Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10402


This item is only available as the following downloads:


Full Text

'V
>
AkNO ILJIMO 146.
Por tres mezes adan lados 5)000
Por tres mezes vencidos 6$000
Porte ao correio por tres meies. 0750
TERCA FEIRA 28 DE JUMO DE 1864.
Por amo adantado.....49J00O
Porte ao correio por dbi auno 3$00u
r
I
1

1NCARREGADOS DA SUBSCRIPTO NO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima'
Natal, o Sr. Aatonio Marques da Silya; Aracatv,
Sr.A. deLemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira; Maranho, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Manoel Pinheiro & a-, A-
mazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
INCARRBGAD03 DA SUBSCRIPCAO NO SUL'
Alagas, o Sr. Claudino Falcad Das; Baha, o
rr. Jos Martins Al ves; Rio de Janeiro, os Srs. Pe-
riera Martins d Gasparino.
PARTIDA DOS ESTAFETAS. KPtEMERIDKS DO MEZ DB JUNHO.
Oiinda, Cabo e Escada todos os das.
Iguarass', Goyanna e Parahyba as segundas el .
sextas-feiras. 4 Lta nova as 9 h., 20 m. e 20 s. da m.
Sanio Anto, Gravat, Bezerros, Bonito, Garuara', 12 Quarto cresc. as 9 h., 27 m. e 26 s. da m.
Aii^K earan^s, nas ,er?asDferas- 19 La cheia as 8 h., 34 m. e 20 s. da t.
Pao d Alho, Nezareth, Liraoeiro, Brejo, Pesqueira, a n .. m -v a- ua '
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Tacaratu', Cabrob, 2b QuaM0 m,n*- as U h- 53 m- e 3s- da m-
Boa Vista, Ouricury e Exu' nas quartas feiras.
Serinhem, Kio Pormbso, Tamandar, Una, Barrei-
ros, Agua Preta e Piraenteiras nas quintas feiras.
Ilha de Fernando todas as vezes que para ali sahir
navio.
Todos os estafetas partem ao Vi dia.
PRFAMAR DB HOJB.
Primeira as 10 horas e 54 minutos da manhia.
Segunda as 11 horas e 18 minutos da larde.
i ARTLDa DOS VAPORES COSTE IRO.
Para o sul at Alagas a 5 e 23; pr a Granja 7e22 decadamez; para Fernando nos
dias 14 dos mezes dejan, marc., maio, iul, set. enov.
PARTIDA DOS MNIBUS.
Para o Recife: do Apipucos s 6 Vi, 7, 7 /, 8 e
8 Vi ? n>.; de Olinda s 8 da m. e 6 da tarde; de
Jaboatao as 6 >/i da m.; do Caiang e Vanea s 7
da m.; de Bemfica s 8 da m.
Do Recife : para o Apipucos s 3/,, 4, 4 V, 4 A,
5, o /, 5 Vi e 6 da Urde; para Olinda s 7 da
manhaa e 4 >/, da tarde; para Jaboatao s 4 da tar-
de ; para Cachang e Vanea s 4 Vi da tarde; para
Bemflcas4datarde.
| AUDIENCIA DOS 1RIBUNAKS DA CAPITAL.
Tribunal docommercio: segundas a quintas.
Relaco: tercas e sabbados s 10 horas.
Fazenda: quintas s 10 horas.
Juizo do commercio: segundas s 11 horas.
Dito de orphaos: tercas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel: tercas e sextas ao meio
dia.
Segunda vara do civel: quartas e sabbados a 1 hora
da Urde
DAS da semana
27. Segunda. S. Ladislao r* de Hungra.
28. Terca. Ss. Argemiro e Inneo bb.
29. Qua'rta. cg> S. Pedro e S. Paulo app.
30. Quima, s. Margal l>.; S. Luciana.
1. Sema. Ss. Casto e Gallo bb.
2. Sabbado. Ss. Proresso e Martiniano mm.
3. Domingo. S. Eulogio m.; S. Anatholio m.
ASSIGNA-SB
no Recife, em a livraria da praca da Independencia
ns. 6 e 8, dos propietarios Manoel Figueiroa de
Faria & Filho.
PARTE 0FFICIAL
GOVKRNO DA PROVINCIA.
Expediente do dia 23 de junbo de 1861.
Oflicio ao Exm. vice-presidente da provincia do
Espirito Santo.<"om o ofcio de V. Exc. datado
de 14 de maio ultimo, recebi 2 exemplares do re-
latorio apresentado pelo Exm. presidente Dr. An-
dr Augusto de Padua Fleury assembla legis-
lativa dessa provincia, por 'occasio da abertura
da sua sesso no dia 20 de outubro de anuo pas-
sado. i
Dito ao brigadeiro commandante das armas.
Especa V. Exc. suas ordens para que s 2 horas
da tarde do dia 25 do correnle, se apresenlem na
reparlicao da polica 3 pravas allm de escollarem
um criminoso al o termo de Caruar, onde se de-
vero demorar at o encerramento da respectiva
sessao do jury. Communcoa-se ao Dr. chefe de
polica.
Dilo ao mesmo. Ao ofllcio que V. Exc. me di-
rigi sol n. 1122 e dalado de 22 deste mez.respon-
do declarandollie que, o recruta Manoel Francisco
de Sales, actualmente recolhido ao hospital militar
o proprio Manoel Francisco a quem mandei por
em hberdade por oOico de 20 do correnle; srva-
se V. Exc. portanto de mandar levar a elleito a
minha ordem.
Dito ao mesmo. Em respnsta ao ofllcio que
V. Exc. me dirigi sob n. 111. e data de 21 do
correte, lenho a declarar-lite que em ofllcio de
hontem providunciei sobre o destino que devem
ter os recrutas que V. Exc. alinde; convindo
que se deducido a duvida que ha acerca do de no-
me Jeronymo Pereira da Silva que esl contem-
plado em scu citado ofllcio como o nome de Joa-
quim Pereira da Silva.
Dilo ao mesmo. Sirva-se V. Exc. de mandar
pr em liberdade, dando-Ibes baixa sej estiverem
com praca, os recrutas Jeronymo Pereira da Silva
e Firmino Cavalcanle de Mello, visto que prova-
vam isengao do recrutamento.
Dito ao mesmo. Sirva-se V. Exc. de mandar
por era liberdade, dando-lhe baixa se j estiver
com praca. ao recruta Manoel Romao, visto ter
provado isencao do recrutamento.
Dito ao juiz de paz mais votad. do 1.a distnclo!
da freguezia da Varzea.Ofllciando nesta dala
cmara municipal do Recife allm de mandar ex-',
trahr do competente livro e remelter V. Exc.
copias parciaes da qualificaco feila na freguezia |
de S. Lourenco da Matta relativamente aos cida- j
daos residentes nos territorios que pela lei n. j
600 de 13 de maio ultimo, foram desligados
d'aquella freguezia e reunidos a essa, os quaes
pela mesma lei licaram a ella pertencendo e de-
vern ah votar nas eleiges de juizes de paz e ve-1
readores que se tem de proceder no dia 7 de se-
tembro prximo vindouro como preceita os avisos
n. 21 de 23 de Janeiro, 97 de 20 de abril de 1849,
299 e 224 de 4 e 14 de jtilho de 1863, assim o,
communico V. Exc. para seu conhecimento e
direccao Communicou-se respectiva cmara.
Dito ao inspector da thesouraria de azenda.
Participando o promotor publico da comarca do
Brejo, bacharel Manoel Galdino da Cruz em 21
deste mez, que terminando nesse dia a licenga de
que gosava, deixava por molestia de seguir para
alli: assim o communico V. S. para seu conhe-
cimento.
Dito ao mesmo. Communico V. S. que 6 ba-
charel Estevio Benedicto Franca entrou no exer-
cicio do cargo de juiz municipal e de orphaos do
termo de Villa Bella, no dia 31 de maio prximo
lindo. i
Dito ao mesmo. Senao honver inconveniente,
mande V. S. pagar a Simplicio Jos de Mella, con-
forme solieitou o chefe de polica em ofllcio de
21 do correnle sob n. 737, a quantia de 205000 rs.
despendida como se v da nota junta por copia,
com o recruta Jos Lopes da Silva que vejo da
comarca do Brejo c foi remettido ao capito do
porto para o servigo da armada. Communicou-se
ao Dr. chefe de polica. ,
Dito ao mesmo.Participando o juiz de direito
da 2." vara em 22 do correnle que nomepu o ba-
charel Francisco de Carvalho Soares Brandao,
para exercer interinamente o cargo de promotor
publico desta comarca no impedimento do eflect-
vo : assim o communico V. S. para seu couhe-
cimento. /
Dito ao mesmo. Communico a V. S. que o pro-
motor publico desia comarca bacharel Jos Pauli-
no da Cmara enlru em 22 do frrente no goso
da licenca de 10 das que obteve.
Dito ao inspector da thesouraria proVincial.
Recommendo V S. que, senao houver inconve-
niente, mande pagar a Simplicio Jos de Mello,
conforme solicilou o chefe de polica em oflicio de
21 do correnle, sob n. 737 a quantia de 85100 rs.,1
despendida como se v da nota junta por copia
com seis criminosos que vicram da comarca do
Brejo. Communicou-sc ao Dr. chefe de poli-
ca.
Dilo ao mesmo. Annuindo ao que solicilou o
director da reparlicao das obras publicas em ofll-
cio de boje sol n." 102, recommendo V. S., que,
pela verba competente, mande adiantar ao thesou-
roiro pagador d'aquella reparlicao a quantia de
160.5000 rs. para occorrer aos pagamentos dos
concerlos, que se mandou fazer no edificio destina-
do ao Gymnasio provincial, afirn de que as aguas
pluviaes nao o damnifique. Communicou-se ao
director das obras publicas.
Dito ao commandante do presidio de Fernan-
do. Recebi o ofllcio n. 30 de 16 do correnle, em
que V. S. expe a necessidade que ha de ser con-
servada no porto deste presidio urna das canhonei-
ras de guerra para aecudir as emergencias do
servico ; e vou levar ao conhecimento do governo
imperial essa requisigo que me parece justa.
Dito ao mesmo.Inleirado de quanto V. S. me
communica em seu ofllcio n. 21 de 12 do correnle,
tenho a declarar-lhe que bem procedeu csse com-
mando em providenciar para que dcsapparecesse
prejudicial abuso, nao s de empregarem-se al-
gons sentenciados do presidio no commercio a re-
talho, teodo por caixeiros e camaradas a outros,
mas tambem de terem sentenciados para os servi-
rem os vivandeiros particulares ah estabelecidos;
e muito convm que V. S. continu a empregar no
servico nacional com activi.lade lodos os Toreados,
certo de que encontrar da parte desla presiden-
cia o apolo que fr necessario bem do melhora-
mento do presidio.
Dito ao capilSo do porto.Faco apresentar a >.
S. os recrutas de marinha Flix Baptista dos San-
tos, Joao Baptista Bezerra, Manoel Cndido da Sil-
va Leonardo, Jos de Medeiros Lins, Miguel Go-
mes da Silva, Jos Araujo dos Santos, Antonio
Joaquim de Santa Anna e Jos Mara da Silva,
aHin de que Ihes d o conveniente destino depois
de inspeccionado?. Communicou-se ao Sr. Dr.
hee de polica. "
Dito ao -mesmo.Sirva-se V. S. de mandar por
em liberdade o recruta de marinha Manoel Rufino
Felippe da Concicao, que tem isencao legal.
Dito ao mesmo.-Mande V. S. por em liberdade
o recruta de marinha Franrisco Boiges, visto ter
provado isencao do recrutamento.
Dito ao commandante docorpo de polica.Man-
de V S eliminar do corpo sob seu commando os
soldados Zeoobio Alfonso Vianna e Manoel Severi-
no dasNeves, que assentaram praca voluntaria-
mente no t batalhid de infamara no da 22 do
correte, como declarou-me o bruzadeiro comman-
dante das armas em ofBcio dessa data.
Circular ao commandantcs superiores da guar-
da nacional, menos o do Recife, Santo Antao e
Brejo.Nao tendo V. S. enviado as relacOes nomi-
naes dos ollk'iaes do servico activo e de reserva da
guarda nacioual sob seu commando superior exigi-
das por circulares desta presidencia de 10 de outu-
bro e 14 de dezembro do anno passado, cumpre
que as remetta com a maior brevidade possivel e
de conformidade com o modelo junto a primeira
das referidas circulares.
Dito ao director das obras publicas.Concedo a
autorisagao que Vmc. pedio em seu oflicio de boje
sob n. 161, para mandar despender at a quantia
de 305000, com a substiluico de mais urna trave,
que foi encontrada podre na ponte sobre o rio Ta-
pacur e nao se acla comprehendida no primitivo
orcamenlo.Communicou-se ao inspector da the-
souraria provincial.
Dito ao juiz de paz mais votado do l1 dstricto da
freguezia de Iguarass.Ofllciando nesta data
cmara municipal do Recife, para mandar exlrahr
do livro competente e remetler de Iguarass,
aim de que esta transmita Vmc. copias parciaes
da qualificacao fela na freguezia de S. Lourenco,
relativamente os cidados residentes nos enge-
nhosPropriedadeque pela lei provincial n. 603
de 13 de maio ultimo, foram restituidos a essa fre-
guezia ficando assim a ella pertencendo, os quaes
segundo os avisos ns. 21, de 23 de Janeiro e 97 de
20 de abril de 1849, 299 e 324 de 4 e 18 de julho
de 1863 devem ah votar nas eleicoes de juizes de
paz o vereadores que se tem de proceder no dia 7
de setembro prximo vindouro; assim o communi-
co Vmc. para seu conhecimento e direccao.Com-
municou-se respectiva cmara municipal. Iguaes
providencias se deram para as freguezias de Villa
Bella e Salgueiro cujos limites foram alterados.
Portara.O presidente da provincia, conforman-
do-se com a proposta apresentada pelo tenente co-
ronel commandante do 5 batalho de infamara da
guarda nacional do municipio do Recife, sobre que
versa a informaco do respectivo commandante
superior datada de 24 de maio ultimo, reseive nao
s transferir da 1* para a 7' companhia o alteres
Manoel Das de Toledo, mais tambem de conormi-
dade com o art. 48 da lei n. 602 de 19 de setembro
de 1850, promover aos postos do mesmo batalho
abaixo declarados os cidados seguintes :
Estado-maior.
Alferes portabandeira, o guarda Jos Duarte de
Albuquerque Maranho.
1.a companhia.
Alferes, o guarda Presciliano Peres Campello.
2.* companhia.
Alferes, o guarda Manoel Joaquim do Reg Barros
Jnior.
5.a companhia.
Tenente, o alferes da mesma Joao Ribeiro Teixeira
de Mello.
Alfes, o sargento-ajudante Tolentno Joaquim da
Silva Pimentel.
6.' companhia.
Capito, o tenente da 1* Francelino Francisco Paes
Brrelo.
Alferes, o guarda Carlos Augusto de Barros
Reg.
Communicou-se ao commandante superior do
Recife.
Dita. O presidente da provincia, conformando-se
com a proposla do Dr. chefe de polica, n. 742 de
21 do correnle, resolve conceder aos capilaes An-
selmo Joaquim Pinto e Jos Joaquim de Barros, a
exoncaco que pediram : este do cargo de delega-
do do termo de Tacaratu e aquelle do de igual car-
go no de Flores.Communicou-se ao Dr. chefe de
polica e ao brigadeiro commandante das armas.
Dita. O presidente da provincia, atteudendo ao
que requeren o desembargador Antonio de Barros
e Vasconcellos, resolve conceder-lhc 3 mezes de li-
cenca com ordenado na forma da lei, para ir a
provincia do Maranho, tratar de sua sade.Fi-
zeram-se as necessarias communicacoes.
Contiiiiiaro do expediente do secretario do governo
do dia 22 de junlio de 4861.
Ofllcio ao tenente-coronel Thomaz d'Aquino Ca-
valcante.De ordem de S. Exc. o Sr. presidente da
provincia, aecuso recebido o oflicio em que V. S.
comniunicou ter em 24 de maio lindo, assuinido o
exercicio das funeces do cargo de commandante
superior interino da guarda nacional dessa co-
marca.
23 -
Ofllcio ao brigadeiro commandante das armas.
S. Exc. o Sr. presidente da provincia, manda de-
clarar V". Exc. que por despacho desta data auto-
risou-se ao director do arsenal de guerra a satisfa-
zer o pedido do commandante do 7 batalho de
infamara a que alinde o ofllcio de V. Exc. de 22
do correte, n. 1,121.
Despachos do dia 23 de junbo de 1861.
RequeriineiUos.
Antonio de Paula e Mello.Informe oSr. director
das obras publicas.
Antonio (forrea Maia.-Informe o Sr. presidente
do tribunal do commercio.
Francisca Maria da Rosa.Indeferido vista da
informarlo.
Tenente Henrique Tiberio Capistrano.Em vista
da le nao tem lugar oque requer osupplicantc.
Bacharel Joao Baptista do Aniaral e Mellol'asse
portara prorogando a licenca com que se acha o
supplicante por 2 mezes, sendo 1 com veocimentos
e o outro tem elle.
Joanna Francisca dos Anjos.-O filho da suppli-
cante s pJe ser aduittido na companhia de
aprendizes marinheiros, devendo neste caso ser
apresentado ao Sr. inspector do arsenal de mari-
mia.
Jos Primeiro africano livre.Passe titulo de
emancipacao.
Manoel Thomaz dos Santos.Nao tem lugar o
que requer o supplicante.
Manoel dos Santos Nuncs de Oliveira.Informe
o Sr. engenheiro fiscal da illumina^o a gaz.
Maria Joaquina da Penha Castro.Nao tem lugar
vista da informaco.
PERilAMBDCO.
ASSEMBLA PROVINCIAL.
SESSO ORDINARIA EM 30 DE ABRIL DE 1864.
PRESIDENCIA DO SR. COKSELHBIRO TBIGO DB
LOURElItO.
Ao meio dia feita a chamada e achando-se nu-
mero legal dos Srs. deputados
Abre-se a sessao.
E lida a acta da anterior approvada.
O Sr. 1. Secretario d conla do seguinte :
EXPEDIENTE.
Um ofllcio do necrelario do governo, communi-
cando haver o Exm. Sr. presidente da provincia
prorogado at o dia 7 de maio prximo vindouro a
presente sesso desta assembla.A' archivar.
Outro do mesmo cominunicando que os esclare-
cimentos pedidos acerca da estrada de ferro j fo-
ram remettidos a esta assembla.A' archivar.
Outro do mesmo remetiendo a informaco mi-
nistrada pela reparlicao das obras publicas acerca
da estrada de Bujary.'A' commissao de obras pu-
blicas.
Outro do mesmo, remetiendo por copia o ofllcio
do director da reparlicao das obras publicas relati-
vamente a quantia de quatro coritos eento e vinte
mil ris que anda se est a dever proveniente da
obra da ponte de ferro junto a fundico de C.
Star & CA' commissao de ornamento provincia*.
Outro do mesmo, remetiendo o regulamcnto do
cemitero da villa de Pao d'Alho confeccionado
pela cmara municipal d'aquella villa.A' com-
missao de negocios de cmaras.
Outro do mesmo remetiendo as informacoes que
fallavam acerca do projecto n. 17 deste anno.A'
quem fez a requisico.
Outro do secretario da cmara municipal desta
cidade remetiendo o relatorio e bataneo da receita
e despeza da mesma cmara.A' archivar.
E' lido e approvado o seguinte parecer :
A commissao de instruccao publica lendo con-
siderado a pelicao de Alexandrino A y res da Pai-
xo, professor publico da Boa Viagem, em que
pede para que se mande igualar a gratificacaoque
Ihe dada para alugoel de casa, aquella que
para o mesmo flm dada ao professor dos Affoga-
dos, de parecer que se solicite informaco da
directora geral de instruccao publica.
Sala das commissoes, 30 de abril de 1864.
Soares Brandao.Arminio Tacares.
E' lido e dispensada a impresso requer men-
t do Sr. Buarque o seguinte additivo ao regi-
ment :
A commissao de polica propde o seguinte ad-
ditivo ao regiment da assembla :
c Art. As autorisacoes e quaesquer disposi-
c5es permanentes que forem approvadas em ulti-
ma discussao na lei do orcamento provincial, po-
dero por deliberacao da assembla ser destacadas
iljiquella lei e remettidas commissao de redac-
cao para redigi-las em projectos separados. O
mesmo poder ler lugar com os additivos a qual-
quer projecto de lei.
Sala das commissdes, 29 de abril do 1864.
Dr. Loureiro.Buarque.
PRIMEIRA PARTE DA ORDEM DO DIA.
Contina no art. 42 a 2.a discusso do projecto
do orcamento provincial.
Yo mesa e apoiam-se as seguintes emendas :
No 40diga-se pedagio das pontes e estra-
das que ser cobrado pela tarifa existente.Biiar-
que.
Emendas ao g 2.
Em lugar deconsumo de escravosdiga-se
de compra e venda de eseravos.S. R.Ayres
Gama.Nabor. >
O % 33 do art. 42 seja substituido pelo se-
guinte
55000 por cada bote ou saveiro emprega-
do no trafego do porto, e 105000 por cada baleei-
ra, dem.Arauj Barros.
Supprima-se o $ 24.Silva Bamos.
A 2.* parle do 36 accrescente-seexceptua-
dos os suburbios.S R.Ayres Gama. ,
No 35 depois das palavras 165000 por car-
ro particular de quatro rodas de eixo fixodiga-
seexceptuam-se os carros fnebres.Silva Ra-
mos.
< O 7 art. 42 seja substituido pelo seguinte :
7. Cinco por cento dos demais gneros ox-
portados, menos patita de coqueiro, lenha para
gasto do navio, fructas e quaesquer gneros, que
tenham de ser consumidos em viagem na aliraen-
tacao da tripolaco e passageiros de qualquer em-
barcaco.Araujo Barros.
Supprima-se o % 24.Silva Ramos. >
Supprima-se os que impoe sobre os escra-
vos alugados na cidade, sobre os collegios de ins-
truccao secundaria e escolas particulares de ins-
truefo, sobre os saveiros e os cavallos.Dr.
Baptista.
Approvado quanto aos collegios e escolas de ins-
truccao particular.
O Su. Paila Baptista : Considerando o estado
actual da provincia, o movimento de suas forcas
productoras, a caresta das substancias, e os encar-
aos, queja pesam sobre a populaco : tendo ainda
em cnsideraco o zelo e circumspecgao, que po-
der-se-ha guardar para salutar econoniia na deter
minaco das despezas, todas estas cousas me di-
zem, senhores, que nao devemos crear novas impo-
sicoes, nem augmentar as existentes.
E', portante, para oppor-me nesta parte ao pro-
jecto de lei de orcamento em discusso, que uso
agora da palavra, e uo della mui certo de que os
autores deste projecto correspoodero, com sua
benevolencia estima e diferen^a, que Ihes tribu-
to. (Muito bem).
Emquanto, senhores, so discutio a despeza, me
vistes calado. Mas antes disto, ja me havia oppos-
to ao projeclo para a creaco de um engenho mo-
delo. Nao foi smente esta palavra vaga c inde-
terminada mo'llo que produzir minha repugnan-
cia : aflligiram-me mais que tudo as avultadissi-
mas quantias, que para isso se designavam, e que
j boje apparecem no projecto de orcamento. ele-
' vando consideravelmente a somma geral os artigos
de despeza.
Um Sr. Depitado : Ento V. Exc. com seu
silencio approvou esses artigos.
OSr.Paila Baptista :Perde-me : isto um
demasiado arbitrio sobre mim, que o nao concedo
I ao nobre deputado,nem a quem querque seja. Mi-
; shas conviceoes eujaqui as manifest pelo voto ; o
! discutir, porral, direito meu, de que uso quando
i julgo conveniente.
Alm deque, o que disse o nobre deputado, nao
se deduz certamente do que eu havia dilo. Figura
no projecto de orcamento a cifra de 125:0005000,
para o tal engenho modelo por mim combatido
publicamente, e publicamente votei contra diver-
sos artigos de despeza. Sinto que o nobre deputa-
do ou nao esteja presente, ou j esteja esquecido
dessas cousas.
A proposito chamo a lembranca do nobre depu-
tado para um requerimento de m Ilustre collega
nosso, hoje ausente, (oSr. Gervasio Campello) para
que a d i se ussao do projecto de orea ment cometas-
s pelos artigos de receita, requerimento este, que
desde logo fra combatido por alguns e regeitado
como coniendoem si^ urna novaeo irregular, ano-
mala e sem cxphcaco possivel.
O Sr. Bcarque :E nao era urna inverso, que
se pretenda fazer ?
O Sn. Paila Baptista :Parece que sim ; mas
hainversSes, as vezes, sympalhicas pela forja dos
motivos que a determinan).
O que o nobre autor daquelle requerimento tize-
ra, foi apresentar naquella occasio seus receios,
sem duvida mu louvaveis. Quera elle que visse-
mos, e examinassemos primeiro o que tinhamos
para despender, afim de sabermos ao depois como,
e com o que deveriamos despender : receiava as-
sim, que da largueza na previa designaco das des-
pezas nao proviesse, ao depois, a necessidade de
abrir novas fonles de renda publica, ou alargar as
existentes com sacrificio dos contribuintes.
O Su. Buarque : A commissao de orgamento,
de que sou membro, tratou de equilibrar a receita
com a despeza, e este equilibrio dever sempre
existir, ainda quando se comece pela receita.
O Su Palla Baptista :E por certo, por muito
que se queira gastar, logo que meus escrpulos se
lancar novas imposiedes, poder-se-ha chegar a esse
fallado equilibrio ; mas nao nisto que ha o me-
recimento de um equilibrio salufar e desejavel.
Deixo consideracoes geraes, e passo a oceupar-
me de cada urna das imposiedes creadas, e das que
foram augmentadas.
Pagava o algodo 3 por cento, o projecto de or-
camenlo eleva este imposto a 5 por cento.
Sabem todos o quanto a prodcelo e a exporta-
cao deste genero tem crescido. Deste crescimento,
e igualmente da alta de seu preco deve ter resul-
tado necessariamente immenso accrescimo de ren-
da, que deveria lisongear as vistas e os clculos
da Ilustre commissao de orgameoto em suas com-
b nac5es para equilibrar a receita com a despeza.
(Apoiados.)
Esta prosperidade, quasi que repentina, que este
ramo de receita tem apresentado, tornando-se de
to mesquinha, que era, grossa e fecunda, parece
Iludir-nos ao ponto de j querermos elevar o im-
posto de 3 para o por cento.
Entretanto, senhores, nas relacoes de harmona,
que devem existir entre a produeco e o consumo,
nao nos esquejamos de que, se por um lado o al-
godo tem obtido alto preco, por outro lado esta-
mos pagando mui caro o consumo das fazendas de
algodo, que nos sao importadas. Consumidores
destas fazendas sao todos os Brasileiros, producto-
res de algodo poucos. (Apoiados). E todo o ac-
crescimo do imposto sobre este producto ser ain-
da em prejuizo dos consumidores dessas fazendas,
que j as esto consumindo por alto preco. (Apoia-
dos.)
As circunstancias, que tem augmentado em di-1
versos lugares da Europa a procura do algodo, o
tem eito subir o prego deste genero, sao eventuaes. (
Um dia vira, em que se reslabeleca a paz entre os I
povos dos Estados-Unidos. E, emquanto este facto
M nao der, nao sei se um bem real para nos
esse alto preco, que os nossos algodoes esto ten-
do, supportando nos o subido preco das fazendas.
Aceitemos, porm, o facto como viera, indepen-
dentemente de nosso querer, e de nossos clculos,
e nao o aggravemos : contentemo-nos com e aug-
mento da renda proveniente do augmento da pro-
dueco, exportaco e prego, e nao queiramos aecu-
mular felicidades sobre felicidades, augmentando o
imposto. (Muito bem)
Passsando deste assumpto para outro, e do mes-
mo genero, vejo eu, que a nobre commissao de
orcamento tambem elevara o imposto sobre as to-
jas de fazendas e outros estabelecimentos.
Atientas as causas, que acabrunhavam essas in-
dustrias, o imposto existente era j vexatorio, c
mais vexatorio ficar. Nas contribuigoes ha rigo-
rosos limites a guardar ; pois, sendo certo que ca-
da um deve contribuir segundo suas torgas, essas
forcas no geral das industrias nao se medem
varas ; mas polegadas.
Ora, que provas, ou signaes de prosperidade tem
dado o noss9 commercio retalho, de modo a ma-
nifestarse robusto e risonho para comportar, sem
. oppressao, accrescimo de tributo f As fallencas
em grande escala, a deficiencia de crdito, tmidas
apprehensdes dos capitalistas, a pobreza das fami-
lias sao provas tristes e amargas, e nao doces e li-
songeiras. (Apoiados).
Ainda mais, nao sendo possivel plena igualdade
nos impostos, a sciencia aconselha, que se procure \
a igualdade-que fr possivel. E' justamente neste
imposto, que a desigualdade mais fere os contri-
buintes, visto que se nao pode saber, e nem lici-
to devassar os fundos dessas casas, o crdito de
que cada urna deltas dispde, o movimento de suas
operages, e os acanhados ou copiosos lucros, que
cada urna deltas colhe.
Por este lado semelhante imposto ainda o me-
nos susceptivel de receber qualquer augmento.
(Apoiados.)
D'entre as imposigdes apresentadas pela Ilustre
commissao de orgamento a mais repugnante mi-
nha razo e aos meus sentimentos a de 1005000
sobre cada um dos collegios de instruccao secun-
daria, e a de 255000 sobre cada aula particular de
instruccao primaria.
Digo sem exagerago, que se alguem se incum-
bisse de procurar um servico mais incapaz de
solfrer qualquer imposigo, n adiara outro com
este carcter to claro, como o que se trata.
Um Su. Deputado :Isto forte.
O Sr. Paila Baptista :Forte como f e porque ?
Quando me refutarem, empreguein igual fortaleza
por amor dos principios e da rerdade, que me nao
darei por offendido.
Escusado senhores, trazer bellas phrases, e
brilhante estylo para fazer sensveis as vantagens
da instrueg : em assumptos to ricos como es-
te, troquemos nossas palavras e nossas ideas, como
se conversassemos particularmente.
Um escriptor preeminente, grande autoridade
em materias de pedagoga, diz que as creangas sao
paginas brancas e limpas, aonde se escreve o que
se quer. Eu accrescento, que nellas se escreve o
sen futuro, e o futuro da sociedade. (Muito bem.)
Instruir esses entes, formar-Ibes o corago nao
isto cousa, que se deva entorpecer ou embaragar
com imposto; mas digna de altos favores, e pro-
teceo sublime. (Apoiados.) Para que, pois, esta
onerosa contrihuico ?
O Sr. Araujo Barros :Eu tambem pens as-
sim, e tanto, queja mandei urna emenda suppres-
siva deste imposto.
O Sn. Paula Baptista :Felicito-me com o
apoio do nobre deputado : meu empenho em ver
cahir esta disposigo do projeclo grande, meu
desejo ardenle ; pelo que contino a combate-lo.
Nos governos livres a necessidade de derramar-
se a instrueg primaria por todas as classes im-
periosa. Em diversos lugares da Allemanha essa
instrueg obrigatora, e com razo ; porque nao
concebo, que se tenha direito a ser ignorante ao
ponto de nao saber as operages mechanicas de ler
e escrever.
E de tudo isto eu chego a urna concluso con-
traria ao que quiz a cemmisso de orgamento :
digo, que, em vez de um imposto sobre as aulas
Sarticulares de instrueg primaria, pedessemos
ar urna recompensa aos meslres particulares, que
provassem bons servigos e adiamntenlo de um
certo numero de alumnos, seria de mmensa con-
veniencia publica fazermo-lo. (Apoiados).
Quanto aos collegios de instruccao secundaria,
quando sao mui sentidos os embaragos, que os pais
de familia encontrara em fazer seus lilhos apren-
der as humanidades por falta de collegios, nao
possivel, que, indiflerentes a este mal, queiraes, se-
nhores, diflcultar ainda mais a benelica fundago
de taes collegios.
Na rica e populosa cidade do Recife ha apenas,
se me nao engao, dous destes collegios ; um del-
les, gozando grande e bem merecido conceito, e as-
saz concorrido, apezar disto nao deixava ao seu
fundador lucros, que compensassera as suas fadigas
e constante vigilancia.
A dedicagao do fundador do collegio Bom-Conse-
Iho, o Sr. Dr. Barbosa, era digna de todo o elogio:
loi o collegio para onde mandei um filhinho meu :
que prova, pois, mais irrecusavel poderei exhibir
da sinceridade, com que vos fallo ? Entretanto, o
Sr. Dr. Barbosa nunca auferio vantagens correspon-
dentes aos seus esforgados trabalhos: pelo contra-
rio mantinha-se pela perseveranga propria das su-
blimes devogSes. (Apoiados). Elle passou o collegio
a outro de igual dedicagao e esforgo, e se acha hoje
de juiz municipal em um dos termos da provincia
do Cear.
Tudo isto prova, que essas instituiges encontram.
causas, que obstam scu desenvolv ment e a fun-
dacao de outras iguaes, e em taes condices nao
devera, nem podera soflrer impsigo alguma.
(Apoiados.)
Dir-se-ha, talvez, que temos o Gymnasio, e o col-
legio das Arles. Mas este dizer, prjmeiro que tudo,
se resolve definitivamente na declacao, de que
esses collegios sao desnecessarios, e por isso pooem
morrer. quando bem quizerem, e esta declaracao
tao mesquinha, e absurda, que sou incapaz de attri-
bui-la aos membros desta assembla : podera ser
apenas um argumento frivolo, e sem sigu8cago.
(Apoiados.)
Depois disto, ainda preciso attender 1 distancia
dos lugares, a reputagao dos nrofessores, e outras
muitas cousas, que os pais nao pdem deixar de
considerar no desempenho cordeal de instruir 6
educar os lilhos.
Passo a outro artigo.
I O projecto impe 05000 tor cada bote ou savei-
ro empregado no trafico do porto, e 305000 por ca-
da ballena.
Deste objecto nao tenho sciencia, de modo a pro-
nunciar-me com preciso. Sei, todava, que mu-
tos destes saveiros sao de homens pobres, que vi-
vem desse servico, habituados a mal passar, e que
de suas rigorosas economas que tirara alguma
vantagem.
Para estes, o imposto de que se trata ser segu-
ramente um verdadeiro flagello, e talvez completa
ruina. (Apoiados.)
Em duvida, e sem os precisos eselarecimentos
voto contra esta imposigo.
Dez mil ris por cada escravo ganhador, ou em-
pregado no servico de trausportes; eis ah urna nu-
tra nova imposigo. de que lembrou-se a nobre
commissao de orcamento.
Quando a exportago de escravos para o Rio de
Janeiro, ia em progresso pelo bom prego, que os
escravos all tinham, esta assembla langou forte
imposigo sobre essa especulago com o designio
de conte-la, de sorte que nao viesse a provincia a
sentir falta de bragos escravos para a lavoura, falta
j assaz sentida.
Agora urna outra imposigo se tenta crear sobre
os escravos residentes na cidade.
Se queris, senhores, com esta medida diflcul-
tar a estada dos escravos na cidade, quando empre-
gados em servigos de transporte e ganho, a ver se
desta sorte elies vo para os campos onde se fazem
necessario-, ponderai, tambera que o sacrificio e o
desgosto, filhos desta nova imposigo podero fazer
com que os donos d'esses escravos, affrontando o
imposto, que j existe sobre a exportago, os man-
de vender no Rio de Janeiro, e desta sorte fiquem
mal logrados os intentos da lei a respeto da pri-
meira imposicao sobre a exportago de escravos.
Este resultado ser mais natural, do que brea os
escravos para os servigos da lavoura; por que quem
se dispde a desfazer-se de sua propriedade procura
naturalmente vende-la a quem oflerece melhor pre-
go c seguranga no pagamento, e isto justamente
o que se d nos compradores, que comprara para
exportar em relago aos compradores do centro de
nossa provincia, agricultores ( apoiados.)
Um argumento convincente existe ainda contra
esta imposigo.
Os escravos sao bens de Mego : de todas as
propriedades a que corre maior perigo ; pelo que
seus lucros devero ser maiores; de sorte que com-
pensem o proprietario desse maior perigo ( apoia-
dos. ) A nao ser isto ninguera querer possui-lo,
e querer autes substituir os servigos desta pro-
priedade pelo de pessoas livres ( apoiados. )
Cora isto quero dizer, que nao nos devemo sil lu-
dir com o muito, que ganham para seus senhores
esses escravos, de que falla o projecto, para langar
esse imposto ; tanto mais quanto j existem outras
imposigdes como sejam a da matricula, a de meia
siza.
Nao fallo das difUculdades, injustigas, vexames e
questes, que resultaro da rollecta de escravos, de
modo a nao incluirse no numero d'elles os que vi-
vera apenas erapregados no servigo de seus senho-
res. Tudo, pens, que ter de apparecer na arre-
cadago deste imposto.
Graves inconvenientes na arrecadaco de tal im-
posto, incoherencia entre elle o outro" ja existente,
eis o que vejo.
O Su. Buarque :Ser bom nao continuar at
ouvir a resposia.
O Sr. Paula Baptista :Satisfago j o pedido
do honrado deputado, e passo a tratar de outro ar-
tigo.
Dez mil reis por cada ravallo de aluguel na ci-
dade do Recife, e 65000 por cada cavallo particu-
lar, eis outro tributo lembrado pela nobre corarais-
sao de orgamento.
A cocheiras, que tem estes cavallos para alugar,
j pagara 11111 imposto. Se hoje langarmos um novo
imposto sobre os cavallos que n'ellas existem, para
o anno langaremos outro sobie os caixeiros e cria-
dos empregados no servigo destas cocheiras : ao
depois outro sobre as estribaras, que n'ellas exs-
tirein, o assim por diante iremos impondo sobre os
diflerentes objectos, que entrara essencalmente no
estabeleeimento denominado coebeira ; e, alm de
um imposto sobre o todo, outros impostos sobre ca-
da urna de suas partes. Sinto nao poder adherir a
isto ( adiados. )
O aluguel de cavallos bastante caro : a neces-
sidade, que ha deste servigo, imperiosa. Nao s-
mente para passeios, que se alugam cavallos; mas
para salisfaco de necessidades palpitantes, c mor-
mente quando se tem de vencer grandes distancias.
Este imposto tornar esse aluguel mais caro ainda,
com grave soffrimento dos que tiverem preciso
desse meio.
No imposto de pedagio ha tambem um augmen-
to consideravel; pois que segundo um projecto de
lei, queja foi approvado, e contra o qual votei, tem
de crear-se barreiras de 3 em 3 mil bragas.
A este, respeito nao posso expender razes; visto
que me nao permittido fallar contra o vencido.
Um Sr. Deputado :Pela lei que ex;#tia deviam
ser collocadas de 6 em 6 rail bragas, pela que pas-
sou ltimamente deviam s-lo de 9 em 9 mil bra-
gas.
O Sn. Paila Baptista :Eapezar disto os que
tem de pagar este imposto, desejam as cousas, como
eslavam, e clamam contra o que agora se fez.
Como Isto possivel t que expliago rasoavel pode
ter ? Serao esses contribuintes cegos e ignorantes
para nao verem o beneficio, que Ihes fez, ou in-
gratos para o negarem 1 Isto nteressante. O
principio verdadeiro nestas malcras, se nao geral-
mentc, que ninguem condece melhor seus inte-
resses, do que o proprio individuo ( apoiados.)
Nao sei se entre urna multido de artigos e pa-
ragraphos de receita rae tera escapado algum dos
que augmentara impostos. No exame que fiz, nao
toraei apoitamentos, e na terceira discusso apre-
sentarei o que por ventura accrescer s razoes, que
tenho emittido, e segundo as quaes vou mandar
emendas suppr-ssivas dessas disposigoes que tenho
combatido.
Vai mesa e apoia-se a seguinte emenda ao 4.
Em vez de 5 por cento diga-se 3 por cento.P.
Baptista.
O Sr. Buarque :Sr. presidente, esta assembla
costuma ouvir com a mais profunda attengao o no-
bre deputado que acaba de sentar-se, attengao que
Ihe devria, por que, Ilustrado como todos nos o
reconhecemos rico de experiencia, mais de que
muit s de nos, pode orientar-nos com as suas luzes;
eu, por tanto, acompannando os meus collegis nes-
se preito que prestam ao nobre deputado, ouvi re-
ligiosamente as consideragoes que acaba de apre-
sentar em impugnagao ao orgamento, e cumprindo-
me como membro dessa commissao responder Ihe
tomo a palavra para satisfazer esse dever.
Sr. presidente, o nobre deputado fez largas con-
sderagries sobre a necessidade de se augmentar
ou nao a actual imnexigad da provincia, sobre a ne-
cessidade de creaco de novos impostos. Devo de-
clarar que acompanho de todo o meu corago o no-
bre deputado em seus desejos, e nao seria eu por
certo o primeiro que lemhrasse o augmento da im-
posigo actual, e a creago de noves impostos, se
nao visse que necessidades muito poderosas, neces-
sidades de primeira ordem reclamaram esse aug-
mento e essas creaeoes.
O Sr. Paula Baptista : Isto o que eu ego.
O Sn. Buarque : A casa se hade lomlrar que
ja declarei prestar o meu assentimento i toda aquel-
la idi'-a, que tendo por firp. aliciar algumas das ver-
bas de imposigo, ao iii>vsmo lempo, trouxesse como
meio justificativo a srjppressio, de quotas corres-
pondentes de despe&i.
Por sta forma h/j urna razo de ser que procede
e a manutengan despeza; mas desde que se pretende annullar os
paragraphos da receita couservando-se as verbas
da despeza, eu nao posso prestar meu voto a um
seraelliaule proposito.
Sr. presidente, eu era por certo o menos compe-
tente para lazer parte da commissao de orgamento,
(oo apoiados) mas nao me julgo o menos dedicado
aos interesses do meu paz, nao sou o menos dese-
joso e.n fazer com que a imposigo langada sobre
o povo diminua, e diminua consideravelmente;
mas o meu desejo, senhores, encentra um paradei-
ro, um limite, e a consciencia das necessidades
publicas.
A commissao de orgamento procurou por todos
os ineius estabelecer o augmento de receita nas ira-
posiges que nao trouxessem um grvame conside-
ravel aos contribuintes, nas Imposiedes, que em-
bora nao podessem ser recebidas com agrado, ao
menos o fossem cora certa acquiescenca.
Foi assim que a commissao elaborando o seu tra-
balho procurou examinar urna por una todas as
verbas de receita do orgamento provincial, ver qual
dessas verbas poderla supportar um augmento de
imposto.
As consideragoes com as quaes procurou o no-
bre deputado fazer crr que a commissao oo es-
tudou bem essas djversas verbas da receita, e nao
escolbeu a occasio a mais opportuna para aug-
mentar o producto da imposigo, que Bao havia
uina causa que autortsasse a creago e o augmen-
to dos impostos que propz, nao procedem a meu
ver.
V-se, Sr. presidente, que a commissao propz
que a despeza fosse votada na importancia de.....
1,433:8t5'<43. Examioando-se o orgamento em
todo o desenvolvimento da despeza, se hade reco-
nhecer que a commissao s atienden as necessida-
des publicas, que nao consignou no seu projecto
urna s verba de despeza que se podesse dizer su-
perfina ; e o nobre deputado que irapugnou o orga-
mento nas suas verbas de receita, parece nisto ter
convindo, por quanto, apenas declarou que julgava
superfina a verba de 25 contos decretada para o
instituto agrcola, e isto sera duvida, porque o no-
bre deputado ainda est no mesmo pensamento em
que se achava quando mpugnou o projecto de lei
consignando essa subvencao. J v a casa, que o
nobre deputado recenhece que as despezas consig-
nadas pela commissao na lei do orgaraenta nao sao
despezas superfluas, e se adoptou-as nao pode dei-
xar de prestar tambem os rucios para satisfaz-
las.
O Sr. Paula Baptista : Nao apoiado, o meo
silencio nao quer dizer isto.
O Sr. Buarque :Oh I Senbor I Se o nobre de-
putado nao reconhece isto, porque nao se levantou,
com a sua voz autorizada para combater as ver-
bas da despeza creadas pela commissao de orga-
mento ?
O Sr. Palla Baptista : -Porque fallo na occa-
sio em que julgo conveniente; o direito meu, e
o exercicio meu tambem.
(Continuar-se-ha.)
REVISTA DIARIA.
Fomos obsequiados com o primeiro numero do
Futuro, peridico scentifico e Iliterario publicado
nesta cidade sob a redaego de alguns alumnos da
Faculdade de Direito.
Saudando ao contemporneo na pessoa dos seus
redactores, em quera folgamos de reconhecer intel-
bgencia e boa vontade, desejamos-lhe que, sem fal-
sear sua raisso civilisadora, attinja aos seus lin-
de moralisago c instrueg ao povo.
Hontem leve lugar, perante a directora ge-
ral da msirucgo publica, o processo de habilitago
para o magisterio primario do sexo feminino, apre-
sentando-se a Sra. D. Mana d'Assurapgo de Au-
drade Luna, que deu a prova escripia ; a qual ter-
minar hoje, bem como todo o processo.
A commissao de exame dos concurrentes
babilitaco para o mesmo magisterio do sexo mas-
culino deu hontem o seu parecer a respeito; o qual
vai ser submetiido ao conselho director, que para
esse lira est convocado para o da 30 do corrente.
Hoje s 7 horas da noile, ser arvorada a ban-
dera de Santo Aotonio na igreja de S. Jos do
Manguraho, a qual ser conduzida por meninas
vestidas de branco, acompanhadas por urna excel-
Icnle banda de msica.
A manha haver a festa, na qual orar o dis-
tincto pregador, o Rvm. Sr. padre mestre Lino do
Monte Carmello Luna, e a orchestra ser executa-
da pelo insigne professor Autonio Francisco das
Chagas.
A noite cantar-se-ha urna ladainha ; si-guindo a
tirada da baodeiracom a mesma solemnidade do
levantamento.
Na 8* pagina, sob o titulo de Jurisprudencia,
comegamos hoje a publicaco do processo instau-
rado no tribunal d'Assises do Sena ao Dr. em me-
dicina La Pommerais por neulpago de envenena-
memos.
Importante como essa pega, quer pelo facto era
si, quer pelos incidentes e discusso jurdica, para
a sua leitura convidamos a attengao do publico.
Te ve lugar efleetivamente to domingo passa-
do a feslividade de Nossa Senhora dos Prazeres,
no Corpo Santo, sendo o acto solemnsado com
pompa e bom gosto da parte dos incumbidos, sem
que soffresse a gravidade propria do culto divino.
O templo achava-se decorado com sumptuoiida-
de, a a illuminaco derramava ondas de luz que
inostilava a f nos corages, ainda mais quando aos
accordos de orgo se ajuntavam a voz bellissima
da senhora que cantou o Inudamus com arrebala-
raento dos ouvintes.
As mu.-icas se houveram com gosto, e muito
realce deram ao acto pelas pegas escolhidas que
tocaram.
A commissao encarregada dessa festividade
credora dos elogios, que todos reconheciara serem
devidos aos seus esforcos.
Sob proposta do respectivo commandante, to-
ram noraeados ofliciaes do 5.' batalho de nanla-
ria da guarda nacional do municipio do Kecife :
Porta estandarte, Joao Duarte de Albuquerque
Y* Companhia. Alferes Presciliano Peres Cam-
Pe2.'Dita.-Alferes Manoel Joaquim do Reg Bar-
ros Jnior. ..,..,
5. Dita.Tenente oalfcres Jato Ribeiro Teixei-
ra de Melto, alferes o sargento anudante Tolentno
Joaquim da Silva Pimeatei.
6.* Dita.Capito o tenente Francelino Francis-
co Paes Brrelo, alferes Carlos Augusto de Barros
Reg.
7.* Dita. -Alteres Manoel Dias de Toledo.
Foram exonerados, seu pedido, os delega
dos de polica dos termos de Flores e Tacaratu, ca-
pites Jos Joaquim de Barros e Aurelio Joaquim
Pinto.
ao amanhecer de 24 do corrente, foi rouba-
da a taberna do Sr. Jos dos Santas Moreira na ra
do Caldeire.ro esquina da travessa da Ramella, na
quantia de trezentos e tantos mil reis e diversos
objectos de ouro e.prata.
Os ladres entraran) para o quintal pelo muro
da travessa da Ramella e, depois de duas tentati-
vas infructferas, penetraran! na taberna por um
arrombamento que praticaram no telhado de um
quarto contiguo taberna, onde tiuha o seu pro-
prietario seus livros e dinheiro, leltras e papis, es-
tando aquelles dentro de urna cartera que arrum-
baran), bem como diversas gavetas e bahs de on-
de nada levaram.
Quando se techavam as portas da taberna s 9


fc
Mf.rlo e Peraaiifenco Terca felra i 8 de Juuho de 184.
huras, nm homcm lerguntou ao caixeiro se sen
patri la sabir, o que denota que tinlia havido pre-
meditac.o e espionagem.
Apezar de 1er comparecido na mesma hora ern
que o dono do estaheleemento Ihe commuoicou o
occorrido, anda nada pode descobrir o Sr. subde-
legado da freguezia.
Depois de amanha se extrahlr a pnmeira
parle da primeira lotera de Santo Amaro de Ja-
boa I a 0.
- No domingo arribou nosso porto a barra
inglesa Gustavo Adolpko, coio 49 das de viagem
sob o commando do primero piloto Patenow, da
praga de llambnrgo, de Londres para Hong-Kong
na China, alim de ser enterrado o seu capilao H.
L. P. Scherk, assassinado no dia 21 do correte,
pelo segundo |)ilolo Bjornsen, que velo preso seu
bordo, e fui hontem recolhido a casa de detengan,
lequerimento doSr. cnsul ingles.
No da 28 do crreme, s 10 horas da noite,
guando o capiifio o o nrimeiro piloto e.-lavain eiu
sen- .manos descantando, o segundo piloto entrn
no da.iuelle desfechoulhe diversos golpes de ma-
chado, anos que, suppoudoo morto. dingio-se em
procura do prnneiro piloto que, tendo sentido ru-
mor indo ao quarto do capilao e encontrando-o fe-
rido, sabio em busca de soccorro, sendo eutao per
seguido pelo segundo piloto, que s o deixou por
sentir atrai de si fallar o eapilio, quem voltando-
sc acabo de asMSeioar com um tiro de pistola.
Em seguida, leudo ja um salva vidas preparado
com todo o necessario para viajar, c o que pude
juntar a bordo, obrigou dous marinlieiros, antea-
caodo-os com duas pistolas, a arrearem-o, e met-
tendose nelle apartou-se.
O prnneiro piloto, em vista do occorrido, assumio
o commando e mandou pairar at amanhecer,
quando, avistando o salva vidas no hoflsootc,
aproou para elle e depois de pequea luta conse-
guio prender o criminoso, metiendo o sen barco no
fundo.
O cadver foi hontem mesmo sepultado, depois
da vestoria no hospital inglez.
Falleceu hontem per volta de 7 horas da noi-
te, o Sr. Jos de Almeida Nones Lima, natural do
Porto, de 39 anuos .le Nade, socio da loja de fazen-
das de Guimares \ Lima, rua do Crespo o. 7 A,
victima de urna apopleja fulminante.
KEl'AHTir.AO DA POLICA.
I-Alracto das parles dos das 26 e 27 de junho de
1864.
Poram recolhidos casa de deleneao no da 2o
do correntc
A
noel
A
Lucio Tavares, para eorrccgo
A' ordem do subdelegado do Rerife.osc de Me-
deiros. Manoel, escravo de Bernardina de lesos
Teixeira Bnto, por crime de roubo; Jos Mara
Hila Mara Rosa Gumaraes, dilatado do coraco, i
l'.ili* Ignacio da Conceicao, phtjsica pulmouar.
Angelo Luiz Vielra, rama bora depois de entrar ;
phtysica pulmonar.
Movimento da casa de deleneao no dia 2o
de junho de 1864.
Existiam..... .. 344 p resi
Entraran)..... . 24 i
. 21 i
Exrslem..... . 347
A saber :
Nacionaes---- . 238
Estrangeiros.. . 39
Mulheres..... o *
Estrangeiro... 1 *
Escravos...... . m >
Escravas..... o
347
Alimentados a custa dos cofres pblicos 120.
Movimento da enfermara no dia 27 de junho de
1864.
Tivoram baixa :
Antonio Francisco da Silva, clica.
Francisco Gomes de Lima, chaga.
Luiz Baptista da Silva, intermitente.
BTUARIO do da 22 DO ooiuiente nocemiterio
l'UHLH'.O :
Manoel Jos Chalaos, Portugal, 72 annos, casado,
llecife; gastrite chronico,
Vctor, Pernambuco. 7 dias, Boa-Vista ; espasmo.
Angelo Luiz Viera, Pernambuco, 24 annos, so tei-
teiro, Boa-Vista ; plithysica pulmonar.
CIIIIOMQ .ILiMCKIU
TKIBI'WL DO l'IMinKIU'IO.
SESSAO ADMINISTRATIVA EM 27 DE
JIMIO DE 1864.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. DESEMBAR.IADOR
PEI1ETTI.
As 10 horas da manhaa, reunidos os Srs. depu-
tados Reg, Lentos, Alcoforado e Rosa, o Sr. presi-
dente declarou aborta a sesso.
Lida, foi approvada a acta da ultima.
DESPACHOS.
No requerimento de Amorim Irmos, visto pelo
Sr. desembargador fiscal, pedindo a carta de regs-
' ordem do Illm Sr. Dr. chefe de polica, Ma- tro da barca Sania Mana, que compraran a viu-
I Jos da Luz, viudo de Jaboato, para rerruta. va de Manoel Goncalves da Silva. Prestado o ju-
' ordem do Dr delegado da caplal, Cassimii o ramelo e assignado o termo de responsabilidade,
passe-se carta de registro.
No de Luiz Antonio Viera, pela viuva de Ma-
noel Goncalvesda Silva, tambeui visto, recolhendo
PUBLICARES A PEDIDO.
Ao disuado e especial corpo eleitoral denla
provincia.
Candidato senatoria o Dr. Joaqun) Saldanha
Marinho, dirigi a cada um dos dignos eleitores es-
peciaes desta provincia, a circular abaxo trans-
cripta ; mas podendo acontecer que, muitas das
mesmas circulares, por circunstancias que se nao
pode provenir, nao tenham chegado, e que agora
mesmo nao cheguem anda a seus destinos, por
isso faz-se a presente declaracao, pedindo-se ao
mesmo lempo desculpa de fallas que possam appa-
recer e notar-se, e de que jamis deve ser respon
savel o mesmo Dr. Saldanha Marinho, que s tem
motivo para confessar-se eternamente grato, ao
dtucto e especial eor|io eleitoral desta provincia,
que j urna vez o acolheu benigno.
Illm. Sr.Tendo solicitado do corpo eleitoral de
nossa briosa provincia a admisso de meu obscuro
nome na lista trplice que foi olerocida ccra na
ultima eleicao, consegu isto, e do modo o mais no-
bre e lsongeiro mira, que por to grande consi-
deradlo me conesso eternamente agradecido. Da
tribuna parlamentar eu me dirig aos eleitores de
minha provincia, e Ihes tribute a homenagem devi-
da pelo titulo de suprema honra que me haviam
concedido.
Pela lamentavcl morte do Sr. conselheiro Fran-
cisco Xavier Paos Brrelo d-se nova vaga no se-
nado, e nova eleigao vai proceder Pernambuco.
Apresento-me novamente ; reputando de minha
dignidade consultar ao mesmo corpo eleitoral se
nos poucos inezes decorridos da eleicao em que fui
coisiderado tormo em alguma cousa desmerecido
do conceito em que se dignarais ter-me os eleito-
res pernambucanos.
E porque tenho consciencia de mim, como lenho
intima couvccao da dignidade, iudepeudencia e
firmeza de carcter de V. S., nao duvido contar
com a sua valiosa coadjuvacao em prl de minha
candidatura tu eleicao que se vai agora proceder.
Ausente do campo onde a eleicao vai ser dispu-
tada eu nao cunto seno com a bondad.; e honra
de V. S., em cujas qualidades confio plenamente.
Semprc firme nos principios libcraes, para trum-
pho dos quaes neuhum esforco e sacrificio lenho
poupado, me reputo no caso de merecer a conti-
nuaaao de seu apoio.
Fica as suas ordens o de V. S. amigo, patricio,
criado obrigado
Joaquim Saldanlia Marinho.
Rio de Janeiro, 7 de abril de 1864.
'ilem do dia 27.
30:7935570
668:177*163
Hovliripud da alfandega
Srs. redactores.Apresentando-me
candidato
de se-
ir Vi, nm dos lugares da lista trplice na eleicao
a carta de registro da barca tonta ManaBoaSot- Md a $c tem dg der nes$avprovjncia
vendeu a Amorim Irmaos.-Ar- rogo.|hes 0 obsequio de fazerem publicar as co
Pcr.-ira, para correegao Joaquim, escravo de Do- te,qa a mesma
mi
dest
rae;
t Antonio, Beltarm.no Mu- oa ..osia e suva e luiz joso ua aiiva uuiiim- ; Antonio Coelho de S e Alburenme.
niz de Souza, Joaquim, escravo de Bernardno Lo- raes, declarando ter expirado o prazo de sua so-1 R0 4 de maio de 186i
pes de Oliveira, por disturbios Carlos da Silva e ciedade, e pedindo-que se registre o mesmo reque- |m Sr _A |amenUve| mo^ ao benemrito
Francisco de Salles, por briga. nmento que figura como distrato. -Na forma do; P(,rnainl)Ucanu 0 MnjnH^^ Francisco Xavier
A' ordem do de S. Jos, Antonio Marcolino dos J P*"Jf I. ,. .,... ___' Pes Brrelo, deu lugar a urna raga senatorial por
I essa nossa provincia.
parecer fiscal.
Xo da viuva de Manoel Goncalves da Silva,
por
Santos, Olegario Nones Rodrigues de Souza Maga-! ->o da
Ihaes, Jos Ferreira dos Santo^ Raymundo Auto-1 seu PJ^Wato^jjedindo certidao da desoneratao Animado pelas repetidas provas de estima e con-
nio do Espirito Santo, Manoel Ferreira de Paiva,
Honorato Alvos do Xascimcnto, para averignages
policiaes; Gerlru.les.escrava de Victorino Jos Cor-
rea de S, e Manoel Antonio Pereira, por sus-
pei'.os.
A' ordem do da Boa Vista, Joaquim Pereira
Mendoiica, sem declaracao do motivo.
A' ordem do da Capunga, Jesuino Guilherme
Dias, por embriaguez.
A" ordem do do Poco, Antonio Flix dos Santos,
para averifincdes policiaes.
A'ordem do da vanea, JoSo Gualberto de Paula
Pereira, por ferimentos leves e resistencia.
Da 26
A' ordem do Illm. Sr. Dr. chefe de polica Ma-
noel Flix Ramos, e Vicente de Soma Ferreira de
Lima, viudos da provincia da Paralaba, como cri-
mnosus no termo de Goianna.
A' ordem do Dr. delegado da capital, Jos, es-
cravo de J laquim Manoel Ferreira de Souza, pordis-
turhius; Manoel, africano livre, para correccao :
.loM'pha, escrava de Rodrigo de tal, por infra.co
de aostoras.
A' ordem do subdelegado do ReClfe, Aquilino
Manoel da Hora, para correccao ; Joo, escravo de
Maria Lucia de Mendonca, por fgido.
A' ordem do de S. Jos, Maria Cecilia de Allm-
quer.pi.1, Janoario Mariins Julio, Valerio Manoel
dos Prazeres, para averigoaeoes policiaes; < acu-
no c Manoel, escravos, este 'de Antonio Pedro Ca-
valcanii de Albuqoerqoe, e aqoellede Candido .le
i suna.re!iP,nsabilidade l'ela b*re" Sa'tla i,arta flanea, cora que teuho sido distinguido pelos meus
Doa-i>oi te. lamo requer. concidado, ouso pedir minha provincia a honra
Xo de Ma.a 4 Lspir.to Sanio, pedindo o registro de ser con,emp,ado na hsla ,rip|ice que ,em de
de urna escriptura que aj.i.i.ani.-Ueg.stre-se. ^ apreselUada esco|ha imferM.
No da viuva de Manoel Goncalves da Silva, pe-, A minha vida b|ca nao J orev com ma0
diodo o registro de um contrato com Manoel Jos
Carnero.Como requer.
Xo de Anlocho Antonio A Ivs Ribero, pedindo
o registro de sua nomeacfio de caixeiro de Soulhall
Mellors & CComo re.|uer.
SESSAO JL'ICIARIA EM 27 DE JUNHO
DE 1864.
l'IIKMDE.NCIA DO EX.M. SR. UESEMUARliADOR
A. F. PERETTI.
Secretario, Julio Gtiimarcs.
As 11 '/; da manhaa, o Sr presidente abri a ses-
sao, estando reunidos os Sis. desembargadores Sil-
va Guimaraes, Accioli e omingues da Silva, e de-
pulados Reg, Lomos, Kosa eC. Alcoforado.
Lida, foi approvada a acta da sessao antec-
deme.
Assignaram-se os accordaos proferidos na ultima
sessao, entre parles :
Appellaiiles, Francisco de Andrade Luna e
outros herdeiros de Jos Mana da Costa Car
val lio e o Dr. curador geral ; appeltado, Jos Ma-
i ia Goncalves Vielra Guiniaraes.
Appellanle. Guilherme Jos.- da Motta ; appcllado,
I Joao Baptista da Silva.
, em minha consciencia creo poder dizer V. S. que
s o bem do meu paiz me ha guiado em todos os
meus actos.
Se, pois, V. S. entender que o meu nome nao
deslustrar a sua lista, digne-se de acolhe-lo com
; benevolencia, amparando-o com o seu vol e com
1 o seu prestigio e relacoes.
Terei sempre vivo* em minha memoria, e ser
sempre objeclo de meu sincero reconbecimento, o
obsequio que peco V. S.
Desejo V. S. muitas prosperidades, e rogo-lhe
que transmita as suas ordens quem se prza ser
de V. S. amigo e criado, atiento e obrigadissimo
Antonio Coelho de S t Albuiueriue.
tal, e Amnelo Manoel Ignacio do Espirito Sanio,. *" desembargado.- Silva Guiniaraes apresen-
todos sen declaracao do motivo ; Man^i. escravo lu -* PeUfdes atoadas, as quaes sao
de Manoel Rodrigues de Oliveira, a requerimento
deste.
A' ordem do da Roa-Vista, Francisco Augusto
Ramos de Mello, Jos.' Antonio de Oliveira, para
corrcecao ; Jacintho, escravo de Clorindo de Albu-
querque Cavalcanli, por disturbios : Justino Perei-
ra Ramos, para averlguacdes em crime de roubo :
m Elias, e.-cravo de Jos 'Joaquim da Custa Leile,
por ser encontrado em casa alheia.
A' ordem do do Poco, Lucio Roberto Florencio,
disposieio do reerulador.
O chefe da 2' seeeao,
J. G. de Magita.
Passajeros viudos dos porlos do norte, no
vapor I'n sin a nga :
Manoel Anastacio da Silva, Fabricio Gomes Pe-
dresa, 1 Orno menor c 1 criado, Antonio Jos de
Medeiros Souza, tenenle-coronel Trajano Leocadio
de Medeiros Murta. 1 soldado c 1 criado, Goncalo
Gomes de Souza, Anglica Prisca de Almeida, Joao
Jos de Oliveira Jnior, Lino Pinto da Silva, Jos
Alejandre Pereira, Arminio C Ramos, Justino P.
de Qoeiroz, Casslmiro Pinto Xoguera, Agostinho
Mariins Moreira. K. Erasmo Moreira de Mendonca,
Joao Barroso de Carvallio Maria da Pnriflcaeao,
Jos.': Lino do Couto, Francisco Duarte Neves, Juan i
Tabergos P., Manoel Jos II. da Silva, Antonio Ju-1
venci Rodrigues, Francisco da Silva G. Dengoso, i
Miguel Ferreira do Xascimento, Jos Ferreira do]
Xascimento, Flix Alves da f'-ruz. Paulo Jos Ta-1
vares, Manoel da Silva Santos, Joao Jos do Xasci-
mento, Jacintho Gomes da Silva, Victorino Jos de
Mello.
appellado,
appellado,
H a, ir. 3" TT. 55 1
-< 1 o s 1 X
3 -i
i i I V 3 a. m 3
. ,


\ : 1 1 :
>
%
>
t.
o
Vt r c-- 1 Os 1 Miitriilino. f ^ >
^* 1 1 1 1 i- I Feminino. T* 1
T m 1 * i i 1 Masculino. SI M H a
1 1 Feminino. 1 -i
1 1 - m I Mascnlino. < o
! Feminino. i
Cn 1 M Masculino. 1 ; I
i 1 = 1 . - . j Feminino.
1 1 21 1 i s Masculino. I co
I
Tem esta bella e rica provincia de eleger no dia
10 de julho tres Domes, que serao apresentados ao
nosso Augusto Monarcha para a nomeacao de um
senador, que preencha a vaga, que no senado del-
xra a mu sentida morte do nosso-di: tincto patri-
cio, o Exm. conselheiro Francisco Xavier Paes
Barrete
Alguns candidatos ja se lm apresentado, c, li-
songeando-me com o reconhecer em todos elles
grande merecimento pelos seus talentos, illustra-
cao, servidos e dedcacao causa publica, anim-
me a solicitar igualmente a subida honra de ser
eleilo.
Nao encareco meus servicos, c digo apenas, que
elles sao poucs em relacao aos muitos, que lenho
desejado e desejo prestar.
Xas lucias polticas o raciocinio tem sido minha
nica arma, os bons principios minha religiao poli-
tica, a exaltacao o ioimigo que aborreoo, as recri-
minaedes pessoaes o objeclo de meus desgoslos.
Amo a liberdade e a ordem, e deste duplo amor
tem resultado o nao poder simular-me, nem comer-
me sempre que se abusa de qualquer destes dous
principios : este tributo pesado e difficil eu o te
nlio pago ao meu paiz.
Talvez nao me seja possrvel dingir-me particu-
larmente cada um dos Srs. eleitores; nao pen-
sem por isso que, as occasoes de dar evidentes
provas de vivo reconbecimento, o meu coraeo se-
r menos expansivo do que o de outro qualquer.
Digne-se V. S. de acceitar os votos do sincera
estima e consideracao do que de V. S. patricio,
venerador, servo e criado.
Recife, 10 de junho de 1864.
Francisco de Paula Baptitta.
Ao publico.
Silvino Guilherme de Barros, sondo boje o porta
dor de quas todas as letras aceitas por Francisco
Antonio de Oliveira pela nqiortanca da compra
do engenho Guerra, sito no termo de Ipejuca, pro-
movendo j execuco contra o mesmo Oliveira por
algumas dessas letras de quantia superior vinte
o sete contos de res, e que a respeito de algumas
ottlras que se vencero, de importancia maior de
fragoso Santos & C.; appellado?, Ra-1:. "U de promover a sua cobranca pelos
fc C., representados por Daniel c Gui- "08 judiciaes, para o que ja o citado, previne
1 r que nmguem faca negocio ou outra qualquer tran-
saceao com o referido engenho Guerra, escravos,
animaes, utensis para o fabrico de assucar, safra,
. que tudo est hypothecado para garanta do paga-
1' ment das letras aceitas pelo dito Oliveira pela
compra do referido engenho na importancia de
240:5005, afim de que qualquer fique logo certo
que algum negocio ou transar-cao que fizer, ser
millo. Recife, 25 de abril de 1864.

=-
S

parles : Appellanle, Antonio Francisco Chaves
appellado, Marcelino de Salles Curreia : para o lim
de se impr a mulla do artigo 715 do regulamento
n. 737, ao advogado que relardou os autos, e se era
elle o competente para impr a mella mulla, como
relator, ou se o tribunal; este tomando conhec-
nieuio da duvida proposta decidi que se advertis-
se ao advogado pela sua omisso.
luuiAimrroB.
Appellanle, Luiz Antonio Goncalves Ferreira;
appellados, Fraga \ Cabral.
Foi reformada a sentenca appellada.
Appellanle, Jos Rodrigues Ferreira
Amonio Jos de Castro.
Foi confirmada a sentenca appellada.
Appellante, Salvador Leile Vidigal
II. George Diniz.
Foi confirmada a sentenca appellada.
PASSACENS.
Appellantes, os curadores da fallencia de Amo-
rim, Fragoso, dantos & C. ; appellados, Cosa k
Filbos, por seu procurador.
Appellanle, Vicente Alves Machado ; appellado,
Prente \'anua ; C.
Appellantes, os administradores da Callencia de
Bastos & Lomos; appellados, Hozan.. Irmiio.
Appellanle, J. F. Coi, gerente da casa commer-
cial de Reatrob Rooker & C. ; appellado, Joao de'
S Cavalcanli de Albuquerque.
Do Sr. desembargador Domingues da Silva ao Sr.
desembargador Silva Gumaraes.
Appellantes, Domingos Jos de Amorim e Victo-
rino Luiz dos Santos ; appellados, os curadores Os-
eaos de Guilherme Carvalbo c\ C.
Appellanle, os curadores Oseaos da massa fallida
de Amorim F
mos Duprat &
maraes.
Do Sr. desembargador Accioli ao Sr. desembar-
gador Domingues da Silva.
Appellanle, Jos Francisco Pinto
appellado, o Dr. Gabriel Soares Raposo da C-
mara.
Appellanle, o Dr. Manoel Buarque de Macedo ;
appellado, J. F. G. Kladt.
Do Sr. desembargador Silva Gumaraes ao Sr.
desembargador Accioli
Nada mais bouve, e cncerrou-se a sessao 1
horajda tarde.
Volantes entrados com fazendas...
com gneros.
Volumes sahidos
com
com
fazendas...
gneros...
215
687
Tin
394
Descarregam no dia 28 de junho.
Galera francezaAdelemercadorias.
Galera inglezaRaphaelcarvao.
Polaca hespanhola Beatriz batatas, ceblas e
alhos.
Brigue suecoE/*'/taboado.
Reccbedorla de rends Internas
geracs de Pernambuco.
Rendmento do dia 1 a 25........ 32:9165118
dem do da 27................. 3:063*868
Consulado provincial.
Rendimentodo dia 1 a 2o......... 103:6354325
dem do dia 27................. 11:337*689
MOVIMENTO DO PORTO.
Navio entrado no da 27.
Philadelphia45 dias, galeota hamburgueza Vc-
tor, de 144 toneladas, capilao Heim, equipa-
gem 8, carga 1,700 barricas com farinha de
trigo ; Henry Foster & C.
Observacao.
Nao houveram sahidas.
EDIT1ES.
COMIttUNICADGS.
ADVERTENCIA.
Na tetalidade dos doentesiexistem 171, sendo
10 homens e 26 mulheres alienados.
Foram visitadas as enfermaras estes dias
Pelo Dr. Ramos s 7, 7, 6 3|4, 6 3|4, 6 3|4, 7
8 !j28lr2 Sarmllt0 s 8 'I*' 8 **. 8> 8 i*. ,
Fallecern) :
Rosa Maria das Neves ; pulmona.
Manoel Gaudencio do Lima, 4 horas depois da en-
,,r*<^1Knor*od(>-s I""' ua morte.
los Clanndo, entente chrooica
Pedro Maria de Abren ; dyarrha.
Pastllhas Vermfugas de Kemp.
As pastilhas vermfugas de Kemp sao por sem
duvida alguma infinitamente mais eficazes e utels
do que todos os mais remedios perigosos e nausea-
bundos, que existem para a expulsao das lombri-
gas. Ellas nao smente expellem e destrem esses
incommodos parasyus, mas tambem removem a
mucosidade em que elles se engendran), impedin-
do por esta forma a sua reprodcelo.
Anda nao se encontra um s caso em que ellas' reclamad-So, por parte do arrematante tendente
tenham deixado de produzir o desejado effeilo de! indemnisacao, quaesquer que sejam as allegacoes
urna mancira satisfactoria. j em que se basear para esse lim, anda mesmo por
fc in vrtude de se acharera isentas de ingredien-' prejuizos provados,
tes irritantes, nao causam ellas dor ou incommodo' 6* Para o que nao estiver previsto, observar-se-
--- de qualdade alguma, e por meo da sua accJo bal- ha o que dispde a lei n. 286. Conforme. A. F.
s'.Vao_! "-a-.acl.l?r > |eus apartes (quando um samjca suavsara o venlre e o dexam no estado de d-Annunciacao.
0 discurso do Sr. depulado Jos Muir publica-
do no 'Diario, de 17 do corrate e e Sr. de-'
pillado Francisco de Araujo Barros.
Na quinta columna do Diario, que cima ndi-
quei, e terceira do discurso do Sr. Dr. Jos Teixei-
ra.diz este que, em urna occasiao, em que eu fal-
lava na assembla, ao dizer-lbe eu que estava re
O illm. Sr. inspector da thesourana provin
cial, em cumprimento da ordem do Exm. Sr. pre
sdente da provincia de 4 do correle, manda fazer
publico, que no dia 30 do mesmo, perante junta
da fazenda da mesma tbesouraria, se ha de arre-
matar, quem por menos fizer, a obra dos reparos
geraes da estrada do sul, e embarreamenlo, a par-
tir do marco 2,000 ao de 4,000 bracas, avaliados
em 1:705*000.
A arrematarlo ser feta na forma da lei pro-
vincial n. 343 de 15 de maio de 1854, e sob as
clausulas especiaes abaixo mencionadas.
_As pessoas que se propozerem a essa arremata-
cao, coinparee un na sala das sessoes da respectiva
junta, no dia cima mencionado, pelo meio dia, e
competentemente habilitadas.
E para constar se mandou publicar o presente
pelo jornal.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
buco 9 de junho de 1864.O secretario,
A. F. d'Annunciacao.
Clausulas especiaes da arremataras.
I Os reparos do embarreamenlo da estrada do
sul, entre os marcos de 2,000 4,000 bragas, na
importancia de 1:7055, serao fritos de conformida-
do com o respectivo orcaraeolo, approvado pelo
conselho da directora.
2* O arrematante dar principio aos trabalhos
no praso de 20 dias, e os concluir no de dous me-
zes, contados ambos da data da arrematarlo.
3* Os pagamentos sero realizados em duas pres-
tares iguaes, a primeira em meio do ser vico, e a
ultima no fim.
4* O arrematante na execuco dos trabalhos, ob-
servar as presenpeoes do engennero.
5* Nao ser em tempo algum attendda qualquer
reclamacao por pane do arrematante tendente a
indemDisacao, quaesquer que sejam as allegacoes
em que se basear para esse fim, ainda mesmo por
prejuizos provados.
6* Para o que nao estiver previsto observar-se-
ha o que dispoc a lei n. 286.
Conforme.A. F. d'Annunciacao.
O Illm. Sr. inspector da thesouraria provincial,
em cumprimento da ordem do Exm. Sr. presidente
da provincia de 4 do corrente, manda fazer publico
que no dia 30 do mesmo, perante junta da fazen-
da da mesma tbesouraria se ha de arrematar, a
quem por menos fizer, a obra dos reparos das |on-
tes de Santo Amaro, Tacaruna, Arrombados e Va-
radouro, avallada em 1:200*180.
A arremataco ser feita na forma da lei pro-
vincial n. 343 de 15 de maio de 1854, e sob as
clausulas especiaes abaixo declaradas.
t pessoas que se propozerem a essa arremata-
cao coinparecam na sala das sessoes da referida
junta, no dia cima mencionado, pelo meio dia, e
competentemente habilitadas.
E para constar se mandou publicar o presente
pelo jornal.
Stcretaria da thesouraria provincial de Pernam-
buco 9 de junho de 1864.O secretario,
A. F. d'Annunciacao.
Clausulas especiaes para arrematado.
II Os reparos das iontes da estrada de Oliuda,
na importancia de 1:2005180, sero feitos de con-
formidade com o respectivo orcamento, approvado
palo conselho da directora.
2* O arrematante dar principio aos trabalhos
no praso de 15 das, e os concluir no de dous me-
zes, contados da data da arremataco.
3' O pagamento elTectuar-se-ha em duas presta-
roes iguaes, a primeira quando melade da obra es-
tiver concluida, e a ultima no lim e entrega dos
trabalhos.
4a Para tudo mais que aqui nao estiver disposto,
seguir-se-ha o que determina a lei n. 286.
Conforme.A. F. d'Annunciacao.
O Illm. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial, em cumprimento da ordem do Exm. Sr. pre-
sidente da provincia de 4 do corrente, manda fa-
zer publico, que no dia 30 do mesmo, perante a
junta da fazenda da mesma thesouraria, se ha de
arrematar, a quem por menos fizer, a obra do em-
barreamenlo da estrada do sul entre os marcos de
quatro cinco mil bracas, avallada em 3:995* rs.
A arremataco ser feita na forma da lei pro-
vincial n. 343 de 15 de maio de 1854, e sob as
clausulas especiaes abaixo mencionadas.
As pessoas que se propozerem a essa arremata-
rlo coinparecam na sala das sessoes da referida
junta, no dia cima mencionado, pelo meio dia, e
competentemente habilitadas.
E para constar se mandou publicar o presente
pelo jornal.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
buco, 9 de junho de 1864. O secretario, Antonio
Ferreira d'Annunciacao.
Clausulas especiaes para a arremataco.
Ia Os reparos do embarreamenlo da estrada do
sul, entre os marcos de 4,000 5,000 bracas, na
importancia de 5:995* rs., sero execuia'dos de
conformidade com o respectivo orcamento, appro-
vado pelo conselho da directora.
2a O arrematante dar comeco aos trabalhos no
prazo de 20 dias, e os concluir no de 5 mezes'
contados ambos da data da arremataco.
3* Os pagamentos sero realisados em tres pres-
tagoes iguaes, correspondendo cada urna a cada
terco do serviep.
4a O arrematante na execugo dos trabalhos
observar as prescripcoes do engenheiro.
5a Xo ser cm tempo algum attendda qualquer
*numaZ ^^iL'g.gi: salubridade perfeita. As enancas as contW! O Illm. Sr. inspector da tbesouraria provin-
vm"-,lsur3W **' 9<""ias razo da sua apparencia e sabor, e gostam dellas sidenle da provincia, de 14 do corrale, manda fa-
tanlo quanto gostam de proprios doces. zer publico que no dia 30 do mesmo, perante a
A' venda uas boticas de Bravo 4 C, e Caors & junta da fazenda da mesma thesouraria, se ha de
do estromloso.
As palavrasurna s voz surgi das galeras
dando um apoiado estrondosopem significar,
que varias pessoas ao mesmo tempo, e como em
urna s voz deram aquelle estromloso apoiado.
Ninguem se persuada, porm, que isso exacto,.
e quem ler com altencao, (note-se que se deve 1er
com muito cuidado) ver que o tal apoiado (eu nao!
oouvi quando falla va, e tendo declarado isso mes-
mo quando no mesmo apoiado falloa o Sr. Dr. Jos
Teixeira, o que ento eu disse nao foi apanbado,
escapando por isso naturalmente em seu discurso),
partir de um individuo, um smente, embora es-
livesse com o diabo na pelle, como deve crer-se
vista do estrondoso apoiado, de que falla o Sr. Dr.
Jos Teixeira.
Fago este reparo para que, quando oo futuro se
fallar naquella urna sovoz dando-me um estrondoso
apoiado, saibam todos o valor real da phrase.
De ludo mais quanto a mira se refere, ou a qual-
quer de meus amigos polticos, sobre aquelle mgi-
co apoiado, lenho para mim que nao devo defen-
dsr-me, nem aos ditos meus amigos.
Resta-me acrescentar que nao flz esta reclama-
cao, ha mais tempo, porque s hontem me flzerara
ler com attencao o discurso Dr. Jos Teixeira.
Recife, *7 de hinho de 1864.
Francisco de Araujo Barros.
Barbosa.
commcio.
(MA FILIAL
DO
BIMO DO BRASIL
EM PERNAMBUCO.
A directora da caixa filial do banco do Brasil
arrematar, a quem por menos fier, a obra dos re-
paros geraes da estrada do sul e embarreamenlo
dos marcos de cinco mil oito mil bracas, avaha-
da em 5:852* rs.
.A arr;;maUco ser feita na forma da lei provin-
cial n. 343 de 15 de maio de 1854, e sob as clau-
sulas especiaes abaixo declaradas.
A pessoas que se propozerem a essa arremata-
cao comparecam na sala das sessoes da referida
junta, no dia cima mencionado, pelo meio dia
competentemente habilitadas.
E para constar se mandou publicar o presente
pelo jornal.
Secretaria da tbesouraria provincial de Pernam-
nesta cidade, administradora da massa fallida de
Joaquim Francisco de Mello Santos, convida ts ere- buc^0 de junho de186'bsecretarTo, Antonio
dores da mesma massa para apresentarem seus t- Frrera d'Annunciacao.
tulos at o fim do corrente mez, afim de serem
convenientemente examinados e proceder-se-ba ao
pnmeiro dividendo da referida massa.
Recife i de junho de 1864
Jos Mamede Alves Ferreira.
(Secretario.
l lfimd Rendimentodo dia 1 a 25........
Ferreira d'Annunciacao.
Clausulas especiaes para a arremataco
1* Os reparos do embarreamenlo da estrada do
sul, entre m marcos de 5,000 8,000 bracas, na
importancia de 5:852* rs., serao feitos de confor-
midade como respectivo orcamento approvado pelo
conseibo da directora.
2a O arrematante dar comeco aos trabalhos no
praso de 20 dias e os concluir no de S metes,
337:383*993 cootados ambos da data da arremataco.
3' Os pagamentos serao realisados cm tres pres-
tacoes iguaes, correspondendo a cada um terco do
servico.
4a O arrematante na execuco dos trabalhos
observar as prescripcoes do engenheiro.
5a Nao ser em tempo algum atiendida qualquer
reclamacao, por parle do arrematante, tendente
802 indemnisacao, quaesquer que sejam as allegacoes
em que se basear para esse fim, anda mesmo por
prejuizos provados.
785 6* Para o que nao estiver prescripto, observar-
se-la o que dispde a lei n 286.Conforme. A.
F. d'Annunciacao.
Secretaria da polica de Pernambuco, 22 de ju-
nho de 1864.
Por ordem do Sr. inspector da afandega foi
novamente transferida para auianha a arremata-
co das 200 libras de chocolate e um bote de dous
remos, annunciada para hoje por ediial de 21 des-
te mez.
4o secgo da alfandega 27 de junho de 1864.
O I* escripturario,
K.ami Caetano Gomes de S.
D O Dr. Manoel Antonio dos Passos e Silva Jnior,
juiz municipal, de orphos e ausentes supplente
em exercicio do termo de Olinda em virtude da
lei, etc.
Paco saber aos que a presente virem, que no
dia 30 do corrente mez, depois da audiencia deste
114:9735014 juizo, se ha de arrematar por venda a quem maior
lauco olferecer os beH? seguintes: 1 relogio de
prata galvanisado por 12*, 1 canoa de um s pao
de amar.Mo, com 25 palmos de comprimeuto e 27
polegadas de bocea por 405, outra canoa de car-
rera abena com 27 palmos do comprimento e 32
polegadas de bocea por 64*, cujos bens sao perten-
centes heranca do finado Ilernardo Jos de Sena,
e vo praca a requerimento do Dr. curador da
mesma heranca.
E para qu chegue a noticia de todos raandei
passar o presente que ser afllxado no lugar do
costume e publicado pela imprensa.
Dado e passado nesla cidade de Olinda sob meu
signal e sello desle juizo, vallia sem sello aos 25 de
junho de 1864.Eu Francisco das Chagas Caval-
canli Pessoa, escrivo de orphos e ausentes o es-
crevi.Manoel Antonio dos Passos e Silva Jnior.
Ao sello 300 rs. vallia sem sello ex causa.
Passos Jnior.
O Dr. Tristo de Alencar Araripe, ofleial da impe-
rial ordem da Rosa, juiz de direito especial do
commercio, desta cidade do Recife de Pernam-
buco, e seu termo por S. M. I. e Constitucional o
Sr. D. Pedro II, a quem Dos guarde etc.
Fago saber aos que o prsenle ediial virem e
delle noticia tiverem, que no dia onze do mez de
julho do corrente anno se ha de arrematar a quem
mas der o aluguel mensal da casa terrea, sita no
largo de Nossa Senhora da Paz da freguezia dos
..logados, a contar de nove de maio do corrente
anno a lindar em nove de junho de 1865, na razo
de 10* mil ris mensaes, cujos alugueis forara pe-
nhorados a Paulino Rodrigues de Oliveira, por
execugo de Agostinho Tavares Peres, para paga-
mento de cusas judiciaes como autor vencido. E
na falta de licitante ser a arremataco feta pelo
preco da adjudicaco com o abalimento respectivo
da lei.
E para que chegue ao conbecimento de todos
mandei fazer o prsenle, que ser aflixado nos lu-
gares do costume e publicado pela imprensa.
Dado e passado nesla cidade do Recife de Per
nambuco, aos 27 de junho de 1864.
Eu, Manoel de Carvalbo Paes de Andrade, es-
crivo o subscrevi.
De ordem do Sr. inspector da alfandega se
faz publico que no dia 28 deste mez, a 1 horada
tarde, porta da mesma alfandega, se ho de ar-
rematar cm hasta publica os objectos abaixo decla-
rados, os quaes foram apprehendidos a J. P.
Wogley, pelo Io conferente P. Alexandrino de Bar-
ros Cavalcanli, sendo a arremalago livre de di
reitos ao arrematante: 1 piano de meio armario,
avahado por 400*, 2 duzias de camisas de mada-
polo cora petos de linho finas para homcm, por
24* a duza, 2 duzias de colarinhos de hubo lisos
a 4* a duza, 2 pedagos de bata por 500 rs., meia
libra de pergaminho em folba 625 rs, l2 canudos
de ungento, pesando 4 ongas, 250 rs.. 12 alicates
pesando 2 i|2 libras 1*300, 1 duza de escovas
para lmpar metaes 15, 34 duzias de serrnbas pa-
ra ourives, pesando 1 libra por 666 rs., 1 duzia de
limas mursas pesando 1 libra 1*666, 3 armacoes
pequeas para serras de ourives 2*, 3 (nacarinos
de latiio com o competente fogo 15-
4a secgo da alfandega de Pernambuco 23 de ju-
nho de 1864.O 2o escripturario,
Caetano Comes de S.
O Dr. Tristo de Alencar Araripe, official da impe-
rial ordem da Rosa e juiz de direito especial do
commercio desta cidade do Recife capital da pro-
vincia de Pe nambuco osen termo por B. M. Im-
perial o constitucional o Sr. D. Pedro II a quem
Deus guarde etc.
Faco saber aos que o presente edital virem e
delle "noticia tiverem, que por parle de Antonio dos
Santos Oliveira e Jo o Pereira do Lago Braga me
foi dirigida a pelieo do theor seguiite :Illm.
Sr. Dr. juiz especial do commercio. Dizem Anto-
nio dos Santos Oliveira e Joo Pereira do Lago
Braga, arrematante das dividas activas da massa
fallida de Lima & Mariins, que, sendo eredores de
Goncalo Jos Cesar pela quantia de 2:1615260,
importancia de duas letras, sendo una de...
1:889*730, vencida ein 15 de 1859, e outra de
2715330, vencida em 8 de dezembro de 1839, de
Claudio Manso Presto, da quantia de 1.5315900,
por saldo de tres letras, a primeira vencida em 30
de agosto de 1839, de 345000, a sejftinda de 8005,
e a terceira de 7895980, vencidas em 30 de dezem-
bro do dito anno, e de Jos Correa Vilella pela
quantia de 1315770, importancia de urna letra ven-
cida em 13 de margo de 1800, querem os suppli-
cantes protestar na conformidade do art. 453 do
cdigo commcrcial para evitar a prescripcao, e co-
mo ditos devedores nao to coobecidos, e outros
se acham ausentes em lugar inrerto uii nao sabido,
vem os supplicantes requerer a V. S. que seja o
protesto intimado por editos aos suppliraiites na
forma da lei : pelo que pede V. S. deferunento.
Espera receber merc.Procurador Beruardino de
Sena Dias.
E mais se nao contnha, e nem alguma outra
cousa se declarava c mostrava em tal peticao aqui
mui bem e fielmente copiada, na qual dei o despa-
cho que do theor seguinte :
Citcm-se, justificando amanilla ao meio da. Re-
cife, 14 de junho de 1864.Alencar Araripe.
E mais se nao contnha e nem alguma outra cou-
sa mais se declarava e mostrava em dito despacho,
aqui mu bem e fielmente copiado, por forca do
qual fura a mesma peticao distribuida ao escrivo
deste juizo, Manoel Mana Rodrigues do Xascimen-
to, que fez lavrar o termo de protesto que do
theor seguinte :
Aos 14 de junho de 1864, nesta cidade do Recife,
perante mim appareceram os supplicantes por seu
bastante procurador Bernardiuo de Sena Dias, o
qual disse, que reduzia termo o contedo de sua
petige retro, a qual olereceu como parte do pre-
sente, no qual, depois de lido, assignou-se com as
testemunhas nfra assignadas : eu Manoel Maria
Rodrigues do Xascimento, escrivo, o escrevi.
Bernardno de Sena Das.Flix Francisco de Sou-
za Magalhes.Joo Caetano de Abreu.
E mais se nao contnha, e nem alguma outra
cousa mais se declarava e mostrava em tal termo
de protesto, aqui mui bem c fielmente copiado e
transcripto, depois do que, tendo os supplicantes
produzido suas testemunhas, que justificaran! a au-
sencia dos supplicados em lugar nao sabido, sella-
dos e preparados os autos, subiram minha con-
cluso e nelles dei a sentenca que do theor se-
guinte :
Hei por justificada a ausencia de Goncalo Jos
Cezar, Claudino Manso Presto e Jos Correa Vilel-
la, que mando sejam citados por edlos de 30 das
na f Tilia requerida, visto acbarem-se em lugar
incerto. Paguem os justificantes as cusas. Recife,
18 de junho de 1864.Tristo de Alencar Ara-
ripe.
E mais seno contnha e nem alguma outra cou-
sa mais se declarara e mostrara era tal sentenca
aqui mu bem e fielmente copiada e transcripta,
em cumprimento da qual, o referido escrivo, fez
passar o presente ediial com o praso de 30 dias,
pelo qual chamo, intimo e h i por intimados os
ditos supplicados de todo o expendido; portante
toda e qualquer pessoa prente, amigo, ou conde-
cido dos ditos supplicados o podero fazer scieote
de tudo quanto cima fica dito.
E para chegue ao conhecimento de lodos mandei
passar editaes que serao publicados pela imprensa
e afiliados nos lugares do costume. Recife, 21 de
junho do 1864, quadragessimo-segundo da indepen-
dencia e do imperio do Brasil.
Eu Manoel Maria Rodrigues do Nascimento,
escrivo o subscrevi.
Tristo de Alencar Araripe.
guezia do S. Jos, que sendo nomeado por portara
do administrador do mesmo consulado, datada de
20 do corrente mez para proceder aos differentes
langamenlos dos impostos ja criados, e ltimamen-
te outros pela assembla legislativa provincial, quo
tendo de dar principio aos seos trabalhos do dia 27
por diante, pede aos mesmos senhores que tenham
Eroraplos os seus recibos, e mais documentos ia-
erentes ao que diz respeilo, afim de que possa o
mesmo langador proceder cora regularidade, igual-
dado e sem vzame das partes, os referidos langa-
mentos-, assim como para garanta dos mesmos se-
nhores deitar o eu visto nos recibos e mais docu-
mentos que Ibes forem apresentados, segundo de-
termina o regulamento. .
Mesa do consulado provincial 23 de junho de
1864.Ulisses Cockles Cavalcaoti de Mello.
Declarado.
O abaixojssignado.l langador do consulado
provincia!, avisa aos senhores proprietaros de pre-
dios urbanos, e donos de estabelecmenios da fre-
0 autor do annuncio publicado neste Diario do
23 do corrente faz publico que aquelle annuncio
nao diz nada respeito aos Srs. Antonio Correia de
Vasconcellos&Csuccessores de Jos Moreira Lo-
pes e sim diz respeito a outros senhores, Maria Lo-
pes junto ao S, com loja de fazendas na rua que
nao escrava.Gurlias.
Ariematuco.
Anda em praca para ser arrematada pelo juizo
municipal da 2' vara, escrivo Baptista, a mei n. 33, sita na rua de llortas, freguezia de Santo
Antonio, perlencente Andr de Abreu Porto e sua
mulher, em viriude da execuro que Ibes move a
Santa Casa da Misericordia dsta cidade.
Conselho administrativo.
O coaselno administrativo para fornecimento do
arsenal de guerra tera de comprar os objectos se-
guintes :
Para o 9 batalho de infantaria.
Espadas com bainbas de ac 2, fiadores de couro
prelo envernisado 2, talhini "de dito 2, cananas do
dito 2.
Para a enfermara do corpo da guarnigSo
da Parahiba.
Jarras de barro 5, ropos de vidro para agua 6,
copos pequeos para remedio 4, calix 3, comeres
de sopa 48, colheres de cha 20, casticacs de lalo
2, escarradeiras de lato64, espaleita de osso 1, u-
Iheres 36, cararolas 2. chicaras de louga 20, pires
10, ourins de louga 21, pratos de louga 80, cha-
leiras 2, manteigueira 1, bule 1, caldeires 2, ban-
deija 1, cobertores de la 34, barretes de la 118,
camisas de flanella 6, meias de la 8 pares, col-
choes 52, travesseiros 57, oleados para camas 2,
pedra de aliar 1, chinellas 79 pares, cilhas 2, ba-
cas de rame 1, rede de tapoarana 1, brm bran-
co 409 1|2 varas, algodoziuho 391 1|2 varas, chi-
ta 810 covados.
Quera quizer vender taes objeclos aprsente a
sua proposta em carta fechada na secretaria do
conselho as 10 horas da manhaa do dia 8 do cor-
rente.
Sala das sessoes do conselho administrativo para
fornecimento do arsenal de guerra 27 de iunho
de 1864. '
Antonio Pedro de S Barreto,
Coronel, presidente.
Sebastio Jos Baztlio Pyrrho.
Vogal secretario.
Tribunal do coiunicrcio.
Pela secretaria do tribunal do commercio de
Pernambuco se faz publico, que nesta data foram
admetiidos matricula os Srs. Joaquim Antunes
de Oliveira c Antonio Candido Antunes de Olivei-
ra, cidados brastleiros, estabelecidos na cidade do
Aracaly com casa de commercio de gneros de ex-
porlago e imporlago, em grosso e a relalho, de
coma propra e commisso,
Secretaria do tribunal do commercio de Per-
nambuco 23 de junho de 1864.
Julio Gumaraes,
Ollcial-iiiaior
Pela mesma secretaria se faz igualmente pu-
blico que nesta data fica registrado o contrato de
sociedade feito era 12 de abril do correle anno en-
tre Angelino Jos dos Santos Andrade e Antonio
Pedro de Mello, estabelecidos nesta cidade sob a
lirmade Andrade 4 Mello, com o capital de 3:0005,
fornecidos 2:000* pelo socio Andrade e 1:000*
pelo socio Mello ; devendo a mesma sociedade du-
rar por espago de tres annos, contados de 14 de
margo do corrente.
Secretaria do tribuna! do commercio de Per-
namburo 23 de junho de 1864.
Julio Gumaraes,
nfficial-maior.
Consulado de Portugal.
^ Sao chamados os eredores do ausente Manoel
Correia de Souza apresentarem dentro do praso
de 15 das os seos litlos de crdito para seren
verificados. Recife 27 de junho de 1864.
Vlce consulado de llesvanha.
KSPOI.IO DR L0I1IKNC0 CAHLOS HECHT.
Todos os eredores e devedores do fallecido sub-
dito hespanhol Lourengo Carlos Hecht, sao convi-
dados a comparecer no vice consulado de Despa-
lilla, rua do Vigario n. 9, no prazo de 60 dias
contar de hoje : aquelles para apresentarem os
documentos que os acreditara como eredores, es-
tes para satisfaxerem seus dbitos. Os objectos
que delxaram Jde ser arrematados em leilo por
desconfiarse que pertenesm a terceiros, devem
ser procurados tambem dentro d'aquelle prazo,
a fim de serem entregues, previa justilicaco; fin-
dos os 60 dias a nenhuma reclamacao sealtende-
ra, posto.pie sero postos em hasta publica.
Vice consulado de llespanha.
KSl'OMO DE JOS JlCItoMMo QASCU.
Os eredores do subdito hospanhol Jos Jerni-
mo Garca, fallecido no engenho Aratangy, lermo
de Ipojuca, sao convidados a comparecerem no
consulado de llespanha rua do Vigario n. 9, den-
tro do praso improregavel de 60 dias, a lira de
fazerem valer seus di reitos sobre e espolio do
mesmo ; lindo esse prazo a nenhuma reclamago
se allonderA.
Os fiscaes desla cidade fazem publico pa-
ra quem inleressar possa, que o artigo 6 do ti-
tulo 6" das posturas de 30 de junho de 1849, abai-
xo transcripta est em perfeilo vigor :
Artigo 6." Fica prohibido dentro da cidade o-
uso de roqiieiras, bombas e fogo sollo (buscaps).
Os infractores sero multados em 105 e soffrero
dous das de priste. A cmara por editaes designa-
r os lugares em que se possam soltar os busca-
ps, roqneiras e bombas de que trata este artigo
Cidade do Recife, 22 de junho de 1864.
.I/. J. da Silva Hibeiro
Joao Xavier da Fonceca Capibaribe.
Thomaz Augusto de V. A. Maranhao.
Manoel Antonio Ferreira Gomes.
Conselho adinioislralivo.
O conselho administrativo para fornecimento do
arsenal de guerra em cumprimento ao artigo 22
do regulamento do 14 de dezembro de 1852 fa
publico que forara aceitas as propostas dos senho-
res abaixo declarados :
Para o 2o batalho de infantaria.
Joao Baplista Viera Ribeiro, 2,250 covados de
panno azul a 25300.
Soulbal Mellors & C, 135 covados de panno cor
de rap a 2*700.
Custodio Carvalho & C, 350 manas de la a
2*400, 31 covados de casemira amarella a 1*830
4,225 varas de brim branco a 310 rs.
Para a companbia de artfices.
O mesmo vendedor, 25 mantas de la a 2*400.
Estes objectos devem ser recolhidos no dia 27 de*
corrente.
Para o 2 batalho de infantaria.
Jos Antonio dos Santos Coelho, 1,833 covados
de hollanda de forro a 175 rs., 242 varas de ania-
gera a 430 rs.
Para o mesmo batalho.
Joo Jos Machado, 3,300 varas de alsodezinho
a 520 rs.
Marques Gomes &C,60 covados de casemira en-
carnada a 1*750.
Dr. Rufino Augusto de Almeida, 521 pares de
sapatos a 25800. Estes objectos devem ser reco-
lhidos no dia 30 do corrente.
Para o 2 batalho.
Antonio de Souza Mariaho, 31 bonets redondos-
a 15900, 450 ditos azues a 3*430. 12 ditos verde
a 35450, 27 ditos para msicos a 9*, 27 pares d
charlateiras a 1*. 450 ditos de platinas a 1*.
Companhia de artfices.
O mesmo vendedor, 25 bonets para recrutas a
1*900.
Para o 2 batalho de infantaria.
Manoel Rodrigues Costa Magalbes, 54 varas de
galo de prata de 1 pol legada de largura a 740 rs.
a oitava, 40 varas e meia de dito de meia pollega-
da a 740 rs. a oitava.
Para o mesmo batalho.
Luiz Bento de Vasconcelos, 6,300 boi&es gran-
des de melal amarello a 80 rs., 3,150 ditos peque-
os do mesmo metal a 80 rs., 168 ditos grandes de
melal bromeado a 80 rs., 108 ditos pequeos de
dito dito a 80 rs., 378 ditos grandes pratiado a
100 rs., 162 ditos pequeos ditos a 100 rs. Esles
objectos devem ser entregues no da 30 de julho
prximo vindouro.


.


Diario de .rrnnabum Terca felfa 2H de limito de i*#4.

^

s
Para o corpa de gnarnicao. Para Lisboa
Custodio Louguiulio Uraga, o cornetas de toque sahlr com brevidade o brigue portuguez Coniun-
.com boccaes, ponlos e voltas a 174, P serem te, recebe anda atgnma carga a frote e passagei-
cntregues no da 8 de julho prximo vindouro. | r0S) |,ara os qaaes tem excellentes commodos : tra-
Sala das sesses do conselho administrativo para tase com Manoel Ignacio de Oliveira & Filho, lar- Lm annarelhit nara r* mninostn til
forneclinnto do arsenal de guerra, 23 de jmho g0 do Corpo Santo, escriptorio n. 19. appareiM para CM COIBposlOUe
de 186%.
DE
Sebastio Jos Basilio Pyrrho,
Vogal secretario.
Correio feral.
Pela administrarlo do correio desta cidade se
faz publico para (ios convenientes que em virtude
do disposto do artigo 138 do regulamenlo geral
dos correios de it de dezembro de 1844, e artigo
9 do decreto n. 78o de 15 de niaio de 1851, se pro-
ceder o consono das cartas existentes na adminis-
traro, pertencentes ao mez de junho de 1863, no
da"3 de julho prximo, s 11 horas da njanha,
na porta do mesmo correio, e a respectiva lisia se
acha desde ja exposta aos interessados.
Administrarao do correio de Pernambuco 25 de
junho de 1864".O administrador,
Domingos dos Passos Miranda.
Crrelo geral.
Pela administrado do correio desla cidade se
faz publico que em virtude da convenci postal,
celebrada pelos governos brasileiro e francez, se-
rio expedidas malas para a Europa no da 30 do
corrente pelo vapor francez Bearn. As cartas se-
rio recebidas at 3 horas antes da que for raarcai-
da para a sahida do vapor ; e os jornaes at 4 ho-
ras antes.
Administrarlo do correio de Pernambuco 25 de
junho de 1864.O administrador,
Domingos dos Passos Miranda.
CORREIO GERAL
Pelarao das cartas seguras vindas do norte pelo
vapor cosleiro Persinunga.
Dr. Antonio Joaquim Rodrigues Jnior.
Florencio Domioguesda Silva.
Dr. Francisco de Paula Penna.
Joaquim da Rocha Freir (2).
Pedro Osorio de Cerqueira.
Manoel G. de Mattos.
Manuel Joaquim Ramos e Silva.
COHIP1IHIA
DAS
MESSAGERIES IMPERIALES
Nodia 30 do
corrente mez es-
pera-s dos por- acima mencionadas, as 10 horas do dia supradito
6 peca, 2 salvas, 2 ocias para la-
var mitos, 2 jarros e \ paliteiro, lu-
do de prala do Porto.
Sexta-felra de Julho.
O agente Pinto far leilao por conta de quem
pertencer das dillerenlcs obras de prata do Forto '
ra do costume seguir para Rnrdeaux tocando em
S. Vicente e Lisboa.
Em S. Vicente ba um vapor em corresponden-
cia coraGore.
Para fretes e passagens trata-se na agencia ra
do Trapiche n. 9.
tos do sal o va- in? annazem da ra do Trapiche n. aond nave-
por francez, ra em continuacao leilao de escraves e carros.
Bearn, eommao-l
dante Aubry del
la Neo, o qual:
depois da demo-:
DE
Para Lisboa
O brigue portuguez Lata II, capitao Antonio piche armazem" n. 16.
Francisco Vieira vai sahir por estes das por ter a
mior parte do carreRamento prompto para car-
Diflerentes obras de prata do Porto, de es-
cravos, de carros, e de dous cabriolis
sendo um inglez para duas e quatro pes-
soas.
*e\ta felra 1' de julho.
Por intervengo do agente Pinto na ra do Tra-
ga e passageiros, tratase
da Cadeia n. 53.
com E. R. Rabel I j. ra
TlIIiMTItO
DE
a
Tcrca-fcira 28 de junho
SETNDO ESPECTCULO.
flntransferivel.)
Primeira represenlacio nesla cidade do magni-
fico drama
JSTIGA
srigfMl portaguez do distiacto poeta portuense Ca-
millo Castello Rranro.
fo qual tomara parte os artistas Furtado Coclho,!
Gonralves, Lessa, Jorge, Dormeville, D. Julia e D.!
Virginia.
Si'gue-so pelo Sr. Gonralves a scena cmica
O PARSITA
original do distinrto poeta Faustino Xavier de No-
vaos.
Termina o esperiaculo ( pedido) com a muilo
applaudida comedia
Convido o coronel!!
Os bilhetes vendidos teem entrada nesta noito e
os rstanlos estao desde ja venda uo escriptorio
do theairo.
Principiar s 8 1|2 horas.
GRANDE BAILE
Para a Baha
pretende seguir com muita brevidade a escuna na-
cional Carlota, tem parte de seu carregamento
prompto : para o resto que Ihe falta, trata-se com!
os sens consignatarios Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo & C, no seu escriptorio ra da Cruz nu-
mero 1. _____
Rio Grande de ferie e Assn'
A barcara Graciosa sahe at o dia 4 de julho
para os portos cima, recebe carga a frete : a tra-
tar na ra da Madre de Dos n. 2, ou na escadi-
nha com o mestre.
LEILOES.
LEILAO
ilU
><>> .salde do Caes d*Apollo.
HojevesneiM e dia do S. Pedro.
Cora toda pompa e brilhanlismo segundo a for-
ma do costme. Ser cumprido o regulamenlo
policial.
ATO9S MABITIMOS.
GOMFANHIA BRASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR.
K* esperado dos portos do sul
at o da 30 do corrente o vapor
Aya, o qual depois da demora do
coMinne seguir para os portos
do norte.
Desde ja recebein-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no dia de sua chegada: encom-
mendas e dinheiro a frete at o dia da sabida s 2
horas, agencia ra da Cruz n. 1, escriptorio de
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C.________
onipanliu Pernambucana
DR
Viregaco eostelra a vapor.
Parahiba, Natal, Slaco. Aracaty, Cear, Acaraeu' e
(iranja,
No dia 7 de julho prximo as 3
horas da tarde segu um dos va-
pores da companhia para os por-
otos arima indicados. A carga ser
Prerebida at o dia 6. Encommen-
das, passageiros e dinheiro a frete al s 3 horas
la tarde, do diada sahida : escriptorio no Forte
Jo Mattos n. 1.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
\avegacSo costeira vapor.
Hacei e escala, reaed e Aracaj.
No dia 5 de julho prximo s o
horas da larde, seguir um dos
vapores da companhia para os
portos cima indicados. Receber
'carga al o dia 4. Enconimendas,
dinheiro a frete at s 3 horas da
: escriptorio no Forte do
DE
Predios na povoarao do Monleiro lo-
dos em chaos proprios,
Cordeiro Simos, far leilao requerimento dos
administradores da massa fallida de Joaquim Viei-
raCoelho & C, e por mandado do lllm. Sr. Dr.
juiz de direito especial do commercio, dos predios
seguintes situados na povoacao do Monteiro, como
sejam :
1 casa terrea sem numero, com 29
frente e 71 d fundo, com 2 salas, 4 quartos, co-
sinha e i quarto externo, quintal em aberto, ter-
raco na frente rom grade de ferro.
3 ditas na niesina conformidade cima e junto
a mesma.
i dita a margem do rio Capibaribe, na mesma
povoacao com 53 palmos de frente e 42 de fundo,
-2 salas, 4 quartos, cosinba externa, quintal em
aberto. pequea baixa para capim, com caes e es-
cada de lijlo e cal a margem do rio.
1 dita com frente para a margem cima, com
20 palmos de frenle e 2i de fundo, 2 salas, 1 quar-
LEILAO
DE
Movis e livros.
Seila-feira I de julho
NO ARAZBH A iVX DA CADBIA N. 48.
O agente Olimpio far leilao de diversas obras
de marcineiria novas e usadas e de oulros muitos
objectos de gosto.
Dar principio o leo s 11 horas.
I EIL%0
DE
Urna armacao, balco, bataneas, candieiros
de gaz com e sem registros e differentes
objectos oxistentes no estabelecimento da
ra da Imperatriz n. 0.
ftabbado 9 de julho.
H 3
re os ft o
IIF
3 5
S I,
V
w fij S as -'a
t a o a a _
2 i E g- *
I 5T 3 3 > -
O. ? 2 3 r
O rji
= ~
O o
-2
B9
o.
t s:o o a
^s I
^.2,-12,
S--g g o
63 S S' "'
2 a23a
O <* M
2. -. "
S R2"-
o "ja 3^a
' c s < o =.
O re Sj ir. n
i si
^ ** 5T

SO fe
j m vi
o ;.
IiOTKlClA
O abaixo asaignado declara em tempo ao
respeitavel publico qnc .na prepararao lv-
tliographica dos meios billieles da primei-
ra parte da primeira lotera da matriz de
S. Amaro de Jaboatao (97.a) qoo se achata
' venda, se den um engao, de que resul-
to Gcarem algtins bilhetes em mui pequea
qnantidade, comprimeira parle da segun-
da loterafalta essa ipie a ninguem pode-
r prejudicar. pois nao se tendo anda .-cx-
trahido parte alguma dessa lotera. esU'i
claro que pertencem a primeira parlo da
primara todos os meos qne se ariiam
venda com a numerarn 97.a
O tiesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.|j
Para bollos de H. JoSo e f.
Pedro.
Manteiga ingleza 800, 7O e 610 rs. a libra,
dita franceza 640rs. alibra.farinhadejtrigo !20
rs. a libra, e tudo mais do melhor qne na no mer-
cado por precos cmodos, no antigo e acreditado
O agente Pinto far leilao por conta de quera estabelecimento junto a esta tvpographia n. 48.
pertencer dos objectos cima mencionados existen-
tes no armazem do sobrado da ra da Imperatriz
n... onde se effectuar o leilao s 11 horas do da
cima
I,K1L.%0
I)K
i ni i machina americana.
CASA DA mWik
AOS 6:000.000
Bllhef e garantidos
A' ra de Crespo n. 23 e casas du costume
O abaixo assignado tendo vendido nos seas mui-
Seganfla-leira 4 de JUlhO as i I onras to flizes bilhet. garantidos os dous meios com a
O agente Olimpio vender em leilSo urna ma- sort de 10:0005000, e dous quartos n. 30*1 com
china americana que trabalha com um cavado pa- a lle 2:0005 e n 2079 com a outra de 2 OOO e
ra fazer mover qualquer machina pequea de des- 0lllras muitas com a sorle de 5005, 2005 e 1005,
palmos de carocar algodao, lendo a vaotagem de
i 0 Dr. Carolino Francisco de Lima San- 3
W tos, contina a residir na ra do Impe-
rador n. 17,2* andar, onde pode ser pro- *M
curado a qualquer hora do diae da noite |
para o exercicidTle sua prollssao de me-
dico ; sendo que os chamados, depois de
meio dia at 4 horas da tarde, devera ser
deixados por escripto. O referido Dr.
nao abandonando nunca o esludo das
molestias de interior, prosegue, com o
maior affinco, no das raais difliceis e deli-
cadas operacoes. como sejara dos orgaos
oarinarios, dos olhos, partos, etc.
Joao da Silva Hamos, medico pela l'ni
versidadede Coimbra, d consultas em
sua casa das 9 s H horas da manhaa,
das 4 as 6 da tarde. Visita os doentes
en soas casas regularmente as horas
para lase designadas, salvo os casos ur-
gentes, que Serao soccorridos em qual-
quer occasiao. D consultas aos |>obrt-s
que o procurarem no hospital Pedro II,
aonde e encontrado diariamente das 6
as 8 horas da inanha.
Tem sua casa de sade regularmente
montada para receber qualquer doente,
anda mesmo os alienados, para o oue
tem commodos apropriados e nella iira-
tica qualquer operagao cirr.igica.
Para a casa de sa.le.
Primeira clasae :i5000diarios
S'gnnda dita.... 25500 >
Terceira dita... 25000 >
Este estabelecimento j bem acredi-
tado pelos bons servicos que tem pres-
tado.
O proprietario esptra que elle conti-
nu a merecer a confianca de que sem-
pre tem gozado.
Na ra estreiU ser
muito
Ser
simples c economisar muito trabalho bracal
effectuado o leilao na ra Direita n. Si. '
LEILAO
DA
lleladc do sobrado de 2 andares sito
ra do Padre Horiano b. 21.
Terea-feira 5 de julho s \ 1 horas.
O agente Olimpio acha-se autorisado a vender
em leilao a metade do sobrado de 2 ailares na
Advogado Affonso de Albu-
querque Mello,
pode ser procurado a qualquer hora ; as sextas-
feiras, porm, na villa do Cabo.
Precisa-se de um caixeiro que emenda de
pharmacia : quem cstiver nestas circumslancias,
deixe seu nome e morada om carta fechada com
as letras 1). C. nesla typographia.
Xo dia 22 do corrente eniresaram urna por-
Co do era vos na travessa de S. Jos o. t : quem
for dono, dirija-se mesma.
A pessoa que annunciou precisar saber da
morada da Sra. Paulina, lilba do Sr. Faustiuo de
Moraes, dirija-se ao paleo da matriz de Santo An-
tonio, loja da casa, onde mura o retratista.
Aluga-se urna prea que engorante e cozinlie
para urna casa de pouea familia, e que saia a ra:
na ra de S. Francisco n. 2, casa de buhar.
NTIST 4
A viuva Rosa Jane contina a por denles arti-
ficiaes, e resolveu ensinar tambem a sua arle, me-
diante paga : quem quizer aprende-la pode enten-
derse com a mesma em sin residencia na ra da
Penha n. 17, segundo andar.
Precisa-se de urna ama captiva ou livre que
saiba lavar e engommar com perfeicao : na ra da
Praia de Santa Rila n. 6-'.
da lotera que se acabou de extrahir beneficio da
igreja de Nossa Senbora do Rosario, convida os
possuidores de ditos bilhetes a vinm receber seus
respectivos premios sem os desconlos da lei, em Lavase e engomma-se perfeilanete e
seu estabelecimento ra do Crespo n. 23. I prego commodo : a tratar na na do Sobn. 1!)-
O mesmo tem exposto venda os novos e felizes
O abaixo assignado acbaudo-se enc.ir-
regado e con; procuradlo bastante de
francisco Aj res Sigismundo de Moraes
para cobrar as dividas do casal de seu
antecessor Joao Raptisla dos Sant09 Lobo,
avisa aos respectivos dovedores que poile
ser proenrado. nest crdad", na ra do
Queimado n. 12, primeiro andar.
Manoel Gomos Lal.
to e cosinha externa, cora oitao de laipa e quintal' rua do Padre Floriano n. 21, chaos proprios e ren
de raensalmente 425.
Os pretendentes podero entender-se com o re-
feriao agente em seu escriptorio na rua da Cadeia
do Recife n. 48, onde ser effectuado o leilao da
metade do referido predio.
em aberlo.
1 dita cm tudo iguala ultima e junto a mesma.
Casas terreas de laipa.
1 dita com 25 palmos de frente e 44 de fundo.
1 dita com 20 palmos de frente e 31 de fundo,
com 2 salas, 2 quartos, cosinha externa, quinlal
em aberto.
1 dita com 19 palmos de frente e 31 de fundo,
1 sala, 1 quarto. cosinha externa, quintal em
aberto.
t dita com 22 palmos de frente e 42 de fundo, 1
sala, 2 quartos, cosinha e 1 quarto externo, qniu-
tal em aberto.
1 dita com 19 palmos de frenle e 42 de fundo,
2 salas. 2 quartos, quintal em aberto, cosinha ex-
terna.
Os pretendentes desde j podero examinar os
referidos predios, u quereudo qualquer infr.rma-
(ia podero entender-se com o referido agente
em seo escriptorio rua da Cadeia n. 3, primeiro
andar, aonde ser elfectuado o leilao.
llOJE
Terea-felra 8 8 do corrente s
IO 112 horas da inanha.
LEILAO
bilhetes garantidos a beneficio da igreja de Santo
Amaro do Jaboatao que se exlrahir quinta feira
: 30 do corrente.
Precos.
Bilhetes iuteiros..... 75000
Meios......... 35500
Quartos........ 15900
Para as pessoas que comprarem
de 1005 para cima.
Bilhetes........ G5500
Meios......... ;5230
Quartos......, 15700
Maaae.l Martins Pinza
LEILAO
DE
DE
Um engenho com bom cercado e matas, com
casas de moetula para caldeiras <; de pur-
gar todas de pedra e cal.
Quarta-feita G de julho.
O agente Pinto aulorisadu pela commisso en-
carregada de liquidar os bens de Joaquim Elvirio
de Moraes Carvalho levar a leilao s II horas
do dia cima dito o engenho S. Joaquim em Muri-
beca.o qual limita ao norte e ao oeste com Ierras
do engenho Suassuna, ao sul com ierras do QBg- c^
nho Muribequlnhae trras chamadas Mungongos,
e ao leste com trras de S Aadr. O leilao ser
effectuado no escriptorio do referido agente rua
da Cruz n. 38, pjdendo os pretendiles desde
examinaren! o mesmo ensenho.
Rua da Pcnha
Manoel Francisco Leite, com
avisa ao publico e tambem a seus freguezes, que
reduzio os precos o mais barato que foi possivel,
como sejam : meios de sola limpos para bahuleiro
e selleiro a 180 rs., araros em cabello idem dem
a 500 rs., vaquetas, couros em branco e preto, e
tudo o mais pertencente a sua offlcina aprempla
Precisase de una criada livre ou escrava
que saiba cezinbare compiar : na rua de Santo
Amaro (Mundo Aovo), sobrado onde morou o Sr,
Dr. Sabino.
mmmmam-.mmmmm
\m
M| Precisa-se de urna ama que saiba M
B muito bem cosinliar, seja acetada e jf[
^ laca as compras para casa de pouca )
M familia: na roa da Cadeia do Recife %k<
^ o. 38, primeiro andar. +
mmmm mm^mt
Criados.
No Club Pernambucano precisa-se de
Acha-se fngido o escravo nome Antonio des-
de o dia 8 do corrente anno, com o.i signan se-
guintes : idade 40 annos, crioulo, altura regular,
desdentado, barba (cita, nariz chato, pescoco curto,
um tanto inclinado para a frente, urna marra de
fenda no estomago, ps grossos, e as cosas mar-
cas de chicote, tem efcaimei MI ranellas, em urna
das naos nao abre hemos dedos, levou vestido cal-
va parda, paletot preto j velho, camisas brancas
duas, sendo urna de abertura bordada, 2 .ares de
caifas, 1 branca e 1 pardo, t cobertor, sendo me-
tade de estopa e metade de algodao, foi ene mirado
na ribeira de Santo Antonio e no \'ere> : por isso
roga-se s autoridades policiaes e capiles de cam-
po que o peguem e levem-no casa ele seus senta-
res, na rua da Imperatriz n. 80, que serao muito
bem recompensados.
loja de snrrador, criados: a tratar com o emprezario.
1 fPiKTt*OT^ flllli I________________
Quem precisar de una ama para cozinhar e
coser, dirija-se rua de S. Franfisco n. 21. |
Da-se a quantia de (005 sobre hypotoeca!
em escravos : na rua de Santa Rila n. 27,' segn-
----------------i
do andar.
LEIiit
DE
Aluga-se muito barato unas pomas de meia-
agnas acabadas prximo de se edificar na entrada
dos portoes da travessa das barreiras do bairro da
Boa-Vista : a tratar na rua do Cotovello n. 25.
Na praca da Independencia, loja de ourives
n. 33, compram-se obras de ouro, prata e podras
preciosas, assim como se faz qualquer obra de en-
Caiiciro.
No armazem de molhados da Brilhante Aurora
precisase de um caixeiro desembaracado, que de-
sempenhe sen lugar.
Um Sobrado de 2 andares e SOtO na na M0VeS, 1 mulatinllO de IG a 17 ailllOS menle se dir quem d dinheiro a premio.
commenda, e todo e qualquer concert, e igual- rua Jo Trapiche : a tratar no armazem da mesma
Precisa-se de urna ama de
perial, sobrado n. 87.
leite : na rua Im-
Aluga-se o terceiro andar da casa n. 48 na
passageiros e
larde do dia da sahida
Mallos n. 1.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
-Mavegae eostelra a vapor.
lha de Fernando de Noronlia.
Nodia 14 de julho prximo, se-
gu um dos vapores da companhia
ara o presidio de Fernando de
"orontia, ao meio dia.
COMPANHLA. BRASILEIR
DE
PAQUETES A VAPOR
Dos portos do norte e esperado
- _^4v at o dia 1 de julho, o vapor
Cruzeiro do Sul, couimandante
Alcanforado, o qual depois da.de-
mora do costume seguir para oe
,rtos do sul.
Desde ja reeebem-se passageiros e engaja-se a
-carga qne o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no dia de sua chegada, encommen-
ras : agencia, roa da Croz n. 1, escriptorio de An-
onio Laiz de Oliveira Azevedo & C .,
Rio de Janeiro.
O brigue Trmaer segu com brevidade, recebe
arca e escravos a frete : trata-se com os consig-
natarios Marques, Barros &C, largo do Corpo San-
to n. .____________________ _________,
Para o Kio de Janeiro
relcnlfc segafr com muita brevidade oiveleiro e
tiem conheHlo palhabote nacional Ptedade, tem
parle do seu carregamento engajado : para o res-
to que Ihe falla e escravos a frete, para os qoacs
tem excellentes commodos, trata-se com o seus
consignatarios Antonio Lniz de Olrvwra Azevedo,
rua da Cruz n. I.
de Hortas n. 21, com quinlal e porlao
para o lado de Santa Tbereza.
Cordeiro Simdes far leilao autorisado pelo in-
ventarame do tinado Ventura da Silva Boa-Vista,
do predio cima dito na parte pertencente' aos
berdeiros de dito finado. Os pretendentes desde
jo podero examinar o referido predio e qualquer
esclarecimento podero entender-se com o referi-
do agente que satisfar, cujo leilao ser elfectuado
em seu escriptorio rua da Cadeia n. 3: Urca-
feira 28 do corrente s 10 horas.
LEIIAO
Terca-feira 28 de junho s i\
rua da Cadeia u. 33.
na travessa do llma perto casa de salde em
Santo Amaro.
De um terreno com 80 palmos de frente e 250
dilos de fundo contendo : tres caixdes divididos
para casas terreas de 22 palmos de frente e 60 de
fundo, dous estao quasi cobertos, rende o que est
cm meia-agua x-j por mez, bem edificados, boa
posico por ser esquina e fronteiros a propriedade
do Sr. Saldanha : sao convidados os pretendentes
ao previo exame e serao vendidos pelo maior pre-
50 que se acbar em leilao.
horas,
LEILAO
DE
BATATAS
HOJE
As 10 horas da mauha por intervengao do
agente Pestaa serao vendidas cerca de 100 caitas
com bitatas novas ltimamente desembarcadas,
em lotes vontade dos compradores, na porta do
armazem do Annes confronte a alfandega.
Quinta-feira 30 de junho as 11 horas
rua da Caiieia 11. 53.
de iiiaile, I relogio de ouro patente;
inglez, 1 trancelim de ouro cora cas-1
soleta, diversos ulencilios de casa
etc.. etc.
Quartafcira 6 de julho s IJ Lores da inanlia
no armazem da rua da Cadeia do Herife
numero t.
O agente Olimpio far leilao dos objectos cima
requerimento do curador da alienada Carolina
Correia Duarle de Albuquerque e mandado do
lllm. Sr. Dr. juiz dos orphaos, bem como trocar
particularmente diversas imagens de madeira per-
tencentes a mesma alienada.
casa.
LEIL40
DK
l ma ra-a na povoacao da Varzea.
Quarta-fera 0 de julho.
0 agento Pinto tara leilao precedida a compe-
tente autorisaco de urna casa de laipa coberta de
telha sita na povoacao da Varzea, com a frente pa-
ra a rua do Fogo, com 2 salas, 2 quartos e cosi-
ATTfil^iOo
Muita attenedo.
i
O abaixo assignado avisa a todos os seus deve-
dores em geral, de maiores e menores quantias,;
assim como de letras ha muilo vencidas, qne ve-
nliaui uo praso de lo dias pagaren! rua Direita
d. 01 os seas dbitos, c se assim nao o lizerem se-
rao seus nomes publicados por este Diario, e de- i
pois executados sem distineeoes de pessoas: faco i
o prsenle annunrio para que depois nao se quei- j
xem do -Jos Martins da Silva Horhes.
' imn imtua um ihuihhtii
Jos Dias da Cunha agradece cordealmente
a todos os seus amigos que $ dignarara a-
companhir ao ultimo jazign o corpo de seu
mui prezado irmo Julio Das da Cunha, C
novarnenle os convida a assistirem a missa
do stimo da que se hade celebrar na igreja
da Madre de lieus, quarta-feira 21) do corren-
te, pelas 7 e meia horas da manhaa.
Precisa-se alugar dous escravos
Imperador n. 70.
na rua do
Precisase alugar urna preta que saiba cozi-
nhar e engommar : quem a liver, dirija-se rua
do Trapiche n. i, que achara com quem tratar.
GABINETE
PORTUGUEZ i; LUTOai EM TER-
WUDUl.O.
Achando-se prximo o termo da actual admi-
nistracao, i>or ordem da directora convido po-
remse em dia com a caixa do estabelecimento to
dos os senhores associados que eslo em atraso de
mensalidades ; e peco a quem se julgar credor do
Gabinete, que aprsente suas coulas no praso de
oito das.
Secretaria do Gabinete Portuguez de Leitura
em Pernambuco aos 21 de junho de 186'.
Joaquim Gerardo de Bastos.
1." secretario.
Socieriadc de seguros miitnos
de vida installada pelo Banco
Unio na eidade do Porto.
Os abdlXO Signados pedem encare- 0s agentcs nesla cdade e provincia Antonio
nha fra, assin como o terreno em'que est a dita ("idamente a pessoa 011 pessoas que nosDia- Luiz de Oliveira Azevede & C escriptorio na rua
casa com 18 palmos de frente e 280 de fundo cora riOS (le 23 e 25 do corrente mez pu- | da Cruz do Recife n. 1, estao autorisados desde j
alguns arvoredos, as 10 horas do da cima dito uiinram os inniinrio mu tem or eninra- a,oma'' assignaturas e prestar todos os esclarec
era seu escriptorio rua da Cruz n. 38. | SSJS^SSS^^SJSSmS^ mCUtS ^ foreU1 necesrios?las ^ssof *m de
1 pileserie Ui 11 andamias eesCl.irecimenio sejarem concorrer para tao til e benfica empre
: o primeiro so! a asignatura de Canalhinhas | as.eyurando um futuro lisongeiro aos associado-
e o segundo -Gurlias que para remove-! _Na rua 0 rtragSo n. iaVa-se. engomma-se
rem qualquer duvida que perante o publico. com perfejcSo e faz-se comida para fra por pre^o
1 possa pairar sobro 0 crdito dos abai\0 as- mais barat do qiie em outra qualquer parte.
Os Srs- assignanles que Se achara igml). a (.mm Ceria.nente taes anima- "*Jo c<>m Prfc|5* ________
a dever a su tac ripea o deste Diario lCios se nao referem, sirvam-se de declarar' Alup-se umaolaria na travessa dos Coelhos.
queiram niada-la satisfacer autespelo mesmo jornal ao nonos o verdadeiroi^^Smo tooToiu Jaa ^na* d?X
que termiue O corrente mez, para que "omeda rua em que existe o estabeleci- numero 2.
Se nO USe dOS reenrSOS neCCSSarioS pa- men.l_a. 'i"6.!6 allU: .!!l_ C .. Antonio Pereirade Azevede faz publico que
AVISOS DIVERSOS.
ra o reeebimento.
1>E
Duas casas terreas na rua do Principe defronte da
propriedade do Sr. Braga ao sahir para a estra-
da de Joao de Barros e as frentes estao por
rebocar, o interior e repart mani.
O agente Euzebio vender em leilao as duas ca
os 6:0O(r$O00.
Corre depois d'amanha.
Quinta-feira 30 do corrente mez se ex
trahir a primeira parte da primeira lotera
sas terreas na rua do Principe, as quaes tem i2 a beneQcio da matriz de S. Amaro de Ja-
palmos de frente, 64 de fundes e 56 ditos de qom- boalg0i n0 consistorio da igreja de N. S.
lal murado de um lado, cada urna, e mais um ter- """*"" "Y ,",______. a < ", .
do Rosario da fregnerta de Santo Antonio
a-Maria Lopespode talvez por alguem desta data em diante se assigna Antonio Jos de
ter sillo tomado por Moreita Lopes. Recife, Castro Azevedo. Uecife 14 de maio de 1864.
at de juiil.0 de 48tti.Antonio Correia d. Na Piranpa, defronle do sitio do Sr. Millet,
VasconcellosA C, sucessores de Jos Morei- vendem-se duas vaccas leiteiras com crias.
r* L^P^_____ _______________________I Aluga-se umanegrinha de U annos de idade
para todo o servico interno de urna casa de fami-
lia, a qual muito esperta e fiel, e ensaboa bem :
na praca da Boa-Yitta, sobrado da esquina qne Tol-
la para a rua do Arago, primeiro andar. Na mes-
ma casa vndese um sellan em muifo bom estado,
reno junto por edificar com 54 palmos de frente e
120 de fundo; sao novas e a frente falta rebocar
assim como repartir o interior, tem a porta do
quintal em aberto para ser franca, e vista pelos
pretendentes.
LtEIIiAO
DE
Urna catoche com tanternas e trreios, um
carro de 4 rodas com coberta e arreios, e
um cabriolet de 2 rodas com coberta.
Seita-fcira \ de julho,
0 agente Pinto autorisado por urna pessoa que
retirou-se para Europa far leilao dos carros e
cabriolet cima mencionados proprios para pas-
Os bilhetes, meios e quartos acham-se a
venda na respectiv* thesouraria rua do
Cretpo a. 15.
Wdadeiros cigarros de S.
Domiiipos.
Leite A Alies praprietarios da antiga e,
Lftm conhMfda falirica de nrros do fin- e Prec,,*s ^r primeiro andar, ou umt
. uera (minttiaa iaorica ue ^-garroj. uc um sa|a 9 ak.Bva feJa ia ^T& mripVlrto &
. 1 maraes dr Colimbo, em S. Domingos, de a(jvogado.
Nilberor, os quaes sempre se tem vendido : Aloga-se no melhor local de negocio na Casa
e continuam a Vender-se no sea nico depo- Forte para um principiante duas casas juntas ten-
silo rua DireiU desta Cidade n. 14, casa do ama armado de taberna aonde esteve Manoel
Os premios de 0:0005000 at 12,0000 dos annuneiar.ts, previnem aos seus fre- Cabocio.por precn commodo: a tratar na panana
O Dr. Cosme de S Pereira conti-
nua a residir na ua da Cruz n. 53;
1 c 2o andar, onde pode ser procu-
rado para o exercicio de sua profis-
sao medica, e com especialidade
sobre u seguinte
Io molestias de olhos;
2o de peito:
3o dos orgos geriti
urinarios.
Em seu escriptorio os doentes se-
rao examinados na ordem de suas
entradas comeando o trabalho pelos
doentes de olhos.
Dar consultas todos os dias d si
0 as 10 da manhaa, menos nos do-
mingos.
Platicar toda e qualquer opera-
Cao que julgar conveniente para o
prompto restabelecimento dos seus
doentes.
Pede-se ao Sr. Joao Germano de Paula, quei-
ra vir declarar nesta lypograputa onde residem
Jos I'elieiano de Araujo PimViroeD.Mara Fran-
cisca, que pelo mesmo senhor foram incluidos no
numero dos asanjnanlea deste Diario, sendo a fo-
lha recebida por elle, e nao paga.
Precisa-se para um estabelecimento em urna
villa no interior desta provincia um mogo de 18 a
20 annos, que saiba lomar cuidado de urna machi-
na a vapor : a tratar das .' s i horas, no sobrado
n. II, praca do Corpo Sanio, primeiro andar.
Precisa-se de una ama portngneza para casa
de pouca familia, dando-se bom trato : a fallar no
primeiro andar da rua da Cadeia u. G'i desde as
11 lluras s;t da l me._____________________
Fdtor
Precisase de um feitor que enlenda de planta-
cao de capim e saiba tirar leite : ?.a rua da Auro-
ra n. 08________________________________
Aluga-se a casa n. \ da rua do Jasmim, fre-
guezia da Boa-Vista, para pequea familia : a tra-
tar na rua da Viracao n. :'7._________________
Precisa-se de um menino de 10 12 annos
para caixeiro, preferindo-se Portuguez: na rua do
Rangel n. 6!).____________________________
Alagase o primeiro andar do sobrado da rua
do Hospicio n. -\, proprio para familia : a tratar
no mesmo.
Irmandade do *.v sacranicuto
do Corpo Manto.
O thesoureiro da administraco de ( 64 julga
nada dever, tanto dos artos da semana santa como
de todas as despezas fetas com os de mais actos
da irmandade, alfaias e concerlos; com tudo se
alguem se julgar credor per qualquer forma desta
irmandade durante a dita adminislracao. queira
apreseniar suas cootas na rua da Cruz, loja n. 61,
para serem pagas, at o da 30 do corrente.
Parn ahijar.
Aluga-se urna boa casa terrea na rua Imperial
n. 201, com grande quintil, e muilo boas propor-
coes para reflnacSo 011 padarla pof ter teiheiroc e
(orne, e ser de esquina : a tratar na rua Direita,
padaria n. %'*.
Pede-se a pessoa a quem pertencer 13 tone-
ladas de carvo vindo no brigue inglez Joseph Cope,
queira se dirigir aos seus consignatarios Patn,
Nash A C, rua do Trapiche Novo n. 10. ______
Casas para ahajarse,
Alugam-seo3ae 4 andares do sobrado da rua
do Brum n. 70, e 2" andar do sobrado do caes de
Apollo n. 17 : a tratar ua rua larga do Rosario n.
:Ji, botica.
PABA AM'GATT"
Aluga-se 001a sala na rua dn Qtleimado n. J,
no primeiro andar, ptimo para um escriptorio :
quem precisar, dirija-se loja da niesma_casa. _
-Mugase a casa da na da Palma n. 4. : a
tratar'na roa rt Cadeia n, 62. primeiro andar.
serao pagos urna hora depois da extraccao
at s 4 horas da tarje, e os outros no dia
seguinte depois da distribuico das listas.
0 thesoareiro,
do Chora-menino.
gtiezes e ao publico im geral. que, para e*i- -----^:-----
. #i-..- i =1 PreCMa-se de urna criada pava caa ae pouta
tarem as multas falstticacoCS, que dOS mes- fami,a ^ rua da ImperatrU n. 45, MJgundo an-
tnos cigarros se tem feito: os rtulos que ,jar.
acompanham os mesmos cigarros, alm da
w'atter Rose 0 sua (senhora retira-se para
Europa. _____________________
TINTUKAllIA.
Tinge-se com perfeicao para qualquer
cor, e o mais barato possivel: na rua do
Rangel n. 3. segundo andar.
Manto.
De ordem do nosso irmao juiz cornado a todos
capnoici cima mencinanos proprios para pas- os irm5os 1|Ue nuzerem assistir a posse da nova
seras, as 11 horas do da supradi o na rua doTra- m,, U^* rtn r,,t,,rin ,, .mt.
_______Antonio Jos Rodrigues de Souza. [ firma de Guimara'es cVContinlio, quejitra-
Irmaudade do Uivino Ksplrlto!zem' ,r,a ayaQte ,e,'r,lnmbem a firma (los
piche em frente ao armazem n. 40.
Leilao de escravos
Como sejam:
Joanna, crioula, de 17 annos, cosinheira.
Victoria, de 20 anuos, lavadeira, cosinheira e qui-
ta a de Ira.
lTma negrinha com 14 annos de idade e outras.
Se\(a-feira Io de julho. ^^
' O agente Pinto lar leilao por conta de" diversos
de differentes escravos com habilidades, is%> s
11 horas do dia Io de julho po armazem
do da rua do Trapiche n. 40 confronte ao consu-
lado ioglez.
mesa, e a leitura do relatorio de mesmo juiz,
tomparecerem em nossa igreja no dia 29 do cor-
rente, as 11 horas da manhaa. Consistorio da ir-
mandade 27 de junho de 1864.
Antonio Augusto dos Santos Porte.
____________________Escrivo.___________
Para alagar:
Aluga-so o sobrado de un s
oerial n. 112, com commodos f
grande quinlal com cacimba e p>rtao para n
terreno com camboa da 'mesma propriedade:
tratar na padaria da rua Direita n. 84.
,ar da rua Im-
rande familia,
para um
a
Precisase alagar dous escravos, paga-se teai:
a tratar-na rua do ftrum, fabrica de sabao.
anuunciantes como seus successores.
Rio de Janeiro, 2'tde maio de i 864.
uem sail>a trabalhar.
Prersa-se de urna pessoa que saiba trabalhar
em machina de costura, ou seja homaro 0u malher:
a tratar na rua dos Ouarleis, loja ra ca|pado na-
mero 22.___________________________
' Na livraria ns. 0 e 8 da p-a?1 da Indepen-
dencia, existe urna carta para u$r fhomaz Lins
Caldas, da villa do Rio Formo-; cons|a se
acha nesta cidad#, ignora1 |*a0.ge J, (.a;a
amado I
Juramento n. l'J, ha para alu-
-------I^J .liameill'J II. \V, ua pilla iu-
gar-se unir1,, escravo eopeiro e ama escrava pa-
ra sery^) ,j0 Qierior de casa: na mesma casa
coipra-se urna escrava m >ca e bonita que cosa e ,
epgomme bem. i
AhUAZEM m FAZEKD.4S
DE
Custodio, Carvalho & Companhia.
99 UVA DO }\ KilIAllO
Superiores aaias de fustio para senhoras a 3&.
Toalhas de linho para mesa a 3^1)00 e 4.S-
Lenciuhos para meninos um 100 rs.
Lencos brancos para algibeira a 2 a duzia,"
Toalhas para mao duiia 45.
Bramante de linho vara 25-
Fil de linho |iso vara 500 rs,
(Brande pechlDcl.
Pecas de ntremelos C/ordadds a 15.
Tiras bordadas a Ceca 2.
Gollinhas de cambraiaa 600 e 800 rs,

99
ILEGVEL






otarlo de Peraambueo -- Terca felra 18 de 4 imito de 1844.
ROUPA FEITA
NO
\ovos enfeites para senhora.
A aguia-branca acaba de receber um bello e va,
riade sortimento de enfeites de diversas qualidades-
e o que de mais moderno possivel encontrar-se
' aqui, fazendo-se nolaveis por suas novidado e ele-
gaacia un?, cuja grade de um lino e delicado le-
'cido a que apropiadamente se chama invisivel.
de fogos de arliCcio, da viuva Rufino, situada na Assim, vista desse completo sortimento, qnalquer
! estrada de Joo de Barros; nesta fabrica apromp- cidado munido de dinheiro est habilitado a com-
' Use toda e qualqucr encommenda (lestes artigos pra-los : na ra do Queimado, loja d'aguia-branca
com o maior esmero e presteza, seja para dentro n. 8.
Grande
fabrica
a un abji
DE
ou fra da provincia : recebem-se as encommen-
das no arraazem da bola amarella, no oitao da se-
cretaria de polica.
fcVtft ^ *%>%%%>
fe
>*
*l
LETREIBO VERDE.
Neste estabelecimento ha sempre um sortimento completo de roupa feita de
todas as qualidades, tambem se manda fazer por medida, vontade dos concor-
rentes, para o que tem um dos melhores professores, assim como tambem tem um
grande e variado sortimento de fazendas de todas as qualidades, para senhoras,
homens e meninos. .
Casacas de panno preto, 350 e 300000 Dits de setim preto. .
Sobrecasacas idem, 300 e 250000 Ditos de ditos e seda branco,
Paletos idem e de cores, 250, 60 e.......
200, 150 e......100000 Ditos de gorguro de seda
Ditos 'de casemira, 200, 150, pretos e de cores, 60, 50 e
120, 100 e...... 70000 Colletes de fustao e brim bran-
Ditos de alpaca, 50, 40 e 30500, co, 30500, 30 e .
Ditos ditos pretos, 90, 70, I Seroulas de brim de linho,
50,40e......30500 20490 e......
Ditos de brim e ganga de co-
res, 44500, 40, 30500 e. 30000
Ditos branco de linho, 60,50 e 40000
Ditos de merino preto de cor-
do, 100, 70 e.....50000
Calcas de casemira preta, 120,
100, 80e......
Ditas de cores, 90, 80 e. .
Ditas de meia casemira de co-
res, 50000 e.....
Ditas de princeza e merino pre-
to de cordo, 40500 e. ,
Ditas de brim branco e de co-
res, 50, 40500, 40 e .
Ditas de ganga de cores, 30 e
Colletes de velludo preto e de
50000}
50OOOj
40OOOJJ
205OQ
20000
10400
Maques sobre Portugal.
O abaixo assignado, autorisado pelo
Banco Mercantil Portnense. e na ausencia
do Sr. Joaqoim da Silva Castro, saca ef-
fectivamente por todos os paquetes sobre
as pracas de Lisboa e Porto, e mals luga-
res do reino, por qnalquer semma vis-
ta, e a praso ; podendo, os que temaren)
saques a praso,receberem avista, no mes-
mo Banco, descontando 4 OO ao anno: na
loja de chapos da ra do Crespo n. 6, ou
na ra do Imperador D. 63, segundo an-
dar.Jos Joaquim da Costa Mala.
Bonitas bonecas.
Com rosto de cera, massa e poreellana.
' Acha-se na loja d'aguia-branca ra do Queima-
do n. 8, um grande sortimento de bonecas de di-
versos lamaiiiis com rosto de cera, massa e por-
eellana : os protendentes munidos de dinheiro
acharo boa disposicao para os vender.
Itotes de cornalina
e outras qualidades para coletes
Ucncao
dono da lojadofieija-flor, na ra do Queimado
n. 63, acaba de abrir um ouiro espacoso estabele-
cimento de miudezas na mesma ra n. 69, por isso
avisa aos seus freguezes e amigos, que nestes doas
eslabelecimentos encontraro sempre grande sorti-
mento de miudezas, perfumaras e objectos de gos-
tos; e vender sempre mais barato que outro qual-
quer, como abaixo se ver.
Peales douradosde travessa.
Delicados pentes dourados de travessa para me-
ninas a 15500 cada um, ditos sem ser dourados a
500 rs. cada urn : as lojas do Beija-flor, ra do
i Queimado ns. 63 e 69.
Voltinhas de aljofares.
Lindas voltinhas de aljofares com cruzes de pe-
A Aguia branca acaba de receber um novo e' granas imitando a brilhantes a 14 cada urna : nas /\ 1^5r_a\T^T^i frl 7\ ,#\
riado sortimento daquelles apreciados botoes de, ljas do Be.ja-flor, ra do Queimado ns. 6J e 69. IA P H I SI ^ I lT /*\ II
malina brancos e encarnados, chatos e redon- Lavas de Jouvio lilX IX. U >Hdi Vii%ls/
70000
70000
40000
40000
90500
Ditas de algodao, 10600 e. .
Camisas de peitos de linho,
40, 30 e. ...... 20500
Ditas de madapolo, 20500,
20 e........10600
Chapeos de massa, pretos fran-
cezes, 100, 90 e. 80500
Ditos defltro, 50, 40,30500 e 20000
Ditos de sol, de seda, 120,
110, 70 e......60000
Collarinhos de linho fino, ulti-
ma moda duzia. .
Sortimento completo de grava-
Arrendase, vende-se, ou mesmo troca-se por nneiro acnara sorumenio a vomaui
casas na praca um sitio na Varzea raargem do Queimado loja^d Agu branca n. 8.
ameno Capibaribe, com duas grandes casas, com BWMMIOS i. lAl.Vl.MIAN
! 7 quartos, 4 salas, 2 cozinhas e um soto, tendo a nerflimarias.
' Pa,e rW 2 de 3^h^rlS- Na ra do Queimado n. 8 loja d'Agua-Branca
IWift'SJia*.^?de umb go e^a freguezes munidos de dinheiro encontraro Don?
tos bausinhos cobertos de couro e com 6 frasqui-
ahos de extractos por 15500 cada um, e muros
cobertoi de papelo com 9 frasquinhos por 25000
um; caixinhas com 6 frasquinhos de dos por
van^_.
cornalina brancos e encarnados, chatos e redon- Lavas de Joiiuii
dos para coletes, cujas abotuaduras continuam a. Chegaram pelo ultimo vapor as desejadas luvas
ser vendidas pelo commodo e inalteravel preco de de Jouvin de todas as cores, tanto para homens
25 cada urna. como para senhoras : as lojas do Beija-flor, ra
Alera desses recebeu tambem outros de madre- do Queimado ns. 63 e 69.
perola, massa e osso, com differen/es moldes para Talueres para meninos.
o mesmo fim. Vendem-se talheres de cabo de balanco para me-
J se v, pois, que o pretndeme munido do di. nnos a 280 rs. talher : as lojas do Beija-flor,
nheiro achara sortimento vontade na ra do
os
tas.
20500 Toalhas parroslo, duzia, 110,
e........
cores, 90 e.. ." 70000 Chapeos deso, de alpaca, pre-
Ditos de casemira preta, 50 e 40000 tos e de cores.....
Ditos de ditas de cores 50 Lences de bramante de linho.
40 e........30500 Cobertas de chita chineza.. .
60000
0
60000
! tis, fructa-pao, limao doce, limas
| Persia, larangeiras de umbigo, seletas, tangerinas.
! etc., um grande cafesal cora fructas, jaqueiras
mangueiras, coqueiros, dendezeiros, com mais no
: fundo urna casa de laipa, e bem assim mais 4 ca-
1 sas de lijlo acabadas de pouco te.mpo, com frente
K para o nascente, muito frescas, tendo cada urna 2
i salas, 2 quartos e cozmha fra : os pretendentes
5 dirijara-se ra do Queimado n. 27, loja de fazen-
|! das dos Srs. Custodio & Gajrvalho.
mmwmm-mmamm
DENTISTA DE PARS |
19Ra Nova-19
Frederico Gautier, cirurgio dentista, |
faz todas as operaces de sua arte, e col- fl|
loca dentes arficiaes, tudo com superio- 2
ridade e perfeico, que as pessoas enten- I
didas lhe reconhecera.
Tem agua e pos denuncio.
ra do Queimado ns. 63 e ti'.'.
Colhcres de metal principe.
Vendem-se colheres de metal principe muito fi-
nas para sopa a 3-3600 c 45400 a duzia, ditas para
cha a 25 e 25400 a duzia, ditas para assucar a
600 rs. cada urna, ditas para terrina a 25 cada
urna, e so quem vende por estes presos as lojas
do Beija-flor, ra do Queimado us. 63 e 69.
Facas e garios.
Vendem-se facas e gsrfos oitavados a 25800 a
15000 urna, outras com 12 ditos por 25000 urna, duzia, ditfs cravadas, cabo preto e branco a 35 a
outras com 3 ditos, cuja coberta parece tartaruga, duzia, ditas de balanco de 1 blao linas a 55-00
a 15500 cada urna, e outras com pastilhas de chei- ditas de 2 boides muito finas a 65500 a duzia, ditas
ro a 500, 15000 e 25000. i de 1 bolio para doces e fructas a 55 a duzia, ditas
Envelopes bordados e carles com fcei- *ii^jTgoy* ** *> *u*
ras douradas. Tiras bordadas.
Na loja da aguia branca, ra do Queimado n. 8,1 \rendem-se liras bordadas, a peca a 15100, 15200
achavam-se venda bonitos envolopes bordados e e 1,5300 as lojas do Beija-flor, ra do Queimado
cartoes com beiras douradas, tendo de uns e de HS, 53 e 69.
M

outros, maiores e menores, proprios para partici-
pares de casamentos, bailes etc.
Completo sortimento de fitas
finas, lisas e lavradas.
A aguia branca recebeu um grande e completo |
sortimento de fitas de diversas larguras e qnalida-
ellas co-
Kabados Lordadus.
Vendem-se babados bordados de varias larguras
a peca a 15000, 15800, 25, 25200 e 25400 : as
lojas do Beija-flor, ra do Queimado ns. 63 e 69.
Liados patinaos.
Vendem-se lindos sapanhos para baptisados de
*X a nar nal IfliaS do Beija-
40000 m
30000
20500 m
des, tanto lisas como lavradas, e em todas ellas co- f rancas a 15500 e 25 b par : as lojas
i nhece-se a superioridade da fazenda, notando-se florj rua j|0 Queimado ns. 63 e 9.
^-Wra'WWWtwWWiW as lavradas o bom gosto dos novos e lindos dse- Bo(5es parj punn0Si
- Aluea-se um sitio na estrada da Ponte de nhos ISS0 tanl na causadas como as brancas Vendem-se betoezinhos demadreperolaedemar-
Uchoa e a margem do rio pouco adiante do Illm.; e pela commod.dade dos pre?os o pretendente que fim hos m rs dVt0S cncarnadi-
B^iSX NeVjVrein, tendo banheiro, 4ngr munido def'^*^Q^^o.nho. isSr,. o par : as lo'jas do Beija-flor, rua
w&
< w*^x^<
'Mi
GRANDE FABRICA
palanque, galinheiro e outras acommodacoes; e
outro dito no Monteiro, em frente ao oitao da igre-
ja : a tratar com Antonio Jos Rodrigues de Sou-
mero 32.
loja da aguia branca n. 8, ser bem servido,
Capachos inglezcs.
Na loja da aguia branca, rua do Queimado n.
DE
CHAPEOS DE SOL
De J. Falqve.
4 RM HO CRESPO-4
Esta fabrica, a mais antiga e acreditada (Testa capital, acha-se de novo montada com um
variado sortimendo de chapeos de sol nglezes e franceze?, assim como de tudo quanto diz respeito;
sua profissao, como seja superiores sedas, alpacas e panno de todas as cores e qualidades, ar-
macSes e mais preparos para apromptar chapeos de sol vontade dos freguezes que se dignaren) de
honrar este estabelecimento.
Cobre-se e concerta-se toda e qualqucr qualidade d'estes artigos com a maior perfeifao e pres-
teza, e tudo por precos muito rasoaveis.
Bonito sortimento de bengalas precos cemmodos.
41 -- Rua do Crespo -- 4
CONSULTORIO MEDKM1IUIGIC0
Saques sobre Portugal.
Antonio Luiz de Oliveira Azevcdo
Agestes do Banco I'.nio do Porto.
Competentemente autorisados sacam
por lodosos paquetes sobre o mesmo Ban-
co para o Porto e Lisboa e para as se-
guintes agencias:
de bonitos sao de immensa duraco, pelo que
tornara baratos pelos presos de 45, 55, 65 e
cada um.
Cartas francezas.
se
75
do Queimado ns. 63 e 69.
Filas para drurun de TCstidos.
Vendem-se titas de. laa de todas as cores para
za, rua do Crespo n. 15, ou eslreita do Bosario nu-1 ^ndem-se bons capachos ingleze^os^quaesjlem debrom de ves,j(Jo a m rs a peaj dilaj preias
de seda a 15100 a pei;a : as loja do Beija-flor,
rua do Queimado ns. 63 e 69.
ritas brancas para dehrtim.
Vendem-se pecas de lita branca de linho para
A agu.a branca, na rua^Que.mado iMe- debrQm a 400y a peQa nas ,ojas do Beija flor
na rua do Queimado ns. 63 e 69.
beu um novo sortimento de finas cartas francezas
com beiras douradas e brancas, e as est venden-
do baratamente a dinheiro vista.
Objectos de phantasia vindos
para a agnla branca.
A aguia branca recebeu novos e bonitos objec-
| tos de phantasia, alguns dos quaes nunca vistos
sendo
DO
Amarantes.
Arcos de Val de Vez.
Aveiro.
Barcellos.
Bastos.
vara.
Fafe.
Faro.
Vianna do Castello.
Villa do Conde.
*t\'illa Nova de Porti-
mo.
Villa Real.
Villa Nova de S. An-
tonio
Vizeu.
Beja.
Braga.
DR. PEDRO DE ATTAHYDE LORO MOSCOSO, ito*
MEDICO, PARTKIRO 12 OPERADOR.
3 llua da Gloria, casa do Fimdao 3
O Dr. Lobo Moscoso d consultas gratuitas aos pobres lodos os dias das 7 s 1
horas da manhaa, edas (5 e meias 8 horas da noile, excepcao dos dias sanliQcados
Pharmacia especial fiomeopatkica
No mesmo consultorio ha sempre o mais appropriado sortimento de carteiras
tubos avulsos, assim como tinturas de varias dymnamisacoes e pelos preces seguintes
Carteiras do 12 tubos grandes. 125000
de 24 tubos grandes. 185000
de 36 tubos grandes. 245000
de 48 tubos grandes. 305000
de 60 tubos grandes.
355000
Prepara-se qnalquer carteira conforme o pedido que se fi/.er, e com os remedios
que se pedir.
Um tubo avulso ou frasco de tfntura de meia onca 15' 00.
Sende para cima de 12, custaro os precos eslabelecdos para as carteiras.
Ha tubos mais pequeos cada um a 500 ris.
LITROS.
A melhor obra da homeopathia, o Manual de Medicina,Homeopathico do Dr. Jahr,
dons grandes volumes cm diccionario............ 205000
Medicina domestica do Dr. Bering,........... 105000
Repertorio de Dr. Mello Moraes............. 65000
Diccionario de termos de medicina ........... 35000
Os remedios deste estabelecimento sao por demais conhecidos e dispensara portan-
te de serem novamente recommendados as pessoas que quizerem usar de remedios ver-
daderos, enrgicos e duradores: ha tudo do melhor que se pode desejar, globos de ver-
dadeiro assucar de leite, notaveis pela sua boa conservado, tintura dos mais acreditados
estabelecimentos europeos, a mais exacta e aecurada preparaco, e portanto a maior ener-
ga e certeza em seus effeitos.
Casa de sade para escravos.
Recebe-se escravos para tratar de qualquer enfermidade ou fazer-se-lhe qualquer
operaco, para o que o annunciante julga-se sufJQcienteraente habilitado.
O tratamento o melhor possivel, tanto na parte alimentar, como na medica, e
funecionando a casa a mais de quatro annos, ha muitas pessoas de cujo conceite se n5e
pode duvidar, que pdem ser consultados por aquellos que desejarem mandar seus
doentes.
Paga-se 25000 por da durante 60 dias e d'ahi em diante I5.'i0.
As operaces sern previamente ajustadas, se nao se quizerem sujeitar aos precos
azoaveis que costuma pedir o annunciante.
SEGUROS DE VIDA EM MUTUALIDADE.
A direccao do BANCO UNIAO tendo btid do governo de S. M. F. a autorisacio para estbele
cer o seforo de vidas em mutualidades, faz publico que desde j toma subscnp$5es annuaes por urna
so vezTdebaixo das seguintes condicSes :
Com perda de capital e lacros;
Dito capital smente;
han lucros smente;
devendo a primeira liquidacao ter lugar no 1* de Janeiro de 1859.
As vanugens do emprego de capitaes em mutualidade, sao obvias, porque nao smente se co-
in o juro de quantias diminutas, de que avulsas se nao poderia tirar nenhum resultado; mas alem
disso, este rendimento augmenudo pelo capital ou lucros, ou ambas as cousas, conforme as condigoes
da subsenpeao, dos que tallecem. Tambem partido pelos socios sobreviventes tudo aquillo que os so-
cios morosos nos seus pagamentos, sao por este motivo obrigados a pagar, bem como caducidades que
occorrerem pela falta de cumplimente do compremisso social.
As liquidaedes sao pelo systema das companhias hespanholas, Tutelar e outras; e parase poder
fazer orna idea do que pode produzir urna entrada annual de 104, publica-se a seguinte tabella basea-
da sobre a experiencia de rauito annos decompanhias desta natureza :
En S annos Em 10 annos En 15 annes Em 20 annos Em 25 ana*.
Lagoa.
Lagos.
Lamego.
Leilia.
Monijao.
Moncorva.
Oliveira de Azemeio.J
Chaves.
Coimbra.
Covilhaa.
Elvas.
Extremos.
Penna Fiel.
Pinhal.i
Porto Alegre.
Hegoa.
Setubal.
Taver.
Thomar.
llha Terceira.
f'Castella Branco. Fayal.
f'Figucira. Madeira.
tGuarda. S. Miguel.
Qualquer somma prazo ou vista,
podendo logo os saques prazo serem
descontados no mesmo Banco a razaq de
4 por cento ao anno ; a tratar na rua da
Cruz n. I.
m
Desencaminho-se boje do poder do abaixo
assignado urna letra da quantia de 366075, que
saccaram em 31 de maio prximo passado. a oito
mezes, e Ibes foi acceita pelo Sft Joaquim Bodri-
gues Tavares de Mello, desta praca, e com quanto
esta letra nao possa ser negociada, nem mesmo
aproveitar a outrem, porque alem da falta de sel-
lo nao est passada a ordem pelos saccadores, ni-
cos competentes para a transferencia da sua pro-
priedade, comtudo julgam do seu dever fazer esta
decliracao para evitar duvidas futuras, assim co-
mo que a consideran) de nenhum valor em poder
de quem se achar. Recife, 27 de junho de 1864.
Monteire, Lopes & C.
e
lucas lilas lavradas.
Vendem-se muito ricas fitas lavradas para sinto
de senhora e meninas : nas lojas do Beija-flor, rua
do Queimado ns. 63 e 69.
Espc I los de Jacaranda.
Vendem-se espelhos de columnas, de Jacaranda,
a 35 e 4$o08 cada um, ditos de madeira amarella
a 2i00 e 25800 : nas lojas do Deija-fior, na rua
aqu,
Bonitos aderecos completos feitos de pcrolas'falsas
Ditos ditos de pedras, por cuja perfeico e bom do Queimado ns. 63 e 69.
gosto quasi se nae distinguen) das vrdadeiras.' Filas de velludo estrellas.
Lindas pulseiras de mosaico.
Dtia dita de perolas falsas tanto para senhoras
como para meninas.
i Dita de chapa de crystal com listas douradas.
Dita de cornalina branca, azul etc., etc.
Bonitos alfinetes e anneis para gravatas.
Bonitos pentes de concha, obra de apurado gosto.
Outros travsssos com pedras para meninas.
Bellas guarni$oes de pentes dourados, ornados
cora caixos de uvas, feitos de aljfar, obra su-
blime.
Outras igualmente bellas, todas de fino dourado e
cora pedras.
Outras a tartarugadas, nada inferior a aquella.
Voltinhas de aljfar branco e de cores com cruzes
de pedras.
Esses e outros muitos objectos acham-se a venda
na rua do Queimado, loja da aguia branca, n. 8.
SAPATOS DE BIRRACHA
a IgOOO, 105OO e 9gZOO o par
na rua do Queimado loja d'Aguia-Branca n. 8.
Vendem-se Oteabas estrellas de velludo para en-
feite de vestido a 900, 15 e 15200 a peca: nas lo-
jas do Beija-flor, rua do Queimado ns. 63 e 69.
Trancas de laa para bordar.
Vendem-se trancinhas de laa pretas para bor-
dar camisinhas e vestidos a 80 e 160 rs. a pecinha,
ditas brancas com 40 varas a 600 rs. a pe^a, e ou-
tras muitas cousas que se tornai ao enfadeiiho men-
ciona-las, pois s coma vista se poder vero gran-
de sortimento das lojas do Beija-flor, na rua do
Queimado ns. 63 e 69.______________________
ou fina a vontade do comprador
Um
COMPRAS.
Compra-se um ferro de fazer hostias em bom
uso : quem o tiver pde-se dirigir esta lypogra-
phia, ou ao Sr. Jos dos Santos Nevos na rua do
Crespo._____________________________
Compra-se ouro e prata em obras velhas
paga-se bem: na loja de bilhetes da praca da Inde
pendencia n. 22._________________________
Compra-se um raoxo para piano : na rua do
Cabng n. 11, botica.
Compra-se um preto de meia idade que nao
tenha vicios nem achaques : na rua da Cruz n.
18, armazem.
Na rua da Cadeia do Recife defronte do Bec-
co Largo n. 25, precisa-se comprar urna casa de
um andar com quintal e cacimba e na falta della
urna terrea que tenha bons commodos e quintal,
situada em qualquer rua dos bairros da Boa-Vis-
ta, Santo Antonio e Recife mesmo at a rua do
Brum, paga-se bem agradando o lugar e os com-
modos : quem a tiver e quizer vender dirija-se
casa cima mencionada no segundo andar que
achara com quem tratar.
coafeito e especifico para
expellir os Vermes.
Pasihas
DE
(TtlliflIilS
KEMP.
YENDAS.
VENDE SE
Por um menino de 1 dia a i anno H05
. de i anno a 2 905
de 2 a 3 > mi
> de 3 a 865
de Por urna pessoa de 4 > 15 a iS i i 20 > 865 865
.de 20 > a 30 86*
> de 30 > a 40 > 865
i de 40 > a 50 * 905
4005 9005 2:0005 4 7065
3005 7505 1:7005 3 7005
2965 7205 1:6005 3 5005
2805 7105 1:5605 3 4005
2705 7005 1:5505 3 3505
2705 7805 1:5405 3 3305
2705 710# 1.5605 3 4005
S75 7105 750* 1:6000 3 7005
3C* ;8005 5 0005
As entradas por urna s vez dio resultados muito superiora .*s annuaes.
Porto, 10 de Agpsfo dp 1863.Os directores do Banco Uniao, Jaie ** Silva Maekaia.-*F- M. van
ier Niepoort.
Agentes em Pernamjjgcp,: Antonio Luiz de Oliveira Ale vedo & C, rua. m UW n. 1.
*
os romances de Camillo Castello-Branco A filha do
arcediago por 15560 rs., Anathrma por 15500, e
Sctnas contemporneas por 15500; Btcordatpes
de Paris e Londres por J. Cesar Machado por 15200
rs.; Scenas da minha trra pele mesmo por 15200;
Contos do lio Joaquim por Rodrigo Paganino por
15200; Manon Letcant por A. de Presbot por
15200 ; Cantos Matutino* por Gomes de Amorim
por 15500 ; Pensatnentos e mximas pelo conse-
Iheiro Bastos por 75000; Guia Luso-Brasileiro por
I. M. de Lemos por 25000 ; Revista Contempor-
nea de Portugal e Brasil anno de 1859 por 55000;
Obras completas de Alvares de Azevedo por 85000;
Paginas sellas poesas de Calazans por 600 rs.;
Poesas de Costa e Silva por 25500 : na rua do
Cabug loja n. 2 A.________________
Vendem-se caixoes vasios a 1:760
cada um: na na das Cruzes n. 44.
"~~ Venderse ou permuta-se por duas crias de 3
4 annos de idade urna negra de meia idade, sera
vicios nenhuns, muit boa quiundeirae muito fiel: |
no paleo do Terco n. 141.______________^__
Taboas de pinho
Aindatem um resto de taboas de pinho da Sue-
cia para vender-se : a tratar com Rothe & Bidou-
lac, rua do Trapiche n. 18, escriptorio._________
Vende.se sal do Ass a bordo do patacho
Andr, fundeado defronte do Forte do Mattos: tra-
ta-s com o capilao a bordo, ou na rua do Vigario,
armazem naval a. 1.
Op meninos .s pedem i gritos, porque
ellas sfio de efaeiro, sabor e cor agrada-
reis. A elegancia, a eegaridade de ac-
eito, o nosfeneivo das
Pastilhas Vermfugas de Kemp
A PAR DA SCA
Composfciio exclusivamente Vegetal,
sao estas pois as mas melhores e maie
completas de todas as recommendaees
que se possa fazer e com justa razo as
colloco na categora d'um favorito uni-
versal.
A superioridade das
Pastilhas de Kemp
Bobre todas as preparaces destinadas
para o mesmo m devido 6ua sim-
ples composico o seu aroma agrada-
vel c rapidez c intallibilidade com
que alcanca a destruico total das
LOMBRIGAS.
A venda nas boticas de Caors & Barboza,
roa da Cruz, e Joo da C. Bravo & C, roa
da Madre de Dos.
BOTICA E DROGARA
de
Francisco Ferreir Crespo
Ciolaaaa.
Vende-se:
Salsa parrilba de Bristol.
Pilulas assucaradas de Kemp.
Pastilhas assucaradas de Kemp.
Agua florida de Morray & C.
Peiloral de anacahoita.
Xarope de citrato de ferro de Chable.
Elixir de citro lactato de ferro.
Inieccao Brow.
Pilulas americanas contra sesoes.
Pilulas purgativas de Dehant.
Pilulas do Dr. Alison.
Pilulas da vida.
Xarope vegetal de Penedo.
Promplo alivio.
Pilulas reguladoras.
Xarope alcoolico de vellame. ^___
RIVAL SEM SEGUNDO
Rua do Queimado ns. 4!) e 55, loja de miudezas
de Jos de Azevedo Maia c Silva, esl continuando
i no seu progresso de vender baratssimo :
Capachos grandes e superiores a 500 rs. cada um.
Caixas de superiores brelas de cola e massa a
I 40 rs.
; Cordao branco para vestido e espartilho, vara 20
rcis.
Linhas de carretel (150 jardas) de superior quali-
dade a 60 rs.
Cartoes de liulia Pedro V (200 jardas) j muito
conhecida a 40 rs.
Grozas de peonas de ac de muitas qualidades e
superiores a 500 rs.
Caivetes de duas folhas porm finos a 500 rs.
Caixas com calungas muito bonitas para rap a
100 rs.
Franja branca e de cores para toalhas a 160.
Pares de botoes para punlm muito bonitos a 120.
Caixas com soldados de chumbo muito bonitos a
126 rs.
Tinteiros de vidro com superior tinta a 160.
Ditos de barro com superior tinta a 100 rs.
Greza de botoes de louca pratiados, o melhor, a
; 160 rs.
Tesouras para costura, o mais superior, a 400 rs.
Ditas para unhas muito finas a 400 rs.
Escovas para impar denles muito superiores a
200 rs.
Libras de laa de todas as ceres (pesada) a 75.
Caixas de phosphoros de seguranca a 160.
Ditas de papel amizade pautado e liso a tiOO rs.
Ditas cora 100 anvelopes muito superiores a 800
ris.
Cadernos de papel branco e de cores, pequeo, a
20 ris.
Cartas e taboadas para meninos a 80 rs.
Caixas com superiores iscas de acender charutos
a40rs.
Carreteis de linha Alexandre (200 jardas) de cores
aflOrs.
Baralhos para vollarete muito linos a 240.
Cartas de alfinetes francezes muito finos a 40 rs.
Meadas de linha f'xa para bordar a 20 rs.
Pares de sapatos de tranca muito superiores a
15600.
Papis de agulha com um pequeo toque a 10 rs.
Groza de botoes de madreperola muito finos a
560 rs.
I Cartoes e caixas de celchetes francezes superiores
a 40 rs.
Bonets para meninos muito finos a 15500 e 25-
Macos de grampos superiores e limpos a 40 rs
Groza de phosphoros do gaz muito novos a
I Areia preta muito superior a 100 rs.
Caixas de rap com espelho a 100 rs.
Realejos para entreter meninos a 80 rs.
Pecas de fita de linho muito boas a 40 rs.
Pentes de laeo muito bonitos a 15-
Enfeites de laco de todas as cores a 15JOU
1 Rodas com alfinetes francezes a 20 rs.
Caixas com quatro papis de agulhas impenaes a
Sabonetes de familia a 80, 160 e 320.
Caivetes de duas folhas muito finos a JzO.
Pares de sapatos de laa para meninos a 400 rs.
Sapatos de tranca para senhora e para homem, os
25200.
O Vigilante est alerta, nao lhe era permettido
deixar passar desapereebido sem que nao dsse o
seu canto afim de annunciar ao respeitavel publico
o grande sortimento degalantarias do melhor gosto
propriamente para qualquer mimo, que acaba de
chegar neste ultimo paquete, assim como muitos
outros objectos que recebe por diversos navios,
tanto de sua conta como de consignacao, que est
resolvido a vender por precos muito baratos para
vender muito e ganhar pouco, e dar extracciio ao
grande deposito que tem, que espera merecer a
proteccao do respeitavel publico, empregando para
isso todas e as melhores diligencias para que li-
quem satisfeitos : islo s no Gallo Vigilante, rua
do Crespo n. 7.
Rieas porta-joias.
Cofre de muito gosto por 165000
(>-tnhas transparentes,forradas de madre-
perola por 185000
Lindas jardineiras 105000
Ricos cofres com camapheu 105000
Lindas caixinhas com pedras brancas 105000
Lindo halan com calunga dentro tambem
para joias 165000
Tambalier para ditas 95000
Ceslinhas idem dem 65000
Cosmorama idem idem C5000
Urnazinha 65000
S no Vigilante, rua do Crespo n. 7.
Ricos porla-bouquetes de diversos gostos c pre-
cos : s no Vigilante, rua do Crespo n. 7.
Ricos miiIus
com bolcinhas ao lado a 10, 12 e 155, ditos sem
bolea, porm do mesmo gosto, a 25500, 35, 35500
e 45, ricas flvelas avulsas para sintos, o melhor
! que se pode encontrar, a 15500, 25, 25500 c 35 :
s no Vigilante, rua do Crespo n. 7.
Caha7.es mi cestinlus.
At que chegaram as desejadas cestinhas ou ca-
bazes para as meninas trazerem no braco, o mais
rico possivel, a 25500, 35500, i, 5, 7 'e 105 : s
no Vigilante, rna do Crespo n. 7.
Penles.
Neste artigo tem um grande sortimento, tanto
para alisar como para atar cabello, o mais lindo
que se pode de^ejar, assim como de arregacar ca-
bello, tanto de borracha como de tartaruga, com
enfeite e sem elle .para meninas : s no Vigilante,
rua do Crespo n. 7.
Pentes
Tamben) chegaram os riquissimos pentes de
concha de tartaruga e de massa lina, que se vendo
por 25, 3 e 55 : s no Vigilante, rua do Crespo
numero 7.
Lcqucs.
Riquissimos leques de madreperola, tanto para
senhora como para mocinhas, pelo barato preco de
12 e 145 : s no Vigilante, rua do Crespo n. 7.
Mais leques.
Com pequeo defeito, leques de sndalo, por ha-
rato preco, a 85 e 105. chinezes, muito bonitos,
tambem'por barato pre?o de 4 e 55, bentarallas
muito bonitas tambem por barato preco de 4 e 55,
leques de cbaro tambem por 45, tudo isto para
acabar, perdendo-se talvez 80 0|0 : s no Vigilan-
te, rua do Crespo n. 7.
Pulseiras.
Lindas pulseiras de contas e de missanga, cores
muito lindas e de muito gosto a 15 e 15200.
Para segurar manguitos.
Tambem chegaram as liguinhas estreitinhas de
borracha que as senhoras tanto precisan para se-
gurar os manguitos por ser muito commodo e mui-
to barato, a 320 o par: s no Vigilante, rua do
Crespo n. 7.
Sanatiuhns e moias tic seda.
Riquissimos sapatinhos de seda e de merino en-
feilados, assim como meiaszinhas de seda, gorra-
zinhas e louquinhas para as criaiu-inhas se bapti-
sarem : s no Vigilante, rua do Crespo u. 7.
Vo i lili lias.
Lindas voltinhas de perolas falsas com cruzinhas
fingindo brilhantes, assim como cruzinhas avulsas
e voltinhas, pelo barato preco de 15 e 15200, as
cruzes avulsas a 400 rs. : s no Vigilante, rua do
Crespo n. 7.
Carretas.
Riquissimas carretas de madreperola proprias
para qualquer presente, pelo baralissimo preco de
15500 e 25.
Golinlias.
Riquissimas goiinhas e mancuitos, o melhor gos-
to possivel, a 25, 25500 e 35: s no Vigilante,
rua do Crespo n. 7.
Enfeites para senhora.
Riquissimos enfeites com laco e sem laco e de
outros muitos gostos a 15, 15500 e 35 : s no Vi-
gialnte, rua do Crespo n. 7.
Trancelins.
Lindos trancelins de cabello para relogio ou lu-
netas, pelo baratissimo preco de 15500, ditos de
retroz a 200 rs.
Ha I.-.diiihos enlreiueios.
Riquissimos babadinhos entremeios com lindos
desenhos tapados e transparentes, pelo baratissimo
preco de 15200, 15500, 25 e 35 : s no Vigilante,
rua do Crespo n. 7.
Oscarrilhas.
Grande sortimento de cascarrilhas de diversas
larguras, assim como galaozinho e trancinhas pro-
prias para enfeites : s no Vigilante, rua do Cres-
po n. 7.
Fitas.
Grande sortimento de filas de diversas larguras
e qualidade, por precos que admirara aos compra-
dores, havendo filas largas proprias para sinteiros
que se pode vender a 300 rs. a vara, e peca de 3
varas a 25 : s no Vigilante, rua do Crespo n. 7.
Fitas de la.
Pitas de laa de todas as qualidades. proprias para
debrum de vestido a 700 rs. a peca : s no Vigi-
lante, rua do Crespo a. 7.
liicos espelhos,
Riquissimos espelhos com moldura dourada e
sem ella de 85.10,12 e 145, assim como con co-
lumnas de diferentes tamanbos a 25, 3, 4, Se65:
s no Vi guante, rua do Crespo n. 7.
Liados jarros e ligaras.
Riquissimos jarros e figuras de porcelana fina
para enfeite de sala, sendo o melhor gosto que aqui
tem apparecido : s no Vigilante.'
Para pos de arroz.
Riquissimos vasos com boneca para pos de ar-
roz, cousa de muito gosto a 15500 e 25, assim co-
mo pacotes s com os pos a 320 rs. cada nm : s
no Vigilante, rua do Crespo n. 7.
Perfuaaarlas.
Grande sortimente de extractos e banbas, poma-
das, assim como os lindos copos eu vasos com dis-
tinctivos e offerecimentos s sinhazinhas, dos me-
lhores e mais afamados autores de Paris e Ingla-
terra, assim como os grandes copos de banba japo-
niza a 25 e a 15 i assim como outros objectos que
nao possivel por hoje annunciar, e vista dos
freguezes se far todo negocio : na loja do Gallo
Vigilante, rua do Crespo n. T.
Veude-se o engenho Diamante, sito na co-
marca de Goianna, urna legoa distante da cidade,
com excellentes trras de planta?ao e muito boas
obras : quem o quizer comprar, dirua-se ao Reci-
fe, casa dos Srs. Joao Pereira Moutinho, ou Ro-
en* & Lima na rua da Cadeia do Recife, e em Goi-
anna ao Sr. Trajano da Costa Ribeiro : qualquer
desses senhores poder dar informaodes
scuiiui ra uuiici a uai *\\iw Sobre O
melhores que tem v.ndo e por prew mu^rato- engenno e indicar a ssoa com quem so oever
Sem quizer ver, venha a rua do (jueimado ns. | lra"lar
e 55. e ver tudo como bora e barato.
Albuus para vinle retratos.
Vende-se os lindosalbuns para vinle retratos pe-
lo barato preco de 15 cada um : s no vigilante
- Vende-se ou permuta-se urna das melhores
olarias na camboa dos Remedios, que tica defronle J,JJ"n 7
da olaria do Sr. Joo Anasucio, e que tem grande ------ /"-
extenso de terreno em que se pode levantar amda Vde-M ain cabr,0,el: no P*le0 do Parai"
mais duas : a tratar na rua Augusta n. 86. zo n. 26.
tratar.
Vende-se um terreno com 20 palmos na tra-
vessa da rua do Principe ao p de ama casa noya
que nao est acabada : a tratar na roa da Gloria
numero 79.________________'__________
Vende-se urna cadeirinha com pouco uso,
prompta com correias : a tratar na rua do Rosario
n. 56, em frente a rua do Arago.
ILEGVEL


Diarlo de PcrnaaHae* Tere* fe Ira a 8 de luaho 4c 18 4.
GRANDE
sortimento de fazendas novas vindas
pelo vapor inglez para o propriela-
riodo grande armazem e lja de fa-
zendas da Arara, ra da 'mperatriz
n. 56, de Loureiico Pereira lleudes
(ioi maraes
Pechincha, a 3200.
Vndese baratissimo para aparar dinheiro, a
saber: corles de chitas francezas de cores escaras
e claras com 10 covados por 34900, ditos de chitas
Grande liquidadlo
de hit odas na loja do Patio, ra da lmperatriz a.
60, de Uan A Silva.
AcOa-ie este estabelccimento completamente sor-
tidodo fazendas inglezas, francezas, allemaes e
suissas, proprias tanto para a praca como para o
mato, prometiendo vender-fe mais barato do que
ena ontra qualquer parte principalmente sendo em
porcSo e de todas as fazendas do-se as amostras
deixando flear penhor ou maodam-se levar em ca-
sa pelos caixeiros da loja do Pavao.
As chitas do Pavao.
Vendem-se superiores chitas claras e escuras pe-
e ciara* cun w royanos or o#zuu, anos ue emus ,0 baral0 preco Qe 2i0 e 280 rs.sendo tintas sgu-
ERm?8/. H?00, dKS ***? tnmf ~Le > dlas francezas linas a 320, 340, 360, 400 e
zo00, ditos de cambraia de salpicos a 2J500 e J:
s na Arara, ra da lmperatriz n. 56.
A Arara vende a 2 iO rs.
300 rs., o covado, ditas pretas largas e estrenas,
riscados escoeezes finos a 240 rs. o covado, islo na
loja do Pavao ra da lmperatriz n. 60 de Gama
Vende-se organdys fino para vestido a 240, 280 Silva,
e 320 rs. o covado, cassa franceza fina a 320 o co- js cggai do Pavao a 210, 280, 300 e 320 rs.
vado, gorgurao de linho para vestido a 380 o cova- yendem-se finissimas cassas persianas cores ft-
do : loja da Arara, ra da lmperatriz n..56. m a 32o rs. o covado,ditas francezas muito finas
A Arara vende laziuhas de urna sp cor a 240 e 280 rs., ditas ingzezas a 240 e 280 rs. o
a CfO rs I covado, flnissimo organdy matisado cora desenhos
Vendem-se ricas lazinbas lisas proprias para miudinhos a 320 rs. o covado, cassas garibaldinas
camas e vestidos, os melhores goslus possiveis, a muito finas a 320 rs., isto na loja do 1 avao ra da
640 o covado, ditas Maria Pia muito fina com pal- lmperatriz n. 60, de Gama 4 Silva,
mas a 640 o covado: ra da lmperatriz n. 56, loja As lazinhas da eiposiro do Pavao.
Vendem-se as mais modernas lazinhas mossan-
bique chegadas pelo ultime vapor francez sendo
de urna s cor ou de listas miudinhas com 4 pal;
da Arara.
Corees de casenilra a %$
Vende-se cortes de meia casemira para calca a
2,8, ditos melhores a 2,5500 e 35, ganga para calca
a 440 o covado, brim de linho preto a 500 rs. o
covado : ra da lmperatriz n. 5o.
Fil de linho a S2 rs. a Tara
Vende-se fil de linho branco proprio para forro
de vestido a 320 rs. a vara, tarlatana de cores
a 640 a vara, fil de linho lino a 800 rs. a vara :
na ra da lmperatriz n. 56.
Veos para senhoras a l.ooo rs.
Vendem-se os mais modernos veos para chapeos
de senhoras a 15 un, de todas as cores, manguitos
de fil e bordados a 500 rs., manguitos e gola a
15, golinhas para senhoras e meninas a 240 c 320
cada urna, camisinhas linas para senhoras a 25 e
45500 : s na Arara, ra da lmperatriz n. 56.
Arara vende os caries de lia Maria Pia a 18$.
Vendem-se ricos cortes de la de barra os me-
lhores que tem vindo, pelo prego de 185 o corte,
ditos a 85. vende lazinhas em covado a 240, 280,
320, 400, 500 e 640 o covado, dtas lisas de cores a
640, casemiras para capas de senhoras a 25 o co-
vado : ra da lmperatriz n 56, loja e armazem da
Arara, de Mendes Guimariies.
Bramante da Arara a 2S200 a vara.
Vende-se bramante de linho de 10 palmos a
25200 a vara, panno de linho para saceos e cerou-
las a 640 a vara, hamburgo de linho a 410, 560 e
600 rs. a vara, brim de linho branco fino a 15200,
15400 e 15600 a vara, dito pardo a 800, 640,15 e
1$200 a vara : ra da lmperatriz 11. 56.
Chitas da Arara a 2 iO rs.
Vendem-se chitas finas a 240 c 280, ditas largas
a 320, 360 e 400 rs. o covado, de cores fixas : ra
da lmperatriz n. 56, loja da Arara, de Mendes Gui-
maraes.
Chales da Arara a 2>i0(i.
Vendem-se chales da merino estampados a 25,
25500, 455OO e 55. ditos de laa e seda a 15 : ra
da lmperatriz n. 56, loja da Arara.
Oh! que pechincha, a 1.MHI0.
Vendem se lencos de seda grandes a 15, ditos
pequeos a 800 rs., gravatas de seda de cores a 500
rs., ditas pretas de laa e largas a 800 rs., collari-
nho para homem a 400 rs., meias croas a 200, 240,
300 e 500 rs. o par : ra da lmperatriz n. 56, loja
da Arara.
Fazendas pretas para luto, cassas, a 320 rs.
Vendem-se cassas pretas para luto a 320 o cova-
do, veos pretos para chapeos da senhoras a 15,
luvas de seda pretas a 15, princeza preta enfesta-
da a 640. 800 e 15 o covado, alpaca preta a 500,
640 e 800 rs. o covado, laazinha preta a 640, 1110-
rim e bombazina : ra da lmperatriz, loja da Ara-
ra n. 56.
Grande sortimento de roupa
feita.
Vende-se paletols de panno preto a 165, 145,
1-2,5. 105, 85 e 6-5, ditos de brim de cor a 35500,
35e25500, ditos de meia casemira a 45500 e3J300
calcas de brim a 35 e 25500, ditas de brim bran-
co a 45500 e 35500, ceroulas de linho a 25000 e
15800, camisas francezas de linho a 35, ditas de
algodio a 25500 e 25300 : na ra da lmperatriz,
loja Arara n. 56.
Nao esqiieram os hales da Arara.
Vendem-se balees do 15, 20, 30 e 40 arcos a 35,
35500, 45 e 455OO, ditos de brilhantina a 45, co-
bertas de chita a 2-3, ditas de damasco a 45, ditas
de fustao a 55 : ra da lmperatriz n. 56, loja da
Arara.
Soutainharqiic da Arara a 20 e 2:>:S.
Vi'iide-se soutambarquemuito bem enfeitadoa20
e 25-3 cada um, vos pretos e de cores para senho
mos de largura, proprias para vestido de senhora,
roupa para meninos e capas, e pelo baratissimo
preco detO rs. o covado, ditas enfestadas trans-
parentes de quadrinhos a 500, 400 e 360 rs. o co-
vado, ditas matisadas muito finas a 500 e 400 rs.,
ditas mais baratas do que chita tambem matisadas
a 320 rs. o covado, ditas a Maria Pia com palma
de seda e 4 palmos de largura a 800 rs. o covado,
e ditas de urna s cor parda, azul, cor de lyrio e
perola proprias para vestidos, sautembarques e
gari baldes a 720 rs. o covado, ditas escocezas a
800 e 400 rs isto s na loja do Pavao, ra da lm-
peratriz n. 60, de Gama & Silva.
Os chales do Pavo.
Vendem-se finos chales de crepon eslampados
pelo barato preco de 65, '5, 85, ditos de ponta re-
donda a 75 e 85, ditos pretos ricamente bordados
a retroz com vidrilho a 125, ditos pretos lisos a
55, ditos de cores a 45500 e 55, ditos de merm
estampados a 25 e 35, ditos de laa a 15280 e 2.5.
ditos de retroz preto para luto a 65, islo na loja
do Pavao ra da lmperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
0 Patio vende para hit.
Vende-se superior setim da China fazenda toda
de laa sem lustro tendo 6 palmos de largura pro-
prio para vestidos, paletols, rapas etc., pelo bara-
to preco de 25, 25200, 25500 o covado, cassas
pretas lisas, chitas pretas largas e estreitas, chales
ile merino lisos e bordados a vidrilho, manguitos
comgolhnhas e outros muitos artigos que se ven-
dem por presos razoaveis : na loja do Pavo ra
da lmperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Os vestidos do Pavo
Vende-se ricos vestidos de grosdenaple preto ri-
camente bordados a vellido pelo barato prego de
405, sendo fazenda que sempre se vendeu a 1005
e 1^05 ; ditos de cambraia brancos ricamente bor-
dados a croch, sendo nroprios para baile e casa-
mento a 10, 15, 20 e 305; ditos de la com lindas
barras a 18 e 155 ; isto na loja do Pavo ra
da lmperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Os pannos do Pavo.
Vende-se panno preto muito superior pelo barato
preco de 25, 25500,35 e 3^500, ditos muito tinosa
45, 55 e 65, cortes de casemira preta enfestada a1
45, 455OO e 65, casemira preta fina de urna s
largura muito fina a 15800, 25, 25500 e 35, cor- \
tes de casemira de cor a 55, 55500 e 65, casemi-
ras enfestadas de urna s cor proprias para caiga,
paletots, colletes, capas para senhora, roupas para
meninos a 35 e 3#500 o covado, isto na loja do
Pavo, ra da lmperatriz n. 60, de Gama & Silva.!
A roupa do l'avo.
Vendem-se paletots de panno preto sobrecasa- i
eos fazenda muito boa a 125, ditos muito finos a ]
165, 20?, 255 e 305, caigas de casemira preta boa
fazenda a 45500,55, 65, 75 e 85, paletots saceos
de panno preto a 1$>, ditos de casemira de cor a \
65 e 75, ditos de alpaca preta, ditos de merm
preto, ditos de brim de cores, calcas de casemira
de cor a 45, 55,65, 75, ditos de casemira da
Escossia a 35, ditos de brim pardo a 2550:>, ditos
de cor a 25 e 25500, ditos brancos muito finos,
sto na loja do Pavo, ra da lmperatriz n. 60, de
Gama Silva.
Os cortinados do pavo.
Vendem-se ricos cortinados proprios para janel- j
la e camas pelo barato prego de 95 o par, sendo o
melhor que ha no mercado: na ra da lmperatriz
n. 60, de Gama & Silva.
As colchas do Pavo.
Vendem-se colchas de linho aleochoadas pro
AftTE j&MEID?
ESPLENDIDO SORTIMENTO DE MOLHADOS
J. 9 JRCA 1IO CRESPO HT. 9
Esqoina que volta para a roa do Imperador
QtU
Acaba de receber de sua propria encommenda um grande e variado sortimento
de molhados todos primorosamente escolhidos, por isso apressa-se o proprietario em
offerecer aos seus freguezes e ao publico em geral a seguinte tabella dos seus gneros e
resumidos precos, afianzando todo e qualquer genero vendido neste bem conhecido ar-
mazem.
PARA A FESTA
DE
(\o se engaucui com a mitra)
AMIGOS!
Nao leiam este anntincio com precipitadlo.
Confrntela os precos dos outros armunciarites.
Veuham ver os gneros que temos expostos a venda.
A vista faz f.
Nao temos palavras bombsticas.
Nao nos enculcamos o primeiro recebedor de conta propria.
Nao desacreditamos ao collega porque nao quiz ser nosso socio.
Val a qnem toca.
Para abastecer a todos os habitantes desta bella provincia ainda nao sao sufficien-
tes as casas que actualmente existen abertas com grandes proporces para terem um
magnifico sortimento de molhados ; assim, pois, os propietarios do Armazem Principal
nao invejam a sorle dos seus collegas.
Habitantes de Pernainbueo.
Nos temos um expeliente sortimento dos melhores gneros que se pode adiar
em nosso mercado. Yinde ao nosso estabelecimento, e se a vossa boa l' lr Iludida
urna s vez ao menos, castigai-nos Dio voltando mais a nossa casi.
Amendoas confeitadas de bonitas cores a
1,00o rs. a libra,
dem de casca muito novas a 3oo rs. a libra.
Avellas a 2oo rs. a libra.
Ameixas francezas em caixinhas com lindas
estampas a l,2oo, l,4oo el,6oors. cada
urna,
dem em frasco de vidro com rolha do mes-
S. JOAO
Amendoas confeitadas de8oors. a libra.
Manteiga ingleza perfeitamente flor, a 9oo rs,
libra,
dem franceza a 600 rs. a libra, e 080 rs.
sendo em barril.
Cha uxim a 2,7oo rs. a libra, e de 8 libras
para cima a 2,6oo.
E S. PEDRO
ja, canella, cravo, rlela" pimenta a 1,00o;
rs. a duzia i,000 rs. a garrafa, garante-se
que os melhores que temos tido no mer-
cado.
Passas em caixas de 1 arroba'/*e '/i a 8,5oo,
l,5oo e 2,5oo rs. a caixa, e 5oo rs. a libra
garante-se serem muito novas, e graudas.
dem perola a 2,8oo rs. e de 8 libras para dem corinthias proprias para podim a 9oo
cima a 2,7oo, i rs. a libra,
dem hysson o mais superior que se pode Marmeladas dos mais afamados fabricantes de
desejar a 2,Goo e de 8 libras para cima Lisboa a 64o rs. a libra.
a 2,5oo rs. Ervilhas secas muito novas a 16o rs. a libra,
dem menos superior a 2,4oo ede 8 libras Grao debico muito novo a 16o rs. a libra.
para cima a 2,3oo rs. Ervilhas francezas em latas a 6oo rs.
dem proprio para negocio a 2,3oo, de 8 li- Potes com sal refinado a 48o rs.
bras para cima a 2,2oo. Fumo de chapa americano a l,4oo rs. a libra
dem do Rio era latas de 2, 4,6 e 8 libras fazenda especial.
cada urna a 2, 3, 3,5oo e 4,8oo rs. a lata. Presunto para fiambre inglezcs a 7oo e 8oo
dem preto o melhor que se pode desejar rs. a libra.
neste genero a 2,8oo rs. Chouricas e paios mnito novos a 64o a libra,
dem menos superior a esse que se vende Caixas de traque n. 1 a 83500 cada urna.
por, 2 e 2,4oo, a 4,8oo rs. a libra. Massas para sopa macarrao, talharim aletria
dem mais baixo bom para negocio a l,5oo a 4oo rs. a libra.
rs. a libra. Cognac verdadeiro inglez a 8,5oo rs. a caixa
dem miudinho proprio para negocio a 1,5oo! e 8oo rs. a garrafa.
rs. a libra. i dem francez a 7,ooo rs. a duzia e 7oo rs. a
Queijos do reino chegados neste ultimo va-, garrafa.
por a 3,ooo. ] Charutos em grande quantidade e de todos os
dem pra'to as melhores emais frescos do fabricantes mais a creditados a l,5oo,
prias para cama pelo barato preco de 5 cada urna
iU-J i .1U.1 mil, WV3 Ultivo ti Ul/ (.vivo i-cu .. 'i mu i r t- r (.*!..
ras a 15 cada um, riscados francezes a 280 o co-! m ra da lmperatriz n. 60, de Gama & Silva
vado. Todas as fazendas existentes neste estabe- | AS precalas lecimento vendem-se por preco baratissimo, e dao- Vendem-se as mais luidas precalas que lem vin
se
zendas
Arara
imento vendem-se por pre^o baratissimo, e dao- \endcm-se as mais luidas precalas que lem vin-
amostras com penhor, ou manda-se levar as fa-; do ao mercado chegadas pelo ultimo vapor fran-
idas casa das familias pelo caixeiro da loja da cez, pelo barato pceo de 600 rs. o covado, dias
ara, ra da lmperatriz n. 56. de listrinha milito miudinhas proprias para vestidos.
Corles de cassa da Arara a 25000
Vendem-se cortes de cassa a 25, ditos de dita a
25400, cortes de babados a 35 : ra da lmpera-
triz n. 56, lo a da Arara.__________________
M4CH!N\SI)EP\TENTE
de trabalhar mo para
descarocar algodo
FABBICAOAS
Por Plant Brothers & C.
OLDAM
Estas machinas
podem descarocar
qualquer especie
!|de algodao sem
estragar o fio,
sendo bstanle
duaspessoas para
o trabalho; pode
descarocar urna
arroba de algo-
do em carooo
em 40 minutos,
ou 18 arrobas
fobal'd!nalJ Vende-se **ao de t^ "? 4 pal,nos ,de !"
linipo B gura proprio para lenees, toalhas e ceroulas pelo
Esta machina
a nica que
poesoe as vantagens de nao destruir o lio do al-
godo ede fazer render o dobro de qualquer ou-
tra com menos trabalho, a sua introdueco para
as provincias deste imperio ser de muito valor
para todos os interessados na lavoura do paiz.
Assim com machinas em ponto grande do mes-
mo systema.oraql serem movidas por animaes,
agua ou vapor, pas oae* podem descarocar 18 ar-
robas de algodo ampo por dia.
O algodao descarocado por estas machinas tem
muito mais estimacao nos mercados de Europa e
vende-se por maiorpreco.
As machinas se acham i venda nicamente em
casa de
Saundcrs Brothers & G.
M. II, praca do Corpo Santo
RECIFE.
Os nicos agentes neste paiz.
e roopas de meninos e menjnas pelo lurato preco
de 500 rs. ; s o Pavo ra da lmperatriz n. 60,
loja de Gama & Silva.
Os sonteanbarqiies do Pavo
IO e 15$ so o Pavo.
Vendem-se os mais lindos souteanbarques que
tem viudo ltimamente de laazinha e caxemira ri-
camente bordados e enfeitados, cores muito delica-
das pelo barato preco de 105 e 155 ; fazenda^esta
que em outras lojas se vendem por 205 c 255,
s para liquidar : na loja e armazem do Pavo
ra da lmperatriz n. 60 de Gama & Silva.
As chitas do Pavo JMOO e
2$SOO o corte.
Vendem-se corles de chita com doze covados
cada corte, ditos com dez covados a 25400, fazen-
da muito boa, e que nao desbota, s na loja do Pa-
vo tem esta pechincha ; a ra da lmperatriz n.
60 de Gama A Silva.
Lfias de nma sO cor.
Vendem-se lazinbas de urna s cor, sendo en-
carnada, azul, cinzenta, cor de caf, lirio claro, li-
rio roxo cor de perola pelo baratissimo preco de
640 o covado, fazenda muito fina s o Pavo, ra
da lmperatriz a. 60 loja e armazem de Gama &
Silva.
Panno de linho.
barat preco de 640 rs. a vara, bramante de linho
com 10 palmos de largura a itXM, algodozinho
raonstro com 8 palmos de largura a 15, pecas de
Hamburgo com 20 varas a 95. 105 eUJ, pecas de
madapolo fiuo a 75500. 85, 95 e 105, ditas de
algodozinho a 65, 65500 e 75, e outras mu tas
fazendas brancas que se vendem muito baratas
atim de apurar dinheiro : na loja do Pavo ra da
(mperatriz n. 60, de Gama & Silva,
O bramaste do Pavo com doze
palmos de largura.
Vende-se bramante de linho puro, muito fino com
doze palmos de largura o melhor e mais largo que
tem vindo ao mercado pelo barato preco de 25800
rs.a vara s na loja do Pavo de Gama & Silva,
aua da lmperatriz n. 60.
As precalas do Pavo.
Vendem-se as mais lindas precalas qus tem vin-
do ao mercado chegadas pelo ultimo vapor francez,
pelo barato preco de 600 rs. o covado, ditas de lis-
trinha muito miudinhas prorias para vestidos e
roupas de meninos e meninas pelo barato preco
de 500 rs.: s o Pavo ra da lmperatriz n. 60,
loj3 de Gama A Silva.
Os bal5es do PavSo.
Vendem-se crinolinas ou baldes de 30 arcos tan-
brancos como de crest sendo americanos qttf
sao os melhores por se nao qaebrarem a 35500 e
de 35 arcos a 45, ditos de inusselina com babados
45, ditos para menina a 25 e 35 : na loja do Pa-
vo rna da lmperatriz n. 60, <1o Gama & Silva.
O Pavo vende 80
Vendem-se os mais lindos cortes de vestidos a
Maria Pia, com lindas barpas de seda, sendo che-
gados pelo ultimo vapor francez pelo barato prego
de 85 cada um : s na loja do Pavo ra da lmpe-
ratriz n. 60, de Gama & Silva.
Os baldes do Pavo.]
A 2a00 si o Pavao.
Vende-se baloes com 20, 25 e 30 arcos pelo ba-
mercado a 76o rs. a libra sendo intoiro.
dem londrino a 6oo rs., e sendo inteiro a
5oo rs. a libra, vende-se por este prego
pela porfo que temos em ser.
Biscoitos em latas de 2 libras das seguintes
marcas : Osborne, Craknd, Mixcd, Victo-
ria, Pec-nic, Fance, Machineeoutras mui-
tas a l,3oo e 1 4oo rs.
Polvos chegados ltimamente do Porto a 32o
rs. a libra.
Balachinha de Craknel em latas de 5 libras
broto a 4,ooo rs.
dem inglesas em barricas a mais nova do
mercado a 2,.">oo rs. a barrica e 24o rs. a
libra.
Cartoes com bolas francezas proprios para
mimos ou para aojos (pie vio as procis-
ses a 6oo rs. cada um.
Peras seccas as mais novas do mercado a 4oo
rs. a libra.
Figos de comadre em htas de 4 e 8 libras
lacradas hermticamente a l,4oo e 2,2oo
rs. a lata.
dem em caixinhas de 8 libras a I,8oo, e
24o rs. a libra.
Nozes muito novas a 120 rs. a libra, e 4,ooo
rs. a arroba.
Amendoas confeitadas a 8oo rs. a libra.
dem de casca mole a 32o rs.
Vinhos engarrafados no Porto e Lisboa 'as
seguintes marcas: duque, genuino, veiho
secco especial, lagrimas doces, vinho es-
pecial D. Pedro V, nctar superior de
1833, duque do Porto de 1834, vinho do
Porto, velho superior, madeira secca, Por-
to superior D. Luiz I, e outras muitas
marcas, em caixa de urna duzia a lo,ooo e
1 ,ooo rs. a garrafa.
dem branco de uva pura a 64o rs. a garra-
fa e 4,ooo a caada.
dem superior a 5oo rs. a garrafa e 3,2oors.
a caada.
dem em pipa Porto, Lisboa e Figueira das
marcas mais acreditadas a 3,8oo a caada
e 5oo rs, a garrafa.
dem de marcas pouco conhecidas a 4oo rs.
a garrafa e 3,oeo rs. a canada.
Especial vinho Lavradio sem a mais pequea
composicSo a 560 a garrafa e 4,ooo rs. a
caada.
Farinha do Maranhfto a 240 rs. a libra.
Ricas caixas com figos a l.ooo rs. cada urna.
Ricos livros com figos i.ooo rs.
Pomada a 200 rs. a duzia, sevada muito no-
va a 80 rs. a libra, e 2,5oo a arroba.
Garrafes com 4 / garrafas de vinho supe-
rior a 2,5oo rs. com o garrafao.
dem com 4 */ ditas de venagre a l ,ooo rs. o
garralao.
Vinagre PRR em ancoretas de 9 caadas a
15,ooo rs. com aancoreta
dem em pipa puro sem o batismo a 2oo rs.
a garrafa e i,4oo rs. a caada.
Caixas com 1 duzia da garrafas de vinho Bor-
deaux fazenda muito especial a 6,8oo rs.
a caixa e 7oo rs. a garrafa.
Licores francezes e portuguezes das seguin-
tes marcas creme de violetas, gerofles, ro-
sa, absinto vespeiro, amor perfeito, amen-
dua amarga, percicot. de Turin, Botefim,
.* d Anollo n 32 ha um grande sort7- ratissimo preco de 25500, assim como lem um
"; A inmota nara ladrilho, sacadas, hom- : completo sortimento de baloes para meninas detg..
meatodemaroe para iaar mM d(J ^ dS n Umanhos pelo baratissimo prefo de 25500,
5rwTi?tdflXuTtoiha* de marmore proprias' notando que sao bateese arcos osmelhores qm
d0 e 7 !aTKwi ^ nara tmulos, vasos gran- tem vindo da America Ingle, vendem-se por este
para Umr^ de m^st para iu, preco para liquidar : s na loja e armazem do
des para jardim, oo para ornar turamos, por pre ^^^ ^ ,mperatrrn.6o; ^ Gama & Silva,
eos muito razoa\eB
2,ooo, 2,5oo, 3,ooo e 4,ooo rs. a caixa,
os mais baixos sao dos que por ahi se ven
dem a 2,ooo e 2,5oo rs.
Caf de premeira qualidade a 8.800 e 9,;oo
rs. a.arroba.
dem de segunda qualidade a 8,000 rs. a ar-
roba e 26o rs. a iibra.
Arroz do Maranho a !2ors. a libra, 3,ooo rs.
a arroba.
dem da India muito superior a 2,9oo rs. a
arroba, e loo rs. a libra.
dem mais baixo redondo a 2,600 rs. a libra.
dem da India comprido a 2,4oo rs. a arro-
ba, e 80 rs. a libra.
Vellas de carnauba do Aracaty a 9,ooo rs. ar-
roba, e 32o rs. a libra.
dem de sebo muito dura fingindo esparmace-
te 36o rs. a libra.
dem de esparmacete a 54o rs. a libra, e em
caixa a 52e rs.
Papel o melhor que se pode desejar para os
Srs. empregados pblicos a 5,ooo rs. a res-
ma, j se vendeu por 7.ooo rs.
dem almaco pautado e liso a 3.ooors. a resma.
dem de peso pautada e liso a 2,5oo rs. a
resma.
dem a zul de botica ou fugueteitoa 2,2oo rs.
a resma.
dem embrulho de 1,2oo a 1, 4oo rs. a resma.
Ameixas francezas em latas de 1 '/i Dra a
l,2ooe8oors. a libra.
dem em frascos de 3 libras a 2,5oo rs., s o
frasco valle l.ooo rs. tambera temos em
frascos para l,4oo rs.
Conservas inglezas a 800 rs. o frasco.
Molhos inglezesa 800 e l.ooo rs. o frasco.
Mostarda preparada em potes muito nova a
2oo rs.
Latas com 2 a 4 libras de caj secco o mais
bem arranjado possivel a l,8oo e 2,8oo
rs. a lata.
Cerveja Tenente verdadeira a 6,800 rs. a
duzia.
dem de outras marcas preta e branca a 5,5oo
e 6,000 rs. a duzia inteiras.
Vassouras de piassava com 2 arcos de ferro
vindas do Porto a 32o rs.
Cebollas muito novas a l,ooo rs. o molho e
800 rs. o cento.
Chocolate portoguez hespanhol e francez de
l,ooo a l,2oo rs. a libra.
Genebra de Hollondaem frasqueiras a 6,000
e 56o rs. o frasco,
dem em botijas a 4oo rs.
dem em garrafes de 14 garrafas a 5,2oo rs
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a groza e 2o rs. a
caixa.
dem de dentes lixados em macos grandes
com 2o rs. o macinhos a 12o rs. o masso.
Cominhos muito novos a 32o rs. a libra e
lo.ooo a arroba.
Sag muito novo a 24o rs. a libra.
Cevadinha de Franca a 18o rs. a libra.
Milho alpista a 14o rs. a libra e 4,5oo rs. a
arroba.
Gomma a 28o rs. a libra e 5,4oo a arroba.
Peixcs em latas a i,000 rs. a lata j prompto
3 corocr-sc
Farello de Lisboa marca N. e Biato saceos
dem de Hollanda em garrafes com 24
garrafas a 7,2oo rs. com o garralao.
Lentilbas excedente legume para sopa e gtii-
zados a ipors. a libra.
Licores francezes de todas as qualidaJcs a
800 o l,ooo rs. as garrafas grandes.
Manteiga ingleza pe feitamenio flor a 800 e
96o rs. a libra.
mo ou de metal, a 1,2oo e 14oo rs. ca- dem franceza nova j deste anno a 600 rs.
da um. a libra, e 56ors. em barris inteiros.
dem em frasco grandes 2,5oo rs. cada um. Marmelada especial dosmcllmres fabricantes
dem em latas de 1 l,i e 3 libras a l,2oo e de Lisboa a (00 e 64o rs. a libra,lu latas
2,ooo rs. de differentes tamanhos.
Arroz da India e Maianhao o melhor que se Massa de tomate em latas de 1 libra 0G0 rs.
p le desejar a loo e 12o rs. a libra e cada urna.
2,8oo e 3,4oo rs. a arroba.
Azeite doce de Lisboa a 600 rs. a garrafa,
e 4,8oo rs. a caada.
dem para soda estrelinha, pevide e rodinha
em caixinhas surtidas a 3,000 e 3,000 rs.
cada tima e 5oo rs. a libra.
dem francez clarificado em garrafas bran- dem macarrao, lalerim e aletria a ioo rs.
cas a 9oo rs. cada urna, e 10,000 rs. a
caixa com 1 duzia.
Alfazema muito nova e limpa a 32o rs. a li-
bra.
Alpista a 10o a libra, c l,6oo rs. a arroba.
Bolachinhas de Lisboa da fabrica do Beato
Antonio das seguintes qualidades: aguae
sal doces, e imperiaes em latas de 6 li-
bras a 3,000 rs. e de 3 -> libras a 1,000
rs. eem libra a 64ors., estas bolachinhas
torna-se muito recommendavel com es-
pecialidade para os doentes.
Biscoitos e Bolachinhas de soda em latas, de
todas as qualidades e marcas que se pro-
curar a 1,35o rs. a lata.
Bollos francezes em cartoes e de diversas
qualidades a 64o rs. cada um.
Banha de porco verdadeira refinada a 4oo
rs. a libra e em barril a 38o rs.
Batatas"novas a 160rs. a libra.
Bolachinhas inglezas ltimamente desembar-
cadas a 24o rs. a libra e 2,ooo rs. a bar-
rica.
Champagne das marcas mais superiores que
al boje lem vindo a nosso mercado a
18,ooo rs. o gigo, l.ooors. a garrafa in-
icua, e 800 rs. as meias
Cha uxim o melhor que se pode desejar e
que outro qualquer nao vende por menos
de 3,ooo a 2,7oo rs. a libra
dem perola especial qualidade a 2,6oo e
2,8oo rs. a libra, garante-se a qualidade
d'este cha
dem hysson o melhor que possivel en-
contrar-se a 2.4oo e 2,6oo rs. a libra.
dem do Rio em latas de 2, 4, G e 8 libras
a l,2oo e l,4oo rs. a libra.
a libra.
.Mostarda franceza preparada em frasco a 4oo
rs. cada um.
Molho inglez em garrafinhas com rollias de
vidro 64o rs. cada urna.
Marrasquino verdadeiro de Zara i 1,00o r?.
a garrafa, lo.ooo rs. a caixa com 1 uii/ia.
Nozes nmito novas a IGors. a libra.
Prezunto de Hambre superior a Goo rs.
dem do Porto para pancha a 000 rs. a libra.
Passas novas a 48o rs. a libra.
Peixe em latas de differentes qualidades co-
mo, savel, corvina, govas, peseadmhae
outros a 1,000 rs. a latas.
Palitos para denles a 14o e IGo rs. o masso
dos melhores.
Painco o mais novo e limpo a 16o rs. a libra.
e 4,5oo rs. a arroba.
Palitos do gaz a 2, loo rs. a groza, 2oo rs. a
duzia, c 2o rs. a caixinhas.
Queijos flamengos chegados neste ultimo va-
por, a
dem preto muito fresco a 8ooe9oo rs.
a libra.
dem sntsso a melhcr qualidade, qne al bo-
je lem viudo ao nosso mercado a 800 rs.
a libra.
Sal refinado em potes de vidro a 5oo rs. ca-
da um.
Scrveja das melhores marcas a 6,000 rs. a
duzia. e 56o 1 a garrafa.
Sardinha de Lisboa e Nantes em (piarlos e
meia latas a 38o 880 rs. cada nma.
Sag mnito noio e alvo a 24o rs. a libra.
Sevadinha de Franca 18o rs. a libra.
Sevadaa loo rs. a libra, e 2,800 rs. a arroba.
dem preto muito lino a l,6oo rs. a libra.
Chocolate das melhores qualidades, francez'Traques de I. qualidade a 8,>oo rs. a cai-
hespanhol e suisso a 1,000, i,oo e l,4oo xa, e 22o rs. a carta.
os mesmos precos nos seguintes lugares : ~-
Unido e Commercio ra do Queimado n. .
0 Verdadeiro Principal ra do Imperador n. 41).
Folha de Flandres.
Grande sortimento de folha de Flandres: na rna
da Cadeia do Recite n. 56 A, loja de ferragens de
Bastos.
LUVAS DE PELLICA
Para homens, molhercs e meninas.
A Agnia-branca, na ra do Queimado n. 8 rece-
beii luvas de pellica, para homens, mnlheres e
meninas.
rs. a libra.
Charutos do acreditado fabricante Jos hur-
tado de Simas em 'i caixas das seguin-
tes marcas l'ariziences. Suspiros, Dili-
cias, Napoleese Guanabaras a 2,3oo rs.,
eem caixas inteiras Trovadores a 3,ooo
rs. cada urna.
dem de outros muitos fabricantes e de
differentes marcas para l,5oo rs. as met-
as caixas de suspiros a l,6oo, 2,ooo e
3,ooo rs. as caixas inteiras.
Conservas inglezas a 8oo rs. o frasco.
dem franceza a 5oo rs.
Cognac inglez das melhores marcas a 1 ,ooo
rs. a garrafa e lo.ooo rs. a duzia.
dem francez suporior qualidade 8oo rs. a
garrafa e 9,ooo rs. a duzia.
Cominho e Erva-doce a 4oo rs. a libra.
Cravb da India a 6oo rs.. a libra.
Canella a l.ooo rs. a libra.
Copos finos para agua a 5,ooo rs. a duzia, e
5bo rs. cada um.
Caf do Rio superior a 28o e 32o rs. a li-
bra, e 8,8oo e 9,5oo a arroba.
Doce fino de goiaba a 6oo rs. o caixo.
Ervilhas portuguezas ltimamente chegadas
a 7oo rs. a lata.
dem seccas a 16o rs. a libra.
dem j descascadas a 2oo rs. a libra.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Figos em caixinhas muito bem enfeitadas a
a l,ooo rs. cada urna.
dem em latas er mi ticamente lacradas a
l,5oo e 2,5 rs. cada urna.
dem em caixas de 't arroba a 2,5co rs. ca-
da urna, e 2oo rs. a libra.
Graixa muito nova a ioors. a lata e l.ooo
rs. a duzia.
Genebra de Hollanda em frasqueiras com 12
frascos por 6,000 rs. e 56o rs. o frasco.
dem de laranja a 1,000 rs. os frascos gran-
des e 11,000 rs. a caixa com 12 frascos.
dem de Hollanda em botijas a 4oo rs. ca-
da urna. Q
dem em garrafes de 16 garrafas a 4,8oo
rs. com a garralao.
Toucinho novo de Lisboa a 2io e 32o rs. a
libra.
Tijollo paralimpar facas a loo rs. cada um.
Vinho em pipa Porto, Lisboa e Figueira das
melhores marcas a 3,8oo rs. a caada, e
5oo rs. a garrafa.
Idem'do Porto Lisboa e Figueira de marcas
menos conhecidas a 400 rs. a garrafa, e
2,8oo rs. a caada.
dem Colares especial vinho a 600 rs. a gar-
rafa.
dem Lavradio muito fresco nao levando com-
posicSo a 56o rs. a garrafa, e 4,ooo rs. a
caada.
dem branco de uva pura a 56o rs. a gar-
rafa, e 4,5oo rs. a caada.
dem mais baixo a 4oo rs. a garrafa, e 3,ooo
rs. a cariada.
dem Bsrdeaux em caixas de 12 garrafas das
marcas mais acreditadas a G.000 e 7,ooo
rs. a caixa.
dem muito especial que raras vezes ven ao
nosso mercado a I,2oo rs. a garrafa, ga-
rante-se que por este mesmo preco d pre-
juizo e s se encentra n'este armazem.
dem do Porto em caixas com 12 garrafas
das seguintes marcas Lagrimas do Douro,
Duque do Porto, Genuino, Velho Particu-
lar, malvasio fino, D. Pedro V, D. Luiz
I, Nctar e outros a 9.ooo e lo.ooo rs.
a caixa c 9oo i 1.000 rs. a garrafa.
dem Muscatel superior a l.ooors. a garra-
fa, e lo,ooo rs. a caixa com 1 duzia.
Vinagre puro de Lisboa a 2oo rs. a garrafa
e 2,4oo rs. a caada.
dem em garrafes com 5 garrafas a 1,000
rs. com o garrafao.
Vassouras do Porto de arcos de ferro a 32o
rs. cada urna
dem de escova para esfregar casa 36o rs,
cada urna.
Vella de espermacete superiores a 56o rs.
a libra, e 52o rs. em caixa.
dem de carnauba refinada e de composico a
36o rs. a libra, e de lo.ooo a H.000 rs. a
arroba.
Empreza daluniina#o
gaz.
Todas as vendas de apparelhos e reclamagSes
(por eseripto dando o nome, morada, dala, etc.),
devem ser feitas no armazem da ra do Imperador
n. 31. Os marhinistas mandados para attender a
estas, apresentaro om livro que os reclamantes
devero assignar logo depois de prompto o servico
reclamado ; isto para que a empreza fique sciente
de haverem os mesmos sniores sido devidamei-
te attendidos.
Ferro para urlves.
Na ra larga do Rosarlo n. 24, loja de ourives,
vendem-se lodos os Ierres e utencilios de ourives.
AGENCIA
FUNDICiO DE L0W-M00R.
Roa da Sf nulla bou n. 12.
Neste estabelecimento contina a haver
um completo sortimento de moendas e meias
moendas para engenho, machinas de vapor
e tachas de ferro batido e coado, de todos os
tamanhos para ditos.
Arados americanos e machinas para
lavar roupa: em casa de S. P. Johnston & C,
ra da Senzalla Nova n. 42.
t
i


/
"
Dlarfo de reraaatfeueo ... Terra lelra 99 de Jnuho de I9d.

Largo da
Santa Cruz
numero
12 e 84.
Esquina da{
ra do
Sebo n. 12^
e84.
HANTE AURO
IE2
AURORA BRILHANTE
GRANDES ARMAZENS DE MOLHADOS.
Francisco Jos Fernandes Pires proprietario dos armazens de raolhados denomina-
do? Brilhante Aurora e Aurora Brilhante, ao largo da Santa Cruz ns. 12 e 84 (esquina
da ra do Sebo), faz seiente ao respeilavel publico desta eidade e do interior que nos
seus importantes estabelecimcntos vender seiupre gerieros novos e de primeira quali-
dade e vender a todos pelo mesmo preco.
O completo sortimento de todos os gneros finos e grossos que costumam ter outros
estabelecimentos desia ordem se encootrarao sempre nos armazens da Brilhante Aurora
e Aurora Brilhante e sempre em grande escala a vontade dos Srs. compradores.
O proprietario dos armazens Brilhante Aurora e Aurora Brilhante pede a todos os
sanhores e senhoras que quando tiverem de mandar sjias relaces a estes estabelecimen-
tos por seus criados seja em carta fechada ou com grande recommendacao a estes arma-
zens, certos de que serio tao bem servidos como se viessem pessoalmente.
A Brilhante Aurora e Aurora Brilhante troca qualquer um genero que por acaso
nao agrade erecebe as libras esterlinas a 9,sendo por compra: a tabella de seus gneros
ser mudada todas as amanas.
Amendoas confeitadas para sones a libra 1. Vinho muscatel duzia 105 e garrafa 15.
Mauteiga ingleza llor a 800, e 9G0 rs. Dito branco proprio de Lisboa caada l800
DiU mais abaixo a 6i0 e 720 rs. e garrafa 640 rs.
Dita franceza nova libra 640 ee barril a Vinho branco de muito boa qualidade cana-
600 rs da 45 e garrafa 480 rs.
Chocolate santo mullo novo a!5200 a libra. Dito Xerez tino a caada 75300 c garrafa a
Cha perolao melhor que ha (redondo) a 15200.
libra 35200.
Dito dito mais abaixo a 25300 e 2
Dito uxim muito fino a 25800 e 35.
Dito hysson superior a 25000 e 25800.
Dito mais abaixo a 2-5 e 25500.
Dito preto muito fino a 25300.
Dito em massos a 25.
Dito do Bio em latas de 4, 2 e 1 libra a
15500.
Caf de moca superior arroba 105500 e li-
bra 400 rs.
DitodoRiu e do Cear.arroba 95500 e libra
30 rs.
Dito mais abaixo arroba 85500 e libra 280.1
eza ingleza nova
soda de S libras
Barricas com bolachitia in
a 3-5.
Latas com bolachinha de
a 2J0OO.
Ditas com ditas sortidas de 2 libras a 15400.
Fiascos com ameizas francezas s o frasco
val o dinheiro a 2500 e 35.
Latas com ditas a 154o0, 25200 o ',-1.
Dito Madeira seca caada 105 e garrafa 25.
[ Dito em caixas de urna duzia do Porto dos
i melhores autores a 125, 145 e 165.
Garrafas com licor lino francez e portuguez
a 15-
Ditas com vinho de caj muito claro a 15.
Ditas com mel de abelha puro a 15.
Frascos com genebra de IMIauda de 2 gar-
rafas a 15.
Dito de una garrafa a 560 rs.
Dito de laranja verdadeira a 15200.
Duzia de grasa latas grandes a 15.
Caixas com 25 massos de velas de sperma-
cete a 300 rs. a libra.
Ditas maiores a 600, 640 o 720 rs. a libra.
Caixas com urna arroba de velas do Araca-
ty 105500 e libra 400 rs.
Ditas de coinposicao arroba 105 e libra 360
Saceos grandes com farfulla de Goiannamui-
to boa a 55500.
Dito de Porto Alegre melhor que de Mori-
beoa a 6,8.
Ditos com milhonovo com Sientas a 45000
farello de Lisboa 120 libras a
Ditas com figos de comadrea 15500.
Caixinhas hermticamente lacradas eproarias Dito com
para mimo a -5 e 5800. 55500.
Caixinhas com ditas a 15, 25300 e 3,5 de Dito cun arroz de casca a 55500!
arriba. Duzia de carrafas de serveja branca c preta
Presunto de Lamego muito novo a libra 5 0 a fff8O0 e em barricas a 55300.
rs. int.'iro e a relalbo 000 rs. i Arruz Cliooricas e paios novos a libra 800 rs. e libra 100 rs.
Latas rom chonrieas > linguicas novas vin- Dito da India e Java arroba 35 e libra 120.
das ueste vapor rom 9 libras por 65500. Ararnta verdadeira arroba 85 c libra 320
Ditas com peixe ensopado de muilas quali- rs., matarana.
dades a 15. Gommado Araraty para engommar arroba
Ditas com erviihas francezas e portuguesas 55 e libra i0 rs.
a SSO rs. Tapioca ou farinna do Maranbo nova libia
Ditas com feijao verde francez a 800 rs. 166 rs.
Utas com massa tomate novo libra Errilha seccas muito novas libra 200 rs.
Sag
sevadinba a 240 rs.
Sevada arroba 332C0 e libra 120 rs.
560 rs.
Dita-; com ostras a 720 r?.
tfitas com marmelada dos melhores autores Graxade boiao 97 a 280 rs.
de Lisboa a libra 640 rs. > Sabao massa a 200, 240 c 280 rs.
Potes com mustarda franceza
a libra.
Dito hespanhol verdadeira a 400 rs a libra,
iialaio* do Porto diversos tamanhos de 320
a *5
Capachos para portas do varias cores a 600,
700 e 800 rs.
Grao de bico arroba 45500 e libra 160 rs.
Painco arroba 55500 e lilira 200 rs.
Milh alpista arroba 45800 e libra 160 rs.
Azeite doce de Lisboa garrafa a 640 rs.
Vinagre de Lisboa caada 15300 e garrafa
800, 24(1 o 32i! rs.
Mass. de palitos de dentes com 20 massi-
nhosa 160 rs.
Tijolos de linipar facas a 160 e 120 rs.
libra 240 rs. e arro- Caixas com 40 cartas de traques a 95500 e
a carta 280 rs.
Resmas de papel almaco paulado a 55.
Dito prev iiso o melhor que ha a 45500.
Dito de peso 0 pautado a 25500 Q 280.
Garrafoes mu 25 garrafas de verdadeira
genebra de llollanda por 85500.
Azeite de coco garrafa 560 rs. e carrapato
360 e canuda 25560.
:alia imperial, Acadmicos de Olinda, Se- CailSes com doce de goiaba a 640,800 e 15,
nadores e Apraziveis de 15300 a 85 a cai- Toucinho de Lisboa arroba 85500 e libra
xa de 30 a 100 charutos. 320 rs.
Grozas de caixinhas de palitos do gaz a Dito de Santos arroba 75 e libra 280 rs.
252OO e 200 rs. a duzia. Molhos com grandes ceblas a 15000.
Barrisrom azeitonas novas a 3, e 45 bar- Cento de dita solta a 15500.
ris grandes. Mauncos de albos a 240, 320 e 400 rs.
Vassouras do Porto piassava muito seguras Esleirs de vanas qualidades.
a 400 rs. Cordas de postar e de andaime.
4zeite dore francez dos melhores fabrican- Favas da ilba de S. Miguel arroba 35200 e
tes caixa 105e a garrafa 15- libra 120 rs.
Caixas com vinho Bordeaux branco e tinto Copos lapidados para agua c vinho a 35300
S. Julien, S. Eslife e outros a 75500 c 85- 55800. 65 e 75.
Vinho do Porto fino em barris de 5" que ra- Ditos lisos para varios precos.
ras vezes apparece por 805 e em caada a Calix lapidados grandes c'pequeos dazia
55500 e garrafa a 800 rs. 3, 4 e 55 ; e 400 e 300 rs. cada um.
Dito da Figueira puro caada 45 e 45500 e Massa < para sopa macarrao, talharim e ale-
garrafa a 480 e 560 rs. tria a 480 rs.
Dito de Lisboa de boas marcas a 35500 e Estrelinha e pevide libra 560 rs.
45 e a garrafa a 440 e 480 rs. Xaropes de fructas nacionaes a garrafa'
Cognac verdadeira a garrafa 15 e 15280. 500 rs.
'E muitos outros gneros que nao possivel men-
preparada a
libra 480 ts.
Frascos com conservas de pepinos, mexides
e azeitonas verde a 15.
Dita dita franceza a 800 rs.
Gigos com trinta e tanta- libras de btalas
novas a .35500.
Queijos novos do vapor a 35200 e 35500.
Ditos de prato enplicado a 15.
Dito snisso a 800 rs.
Dito iie manteiga do Serid a 800 rs.
Caixa- com pssas novas de 1 arroba 75.
meia35300 c quarto 25 e libra 480 e
NO rs.
Amendoas com casca a
ba 05.
Xozcs libra 160 e arroba 5-5.
Caixas e meias ditas com charutos finos da
Babia dos melhores lubricantes de Jos
Fui tado de Simas. Res e outros, sendo
Suspiros, Parisienses suspiros, Delicias,
Normas de ilavana, Exposicao, Almiran-
tes, Barateiros, varetas, Gua'naharas, Be-
ciona-los todos de primeira qualidade.
Cfp A satisfarn da Brilhante Aurora e Aurora Brilhante vender muito embora
\fC to, mas a DINHEIRO.
uara-
ir
:
en
_ a; ?:
O 8*3
1
s? =. S. o. a 2 =r S c
fiSff"itftjrf 8*:

-

en
' S8Q.
n n -
o c-P s 2
2 w 3- & w
o -1 a rs o-**
j
5 n
B!
2 ES ~* o. S. U o a o o 2 o
s S s
OJ 3 =.
^
.\o aruiazem de fazendas baratas de
Sanios oi'ili, ra do Queimado, d.
19, veede-seo segoinle*
Attcnce.
Ricas lazinhas para vestido, fazenda a melhor
que tem vindo ao mercado, tanto em gosto como
un qualidade da fazenda, pelo baratissimo preco
ue 500 rs. o rovado.
Lazinhas miudinhas carmezins, proprias para
los de meninas, e camisinhas a 640 o covado.
Cortes de la com lo covados pelo baratissimo
preco de 65-
loberas de chita da India pelo baratissimo preco
de 25500.
Loncoes de panno de linho a 25.
I. mcoes de bramante de linhe lino pelo baratissimo
prego de 35200.
Bramante de linho fino com 10 palmos de largura
pelo baratissimo preco de 25500 a vara.
Atoalhado adamascado proprio para toalhade mesa
a 25000 a vara.
Cambraia de forro a 25600 e 35200.
uardauapos adamascados a 3-5800 a duzia.
Toalhas alcochoadas proprias para maos a o i a
duzia.
Cortes de calja de ganga amarella de listras e
do quadros, pelo baratissimo preco de 15200 o i
orte. \
Cambraia adamascada com vara*, prapria
para coi tinado, pelo baratissimo preco d- IOjOOO '
a pe.
Ricos cortes de la Mara Pia pelo baratissimo
pre?o de 185.
Pegas de cambraia de lpicos com 8 l|2 vara?
pelo baratissimo preco de 45.
Pecas do platilha de '
pria para saia a 45200.
Epeiras da India, proprias para forro de sala,
re 4. 5 o 6 palmos de largara, por menos preco do vestp pRtahplPcimontniiM.aa-.T-.*r."u-
me m oulra qualquer parte. I iJ!r ,A ,?e,menl?.Tdfl""8e:taChaSde
N -le armazem rambem se encontrar um gtan- f.rro .coaao lipra a ilOTB., dem de Lo*
de sortimento de roapas feitas. e por medida.

s
a.
B'
B
o
en
2.
-
aj 03
c>
as
i
O
o
GRANDE ALLIANGA
57 RA DO IMPERADOR 57
DE
Paulo Ferr ra da Si lea & Campanilla
Grande sortimento de molhados em grosso e a relalbo. nico armazem quemis
vantagens offereee ao publico.
Deseiiganem-se todos.
K o Alliauea o verdadeiro homem do progresso
o Alliaatfa o verdadeiro e principal armazenf d'- ntolhados.
K o .Hilanza o armazem que vende in:i\< barato.
K o A llianc: o armazem que vende os memores gneros.
i: o Alllaaca o armazem onde preside o mellen- aceto.
Fqticm todos sabedores desla verdatle,
Venham lodos ra uV Imperadoi- n. S7.
Venliam rer os gneros que ternas expostos a venda.
PARA AS FSTAS
ME
S. JOAO ES. PEDRO.
Amendoas eoneitadas (fe benitas o'w W-^aa de HoH;mda em garrafoes com
800 rs. a libra.
dem de casca muito nova a 3oo rs. a librrr.
Avelaas a 2oo rs. a libra.
Ameixas francezas em caixinhas com lindas
estampas a ,2oo, f,4oo e {,600 rs. cada
tima.
dem em frasco de vidro cora rolha do mes-
mo ou de metal, a '.oo e l,4oo rs. cada
um.
dem em frasco grandes a 2,3oo rs. cada
um.
ti jar-
NEM COROAS NEM MITRAS
0
GRA1UE
IKHIZEn
DE
impa a 32o rs. a li-
e 4,6oo rs. a ar-
Idem em latas de I '/i e 3 libras a l,2oo e
2,ooo rs.
Arroz da India e Maranbo o melhor pode desejar a loo e 12o rs a libra e
2,8oo a 3,4oo rs. a- arroba.
1 Azeite doce de Lisboa a 600 rs. a garrafa, e
4,800 rs. a caada,
dem francez clarificado em garrafas bran-
cas a 9oo rs. cada urna, e 10,000 rs. a
caixa com I duzia.
Alfazi'ma muito nova e
bra.
Alpista a lfio rs. a libra
roba
Bolachinlias de Lisboa da fabrica do Reato
Antonio das segutntes qualidades: agua e
sal doces, e imperiaes em latas de 6 libras
a 3,000 rs. e de 3 '/* libras a I.5oo rs.
e em libra a 64o rs., estas bolachinbas
torna-se muito recommendavel com espe-
cialidade para os doentes.
Biscoilos e bolachinbas de soda em latas de
todas as qualidades e marcas que se pro-
curar a 1,35o rs. a lata.
Bolos francezes em cartoes e de diversas
qualidades a 64o rs. cada um.
Banba de porco verdadeira refinada a loo
rs. a libra e em barril a 38o rs.
Batatas novas a 160 rs. a libra.
Bolachinbas inglezas ultiinamenl.' desembar-
cadas a 24o rs. a libra e 2,ooo rs. a bar-
rica .
Champagne das marcas mais superiores que
at boje lem vindo ao nosso mercado a
18,000 rs. o gigo e l,5oo rs. a garrafa
inteira, e 800 rs. as meias.
Cha uxim o melhor que se pode desejar, e
que oulro qualquer nao vende por menos
de 3,ooo a 2,Too rs. a libra.
dem perola de esp cial qualidade a 2,600 e
2,8oo rs. a libra, garante-se a qualidade
d'este cha.
dem hysson o melhor que possivel encon-
trar-sc a 2,4oo e 2,6oo rs. a libra.
dem do Bio em latas de 2, 4, 6 e 8 libras
a l,2ooe -l,4oo rs. a libra.
dem preto muito fino a l,6oo rs. a lilira.
Chocolate das melhores qualidades, francez,
hespanbol e suisso a l.ooo, i,2oo e l,4oo
rs. a libra.
Charutos do acreditado fabricante Jos Por-
tado de Simas em caixas das segttin-
tes marcas: Parizienses, Suspiros, ili-
cias, Napoleoes e Guanabaras a 2,3oo rs.,
e em caixas inteiras Trovadores a 3,ooo
rs. cada urna.
dem de outros muilos fabricantes e de dif-
ferentcs marcas para 1,5oo rs. astucias
caixas, de suspiros a 1,600, 2,ooo e3,ooo
rs. as caixas inteiras.
Conservas inglezas a 800 rs. o frasco.
dem franceza a 5oo rs.
Cognac ingle/, das melhores marcas a l.ooo
rs. a garrafa e lo.ooo rs. a duzia.
dem francez superior qualidade a 800 rs.
a garrafa e 9,ooo rs. a duzia.
Cominho e erva-doce a 4oo rs. a libra.
Cravo da India a 600 rs. a libra.
Canellaa 1,000 rs. a libra.
Copos finos para agua a 5,ooo rs. a dozia, e
5oo rs. cada um.
Caf do Rio superior a 280 e 320 rs. a libra,
e 8,800 e !),5oo a arroba.
Doce fino de goiaba a 600 rs. o caixo.
Ervilhas portuguezas ltimamente chegadas
a 7oo rs. a lata.
dem ceceas a 16o rs. a libra.
dem j descascadas a 2oo rs. a libra.
Farinha de arar uta verdadeira a 320 rs. a
libra.
Figos em caixinhas muito bem enfeitadas a
l.ooo rs. cada urna.
dem em litas ermiticamente lacradas a
l,5oo e2,5oo rs. cada urna.
dem em caixas de V arroba a 2,5oo rs.
cada urna, e 2oo rs. a libra.
Graixa muito nova a loo rs. a lata e 4,ooo
rs. a duzia.
Genebra de llollanda em frasqueiras com 12
a libra e da velha a 800 e
8i0 rs. a libra.
Manteiga franceza
rafas a 7,2oo rs. com o garrafao. da safra nova a 600 rs. alibra.
Lentilhas excettente legttme para sopa e tui- i \ 11 wml< ris
zados a 2oo rs. a libra. .., f-"^UUOd>
Licores francezes de todas as qualidades a confltaJs de l'ndissmm cores a 800 rs. a
800 e l.iHio r$. a* garris grtwtes. "Dra- ^
Manteiga ingleza perfcitameme flor a 800 lr&QQ6S
c 96o rs. a libra. 'de n. i os mais superiores do mercado a
dem franceza nova j deste auno a 600 rs., 8a500 a caixa e 220 rs. a carta
a libra, e 58o rs. em barris inteiros. \ihaiy Marmelada especial dos melhores fabrican- iiuieiAd&
t.'s de Lisboa a 600 e 64o rs. a libra ha cra frascos do Vldr0 com 3 libras li(luido a
latas de differentes tamanhos. #i0, muito propios para mimos.
Massa de tomate em latas de 1 libra a 56o CtirteS
com bolos francezes a 500 rs. cada um.
Latas
com bolachinhas de soda de todas as qua-
R1TA IIO IMPERADOR \. 40
Junto ao sf lirado em que mura o Sr. 0>borne,
Para a festa de Santo Antonio, S. Joilo e S. Pedro
Dnarte Alnelda A C, reeeberam de sua proprla eneomnen-
rta o nials liado e variado sortimento de molhados, pronrlo
da presente estacan. r v
Manteiga ingleza Macas brancas
*&'&^2!XZ2 ****' eifior quese.pode de^jar.
rs. cada urna.
dem para soda eslrellinha, pevide e rodinha
em caixinhas sortidas a 3,ooo 3,5oo rs. cada
urna e 5oo rs. alibra.
dem macarrao, talharim e aletria a 4oo rs. a
libra.
Mostarda franceza preparada em frasco a 4oo
rs. cada um
Molho inglez em garralinhas com rol has de
vidro a 64o rs. cada urna.
Marrasquinho verdadeiro de Zara a 1,000 rs.
agarrafu, lo.ooo rs. a caixa com I du-
zia.
Nozes muito novas a 16o rs a libra.
Prezunto de fiambre superior a 600 e 800
rs.
dem do Porto para panilla a ooo rs. a libra.
Passas novas a 48o rs. a libra.
Peixe em latas de dilfereutes qualidades co-
mo, savel, corvina, govas, pescadinba e
outros a l.ooo rs. a latas.
lidades a 1&100.
Chocolates
de todas as qualidades a 15000 a libra.
Presuntos inglezes
dos melhores fabricantes a 800 rs., tambem
temos velhos para 500 rs.
Queijos flamengos
chegados ueste ultimo vapor a 3#ooo.
dem prato
o melhor que se pode desejar a I 000.
Conservas inglezas
as mais novas que se pode esperar a 760 rs.
o frasco.
Figos
Palitos para denles a 14o e a 16o rs. o mas- em libras e caixinhas ricamente douradas,
so dos melhores. proprias para mimos a 900 e i200.
Painco o mais novo e limpo a 16o rs, a li- pV,^ nTm
bra, e a 4,5oo rs. a arroba. ljll Palitos do g.iz a 2,400 rs. a giosa. e2oo rs m^h^r que se pode desejar, que outro
a duzia, e 20 rs. a caixinha. qualquer nao pode vender por menos de
Queijos flamengos chegados ueste ultimo :t'^ a 2>600
vapor, a 3,ooo I lem perola
dem prato muito fresco a 8oo e 9oo rs. a ^pecial qualidade a 2S700 rs. a libra.
libra. dem hvsson
dem suisso a melhor qualidade que al fio- o mais aromtico que tem viudo ao nosso
je tem viudo ao nosso mercado a 8oo rs. mercado a2,->G0O.
. 'iJi:i-. Massas amarellas
dem londrmo a 9oo rs. t .. ...
Sal refinado em ..ates de vidro a ;oo J^mtST' g?"80' aletr,a a
480 rs. a libra.
(Ot%4(
o muito afamado cognac Pal Brandy a 1,8oo
rs. a garrafa e de outras mollas qualida-
des a l.ooo e 8oo rs. a garrafa.
COPO*
lapidados para agua a 4,5oo e 5,ooo rs. a
duzia, e a 440 e 5oo rs. cada um.
PAPEL
refinado em [toles de vidro a SOO rs,
cada um.
Cervcja das melbores marcas a 6.ooo rs. a
duzia, c 56o rs, a garrafa.
Sardinha de Lisboa e Nautas em partos e!
meias latas a 38o e 58o rs. cada urna.
Sag muito novo e alvo a 24o rs. a libra.
Sevadinba de Franca 18o re. a libra.
Sevada a loo rs. a libra, e 2,8oo rs. a ar-
roba.
almaco, greve, peso c de outras militas qua-
idades de 2,2oo, a 4,5oo a resma do me- as mais novas do mercado a 9.5oo re.
Ibor.
PAPI5L
azul e pardo para embrulhode l,4oo a 2,2oo
rs. a resma.
Traques d.- 1/ qualidade a 9,5oo rs. a cai-
xa, c 24o re. a caria.
Toucinho novo de Liiba a 2 lo e 32o rs. a
libra.
lijlo para limpar facas a 15o rs. cada um.
Vinho em pipa Porto, Lisboa e Figueira das
melhores marcas a 3,8oo rs. a caada, e vjOriUllliaS
5oo rs. a garrafa. passas corinlhias muito novas proprias para
dem do PorU) Lisboa eFigueira de manas, podim a 8oo rs. a libra,
menos conhecidas a loo rs. a garrafa, e iMinifi
2,8oo rs. a caada. ... x umv-
o verdadeiro fumo americano em chapa a
macarrao, talharim e aleiria a 400 rs. a
libra e 4^500 a caixa.
Vinho
Figueira i A A e outras muitas marcas acre-
ditadas a 500 rs. a garrafa.
dem de Lisboa
e de outras marcas a 400 rs. a garrafa, e
2^800 a caada.
dem do Porto
generosos engarrafado des melhores fabri-
cantes da eidade do Portea 4 e 102OO
a garrafa e de 105 a 124 a caixa, as mar-
cas sao as sejuintes: Chamisso 4 Filho,
F. dr M., Nctar ou vinho dos Deozes,'
lagrimas do Douro e outros muito.
Latas
com 10 libras de banba a 44000.
Bolachinha ingleza
a 14800 a barrica da mesma que por abi
vendem a 24000 e 2r>400.
Alpista e Painco
o mais novo do mercado a 140 rs. a libra,
e 44400 a arroba.
Nozes
as mais novas do mercado a 120 rs.a libra.
Cervejas
dos melhores fabricanlesje de todas as mar-
cas de 14300 a 64308 a duzia.
CHARUTOS
Charutos Thom Pinto,. Reis e outros em
meias caixinhas a 1:S500.
Arroz
do Maranbo a 100 rs. a libra, e da India
a 80 rs. a libra, e 2A500 a 34000 a ar-
roba desses que vendem por 34400.
CAF
de 1.a e 2.a sorte do Rio de Janeiro a 8.-S500
e 8*800 a arroba, e 280 a 300 rs. a libra.
Garrafoes
com 4 l garrafas com vinagre a lAOOOcom
o garrafao.
GEXEHRA DE LARA.NJA
verdadeira a 14000 o frasco, e de 114000
a caixa.
DEM
em frasqueiras de llollanda a 54800 com
12 frascos.
GENEBRA
de llollanda verdadeira em frasqueira a 6oo
rs. cada urna.
PALITOS
os verdadeiros palitos do gaz a 2,2oo a groza
e 2o rs. cada caixinha.
LICORES
finos de todas as qualidades, a lo,ooo a caixa
com tima duzia e a l,ooo a garrafa.
PASSAS
a cat-
a Ooo rs. a gar-
Idem Colares especial vinho
rafa.
IdemLavradio muito fresco nao levando com-
composicio a 56o rs. a garrafa, e 4,ooo
rs a caada.
dem branco de uva pura a 56o rs. a garra-
fa, e 4,5oo rs. a caada.
dem mais baixo a 4oo rs. a garrafa, a 3,ooo
rs. a caada.
dem Bordeaux em caixas de 12 garrafas das
marcas mais acreditadas a 6,5oo e 7,ooo
rs. a caixa.
dem muito especial que raras vezes ven ao
nosso mercado a 1.2oo rs a garrafa, ga-
rante-se que por este mesmo proejo d
prejuizo e s se encontra n'esle arma-
zem.
dem do Porto em caixas com 12 garrafas
das seguinli's marcas Lagrimas do Don*
ro, Duque do Porto, Genuino, Velho Par-
ticular, Malvasio fino, D. Pedro V, .
Luiz 1, Nctar e outros a 9,ooo e Io,ooo
rs. a caixac 9oo e I,ooo rs. a garrafa.
dem Muscatel superior a i,ooo rs. agarra-
fa, e lo.ooo a caixa com I duzia.
Vinagre puro de Lisboa a 2oo a garrafa e
2,4oo rs. a caada.
dem em garrafoes cora 5 garrafas a 1 .ooo
rs. com o garrafao.
Vassouras do Porto de arcos de ferro a 32o
rs. cada urna,
frascos por 6,ooo rs. e 560"rs. o frasco dem de escova para esfregar casa a 36o rs.
1,4oo rs. a libra
Vinagre
PRR em ancorelas de 9 caadas a 15,ooo rs.
cada urna.
Cebollas
as mais novas do mercado a 7,ooo rs. a caixa
el,ooo rs. o molho.
Os propietarios do grande armazem o Verdadeiro Principal declaram aos seus
freguezes e amigos e ao publico em geral, que para facilitar a commodidade de todos es-
tipularam os mesmosprecos nos seguintes lugares:
l ii i ao e (jommercio ra do Qneimado ti. 7
0 Verdadeiro Principal ra do Imperador i. 40
xa e 5oo rs a libra.
Marmelada
dos melhores fabricantes de Lisboa, como se-
jam Abren e otllros muitos a Ooo rs. a
libra.
Prezunto
o verdadeiro prezunto de Lamego a 52o rs.
a libra.
ARROZ
Maranho, Java e ludia, a loo rs. a libra e
de 3,000, a 3,2no rs. a arroba.
VELAS
de espermacete de diversas marcas a 56o rs.
a libra e em caixa ter abatimenlo.
VELAS
de carnauba em caixas de arroba a 9,3oo e
caixa e 34o rs. a libra.
dem de laranja a l.ooo rs. os frascos gran-
des e il,ooo rs. a caixa com 12 frascos.
dem de Hollanda em botijas a 4oo rs. cada
uina.
dem em garrafoes de 16 garrafas a 4,8oo
rs. com o garrafao.
cada urna.
Velas de espermacete superiores a 56o rs.
a libra, e 52o em caixa.
dem de carnauba refinada e de coinposico
a 36o rs. a libra, e de Io,ooo a H.ooors.
a arroba.
INJECCAO E CAPSULAS
VEGEjTAES ao MTICO.]
GRIMAULT E CLA PHARMAGEUTICOS EM PARS
Novo tratamenlo preparado rom as folhiu de Mulle*, rnir do Pera,para a cura rpida e InfalliTcl
da Gomrrhea .era reccio algtun da eontraecao do casal ou da lnllammacao doa intestinos. 0 celebra
doutor nicord, de Pars, ter renondado, desde sua aapanc.ao, aomprgo de qualquer outro iraUraento.
Emprega-se injrrri* no comco do fluxo. as capsulas em todos os casos ebronicos e Inveterados, que
resistirse s preparaqoes do copahn, cubeba e i injecc,oes com base metallicj.
Depsito geral i em Parit, em casa de MM. firhnault e c, pharmareufleos, ?, ra de la Feulllade;
em Litboa, Jose-Afostlnhe da Conia-r.ai-Talha Janlar; lio 'orlo, Miguel Jo de Suaxa Fer-
ralra; MU o Hio-d4-J'i*tTO, braaa, |U2, ra S. Pedro; em Baha, Immi Caaaa Frrrrlra-Koaln-
helra-, em Rio-Grande, Jaaqula de Gaday; em Maranho, Ferrelra C*; em ftrnamtmeo,
shuuai e c, ra da Cruz, ti; Sama, e as principase pbarmaciaa do Brasil.
Deposito geral em Pernambuco ra da Cruz n. 22 emeasa de Caros Barboza
GAZ GAZ GAZ | Charutos de Havana
Vende-se gaz da melhor qualidde a 120 de superior qualidade vendem-se em casa
a lata e em lotes de O latas para cima se 'de Scballeitlin i C, ra da Cruz n. 42.
far abatimenlo. no armazem do Caes do --------
0
-
Ramos n.
mero 8.
18 e tua do Trapiche Novo nu-
da Baha
e roana de escravo;
lgodil
para .i i i assucar
'l uaraussiiiio iirecoue #. ,,_, ..,> [," r V~JS5 "*: v^-m.u, idiu
^jrsEE*1*m 10 varas'pro- rgggs8ft rferat. *"*&
Roa ta Semalla Aova n. 42.
t
ferro coado libra
V>or fibra a 120 rs.
htia da vVii/.alh n. 42.
Vende-se, em casa de S. P. Johnston dr C, j 7.
1 sellins e silh^es inglezes. candieiros e casti-
{?aes bronzeados, lonas inglezas, fio de vela,
I chicotes para carros e montara, arreios para
l Al que Hipsoii
i um grande sortimento de Meo e renda preta de
; hoyo modelo chamado (guip) o melhor quo se
! pode desejar Deste artigo que se vende muito ba-
: ralo : na loja do gallo vigilante ra do Crespo
carros de um e dous cavallos, e relogios de
tera ouro patente inglez.
-/
W~a V
y,
a
k
Vende-se em barril por menos do que em oulra
qualquer Darte, cara fechar conta : no rmaiem
de J. A. Moreira Da?, rita da Cruz n. 26, onde en-
contrario as amostras.
.mmwMmmmw
abrica Coiicei<#o da \
Bala.
Andradc & Reg, receben! constante- 9
mente e tem venda no seu armazem n. g
3i da rea do Imperador, algodio d'aquel-
la fabrira, proprio para saceos de assu-
car, embalar aigodao empluma etc., etc.,
pelo preco mais razoavel.
RA DO QUEIMADO NUMERO 11
Lftja de fazendas d> Augusto Frederico dos Santos Porto
Chapeos para senhoras.
CheRaram de Pars as mais lindas ehap^linas e chapee de palha da Italia para sanhorw.
Ricas capas e soutembarorres de se-da preta c casemira de cor para aenhoras.
Cortes d superior morenlique branco para vestidos de noivas.
Camisas inglezas muito superiores para homens. peitos, punhos c colariahos de finho.
Chapos de seda para cabera e chapos de sol de seda inglesas.
Lencos de labyrintho francezes a C5 cada um.
Camisas de menino muito superiores.
Cortes d.' Im de barra para vestidos de seuboras de 13J a 18.
A mesma loja tem o raaior e mais superior sor timen to de
l'lsleiras para salas.
Neste estabeleclment enrontrarao os senhores qne precisareni forrar suas salas com esleirs
otda e qualquer qnantidade que desejarem de 4, o e 6 palmos de largura, sendo a qualidade muio
snperior e por mdico preco.

Cal de Lisboa e potassa da
Rossla.
Vende-se na ra da Cadeia do Recife n. 26, para
onde se mudou o antigo e acreditado deposito da
mesma ra n. 12, ambos os gneros sao novos e
legtimos, e se vendem a preco mais barato do que
ru tqualquerparte.
Vina* 4o Porto s-aeriar
em caixas de urna e uas dnzias : tera para ven-
der Antonio Luiz de Oliveira Azevedoft C. no seu
os'-riptorio ra da Crin n. I.
Espantosa peehlneha.
Chapos de palha do Chile a 320 rs., e em du-
zia a 3i, podo-se asseverar que pwliinch vis-
ta da qualidade, e para o quo vennam ver e com-
prar : na luja da ra da Madre do. Dos n.lR.
Fulha de ferro galvanisado para teltiado :
na ra da Cadeia do Recife n. 56 A, loja de ferra-
gens de Bastos.
Vendem-se duas propriedades da casas ter-
reas, sitas na roa Bella ns. 39 e 45 trata-se na
travessa da Madre de Deas d. 18.


DParlo c Per
eo Terfa felra 99 de fiinho de ISi.
I

CLVRIH
COMMERC
i m
L
RA DO QUKIJIAIIO X. 45,
Passando o becco da Congregado segunda casa.
Pfffi!
GMQI
NOV1DADE.
Pereira Rocha d C. acabam de abrir na ra do Queimado n. 45 um armazem de
onde o respeitavel publico encontrar sempre um completo sortimento dos melhores gei
aerao vendidos por precos muito resumidos como o respeitavel publico ver pela tabella
Pereira Rocha d C. acabam de abrir na ra do Queimado n. 45 um armazem de molhados denominado Ckuim Commercial,
gneros que vem ao nosso mercado, os quaes
por precos muito resumaos como o respi jella abaixo mencionada ; garante-se o bora peso
e boa qualidade dos gneros comprados neste armazem
Arroz do Maranhio.da India e Java a60, 80 Cevadinha de Franca muito superior a 220. Peras seccas muito novas a 600 rs. a libra.
e 100 rs. a libra e1*800 a 26600 e 36
a arroba.
Ameixas francezas em la .as e em frascos a
16200 e 16600 cmfiasu s grandes a
26500.
dem em caixinhas elegantemente enfeitadas
com ricas estampas do interior das caixas
a 126000,16400, 16600 e 26.
Amendoas com casca muito uovas a 280 rs.
a libra.
Alpista a 160 rs. a libra e a 46600 a arroba.
Azeite doce francez muito fino em garrafas
grandes a 960 rs. a garrafa.
dem de Lisboa a 610 rs. a garrafa.
Araruta verdadeira de matarana a 320 rs/a
libra.
Avelas moito grandes e novas a 180 rs. a
libra.
Biscoutos inglezes de diversas marcas a
16300 ris.
Bolachinhas de soda, latas grandes, a 26 rs.
a lata.
Ditas inglezas mnito novas a 36000 a barri-
quinha e a 200 rs. a libra.
Banha de porcor enada a 440 rs. a libra e
eembarrila 4C0 rs.
Cha hyssoD, huchin e perola a 16600,
26500, 26800 e 36000 a libra.
rs. a libra.
Cevada a 80 rs. a libra.
Ervilhas portuguezas a 640 rs. a lata.
dem seccas muito novas a 200 rs. a libra.
Figos de comadre e do Douro em caixinhas
de oito libras e canastrinhas de 1 arroba a
16800, 56500 e 280 rs. a libra.
Fariana do Maranho a 160 rs. a libra.
Farinha de trigo a 120 rs. a libra.
Genebra de Hollanda verdadeira marca VD
a 560 rs. o frasco e 66200 a frasqueira.
dem em garrafoes de 3 e 5 galoes a 56500
e 76500 cada um com o garrafao.
Graixa a 100 rs. a lata e 16100 rs. a duzia.
Licores muito finos a 700 rs. a garrafa.
dem, qualidade especial e garrafas muito
grandes, a 168O0rs. a garrafa.
dem garrafas mais pequeas a 800 rs.
dem, garrafa forma de pera e rolba de vi-
dro, a 16000 rs., s a garrafa vale o di-
nheiro.
Manteiga ingleza perfeitamente flor, desem-
barcada de pouco a 900 rs. a libra, e da
de segunda qualidade a 800 rs.
dem franceza muito nova a 640 rs. a libra.
dem de tempero a 400 rs.
, Massa de tomates em barril a 480 rs. a libra.
! dem em lata a 640 rs.
dem preto muito superior a 26000 a libra. Marmelada imperial dos melhores conservei-
Cerveja preta e branca, das melhores marcas i ros de Lisboa a 600 rs. a lata.
que vem ao mercado, a 500 rs. a garrafa Marrasquinho de Zara, frascos grandes, a
e 56800 a duzia.
Cognac inglez fino a 900 rs. a garrafa.
Conservas a 720 rs. o frasco,
dem, s de pepino, a 720 rs.
dem, s de azeitonas, a 750 rs.
Charutos dos melhores fabricantes da Bahia
e especialmente da fabrica imperial de
Candido Ferreira Jorge da Costa, a 16800,!
26000, 26200, 26500, 26800, 36000 e
800 rs.
dem regular a 500 rs.
Massas finas para sopa : estrellinha, pevide,
rodinhas e letrianhas a 600 rs. a libra e a
46 a caixinha com 12 libras.
Nozes muito novas a 160 rs. a libra.
Peixe em latas preparado pela primeira arte
de cozinha a 16 rs. a lata.
Palitos de dentes a 160 rs. o masso.
36500 a caixa. Palitos de dentes a 120 rs.
Caf do Rio muito superior a 280 e 320, dem de flor a 200 rs.
rs. a libra e 86500 e 86800 rs. a arroba.: Amendoas confeitadas a 900 rs. a libra.
Cartes de bolinhos francezes muito novos e Doce de goiaha em latas o melhor possivel a
muito bem enfeilados a 700 e GOO'rs. 26 e em caixao a 640 rs.
Chouricas e paios muito novos a 800 rs. a Palitos do gaz a 26200 rs. a grosa.
libra.
,assas muito novas a 480 rs. a libra.
Painco a 200 rs. a libra.
Polvo secco muito novo a 400 rs. a libra.
Presuntos de Lamego em calda de azeite e
muito novo a 640rs.
Queijos flamengos do ultimo vapor a 26800
dem prato.
dem londrino chegado do ultimo vapor e
900 rs. a libra.
Sal refinado em frascas de vidro a 600 rs.
cada um.
Sardinhas de Nantes a 360 rs.
Sag muito alvo e novo a 260 rs. a libra.
Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tijolos de limpar facas a 140 rs.
Vellas de carnauba pura a 360 rs. a libra,
dem stearinas muito superiores a 600 rs. a
libra.
Figos em caixinhas ermeticamente lacradas
a 16600.
Vinho do Porto engarrafado o melhor que
ha neste genero e de varias marcas, como
sejam: Velho de 1815, Duque do Porto,
Madeira, D. Pedro, D. Luiz I, Mara Pia,
Bocage, Chamisso e outros a 800, 900 e
16000 a garrafa, e em caixa com urna du-
zia a 96000 e106000.
dem em pipa, Porto, Lisboa e Figueira a
480, 500 e 560 rs. a garrafa e 36, 36500
e 46 a caada,
dem branco de Lisboa muito fino a 500 rs.
a garrafa,
dem de Bordeaux, Medoc e S. Julien a 700
e 800 rs. a garrafa, e 76000 e 76500 rs.
a duzia.
dem Morgaui eChateauluminide 1854, a 16
a garrafa,
dem moscatel a 800 rs. a garrafa.
Vinagre de Lisboa a 200 rs, a garrafa e
16200 rs. a caada.
Kirsk garrafas muito grandes a 16800 rs.
Alm dos gneros cima mencionados te-
mos grande porcao de outros que deixamos
de mencionar, e que tudo ser vendido por
pecas e carnadas, tanto em porcoes como
retalho.
Quom comprar de 1006000 para cima te-
r o abate de 5 por cento.
UNIAO
Kll II ViVIIEIV DO RECIFE W. 53.
NOVO E
G5..

5MAJZ3M DE U

s
K:A IIA CA1IEIA 1IO KECIFE N. 53.
Francisco Fernandes Duarte acaba de abrir na ra da Cadeia do hecifen. 53, um grande esortido armazem de molliados de-
nominado Unido Mercantil. Neste grande armazem encontrar sempre o respeitavel publico um completo sortimento dos melhoref
ceneros que vem ao mercado, tanto esirangeiros, como nacionaes, os quaes serao vendidos em porcoes ou a retalho por precos ass
gommodos. ...
Manteiga ingleza especialmente escolhida Vinagre de Lisboa a 200 rs. a g?rrafa e
de primeira qualidade a 900 rs. a libra,' 16200 a caada,
em barril se faz abatimento. Azeite doce refinado em garrafas hrancas a
Manteiga franceza a mais superior do mer- 800 rs.
cado a Ooo rs. a libra, e 580 rs. em barril Azeite doce de Lisboa a 640 rs. a garrafa e
ou meio. 46800 a caada.
Prezuntes inglezes para fiambre, de superior Geneora de Hollanda a 500 rs. o frasco e
qualidade, chegados neste ultimo vapor, a 56800 a frasqueira.
i Caixinhas com ameixas francezas, ornadas
com ricas estampas na caixa exterior,
muito proprias para mimo, a 1620", 16500
o*#.
Frasco de vidro com tampa do mesmo, con-
tendo raeia libra de ameixas francezas, a
16200.
Marmelada imperial, dos melhores conser-
vtiros de Lisboa, em latas de 1 e meia a
2 libras a 600 rs. a libra.
720 rs. a libra.
Queijos flamengos chegados neste ultimo
vapor a 46000.
Queijo prato muito fresco e novo a 640 rs.
a libra.
Castanhas muito novas a 120 rs. a libra e
e 36000 a arroba.
Cha uxin o melhor que ha neste genero,
mandado vir de conta propria a 26800
rs. a libra.
Cha hyson maito superior a 26560 rs. a li-
bra ; cha hyson proprio para negocio a
16500 rs. a libra.
Cha preto muito superior a 26 a libra.
Biscoutos inglezes em latas com differenles
Sardinhas de Nantes a 340 rs. oquartoe 560
rs. meia lata.
Latas com peixe em posta : savel, corvina,
vezugo, cherne, linguado, lagosliDha, *
16300 rs.
Salmo em latas, preparado pela nova arte
de cozinha, a 800 rs.
Macaa de tomtes em latas de 1 libra a 60
ris.
Chouricas e paios em latas de 8 e meia libra
por 76.
Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra t
86600 a arroba.
Bolaxinha ingleza a 320 rs a libra e 46
barrica.
Sag muito novo a 240 rs. a libra.
Cevadinha de Franca a 200 rs. a libra.
Farinba do Maranho a 120 rs. a libra.
Araruta verdadeira a 320 rs. a libra.
Frucusem calda das melhores qoalidades Cevadaa ,20 rs. a libra e3 a arroba>
PARA BEM DE TODO
FAZEI FAVOR DE LR ESTE ANNUNCIO
da economa domes-
0 assumpto
DESCOBRIO-
0 verdadeiro e principal ar-
BAL
tica que se vai tratar,
importante.
SE AFItfAE,
mazem de molhados o do
IZA.
\iugueui coatestar esta verdade.
A fama far correr esta noticia.
A posterldade bcmdlr o nome do Baliza.
ActHalldade Batel palmas de eontentanteuto!
qm
Sem mitras nem coras para ornar a fachada de scus annuncios, e as portas do edificio em que habita, o Baliza se
contenta em tomar o seu lugar de honra na vanguarda de todos os homens do progresso.
Sopre embora o maldito Clarim, o seu toque de retirada a marche-marche do desacreditado Progresso; arme a tenda
dos falsos apostlos da sinceridade no tratro, da realidade na pratica dos negocios commerciaes. revele finalmente a sua
grande insobordinacao fingindo desconbecer os seus superiores, deixando-se ficar sentado, em vez de perfilar-se e fazer a
continencia do estylo, porque o incansavel Baliza sempre fiel ao seu juramento lera continuamente na melhor ordem todo o
seu trem de guerra e no mais complecto movimento, o seu presumo para bem servir, desde o mais simples camarada at
o mais alto general da primeira classe do exercito dos seus constantes frguezes.
Entremos na materia :
SENTIDO!
oiuii n no da.
do Bal
Desde a l.1 publicacao deste annuncio at segundo aviso Manoel Pedro de Mello, proprietario do grande armazem
iza estabelecido ra do Livramento ns. 38 e 38 A vender a todos os seus frguezes.
Cinco por cento menos
que qualquer dos seus amaveis eollegas que por menos annunciar. Qualquer objecto que nao chegue a contento dos se-
nhores compradores, pode ser devolvido ainda mesmo pelas pessoas <\m morarem no centro da provincia.
0 dinheiro recebido pelo gener0 que nao agradar ser restituido sem constrangimento algum.
Declaraco importante.
falso o boato que tem feito espallar o soldado soprador da ra do Queimado de que se acha o Baliza associado
ao armazem Unie Mercantil aberto a ra da Cadeia do bairro do Itecife.
A liga entre os collegas um crime de lesa-povo.
E entre-tanto o Baliza ligueiro.
Ligueiro sim das ideas liberaos dos progresistas de todo o universo aos sentimento mais ntimos de seu coracao.
Deste modo de pensar ser o Baliza eternamente conservador.


MOVIMENTO
BAIRRO DO RECIFE, RA DA CADEIA N 50
O mais novo e o melhor
AIIM AZEM 1>E MOMEAMOS
Esquina defronte da ra da Madre de Dos

Antonio da Silva Campos successor do anligoNasci ment defronte do becco Largo, bem co?
nhecido j nesta praca, acaba de transferir o seu estabelecimenlo para a casa cima indicada, onde
os seus benvolos amigos e frguezes, bem como o respeitavel publico em geral encontrarao o mais
variado, escolliido e melhor sortimento de molhados, a par do aceio, elegancia e bom rgimen do esta-
belecimenlo.
O annunciante, tendo feito urna completa reforma no locante a casa e gneros, po^suindo bons
correspondentes na Europa para remessas de conta propria, acha-se convencido que merecer a rro-
teccao de lodos os amigos do bom e barato, a qual desde j reclama, asseverando-lhes que jamis des-
merecer a confianza com que se dignaren) de o honrar.
Em resumo, visite o respeitavel publico o novo e superior armaV.um Movimento, compre-lhe al-
guns gneros, e entao ficar convencido da realidade do presente aviso, verificando por si mesmo que
nenhum ouiro eslabelecimento o serve mellar que este, seja em commodidade de precos, agrado e
delicadeza, ou legalidade de pesos e medidas.
Finalmente, todas e quaesquer garantas que estabelecimenlos idnticos teem offerecido aos
concorrentes, serao manlidas ueste em grao maior.
LIQUIDACAO
que ha era Portugal em latas hermtica-
mente lacradas a 500 rs.
Peras seccas muito novas a 640 rs. a libra.
Nozes muito novas a {60 rs. a libra.
qualidades, como sejam craknel, victoria, Amendoas de casca molle a 400 rs. a libra,
piquelez, soda, captara, seed, bornez e avelas muito novas a 200 rs- a libra.
outras muitas marcas a 1|>350.
Bolachinha de soda em latas grandes a 20.
Figos em caixinhas hermticamente lacra-
das, muito proprias para mimo a 10500.
Caixinhas de 4 e 8 libras de figos de coma-
dre a 1encada urna.
Passas muito novas, chegadas neste ultimo
vapor a 500 rs. a libra e 34 um quarto ;
e em caixa se faz abatimento.
Ameixas francezas em latas de meia a 3 li-
bras a 800 rs.
Amendoas confeitadas de diversas cores a
800 rs. a libra.
Maguas e peras chegadas neste ultimo vapor,
m rito perfeitas, s vista se faz o preco.
Conservas inglezas em frascos grandes a 750
rs. cada um.
Ervilhas francezas e portuguezas em latas de
1 libra a 640 rs.
Ervilhas seccas muito novas a 160 rs. a
libra.
Champagne da marca mais superior que ^^TwS ^ demelbr D6Sle
temando aordoal8og.go, o^'h^l". ^a 1bra.
Viobo^B^rdeaux ^darme^hores qualidade! Genebra de laranja em frascos grao des a 1.
que se pode desejar de 7*500 a 8*000 Cerveja branca e preta dasmelhores marcas
aixa e 720 a 800 rs. a garrafa. gj. ^ mercado a 500 rs. a garrafa e
Caixascom vinho do Porto superior de 9* Wb(J" a 1fluzl^ ... .OAA
a10aduzia,e900al,5aarrafa;deste Cognac raglez de superior qualidade a 800
genero ha grande porcao e de differentes, e W200 a gwratt.
marcas acreditadas que j se venderam! Licores francezes das segrales qualidades:
Anizete de Bordeaos, Plaisir des Dames
e de outras muitas marcas a 1* a garrafa
por 149 e 15* a caixa, como sejam: Duque
do Porto, Lagrimas do Donro, D. Luiz,
CamSes, Madeira secco, CarcareHos, Nee-
tar de 1833, Duque Genuino.
Vinho de pipa: Porto, Figueira e Lisboa, a
400,480 e 560 rs. a garrafa, e 3 3*200
e 3*500 a caada.
Vinho branco de superior qualidade, vindo
j engarrafado a 640 rs. a garrafa e a 500
rs. de barril.
e 10* a caixa.
Marrasquino de Zara a 800 rs. a garrafa e
9* a duzia.
Moslarda ingleza em potes j preparada a
400 rs.
Mestarda ingleza em p, em frascos grandes,
a 1* cada um.
Sal refinado a 500 rs. o pote.
Alpista a 160 rs. a libra e 4*800 a arroba-
Batatas muito novas em gigos com 40 librar
por 1*500.
Cebollas a 1* o molho com mais de 100 ca-
da tim.
Caf lavado de primeira qualidade a 300 rs,
a libra e 9* a arroba.
Caf do Cear muito superior a 280 rs. a li-
bra e 8*400 a arroba.
Caf do Bio, proprio para negocio, a 8*.
Arroz do MaranhSoa 100 rs. a libra e 2*800
a arroba.
Arroz de Java a 80 rs. a libra e 2400 a
arroba.
Vellas de spermaceti a 560 rs. a libra e
540 rs. se for em caixa.
Vellas de carnauba refinada a 320 rs. o mas-
so e a 9* a arroba.
Doce de goiaba a 640 rs. o caixao.
MacarrSo, talbarim e aletria a 480 rs. a li-
bra; em caixa se faz abatimento.
Estrellinha, pevide e arroz de massa para sopa
a 600 rs. a libra e 3* a caixa com 6 libras.
Palitos de dente lixados com flor a 200 rs.
o masso, ditos lixados sem flor a 160 rs.
o masso com 20 massinhos.
Gomma de engommar muito fina a 180 rs. a
libra.
Banha de porco refinada a 480 rs. a libra
400 rs. em barril pequeo.
Charutos dos melhores fabricantes de S. F-
lix, em caixas inteiras ou em meias, de
1*600, 2* e 3*.
Presuntos do reino, viados de conta propria
de casa particular,a 100 rs. a libra; intei-
rose fax abatimento.
Mkim GONSEitV
23-Largo do Terco-23.
Joaquim Simao dos Santos tendo de se retirar est resolvido a liquidar e fazer urna grande
vantagem a quem seu armazem frequentar, e vender por menos do que outro qualquer annunciante,
para isso tem um vantajoso sortimento tanto neste armazem como fora e para melhor servir o publico
o annunciante scientilica aos seus frguezes que tem /requemado este eslabelecimento que de
hora em diante terao a vantagem de 10 a 20 por cento menos que compraram em outra poca pelo
seu prompto pagamento.
AttenQao.
Caf do Rio de primeira e segunda sorte a 270 e, Dito em caixa da Bahia dos melhores fabricantes
300 rs.
Arroz pilado a 80 e 100 rs. a libra e 2,5400 e 3*
a arroba.
Milho alpista limpo a 170 rs. a libra e 4*800 a
arroba.
Toucinho de Santos e Lisboa a 210 e 280 rs. a libra.
Passas de carnada a 300 rs. a libra e 10$ a caixa.
Azeite doce de Lisboa fino a 640 rs. a garrafa e
4*800 a caada.
Dito de carrapato a 320 rs. a garrafa e 2*240 a
caada.
Massas para sopa aletria, macarrao e talhanm a
480 rs. a libra e 10* a caixa.
Chouricas as mais novas a 800 rs. a libra.
Charutos em magos de 50 a 6* o milheiro e a
640 rs. o cento.
de 1*200, 2*400 3* e 4*.
Phosphoros do gaz vindo de conta groza 2*300.
Manteiga franceza a 600 e 640rs. a libra.
Dita ingleza flor a 800 e 900 rs. a libra.
Hiscootos e bolachinhas de soda a 1*300 e 2*.
Vinho do Porto engarrafado a 800 rs., garante-se a
superior qualidade.
Dito em pipa Figueira das marcas mais bem co-
nhecidas a 500 rs. a garrafa e caada 3*800
e 3*500.
Dito de Lisboa especial para negocio a 360, 400 e
440 a garrafa e em caada faz-se abatimento.
Dito branco proprio para missa a 640 e 500 a gar-
rafa e em caada a 5* e 3*500.
Bolachinha americana a 200 rs. a libra e em bar-
rica ha grande abatimento.
Ossenhore que compraren! de 100*000 para cima, terlo o descont de 5 por cento, pelo prompto pagamento.
DE
DE
J. VIGNES.
v &5. VLVA 90 IMPERADOR W. **... _
n. muios desia antiga fabrica sao hoje assaz conhecidos para aue seja necessano insistir sobre o
.n mSm^evSens e garantas que efferecem aes compradores, qualidades esUs incontesta-
.ZKr Sitivamente conquistado sobre todos os que tem apparecido nesta praca ; pos-
IiE? nn teclado e machinismo que obedecem todas as ventados e caprichos das pianistas, sem
nSnca falhar por serem fabricados de proposito, e ter-se leito ltimamente melhoramentos mportan-
tissimos para o clima deste paii; quanto s vozes sao melodiosas e flautadas, e por isto muito afrada-
reis aos ouvidos dos apreciadores.
Faiem-se conforme as encomroenda, unto esU fabrica como na do Sr. Blondel, de Pars, socio
correspondente de J. Vienes, em cuja capital loram sempre premiados em toda* as expesisoes.
m mesmo estabelecimenlo se acha sempre um explendido e variado sortimento de msicas dos
memores autores da Europa, assim como harmnicos e pianos harmnicos, sendo tudo vendido por
precos commodos e razoaveis.
m i
n, hap.
Duarte Pereira & C. com armazem
de loucas, vidros, etc.. etc., na ra do
Crespo n. 1G, acabam de receber pele ul-
limo vapor a costumada c fresca pitad i
jrc do princeza de Pctropolis, em libra oeste
HK eslabelecimeuto e a relaltio : na ra lar- S|
fga do Rosario n. 38, loja da Aurora. B
mmmmmwmnmm.
Feijo a 6000.
Vendem-se saceos com 22 caas de feijiio raula-
tinho e rajado, pelo barato prego de 6*, pecbincha
igual tempos nao apparece neste mercado, por-
tante cheguem ao barato antes que se acabe : n;.
ra da Madre de Dos ns. 5 e 9.
Salitre refinado, superior qualidade, vinho Bor-
deaux, diferentes qualidades, mais barato que em
qualquer parte : no armazem de E. A. Burle &
C, ra da Cruz n. 48.
Farinha de mandioca
ensacada c da melhor que ha : vende Miguel Jos
Alves no seu escrip'.orio, casa n. 19 da roa da
.JUZ
Vende-se alpaca preta a oOO rs. o corado.
Vende-se alpaca preta para vestidos a 500, 600,
700 e 800 rs., fina de cordao a 800 rs. para pale-
tot, princeza preta a 800 e 640 ocovado. bombazi-
na preta fina a 1*400 o covado, lazinhas preta
para senhora que estao de luto a 720 o covado :
na ra da Imperalriz n. 56. A loja esl aberta al
s 9 horas da noite.
Trina, volantes e galoes.
Vende-se trina, volantes e galoes de todas ae
larguras por precos muito barato: s no vigilanis
ra do Crespo n. 7.
Familia de mandioca snperior
em saceos grandes: vende Antonio Luiz de Olivei-
ra Azevedo & C, no seu escriptorio ra .da Cruz
numero 1.
ESCRAVOS FGIDOS.
Felicia Cogida.
Fugio em 22 do corrente a crioula Felicia, re-
presenta 30 annos, pouco mais ou menos, com os
signaes seguintes; cor um pouco fula, bem pare-
cida, cheia do corpo, altura regular, tem nos bra-
S3S signaes que parecem de queimadura, tem os
edos das maos e ps curtos, levou vestido de chi-
ta cor de rosa e chale encarnado, mas provavel
que mudasse vestido, suppoe-se estar nesta praca
ou seus arrabaldes : pede-se s autoridades poli-
ciaes ou capites du campo a sua apprebenso, e
leva-la ra do Queimado n. 28, que ser recom-
pensado ; protestando o proprietario contra quem
a tiver oceulta.
Fugio de casa de seus senhores, no dia 14 do
corrente, o escravo Izidro, crionlo, de idade 25 an-
nos, pouco mais ou menos, estatura regular, cheio
do corpo, cor um pouco fula, cabellos carapinhos,
olhos pardos, beicos um pouco grossos, nariz regu-
lar ps grandes e grossos bem desembarazado no
fallar nio malcriado, levou ealea de brim bran-
co camisa de madapolo, chapeo de feltro j usa-
do'; cujo escravo filho de Caliste Mara da Con-
ceico, do Brejode Bananeiras, provincia da Para-
hiba do Norte ; veio em 1861 em pagamento para
os Srs. Guimaraes & Alcoforado deste cidade, sup-
p5e-se ter seguido para aquelte lugar : roga-se a
todas as autoridades e capites de campo a sua
apprehenso e leva-lo ao pateo da Santa Cruz n
6, que serao generosamente recompensados.
ATTEN(liO
Acha-se (agido o escravo de nome Faustino, dr
idade 40 annos, pouco mais ou menos, cor fula, ti-
ara regular, grosso do corpo, bem espadando, bar-
bado, e j com alguns cabellos brancos na barba,
bracos e pernas grossas e bastante cabelladas, ten-
do as pernas arqueadas, porm nao muito, costn-
maandar em sambas, e asvezes embriagase bas-
tante por gostar maito de beber : portento roga-
se s autoridades policiaes desta e das provincias
limitrophes, que o facam apprehender e leva-lo a
sea senhor o major Antonio da Silva Gustnao, na
ra Imperial, assim como roga-se aos capites de
campo a apprehensSo do dito escravo, que serao
bem gratificados.
\



Diarlo de Pcraamboeo Terca letra 98 de Jnnho de 1 *!.
JURISPRUDENCIA
Tribunal de asslses do Nena.
pbocbsso corr de la pommeiiaisaudiencia de 9
UE MA10.
En priocipio tle noverabro do anno passado, vi-
va no ultimo andar de urna pequea, casa da ra
Bauparte, urna mulher de 42 anuos, viuva desde
1839 de un pintor chamado de Pauw. O bito do
marido deixou-a sera fortuna, tendo a seu cargo
As quantias assim seguradas, so erara exigiveis, tuaes do seu rebanho. A luta foi longa je de parte Talvez l encontris ornando de perpetuas e ey-
depois da morte da segurada; mas a propriedade a parle enrgicamente disputada, mas afina!, ou prestes os ngulos desse modesto.'parallelogrammo,
de cada apolice podia ser transferida por simples porque a razao llie assistisse, ou porque o senli- ( a virgem filha da miseria trajando ainda verdejan-
endosso. Para que este vigorasse era todava pre- memo de considerarSo para com um prelado car- j te cora de jacinthos e rosas brancas j perguntae-
ciso prevenir as companhias. i regado de annos, de virtudes e servicos fallasse ao Ihe qnem assim Ihe conservou a candura n'alma e
LaPomraerais pagou a primeira prestado; e'"0"!*0 ** e,ei* *> 7' 'Meceu-se a har-,a pureza no coracao ? Talvez a viuva desolada rho-
eilorquia da viuvao endosso dasapolices P ra no treos doQ? P0^' flcando alvos os di- rando hoje mais do que o seu desamparo, e a or-
quenlohouvo.se meio de chicaoaHhe o resuda-I^XTlJS' ""T"* T ?"a*de" '"os ; pedi-lhe que vos d.ga
lleu-
do, foi consultar o advogado Levaux. Este, que
nao suspeitava as vistas do aecusado, fez redigir
um documento, pelo qual a viuva reconhece ter
IU05 dosqaa ornis velhi contar* apenas San- Mid'diversas sommas a La l'ommerais para se-
nos. Aviuvalutou corajosamente contra as difli- ^ranr, do quaUhe transferiu urna apolice do se-
guro de iOO.000 francos.
O aecusado, para nao despenar suspeitas,
s fallara em 100,000 franco?. Redig'u docu-
meulos anlogos para as outras sommas segura-
das : e fez com que a infeliz assignasse os docu-
mentos.
unidades da sua siluaco; e trabalhou som descan-
co pura oecorrer ao sustento da familia. A sua
Mude era, de ordinario, excellente; a 1G de no.
vem'uro no podia inspirar o menor cuidado.
Entreunto, a 17, s 6 'i horas da tarde, essa
mulher, clieia de vida na vespera, expira va da-
pois de violentos vmitos do que (Ora accommet- Ka0 se julgando ainda seguro, obleve um lesta-
tida, cujos fuues/os effeitos pareciam inexplicaves. ment, em que ella declarava de novo ceder-lhe a
Este fatal evento causou s pessoas, que frequen- propriedade dos seguros, instituindo-se universal
tava a Sra. Pauw, dolorosa surpreza Confrontado herdeiro; econcluindo que Ihe cedia o propno uso-
eom diversas confidencias, que haviam sido feitas frucl dos beas reservados a seus lilhos, sem que
pela fallecida, inspiravam graves suspeitas. Estas fosse obriado a dar caucao-
suspeitas, determinaram a Sra. Gouchou, irma da Cumpria dar cabo da viuva para que nio che-
gasse o prazo do pagamento da segunda prestacao
dopois grandes e importantes melhoramentos em quem na hora extrema da angustia e do desale
rebelo a divisao religiosa do territorio da diocese. | to Ihe enxugou o pranto da aflliccao: quem suste-
Mas se por este modo visava o bom prelado o ve a sua coragem para nao cahir no desespero?
aplanar as difTiculdades topographicas, que se op- Talvezo velho decrepito cujo viver amargurado s
punham ao cumprimento fcil dos deveres religio-1 l)0de medir-se pela profundidade das rugas que
sos por parte dos povos, e prompta administra- 'lne sulcam o rosto; perguntae-lhe quem adocou os
gao dos soccorros espirituaes por parte dos paro-, ltimos annos do seu viver de tribulaces, quem
chos, nao mereca menos a sua particular conside- j 'nft a,ueceu o coracao regelado pela decrepilude, e
racao a reforma moral do clero da diocese, quer i Pela descrenca as felicidades deste mundo ? O
encarado como elemento de gloria para a egreja, orpho, a virgem, a viuva, e esse velho, que tm
quer considerado como urna das mais poderosas coraCa tao tisnado pelo soffrimento como a pe-
j le pelo invern da vida vos apontarao lodos para
j essa lapide ; pronunciarao um nome e os seus la-
! bios balbuciarao fervorosa supplica Divndade,
para que premie no cu urna alma que deste mun-
do se parti por entre as heneaos e saudades de
fallecida, a queivar-se juslica no dia 21.
Limitou-se a declarar ao principio, que morte
dos premios : La Pomnferais foi prompto em fazer
da Sra. Pauw pareca resultado de envenenamento J8ar ,odos os seUi meios de ccao.
propinado por pessoa interessada no seguro da vida Para attender aos conselhos do fingimento da mo-
delia. Nao tardou em ser mais positiva, e dos seus ,es,ia Srave- depoimeutos, assim coma de outras informales, na escada da casa onde morava- a viuva comecou a
que os completavara, resultou que a viuva Pauw divulgar que dera grande queda; e que senta vivas
morrera enveneuada, e que o doutor Couly de la dores no ventre. Para justificar mais tarde o pla-
Pommerais, era autor do crime. I n0>foi consultar varios mdicos, que ando-se no
. i que ella dizia, prescreviam differentes remedios.
Cumpria, antes de ludo, determinar a causa da -.,.. ... ,
' : Oblidas as receltas, eram Belmente entregues ao
morte. Emquanto os mais graves indicies faziam accu-ado
pensar, que a viuva fra envenenada; o doutor
Caudinot, varas vezes consultado pela fallecida e
alavancas da moralisaco dos povos. Aqu no en-
tanto cumpre de juslica dizer-se, que se os seus
esforcos, ou antes o resultado delles ficou qtiem
da magnitude de seusdesejos, a culpa nao foi sua,
porm sim da impotencia dos meios repressivos
sua mais immediata disposicao e applicaco. As
censuras e penas ccclesiastcas sao de ordinario
desnecessaras para o clero, que as respeita, e por
urna razao inversa pouca mossa fazem no clero,
que as despreza.
Cuidou sempre em aperfeicoar a ndole e os cos-
tumes do seu rebanho, soccorrendo-se j prdi-
ca oral, j publicarlo frequente de cartas pasto-
raes, as quaes por entre a singeleza da phrase
rescendiao perfume da mais santa doutrinae das
mais salutares exhortaedes. Cora o mesmo intuito
escreveu tambem o Dialogo entre o pastor e a ove-
Iha. Esse livro nao foi bem recebido por causa da
monotona da dieco, e sobretudo pela nimia clare
um povo a quem tanto amou !
(Jornal do Commercio, do Rio.)
e que a visitara especialmente 17 de novembro,
Chegou o mez de novembro sem que a viuva, za de al8uns captulos, que podam bem ser dis-
apezar das queixas, deixasse de attender os seus Pensados- Mas nem por isso menos louvavel e
negocios. La Pommerais, julgando a preparacao di?na dc respe'10 a Ma intenco com que foi es-
cripto.
Foi o esplendor do culto divino larobcm um dos
passara atlesiado de que o bito poda atinbuir-se .
. i ii i- sufnciente, resoveu dar o ro pe decisivo,
as consequencias de urna queda, que ella dera dous -_..," ST_
4 .,. pediu a v'uva que se metlesse no quarto, e se
ou tres mezes antes. | jncu|casse raajs enferma do qw nunca_ qqjhq a alvos mais acurados do zelo pastoral; e a este res-
Era indispensavel a autopsia. O doutor Tardieu, pobre mulher lastimasse o producto de amas licdes P6"0 la es,a mesmo no centro da capital da pro-
que a fez 30 de novembro, contastou que nao ha- que ia dar pessoa moradora no Grande Hotel, o vincia de Pernambuco o mais importante monu-
via na defunia vestigio de enfermidade ou lesao aecusado prometteu dar-lhe a importancia dessas taeaU> de piedade christa de que ha noticia em
tempos mais prximos.
A egreja de S. Jos, destinada a servir de ma~
triz freguezia do mesmo nome obra sua. De-
apreciavel, antiga ou recente, que explicasse o obi- Hces.
to. Certos indicios do tubo digestivo pareceram ( Disse mais, que ella nao lardara em ser visiu-
ndicar, que a morte podia haver sido causada pela da por facultativos das companhias; e que tomara
ingestao de substancia venenosa. A analyse das remedio por elle preparado para simular agltagio, (pois de doar-lhe o terreno para a sua edilicaco,
visceras que podia determinar urna opiniao posi- illudindo os homens da sciencia. foi elle mesmo quem solemnemente assentou sua
tiva. Como mulher a viuva abra-se com os seas co-' primeira pedra em 18iS. Depois acompanhou sem-
Em presenca destes resultados, o doutor Gaud- innecimentos iutimos; e dando conta do estratage- pre a sua construccao, ora com os recursos da mi-
not, longe de persistir na opiniao do seu attestado, ma'dizia : S< P'ano un0ar ser minha ventura' tra at onde estes podam chegar ; ora com o au-
e a de meus pllios. xilio deesmelas que na capital chegou a pedir de
A 13 escrevia sua amiga Ridder para que ves- porta em porta ; ora com os contingentes que de
se passar a noute em sua companha. A carta de- ambos os governos, geral e provincial, pode obter
nunciava contentamento c esperanca. tOs mdicos,
dizia ella irnicamente, acham-me muito doente.
reconheceu que nao verificara, na viuva Pauw,
contuses ou ecchymoses, e que se referir s de-
claracSes della, sem verificar a sua exactidao. Ou-
viram-se algumas testemunhas. Urna senhora, Rid-
dol, intima amiga da viuva, revelara pormenores
importantes, confirmados por urna carta da defunta Es)ero beiu> seundo dando nova forca de suspeitas conlra La Pomme-' 1ae breve lerei 3W francos dc renda. ConUr-
Ihe-hei a cousa amanhaa.
rais.
Fez-se visita domiciliaria na residencia, 4 de
dezembro. Descubriram-se varios papis, e ex-
traordinaria porcao de venenos de todas as espe-
cies. Apprehendeu-se sobretudo um vidro, que
conteve duas grammas de digitalina, e que s tinha
15 centigrammas. O aecusado foi intimado para
que se explicasse. As explicacoes foram tao pouco
satisfatorias, que a sua priso foi inmediatamente
ordenada.
Os doutores Tardieu e Rossin procederam ana-
lyse chimica dos orgaos da viuva,e submetteram ao
mesmo exame as dejeccoes accurauladas junto ao
leito da defunta. Concluiram declarando que a Sra.
Pauw morrera envenenada.
Ove dunque t'aggiri t al cielo, al cielo.
(Ceresola.)
Depois da extioccao da guerra de Panellas de
Miranda, cooseguida custa de tantas fadigas e do
mais improbo trabalho, era muito natural que esse
Quanto substancia empreg.ida, julgam ter sido I COrpo alquebrado ao peso de tanto labor procuras-
a digitalina, cujos effeitos sao anlogos aos observa- se refocillar-se em doce remanso de proporcional
dos no cadver, e depois nos animaes que servi-' descanso.
(Continuar-se-ha.)
LITTERATORA.
D. Jnii da Purificaro Marques Perdigo.
ULTIMO BISPO DE PEnNAMBUCO
T/-(iros biographicos
III
Alma........,...............
no
ram s experiencias. A ndole do veneno, que nao
deixa vestigios, nao Ihes permute aeran neste par-
ticular mais affirmativos.
A qualidade do veneno mostrava que o triste
acontecimento nao era resultado de accidente. Nao
podia attrbuir-se ao suicidio, que a viuva de Pauw
segundo numerosas testcmunlias, nao podia preme-
ditar ; devia ser consequeucia de proposito crimi-
noso.
Qual o movel de semelh.inle crime ? Nao era,
por certo, a vinganca ou o odio. A viuva nunca
leve inimigos, e nao podia recelar os seus malefi-
cios.
Nio ha va herdeiro interessado na sua morte. O
producto do seu trabalho constitua toda a sua for
tuna, o nico recurso dos seus lilhos. De lodos os
que conheeia, s um podia lucrar com a sua morte
Era La Pommerais.
Conhec'a a Sra. Pauw havia algn s annos. Cha
mado, como facultativo, em O junto ao marido"
?iu-o suecumbir. Pouco depois, fez-se amante da'
viuva. As relaedes contmuaram at meiados de
1861. No mez de agosto Pommerais casou com
urna senhora Dubizy, o que nterrompeu as rela-
c5es. Perto de dous annos decorreram, sem que
o doutor quizesse tornar a ver a sua amante; e
chegou a recusar as solicitacoes Jesta para que fos-
se ver osfilhos, que estavam enfermos.
De repente, cm junho passado, a Sra. Pauw v
entrar o doutor em sua casa. Para explicar o brus-
co regresso, pretendeu que trazia o meio de asse-
gurar o futuro dos lilhos della. S cumpria guar-
dar profundo sigillo, e a pessoa alguma nao reve-
lar o processo. Sem entrar em mais explicacoes,
s disse que se tratava de um seguro de vida.
Restabeleceram-sc as boas relacoes. La Pom-
merais propoz amante a corabinaco seguinte :
devia segurara vida pela quantia de ."530,000 francos
exigivel na poca do seu fallecimento; encarrega-
Ta-se elle do pagamento dos premios transferindo-
se-lhe o beneficio do contrato. Era demasiado ob-
vio, que a eperacao reduzida a taes termos, nao of-
ferecia vantagem alguma para a Sra. Pauw, ou
para seus filhos. La Pommerais accrescentou, que
averia meio de tirar partido, quasi immediato.
Pouco depois, a viuva fingira urna grave doenca,
de modo que fizesse acreditar as companhias de se-
guros, que eslava a fallecer. O amante iria ento
er com os directores, e proporia a annullacao dos
contratos, mediante a renda vitalicia de 6,000 fran-
cos a datar do 1 de Janeiro de 1864. Dividiran)
ambos essa receta e ella sahiria dos apuros em que
se achava.
A viuva nao leve a coragem de repellir estas
propostas. Estava longe de suspetar o proposit
de La Pommerais e confiada nos seus protestos, en-
tregou-se cegamente a elle.
O amante teve a precauco de nao entender-se
directamente com as companhias. Escolheu um
corrector por nome Desmidt, que serviu de inter-
mediario. Disse aos directores, que um rico per-
sonagera, o conde de La Pommerais, desejava se-
gurar o futuro dos filhos que tvera de madama
Pauw; e como a saiMe desta foi reconhecida ex-
cedente seis compaahias francezas: Genrale Na-
tionale, Patertulle, Union, Plenw, Imperiale, e duas
anglo-francezas, a Internationale e a Gresham, con-
trataran! o seguro pela sorama total de 550,000
francos.
As oito apolices foram assignadas; e a viuva
obrigou-se a pagar annualmente premios, que at-
lingiam a quantia de 18,840 francos.
em seu beneficio.
E' tambem obra sua e exclusivamente sua a
reedificaeao do palacio episcopal da Soledade, cuja
fachada constitne um dos mais bellos ornamentos
da capital da mesma provincia, e se a esta reedi-
ficaeao nao est ligado um pensamento religioso,
pelo menos atiesta ella a generosa liberalidade do
Ilustre prelado tanto para com o governo, a quem
essa reedificaeao de direito competa, como para
com os seus successores, que mais linham a apro- i
veita-la. Porm no meio desta vida de dedicaco
e sacrificios em favor da religo, da egreja e do
estado devia ainda vir sorprende-lo quasi que no
ultimo quartel da vida mais um desgosto profundo,
qual o de ver-se na imperiosa necessidade de pug-
nar anda pela inanutenco dos direitos da egreja,
desta vez mais seriamente ameacados pelas arabi-
coes directas do padroado.
A deslocacao de um parocho para urna fregue-
zia diversa daquella para que tinha sido proposto
em virtude de concurso originou o conflicto dos
dous poderes.
O prelado hesita em prestar a collacao canni-
ca ao parodio assim deslocado, e pso faci sus-
peilo de simona ; ao mesmo tempo que represen-
ta reverentemente ae governo contra a illegalidade
Nao. Nem por isso foi longa a tregua pelo vir-
tuoso prelado imposta ao sea santo apostolado. D'a-
li mesmo seguiu para a provincia das Alagoas;
depois para a do Cear, e por ultimo para a do Rio- dessa deslocacao, por nao ter recahido a escolha
Grande do Norte, terminando assim a visita das [ em algum dos tres propostos para a freguezia em
cinco provincias da diocese, em urna extensao de questo, porm sim em um quarto proposto para
freguezia diversa.
O governo sustenta a legalidade do acto soccor-
rendo-se ao alvar de faculdades, e aos direitos do
padroado quer como prerogativa puramente ma-
Nem as fadigas dessa penosa excursao imped.' gestatica, quer como privilegio inherente ao Grao
ram o virtuoso pastor de achar-se na corle do Rio i Mostrado da ordem de Chrislo. Objecta o atten-
Janeiro em 1841, por occasio da sagraco de S. M. cioso prelado allegando a improcedencia do pri-
o Imperador o Sr. D. Pedro II. cuja ceremonia meiro dPois da novissima lei que manda pro ver
mais de mil leguas ao todo. O itinerario dessa me-
mora vel digressao apostlica hoje (segundo nos
afflrinamj propriedade do Instituto Histrico e Geo-
graphico do Rrasl.
teve a honra de achar-se presente na qualidade de
prelado assistente. No dia 2 de junho de 1814 sa-
grou tambem na egreja do convento do Carino, em
Pernambuco, o Sr. D. Fr. Carlos dc S. Jos, penl-
timo bisp,o do Maranhao.
Apenas porm restituido sede do bispado, e
por concurso todas as egrejas do imperio e a in-
validade dos segundos, negados na primeira hypo-
these, caducados na segunda depois da secularisa-
co da ordem, por esse facto destituida de privile-
gios religiosos.
A controversia succede um certo estado dedu-
agora mais do que nunca conhecedor de propria biedade apathica ; e a questo Dea por espaco de
observacao da necessidade de reformar os limites cinco annos indecisa. ltimamente houve o go-
de certas freguezias com referencia melhor dis-
tribuicao do pasto espiritual aos povos, procurou
de accordocom os respectivos poderes civis melho-
rar a sorte de algumas tribus menos felizes, s
quaes s a furto cabia tardo quiuho dos auxilios
da egreja; e neste proposito ludo marchava a seu
pleno contento ; porm como neste mundo quasi
sempre vem a onda de fel logo aps a gotta de mel,
neste mesmo ponto da sua particular solicitude te-
ve o bom prelado que tragar amarguras e amar-
guras nao pequeas. Porm do mesmo modo que
o bom diamante indicado pela prova da lima as-
sim o attrito dos confraternos revela tambem
o homem de merecimento, e o bom prelado leve
mais occasio de mostrar a inflexibilidade do seu
carcter e a rigidez dos seus principios pasloraes.
verno por bem mandar por a concurso todas as
egrejas do bispado, e pela segunda vez aquellas
que haviam motivado o conflicto. O bom prelado
obedeceu. Foi o ullimo concurso que celebrou.
Quando no calor da discusso alguem Ihe aconse-
lhava mais brandura e condescendencia com as
pretenciies do governo, era esta a sua resposta :
Eslou perto do tmulo. Nem honras, nem ri
CM POICO DE TCDO.
Transcrcvemos da Semana Ilustrada o se-
guinte :
TEM PACIENCIA.
(ImitaraoJ.
Se apezar de ser activo
Laborioso e applicado
Continas n'um estado
Miseravel e afflictivo
Porque o fado sempre esquivo
Te persegne sem clemencia,
Tem paciencia.
Se resolveres casar
Com elegante menina
Que julgando-te urna mina
Goste e gaste sem parar
Te reduzindo indigencia,
Tem paciencia.
Se nos bailes ou unecoes
Ella gostar de ama roda
Desses rapazes da moda,
Afiambrados leoes,
E dessas conversaces
Te chegar a consecuencia,
Tem paciencia.
Se desanda na loucura
De ser santa e toda pa,
Visitando a freguezia
A menina s procura
Conversar rom o Sr. cura
P'r'allivio da consciencia,
Tem paciencia.
Se atraz de eomprar barato
Vaes a um negociante,
Que sendo grande tratante,
Por um cao te vende um rato,
Ou mesmo porlebre um gato
Conhecendo-te a innocencia,
Tem paciencia.
Se procuras nm estado
Em que possas ganhar pao
E te negam dar a mao,
Por se adiar reeommendado
Um bronco, mas afiI lindo
De urna estupida excedencia
Tem paciencia.
Se um juiz e um escrivao
Te fazem ser desgostoso,
Por te privarem o goso
De nm direito justo e sao,
Pondo ambos em leilao
A mesquinha consciencia
Tem paciencia,
Se o juiz fr verdadeiro
E por fim victorioso
Da demanda sanes gostoso,
Mas sem camisa e dinheiro,
Pois te foi o bolo inteiro
Nos meirinbos e na agencia,
Tem paciencia.
Se apandas por desventura
Molestia de estar na cama
E algum doutor de fama,
Errando prolonga a cura,
E por fim na sepultura
Te encaixar a sapiencia,
Tem paciencia.
De Coimbra escreve-nos o Sr. Antonio da Silva
Ramos, em data de 23 de maio prximo passado, o
que damos em seguida acerca da agricultura com
exposicao de suas ideas praticas sobre a materia e
indicacao dos meios de traduzilas em facto com
vantagem para o paiz. Tudo submettemos apre-
ciado publica, convidando para ahi as vistas do
governo :
assemblas proviociaes disporem de ama quota
para colonisacao das respectivas provincias ? Se o
nao fr, nao terao ao menos I o sagrado direito
de petico, para representaren! viva e enrgica-
mente ao governo os males porque estamos pas-
sando?
Meu charo Sr. redactor, logo que das cadeiras
das asemblas s se trata com preferencia aos
negocios serios, das origens e definicoes dos diffe-
rentes partidos p -lijco-, das biographias de seus
amigos, presentes e futuros chefes, nada que bom
seja, devemos esperar.
Onde temos nos esrolas de rudimentos indispen-
saveis aos filhos dos nossos lavradores T
Como devoremos e poderemos ter agricultura
aperfeicoada. se a mocidade agrcola se alimenta
de velhos e inveterados erros! teremos por con-
sequencia, que o lavrador a'aqui cem |annos se-
r o mesmo lavrador que o de hoje, com difieren-
ca apenas, (e talvez) s dos nomes e cognomes das
familias de que forem descendentes.
Tenho ouvido fallir em se montar um ongenho
modelo. Que quer dzer um engenho modelo ? t
l'm engenho modelo, urna escola agrcola modelo,
cousa muito seria, e para nos conseguanos o
nosso desidertum, nao devemos comecar assim.
Digo que nao devemos comecar assim, nao, por
nao desconhecer as vantagens dc urna escola mo-
delo, mas porque devemos comecar por urna ins-
tituicao, que logo e de repente esteja ao alcance de
todas as inlelligencias e posses pecuniarias.
Para o filho do povo, arrende ou compre o go-
verno um, dous, ou tres engenhos em cada provin-
cia. Monte-os convenientemente, tenha em cada
um delles um mcslre agrcola propriamente dito,
sto que saiba ensinar* a romper com facilidade
urna malta virgem-, que saibaensinar guiar urna
charra, que saiba finalmente manejar um macha-
do, urna fouce, e a propria enchada ; pois quando
ah estve, ha tres annos, certfique-rae de que nem
isso os nossos negros sabiam fazer.
Ento, as capitaes das differentes provincias,
tenha um collegio, nicamente para o ensino theo-
rico da agricultura, accommodado pratica, para
Vamos, confessa face de Deus todos os teus er-
ros, nico meio de alcancar o seu perdao.
Padre, tens a teus ps urna mulher bem cri-
minosa ; prepara-te para ouvir horrores, que na
tua tranquilla mente nunca passaram. Fui ou-
tr'ora rica e bella, tive um pae que me idolatrava,
e era esposo respeita vel. Poderla ter vivido vida
de aojo, a nao ser um homem que afogou a vir-
tude que germnava no meu coracao. Tao joven,
dei ouvidos a suas palavgas infernaes: que me
perderam. Angelo enviado dc Satanaz para per-
aer as almas puras. Era elle, que se fingindo
amigo do meu esposo, o trahia seduzindo sua in-
cauta esposa. Eu era adultera speras repren-
hen-es de meu marido, que conheceu a fraud,
e pretenda afastar Angelo do pe" de mim, acende-
ram sua colera a ponto de aconselhar-me a enve-
nenado I...
E a cabeca Ihe cae nos joelhos do padre, que
n'um tremer luvoluntario a tinha escotado at ali.
Pouco pouco se reanima 3 contina :
E eu com inaudita traicao Ihe apresentei a
taca envenenada, que elle recebe confiado da mi-
nha mo, deslcmhrado de quanto capaz urna
mulher que ama um homem perverso. D'ahi
poucos momentos urna convulsao terrivel se apo-
derou delle, fazia contorsdes medonhas. Quando a
nuvem da morte ia prestes a obscarecer-lhe os
olhos, chamou-ine, apertou-me em seus bracos, e
me deu o ultimo adeus. Tudo vi e ouv, e uo
me compung. Meu pae aecusa-me e ao meu a-
mante do terrivel crime ; Angelo ante meus olhos
pelas cans arrasta o velho, que supplicava, pedia
a vida e chorava, e eu vi saas lagrimas correrem
pelas descarnadas faces, ouvi seus rogos e nao
interced por elle I O malvado Angelo o es-
tende por trra I Maldcao I exclama o velho ;
mas elle, pondo-lhe o p sobre o peito, Ihe em-
barga a voz e com a voi a vida.
Um anno viv com Angelo atormentada pelos
remorsos, que me despedacavam a alma. Urna
noute em que Angelo me tinha deixado s, para
se entregar cora seus amigos s mais infames de-
vassides, e que eu contemplava com vergonha
onde os senhores de engenhos mandem seus filhos, meu nlho-llllCit0 frucl dt nefando amur> t*
em vez de os mandar cursar as academias, pois i'
das grandes fornadas de doutores, nao consta que
algum paiz tenha prosperado.
Pondo de parte os erros em que laboramos, os
deleixos dos governos, e as palestras parlamenta-
res, direi :Todo aquello, que no Rrasl nao tendo
oceupacao Iliteraria, se applica a oulra profisso
que nao seja a agrcola, erra, e erra mortal-
mente, Brasil, por natureza um paiz agrcola;
o Brasil, convida visivelmenle que seus filhos
sejam lavradores. Pois nao verdade ? um paiz
que tao prdigamente recompensa o suor de quem
o cultiva, multiplicando dezenas de vezes as semen-
tes que conliam a seu seio, nao dever ser attendi-
do em seu convite ? Um engenho modelo? para
que? modelo o solo abencoado com que Deus nos
dotou ; n'um paiz tal, nao se quer, nao se precisa
modelo para ensinar a trabalhar; precisa-se sim,
de modelo para ensinar a ter volitado de trabalhar,
poique haveudo genio e voutade, aperfeicao appa-
recer.
Mas se ahi no Rrasl, mais que em parte alguma
do globo existe averso ao trabalho, e principal-
mente ao agrcola, como pode isso nunca ser alcan-
zado ?
Para prova do que exponho, pergunto urna cou-
sa, e peco a alguem me responda, que eu por ex-
periencia minha podena responder :Morre um
senhor dc engenho, e deixa a seus filhos urna pro-
priedade que a todos sustentava, dava para a edu-
caeao dos mesmos, e... talvez para forrar sua pa-
taca. Essa propriedade, at entao era administra-
da por um s homem, e sua cultura achava-se con-
centrada ; se pois assim mesmo, dava para fazer
face a todas as despezas supraditas, melhor dara,
se fosse administrada por tantos, qnantos fossera
seus herdeiros, dividindoa emtalhes irmaamente,
e cada um, com seus escravos tambem parlilhados,
fabricando-a. Mas que ? isso no Brasil grego ;
apenas o velho d o ultimo suspiro, logo se trata
de vender o engenho, resultando d'ahi, que a agri-
cultura contina a estar concentrada, e os filhos do
fallecido possuidor, entregues a empregos mesqui-
nhos, e as vezes... a lutarem com necessidades
bem amargas, que evitariam, se continuassem a vi-
ver no seu engenho a sombra uns dos outros, e
aperfeicoando seus trabadlos.
Remato estas mal ahnhavadas liaban, pedindo
desculpa meus patricios, os Srs. deputados, de os
tornar em parte responsaveis pelos nossos atrasos,
ainda que, bem se entende, nao sao aos senhores
actnaes que me dirijo, pois nao tao pequeo o
mal, que tao depressa podesse ser sanado O que
peco, que se lembrem do bem-estar de seus pa-
tricios, e que quanto em si for possivel, faeam com
que nossos amigos males sejam remediados.
Extraamos o seguate artigo :
I
OS RE.MORSOS.
pois i "~ """ ""'" '"*' 1ue me Draaava : se queres
ainda um dia alcancar perdi dos teus peccados,
foge desse homem, que acabar de te perder.
Como fra de mim, corri dia e noute sem des-
cancar at que cheguei a esta cabana onde vivo,
ha um anno, nutrindo-me das plantas que apanho
com minhas proprias mos, coberta de pragas, de
improperios. Tal, padre, tem sido o meu viver.
Bemdito seja o Omnipotente, que restituido
tem a sua santa grey a ovelha desgarrada I Deus,
nao faltou nem poda faltar sua santa palavra '.
foi sua voz que ouvistes; foi elle que aqui me
trouxe.
Lendoum dos ltimos nmeros de sua bem con- .,, ,.
.,.,.. N urna cabana arruinada e pobre, urna mulher
ccituada folha, o que sempre me e grato por tra- .... .:
... ,B .' I coberta de andrajos, com os cabellos esparsos e
zer-me em da acerca dos negocios dessa minha pa- ._ .,
, descalca, contemplava urna enanca, que tranquil-
ina, depare com um artigo com a denominacao de V' .. *""~l
. ,..-.- j la dorma sobre urnas palhas.
Agricultura ; o qual de certo nao deixa de estar |
quezas levo do mundo ; deixem-mo que ae menos bem elaborado, ainda que pouco extenso. Diz seu Do raauso se Ihe aproximou e Ihe imprimiu um
leve comgo a consciencia tranquilla por ter Teito
quanto estava ao meu alcance para sustentar os
direitos da egreja. E com razao fallava assim.
Esses mesmos servicos feitos ao estado, edos quaes
Ihe poda vir alguma remuneraeao por parte do
governo, esses mesmos haviam sido por escriptura
cedidos a um dos seus Ilustres parentes por este
autor, (e diz muito bem,) que sendo a agricultura
a primeira fonte de riqueza de urna naco, toda-
As tendencias de invaso tao frequentemente em ; modo agracado com essa especie de doacao mo-
nosso seculo tem mostrado o poder temporal contra ', no5 mais valiosa do que lhesouros e r-
as preroga.ivasdc.poderespiritual, tomou era 1836 J^ E is que narraraos ^ facl0> que re.
no seio da assemblea provincial em Pernambuco ; vcla bem a sua absolula nu,rerenca para tudo
proporcoes de gravidade. | quaDt0 eram distinc?5cs nonoriflras do mundo, vem
Lma interpretado^do acto addicional toda deplo- a proposito fa||armos ,arabem do seu espirito alta-
ravel a lniervoncao dos direitos da egreja, no que mente Reticente e caritativo, e que sem contes-
diz respeito divisao e creacao de freguezias, mu-
danca de matrizes, etc., negava ao ordinario o di-
reito de intervenciio em materias de tal ordem ; ou
se o nao negava explcitamente era esse direito por
tal modo desconsiderado, que as resoluces do
eongresso provincial smente chegavam ao conhe-
cimento do prelado para serem por elle executadas
na parte relativa jursdcco espiritual.
As assemblas de algumas outras provincias da
diocese seguiram oexemplo da primeira, e o bom
prelado vu-se dentro em pouco tempo fortemente
aperlado por urna especie de conspiracao contra as
taco constituo o melhor e mais bello floro da sua
cora de gloria.
O bispado de Pernambuco era nesse tempo (an-
tes da desmembraco da provincia do Cear) com
razao considerado como um dos mais rendosos do
imperio. Julgar-se-ha por isso que o bondadoso
prelado ou viveu sempre no meio do luxo, do faus-
to e da opulencia, oudeixougrossos capitaes amon-
ados durante o decurso do seu longo episcopado.
Nem urna cousa, nem outra. Nos que de perto o
conhecemos e tvemos a fortuna de gozar a sna
prerogativas episcopaes. Que fazer em lal conjunc-1 intimidado podemos bem de perto apreciar a aus-
tura ? dobrar-se ante as decisdes (em sua opiniao. teridade propriamente eremtica do seu mais re-
illegaes) do poder temporal ? Mas isto equvaleria' cndilo viver, chegando a prvar-se raudas vezes
a urna renuncia manfesta dos direitos da egreja,
dos quaes elle era apenas depositario, e por conse
das commodidades mais trlviaes e comesnhas da vi-
da. Pobre, sempre pobre, a ponto de ser obrgado
guinte incompetente para renuncia-Ios. Recusar-se algumas vezes a recorrer a confimeade obsequioso
sua execucao? Mas este procedmento ia natu- am'g l'ara acudir as suas ^P^^ diarias. E
ramente offender os bros de corporac5es respe- esses thesoures accumulados durante tantos annos
taveis, desafiar serios conflictos, e finalmente or- desse viver anachoretico?
ginar consequencias, cuja gravidade mal poda ser Ide anda hoje Pernambuco. Visitae na ca-
de antemao calculada. Sem embargo o partido a thedral o jaziga dos mortos, e talvez (porque o be-
seguir parecia-Ihe obvio, porm elle, anjo de paz, neficio nem sempre tem a infelicidade de recahir
symbolo da tolerancia foi smente em face da em mos ingratas) que l encontris ainda orando
imperiosa lei do dever, que elle se decidiu a rea- junto de urna lapide, talvez indistincta, algumior-
gir contra todas essas deliberaedes a que nao ti- pbo desvalido que ancia de dr e soluca em pran-
vesse assstdo a sua previa audiencia, como nico to ; perguntae-lhe quem era das de amargara e
sculo.
S t, anjo de luz raysteriosa. estrella candi-
via a que menos tem merecido da solicitude dos da e pura, me nao amaldicas, s tu sorris para
nossos differentes governos, que ao contrario de tua pobre mae E quanto mais nao valem teus
protegerem-na, tem-u'a sobrecarregado com gran- meigos e innocentes sorrisos do que os gelados e
des tributos. fementidos acolhimentos deste mundo, plago de
Se o nico mal, fosse o demasiado tributo que crimes e traices I Ah I mas quando se desen-
vexa o nosso pobre lavrador, proporcionando-se volver a tua razao, quando souberes que nasces-
por outro lado os meios de taes tributos serem pa- te de um crime, que urna mprecaco presidiu ao
gos, bem iria o negocio ; porm que beneficios se teu nascimenlo, e que tua mae era urna adultera,
despensam a essanossa rachitica agricultura ? Que dirs sem duvida : maldicao sobre quem me
bracos tem o agricultor, para cultivar e tirar um deu ignominiosa existencia I maldicao sobre quem
tal producto, que suavemente possa pagar as impo logo no meu nascimenlo me imprimiu na fronte o
sicoes legaes ? Os governos que at ha bem pouco ferrete do opprebo e da vergonha I...
lempo tem estado rom as redeas do poder, fizeram Os suspiros Ihe embargara a voz e urna convul-
(que se pudesse ver) alguma cousa em beneficio sao terrivel se apossa de todos os seus mem-
dos nossos lavradores ? se o fizeram foi obra que bros.
nao passju dos gabinetes; mas isso, nao entra em Nesse momento batem porta da cabana,
duvida ; nada fizeram. Ella levanta a cabeca, "julga que seus ouvidos a
Podero dizer que se tem consumido centenas enganam ; mas um segundo baler a convence da
de contos de ris em introduzir colonos ; por ea realidade.
saber o mal administrado de tal systema de enga- Quem ser o mortal que sem horror vem
jamentos que afflrmo e affirmar todo o mundo cabana da adultera?
imparcial, que os governos em vez de beneficio, Levantou-se, abru a porta, e um padre coberto
teem felo damno ao paiz. Engajar colonos sem com um grande capuz entrou.
garantir a estes o fiel cumprimento de seus con- E' um ministro de Deas, disse elle, que sa-
tratos, expondo-os assim a deixar saas patrias, e bedor dos teus desvos e os infortunios vem soccor-
a verem-se ludibriados pelos engajadores, e gran- rer-te e consolar-te.
des senhores, vendo-se depois na dura necessidade E se no mundo ha quem precise de soccor-
de emigrarem para frica, os que sao portugue- rn e consolacoes, sou cu de certo. Bemdito seja o
zes; e para seas paizes os de outras procedencias, anjo que te inspiran I Vem, meu padre, vem, que
teem felo, nao s esmorecer o embarque para o
Brasil, como ainda o tem apresenlado sob o ponto
de vista do paiz decadente, e falto de hospitali-
dade.
Quem |f m aproveitado alguma cousa com um
semelhante systema ? algum ricaco do Rio, e na-
da mais, pois alm de tudo, s se considera Bra-
sil o Rio de Janeiro.
Mas, nao quero s imputar os atrasos da nossa
agricultura ao governo geral. Pergunto, (porque
S
curador legitimo e cannico dos interesses espiri- desamparo Ihe estendeu mao benfica eproteetora?' ignoro) nao sera das attribuigoes das differentes
agora posso encarar sem horror a morte.
E ajoelhando, com fervor beijava o escapulario
do sacerdote.
Desprende dc leus labios, santo padre, pa-
lavras de consolaco, que ha muito nao sam a
meus ouvidos. Lanca um balsamo sobre minhas
feridas abertas, que de continuo me punge. Meu
enmes sao grandes, mas o castigo tom sido ter-
rivel.
.ncirod; Tninha filha I nao desanimes. Deas
todo poderoso, e nunca desampara os intelizes.
O padreproferiu as rezas da egreja e Ihe lancou
a absolvcao.
Fica-te era paz, irma; nunca te hei de
desamparar, e amanhaa voltarei a consolar-te I
Amanhaa repetiu ella com voz fraca.
E cahiu tao desfallecida, como se cahira na ter-
nidade.
II
Surga o dia negro e tempestuoso, como a alma
do assassino; o cu se vestir de d, e as nnvens
semelhando rasgar-se, soltavara torrentes d'agua
que alagavam os campos, que, havia pouco, sor-
riam ledos como donzella em dia de noivado.
Quem ousaria camnhar nessa manha de horr-
veis procedas ?
Quem trlharia essas ras transformadas em ros
caudalosos ?
Um homem havia, que trajando escuro burcl,
caminhava vagaroso, sem curar do rigor do tempo,
deslembrado do mundo, e s com o pensamento
em Deus.
Tinha na fronte impressas as dores e raartyrios
do coracSo|; era um sacerdote I
Seu rosto sombro, suas faces lvidas davam a
conhecer que soffrera mullo e qne no santuario do
Senhor buscara unitivo para as dores d'alma.
Va-se que n3o eram os annos que tinham mar-
cado em seu rosto as rugas da velhice, mas sim as
nquietacoes de urna vida tormentosa.
Diriga seus passos incertos para urna cabana
collocada no comoro de um monte.
As chuvas havama hifeito terriveis estragos e se
de espaco a espaco se nao ouvisse seno um ai,
que um peto fraco soltava, dir-se-hia inhabilitado.
Entrou.
Que espectculo se Ihe antolha I
Urna mulher jazia por Ierra, paluda, abatida e
lulandocom a eternidade.
Quem ? diz ella levantndose um pouco.
Ah s tu, meu padre, bem vindo sejas, pois que
prestes a morte com suas miios de ferro cerrara
minhas palpebras, sem eu receber a bencao de
Deus... Meu filho, nico laco que ainda me pren-
da ao mundo, aquella flor tao mimosa, j defi-
nhou !...
E de novo cahe por Ierra.
E de novo se levanta.
Padre, tu que sabes todos os meus crimes, as
maldices que pesam sobre mim, e as penas que
hei soffrido, tudo por causa de um s homem, diz-
me, se nesta hora solemne nao devo rogar a Deus
que o puna, e Ihe faga soffrer os tratos mais dolo-
rosos do inferno...
Suspende I nao protiras taes blasfemias ;
lembra-te que em breve teu corpo ser presa dos
vermes, tua alma va apparecer ante o tribunal di-
vino.
S me lembro dos meus padec mentos e das
suas iniquidades.
Mas suppoe que, com os cilicios, cora as vi-
gilias e os jejuns, tem alcancado o perdao de Deus,
e que s Ihe falta o teu para se salvar...
Embora! Nao Ihe perdoarei...
De joelhos lo peco. Dize, dize que Ihe per-
doas, sem o que Deus te nao pode perdoar...
Oh I... sim... eu Ihe perdo...
Bemdito seja o Senhor!
E o padre tirando o capuz, beija a trra.
Angelo!... s tu, An.. ge.. .lo___
E a voz Ihe expirou nos labios.
A infeliz tinha cessado de existir 11
L-se no Commercial, do Rio-Grande do Sul :
Percorreu hontem as ras da eidade a tripoiaco
do patacho D. Lmz, trazendo urna das velas desse
navio enfeitada e com a qual pedia urna esmola
para mandarem dizer ama missa a Senhora dos
Navegantes, a que invocaram em alto mar, quando
bracos com grandes pergos em sua vagem de
Pernambuco para este porto.
A religosidade e contriccSo desses trpolantos,
ao satisfazer a promessa : o canto que despren-
diam a invocar a esmola para ella, tudo nos fez
sentir verdadeira commocao e respeito.
PERNAMBUCO.-TYP. DE M. F. DE F. rTLHO-
r
'


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EAKB6N6Y6_I5JI5Z INGEST_TIME 2013-08-28T02:22:07Z PACKAGE AA00011611_10402
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES