, mas um homem
certo da efflcacia de sua palavra j porque, bem ve-
des, quando qualquer est para raorrer e quer dei-
xar alguma cousa depois de si, pesa muto as suas
ultimas deterininacoes, e nao as d de qualidade
mximas e as leis orgnicas da constituido huma- lal que Pfsam ^.fT"' P8'S ^ resultadoj'
_ I nrvnir:Ii\Ali|il.~ lili 1-1 11." Iilt (in (MI r4n "ai l-l. 1 I___._ ^.
na, o nteiro conhecimento do papel, que o homem
convencidas de falsdade ou de vaidade. Palavras
chamado representar no grandioso drama do ^ absolulas como estas -idee ensinae todas as
universo, a verdadeira marcha indicada intelli- i af5-suPPi5em uma cce" Ilimitada, a prespi-
gencia e ao coracao do ser pensante e livre. tudo!cacia de Dnl Pr0Pheta 1ue. proxime> deitar-se na
concorre para que elle assuma a primazia nos re-1 sepultura, v sobre ella a humanidade sempre al-
galiados immediatos do plano da creaeao e suba ,enla e obediente- 0ra esIas palavras foram ditas
cathegoria de director universal de ente trans- i Por Jesus Cnrist0>foi Jesas Christo o primeiro, o
vjado. j ultimo e o nico que as disse. >
Se o cerebro e o coracao do-se mutuamente as I Eis corao esP'rit0 investigador de Lacordare
maos para marcharem uniformes na prosecussao! va8 descoDrir na ma,s profunda raz do apostolado
do mesmo im, se moralmente impossivel a sua complemento indspensavel da caridade christaa
eis corao a intelligencia e o coragao se acordara na
mais perfeita harmona para produzirem o amor
do prximo, primeira loi do christianismo. Nao
separacao porque, segundo a profunda palavra de
um grande pensador, baseada na verdade do Evan-
gelho, a sciencia a verdade da intelligencia, e a
t j virlude a sciencia do coracao, claro que a le, que araor terreno> Gaseado nos lacos ao parentesco
ridade, como diz o cdigo sagrada, i a lorna "dissoluveis os lacos dessa uniao, que p'ren- 'ou na9 rela5ea da am'ade S nao : neste ainda nao
le todas as virtudes, a gratidao tambera dt a intellil,ea a coragiio e o coracao Deus, | na dedicacao, anda nao ha verdadeira grandeza.
a le magna, a le directora da humanidade.
Ora, percorrendo toda a escala dos lempos, fo-'
llieando os annaes de todos os povos, compulsando
os cdigos de todas as nagSes, onde vamos nos en- '
contrar essa le suprema, garant;
salva-guarda de todos os dretos
Continuarei anda a perguutar : quera, seuho-
res, quem ja mereceu a subida consideracao de ter
junto do seu cadver o imperante a par de S. M. a
Imperatnz e das ;i!tas princezas, todos arrodillia-
dos, orarem ali ao Deus das misericordias pelo seu
repouso eterno ; de acompanharcm os seus restos
sem vi Ja ao lugar do azigo ; de pegar em urna da;
argas do fretro o chefe supremo da naciio ; Je
assistir Elle todos os offlcios c exequias, recora
mondando at aos prelados respectivos, que ne-
nhura acto religioso comecasse sem a sua prc-
senca I
Quem gozou a singular honra de ver a familia
imperial, prestada ante o sarcophago, que ia rece-
ber o cadver, ali orar em despedida, dirigindo
BUppilcas ao Eterno pela alma do varo illustre,
que pela ultima vezo va, e ressumbrando emseu
rosto a consternarlo e a dr ? !
Qual o personagem, qne coagisse realeza a to"
mar lucio e demonstrarlo de sentimento profun.
do pulo seu- passamento .'
Ninguem, ninguern recebeu tanto apparato devi-
do um principe ; ninguem fruo tantas honras e
honras de que nao havia exemplo na corte, senao
o Exm. Sr. D. Fr. Pedro de Santa Marianna, bispo
tutelar de Crbysopolis!
Estas honras se glorificam quem as recebe
immortalsa por sem duvida ao monarcha que as
prodigalisou.
Senhores, mister nao esquecer, que o varao
venerando, que baixou 'campa sepulchral no dia
C de maio do anno que corre ; lao amado e hon-
rado do seu soberano, to estimado da corle, era o
homem, que trajava o .simples habito de religioso
Carmelita ; era o homem que sahira da clausura
para educar realeza, sendo depois pela realeza
elevado ao fastigio do episcopado. Em occasiao
tao solemne e azada conveniente lembnr-vesque
este habito, a quem o espirito do seculo olha com
riso mofador, e sobre o qual presentemente se lan-
ga o escarneo, joga-se o improperio e atira-se bal-
does e doestos ferinos, (9) este habito que no sen-
tir de muitos nada merece, mereceu muto da pro-
pria magestade ; recebeu as mais subidas consi-
deragoes, as honras mais elevadas, e eminentes,
rea vez primeira conhecdas na corte I I
Conhego, senhores, que he muito abusado da
vossa paciencia e altengao; desculpae-me ; porque
me nao era licito e nem dova concisamente expor
fados de uma vida tao ebeia de merecimenlos, de
glorias e de venerago.
Senhores, o varao illustre, o bispo virtuoso, o
sabio modesto, o cardoso sem vangloria, o grande
(8) Eccl. c 46 v. 11. .
i-1. Quando no seio da representacao nacional
um parlamentar estra sua carrera com as mais
crues invectivas, contra os claustros, e mimosea
aos frudes as diatribes mais inquas, nessa mes-
ma occasiao, que a realeza presta ao frade as mais
subidas honras, as quaes nenhum personagem ain-
da gozou I Alta sunt judicia Dri Nao nos dado
penetrar arcanos, mas anlevejo aqu um favor da
Providencia I
I o amor, nascido nos ntimos regagos do Elerno
' que derrama o cofre de suas gragas sobre todas as
partes componentes da grande familia humana e
vae mesmo espalhar a dogura de sua beneficencia
nos proprios seos da inrnsade. o amor aue
SSSL Z 3 ^Sl^Zn,e os de"e>jua,dade'faz que homern ^em cada homem
veres ? Sera ella por ventura Olha dos progressos um arog0 um irmao.
da humanidade? deverasuaappangoaodesenvol-
ment do espirito humano ? Se assim fra, se o ho-' E Como p mera devesse s mesmo a existencia desse lo e deixar de tomar par,e na ma8Bficencia e no ex-
niagestoso, que eleva a fronte da humanidade aos P'eQ,l0r Ue ta grande Virtude ? Como pde ea'
escabellos do Eterno, a verdade de uma Providen- ; S1D0' a cuUara da inlelli2,DCia' deixar de consti-
ca seria desnecessaria, sena mais que desnecessa- tuir uma part'! imPr,ant,ssima da caridade ? nao
ria, seria impossivcl; e sera impossivel poraue o 6 po?ivel' Sb penade abdicar homem os ros
homem teria conseguido a perfelcao na ordem 6 S leg""nos l,tulos de sua dlgnidada : o homem
moral. : Perder sua naconalidade desde que a ntelligen-
.. j ca for obrigada nao receber os sagrados efflu-
aia nao ; nao 6 nos estreitos limites do profano,: vios, as directas munificencias da caridade...
nao nos frageis alicorees dos conhecimentos hu
manos que descubriremos a pedra angular sobre
que descangam o bem-estar do individuo, a integri-
0 que o homem ? E' esta, cortamente, a mais
transcedente e elevada qnestao, que pde ser sus-
o preceito do Messascuntes el docite.
Dsseraos que a intelligencia nao pde deixar de
lomar parte, e uma parte activa no cumprmenlo
da caridade; mas nossa proposgao anda nao est
completa. A caridade nao caridade sem o con-
curso da intelligencia, isto o ensino uma par-
te essencial integrante da caridade, que se acha
pela mesma torga das cousas encerrada em sua
nogo.
Provenios.
A corrupgao do corago j o dsseraos us em
alguma parte, filha idas poucas luzes da intelli-
gencia..
Todo o acto voluntario no homem tem sua razio
de ser, implica a existencia de uma causa que o
justifica. Ora em these geral e abstracta essa cau-
sa e nao pde sor outra senao a conveniencia
que achou o ser humano em praticar tal ou tal
acto por esperar auferir delle um resultado qual-
quer. Mas sobre que repousar a esperanga des-
se resultado senao for na previsao, no conhecimento
mais ou menos pleno de que devera ser elle a con-
sejuencia do acto pratcado 1 E quem dar es>a
previsao, esse conhecimento se nao forem as luzes
da razo ?
Nao pretendemos com isso considerar o homem
obrigado invadir o crculo das verdades especu-
lativas e apoderar-se dellas; nao ; nao essa nos-
sa intengao. Mas dever elle ignorar os seus de-
veres moraes ? e ignorando-os ser possivel o seu
cumprimento voluntario ?
E' claro que se se ignora interamente, ou em
parte esses deveres nao se est habilitado cum-
pr-las, observa Bautain, e que nao sendo ellos
cumpridos ou o sendo mal, o homem sae fra da
ordem, incorre em um certo demerito ou em im-
moralidade. Porque dous sao os elementos do arto
livre : a razao que reconhece o que mister fazer
ou evitar, e a vontadeque realisa oque a razio or-
dena ou aconselha. Ora faltando um destes ele-
mentos, deixa de existir o acto livre___E' sso o
que tem lugar pelo facto da ignorancia.
nao com os primeiros rudimentos do ensino que nado de La Pemmeras a no)icia d
se alcanga o conhecimento da pureza da lingua.
Entrando para o curs? das prlmeiras lettras o me-
nino apenas pde conseguir aprender ler, e feliz
aquel le que o consegue por que esses sao raros.
E' depois na pratica social, pela letura das bons
autores, e pelo raaor cultivo da intelligencia que
elle cliega entrar us grandes segredos da lin-
gua. O estadal da pliilologa nao to fcil quanto
parece, e muto principalmente quando o seu es-
ludo fefto com relacio lingua portugueza.
Mas as irmaas de caridade sao applcadasao en-
sino do sexo femenino. Tanto inelhor. A menina
regeigo do sea
recurso.
Eu j esperava isso t dsse de La Pomraenis
sem manifestar nenhuma commogao, pergonlando
nicamente, se, como a sua sorte eslava decidi.la,
se se Ihe permilliria ver sua mulher e sen pae.
A resposla foi afflrmativa.
De La Pommerais tinha dito ao seu advogado :
Pazei o que poderdes, mas antes o cadafil)
que as gales.
Levautou-se esta noute o cadafalso na praca fio-
quette. A mnltido comegou a agglomerar-se em
volta do circulo tragado pelo destacamento de ra-
que se
quando entra para un, colegio nao aspira (nem p- ] vallara cncarregado de proteger o lo* m
do) a adquiriros foros de Iliterata sua ambicio | achava o instrumento sinistro
smen.e alcangar os predicados de uma boa dona As 5 horas recebeu o condemnado o supreno
de casa. Quem desconhecer os pesados deveres, aviso e ficou alguns instantes s com o digno oa-
as arduas obrigacSos que cercara a rae de lam- dre cujas eihortagoes o consolaran, nos .eos ol-i-
lia. quem ignorar as intrincadas relagoes da eco- mos das.
nomia domestica ? E o que nao preciso para As 6 horas e alguns minutos estara satisfeita a
bem regula-las ? E' por sso que a educaco da jusliga dos homens.
mullier se aprsenla cercada de muto mais diffl- Desde o momento em que Ihe foi tirada a sna
culdades que a educaco do homem. Ora, justa- ultima esperanga, o condemnado nao falln ma*i
mente no ensino catholico que se encontra as bases respondendo apenas com signaes de cabera as pa-
dessa educagao, por meio delle que a mulher tor-! lavras de consolaglo que o ministro de Dens Ihe di-
na-se boa lllha, boa esposa e melhor rniie de fami- \ riga em voz baixa.
lia.... E quem mais adaptado do que as irmaas Quando Ihe corlaram o cabello, o capello a pe
de caridade parannocular nos coracoes feminis as' ddo do padceme, guardn uma madeixa ds m
bellezas da virtude f A irmaa de caridade a cabcllo=
mensageia enviada do cu para conservar as do-1 o condemnado marchou para o soppliciocom
ees harmonas da tamil*... pass0 0rme> mas muil0 ^ com JJJ .m
Se lal a grandeza da educagao da mulher, o diada sobre o hombro direito.
que vem a ser o preconisado prejuizo que tanto | Quando sahiu da prisao abragou o padre. No
altemorisa aos nossos adversarios, quando mesmo mesmo instante o carrasco trou-lbe o paleto! me
elle ebegasse a realisar-se r E de mais, a lingua 'hetinham langado aos hombros, e snsteniando-o
por baixo dos bragos, o ajudou a snbir as escadas do
cadafalso.
Entre a sua chegada a plataforma e a desappi-
rigo do corpo s medearam tres segundos.
A mullidlo, profundamente impressonada, reli-
rou-se logo silenciosa.
do Sr. Cyrillo de Lemos esta poesa :
A MISERIA.
Sombra e paluda, as faces descarnadas,
Encovado o olhar onde scnilla
franceza constitue luje um dos ramos da alta edu-
cagao. Segundo a theoria que combalemos, o seu
conhecimento nao pde deixar de trazer gravssi-
l-mos resultados. E porque nao se exige o seu ba-
nimento, ou, pelo menos nao se demonstra a sua
inconveniencia ? Entretanto nos entendemos que
pelo aproveitado estudo das linguas estrangeiras
consegnese aperfegoar, mas nunca corromper a
lingua nacional.
Nao parega alguem, porm, que procuramos
desnaturar o mrito professonal de nossas profes-1Sinislra chainma de voraz inveja,
soras; nao ; jal dea nao nos assalta a mente. S
pedimos um pouco de liberdade. A concurrencia
aos collegios, manifestar a opimao publica.
E' digno de notarse a s.-gulardade no modo
de proceder dos nossos adversarios ; reclamara li-
berdade para ludo, no enianto quando se trata de
reivindicar os direilos do catholicismo fiogem des-
conhecer toda a dea de liberdade, para melhor
poderem alcancar o triumpho de seus planos. Nao
essa a norma de proceder de boa f.
At aqu falloua linguagem moderada dos mais
generosos de nossos inimigos ; voltemos as vistas
para o oulro grupo e ougamos o Sr. deputado Pe-
dro Luiz :
As irmaas de caridade, diz o grande fillio de
Voltaire, tem grandes estabelecmentos sua dis-
posigao : hospitaes e collegios. No hospital sao en-
fermeiras tyrannicas e administradoras absolutas :
nos collegios sao professoras sem terem soffrido
exames e directoras a coberto de toda e qualquer
inspeceo.
Singular aecusagao o Sr. Pedro Luz parece
querer as filhas de S. Vicente de Paula nos hospi-
taes como simples criadas e sob a immediata di-
reegao, talvez, de algum encyclopedsta... E'
bello... E' porm para lastimar que o nosso go-
verno nao se aproveite da sublime descoberta do
genio e nao faga voar a caridade as azas de cera
Desde que o homem desconhece a existencia de de n05sl decantada liberdade... Ali e se o Sr.
dade da familia e a salvacao da sociedade ; nao : ci,ada "as profundas investigagoes da philosephia;
sobre o pedestal da raconalidade que veremos as-' quando a sua solucao houver sido completa, verlo
S^sizzSir^jT: sua r comprehef os rrrT'quc
luvio das paixoes. umimaiat> pcr0,aa no d|- respeitam aos vanados ramos da familia humana.
Onnicn rotninAin,.^ u A inteHigencia, faculdade suprema que, reuni-
u nico rcsullado a que pode cbesar a inte limn .L ,
H v uc^ue0drd iniuugon da a vontade outhorga ao homem a preeminencia
ca do hornera entregue fraqueza de suas torgas sobre todos os demais seres da creago, a ntelli-
foi o aniquilamento de sua dignidade as aras de- genca, rao luminoso partido do mesmo seio do
negridas do orgulho e dasensualidade. A liberda- Elerno Para revelar sua magestade nos amphithea-
de, translormada em iicenga, bem depressa coaver- trS d mUnd' "a pde esT]ivar-se as le's do de-
teu-se em escravdo, e a ecravidao dominou o
senvolvmenlo, que formam a escada mysteriosa
mundo. E a primeira consequenci do"eMravfaa" da ascen^ semPre raduaI do flnil Para '"lini-
mento do homem aos caprichos das paixoes foi o ,0' d homera Para Deus estrella fulgurante nos
nascimento do polvtheismo e pouco depois da ido- horisontes da humanidade, nao Ihe dadoconser-
latria. ; var-se estranha ao caminhar incessante do pro-
-. .,., gresso, que convida o genero humano ao lauto
iltZ l rSSana Uma reaC?ao f0rt' Uma ban1uete da regeneragao.. .E porque assm ? por-
luu mg en te para chamar o genero humano ao ver- que ,0nge de se satisfazer cora os gozos mater.aes
IZn^T.T'Tr EMySS foio;da vida animal, o homem procura remontarse s
prologme dessa lula, fo. chefe dessa reaegao. Ao regoes da espiritualidade e assentar ahi sobre ba-
passo que a degenerado havia contaminado todas' ses indestruclveis o soberbo pedestal de sua relil-
as nagoes, o povo bebreu conservava '
o deposito da tradiegao primitiva.
um dever nlo o pde cumprir, pde praticar o acto
mais nao cumprc o dever ; e nSo cumpre o dever
pela ausencia do elemento cognoscitivo.
E haver nada mais bello e mais consentaneo
cora a caridade do que procurar o bem estar, a fe-
licdade do individuo pelo cumprimento do dever ?
innocular-lhe a grandeza moral no coracao pela ex-
pansao da intelligencia ? E' justamente facultando
ao homem os dados necessarios para o exacto cum-
primento de seus deveres que a caridade apresen-
ta sua mais bella phase, seu mais sublime carac-
terstico.
Explicada assim a nobre tarefa de uma tao gran'
de virtude acha-se era parte refutada a grande, a
principalobjecgo contra as irm.as de caridade.
Queremo-las no leito da enfermidade, dizem os
mais generosos de seus inimigos, ahi magestoso
o papel que ellas representan!, queremo-las espar-
gindo o bolo da beneficencia pelas victimas da
mendicidade, essa a mais brilhante cora
Ihe pde cingir a candida fronte
deputado cliega ser director de um desses hospi-
taes, teriamos de ver e gosar o explemlido trium-
pho que alc.ingaria a caridade 506 o verdadeiro rei-
nado do Evangelho; teriamos de ver o Brasil trans-
formado em uma nova Canaan pelo sabio governo
de um segundo Moyss.
Mas onde est a lyraunia de semelhantes enfer-
meras ? Vde-as, junio ao leito de morte, advo-
gando a causa suprema do contristado moribundo:
sua palavra a voz do archanjo, sobre os escarpa-
dos trminos do mundo, apontando para o immenso
do espago e demonstrando-o vasio da eternidade...
sua palavra o convite solemne do Eterno ao ru
convicto para a lmpida tome do arrependimento...
Magestosa e sania tyrannia, que nao pde ser vis-
ta pelos olhos do profano I em quanto que os cus i
abencoara o diadema de tua gloria deixa passar o i frente e logo apparece um disco da mesma r..r
Caminlia passos tardos, varillantes
A miseria em andrajos envolvida.
Accarrela aps si por comitiva
A tome que devora, a secca sede,
Os horrores da peste, e a lepra immund.
Companheiros fiis que o seu cortejo
Esfaimados Ihe formam desde o bergo.
Triste do viajor que em meia estrada
Da jornada da vida, qne to longa,
Malfadado com ella tr achar-se .'
Nao mais Ihe sahiro da cabeceira
Esses torvos convivas que alimentara,
Em seus seios rodos pela tome.
Os desejos crueis de atroz sonhares,
A vontade impotente de algum dia
Piecobrarem as vestes luxuosas
Cora que um dia a vaidade os embalara.
L-se n'um jornal francez o seguinte :
Foi hoje experimentado no palacio do senado, era
presenga do barao de Lacrosse, senador secretario,
um apparelho elctrico para a votagao as assem-
blas polticas.
A idea foi, ao que parece, snggerida ao en.-
nbeiro civil Mr. Ch. Gallaud por um artigo do Com-
titutionel, em que se deplorava o tempo perdico
as votagScs do corpo legislativo.
O engenheiro dispoz para a experiencia docs
bancos, em que foram collocadas doze caitas, caca
uma com duas teclas, uma branca e outra negrj.
O numero deslas caixas ser egual ao dos men-
bros da assembla.
E-(;is caixas sao ligadas por os metallicos em
um quadro indicador com casas correspondentes
ao nome de cada votante.
Duas outra casas maiores, abenas na parte in-
ferior do quadro, sao destinadas a dar asomma t
votos pro e contra.
Esla parte do apparelho chama-se contador, e
movida por um botao collocado ao alcance da m;k>
do presidente.
O apparelho funeciona do seguinte modo :
Quando o presidente annuncia que o escrotino
est aberto, cada membro da assembla toca na
tecla branca ou negra da caita que Ihe lea em
ridiculo da impiedade envollo nos esfarrapados an-
drajos da poltica do mundo... em quanto que os
povos juncam de flores ten caminho deixa que o
l'ue I orgulho do talento se estorca as convulsivas an-
mo-las na cadeira de mestras ensinando a juventu- CiaS,de T dam"ados,in'enlO'; deixa'por 1ue ao
de, e nao queremo-las doutrnando porque grandes farb0~ 52 1 ^^^ men"
sao os males, que resultara para a ordem social.
1 dade. E' que sua fronte altiva, penetrando na im-
mensidade do espago, nao pde vizar as estrellas
Ainda aqu se nota a justeza do nosso principio, balizas da animaldade os precisos lmites de seus
isto a insufficencia do homem para regenerar o grandes destinos; que retrocedendo pelos anneis
homem. Muito embora o systema mosaico fosse da cadea tradicional ao primeiro momento de sua
completo, e contivesse as regras concernentes existencia, elle encherga no fundo do quadro, gra-
manter em sua integridade o thesouro da revela- vadas era letlra d'ouro> as eternas palavras do pa-
gao, todava limitado no tempo eno espaco elle nao tusofaciamus hominem ad imagincm el simili-
comportava as fo-gas uecessarias para o prodigio '"",f'n nostram. E ento prestando f voz ir-
da redempgo. E demais, era preciso que se cum- recusavel de sua consciencia, que Ihe desenrola
prsse a promessa, era necessario que se realsas- com toda sua vivacidade o quadro de sua grande-
sem as prophecas. za moral, elle obrigado reconhecer-se um ser
in, j. _._ .. mysterioso composto de duas substancias egual-
Incapaz de por s. so descobrir as intimas relagSes mv,tPrinsas
do absoluto e ignorando as leis de sua mesma na. raysler'sas-
lureza o homem v-se impossibilitado de poder tra- E" Pe'o espirite que o homem se distingue radi-
balhar na obra grandiosa do sua rehabililago sem clmente do bruto, pela sua substancia immate-
0 indispensavel auxiliar, que Ihe prestam as luzes r'a' 1ue e"e> entranhando-se as elevadas regioes
da f ; gyrando na acanhada esphera do relativo da iraraorulidade descobre os longinquos limites
elle nlo pde dar um passo alm, obrigado vi- dessa felicidade nexplicavel pela s razao do lio-
ver circunscripto aos limitadissiraos conhecimentos raem, que se perde no vacuo de uma iramensida-
de sua vida terrena, sem attrever-se levar mais de infinita, E' o que explica essa sede insaciavel
longe o horisonte de suas aspirages. Suas yistas da verdade, que constitue a essencia da natureza
nao se pdem espraiar tora do finito. humana, essa avidez sempre crescente de conheci-
Ora, sendo assim, como podia nascer delle essa meuts> que faz com que o homem nunca se satis-
ffii geral e syrapathica, que congrassando as Intel" aga com >s verdadBS adquiridas e que marche
_encias uuindo os coragoes, falos cantar hym- avao,.e no cam,nho nanca v>cdo de novas inves-
nos de gloria era redor ao throno do Altissimo T ll8aeoes- P"" humano como um vasto
Onde poderia o hornera buscar as doces, as santas occeano cnJas mar8ens nao podem ser alcancadas
relagoes da caridade ? A vida de seu corago nao (Pr mais dila,ado que soja corso da vid-
poderia sapportar o peso de tanta grandeza, se o Filho predilecto da propria verdade em sobstan-
anjo da f nao viesse depositar nelle o germen de '. cia, nascido era um momento de suas doces ema-
uma nova vida, a vida de uma nova alma... nages, o homem invencivelmente levado amar
Caridade 1 mas o que a caridade? onde pro- a verdade. Prque ella o seu primeiro alimento,
curar os termos para uma deflniglo ? A f mais
robusta nos sacrosantos niysteriosda religio, a es-
peranga mais firraemeule assenlada as recnditas
dobras do corago, nada podem conseguir se, por
ventura, o doce reconhecimento da fraternidade
christaa nao vem fazer germinar e crescer, contra
todos os esforgos da sensualidade e do orgulho, a
sement do amor, desse amor santo que s pode
a sua principal necessidade ; porque sem ella a
sua existencia racional seria Impossivel, to im-
possivel quanto sena a sua vida physica sem o au-
xilio, que Ihe presta a mo liberal da natureza. E
embra na contingencia de sua relatividade elle
nao possa apanhar o absoluto da verdade porque
esse absoluto Ihe foge na fraqueza de suas concep-
goes, todava nao Ihe dado recusar-se ao aceno,
que Ihe faz a razio suprema no erapoobo de racul-
tar-lhe o supremo bem. O que seria o homem
Quaes serlo porm esses males, que perigos se-
rlo esses que tanio amedrontam os zelosos da pros-
peridade nacional e provocam seus escrpulos ?
Nao os enxergamos.
A palavra da verdade emanada da bocea dos
missionarios da f, nunca produzirara senao bene-
ficios, nunca serviram seno para espalhar o bal-
sarao salutfero pelas grandes enfermidades moraes.
tira c o embuste se irao sumir no negro de seus
centros e tua victoria ser certa.
(Contmuar-se-ha.)
UM POUCO DE TUOO.
L-se na Gazetta do Poro :
Eis alguns fictos relativos ao rgimen das basto-
nadas :
Ha em Ziesendorf um cavalhero (Mr. de Nuso-
baumj que adquira ja certa nomeada por ter mal-
tratado com bengaladas da sua nobre mao uma
que eorroem o coracao, que envenenam as vsseras
do corpo social. O grande predicado da f, sent- criada da sua casaj que teve de ir'paV o hospital
ment ngilaale as ponteiras da sciencia, escla- CUrar-se dos ferimenlos.
recer a intelligencia para purificar o corado, e pu-
rificando o corago conduzir o espirito pelo carai-1 ?,n0,Se d'Z'a a ^ Sen"r que a ,e das bast-
nho da perdigo. nadas ohriSana Povo a emigrar, respondeu que
1 nenhum dos seus subordinados emigrara, porque
Sendo assim, como pde o ensino das irmaas de elle Ihes tirara os meios.
caridade prejudicar a sociedade ? Se prejudcar
sociedade aplanar o caminho para a pratica do f! PrC5'ar Jurame",n an mestre^scola como es-
bera, tortalecendo pela influencia da moral a obe- ttin, e :' S6U ^^-nocturno como me.rinho e
dienciasleiseorespeito ao principio da autori- arranJ0U 'na P"sao P^'^ a que elle chama
dade ; se prejudicar sociedade abafar em seu
hediondo nascedouro o germen das sedigoes, fazen-
do que sejam bem comprehendidos e definidos os
direitos da liberdade, afim de que nunca os possa
confundir com os insensatos desvarios da liceng.i
o seu trrelo. Pode assim bastonar os seus de-
pendentes por tres ttulos dilferentes.
Como juiz deinquerito, pde por mentiras e Im-
pertinencia mandar-lhes dar at quinze bastonadas.
Como juiz de causa, por faltas de servico, vinle e
se prejudicar sociedade elevar a familia ao ano- cinco bastonadas, e como inspector dos torreos,
geu de sua grandeza moral, deixando repeusar os P*"* n>nter a disciplina dos presos cincoenta bas-
direitos e deveres de seus membros na portentosa ,onadas.
columna do amor ; se prejudicar sociedade of-'. Um jornaloiro queixava-se ltimamente que seu
ferecer as garantas precisas para o nteiro reco- amo se nocontentavaquetrassem o barrete dian-
nhecimento dos direitos do individuo, tornando te delle, mas exiga que o conservassem na mao
respoilada sua vida e sua propriedade se, final- em quanto que o vissem.
mente, prejudcar sociedade tornar claras e Alm disto, sao obrigados quando passam em
mamfestas as eloquentes verdades do catholicismo, frente do palacio senhorial a tirar o barretee leva-
revelando seus altos raysterios eos inmensos be- lo na mao at que o tenham passado, ainda mesmo
neflcios, que elle prodigalisa enlao nao temos pe- que no palacio se nao veja ninguem.
jo em nos confessarmos vencidos, reconhecendo a Posso assegurar que este costume, que recorda
razao e ajusliga, que assistem aos nossos adversa-, o chapu de Gessler .que deu motivo a revolu-
nos ; ento seremos nos os primeiros procla- ?o de Guilherme Tell e independencia da Sussa)
marmos os direitos do regalismo e a conveniencia existe era muitos dominios nobres da Allemanha
de bararmos do slo brasilere o ensino catholico., ___ Aitemanna.
Mas para isso preciso que nos seja primeramente
demonstrado a verdade dos absurdos, que deixa-
mos retratados.
Nao ; nos responderlo os improvisados adver-
sarios das irmlas de caridade, nao sao esses os
males que tememos, nlo sao essas as consequen-
L se no Jornal do Havre e no Pays:
O recurso de Couty de La Pommerais foi regei-
tado pelo tribunal de Cassago.
Tem sido calorosamente commentado e requisi-
toro do procurador imperial Mr. Dupn, que de-
pois de se ler pronunciado pela pena de mort foi
ms, que resultara do ensino das fllhas de S. Vicen- bu cora uraa inesperada energa contra as Z'mvl
te do Paula ;essos pengos sao de uma ordem dlf- nhias de seguros de vida, cojos contratos dTsse
ferente, por exemplo, a corrupgao da lingua... offerecerem por saa propria J^^'J^
Oh I a corrupeao da lingua mas onde se debu- odioso,
xa essa corrupgao ? nlo as escolas primarias, No dia 4 a noute Mr. Bozerian levou ao condem-
no quadro, na casa collocada ao lado do nome do
volante.
Quando o presidente declara fechado o escruti-
nio, toca no boto que Ihe tica mao para fritar
todo o voto ulterior, e por em raovimento o n--
chanismo,qiie opera instantneamente a sommados
votos pro e contra.
Us secretarios, perto des quaes se acha o quadro
indicador, olhain para elle e tran-mitiem ao presi-
dente o resultado da votagao.
No caso de votagao secreta, o segredo mantido
por uraa disposieao engenhosa do autor, que con-
siste em fazer com que o voto apparega ao acaso
n'uma casa que nao a que tica ao lado do nom
do volante.
A experiencia agradou muito s pessoas qne a
presenciaram.
L-se no Commercto do Porto :
Diz uma correspondencia de Muaieh :
O rei Luiz II foi victima de uro accidente qn.
esteve a custar-lhe a vida.
Durante a sua ultima residencia no palacio d'
Berg, peno do logo de Starnberg, fez murtas ex-
curses a cavallo pelas cercanas.
Desceudo uma rampa, S. M. quz vestir o seu
sobreludo, e para nao reclamar o auxilio de nin
guem tomou a redeado cavallo na bocea.
O cavallo tomou medo e baixou a cabera tac
violentamente, que arrancou as redeas da bocea
do re, e este, passando por cima da cabera do ca-
vallo, cahiu.
Felizmente, o solo era da arria e o rei soffreu
apenas uma arranhadura na face direita.

O imperador Napoleo, andando no da 9 a pas-
sear, depois de jamar, no parque do palacio de
Fontainebleau, com alguns individuos da sna cor-
te, indo beira do rio, resvalou e cahiu de costas
nagua. Foi immediatamente tirado eo incidente
nao teve resultado nenhum grave seno de uro ba-
nho fric, que poderia ler pongo por ser depois de
jamar,

as festas de Cambridge am joven estadanle
quz renovar com a priuceza de Galles a galantera
de Ralegh, que langou o seu manto para qne a rai-
nha Isabel podesse passar sem sujar os sapatos.
ltimamente (e nole-se que nao r no va) a prin
eza de Galles, visitando Kingls, tinha de passar
uma vereda. ImmediaUmente o nosso esiudanie.
tirou a sua toga universitaria e a langou por
trra.
A princeza Qcou muito admirada. Explicara
Ihe este acto cavalheiresco (em segunda edicao> e
era gosto ver a princeza agradecer, e, ao
tempo, levantar um pouco o seu vestido para 1
trar bem ao estudante que punba o p na toga
carnada.
O mancebo desde entilo, o mais feliz dos
taes.
PERNAMBUCO.-TYP. DE M. F. DE 9. & PIU
)
MUTlLADQj


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EXPQ6S0LU_1STEEX INGEST_TIME 2013-08-27T20:58:35Z PACKAGE AA00011611_10415
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES