Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10403


This item is only available as the following downloads:


Full Text
.
AHHO XL. HOMERO 147.
Por tres aezes adiaotados 58O00
Por tres mezes ?encidos 6$00
Porte ao correio por tres mezes. <>75l)
OWTA FEIRA 30 DE JUMO D 1864.
Por asno ada otado.....49$00O
Porte ao correio por om anno 3$00U

NCARRGAD03 DA SUBSCRPCO NO NORTE
ParahYba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima'
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Aracaty,
Sr. A. de Leaos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira; Maranhao, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Manoel Pinheiro & C.; A-
mazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
BNCARRBGADOS DA 3UBSCRIPCAO NO SUL-
Alagas, o Sr. Claudno Falcad Dias; Baha, o
rr. Jos Martins Alves; Rio de Janeiro, os Srs. Pe-
viera Martina 4 Gasparino.
KPBKMERIDES LO MEZ DE JIMIO.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Oiinda, Cabo e Escada todos os dias.
Iguirassu', Goyanna e Parahyba as segundas e .
sextos-feiras. 4 Lna nova as 9 K 29 m. e 20 s. da m.
Santo Anuo, Gravat, Bezerros, Bonito, Caruaru', 12 Quarto cresc. as 9 h., 27 m. e 26 s. da m.
Altinho e Garanhuns-nas tercas feiras. 19 La cbeia as 8 h.. 31 m. e 20 s da t
Pao d"Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqueira, ,fi ____m. ..
Ingaieira, Flores, Villa Bella, Tacaratu', Cabrob, 2b yuart0 min&- as n-> 53 m. e 3 s. da m.
Boa Vista, Ouricury e Exu' as quartas feiras.
Sennhaem, Rio Formoso, Tamandar, Una, Barrei-
ros, Agua Preta e Pimenteiras as quintas feiras.
Una de Fernando todas as vezes que para ali sahir
navio.
Todos os estafetas partem ao Vi di a.
PREAMAR DE HOJB.
Primeira as O horas e 30 minutos da tarde.
Segunda as O horas e 51 minutos da manba.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
farao sul at Alagas a 5 e 25; par* o norte at
5- t\ a e ^2 de cada mez; para Fernando nos
das 14 dos mezes dejan, marc., maio, jul, set. enov.
PARTIDA DOS MNIBUS,
o .,/ Recife : do Apipucos as 6 Vi, 7, 7 % 8 e
8/, da m.; de Oiinda as 8 da m. e 6 da tarde; de
Jaboatao as 6 Vi da m.; do Caxang e Varzea s 7
da m.; de Bemfica s 8 da m
k ^/ReCfe,; P\ra. Apipucos s 3 l/V 4, 4 1/4, 4 Vi,
5, 5V, 5 Vi e 6 da tarde; para Oiinda s 7da
manna a e 4 Vi da tarde; para Jaboatao s 4 da tar-
de ; para Cachang e Varzea s 4/. da tarde; para
Bemfica as 4 da tarde.
AUDIENCIA DOS 1RIBUNAES DA CAPITAL
Tribunal do commercio: segundas e quintas.
Relacao: tercas e sabbados s 10 horas.
Fazenda: quintos s 10 horas.
Juizo do commercio: segundas s 11 horas.
Dito de orphos: tercas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel: tercas e sextas ao meio
di a.
Segunda vara do civel: quartas e sabbados a 1 hora
da tarde
DIAS DA SEMANA.
|27. Segunda. S. Ladislao rei de Hungra.
28. Terca. Ss. Argomiro e Irineo bb.
2!>. Quarta. ^ S. Pedro e S. Paulo app.
30. Quinta, s. Margal b.; S. Luciana.
1. Soma. Ss. Casto e Callo bb.
i. Sabbado. Ss. Processo e Martiniano nim.
3. Domingo. S. Eulogio m.; S. Anatholio m.
ASSIGNA-SE
no Recife, em a livraria da praca da Independencia
ns. 6 e 8, dos proprietarios Manoel Figueiroa de
iFaria & Filho.
PARTE QFFICIAL
1
GOHUtflO DA PROVINCIA.
Expedieale do da 23 de jnnho de 1861.
Offlcio ao brigadeirocommandante das armas.
Queira V. Exc. mandar desligar do corpo em que
csliver com praga, o recruta Joaquim Amancio de
freitas Castro, e apresenta-lo ao capilo do porto,
aura de servir na armada.
Dito ao mesmo.Maja V. Exc. de mandar por
em liberdade, dando-lhe baixa se j esliver com
praga, recruta Manoel Eugenio dos Prazeres, que
tem isencao do recrutamento, segundo informou o
capito do porto em offlcio de 22 do corrente.
Dito ao mesmo.Sirva-se V. Exc. de mandar
por em liberdade, dando-lhes baixa se j estiverem
com praca, os recrutas Jacintho Jos de Souza, Joa-
quina Jos do Livramento e Carlos Francisco Xa-
vier, que teem isenco do recrutamento.
Dito ao mesmo.Sirva-se V. Exc. de mandar
alistar nos cornos em guarnigoneta provincia, os
recrutas Jos Rodrigues de Luna, Manoel Rodrigues
la Paixo, Manoel Rodrigues dos Santos, Manoel
Lavina do Nascimento, Jos Vicente Feilosa e Ma-
noel Antonio de Azevedo. visto que foram julgados
aptos para sso em inspecgo de saiide, segundo V.
Exc. declarou em seu offlcio n. 1,131 de 23 do cr-
reme. Communicou-se ao tenente-coronel retra-
tador.
Dito ao barao do Livramento.Tomando em
considerac.o o que V. Exc. expoz em seu offlcio de
2 do corrente, tenho a dizer em resposta que con-
cedo a autorsaco nelle pedida para ser feita pelo
systema de Mac-Adaro, e de conformidade com a
planta apresentada pela repartico das obras publi-
cas o calcamento da parle do centro da praga do
Campo das Princezas, onde se tena projectado pas-
seios e plantarles de arvoredos.Communicou-se
ao director das obras publicas.
Dito ao Dr. chele de polica.Com copia da n-
fjrmago ministrada em 23 do corrente, sob n. 231
pelo inspector da thesouraria provincial, respondo
ao offlcio de V. S. de 20 desto mez, sobre a despeza
feita com o sustento dos presos pobres da cadeia de
Flores do 1 de dezeiubro 12 de fevereiro ul-
timo.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
Annuindo ao que solicitou o Dr. chefe de polica
em offlcio de 18 do corrente, sob n. 728, recom-
mendo V. S. que, nao havendo inconveniente,
mande pagar Jos Flix da Silva Fragoso, a quan-
tia de 315500, em que importaran! asetapes forne-
cidas aos seis recrutas constantes da relacao junta,
que vicram do termo de Papacaca, e foram julga-
dos aptos para o servigo do exercito, segundo de-
clarou o brigadeiro commandante das armas em
offlcio n. 1,131 de 23 deste mez.Communicou-se
ao Dr. chefe de polica.
Dito ao mesmo.Transmiti V. S. para o fim
conveniente, o incluso attestado em duplcala, que
me remetteu o brigadeiro commandante das armas
com offlcio de 23 do corrente mez, sob n. 1,125, do
qual consta haver o soldado da compauhia xa de
cavallaria, Bernardino Francisco Lopes, apprehen-
dido o desertor do 2 batalho de infamara, Ma-
noel Benedicto do Nascimento.Communicou-se ao
brigadeiro commandante das armas.
Dito ao mesmo.Remello V. S. para seu co-
nhecimento, copla do offlcio que recebi do juiz mu-
nicipal do termo da Boa-Vista, datado de 4 deste
mez, e com referencia ao escrivo Felippe Benicio
de S e Silva.
Dito ao mesmo.Restilo V. S. o requerimen-
10 documentado, em jue Bartholomeu Lourenco,
proprietario do palhabote nacional Artista, pede o
pagamento do frele e passagens dadas no mesmo
palhabote, por conla do governo, na viagem que fez
uo presidio de Fernaudo em marco deste anno, afim
de que, de conformidade com o parecer da conta-
dura dessa thesouraria, que so refere a sua in-
formagao de 23 do corrente, sob n. 321, mande
-eiTectuar esse pagamento na importancia de......
396*706.
Dito ao mesmo.Expela V. S. as suas ordens,
para que seja recolliida ao cofre dessa thesouraria,
como solicitou o brigadeiro commandante das ar-
mas, em offlcio de 23 do correte, a quantia de...
i'i-5763, proveniente de sobras do e.xliiieto rancho
da fortaleza do Brum, e de economas lcitas, a
anal ser apresentada nessa repartico por parle
do commandante interino da mesma fortaleza.
Communicou-se ao brigadeiro commandanle das
armas.
Dito ao mesmo. Cobertos com offlcie do briga-
deiro commandante das armas, n. 43, de 7 de mar-
ro ultimo, restilo V. S. os documentos, que vie-
ram annexos sua informacao de 23 do corrente
mez, sob n. 322, relativamente s despetas feitas
pelo alferes Pedro de Alcntara Tiberio Capistra-
no, em Janeiro deste anno, com a forga destacada
em Ouricury, aflm de que nos termos da citada in-
formacao e de conformidade com o que solicitou o
mencionado brigadeiro, mande levar em conta ao
predito alferes, a quantia de 580019, em que im-
portan) taes despezas.Communicou-se ao briga-
deiro commandante das armas.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.Em
vista das tres inclusas contas, e nao havendo in-
conveniente, mande V. S. pagar Jos Joaquim
Pinto Martins, conforme solicitou o Dr. chefe de
polica, em offlcio n. 750, de 23 do corrente, a
quantia do 109,5400, despendida com o sustento dos
presos pobres da cadeia do termo do Brejo, duran-
te os mezes de marco, abril e maio deste anno,
como se vedas predilas contas. -Commuiiicou-se ao
Dr. chefe de polica.
Dito ao mesmo.Respondendo aos oflimos que
V. S. me dirigi hoje, sob ns. 23i e 235, tenho a
dizer que approvo a arrematacao dos pedagios das
pontes do Motocolomb o da Tacaruna, pelo primei-
ro dos quaes offereceu Manoel Gouva de Souza..
2.0155000 annoaes, sendo fiadores Tlieoionio Flix
de Mello e o Dr. Antonio Luiz Cavalcanti de Albu-
querqce, e pelo segundo Antonio Lins Caldas a
quantia de 9105000 tambem annuaes, dando por
fiador o tenente-coronel Joo Valentina Vilella.
Dito ao mesmo.Coucedo a autorisago que V.
S. pedio em seu offlcio de hoje, sob n. 236, para
mandar por novamento em hasta publica, com o
abate da quinta parle, nos pregos que Ihe servram
de base, os pedagius das pontes do Caxang, Jaboa-
tao, Carvalhos, Tapacur, bem como o da estrada
do Giqui, que deixaram de ser arrematados por
falta de licitantes, segundo consta de seu citado offl-
cio, que tica assim respondido.
Dito ao nesmo. Accuso recebidos os offlcios de
hoje, sob ns. 232 e 233 em que V. S. participou
haver Jos da Rocha Paranhos, sob garanta de
seus predios todos nesta capital arrematado com o
abate de 51 por cento nos precos do respectivo for-
mulario o fornecimento dos medicamentos para a
enfermara da casa de delencao no exercicio pro-
nmo vtndooro, e Julio Augusto Torres o pedagio
da ponte da Magdalena por 8:3605000 rs. annuaes
e durante um triennio sendo seus Dadores Jos Mo-
reira da Silva eLudgero Teixeira Lopes.
Em resposta tenho a dizer que approvo taes ar-
rematacoes.
Dito ao commandante do presidio de Fernando.
__Ao offlcio n. 28 que V. S. me dirigi em 14 do
corrente, respondo declarando-lhe que a farioha de
mandioca temada por emprestimo e a resultante
das rocas de particulares desmanchadas por sua
orden), aura de occorrer as racSes dos sentencia-
dos desse presidio deve ser paga a dlnhero na ra-
ifio de 2250 rs. o akjaeire medida nova, como V.
S. propoz no citado offlcio.
Dito ao commandante de corpo de policia.-Po-
de V. S. contratar para o servico do corpo sob seu
commando o paisano Eloy Nahum de Araujo Bar-
ros, visto que foi julgado capaz para aso em ins-
peccao de sade, como V. S. declarou m seu offl-
cio n 294 de 23 do corrente que respondo.
Dilo ao mesmo.Faca V. S. alistar no corpo sob
seu commando de conformidade com o respectivo
regulamento, os paisanos Antonio Paula da Silva e
Tertuliano Teophilo da Silva, que foram conside-
rados aptos para isso em inspec^ao de sade como
V. S. declara em suas informacoes ns. 297 e 298
dcsta data.
Dito ao mesmo.Attendendo ao que expoz o ins-
pector da thesouraria provincial em offlcio de ho-
je, sob n. 237, recommendo V. S. que mande
apresentar-lhe quatro pracas do corpo sob seu com-
mando, e que sejam de inleira confianca aflm de
que do Io de julho prximo vindouro em diante se
encarreguem provisoriamente da cobranca dos pe-
dagios das pontes do Caxang, Jaboatao e Carva-
lhos, bem como da estrada do Giqui, que deixa-
ram de ser arrematados por falta de licitantes.
Communicou-se ao inspector da thesouraria pro-
vincial.
Dito ao inspector do arsenal de marinha.Man-
de V. S. por em liberdade e entregar Nicacio
Antonio Nunes o menor Manoel Ferreira da Silva,
que Ihe foi apresentado com o meu offlcio de 21
do corrente.
Dito ao mesmo.Podo V. S. darem consumo,
precedendo as necessarias formalidades a canoa
velha da fortaleza de Itamarac c a balieira da re-
partico de sade do porto, que se aeham recolhi-
das a esse arsenal, visto que nao podem ser apro-
veitadas para o servico, segundo V. S. deelarou em
sen offlcio n. 701 de 23 do corrente.
Dito ao commandante superior da guarda nacio-
nal do Recife.Existindo algn offlciaes aggrega-
dos ao batalho de artilharia n. 1 da guarda na-
cional sob seu commando superior, e devendo elles
serem propostos de preferencia se para isso tive-
rem a necessaria capacidade e merecimenlo como
declara o aviso de 13 de outubro de 1858 de con-
formidade com a doutrina do art. 49 do decreto n.
1130 de 12 de marco de 1853, devolvo V. S. pa-
ra esse lim a proposta que me foi apresentada com
o seu offlcio n. 68 de 27 de marco ultimo, na qual
est contemplado para 2 tenente da 3' companhia
o cidado Manoel Jos Goncalves Braga, que j foi
privado do posto de alferes do 2 batalho de in-
famara, por se ter ausentado sem licenca por mais
de seis mezes, e sendo nomeado novamente para o
1* da mesma arma nao solicitou patente no prazo
da le.
Dito ao director das obras militares.Em vista
das informacoes ministradas acerca da catadura e
pintura que Rufino Manoel di Cruz Cousseiro man-
dou executar no quartel do 4 batalho de artilha-
ria a p para cumprimento do seu contrato, nao
pode o contratante ser pago da quantia porque
ajustou ese trabalho sem que mande fazer no xa-
; drez servico igual ao que se executou no quartel
do estado maior daquelle quartel, bem como ele-
var as barras dos differentes compartimentos a al-
tura das que all exisliam : o que V. S. Ihe far
constar.
Dito ao conselho de compras navaes Approvo
os contratos que o conselho de compras navaes,
segundo me communicou em offlcio de 20 do cor-
rente, celebrou com diversas pessoas para forne-
cereiu ao almoxarifado do arsenal de marinha os
objtelos de material mencionados em dito offlcio.
Communicou-se ao inspector da thesouraria de
fazenda.
Dito ao mesmo.Ficam approvados os contratos
que celebrou o conselho de compras navaes, para
fornecerem ao almoxarifado do arsenal de mari-1
nha durante o tremestre de julho setembro do
anno corrente, os vveres, dietas e objectos do con-
sumo de que tratam o termo e officio do mesmo
conselho datados de 6 c 18 do corrente.Commu-
nicou-se a thesouraria de fazenda.
Dito ao promolor publico desta cidade.Remet-
tendo inclusos por copia o offlcio do tenente-coro-
nel commandante do presidio de Fernando datado
de 18 do corrente, bem como o auto de corpo de
delicto a que elle se refere, dos quaes consta o br-
baro assassinato perpetrado na infeliz menor Luiza
Mara da Conceicao pelo sentenciado gales per-
petuas Manoel Antonio Carneiro, tenho a reom-:
mendar Vine, que proceda contra o criminoso na
forma da le. ;
PortaraOs Srs. agentes da companhia Brasi-
leira de paquetes facam transportar por conta do
ministerio, da guerra, no vapor que se espera do
norte um caixao com artigos de fardamento per-
tencentes a duas pravas do 10 batalho de infan-
taria em guarnicao na Bahia, devendo o referido
caixao ser entregue no quartel general do com-
mando das armas daquella provincia. Communi- [
cou-se ao brigadeiro commandante das armas.
Dita-O presidente da provincia, attendendo ao
que informou o Dr. chefe de polica em offlcio n.!
73i de 23 do corrente, sobre o requerimento de
Silvino Guilberme de Barros, resolve conceder a
este a demisso que pedio do cargo de 6" supplen-1
te do subdelegado da freguezia de Santo Antonio
desta cidade.Communicou-se ao Dr. chefe de po-.
licia.
p__ 1
. Expediente do secretario do governo do dia 2o de ju-
rito de 1861.
Offlcio ao juiz de direilo Dr. Jos Bandeira de
1 Mello. De ordem de S. Exc. o Sr. presidente da I
provincia, accuso a recepcao do offlcio de 20 deste
1 mez em que V. S. declarou aceitar a 1' vara crimo i
de 3* intrancia na provincia do Para para onde foi'
removido por decreto de 7 de maio lindo.Com-1
municou-se thesouraria de fazenda.
Dito ao Dr. Francisco de Carvalho Soares Bran-;
do.De ordem de S Exc. o Sr. presidente da
provincia, accuso a recepcao do offlcio em que V.
S. communicou ter em 23 do corrente entrado no
exercicio do cargo de promotor publico interino
desta comarcaCommunicou-se ao inspector da
thesouraria de fazenda.
Despachos do dia 35 de jnnho de ISOi.
Requerimentos.
Abaixo assignado e proprietarios do lugar Barro
Vermelho, da cidade de Goianna. Informe o Sr.
director das obras publicas.
Caors & Barbosa. Em vista da informacao
nada ha que deferir.
Irmandade de NossaSenhora do Livramento des-
' ta cidade. Informe o Sr. thesoureiro das lote-
| ras.
Bacharel padre Joaquim Graciano de Araujo.
j Informe o Sr. inspector da thesouraria de fa-
zenda.
Dr. Jos Mamede Alves Ferreira.Nao pode ter
I lugar o que requer o supplicante vista das in-
formacoes do Sr. inspector da thesouraria provin-
cial.
Jos da Rocha Paanhos.Em vista da inorraa-
cao nada ha que deferir.
Jacintho Jos de Mello. Informe o Sr. com-
mandante superior da guarda nacional do munici-
' pi do Recife.
N. O Bieber & C. Seja o caixeiro dos snppli-
cantes dispensado do servico da guarda nacional
; at a prxima reunio do conselho de qualiflcaco,
a quem deve requerer isenco nos termos do art.
18 do decreto n. 1130 de 12 de margo de 1853.
O presidente da provincia, usando da facnldade
que Ihe coofere o |4* do acto addicional, resolve,
para boa execugio do art 57 da lei n. 596 de 10
de maio do corrente anno, que e observe o se-
grate
REGULAMENTO.
Art. Io Os proprietarios dos predios, em cuja
ra se proceder ao calgamento, contribuirlo com
aquota de 15 por cento, calculados sobre a renda
annual dos mesmos predios, com applicaco fac-
tura dos passeios respectivos, sem prejuizo do im-
posto estabelecido pela lei provincial n. 350.
Art. 2 A referida quota ser paga em duas
prestacoes iguaes, dentro de um anno, as pocas
cm que pelo consulado provincial se proceder a
cobranca do imposto da decima urbana, podendo,
todava, o proprietario entrar cora a quantia que
dever, antes de taes prazos, se assim Ihe con-
vier.
Art. 3o Dessa contribucao, porm, ficam dispen-
sados os proprietarios, cujas casas j tiverem os
passeios feitos pela forma exigida no contrato do
calcamento, ou os que flzerem ditos passeios sua
cusa, pela forma e na mesma occasio era que e
effecluar o calcamento da referida ra.
Art. 4o Para execucao do artigo antecedente de-
ver a repartico das obras publicas, annunciar
pelos jornacs, com antecedencia de trintadias,
3naes as rnas ou a ra, em que se tiver de proce-
er ao calcamenlo, fleando o direito aos proprieta-
rios de dentro desse prazo, fazerera as suas recla-
macoes e solieitarem da mesma repartico todos
os esclarecimeotos instruccoes, modelos e plantas,
segundo os quaes tenham de ser executados os
passeios, cuja obra ser sujeta inspeccao dos en-
genheiros do governo.
Art. 5a Findo o mencionado prazo, c dado co-
meco ao servigo do calcamento da ra, a reparti-
go das obras publicas directa e individualmente
intimar aos proprietarios dos predios, casas e pas-
seios que nao estiverem as condiges previstos
na primeira parte do art. 3", para que eonstruam
os ditos passeios, metida que o erapreiteiro fr
executando os trabadlos, flxando para isso o prazo
de 15 das.
Art. 6* Se no fira desse prazo, o proprietario
nao tiver feilo o passeio, ser este executado pelo
empreiteiro, por conta do governo, na frraa esti-
pulada no contrato, pagaodo-se a importancia des-
se servigo cora as prestagoes mensaes.
Art. 7 A repartiio das obras publicas, na oc-
casio em que passar o certificado ao empreiteiro,
remetiera a thesouraria provincial um nota dos
predios, cujos proprietarios tenham deixado de
executar os passeios, pela forma que tica estipula-
da, afim de que se proceda a arrecadaco da con-
tribuigo mencionada no art. I".
Art. 8a A excepgo estobelecida na primeira
parte do art. 3, nao exclue a obrigagao de seren
os passeios elevados ou rebaixados cusU dos
proprietarios, na conformidade do art. 19 tit. 7
das posturas municipaes e das instruegoes expedi-
das pela presidencia em data de 18 de setembro
do anno passado, quando mesmo se achem taes
passeios construidos, segundo as condiges estabe-
lecidas.
Art. 9 Em caso nenhum os proprietarios serao
obrigados a dar aos passeios largura maior do que
a estabelecida pelas mesmas posturas, sendo que
no caso de ser essa largura augmentada por con-
veniencia dos esgotos, ou outro qualquer motivo,
correr tal excesso por conta do governo.
Art. 10^ A conlrbuico. de que trata o art. 57
da lei n. 596 de 10 de maio, nao exime os proprie-
tarios das obrigagoes que Ihe sao impostas pelo
art. 18, tic. 7 das citadas posturas, no que toca a
conservago e reparos dos passeios.
Art. 11. Os proprietarios que quizerem ulilisar-
se da permisso que llies concede o regulamento
de 22 de dezembro de 1851, para escoarem as
aguas de seus quinlaes, devero dentro do prazo
estabelecido no art. 4", solicitar a necessaria per-
misso, para construego dos ramaes, que cominu-
niquem com os canos das ras, observando o que
dispOe o mesmo regulamento.
Art. 12. As disposiroes deste regulamento com-
prehendem na parte, que forem applicaveis, s
ras, que j se acharem ou esto sendo calcadas
peN empreiteiro do calcamento desta cidade."
Palacio do governo de Pernambuco, 27 de junho
de 18tii.Domingos de Souza Leo.
EXTERIOR.
CORRESPONDENCIAS HO 1IA
RIO RE 1KKV\JIIU'CO.
UIMHIIS.
8 de jnnho de 186!.
O paquete vapor Oneida, que nos trouxe
mala do Brasil do mez de maio, chegou a Sou-
thampton na maulia de 3 do corrente, sendo aqu
recebida poucas horas depois a correspondencia
viada.
As folhas desta capital publicaram no dia segra-
le que continuava no Rio de Janeiro urna viva cx-
citago por motivo dos suocessos em Montevideo e
Rio da Prata, parecendo existir a firmo crenga de
que o Brasil viria a intervir naquellas repblicas.
Nada disseram em quanto aos resultados da mis-
silo especial, que S. M. o Imperador mandara re-
publica oriental, se bem que houvessein anterior-
mente indicado que nao era de esperar urna sin-
cera reconciliago entre o Brasil e Moutevido por
virtude daquella missao, visto como o governo
oriental se ada sempre sem a forga sufflcienle pa-
ra sustentar seus compromissos. Ao dizer dos
jornaes inglezes, a guerra est prestes a rebeniar
entre as repblicas do Prata, c o Brasil ser forga-
do a tomar parte nessa luto I
Segundo annunciei as minhas antecedentes car-
tas, o nosso conflicto com o governo britannico se
acha em va de accommodago, e por tudo quanto
tem dito no parlamento os ministros de sua magos-
tado a rainha, se infere que este ministerio est
disposto a facilitar a prompta solugo daquella de-
savenga. O conde de Larradio tem tido varias con-
ferencias com o conde Russell acerca dessa ques-
to, e nao cessa de empregar vivos exforgos para
bem desempenhar em nome do seu governo o car-
go de mediador, de que esto encarregado. Trans-
raettindo ao duque de Loul tudo quanto ouve de
Lord Russell, habilito aquelle para entender-se cora
o nosso representante em Lisboa, que directamente
communica ao governo imperial o estado das cou-
sas em relacao presente mediago portugueza
entre o Brasil e a Gra-Bretanha. Aimprensa in-
gleza nao cessa de manifestar o seu vivo desejo de
ver promptomente restabelecidas as relagoes poli-
ticas entre dous paizes que cntretm relages cora-
merciaes de alta importancia.
Pelo mesmo paquete Oneida constou aqui que
no Recife se levantara urna forte opposigo urna
medida do governo, que tinha por tira cobrar um
imposto sobre os caixeiros estrangeiros Talvez
por menos bem informada, a opinio publica neste
paiz tem taxado de odiosa aquella medida, alm
de ser ella conducente a restringir a liberdade dos
residentes no imperio.
A boa colheita havida no Brasil inspira aqui a
conflanca da manuiengo de um cambio alto sobre
as pragas inglezas, e isto tem causado mui favora-
vel impresso. O cambio desta praca obre as
principaes do Brasil vai cotado desta vez a 25 d.
1|4 por 15000.
O banco de Inglaterra baixou a taxa do sea des-
cont a 7 0|0, havendo mesmo realisado algumas
operagoes sobre firmas de primeira ordem e sobre
consolidados a 6 OO. Nos Joint--St*>ck--Banks a
laxa lera sido de 6 0|0 e 5 OjO 1|2. O banco Oca
nesta occasio com urna reserva consideravel, e
perando demais grandes importogdes de ouro, que
Ihe devem chegar da California.
Em Liverpool o noaso algodao de Pernambuco
fica a 28 d. 1(2 por libra ; o do Maranhao a 29 d.
por libra ; o da Bahia a Ifl d. 1|1 A taxa do des-
cont, porm, no banco da Inglaterra tem contri-
buido para urna certa fluctuago nos pregos da-
quelle artigo, os quaes tem por vezes baixado com
quanto diminutamente.
Neste mercado os diversos productos do Brasi
aqui venda ficam pelos seguintes pregos : cacao
de 43 s. per cwt. a 5!) s.; caf de l qualidade de
70 s. a 80 s. per cwt.; dito de 2 qualidade de 71
s. a 74 s. per cwt ; e ordinariode 60 s. a 70 t. 6.
I d.; pao Brasil 75 s. por tonelada; a,ssucar de Per-
nambuco e da Parahyba, branco 30 s. a 33 s.; dito
branco da Bahia 30 s. a 33 s. per cwt.; mascava-
do de 25 s. 6 d. a 29 s. 6 d. per cwt.; couros seceos
i do Rio de 7 d. a 9 d. 1|2 por libra.
Os fundos do Brasil de 5 0|0 ficam a 101 1|4 ; e
os de 4 i|2 0|0 de 1858 e de 18R0 a 90.5 consoli-
dados inglezes 3 0|090 3|4 e 9t ; os fundos fran-
l cezes 3 0|0 a 66 frs. 70 c. portuguezes 3 0|0 a 48
I|4; hespanhes 3 0|0 a 53 ; italianos 5 0t0 a 66
e 67 3|4; mexicanos 3 0(0 de 42 1|2 a 43 3j4 ;
sardos 5 0|0 a 85; russos 5 0|0 88 1|2; e turcos
garantidos 4 0)0 100 t|2. O estado da incerteza
em que se acha a sorte poltica da Europa tem
contribuido para a fluctuago desses fundos.
Chegaram de diversos portos do Brasil a este
Reino-Unido os seguintes navios : de Pernambuco
The Bessia (10 de maio) a Holyhead ; da Pernam-
buco The Talismn (13) a Liverpool; da Bahia
Huglewootl (13) a Falmouth ; do Rio Grande The
Mlihe (18) a Falmouth1; do Rio Grande Barros
11 (19) a Falmouth ; de Pernambuco Vte Don (22)
a Plymouth ; e de Pernambuco Imogene (24) a Li-
verpool.
Seguiram de diversos portos da Inglaterra para
o Brasil os seguintes: de Liyerpool The John May-
hall (11) para a Bahia ; e de Liverpool The llebe of
theExe (19) para Pernambuco.
S. M. a rainha, bem como o principe e a prince-
za de Galles, contina a passar sem novidade em
sua importante sade. Parece todava existir al-
guia divergencia de opinio entre esses Ilustres
personagens por motivo das questoes lo poltica
exterior que ora se agitam, havendo a imprensa es-
palhado que S. M. a rainha tem-se inclinado com
parciafidade para o lado da Allemanha na questo
dos Ducados. Algumas folhas asseveram mesmo
que depois de regulada essa difllculdade a rainha
abdicar em favor do principe de Galles, pois nao
c-mvina aos interessespoliticos da Craa-Bretanha
que a soberana se achasse de novo era conflicto
com o seu governo em questoes da maior trans-
cendencia. No conflicto dano-allemo o paiz se
tem pronunciado em favor da Dinamarca, em
quanto a rainha tem mostrado constantemente suas
sympatbias pela Allemanha ; e nessas circunstan-
cias o gabinete de Londres tem mais ou menos en-
contrado difflculdades no cumprimento de seus de-
veres. E' por'isso que a opinio publica comega
a comprehender a necessidade du urna modifica-
gao n'um semelhante estado de cousas, a qual se-
ria por sem duvida salutar se viesse a realisar-sc
pela abdicago voluntaria daquella augusta senho-
ra. O principe de-Galles tem sabido ganhar po-
pularldade, c a sua elevago ao throno seria bem
vinda, agora que a rainha comega a alienar de si
as sympathias do seu povo pelo isolamento em que
se tem collocado depois do fallecimento do princi-
pe Alberto.
No parlamento britannico tem-sc agitado mais
; ou menos discussoes importantes, e todas acerca
da poltica exterior. Lord Palmerston, interpella-
do recentemente sobre a sorte da Polonia, disse
que o governo britannico nao induzira jamis
aquelle novo povo a tomar as armas, equecum-
prindo-lhe advogar seriamente os interesses ingle-
zes nao os comprometiera nunca por aquella cau-
sa, em favor da qual o gabinete de Londres tem
feto tudo quanto Ihe tem sido possivel fazer. Nes-
; te mesmo sentido se lera exprimido Lord Russell
na cmara dos pares ; de modo que hoje nao
t mais licito duvidar de que a Inglaterra presencia-
1 r sangue fri o final massacrc daquella nobre
nago! A revolugo lula ainda contra o colossodo
i norte, mas agora que a Russia, apreveitando-se da
bella estaco, desenvolver todos os seus recursos
i contra aqe|!es.palriutas j canrados, o movimen-
j to nacienal ter de ceder ao maior e immenso nu-1
mero, para jazer por mais longos annos nos forros;
da escravido
Foi ha pouco discutida na cmara dos comrauns
a questo do embargo posto pelo governo deste
paiz nos navios encouragados que Mr. Laird, cons-
tructor de Liverpool, cstava fazendo por conta do
I governo confederado. A questo diplomtica com
i o gabinete de Washington foi resolvida, maniendo
1 este governo o embargo que pozera saluda da-
quclles navios ; o a financeira que se suscitara
com Mr. Laird, foi terminada pela acquisico que
este governo fez daquelles ,navios, mediante urna j
somma paga aquelle constructor. Nao so fallar'
pois novamente nesse assumpto, e o ministerio 1
Palmerston-llusscll ter alcangado a vantagemde
haver contentado um governo estrangeiro interes-
sado naquella questo e a opposigo parlamentar
aqui, que se erguera furibunda pelo ataque que
descubrir nesse embargo; ataque tonto mais ag-
gravanle que elle ia offender a inviolabilidade da
dojriedade legitimados subditos da rainha.
Muito pouco tem dito o ministerio acerca da ques-
to dano-allema, prevalecendo-se para esse fim
do segredo que deve presidir s negociagoes di-
plomticas. Entretanto a imprensa se tem encarre-
gado de espalhar muitas versoes esse respeito, e
no dizer della contina a desharmonia entre a Di-
namarca e todas as outras potencias representadas
na conferencia, menos a Russia e a Suecia.
El-rei Christiano resiste ao desmembramento dos
seus estados, e parece estar disposto antes a con-
tinuar a guerra do que a sanecionar a proposta do
conde de Russell, tendende separagodo Schleswig
meridional para com o Holstein e o Lauemburgo
formar um estado separado I A Dinamarca insisti
pela acceitago do tratado de Londres como base
das negociagoes pendentes, mas foi de prompto re-
pellida pelas potencias allemas, at pela Franca e
o que mais pela Graa-Brelanha, que todas con-
cordaran! que aquella base era ioacceitavel no ac-
tual estado de cousas
Pugnando sempre pela sua independencia, fallou
em fazer aquellas concessdes para as quaes fosse
autorisado pela lligsrad,sendo todava repellido mais
urna vez, porque o fim das potencias assignaladas
advogar de perto os seus interesses, sera levar
em vista es do gabinete dinamarquez.
Nesta situagao el-rei Christiano nao desconhece
que, a maioria das potencias rennidas, prosegue
um fim traigoeiro.e para illudi-lo se Ihe figura co-
mo nico meio a continuago da guerra ; mas que
vantagem obter por esse modo, quando certo
que ser esraagado pelas torgas reunidas da Aus-
tria e Prussia f A previso pois que nos licito fa-
zer no estado actual das cousas consiste no quasi
certo desmembramento da Dinamarca, embora o
seu rei haja de continuar a desenvolver a extraor-
dinaria bravura com que tem sabido defender o
slo da patria ultrajado pelas armas estrangeiras
A Russia o a Suecia parecem advogar sincera-
mente os interesses dinamarqueses, mas se acham
em mi noria, e por isso nada podem em favor das
suas ideas. Assevera-se porm que proteslaram
pela renuncia ao tratado de Londres, tendo aquella
pnmoira potencia at por fim resalvar direitos
proprios.
A confederago germnica protege na conferen-
cia de Londres a candidatura do principe de Au-
gustemburgo ao throno dos ducados, alm da oree-
gao do Kendsburgo em fortaleta federal e da con-
venio de Kiel em porto igualmente federal. A es-
te expediente, alias anotado hoje pela Prassia, pa-
rece oppr-se a Inglaterra, qoe nao desejaria ver a
eonfedecafo con uu forte eafoadn no norte,
nem a Prussia influente nos ducados pelo facto de
manter urna guarnicao, embora mixta, em ltends-
burgo.
A Franga, concordando em principio na separa-
go dos ducados, insiste todava pela sua idea de
suffragio universal, o qual decidir da frraa de
governo que dever regar no futuro aquelle novo
estado ; e entende conciiar por este modo os inte-
resses da Dinamarca, visto como Hie d a possibi-
lidade de se fazer a escolha pelo voto universal
dos ducados.
De tudo isto resulta urna confuso immensa que
parece obstar urna reconciliago final tendente
paz; pelojque a opinio mais seguida acredita que,
expirado o armisticio a 12 do corrente, a conferen-
cia de Londres se dissolver. Alguns jornaes tem
al asseverado que o gabinete de Compeuhague j
tem j prompto um manifest para declarar ao
mundo os motivos que a obrigam a romper as ne-
gociagoes e a continuar com a guerra, preferindo
ser esraagado aquelle resultado deshonroso. En-
tretanto supponho que nao oslo perdidas de todo
asesperangas de se proseguir as negociagoes, e
at creo que na ultima reunio da conferencia se
concordou na prolongago do armisticio que devia
lindar no da 12 do corrente. O conde Russell in-
sisti fortemente por esto idea, visto como com es-
sa suspenso de hostilidades se podera melhor
achar um meio qualquer de reconciliago.
Por sua parte Jo imperador Napoleo observa os
successos polticos, havendo-se feito forte no prin-
cipio do suffragio universal que recommendou a
conferencia de Londres.
Algumas folhas Ihe attribuem o desejo de rec-
tificar as fronteiras de Franca do lado do Rheuo,
entendendo-se com a Prussiajpara esse lira, em-
bora houvesse de concordar com esta na annexa-
go dos ducados; mas este passo conduziria talvez
urna guerra europea, e nao creio que o impera-
dor Napoleo, actualmente em guerra no Mxico e
na Algeria, deseje envjlver-se de prompto em no-
vas difflculdades.
Observando os acontecmentos, o imperador da
Franga se colloca na posigo de tirar das circuns-
tancias todo o partido que possa apresentar-se ; e
quem sabe se por esta tctica nao tem aquelle so-
berano em vista levar as potencias europeas a con-
sentirem na realisago de um congresso sob sua pre-
sidencia :' Os successos viro demonstrar esto sup-
posigo, que alias est de accordo cora a proposta
que em novembro fizera esse principe para a reu-
nio de um congresso.
Na Dinamarca o espirito publico mantem-se na
maior exctago contra a Allemanha e at contra a
Inglaterra, isto que sobretudo obsto quaesquer.
concessoes por parte de el-rei Christiano. A cons-
litunte dever reunir-se em breve, mas ser im-
potente para remediar o mal, porque quaesquer
que sejam as concessoes feitas, as potencias alle-
mas nsisliro pelo desmembramento do reino-di-
namarquez.
Tal a posigo em que se acha actualmente a
Dinamarca,desamparada daSueciaj at da propria
Inglaterra I Com o p no Schleswig, pela oceupa-
go da ilha de Alsen, el-rei Christiano procura pro-
testar ainda contra a invaso daquella provincia
dos seus estados pelas tropas da Austria e da Prus-
sia. Estas potencias permanecera pelo seu lado na
Jutiandia como garanta material.
As ultimas noticias do Per, vindas pelo Atrato,
chegam a 10 de maio. Nessa data o almirante hos-
panhol se havia apoderado de 11 das ilhas Chinchas,
havendo lamben) tentado capturar a esquadra pe-
ruana, que todava pode abrigarse sob a artilheria
do porto de Calho.
O congresso reunido resolver era Lima elevar
o exercito a trinta mil homens e a esquadra a vio-
le vasos. Os ministros da Bohvip e dos Estados-
Unidos haviam protestado contra a conducta do Sr.
Salazar y Mazavredo na questo de Talagibo, que
motivara aquelle rompimentuentre o Per ealles-
panha. O representante desta potencia entender
porm que ou:ro meio Ihe nao restara para obri-
gar o goveruo de Lima a punir os criminosos que
em Talarabo haviam sacrificado as vidas de alguns
subditos de S. M. Citholica ; e por isso recorreu
aos meios coercitivos que ficam mencionados.
As noticias de Nova-York chegam a 25 do pr-
ximo passado. Depois dabatolha de Chancellorsvil-
le, Grant atacara novamente, no dia 18, ao general
Lee, sendo porm ainda repellido com perda de
rail e duzentos morios e feridos.
Beauregard com trinta mil homens manobrava
era perseguigo do general Bultler. O seu lugar-
teuente Racoon havia atacado o general Hkman, lo-
mando-lhe dez pegas e repellindo-o para os enlrra-
cheiramentos. Ao mesmo lempo a diviso do gene-
ral Ewell atacou Grant pela.rectaguarda, assenho-
reando-se de carros e bostas. Este perdeu nesse
encontr rail homens.
Na Georgia o general federal Sherman manlraha-
se porm com vantagem, havendo avangado at
Kingston a 70 militas de Chaltanooga. Jolraston,
separatista, havia-se retirado d'alli.
No congresso federal fra repellida a proposta
de Mr. Doveson, tendente ao reconhecimento do
sul pela federago.
No dia 1 de julho ter lugar om Nova-larka
apuragao para o recruiameuto geral; receiavam-se
grandes desordens.
DIARIO DE PERNAMBUCO
Recebemos pelo vapor inglez Magdalena, cartas
dos nossos correspondentes da Europa com as se-
guintes datas: llamburgo 5, Londres 8, Porto
11, e Lisboa 13 do corrente.
Em Portugal tinham sido prorogadas novamente
as cortes para 18 de junho, em vez de serem en-
cerradas a 11 como fra estatuido, e ainda se pen-
sava na possibildade de urna nova prorogago.
Fra approvada a lei da reforma do exercito na
cmara electiva, e presuma-se que o seria tam
bem na cmara hereditaria. O caminho de ferro at
a cidade do Porto devia ser posto explorago pu-
blica no dia 19, sem inaugurago, a qual se reser-
vava para quando se achasse terminada a ponte
sobre o Douro. Salamanca andava inspeccionando
os trabalhos feilos. A estogo principal em Lis-
boa, no sitio do amigo quartel do caes dos Solda-
dos, estova muito adianiada e com grande magni-
ficencia
No vos disturbios em Colmbra tinham outr.a vez
posto em alarma as familias. Sendo rigorosos os
actos de direito, una dupla tentativa criminosa
procurara abrazar as moradas de dous lentes exa-
minadores, Saccadura e Dias Ferroira. A tropa
tomara urna attitude um tanto enrgica mas inde-
cisa ; os estudantes apupavam os soldados, e es-
carnecan! da autoridade militar. O governo man-
dara continuar os actos, que em claustro pleno fra
resolvido, por grande maioria, suspender. O cor-
po docente rcagio ordem do governo o continua-
va a universidade fechada. Attribuiam alguns em
Portugal estes tactos brandara com que fram
amnistiados os estudantes pelas tropelas que lti-
mamente haviam feilo quando Ihes foi recusado o
pordo d'acto que solhcilavam. O resto do paiz
eslava em socego.
O governo tinha sido autorisado a reformar os
consulados portuguezes no Brasil. Autorisado f-
ra tambem a reformar o ministerio das obras pu-
blicas, reorganisando o sen pessoal.
O subido e exagerado prego dos alaguis de
casas em Lisboa determinara alguns. capitalistas a
formar nma poderosa companhia para a construc
cao de predios baratos, elegantes e salubres eom o
fundo de pil contos de ris. A idea era aera rece*
bida.
Fra approvado e conferenciado o contrato para
a concesso do caminho de ferro de sueste com
o ramal de Selubal.
lain ser publicados os trabalho* da commissao
parlamentar noraeada para estudar a reforma da
legislago sobre os vinhos do Douro.
O projecto de lei dos raptos parlamentares, isto
e, que vedara qualquer deputado acceitar mer-
cs do governo, fra regeitodo na cmara elecllva
por 17 votos contra 85.
A'companhia Unido Mercantil fora retirada aap-
provago dos estatutos. Eslava em liquidago.
Continuava em Cabo Verde a crise alimenticia.
Muitas e raui acertadas providencias se davam na
provincia para atenuar os horrores do flagello, sem
contar com os multiplicados donativos da metrpo-
le para all enviados.
Na sesso da conferencia de Londres de 2 de
junho nao adiantou um passo a solugo da questo
dao-germnica; pro|ioz-se a prolongago do ar-
misticio, mas os plenipotenciarios das potencias em-
pentada* na lula, nada esolveram sem terem re-
cetado novas iustrueges dos seus respectivos go-
vernus; mas na sesso de 6 decidio-se que se pro-
longasse o armisticio por mais 15 dias. Os mais
resistentes foram os representantes dinamarquezes,
que s adinitrain esta prolongago do armisticio,
cora a condigo de que seria a ultima, e que at a
sua concluso se devia concordar urna base para a
celebrago da paz. As potencias allemas regeitam
como iusufflciente a proposta dos neutro*, para
que o Holstein e a parte meridional do Schleswig,
fossem abandonados pela Dinamarca, e que Kiel e
Rendsburgo fossem neutralisados.
Lord John Russell apresentou a proposigo de
comproraisso nos seguintes termos: diviso do
schleswig em duas parles, incerporacao da parle
septentrional e dinamarqueza Dinamarca; reu-
nio da parte meridional e allema no Holstein, e
appello aos habitantes de Holstein modificado para
escolha do soberano do novo estado. Parece que o
gabinete das Tulherias apoia a separaco comple-
to da Dinamarca da parte allema do Schleswig e
do ducado de Holstein.sb o governo do principe de
Auguslemburgo ; o novo estado seria aggregado
confederago e o Eider (icaria sendo a frontera en-
tre a Dinamarca e o novo oslado allemo.
A Dinamarca, porm, nao se inostra muito dis-
posla s combinages espoliadoras das potencias
europeas. O governo dinamarquez redigio um me-
morndum, dirigido a todas as potencias, protes-
tando contra a conferencia de Londres, por se afas-
tar do tratado de 1852.
A ultima conferencia de Londres foi tumultuosa,
e os suus resultados menos satisfactorios do que os
da anterior. Os representantes allemes declara-
ran) que a guerra recomegaria do dia 26, se as
fronteiras nao estivessem j tixadas, ou se o armis-
ticio se nao tivesse prolongado por dous mezes.
Explca-se a mudanga repentina na poltica ex-
terna da Inglaterra, por ter a rainha Victoria an-
nunciado o proposito de abdicar depois da solugo
da questo dano-gerraanica; rendendo o derradei-
ro tributo de horaenagem memoria do principe
Alberto; lord Palmerston e o conde Russul, avista
deste proposito, viram que a sua carreira poltica
se acha terminada, mas antes de entregar o poder
aos representantesfdo novo monareba, desejam ar-
ranjar a principal pendencia contento da rainha.
A imprensa ingleza attribe abertamente rai-
nha Victoria a impassibilidade do gobinete inglez
em pro-enea dos insultos e vexaraes dos allemes ;
as folhas mais moderadas ceusuram o chefe do es-
tado cora reverencia, mas com firmeza por sacri-
ficar s suas sympalhias pessoacs e poltica tradi-
cional os mais charos interesses da Gra-Breta-
nha. Na ultima recepgo do palacio Buckioghara
ostentava a rainha urna gran-cruz prussiana, pro-
duzindo disciplicentes reparos. Segundo o estylo
da corte ingleza, o soberano nao costuraa por essas
condecorages seno quaudo se acha presente al-
gum prineipe estrangeiro, ao qual deve esse lesle-
raunho de deferencia.
As potencias neutras esforgam-se por disligar a
Dinamarca do onus da contribulgo de guerra. A
Dinamarca nao deve ser sujeita ao sacrificio de
enormes indemnisages, sendo despojada de im-
prtame extenso de'territorio. Parece que a Prus-
sia propende para ceder neste ponte, comtooto que
e principe de Auguslemburgo Ihe entregue o porto
de Kiel para deposito, arsenal e estoleiros de cons-
truego naval; parece porem que o conde de Bis-
marek, depois de ouvir o principe de Auguslem-
burgo, esfriou muilo no seu zelo pelo pretendente ;
onde esperara encontrar deferencia e docilidade,
achou, segundo se diz, una negativa redonda a en-
trar em compromissos que limitem a soberana a
que aspira e a adraillir a suzerania do rei Gui-
Itierine.
As duas potencias allemas esto de acardo para
sustentar a candidatura do principe de Auguslem-
burgo; os dous gabinetes julgam o arbitrio favo-
ravel nesta opportuoidade para conciliar a boa von-
lad dos estados secundarios da Allemanha e re.-
conciliar-se com a dieta de Francfort. O conde de
Appony acaba de receber instruegoes nesse sentido,
para proceder de acord com o representante prus-
siano, conde de Bernstorlf.
O conde de Molihe, embaixador da Dinamarca
em Londres, declarou lord John Russell que o
seu governo havia chegado ao limite das conces-
soes, aceitando o Eider para fronleira da monar-
chia, masque exigia para annuir prolongago do
armisticio que os alliados evacuassem a Jutiandia e
o Schleswig. A Austria e a Prussia annuiram
prolongago das treguas sem condiges.
Consta que as bateras prussiauas de Frederi-
ckstad atiraram sobre os navios suecos, mas naolhe
acertaram. Esta noticia communicada telegraphi-
camente sem mais pormenores parece indicar que
a Suecia, preparando-se para auxiliar a Dinamar-
ca, foi de encontr s leis do armisticio.
Parece que a Austria vendo as compensagoes
que deve receber a Prussia, com o novo ducado de
Schleswig-Holstein, cora a sua fortaleza de Rends-
burgo e os portos militares de Kiel o List; vendo
que o canal do Bltico ora um porto avangado da-
quella potencia, collocado junto ao ocano e a em-
bocadura dos grandes rios da Allemanha; a Aus-
tria vendo que a Dinamarca nao podo pagar in-
demnisages de guerra, procura pagarse das
despezas feitas com as possesses ultramarinas
da Dinamarca, cedendo-se ilha de S. Thomaz
como compensago de grande valia. As gran-
des potencias martimas tem porm bas ra-
ides para deixar essa ilha, que se acha na bifnr-
cago das grandes vias coramerciaes, entre as
mos de um pequeo estado, que alheio s suas
rivalidades se poder manter neutral em meio do
conflicto qnolidiano dos interesses europeos.
O Monitor prussiano, de 23 de maio, declara que
se proceder um inquerito offloial a respeito das
exaeges das tropas prussianas na Jutiandia, de-
pois da celebrago do armisticio, o diz que sao fal-
sas as asserges dos jornaes inglezes e francezes %
tal respeito ; pois que os alliados observam a risca,
as condiges do armisticio ; que o commercio, as
transaeges e a marcha da adminislrago deixaiam
de ser embaragados ; que se nao exigiram novas
contribuigdes ; que os manlimeotos e mercadorias,
anteriormente confiscados, se cooservam em depo-
sito e nao sao vendidos ; que o sustento das tropas
se real isa por meio de fornecedores prussianos, e
que se estabelecera urna linha de demareago de
accordo cora o general dinamarquez de Gerloch.
O commandante em chefe di exercito alliado,
obstara tudo que podesse prejydicar o exercito ;
mas que as autoridades dinamarquezas haviam
tentado alguns actos contra, os ioleresses militares
dos alliados, como a leva de recrutas e a cobran-
ga de direitos da alfa^ga ;, mas q

Diarlo 4e Peraaaibiie* Qnluta Telra 30 Te dtanho de 18C4.

sempre tem resistido eom. firmeza illicita inge- necessara ama dissoluco e que o roto do raz fs'
reacia dtnmarqoexa ; mas nao so alTisi.mdo um s se consultarlo.
monieiito da letra da conveuco celebrada 12 d O ministerio aeeitou, e apresentou-se as cmaras
mato. para que apreciassem estes fados. Os debates pro-
O rei /la Prussia, depois da inspeceo das tropas, longaram-se e acaloraram-se e no dia 2, depois de
deu no dia 27 de maio um banquete" official no pa- urna acalorada controversia entre Mr. Hymans da
a que assistiram os dous generaes, condo de esquerda e Mr. Dumorticr da direita, que IDler-
rompeu o adversaj-io em phra*es descomedidas,
foi chamado a ordem pelo presidente.
A direita fez qnestao poltica do assumpto e pe-
dio volago sobre o chamamento ordem, que foi
approvado por 53 votos contra 49.
Em seguida foram dissolvidas as cmaras. O
partido clerical faz todos os esforcos para vencer as
eleiroes, mas espera-se que triumphem os amigos
da situacao.
As ultimas eleigoes dos conselbos proviociaes in-
dicam bem qual a tendencia da opiniao publica.
A cmara dos communs adoptou a mogao de
Mr. I.indsay, que perguuta por que que em Por-
tugal, Hespanha e Franca receben) direitos dilTe-
renciacs sobre os navios inglezes; e 6 provavel que
d autorisacao ao governo de negociar tratados com
rangel e principe Frederico Carlos. O rei brin-
den o exorcilo e dous generaes presentes. O ma-
nchal Wraogel agradeceu a el-rei em nome do
exercito e fez um brinde a sua niagestade.
Encerraram-se no dia 28 de maio as cama-
ras fraticezas. A sessao que flndou durou seis me-
zes ; o inais longo prato de discussoes desde a
inauguiacao do segundo imperio francez. sena-
do devia discutir um parecer de Mr. Dumas, so-
bre o requerimento que existia para que fosse pro-
hibida a aprecag.o dos debates legislativos. O go-
verno emenden que. nas actuaos circumstancias,
seria inopporluno semellianle debate, quando o
paiz se a. ha tranquillo, o poder forte e respeitado,
e quando a poltica moderada e conciliadora ten
realisado tantos progressos.
Esperava-se no ultimo dia da sessao do corpo povernos os daquelles paizes para acabar com esse
legislativo por um discurso de Mr. Tliiers, em que tributo.
O principe e a princeza de Galles assistiram ao
casamento do conde de Paris.
A commissao encarregada do exame das ques-
toes acerca do canal de Sue, ja ouvio Nubas-Pa-
ch, representante do vice-rci do Egypto, e Mr.
Lessens por parte dacnmpanhia, ejredigio opare-
juizo
o listincto orador se excedera em cloquencia e
atlicismo. Mr. Thiers s cntrou na sala quando
se lr.ha ultimado a ultima volago sobre o orca-
mci'.lo, e quando j llie nao era permiltido osar
da palavra, cun grande desapontamento do his-
toriador do consulado e 0 imperio, e de Mr.
Houher ministro de estado, que sabendo que o tea cer que deve ser brevemente submettide ao
adversario fallara sobre crditos supplemeniares, do arbitro, o imperador dos Francezes.
e sobre as disposices addicionaes, tinha prepara-' O santo padre Pi IX j est restabelecido, c
do as suas notas, conlava sabir victorioso da lu- comecou as recepcoes. Assistio procisso do Cor-
ta ; com grande desapontamento de todos que con- po de Deus, sentado n'uma poltrona, collocada na
tavam gosar dos rasgos de eloquencia dos dous il- janella principal do vaticano, amparado pelos seus
lustres oradores. familiares.
Oduquedtl Morny, presidente do senado jran> O encarregado dos negocios da Russia em Roma
cez, pronunciuu o segante discurso por oecasio
do eiicerramtuto da sessao :
Senhored, receo naverdade, dirigindo-vos um
discurso, accrescentar alguns minutos mais esta
dilatada e laboriosa sessao, mais laboriosa anda
do que apparece aos olhos do publico, que s co-
nhece as vossas discussoes, e ignora os vossos ira-
liallios nas seccoes e commisses. Entretanto, nao
posso largar a cadeira sem dirigir-vos algumas pa-
lavras de agradecimento ; sem vos dizer, quo gra-
tas (oram para o meu roraro tanta deferencia,
tanta bondade ; e, se permltis que accrescente,
tanta amisade, como sempre encontrei da vossa
parle, nas relaces com a presidencia. A' todos
sem distinec alguma, m-j toinprazo em manifes-
tar o meu agradecimento. (Viva adhesiio.)
Sempre entend, que a inhiba missao era Je
conciliario e de teinperanca ; s com estas condi-
goes a julgo til, porque ein ininha opiniao, a dig-|
nidade e a autoridade de um corpo poltico, s p-'
corte-
foi chamado, em consequencia das phrases pouco
lsongeiras de Po IX cm relacao poltica mosco-
vita-.
O general Garibaldi.que actualmente se acha
em Caprera, foi eleitograo-mestredamaconaria ita-
liana.
Em Venen houveram manifeslaces por occa-
sio da festa do estatuto.
O ministro da fazenda Mr. Minghetl toma .todas
as providencias para por em hasta publica os bens
nacionaes, e com o seu producto cobrir o dficit do
ultimo oreamenlo. Annunca-se tamben) um cm-
prestimo de duzentos milhoes.
Mallogrnram-se as negociacoes com o barao de
Rolhschild |iara a venda dos caminhos de ferro ita-
lianos.
O governo russo v cada vez com |iores
olhos os actos do principe Couza da Moldo-Vala-
chia, e procura attrahir a Austria urna demons-
trarlo commum contra esse potentado.
A votaeao dos principados foi favoravel ao golpe
Tetuo, e por dar guarida ao cliefe da insurreicao
em Argel; exige a entrega dos assassinos.' do che-
fe dos revoltosos, a demisj>o do governador de Te-
tuo, e quinhenlos mil francos de indemnsaco; o
governo francez conceden quarenta dias para res-
ponder ; e se, flnalisadoesse praso, nao houvesse res-
posta seram bloqueados os portos de Marrocos.
O:
Dcvemos ao obsequio dos Srs.' Marques, Barros
A C. o reccbimenio do Jornal do Commercw do
Rio de 9,10 e 11 do cor rente, trazidos pelo palha-
boto Bello, entrado ante-hontem da Rahia. Delle
. Foram nomeados I Magdalena e da Tacaruna ; e de novo deve ir
Juiz de direito da comarca de Tacarat, em Per- praca.com o abate da quinta parte das respectivas
nambuco, o bacharel Viriato Aurelio da Canha Iti^eA* o pedagio daquellas do Caxang, Ja-
j
Viriato
Gouva.
Dito da do Serid, no Ro-Grande
do Norte, o
extrahimos as noticias que seguem :
Minas Geraes.No dia 30 do passado foi instal- bacharel Joo Florentino Meira do Vasconcellos:
lada aassembla provincial, cuja mesa ficon assim Juiz municipal ede orphos de Santa Maria da
assassinos foram presos em Tetuo, annun- organisada : presidente Dr. H. Alvares de Abreu e Bocea do Monte, no Ro-Grande do Sul, o bacharel
ciando os ltimos despachos telegraphicos que o ] Silva, 1. secretario Dr. C. Thomaz de Magalhes Vicente Cyrillo Marinho;
governo marroquino dra completa satisfago Gomes, Io dito Antonio Nunes Galvao. Dito de ltaeteopiuga,Tatuhy e Capao Bonito de
Franca. Rio de Janeiro. -O senadoapprovou.em sua ses- Paranapanema, em S. Paulo, o bacharel Jos Elias! mb^- -'^*?-"?? m^-"*^
da sao de 8, em discussao, as resolucoes as preten- Ayres do Araaral: SEZlTZL'ZESSi
A insurreicao e Tunes chega s portas i
capital, reclamando os rabes a restituicao dos c5es de D. Carlota Jane Brown e D. Amalia Reges
impostos pagos; a revolta tem assumido tal carac- Moniz Brrelo ; e oceupou-so depois com a 2* dis-
ter que os enropeus e os israelitas tem fgido pre- cuss^e do voto de gracas, orando os Srs. Zacha-
cipitadamente do paiz. ras, baro de S. Lourence e Souza Ramos.
Os Beduinos pedem a abolijao da regencia, re-1 Na de 9 coutinuou a 2." discussao adiada do
nhecendo a soberana da Porta. Osjpiratastunesinos voto de gracas, tomando sella parte os Srs. Candt-
atacaram alguns navios de commercio. do Borges, Dias de Carvalho e visconde de Jequi-
A Franca parece estar resolvida a Intervr fa- tinhonha.
vor do bey; em algumas cidades da regencia tem- Na de H approvou, em i.' discussao, depois
se dado manifeslaces assusladoras.
O governo oltomano, depois de muito hesitar, re-
solveu nao intervir na questo de Tunes.
Noticias de Madagascar de 3 do passado da-
vam como certa a desistencia de Radam; estando
o paiz governado pelo primeiro ministro, que tinha
avaliacoes
boato, Carvahos e Tapcur, e da estrada do
Giqui.
Acha-se em exercicio da promotora publica
desta capital desde 23 docorrente o Sr. Dr. Fran-
cisco de Carvalho Soares Brando, por impedi-
mento do respectivo funcckmario
Em quanlo nao fr arrematado o_ pedagio de
Arenles pootes e barreiras, a que nao apparecc-
ram licitantes, deve a respectiva imposicao ser co-
brada por pracas da confianca do corpo de poli-
cial.
- 0 vapor Jaijwtribe, de propriedade da Com-
Dito de Tamandu, em Minas-Geraes, o bacharel
Joaquim Leite Ferreira de Mello;
infamara n. 42 da guarda nacional do Maranho,
Manoel Joo Viei ra
Dito do batalho n. 23 do S. Paulo, Renedicto
Ferreira Coelho;
Major commandante do 2o esquadro de cavalla-
ria do Espirito Santo, ureo Triplineo Monjardim
de o i obter-se |ior mcio da moderacao e da t
zia nos debales, por uieio do respeito reciproco do! de estado do principe Couza. D'enlre 823,503 elei-
todos os seus raenibros, respeito que deve applicar- tores, 713,000 foram a favor, 57,000 contrarios e
se assembla inleira. (Muito bem.) 53,*3 deixaram de comparecer por ausentes, en-
O nosso paiz leni-se visto lio afectado pelas i fermos ou impedidos.
revuluyes, que cada urna dellas ha deixado urna '
serie d recordaces de pessoas, de principios op-
postos. (Jue.ni podiir por conseguinle ter direito
S
por recriminar e laucar em rosto a qualqucr dos
collegas, o haver fallado e pensado n'outra poca
para iheor dilfereiite daquelle peloi|ual|falla e pen-
sa na acluaJidade 1 ijm-in pode ser juiz das ra-
ides, que o interesse publico, e as ligos da expe-
riencia, inipem a consciencia ? (Muito bem.)
< Tambem eu conheci esse passado; e sempre
procurei aprecia-lo com justica e lealdade. Pude
ver comovariam as opiuies roma m>lhor f do
mundo, segundo as circumstancias e a situacao
em que se vive. Partido significa nircialidade. A
este respeito lembrarci que na quadra em que en-
tivi na vida poltica, exista um grande guerreiro,
um militar Ilustre, o inarechal Soult.
Quando nao eslava no poder todos eram ac-
cordes em reconhecer que ha va triumpliado na
batalla de Toulouse. Quando, porem, era minis-
tro, do faltava quem dissesse, que bavia sido ven-
cido. Jlilariiluile ijeral.)
Quando nadan as pontos de vista, o aspecto
das cousas muda igualmente. Sejamos, (K>is, sem-
pre deferentes e benvolos unpara com os outros.
Alt I senhores quanlo serviramos os interesses
do paiz, se pozessemos em commum todas as nos-
sas loicas sem desconlianca, sem auimosidade I
(Vivo tipptauso.) Quanlo aproveitariamos cansa
da libeidade, se a lornassemos attralunle pela mo-
derado e ei|uidade ao expressar nossas opnioes !
{Appr9*fo)
Para es.-e lim, em que se acham confundidos
os interesses do imperador, os do paiz e os nos-
sos, gravitarao conslaoteiiienli.' os m.'iis esforcos
emqiianlo tiver a honra de oceupar esta cadeira^
(Apiilanao prolongado.)
O imperador foi no dia (i de junho paraFontai-
nebleau ; o imperador cornaca a sentir-se achacaT
do com as suas amigas molestias e tenconair pas-
sar algum tempo em Vichy,contra a opinio de al-
guns mdicos que recciam o aggravo na sua de-
Llidade pelo oso daquellas aguas ; os mdicos
prescreveram um novo tratamento, (iie ficou pro-
duzindo algum alivio ao conde Baccioch, official
mor da casa imperi.il. que soffre a mesma moles-
tia, amoitecineBlo da esnoha dorsal.
(i imperador visitara depois o acampamento de
Chalons, e s para o lim do vero ir 1er com a
imperatriz Eugenia Biarritz.
Cootioa a fallarse em modfica^'o ministerial,
dizendo-se que a alleraco teta lugar em Fontai-
nebleau, onde se renovar a luta entre os dous
bandos que pretenden seguir a exclusiva influen-
cia poltica. Tenan por um lado dar situacao
um impulso reaccionario, o duque de Persigo?, o
conde Walewski e Mr. Drowxn deLhuys ; por ou-
tro lado pugnam pela nianutencao do actual sysle-
ma com necessarias concesses" a opiniao publica,
Rouher, Fould, Thouvenel e o marquez de Laval-
lette.
Acha-se na Suissa o principe Napolcao, dcsgfls-
toso, segundo se diz, com o aspecto dos negocios,
c com pouca probabUidade de fazer vinparas suas
ideas. Afrman os amigos do principe que nao
est rcsolvido a voltal- Franca por emquanto, e
que nao entrev ensejo de triufnpho para urna po-
litica liberal e que se deseja e.-quivar a responsa-
bilidade do que possa acontecer.
O imperador e a imperatriz vstaram no da 29
de maio a exposiclo agrcola de Evreux, acompa-
nhados |>elo ministro das obras publicas Mr.Betite,
e por Mr. Fresny e general Fleury. Nao houve
discurso poltico como se esperava, limitndose o
imperador a fazer benvolas observables aos ex-
positores, informndose da procedencia e qualida-
des dos melhores productos.
Diz-se que o imperador da Russia tenciona visi-
tar o imperador em Pars depois da sua excursao
a Berlin, mas parece que este boato infundado e
nascido dos bons desejos da colonia russa em Pa-
ris ; pois o imperador da Russia deve achar-se no
principio de julho em S. Petcrsborgo, para assistir
ama grande revista das tropas em Krausnre Selo.
O csar c a csarina partiram a 6 do corrente para
a Allemanha, sendo acompanhados pelo marechal
conde Schouvaloff, ajudaote de campo conde Adel-
berg, ajudante de campo Rileyelf dor Kanek, e
conselheiro de estado Kisilina.
No dia 9 foi executado o envenenador de la l'om-
merais; o imperador recusou o seu perdao. O pro-
cesso atlrahio as attenges publicas, e chamou so-
bre o inslito especulador a uidignacao de todos.
Todas as instituicoes boas tem os seus contras; e
este o maor da dos seguros mutuos de vidas.
Reabriram-se as cmaras belgas, visto ter o
ministerio retirado a sua demissao no da 31 de
maio. O ministerio linba pedido a sua demissao a
2 de marco, continuando apenas com o expediente
at a formacao de novo gabinete. O rei Leopoldo
raandou chamar varios membros da opposicao que
por duas x-czes recusaran) o cargo de orgaoisar
novo gabinete,masque finalmente organisaram um
progranima.
As propostas de Mr. Techamps nao foram acei-
'as pelo rei que a 2 de maio propoz ao aotigo mi-
nisterio continuar frenle da administracao pu-
blica; osjorBaes da opposicao declaravamqueo pro-
gramma de Mr. Dechamps foi repellido na gonera-
lidade e que o rei propenda para a formacao de
um gabinete extra-parlamentar.
Ei-rei declaran aos amigos ministros que nao
pensara em tal formacao, e combinou com clles
em ter novas entrevistas com os ehefes da opposi-
cao para se chegar nm accordo, modilcando-se o
programma. Sna magestade nao podia admittir
qae fosse opportuna s necessidades do paiz,
oa s exigencias da opiniao publica urna reforma
eleitoral de que se nao fizera menguo mesmo em
1848; mas os autores do programma modificando a
redaecio do artigo em qnestao nfw prescindirn) do
principio n'elle consignado, verincando-se entao
urna disidencia definitiva com o chefe do estado.
Sua magestade, depois de examinar s contingen-
cias de constituir um gabinete extra-parlamentar,
mandou chamar o ministro dos negocios estrangei-
ros, e renovon o convite de continuar em suas func-
edes com os seus ccllegas.
DefJnis de quatro mezes completos de crise mi-
nisterial, tendo o gabinete mu pequea maioria
nas cmaras e tendo obrigaco de sustentar o pro-
gramma que apresenlra s earoaras, tornava-se
O resultado do voto foi apresentado solemne-
mente ao principe Couza, que no da 4parti para
Coastantinopla acompanhado de numeroso squito.
O golpe-de estado nes principados, alterando as
condgoes polticas da Moldo-Valachia, estableci-
das no eongresso de Pars de 1855, tem causado
vasta sensaco na Europa, provocando a animad-
versao da Russia. A all lude desta potencia sem-
pre inimga do progresso e da consolidacao da or-
dem no territorio tantas vezes oceupado pelos seus
exercitos; a opposicao dos clero e dos boyardos, de-
nuncian) una tendencia verdaderamente pa-
tritica nos actos d'aquelle soberano, emuora lance
nao de restrieges e de faculdades discncionarlas.
Quando os Russos em 1829 atravessaram Pruth,
para fazer guerra Turqua, acantonaram-se na
Moldo-Valachia ; o general Kipoloff arvorado em
presidente plenipotenciario dos divans de Jass\ e
de Buckharest abri nesta cdade urna conferencia
de delegados dos differentes distrctosquesob o seu
influxo redgiram a caria ou regulamenio erganco
de 1830 que dividi emtresclassesos colonos roma-
nos ; a primeira dos que possuiam quatro animaes
de lavoura bois ou cavallos; a segunda dos que t-
nham don>; a terceira dos que apenas eram donos
de orarem os Srs. Jobim e Mafra, o parecer da de Andradc e Almeida
mesa dispensando o servigo ao correio Jos Fran- Dito ajudante de ordens do eomiaaodo superior
cisco Barbosa, emendado para ser com todos os de Itapecur-Mirnn, no Maranho, o capito Ray-
vencimentos. Passando discussao do voto de mundo Alves de Abreu ;
gracas. orou o Sr. D. Manoel, e ficou adiada. Capito quartel-meslre do mesmo, o tenente
A cmara dos deputados ouvio, no dia 9, ao Francisco Jos de souza Garret;
adoptado medidas violentas; o novo estiva em nm Sr. Carvalho Res sobre o projecto abrindo livre Secretario geral do commando superior de Len-
lal estado de excitago que se esperava todo o navegagao o rio Amazonas, o qual concluio offere- ces, na Babia, o tenente Gulhertne Nerville de
momento urna revolta. cendo a seguinte emenda : Irlanda Passos;
Na cdade de Matamouros liouvc um comba- Art. i. O governo providenciar para que no Cirurgio-mr do mesmo, o Dr. Joao Borges
te renhidd entre mexicanos e fraucezes, sendo termo mais breve possivel seja franqueada a na- Ferraz ;
grande o numero de mortos e ferdos. x'egago dos ros Amazonas e Negro, nao s s Major commandante da secgo de reserva n. 9,
Travou-se a luta entre as forgas principaes embarcagoes peruanas e venezuelanas,nos termos, do Maranho, o alferes Aureliano Jos Mondes;
dos estados do norte c os do sul na America. Es- da convengao fluvial de 22 de outubro de 1856 e I Vice-presdentes de provincias :
perava-se ha muito que o novo general em chefe tratado de limites e navegagao fluvial de 5 de maio { Dr. Jos Coelho da Gama Abreu, 4o do Para; Dr.
das tropas federaes Graat tentasse um golpe dec- de 1839, como quaesquer ontras embarcagoes Loiz Gonzaga de Rrito Guerra, coronel Manoel
sivo contra o ioimgo. Meditava expellir o general mercantes estrangeiras, que tendo dado entrada Martins Mariz e padre l'arlholomeu da Rocha Fa-
Lee das nosicoes junto ao Rapidao, e de accordo regular por inteiroou por franqua no porto e al-' gandes, Io, 3o e 8* do Rio Grande do Norte,; Drs.
com Brunside e Butler persegui-lo at Rchmond, fandega da cdade de Belm, se destinaren) aos. Joao de Azevedo < arneiro Mata e Antonio Fraucis-
em quanto os dous generaes convergiran) al a porlos fluviaes habilitados do imperio ou das re-1 ce de Almeida Barbosa e baro da Parahyba, 2U,
capital dos Estados do Sul; o general Grant um publicas do Per e Venezuela, com mercaduras do, 4o e 6o do Rio de Janeiro; Dr. Romualdo de Souza
mancebo activo, indmito, tenaz depois dos rev- seu carregamento, ou que na al fandega de Belm
zes; reflectido e prudente depois das vantagens; tveFem recebido com despacho de transito, bal-
tem 36 annos. Loe' descendente de Washington, deagao ou reexportagao, ou em lastro para rece-
ten) 36 annos; homem prudente, maito activo c berem carga no porto do seu destino.
enrgico e considerado como um dos primeiros; Art. 2." As referidas embarcagoes de torna-
generaes americanos. viagem, bem como as nacionaes, quando proceden-
No dia 3 de maio o exercito do Potomac, sob o tes de portos fluviaes daquellas repblicas ou do
commando do general Grant, marchou sobre o ini- imperio, embora se destinem sabida do ocano
migo, no dia seguinte passou- o exercito o Rapidan para portos estrangeiros, nao podero deixar de
sem encontrar resistencia alguma; a vanguarda fazer escala pelosseguintes portos : de Tabatinga,
do exercito de Lee havia desapparecido. Na larde Mnaos e Belm, as procedentes do Per; do Cu
do dia 10 chegou a New-York a noticia de que cyn, Manos e Belm, as procedentes de Venezuela,
Grant dra duas grandes batalhas a 5 e a 6 em ou Manos e Belm, as procedentes de Tabatinga e
Wilderness. O governo federal declarou que o de Belm, as procedentes de Manos, guardadas as
resoltado geral fra vantajoso para a repblica, disposigoes dos arts. 102 e 405 do regularaento das
apezar de ter sido consideravel o numero de pri- alfandegas.
sionciros extraviados; sendo prisioneiro quasi to- i Art. 3.0 O governo fica autorsado a applicar
do o 2* regiment da Pensylvania e ter sido mor- e eslender as disposigoes dos art?. 1" e 2 aos do-
to o general federal Wadsworth. mais affluentes do Amazonas, medida e de con-
Na batalhadodiaS, o corpo de Segdwck forma- formdade com os tratados e convengesque forem
va direita dos federaes, o de Hancock es -1 celebrados com os outros respectivos estados ri-
querda, e o de Warren no centro. Os separatistas beirinhos.Fu6io A. de C. lien.
em tres columnas sob o commando de Hill, Long- j Approvou em seguida em 3.' discussao o pro-
street,e Ewell fizeram vigorosa resistencia,duran- jecto filando a dotagao de SS. AA. II., prejudican-
do o combate al noite, e ficando prisioneiras do assim a emenda do Sr. Marlnho Campos.
Em ultimo lugar ouvio os Srs. Manoel Joaquim,
Martinho Campos, Costa Pinto, Carneiro de Cam-
pos, Nery e F. Octaviano sobre as emendas do
senado proposta de fixagao de forgas de trra
no exercicio de 186\65, que ficou adiada.
No dia 10 ouvio ao Sr. Franco de Almeida
sobre a livre navegagao do rio Amazonas, ficande
duas brigadas do norte, com os generaes Seymour
e Schaler. No dia 6 recomegou, sendo repellido
o chefe federal Hanc'ok antes do meio dia ; os
confederados reganharam o terreno perdido na
vospera, sendo posto em desorden) o corpo de Seg-
xvck; o qual apoiado pela reserva s ordens do
Burnsid tornou a entrar em linba ; os separatis-
tas ganharam tanto terreno que a direita federal j adiada a materia : approvou as emendas do sena-
ficou owui cortada do grosso do seu exercito. De do proposta de fixagao de forgas de Ierra; e oc-
noite o general Grant fez passar o sexto corpo da
direita para a extrema esquerda e fortilcou as li-
nhas. Nessa mesma noite o general Lee coinegou
o seu movimento em retirada. Houve escaramugas
no dia seguinte entre os dous exercitos, que fize-
ram grandes manobras De tarde todo o exercito
separatista retirava na melhor ordem, para ir oceu-
par outra linhade defeza.a deSpottsylvauia-Court-
housc. Nestes dous dias a perda dos federaes che-
cupou-se com a discussao do orgamento na parle
relativa despezado ministerio da guerra, em a
qual tomaram parte os Srs. C. Madureira e Car-
neiro de Campos, sendo-lhe-offerecidaa seguinte
emenda :
' Ao % 14, diga-se 400:0005000 Martinho.
Campos.
Na sessao de 10 ainda ouvio ao Sr. Martinho
Campos sobre a livre navegagao do rio Amazonas,
cuja discussao ficou adiada ; approvou, depois de
gou 12 mil homens entre mortos e feridos.
Os despachos de 9, dirigidos ao governo pelo orar o Sr. Martinho Campos, o orgamento na par-
general Grant, dizem que desde o da 6 tem havi- ie relativa despeza do ministerio da guerra ;
do escaramugas, mas de pouca jmportancia, sendo dem, em segunda discussao, sem debate, o pro
de um ; cada urna destas classes recebeu em uso- j morto o genera^Sedgw^ck, e ficando feridos os j jecto concedendo augmento na verbasubsidio
fructo dez.sete ou tres ca ras
de pagar ao legitimo proi
dias de trabalho annual aos
lares ; e o rilzimo dos productos que colhessem nas j o meio dia al a noite. Os federaes prolongavam-se | ministerio da fazenda, tomando nella parte os Srs.
pela margem do nordeste do rio P ; os confede- Junqueira, Ribeiro da Luz e ministro da faze
rados oceupavam a outra margem e a povoago de: sendo lirias as seguintes emenda
i i la.vro kuvu va jv- *< ~ r < <* .- wr .* (. n, x, .-.....--- .-. .---------- jwav < vui.'.uciiuij ul; ttlclll'J lia iuiun-uuiuu
ras.deIerra ou comencargo' generaes Gelty, Talbop, Morries, Ranson e Baxter, dos membros do corpo legislativo, publicaco dos
iprietario com trinta e seis |. No'dia 10 houve urna sanguinolenta batalhaj debates, impresso de actas etc.; oceupou-se fi-
aos seus dominios particu- j entre as forcas de Lee e de Grant. Durou desde, nalmcnte com o orgamento na parte relativa ao
Ierras que Ihes foram devolvidas; a carta orgnica
era calculada favor dos boyardos, mas estes nao
tardaran) em abusar dos principios,converlendo os
trinta c seis dias de trabalho n'uma empreitada
que de ordinario exiga o dobrodo d'aquelle prazo;
col ira va se o dizimo em dinlieiro, deixando de ser
recebido em gneros, o que equivala a fazer pa-
gar a raila colono una contribuigSo directa corres-
pondente a tO#000 ananaes.
Oa eamponezes indgnaram-se com as vexacoes,
porm as bayonetas moscovitas contiveram-nos cm
enda.
Spotlsylvania. O ataque foi comegado pela artilla-
ra de Gran!; tendoBurnside recebido urde or-
den) de atacar o flanco direito dos confederados,
mas tendo este movimento previsto por Lee, fez I
avangar as suas tropas cnnlra o (lonco direito do in-1
migo para romper as suas linnas, se apoderou do
tren decampanha e dos manlimentos do exercito fe-
deral cima deFrcdercksburg-Planck-road. O mo-
vimento de Burnsid foi prejudicado, mas este general
Em lugar de 19,131:1985512, dgase
17,353:704#73S
dga-sc
socego; quando porm se retiraran), o poder dos !conservouasuaposieoameacaodo sempre a direita
boyardos Orara assas solido para obligar os col- dos separatistas, ao pa*so que o sexto corpo atacaya
nos obediencia ao menos por algum tempo. o centro dos federaes desalojando-as de sua pri-
Foi nesta situacao que o principe Couza tornou meira poscao, e fazendo dous mil prsioneiros. Foi
posse do governo. "e vio que se continuasse este es-. morto o general federal Warren, e os federaes
lado de cousas o seu poder seria ephemero; que a i confessam que o exercito de Grant perdett quarenta
Moldo-Valachia seria victima de novas agitaros, mil homens entre mortos, feridos e extraviados.
se nao desse providencias para molhorar as condi-
edes dos seus habitantes. Determinou obter a li-
berdade da torra por meio da emancpago do co-
lono; propoz em abril s cmaras um projecto de
le destinado a tornar os colonos proprietarios dos
terrenos de que eram meros usufructuarios remindo
em prestaces pecuniarias o encargo de trabalhar
nas faaendas dos boyardos. A aristocracia proaun-
ciou-a abertamenle contra a reforma popular, e
empregou os maiores exforgos para levar o governo
a retira-lo; e como nao foi attendida.regeilou sem
escrpulo a medida reformadora.
A cmara foi dissolvida, mas como segundo o
disposto no parto fundamental era obrgado a con-
vocar outra em seguida, e observando-se a lei elei-
toral era segura a reconducao dos mesmos privile-
giados que se surgirn) contra a reforma, o sobe-
rano resolveu cortar o mal pela raz, alterar a
No dia 12 llancok atcou vigorosamente Lee,
capturando 30 pegas e fazendo quatro mil prisio-
neiro? ; a batalha durou todo o dia e foi muito san-
guinolenta, obrigando os separatistas a atravessar
durante a noite o rio P.
Os federaes declararam queniio poderam romper
as linhas confederadas.
No dia 18 Grant alacou o centro e flanco esquer-
do de Lee, mas leve d>i retirar depois de perder
doze mil hompns; a 19 o general separatista
Ewell sorprendeu a rectaguarda de Grant cau-
sando-lhe graves perdas.
O governo federal propunha-se obligar o gene-
ral Beauregard a acudir em auxilio de Lee, fazen-
do assim desguarnecer as avenidas da capital se-
paratista contra, a qual poderiam entao operar os
corpos do exercito de Butler o llancok, e se Beau-
regard nao corresse em auxilio de Lee, este seria
constiluicao, estabelecer novo methodo de eleicoes, esmagado pelo numero considcravelmenle superior
sujeitar a imprciisa fiscalsaco do executivo, nao das forgas federaos. Os recursos estratgicos de
poupando meio algum de assgurar preponderan- Lee foram sufficientes para aniquilar este plano,
cia ao seu proposito. Beauregard contina a manobrar nas proximida-
As dsposces do novo pacto, imKacao dacons- desde Rchmond, tendo urna das suas divi>oes
tituico francesa actual, sao sufficientes para um commandada por Rawson sorprendido parte das
paiz que se qur emancipar do jugo dos boyardos, forcas de Butler, e a outra derrotado o general
Parece que a Franga nao foi extranha ao occorri- Smith. Os jornaes federaes ainda nao fallam destas
do, eque a Inglaterra nao oppoe resistencia s re- perdas, as quaes se devem considerar de tal im-
formas dos principados. As objeeges dimanam portancia, que fizeram com que Beauregard con-
lodas da Russia e da Austria, e d'ah parten) as siderasse a sua presenca em frente de Rchmond
ameacas contra o principe Couza e seus secta- nleiramente intil, eq'uc no dia 21 se fra reunir
rios. Loe para tomarem a offensiva contra o oxercito
Houve em Corf urna cxplosao em um paiol federal. Lincoln mandou um refjrco de 23 mil ye-
de plvora, que destruio o lazareto, prodnzindo este: teranos habituados s fadigas de guerra. O exercito
sini>tro 137 mortes e 220 feridos. O rei foi all de Grant compe-se de mais de 240 mil homens,
recebido con enthusiasno. en quanto que o de Lee nao conta mais de 160
Em consequencia da marte do general Pels- mil homens.
sier, duque de Malakolf, tornou provisoriamente o! Na Luisiaoia continan) as derrotas do general
commando geral do exercito de Argel o general Banks, que relirou por trra junto ao Mississipe
visconde de M^rtimprey. sempre perseguido pelos separatistas.
A insurreigo dos tlitias e a agtagao que se No dia 1 de jolho deve-se proceder recruta-
manifesta nas grandes tribus da provincia de Oran, ment geral nos estados do norte. Preveem-se gran-
preoecupam vivamente o governo. Esta revolta de desordens para esses dias. Mr. Darion declarou
coincide com o regresso dos peregrinos de Meca, e na cmara dos representantes qne achava horrivel
com as pregages da familia religiosa de Si-Ha- prolongar a carneficina, para obrigar os povos do
neza. sul aceitar um rgimen com o qual nunca se
O general Delgny havia tomado conta 16 de ho de conformar, e que se deva ter em vista o
maio dos depsitos de cevada existentes em Sllilen. exemplo da historia que senpre consigna o trium-
Na vespera panra o coronel Monlfort com um ba- pho dos povos, que pugnam pela sua independencia,
lalho de infamara, um esquadro de spahis e con- Este sensato discurso provocou muitos clamores
tingentes de lodos os corpos da sua diviso, para sendo chamado ordem e estove para ser expulso!
fazer as devidas honras as victimas da traigio dos O agio do ouro em Nova-York subi a 87; o
indgenas em Ain-Bon-Beker; foram encontrados empresiimoseparatista que em Inglaterra era cola-
os cadveres em muiilagoes. do a 58 vale hoje 64 sendo muito procurado. Es-
Entrando o general Delignv no dia 16 no desfi- nQIIJeros nostran evidenteneote o estado dos
ladeiro de Oulad-Azza, foi o flanco esquerdo de seu fl adversarios. Lincoln arnsca-se a nao ser.
,nessarm-se sobre b centr da posigo.em quanlo '^'ymp'lh'a!;" leedor, poder talvez impr
urna companhia de zuavos se dirfea exlrem.dade g^ido, Sna SporUve^ "" ^
da colima oceupada pelo grupo indgena ; os ind-
genas, vigorosamente atacados, perderam tres posi-
goes em que tentaram sustentar-se c foram perse-
guidos por mais de urna legua. Os rabes tiveram
de perda trinta mortos, e maior numero de ferdos,
em quanto os Francezes s tiveram dous mortos e
dous feridos.
As tribus de Djebel-Amour entregarara-se sem
condigoes ao general Yusuf. Os revoltosos de Oran
foram novamente derrotados; as tribus do centro
vo ser vivamente atacadas; o governo francez
parece contiar em que o in da insurreicao est
prximo.
Tem chegado a Argel vinte mil homens de refor-
go, procedentes de Toulon e Marselha, sendo logo
desiribnidos pelas guarniges das povoagoes do lit-
toral, segundo para o interior as forgas que all
anteriormente se achavam.
O ajudante de campo do imperador, conde de Es-
pemlles, foi enviado a Argel para acompanhar as
tropas em operaedes, devendo rematter ao impera-
dor relatarlo circunstanciado da situacao do paiz,
Chegou ao Cairo Alexandre Abdelkader.
O governo francez fez reclamagoes ao de
Marrocos pelo assassinato de Francisco Pies em
os seus erros,
provoca urna tremenda crise financeira e necessi-
ta de milhares de recrutas Veremos se os ame-
ricanos se prestam aorecrutamenlo decretado.
O ministerio Seward annunciou na cmara dos
representantes haver manifestado ao governojran-
cez, que a noco formulada contra a execugao de
monarchia do Mxico e a escolha de nm principio
europeu, era a expressao dos sentimentos do povo
americano, e a decisao do negocio pertencia s
ao presidente da repblica, o qual nao tenckmava
alterar a poltica at agora seguida.
Lerd John Russeli declarou nas caaras que
tendo sido inuteis as reclamagoes feitas ao gover-
no federal acerca dos alstamenos dos Irlaodezes,
isto poderia produzir ama guerra com a America,
No parlamento foi regeitada por grande maioria
a proposu de Mr. Lindsay acerca da medagao da
Inglaterra entre os estados belligerantes da Ame-
rica do Nene, e do reconheci ment dos estados
confederados. Lord John RusseN sustentara que o
governo se afastaria da poltica de recasa e neo-
tralidade qne at agera tem seguido.
Ao 1. Eni lugar de 3,078:0975777,
-3,218:4005.
Ao 2. Em lugar de 4,213:7335, diga-se
4,357:9365.
Aos 14. Supprima-se.
Ao S 16. Supprima-se.
t Ar. S 18. Em lugar de 300:0005, diga-se
400:0005.
Ao 19. Em lugar de 400:0005, diga-se
300:0005.
Ao 20. Em lugar de 1,300:0005, dga-se-
1,000:0005.
Ao 21. Em lugar de 40:0005, diga-seaju-
das de costo, gratificaeSes por servicos extraordi-
narios e temporarios e despezas evetuaes.......
80:0005.
Aog22. Em lugar do 300:0005, diga-se
500:0005.
Ao 27. Supprima-se.
Addilicos.
' Fica autorisada a emis pagamento lllraa. cmara municipal da corle
do dominio directo d. i terrenos do Jardim Bot-
nico da lagoade Rodrigo de Freitas.
O governo poder mais despender a quantia
necessaria com a compra das bemfetorias existen-
tes naquelles dos dilos terrenos que houverem de
ser anne.xados ao Jardim para a creagao de urna
escola agrcola.
O producto da venda dos restantes terrenos
sera levado rec.eita ordinaria para indemnisago
da despeza precedente.
i Na tabella do pessoal da alfandega da corte,
que acompanha a proposta do governo, farse-ho
as seguintes alterages :
1." O numero de fiis de armazens poder ser
augmentado pelo governo conforme as necessida-
des do servigo.
A porcentagem ser dividida em 1,333 quolas,
como prescreve o regulamento.
A disposico do art. 17 da le n. 1,177 de 9 de
setembro de 1862 fica extensiva s alfandegas das
provincias em que o governo a julgar admissvel.
As dividas de exercicios lindos serao pagas
pelo crdito consignado ao ministerio da fazenda,
continuando a liquidaco dellas pelos ministerios
que as despezas perlencerem, na forma das ins-
truegoes de 6 de agosto de 1847, sem prejuizo das
disposicoes do decreto n. 2,897 de 26 de feverero
de 1861
O governo fica autorisado para fazer as ope-
racoes de crdito necessarias para pagar ao banco
do Brasil a quantia de 2,000:0005 de papel mooda
que o dito banco resgatar e recolher caixa da
amortsagao.
Sala das sessoes, 19 de abril de 1864.Marti-
nho Campos. C. B. Ottoni.D. A. Raiol.
< Os foros e laudemios dos terrenos de marinha
nos municipios das provincias faro parte da ren-
da das respectivas cmaras municipaes, e por el-
las serao cobrados.Silva Pereira.
f A empreza do encanameoto do gaz no Para
gozar da isengao dos direitos da importagao e ex-
pediente para todos os materiaes que importar
tanto para o encanamento como para a edificago
do gazometro c demais obras aecessorias necessa"
rias ao objecto da mesma empreza.Franco de Al-
meida.
t Fican isentos do paganenlo dos direitos de
exportaco por 20 annos os productos da fabrica
de refinagao e cryslalisago de assucar Dous de
Julhode propriedade de Azevedo & (1, estabele-
cida na freguozia de Piraj na provincia da Baha.
Franco de Almeida.
Fica o governo autorisado a eraittr apolices
n valor de 400:0005000 para pagamento do prin-
cipal e juros da divida passiva de Matto-Grosso j
liquidada, anterior a 1827.Silva Pereira.
Fica isento de direitos de importagao todo o
material importado pela companhia Water Company
Limited, e destinado as obras do encanamento das
aguas da cdade da Fortaleza, d provincia do Cea-
r. Liberato. Pinto de Mondonga.Ribeiro.
Pamplona. Rodrigues Jnior.Saldanln Mari-
nho.
Paes do Andradc, coronel Innocencio Eustaquio
Ferreira de Araujo e conego Romualdo Goncalves
de Azcx-edo, 3, 4U e 6 do Amazonas ;
Presidente e membro da junta central de hygiene
publica da corte, os Drs. Jos Pereira llego e Joo
Baptista dos Santos ;
Lente de physiologia da faculdade de medicina
do Rio de Janeiro, o Dr. Joo Joaquim de Gouva,
lente substituto da mesma faculdade
Vigario collado da freguezia de Sanio Amaro do
Cat, na Baha, o padre Camilla de Santa Maria
Rocha;
Foram reformados:
No posto de coronel da guarda nacional o tenen-
te-coronel Luiz Antonio da Silva Vianna ; e
No de major, o capito Luiz Manoel da Silva Le-
me.
Foram transferidos :
Da comarca de Tacarat, em Pernambuco, para
a de S. Malhens, no Espirito-Santo, o juiz de direi-
to Francisco Goncalves Martins
Do commando do batalho n. 23 da guarda na-
cional de S. Paulo, para o de n. 38, o tenente-co-
ronel Alexandre Martins de Ohvera ;
De 2" para 3 vice-presideute da provincia do
Amazonas, o Dr. Marcos Antonio Rodrigues de
Souza i
Foram exonerados:
De vice-presdentes de provincia : Antonio Gal-
dno da Cunha, do Ro Grande do Norte ; Dr. Jos
Norberto dos Santos e couselheiro Antonio Nicolao
Tolentino, do Rio de Janeiro ; Gabriel Antonio Ri-
beiro Guimares e Manoel Thomaz Pinto, do Ama
zonas.
Consideraran) se avulsos os juzes de direito
seguintes e vagas as suas comarcas :
Hyppolito Cassiano Pamplona, Souza, na Parala-
ba; Miguel Gongalves Lima, Serid, no Rio Grande
do Norte ; Manoel Jos Pinto de Vasconcellos, S.
Matheus, no Espirito Santo.
Foi reunido o lermo de S. Sebasiiao da Foz
de Tijuca aode S. Miguel, em Santa Catharina, e
creou-se o lugar de juiz municipal e orphos.
Marcou-se ao promotor publico de Mamar
guape, na Parahiba, o ordenado de 6005000.
Foram condecorados :
Com o officialato do Cruzeiro, o Dr. Carlos Fe-
lippe de Martins ;
Com o habito da Rosa, o Dr. Antonio Cross;
Com o dito de S. Bento, o cirurgio-mr de bri-
gada graduado Dr. Polycarpo Cesarlo de Barros, os
capites Francisco Jos Damasceno Rosado e Joo
Maria Petra de Rttencourt, e o 1." tenente da ar-
mada Jos Francisco Pinto.
Foram naturalisados braslelros :
Fernando 6. Dabber, hamUirguez, Carlos Steu-
ber, alenlo ; Wllbeln Cari euge, hanoverano;
Antonio Pires do Couto, Jos Ferreira de Carva-
lho, Silvno Joaquim da Costa, Manoel Albino de
Barros, Jo-^ Delgado Figucira de Carvalho, Miguel
de Souza Dias e Joaquim Fernandos Braga, poi tu-
guezes.
Tiveram melhora nos postos inmediatamen-
te superiores, os capites reformados da guarda
nacioual Antonio Jos Machado de Oliveira e Joa-
quim da Costa Pavo.
Por decreto de 28 do passado foi autorisado
o governo a conceder um anno de licenca, com
ordenado, ao juiz de direito Luiz Pinto de Miranda
Montenegro e ao couselheiro Antonio Ignacio de
Azevedo.
Por dito de 31 foi approvada a nposentadora
do juiz do direito Jos Bernardo de Loyolla.
Por dito de 4 do corrente ordenou-se, r-m at-
tengoaoque representen a companhia brasUeira
do paquetes a vapor, que o descont neosal de
10:0005 a que ella ficou obrigada pela condico
primeira das approvadas pelo decreto n. S091 de
7 de maio de 1863, comece a x-eriticar-sc do nez
de Janeiro de 1863 em diante.
Foi aposentado, seu pedido, o director da
secrotaria de estado dos negocios da marinha, Her-
menegildo da Cunha Ribeiro Feij, com os venc-
mentos que Ihe compelrem por lei ; e foi Doea-
do para substitui-lo Constantino do Ainaral Ta-
vares.
Foi rcmeiti Ja ao conselho naval, para cnsul
lar, urna proposta apreseulada pelo primeiro te-
nente Geraldo Candido Martins e Dr. Joaquim Vel-
loso Tavares, para a fnndacSo nesta corto de um
collegio naval, que ellesse oferecem para dirigir,
com o fim de habilitar os pretendentes a matricula
das aulas da escola de marinha.
Com dala de 7 do corrate foi expedido pelo
ministerio da justiga o seguinte aviso ao presideu-
te do Maranho:
S. M. o Imperador, a quem foi presente o ofQ-
co do desembargador procurador da coroa da re-
lago dessa provincia, representando contra a or-
tica, que considera abusiva, em vista da portara
de 11 de abril de 1833, do ser contemplado na dis-
tribuico dos felos que saojulgados naquelle tri-
bunal"; houve por bem decidir, por sua imperial
resolucao de 14 de abril de 1860, tomada sobre
consulla da secgo de justiga do conselho de estado
de 14 de feverero do mesmo anno, que deve con-
tinuar a pratca, contra a qual reclama o desem-
bargador procurador da coroa da relacao dessa
provincia ; por quanto nao ha le que declarasse
iocompativel o exercicio desse cargo com o do
julgar nos Jeitos em que o mesmo procurador nao
parte, nao repugna a funegao de officiar como
procurador da coroa em ceos felos, com. a do
julgar em outros, nem da accumulago dos dous
cargos resulta a impossibilidade de ser cada um
delles servido e desempenhado satisfactoriamente,
pois que o expediente dessa relacao muito m-
dico comparado oom o de outras, e nao s os pro-
curadores da coroa nao sao hoje o que foram a-
inamente, como nas provincias, onde nao existen
as secretarias de estado, nao corren negocios, so-
bre os quaes era e ouvido o procurador da co-
roa na corle. O que communico a V. Exc. para
seu conhecimento e assim o fazer constar.
Acha-se carga para Pernambuco a barca
Barrete.
Chegou, procedente de Pernambuco, com 13
dias de viagem, a barca americana Hararl.
panha Pernamhucana, e que hvia nterronpido
suas viagens 3 e meio mezes, para deltar novas
caldeiras, acaba de concluir esse trabalho, e fez
ante-hontem pela inanha urna pequea viagem
de experieaca, partndo deste porto as 8 horas da
maoha, e navegaodo a menos de mea forca para
o lado do sul, chegando al a Boa-Viagom, e fun-
diauda de volta neste porto s dez horas do dia.
Apezar de nao achar-se o casco limpo, pelo lem-
po, que esteve ancorado, deitou quatro milhas e
mea a menos de mea forga o que equivale 10
milhas Jpor hora, com forga maior e perfetamente
limpo, exoedeodo anda utilisando-sc das velas.
O mueliinismo fuuccionou perfetamente e as
caldeiras faziam bastante vapor, tornando-se nota-
vel o prego consuno de carvo, o que de summa
vantagem.
O delegado lilleraro da freguezta de Santo
Antonio o Dr. Amaro Joaquim Fonceca d'Albu-
querqe, reassumio o exercicio de suas funoo -.
Damos hoje em nossa oitava pagina a'con-
clusio da biographia do Exm. Sr. D. Joo da Pu-
rcaco Marques Perdigo, escripia na corte pelo
Ilustra lo medico Dr. Almeida de Lima Bastos, que
por muito tempo entre nos viveu junto aquello
fallecido personagem. E' um trabalho digno de ser
hdo qur (tela pureza de estylo, qur pelos factos
narrados, a maior parte desconhecdos do publico.
Chamamos, pois, a atteocao dos leitores para esse
esenpto.
O Rvm. Sr. vigario de Santo Anto, padre
Francisco Xavier dos Santos, pede nos a seguinte
publicaco :
Srs. redactores da Revista Diaria. llajam de
reformar a noticia calumniosa dada pelo inpostor,
ou uolicador desta cdade, quando avangou pro-
pasigo de dizer na sua Revista Diaria de 9 do
corrente, nao ter sido possivel ao Sr. padre
Herculano Jos de Brito, obter de nin licenga
para a missa cantada na capella de Nossa Senho-
ra do Rosario, por occaro do exercicio do mez
Mariano no da final desta devogo ; o faci nao
exacto, e tanto que vindo o Sr. padre nossa casa
no ultimo d'abril (por esta vez) communicar me
que tinha de fazer tal exercicio ; louvei este acto
que a emprehender, e nao obstante o nao relacio-
nar-se comigo o Sr. padrer atada assim, franqueei-
llie os meus bons desejos nesta occasio, afim de
que solemnisasse com a pompa que fosse possi-
vel ; ao que respondeu-me que nada fazia seno o
simples acto da devogo; e correu o exercicio, e
de nada mais tratou nem elle, e monos alguem.
Quanlo desintellgencia do Sr. padre para
comigo, a mais natural, de minha parte para
com elle, por quanto negando-me o Rvd. senbor o
mais simples dever de civilidade, a ponto de que
todas as vezes que encontra-se comigo em qual-
quer parte, e mesmo na propria malriz, ah nega-
me o mais simples dever poltico. Provado est
que nao quer as nimbas relages, ao que faco-lbe
a ventada.
Aiuda assim nao sao todos os actos qoedeixo
de passar licenga este Rvd. padre, mas sm da-
quelles de que mais responsabilidade tenh, e que
allecta-me com mais restricgo.
< Convm, finalmente, que por ora fiquemos
aqui. *
t Sou, Srs. redactores, seu constante assignanlo
O vigario F. X. dos Santos.
Cdade da Victoria, 20 de junho de 1864.
Hoje se extrahir a primeira parle da pri-
meira lotera da malriz de Santo Amaro de Ja-
boalo.
Passageros do vapor inglez Magdalena, en-
trado de Southampton e portos intermedios:Pa-
dre Hanania Berkrocb, Jos Antonio Mo'reira Das,
Alberto Nadler, Henrique Pinto Alves, Luiz de Oli-
veira Lima.
Passageros do patacho brasileiro Polycena,
sabidos para o Rio de Janeiro :Luiz Ribeiro Tro-
vo e 1 escraro de Amonio II. Rodrigues.
Pas>ageiros do vapor inglez Magdalena, sa-
bido para o Rio de Janeiro e Baha :Amedeii
Sehallier c sua senbora, Miguel de Miranda Vianna.
Passageros do hyate nacional Sergtpano,
vindo da tilia de Fernando :
Irene > Marinho de Oliveira, Cassiano Jos da
Silva, rsula Mara de Xascimento, Mara Magda-
lena de Jess e 1 lillio menor, Francisco de Paula
Xavier _e 1 liho menor, Alexandrina Mana da
Conceigo e 1 lilho menor.
OlITl'AIIIO O DA 24 DO COIUIE.NTE NOCEMITEItIO
PUBLICO :
Um prelo encontrado no Caminho Novo, Boa-
Vista.
Jos Cupentino Guimares, 28 annos, solleiro,
Iba-Vista; tubrculos pulmonares.
Dia 25
Maria, Pernambuco, 3 mezes, S. Jos ; febre in-
termitente.
Mana, Pcruambuco, 5 mezes, S. Jos; convul-
soes.
Manoel Felppe de SanU-Anua, Pernambuco, 15
anuos, solleiro, Sanio Antonio ; tubrculos pul-
monares.
Francisco Antonio da Silva, Ro de Janeiro, 40 an-
nos, solleiro, Boa-Vista ; aneurisma.
Pedro Maria de Abreu, Rio de Janeiro, 28 annos,
viuvo, Boa-Vista : dyarrlia.
Maria, Pe naubuco, 1 da, Santo Antonio ; conges-
to cerebral.
Galdiio, escravo, Pernambuco, 30 annos, solleiro,
Boa-Vista ; hepatite nterite.
Mara llerculaua de Jess, Mace, 25 annos, sol-
tera, lenfe ; gastro agudo.
Ricardo, Pernambuco, 4 annos, Boa-Vista ; es-
pasmo.
xa
r>
PERNAMBUCO.
REVISTA DIARIA.
Foi exonerado, seu pedido, o Sr. Silvino
G ni Inerme de Barros, de sexto supplente de sub-
delegado da freguezia de Santo Antonio.
Concluio-se ante-hontem o exame de hab-
litagao para o magisterio primario do sexo femini-
no, que se proceda perante a directora geral da
c Os vencimeotos dojofficial-maior e mais enprc-' iostruego publica,
gados da secretaria de estado dos negocios da fa-! Segundo consta-nos, o Exn. Visconde de Ca-
lenda fican equiparados aos das denais secretarias maragibe foi hontem, dia d S. Pedro, obsequiado,
de estado reformadas em 1839.Fabio A. de Car- em seu engenhoporum brilhantissimo concurso de
valbo Res. amigos, em numero de mais de oitenta : felicita-
Ao 5.* Diga-se Pensionistas o aponsenta- nos ao.nosso distincto patricio poressa prova de
dos, inclusive o desembargador Severo Amorim alto apreco sua pessoa.
do Valle, com o ordenado marcado na lei n. 869 de Ao empreleiro do calganento da cidado foi
2de setembro de 1837, e nais leis de orcanen- concedida autorisacao para nacadanisar a parte
tos posteriores, l,173:80i#000.Martinho Can- do centro da prega do Canpe das Princezas, onde
pos.Raiol. deve-se estabelecer passcios e promover a arbori-
Falleceu, no dia 8, o capito de fragata Car- saco.
los Angostada Rocha Freir, vice-director da es- Foram approvadas pelo governo asarromata-
cola de marinha. (oes do pedagio das pontes de Hotocolomb, da
*
CIMOMCA JlMClAlllt
TRIBUNAL DA REIiAft.
SESSAO EM 28 DE JUNHO.
rilESIDENCIA DO F.XM. SR. CONSEt.HEIRO
SOfZA.
s 10 huras da manha, presentes os senhores
desembargadores Gitirana, Almeida e Albuquer-
que, Motta, Uchoa Cavalcanti, Assis, e Do-
ria e Barros, faltando com causa o Sr. desembar-
gador Ixmrengo Santiago e Res e Silva, abrio-se a
sessao.
O Sr. desembargador Guerra, procurador da co-
roa, compareceu.
nevados os feitos e entregues os distribuidos,
deram-se os seguintes
JILGAMENTOS
Aggravos de peticao.
Aggravante, Francisco Joaquim Cavalcante Gal-
vo ; aggravado, o juizo.
Relator o Sr. desembargador Assis.
Sorteados os senhores desembargadores Molla,
e Doria.
Deram provimento^
Aggravante, Fr. Joao do Amor Divino ; aggra-
vado, o juizo.
Relator o Sr desembargador Doria.
Sorteados os senhores desembargadores Assis,
e Darros. t
Negaram provimenlo.
Appelluces critnes.
AppeKante, o juizo ; appellado, Simao de Araujo
Lima.
Annullou-se o processo.
Appellante, o juizo ; appellado, Vicente Soares
Ferreira da Silva.
A' novo jory.
Appellante, o juizo; appellado, Vicente Ferreira
da (osla.
A' novo juty.
Appellante, o juiao; appellado, Luiz Antonio
Cordeiro.
A' novo jury.
AppellacSes civeis.
Appellante, o juizo ; appellado, Jos Maximiano
Soares de Avellar.
Nullo todo o processo.
Appellante, D. Emilia Cordeiro Cavalcanti de
Albuquerque; appellado, o curador do preto Jos.
Reformada a sentenca.
PASSAGKNS
O Sr. desembargador Gitirana passou ao Sr.
desembargador Lourenco Santiago
As appellares ermes.
Appellante, Manoel Baptista dos Santos; appel-
lada, a jusiga.
Appellante, Florencio Biapo dos Santos; appella-
da, a j ustiga.
A appetlarao cwei.
Appellante, Manoel Elias de Moura ; appella-
f





Diarlo de 'crnambneo --- tilinta letra 30 de iitnli* de 1H4.
do, Joaquim Francisca Garalcnnti le Albuqnerque. mitras que se vencoro, de importancia maior de
48:0005, trata de promover
Ao Sr. desembargado!' ltcis e Silva
A appellaeao civel.
Appellante* c appellado's conjunctamente, Anto-
nio Carlos Pereira de Burgos e Antonio de Siquei-
ra Cavalcanti.
Ao Sr. desembargador Motla
A appellaeao civel.
Appellaote, Gaspar Cavalcanti de Albuqaerque
L'cha i appellado, Joto de S Albuquerqne.
DoSr. desembargador Almeidae Albuquerqne ao
Sr. desembargador Mona
A appellaeao crtme.
Appellante, Auna Francisca de Brilo ; appella-
do, Francisco Elias Foniaoelles.
A appellaeao civel.
Appellante, o juizo e Jos Peres Campello ; ap-
pellado, Gaspar de Menezes Vasconcellos de Drum-
roond e o juizo.
Do Sr. desembargador Ucha Cavalcanti ao &r.
desembargador Assis
As appellacoes civeis.
Appellante, a viuva de Manoel de Almeida Cata-
nlio ; appellada, a fazenda.
Appellante, Gabriel Antonio; appellado, Fran-
cisco de Santiago Ramos.
Appellante, Joaqun) Jos de Mello;
Flix Pereira de Souza.
Appellante, a marqueza do Recife ;
Jos Cario* Paes Brrelo.
Appellante, Paulina Hara Bastos ;
Antonio Gomes da Silva.
Appellante, Cosme Ferreira Lima ;
Manoel Gomes da Cunha.
O Sr. desembargador Asss passou ao Sr. desem-
bargador Doria
As appeUaeoet-crtmes..
Appellante, o promotor; appellado, Amaro i>ery
dos Santos.
Appellantp, o juizo ; appellado,
dos Santos.
Appellante, o juizo ; appellado,
Evangelista
A appellaeao civel. \
Appellante, D. Anca Isnaeia de Araujo ; appel-
lado, Manoel Francisco Tourinho.
Do Sr. desembargador Vasconcellos ao Sr. des- j
embargader Gitirana
A appellaeao erime.
Appellante,'Senhorinh Maria da Conceicao ;
appellada, a justic.a.
T-T4tT" BK D1V-
Assignou-se
feitos :
A appellaeao civel
Appellante, a eserara lermozencs ; appellado,
Manoel Martins de Araujo Castro.
A' I hora da tarde eneerrou-se a sesso.
a sua cobranza pelos
meios judiciaes, para o que j foi citado, previne
que ninguem faja negocio ou outra qualquer tran-
sadlo com o referido engenho Guerra, escravos,
animaes, utensis para o fabrico de assucar,. safra,
que ludo est hypolhccado para garanta do paga-
mento das letras aceitas pelo dito Ohveira pe a
compra do referido engenho na importancia de
245:5005. afim de que qualquer fique logo certo
que algum negocio ou traosarco que flzer, sera
nullo. Recife, 25 de abril de 1861.
appellado,
appellado,
appellado,
appellado,
Manoel Caetano
Lucas Antonio^
i in.i lagrima sobre o llo de Julio Olas da Cu-
nha.
A penas no alvorecer da vida cabiste, mal-
fadado, ao sopro terrivel da morte, e ah te
escondes sob a campa sepulchral sem dixe-
res o qnc vieste fazer o'este mundo de conti-
nuo soffrer !..
E que ninguem soffreo tanto como tu, o
diz a historia aos 20 annos de tua vida.
Nao conheceste o valor de um coracao de
mi, nao soubeste o que vale o esforco d'um
par, as affeicoes do irmao... tudo nordeste, e
at a patria nos teus ltimos instantes recu-
soute trra que cobrisse teus ossos !..
Infeliz I., para o equilibrio do mundo mo-
ral foste arremedado concha do infortunio.
Meu Deus!.. compadecei-vos de sua alma,
dae-lhe na morte o que nao achou na vidal
Recife, 27 de Junno.
J. L. M.
procos. Venderam-se na uuiuzcna passaJa 303 ba- 3" Os pagamentos sorao realisados em tres pres-
las do Cear 29 schillings e mais 100 balas de taces iguaes, correspondendo cada urna a cada
Maroira a 26 3|4. terco do ser vico.
Couros.Os couros prevalecen) era boa aceita- *' O arrematante na execucao dos trabamos
gao; nao tivemos porem transaceoes do grande observar as prescripcoes do engenhero.
importancia. Unto por falta de genero offerecido, 5' N'o ser em lempo algtfm attendida qualquer
como por falta de boa escolha. As vendas foram reclamarlo, por parte do arrematante tendente
de 2,800 do Cear.
Cacao. Bastante
Pllnlas vegetaes assuearadas
de Kemp.
Piulas vegetaes MtVCAKADAS i>F. kemi'. Agra-
daseis vista exemptas de todo o sabor repugnan-
te, to suaves quo efiieazes, tnicas e purgativas
dia para julgamento dos seguintes cstas famosas pilulasjpossuem pois todas as ina-
I preciaveis qualidades pertencenles a um remedio
cathartico, alterativo e restaurante. Tal o juizo
medico romfirmado pela experiencia de milhares
! de doentos. Quando as funccSes do ligado e do
ventre se acham por qualquer" forma desarranja-
; das devem ser restituidas boa ordem e regulari-
dade com estas pilulas irreslstiveis. Ellas sao to
infalliveis quanto sao agradaveis e sem controver-
sia alguma o melhor aperitivo gcral ; o nico
| remedio ante-bilioso que se pode couseguir quer
neste ou em qualquer um outro paiz. Era conse-
uencia dellas se acharem acondicionadas em
rasquinhos de crystal o tempo nao altera as suas
propiedades. m
A' venda no estabelecimenlos pharmaceuticos de
Caors & Barbosa, ra da Cruz, J. da C. Bravo &
C. ra Madre de Deus.
PUBLICARES A PEDIDO.
Ao dislinclo f especial carpo eleitoral desta
provincia.
Candidato senaioria o Dr. Joiquim Saldanha
Marinho, dirigi cada um dos dignos eleitores es-
peciaes desta provincia, a circular abaixo trans-
cripta ; mas podendo acontecer que, muitas das
mesinas circulares, por circunstancias que se nao
pode prevenir, nao tenham chegado, e que agora
mesmo nao chegueni ainda a seus destinos, por
teso fai-S a prsenle derlaraeo, pedindo-se ao
mesmo lempo desculpa de faltas que possam appa-
recer e notarse, e de nue jamis deve ser respon-
savel o mesmo Dr. Saldanlia Marinho, que 80 tem
motivo para conf.-ssar-se eternamente grato, ao
dislincto e especial corpo eleitoral desta provincia,
que j urna ve?, o acolheu benigno.
lllm. Sr.Tendo solicitado de_ corpo eleitoral de
nossa briosa provincia a admisso de meo obscuro
uome na lisia trplice que foi olTerecida ccroa na
ultima eleicao, consegu isto, e do modo o mais no-
bre e lisongeiro mim, que por to grande cousi-
deracao me eonfesso eternamente agradecido. Da
tribuna parlamentar eu me dirigi aos eleitores de
minha provincia, e Ihes triliutei a homenagem devi-
da pelo titulo de suprema honra que me haviam
concedido.
Pela lamentavel morte do Sr. conselheiro Fran-
cisco Xavier Paes Brrelo dase nova vaga no se-
nado, e nova eleicao vai proceder Pernambuco.
Aprsenteme novamente ; reputando de miaba
dignidade consultar ao mesmo corpo eleitoral se
nos poucos metes decorridos da eleicao em que fui
considerado tenho em alguma cousa desmerecido
do conceito em que se dignaran) ter-me os eleito-
res pernamburaiios.
E porque tenho consciencia de mim, como lenho
intima conviccao da dignidade, independencia e
firmen de carcter de V. S., nao duyido contar
com a sua valiosa eeadjuvaco em prl de minha
candidatura na rleieo que se vai agora proceder.
Ausente do campo onde a eleicao vai ser dispu-
tada eu nao cont seno com a bondade c honra
de V. S., em cujas qualidades confio plenamente.
Sempre lirine nos principios liberaes, para trium-
plio dos quaes neiihum esforco e sacrificio tenho
poupado, me reputo no caso de merecer a conti-
uuaao de seu apoio.
Fica as suas ordens o de V. S. amigo, patricio,
criado obrigado
Joaquim Saldanlia Marinho.
Rio de Janeiro, 7 de abrrl de 1861.
Srs. redactores.ApreseHtando-me candidato a
um dos lugares da lista trplice na eleicao de se-
nador, a que se tem de proceder nessa provincia,
rogo-mas o obsequio de taierem publicar as co-
lumnas do seu jornal a circular que dirijo aos elei-
tores especaes da mesma provincia.
Sou cora particular estima, etc.
Antonio Coelho de S e Albuquerqne.
Rio, 4 de maio de 1861.
lllm. Sr.A lamentavel morte do benemrito
Pernambucano, o conselheiro Francisco Xavier
Paes Brrelo, deu lugar a urna vaga senatorial por
essa nossa provincia.
Animado pelas repetidas proras de estima e con-
fianca, cora que tenho sido distinguido pelos meus
concdados, ouso pedir minha provincia a honra
de ser contemplado na lisia triplice, que tem de
ser apresenlada escolha imperial.
A minha vida publica nao breve, e, com a mao
ein minha consciencia creio poder dizer V. S- que
s o bem do meu paiz me ba guiado em todos os
meus actos.
Se, pois, V. S. entender que o meu nome nao
deslustrara a sua lista, digne-se de acolhe-lo com
benevolencia, amparando-o com o seu voto e com
o seu prestigio e relacoes.
Terei sempre vivo em minha memoria, e sera
sempre objecto de meu sincero reconhecimento, o
obsequio que peco V. S.
esejo V. S. muitas prosperidades, e rogo-lne
que transmuta as suas ordens quem se prza ser
de V. S. amigo e criado, atiento e obrigadissimo
Antonio Coelho de S e Albuquerque.
indemnisaco, qaesquer que sejam as allegaces
em que se basear para esse fim, ainda mesmo por
prejuizos provados.
6" Para o que nao estiver previsto, observar-se-
na o que dispoe a lei n. 286. Conforme. A. F.
tiAnnunciacm.
O Illni. Sr. inspector da ihesouraria provin-
cial, em cumprimento da ordem do Exm. Sr. pre-
sidente da provincia, de 14 do crreme, manda fa-
zer publico que no dia 30 do mesmo, peranle a
junta da fazenda da mesma thesouraria, se ha de
arrematar, a quem por menos flzer, a obra dos re-
paros geracs da estrada do sul e embarreamento
dos marcos de cinco mil oito mil brajas, avaha-
da em 5:8525 rs.
A arrematado ser feita na forma da lei provin-
cial n. 341 de 15 de maio de 1854, e sob as clau-
sulas especiaes abaixo declaradas.
As pessoas que so propozerem a essa arremata-
cao romparecam na sala das sessoes da referida
junta, no dia cima mencionado, pelo meio dia,
competentemente habilitadas.
E para constar se raandou publicar o presente
pelo jornal.
Secretaria da thesoararia provincial de Pernam-
buco, 9d jun-o de IStiV. O secretario, Antonio
Ferreira d'Annunciacao.
Clausulas especues para a arrematado
i" Os reparos do embarreamento da estrada do
! sul, entre os marcos de 5,000 8,000 bracas, na
importancia de 5:852 rs., serio feitos de confor-
midade como respectivoorcamenloapprovado pelo
: conselho da directora
2* O arrematante dar comeco aos trabalhos ao
---------------------------------------------------------------prazo de 20 das e os concluir no de 5 mezes,
Navios entrados no da 28. contados ambos da dala da arremataeao.
Ilha de Fernando -4 dias.hiato nacional Sergipano, \ 3* Os pagamentos sero realisados em tres pres-
de 54 toneladas, capilo Henrique Jos Viera lacoes iguaes, correspondendo a cada um terco do
da Silva, equipagem 7, em lastro; ao mesmo ca- [ servico.
pilo. | 4' O arrematante na execucao dos trabalhos
Baha6 dias.Jhate nacional Bello, de 186 tonela- observabas prescripcoes do eogenheiro.
das, capilo Jos Francisco Thomaz do Nasci- 3' Sao ser em tempo algum altendida qualquer
ment, equipagem 11, carga farinha de mandioca reclamacao, por parte do arrematante, tendente ~
procarado c precos firmes.
Tapioca.Sera novidade.
Jacaranda. As qualidades finas sustentan) seu
valor; as vendas em maio foram de 240 mil li-
bras, ao proco de 6 01820 Ii8 marco banco as
100 libras.
. Entraram do Brasil na quinzena:
Pfeil do Cear.
Semshne o Rio de Janeiro.
Adolph de Maioini.
PdrMnm:
Holstein para o Para.
Margaretht para Pernambaco.
Nicolaiis para o Rio Grande do Sul.
Cal harina para a Baha,
.4 partir.
Para o Rio Kronpnnds Cari e Vatley Porge.
Para a Baha : Hrinrick e Pfetl.
Para Pernambnco : Levante.
Para o Rio e Santos : August.
Cambios.
Sobre Londres, 3 ra. data 13 marcos 1 3|4
schillings banco por libra esterlina.
dem dem praso curto 13 marcos o seu. idem
Sobre Paris 3 ra. d. 192 3(4 francos por 100 mar
cor banco.
dem dem praso corto 190 1)4 fr. idem.
Sobre Lisboa 3 m. d. 45 7|8 schillings por 1
dem desoonlo 3 3)4 0|Q -i i|2 por Oo
MOYIMEKTO DO P01T0.
Chhysson.
Manleiga franceza.
Asnear refinado de 2* sorle.
Ca/ em grao.
Carne verde.
Carne secca.
Farinha da trra.
ll.iralhao.
Toucinhode Lisboa.
dios urbanos, e donos de eslabelecimentos da fre-
guezia de S. Jos, que sendo nomeado por portara
do administrador do mesmo consulado, datada de
20 do crreme mez para proceder aos dlTerentes
lancamentos dos impostos j criados, e ltimamen-
te muros pela assembla legislativa provincial, que
tendo de dar principio aos seas trabalhos do dia 27
por diante, pede aos mesinos seubores que tenham
promptos os sens recibos, e mais documentos in-
herentes ao que diz respeito, afira de que possa o j Vinagre de Lisboa,
mesmo lancador proceder com regularidade, igual-, Azeite doce de Lisboa,
dade e sem vexame das partes, os referidos lanca- Feijao preto ou mulatnho.
mentos; assim como para garanta dos mesmos se-! Arroz do Maranho.
nhores deilar o seu visto nos reeibos e mais docu-: Quem quizer contratar taes fi>rnecimento., apre-
mentos que Ihes forem apresentados, segundo de- \ sent a sua proposta em carta fechada na secreta-
termina o regulamento. ra do conselho, as 10 horas da manhaa do dia 30
Mesa do consulado provincial 25 de junho de do correle.
1864.Clisaos Cockles Cavalcanti de Mello. Secretaria do conselho administrativo para for-
An eunht'Ur neciment do arsenal de guerra, 22 de junho do
Anda em praca para ser arrematada pelo juizo |
municipal da 2' vara, escrivo Baptisla.a mei-agua
n. 33, sita na ra de Horlas, freguezia de Santo ;
Antonio, perlenceute Andr de Abreu Porto e sua
mulher, era vnude da execugao que Ibes move a I
Santa Casa da Misericordia desta cidade.
Conselho administrativo.
O conselho administrativo para fornecimento do
arsenal de guerra tem de comprar os objectos se-
grales :
Para o 9o batalhao de Infamara.
Espadas com bambas de ac 2, fiadores de couro
preto envernisado 2, talluns de dito 2, cananas de
dito 2.
Para a enfermara do corpo da guarnicao
da Parahiba.
Jarras de barro 5, copos de vidro para agua 6,
copos pequeos para remedio 4, calix 3, colheres i
de sopa 48, colheres de cha 20, casticaes de lalao
2, escarradeiras de lato64, espaleita de osso 1, ta-
Iheres 36, cacarolas 2, chicaras de louca 20, pires
10, ourins de louca 21, pratos de louca 80, cha- |(i
leiras 2, mantegueira 1, bule 1, caldeiroes 2, han-.' g,tt ,)
1864.
Antonio Pedro de S Brrelo,
coronel presidente.
Sebastio Jos Basilio Pyrrho,
vogal secretario.
Conselho administrativo.
O conselho administrativo para fornecimento do
arsenal de guerra tem do comprar os objectos
seguiules :
Para o arsenal de guerra.
Salitre calcinado arrobas 2, papel almajo res-
mas 50, dito pautado resmas 50, azeite de carrapato
caadas 500, tinta preta garrafas 50, parafusos de
lato de 2 polegadas frotas 20, ditos de ferro soni-
dos de 1/2 2 1/2 plegadas grozas 20, cera branca
em pao arrobas 2, tabeas decedro de umapolegada
de grossura e 8 10 de largura duzias 6, ferro
inglez em barra de l 1/i polegada de largura e 3
oitavas de grossura quintaes 50.
(Juem quizer vender taes objectos, aprsente a
sua proposta em carta fechada na secretaria do
conselho s 10 horas da manhaa do da 6 de
e outros gneros; a Marques Barros & C.
Liverpool37 dias, brigue inglez Ebe of Hit Exe,
de 169 touelladas, capilo J. 11. A. Schrader,
equipagem 10, carga fazenda e outros gneros,
a James Ryder & V.
Philadelphia39 das, patacho inglez Uipuing, de
160 toneladas, capilo B. Crmor, equipagem 8,
carga 1,852 barricas com farinha de trigo; a
fleury Foster & C.
Navio sahiilo no mesmo dia.
Clydex Barca portugueza Laura, capto Manoel
Pereira Das, carga assucar.
Navios entrados no dia 29.
Soulhampton e portos intermedios19 dias, vapor
Inglez Magdalena, de 1,617 toneladas, coinmau-
dante R. Woolward, oqujpagem 127, carga dlTe-
rentes mercadonas.
rVrtr Castln III das, escuna ingleza Emma, de
169 toneladas, capilo John Law, equipagem 7,
carga carvao e outros gneros; a ordem.
ndemuisacao, qaesquer que sejam as allegaces
em que se basear para esse fim, ainda mesmo por
prejuizos provados.
6* Para o que nao estiver preseripto, observr-
sela o que dispoe a lei n 286.Conforme. A.
F. a"Annunciacao.
Ainda continua a arremataeao annunciada
para hoje por edtal de 27 do crreme, visto nao
teromsido arrematados todos os objectos indicados
em dito edtal : o que por ordem do lllm. Sr. ins-
pector lirou transferida para o dia 30 do mismo
ao meio dia.
4* secQao da alfandega de Pernambuco, 28 de ju-
! nho de 1864.O 2o escriturario,
Caelano Gomes de S.
Ainda continna a arremataeao anuuncada
para boje por edtal do 27 do crreme, vist nao
[ terem sido arrematados todos os objectos indica-
dos em dito edtal : o que por ordem do lllm. Sr.
inspector lieou transferida para o da 30 do mes-
deija 1, cobertores de la 34, barretes de la 118,
camisas de flanella 6, meias de 15a 8 pares, col-
ches 52, travesseiros 57, oleados para camas 2,
pedra de aliar 1, cbinellas 79 pares, cilhas 2, ba-
cas de rame 1, rede de tapoarana 1, brim bran-
co 409 1|2 varas, algodozinho 391 1(2 varas, chi-
ta 810 covados.
Quem quizer vender taes objectos aprsente a
sua proposta em caria fechada na secretaria do
conselho s 10 horas da manhSa do dia 8 do cor-
rente.
Sala das sessoes do conselho administrativo para
fornecimento do arseual de guerra 27 de junho I
de 1864.
Antonio Pedro de S Barreto,
Coronel, presidente.
Sebiutuio Jos tazitio Pyrrho.
Vogal secretario.
Consulado de Portugal.
Sao chamados os credores do ausente Manoel
Correia de Souza apr.-sentarem dentro do praso
de 15 dias os seus ttulos de crdito para seren
verificados. Recife 27 de junho de 1864.
Tice consulado de llespanha.
ESPOLIO DE I.OrUE.NT.0 CARLOS HECIIT.
Todos os credores e devedores do fallecido suh-
sessoes do conselho administrativo para
______CQMMERCIO.
C4IX4 FILIAL
DO
15 iAC O DO BRASIL
EM PERNAMBUCO.
A directora da eaixa filial do banco do Brasil
nesta cidade, administradora da massa fallida de
Joaquim Francisco de Mello Santos, convida es cre-
dores da mesma massa para apresentarem seus i-,
lulos at o fim do crreme mez, afim de serem
convenientemente examinados e proceder-se-ha aa
pnmero dividendo da referida massa.
Recife 4 de junho de 1864
Jos Mamede AI ves Ferreira.
Secretario.
NOVOBANCO
DE
PERftAJffBUCO
EM28 DE JIMIO DE 186*.
O banco desconta na presente semana a oito por
cento ao anno at o praso de quatro mezes.e a nove
por cento at o de seis mezes, faz emprestimos
Liverpool38 dias, barca ingleza Da na, de 264 rao ao meio dia.
toneladas, capilo G. Caldwell, equipagem 7, 41 seceo da alfandega de Pernambuco, 28 de ju-
carga varios gneros ; a Soulhall Mellors & C. nho de 1864.
Sew-York -29 dias, patacho inglez W. M. Dodge,' O 2" escripturario,
de 124 toneladas, capillo H. Penny, equipagem
Caetano Gomes de Sa.
O lllm. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial, em cumprimento da ordem do Exm. Sr. pre-
sidente da provincia, manda fazer publico, que no
dia 7 de julho prximo vindouro, vai novamente a
- os
8, carga 735 barricas com farinha e outros gene
ros; a Henry Foster & C
Navios sabidos no mesmo da.
Rio de JaneiroPatacho brasileiro Polaana, cap
to Cvpriano Antonio de Quadros, carga assucar i praca. para ser arrematado a quem mais der,
e outros gneros. pedagios das barreiras abaixa mencionadas :
LiverpoolBarca hollandeza Schuringn. capilo II. ;Caxang, avahado novamente por an-
0. Eugelsmann, carga assucar. no em.........
Rio de Janeiro e Baha Vapor inglez Magdalena, Jaboalo, dem idem
cummandante Woolward.
EDITAES.
O lira. Sr. inspector da thesouraria provin-
' cial, em cumprimento da ordem do Exm. Sr. pre-
sidente da provincia de 4 do corrente, manda fazer
publico, que no dia 30 do mesmo, perante junta
da fazenda da mesma thesouraria, se ha de arre-
matar, quem por menos fizer, a obra dos reparos
geraes da estrada do sul, e embarreamento, a par-
tir do marco 2,000 ao de 4,000 bracas, avahados
em 1:705000.
A arreraatago ser fela na forma da le pro-
! vincial n. 343 de 15 de maio de 1854, e sob as
sobre ttulos coramerciaes, e toma saques sobre as clausulas especiaes abaixo mencionadas.
pracas do Rio de Janeiro e Baha.
Alfandega
Rendimento do dia 1 a 27.......
Idem do dia 28................
568:1775163
16.4505964
584:628^127
Movlmento da alfandega
Volapis entrados cora fazendas.
t t com gneros.
Volumes sahidos

com
com
fazendas...
gneros...
163
684
120
759
As pessoas que so propozerem a essa arremata-1
gao, comparec^m na sala das sessoes da respectiva
junta, no dia acuna mencionado, pelo meio dia, e
competentemente habilitadas.
E para constar se mandn publicar o presente
pan jornal.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
buco 9 de junho de 1864.O secretario,
A. F. d'Annuneacjio._
Clausulas especaes da arremataeao.
1* Os reparos do embarreamento da estrada do
8t 7 sul, entre os marcos de 2,000 4,000 bracas, na
Importancia de 1:7055, serio feitos de conformida-
1 de com o respectivo orcamento, approvado pelo;
conselho da directora.
2* O arrematante dar principio aos trabalhos'
no praso de 20 das, e os concluir no de dous me-
zes, contados ambos da data da arremataeao.
3' Os pagamentos serao realisados em duas pres-
tarles iguaes, a primeira em meio do servico, e a
ultima no fim.
4J O arrematante na execucao dos trabalhos, ob-
servar as prescripcoes do engenheiro.
5* Nao ser era tempo algum atlendida qualquer
reclamaco por parte do arrematante tendente a
-----1 indemnisaco, qaesquer que sejam as allegaces
38:8305040 (em que se basear para esse fim, ainda mesmo por
======; prejuitosjprovados.
Consulado provincial. 6' Para o que nao estiver previsto observar
3:5205000
3:520*004
Giqui, idem idem......5:98SiMKl
Tapacur, dem idem.....1:8015600
Ponte dos Carvalhos, idem idem 9645X00
As arrematacoes sero feilas por tempo de 3
annos. a contar do 1 de julho do corrente anno a
:0 de junho de 1867.
" As pessoas que se propozerem a essas arremata-
coes, romparecam na sala das sessoes da junta de
fazenda da msma thesouraria, no dia cima men-
cionado, pelo meio da, tendo lugar as habilitacoes
nos dias 30 do corrente e 5 de julho vindouro.
E para constar se mandou publicar o presente
pelo jornal.
I Secretaria da lliesouraria proviucial de Pernam-
buco, 27 de junho de 1864.
O secretario,
A. F. da Annunciacao.
(O Dr. Francisco de Araujo Barros, cavallaro da
imperial ordem da Rosa, juiz municipal da 2' va-
ra da comarca do Recife, por S. M. o Imperador,
que Deus guarde, etc.
Faco saber que pelo Dr. Manoel Jos da Silva
Selva, juiz de direito da 2- vara criminal da co-
marca, me foi commumeado ter designado o dia
11 de julho vindouro, pelas 10 horas da manhaa,
fornecmeulodo arsenal de guerra, 22 de juuho de
1864.
.-liifomo Pedro de Sii Brrelo,
Coronel-presidente.
Sebastian dase Basilio Pyrrho,
Vogal-neeretar io.
Conselho administrativa).
O conselho administrativo para fornecimento do
arsenal de guerra tem de comprar os objectos se-
guimos :
Para o nono batalhao de infantaria.
Bonels 391, ditos para sargentos aldante c
quariel mostr 2, ditos para msicos 18, bandas
de la 14, charlateiras para sargento ajudante e
qnartel-mestre pares 2. ditos para msicos pares
27, divisas para sargento ajudante e quartel-mes-
tre 2 pares, mantas de la 398, sapatos, pares, 550,
panno verde corados 1681, dito alyadio covados
90, dito azul para capoles, corados 1554, casimira
encarnada, covados 24, bata verde, aovados
906, Hollanda da forro covados 1384, cordo preto
de la, varas 1,400, dito de relroz preto varas 80,
brim branco, varas 2,580, algoda..zinlio, varas
1585, galo de prata de urna polegada, varas 36,
dito de meia polegada varas 27, boloes grandes
I de metal bronzeado 4.928, ditos pequeos de dito
dito hespanhol Lourenco Carlos Hecht, sio eon*i* I dito 3.6S, ditos grandes de metal praleado 252,
dados a comparecer n vire consolado de Hespa-, tos pequeos de dito dito 108. ditos grandes do
nha, ra do Vigario n. 9, no prazo de 60 das a
contar de hoje : aqnelles para apresentarem os
documentos que os acreditan) como credores, es-
tes para satisfazerem seus dbitos. Os objectos
que deixaram Jde ser arrematados em leilao por
desconfiarse que pertenosm a terceiros, doren
ser procurados tambera dentro d'aquelle prazo,
a tim de seren entregues,' previa justilicaco; fin-
dos os 60 dias a nenltuma reclamaco so adeude-
r, posto que serao postos em basta publica.
% ice consulado de llcspanha.
ESPOLIO 0E JOS JeIIOMMO SARCIA.
Os credores do subdito hospanhol Jos Jeroui-
mo Garca, fallecido no engenho Aratangy, termo
de Ipojuca, sao convidados a coniparecerem no
consulado de Hespanha ra do Vigario n. 9, den-
tro do praso improregavcl de 60 dias, a fim, de
fazerein valer seus direitos sobre o espolio do
mesmo ; lindo esse prazo a nenliuma reclamar o
so atlender.
Os liscaes desla cidade fateffl publico pa-
ra quem interessar possa, que o artigo 6" do ti-
tulo 0" das posturas de 30 de junho de 1849, abai-
xo transcripta est em perfeito vigor:
Artigo 6." Fica prohibido dentro da eidade o
uso de roqueiras, bombas e fogo solt (buscaps).
Os infractores sero multados em 105 e soffrero
dous das de prisao. A cmara por editaos designa-
r os lugares em que se possam soltar os busca-
ps, roqueiras e bombas de que trata este artigo.
Cidade do Recife, 22 de junho de 1864.
M. J. da Silva Itibeiro
Joiio Xavier da Fviiceca Capibaribe.
Thomaz Augusto de V. A. Maranho.
Manoel Antonio Ferreira Gomes.
Cousclho admiiiislialivo.
O conselho administrativo para fornecimento do
22
para abrir a 4J seasio do jurv desla capital, que arsenal de guerra em cumprimento ao artigo 22
irabalhar em dias consecutivos, bajeado proced- do regulamenio de 14 de dezembro de 18.>i, faz
879
Descarregara no da 30 de junho.
Galera francezanV/emercaduras.
Bngue suecofc'wutaboado.
G a lera i ng I ezaBaphaelca r vo.
Patacho hainburguezI'ic/oi farinha de Irgo.
Kecebedorla de rendas internas
geraes de Pernambuco.
Rendimento do dia la 27........ 35:9795986
dem do da 28................. 2:8505054
Rendimento do da 1 a 27..
dem do dia 28.....
Tem esta bella e rica provincia de eleger no dia
10 de julno tres nomes, que sero apresentados ao
nosso Augusto Monarcha para a nomeaco de um
senador, que preencha a vaga, que no senado dei-
Tra a mu sentida morte do nosso dislincto patri-
cio, o Em. conselheiro Francisco Xaner Paes
Brrelo. ..
Algeas candidatos j se tm apresentado, e, li-
ongeando-me com o reconhecer em todos elles
grande merecimenlo pelos seus talentos, Ilustra-
do, servicos e dedicaco causa publica, anim-
me a solicitar igualmente a sabida honra de ser
eleito.
Nao encareco meus servicos, e digo apenas, que
elles sao poneos em relaco aos muitos, que tenho
desejado e desejo prestar.
as lucias polticas o raciocinio tem sido minha
nica arma, os bons principios minha religio pol-
tica, a exaltaco o inimigo que aborreoo, as recri-
minagSes pessoaes o objerlo de meus desgostos.
Amo a liberdade c a ordem, e deste duplo amor
tem resultado o nao poder simular-me, nem comer-
me sempre quo se abusa de qualquer destes dous
principios : este tributo pesado e difBeil eu o le-
nho pago ao meu paiz.
Talvez nao me seja possivel dingr-me particu-
I rmenle cada um dos Srs. eleitores; nao pen-
*em por isso que, as occasides de dar evidentes
provas de vivo reconhecimenlo, o meu coracao se
llamburgo, & de Junho.
Belatorio comnurcial.
Em consequencia de mais favoraveis aspectos
polticos e offerecendo o mercado melhor escolha,
o negocio teve um desenvolvimento maor nos l-
timos 15 dias.
Caf. Alguns possuidores mostrando rontade
para render, houveram alguma* transaccoee a pre-
cos mais baixos de 1|8 3ii6, mas essas iransacc/5es
nao foram de grande vulto, porque os olferecimen-
tos para venda s foram limitados, sobretodo de-
pois da chegada das ultimas noticias do Rio. Na
quinzena importarara-se 22,529 saceos, dos quaes
5,171 do Brasil. Venderam-se 5,000 saceos de.ca-
114:9715868 ha o que dispoe a le n. 286.
86624706 Conforme.A. F. d'Annunciac.o.
--------------- O lllm. Sr. inspector da thesouraria provincial,
123:6345574', em cumprimento da ordem do Exm. Sr. presidente
da provincia de 4 do corrente, manda fazer publico
que no da 30 do mesmo. perante junta da fazen-
da da mesma thesoararia se ha de arrematar, a
quem por menos fizer, a obra dos reparos das pon-
tes de Santo Amaro, Tacaruna, Arrumbados e Va-
radouro, avahada em 1:2005180.
A arremataeao ser feita na forma da lei pro-
vincial. 343 de .15 de maio de 1954, e sob as
clausulas especiaes abaixo declaradas.
As pessoas que se propozerem a essa arremata-
cao comparecen) na sala das sessoes da referida
junta, no da cima mencionado, pelo meio dia, e
competentemente habilitadas.
E para constar se mandou publicar o presente
pelo jornal.
Stcretaria da thesouraria provincial de Pernam-
f do Rio e de Santos a 6 7(8, 8 schillings. Cota- buco 9 de junho de 1864.O secretarlo,
mos : caf regular ordinario do Rio 7 1|47 7|16. A. F. d'Annunciago.
Importarao geral do caf do i.* de janeetro at o Clausulas especiaes para arrematago
fu de maio.
1860 39,400,000 libras.
1861 38,500,i'00 c
1862 42,W0,080 .
1863 3t,W0.0OO
1864 26,500,000 t
Era ser em ruis de malo:
1860 15,000,000 libras.
1861 17.000.000 c
1862 21,000,000
1863 14,000,000
1864 8,000,000
1' Os reparos das pontes da estrada de Olinda,
na importancia de 1:2005180, sero feilos de con-
1 formidade cora a respectivo orcamento, approvado
palo conselho da directora.
3* O arrematante dar principio aos trabalhos
o praso de 15 das, e os concluir no de dous me-
zes, contados da data da arrematarlo.
3' O pagamento eflecluaj-se-ha asa duas presta-
gees iguaes, a primeira qnando snetade da obra es-
tiver concluida, e a ultima no fim e entrega dos
trabalhos.
4' Para lude mus qe aqoi nao estiver disposto,
do ao sorleio dos 48 jurados, que tm de servir na
mesma sesso, em conformdade do art. 329 do re-
gulamento n 120 de 31 de Janeiro de 1842 foram
sorteados e designados os cidados seguiules :
Freguezia de S. Frei Pedro Goncaives,
Manoel Francisco Marques.
Freguezia de Santo Antonio.
Jus.tino Pereira de Parias.
Manoel Juvencio de Saboia.
Manoel Fonceea de Mederos.
Fraucsco Jos CyrilloLeal.
Luiz Jeronymo Ignacio dos Santos.
Capilo Domingos Jos Rodrigues.
Jos Egidio Ferreira.
Manoel de Souza Cordeiro Simos.
Thomaz de Almeida Antunes.
Florencio Domingues da Silva.
S. Jos.
Francisco Serfico de Assiz Carvalho.
Joaqnm Jos de Souza Serrano.
Jos Pedro da Silva.
Francisco Antonio das Chagas.
Boa-Vista.
I'rancisco Augusto de Olveira Rarros.
Dr. Jos Eustaquio Ferreira Jacobina.
Dr. Joo Mara Ser.
Franciseo Antonio Pontual.
Conselh iro Lourenco Trigo dd Loureiro.
Joaquim Jos Silveira.
Jas Goncaives de Medeiros.
Dr. Cicero Odn Peregrino da Silva.
Pedro Alexandrino de Barros Cavalcante de La-
cerda.
Bento Jos da Costa.
Francisco Sergio de Mattos.
Pedro Celestino Mindello.
Dr. Pedro de Atalude Lobo Moscoso.
Dr. Francisco de Paula Cavalcante de Albuquer
que.
Manoel Gomes de S.
Dr. Luiz Carlos de MagaMes Breves.
Bernardo Jos Martins Pereira.
Luiz Amavel Dubourq Jnior.
Ullysses Cockles Cavalcante de Mello.
Galdino dos Santos Nunes de Olveira.
Dr. Cypriano Fenelon Guedes Alcoforado
Joaquim Augusto Ferreira Jacobina. .
Afogados.
Manoel Pereira da Cunha.
Joo Chrysostomo de Albuqnerque.
Poco.
AssucarO assucar continua em posico firme : seguir.s*ha o que determina a lei n. 986.
venderam-se 1,700 saceos do mascavo da Baha, e Conforme.A. F. d'Aaounciacfw.
200 caixas do branco de Maroim.
Precos- branco da Baha 2t 1|2 25 l| raar-
l-cos banco.
Mascavo dito 1921 e 1|2 marco banco.
Branco de Pernambuco 2324 1|2 marco banco.
Mascavo idem 19 21 1|2 marco banco.
Importarao do assucar do 1.* de janeiro at 31
de maio :
144300,000 libras.
22,500,000
20,500,000
27,000,000
15,000,000
publico que foram aceitas as propostas dos senbo
res abaixo declarados :
Para o 2" batalhao de infantaria.
Joo Bautista Vieira Itibeiro, 2,250 covados de
panno azul a 25300.
Soutbal Mellors & a, 13o covados de panno cor
de ra|i a 25700.
Custodio Carvalho t C, 550 mantas de la a
25400, 31 covados de casemira amarella a 15850,
4^225 varas de brim branco a 510 rs.
Para a companhia de artfices.
O mesmo vendedor, 25 mantas de la a 25400.
Estes objectos devem ser recolhdos no dia 27 do
corrente.
Para o 2- batalhao de infantaria.
Jos Antonio dos Santos Coelho, 1,833 covados
de hollanda de forro a 175 rs., 242 varas de auia-
gem a 430 rs.
Para o mesmo batalhao.
Joo Jos Machado, 3,300 varas de algodozinho
a 520 rs.
Marques Gomes 4 C ,60 covados de casemira on-
carnada a 15750.
Dr. Rufino Augusto de Almeida, 521 pares de
sapatos a 25800. Estes objectos devem ser reco-
lliidos no dia 30 do corrente.
Para o 2 batalhao.
Antonio de Souza Marinho, 31 bonets redondos
a 15900, 450 ditos azues a 35450, 12 ditos verdes
a 35450, 27 ditos para msicos a 95, 27 pares de
charlateiras a 15, 450 ditos de platinas a 15-
Companhia de artfice*.
O mesmo vendedor, 25 bonets para recrutas a
15900.
Para o 2* batalhao de infantaria.
Manoel Rodrigues Costa Magalhes, 54 vara* *
galo de prata de 1 pollegada de largura a 740 rs.
- aoitava, 40 varas e meia de dito de meia pollega-
da a 740 rs. a oitava.
Para o mesmo batalhao.
Luiz Bento de Vasconcellos, 6,300 boloes gran-
des de metal amarello a 80 rs., 3,150 ditos peque-
nos do mesmo metal a 80 rs., 168 ditos grasdes de
metal bronzeado a 80 rs., 108 ditos pequeos de
dito dito a 80 rs., 378 ditos grandes pratiado a
100 rs., 182 ditos pequeos ditos a 100 rs. Esles
objectos devem ser entregues no dia 30 de julho
prximo vindouro.
Scxta-feira 1" de junho deverao ser arrem
metal amarello para capole 1,813, colxeles preto
pares tii'.i.
Para o corpo da guarnirao.
Bonels SO, ditos redondos para recrutas 20,
mantas de la 20, sapatos, pares 181.
Para a fortaleza de llamarac.
Sino com 2 1|2 palmos de allura pouco mais ou
menos, 1.
Quem quizer vender taes objectos, apresentem
as suas proposlas era carta fechada na secretaria
do rynsellio.s 10 horas da manhaa do dia 1 de
julho vindouro.
Sala das sessoes do conselho administrativo para
fornecimento do arsenal de guerra 22 de junho de
1864.
Antonio Pedro de S Barreto,
Coronel presidente.
Sebastin Jos. Basilio Pyrrho.
Vogal secretario.
Para o corpo de guarnico.
Custodio Longuinbo Draga, 5 cornetas de loque
com boccaes, pontos e voltas a 17-5, para serem
entregues no dia 8 de julho prximo vindouro.
Sala das sessoes do conselho administrativo para
fornecimento do arsenal de guerra, 23 de junho
de 1864. <
Sebastin Jos Basilio Pyrrho,
Toga) secretario.
Corrrio grral.
Pela administraco do correio desta cidade se
faz publico para los convenientes que em virtudc
do dsposto no artigo 138 do regulamento geral
dos correios de 21 de dezembro de 1844. e artigo,
9 do decreto n. 785 de 15 de maio de 1851, se pro-
ceder o consumo das cartas existentes na adminis-
traco, per.encentes ao mez de junho de 1863, jio
da 3 de julho prximo; s 11 horas da manhaa,
na porta do mesmo correio, e a respectiva lisia se
acha desde j exposta aos nteressados.
Administraco do correio de Pernambuco 25 do
junho de 1864.O administrador,
Domingos dos Passos Miranda.
Crrelo geral.
Pela administraco do correio desta cidade se
faz publico que em virtude. da convenci postal,
celebrada pelos governos brasileiro e francez, se-
ro expedidas malas para a Europa no da 30 do
corrente pelo vapor francez Beam. As cartas se-
ro recebidas at 3 horas antes da que for marcai-
da para a sabida do vapor; e os jornaes ale 4 ho-
ras antes.
Administraco do correio de Pernambuco 2o de
junho de 1864.-0 administrador,
Domingos dos Passos Miranda.
O abaixo assgnado, lancador do consulado
provincial, avisa aos senhores proprielarios de pre-
dios urbanos e donos de estabelecimentos das fre-
cuezas do Recife, Santo Antonio e Boa-Vi.-ia, uue
sendo nomeado por portara do Sr. administrador
do mesmo consulado, datada de 20 do corrente
mez, para proceder aos differentes lancamentos dos
impostos j criados, e ltimamente outros criados
pela assembla legislativa provincial, e que dando
principio aos trabalhos ao dia 22 pela freguezia do
Recife, pede aos mesmos senhores que tenham
promptos os seus recibos e mais documentos inhe-
rentes, ao que diz respeito, afim de que possa pro-
ceder com regularidade e sem vexame das parles,
o referido lancamento. Mesa do consulado pro-
vincial 25 de junho de 1864.
Joo Pedro de Jess da Matta.
eos expansivo do que o de outro qualquer.
- V. S. de acceilar os rotos de sincera
Digne-sc .._.------r
estima e considerado do que c de V. S. patricio,
venerador, servo e criada
Recife, 10 de junho de 1864.
Francisco de Paula Baphsta.
1860
1861
1862
1863
1864
Em ser em flns do maio:
1860
1861
1862
y
7,500,000 libras.
10,000,000
10,500,000
9,300,000
1864 2,500,000
Tabaco.O tabaco do Brasil tem urna eitracco
regular, e as qualidades finas foram muito procu-
Ao (IlltlltCfi. radas as ultimas semanas, mas ha falta de oseo-
Slvno Guilherme de Barros, sendo boje o porta- Iha, nao tendo havido, entradas nem de tabaco da
dor de qua todas as letras aceitas por Francisco' nota nem da velba colheita. Urna partida de 32
Antonio de Oliveira pela importancia da compra bailas de S. Flix vendida em Icilo obteve 7-12
do engenho Guerra, sito rtr. termo de Ipojuca, pro- 7[I6 schillings.
movcdo ja execucao contra o mesmo Oliveira por Em ser 1,700 bailas de tabaco do Brasil,
al-umas deseas letras de quantia superior vinle AlgodSo. O algodo de longo fio estere maito
O lllm. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial, em cumprimento da ordem do Exm. Sr. pre-
sidente da provincia de 4 do corrente, manda fa-
zer publica, que na dia 30 do mesmo, perante a
junta da fazenda da mesma thesouraria, se ha de
arrematar, quem por menos flzer, a obra do em-
barreamento da estrada do sul entre os marcos de
quatro cinco mil bragas, avahada em 5:9955 rs.
A arremataeao ser feita na forma da lei pro-
vincial n. 343 de 15 de maio de 1834, e sob as
clausulas especiaes abaixo mencionadas.
A pessoas que se propozerem a essa arremata-
gao comparegam na sala das sessoes da referida
junta, no dia cima mencionado, pelo meio dia, e
competentemente habilitadas.
E para constar se raandou publicar o presente
pelo jornal.
Secretara da thesouraria provincial de Pernam-
buco, 9 de junho de 1864. 0 secretario, Antonio
Ferreira d'Annunaiaoo.
Clausulas especiaes p*ra a arremataeao.
i* Os reparos do embarreamento da esirada do
sul, entre os| marcos de 4,000 a 5,01 bracas, na
importancia de 5.9955 rs., ser executados de
conformdade com o respectivo orcamento, appro-
vado pelo conseibo da directora.
2* O arrematante dar comeco aos trabalhos no
prazo de 20 das, e os concluir i

AVISOS MAMTIMOS.
COMPANHIA BRASILEIEA
DE
PAQUETES A VAPOR.
E' esperado das parios do sul
at o da 30 do corrente o vapor
Apa, o qual depois da demora do
costume seguir para os portos
, do norte.
Desde j reeebem-se passageiros engaja-se a
carga que o rapor poder conduzir, a qual devera
ser embarcada no dia de
sua chegada: encom-
Jase Cesar de Mello. Quom se iulgw com direito a tros cav altos
r, u~~mW*imdMrae3" Car ramo. que foram apprebendidos pela subdelegacia dos
Dr. Joaqmm Hwfc Mor** i,trr*m Afosados, e acham-se depositados como (arlados,
PS'zlSim H?fm e Sil ra sendo um eastanho, nm ruco talhado e outro pe-
Jos Joaquim dos ^g^*1*' dre! ,,Uera comparecer, que prerando, Ibe serio
Bernarmno laflrino de Miranda e Albuqnerque. entregues. O subdelegado
J..o Francisco do Reg Maneota. S?32lWUiaHa
Manoel Julio da Fooceca Pinho. t CfiHSClho admilhlratVO.
A todos os quaes e a cada um de per si- bem f50-! o conselho administrativo para farneciraento do
mo a todos os Interessados em geral se convida arseual de guerra ^a, de comprar os objectos so-
para eomparecerem m prime andar da casa que ujnles .
fo caricia, na salla dns sessoes do jury, tanto m
referido dia e hora, come nos domis das seguin-
tes.em quinto durar a sesso, sob as peoas da m
se faltaren. ,,-,).;
E para que chogne ajnot.ca a '>J^on
passar o presente que sera lirio e ?_'u
- -. -----i.i;-uin pela nnprensa, e
subdelegados do ter-
tadas tres caldeiras e seus perlences do servico de ; mmU e dnhtro a fret at 0 & aa hida s 2
asphalt*. logo que lindar a audiencia do se. juiz ae i wencia ra da Cruz n. 1, escriptorio de
paz da freguezia de S. Jos cujas caldeiras foram Antoi;jo*Juir de 0liveira Azeredo A C
-ilfiinuidettas MraS Oe ouanua superior a vnue igouao. u aiuounu ue luugu un caico hiu.iu i"> ----j- -- ..__,,..*.
sKSeSTcquearespeilo de ahjamas procurado durante todo o mSz fiado, subindo os imitados ambos da data da arremaiacSo.
COMPANHIA BRASILBIRA
DE
PAQUETES A VAPOR.
** Das porto* do norte esperado
at o dia de julho, o rajior
Cruzeiro io Sul, commandante
Alcanforado, o qual depois da de-
mora do costume seguir para os
portos do sal.
Desde j rseebeai-se passageiros s sagaja-se a
carga que o vapor poder coaduzir, a qual dever
ser embarcada no da de sua chegada, encoouuea-

Para o presidio de Fernando
1400 alqueires de farinha de mandioca pela me- das e dinheiro a frete ate o da da sabida as 2 no-
ida do padro da tmara. ras: agencia, ra da Cruz n. 1, escriptorio de An-
a're m'as* pblicos," e publicado pela imprem
letter Iguaes aos subaeiei
ospubllcarememandaremhze^as
tambem remetter Iguaes aos
m% para os publicaren) e mandare.n fazer a. nou
(iraks necesarias ^ISA^ZSSSS!
testemunhas que ^^3?^
Recife 27 de anho de 1864. bu Joa^mm rraa
cisco de Paula Esteres Clemente, esenvao do jury,
o subscrevi. .
Francisco de Araujo Barros.
DECLABACOES.
dida do padro
Quem quixer vender tal objecto, aprsente a >ua
pfoposta em carta fechada na secretaria do conse-
lho, s 10 horas da manhaa do dia 4 de julho.
Secretaria do conselho administrativo para for-
necimento do arsenal de guerra, 22 de juuho de
1864.
AnfoK'o Pedro de S Barreto,
coronel presidente.
Sebastio Jos Basilio Pyrrho,
vogal secretario.
O conselho administrativo para fornecimento do
arsenal de guerra tem de contratar os gneros ali-
menticios para a companhia dos menores do arse-
nal de guerra, nos mezes de julho e agosto prxi-
mos vindouros :
o nio Luiz de Oliveira Azevedo & C
Rio de Janeiro.
O brigue TVoeador segu com brerjdade. recebe
carga e escravos a frete : tratase com os consig-
natarios Marques, Barros A C, largo do Corpo San-
to n. 6.
O abaixo assgnado. lancador do consulado Pao de4 onfas.
provincial, trisa aos senhores proprietanos de pre-', Bolaxa.
Para o Rio de Janeiro
pretende seguir com muia bfovidada o releiroe
bem couheciio palbabote nacional M tem
parte do seu carregamenlo engajado para o res-
to uue Ibe falla e escravos a frete, para os quae*
em exfolenlo* commodos. U-u-se cora os seus
consfgna'ar!'s Antonio Luiz de Olireira Azevedo.
ra da Cruz n. 1.

*


Dkutu de Fematubueo Para Lisboa
sahlr com brevidade o brigue portuguez Constan-
te, recebe anda alguma carga a frete o passagei-
ros, paraos quaes tem excellentes commodos : tra-
la-se com Manoel Ignacio de Oliveira & Filho, lar-
go do Corpo Santo, cscriptorio n. 19.____________
COMPAIHIA
DAS
MESSAGERIES IMPERIALES
No da 3 do
corrente mei es-
pera-s dos por-
tos do sul o va-
por francez
Bearn, comman-
dante Aubry de
la Ne, o qual
depois da demo-
ra do costme seguir para Bordeaux tocando em
S. Vicente e Lisboa.
Em S. Vicente ha um vapor em corresponden-
cia com Gore.
Para fretes e passagens tratase na agencia roa
do Trapiche n. 9.
LEIL.tO
DE
Urna annacn, balco, balanzas, cartdiciros
de gaz come sem registros e differentes
objectos existentes no estabelecimento da
ra da Imperatriz n. 6.
Sabbado de julho.
O agente Pinto far leilo por conta de quem
pertencer dos objectos cima mencionados existen-
Para bollos de S. tloo e S.
Pedro.
Manteiga ingl^za 800, 710 e 64 rs. a libra,
Pede-se ao Sr. Joo Germano de Paula, quei-
ra vir declarar nesta typographia onde residem |
Jos Feliciano de Aratijo Pinheiro e D.Maria Fran-1
Monte Pi Portuguez:
A directora provisoria, tendo j confiado a urna
dita franceza a 640rs. a libra, fariuha deltrigo 120 ?f2 1ue. Pel mesmo sennor '.ranl incluidos no eommissao o trabalho da orgauisaco dos estatutos
rs. a libra, e tudo mais do rnolhor qne ha no mer- P"m.e.d0.s ass'gnantes deste Diario, sendo a (o- julga todava conveniente scientiflcar desde loco a
cado por precos cmodos, no antio e acreditado "
estabelecimento junto a esta typographia n. 42.
Na praca da Independencia, loja de ourives
n. 33, compram-se obras de ouro, prata e pedras
preciosas, assm como se faz qualquer obra de en-
tes no armazem do sobrado da rua da Imperatriz commenda, e todo equajqaer concert, e igual-
n... onde se efectuar o leilo s 11 horas do da n!?]L,!_? dira 1aem da dinheiro a premio,
cima-
LEILAO
Para Lisboa
O brigue portuguez Ata II, capito Antonio
Francisco Vieira va sabir por estes dias por ter a
mior parte do earregamento prompto : para car-
ga e passageiros, tratase com E. R. Itabello, ra
Para a Bahia
pretende seguir com muita brevidade a escuna na-
cional Carlota, tem parte de seu carregamento
prompto : para o resto que Ihe falta, trata-se com
os seus consignatarios Antonio Luiz de Oliveira
Azevcdo & C, no seu escriptorio ra da Cruz nu-
mero I._____________________________________
Rio Grande do Norte c Assu
A barcaca Graciosa sane at o dia 4 de julho
para os portos cima, recebe carga a frete : a tra-
tar na ra da Madre de Dos n. 2, ou na escadi-
nba com o mestre.
LEILOES.
Quinla-feira 30 de junho as 11
ra da f atleia n. 53.
horas
DE
Duas casas terreas na ra do Principe defrpnte da
propriedade do Sr. Braga ao sahir para a estra-
da de Joao de Barros e as frentes esto por
rebocar, o interior e repartimento.
O agente Euzebio vender em leilo as duas ca-
sas terreas na ra do Principe, as quaes tem 22
palmos de frente, 64 de fundas e56 ditos de quin-
tal murado de um lado, cada urna, c mais um ter-
"T,,jT0J,or -,ifi('ar co,n 5,4 ',a.:,,,o;idt frntee I Cornial lmKrtoVao'
120 de fundo; sao novas e a frente falta rebocar, do en nll SuaS;;lina, ;l0 su, C(
2SS",.'f0m-0.r,t'P'y"r 'nlcr,"1r' U'm a|.w,a ,d nho.Muhbequinhae trras cham
lha recebida por elle, e nao paga._______________ "todbs os seus compatriotas o seguinte
Aluga-se a casa n. 4 da ra do Jasmim, fre-' "S serao socios effectivos os cidados portu-
guezia da Boa-Vista, para pequea familia : a Ira- 8ue*es.
lar na ra da Viraco o. 37._________ 2." A joia ser de 10 e a raensalidade de
- Precisa-se de um menino de 10 12 annos ^s/n. socios torio direito aos beneficios da
-.'___________,_____________ cursos) estiverera desempregados, docntes
Aluga-se o primeiro andar do sobrado da rua
do Hospicio n. 2, proprio para familia : a tratar
no mesmo.
Mua attenedo.
Vm machiii i americana. abaixo as,gnado avlsa > to<* seas deve-
W.........I. r;.. i .i --- .o i i. dores em geral, de maiores e menores quantias,
ScSUIlda-leira 4 de jalilas 11 horas, assim como de letras ha muito vencidas, que ve-
0 agente Olimpio vender ora leilo urna ma- nham no praso de 15 dias pag^rcm ru Direita nada dever, tanto dos actos da'semana anta orno enterro decente, se
china americana que trabalha com um cavallo pa- n. 91 os seus dbitos, e se assim nao o fizerem se- de todas as despezas feitas com os de mais actos >so.
ra fazer mover qualquer machina pequea de des- rao seus nomes publicados por este Diario, e de- da irmandade, alfaias e concertos ; com tudo se
carocar algodo, tendo a vantagem de ser moito pois executados sem distinecoes de pessoas ; faco alguem se julgar credor por qualquer forma dela
simples c economisar muito trabalho bracal. Ser presente annuncio para que depois nao se que'i- irmandade durante a dita adminisiracao
Iruiaudadc do **. Sacramento
do torpo Manto.
O thesoureiro da administraco de 63 64 julga
so-
re-
ou
presos.
4. Aquelles que, por motivos graves ou moles-
tia perigosa, nverem necessidade de se ausentar,
serao pagas as despezas de transporte com com-
modidade e decencia, ou paraoutras provincias do
imperio, ou para paiz e9trangeiro.
5." Fallecendo qualquer socio, far-se-lhe-h
elle
nao
a um
deixar meios para
efectuado o leilo na rua Direita n 84.
LEILAO
DE
40 barricas com fariuha de triso
xein do -Jos Martin da Silva Borhcs.
Mcgiinda-feira 4 de Julho.
.. queira
apresentar suas cantas na rua da Cruz, loja n. 64,
| ra ji a Para serem NP. at o da 30 do corrente.
n u ",? ,MA Casas para alunarse,
O abaixo assignado declara em tempo ao Alugam-se o 3- e 4 andares do sobrado da rua
respeitavel publico que na preparacao ly- 'do Brum n. 70, e 2 andar do sobrado do caes n.
Uiographica dos meios bllietes da nrimci- ^P0'.'0.? ,7 : a lratar na roa larga do Bosariode
priinci- AP" n- 17 : a tratar na roa larga
O agente Pinto, far leilo rquerimento do ra parte da primeira lotera da matriz de "ot'ca- ____________
depositario geral e por despacho do Illm. Sr. r. c Amaro de Jaboatao 97 a^ mip p arham i PARA ALI'GAI!--------------
do Kio de
quaes vieram
quem dirigidas: o leilo ser effectuado s
1 JP.&!?1 a.lgu.ns bilhltrs em m'.Pequena ^SSSSf&SikE^
ii
n. 39,
um escriptorio :
da mesma casa.
I no mesmo deposito, casa ^ATlS^l ffL1^ 1=**.
frente a da secretaria de polica.
LLILJlO
DA
Heladc do sobrado de 2 andares silo
rua do Padre i-1 uriana o. 21.
Terca-feira > de jullio s \ 1 horas.
O agente Olimpio acha-se autorisado a vender
em leilo a metade do sobrado de 2 andares na
rua do Padre Floriano n. 21, chaos proprios e ren-
de mensamente 42$.
Os pretendentes podero entender-se com o re-
ferido agente em seu escriptorio na rua da Cadeia
do Rccife n. 48, onde ser effectuado o leilo da
metade do referido predio.
da lotera-falta essaque a ninguem pode- ,ra,ar^?a Vg5T Y.lj rlm^o anda"
ra prejudicar. poiS nO SC tendo anda CX-1 Watter Rose sua |senhora reira-se para
trahtdo parte alguma dessa lotera, esta Europa,
claro que pertencem a primeira parte da
primeva todos os meios qne se aciiam
venda com a numeraco 97.*
O thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
AWSlSICA
Rua da Penha n. 15.
Manoel Francisco Leite, com loja de surrador,
Precsa-sc de um caixeiro que entenda de avisa ao publico e tambem a seus freguezes, que
pharmaca : quem cstiver nestas circunstancias, reduzio os precos o mais barato que foi possivel,
dexe seu nome e morada em carta fechada com como sejam : meios de sola limpos para bahuleiro
as letras l>. C. nesta typographia. e selleiro a 180 rs., couros em cabello dem dem
TT ~, ;--------------------- a 300 rs., vaquetas, couros em branco e preto, e
UCClClVttCO tudoomaispertencente a saa offleina aprempia
O autor do annuncio publicado neste Diario de
2o do corrente faz publico que aquelle annuncio Aluga-se muito barato urnas pouras de meia-
no diz nada respeito aos Srs. Antonio Correia de aguas acabadas prximo de se edificar na entrada
DE Vasconcellos & C., successores de Jos Moreira Lo- dos porloes da travessa das barreiras do bairro da
Lm engenlio com bom cercado e matas, com pes e sim diz respeito a outros senhores, Maria la- Boa-Vista : a tratar na rua do Cotovello n. 2.1
LEILAO
casas de moenda para caldeiras e de pur- pes junte ao S, com loja de fazendas na rua que
,., j, ca| nao escrava.Gurlias._______________________
quintal em aberto para ser franca, e vista pelos
preteBdentes.
LEILAO
gar todas de ped
Quarta-feira 6 de julho.
O agente Pinto autorisadu pola eommissao en-
carregada de liquidar os buns de Joaquim Elvirio
de Moraes (jarvalho levar a leilo s 11 horas
; do dia cima dito o engenho S. Joaquim em Muri-
oeste com trras
com ierras do enge-
Muribequlnlia e ierras chamadas Mungongos,
e an leste com ierras de S Andr. O leilo ser
effectuado no escriptorio do referido agente rua
da Cruz n. 38, pxlendo os pretendentes desde
exaniinarem o mesmo engenho.
47
DE
caixas com sapatos de borracha
HOJE
As II horas cm ponto.
O agente Pestaa, para fechar conta vender por
conta e risco de quem pertencer, sem a menor re-
serva de prego, 47 caixas com sapatos de burracha
para homem esenhora, algunssem defeito, os quaes
sero vendidos cm lotes para chpgar para todos,
hoje s 11 horas em ponto na porta do armazem do
Annes defronte da alfandega.
Precisase de urna ama captiva ou livre que
saiba lavar eengommar com perfeicao : na rua da
Praia de Santa Rita n. 6o.
Lava-se e engomma-se perfeilamente, e por
prego commodo : a tratar na rua do Sebn. 19-
Precisa-se de urna criada livre ou escrava
que saiba cezinhar e comprar : na rua de Santo
Amaro (Mundo .Novo), sobrado onde morn o Sr,
Dr. Sabino.
LEIL4G
Maques sobre Portugal.
O abaixo assignado, autorizado pelo
Banco Mercantil Portuense. e na ausencia
do Sr. Joaquim da. Silva Castro, saca ef-
fectivamente por todos os paquetes sobre
as pracas-de Lisboa e Porto, e mais luga-
res do reino, por qualquer ssoHM vis-
ta, e a praso ; podendo, os que tomaren)
saques a praso.receberem avista, no mes-
mo Banco, descontando 4 0)0 ao anno: na
loja de chapos da rua do Crespo n. 6, ou
Da rua do Imperador n. 63, segundo an-
dar.Jos Joaquim da Costa Ma'ta.
DE
Precisa-se de urna ama que saiba
muito bem cosinbar, seja aceiada e
faga as compras para casa de pouca
familia : na rua da Cadeia do Itecife
n. 38, primeiro andar.
ESCRAVO FGIDO
tOO0 de gratlucaro.
Contina fgido desde Janeiro o mulato de no-'
rae Raymundo, natural do Ico, estatura regular
idade de 18 annos, cabeca chala, cabellos carapi-
nhos, testa grande, rosto oval e con) urna fstula
na face esquerda, inagas saltales, denles limados
pontudos, bocea regular; e principio de buco, ps
e mos pequeos, costumava andar calcado, e in-
titulava-se livre cora o nome de Manoel Raymun-
do : quem o apprehendcr, dirija-se rua da Ca-
deia do Recite n. 21, Luiz Antonio Siqueira, que
entregar a referida gratlficaco.
Desde odia 24 do mez de junho acha-se fu-
gitivo oescravo Ambrgzio, com os signaes seguin-
les: estatura retoJr, cor preta, magro, bem reito,
ps grandes, barba solssl, falla com muita humi-
Ihaeao (de muito velliaco que-e), muito conheci-
ae na cldade de Olinda e Recife, onde por mnitos
annos exerceu a pro&uio de gaohador : pede-se
todas as autoridades, capitaes de campo, pessoas,
e a cada urna de per si, a captura de dito esrravo,
tiue podera ser entregue rua de Apollo n. 39 ao
Sr. Antonio da Rocha Accioly, ou no engenho Ou-
teuo de Pedra, na Luz. O senhor do mesmo escra-
vo protesta desde j contra quera o lenha acoutado,
e igualmente pagar cora1 generosidade a quem o
aprehender.__________
Fugio no dia 3 de junho, do engenho Caluan-
da, freguezia de N. S. da Luz, comarca de Pao d'A-
lho, o mulato Bernardo, de idade 30 annos, pouco
mais ou menos, com os signaes seguales : rosto
redondo, nariz chalo, barba serrada, e conserva-as
a excepcao do bigode, baixo, corpo regular, ps
curtos, pernas grossas, cabellos alguma cousa
crespos, bastante ladino, as costas e nadegas cica-
trizadas de chicote, levou vestido camisa de algo-
dao azul c caiga de riscado, chapeo de couro e
mais roupa, julga-se ter seguido para o centro ou
norte, provincia da Parahiba, d'onde veio por com-
pra feita a Antonio de Barros Correia, senhor do
engenho Teixeira, e d'onde j por duas vezes veio
por oceasio de fgido : roga-se s autoridades po-
liciacs, capites de campo, ou qualquer pessoa do
povo a apprehensao do dito escravo onde for en-
contrado, devendo ser entregue ao seu seu senhor
Joao Correia de Araujo Vasconcellos, que gratifi-
car enerosaniente no mencionado engenho Ca-
luanda.
COMPRAS.
LEILAO
DE
12 barricas com graia n, 97
HOJE.
Para fechamenlo de factura o agente Pestaa,
vender 12 barricas com a bem contienda e acre-
ditada graxa de lustro n. 97 em um ou mais lotes
a vontade, hoje pelas 10 )* horas da manhaa na
porta do Annes defronte da alfandega.
LEILAO
ingleza
DE
Jlautcig;i
HOJE
O agente Pestaa, vender para acabar um resto
de barra de manteiga ingleza em lotes a vontade,
hoje pelas 10 horas da nanha no armazem do
Aunes.
Quem precisar de urna ama para cozinhar e
coser, dirija-se rua de S. Francisco n. 21.
lencentes a mesma alienada.
LEILiO
LEILAO
DE
Urna caleche com lanternas e arreios, um
carro de 4 rodas com coberta e arreos, e
nm cabriolet de 2 rodas com coberta.
Scxta-feira Io de julho,
O agente Pinto autorisado por urna pessoa que
retirou-se para Europa far leilao dos carros e
cabriolet cima mencionados proprios para pas-
seios. s 11 horas do dia supradito na rua do Tra-
piche em frente ao armazem n. 40.
e qul-
Leilo de escraves
Como sejam :
Joanna, crionla, de 17 annos, cosinheira.
Victoria, de 20 anuos, lavadeira, cosinheira
tandelra.
l'ma negrinha com 14 annos de idade e outras.
Scxla-feira Io de julho.
O agente Pinto lar leilo por conta de diversos
de differentes escravos com habilidades, isto s
11 horas do dia 1 de julho no armazem do sobra-
do da rua do Trapiche n. 40 confronte ao consu-
lado inglez.
Um apparciho para cha composto de
DE
l'ma ca*a na povoaco da Varzca.
Quarta-feira G*de julho.
O agente Pinto tara leilo precedida a compe-
tente autorisago de urna casa de taipa coberta de
tena sita na povoaco da Varzca, com a frente pa-
ra a rua do Fogo, com 2 salas, 2 quartos e cosi-
nha fra, assim como o terreno em que est a dita
casa com 18 palmos de frente e 280 de fundo com
alguns arvoredos, s 10 horas do dia cima dito
era seu escriptorio rua da Cruz n. 38.
Movis, 1 niulaiinho de 16 a 17 anuos
de idade, 1 relogio de ouro patete
inglez, 1 traucelim de ouro com cas-
soleta, diversos utencilios de casa
etc.. etc.
Quarla-ffira ( de julho s 11 hores da manha
.no armazem da rua da Cadeia do Itecife Caixeif'O.
numero 18. \o armazem de molhados da Brilhante Aurora
O agente Olimpio fara leilao dos objectos cima precisa-se de um caixeiro desembaracado, que de-
a rquerimento do curador da alienada Carolina sempenbe seu lugar.
Correia Duarte de Albuquerque e mandado do i ------n.. a~Z------TZT^-------------i
Illm. Sr. Dr. joiz dos orplios, bem como trocar ~.Pl'*seJ^e "a de le"e : M raa Im'
particularmente diversas imagens de madeira per- &onraao D- B/-________________________
Aluga-se o terceiro andar da casa n. 48 na
rua do Trapiche : a tratar no armazem da mesma
easa.
Precisa-se alugar urna preta que saiba cozi-
nhar e engommar : quem a tiver, dirija-se rua
do Trapiche n. 4, que achara com quem tratar.
ABI\ETE
POKTKjIJEZ l)K lkiiliu eh per-
l\ AII BUCO.
Achando-se prximo o termo da actual admi-
nislraco, por ordem da directora convido po-
rem-se em dia com a caixa do estabelecimento to
dos os senhores associados que esto em atraso de
mensalidades, e peco a quem se julgar credor do
Gabinete, que aprsente suas contas no praso de :
oito das.
Secretaria do Gabinete Portuguez de Leitura
cm Pernatnbuco aos 21 de junho de 1804.
Joaquim Gerardo de Bastos.
1. secretario.
toociedade de seguros mutuos
de vida installada pelo Banco
Unlo na cldade do Porto.
Os agentes nesta cidade e provincia Antonio
OrUZeS SOradO ll. Ob, Dri- Luiz de 0liveira Azevede & C escriptorio na rua
j r da Cruz do Recife n. i, esto autorisades desde j
meil'0 ail(iar, POI' C1ID. CIO a tomar assignaturas e prestar todos os esclarec
t- mentos que forcm necessarios, as pessoas que de
annaZem r rOgreSSlSta, aOIl- sejarera concorrer para to til e benfica empre
i_ i as, egurando um futuro lisongeiro aos associade-
de o acarao como sempre Na ma do .^go n. 3 sss engomma-se
prompto a qualquer hora ^^,S^^^tZ^S^fSJ^,'
ra o exercicio de sua pr6-:tnd n 1 -, f Aluga-se urna negrinha de 14 annos de idade
nSSclO, CUamdO POr eSCrita. Para ld0,n serr'v interio de urna casa de fami-
________I_________________I_______ r ha, a qual e muito esperU e fiel, e ensaboa bem :
pa praca da Boa-Vista, sobrado da esquina que vol-
Arrendase, vende-se, ou mesmo trocare por
casas na praca um sitio na Varzea margera do
ameno Capibaribe, com duas grandes casas, com
7 quartos, 4 salas, 2 cozinhas e um soto, tendo a
parte cocheira, estribara, e quartos para criados,
todo plantado de arvores de fructo, abacates, sapo-
tis, fructa-po, limo doce, limas de umbigo c da
Persia, larangeiras de umbigo, soletas, tangerinas,
etc., um grande cafesal com fructas, jaqueiras,
mangueiras, coqueiros, dendezeiros, com mais no
fundo urna casa de taipa, e bem assim mais 4 ca-
sas de tijolo acabadas de pouco tempo, com frente
para o nascente, muito frescas, tendo cada urna 2
salas, 2 quartos e cozmha fra : os pretendemos
dirijam-se rua do Queimado n. 27, loja de fazen-
das dos Srs. Custodio & Carvalho.
Aluga-se um sitio na estrada da Ponte de
Uchoa e a margem do rio, pouco adiante do Illm.
Sr. commendador Ncry Ferreira, tendo banheiro,
palanquea galinheiro e outras acommoda^oes; e
outro dito no Monteiro, em frente ao oito da igre-
ja : a tratar com Antonio Jos llodrigues de Sou-
za, rua do Crespo n. 15, ou estreita do Rosario nu-
mero 32.
AVISOS DIVERSOS.
Saques sobre Portugal.]
inton'o Luiz de Oliveira Azevedo
Agextes do Banco Uniao do Pouto.
Competentemente autorisados sacam
por todos os paquetes sobre o mesmo Ban-
Lisboa e para as se-
0 cirurgiao Leal mudou
a sua residencia da rua do
Queimado para a rua das
Aos 6:0Oo$OQ0.
Corre lioje.
Quinta-feira 30 do correte mez
se ex
ta para a rua do Arago, primeiro andar. Na mes-
ma casa vende-se um sellim em muito bom estado,
e precisase alugar um primeiro andar, ou urna
sala e alcova que seja propria para escriptorio de
advogado.
co para o Porto e
guales agencias:
Amarantes.
Arcos de Val de Vez.
Aveiro.
Barcellos.
Bastos.
Evora.
Fafe.
Faro.
Vianna do Castello.
Villa do Conde.
Villa Nova de Porti-
mo.
Villa Real.
Villa Nova de S. An-
tonio
Vizeu.
Beja.
Braga.
Braganca.
Caminha.
jCastello Branco.
Figueira.
Guarda.
Qualquer somma
Lagoa.
Lagos.
La mego.
I.filia.
Mon?o.
Moncorva.
Oliveira de Azemeio.}
Cha"e*.
Coimbra.
Covilha.
Elvas.
Extremos.
Penna Fiel.
Pinhal.'
Porto Alegre.
Regoa.
Setubal.
Taver.
Thomar.
Ilha Terceira.
Fayal.
Madeira.
S. Miguel.
6." A sociedade prestar igualmente soccorros.
em quanto o necessitarem, s viuvas e Qlhos me-
nores dos socios que fallecerem em penuria.
presentando esta idea geral dos tos que a so-
ciedade tem era vista, e havendo ofliciado s com-
missoes nomeadas nos diversos bairros desta cida-
de para Ihes pedir o seu valioso auxilio na acqni-
ei?o de socios, a directora tudo espera da leal
coadjuvaco e do acrisolado patriotismo dos Ilus-
tres cavalheiros a quem so dirigi, e de todos os
seus compatriotas em geral.
Alm das pessoas nomeadas, qualquer cidado
portuguez que pretender contribuir para o de-
senvolvimentode lao til associaco angariando
assignaturas e demonstrando assim o interesse
que Ihe merecom as cousas da nossa chara patria,
poder para esse din obler listas impressas, din-
gtndo-se ao Gabinete Portugnez de Leitura, ou a
casa da secretario, rua da Cruz n. 23, primeiro
andar.
A todos, em geral, que receberem listas, roga a
directora o especial obsequie de as devolveren)
opportunamentc, ou acompanhadas de offlcio, ou
simplesmente assgnadas, para a directora ter
sciencia dos cavalheiros a quem Ihe cumpre tribu-
lar os seus agradeementos.
Recife, 3 de junho de 1864.
Jos da Silva Loyo,
Presidente.'
Joaquim Gerardo de Bastes,
^_____________2" secretario.____________
Attenco
6
Fugio da casa do abaixo assignado no dia 24 do
corrente, a escrava de nome Mara, crioula, de ida-
de de 40 annos pouco mais ou menos, levou vesii-
1 da, dous vestidos de chita escura e um panno da
costa anda novo, tem falla de denles na frente, e
na mo direita tem falta de um dedo, bem falante
i e corpolenta; suppoe-se que anda por S. Lourenco
| da Malta, roga-se as autoridades e capites de cam-
po, a apprehensao e leva-la na rua do Imperador
n. SI, que se pagara as despezas que fuer.
Um preto desencaminhou um
cmbrulh contend) cioco livros c dous
relalhos de chita escarale para cober-
ta ; pede-se encarecidamente a quem as
mos for o favor de entregar ao abaixo
assignado a quem pertcnce, que grati-
licar, cntregando-se aos Srs. Duarte
Percira &t\, rua do Crespn. 16.
Jos Francisco de Paula Hamos.
Aviso importante.
Com este titulo sahio publicado neste Diario no
da quarta-feira 15 do corrente um annuncio dos
administradores da massa fallida de Francisco Go-
mes Castellao, no qual se diz que eu ando cobran-
do as dividas da loja de calcados do mesmo fallido,
do qual era caixeiro. E quem isto se nao peja de
fazer publico sao os Srs. Prenle, Vianna & C que
foram nomcados administradores! !!
Nao posso pois, deixar que os Srs. administrado-
res com detrimento de minlia honra e dignidade 05 romances de Camillo Castello-Branco filia
facam alarde de urna calumnia, quando esses se- arcediano por 1300 rs.. Anathema por 1<5J'0, e
nhores sabem mui bem que nunca fui caixeiro de I Scenas contemporneas por i-yMO ; Reconlacdes
meu cunhado, o Sr. Francisco Gomes Castellao, e '' Pars e lAwlres por J.Cesar Machado por lOO
que apenas estabeleci em seu nome urna loja de rs.; Scenas da minlia Ierra pela mesmo por 13200;
calcado francez e cabedaes da trra, que manejara Cantos do lio Joaquim por Rodrigo Paganiuo por
como seu crdito e meu pequeo capital,eda qual i 13200 ; Manon Lescant por A. de Presbot por
nenhum lucro percebian me.-mo Sr. Castellao, tan- 15200 ; Cantos Matutinos por Gomes de Amorim
to que pela falta de negocio deixaudo de pagar aos por IfSOO : PtMamenlot e mximas pelo conse-
Srs. Prenle, Vianna & C. as letras do mez de Iheiro Bastos por 73lKK>; Guia Lnxo-Brasileiro por
marco, e nao as podendo ainda resgatar em abril, L M. de Lcinos por 23O00 ; Revista Contemi>ora-
Compra-se um ferro de fazer hostias em bom
uso : quem o tiver pde-se dirigir esta typogra-
phia, ou ao Sr. Jos dos Santos. Neves na rua do
Crespo.
Comprase ouro e piala era obras velhas
paga-se bem: na loja de bilbeles da prac,ada lnde
pendencia 11. 22.
Compra-se um moxo para piano : na rua do
Cabug n. II, botica.
Comprase um preto de meia idade uuejiao-
tenha vicios nem achaques : na rua da Croz n.
18, armazem.____________-.
Na raa da Cadeia do Itecife defronte do Bec-
co Largo n. 2.*, precisa-se comprar urna casa de
um andar com quintal e cacimba c na falla della
urna terrea que tenha bons commodos e quintal,
situada em qualquer rua dos bairros da Boa-Vis-
ta, Santo Antonio e Kecife mesmo at a rua do
Brum, paga-se bem agradando o lugar e os com-
modos : quem a tiver e quizer vender dirija-se
casa cima mencionada 110 segundo andar que
adiar com quem tratar.
Milagree de Sauto An-
tonio.
Compra-se este drama : na livraria popular, rua
do Imperador n. (7.

VENDAS.
VENDE SE
a prazo ou a vista,
podendo logo os saques prazo serem
descontados no mesmo Banco a razo de
4 por cento ao anno ; a tratar na rua da
Cruz n. 1.
fi nni 9 salvas 9 h.-.<-!>i* >> U iZH I^"" *2"'T^'J?*'. ? CA Aluga-se no melhor local de negocio na Casa
? ss ,a% trahir a primeira parte da primeira lotera Forte para umprincipiante duas casas juntas ten-
var naos, 2 jarres e 1 paliteiro, tu-
do de prata do Porto.
Sexta-fclra [ de julho.
O agente Pinto far leilo por conta de quem
pertencer das differentes obras de prata do Forlo
cima mencionadas, s 10 horas do dia supradito
do armazem da rua do Trapiche n... aonde have-
r em cootinuaco leilo de escraves c carros.
DE
Differentes obras de prata do Porto, de es-
cravos, de carros, e de dous cabriolis
sendo um inglez para duas e quatro pes*
soas.
NexU-felra 1' de julho.
Por intervencao do agente Pinto na rua do Tra-
piche armazem n. 40.
LEILIO
DE
Movis e livros.
Sexta-fcira \ dcjulh
NO ARMAZEM RUA DA CADEIA N. 48.
O agente Olimpio far leilo de diversas obras
de marcmeina novas e usadas e de outros muitos'
objectos de gosto.
Dar principio o leilo as i 1 horas.
a LeneGcio da matriz de S. Amaro de Ja- do urna armaco de taberna aonde esteve Manoel
boalo, no consistorio da igreja de IV. S. ^boclo, por prego commodo: a tratar na padaria
do Rosario da freguezia de Santo Antonio. do 2SSSSSS_____________________.
Os bilhetes, meios e quartos acham-se =.Precisa-se de urna criada para casa de pouca
yenda na respectiva thesouraria rua do "a : na rua da ,mpera,nz n" t' segundo an"
Crespo n. 15. i-----------------r------j----------------------
J PT'^^h ^T^/16 ?**?' Alaga-a. o sobrSo,YaeauTsor:andar da roa Im-
serao pagos urna hora depois da extracco perial n. 162, com commodos para grande familia,
at s 4 horas da tarde, 6 OS outros no dia grande quintal com cacimba e portao para um
seguinte depois da distribuido das listas.
O thesoureiro,
. Antonio Jos Rodrigues de Souza.
C4S4 1)4 FORTUNA
AOS 6:000.000
Bilhetes garantidos
1' ru te Crespo i. 23 e casas do costme
O abaixo assignado tendo vendido nos seus mui-
to felizes bilhetes garantidos os dous meios cora a
sorle de 10:000,5000, e dous quartos h. 3022 com
a de 2:0004 e n 2079 com a outra de 2 000,5 e
outras multas com a sorte de 500, 2004 e 1005,
da lotera que se acabou de extrahir beneficio da
igreja de Nossa Senbora do Rosario, convida os
possuidores de ditos bilhetes a virem receber seus
terreno com camhoa da mesma propriedade:
tratar na padaria da roa Direita n. 84.
Precisa-se al upar dous escravos, paga-se bem:
a tratar na rua do Brum, fabrica de sabio.
Quem saiba trabalhar.
Precisa-se de urna pessoa que saiba trabalhar
em machina de costura, ou seja homem ou mulher:
a tratar na rua dos Quarteis, loja de calcado no
mero 22.
Na rua do Livramento n. 19, ha para alu-
gar-se um bom escravo copeiro e urna escrava pa-
ra servico do interior de casa: na mesma casa
compra-se urna escrava moca e bonita que cosa e
engomme bem.
DENTISTA
A vinva Rosa Jane contina a por denles arti-
ficiaes, e resolveu ensinar tambem a sua arle, me-
respec .yos premios sem os descontos da le., era dian[e paga quom quiier aprende.|a pode enten-
seu estabelecimento a roa do Crespo o. J3. | der.se m a mesma em sua residencia na rua da
O mesmo tem exposto a venda os novos e felizes j peDna n. 17 secundo andar.
1 bilhetes garantidos a beneficio da igreja de Santo'
Amaro de Jaboatao que se extrahtr quinta fe ira
30 do corrente.
Precos.
Bilhetes inteiros..... "4000
Meios......... 3*506
Ovarlos........ 1J900
Para as pessoas que comprarem
de 1004 para cima.
Bithete .'..... 6*500
Meios......... 34250
Quartos...... 14700
Manoel Martins Fiuxa
DE
Predios na povoaco do Monteiro todos
em chaos proprios.
Cordeiro Simoes, levar de novo leilo, pos
mandado do Illm. Sr. juiz de direilo especial do
commercio, os predios situados na povoaco do
Monteiro pertencentes massa fallida de Joaquim
Vieira Colho dt C, servindo de base a offerta
obtida. I ~ freciba-se 4e um bom foroeiro e um
Sexu-feira 1 de junho as 10 }% horas, porta elre de masstra, na padaria da Torre ; a
da Associacao Commercial. fallar fom o Sr. Arantes.
O abaixo assignado achando-se encar-
regado e com procuracao bastante de
Francisco A y res Sigismundo de Moraes
para cobrar as dividas do casal de seu
antecessor Joo Baptista dos Santos Lobo,
avisa aos respectivos devedores que pode
ser procurado, nesta cidade, na rua de
Queimado n. 12, primeiro andar.
Manoel Gomes Leal.
AMA.
Precisa-se de urna ama forra ou escrava, que
saiba cozinhar e engommar : a tratar na rua do
Crespo a. 18, ao segundo andar. I
Desencaminhou-se hoje do poder do abaixo
assignado urna letra da quantia de 366407o, que
saccaram em 31 de maio prximo passado, a oito
mezes, c Ihes foi acceita pelo Sr. Joaquim Rodri-
gues Tavares de Mello, desta praca, e cora quanto
esta letra nao possa ser negociada, nem mesmo
aproyeitar a outrem, porque alm da falta de sel-
lo nao est passada a ordem pelos saccadores, ni-
cos competentes para a transferencia da sua pro-
priedade, comtudo julgam do seu dever fazer esta
declaraco para evitar duvjdas futuras, assim co-
mo que a consideran) de nenhum valor em poder
de quem se achar. Recife, 27 de junho de 1864.
____________________Monteiro, Lopes C.
Precisa-se na rua do Imperador n. 43 de urna
pessoa que coziobe por lo dias.
AMASS40R
Precisase de um amassador : na padaria de A.
F. da Silva Beiris, rua los Pires n. 42.
Iiiciu gosta. do qne c bosa.
Na rua da Roda n. 6 continua a mandarse co-
mida para fra, e incombe-se de tudo : na mesma
casa tem a chave da casa terrea da rua Imperial
n. 270 para alugar com todo commodo._________
Os liquidalarios da massa de Jos An-
tonio Bastos convidam os credores da mesma
a receber o segundo dividendo, rua do
Trapiche n. 3.
Club-Commercial.
De ordem do Sr. presidente, sao convidados
os socios desta sociedade para reuntao em
assembla jera! sexta feira Io de julho, pe-
las 6 horas da tarde, aim de deliberar-se
sobro objecto de summo interesse da mes-
ma sociedade.
em i de maio me ferliaram a porta e proseguirn)
na execucao at a fazorem arrematar por si mea-
mos.
E quando isso nao fosse bem sabido, bastava a
declaraco do proprio fallido para provar este acer-
t ; podem os seobores administradores dizer que
sou devedor massa, logo que se proceda a um
ajuslc de coulas entre o que produ/io a loja de cal-
cados e os crditos a que ella eslava directamente
obrig.ida, mas querer fazer acreditar que as divi-
das daquella loja pertencem massa de Francisco a
Gomes Castellao, isso alm de ser extravagancia
irrogar urna injuria sem utilidade.
Qoerem os senhores administradores mostrar
servicos, traten) de promover o ajuste de contas en-
tre mili) e a massa de meo cunhado que me aeha-
ro prompto, mesmo a entregar essas lvidas em
solueo do meu debito para com a massa, no caso
de o haver, mas manchar minha repulaco, nico
bem que actualmente possuo, isso nao conseguiro;
tal vez seja esse um meio de que se serviro para
prolongar mais a factura do dividendo do liquido
apurado j antes da abertura da fallencia, da qual
fomm depositarios e ora administradores, pouco
me importa essa demora, o que me importa que
com o meu nome, e a custa de minha reputaco
queiram campar de exlrenuos e zelosos adminis-
tradores.
Nunca me occullei, tenho procurado viver para
acudir a subsistencia e edueaco de meds innocen-
tes filhinhos que nao conhcccm ainda a perda que
tiveram com o fallecimento de sua mi e minha
mui prezada esposa, e sem escollia de trabalho a
tudo me tenho sujeitado s para que mais tarde,
nao podendo legar fortuna, legue ao meuos meus
filhos um nome de que se nao envergonhem.
As dividas provenientes da loja de calcados, sao \
minha propriedade e deltas posso dispdr como me
approuver, conforme tenho demonstrado.
Aqui Pico por hoje protestando recorrer aos tri-1
bunaes do paiz para mo desafrontar da iojuria que '
roe arrogan) os senhores administradores.
Queiram, Srs. redactores, dar publicidade em
seu conceiluado jornal a estas toscas lionas em de-
sabafo de miuha honra ultrajada, no que tenho de
mais sagrado, pelo que Ihes ficar muito obrigado
o se constante leitor,
Antonio Jos Moreira Pontes.
Recife 27 de junho de 1864.
nea de Portugal e Brasil auno de I8."!) por j-5000 ;
Obras completas de Aleares Paginas sallas poesas de Calazans por 600 rs.;
Poesi'ts de l"osla e Silva por 2.">OJ : na roa do
Cabug loja n. 2 A.
Vendem-se caixes vastos a 1:760
cada mu : na rua das Cruy.cs ti. 44.
Vende-se a padaria sita em Santo Amaro
travessa do Lima, quina da rua de Luiz do Reg:
a tratar na mesma.
Vende-se por preciso urna bonita negrinha
de 7 8 annos de idade com principios de costura,
na rua da Cadeia do Recife n. 30 primeiro andar.
A GRANDE CURA
PARA TODAS AS .MOLESTIAS DO
nem e is wm
AS
O abaixo assignado declara que nesta data
nada deve a pessoa alguma, e se alguem se julgar
sen credor, apresente-se dentro era dias em Game-
leira, era casa de sua morada, que ser pago.
Joo Rufino da Silva.
Alugam-se tres escravos, sendo dous para
qualquer servico, e um moleque com 15 annos de
idadu que serve para criado de qualquer casa : a
tratar na rua dos Martyrios n. 2. _______
Leopoldino da Silva Rosado comprou por or-
den) da Kxm* Sra. D. Maria Dantas e o coraman-
dante superior o Sr Jos Dantas de Oliveira, mo-
radores no Pombal da Parahiba do Norte, dous bi-
lhetes inteiros ns. .'i!.'! c 2884, e dous meios ns.
469 e 3269 pertencentes a favor da igreja de San-
to Amaro de Jaboatao._____________________
Precisa-se alugar um escravo : quem o tiver
leve rua larga do Rosario n. 10, que achara com
quem tratar.
Plalas Yegetars Assucaradas
De Kemp
Compostas dos dois novos resinoides chama-
dos I'odopiiilina o Leptandrina, c iiitcim-
mente livres de Mercurio ou outros venenos
nineraesou inetallicos, sao de grande uti-
dade nos paizes clido* em cazos de
DISPEPSIA, ENCHAQECA,
Constipara ou Priza"o do Ventrc,
PADECIMENTOS do FIGADO,
Aflecroes Biliosas,
HEMOHBBOIDAS, CLICA,
Ictericia,
FEBRE GASTRO-HEPATICA,.
E unirs rnrrinidadn ailegat,
- Bita vSo rpidamente substituindo oe anCj/o
purgantes drsticos.
A venda as boticas de Caors & Barboza,
rua da Cruz, e Joo da C. Bravo & C., rua
da Madre de Dos.
Irmandade de IV. H. nal
dos Horneas.
Por ordem do Irmo provedor convido lodos os
nossos irmos reunirem-se em mesa geral do-
mingo 3 de julho, s 10 horas da man lia, atim de
se tratar do assumpto, que aftecta de muito perto a
existencia da irmandade. Consistorio da irman-
dade de N. S. Mi dos Homens aos 28 de junho de
1864.O escriva,
____________Joaquim Gerardo de Bastos.
Na rua da Matriz da Boa-Vista n. ii ha para
se alugar duas escravas de 15 annos para o ser- vessa da rua do Principe ao p de unia casa nova
vico interno de qualquer casa de familia._______j que nao est acabada : a tratar na rua da" Gloria
(onvltc. |numero79- _________________________
O actual mestre dos novicos da veneravel ordem Vende-se urna cadeirinha com pouco uso,
O abaixo assignado faz sciente que Relmiro' terceira do Carmo convida aos seus charos irmos Prorapta com correias : a tratar na rua do Rosario
Jos Goncalves deixou de ser seu caixeiro desde 23 novicos a comparecerem no consistorio da mesma n- 36, em frente a rua do Arago.
do corrente. Rectfe 28 de junho de 1864. no da 3 de julho, pela* 9 horas do dia, afirn do Vende-se um cabrloli no nati do Para
Antenio Joaquim Alves Teixeira. tratar-se da festa do padroeiro. zo n. 26. n. uiiwu .*-.
ATTENQAO.
Precisa-se de urna ama forra ou escrava para
casa de pouca familia: a tratar na rua do Sol n
33, armazem de rnadeiras c materiaes. ________
Vende-se oo permuta-se por duas crias de 3
4 annos de idade urna negra de meia idade, sem
vicios nenhuns, muite boa quitandeirae mullo fiel:
no pateo do Trro n. 141.________
Ta boas de pinho
Ainda tem um resto de taboas de pinho da Sue-
cia para vender-se : a tratar cora Rothe & Ridou-
tac^rua do Trapiche n. 18, escriptorio.
Vende-se um terreno com 20 palmos na tra-


Diario e Pcrnambaeo Qtiiua letra 30 de Inulto de 184.
r
I
)
GRANDE
soi timeiito de fazendas ovas vindas
pelo vapor inglez para o proprieta-
ro do grande armazn e loja de (a-
zeadas da Arara, ra da Imperatriz
i. 56, de Loureii(;o Fereira Mendes
tiuiniares
Pechincha, a 3>200.
Vende-se baralissimo para apurar dioheiro, a
saber : cortes de chitas francezas de cores escuras
e claras cora 10 covados por 3**00, ditos de chitas
ingieras a 2,1400, ditos de cassas francezas alie
25O0, ditos de cambraia de salpicos a 2*500 e 3*:
s na Arara, ra da Imperatriz n. 56.
A Arara vende a 2-10 rs.
Vende-se organdys lino para vestido a 240, 280
e 320 rs. o covado, casta franceza fina a 320o ca-
vado, gorguro de linho para vestido a aSO o cova-
do : loja da Arara, ra da Imperatriz n. 56.
A Arara vende laazinhas de uina s cor
aftJOrs.
Vendem-se ricas lazinbas lisas proprias para
ramas e vestidos, os melhorcs gustos possiveis, a
6iO o covado, ditas Hara Pia nmito fina com pal-
mas a 640 o covado : ra da Imperatriz n. 56, loja
da Arara.
Corees de case mira a 2$.
Vende-se cortes de meia casemira para caifa a
2*, ditos nielhores a 2*500 e 3*, ganga para ralea
a 440 o covado, brim de linho preto a 500 rs. o
covado : ra da Imperatriz n. 56.
Fil de linho a S2 rs. a vara
Vende-se fil de linho branco proprio para forro
de vestido a 320 rs. a vara, tarlatana de cores
a 640 a vara, fil de linho fino a 800 rs. a vara :
na ra da Imperatriz n. 56.
Veos para seuhoras a LOO O rs.
Vendem-se os mais modernos veos para chapeos
de senhoras a 1* un, de todas as cores, manguitos
de fil e bordados a 500 rs., manguitos e gola a
1*, golinhas para senhoras e meninas a 240 e 320
rada urna, camisinhas finas para senhoras a 2* e
4*500 : s na Arara, ra da Imperatriz n. 56.
Arara vende os caries de lia Hara Pia a 1S<$.
Vendem-se ricos cortes de laa de barra os me-
Ihores que tem vindo, pelo preco de 18* o corte,
ditos a 8*. vende laazinhas em covado a 240, 280,
320, 400, 500 e 640 o covado, dtas lisas de cores a
640, casemiras para capas de senhoras a 2* o co-
vado : ra da Imperatriz n 56, loja e armazem da
Arara, de Hendes Guimaraes.
Bramante da Arara a 2(51200 a vara.
Vende-se bramante de linho de 10 palmos a
2*200 a vara, panno de linho para saceos e cerou-
las a 640 a vara, hauburgo de linho a 440, 560 e
600 rs. a vara, brim av linho branco fino a 1*200,
1*400 e 1*600 a vara, dito pardo a 800, 640,1* e
1J200 a vara : ra da Imperatriz n. 56.
Chitas da Arara a-210 rs.
Vendem-se chitas finas a 240 c 280, ditas largas
a 320, 360 e 400 rs. o covado, de cores lixas : ra
da Imperatriz n. 56, loja da .irara, de Mendes Gui-
maraes.
Chales da Arara a 2>00. -
Vendem-se chales da merino estampados a 2*,
2*500, 4*500 e 5*. ditos de laa e seda a 1* : ra
da Imperatriz n. 56, loja da Arara.
Oh! que pechincha, a I-Simo.
Vendem se lencos de seda grandes a 1-5, ditos
pequeos a 800 rs., gravatas de seda de cores a 500
rs., ditas pretas de laa e largas a 800 rs., rollan-
nho para homem a 400 rs., ineias cruas a 200, 240,
300 e 500 rs. o par : ra da Imperatriz n. 56, loja
da Arara.
Fazendas prelas para lulo, cassas, a 320 rs.
Vendem-se cassas prelas para luto a 320 o cova-
do, veos prelos para chapeos da senhoras a 1-3,
luvas de seda pretas a. 1*. princeza preta enfesta-
da a 640, 800 e l*o covado, alpaca preta a 500,
640 e 800 rs. o covado, laazinha preta a 640, mo-
iin e liombazina : ra da Imperatriz, loja da Ara-
ra n. 56.
(raudo sortiuientode roupa
feita.
Vende-se paletots de panno preto a 165, 14*,
12*. 10*, 8* e 65, ditos de brim de cor a 3*800.
3*e2*500, ditos de meia casenfra a 4*500 e3*500
calcas de brim a 3* 2*500, ditas de brim bran-
co a 4*500 e 3*500, ceroulas de linho a 2*000 c
1*800, camisas francezas de linho a 3*, ditas de
algodo a 2*500 e 2*300 : na ra da Imperatriz,
loja Arara n. 56.
Nao esqueram os baloes da Arara.
Vendem-se baloes do lo, 20, .10 e 40 arcos a 3*,
3*500, i*e 1*900, ditos de brillantina a 4*, cu-
beras de chita a 2*, ditas de damasco a 4*, ditas
de fustao a 5* : ra da Imperatriz n. 56, loja da
Arara.
Soutanibarque da Arara a 20 e !'> >.
Veude-se soulambarquemuitohem enfeitadoa20
e 25* cada un, veos prelos e de cores para senho-
ras a I* cada um. riscados francezes a 280 o co-
vado. Todas as fazendas existentes neste estabe-
lecimento vendem-se por prego baratissimo, e dao-
se amostras com penhor, ou manda-se levar as fa-
zendas casa das familias pelo caixeiro da loja da
Arara, ra da Imperatriz n. 56.
Cortes de cassa da Arara a 2:>000
Vendem-se cortes de cassa a 2*, ditos de dita a
2*400, cortes de babados a 3* : ra" da Impera-
triz n. 56, lo a da Arara.
M4CIIIIWSUEPATEIVTE
de trabalhar mo para
descarocar algodo
FABIIICADAS
Por Plant Brothers & C.
OLDAM
Estas machinas
podem descarocar
uualquer especie
)de algodao sem
estragar o fio,
"sendo bastante
duaspessoas para
otrabalho; pode
descarocar urna
arroba de algo-
do em caroco
em 40 minutos,
ou 18 arrobas
por da ou 5 ar-
robas de algodao
limpo.
Esta machina
a nica que
possne as vantagens de nao destruir o fio do al-
godo e de fazer render o dobrode qualquer on-
tra com menos trabalho, a sua introducto para
as provincias deste imperio ser de muito valor
para todos os inleressados na lavoura do paiz.
Assira con machinas em ponto grande -do mes-
lo systema,oraq! serem movidas por animaes,
agua oa vapor, pas uaes podem descarocar 18 ar-
robas de algodo ampo por dia.
O algodo descarocado por estas machinas tem
muito mais esttmaco nos mercados de Europa e
vende-se per maiorpreco.
As machinas se acham venda unicamenie em
casa de
Sauodcre Brothers i C.
M. II, pra^a do Corpo Baato
RECIFE.
Os nicos agentes neste paii.
Na ra de Apollo n. 32 ha um grande sorti-
mento de marmore para ladrilho, sacadas, hom-
breras e degraos de 8, 9 e 10 palmos de compri-
do e 2 112 de largo, folhas de marmore proprias
para lampos de mesas e para tmulos, vasos gran-
des para jardim, oo para ornar lmalos, por pro-
cos muito razoa\eis
Grande liquidadlo
de fazendas na loja de Pavie, ra .da Imperatriz a.
60, de Gama k Silva.
AcOa-se este estabeleciniento completamente sor-
tidode fazendas inglezas, francezas, allemes e
suissas, proprias tanto para a praca como para o
mato, prometiendo vender-se mais barato do que
em outra qualquer parte principalmente seudo em
porcao e de todas as fazendas do-se as amostras
deixando ficar penhor ou mandam-se levar em ca-
sa pelos caizeiros da loja do Pavo.
As chitas do Pava o.
Vendem-se superiores chitas claras e escoras pe-
lo barato preco de 240 e 280 rs. sendo tintas segu-
res, ditas fraucezas linas a 320, 340, 360, 400 e
500 rs., o covado, ditas pretas largas e estreitas,
riscados escocezes finos a 240 rs. o covado, isto na
loja do Pavo ra da Imperatriz n. 60 de Gama &
Silva.
As cassas do Pavie a 240, 280, 300 e 320 rs.
Vendem-se finissimas cassas persianas cores fi-
xas a 320 rs. o covado,ditas francezas muito finas
a 240 e 280 rs., ditas ingzezas a 240 e 280 rs. o
covado, Dnissimo organdy matisado com desenhos
miudinhos a 320 rs. o covado, cassas garibaldinas
muito finas a 320 rs., isto na loja do Pavo ra da
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
As lazinbas da exposico do Pavo.
Vendem-se as mais modernas lazinbas mossan-
bique chegadas pelo ultime vapor francez sendo
de urna s cor ou de listas miudinhas com 4 pal*
mos de largura, proprias para vestido de senhora,
roupa para meninos e capas, e pelo baratissimo
preni de530 rs. o covado, ditas enfestadas trans-
parentes de quadrinhos a 500, 400 e 360 rs. o co-
vado, ditas raalisadas muito finas a 500 e 400 rs.,
ditas mais baratas do que chita tambem matisadas
a 320 rs. o covado, ditas a Mara Pia com palma
de seda e 4 palmos de largura a 800 rs. o covado,
e ditas de una s cor parda, azul, cor de lyrio e
pero proprias para vestidos, sautembarques e
garibaldes a 720 rs. o covado, ditas cscocczas a
800 e 400 rs isto s na loja do Pavo, ra da Im-
peratriz n. 60, de Gama & Silva.
Os chales do Pavo.
Vendem-se finos chales de crepon eslampados
pelo barato preco de 6*, 7*, 8*, ditos de pona re-
donda a 7* e 8*, ditos pretos ricamente bordados
a retroz comvidrilho a 12*, ditos pretos lisos a
5*, ditos de cores a 4*500 e 5*, ditos de merm
eslampados a 2* e 3*, ditos de laa a 1*280 e 2*,
ditos de retroz preto para luto a 6*, isto na loja
do Pavo ra da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
0 Pavo vende para lulo.
Vende-se superior setim da China fazenda toda
de la sem lustro tendo 6 palmos de largura pro-
prio para vestidos, paletots, rapas etc., pelo bara-
to preco de 2*, 2*200, 2*500 o covado, cassas
pretas lisas, chitas prelas largas e estreitas, chales
de merino lisos e bordados a vidrlho, manguitos
comgollmhas eoutros muitos arligos "e_se ven-
dem por procos razoaveis : na loja do i :.-o ra
da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Os vestidos do Pavo
Vende-se ricos vestidos de grosdenaple preto ri-
camente bordados a veludo [>elo barato preco de
40*, sendo fazenda que sempre se vendeu a 100*
e i0* ; ditos de cambraia brancos ricamente bor-
dados a croch, sendo proprios para baile e casa-
mento a 10, 15, 20 e 30*; ditos de laa com Jindas
barras a 18 e 15* ; isto na loja do Pavo ra
da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Os pannos do Pavo.
Vende-se panno preto muito superior pelo barato
preco de 2*, 2*500,3* e 3^500, ditos muito finos a
4*, 5* e 6*, cortes de casemira preta enfestada a
4*, 4*500 e 6*, casemira preta fina de urna s
largura muito fina a 1*800, 25, 2*500 e 3*, cor-
les de casemira de cor a 5, 5*500 e 6*, casemi-
ras enfestadas de urna s cor proprias para calca,
paletots, colletes, capas para senhora, roupas para
meninos a 3* e 3*500 o covado, isto na loja do
Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
A roupa do l'avo.
Vendem-se paletots de panno preto sobrecasa-
cos fazenda muito boa a 12*. ditos muito finos a
16*, 2a;, 25* e 30*, calcas de casemira preta Loa
fazenda a 4*500,55, 6*, 7* e 8*, paletots saceos
de panno preto a 7*, ditos de casemira de cor a
6* e 7*, ditos de alpaca preta, ditos de merino
preto, ditos de brim de cores, calcas de casemira
de cor a 4*, 5*, 6*, 7*, ditos de casemira da
Escossia a 3*, ditos de brim pardo a 25500, ditos
de cor a 25 e 2*500, ditos brancos muito linos,
sto na loja do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Os coriuads do pavo.
Vendem-se ricos cortinados proprios para janel-
la e camas pelo barato preco de 9* o par, sendo o
melhor que ha no mercado: na ra da Imperatriz
o. 60, de Gama & Silva.
As colchas do Pavo.
Vendem-se colchas de linho alcochoadas pro-
prias para cama pelo barato preto de 5* cada urna
na ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva
As prccalas do Pavo.
Vendem-se as mais lindas procalas que tem vin-
do ao mercado chegadas pelo ultimo vapor fran-
cez, pelo barato preco de 600 rs. o covado, ditas
de listrinha muito miudinhas proprias para vestidos
e roupas de meninos e meninas pelo biralo preco
de 500 rs. ; s o Pavo ra da Imperatriz n. 60,
loja de Gama & Silva.
Os sontcanbarques do l'avo a
10 c 15$s0 o Pavo.
Vendem-se os mais lindos souteanbarques que
tem vindo ltimamente de laazinha e caxemira ri-
camente bordados c enfeitados, cores muito delica-
das pelo barato proco de 105 e 155 ; fazenda esta
que em outras lojas se vendem por 20* e 25*,
s para liquidar : na loja e armazem do Pavo
ra da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
As chitas do Pavo *g-IOO e
ZgHOQ oerte.
Vendem-se cortes de chita com doze covados
cada corte, ditos com dez covados a 2*400, fazen-
da muito boa, e que nao desbota, s na loja do Pa-
vo tem esta pechincha ; a ra da Imperatriz n.
60 de Gama & Silva.
I,as de urna s edr.
Vendem-se laazinhas de urna s cor, sendo en-
carnada, azul, cinzenta, cor de caf, lirio claro, li-
rio roxo cor de perola pelo baratissimo preco de
640 o covado, fazenda muito fina s o Pavo, ra
da Imperatriz a 60 loja e armazem de Gama &
Silva.
Pauno de linho.
Vende-se panno de linho com 4 palmos de lar-
gura proprio para lcnces, toalhas e ceroulas pelo
barato preco de 640 rs. a vara, bramante de linho
com 10 palmos de largura a 2*500, algodozinho
monstro com 8 palmos de largura a 1*. pecas de
Ham burgo com 20 varas a 9*, 10* e 11*, pecas de
madapolo fino a 7*300, 8*, 9* e 10*, ditas de
algodozinho a 6*, 6*500 e 7*, e outras multas
fazendas brancas que se vendem muito baratas
afim de apurar dinheiro : na loja do Pavo ra da
imperatriz n. 60, de Gama 4 Silva,
O bramante do Pavo com doze
palmos de largura.
Vende-se bramante de linho puro, muito fino com
doze palmos de largura o melhor e mais largo que
tem vindo ao mercado pelo barato preco de 2*800
rs.a vara ; s na loja do Pavo de Gama & Silva,
aua da Imperatriz n. 60.
As preealas do Pavio.
Vendem-se as mais lindas preealas qus tem vin-
do ao mercado chegadas pelo ultimo vapor francez,
pelo barato preco de 600 rs. o covado, ditas de lis-
trinha muilo miudinhas proprias para vestidos e
roupas de meninos e meninas pelo barato preco
de 500 rs.: s o Pavo ra da Imperatriz n. 60,
loje de Gama & Silva.
Os baloes do Pavo.
Vendem-se crinolinas ou baloes de 30 arcos tan-
brancos como de cores, sendo americanos qqf
sao os melhores por se nao quebrarem a 3*500 e
de 35 arces a 4*, ditos de musselina com babados
4*, ditos para menina a 2* e 3*: na loja do Pa-
vo ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
O Pavo vende 8.
Vendem-se os mais lindos cortes de vestidos a
Mara Pia, com lindas barpas de seda, sendo che-
gados pelo ultimo vapor francez pelo barato proco
de 8* cada um : s na loja do Pavo ra da Impe-
ratriz n. 60, de Gama & Silva.
Os baldes do Pavio.|
i 2300 so Pava.
Vende-se baloes com 20, *3 e 30 arcos pelo ba-
ratissimo preco de 2*500, asslm como tem um
completo sortimento de baloes para meninas de to-
dos os tamanhos pelo baralissimo preeo de 2*o00,
notando que sao baloes de arcos os melhores- que
tem vindoda America Ingleza, vendem-se por este
preco para liquidar : s a loja e armazem do
Pavao a ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
ESPLENDIDO SORTIMENTO DE MOLHADDS
W. O RUA DO CRESPO tf. 9
Esquina que volta para a ra do Imperador
(vio se engaueui rom a mitra)
iHIfiOS!
Nao leiam este annuncio com precipitacao.
Confrontem os precos dos oulros annuncinntes.
Venham ver os gneros que temos expostos a venda.
A vista faz f.
Nao temos palavras bombsticas.
Nao nos encalcamos o primeiro recebedor de conta propria.
Nao desacreditamos ao collega porque nio quiz ser nosso socio.
. Val a quena toca.
Para abastecer a todos os habitantes desta bella'provincia anda nio so snfficien-
tes as casas que actualmente oxistem abenas com grandes proporcocs para lerem um
magnifico sortimento de molhados; assim, pois, os prefoietarios do Armazem Principal
nao invejam a sorlc dos seus collegas.
Habitantes (le Pernambueo.
Acaba de receber de sua propria encommenda um grande e variado sortimento
de molhados todos primorosamente escolhidos, por isso apressa-se o propietario em
offerecer aos seus freguezes e ao publico em geral a seguinte tabella dos seus gneros e
resumidos precos, afianzando todo e qualquer genero vendido neste bem conhecido ar-
mazem.
PARA A FESTA
pode adiar
l'or Iludida
24
DE
S. JOAO
Amendoas confeiladas de 800 rs. a libra.
Manteiga ingleza perfeitamente flor, a 9oo rs,
libra.
E S. PEDRO
ja, canella, cravo, rlela pimenta a l,000
rs. a duzia l,ooo rs. a garrafa, garante-se. dem em latas de
que os melhores que temos tido no mer-
Idem franceza a Goo rs. a libra, e 8o rs. I cado.
sendo em barril. Passas em caixas de i arroba '/* e l% a 8,5oo,
Cha uxim a 2,7oo rs. a libra, e de 8 libras i,000 e 2,5oo rs. a caixa, e 5oors. a libra
para cima a 2,6oo. garante-se serem muito novas, e graudas.
dem perola a 2,8oo rs. e de 8 libras para dem corinthias proprias para podim a 9oo
cima a 2,7oo, I rs. a libra.
Wem hysson o mais superior que se pode Marmeladas dos mais afamados fabricantes de
desejar a 2,Goo e de 8 libras para cima Lisboa a 64o rs. a libra,
a 2,5oo rs. Ervillias seas muito novas a 160 rs. a libra,
dem menos superior a 2,4oo e de 8 libras Grao debico muito novo a 16o rs. a libra.
para cima a 2,3oo rs. Ervilhas francezas em latas a 600 rs.
dem proprio para negocio a 2,3oo, de 8 li-' Potes com sal refinado a 48o rs.
bras para cima a 2,2oo. Fumo de chapa americano a l,4oo rs. a libra
dem do Rio em latas de 2, 4,6 e 8 libras fazenda especial.
cada urna a 2, 3, 3,ooo e 4,8oo rs. a lata. Presunto para fiambre inglezes a 7oo e 800
dem preto o melhor que se pode desejar rs. a libra.
neste genero a 2,8oo rs. Chouricas e paios mnito novos a 64o a libra,
dem menos superior a esse que se vende Caixas de traque n. I a 8500 cada urna.
por, 2 c 2,4oo, a 4,800 rs. a libra. Massas para sopa macarrao, talharim aletria
dem mais baixo bom para negocio a l.ooo a 4oo rs. a libra.
Cognac verdadeiro inglez a 8,5oo rs. a caixa
e 800 rs. a garrafa,
dem francez a 7,ooo rs. a duzia e 7oo rs. a
garrafa.
Charutos em grande quantidade e de todos os
Nos temos um expeliente sortimento dos melhores gneros que se
em nosso mercado. Vinde ao nosso ostabdecimento, e se a vossa boa le
urna s vez ao menos, castigni-nos nao voltando mais a nossa casa.
Amendoas confeiladas de bonitas cores a dem de Hollanda em garrafoes com
l,ooo rs. a libra. | garrafas a 7,2oo rs. com o garralao.
dem de casca muito novas a 3oo rs. a libra. Lentilhas expeliente leguinc para sopa e gui-
Avelias a 2oo rs. a libra. zados a 2oo"rs. a libra.
Ameixas francezas em caixinhas com lindas Licores francotes de todas as qualidades a
estampas a l,2oo, Moo e l.Coo rs. cada 800 c i,000 rs. as garrafas grandes.
uma. Manteiga ingleza perfeitamente flor a 8co e
dem em frasco de vidro com rolha do mes- 96o rs. a libra.
mo ou de metal, a I,2oo e lioo rs. ca- dem franceza nova ja deste anno a Goo rs.
da um.
dem em frasco grandes 2,000 rs. cada um.
i *'i e 3 libras a l,2oo c
rs. a libra.
dem miudinho proprio para negocio a I,5oo
rs. a libra.
Queijos do reino chegados neste ultimo va-
por a 3,ooo.
dem prato os melhores e mais frescos do
mercado a 76o rs. a libra sendo intoiro.
dem londrino a Goo rs., e sendo inteiro a
5oo rs. a libra, vende-se por este prego
pela porco que temos em ser.
, Biscoitos ein latas de 2 libras das seguintes
marcas: Osborne, Craknel, Mixed, Victo-
ria, Pec-nic, Fancc, Machine e outras mu-
tas a 1,3oo e i 4oo rs.
> Polvos chegados ltimamente do Porto a 32o
rs. a libra.
Balachinha de Craknel em latas de 5 libras
bruto a 4,000 rs.
dem ingle/as em barricas a mais nova do
mercado a 2,;ioo rs. a barrica e 24o rs. a
libra.
Cartees com bolas francezas proprios para
mimos ou para anjos que vo as procis-
soes a Goo rs. cada um.
Peras seccas as mais novas do mercado a 4oo
rs. a libra.
Figos de comadre em Utas de 4 e 8 libras
lacradas hermticamente a l,4oo e'2,2oo
rs. a lata.
dem em caixinhas de 8 libras a l,8oo, e
2iors. a libra.
Nozes mnito novas a 120 rs. a libra, e 4,000
rs. a arroba.
Amendoas confeitadas a 800 rs. a libra, t
dem de casca mole a 32o rs.
Vinhos engarrafados no Porto e Lisboa das
seguintes marcas: duque, genuino, velho
secco especial, lagrimas doces, violto es-
pecial D. Pedro V, nctar superior de
1833, duque do Porto de 1834, vnho do
Porto, velho superior, madeira secca, Por-
to superior D. Luiz I, e outras muitas
marcas, em caixa de uma duzia a 10,000 e
1,000 rs. a garrafa.
dem branco de uva pura a 64o rs. a garra-
fa e 4,000 a caada.
dem superior a 5oo rs, a garrafa e 3,2oo rs.
a caada.
dem em pipa Porto, Lisboa e Figueira das
marcas mais acreditadas a 3,800 a caada
e 5oo rs, a garrafa.
dem de marcas pouco conhecidas a 4oo rs.
a garrafa e 3,oeo rs. a canada.
Especial vinho Lavradio sem a mais pequea
composico a 560 a garrafa e 4,ooo rs. a
caada.
Farinha do Maranho a 240 rs. a libra.
Ricas caixas com figos a l.ooo rs. cada uma.
Ricos livros com figos 1,00o rs.
Pomada a 200 rs. a duzia. sevada muito no-
va a 80 rs. a libra, e 2,5oo a arroba.
Garrafoes com 4 4/ garrafas de vinho supe-
rior a 3,500 rs. com o garralao.
dem com 4 */ ditas de venagre a 1,00o rs. o
garrafao.
Vinagre PRR em ancoretas de 9 caadas a
15,ooo rs. com a ancoreta
dem em pipa puro sem o batisme> a 2oo rs.
a garrafa e l,4oo rs. a caada.
Caixas com 1 duzia da garrafas de vinho Bor-
deaux fazenda muito especial a 6,800 rs.
a caixa e 7oo rs. a garrafa.
Licores francezes e portuguezes das seguin-
tes marcas-cnaaie de violetas, gerofles, ro-
sa, absinto vespeiro, amor perfeito, amen-
dua amarga, percicot. de Turin, Botefim,
morangos, limao, caf, laranja, cidra, gin-
fabricantes mais a creditados a 1,5oo,
2,ooo, 2,5oo, 3,000 e 4,ooo rs. a caixa,
os mais baixos sao dos que por ah se ven
dem a 2,ooo e 2,5oo rs.
Caf de premeira qualidade a 8.800 e 9,5oo
rs. garroba.
dem de segunda qualidade a 8,5oo rs. a ar-
roba e 26o rs. a iibra.
Arroz do Maranho a 12ors. a libra, 3,ooo rs.
a arroba.
dem da India muito superior a 2,9oo rs. a
arroba, e loo rs. a libra.
dem mais baixo redondo a 2,600 rs. a libra.
dem da India comprido a 2,4oo rs. a arro-
ba, e 80 rs. a libra.
Vellas de carnauba do Aracaty a 9,ooo rs. ar-
roba, e 32o rs. a libra.
dem de sebo muito dura fingndo esparmace-
te 36o rs. a libra.
dem de esparmacete a 54o rs. a libra, e em
caixa a 52ers.
Papel o melhor que se pode desejar para os
Srs. empregados pblicos a 5,ooo rs. a res-
ma, j se vendeu por 7.ooo rs.
dem almaco pautado e liso a 3.000 rs. a resma.
dem de peso pautada e liso a 2,5oo rs. a
resma.
dem a zul de botica ou fugueteiro a 2,2oo rs.
a resma,
dem cmbrulho de 1,2oo a i,loo rs. a resma.
Ameixas francezas em latas de 1 '/ ,Dra a
l,2oo e8oors. a libra,
dem em frascos de 3 libras a 2,5oo rs., s o
frasco valle l.ooo rs. tambem temos em
frascos para l,4oo-rs.
Conservas inglezas a 800 rs. o frasco.
Molhos inglezes a 800 e 1,000 rs. o frasco.
Mostarda preparada em potes muito nova a
2oo rs.
Latas com 2 a 4 libras de caj secco o mais
bem arranjado possivel a l,8oo e 2,8oo
rs. a lata.
Cerveja Tenente verdadeira a 6,800 rs. a
duzia.
dem de outras marcas preta e branca a 5,5oo
e 6,000 rs. a duzia inteiras.
Vassouras de piassava com 2 arcos de ferro
vindas do Porto a 32o rs.
Cebollas muito novas a l,ooo rs. o molhoe
800 rs. o cento.
Chocolate portuguez hespanhol e francez de
l.ooo a l,2oors. a libra.
Genebra de Hollondaem frasqueiras a 6,000
e 56o rs. o frasco,
dem em botijas a loo rs.
dem em garrafoes de 11 garrafas a 5,2oo rs.
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a groza e 2o rs. a
caixa.
dem de dentes lixados em macos grandes
com 2o rs. o macinhos a 12o rs. o masso.
Cominhos muito novos a32ors. a libra e
lo,ooo a arroba.
Sag muito novo a 24o rs. a libra.
Cevadinha de Franca a i 80 rs. a libra.
Mlho alpista a lio rs. a libra e 4,5oo rs. a
arroba.
Gomma a 28o rs. a libra e 5,4oo a arroba.
Peixcs em latas al.ooo rs. a lata j prompto
a comer-se.
Farello de Lisboa mar N. e Biato saceos
grandes a 4,000 rs.
a libra, e 060 rs. em barris inleiros.
Marnielada especial dos melhores fabricantes
de Lisboa a Goo e Gio rs. a libra, ha latas
2,ooo rs. de differentes tamanhos.
Arroz da India o Maranho o melhor que se 1 Massa de tmale em latas de i libra olio rs.
p le desejar a loo e 12o rs. a libra e cada uma.
2,8oo e 3,4oo rs. a arroba. I dem para soda estrelnlia, pevde e rodinha
Azeite doce de Lisboa a Goo rs. a garrafa, i em caixinhas surtidas a 3,000 e 3,5oo rs.
e 4,8oo rs. a caada. cada uma e 3oo rs. a libra,
dem francez clarificado em garrafas bran-, dem macarrao, lalerim e aletria a loo rs.
cas a 9oo rs. cada uma, e 10,000 rs. a! a libra,
caixa com 1 duzia. 1 Mostarda franceza preparada em frasco a loo
Alfazema muito nova e limpa a 32o rs. a li-
bra.
Alpista a lGo a libra, e l.Goo rs. a arroba.
Bolachiuhas de Lisboa da fabrica do Boato
Antonio das seguintes qualidades: aguae
sal doces, e imperiacs em lulas de G li-
bras a 3,ooo rs. e de 3 '.'> libias a l,5oo
rs. eemlibraa G4ors., estas bolachinhas
torn-se muilo recommendavel com es-
pecialidade para os doentes.
Biscoitos e Bolachinhas de soda em latas, de
todas as qualidades e marcas que se pro-
curar a l,3oo rs. a lata.
Bollos francezes em cartes e de diversas
qualidades a Go rs. cada um.
Banha de porco verdadeira refinada a loo
rs. a libra e em barril a 38o rs.
Batatas novas a 160 rs. a libra.
Bolachinhas inglezas ltimamente desembar-
cadas a 24o rs. a libra e 2,ooo rs. a bar-
rica.
Champagne das marcas mais superiores que
al hoje tem vindo a nosso mercado a
18,ooo rs.. o gigo, l,5oors. a garrafa in-
teira, c 800 rs. as mcias
Cha uxim o melhor que se pode desejar e
que outro qualquer nao vende por menos
de 3,ooo a 2,7oo rs. a libra
dem.perola especial qualidade a 2,6oo e
2,8oo rs. a libra, garante-se a qualidade
d'este cha
dem hysson o melhor que possivel en-
contrar-sc a 2.loo e 2,Goo rs. a libra.
dem do Rio em latas de 2, 4, G e 8 libras
a l,2oo e l.loo rs. a libra.
dem preto muito lino a l.Goo rs. a libra.
Chocolate das melhores qualidades, francez,
hespanhol e suisso a 1,000, l,2oo e l/ioo
rs. a libra.
Charutos do acreditado fabricante Jos i'ur-
tado de Simas em 2 caixas das seguin-
tes marcas Parizienccs, Suspiros, Dili-
cias, Napoleese Guanabaras a 2,3oo rs.,
eem caixas inteiras Trovadores a 3,ooo
rs. cada uma.
dem de outros muitos fabricantes e de
differentes marcas para l,5oo rs. as mei-
as caixas de suspiros a l,0oo, 2,000 e
3,ooo rs. as caixas inteiras.
Conservas inglezas a 800 rs. o frasco.
dem franceza a 5oo rs.
Cognac inglez das melhores marcas a l.ooo
rs. a garrafa e lo,ooo rs. a duzia.
dem francez suporior qualidade 800 rs. a
garrafa e 9,ooo rs. a duzia.
Cominho e Erva-doce a 4oo rs. a libra.
Cravo da India a 600 rs. a libra.
Canella a l.ooo rs. a libra.
Copos finos para agua a 5,ooo rs. a duzia, e
5oo rs. cada um.
Caf do Rio superior a 28o e 32o rs. a li-
bra, e 8,800 e 9,5oo a arroba.
Doce tino de goiaba a Goo rs. o caixo.
Ervilhas portuguezas ltimamente chegadas
a 7oo rs. a lata.
dem seccas a 16o rs. a libra.
dem j descascadas a 2oo rs. a libra.
Farinha de ararula verdadeira a 32o rs. a
libra.
Figos em caixinhas muito bem enfeitadas a
a i,ooo rs. cada uma.
dem em latas ermilicamente lacradas a
l,5oo e 2,5'X) rs. cada uma,
dem em caixas de '/* arroba a 2,5co rs. ca-
da-urna, e 2oo rs. a libra.
GraUa muilo nova a loors. a lata e l.ooo
rs. a duzia.
Genebra de Hollanda em frasqueiras com 12
frascos por 6,000 rs. e 56o rs. o frasco.
dem de laranja a i ,00o rs. os frascos gran-
des e U.ooo rs. a caixa com 12 frascos.
dem de Hollanda era botijas a loo rs. ca-
da uma.
dem em garrafoes de 16 garrafas a 4,8oo
rs. com a garrafao.
rs. cada um.
Molho inglez em garrafinhas com rolbas de
vidro 64o rs. cada uma.
Marrasquino verdadeiro de Zara a l.ooors.
a garrafa, 10,000 rs. a caixa com 1 duzia.
Nozes muito novas a-16o rs. a libra.
Prezunto de fiambre superior a Goo rs.
dem do Porto para pandla a 5oo rs. a libra.
Passas novas a 8o rs. a libra.
Peixe em latas de differentes qualidades co-
mo, savel, corvina, govas, pescadintae
outros a l.ooo rs. a lulas.
Palitos para dentes a 14o e lGo rs. o masso
dos melhores.
Painco o mais novo e limpo a 16o rs. a libra.
e 4,5oo rs. a arroba.
Palitos do gaz a 2,loo rs. a groza, 2oo rs. a
duzia, e2o rs. a caixinhas.
Queijos flamengos chegados oeste ultimo va-
por, a
dem prato muito fresco a 800 e 9oo rs.
a libra.
dem suisso a melhor qualidade que al ho-
je tem vindo no nosso mercado a 800 rs.
a libra.
Sal refinado em potes de vidro a 000 rs. ca-
da um.
Sorreja das melhores marcas a 6,000 is. a
duzia. e 56o rs. a garrafa.
Sardinha de Lisboa e Nantes em quartos e
meia latas a 38o .'i8o rs. cada nma.
Sag mnito novo o alvo a 2o rs. a libra.
Sevadinha de Franca 18o rs. a libra.
Sevadaa loo rs. a libra, e 2,8oors. a arroba.
Traques de 1." qoaiidade a 8,5oo rs. a cai-
xa, e 22o rs. a carta.
Toucinho novo de Lisboa a 24o e 32o rs. a
libra.
Tijollo paralimpar facas a loo rs. cada um.
Vinho empipa Porto, Lisboa e Figueira das
melhores marcas a 3,8oo rs. a caada, c
000 rs. a garrafa.
dem;do Porto Lisboa e Figueira rJc marcas
menos conhecidas a loo rs. a garrafa, e
2,8oo rs. a caada.
dem Colares especial vinho a 600 rs. a gar-
rafa.
dem Lavradio muito fresco nao levando com-
posico a 56o rs. a garrafa, e 4,ooo rs. a
caada.
dem branco de uva pura a 56o rs. a gar-
rafa, e 4,6oo rs. a caada.
dem mais baixo a 4oo rs. a garrafa, e 3,ooo
rs. a caada.
dem Bsrdeaux em caixas de 12 garrafas das
marcas mais acreditadas a 6,800 e 7,o*00
rs. a caixa.
dem muito especial que raras vezes vem ao
nosso mercado a l,2oo rs. a garrafa, ga-
rante-se que por este mesmo preco d pre-
juizo e s se encentra n'este armazem.
dem do Porto em caixas com 12 garrafas
das seguintes marcas Lagrimas do Douro,
Duque do Porto, Centrino, Velho Particu-
lar, malvasio fino, D. Pedro V, D. Luiz
I, Nctar e outros a 9,ooo e lo.ooo rs.
a caixa e 9oo a 1,000 rs. a garrafa.
dem Muscalel superior a l.ooo rs. a garra-
fa, e lo,ooo rs. a caixa com 1 duzia.
Vinagre puro de Lisboa a 2oo rs. a garrafa
e 2,loors. a caada,
dem em garrafoes com 5 garrafas a l,ooo
rs. com o garralao.
Vassouras do Porto de arcos de ferro a 32o
rs. cada uma
dem de eseova para esfregar casa 36o rs.
cada uma. .
Vellas de espermacete superiores a 56o n.
a libra, e 52o rs. era caixa.
dem de carnauba refinada e de composicao a
36o rs. a libra, e de lo,ooo a ,00o rs. a
arroba.
O proprietario do grande armazem Unio e Commercio declara aos seus rregue
zes e amigos e ao publico em geral, que para facilitar a commodidade de todos eslipulou
os mesmos procos nos seguintes lugares: ^
tJnillo e Commercio ra do Queimado n. 7.
0 Verdadeiro Principal ra do Imperador n. 40.
Folha de Flandres.
Grande sortimento de folha de Flandres: na ra
da Cadeia do Recite n. 56 A, loja de ferragens de
Bastos.
fcUVAS DE PEIXICA
Para homeRS, molheres t meninas.
A Agnia-branca, na roa do Queimado n. 8 rece-
beu luvas de pellica, para homens, mulheres e
menina?.
mpreza dailluminacao
gaz.
Todas as vendas de apparelhos e reclamacoes
(por eseripto dando o nome, morada, data, etc.),
devem ser feilas no armaiem da ra do Imperador
n. 31. Os macliinistas mandados para attender a
estas, apresentaro um livro que os reclamantes
deverao assignar logo depois de prompto o servico
reclamado ; isto para que a empreza fique sciente
de haverem os mesmos senbores sido devidamen-
te attendidos. ,
AGENCIA '
DA
FNDICAO DE L0W-M00B.
Ra da Seaialla nava n. 42.
Neste estabelecimento contina a hayer
um completo sortimento de moendas e meiai
moendas para engenho, machinas de vapor
e tachas de ferro batido e coado, de todos oa
tamanhos para ditos.
Ferros para onrivc*.
Na ra larga do Rosario n. 84, loja de ounves,
vendem-se todos os ierres e utencilios de ounves.
Arados americanos e machinas para
lavar roupa: em casa de S. P. Johnston d C,
ra da Senzalla Nova n. 42.


DJarlo le PerMBhne 4}iiinin lelra SO de aunho d i 1S1.
Largo da
\Santa Cruz
numero
i 12 e 84.
Esquina da
ra do
Sebo n. 12'
e84.
BRILHANTE AURO
\i iiiii brilhante
GRANDES ARMAZENS DE MOLHADOS.
Francisco Jos Fernandes Pires proprietario dos armazens da molhados denomina-
dos Urilhante Aurora c Aurora Brilhante, ao largo da Sania Cruz os. 12 e 81 (esquina
da roa do Sebo), faz sciente ao respetavel publico desta eidade e do interior que nos
geni im(loriantes estabelecimentos vender sempre gneros novos e de primeira quali-
dade e vender a todos pelo niesmo preco.
O completo sortmcnto de todos os gneros finos e grossos que costumam ter outros
estabelecimentos desta ordera se eocontrarao sempre nos armazens da Brilhante Aurora
e Aurora Brilhante e sempre era grande escala a vontade dos Srs. compradores.
O i>roprictario dos armazens Brilhante Aurera e Aurora Bnlhante pede a lodosos
seubores e senboras que quando liverem de mandar suas relacoes a estes estabelecimen-
tos por seus criados seja em carta fecbada ou com grande recommendacao a estes arma-
zens, cortos de que serio tao bem servidos como se viessem pessoalmenlc.
A Brillante Aurora e Aurora Bnlhante troca qualquer um genero-que por acaso
nao azrade erece.be as libras esterlinas a 95,sendo por compra: a tabella do seus gneros
ser mudada todas as semanas.
Ameudoas confeitadas parasortes a libra 1-3. Vinho muscatel duzia 105 e garrafa 1*.
Manteiga ingleza flor a 800, e 960 rs. Dito branco proprio de Lisboa caada 4*800
Dita mais abaixo a 640 e 720 rs. e garrafa 640 rs.
Dita franceza nova libra 640 e e barril a Vinho branco de muito boa qualidade cana-
600 rs da |f e garrafa 480 rs.
Chocolate sant mullo novo ai5200 a libra. Dito Xerez lino a caada 7-5300 e garrafa a
Cha perola o melhor que ha ( redondo) a1 1200.
libra 35200.
Dito dito mais abaixo a 25500 e 25800.
Dito uxim muito lino a 25800 e 35.
Dito hy.-son superior a 25600 e 25800.
Dito mais abaixo a 25 e 25500.
Dito preto muito fino a 25500.
Dito em massos a 25-
Dito do Bio em latas de 4, 2 e 1 libra a
15500.
Cafe de inora superior arroba 105500 e li-
bra 400 rs.
Dito do Bio e do Ccar arroba 95300 e libra
320 rs.
Dito mais abano arroba 85500 c libra 280.
Barrinas.com bolachina ingleza ingleza nova
a 3
[.utas com bolaehinha de soda de 5 libras
I .500.
t|P Ditas com ditas sortidas de 2 libras a 15400.
Fraseos rom ameixas franceun s o frasco
val o dinheiro a 25800 e 35.
Latas com ditas a 154(10. 25200 e 45.
Ditas rom figos d.; comadre a 15500.
Caizinhas hermticamente lacradas e proarias
para mimo a 25 e 25800.
Caixinhas com ditas a 15,25500 e 55 de
arroba.
Presunto do Lanego muito novo a libra 5-0
rs. iuteiro e a retalho 600 rs.
Chooricas e paisa hotos a libra 800 rs.
Laliisconi chmiricase linguiras novas rio-
| Dito Madeira sera caada 105 e garrafa 25.
Dito em caixas de urna duzia do Porto dos
l melhores autores a 125, 145 e 165.
Garrafas com licor fino francez e porlaguez
a 15.
Ditas com vinho de caj muito claro a 15.
Ditas com niel de abclha puro a 15.
Frascos rom genebra de HoJ lauda de 2 gar-
rafas a 15.
Dito de urna garrafa a 560 rs.
Dito de laranja verdadeira a 15200.
Duzia de grasa latas grandes a 15.
Caixas com 25 massos de velas de sperma-
cete a 560 rs. a libra.
Ditas maiores a 600, 640 e 720 rs. a libra.
Caixas com urna arroba de velas do Araca-
ty 105500 e litara 400 rs.
Ditas de composicao arroba 105 e libra 360
Saceos grandes com Cariaba de Coiannamui-
to boa a 55500.
Dito de Porto Alegre melhor que de Mari-
Lora a 65.
Ditos cr>ni milhonovo com 24cuias a 45000
Dito rom farelio de Lisboa 120 libras a
55500.
Dito com arroz de casca a 55500.
Duzia de garrafas de serveja branca e preta
a 55800 c em barricas a 55500.
Arroz Jo Maranliao em sacecs arroba 25600
e libra 100 rs.
Dito da India e Java arroba 35 e libra 120.
das ueste vapor rom 9 libras por 65500. Araruta verdadeira arroba 8> c libra 320
portuguezas
Ditas rom peixe ensopado de umitas quaii-
dades a 15.
Ditas com ervilhas franrezas e
a 880 rs.
Ditas com feijao verde francez a 800 rs.
Ditas rom massa de lmale novo libra
560 rs.
Ditas rom ostras a 720 rs.
uitascom marmelada dos melhores autores
do Lisboa a libra 640 rs.
Potes rom mustarda franceza preparada a
libra 480 rs.
Frascos com conservas de pepinos, mexides
e azeilonas verde a 15-
Dita dita franceza a 800 rs.
Giyos com trinla e tantas libras de batatas
novas a 35500.
Queijos novos do vapor a 35200 e 35500.
Ditos de pralo enplicado a 15-
Dito suisso a 800 rs.
Dito de manteiga do Sorid a 800 rs.
Caixas com passas novas de 1 arroba 7-5.
meia 3-5500 c quarto 2-5 e libra 480 c
640 rs.
.imendoas com casca a libra 240 rs. e arro-
ba 65-
Nozes libra 160 c arroba 55-
Caixas e meias ditas com charutos finos da
Bahia dos melhores labricantes de Jos
Furtado de Simas. Beis e outros, sendo
Suspiros, Parisienses suspiros, Delicias,
Normas de liavana, Exposiciio, Almiran-
tes, Barateiros, varetas, Guanabaras, Re-
gala imperial, Acadmicos de Olinda, Se-
nadores e Apraziveis de 15500 a 85 a ca-
xa de 50 a 100 charutos.
rs.. e maiarana.
Gommado Aracaiv para engommar arroba
55 e libra 160 rs.
Tapioca ou farinha do Maranho nova libra
166 rs,
Ervilhas sorras muito novas libra 200 rs.
Sag o -"vadinha a 240 rs.
Sevada arroba 3J2i o c libra 120 rs.
Grasado boio 97 a 280 rs.
Sabio massa a 200, 240 e 280 rs. a libra.
Dito hespanhol verdadeiro a 400 rs a libra.
Balaios do Porto diversos tamanbos de 320
a 25-
Capachos para portas do varias cores a 600,
TOO o son rs.
(rao de bico arroba 45500 o libra 160 rs.
Painro arroba 55500 e libra 200 rs.
Milho alpista arroba 45800 e libra 160 rs.
Azeite doce de Lisboa garrafa a 640 rs.
Vinagre de Lisboa caada 1-5500 e garrafa
200. 240 o 320 rs.
Massos de palitos de denles com 20 massi-
nhosa 160 rs.
Tijolos de limpar facas a 160 e 120 rs.
Caixas com 40 cartas de traques a 95500 a
a carta 20 rs.
Resmas de papvl almaco pautado a 55.
Ditogr6ve liso o melhor que ha a 45500.
Dito de peso e pautado a 25500 o 25800.
Garrafies com 25 garrafas de verdadeira
genehra de llollanda por 85500.
Azeite de coco garrafa 560 rs. c carrapato
360 e caada 25560.
Caixoes com doce de goiaba a 640,800 e 15,
Toucinbo de Lisboa arroba 85500 e libra
320 rs.
Grozas de caixinhas de palitos do gaz a Dito de Santos arroba 75 e libra 280 rs.
25*00 e 200 rs. a duzia. | Molhos com grandes ceblas a 15600.
Barns com azeitonas novas a 3, e 45 bar-' Cento de dita sola a 15500.
ris grandes. Mauncos de alhos a 240, 320 e 400 rs.
Vassouras do Porto piassava muito seguras Estotras de vanas quaiidades.
a 400 rs. Cordas de postar e de andaime.
izeite doce francez dos melhores fabrican- Pavas da ilha de S. Miguel arroba 35200 e
tes caixa 105e agarrafa 15. libra 120 rs.
Caixas com vinho Bordeaux branco c tinto Copos lapidados para agua e vinho a 35500,
S. Julien, S. Estie e outros a 75500 e 85. 55800, 65 e 75-
Vinbo do Porto Uno em Larris de 5o que ra- Ditos lisos para varios precos.
ras vezes apparece por 805 e em caada a Calix lapidados grandes e' pequeos duzia
55500 e garrafa a 800 rs. I 3,4 e 55 ; e 400 e 500 rs. cada um.
Dito da Figueira puro caada 45 e 45500 e Massas para sopa rnaearro, talharim e ale-
garrafa a 480 e 560 rs. tria a 480 rs.
Dito de Lisboa de boas marcas a 35500 e Estrelinha e pevide libra 560 rs.
45 e a garrafa a 440 e 480 rs. Xaropes de fructas nacionaes a garrafa.
Cognac, verdadeiro a garrafa 15 e 15280. I 500 rs.
>E muitos outros gneros que nao possivel men-^
ciona-los todos de primeira qualidade.
A satisfarn da Brilhante Aurora e Aurora Brilhante vender muito emLora bara-
to, mas a DINHEIRO.
No armazem de fa zondas baratas de
Sanios Copino, ra do Queimado, u.
49, vende-se o sepinlc
AUenco.
Lazinhas.
Ricas lazinhas para vestido, fazenda a melhor
que ten vindo ao mercado, tanto em gosto como
>-m qualidade da fazenda, pelo Laratissimo preco
de 560 rs. o covado.
Lazinhas miudinhas carmezins, proprias para
vestidos de meninas, e camisinbas a 640 o covado.
Cortes de la com 15 covados pelo baratissimo
preco de 65.
Cobertas de chita da India pelo baratissimo preco
de 25500.
Lencoes de panno de linho a 25-
Lencoes de bramante de linhe lino pelo baratissimo
preco de .55100.
Bramaute de linho fino com 10 palmos de largura
pelo baratissimo preco de 25500 a vara.
Atoalhado adamascado proprio para toalhade mesa
a 25000 a vara.
Cambraia de forro a 25600 e 35200.
Guardanaoos adamascados a 35800 a duzia.
Toalhas alcochoadas proprias para mios a 55 a
duzia.
Cortes de calca-de ganga amarella de listras e
do qaadros, pelo baratissimo proco de 15200 o
jrte.
Cambraia adamascada com 20 varas, propria
para cortinado, pelo baratissimo prego de lOjOOO
a pega.
Ricos cortes 4*3 Ha Maria Pa pelo baratissimo
prego de 185-
Pecas de cambraia de salpicos rom 8 l|2 varas
pelo baratissimo preco de 45-
Pegas de platilha de algodao com 10 varas, pro-,
pria para saia a 45200.
Esleirs da India, proprias para forro de sala,
de 4, B e 6 palmos de largura, por monos prego do
que em outra qualquer parte.
Neste armazem tambem se encontrar um gran
de sortimenlo de roupas feitas, c por medida.
030
2 =r
3 5
:*
<6 0> B
B O ">
g co
13 i) Q>
o n (t
si af
ISB-HiflB
M


.
w 2
o o
2> =>' sr sr 5. s 3&B 3
C 09
S 2 8*5
a u g, o
O.- en a
m aa
x
O

o a
9
SJ
SraaV

3a,
ef o
co
-i "" 2. S:,5;,
S.o 5
GRANDE ALLIANCA
57 RA DO IMPERADOR 57
NEM COROAS NEM MITRAS
DE
Paulo Ferreira da Silva Sl Campanilla
Grande sortimcnto de molinillos em grosso e a retalho. tnico armazem que mais
vantagens offierece ao publico.
Deseuganem-se todos.
K o \Jlian 15 o A Illa uva o venlai h'i ni e principal armazem 5 Ailiaia^a o armazem trae vende mais tralo.
K o Alllan^a o armazem que vende os melhores gneros.
15 o .llllau,-a o armazem onde preside o melhor aceio.
Fiquem todos sabedores desta vprdade,
Venham todos ra do Imperador n. 57.
Venham ver os gneros que temos exprtfos a venda.
PARA AS FESTAS
S. JOAO ES. PEDRO.
confeitadas de bonitas cor I!km de Holianda em garraes com 24 gar-
rafas a 7,2oo rs. com o ganado.
Lentilhas excellente lefume para sopa e gui-'
zados a 2oo rs. a libra.
Licores francezes de todas as quaiidades a
800 e t.ooo rs. as garrafas grandes.
Manteiga ingleza perfeitamente llr a 800
e 9Go rs. a libra.
dem franceza nova j deste anno a Goo rs.'.
a libra, e 58o rs. em barris inteiros.
Marmelada especial dos melhores fabrican-
0
<-itt\B>i:
RITA DO IMPERADOR K, 40
Junte ao se forado em qoe mura o Sr. 0>borne
Para a festa de Santo Antonio, S. Joao e S. Pedro.
Ameudoas
800 rs. a libra.
dem de casca muito nova a 3oo rs. a libra.
Avelaas a 2oo rs. a libra.
Ameixas francezas em caixinhas com lindas
estampas a i,2oo, t,4oo e t,8oo rs. cada
urna,
dem em frasco de vidro com tolha do mes-
mo Ou de metal, a I,2oo e I,4oo rs. cada
un.
dem cm frasco grandes a 2,5oo rs. cada
um.
dem em latas de I */j e 3 libras a I,2oo e
2,ooo rs.
Arroz da India e Maranho o melhor que se
pode desejar a loo e 12o rs a libra e
2,8oo a 3,400 rs. a arroba.
Azeite doce de Lisboa a 600 rs. a garrafa, c
4,800 rs. a caada.
dem francez clarificado em garrafas bran-
cas a !)oo rs. cada urna, e lo.ooo rs. a
caixa com I duzia.
Alfazema muito nova e limpa a 32o rs. a li-
bra.
Alpista a 10o rs. a libra e 4,6oo rs. a ar-
roba
Bolachinhas de Lisboa da fabrica do Beato
Antonio dasseguintes quaiidades: agua e
sal doces, e imperiaes em latas de G libras
a 3,ooo rs. e de 3 V* libras a I.Soo rs.
o cm libra a G4o rs., estas bolachinhas
toma-s muilo recommendavel com espe-
cialidade para os doentes.
Biscoitos e BolacbJobas de soda em latas de
todas as quaiidades e marcas que se pro-
curar a 1,35o rs. a lata.
Bolos francezes em cartes e de diversas
quaiidades a 64o rs. cada um.
Banlia de porco verdadeira refinada a ioo
rs. a libra e em barril a 38o rs.
Batatas novas a t-Go rs. a libra.
Bolachinhas ittglezas ltimamente desembar-
cadas a 2io rs. a libra e 2,ooo rs. a bar-
rica .
Champagne das marcas mais superiores que
at boje tem vindo ao nosso mercado a
18,ooo rs. o gigo e l,5oo rs. a garrafa
inteira, e 800 rs. as meias.
Cha uxim o melhor que se pode desejar, e
que Otilio qualquer nao vende por menos
de 3,ooo a ,7oo rs. a libra.
dem petla de especial qualidade a 2,Goo e
2,800 rs. a libra, garante-fie a qualidade
deste cha.
Idemhrsson o melhor que possivel encon-
trar-se a 2,4oo e 2,Goo rs. a libra.
dem do Rio em latas de 2, 4, 6 e 8 libras
a l,2ooe l,4oors. a libra.
dem preto muilo fino a l.Goo rs. a libra.
Chocolate das melhores quaiidades, francez,
hespanhol e suisso a l,ooo, l,2oo e l,4oo
rs. a libra.
Charutos do acreditado fabricante Jos Fur-
tado de Simas em 1 caixas das seguin-
tes marcas: Pariziensee, Suspiros, Dili-
cias, NapoleOes e Guanabaras a 2,3oo rs.,
e em caixas inteiras Trovadores a 3,ooo
rs. cada urna.
dem de outros muitos fabricantes c de dif-
ferentes marcas para 1,5oo rs. as meias
caixas, de suspiros a l.Goo, 2,ooo e3,ooo
rs. as caixas inteiras.
Conservas inglezas a 800 rs. o frasco.
dem franceza a 5oo rs.
Cognac mglez das melhores marcas a
rs. a garrafa e 10,000 rs. a duzia.
dem francez superior qualidade a 800 rs.
a garrafa e 9,ooo rs. a duzia.
Cominho o erva-doce a 4oo rs. a libra.
Cravo da India a 600 rs. a libra.
Canella a l.ooo rs. a libra.
K
Manteiga ingleza
da safra nova vinda neste vapor de 28 de
nuiu a 900 rs. a libra e da velha a 800 e
'830 rs. a libra.
Manteiga franeeza
da safra nova a 600 rs. alibra.
Amendoas
confeitadas de lindissimas cores a 800 rs. a
libra.
Traques
de n. 1 os mais superiores do mercado a
8^500 a caixa e 220 rs. a carta
Ameixas
tes de Lisboa a Goo e 84o rs. "a libra, ha em fr3SCs de vidro com 3 libras liquido a
latas -de dilferentes tamanbos. 2-5400, muito propios para mimos.
Massa de tomate em latas de I libra a 56o! CarteS
. rs. cada urna,
dem para soda estrellinha, pevidee rodinha
em caixinhas sortidas a 3,ooo 3,5oo rs. cada
urna- e 5oo rs. alibra.
dem macarrao, talliarim e aletria a 4oo rs. a
libra.
Mostarda franceza preparada em frasco a 4oo
Dnarte Almelda A C, receberam de sua preprla eneontraen
da o mala lindo c rai'l.ido sortlmentfo de molhados.
da presente estaco.
proprios
as qua-
1,000
Copos finos para agua a
5oo rs. cada um.
3,000 rs. a duzia, e
libra,

ese <
3S2
3 a. 5 jr a
-o?s
8 3 SSp
^r.
te
v
O
ai
3
Si
o Sr
-o i
o 5"
Caf do Rio superior a 280 e 320 rs. a
e 8,800 e 9,o'oo a arroba.
Doce fino de goiaba a 600 rs. o caixo.
Ervilhas portuguezas ltimamente chegadas
a 7oo rs. a lata,
dem ceceas a 16o rs. a libra,
dem ja descascadas a 2oo rs. a libra.
Farinha de araruta verdadeira a 320 rs. a
libra.
Figos em caixinhas muilo bem enfeitadas a
l.ooo rs. cada urna.
dem em I? las er mi ticamente lacradas a
l,5oo e 2,5oo rs. cada urna.
Mem em caixas de y* arroba
cada urna, e 2oo rs. a libra,
fcraua muilo nova a loo rs. a lata
rs. a duzia.
Genebra de Holianda em frasqueiras com 12
frascos por 6,000 rs. e 560 rs. o frasco
dem de laranja a 1,00o rs. os frascos gran-
des e H,ooo rs. a caixa com 12 frascos. Velas de espermacete superiores a 56o rs.
dem de Holianda em botijas a 4oo rs. cada a libra, e 52o em caixa.
ma. dem de carnauba refinada e de composico
Ide em garraioes de 16 garrafas a l,8oo a 36o rs. a libra, e de lo,ooo a H,ooors.
rs. com o garrafao. a arroba.
-
S. a>
a.
B
B
t
9Q
01
a 2,5oo rs.
e l,ooo
rs. cada um
Molho inglez em garrafinhas com rol has de
vidro a 64o rs. cada urna.
Marrasquinho verdadeiro de Zara a 1,000 rs.
agarrafa, lo,ooo rs. a caixa com 1 du-
zia-
Nozes muito novas a I60 rs a libra.
Prezunto de limbre superior a 600 e 800
rs.
dem do Porto para panella a Seo rs. a libra.
Passas novas a 48o rs. libra.
Peixe em latas de dilferentes quaiidades co-
mo, savel, corvina, govas, pescadinha e
onlros a 1,000 rs. a latas.
Palitos para denles a 14o e a 16o rs. o mas-
so dos melhores.
Patnco o mais novo e limpo a 16o rs, a li-
bra, e a 4,5oo rs. a arroba.
Palitos do gaz a 2,loo rs. a groa, e2oo rs.
a duzia, e 20 rs. acaixinha.
Queijos flamengos chegadus neste ullimo
vapor, a 3,ooo
dem prato muito fresco a 800 e 9oo rs. a
libra.
dem suisso a melhor qualidade que al bo-
je tem vindo ao nosso mercado a 800 rs.
a libra.
dem londrino a 9oo rs.
Sal refinado em potes de vidro a 500 rs,
cada um.
Ceneja das melhores marcas a 6,000 rs. a
. duzia, (j56o rs, a garrafa.
Sardinha de Lisboa e Nantes em quartos e
meias latas a 38o e 080 rs. cada urna.
Sag muilo novo e alvo a 24o rs. a libra.
Sevadinha de Franca 18o rs. a libra.
Sevada a loo rs. a libra, e 2,8oo rs. a ar-
roba.
Traques de 1.a qualidade a 9,5oo rs. a cai-
xa, e 24o rs. a caria.
Toucinbo novo de Liiba a 2io e 32o rs. a
libra.
Tijolo para limpar facas a 18o rs. cada um. |
Vinho em pipa Porto, Lisboa e Figueira das
melhores marcas a 3,8oo rs. a caada, e
5oo rs a garrafa.
dem do Porto Lisboa e Figueira de marcas
menos conbecidas a 4oo rs. a garrafa, e
2,8oo rs. a caada.
dem Colares especial vinho a 600 ti. a gar-
rafa.
IdemLavtadio muito fresco nao levando com-
composigao a 56o rs. a garrafa, e 4,000
rs a canada.
dem branco de uva pura a 56o rs. a garra-
fa, e 4,5oo rs. a canada.
dem mais baixoa 4oo rs. a garrafa, a 3,000
rs. a canada.
dem Bordeaux em caixas de 12 garrafas das
marcas mais acreditadas a 6,000 e 7,ooo
rs. a caixa.
dem muito especial que raras vezes vera ao
nosso mercado a l,2oo rs a garrafa, ga-
raule-se que por este mesmo preco da
prejuizo c s se encontra n'este arma-
zem.
dem do Porlo em 'caixas com 12 garrafas
das segundes marcas Lagrimas do Dou-
ro, Duque do Porto, Genuino, Velho Par-
ticular, Malvasio fino, D. Pedro V, D.
Luiz I, Nctar e outros a 9,ooo e lo.ooo
rs. a caixa e 9oo e l,ooo rs. a garrafa.
dem Muscatel superior a 1,00o rs. a garra-
fa, e lo.ooo a caixa cora 1 duzia.
Vinagre puro de Lisboa a 2oo a garrafa e
2,4oo rs. a canada.
dem era garratoes cora 5 garrafas a l,ooo
rs. com o garrafao.
Vassouras do Porlo de arcos de ferro a 32o
rs. cada urna.
dem de escova para esfregar casa a 36o rs.
cada urna.
com bolos francezes a 500 rs. cada um.
Latas
com bolachinhas de soda de todas
lidades a l >:'.<>.
Chocolates
de todas as quaiidades a l(JO00 a libra.
Presuntos inglezes
dos melhores fabricantes a 800 rs tambem
temos velhos para 500 rs.
Queijos flamengos
ebegados neste ultimo vapor a 3j5ooo.
dem prato
o melhor que se pode desejar a 1,)000.
Conservas inglezas
as mais novas que se pode esperar a 760 rs.
o frasco.
Figos
em libras e caixinhas ricamente donradas,
proprias para mimos a 900 e 1;J200.
Cha uxim
o melhor que se pode desejar, que outro
qualquer nao pode vender por menos de
:I i 2S600.
dem perola
especial qualidade a 2^700 rs. a libra.
dem hvssoii
#
o mais aromtico que tem vindo ao nosso
mercado a 2600.
Massas amarellas
talharim e aletria a
para sopa, macarrao,
480 rs. alibra.
roi.VAt
o muilo afamado cognac Pal Brandy a 1,80o
rs. a garrafa e de outras muitas quaiida-
des a l.ooo e 800 rs. a garrafa.
COPOS
lapidados para agua a 4.5oo e 5,ooo rs. a
duzia, e a 440 c 5oo rs. cada un.
PAPEL
almaco, greve, peso e de outras muitas qua-'
Magas brancas
para sopa a melhor que se pode desejar,
macarrao, talharim e aleiria a 400 rs. a
libra e 45O0 a caixa.
Vinho
Figueira J A A e outras muitas marcas acre-
ditadas a 500 rs. a garrafa.
Mein de Lisboa
e de outras marcas a 400 rs. a garrafa, e
24800 a canada.
dem do Porto
generosos engarrafado dos melhores fabri-
cantes da eidade do Porto iMe 10*200
a garrafa e de 100 a 125 a caixa, as mar-
cas sao as seguintes: Chamisso & Flho,
F. 4M., Nctar ou vinho dos Deuzes,
lagrimas do Dotiro e outros muitoi.
Latas
com 10 libras de banha a 44000.
Bolaehinha ingleza
a 1,5800 a barrica da mesma que por ah
vendem a 20000 e 2*400.
Alpista e Painro
o mais novo do mercado a 140 rs. a libra,
e 40400 a arroba.
ozes
as mais novas do mercado a 120 rs.a libra.
Cervejas
dos melhores fabricanles|e de todas as mar-
cas de 4*500 a 60500 a duzia.
cominos
Charutos Thom Pinto,. Res e outros em
meias caixinhas a 1-S500.
Arroz
do Maranho a 100 rs. a libra, e da India
a 80 rs. a libra, e 2*500 a 3*000 a ar-
roba desses que vendem por 30400.
CAFK
de l.1 e 2.a serte do Rio de Janeiro a 8*300
e 80800 a arroba, e 280 a 300 rs. a libra.
Ciarrafocs
com 4 'i garrafas com vinagre a 1-sOOOcom
o garrafao.
GENEBRA DE LARANJA
verdadeira a 10000 o frasco, e de 11*000
a caixa.
DEM
em frasqueiras de llollanda a 50800 com
12 frascos.
GENEBRA
de Holianda verdadeira cm frasqiteira a 600
rs. cada urna.
PALITOS
os verdadeiros palitos do gaz a 2,2oo a groza
e 2o rs. cada caixinha.
LICORES
', finos de todas as quaiidades, a lo.ooo a caixa
com urna duzia e a l.ooo a garrafa.
PASSAS
dades de 2,2oo, a 4,5oo a resma do me- as mais novas do mercado a 9,5oo rs. a cai-
Ihor.
PAPEL
azul e pardo para embrulhode l,4oo a 2,2oo
rs. a resma.
Corinthias
passas corinthias muilo novas proprias para
podim a 800 rs. a libra.
Fumo
o verdadeiro fumo americano em chapa a
l,4oors. alibra.
Vinagre
PRRem ancorelasde 9 caadas a 15,ooo rs.
cada urna.
Cebollas
18 mais novas do mercado a 7,ooo rs. a caixa
e 1,00o rs. o molho.
xa e 5oo rs a libra.
Marmelada
dos melhores fabricantes de Lisboa, como se-
jam Abren e oulros muitos a 600 rs. a
libra.
Prezunto
o verdadeiro prezunto de Lamego a 52o rs.
a libra.
ARROZ
Maranho, Java e India, a loo rs. a libra e
de 3.000, a 3,2oo rs. a arroba.
VELAS
de espermacete de diversas marcas a 56o rs.
a libra e em caixa ter abatimento.
VELAS
de carnauba em caixas de arroba a 9,3oo e
caixa e 34o rs. a libra.
Os proprielarios do grande armazem o Verdadeiro Principal declaram aos seus
freguezes e amigos e ao publico em geral, que para facilitar a commodidade de lodos es-
tipularam os mesmos precos nos seguintes lugares :
Liiio e Commercie ra do Qneimado n. 7
0 Verdadeiro Principal ra do Imperador n. 40
GAZ GAZ GAZ Charutos de Havana
Vende-se gaz da melhor qualidde a 120, de superior qualidade vendem-se em casa
se 'de Schalleitlin & C, ra da Cruz n. 42.
Aliiudao da Bahia
para saceos de assucar e ronpa de eseravo.; tem
para yender Antonio Luiz de Oliveira Azevedo &
C, no seu ecriptorio roa da Croa n. t.
Kua da Seozalla,Nova n. 42.
N'este estabelecimento vendem-se: tacnas de
ferro coado libra a 110 rs., idemdeLow
Moor libra a 120 rs.
a lata e em lotes de 10 latas para cima
far abatimento. no armazem do Caes do
Ramos n. 18 e ra do Trapiche Novo nu-
mero 8._____________________
Hua da Seuzalla n. 42.
Vende-se, em casa de S. P. Johnstond C,
sellins e silhoes inglezcs, candieiros e casti-
ces bronzeados, lonas inglezas, fio de vela,
chicotes para carros e montara, arrotos para
carros de um e dous cavallos, e relogios de
onro patente inglez.
Cal de Lisboa e potassa da
Rvissla.
Vende-se na ra da Cadeia do Recite n. 26, para
onde se mudou o antigo e acreditado deposito da
mesma roa n. 12, ambos os gneros sao novos e
legtimos,'e se vendem a prec.0 mais barato do que
aru tqualquer^iarte.
At qne ehegMi -
um grande sortimenlo de tico e renda preta de
novo modelo chamado (guip) o melhor que se
pode desejar neste artigo e que se rende muito ba-
rato : na laja do gallo vigilante roa de Crespo
" mmmmm mwmmwmm
! Fabrica Coneeic5o da
Bahia.
Andrade & Kego, recebem constante-
mente e tem venda no sea armatem n.
34 da ra do Imperador, algedo dTaquel-
la fabrica, proprio para sacos do assu-
car, embalar aigodo empluma etc., etc.,
pelo preco mais razoavel.
mmmmmm
RA DO QUEMADO NUMERO 11
Lnja de fazendas d-Augusto Frcderico dos Santos Porto
Chapeos para senhoras.
Chegaram de Pars as mais lindas chapelinas e chapeos de palha da Italia para senhoras.
lucas capas c soutembarques de seda preta e casemira de cor para senhoras.
Cortes de superior morentique branco para vestidos de uoivaj.
Camisas inglezas muito superiores para homens, peitos, nunhos e colarinhos de iinho.
Chapeos de seda para cabca e chapeos de sol de seda inglezes.
Lencos de labyrintho francezes a 10 cada um.
Camisas de menino muito superiores.
Cortes de lia de barra para vestidos de senhoras de 135 a 180.
A mesma loja tem o maior e mais superior sortimenlo de
Bstelras para salas.
Neste estabelecimento encontraran os senhores que precisaren! forrar suas salas eom esleirs
9tda e qualquer quantidade que desejarera de 4, 5 e 6 palmas de largura, sendo a qualidade muito
superior e por mdico preco.
Hspaatoita peehlmeha.
Chapeos de palha do Chile a 320 rs., e om du-
zia a 3, pdese asseverar que pechincha vis
U da qualidade, e para o que venham ver a com
prar : na luja da ra da Madre de Dos n. H-.
Vinho to Porto snperior
em caixas de urna e duas duzas : tem para ven-
der Antonio Luiz d,e Olivera Azevedo < C, no sea
oscriptorio ra da Cruz n. 1.
Vende-se alpaca arela a 500 rs. o corado.
Vende-se alpaca preta para vestidos a 500, 600,
700 e 800 rs., tina de rordao a 800 rs para pale-
to!, orineca preta a 800 e 640 o covado, bombazi-
na preta tina a 1*400 o covado, lazinhas preta
para senhora que estao de luto a 720 o covado :
na roa da Imperatriz n. 56. A loja est aberra at
as 9 horas da noite.
Trina, volantes e pides.
Vende-se trina, volantes e galoes de todas ae
larguras por precos muito barato: s no vgilauts
roa do Creopo a. 7.___________________*
Farinha de mandioca superior
era saceos grandes: vende Antonio Luiz de Olive-
ra Azevedo A C, no seu escriptorio ra da Cruz
numero 1._______________________________
Farinha de mandioca
ensacada e da melhor que ha : vende Miguel Jos
Alves no seu escriptorio, casa n. 19 da roa da
.MI
BOTICA E DROGARA
DE
Francisco Ferreira Crespo
t-oinnna.
Vende-se:
Salsa parriiha de BristoJ.
Pilulas assucaradas de Kemp.
Pastilhas assucaradas de Kemp.
Agua florida de Murray & C.
I'eitnral de anacahaita.
Xarope de citrato de ferro de Cbable.
Elixir de citro lactato de ferro,
luieoeao Brow.
Pilulas americanas contra sesdes.
Pilulas purgativas de DehanL
Plalas do Dr. Alison.
Pilulas da vida.
Xarope vegetal de Penedo.
Prompto alivio.
Pilulas regaladoras.
Xarope alcoolico de vellame.
Vende-se ou permuta-se urna das memores
otarias nacamboa dos Remedios, que fita defronte
da otara do Sr. Joo Anastacio, e que tera grande
extensa- de terruo em que se pode levantar aioda
mais duas : a tratar na ra Augusta n. 2o.
Vende-se sal do Ass a bordo do patacho
Andr, tundeado defronte do Forte do Mattos : tra-
ta-se com o capitao a bordo, ou na ra do Vigarto,
armazem naval n. I.
ti
\


D torio Jt Pfriwhae Quinta felra SO de limko de I Se

CLtRIll
COMMERC
RA DO ifl JEIU11IO IV. 15.
Passando o becco da Congregado segunda casa.
?IUJ
NO FIB ABE.
Pereira Rocha A C. acabara de abrir na ra do Qucimado n. 45 um armazem de molhados denominado Claiim Commercial,
onde o respeitavel publico encontrar sempre um completo sortimento dos melhores gneros que vem ao nosso mercado, os quaes
aer5o vendidos porprecos muito resumidos como o respeitavel publico ver pela tabella abaixo mencionada; garante-se obom peso
e boa qualidade dos gneros comprados neste armazem.
Peras seccas muito novas a 600 rs. a libra.
Painco a 200 rs. a libra.
Polvo secco muito novo a 400 rs. a libra.
Presuntos de Lamego em calda de azeite e
muito novo a 640rs.
Queijusflamengos do ultimo vapor a 2800
dem prato.
Mem londrino chegado no ultimo vapor e
900 rs. a libra.
Sal refinado em frascas de vidro a 600 rs.
cada um.
Sardinhas de Nantes a 360 rs.
Sag muito alvo e novo a 260 rs. a libra.
Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tijolos de limpar facas a 140 rs.
Vellas de carnauba pura a 360 rs. a libra,
dem stearinas muito superiores a 600 rs. a
libra.
Figos em caixinhas emticamente lacradas
a i600.
Vinho do Porto engarrafado o melhor que
ha neste genero e de varias marcas, como
sejam: Velho de 1815, Duque do Porto,
Madeira, D.Pedro, D. Luiz I, MariaPia,
Bocage, Chamisso e outros a 809, 900 e
1(5000 a garrafa, e em caixa com urna du-
zia a 90000 e 400000.
dem m pipa, Porto, Lisboa e Figueira a
480, 500 e 560 rs. a garrafa e 30, 30500
e 40 a caada,
dem branco de Lisboa muito fino a 500 rs.
a garrafa,
dem de Bordeaux, Medoc e S. Julien a 700
e 800 rs. a garrafa, e 70000 e 70500 rs.
a duzia.
dem Morgaux eChateauluminide 1854, a 10
a garrafa,
dem moscatel a 800 rs. a garrafa.
Vinagre de Lisboa a 200 rs, a garrafa e
10200 rs. a caada.
Kirsk garrafas muito grandes a 10800 rs.
Alm dos gneros cima mencionados te-
mos grande porcSo de outros que deixamos
de mencionar, e que ludo ser vendido por
pecas e carnadas, tanto em porces como
retalho.
Quem comprar de 1000000 para cima te-
r o abate de 5 por cento.
Arroz do Maranho, da India e Java a 60, 80
e 100 rs. a libra e 10800 a 20600 e 30
a arroba.
Ameixas francezas em latas e em frascos a
10200 e 10600 emtaseos grandes a
20500.
dem em caixinhas elegantemente enfeitadas
com ricas estampas no interior das caixas
a 120000,10400, 10600 e 20.
Amendoas com casca muito novas a 280 rs.
a libra.
Alpisla a 160 rs. a libra e a 40600 a arroba.
Azeite doce francez muito fino em garrafas
grandes a 960 rs. a garrafa,
dem de Lisboa a 6iO rs. a garrafa.
Araruta verdadeira de matarana a 320 rs. a
libra.
Avelas muito grandes e novas a 180 rs. a
libra.
Biscoutos inglezes de diversas marcas a
1 >300 ris.
Bolacbinhas de soda, latas grandes, a 20 rs.
a lata.
Ditas inglezas muito novas a 30000 a barri-
quinha e a 200 rs. a libra.
Banha de porcor efinada a 440 rs. a libra e
e em barril a 410 rs.
Cha hysson, huchin e perola a 10600,
20500, 20800 e 30000 a libra,
dem preto muito superior a 20000 a libra.
Cerveja preta e branca, das melhores marcas
que vem ao mercado, a 500 rs. a garrafa
e 50800 a duzia.
Cognac inglez fino a 900 rs. a garrafa. -|
Conservas a 720 rs. o frasco,
dem, s de pepino, a 720 rs.
dem, s de azeitonas, a 750 rs.
Charutos dos melhores fabricantes da Baha
e especialmente da fabrica imperial de
Candido Ferreira Jorge da Costa, a 10800,!
20000, 20200, 20500, 20800, 30000 e
30500 a caixa.
Cafe do Rio muito superior a 280 e 320
rs. a libra e 80500 e 80800 rs. a arroba.!
Carles de bolinhos francezes muito novos e
muito l)em enfeilados a 700 e OOO'rs.
Chouricas e paios muito novos a 800 rs. a
libra. i
Cevadinha de Franca muito superior a 220
rs. a libra.
Cevada a 80 rs. a libra.
Ervilhas portuguezas a 640 rs. a lata.
dem seccas muito novas a 200 rs. a libra.
Figos de comadre e do ouro em caixinhas
de oito libras e canastrinhas de 1 arroba a
10800, 50500 e 280 rs. a libra.
Farinha do Maranho a 160 rs. a libra.
Farinha de trigo a 120 rs. a libra.
Genebra de Hollanda verdadeira marca VD
a 560 rs. o frasco e 60200 a frasqueira.
dem em garrafoes de 3 e 5 gales a 50500
e 70500 cada um com o garrafo.
Graixa a 100 rs. a lata e 10100 rs, a duzia.
Licores muito finos a 700 rs. a garrafa.
dem, qualidade especial e garrafas muito
grandes, a 10800 rs. a garrafa.
dem garrafas mais pequeas a 800 rs.
dem, garrafa forma de pera e rolha de vi-
dro, a 10000 rs., s a garrafa vale o di-
nheiro.
Manteiga ingleza perfeitamente flor, desem-
barcada de pouco a 900 rs. a libra, e da
de segunda qualidade a 800 rs.
dem franceza muito nova a 640 rs. a libra.
dem de tempero a 400 rs.
Massa de tomates em barril a 480 rs. a libra.
dem em lata a 640 rs.
Marmelada imperial dos melhores conservei-
ros de Lisboa a 600 rs. a lata.
Marrasquinho de Zara, frascos grandes, a
800 rs.
dem regular a 500 rs.
Massas finas para sopa
rodinhas e letrianhas a 600 rs. a libra
4.) a caixinha com 12 libras.
Nozes muito novas a 160 rs. a libra.
Peixe em latas preparado pela primeira arte
de cozinha a 10 rs. a lata.
Palitos de denles a 160 rs. o masso.
Palitos de dentes a 120 rs.
dem de flor "a 200 rs.
Amendoas confeitadas a 900 rs. a libra.
Doce de goiaba em latas o melhor possivel a
20 e em caixiio a 640 rs.
Palitos do gaz a 20200 rs. a prosa.
Passas muito novas a 480 rs. a libra.
estrellinha, pevide,
e a
UNIAO MERCANTIL
RIJA 1IVC AllEiA DO RECIFE V. 3.
NOVO E
G-E41TD23 Jt^UAZBM DE MOLKADOS
RA HA CARETA DO RECIFE tf. 53*
Francisco Fernandes Duarte acaba de abrir na ra da Cadeia do Hecifen. 53, um grande esortido armazem de molhados de-
nominado Vnio Mercantil. Neste grande armazem encontrar sempre o respeitavel publico um completo sortimento dos melhoret
ceneros que vem ao mercado, tanto estrangeiros, como nacionaes, os quaes serao vendidos em porces ou a retalho por pi ecos ass?
com modos.
Manteiga ingleza especialmente escolhida Vinagre de Lisboa a 200 rs. a garrafa e
de primeira qualidade a 900 rs. a libra, 10200 a caada.
ern barril se faz abatimento. Azeite doce refinado em garrafas brancas a
Manteiga franceza a mais superior do mer- 800 rs.
cado a Ooo rs. a libra, e 580 rs. em barril Azeite doce de Lisboa a 640 rs. a garrafa e
oumeio. 40800 a caada.
Prezuntes inglezes para fiambre, de superior Geneora de Hollanda a 500 rs. o frasco e
qualidade, chegados neste ultimo vapor, a 50800 a frasqueira.
Caixinhas com ameixas francezas, ornadas
Sardinhas de Nantes a 340 rs. oquartoe 560
rs. meia lata.
Latas com peixe em posta : savel, corvina,
vezugo, cherne, linguado, lagosinha,
10300rs.
Salmo em latas, preparado pela nova arte
70 rs. a libra.
Queijos lamengos chegados neste ultimo
vapor a 40000.
Queijo prato -muito fresco e novo a 640 rs.
a libra.
Castanhas muito novas a 120 rs. a libra e
e 30000 a arroba.
Cha uxin o melhor que ba neste genero,
com ricas eslampas na caixa exterior,
muitopropriasparamirao,a 1020', 10500
e20.
Frasco de vidro com tampa do mesmo, con-
tendo meia libra de ameixas francezas, a
10200.
de cozinha, a 800 rs.
Macaa de tomtes em latas de 1 libra a 600
ris.
Chouricas e paios em latas de 8 e meia libra
por 70.
Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra t
80600 a arroba.
Bolaxinha ingleza a 320 rs a libra e 40 j
barrica.
,. Marmelada imperial, dos melhores conser-'^"110. TlL^o rV'uhro
mandado vir de conta propria a 20800 veiros de Ls|^a# em ,atas de e meia a Cevadinha de Franca a 200 rs. a libra.
rs. a libra.
2 libras a 600 rs. a libra.
Cha hvson maito superior a 20560 rs. a li- pructas em calda das melhores qualidades
bra ; cha hyson proprio para negocio a
10500 rs. a libra.
Cha preto muito superior a 20 a libra.
Biscoulos inglezes em latas com differentes mzes mait0 novas a 160 rs a |bra
qualidades, como sejam craknel, victoria, Amendoas e ca^ mone a 40o rs. a libra.
piquelez, soda, captain, seed, bornez e avelas muito novas a 200 r*. a libra.
que ha em Portugal em latas hermtica-
mente lacradas a 500 rs.
Peras seccas muito novas a 640 rs. a libra.
outras muitas marcas a 10350.
Bolachinha de soda em latas grandes a 20.
Figos em caixinhas hermticamente lacra-
das, muito proprias para mimo a 10500.
Caixinhas de 4 e 8 libras de figos de coma-
dre a 10 e 20 cada urna.
Passas muito novas, chegadas neste ultimo
vapor a 509 rs. a libra e 30 um quarto ;
e em caixa se faz abatimento.
Ameixas francezas em latas de meia a 3 li-
bras 800 rs.
Champagne da marca mais superior que
Amendoas confeitadas de diversas cores a
800 rs. a libra.
Maclas e peras chegadas neste ultimo vapor,
muito perfeitas, s vista se faz o preco.
Conservas inglezas em frascos grandes a 750
rs. cada um.
Ervilhas francezas e portuguezas em latas de
1 libra a 640 rs.
Ervrhas seccas muito novas a 160 rs. a
libra.
Chocolate francez, o que ha de melhor neste
genero, a 10200 a libra.
tera vindo ao nosso mercado a 180 o gigo, c^^^^^^ a ^OO a libra.
Vig2rSVau"TrCef qnalidades'Genebra de laranja em frascos grandes a 1.
*se S 252a 8|aoa ^^^^^TtSSl
caixa e 720 a 800 rs. a garran. nn a rirma
f aias com vinho do Porto superior 4e 90 ^^V a auz,a-
aT(aduzia,e9OOal0agarrafa;deste Cornac mgez de superior quintada a 800
genero ha grande porco e de differentes e Iffwo a garrafa.
marcas acreditadas que j se venderam Licores francezes das segujntes qualidades:
por 14 e 150 a caixa. como sejam: Duque
do Porto, Lagrimas do Dooro, D. Luiz,
Cames, Madeira secco, Carcavellos, Nc-
tar de 1833, Duque Genuino,
Vinho de pipa: Porto, Figoeira e Lisboa, a
400,480 e MO rs. a garrafa, e H, 30200
e 30500 a cauda.
Anrzete de Bordeaux, Plaisir des Dames
e de ontras muitas marcas a 10 a garrafa
e 100 a caixa.
Marrasquino de Zara a 800 rs. a garrafa e
90 a duzia.
Mostarda ingleza em potes j preparada a
400 rs.
Vinho braoco de superior qoalidada vindo Mostarda ingleza em p, em frascos grandes,
j engarrafado a 640 rs. a garrafa e a 5001 a 10 cada ora.
rs. de barril. IS* refinado a 500 rs. o pote.
Farinha do MaranhSo a 120 rs. a libra.
Araruta verdadeira a 320 rs. a libra.
Cevada a 120 rs. a libra e 30 a arroba.
Alpistaa 160 rs. a libra e 40860 a arroba-
Batatas muito novas em gigos com 40 libra
por 10500.
Cebollas a 10 o molho com mais de 100 ca-
da um.
Caf lavado de primeira qualidade a 300 rs.
a libra e 90 a arroba.
Caf do Cear muito superior a 280 rs. a li-
bra e 80400 a arroba.
Caf do Bio, proprie para negocio, a 80.
Arroz do Maranho a 100 rs. a libra e 20800
a arroba.
Arroz de Java a 80 rs. a libra e 2#4001
arroba.
Vellas de spermaceti a 560 rs. a libra e
540 rs. se for em caixa.
Vellas de carnauba refinada a 320 rs. o mas-
so e a 90 a arroba.
^ Doce de goiaba a 640 rs. o caixo.
Macarro, talbarim e aletria a 480 rs. a fi-
bra ; em caixa se faz abatimento.
Estrellinha, pevide e arroz demassapara sop
a 600 rs. a libra e 30 a caixa com 6 libras.
Palitos de dente lixados com flor a 200 rs.
o masso, ditos lixados sem flor a 160 re.
o masso com 20 massinhos.
Gomma de engommar muito fina a 180 rs. a
libra.
Banha de porco refinada a 480 rs. a libra e
400 rs. em barril pequeo.
Charutos dos melhores fabricantes de S. F-
lix, em caixas inteiras ou em meias, de
10600, U e 30.
Presuntos do reiso, viedos de eonta propna
de casa pattfwriar, a 100 rs. a Hbra; mte-
ro se faz abatimento.
ViWlflfc*.
Ossenbore que compraran de lOOJOOO para cima, torio o descont de 5 por cento, pelo prompto pagameato.
PARA BEM DE TODOS
FAZEI FAVOR DE LR ESTE ANNUNCIO
da economa domes- J tica que se vai tratar.
O assumpto importante.
DESCOBRIO-
0 verdadeiro e principal ar-
BAL
SE AFIXAIj
niazem de molhados o do
IZA.
.Maguern contestar* esta verdade.
A fama far carrer esta noticia.
A vosteridade bcnidlr o nonic do Baliza.
Aetnalidade Batel palmas de eontentainento!
Sem mitras nem coras para ornar a fachada de seus annuncios, e as portas do edificio em que habita, o Baliza se
contenta em tomar o seu lugar de honra na vanguarda de todos os homens do progresso.
Sopre embora o maldito Clarim, o seu toque do retirada a marche-marche do desacreditado Progresso; arme a tonda
dos falsos apostlos da sinceridade no tratro, da realidade na pratica dos negocios commerciaes. revele finalmente a su
grande insobordinacSo fingindo desconheeer os seus superiores, deixando-se Bear sentado, em vez de perlilar-se e faaer a
continencia do estylo, porque o incansavelBaliza sempre fiel ao seu juramento ter continuamente na melhor ordem lodo o
seutrem de guerra e no mais complecto movimento, o seu presumo para bem servir, desde o mais simples camarada at
o mais alto general da primeira classe do ejercito dos seus constantes freguezes.
Entremos na materia:
SENTIDO!
ORDEN DO DA*
Desde a !. publicacSo deste annuncio at segundo aviso Manoel Pedro de Mello, proprietario do grande armazem
do Baliza estabelecido ra do Livramento ns. 38 e 38 A vender a todos os seus freguezes.
Cinco por cento menos
qae qualquer dos seus amaveis collegas que por menos annnnciar. Oualquer ohjecto que n3o chegue a contento dos se-
nhores compradores, pode ser devolvido anda mesmo pelas pessoas que moraran no centro da provincia.
O dinheiro recebido pelo gener0 que rito agradar ser restituido sem constrangimenlo algum.
Declaraco importante.
falso o boato que tem feito espalhar o soldado soprador da ra do Queimado de que se acha o Baliza associado
ao armazem Unio Mercantil aberto a ra da Cadeia do bairro do Recife.
A liga entre os collegas um erime de lesa-povo.
E entre-tanto o Baliza ligueiro.
Ligueiro sim das ideas liberaes dos progresistas de todo o universo aos senlimento mais ntimos de seu cora<;o.
Deste modo de pensar ser o Baliza eternamente conservador.
MOVIMENTO
MIRRO DO RECIFE, RA DA CADEIA N. 50
O mais .novo e o melhor
ARMAZEM HE MOIjIIA1I0N
Esquina defronte da ra da Madre de Dos
ATT
Antonio da Silva Campo?, successor do angoNasoimento defronte do becco Largo, bem co*
nhecido j nesta praca, acaba de transferir o sea esubelerimento para a casa cima indicada, onde
os seos benvolos amigos e freguezes, bem como o respeitavel publico em geral encouli arao o mais
variado, escolhido e melhor sortimento de molhados, a par do aceio, elegancia e bom rgimen do esta-
belecimenlo.
O annunciante, tendo feito urna completa reforma no locante a casa e gneros, possaindo bons
correspondentes na Europa para remessas de conta propna, acha-se convencido me merecer a pro-
teccao de todos os amigos do bom e barato, a qual desde j reclama, assevcrando-lhes que jamis oes*
merecer a confianza com que se dignarem de o honrar.
Em resumo,"visite o respeitavel publico o novo superior armazem Movimento, comprc-lhc al-
guns gneros, e entao ficar convencido da realidade do presente aviso, verilicando por si mesmo que
nennum outro estabelecimento o serve melhor que este, seja em commodidade de prer-os, agrado e
delicadeza, ou legalidade de pesos e medidas.
Finalmente, todas e quaesquer garantas que estabelecimentos idnticos teem ollerecido aos
concorrentes, serao mantidas neste em grao maior._______________
LIQUIDAClO-
wm^mm
RAPE, HAPE.
Duarte Pereira & C. com armazem
de loucas, vidros, etc.. etc., na ra do
Crespo n. 16, acabam de receber pelo ul-
timo vapor a costumada e fresea
do princeza de Petropolis, em libra ueste
estabelecimento e a retalho : na roa lar-
ga do Rosario n. 38, loja da Aurora.
Eeijao a 6$000.
Vendem-se saceos com 22 cuias de feijio ;,iula-
tinho e rajado, pelo barato preco de 6, pe-hincha
igual lempos nao apparece neste mercado, por-
tanto cliegucm ao barato antes que se acabe : na
ra da Madre de Dos ns. 3 e 9.
Salitre refinado, superior qualidade, vinho Bor-
deaux, differentes qualidades, mais barato que em
qualquer parte : no armazem de E. A. liarle &
C, ra da Cruz n. 48.
Folha de ferro galvanizado para telhado :
,na ra da Cadeia Jo Recite n. oG A, bja d'1 ferit-
gens de Bastos.
rw
CTirrfmn'iijuc-r;iOTmT:eaan
IM CONSERVA!!
23Largo do Terco-23.
Joaquim Simao dos Santos tendo de se retirar est resolvido a liquidar e faier urna grande
vantagem a quem seu armazem frequentar, e vender por menos do que outro qualquer annunciante,
para isso tem um vantajoso sortimento tanto neste armazem como fra e para melbor servir o publico
o annunciante scientifica aos seos freguezes que tem [requemado este estabelecimento que de
hora em diante terao a vantagem de 10 a 20 por cento menos que compraram em outra poca pelo
seu prompto pagamento.
Attengao.
Caf do Rio de primeirae segunda sorte a 270 eDito em caixa da Bahia dos melhores fabricantes
300 rs. !' de 15200, 2*400 3e 40.
Arroz pilado a 80 e 100 rs. a libra e 2*400 e 3*
a arroba.
Milho alpista limpo a 170 rs. a libra e 4*800 a
arroba.
Toucinho de Santos e Lisboa a 240 e 280 rs. a libra.
Passas de carnada a 500 rs. a libra e 10* a caixa.
Azeite doce de Lisboa fino a 640 rs. a garrafa e
4*800 a caada.
Dito de carrapato a 320 rs. a garrafa e 2*240 a
caada.
Massas para sopa aletria, macarro e talharim a
480 rs. a libra e 10* a caixa.
Chouricas as mais novas a 800 rs. a libra.
Charutos em magos, de 50 a 6* o- milheiro e a
640 rs. o cento.
Phospboros do gaz vindo de conta groza 2*300.
Manteiga fianceza a 600 e640rs. a libra.
Dita ingleza flor a 800 e 900 rs. a libra.
Biscoutos e bolacbinhas de soda a 1*300 e 2*.
Vinho do Porto engarrafado a 800 rs., garante-se a
superior qualidade.
Dito em pipa Figueira das marcas mais bem co-
nhecidas a 500 rs. a garrafa e caada 3*800
c 3*500.
Dito de Lisboa especial para negocio a 360, 400 e
440 a garrafa e em caada faz-se abatimento.
Dito branco proprio para missa a 640 e 500 a gar-
rafa e em caada a 5* e 3*500.
Bolacbinha americana a 200 rs. a libra e em bar-
rica ha grande abatimento.
XAROPE TNICO REGENERADOR
DE QUINA E DE FERRO
Preptrad* por RIMAULT e C, pharmaceucos de S. A. I. o Principe Napolelo, toreados
da Escola de pharmacMt de Par, ra de I Fewltoe, 7.
Esta non eomblnteo rene debalxo de um nsqw volame urna lWMPMMM "f.JSi'i^;
H. dU. a. o, medico, d^rt. reatoA ^^?%SSftp*213E
doi malera esforc, nem a ciencia medie, nem .]L,,_LE!K ^Sn!. ,Lug ubaua-
oot mueres eiore^Dem a setenen nneaM|ET7"a0C(lM *. duu poderosas sobstsa-
eu.T;&.?es^^ "~ e <^-
menslruicoes difflceis, o lympl
^ '%Z2Kfi2!?C o Xsrope de Ina e de Ierre tol spcUcado no. hospiue. de Mi, e i_ elle
h" JmUeAmcato si* em vogs, tuUUtuiBdo, por sslm dlier, os medicamento, ferruinosos conhecido..
B oi5iMto encerr. numero* certificado, de muKet mesabro. d Acdemi de Medicina e proJeesores
da taculdade qne attetuo que este precioso medicsjsento 4 conservador da seude por excelleacU, s
reeonsUtulnte ds economa animal, IndispensaTtl es pesases me bautao os paite, quentes, como
reserratlvo dss epidemias. .______.
Acha-se venda no deposito geral, em Psrw, as nbsfirss misal sis c em ibo, em casa de 66r rt*4ris* cta-Cj-Ttlh, Barral e Ci no Por lo, na phannacis do
Sr Mlel-is ** Ferreira; no nie-de-Jenlirs.em esas da Tiara Mxata Wat*, ras de
SMo.U.a* hU,tm Sor ja*a.ia de Gaaay; no Jfaranado, em casa dos S5n raarelra O; em Ferwixbuco, em casa
do Sfir Barthalaaiea-rraaelaeo ae Saamai SS> caes dos Sfirs Saaaai e O, e bem usim as prin-
elpass pharmeeU. do Braril e de rVtagal. __________
ESCBAYOS FGIDOS.
AHENCiO.
Acha-se fgido o e?cravo de nome Antonio des-
de o dia 8 do corrente anno, com os signaos se-
guintes : idade 40 annos, crionlo, altara recolar,
desdentado, barba finta, nariz chato, pescoco curto,
um tanto inclinado para a frente, urna marca d<;
ferida no estomago, ps grossos, e as costas mar-
eas de chicote, tom cicatrizes as canellas, em urna
das mos nao abre bem os dedos, levoa vestido cai-
ga parda, paletot preto j velho, camisas brancas
(iuas.. sendo urna de abertura bordada, 2 pares de
caigas, 1 branca c 1 pardo, i cobertor, sendo me-
tade de estopa e metade de algodo, fol encontrado
na ribelra de Santo Antonio e no Peres : por isso
rogase s autoridades policiaes e capites de cam-
po que o peguem e levem-no casa de seus senho-
res, na ra da Imperatriz n. 80, que serao muito
bem recompensados.
Felicia fagina.
Fugio em 22 do corrente a crioula Felicia, re-
presenta 30 annos, pouco mais ou menos, com os
signaes seguintes: cor um pouco fula, bem pare-
cida, cheia do corpo, altura regular, tem nos bra-
Sos signaes que parecem de queimadura, tem os
edos das maes e pos curtos, levou vestido de chi-
ta cor de rosa e chale encarnado, mas provavel
que mudasse vestido, supp6e-se eslar nesta praca
ou seus arrabaldes : pede-se s autoridades poli-
ciaes oo capites de campo a sua apprehenso. e
leva-la ra do Queimado n. 28, que ser recom-
pensado protestando o proprietario contra quem
a tiver oceulta.
" Fugio de casa de seus senhores, no da 14 do
corrente, o escravo Izidro, crioulo, de idade 25 an-
nos, pouco mais on menos, estelara regular, cheio
do corpo, cor um pouco fula, cabellos carapinhos,
olhos pardos, beicos um pouco grossos, nariz regu-
lar ps grandes e grossos bem desembarazado ao
fallar, nao malcriado, levou calca de brim bran-
co, camisa de madapoto, chapeo de feltro j usa-
do -, cajo escravo flho de Caiista Mana da Con-
ceicao, do Brejo de Bananairas, provincia da Para-
hiba do Norte ; veio em 186i em pagamento para
os Srs. Guimares & Alcoforado desta cidade, sup-
pee-se ter seguido para aquelle lugar : roga-?e a
todas as autoridades e capites de campo a sua
apprehenso e leva-lo ao pateo da Santa Cruz n.
6, que serao generosamente recompensados.
ATTENC
Deposito geral em Pernambuce roa da Cruz a. 22 etncasa de Caros & Barboza
Acha-se fgido o escravo de nome Faustino, de
idade 40 annos, pouco mais ou menos, cor fula, at-
ura regular, grosso do corpo.eem espalando, bar-
bado, e j eom alguns cabellos brancos na barba,
bracos e pernas grossas e bastante cabelludas, ten-
do as pernas arqueadas, porm nao amito, costu-
ma andar em sambas, e as veies embriaga-se bas-
tante por gostar muito de beber : portento roga-
se s autoridades policiaes desta e das provincias
limitrophes, que o acam apprehender e leva-lo a
sea senhor o major Antonio da Silva Gusmo, na
roa Imperial, assim como roga-se aos capites de
campo a apprehenso do dito escravo que serao
bem gratificados.


Diarlo de Peraambneo Quinta felra 8 de mino de 1 91.
JURISPRUDENCIA
Tribunal de asslses do Sena.
MODKM COLTY DE LA POMMERAISAUDIENCIA DE 9
DE SI Alo.
(Conlinuacao.)
O accusado anda votlou, pela tercera vez, s 8
lioras da noule. A Siv Huismand, que encon-
trana i.M-aJa, annuncia-lhe a niorle da viuva de
Pauw. A noticia nao lhc causou sorpresa, era
em A >. Entrao quarlo, aproxima-se plcida-
mente do cadver d*aquella que por longo espago
fra sua amante, o depois de certikar-se da mor-
te, retira, mostrando attrihnir o aconlccimonto
pretendida queda na escada da infeliz viuva.
E' um cscarneo, observa a Sr.' Huismand;
madama de Pauw nunca deu semelhaute queda.
su[10 o ru insstisse:
Escusa de jurar, accode a Sr.1 Huismaud
de^e saber, que estou ao fado dos negocios da fal-
lecida.
Conhecida de sobejo a causa da mortc d'essa
muiher, e essa causa nao podo hoje ser posta em
duvida; a viuva de Pauw foi envenenada por Le
Pommerais, na tarde do 16 de noverabro.
O acensado a nica pessoa que entilo esteve
com ella. Demorou-se muito em sua companhia,
e foi de noule que ella teve os repetidos vmitos,
que fornecem sciencia a prova de que tomara ve-
neno em forte dse, poueos momentos antes.
No dia seguiute tornou a vela duas ve/es; tam-
bera se achou s cora ella, e nada seria mais fcil
do que repetir a dse do veneno. S elle tinha inte-
resse em commetter semelhante crime, j preme-
ditado, quando fez segurara vida da fallecida, com
o proposito do se desfazer d'ella.
Qual outro motivo poderia determiaa-lo ? De-
via-lhe a viuva. como refere o contrato de 31 de
agosto, a somma de 330:000 francos ? Elle pro-
prio, no cometo do summario, foi forjado a admit-
tir que a cifra era enormemente exagerada. Co-
megou por limita-la a 130:000 francos, e a 109:000.
Em seguida, confessou que o calculo era ainda
muito cima da verdade, o tixou definitivamente
em 23:000 francos a importancia das sonimas, que
.he eram devidas.
Mas, d'esses 23:000 francos, segundo ulteriores
declaracoes, 13:000 s foram entregues a viuva,
em lins de setembro, muito tempo depois da con-
cluso dos seguros. Na realldade, os emprestiraos
ou donativos, limitam-se a quantias sem importan-
cia. Foi de outras pessoas que a viuva recebeu,
as mais das vezes, os auxilios, que os seus apuros
necessilavam.
Seta como foi, e admittindo um momento como
sacias as ultimas declaragoes do ru, infere-se
que para realisar o embolso de 12:000 francos, in-
luza a senhora de Pauw a segurar a vida em
-30:090 franros. Para nao perder 12:000 francos,
obrigou-se a pagar annualmente porto de 19:000
francos de premios aos seguros !
Por outro lado, elle nao podia cumprr o ajusto
que fuera. Custou-lhe muito pagar a primeira
preslagao. Nao tinha meios de satisfazer a se-
gunda, c sabia que, havendo interrupgao, perda a
quanlia entregue aos seguradores. Por isso, deci-
diu desde logo nao deixar chegar o caso da entre-
ga da segunda preslaeao, devendo conjecturar-se
que no dia eui que procurou a Mitiga amante para
llie azer a proposta fatal, hava resolvido o crlme,
que levou a elTeito no mez de novembro.
Tinha-se munido de urna porcao exorbitante de
digitalina, veneno cujos vestigios sabia serem mu
diflicilmente constatados, cujos etteitos se asseme-
lham aos de algumas molestias de intestinos.
A 11 e 19 de junho comprou 3 grammas de di-
gitalina, e acham-se em-sua casa apenas 15 centi.
grammas. O que fez da porgo que falta ? Nao a
usou na sua crienlella, por que a medicina ho-
moiopathica praticada pelo accusado, nao costuma
fazer d'ella applicagao, e em todo o caso, sempre
em dses inlioitissimas.
Nao menciona pessoa alguma a quera farnecesse
a substancia como medicamento. Allega, certo,
que a enviou a collegas da provincia, mas nao in-
dica o nome de um nico individuo. A morte da
viuva de Pauw explica ao contrario o dficit de di.
gitalina, que a justga verificou em sua residencia.
As aecusacoes fulminantes, o ru responde com
positivas denegares : nunca pensou em altentar
conlra a vida de madama Pauw. Insina que se
deveras morreu envenenada, esse triste flm tal vez
fosse consequcncia de um accesso de desesperacao-
A insinuacao, todava, nao smente repellida por
todos os que uonheceram a viuva desmentida
pelo que fez o accusado no dia 17 de novembro"
Nao obvio, que se a viuva recebesse o veneno de
mao albeia, o ru, encontrando-a to doente na ter.
cafeira de manha, depois de a deixar de sade
na segunda noute, se preoecuparia da situaeao,
indagando a sua causa ?
U estudo profundo, que elle diz haver feito dos
txicos, nao I he permiltia o equivoco acerca dos
symplomas do mal, que soffria a viuva. O cheiro
das dejeegoes, que cobriam o leto e o sobrado, se-
rla sufflciente para a revelacao. A sua inaegao,
em presenta de taes symplomas, a cautella que
teve de nada dzer, que provocasse nquietaglo, ou
que atlrahisse socorro; o aforguramento com que
voltou s duas e s oito boras da tarde, seria inex-
plicavel se nao se soubesse, qae fora elle o propi-
nador do veneno, e que vinha examinar os seus ef. a
feilos.
gistrado qual era, na s'ua opinlo, a situado era
que elle ficaria, respondeu sera hesitar, que em
primeiro lugar embolsara os 530,000 francos; e
que o seu proceder seria depois subordinado s
relagfies que tivesse com a familia da fallecida, ao
testamento feito em seu favor pela viuva de Pauw,
testamento que at Ihe garanta c usofruclo da
parte, que a lei reserva aos filhos.
Quando foi preso, La Pommerais apresenlou
para sua justifleago, vinte e tres cartas, que Ihe
liavam sido dirigidas pela viuva de Pauw com
datas, desde H> de junho 16 de noverabro passa-
Dolas se deJuz, que a especio dos seguros.do.
adoptada pela defunta, fra por ella preferida, de-
pois de delido exame, e a despeito das observacoos
em contrario ; que a sua intcncao era indemnisT
La Pommerais de todos os sacrificios de dinheiro,
os quaes deviam continuar, depois da assignatu-
ra do contrato; que outrosirn nos derradeiros das
do mez de setembro, dra na sua escada urna que,-
da las violenta, que- julgou ser chegado o ullimo
dia da existencia ; que a pessoa, incumbida de ir.,
chamar Um facultativo, nao suppunha encontra-la
viva, quando voltasse ; que, emflm, desde o dia
21 de junho, achando-se j incommodada, por con-
selho do medico, havia tomado urna porgo con-
sideravel de digitalina.
Foi fcil verificar, que a maior parte dos por-
menores dessas cartas, nao eram, de modo al-
gum, conformes verdade. Assira, 28 de se-
tembro, a viuva de Pauw agradece La Pomme
rais, por Ihe haver enviado 30,000 francos ; e o
proprio ru adraitte, que nunca fizera adianta-
raento to consideravel. Alm disto, o summa-
rio demonstra, que a viuva de Pauw nao deu que-
da alguma no mez de setembro que passou ex-
celentemente de sade at 16 de novembro; e
qne, sobretudo na poca em que se lizeram os se-
guros, isto posteriormente 16 de junho, os fa-
cultativos das companhias veriQcaram, que a sua
sade nada deixava a desejar. Como pois, que
as epstolas fallava nos seus soffrimentos, e na
digitalina ? 0 porque acha-se agora completamen-
te elucidado.
Nenhuma dessas cartas foi escripia espontanea-
mente pela viuva de Pauw. Foram todas dicta-
das por La Pommerais, |no intuito de as converter
mais larde, em meio |de defesa. A viuva escre-
via-as sem hesitaco, pensando que eram destina-
das a justificar para cora as companhias a sua sup-
postaenferraidade ; e a explicar os arraojos por
ella feitos com La Pommerais. Este levava logo
comsigo as missivas que dictava. Hasta olhar para
esses papis, conhecese que nao teem a marca do
correio, e que nenhum offerece vestigios do attric-
to inevitavel que receben), quando passam por di-
versas maos. O ru nao declara quem as foi levar
sua casa. Os porteiros e os criados da sua re-
ridencia declaram unnimes, que nunca recebe-
rain urna s dessas epstolas. Emfira, escrevendo
a viuva, como se nao visseLa Pommerais, mostra-
se que as datas de 12, 14 e 16 de noverabro,
postas as ultimas cartas, recea amiudadas vi-
sitas do accusado. A menina Felicidade, fllha da
fallecida, depoe que o ru obrigava sua me a es-
crever cartas, que levava comsigo. Sao eviden-
temente essas, preparadas por La Pommerais, para
sua defesa. e que ao contrario corroboram as pro-
vas contra elle accumuladas.
Nao sao as nicas cartas, que dictou viuva de
Pauw. No dia immediato morte da viuva, al-
guns dos seus prenles, especialmente seu pae e
sua irmaa, recebiam epstolas della, declarando,
que eslava muito doente ; e rogando, que viessera
depressa, se queriam ainda encontra-la viva. Estas
participages sem data, laucadas no correio na
noute de 17 de novembro, alguns momentos de-
pois de exhalar a viuva o ultimo suspiro, tinham
por fim fazer acreditar familia, que fra accom-
mettida de grave enferraidade, alim de a dissua-
dir de qualquer conjectura acerca do crime. Foi
tambem o ru, que com seis semanas de antecipa-
cao as fizera escrever. A infeliz contou a occor-
rencia senhora Huismand ; e segundo o depoi-
menlo desta testemunha, causou-lho tanta irapres-
sao essa tarefa, que chegau a derramar abundan-
tes lagrimas
(ConUnuar-seh)
sommas mais ou menos avultadas caridosamente tes que se confiaran! a ella em 1863 foram a seu
enviadas pelo distlncto prelado em auxilio de pes- destino sem fractura, nem echymoses 6,953,504.
smente sete Acarara ligeiramente pisados, e is-
to em principio.
Mas nem um s morto I! I

soas, familias e corporales religiosas necessiladas.
E para bem se ajaizar do seu carcter eminente-
mente philantropico, aqu narramos um facto, que
o patentea melhor do que podera traduzi-lo pala-
ms- | fcto vera acabar os aterradores boatos espalha-
Em 1841 achando-se na corte por occasio da sa- dos ha dias na Bolsa acerca da fuzao da empreza
gracao de S. M. o Imperador, aconteceu tambem dos carros fnebres com as nossas grandes vias
dias depois sagrar-se o Sr. hispo de Chrysopolis. A' frrea?,
sua sagracao assstiu lambem o prelado pernambu- %*
cano. E' uso em taes occasioes brindar tanto o Madamesella Westwali, cuja breve passagem na
prelado ollciaute como os assistenles cara urna opera os dileltantis parisienses nao esqueceram
joia de tai ou qual valor. Ao virtuoso prelado lo- anda, acaba era um papel de armadura de dar
cou urna caixa de ouro. Pensar alguem, e muito dous pannos de sabr em um enthusiasta, que,
natural era que elle guardasse o fraterno brinde nos bastidores, se atrever a apertar-lhe a cintura.
para delle utilisar-se um dia, significando assim a
estimativa em que o tinha : engao. Mal chegou
a" Pernambuco manda inmediatamente vende-la,1
e langar o seu produelo na caxa dos pobres. Al-
guem Ihe ponderou a pouca consideragao por esse
modo dado ao delicado mimo do seu Ilustre co lie-
ga-
Foi a sua
Castigat ridendo mores.
Sobre o Evangelho de S. Joao, cap. XVl.-E
vou para o Pae: e vos nao me veris mais, escreve
a Cruz:
Eu vou para o Pae, dsse Jess seus discipu-
. los, irmos meus, por que a gloria de sua Ascen-
Os pobres teem mats necessidade de pao, do que l m __,,~' ,' ,. .
. ^'. : sao mostrara ao mundo, que elle era justo e inno-
eu de cauca de ouro para guardar rap.. Foi a sua I cen,c_ E VJ Q-0 mQ verejs
D. Joo da Puricaco Marques Perdiyo.
ULTIMO BISPO DE 1'EnSAMBUCO
TVaros biographicos
(Conclusao.)
III
... E de tanto impero e tanta possa
Non lascia il falal colpo al guardo mo,
Che poco cener frcddo e squallid'ossa.
(COLTELLINI.)
As visitas do accusado araiudavara-se ; e os ef-
feitos da digitalina comecaram a manifestarse. As
dejeegoes da viuva encherara o sobrado junto a
cama. A viuva Pigcrre, procurando-a em casa, en-
contra a chave na porta, e esta apenas cerrada.
Entra no aposento, e v a senhora de Pauw no mais
trisle estado, aecusando o seu semblante intenso
soffrimento. Corre a chamar as filhas Felicidade e
Adelaide de Pauw, para tratarem de sua mae.
Esta diz-lhes, que tera apenas urna endigestao ;
e pede que a deixera s.
A 16 enlra La Pommerais, e fica incerrado com
a viuva. A gravidade dos symplomas cada vez
alarmante. Em lugar de prodlgalisar-lhe os cuida-
dos que exige a situagao, a ninguein communica o
perigo era que ella se acha : o deixa-a entregue
O triste aconlecimento causou-lhe to pouca m.
pressao, e estava tao impaciente de embolsar os
500:000 francos, movel exclusivo do crime, que
logo depois do bito da victima, escreveu s com-
panhias de seguro, prevenindo-as de que ia cobrar
os seguros vencidos. Depois apprehendendo diffi-
culdados, que poderiam resultar da existencia dos
filhos da Sr.' de Pauw ; e querendo fazer acreditar
qne eslava de accordo com os encarregados de tra.
lar dos ioteresses dos menores, dictou a sua irmaa
urna carta, que llio mandou assignar falsamente
com o nome de um supposto advogado de Chateau-
roux, era que este pareca conceriar-se cora o ru
sobre as medidas a temar em prol dos pobres or-
phs. Quera a todo o transo colher o fructo do
seu crime, e para isso nao poupava meio algum.
La Pommerais lembrou-se de allegar, que Ion-
ge de ser movido por sentimenlo de cupidez, sem-
pre proceder no interesse dos filhos da viuva de
Pauw ; e em abono de sua defesa, exhibe urna
declaraco em forma, datada de 20 de agosto,
pela qual cede era beneficio dos filhps dessa se-
nhora o beneficio dos contratos de seguros, eados-
sados em favor delle.
Em breve se conheceu, que a referida declara-
gao nada tinha de serio ; por isso qae parava em
poder ds ru; e que della nao se acbou copia no
domicilio da viuva. Assim ninguem podia allu-
dir a esse documento, excepto o accusado. Mas
a declaracao estava alias annullada pela de 31 de
agosto, em que a cessao dos contratos de seguros
era reiterada pela viuva de Pauw, sera reserva
alguma em favor dos seus filhos, Tanto verda-
de La Pommerais nao se julgar obligado pela de-
claragao de 20 de agosto, que no proprio dia em
que a apresentou, havendo-lhe [perguntade o ma
A triste viuva, apenas sonha nos seus 3,000 fran-
cos de renda; e admilte que deve parecer seria-
mente enferma. Diz-lhe o amante que ella se acha
como atacada de cholera ; e que 24 horas depois
caten tudo. A doente repete-o a sua filha Felici-
dade.
urna hora chega o dautor Gaudinot, que Ihe
havia dado varios remedios, prescrevendo ura tra-
tamento que verifica nao havia sido observado. Ma-
nifesta o seu descontentamento, e retira-se sem
que a viuva procure dtelo.
A 17 acode novamente La Pommerais. No
possivel desconhecer o estado deploravel da sua
victima. Retirase entretanto sera escutar o menor
impulso de compaixo ou de remorso.
Emflm, s seis horas e meia da tarde expira a
viuva de Pauw, no momento em que apparece o
doutor Blachez, chamado a teda a pressa pela se-
nhora Huismand, quando desgragadamente era
muito tarde para prestar soccofro algum.
Assim despenda o virtuoso prelado urna grande
parte des rditos da mitra em allivio da desgraga,
em conforto da desdita; mas esse espirito altamen-
te humanitario, que para assim dizer dominava o
quadro de todas as suas virtudes apostlicas, era
expansivo de mais para circumscrever se aos limi-
tes tragados sua diocese; e como as inspiragSes
da verdadeira caridade raras vezes se curvara dian-
te das divisoes geographicas do globo," ei-lo em seus
vos sublimes de caridade e beneficencia transpon-
do as raias da diocese, depois o mesmo continente
americano para ir era trras do velho mundo assig-
nalar-se por actos mais ou menos significativos da
sua liberalidade christaa. Na Bahia, no Maranhao,
no Rio de Janeiro; e alm do Atlntico, em Roma,
resposta, que vale bem urna mxima. E de facto
o producto dessa venda ia pouco tempo depois es-
tancar a fome aos habitantes da Ilha da Madeira,
por essa occasio atribulada com o flagello da fome-
A somma total dos seus donativos de caridade du-
rante o seu episcopado eleva-se a urna cifra supe-
rior a mil contos de ris I E se mais nao deu foi
porque mais nao tinha para dar.
Protegeu tambem as sciencias e as artes, secun-
dando diversas vocages, algumas das quaes teriam
abortado completamente sem o seu aux lio; outras
ter-se-hiam visto gravemente embaragadas em seu
caminho; a outros abriu contente os bragos da
amisade, e do mais hospitaleiro acoihimento. O
Revm. conego Jos Mara, hoje restituido ao seu ca-
nonicato da s metropolitana de Braga, encontrn- r
no coracao do virtuoso prelado o agasalho fagueiro
que Ihe negou a sua trra nesses dias tumultuosos"
da ultima restauragao de Portugal. D. Francisco
do Coraco de Mara Cardoso e Castro, fallecido
nesta capital, deveu a mao generosa do virtuoso
pastor o seu transporte de Roma para o Brasil, e
a primeira hospitalidade que nestas trras rece-
beu.
OSr. l)r. Carlos Frcderico Marques Perdigao
desta capital deve a sua formatura em direito pela
faculdade de Olinda ao Ilustre finado, seu lio e pro-
tector ; do mesmo modo o Sr. Dr. Americo Mi litio
de Freitas Guimares, hoje juiz de direito na pro-
vincia do Cear. O Sr. Dr. Jos Pedro Werneck
Ribeiro de Aguilar, hoje addido a legagao brasilei-
ra em Vienna, foi durante.os tres ltimos annos da
sua formatura hospede do virtuoso prelado : O Sr.
Joaquina Jos de Carvalho Sequeira Varejao, hoje
domiciliado nesta capital, recebeu em Pars por es-
pago de 4 annos urna mensalidade para o aperfei-
goamento dos seus estudos artsticos. O Sr. Poggi,
cujonomo por inteiro nos no occorre agora, mas
que hoje deve estar formado em medicina pela fa-
culdade da Bahia, recebeu tambem ah urna raesa-
sada do Ilustre prelado durante a totalidade, ou
parte do curso dos seus estudos mdicos. Quanto
a nos (possam ao menos estas linhas que mal
temos podido ir escrevendo no remanso da noute
por entre as vigilias da saudade, e o dormitar in-
quieto das fadigas do dia, servir de offreoda de gra-
tido a memoria do virtuoso prelado), a sua gene-
rosa protecgo nos acompanhou sempre quasi que
desde crianga. Seu familiar durante- tres annos,
depois seu protegido por espago de sete- annos, du-
rante os quaes nos proporcionou todos os meios para
fazermos na Europa os nossos estudos mdicos; e
por ultimo seu medico e seu intimo amigo por es-
pago de doze annos, pudemos bem de perto conhe-
cer e apreciar essa alma anglica que vaha um the-
souro, para nos servirmos da raesma phrase em-
pregada ltimamente per um publicista fallando
das suas virtudes.
Urna numerosa cohorte de mancebos (alm dos
que a expensas suas lizeram os seus estudos no se-
minario) foi tambem por elle ordenada na qualida-
de de seus familiares. Citamos entre outros os
Revds. Antonio Muniz da Silva, vigario do Pilo
Arcado; Luiz de Almeida Coelho, prior da fregue-
zia da Trofa, era Portugal; Luiz de Queiroz, viga-
ro da freguezia do Cabo; Joaqun Jos de Men-
donga, vigario da freguezia do Pilar; Jos Anto-
nio dos Santos Lessa e Custodio Francisco de
Mello.
E como nem sempre o merecimento modesto
esquecdo, nem a virtude singela desestimada, se
alguma cousa podesse valer diante Jo seu espirito,
de abnegagiio evanglica a consideragao e a bene-
volencia dos grandes, ou o respeito e a estima dos
povos, por vezes teve occasio de conhecer o alto
conceito em que por uns e outros eram tidas as
suas virtudes. Em 7 de julho de 1841 o grande
conselho da sociedade amante da instruego do Rio
de Janeiro elegeu-o seu socio corresponden le; em
26 de junho do 1844 o conselho director da socie-
dade catholica de Lisboa seu membro effectivo ;
no 1 de agosto de 1848 o Instituto d'Africa em Pa-
rs seu presidente honorario ; em 14 de feverelro
de 1831 foi nomeado cavalleiro da ordem do San-
to Sopulchro ; e finalmente, depois do feliz regresso
de S. M. I. oSr. D. Pedre II da visita feita a algumas
provincias do norte do imperio, houve por bem o
mesmo augusto seohor condecora-lo com a grande
dignitaria da ordem da Rosa, a cujo tcstemunho da
imperial consideragao o virtuoso prelado se mos-
trou em extremo reconhecido.coraquanto nao acei-
tassea graga conferida : 'Nao dizia elle, sinto que
j de mais me peta sobre o peito a minha cruz pas-
toral ; nao tenho mais [orcos para supportar so-
bre elle o peso das condecorares do mundo. E
com to louvavel astucia para que nao parecesse
orgulho ou descortezia assira pretenda elle reca-
lar a virtude de santa abnegago evanglica, com
que desde o primeiro dia do seu glorioso episco-
pado principiou a olhar para tudo qnanto eram
pompas, grandezas, e vaidade da trra.
Nesse delicado ardil, porm, estava j o vatici-
nio da morte I Esse corpa vergado ao peso dos
annos, gasto pelo attrito das lides apostlicas, e
quebrado pelo embate das tormentas da vida perda
de dia para dia o'seu elasterio vital. O bafo da morte
o levara lentamente beira do tmulo. No dia 30
de abril prximo passado, pelas 9 horas da noute
deu um ai... e cahio I I t
Franca e na Hespanha foram por veies distribuidas
Havia na trra um santo de menos t
Eslava no cu um justo de mais !
Assim se finou o grande philosopho christo, le-
gando-nos e posteridade em seu santo viver mais
do que um nome Ilustre,urna escola, urna dou-
trina.
E se nos fra licito gravar sobre a lapide que
cobre as cinzas um epitaphio consagrado sua
memoria, escolheriamos este de preferencia a
outro :
Ipso tnajorem tmpora nulta dabunt.
Dr. Almeida Bastos.
(Jornal do Commercio, do Ro.)
_______
UM POUCO DE TUDO.
Do Fgaro traduzmos o que se segu :
A companhia do caminho de ferro de Orleans,
que, em sua exposigao annua acaba de publica/ o
mais, porque sendo
humilhado e abatido, foi exaltado e glorioso para
mandar aquelle Espirito que tinha de ensnar to-
das as verdades, tanto pertencentes aos dogmas,
como aos costumes.
Donde so segu, primeiro: que nao podem
constituir f catholica, se nao aquellas verdades,
que o Espirito Santo ensinou aos apostlos, e que
elles transmittirain egreja, ou por escript, ou
de viva voz, que o que chamamos tradigao: se-
gundo, que s na definigo, e exposigao das verda-
des deste genero infallivel a egreja.
E nesse dia nada mais me perguntareis, por que
em verdade vos digo : se vos pedirdes a meu Pae
alguma cousa em meu Nome, elle vo-la-ha de dar
Vos at agora nao pedistes nada: pedi, e recebe-"
res, para que o vosso gozo seja completo.
Eu tenho vos dito estas cousas debaixo de par-
bola-;. Est chegado o tempo, em que eu vos nao
bei de fallar ji por parbolas, mas abertamente
vos fallarei do Paepor que elle vos ama, por que
vos meamastes, e crestes que eu sahi de Deus.
Eu sahi do Pae, e vim ao mundo, e outra vez dei-
xo o mundo, e torno ao Pae.
Eis esclarecida a verdade, e para sempre resol-
vido o mysterio de nossa anliga tristeza ; at ento
as geraces suspiravam que o cu orvalhasse o
justo que devia trazer-nos a vida, a felicidadee
apparecendo fez-nos comprehender tudo e ensi-
nou-nos o verdadeiro caminho da salvago -t e ago-
ra que temos a certeza de sua vinda, que possui-
mos a sabedoria de suas leis, nao fazemos mais do
que conspirar-nos contra elle, e abandonarmos a
grandeza de seu ensino.
Nos nao ignoramos isto, estaraos certos, que s
seremos salvos observando a doutrina do FIIiq do
Horaem, mas tal a cegneira e a Ignorancia que
nos cerca, que deixamos de parte a verdade, e va-
mos buscar o erro que os inimigos da fe tao sorra-
teiramente oflerecem ao uossos olhos.
Convein portanto amarraos ao Pae, afta de que
nao sejamos privados de friurmos das grandezas
de sua eterna sabedoria; eomvem sermos promp
tos em ouvir a voz de sua Esposa, a egreja eatho-
lica, para conseguirmos a tranquillidade e o re-
pouso dos justos.
no continente de Portugal, na ilha da Madeira, em seu balnco neerologlcb, publica cgalmeate cora
um legitimo orgulho, que sobre 6,935,541 viajan-
Lia revista Luso-Brasileira transcrevemos a se.
guinte poesa do Sr. F. Serra:
EULALIA
(De Espronceda.)
Senta-te Eulalia em meu eolio,
Poe-mc a tua mao na frente
Onde o fogo em furia ardente
Faz da cabega um vulco.
Vera, e junta com meus labios
Esses labios inflammantes,
Onde inda os beijos d'amante
Da vesp'ra, escriplos Ihe estao I
Que c a virlude e a pureza,
Do amor a grata esperanga f
Falsa illuso de crea tu; a
Sorrindo na juventude I
D-me vinho, e alTogue eu nelle
Taes lembrangas; aturdida,
Sem que o sinla, fuja a vida,
S quero a paz do alade.
O suor. meu rosto escalda,
E em ardente sangue, roxos,
Os meus olhos brilham froxos,
Pulla inquieto o coragao.
Muiher foge ; eu te detesto 1
Essa mao que se preudia
Entre as minhas, sinto fria,
Teus beijos, de gelo sao I
Sempre assim! entes sem tino,
Invenlae outras caricias,
Outro mundo, outras delicias,
Ou seja o prazer maldito.
Vossos beijos-sao mentira,
Mentira a vossa ternura,
Hediondaa formosura
Que o goso era dr deixa escripto.
Eu quero amor, quero gloria,
Quero n Como na nente imagino,
E o mundo gosar nao laz.
E a luz daquella estrella
Que me illude a phantasia,
Fogo fatuo, falso guia
Q*e errante e ceg me traz I
Porque morreu para o prazer minha alma,
E en vago ainda no pezar meu rosto ?
Porque, jazendo em indolente calma,
Sinlo em lugar de paz, mortal desgosto ?
Porque este inquieto, abrasador desejo ?
Porque este sentimento estranho e vago,
Que eu mesmo em grato devaneio vejo,
E busco ainda o seu ligeiro afiago ?
Porque, trazer-me ainda, amor prazeres,
Que certo estou de que serb mentira?
Porque aps de phantasticas mulheres,
Doudo tal vez, meu coragao delira;
Se logo em vez de prados e de flores,
Acho desertos ridos e abrolhos,
E em seus louoos ou lbricos amores
S magua encontr que d pranto aos olhos ?
Arrojei-me qual rpido planeta
Sobre as asas da ardente phantasia ;
E sempre a arrebatada mente inquieta
Tnumpho e gosos encontrar s qu'ria..
Lancei-me em vo audaz e persev'rante
Fra do mundo regie etherea,
E s duvida achei, e o cu radiante
Vi converter-se em illuso aerea.
Logo na trra entao, virtude e gloria
Busquei com ancia e delirante amor,
E s vil poja repugnante escoria
Meu espirito achou, exhausto era dor.
Mulheres vi, de virginal belleza
Entre alvas nuvens de vivaz ciarlo,
E ao toca-las em fumo, essa pureza
Trocar-se vi em lodo e podrldo.
E achei minha illuso desvanecida,
E eterno, nsaciavei meu desejo :
Palpei a realidade, odiei a vida.
Que a paz smente no sepulchro vejo.
E busco ainda do prazer ancioso
Vago desejo que em minha alma corre;
Pergunto, e ao longe um echo pavoioso
Ai me responde desespera e morre !
Morre infeliz, que a vida um tormento,
L'm engao o prazer; nao ha na trra
P'ra ti, era alegra, nem contento,
Mas eterna ambicao e eterna guerra.
Que assim castiga Deus a alma ousada
Que aspira louca em seu delirio insano,
Da saa verdade p'ra o mortal vedada
t A descobrir o myslerioso arcano.
Oh I basta,nao quer minha alma
Ver mais, nem saber mais nada;
Dbil j, e saciada
S deseja descangar.
Morra em mim o sentimento
J que morreu a ventura;
Nem prazer, nem amargura
Volvara meu peito a turbar.
Passae, passae em ptica Ilusoria,
E outras candidas almas enganae ;
Nacaradas imagens, fama, gloria,
Laureis e croas de primor, passae.
Passae, passae bellezas voluptuosas
Com danca e. alarido em confuso,
Como vises aereas, vaporosas,
Sem coramover nem f'rir meu coracao.
E aturdam-me a revolta phantasia
Os brindes e os eslrondos do feslim,
E fuja noute e me surprehenda o dia
Preso em lethargo estpido e sem fim.
Vem Eulalia, tens soffrido
Como en soffro, e nunca choras;
Mas ai! triste I nao ignoras
Quanto de minha affligao.
Sentimos as mesmas penas,
E ern vo o pranto contens...
T, tambem, como eu j tens.
Mutilado o coragao I
No Jornal das Familias se le :
Recebi do Sr. Marreco, de Londres, uro artigo
que Ihe foi communicado pelo Dr. Edwarrf Gre-
enhow, de Norlh-Sbields, seu amigo, sobre quema-
duras, loe merece ser aqu transcripto para ntili-
dade do publico, e particularmente dos senhores
de engenhos de assucar, e pessoas nelles entpre-
gadas, continuamente expostas a accidentes d'esta
natureza.
Comega o autor do artigo por notar a grande di
versidade de raelhodos curativos que em diversos
lempos tem sido reputados os mais efflcazes para
corar as queimaduras.
Uns preconisavam a agua fria e applicacSes se-
dativas ; outros exaltavam a excellencia de ap-
plicagoes estimulantes, sendo manifest que ne-
nhum tratamenlo tinha por base principio solido e
constante.
M. Velpeau, professor da Faculdade de Pars,
em urna excellente memoria sobre este assumpto,
em que estabelece quatro grus de leso e exami-
na todos os methodos de tratamento, acaba por
propr o seu, que consiste em applicar em torno
da parte tiras de panno sobre que se estendeu em-
plastro dachylo simples, e renovando de dous em
dous dias, e, medida que a cura se opera, de
quatro em quatro.
O Dr. Greenhow reconhece a utilidade d'este
tratamento, e attribue os seus bons efftos inter-
cepgo do accesso do ar chaga, e branda com-
presso das partes offendidas. Por este methodo
se dimnuc e abrevia muito o processo suppu-
rativo.
Um acaso suggeru ao doutor Greenhow om no*
tavel aperfeigoamenlo no tratamento das mais pro-
fundas queimaduras, que consegue curar sem sup-
purago.
llavera alguns annos foi chamado para aecudir
a um rapaz que tinha cabido em urna caldeira em
que se eslava derretendo pez.
Quando foi tirado della, tinha as maos cobertas
de pez, e as mangas da jaqueta que trazia vestida
ficaram impregnadas do mesmo liquido, e seccando
ficaram adherentes pelle, sendo impossivel sepa-
ra-las; e como o doente nao se queixava de dr nos
bragos; nao se tentou despir-lhe a jaqueta. Com
muito trabalho se conseguiu por meio de oleo de
lerebcnthina desembaragar as maos do pez ; foram
curadas como ungento de resina amarclla mistu-
rada com pequea porgo de oleo de terebenthina.
A suppuragiio foi abundanle, cahiram muitas esca-
ras, e no cabo de tres semanas j em algumas par-
tos apparecia pelle nova.
Entretanto nao havia nos bragos signal de ma-
teria nem mu cheiro, e observou se que as man-
gas se desiacavam ; Ires dias depois foi fcil abri-
las tesoura, e entao viu Mr. Greenhow, com
egnal satisfarn e espanto, que toda a superficie
queimada eslava cobcrla de nova pelle, havendo a
amiga lrgalo os bragos eadherido superficie in-
terior das mangas em forma de pergaminho.
Nao havia vestigios de suppuragao desde os pul-
sos at aos hombros : as maos anda nao eslavam
inleramente curadas seis semanas depois do acci-
dente.
Este facto suggeru ao doutor Greenhow um tra-
tamento que imitasse o que o pez liquido tinha
operado neste caso.
Desde aquella poca trata todas as queimaduras
em que ha leso maior ou menor da pelle, e parti-
cularmente as que penetrara at cutis verdadeira,
applicando sobre a parte carnadas do emplastro de
resina amarella com oleo de terebenlina derretido
aolume, por meio de um pincel ou escovinha da
barba, ate que toda a parte fique coberta de urna
espessa capa desta substancia, que seccando se as-
seraelha a um verniz.
Deve haver grande cuidado em conservar a in-
tegridade desta capa emplstica applicando novas
porgues se em algum lugar se tiver despegado.
Urna longa experiencia dos casos os mais graves
convenceu o amor e os collegas a quem communi-
cou o seu methodo curativo, da sua perfeita efflca-
ca. Cura as mais violentas queimaduras por pri-
meira intengo e sem suppuragao.
Para tornar a composigao mais compacta, pode
ajuntar-se ao emplastro, quando se derrete, um
pouco de cera amarella.
Eu ajunlarei que. para mais seguranga, e evitar
a necessidade de renovar a applicacao, seria con-
veniente cobrir a parte ou envolv-la em liras de
panninbo emquanlo o emplastro est anda semi-
fluido : estas, adherlndo a elle, formaran unj ca-
pa inteiriga.
De A. Dumas extrahimos o segrate, Iraduzin-
do-0 da francez :
A Biblia nao cede mythologia em relago s
serpentes.
Depois da recusa de Phara de deixar sahir os
Hebreos do Egypto, Moyses enviou-lhe Aaro, seu
nnao mais velho, alim de convenc-lo da verdade
de sua missao; e efectivamente este fez varios pro-
digios na presenga delle.
Um desses prodigios foi a transformacao da va-
ra de Moyses em serpente.
Os magos do Egypto lizeram entao outro tanto.mas
a serpente de Aarao devorou as serpenles produzi-
das pelos magos.
Foi este um dos prodigios que determnou a Pha-
ra deixar sahir os Hebreos do Egypto.
Mas estes tendo-se rebellado no deserto por sen-
tirem, apezar do man, a falta da nutrigao mais
substancial que conseguiam s margens do Nilo,
foi Deus servido convocar conlra elles um enxame
de serpentes, cuja dentada arda como a queima-
dura do fogo.
Grande numero de Hebreos snccumbiu, o que
sendo presenciado pelos outros, levou-os a se cor-
responderem ; e procurando elle entao a Moyses,
este mandou que fizessem urna grande serpente de
rame, bastando que apenas a fixassem os qne ti-
vessem sido mordidos para serem enrados.
pois mu injustamente que se considera Hah-
nenmann como o inventor da homeopathia : esta
remonla-se Moyses, similia similibus.
Traduzmos do Nain Janne o que segu :
Ha pessoas que tera muito orgulho para pedirem
esmolas, e ao mesmo passo nao sao Mandrtn para
sahirem pelas estradas.
O que fazera ellas, pois, para baverem dinheiro ?
Tomam emprestado.
E nao -ao mais vistas.
Ha, com efleto, nesta maneira e proceder menos
risco e melhor humilhacao.
K porm tambem o que se pode chamar o justo
meio entre a mendicidade e o furto.
Essas pessoas passam pela polica correccional
com o cdigo da atnizude na mao.
Traduzmos do Tintamarre :
A DENTADURA DE MEU TO.
Meu lio tem oitenta annos.... e de mais, urna
dentadura, obra de Bloch, artista distincto, de
quem o Tintamarre tem fallado muitas vezes.
Com este apparelho, modelo de perfeigo, meu
respeitavel to tiiumphadas cadeas mais rebeldes,
faria em pedagos at biscoiios.
Ha alguns dias, urna senhora que mora na mes-
ma povoagao que elle, foi convidada para sen ca-
samento.
Nao se ignora que nos casamentos do campo fi-
ea-se mesa por vinle e quatro horas. Nesse das
de solemnidade que tem-se necessidade de um
boro queixo. Ora, a muiher de quem se trata, nao
tinha uro s dente, posto qae fosse ainda mora ; e
como man i tes tas se na ves pera da festa es seus pe-
zares por isto a ura maligno, este Ihe disse :
Minha chara amiga, islo nao nada. V ter
com o Sr. L. M., e Ihe pega emprestado a sua den-
tadura. Sabe que elle nunca deixa de obsequiar a
pessoa algn, e por isso nao receie recusa em
tal circunstancia.
No dia seguinte, antes da alva, a senhora acha-
va-se em casa de meu to, exponha o objecto de
sua visita, langando um olhar de inveja ao appare-
lho, que se refucila va dentro de um magnifico copo
d'agua, esplendido como um molusco no fundo do
Aquarium do jardim de acliroatacao.
Estou s suas ordens, senhora; disse-lae meu
tio, pegando aa dentadura. Vou colloca-la : abra a
bocea....
Senhor, cuidado que nao roe maltrate.
Nao tenha receio. Mas espere, que rae esque-
cia de fazer-lhe urna observago : tenha cautela t
Ha alguns dias ao jantar um dente soltou-se, e eu
engulindo-o, estive a pontos de estrangular-me.
Mas, senhor, eu noto que o seu instrumento
nao tem taita de dente.
E' verdade o dente foi deltado de novo.
Como I o mesme ?...
Bofe! certamente.
A isto a nossa tomadora emprestado, fazendo
urna careta de repulsao, egual a de Nadier em.
Guignol, poz-se ao fresco a todo o panno, e corre
anda.
Na Revista Luso-Brasileira l-se o seguinte :
ENTIIUSIASMO
M.irJfz el eroMMi, corli.-am, luit.'/ Je r*ilefc
L.* p"*i c*t au ciel !
[Alf. ie Mustet.)
Nao 1 nao morre a luz sagrada.
Que em minh'alma poz o Eterno,
Nao sao rgelos do invern
Que apagam raios dos cus;
E eu creio na estrella amiga
Que me illumina o futuro,
E vo altivo e seguro,
Cheio d'ainor e de Deus I
Que tem, que importa se s vezes
Minha alma triste v,cilla ?
Nao treme a luz que scyotilla
Mal que um sopro a vem tocar ?
Que tem, se acaso emmudego,
Se a fronte inclino, e medito,
Quando o tripudio maldito
Vejo ao meu lado passar?
Quem diz que o sol perde o brilho
Porque desee no horisonie,
Ou que morre a luz na fronte
Onde Deus poz um laurel ?
Quem soi i a da casta musa
Porque a v bandada em pranlos ?
Quem se atreve a pedir cantos
Aos captivos d'Israel?
Nao I se as aves emmudecem
Quando se despe a floresta,
Se os cantos d'amor e festa
Nao re.-, a o i pelo ar,
Se luz paluda do invern
Nem veceja urna bonina,
Quem diz que a quadra divina
Nunca mais ha de voltar?
Quera diz que as rosas e os lyrios
Nao ho de vir em cardumes
Encher de gratos perfumes
As brisas dasolidao?
Que a monlanha, o prado, o bosque
Nao tero fulgor um dia,
E que ne-hade a poesia
Romper-nos do coracao?
Quem diz que o manto sombro
Que o cu nos tolda de nev
Nao ha de, desfelto em breve,
Todo em perolas cahr;
Eque ento nesse momento,
Nao deve a aurora inflammar-se,
E a campia engrinaldar-se,
E a primavera sorrir ?
Nao digam I Emqnanto a sombra
Desee negra e carregada,
E os seios d'alma inspirada
Se estorcem no fro horror ;
Emquanto, fartos de gloria,
Os istrioes adormecem,
Ao puro cysne fallecem
Brandos murmurios de amor.
Mas quaodo o p, que hoje em nuvons
Vaga, ondnla e cobre tudo,
Se abaler, tristonho e mudo
Nao ha de o eysne tlcar ;
Balendo as azas constante,
Soltando vaga harmonia,
Far romper a poesia
Por trra, por cus e mar I
PERNAMBUCQ.-TYP. DE M F. DE F. A FILHO-
1
*
>
.
\


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EPLEHQ4JG_R8GA2M INGEST_TIME 2013-08-28T03:33:37Z PACKAGE AA00011611_10403
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES