Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10408


This item is only available as the following downloads:


Full Text
m

AO L. HOMERO 152.
Por tres mezes adiantados 5$O06
Por tres mezes vencidos 6$UU
Porte ao correio por tres mezes. 750

n *k *>. vj QIMTA FEIRA 6 DE JDLHO DE 1864.
Per aano ada atad o.....49S00O
Porte ao correio por um anno 3}000


BNCARREGADOS DA SUB3CRIPCAO NO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima'
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Aracaty,
Sr.A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira; Maranhao, o Sr. Joaquim Marques Ro"
iribes; Para, os Srs. Manoel Pinheiro & C.; A-
mazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
KNCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO NO SUL-
Magdas, o Sr. Claadino Falcao Dias; Bahia, o
rr. Jos Martins Alves; Rio de Janeiro, os Srs. Pe-
riera Martina & Gasparino.
PARTIDA DOS ESTAFETAS, i EPHEMERIDES DO MEZ DE Jl'LHO.
OUnda, Cabo e Escada todos os dias.
Iguarassu', Goyanna e Parahyba as segundas e .. .
sextas-feiras. Lua noya as 10 5 m. e 13 s. da m.
Santo Antao, Gravat, Bezerros, Bonito, Cantara', 12 Quarto crese. a 1 b., 2fi m. e 14 s. da m.
Altinho e Garanhuns as tercas feiras. jo La cheia as 4 h., 18 m. e 14 s. da m.-
Pao d'Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqueira,
Ingazeira, Flores, Villa Belfa, Tacaratu', Cabrob,
Boa Vista, Ouricury e Exu' as quartas ff iras.
Sermhem, Rio Formoso, Tamandar, Una, Barrei-
ros, Agua Preta e Pimenteiras as quintas feiras.
Ilha de Fernando todas as vezes que para ali sahir
navio.
Todos os estafetas partem ao V dia.
2o Quarto ming. as 6 h., 26 m. e 8 s. da t.
PREAMAR DB BOJE.
Primeira as 5 horas e 18 minutos da manhaa.
Segunda as .'i horas a 42 minutos da tarde.
PARTIJM DOS VAPORES COSTEMOS.
Para o sul at Alagas aSe^S; pr* o norte at
a Granja 7 e 22 de cada mez; para Fernando nos
dias 1 dos mezes dejan, marc., maio,jul, set enov.
PARTIDA DOS MNIBUS.
Para o Recife : do Apipucos s 6 '/,, 7, 7 /,, 8 e
81/, da m.; de Olinda s 8 da ni. e 6 da tarde; de
Jaboato s 6/ da m.; do Catanga e Varzea s 7
da m.; de Bemfica s 8 da m.
Do Recife : para o Apipucos s 3 >/,, 4. '/* Vi,
5, 5 Vj B Vz e 6 da tarde; para Olinda s 7 da
manhaa e 4 V da tarde; para Jaboato s 4 da tar-
de ; para Gachang e Varzea s 4 V* da larde; para
Bemfica s 4 da tarde. j
AUDIENCIA DOS TRIBUNAE8 DA CAPITAL
Tribunal do commercio: segundas e quintas.
Relacao: tercas e sabbados s 10 horas.
Fazenda: quintan s 10 horas.
Juizo do commercio: segundas s 11 horas.
Dito de orphaos: tercas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel: tercas e sextas ao meio
dia.
Segunda vara do civel: quartas e sabbados a 1 hora
da tarde
DIAS DA SEMANA.
4. Segunda. S. Isabel rainha de Portugal vinv.
5. Terca. S. Philomena v.; S. Tritina m.
6. Quarta. S. Domingas v. m.; S. Isaas prof.
7. Quinta. S. Pulcheria v. imperalriz.
8. Sexta. Ss. Procopio e Priscilla mm.
!. Sabbado. Ss. Cyrille e Bricio bb.
10. Domingo. S. Silvano m.; S. Bianor b.
ASSIGNA-SB
no Recife, em a livraria da praca da Independencia
ns. 6 e 8, dos proprieuros Manoel Figueiroa de
Faria & Fimo.
PARTE OFFICIAL
GOYERNO DA PROYOCIA.
Expediente do dia 2 de julho de 1861.
Dito ao commandante superior da guarda nacio-
nal de Garanhuns. Respondo ao offlcio de V. S.
de 20 do mez lindo, dizendolhe que por nao baver
armamento deixa de ser satisfeita a requisigo cun-
tida em seu citado ofDcio.
Dito ao conselho administrativo.De conformi-
dade com o disposto no aviso da repartico da
guerra de 14 de junho prximo Ando, recommendo
juim do Reg Monteiro, que assentou praca volun-
tariamenle na companhia de caradores do Rio
Grande do Norte com destino ao 7" batalhao de n-
autaria, como me communicou o Exm. presidente
daquella provincia em ollicios de 23 e 28 de junho
prximo lindo.
Dito ao mesmo.Se V. Exc. julgar procedente a
anno passado, que a commisso incumbida de exa
minar esses artigos reconheceu ser de m qualida-
de o brim das fardlas e, alm de grosso, muito
vasado o panno com que foram manufacturados os
primeiros dos referidos artigos.
Dito ao administrador do correio. Constando
de offlcio da secretaria de estado dos negocios da
. agricultura, commercio e obras publicas, de 18 de
^S&S^^^aSSSSSTSt junho ultimo, que nessa dala foram demittidos de
!!!S^AS!SK^SSlSSSSml. entes SommtO Manoel Antonio Xavier e los
^'MMoiX SSSH Cryspinano Rodrigues Coe.ho, este da villa da Boa
So^XSSSffhiSTiS Vista, c aqaelle de Ingazeira, e orneados para
SSdft&taSS urna pefcio em que o de 1205000 rs. para Ihe ser pre.nehidi.no so em
atieres do 9 batalhao de infantaria ora addido ao
corpo de guarnigo daquella provincia. Albino Jos
de Paras impetrou do governo imperial proroga-
$o de quatro mezes de licencacom que se ada
para tratar de sua sadejvisto conliuuarem os seus
solfrimenlos : assim o declaro V. Exc. para os
litis convenientes.Scientificou-sc ao Exm. presi-
dente-daquella pruvincia.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
De conformidade com o disposto no aviso da re-
partico da marinha de 20 de junho prximo lindo,
que pela porcentagem nao prefaca esta quantia;
assim o communico Vmc. para seu conhecimen-
to e direccao. Communicou-se ao inspector da
thesouraria de fazenda.
Dito ao mesmo Communico Vmc. para seu
conhecimento e direccao quo segundo constou de
ofllcios da secretaria de estado dos negocios da
agricultura, commercio e obras publicas, de 11 e
16 de junho ultimo, foi mandada crear urna agen-
cia de correio na villa do Salgueiro, sendo para
ella nomeado Jos Gomes de Souza Ferraz, que
Exigiam a independencia poltica e a uniao dos I xando rer que em Copenhague so se pensara con-
ducados de Schleswig-Holslein, reservando-se a de- sentir n'nm armisticio maior, se antes se estabe-
ciso da questao de successao na via legal. Como lecessem preliminares de paz aceitaveis. Essa ar-
se v essas condicoes nao excluiam anda urna rogancia, que s cotnmentada pela fraqueza mi-
uniao pessoal eventualmeote a resolver entre os' litar da Dinamarca, foi entretanto tambem demora-
ducados e a Dinamarca; mas do oulro lado, sob t damente /orle para os neotraes, e em consequen-
suas bases, tambem tornava-se possivel a absoluta cia das violentas declaracoes dos mesmos, o Sr. de
c completa separago do Schleswig-Holslein da Di- Quaade dizpoz-se promessa, que para a prxima
namarca, e a reserva da decisao da questao de sesso se empennaria por propostas as mais accei-
successao igualmente favoreca essa possibilidade. taveis possiveis do seu gabinete. A nova sesso
Debaixo de todas as circunstancias, as grandes! foi entao lixada para o dia 2 de junho, e alm da
potencias allemaas com suas propostas de paz ti- j questao do armisticio, foi posta na sua ordem do
nbam desistido do principio da nlcgridade da mo- i dia a continuaco da discussao acerca da proposta
narchia dlnamarqueza, que oceupava o primeiro' de paz dos neutraes. Como se v nao houve des-
lugar no tratado de Londres de 8 de maio de 1832, sa manara decisao alguina. Em todo o caso, po-
como tambem o Sr. de Rismark em um despacho
de lo de maio dirigido ao conde de BcrnstorfT em
Londres, havia alm dsso tambem declarado ex-
pressamenle. Os plenipotenciarios dinamarquezes
tinham declarado nao aceitaveis "as propostas aus-
Iro-prussianas, e aflra de gahhar o tempo necessa-
rio para procurar novas propostas de paz, a con-
ferencia tinha-se adiado at 28 de maio.
rm, a nlcgridade da monarchia dinamarqueza li
cou para sempre removida, e toda a questao virou-
se agora nicamente sobre o limite do territorio
dos ducados separar da Dinamarca.
Os Allemaes exigiam a separaco integral dos
ducados, a Inglaterra s qneria ver separada, alm
do Holsteio, a parte mais meridional do Schleswig
e a Franca com o Holstein em geral, a parle do
CIIIIOMCA JUDIGIARIA
devidos lempos Jo capilao tenante da armada Gia- *g&J*^**2Sr&-
1203000 rs. para llie ser preenchida no caso em
que pela porcentagem nao prefaca esta quantia.
Communicou-se ao inspector da thesouraria de fa-
zenda.
Dito aos agentes da companhia brasileira de pa-
quetes vapor.Em additamenlo a portara de
honiem declaro Vmcs. que a passagem concedi-
da para Bahia ao capito lente da armada Jos
Avelino da Silva Jacques comprehende urna Ulna
orno Raja Gabaglia alm de todos os seus venci-
oientoa a gratiticaco mensal de 3003, emquanto
elle estiver em commisso nesla provincia esludan-
do os elleitos produzidos pelo rompimento do isth-
mo de Olinda, e os melhoramenlos e obras de que
necessiu o porto, para o que foi nomeado por
aquella repartico, segundo me constou de outro
aviso da mesma,data.
Dito ao mesmoCom aviso de 7 de junho ulti-
mo remetteu-me o Exm. Sr. ministro da fazenda o soltera de lo annos, que e* le leva, comsigo
titulo Horneando o praticante da alfandega desta .Portana.-Os Srs. agentes da companhia bras.-
apital Jos d'Avila Bittencourt Neiva para o lugar l"ra de paquetes, mandem transportar at a eftrUl
de i- escripturario da mesma alfandega: oque no vapor Cruznro do Sul em lugar de proadesti-
emmunicn V. S, para seu conhecimento e atim nado passage.ro de estado a \.rg.o.o FelippeNe-
de que o faca constar a quem competir. ry que consta ser desvalido.
Dito ao mesmo.Mande V. S. descontar dos ven-! Dita.-O presidente da provincia, tomando era
cimentes do alferes quartel-mestre do corpo de consideragaooqueexpo/o inspector da thesoura-
Candido de Aranjo, como se na provincial em offlcio de hoje sob n. 248, resolve
d
d
<\ie consicnou u.
em diante menlo [iroximo lindo, em liquidacao se possa elfec-
Dito ao mesmo.-Reassumindo boje o bacharel tuar os pagamentos das pruslacoes definitivas dos
Jos Paulino da Cmara o exercicio do cargo de reparos da estrada do Pao d Alho, entre os marcos
promotor publico desta comarca ; assim o commu- de 5 a 7 mil bracas e dos supplementares dos pri-
meo V. S. para seu conhecimento. i metro e segundo leos da mesma estrada visto
Dito ao mesmo. Communico V. S. para seu ser insufflciente para esse Rm o crdito aborto por
conhecimento que S. M. o Imperador por decreto portara de 18 de junho ultimo, segundo consta do
J pouco tempo depois da morle do rei Frederi- .Schleswig que fosse paiz alleraao. Todas as on-
ce VII da Dinamarca, quando nao era mais de du- tras ditferencas anda existentes se referiram a ab-
vidar da seriedade do movimento nacional da Alie- surdos, e a esses pertencia lambem que a Russa,
manha pela causa dos ducados, a Franca tinha fei- quando as potencias allemaas fallaram do direito
lo lerabrar a necessidade de assegurar a soluco de successao da casa de Auguslemburge, reserva-
da questao allemaa-dinamarqueza sob outras bases, ra diroitos pretendidos sobre differentes parles do
do que sob base do tratado de Londres. Holstein. Ja em 1852, a Russia soubera aprovei-
Esse tratadodeclarara ella formalmenteera j tar esses direitos pretendidos para a realisacau do
urna obra dbil, e o conflicto entre a nacionalidade j tratado de Londres. Os mesmos de igual maneira
allema e a dinamarqueza na pennsula cimbrica, I como as condicoes inglezas de nao eslabelecer or-
s poderia resolver-se finalmente pela separaco talezas e portos de guerra federaes, porm, s li-
dos contrastes nacionaes hostis. Isso fra principal- nham agora per fim de tornar as potencias alie-
mente o contedo de aberturas, que o gabinete' mas mais coudescendentes respeito da diviso
francez tizera em principios de janeiro ultimo per-1 do Schleswig. Em todo o caso a Russia nao pen-
to de dilferenles cortes. A naeao allemaa tinha sava de fazer valer seriamente esses seus direitos
saudado essas aberturas com a mais viva satisfa-: pretendidos, os quaes nunca teriam supportadoo
cao. DilTerentemente os gabinetes europeus. mais simples exame juridico.
A Inglaterra, quo nada qneria ver mudado na ; Acerca da sesso da conferencia no dia 2, as no-
integridade da monarchia central dinamarqueza e ticias que at agora temos sao muito defeituosas e
no tratado de Landres de 1852, bem entendido nao pouco claras. Tudo quanto deltas resulta com cer-
Ihe deu consideraco. teza, que a prolongaco do armisticioo mesmo
Da Russia vale mesmo. | como se sabe acaba no dia 12nao se realisou no
Tambera a Austria e a Prussia nada queriam dia 2 de junho, mas sim que a solucao dessa ques-
saber entao das ideas francezas, tomando sempre tao foi adiada para a prxima sesso do dia 6, e
como ponto principal do seu programma a susten- que se discutio sobre as propostas de diviso dos
tacaodo tratado de Londres, exigodo somente urna neutraes.
posico melhor e mais assegurada dos ducados Segundo se diz as potencias allemaas se mostra-
dentroda monarchia central dinamarqueza. promptas de desistir de sua exigencia do Schleswig
Em consequencia disso, a Franja retirara se em integral, e consentir em principio n'uma separaco
umaposicaoespeclativa, esclaiecendoa mesma por dos districtos dinamarquezes para uni-los Dina-
- marca, as insistiram n'uma linha de divsao, a qual
pao no acto da prisao, pelos da palrulha que con- Bernardo Ribeiro do Amaral, Pernambuco, 40
lam nao Ihe poderara fazer por menos, porque o annos, casado, Boa-vista ; febre maligna.
homem resisti. Maria Joaquina de Castro Perelli, Pernambuco.
O preso requeren e obteve ordem de habeas- 78 ann0Si viliv, Boa-vista : gastro interite.
corpus, mas foi-lhe ahnal negada a soltura, man- Manoel, escravo, frica, solteiro, Boa-visU;
dando o juiz de direito proceder contra a dita pa- asphixiado.
trulha pelos ferimentos que fez.
Nada digo sobre essas cousas, cada um faca
acerca dellas os comentarios que quizer, s me pa-
rece que muito mal iremos sempre que para pren-
der um criminoso for preciso augmentar o ame-
ro dos reos de polica.
t Adeus.
Falleceu e foi sepultada, ante-hontem, a
Exma. Sra. D. Maria Joaquina de Castro l'eretti,
muito digna mi do Exm. Sr. desembargador Pe-
relt, quem damos nossos psames.
BSrARTKAO DA POLICA.
Extracto das partes do da 5 de juHio de 1864.
Foram recolhidos casa de detenco no dia 4
do crreme :
A' ordem do Illm. Sr. Dr. chefe de polica, Jos
Francisco Bezerra, como desertor do 2o batalhao
de infantaria ; Joaquim Gomes Bezerra, e Sebas-
to Jos de Santa Anna, por estarem processados,
vindos do termo do Limoeiro.
A' crdem do subdelegado do Recife, Antonio,
escravo de Mello Irmo, requeriraento des-
tes ; Jos Maria Nunes, e Custodio, escravo do ca-
pito Trajano, arabos para averiguacoes poli-
ciaes.
A' ordem' do de Santo Antonio, Domingos, es
cravo de Manoel da Silva Ferreira Tarrozo, por
ofTensas moral publica.
A' ordem do da Boa-visU, Manoel Ferreira dos i
Santos Torres, e Joanna Baptisla Pereira dos San-
tos, para correeco.
A' ordem do da Capunga, Ivo Correia, Joanna
Baptisla da Paz, por insultos.
0 chefe da i' seccio,
J. G. de Mesquita.
Movimento da casa de detenco no dia 4
de julho de 1864.
Existiam....... 354 presos.
Entraram....... 12
Sahirara....... 9
de 18 de junho prximo lindo houve por bem apo-
sentar sm jus a vencimenlo algum o desembarga-
dor da relacao desta provincia Pedro de Alcntara
Cerqueira Leite.Fizeram-se as outras communi-
acoes.
Dito ao mesmo.Altendondo ao que no incluso
re |iierimento expoz o promotor publico da comar-
ca do Brejo, bacharel Manoel Galdino da Cruz, re-
cnmmeiido V. S. que se nao
houver inconve-
citado offlcio. Communicou-se ao inspector dathe
souraria provincial.
ila.O Sr. gerente da companhia Pernambuca-
na, mande dar transporte at Pendo no vapor
i Persinnnga em lugar de r destinado a passageiro
de estado a Jos Rento Gil.
Dita.0 Sr. gerente da companhia Pernambu-
cana mande dar transporte at Maceio no vapor
que seguir para o sul em lugar de r destinado a
difTerentes vezes de maneira que, se todas as ou-
tras potencias concordassem na sustentaco do tra-
tado de Londres, olla, de sua parte nao ofTerecia
difllculdades; mas que dado o caso que sob a base
do mesmo tratado nao se realisasse um accordo, el-
la voltaria de novo diviso da monarchia dina-
marqueza, consultando-se a populaco dos du-
cados.
Agora ti vera lugar o caso assim previsto. As po-
tencias allemaas desdizendo-se do tratado de Lon-
dres, nao era mais de esperar um accordo sob sua
base, de nenhuma circunstancia, e a Franca jul-
gava chegado o momento de sahir da sua reserva,
observada durante os ltimos mezes.
Ella dingio-se primeiramente para a Inglaterra,
representando-lhe a inutlidade dos esforcos de paz
at agora feitos, e convidando-a a entender-se com
ella acerca de um novo programma estabelecido
sobre a separaco das nacionalidades.
Ao mesmo tempo o plenipotenciario da Confede-
rago Allemaa o Sr. de Beust foi induzido de ir a
Paris por alguns dias durante o adiamento da con-
ferencia, afim de entender-se pessoalmente com o
imperador Napoleao eo Sr. Drouyn deLhuys acer-
ca dos planos francezes.
Os resultados nao deixaram esperar. A Ingla-
terra verdade que fizera anda muitas clausulas,
nao querendo aceitar a proposta franceza em toda
de parte da Dinamarca, e sobretudo da Inglaterra
enconlrou a mais viva opposico.
Tambem, segundo algumas*noticias quere n sa-
ber, foi levantada a questao de consultarse a popu-
laco do Schleswig. Mas como j dito, as noticias
nao sao claras c contraditorias, de sorte que deve-
nios reservar-nos de voltar a esse assumpto na
nossa prxima.
Urna consequencia do revivamento havido em
Berln e Vienna favor das pretences da casa de
Augustemburgo, foi urna viagem que nos ltimos
dias emprehendeu o duque Frederico de Kiel, onde
como se sabe elle tomara sua residencia desde o
mei re Janeiro, para Berln. A mesma leve logar
sob convite especial do rei da Prussia. O duque
teve em primeiro lugar urna conversa com o re,
depois com o principe real e com o ministro de
Itismark. Ao mesmo tempo com o duque a sua
rne tinha hido Berln, onde foi recebida na corte
com a mais particular atlenco.
O rei e o pr ncipe real foram fazer-lhe visita im-
mediatamente depois da sua chegada. O duque
nao voltou por em quanto para Kiel, tendo seguido
para as suas trras de Dolzig, d'onde provavelmen-
td ir lambem para Vienna.
E' fra dos limites destas coinmunicacoes referir
acerca de um novissimo golpe de estado do princi-
nmeiio a V. >. nue se nao nouver iircwuw i-" ".-" k- .--..-
Diente, mande pagar integralmente ao supplicante passageiro de estado a Caelano Agnpiano
os seus vencimentos relativos ao mez de junho ul- ras (
timo ti bem assim os correspondentes a 3 dias do
de julho do anno prximo passado em que por mo-
lestia deixou o exercicio do seu emprego, conside-
rando V. S. assim abonadas as faltas, que deu o
supplicante nos dias daquelles mezes.
Dito ao inspector da thesouraria provincia!.De
conformidade com a sua informaco de honiem,
sob n. 245 dada com referencia ao parecer do pro-
curador fiscal dessa thesouraria, mande V. S. por e dono do hiate nacional Smjipano, resolve conce-
novamente em praca o pedagio da barreira do Ca- der-lhe licetica para ir o referido hiate ao presidio de
xan- ervindo d base a essa arremalacao a Fernando, hcando porem obrigado a fazer trans-
auantia annual de 3:585f olTererida por Jos Ro- portar gratuitamente ate 3 passageiros designados
drigues Selle no reijuenmento sobre que versa a pelo governo, e bem assim os objectos e gneros
sui citada informaco esla(l0. 'Ie na,) excederem ao peso de urna to-
Dilo'ao mesm.-Recommendo V. S. que, nao nellada. o que ser verificado pelo director do ar-
havendo inconveniente e em vista da inclusa folha, seal de guerra. Outro sun lloara igualmente
mande indemnisar o corpo de polica como solici- obrigado nao so a transportar,
inado a a sua extenso; todava declarou-se prompta tam- pe Kusa nos principados danubiano?. De oulra par-
de Fa- bem do seu lado a consentir no abandono do tra- te serio de certo dadas as devidas informacoes. Fal-
i lado de Londres, e aceilou a idea da separaco das jamos smente dessa occorrencia para fazer obser-
Dita.O Sr. gerente da companhia Pernambu-1 nacionalidade hostis em principios. var como assim o Oriente com as suas questes ap-
cana mande transportar al Penedo no vapor Per- As conversas com o Sr. de Beust tiveram um re- parece de novo na dianleira, e os incommodos que
titumga em lugar de r destinado a passageiro de ; sultado i lentico. O Sr. de Beust aceilou a proposta em consequeneia terao tambem de sotrer as polen-
estado ao bacharel Pedro de Albuquerquc Autran,; franceza com reserva das modilicacSes necessarias I cias allemaas. O golpe de estado do principe Kusa
juiz municipal do termo de Villa Nova na provin- no nteresse allemao. dirigido directamente contra as convencoes euro-
cia de Sergipe e na proa a um seu criado.
Dila.O presidente da provincia, altendendo ao
que requereu Henrique Jos Vieirada Silva, mesire
Existem....... 357
A saber :
Nacionaes...... 236
Estrangeiros---- 44
Mulheres....... 8
Estrangeira..... 1
Escravos........ 62
Escravas....... 6
357
Alimentados a custa dos cofres pblicos 129.
Movimento da enfermara no dia 6 de julho
de 1864.
Tiveram alta :
Ignacio Jos Guimares.
Severino Jos de Franca.
Ignacio (escravo) sentenciado.
Vicente (escravo) doDr. Brito.
r. M f V 51 n X
3 i a 3 sr
J. 3 I i u 3 -/i a 3
'
;
: : :
a
>
14
>
-
s
>
Masculillo.
.| 33 I O
! I
Feminino.
V.
no mestrto hiate
ton o respectivo commandante em olllcio de hon- para aqaelle presidio, os de mais empregados, pra-
tem, sob 11306, da quantia de 87*360, despendida <;as, senleciados militares e de josUca mediante a
com as diarias abonadas aos dous calcetas empre- indemmsacao de conformidade com a tabella de 27
cados mvervico do quartel daquelle corpo, a con- de outubro de 1862 bem como a nao consentir; que
lar de aneiro a lunho deste anno.Communicou-se para all se transporten) sem permissao da presiden-
ao preititoTOmmandante. cia, gneros e quaesquer outros objectos perten-
Dilo ao mesmo. Annuindo ao que solicitou o cenes a particulares, nao podendo ellectuar o de-
<-hefe de polica em ofiicio de bontem, sob n. 779, sembarque do carregamento, que levar dito navio
recommendo V. S. que mande pagar ao delegado sem que por parte do commandante do mesmo pre-
do termo de Flores, ou a pessoa por elle aulorisa- j sidio se proceda a exame afim de se verificar, se
de 263400 despendida com alguns \ ha agurdente ou outra qualquer bebida espiri-
Debaixo dessas circumslancias os gabinetes de ; peas da conferencia de Paris acerca dos principa-
Lut A A Ti____-a. ^______________1. A_____X- A feA -. .^ .4 r L 1 I ^ <\ 1 J__-__1_ ? __ 1 __ __ J- I 1 *' i.\ A raLm.!! 11^1 A T\ f\
Derlin e Vienna pensavam tambem nao dever he-
sitar mais lempo de entender-se acerca de um no-
vo programma formulado definitivamente, e em
poucos dias o enlendimento achou-sc realisado. Se
a propria Inglaterra concordava na absoluta disso-
luco da uniao existente da monarchia central di-
namarqueza, em Vienna e em Berln cerlamente
nao havia mais motivo de recuar de igual exigen-
cia. Por isso, combinou-se um programma, exi-
giudo igualmente essa dissolueo, e a saber em
primeiro lugar a separaco dos dous ducados de
Holstein e Schleswig da Dinamarca e sua consti-
dos danubianos do anno de 1858, e sobretudo na
Austria parecem resolvaos a nao deixar passar o
negocio tranquilamente, mas sim de prestar o
mais vigoroso apoio Porta Ottomana, a qual j
apresentou um protesto formal.
Na queslaodo Zollverein ainda nao se conseguio
urna solucao. De maneira como a Prussia j con-
cluio com' a Saxonia um tratado separado acerca
da renovacao do Zollverein sob base do tratado de
commercio" franco-prussiano, as negociaces res-
peito de idnticos tratados scjiarados com Hade,
Francfort, os estados da Thunnga, Bounswik, 01-
tuico independente como estado da Confederaco demburgo, Hanover o Hesse-Eleitoral vo tomando
Allema debaixo de um proprio soberano, accen- um resultado favoravel. Por contra a Baviera,
1 tuando-s ao mesmo tempo particularmente o di- Wurtemberg, Hesse-Darnistad e Nassau nao aban-
reito de successao da cara de Augustemburgo. Es- donam a sua resistencia contra o tratado de com-
sa ultima declaraco por proposta expressa da Aus- mercio em questao, esforgando-se por urna revlso
reparos urgentes feitos na respectiva cadeia como
se v do offlcio junio por cpia.-Coinmunicou-se
ao Dr. chefe de polica.
Dito ao mesmo. Em vista da coma junta em
duplcala que me foi remettida pelo chefe de poli-
ca com olllcio de hontein. sob n. 778, e nao haven-,
do inconveniente, mande V. S. pagar ao Dr. Ma-!
tuosa.
Despachos do dia 2 de julho de 186 i.
Rcquerimenlos.
Abaixo assignados empregados da repartico das
obras publicas. Em vista da lei nada ha que de-
ferir.
Irmandade de N. S. do osario da freguezia de
tria. Emquanto em Vienna se receara do fazer
valer desse direito e dos ducados da Dinamarca, o
perigo de um rompimento com as potencias euro-
peas, apenas se achava limites em escarnecer e
negar as pretengoes augustemburguezas; o nego-
cio, porm, tomara agora outra face.
A Inglaterra e a Franca reconheciam agora a
necessidade da separaco, e a Austria apressava-se
tanto mais de tomar o partido do to anathemati-
sado direito do duque Frederico, sendo isso a me-
lhor arma contra os planos ambiciosos de que em
Vienna se pensara capaz o gabinete do Sr. de Bis-
mark. < om cffeito, muitas manifestacoes em Ber-
noel Buarque de Macedo a quantia de 43 provo-; Sanio Antonio desla cidade.- Informe o Sr. Dr.
niente do aluguel de um mez, vencido 20 de juiz decapellas.
maio ultimo, da casa, que no termo de. Ex serve | Josepha Maria da Conceico- Informe o Sr. Dr. cub de
j ria i Jos Romo de O ve ra.Informe a cmara mu- uma. annexacao oos uucaoos a f russia. u re ao
, n:Smmi "!, R^nim Iscu laJo- ISS e positivo, nunca tomara parte ms-
vivas
essa ra-
do mesmo, que tornasse "possivel uma liga intima
da Austria com o Zollverein. No interesse desses
esforcos continan) neste momento ainda conferen-
cias em Vienna, entre dous plenipotenciarios da
Baviera e os ministros da Austria. O fim das mes-
mas chegar a um acord acerca das exigencias
a fazer ao Zollverein a esse respeito. Os resalta-
dos sero enlac submellidos uma conferencia
particular, convocada para Munich, dos membros
da Zollverein nao entendidos com o tratado fran-
: co-prussiano, os quaes conectivamente d'ah convi-
darlo a Prussia para adheso.
Nioguem duvida que esse plano ha de licarsem
elfeito, e que a Prussia nao sahir da attitude at
lin, ainda que nao emanadas directamente do mi- atI0ra 'susteutada. nada restando por fim aos esta-
Dito ao Dr. Jos Joaquim de Moraes Sarment.-
Tendo designado V. S. para com os doulores Joo
da Silva Ramos e Alexandre de Souza Pereira do
Carmo, examinar nos termos do paragrapho pri-
meiro do artigo primeiro da lei numero 276 de 6 0 pedagio de qu
de maio de 1851 o estado de sade do engenlieiro concorrer ella se assim Ihe convier.
da repartico das obras publicas Joo Luiz Vctor; Joaquim Bellarmino de Mello.Informe
Lieulhier 'e do amanuense da mesma repartico director geral da instruccao publica.
Antonio de Paula e Mello, que pedem aposentado-, --------------------
ra de conformidade com a mesma lei, assim o |
communico V. S. para seu conhecimento, espe-
rando que de bom grado se prestar a esse traba-
jho.Iguaes mutatis mutandis aos Drs. Pereira
-do Carmo e Silva Ramos, e communicou-se aos pe-
ticionarios.
Dito ao capito do porto. Faco apresentar a
V. S. os recrutas de marinha Lucio Roberto Flo-
rencio e Manoel Jos Francisco Barbosa, para
nue llies d' o conveniente destino depois de ios-.
_ i n.__AA.>!*** -- *..* I\w nli.tCi ra nn.
DJE Frecisco'do Bego Barros.- Informe oSr.I ?ira conservara sempre suas mais
"TK^SSSSL^ i Praga PS^BAffifi;
eTagio df que se .rala, pode o supplicanie ^ ?2?.?A*"A22 *%
dos do Zollverein por ora renitentes, do que aceitar
. o tratado de commercio franco-prussiano tal como
se acha lavrado.
EXTERIOR.
burgo no programma de paz commum, enconlrou
j gr agora o mais prompto acolhimento.
Assim veio ter lugar a sesso da conferencia do
dia 28 de maio, e enconlrou uma situago inteira-1
mente nova. A Austria e a Russia apresentaram
o seu novo programma de paz : completa separa-
gao do Schleswig-Holslein da Dinamarca, lomndo-
se em consideragiio a successao dos Augustembur-
guezes.
CORRESPOMDEMCIAS 0 DIA
RIO VE I'KRVVHBIIO.
HAMBUBUO.
PERNAMBUCO.
REVISTA DIARIA.
Amanha reune-sc o Instituto Archeologico c Gco-
graphico Pernambucano em sesso ordinaria.
Falleceu, e hontem foi dado sepultura o Sr.
ni ijor Jos Jacintho da Silveira.
Foi nomeado quarto escripturario da nossa
\ Dinamarca rejeitou o mesmo redondamente, e I alfandega o praticante da mesma Jos de Avilla'
agora os membros sahirara-se com uma proposla Biltancourt Meira.
De Pao d'Alho temos as seguintes noticias em i
data de 4 do correte :
Contina pessimamente o invern, ha muitos
s l 1 i - S Masculino, i n H 2?
1 - - Feminino. 1 ) V. 3 a
. . . . Masculino, i n o
1 Feminino. > < o
m 1 1 . Masculino. 91 o y. M 3
h*a . . - L I Feminino. 5

i i
I 22
Masculino.
5 I
Feminino.

31
I
m I TOTAL.
?
M
S


55
de mediago, a qual exiga a separago do Schles-
! wg-Holstein smente em tanto que fosse paiz al-
1 lemo, islo habitado por populago allema. Ao
ADVERTENCIA.
Na tslalidade dos doentes existem 179, sendo
10 homens e 26 mulheres alienados.
Foram visitadas as enfermaras estes dias :
Pelo Dr. Ramos s 7, 6 3|4, 6 li2, 6 3|4, 6
3|4, 6 1[2. 6 3|4.
Pelo Dr. Sarment s 8 1|2, 7 50, 7 1|2, 8, 8
8 10, 8, 8.
Fallecern! :
Antonio Fidellis de Figuerdo; gaslrite chro-
nica
Joanna, alienada.
Mara da Conceigo ; gangrena.
Passageiros do vapor brasileiro Persmunga,
sabido para Aracaj c portos intermedios : Des-
embargador Bernardo Machado da Costa Doria
e 1 escravo, Jos Bento Gil Carmines, Bcnto da
Silva Muniz Mangueira, Francisco Pereira, Pedro
Deffler, bacharel Pedro de Albuquerqe Autran e
1 criado, Jos Antonio de Mello Albuquerquc e 1
criado, Antonio Joaquim Lamas, Ayres Jos Di-
niz, o menor Abilio, e 1 escravo de Jos Pereira
Guimares.
UTUARIO DO DIA 3 DE JULHO KO CESKTEMO
PUBLICO :
Maria, Pernambuco, 8 mezes, Boa-vista; con-
vulgoes.
Aibrosio, escravo, frica, 30 annos, solteiro,
Recife ; palpitaco do coraco. ..
Anna, Pernambuco, 1 anno, Boa-vista-; intente
Anna 'Escolstica de Jess, Pernambeco, 58 an
THIBIWL VA HKLAflO.
SESSO EM 5 DE JULHO.
PRESIDENCIA DO EXM. til. C0NSKLHEIRO
SOUZA.
s 10 horas da manhaa, presentes os senhores
desembargadores Gitirana, l.oureng-0 Santiago, Res
e Silva, Almeida e Albui|uerque, Multa, Assis, e
Barros Vasconcellos, faltando cora causa os Srs.
desembargadores Ucha Cavalcanti e Doria, abri-
se a sesso.
O Sr. desembargador Guerra, procurador da co-
ra, nao compareceu.
Passados os feitos e entregues os distribuidos,
deram-se os seguintes
JLLGAMENTOS
Recurso de eleiro.
Becorrente, Jos Pedro de Carvalho ; recorrido,
o conselho municipal.
Relator o Sr. desembargador Barros Vascon-
cellos.
Sorteados os senhores desembargadores Gitirana,
i e Beis e Suva.
Dorara provimento.
Appellaroes'crimes.
Appellante, o bacharel Jos Antonio Rodrigues ;
appellada, a justica.
Reformada a senlenga e absolvido o appellante.
Appellante, o juizo ; appellado, Silvestre Francis-
co do Monte.
A* novo jury.
Appellante, o juizo ; appellado, Francisco Tho-
maz de Aquino.
A' novo jury.
Appellante, "o promotor ; appellado, Cordolina
Maria da Conceigo.
Perempta a aego.
Appellante, Joo Cavalcanti de Albuquerqae ;
appellada, a justiga.
Improcedente.
DILIGENCIAS CRIMF.S.
Com vista ao Dr. curador geral
A appeltacao crtme.
Appellante, Joaquim, escravo ; appellada, a jus-
tiga.
DILIGENCIAS C1VEIS.
Ao Dr. curador geral
A appeUaco civel.
Appellante, Beroardino' Lopes de Oliveira ; ap-
pellada, a preta Eugenia, por seu curador.
DESIGNACO DE DIA.
Assignou-se dia para julgamento dos seguintes
feitos:
Appetlaroes civeis.
Appellantes e appellados conjunctamente, Anto-
nio Carlos Pereira de Burgos e Antonio de Siquei-
ra Cavalcanti.
PASSAGBNS
O Sr. desembargador Gitirana passou ao Sr.
desembargador Lourenco Santiago
As appellaroes riveis.
Appellante, a cmara municipal; appellada, D.
Francisca Maria da Justa.
Appellante, Vicente Ferreira de Mattos ; appel-
lado, Francisco Ignacio Rochedo.
Ao Sr. desembargador Reis e Silva
A appellaco civel.
Appellante, Joo Paes Barreto de Lacerda ap-
pellada, a baroneza de Ipojuca.
Do Sr. desembargador Lourenco Santiago ao Sr.
desembargador Reis e Silva
A appeltacao crime.
Appellantes, o juizo e Francisco Rodrigues da
Silva; appellados, o juizo e Francisco de Salles
Homem.
Din de apparecer.
Appellados, Jos Januario de Carvalho Paes de
Andrade ; appellante, Rita Francisca de Carvalho
Paes de Andrade.
Do Sr. desembargador Reis e Silva ao Sr. desem-
bargador Motta
A nppellacao civel.
Appellante, D. Joanna eves Quaresma Doarte ;
appellado, Joaquim Francisco Duarte.
Ao Sr. desembargador Assls |
A appellacao civel.
Appellantes, os herdeifos de D. Maria Jacintha
de Abreu ; appellado, Jos Peres da Cruz.
Do Sr. desembargador Motta ao Sr. desembar-
gador L'cha Cavalcanti
Ai appellaces crime*.
Appellante, o juizo ; appellado, Secundino Gue-
des.
Appellante, Joao Ferreira de Souza : appellada, a
justiga.
O Sr. desembargador Assis passou ao Sr. desem-
gador Barros Vasconcellos
Appellante, o juizo ; appellado, Sebaso Qniri-
no Pereira.
A meia hora depois do meiodia encerrou-se a
sesso.
COMMUNICADOS.
S de jlinhO de 1861. | lemau, isiu o uauwuu (jui ii^iui.i',.1" .iiitni.ii. nv wHHHuabb*iuiubhw u iu.ciuu, ua immmuo VTLTTi;"" '"" ipitp ehron
't '"","" ";r" ~"~- -----r'ixl' noed a nn ultima a conferencia de Londres mesmo tempo a Inglaterra especilicou essa pronos- dias temos sol, que mal vai fazendo aos feijoes e: nos, solteira, h. Jos ; meinie t.i a
pecconados. Commootcou-se ao Dr. chefe de po- jDejfto JJJfg 1gEgSBZ S demao ; ta de maneira, que" apoiava a" separago da Duia- milho, principente agora, quando mais necessi-. ^''^S ***' W
Dita ao mesmo Faco apresentar V. S. para e a outra em 2 de junho. I marca smente da ulterior parle meridional do um das chuvas. _____ | aD^nn^uAleri(jrino de Mello Albuquerotie, Per-
o"c?SSSenle deslino, depois de inspeccio-; Essas duas sessoes foram sem resultado, em Un-1 Schleswig, ficando todo o resto desse ducado para
licia.
,eTra aL lrfrt"'^^'r^cnuT'Antonio UoesUma.' to que no occsTonaram um accordo, nem acerca a Dinamarca, e ajunUndo alm disso a coodigo,
'^Jt^fST^i^Z^Sl da paz entre aAllemanha e a Dinaraarca, ou ao que a Ailemanha na parte dos ducados que Ihe los-
itaniisu Communicou-se ao Dr. chefe de po- menos dos preliminares para uma tal, nem mesmo so cedida, nao deveria eslabelecer nem orna for-
jiapusu. w r solrea pro|ODgaCa0 do armisticio. Com ludonellasI talza rederal, nem um porlo de marinha federal.
riito an mesmo Mande V. S. por em liberdade,! se cfTectaou um reviramento decidido, que apezar' Os plenipotenciarios dinamarquezes, porm, recu-
viJteierem seu favor isengo legal, o recruta de de todos os impedimentos oppostos, deixa j boje saram de dar uma declaragao acerca dessas pro-
,rnh nionzio Jos BaDtsla.uue foi aprsenla- apparecer como segura a solugo final as suas ha- postas, em quanto que as potencias aHemaas nao
SfiV s com o meu olllcio desta dala. i ses princlpaes. i tlvessem aprovado as mesmas; essas entretanto,
niioao commandante superior da guarda naci- Na sesso de 17 de maio, a ullima sobre a qual: reconhecendo que na proposta_ dos neutraes se
nal do Recife-Em vista do que informou o dele- jdissemos algumas palavras em nossa anterior, a; achava um elemento de iransaecao, ^osaram o-
Srtn de"ta capital acerca do recruta Jos do Mon-! Austria e a Prussia tinham apresentado proposias; dav.a da maneira a mais postea o formulario in
T. Ferreira nao pode este ser poslo em liberdade, de paz. Essas, de proposito, eram red.gidas em ter- \ glez e as condigdes inglesas. armistkio s en.
qoS&u o tenante coronel commandante do roos muito geraes, aflm dais* aos proponenles ^V^^S^^J^SSSU^
FhF dedei8Ddo menndo" ffiC ** I toS$SF a^,5*^oIora,e a ^ I ^SZ2^~&^ "
As canas tambem participara dos effeitos do j Manoel Ale"ndrin?
raao tempo, pelo que haver muito pequea safra, nambuco, 51 annos, casado, Boa-vsta ,
segundo o juizo dos senhores de engenho. | te"
Esl, pois, tora de duvida, que para nos os
habitantes da Malta, ser este ura aiino de vaccas

mannssimas. >,
Findaram hontem os cinco das da junta de
qualfleago, s uma pessoa reclaauu, segunde. oa-
vi dizer, porm mais de mil cldados, que dm> fo-
ram considerados votantes pela junta, que affirma
andar por ahi gente de mais, se assim esto na
re^ra do quod abundat. L se avenham, pois acho
que todos tem razo e q,ae todos nao a ten.
t Prenderam para a partes de Capceiras aquel-
|e celebre Potycai-po, que hapoued esteve na cadeia
de Nazareth, sen> eh> senman*le escotada
Francisco, escravo, Pernambuco, 20 annos, sol-
teiro, Boa-vista ; tubrculo pulmonar.
Antonio, Pernambuco, 4 mezes, S.Jos; sy-
pWos.
Custodio, escravo, Pernambuco, 40 annos, sol-
teiro, Boa-visU- frialdad**.
Lino, Pernambuco, 40 annos, solteiro, Boa-vis;
repentinamente.
Rosa Maria da Peste, frica, 41 annos, soileira,
Recife; phtysica pulmonar.
ManoeL, Pernambuco, 6 metes, S. Jos ; bexi-
ffas..
0 presidio de Fernando sob o coliman-
do do Sr. tenenle-coronel Lnu Jos
Monteiro.
0 homem vulgar nao se aparta
da rotina : o homem superior se-
gu o^caminho (anda mesmo soli-
tario) do dever. Entao a irregula-
ridade nao um desvio que o aba-
ta, um esforgo que o. eleva cima,
dos outros.
(Conselheiro Bastos.)
Firmados em um Ul pensameoso, e sempre
promptos para elogiarmos o mrito, tomamos a oe-
liberagode recorrer ao prel? alte de SMMr
mos ao governo quaes as oual.dade* que eararte-
rsamao funccooario a quera se acham conteios
os destinos deste presidio.
Dtfflcil e assaz melindrosa, e por certo a missao
do Sr tenente^oronel Luiz Jc*- sfonteiros eoni-
milll da ilha de Fernando ; porquantov se em
um lugar aonde oempregado pablico tendo como
norma a lei.apparecem mais ou menos abusos, esse*
abusos em grande escala se deveriam dar nof pre-
sidio de Fernando, aonde nem ao menos um regu-
lamento existe I
Mas o Sr. tenentecoronel Monteiro dotado de-
um carcter independente e josticeiro, eonscio de
sua espinhosa posigo e de seus deveres, ha pro-
cedido de orna forma digna dos maiores enco-
mios : por isso que despresando a rotina seguida
pela mor parte de seus antecessores, tem esubele-
cido cerlas reformas com o fim de melhorar o sys-
tema administrativo daquelle lugar, sendo eoadju-
vado por lodos es empregados do presidio em uma
to penosa tarefa.
inoansavel tem sido o Sr. coronel Mooleiro pro-
curando todas os meios conducentes afim da que
a verba destinada s desperas do presidio seja para
o futoro seno senao extmeta, ao menos muito mo-
dificada, promovendo o planto da mandioca, algo-
do, legumes etc., e tudo em proveito da fazenda
publica, alm de continuar nos melhoramentos
materiaes, construtado varias obras, segoimdo as-



s


-r-
1___________..
Dlsrlo ic Peraafflkne Uarla fclra de lnlho de 1S4.
sim o pro'gramma de seu diguo antecessor o Sr.
coronel Antonio Gomes Leal.
Impedido por urna forca maior, a da neeessida-
de, se vi o Sr. Monteiro na enwrgencia de lanzar
mao de varias medidas, .que mi* ou menos pare-
cem ter olTendido mteresses particulares; porem
podemos allirmar que essas medidas desapparecc-
ro logo que baja abundancia na illia, poca que
se ada mu prxima ; porquanto vista do osla-
do ein que existem as towouras aacionaes, pode-
mos avaliar a colheita en 4 a 5 mil alqucires de
milito, feijao, etc., alru do ilgodo cojo producto
mei tendo em beneficio dos cofres pblicos, muilo
concorrer para fazer face s despczas do pre-
sidio.
Ao governo imperial nao sao por corto estra-
nlias as phvacGes, dilliculdades e dissabores mo
sollre un rouunandanle que como o Sr. leneute-
coronel Monteiro, tvm sabido perfertamente rnm-
prir rom o sea dever, c esperamos que nao liqoe
em olvido os servicos prestados por esse honrado
ollicial, o qual com o maior civismo procura satis-
facer completamente a minio que Ihe foi confia-
da, perdendo alin disso em nm tal emprego os
vencimentos que como official de engenheiros per-
cberia se exercesse nma commisso inherente
sua arma.
Queiram, Srs. redactores, inserir om sen jornal
estas mal elaboradas liuhas, asseverando-lhes que
continuaremos a nos occopar dos actos do actual
commaadante do presidio de Fernando no decurso
de sua adniinislracao, tendo sempre como base a
verdade, nao prescqdindo mesmo da critica, por-
que entendemos que esta sendo imparcial sempre
til.
Conduindo aprovdtaino-nos da occasio, para
pedir com instancia ao governo que mande por
em exeeucao o rogulanie.nto que nos consta ter
sido organisado pelo difundo coronel de enge-
nheiros o Sr. Henrique Bcaurepaire Rohan, quan-
do em urna commisso sdenlifica esleve na illia de
Fernando.
Recite, 6 de julho de 1804.
0 Sr. Dr. Jes da Cimba Triicira e os bilhetcs do
Sr. Araoj* arros durante as sesses da assein-
bladaanno firovime passado.
O Sr. Dr. Jos da Cunha Teixeira por diversas
vezes em seus discursos e escriptos teem dado a
entender qoe en pedir aos meus amigos para que
roe apeiassem as galera-, durante as sesses da
assembla provincial do anno prximo passado, e
no Diario de boje, no qual, tratando S. S. da sua
adheso ao projecto sobre caiieirvs eslraiigeiros,
faz diversas escavaces sobre o passado, diz que
beni conbecidi a lii^turia de.bithetes-escriptos por
inim a amigo*, fazendu quelles pedidos.
Desejando acabar com as reticencias, e mtias
phrases, que umitas vezes expriuiem cousa muito
difireme do que exprimem as paiavras claras, e
as phrases dedsivas, e peremptoi ias, provoco mui-
to formalmente o Sr. Dr. Jos Teixeira para que
declare tonamente, sem a menor reserva, quaes
as pessoas, a queni me dirigi, e de quein me serv,
para me apoiarem as galeras durante as sessoes
do anno prximo passado.
Provoeo-o outro sim para que declare do mesmo
modo, a qu m dirigi eu os taes billietes, exhibindo
seu conferido textualmente, ou apreseutaodo-se os
oiesmos bilhetcs.
A quein liver esses billietes dou para Uso, se o
julgam necessario, plena autorisagao.
Desdo que todos saibam quaes foram os meus
amigos, ou os iiicun instrumentos na galeras.
Nada de mysiifleacoes 5 haja ueste assumpto a
mais pleua publicidade.
Aceita a provocaco, i|ue face ao Sr. Cunha Tei-
xeira, direi a semelhaute respeito o que me parecer
necessario.
Kecife, 4 de julho de 1861.
Francisco de Araujo Barros.
Clnica mediea cirnrglca do lar.
Cosme de tt Pereira, na capi-
tal da provincia de Pernain-
buco.
CATARATAS LESTICLLAHES DURAS E MADURAS EM AM-
BOS OS OLHOS I OH5IUCAO POK CXTRACC.VO 1'HATI-
CADA PEliO DIU S I'EHKIIIA : FELIZ IIESILTAOO.
Ubseroaco n. 226 do anuo pastado.
Continoacao do Diario n. 131.
Vallando si lizemos todo o possivel para dar
animo ao nosso doente, e vendo-o animado, o lize-
mos sentar no sof, e fomos ahi mesmo coutiuuar
no traballio da exlracco, que se acbava interrom-
pido: notamos enlfio que o humor aquoso nao se
bavia reproduzido; c que o relalho ta cornea se!
manlinha deprimido e enrugado : e nao ligando
importancia seria a isto para continuar na opera-
cao, iulroduzi no cilio urna agulha de Scarpa para
dilacerar a cristaloide; e quando neste propo.-ito
trabaIhava o nosso operando acommettido de
nova syucope, c mais forte que a primeira; pois
que alrm da palidez do rosto houve tordmeutoda
bocea, e inovimentos convulsivos dos bracos e per-
nas. O doente foi de novo deitado, e borrifou-se-lhe
agua fra pelo rosto. Voltando si deu-se-lhe meio
calis de vinhogeneroso: echamiuse suaaltencao
para o ridiculo desle desanimo, e para a impossibi-
lidade de concluir a operacao que elle tanto dese-
java I'revendo que estas syncopes se repeteriam
estando o doente sentado, determinci operado deila
do. Era a primeira vez que assini ia operar, e esta j
posicao me fura exigida imperiosamente, e sem'
previa preparagao minha pelo estado accidental do
doente : tudo pois me embaracava; e estes emba-
reos refletiam mais sobre miin que sobre o ope-1
raudo. Na posicao horisontal nao reappareeeram
as syncopes. A agulha de Scarpa foi de novo in-
trodzida no olho, e a cristaloide dilacerada, e va-
rias tentativas foram empregadas para a exlracco
da catarata : e tudo foi baldado. Vendo estes em-.
baragos o meu collega Dr. I'itanga pensou que ha*
via adherencia da capsula do cristalino a iris, por
ver esta contrada e a catarata inabalavel, en, po-
rm, que bavia observado cuidadosamente o doente
antes de operado, disse-lhe que todo embarace pe-
dera pruvir de outra qualquer cousa menos
desta. ()
Tendo trabalhado de balde no olho direito, te-
niendo fatiga-lo de mais fechei-o por em quanto, e
passei para o olho esquerdo; e prevenido dos emba*
reos encontrados (molesa do olho, syncopes e
contraccao da pupila) determinci dar um golpe
decisivo, e concluir a operacao antes que qualquer
mn destes ltimos accidentes se manifestasse, e fui
leliz pois que em dous minutos, depositei as maos
dos collegas urna bella catarata cstrahida do olho
direito, sem outro accidente que o vir com ella um
pequeo pedaco do pequeo circulo da iris.
Um largo reponso foi dado ao doente, aprovei-
tei-me delle para tambem repousar, e entreter os
meas collegas com as historias de varios embara-
eos que teuho encontrado na pratica das molestias j
de olhos, mas sem sahir-me da lembranca a calara-
ia do olho direito por em quanto abandonada; me-
ditara, ao mesmo lempo que conversava, em um
meio de livrar-me della, e passava em minha men-
te revista dos conselhos dos bous praticos. Achan-
do-rne refeito de (oreas e saugue fri recomecei o
meu trabalho.
O olho j enlao se achava eheio de humor aquo-
so, tentei extrahir a catarata pela compresso e nada
consegu, ttepousa o olho twr alguns minutos \
julguei entao que a capsula do cristalino nao fora
bem dilacerada; recomecei o trabalho por urna di-
lacerado completa da capsula, nada de sabir a
catarata, depois de varias tentativas.
Novo repuso, o olho fechado, e sobre elle se
deita um panno embebido em agua fria.
Eu tenbo por habito nao abrir mais do que um
punco mais de '/j da cornea; e attribuindo tanta
difficuldadc a falta de urna abertura franca para a
sahida da catarata, resolv elevar a abertura da
cornea a melade de sua circunferencia, e recome-
cando o trabalho, executei sem embaraco o aug-
mento da seccao da cornea, a cristaloide j eslava
bem dilacerada, o que nao obstante a catarata per-
maneca por detrai da iris; nao sahia qualquer
que fosse o meio empregado.
O olho (echado de novo. Os meus collegas
perdem a esperanca de ver concluida esta extrae-
cao ; elles assim m'o disseram ; tudo parece qoe
ja se bavia feito, e nao seria este o primelro exem-
plo de urna catarata abandonada pela impossibili-
dade deextrahi-la; vossos reeeios sao justos, dizia eu
aos meus collegas presentes; mas eu nao abando-
no anda a campanha, ditponho anda de ostros re-
cursos, e>tou caucado sim, mas nao desanimado ;
e nao tendo aiada coramettido imprudencia al-
guma, o olho se prestar bem a novas tentativas sem
prejuizo algum.
Recomeceaios. .
O doente como ja sabem os leitores est deitado
em nm sof, col locado no interior da casa encosta-
do a urna parede, e eu de joelbo ao seu lado, os
(*) Pens que um tal embaraco. de ve ser altri-
huido antes a ama contraccao enrgica da iris mo-
tivada pela prolongada evacuaco do humor aqu^so,
e sua rritacao subseqoenle.
me.is CJjllejH nao re plem prestir ser*vb;o al-
girii, nao s pela m posicao do doente como pelos
eoejsios das exlremiuades do s-.if;i, elles s podem
estar sobranceiros a mim, e a seu goslo ver-me
trabalhar, dirb;i a minha tentativa do seguinte
modo: as paipebras foram aberlas, e mantdas
ne.sto estado por meio do dilatador deKelley Snow-
den; o olho mautido immovel por mio da pinca
dente de rato, de mola e eslrdia; implantada na
conjnnctiva de lado interno do olho; esta pinca I
est segura por minha me direita, urna crigna ;
simples conduzida por minha mao esquerda ao'
intdrior do olhn, agarra a catarata e a traz para
fra na posicao indicada, este lance atrevido e
minha operacao, terminada sem rutura da iris,!
sem derramamento do humor vitrio, emflm sem
accidente algum.
Erara passadas 2 horas de pesado trabalho para
mim, o operado a excepeo de urna permerra Ta-
difra. nada senta ; eslava satisfeito, e ria-se.
Os collegas reconheceram entao nao nao difflcil
as veres se torna tima operacao de catarata, do
! quanto de paciencia, prudencia sangue fri, bons
conselhos magistraes, arle e sciencia, deve estar
prvido o honesto operador que nao quer compro-
meter, o gmo, a sade, e a vida dos doentes que
se entregam aos seus cuidados; furar um olho nao
fazer urna operacao de catarata, mutilar um
membio nao fazer una ainpuiacao : o bem estar
do doente, e sua sade deve ser o resultado de urna
operacao scenlificamente emprehendida: istoas ve-
| res falla,mas as boas probabilidades defendem sem-
pre o medico prudente, e moralism os actos arris-
cados de sua ardua e espinhosa prolissao, quando
devidamente emprehendidos.
O nosso doeule (01 levado ao seu leilo, que j
se achava preparado convenientemente, e depois
de bem tratado de seus olhos. Eslavamos no dia
29 de seteinbro ao meio dia ; s 6 horas da tarde
nada havia occorrido que do-aliasse serio cuidado
:K). O doente se qneixa de agudas picadas as
costas no lugar do cobreiro.
Oululirn 1, 3.Nada lem occorrido q*ie indi-
(pie reaceo foit-; o appardlio contensivo le-
vantado, e observa-se que as corneas esto trans-
parentes, cmaras rheias de humor aquoso, no
qual nadam fragmentos de catar itas; novo appa-
relho applicado.
4 e o.Tudo marcha bem, nmdado o appare-
Iho.
C e 7. -Tudo tem marchado maravillosamente ;
o apparelho ronleosivo delintivamente levanta-
do ; os olhos estao em boa estado.
8, 9 e 10.Tudo marcha bem ; os olhos pdem
nianter-se abertos ; o doente v confusamente o.
que ha ao redor de si. Observndose osj olhos
nota-se que no direito continan* a fluctuar na c-
mara anterior fi> icos libri nosos que partem da pe-
quena ferida da iris compiometlida durante a ope-
racao ; no esquerdo existem muitos llocos frag-
mentos de cataratas infliltrado de humor aquoso,
o doente por este olho v os sobjectos cobertos de
estiesso nevoeiro.
De II a 20.A vista vai se tomando de da mais
clara.
De 21 a 30.O doente passeia sozinho em sna
casa ; distingue a distancia um homem'que passa
na ra, ou um animal: olhando |>ara o quintal
distingue varia- planta-, roconhec.i a todos de sua
casa pequeos e grandes.
Neste mesmo dia sao seus olhos observados em
sua torca de convergencia paraos raios luminosos
e nota-se que o nosso doente o Rvd. Jos Fernan-
dos de liulhoes pode lar correctamente a parle of-
Hcial do Diario lente de 2 poHegadas de foco, portanto dado co-
me curado de ambos os olhos, com mxima elici-
dade, em 'M dias.
A 111 de uovembro parti para sna casa em Ma*
cei, d'onde em data de 30 no Diario dax Alagoas
n. 27i agradeceu-me a operacao e os servicos que
Ihe prestei, e iuformou ao publico do bom estado
dos seus olhos e se queixava anda amargamente
da injustca que soffreu e e>t solTrendo.
Com esta historia medica estao completos os i .
casos de cataratas por mim operados durante o
anno passado, convindo lembrar que foram 2o os
docnies calaratados por mim examinados em dito
auno, dos quaes s estes 'testav.un no caso de"-cr'
operados, os entres 011 tinham os olhos j perdidos
estavam com cataratas incipientes.
O primeiro doente, o Sr. alferes Neves, foi-mc
enviado pelo meu particular amigo e charo colle-
ga, o Sr. Dr. Francisco Goncalves de Moraes ; o
segundo, a Exma. Sra. D. Manoela, foi-me enviado
pelo meu Offlc oso collega o Sr. cirurgiao Silva ;
o lerceiro, o Sr. Dantas, foi-me enviado pelo meu
respeitavcl professor e amigo o Sr. conselheiro
Dr Aranha Damas, illuslrado lente cathedratico na
Faculdade Medica da Hahia.
Teria eu satisfeito a conlianca destes bons ami-
gos..... foi o meu tnico e exclusivo interesse.
Hecebam elles meus sinceros agradecimentos, e
disnonham de meus pequeos servicos sempre que
Ihes aprouver.
RELAflO DAS PESSOAS OPERADAS DE CATARATA PEI.0
DR. S PERGIRA.
Fa/endo agora a relacao das pessoas por mim
operadas de cataratas uestes quatro ltimos annos,
cujasebservaedes teem sido publicadas neste Dia-
rio, v-se que montara os operad is ao n. de l,
ou de 2'.) operaroes, pois que em 2 pessoas a ope-
raeao foi em um s olho. Estes 16 operados fo-1
rain os seguimos :
1." Miguel Gomes Pereira de Lira, operado cni
6 de marco de 1860, Observaco publicada no Da-1
rio de Pemambvco n. 9, de 1862.
2." Antonio Faustino, operado em 4 de setembro
de 181, e publicada no Diario n. 17 de 1862.
3." Bernardino de Sena M. operado no i" de
outuliro de 1860, publicada no Diario de Per-
nambur.o a. 33 de 1862.
4. los Bernardo Ventura, operado no 1" de
ouiiibro de 1860, publicada no Diario n. 33 de
1862.
5. Bernardino Bihejro.operado a 26 defeverciro
de I8W, publicada no Diario n. 33 de 1862.
6.* Coronel Manoel liento Machado, operado a
28 de niaiode 1861, e publicada no Diario n" 47
de 1862.
7." Joo Pinto da Cunha, operado em 4 de se- '
tembrode 1861, e publicada no Diario n. 47 de
1862.
8." Mara (preta Africana) operada em 24 de se-
tembro de 1861, publicada no Diario n. 81 de
1862.
tt." Jos Gonsalves da Silva Fragoso, operado a 23,
de outubro de 1861, publicada no Diario n. 81 de
1862.
10. Vicente Ferreira Machado, operado a 19 de
novembro de 1862, publicada a 8 de agosto de 1863,
no Diario 11. 180.
11. Alexandre Jos de Souza, operado a 19 de
novembro de 1862, publicada no Diario n. 182 de
1863.
12. D. Gertrudes Maria da Conceicao Ferreira,
operada a 29 de novembro de 1862, e publicada
no Diario n. 183 de 1863.
13. Alferes Joaquim dos Santos Neves, operado
23 de fevereiro de 1*62, e publicada no Diario
n.47 de 1864.
14. D. Maria Jos de Mello Albuqucrque, opera-
da a 19 de maio de 1863, publicada no Diario n.
39 de 1864.
13. Joao Alexandrino Aranha Dantas, operado
a 3 de. junho de 1863, publicada no Diario n. 71
de 1864.
16. O Rvm. Jo* Fernandos de Bnlhes, operado
em 29 de setembro do anno passado, e publicada
neste Diario de hoje.
Soramando agora as operagoes, chega seu nume-
ro 29, destas s 4 olhos nao obttveram resultado,
que foram, a preta africana.Bernardino Ribeiro,
Alexandre Jos de Souza, o 1 inutilisou sua ope-
racao por suas proprias maos, o 2 nao era caso
oneravel, e sendo operado nao poda dar resultado,
o 3' perdeu om olho no acto da operacao logo de-1
pois de extrahida com felicidade a catarata, esta
perda foi involuntaria, fra devida ao proprio do-
ente. Os outros doentes ohtveram vista at para
lr ; e deste s um veio no lim de um anno a per- i
d-la, por nao ter ouvido os conseltios que Ihe dei,
foi o Sr. Bernardo Ventura. (Lea-se sua historia), j
Assim pois as ininhas operacues do um resol- >
tado na razo de 29 : 4 011 14 j sb perda; re-
sultado em numero, e vantajosisslmo comparado
com a estatistica feita na Europa.
Makenzie (t 2o p. 369) era sua excellente obra
de molestias de olhos 4* edicao em 1837 diz que
as operacoes de cataratas praticadas por mdicos
que roohecam perfeitamente as affeccoes occulares
etc., 3|4 dos operados (73 010) devem obter urna
soffrivel vista (visin passable), e 2|3 (66 0|0) urna
vista excellente, o prejuiso pois no Io caso de
25 0|0, e no 3 de 33 1|3 0|0 as condicoes exigi-
das pelo aulor que citamos, nos porem temos obti-
do melhores resultados, pois para o 2* caso o nos-
so prejui-o foi de 14, e nao de 33 0|0. Devendo
notar que todos os rntus operados salvos poderam
lr, ao terminar-se seu curativo, o que o melbor
resollado que se pode desejar.
Tendo eu praticado todas estas operacoes (me-
nos ama) ara presenca de muitos eolegas, e indi-
cado todas as circunstancias qoe possam guiar
qualquer pessaa na indagacao do operado a do re-
sultado obtido, nao temo a duvida, se nao dos mal
inlecionados.
Aexec:>cao dos fados aqu numerados nao te-
mos praticado outros casos do cataratas.
Passemos agora a trabadlos de outra ordem.
Dn. S Pereira.
I Continuar-se-ha.)
PnttKAtuB A PEDIDO.
O Mr. depntado Urhaio Nabino
Pessoa de iicllo.
iSo pretenda apresentar-me candidato na pr-
xima eleicao de senador pela provincia de Per-
nambuco, porqtfe observando que depois da morte
do conselheiro Paes Brrelo, e quando j se espe-.
rava wsa eleicao, se nomeon de proposito, rom ge-
ral reprovacao, para presidente da mesma provin-'
cia o mais proprio e empenhado, como partidista e j
como individuo, em impr provincia orna chapa,
comprehendi que se quera levar de vencida a elei*!
cao, e contava com a intervencao do governo a
mais franca e decidida no pleito eleitoral, e com
toda a sorte de hostilidades contra a minha pobre
pessoa, juizo era que mais me confirmaram todas 1
as noticias que ia recebendo da provincia ; pelo
-fot assentei de abster-me para nao renovar a Ir- j
monda luta do anno passado, e nao expdr meus
amigos a novas violencias e perseguicoes, em nma
poca anormal em que a eleicao, desde i promul-1
garfio da le de 3 de dezembro de 1841, com ra-
rissimas excepcoes, sempre do governo c nao do
povo. Persisto na minha resolucao, e por esias ra-
zes nao dirigi circulares, nem escrevi urna s car-
la solicitando voto.
Entretanto, vendo que os meus amigos delibera-
ran! organisar urna chapa, e se dignaram de incluir
nella o meu nome, obedeco sua deliberacao, que
mullo me honra, e aceitarei com o maior prazer e
reconhecimenlo os votos que os soohores eleitores
exponlaneamente me quizerem dar.
Nunca perderei da memoria tantas provas de
conliaiiea. que em diversas pocas tenho recebido
de minha provincia natal, principalmente a ultima
manifeslacao do oitocentos e tantos votos era o anno
passado, que mais me penhoraram do que se obli-
vesse a quasi unauimidade em circumstancias nor-
maes.
Estou, portanto, satisfeito e asseguro aos meus
amigos pela minha honra que quaesquer que se-,
jam as iojusticas dos homens, sempre me conser-
varei firme e leal aos principios liberaes que tenho
sustentado.
Se o meu conselho lem algum valor, peco bren-
ca aos Srs. eleitores para Ihes lembrar o nome do
osso distncto e fiel correligionario o Sr. conselhe-
no Antonio Pinto Chichorro da Gama. Este nome !
venerando nao precisa de minha Iraca recommen-
daco, mas entondo cumprir nm dever lembrando-o
aos Srs. eleitores.
Urbano Sabino Pessoa de Mello.
Rio de Janeiro, 21 de junho de 1864.
(Jornal do Commercw, do Rio.)
Ao distncto e especial corpo eleitoral desta
provincia.
Candidato senatoria o Dr. Joaquim Saldanha
Marinho, dirigi cada um dos dignos eleitores es-
peciaes desla provincia, a circular abaixo trans-
cripta ; mas podendo acontecer que, umitas das
mesmas circulares, por circumstancias que se nao
pode prevenir, nao tenham chegado, e que agora
mesmo nao ebeguem aiuda a seus destinos, por
isso faz-se a prsenle declaraco, pediado-se ao
mesmo terapo desculpa de faltas que possam appa-
recer e nolar-se, e de que jamis deve ser respon-
savel o mesmo Dr. Saldanha Marinho, que s tem
motivo para confessar-se eternamente grato, ao
ilisiinrio e especial corpo eleitoral desta proviocia,
que j urna vez o acolheu benigno.
lllm. Sr.Tendo solicitado do corpo eleitoral de
nossa briosa provincia a admisso de meu obscuro
nome na lista trplice que foi offerecida ccra na
ultima eleicao, consegu isto, e do modo o mais co-
bre e lisongeiro mim, que por tao grande consi-
deracao me confusso eternamente agradecido. Da
tribuna parlamentar eu me dirigi aos eleitores de
minha provincia, e Ibes tributei ahomenagem devi-
da pelo titulo de suprema honra que me haviara
concedido.
Pela laraentavel morte do Sr. conselheiro Fran-
cisco Xavier Paes Barreto d-se nova vaga no se-
nado, e nova eleicao vai proceder Peruambueo.
Apresento-me novamente ; reputando de minha
dignidade consultar ao mesmo corpo eleitoral se
uos poucos mezes decorridos da eleicao em que fui
considerado tenho em alguma cousa desmerecido
do conceito em que se dignaram ter-me os eleito-
res pernaubucanos.
E porque tenho consciencia de mim, como tenho
intima convicco da dignidade, independencia e
firmeza de carcter de V. S:, nao duvido contar
com a sua valiosa coadjuvacao em prl de minha
candidatura na eleicao que se vai agora proceder.
Ausente do campo onde a eleicao vai ser dispu-
tada eu nao cont seno com a bondade e honra
de V. S., em cujas qtialidades confio plenamente.
Sempre firme nos principios liberaes, para trium-
pho dos quaes nenhum esforro e sacrificio tenho
poupado, me repulo no caso de merecer a conli-
nuaaao de seu apoio.
Fica as suas ordena o de V. S. amigo, patricio,
criado obrgado
Joaquim Saldanha Marinho.
ftio de Janeiro, 7 de abril de 1864.
Antonio de Oliveira pela importancia da compra
do engenho Goerra, sito no termo de Ipujuea, pro-
1110vendo j exeeucao contra o mesmo Oliveira por
algumas dessas letras de quanlia superior vinte I
o sele conlos de ris, e que a respeito de algumas
entras que se veacerao, de importancia maior de!
48:O0O, trata de promover a sua cobranca pelos!
meios judiciaes, para p que j Coi citado, previne !
que ninguem faca negocio ou outra qualquer tran-;
saceao com o referido engenho fioerra, scravos,
animaos, utensis para o fabrico de assocar, sa/ra,"
que tudo est hypothccado para garanta do paga-1
ment das letras aceitas pelo dito Oliveira peta
compra do referido engenho na importancia de i
243:300-1, afim de que qualquer fique logo certo
que algum negocio ou transaccao que flzer, ser
nullo. Reeife, 23 de abril de 1864.
Punas vegetaes assncaradas de
Keinp.
Qualquer urna pessoa que se sinta atacada da
bilis, etc., qne faca oso destas admiraveis pilulas,
por esle meio tem tomado a melbor das precau-,
roes contra todas as molestias epidmicas. Urna s [
dse pode salvar urna pessoa da febre amarella, do'
cholera ou das febres intermitentes beliosas.
Produzem um effeilo verdaderamente maravi-
llioso em todos os desarranjos do ligado e do
ventre.
Ellas se compoem exclusivamente de substan-
cias vegetaes e ser urna medicina fortificante que
nunca debilita, podem por isso ser administradas,
com a mesma seguranca tanto s criancas as mais
tenras, como aos homens mais robustos. Sao as
nicas pilulas desta natureza que se acham acon-
dicionadas em frasquinhos de crystal e sao in-
apreciaveis como o melhor dos remedios, para as
pessoas de ambos os sexos seja qual fr a sua ida-
de. Enrontrar-se-hao em todas as lojas de dro-
gas e as boticas de Bravo & C. e de Caors & Bar-
bosa.
L-se na declaraco de F. I.icinio da S. Soares,
inserida no Diario de Peruambueo de hoje, o se-
guinte :
Um sugeito, residente em Valenca do Piauhy,
julgando-se injuriado por algumas paiavras inser-
tas em urna correspondencia d'alli rcmellida e pu-
blicada em outubro, intenta accao de responsabili-
de contra o seu autor. >
Para que o publico fique conhecendo bem esse
sujeito de quem se falla declaramos ser elle o com-
mandante superior de Valenca do Piauhy, o Sr.
Antonio Leoncio Pereira Ferraz, distncto Piaa-
hyense nao tanto por sua posicao social e fortuna
como por sua probidade. e carcter de cavatheiro.
Atacado era outubro do anno passado, pela primei-
ra vez, em sua reputacao, sempre respeitada por
todos os que sao dotados do bom sensoe idade para
reflecr, intenta por seu procurador accao de res-
ponsabilidade perante o integro magistrado, obten-
do contra o autor do descommedido aranzel de in-
jurias, a pena de 4 mezes de prisao; sabendo po-
rem o honrado Sr. Leonera que o autor apparente
s irretlectdamente se prestara a seus desisaes ini-
migos polticos, perdoa-o, mostrando d'est'arte m?g-
nitude nao -vulgar, e sentimentos verdadeiramente
catholicos.
Teniendo, o autor da declaraco de qne nos oc-
cupamos, os reamdidos recessos do futuro declara
que nem directa nem indirectamente pedio esse
fiedaco de perdo. Nole-se que nem ao me-
nos o autor teve o pequeo dissabor de visitar ao
Dr. Rufino na casa de detenco. O que o Sr. Li-
ciuio deve temer para o futuro esse seu escripto,
pois que como sabe cousa bem difflcil soffrer-se
injurias, e depois perdoa-las, mxime quando se ti*
ver previnido que em lugar de recompensa de ar-
rependimento e gratidao, recebe-se esse mo vicio
denominado ingratido.que aqu lio que mais fere
urna alma nobre.
Reeife, 3 de julho de 1864.
Um Piauhijcnse.
dem do dia 3........
5:9215399
21:472*064
MOYIMEHTO DO PORTO.
Navio entrado no dia 5.
Rio Grande do Sul18 dias, barca brasileira Li-
eira,de 293 toneladas, capitao H. Hypolito da
onceca, equipagem 14, carga 14,000 arrobas
de carne : Amorim Irmao.
Navios safados no mesmo dio.
CanalPatacho inglez Tiara, capitao Johnson,
carga assucar.
Aracajii e portos intermedios Vapor brasikiro
IWtmmtga, eommandante Rutes.
Observaco.
Suspendcu d/i lamarao para Macei a barca in-
gleza Delki, capito Harres, com o mesmo lastro
que trouxe do Rio de Janeiro.
dem para Londres a barca ingleza Napier, ca-
pito Pserbredge, com a mesma carga que trouxe
de New-Zeland.
EDITAES.
COMMERCIO.
NOVO BANCO
DE
PjERWAUIBITCO
EM 3 DE JULHO DE 186*.
O banco descoma na presente semana a oito por
cento ao anno at o praso de quatro mezes.e a nove
por cento at o de seis mezes, faz emprestimos
sobre ttulos commerciaes, e toma saques sobre as
pracas do Rio de Janeiro e Babia.
Alfandega
llendimento do dia 1 a 4.......
dem do dia 5 ................
76:2473117
20:2633303
96:5103420
Hovlmcnto da alfandega
Volumes entrados cora fazendas... 173
com gneros... 394
Volumes sabidos com fazendas... 177
cora gneros... 543
537
720
Srs. redactores.Apresentando-me candidato
um dos lugares da lista triplico na eleicao de se-
nador, a que se tem de proceder nessa provincia,
rogo-Ibes o obsequio de fazercm publicar as co-
lumnas do seu jornal a circular que dirijo aos elei-
tores especiaes da mesma provincia.
Sou com particular estima, etc.
Antonio Coellio de S e Albuquerque.
Rio, 4 de maio de 1864.
Illm. Sr.-A lamenlavel morte do benemrito
Pernambucano, o conselheiro Francisco Xavier
Paes Brrelo, deu lugar a urna vaga senatorial por
essa nossa provincia.
Animado pelas repetidas provas de estima e con-
lianca, cora que tenho sido distinguido pelos mens
concidadaos, ouse |iedir minha provincia a honra
de ser contemplado na lista trplice, que tem de
ser apresentada escolha imperial.
A minha vida publica nao breve, e, com a mao
em minha consciencia creio poder dizer V. S. que
s o bem do meu paiz me ha guiado em todos os
meus actos.
Se, pois, V. S. entender que o meu nome nao
deslustrar a sua lista, dgne-se de acolhe-lo com
benevolencia, amparando-o com o seu voto e com
o seu prestigio e relacoes.
Terei sempre vivo em minha memoria, e ser
sempre objecto de meu sincero reconhecimenlo, o
obsequio que pego V. S.
Desejo V. S. muitas prosperidades, e rogo-lhe
que transmita as suas ordens quem se prza ser
de V. s. amigo e criado, aliento e obrigadissimo
Antonio Coelho de S t Albuquerque.
Tem esta bella e rica provincia de eleger no dia
10 de julho tres nemes, que sero apresentados ao
nosso Augusto Monarcha para a nomeacao de um
senador, que preencha a vaga, que no senado dei* i
xra a mu sentida morte do nosso distncto patri-
cio, o Exm. conselheiro Francisco Xavier Paes
Barreto.
Alguns candidatos j se tm apresentado, e, li*
songeando-me cora o reconhecer em todos elles
grande merecimento pelos seus talentos, illustra-
cae, serviros e dedicacao causa publica, animo-
ne a solicitar igualmente a subida honra de ser
eleito.
Nao encareco meas servigos, e digo apenas, qne
elles sao poucos em relacao aos muitos, que tenho
desejado e desejo prestar.
as lucias polticas o raciocinio tem sido minha
nica arma, os bons principios minha religiao pol-
tica, a exaltaco o inimigo que aborrero, as recri-
minaroes pessoaes o objecto de meus desgostos.
Amo a llberdade e a ordem, e deste duplo amor
tem resaltado o nao poder smular-me, era comer-
me sempre que se abusa de qualquer destes dous
principios : esle tributo pesado e difflcil en o te-
nho pago ao meu paiz.
Tatvez nao me seja possivel dingir-me particu-
larmente cada um dos Srs. eleitores; nao en-
sera por isso que, as occasioes de dar evidentes
provas de vivo reconhecimento, o meu coracao se-
r menos expansivo do que o de outro qualquer.
Digne-se V. S. de acceitar os votos de sincera
estima e consideracao do que de V. S. patricio,
venerador, servo e criado.
Reeife, 10 de junho de 1864.
Francisco de Pauta Baptista.
Ao publico.
Sil vino Guilherrae-de Barro*, sendo hoje o porta-
dor de quasi todas as letras aceitas por Francisco
Descarregam no dia 6 de julho.
Barca portugueza Corsa -mercaduras.
Polaca hespanholaBeatrizvinhos.
Barca inglezaDiana-mercadorias.
Brigue nacionalAtoro Almirante diversos g-
neros.
Polaca italianaAmassiomvinhos e papel.
Brigue portuguez Confianca diversos gneros.
Patache inglezW. M. Dodgefarinha de trigo e
mais gneros.
Brigue inglez Iris vinhos.
Importaeo.
Brgue portuguez Confianca, entrado de Lisboa,
manifeslou o seguinto:
22 pedras de cantara; a Jos Pinto de Maga-
Ihes.
2 barricas gomma copal; a Jos Baptista Braga.
2 caixascom dous sinos; a Miguel Jos Alves.
8 pipas e 10 barris vinagre linio; a Palraeira &
Beltro.
1 caixa vidros vazios; a Thomaz Fernandes da
Cunha.
20 pecas de cairo; a Carvalho Nogueira.
24 barricas alpiste, 30 barris vinagre, 20 ditos
azeite. 20 ditos chouricas, 100 caixas batata; a Ma-
noel Ignacio de Oliveira & Filho.
1 caixa iivros ; a Joaquim Jos de Campos.
13 volumes lavatorios de ferro e mais 9 ditos
camas de dito; a ordem.
10 pipas vinho; a Henrique Leite Pereira Jar-
dim.
1 caixa oleo de amendoa; a Jos Antonio Morei-
ra Dias.
2 barris vinho; a Joaquim Francisco da Silva
Azevedo.
1 caixa cora manlelletes de seda; a Valle Porto.
50 caixas batatas, 116 caixas e 87 quartos de
dita com passas, 7 caixas fructa secca; a Custodio
Jos Alves Guimaraes.
1 caixa livros; a Jos Nogueira de Souza.
10 saceos grao de bicco ; a Jos Joaquim de Lima
Bairao.
7 volumes vergas de vime; a Fructuoso Marlins
Gomes.
5 pipas e 65 barris vinho ; a Joao Macedo do
Amaral.
33 pecas de cabos de cairo, 120 caixas batatas;
a Manoel Joaquim Ramos e Silva & Genros.
SO ancorlas vinagre, 10 ditas grao de bico, 10
barris chouricas, 100 ancoretas axeitonas, 100 cai-
xas batatas, 5 ditas emitas, 4 ditas doce em latas,
1 dita chocolate, 11 amarrados passas ; a Duarte
&C.
i volumes um sof e 7 cadeiras; a Joao Pereira
Moutinho.
1 caixa impressos; a Gama & Silva.
1 dita 1 fogo de ferro; a Isidoro Netto & C
S ditas vinho; a Jos Joaquim Moreira.
80 ditas batatas; a Marques & Silva.
46 barris sardinhas; a Joaquim Jos Pereira.
24 caixas ceblas, 125 ditas batatas, 32 ditas
eraem velas 1S ditas cha, 100 ancoretas chouricas,
20 surrSes cravo, 90 barricas alpiste, 60 ditas fari*
nha de trigo, 150 saceos farello, 10 pipas vinagre,
38 ditas e 20 barris vinho, 120 ditos toucinho, 21
barricas milho; a Enzebio Raphael Rabello.
40 barricas carvlo animal, 30 barris azeite, 18
saceos rominhos, 652 barricas alpiste, 12 caixas
rap, 50 ditas batatas; a Thomaz de Aquino Fon-
seca.
Recefoedorla de rendas Infernas
geraes de Pernambnco.
Rendimento do dia 1 a 4........ 4:9043217
dem do da 5................. 1:148-1785
O Dr. Manoel Antonio dos Passos e Silva Jnior,
juiz-municpal, de orphaos e ausentes sopplente
em exercicio do termo de Olinda, om virlude da
lei etc.
Faco saber aos que o presente virem, que no
dia 7'do correle mez, depois da audiencia desle
juizo, de ha de arrematar em praca publica, por
venda, a quem maior lance otTorecer os bens se*
Tilintes: 1 relogio de prata galvaoisado e 1 ca-
noa de um s pao, de amarello, com 20 palmos de
comprimento e 27 poHegadas de bocea, perlencen-
tes ditos bens heranea de finado Bernardo Jos
de Sena, os quaes vo praca requerimenlo do
doutor curador da dita heranea e do respectivo col-
lector.
E para que chegue a noticia de todos mandei
passar o presente que ser afflxado no lugar do
costume e publicado pela imprensa.
Dado e passado nesta cidade de Olinda, sob men
signal e sello deste juizo, valha sem sello ex-causa,
aos 2 de julho de 1864.
En, Francisco das Chagas Cavalcanti Pessoa, es-
cmo de orphaos e ausentes o escrevi. Manoel
Antonio dos Passos e Silva Jnior. Ao sello 300
ts. Valha sem sello ex-causa.Passos Jnior.
DECLRACGES.
Consulado provinbial.
Pela mesa do consulado provincial se faz publico
que no dia 7 de julho correte findam-se os 30
dias uteis marcados para a cobranca bocea do
cofre do 2 semestre do anno finauceiro lindo de
1863 1864 dos impostes da decima urbana, do
consumo de agurdente, e de 3 0|0 sobre_ os bens
de raiz pertencentes corporagoes de mao mora,
(cando snjeitos a mulla de 3 |0 sobre os seus d-
bitos todos os (jue pagarem depois daquelle dia.
Mesa do consulado provincial de Pernambuco
1 de julho de 1864.
Antonio Carnero Machado Ros,
Administrador.
Armiialarau.
And?, em praca para ser arrematada pelo juizo
municipal da 2- vara, escrio Baptista, a mei agua
n. 33, sita na ra de Hurtas, freguezia de Santo
Antonio, perlencente Andrde Abreu Porto e sua
mulher, em virlude da exeeucao que Ihes move a
Santa Casa da Misericordia desta cidade.
Consulado de Portugal.
Sao chamados os credores do ausente Manoel
Correia de Souza apresentarem dentro do praso
de 15 das os seus ttulos de crdito para seren
verificados. Reeife 27 de junho de 1864.
Conselho administrativo.
O conselho administrativo para fornecimenlo do
arsenal de guerra tem de comprar os objectos
seguintes :
Para o presidio de Fernando.
Capa-rosa 5 libras, liabas pardas 1|2 arroba, re-
traeos de vidro 1 caixa. taixas para saltos 1 quin-
tal, tai xas de encostar 1 quintal, taixas de palmi-
Inar 2 arrobas, cera do abelhas 2 gamellas.
Quem quizer vender taes objectos, aprsente a
sua proposta em caria fechada na secretaria do
conselho, s 10 horas da manha do da 11 do
corrente.
Sala das sesses do conselho administrativo para
fornecimenlo do arsenal de guerra, 1 de julho de
1864.
Antonio Pedro de Sil Barreto,
Coronel-presidente.
Sebastio dose Basilio Pyrrho,
Vogal-secretario.
Conselho administratlvo.
0 conselho administrativo para fornecimento do
arsenal de guerra tem de comprar os objectos se-
guintes :
Para o 9o batalhio de Infantaria.
Espadas com bainhas de ac 2, fiadores de couro
prelo envernisado 2, talhins "de dito 2, cananas de
dito 2.
Para a enfermara do corpo da guarnicao
da Parahiba.
Jarras de barro 5, copos de vidro para agua 6,
copos pequeos para remedio 4, ralix 3, colheres
de sopa 48, colheres de cha 20, castigaos de latao
2, escarradeiras de lato64, espaleita $e ossn 1, la-
Iheres 36, cagarolas 2, chicaras de louga 20, pires
10, ourins de louga 21. palos de louga 80, cha-
leiras 2, manteigueira 1, bule 1, caldcii oes 2, ban-
deija 1, cobertores de liia 34, barretes de laa 118,
camisas de llanella 6, meias de laa 8 pares, col-
cbes 52, travesseiros 57, oleados para camas 2,
pedra de afiar 1, chinellas 79 pares, cubas 2, ba-
cas de rame 1, rede de tapoarsna 1, briol bran-
co 409 1|2 varas, algodaoziuho 391 1|2 varas, chi-
ta 810 covados.
Quera quizer vender taes objectos aprsente a
sua proposla em carta fechada na secretaria do
conselho s 10 horas da mauha do dia 8 do cor-
rente.
Sala das sessoes do conselho administrativo para
fornecimenlo do arsenal de guerra 27 de junho
de 1864.
Antonio Pedro de S Barreto,
Coronel, presidente.
Sebastio Jos Bazilio Pyrrho.
Vogal secretario.
Arremalaco.
No dia 6 do corrente julho. linda a audiencia do
juizo municipal da 2a vara, escrivao Baptista, ser
arrematada a mei-agua u 33, sita na ra de Her-
as, freguezia de Santo Antonio, perlencente a An-
dr de Abreu Porto e sua mulher, em virtude da
execugao que Ihe move a Santa Casa da Misericor-
dia desta cidade.
AVISOS MABITIMOS.
Compaiiliia Pernambucarja
N
XavegaeiSo eostelra a vapor.
Parahiba, Natal, lacio, Ararat), Cear, Acarara' e
Granja,
O vapor iaguare, eomman-
dante Lobato, segu para os por-
tos do norte no dia 7 de julho as 5
horas da tarde. Desde j recebe
carga at o dia 6. Eocommen-
das, passageiros e dinheiro a frete at s 2 horas
da tarde, do diada sabida : escriptorio no Forte
do Mattos n. 1.
6:053-1002
Consulado provincial.
Rendimento do dia 1 a 4......... 15:550-1665
COMPANHIA PERNAMBUCANA
M
XavegaeSn eostelra a vapor.
liba de Fernando de Nnronha.
No da 14 de julho ao meio dia
segu o vapor Parahiba, eomman-
dante Martins. para o presidio de
"'ernando de Noronha. Recebe ja
w larna ale o dia 13. Encommen-
iros e dinheiro a frete at o dia da
sabida as 11 horas escriptorio no Forte do Mat-
tos n. 1.
Para o Rio de Janeiro
pretende seguir com muita brevidade o veleiro e
bem conhecilo palbabote nacional Pieadt, tem
parte do seu carregameniofengajado : para o res-
to qoe Ibe falta e escravosi a Trete, para os quaes
tem exoellentOB eommodos, trata-se eom os seas
consignatarios Antonio Luiz de Oliveira Azevedo,
laa da Cruz n. I.
Para.
Segu por estes dias para o indicado porto, em
direilura, o bem eonhecido brigue escuna nacional
Graciosa; anda pode receber alguma carga : a
tratao com Antonio de Almeida Comes, na ra da
Croa n. 23. primeiro andar.
ma o Ancaty e Cear
pretende seguir com muia brevidade o late na-
cional Dous Amigos, tem parle de seu carregarnen-
to prompto ; para e resto que Ihe falla, irata-se
com os seus consignatarios Antonio Luiz de Oli-
veira Azevedo & C, no sen escriptorio ra da
Cruz n. 1, ou com o capitn no Para a lia la
pretende seguir com muia brevidade a escuna na-
cional Carlota, tem parte de sea carre-fimento
prompto : para o resto que Ibe falta, traase com
os seus consignatarios Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo & C, no seu escriptorio ra da Crux nu-
mero 1.
LEILOES.

IEILUI
ni:
Sapatos de borracha para homen e
seniora.
IKMI.
O agente Pestaa vender em leilao por conta e
risco de quem perlencer 47 eaixas com sapatos de
borracha para hornera e senhora parle cora deleito,
os quaes serao vendidos sem a menor reserva de
prego para fechar factura : quarta-feira 6 do cor-
rente pelas 10 horas no armazem do Annes defron-
te da alfandega.
LEILAO
DE
40 barricas com farinha de trig*
UO-IE
O agente Pinto, far leilao reqoerimeoln do
depositario geral e por despacho do lllm. Sr. Dr
juiz esperial do commerdo, de 40 barricas com
(arinha de trigo existentes no deposito geral, as
quaes vieram do Rio de Janeiro ignorando-se a
quem dirigidas: o leilao ser efTectuado as 10 ho-
ras do dia cima dito no mesmo deposito, casa em
(rente a da secretaria de polica.______________
LEILAO
DF.
Diversos escravos.
O agente Pestaa legalmente autorisado vender
por conta de quem perteneer diversos escravo*
de ambos os sexos e habilidades a saber:
Damiao, mulato, perito copeiro.
Benedicto, idade trinta e tantos annos, tem-se
oceupado em refinagao.
CMharina, negra, boa cosinheira e engomma-
deira da mesma idade.
E mais outros que se acharo patentes quarta-
feira 6 do corrente pelas 10 1|2 horas da ntanBaa
na ra do Vigario n. 13, primeiro andar.
LEILAO
DF.
Um engenho com bom cercado e matas, ONB
casas de mocada para caideiras e de pur-
gar todas de pedra e cal.
BOJE
O agente Pinto autorisado pela commisso eo-
carregada de liquidar os bens de Joaquim Elvirie
de Moraes Carvalho levar a leilao s li hora-
do dia cima dito o engenho S. Joaquim em Muri-
beca, o qual limita ao nerte e ao oeste com lama
do engenho Suassuna, ao sul com ierras do en-
nlio Muribequinha e trras chamadas Mungongos.
e ao leste com terras|de S Andr. O leilao leffi
efTectuado 110 escriptorio do referido agente ra
da Cruz n. 38, podendo os pretendentes desde ia
examinarem o mesmo engenho.
LEILAO
DE
Movis, 1 mulalinlio de Illa 17 auno-
de idade, 1 relogio de ouro patate
inglez, 1 traneelim de aro com ras-
solela, diversos nlcocilits de ca>;
etc.. etc.
HOJE.
(biarbi-fcirali de julho s 11 heres da manhia
no armazem da rua da Cadria do Rerifr
numero v
O agente Olimpio far leilao dos objectos cima
requerimenlo do curador da alienada Carolina
Correia Duarte de Albuquerque e mandado il
lllm. Sr. Dr. juiz dos orphaos, bem come trocara,
particularmente diversas iraagens de raadeira per-
tencentes a mesma alienada.
LElliO
DF.
Urna ea*a na povoaco da Varara.
iioji;
O agente Pinto tara leilao precedida a romp-
iente autersago de urna casa de tapa robera da
telha sita na povoagao da Varzea, com a (rente pa-
ra a rua do Pago, com 2 salas, 2 quartos e cosi-
uha (ora, assim como o terreno em que esta a dita
casa com 18 palmos de (rente e 280 de undo com
alguns arvoredos, s 10 horas do dia cima diio
em seu escriptorio rua da Cruz n. 38.
DE
I ma vacca (urina com cria.
B m >.jb -;:
Quarta-feira 6 do corrente s II hora.-..
Xa roaTA do aumazem ba iila da Cadlia
do Kecife n. 48.
0 agente Olimpio no dia, hora e lugar cima
vender em leilao urna linda vacca turina
i verdadi-ira i com urna cria femea, a vacca e.-u
acostumada ao pasto e da graude quanlidade de
leite.
LEILAO
PE
Movis, crystaes e outros mui -
los artigos
Qulnta-felra 1 do corrale.
As 11 horas no armazem da roa da Gadeia de Re-
affe a.48.
O agente Olimpio vender en leilao nma mobi-
lia de Jacaranda, 1 guarda reupa de mogno, I la-
vatorio com pedra, 1 cama franceza de Jacaranda,
1 guarda vestido, 1 secretaria, 1 santuario de ja-
caranda, 1 banca para advogado, 1 apparelho de
louga para jantar, 1 dito dourado para almoro, ta-
petes, 1 apparador, camas para menino, berros,
candelabros, serpentinas, lanteroas, qoadrn. es-
pelhos, toucadore?, marquesas, cabidos, qoarti-
nheiras e outros muitos artigos de gosto que en-
contraraoos pretendentes na vespera e da do
leilao.
LEILAO
DE
PREDIOS
Um sobrado na rua Imperial n. 64, com 40 pal-
mos de frente, 180 de fondo, tendo no andar ter-
reo doas salas, alce.', gabinete com om turto.
cos nha eum grande salad com 7 quartos, o pri-
meiro andar lem orna grande sala, 2 alcovas, 1
onarto no corredor, sala de detrs com S eamari-
ntias, urna grande sala de jantar, cosinba e ora
qaarto ao lado, nm grande sotad coa nma sala e
4 quartos, grande cisterna, eadmba, estribara-
cocheira e I grande onarto para guardar carro-
gas, 2 grandes quintaes tendo nm dettes nm bello
jardim, o outro plantado com diversos ps de sa*
potizeiros e outros arvoredos, tendo ambos 200
palmos de largura e 140 de fundo.
Urna casa terrea aa mesan roa n. 66 eom 1 por-
tas de frente, > salas, 1 grande nanos, eosinha,
quintal, cacimba e mais I qaartos (ora.
Um sobrado de 2 andares aa rea do Livraaoento
n. 9, tendo cada nm andar 2 salas e om qoarto.


ILGVE


*
^MMHinWii


Diarlo de eraambnei> luirla lelra fe -filil* de 14.

Hulnta-feira 3 do" curente.
U agente Almeida/ara leiiao por-autorisaeao da
caixa lilial dos predios cima mencionados, a por-
ta ua Associacaft Gommercial, s It horas doma
cima. ._.________
LEILiO
DE
Movis e obras de prata.
Qnin!a-ferra7dcjti!ho.
0 agente Pinto far leiiao por conto de diversos
e sem reserva de precos de urna mobilia de ama-
relio, marqnezas, candieiros de gat, camas de
ferro, camas francezas de amnrello, cadeiras da
bataneo, mesas, cadeiras, lavatorios, commodas,
cabides, mesas de cosinha, bids, cadeiras priva-
das, bacas de flaudres, asticaes com mangas, es-
cadas de mao, salvas, bacias e jarros de prata do
Porto, existentes no arma ze ni da ra do Trapiche
n. 40, aonde se etlectuar o leiiao s 10 horas
dia supradito.
H
Urna escrava com cria.
Me.ia-feira de julho.
O agente Pinio far leiiao por despacho do IUm.
Sr. Dr. juix de direito especial do commerao da
escrava Florentina e um filho de 5 mexes, pwten-
cenies a massa fallida do Jos Marques dos Santos
Aguiar dt C. isto i hora da Urde do dia cima
d to na ra do Trapiche annazem n. 40.
Olinp'o Ferrcira da Silva
AGESTE DE LKII.5ES
Ra da Cadeia do Recife n. 48,
trmetro andar.
C4S4 ti tmimk
AOS ltr.0Q0.000
i
lina espada, dragonas, banda, fiel e
A* rua d Cre-p tSt casas I etatame
O abaixo asstgodB te* vendido nos seus limi-
to feiizes bilhetefc araatoho reio b. M7 com
a sorte de 6:0005000, e n. 928 com 1:4005 e ou-
tras multas de 3005, rO0_, 405 e *) da lotera
que se acabou de exlrahw beneficio da igreja de
Santo Amaro de Jaboatio, coaida s possaidores
de ditos bilhetes a virem receber seus respetivos
iremios sem os descoatos da lei, em seu ostabe-
ecimento ra do Crespo n. 23.
O mesrao tem exposto venda os novos e feiizes
bilhetes garantidos a beneficio da igreja deN.S.
da Boa-Viagem, que se extrahir sabUado 9 do
corrente.
Precos.
Bilhetes inteiros..... 11*000
Meios......... 6500
Quartos........ 35000
Para as pessoas que comprarem
de 1005 para cima.
Bilhetes........ Mfig
Meios......... 5500
Quartos........ 25750
Manat Morttns Fita
Precisa-se de urna ama que saiba cos-bar *
tina cspawa, i.agwu-*, ..., -~. engommar, para casa depones familia: na ra.
tffMri Hjeeti prnprias para 1110131 do Rangei n 33.________________________
da guarda nacisna', Precisa-se de urna pessoa para en-
Setta-feira 8 > ja. carregar-se de cobranzas miudas nesta ci-
Por intervencao do agente Pinto no armazem dade, marcando-se ordenado ou porcenta-
da ra do Trapiche n. 40. | gen)) devendo prestar flanea: pode dirigir-1
; se livraria ns. 6 e 8 da praca da Indepen-'
|dencia, em carta fechada cora subscripto
F. F. M. ________________________1
lo Sr. lillas Cordeiro Cin-
tra preeisa-se fallar a negocio de
seu Interesse, na padarla da rua
Direita n. **!.
,___&______*.__ oajnajngBni
lEscriplorio de advocacia no H\o}
Grande do Norte.
O abaixo assignado tem aberto o seu
esenptorio de advocada na villa do Cea- g
r-meirim no Rio Grande do Norte, onde PS
pode ser procurado para os negocios de ^p
sua profissio. _B

RUA DO QUEMADO NUMERO 11
Loja de fazendas d Augusta Fredericodos Santos Porto
^v l' Chapeos para senhoras.
Gnegaram de Pars as raais lindas chapelinas e chapeos de palha da Italia para senhoras.
Ricas capas e soutembarques de seda preta e casenira de cor para senhoras.
Cortes de superior morentique branco para vestidos de noivas.
Camisas inglezas muito superiores para homens, peitos, punhus e eolarinhos de nnho.
Chapeos de seda para cabeca e chapeos de sol de seda inglezes.
Lencos de labyrintho francezes a 15 cada um.
Camisas de menino muito superiores. v
Cortes de la de barra para vestidos de senhoras de iJ* a 18$.
A mesma loja tem o maior e mais superior sorlimenw a
Estef ras para salas.
Neste estabeleciraento enconlrarao os seohores que preersarem forrar suas salas cora
otda e qualquer quantidade que desejarem de i, o e 6 palmos de largura, seudo a quabdade
superior e por mdico prego.

r
esteira&
muito
superior e por iiiuuil-u pio^u.
mmmmmmmimmmmmmwMWmmmmmmm
ROPA FEITA
NO
IKJ1AZK
DE
%W^% %i HrWlw

oDS'iril 3>D $3I-_IiVI) _"_&
UBTBSXRO VBM>.
Neste eslabelecimento ha sempre um sortimento completo de roupa feita de
todas as qualidades, tambera se manda fcuer por medida, vontade dos concor-
rentes, para o que tem um dos memores professores, assim como tambem tem um
grande e variado sortimento de fazendas de todas as qualidades, para senhoras.
AVISOS DIVERSOS.
Instituto Areheologico e Geo
grapkico Peniambucano.
Haver sesso ordinaria quinta-feira 7 do
corrente, s II horas da manha.
Secretaria do Instituto, 4 de junho de |
1864-
J. Soares d'Azevedo,
Secretario perpetuo.
E EST & VENDA KA
RIA BSTBKITA
LIVRARIA DO Sil. HERALDO
do Rosario k. 12 as
NOCOES
n
DE
PiRTiOAS DOBRiDAS
Manoel Ferreira Nobre Jnior.
mmmmmmwm
Quem quizer alugar tima boa casa ter-
rea rua da olao, dirija-se casa n. 10
rua da Aurora que achara com quem
traiar.
OFt'KRECIDAS
A issociacao Commcrchl BencQceHte
DE
}[
ii:h\aiiiiko
POR
Fonseca l0:0Oj|00.
A OS
I John Lilly subdito inglez retira-se para In-
' glaterra levando em sua companhia sua mulhcr,
3 Olbos menores, a menor Mary Kraus e urna
criada._____________________________
SOGIEDADE
UNIAO BENEF1CENTE
MARTIMA
Em consequencia da consulta que tive a honra
1 de inderessar S. Exc. o Sr. presidente da pro-
vincia para a conlinuacao das seses da socieda-
I de Unio Benellcente 'Martima, visto que alguns
I de seus socios pouco^interessados, e bastante re-
! missos, nao se tem prestado aos costumados traba-
I Ihos sessionaes da mesma sociedade, querendo ou
procurando, segundo, de presumir, seu aniquila
ment ou extimrao deixei de annunciar a ch
horneas e meninos.
Casacas de panno preto, 350 e
Sobrecasacas idem, 300 e .
Paletos idra e de cores, 25i5,
200, iU e......10*000
Ditos de casemira, 2*5, iH,
m, m e...... 75000
Ditos de alpaca, 5J, 45 e 34500
Ditos ditos pretos, 90, 70,
50,40e...... 30500
Ditos de brim e ganga de c- ,
res, 40500, 40, 30500 e. 30000 Camisas de peitos de linho,
Ditos branco de linho, 60,50 e 40000 40, 30 e......
Ditos de merino preto de cor- Ditas de madapolo, 20500,
do, 400, 70e..... 50000 He. .......
Calcas de casemira preta, i 20, Chapeos de massa, pretos fran-
100, 80 e...... 70000 cezes, 100, 90 e .
300000 D'tos de setint preto. .
250000 Ditos de ditos e seda branco,
I 60 e.......
Ditos de gorguro de seda
pretos e de cores, 60, 50 e
Cohetes de fusto e brim bran-
co, 30500, 30 e .
Seroulas de brim de linho,
20400 e ......
Ditas de algodo, 10600 e.
Ditas de cores, 90, 80 e.
Ditas de meia casemira de co-
res, 50000 e.....
Ditas de princeza e merino pre-
to de cordo, 40500 e. ,
Ditas de brim branco e de co-
res, 50, 40500, 40 e .
Ditas de ganga de cores, 30 e
CoUetes de velludo preto e de
cores, 90 e......
Ditos de casemira preta, 50 e
Ditos de ditas de cores 50
20000 %
0*00
20500
10600
80500
20000
70000 Ditos defltro, 50, 40,30500 e
Ditos de sol, de seda, 120,
40000 H0,70e......
Collarinhos de linho fino, ulti-
40000 ma moda duzia. .
Sortimento completo de grava-
20500 tas.
20500 Toalhas para rosto, duzia, 110,
e........
70000 Chapeos deso, de alpaca, pre-
40000 tos e de cores.....40000 8
Lenges derramante de linho. 30000 j|
Rahlmdii 9 du corrente mez se extrahir .
UUIJJ i .i uu l n mada (iara a reuniao dos mesmos senhores no da
a segunda parte da pi uncu a lotera da igre- de junh0 CDforme marca oarl. 3!) dos estatu-
a de N. S da Boa-Viagem, no consistorio los. 0(Jlle agora fa(.0i convidando a todos para o
lia aten de B. S. do Rosario da freguezia a,A g do corrente mez, as G l| horas da tarde, no
c, n int.min / sa'0 do theatro de Apollo, am de se proceder a
*&?*.- .-*issafaaa*dirl!ir 0i lraal"os ,uluro'
venda na respectiva thesourana a rija ao i Sl.firelarja ja Sociedade l'niao Beneficente Ma-
Crespo n. 15. riiima i de julho de 1864.
Os premios de 10:0005000 at 200000
seo pagos urna hora depois da extraeco
at s 4 horas da tarde, e os outros no da
se^uinte depois da distribuigao das listas.
0 thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
Balthazar Jos dos Reis.
Io secretario.
----------------------;----------T------.------------1----- todo planiano i
0 cirurgiao Leal mudou m^j.
Arrendase, vende-se, ou mesmo troca-se por
casas na praca um sitio na Varzea margem do
ameno Capibaribe, com duas grandes casas, com
7 quartos, 4 salas, 2 rozinhas e um sotao, tendo a
parle corheira, estribara, e quartos para criados,
! todo plantado d^ arvores de fructo, abacates, sapo-
limao doce, limas de umbigo e da
40 e 30500 Cobertas de chita chineza.
25500
DE
\_i<*-|IVHj llill'" w---_, .....-------------- v ^
^ v,~0------^----- i Persia, larangeiras de umbi.'o, soletas, tangerinas,
j anfl rP^ldPTlYIfl. (ll TUtl UO etc., um grande cafesal com frurtas, jaqoeiras,
d bUd rWSlUU^l ua uu ,xv,mangUtira;iCOl|Ueiros,dendezeiros, com mais no
lliATnfltln Dira a Tila (laS fundo ama casa de taipa, e bem assim mais 4 ca-
UUtJlIliaUU yaixl a luc ^ m de ljjllln a(.a,,adas dt ,,(mCo tem, com frente
Cruzes sobrado n. 36, wy^r^TZ^-T^^
meiro andar, por_ cima do w*g^g^^-,ojade*"*
DE
J. VIGNES.
!V. 55. HIA lO IMPERA X. 5a.
Os pianos desta antiga fabrica sao hoje assaz conhecidos para que seja necessario Insistirjlotee o
sua sunerioridade, vantagens e garantas que onerecem aos compradores, qualidades ests "contesta-
veis que elles tem definitivamente conquistado sobre todos os que tem apparecido nesta praca pos
luindoum tec^do e machinismo queobedecem a todas as vontades e caprichos das pianistas, sem
nunca fZrTpor serem fabricados de proposito, eter-se feito ulinamente ^^amentos um
tissimo para o clima deste paiz ; quanto s vozes sao melodiosas e limitadas, e por lsto muito agrada-
VCS J^^ffi^ISSmendas, tanto nesU fabrica como na do Sr. B.ondel, de^Paris, socio
corresDondente de J. Vignes, em cuja capital foram sempre premiados em todas as expesicoes.
Eesn o Stabeteimento se acha sempre um esplendido e variado sortimento de msicas dos
melhores autores da Europa, assim como harmnicos e pianos harmnicos, sendo tudo vendido por
precos commodos e razoaveis.
------------- : aasc
armaZei 1 rOffreSSlSta, aOll-, _AIOga-se um sitio na estrada da Ponte de
*" nn^n euKwrnMA' Uchoa e a margem do rio, pouco adianto do Illm.
dft O aCaraO COmO Sempre Sr. commendador Her? Ferreira, tendo banheiro,
1~ L/wA o palanque, galinheiro e outras acommodacoes; e
nrOmtX) a QUtUQUer llOra Pd-.outroditono Mooleiro, ero frente aooitao da igre-
r i n -,_ I ja : a tratar com Antonio Jos Rodrigues de Sou-
ra 0 eXerClClO Ue Sita prO- Ia, rua do Crespo n. 15, ou estreita do Rosario nu-
fiSSlO, CliamadO por eSCrpta. T'os quldalarios da" massa de Jos An-
- Pede-sc ao Hr. Joo Cerma- ionio Bastos convidara os credores da mesraa
no de Paula, JuelraWr declarar a receber o segundo dmdendo, a rua do
nesta typsgraphla onde rcsldem Trap.che tt.31-
Feliciano de Aran) Pl
os
iih.il o e liarla Francisca.
que pelo mesmo senhor foran
incluidos no numero dos asslg-
nantes deste Diario, sendo a fo-
Iha receida por elke, e nao paga
Antonio Joaquim de Senna Jnior tendo
recebido a infausta uova do fallecmiento
(em Macah) de sua presada irmaa I). Luiza
Amelia de Senna, convida a seus amigos e
collegas para assistirem urna missa que pela
alma da finada manda celebrar amanhaa 7
de julho, na matriz da Boa-Vista, as 8 horas
da manh.a. Desde j se confessa eterna-
mente grato para com aquellas pessoas, que
arem assislir a esse acto de religiao.
: dignar
- Precisa-se alugar um escraro : quem o tiver
leve a rua larga do Rosario n. 10, que achara com
qoem tratar.______ _____________________
Na praca da Independencia, loja de ourives
n. 33, compram-se obras de ouro, prata e pedras
preciosas, assim como se faz qualquer obra de en-
commenda, e todo e qualquer concert, e igual-
mente se dir quem d dinheiro a premio.
CONSULTORIO IEDIC0-C1RIRGIC0 \
DO
DR PEDRO DE ATTAHYDE LOBO MOSCOSO,
MEDICO, PARTE! K OPERADOR.
3 Rua da Gloria, casa do Fundao
O t)r. Lobo Moscoso d consultas gratuitas aos pobres lodos os das d7 sI ;
horas da manha, e das 6 e meia s 8 horas da noile, excepcao dos_ das sani.ficad os
Pharmacia especial homeopatinca
No mesmo consultorio ha sempre o raais appropriado sortimento de carteiras
tubos avuEos, assim como tinturas de varias dymnamisac^se pelos preces segu.ntes ;
Carteiras de 12 tubos grandes. \*mo
de 24 tubos grandes. 4^JJ!
de 36 lubos grandes. 245000
305000
INJECTION BROU
JARABE DE CORTEZAS DE NARANJAS AMARGAS
Pe J.-P. L4ROZE, Qmbc*. FuikuIco de la Escuela soperier de Paria
Este Jarabe, al regularizar las funciones del estmago intestino, destruye
indisposiciones proteiforme*, y hace abortar la enfermedades de que son signos precur-
sores. Mdicos y enfermos han reconocido que restablece la digestin, haciendo desa-
parecer las pesadeces de estmago; que calma las jaquees, pasmes, y calambres, que
son el resultado de digestiones penosas. Su gusto agradable, y la facilidad con queae
soporta, lo han hecho adoptar como el especifieco inftlible de las enfermedades nern.
sas, gastritis, gastralgias, clicos de estmago y entraas, palpitaciones, males de co-
razn, vmitos nerviosos. S accin sobre las funciones asimiladoras es tal, qne Tos
mdicos mas ilustres lo han adoptado por cscipicnte real de los dos primeros agentes
teraputicos : el Ioduro de potasio y el Proto-Ioduro de hierro, habiendo
observado que bajo su influjo, el prdwero pierde su accin irritante,y tequndo
su efecto astringente.
JARABE FERRUGINOSO
BE COHTI1M Mt IHMMU AAW.M
con PROTO-IODURO de HIERRO
La asociacin de la al frrea con el Jarabe
de corteza de naranja w tanto ma racional
cuanto que de Jarabe, moteado ola para
estimular el apetito, activar la secrecin del
Juan gstrico, y por consiguiente, rrcolarhaf
las funcione abduminale, neutralia loalfWe*
efecto de lo ferruginoso y de los Ioduro pe-
sai.'ei d cal>eia, conitipacion, dolore epiga-
trii-osi, al paso que facHita u absorcin. W-
syelto en el Jarabe, loma y soporta fcil-
mente por hallarse en el estado puro na
asimilable: y asipuede seguirte la cura de lo
colore plido, prdida blanca, aaajkia,
afeccione escrofulosas v raquitismo. El frasco:
4 fr. 50.
JARABE DEPURATIVO
DE COBTKXAS BC BAMIUAS AMABOAS
CON IODURO DE POTASIO
1 Ioduro de potasio, ailraioittrado en solu-
cion bajo forma slida, causa al enfermo un
gran repugnancia, determina accidentes que
lo obligan renunciar est* eflca remedio.
Unido al Jarabe de eortexa* de naranjas, no
eauoa ni gastralgia ni desarreglo del estmago
inleslinos, y gracia este salvo-conducto,
las curas depuradas pueden seguirse sin inter-
rupcin en las afeccrom-s escrofulosas, tuber-
culosa, canci-rosas. y en las secundarias ter-
ciarias, incluas las reumticas, de que es au
mas secura especiuea. La dosis el delinidade
lal manera que el mdico la varia como quiere.
fc.1 frasco -. 4 fr- 50
Los Jarabes de J.-P. LAROZE estn siempre en frascos especiales (jamas en medias
botellas ni frascos redondos). Expediciones: en caaa J.-P. LAROZE, ru de la Fontaine-
Molierc, 396. Depsito general: farmacia Laro/.e, ru Neuve-des-PeUU-Chamfa, *>,
y en casa de todos los farmacuticos antiguos de Francia y del Estrangero.
Pltftt'ff en ijue inguo deben estar las instrucciones que acampanan cada producto.
perfumera mdico-hyginica
De J.-P. LAROZE, Qalaieo, Fsnaaeitic de la Escula esperul de Para
Estos productos son el resultado de la aplicacin de las leyes de la higiene la per-
fumeria.que se eleva v convierte en farmacia de la belleza, encargada de atender la Hi-
giene del culis, cabellos v dientes, que todosson rganostan importantes; sirven para evi-
tar y destruir las eausas de las enfermedades que su hermana primognita, la rarmacia
propiamente dicha, est llamada curar.
elixir DEHTiriuco para curar inmediatamente
les doloi es de muelas ; el frasco I fr. 25
polvo dentfricos ROSADOS, con base de
magnesia, pura iinblaoque dicnt'S; el frasco........1 fr. 50
oriATA dentitbica para fortificar las encias y
evitar las nevratgias dentales 1 fr. 5
Curativo dental para curar los dientes ca-
riados anta de 1.1 emplomaduia, y evitar los abee-
sos y dolores; el fiasco con el in>trumento. U fr.
agua ledcodehmina para conservar la her-
mosura de la le y las funciones de la piel; *1
frasco.............*fr-
BSraiTD de ah RianriOAOO, complemento
del tocador de la boca despus de eada comida;
el frasco...........1 fr. 25
jabn lenitivo medicinal, para el tocador ;
i la violeta, almendras amargas, ramillete, etc.,
el jabn............1 fr. 5
jabn lenitivo medicinal con yemas de
huevo, para evitar las grietas en el cutis, hendiduras
y enfermedades de la piel; la violeta, ramil-
lete, etc.; el jabn.........2^r.
CUSMA D JABN LENITIVO MEDICINAL -n
polvos. Es especial para la bal ba, cuino tambin
Kra el tocador de las mugeres y nidos; el
isco.............* 'r.
AOVA LOSTSUst, para conservar y embellecer tM
cabellos, for icaodo sus raices ; el frasco a .
ACmm de avellanas fxrtumado. para re-
mediar i la sequedad y atona de lus cabello; el
frasco.............J *
VTOACR D TOCADOR SUPERFINO, rcnOHV-
brade por su suavidad y accin refrescante; el
basco............. *
COLD CREAM BUPERIOR, para conservar el culis
blanco, fresco, diifano, y evitar las consecuencia
del uso de los afeites; el bote. t fr. M
acda de colonia auPERioR, con mbar i sin
el. La estabilidad para el tocador, baos iocale y genrale; el
frasco..............* *
pastilla orientales del doctor Paul Ciernen!,
para quilar el olor del labaco y neutralhur los hli-
tos fuertes; al caja........1 y 1 Ir.
AOVA de rLOHES de alhucema, cosmtico
muy buscado par destruir las cometones, forlale-
cer y refiescar ciertos rgano ; el frasco. 1 ir. Se
ESPRITU DB B1EICTA SUPERriNO. Es el mas
perfecto indispensable complemeulo del toca-
dor de la boca despus de la comida; el
frasco............1 fr.
POMADA CONSERVADORA con quinina pora, para
fortificar los cabelles, hermosearlos y eviur qoe
se pongan ranos antes de tiempo; el bote. 1 fr.
Depsito en todas las ciudades en casa de los farmacuticos, perfumistas, peluqueros,
mercaderes de modas y novedades. Venta por menor : En la r.rm.cU fcarosa, ru
ExMdtoes^eTcasaTe'j.-P. LAROZE, rae de la Fontaine-Molire, 39 fcis,enParis.
Desynesc en que Jenaua deben eilar cu instrucciones que acompaan a coda producto.
3 ~ l
C C I
** I
o S
3 I
IB
-
-5
Ba
-5
en
&
6"
n
30 O
P rl p
m C7

CD
3
& 3 *
K- '--J
o a ** B -3
" ~ pa
t

1 V
-
& a
' 1
l 1
<
M
v
> O
71 i >
1 =3 o
d o w
fD ^mm\
&
s O
aUslI IIHIsTll
-Ilflf|l
ilsl
v.
-o
7>
lisffli
";!sI$IM
imiYr.
O
Vende-se na rua do Imperador botica franceza R. 38.

de 48 tubos grandes.
4Uenc.
Precisa-se de um moleqe para todo o servico
quem o n'ver para alugar dirija-se '
n. i i loja.
rua da Cruz
de60 tubos grandes. 3S0OOO
Prepara-se qualquer carteira conforme o pedido que se fuer, e com os remedios
que se pedir. nc,
Um tubo avulso ou frasco de tintara de meia onea 10; 00.
Sende para cima de .2. custaro os precos establecidos para as carteiras.
Ha tubos mais pequeos cada um a 500 ris.
h m m- BiB>lk*W
^I^"^# r, IK
A melhor obra da homeopathia, o Manual de Medicina Homeopath.co do w-tj.
dons grandes volumescom diccionario............ iOAnfin
Medicina domestica do Dr. Hering,........... Sooo
Repertorio do Dr. Mello Moraes......... ?ooo
Diccionario de termos de medicina ..; ** '
Os remedios deste estabelecment sao por demais conhecidos e d.spensarn portan-
te de serem novamente recommendados as pessoas qye quizerem usar de remedios >er-
dadeiros, enrgicos e duradores: ha tudo do melhor que_ se pode dnejar, 9:^JfJ";
dadeiro Iissuca? deleite, notaveis pelxsua boa conservado, tintura,dos mais acatados
estabelecimeatos europeos, a mais exacta e aecurada prepara^ e portaoto a maior ener-
ga e certeza em sens effeitos'.
Casa de saiide para escravos.
Recebe-se escravps para tratar de qualquer enfermidade ou fazer-se-lhe qualquer
rariio nara o aue o annunciante julga-se sufBcientemente nabditauo.
ShadodiaSdoeorrent,, para Ih^ser apresen- parle da mesa reidora tln,1a a reun.rem-se e,n l %:r^m"^ a0 me|hor possivel, tanto na parte alimentar, como na medica, e
9-5cffe'3 dVjto> m -Os directores,
" Io: *t Silva. Recadas.
Francisco Joao de Barros.
AVISO AOS SRS. MDICOS.
Sirop du
D-TORGET
"v ni
2\
com\Hu
DE
John Lelly, socio da rasa de Soutall Mellors &
C, tendo de retirar-se para a Inglaterra no prxi-
mo paquete, pede todas as pessoas com quem te-
nha contas de as apresentar no praio de oito das
para serem pagas.__________________________
__ Domingo ponleu-se um carneiro nulhado de
preto : quem o achou, querendo restitui-lo leve ao
quartel de polirba entregar ao sargento Siquelra,
j que recompensar.
ue ---------------------------------------"----------------------
Seguros Maritimos Indem-lnmu aiedo ivuiwhs-
nisadora. ".' i i $toX.
Os senhores accionistas de^la Companhia sao ^^ se tenfj0 reunido numero
convida-ios para se reunirom em assemblea geral brosdo conselho fiscal no dia 3
no respectivo escriptorio, p-das II horas da ma- n0vamenl<-. convocados acuelles t
nha do dia 8 do eorrent^, para Ihe* ser apresen- parie da mesa rejMofa tlnda a
U".____________ uil-,liilu f. lltfAVIlinadlIi -___ __1...__: ......r|...f..r-i
Cura ca arrhos, lo.iset
coqueluche!, irritae.6e*
nervosa* tat dos bron-
chios toda* a* don-
_______ ___I ca* do peito; basta ao
doeoie urna eolhe rchdea deste xarape I)' Posn.
Dr. CHABI.K, em Parir, rau Tivlesi-. *M.
Pars, 36,RuaVivienne, D'
x
^
CHABLE MDECIN
DEPURATIF
iiltuel Jase Alws.

Nao se tendo reunido numero legal de mera-
* do corrente, s5o
que nao (heram ooerac5o Dara 0 que 0 annunciante julga-se suficientemente habilitado
parte da mesa reidora lrrfa a reun.rem-se em operado' P"" Ju .. J J, tanl0 na parte alimentar, C(
mSXS^^ ha muits pessoas de cujo^nceiUse nao
Consistorio da innandade, 4 de julho de 1884.-: p5e dUNiUar, que pdem ser consultados por aquelles que desejarem mandar seus
j nfonio Ramos, procurador-gcral. 'doentes.
Arrand.-se una grande rasa e sitio, no Bar.-
DASENr-KRMIOAUAS DESSEXUAKS, AS ArTeO
COES CUTNEAS, K. ALTERACOESDO SAjOUE.
----------------------~~*i00O0cura9 li/ii.Wu/n, fcrtj, *arn
__J;omt*o*.acnmonta,e k}fmerc04S, rictoioi do san-
---------- ____b___7'"'; virus, e alteracoes
do iunjp;. iXaiutic vegetal sem mercurio).Besus.
ratia* vf>s~ta*A llAWHOSi MIIVEIIJbKbI
tomao-se dous por semana, seguindo o tractamento
Dti-iirntivn : r amiTeodo as mesmas moiettia.
--------------------- Este Xarope Citracto d
ferro de CllABI.E. cura
immediatamente qualquer
ptiroocoo, rfaacio,
_____________________I 1 dcbtlidade, .ali-
mente os fluxos t flores branea* da ulbr.
Esta injectao baaigna mprga-e com aXaxope a
Citraet* de Ferro. ...
HsBwit-Iss., Pomada qo* ai .cara M.
PLUS of
COPAHU
balho, a marge-n do Capibaribe, confronte ao jw-
utro. ,. H_nf.
. Paga-se^OOO por dia durante 60 das e dah em diante 15^00.
rata-SB 4UW lili _luu_-- -------------------------- ..,.- ..-o-ne
m..u, ...o....r .....,. onera^es ser3o previamente ajustadas, se nao se qtjjaerem sujeilar aos: precos
----r voado do Monteiro, tendo grande baixa de cipiin e fti upeid^t t,crd","c"" ro' %-"^
j,>de casa de seiis stnhores, no tUa H do bacante trra para plantacio : osprelendeulesdi- razoaveis que COStama pedir o annunciame.
corrente p weravo Uidr-t. crioulo, de idade 25 a- rjja',"se Vna'do ApoTlo n. 1 segundoniar.
r;irir^3i?x1^SiS ._^-..-.
UU -<" K > ___ ..,,,, ,ip.i;iu llilP/ ri'f/n.

Offorece-se um mogo, morador na rua da Pal-
n. 44.
ful. ahs-llns r-Rlliinhils .illiaa-e 0 liniliUCiU ua wa nii ua am ui; uiKjrtM-M um iuuW ,...,>, ...---------
?!^ pa iiir urna. Apollo n. 47, e o primeiro da casa sita na rua da ma n. 50, para fazer com com.no lida Je alguina
Utos pardos beicos or. poucojB^\"a"z "** ffia Volda d. Si : a tratar na rua da Cade cohrancas quer nesla c.dade como em seu* arra-
U, ps ifrandes e grusso*. bem desemlMMcadoao aeu. ^- ^_ iitt ma DrtjSlimo .iiiizer utiUsar-se,
fallar nao malcriad-, levou calca de brim bran-
ca camisa de madapoln, chapijo de feltro ja ar
de'; cuio escravo lilho te Catasta Mana da (m-
eieao do Brejo de I3:ui*aeiras, provincia da l'ara
Vel>' '. .........iB.o lr.l Rtn nanamento Pf
A pessoa que achou urna cria do capito
Francisco IJjrges Leal para o Sr. coronel Domin-
gos Alfonso Nery Ferreira, querendo reslitui-la,
livb'i 10 Norte ; veio em 1861 em pagamento para ser r'-frimnensado. 1
i Sr. Guiaares AJ^f-.r.-ido (lesla cidade, sup- Antfll0 j,)SI-, Goncalves Pereira, subdito por-
u5e-se ter seguido para a^nelle Wgr. wga-se a rura.5e par o Rio de Janeiro^__________.
^ssfffSBvartpcVKs: -^*^s^i^&r
,yUe sefo recQmp.m>a'1o< com 1005-
hables : quem de seu preslimo quizer utiUsar-so,
procure-o em dita' casa, das 7 s l horas da ma-
nha, e das 3 s 6 da larde, ou no escm.torio d>
serWao .______#
-Pr-ciie de urna crtafUforra 0.1 MA
que sirr para todo o se.rvico mtenio ,e -xt-n 1o^e
j ma casa : a tratar na rua do Qaeim M, loja nu
mero Vi
Eiiromma-se
U7. n. b. -. ijnem-annuncioa precisaran um uum i _----------- ,.,,.,.,,.,> ,\n
. _com tok'de oapim, dirija-se rna Dire,ita n. iP. I Pettaac*** fr Joaa^da Malta Rezende do
-rrt -Precisa-sede caixeiros portuguezesde Pn;a. o --^^^t Vi Boa-Viagem
cisco n.
)0 are o e pr*mitiiiio : na tu- .... .u.. ,..,,,,.. v m
63, segando andar. Precos excepejonaes. Prata n. 43.
^n
,vn tolo o are" e ^mpiido: na rua deS^Fran- na, qne capara fora da cidad^ : a tratar a rua | ft ^-.^ ^^


Ainevse para criado de hornero aoUeiro um mu-
, ,-Jhn rifi l^arnio?. muito hahil para opeiro
fa*iS!5a^ tab,.liaoSa, rua
estreita do Rosario. _________ ..,
ZTa pra?a "daswisas de Rozendo Alves da Sil-
va que tem de serem arremtalas de venia, por
execaco do cirorgiao Francisco Jos da Silva pelo
iuizo mpnicipal da l" vara, ficou transferida pan
sexta-felra 8 do corrente. depois da audiencia.
A tU cao
Precisa-sede muito bus cosureiras para razer
POMADA ANTIHERPETICA
Contra: na afecte*jutanea* com>XMS.
LULAS VEO-TAM "^ATIVAJ
do sV C-s*v od fra-so va %t*emfmmm -
"JigSt' nu i-ua 'lo Imperador botica
franceza H. 3W ___ t________.
"_ ManiieLliyis-iJaSilv Saltos, jobdito portu-
ue7 r. iira.se paca -UOaJta -Um ilniralar ue sua
Sude, edeixa por sms Imstamles irocuradorej m
1- lunar a JoaqnrUI odnwties ."vares de MelW,
em *' Jii."ui dii Anuiiil Itaimvi. e em 3* o* da
Silva Saniix para tralareni iV tolos os seus neto-
cios. Ret^fe 4 de julho *-H*i't-______________
__ AIiiiii-m' s nu pen_ das lluroi-
ras : a iralar m me-mio h <-cn 11 g._______ .
Prerisa-se de nma ama para cozinhar e comprar
em casa de homem soltetro, preferindo-se escrava:
I na rua do Qneimado n. fc'l.
Precisa-se de una ama capaz para lo lo 0>
servico de casa de iwuco familia : na travesea da
matriz de Santo Antonio n. 8.
Pede-se encarecidamente ao Sr. ex-cadete
Carlos de Souto Godim, qne lenha a bondad'" de
ir restituir e cavallo que alugou na cochi-ira d_
rua da Roda n. 4."), no dia 9 do passado, e junta
mente os seus alngiH* dr-enrrido, pois raso o ni>
faca passara por se considerar drsapparecido.
Aluga-se a casa n. 4 da rua dos Prazeres, io>
Coelhos, com bous commodos, concertada, caiada r
pintda rom pprfeico e gusto : a tralsr no segun-
do andar do sobrado n M di rua do Rangel.
Precisa-se alugar urna nrrta MJI~.n*-
nhar e engomroar : quem a trtr, JIM* ru*
,l Trawclifl n. i, que achara co-Ji |Vlr_^_;
SgT'm -isa-M' aliar fm\* >r.
g llr. J0 Henrqtre afra anlrs
gliif retirarse para sal : na
g rua da Gideh do Recife n. 38,
^rim-iro Mdar.
Quem tivi-r um silio yramle com liastauJes
arvoredo, quo (incir arrendar, dirija-se ao pateo
da S. Po.lru n. n, ou annuncie.____________,___
" Meihovl Ca*tllho.
ifnpri Jos-! fle Karia SimrVs, prof**0 partini-
larde inSrir3o elonwntar poJ m. thtxlo Casr.lho,
participa aos pas do-seas ilumno* p ao pnlilu-o,
HN inuduii a sua anh la ma da IVnha pa o pa-
' teo do iiv: ni'.eiit' s-i'-i i'lo n. 20, segan^lo andar.
Muda attenco
O abaixo assigaado avisa a totlos es seas e-e-
dores em geral, de maiores e menores qiiatrtias.
assim como d letras hi muilo vencidas, tpae re-
nham nopraso d<- 15 dias pagaren) ma frirfita
n. 91 os seus delii'-i-. frse-assim na" o lU-retu se-
rio seus nomes publicado por este Dhhw, e de-
pois ejecutados sem distncciVs de pessoas : faro
0 prsenle anaetrio para que iWibj nao >e quei-
xein do -Jos Mart ns da Silva Bortw^_________
Precisa-se de urna criada livre on escrava
que *ila oeiinlwr e comprar : na rua 4 Santo
Amaro (Mundo iww), sobrada onde inoroa o Sr.
Ur. Sabino.__________________________________
Precisa-se de nina ama de le i te : na rua lxt-
| perial, sobrado n. 87. ________
Aluga-se o torceiro. arrl?r da ca.
1 rua do Trapiche : a traiar no nrrrmem
casa.
ask n. W
m d> nti
na
ntesina
III
ILEGfVEL


qMBWBVVHHMHW^M
VMMl
Diario de Pcrnambuco fciiarU letra de Julho de 18 4.
Graiuaiatica ingleza e porlngueza.
D. AppJcton & C. Iivreros,edtores e importado-
res em New-York, Estados Unidos da America,
acabam de publicar um novo raethodo para os in-
gieres aprenderem a lingtia portugueza por F.
Granert,' i vol. 12 mo.
Este torro, o melhor at hoje publicado ex-
pressamente impresso para supprir a immensa fal-
ta queha de ama grammatica ingieza e portu-
gueza, para aquelles que fallam o inglez e que de-
sejam.aprender a lingua portugueza.
D. Appleton & C s$o os editores das obras em
hespalihol para edueacao mnitissimo usadas no
sul da America. Tambem publicam os melhores
alhuns para cartoes de visita.
Gratule
fabrica
de fogos de artificio, da viuva Rufino, situada na
estrada de Joo de Barros; nesta fabrica apromp-
ta-se toda e qaalquer encommenda destes artgos
com o maior esmero e presteza, seja .para dentro
ou fra da provincia : recebem-se as encommen-
das no armazem da bola amarella, no oitao da se-
cretaria de polica.__________^^^^
Revista do instituto Archeolo-
gleo e Ceographlco Pernan-
biifano.
Acham-se venda os 3 primeiros nmeros, na
livraria Econmica de Jos Xogueira de Souz,
junto ao arco de Sanio Antonio, onde se subscre-
ve para esta Revista :
Poranno.....5J800
Nmeros avulso Io00
mwmmmmmm mmmmmm
B 0 Dr. Carolino Francisco de Lima San-
JjR tos, contina a residir na ra do Impe-
d rador n. 17,2 andar, onde pode ser pro-
?*^ curado a qualquer hora do diae da ooite
3fe para o exercicio de sua prolisso de me-
)ic dico ; sendo que os chamados, depois de
^ meio dia at 4 horas da tarde, devem ser
|g5 deixados por escripto. O referido Dr. JH
nao abandonando nunca o estudo das 2f
molestias de interior, prosegue, com o ^5
jjj maior afUaoo, no das mais difficeis e deli- 91
yj$ cadas operacoes. como sejam dos orgaos K
5 ourinarios, dos olhos, partos, ele.
6 *:
&m&;>. M< mMm mmm&m
A pessa que annunciou precisar de urna
armaco, dirjase ra cstreita do Rosario
n.27.
C/>
3 O
(ozoiuo)

o
<^> H
na
Compra-se ouro e prata em obras velhas
paga-se bem: na loja de bilhetes da piafada Inda
pendencia n. 22.
Compra-se urna escrava, ou aluga-se na ra
do Queimado loja de ferragem n. 59 que ah
achara com quem tratar.
Compra-se
comalgum uso,
Boa-Vista n. 9.
um liteiro para cima de balco,
que seja pequeo: na praca da
ATTENQAO.
Quem tiver urna negrinha de o 8 anuos e que-
ra vender, appareca no largo do Livramento ns.
j 38 e 38 a.
\ Comprase urna escrava de meia idade que
I-j naolenha ric'o nem achaque, e que nao exceda e comprem
45 ftua Direite 45
Oicam! oam !!!
. CALCADO
Bom e novo, a primeira necessidade para a sau-
de e aformoseamento do individuo I
Meu Dos I... que ps de pavo se lobrigam por
essas ras I que figura horrenda e nauseante a
de um paleto! bem talludo sobranceiro a um
guedes roido em duas solas I um balito bem tor-
neado e bambaleante de .-cu brindo urna ponta de
botina safara e carcomida 11
I Santo Barbara! I Corram ra Direita, bellas e
rapazes I sacudam na praia csses malditos guedes
| de 500 quem tiver annuncie.
Ricardo Jos Gomes da Luz, subdito portu-, Uraganca.
guez, relira-se para Europa. par
Augusto Cesar Fernandes Eiras, subdito bra- Oliveira d'Aze-
sileiro, retira-sc para Europa. meis.
Pcnafiel.
; Tavira.
'Villa do
3--RUA ESTREITA DO R0SARI0--3
Francisco Pinto Ozorio contina a col-
locar dentes artificiaes tanto por meio de
molas como pela pressao do ar, nao re-
cebe paga alguma sem que as obras nao
fiquem a vontade de seus donos, tem pos
e outras preparares as mais acreditadas
para conservarlo da bocea.
Precsi-se de um bom forneiro e um
mestre de masseira, na padaria da Torre ; a
fallar com o Sr. Arantes._______________
Antonio Luiz de Oliveira Aze-
vedo & C
A genlc- do Banco Unio do Porto.
Competentemente autorisados sacam por todos
os paquetes sobre o mesmo Banco para o Porto e
Lisboa, epara as segu ntes agencias.
Londres sobre Banh of London.
Paris
Hamburgo
Barcellona
Madrid
Cdiz
Sevilha
Valencia
Amarantes.
Arcos de Val de
Vez.
Aveiro.
Barcellos.
Bastos.
Beja.
Braga.
YENDAS.
VENDE SE
Borzeguins de Nantes 8000.
Ditos francezes de bezerro 7.
Ditos francezes de lustre para homem 5$.
Ditos para senhora, de lustre, enfeitados, 5500.
Ditos para senhora, gaspia alia, 4800.
Botinas de menina 2#500.
Ditos de cores para menina 25000.
Sapatoes de Nantes de dnas solas o.
Ditos de sola e vira 4o00.
si. anuo de.l889.por 5000; Otras ropktas d,j^2 K^Kuhora I*
Alvares de Azeced por 8,5000; Poesas denosto e
Silya_por 200 : na ra do Cabug loja n. 2 A.
Vendem-se caixoes vasios a 1:760
cada um : na ra das Cruzes n. 44.
Wadapolao barato a\
5,500 a pega de%\
varas.
Na loja do barateiro na ra do Crespo
Ditos de tapete para homem e senhora 800 rs.
Ditos da liga constitucional 500 rs.
Chneloes rasos do Porto a 1,5600.
E um sortimento complu.o em sola, vaquetas,
couros, bezerro francez como nenhum, couro de
lustre muito grande, e tudoquanto pertence arta
de S. Cbrispim.

Frederic S. Ballin & C.
Joo Gabe & Filho.
Francisco Rahoba & Ballista.
Jaime Meric.
Crdito commercal.
Gonzalo Segoria.
M. Perera Y. Hijos.
Em Portugal.
Figueira.
Precisa-e de uma ama que cozinhe e com-
pre bem : na ra do Hospicio n. 5.
Precisa-se de caixeiro que tenha pratica de
taberna e d fiador a sua conducta : na ra das
Cruzes n. :i9.____________________________
Soclcdadc Pliilai'tistica.
De ordem do Sr. director sao convidados todos
os socios a comparecerem no da 8 do corrente, s
6 horas da tarde, na casa da sociedade, ra do
Raogel n 43, primeiro andar, afim de se proceder
a elecao do uovo thesoureiro.
Secretaria da Sociedade Pliilartistica 5 de julho '
de 1864.
Thom Joa(|tiim Hascarenhas Rios.
I" secretarid. !
Aluga-se o sitio dos Uurytis na estrada do,
Arraial, aonde foi a empreza de lavagem de roupa:
a tratar na ra Nova n. 50._________________
Uma excellente ama de
leite.
Na terceira casa (loja) do pateo do Terco, almi
pessoa inuio'
Angra Terceira.
Caminha.
Caslello Branco.
Chaves.
Coimbra.
Covlhaa.
Elvas.
Extremos.
Evora.
Fafe.
Piulial.
Porto-alegre.
Thomar.
Villa Nova
Porlimao.
do
Guarda.
Guimariies.
Lagoa.
Lagos.
La mego.
Leiria.
Monciio.
Moncorva.
Itegoa.
Setubal.
Vianna do
tello.
Villa Real.
Madeira.
S. Miguel.
n. 1.
Sal do Assii'
Vende Antonio Luiz de Oliveira Azevedo
no seu escrptorio ra da Cruz nT 1.
Sant Anua.
Acha-se venda a novena da gloriosa Sant'An-
na, bem impressa, e em brochura : na ra do Im-
perador n. 15.
GRANDE
sorliuienlo de Tazendas novas liara
lissiraas na loja c armazem de fa-
zondas baratas na ra da imperatriz
11. 56, loja da Arar, de Lourenco
Pcrcira Mendes (iuimaies.
Coi tes de chito a 2>i(Ki.
~ I Vndese cortes de chitas para vestidos a 2 00.
u> ] ditas de dita franceza com 10 covados a 3200,
cortes de cassa francezes a 25 e 2,5500 : na ra
da Imperatriz n. 56, loja da Arara.
Arara vende a 160 rs.
Vende-se fil de linho de cores a 160 rs. o co-
vado, dito branco para forro a 320 rs. a vara, lar
ISA
Cas-
Conde.
Villa Real de Viten.
S. Antonio. Faial.
No IMPEUIO.
Babia. Maranhito.
Rio de Janeiro. Para.
Qualquer somma prazo ou-a, visto,podeado logo
os saques prazo seren descontados no mesmo
Banco a razo de 4 por ceuto ao anno : a tratar
na ra da Cruz n. 1.
Vende-se a legislaco do Brasil
at 1863 : nesta typographia se dir.
Euzebio Raphael Rabello tem para vender
em seu escrptorio, ra da Cadeia n. 55, os seguin-
tes gneros i
Cera em velas.
Cal em pedra de Lisboa.
Vinho puro em ancoretas.
Esleirs do Aracalv.
Vndese na travessa da Madre' do Dos nume-
ro 10.
Farlnha de mandioca
ensacada e da melhor que ha : vende Miguel Jos
Alves no seu escrptorio, casa n. 19 da ra da
juz
Collecco do Diario \7>vc7
Vende-se a collecco do Diario Movo de>de o
seu comeco em 29 de julho do 1842 at o seu ult-
malo em 15 de novernbro de 1849, constando de
9 volumes encadernados, os quaes se franqueiam
O \ igilante esta alerto, nao Ihe era permettido
ueixar passar desapercebido sem que nao dsse o
seu canto afim de annunciar ao respeitovel publico
o grande sortimento degalantarias do melhor eosto
propriamente para qualquer mimo, que acaba de
chegar neste ultimo paquete, assim como muitos
outros objeclos que recebe por diversos navios
tanto de sua coma como de consignacao, que est
resolvido a vender por piceos muito baratos para
vender muito e pandar pouco, e dar extraccao ao
grande deposito que tem, que espera merecer a
proteccao do respeitavel publico, empregando para
isso todas e as melhores diligencias para que fi-
quem satisfeitos : isto s 110 Gallo Vigilante, ra
do Crespo n. 7.
Ricas porta-juias.
Cofre de muito goslo por
Cestinbas transparentes, forradas de madre
perolapor j 35000
Lindas jardinciras 105000
Ricos cofres com camapheu 10^000
Lindas eamnhas com pedras brancas 10.5000
Lindo balao com calunga dentro tambem
165000
'5000
65000
64000
65000
para joias
Tambalier para ditas
Cestinhas dem idem
Cosmorama idem idem
Urnazinha
S no Vigilante, ra do Crespo n. 7
dlido-1822 g; a 640 rs a vara lencos brancos a ^VQSS^tXJT' ^
200 e 240 cada um : na loja da Arara roa da lm-. v n; .^,e-Pu n- '
peratriz n. 56. t RlCOS SI0,0S
4s Irmiilns da Arara 3 IM rs t-Avadn i com bolcinhas ao lado a 10, 12 e 155, ditos sem
flLSi3 v,idro.: s,-w *i25S-ariK s S
400 KM) P (i'ill a mmln ,\,lt< lie nrnnriac ora *' melas avUlsa.S para SlUtOS, O melhor
vado: na ra da Imperatriz n. 56, loja da Arara.! i:,i..,c a i.
Arara vcude as chitos para col, rli a 320 rs. M nQP a^SJSJSSt h
Vendem-se chins nara nhprlas a t^O 360 400 1 chegaram as desojadas cestinhas ou ca-
venuem se coins para coiiertas a m, -mi, 4uu Dazes |,ara as memnas trazerem no braco o mai<
e oOO rs. o covado, dita encarnada adamascada a rico possveli 230, :1550o, 4 5 7 c 105 ^6
nOnL encovado: na ruada Imperatriz n. 56, loja no Vigilante, rna do Crespn. 7
Fcntcs.
Aeiicao
O dono da loja do Beija-flor, na ra do Queiioado
n. 63, acaba da abrir um outro espacoso cstalelr-
cimento de miudezas na mesma ra 11. 69, por isso
avisa aos seus freguezes e amigos, que oestes dous
estabeleclmentos cncontrarao sempre grande sorti-
mento de miudezas, perfumaras e objeclos de gra-
tos; e vender sempre mais barato que outro qual*
quer, como abaixo se ver.
Penles douradesde (ravessa.
Delicados nenies dourados de travessa para me-
ninas a 15500 cada um, ditos sem ser dourados a
500 rs. cada um : as lojas do Beija-flor, roa do
Queimado ns. 63 e G9.
Voltiubas de aljofares.
Lindas voitinhas de aljofares com cruzes de pe-
drinhas imitando a brilhantcs a 15 cada orna : as
lojas do Beija-flor, ra do Queimado os. 63 e 69.
Linas de Joinin
Chegaram pelo ultimo vapor as desejadas lavas
de Jouvio de todas as cores, tonto para homens
como para senboras : as lojas do Beija-flor, ru
do Queimado ns. 63 e 69.
'fallieres para meninos.
Vcndem-se talheres de cabo de bataneo para me-
ninos a 280 rs. e tolher : as lojas do Beija-flor,
ra do Queimado ns. 63 e 69.
Collieres de metal prinripe.
Vendem-se colheres de metal principe muito fi-
nas para sopa a 35600 e 45400 a dnzia, ditos para
cha a 25 e 25400 a duzia, ditos para assocar a
500 rs. cada uma, ditos para terrina a 25 cada
uma, e s quem vende por estes preeos as lojas
do Beija-flor, ra do Queimado us. 63 e 69.
Facas e garfo.
Vendem-se facas e garfos oitavados a 258OO a
da Arara.
Cassa organdts da Arara a 2i0 rs
Vendem-se. cassasorgandys para vestidos a 240,
280 e 320 rs. o covado, riscado francez para ves-
tidos a 280 rs. o covado, gurgurao de linho para
vestidos a 280 rs. o covado : na ra da Impera-
triz n. 56, loja da Arara.
As chitos da Arara a 210 rs. o covado
Vendem-se chitas para vestidos de cores fixas a
240e 280 o covado, ditas francezas largas a 320,
Neste artigo tem um grande sortimento, tanto
para alisar como para atar cabello, o mais lindo
que se pode desejar, assim como de arregacar ca-
bello, tanto de borracha como de tartaruga, com
enfeite e sem elle para meninas: s no Vigilante
ra do Crespo n. 7.
Tcntcs
Tambem chegaram os riqussimos pentes de
DENTISTA DE PARS !
19Ra Nova-19
Frederico Gauter, cirurgiao dentista,
faz todas as operacoes de sua arte, e col-
loca dentes artificiaes, tudo com superio-
ridade e perfei^o, que as pessoas enten-
didas lhe reconhecem.
Tem agua e pos deotficio.
m
ao comprador pata examna-los : na ra do Impe- 360, 400, 410 e 500 rs. o covado : na loja da Ara- concha de tartaruga e de massa fina, que se vende
rador n. 15.______^__________ ra ra da Imperatriz n. 56. Por 25, 3 e 55 : s no Vigilante, ra do Crespo
Vende-se a taberna n. 149 na ra Imperial,
bastante afreguezada, (nao tem fundos) e o motivo
da venda se dir : a tratar na mesma.
Vende-se
I a machina a vapor da forja de 10 cavallos que
seivio na empreza de lavagem de roupa : adatar
na ra Nova n. 50.
do becco dos Marlyrios, existe uma
capaz, e com todas as cond
que deseja empregar-se come
honesta. Nao faz questo de preco, consentindo-se
que a deixem ir com seu filho ;" nao obstante, d
todas as garantas de zelo pelo bom tratamento do
que se cncarregar para amamentar.
Desappareceu ha quatro das um cavado cas-
tanho, que lia poueo fez a ultima muda, o anda |
nao est bem manso, nem ferrado ; tem a barriga
um pouco grande e cahida, a cabeca muito acar-
neirada, e da test.-, para o focnho tem uma risca
branca que o faz parecer com o focnho torio : se j
quem o tiver adiado ou apprehendido quizer lva-
lo ao engenho Algodoaes, ou annunciar por este
Diario, poera ser recompensado.
-se ?. qtiautia de I 2:0005 de r<. a pre-
mio sobre hypotheca em predios : na ra do Cres-
po n. 16 segundo andar.
Quem tiver achado um papagaio amarello
com cncontros encarna los. quiera lvalo Ponte
d l'choa, sitio do conselheiro Jos Bento ou ra
estrella do Rosario n. 28, que ser recompensado. I
Precisa-e de uma ama forra ou captiva pa-
ra todo o serVico de uma casa e compra de ra
sendo de muito pouca familia : a tratar na ra da
Concordia n. 2. I
Joo Hyppolitu de Meira Lima avisa a todos cisco n. 25, e ah est sembr preparado apromp-
que ninguem contrate compra dapropriedade Duas tai qualquer quantidade de bolos, bandejas para
Irmaas sita na freguezia de Santo Amaro de Ja- bailes e partidas, como arma-las pelo melhQr gosto
boato que est no dominio do Sr. capitao Manoel que os pretendemos quizercm ; bem como, que fa-
Joaquim Ferreira Estoves, visto que pretende pro- linca toda e qualquer porcao de dr ce, e das quali-
pr a este aeco reeisoria para o qual j tem fe- tlades que Ibes forem encmmeadadas ; o que tu-
to o acto conciliatorio com o dito Esleves.______ ; do faz com a maior presteza e aceio.
FurtoTam do engenho Una, freguezia da Luz, Casas para alunarse,
na noite de 30 de junho prximo paseado, dous ca- Alugam-se o 3 e 4 andares do sobrado da ra
vallos com os signaes seguintes : um caslanho re- do Blum n 70 e 2o andar do sobno docaes n.
tinto castrado, um pouco cabano, tem o olho e- Ap0||on. 17 : a tratar na ra larga do Rosariode
querdo mais branco que o outro, o pe direito cal-; 34 botica,
cado at o fiador, percas cambetas, carregadorbai
'ffidSn^iVerdadeiros cigarros de S.
Domiugos.
Leile ti- Alves proprietarios ta antiga e
bem conhecida fabrica de cigarros de Gui-
mares A- Coutinho, em S. Domingos, de
NHheroy, os quaes sempre se tem vendido
c Gontinuama vender-se no seu nico dopo-
: sito ra Direita desla cidade n. 1 i, casa
dos annuticiar.les, previnem aos seus fro-
gue7.es e ao publico em geral. que, para evi-
1 tarem as muitas falsificares, que dos mes-
I mos cigarros se tem fi'ito; os rtulos que
acompanliam os mesmos cigarros, alm da
firma de Guimares ACoutinlio, que j tra-
zem, dora avante lero tambem a firmados
annuDCianles como seus successores.
1 Rio de Janeiro, 23 de mai de 1864.
Lencos de seda da Arara a 800 e Ij.
Vendem-se lencos de seda para algibeira de
homem a 800 e 15, lencos de cassa a 200 e 240
rs. : na rua da Imperatriz n. 56, loja da Arara.
Arara vende os veos prelos e de cores a 1(5000.
Vendem-se veos pretos e de cores para chape-
linas de senhoras pelo preco de 15 cada um, go-
lnhas para senhoras a 24o'e 320 rs., manguitos a
175, camisinhas para senhoras a 25, ditas finas
Vende-se a taberna da rua das Cruzes n. I, com gravatinha e punhos bordados os mais mo-
zada para a trra c bons commodos demos que tem vndo a 45500 : na loja da Ara-
O confelteiro Zacharias reside na rua de S. Frao-
para familia ; vende-se pelo dono ler de ir tratar
de sua saude.
Vendem-se o brigae nacional Aforo Almiran-
te, prompto navegar, construido de boas madei-
ras, c forrado de cobre : trato-se com os consigna-
tarios Marques, Barros & C, largo do Cerpo Santo
numero 6.
Vende-se ou permuto-se |ior una negrinha
de 4 annos uma negra de meia idade, boa quitan-
deira, lava, cozinlia o diario, fiel c sem vicios
nenhuns.
Vende-se ou aluga-se uma excellente canoa
de carreira muito maneira para familia, bastaute
eslangue quecarrega 250 ou 300 fexes decapim;
o pretndeme dirija-se cocheira do Thomaz, na
praca do capim, que ah far todo o negocio.
Farello e milho.
Nos armazens da brilbante aurora e aurora bri-
Ihantc, ha saccas grandes com farello com 120 li-
bras 55, e de milho 45, arroz de casca 55, c
farinha de Goianna 55 e 65 : no largo da Santa
Cruz ns. 12 e 84.
Vende-se um sitio com boa casa, muitos ar-
voredos, duas cacimbas com boa aga que serve
para se beber, com bastante terreno para se plan-
tar : na rua da Espcranca n. 74, tratar no sitio
segunte que faz esquina para o Manguind.
ra rua da Imperatriz n. 06.
Arara vende os baldes a 2.'00.
Vendem-se baldos de 20, 25, 30 e 35 arcos a
25500,35, 35500, 45, 45500, ditos de brilhantina
a 45 : na rua da Imperatriz loja da Arara n. 56.
Corles de laa a Hara Piaa 8,? e 18.1
Vendem-se corles de laa a Maria Pa a 85e 185,
pecas de cambraa lisa tina a 35, 35500 e 45 '- na
rua da Imperatriz 11.56 loja da Arara.
Corles de yanga a I 600
Vendem-se cortes de ganga franceza para calca
a 15600, ditas de casemira a 35, ditas linas a 55
e 55500 : na rua da Imperatriz n. 56.
Itonpa feita da Arara.
numero 7.
Leques.
Riqussimos leques de madreperola, tanto para
senhora como para mocinhas, pelo barato preco de
12 e 145 : s no Vigilante, rua do Crespo n. 7.
Mais leques.
Com pequeo defelo, leques de sndalo, por ba-
rato preco, a 85 e 105, chinezes, muto bonitos,
tambem por barato preco de 4 e 55, bentarallas
muito bonitas tambem por barato preco de 4 e 55.
leques de charlo tambem por 45, tudo islo fiara
acabar, perdendo-se tal vez &) 0|0 : s no Vigilan-
te, rua do Crespo n. 7.
Pulseiras.
Lindas pulseiras de conlas e de mssanga, cores
muito lindase de muito gosto a 15 e 15200.
Para segurar manguitos.
Tambem chegaram as liguinhas estreitnbas de
borracha que as senhoras tanto precisan) para se-
gurar os manguitos por ser muito commodo e mui-
to barato, a 320 o par: s no Vigilante, rua do
Crespo 11. 7.
Sapaliiiuos c meias de seda.
Riqussimos sapatinhos de seda e de merino en-
feitados
165000 enueiii-se lacas e garios 011
v duzia, ditas cravadas, cabo preto e branco a 3 a
dnzia, ditas de balanco de 1 boto finas a 55200
ditas de 2 botoes muito finas a 65500 a duzia, ditas
de 1 boto para doces e fructas a 55 a duzia, dilas
de 2 botoes a 55200 a duzia : as lojas do Beija-
flor, rua do Queimado ns. 63 e 69.
Tiras bordadas.
Vendem-se tiras bordadas, a peca a 15100, 15200
e 15300 : as lojas do Beija-flor, rua do (Jueimado
hs. 63 e 69.
Halados bordados.
Vendem-se babados bordados de varias larguras
a pega a 15600, 15800, 25, 25200 e 25400 : as
lojas do Beija-flor, rua do Queimado ns. 63 e 69.
Lindos sapatinhos.
Vendem-se lindos sapaiinhos para baptsados de
enancas a 15500 e 25 o par : as lojas do Beija-
flor, rua do Queimado ns. 63 e M>.
Botoes para puntos.
Vendem-se botoezinhos de madreperolaede mar-
fim para punhos a 320 rs. o par, ditos enrarnadi-
nhos a 120 rs. o par : as lojas do Boija-flor, rua
do Queimado ns. 63 e 69.
Fitas para debrum de vestidos.
Vendem-se titos de la de todas as cores para
debrum de vestido a $00 js. a neja, dilas pretos
de seda a 15100 a peca : na>-ojas--&&ija-flor,
rua do Queimado ns. 63 c 69.
Filas brancas para drbnm.
Vendem-se pecas de lita branca de linho para
debruma 100 rs. a peca : as lojas do beija-llur
na rua do Queimado ns. 63 e 69.
Iticas litas torrada*.
Vendem-se muito ricas litas lavradas para sinto
de senhora e meninas : as lojas do Beija-llor, rua
do Queimado ns. 63 e 69.
Espeluca de Jacaranda.
Vendem-se espelhos de columnas, de Jacaranda,
a 35 e 45500 rada um, ditos de madeira amar- lia
a 25400 e 25800 : as lojas do Beija-flor, na rna
do Queimado ns. 63 e 69.
Fitas de velludo estratos.
Vendem-se filiabas estrellas .le velludo pan en-
feite de vestido a 900, 15 e 15200 a peca: as lo-
jas do Beija-flor, rua do Queimado ns. 63 e 69.
Trancas de la para bordar.
Vendem-se trancnhas de la pretos para bor-
dar camisinhas e vestidos a 80 e 160 rs. a 1 et-inha,
ditas brancas com 40 varas a 600 rs. a peo, e *.u-
tras muitas cousas que setornaro eafadonho men-
ciona-las, pois s com a vista se poder ver o gran-
de sortimento das lojas do Beija-flor, na rua do
Queimado ns. 63 e 69.
Vende-se uma negrinha
idade, com principio de costura
do Recife n. 50.
de 7 8 annos de 1
na rua da Cada
Vende-se
xo, ardigo, idade de 7 8 annos, tem uma peque-
a reladura velha em um dos joelhos, um pouco
comprido e magreiro, tem marcas de cangalha;
outro castanho cor de rato, idade de 10 annos,
sem nenhum signal branco, castrado, tem duas re-
laduras novas em ambos os joelhos, trotador, cur-
to e tem a anca larga : roga-se, portanto, s auto-
ridades policiaes aapprehenso dos ditos cavallos.
- Portaran no dia 28 do corrente, da rua da
Praia, um relogio de prata, patente suisso, n. 5609:
roga-se a algum senhor relojueiro a quem for apre-
sentodo, o apprenender e annunciar, ou leve-o
rua de Santa Therrza n. 32._________________
Aluga-se una casa terrea na rua atraz do
Calalxiuco n. 20 : a tratar na rua Direita n. 6.
Flix Coelho daSilva, credor do fallido Joa-
quim Jos da Silveira, teado constituido a Jacintho
Soares de Menezes seu procurador, vem hoje por
este Diario declarar ao publico que d'ora em dian-
te tira do mesmo Soares de Menezes os poderes
1864.
Jos
ao Cear.
Alves da Cruz, subdito portuguez, vai
PARA ALUGAR.
Aluga-se uma sala na rua do Queimado n. 39,
no primeiro andar, ptimo para um escrptorio :
quem precisar, dirija-se loja da mesma casa.
Toma-se 1:0005 sobre uma escrava, cujo ju-
ro ser o que se convenconar, ou os servicos da
escrava, que ficar em poder de quem dr o di-
nheiro; isto por seis inezes, que liqdos ser obr-
gada venda ; sabe engommar e coznha perfei-
tameute, e cnsaboa : a tratar na rua do Queima-
do, loja n. 9.
Aluga-se um soto em terceiro andar, com
bons commodos para graude familia, escada Ilu-
minada a gaz : quera pretender, dirija-se typo-
graphia da Ordem._____________________^^
Aluga-ss o primeiro andar do sobrado da
rua do Hospicio u. 24, proprio para grande fami-
lia : a tratar no mesmo.
atas com 3 1|2 caadas de alcatrao do gaz por
25200: no armazem da bola amarella oto da se-
cretaria da polica
Vendem-se paletotspretos de panno fino a 165. ^SS^SS^JStV^SA^Z C"rdn ""nco *
125, ditos saceos de panno fino preto e azul sarem : s no Vigilante, rua do Crespo n. 7.
Volitabas.
Lindas voitinhas de perolas falsas com cruznhas
fiogndo brilhantes, assim como cruzinhas avulsas
e voitinhas, pelo barato preco de 14 e 15200, as
cruzes avulsas a 400 rs. : s no Vigilante, rua do
Crespo n. 7.
Carretas.
Riquissimas carretas de madreperola proprias
para qualquer presente, pelo baratissiino preco de
Golinhas.
Riquissimas golinhas e manguitos, o melhor gos-
to possivel, a 25, 25500 e 3J:
rua do Crespo n. 7.
Enffies para scnliora.
Riqussimos enfeitcs com lago e sem laco e de
outros muitos gestos a 15, 15500 e 35 : s no Vi-
gialnte, rua do Crespo n. 7.
Ii5e
debruados de fita a 95 e 105, ditos de casemira a
65, 85 e55, ditos de brim a 25500 e 3g, ditos de
alpaca preta a 35 e 25500, camisas francezas bran-
cas a iti e 25500, ditas de linho de pregas largas
a 25800 e35, seroulas de algodo a 15600, ditas
de linho a 25, caigas de brim e gangas de cores a
25, ditas de brim pardo a 25500 e 35, ditas bran-
cas a 3-5500 : na rua da Imperatriz n. 56 loja da
Arara.
Colchas da Arara a 15
Vendem-se colchas de damasco para cama a
45, dilas de fustao a 55, ditas de chita a 25: na
rua da Imperatriz n. 56, loja da Arara.
Vendem-se yangas para calcas e paletots.
Vendem-se gangas para paletots e calcas a 440
e 500rs. o covado, fustao para caiga a 500 rs. o
covado : na rua da Imperatriz 11.56, loja da Arara.
Madapoln frailee/, a \
Vendem-se pecas de madapolo cnfeslado com
Achacados.
Quem os possuir e os quizer curar nerfeitamen-
te recorra ao afamadsimo oleo de Merchant, que
se vende no armazem da bola amarella, oitao da
secretaria da polica.
12 jardas a 45 e"45500, ditas" de 24 jardas ns. RG
a 75, ditas n. 60 a 65500, dito moga a 75500, dita
n. 40 a 85, dita n. 50 a 85500, diton. 7 a 105, di-
ta SS 95, dita XX 85500, algodo muito encorpado
a 555OO e 65, dito carne de vacca a 75: na rua
da Imperatriz a. 56 loja da Arara.
Hriinile linlioa l,SsO.
Vende-sc brim de linho para calca a 15280,
Trancelins.
Lindos trancelins de cabello para relogio ou lu-
netas, pelo baratsimo preco de 15500, ditos de
relroz a 200 rs.
Babadinlios enlremeios.
Riqussimos babadnhos enlremeios com lindos
desenhos tapados e transparentes, pelo baralssimo
PARA TODAS AS MOLESTIAS DO
11 e ti mam
Alfaiute
Joseph Escugnamiio, Italiano, vai para Ma-
codo Assii.
Precisa-se de um nfficial de alfaiate que
tenha pratica de cortar ; na roa da Ca-
deia do Recife n. 38, primeiro andar.
m
A pessoa que pretende alugar um bom sitio
de capim e com boa casa a beira do rio Capibaribe'
procure na loja do Passoto numere 7, que se dir
quem.
Attcncao
Lava-se e enfomma-se cora asseio e prornptido:
a tratar na travessa do Carioca n. 9.__________
O procurador fiscal da ttaesouraria da fazen-
da faz sciente s pessoas qrae tiverem negocios ten-
dentes mesma procuradoria, que dirijam-se
thesourana da fazenda das 9 horas em diante.
Precisa-se de um criado esrravo, de 12
16 annos : na rua do Corredor do Rispo n. 24.
Precisa-se de uma ama para eozinhar e en-
gommar para pequea familia : na rua da Senzala
,\ova n. 38.
Na fia estrella do Rosario n. 34
Advogado Affonso de Albu-
querque Mello,
pode ser procurado a qualquer hora
eiras, porm, na villa do Cabo.
as seitas-
Cavallo fgido
Fugio ou furtaram de um dos sitios da estrada
dos Afilelos um quarto alaso, castrado : quem
o pegar, leve-o ao quarto sitio depois da capella,
que era recompensado.
A. J. Stern vai para o Rio Grande do Norte.
Seraphim Leite Perelra, morador nos Reme-
dios, precisa de ama pessoa para vender leite, e
que saiba tirar leite. _________
Precisa-se de dous amassadores que enten-
ilam do trafego de padaria: na rua larga do Rosa-
rio" n. 46.___________________;___________
Precisa se de um primeiro andar para escrip-
toro na roa do Imperador oa pateo do Collegio :
quem o quizer alugar dirija-se rua Mtreita do
Rosario n. 28.
15400,15800 e 15600 a vara, brim liso para se- PreC? d,e. ,5i0- ^SOO, 25 e 35 : s no Vigilante,
roulas e lenges a 500, 560 e 640 a vara, braman- rua ao crt'>P0 n. 7.
te de linho a 25200 a vara tem 10 palmos de lar- ('.'Si'ill'l'illias.
gura, bretanha de linho a 640 e 800 rs. a vara, Grande sortimento de cascarrilhat de diversas
brim pardo a 800, 640 e 15 a vara : na rua da lm- larguras, assim como galozinho e trancinhas nro-
peratnz n. 56 loja e armazem da Arara, a loja es- prias para enfeites : s no Vigilante, rua do Cres-
la aberta ale as 9 horasda noite.__________ po n. 7.
Ti ina, volantes e galoes. "1**8- ,
Vende-se trina, volantes e galles de todas ae S22S,50rIimc,ll de filas de diverfas largaras
larguras por preeos muito barato: s do viKilants e, 1ua,,dad'. Pr_ preeos que admirara aos compra-
ruado Crespo n/7. dores, havendo titas largas proprias para sinteiros
que se pode vender a 300 rs. a vara, c pega de 3
varas a 25 : s no Vigilante, rua do Crespo n. 7.
Espantosa pechincha.
Chapeos de palha do Chile a 320 rs., e em du-
zia a 35, pdese asseverar que pechincha vis-
to da qualidade, e para o que venham ver e com
prar : na loja da rua da Madre de Dos n. 16.
GAZ.
AS
Vende-se gaz liquido americano da melhor
qualidade em lat-s de um, dous e cinco galoes,
por menos que em. outra qualquer parte : no ar-
mazem do caes do Ramos n. 16.
COMPEAS.
Comprase
cobre e latao : no armazem da bola amarella no
oitao da secretaria de polica.
Compra-se uma easa terrea sito na freguezia
de Santo Autonio ou S. Jos :, a tratar na rua das
Laraageras n. 1.
Compra-se ama barcaga de 400 saceos, em '
estado de naregar, e que seja de boa construccao,
tambem alugaf e no caso de convir : a tratar na
rua do Trapiche n. 17, primeiro andar.
Precisa-se de um ofllclal de funileiro
eslreita do Rosario n. 29.
Compra-se urna escrava de 30 annos pouco
mais ou menos, sem vicios nem aehaque*. e que
--------i sirva para todo e qualquer servico : prefere-se que
na rua entenda de coiinba e com ria : a tratar na rna
l do Pilar a. 135.
Plalas Vegetacs Assncaradas
De licnip
Compostas dos doig novo resinoides chama-
dos PoDoriiaiNA c Leptasdkina, e inteira-
mente livres le Mercurio ou outros venenos
minoraos ou mctallicos, sao de grande utili-
dado nos pases clidos em caros de
DYSPEPSil, ENCHALECA,
Constipacao ou Prizo do Ventre,
PAECIMENTOS DO FIGADO,
Afeccffes Biliosas,
HEMOftEHOIDS, CLICA,
Ictericia,
FEBBE GASTRO-HEPATICA,
B outras rnfermidadrs anlogas.
EU.3 vo npidamente substituindo os anfigos
porgantes drsticos.
venda Das boticas de Caors & Barboza,
roa da Cruz, e k&o da G. Bravo & C, roa
da Madre de Dos.
Vende-se um cabriolet
zo n. 26.
no pateo do Parai-
LllAS DE PELLICA
Para horneas, ruullieres e meninas.
A Agnia-branca, na rua do Queimado n. 8 rece-
ben luvas de pellica, para homens, roulheres e
eninmas
Fitas de la.
Fitas de la de todas as qualidades, proprias para
debrum de vestido a 700 rs. a peca : s uo Vigi-
lante, rua do Crespo n. 7.
isleos espelhos,
Riqussimos espelhos com moldura dourada e
sem ella de M, 10, 12 e 14,5, assim
lunillas de diOerentes tamanhos a 2
s noVigilante, rua do Crespo n. 7.
Lindos jarros e figura*.
Riqussimos jarros e (guras de porcelana fina
para enfeite'de sala, sendo o melhor gosto que aqu
tem apparedo : s no Vigilante.
Para pos de arroz.
RIVAL SEM SEGUNDO
Rua do Queimado ns. iJ e 55, loja de miud. ts?
de Jos de Azevedo Maia e Silva, est continuar.do
no seu progresso de vender baralssimo :
Capachos grandes e superiores a 500 r~. cada ni i.
Caixas de superiores obreias de cola e massa a
40 rs.
vara 20-
res.
Linhas de carretel (l"0 jardas) de superior quali-
dade a 60 rs.
Cartoes de liona Pedro V (200 jardas) j muito
conhecida a 10 rs.
Crozas de peonas de ac de muitas qualidades
superiores a 500 rs.
Caivetes de duas folhas porm linos a 500 rs.
Caixas com calungas muito bonitos para rap a
100 rs. '
Franja branca e de cores para toalhas a 160.
Pares de botoes para punho muito bonitos a 120.
Caixas com soldados de chumbo muito bonitos a
120 rs.
Tinteiros de vdro com superior tinta a 160.
s no Vigilante, Ditos de barro com superior tinta a 100 rs.
;Groza de botoes de louca pratndos, o melhor, a
160 rs.
Tesouras para costura, o mais superior, a 400 rs.
Ditas para unhas muto linas a 400 r?.
Escovas para lmpar dentes muito superiores a
200 rs.
Libras de la de todas as cores (pesada) a li.
Caixas de phosphoros de segaranca a 160.
Ditos de papel amizade pautado o'liso a tiOO rs.
Ditos com 100 anvelopes nimio superiores a 800
res.
Cadernos de papel branco e de cores, pequeo, a
20 ris.
Cartas e toboadas para meninos a 80 rs.
Caixas com superiores iscas de acender charetos
a40rs.
Carreteis de lnha Alexandre (200 jardas) de cores
a SOrs.
Raralhos para vollarete muito finos a 240.
Cartas de alfinetes francezes muito fino? a 40 rs.
Meadas de linha f-xa para bordar a 20 rs.
Pares de sapatos de tranca muito superiores a
iAjOO.
Papis de agnlha com um pequeo tnqne-a 10 rs.
Groza de botoes de madreperola muito finos a
560 rs.
Cartoes e caixas de celchetes francezes superiores
a 40 rs.
Ronets fiara meninos muito finos a liloOO e 2J.
Macos de grampos superiores e lmpos a 40 rs.
Groza de phosphoros do gaz muito novos a z200.
Areia preta muito superior a 100 rs.
, Caixas de rafe com espelho a 100 rs.
co- S02'^05 Dara ntreter meninos a 80 rs.
tomo io to pefas de fl|a de |jnh0 mui(o boas a w n
Penles de laco muito bonitos a 1/j.
Enfeites de laco de todas as cores a 14300.
Rodas com alunles francezes a 20 rs.
Caixas com quatro papis de agulhas imperiaes a
240 rs.
Sabonetes de familia a 80, 160 e 320.
Caivetes de duas folhas muto finos a 320.

.o a 6$000.
Vendem-se saceos com 22 cuias de feijao mua
tnho e rajado, pelo barato preco de 6, pechincha {Inores e mais afamados autores de Pars
igual a tempos nao apparece neste mercado, por-
tanto cheguem ao barato antes que se acabe: na
rua da Madre de Dos ns. o e 9.
Vende-se o sitio da travessa dos Remedios,
freguezia dos Afogados n. 21, no estado em que se
acha : quem o pretender, o.ntenda-se com o seu-
proprictario Caetano Pinto de Voras, na rua de S.
Francisco, sobrado n. lO.como quem vai para a rua
Relia.________________^^^
A4$00aBrca.
Vendem-se pecas de algodaozinho com peqneno
toque de avaria, proprio para roupa de escravos e
toalhas, pelo barato prego de 4,5 a pega.________
Vende-se um piauo inglez em bom uso, pare
quem quizer aprender, e por preco commodo : na
rua da Imperatriz n. 28, primeiro andar, das 11
horas at as 3 da larde.
a ttenedo.
Vendem-se canos de barro muto bem feitos
a 280 rs. o palmo : na rua do sol n. 29, taberna.
Perfil litarlas.
Grande sortimento de extractos e banhas, poma-
; das, assim como os lindos copos eu vasos com dis-
tinctivos e olrecimentos s sinhazinhas, dos me-
e Ingla-
terra, assim como os grandes copos de banha japo-
niza a 2 e a i ; assim como outros objectos que
nao possivel por hoje annunciar, e visto dos
freguezes se far todo negocio : na loja do Gallo
Vigilante, rua do Crespo n. 7.
Arroz rom easea.
Vende-se arroz com casca em saceos, chegado
ltimamente do Penedo : na rua Direita n. 69, pa-
daria de Antonio Alves de Miranda Guimares.
Vinho d Porto superior
em caixas de uma e duas duzias : tem para ven-
der Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C, no sen
escrptorio rua da Cruz n. i.
Farinha de mandioca superior
em saceos grandes : vende Antonio Luiz de Olivei-
ra Azevedo & C, no seu escrptorio rua ;da Cruz
numero 1.
Vende-se uma taberna afreguezada, e com
muitos bons commodos para familia : a tratar na
rna das Calcadas n. 2.
49 e 55. e ver tudo como bom e barato.
BAR4T0
MITO BAKATO
BARATISSIIIO.
A' 240 rs. o covado de riscadinhos fran-
cezes, muito bonitos c de odres seguras;
vende-se s na rua do Crespo o. I.
Loja do Barateiro.
Aor rs. edificadores de pre-
dios.
Vendem-se diversos terrenos dentro da praca :
a tratar com o agento de leiles Olympio, en sea
escwptorlo na rua da Cadeia do Recite n. 48, pri-
meiro andar.
>


lUario 4c Pernambaco marta lelra de Jullio 4c 184.


Grande liquidado
de fazeodag na loja 4o Patio, roa da Imperalriz a.
60, de Gama & Silva.
AcOa-se este estabelecimeato completamente sor-
lidode fazendas inglezas, francezas, alleiuaes e
sussas, proprias tanto para a prac* como para o
mato, prometiendo tender-se mais barato do que
em outra quaiquer parte principalmente sendo em
porcao e de todas as fazendas do-se as amostras
deixande ficar penhor ou mandam-se levar em ca-
sa pelos caixeiros da loja do Pavo.
As chitas da Pavo.
Vendem-se superiores chitas claras e escuras pe-
lo barato preco de 240 e 280 rs. sendo tintas segu-
res, ditas francezas finas a 320, 340, 360, 400 e
500 rs., o covado, ditas pretas largas e estreitas,
riscados escocezes finos a 240 rs. o covado, isto na
loja do Pavo ra da Imperatriz n. 60 de Gama &
Silva.
As cassas do Pavo a 240, 280, 300 e 320 rs.
Vendem-se finissimas cassas persianas cores fi-
xas a 320 rs. o covado,ditas francezas muilo finas
a 240 e 280 rs., ditas ingieras a 240 e 280 rs. o
covado.'finissimo organdy matisado com desenhos
miudinhos a 320 rs. o covado, cassas garibaldinas
muito finas a 320 rs., isto na loja do Pavao ra da
Imperatriz n: 60, de Gama & Silva.
As laiiolias da exposico do Pavo.
Vendera-se as mals modernas lazinhas mossan-
bique chegadas pelo ultime vapor francez sendo
de urna s cor ou de listas miudinhas com 4 pal)
mos de largura, proprias para vestido de senhora,
roupa para meninos e capas, e fcelo baratissimo
pre<0 de5S0 rs. o covado, ditas enfestadas trans-
parentes de quadrinhos a 500, 400 e 3C0 rs. o co-
vado, ditas matisadas muito finas a 500 e 400 rs.,
ditas mais baratas do que chita tambem matisadas
a 320 rs. o covado, ditas a Mara Pia com palma
de seda e 4 palmos de largura a 800 rs. o covado,
e ditas de urna s cor parda, azul, cor de lyrio e
perola proprias para vestidos, sautembarques e
garibaldes a 720 rs. o covado, ditas escocezas a
800 e 400 rs isto s na loja do Pavo, ra da Im-
peratriz n. 60, de Gama & Silva.
Os chales do Pavo.
Vendem-se finos chales de crepon estampados
pelo barato preco de 65, 75, 85, ditos de ponta re-
donda a 75 e 8,8, ditos pretos ricamente bordados
a retroz com vidrilho a 12$, ditos pretos lisos a
55, ditos de cores a 4*500 e 5*, ditos de merm
estampados a 25 e 35, ditos de la a 15280 e 2,
ditos de retroz preto para luto a 65, isto na loja
do Pavo ra da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
0 Pavo vende para lulo.
Vende-se superier setim da China fazenda toda
de la sem lustro tendo 6 palmos d largura pro-
pno para vestidos, paletots, capas etc., pelo bara-
to preco de 25, 2*200, 2*500 o covado, cassas
pretas lisas, chitas pretas largas e estreitas, chales
de merino lisos e bordados a vidrilho, manguitos
comgollinhas eoutros mnitos artigos que se ven-
dem por precos razoaveis: na loja do Pavo ra
da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Os vestidos do Pavo
Vende-se ricos vestidos de grosdenaple preto ri-
camente bordados a veludo pelo barato preco de
40*, sendo fazenda que sempre se vendeu a 100*
e 1*05 ; ditos de cambraia brancos ricamente bor-
dados a croch, sendo proprios para baile e casa-
mento a 10, lo, 20 e 30*; ditos de la com lindas
barras a 18 e 15*; isto na loja do Pavo ra
da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Os pannos do Pavo.
Vende-se panno preto muito superior pelo barato
preco de 2*, 2*500,3* e 3#500, ditos muito linos a
45, 5* e 6*, cortes de casemira prela entestada a
4*, 4*500 e 6*, casemira preta fina de urna s
largura muito lina a 1*800, 2*, 2*500 e 35, cor-
tes de casemira de cor a 55, 55500 e 65, casemi-
ras enfestadas de urna s cor proprias para calca,
paletots, colletes, capas para senhora, roupas para
meninos a 3* e 39500 o covado, isto na loja do
Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
A roupa do l'avo.
Vendem-se paletots de panno preto sobrecasa-
cos fazenda muito boa a 12*, ditos muito linos a
165. 20?, 235 e 305, calcas de casemira preta boa
fazenda a 45500,55, 65,75 85, paletots saceos
de panno preto a 75, ditos de casemira de cor a
05 e 75, ditos de alpaca preta, ditos demerin
preto, ditos de brim de cores, calcas de casemira
de cor a 4*, 55,65, 75, ditos de caxemira da
Escossia a 3*, ditos de brim pardo a 2*300, ditos
de cor a 25 e 25500, ditos brancos muito finos,
sto na loja do Pavao, ra da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Os cortinados do pavo.
Vendem-se ricos cortinados proprios para janel-
la c camas pelo barato preco de 95 o par, sendo o
melhor que bao mercado : na ra da Imperatriz
n. 60, de Gama & Silva.
As colchas do Pavo.
Vendem-se colchas de linho aleochoadas pro-
prias para cama pelo barato preco de 55 cada nma
na ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva
As prccalas do Pavo.
Vendem-se as mais lindas prccalas que tem vin-
do ao mercado chegadas pelo ultimo vapor fran-
cez, pelo barato preco de 600 rs. o covado, ditas
de listrinha muito miudinhas proprias para vestidos
e roupas de meninos e meninas pelo birato preco
de 500 rs.; s o Pavo ra da Imperatriz n. 60,
loja de Gama & Silva.
Os soiiteanbarqiies do Pavo
l O* c 1 $ s o Pavo.
Vendem-se os mais lindos souteanbarques que
tem vindo ltimamente de lazinha e caxemira ri-
camente bordados e enfeitados, cores muito delica-
das pelo barato preco de 105 e 155 ; fazenda esta
que em outras lojas se vendem per 20* c 25*, e
s para liquidar : na loja e armazem do Pavo
ra da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
As chitas do Pavo 2400 c
S#SOO o corte.
Vendem-se cortes de chita com doze covados
cada corte, ditos com dez covados a 2*400, fazen-
da muito boa, e que nao desbota, s na loja do Pa-
vo tem esta pechincha ; a ra da Imperatriz n.
60 de Gama & Silva.
iva.s de nma s cor.
Vendem-se lazinbas de urna s cor, sendo en-
carnada, azul, cinzenta, cor d caf, lirio claro, li-
rio roxo cor de perola pelo baratissimo preco de
640 o covado, fazenda muito fina s o Pavo, ra
da Imperatriz a 60 loja e armazem de Gama &
Silva.
Panno de linho.
Vende-se panno de linho com 4 palmos de lar-
gura proprio para lences, toalhas e ceroulas pelo
barato preco de 640 rs. a vara, bramante de linho
com 10 palmos de largura a 25500, algodaozmho
monstro com8 palmos de largura a 15, pecas de
Hamburgo com 20 varas a 95, 10* c 11*, pegas de
madapolo fino a 7*500, 8*. 9* e 10#, ditas,de
alcodozinho a 6*, 6*500 e 7*. e outras multas
fazendas brancas que se vendem muito baratas
afim de aparar dinheiro : na loja do Pavao ra da
imperatriz n. 60, de Gama & Silva,
O bramante do Pavo com doze
palmes de largura.
Vcnde-se bramante de linho paro, muito fino com
doze palmos de largura o melhor e mais largo que
tem vindo ao mercado pelo barato nreco de 2*800
rs.a vara ; s na loja do Pavo de Gama 4 Silva,
aua da Imperatriz n. 60.
As preealas do Pavao.
Vendem-se as mais lindas prccalas qus tem vin-
do ao mercado chegadas pelo ultimo vapor francez,
nelo barato preco de 600 rs. o covado, ditas de lis-
trinha muito miudinhas proprias para vestidos e
roupas de meninos e meninas pelo barato preco
de 500 rs.: s o Pavo ra da Imperatriz n. 60,
loje dt Gama 4 Silva.
Os baloes do Pav5o.
Vendem-se crinolinas oa baldes de 30 arcos tan-
brancos como de ao os melhor por se nao quebrarem a 35j>00.e
Ac Vi arcos a 4*, ditos de musselina com babados
i* ditos para menina a 2* e 3* : na loja do Pa-
vo roa dalropcratriz n. 60, de Gama 4 Silva.
O Pavo vende a 80.
Vendem-se os mais lindos cortes de vestidos a
Maria Pia. com lindas harpas de seda, sendo che-
Bados pelo oltimo vapor francez pelo barato prego
de 84 cada um: s na loja do Pavao roa da mpe-
ralrizn.60.de Gama 4 Silva.
Os baldes do Pavo.
A 20500 s Pavo.
Vende-se baldes com 20,23 e 30 arcos pelo bi-
raiisslmo preco de 2*500, assim como tem om
Splet sortimento de baloes para meninas de lo-
Amm tamanhr* pelo baratissimo preto de 1*500,
notando one sao baloes de arcos os melhores que
Sindoda America Ingleza, vendem-se por este
tem nauu.. na 0a e armazem do
^ZTmT^iinM de Gama & Silva.
ESPLENDIDO SORTMENTO DE MOLHADOS
W. 9 RA llO'CRESPO I. 9
Esquina que volta para a ra do Imperador
%WWa %S W&&%
(\o se engaucm com a mitra)
AMIGOS f

i




Nao leiam esle annuncio com precipitacao.
Confrontem os precos dos oulros annunciantes.
Venham ver os gneros que temos expostos a venda.
A vista faz f.
Nao temos palavras bombsticas.
Nao nos enculcamos o primeiro recebedor de conta propria.
Nao desacreditamos ao collega porque nao quiz ser nosso socio.
Val a qtieiii toca.
Para abastecer a todos os habitantes desta bella provincia ainda nao sao sufficien-
les as casas que actualmente oxistem ahertas com grandes proporces para lerem um
magnifico sortimento de molbados; assim, pois, os preprietarios do Armazem Principal
nao invejam a sorlc dos seus coegas.

Habitantes de Pernambuco.

Nos temos um excedente sortimento dos melhores gneros que se pode adiar
em nosso mercado. Viode ao nosso estabelecimento, e se a vossa boa f fr illadida
urna s vez ao menos, astigai-nosTtSo voltando mais a nossa casa.
Amendoas confeitadas de bonitas cores a dem de Hollanda em garrafoes com 24
i,ooo rs. a libra. garrafas a 7,2oo rs. com o garrafo.
dem de casca muito novas a 3oo rs. a libra.' Lentilhas excellente legume para sopa e gui-
Avellas a 2oo rs. a libra. zados a 2oo rs. a libra.
Ameixas francezas em caixinhas com lindas Licores francezes de todas as qualidades a
estampas a l,2oo, ,4oo e i,600 rs. cada j 800 e l,ooo rs. as garrafas grandes.
urna. Manteiga ingleza perfeitamente flor a 800 e
dem em frasco de vidro com rolha do mes-, 96o rs. a libra.
mo ou de metal, a I,2oo e I loo rs. ca- dem franceza nova j deste anno a 600 rs.
da um. a libra, e 56o rs. em barris inteiros.
dem em frasco grandes 2,5oors. cada um. Marmelada especial dos melhores fabricantes
dem em latas de 1 '/j e 3 libras a l,2oo e de Lisboa a Goo e 64o rs. a libra,ha latas
2,ooo rs. de differentes tamanhos.
Arroz da India e Maranbo o melhor que se Massa de tomate em latas de I libra 56o rs.
ple desejar a loo e 12o rs. a libra e. cada urna.
2,8oo e 3,4oo rs. a arroba. ldem para soda estrelinha, pevide e rodinha
Azeite doce de Lisboa a 600 rs. a garrafa, j em caixinhas sortidas a 3,ooo e 3,5oo rs.
e 4,8oo rs. a caada. cada urna e 5oo rs. a libra,
dem francez clarificado em garrafas bran- dem macarro, talerim e aletria a 4oo rs.


PARA BEM DE
FAZEI FAVOR DE LR ESTE ANNUNCIO
da economa domes-
0 assumpto

DESCORRI-
0 verdadeiro e principal ar-

BAL

tica que se vai tratar,
importante.
SE AFIXAIi
mazem de molhados o do
IZA.
cas a Ooo rs. cada urna, e 10,000 rs. a
caixa com i duzia.
Alfazema muito nova e limpa a 32o rs. a li-
bra.
Alpisla a 16o a libra, e 4,6oo rs. a arroba.
Bolachinhas de Lisboa da fabrica do Beato
Antonio dasseguintes qualidades: aguae
sal doces, e imperiaes em latas de 6 li-
bras a 3,ooo rs. e de 3 '/a libras a I,5oo
rs. eem libra a 64ors., estas bolachinhas
torna-se muito recommendavel com es-
pecialidade para os doentes.
Biscoilos e Bolachinhas de soda em latas, de
todas as qualidades e marcas que se pro-
curar a 1,35o rs. a lata.
Bollos francezes em cartes e de diversas
qualidades a 64o rs. cada um.
Banha de porco verdadeira relinada a 4ooJ
rs. a libra e em barril a 38o rs.
Batatas novas a lOrs. a libra.
Bolachinhas inglezas ltimamente desembar-
cadas a 24o rs. a libra e 2,ooo rs. a bar-
rica.
Champagne das marcas mais superiores que
at boje tem vindo a nosso mercado a
18,000 rs. o gigo, t.oors. a garrafa in-
teira, e 800 rs. as meias
Cha uxim o melhor que se pode desejar e
que outro quaiquer nao vende por menos
de 3,ooo a 2,7oo rs. a libra
dem perola especial qttalidade a 2,6oo e
2,8oo rs. a libra, garanle-se a qualidade
d'este cha
dem hysson o melhor que possivel en-
contrar-sc a 2.400 e 2,6oo rs. a libra.
dem do Rio em latas de 2, 4, 6 e 8 libras
a l,2oo e l,4oo rs. a libra.
dem preto muilo lino a l.Ooo rs. a libra.
Chocolate das melhores qualidades, francez,
bespanhol e suisso a i.ooo, 4,2oo e l,4oo
rs. a libra.
Charutos do acreditado fabricante Jos Fur-
tado de Simas em 1 cacas das seguin-
tes marcas Pariziences, Suspiros, Dili-
cias, Napoleoese Guanabaras a 2,3oo rs.,
e em caixas inteiras Trovadores a 3,ooo
rs. cada urna.
dem de outros muilos fabricantes e de
differentes marcas para i,5oo rs. as met-
as caixas de suspiros a l,6oo, 2,ooo e
3,000 rs. as caixas inteiras.
Conservas inglezas a 800 rs. o frasco.
dem franceza a 5oo rs.
Cognac inglez das melhores marcas a l,ooo
rs. a garrafa e lo.ooo rs. a duzia.
dem francez suporior qualidade 800 rs. a
garrafa e 9,ooo rs. a duzia.
Cominho e Erva-doce a 4oo rs. a libra.
Cravo da India a 600 rs. a libra.
Canella a i.ooo rs. a libra.
Copos finos para agua a 5,ooo rs. a duzia, e
5oo rs. cada um.
Caf do Rio superior a 28o e 32o rs. a li-
bra, e 8,800 e 9,5oo a arroba.
Doce fino de goiaba a 600 rs. o caixao.
Ervilhas portuguezas ltimamente chegadas
a 7oo rs. a lata.
dem seccas a 16o rs. a libra.
dem j descascadas a 2oo rs. a libra.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Figos em caixinhas muito bera enfeitadas a
a I,ooo rs. cada urna.
dem em latas ermiticamente lacradas a
1,5oo e 2#')Q rs. cada urna,
dem em caixas de "* arroba 2,5co rs. ca-
da urna, e 2oo rs. a libra.
Graixa muito nova a !oo rs. a lata e 1,00o
rs. a duzia.
Genebra de Hollanda em frasqueiras com 12
frascos por 6,000 rs. e 56o rs. o frasco.
dem de laranja a l.ooo rs. os frascos gran-
des e H,ooo rs. a caixa com 12 frascos.
dem de Hollanda em botijas a 4oo rs. ca-
da urna.
dem em garrafoes de 16 garrafas a 4,800
rs. com a garrafo.
\lugucni contestar esta verdade.
A fama far correr esta noticia.
A posteridade bcuidir o nomc do llaliza.
Actualldade Batel palmas de conentunscuo!
-
*iP*$FWi
Sem mitras nem coreas para ornar a fachada de seus annuncios, e as portas do edificio em que habita, o Baliza se
contenta em tomar o seu lugar de honra na vanguarda de todos os homens do progresso.
Sopre embora o maldito Clarim, o seu toque de retirada a marche-marche do desacreditado Progresso; arme a tema
dos falsos apostlos da sinceridade no tratro, da realidade na pratica dos negocios commerciaes. revele finali
a libra.
Mostarda franceza preparada em frasco a 4oo
rs. cada um.
M0II10 inglez em garrafinhas com rolhas de
vidro 64o rs. cada urna.
Marrasquino verdadeiro de Zara a l.ooors.
a garrafa, lo,ooo rs. a caixa com 1 duzia.
Nozes muito novas a 16o rs. a libra.
Prezunto do fiambre superior a 600 rs.
dem do Porto para pancha a 5oo rs. a libra!
Passas novas a 48o rs. a libra.
Peixc em latas de differentes qualidades co-
mo, savel, corvina, govas, pescadinbae
outros a 1,000 rs. a talas.
Palitos para denles a lio e 16o rs. o masso
dos melhores.
Painco o mais novo e limpo a 16o rs. a libra.
e 4,5oo rs. a arroba.
Palitos do paz a 2,100 rs. a groza, 2oo rs. a
duzia, e 2o rs. a caixinhas.
Queijos fiamengos chegados ncsle ultimo va-
por, a
dem prato muilo fresco a 800 e 9oo rs.
a libra.
dem suisso a melhor qualidade que at bo-
je tem viudo ao nosso mercado a 800 rs.
a libra.
Sal refinado em potes de vidro a 5oo rs. ca-
da um.
Serveja das melhores marcas a 6,000 rs. a
duzia, e 56o rs. a garrafa.
Sardinha de Lisboa e Nantes em quartos e
meia latas a 38o 080 rs. cada nma.
Sag mnito novo e alvo a 24o rs. a libra.
Sevadinha de Franca 18o rs. a libra.
Sevadaa loo rs. a libra, e 2,8oo rs. a arroba.
Traques de l.'1 qualidade a 8,5oo rs. a cai-
xa, e22o rs. a caita.
Toucinho novo de Lisboa a 24o e 32o rs. a
libra.
Tijolloparalimpar facas a 15o rs. cada um.
Vinho em pipa Porto, Lisboa e Figueira das
melhores marcas a 3,8oo rs. a caada, e
5oo rs. a garrafa.
dem'.do Porto Lisboa e Figueira de marcas
menos conhecidas a 4oo rs. a garrafa, e
2,8oo rs. a caada.
dem Colares especial vinho a 600 rs. a gar-
rafa.
dem Lavradio muito fresco nao levando com-
posico a 56o rs. a garrafa, e 4,000 rs. a
caada.
dem branco de uva pura a 56o rs. a gar-
rafa, e 4,5oo rs. a cariada.
dem mais baixo a 4oo rs. a garrafa, e 3,ooo
rs. a caada.
dem Bsrdeaux em caixas de 12 garrafas das
marcas mais acreditadas a 6,5oo e 7,ooo
rs. a caixa.
dem muito especial que raras vezes vem ao
nosso mercado a l,2oors. a garrafa, ga-
rante-se que por este mesmo preco d pre-
juizo e s se encontra n'este armazem.
dem do Porto em caixas com 12 garrafas
das seguintes marcas Lagrimas do Douro,
Duque do Porto, Genuino, Velho Particu-
lar, malvasio fino, D. Pedro V, D. Luiz
I, Nctar e outros a 9,ooo e lo.ooo rs.
a caixa e Ooo a 1,00o rs. a garrafa.
dem Muscatel superior a l.ooors. a garra-
fa, e lo.ooo rs. a caixa com 1 duzia.
Vinagre puro de Lisboa a 2oo rs. a garrafa
e 2,4oo rs. a caada.
dem em garrafoes com 5 garrafas a l,ooo
rs. com o garrafo.
Vassouras do Porto de arcos de ferro a 32o
rs. cada urna
dem d escova para esfregar casa 36o rs.
cada urna.
Vellas de espermacete superiores a 56o rs.
a libra, e 52o rs. m caixa.
dem de carnauba refinada e de composic5o a
S69 rs. a libra, e de lo.ooo a ll.ooo rs. a
arroDa.
guerra e no mais complecto
o mais alto general da primeira classe do excrcito dos seus constantes freguezes.
Entremos na materia :
SENTIDO!
ORDEH DO III 1.
Desde a 1.a publicacao deste annuncio at segundo aviso Manoel Pedro de Mello, propietario do
do Baliza estabelecido ra do Livramento ns. 38 e 38 A vender a todos os seus freguezes.
grande
armazem
Cinco por cento menos
Quaiquer objecto que nao chegue a contento dos se- WS
as que morarem no centro da provincia.
tituido sem constraneimenlo algum.
Declaraco importante.
falso o boato que tem feito espalhar o soldado soprador da ra do Quemado de que se acba o Baliza associado
ao armazem Uniao Mercantil aberto a ra da Cadcia do bairro do Becife.
A liga entre os collegas um crime de lesa-povo.
E entre-tanto o Baliza ligueiro. .
Ligueiro sim das ideas liberaos dos progressistas de todo o universo aos sentimento mais ntimos tle seu coracao.
Deste modo de pensar ser o Baliza eternamente conservador.
4


LIQUIDACAO
MAZEM CONSERVA!!
23Largo do Terco-23.
Joaquim Simao dos Santos tendo de se retirar esta resovido a liquidar e fazer urna grande
vantagem a quem sen armazem frequentar, e vender por menos do que oulro quaiquer aiinunciante,
para isso tem um vantajoso sortimento Unto neste armazem como fora e para melhor servir o publico
o annunciante scientilica aos seus freguezes que tem 'requemado este estabelecimento que de
hora em diaute terao a vantagem de 10 a 20 por cento menos que compraran) em outra poca, pelo
seu prompto pagamento.
Attencfio.
Caf do Rio de primeira e segunda sorte a 270 e
300 rs.
Arroz pilado a 80 e 100 rs. a libra e 25100 e 35
a arroba.
Milho alpisla limpo a 170 rs. a libra e 40800 a
arroba.
Toucinho de Santos e Lisboa a 240 e 280 rs. a libra.
Passas de carnada a 500 rs. a libra e 105 a caixa.
Azeite doce de Lisboa fino a 640 rs. a garrafa e
45800 a caada.
Dito de carrapato a 320 rs. a garrafa e 25240 a
caada.
Massas para sopa aletria, macarro e talharim a
480 rs. a libra e 105 a raixa.
Chouricas as mais novas a 800 rs. a libra.
Charutos em magos de 50 a 65 o milhciro e a
640 rs. o cento.
Dito em raixa da Baha dos melhores fabricantes
de 15200, 254OO 35 c 45.
Phosphoros do gaz vindo de conta groza 25300.
Manteiga franceza a 600 e640rs. a libra.
Dila ingleza flor a 800 e 900 rs. a libra.
Biscoutos e bolachinhas de soda a 15300 e 25-
Vinho do Porto engarrafado a 800 rs., garante-se a
superior qualidade.
Dito em pipa Figueira das marcas mais bem co-
nhecidas a 500 rs. a garrafa e caada 35800
e 35500.
Dito de Lisboa especial para negocio a 360, 400 e
440 a garrafa c em caada faz-se abati ment.
Dito branco proprio para missa a 640 e o 00 a gar-
rafa e em caada a 55 8 35500.
Bolachinha americana a 200 rs. a libra eem bar-
rica fia grande abatimenlo.
9
ARMAZEM DE FAZENDAS
DE
Custodio, Carvaiho & Companhia.
RA QUEMADO
machinas hmmn
de < raba I ha r mo rara
dcscarocat' algodo
FABRICADAS
Por Plant Brothers & 0.
OLDAI
Estas machina:
podern desean car
quaiquer -c ae
de algodao em
estragar o i
sendo bstanle
duas| e so \i [>ai
o Iraballto ; ude
descaroca; urna
arroba de ;ii-:o-
dao em irof
ein '>> mnalos,
ou 18 arrotas
por dia ou i .u-
robas Ue algdio
limpo.
Esta raail.ina
a nnica que
possue as vanlagens de nao destruir o fio do al-
godao e de faier render o dobrode qoalqner on-
ira com menos trabalho, a sua introdnerau para
as provincias desie imperio ser de mullo valor
para lodos os interessados na lavoura do paiz.
Assim com machinas em ponto grande do mes-
mo systema.oraql serem movidas por animis.
agua ou vapor, pas naes podem debcarogar 18 ar-
robas de algodao ampo por dia.
O algodio descansado por estas machinas (em
muito mais estimacao nos mercados de Europa 1
vende-se por maiorpreco.
As machinas se achaiii venda unicamenie em
casa de
Saunders Brothers & G.
X. II. prava do Corpo Santo
RECIFE.
Os nicos agentes nesle paiz.
9
Superiores saias de fustao para senhoras a 55.
Toalhas de linho para mesa a 35500 e 45-
Lencinhos para meninos um 100 rs.
Lencos brancos para algibeira a 25 a duzia.
Toalhas para mo duzia 45.
Bramante de linho vara 25.
Fil de linho liso vara 500 rs. ...
Grande pecnlncna.
Pecas de entremeios bordados a 15-
Tiras bordadas a peca 25-
Gollinhas de cambraiaa 600 e SCO rs.

_
GRANDE LIQUIDACAO
DE
Na loja da ra do Crespo numero 17.
Aproveitem todos.

AGENCIA
DA
FUNDICAO DE L0W-M00B.
Kua a Saualla nava 42.
Neste estabelecimento contina a haver
om completo sortimento de moendas e meias
moendas para engenho, machinas de vapor
e tachas de ferro batido e coado, de todos 01
tamanhos para ditos.
Arados americanos e machinas pan
lavar roupa: em casa de S. P. Johnston 4 C.
rea da Senzalla Nova o. 42.
Empreza daiUumina#o
i gaz.
Todas as vendas de apparelhos e reclamacfes j
(por escripto dando o nome, morada, dala, etc.),
devem ser feilas no armazem da ra do Imperador
n. 31. Os machinistas mandados para attendera
estas, apresentarao um livro que os reclamantes
devero assignar logo depols de prompto o serv.Co
rpciamado isto oara qu a empreza fique sciente
S taTerem os mmo. senhores sido defamen-
te attendidos.
Ferros para ourlves.
Na ra larga do Rosario n. 24, loja de ourives;
vendem-se lodos os ierres e utencilios do ounves.
O proprietario deste importante '^^S^^S^S^SS'yS!^
apurados gostos para melhor servir as Exmas. SiBnoras, razao por4
zendas baratsimas. ^..-m^nio a 901. soutembarques prclos muito importante
Cortes de rico blonda pai^s*^^ importantes a 335 e 405,
a ^ ieM5. mJjg^^8^. de casemira a 105, capos de pa-
capas de ^r* ^'u'*-^ 155 .cortes de a muito apuradogosto a 75, cortes de
ha copa redonda, staM gj- \es de Mmbl.aijl br^ncos bordados a 255 e 305,
SOffiOSL a ?ua idades franca o inglezas a 320, 360, 440 e 500 rs., bramante de
tZ mSi fino m%"de 25 varas a 205, *, bretanha de linho muito fino a 185
e 205 peca de 2o varas.
^S^f^^^lU^VailO*^.^^ M rasa
55, 65, 75 85, 95 e 105^ # ^ ^^^^
Filinete circassiano fazenda de muito apurado gosto para vestidos pronr''Je parti-
das e de bailes e muito recommendavel por ser muito apreciada em Constantinopla. E
admiravel o en bom gosto.
ou flna a voutade do comprador
Na ra do Itangel n. 2 vende-so o verdadei.
ro papel de linho hespanhol, e de palha de milho-
lanto em porcao como a realho, ede todas as mais
qualidades para o fabrico de cigarros; charutos da
Baha muito bons a 25 a caixa ; a elles, que eslao
a acabar-se._____________________________
Albnns para vinte retratos.
Vende-se os lindos albuns para vinte retrates pe-
lo barato preco de 25 cada um : s no vigilante
ra do Crespo n. 7._______________________
__ Vende-se ou permula-se por duas crias re 3
4 annos de idade urna negra de meia idade.
sem vicios nenhuns. muito boa quitandeira u mui-
to fiel : no pateo do Terco n. 141.
Farm lia dv mtlho a 1(K>
rs. a libra
A mais Cna e uova do mercado : vende-se na
padaria de A. F. da Silva Beiris, ra dos Pires nu-
mero 42. .
linii jumenta.
Vende-se urna jumenta muito mansa, e por pre-
50 commodo._________^______________
Vendem-se pos do craveiro branco :
na rud do Princpp (Campo Verde) n. 6.
Vende-se a taberna sita no lugar de Henifica
n. 64, com poucos fundos^ armacao, que. lira no
correr das casiohas junio ao sobrado grande do
Sr. major Bellarmino, principio da Estrada Nova :
a fallar com o dono na manan taberna.
Vende-se a taberna da ra Direita n. 3a. com
poucos fundos ; e tambem se vende a armacao s:
a tratar na mesma.
<*


-

^^
Diario e
*nr.rta felra de Jiilho 4e tSJ.
Largo da
Saatt Cruz
numero
12 e 84.

Esquina a\
ra do
Sebo iL 12*
e84.
iiante airo
GRANDE ALLIANCA

57 RA DO IMPERADOR 57
DE
Paulo Ferreira da Silva & Companhia
tnico armazem que mais
NEM COROAS NEM MITRAS
0
Grande sortimento de molhados era grosso e a retalho.
vantagens offerece ao publico.

GRANDE
Desenganem-se todos.
B
4UR0R4 RILIIWTE

GRANDES ARMAZENS DE MOLHADOS.
Francisco Jos Fernandes Pires proprietario dos armazens de moldados denomina-
dos Brilhante Aurora e Aurora Brilhante, ao largo da Santa Crux ns. 12 e 84 (esquina
da ra do Sebo), faz seientc ao respeitavel publico desta eidade e do interior que nos
seos importantes estabelecimentos vender sempre gneros novos e de phmeira quli-
dade e vender a todos pelo mewno preco.
O completo sortimento de todos os gneros finos e grossos qne costamam ter outros
estabelecininlos desta ordem se encontrarao sempre nos armazens da Brilhante Aurora
e Aurora Brilhante e sempre em grande escala a voutade dos Srs. compradores.
O proprietario dos armazens Brilhante Aurora e Aurora Brilhante pede a todos os
>?nhores esenhoras.que quando liverem de mandar suas relaces a estes estabelecimen-
tos .or seus criados seja em carta fechada ou com grande recinmenrfafao a estes arma-
zens, rertos de que sero to bem servidos como se viessem pessoalmente.
A Brilhante Aurora e Aurora Brilhante troca qualquer um genero que por acaso
nai ajrade erecebe as libras esterlinas a 9l,sendo por compra: atabella de seos gneros
seinui'Jada todas as semanas.
Ar.ienJoas confeitadas parasortes a libra 15- Vinho muscatel duzia 105 e garrafa i$.
Manteiga ingleza flor a 800, e 960 rs. I Dito bronco proprio de Lisboa caada 400
Dita mais abaixe a 640 e 720 rs. e garrafa 640 rs.
Dafranceza nova libra 640 ee ii barril a Vintio branco de muito boa qualidade eaaa-
bOO rs i da 45 e garrafa 480 rs.
*) Chocolate sant multo novo al200 a libra. Dito Xerez tiuo a cauada 7500 c garrafa a
C$ Cha perola o melhor que ha ( redondo) a 15200.
K o Alllanea o verdadeiro homem do progressso.
K o Alllanea o terdadeiro e principal armazem de molhados.
5 o MIfciBfa o armazem que vend' mais Barato.
K o Alllanea o armazem que vende os melhores gneros,
i Alllanea o armazem onde preside o melhor aceio.

ARMAXEOT
DE



Fiquem todos sabedores desta verdade,
Venham todos na do Imperador n. S7.
Venham ver os gneros que temos expostos a venda.
PARA AS FESTAS
S. JOO
de bonitas cor
DE
; Dito Madeira seca caada 105 e garrafa 2a
j Dito em caixas de una duzia do Porto dos
i melhores autores a 123, 145 e 165.
Garrafas com licor lino francez e porluguez '
a 15-
Ditas com vinho de caj muito claro a 15.
Ditas com mel de abelha puro a 13.
Frascos com gonebra de Hollanda de 2 gar-
rafas a 15-
Dito de una garrafa a 560 rs.
Dito de laranja verdadeira a 15200.
Duzia de graxa latas grandes a 15.
Caixas com 25 massos do velas de sperma-
celo a 5C0 rs. a libra.
a 600, 640 c 720 rs. a libra,
do Araca-
que
libra 35200.
Dito dito mais abaixo a 25500 e 25800.
Dito uxim muito lino a 25800 e 33.
1< !o bysson superior a 25600 e 25800.
Fjn liio mais abaixo a 25 e 25500.
N Dito preto muito fino a 25500.
DiIj em massos a 25.
Di:.) do Rio em latas de 4, 2 c 1 libra a
Caf de moca superior arroba 105500 e 11-
tra 400 rs.
Dil rto Rio c do Cear arroba 95500 e libra
320 rs.
Dito mais abaixo arroba 85500 e liUra 280.
Usrri 'as com bolachina ingleza ingleza nova Dilas maior
a 35- Caixas com urna arroba de velas
. Latas eoai blaclunha de soda de 5 libras ty 105500 e libra 400 rs.
(Mu a 2300. DiUs de composicao arroba 105e libra 360
o y Ditas com ditas sortidas de 2 libras a 13400. Saceos grandes com farinha deGoiannamui-
j Frascos com ameixas francezas s o frasco to boa a 55500.
cSfo val o dinheiro a 25800 e 35- Dito de Porto Alegre melhor que de Muri-
g Latas com ditas a 13400, 25200 e 43. beca a 03.
2,, Dilas com figos de comadre a 13500. Ditos com milho novo com 24 caas a 45000
/;>> Cnixinhashermetlcamentelacradasoproarias Ditn com farello de Lisboa 120 libra* a
QLP i ara mimo a 23 e 25800. | 53500.
^ Caixinhas com ditas a 15,25500 e 55 de Dito com arroz de casca a 55500.
C**}} arroba. Duzia de garrafas de serveja branca e preta
SJ?.- I. -;i!'. de f.amego muito novo a libra 50 a 83800 e em barricas a 53500
,.' is. inh-iro e a retalho 600 rs. Arroz do Maranho em sacecs arroba M06
SL <-ROurifa3 p paios novos a libra 800 rs. e libra 100 rs.
vjO 3l '''"' chouricas e linguieas novas vin- Dito da India e Java arroba 35 o libra 120.
g das nesle vapor cora !libras por 65500. Arartita verdadeira arroba 5 e libra 320
G? Ditai L'"' l't'xe e"s)ai|o de omitas quali- rs., matarana.
Vi>\' !,!lS '3 Gommado Aracaiy para engommar arroba
..'.:;. ron i'ivilh'is francezas e portuguezas 53 e libra 160 rs.
a8Siirs. Tapioca ou farinha do Haranbo nova libra
Olla c '!) Hjao verde francez a 800 rs. 16(1 rs,
! js rom massa du tmale novo libra Ervilhas seccas muito novas libra 200 rs.
' ;' i' Sag e sevadinba a 240 rs.
lita c n ostras a 720 rs. | Sevada arrola 352;:0 d libra J20 r-
Ajueudoas confeitadas
8oo rs. a libra.
etem de casca mnito nova a Seo rs. a libra.
Mffcas. 2oo rs. a libra-.
Ameixas francezas em caixinhas com lindas
estampas a l,2oo, l,4oo e l,6oo rs. cada
urna.
dem em frasco de vidro com rolha do mes-
mo ou de metal, a l,2oo e l.ioo rs. cada
! um.
dem em frasco grandes a 2,5oo rs. cada
um.
dem em latas de I /j e 3 libras a l,2oo e
i 2,ooo rs.
Ajtoz da India e MaranMo o melhor que se
pode desejar a loo e I2o rs a libra e
' 2,8oo a 3,4oo rs. a arroba.
Azeite doce de Lisboa a (Too rs. a garrafa, e
4,8oo rs. a caada.
dem francez clarificado em garrafas bran-
cas a 9oo rs. cada una, e fojooo rs. a
caixacom I duzia.
Alfazema muito nova e [impa a 32o rs. a li-
bra.
Alpista a 16o rs. a libra e 4,6<>o rs. a ar-
roba
Bolacliinhas de Lisbod da fabrica do Beato
Antonio das seguinles qualidades: aj^ua e
sal doces, e mperiaes em latas de 6 libras
a 3,ooo rs. e de 3 '/a libras a i .5oo rs.
c em libra a 64o rs., eslas bolachinhas
torna-se muilo recommendavel com espe-
cialidade para os doentes.
Biscoitos e Bolachinhas de soda em latas de
lodas as qualidades e marcas que se pro-
curar a 1,35o rs. a lata.
Bolos francezes em cartoes e de diversas
qualidades a 64o rs. cada um.
BanJia de poico verdadeira refinada a 4oo
rs. a libra e em barril a 38o rs.
Batatas novas a 16o rs. a libra.
Bolachinhas inglezas ltimamente desembar-

lutmi de Hollanda em garrafes com 24 gar-
rafas a 7,2oo rs. com o garrafo.
Lentilhas excellente legume para sopa e gui-
zados a 2oo rs. a libra.
Licores francezes de todas as qualidades a
8fco e l,ooo rs. as garrafas grandes.
Manteiga ingleza perfeitamente flor a 8oo
e 96o rs. a lihra.
dem franceza nova j deste anno a 6oo rs. \
a libra, e 58o rs. em barris inteiros.
HITA DO IWPJER 1IIOIC \. 4
.1 nulo ao srbfado em qie mra Sr. tk\mn%,
Para a festa de Santo Antonio, S. Joao e & Pedro.
Hilarle AI molda A C, reeeberara de sna propria tncomitl
da o mal!* liado e variado sortimento de molhados. proprio*
da presente es taca o.
Manteiga ingleza | Ma^as brancas
neste vapor de 28 de para sopa a melhor que se pode deejar.
maearraV), talharin e aleiria a 400 rs. i
libra e I^MU a carca.
da safra nova vinda
m?io a 800 rs. a libra.
ran te isa franceza
da safra nova a 560 rs. alibra, e em barril
a500rs,
Amendoas
confeitadas de lindissimas cores a 800 rs. a
libra.
Ameixas
em frascos de vidro com 3 libras liquido a
2#400, muito propios para mimos,
Cartoes
Marmelada especial dos melhores fabrican- com bolos francezes a 500 rs. cada um.
tes de Lisboa a 6oo e 64o rs. a libra, ha t a+OC3
latas de diferentes tamaitos. 1x11 dS
Massa de tomate em latas de 1 libra a 56o com bolachinhas de soda de todas as qua-
rs. cada urna. lidades a 14300.
dem para soda estrellinlia, pevide e rodinha ChOCOlateS
f^3!^11^3.5.501'^^ 3' 3'500 rs-cada de todas as qualidades a MOOO a libra.
Presuntos inglezes
cadas
rica.
a 24o rs. a libra e 2,ooo rs. a bar-
Uraxa i:; boiao 07 a 280 rs.
Sabao massa a 200, 240 e 280 rs. a libra.
a libra,
de 320
unas rom marmelada dos melliores autores
d-_> Lisboa a libra 040 rs.
Pal s com mastarda franceza preparada a
libra 480 rs.
r. eos com conservas de pepinos, mexides
o az i tonas verde a 15.
Dita i:a franceza a 800 rs.
Giros com trina e tantas libras de batatas
novas a 35300.
Queijos i! ivos do vapor a 35290 e 35300.
Uitus de prato enplicado a 15-
Dito suissoa 800 rs.
Dito de manieiga do Serid a 800 rs.
i,';: C.iixarani passas novas de i arroba "5,
Cifl meia 3-3300 e quarto 25 e libra 480 e
HJ 6i6rs.
amend ias com casca a libra 240 rs. e arro-
{H< a C5.
(_\ Noze.1 libra IGO e arroba 35-
.,", Caixas e metas ditas com charutos finos da
'nf liaiiia dos melliores fabricantes de Jos
"~ky Fuxtado de Simas. Ileis e ouiros, sendo
A Suspiros, Parisienses suspiros, Delicias,
QLjO Normas de Ilavana, Exposlcao, Almiran-
^jU tes Darat.'iros, varetas, Gunali;iras, Ro-
galia imperial. Acadmicos de Olinda, Se-
nadores e Apraziveis de 15500 a 85 a cai-
xa de 30 a 100 charutos.
Grozas de caixinhas de palitos do gaz a
23200 e 200 rs. a duzia.
Barris com azeitonas novas a 3, e 45 bar-
ris grandes. Maracos de alhos a 240, 320 e 400 rs.
Vassouras do Porto piassava muito seguras Esteirasde vanas qualidades.
a ''00 rs. Gordas de postar e de andaime.
zeite iioce francez dos melhores fabrican- Favas da ilha de S. Miguel arroba 34200 e
tes caixa 405e a garrafa 15. libra 120 rs.
. Caixas com vinho Bordeaux branco e tinto Copos lapidados para aguae vinho a 35500
r S. Julien, S. Eslife e outros a 75300 e 85- 55800, 65 e 75.
Vinho do Porto fino em barris de u" que ra- Ditos lisos para varios precos.
^JIr" aPParpce nnr 83 e em caada a Calix lapidados grandes e"pequeos duzia
55500 c garrafa a 800 rs. | 3,4 e 55 ; e 400 e 50*rs. cada um.
Dito da Fi.'ueira pirro caada 45 e 45500 o Massas para sopa macarrao, talharim en-
garrafa a 480 e 360 rs. tria a 480 rs.
Dito de Lisboa de boas marcas a 35300 e Esfrelinha e pevide libra 560 rs.
45 e a carrafa 440 e 4SO rs. Xaropes de fructas nacime a garrafa
Cognac, v, rdadeiro a garrafa 15 e 15280. 500 rs.
?E murtos ootros generes que nao possivel mtxtc
eioiw-tes ttem de primeira qualidade.
A -"'"fac^ft Brilhante Aorprae Aurora Brilhante vender muito embora bara-
to, mas a DFflHtO.
Dito hespanhol verdadeiro a 400 rs
Balaios do Porto diversos tamanhos
a 23.
Capachos para portas de varias cores a 600,
700 e 800 rs.
Grao de bico arroba 45300 a libra 160 rs.
Painco arroba 55300 e libra 200 rs.
Milho alpista arroba 45800 e libra 160 rs.
Azeite doce de Lisboa garrafa a 640 rs.
Vinagre de Lisboa cauada 15300 e garrafa
200, 240 e 320 rs.
Mass.* de palitos de denles com 20 massi-
nhosa 160 rs.
Tijolos de limpar facas a 160 e 120 rs.
Caixas com 40 cartas de" traques a 05300 e
a carta 280 rs.
Resmas de pape! aimaco pautado a 35.
Ditogreve liso o melhor que lia a 45300.
Dito de peso e pautado a 25300 e 25800.
Garrafes cora 23 garrafas de verdadeira
gen-bra de Hollanda por 85500.
Azeiie de coco garrafa 500 rs. e carrapato
300 e caada 25360.
Caixoes com doce de goiaba a 640,800 e 15,
Toucinho de Lisboa arroba 85500 e libra
320 rs.
Dito de Santos arroba 75 c libra 280 rs.
Mullios com grandes ceblas a 15600.
Cento de dita solta a 15500.
3o armazem fe toteadas Baratas ife.
Suatos otiatra oQMiatado, o.i
19, veude-aeoupiBle'
ItteiKti. i g ~
l.a;i/ih;ts. 8
Ricas lazinhas para vestido, fazenda a melhor
qie tem vmdo ae mercado, tanto em gosio como
em mialidwJe da fazenda, pelo baratissimo preco
de 3bO rs. o r-ovado. *
Laazinhas miudinhas carmezins, proprias para
vestidos de menioas, e camisinhas a 640 o covado.
cortes de laa com 15 covados pelo baratissimo
pre^o de 65.
Cder25500 Ch,a da ,ad'a Pe' bara(issimo Pre?o
Lengoes de panno de linbo a 23.
Lencoes de bramante de linhefino pelo baratissimo
preco de 35200.
Bramante de linho fino cora 10 palmos de largura
pelo baratissimo precede 25500 a vara.
Atoaihado adamascado proprio para toalhade mesa
i 25000 a vara:
Cambraia de forro a 25600 e 35200.
iuardanapos adamascados a 35800 a duzia.
Toalhas alcochoadas proprias para mos a 55 a
duzia.
Cprtes de cale?, de ganga amarella de listras e
ii quadros, pelo baratissimo preco de 15200 o
jrte.
Carnnraia ad.-iiascada com 20 varas, propria
para cortinado, pelo baratissimo prejo de IOjOOO
a pfca.
Ricos corles de a < Maria P! pelo baratissimo
preco do I85.
2?rJr3'-ciw>->ri2cd,TiH2

S3 Vi
a> 3 ai 1?
~r~ Ci o w ft
kJL5*<|IIS
-3
C6
bT8 "9
B O <* B _
c.3So&B
Bp

Champagne das marpas mais superiores que
al hoje tem viudo no nosso mercado a
I8,ooo rs. o gigo e J,5oo rs. a garrafa
inteira, e 800 rs. as metas.
Cha uxiin o mellior que se pode desejar,
que oulio qualquer nao vende por menos
de 3,000 a 2.Too rs. a libra,
dem perola de esp cial qualidade a .Ooo e
2,8oo rs. a libra, garanle-se a qualidade
d'esle cha.
dem liysson o melhor que possivel encon-
trar-sc a 2,4oo e 2,(5oo rs. a libra,
dem do Rio em latas de 2, 4, 6 e 8 libras
a I.200e 1,4oo rs. a libra,
dem preto muilo finoal.Ooo rs. a libra.
Chocolate das melhores qualidades, francez,
bespanhol e suisso a l.ooo, I,2oo o 1,400
rs. a libra.
Charutos do acreditado Fabricante Jos Fur-
tado de Simas em 2 caixas das seguin-
les marcas: Parisienses, Suspiros, Uili-
cias, Napoleocs e Guanabaras a 2,3oo rs.,
e em caixas inleiras Trovadores a J,ooo
rs. cada una,
dem de outros mnitos fabricantes e de dif-
f eren les marcas para i ,5oo rs. asmeias
caixas, de suspiros a l.Goo, 2.000 e:J,ooo
rs. as caixas inleiras.
Conservas inglezas a 800 rs. o frasco,
dem franceza a 5oo rs.
Cogjaac inglez das melhores marcas a 1,000
rs. a garrafa e i0,000 rs. a duzia.
dem francez superior qualidade a 800 rs.
a garrafa e 9,oo rs. a duzia.
Cominho e erva-doce a 4oo rs. a libra.
Cravo da India a Goo rs. a libra.
Caneila a i,000. es. a libra.
Copos finos para agua a ?i,ooo rs. a duzia, e
fioo rs. caria um.
(iCaf do Rio superior a 280 e 320 rs. a libra,
e 8y8oo e !).5oo a arroba.
Doce fino de goiaba a 600 rs. o caixo.
jrviUns- wtugaezts ullimameni chegadas
a Too rs-. a lata.
dem ceceas a 160 rs. a libra,
dem j descascadas a 2oo rs. a libra.
Farinha de aramia verdadeira a 32 rs. a
?ibra.
Figos em caixinhas muito bem enfeitadas a
1,00o rs. cada urna.
Jdeui em Jilas ermifcarnele lacradas a
^ ,5oo e 2,5oo rs. cada una,
dem em caixas de i[ arroba a 2,3oo rs.
cada irma, e 2oo rs. a libra.
Graixa muito nova a loo rs. a lata e 1,000
rs. a duzia.
Genebra de Hollanda em frasqueiras com i2
frascos pr 1,000 rs. e 560 rs. o frasco
dem de laranja a 1,000 rs. os frascos grafi-
urna e 5oo rs. a libra,
dem macarrao, talharim e aleiria a 4oo rs. a
libra.
iMostarda franceza preparada em frasco a 4oo
rs. cada um
Molho inglez em garrainhas com rolhas de
vidro a 64o rs. cada urna.
Marrasquinho verdadeiro de Zara a l.ooo rs.
agarrafa, io,ooo rs. a caixa com 1
zia.
Nozes muito novas a 16o rs a libra.
Prczunto de fiambre superior a Goo e 800
rs.
dem do Porto para panella a ooo rs. a libra.
Passas novas a 48o rs. a libra.
Peixe em latas de dilTerenles qualidades co-
mo, savel, corvina, govas, pescadinha e '
outros a 1,000 rs. a latas.
Palitos para denles a lio e a 16o rs. o mas-
so dos melhores.
Painco o mais novo o limpo a 16o rs, a li-1
bra, e. a A "
Vinho
Figueira J A A e outras omitas marcas acre-
ditadas a 500 rs. a garrafa.
Iden de Lisboa
e de outras marcas a 400 rs. a garrafa, e
25800 a caada.
Idea do i#r<
generosos engarrafado des melhores fabri-
cantes da eidade do Porto a 1 e 1J200
a garrafa e de 103 a 12 a caixa, as mar-
cas sao as seguinles: Coamisso dVFilho.
F. A M., Nctar ou vinho dos Denzes,
lagrimas do Douro e outros muito.
Latas
com 10 libras de banha a 4)5000.
Bolackinha ingleza
a 1^800 a barrica da mesma que por ah
vendem a 25 dos melhores fabricantes a 800 rs., tambem' """ a
temos velhos para 500 rs. JNOZCS
Queijos flainengos as mais novas ft merrcad0 ,a ,2U rs-a libra-
chegados ueste ultimo vapor a 26oo. vcI'VejaS
Queijos dos melhores fabricantesfe de todas as mar-
d*ul I chegados no ultimo vapor a 260O cada um. j cas d(> WW a 6^500 a duzia.
^eijo CHARUTOS
londrino o mais fresco que se pode esperar 'charutos Thom
e de excellante maree a 800 rs. a libra'
sendo inteiro e a 900 rs, a retalho.
Conservas inglezas
as mais novas que se pode esperar a 760 rs.
o frasco.
Figos
em libras e caixinhas ricamente douradas,
proprias para mimos a 900 e 15200.
Cha uxini
Pinto,. Res e^outros em
meias caixinhas a 14600.
Arroz
do Maranho a 100 rs. a libra, e da Indit
a 80 rs. a libra, e 26500 a 3-WO a ar-
roba desses que vendem por 36400.
CAF
de 1.a e 2.1 sorle do Rio de Janeiro a 84500
e 86800 a arroba, e 280 a 300 rs. a libra.
(arrafe*
com 4 *i parrafascom vinagre a 1-sOOOcom
o garrafo.
GENEBRA DE LAItA.NJA
verdadeira a 16O00 o frasco, e de 11 000
a caixa.
DEM
em frasqueiras de Hollanda a 56800 .m
12 frascos.
GENE IRA
de Hollanda verdadeira em ftwqneira a 800
rs. cada urna.
PALITOS
a libra. I os verdadeiros palifos du gaa a 2,9oo a croza
(<;\\( e2o rs. cada caixinba.
a o muito afamado cognac Pal Brandy a l,8oo; LICORES
rs. a garrafa e de outras muilas qualida- finos de todas as qualidades, a lo,ooo arixa
e a 4,000 rs. a arroba.
Palitos do gaz a 2,loo rs. a grosa e2oo rs rael q,lt sc pde deseJar 1ue outro
a duzia, e 20 rs. a caixinha. qualquer nao pode vender por menos de
Queijos flamengos chegados neste ultimo1 ^ a 2'^)1
vapor, a3,ooo dem porela
dem prato muito fresco a 800 e Ooo rs. a eSi)ecial 4uali(lia,,le a 26'00 >ra.
libra. dem uysson
blem suisso a melhor qualidade que at ho- ma's aromtico que tem viudo ao nosso
je lem vindo ao nosso mercado a 800 rs. mercado a 26600.
, JSl. n Massas amarellas
dem londrino a Ono re. L-
Sal refinado em pules de vidro a 500 rs,\VUJT' maCarr5' ta,haran e aletr,a a
cadaum. 'M'*'
Cerveja das melhores marcas a 6,000 rs.
duzia, e 56o rs, a garrafa.
Sardinha de Lisboa e Nanles em quartos e
meias latas a 38o e 58o rs. cada urna,
a 2n rs. a libra.
des a l.ooo e 800 rs. a garrafa.
COPO*
lapidados para agua a 4.5oo e 5,ooo rs. a
a ar-
duzia, e a 440 e 5oo rs. cada um.
PAPEL
Sag muilo novo e alvo
Sevadinba de Franca 18o rs. a libra.
Sevada a loo rs. a libra, e 2,8oo rf.
roba. 1
Traques de I.' qualidade a 9,5004*3. acal- j ataiaco, grave, peso e de outras militas qua-
xa, e 24o rs. a caria. *^ lidades de 2,2oo, a 4,5oo a resma do me-
Toucinhonovo de Liiba a 2io e 32o rs. a Ihor.
libra. Papel de botica
Tijolo para limpar facas a 15o rs. cada um. de excellente qualidade a 26200 a resma
Vinho em pipa Porto, Lisboa e Figueira das
melhores marcas a 3,8oo rs. a caada, e
5oo rs a garrafa,
dem do Porto Lisboa
e Figueira
de marcas
garrafa, e
menos condecidas a 4oo rs. a
2,8oo rs. a caada.
dem Colares especial vinho a 600 rs. a gar-
rafa.
IdemLavradio muilo fresco nao levando com-
composicao a 56o rs. a garrafa, e 4,000
rs a caada.
dem branco de uva pura a 56o rs. a garra-
fa, e 4,5oo rs. a caada.
dem mais baixo a 4oo rs. a garrafa, a3,ooo
rs. a caada.
dem Bordeaux em caixas de 12 garrafas das
marcas mais acreditadas a 6,5oo e 7,ooo
rs. a caixa.
dem muito especial que raras vezes ven ao
nosso mercado a 1.2oo rs a garrafa, ga-
rante-se que por este inesmo preco d
prejuizo e s se encontra n'este arma-
zem.
dem do Porto em "caixas com 12 garrafas
das seguintes marcas Lagrimas do Dou-
ro, Duque do Porto, Genuino, Velho Par-
ticular, Malvask) fino, D. Pedro V, l).
Luizl, Nctar e outros a 9,ooo e 10,000
rs. a caixa e Ooo e l,ooo rs. a garrafa.
dem Muscatel superior a 1,000 rs. a garra-
fa* e lo.eoo a caixa com I duzia.
Vinagre puro de Lisboa a 2oo a garrafa e
2,4oo rs. a caada.
dem em garrafes com 5 garrafas a 1.000
rs. com o garrafo.
Vassouras do Porto de arcos de ferro a 32o.
rs. cada urna.
dem de escova para estregar casa a 36o rs.
cada urna,
des e H,ooo rs. a caixa com 12 frasaja. Velas de espermacete superiores a 56o rs.
Msm de Hollanda em botijas a 4oo rs. cada a libea, e 52o em caixa.
dem de carnauba refinada e de composicSo
com urna duzia e a l.ooo a garrafa.
Marmelada
dos melhores fabricantes de Lisboa, como jam Abren e outros muitos a 600 1. a
libra.
Pregunto
o verdadeiro prezunto de Lameiro a 52o rs
a libra.
ARROZ
Maranho, Java e India, a loo rs. a libra e
de 3,000, a 3,2oo rs. a arrola.
VELAS
de espermacete de diversas marcas a 9Ro r-;.
a libra e em caixa ter abatimento.
passas corinthias muito novas proprias para ,, ___, VELAS
podim a 800 rs. a libra. de *** em ca,xas (,e arrf>a a -3oo r
q caixa e 34o rs. a libra.
I' HU 1 Batata nova /
o verdadeiro fumo americano em chapa a em caixas de 2 arrobas a 56 a caixa e O rs.
l,4oo rs. a libra a libra.
PAPEL
azul e pardo para embrulhode l.ioo a 2,2oo
rs. a resma.
Corinthias
Vinagre
PRRem ancoretasde 9 caadas a 15,ooo rs.
cada orna.
Cebollas
as mais novas do mercado a 7,ooo rs. a caixa
e l.ooo rs. o molho.
Alpista e Painco
o mais novo do mercado a 140 rs. a libra
e 46400 a arroba.
Passas muilo nota*
em quartos e inteiros a 26 o quarto e 650i
a caixa e 400 rs. a libra.
Chocolate
, portuguez o mais especial que se pode de-
sejar a 800 rs. a libra e 140 rs. o pao.
Fruas em calda
chegadas ltimamente, pera, pecego, gmja e
outros muitos a 640 rs. a lata.
B.sce da easra da goiaba
a 600 e 16 o caix5e.
Os proprietarios do grande armazem o Verdadeiro Principal declaram m seos
froguezes e amigos e ao publico em geral, que para facilitar a commodidade de Iota es-
tipularan! os mesmos precos nos seguinles lugares:
l Hio e Com memo ra do Qiieima _____________0 Verdadeiro Principal roa do Imperador u. 40
OVIMENTO
urna.
Clefl et garrafes de
rs. com o garrafo.

afa a 4,8oo j a 36o rs. a libra, e de 10,000 a 11,000 rs.
1 a arroba.
AIsiMo da Baha
Peeas -de .-a.i.br.ia degpicos rom 8 i|3 varas pra JaCP)- de assncar e ,
lo DWfltiSttM preco df 4*. paw TenJr Ananio Lniz dc tiveira SfeiS) &
figk
Pe?M lie i.laiilha fie al,'oa3 coai 10 vara,
pna |iara aaia a VOO.
E-!<'iras da India, proprias para forro de sala, I
ic 4, > e G palmos de largura, por menos prejo do '
>f em oulra nialquer parte.
Neste anniuain tambfin se encontrar nin gian-
ie sortimento de roopas feila, e por medida.
ljro'! C, no seu escriptorio ra da Craz n. 1.
P.ua da Seazalla i\ova n. 42,
Neste eslabelecimento vendem-se: tachas de
ferro coado libra a 110 rs., dem de L<)v
Moor libra a 120 rs.
GAZ GAZ GAZ
Vende-se gaz da melhor qualidde a lio
a lata e em lotes de 10'latas para cima se
fir abatintento. no armazem do Caes do
Ranaos n. 18 e ra do Trapiche Novo nu-
mero 8.
Una da Senzaila n. 42.
Vende-se, em casa de S. P. Jobnston & C,,
sellins e silhoes inglezes, candieiros e casti-
5aes brorizeados, lonas inglezas, fio de vela,
chicotes para carros e montara, arreios para
carros de nm e dous cavaUos, e relogios de
011ro patente inglez.
Na ra de Apollo n. 3 ha um grande sorti-
ttwnto (te marmore para ladrillio, ssendas, hom-
hreirns e (legraos de 8, OelO palmo do compri-
do e 2 112 de largo, folhas 4o marmore proprias
para tampo? de mesa* c para tmulos, vasos gran-
des para jardim. on para ornar turnlos, por pre-
n)s m^ltorazotl^eii
Charutos de Havana
e superior qualidade vendem-se em asa
e Schafleitlin & C, ra da Cruz n. 42.
At que chegoii
um grande sortimento de bico e renda preta de
novo modelo cltaowdo (gmp) o melhor que se
pode desejar aest! artigo e vte He vende mnifo ha-
rato : na loja do gallo vigilante ra Js Crespo
n. 7.

BAIRRO DO RECIFE, RA DA CADEIA N 50
0 mais novo e o melhor
i AZ*?** DE MOIilIADON
defronte da ra da Madre de Deo*

os sobs bcnavolos amigos e fregueies, bem como o respeilavel publico em geral nroatrio o
^f^^^"16 a ^"..nto de gibados, a par do ac'eio, eteganS bom"3men d
t>elecimenlo.
mu
i do e*ta-
0 annunciante. tendo feito urna Completa reforma no locante a casa e gtneros Doesaiado bos
nrTMMBdmtvm Europa para remessas de coma propria. acl.se (^cKe'nS mt
teccao de lodosos amigos do l.om e barato, a qual desde j reclama,^^Mto3eto 5
merecer a coahanca com me n dmimi. a., i,. ^ =ctciuu-iio i|uc/a^i. cr
..mMmmxsam
Fabrica Oonceico da g
Babia.
Andrade i neg, recebem constante- S,
rnenle e tem venda no seu armazxro n. ^B
34 da ruado Imperador, algodao d'aquel- SjS
la fabrica, proprio para saceos de assu- f
car, embalar aigodao empluma etc., etc., $R
pelo preco mais razoav.?!. Sa
merecer a confianca com que se dignarem de o honrar
Em sumo visite o recitavel puhliro o novo e superior armaiem Movimento fompre-M a|.
ZSSSSS Sffl^Ss^TnTedTda'r "Ue "*' ^ em &* 5c- ^
ConCo^^^r^^S^mffe *- nticos ,e otere^ .
GRApEASANTIBLENNgRRHAGlCAS n^ DUNAND
Superior a lo.Ias as prepnr.-noe conhacivU Ifcjcaifa Bffeuo seguro e promplo, lem moran, ncm calica. wffl trrtor. -, hVvi a lonwr -tf3hi ihn-..
InjecQao curativa e preservativa
bajsaiuiaa wa tciuHqdar. lociillca os Mgitnwy^ea a o proiorva Je .,. |Ur tIerHH. r-\IIIS. i. m N Va dwSi-Mim.
Deposito geral ora Pemambue raa da Cruz a. 22 encasa de Caro* & Barbo.


Antonio da Silva Campos, successor do amigo Naseimento defronte do beeco Lao bem f
^^L^L^^Ji:9^* Pra rasa ac4a i^iTonl f

**m


I
-**5
DiarU e P
hmro qnarta feira le ulho de i n4.
V
MERCANTIL
Klll 1IACAIIEIA DO BECIFE # 53.
NOVO E
OBANDE ABUEASHM DE
ADOS
Rll DA CAlfEIA DO RECIFE IV. 3.
Francisco Fernandas Doarte acaba de abrir na roa daCadeiado Recifen. 53, nm grande esorlio'o aimaztmde molLdos de-
nominado Unida Mercantil. Neste grande armazem encontrar sempre o respeitarel publico tm ctn.pleio soitmer>io des Hielhore
ceneres qne vemao mercado, Unto estrangeiros, como nacionaes, os qnaes serio rendidos em porrees n a reta-ILo .or precos as?i
gommodos.
Manteiga ingleza especialmente escolhida Vinagre de Lisboa a 200 rs. a garrafa e
de primeira qualidade a 900 rs. a libra,
em barril se taz abatimento.
Manteiga franceza a mais superior do mer-
cado a 6oo rs. a libra, e 580 rs. em barril
ou meio.
Preznnles inglezespara fiambre, de superior Geneora de Hollanda a
qualidade, chegados neste ultimo vapor, a 50800 a frasqoeira.
720 rs. a libra. Caixinhas com ameixas francezas,
ebegados neste ultimo
40200 a caad*.
Azeite doce refinado em garrafas brancas a
800re.
Azeite doce de Lisboa a 640 rs. a garrafa e
4(j00 a caada.
500 rs. o frasco e
Queijos Damengos
vapjra 40000.
Queijo prato muito fresco e novo a 640 rs.
a libra.
Castanhas muito novas a 120 rs. a libra e
e 30000 a arroba.
Cha uxin o melhor que ha neste genero,
mandado vir de cenia propria a 20800
rs. a libra.
Cha byson muito superior a 20560 rs. a li-
bra ; cha hyson proprio para negocio a
10500 rs. a libra.
Cha preto muito superior a 20 a libra.
Biscoutos inglezes em latas com differentes
qualidades, como sejam craknel, victoria,
piquelez, soda, captain, seed, bornez e
ouiras muitas marcas a 10350.
Bolachinha de soda em latas grandes a 20.
Figos em caixinhas hermticamente lacra-
das, muito proprias para mimo a 10500.
Caixinhas de 4 e 8 libras de figos de coma-
dre a 10 e 20 cada urna.
Passas muito novas, chegadas neste ultimo
vapor a 50o rs. a libra e 30 um quarto ;
e em caixa se faz abatimento.
Ameixas francezas em latas de meia a 3 li-
bras a 800 re.
Champagne da marca mais superior que
tem vindo ao nosso mercado a 180 o gigo,
garante-se a superior qualidade.
Vinho Bordeaux das melhores qualidades
que se pode tosejar de 70500 a 80000 a
caixa e 720 a 800 rs. a garrafa.
Caixas com vinho do Porto superior de 90
a 10 a duzia, e 900 a 10* garrafa; deste
genero ha grande porc3o e do differentes
marcas acreditadas que j se venderam
por 149 e 150 a caixa. como sejam: Duque
do Porto, Lagrimas do Douro, D. Luiz,
Camoes, Madeira secco, Carcavellos, Nc-
tar de 1833, Duque Genuino.
Vinhn de pipa: Porto, Figueira e Lisboa, a
400,480 e 560 rs. a garrafa, e 30,30200
e 30500 a caada.
Vinho branco de superior qualidade, vindo
j engarrafado a 640 rs. a garrafa e a 500
rs. de barril.
ornadas
com ricas estampas na caixa exterior,
muito proprias para mimo, a 102O<, 10500
e20.
Frasco de vidro com tampa do mesmo, con-
tendo meia libra de ameixas francezas, a
I 10200.
Marmelada imperial, dos melhores conser-
vemos de Lisboa, em latas de 1 e meia a
2 libras a 600 rs. a libra.
I Fructas em calda das melhores qualidades
que ha em Portugal em (atas hermtica-
mente lacradas a 500 rs.
Peras seccas muito novas a 640 rs. a libra.
Nozes muito novas a 160 rs. a libra.
Amendoas de casca molle a 400 rs. a libra.
AvelSas muito novas a 200 rs- a libra.
Amendoas confeiladas de diversas cores a
800 rs. a libra.
Macas e peras chegadas neste ultimo vapor,
muito perfeitas, so vista se faz o preco.
Conservas inglezas em frascos grandes a 750
rs. cada um.
Ervilhas francezas e portuguezas em latas de
1 libra a 640 rs.
Ervilhas seccas muito novas a 160 rs. a
libra.
Chocolate francez, o que ha de melhor neste
genero, a 10200 a libra.
Chocolate hespanhol a 10200 a libra.
Genebra de laranja em frascos grandes a 1*.
Cerveja branca e preta das melhores marcas
que ha no mercado a 500 rs. a garrafa e
59800 a duzia.
Cognac inglez de superior qualidade a 800
e 10200 a garrafa.
Licores francezes das seguintes qualidades:
Sardinbas de Kantesa 340 rs. o quarto e^56(
rs. meia lata. 65rf
Latas com peixe em posta : savel, corvina,
vezugo, cherne, linguado, lagosnba, >
10300rs.
Salmao em latas, preparado pela nova artt
de cozinha, a 800 rs.
Magaa de tomtes em latas de 1 libra a 0(K
ris.
Chourigase paios em latas de 8 e meia libra
por 70.
Toucioho de Lisboa a 320 rs. a libra <
.80600 a arroba.
Bolaxinha ingleza a 320 rs a libra e 40 a
barrica.
Sag muito novo a 240 rs. a libra.
Cevadinha de Franca a 200 rs. a libra.
Farinha do Maranh5o a 120 rs. a libra.
Acanita verdadeira a 320 re. a libra.
Cevada a 120 rs. a libra e 30 a arroba.
Alpistaa 160 re. a libra e 40800 a arroba-
Batatas muito novas em gigos com 40 Irorai
por 10500.
Cebollas a 10 o molho com mais de 100 ca-
da um.
Caf lavado de primeira qualidade a 300 n.
a libra e 90 a arroba.
Caf do Cear muito superior a 280 re. a li-
bra e 80400 a arroba.
Caf do Bio, proprio para negocio, a 80.
Arroz do Maranbaoa lOOrs. a libree 20800
a arroba.
Arroz de Java a 80 rs. a libra e 29400 arroba.
Vellas de spermaceti a 560 rs. a libra e
540 re. se for em caixa.
Vellas de carnauba refinada a 320 rs. o mas-
so e a 90 a arroba.
Doce de goiaba a 640 rs. o caixlo.
Macarrao, talbarim e aletria a 480 rs. a li-
bra ; em caixa se faz abatimento.
Estrellinba,pevide-e arroz demassa pare sopa
a 600 rs. a libra e 30 a caixa com 6 libras.
Palitos de dente lixados com flor a 200 re.
omasso, ditos lixados sem flor a 160 rs
o masso com 20 massinbos.
Anizete de Bordeaux, Plaisir des DamesjGomma de engommar muito fina a 180 re. a
e de outras muitas marcas a 10 a garrafa libra.
e 100 a caixa.
Marrasquino de Zara a 800 rs. a garrafa e
90 a duzia.
Mostarda ingleza em potes j preparada a
400 rs.
Mostarda ingleza em p, em frascos grandes,
a 10 cada um.
Sal refinado a 500 rs. o pote.
Banha de porco refinada a 480 rs. a libra e
400 rs. em barril pequeo.
Charutos dos melhores fabricantes de S. F-
lix, em caixas inteiras ou em meias, de
10600, 20 e 30.
Presuntos do reino, viados de conta propri
de casa particular,a 400 rs. a libra; intet-
rose faz abatimento.
Ossenhore que comprarem de 1000000 para cima, terao o descont de 5 por cento, pelo prompto pagamento.
ME
RA DO QUEIJIADO X. 45*
Passando o becco da Congregado segunda casa.
NOV1DADE.
Pereira Bocha & C. acabam de abrir na ra do Queimado n. 45 um armazem de molhados denominado Clarim Cotmnereial,
onde o respeitavel publico encontrar sempre um completo sortimento dos melhores gneros que vem ao nosso mercado, os quaes
aero vendidos por precos muito resumidos como o respeitavel publico ver pela tabella abaixo mencionada; garante-se o bom peso
e boa qualidade dos gneros comprados neste armazem.
Arroz do Maranho, da India e Java a6p, 80 Cevadinha de Franca muito superior a 220 Peras seccas muito novas a 600 re. a libra
e 100 rs. a libra e 10800 a 20600 e 30 rs. a libra. Paincn a 200 rs. a libra,
a arroba. Cevada a 80 rs. a libra.
Ameixas francezas em latas e em frascos a Ervilhas portuguezas a 640 rs. a lata.
10200 e 10600 emfrascos grandes a! dem seccas muito novas a 200 rs. a libra.
20500.
Figos de comadre e do Douro em caixinhas Queijos Damengos do ultimo vapor a 20800
Polvo secco muito novo a 400 rs. a libra.
Presuntos de Lamego era calda de azeite e
muito novo a 640rs.
dem em caixinhas elegantemente enfeitadas j de oito libras e canastrinhas de 1 arroba a
com ricas estampas no interior das caixas 10800, 50500 e 280 rs. a libra.
a 120000,10400, 10600 e 20. I Fariiaba do Maranho a 160 rs. a libra.
Amendoas com casca muito novas a 280 rs. Farinha de trigo a 120 rs. a libra.
a bra. Genebra de Hollanda verdadeira marca VD
Alpista a 160 rs. a libra e a 40600 a arroba. I a 560 rs. o frasco e 60200 a frasqueira.
Azeite doce francez muito fino em garrafas dem em garrames de 3 e 5 gales a 50500
grandes a 960 rs. a garrafa. | e 70500 cada um com o garrafao.
dem de Lisboa a 640 re. a garrafa. Graixa a 100 rs. a lata e 10100 rs. a duzia.
Aramia verdadeira de mataraua a 320 n.a Licores muito finos a 700 rs. a garrafa.
libra.
Avelas muito grandes e novas a 180 re. a
libra.
Biscoutos inglezes de diversas marcas a
10300 ris.
Bolacbinhas de soda, latas grandes, a 20 rs.
a lata.
Ditas inglezas maito novas a 30000 a barri-
quinha e a 200 re. a libra.
Banha de porcer efinada a 440 rs. a libra e
eembarrila 4C0 rs.
Cha hyason, huebin e parola a 10600, ,
20500, 20800 e 30000 a bra.
dem preto maito superior a 20000 a Hbra.
Cerveja preta e branca, das melbores marcas
e 50800 a duzia.
Cognac inglez fino a 900 re. agarrafa.
Conservas a 720 re. o frasco,
dem, so de pepino, a 720 re.
dem, de azeitonas, a 750 re.
Charutos dos melhores fabricantes da Babia
e especialmente da fabrica imperial de
Candido Ferreira Jorge da Costa, a 10800,
20000, 20200, 20500, 20800. 30000 e
30500 a caixa.
Caf do Bio muito superior a 280 e 320
rs. a bra e 80500 e 80800 rs. a arroba.
Caribes de bolinbos Jraacoza muito novas e
muito bem enfeitadosa 700 e 60rs.
Chouricas e paios muito novos a 800 re. a
libra.
dem, qualidade especial e garrafas muito
grandes, a 10800 rs. a garrafa.
dem garrafas mais pequeas a 800 rs.
dem, garrafa forma de pera e rolha de vi-
dro, a 10000 rs., so a garrafa vale o di-
nheiro.
Manteiga ingleza perfeitamente flor, desem-
barcada de pouco a 900 rs. a libra, e da
de segunda qualidade a 800 re.
dem franceza muito nova a 040 rs. a libra.
dem de tempero a 400 rs.
Massa de tomates em barril a 480 rs. a libra.
dem em lata a 640 re.
Marmelada imperial dos melhores consenti-
ros de Lisboa a 600 re. a Lata.
que vem ao mercado, a 500 rs. a garrafa larrasqnmbo de Zara, fraseos grandes, a
800 rs.
dem regular a 500 re.
Massas finas para sopa : estrellinha, pevide,
rodinlias letrianhas a 600 rs. a bra e a
40 a caixinha com 12 libras.
Nozes muito novas a 160 rs. a libra.
Peixe em lata preparado pela primeira arte
de cozinha a 10 rs. a lata.
Palitos de dentes a 160 rs. o masso.
Palitos de dentes a 120 rs.
Idemdeira200rs.
Amendoas ooneitadae a 900 rs. a libra.
.Doce de goiaba em ralas o melhor posshei a
20 e em caixao a 640 rs.
Palitos do gaz a 20200 rs. a grosa.
[Passas muito novas a 480 re, a Iflwa,
dem prato.
dem londrino chegado no ultimo vapor e
900 rs., a libra.
Sal refinado ejn frascas de vidro a 600 re.
cada um.
SardiDhas de Nantes a 360 rs.
Sag muito alvo e novo a 260 rs. a Libra.
Toucinho de Lisboa a 320 rs. a Libra.
Tijolos de I impar facas a 140 re.
Vellas de carnauba pura a 360 re. a hbra.
dem stearinas muito superiores a 600 rs. a
libra. i
Figos em caixinhas emticamente lacradas
a 10600.
Vinho do Porto engarrafado o melhor que
ha neste genero o de varias marcas, como
sejam: Velho de 1815, Duque do Porto,
Madeira, D. Pedro, D. Luiz I, Mara Pia,
Bocage, Chamisso e outros a 800, 900 e
10000 a garrafa, e em caixa com urna .du-
zia a 90000 e100000.
dem em pipa, PortQ, Lisboa e Figueira a
480,500 e 560 rs. agarrafa e30, 30500
e 40 a caada,
dem branco de Lisboa muito fino a 500 rs.
a garrafa,
dem de Bordeaux, Medoc e S. Julien a 700
e 800 re. a garrafa, e 70000 e 70600 re.
a duzia.
dem Morgaux eCbateaulominide 1854, a 10
a garrafa.
dem moscatel a 800 re. a garrafa.
Vinagro de Lisboa a 200 rs, a garrafa a
10200 rs. a caada.
Kirek garrafas muito grandes a 10800 rs.
Alm dos gneros cima mencionados te-,
moa grande porco de outros que deixamos
de mencionar, e que tudo ser vendido por
pecas e carnadas, tanto em porces como i
retalho.
Quem oomprar de 1000000 para cima ta-
ra o abate de 5 por caita.
Acaba de receber de sua propria encommenda um grande e variado sortimento
de molhados todos primorosamente escomidos, por isso apressa-se o proprietario em
offerecer aos seus freguezes e ao publico em geral a seguinte tabella dos seus gneros e
resumidos precos, a flaneando todo e qualquer genero vendido neste bem conhecido ar-
mazem.
JMJt A A FESTA
S. JOAO
Amendoas confeiladas de 8oo rs. a libra.
Manteiga ingleza perfeitamente fl&r, a 8oo rs,
libra,
dem franceza a 56o rs. a libra, e Tioo rs.
sendo em barril.
Cha uxim a 2,7oo rs. a libra, e de 8 libras j
para cima a 2,6oo.
dem perola a 2,8oo rs. e de 8 libras para
cima a 2,7oo,
dem hysson o mais superior que se pode
desojar a 2,6og e de '8 libras para cima
a2,5oo rs.
dem menos superior a 2,4oo e de 8 libras
para cima a 2,3oore.
dem proprio para negocio.a 2,3oo, de 8 li-
bras para cima a 2,2oo.
dem do Bio em latas de 2, 4,6 e 8 libras
cada urna a 2, 3, 3,5oo e 4,8oo rs. a lata,
dem jireto o melhor que se pode desejar
neste.genero a .800 rs.
dem menos superior a esse que se vende
DE
E S. PEDRO
Licores francezes e portuguezes das seguin-
tes marcas creme de violetas, gerofles, ro-
sa, absinto vespeiro, amor perfeito, amen-
dua amarga, percicot. de Turin, Botefim,
morangos, limo, caf, laranja, cidra, gin-
ja, canella, cravo, ortela" pimenla a 1 ,ooo
rs. a duzia l,ooo rs. a garrafa, garante-se
que $ os melhores que temos tido no mer-
cado.
Passas muito novas-em quartos e inteiros a
2,000 rs o quarto, a (i.aoo a caixa e 4oo
rs. a libra.
dem corinthias proprias para podim a 9oo
rs. a libra.
Marmeladas dos mais afamados fabricantes de
Lisboa a 64o rs. a libra
Ertlrlias secas muito novas a 16o rs. a libra.
Grao de bico muito novo a 16o rs. a libra.
Ervilhas francezas em latas a 600 rs.
Potes com sal refinado a 48o rs.
Fumo de chapa americano a l,4oo rs. a libra
fazenda especial.
800
por, 2 e 2,4oo, 4,800 rs. a libra,
dem mais baixo bom para negocio a l,5oo Presunto para fiambre inglezes a 7oo e
rs. a libra. | re. a libra.
dem miudinho proprio para negocio a l,5oo Chouricas e paios mnito novos a 64o a libra.
rs. a libra. i Caixas de traque n. 1 a 8J500 cada urna. .
Queijos do reino chegados neste ultimo va- Massas para sopa macarrao, talharim aletria
por a 2,6oo. a ion rs. a libra.
Queijos chegados no ultimo vapor a 2,6oo rs Cognac verdadeiro inglez a 8,5oo rs. a caixa
dem londrino o mais fresco que se pode | e 800 rs. a garrafa.
esperar e de exceHente marca a 800 rs. a dem francez a 7,000 rs. a duzia e 7oo rs. a
libra sendo inteiro, c a 9oo rs. a retalho. j garrafa,
dem prato es melhores emais frescos do charutos em grande quantidade e de todos os
mercado a 76o rs. a libra sendo inteiro.
Biscoitos em latas de 2 libras das seguintes
marcas: Osborne, Craknel, Mixed, Victo-
ria, Pec-nic, Fance, Machine e outras mui-
tas a l,3oo e 1.4oo rs.
Polvos chegados ltimamente do Porto a 32o
rs. a libra.
Batatas novas em caixas de 2 arrobas a 50 a
caixa e 60 rs. a libra*
Balachioha de Craknel.em latas de 5 libras
I bruto a 4,ooo rs.
dem inglezas em barricas a mais nova do
mercado a 2,5oo rs. a barrica e 24o rs. a
libra.
Chocolate portuguez o mais especial que se
pode desejar a 800 rs. a libra e 14o rs. o
pao.
Cartees com bolas francezas proprios para
mimos ou para anjos que vio as procis-
ses a 600 rs. cada um.
Papel de botica de excellente qnalidade a
22oo rs. a resma.
Peras seccas as mais novas do mercado a 4oo
rs. a libra.
Figos de comadre em htas de 4 e 8 libras
lacradas hermticamente a l,4oo e 2,2oo
rs. a lata.
Frutas em calda chegadas ltimamente, pera,
pecego, ginja e outros muitos a 64o rs. a
lata.
^em em caixinhas de 8 libras a 1,800, e
24o re. a libra.
Nozes muito novas a 120 rs. a libra, e 4,000
re. a arroba.
Amendoas confeitadas a 800 rs. a libra.
dem de casca mole a 32o rs.
Vinhos engarrafados no Porto e Lisboa das
seguintes marcas: duque, genuino, velho
secco especial, lagrimas doces, vinho es-
pecial D. Pedro V, nctar superior de
1833, duque do Porto de 1834, vinho do
Porto, velho superior, madeira secca. Por-
to superior D. Luiz I, e outras muitas
marcas, em caixa de urna duzia a lo,ooo e
l,ooo rs. agarrafa.
dem branco de uva pura a 64o rs. a garra-
fa e 4,000 a caada.
dem superior a 5oo rs. a garrafa e 3,2oors.
a caada.
dem em pipa Porto, Lisboa e Figueira das
marcas mais acreditadas a 3,8oo a caada
e'5oors, agarrafa.
dem de marcas pouco corthecidas a 4oo re.
a garrafa e 3,000 rs. a caada.
Especial vinho Lavradio sem a mais pequea
composico a 560 a garrafa e 4,000 re. a
caada.
Farinha do Maranho a 240 re. a libra.
Bicas caixas com figos a 1,000 rs. cada urna.
Bicos Iivros com figos 1,000 rs.
Pomada a 200 rs. ajduzia, sevada muito no-
va a 80.re. a libra, e 2,5oo a arroba.
Garrafoes com 4 '/ garrafas de vinho supe-
rior a 2;5oo re. com o garrafao.
dem com 4 ', ditas de venagre a 1,000 re. o
garrafao.
Vinagre PRR em ancorlas de 9 caadas a
15,ooo re. com a ancorla
dem empipa puro sera o batisme a 2oo re.
a garrefe*l,4oore. a caada.
Catxascom Iduziadagarrafes de-Tinto Ber-
deaax fcaenda muito especial a -.ee re.
a caixa escore, a garrafa.
fabricantes mais a creditados a l,5oo,
2,ooo, 2,5oo, 3,ooo e 4,000 rs. a caixa,
os mais baixos so dos que por ahi se ven
dem a 2,000 e 2,5oo rs.
Caf de premeira qualidade a 8.800 e 9,5oo
rs. a.arrob?..
dem de segunda qualidade a 8,5oo rs. a ar-
roba e 26o rs. a bra.
Arroz do Maranho a 12ors.a libra, 3,ooo rs.
a arroba.
dem da India muito superior a 2,9oo rs. a
arroba, e loo rs. a libra.
dem mais baixo redondo a 2,6oo rs. a libra.
dem da India comprido a 2,4oo rs. a arro-
ba, e 80 rs. a libra.
Vellas de carnauba do Aracaty a 9,ooo rs. ar-
roba, e 32o rs. a libra.
dem de sebo muito dura fingindo esparmace-
te36o rs. a libra.''
dem de esparmacete a 54o rs. a libra, e em
caixa a 52e rs.
Papel o melhor que se pode desejar para os
Srs. empregados pblicos a 5,ooo rs. a res-
ma, j se vendeu por 7.ooo rs.
dem almaco pautadoe liso a 3.000 rs. a resma.
dem de peso pautada e liso a 2,5oo rs. a
resma.
dem a zul de botica ou fugueteiro a 2,2oo rs.
a resma,
demembiu'lho de 1,2oo a 1,4oo rs. a resma.
Ameixas francezas em latas de 1 */ ,iDra a
l,2oo e8oors. a libra.
dem em frascos de 3 libras a 2,5oo rs., s o
frasco valle l,ooo rs. tambem temos em
frascos para l,4oo rs.
Conservas inglezas a 800 rs. o frasco.
Molhos inglezes a 800 e l.ooo rs. o frasco.
Mostarda preparada em potes muito nova a
2oo rs.
Latas com 2 a 4 libras de caj secco o mais
bem arranjado possivel a l,8oo e 2,8oo
rs. .a lata.
Cerveja Teneute verdadeira a 6,800 rs. a
duzia.
Mefiftide outras marcas preta e branca a 5,5oo
e 6,ooo rs. a duzia inteiras.
Vassouras de piassava com 2 arcos de ferro
viudas do Porto a 32o rs.
Cabellas muito novas a l,ooo re. o molho e
800 rs. o cento.
Genabra de Hollanda em frasqueiras a 6,000
e 5to rs. o frasco.
dem em botijas a 4oo rs.
dem em garrafoes de i 4 .garrafas a 5,2oo rs.
Palitos do gaz a 2,2oo re. a groza e 2o re. a
.caixa-
dem de dentes lixados em macos grandes
com 2o re. o macinhos a 12o rs. o masso.
Cominhos muito novos a 32o re. a libree
lo.ooo a arroba.
Sag muito novo a 24o re. a fibra.
Cevadinha de Franca a 18o re. a Libra.
Milho alpista a 14o rs. a libra e 4,5oo rs. a
arroba.
Ganma a 280 rs. a libra e 5,4oo a arroba.
PeiWB em latas al ,00o rs. a lata j prompto
Fawlto de Lisboa marca N. Biato saceos
frondes a 4,oeo rs.
Doce da casca da goiaba a 600 e !ooo re.
\ovos enfefics para t.eulura.
A agoia-braoca acaba de rucebi-r um beii.> va
riado sorlimenlode eofeiics dedi";i> tpmtinioe.
c o que de mais moderno posMvH ihooliara
.aqni, fazendo-se nniVeis por sn.is noviil.nl
gancia nos, cuja grade de um fino e delicie 1 le-
cido a que apropiadamente se cnama oviMvel.
Assim, vista desse completo sitiiic:iii, uuaJijucr
cidadao munido de dinheiro est liabililado a com-
pra-Ios : ua ra do Queimado, luja d'aguia-brni. j
Bonitas boneeaa.
Com rosto de cera, massa e porrrilana.
Acna-se na loja d'agoia-hraoca roa do Qow 1
do n. 8 um Brande sortimento de b .ne.-as
versos lmannos com rosto de cera, masra c 11
ce lana ros pretndanles manilo, de dinLuro
acharao boa disposicao para os vender
Botdes de eomalii >
e outras qualidades para rlet* s
A Aguia branca acaba de etata r um n., .5
variado sortimento daquelles apreciado! bol
cornalina orticos o encarnados, elotes e red u-
dos para colotes, cujas abotuadiua> eootuuiaa a
ser vendidas pelo commodo e inalteravel preco id
-D cada urna.
Alm desses receben tambem outros la ntadre-
perola, massa e osso, com diUeren/cs u,Ma w:a
o mesmo im.
J se v. pois, que o pretndeme monido .: .<.
nheiro achara sortimento vonlade oa ra do
Queimado loja d'Aguia brauca n. 8.
l.U'ilMIuS fc CAiXlMUS
com perl'u niii*taa.
Na ra do Queimado n. 8 loja fl'Agun-Uranra, :s
frepuezes munidos de dinheiro ematrarao, boaf-
tos bausinhos cobertos de couro ?com G fiasqui-
Hhos de extractos por IJWOO cada um, e oulr m
cobertos de papelao com 9 fr.squinhos por 2V O
um; caixinhas com 6 frasqtiinhos de Um por
1,5000 urna, oulras com 12 ditos ptr aw:o v.u.j,
outras com 3 ditos, cuja eoberta parece tartar pa,
a l,&."00 cada tima, e outras com pasti!lia.> de .! i-
ro a oOO, 1J000 e 23000.
Envelopcsbordados ecandesctmi i-
ras d u';tdi,
Xa loja da aguia branca, ra do Queimauo a. 8,
achavam-se venda bonitos eownlopes bordadea .;
cartoes com beiras douradas, lendo de mu a do
outros, maiores e menores, proprios para partich-
pacoes de casamenlos, bailes etc.
Completo sortimento finas, lisase lavradns.
A aguia branca rucebeu um grande a completo
sortimento de Otas de diversas larguras e qMlnia-
des, tanto lisas como lavradas, c em tod^ ellas -
nhece-se a superioridade da fazpmto, Dotaado-se
as lavradas o bom gosto dos novos e liadas rese-
ntios, isso tanto as matisadas como as brancas,
e pela commodidade dos precos o prelendente niie
se dirigir munido de dinheiro a ra do Quto.ad>
loja da aguia branca n. 8, ser bem servido.
Capachos inglezes.
Na loja da aguia branca, ra do Queimado r. 3
vendem-se bons capachos inglezes os quaes aY..
de bonitos sao de inmensa durarc, pelo que -e
tornam baratos pelos precos de -3. '-j. 6 o 7-j
cada um.
Cartas francezas.
A aguia branca, na ruado Queimado n. 8, rece-
ben um novo sortimento de linas cartas Irencezas
com beiras douradas e brancas, e as est vendan-
do baralamente a dinheiro vista.
SAPA IOS DEBIRKKUA
a l.MOOO. 1^500 e C|f500 o par
na ra doQueimado lojad'Aguia liranca n. 8.
Latas com banha fina.
J por diversas vezes a aguia branca t.-in reci-
bido dessa banha fina em latas, e tal tem sido a
prompta erpida exlraccao della, que nao vm da-
do lugar a aguia branca avisar sua boa fi -
zia, pelo que talvez a maior parle della s agora
saber da vinda dessa boa banha. Ella ven e:.i
latas de l|2 e 1 libra, e contina a ser vendid -
los baratissimos presos de 2.5 e 33000. Apar da
superioridade da qualidade della esiao os agrada-
veis e finos cheiros de rosa, jasmiin, laranja, l>ou-
quet, e flor de Italia. A boa freguezia assim m i-
te dirigir-se com dinheiro a ra do Qoeinadc,
loja d'aguia branca n. 8.
Banha fina em copos de por-
celana dourada com ius-
cripcoes.
j bem conhecida pela boa hegoezia d'aguia
branca a superioridade da banha que ven nos to-
pos de porcelana dourada com mavweas e jocose-
rias inscripQoes, as quaes agora vienm de novo
gosto, pelo que essa tina banha pode anda ser
mais conhecida por aquelles que qoixerem i iier
um bom presente, com tanto que eomparecam mu-
nidos de dinheiro na ruado Queimado, loja d'aguia
branca n. 8.
Novidades no mercado.'
\,:\-
Queijos flamengos com 10 libras cada um.
dos no vapor francez, do superior qnalidade, -
vendem na ra Direita n. 91, a 73000, e a 70 rs.
a libra.
o | ce g P-P- s P- 13 P Si
tt o - 2 e o P- QO -**
;s tt i p cx 3 P-
w *s
g g a. CD <
P r^ o -i i
p f> P< -i "
o P .i p p p-ce
ce h 1 C/J (V e-t- i p- ^ I
p- e-K
T5 O
Salitre refinado, superior qnalidade, vinho Bor-
deaux, difterentes qualidades, mais barato qne em
qualquer parte : no armazem de E. A. Burle &
C., roa da Cruz n. 48.
' -----------------tt---------------------
Vende-se alpaca preta a 500 a. o eoTado.
Vende-se alpaca preta para vestidos a 500, 600,
700 e 800 rs., fina de cordo a 800 rs para pale-
tot, princeza preta a 800 e 640 o covado. bombazi-
na preta fina a 13400 o covado, lazinhas preta
para senhora que esto de lato a 720 o covado :
na roa da Imperatriz n. 66. A loja est aberta at
as 9 boras da noite.
ESCRAVOS FGIDOS.
Mirto.
j proprietario do grande armazeiB Uoo e Commercio declara os seas fregoe
zes e amigos e ao publico em feral, que para faoiUUr a commodidade de lodos estipulou
os K8mo8 preoos netsefaintee tegares: ^
mo "Conmiercio ra % Queimado a. 7. Jo^ojS5""
0 Veradeiro Priacifal i^ia do Imperador n. 40. ^Z&X**1* "*qTO "" *
ESCRAVO FGIDO
*00 de gratlflcaco.
Contina tugido desde Janeiro o mulato de no-
me Raymundo, natural do Ico, estatura regalar,
idade de 18 amos, cabeca chata, cabellos "rapi-
nhos, testa grande, rosto oval e eom urna fistola
na face esquerda, macaas salientes, dentes limados
pontudos, bocea regular, e principio de buco, pfe
e maos pequeos, costumava andar calcado, e in-
titulava-se hvre com onomeie Manoel Raymnn-
do quem o apprehender, dirija-se roa da Ca-
deia do Recite n. 21, Lniz Antonio Siqueira, que
entregar a referida gratlflcaco.
ATTENCM
Acha-se fgido o escravo de ame Antonio des-
de o dia 8 do corrente anno, com os signaes se-
Suintes : idade 40 annos, crioulo, altara regalar,
esdeniado, barba feita, nariz chalo, pescoco corto,
um tanto inclinado pan a frente, urna marca de
fenda no estomago, fes grossos, e as costas mar-
cas de chicote, tem cicatrizes as canellas, em ama
das maos nao abre bem os dedos, levou vestido cal-
parda, patetot preto j veibo, camisas brancas
as, sendo orna de abrura bordada, i pares e
calcas, i ranea e 1 .pardo, 1 cobertor, sendo me-
tade de estopa e melado de algodt, foi encontrado
na ribelra de Santo Antono e no Peres : por isso
rnga.se as autordaies nnmaes a capitaes de rara-
I

t


-* '4.
ni MII
Diario de Fcrnambneo Qmrh leira le nllio de lltJ.

JURISPRUDENCIA
i i i 1111 I de assk.es do Sena.
PKOCESSO COUTY DE LA POMMEIUIS-AUDIENCIA DE 3
DB MMO. -
. (Continuaco.)
apois de algum intervallo de descanco, prose-,
guo o interrogatorio.
"" 0 pmiden/u de Dotssieu. A senhora de Pauw
rereriu as testemunhas, que o accusado- fui a sua
casanouioz de julho passado; e que lhi propoz
mu'seguro de vida do 530,000 rrancos. Depois do
contrato ella devia fingir ama molestia, para que o
ru fosse ter cun as companhias, allegando, que a
segurada eslava mui enferma; pedrada um com-
promiso, a annlacao do contrato, mediante urna
renda de G,000 francos, diversos, devidido entre
ambos.
ram para ella os mais intensos soffrimentos. Qde
motivo teve para volur no dia seguinte ?
R. Por que a achei doente na vespera.
P. Achou-a s no da seguinte, verificou a situa-
cao dolorosa era que ella eslava. O que fez ? I
R. Como? O que (U ? Ella tinha un medico,
que devia ir ; nada tinba a fazer.
I'. A nioguem deu parte do estado em que a
via.
Ii. Eslava rodeada de pessoas, que a tratavam,
de visinhas.
P. Qual era a soa molestia ?
R. Creio, que tinha lesao no estomago, mas nao
a julgava lao perto do seu fim.
P. Disse, que nao quera comprometter-se com
a companhia de seguros ; e que nada quera re-
ceitar.
R. Nao podia trata-la, por que nao era o seu me-
dico ; e como, em caso de morte era preciso passar
fa-
um attestado as companhias, nao podia eu ser
R. Essa comedia nao poda entrar na cabeca da ajMivo da Sr. de Pauw
Foi ella que tratou com as compa-
Sra. de Pauw.
ninas por intervencao de Desmidt. Ella sabia que
a alicraco dos seguros, s podia ter lugar depois
de tres annos.
P. Nao se trata de saber o que era possivel, sim
de precisar o que fez acreditar Sra. de Pauw.
Ella sabia que haveria difficuldades; e disse-lhe :
os mdicos das companhias hao de ser tao finos co-
rno o senhor.
R. As testemunhas fez declarares contradito-
ras.
P. Estava grvida de dous mezes e attribuia-lhe
essa situado. Accrescentava que se julgava feliz
porque o" faria nteressar por seu filho. Diz-se
que e accusado estava em dissensao com sua mu-
lher.
R. E gracejo. Existe a melhor harmona entre
minha mulher e eu.
P. f. cerlo que renovou as relacoes intimas com
a Sra. de Pauw ?
R. Nao, senhor. Fui a sua casa, por causa dos
(Utos della.
P. O porteiro da casa refere que ia ve-la muito
a miudo; e que suba sempre sem fallar-lhe.
H. S fui a casa della urna vez em dezoito me-
zes.
P. Alm da declarado do porteiro, ha a da viu-
va acerca das suas relacoes.
R. Por que nao indagou quem fez o processo,
qual era o outro homem com quem tinha rela-
ees ?
Tinha interesse em attribuir-me a gravidez.
P. Disse mais, que prometiera manda-la para o
.ampo; convencionou-se que fingira urna queda;
e que tomara alguma cousa para simular agita-
cao. Foi consultar alguns mdicos, um dos quaes
lite perguntou se nao era doente imaginara?
R Quedsse ou nao a queda, ignoro-o. Disse-
m'o. Quanlo a achar-se enferma, cerlo que es-
tava doente, havia bastante tempo. Tinha moles-
fia de coraeo e do estomago. Se nao eslivesse
doente, como que os Srs. Nelaton, Desormeaux
o Gaudinol Ihe dariam receitas ?
P. Ella disse que a instancias suas, consentu
jm ficar no quarto; mas resultando para ella o
prejuiso de 3 francos diarios das hces de pintura,
que dava a urna ingleza, residente no Grand-Ho-
tet, o accusado prometleu iademnisa-la. Efectiva-
mente, poz no seu lvro de despeza : M. Dep. 90
francos.
R. Isso nao diz respeito Sra. de Pauw, signifi"
ca despeza media, seges, ele.
P. nolavel que esses assentos nao figuram,
nem antes do mez de junho, nem depois da morte
da vi uva.
R. porque fui preso alguns dias depois.
P. Explicou que o assento referia-se economa
de metter-se no mnibus era lugar de ir de sege.
Nao entendo.
R. Era a economa que realisava em miabas
despezas.
P. Tambem nao entendo. a nica pessoa que
assim escripture as suas economas. A Sra. de
Pauw resolveu ficar no quario, e o accusado in-
denmisava-a das suas licoes. A 12 de novembro
foi ve-la. No dia seguinte a Sra. de Pauw, cha-
mando a Sra. Riddler para visita-la no sabbado,
diz: elle disse-me hontem...
R. Isso nao prova que seja eu.
P. A carta prova que se tratava da sua pessoa.
< Aitendendo minha molestia, fico senhora de
i rendas. Entretanto, nao me deixam faltar cou-
c sa alguma. Os mdicos acham-me muito doon-
i te. Espero que se o plano vingar tere 3,000
a francos de renda. Explicar-lhe-hei isto ama
< nlia. >
R. Segundo pens a caria que prova mais em
meu favur. Nao possivel que a Sra. de Pauw
fizesse essa confidencia Sra. Riddler. A carta
nao prova que ella estivesse de sade. Diz mais:
nao me deixam faltar cousa alguma. De certo
pois havia dado 13,000 francos. A carta nao se
refere a mim.
P. A aecusagito sustenta que se refere ao estra-
tagema, mui desleal, que o accusado Ihe sugge-
riu.
R. Como 1 pois nao havia de fallar a suas ami-
gas na esperanca dos 3,000 francos ?
P Fallou, sim senhor. Depois, se na carta al-
ludia aos seus 13,000 francos, obvio a quem se
referia A aecusacao accrescenla que Felicit de
Pauw recebeu de sua mae a confidencia de que o
ru viria 12. No sabbado a Sra. de Pauw disse-
o a oulras testemunhas.
R.' Como podia eu ir, se nesse dia enviei Des-
midt para saber se ella estava doente ?
P. Sim, foi l nesse dia. para qne ella escreves-
se as cartas, que destinava a servrem-lhe de defe-
sa. A Sra. de Pauw desavisou a Sra. de Riddler.
Isto prova que devia ir ali no sabbado.
R. Neg.
P. Confessa que foi a casa da Sra. de Pauw
16?
R. Sim senhor.
P. At entao ella cstav de sade. At mandou
comprar a crdito um vidro de oleo de cheiropara
se perfumar, aguardando a sua visita.
R. Recebi urna carta em que ella me dizia que
la para o campo. Fui verificar o fado, e acbei-
a muito doente. Disse-me que esperava o seu me-
dico.
P. Chegou o accusado s 8 horas da noute, e de-
morou-se bastante. O que certo qae essa mu-
lher adoeceu depois de sua visita. Pretende que a
achou muito doente. Todas as testemunhas depe
o contrario. Quanto tempo se demorou ?
R. Um quarto de hora.
P. A aecusacao julga que se demorou mais. Ac-
cresce urna circuautancia, que tem a sua gravi-
dade. Tinha-lhe dado o seu retrato, e apezar dos
seus apuros, mandou-lhe ella fazer urna moldura
de veludo verde, em que gastn 20 ou 30 francos.
Era muito para ella. N'aquella noute, quando a
deixou, sabendo que ella tinha s algumas horas
de vida, tirou-lhe o relralo, e levou comsigo.
R. Quer dizer, pedi-lhe que m'o empreslasse para
fazer moldura egual ao de meu filho. ( Riso. )
P. Seja como for, depois da sua visita coraeca-
P. O Dr. Guadinot acabava de diier, que ella s
vivira poucas horas.
R. Nao sabia.
P. Dissa sua filha, que era vute e quatro ho-
ras o accusado a curara, que ella tinha o cho-
'era.
R. Todos sabem que o cholera nao se cura era
vinte e quatro horas.
P. O senhor, que teve com ella relacues -tao ra-
imas, deixa-a absolutamente s, e sem recursos,
victima das dores mais violentas ; e a sua dsci-
pula, que vem v-la trata de procurar urna irmaa
de caridade.
Nao recommendou, que removessem as dejec-
ges do sobrado ?
R. Nao, por que se tiraram antes de eu chegar.
P. As dores rocrudesceram : e s a horas, como
estava no auge do penar, mandou-se chamar um
medico, que s assistiu aos seus ullimos momen-
tos. A' noute, pelas 8 horas, o accusado volton
placido e iranquillo. Foi ao quarto verificar a
morle, levautando as palpebras da fallecida.
R. Eis como os fados se passaram : dirig va-
rias perguntas s testemunhas sobre a doenca da
Sr.* de Pauw ; nem urna me disse que nao estivera
doente de ha muito lempo ; ninguem disse que ella
nao dera queda.
P. Regressa a casa ; e apressa-se a escrever n'a-
quella mesma noute a Desraidt, afun de previnir
as companhias de seguros, para que Ihe pagassem.
Escreveu ao irmao da Sr.' de Pauw, que estava dis-
posto a fazer alguma cousa a bem dos filhos.
R. Elle tinha em seu poder a minha obrigagao,
em favor dos filhos; nao precisava da minha
carta.
O presidente l a carta em termos os mais affec-
tuosos para com a Sr.* de Pauw, e seus charos fl-
Ihinhos.
P. Que contava fazer era prol dos filhnhos? Dar-
lhes os 530,000 francos?
R. O Sr. Testu tinha a minha declaracao.
P. No mesmo dia 17, duas cartas, escripias pela
Sr." de Pauw, foram lancadas na correio. Nao foi
ella que as metleu na caixa. S pedia ser o accu-
sado, depois da sua visita s 2 horas da tarde. A
Sr." de Pauw tioha-as escripto, seis semanas antes
da sua morte.
R. Mas, ella vu sua irmaa depois, e at almocou
com ella, por que nao a previniu do cometido des-
sas cartas ?
P. Disse a Sr.* de Riddler, que o accusado Ihe
fizera escrever as cartas, o que Ihe causara a maior
afllicgao.
R. Em todo o caso, nao fui eu, que deitei as car-
tas no correio.
U presidente l essas cartas, em que a Sr.* de
Pauw declara, que depois de urna terrivel queda
via a sua sade mui arriscada; que deita multo
sangue pela bocea ; e que s um medico ioglez
cujo nome ignora, a allivia fazendo-lhe tomar quan"
tidade de digitalina era torres de assucar. Ac-
crescenla, que viu os professores Nelaton, Trous-
seau e outros.
O presidente nota, que a Sr.* de Pauw nao podia
fallando dos mdicos, servir-se do termo professo-
res ; ao passo que no accusado deve ser habitual a
de no ni i oar fio. Nao fot o accusado, que Ihe fez es-
crever aquella carta ?
R. Para que ? Que interesse tinha n'isso ?
P. Em fin, ella declarou, diante de testemunhas,
que foi o accusado quem Ihe fez escrever as cartas
na dala indicada. Nega? Julga que ella as escre-
veu ; que podia escreve-Ias no dia da sua morte?
R. Nao o creio; Mas o que prova, que as escre-
veu seis semanas, e nao dous dias antes ? Hel de
demonstrar que isso nada significa, e que a Sr.* de
Pauw nao morreu envenenada.
Levantase a audiencia.
(Continuar-se-ha)
tenciosamenie que era boa inedicina amputar o
membro polre, -antes que o restante do corp so
coniagiasse. Antonio replicn citando as leis divi-
nas e sociaes. Alexandre contraveio allegando
que a lei de Deus era amar o prximo, e nao cons-
pirar contra elle, e que Jehovah ordenara ao lea po-
ro a carniflciaa das nages rebeldes aos seus pre-
los. *
Joao pareca nao ouvir as interrapcSes de Al-
bertina ; e continuou agitado e vibrante de ira:
Foi aquelle homem que ios perdeu... Est
as raaos delle esta esponja de el, que so me nao
despega da bocea E* o maldito sempre a cavar-
me a sepultura, que a soeiedade me ha de cobrir
de lama... E a minha vinganea, Albertina I... a
vinganea do homem que tu ennobreceste cora o leu
amor ?..
miseravel ? Deixa-
lodebaixo da mao da Providencia ? Pois tu pen-
sas era alguma vinganea que nos acabe de perder ?
compaixao de mira, Joao I desiste, desiste
E' um demonio que te allucina,
Por
Joao tornou sobre si com instantneo artificio, e
disse quasi socegado :
Que dizos tu de allucinaco ? Pois eu disse
Neste estylo, pareca umdos frades daquelle tem-
po, que da cathcdraljsanta e do pulpito oregoavam ... ,
o holocausto dos Jacobinos, cujo sangue aprazia ao i^XXL TVJ*
Senhor Deus dos exerciios. Mas Alexandre era me-
lhor que os frades, frades mus, quero dizer. Es-
tas polmicas repelidas dispararam em inimisade d
dos irmos, que tao amigos haviam sido. A mae' n|1|0 ,
dos dous, prxima a fender o espiriio ao Creador,
chamou-os a beira de sua cama, e conciliou-os,
com promessa de se amarem sempre.
- A virtuosa morreu, e elles cumpriram, impondo-
se Antonio da Slvera absoluto silencio em ques- que me ia vingar ?
toes de partidos.
Estallou a revoluco de 820.
A 10 de agosto daquelle anno j Antonio da Sl-
vera eslava na cidade eterna entre os mais modes-
tos da conjuracao, onde grandes o pequeos erara
gigantes, a quera nos, os herdeiros das messes que
elles lavraram, fizeraos a assignalada honra de nao
levantar estatuas. E' que nao cabe era nossas pra-
gas em pedestal condigno. Antonio da Silveira foi
dos mais enrgicos, e dos menos gritadores. Fol-
gou de embalar a lberdade no seu bergo; nada
pediu; nada Ihe offereceram ; e, com esta mxima
condeceraco, voltou para a sua provincia.
Alexandre recebeu-o silencioso e triste. Passadas
horas, disse-lhe com lagrimas:
Semeaste vento; mais tarde colhers tempes-
tades.
Antonio sorriu-se, e replicou:
A humanidade j nao retrocede.
A humanidade estar sempre no mesmo pos-
to, retorquiu Alexandre. O que t chamascivi-
lisacomeu amigo, se nao vier sem baptismo de
sangue, tambem nao vira com elle.
O fidalgo lavrador, at certo ponto, pareca cor-
dato e razoavel.
No anno de 1820 a viuva do doutor Negro, corta-
da de desgostos, e caneada de viver, pediu instan-
temente ao Senhor que a levasse. Esperou seis an-
nos por sua filha, ignorando at ao extremo dia as
desventuras que a perseguiam : Silveira engana-
va-lhe as espera ocas, com a promessa de que Joao
Chrysostomo voltaria para a patria.
Aggravou-se a enferraidade com a morte da se-
nhora da casa, consoladora santa das suas penas.
Em 1821, descangou no Senhor, e foi sepultada na
mesma cova de seu marido.
No fim deste anno recebeu Silveira noticias de
Albertina. Joao Chrysostomo continuava no inva-
riavel mister de ajudante de guarda-livros, e soffria
molestia assustadora de peito, consequeocia do cli-
ma e do trabalho. Mostrava-se conformado com a
vontado de Deus e dosjiomeas. Noticiava a exis-
tencia de Caetano Alves no Maranhao, e, a este
respeito, accrescentava : Vae-se aproximando o
< tempo de fecharmos o saldo aberto das nossas
c contas. Lamento hoje ter urna mulher. A's ve-
c zes, sonho que a vejo ao abrigo da casa miseri-
cordiosa dos Silveiras.
praios, susientaram correspondencia
Julga-se com bom fundamento, que Sffueira, era
1820 ou 1821, arrebatado pelo seu amor liber-
dade, traduzia na lela, um grandioso pensamento,
como memoria perduravel do seu acrisolado ta-
lento e da eraancipacao do paiz.
O qaadro esl em esbaco, mas um esboce, qn.
ptle figurar ao lado dos que possue o Sr. dujue
de.Pa'lmella do mesmo autor.
O quadro lem 1 metro e i cent, de comprido e
j! cent, de alto.
Representa derrota do despotismo e a rtcioria
LITTERTURA.
A FILHA DO DOUTOR NEGRO
Romanee original de Cantillo Caslelio liranco.
XXII ()
Continuacao).
Carecemos de dar algumas paginas a Antonio da
Silveira personagem secundario desta historia; po-
rm, digno de o ser de um livro entretecido das
suas obscuras virtudes.
Em 1817, quando Gomes Freir foi enforcado, e
os revolucionarios seus cumplices espingardeados
uns, e devorados outros pelas fogueiras, estava em
Lisboa Antonio da Silveira, onde seu irmao Alexan-
dre o mandara recolher a pequea horanca de um
to conego da s patrarchal. Apavorou-oo horren-
te espectculo da carnificina, e todas as fibras do
corago Ih'as vibrou o odio a tyrannia sanguinaria.
Fez-se era sua alma sbita mudanca. O amigo da
lberdade da consciencla, sem m vontade aos op-
pressores do espirito, ali naquelles dias nefastos de
Lisboa, desfigurou-se em revolucionario rancoroso.
e jurou de si para Deus sacrificar-se at a morte,
em defeza dos opprimidos. Neste proposito, digno
de um Scvola, e.dos muitos heroicos Romanos, que
elle conhecia, voltou para a provincia, e culdou lo-
go de juramentar-se e iniciar-se nos mysterios re-
volucionarios da maconaria.
O Porto arfa va j coto as ancas de dar luz
eterna da historia o grito de 1820. Silveira ligara-
se de coraeao aos caudilhos conjurados na revolta,
mrmente com Jos da Silva Carvalho, o ardente
liberal que em sua pobreza, se afigurava ao trans-
montano o homem de tempera dos Cincinatos...
desromanisados pelo lempo, que aperfeicoa multa
cousa, mas tambem estraga muita.
Alexandre da Silveira via o herdeiro das tradi-
ges avoeogas, e o sectario desmalicioso da immo-
bilidade do espirito humano. Lia pela cariilna do
A longos
at 1823.
Depois, disse-me Antonio da Silveira, em
1824, indo eu ao Porto, casualmente encontrei o
advogado que defender Joao Chrysostomo. Disse-
me elle :
Devia j saber o que acontecen ao nosso des-
granado homem...
Joao Chrysostomo? Nao sei...
O advogado conlou brevemente um snccesso.que
o romancista nao pode reproduzir com a mesma
concisao. Vamos proeurar a causa da pallidez an-
gustiosa cora que Antonio da Silveira ou viu a pun-
gentissima nova.
Caetano Alves de Carvalho, enriquecido alm das
suas contas, em poneos annos, resolveu retirar-se
para Portugal, onde tambera a esposa, saudosa de
Esponzede, sua trra, desejava regalar os ltimos
annos. Quando eslava em liquidacao, falliu um
commerciante do Rio, em cuja casa Caetano Alves
tinha alguns contos de ris.
A espora da ambic.o, irritada por este revz,
cravou-se-lhe na alma, e alirou-o na direccao do
Rio, a demandar preferencias ao remanescenle da
massa fallida. Azoado por esta imprevista panca-
da, esqueceu Joao Chrysostomo, ou digaou-se per-
doar-lhe.
Chegou ao Rio, e cuidou nos seus negocios. O
Hespanhol, patrio do marido de Albertina, era
tambem credor do negociante fallido. Assim que
viu notribunal commercial o requerimento de pre-
ferencias de Caetano Jos Alves, disse-o aocaixeire,
notando a eslupidez do requerente.
Joao Chrysostomo ouviu a nova com placida na-
turalidade.
No mesmo dia sahiu a indagar a residencia de
Caetano. Disseram-lhe que estava hospedado em
casa de um mercador de pretos, seu consociado na
mercadoria.
Voltou no dia seguinte ; espreilou-o saluda, e
reconheceu-o. Tornou para o escriptorio ; e,
noute, conforme o costume de seis annos, sentou-
se ao lado de Albertina, continuando a copiar para
os livros, com intervallos de conversaco, ou leitu-
ra de alguma obra amena em francez.
A's dez horas desta noute, Joao Chrysostomo de-
poz a penna com desalent.
Estas fatigado ? pergunlou Albertina. Basta
de escrever, filho ; conversemos um pouquinho.
Fallaste de vinganea...
Tantas vozes tenho fallado nisto, Alber-
tina...
Pois sim ; mas nunca te vi esses gestos, esse
incendio nos olhos...
E' febre, aieu querido anjo... Vs que es -
tou tranquillo ?...
Quera sabe ?
Sabes tu, Albertina, que vs o mais recndi-
to da minha alma... Se eu podesse agora dor-
mir... Era-me necessario repouso.
Na madrugada do dia seguinte, Joo Chysostomo
levantou-se mansamente.
Albertina dormia o primeiro somno.
Ajoelhou-se elle ao p do leito, ergueu as mao,
contemplou-a, e muito de leve Ihe beijou a face di -
reita. Fitou-a de espaco outra vez, e absorveu nos
labios trmulos as lagrimas copiosas.
Sahiu abafando o rumor dos passos ; e, de pas-
sagem, lirou urna carteira d'entre os livros da sua
pequea estante, e desceu ra.
Encaminhou-se residencia de Caetano Alves.
Oaegreiro, que hospedava o socio, ia sahindo
quando Joao Chrysostomo enlrava.
Se esta me conhece, disse o caixeiro entre
si, balda-se todo I
Nao o conhecia o negro : a sua vida era mais
de mar que de trra.
Perguntou Joao Chrysostomo se o Sr. Caetano
Alves anda estava era casa.
Fioou a dormir ; mas levanta-se logo, res-
pondeu o outro. Se Ihe qur alguma cousa, este
preto que o leve l cima sala, e que v chamar
o Sr. Caetano.
Joao Chrysostomo seguiu o preto.
Ao primeiro mainel da escada, senta eaimbras
as pernas. Viu a imagem lagrimosa de- Albertina.
Se no bracos desta imagem viss9 urna criancinha,
Joo Chrysostomo retrocedera. Osfilhinhessao an-
jos da guarda.
Entrn na sala.
Sentoo-se a enchugar o suor que Ihe ondeava na
face e seto. O coraeao batia-lhe contra as paredes
do peito.
Azulejava-se-lhe o lurne dos olhos, e cortavam
coriseos a hiz quasi trevas- em que mergalhava o
olhar espavorido.
O escraveventrou a chamar Caetano Alves,evol-
tou a perguutar quera era.
Joo lergiversou a responder, e disse alinal :
Diz-lhe que ura snjeito que vera sWar
contas.
Levou o preto a respostay e Caetano disse era
monologo :
Eu nao devo nada a ninguem x no Rio-..
Ento hornera que rae deve, e eu estou esqueei-
do... Varara l.
E erguea-se pressa; roas, quando estava en-
vergando a jaqueta de fustao branco, sentu as
cavernas do .peito ura estroudo, se nao antes ura
couce do caprichoso diabo que o avisava.
Nao|estou bom c por dentro I disse elle. Ade-
vinho nao sei qu... Estar minha mulher doen-
te t Ou...
Nao sabemos que outras inferencias supersticio-
sas elle lirou do abalo com referencia s cousas
da sua casa. O certo que o bomem a abstrabido,
quando entrou sala.
Joao Chrysostomo estava em p. < Caetano Alves estacou, e poz as costas contra o
alisar da meia porta que abrir.
O senhor -. tarlamudeou Oaetano.
Sou eu, respondeu Joo Chrysostomo.
(Continuar-se-ha.)
rencia, dos terrenos, que, antes da conquista, fa-
ziam parte do dominio publico, ou pertenciam aos
fidalgos venezianos e ao clero latino. Foram dis-
tribuidos por todos os ags e os beys de Anatolia
e de Roumeliaique, tendo tomado parle nos perigos
e tongas fadigas do assedio, qoizeram depois fi-
xar a sua residencia na ilha, cujos recursos e bom
clima tiveram oecasio de apreciar. Urna vez ex-
pulsos os Venezianos, a noticia dessa grande victo-
ria, espalhando-se por todo o imperio, altrahiu,
Creta mais de um aventureiro, mais de ura janisa-
ro ou spahi, arruinado pela guerra do Danubio' dliberdade"da illustraco e do'progresso.
e desejoso de recuperar a sua fortuna, recebendo
da munificencia do sulto, na sua nova conquista,
casas, olvaos e ierras. Quanlo a mulheres para
povoarem seus harens, e bracos para cullivarera
esses dominios, aes novos senhores compela
acha-los.
Os campos mais prximos das cidades e do
mar, as planicies mais feriis, foram as primeiras
oceupadas; embriagada pelo orgulho de um re-
cente triumpho, uraa brutal soldadesca espalhou-
se por toda a ilha, esiendendo como Ihe pareca,
e segundo o seu capricho, os limites dos feudos
concedidos pelo governo imperial, tomando dos
Gregos, forca, as searas e as plantacoes, obrigan-
do-os a toruarem-se renderos com onerosas con-
dicoes, e roubando-lbes finalmente as filhas e as
irinas.
Vendo-se os Gregos tratados dessa raaneira, apo-
derou-se delles o maior desespero. Nao tinliam o
recurso de esperar, da mudanca do rgimen, o
melhoramento da sua triste sorte : esses que elles
mesmos tinham contribuido para que se tornassera
seus senhores, nao deixariam *.ln cedo escapar das
mos urna conquista que Ihes custra tanto ouro e
tanto sangue ; e alm disso, com vizires como Ku-
pruli, a prosperidade do imperio ottomano pareca
augmentar todos os das. Repeliu-se entao ara
curioso phenomeno que j na edade media se viu
na historia de Creta.
Durante o dominio dos sarracenos, no IX e X
secuto, o christianismo desapparecra da ilha quasi
completamente.
Quando Ncephoro Procas a tomou de novo do
poder dos inlieis, foi necessario enviar nssiona-
rios, encarregados d8 chamar ao culto e a f de
seus paes, os cretenses gregos, que tinham cnido
era extravagantes superstigoes e professavan sin-
gulares ritos, onde se confundiam as duas reli-
A ILHA DE CRETA.
Reeordaees de viauem.
II
(Continuagao,)
Os habitantes : Turcos, Gregos e Sfakiotas.A ilha
depois da guerra da independencia.
I
O que tornava mais nsupi>ortaveI essa oppres-
so, era ser ella dirigida cora esse espirito de or-
den), esse methodo, e esse seguimento que exerca
em toda a poltica colonial o genio fri e austero
do governo veneziano; os Turcos seriam pelo
menos senhores mais indolentes, mais distrahidos,
mais facis de adormecer e de Iludir I Nesse es-
tado de cousas, comprehende-se que os Gregos can-
diolas, excepto alguns soldados aventureiros, alis-
tados lia muitos annos sob as bandeiras de Vneta
i e abi retidos pelo interesse de uma-boa paga, te-
Joao Chrysostomo abracou-a com vehemencia, e : m nmn *~ _" v g .
; nham como que dado a mao aos Turcos para aju-
da-lo
deixou-lne o rosto hmido de lagrimas.
Que isto ? clamou ella ; tu choras, meu
amigo T Que nova desgraca me ajuncias ? Con-
ta-rae tudo por compaixao das minnjis dores I
Nada, filha, nada Foi umjrapto de ternu-
ra, de amor... balbuciou elle.
Por Deus I tu enganas-me I...
Pois duvidas que te estremezo, filha ?
Nao ; mas creio que ests afflicto !... O'
meu esposo I... que negra nuvem esta que me
baixou alma I... Que ha na tua vida... Oh 1
diz-m'o, diz-m'o I...
A eterna desgraca que sabes... Mais nada.
E a resignacao, meu querido amor ? a resig.
nacao, que o balsamo das maos de Deus ?...
a desembarcar na ilha, que, sem pezar, e
mesmo com um certo sentimenlo de alegra e de
secreto triumpho vissem elles afastar-se e sumir-se
no horisonte a esquadra, que para sempre leva-
va, longe das plagas cretenses, Morosini e tu-
do quanto restava dos seus heroicos compa-
nheiros.
Trataram os Turcos de organsar a sua conquis-
ta, tanto quanto o sabam fazer Foi dividida a
ilha em quatro pachalcks ou sandjaks, que den-
tro em pouco tempo ficaram reduzidos a tres pela
suppressao do de Sitia ; os tres pachas, quasi in-
dependentes um do outro, residiam, um em Kha-
nia (tal o verdadeiro nome da provincia que os
E a infamia, o ferrete indelevel, o descrdito I Venezianos chamavam a Canea), outro em Retymo,
este viver e morrer coberto de opprobrio !.. E a j e o terceiro em Canda, ou como anda hoje se
pobreza, Albertina !... Nao me vs assim doen-; chama em Creta, Megalo-Kaslro. As vetes, um
te ?.-. Que te deixo eu, que te fica de mim ? Umdesses personagens, de dignidade mais elevada do
nome injurioso I... Quem dar um colmado e um
boceado de pao duro viuva do ladrao ?
O' filho 1... exclamou ella, pondo as mos
supplicantes. Pois lumorres-me? tu queres dei-
xar-me ?
Deisar-te
que os outros, exercia momentneamente sobre os
seus dous collegas urna supremaca e urna autori-
dade muilo mal definida.
Cada um desses sandjaks continha um certo nu-
gioes.
A' frente desses missionarios acha-se um on-
ge armenio chamado Nicon, celebre pela sua xm-
tidade, e que bastante difflcuMade teve em reer-
guer os altares christos, em parificar as egrejas,
e restabelecer a liturgia, reconstruir o clero, e tor-
nar a por era vigor os sagrado caones e a dis-
ciplina ecclessiastica. Depois da segunda conquis-
ta musulmana, passaram-se as cousas quasi como
da priineira vez.: cantoes ioteiree apostataran! ;
o que attestam todos os viajantes que visi-
taran Creta no decurso do secuto ojue se seguiu
tornada de Canda, Chevaler, Tournefort e R. Po-
coeke. (3)
Toornefort, para nao citarmos senao elle, afflr-
ma rjue a maior parle dos Turcos da ilha sao re-
generados ou filho* de renegados.
Era falla desses testemunhos, bastariam os cos-
lumcs, o carcter e a linguagem do* turcos cre-
tenses para denunciar a sua origem a qualquer
observador attento e perspicaz. De Turcos s tm
o nome; as fetenes, hbitos e linguagem, conser-
vam-se Gregos. E' faetl mudar de refigio; para
isso nao ha mais do que tomar o eaminho da
mesquta em vez de tomar o da egreja, mas
nao se muda de idioma assim tao depressa, e nao
se esqneee, em poneos anuos, a lngua da infancia,
para aprender ama oatta que, para os Gregos ao
menos, apresenta grandes difffculdades.
Com efferto, ha certos sons que apparecem cons-
tantemente na pronuncia lurca, como o ch e o/,
que nao exlstem no afphabeto grego. Portanto,
nunca se fallou, nem se falla anda hoje em toda a
ilha de Creta, outra lingua que nao seja a lingna
grega; os filhos dos verdadeiros Turcos, ah esta-
beleeidos posteriormente conquista, tiveram de
aprender depressa o grego vulgar, que era o nico
idioma que Ihes facultava o relacionarem-se com
os novos irmaos, que Ihes dava a apostasia, e com
os raias, seus servos. Os Musulmanos de Creta,
exceptuando alguns que as circurastancias levaram
a residir mais ou menos tempo em Stamboul ou
em Anatolia, sabem apenas urnas vinte palavras
turcas, algumas formulas de saudacao ou de sup-
plica, nao fallam nem escrevem senao em grego.
Nessa lingua que sao escriptos e publicados to-
dos os decretos da Porta, todas as sentencas e avi-
sos dos pachas. (4)
(Continuar-se-ha.)
UM POUCO DE TUDO.
No Jornal do Commercio, de Lisboa, l-se:
Descobriu-se um quadro primoroso do insigne
Domingos Antonio de Siquera, de que que nao
havia noticia alguma.
O quadro estava ltimamente no espolio do fal-
lecido Flix da Costa Pinto.
Ninguem soube que elle o possuia.
Fazendo-se agora leilao do espolio, apparece o
quadro avahado em 10000 rs.
Concorreram diversas pessoas ao leilao, e todos
deram pouco apreco ao quadro, mas o Sr. Joo
Anastacio da Rosa conheceu o precioso pincel de
Siqueira, e foi cobrindo os lanees offerecdos at
quantia de 175000 rs.; ninguem offereceu mais>
e o Sr. Rosa recebeu os parabens do pregoeiro, e
nos tambem Ih'os damos, porque adquiriu, por dez
ris de mel coado, urna obra darte de subido valor,
o que deve ao seu amor pela pintura, e ao estudo
que dessa arte tem feto.
Felizmente para o Sr. Rosa, os outros coneorren
tes nao sao conhecedores do pincel de Siqueira,
porque de outra forma, mal podia o distincto actor,
com os seus imitados recursos, adquirir tao valioso
quadro.
Como dissemos, nnguom tinha conbecimento de
mais este quadro de Siqueira.
E' de crer, quo se achava em poder de Flix da
Costa Pinto, semelhanca de outros, como penhor
de algum eraprestimo, porque notorio que o Sr.
Costa Pinto, fazia esses negocios.
O quadro urna vasta composicao allegorica
queda do despotismo.
E' sabido que Domingos Antonio de Siqueira foi
um enthusiasta liberal, e que em 1823 sahiu do
reino, para nao mais voltar, fallecendo em Roma,
aos 9 de marco de 1837.
No primeiro plano direta, v-se a figura '.
despotismo, qual outra figura, que nao podemos
dizer o que representa, teta arrancado a maaeara
que conserva na mao.
O despotismo esconde a face as mos, na at-
-tlude da maior desesperacao e da maior veri*-
nha.
Sao duas figuras onde est o eunho do autor do
Juizo Final.
No centro est sobre um throno. representando o
fundo como um templo, a figura e Lysia, dando
gracas ao cu, por se ver libertada, ao lado lem
duas figuras ligeiramente esbocadas, e que indicara
nao estar concluidas.
No primeiro degru v-se a figura libertad*,
vestida de alvas roupas, na mais nobre e heroica
attitude, cora a cabeca erguida para o cu, o braro
direito levantado e na mao esquerda sustenta nm
pendo romano.
A' seus ps est um grupo de ligaras, que a-
recera implora-la com o maior arrebattmenlo, no
grupo v-se a figura serena e augusta de nm ve-
nerando velho contrastando com o fervor das au
Iheres, dos horneas e das cranlas, que imploras a
lberdade.
Encostado ao Ihrono, est a abundancia com a
sua cornocopia.
No lado esquerdo v-se a fignra de Minerva, re-
presentando a sabedoria e illustraco de espada
em punho accossando os sateilytes do despotismo,
qae estao envergonltados e raivosos.
Um d'elles esconde no puntal rom ar ameaca-
dor, olhando de rever para a Minerva, ao p, on-
tro, com a expressao do maior terror, filando os
olhos na figura da lberdade.
No segundo plano, por detraz da ligara do des-
potismo, que tem ao p de si os iastrosnenfos da
tortora, esl um carcere, do qoai saben em tropel
as victimas ali encerradas. Urna eTeilas parece,
de joemos, abracar a mae.
O fondo grandioso e imraeneo a rosninata
do tempo terminando n'uma paisagem.
Tudo admiravel.
Ha al aquelle colorido fcil de Siqueiraaquel-
le claro escuro immutavel, que o insigne pintor
consegue sem grandes sombras-, nem conteste*
carregadoo aquella inspirar grandiosa e suMiwe
que caraetersa as suas obras, especialmente o*o
ultimo periodo, anda as do seguodo da sua br>-
lhauissima carreira, como potente no S. Bruno
aquella ordena e boa disposicoda* figuraaquel-
la mudanca de pensamentoea> suinraa, lodos os
dotes relevantsimos, todas as virtudes artiatteas
$ue do ao nosso abalisado pintar nm lugar dtc-
tinctiesiroo entre os grandes mestres.
Domingos Antonio de Siqueira foi ura grad
pintor,
O seu nome, em Roma, e mesmo em Pars-, e>
respeitado eomo o de um mestree as suas otra
admiradas, a par das obras dos mais afamad"*
pintores.
A poesa que segu, foi recitada pelo Sr. Jo**
Maiimiano Alves Cavalcanti era urna reo o 6o de
Rahianos, qqe teve lugar no dia I do correnle as
ta cidade:
Bahiauos, cojos paes da patria gtoria
He niara m no lutar firmes, briosos--,
O civismo o valor, padroes famosos,
Legae- patria no correr da historia.
Na lata ingente para o luso ingtoria
Urnoa se a patria de laureis custesos,
Lobos tugiram prfidos raivosos
No dous de julho de feliz memoria.
Abrurse nova era e nova senda t___
Nora gaohamos, leis, posteridade,
A despeito de Lysia asss cruenta.
(3) A viagem de Luiz Chevaler acha-se entre
os manuscriptos da bibliotheca do arsenal; 6 fon-
dado no testemunho de arcebispo de Canda que
Chevaler nota e garante o fado dessas diversas
mudancas de religio, Pocoeke diz mesmo : Ha
algumas aldeas cujos habitantes, amigos chris-
escarrada do mundo, que eu arrastro ta cinco anl f* na ***** de Canda, havia 8 feudos gran- Jg,^ ""* ^ tottta8,He ^^
des e 1,400 pequeos; contava-se 5 zimets na i (4) E' isso que um grego cretense lembra aos
e 4 na de Retymo, a passo Turcos em nm curioso escripto de quatro paginas
publicado em Creta no anno de 1838, e que M.
desvalida, involta nesta raortalha
mero de grandes e pequeos feudos vitalicios, de-
nominados, uns ziamets e eutros tmars. Dizia-se
nos... E' assim que eu te deixo, esposa da minha
lio general. Queria o throno e o altar, a paz e con- alma... Onde irs tu ?... Se sto, qae temos, bas- Provinc,a de Canea e 4
cordia entre os principes christos e a eatirpacao tar tua passagem para Portugal, vae pedir o ta- 1tte Prime,ra fornecia 800, e a seguala 350 ti-
das heresias.
Antonio balbuciava tmidamente os seus princi-
pios na presenca do irmao. Demasiara-se quando
chegou colrico e aterrado de Lisboa. Alexandre
a proposito da morte de Gomes/reir, disse sen-
(] Por engao sahiu o capitulo XX depois do
XXI.
A Bedaccao.
mars. (2)
A posse desses dominios obrigava sens donos
lher, vago pela morle de tua mae, mesa dos Sil-
veiras. Viveras trabalbando, e morreras resfuar-1. A aesses ra,D,0S 0Dri dada dos insultos do mundo... O leus ossos tero 'ornecrem ao sultao, em caso de guerra, um cer-
lo numero de homens, de antemo determinado,
conforme o temp e as provindas.
Os feudos cretenses foram formados, < le
sepultura honrada, j que tantos abrolhos de igno-
minia te Qz trilhar nesta vida toda uonle, toda in-
ferno para ii... e para rnim, que a nao mereca-
mne I J
mos.
(
-
Cgpfiinca no Altiisimo, filho :...
(i) Finlay, History of Greece under thi
and venilian dominaiieo, p. 5,
prefe-
ottoman
de Saint-Marc Girardin traduziu em parte. (Vide
o Jornal dos Debates de 37 de agosto daquelle
anno): < Entre vos ha bem poueos, diz aos Turcos
o Grego autor dessa obra, qne saibam a lingua dos
Turcos. Pde-se encontrar um on outro ndalgote,-
que tenha chegado a lr o Amen-Tzoutzou, mas o
resto nao conhece nem mesmo o Elif-Tzoultou
(abecedario), e se alguma vez fates a vossa na-
mat (oracao), verdade que dzis Allah-Ekber,
Allah-Ekber, mas diabos me levem se sabis ojque
isso quer djier I *

Seja do um novo heroico em toda a edade, i
Entre os fastos do mundo, esta a legenda
Lberdade, Bahanos___lberdade !___
geralmente sabido, que naAllemaoha se aebao
auiorisados os jogos de atar nos grandes concursos
s aguas raineraes de mais noraeada, impondo-
s casas, em que se dio estes jogos, um tribu.
pesado.
No quadriennio de 1857 1866 produziran os
jogos de Wiesbaden um rendlmento liqmdo de
688:0885, e os de Ems mais de 248:0004.
Nao eremos qae seja tao puramente liquido ee
enorme rendimento, que o no larvem algumas .
tas de lagrimas de sangoe.
Entro nos sao prohibidos os jogos de azar, roas
permitlem-sc as loteras f
____ -
L-se no Temps :
M. Flfjlow, irmao do eminente compositor (Test.-
nome, autor da opera Martha malou-se rom um
tiro de espingarda, na sua propriedade de Frie-
drichswald, perto de Blankenberg.
M. Flotow estava em todo o vigor da edade. a
gosava de urna fortuna consideravel.
A opinio publica perde-se em coajectaras so-
bre as causas d'este suicidio.
L-se as Navidades, de Madrid:
No termo da villa de A ranal, na provincia deSe-
vilha, e a orna legna da dita povoarao, existe nm
poco de agua potavel, na fazenda chamada da
Lapa, que tem a especial virtude de curar radi-
calmente e em pouco lempo o mal de nedra. na
bexga, como acontecen a D. Lourenzo Manan
Galn, que soffrendo ha 11 annos, em poueos dias
se curou completamente.
Esta cura repetiu-se em oulras pessoas.
tendo noticia do caso fizeram uso da dita agn

O padre Voisin, qne oito annos estere na China
como missionario, observou que os cultivadoras de
arroz n'aquelle paiz nao soffrem as doeneas qne na
Europa atacam as pessoas empregadas na ataaaa
cuitara.
Diz que nao sabe a que attribuir posiiivamrm> a
causa d'isto, porm suppoe que em grande parte
devida ao rgimen que seguem.
Durante toda a poca da cultura do arrox awm
grande uso de cha, nao s as comidas, atas ramo
bebida ordinaria.
Antes de comer nao deixam nanea d (arar o
corno com agua quente; e assim se livram, diz
o padre Voisin, os cultivadores dos arrozaes das
enfermidades e morte prematura a que estao su-
geilos na Enrona o* qae no mesmo trabalho as
empregam.
Admittindo mesmo que o cha seja presarra-
tivo, cumpre notar qae na Europa nao ta f-
cil como na China o uso d'esta bebida, que nao
nada barata < >*ffj
O Jornal de Roma aonuncia qne o dinnairo de
S. Pedro prodnziu desde 185* at boje 37,630:000
franco (6,773:400#O0O .)
PERNAMBUCO.-TYP. DE M. F. DE P. FU
.
qn1
Vi




Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ES713RMF6_F6RS9P INGEST_TIME 2013-08-28T03:29:04Z PACKAGE AA00011611_10408
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES