Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10404


This item is only available as the following downloads:


Full Text
*>*
rm

AUNO II. HOMERO 148.
Por tres mtzes adiantados 5$O00
Por tres mezes vencidos 6SOO0
Porte ao correio portres mezes. 0780
.** I 9h Mllttl
4m59*l >* JnM
INCARREGADOS DA SUBSCRD?CA.O NO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima'
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Aracaty,
Sr. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira; Maranhao, o Sr. Joaquim Marques Ro"
drigues; Para, os Srs. Manoel Pinfceiro & C.; A-
eaazonas, o Sr. Jeronym da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPQAO NO SUL-
AUgdas, o Sr. Claadino Falco Das; Bahia, o
rr. Jos Martins Alves; Rio de Janeiro, os Srs. Pe-
riera Martins A Gasparino.
SEXTA FE1RA 1 DE JULHQ DE 1364.
Por asno adantado. 9J00O
Porte ae correio por um asno 3 JOO

ErHKMERIDKS DO MEZ DE JULHO.
PARHDA DO ESTAFETAS. .
Olinda, Cabo e Escada todos os dias.
Iguarassu', Goyanna e Parahyba as segundas e
sextas-feiras. 3 Loa nova as 10 h., 5 m. e 13 s. da m.
Santo Antao, Gravat, Bezerros, Bonito, Camaru*, 12 Quarto cresc. a 1 h., 26 m. e 14 s. da m.
Altinho e Garanhuns as ternas feiras. iq i.n. chai* /ik ii' ln. a..
Pao d'Alho, Nazareth, LimoeiroTBrejo, Pesqneira, Jf h6U 4 hI' l m- e 14 s' m-
lugazeira, Flores, Villa Bella, Tacaratu', Cabrob, 2j -aart0 min- as 6 h., 26 m. e 8 s. da t.
Boa Vista, Ourieury e Exu' as quartas feiras.
Sennhaem, Rio Formoso, Tamandar, Una, Barrei-i
ros, Agua Preta e Pimenteiras as quintas feiras. PREAMAR DE HOJB.
liba de Fernando todas as vezes que para ali sahirl __.
navio. I Primeira as 1 horas e 18 minutos da tarde.
Todos os estafetas partem ao Vi dia. | Segunda as 1 horas e 42 minutos da manha.
PARTIDA DOS VAPORES COS'EIRO.
Faraosul at Alagas a 6 e 25; ps.-* o norte at
a.Granja a 7 e 22 de cada mez; para Fernando nos
dias 14 dos mezes dejan, mar, maio,jul, set enov.
PARTIDA DOS MNIBUS.
Para o Recife : do Apipucos as 6/, 7. 7 Vi, 8 e
8 Vi da m.; de Olinda as 8 da m. e 6 da Urde; de
Jaboatao as 6 V da m.; do Caxang e Varzea as 7
da m.; de Bemfiea as 8 da m.
Do Recife: para o Apipucos s 3 / 4, 4 /,, 4/
' S Vi? e 6 da tarde; para Olinda as 7 da
mannaa e 4/, da tarde; para Jaboatao s 4 da tar-
de ; para Cachang e Varzea s 4 /. da tarde; para
Bemfiea as i da tarde.
AUDIENCiA DOS TBIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commercio: segundas e quintas.
Relacio: tercas e sabbados s 10 horas.
Fazenda: quinta s 10 horas.
Juizo do commercio: segundas s 11 horas.
Dito de orphos: tercas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel: tercas e sextas ao meio
dia.
Segunda vara do civel: quartas e sabbados a 1 hora
da tarde
. DIAS DA SEMANA.
27. Segunda. S. Ladislao re de Hungra.
28. Terca. Ss. Argemiro e Ihneo bb-
29. Quarta. efc S. Pedro e S. Paulo app.
30. Quinta. S. Marcal b.; S. Luciana.
1. Sem. Ss. Casio e Gallo bb.
2. Sabbado. Ss. Processo e Martiniano mm.
3. Domingo. S. Eulogio m.; S. Anaiholio m.
ASSIGNA-SB
no Recife, em a livraria da praca da Independencia
ns. 6 e 8, dos proprietarios Manoel Fieueiroa de
Faria 6t Filho.
PARTE GFF1CIAL
MINISTERIO O IMPERIO.
6. seccao.Rio de Janeiro.Ministerio dos ne-
gocios do imperio, em 7 de junho de 1864. Man-
da S. M. o Imperador, pela secretaria de estado dos
negocios do imperio, declarar ao reverendo cabido
da S de Olinda, que, constando ao governo impe-
rial que o mesroo cabido, exerceodo a jurisdiccao
que llie cabe em s vaga, havia eleito nao so o vi-
gario capitular e os ecnomos, como tambem, con-
tra o que prescreve o direito, o vigario geral, o
provisor e o promotor do bispado, ouvio a tal res-
peito o reverendo me ropolita, que em oflicio de
28 do mez lindo assiin se expressa :
i Satisazondo as ordens de Sua Magestade o
Imperador, que me foram transmettidas -pop V.
Exc. em aviso de 21 do correte, tenho a honra de
declarar V. Exc. que o vigario capitular do bis-
pado de Pernambuco me parlicipou a sua eleicao
por oflicio de 9 deste mez, mas nao me tocou as
nomeacoes de provisor, vigario geral e promotor
do bispado, feitas por elle ou pelo cabido ; vi, pe-
rm, no Diario de Pernambuco, que essas nomea-
coes tinttu.it) sido feitas.
O concilio de Trenlo, revogando o direito an-
tigo, dispoz na stcq. 2i cap. 16 de remformat., que,
vagando qualquer s-cpiscopal, o cabido elegesse
um ou mais ecnomos, que tomassem conta dos
bcns da mitra e arrecadassem os seus proventos, e
dentro de o to dias, contados da morte do bispo,
elegesse tambem um offlcial ou vigario, ou conflr-
masse o existente ; devoivendo-se para o metropo-
lita a eleicao nc caso de obrar o contrario.
Das proprias palvras do concilio v-se que,
para regr a diocese, o cabido nao pode eleger se-
no um vigario, ou confirmar o ja existente no-
meado pelo bispo fallecido, item officialem, seu vi-
carium infra acto dies post tnortem episcopio:
constituere, vel existen!em confirmare, omnino te-
neatur : excedeu-se, portanto.o cabido de Pernam-
buco elegando, alm do seu vigario mais um pro-
visor, que o vigario e, e um vigario geral e estas
nomeacoes esto nullas, ou fossem feitas pelo ca-
bido, ou pelo proprio vigario capitular, porque,
passando para o cabido toda a jurisdiccao ordina-
ria do bispo, se devolve esta toda inteira para o
vigario capitular, o qual por isso mesmo que vi-
gario nao pode ter seus vigarios tambem.
A congregacao dos bisos tem por vezes deci-
dido que o cabido nao pode eleger se nao um viga-
rio capitular, em 6 de agosto de 1569, em 12 de
marco de 1607, e em 30 de agosto de 1641 : e se
eleger mais de um a eleicao se devolve ao metro-
polita. Mas se clege a muitos successivamente, o
primeiro eleito deve continuar, com tanto que te-
lilla os requisitos, como foi decido pela mesma con-
?regacao em de setembro de 1623. Ora, impor-
tando o acto do cabido de Pernambuco a eleicao de
res vigarios, rigorosamente fallando o mais que
se pode conceder que seu valida a eleicao do
primeiro ; e de feito sao nullas as do segundo e
terceiro, embora tenham os nonios de provisor e
vigario geral; e deve o cabido ser advertido para
cassar sem demora estas nomeac5es u elei-
ces, antes que a conscieucia dos fiis seja pre-
j'udicada com a nullidade de seus actos, e pertur-
bada a paz das familias.
Aonde ira o cabido de Pernambuco achar
arestos para este seu procedimento ? Talvez no
<|ue acabou de acontecer na ultima vacancia desta
diocese da Bahia : as circunstancias, porm, sao
mnito diversas ; o vigario capitular, tendo de pre-
sidir a relacao, nao podia julgar na 1' instancia ;
d'aqui a necessidade de ter um offlcial para julgar
no foro contencioso, e outro para julgar no gracioso
ou no voluntario, e neste seu procedimento nao
liouve novidude ; tal lem sido a pralica da metro-
pole brasileira, bem que se llie nao descubra fun-
damento em direito, ou regra escripta ; mas esta
razio nao milita a respeitodas outras dioceses do
imperio, e accresce que os vigarios geraes da Ba-
bia sao obrigados a appellar ex-fficio de seus actos
para a relacao metropolitana.
t Se o cabido, depois da eleicao do vigario, nao
pode mais exercer jurisdicgao alguma, porque de-
pois da eleicao toda a jurisdiccao episcopal passa
para o vigario capitular, como decidi a congrega-
cao dos bisaos em 17 de setembro e em o Io dou-
tubro de 16jd e na ausencia e molestia do vigario
capitular a elle pertence nomear o substituto, e
nao ao cabido, como foi declarado pela comregacao
do concilio, como que o cabido de Pernambuco,
depois de ter eleito o vilano capitular, clegeaimla
dous outros vigarios, inferiores sini mas com ju-
risdiccao propria de vigario capitular, e que s
por elle deve ser exercida ? !
Feita a eleicao do vigario capitular est pe-
rempta a acc.io do cabido, e aquella que perten-
ce a nomeago do promotor, o vigarios forneos e
mais empregados da diocese, durante a vacancia.
Isto corrente.
A' vista do que, cumpre que o reverendo cabido,
para salvaguardar interesses de maior importancia,
declare quanlo antes sem effeilo as nomeacoes (pie
irrcgularmente eiJos Bonifacio de Anirada e
Sitia. .
MINISTERIO DA JUSTINA.
2." seccao.Ministerio dos negocios da justica.
-Rio de Janeiro, 15 de junho de 1861. Illm. e
Etm. Sr S. M o Imperador, a quem foi presente
o oflicio de 19 de abril ultimo, em que V. Exc,
submettendo a coasideracao do governo imperial a
duvida suscitada pelo jui/. de direito da comarca da
capital dessa provincia sobre a intelligencia do
aviso de 15 de marco do corrente anno, diz que a
questo proposta pelo seu antecessor no oflicio de
4 de Janeiro, presuppe que o juiz municipal subs-
tituto eslava em exercicio por occasiao de ser sor-
teado para o jury, ao passo que na hypothese oc-
corrida o primeiro substituto j tinha sido sortea-
do e eslava funccionado como jurado quando so-
breveio o processo de que accidentalmente teve
de tomar conheci ment : houve por bern man-
dar declarar V. Exc. que a differcnca das
duas rTypolheses nao altera a decisao do avi-
so de 15 de marco. Este aviso, declarando que
os supplonies do juiz municipal devem entrar
as listas de jurados, e que o juiz de direito tem
obrigaco de dispensar aquelle que estiver em
exercicio, lirma a intelligencia de que o supplente
do juiz municipal s dispensado de servir no ju-
ry quando exerce a jurisdiccao de juiz ; por quanto
na primeira hypothese dispensado porque dase
o impedimento ao tempo em que sorteado para
o jury, e na segunda porque d-se o impedimento
pelo (acto superveniente que o obriga a tomar con-
ta da vara municipal.
Dos cuarde a V. Exc Zacaras de Ges e Vas-
conceot. -Sr. presidente da provincia do Cear.
GOWRNO DA PROVINCIA.
Eipedieite do dia 27 de junho de 1S64.
Officlo ao Exm. presidente da provincia do
CearTendo sido preso nesia capital e recolhido
casa de detencjio Francisco de Salles Ferreira,
onhecido por Xico Guabiraba, que se diz ser de-
sertor do corno de guarmcao dessa provincia, cri-
minoso de morte em Moxol, e de furto de escra-
vos em Brejo de Areia na'provinefa da Parahyba ;
assta o faco constar V. Exc. para que se digne
de mandar proceder as arerignacSes que entender
convenientes acerca desse indtvda.=-Neste sentido
offlciou-se ao Exm. presidente da provincia da Pa-
rahyba.
Dito ao Exm. presidente da provincia do Para.
Opportunamenle ser trausmitlido legacao brasi-
leira em Paris o officlo que para ter esse destino
V. Exc. me remellen com o 'seu de 7 do cor-
rente.
Dito ao brigadeiro commandante das armas.
Queira V. Exc. mandar assentar praca nos cornos
em guarnico nesta provincia, se forem julgados
aptos para isso em inspeccao de sadde, os recru-
tas Joo Luiz da Cosa Leite, Pedro Bernardo Fer-
reira de Araujo, Francisco Pereira de Barros e Da-
mio Goncalves Pacheco, que se acham delidos no
quarlel do Hospicio. Comraunicou-se ao coronel
recrutador.
Dilo ao mesmo. Remeti por copia V. Exc.
para os devidos effeilos o aviso circular de 23 de
maio ultimo, mandando recolher aos respectivos
corpos osofflciaes arregimentados de primeira clas-
se que estejam em commissio fura dos mesmos
corpos, as quaes devem ser substituidos por offl-
ciaes de primeira e segunda classe e pelos refor-
mados, sendo d'entre estes preferidos para os com-
mandos de fortalezas, os que liverem iertencido a
arma de artilharia.
Dito ao mesmo. Pode V. Exc. mandar abrir
assentamento de praca aos recrutas Luiz Cypriano
da Silva e Luiz da Franca, que (oram julgados ap-
1 los para isso em inspeccao de, sade, como V. Exc.
declaren] em seu oflicio n. 1,135 de 25 do corrente,
que tica assiin respondido.
Dilo ao Dr. vigario capitular desta diocese.Pe-
lo seu oflicio de 26 do corrente. fquei inteirado de
haver V. Exc. ofliciado aos vigarios de Iguarass
e da Varzea, para cornecarem a exercer a juris-
diccao espiritual nos territorios desmembrados da
freguezia de S. Lourenco, e annexados a cada urna
daquellas reguezias, bem como ao de S. Louren-
Co, para flear sciente deslas participacoes.
Dito ao desembargador presidente da relacao.
Queira V. Exc. iuterpor o seu parecer sobre a ma-
teria do incluso offlcio que em 28 do mez Ando.
dirigi me o director geral dos Indios.
Dito ao barao do Livramento. Tomando em i
considerarlo o que expez o director da reparticao
das obras publicas em sua inlormaco de 23 do i
corrente, sob n. 163, recommendo V. Exc. que,!
entendendo-se com elle, mande construir 340 pal-1
mos de cano de primeira classe, partir do caes
do largo do Capim at o principio da ra da Roda,
para esgoto das aguas pluviaes que cam estat-
uadas no mesmo largo.Communicou-se ao direc-
tor das obras publicas.
Dito ao desembargador presidente do tribunal;
do commercio. Informe V. S. sobre o que Inno-
cencio Antonio de Farias Torres pede ao governo
imperial no incluso requerimento.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda. |
Recommendo V. S. que mande pagar ao emprei- j
tetro do caes por traz do theatro de Santa Isabel, >
como pede no incluso requerimento, a quaotia de j
710000, a que tem direito, proveniente da obra de
alvenaria e aterro que executou no mesmo caes,
segundo consta da informadlo do engenheiro en-
CjirregaJo das obras do mborainento do porto,
para conservar a necassaria regulandade com o
terreno da ra do Sol, e de que se deu sciencia
V. S. em offlcio de 19 de dezembro do anno prxi-
mo passado.
Dito ao mesmo. Em vista do sua informacao
de 25 do crreme, sob n. 323, autoriso V. S. a
mandar despender sob minha responsabilidade, nos
termos do decreto n. 2,884 do Io de fevereiro de
1862, at a quantia de 6564721 rs., com o paga-
mento no corrente exercicio, das despezas com as
escolas dos corpos do exercilo em guarnico nes-
ta provincia, visto achar-se esgotado o crdito vo-
tado para esse fim, segundo constou do parecer da
contadoria dessa thesouraria.
Dito ao mesmo.Communico V. S. que no im-
pedimento do 1 supplente. o 2 Sebastiao Antonio
Accioli Lias assumio em 16 do corrente o exercicio
do cargo de juiz municipal e de orphaos do termo
de Serinhem.
Dito ao mesmo. O bacharel Jos Felippe de
Souza Leao, parlicipou que renunciando o resto da
licenca de 15 dias que obleve, reassumio em 21 do
corrente as funecoes do cargo de juiz de direito da
comarca de Santo Antao : assim o communico
V S. para seu conhecirnenlo.
Dito ao mesmo. Communico V. S. que o juiz
municipal e de orphaos do termo do Cabo, bacha-
rel Joo Gonzaga Bacellar, assumio em 20 deste
mez o exeicicio do cargo de juiz de direito interino
da comarca do mesmo nome, por ter o respectivo
proprietario sido removido para a provincia do
Para.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.
Tendo a assembla legislativa provincial enearre-
gado o seu primeiro secretario Dr. Manoel Buar-
que de Macedo, de reeeber dessa thesouraria a
quota marcada para o expediente e asseioda casa
da mesma assembla, e bem assim a quantia vota-
da para a reforma da respectiva mobilia; assim o
communico V. S. para sen conheci ment e direc-
cao. Gommunicou-se ao primeiro secretario da
assembla legislativa provincial.
Dito ao commandante superior da guarda nacio-
nal do Brejo. Devolvo V. S. a inclusa proposta
de ofliciaes para o batalho n. 38 de infantana da
guarda nacional sob seu commando superior, para
ser reformada pelo respectivo chefe, recommendan- i
da-lhe V. S. que a faga de cooformidade com o mo-1
dlo incluso, indicando para os postos vagos cida-
dos que estejam as condicoes da lei e residam
na freguezia de Alagoa de Baixo, districto do ba-
talho.
Dito ao commandante superior da guarda na-
cional de Nazareth. O servico que prestaram as I
6 iracas do batalho o. 18 de infamara daguar-1
da nacional desse municipio, comprehendidas nos i
prels e'relacSes a que alludem os seus offlcios de
2 e 14 de maio ultimo, o de que trata o art. 86
da lei n. 602 de 19 de setembro de 1850, que nao
Ihes d direito a vencimentos : devolvo, portanto,;
V. S. os referidos prels e relaces, para que os
reslilua ao commandante daquell'e batalho.
Dito ao director das obras publicas.Pode Vmc,;
de conformidade com o seu offlcio de 25 do cor-
reate, sob n. 166, contratar com o emprezario do,
thealro de Santa Isobel, a factura por empreitada
dos novos reparos de que precisa o mesmo theatro,,
na importancia de 7513100, inclusive o reboco
guarnecido do sali, devendo essa quantia ser
comtemplada no respectivo termo como addicional
a da primeira empreitada, em vista das razoes ex-
postas em seu citado offlcio, que fica assim res-
pondido. Communicou-se ao inspector da thesou-
raria provincial.
Dilo ao jui/. de direilo Dr. Joo Paulo Monteiro |
de Andrade.Bemette Vmc. as inclusas commu-
nicacoes de sua remoco, que pelo Exm. presiden-
te da provincia da Parahyba, e direcloria-geral da
secretaria de estado dos negocios da jusliga Ihe sao
dirigidas.Communicou-se ao Exm. presidente da
provincia da Parahyba.
I'it" aojuiz municipal de Agua-Prela. Inteira-
do, pelo seu offlcio de 18 de maio ultimo, dos mo-
tivos pelos quaes deixou de funecionar o conselho
municipal de recurso desse termo, tenho a dizer
Vmc. que, guardados os prazos e mais formalida-
des da lei, convoque extraordinariamente o conse-
lho para o dia 24 de julho prximo vindouro que
para isso fica designado, am de tomar conheci-
mente das reclamarles que por ventura tenham si-1
do desattendidas pela junta revisora de qaliflca-
cao desta freguezia.
Dito aojuiz municipal do Bonito. Declarndo-
me a cmara municipal do Bonito, em offlcio de 14
do corrente, que Vmc. nao reftnio no devido tempo
o conselho municipal de recurso desse termo que
devia tomar conhecirnenlo das reclaraacd.es que
por ventara tenham sida desattendidas pelas res
pectivas junus de qualificacao, determino-lhe que,
guardados os prazos e mais formalidades da lei,
convoque extraordinariamente, e rena o referido
conselho no dia 24 de julho prximo vindouro,
| que para isso designo ; e informe quaes os moti-
vos que derara lugar a esse seu procedimento,
Offlclou-se neste sentido cmara municipal.
Portara.O presidente da provincia, attendendo
i a que o Africano livre Jos provou ter prestado
servicos por mais de 14 annos, resolve que, de con-
formidade com o disposto no aviso do ministerio
i da justica, de 4 de fevereiro de 1862, se Ihe pasge
| carta de emancipacao com a clausula de tomar oc-
cupacao e residencia nesta cidade, como determi-
| na o decreto p. 1303 de 28 de dezembro de 1853.
Fzeram-se as necessarias comraunicagoes.
Dita.O presidente da provincia, attendendo ao
que requereu o bacharel Jos Joaquim de Souto
Lima, promotor publico nomeado para a comarca
do Limoeiro, resolve conceder-lhe um mez de li-
cenca com ordenado, na forma da lei, para della
gozar, depois que entrar no exercicio do seu cargo.
Expedienta do secretaria do goverio do dia 27 de jo-
ne* de 1861.
Offlcio ao brigadeiro commandante das armas.
Communico a V. Etc., de ordem de S. Exc. o Sr.
presidente da provincia, que por despacho desta
i dala autorisou-se o director do arsenal de guerra
. a mandar satisfazer o pedido do commandante do
4e hatalhao de artilharia p que allude o seu
oflicio n. 1137 de 2o do corrente.
I Dito ao baro de Vera-Crnz, secretario do Impe-
rial Insliiuto Agrcola. S.. Exc. o Sr. presidente
da provincia manda transmiltir V. Exc, para
terem o conveniente deslino, os inclusos exempla-
res de ns. 1 17 do peridicoBrasil publicado
nesta provincia por Francisco Mara Duprat.
Despachos do dia 27 de junho de 1801.
Requerimentos.
Antonio de Farias Brando Ccrdeiro.Informe o
Sr. inspector da thesouraria provincial.
Antonio Moreira Beis. Informe o Sr. inspector
da htesooraria de fazenda.
Barao de Guararapes e outros. Informe o Sr.
engenheiro fiscal da estrada de ferro.
Emilio Carlos Jordo.Tendo de mandar-se op-
portunamenle examinar pela repartirlo das obras
pob'icas se etTectivamente foram cumpridas as
condiedes do contrato, s depois do dito exarae te-
r lugar o que requer o supplicante.
irmandade de Nossa Senhora do Rosario da fre-
guezia de Santo Antonio.Informe o Sr. thesourei-
ro das loteras.
Bacharel Jos Joaquim de Souto Lima.Passe
portara concedendo a licenca requerida, da qual
s poder gosar depois de ter entrado no exercieio
do lugar.
Joanna Clara de Souza. Era 25 do corrente se
mandou por em liberdade o filho da supplicante.
Theodoro Rampk. Informe o Sr. director das
obras publicas.
INTERIOR.
rio de ja tramo.
12 de junho de 1861.
O senado approvou hontem, em 2* discussao, o
parecer da mesa concedendo ao correio Jos Fran-
cisco Barbosa dispensa do servico, com o ordena-
do que percebe.
Proseguindo a 2" discussao do voto de gragas,
orou o Sr. visconde de Jequilinhonha, e tornou a
ficar adiada pela hora.
A cmara dos deputados continuou a 3" discus-
sao do projecto que manda abrir a navegaco do
Amazonas s naces amigas. Orou o Sr.Moreira,
Meando a discussao adiada pela hora.
Foi offerecida a segunte emenda :
An. 2o O governo s conceder a navegafiio
do Amazonas s naces com as quaes houver de
celebrar novos ou rever amigos tratados e eonven-
Ces de modo a lorna-los mais vantajosos ao paiz.
Io Para isso dar, antes da celebraco dos
novos tratados e convences, os regulamentos pre-
cisos para a polica, fiscalisacao e direilos senho-
raes.
t 2o Nesses regulamentos o governo indicar
quaes os ponos intermedios qae ficaro privativos
da cabotagem dos Brasileiros.S. Souto.
Occupou se depois com a discussao do orcamen-
to na parte relativa despeza do minislerio'da fa-
zenda. Oraram os Srs. Franco de Almeida, Nebias,
Marlim Francisco e Cosa, cando a discussao
igualmente adiada pela hora.
Foram offerecidas as seguintes emendae e arti-
gos additivns:
Ao 27.Elimine-se esta verba, ficando sus-
penso o resgate do papel-moeda.Junqueira.
< Passe para o ministerio das obras publicas as
que eslo a cargo da fazenda. C. Madureira.
O goveroo tica aulorisado a mandar fazer os
estudos necessaros e a despender a quantia indis-
pensavel para a reparaco dos estragos feitos pelo
mar no isthmo que liga a cidade de Olinda ao bair-
ro do Recife, em Pernambuco. Silvno Cavaleanti.
S e Albuquerque.Souza Bandeira.Seraphl-
co.Pereira de Briio. -Souza Carvalho.Epami-
nondas.Luiz Felippe.-Pesseade Mello.Francis-1
co ;. Brando.Godoy Vasconcellos.Figueiredo. '
Lopes Netto.Silveira de Souza.Saldanha Ma-
rinho.
t Ficam isentos de direilo de importaco e ex-
pediente as machinas e materias primas que im-
portar a companhia de navegaco para consirueco
e concert de suas barcas e melhoramento de suas
oflicinas. !
t Igual concessao fica extensiva -companhia de
illuminacao agaz da provincia do Maranhao.Fa-
bio A. de Carvalho Res.Carlos Ribeiro.
O governo fica autorisado a rever ns regula-
mentos n. 465 de 17 de agosto de 1864 e n. 1081 de
11 de dezembro de 185, relativos a terreos da-,
mantinos, e a fazer as alteraces que o tempo e a!
experiencia houverera aconselhado, guardadas lo-
rias as disposicoes das leis vigentes.J. Felicio dos
Santos.F. de Paula Santos. >
< Iguale se, em categora e vencimentos de seus
empregados, a thesouraria do Amazonas a de Ma-
to-Grosso, ambas da segunda ordem.Moreira.
OfTerecemos comoadditivo o projecto n. 148
des anno, concedendo ao governo autorisaco a dis-
pensar os direilos de importaco para os* objectos
necessaros a consirueco do mercado e matadou-
ro publico da capital do Cear, e que forem remel-
tidos ou importados do exterior pelos negociantes
Singlehnrsl Abreu & C- e Jos Joaquim Carneiro,
ou quaesquer outros negociantes.Pamplona. I
Liberato.Rodrigues Jnior. Ribeiro. Figuei-
redo.
Fica o governo autorisado. a conceder isenco'
de direilos de mporlacao e mia siza para as em-i
barcacoes e mais objectos destinados empreza do
pesca contratada pelo presdanle da provincia do
Para com os cidadaos Joo Augusto Correa e Ma-,
noel Roque Jorge Ribeirp.Leilo da Cunua.
Raiol.Franco de Almeida. J
f As notas das canas flliaes do banco do Brasil
deverao ser recebidas as estacoes publicas das [
provincias vizinbas da sede daquellas -caicas, tor-
mando-se desta sorle diverso, distnctos para a.cir-
culacSo dessas notas, e declarando-so quaes as pro-
vincias que compOem cada um desses districtos.-^
Junqneira.
. Fie o governo autorisado a satisfazer qoan-
lia devida pela fazenda publica ao representante
! competentemente habilitado do espolio do finado
(conde da Barca, em conformidade com a dciso
| do poder judicial.J. J. O. Junqneira Jnior.T.
Franco de Almeida.Domingos Antonio Raiol.
i A. V. do Nascimenlo Feilosa.A. A. de Souza Car-
valho.J. Liberato.Pedro Luiz Pereira de Souza.
Paula Souza.-J. Madureira.Polydord Cesar
Burlamaque.J. OC Nebias.--Baro de Porto Ale-
gre.Chagas Lobato. AtTonso Celso.
t Ficam equiparados em categora e vencimentos
o procurador dos feitos da fazenda nacional e o
' seu ajuanie.-Franco de Almeida.Pedro Luiz.
i Luiz Felippe.Seraphico.Pinto Lima.jfs An-
gelo.Saldanha Marinho.
Fica em vigor o S 2- do art. 27 da lei ni. 1,777
de 9 de setembro de 1862.
O goveroo autorisado a despender a soturna
de 20:000 com as gratificacoes aos membros da
commisso encarregada de rever o cdigo civil.
Martnho Campos.Raiol. a
As dividas de exercicios lindos serao i pagas
; pelo crdito consignado no ministerio da fazenda,
continuando a sua liquidaco a ser feita na forma
i das disposicoes em vigor. (Substitutiva do; que a
commisso offereceu.)
t Supprima-se nos differentes ministerios a ver-
ba de exercicios (indos com a respectiva cifra.
i Ficam pertencendo s cmaras municipaes das
capitaes das provincias os foros e laudemips das
marinbas comprehendidas nos respectivos muni-
cipios.
t No artigo que autorisa a emsso de 50 apoli-
ces para compra do dominio, directo dos terrenos
do Jardim accrescente-sedo dominio directo dos
terrenos e foros vencidos dos mesmos terrenos.
A fazenda publica ficar exonerada, pelo ac-
to da venda dos terrenos que nao forem annexados
ao Jardim Botnico, de toda c qualquer responsa-
bilidade para com os particulares, pertencendo
ao foro commum os pleitos que nascerem da refe-
rida venda.
c Os empregos de praticantes e amanuenses que
forem vagando durante o exercicio nao serlo pr-
vidos. O governo dar conta ao corpo legislativo
na prxima sessodas vagas que existirem, e pro-
por o numero dos que deverem ser supprimidos
neslas classes. Esta disposico abrange todas as
repartieres de fazenda. Martnho Campos.
Raiol. >
t As thesourarias de fazenda do Para e Mara-
nhao ficam elevadas mesma ordem e classe da do
Rio-Grande do Sul, conforme a tabella annexa ao
decreto n. 2,343 de 29 de Janeiro de 1859.Carlos
Ribeiro.Fabio A. de Carvalho Res.Leitao da
Cunha.Franco de Almeida.Raiol. >
t Fica o governo autorisado a elevar a 2a Ciarse
a thesouraria da provincia de S. Paulo.J. S. Car-
rao.Paula Souza.Cosa Guimares.Nebias. -
Cosa Pinto.Marlim Francisco.
Foi apresentado o seguinie parecer:
i Al' commisso de orcamento, examinando a
proposta do ministre da fazenda relativa receila
; geral do imperio no exercicio de 1864 a 1865, e re-
ervaodo-se para na discussao dar as necessarias
; explicar-Oes, de parecer que converla-se em pro-
jecto de lei a seguinie proposta :
CCAPIPUI.0 II
Receita geral. Renda ordinaria.
t Art. 9. A receila geral do imperio oreada
na quantia de...
< Art. 10. Esla receita ser effectuada com o
producto da renda geral arrecadada dentro do
exercicio da presente lei, sob os ttulos abaixo de-
signados :
1. Direilos de consummo, Pican-
do i.-i'iito delles o sal es-
trangeiro.............. 29,650:000000
2. Ditos de baldeaco e expor-
tacao.................. 17:0055000
3. Ditos dem para a Costa da
frica............o... 2i000
4. Expediente dos gneros es-
trangeros navegados por
cabotagem, livres dos di-
reilos de consumo......
5. Dilo dos ditos do paiz......
6. Dito dos ditos livres.......
7. Armazenagem............
8. Premios de assignados......
9. Ancoragem..............
10. Direilos de 15 %dasembar-
caces estraugeiras que
passam a nacionaes......
11. Ditos de 5 u/ na compra e
venda de embarcacoes..
12. Ditos de 5 % do pao-brasil.
13. Ditos de 5 % elevados a 7..
14. Ditos de 2"/.............
15. Ditos de 1 -/ do ouro em
barra .................
16. Ditos de } % dos diaman-
tes....................
17. Expediente das capatazias..
18. Juros das aeces da estrada
de ferro...............
19. Renda do correio geral------
20. Dita da casa da moeda.....
21. Dita da senhorinbagem da
prata.................
22. Dita d lithographia militar.
23. Dila da typographia nacional
21. Dita do Diario Oficial.....
25. Dila da casa de correccao..
26. Dita do Instituto dos meni-
nos cegos.............
27. Dita da fabrica da plvora.
28. Dila da de ferro de Ypa-
nema.................
29. Dita dos arsenaes.........
30. Dita de proprios nacionaes.
31. Dita de terrenos diamanti-
nos...................
32. Foros de terrenos e de ma-
rinhas, excepto os do mu-
nicipio da corle, e pro-
ducto da venda das pos-
ses ou dominios uteis da-
quelles terrenos de mari-
nbas cujo aforamento fr
pretendido por mais de
um individuo a quem a
lei nao mande dar prefe-
rencia, ou nao sendo esta
requerida em tempo, os
quaes sero postos em
hasta publica para serem
cedidos a quem maisder.
33. Laudemios, nao comprehen-
didos os provenientes das
vendas de terrenos de
marinbas da Corle......
34. Siza dos bens de raiz......
35. Decima urbana de urna le-
gua alm da demarcaran.
36. Difa addicional das corpora- J .-..
c5es de mo morta..... 107:0105000
37. Direilos novos e velhos e de
chancellara........
38. Ditos das patentes dos ofli-
ciaes da guarda nacional.
39. Dizimo de chancellara------
40. Joias de ordens honorficas.
41. Matriculas das 'acuidades de
direilo e de medicina...
42. Mullas por infraccao de re-
galamentos............
43. So'.io do papel fixo e propor-
cional................
iV Premios de depsitos pbli-
cos............<.,
55.
145. Emolumentos.............
46. Imposto dos despachantes,
correctores e agentes de
leiles................
47. Dito sobre tojas, casas de
descontos, etc..........
48. Dito sobre casas de movis,
roupa, etc., fabricados em
paiz estrangeiro........
! 49. Dito de 12 por cento das lo-
teras.................
50. Dito de 12 por cento dos
premios das mesmas____
51. Dito sobre dalas mineraes..
52. Taxa dos escravos........
53. Venda das trras publicas..
54. Cu branca da divida activa,
t Peculiares e municipios.
Renda do imperial collegio
de Pedro II...........
56. Concessao de pennas d'agua
57. Dizimos.................
58. Decima urbana...........
;59. Emolumentos de polica...
60. Imposto sobre as casas de
moda.................
61. Dtono consumo de agur-
dente .................
62. Dito do gado de consumo..
63. Meia siza dos escravos____
64. Sello de herancas e legados
65. Armazenagem de agur-
dente .................
t Extraordinaria.
66. Conlribucao para o monte-
po ...................
67. Indemoisacoes, incluindo o
producto das loteras que
o governo deve mandar
extrahir nos termos do
art. Io da lei n. 6% de 20
de agesto de 1853 e do 2a
da de n. 979 de 15 de se-
tembro de 1858........
68. Juros de capitaes nacionaes.
69. Producto de loteras para
fazer face as despezas da
casa de correccao e do
melhoramento sanitario
do imperio............
Dito de 1 por cento das lo-
teras na forma do decre-
to n. 2,936 de 16 de Ja-
neiro de 1862..........
71. Veuda de gneros e proprios
nacionaes.............
72. Receita eventual..........
192:0815000
59:8185000
953:9185000
28:4045000
723:6005000
367:0805000
423000
276:2515000
H8:67l>5000
277:1355000,
Freitas Albuquerque, 1
13 de Janeiro de
margo de
mareo de
70:8713000
32:5103000
3,9073000
1,114:4075000
36:4075000
4:3665000
170:0215000
145:0713000
209:0135000
242:4695000
33:687500
8633000
70.
251:0005000
40:0005000
55:5005000
60:0005000
38.0155000
129:1965000
Depsitos
i. Emprestimo do cofre dos or
Phaos................. !'2S'S2'KS2 Je agesto de 1858.
2." Antonio Rodrigues Fernandes Braga, 4 de
marco de 1843.
3." D. Jos de Assis Mascarenhas, 12 de setem-
bro de 1846.
4. Manoel de Jess Valdetaro, 6 de fevereiro de
5. Francisco Mara de
de junho de 1847.
o> Firmino Antonio de Souza, 25 de Janeiro de
1848.
7.a Jos Ignacio Vaz Vieira,
1849.
8. Antonio da Costa Pinto, 10 de
1849.
9.- Lourenco Jos Ribeiro, 20 de
1849.
10. Joo Lopes da Silva Coulo, 18 de fevereiro de
11851.
11. Firmino Pereira Monteiro, 18 de fevereiro de
' 1851.
12. Caetano Jos da Silva Santiago, 1 de julbo
de 1851.
13. Francisco Joaquim Gomes Ribeiro, 6 de de-
zembro de 1851.
14. Manoel Jeronymo Guedes Alcanforado, 25
de maio de 1852.
15. Joo Antonio de Vasconcellos, 6 de novein-
bro de 1852.
16. D. Frandisco Baltasar da Silveira, 11 de
outubro de 1851.
17. Joo Paulo de Miranda, 7 de Janeiro de
lOvWi
18. Francisco de Queiroz C'oulinho Matoso C-
mara, 21 de outubro de 1854.
19. Manoel Jos Espinla, 12 de dezembro de
1854.
20. Antonio Baptista Gtrana, 3 de fevereiro de
1855.
21. Antonio Manoel Fernandes, 10 de marco de
1855. w
22. D. Manoel de Assis Mascarenhas, 16 de ou-
tubro de 1855.
23. Basilio Quaresma Torreo, 27 de novembro
de 1855.
24. Jos Florencio de Araujo Soares, 4 de dezem-
bro de 1855.
25. Manoel de Cerqueira Pinto, 16 de fevereiro
de 1856.
26. Jos Matoso de Andrade Cmara, 16 de a-
gosto de 1856. .
27. Manoel Joaquim Baha, 9 de junho de 1857.
28. Caetano Vicente de Almeida, 30 de junho de
1857.
29. Francisco Xavier de Cerqueira, 1 de agosto
de 1857.
30. Lourenco Jos da Silva Santiago, 21 de no-
vembro de 18o7.
31. Jos Candido de Pontos Visguero,6 de mar-
co de 1858.
32. Alexandre Bernardino dos Res e Silva, 28
2. Bens de defuntos e ausentes.
3. Ditos do evento............
4. Premios de loteras........
5. Salario de Africanos livres..
6. Deposito de diversas orgens.
237:7725000
2:9613000
68:7353000
1.6083000 t0 ,] 1859_
33. Antonio Joaquim da Silva Gomes, 16 de ou-
tubro de 1858. (1).
34. Manoel Jos de Freitas Travasso, 9 de agos-
1,706:3713000
336:7433000
91:6373000
71:9475000
209:3565000
40:2503000
190:9705000
38:7525000
49:5455000
9:7215000
7,500:0005000
227:9025000
7785000
21:1755000
124:4333000
504:1985000
351:8175000
10:2565000
38:1165000
5:0003000
107:0855000
7:0005000
177:9515000
3,340:85450 0
c Art. 11. O governo fica aulorisado para emit-
tir bilhetes do thesouro at somma de.........
8,000:0005000 como aniicipaco de receita no
exercicio desta le.
CAPITULO III.
i Disposicoes geraes.
c Arl. 12. Ficam em vigor lodas as_ disposicoes
da lei do orcamento antecedente que nao versarem
particularmente sobre a fixaco da receila e des-
peza, e nao liverem sido expressamente revo-
gaJas.
* Art. 13. Ficam revogadas as leis e disposicoes
em contrarioMartnho Campos. D. A. Raiol
Por decreto de 6 do corrente foi concedido a Jo-
s Antonio Gomes, privilegio por dez annos para
preparar c vender no imperio vinho de cevada.de
sua invencao.
I
1:2005000
i:8325000
5795000
73J1023000
5166I5OO0
42:5175000
10:6455000
7:9855000
2,226:5875000
17:2965000
222:2095000
45:3095000
120:7125000
6:5005000
105:9465000
118:4975000
2,308:3315000
80:3635000
L-se no Correio Paulistano de 5 do corrente :
t Escrevem-nos de Casa Branca : Deu-se aqu
urna comedia de i nteresse pela face essencialmen-
te ridicula que ostenta : um individuo de cor pre-
ta, oriundo de Mogymirim, concitando as crencas
ingenuas de alguns parceiros, arvorou-se em mis-
sionario da Diviodade, com o que grangeou in-
mensa veneraco e bom numero de dadivas.
Viva elle no mais doce de suas acariciadas
illusoes, quando o subdelegado do lugar, informa-
do dofacto, o mandou prender ; a escolla destina-
da a esse fim, ou porque tivesse o preto na conta
de Iluminado, ou porque quizesse colorir com as
tintas do maravilhoso a sua diligencia, trouxe-o
revestido dos trajos originaes do seu uso e acompa-
nhado de urna mnltido immensa, ao som de mil
vivas que estrondavam os ares, saudando o Mes-
sias deslas bem ditas paragens.
t Nao est dilo o que mais vai pasmar e o se-
gunte : chegando o preto presenca da autor-
dade, e interrogado por ella, conessou-se escravo
deum fazendeiro em Mogy, donde havia fgido
para furtar-se ao trabalho. Depois de manifestar
de mil modos o medo de que se achava possuido,
foi transportado priso, onde enlregou-se ao som-
bro meditar das suas gentilezas religiosas, e isto
sem que desabasse pedaro do ci, com grave prejui-
zo das prophecias de mita beata, que Iremeu as-
sustada com a sorte aguardada s almas deshuma-
nas que perseguiam o inspirado pela pomba ce-
leste.
t O nosso correspondente de S. Joo da Boa-
Vista, confirma o faci que lea exposto.
Na mesma folha de 9 do corrente le-se o se-
gunte :
c Lembrar-se-ho os nossos leitores de urna no-
ticia impressa ha lempos nesta folha relativa a
dous assassinatos de urna mulher casada e urna
enanca, sendo ento omiltidas as particularidades
desse alternado, por nao nos terem sido ministra-
das as precisas inforraaces.
E' esta lacuna a que vamos preencher.
f Um soldado desertor de nome Cabral, celebre
por crimes coromettidos na provincia de Minas,
retirara-se para Franca, onde dispunha-se a conti-
nuar a serie de suas tropelas ignobeis, quando
um habitante daquella loralidade o denunciou
justica do logar. Cabral exasperado com esse ac-
to, aproveita-se da ausoncia de sen denunciante e
apressa-se nos projeclos de vinganca que ha mui-
to nutria. ,
t Penetra em casa do outro, e ah lenta deliclos
contra o pudor na pessoa da mulher do ausente ;
esta resiste heroicamente e feita em pedacos de
vagar e com crueldade, proporjao que articula-
va as suas formaes recusas I
t Urna chanca de tres annos tambem esta-
queada pelo delnqueme, com um cynismo revol-
tante e brutal, afim de nao cootar o facto. que pre-
senciara.
c Felizmente esse malvado foi aprisionado e a
localidade acha-se a salvo de to prodigioso e per-
verso individuo I
13
As antiguidades dos desemb*r*adoros das rea-
cos do imperio foram este anno revistas pela res-
pectiva commisso do supremo tribunal de justica;
ficando a lista geral desses magistrados organisada
da maneira seguinie :
Relacao dos desembargadorns, por suas antigui-
dades, at 4 de junho de 1861.
Prim$iro exercicio. j >
1* Albino Jos Barbota de Oliveira, 25 de feve-
reiro de 1843,
35. Joaquim Rodrigues de Souza, 23 de agosto
de 1859.
36. Alfonso Arthur de Almeida Albuquerque, 16
de outubro de 1860.
37. Venancio Jos Lisboa, 9 de agosto de 1861.
38. Francisco de Assis Pereira Rocha, 17 de
agosto de 1861.
39. Firmino Rodrigues Silva, 20 de setembro de
1861.
40. Jos Baplista Lisboa, 20 de setembro de
1861.
41. Innocencio Marques de Araujo Ges, 5 de
oulubro de 1861.
42. Joaquim Firmino Pereira Jorge, 19 de julho
de 1861.
43. Custodio Manoel da Silva Guimares, 3 de
fevereiro de 1857 (2.)
44. Manoel Elisiario de Castro Menezes, 27 de
agosto de 1861. (3.)
45. Jos Ignacio Accioli de Vasconcellos, 15 de
junho de 1861. (4.)
46. Bernardo Machado da Costa Doria, 14 de fe-
vereiro de 1863.
47. Francisco Jorge Monteiro, 31 de setembro
de 1863
48. Jeronymo Martiniano Figueira de Mello, 18
de fevereiro de 1851. (5.)
49. Manoel Libanio Pereira de Castro, 23 de maio
de 1857. (6.)
50. Jos Pereira da Costa Molla, 15 de dezem-
bro de 1860. (7.)
51. Anselmo Francisco Pereti. 4 de junho de
1861. (8.)
52. Jos Ricardo de S Reg, 28 de julho de
1863. (9.)
73. Joo Evangelista de Negreiros Sayao Lobato,
4 de marco de 1864.
54. Antonio Ladislao de Figueiredo Rocha, 9 de
abril de 1864.
55. Jos Antonio de Magalhes Castro, 15 de
marco de 1864.
56. Jos Joaquim de Siqueira, 15 de marco de
1864.
Relacao dos desembargadores que nao contara an-
tiguidade por nao terem apresentado as cartas
imperiaes do suas nomeacoes.
1.a Antonio Joaquim de Albuquerque Mello.
2. Agostinho Moreira Guerra.
3. Jos Pereira da Graga.
4. Al/aro Barbalho L'choa Cavaleanti.
5. Miguel Joaquim Ayres do Nascimento.
6." Manoel Felippe Monteiro.
7. Antonio Gonijalves Martins.
8. Antonio de Barros Vasconcellos.
9.- Joo Jos de Almeida Coulo.
Relacao dos desembargadores que teem apresenta-
do as cartas imperiaes matricula, mas cojas
certides de exercicio anda nao constam.
1." Pedro de Alcntara Cerqueira Leite. (tO.)
2." Tnslo Antonio de Alvareoga. Jll.)
Relacao dos desembargadores que nao teem apre-
sentado as cartas imperiaes de soas nomeacoes
nem certides de exercicio.
1.- Theophilo Ribeiro de Rezende.
2. Joo Baptista Goncal ves Campos.
3. Francisco Domingues da Silva.
(1) Consta por parlicipacao da secretarle de es-
lado dos negocios da justica que tora, removido
por decreto de 20 de julho de 1861 da relacao de
Pernambuco para a da Bahia, cuja certido de
exercicio apresenlou, fallando a copia de decreto
da citada reinuco.
(2) Descontam-se-lhe 6 annos, 9 mezes e 28 dias.
de 13 de junho de 1857 9 de abril de 1864,daia da
apresentacao da carta imperial da nomeacao para
a relacao do Maranhao, expedida aos 13 de de-
zembro dr 1855.
(3) Descontam-se-lhe 1 anno, 2 mezes e 3 dias,
desde 6 de fevereiro de 1803 at 8 de abril de
1864, data da apresentacao da carta imperial de
nomeacao para a relacao do Maranhao, expedida
aos 6 de agesto de 1861.
111 Descontam-.-e-lbe. 1 anno, 6 mezes e 25 dias,
de 21 de maio de 1862 al 16 de dezembro de
1863, pela demora n apresentacao da carta impe-
rial de nomeacao para a relaoao de Pernambuco,
expedida aos 21 de maio de 1861.
l-'ii Descontam-se-lhe II annos, 4 mezes e 10
dias, desde 14 de Janeiro de 1852 at 4 de jonho
de 1864., data da apresentacao da carta imperial
do nomeacao para a relacao de Pernambuco, ex
pedida aos 14-de junho do 1851.
(6) Desconlam dias desde lid* novembro de 18S7 at 8 de abril
de 1861, data ila apresentacao da caria imperial
>



-------mX
er / TV TI
XX
II
de nomcagao para a relaeao da^hia, expedida fho de infantera Jos
----------,-----,_W
ni*re 4c reraa*alm finta fclra 1 fe Julho ate i4.
r
.11
-


aos 14 de maio de 1857.
(7) Oescontam-se-lhe 2 ano, mezes e 1 da,
desde 13 de novembro de 1861 al 12 de abril de
1864, dat da apresentacae d arta imperial de
nomeaeao para a relaeao de Pernambueo, expe-
dida aos 13 de novembro de 1860.
(8) Descontam-se-lhe i aano, 9 mezes e 17
dias, desde 12 de jolha de 1862 at 29 de abril
de 1864, dat da apreseatacao da carta imperial
de nomcagao para a relaeao de Pernamboco, ex-
pedida aos 12 de jullio de 1861.
(9) Desconlam-se-lhe 4 mezes e 12 dias, desde
26 de novembro de 1863 al 8 de abril de 1864,
dat da apresentecao da carta Imperial do exone-
racio para a relaeao da Babia.
(10) Tomou posse par procarador a 15 de selem-
bro de 185o.
Leite Pacheco, visto sof-
que o tornava incapaz do
frer molestia incuravel
servico.
Por decreto de 11, e na mesma conformidade,
foi reformado o alfres pharmaceutico do corpo de
sade do excrciio Antonio Jos de Brito, por igual
motivo.
Por decreto da mesma data concedea-se demis-
sio ao 1* tenente do 3. batalhao de artilharia a pe
Jos Pacaaha da Silva Raima do servico militar,
e ao eserivo do arsenal de guerra da provincia do
Rio Grande do Sul Paulo Candido Piquet, por as-
sim o haverem pedido.
Por portara de 11 do correte foi creada urna
agencia de cerreio na villa de Salgoeiro, na pro-
vincia de Pernambueo.
Por portarla da 13 foi nomeado CexaMa Jasa das. neis, para o talla aula da asignaturas.
(til Torneo pesse por procurador 8 de feve- Santos para o lagar de escriptnrario da adminis-
reiro de 1859. tracao do correio da corte.
L-se no Paroliybaito de 11 do corrale : Por decreto de 10 do corrale fizeram-se exten-
c Na freguetia de Sanio Antonio da Encruzi- sivas s pracas da armada nacional e imperial as
Riada no lugar denominado Alto do Cllete, m- disposiges da provisao do conselho supremo mi-
cendi'ou-se ha dias a casa de Jos Custodio de litar, quedeu as pracas do exercilo que desertarem
Lima, vulgo Caji, que bavia sabido para seu ira- direito percepeo dos sidos e gratificacoes que
blho : a uuUwr e cinco filhos de Jos Custodio, houverem veucido aotes da deserco.
tambera haviam ido visitar um viiinho, e quando i 16
voltaram acharam no lugar de sua casa un mon- O senado approvou hontem em segunda discus-
tio de cinzas. sao o voto de gracas, e em terceira discussao as
t tsta familia (kau un carnete com a roupa resolucocs sobre penses D. Carlota Jane Brown
qne trazia no corpo. i e a D. Amalia Regis Muniz Barreto.
__14 Seguio-se a continuacao da segunda discussao da
O senado approvou honlem em 1." e 2.a discos- proposito da cmara dos deputados reformando a
sao a proposicao relativa dotecio de Suas Altezas legislacao hypolheearia, com as emendas das eom-
as Srs. princezas- i raisses reunidas de legislacao e fazenda, comecan-
Presegnro depois a 2.* discussao do voto de gra- do-se pelo artigo 1 e paragraphos.
cas e oraran) os Srs. Penna e Dias Vicira, ficando! Foi approvado un requerimento do Sr. Nabuco
encerrada. Par* 1"e se designe para a ordem do dia, nao todo
A cmara dos deputados oecupou-se hontem em o projecto hypothecario, mas s e expressamente
primeiro lugar com a discussao do parecer da un ou dous anigos delle, eonforme a sua impor-
eommisso de poderes sobre a eleicao da parochia tancia ou connexo, considerando-se bontem em
de S. Setestiio de Ara-mama, pertencente ao 2. discussao smente o primeiro artigo, e ne se pas-
districto da provincia no Rio de Janeiro. Oraram saado ao segundo ou terceiro sena depois que,
os Srs. Costa Pmio e Jos Caetano, ficando a dis-; discutido o primeiro, forem elles designado* pata
cusso adiada pela hora. ordeiu do da. .
Apprevou-se em seguida,depoisdeorarem os Srs. Passou sem debate o artigo 1" da proposicao com
Epamiuondas. Luiz Felippe.Pessoa d MeH<>. H; nal tnesdurarias e alfandegas das provin-
Francisco C Brandad. Godoy e VasconceHos.
Figueiredo. Lopes Netto.Silveira deSooia.
Saldanha Marinho.
Occupou-se em ultimo lugar com a discassao da
orcameoto da receita geral do imperio. Oraram os
Srs. Junqueira e Jos Angelo, licanilo a discussao
adiada pela hora.
Foram otferecidas as seguintes emendas e audi-
tivos :
Ao 37 aeereseente-se :Os emolumentos de
todos os juizes muoicipaes e de direito, os dos des-
embargado.es das relages e tribunaes do eom-
mercio e ministros do supremo tribunal de justica
entraran para os cofres como receita do estado,
sendo arrecadados quando forem os autos s re- de estabetecer as graduaeoes ou cathegorias, con
partieres de fazenda antes da sentenga, e mais pa-, forme o espirito do art. 49 do decreto o. 73G de 29
da*
2.a O goveroo s poder conservar ao qaadro
qae reduzir os empregados que melhores notas,
assiduidade, servicos, boa conducta e nformaces
boas, tiverem dos respectivos chefes.
< Artigo. A disposici da art. 48 do citado de-
creto o 2,343 comprehender todos os trabadnos
atrazados. E o trabalho do expediente ser teito
por distriftuicao entre os empregados do;.qaadro.
Jos Angelo .
c Artigo O governo tica autorisado desde j pa-
ra alterar as tabellas que actualmente regulam os
venc tintos dos empregados do thesouro, thesou-
rarias da fazenda, alfandegas e rendas, ao sentido
de novombro do 4880; senr augmeoto dfl despeza
t O governo marcar urna gratificacao aos jui- ou fazendo as necessarias reducQoes que a justica
zcs e mais magistrados, sendo igual para os da aconselhar.
mesma cathegoria, salvo um subsidio para alaguel
de casa smente oa corte e as capitaes da Babia
e Pernambueo.
Ao 43, acerescente-se : Os requerimentos
e peticoes onde nao houver papel sellado venda
I i.4 O thesouro nacional ser, como a re-
partigo de mais elevada categora. Jos An-
gelo.
t O governo, na prxima sesso do corpo legis-
lativo, apresentara :
a emenda respectiva ; foi regeilado o
tambem regeitados os 2", 3, 4 e 5,
midade con as emendas respectivas.
1", e foram
de confor-
ministro respectivo e Costa Pinte, o artigo do orea
ment na parte relativa despeza do ministerio da
fazenda com todos os seus paragraphos, meaos os
14, 16 e 27.
As emendas da commissao foram todas approva- j A cmara dos deputados approvou hontem, de-
das, bem como as seguintes: ; pois de orar o Sr. F. Octaviano, o parecer da com-
Ao 2 Em lugar de........... diga-se missiio de poderes sobre a eleicao da parochia de
4,6W:23fJ3O0. Martinho Campos.Raiol. S. Sebastiao de Araruama, pertencente ao segundo
Ao % o.', diga-se pensionistas e aposenta- districto da provincia do Rio de Janeiro.
Continaou depois a terceira discussao do projec-
to que manda abrir a oavegacao do Amazonas s
naces amigas.
Orou o Sr. Carvaloo Res, ficando a discussao
adiada pela hora.
Foi offerecido o seguinte substitutivo :
ai_-uc uu ciu- Artigo. Fica autorisado o governo a abrir, no
J pregados da alfandega da corte, que ficam re-' termo mais breve possivel, ao commercio e nave*
Campos. gacu das naces amigas com quem celebrar pre*
viameate tratados ou convences. o rio Amazonas,
em toda a extensao do territorio brasileiro, toman,
do as medidas e despendendo as quantias que jul-
gar convenientes.Franco de Almeida.Leitao da
Cunha. >
< Na tabella do pessoal da alfandega da corte,
que acompanha a proposta do governo, far-se-hao
as seguintes alteracoes :
1.a O numero de fiis de armazens poder ser
augmentado pelo governo, conforme as necessida-
des do servico.
2.a A porcentagem ser dividida em 1,353
(notas, como prescreve o regalamento.
A disposigo do artigo 17 da lei n. 1,177 de 9
de setembro de 1862 liea extensiva s alfandegas
das provincias em, que o governo a julgar admis-
sivcl.
As dividas de exerciclos (indos serao pagas
pelo crdito consignado ao ministerio da fazenda,
continuando a liquidaeo dellas pelos ministerios a
que'as despezas periencertm, na forma das ins-
truecoes de de agosto de 1847, sem prejuizo das
disposicoes do decreto n. 2,897 de 26 de fevereiro
de 186
O governo fica autorisado para fazerasope-
racoes de crdito necessarias para pagar ao banco
do Brasil a quantia de 2,000:000000 de papel
dos, inetnrive o desembargadorSevero Amorun
do Valle, com o ordenado marcado na lei n. 939
de 26 de temtiro de 1837, e mais leis do orca-
mento posteriores, l,17a:502000.Martinho Cam-1
pos.Raiol:
No g 9., supprimam-se 37:2255000, em que
importam os ordenados e gratifleacoes dos em-
pregados da alfandega da corte, que fi
duzdos pela nova tabella. Martinho
Raiol.
Occapou-se em ultimo lugar com os artigos ad-
ditivos ao mesmo orcameoto.
Depois de algumas observaces do Sr. Tiriato,
ficou a discussao encerrada.
Foram offerecidos mais os seguintes :
O numero o vencimentos dos empregados da
alfandega da curte serao os constantes da tabella
que a esta acompanha.
No raso de molestia devidamente justificada
perdero os mesmos empregados 2|3 da respecti-
va porcentagem at seis mezes, e toda ella d'ahi em
diante
As liceneas nao sendo por motivo de sade
s poderao ser concedidas com ordenado por in-
teiro at tres mezes. De tres a seis mezes s
poderao ser concedidas com metade do ordenado,
e d'ahi por diante sem vencimento algum.
O oumero dos fiis ser correspondente ao
dos armazens que estiverem unecionando; e se
no futuro fr mister ao que se acha flxado no qua-
dro, se pagar aos novos nomeados venciments
igual ao dos actoaes.
O algarismo divisor da quota da porcentagem
ser elevado ua proporcao do numero dos empre-
gados ccreseidos.
i Os vencimentos dos praticantes sao consi-
derados gratificares, e sujeitos as mesmas re-
gras cima establecidas a respeito das porcen-
tagens.
Os continuos e correios peiderao um terco
de seu ordenado no caso de falta por molestia de-
vidamente provada at seis mezes, metade de seis
doze mezes, cessando todo o vencimento d'ahi
em diante. Saldanha Marinho.
A exportaco da 15a produzida no paiz e a
impnrtacao de animaes domsticos sao isentos
de impostos por quinze annos. Jesuino Mar-
condes.
Fica o governo autorisado a elevar a thesou-
raria de fazenda do Cear categora de 1.* or-
dem 3.a classe.Pamplona.= Rodrigues Jnior.
Ribeiro.Figueiredo. Liberato.
As companhias ou empresas a quem fr d'ora
em diante ou j estiver concedida a isenco de di-
reitos de importaco, ficam obrigadas a apresen-
tar ao governo s orcamentos das obras e das
qoanlidades de objectos que tiverem de importar
em cada anno financeiro, para que o governo
exerca a fiscalisacao que Ihe compete sobre a dita
isencao.Martinlo Campos.RaioL
Fica o governo autorisado a satisfazer aos her-
deiros, legalmente habilitados, do finado Manoel
Jos de Almeida, a importancia do seu debito pro-
veniente da compra de um terreno, que por occa-
sao da epidemia do cholera effectuon o mesmo go-
verno para estabelecimento de um cemiterio na
ilha do Boni Jess, na provincia da Baha.J. L.
da Cunha I'aranagu. >
A tabella exigida pelo art. 12 1. da lei n.
1177 de 9 de setembro de 1802, indicando as ver-
bas do oreamento para ; s quaes o governo tem a
aculdr.de'de abrir crditos supplementares na for-
ma do mesmo artigo, a seguinte :
Ministerio do imperio. Soccorros pblicos.
Ministerio Aa justira. Justica de 1.a instan-
cia ; ajudas de custo; conduccao e sustento de
presos.
Ministerio de estraujeiros. Extraordinarias
no exterior : extraordinarias no interior; differen-
cas de cambios; ajudas de cusi.
Ministerio da guerra.Medicamentos, dietas e
utensilios para os hospitaes ; fabricas, presidios
e colonias militares, e etapas; forragens e ferra-
gens para o exercito e elasses inactivas; pre-
mios de voluniarios o engajados; transporte de
tropas.
Ministerio da marinha.Forca naval; pelas
comedarias e gratificacoes concedidas a ofiicaes e
mais pracas em portos estrangeiros, assim como
pelas maiorias dobradas aos officiaes que servem
no Amazonas e Matto-Grosso.
Material.Pelo sustento, tratamento e curati-
vo das guarnieres de navios da armada, e pelos
casos fortuitos da a varias, naufragios, alijamento
de objectos ao mar, etc.
Despezas extraordinarias e eventuaes. Por
differenca de cambio e commissoes de saque, pre-
mios de engajamenlo de artistas, engajamento
e recruta ment de pracas e menores, tratamonto
de pracas em portos estrangeiros e em provincias
onde nao ha hospitaes ou enfermaras, e prego de
fretes.
c Ministerio da agricultura. llluminacao pu-
blica ; garantas de juros s estradas de ferro con-
forme os contratos pelo que exceder ao decretado:
correio. geral.
f Ministerio da fazenda. Diuerencas de cam-
bio. Pela somma que se fizer necossaria para
realisar-se a reraessa de fundos para o estran-
geiro quando as operaedes forem effectuadas abaixo
do par.
Joros da divida interna fundada.Pela im-
portancia que exceder decretada proveniente da
nova emissao de apatices da divida publica.
Juros dipdivida inscripta antes da emissao das
respectivas apolices, etc.Pelos que forem recla-
mados alm do algarismo oreado
Juno dos feitoi da fazenda.Pelo que fallar
para pagamento de porcentagens da divida arre-
cadada.
t EslaoSes de arrecadacaa Pelo excesso da
despeza sobre o crdito consignado para porcenta-
gens dos empregados.
t Premios de letras, etc.Pela mportanoia que
fr neeessaria alm da coasignada para os seni-
eos que correm por esta verba.
< Juros do empreslimo do cofre dos orphaos.
Pelos que forem reclamados, se a toa importan-
cia exceder do crdito votadaMartinho Cam-
pos.Raiol. >
i Emenda aos auditivos da commissao.No ar-
tigo que autorisa a emissao das 80 apolices, sun-
prima-se as palavras.Jardim Botnico; e 4> re-
tire-as.Martinho Campos.Raiol. i
- I
Honlem nao hoove sesso no senado nean na c-
mara dos deputados, por Uta de numero legal.
s pagaro sello depois de juntos aos autos, qoan-' 1." Um trabalho no qual se indique a legisla-
do estes forem sellados aotes da conclaso, ou cao de fazenda que actualmente vigora sobre a con-
quando pagar-se sello de documentos que por elles tabilidade legislativa, isto sobre a autorisacao da
se tiverem pedido.Casemiro Madurara. receita, voto das despezas, e approvaQo do empre-
< Sao isentos de todo e qualqaer direito direito go da receita e despeza, alim de que possa o corpo
de exportaco os animaes em p, as carnes salga- legislativo proceder mesma approvac.ao, por meio
das, em balsa, ou preparadas por qaalqaer outro da lei de contas de cada exercicio.
systema, que forem exportadas para paiz estran- 2. Outro trabalho pelo qual se possa regular
geiro.-Flres.Nery.Baro de Porto Alegre. a cootabilidade do material pertencente ao estado
Liberato.Burlamaq'ue.Paranaga.Fialho. cada ministerio, afim de que fique completa-
< O governo fica autorisado a mandar extraair mente sujeit a aeelio do tribunal do thesouro, co-
mensaJmente urna lotera em beneficio do Monte mo actualmente se acha a contabidade c os di-
Pio dos Servidores do Estado, incluidas neste ou- nheiros pblicos.-Jos Angelo.
mero as que j Ihe foram concedidas, at que seja O governo designar um dos funecionar os da
reformada aquella instituicao. -Valdetaro.F. Oc- alt administrncao de fazenda do imperio, para to-
taviano. i mar parte nos trabamos da codifleacao das leis
Fica approvado o decreto n. 3,210 de 28 de civis do imperio.Jos Angelo,
de abril ultimo, que prorogou por cinco annos o! Se passar autorisacao para dispensarem f e as
prazo concedido a Jos Jaeorae Tasso pelo decreto i leis de amortisaco, como se tem proposto, aocres-
n. 2,444 de 27 de julho de 1339, para explorar os cente-se igual favor para o hospital de caridade da
i lugares dos sertes das provincias da Parabyba e cidade de Macer, afim de que possa possuir em
Pernambueo, onde Ihe l'Orain concedidas datas mi- bens de raz at a quantia de 20:u00>5U00, e'bein
oeraes, ficando dispensados os direilos de im|)or-; assim para a irmandade do Santissimo Sacramento
laclo dos objectos introduzido; para a referida ex- \ da fregoezia de Pioea, da proviacia das Alagas,
ploracao, bem como os de exportaco dos produc- at a quantia de 16:0005.Jos Angelo,
tos miaeraes que forera extraliidos.Arago e Mel- Foi apresentado o seguinte parecer :
lo.Correa das Neves. As commissoes de justica criminal e de rrtari-
Artigo. Ficam reduzidos a 5 por cento os di- nha e guerra, tendo examinado atlentamentel os
reitos para as embarcacoes que se nacionalisarem j projectos do cdigo criminal militar e do codigc
brasileiras, seja qual fr sua primitiva bandeira. ; proeesso criminal militar, offerecidos consid
Artigo. Ficam isentos de-direito de importa-1 eo desta augusta cmara pelo Dr. Jos Aatomr
cao de-qualquer especie todos os gneros destina- Magalnaes Castro, rem apresentar o resultad
s. embarcacoes mercantes, como cordoalna,
dos
lonas, akatrao, ancoras, etc.
governo formulan urna tabella de todos es-
tes gcoeros.
Artigo. Os estrangeiros podem possuir embar-
cacoes brasileiras, comanlo que qualqaer dos
comparsas seja brasileiro.Franco de Almeida.*
Pica revogada a autorisacao conferida ao go-
veroo pelo 4* do artigo 11 da lei n. 1,114 do 27
de setembro de 1860.Nery.-Flores.Bario de
Porto Alegre.i
Sao isentos do pagamento de decima urbana
de meia legua, alm da demarcaco os predus si-
tuados em loca I i lades nao servidas- por estradas
publicas, illuminacio e agua potavel fornecidas
pelo estado.Fialho. > -
Por portara de 13 do crreme foi demittido
Francisco Jos de Brito liis do lugar d ajudanli*
do porteiro do hospital militar da corte.
17
Passon hontem em Ia discussao, no senado, o
parecer da mesa nomeando correio a Antonio Lo-
pes Guerra.
Continuou a discussao da reforma hypolheca-
ria, e sobre o art 2a e suas emendas oraram os
Srs. bario de Moritlba, Zacaras, Nabuco, Sonza
Bamos e Silveira da Motta.
A cmara dos deputados approvou hontem, de -
pois de orar oSr. ministro do imperio, o seguate
artigo substitutivo ao do projecto que manda abrir
a navegacao do Amazonas s naces amigas, bem
como o additivo que o acompanha :
Fica autorisado o governo a abrir, no tempo
moeda, que o dito banco resgatar c recolher ca- mais breve possivel, ao commercio e navegaeo das
xa da amortisagao.
Sala das sessoes, 19 de abril de 1864.Marti-
nho Campos.Chi isliano Benedicto Otloni.D. A.
ltaiol.
A tabella exigida pelo artigo 12 1* da lei n.
1,177 de 9 de setembro de 1862, indicaodo as ver-
bas do ornamento para as quaes o governo tem a
faculdade de abrir crditos suppleineulares na for-
ma do mesmo artiga, a seguinte :
Ministerio do imperio.Soccorros pblicos.
Ministerio da justica.Juslicas de primera
instancia ; ajudas de cusa ; conduccao e sustento
de preses.
Ministerio de estrangeiros. Extraordinarias
no exterior ; extraordinarias no interior; difieren-
cas de cambios; ajudas de custo.
Ministerio da guerra.Medicamentos, dietas e
afias anjigas com quem celebrar previamente
tratados ou convencoes, o rio Amazonas em toda a
extensao do territorio brasileiro, tomando as me-
didas e dispondendo as quanlias que julgar conve-
nientes. Franco de Almeida.Leitio da Cunha.
Compreheoda-se o Rio Negro no beneficio da
navegacao livre pedida para o Amazonas.Morei-
, raRaiol.Franco de Almeida*.
Approvou em seguida em urna s discussao, sem
j debate, o projecto que approva a pensad annual de
G00 a I). Theodora Amalia de Azevedo Pecanha e
I D. Francisca Benedicta de A>.evedo Pecanha, com
j duas emendas estendeodo o mesmo favor a D. Joa-
quiua Elisa de Almeida Vasconcellos, D. Leonor
Maria Pereira de Vasconcellos, eD. Mara Francis-
ca Leite Camisao.
Approvou em 3a discussao, sem debate, o projec
utensilios para os hospitaes ; fabricas, presidios e i to que approva os decretos estabelecendo as con-
colonia- militares, e etapas ; forragens e ferragens | dictes com que foi concedido a Luiz Boubech la-
para o exercito e elasses inactiva?; premios de | vrar a mina de carvo de pedra descoberta as
voluntarios e engajados; transporte de tropas. i niargens do Kio Jaguaro e seus aflluentes, na
Ministerio da marinha.Forca naval : pelas] provincia do Rio Grande do Sul.
comedorias e gratificacoes concedidas a officiaes e Approvou igualmente em 3a discussao, tambem
mais pracas em portos estrangeiros, assim como' sem debate, o projecto que autorisa o governo a
pelas maiorias dobradas aos officiaes que servem mandar pagar ao ex-soldado do extincto corpo de
no Amazonas e Matto-Grosso. | artilharia de marinha Joo Antonio de Carvalho os
Material.Pelo sustento, tratamento e curali-1 vencimentos que llio sao devidos.
vo das guarnicoes de navios da armada, e pelos j Approvou anda as emendas do senado propo-
casos fortuitos de avarias, naufragios, alijamento. sicao que flxa o praso dentro do qual devem vigo-
de objectos ao mar, etc. rar os exames preparatorios feitos as Faculdades
Despezas extraordinarias e eventuaes. Por i de Direito.
dilferencas de cambio e commissoes de saque; pre-1 Orai|)ou-sc depois com a Ia discussao do projec-
mios de engajamento de artistas; engajamento e to que revogao 14 do art. 3o da lei provincial das
recrutamento de pracas e menores ; tratameoto de Alagas n. o, de 9 de julho de 1839, em que se
pracas em portos estrangeiros e era provincias oa-; estabeleceu o imposto de 10 % sobre a exportaco
de nao ha hospitaes ou enfermaras, e precode.de madei ras. OrouoSr. Burlamaque, ficando a
fretes. | discussao adiada pela hora.
Ministerio da agricultura.llluminacao publi- j Continen em ultimo lugar a discussao do orga-
ca ; garanta de juros s estradas de ferro confor- ment da receita geral do inrperio. Oraram os
me os contratos pelo que exceder ao decretado ;
correio geral.
Ministerio da fazenda.Differencas de cambio.
Pela somma que se fizer neeessaria para reali-
sar-se a remessa de fundos para o estrangeiro
quando as operacoes forem effectuadas abaixo do
par.
Juros da divida interna fundada.Pela impor-
tancia que exceder decretada proveniente da no-
va emissao de apolices da divida publica.
< Juros da divida inscripta antes da emissao das
respectivas apolices, etc. Pelos que forem recla-
mados alm do algarismo oreado.
Juizo dos feitos da fazeotla. Pelo que fallar
para pagamento de porcentagens da divida arre-
cadada.
Eslacoes de arrecadacao. Pelo excesso da
despeza sobre o crdito consignado para porcenta-
gens dos empregados.
Premios de letras, etc.Pela importancia que
Srs. ministro da fazeoda e Nebias ficando a discus-
sao igualmente adiada pela hora.
Foram offerecidos os seguintes addtivos :
Continuara am vigor, durante o exercicio da
presente le, as disposicoes dos Io e 2o do art.
11 da lei n. 1,114 de 27 de setembro de 1860, re-
lativas aos impostos addicionaes de I a a % sobre
a importaco e 2 %sobre a exportaco.Martinho
Campos.Raiol.C. B. Otloni.
t E' o governo autorisado para reformar as ta-
bellas dos emolumentos das differentes secretarias
de estado e mais repartieres publicas do imperio,
uniformisando as respectivas laxas quanto fr pos-
sivel, e pondo desde logo em execucao a tabella
que organisar, nao sendo os emolumentos elevados
cima dos maiores que actualmente se percebem
as secretarias e reparticoes publicas.Martinho
Campos. Raiol.C B. Ottoni.
O governo fica autorisado para fazer no regu-
seu exame.
Nao ha hoje no paiz quem;nao reconheca a
gente necessidade de satisfazer a promessa do art.
150 da consttuicio, dotando-se a dasse militar
brasileira de urna legislacao criminal, que, estando
em hormooia com a.nossa {arma de governo, asse-
gure direitos que em' uenhum caso podem ser pije
teridos. sem quebra dos principios de huaanidade
e da sagrada inissc- do legislador.
< E para lamentar-so que aps 40 anuos de sys-
tema constitucional representativo, o bosso exerci-
to anda exisla soba aecio barbara dos artigos de!
guerra do-conde deLippe, que, desconbecendo la!
razoaveJ classiucacaa dos crimosTsio a negaco att-
soluta de toda a proporcao entre estes e as penas
que Ihe devem ser applioadas.
< Nao meaos sensivel a falta de um cdigo de
proeesso que garanta ao militar a justa apreciacp
do crime e a legitima applicacao da pena, sendo
que, tanto no que respeita formacio da culpa, co-
mo ao ju'gameuto, as frmulas que sao outras tan-
tas garantas ao direito da sociedade e do indivi-
duo, nao passam de pralicas obsoletas, baseadas
era funesto arbitrio.
< A reforma da legistcao criminal militar, no
que se refere aos delietos e penas, e no que res-
peita ao proeesso, era prtanlo urna necessidade
geralraente reconhecida. Para emprehender se-
melhantd trabalho era raister, alm de muita pa-
ciencia, estudos e conbecimeotos especiaes sobre
urna materia, que escapa s investgales ordina-
rias dos que se applicam jurisprudencia.
e Em taes circunstancias merece attenco e elo-
gio o trabalho ao Dr. Jos Antonio de Magalhues
Castro, que, aproveitando a loaga pratica da ma-
gistratura, e especialmente da auditoria de guerra,
eolligio em regras taras e precisas as disposicoes
applcavis- a o diflieil assumpto, e orgaoisou os
cdigos criminal e do proeesso, que submetteu
apreciacao do corpo legislativo.
< No tocante ao cdigo crimiael militar, o dig-
no magistrado o dividi em tres partes; sendo que
na prime ra, cociendo um s titulo, defini o que
seja crime militar : caracteriseu a autora e a cum-
pleidade ; e assgnalou as circumstncias aggra-
vantes, as aiienuantes e as justificativas ; na se-
gunda, tratando dos crimes militares e das penas
qne Ihes. devera ser impostas, dividi a materia
em quatro ttulos, relativos violacao do jura-
mento quebra da discipliuaao abuso da auto-
ridadee s ofiensas contra a ordem econmica,
administraco e disciplina geral do exercito ; e na
terceira, consignada aos crimes eommeltidos por
paisauos, c s disposiges geraes, dispoz materia
em dous ttulos.
A apreciacao especial de cada artigo do cdi-
go crimioal trabalho que melhor ser desempe-
ohado pela discussao que a cmara abrir a tal res-
peito : entretanto, fallando em geral, a commissao
eneontrou nesse importante trabalho methodo e
ao musmo tempo applicacao cooscieuciosa das
theorias aceitas pelos paizes cultos ao nosso estado
social. Pelo que respeita ao cdigo do proeesso
crimioal militar, o mesmo digno magistrado divi-
do-lhe as complicadas materias em cinco partes,
na primera das quaes tralou da organsagao jun-
ciana ; na segunda, da inslruccao do proeesso e
de sua forma; na terceira, das competencias j na
quart da ordem judiciaria, e na quinta dos tribu-
naes militares extraordinarios.
Na enunciaco do seu juzo acerca de um tra-
balho to complicado, como um cdigo de pro-
eesso, as commissoes bmtam-se a recommenda-lo i
consideracao da cmara, como um bom accordo
entre as regras do proeesso commura e as que sao
applicaveis especialidade a que esse cdigo se
refere.
< As commissoes tiveram tambera debaixo de
suas vistas o projecto offerecid pela commissao
Humeada por aviso de l de abril de 1860 paria
examinar o projecto do cdigo crimioal militar,
otferecido pelo Dr. Jos Antonio de Magalhaes Cas-
tro. Aquella commissao cranosla de pessoas lio
qualiticadas e competentes, embora offerecesse um
projecto cootendo modificaces que podem ser
apreciadas melhor na discussao, recoaheceu toda-
va que o projecto do Dr. Magalhaes Castro era
digno de consideracao, atiento o serio esludo e
trabalho empregados pelo autor, a quem cabe o
mrito de ser o primeiro que se oceupou de t&o
importante e difJkil materia.
A' vista do que fica poaderado, a commissao
de parecer que sejam suamettidos a discussao os
projectos de cdigo criminal e do proeesso crimi-
nal militar, orgaoisados pelo Dr. Jos Antonio de
Magalhaes Castro, coujuotameote com e projecto
que modiflcou o primeiro e que foi offerecido pela
commissao do governo. Paco da cmara dos de-
putados, 6 de junho de 186'.Antonio Vicente do
Nascimento Feitosa.L. A. B. de Almeida, com
restriegues.J. L. da Cunha Paranagu. Joaquira
Hav inundo de Lamare.Bario de Porto Alegre.
lamento das alfandegas e mesas de rendas, bem
fr uscessaria alm da consignada para os servaos I como na tarifa em vigor, as alteracoes que a expe-
que correm por esta verba, niencia tenha aconselhado, podendo por logo em
t Juros do empreslimo do eofre dos orphios. execoco as reformasque forem eoovenientes, mas
Pelos que forem reclamados, se a sua importancia sojeitando-as approvaco do poder legislativo na
exceder do crdito votado.Martinho Campos.: sesso do prximo futuro anno, devendo em taes
Raiol- i alteracoes fer em viste o seguinte :
Fica em vigor o 2o do art. 27 da lei n. 1,177 ; 1.* Simplificar o systema dos despachos das
de 9 de setembro de 1861 mercadorias, esteberecendo as convenientes regras A. i. Morena.
O goveroo autorisado a despender a somma fiscaes para que s em casos muito especiaes os
de 20:0005000 com as gratilcages aos membros volumes passem por duas conferencias. 0a or(jem 0 a 403 publicada ante-hontem
da commissao encarregada de rever o cdigo civil. c 2. Dar um centro confeceo dos despa- pe)a repartico do ajudante-gencral, consta o se-
Martinho Campos.Raiol. hos, de manera que baja a maior uniformidade gU|Dte :
As dividas de exerclcios lindos serio pagas possivel assim na quahftcacio das mercadorias| NomeacSes Dos Srs. Drs. em medicina Jos
pelo crdito coasignado 00 ministerio da fazenda, *omo n"s valores por que devem ser despachadas jjanes da Silva e Antonio Pereira da Silva Gui-
conlinuando a sua liquidaeo a ser feiu na forma as que sao sujeits a direitos ai valoran. maraes, para seguodos cirargioes do corpo de siu-
das disposicoes em vigor. (Substitutiva do que a i 3. Adoptar, na reforma da tarifa, e segn- je ,j0 exercito.Decreto de 14 de maio findo.
commissao ofereceu.) do as disposicoes da lei n. I,t57 de 26 de junho de
bupprimase nos differentes ministerios a ver- 862> de preferencia, o peso para unidade nos des-
ba de exercicios fiados com a respectiva cifra. i pachos, que por esse modo se tornarem mais fa-
t A fazenda publica ficar exonerada pelo acto cel?> prestando particular attenco fixa0o dos
da venda dos terrenos qne nao forem annexados P^05 que servirem de base para a cobranca dos
ao Jardim Botnico, de toda e qualqaer responsa- direitos, podendo alterar anzao desses direitos em
bilidade para com os particulares, perteuceudo ao beneficio das mercadorias de geral coosumo, e ele-
fro commum os pleitos que nascerem da referida va"la "t 5E'?-S ', a
..j. 8 Restringir traanto fr possivel o praso em
que pdera as mercadorias ser demoradas nos ar-
mazens das alfandegas; e facilitar os despaebos
concedendo prasos para pagamento dos direitos ate
corpos estacionados na provincia do Rio Grande
do Sul.
Liceneas concedidas;'Aos Srs.: capltao do 10
batalhao de infantera, Theotouio Joaquim de Al-
meida Fortuna, tres mezes com sold e etape, para
tratar de sua saude na proviacia da Baha, oude se
acha.
2" cirurgio do corpo de saude, Dr. Laarindo
Jes da Silva Rabello, tres mezes, com todos os
seus vencimentos, menos a gratilicacao de profes-
sor da escola preparatoria desta corte, para tratar
de sua saude.Em 3 do corrate mez.
Alferes do 1* batalhao de infantera,
Lopes de Siqueira, quatro mezes cora sold e eta-
pe, para tratar de soa saude na provincia do Rio
de Janeiro.Em 9 do correte mez.
Alferes do 9 batalhao de iufautaria, Jorge Cae-
toa de Sonta Coosseiro, quatro mezes com sold
simples, para ir a proviocia de S. Paulo buscar sua
m.
Ao 2o sargento do asylo de invlidos, Antonio
Joaquim Ferreira, tres mezes com sold e etape,
para tratar de sua saude.
Foi approvada a liccoca de um mez, coucedida
pela presideaca da proviacia do Rio Graode do
Sul ao Sr. coronel graduado do 4 regiment de
cavallaria ligeira Augusto Frederico Pacheco para
tratar de sua saude ; deveado ser a dita licenca
cora sold e etape.
Ao Sr. major do 12 batalhao do infantera, Mi-
guel Jeronymo de Novaes, foi concedido o venci-
mento da etape, durante os tres mezes de licenca
que obteve da presidencia da proviacia de Santa
Catharina, para tratar de sua sua saude.Aviso
de 7 do corrate,
A licenca concedida na ordem do dia n. 391 ao
Sr. alferes do 3 batalbo de infantera, Luiz Xa-
vier Estoves, com sold e etape.
Dispeosa doservgo para estudar.Ao Sr. Io ca-
dete sargento-ajudate do 3 batalhao de artilharia
a p, Sergio Tertuliano Caslello-Rranco, para ma-
tricular-se na escola preparatoria desta corte, no
anno vindouro.
Ao Sr. 2" cadete 2o sargento do 5" batajhao de
iufautaria, addido ao 1" da mesma arma, Joaquim
Augusto Pilgueiras, foi permillido desistir da dis-
pensa do servico que obteve para estudar na es-
cola preparatoria desta corte, afim de reunir-se ao
seu corpa
L-se na Revista Commercial de Santos, de 11
do correte : /
< Ante-hontem, pelas 8 hora da manha mais
oa meaos, o digno subdelegado desta cidade, o
Sr. capitao Jos Raggio Nobrega, dirigio-se ca-
deia coineeou urna serie de exames que deiam
em resultado de&cobrir-se o seguate :
< Na prisao situada junio ra Seteoplrooai
exista urna perfuraco de 4 112 palmos de profun-
didade no paviment terreo, e 3 de dimetro es-
te, perfuraco commuacava com outra horisontel
do 13 palmos do coaipriraeoto, irregular, tendo de
dimetro 3 a 5 palmos.
Esta perfuraco alravessava o alicerce e sabia
no pavimento da ra, faltando palmo a meio para
dar sabida aos presos, trabalho este que, segundo
declararan] os peritos, poda ser concluido em meia
hora por um s trabalhador. Aodigao subdelegado,
pois, devemos o aao se evadirem aate-boatem de-
pois de aaoitecer, todos os presas, entre elles os
coadeinaados por crime de moeda falsa e os 13
implicados no horroroso assassinato do infeliz Ni-
colao ChrisL
L-se no Minas-Geraes de Ouro Preto de 10 do
correte :
O Sr. Dr. Mendooca, deputado pelo segando
dstricto de-ta provincia, foi accommettido, quando
se dispuuhaa partir para a corte, de um ataque
de congesto cerebral, do qual, felizmente j se
acha qoasi restebelecido.
A este triste oceurreocia deve-se altribuir a
demora de sua presenca oa corte.
- 18 -
Cootinuou hontem uo senado a 2a discussao da
reforma hypolhecaria, orando os Srs. viseoude de
Iteborahy, Nabuco, barao de Muntiba e Fouseca.
Fiado o debate, procedeu-se votacao do art. 2o e
seus paragraphos, com as respectivas emendas,
mas nao pode concluir-se por nao haver casa.
A cmara dos deputados approvou hontem em
urna s discasso, sem debate, o projecto que ap-
prova o decreto pelo qual foi concedida ao padre
Jos MiguellUartins Chaves a penso annual de
600^000.
Approvou em seguida, tambera em urna s dis-
cussao, depois de ura debate entre os Srs. Jos An-
gelo, Marlim Francisco, Paula Souza, Luiz Felippe
e Valdetaro, o projecto que autorisa o governo a
conceder ao conselheiro Pedro Autran da Malta e
Albuquerquo, lente da faculdade de direito do Re-
cite, um auno de licenca com todos os vencimen-
tos para tratar de sua sade onde Ihe convier,
com urna emeuda estendendo o mesino favor ao Dr.
padre Maraede Jos Gomes da Silva.
Approvou tamben os arts. 10, He 12 do orea-
mento na parte relativa receita geral do imperio,
tendo feto o Sr. Fialho sobre o art. 11 algumas
observages.
Occupou-se em ultimo lugar com a discussao dos
artigos additivos ao mesmo oreamento. Oraram os
Srs. Macedo, ministro da fazenda, e Martinho Cam-
pos, ficando a discussao encerrada.
Foram ofTerecidos mais os seguintes :
c Ficam equiparados os ordenados c mais ven-
cimentos dos empregados das differentes secreta-
rias de estado aos ordenados e mais vencimentos
que actualmente percebem os empregalos da se-
cretaria do ministerio da agricultura, (endose em
attenco as categoras dos referidos empregados.
Silvino Cavalvcanli.Abelardo de BritoH. Lim-
po de Abreu. Chagas Lobato. J. Felieio dos San-
tos. Andrade Pinto.Pedro Luiz. Pedro Monz.
Alfonso Celso. Rabello.Fernandes Morara.
Figueiredo. Bittencourt Sampaio. Valdetaro.
Silveira de Souza.Luiz Felippe.Aristides Lobo.
Ficam isentos do pagamento dos direitos de
exportaco por vinte auoos os productos das fa-
bricas de refinacao e crystalisacjio de assucar es-
tabelecidas no imperio.J. M. Macedo. Martinho
Campos.Andrade Pinto. >
Poder o hospital de caridade da Senliora da
Conceicao da cidade de Aracaj possuir bens deraiz
al o valor de 60:000, ficando para isso dispensa-
das as leis de amortisagao.Barros Pntente!.
Os juizes municipaes e de direito ficam dis-
pensados do pagamento do direitos de 30 /0 a que
esto sugeitos em virtude da noraeaQo.Chagas
Lobato. Silva Pereira.Jos Caetano.
deacia da proviacia do Rio Grande do Sol o se-
guale aviso :
1 Foi presente a S. M. o Imperador o oflicio de
18 de Janeiro ultimo, no qual essa presidencia,
dando conta do procedimeoto do vigano encom-
mendado BoaUacio Klubar, sacerdote estrangeiro
qae easou Guimermina Luppa com Christiauo
Kerst, sem que tivesse sido.earapetentemenle an-
nullado o casamento que ella havia coatrahido
com o protstenle Kesseber, que anda vive, decla-
1 ra que nao submetteu a proeesso aqoelle sacerdote
. por nao haver aeco oficial contra elle.
(Javida a seceo dos negocios do imperio do
conseibo de estado sobre a ultima parte do dito
oficio, dea o seguinte parecer :
Que os clrigos estrangeiros, nomeados viga-
rios encommendados, tendo os mesmos direitos e
obrigaces que cabera aos vgarios encommenda-
dos brasileiros, e sendo iguaes aos collados, menos
na inamovibilidade, devem tambem estar sujeitos
s mesmas regras de punlco a que estad os rol-
lados e encommendados nacionaes, os quaes teera
por juizes nos crimes de respoosabilidade, como o
de que se trata, os juizes de direito, segundo as
disposiges do art. 171 do cdigo do proeesso cri-
minal, art. 25 da lei de 3 de dezembro de 1841, 53
1 e &, e art 200 1, 242 e 396 do regulamento
n, 120 de 31 de Janeiro de 1842.
t A qualidade de empregado publico, de qne os
revesle a nomeaeao de parocho, tornando paMko
o crime a proeesso ex-offlcio.
< E leado-se conformado o mesmo augusto se-
nhor, por sua immediata resolueao de 4 de corren-
te mez, com o referido parecer, assim o commooi-
co a V. Exc. para os lins convenientes.
Reunio-se hontem a commissao da Praga do
Commercio, afim de resolver sobre o seguate re-
qiierimeoto qae Ihe fura dirigido pela casa eom-
mercal dos Srs. Joo Baptiste Vianoa Dram-
mond di C. :
t lllms. e Exms. Srs. presidente e mais mem-
bros da commissao da praga do commercio. Os
abaixo assignados veem reqoerer a este Ilustrada
corporago a oomeago de ama commissao cm-
aosla de negociantes para examinar e dar parecer
sobre ama transaccao que os abaixo assignalo* ti-
zeram de um cohecimeuto a ordem, de carne
secca.
O assumpto ataca tao de perto os ioleresses do
commercio em geral, que os ahalxo assignados
teem menos em viste o sea interesse particular do
que chamar a attengo desta Ilustre corporago
para o arbitrario e revoltete precedente que se
quer estebelecer, de tirar aos oohecimeotos or-
dem o carcter de ttulos traiimissiveis por meio
de endosso, como dispe o noso cdigo commercial
e os de todas as naces civilizadas.
t Em 22 de abril de 1863 foi proposto por Vel-
loso Soares C, aos abaixo assignados o descon-
t de duas letras suas no valor de 18:500$ a pra-
zo de 40 dias, offerecendo os proponentes garant-
las com um conhecimenlo de carne secca que vi
nha sua ordem. Pareceu aos abaixo assignados
que a proposta convinha e a aceitaran). Lavraram-
se os contratos de penhor mercantil de conformi-
dade com o cdigo commercial designando o eo-
uhecimento competentemente endossado cotnocau-
co das referidas letras ; o qae todo ficou em po-
der dos abaixo assignados, levando os proponentes
o dinheiro.
a Alguos das depois dessa transaccao foi aberte
a fallencia de Velloso, Soares A C, e'a pessoa que
havia remettido a carne constante do ronhecimen-
to reqnereu aojuiz a entrega del la. O jniz ordenou
que ella fosse entregue ao carregador, fulminando
o contrato de simulado sob pretexto de qae o sello
do coohecimento era posterior a quebra dos deve-
dores (apezarde seachar esse sello dentrodos tra-
te dias da lei).
sobretudo para este ponto que os abaixo as-
signados pedem o exame da commissao, para se
reeonhecer se hoove simulaeio ou antedata no
contrato de peahor ; ou se antes tel decisao do juiz
urna extorso feita aos abaixo issigoados, sobre
os quaes, abusando da sua poWeo de juiz. qoiz
langar a insinnacao de terem simulado o contrato.
c Os abaixo assignados offerecem, pois, os sen*
livros e documentos para exame.
- Dos guarde V. ExcKio de Janeiro, 16 de
junho de 1864.Joo Baptist Vianna Drum-
mond C
Deridio-se que fosse nomeada urna commissao
para dar o seu parecer sobre o assumpto, e foram
eleitos para ella os Srs. commendadores Bernardo
Ribeiro de Carvalho, Jos Carlos Mayrinck, Milita 1
Mximo de Souza, Joao Jos Ribeiro Silva e Jordn
Crewse.
19
Continuou hontem no senado a 2a discussao da
reforma hypolhecaria. Conclaio-se a votacao das
emendas ao art. 2o, que ficara interrompida na ses-
mo antecedente por falta de numero legal para vo-
tarse.
O art. 3u, dopois de orarem os Srs. barao de Mu-
ritiba e Nabuco, foi supprimido, na forma da emen-
da das commissoes.
Sobre o art. 4 e suas emendas oraram os Srs.
Souza Hamos. Nabuco, bario de Muritiba, e Silvei-
ra da Motta, ficando a discussao encerrada.
venda.
< Os empregos de praticantes e amanuenses que
forem vagando durante o exercicio nao serio pr-
vidos.
governo dar cont ao corpo legislativo na doze mezes, contando-se o premio de 6 /. nos que
Por decreto de 8 do torrente, e oa coaformidade
do 11.* do art. 9 da lei n. 648 de 18 de agoste do
1852, concedeu-se reforma ao tenente do 8." bata-
prxima sesso das vagas que existirem, e propo-
r o numero dos que devem ser sapprimidos nes tas
elasses.
c Esta disposigao abrange todas as reparticoes de
fazenda.Martinho Campos.-Raiol.
< Emenda aos additivos da commissao.No ar-
tigo qae autorisa a emissao das 50 apolices suppri-
mam-se as palavras Jardim Botnico e 4 re-
lire-se.Martioho Campos.Raiol.
O governo fica autorisado a mandar fazer os
estados necessarios e a despender a quantia indis
exceder! de quatro mezes, e tomadas as provi-
dencias concernentes a seguranca da fazenda pu-
blica.Joaquim Saldanha Marmita >
Ficam dispensadas as leis de amortisaco relati-
vamente irmandade do Sautissrao Sacramento
da capital da provincia da Parabyba, para que pos-
sa a mesma possuir em bens do raz at o valor
de 40:0005. Coste Machado. Corroa das Ne-
ves.Heoriques de Almeida.Joao Leite. >
< Artigo. O goveroo fica autorisado a alterar a
tabella no oumero dos empregados do thesouro na-
S. M. o Imperador, acorapanhado dos seas sema-
narios e dos Srs. ministro da marinha, inspector do
arsenal, geueral Cabral e encarregado do quartel-
geoeral, erabarcou hontem, s 9 horas da manha,
naquelle arsenal, e dirigio-se ilha das Cobras,
onde demorou-se at ao meio dia, visitando o di-
que imperial, os armazens do almoxanfado, as
obras da fortaleza, o qoartel do batalhao naval, e o
hospital de marinha.
Dalli seguio para a fortaleza de Villegaigaou,
ende assisiio ao exercicio da artilharia ao alvo.
Neste occasio, em consequeucia da exploso de
umeartuxo foram ferides tres imperiaes marinhei-
ros, um dos quaes gravemente.
No erapeoho de soceorrer de prompto os feridos,
applicou-lhes S. M. pastas de algodao sobre as
queimaduras, e ordenando a sua immediata remo-
gao para o hospital de marinha, acompanhou-os at
all, nao se retirando senio depois de velos cu-
rados.
s 4 horas menos 10 minutos da tarde regres-
sou S. M. ao arsenal.
pensayel para a reparaeao dos estragos feitos pelo cional, que se refere o decnito n. 2,343 de 29 de
fFJ. ls'nmo 9 bga a cidade de Olinda ao jaoeiro de 1859, reduziado das quatro elasses de
Dairro ao Hecife, em Pernambueo. Silvino Caval- escripturarios dez empregados de cada urna dellas.
canti.-Sa o Albuquerque.Souza Bandeira. So- j Os empregados que sahirein do qoadro se-
- Pereira de Brito.Souza Carvalho rio aproveitados, segundo snas habiliteges e ser-
1* cirurgio do mesmo corpo o Dr. Joaquim Jos
de Araujo, para delegado do cirurgiio-mr; do
exercito, na provincia das Alagas.
Capitio do corpo de estedo-maior de 2* classe,
Joo Pires Gomes, para encarregado do deposito
de artigos bellicos da provincia de Santa Catha-
rina.
Tenente reformado, Joao Jos Basilio Pyrrho,
para commandar o destacamento do laboratorio
pyretechnico do Campinho.Era 8 do crreme
mez.
Itomocdes.Dos Srs. segundos cirurgio do cor-1
po de saude, Drs. Manoel Manas dos Santos Pen-
na, da provincia do Rio Grande do Sul para a das
Alagas ; e Manoel Bernardino Bolvar, da pro-
vincia do Piauhy para a de Pernambueo.
ExoneracaO.Do Sr. major reformado do exer-
cito, Affonso de Albuquerque Mello, do lagar de
encarregado do deposito de artigos bellicos da pro-
vincia de Santa Catharina.
Transferencias.=Dos Srs. alferes do 2* batalhao
de infantera, Antonio Leopoldo Pereira da Cunha,
para o batalhao de cacadores da Baha-
Alferes ntonio Jos Gaudlo Ferreira, do 4* ba-
talhao de infantera para o 3 da mesma arma ; e
Aurelio Augusto Carlos Bezerra, deste para aquel-
lo batalhio.
Io cadete do eorpo de guarnieSo da .Patatryba,
Francisco Goma* Moateiro de Mello, para um dos
Por decretos de 8 do crrante foram nomeados:
O 3a escripturario da tbesouraria de fazenda da
proviacia de S. Paulo, Dionysio de Araujo Cate-
nheda, para 2* da das Alagas J
2 conferente da alfandega do Para, Joaquim
Marcelino Rosa;
Administrador das capatazias da mesma alfan-
dega, Antonio Joaquim de Mattos.
Por decreto de 15 do correte foi exonerado do
commando das armas da provincia de Pernambu-
eo, o brigadeiro Solidonio Jos Antonio Pereira do
Lago, sendo nomeado, por outro decreto de igual
dala, para o substituir no mesmo commando, o co-
ronel de infantera Joaquim JosGoncalves Fontes.
Por decretos da mesma data foram transferidos :
Para o 4" batalhio de infantera, o capito da
companhia de cacadores da provincft de Sergipe,
Manoel Jos de Menezes; e para esta companhia,
o capitio daquelle batalhio, Jos Cesarlo Varella
de Franca.
Foram nomeados em 15 do correte, os Io* te-
nentes da armada Emilio Augusto de Mello o Alvim
e Antonio Calmoa du Pin e Almeida, aquelle direc-
tor da officina de mchicas do arsenal do marinha
da Baha, e este director das coasiruccoes oavaes
do mesmo arsenal mandando-se dispensar do
exercicio era que se acha as oficinas de machinas
o engenbeiro machinista Patrele Mac A Usier, vis-
to haver concluido o tempo do seu contrato.
Foi expedido pelo ministerio do imperio presi-
A cmara dos deputados approvou hontem os se-
guintes artigos additivos ao oreamento oa parte re-
lativa receita geral do imperio :
Fica o goveroo autorisado a conceder isengo
de direitos de importaco e meia siza para as em-
bareag-s e mais objectos destinados empreza de
pesca contratada pelo presidente da provincia do
Para com os cidados Joo Augusto Correa e Ma-
noel Roque Jorge Ribeiro.Leitio da Cunha
Raiol.Franco.de Almeida.
Os foros e ladennos dos terrenos de marinha
nos municipios das provincias faro parte da renda
das respectivas cmaras municipaes, e por ellas
serao cobrados.Silva Pereira.
A empreza do enranamenlo do gaz no Para
gozar de isencao dos direitos de importago e ex-
pediente para todos os materiaes que importar tan-
to para o encanamento como para aedinVacaodo
gazometro e demais obras accessorias necessarias
ao objecto da mesma empreza.Franco de Al-
meida.
Fica sent dos direitos de importago todo
material importado pela companhia Water Compa-
ny Limited, e destinado as obras do encanamento
das aguas da cidade da Fortaleza, da provincia do
Cear.Liberato.Pinto de Mendonca.Ribeiro.
Pamplona.Rodrigues Jnior.Saldanha Ma-
rinho.
Ficam isentos de direilos de importaco e ex-
pediente as machinas e materias primas qae im-
porte a companhia de navegago a vapor do Mara-
nho para construego e concert de suas barcas e
melhoramento de suas offlcinas.
Igual conccsso fica extensiva companhia de
illuminacio a gaz da provincia do Maranho.Fa-
ino A. de Carvalho Res.Carlos Ribeiro
Artigo. Ficara reduzidos a 5 % os direitos para
as embarcacoes que se nacionalisarem brasileiras,
seja qual fr sua primitiva bandeira.
Artigo. Ficam isentos dos direitos de importa-
co de qualquer especie todos os gneros destinad.-"
as embarcacoes mercantes, como cordoalna, lona-i,
alcatrao, ancoras, etc.
O governo formular urna tabella de todos es-
tes gneros.
Artigo. Os estrangeiros podem possuir em-
barcages brasileiras, comanlo qne qualqaer dos
comparsas seja brasileiro.Franco de Almeida.
O governo fica autorisado a mandar extrahir
mentalmente urna lotera em beneficio do monte-
po dos servidores do estado, incluidas nesse nume-
ro as que j Ihe foram concedidas, at qae seja re-
formada aquella instituicao.Valdetaro.F. Octa-
viano.
A exportaco da lia produzida no paiz ea im-
postego de animaes domsticos sSo isentos de Im-
postos por quinze annos.Jesuino Marcondes.
O governo fica autorisado para fazer no regu-
lamento das alfandegas e mesas de rendas, bem
como ua tarifa em vigor, as alteracoes qae a'expe-
rieacia tenha acouse I hado, podendo por logo em
execoco as reformas que forem eoovenientes, mas
sujeitendo-as i approvacio do poder legislativo na
sesso do prximo futuro anno, deveado ea tees
alferagoes ter em viste o seguinte:
1." Simplificar o systema dos despachos das
mercadorias, eslabelecendo as convenientes regras
fiscaes para que s em casos muito especiaes os vo-
lumes passem por duas conferencias.
2. Dar um centro confeceo dos depacbos
de maneira que baja a maior uniformidade possi-
vel, assim na qualificacio das mercadorias como
nos valores por que devem ser despachadas as toe
sao sujeitas a direitos d valoren*.
% i.* Adoptar na reforma da tarifa, e aagaaao
as disposicoes da lei n. 1,157 de 26 de jnakw fe
1862, de preferencia, o peso para anidada aos des-
pachos, que por esse modo so torairem amas facis
prestando particular attenco fixaeaodaa aceeos
que servirem de base para a cobraaca dos treitM
podendo alterar a razio desses direilos en I
ci das mercadorias de geral eaasasao, e 1
aos artigos da laxa
% 4. Restringir quanto fr poaaWal o 1
em que podem as mercadorias ser eawrtda aos
armazens das alfandegas; e facilitar os despaebos
i


III
ni H HpJ'

Diario e feraaahn -**'*Hl I>lr f *fe Jitlho de 19*4.

concedendo prasos par .agamenlo das direitos al xeira da ser,
dozo mezes, contando-se o premio de 8 % no que ,
xctrferem qd* ^, e toma^.^^^
dencias concernentes 3 seguranca.
blica.Joaqun Saldaoha Manaba.'
-----" ". ,r .i ic ._*!*> a^tre* interessantus jectwrelativo a coBipKnMa d naTeg*#io a vapor
, poflcio de tabelliao t^-KWf"WS^SatT iahiaua e Pernambucana. OrouoV Barros Pi-
do judicial* e Botas do amo de iguass. na provm- aeawas na cartt do nosso ere*poo.umiie menteU flnaiiSMl00 offereccr um requexiroeolo
onieviaeo. __ >. ^ idiamento, cuja discussao flcou adiada pe|a
' serventa vitlioia do oflkio de segundo tabelliao
do publico judicial c notas", e mais anncxos, do
ao governo os orcamenios das obras edasquanti-
dades de objectos que tiverem de mP<*,amC4;
daano nnance.ro, para que o governo exerja l
(Hcalisacao que Ihe compete sobre a dita itencao.-
Martioho Campos.-Raiol.
. Sao isentos de todo e qualqoer direitode ex
Por decretos de 17 e 18 do corrente foram no-
m O desembargador da relacao de Pernambuco Jos
Ignacio Accioli de Vasconcellos, para fiscal do tri-
bunal docommercio da mestna provincia ;
O desembargador AlexajttriBeraarilino dos Res
^^J:k^*^ZIC ^^IB^SSmS^'Cartaxojresposmfa. Wque tari, i Puente ees-
a 3* dlscussit do
Ierro de D. Pedro II,
5-, 35400 a 34306.
3%5*200a3300.
c 4", (nao ha.)
c 1 somenos, 45-100 a 45300.
Macelo, branco fino, 55200 a 55300.
1 t baixo, nao bouveram vendas,
mascavo, 35100 a 35300.
Continuou em ultimo
na.wbjuiu.?" "TVTTV nnpmfdrd' bra'd o pbTSlico judela e totas; e mais aauc^, ^Yr^vs*J-'Z^SS^^iiaMS'Siiiitt projecto sobre a estrada de ierro de u. i-coro 11, iim, iW ^.
Ascompauhias 011 enpmtu W dra. tern de Saqoarema, na provincia do Rio ae,Ja- ronde.Joirape "%^^f *,ad0ft,eBMOr nrugafao a vapor no rio de S. Francisco eproloo- Bahia e Cotinguiba branco 44MD a 43300.
emd.anteMjaestiverconcedda; ,,e^fnSr neiro. Wla pravincfa *B10 de toneiro, : monto a actuaes estradas de ferro. Oraran Campos, mascavo, 3J000a33600.
reltos g traportac*), tlcam^obr.gadas a^aprsentar ^ ^^ ^ j? ( |g ^ corrente foram ^"a^L no nado nem .a ca-' osSrs. Salus.iano Seu.o, C. Madurelra, F. Ocla-
JSXiSJEX S^ZSi****- viano e Pinto Lima, lleudo igualmente a discussao
Hojeyi 1 hora da larde, seoeber S. Mi o Impe-!
radornoaaeo da cidade as depotacoos que, por
parto dtfcdaas cmaras, teem de apreseotar-the a
adiada pela hora.
Foi nfferecida a segointe emenda :
Supprima-se o art. 6o Sonta Cirvalho.
Sa-SS. WSSSSSSSt \ m&5eSa&!r* Mm "-:
para tente-
de infantaria n.
reV-Nery.Baro de Port-Alegre.-7Liberalo.
Durlamaque.-Paranagu.--Fialho.
Fica revogada a autonsacao conferida aogo-
verno pelo 8 4 do art. 11 da V n. 1,114 de 27 de
setembro de I860.-Nery.-Flores.-Barao de Por-
t Ficam isentos do pagamento dos direitos de
exportacao por vinte annos os productos das fabri-
cas de reflnacao e crystalsacao de assucar estable-
cidas no imperio.I. M. Macedo.Martinho Cam-
pos. Andrade Pinto.
E* o governo aotorisado para reformar as ta-
bellas dos emolumentos das differentes secretarias
de estado e mais repartieses publicas do imperio,
uniformisando as respectivas t"^quanl0'o/,pt;
sivei e pondo desde logo em execucao a laWiag
organisar.nao sendo os emolumentos elevados acuna
dos maiores que actnalrocnte se percebem as se-
cretarias e reparticoes publicas Martiono uam-
pos.Raiol.C. B. Ottoni. .
Conlinuam em vigor, durante oexercicoda
prwente tai, as disposiooes dos fjg^{,*
da lei n. 1,114 de V ^J^mbro de 1860,,nWl -,) da ^viacil dft Miltt6 Geraes
vas aos impostos addicionaes de 2.a 5/0 soore a, .
e de 2 > sobre a exportagao.-Maru-
z, na -provincia da Parahjlb-
O major Carolino da Silva Tasta,
coronel coramandante do batalhao i
107 da euarda nacional da provincia da Bama ;
Oeapito Manoel Jos da Silva Goimaraes, para
tenente-coronel commandante do 2* batalhao de in-
fanuria do servico activo da guarda nadpnal da
provincia do Rio de Janeiro.
Foram promovidos :
O capiiao Franeiseo Braslleiro de Albuquerque,
ao posto de maior ajadante de ordens do comniaa-
do superior da guarda nacional do municipio de
Pao d'AJho, da proviacia de Parn*bco-;
0 capitao Jos Dnarte Galvao Jnior, ao posto
de major ajodante de ordens do enramando supe-
rier da guarda nacional da capital da provincia do
Rio de Janeiro.
Foram reformados no mesmo posto :
Antonio Carlos da Silva, capito aggregado ao
! batalhao da reserva da guarda nacional do mu-
nicipio da rrte ; .
Manoel Noguetra de Oliveira; tenente-coronel
commandante do 4 batalhao de infantaria da
sao da assembla feral.
Sao merotiros da deputa^ao da camara-oos depu-
tados os Srs. : |
Salanha Malinho, Martinho Campos, Uantas,
Vklato, Moreira, Burlamaque, Raiol, Ueito da Cu-
nha, Liberato, Pioto de Mendooea, Beierta Cavai-
canti, Costa Machado, S e Albuquerque, Abelar-
do de Brito, Godoy, Esperidiao, Barbosa de Olivel-
ra, BittencourtSampaiOi NAias, Vasconcellos, Mo-,
raes Costa, CarraO, Feliclo flos Sabios e Nery.
Entren hontem em exercicio no tribunal da re-
la^o o 8r. desentbargador B. Francisco flaltha-
sar da Sileira, que ha pouco fdra removido da
relacao de Pernamboco.para aquella.

DIARIO DE PERNAMBUCO
Ficam em ser
oe Pernambuco, 8,800 saceos. ,,
De Macei, 1,700 saceos, 18 caixas e 282 baH-
ricas.
Da Bahia, 236 caixas.
De Campos, 318 caixas. ""
Total, 369 caixas, 282 barricas e 10,W0 saceos.
Sahiram para Pernambuco : 19, a barca
Barreta, e a 21, a barca neleza Bleng.
Chegaram, procedentes de Pernambuco : a
12, o brigue Almirante, cera 20 das ; 18, o bri-
gue sueco Hennek, cora 12 ; e 20, a barca ngle-
za Airan lsle, com 18.
Achava-se carga para Pernambuco o bri-
gue Almirante,
Pelos vapore Krinceza de JoinvUle, Paraht/ba e
fraacez liearn, entrados dos purtos do sul recebe-
| mes jprnaes con datas : do Rio at 24, da Bahia
Por decreto da 18 do correte /oram nomeados: at S^deSergipe at 26 e de Alagas al 29.4o
O escriataMHrk> da feoebedoria do Rio de Ja- correte.
neiro Joaquim Baptista de Magalhae?, para lan^a- j Alm do que ,va sob as rubricas Parte Oflictal
:dor da raesma reparticio. A e Interior, apenas encontramos o que segu : i
0.2 escripturario alomo Jos da Silva Pinto, Baha.Falleceram o desembargador aposenta-
para 1. do Francisco Jos Colho Netto, o corrector ge*al
O amanuense JosSrendes d Costa, para-2 es- j. osear, Elster e o director de oollegio Doolindo
cripturario. u Ame'-ic,> do Brasil Poates.
PERtUMBUCO.
REVISTA DUIli
importacao
nho Campos.-Raiol.C. B. Ottoni.
. Ao 43 accrescente-se:-Os reqnerimentos e
peticoes onde nao houver papel sellado a vendai so
pagrao sello depois de juntos aos autos, cuando
esfes forera sellados antes daconclusao ou quando
paaar-se sello dos documentos que por elies se -
verem pedido.-Casimiro Madureira.
Ficam equiparados os ordenados o mai^enc
mentos dos empregados das differenles secretarias
de estado aos ordenados e mais vencimentos que
actualmente percebem os empregadosida creta-
ra do ministerio da agricultura, tendo-se emai-
tencao as cathegorias dos referidos emiregno>;
Silviuo Cavalcanle.Abelardo de Brito.-H. Lim-
po de Abreu.-Cliagas l.obato.-J. Felic.o dos San-
tos. Andrade Pinto.Pedro Luiz.-Pedro Moniz.
-Affnnso Celso. Rabello Fernandes Moreira.
Figueiredo.Bittencourt Sampaio. \aldetaro.
Silveira de Souza. Luiz Felippe. Anstides
' Rea approvado o decreto n. 3,210 de 28 de
abril ultimo, que prorogou por cinco annos o prazo
concedido Jos Jacome Tasso pelo decreto n.
2,444 de 27 de julho de 1859, para explorar os lu-
gares dos sertoes das provincias da Parahyba e
Pernambuco, onde Ihe foram concedidas datas mi-
neraes, cando dispensados os direitos de importa-
cao dos objectos iiHrodiizidos para a referida ex-
ploracao, bem como os de exportacao dos productos
mineraes que forem extranos.Aragao e Mello
Correa das Neves. .
Ficam perteacendo s caeraras awatcipaes
das capitaes das proviodas os foros e laudemios
das marinhas corapretietrtidos nos respeclivos mu-
nicipios.MarUoho Campes.Raiol.
O seguate so foi apyrowdo al as palanasou
importados do exteritrpor ter sido aaaetn ap-
provada urna emeada do Sr. Uberato, mandando
suppriaar as palavras-pelos egoaanles, etc., ale
ffereceraos como additivo o projeejo n. 148
deste anuo, concedeudo ao overeo autonsacao
a dispensar os direitos de aaporlacao para os ob-
jectos necessarios nstnjccio do mercado e ma-
tadouro publico da capital do Ge*ra, e qoe lorem
remettidos ou portados do exterior pelos nego-
ciantes Singlehnrsl Abrcu & C. e Jos Joaquim
Carneiro, ou qnaesqcer outros negociantes.1 am-
plona.-Liberato.Rodrigues Junior.-Ribeiro
Figueiredo. .
Occupou-se depois com a lerceira discussao do
proj.clo sobre a eslrada de ferro de D.Pedro U,
aamndto i!o Rio de S. Francisco c prolongamenlo
das actuaes estradas de ferro Oraram os Srs. C.
Ottoni, Lima Duarte e Liberato, cando a discussao
adiada pela hora.
Foram offerendos os segnintes additivos :
c Logo que se houver reconhecido a melnor di-
reccao e a uiilidade do prolongainento das actuaos
estradas de ferro ou da abertura de oulras estra-
das em quaesquer pontos do imperio, para cuja
construcQo apuarecam companhias que se propu- \
nham, peder o governo contratar a cont.nuacao
ou comeco das respectivas obras mediante as con-
dires que forera vantajosas.
'. Taes contratos, porm, serao subinetlidos a
approvaca-j do corpo legislativo afim de resolver
Xe a conveniencia das mesmas lipjias, a oppor-
tunidade das emprezas e a responsabilidade do the-
souro.-Bittencourt Sampaio-Franc.sco C.ir.n-
dio.-A. S Lobo.-Barbosa de Oliveira. Silva Pe-
reira.Nascimealo Feilosa.-A. A. de Souza tar-
valho.-Barbosa de Almeida.-Jose Angelo.- ADon-
ssAlves.Pinto'Lima.-Junquera.Pedro Moniz.
_J. Madureira.-Moreira.Carneiro de Campos.
-Sonto.-Bezeira Cavalcanti. -C. Madureira.-
Mello e Alvim.Nery.-Lopes Netto.
t Ao art. 2. Se alguma companhia se contentar
com a garanta de 4 por cento por 50 annos, em
compenwcfo se Ihe perm.tlir que hattttoa em
dividendos at outros 4 por cento de renda liquida
em addico aos 4 por rento pagos integralmente
pelo thesouro. Ao governo, oeste caso raCTe-
ditada, era encontr da garanta, somente a renaa
excedente a 4 por rento lquidos, de modo que o
lheouro nunca pague mais de 4 pergenio ; mas
esta contribucao sseja reduzda depois que a ren-
da lquida exceder a 4 por cento e cesse quando
ebegar a 8 por cento.
. Ao ari. 3 IoEm lugar de arrendara-di-
oj.sepoder arrendar.
t Os arts. 8 e seguintes sejam remettidos para o
senado redigidos cm projecto separadaC. B.
Ao art. 8 do projecto n. 150Depois da pala-
vra-companha-accrescenle-se-ou com quem
sepropuzer a organisa-la.-Pinto Lima.-Seuza
Dantas. Pedro Momz.
Supprima-se a ultima parle do I 2* do art J
desde as palavras- ficando, etc. -Ribeiro da Lm.
Bartbolomen Jos da Cost, preto, casado, reco-
mido na manhaa de 29 do passade a casa de de-
tencao a ordem do subtelegado da freguezia de
>m*m* m > da abandeira SS3^Sm^pX?l
Por poriarias de 17 do corrente fot nomeado Jo-. da. Associa^ao dos Caueiros iwcionaes, >M oreja *&* '' ta(l0 0 e 'f |ugar a que o Dr.
s Pereira de Araujo para o lagar de agente do ^ Concdcio da Praia, mandada farer para os es- ^^^Z$Lt a aquella auto-
correio da villa de Marvao. na provtncjaoe Plau- tjos do da 2 de.julbo...... ... J. ridade do estado de Bartholomeu, qu. islo nao
Foi designado o capitao do 2* batalhao de infan-
taria do servico activo da guarda nacional da pro-
vincia da Baha Joaquim Ignacio da Cmara P-
nheiro para exeroer o lugar de major no mesmo
batalhao;
Foi aposentado sem jus a vencimento algom o
desembargador da relacao de Pernambuco Pedro
de Alcntara Cerqueira Leite.
Foi commutada em seis meies e meio de pnsao
simples e multa correspondente metade do terapo
a pena de um anno de prisao simples e multa cor-
respondente metadedo lempo, imposta peto jury
da cidade de Macnb, na provincia do Rio de Ja-
neiro, ao reo Francisco Vieira de Freitas.
Tcve merc Juvino Dnarte Silva, da serventa
vitalicia do offlcio de Io tabelliao do publico judi-
cial e notas e do registro geral das bypotbeeas da
comarca da capital da provincia de Santa Cama-
rina.
hy, vago por exonerarlo de Antonio Rmelro da
Silva; e creadaum encia de conreio na Villa de
taporanga, da provincia de-Sergipe. I hihhw i ASburaa u un u ^ui*, u jiu -
Por portaria de 18 foi emittido Joaquim Ferre-( dous de julho. ..,,. caridade de mandar"prestar-lbe os primeiros soc-
ra da Canha, do logar de agente do crrelo da vil-; A cmara municipal, fiel mlerpreto dos vosses "" Bartholoraeu careca, ao que se
la de ignass, na provincia do Ro de lanelro, e ; senlinantos, lolga de convidai-vos a reeebe-|o e ri'Af'.. ^--n. .,,,,1,^ Hn.ir n lonco Dar
-A cmara 'twwicipal publicoo, no da 2j o JgJS^f lef nSST Tti" clnila, quando
segrate bando : ihiIne s apresemou no estabelecimento a raullwr de Bar-
WMP 1 Assoroa o da da patria, o jubiloso i .-^ ao Sr_ Dr. Ru0no> tivesse a
Por portara tle 17 do corrente foi nomeado Jo-
s Pereira de Araujo para o lugar de agente do
correio da villa de Marviio, na provincia de Piau-
hy, vago por exoneracao de Antonio Romeiro da
Silva. ikA
Na mesma dat foi creada urna agencia de cor-
reio n villadeOtaporauga, da provincia de Ser-
gipe. \
21
A cmara dos deputados approvou hontem sem
debate o parecer da commissao de poderes reco-
nhecendo depotado pet 3* dsiricto da Baha ao
Sr. Pedro Antonio Falrito Brando.
Continuou em seguida a 1" dseusso do projecto
que revoga o 14 do art & da lei provincial das
Alagas n. o, de 9 de julho de 1839, em que se es-
tabeleceu o imposto de 10% sobre a exportacao de
madeiras. Oraram os Srs. Juoqueira, Burtaiaaque
e Silva Pereira, tieando a dseusso adiada pela
hora. .
Continuou em ultimo lugar a 3- dseusso do
projecto sobre a estrada de ferro de D. Pedro II,
navegacao vapor do Rio de Francisco e prolon-
gamenlo das arluaes estradas de ferro. Oraram
os Srs. Frederico de Almeida, Silvno Cavalcanti,
C. Ottoni e Bezerra Cavalcanti, ficando a discussao
(igualmente adiada pela hora.
Foram offerecidas as seguintes emendas:
Ao 2- do art 2 acrescentc-se:Podera fazer
parte desta subvencao as companhas a concessao
ro-
d-
nomeados Manoel do Nasclmento Fernandes Moura festeja-Io, como povo qoe sois Ilustrado e livre.
e Jos Alves de Barros, o ririmeiro para agente do 0 annlversarida emancipacao de urna nacio-
correio de Ingazeira, par deaisso dada a Marco-' nalldade sempre credor dos maiores enthusas-
lino Antonio Xavier, e o segundo para a Boa-vis- mos sellai-o cheio de ufana com a repeticao dos
ta, por demissao dada a Jos Crispuao Rodrigues Vossos hymnos, cora ludas as eUusoes do vosso
Coelho. exottameoto. i
-------- t Nunca de mais se applaude o da da hberua-
Por portara de 18 do corrente foram nomeados: | de conquistada ; e sua recortac/io gloriosa trains-
Albimt Ferreira do Andrade, para o lugar de m(te as gera^es vindouras a naats proveitosa li-
fiel da primeira ulasseldo almoxarifado do arsenal ^0 a vida das nasoes.
de guerra da corte ; i Honrai, Bahianes, a memoria desse da, que
Jos Francisco de Souza e Almeida, para o lugar assignalaudo-tos entre vossos irmos, faz a mais
de apontador da fabrica de armas, na fortaleza da j)r|hante pagina da vossa historia, e o fervor dos
Conceico \ i vossos cultos, a expontaneidade das demouslracpes
Ba ordem do dia n. 404 publicada ante-hontem d0 Vosso regosijo, perpetueovse na admirado de
pela reparticao do ajudante-general consta o se-; t04oS eni prova de vosso patriotismo e da vossa,ci-
cuinte : i vilisagao.
Nomeacoes.Dos Srs.: coronel de infantaria. viva a religio calbclica apartoHoa
Joaquim Jos Goncalves ForKes aara commandante mana j
das armas da provicia de Pernambuco. Decreto viva a constiluico poltica do Imperio I
de 15 do corrente raez. Viva S. M. o Imperador constitucional e
1" cirurgio do corpo de saude Dr. Antonio An- fensor perpetuo do Brasil I
tunes da Luz, para o lugar de Io cirurgio do hos- j Viva o dia dous de julho!
pital militar da proviocia de Mato-Grosso. Viva o heroico povo da Bahia I i
Io tenente do corpo de eogenneros Jos Eduar- pag0 da municipalidade da Babia, 25 de jutiho
do Barbosa, para servir na provincia de Sergipe, ,]P i8Gl. Alvaro Tiberio de Honcono e Urna, nre-
em lugar do Sr. 2o lente do mesmo corpo Anto- i sdente. Antonio Garca Pacheco Brandao.Leo-
nio Jos Ramos, que foi dispensado de seguir para ^ Estellita Fernandes NettoBernardina de Sena
a referida provincia. '[Moreira.-Bardo do Ro Vermelho. Dr. Antonio
Alferes do 13" batalhao de infantaria Pedro de perertt de esquita. Francisco Jos Pereira de
Alcntara da Silva Monclaro, para o lugar de quar- Albuquerque;Salvador Pires de Carvallw e Ara-
tel-rneslre do mesmo batalhao. gao.Dr. Antonio Dias Coelho.
Remoeoes.Dos Srs. 2"- cirurgioes do corpo de ; u.se no j,,,.^, |
saude Dr. Alcibiades Jos de Azevcdo Pedra, da | j0 ma ^ do passado, ao partir o trein ordi-
provincia de Pernambuco para a do Rio-Grande nario rta Estaoao da l'ojuca, o engenheiro encarre-
do Sul; e Dr. Manoel Cardoso da Costa I/)!, des- paj0 dessa poreSo da lintia, mandou o trabalhador
ta para aquella proviacia. .' Duro entregar ao chefe do trem urna carta para a
Exoneracao.-Do Sr. brigadeko Solidonio Jos ci(|ade.
Antonio Pereira do Logo, do commando das amas os |a(j0: dos trilitos tem-se amontoado, nes
da provincia de Pernambuco.-Decreto de 15 do te3 ltimos tetnjms, porcoes de barro tirado das
rorrente mez i immediacftcs do tnnel da Pojuca ; e?se barro pe-
Do Sr Paulo Candido Piquet, do lugar de escri- aj0S0 e escorregadico. Na occasiao em (|oe se ap
ll0" proximava a correr trabalhador ao carro onde
costuma iear o chefe do trem, escorregou e met-
vao do arsenal de guerra da provincia
Grande do Sul, comopedlo.-Decretodc 11 do cor-
rente tnez .i,ii
Demissao do servico militar.-Por decreto de II
do corrente mez fui concedida ao Sr. 2- ten*
gratuita da propridade de terrenos adjacenles a -; t(aU|ho de artiiiia'rla. a pe Jos Faganha da Sil-
via frrea, que serao para esse tira demarcados se- Baraa a demissao que pedio do servico do exer-
gundo as clausulas dos respectivos contratos.Li-
berato.
Ao 1- do art. 1 acrescente-se no fim: ASSlia
como de um canal que communique o mesmo rio
de S."Francisco com o riacho dos Poreos, c os nos
Salgado e Jaguaribe, na provincia do Ceara, e de -
urna estrada de ferro da capital cidade de Bata- *g?n
tn _.OUM R- ?tl/eap
Transferencias.-Dos Srs. : capitaes Manoel Jo
s de Menezes da companhia de eagadores deber-
gipe para o 4 batalhao de infantaria, c Jos tesa-
leu a perna por baixo de nma das rodas, qoe, gy-
rando, arrastou todo o tefldo da perita, fazendo em
cstilhacos tu la a tibia e peroneo.
c 0 chefe da estacan ouvio de dentro della o
: grito demorrea o Duroe, acudindo, veto acha-
, lo nadando em saague que jorrava das arterias;
recolheu o ferido estaclo, tratou de amarrar
com toalhas a ferida, demorou o trem, communi-
cando inmediatamente o facto ao chefe do trafeg
urna
ril, na meema
. capital
irovincia. JLihgml
deiraPamplona. _:_. ^vse ._ i ria, como requereu.
Por decretos de 14 de jonho : I
catbegoria de batalhao a 2" secr;ao \
Foi elevada a .
de batalhao de infamara da guarda naciona
! gusto
. Se passar a emenda do Sr. Silvino, diga
Menos o projecto sobre a eslrada do Paraguassu,
que foi approvado em 2* discussao.P. Lima.
Dantas.-P. Muniz.S. Sonto.-J. ISadureira.
Supprima-se o art. 2 e os mais do projecto
Stfotno Cavalcanti.
t Ao art. 1" acrescente se:Salvo os direitos das
companhas existentes.
Ao S 2o do art. Io acrescente-se: evenuo
empregar de preferencia nesses trabalhos enge-
nheiros militares e offlciaes do estado-maior do
exercilo que lenham as habililasoes especiaes.
Ao art. 2." Em vez de-fica o governo autori-
sado para imcubr a execuSo do cada urna destas
linhas,-dga-se:fica o governo autorisado a
contratar o referido prolongaraento sobre as bases
dos |>aragraplios seguintes, dependendo entretauto
qualquer dos contratos assim entabolados da ap-
provaco do poder legislMivo, para que este possa
apreciar o ons do thesonro.
No i 3 do art. 3 supprima-se o vocabulo-es-
Lriimt-'ird
I Depois das palavras-preferndo aquella que
contratar o prolongamento da linha. crescente-se
mas ludo nos termos do art. 2*, na
emendada.
Ao art. 7. Depois das palavras. Receita or-
dinariasupprima-se tudo o mais do artigoJ- de
Baos Barreto.- Pinto IJma.-MHo e Alvm
Godoy de Vasconcellos.-Bittencourt Sampato.
Foi apresentado o segrate parecer ;
A commissao de poderes, havendo examinado
o diploma do Sr. Manoel Ignacio Carvalho de Men-
donca, eleito deputado pelo 2dismclo da provincia
de Mnas-Geraes, na vaga que deixon o>r. ineo-
phHo Benedicto Ottoni, e acliando-o conforme, e ae
parecer que o mesmo Sr. Carvalho de Meodonca
seia recoBhecido e tome assento. .
. Paco da cmara dos deputados, em 20 de ju-
nho de 84.-/a.Ceta.-A. C. de S
)ftuerque. >
sao fc
no Varella da Franca, deste batalhao para aquella (, convi i companhia. Decreto de 15 do corrente mez ^ rcni n c,
Julio Au- i
O infnntn; i
ontinenti i corno de delicio. Hora e meia
denois fez seguir o iram ordinario, or ordem.ex-
preSa do secretario da oonipanhia, ulhmamente
chegado de Londres, que se achara enlao no Ca-
Licenrasconcedidas.Aos Srs.: capitao do cor-1 lUj e noras depois o ferido, em trem especial para
po de g'uarnirao do Espirito Santo Tito Livio da que|uc fossem aqui ministradosossoccorros, que la
Silva, tres mezes com sold e etapa, para tratar de faitlVam absolutamente.
sua saude onde Ihe convier
Alferes do 1 regiment de (avallara ligeira
Luiz AolTonso dos Beis, tres metes era prorogacao
da que Ihe foi concedida para tratar de sua saudL
na provincia do Ro-Grande do sul. ..
Capello alferes da repargao eccle*lastica do
exercito padre Autonio de Mello e Albuquerque,
No transporte para esta capitalou pelos
.-.halos do trem, que augmentavam a fierda do san-
gue, ou pelo estado de inanicao, que j tiuha
chegado o ferido, expirou elle* na altura da esta-
cao de Maplle.
_ o cambio regulava : sobre Londres a 27 1|2
e 27 5|8 d. ; sobre Pars 345 rs. ; sobre Portugal
dous mezes, cora sold simples, para ir a provincia ; % a 100 "|. e sobre Hamburgo fio3 rs.
da* Alaffv Chegou. procedente de Pernambuco, a 23 do
a barca hamburgueza Sebn, com cinco
Dispensa do servico para esuidar-Ao br .te- | pasf;l,|0)
nente-judante do corpo de gnarnicao de Minasbe- dias.
raes Antonio Eneas Gustavo Galvao fo. pernultido
desistir da que obteve para esodar o curso de es-
tado maior de I* classe. '''_"; ,_ ...
condeeoracoes.Ordem de S. Beolo de Ayiz -
Cavalleiros, os Srs. : cirurgiao-mor de brigada
eraduado do corpo de saude Dr. Pohcarpo Cesano administraeao o Exm. W.
de Barro.-eeMlo de 8 e diploma de 11 do cor- Silva.
rente mez ...U. No da 2 do passado foi encontrado, por nma
Canitio-do 7* batalhao de lnf*ntar Pon|ieo Ca- eic0\U ana conduzia presos de justica, as imme-
flrmDa I piaran de 1 de marco do corrente anno.
Ordem de Chrsto. -Cavalleiro, o Sr. capaao do
1 batalhao de arlharia a p Luiz Fernandes de
SamSo-Decreto d&20 dt-aferil lindo e diploma
de 18 de maio ultima J
Foi expedido com da de 14 do corrente o se-
gonte aviso i presidenoia da provincia de Pernaia-
bUSendo presente # Soa Magestade o Imperador
o ofRcia, em que sea presidencia conwi
eAMm-
nisada no municipio de Miranda, da provmcia de
Foi'desltgada do batalhao de infantaria n. 5 a
cnarda nacional qualiDcada no municipio de S.Luiz
de Villa-Mana, da mesma provincia, crendose
com ella nm batalhao de quatro companhas ;
Por decretos de 14 de maio foram creadas duas
accedes de batalhao da guarda nacional do servico
actiVo, urna na freguezia de Bethlem e ootra nada
I'enha, na provincia de S. Panto.
* Alteroo-se a organisacao do batalhiio de infanta-
ria n. 26 da guarda nacional na mesma provincia.
As datas do paquete francez Saintonge,
orga- Buenos-Ayres 13 e Montevideo 15 do corrente
Por portara de 16 do corrente foi nomeado Jos
Comes de Souza Ferraz, para o Ipgar de agente do
-correio de Satgnelros, na provincia "de Pernam-
^ -20-
Por decretos de 10, II e 15 do eorrente foram
comeados : _^
O bacharel Balbino Cesar de Hallo, ott monrti-
pal e de orpbos do termo de Rajaby, *a provu
ia de Santa Camarina -
) tenente-coronel Jos luiz ae mi,,
ronel commandante Miperier da gnarda naenaal
do Pomba, na provincia m Minas
sao animadoras o teem conceb* 0-J"rPJ.^
Saliram, para Pernambuco, 16, a pi'aca
hespanhOai Ermennda, e 22 o palhabote Bello.
Achava-se carga para Pernambuco o pata-
cho D. Luiz.
Shhbite.No di 21 devia assumir as redeas da
Dr. Cincinato Pinto da
iliacoes do engenho Cina&rut'u, tenente Fran
ciscoRolemberg Chaves, ferido laortalmente, tendo
junto si um cavallo sellado e urna moca, que
declarou ter sido seu irmao o autor do eriae,
O ferido fallecen poucas horas depois.
Alagas.Nada occorreu que raereca menco
prestou dito Dr. mandando conduzr o louco para
a enfermara afim de ser sangrado.
Bartholomeu ao entrar na enfermara mostrea-
se calmo e sentou-se sem repugnancia, mas em
quanto o harbeiro sahiapara ir a urna cellula Iron-
teira, aquelle infeliz illudindo a vigilancia do ser-
vente que o assistia lanea raao de urna faca
de mesa que eslava ubre unta pratileira, deu
um golpe no pescoco e sabindo da enfermara se-
guo apressadamente para a escada pela qual des-
een, em direceo ao portao ; onde nao poude ebe-
gar por Ihe haver sido embargado o pasao pela
guarda, que se havia formado com toda pressa.
O infeliz Bartholomeu vdKa e secundando os gol-
pes deu um tao extenso e profundo que separen as
jagulaes e a garganta, havendo urna perda total de
sangue, expirando o mesiuo poucos momentos em ,
um lago de sangue, depois de haver sido ungido ,
pelo capello do estabeleciment. !
O vapor francez Bearn, couduz para a bu-
ropa 236 passageiros, inclusive 10 tomados en nos-
so porto, sendo 63 para Lisboa e 173 para Brdeos.
Entre estes se acna Mr. Lefbre de Bcour, minis-
tro francez em Buenos-Ayres, e o Exm. Sr. senador
Ignacio Silveira da Molla. I
_ O moleque, autor do furto do armazem da
ruadaCada n. 57, declarou nos nter rogatorios,
a que se procedeu perante a subdelegaba do Re-
cit, nao ser esse o primeiro em que elle tomava
parte, porquanto entrara nos dos armazens do Ba-
liza, n largo do Livramento, e do Conservativo,
no largo do Terco; e que sua ahora era sabe-
dora de tudo com participacao do producto, que
era dividido entre ella e os demais autores. Alem
dsso, declarou tamben que o producto do tuno
do armazem n. 57 fura entregue sua senhora. e
que ella entao deu a gratllcaco que noticiamos.
Pessa qoe asstio busca dada em casa a^>s
senhora, informa-nos que tudo ah denuncia ser-
vir ella para deposito de roanos, pois que encon-
traram-se, por eaemplo, cinco manteletes de sena
preta novos, diversos anneis de br.lhante e=condi-,
dos em varios lagares da ca^a, al.n d urna inl.iii-.
dade <1e objectos diversos era quididades e valores,.
que jamis poderiam servir essa senbora. v> -,
mais, por inforraaces de patatal do bairrodo He-
cife, sabe-se que o moleque nao eslava lugmoa:
das, como foi por ella declarado, porquanto na ,
espera pela inanha estera elle com a mesma >e-
n'-ora em casa d'uma engommadeira nesse mesmo i
' Anda mais nos informara que o Sr. sabdelegado
do Recit, tem empregado zelo e aclividade no bom .
resultado dessas posquizas, pelo que e digno ut
Est devanado o dia 11 do corrente para ter
lUgaT a *. SeSSIW ]aftlciar>o *-> wy do Recife, sob a presidencia do Sr. Dr. tete de di-
reito da vara Manoel Jos da Silva Neivas.
Termmou hontem o prazo marcado para o
recolhimento das notas de 2005; as quaes passam
agora a soffrer o descont nieosal de 10 por cenio
at definitiva demonetisacae.
No dia 7 do mez prximo va > a praca peran-
te a thesouraria provincial, os pedagios das barrei-
ras de Cachaan por 3:520,5000, de Jaboalao por
3:5241000, de Gioui por 5:988000, de Tapacura
por 1:8015600, e da Ponle dos Carvalbos por....
98'5800 res. ,
O vapor inglez Magdalena trouxe a seu bor-
do da Europa 30 passageiros, vndo entre elles o
Rvm. Hanauias Berkoch. sacerdote do rito grego.
Para os portos do sul embarcarain no nosso 2 pas-
oo Rodrigues Barix, Carlos M. Joaaeson, ansfeca-
da Marcotino Mximo des Santos, Gertrulesntrra-
va de Joaqnin Luiz Vieira, Agosiinho Goaws da
Silva, sua senhora a i lilho.Samnel P. iihtawesoa
senhora, Edward Wilson, sua senhora. 2 WIhw, sua
cunhada, 1 cruda e 1 escrava, soldado Seranm
Marques da Costa, Gustavo Antonio de Brito. Adria -
no, Mara Joaquina da Gonoeicao, Glaudina, Char-
les Adyo Austin, Koiiaso Etfi de Gachino. An-
tonio Ribeiro Cavalcanti, Manoel Casimiro da Ro-
cha, Jos Guedes Nogueira, Pedro da 8ilv Mego-
Jobn Doelfer, Mano! Joaquim rta Silva Lcio, An-
tonio Christiano Fagos, Jo.io Nunes Trigueiro, Fran-
cisco Martins Vieira Pacheco, Manoel Jos de Oli-
veira Maia, padre Luix Jos de Oliveira Diniz, Can-
dido Jos de Moura Jnior. Pedro Delflt, Joao Mu-
niz da Costa.
. Seguein para o norte :
Capitao Pedro Cesar Jansen Costa, desembarga-
dor Joo Baptista Goncalves Campos, Dr. Joaquim
Vieira Ferreira, fre Clemente de Genova, commis-
sario Jos Antonio de Mello, sua senhora c 5 filos
menores, 16 pracas do exercito, 3 escravos a en-
tregar.
Passageiros do vapor nacional Parahuba,
vndo de Macei :
Jos Goncalves de Albuquerque, padre Jos Por-
firio Gomes, Ballhazar Jos de Magalhes Bustos,
Antonio Pedro Gomes, Maria Joaquina da Concei-
co e 1 lilha raeuor, Eulalia Mana da Coaceicao,
alferes Joaquim Jos Neves de Seixas, 5 oraras do
exercito, 1 recruta para o exercito, 1 desertor do
segundo batalhao de infamara, 3 criminosos.
Passageiro do Drigue nacin il .Voro A'mi-
rante, vlndo do Rio de Janeiro : Antonio Pereira
dos Santos e Silva.
' Passageiros do vapor francez Bearn, sabido
para Bordeaux e portos intermedios :-Thonz
Teixeira Bastos, Casimiro do Santos Machado,
Jos Joaquim de Almeida Ourlaxo, Autun sus
Leal Res, Jos a mira Luyo Jamor, Jos Jacome
Tasso, Haariquu ie La waage. Joo Siinoes de
Almeida Jnior e J'io Jote.
Movimento da casa de deteocaono da 26 de
junho de lt>64.
Exstiam..... 347 presos.
Entrara ni..... 27 4
Sahiram......
Existen...... 370
A saber :
Naeiooae*..... 230
Estraogeiros... 41 >
Mulberes..... 6
Estrangeiras ... 1 >
Escravos...... 66
Escravas...... 6
370
Alimentados a cusa dos cofres pblicos 121.
Movimento da euferuuria no da 28 de junho
de 1864.
Teve baxa :
Belarinino Alves de Carvalho ; syphils.
Teve alta :
Luiz Baptista da Silva.
Falleceu :
Jos Ferreira de Lima.
Movimento da casa de detencao no da 27
de junho de 1864.
Exstiam...... 370 presos.
Entraram...... 11
Sahiram...... !!
Falleceu....... 1
Exislem ....... 361
A saber :
Naconaes...... 245
Estrangeiros 39
Mulberes....... 5
Esttangera..... 1
Escravos........ 65
Escravas....... 6
Alimentados a
361
costa dos cofres pblicos
!).
PUBLICARES A PEDIDO.
|.4 sentida unirle do men ami-
go Jos de Almeida \nuci
Lina.
m Anda hontom um sorrr dos labios
5 De ti amigo vi-se desprender :
Anda hontem, que fatal engao!
Julgava tonga tua vida ser!
E boje, a campa mais um vulto encobre,
Em suas vestes de sentida cor
Hora fatal comprmo-te o corpo
Coitou-te, a vida : que treuieute dor .'
NOTICIAS C0MMRCIAK5 E MARITMASJ
Buenos-Ayres, 12 de junho.
Carne seCca. -fem-seTestringfdo as-transaccoes
ueste artigo, nao sendo a eslaeao pouco i propicia
eslendedura. Entretanto veihtersim-se 4,000 quin-
era' rasnosta consulta da cmara municipal Ues para 0 Brasi| a 24 rU. f., e depois 10,000 di
_.. k Sa*La .l.i ii'f mote .__J o/\ _l *
tendo fallecida o juit de paz mais
me.
votado-do-i" dis'tricto da fregaezia de S. Fr. Pedro
Goneaivos, j a finalisar-se o anno do seu Btf-
co, poda a dadao Jos Pedro das Neves, eleito
em sWuodo lugar, exercer as funecoes.do cargo
no seuoudo anno -do quainennio, clarar que.
estabelecendo o aviso de 12 de Janeiro de l.ib
immediato em votos succede,
As notieas sao Mimaflora. o,i*en. eo. .mar j^-irieto'riodo ig4r, ^0 que Ihe precede, se
Isongeiras esperancas^ O Estado Or.ental, al v v resal[ar d(j ira diment0 que nao
de arder em guerra intestina, se vte cm '**" sna-iemporario, e nao podendo um juiz de paz ser-
omplicacoes cora o Brasil, aRef^l.ca Argentina ^3ietoio% m, os differentes,
d------,.:on,cnn. romo or encanto ^Jl.^.^X. dh serrir no seirondoano
se tor-
o Paraguay, e eis qoe, como por encanto
so se desfaz terminando a guerra civil
arecend as ameacas de hostilidades
ras. Peto menos assim qu as folhas oriemag
ncarwn -o horisont da repoblea, e oxaia se nao
enganem alias as asprovt3es ... oB
As relacoes entre o gOTerno de Momewdeo e o
linisiro brasileire ameacavam romper-se de m
omento para o aaaro, depote de varos notas ina-
, vr como praprietnrio em doas nanos
i seguia-seque devia serpir no segundo ano o ter
ceiro juiz de pz na orflem da votacao, que
-i, nranrietaria do seffando lugar por re
tuo
isso se desfaz terminando a guerra civil e desa
1 "a'r'a propietario do segundo lugr por raorte do
Nesu situante, o gnverooargantmonsuieoua
#eu ministro de estrangeko, O. ta* Elixal
que, levando comsii o ministro *'*
ara
thornton, fossera Montevidq offcreeer a apa
CoMaeilDiffirna ss- j qu -estime*!** frp
bem succedda, concojydo o Brasil e o Uruguay
em que as reclamronsed subditos fossem pulgadas
pelos tribunaes competentes e as qqestoes de go-
*MtoC^v!i^\'fS& kS bases paraura
do municipio
Pe removido o bacharel Jos Topqnato eArm-
io Barros, dos termos reunidos da Matta-GraUde e
Pao de Assucar, na provincia das Alagas, para os
4e Propri e Porto da Folha, na de Sergtpe, por
asslm o haver pedido.
Foram concedidas : .... ,.=-
Ao tenente-coronel commandante do l" batalhao
de reserva da guarda nacional da provincia do
Cear, Manoel Flix de Azevedo e S, reforma no
nosto de eoronel; .
Ao capitao do batalhao de infantaria n. 24 da
suarda nacional da provincia da Baha Francisco
Antonio Carvalhal, reforma no posto de major ;
Ao eamlao reformado da guarda nacional da
provincia do Maranho Frederico Aognslo de
Souza, melhoramenlo de reforma no posto de
mForsenarado o termo do Principe do de Coriliba
a oreado nelle om logar de juiz municipal e de
0f Foi^readp nm commando superior de guardas
nionaes ao inpnicipo do Pomba, da provincia de
MFo?Sra'a dcslstentra quefazLoiz TosTei-
nftis voftdro padre Jo&liSto PiRa >tHnera
o mesmo Augusto SeaMr haave por bem approvar
esta deciso, me est de aecoruo com nimio avi-
so de 12 de janero de 1866, e coraos de 8 de ou-
tubrede 1860 e 26 da jnnbo de U63.
i t*- 13
flonlem nao houve sessao ao senado^aem na
cmara dos deputados, por GBa Je numero legal.
Por decreto de \io>ciraafoi nomeado ca-
pello alferes da repartilo ecclesiastica do exer-
cito o paare,AJaxjM>dre JacinthMandftji i
Os empregaqas >* sacr#ana .(te-astado dos ne-
gocios strangeirastomaw luto'de wto diasaelo
fallecimento do Sr. visconde de Maranguape, que
por vezas foi miaiSfro daquell* repaf bfiao.
L-se no Conmovi i Param de 4 do cr-
reme
tas a 20 rU. f.
O nosso deposito sobe actualmente a 162,001)
oBuitaes.
Couros de novilno salgados.-Petos de 60 horas,
37 1|2 ris de prata, os de vaoca. Os de novho dos
Ros, de 64 libras, postos bordo e direitos pagos,
deram 44 rls.
frttos vaccons seceos.Para a AHeraanba os de
novlho W -a 39 rls de prata, os de'Vacca a 42
li2. dem para c norte da America 39 a 39 1|2.
Para'IMpatiha- Os4e Bnfre-TO^ com reem-
barque 43,de Corrientes 33e-do Pwagnsy 36 rls.
de prata.
Grana e azeite de potro. Ultima vaoda 40 p.
(em moeda corrente) por arroba) sem asco.
Sobo.Clma venda 14 1|2. .
fio de Janeiro, 23 de j*kQ.
Cambio.-*ommm os saques fechados pelo pa-
unete franc* Bearn :
Sobre Londres: 200,000 a 27 1/4 e 27 3/8 dj
alm de urna quanlia diminuta a 27 1/2 d.
Sobre Fraj$a e Autoterpia ; 1.2O0J00O francos
a 347 e 34 rs., sendo a maior parte ao segundo
ateansmo algnmas Transaccoes a 3B0 rs.
Sobre Haabargo '10,000 m. b. T-6W e 668lfs.,
predominando primiw algarismo.
Sobre Lisboa e o Porto regulou a tabella se-
Nao isla tudo.
accordo'com Flores, e no dia !2 partirn) os tres
ministros, braslleiro, inglez eargertmo, -parase
enlenderem com aquelle caudllbo.
Por nma feliz coincidencia, veo o vapor para-
guayo chegado 14. Irazer a noticia de estarem
d^^^^^^^r^}^^^ Alfama,ibones.
D,'E'^P0^e^mMp^^^^^^ fci freso em Canjea, aoud
Somos informados qe Joaquim do Alcntara,
natural desu cidade, asaassinoa -com urna facada
a um *eu conipanheiro de bordo da sumaca Ha-
Zt::
avista. .
S das}
< a 41 das.
a 90 dias.
E' aasm ano a imprensa .... _
estado av. cou^as mas o qoe vefdadeqne, alem achava a dita suaiaca.
< O brigue nacional Dous Amigos, propri-
dade de Pinto es Portelia, eocalhou na barra de, S.
la bem fundada espenmea do rcstabcleciraentoJ
paz interna e nSo interrompimento das reiagfs
comnosco, bem pouco on nada se sabia em Monte-
video a respelto do modo porque se rara arranjan-
do os negocios.
a R-puMica Argentina mais nma vez foi a
tsaoquillidade publica perturbada em Salto.
lm Buenos-Ayres faziam-se enthusiasti
meetings em demonstraao de sympaluia
Parir.
Do Paraguay nao ha noticia de importancia.
Pac
onde os Hesaabbps'cootinuatn a 'ceupar as Clin-, df-Minas
Francisco no da 28 do passado. Este navio sahto
de Itajaliy carregado de madeiras cora destino ao
Rio de Janeiro ; abrndo agua ta altura de S. Se-
bastin, vinha arribado para llajahy, quando en-
calhou na barra de S. Francisco com o poro obwo
d'agua.
t Trata-sede salvar o carregamento.
A cmara dos deputados.apifovoa hontem, sem
DesccntriE. Conservam-se nos bancos il*f
Na praaa regnlam de 8 9 /
Meafcs^-Expnftaranvse desde odia 8doeor
reirt! at *oJe C28) os wateres seBuinies
Destino. Ouro. PrtU
Brdeos. .14:0005000 i
Lisboa. 19:660*000 *
Illu dos Ac- ..,
. 6:2TO000 1:1285000
38:613^480 5
c1! ir11 ro*
Na conciusaoda Biographia do Exm. Sr. Bis-
co de Pernambuco, publicada em nossa 8.; pagina
do nnmero de hontem, sahiram por equivoco na
paginacao, os sete primeiros paragraphos que tazem
parte do artigo Jurisprudencia, que sahio cima
6' Por decreto de 11 de junho de 1864 foi con-
cedido alfandegamento ao Trapiche do Petounnho.
Movimento do hospital de Nossa Senhora da
Conceico tos Lazares de 1 a 30 de junho de 1861.
Exstiam 13 homens e 15 mulheres, entrou 1 no-
mem. evad se 1 homem, extem 13 horacns e 15
mulheres, total 28.
ksparticao na polica. ,
Extracto das partes do da 28 de jonho de lHi_
Foram recolhidos casa de deten?ao no da 7
do corrente : *-..;* A' ordem do Dr. delegado do pnmeiro districto
da capital, Jos, escravo de um tal Pedroso, por
ser encontrado nos trilhos da estrada de erro
A' ordem do subdelegado do Recife, Adolpho
Beansen, requisicaa do cnsul inglez.
A1 ordem do de Santo Antonio, Francisco Anto-
nio Pereira, por disturbios. rnjro
A' ordem do de S. Jos, Antonio Jos Carneiro,
Pedro Jos dos Santos e Amaro Jos da Silvia
dsoosieio do tenente-coronel recrutador Amonio
Luude Franca e Francisco, escravo de Manoel
Aniunes, para averiguacoes Pplioiaes.
A' erdeoTdo da Boa-Vista, Sergio de Mallos por
briga | Felizardo, escravo de Manoel Fernandes
da Costa, por tnfraocao de posturas.
128
A" ordem do Itlm. Sr. Dr. chefe de polica, Anto-
nio e Jnveocio Candido Alves da Costa, ambos para
r** ni t'i
A' ordem do subdelegado do Recifel Antonio,
ascravo de Luiz das Neves, para correccao.
A* ordem do de Sao Jos, TbeiSJta Mariade Je-
ss, por embriaguez. J~>
A' ordem do da Boa-Vista, Albino lose Telxera,
para correccao. Felisdora Maria da Conceico, por
briga e furto, e Joaquim, escravo de Joanna Mana
de Deus, requeri ment fl'esta.
A' ordem do da Capunga, Cypriaao Srafim Pe-
reira Mutua, por suspeito era furto.
A' orden do Peres, Francisco Graoiaao de Arau-
jo, por briga e lerunentos.
A*ordem do THm. Sr. Dr. chefe de polica, J
Flix Rodrigues, e Manoel Severino dos santos,
ambos viudos do termo de Sanio Anlio, como son-
*....i-^sfcrt!
i
morle avara insensivel aos rogos
passos lentos caminhando vae.
Nao cede nunca a pedidos ternos,
Chegase ao ente : o infeliz l cae.
Tal foi a sorle que tivesle, amigo:
Ella est lavrada ae infeliz mortal
Do que serven gozos que nos d a vida
Se, ella, um sonho que de nada val!
Nao ha muilas horas, que faUlidade!
De vida cheio eu te via enlao .
E agora immovel, oh raeu Doos que idea!
Estendido vejo-te neste caixo !
Morte! raorte I como eu te odeo
Come por ti sinto perennal pavor I
Tu es na forma um lefio sdenlo
Que causas sempre ao mortal terror t
Oh I Dos, assim como concedeste a mortc
Todo o poder sobre a huraandade
Permttnque na mauso dos justos
Descance esta alma, por 'a bondade.
E t amigo recebe um adeos
O ultimo adeos que dzer te veuuo,
E' ludo quanto a amizade pode
Aqui trazer-te do meu fraco engenho.
O leu repouso ninguem ouse nuuc^
Jamis aqu v-lo despertar
E' quanto tenho a desejar-le amigo
Este mundo esquece no tou novo lar.
Recife, 28 de junho.
S. /. Almeida.

Papel.
5
res.
Rio da Prata
Pernamonco
I
l:

1:1365000 11:0005
a procura do artigo,
Tanto a respeir
indicados como, do que
o Da noticia oe irapo.i :odos successos que de.xaraos, debate o parocei.^^^^oV provincia
IV N W*SfiSfo 5S2St32rtifiuUlnacioVvalbo de
chas, era qnato os Peruanos se praparam para ^on^ depois rom a > aisCussao do pro-
repelli-los, no qneparecem os Chilenos resolvaos] ccopou-e uV
Total.. 88:5735480
que ehegaram htlveran
ram-se
KatoTpnra a entrega de ontras no flm
tumo ou agosta prximo futuro.
Despscharanvse:^7volumes para Liverpool
6 Abocar. -.Bwraate ,a quinzena feffaotuaram-se
vendas regulares do branco e do mascavo para o
consumo, embarcndose tambera pequeas parti-
das para os portos do sul e o Rio da Prata. O mer-
" cadomantem-seBrmeaospreMsseBinntes :
. Pernambuco, branco, l\ -)5o00 a 550.
Jos Cesaran Oliveira, e
Bar-
Dio-
para correccao,
*anm *
{2S, "deWrkco do mojivo^ii-
m Jos Pereira, Ernesto Bezerra da Silva, Belisa-
rio Gomes do Carmo, Estevo lzidio Rodngoes, c
Manoel Alexandre Marques, todos para recruta. a
dispQicao do tenente coronel recrutador. _
1 O ohefe da 2* seceso,
/. G. de Slesqnita.
Passageiros do vapor nacional Pnncezq^jiin- j
do dos portos do sul: .. .... ,._
Theooro Fredericopniger.Manoel Pacheco, Frau-
da Silva, Antonio Mannho da Silva,
Srs redactor**.No Diario de Pernambuco de
23 do corrente mez Ji, nos trabalhos da cmara
municipal desta elade. o sffiwv reaanrimaaa
apresentado pelo Sr. vareador B*rat, reqnanaKm-
to qu foi spprevado : MMnM -
Constaodo-mepor inforraaces de waa|
dedigflas que o portognez Joaquim Paes
#* Stlva, estahelecido com cocheira no
Arsenal de Marinha tere dam|a arvoresqoe o arsenal lem P1"* "iJ^,
embetezamenw desto e ^^SLTT,
r^eS^dmX^^m^mlL
m nar tal *rn* i*mo da aospnasMMm q*
Sem. m Exm. Sr. presidente pemndo-n w
espeea as convenientes ordens a autoridad-- ca-
ptente para por este esiraugeiro debaixo it suas
ristas aftmde que nao continu n* pratiea *
semelhantescriraes, por certo dignos de severo
castigo, ecife, 4 de juaho e 18t4. $mta de
Lamento que o Sr. veredor Barata, tevado sera
duvlda por ms informa^ons aceren de meo pro-
cfidimento. nao houvesse tdo a prudencia necw-
de apreciar o procedi-
re-
cedimento, nao
sara sempre que se tem
ment de ontrem ; lamento que .
o seu dever sem ter necesstaJe Oe >rr-m ae
baldos o nao hnuvesse feito prettWttto xanr-me
ao odio do publico apre*entaodo-rae como himem
desrespetador das leis, ingrato a hospitalidad*-
etc., etc. ,_ __u, _.
O respeto que tributo a opiaiao P0,,J *
cisc AWes da Silva, Antonio Marrano oa iva ^^^^^W
sua. senhorae l.fllho, aapJO^ *&** ff^t^bSie a rirbnjeireluresaa
Raya Gabaglia, Alfredo de Barros Cavalcanti,
Thereza Augusta Lins Correa de Sa Benevides, 5
fllhos e 4 eseravos, Caetano Pinto de Veras, Dr.
Francisco Anolgonio Leal, Franoisco de Paula Pi-
res Ramos ffirior, Jos Pldto Mefrelles, Jos PauTi-
D. de raeus deveres, obriga-me
areuicao do S.. veroador Barata, e o faco apresen-
tando o atlostado prestado pelo subdelegado
da fregaezia em ora re juerlm*nto qna Ihe tnde-
ressei :
7


1
Otarlo de PersuuaMM Sexta felra I de Julo de 1S4.


-
--------------------------------------------------------------------------'--------------------~
* Alteslo que das averiguacdes a que proced
para deseobriraento da pessoa que corta -ajgu-
mas arvores das que xistem do Urgo do Arsenal
de Marinha, conbeoi nao ser o SBOplicanle autor
de sameUiaale faci e nem lomar* parle neJIe di-
recta nem ndireetaMenie. mais sim ora entro in-
dividuo que cortou-as por estarem seccaa, aflm de
utiiisar-se dellas cont lenha. o que Oenho a
attestar visla do que sou informado. Subdele-
gara do Reeife, 28 de juatao de 1864.tion^alves
Pensw. >
Termino aqu conrencido de que "O Sr. verea-
dor BaraU de Alraeida nao do vi dar Cazer-me
hoje justicia, reconheeendo a improcedencia de sua
acusaco.
Recito, 30 de junho de 1864.
Joaquim- Paet Pcrwr da Silva
Anacahuite peltoral de Kemp.
Urna simples losse pode chgar a ser mortal se
nao se alamar a tempe, porm evitar-se-ha com-
pletamente o perigo fatendo-se uso imraediato da
anacahuia peitoral de Kemp, a qual mediante a
sua beneflea influencia faz ceder rpidamente a
irritarlo dos pulmes e garganta e restabelece sua
ac?5o vigorosa, regular e saudavel. us que di-
zem que a asthma ineuravel muito se engaa.
Esta fortificante composicao vegetal subjuga essa
afflictiva molestia anda mesmo quando debaixo
das formas as mais obstinadas e aggravaoles. As
anginas nuaca terminarao em bronchites, a tosse
em phtysica, nem a rouquido m asthraa se des-
de logo de seu principio forera atalhados com este
balsamo vegetal snavisador e sedativo; seus ben-
ficos effeitos sao promptamente notados as en-
fermidades dos pulmCes, dos vasos bronchos e
da pleura. ,
Pde-se achar venda em todas as ticas e
lojas de drogas.

GOMMEBGIO.

i.
C.4IXA FILIAL
DO
i; i \t O DO KKASI I,
EM PEBNAMBUCO.
A directora da caixa filial do banco do Brasil
nesta cidade, administradora da massa fallida de
Joaquim Francisco de Mello Santos, convida t s ere-
dores da roesma massa para apresenlarem seus i-,
tulos at o fim do corrente mez, afim de sercm
convenientemente examinados e proceder-se-ha aa
pnmeiro dividendo da referida massa.
Hecife 4 de junhe de 1861
Jos Mamedc Alvcs Ferreira.
|Sccretario.
------
Alfandega
Rendimento do da 1 a 28........ 584:6284127
dem do da 30................. 26:3085414
Lisboa38 dias, brigue portuguez Confianza, de a,oitava, 4Q varas emeia, de dito fe meta pollega-
181 toneladas, capito Eduardo Augusto ar- da a 740 rs. a oiiava.
raio, equipagem 11, carga vinho, batatas ou-
tros gneros; Carvatho A Nogueira.
Rio de Janeiro e po'rtos intermediosVapor nacio-
nal Apa, de 917 toneladas, commandanle o Io
lente F. M. Alvares de Araujo, equipagem 84.
Rio de Janeiro e Baha6 dias, vapor rancez
Bearn, de 1,173 toneladas, commandadte A. de
la Noe, equipagem 116.
Macei e portos intermedios20 horas, vapor na-
cional Pnrabybo, de 102 toneladas, comraandan-
te'I.J, Martins, equipagem 20.
Navios saludos ne mesmo da.
BabiaPalhabote de guerra nacional Rio de ren-
to, commandanle o 1 teoente Joaquira olas-
co Fontoura Pereira da Cuaba.
Guaratuba -Brigne brasileiro Relmpago, capito
Jos F. A. Jnior; em lastro.
Bordeaux e portos intermedios Vapor franeez
Bearn, commandanle A. de la No.
Observado.
Suspendeu do lamaro para o'Rio de Janeiro o
patacho inglez iMpering, capito B. Crmor, com
a mesma carga que trouxe de Philadelph.
EDITIS.

3:5205000
3:5205004
5:0884000
1:8015600
964&800
O Illm. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial, em cuniprimnto da ordem tto Exm. Sr. pre-
sidente da provincia, .manda fazer publico, que no
da 7 dejulho prximo vindouro, vai novamente a
praca, para ser arrematado a quem mais dr, os
pedagios das barreras abaixo mencionadas :
Caxaug, avahado, novamente por an-
uo em ,* .
Jaboato, dem dem .
Giqui, dem idem .
Tapacur^.idem idem .
Ponte dos Caminos, idem idem
As arrematares serao feitas por tempo de 3
annos, a contar do 1* dejulho do corrente anno a
30 de junho de 1867.
As pessoas que se propozerem a.essas arremata-
coes, comparegam na sala das sessBes da junta de
fazenda da mesma thesouraria, no dia cima men-
cionado, pelo meio da, temi lugar as hab I i tacos
nos das 30 do corrente e o de julho vindouro.
E para constar se mandou publicar o presente
pelo jornal.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
buco, 27 de junho de 1864.
O secretario,
A. F. da Annuncinco.
610:9365541
.Hovlnicnto da alfaudega
Volamos entrados com fazendas..
i < cora gneros.
Voluntes sahidos
com
cora
fazendas..
gneros...
363
272
58
540
635
598
Descarregam no dia Io de julho.
Patacho hamburguezVtetorfarinha de trigo.
Barca inglezaDianaidem.
Patacho inglezW. Al. Dodge farinha de trigo e
taboado.
Brigue inglezJosepli Copecarvo de pedra.
Brigue suecoEmil taboado.
Brigue inglezHebe of the Fxeercadorias.
Galera inglezaRaphaelcarvo.
Galera francezaAdelemercadorias.
Importaco.
Escuna nacional Bella, entrada da Bahia, con-
signada Marques Barros & C, nianiftstou o se-
grate ;
Genero para reexportarlo.
16 cascos com 2,797 medidas de 'azeite de pal-
ma : rdem.
Gneros estrangeiros despachados para consumo.
1 caixao com 4,500 charutos de Iiavana em cai-
xinbas ; N. O. Bieber & C.
Goneros naconaes.
7,500 saceos com farinha de mandioca, 30 far-
dos panno de algodao da fabrica modelo, 500 mo-
lhos piassava, 87 pecas de cordas de dita, 12 vo
lomes com 151,250 charutos, 2,771 caixinhas com
192,250 ditos ; ordem de diversos.
174 saceos com 606 ai robas d. eaf.i. 40 ditos fa-
rinha de mandioca e 3 caixoes com 44,200 charu-
tos em caixinhas ; Palineira& Bellro.
4 caixoes com 24,550 charutos em caixinhas;
Ferreira & Marlins.
2 saceos com 200 libras de fno de algodao ;
Jos de S Leilo Jnior.
Vapor nacional Princeza, entrado dos portos do
sul, manifestou o segrate :
Do Rio de Janeiro gneros estrangeiros j despa-
pai-hados para consumo.
1.caixao chapeos; Joaqun) Alves.
1 dito jolas: J. Villa-Flor.
i 3 dilos papel de forrar; Antonio Parias Bran-
do Cordero.
1 volme mercadorias diversas ; Joaquim
Francisco de Espirito Santo.
1 caixao ditos ; Feliciano Napoleao do Reg.
Gneros nacionaes.
1 caixao chapeos; Antonio Lopes Braga.
1 barrica farinha ; Joaquim Francisco do Es-
pirito Santo.
61 rolos fumo, 1 caixote livros impressos, 1 dito
cigarros ; ordem.
1 caixao manifeslos; ao inspector da alfandega.
Da Baha gneros estrangeiros j despachados pa-
ra consumo.
6 caixas fazendrs, 5 ditas cha ; J Pater& C.
1 caixa fazendas ; Schafheitlm A C.
3 caixoes, 4 cadeiras; Belmiro Baptista de
Souza.
1 caixao chapeos do Chili ; A. C. de Abreu.
Gneros naconaes.
1 pacote charutos; Jos Leopoldo Bourgard.
1 caixao plantas ; J. Lelly.
1 caixao charutos; ordem.
^ 5 saceos tapioca, 5 ditos ararula ; Jos Vicen-
te de Lima.
Patacho hamburguez Vctor, entrado de Phila-
delpha, consignado Henry Forster & C, mani-
festou :
1,700 barricas farinha de trigo; aos mesmos.
Escuna ingleza Erna, entrada de New Castle,
consignada ordem, manifesteu :
729 quintaes e 3 arrobas de carvao de pedra ;
ordem.
Polaca hespanhola Beatriz, entrada de Cdiz
e Canarias, consignada Bailar & Oliveira, ma-
nifestou :
De Cdiz
150 Larris vinho hranco, 480 botijas com azeite
doce, 200 caixas passas, 200 ditas raassas, 100 an>
crelas azeitonas; ao capito.
De Tenerife.
700 Jaeazes com 180 quintaes de batatas, 300
resteas de alhos, e 150 quintaes de ceblas em
resteas; ao capito.
Exportaeio.
Barca brasileira Marianna, carregou para o Por-
to por Lisboa, 1,214 saceos e 1 barricas com
3,188 arrobas e 24 libras de assucar mascavado.
Brigue portugnez Laia II, carregou para Lisboa,
3 lar ricas com 5 arrobas e 30 libras de assucar
branco, 2,500 saceos com 12,500 arrobas de assu-
car mawavado,, 100 conros salgados com 3,000
libras e 176 cascos com 7,869 medidas com mel.
Batea hollandeza Schuringa, carregou para Li-
verpool, 4,200 saceos com 21,000 arrobas de as-
sucar mascavado.
Reeebedoria de rendas internas
geraes de Pernambuco.
Rendimento do dia 1 a 28........ 38.8305040
dem do ia38................. 5:5105786
DECLARARES.
O abaixo assignado. lancador do consulado
provincial, avisa aos senhores proprietarios de pre-
| dios urbanos, e donos de estabelecmenlos da fre-
guezia de S. Jos, que sendo romeado por portara
do administrador do mesmo consulado, datada de
20 do corrente mez para proceder aos dfferentes
lancamentos dos impostos j criados, e ltimamen-
te outros pela assembla legislativa provincial, que
tendo de dar principio aos seus trabalhos do dia 27
por diante, pede aos mesmos senhores que tenhara
promptos os seus recibos, e mais documentos in-
herentes ao que diz respeilo, afim de que possa o
mesmo lancador proceder com regularidade, gual-
dade e sera vexame das partes, os referidos lanca-
mentos; assim como para garanlia dos mesmos se-
nhores deitar o seu visto nos recibos e mais docu-
mentos que Ihes forem aprestntados, segundo de-
Para o mesmo batattiaa
LuizBentode Vxsc/iucellds, 6,3MLbot5es gran-
des d metal amarello a 80 rs., 3,'fW ditos peque-
nos do mesmo metal a 80 rs., 168 ditos graades de
i metal bronzeado a 80 rs., 108 ditos pequeos de
dito dito a 80 rs., 378 ditos grandes pratiado a
100 rs., 162 ditos pequeos ditos a 100 rs. Esles
objectos devem ser entregues oo dia 30 do julho
prximo vindeuro.
Para o corpo de guariiico.
Custodio Longuinho Braga, i cornetas de toque
cora boccaes, pontos e volus a 175, para seren
entregues no da 8 de julbo prximo vindouro.
Sala das sessoes do conseibo administrativo para
fornecimento do arsejial de guerra, 23 de junliu
de 864. ,..
Sebastiao Jos Basilio Pyrrho,
Vogal secretario.
Sexta-feira de junho tfevnrSo ser arrema-
tada.-. tres caldeiras e satis perlen<:es do servico de
apnalto, logo qne Andar"a adincia do sr. jora de
paz da regueza de S. Jos, na ra dos Martyrias,
as 9 horas da manha, cujas caldeiras foram
0enhoradas por execuc,ao de Souza & Vasconcel-
los contra Manoel Lun Coettib de Almeida.
No da t de julho, linda a audiencia do Illm.
Sr. Dr. juiz de orphos da comarca de Oinda, e
requerimento de Jos Francisco Collares contra o
casal do finado Manoel Joaquim Soares, tem d ser
arrematada por venda urna padaria com todos os
seus ulencis, sita na roa do Varadouro ; a'ulti-
ma praca.
Pela subdelegada do' 1* distrjeto da fregue-
zia de S. Lourenco da Matta, se faz publico qne se
acha depositado um cavallo meio rodado com al-
gumas pintas de pedrez, o Ijttal fci tomado a Se-
verino Rociano da Silva por suppor-se (drtado :
quem se julgar com direito ao mesmo, compareca
nesta subdelegada, que provando, Ihe ser en-
tregue.
Subdelegada de Sj'Lourenco da Matta 28 de ju-
nho de 1864.O subdelegado,
Jos Antonio de Albuquerque.
Couselho administrativo.
O conselho administrativo para fornecimento do
arsenal de guerra tem de comprar os objectos
seguintes :
Para o arsenal de guerra.
Salitre calcinado arrobas 2, papel alinaco res-
mas 50, dito pautado resmas 50,azeite de carrapato
caadas 500, tinta preta garrafas 50, parafusos de
Lilao de 2 polegadas grozas 20, ditos de ferro soni-
dos de 1/2 21/2 polegadas grozas 20, cera branca
em pao arrobas 2, taboas decedro de urna polegada
de grossura e 8 10 de largura duzias 6, ferro
inglez em barra de 1 1/2 polegada de largura e 3
oitavas de grossura quintaes 50.
Quem quizer vender taes objectos, aprsente a
sua proposta em carta fechada na secretaria do
conselho s 10 horas da manha do dia 6 de
julho.
Sala das sessOes do conselho administrativo para
fornecimento do arsenal de guerra, 22 de junho de
1864.
Atifonto Pedro de S Brrelo,
Coronel-presidente.
SebasttSo dose Basilio Pyrrho,
Vogal-secretarlo.
Correio geral.
Pela administraco do correio desta cidade se
faz publico para lias convenientes que em virtude
do disposto no artigo 138 do regulameoto geral
dos correios de 21 de dezembro de 1844, e artigo
9 do decreto n. 785 de 15 de maio de 1851, se pro-
ceder o consumo das cartas existentes na adminis-
traco, pertencentes ao mez dn junho de 1863, no
'
,6 SolSad'oVovincia. 25. de junho de | iES** [ J^.L h
1864.l'lisses Corkles Cavaleanli de Mello.
rreualaco.
Anda em praca para ser arrematada pelo juizo
municipal da 2a vara, escrivao Baptista, a mei-agua
n. 33, sita na ra do Hortas, freguezia de Santo
1 na porta do mesmo correio, e a respectiva lista se
acha desde j exposta aos interessados.
tco d'
i.-O
Domingos dos Pssos- Miranda.
Quem se julgar com direito a tros cavallos
Administraco do correio de Pernambuco 25 de
junho de 1864.0 administrador,
Antonio, periencente Andrde^breu Porto e sua que foram apprehendidos pela subdelegada dos
mulher, era virtude da execucao que Ihes inove a! a togados, e acham-se depositados como furtados,
Santa Casa da Misericordia desta cidade. j sendo um castanho, um ruco lalhado, e outro pe-
Conselho administrativo. drez, queira comparecer, que prevando, Ihe serao
O conselho administrativo para fornecimento do entregues. O subdelegado,.
Jos Roberto de Moraes e Silva.
CORREIO GERAL
Helaran das cartas seguras viudas do snl pelos
vapores nacional e fraucez, e das existentes na
administraco d~ correio desta cidade, para os
senhores abaixo declarados:
Dr. Antonio Joaquim Rodrigues lunor.
Florencio Oominguesda Silva.
rj>>cisco Malaouias dos Santos.
FaUrietano Napoleao do Regolfe
Jarros.

44:3405826
Consulado provincial.
Rendimento do da 1 a 28......... 123.6285667
dem do, dia 39.,............... 6:7325396
130:3615063
MOYIMEgTQ DO POETO.
Sanos entrados m dia 30.
Ase -10 dias, biale nacional Santa Rita, de 55
.teselada?, capito Joaquim Antonio de Figuei-
rerto, equipagem 7, carga sal e couros ; Tasso
.& Irrao.
Rio de Janeiro-25 das, brigue nacional Hoto A/-
mirante, de '11 toneladas, capito Jos Mara
Fui tado, equjpajjem i 2, carga vjnjjo e potros g-
neros j Marque Barros C
arsenal de guerra tem de comprar os objectos se-
! guintes:
Para o 9U batalho do infantaria.
Espadas com bainhas de ac 2, fiadores de couro
preto envernisado 2, talluns de dito 2, cananas de
dito 2.
Para a enfermara do corpo da guarnidlo
da Parahiba.
Jarras de barro 5, copos de vidro para agua 6,
copos pequeos para remedio 4, calix 3, colheres
de sopa 48, colheres de cha 20, cx-tiac de Jalao.
S, escoiiaUclius tio i.k.i.i di. uvpditllt QT. UKsn 1, U- ,^. .,,.,,.,. ..v,0 ....
Ineres 36, cacarolas 2, chicaras de lou^a 20, pires j Padre Getulio Vespasiano Augusto da Costa.
10, Durillos de louca 21, pratos delouca 80, cha- Julio daSiiveira Lobo.
leiras 2, manteigueira 1, bule 1, caldeires 2, ban-| Joequim Lopes Machado.
deija 1, cobertores de laa 34, barretes de la 118, Joaquim Porfirio da Conreico.
camisas de tlanella 6, meias de la 8 pares, col- | Joaquim Mauricio Accioly Lins.
choes 52, travesseiros 57, oleados para camas 2, Joaquira Duarle Campos.
pedra de aliar 1, chinellas 79 pares, cilhas 2, ba-1 Joaquim da Rocha Freir (2).
cias de rame 1, rede do tapoarana 1, brira bran-1 Jos Paulino de Moura e Silva.
co 409 1|2 varas, algodozinho 391 1|2 varas, chi- Lata Gomes Amado Filho.
ta 810 covados. Manoel Mximo dos Santos Torres.
Quem quizer vender taes objectos aprsente a .
sua proposla em carta fechada na secretaria do < '
conselho s 10 horas da manha do dia 8 do cor-
rente.
Sala das sessoes do conselho administrativo para
fornecimento do arsenal de guerra 27 de junho
de 1864.
Antonio Pedro de S Barreto,
Coronel, presidente.
Sebastuio Jos Bazilio Pyrrho.
Vogal secretario.
Consulado de Portugal.
Sao chamados os credores do ausente Manoel
Correia de Souza apresentarera dentro do praso
de 15 dias os seus ttulos de crdito para seren
verificados. Recito 27 de junho de 1864.
vire eonsnlado de llespanha.
ESPOLIO DE LOURENCO CARLOS HECIIT.
Todos os credores e devedores do fallecido~sub-
dito hespanhol Lourenco Carlos Hecht, sao convi-
dados a comparecer no vire consulado de llespa-
nha, ra do Vigario n. 9, no prazo de 60 dias
contar de hoje : aquelles para apresentarem os
documentos que os acreditan) como credores, es-
tes para satisfazerem seus dbitos. Os objectos
que deixaram Ide ser arrematados era lelo por
desconfiar-se que pertenesm a terceiros, devem
ser procurados tambem dentro d'aquellc prazo,
a fim de seren entregues, previa justificaco; lin-
dos os 60 dias a nenhuma reclainacao se allende-
r, postoque serao postos em hasta publica.
vice consulado de llespanha.
ESPOLIO DK JOS JERNIMO GARCA.
Os credores do subdito hospanhol Jos Jerni-
mo Garca, fallecido no eogenho Aratangy, termo
de Ipojuca, sao convidados a coroparecerem no
consulado de Hespanha ra do Vigario n. 9, den-
tro do praso improregavel de 60dias, afim de
fazerem valer seus direilos sobre e espolio do
mesmo ; lindo esse prazo a neaburaa reclamaco
se atteuder*.
Conselho administrativo.
O conselho administrativo para fornecimento do
arsenal de guerra era rumprimento ao artigo 22
do regulamento de 14 de dezembro de 1852, faz
publico que foram aceitas as propostas dos senho-
res abaixo declarados :
Para o 2 batalho de' infantaria.
Joo Baptista Vieira Ribeiro, 2,250 covados de
panno azul a 25300.
Southal Mellors A C, 135 ovados de panno cor
de rap a 25700.
Custodio Carvalho & C, 550 mantas -de lia a
25400, 31 covados de casemira amarella a 15850,
4,225 varas de brim branco a 510 rs.
Para a companhia de artfices.
O mesmo vendedor, 25 mantas de la a 25400.
Estes objectos devem ser recolhidos no dia 27 do
corrente.
Para o 2 batalho de infantaria.
Jos Antonio dos Santos Coelho, 1,833 covados
de bollanda de forro a 175 rs., 242 varas de ania-
gem a 430 rs.
Para o mesmo batalho.
Jo3o Jos Machado, 3,300 varas de algodozinho
a 520 rs.
AVISOS MARTIMOS.
Companhia Pernambucana
DE
Xavegaco costelra a vapor.
Paralaba, Natal, Maco, Araeaty, Cear, Acaraca' e
Granja,
0 vapor lagaaribe, comman-
danle Lobato, segu para os por-
tos do norte no dia 7 de julho as 5
horas da tarde. Desde j recebe
carga at o dia 6. Eocommen-
das, passageiros e dinheiro a frete at s 2 horas
da tarde, do dia da sahida : escriptorio no Forte
do Mattos n. 1.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Xavcgaco costelra vapor.
Macei e escala*, renal* e Aracaj.
O vapor Prsinwiioa, comman-
danle Ratis, segu para os portos
do sul no dia 5 de julho s 5 horas
da larde. -Desde ja recebe carga
al o dia 4. Epcoraraendas, pas-
sageiros e dinheiro a frete /at s 3 horas da
urde do dia da sahida : escriptorio no Forte do
Mattos n. 1.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Xavegaco costelra a vapor.
liba de Fernando de Neronha.
No dia 14 de julho ao meio dia
segu o vapor Parahiba, comman-
danle Martins, para o presidio de
Fernando de Noronha. Recebe j
Varga at o dia 13. Encommen-
das, passageiros e dinheiro a frete at o dia da
sahida as 11 horas escriptorio no Forte do Mal-
los n. 1.
Rio de Janeiro.
O brigue Trovador segu cora brevdade, recebe
carga e escravos a frete : trata-se com os consig-
natarios Marques, Barros & C, largo do Corpo San-
to n. 6.
Para o Rio de Janeiro
pretende seguir com mu la brevdade o veleiro e
bem conhecido palhabote nacional Piedade, tem
parle do seu carregamento engajado : para o res-
to que Ihe falla e escravos a frete, para os quaes
tem excel lentes commodos, trata-se com os seus
consignatarios Antonio Luiz de Oliveira Azevedo
ra da Cruz n. 1.
Wottomrr tari.
Wantedon the shp kdctrgo o t British Bar-
que Gustaw Adolph, captain E. Peiersen, about rs.
1,500 more or less, fdT (he necessiry, disburse--
ments incurred by the vessel at mis port, to nable
her to proceed on her voyage to Maco. Sealed
tenders to be addressed to the captain at the Bri-
tish consulaie, and t be oiienpd In the prsence of
H. B. M. Cnsul ou Monday next (4 th Inst.) at 1
P. M. Reeife 1 july 1861.
...... .........i.........
Risco martimo.
A barra Ingleza QmutP Adolph, capito E Pe-
tersen, precita daquantia de rs. 1:500,5000, pouco
mais ou menos, sobre o caaes e carga do dito- na-
vio, para as deepezas feitas neste porto, do forma
que possa seguir a sua viagem Maco. Reeebem-
se propostas em carta fechada, no consulado bri-
tannico, dirigidas ao capiuio, cujas serao alienas
na presenta do cnsul de S. M.B. na seguada-feira
prxima (4 do crreme) a 1 horada tarde. Reeife
Io de julho de 1864. I
'
LEILES.
Para Lisboa
sahlr com brevdade o brigue portuguez Constan-
te, recebe anda alguma carga a frete nassagei-
' ros, para os quaes tem excedentes commodos: tra-
Marques Gomes k C ,60 covados de casemira en- u-se com Manoel Ignacio de Oliveira & Filho, lar-
carnada a 1,8750. g0 do Corpo Santo, escriptorio n. 19.
Dr. Rufino Augusto de Almeida, 521 pares de
sapatos a 2^800. Estes objectos devem ser reco-
lhidos no da 30 do corrente.
Para o 2o batalho.
Antonio de Souza Marinho, 31 bonets redondos
a 1J900, 450 ditos azues a 3J1450. 12 ditos verdes

JSBSkl V P*a^musT u?!8, .27.pares de A"vedo 4 no seu escriptorio rua da Cruz
cnarlateiras a 15, 450 ditos de platinas a l. mero j r
Para a Bahia
pretende seguir com mu ta brevdade a escuna na-
cional Carlota, tem parte de sea carregamento
prompto : para o resto que Ihe falta, trata-se com
os seus consignatarios Antonio Luiz de Oliveira
nu-
Companhia de artiflee*.
O mesmo vendedor, 25 bonets para recrutas a
Para o 2 baulbao
Rio Gran te do Norte e Assu'
A barcada Graciosa sahe al o da 4 de jalho
.>, de infantaria. para os portos cima, reeebe carga a Frete : a tra-
Manoel Rodrigues Costa Magalhes, 54 varas fle tar na rua da Madre de Deo* n. % On na escadi-
gaJao de prata de 1 pollegada de largara a 740 rs. nha com o mestre.
IMtti&O
LEILAO .
DE
40 Mirricas cwn farioha *e trigo
Kegnnda-felra 4 de julho.
O agente Pinto, far lelo requerimento do
depositario geral e por despacho do Illm. Sr. Dr.
jui/ especial do cora mere o, de 40 barricas com
farinha de trigo existentes- no deposito geral, as
quaes vieran) do Rio de Janeiro ignorndose a
quem dirigidas: o lelo ser effectuado s 1.1 bu-
ras do dia cima dito no mesmo deposito, casa em
frente a da.secrelaria.de polica.
LEILAO
> i, i
DE
I na machina
i
DH
Urna caleche eom lanternas e arreis, om
carro de 4 rodas com coberta e arreis, e
um cabrio!el de 2 rudas com.. coberta.
O agente Pinto autorisado por urna pesioa que
relirou-se para Europa (ara lelo dos (jarros e
cabrolt cima mencionados propris para pas-
seios, s 11 horas do dia supradito na rua do Tra
piche em frente ao armazm n. 40.
Leilo de escravos
Como sejain :
Joanna, crioula, de 17 annos, cosinheiraJ
Victoria, de 20 anuos, lavadora, cosinhei a
tandelra.
Urna negrinha com 14 annos de idade e cjutras
HOJE.
O agente Pinto,lar leilo por conta
de dilterentes escravos com habilidades
H horas do dia Io de julho no armazem
do da rua do Trapiche n. 40 confronte a
lado inglez.
e qul-
diversos
isto s
do sobra-
consu-
L'm apparellio para cha comp islo de
6 pecas, 2 salvas, 2 tocias para la<
var mos, 2 jarros c i palito po, to-
do de prata do Porto.
UOdE
O agente Pinto far leilo por conta de quem
pertencerdasdifferentes obras de prata io Porto
cima mencionadas, s tO horas do dia upradito
no armazem da rua do Trapiche h... aorde have
r em continuacao leilo de escraves e ca ros:
DilTerontcs obras de prata do Porto, de es-
cravos, de carros, e de dous cabriolis
sendo um inglez para duas e quajro pes-
soas,
hoje:
Por intervenco do agente Pinto na rua do Tra-
piche armazem n. 40.
LEILO
DE
Movis e livros.
iioji;
NO ARMAZEM RUA DA CADEIA N. 48.
O agente Olimpio far leilo de diversas obras
de marcineiria novas e usadas e de ouiros muitos
objectos de gosto.
Dar principio o leilo s 11 horas.'
YiF/aT/tfl
Joaquim
a olferta
porta
DE
: reilios na povoaco do Monteiro todos
em chaos propris.
Cordero Simdes, levar de novo le lo, por
mandado do Illm. Sr. juiz de direito especial do
commcrclo, os predios situados na povoaco do
Monteiro pertencentes mass-a fallida de
Vieira Colho & C, servindo de base
obtida.
Sexta-feira Io de junho as 10 { horas,
da Associacao Commercial.
LEILO
DE
Urna armaco, balcao, balancas. cardieiros
de gaz com e sem registros e didsrentes
objectos existentes no estabelecimento da
rua da Imperatriz n. 6.
Sabbado de jniho.
O agente Pinto far leilo por conta de quem
pertencer dos objectos cima mencionados existen-
tes no armazem do sobrado da rua da Imperatriz
n... onde se effectuar o leilo s 11 horas do da
cima-
LEILO
americana.
Segonda-fcira 4 de julho as \i horas.
,0 agente Olimpio vender em leilo urna ma-
china americana que traba Iba cora um cavallo pa-
ra fazer mover qualquer machina pequea de des-
carosar algodao, tendo a. vantagera de ser muito
simples e economisar muito trabalho braca|. Ser
effectuado o leilo na rua Direta n. 84.

DE
55 caixas eom alhos, segnnda-
, felfa 4 do corrente. '
0 agente Pestaaa vender por conta e risco de
quem pertencer, 2o caixas com oxccllentes alhos
desembarcadas do vapor inglez, em um qu mais
lotes a volitado : segndamela 4 do corrento, pelas
10 horas da manha, na porta do Anaes._______
B_i I j 11 j .rn.tr
DA
Metate do sbralo de 2 andares sito
rua do Tadre Hloriano n. 21.
Terca-feirt a de julho s 11 horas.
O agente Olimpio acha-se autorisado a vender
em leilo a metade do sobrado de 2 andares na
rua de Padre Plnrianon. 21, chaos propris e ren-
de mensalmente 424.
Os pretendenles podero ontender-se com o re-
ferido agente em seu escriptorio na rua da Cadeia
do Reeife n. i% onde ser effectuado o leilo da
metade do referido predio.
LEILO
DE
Um engenlio com bom cercado e matas, com
casas de moenda para caldeiras e de pur-
gar todas de pedra e cal.
Quarta-fcira G de julho.
. O agente Pinto autorisadu pela commisso en-
carregada de liquidar os bens de Joaquim Elvirio
de Moraes Carvalho levar a leilo s 11 horas
do dia cima dito o engenho S. Joaquim em Mari-
beca, 0 qual limita ao narte e ao oeste com trras
do engenho Suassuna, ao sul cora ierras do enge-
nho Murbequlnha e torras chamadas Mungougos,
e ao leste com Ierras de S Andr. O leilo ser
effectuado no escriptorio do referido agente rua
da Cruz n. 38, pjdendo os pretendenles desde
examinaren! o mesmo engenho.
LEILO
DE
Movis, \ mulatinho de 16 a 17 anuos
de Hade, 1 relogio de ouro patente
in&lez, \ trancelim de ouro cora cas-
soleta, diversos utenciiios de casa
etc.. etc.
Quarta-fcira 6 de julho s 11 ores da manha
no armazem da rua da Cadeia do lenle
umero 18.
O agente Olimpio far leilo dos objectos cima
requerimento do curador da alienada Carolina
Correia Duarto de Albuquerque e mandado do
Illm. Sr. Dr. juiz dos orphos, bem como trocar
particularmente diversas imagens de madeira per-
tencentes a mesma alienada.
LEIL40
DE
Urna ca*a na povoaco da Varzea.
Quarta-fera 0 de julho.
O agente Pinto lar leilo precedida a compe-
ii-iin- .ini'ii ivi._.i'i ii.- una casa do urtpa cobena e
telha sita na povoaco da Varzea, com a frente pa-
ra a rua (lo Fogo, com 2 salas, 2 quartos e cosi-
nha fra, assim como o terreno em qne est a dita
casa com 18 palmos de frente e 280 de fundo com
alguns arvoredos, s 10 horas do dia cima dito
em seu escriptori j rua da Cruz n. 38.
Precisa-se de urna ama para cozinhar : na ma
larga do Rosario... 12, segundo andar.
Precisa-se de um caixi'iro de Idade de 14
16 annos: na padaria do Campo Verde, rua do
Socego n. 48. _________________i________
< onci.
O Sr. que por encano tiruu do correio unta- car-
ta para Manoel de. Carvalho Moura, queira ter a
Imndade de aiiuunci.ir sua residencia, ou mandar
entregaV no caes de Apollo n. 35, armazem do Sr.
Jos Doarte das Neves.
40 COMERCIO
O abafro assljrnado. liqoidatario da extincta (Ir-
ma de Barbosa fcghnnVq, jnlga nada dever da dita
firmar, nas se alsuem se julgar crerior, aprsenle
suas eontas no praso de tres dias para ser tm-
mediatamente pagos.
Nao posso -esperar
'Tifiis.
O abaixo assignado, Nquidatario da extincta Ir-
ma de Barbosa Simes, pede a todos os devedo-
res da mesma firma para me no praso de oilo dias
satisfacan seus detritos e aquelles que o nao -
zerem passaro pelo dissabor de ver seus nomes
por extenso neste Diario, sem dislinccao de pessoa
alguma. Reeife Ia de jalho de I8d4.
Acham-se juslas as vendas das casas terreas
ns. 39 c 43, sitas na rua Bella : quem algnem em-
bargo tiver a oppr, qaeira annunciar per esles
tres das. Reeife 30 de junho de 1864.
^m
Precisa-se de urna ama que saiba cozinhar para
casa de hornera solteiro: na rua. do Livrameuto
numero 4.
Frederu k J. Corbelt, gerente da casa com-
mercial de James Ryder & C desu praca, faz
sciente ao puhlco que durante a sita ausencia dei-
xa enea- regado de todos os negocios da mesma, ao
Sr. William Vaughan com ampios poderes.
Aluga-se urna escrava que cozinha e engom-
ma : na rua do Imperador n. 30, terceiro andar.
Frederiek J. Corbelt, subdito brilannico, vai
Europa. ___________
Quem tiver um hora sitio com baixa de ca-
pim quo queira arrendar, annuncie para ser pro-
curado^_______________________________
Precisa-se deum homem curioso para tomar
conta de urna casa e pequeo jardm.e trata-lo, por
preco razoavcl : ucm es'iver nesta circunstan-
cia, dirija-se rua Direta, no primeiro andar do
sobrado n. 88.
Na rua do Trapiche n. 22, precisa-Se de una
ama para servico de casa.
Na rua larga do Rosario n. 33, segundo an-
dar, precisa-se de urna b< a ama do leite.
ou Ana a vontade lo comprador
LEILO

DE
15 toneladas de carvo de pedra para
ferreiros.
Sabbado 2 de julho a 1 hora da tarde.
O agente Pinto far leilo requerimento de Pa-
tn Nash & C, e por despacho do Illm. Sr. Dr. juiz
de direito especial do commercio, de 15 toneladas
de carvo de pedra para ferreiros, viudas no bri-
gue inglez loseph Cope, ordem, e existentes em
urna canoa ancorada em frente ao trapiche do ar-
mazem dos Srs. Loyo & C, no Porte do Mattos, e
serao vendidas para occorrer as despezas feitas
neste porto ; o leilo ser effectuado no referido
trapiobe no dia e hora supradito.
DE
I (bote e A reatos, sabbado % de
Julho.
O agente Pinto far leilo por conta e risco de
quera pertencer, de 1 bote e 4 remos, a 1 hora do
dia cima indicado, em frente ao trapiche do ar-
mazem dos Srs. Loyo & C, no Forte do Mattos.
' I 'I''
' .


Predios e movis
Sabbado 2 de jalda;
Pertoncente ap espolio o finado Joio Baptista
da Rocha e por ordem do consulado de Portugal o
agente Pestaa vender em leilo por conta de
quem pertencer :
Em Santo Amaro de Jaboato, urna casa de pe-
dra ecal.com cosinha fra, cecheira, estribara
cora snas dependencias, sendo a dita casa situada
a margetH da estrtida publica para Santo Anto,
confrontando ao norte eom dita estrada, ao sul com
o rio Jaboato, a sto com a casa de Tfteotonio Jo-
s.da Costa, e no poente com Lujz Pereira deMel-
lo, avahada por 2:500*. Esta casa pertence ao
casal do finado por permuta que Tez o finado e sna
mulher com Theotonio Jos da Cunha, como cons-
ta da respectiva escriptura de 8 de novembro de
1858, alm disso a casa e terreno que Ihe perten-
ce como da escriptura de aforamento de 10 de fu-
vefeiro de 1859 ; foreira ao engenho Bnlhdes
paga annualmente 444, estando este foro pago at
o anno de 1862. Diversos movis que- se achara
dentro da mesma casa de Jaboato no valor de
1114700 rs.
Urna casa de taipa coberta de telha sita na Ga-
meleira, avahada em 150,8.
Una dita em armaco, coberta de telha sita na
ponte dos Carvalhos avaliada em 904.
Sabbado 2 de julho pelas 11 horas da. manha
na porta da Associacao Commercial.
AVISOS DIVERSOS.
Convite.
O actual mestre dos novicos da veneravel ordem
terceira do Carmo convida aos seus charos irmos
novicos a comparecerem no consistorio da mesma
no da 3 de julho, pelas 9 horas do dia, alim de
tratar-se da festa do padroeiro.
Aos 10:0Ot$O0U.
Sabbado 9 do corrente mez se extrahir
a segunda paite da primeira lotera da igre-
ja de N. S da Boa-Viagem, no consistorio
da igreja de S. do Rosario da freguezia
de Santo Antonio.
Os bilhetes, meios e quartos acbam-se
venda na respectiva thesouraria rua do
Crespo n. 45.
Os premios de 10:000^000 at 20#000
serao pagos urna hora depois da extraego
at s 4 horas da tarde, e os outros ao dia
seguinte depois da distribuico das listas.
O thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Soa.
,
Jos Antonio Pinto, Theodora Candida de
Andrade, Joo Xavier Ribeiro de Aodrade
Jnior, Jos Francisco Ribeiro de Souza e
Jos Antonio Pinto Serodio, marido, mai,
mano, sobrmiio e primo, agradecem do fun-
do d'alraa a todas aquellas pessoas que se
dignaram assistir as ultimas exequias e
acompanharem-na ao cemiterio publico, ro-
gara novamente o favor de assistir a missa
do stimo dia que dever ter lugar na ma-
triz do orpo Sanio, s 6 horas da manha
do dia 4 do corrente.
\ovos enfeites para senhora.
A aguia-branca acaba de receber um bello e va,
riado sorlimenlo de enfeites de diversas qualidadcs-
e o que de mais moderno possivel encontrar-se
aqu, fazendo-se notaveis por suas novidade e ele-
gancia uns, cuja grade de um fino e delicado te-
cido a que apropiadamente se chama invisivel.
Assim, vista desse completo sortimento, qualquer
cidado munido de dinheiro est habilitado a enm-
pra-los : na rua do Qucimado, loja d'agua-branca
n. 8.
Bonitas bonecas.
Com rosto de cera, matsa c pnrcrllaaa.
Acha-se na loja daguia-tuanea rua do Queima-
do n. 8, um grande sortimento de bonecas de di-
versos tam.uiho. rom rosto de cera, massa c por-
cellana os pretendenles munido* de dinheiro
acuario boa disposicao para os vender.
Uole.s de cornalina
eoutras qnalidades para roldes
A Agna branca acaba de receber un novo e
variado sortimento daquellos apreciados botoes de
cornalina brancos o encarnados, chatos e redon-
dos para colotes, cujas ahotuaduras continnam a
ser vendidas pelo eommodo e inalteravel preco de
25 cada urna.
Alm desses recebeu tambem outros de madre-
perola, massa e osso, com differenres moldes para
o mesmo fim.
J se v, pois, qne o pretndeme munido do di.
nheiro achara sortimento vontade na rua do
Queiniado loja d'Apnia branca n. 8.
BAISnilOS fc CAlMMIiS
eom perfil mar las.
Na rua do Queimado n. 8 loja d'Agua-Kranca, os
freguezes munidos de dinheiro enconlraro, boni-
tos bausinhos cobertos de couro eeom 6 frasqni-
nhos de extractos por 14500 cada uro, e ontros
cobertos de papelo cora 9 frasquinhos por 24000
um; caixinhas com ti frasquinhos de di ios por
14000 una, outras com 12 ditos por 24000 urna,
outras com 3 ditos, cuja cotana parece tartaruga,
a 14500 cada una, e outras com pastilhas de chei-
ro a 500, 14000 e 4000.
Eavelopes bordlos e carles con bel-
las dnuradas.
Na loja da aguia branca, roa do Queimado n. 8,
achavamse venda bonitos envolopes bordados e
, carios-com beiras douradas. tendo de uns e de
; outros, maiores e menores, propris para partici-
. pa^oes de casamentos, bailes etc.
Completo sortimento de fitas
finas, Usase labradas.
A aguia branca recebeu um grapde e completo
sortimento de titas de diversas larguras e qnalida-
des, tanto Jifas como lavradas, e em todas ellas co-
nhece-se a superioridade da fazenda, nolando-se
as lavradas o bom gosto dos novo- e lindos dese-
! nhos, isso tanto as raatisadas como as brancas,
je pela commod idade dos precos o pretndeme qne
se dirigir munido de dinheiro rua do Queimado
. loja da aguia branca n. 8, ser bem servido.
Capachos Inglezes.
Na loja da aguia branca, rua do Queimado n. 8
vendem-se bons capachos inglezes, os quaes alm
de bonitos sao de immensa duraco, pelo que m
ktornam baratos pelos precos de 44, 4, 64 e 74
cada um.
Cartas francezas.
A aguia branca, na rua do Queimado n. 8, rece-
ben ura novo sortimento de linas cartas francezas
cora beiras douradas e brancas, e as est veaden-
do baratamente a dinheiro vista.
Objectos de phantasia viudos
para a aguia branca.
irmandadc do Divino Espirito
Manto.
O irmo procurador geral, abaixo assignado,
convoca os membros do conselho fiscal que nao l A aguia branca recebeu novos e bonitos biec-
flzerara parte da mesa regedora Boda, a reumrem- tos de phantasia, alguns dos quaes nanea vutos
se em nosso consistorio domingo 3 de julho pro- aqu, sendo :
Timo futuro, para a primeira sessao ordinaria do Bonitos adercos completos feitos de nerolas"falsas
nrranta nnn w\:.__.!__..-. ...i________ i jV ,
perfeicao e bom
das verdadeiras.
corrente anno.
Consistorio da irmandade 30 de junho de 1864.
Antonio Ramos,
Procurador geral.
Aluga-se a casa terrea n. 3 da
picio : a tratar na rua do Seve n. 2.
para seoboraa
rua
De ordem oa mesa regedora da irinan
dade de \. S. do Bom Parto erecta na
[ igreja de S. Jos de Riba Mar, convido a
todos os irmos para mesa geral no dia 3
do corrente alim de se tratar sobre ne-
gocios a bem da mesma irmandade. Re-
eife, 30 de junho de 1864.
O secretario,
Domingos Francisco ures.
ixvmmsmm mmm mmm
Ditos ditos de podras, por cuja
gosto quasi se na* distinguen!
Lindas pulseiras de mosaico.
Dtia dita de perolas falsas tanto
do Ho.s-' como para meninas.
i Dita de chapa de crystal com listas douradas.
Dita de cornalina branca, azul etc., etc.
Bonitos alliuetes e anneis para grvalas.
Bonitos pentes de concha, obra de apurado gosto.
Outros travssss cora pedras para meninas.
Bellas guarnicoes de tientes dourados, ornado
com caxos de uvas, feitos de aljfar, obra su-
blime.
Outras igualmente bellas, todas de Ano dourado e
com pedras.
Outras a Urtarugadas, nada inferior a aquella.
Voltinhas de aljfar branco e de cores com cruaM
de pedras.
Precisa-se de urna mulher portugueza de ha- rtaEP-,Sf^n'r-S rai,os Rectos acha-* a *
..... na rua do Queimado, loja da aguia branca, n. 8.
SAPA IOS DE BUIftUl
a iOOO. i$ftOO e 98i o par
na rua do Queimado loja d' Aguia-Branca n. 8.
bilidades, e sobre tudo bom comporlamento para
viver entre urna peqaena familia em um sitio na
Passagem : a fallar na loja n. .">', prxima ao arco
de Santo Antonio, de Marcelino & C.
:
i
._


BC*
jM^u^r-cciuafcaco ^^M fefeftt4Ufill4h*4* #,#**

^



Na praga da Independencia, loja de purives
n. 33, compram-se obras d aura, pratt. alpdras
preciosas, assim como se fax qualquer obra de en-
eommenda, e todo e qualquer concert, e igua*
mate ge qftfr yffl} dgdighe^ro jijtremio,
A.1
i
Caw$ para aiugar-si,
Aluganvse>o J e if andares do sobrado da roa
do Brum n. 70, e i aodar" do sobrado do caes n.
Apollo o. 17 : a tratar na ra larga do Rosariode
***** L,,.-.__rt
|A ALUGAR.
rna sala na 'fu do QueimadQ o. 39,
pri(p|irij andar! ptimo para um escritrio :
quem precisa1, dirtja*s leja da mesma casa.__
Aluga-se a casa da ra da Palma n. 45 : a
tratar na ra da Cadeia jj, 62, primeiro andar.
W'tfer Rose e sua [senhora retira-so para
Europa. ______^_________
_s_B_a_fi__ {3jS8M|flBf
Saques sobre Portugal
O kalxo assfgnado, autorisado pelo
JlanoeMercaolil Portuense. e naaosnjcia
do Sr. Joaquim da Silva" Castro, saca ef-
fectivamente por todos os paquetes Wbre
as pragas de Lisboa e Porto, e mais lupa-.
res do reino,. por qualquer s?iuuia vis^
ta, e a praso ; podendo, os que temarem
saqus'! prafco.receberem arista, no mes-
amo Banco, descontando i OiO ao anno: na
loja de chapos da roa do Crespo n. 6, ou
na ra doTmperador n. 63, segundo an-
I dar.Jos Joaquim da Costa Maia.
IflttM aU$ncJ9
aixo assignado'avls a todos os seus deve-
dores em geral, de maiores e menores quantias,
assim como de letras ha .muito *ecidas, que ve-
nbam no praso de*45 das jwgarem a ra Oirtrta
n. 91 os seus-dbitos, e se assim nao o flzerem S&-.
rao seus nomes publicados por este Qiario, e de-
pois ejecutados sera distiocgoe* de pessoas; facpJ Aluga-se muito bawto urnas poiicas de meia-
o oresente annuncio par que depois nao se quei- aguas acabadas prximo de se edificar na entrada
xem do Jos Martins da 911 v* Borhes. dos portoe-da travassa das barreiras do bairro da
*_i__---------------------------------------------1 Boa-Visu : a tratar na ra do Cotovello n. 2o.
Declaracp.
O autor do annuncio publicado neste Diario do
2o do correte faz publico que aquello anminc
nao diz. nada respeito aqs Sis. Antonio Corroa do
Vasconcellos& C.,successores de Jos Moreira Lo-
pes e sim pes junto ao S, cora loja de fazendas na ra que
nao escrava.'Gurlias..'_______________
Precisa-se de urna criada iivre ou escrava
que saiha oezinhar e comprar : na ra de Santo
Amaro (Mundo Novo), sobrado onde morou o Sr,
Dr. Sabino. '
Precisa-se d urna ama de leite : na ra Im-
perial, sobrado n. 87.___________'__________
Aluga-se o terceiro andar da casa n. 48 na
ra dq Trapiche : a tratar no armazem da mesma
casa.______________ u
Precisa-se alugar urna preta que saiba cozi-
nhar e engommar : quem a tiver, dirija-se ra
do Trapiche n. 4, que achara com quem tratar.
Sociedade de seguros mutuos
de vida Installada pelo Banco
(Julio na cldade "do Porto.
Os agentes nesta cidade e provincia Antonio
Luiz de Oliveira Azevede C escriptorio na ra
da Cruz do Recite n. 1, estad autorisades desde j
a tomar assignaturas e prestar todos os esclarec
mentos que forem necessarios, as pessoas que de irijm-seT ra do Queimado n. 27, loja de fazen-
sejarera concorrer para tao til e benfica empre das aos gis. Custodio & Carvalho. '______
asegurando um futuro lisongeiro aos associade- Aluea_se um sitio na estrada da Ponte de
Na ra do rago n. 3 lavase, engomma-se ucn0a ea marg?m do rio, pouco adiante do Illm.
com pcrfeicao e faz-se comida para fra por prego gr commendador Nery Ferreira, tendo banheiro,
mais barato do que em outra qualquer parte, i paianqUe, galinheiro e ootras acommodagoes; e
tudo com perfeigao. oatro dito no Monteiro, cm frente ao oitao da igre-
Aluga-se umanegrinha de 14 annos de idade ja : a tratar com Antonio Jos Rodrigues de Sou-
para todo o servigo interno de urna casa de fami-: za, ra do Crespo n. 13, ou estrena do Rosario nu-
lia, a qual muito esperta e fiel, e ensaboa bem :: mero 32._______________^ __________
na praga da Boa-Vista, sobrado da esquina que vol- j __Deiencapiinhou-se hoje do poder do abaixo
ta para a ra do Aragao, primeiro andar. Na mes- assignado urna letra da quantia de 366507o, que
ma casa vndese um sellim cm muito bom estado, saccaram em 31 de maio prximo pnssado. a oito
e precisase alugar um primeiro andar, ou urna I mezes, e Ibes foi acceita pelo Sr. Joaquim Rodri-
sala e alcova que seja propria para escriptorio de | gucs Tavares de Mello, desta praga, e com quanto
advogado._______________________________ ; Csta letra nao possa ser negociada, nem mesan
Aluga-se no melhor local de negocio a Casa aproveitar aoutrem, porque alm da falta de sel-
Forte para um principiante duas casas juntas ten- i lo nao est passada a prdem pelos saccadores, uni-
do urna annacao de taberna aonde esteve Manoel eos competentes para a transferencia da sua pro-
Caboclo, por preco commodo : a tratar na padaria priedade, comtudo julgam do seu dever fazer esta
do Chora-menino derlaraoo para evitar duvidas futuras, assim co-
------=:--------,-----------3--------------j-------. i mo que a consideran) de nenhum valor em poder
= Precisase de urna criada para casa de pouca de familia : na ra da Imperatnz n. 45, segundo an- Monteire Lopes & C.
dar.
Arrendase, vende-se, ou mesmo troca-se por
casas na praca.,un sitio na Varzea margem do
ameno Capibarbe, com duas'grandes casas, com
7 quartos, 4 salas, 2 cozinhas e um sotiio, tendo a
parto cochera, estribara, e quartos para criados, luanda.
todo plantado de arvores de fructo, abacates, sapo-
tis, fructa.-pao, limao doce, limas de umbigo e da
Persia, laraogeiras de umbigo, soletas, tangerinas,
etc., um prande cafesal com fructas, jaqueiras,
maugueiras, coqueros, dendezeiros, com mais no
fundo urna casa de taipa, e bem assim mais 4 ca-
sas de lijlo acabadas de pouco lempo, com frente
para o nascente, muito frescas, tendo cada urna 2
salas, 2 quartos e cozmha fra : os pretendenles
JlTTENCM.
se fgido o iscravo ae nome ABlouio de-
correote ai.no, com os shriae
foinias : idad 40 annos, rioulo, atura regular,
desdentado, barba feita, nariz chato, pescoco corto,
um tanto inclinado para a frente urna marea de
ferida no estomag, ps grossos, e as costss mar-
cas de chicote, lem cicatrizes as canellas, em urna
das mos nao abre bem os dedos, levou ,yestdo cai-
ga parda, palelot pretevj velho, camisas brancas
duas, sendo urna de al>eriura bordada, 2 pares de
caigas, 1 branca e 1 pardo 1 cobertor, seado me-
tade de estopa e melado de algode, foi encontrado
na ribelra de Santo Antonio e no Peres : por isso
roga-se s autoridades policiaes e pitaes de cam;
po que o peguem e levem-no .casa de seus senhb-
res, na ra da Impcratriz n. 80, que serao muito
bem recompensados._________ '
Fugio no dia 3 de junho, da engenho Caluan-
da, freguezia de N. S. da Luz, comarca de Pao d'A-
Iho, o mulato Bernardo, de idade 30 anuos, pouco
mais ou menos, com os signaes seguintes : rosto
redondo, nariz chato, barba serrada, e conserva-as
a excepcao do bigode, baixo, corpo regular, ps
curtos, pernas grossas, cabellos alguma cousa
crespos, bastante ladino, as costas e nadegas cica-
trizadas de chicote, levoa vestido camisa de algo-
dao azul c caiga de riscado, chapeo de couro e
mais roupa, julga-se ter segodo" pira o jKJUfo ou
norte, provincia da Parahiba, d"onde vet por com-
pra feita a Antonio de Barros Correia, senhor dp.
engenhc Teixeira, e d'onde 'j por ttas vezas veo
'-ses'autoridtdes pa
por occasiao de fgido :
liciaes. capitaesde campo, ou qualqner pessoa do
povo a apprehensao do dito escravo onde for en-
contrado, devendo ser entregue ao seu seu senhor
Joiio Correia de Araujo Vasconcells, que gratifi-
car generosamente no mencionado engenho Ca-
4GENCIA
ztf
FNDICA) DE LOW-MOOR.
Ra ta Senialla nova n. 42.
Neste estabelecimento contina a haver
um completo sortimento de moendas e meia^
moendas para engenho, machinas de vapoi
e tachas de ferro hatido e coado, de todos o
tamanhos para ditos. ;____________
Irados americanos e madrinas paraj
lavar roupa: em casa de S. P. Johnston A C4
ra da Senzalla Nova n. 42.
Precisa-se alupandous escravos, pag-se bem:
a tratar na ra do Bru'fnyjahrica de sabao.
Quem saibaltraMlliar.
Precisa-se de urna pessos^asuj/saiba trabalhar
em machina de costura, ou seja homem oh mulher:
a tratar na ra dos Quarleis, loja de calgado uu-
mero 22._____________________ .
Na ra do Livraraenlo n. 19, ha para alu-
gar-se um bom escravo copeiro e urna escrava pa-
ra servigo do interior de casa: na mesma casa
comprase urna escrava moca e bonita que cosa e
en^omme bem.
DEITITA
A viuva Rosa Jane contina a por dentes arti-
liciaes, e resolveu ensinar tambem a sua arte, me-
diante paga : quem quizer aprende-la pode enten-
der-se com a mesma em sua residencia na ra da
Penha n. 17, segundo andar.
jgf O abaixo assignado achando-sc encar- 9|
JS regado e com procurarlo bastante de =j
H| Francisco Ayres Sigismundo de Moraes }_j
para cobrar is dividas do casal de seu jjg
antecessor Joo Baptista dos Santos Lobo,
avisa aos respectivos devedores que pode
ser procurado, nesta cidade-, na ra do
Queimado n. 12, primeiro andar.
Manoel Gomes Leal.
Precisase na ra do Imperador n. 43 de urna
pessoa que cozinhe por lo dias^______________
AMVSSAIMIR
Precisase de un amassador : na padaria de A.
F. daSilva Beiris,ra dos Pires n. 42.
Quem gosta do que bom.
Na ra da Roda n. 6 contina a mandar-se co-
mida para fra, e incumbe-se de tudo : na mesma
casa teni a chave da ca.-a terrea da rna Imperial
n. 270 para alugar com lodo commodo.
Fugio no dia 27 de abril desle correte anno
um escravo crioulo de nome Domingos.idade de 60
annos, pouco mais ou menos, baixo, cor laioca,
pouca barba, e est pintando levando vestido cal-
ca e camisa de algodao da trra, um tanto beigu-
do, muito ladino, e j foi surrado, manque ja de
um quarto, dizem ter ido para as partes Jo sul, e
j foi visto na villa do Cabo, no engenho Trapiche,
pedmo esmola como pobre aleijade : roga-se s
autoridades policiaes e capitaes de campo a appre-
hensao do dito escravo, e leva-lo a seu senhor, em
Sanio Aotao, ra da Imperatriz n. o, ou no Recife,
ra estreita do Rosario, em. casa do Sr. Joaquim
Francisco Santos Maia, que logo sero recompen-
sados.
mmmum-mmmm-mmm
DENTISTA DE PARS i
19Roa Nova-19
Frederico Gautier, cirurgiSo dentista,
faz todas as operages de sua arte, e col--
loca dentes artificiaes, tudo com superio-
ridade e perfeicao, que as pessoas enten-
didas lhe reconnecem.
Tem agua e pos denuncio.
'-'olha de Flandres.
Grande sortimento d folha'de Flandres: na ra
da Cadeia do Recife n.-86--A, toja de ferragens de
Bastos. | -t_____
MJVA* -DE PI2LLICA
Para Ihhuchs, malhrse meninas.
A Aguia-branca, na ra do Queimado n. 8 rece-
beu luyas de pellica, para homens, mulheres e
meninas. '. _______^^
Empre&v'da luminacfto
" gaz.
Todas as! vendas, de apparelhos e reclamagoes
(por escripto dando o nome, morada, dala, etc.),
devem ser feitas no armazern da ra do Imperador
n. 31. Os machinistas mandados para atleader a
estas, apresentaro um livro que os reclamantes
devero assignar logo depois de prompto o servigo
reclamado -, isto para que a empreza fiquQ sciente
de haverem os mesmos senliores sido devidamen-
te altndidos..
. i
Perros para ourlves.
Na roa larga do Rosario n. 24, loja de .ourives,
vendem-se todos os ferros e utencilios de ounves.
Vende-se a padaria sita em Santo Amaro
travessa do Lima, quina da ra de Luiz do Reg:
tratar na mesma.
Vende-se por preciso urna bonita negrinha
de 7 8 annos de idade com principios de costura,
na ra da Cadeia do Recife n. 50 primeiro andar.
GRANDE Grande liquidado
SOrtimeulO de fazendas novas viadas de fazeodas na loja do Pavu, ra da ImperaUu .
peio vapor iiiglez pata oproprielu- 60, le Cama a Silva
j .i t i i AcOa-se este estabelecimento coniiiletanientesor-
riSdo grande armazem elnja de fa-tidode fazendas ing^s, rancezas, ailemaes e
ZenthlS da Arar, ma da 'niperatriz stl'ssaf;, proprias tanto paraaprtga mo para..
_{ iln I nm-oiu'n Papoi-> HaniW mjt0. prometiendo vender-se mais baraU) do que
II. 00, UL LOUI lid JieP.ieS em outra qualquer parte prinfeipalmeate (endo em
! porgao e de todas as fazendas dao-se as amostras
deixaude ficar i>eutior ou uiandam-se levar em ca-
; sa pelos caixeirosda lija dtg Pavao.
As chitas do Pavao.
Vendem-se superiores chitas claras e escaras pe-
lo barato prego tJe'tiO e 280 rs. sendo tintas gu-
r, ditas francesas finas a .120, 340, 3(H', 400 e
500 rs., o covadjj, ditas prelas largas e etreiras,
riscados escoceass finos a ttO rs. o covado, isto na
venae a w rs. |0ja ^ pv3o rna da impralrz n. oo e gaB- ,
lino para vestido a 210, 260. gilva.
aes -
I'ecliincha, a 3^200.
Vende-sj baratissimo para aparar dinheiro, a,
saber : corles de chitas francezas de cores escuras
e claras com 10 covados por 3j>200, ditos de chitas
inglesas a 2i00, ditos de cassas'francezas a 2 e
2o'00, ditos de cainbraia de salpicosa 25j'W e 3#:
s na Arara, ra da Imperatriz n- -jG.
A Arara
- Vende-se organdys
320 rs.
cores fi-
e 320 rs. o covado, casta franceza fina a 320 o co
vado, gorguro de linho para vestido a 2S0 o cova
da: loja da Arara, ra .da Jmperalriz n. 36.
A Arara vende latinna de nina s cor
a (i i o rs.
Vendem-se ricas lazinhas lisas proprias para, mindinhosa320 rs."o covado, rassas garibaldinas
(Camas e vestidos, os melhores gostos possiveisf a todito tinas a 310 rs., isto na loja do Pavao ra di
As cassas do I'avo a 210, 280, 300 e
Veadem-ftaissiinas cassas persianas
xas a 320 r|.o covado,ditas francezas muito filias
r2iOe290rs., ditas ingzczas a 240 e 2X0 rs. n
covado, finissimo organdy matisado com desenhos
S1
5
Os qoidatarips da raassa de Jos An- i
tonio Bastos convidam os credores da mesma
a receber o segundo dividendo, a ra do
Trapiche n. 31.
Club-Conmiercial.
De ordem do Sr. jiresidente, sao convidados]
os socios desla sociedade para renmao em
assembla freral sexta feira Io de jnlho, pe- jm'v..iuil.
las 6 horas da tarde, afim de deliberar-se
sobro ohjecto de summo interesse da mes-
ma sociedade.
ATTENQAO.
Precisa-se de urna ama Torra ou escrava para
casa de pouca familia : a tratar na ra do Sol n
33, armazern de madeiras c materiaes._________
Verdadeiros cigarros de S.
Domingos.
Leite & Alves pioprietarios da nntiga e
bem conhecida fabrica de cigarros de Gui-
matles c* Coiiiinho, em S. Domingos, de
Nillieroy, os ([tiaes sempre se tem vendido
e con'tinuma vendr-sc no seu nico depo-
sito ra Direila desta cidade n. I, casa
dos arnuiticianies, prvihetn aos seus fre-
guezes e ao publico em eral, que, para.evi-
taretn as militas falsificares, que dos mes-
mos cigarros se tem feit'o; os rtulos que
acompanliam iis mesmos cigarros, alm da
firma de Guimares ACoulinho, que jtra-
zem, llora avante lero tambem a firma dos
aiinuiiciantrs como seus successores.
Rio de Janeiro, 2' de maio de 18Gi.
Um Dcscobrimcnto Espantoso!
0 Jluiulo Si ii iitiifo uiuinitnuuicntc o approva.
640 o covado, ditas Mara Pia muito lina com pal-1
mas a 640 o covado: ra da Imperatriz n. 56, loja'
da Arara.'
t'ores de casemira a "$.
I Vende-se cortes de meia casemira para caiga a
ti, ditos melhores a 2o00 e &, ganga para caiga
440 o covado, brini de linho pjeto a 300 rs. o
covado : ra da Imperatriz n. .*!6.
Fil de linho a 30 rs. a vara
Vende-se fil de linho branco proprio para torro
de vestido a 320 rs. a vara, larlatana de core.-
a 640 a vara, fil de linho lino a 800 rs. a vara :
na ra da Imperatriz n. 56.
Veo para senhoras a LOO O rs.
Vendem-se os mais modernos veos para chapeos
de senhorasa l& um, de todas as cores, manguitos.
de fil e bordados a 500 rs., manguitos e gola a
1, golinhas para senhoras e meninas a 240 e 320
cada urna, camisinlias finas para senhoras a i e
4500 : s na Arara, ra da Imperatriz n. 36.
Arara veude os caries de laa Mara Pia a 1 v>.
"Vendem-se ricos cortes de 15a de barra os me-
lhores qoe tem vindo, pelo prego de 185 o corle,
ditos a tt,5, vende lazinhas em covado a 240, 280,
320, 400, 300 e 640 o covado, dtas lisas de cores a
640, casemiras para capas de senhoras a 25 o co-
vado : ruada Imperatriz n 56, loja c a.-mazem da
Arara, de Mendes Guimares.
Bramante da Arara a 25200 a vara.
Vende-se bramante do linho de 10 palmos a
24200 a vara, panno de linho para saceos e cerou-
las a 640 a vara, hamburgo de linho a 440, 500 e
600 rs. a vara, brim de liuho branco lino a 15^00,
14400 e 15600 a vara, dito pardo a 800, 640, 15 e
lg200 a vara : ra da Imperatriz 11. 06.
Chitas da Arara a 210 rs.
Vendem-se chitas finas a 240 e 280, ditas largas
a 320, 360 e 400 rs. o covado, de cores fixas : ra
da Imperatriz n. 56, loja da ^rara, de Mendes Gui-
mares.
Chales da Arara a 2&00.
Vendem-se chales da merino estampados a 25,
25300, 45300 e 55, ditos de lila e seda a 15 : ra
da Imperatriz n. 36, loja da Arara.
Oh! que pechincua, a 15000.
a ma
Precisa-se de urna ama para cozinhar
da Cadeia do Ilecife n. 30.
n;. ra
COMPRAS.
l'ede-se ao Sr. Joo Germano de Paula, quei-
ra vir declarar nesta lypograptaia mide residem
Jos Feliciano de Araujo Pinl.eiroel).Mara Fran- Jos Gongalves deivoudeser seuca.xe.ro desde 2o
cisca, que pelo mesmo senhor foram incluidos no
numero dos assignantes deste Diario, sendo a fo-
Iha recebida por elle, e nao paga. ___________
Aluga-se a casa n. 4 da ra do Jasmim, fre-
guezia da Boa-Vista, para pequea familia : a tra-
tar na ra da Viragao n. 37. ____________
O abaixo assignado faz sciente que Belmiro
do correrite. Recife 28 de junho de 1864.
Amonio Joaquim Alvos Teixeira.
Ira prclo desencaminliou um
embrulbo contead> cinto livros e dous
relalhos fie chita escarale para cober- do ltTrador"' ^
Compra-se um ferro de fazer hostias em bom
uso : quem o tivur pde-se dirigir esta typogra-
phia, ou ao Sr. Jos dos Santos .Noves na ra do
Crespo.
Compra-se curo c prala em obras velhas
paga-se bem: na loja de Lilhetcs da praca di Inde
pendencia n! 22.__________________________
Milagres de Santo An-
tonio.
Compra-se este drama: na livraria popular, ra i
Precisa-se comprar urna burra de ferro que
- Aluga-se o primeiro andar do sobrado da ra (a ; petfe-Se cncarCCIllameiliea quem 8S ^j, segura qaem tiver> qUera diriglr-se ra
maOS foi' O favor e mlresar ao abaiXO Nova n. lO, que se dir com quem se deve tratar.
do Hospicio n. 24, proprio
no mesmo.
para familia : a tratar

Precisa-se de um bom forneiro e um
mestre de masseira, na padaria da Torre ; a
fallar com o Sr. Arantes._______._________
Aviso importante.
Cora este titulo sabio publicado neste 'Marti no
da quarta-feira 19 do crreme um annuncio dos
administradores da massa fallida de Francisco Go-
mes Castellao, no qual se diz que eu ando cobran-
do as dividas da loja de calcados do mesmo fallido,
do qual era cai.xeiro. E quem isto se nao peja de
fazer publico sao os Srs. Prente, Vianna & C, que
foram nomeados administradores I!!
Nao posso pois, deixar que os Srs. administrado-
res com detrimento de minlia honra e dignidade
facam alarde de urna calumnia, quando esses se-
nliores sabem mui bem que nunca fui caixeiro de
uieu cunbado, o Sr. Francisco Gomes Castellao, e
que apenas estabtleci em seu nome urna loja de
calgado francez e cabedaes da trra, que manejara
como seu crdito e ineu pequeo capital,eda qual
nenbum lucro percebiao mesmo Sr. Castellao, tan-
to que pela falt de negocio deixando de pagar aos
Srs. Prenle, Vianna & C. as letras do mez de
marco, e nao as podendo ainda resgatar em abril,
em 3 de maio me fecharam a porta e proseguirn!
na execugao at a fazerem arrematar por si mes
E quando isso nao fosse bem sabido, basta va a
declarago do proprio fallido para provar este acer-
t : podem os senhores administradores dizer que
sou devedor massa, logo que se proceda a um
aiute de contas entre o que produzio a loja de cal-
cados e os crditos a que ella esteva,, directamente
brigada, mas querer faier apreditar que as divi-
das daquella loja pertencem massa de Francisco
Gomes Castellao, isso alm de ser extravagancia
irrogar urna injuria sem utilidade.
Qoerem os seohoree administradores mostrar
servieos tralem de promover o ajust de contas en-
tre mira'e a massa de meu otinhadd que me acha-
ro prompto, mesmo a entregar essas dividas em
solucao do meu debito para com a masat no-essq
de o haver, mas manehar miaba reputaoRo, nico
bem que actualmentepossuo, isso nao couseguiroj
lalvez seja esse nm meio de que s serviro para
prolongar mais a factura do dividendo do liquido
apurado j antes da abertura da falleocia, da qual
foram depositarios e ora administradores, pouco
me importa essa demora, o que me importa que
com o meu nome, e a custa de minha reputagao
qnetram campar de extrenuos e xelosos adminis-
tradores. .
Nunca me occultei, tenho procurado viyer para
acudir a subsistencia e educagao de meus innocen-
tes lilhinhos que nao conhecem anda a perda que
tiveram com o fallecimento de sua mal e minha
mui prezada esposa, e sem scolha de trabalao a
tudo me tenho sujeitado s para que mais larde,
nao podendo legar fortuna, legue ao menos meus
filos um nome de que se nao envergonhem.
As dividas provenientes da loja de calcados, sao
minha propriedade e dellas posso dispr como me
appronver, conforme tenho demonstrado.
Aqui fleo por hoje protestando recorrer aos tri-
bunaes do paiz para me desafronter da injuria que
me arrogara os seahores administradores.
Queirm, Srs. redactores, dar pnblicidade em
seu eoaceituado jornal a estas toscas linhas em de-
sabafo de minha honra ultrajada, no que tenho de
mais sagrado, pelo que Ihes ficar uito obrigado
o sea constante leitor,
Antonio Jos Morelra Pahtes.
Reafe 17 de junho de-1861.
assiena *. 1 4} ni # "'ba cozinhar : na ra de S. Francisco n. 6.
licara, entregaado-s* aos Srs. uarte
Pereira &('., ra do Crespo o. 16.
Jos Francisco de Paula Ramos.
O abaixo assignado declara que nesta data
nada deve a pessoa alguma, e se alguem se julgar
seu credor, apresente-se dentro em das em Game-
leira, em casa de sua morada, que ser pago.
Joo Rufino da Silva.
Precisa-se alugar um escravo : quem o liver
leve ra larga do Rosario n. 10, qne achara com
quem tratar.
VENDAS.
VEM1E SE
in
os romances de Camillo Castello-Branco A filha do
arcediugo por 15500 rs., Anathema por 15300, e
Scenus contemporneas por 15*00 ; RecordaqDes
de Parts e Londres por J.Cesar Machado por 15200
rs.; Scenas da minlia trra pele mesmo por 15200;
Cont* do tio Joaquim por Rodrigo Paganino por
15200 ; Manon Uscant por A. de Presbol por
15200 ; Cantos Matutinos por Gomes de Amorira
A (omposirio Aliara!ni|ta
Prioral ele Kemp.
Por espaco de muito tempo se ha uzario cx-
tciisanientc cm Tampico para a cura de
TSICA PULMONAR,
CATARRHO, ASTHMA,
BRONCHITE, TOSSE CONVULSA,
CRP0 0GARR0T__0,e
Inflamma9es da Garganta e do Felto,
c isto com um resultado t:To feliz e verdade-
ramente assombroso o pao ou madeira d'uiua
arvoic que cbamao Asacauuita, c que s
se encentra uo Mxico.
A Compos9ao Anacahuita Peito-
ranientc cliffercnte na sua composicao de
todos os mais l'eitoraes c Expectorantes ma-
nufacturados de fructos astringentes, cascas
c rafzcs, te, o mesmo no conten nenhum
Acido Prusxico ou outros quaesquer ingre-
dientes venenosos.
Todas as molestias o affeccoes da garganta
c dos puluifics desapparecem como por um
mgico encanto, mediante a aegao deste in
Miip.iravel e irresistivel remedio.'
venda as boticas de Caors & Barboza,
roa da Cruz, e Joo da C. Bravo C, rna
da Madre de Dos._____________________
Espautosa nechincha.
Chapeos de palha do Chile a 320 rs., e em du-
zia a 35, pdese asseverar que pechincba vis-
ta da qualidade, e para o que venham ver e com
prar : na loja da rna da Madre de Dos n. 16.
Vinlw do Porto superior
em caixas de uma e duas duzias : tem para ven-
der Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C, no sen
escriptorio ra da Cruz n. 1.
1 rmandade de X. $. Hi
dos llorarn.s.
Por ordem do Irmo provedor convido lodos os: por 15300 ; Pensamientos e mximas pelo conse-
nossos irmos reunirem-se em mesa geral do- Iheiro Bastos por 75000 ;GutaLuso-Brasteuopor
mingo 3 de jullio, s 10 horas da manha, alim de I. M. de Lemos por 25000 ; Revtsta Contemvora-
se tratar do assumpto, queaffcta de muito perto a \nea de Portugal e Brasil anno de 18o9 por 35W0;
existencia da irmandade. Consistorio da irman- \ Obras completas de Atoares de Azevedo por 8*000 ;
dade de N. S. Mi dos Homens aos 28 de junho de Ptujintu tollas poesas de Calazans por 600 rs.;
rarinlia de mandioca superior
em saceos grandes : vende Antonio Luiz de Olivei-
ra Azevedo & C, no' seu escriptorio ra .da Cruz
numero 1.
Farlnha de mandioca
ensacada e da melhor que ha : veude Miguel Jos
Alves no seu escriptorio, casa n. 19 da ra da
.juz
1864.O escrivio,
Joaquim Gerardode Bastos.
Na ra da Matriz da Boa-Vista n. 22 ha para
se alugar duas escravas de 15 unos para o ser-
vigo interno de qualquer casa de familia.
Na tercT-feirTo de jnlho, depois da audien-
cia do Sr. juiz municipal da 2* vara vai praga
uma escrava e alguns movis por execugao de
Tranquilino Soum Sesse contra Guilherme da
Costo. "_____________________(_________________
AMA
Precisase de uma ama liwa.ou escrava para o
serrigQ de uma ca de poaca-bmiha, que lave,
engomm e compre na ra : quem estiver nestas
circuinstancias dirija-se ra,de Sania Tuereza n.
H, ejoe achara com quem tratar.' ___________
M'guel Jos Barbosa Guimares agradece cor-
dialmente s pessoas que asri.stirauj as ultimas
exequias do st* ftoado socio Jos* de Almeida Nu-
nes Lima, convida-os para assistirem a missa,
que pe eterno desrango de sua ,>toa. ser cele-
brada segnnda-feira 4 de jullio, as 7 li2 horas da
manhaa, na groja do Espirito Santo.___________
Jos Antonio Moreifa tem uma carta vinda
da Earopa : na roa da Prafa n. 3.___________^
Precisa-se de um pequeo de 13 14 annos
para caixeiro : no becco do Policiano a. 33, esqui-
na da Concordia, taberna.
Poesas de Costa e
Cabug loja n. 2 A.
Silva por 25300 : na ra do
Vendem-se caixes vasios a 1:760
cada uro,: na ra das Cruzes n. 44.______
Vende-se a taberna da ra do Padre |Floria-
no n. 41.________ ; ___
tteri$to.
Vende-se uma pequea taberna nos arredores
da Boa-Vista, com pouces fundos, propria para um
i principiante : quem a prentender, dirija-se ra
Direita n. 88, que se dir onde .
BOTICV E DROGARA

BaRTHOLOMEU & c.
Una Larga do Rosarlo n. 31.
Vende:
Ventosas de gomma elstica.
Esmaltes para ourives.,
Fundas inglezas. '!
Vidros de bocea larga com rolha. l
Tinta branca em massa para pintura fina a 200 rs.;
a libra.
Taboasde pinho
Ainda tem um resto de taboas de pinho da Sue-
cia para vender-se : a tratar cora Rothe & Bidou-
Jac, ma do Trapiche n. 18, escriptorio._________
BOTICA E DROGARA
DE
Francelino Ferreira Crespo
.oianna.
Vende-se:
Salsa parrilha de Bristol. ,,,
Piluias assucaradas de Kemp.
Pastilhas assucaradas de Kemp.
Agua florida de Murray & C.
Peitoral de anacahuita. .,
Xarope de citrato de ferro de Cluble.
Elixir de citro ractato de ferro.
Injeccao Brow.
Plalas americanas contra sesoes.
Piluias purgativas de Dehant. ]
!"!" S;A,lson-
Ptlulas da vida.
Xarope vegetal de IVneo.
Prompto alivio.
Piluias reguladoras.
Xarope alcooliqp de vellame. _____________
.4 ttenco
-r~
Precisa-se de urna ama que saiba cozinhar e 6fi-ti
gommar, e que seja capaz : na ra larga, do.Rosa-
rio g- 38, primeiro andar. _______i
" Deseja-se saber se vivo ou morto Manoel,
Pint* da Cruz, Portognez, casado, sobrinho do fal-! j
lecidp Jos Mara de Mendonca e Castro, que em ,
algura tempo foi socio do fallecido Torres, para um j
negocio de muita importancia : quem dalle ti^er.
noticia,ou o proprio, se dirija ra Direila, pada-1
ra defronte dj Tergo, a fallar com Hennque Jos
Santos. ,
- Precisa-se de um caixeiro poruiguez para ta- j
berna, de 12 14 annos : a tratar no pateo do Pa-
raizo n. 2. .'.... '' '
No pateo do Paraizo n. 16, Uberna, se dir
quem d 3005 400* sobre hypotheca de algnm
predio.
Vende-se
em Jaboato ra de Baixo o bem conhe-
cido estabelecimento Progressista, que
consto de molhados e petari, com al-
guns -fundos, proprio para qualquer prin-
cipiante nao s por ser em bom local co-
mo por ter commodos para familia: a
quem convior pode se dirigir ao dito es-
tabelecimento ou ra Direila n. 76,
onde achara com quem tratar.
Vende-se ou per muta-se uma das melhores
otarias na camboa dos Remedios, que lica defronte
da olaria do Sr. Joo Anastacio, e qne tem grande
extensa* de terreno em-que se pode levantar anda
mais duas: a'tratar na rna Augusta n. 26.
Vende-se sal do Ass a bordo do patacho
Andr, fundeado defronte do Porte do Mallos: ira-
ta-se com p capilo a bordo, ou na ra do Vigario,
armazern. naval n. 1.
Vende-se
toni carro de 4 rodas em muito bom esta-
do coro 6 cavallos carnudos e arreios pa-
ra i, em bom estado tudo, propne para
trabalhar: quem quizer negociar irija-
Jc ra Direila o/76, qne achara com
tratar ou dirjase a Jaboato.
BOTICi BABTHtUilHE G
Kua Iar,a do Rosario 34
Vende:
Todos os remedios do Dr. Cbable.
Capsulas e injeccao ao matieo.
Injecgao Faugs
Piluias do Dr. Alian
Piluias do r: Laviito. .
Piluias do pobre-homera, excelleites contra rheo-
matistno.
Piluias para sezSs.D
iPilulas e ungento Holtovay.
Phosphato ferro de Lerrs.
Todos os remedios de Kemp : pastilhas, piluias,
an ahuita,e salsa de Bristol, etc. ote.
Eacuitos outros medicamentos e especialidades
que sempre se encontrarao em dita botica.
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
As lazinhas da ciposico do Pava.
Vendem-se as mais modernas laziuhas rr.ossan-
ii.que chegadas pelo ultimo vapor francez sem!"
de uma s cor ou de listas uiiudinhas com 4 pal*
mos de largura, proprias para vestido de senhora,
roupa para meninos e capas, e pelo baratsimo
prego de 530 rs. o covado, ditas enfestadas trans-
parentes de quadriuhos a oOO, 400 e :DO rs. o co-
vado, ditas masadas muito linas a 00 e 400 rs..
litas mais baratas do que chita tambera matisadas
i 320 rs. o covado, ditas a Maria Pia com palma
le seda e 4 palmos de largura a 800 rs. o covadu,
j ditas de uma s cor parda, azul, cr de lyrio e
perola proprias para venidos, sauternbarqes e
iraribaldes a 7-20 rs. o cevado, ditas escocezas a
800 e 100 rs isto s na luja do Pavao, ra da Im-
peratriz n. 60, de Gama .V Silva.
Os chales Vendem-se linos chales de crepon estampa'^
pelo barato prego de 6&, 1&, 85. ditos de pouta t<~
donda alje 8<*., ditos pretos ricamente bordados
a retroz com vidrilho a 125, ditos prctoi lisos a
35, ditos de cores a 45300 e 5\8, ditos Ai merim'>
estampados a 25 e .15, ditos de la a 15-80 e 25,
ditos de retroz preto para luto a 65, isto na leja
do Pavao ra da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
0 Pavao vende para luto.
Vende-se superior setim da China fazenda toda
de la sem lustro tendo 6 palmos de largara, piu-
pno para vestidos, paletots, capas etc., pelo bara-
to prego de 25, 25200, 25300 o covado, eanas
pretas lisas, chitas pretas largas e estrellas, chale
de merino lisos e bordados a vidrho, manguitos
comgolhnhas e outros muitos artigos que se v.-:i-
dem por precos razoaveis : na loja do Pavao a ra
da Imperatriz n. 60, de Cuna & Silva.
Os vestidos do Paria
Vende-se ricos vestidos de grosdeuaple preto ri-
camente bordados a vellido pelo barato pi ;o de
405, sendo fazenda "que sempre se veiideu a 1005
e 105 ; ditos de cambraia braocosricamente bor-
dados a croch, sendo proprios para baile e raca-
mento a 10, lo, 20 e 305; ditos de laa < or Hada
barras a 18 e 155 ; isto na loja do Pavad ru;i
Vendem se lengos de seda grandes a 15, ditos da Imperatriz n. 60, de Gama A Silva.
pequeos a 800 rs., grvalas de seda de cores a 500
rs., ditas pretas de laa e largas a 800 rs., collan-
nho para homem a 400 rs., meias cruas a 200. 240,
300 e 300 rs. o par : ra da Imperatriz n. 5(i, loja
da Arara.
Fazendas pretas para lulo, cassas, a 320 rs.
Vendem-se cassas pretas para lulo a 320 o cova-
do, veos pretos para chapeos dj senhoras a 15,
luvas de seda prelas a 15, princeza preta enfesla-
da a 640, 800 e 15 o covado, alpaca preta a 500,
640 e 800 rs. o cotado, laazinha preta a 640, mo-
rim e bombazina : ra da Imperatriz, loja da Ara-
ra n. 56.
Grande sort ment do roupa
feita.
Os pannos do Pavao.
Vende-se panno preto muito superior pelo baral
pre ;o de 25, 25500,35 e :$c300, ditos moil i Unos a
45, 35 e 65, cortes de casemira pela iniciada a
45, 45300 e 65, casemira preta lina de ama fo
largura muito fina a 15800, 25, WWOO e ri-
les de casemira de cor a 55, 55500 e 65. casmi-
ras eufestadas de uma s cor proprias para alca
paletots, colletes, capas para senhora. ronpas para
meninos a 35 e 3*-300 o covado, isto na I
Pavao, fu da Imperatriz n. 60, de Gama & Uva.
A roupa do Pavao.
Vendem-sc paletots de panno preto sobrera*
eos fazenda muito boa a 125, ditos multo fin a i
20?. 235 e 305, calcas de casemira prrta ka
Vende-se paletots de panno preto a 165- 145,! fazenda a 45500,55, 65,'75 e 85, paletot? s; reos
SJt 105, 85 e 65, ditos de brim de cor a 35500, de panno preto a 75, ditos de easemira de l .
alpaca preta, ditos de ; erim
lm de cores, calcas de casimira
,65,75, ditos de eaxemira ua
Escossia a 35, dtws de brim pardo a IfSO
de cor a 25 e 23500, ditos brancos amito
sto na loja do Pavao, ra da Imperatriz n. <"'0. d<
Gama h Silva. ^_
Os eo'4liolo8 do pai tio
Vendem-se ricos cortinados proprios para janel-
la e camas pelo barato pn JO de '.'j 0 i ar, ndo
melhor que ha no mercado : na ra da upera(r
o. 60, de Gama i\ Silva.
As colchas do Pavo.
Vendem-se colchas de linho aleoelioadas pro-
prias para cama pelo barato preco de 55 ca.lr HU
na ra da Imperatriz n. Co, de Gama & Silva
ls precalas do ra o.
Vendem-se as mais luidas precnlas que tem vin-
se amostras com penhor, ou manda-se levar as fa-' do ao mercado chegadas pelo ullimo vapor frai-
zendas casa das familias pelo caixeiro da loja da I CtZ, pt.|0 barato prego de 600 rs. o covado, dil.r
Arara, ra da Imperatriz u. 56. j de lisuinha muito miudinhas i
camisas francezas de linho a 35, ditas de
algodao a 25500 e 25300 : na ra da Imperatriz,
loja Arara n. 56.
Nao esqueram os baloes da Arara.
Vendeui-c lialOes O 13, 20, 00 c 40 orooc n 3i,
35500, 45e 45300, ditos de brilhantina a 45, co-
bertas de chita a 25, ditas de damasco a 45, ditas
de fusto a 55 : ra d Imperatriz n. 36, loja da
Arara.
Soutambarque da Arara a 20 e "2.'i:>.
Veude-se soutambarque muito bem enfeiladoa20
e 255 cada um, veos pretos c de cores para senho-
ras a 15 cada um, riscados francezes a 280 o co-
vado. Todas as fazendas existentes neste estabe-
lecimento vendem-se por preco baratissimo, e do-;
Cortes de cassa da Arara a 20000
Vendem-se cortes de cassa a 25, ditos de dita a
25400, cortes de babados a 35 : ra da Impera-
triz n. 56, lo a da Arara.
m\\\m
de
trabalhar mo para
descarocar algodao
FABniCAOAS
Por Plant Brothers & 0.
OLDAN
estragar o fio,
sendo bastante
duas pessoas para
o trabalho; pode
descarocar uma
arroba de algo-
dao em carogo
em 40 minutos,
ou 18 arrobas
por dia ou 5 ar-
robas de algodao
limbo.
Esta machina
a nica que
possue as vantagens de nao destruir o fio do al-
godao e de fazer render o dobro de qualquer ou-
tra com menos trabalho, a sua introduego para
as provincias deste imperio ser de muito valor
para todos os interessados na lavoura do paiz.
Assim com machinas em ponto grande do mes-
mo systema.oraql serem movidas por animaes,
agua ou vapor, pas uaes podem descarocar 18 ar-
robas de algodao ampo por dia.
O algodao descarocado por estas machinas tem
mnito mais estimaco nos mercados de Europa e
vende-se por maiorprego.
s machinas se achara venda unicamenie em
cae de
Saundcrs Brothers & C.
I. praca do Corpo Manto
BECIFE.
Os nicos agentes neste paiz.

Na ra de Apollo n. 32 ha um grande sorti-
mento de marmore para todrilho, sacadas, hom-
breiras e degros de 8, 9 e 10 palmos de compri-
do e 2 112 de largo, folhas de marmore proprias
para tampns de mesas c para tmulos, vasos gran-
des para jardim, ou para ornar tmulos, por pre-
cos muito razoa\eis
proprias para v-tid
e ronpas de meninos e meninas pelo barato prec
de 500 rs. ; s o Pavo ra da Imperatriz n. 60.
loja de Gama & Silva.
Os sonteanbarqnes do Pavo
10# cl/Jsoo Pavo.
Vendem-se os mais lindos sooteanbarques qu<
tem vindo ltimamente de laazinha e eaxemira ri-
camente bordados e enfeitados, cores muito d' liea-
das pelo barato prego de 105 e 135 ; fazend. esta
que em outras lujas se vendem por 205 c 255,
s para liquidar : na loja e armazern do Pavfea
ra da Imperatriz n. 60 de Gama ic Silva.
As chitas do Pavo JMOO e
*800 o corte.
Estas machinas Vendem-se cortes de chita com dozc covados
podem descarocar cada corte, ditos com dez covados a 25400, fazen-
qualquer especie da muito boa, e que nao desbota, sna loja do IV
Je algodao sem vo tem esta pechincha ; a ra da Imperatriz n
60 de Gama fi Silva.
I,as de uma s cor.
Vendem-se lazinhas de uma s rr, sendo en-
carnada, azul, cinzenta, cor de caf, lirio claro, li-
rio roso cor de perola pelo barati.-simo pre;.
640 o covado, fazenda mui tu lina s o Pava", a roa
da Imperatriz n 60 loja e armazern de Gana &
Silva.
Panno de linho.
Vende-se panno de linho com 4 palmos de lar-
gura proprio para lenges, toalhas e ceroolas pelo
barato prego de 640 rs. a vara, bramante de inho
com 10 palmos de largura a 35500, algodaozinho
monstro com8 palmus de largura a 15, p**cas de
Hamburgo com 20 varas a 95, 105 c 115, pegas de
madapolo fino a 75300, 85, 95 e 105. lilas de.
algodaozinho a 65,65500 e 75, e ootras muita*
fazendas brancas que se vendem muito baratas
afim de apurar dinheiro : na loja do Pavo ma da
imperatriz n. 60, de Gama & Silva,
O bramante do Pavo com done
palmos de largara.
Vende-se bramante de linho puro, muito fino com
doze palmos de largura o melhor e mais largo que
tem vindo ao mercado pelo barato prego de 25800
rs.a vara ; s na loja do Pavo de Gama di Silva,
aua da Imperatriz n. 60.
Ah precalas do Pavo.
Vendem-se as mais lindas precalas qus ten viu-
do ao mercado chegadas pelo ullimo vapor francez,
pelo barato preco de 600 rs. o covado, ditos de hv
trinha muito miudinhas proprias para estMos o
roupas de meninoe meninas pelo barato preco
de 500 rs.: s o Pavo ra da Imperatriz n. 60,
loje de Gama A Silva.
Os baldes do Pavo.
Vendem-se crinolinas ou baldes de 30 reos ton-
braneos como de cores, sendo americanos qiy
sao os melhores por se nao quebraren a 35-TOO.e
de 33 arces a 45, ditos de musselina com babador
45, ditos para menina a 25 e 35 : na loja do Pa-
vao roa da Imperatriz n. 60, de Gama 4t Silva.
0 Pavo vende 8*.
Vendem-se os mais lindos cortes de vestidos a
Maria Pia, com lindas harpas de seda, sendo che-
Sados pelo ultimo vapor francez pelo barato preco
e 85 cada um: s na loja do Pavo roa da Impe-
ratriz n. 60, de Gama & Silva.
, Os baldes do Pavo.
A 20500 s o Pavie.
Vende-se bales cora JO, 15 e 30 arcos pelo ba-
ralissimo prego de 25300. assim como tem un
completo sortimento de bales para meninas de to-
dos os tamanhos pelo baratissimo pree de 25500,
notando que sao baloes de arcos os melhores qne
tem vindo da America Ingleza, vendem-se por este
proco para liquidar : s na loja e armarem do
Pavao ra da Imperatriz n. 60. de Gama & Silva.

J

*


esta lelra 1 4e Jnli.o 4c !M1



Largo da
iSanta Cruz
numero
12 e 84.
Esquinada
ra do i
Sebo n. 12
e84.
llULHVME
-

X GRANDES ABMAZENS DE MOLHADOS.
Francisco Jos Fernandos Pires proprietario dos armazens de melhados denomina-
dos Brilhante Aurora e Aurora Brilhante, o largo da Santa Cruz ns. 12 e 8i (esquina
da roa do Sebo), faz seiente ao respertavel publico desta eidade e do interior que ,nas
eeus importantes eslabeleeimentos vender sempre gneros novos e de primeira quali-
dade e vender a todos pelo mesmo preco.
O completo sertimento de todos os gneros finos e grossos que costumam ter outros
eslabelecimentos desta ordem se encontrarlo sempre nos armazens da Brilhante Aurora
e Aurora Brilhante e sempre em grande escala a vontade dos Srs. compradores.
O proprietario dos armazens Brilhante Aurora e Aurora Brilhante pede a todos os
senhores esenboras que quando tiverem de mandar suas relacdes a estes eslabelecimen-
tos por seas criados seja em carta fechada pu com grande recommendacao a estes arma-
zens, certes de que sero tao bem servidosicomo se viessem pessoalmente.
i
'V


A Brilhante Aurora e Aurora Brilhante troca qoalquer ora genero que por acaso
nao agrade ereeebe as libras esterlinas a 9,sendo por compra: atabella de seos gneros
ser mudada todas as semanas.
Amendoas confeiudas parasortes a libra 1. Vinho muscatel duzia 105 e garrafa Ifi.
Manteiga ingiera flor a 800, e 960 rs. Dito branco proprio de Lisboa caada 4,5800
Dita mais abaixe a 640 e 730 rs. e garrafa 640 rs. .
Dita franceza nova libra 640 e en barril a Vinho branco de muito boa qualidadecana-
600 rs | da IX e garrafa 480 rs.
Chocolate sant muito novo aljftOO a libra. Dito Xerez Sai
Cha perola o rnelhor que ha ( redondo) a
libra 34200.
Dito dito ruis abaixo a 230U e 2J800.
Dito uxim muito fino a 2800 e 3.
Dito hysson superior a 2600 e 2^800.
Dito mais abaixo a 25 e 25300.
Dito preto muito fino a 26500.
Dito em massos a 2fi.
Dilo do Bio em latas de 4, 2 o i libra a
1,5500.
Caf de moca superior arroba lOfioOO e li-
bra 400 rs.
Dito do Bio e do Cear arroba 9500 e libra
320 rs.
Dito mais abaixo arroba 8*500 c libra 280.
Barricas com bolachina ingleza ingleza nova
a 35-
Latas com bolachinha de soda de 5 libras
a 25500.
Ditas com ditas sorlidas de 2 libras a 15400.
Frascos com ameixas francezas s o frasco
val o dinheiro a 25800 e 35.
Latas cora ditas a 15400, 25200 e 45.
Ditas com figos de comadre a 15500.
Caixinbas hermticamente lacradas eproarias
para mimo a 25 e 25800.
lino a caada 75500 e garrafa a
15200.
Dito Madeira seca caada 105 e garrafa 25.
Dito em caixas de urna duzia do Porto dos
melbores autoros a 125, 145 e 165.
Garrafas com Hcr fino francez e portugaez
i! O-
Ditas com vinho de caj muito claro a IS.
Ditas com mel de abelha puro a 15.
Frascos com geuebra de Hollanda de 2 gar-
rafas a 15.
Dito de urna garrafa a 560 rs.
Dito de laranja verdadeira a 15200.
Duzia de graxa latas grandes a lo.
Caixas com 25 massos de velas de sperma-
cete a 560 rs. a ibra.
Ditas raaiores a G00, 640 e 720 rs. a libra.
Caixas com urna arroba de velas do Araca-
ty 105500 e libra 400 rs.
Ditas de composicao arroba 105e libra 360
Saceos grandes com farinha de Goianua mui-
to boa a 55500.
Dilo de Porto Alegre melbor que de Mari-
beca a 65.
Ditos com milhonovo com 2icuias a 45000
Dito com farello de Lisboa 120 libras a
84300.
Caixinhas com ditas a 15, 25500 e 55 de Dito com arroz de casca a 55500.
arroba. Duzia de garrafas de serveja branca e preta
Presunto de Lampgo muito novo a libra 5-10 a 55800 e em barricas a 55500
rs. mteiro e a reallio 600 rs. I Arroz do Maranhao em sacecs arroba 25000
|g Chou ricas e paios novos a libra 800 rs. e libra 100 rs.
Latas com chouricase linguicas novas vin-' Dito da India e Java arroba 35 e libra 120
das ueste vapor com 9 libras por G5500. Aramia verdadeira arroba 8 e libra 320
I'itas com peixe ensopado de muilas quali- rs., maiarana.
dades a 15. Gommado Aracaty para engommar arroba
purtuguezas .55 c libra 160 rs.
Tapioca ou larinha do Maranhao nova
Ditas com ervlias francezas e
a 880 rs.
Ditas com feijo verde francez a 800 rs.
Ditas com massa de, tomate novo libra
560 rs.
Ditas com ostras a 720 rs.
Ditas com marmelada dos meiores autores
de Lisboa a libra 640 rs.
Potes com mustarda franceza preparada a
libra 480 rs.
Frascos, cora conservas de pepinos, uip.xides
e azeitonas verde a 15.
Dita dita franceza a 800 rs.
Giros com trinta e tantas libras de batatas
novas a 35500.
Queijos novos do vapor a 35200 e 35500.
Ditos de prato enplicado a 15.
Dito suisso a 800 rs.
Dilo de manteiga do Serid a 800 rs.
. libra
100 r>,
Emilias seccas muito novas libra 200 rs.
Sag e sevadinha a 240 rs.
Sevada arroba 352;0 e libra 120 rs.
Graxa de boiao 97 a 280 rs.
Sabao massa a 200, 240 e 280 rs. a libra.
Dito hespanhol verdadeiro a 400 rs. a libra.
Balaios do Porto diversos tainanhos de 320
_ a 25.
Capachos para portas de varias cores a 600.
700 e 800 rs. '
Grao de bico arroba 45500 e libra 160 rs.
Paineo arroba 55500 e libra 200 rs.
Milho alpista arroba 45800 e libra 160 rs.
Azeite doce de Lisboa garrafa a 640 rs.
Vinagre de Lisboa caada 15500 e garrafa
200. 240 e 320 rs
Caixas com passas novas de 1 arroba 75, Massos de palitos de dentes com 20 massi-
meia 35500 e quarlo 25 e libra 480 e nliosaiCOrs.
6i0,rs- Ti jlos de hmpar facas a 160 c 120 rs.
amendoas com casca a libra 240 rs. e arro- Caixas com 40 cartas de traques a 9SS00 c
v 6& a carta 280 rs.
Nozes libra 160 e arroba 55- Besmas de papel almaco pautado a 55.
Calas e meias ditas com charutos finos da Ditogreve liso o rnelhor que ha a 45500
Baha dos melhores labricantes de Jos Dito de peso c paulado a 25500 e 25800
hurtado de Simas, Res e outros, sondo Garrafes com 25 garrafas de verdadeira
.Suspiros, Parisienses suspiras, Delicias, gciiebra de Hollanda por 85500.
Normas de Havana, Exposicao, Almiran- Azeite de coco garrafa 560 rs. e carrapato
tes, Barateiros, varetas, Guanabaras, Re- 360 e caada 25560
palia imperial. Acadmicos de Olinda, Se- Caixoes com doce de Biaba a 640 800e 14
nadores e Anrauveis de 15500 a 85 a cai- Toucinho de Lisboa arroba 84600 e libra
xa de 50 a, 100 charutos. 320 rs.
Gl2S3wde &2W e zw rs. a duzia. j Molhos com grandes ceblas a 15600.
Barris cora azeitonas novas a 3, e 45 bar- Cento de dita solta a 14500.
ns grandes. ; Mmeos de albos a 240, 320 e 400 rs.
vassouras do Porto piassava muito seguras Esteiras de varias qualidades.
. If! rs' f i Corte* de Postar e de andaime.
4zeile doce francez dos melhores fabrican- .Favas da ilha de S. Miguel arroba 34200 e
tes caixa 105e agarrafa 14. I libra 120 rs. ^^
oaixascom vmbo Bordeaux branco elimo Copos lapidados para agua e vinho a 35500,
S.Juien, S. Estife e outros a 75500 e 84- 55800, 64 e 74. ^^
\ rano do Porto fino em barris de 5 que ra- Ditos lisos para varios precos.
r^^7?.^a,PrPrfff,C^805eea,caDadaa Calix lapidados grandes e pequeos duzia
5*500 e garrafa a 800 rs. 3 4 e 5A a 00 isboa de boas marcas a 35500 e Estrelinha e povide libra 560 rs.
1 Xaropes de ructas nacionaes
500 rs.
45 e a carrafa a 440 e 480 rs.
p Cognac verdadeiro a garrafa 15 e 15280. """soTrsT "^ maam ,3rrafc v
?E muitos outros gneros que nao possivel mea-
ciona-los todos de primeira qualidade.
to, m ?WBSm Bfilhante Aur0ra e Aarora buhante vender muito embora bara-
go armazem de fazendas baratas de
Sanies t oelao, na d Queimado, n.
19, vende seo segninte*
AUenee. if I

2*
m 3
's-s
B-8-!
a >*
Uazlhas. !|S S
Ricas laazrahas para vestido, fazenda a rnelhor fi
que tem vindo ao mercado, tanto em gosto como! 2 S a
em qualidade da fazenda, pelo baratissimo preco' -g M '&* 3 c
de 560 rs. o covado. v < g. B ^V, S Sj g,s
Liaztahasniiadiflhas caj-mazras,, proprias para gC55'"Bc:p.pS3 s-a.,ggi-S.a,8
57 RA DO IMPERADOR 57
DE
"Paulo Ferreira da Silva x Companhia
Grande sortimento de noilidos em gres e a retalho,1 nico armazera que mais
\-antagens offerece ao publico.
Desenganem-se todos.
1 o Alliao^a o verdadeiro boniem do progressso.
i o Alllaa^a o verdadeiro e principal armazem de molliadu.s.
K o .illian^a o armazem que vende mais barato.
o ti I lasca o armaztm que vende os melhores gneros.
AI llanca o armazem onde preside o melbor aceio.




'



Idim em frasco grandes a 2,5oo rs. cada
BOL
dem em latas de i 4/s e 3 libras a 1,200 e
2,000 rs.
Arroz da India e Maranhao o melbor que se]
0
NEM CORO AS NEM MITRAS
: -
.
CBMOB
ARMAZEM
DE


Ficpiem todos sabedores desta verdade,
Venham todos ra do Imperador n. 57.
Venbfin -ver os generes que4emos expostos a venda.
PARA AS FESTAft
v DE
!. S. JOW E S. PEORI
Amendoas confeitadas de bonitas cor Idea de Hollanda em garraoescom 24 gar-
I 8oo rs. a libra. rafas a 7,2oo rs. com o garrafao.
! dem de casa muito nova a 3oo rs. a libra. Lentilhas excellente legume para sopa e gui-
Avelaio a 2oo rs, a libra. zados a 2oo rs. a libra.
Amww francezas emeaixwihas com lindas Licores francezes de todas as qualidades a
estampas a I,2oo, l,4oo e t,6oo rs.' cada 8oo e I,ooo rs.aa garrafas grandes.
' urna. Manteiga ingleza perfeitamente flor a 8oo
Weoi.em frasco de vidro com rolba do mes- e 96o rs. a libra.
fno oti de metal, a l,2oo e i.ioo rs. cada dem franceza nova j deste anno a 6oo rs.
TO' a libra, e 58o rs. em barris tnteiros.
Marmelada especial dos melbores fabrican-
tes de Lisboa a 6oo e 64o rs. a libra, ha \
latas de diflerentes tamanhos.
Massa de tomate em latas de 1 libra a 56o
rs. cada urna.
RIJA DO IIVIPKRVDOR M. 40
Jante ao setaito en qie mora e Sr. 0>berne
Para a festa de Santo Antonio, S. Joao e S Pedro
Duarc AImelda C, recebera. de
o mais liado e variado sortimento _.
da presente estadio. '
Manteiga ingleza Macas brancas
da safra nova vinda neste vapor de 28 de para sopa a rnelhor qoe se ode despiar
mato a 000 rs. a libra e da vewa a 800 e macarrao, talharim e aleinTa 400 rs
libra e 4,5500 a caixa.
pode desejar a loo e 12o rs
2,8oo a 3,4oo rs. a arroba.
Azeite doce de Lisboa a 600 rs. a garrafa, e
4,8oo rs. a caada.
i dem francez clarificado em garrafas bran-
cas a 9oo rs. cada urna, e i0,000 rs. a
caixa com 1 duzia.
Alfazema muito nova e limpa a 32o rs. a li-
bra.
Alpista a 16o rs. a libra e 4,6oo rs. a ar-
roba
Bolacbinbas de Lisboa da fabrica do Beato
Antonio das seguintes qualidades: agua e
sal doces, e impertaes em latas de 6 libras
a 3,ooo rs. e de 3 e em libra a 64o rs., estas bolachinbas
torna-se muilo recommendavel com espe-
cialidade para os doentes.
Biscoilos e Bolachinhas de soda em latas de
todas as qualidades e marcas que se pro-
curar a 1,35o rs. a lata.
Bolos francezes em cartoes e de diversas
qualidades a 64o rs. cada um.
Banha de poico verdadeira refinada a 4oo
rs. a libra e em barril a 38o rs.
Batatas novas a 160 rs. a libra.
Bolacbinbas inglezas ltimamente desembar-
cadas a 144 rs. a libra e 2,ooo rs. a bar-
rica.
Champagne das marcas mais superiores que
at boje tem vindo ao nosso mercado a
i8,ooo rs. o gigo e l,5oo rs. a garrafa
intelra, e 800 rs. as meias.
, Cha uxim o melbor que se pode desejar, e
que outro qualquer nao vende por menos
de 3,ooo a 2,7oo rs. a libra.
dem petla de esp.cial qualidade a 2,6oo e
?.8oo rs. a libra, garanlfi-se a qualidade
d este cbl.
dem hysson o rnelhor que possivel encon-
trarle a 2,4oo e 2,6oo rs. a libra.
dem do Bio em latas de 2, 4, 6 e 8 libras
a I,2ooe l,4oo rs. a libra.
dem preto muilo fino a 1,600 rs. a libra.
Chocolate das melhores qualidades, francez,
hespanhol e suisso a l.ooo, l,2oo e l,4oo
rs. a libra.
Charutos do acreditado fabricante Jos Fur-
tado de Simas em l!i caixas das seguin-
tes marcas: Parizienses, Suspiros, Dili-
cias, Napolees e Guanabaras a 2,3oo'rs.,
e em caixas inteiras Trovadores a 3,ooo
rs. cada urna.
dem de outros muitos fabricantes e de dif-
fereutes marcas para 1.5oo rs. as;meias
caixas, de suspiros a l,6oo, 2,000 e 3,ooe
rs. as caixas intuirs.
Conservas inglezas a 800 rs. o frasco.
dem franceza a 5oo rs.
Cognac inglez das melhores marcas a t,ooo
rs. a garrafa e lo,ooo rs. a duzia.
dem francez superior qualidade a 800 rs.
a.garrafa e 9,ooo rs. a duzia.
Cnmiiho e erva-docea 4oo rs. a libra.
Cravo da India a 600 rs. a libra.
Canella-a 4,000 rs. a libra.
Goposfrnos para agua a 5,ooo rs. a duzia, e
5oo rs. cada um.
Gaf-do Rio superior a 280-e-320rs. a libra,
e 8,800 e 9,500 a arroba.
Doce fino de goiaba a6oors. ocaixo.
Brvimas portuguezas ltimamente chegadas.
a-7oo rs. a lata.
Mein ceceas a 16o rs. a libra.
dem j descascadas a "200 rs. a libra.
Farinha de araruta verdadeira a 320 rs. a
libra.
{Figos em caixinbas muito -bem
1,000 rs. cada urna.
Jldem em l?tas ermiticamente
l,5oo e2,5oo f. cada uma.
dem para soda estrellinha, pevide e rodinha
em caixinbas sorlidas a 3,ooo 3,5oo rs. cada
urna e5oors. a libra.
dem macarrao, talharim e aletria a 4oo rs. a
libra.
fostarda franceza preparada em frasco a 4oo
rs. cada um 1
JMolho inglez em garrafinhas com rolhas de
vidro a 64o rs.cada urna.
Marrasquinho verdadeiro de Zara a l.ooo rs.
a garrafa, lo.ooo rs. a caixa com 1 du-
zia.
Nozes muito novas a 16o rs a libra.
Prezunto de fiambre superior a 600 e 800
rs.
dem do Porto para panel la a 5oo rs. a libra.
Passas novas a 48o rs. 1 libra.
850 rs. a libra.
Manteiga franceza
da safra nova a 600 rs. alibra.
Amendoas
confeitadas de lindissimas cores a 800 rs. a
libra.
Traques
de n. 1 os mais superiores do mercado a
80500 a caixa e 220 rs. a carta
Ameixas
em frascos de vidro com 3 libras liquido a
2^400, muito propios para mimos.
Cartees
com bolos francezes a 500 rs. cada um.
Latas
com bolachinhas de soda de todas as qua-
lidades a 10300.
Chocolates
de todas as qualidades a 10000 a libra.
Presuntos inglezes
dos melbores fabricantes a 800 rs., tambem
temos velbos para 500 rs.
Queijos flamengos
chegados neste ultimo vapor a 30ooo.
dem prato
o melbor que se pode desejar a 10000.
Conservas inglezas
Vinho
Figneira J A A e outras muitas marcas acre-
ditadas a 500 rs. a garrafa.
dem de Lisboa
e de outras marcas a 400 rs. a garrafa e
24800 a caada.
dem do Porto
generosos garrafado des melhores fabri-
cantes da eidade do Porto a 10 e M200
a garrafa e de 100 a 120 a caixa, as mar-
cas s5o as seguintes: Chamisso AFilho
F. & M., Nctar ou vinho dos Deuzes
lagrimas do Douro e outros muito.
Latas
com 10 libras de banha a 40000.
Bolachinha ingleza
a 10800 a barrica damesma que por ahi
vendem a 20000 e 20400.
Alpista e Painco
o mais novo de mercado a 140 rs. a libra
e 40400 a arroba.
Nozes
as mais novas do mercado a 120 rs.a libra.
Cervejas
dos melhores fabricantes|e de todas as mar-
cas de 40500 a 60500 a duzia.
C2*RITOS
o frasco.
Figos
Peixe em latas de diflerentes qualidades co-
mo, savel, corvina, govas, pescadinha e
outros a l,ooo rs. a latas.
Palitos para dentes a 14o e a 16o rs. o mas- em 1,bras e ca,x,nha? r,camen douradas,
so dos melhores. I ProPrias PJ" nu,os a 900 e 10200.
Paingo o mais novo e limpo a 16o rs, a li- Cha UXIUI
bra, e a 4,5oo rs. a arroba.
Palitos do gaz a 2,100 rs. a grasa, e2oo rs.
a duzia, e 20 rs. a caixinha.
Queijos flamengos chegados neste ultimo
vapor, a 3,ooo
dem prato muito fresco a 800 e 9oo rs. a
libra.
o rnelhor que se pode desejar, que outro
as mais novas que se pode esperar a 760 rs. 'Charutos Thora Pinto,. Beis e outros em
meias caixinbas a 1 ,->500.
Arroz
do Maranhao a 100 rs. a libra, e da India
a 80 rs. a libra, e 20500 a 30000 a ar-
roba desses que vendem por 30400.
CAFE
de 1 .a e 2. sorte do Bio de Janeiro a 8>500
e 80800 a arroba, e 280 a 300 rs. a libra.
Garrafes
com 4 i garrafas com vinagre a 10000 com
o garrafao.
GENEBRA DE LARANJA
verdadeira a 10000 o frasco, e de 110000
a caixa.
DEM
em frasqueiras de Hollanda a 5.5800 com
12 frascos.
GENEBBA
de Hollanda verdadeira em frasqueira a 600
urna.
qualquer nao pode vender por menos de
30 a 20600.
dem perola
especial qualidade a 2^700 rs. a libra.
dem hvsson
o mais aromtico que tem vindo ao nosso
dem suisso a melbor qualidade que at bo- mercado a 20600
je tem vindo ao nosso mercado a 800 rs. Tif__ n
a bra. Jflassas amarellas
dem londrino a 9oo rs. para sopa, macarrao, talharim e aletria a
Sal refinado em potes de vidro a 000 rs,! 480 rs. a libra.
cada um. rcM; v%c
Cerveza das melhores marcas a 6,000 rs. a o muito afamado cognac Pal Brandy a 1,80o
duzia, o 5Go rs, a garrafa. rs. a garrafa e de outras muilas qiialida- p^i
Sag muito novo e alvo a 24o rs. a libra, lapidados para agua a 4,5oo e 5,ooo rs. a
Sevadinha de Franca 18o rs. a libra. duzia, e a 440 o 5oo rs. cada um.
Sevada a loo rs. a libra, e 2,8oo rs. a ar-| PAPEL
rba. almaco, greve, peso e de outras muitas qua-
im.
das
a
wH
vestidos de meninas, e camiJinhas"a*64 covado!' S. S j~ j." jg
o, d.6
2 S
"j
lili
ere <
fa
811. "5-
T3
tu
-!
SU
eMStb
sai
0>

_ *-

Cortes de la com lo covados pelo baratissimo
preco e 6-3.
(^obrtas de chita da India pelo baratissimo preco
de 20300. v
Lencoes de panno de lioho a 0.
Leocoes de bramante de finhe fino pelo baratissimo
preco de 352OO.
Bramante de linho fino com K) palmos de largura
pelo baratissimo preco de 30300 a vara.
Atoalhado adamascado proprio para toalhademesa
a 20000 a vara.
Cambraia de forro a 48600 e 34200.
<>;Jjrdanapos adamascadus a 3&800 a duzia.
Toalhas alcochoadas proprias para mos a 34 a
duzia.
Cortes de calca de ganga amarella de Hstras e
09 qoadros, pelo baratissimo preco de tJteoO e
-ortc.
Cambraia adamascada com 20 varas propria
para cortinado, pelo baratissimo prego de lOyOOO
Ricos cortes de laa, Maria Pa pelo baratissimo!
preco de 18#. j
Pecas de cambraia de salpicos com 8 hi varas'
pelo baratissimo preco de 4. _
Pecas de platillia de algodo com 10 varas, oro-
pria para saia a 40200.
^^ttira-ld*,Il,d'"'proPrias Para forro desala, a da HiMul \iiva
de 4,3 e 6 palmos d* largura, por menos preco do mqo." X. i S?M",, '*V* *Z-
juaem outra qualquer parte. ; "este estabelecimentovendem-se:tachasde
Neste armazem umbem.se encontrar um can- 8""0 COado 'bra a 110 rs., dem de Lov
de mmenlo de roupas feas, e por medida. i toor bra a 120 rs.
i

2
Algodo da Baha
para saceos de aiiicar e roupa deescrav; tem
para.-vender Antonio Luiz de Oliveira Azevedo &
C, no seu- escriptorio ra da Cruz n. 1.
(dem em caixas de '/* arroba
enfeitadas a
lacradas a
a %$oo rs.
cada urna, e 2oo i^s. a fibra.
praixa muito nova a.lop rs. a laia e l.ooo
rs. a duzia.
Genebra de I lo I laudaba frasqueiras com 12
frascos por 6,ooots. e "560 rs. o frasco
dem de laranja a l.ooo rs. os frascos gran-
des e H,ooo rs. a caixa com 12 frascosJ
Traques de 1.a qualidade a 9,5oo rs. a
xa, e 2o rs. a carta.
Toucinho novo de Liiba a 2lo e 32o ijs.
libra.
Tijolo para limpar facas a 13o rs. cada
Vinho em pipa Porto, Lisboa e Figueira
melhores marcas a 3,8oo rs. a
ooo rs a garrafa,
dem do Porto Lisboa e Figueira de mateas
menos conhecidas a 4oo rs. i garraf,,
2,8oo rs. a caada,
dem Colares especial vinho a 6oo rs. a jr-
rala.
IdemLavradio muilo fresco nao levando
composicao a 56o rs. a garrafa, o
rs a caada.
dem branco de uva pina a 56o rs. a
fa, e 4,5o* rs. a caada.
dem mais Mi a 4oo rs. a garrafa, a
rs. a caada,
dem Bordeaux em caixas de 12 garraf]
marcas mais acreditadas a 6,5oo e 7,ooo
rs. a ctixa.
dem muito especial que raras vezes \bi
nosso.mercado a l,2oo rs a garrafa, ga-
rante-se que por este mesmo pnfco d
prpjuizo e s se encentra n'este
zem.
dem do Porto em caixas com 12 garrafas
das; seguintes marcas Lagrimas dr
ro, Duque do Porto, Gen trino, Velf o Par-
V, D.
0,000
cai- lidades de 2,2oo, a 4,5oo a resma do rne-
lhor.
PAPEL
azul e pardo para embrulbodc l,4oo a 2,2oo
rs. a resma.
Corinthias
canac a, e ^^ corinthias muito novas proprias para
podim a goo rs. a libra.
Fume
o verdadeiro fumo americano em chapa a
l,4oo rs. alibra
Vinagre
PftRem ancoretas de 9 caadas a 15,ooo rs.
cada urna.
Cebollas
as mais novas do mercado a 7,ooo rs. a caixa
e l.ooo rs. o molho.
om-
,000
arra-
J,000
das
e 2o rs. cada caixinha.
LICORES
I finos de todas as qualidades, a lo.ooo a caixa
com urna duzia e a l.ooo a garrafa.
PASSAS
as mais novas do mercado a 9,5oo rs. a cai-
xa e5oo rs a libra.
Marmelada
dos melhores fabricantes deLisba, como se-
jam Abreu e outros mutas a 6oo rs. a
libra.
Pregunto
o verdadeiro prezunto de Lamego a 52o rs.
a libra.
ARROZ
Maranhao, Java e India, a loo rs. a libra e
de 3,ooo, a 3,2oo rs. a arroba.
VELAS
de espermacete de diversas marcas a 56o rs.
a libra e em caixa ter abatnenlo.
VELAS
de carnauba era caixas de arroba a 9,3oo c
caixa e 34o rs. a libra.
licular, Malvasio fino, D. Pedro
Luiz I, Nctar e outros a 9,ooo e
rs. a caixa e 9oo e l,ooo rs. a garrafa.
dem Muscatel superior a 1 ,ooo rs. a
fa, e lo.ooo a caixa com 1 duzia.
Vinagre puro de Lisboa a oo a ga
2,4oo rs. a caada.
Iflem em garrafes com 5 garrafas a
rs. com o garrafao.
Vassouras do Porto de arcos de ferro, 32o
rs. cada urna. ,
Ide fleieseova par*a esfregar cas".fa^5o
cada urna.
arma-
garra-
rafa e
l.ooo
rs.
O proprielarios do grande armazem o Verdadeiro Principal declaram ao* seus
freguezes e amigos e ao publico em geral, que para facilitar a commodidade de todos es-
tipularam os mesmos precos nos seguintes lugares :
l'm'o e Goamercio ra do Queimado u. 7
_________> Verthwleiw Principal roa do Imperador n. 40
GRANGEIASantiblennosrhagicas de DNAND
alNT.DoHOSP.DGs VENREOS de PARS -PREMI01854
RaSf^"* WdM f"?"^8" coahecd3 at hoj contra u nonkMt BI*nnorrbi* n> lniH..
Bflio seguro epromplo, leo. naus.s. nem colicu. n.m irenor. F.c-i. wmar em Zt3* Jra"t,
Injecgo curativa e preservativa
Ulwm.c cau.t.cUad,, tonina tasnun. 0, pre..rv, d, qoqatr .er.nio. 1-AHIS. W* ItJlTl
Deposito geral em Pernambuce roa da Craz a. 22 emeasa de Caros* Barbosa
^ Velas de espermacete superiores a 56o rs.
dem de Hollanda em botijas a 4oo rs. cada I a libra, e 52o em caixa.
id^m am nn. t~ a .o dem de carnauba refinada e de comppsicao
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
------- III A% -
CAZ GAZ GAZ
Vende-se gaida melbor qualidide a 12
a lato e en lotes de 40 tatas pora ma se
far abatimento. no armaaem do Caes do
Ramas o, 1S e xna -do. Trapiche Nevo ttn-
meroS, i lilil !
Charutos de la vana
de superior qualidade rendem-se em casa
de Schailoitlin & C, ra da Cruz n. 42.

Kua da Seuzalla a. 42.
Vende-se, em casa-iie4.- F. Johnston C,
sellins e silhoes inglezes, candieiros e casti-
caes bronzeados, lonas inglezas, fio de vela,
cbicotes para carros e montara, arreios para
carros de um e dous cavallos, e relogios de
ouro patente ingiei.
cal de Lisboa e ptaaaa da
Rnssla.
Vende-se na ra daCadeia do Recite a. K, pin
onde se inudou o antiffo e acreditado deposito da
mesma ra n. i!, ambos os genero sao novoue
legitimos, e se Tendera a prego mais barato do qn
ata tqualqaertparte.
At que chegou
udj grande sortimfato de bico e renda preta de
ora modelo chamado gnip) .o rnelhor que se
pode desejar neste arlif o e que se vende muito ba-
rato : na loja do gallo vigilante na dn Crespa
rica Concei^^Tas
Baha.
BAIRRO 1)0 RECIFE, BA DA CADEIA N. 5ft
0 mais nova e o melhw
ARUfAIfim E M O I, IIA IIOS
Esquina defroite 9a ra da Madre de Dos
Antonio daSilMCapos,successerdoaigoNtseimto defrtmlede beeco Largo, bt
nhecldo ja nasU praca, acaba de transferir o sen estabeleciment para a casa aelma indicada osin
os seos benvolos amigos e fregorae^bem eorao o respeitavel publico em geral encontrarlo o i
variado, escomido e rnelhor sorllfnento de molliados, a riar do aceio, elegancia e bom re*imr do
beleciraento. .


I I
Andrade t Kego, recebem constante-
menie e tem venda no sen armazem n.
L3i da ruado Imperador, algodao d'atjel-
i la fabrira, proprio para sacros de assu-
jear, embalar aigodo empluma ele, etc.,
pelo prego mais razoavel.
O annunciante, tendo feito urna completa reforma no tocante a casa e gneros, possaind* kwo*
correspondentes na Europa para remessas de confa prepria, acha-se convencido tM merecer a wm-
teccao de todos os amigos do bom e barato, a quat desde j reclama, assererando-lbes que jamis 4er-
merecer a confianza com qoe se dlgnarem de o honrar.
Km resun, visite o respeitavel publico o novo e superior armazem Movimento, niinQlfci al
guns gneros, e en tao finar convencido da realidade dq presente aviso, verificando por si i
nenhum outro estabelucimento o serve Methor q
delicaiea, ou legalidad* de pesos faedidis.
Finatmente, todas e qnaesquer pwnliaa que eslabelecimentos Idnticos teem oifcrecWe
coneerrentes, sero mantidas neste esa gris maior.
Vende-se aVpac preta a S00 rs. o hfa
Vende-se alpaca preta (tara vestidas a
700 e 800 rs., fina de eordao a 800 rs para^iae-
tot, princea preta 800 e 640eotado, borabati-
na creta fina a 1400 o covado, laazinhas preta
paca senhora que este de hito a 136 o covado :
na roa da Imperatriz n. 56. A loja est aberta at
as 9 horas da noite.
!**"
T'iua, voaites e f*U*s.
Vende-se trina, volantes e gatdts de
largoraspor precos muito barato: s
roa do Crespo n. 7.
T" '' a '.....
ende-se urna cadeirinha, coa pouco oso,
prompta com cerreias : a tratar na roa do Rosarii
n. 56, em frente a ra > Araga.

I




Diario c



}
iMu. mrxf leti****P#a4e t

iT'
RIJA IJACA1IEIA RECIFE HY 53.
NOVO K
GRANDE AEMAEEM DE MOLBADOS
BA DJl CADEIA DO RECIFE W. M.
andes Doarte acaba de abrir na roa da Cadeia do Recife n. 53, nm grande e sortido armazem de molhados de-
J^^MtrcoM Neete randa armazem encontrar sempre o respeitaTel publico um completo sorumento dos melhore*
ZZ%TZ7Zk>. S mSm, como acionaes, os "quaes serao vendidos em porcoes o a retaJLo por preces assa,
SmetaTiaglexa especialmente escomida Vinagre de Lisboa a 200 rs. a garrafa e
de nrimeira qualidade a 900 rs. a libra, | 10200 a caada.
Ki se C abatimento. Azeite doco refinado em garrafas brancas a
nn moin 4(5800 a caada.
qualidade, chegados neste ultimo vapor
720 rs. a libra.
Queijos flamengos chegados neste ultimo
vapor a 40000.
Queijo prato muito fresco e novo a t>4U rs.
Castanhas muito novas a 120 rs. a libra e
e 34000 a arroba.
Cb uxin o melhor que ba neste genero^
mandado vir de cenia prPna a 2*80
Cha'hyson muito superior a 20960 rs. a li-
bra ; cb byson proprio para negocio a
44300 rs. a libra.
Cb preto muito superior a 25 a libra.
Biscoutos inglezes em latas com diflerentes
qualidades, como sejam craknel, victoria,
piquelez, soda, captain, seed, bornez e
outras muitas marcas a i350.
Bolachinha de soda em latas grandes a U-
Figos em caixinhas hermticamente lacra-
das, muito proprias para mimo a 10500.
Caixinhas de 4 e 8 libras de figos de coma-
dre a 10 e 20 cada urna.
Passas muito novas, chegadas neste ultimo
vapor a 50 rs. a libra e 30 nm quarto;
e em caixa se faz abatimento.
Ameixas francezas em latas de meia a 3 li-
bras a 800 rs.
Champagne da marca mais superior que
tem vindo ao nosso mercado a 180o gigo,
garanle-se a superior qualidade.
Viubo Bordeaux das memores qualidades
que se pode desejar de 70500 a 80000 a
caixa e 720 a 800 rs, a garrafa.
Caixas com vinho do Porto superior de 90
a 109 a duzia, e 900 a 10 a garrafa; deste
genero ha grande porco e de differentes
marcas acreditadas que j se venderam
por 14 e 150 a caixa, como sejam: Duque
do Porto, Lagrimas do Douro, D. tato,
Camoes, Madeira secco, Carcavellos, Nc-
tar de 1833, Duque Genuino.
Vinho de pipa: Porto, Figtreira e Lisboa, a
400,480 e 560 rs. a garrafa, e 30, 30200
e 30500 a caada.
Vinho branco de superior qualidade, vindo
j engarrafado a 640 rs. a garrafa e a 500
rs. de barril.
Sardinhas de Nantesa 340 rs. o quarto e 560
rs. meia lata.
Latas com peixe em posta : savel, corvina
RA O QUEIMAO V. 45,
Passando o becco da Congregado segunda casa.


NOF1DADE.

50800 a frasqueira.
Caixinhas com ameixas francezas, ornadas
com ricas estampas na caixa exterior,
muito proprias para mimo, a 10200,10500
e20.
Frasco de vidro com tampa do mesmo, con-
tendo meia libra de ameixas francezas, a
10200.
Marmelada imperial, dos melbores conser-
vemos de Lisboa, em latas de i e meia a
2 libras a 600 rs a libra.
Fruetas em calda das melbores qualidades
que ha em Portugal em tatas hermtica-
mente lacradas a 500 rs.
Peras seccas muito novas a 640 rs. a hbra.
Nozes muito novas a 160 rs. a libra.
Amendoas de casca molle a 400 rs. a libra.
Ave I Sas muito novas a 200 rs. a libra.
Amendoas confeitadas de diversas cores a
800 rs. a libra.
Maclas e peras chegadas neste ultimo vapor,
muito perfeitas, so vista se faz o preco.
Conservas inglezas em frascos grandes a 750
rs. cada um.
Ervilbas francezas e portuguezas em latas de
1 libra a 640 rs.
Ervilbas seccas muito novas a 160 rs. a
libra.
Chocolate ftancez, o que ha de melhor neste
genero, a 10200 a libra.
Chocolate hespanhol a 10200 a libra.
Genebra de laranja em frascos grandes a 1.
C8rveja branca e preta das melbores marcas
que ha no mercado a 500 rs. a garrafa e
57800 a duzia.
Cognac inglez de superior qualidade a 800
e 10200 a garrafa.
Licores francezes das seguintes qualidades :
Anizete de Bordeaux, Plaisir des Dames
e de outras muitas marcas a 10 a garrafa
e 100 a caixa.
Marrasquino de Zara a 800 rs. a garrafa e
90 a duzia.
Mostarda ingleza em potes j preparada a
400 rs.
vezugo, cherne, linguado, lagostinba,
10300rs.
Salmao em latas, preparado pela nova arte
de cozinha, a 800 rs.
Macaa de tomtes em latas de 1 libra a 60>
ris.
Cbouricase patos em latas de 8 e meia libra
por 70.
Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra e
80600 a arroba.
Bolaxinha ingleza a 320 rs a libra e 40
barrica.
Sag muito novo a 240 rs. a libra.
Cevadinha de Franca a 200 rs. a libra.
Farinba do Maranhao a 120 rs. a libra.
Araruta verdadeira a 320 rs. a libra.
Cevada a 120 rs. a libra e 30 a arroba.
Alpistaa 160 rs. a libra e 40800 a arroba-
Batatas muito novas em gigos cm 40 libra
por 0500.
Cebollas a 10 o molho com mais de 100 ca-
da um.
Caf lavado de primeira qualidade a 300 r,
a libra e 90 a arroba.
Caf do Cear muito superior a 280 rs. a li-
bra e 80400 a arroba.
Caf do Rio, propriepara negocio, a80-.
Arroz do Maranbaoa 100 rs. a libree 20800
a arroba.
Arroz de Java a 80 rs. a libra e 2#400
arroba.
Vellas de spermaceti a 560 rs. a libra e
540 rs. se for em caixa.
Vellas de carnauba refinada a 320 rs. o mas-
so e a 90 a arroba.
Doce de goiaba a 640 rs. o caixSo.
Macarrao, talharim e aletria a 480 rs. a li-
bra ; em caixa se faz abatimento.
Estrellinha,pevide e arroz demassa para sopa
a 600 rs. a libra e 30 a caixa com 6 libras.
Palitos de dente lixados com flor a 200 rs.
omasso, ditos lixados sem flor a 160 rs.
o masso com 20 massinhos.
Gomma de engommar muito fina a 180 rs. a
libra.
Banha de porco refinada a 480 rs. a libra e
400 rs. em barril pequeo.
Charutos dos melhores fabricantes de S. F-
lix, em caixas inteiras ou em me'ias, de
10600, 20 e 30.
Pereira Rocha A C. acabara de abrir na roa do Queimado n. 45 um armazem de molhados denominado Clantn Commercuil,
onde o respeitavel publico encontrar sempre um completo sortimento dos melhores gneros que vem ao nosso mercado, os quaes
So vendidos porprecos muito resumidos como o respeitavel publico ver pela tabella abaixo mencionada ; garante-se obom peso
e boa qualidade dos gneros comprados neste armazem.
Arroz do Maranhao, da India e Java a 60, 80 Cevadinha de Franca muito superior a 220 Peras seccas muito novas a 600 rs. a libra
A".Z> ia.- -. i eenA lO rs. a libra e 10800 a 20600 e 30 rs. a libra,
a arroba. Cevada a 80 rs. a libra.
Ameixas francezas em latas e em frascos a Ervilbas portuguezas a 640 rs. a lata
10200 e 10600 emfrascps grandes a
20500. #. ,
dem em caixinhas elegantemente enfeitadas
com ricas estampas no interior das caixas
a 120000,10400, 10600 e 2#.
Amendoas com casca muito novas a 280 rs.
a libra.
Alcista a 160 rs. a libra e a 40600 a arroba.
__- Iaaa fxAnAno miir( finn om rrirrnfac
dem seccas muito novas a 200 rs. a libra.
Figos de comadre e do Douro em caixinhas
de oito libras e canastrinhas de 1 arroba a
10800, 50500 e 280 rs. a libra.
Fariaha do Maranhao a 160 rs. a libra.
Farinba de trigo a 120 rs. a lihra.
Geaebra de Hollanda verdadeira marca VD
a 560 rs. o frasco e 60200 a frasqueira.
Painco a 200 rs. a libra.
Polvo secco muito novo a 400 rs. a libra
Presuntos de Lamego em calda de ze;tee
muito novo a 640rs.
Queijos flamengos do ultimo vapor a 2800
dem prato.
dem londrino chegado no ultimo vapor e
900 rs. a libra.
Sal refinado em frascas de vidro a 60 rs.
cada um.
Sardinhas de Nantes a 36' rs.
Sag muito alvo e novo a 260 rs. a libra.
Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Azeite doce francez muito fino em garrafas dem em garrafoes de 3 e 5 gafes a 50500
orandps a IfiO rs a earrafa e 70500 cada um com o garrafo.
hJ? rt Lisboa a 640 S a garrafa Graixa a 100 rs. a lata e 10100 rs. a duzia.' Tijolos de limpar facas a 140 rs.
^rofa v^rtdefra de matLIna a 320 n, a Sres muito finos a 700 rs. a garrafa. | Vellas de carnauba pura a 360 rs. a
i.bra.
libra.
AveSas muito grandes e novas a 180 rs. a
libra.
Biscoutos inglezes de diversas marcas a
40300 ris.
Boiacainbas de soda, latas grandes, a 20 rs.
a lata.
DUas inglezas muito novas a 30000 a baixi-
quinha e a 200 rs. a libra.
Banha de porcor efinada a 440 rs. a libra e.
e em barril a 410 rs.
Cha hysson, huchin e perola a 10600, ,
20500, 20800 e 30000 a libra,
dem preto muito superior a 20000 a libra.
Cerveja preta e branca, das melhores marcas
que vem ao mercado, a 500 rs. a garrafa
e 50800 a duzia.
Cognac inglez fino a 900 rs. a garrafa.
Conservas a 720 rs. o frasco,
dem, so de pepino, a 720 rs.
dem, so de azeitonas, a 750 rs.
Charutos dos melbores fabricantes da Bahia
dem, qualidade especial e garrafas muito
grandes, a 10800 rs. a garrafa.
dem garrafas mais pequeas a 800 rs.
dem, garrafa forma de pera e rolha de vi-
dro, a 10000 rs., s a garrafa vale o di-
nheiro.
Mantetga ingteza perfeitamente flor, desem-
barrada de pouco a 900 rs. a libra, e da
do segunda qualidade a 800 rs.
Idsm franeeza muito nova a 640 rs. a libra.
dem de tempero a 400 rs.
Miaji de tomates em barril a 480 rs. a libra.
dem em lata a 640 rs.
Marmelada imperial dos melhores conservei-
ros de Lisboa a 600 rs. a lata.
Maixasquinho de Zara, frascos grandes, a
800 rs.
dem regular a 500 rs.
Massas finas para sopa : estrellinha, pevide,
rodinhas e letrianhas a 600 rs. a libra e a
ft a caixinha com 12 libras.
Nozes muito novas a 160 rs. a libra.
sssrs ^ w= w=a-k-u* prineira art
Mostarda ingleza em p, em frascos grandes, Presuntos do reino, vindos de conta propria
. i_ _. n..i;aniiiii fin re > Itnr** inlflt-
a 10 cada um.
Sal refinado a 500 rs. o pote.
de casa particular, a 100 rs. a libra; intei-
ro se faz abatimento.
Candido Ferreira Jorge da Costa, a 10800,
20000, 20200, 20500, 20800, 30000 e
30500 a caixa.
Caf do Rio muito superior a 280 e 320
rs. a libra e 80500 e 80800 rs. a arroba.
Cartoes de bolinhos francezes muito novos e
muito bem enfeitados a 700 e 600rs.
Chouricas e paios muito novos a 800 rs. a
libra.
de cozinha a 10 rs. a lata.
Palitos de dentes a 160 rs. o masso.
Palitos de dentes a 120 rs.
dem de flor a 200 rs.
Amendoas confeitadas a 900 rs, a libra.
Doce de goiaba em latas o melhor possivel a
20 e em caixo a 640 rs.
Palitos do gaz a 20200 rs. a grosa.
Passas muito novas a 480 rs. a libra.
dem stearinas muito superiores a 600 rs. i
libra.
Figos em caixinhas emticamente lacradas
a 10600.
Vinho do Porto engarrafado o melhor que
ha neste genero e de varias marcas, como
sejam: Velho de 1815, Duque do Porto,
Madeira, D. Pedro, D. Luiz I, Maria Pa.
Bocage, Chamisso e outros a 800, 900 e
10000 a garrafa, e em caixa com urna du-
zia a 90000 e100000.
dem em pipa, Porto, Lisboa e Figueira a
480, 500 e 560 rs. a garrafa e 30, 30500
e 40 a caada. t^
dem branco de Lisboa muito fino' a 500 rs.
a garrafa.
dem de Bordeaux, Medoc e S. Juliea a <0(;
e 800 rs. a garrafa, e 70000 e 70500 rs.
a duzia.
IdemMorgaux eChateauluminidc 1854, a 10
a garrafa,
dem moscatel a 800 rs. a garrafa.
Vinagre de Lisboa a 200 rs, a grrula e
10200 rs. a caada.
Kirsk garrafas muito grandes a lf5800 rs.
Alm dos gneros cima mencionados te-
mos grande porco de outros que deixanos
de mencionar, e que ludo ser vendido por
pecas e carnadas, tanto em porcoes como
retalho.
Quem comprar de 1000000 para cuna te-
! r o abate de 5 por cento. ____
ESCRITOS FGIDOS.
Ossenhore que comprare de 1005000 para cima, tero o descont de 5 per cento, pelo prompto pagamento.
Vendase o engenho Diamante, sito na ro-!
marca de^oianna, urna legoa distante da cidade, i
com excellentes trras de plantacao e muito boas
obras : nuera o quizer comprar, dinja-se ao Reci-
fe cr. cha & Lima na ra da Cadeia do Recife, e em Goi-
anna ao Sr. Traiano da Costa Rjbeiro: qualquer
desses senhores'poder dar informacues sobre o
engenho, e indicar a pessoa com quem se devera
tratar.
Feijaoa6#000. j\irf!M&|]>
Vendem-se saceos com 22 cuias de feijao mua- A-A i-a. 1 >J**** >"^
tinho e rajado, pelo barato preco de 6, pechiocha
igual tempos nao apparece neste mercado, por-
, tanto cheguem ao baraio antes que se acabe : na
I ra da Madre de Dos ns. 5 e 9.
Folha de ferro galvanisado'"para
na ra da Cadeia do Renfe n. 56 A, teja
gens de Bastos.
telhado :
de ferra-
Salitre refinado, superior qualidade, vinho Bor-
deaux, differentes qualidades, mais barato que em
qualquer parte : no armazem de E. A. Burle &
C., ra da Cruz n. 18.
Vende-se um cabriolet:
zo n. 26.
no pateo do Parai-
Itenco
Fucio da casa do abaixo assignado no dia 24 dt>
correte, a escrava denome Maria, crkmla, de idaj-
de de 40 annos pouco mais ou menos, levou mm
da, dous vestidos de chita escura c um panno da
costa ainda novo, tem falla de dentes na frente,
na mao direita tem falta de um dedo, bem falante,
e corpolenta-, supp5e-se que anda por S. Lourenco'
da Matta, roga-se as autoridades e capites de cam-
Po, a apprehensao e leva-la na ra do Imperador
d. 77, qne se pagar as despezas que fizer.
Desde o dia 24 do mez de junho acha-se fu-
gitivo oescravu Ambiuzio, com os signaes segra-
te*: estatura regular, cor preta, magro, bem feto,
ps grandes, barba suissa, falla com muita humi-
lhacao (de muito velhaco que ), muito conheci-
do na cidade de Olinda e Recife, onde por mu tos
annos exerceu a prollssao de ganhador : pede-se
todas as autoridades, capites de campo, pessoas,
e a cada urna de per si, a captura de dito escravo,
que poder ser entregue ra de Apollo n. 39 ao
Sr. Antonio da Rocha Accioly, ou no engenho Ou-
teiro de Pedra, na Luz. O senhor do mesmo escra-
vo protesta desde j contra quem o tenha acoutado,
e igualmente pagar com geoerosidade a quem o
apprehender. ^___
ESCRAVO FGIDO
OO^ de gratifica?
Contina fgido desde Janeiro o mulato de no-
me Raymundo, natural do Ico, estatura regatar,
idade de 18 annos, caliera chata, cabellos rarapi-
nhos, testa gra-ide, rosto oval e com urna IMula
na face esquerda, ma^as salientes, dentes limados
pontudos, bocea regular, e principio de buco, |s
e raaos pequeos, costumava andar calcado, a in-
tilulava-se hvre com o nome de ftfanow Raymun-
do : quem o apprehender, dirija-s.: ra da Ca-
deia do Recife n. 21, Luiz Antonio Siqueira, que
entregar a referida gratifleacao.
LISTA GERAL.
>
07.a
DOS PREMIOS DA 1. PARTE D
i.
A \! LOTAlA. CONCEDIDA PO LEinOVDHAL N. 370, i IGHEJA MATR.7. DE SANTO AMARO DE jJbOATAO, EXTRAHIDA EM 30 DE KINHO DE IMI.
as. PREMS.
1
6
7
15
17
23
2o
27
31
33
3i
33
36
37
38
47
SO
54
57
39
60
66
80
86
89
90
101
lo
16
18
20
23
30
34
37
43
46
49
53
55
m
60
II
7*
83
83
m
88
89
91
93
95.
6*
6*
1
196
201
i
o
9
13
20
21
22
28
29
37
38
39
40
44
43
51
58
60
61
67
70
72
73
76
80
85
88
91
93
95
96
303
9
14
15
16
18
20
24
23
28
34
54 38
45
46
50
58
M
m
71
n
80
83
64
EMS. NS. PREMS. NS. Ph
64 388 64 569
91 71
__ 93 82
--- 94 86
124 96 88
64 401 89
M 4 90
.-- 6 92
--- 7 601
10U4 8 11
64 12 14
13 15
16 17
17 18
27 19
124 31 20
64
124
64
m
204
204
204
64
1*
64
33
34
36
39
42
43
43
46
52
37
58
62
64
66
71
73
74
76
78
88
H
96
502
16
18
22
26
28
37
39
U
47
48
89
86
61
64
4_7
204
64

-*
124
64
23
13
28
30
31
37
41
44
51
53
57
60
63
64
6
70
72
75
76
78
80
91
84
85
1 96 124
91 64
97
781
3 6 7

l 204
15 64
18
2? -
-4
204 31 o.
4 33
-i 41
O escribo, Jos Pedro das Neves.

- o
7 13^' 74
Typ: oV Jf. i*, i* brto
4JW*0-4W.


Diarlo de Perumbaco Sexta feita i de aitlho de f 4.
JURISPRUDENCIA
Tribunal de asslses do Sena.
PROOESSO COUTY DE LA POMMERAIS AUDIKNCtA fp
DE MAIO.
Conttnuacao.)
o crime de que foi victima a viuva de Pauw nao
i' o primeiro commeitido por Le Poramcrais I Dons
aunos antes, era virlude dos mesmos raeios, havia
daJo lim a existencia de sua sogra, a Sra. Dubizy.
te do sobrado, onde a senhora de Pauw nao vomi-
tn, protiziu elTtR) Spposto. 0 coelhe nao delxou
degosar a meihor sade, correndo e trotando no
quarto onde se fez a experiencia.
Na quarta, pratieada sobre umcao, os peritos u-
^uziram as iucisoes cineo grammas do mixto
ous residuos provenientes dos orgaos da faite-
LIII: Dos que fazem escripturas faltas o usan
dellas. Os quaes bens, ajuntavam os juris-peritos,
estavam adjudicados absolvilo do criminoso.
Antonic-da Silveira, tranzido de espasmo e aba-
lado de odipnacao, faltav-lhe esta desafogo da im-
prensa, que est sendo era nosos dias tim applre- ,defeza
llio respiratorio supplementar para quiim abafa sobA,ves contraminava as deligencL,s do outro,
a pro ) da injustiga. Aguilhoado pelo zato da tinha Pr fi o orgulho, que sent cada detrahidor
pretexto para accusa-lo. Joo Chrysostomo contou
a historia com a mxima exacefio, e disse que assira
contara aos cavalheiros da orunha, seus protec-
tores. A simplicidade e Ihaneza da narrago con-
venceu o interrogador, que sahiu as pVacas em
do calumniado; mas o primo de Caejano
e
reagir
l O cao adoecea, mas nao morreo. Veriflcou-se,
porm, o complexo de symptomas em tudo anlo-
gos aos quo. se observaram as duas primeiras ex-
.Nu mez de agosto de 1861, teve lugar o seu ca- periencias. Se o animal escapou' morte, por
sanenlo, para o qual foi mister vencer grandes que a substancia toxica, dada nos extractos em
diflieuldades. A Sra. Dubizy desconava do seu quaotidade mnima, habilitou a natureza a
futuro genro, cuja fortuna Ihe parecia-suspeita; e mais enrgicamente,
que para se ostentar capitalista pedir empresta-j nninta ^n,;, n,-.
das ao chamado Pelordy de la Neuville, as accoes JJJ *Z1 JS fT'T. f
. tractos aos menos oreaos, administrados a um
ao portador, que constiluiam a parle principal dos ,h nMMn^ "
seus haveres Apesar de julgar a Sra. Dubizy mui p r ;ia c f Ir,? ? """" 6X'
tundada a sua desconfiaba, nao conseguiu con- S'^T-^ em alguns m.nutos,
vencer sua Dina; e so pode obter, que os futuros E^ T* a V* am syneope' e com
, j. rapidez (al, que deve a ribuir-se a comolicaco ar-
enosos adoptssem a separacao de bens para o cden[al, promp,a compfcagao ac
seu rgimen. La Ponimerais teve de snjeitar-sc
condicao; c ficou inhibido de lancar mao da fortu- Houve sexta experiencia com ras. Os peritos
na da consorte, pela qual vigiava altentamente sua referem, que os pormenores observados offerecem
sogra. A morte desta era o que podia livra-lo da 'avel analoga com as observages da sciencia
importuna fiscalisacao, c ao mesmo tempo por sobre 5 phenomenos caractersticos do envenena-
se disposigo os valores, qne compunham o resto "[em Pela digitalina, sobretudo com as disforma-
goes do corago indicadas por Mr*. Velpeau, Pel-
kan e Galln.
da fortuna da Sra. iiubizy.
Apenas haviam decorrido dous mezes, quando,
4 de outubro, comprou na pharmacia Menier 50 relatorio const de nada menos de 400 paginas,
cenligrammas de digitalina. D'ali poucos dias, As concluses sao:
! A senhora de Pauw morreu envenenada.
2." O veneno que a matou da natureza daquel-
les extrahidos dos vegetaes, que podem nao deixar
vestigios caractersticos nos orgaos, e nao ser sola-
dos pela analyse chimica porm, que revelara a
suapresenga pelos effeitos, e se descortinara pela
aegao mortfera que exercem nos animaes;
3. Extrahimos, effectivamente, nao s das ma-
terias vomitadas pela senhora de Pauw no sobrado,
facto diriga o tratamen.o Disse para explicar como Iambem dos os submeltjdos '
os.vmitos, quesos^sogra tora atacada de cholera, um principio toxico mui enrgico, o qual sendo
allegacae que nao adrante o Dr. Loiseau, e ao mes-: applica(lo a aniraaes vivos m
rno tempo manda buscar a botica Laba.nville subs-; lnaDtes aos que seim fa|
uncas, que ninguem anda s,e lembrou de apphcar bern a morle. ,am
a semelhante doenga. O pharmaceutico, na con-
lormidade das receitas de Le Pommerais, mandou V Esles eft"eilos e essa acco, teem grande ana-
10 centigramraas de digitalina, e 15 centigrammas j|0gia cora os da digitalina; e sem que o possamos
depois de um jamar onde elle se achava, assim co-
rno sua sogra, foi esta accoramettida sbitamente
de vmitos violentos, quando a sua sade at en-
to era excellente. Foram chamados successiva-
mente os facultativos Leboucher e Lolseau; recei-
taram varios medicamentos que nao foram appli-
cados. O ur. Leboucher nao fez mais do que urna
visita. Quanto a Loiseau, nao continuou a appa-
recer, senao para cobrir Le Pommerais, que de
honra de Jo3o Ciirysostomo, foi-se o novato desta
congregago de vendidos e corruptores, "chamada
em engulir o vomito.
Um dia, o propietario do collegio apresentou-se
humanidrte, de porta em porta, pelos diversos pa-1 ao commercianle hespanhol, lastimando-seda du
lacios da justiga, ,jue se espreguigava sobre os seus obrigacao que Ihe impunha o crdito do seu estabe-
placidos coxins, para escutar o selvagem de uma
honra anti diluviana. Regedor das justigas, chan-
celler, corregedor, provedor, os officiaes todos da
esfarrapada Themis, ouviram-no com edificativa
paciencia, e observaramlhe que os julgadores de
lecimento. Deps o exordio, segtu-se a exposi-
cao do boato deshonroso ao professor, que elle
admittira abonado pela respeitavel pessoa a quem
se diriga. Ajuntava que alguns paei dos seus
alumnos Ihe haviam imposto a demissao do infa-
Caetno Alves, de Benito Rojas e Joao Chrysostomo mado mestre, sob pena de retiraren! elles seus fl-
de bydrochlorado de morphina, na noute de 9 para
10 de outubro. No dia segrate a Sra. Dubizy ex-
ualava o derradeiro suspiro.
O aecusado toma inmediatamente cont de to-
dos os valores movis da heranca de sua sogra, na
importancia de 45,000 ou 50,000 francos. Recu-
Sft-se a mand;ir proeeder a inventario ; e dispSe a
seu talante de diversos ttulos, que pela maior par-
te dcsappareeeram.
Conseguid o seu negro fim, e por muito tempo
acreditou que o crime ficaria ignorado. Posto que
oausasse surpresa a morte tao prompt da Sra.
Dubizy, ninguem se lembrou de fazer maior repa-
ro as circumstancias do aconlecimento. Os fac-
i relativos Sra. de Pauw que attrahiram a
attengao para os que se deram com o bito da Sra.
Dnbizy; e verilcou-se um novo crime cargo do
ru.
A autopsia, feita dous annos depois da morte,
nao pode olTerecer os mesmos resultados, que
apresentria se fosse feita immediatamente. O es-
pago decorrido nao perraittiu que os mdicos pre-
cisassem com seguranga a causa da morte O
Dr. Tardieu confirmou, nao obstante, que os prin-
cipaes orgaos se achavam n'um estado de conser-
vagao, que tornava difflcil a explicago do bito
por causa natural. Observou tambem, o que tem
do surprehendenle, por um lado essa molestia tao
rpida, manifestada gosando-se perfeita sade, e
que nao era apoplexia, cholera, ou aneurisma; e
por outro, essas dses, verdaderamente excessi-
vas, de morphina e de digitalina fornecidas pelo
boticario, segundo as receitas do aecusado.
Por conseguinte, na Sra. Dubizy, assim como na
viuva de Pauw, a autopsia nao descobre nos or-
gaos vestigio algum de lesao, que possa determi-
nar a morte; ao mesmo tempo o processo nao ma-
nifest as duas fallecidas outros symptomas de
enferrnidade, alm de vmitos, que sorgem em
meio de perfeita sade, para que possara explicar-
se por qualquer motivo plausivel.
Em ambos os casos, La Pommerais acha-se pre-
sente, alguns momentos antes da manife.-taeao dos
symptomas, e da cada vez verlica-se, que acaba
de comprar uma porgao consideravel de digitalina,
que desapparece sem que elle indique em que a
ompregou. Tudo demonstra, que a Sra. Dubizy
suicumbiu a um genero de morte anlogo da
viuva de Pauw; e que o n'u as fez ambas victi-
mas da sua cupidez.
Portanto, aecusado o referido Dsr Edmond
Conty de Le Pommerais:
l. De haver, em Par?, no anoo de 1861 por ef
feilo de substancias mortferas, aileutado contra a
vida de Serapliina Desmoune, viuva Dubizy.
2. De haver, no mesmo lugar, em 1863, por
effeito de substancias mortferas, alternado contra
a vida de Julia Francois e Testu, viuva de Pan w
Criraes previstos pelo artigo 302 do cdigo pe.
sal.
Feito no tribunal imperial de Paris 7 de abril
de 1864.-0 procurador geral de Marnas.
Relatorio dos peritos.V ur. Tardieu, e Mr. Za-
charie Routhier, professor aggregado de chimica e
lexicologa na escola de Val de Grace, incumbidos
de proceder autopsia do cadver da viuva Pauw
e dos detrictos encontrados no seu aposento, rece-
beram era dous vasos de vdro o estomago, os in-
testinos, o figado, os pulmoes,, o corago.
Comegaram por dividir em duas partes eguae,
os diversos orgaos, reservando uma -dellas para
eventualidades imprevistas; e a ontra, para expe-
riencias immcdiatas.
O residuo dos orgaos, submettido differentes
trituragoes, nao den ao apparelho de Marsh nodoa
ou vestigio algum de veneno; o mesmo resultado
negativo se colheu dos detrictos encontrados no so-
brado.
affirmar com a maior certeza, mui fortes presump-
goes, nos levam a crer que a senhora de Pauw foi
victima da digitalina;
5. Essa senhora nao tinha doenga alguma antes
do da anterior sua morte. As supnostas affec-
g3es de coragao e de outras visceras, por motivo
das quaes consultou differentes facultativos, bem
como as consequencias funestas, que attribuia a
uma queda, sao outras tantas fbulas, por ella le-
vantadas, ou por quem a insinuou.
6. A autopsia cadavrica demonstra, pelo theor
mais positivo, que nao morreu das consequencias
da queda, nem de hemorragia interna, nem de gas-
tro-imerite aguda ou chronlca, nem de perfuragao
do estomago, nem de outra cousa natural
7. Entre os objectos mais numerosos e diversos
apprehendidos no domicilio do aecusado, distingui-
mos uma porgo consideravel de subtancias vene-
nosas, cuja posse nao se justifica pelas necessidades
da medicina, nem sobretudo pelo uso especial da
homeopathia.
8 Eutre os txicos, insistimos as consideraveis
porgoes de digitalina, era grande parte consumidas
pelo aecusado.
As substancias toxicas encontradas em casa de
La Pommerais elevam-se a 900. S a nomenclatu-
ra oceupa perto de 40 paginas do relatorio. E' o in-
ventario de uma botica. F.m un pequeo gabinete
havia 180 vidrinhos do mesmo modelo, replectos
de uma tintura alcoolica amarellada, contendo em
dissolugao essencias de aniz, cravo, hortela-pi-
menta, destinadas aos fumistas, segundo osle-
Iroiros.
Entre os txicos avultavam pos de acnito, de
casca do levante, de col quotidas, de bryonea, de
belladona, de cicuta, acido azotico, pos de digitalia,
carbonato de baryto, tintura de digitalia, acido
cyanhydrico (prussico). Estas substancias figuram
na enorme quantidade de 250 grammas.
O estado de concentragao do acido prussico, se-
gundos os peritos mostra que o seu uso medico era
quasi impossivel. Quanto porgao total seria suf-
lieiente para matar em alguns "minutos sessenta
pessoas. Um dos peritos sentiu-se seriamente in-
comraodado, s por haver- respirado um momento
a athmosphera do vidro destapado.
Os registros da pharmacia Menier provam, que
o ru um 4 de outubro comprou 50 centigrammas
de digitalina; em 11 de junho de 1863, comprou
uma gramma; a 19 duas grammas; total 8 gram-
mas, 50 cenligrammas das quaes s se encontra-
ran) 50 centigrammas. A 7 de maio de 1863, com-
prou 250 grammas de sublimado corrosivo; a 15 de
agosto mais 125 grammas. O sublimado corrosivo
na doze de alguns decigrammas, um dos txicos
mais violentos. A 22 de agosto comprou 30 gram-
mas de acido prussico; e o veneno fulminante por
excellencia, que mata infallivelmente, deixando
vestigios de mui difflcil appreciagao. A 4 de abril
de 1861 comprou 12 grammas de hydrochlorato de
morphina, repetindo as doses, a 23 de fevereiro de
1863 e a 26 de novembro do raesmo anno.
(Continuar-se-ha)
conheciam cabalmente o titulo Lili do li#ro V das
Ordena goes. 7^
Joao Chrysostomo! exclamava o transmonta-
no, que ba commum entre Joao Chrysostomo e os
ladres nomeados I
Veremos, responden o regedor das justigas,
enrugando a fronte ja impacienteAdhuc sub judi-
ce lis est. (1).
Aquelle mesmo corregedor do crime que, cinco
mezes antes, proclamara contrictamenie a innocen-
cia do marido de Albertina, dizia assim :
Talvez nos seja necessario erguer a mo de
sebre o criminoso principal para a nao carregar-
mos sobre o cumplice. Eu creio que Joao Chrysos-
tomo peccon por boa f, dando aos falsificadores a
nota ; mas a- boa f, em direito criminal, cousa
tao do foro intimo, que raras vezes se tira a limpo
sem provas concludcntes, plenas e legitimas.
Silveira pasmou segunda vez, e levou as maos
aos olhes como se quizesse priva-los de verem o
mundo.
Nestes dias de exernciante conhecimento dos ho.
mens, recebeu Silveira docorreio de Hespanha uma
carta de Joao Chrysostomo, enviada pelo Hespanhol
da Coruaha.
Dizia assim :
Aqui estamos. Eu j tinha bebido em crean-
c ca alguns tragos de peconha deste ar. Apenas
i aviste! o cu inflammado do vaporar deste slo
c vulcanico, senti confranger-se-me o peito. Olhei
t para islo como um degredo. Para aqui manda-
< vam as leis portagaezas os condemnados a nao
< torera patria. C estou cumprir sentenga.
c Minha mulher est contente : eu anda Ihe nao
disse que soffria : necessario mentir. Encare-
go as maravilhas deste clima, e fiojo-me espan-
c tado do largo peito cora que respiro os blsamos
desta atraosphera. Eu cont cora vida curta, a
i menos que as alegras do coragao me nao trans-
venara o temperamento.
t Logo que chegamos, hospedou-nos uma familia
hespanhola a quem viemos encarecidamente re-
i comniendados. Era hospitalidade para tempo
i indeterminado ; eu, porm, cuidei logo de saber
: onde grangearia o pao mais doce, que o do tra-
: balito. Entrei como professor de primeiras let-
tras e francez n'um collegio, e Albertina, na mes-
ma casa onde nos hospedamos, foi assoldada para
ensinar piano. Estamos, pois, fruindo os bens,
o den, do que tomos expulsos na Hespanha.
Nesle theor de vida poderemos ir at velhice,
sem sobresaltos de ambiguo.
< Por em quanto, esta o meu nome aqui acober-
c to da calumnia. A cada navio, que chepa do
> Porto, trememos que o raio da desgraga nos ful-
< mine esta modest satisfagao. J colhi informa-
goes da familia do Dr. Francisco SimSes aqui-
E' gente de ms entranhas, revolucionaria e ini-
< miga dos Portuguezes.
Fallase muito em independencia. Assim que
o rei de c sahir, o Brasil, que nao pode ser nos-
c so porque nos que estamos no caso de ser
de quem nos quizer sacudir o jugo, que tem
soffrido por delicadeza, e nos l pelo tempo fra
e que sahiremos de Portugal a colonisar por con-
ta dos futuros governos brasileiros os matagaes
< de Pedro Alvares Cabral. Aqui estou eu feito
c prophela, com prejuizo das miohas funegoes de
t mestre de meninos; que me esto esperando.
c Albertina quer que eu pergunte V. S. mui
tas cousas; mas eu sei que o nosso amigo tudo
t nos dir. Provavelmente avisa-me de que est
provado que eu tome parle no crime de falsifica-
gao. E' uma grande desgraga, que me annun-
< ca, porque a deshonra vira aqui alar-rae os pul-
sos. Se nao houver indulgencia comnosco, mi
c nha pobre mulher o que ser della?...
Chorar antes de tempo offerecer dous peitos
< s punhaladas da adversidade. Venha o que ti*
i ver de ser. Eu confio na divina Providencia.
LITERATURA.
A II I. II % DO DOCTOR NEGRO
Romance original de Gamillo Caslello Braneo.
XIX
fContinuacao).
Antonio da Silveira, procurador da viuva, des-
ceu ao Porto para tomar cont do mesquinho espo-
lio do Dr. Francisco Simes de Alpedrinha. Quan-
do chegou e notriou a morte do Dr. Negro, o se-
nhorio da casa, em que elle vivera, sem mais de-
tongas, cobrou summaria sentenga e mandado de
penhorapela renda atrasada. Antonio assistiu
venda em praga da livraria e mobilia, apenas bas
Albertina quz dar-se a conhecer aos parentes :
dissuadi-a para nao ter de lastima-la repellida.
Poupei-a a saber que elles affrontam- arguigSes
ignominiosas. Nao os temo por tirabrarem em
pontos de honra : prudente aqu no Brasil cui-
dar a gente que a vida cousa pouco respeita-
vel aos que no-la olham com m cara ; e eu nao
sei se o Dr. Alpedrinha, depois de rae acensar
l, mandar cumprir a sentenga aqui. Estes
sustos provam que o hornera casado se acovarda,
quando adora a mulher, a quem se deu com a
obrigago de amprala. Recejo, porm, e ante-
vejo uma hora em que todu este amor nao baste
a reter-me o brago... Presagio que hei de uma
t vez saldar de todo em todo as minhas contascom
o meu bemfeitor AgosUnho Jos Chaves.
Adeus, meu caro amigo. Albertina quer saber
de sua me, e falla no pae sem raacor : folgo de
t lh'o affirmar. Diga-nos V. S., sem reserva de
sua compadecida amisade, o novo revez que ha
de provar a nossa paciencia, etc
O presenilmente de Joao Chrysostomo sahiu-lhe
acerbamente confirmado. Carlas do Porto levarara
a nova da falsificago da escriptura, menos com o
intento de molestar o genro do Dr. Negro, que em
descrdito de Caelano Alves de Camino,
Ihos, e avisarem os paes dos oulros. Aqui se de-
bulhava em lagrimas o dono do collegio, dando-se
como desamparado e morto de tome, se os discpu-
los Ihe fugissem.
O Hespanhol entendeu que era vaa e importuna
a apologa do mestre : agradeceu a delicadeza do
homem, pedindo-lhe que se abstivesse de fallar em
tal materia a Joao Chrysostomo.
Nesse da, quando o professor vollava de sua
tarefa, o amigo, cora agradavel sombra Ihe deu a
saber quo nao tornara ao collegio, e continuara a
ser seu hospede, querendo, ou seu ajudante de
guarda-livros, se mais Ihe convinha esta occupagSo
mingoa de outra meihor ajustada sua capad-
dade e esludos. Joao Chrysostomo pediu explica-
gao, advinhando-a, e instou o silencio do delicado
e condodo Hespanhol. Foi forgoso esclarec-lo. O
infeliz nao redarguiu. Bebeu as lagrimas para
que Albertina Ih'as nao visse. Escondeu s inda-
gagoes da esposa a causa da sabida do collegio,dan-
do como plausivel intentona mudanga de vidaoes-
perar elle maiores lucros e meihor futuro na vida
coraraercial.
Que Tiontava o artificio ?! Era tanta a oppressao
daquella abatida alma que o rosto a nao podia dis-
simular aos olhos da mulher. O traba Iho j o nao
distrahia. A calumnia cravra-lhe no cerebro a
garra infernal. Depunha a penna, e comprima.as
tontos arquejantes. Assim que a repreza das lagri-
mas era tanta que se afogava nellas o alent, Joo
Chrysostomo nao podia deixar de vert-las no seio
de Albertina. Contou ento em solueantes ancias o
seu descrdito. Albertina, de principio, suecum-
biu; depois, recobrou-se, venceu a natural fra-
queza da mulher, que v chorar um homem e
disse :
Nao me dissete na Corunha : Quando o
mundo me chamar ladro diz-me t que o nao
sou 7...... Fzeste-me esperar tanto do meu
amor, e agora nao valho eu nada para ti, quando o
mundo te injuria I...... E deixas-te esmagar,
meu querido amigo I...... Que hei de eu fazer,
se t choras I Onde hei de eu ir procurar almas
vigorosas que le reanimem I...... Deixa-me ser
o ten mundo nicamente; despresa a injuria, e
acceita o louvor desta pobre Albertina I T s
um martyr, t s um anjo attribulado pelo meu
amor......... Refugia-te em mim, e Deus nos
defender I
Palavras de inspirago divina foram estas para o
desalentado homem: a dbil mao da ameigadora
Albertina, ao levantar-Ihe da fronte os cabellos,
apagou de l o ferrete calcinante em que Joo
Chrysostomo cuidava que toda a gente fitava olhos
indignados.
Vieram dias mais tranquillos. O ajudante de
guarda-livros passava-os todos em casa. Se o pa-
trao, acintemente, o manda va pagar ou receber
avultdas quanliasno proposito de fazer notoria
a coofianga qne Ihe merecaJoao Chrysostomo
recolhia triste, quebrantado e doente; que o
olhar petulante dos calumniadores o vexra, e po-
de mesmo ser que os mais innocentes reparos o
aviltassem. Desistia o patrao de o abonar no con-
ceito publico a prego de tamaitas magoas. Deixa-
ram-no com as consolages da esposa, e do tra-
ba! ho.
Certa gente, que se presava de juizo claro e ho-
nestidade limpa, nao perdoava tolerancia do Hes-
panhol. O acto corra explicado, nao como carida-
de, mas como assentimento ao crime. Alguns in-
terpretes mais summarios e concludentes da cons-
ciencia do negociante diziam a meia voz, que o
homem, porventura, apreciava a habildade do rai-
xeiro, e carecera della em alguma occasiao. Joao
Chrysostomo, no entender dos louvados da sua
deshonra, era propriamente o colrafactor da letra
falsificada na escriptura. A aleivosia, assim for-
mallsada, era mais certeira, mais hediondo, e me-
ihor definida sem quebra de circumstancias atte-
nuantes.
danto da campo do general Grundtor, na carapanha
do 1823 em Hespanha, que Ihe vafeu o grtOaja-
viHeiro da legSo de Honra, e de S. Fernando, Ca.
pito do estdo-maior em 8 de jutfho de 1W8, fet
com o general Dnrrien a campana da More. Do.
s, a simplicidade de carcter, a hospitalidad.;
affavel, exjsle nesle pequeo povo do norte.
Em>todos os oulroa paizes os vicios mareham de
frente com as vantapns da civlisacao moderna.
A uniao, a boa harmona as familias a honda
pois de ganhar na expedicao de Argel, o oosto de a t a i ma ,a
!.hafc L .^r1 i a ul L de e braniliira no (ralamente dos an raacs, a n-
chete de esquadrao (2 de outubro do 1830 fo L .
en, 1832 empregado no deposito de guerra ^ P^" bam ass.m a das tortuna,
1834al8:(7na,acadePariscorao ajSute 2 T^Zf ?T TT *"**
campo do general Reille. I P^'^de alhe.a, tudo islo lana da Dinamarca o
...... ,. 'Vm mais invejavei para se vi ver feliz, un pv
Enviado para Alger.a em novembro de 1839 com modei0, se nao fra o rigor do seu clima que Ih.
o posto de lenenie-coronel. e ali estove 16 annos. d nove mezes de invern, e tres que nao si,
Sendo coronel em8de julho de 1843, comman- vero.
dou em 184o a ala esquerda do exercito na bata- \m *,,. ...... n _.
th. a ii ... .u ,. a .aa l0 ol,a'"to que os Dinamarqueses de
Iba de Isye tornou-se eelebre asph.xiando 500 lodas as edades |eem
rabes refugiados nasgrutas de Ouled-Riab. | por toda a parle tabaco da peior mSS^Z1
Esta barhandade causou em Franca grande sen- do o encanto ao paiz e faz que nos felicitemos de
sagao, e o marechal Soult, ministro da guerra cen-1 viver debaixo de latitudes mais meridiooae*
surou este acto severamente ; porm, o marechal
Bugeaud, declarou que Pe Usier cumprira as suas a Suissa, que coma 2.400,000 habitante islo
ordens, e cobriu-o com a sua responsabilidade. i pouco mais de metade da populaco de P rt
Apezar disto, foi promovido a marechal de cam- lmna em i863 m r m
po no anno seguinte. sendo : >,* nomen-.
De 1848 a 1831 commandou a provincia de Onm \ Effeclivo 83,441, reserVa 43 631 e landw
lendo sido promovido em 15 de abril de 1830 a ge- 63,536. *BO,re,,r-
neral de diviso. 0 orcatnento militar da confederacao saissa tem
Era governador geral interino da Algeria, ao, votado uma despeza de 3,301,965 francos ir-
tempo do golpe de estado de 2 de dezembro, e man- *nt *lm
teve a ordein pondo a colonia em estado de sitio.
Das suas combinagoes militares resultou a toma-
da importante de Laghouat.
Em Janeiro de 1855 foi chamado ao exercito da
Crimea, de que pouco depois tomou o commando
superior, dando logo com a energa e audacia do
seu carcter vigor s operagoes do sitio de Sebas-
topol.
A 22 de maio tomou uma praga de armas entre
o mar e o bastio central, oceupou a lnha de Tcher-
naia, e a 7 de junho apoderou-se do mamelo
Verde.
A 18 atacou sem resultado a fortaleza de Malakoff,
que tomou de assalto no dia 8 de setembro.
No dia 12 foi feito marechal.
Voltando em marco de 1846 Franga, foi feito
senador, e recebeu com o titulo de duque de Ma-
lakoff, uma dotago de 100:000 francos.
Em abril de 1858, pela occasiao das diflieuldades
diplomticas que produziram a questo dos emigra-
dos francezes em Inglaterra, foi como embaixador
da Franga substituir o conde de Persigny, em Lon-
dres.
No romee da guerra de Italia, em 23 de abril
de 1859 foi nomeado commandante do exercito de
observago, e deixou a ernbaixada de Londres.
Sendo grao-cruz da legio de Honra desde 24 de i
594,353,700.)
Segundo uma recente estatistica, ha em Ingla
(erra peno de 400,000 noraes de familias.
S o nome de Smilh usado por 53,000 familia-,
e o de Jone's por 51,000.
Os Smiths e os Jones comprehendem 500,000 in-
dividuos pouco mais ou menos.
Termo medio, ha uma por 73 pessoaaxom o no-
me de Smith, uma por 76 com o de Jones, um por
112 com o de Williams, um por 148 com o de Tav-
lor, um por 163 com o de Daveis e 1 por 174 com
o de Brown.
As duas cmaras do parlamento britanniro con-
tara cerca de 700.memoras, e destesJIOl sao caiho-
heos, sendo 8 na cmara dos lords t ti mim
commons.

As cortes hespanholas votram orna lei para qne
o governo, de accordo com a municipalidade de
Madrid, erija, no mais breve prazo possivel. ama
estatua colossal de bronzea Christovas Colombo.
A estatua do descobridor da America levanta-m
no meio do ponto de visla do passeio dos Recol-
letos.
No pedestal gravar-seha a dirisa qne rerca as
dezembro de 1853, foi em dezembro de 1858 ele- armas dos duques de Veraguas descendentes
vado a gro-chanceller da ordeip. | herdeiros do grande navegador, e' qne a roesma
que se acha na pedra do lumulo do filho de Chrn-
As cartas anonymas levavam ao Hespanhol as
ferroadas da gente sisuda. Doiam-lhe estas offen-
sas por seren as primeiras, mas o animo resista
inquebrantavel s insinuages alrozes contra o cai-
xeiro. Joao Chrysostomo desconava, ou lh'o disse
o guarda-livros, que o patrao eslava sendo, cont
delle, insultado por anonymos. Quz, sem olhar
ao futuro, despedr-se logo; c commerciante, po-
rm, Impoz-lhe com autoridade o preceito de con-
tinuar no seu servigo, em quanto o nao atrahssem
mais vantgens.
Depois de um combate nocturno, em frente de
Sebastopol, um parlamentario russo apresentou-se
a pedir uma suspenso de armas para procurar os
morios.
Como era muito importante que o inimigo nao
podesse apreciar os nossos trabalhos n'aquelle pon-
to pela aproximago das nossas linhas de ataque
( pois estavamos a 70 metros do inimigo) o general
em chefe nao podia acceder a este pedido.
A suspenso de armas recusada, foi concedida
per um mal entendido de coronel que estava de
servigo.
Foi grande a colera do general em chefe, quan-
do isto soube, e maior anda a irritacae do general
Pelissier, que deu ordens para que o coronel, que
servia debaixo das suas ordens, fosse severamente
punido.
Entre os morios appareceu um ferido.
Toda a colera do general Pelissier desappareceu
ao receber esta noticia, e escreveu logo ao general
em chefe :
i>ao tenho coragem para punir uma falta, que
salvou a vida ao um homem.
O marechal duque de Malakoff tinha casado em
1858 ( coutava ento 64 annos), com madama So-
phia Paniega, joven senhora hespanhola, amiga da
imperatriz dos Francezes ; d'este casamento ficou
uma filha.
O duque de Malakoff, era : senador membro
do conselho privado, governador geral de Algeria I
grao-cruz da legio de Honra ; grao-cruz da ordena
do Banhoda Gr-Bretanha ; grao-cruz da ordem de
S. Fernando de Hespanha ; cavalleiro da primeira
classe da ordein turca de Medjidi ; grao-cruz da
ordem militar da Saboia, cavalleiro da Cruz de Ou-
ro Salvador, da Grecia ; gro-nicham Iftrkhar de
Tunes; gre-rruz da ordem belga de Leopoldo, e
cavalleiro da primeira classe, da ordem persa do
Leo e do Sol.
tovao Colombo, na cathedral de Sevilha
A Castilla y a Len
Nuevo Mundo dio Colon.
A Nacao cont o seguinle :
Um coveiro que eslava enterrando nns morto*.
depois de uma batalha, fez urna observaco to
profunda como lerrivel.
O- marto, disse-lhe um ofHcial que assistia
a triste tarefa, atirasles para a vala um homem qne
respirava anda I
Ah t senhor, responden o coveiro, bem se v
que nao tem, como eu, o habito destas coasas___
Se a gente Ihes dsse ouvidos, era raro apparec-r
ura morto.

Francisco achava-se sensivelmente iocommoda-
do ; mandou chamar o medico, o medico vero, re-
ceitou, e foi-se embora.
Passados dias, voltou, olhou para o doente, apal-
pou-lhe o pulso, e salisfeito do estodo em que o
via diz :
Ah I ah.' muito meihor, o pulso est, esta
excellente, vejo que devia seguir a minha re-
ceita.
Seguir I Nao, senhor : partira a cabera.
Como ?
Atirei-a da janella do 5* andar.
Adeus ; curou-se pela homeopolha !
Commercio de Lisboa l-M o que
L*-sa na Opinin Nationale, de Paris :
. A Sr.1 C...,moradora na ra Tres Moinlios, receben
a visita de uma das suas amigas, que habit no
campo, e que conhecendo o seu goslo pelas flores,
Ihe levou um ramo de lyrios.
A Sr.* C... collocou estas flores em um vaso que
estava n'um gabinete onde dorma urna menina,
sua filha, de 6 annos, e dbil conslituigao.
noute, quando fechou a port do gabinete, es-
queceu-se de tirar as flores.
Na manha seguinte a Sr.' C... admirada de nao
ouvr pairar sua til ha, na forma do costume, foj
ver se ella dormia.
O somnoda menina nao Ihe pareceu natural.
Tentou de balde accorda-la.
Assustada, chamou um medico, que depois do
Comegou desde logo o caixeiro a pagar a divida competente exame declarou que a pobre menina ti"
contrahida na Corunha; todava, a primeira ordem ^nha sucumbido asphyxia determinada pelo acido
carbnico que tinha exhlalo as flores, que ficaram
no gabinete.
foi-lhe devolvida com c recibo da divida por ratei-
ro. O pae das educandas de Albertina, em nome
de suas Ulnas, offerecia mestra a meihor saudade
do seu corago, e aquelle nada do dinheiro como
insignificancia realgada pelo alfecto que a offe-
recia.
Os bons de um lado a brigarem arca por arca de
encontr aos mus I A Providencia sempre! Sem-
pra a formosa do cu a tirar flores dos espinos,
com que os reprobos entretecem
seus holocaustos 1
No Jornal do
segu :
Dos irmos que existem Sua Santidad* PiIX.
o mais mogo; dous sao octagenarios. O conde Ga-
briel tem 84 annos; o conde Gaetan lem oiteni.!
sua irma a condessa Benigni, conla setenta e mu
annos. Seu pae, o conde Jeronymo, morreu com
oitenta e quatro annos, e sua me, a condesa Ca-
iharina, com oitenta e dous. EmHm, sea av, o
conde Hercules, viren noventa eseis annos.
A familia dos Mastis numerosa. O mais ve
Iho, o conde Gabriel, casado com a condessa Vic-
toria, tem dons.filtros, que sao : o coode Luiz, n
sado com a princeza del Drago, e o conde Hern.i-.
casado cora a sobrinha do cardeal Cadolin.
O conde Gaelan viuvo, sem filtros.
O conde Jos, amigo capilo da gendarmaria.
que falleceu ha poucos annos, tambem ne dvtaoa
descendencia; mas as cuatro irmas, das mmts
s vive uma, deram aoPapa um grande nunv r >
desobrinhos, e estes mesmos j teem ba-tuoi.>
filtros.
Segundo o jornal Spet, calcula-se que sobre mil
pessoas, que viajam por da nos mnibus de Paris,
o termo medio era 1,200 mulheres e criangas, 300
homens d'onde resulta que as mulheres pagam s
companhias quatro quintos da receita annual.
A analyse chimica, que d resultados certos na
investigago dos venenos mineraes, e as subs-
tancias vegetaes crystalisaves, nao permitte sem-
pre isolar o principio activo de certos venenos ve-
getaes, cuja energa todava formidavel. As ex-i escondidos da vista do pae.
periencias sobre animaes vivos que podem guiar
a sciencia na revelago dos seus lerrives effeitos,
e nao prescindimos do ensaio.
commercio prosperado para os portos brasileiros
Ihe grangera mulos vingalivos. Ao mesmo tem-
po, o rancoreso preso, sabedor da fuga de Joao
Chrysostomo para o Ro, escrevia a um primo l
tan.es ao pagamento do aluguel do predio por dous estabelecido, defendendo irnicamente a sua honra,
TS&22STFEZ2FT" P"0, S e ^**>""**JI inventada traigan do
vros de e>tulo de Albertina, e ura resto de seus homem a quem elle acudir em grande aparto. No-
vestidos desbotados, que desde muito envelheciara meava-o, esclareca a obscurdade
Mas ahi vem o revez I
cujo chagas de uns espinhos se fechera em quanto ou- j
tros vem rompendo de
regada de lagrimas.
E' que l, em cima,
Fizeram-se cinco experiencias. A primeira teve
lugar com um cao, de estatura media, vigoroso, e
de perfeita sade. as incisoes feitas as coxas
do animal, os peritos introduziram cinco grammas
dos detricos do sobrado. No fim de tres qnartos
de hora, o cao deita-se, e comega a lamber as pe-
quenas feridas, em seguida apparecem os vmitos,
o abatmento, a diminnieo do pulso; e emfim de-
pois de 15 horas, expira sem agona, eonservando
a intelligencia at ao fim.
A segunda experiencia em ura coelho teve os
mesmos resaltados.
A terclra, que era contra-pravas das anterioras
porque o residuo da^ ao animal provinha da-pax-
da pessoa com
signaes indicadores, e recoramendava a persegui-
Bem que Joao Chrysostomo nao tivesse noticiado I a a pensas delle, que acreditava toda a des-
sua chegada ao Rio de Janeiro, Antonio da Silveira Peia fc',a-
escreveu-lhe ventura, narrando os pormenores Oprimo de Caelano, zeloso no extremo, quiz ins-
das cousas decorridas, enviando-Ihe copias do re- taurar logo processo contra Joao Chrysostomo, fa-
cbo das duzentas moedas, a da denuncia de Caeta- ciltnente descoberlo no exercicio collegial. As leis
no Alves ao corregedor do crime, e copia tambem recasaram indcia-lo sem nenhuma prova. Do
do perdo do Dr. Negro moribundo. Receioso do
transviamento da carta, reteve os originaes para
opportuna e seguramente Ih'os remetter.
ndagou Silveira o andamento do processo cri-
minal, nisserafn-lhe que se conspiravam a favor
de Caelano Alves pessoas de grande vulto e influen-
cia, notadamenle o regedor das justigas. Os juris-
consultos, consultados por Silveira, diziam que a
protecgo ao rea era tao evidente e escandalosa
quanto ella estava no gozo de seos bens, em menos-
oabo do presciipto, no livre V Nos camiohos de ferro francezes, desde 1835 a
as coroas dos 1862, houve um desastre por cada 364,112 viajan-
tes, sendo um morto por cada 2,942:796, e um fe-
Nao quer Deus que as rido porcada 415,534.
De 1846 a 1860 os accidentes occorridos aos va.
uma (erra j de longe jantes das carruagens7e"postt, em^ra^gMoram
' de uma victima porcada 27,708.
as assomadas da serrado | D'estes dados colhe-se qne ha qaatorze vezes
Mesro, se esta aquelia hora cerrando a topu.tura de mais probabilidades de uma L via^em n um w
um pae, qae choran multo I I g0D> que n,uma dlllgencja qu Jgj^
A Providencia viu as lagrimas delle, assim como: -----
O Commercio do Porto noticia o que segu, co-
lindo do correspondente da Independencia Belga,
em Copenhague :
Porto nenhiim aviso tinha chegado s justigas coas
tmidas na corte.
J o Hespanhol protector de Joao Chrysostomo
sabia que o descrdito do seu recomraendado prhv
ciplava a reunir n'uma s as mil boceas, sempre
promptas a conclamar a diffamagao. Chamou elle
o protegido, e, com severo semblante, exigu uma
relagao dos Tactos de que a maledicencia tirava
(1) O processo est ainda para ser julgado.
Horacio, aiit. roET. v. 78.
agora ha de ver as tuas, Albertina
(CoNfinuar-se-Aa.)
--------
DM POUCO DE TUDO.
De jornaes europeos colheraos os segaintes da-
dos :
O duque de Malakoff ( Amavel Joao Jacques ),
governador geral de Algera, e que ali fallecer de
uma pneumona, linha nascido a 6 de novembro
de 1794, e contava por tanto 70 annos de edade.
Pertencia a uma familia de lavradores de
rom rea.
Dous dias antes da chegada de Napoleao a Pars
(18 de margo de 1815 ) entrou como altores na ar-
lilharia da guarda real.
"Nada na physionomia exterior desta cidadee da
sua populaco denunciara os males da guerra se
nao fra o encontr fortuito de algum ofBcial ou
soldado mutilado.
As nicas queixas que se ouvem pelo prego
exorbitante do assucar, e por uma pequea cares-
ta da carne.
A Dinamarca, relativamente pouca extensao
do seu territorio, ura paiz rico. Dous outros an-
Ma- nos bastro para Ihe reparar os prejuiros causa-
dos pola guerra actual.
Os Dinamarquetes sao ura bom e digno povo.
.Todo o estrangeiro que vive algum tempo entre
elles, leva quando se ausenta a convjcgio de que
A 10 de abril foi mandado para o exercito de ha ainda n'um canto da Europa, as virtades primi-
pbservagoes do Rheno. j Uvas. _
Promovido a teneote em 1820, servia como aju-
A honradez, a sinceridade, a franqueza i
Na Correspondencia de Madrid encontram-se o*
seguintes pormenores respeito de uma lula que
houve entre um touro e um elephante :
O elephante era um dos maiores que jamis m
tem visto na E-jropa, e dos mais velhos. senund
indicavam as suas defezas. que eram enormes.
Por muito tempo vajou com a sua com o m fe-
rata. Mas esta morreu ha algumas semanas in-
do ento o elephante soffria accessos furiosos, qne
o seu cornac difBcilmente consegua abrandar
Soltou-se o elephante na praga dos toaros. de-
pois fez-se sahir om toara ainda novo e fogosa O
touro avanrou contra o sen terrivel adversario.
sem mostrar o menor receto ; pareca proeara-lo
de lado para o ferlr, mas o elephante mostrara
graode agilidade nos seus movimentes. e nao o
deixava approximar.
Afinal o tonro aiaron-o de frente sem o po.W
ferir, porqne encontrava sempre diante de si as
formidaveis defezas, qne Ihe formavam orna bar-
reira inexpngnavel.
Por fim, n'nm dos seas assaltos. o loara conse-
guid collocar a cabeca pela parte inferior das de-
fezas ; mas cahiu sem poder, com as armas, rom-
per a dura relie do elephante.
Entao o pnbliro viu o elephante baixar nm pon-
er a rabeen, nlo fazendo mais do qne collocar so-
bre o lombo do tonro a extremidade das soan de-
fezas, que tinham sido previamente enboladas.
Desde logo, o tonro fleon fra do cmbale ,e
qnando depois o mataram, noton-se qne tinha tres
eostellas partidas, em consequencia do movimenio
quasi mpercepiivel qae o elephante havia feilo,
domando-o com as defexas emboladas.
PERNAMBUCO.-TYP. DE M. F. DE F. k PUJO-
y
-- ...


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EDK7QBB36_X1MUR2 INGEST_TIME 2013-08-28T02:29:38Z PACKAGE AA00011611_10404
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES