Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10400


This item is only available as the following downloads:


Full Text
i
AMO U. NUMERO 144.
Por tres nezes adiauUdos S$O00
Por tres nezes rencidos 6J000
. Parte ao correio por tres mezes. 750
I v v
DIARIO DE
V RCCP
SABBADO 25 DE JDWHO DE 1864.
Por anuo adian.tad*.....4 9$000
Porte ao correio por un anuo 3$Q0D
BNCARREGAD03 DA SUBSCREPCO NO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima'
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Aracaty,
Sr. A. do Lemos Braga; Gear, o Sr. J. Jos de
Oliveira; Maranliao, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Manoel Pinheiro & a; A-
mazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRrPCAO IfO SUL'
Alagas, o Sr. Claadino Falco Dias; Bahia, o
rr. Jos Marns Aira; Rio de Janeiro, os Srs. Pe-
riera Martins & Gasparino.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo e Escada todos os dias.
Iguarassu', Goyanna e Parahyba as segundas e
sextas-feiras.
Santo Anto, Gravat, Bezerros, Bonito, Caraarn',
Altinho e Garanhuns as tercas feiras.
Pao d'Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqueira,
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Tacaratu', Cabrob,
Boa Vista, Ouricury e Exu' as quartas feiras.
Sennhaem, Rio Forinoso, Tamandar, Una, Barrei-
ros, Agua Preta e Pimenteiras as quintas feiras.
Ilha de Fernando todas as vezes que para ali sabir
navio.
Todos os estafetas partem ao Vi dia.
EPHEMEBIDES DO MEZ DE JUNHO.
4 La nova as 9 h., 20 m. e 20 s. da m.
12 Quarto cresc. as 9 h., 27 m. e 26 s. da m.
19 La cheia as 8 h., 34 m. a 20 s. da t.
26 Quarto ming. as 11 h., 53 m. e 3 s. da m.
PREAMAR DE HOJB.
Primeira as 8 horas e 30 minutos da manhaa.
Segunda as 8 horas e 51 minutos da tarde.
PaRI'DA DOS VAPORES uOSmROi.
Fara o sai at Alagas a 5 e 25; pir* o torte at
* W a 7 e 22 de cada raez; para Femando nos
das 14 dos mezes dejan, marc, maio, jul, set. enov.
PARTIDA DOS MNIBUS,
o ij Recife : do Apipucos s 6 % 7, 7 '/?. 8 e
8 V* da m.; de Olinda s 8 da ra. e 6 da tarde; de
Jaboatao as 6 >/i da m.; do Caiang e Vanea s 7
da m.; de Bemfica s 8 da m.
Do Recife ; para o Apipucos s 3 /z, 4, 4 /4, 4/,,
o, Vj, 5 / e 6 da tarde; para Olinda s 7 da
manhaa e 4.'/, da larde; para Jaboatao s 4 da tar-
de j para Cachang e Vanea s 4 Vi da tarde; para
Be moca s 4 da tarde.
AUDUaNCa UOi IRffiUNAJtf DA CAPITAL.
Tribuna! do commercio: segundas e quistas.
Relago: tercas e sabbados s 10 horas.
Fazenda: quintas s 10 horas.
Juizo do commercio: segundas s 11 horas.
Dito de orphaos: tercas e extas 10 horas.
Primeira vara do civel: tercas e sexus ao m?fe>
dia.
Segunda vara do civel: quartas e sabbados a 1 hora
da tarde
-*---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------1---------------------------
.DIAS DA SEMANA.
20. Segunda. S. Silverio p m.; S. Silvino m
21. Tfrca. S. Luiz Gonznga ; S. Alban* m.
22. Quarta. S. Paulino b.; S. Nicas b.
13. Uuinl. S. Agripina v.; S. Xenn m.
21. Sexta, e> Nascimenlo de S. Joao Baptista.
2o. Sabbado. S. Guilherme ab.; S. Febronia v.
26. Domingo. Ss. Joo e Paulo irs.; S. Virgilio m.
ASSIGNA-SE
no Recife, em a livraria da praca da Independencia
xa. 6 e 8, dos proprtetarios Manoel Figueira de
Faria & Filho.
PARTE QFFICIAL
^^---------------------i iiii
GOVERNO DA PROVINCIA.
Eipedifnlf d dia 21 de jmihn de 186i.
Offlcio ao brigadeiro commandante das armas.
Queira V. Exc. mandar por em liberdade, os re- [
cruias Ignacio Vicira da Silva, e Henrique Luiz de :
Araujo Dias, visto que, segundo o seu offlcio n. I
1063 de 13 do corrente, o 1" foi julgado incapaz
do servico em inspecgo de sade e o 2 soffre de
molestias enormemenle desenvolvidas e que neces-'
sitara de tratamento por meio de operago. Quan-
to porra aos de nomes Pedro Francisco de Brito e
Sabino Antonio Ricardo, j providenciei por oQicios
de 14 e 15 deste mez, mandando por em liberda-
de a este e autonsando o alistamento d aquelle.
Communicou-se ao lente coronel rccrutador.
Dilo ao mesmo.Para se poder resolver acerca
do pagamento das etapas lomeadas a 6 recrutas
que vieram do termo de Papacaca, os quaes cons-
tain do pret annexo ao incluso olncio expedido pelo
Dr. chefe de polica em 18 do corrente, sob n. 728,
o qual me ser devolvido, faz-se preciso que V.
Exc. me informe se taes recrulas foram aproveta-
dos para o servgo do exercito ou que deslino tive-
ram elles. i
Dito ao mesmo.Sirva-se V. Exc. de mandar
apresentar ao Dr. chefe de polica amanha s 2
horas da larde 3 pracas de pret afira de escolta-
rem dous presos de justica at as captaes das pro-
vincias da Parahyba e Cear.Communicou-se ao
Dr. chefe de polica.
Dito ao Dr. chefe de polica.Devolvo V. S. o
pre que veio annexo ao seu offlcio de 16 do cor-
rente sob n. 717 relativo aos vencimentos de urna
escolta de guarda nacioenaes que veio do termo de
Papacaca conduzndo seis recrulas, alim de que se-
ja reformado de ceraformidade com o parecer da
contactara da thesouraria de fazenda, constante da
copia junta que veio aunexa ao otllcio do respecti-
vo inspector, da lado de hojc e sob n. 319.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
Transmuto V. S. para o fim conveniente o attestado
junio era duplcala, que me foi remettido pelo bri-
gadeiro commandanle das armas com offlcio de
hontem sob n. 1099, do qual consla haver o solda-
do da 7* compaoha do 4- batalho de artilharia
ap Scverino Jos Francisco de Oliveira, appre-
hendido o desertor do mesmo balalhao Miguel Joa-
qun Teixeira,Coramunicou-se ao brigadeiro
commandanle das armas. i
Dito ao mesmo.Communleo V. S. que se-
gundo constou de offlcio do commandante do pre-
sidio de Fernando n. 36 de 17 do correle, o mes-
tre pedreiro Antonio Moreira da Silva, que se
achava ao servico d'aquelle presidio deixou detra-
baltiar desde 3 de mao ultimo em dianle por nao
querer su)elar-se ao abale de mil ris diarlos que
llie fez o predito commandanle no respectivo sala-
rio do qual est pago al o referido da 3.
Dilo ao mesmo.Remello V. S. para os con-
venientes exames as contas em duplcala da recei-
ta e despesa do hospital militar relativas ao mez
de maio prximo lindo.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.
Em resposta ao offlcio que V. S. me dirigi em 10
do correnle mez sob n. 219, acompanhado de ou-
tro que incluso devolvo do procurador fiscal dessa
thesouraria propondo a cobranca por adminstra-
lo do imposto de 20 por cento da agurdente
coasMrida em loda a provincia, tenho a dizer, que
nao estando aulorisada por lei a rescisao dos ac-
tuaes contractos para a arreradago de tal impos-
to, e podendo alias semelhante rescisao prejudicar
os nleresses dos cofres provncaes pelas reclama-
cues del la resaltantes, nao d V. S. execugiio nes-
la parte a lei do orgamento para o exercico pr-
ximo vindouro, cujo pensamento capital parece ter.
.-ido a observancia do que dspe o 9 do art. 41
do orgamento vgenle.
Dilo ao cnsul de Portugal.Dependendo de de-'
liberago do governo imperial, a isencao do servi-
do do exerciio reclamada pelo Sr. Dr. Claudino de
Araujo Guimaraes, cnsul de Portugal nesla pro-
vinria para o individuo de nome Jos Mara Gon-
calves Costa, rom o fundamento de ser elle subdi-
to Porlnguez, convem aguardar a deeisiio do mes-
mo governo a cujo conliecimenlo vou levar os of-
licios que me tem sido dirigidos a semelhante res-
peno, bem como as informa^oes ministradas pelo
brigadeiro commandante das armas, das quaes
consta que o predito Cosa assentou praca volunta-
riamente em 19 de agosto de 1862.
E' nnanto tenho a declarar em resposta aos of-
flcios do mesmo Sr. cnsul a quem renov os meus
protestos de eslima e considerado.
Dito ao commandanle do presidio de Fernando.
Approvo a deliberado que V. S. toraou de re-
duzir qmlro o numero dos sentenciados que se
iiavia concedido como camaradas aos empregados
o offlciaes destacados nesse presidio. Fica assim
respondido o offlcio que V. S. me dirigi sob n. 22
o data de 12 do corrente. ;
KM ao inspector do arsenal de marinha.Faco
apresentar V. S. o menor Manoel Ferreira da Sil-1
va, allin de ser alistado na companhia de aprendi-
ces marinheiros se for para isso julgado apto.'
Commuinicouse ao Dr. chefe de polica.
Dito ao director do arsenal de guerra.Remeti
V. S para os liiis'convenentes a guia de mil pa-
re- de sapatos, e 3 de botns enviados a esse arse-
nal pelo commandante do presidio de Fernando no
vapor Parahyba.
Dito ao commandante superior da guarda nacio-
nal do Recife.Expeca V. S. as suas ordens para
que um dos corpos d'a guarda nacional desta capi-
tal preste urna guarda de honra para assistir aos
actos da festa de Nossa Senhor dos Prazeres, que
se tem de celebrar no dia 26 do corrente na igre-
ja do Corpo Sanio, bem como ao Te-Deum noite.
Dito ao director das obras publicas. Pelo seu
offlcio de hontem sob n. 160 fiquei inteirado de ha-
ver Vmc. empreilado com Antonio de Barros Fal-
cao os eoncertos de que precisa a casa da barreira
da Magdalena na importancia de 180JJD00, os
quaes constHm da nota qnn por copla vero annexa
ao sen citado offlcio.Communicou-se ao inspec-
tor da thesouraria provincial.
Dito cmara municipal da villa do Pao d'Alho.
Deelaro cmara municipal da villa de Pao
d'Alho, em re>posta ao seu offlcio de 8 do crreme,
que approvo o contrato feito de eonformidade com
a planta e orcamento que acompnbarara o meu
offlcio de 28 de abr obra do cougue publico dessa villa pela quanlia
e condiedes mencionadas no termo d arremataeao
qae wi anaexo ao seu citado offlcio.
Dita ao ronselho administrativo. Recommendo
ao conselho administrativo que compre com ur-
gencia e nos termos do seu reculamente 1400 al-
<|Uf ires de farinha de mandioca pela medida do
padro da cmara. Communicou-se ao inspector
da thesouraria de tazenda.
Portara.O Sr. agente da Companhia Pernam-
bueana mande dar transporte at o Rio-Grande do
Norte, e losar de r destinado passageiro de
estado, no vapor Mamanguapt, ao padre Targino
Paulino de Carvalho.
f)t4,_0 presidente da provincia, attendebdo ao
que requeren o jaiz municipal e de orphaos do ter-
mo do Rio-Formoso, bacharel Rufino Colho da
Silva, resolve prorogar-lhe por um mez a licenca
cas vencimentos de que gosava na forma da lei,
para tratar de saa sade.
Dita. -O presidente da previocia, alleadendo ao
rs solicitou o promotor desta comarca, bacharel
Paulino da Cmara, resolve cooceer-lhe 10
diai de licenca com rencimentos na forma da lei
para iratar de Ma sade.
Dila.O presidente da provincia, atlendendo ao
que solicilou o desembargador Bernardo Machado
da Costa Doria, resolve conceder-lhe dous mezes
de licenca com vencimontos, na forma da lei, para
ir ao serlo tratar de sua sade.
SE? sobre os daca(los no tratado de Londres de coro* prussana e o duque do Schleswg-Holstein
lb?*- ... l-ainda nao reconhecido, salla aos olhos, tanto mais
uepois ae haver a conferencia no dia 9 obtido o no momento em que a conferencia de Undres est
seu primeiro bem que muito limitado successo, oc- (disculindo a solucao da questo allemaa-dinamar-
cupou-se ella na sua prxima sessao do dia 12, com queza. Em todo o caso foi urna demonstradlo mui
tentativa de ganhar urna base para as propnasne- positiva contra todos os boatos de planos de anne-
EXTERIOR.
C Olllll Sl'OV l>K\4 I AS HO DIA
KIO lK PERWHBHO.
ii IMBlMrt
20 de nairde 1864.
No dia 9 do correte a conferencia de Londres
tomou finalmente a resolucao de um armisticio
provisorio de quatro semanas entre as potencias
allemas e a Dinamarca. O acaso quiz, que no mo-
mento em que isso se realisou, houvesse anda um
combale excessivamenle sanguinolento. E a saber
a verdadeira primeira accao por mar. A guarda
a vaneada da esquadra austraca, finalmente chega-
da no mar do norte, como sabemos com demora
de mezes, composta das fragatas Schioarzemberg, de
50 canhdes, e Radeliky, de 42 canhoes, juntamen-
te com as canhoeras prussanas Adlcr, Blitz e Ba-
tttitk, estas tres com 10 canhoes, enconlrou-sc no
dia 9 de maio s duas horas da tarde, per lo de Hel-1
goland, com a esquadra dinamarqueza, que volla-
va do Skger-Rak para o mar do norte, e que se
compunha das fragatas Neis Jecel e Dagmar e da
corveta Heimdal, junto com 112 canhoes, e alacou
a mesma.
Os navios dinamarquezes voltavam para o mar
do norte, tendo recebido a noticia, que em lugar
da esquadra total do Bltico austraca, s era a
fraca guarda-avanzada da mesma que tinha appa-
recido perlo de Elba, e provavelmente na esperan-
za de poder destru-la anda antes da chegada do
grosso austraco. Mas nessa esperanca foram illu-
didos.
O combate de 9 de maio durou duas horas, e os
Austracos bateram-se com urna energa e bravu-
ra admiravel, de sorte que seo seu maiar navio a
fragata Schwarzenbeg nao tivesse sido victima de
um caso fatal, a flotilha dinamarqueza apenas tera
escapado anniquilacao. Mas tambem apezar des-
so accidente desastroso a victoria foi contestada
aos Dinamarquezes com successo ; e o combate
acabou sera decisao, cora a retirada de ambas as
parles.
O desastre foi que urna bala dinamarqueza in-
cendiara o mastro da mesena do Schwarzemberg,
ameacando de communicar o fogoa todo o navio.
O Schivarzemberg, apezar disso nao se retirou, e
manobrando de maneira quo a brisa bastante viva
que reinava, soprasse quante possivel o fogo do
navio, continuou o combate. Como, porm, nessa
posico s poda fazer uso da menor parle das suas
pecas, a sua fon-a principal achava-se perdida para
o combate, e a victoria por melado j alcanzada
sobra o ioimlgo, nao pode ser perseguida com a
energa necessaria.
Testemunhas oceulares que seguiram o combate
de Helgoland cora telescopios, descrevem esse es-
pectculo como sobremodo commovenle, quando
as columnas de fogo rebenlavara do Schwarzem-
berg, lancando as pe^as deste relmpago sobre re-
lmpago contra a esquadra dinamarqueza ; a cada
momento esperava-se ver o navio voar para os
ares.
Finalmente o fogo que sempre mais lerrcno ga-
nhava, obrigou-o a romper o combate, c em lugar
que os Dinamarquezes tentassem agora de arrancar
para si a victoria, e de tornar ou destruir total-
mente o Schwarzemherg quasi indefezo, elles apro-
veilaram a retirada da esquadra austraca, para
lambem de seu lado empreheuder a retirada com
loda a pressa.
Foi isso a mais evidente prova do abalo que
soflrra a flotilha dinamarqueza.
Os navios austracas fundearam alraz das dunas
de Helgoland, os Dinamarquezes nao zeram ne-
nhum esforco para impedi-los, e em algumas horas
0 logo sobre" o Schwarzemberg ficou exlnclo.
No dia seguinte, de manhaa cedo, a esquadra al-
lemaa foi para Cuxhafen, e segundo all se verill- j
cara depois de exame cuidadoso-o Schwarzemberg
solTreu menos do que se receiava principio.
A perda de homens da parte allemaa 6 verdade ;
que /ora em proporejio extraordinaria. Contaram-1
se nao menos de 170 mortss e gravemente feridos,!
e estes divdiram-se exclusivamente sobre os dous
navios austracos.
As canhoneiras prussianas por causa do alto
mar s poderam tomar urna fraea parte activa no
combate, e nao tiveram perda alguma.
As perdas da flotilha dinamarqueza andou por
eoosa de 80 90 homens, entre mortos e feridos.
Um dos seus navios fez agua e todos requereram
urgentemente reparo.
Entretanto urna outra parle da esquadra austra-
ca do mar do norte vinha de sahir de Brest para o
mar do norte, e reforgados desta maneira, os Aus-
tracos provavelmente teriam tentado inmediata-
mente de perseguir a flotilha dinamarqueza, na
sua volia para o Skger-Rak, se nao fosse a ircgoa
resolvda pela conferencia de Londres, que puzera
um termo conliuuago do combale.
Temos de lembrar anda que o|comraandante dos
navios austroprussianos, e especialmente da fra-
gata Schwarzemberg, o capito de mar e guerra
Tegetthof, foi inmediatamente promovido pelo im-
perador para contra-almirante, em reconhecimento
da sua bravura.
Quanto diz respeito as modalidades da tregoa,
sao ellas as seguintes :
As duas partes belhgeranles ficam em posse de
' todas as suas posicoes por mar e por trra no mo-
mento do principio da suspenso d'armas;
A l'namrca faz cessar o bloqucio dos porlos do
mar e costas da Allemanha, do mesmo modo que
ficam suspensas todas s hostilidades contra navios
de commercio de ambas as parles sobre o mar
aberto, e os allados de sua parle renunciam du-
rante a duraco do armisticio exigencia de con-
tribuices no Julland, pagando viga lodasas pre-
cisoes dos seus exerciios ;
O armisticio principiando no dia 12 de maio,
' acabar era 11 de junho.
A Prussia e a Austria j linham consentido esob
condieoes favoraveis para a Dinamarca, debaixo da
supposicao que (lcasse concluido um armisticio
formal e por um espato maor. Elles linham offe-
recido a evacuacao do todo o Julland e lambem
da fortaleza de Friederca, evacuando os Dinamar-
quezes por centra a ilha de Alsen ; a Dinamarca,
porm, nao adherio a isso, provavelmente porque
esperava fazer melhor-valferna conferenrla a pos-
se da ilha de Alsen, pertencente ao Schleswig em
fa.-or das suas prelences sustentadas sobre o du-
cado de Schleswig, do* que a posse do Julland, que
alm disso nanea Ihe pode ser contestada as ne-
gociares de paz.
Tambem urna dnracao mais curta possivel do
armisticio era para ella urna vantagem, por isso
que assim os portes de mar allemaes nao podiam
gozar plenamente da liberdade de Idoqueio.
O commercio por essa razao lambem acba-se
muito mal contente com esse ponto do armisticio,
1 censurando gravemente as potencias allemas por
' nao haverera insistido n'un termo mais longo do
| mesmo.
Ao resto fot preciso a Russia e a Inglaterra fazer
I os ulteriores esforcos antes de consegur-se que a
Dinamarca adnersse a resolucao de 9 de mao.
Como principio, nao queriam em Copenhague
saber de nenhuraa outra suspenso d'armas, do
que sob base do expresso reconhecimento pelas
potencias allemas dos direiloi concedidos a Dina-
gociaces de paz. As discussdes foram" muito vio
lencas.
A Russia propoz de tomar por base o tratado de
Londres de 1852, no que foi apoada vivamente
pela Inglaterra e pela Dinamarca. Os plenipoten-
ciarios allemas, porm, declararam decididamente
que nao. O tratado de Londres, disseram os re
xao prussianas, deduzidos da vagem tencionada
da prince/a real para os ducados.
O principe real nao poda entrar em rclages
pessoaes com o duque, se em Berln se tencionava
priva-lo da sua cora em favor da Prussia.
Deixando Hamburgo e entrando na cidade
de Aliona, o principe Frederico de Augustcmbur
presntenles da Prussia, achava-se sera effeito de go foi recebido com o maor enlhusiasmo pela po-
um lado, porque a Dinamarca nao cumprra as pulaeao, do maneira que a sua entrada foi verda-
obrigagoes a ella impostas, e pelo contrario a in- deramente triumphado.
fringra da maneira a mais grosseira.
Do ouiro lado, que a presente guerra tinha ao-
nullado, assim como todos os tratados existentes
entre a Dinamarca e a Allemanha, tambem o de
Londres.
A Prussia por isso nao se considerava mais li-
gada ao mesmo, a essa declaracao que tambem
adheriram os plenipotenciarios da Austria.
Debaixo dessas circunstancias a Austria e a
P. S.Acaba de chegar a noticia, que em Ber-
ln fora annunciada offlcialmente a chegada do im-
perador da Russia para o dia 9 de junho. A corte
vai j fazer os preparos para urna solemne recep-
gao. Se a estada do imperador em Berln ser por
mais tempo, disso n;>da se sabe.
Houveram promoces no exercito prnssiano, por
causada campanha"noSchleswig. O principe Fre-
derico Carlos foi nomeado general em chefo, em
Prussia foram convidadas apresentar na prxima suhstituicao do marechal de Wrangel, elevado a
sessao da conferencia, proposlas de paz do seu dignidade de conde, e o principe real promovido
lado, tlxandose a seguinte sessao para o dia categora de commandante do 2. corpo de exer-
17.
As noticias que al agora temos acerca dessa
sessao s sao por telegrapho, e carecendo de todo
delalhe necessario.
Todava fazem constar, de accordo que a Prus-;
sia e a Austria respondendo ao convite que Ibes
fora feito, apresenlaram propostas mutuamente j
combinadas. Como resumo do conteudo das mes-
mas refere-se o seguinte : que acerca da ques- j
tao de successo a conferencia nao poda dar urna
decisao, devendo a mesma flear reservada a dieta
allemaa.
Quanto qaestao de consliluico, a plena auto-
noma dos ducados e a sua mais intima reunio,
deviam formar o ponto de partida das discussdes.
Um entendimento naturalmente nao se conse-
ci.
PERWAMBDCO
RBYISTA DIARIA.
Funcconou quinta fera (23) o Instituto Arduo-
lgico e Geographico Pernambticano com a assis-
tenca do Exm. monsenhor Muniz Tavares, e dos
Srs. Drs. Soares de Azevedo, Felosa, Aprigio, Joa-
qum Portella, Manoel de Figueira, Witruvio Pin-
to Bandeira, Torres Bandeira, Gervasio Campello,
guio aceitando os plenipotenciarios dinamarquezes ^rlu^fs e -GuScm0 T;b,',padre L,no d Mon,e
as propostas ad referendum, e a sessao prxima foi ^r"0 e major Salvador Hennques.
fixada para o da 28 de maio, n'essa sessao tambem
se tratar da queslSo de urna prolongacao eventual
do armisticio.
Na questo do Zollverein parece approxiraar-se
Lida e approvada a acta da antecedente, passou-
se ao seguinte expediente :
Um offlcio dos Srs. Olympio A. d'Arroxellas Gal-
vo e Boaventura Jos de Castro Azevedo, proprie-
tario e redactor do jornal Mercantil, de Alagas,
finalmente nma decisao. Apezar da opposico de "i" feuac'or c
parte da Baviera, a Prussia abri de novo em 3 de i offerecendo alguus i imeros e pedindo a troca com
maior a conferencia do Zollverein, adiada desde prin-
cipios de marco.
a Recisla do Institnto, declarando terem j come
gado a remessa do jornal desde muito. Recebido
A Baviera, Vuriemberg, Nassau, Hesse-Darras- TlS'^^ir chPSaram
tadt e Francfort nao appareceram; mas a Prusa por ^JS&^STISIi^RSS
isso nao se deixou desconcertar. A conferencia l- 11mJl,tondo1Dr anofl,Je 'SaSS-' f v
um volume das Brasileas Celebres por J. Nor-
berlo de Souza e Silva e 22 nmeros do Medico
coa aberta formalmente, ao mesmo lempo que se
encetaram negociacdes separadas com os di itren-
les estados, partidarios da poltica d'alfandegas
prussiana, acerca da renovacao do Zollverein sob
base do tratado de commercio franco-prussiano.
Com dous estados, com o reino da Saxooia e o Grao
Ducado de Badn essas negociaedes j ti ver ara um
resultado.
Ambos os estados concluiram com a Prussia ama
conveneao particular acerca da renovacao do Zoll-
verein com ella, e j mui prximamente espera-se
outros idnticos tratados, em primeiro
do Poco ou Brasil Histrico, jornal publicado na
corte pelo Dr. A. J- de Mello Moraes. Recebido
com agrado.
Um dito do Sr. Manoel Hygino de Figueiredo,
agradecendo a sua approvagao para socio honora-
rio.- Inteirado. ,
O Sr. Dr. Feilosa communica que apresentou
cmara dos Srs. deputados o pedido do Instituto
acerca do dia 27 de Janeiro, e que, sendo remetti-
do commissao competente, da qual fazia elle par-
os e^doldalhurin^rco^ 5^'=^?^^- i,e- f fi*-ella ">mar conhecimenlo por alunen-
vik s "<>iciijUui6u c u i cia de materi, mas qUe e Os estados discordantes, d'cssa maneira, nao ^\tAj^^^S^^ a0 ,nen0S Da Se"
derao duvdar mais da firme resolucao da Prussia i ^{%fs^ *! as?1rab ea, "tral- ,. Mmtrm
de insistir debaixo de todas as c.rcumstauc.as, na JL&J520 Ln,,0> em brev- al nA>
execugao do tratado de commercio francez, eess !t? *? ***? ",0 a !ua aPI'rovagao de soco
persuagao lalvez queseja o mais proprio mel para ?*T d Carg? 1 quebrar a sua opposico como a parae.io do Zoli- ~&FJ& verein^s Ibes pode causar graves' prejuizos eco- j JJ*^*fcJjmg* ^^
?1L- Berlin^convencidos^ue raa %^^t^^
Ibes fra incumbido pelo Instituto, s na prxima
vez que a renovacao do Zollverein com os outros
estados se tornar um (acto consumado ; nada res-
Uva a Baviera e a seus allados, do que adherir
lambem posteriormente.
O emprestimo austraco de 70 milhes deve ser
considerado quasi como mallogrado. Apresenla-
ram-se smente duas ollertas, urna de 22 1/2 mi-
lhes ao cambio de 76, e outra de 10 milhes a 75.
nao foi pois olferecidu nem ao menos a metade. O
ministerio das financas austraca, rejeitando a se-
gunda, aceitou a p'rimeira proposta, e depois de
mais longas negociagoes, houve um accordo, que
as casas reunidas para a mesma, se constilurao
para a emisso do empreslimo total, isto as res-
pectivas casas por si nao se encarregarao se nao
da somma por ellas olferecida, obrigando-sc porm ^0 auesPn,a o s^ni
a 117CT ln,tn< ni kWm nira onll.u>ap rv: raelinlAS ISI aprsenla O Si glll
a lazer todos os esforcos para collocar os restantes
52 1/2 milhes.
Por ora entretanto nao conseguirn), nem ao me-
nos de levar s praoas a sua parte ao cambio to-
mado. As pracas n este momento s notam o novo
emprestimo de 75 1/2 al 75 3/4.
Grande sensaco tem causado urna peligao de
membros do partido conservador na Prussia, de-
baixo da direccao do conde de Arnim-Bouytzem-
burg, do principe de Putlbus e outros membros Do-
tarais da cmara alta, dirigida a el-rei da Prussia,
em negocios doSchleswig-IIolsten.
reuniao podera apresentar o relatorio das suas
pesquisas.
O Sr. Dr. Manoel de Figueira olferere ao Insti-
tuto um cxemplar da orariio pronunciada em 1829
na igreja di S. Pedro d'e Oliiuln, pelo llecm. Joo
BsptUla ta Foncecn, no dia dos annos do Sr. .
Pedro I.Agradecido.
E' lido o seguinte parecer :
A commissao da Revista do Instituto Archco-
logico e Geographico Pemambucano, cujo conlie-1
cimento foi submetlida a proposla junta, do socio
effectivo Machado Portella, lida na ultima sessao
ordinaria, entende que o pensamento, consignado
deve ser approvado,e por
nte artigo, para ser adoptado
'>' lu' e long. O. 28- 40', um vapor de guerra rus-
so, navegando para o sul ; 18, na lat. S-. O. e
long. O. 32' 14', a barca americana Monitor, por-
tencente a praga de Boston, de Calcuta para Bos-
lon. Nada hava occorrido bordo desses navios.
De Po-d'Alho lemos em data de 20 do- cor-
rente a seguinte carta:
A' muito nao Ihe eserevo, mesmo por falla do
que refenr-lhe; mas agora sempre quero dzer-
Ihc alguma pausa.
A nossa salubridade excedente.
O invern vai cuadu, e nao promette abun-
dancia.
< O rio anda nao tomou agua, e s deu aquella
primeira enxurrada no principio. So fr assim
cedo ir elle trra.
c A' 18 do corrente lindou a correegao que ha-
va sido prorogada por mais 30 dias. Foram em
tal correegao suspensos por dous mezes o escrivao
de orphaos c o destribudor e partidor, o primeiro
nao soube por que, e o segundo por oscrever em
livro que nao eslava sellado e nem rubricado. Hou-
ve alm disso mais urnas duas mullas e algumas
advertencias a oulros empregados, Adeos.
A urna hora da noite ao amanhecer do dia
23 do corrente foi encontrado na estrada do cam-
nho Novo districto da Capunga, o cadver de um
prelo que represenlava 40 annos de idade pouco.
mais ou menos, altura regular, cheio do corpo, e
barba serrada, vestido cora duas caigas sendo urna
branca e a outra parda com alguns remendos, e
urna sobre-camisa de panno traugado azul; e a
pezar das diligencias emnregadas pelo respectivo
subdelegado, que hora cima endicada corren a
dar as necessarias providencias nao pode com ludo
obter a causa que deu lugar a inerte do dilo prelo,
porm da vestoria o que se procedeu foi opmo
do Sr. Dr. Villas-Boas, ter sido asfixiado; assim
como nao se pode saber, mais do que soponhe-se
ser escravo de um lal Sr. Vianna.
Na quinla-fera por volta de 8 e Vi para s
9 horas da noite, deram os sinos das torres sig-
nal do incendio, passando-se verificar ser em
urna padaria do largo do Terco e ser elle proveni-
ente de facho de pistola que varando o tediado ca-
lilo sobre um colcho. Appareceram inmediata-
mente soccorros que evitaram maior sinistro.
O agente Pestaa far leilao da taberna n.
106 da ra de Hortas na segunda-feira 27 do cor-
rente s horas em ponto.
REPARTICAO DA POLICA.
Extracto das partes do da 23 de junho de
1864.
Foram recoihidos casa de delengao no dia 22
do corrente :
A' ordem do lllm Sr. Dr chefe de polica, Jos
Mara da Silva, Leonardo Jos de Medeiros, Joao
Baptista lie/.t-rra, Manoel Candido da Silva, Manoel
Soares de Medeiros c Flix Baptista dos Sanios,
para recrutas; Antonio, escravo de Manoel Elias
de Moura, por fgido.
A' ordem do Dr. juiz municipal da 1' vara, An-
tonio Soares de Carvalho, por nao ter cumprido os
deveres de fiel depositario.
A' ordem do subdelegado de Santo Antonio, Mi-
guel, escravo de Luiz Antonio Pereira, por embria-
guez.
A' ordem do da Cpunga, Joao, escravo de Gui-
lherme Joaquim da Silva Braga, requerimeulo
deste.
O chefe da 2* secgao,
J. G. de Mesquita.
Passageiro sabido para Liverpool na barca
ingleza Ruad, John Sedlon :
Cadeia do Recife em frente do becco Largo, e sup-
pondo estar a mesma casa na plaa para ser de-
molida, e abnr-se communicagao para a ra do
Encantamento, pego para quo seja obstada a obra
e desaprepriada. Leal Seve.
Tambera pego que se chamo a atlengo do
Sr. fiscal do Recife para a iramnndicia do quintal
de urna casa da ra da Madre de Dos, cujo fundo
deila para a loja n. 53 da ra da Cadeia que serve
de armazem de leiloeiro, fazendo com que o inqui-
lino conserve-o sempre limpo, evitando assim o ar
pestilento que ali se respira, e encommoda aos vi-
sinhos, e aos que por ali passam.Leal Seve,
A' requerimento- do Sr. Barate de Almeida, man-
dou-se ordem aos Itscaes para que fizessem cassar
todas as licengas permittidas a particulares para
se utilisarem dos terrenos municipaes, destinados
a logradouros pblicos, e n'elles eslabelecercra es-
laleiros, afira de que os fagam remover, e fiquera
os terrenos lmpos, e desembaragados, e que se of-
Bciasse de novo ao engenheiro, lembrando-lhc a
informago que Ihe foi pedida a respeito dos raes-
mos terrenos.
Despacharam-se as petiges de Bernardioo Pin-
to Coelho, e Bernardina Ribeiro dos Sanios, Clau-
dio ubeux (2), Eugenio Muniz do Reg, Flix Ro-
drigues de Miranda, Joaquim da Cosa de Sania
Anua, Jos liento da Cunha e Figueiredo, Joaquim
Das, Joao Donnely, Manoel Augusto Candido Pe-
reira, Manoel Martus de Carvalho, Nicolao de Al-
meida Carvalho, viuva Machado 4 Filho, e levan-
tou-se a sessao.
En, Francisco Canuto da Boa-\'iagem, secretario
a subscrevi.lenriques da Silva, pro-presidente.
Reg Maia.Barate de Almeida.Reg.Mello.
Gameiro.
como additivo aos estatutos ou para ser inserido
onde melhor Cba :
t Artigo. Sempre que naja de lomar assento no
Instlalo algum socio novamente pleito, dever
esse pronunciar um discurso de rece|>go, ao qual
responder, por parte do Instituto, o orador do
mesmo ou qualquer outro socio para isto designa-
do pelo presidente elTectivo, devendo o lecipiendo,
logo que Ihe conste offlcialmente a sua nomeagao
de socio, participar ao Instituto o dia em que pre-
tende aptesentar-se, allm de que possam o mes:no
\ '. E? 2 ,TB B- ., iHn ,Jo o"dor, que tenha de responder-lhe, concordar
Ate agora esse partido mostrara-se entendido em 'r(;.n(.tn rtlV. Hi nf Xama0rca"UaS0 ^ ?** ^ ^'^ ^"* SSflmSSS &$*'*
geral
com
A peligao em questo porm abandonando esse
ponto de visla, declara, que depois dos grandes sa-
crificios feitos pela Prussia no combate contra a Di-
namarca, a nica propria (solucao da questo da-
no allemaa, era nicamente a separago absoluta
do Schleswg-Holstein, em tanto que habilitado por
populago allemaa, e a sua consttuigao indepen-
dento, seja debaixo de um proprio principe e de-
baixo da protecgo da Prussia, seja era inmediata
reunio a sta ultima.
Essa ultima alternativa lambem preoecupou mui-
to a atlengo do exterior, e o ministerio, em con-
secuencia de mui enrgicas reclamages, sobre lu-
do da parte da Austria, vio-se obrgado a denegar
todos os planos de annexago.
Essa peligao merece tambem nao menos consi-
deragao, por fazer sahir luz as relages interiores
dos partidos na Prussia.
Nao oi o partido conservador total, que adherio
mesma c al mesmo os orgos feudaes extremos
a condemuara ; ella pois o signal de urna diviso
no partido conservador, e evidente, que por isso
a posigo do actual ministerio ter de solTrer mais
cedo ou mais tarde.
Em connexao com .essa petcao acha-se porm
um outro acontecimento notavel. O principe real
da Prussia tinha convidado a sua esposa para Ihe
fazer urna visita no theatro da guerra, am de en-
lo vollar com ella para Polsdam pelo lempo do
armisticio.
A priaceza seguiudo esse convite, j tinha che-
gado era Hamburgo, quando receberam em Berln
di Arenles reclamagesestrangeiras motivadas pela
petigo dos conservadores. Nio tinham fallado nes-
sas alluses a que a viagem da princeza real para
os ducados tal vez se adiara em connexao com os
planos de annexago aconselhados, e emprehendi-
da como meio para favorece-los. per isso fe i
pois recommendado princeza de nao contiouar a
sua viagem.
I Ella nao oi para Tlensburgo, e o jwineipe real
veio pa. a Hamburgo demorando-se aqui dous das,
seguindo dopo> com a princeza para Leobeck. e
d'ali para Poisdam. .
Aindarturante a eslada dos principes consortes
em Hamburgo, aqui chegoa de repente de Kiel o
duque Frederico de Augustemburgo, a tomoa resi-
dencia no mesmo hotel, communicando com elles
' da muneira a maisamidarel.
I A impqrlancia dessa relago entre o herdeiro da
antemo nomeada urna commissao de tres mem
bros do Instituto, para receber o novo socio.
t Sala das commisses, 23 de junho de 1864
A. R- Torres Bandeira, Dr. Aprtgio Justiniano da
Silva Guimaraes. f
E' mandado imprimir e adia-se para a sessao
seguinte.
Achando-se sobre a mesa nmeros d Brasil, jor-
nal do Sr. Duprat, e do Brasil, jornal religioso do
Sr. Raposo de Almeida, sao mandados archivar.
Nada ha vendo mais a tratar, o Sr. presidente le-
vanta a sessao, dando para ordem do dia da reu-
nio de 7 de judio os pareceres de commisses,
inclusive o apresentado na presente sessao.
Amanha na matriz do Corpo Santo celebra-
se a feslividade religiosa de Nossa Senhora dos
Prazeres com a pompa conveniente.
Oram no Evangelho o Rvm. padre Antonio Ma-
noel da .ts-sumpgao, e no Te-Deum o Rvm. prega-
dor da capella imperial fre Joaquim do Espirito
Santo.
Hoje ao meio dia e a noile loca a banda de mu-
sica dos menores do arsenal de guerra variadas
pegas ; e na fesla, bem como no Te-Deum, conti-
nuar este a tocar c igualmente a do arsenal de
marinha, se fazendo ouvir tambem pela madruga-
da a msica da sociedade Vmo Commercta.
Em obsequio commissao encarregada da fesli-
vidade, urna dislincta senhora pernambncana can-
tar o Landamus da grande msica Tormiga.
A orchestra regida pelo Rrm. padre mestre
Primo.
O pardo Alexandre, escravo do Dr. Augusto
Frederico de Oliveira, morador em Ponte de Ueha,
tendo reprehendido a outro de nome Francisco Pa-
checo, pertencente a massa fallida de Seve, Kitnos
& C, offrcu desie um golpe de inslrumenio cor-
lame, de que resullou ser-lhe decepada a mao di-1
e'_ Falleceu, e anle-honlem foi dado sepultura
o Sr. Dr. Constantino Rodrigues dos Santos, em
conseqneneia d* um anthraz.
__ A galera franceza Adle, entrada do Havre,
encontrn em viagem os seguintes navios : no 1*
do corrente, lo milhas leste da ilha da Palma
(Canarias), a barca fraceta Marechal Turenne, de
Cardih* para Havana, com 15 dias de viagem, e a
barca hamburguesa Amazonas, de Liverpool para
Hong-Kong, com 20 dias ; 6, na lat. N. 17 37* e
long. O. 27* 45', a barca belga Lii/on, de Anlaer-
pia para Hon-Kon?. com ti das; 14, na lal. N.
CMARA ML.MCIPAL.
Aos :i de junho de I86i, compareceram os Srs.
Reg e Albuquerque, lenriques da Silva, Gustavo
do Reg, e Mello, nao houve sessao por falta de nu-
mero.
Eu, Francisco Canuto da Boa-Viagem, secretario,
a escrev.Bego e Albuquerque, lenriques da Sil-
va.Gustavo do Reeo.Mello.
SEGUNDA SESSAO ORDINARIA AOS \ DE JUNHO
DE 1864.
Presidencia do Sr. Henrignes da Silva.
Presentes os Srs. Barata de Almeida, Gustavo do
Reg, Leal Seve, e Gameiro, faltando sera causa os
mais senhores, abra-S a sessao, e foi lida e appro-
vada a acia da antecedente.
Leu-se o seguinte
EXPEDIENTA:
Um offlcio do inspector da thesouraria do fazen-
da, diz.-n lo ler-lhe mandado o Sr. ministro da fa-
zenda que ouvisse a cmara a respeito do projec-
lo que lem de desapropriar em beneficio publico o
armazem nacional n. 126, sito no Forte do Mallos
que ltimamente soffreu um incendio ; roga mes-
ma cmara que Ihe diga sobre esse negocio aqullo
que se Ihe olferecer, alim de que o sujeite ap-
provago do referido senhor ministro.Que se ou-
visse ao engenheiro.
Outro do engenheiro cordeador, informando o
requerimeulo no qml Joao Donnely, proprietaro
de um caixo de casa sito ra do Guararapes
pede permissao para acabar dita obra, declara que
a pretengao do peticionario vai do encontr a plan-
ta da cidade, visto que essa obra est quasi toda
collocada em terreno designado para ra, sendo
que sua construegao anterior a entrada delle
para o lugar de engenheiro cordeador, e desde en-
tilo lem estado parada sem que Ihe conste a causa
disto.Indefeno-se.
Outro do procurador, informando a petigo de
Claudio Dubeux, procurador de I). Antonia Fran-
cisca Cardaval Pinto, e a irmandade do Senhor
Bom de Jess dos Pescadores, pedndo o pagamen-
to da quanlia de 600000 pela casa que foi demo-
lida por deliberago da cmara em 13 de agosto de
1856, declara que tendo o suppleanlc exhibido
agora as procurages dos dous consenhores da
mesma casa acha-se no caso de receber a quanlia
pedida.Mandou-se pagar.
Outro do mesmo, informando tambera outra pe-
tigo, em que o dilo Claudio Dubeux pede o paga-
mento da quanlia de 284000, importancia do alu-
guel de carros para a conduegao do engenheiro cor-
deador o de commisses para differentes lugares
do municipio, diz ser conveniente ouvir ao mesmo
engenheiro.Assim se deliberou.
Oulros (3) dos Oseaos das freguezias de Santo
Antonio, S. Jos e Boa-Vista, dando como M Ibes
exigi, a nota dos lugares ondeem suas freguezias
se fazem actualmente os despejos pblicos e indi-
cando outros para o mesmo fim. Que se remelles-
se ao Sr. vereador Barata, que fez a requisigao. |
O Sr. Barata fez o seguinte requerimento, que ;
sendo posto em discussao foi approvado.
c Constando-me por informagoes de pessoas fl-
dedignas, que o powqjnez Jqa/juim Paes Pereira
da Silva, eslblecido cora cochura no largo do Ar-
senal de Marinha, tem damnificado e cortado as ar- j
voros quo o arsenal lem plantado na ra para era-!
belesamenlo deste, e commodidade dos habitantes j
desta cidade, com o fim de facilitar a rodagem de
seos carros, dando assim um testemunho solemne
de sua estupidez e vandalismo, e tornndose por I
lal forma indigno da hospitalidade que os Pernam-1
bucanos Ihe prestara : requeiro que se represente'
ao Exm. sr. presidente, pedndo Ihe que expega as
convenientes ordens autoridad^ competente para ;
por este eslrangeiro debaixo de suas vistas, aflm
de que nao continu na pratica de semelhanies cri-
mes, por certo dignos de severo castigo.
Recife 4 de junho de 1864.Barate de Al-
meida. >
O Sr. Seve ftz tambem os seguhitos requer me-
los qne foram approvados, e mandou-se expedir as
convenientes ordens.
Estando a reconstruir-se o sobrado da roa da
CIIKOMCA JUHCURIi
TIUIIl'.\ % i, DO COMMERCIO.
SESSAO ADMINISTRATIVA EM 23 DE
JUNHO DE 1864.
PHESIDRXCI.V DO EXM. SR. DESEMRARGADOR
PEHETTI.
As 10 horas da manhaa, reunidos os Srs. depu-
tados Reg, Lemos e Alcoforado, o Sr. presi-
dente declarou aberta a sessao.
Lida, fui approvada a acia da ultima.
DESPACHOS.
No requerimento de Feiisberlo Ferreira de Oli-
veira, pedndo que se d por certido quantos cai-
xeiros de Jos Rodrigues de Araujo Porte tem no-
meages regislradas.D-se.
No de Joo Jos da Silva Villar, pedndo o re-
gistro do distralo de sua sociedade cora Jos Mo-
reira da Silva.Sellado, volte.
No de Francisco Joaquim Ribeiro de Brito, Joa-
quim Clemenlino de Brito e eoclecio Ribeiro de
Brito, pedndo o registro da nomeagao que Ihes
deu Thomaz de Aquino Fonseca. Como reque-
rem.
No de Thomaz de Aquino Fonseca, pedndo que
se declare por certido se o supplicanie ou nao
commercante matriculado.Certifique.
No de Luiz Antonio Vieira, procurador e geren-
te da casa commercial da viuva de Manoel Gon-
galves da Silva, remitiendo a carta de registro da
barca Santa Mana Boa Sorte, vendida a Amorim
Irmos, para que se fagam ueste senlido as compe-
tentes annotages, afim de ficar de nenhum elfeito
o respectivo termo de responsauilidade.Vista ao
Sr. desembargador fiscal.
No do mesmo, pedndo que se declare por certi-
do se a barca Recife est desonerada do lermo de
responsabilidade, visto ter sido vendida a Bailar 4
Oliveira.Certifique.
No de Amorim Irmos, pedndo que se Ihe d a
carta de registro dparca nacional Santa Mara
Boa-Sorte, que compraran] a viuva de Manoel Gon-
galves da Silva, e que passa a denominarse Santa
Mana, feilas as competentes annotages.Visla ao
Sr. desembargador fiscal.
Node.Andrade & Mello, pedndo o registro do
seu contrato de sociedade, visto pelo Sr. desembar-
gador fiscal.Regislre-se o publique-se.
No de Ferreira Guimaraes & C, pedndo que
seja registrado o seu contrato social, tambem vis-
to pelo Sr. desembargador fiscal.Registre-se o pu-
bliijue-se.
No de Moreira & Codecera, juntando documen-
tos em salisfago do despacho deste tribunal.Jun-
to aos autos de rehabihtago, visla ao Sr. desem-
bargador fiscal.
No de Innocenco A de F. Torres, salsfazendo o
despacho deste tribunal de 20 do correnle. Re-
queira ao governo, tirando estes papis sobre a me-
sa para servirem de fundamento iuformago que
deve dar o tribunal quando for ouvido pelo mesmo
governo na forma do artigo 44 do regularaento n.
738.
No de Joao Baptista Telles, replicando do despa-
cho do tribunal. Junto aos autos, baja visla ao
Sr. desembargador fiscal.
Sendo conclusos os autos de rehabihtago de Ma-
chado & Sanios Haja viste ao Sr. desembargador
fiscal,
Sendo tambem conclusos os autos de rehabilita-
gao de Victorino Jos Ferreira O tribunal con-
cedeu.
SESSAO JUDICIARIA EM 23 DE JUNHO
DE 1864.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. DESEMBARGADOR
A. K. PEHETTI.
Secretario, Julio Guimaraes.
As 11 '/i da manhaa, o Sr. presidente abri a ses-
sao, estando reunidos os Srs. desembargadores Sil-
va Guimaraes, Acciol e Domngues da Silva, e de-
putados Lemos, Rosa e C Alcoforado.
Lida, foi approvada a acta da sessao antece-
dente.
JLLCAMENTOS.
Appellantes, Francisco de Salles de Andrade Lu-
na e outros herdeiros de Jos Mana da Costa Car-
valho e o Dr. curador geral s appellado, Jos Ma-
ra Gongalves Vieira Guimaraes.
Reformou-se a senlenga, julgando-se pro vados os
embargos de lercero, visto haver-se procedido a
segunda penhora sem se desistir da primeira.
Appellanle, D. Mara ^mela Constancia de Frei-
tas ; appellado, o cnsul porluguez.
Foi confirmada a senlenga appellada.
Appellanle, Francisco Antonio de Brilo ; appel-
lado, David Wiliiai.-i Bowman.
Foi confirmada a senlenga appellada.
Appellanle, Antonio Gongalves da Silva; apel-
lados. Vianna & Guimaraes.
Foi confirmada a sentenga appellada. <
Appellanle, Joaquim Juvencio da Silva ; appella-
do.-. os curadores tiscaes da massa fallida de Amo-
rim, Fragoso, Santos & <'..
Mandou-se proceder urna diligencia.
Appellanle. Guilherme Jos da Motla; appellado.
Joo Baptista da Silva.
Foi confirmada a sentenga appellada.
PASSAGENS.
Appellanle, Jos Rodrigues Ferreira ; appellado,
Antonio Jos de Castro.
Appellante, Salvador Leile Vidigal ; appellado,
H. George Diniz.
Appellantes, Rabe Schmetteaa A C. ; appellado.
o Dr. Manoel Buarque de Macedo Lima.
Do Sr. desembargador Domngues da Silva ao Sr.
desembargador Silva Guimaraes,
DISTRIBCICES.
Appellante, Antonio da Cruz Ribeiro ; appellado,
Luiz Antonio da Silva.
Ao Sr. desembargador Domingues da Silva.
Nada mais houve.


Mari* *e Peraanfcae* ... sabbado 15 de Junho de IM4

n "
COMMUNICADOS.

rt*r
PulJlKigflES A PEDIDO.
Os Sis. dc|mtados
da miaoria da
Tiacral.
asstmblra pro-
Contra a circumstancia, referida no mea discur-
so de 21 de abril, de ijue alguas depulado* da mi-
noria da assenibla tinham considerado o projeclo
que unpunha 2005 s casas commerciaes, por ca-
da ca uno estrangciro que livessem, como aquelle
que resultados raais proficuos devia produzir po-
pulaca desta cidade, reclamaran! os Sis. Drs.
Aquino, Satino, Costa Ribero, Joo Teixelra e ..
Gaspar, accrescentando que nao assignaram o dito rccer e notar-se, e de que jamis deve ser respon-
Ao distiueto e especial corpo eleitoral desta
previncia.
Candidato senatoria o Dr. Joaquim Saldanha
Marinho, dirigi cada um dos dignos eleitores es-
peciaes desta provincia, a circular abaixo trans-
cripta ; mas podendo acontecer que, rauias das
mesmas circulares, por circumsUncias que se nao
pode prevenir, nao tenham chegado, e que agora
roesmo nao cheguem ainda a seus deslinos, por
isso faz-se a presente declarara, pedindo-se ao
mesmo tempo desculpa de faltas que possam appa-
proj. co nem sobre elle emilliram opinio.
Cbeme o dever de declarar que em minhas
palavras nao me refer gnelles ra val lie nos, de
quem na vurdade nunca vi em publico manilos-
taro que sgnilieasse adlie.-o gu reprovacao ao
projeclo. Alludi as palavras do Sr. depulado Cu-
nta Teixeira, quando em urna das occasioes em
savel o mesmo Dr. Saldanha Marinho, que s tem
motivo para confessar-se eternamente grato, ao
divnelo o especial corpo eleitoral desta provincia,
ijue j urna vez o acolheu benigno.
Illm. Sr.Tendo solicitado do corpo eleitoral de
nossa briosa provincia a admis.-o de meu obscuro
nome na lisia trplice iiiie foi offerecida ccra na
que iusibtia para que o referido projeclo fosse dado ultima eleicao, consegu isto, e do modo o mais no-
para ordem do da, observan em termos claros e bro e liaougeiro mira, que por to grande consi-
siginiicalivos que era o projeclo mus importante deraro me ronfesso eternamente agradecido. Da
que se tinlia apresentado na assembla. leual re- tribuna parlamentar eu me dirig aos eleitores de
fereocia fazia ao Sr. depulado L'lpiano Catanho, minha provincia, e Iheslribulei a homenagem devi-
utor do oroiecto. com uu i> ,1, noin titulo de suprema honra que me haviam
signataiio e principal autor do projeclo, coinqueni
tinta lido o prazer do conversar algumas vezes
sobre a materia, e que tambem o considerava de
grande conveniencia.
As palavras do Sr. depulado Cunlia Teixeira fo-
ram ouvidas disliurtamenle por mim e por muitos
dus Srs. diputados que deltas se recordam ainda ;
entretanto se nos engallarnos, o se isto afDrnia o
Sr. Cunta Teixeira, sob a sua honrada palavra, eu
acredilarei, em vista da opposicao e repugnancia
que af-ora apparece contra o pfojecto, que devia
antes ter dito o seguinle : que o projeclo fra li-
do |*r alguns deputados da minora como aquelle
que resultados mais funestos devia produzir po-
pulaco desta cidade.
Em
da pelo
concedido.
Pela lamentare! morte do Sr. conselheiro Fran-
cisco Xavier Paes Barreta d-se nova vaga no se-
nado, e nova eleicao val proceder Pemambuco.
Apresento-me novamente ; reputando de minha
dignidade consultar ao mesmo corpo cleitora) se
nos poneos mezes decorridos da eleicao em que fui
considerado tenho em alguma cousa desmerecido
do conceito em que se dignaratn ter-mc os eleito-
res pernambucanos.
E porque tenho conscenca de mim, como tenho
intima ronvicro da dignidade, independencia e
firmeza de carcter de V. S., nao duvido contar
com a sua valiosa ccadjuvacao em prl de minha
ludo isto nao ha especulado, nem se quer candidatura na eleicao a'que'se vai agora proceder,
servir a lins oceultos (phrase da moda), como pre- Alsenle do campo onde a eleicao vai ser dispn-
tendeiu aquelles signatarios da declaragao do Uta, 10 tada ou nao cont sena com a bondade c honra
,. e'. j ue V. S.,ein cujas qualidades confio plenamente,
o projeclo dos caixeiros nao deslustra os seus Sempre firme nos principios lbcraes, para irium-
delle se tem oceupado homens ennnen- p|10 dos quaes nenhum esforco e sacrificio tenho
euo unpugnei, pronuncindome por poupado, me repulo no caso de merecer a conti-
aquella forma fui sem arrure pente. nuaaao de seu apoio.
gora se; que as minhas palavras podem ser : pca u sua# urjens 0 c y, s. amigo, patricio,
autores
tes. E se
otis a cspeculaoes.
Recite, 33 de junho de 1864.
Buarquc de Macedo.
O vicario Chacn e o discurso
lo Hr. Dr. \ rail jo Barros na
assembla provincial.
Entregue inteiramente s minhas obrigacoes pa-
rochiaes, ha dezeseis annos, Resta freguezia, sem,,.,,
rae importar com os enredos polticos do mundo,
de quem nada quero, e nada exijo, e menos ainda
criado obrigado
Joaquim Saldanha Marinho.
Rio de Janeiro, 7 de abril de 1864.
Srs. redactores.Apresentando-mc candidato
ura dos lugares da lista trplice na eleicao de se-
nador, a que se tem de proceder nessa provincia,
i rogo-lhes o obsequio de fazerem publicar oas co-
lumnas do seu jornal a circular quo dirijo aos elei-
lores especiaos da mesma provincia.
Sou com particular estima, etc.
Antonio Coelho de S e Albuquerque.
Rio, 1 de maio de 1864.
Illm. Sr.A lamentavet morlo do lienemerito
mdicos desta cidade e da de Macelo o teem re*
commendado para a cura das
Unpigens, linha, c.eroohulas,
Tumores, ulceras, escorbuto.
Cancros, sarna degenerada, fluxo alvo.
Todas estas affeccoes provm de tuna causa in-
terna; nao ha pois razo alguma em erer que el-
las se podem curar cora remedios externos. Tam-
bem so prescreve o xarope alchoolico de veame
para o tratamento das affeccoes do syslema nervo-
so e fibroso, taes como :
Gotta, rheumatsmo, paralysa,
Dores, impotencia, esterilidade,
Marasmo, hypocondria, emmagreclmenlo.
O xarope alchoolico de veame sobretudo da
maior utilidade para curar radicalmente, e' em
pouco lempo o rheumatsmo.
Adverlc-se que o verdadeiro xarope s se vende
nesta cidade na botica cima indicada do abaixo
OSr. coronel Ozorio a principio defendase pe-
rantc os di verses presidentes desta provincia, di-

N'6 aeompanharemos par pasen o Sr. Dr. La-
cerda, ja que sej p/ocedimenlo a Loo us obriza.
Picamos aqu por hoje, accrescentando emente
assignado ; e em outra qualquer parte que se tem que o mesmo juiz municipal em outras cau annunnado nao da mesma composico, e nem o coronel Ozono nunca foi dado de suspeito.
abaixo assignado se responsabilisa.
Jos da Rocha Paranhos.
2 O arrematante dar principio aos trab.ilnos
no praso de lo olas, a oa coucluiri no do dous me-
.v H oupyvt. que seus mimigos Uves- zes, contados da data da arrematacao
<,nLU.n" ST ?rZ LU'5 ^,ndy ,CIm -3" P^mento efTectuar-se-l.a em duas presU-
25T2? i? t? ^D,on' da S"va HeDr,i- **s oaes, a primeira .piando metade da obra es- n
"q^in5???eq?e-hojeal^*.e!n seus."'6osde tver concluida, e a ultima no fim e entrega dos CaTmCTHo
sflspelcao que o juiz municipal 6 suspeito, porque trabalhos. B (2 wrd
^JfKil?' ee!d e0l2>Del Manoel Antonio 4" Para ludo mais que aqu nao estiver disposto, Carne secca
da Si va Hennques, LuizMandy, se diz Jho deste? seguir-se-ha o quo deiermina a lei n. 28C
Eotao lanao lhe serve aquella defea, j oSr Conforme.A. F. d'Annunciaeao.
coronel Ozono sabe qaeLuiz Mandv enama^e
LULnDAnrn *t Sih,\ Hen^Ms-porjiae filho tial, em cumprimen'to da ordera do Exm. Sr.pre-! Vium di
de seu sogro Manoel Antonio da Silva Henriques sdente da proviocia de i do corrente, manda fa- i Awe doce de l isba.
Queramos ver se o Sr. Dr. Lcenla preen.he la- zer publico que no dia 30 do mesmo, perante a'
das as formalidades do processo de suspeicao. (Pe- junta da fazenda da mesma
reir e Souza nota 289.)
Pao de i oacas.
Bofsxa.
C-hvssoo.
Manleiga francesa.
Assucar refinado de 2J sorte.
I Fannha da ierra.
- O Illm. Sr. inspector da thsouraria provin- Toucinho de Lisboa.
Ao Evm. Sr. ministro da jostica.
UMA. OIESTAO IMPORTANTE
VII
Atienda, Exm. Sr. ministro da justica, causa
do iufeliz Luiz Antonio da Silva Henriques; atien-
da para a sorte do desvalido, daquelle que injusta-
mente solTre os rigores da escravidao, depois de
ter gosado pacifica e publicamente de sua liberda-
de por esparo de 28 annos!
S queremos a justica e nada mais, e ainda nao
tvemos um momento de perder a esperanca de ve-
la realisada rom aquelle infeliz, garantindo-se-lhe
seu direilo de liberdade.
Pedimos e instamos mesmo, que appareca qual-
quer pessoa que nos conteste a respeilo do que te-
mos dito nos nossos seis communicados a favor da
liberdade do infeliz Luiz Mandy.
O Sr. coronel Ozorio nao se atreve a contestar-
nos ; usa de outros meios, e nos o aeompanhare-
mos.
Tendo o Dr. chefe de polica remellido ao juiz
municipal da Parnabyba todos os documentos com-
probatorios da liberdade de Luiz Mandy, o juiz
municipal cumpli com seu dever, mandou autoar
os mesmos documentos, nomeou um carador para
tratar da manuienrao da liberdade do infeliz. Na-
da mais justo e regular ; era este o meio nico de
disculir-se urna questio por demas seria, e onde I
o Si. coronel Ozorio com toda a liberdade e no cur-
so regular da causa poda apresentar suas provas
contra a liberdade do infeliz, j que tem a desme-'
dida coragem de negada.
O curador de Luiz Mandy requereu o deposito |
deste, que foi ellecluado em poder do alteres Pedro |
Jos N'uiies, e marcou a audiencia seguinte para
(Do Progresso e Liga do Maranhao.)
CGMMERCIO.
CAIW FILIAL
thsouraria, se ha de
arrematar, quem por menos flzer, a obra do em-
baireainento da estrada do sul entre os marcos de
quairo ettico nrrl bracas, avallada em 3:9935 rs.
A arrematacao ser feita na forma da lei pro-
vincial n. 343 de 15 de maio de t854, e sob as
clausulas especiaos abaixo mencionadas.
As pessoasque se propozercm a essa arremata-
Cao comparecam na sala das sessoes da referida
junta, no dia cima mencionado, pelo meio dia, e
competentemente habilitadas.
E para constar se mandou publicar o presente
pelo jornal.
Secretaria da thsouraria provincial de Pcrnam-
Feijo preto ou mulatinho.
Arroz do Maranhao.
Quem quizer contratar taes fornermentos, apr-
sente a sua proposla em caria ferhada na secreta-
ria docoftsolho, s horas da manha do dia 30
do corroule.
Secretaria do conselho administrativo para for-
necimento do arsenal de guana, ii do juuho de
Antonio Pedro de S Brrelo,
. coronel presdeme.
Stbastiao Jot Basilio Pyriho,
vogal secretario.
Couscliio administrativo.
DO
IRA \C O DO BRASIL
EM PERNAMBl'CO.
A directora da caixa filial do banco do Brasil
nesta cidade, administradora da massa fallida de
Joaquim Francisco de Mello Santos, convida es ere-
dores da mesma massa para apreseniarem seus t-
tulos at o flm do corrente mez, afim de serem
convenientemente examinados e i .
pnmeiro dividendo da referida massa
Recjfe 4 de junho de 1864
Jos ilamede A Ivs Ferrcira.
Secretario.
baee,,* Joan de 1864:-^ secretario, Amonto Je^^ idm,Hlslmim |,ara f^cimenio do
Ferreira d'Annunciacao.
Clausulas especiaes para a arrematacao.
1" Os reparos do embarreamento da estrada do
sul, entre os marcos de 4,000 3,000 tiraras, na
importancia de 3.9955 rs., serao execulados d
conformidade com o respectivo orcamento, appro
vado pelo conselho da directora.
2* 0 arrematante dar comeco aos trabalhos no
guerra tem de comprar os objectos
seguintes :
Para o arsenal de guerra.
Saiitre calcinado arrobas 2, papel alroaco res-
, anm ue serem prazo de 20 das, e os concluir no de 5 mezes' SairaT TZTiZZZ
proceder-se-ha ao canute nta. da data,da arremtame. &{.? 11 % "egad
' 0s. PafameDl0S serao ** ,re? Pre,s- oitavas de prossura rmintaes 30
Alffandega
Rendmento do dia 1 a 22........ 488:6785498
dem do dia 23................. 22:224*523
510:90302I
Yiovlmcnto 4a alfandega
Volumes entrados com fazendas...
cora gneros..,
Volumes saludos
eom
com
fazendas...
gneros...
23
148
-----171
taces iguaas, coireipondeado cada urna a cada
terco do servjco.
4" O arrematante na osenco dos trabalhos
observar as prescripces do ongenlieiro.
5" Nao sera em tempo algum atteudida qualquer
reclainarao.por parte do arrematante tendente
iudemnisacio, quaesquer que sejam as allegaiws
| em que se basear para esse fim, ainda mesmo por
i prejuizos pro' adoa
6* Para o que nao estiver previsto, observar-se-
ha o que dispoc a lei n. 286. Conforme. .1. /".
j (fAitwinciico.
O Illm. Sr. inspector da thsouraria provin-
cial, em cumprimento da ordem
dos de 1/2 a 21/2 polegadas grozas 20, cera branca
em pao arrobas 2, taimas de cedro de omapolegada
duzias 6, forro
iwfegada de largura e 3
qr.
Uuem quizer vender taes objectos, aprsente a
sua proposta em carta fechada na secretaria do
conselho s 10 horas da manha do dia 6 de
jnlho.
Sala das sessoes do conselho administrativo para
fornecimento do arsenal de guerra, 22 de iunho de
1864.
Antonio Pedro de Si Brrelo,
Coronel-presideBtc.
Sebasta'io dose Basilio Pyrrho,
Vogal-secretario.
Os fiscaes desta cidade fazera publico pa-
ra quem interessar possa, que o artigo 6doti-
237
512
Dascarregam no dia 25 de junho.
_ Galera francezaAdelemercadorias.
nruiricao das testemunhas apresentadas pelo cu-1 Galera inglezattaphadcarvao.
radordeLuiz Mandy.
Comparecen na audiencia o coronel Ozoris e seu
filho Dr. Ha-son promotor publico (j estava remo-
vido, porm estava em exercicio por nao ter ainda
recebido communcacao de sua remocSo,) canita-
E^STat !? 'S7^(- I'ornambucano, o conselheiro Francisco Xavier, "ando am grupo de trinta e tantos homens; e ro-
S *': '"Zu h aIZZ d,Sito Brrelo, deu lugar a urna vaga senatorial por deiaram a u.e.-a do JUIZ municipal e escrivo para
dui l,ol"!ca com grande dedicacao f'"lo 0ssa nossa provincia atemonla-los. ver se o mesmo juiz e escrivo
."fn" VIT 22T K ?"' T rande,sfr|- Animado pelas repetidas provas de eslima e con- abandonavm Ms lugares!
IICIO mal liensava eu (tile as Atienda, Exm. Sr. ministro da justica, como pro-
cede o Sr. coronel Ozorio, que nao pdendo por
forma alguma destruir as provas documentaes da
liberdade de Luiz Mandy, julga-sc com direito a
riT^oTTW % '^tr''re',,uc,emde
SRS nT dte?"nry &&SZ ,,ar"' TSSCSS pawSnaoTt5a e, com a mao! usar da forra para consgd-lo !
I'iim\Tfi%iyZ Til. ,5! r--a*Xli '"' t'c0' i en minha convenca creio poder dizer V. S. que Verilicou-se depois, que semelhante plano fra
a^^SSLtJSS a fffiE2- ~ Sr o era do meu paiz me lia guiado em todos os concertado, segundo se nos diz, pelo juiz de direito
Lha Se, pos, V. S. entender que o meu nome nao; retirado da audiencia com gritos e apupadas o juiz
'deslustrar a sua iim, digne-se de acolhe-lo com, municipal, e tanto este plano parece ter sido con-
b n.-v..|, neia, amparaiido-o rom o seu voto e com, "fiado pel D". Lacerda, que foi elle, na occasiao
o seu prestigio e relaces. Idc St a,,rir a audiencia, para a casa do delegado
Terei sempre vivo' em minha memoria, e ser de polica afim de entretelo para nao sabir I
U Sr. Dr. Lacerda o juiz de direito que em vez
amigas estovan senhores da qaalifirarao dos votan
te, e do eJeilorado, tendo o primetro juiz de paz do
nutricio. O chefe dos conservadores tnantinlia re-
anles de amizaile com o Sr. Chacn, o qual por
sua parle sempre o eetimou. Dirig por isso ama
carta, yeta qual fu/re: prontrusse ageitar as coa-
M una u>n tiiutnpho incruento. Essa carta nao
chegau em tempo s maot do Sr. Chacn, e quando
a reeetk u j se Imha feto diversas nomearoet para
Bom-Jardtm. E mais adianle diz anda o Si. Dr.
Rarros :.Vo hume desengao por parte do Sr.
Chacn, e sua ohstiaarao da cleialo sem que se po-
desse ao menos allegar violencia*, ou coaccao de ge-
nero algum, naq serve ratamente para espHcar
tlte raite desengao, de que falln o nobre depu-
lado.
Uem meu pezar, vendo as inexarlidoes do tudo
quanlo a meu respeito expe o Sr. Dr. Rarros, tai-
vez por se achar mal informado, forca levar ao
publico, contra meu genio, revelae'es mimas, e
manifestar o que nao pretenda em tempo slgarn,
enlo farei sincera e fielmenle.
E.-lando nes.-a rapital em principio de julho do
anno passado, prximo as eleiroes de agosto, quan-
do a maior parte das antondaoee ansia eoroarea, e
inesmii desla freguezia j tinham sido demittidas.
fui ronvidado por dous ravalleiros ligueiros que
me lionravam eom suas amizades, para adherir
liga ; entiio rom boas maneiras respond, que nun-
ca fui algoz de pessoa alguma, e menos agora seria
apio para atirar pedia ao Sr. vsconde de Camara-
gibe. poi que comquanlo nao fosse dos que tem
muilo alisado suas cadenas e servido de seus nu-
mernsos a valiosos favores, todava nao era de meu
carcter apadrejar o sol a escoader-se.
Disse mais, que vindo na qualidade de parocho
para esta freguezia em 1848, encontre nessa tempo
parte de minhas ovelhas atribuladas e compromel-
lola- na revolueao, c outras presas, reciufadas e
foragidas, eo nico arrimo que encontraran), sem
querer me lsongear, e sem inedo de errar, foi em
mim, que arrastando toda ordem de sacrificio e
romp omeltimcnto nao me ponpei a cousa alguma,
para as alliviar de suas attribularfles, como sabia o
Sr. capitn l,uiz Cesario do Reg,' por me ter hos-
pedado diversas vezes em casa de seu cunhado e
meu amigo Jos dos Santos Nevcs, morador nessa
capital, para i equerer a favor dellas aos presidentes
dessa poca, e meifiormente poda alarmar o ex-
presidente ronsellieiro Jos Denlo, de quem por
nuiias vezes sub suas esi-adas e as de eu serreta-
rio Dr. Machado Porlella, para obter despachos fa-
voravei-. mmo rom etTeitosempre osobfiveeom
toda a lacilidade, tendo sido nessas occasiOes mui
bem recebido por elles, e mui nem considerado ;
de maneiras que, sendo Ihes por isso summamentc
obrigado e reconhecido, nao era de meo genio ser
ingrato, e reliei-me, sem que hoovesse a menor
rellexao respeito. E' realmente o que se passou
em presenja de pessoas conhecidas, que poda men-
cionar.
Voltando para a freguezia nesse lempo, e estando
com o Sr. visconde, nada lhe disse. e nem delle
recebi nslruccoes ou cartas em tempo algum para
fazer eleiroes incruentas, que seu genio moderado
c ordeiro repelle, c por seu carcter honesto e gra-
ve nao era capaz de transmittir-me semelhante
pensamento, e menos eu anda de cumprir. Toda-
va faro justica ao Sr. doulor, que se me conheces-
sc de perto, de certo nao faria esse juizo de
mim.
Chegado que fosse aqui, vendo como por toda a
parle marchavam os negocios eletoraes, tratei de
dissuadir a opposicao, para que ella nao se oppo-
zesse, o que pude conseguir, sem que se tenha arre-
pendido al o presente, e constame qne o mesmo
Sr. vsconde louvra-me o procedmento, embora
houvesse qualificarao, juiz de paz e mesa plena,
como ainda confess'a o Sr. doutor t
Agora julguem os homens honestos de qualquer
lado poltico, de meu proceder e de minha conduc-
ta, se a opposicao tendo todos os meios justos e ho-
nestos de victoria, ella pertencia empregar meios
incruentos.
Por ultimo agradeco sinceramente S. S. a hon-
ra qne me d de influencia do lugar, lalvez devido
isto a sua modestia e bonhomia, que ainda assim
nao exacto ; ontros, porm, existem bem conhe-
cldo?, de grandes Influencias e familias, os quaes
sempre foram e sao os chefes dos partidos e das
eleicSes, sem que nunca houvesse mister minha
coadjuvaco.
E' verdade que felizmente gozo- de algnma estima
e consideracao entre os meas dignos parochianos
de qualquer lado poltico, e elles deve o meu co-
raco. mas tambem certo, qne nanea me envolv
em lulas eletoraes, que nunca votei e qoiz ser vo-
tado, ao menos para eleilor, antes pelo contrario
sempre me relirei do Ingar as occasioes dellas,
subslituindome na freguezia e Rvd. coadjoctor,
como sabe o Sr. Dr. Nabor, qoe foi jniz municipal
desle termo.
Apenas insudo e rogado por tres amigos de dlffe-
rentes credos poiiuoos em 18*0, uaado os partidos
j se achavam moderados para acceiur o lugar de
eleitor, niiso consent, mas fiz logo ver, que me
nao convinha ser enxolvido em chapa sem ser
nel incluidos parle dos beraai, o que e me sa-
tsfez, sem que de minha parte exigisse deltas me-
nor sacrificio at o presente em desabono de seus
principios polticos, e abi se aehan com a fregue-
zia inteira para affirmar ludo r/uanto evo d%.
Perdeme o Sr. Dr, Barros, se com esta succinta
mas fiel exposlsio qoe fajo, em abono de roinba
conducta e de minha honra lhe oliendo, que de
certo nao dt minhas intencSes.
Bom-Jardim, 14 de junho de 1864.
O padre .Infom'o Hygino de H. C. Chacn.
Patacho inglezTwraferro e pedra.
Brigue sueco Mtmet farinha de trigo.
Brigue suecoEmiltaboade.
Itnportaco.
Hiate nacional Exhalacao, entrado do Aracaty,
consignado a Gurgel Irmaos, manifestou o se-
i guile :
Genero estrangeiro j despachado para o consu-
mo :
4 barricas genebra, 1 dita potassa; a ordem.
Gneros nacionaes :
390 meios de sala, 1 caxa com 16 % de penuas
de ema, 92 ditas com 130 ;> de velas de carnauba,
e 24 couros salgados a Prente Vianna & C
48 saceos com 28 alqueires de gomraa de man-
dioca, 1 caixSo com 16 a de buxo de pescada, 1
dito e 1 barrica com 151 _>,' de cera prela, 61
molhos 1,523 esteiras, 240 couros, salgados, 1,444
ditos com cabello, 96 meios de sola, 32 caixas com
34 (8 de velas de carnauba, 59 molhos com 1,478
courinhos, 78 saceos com 302 a) e 16 t de cera de
carnauba, 59 molhos com 1,4*78 courinhos; a o-
do Exm. Sr.pre- julo 6 das posturas de 30 de junho de"l8i9, abai-
s.dente da provincia, de 14 do corrente, manda fa-1 xo lranscrip^ esl em fei[0J v .
f^UT1..''?' q!!e !1 dia Wd,omesmo> Perante a Artlg 6.o Fica prohrbido dentro da cidade o
749 J,r^aJf/i"enda da meSma ,hfie80urar,a- S(!,ha de "so de roqueiras, bombas e fogo solt (buscaps,.
arrematar, a quem por menos flzer, a obra dos re- 0s infTMorcs sero mu|,adoj %m gg(,, ^^
ITmSSTil nda f"1 e1mbarreamerl dous dias Pnsao. A cmara por ediucs S"
df em 5 852?^."' ra ***' ? 0S lagarcs em ''ue ?e Pos?a soltar os "E*
A arrematacao ser feita na forma da lei provin-
cial n. 343 de 15 de maio de 1854, e sob as clau-
sulas especiaes abaixo declaradas.
_ As pessoas que se propozerem a essa arremata-
cao comparecam na sala das sessoes da referida
junta, no dia cima mencionado, pelo meio dia,
competentemente habilitadas.
pes, roqueiras e bombas de que trata este artigo.
Cidade do Recife, 22 de junho de 1864.
Mi. da Silva Ribeivo
Joo Xavier da Fonceca Capibaribe.
Tltomaz Augusto de V. A. Maranliao.
Manoel Antonio Ferreira Gomes.
Perante o jniz de paz do Io distrelo da Roa-
vista, tem de serem arrematados no dia 23 do
E para constar se mandou publicar o presente i rorrerte^o^b^ Ti cadeir
^raji da thsouraria provincia, de Pernam- l^^T^^'JTutt
&^rli^!1!!bi-OMCrt,ar,O'AtOn,0 S*** "orasaa arde por ser a
sempre objecto de meu sincero reconhecimenlo, o obsequio que peco a V. S. de velar, para que seja garantida a liberdade do, urigue sueco Em;l, entrado de GoUiembourg,
Desejo V. S. muitas prosperidades, e rogo-lhe, mient, e pelo contrar accessor do coronel Ozono j consignado a Rethe & Bdoulac, manifestou o se-
que transmita as suas ordens quem se prza ser em cuja casa vive de dia e de noute, e tem o des- gQnie ;
de V. S. amigo e criado, atiento e obriyadissimo
Antonio Coelho de S e Albuquerque.
Tem esta bella c rica provincia de eleger no dia
10 de julho tres nomes, que serao apresentados ao
nosso Augusto Monarcha para a nomearo de um
senador, que preeneha a vaga, que no senado dei-
xra a mu sentida morte do nosso distincto patri-
cio, o Exm. conselheiro Francisco Xavier Paes
Brrelo.
Alguns candidatos j se tni apresenlado, e, II-
' soti[;eando-me coin o reconhecer em lodos elles
grande merecimento pidos seus talentos, illusira-
i rae, serviros e dedicacao causa publica,animo-
! me a solicitar igualmente a subida honra de ser
i eleilo.
Nao enrareco meus serviros, c digo apenas, que
elles sao poucos em relaeo aos mnilos, que tenho
desejado e desejo prestar.
Xas lucias polticas o raciocinio tem sido minha
I nica arma, os bons principios minha religio pol-
tica, a exaltaro o inimigo que aborreco, as recri-
iiiinaeoes pessoaes o olijerto de meus desgostos.
Amo a liberdade e a oulein, e deste duplo amor
tem resultado o nao poder simular-iue, nem comer-
me sempre que se abusa do qualquer destes dous
caramente de invectivar as autoridades que cum- a6i doxIag e 9 peca5 de madeira dc. pin|10 40
pnndo com seu sagrado dever, tratara ~de garantir, ,jnzjas decadeiras ordinarias de pao, 1,799 barras
o direito do infeliz I de ferro da Suecia, e 100 barns alatrao; a or-
0 Sr. Dr Ucerda em cuja parciahdade desean-1 principios : este tributo pesado e dillicil eu o te-
nho pago ao meu paiz.
Tal vez nao me. seja possivel dirigir-me parlieu-
lai ni. ule cada um dos Srs. eleitores ; nao pen-
sem por isso que, as occasioes de dar evidentes
provas de vivo lecoiihecmenio, o meu corado se-
r menos expansivo do que o de outro qualquer.
Digne-se V. S. de acceitar os votos de sincera
estima e consideracao do que de V. S. patricio^
venerador, servo e criado.
Recife, 10 de junho de 1861.
Francisco de Paula Baptista.
Ao publico.
Silvino Guilhermc de Barros, sendo hoje o porta
dor de quasi todas as letras aceitas por Francisco
Antonio de Oliveira pela importancia da compra
do engenho Guerra, sito no termo de Ipojuca, pro-
movendo j execucao contra o mesmo Oliveira por
algumas dessas letras de quantia superior vinte
e sete contosde ris, e que a respeito de algumas
outras que se vencerao, de importancia maior de
48:0005, trata de promover a sua ronranca pelos
meios judiciaes, para o que j foi citado, previne
que ninguem faca negocio ou outra qualquer tran-
sacrao com o referido engenho Gnerra, eseravos,
animaes, utensis para o fabrico de assucar, safra,
que tudo est hypothceado para garanta do paga-
mento das letras aceitas pelo dito Oliveira pela
compra do referido engenho na importancia de
245:5005, alim de que qualquer fique logo certo
que algum negocio ou traosaccao que flzer, ser
nullo. Recife, 25 de abril de 1864.
ea o coronel Ozorio para praticar desatinos taes
O Sr. Dr. Lacerda deve attender para o dsposto
no arl. 98 do cod. pual.
Continuemos nossa narracao:
Depois de rodeada a mesa do juiz pelos Srs. Ozo-
rio, seu filho Basson, e grande numero de capangas
por elles capitaneados, apresentou o Dr. Basson
nina procuracode seu pai conslitundo-o seu pro-
curador, e em seguida deelarou verbalmeule que.
averbava o jui/. municipal de'suspeito, por ser o
mesmo juiz prenle em quarto grao de Luiz Man-
dy, por dizer este ser filho do fallecido coronel Ma-
noel Antonio da Silva Henriques!
O juiz municipal que o capitao Analio cora to-
da calma o sangue fri respondeu ao Dr. Basson,;
que nao aceitava tal suspeicao por ser despida de
fundamentos legaes, e que a'ljn disto nao se linha
depositado a eanejio de que trata a ord. do L. 3U
tit. 2 princ, e assim proseguio no feito inquerin-
do a duas testemunhas, sendo urna dellas o alferes
Francisco Jos Pires, que foi coinmaudante interi-
no da compauhia ciu que foi Luiz Mandy alistado
guarda nacional, e que depoz conipridamente.
U Dr. Basson protesten por nao ter o juiz sus-
pendido a audiencia c continuado no feito.
Xa seguinte audiencia apresentou-se ainda o Dr.
Basson e seu pai com maior numero de pessoas que
este mandou vir de fra da cidade, o rodearam a
mesa do juiz, a quem por essa vez abrigaran a
^suspender o feito, e apresentou o Dr. Basson os
seus artigos de suspeico escrptos, e o juiz nao s
'l para cumprir com seus deveres, como tambem por
i se ver coagido, os recebeu e mandou que o escri-
J vo os fizesse subir rouclusao do lal Dr. Lacerda
juiz de direito!
Quando o juiz municipal lia os artigos de sus-
peicao, deu-se urna srena tocante que foi a seguinte:
Luiz Mandy foi apanhado na ra por dous espo-
letas.do coronel Ozorio, e no meio da multidao cou-
duzido para a sala da audiencia do mesmo juiz,
onde chegando, entrou, e cora voz trmula e bal-
bucante, profiri estas palavraseu vim dizer que
son oseravo de meu senhor Ozorioe dirigindo-se
para este toraou-lhe abencio !
Quanto horror.' E de que nao ser capaz o Sr.
coronel Ozorio garantido pelo Sr. Dr. Lacerda ?
O brbaro do Sr. coronel Ozorio, levantou-se
com tom ameacador para o juiz municipal e disse-
Ihe-requeiro que se tome por termo a declaracao
de Luiz Mandy.
Luiz Mandy, logo depois deelarou ao juiz muni-
cipal que o tinham conduzido para a sala das au-
diencias para aquelle fim, e que temia voltar ou-
tra vez para a companlua do coronel Ozorio
Escuna hamburgueza Varia, entrada do Rio
Grande do Sul, consignada a Bailar & Oliveira,
manifeslou o seguinte :
8,115 % de charque e 60 couros vacaras de
refugo; a ordem.
Recebedorla de rendas internas
geraes de Pernambuco.
ilendimento do dia 1 a 22........ 28:37158(19
dem do da 23................. 1:126*701
29:6985510
0 perfume do homispherio occi-
dental.
Agua Herida de Marra; & Laminan.
(Extrahido do Daile Times.)
A verdadeira prova da genuidade e pureza de
qualquer um perfume extrahido das flores consiste
na sua duradoura existencia quando exposto in-
fluencia do ar. O aroma derivado de leos chimi-
cos desvanece em breve e deixa
Consulado provincial.
Rendimentodo dia 1 a 22......... 89:4315597
dem do dia 23................. 7:585*719
97:017*316
Navio entrado no da 23.
Aracaty 12 diasHiate nacional Exhalacao. de 37
toneladas, capitao Trajano Antunes da Costa,
equipagem 6, carga couros c outros gneros: a
Gurgel Irmaos.
Navios saludos no mesmo da.
Maranhao Hiate nacional Garibaldi, capitao Cus-
todio Jos Vianna, carga varios gneros.
LiverpoolBarca inglezaRonald,capitao ll.Baskfell
carga algodao.
Xo houveram entradas nem sabidas.
EDITAE
S.
O illm. Sr. inspector da ttjesouraria
cial, em cumprimento da ordem
Ferreira d'Annunciacao.
Clausulas especiaes para a arrematacao
1* Os reparos do embarreamento da estrada do
sul, entre os marcos de 5,000 8,000 bracas, na
importancia de 5:8325 rs., serao fetos de confor-
midade como respectivo orcamentoapprovado pelo
conselho da directora.
2 O arrematante dar comeco aos trabalhos no
prazo de 2o das e os concluir no de 3 mezes,
contados ambos da data da arrematacao.
3* Os pagamentos serao realisados em tres pres-
tacoes iguaes, correspondendo a cada um terco do
servico.
4* O arrematante na execucao dos trabalhos
observar as prescripces do engenheiro.'
3J Nao ser em tempo algum attendida qualquer
reclamaro, por parte do arrematante, tendente
indemuisacao, quaesquer que sejam as allegacoes
em qne se basear para esse fim, ainda mesmo por
prejuizos provados.
6* Para o que nao cstiver prescripto, observar-
se-ha o que dispoe a lei n 286.Conforme. A.
F. d'Anuunciaaio.
Secretaria d'a polica de Pemambuco, 22 de ju-
nho de 1864.
O Illm. Sr. Dr. chefe de polica, manda fazer pu-
blico, para conhecimento de quem interessar possa,
os arts. ir do tit. (">" das posturas monicjpaes de 30
de junho Je 1849, e l da resolueao da cmara
municipal de 26 de agosto de 1851, os quaes sao os
seguintes :
Art. 6." Fica prohibido dentro da cidade o uso
de roqueiras, bombas e fogo sollo (buscaps) : os
infractores sero multados em 10*000 e soltrero
dous dias de prisao. A cmara (ir editaos desig-
nara os lugares em que se possam soltaros busca-
ps, roqueiras e bombas de qne traa e>te artigo.
Art. 12. Xo se poder soltar fogo algum senao
din pateos esparosns ou quintaos, nunca em lugar
de adjuntos: os Infractores incorrero na multa
ee 1115000.
O secretario,
Eduardo de Barros Fatcao de Laceria.
O Dr. Tristo de Alencar Araripe, ollieial da impe-
rial ordem da Rosa c juiz de direito especial do
commercio desta cidade do Recife capital da pro-
vincia de Pemambuco e seu termo por S. M. Im-
perial e constitucional o Sr. D. Pedro II a quem
Deus guarde etc. etc.
Faco saber aos que o presente edita] viren o delle
nolcta tiverem que no dia 18 de julho do corrente
anno, se ha de arrematar por venda a quem mais
dr em praea publica deste juizo, na sala dos audi-
torios um sobrado de dous andares sito na ra da
Aurora, freguezia da Ba-Vista, tendo varauda de
ferro o primeiro andar tanto na frente como no oi-
to fazendo frente para a ra da L'niao, tendo gran
des quartos, salas, cosinha
provin-1 ues quartos, salas, cosinha e um pequeo quintal,
do Exm. Sr. pre-' avahado em 23:0005000, o qual foi penhorado por
sidente da provincia de 4 do conente, manda fazer execucao de Jos Pereira Bastos Francisco Ante-
publico, que no dia 30 do mesmo, perante junta : nio de Oliveira. E nao havendo lancador que cu-
da fazenda da mesma thsouraria, se ha de arre- bra o pre<;o da avaliaco, a arrematacao ser feita
matar, quem por menos fizer, a obra dos reparos pelo valor da adjudicacao com o abatnenlo da
geraes da estrada do sul, e embarreamento, a par- lei.
tir do marco 2,000 ao de 4,000 bracas, avahados E para que cheque ao conhecimento de todos,
em 1:705*000. ; mandei passar edilaes que serao publicados pela
feita na forma da lei pro- imprensa e afflxados nos lugares do rstame.
maio de 1854, e sob as Recife, 15 de junho de 1864, 43 da independencia
1 e do imperio do Brasil.
Eu Manoel Maria Rodrigues do Xascimento,
1:705*000.
A arrematacao ser
vincial n. 343 de 13 de
clausulas especiaes abaixo mencionadas.
As pessoas que se propozerem a essa arremata
Cao, comparecam na sala das sessoes da respectiva' escrivo o subscrevi.
Ti istao de Alencui
junta, no dia cima mencienado, pelo meio" dia, e
Luiz Mandy tendo estado no carcere privado que, competentemente habilitadas,
por tanto lempo lhe destinou o coronel Ozorio, est: E para constar se mandou publicar o presente
com a indiligencia perdida, e lalvez chegue ao es-' pelo jornal.
Secretaria da thsouraria provincial de Pemam-
buco 9 de junho de 1864.O secretario,
A. F. d'Annunciacao.
Clausulas especiaes da arrematacao.
1* Os reparos do embarreamento da estrada do
lado de loucura I
Infeliz victima Xo te curves mais diante do
aspecto de ten algoz, porque cima deste eslao as
leis do paiz, e as autoridades que se presam, e que
teem a coragem precisa para se resignarem no
' cumprimento de seus deveres.
Como que o Sr. Lacerda, juiz de direilo expli-
car seu procedimento I
Como que o Sr. Dr.
Lacerda acoberta ao Sr.
coronel Ozorio perseguindo a liberdade do infeliz !
anos de si um Responda-nos, Sr. Dr. Lacerda.
am. UePnL flT^ZJ^Vx' ^ ^^namos publicaros artigos de suspeicao
aquelle que e obt.do mediante a destillacao de logo que fr proferida a sentenca sobre elles pelo
4 Lanman, rormando mente as ordens de seu amo; esperamos a tal sen-
concentrada prodnecao das mais raras flores tenca uara publcarmos aqae'lles argo* e analisa-
la devidamente.
Desde ja, porm, faremos urna pequea obser-
vacao aos artigos de suspeicao.
Nelles p Sr. coronel Ozono dix que o juiz muni-
cipal suspeito, porque Luiz Mandy dizeudo-se fi-
lho do fallecido coronel Manoel Antonio da Silva
Henriques, este prenle do mesmo juiz muni-
cipal.
Se o Sr. Dr. Lacerda julgar provada semelhante
allegario, tem reconhecido que Luiz Mandy filho
do fallecido Manoel Antonio da Silva Henriques,
sogro do coronel Ozono, e por conseguinle ficar
recoobecido que Luiz Mandy cunhado do mesmo
coronel Ozorio I
Que horror, Sr. coronel Ozorio, seo cunhado
pharmaceutico Jos da Rocha Prannos, estabele- sendo seu escravo I I I Que corar de tigre,
cido com botica na ra Direita n. 88 em Pernam- Com isto nao se importa o Sr. coronel Ozorio,
buco. que so 0 l|ue qUer e mutihsar o juiz municipal,
Este xarope ineontestavelmente superior a to> porque o substituto de sna parcialidade, que im-
do os xaropes depurativos, de cua composicao mediatamente nomear tambem novo curador pa-
c seu maior elemento a salsa parrilha, pois que se ra o infeliz, e do aprasimento do Sr. coronel, que ,-
lera connecido ser o veame mais enrgico para a enlo ainda conseguir perseguir por mais tempo j competentemente habilitadas,
prompta cura das molestias, cuja base essencial sua victima, mas deve S. S. lembrar-se que cima E para constar se mandou publ
Socndo da ourifieacao do umiu f;m ,., _.___.j. .______iTt. _____: _.. .- _.i. I__.i
a agua flfonifa
uma concentra
do sul, apanhadas durante o zenith da sna flores-
cencia e maior fragrancia, nao s possue a fres-
quido d'um fresco ramalbele, mas tambem n-
destructivel e inextinguivel, a nao ser a excepcSo
da lavagem do lenco anteriormente humedicido na
mesma.
A' venda era todas as boticas e lojas de perfu-
maras.
Attenco
Xarope alchoolico de veame, preparado pelo
Araripe.
0 conselho econmico do 7o batalhao de in-
famara convida as pessoas que quizerem (mecer
para o rancho do mesmo no 2o semestre de 1864.
sul, entre os marcos de 2,000 4,000 bracas, na a comparecerem com suas propostas no dia 25 do
importancia de 1:705*, serao feitos de conformida- corrente, pelas 10 horas da manha, no quartel e
de eom o respectivo orcamento, approvado pelo! secretaria do mesmo batalhao, as Cinco Ponas,
conselho da directora. sendo taes propostas dos seguintes gneros : pao
8* O arrematante dar principio aos trabalhos de 4 e 6 oncas, caf muido, assucar refinado mas-
no praso de 20 dias, e os concluir no de dous me- cavraho, manleiga franceza, carne verde, dita sec-
zes, contados ambos da data da arrematacao. ca, bacallao, feijo, arroz, azeite doce, vinagre, le-
3* Os pagamentos sero realisados em duas pres- ">*. toucinho, farinha e sal, sendo taes gneros de
tacoes 'guaes, a primeira cm meio do servico, e a' primeira qualidade.
ultima no fim. Pemambuco 18 de junbo de 1864.
4" O arrematante na execucao dos trabalhos, ob- Jos Joo de Carral ho.
servar as prescripces do engenheiro. Tenenle agente
5* Nao ser em tempo algum attendida qualquer Avf11l(ltCH'(O
reclamacao por parte do arrematante tendente a ... aK ..
indemnisaco, quaesquer que sejam as allegacoes '. >o da 2o do corrente mez Anda a audiencia do
em que se basear para esse fim, ainda raesrao por juuo mun,c'Pa' da seeon prejnizos provados U'sera arrematada urna mcia-agua n. 33, sita na
6' Para o que nao estiver previsto observar-se- rua d,e Ho.r,a,s ,rSuei* de S- Antonio, pertencen-
ba o que dispc a lei n. 286. le a An!lrt de .Abreu Porto e *ua mulher, a quai
Conforme.A. F. d'Annunciacao. I nia-agua vai a praga em yjrtude da execucao
O Illm. Sr. inspector da thsouraria provincial, 1.ue n,r.a .mes? move a Sanla Gasa da Misc-
em cumprimento da ordem do Exm. Sr. presidente.r,cordla dsla c,dade- ... .
da provincia de 4 do corrente, manda fazer publico' LOHSel 110 administrativo.
3ue no dia 30 do mesmo, perante junta da fazen-1 O conselho administrativo para fornecimento do
a da mesma thsouraria se ha de arrematar, a, arsenal de guerra tem de comprar os objectos se-
quera por menos flzer, a obra dos reparos das pon
tes de Santo Amaro, Tacaruna, Arrombados e Va-
radouro, avahada em 1:2005180.
A arrematacao ser feita na forma da lei pro-
vincial n. 343 de 15 de maio de 1854, e sob as
clausulas especiaes abaixo declaradas.
As pessoas que se propozerem a essa arremata
Cao comparecam na sala das sessoes da referida
junta, no da cima mencionado, pelo meio dia, e
jpendo da purificacao do sangue : assim pois se de sna vontade temos as leis e o goveroo que bao
lera verificado por mullas pessoas que se achavam de attender para a sorte do infeliz
KE^T} a*.c>uae8 acbam-se boje restabeteci- Esperemos a sentenca do Sr. Dr. Lacerda.
nLXm rlcrtpeaalch00,iC S wUme ; **' "^ P3 8er manutenido em sua lioer-
rSb?^ ,eB|, UMdnd0 *roP# de dade Da PreCS* raaS PVas alm d<* d<>Ca-
^Tl'i 1^,1^5 deKfal?? parr,lha' "P004" men,os irrecosaveis qae j existem, sendo um del-
aa9^Lgn^Lbacalha0' e^tr? ,aBe?, **li ,i ,/ad.a C0B8eu'rara- elle de fcil da qual fez parte como memnro da junta o Sr. co-
digestao, agradavel ao paladar e ao olfato. Alguns ronel Ozorio
licar o presente
pelo jornal.
Secretaria da thsouraria provincial de Pemam-
buco 9 de junho de 1864.O secretario,
A. F. d'Annunciacao.
Clausulas especiaes para arrematacao.
1* Os reparos das pontos da estrada de Olinda,
na importancia de 1:2005180, sero feitos de con-
formidade com o respectivo orcamento, approvado
pelo conseibo da directora.
gmnles
Para o presidio de Fernando
1400 alqueires de farinha de mandioca pela me-
dida-*rjiadro da cmara.
Quem quizer vender tal objecto, aprsente a sua
proposta em carta fechada na secretaria do conse-
lho, s 10 horas da manha do dia 4 de julho.
Secretaria do conselho administrativo para for-
necimento do arsenal de guerra, 22 de junho do
1864.
Antonio Pedro de S Barreto,
coronel presidente.
Sebasttao los Basilio Pyrrho,
vogal secretarlo.
O conselho administrativo para fornedmeoto do
arsenal de guerra tem de contratar os gneros ali-
menticios para a eompanhia dos menores do arse-
nal de guerra, nos mezes de julho e agosto prxi-
mos vindouros :
Conselho administrativo.
O conselho administrativo para fornecimento d >
arsenal do guerra tem de comprar os objectos se-
guintes :
Para o nono batimn de infamara.
ilonets 391, ditos para sargeulos ajudanle e
quartel mostr 2, ditos para msicos 18, bandas
de la 14, charlaieiras para sargento ajudante o
quartel-inestre pares 2, ditos para msicos pares
27, divisas para sargento ajudaule e quartel-ines-
tre 2 pares, mantas de la 398, sapatos, pares, 550,
panno verde covados 1681, dito alvadi covados
90, dito azul para capoles, covados 1554, casimira
encamada, covados 24, baeta verde, covados
906, Ilollanda de forro covados 1384, cordo preto
de la, varas 1,400, dito de relroz preto varas 80,
brim branco, varas 2,580, algodaoziobo, varas
1585,galio de prata de urna polegada, varas 36.
dte de meia polegada varas 27, botes grandes
de. metal bronzeado 4,928, ditos pequeos de dito
dito 3.162, ditos grandes de metal praleado 252r
ditos pequeos de dito dito 108, ditos grandes de
metal amarellu para capoto 1,813, colxetes pre tos-
pares 629.
Para o corpo da guaroico.
Bonets 20, ditos redondos para recrutas 20.
maulas de. laa 20, sapatos, pares 181.
Para a fortaleza de llamaraca.
Sino com 2 1|2 palmos de altura pouco raais ou
menos. 1.
Quem quizer vender taes objectos, apreseutem
as suas propostas em carta fechada ua secretaria
do conselho, s 10 huras da manha do dia 1 de
julho vnduuro.
Sala das sessoes do conselho administrativo para
fornecimenlo do arsenal de guerra 22 de junho de
1861. J
Antonio Pedro de S Barreto,
Coronel presidente.
Sebastido Jos Basilio Pijrrho.
Vogal secretario.
Por ordem do Sr. inspector da alfandega, lira
transferida para o dia 27 do corrente, a arremata-
Cao das 200 libras de chocolate e um boto de dous
remos, aununciada por edilal de 21 do mesmo
mez.
Alfandega de Pemambuco, 24 de junho de 1864.
O 3" cscriplurario,
(lodofredo Henriques de Miranda.
0 conselho de qualificaco da guarda uacional
da parochia do S. S. de Santo Antonio do Recife, faz
publico qae nesta dala tem aflixado no interior da
igreja matriz o edilal designaudo o da 27 do cor-
rente, s 11 horas da manha para se proceder a
inspei'cao de sade aos individuos COJOS uomes se
achara transcripto no mesmo edilal.
Sala de seccdei do conselho, 23 de junho de
1864.
O alferes secretario.
Augusto Cezur Pereira de Meudonca.
Correio /eral.
Pela admlnistracao do correio desta cidade se
faz publico para lins convenientes que em virtude
do disposto no artigo 138 do regulamento geral
dos correios de 21 de dezembro de 1844, e artigo
9 do decreto n. 785 de 15 de maio de 1831, se pro-
ceder o consumo das cartas existentes na adminis-
traco, pertencentes ao mez de junho de 1863, no
da 3 de julho prximo, s 11 horas da manha,
na porta do mesmo correio, e a respectiva lista se
acha desde j exposia aos nteressados.
Administraco do correio de Pemambuco 25 de
junho de 1864.O administrador,
Domingos dos Passos Miranda.
Correio geral.
Pela administraco do correio desta cidade se
faz publico que em virtude da convencao postal,
celebrada pelos govemos brasileiro e francez, se-
rao expedidas malas para a Europa no da 30 do
corrento pelo vapor francez Bearn. As cartas se-
rao recebidas at 3 horas antes da que for marca-
da para a saluda do vapor ; c os jornaes al 4 ho-
ras antes.
Administraco do correio de Pemambuco 25 de
junho de 1864.O administrador,
Domingos dos Passos Miranda.
Conselho administrativo.
O conselho administrativo para fornecimento do
arsenal de guerra em cumprimento ao artigo *z
d regulamento de 14 de dezembro de 1852, faz
publico .pie foram aceitas as propostas dos senho-
res abaixo declarados:
Para o 2" batalhao de infamara.
Joan Baptista Vieira llibei.'o, 2,230 covados de
panno azul a 25300.
Soullial Mellors & C, 135 covados de panno cor
de rap a 25"00.
Custodio Carvalbo 4 C., 550 mantas de lia a
-2400, 31 covados de casemira amarella a 15850,
4,225 varas do brim branco a 510 rs.
Para a eompanhia de artfices.
O mesmo vendedor, 25 mantas de lia a 25400.
Estes objectos devem ser recolhdos no dia 27 do
corrente.
Para o 2* batalhao de infamara.
Jos Antonio dos Santos Coelho, 1,833 corado
de hollanda de forro a 17o rs., 242 varas e anta-
gem a 430 re.
Para o mesmo batalhao.
Joo Jos Machado, 3,300 varas de algodezinho
a 520 rs.
Marques Gomes & C ,60 covados de casemira en-
carnada a 15750.
Dr. Rufino Augusto de Almeida, 531 paree de
sapatos a 25800. Estes objectos devem ser reco-
lhdos no da 30 do correte.
Para o i* batalhao.
Antonio do Souza Marinho, 31 bonets redonda*
a 15900, 450 ditos zoes a 35490, 12 ditos verdes
a 35450,27 ditos para msicos a 05. 27 pares de
cbarlateiras a 15, 450 ditos de platinas a 15-


Mario te rrvambaeo Hnhbado t& de fiinho de 1H4

,
| juiz do direito especial do commercio, dos predios
Aluga-se
nn vSCnh,^idh,nrBti'Cuar* recrutas a laaoitiflVauuk. a povoato de MooteiroVcomo o andar terreo da ra dHospicio n. 56, cora um
) me3mo uradedur, -o boueb para renu <* i -. ^.q ^ q ^^ forrado ^ es,uque e 0 p.
i900.
Para o 1* baulho de olantaria.
Manoel Rodrigues Costa Magalhes, 54 vanu de
galo de prata de 1 pollegad i de largura a 7u rs.
aoitava, 10 varase meia de do de meia pollega-
da a 740 rs. a oilava.
Para o mesmo batalnao.
Luit Bento de Vascoucellos, 0,300 botoes gran-
des de metal amarello a 80 rs., MD ditos paque-
aos do mesmo metal a 80 rs., 11)8 drtos grandes de
metal bromeado a 80 rs.. 108 ditos pequeos de
dito dito a 80 rs., 378 ditos grandes pratiado a
100 rs., 162 ditos pequeos ditos a 100 rs.
i casa terrea, sem numo, com palmoa de vimemode oleado, ecomo4s para urna familia
frente e 71 de fundo, rom I salas, 4 quartos, co- pouco numerosa; a casa terrea da ra do Desuno
sinha e 1 quarto externo, minia! em aberto, ter- n. 1: a tratar na ra do H
raco na frente com grade de ferro.
3 ditas na inesma conformidade cima e junto
Precisa-se alugar urna pequea sala para
escnptorlo de pessoa do commercio, as ras do
a mesma. ,._Ji_rihe na mesma Qeimado, Cruies, ou contiguas, cujo aluguel nao
1 dito a margem do no c ipUaribe. na nub vi ^ Iralar ^ ^ dQ ador sobrado n
voaclo cpm 85 palmos de freote lh "*, -
.-,-T l _____T__aba htmii2. (uiiutal em eo
pov._
salas, 4 quartos, cosinha externa,
aberto, pequea baixa para capini, com caes e es
cada de lijlo e cal a margem do no.
1 dita com frente para a margem cima,
com
I oii annunciarem por esta mesma follia.
Precisa-se de urna criada vre ou escrava
que saiba cezinbar c comprar : na ra de Santo
Amaro (Mnndo Novo), sobrado onde morou o Sr,
objectos
prximo vindouro.
Para o corpo de guarnilo.
Custodio Longuinho Braga, 5 cornetas do toque
com boccaes, pontos e voltas a 175, para serem
entregues no dia 8 de julho prximo vindouro.
Sala das sesses do cooselho administrativo para
forneeimento do arsenat de guerra, 23 de junho
de 1864.
Sebastio Jos Basilio Pyrrho,
Vogai secretario.
oevem ser entregues no'dia^de jXo ^^"praJ^r-iaS ?-^______________
to e cosinha externa, com oitao oe taipa e qum>_i f #.//?^
em aberto. i Aliengao.
1 dita em tudo iguala ultima e junto a mesma. Aabaixo assignada, moradora na ra do Viga-,
Casas terreas de taipa. r0 no sobrado n. 33 em o primeiro andar, previ-
1 dita com 25 palmos de frente e 44 de fundo. ne a polica e aos Srs. ourives que tendo sido rou-!
i dita com 26 palmos de frente b 31 de fundo. |ja(ja jt uma gaveta de sua commoda os objectos
com 2 salas, 2 quartos, cosinoa externa, quintal abaiio mencionados na norte de 19 para 20 do cor-
em aberto. rente, quando se achava ausente, pede a qualquer
1 dita com 19 palmos de frenie e 31 de fundo, pessoa que deiles tiver noticia de Ihe participar pa-|
1 sala, 1 quarto, cosinha externa, quintal em ra dar providencias nscessarias, bem assim aos Novos arranjos.
aberto. ... Srs. ourives para que nao comprem semelhantes Novos arranjos.
AYISOS MARTIMOS.
Noticias!
Kolicias!
Noticias!
Noticias!
Noticias!
0 dnu^iao Leal mudou
a sua residencia da roa do
Queimado paita a ma das
Onizes sobrado n. 86, pri-
meiro andar, por cima do
armazem Progressista,aon-
de o acharfto como sempre
prompto a qualquer hora pa-
ra o exercicio de sua pro-
fissao, chamado por escripta.
1 dita com 22 palmos de frente e 42 de fundo, 1 objectos pela maneira que foi adquirido por quem Novos arranjos.
la, 2 quartos, cosinha e 1 quarto externo, qnin- os roubou e gratificar a quem der noticia deiles. Novos arranjos.
1 bahuzinuo de tartaruga contendo dentro as Novos arranjos.
ilim de ouro
sala.
tal em aberto.
1 dita com 19 palmos de frente e 42 de fundo,
2 salas, 2 quartos, quintal em aberto, cosinha ex-
terna.
Os pretendentes desde j podero examinar os
referidos predios, e querendo qualquer informa-
rla poderao entender-se com o referido agente
jemseu escriptorio ra da Cadeia n. 3, primeiro
andar, aonde ser effectuado o leilao.
Terca-feira do corrate as
I 1|2 horas da manlia.
COMPANHIA BRASIL-EIRA
DE
PAQUETES A VAPOR.
1 ^ E'esperado dos portos do sul
at o da 30 do correte o vapor
Apa, o qual depois da demora do
costume seguir para os portos
do norte.
Desde ja recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzr, a qual devera
ser embarcada no dia de sua chegada: encom-
mendas e dinheiro a frete ate o da da saluda as1 )jm sobrado de 2 andares e SOtO na
horas, agencia ra da Cruz n. 1, esoriptono de
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C.__________
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
ajavegaco costelra a vapor.
Macei e escalas.
vapor Paraltyba,
SL LILAO
DK
es
de Hortas n. 2 i, com quintal
para o lado de Sania Tliereza.
na
porto
Cordeiro SlmSes far leilao autorisado pelo in-
ventarame do flnado Ventura da Silva Boa-Vista,
do predio cima dito na parte pertencente aos
j herdeiros de dilo finado. Os pretendentes desde
comman- jo podero examinar o referido predio e qualquer
daote Marlins, scgiie no dia 2o esclarecimento poderao entender-se com o referi-
as S horas da larde. Recebe car- i do agente que satisfar, cujo leilao ser effectuado
ga ale o dia 23 ao meio dia. En- era seu escriptorio ra da Cadeia u. 3: terca -
commendas. passageiros e dinhei-! f" ** n enrrnie '
eguintes
1 trancelin fino com passador.
1 cassoltt.
1 pulceira.
1 dita de coral com feixos de ouro.
2 alfraetes de peito esmaltados sendo 1 grande c
1 pequeo.
2 ditos de peito sem esmalte.
1 dilo de dilo com coral.
1 par de rozetas com pedfas encarnadas.
1 dito dito esmaltado de verde e rdxo.
1 dito de ditos verde.
1 dito de brincos balan.
1 dilo de rosetas com coral.
1 do de ditas sem esmalte.
1 annel de tres pedras rxas.
1 pito com um passarinho.
1 dito com diamante.
1 dito de rozetas de ouro sem esmalte.
Maria Thereza de Paiva Rocha.
ro a frete at o dia da sahida as 2
criptorio no Forte do Matlos n. 1.
horas : es-
Porto
LKIILAO
lio.
um cabriole! de 2 rudas com
Se\ta-feira Io de jul
O agente Pinto autorisado por urna pessoa que
retirou-se para Europa far leilao dos carros e
cabriole! cima mencionados proprios para pas-
seios, s 11 horas do dia supradito na ra do Tra-
piche em frente ao armazem n. 40._____________
e qul-
COMPANHIA BRASELEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR
Dos portos do norte c esperado
at o dia Io de julho, o vapor
Cruzeiro do Sul, commandante
Alcanforado, o qual depois da de-
mora do rostume seguir para os
portos do sul.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no dia de sua chegada, enrommen-
das e dinheiro a frete at o dia da sahida as 2 ho-
ras : agencia, ra da Cruz n. 1, escriptorio deAn-
onio l.uiz de Oliveira Azevedo & C___________
Rio de Janeiro.
O briguc Trocador segu rom brevidade, recebe
caiga e eseravos a frete : trata-se, com os consig-
natarios Marques, Barros &C, largo do Corpo San-
to n. O-______________________
Para Lisboa e
Satura com brevidade a barca nacional Mara-
na ; recebe carga a frete, e tem excedentes com-
modos para passageiros : trata-se no escriptorio
de Manoel Ignacio de Oliveira & Filho, no largo
do Corpo Santn. 19.
Para Lisboa
ahir com brevidade o brigue portiigitez Constun-
tr, recebe anda algiima carga a frete e paSMgei-
ros, para os ijuaes tem excellentes commodos: tra-
ta-se com Manoel Ignacio de Oliveira & Filho, lar-
go do Corpo Santo, escriptorio n. 19.____________
Para Lisboa
O brigue porlugue;. Lata II, eapitio Antonio
Francisco Vieira val sabir por estes dias por ter a
mior liarte do e.uregamento prompto : para car-
ga e passageiros. tratase com E. H. Rabello, ra
da Cadeia n. o'.______________________________
Maranho.
O palhabote Garibaldi tem j parte da carga en-
gajada, e para o restante trata-se com Tasso Ir-
mios. _______________________'__
Pura a Hnhia
pretende seguir com muita brevidade a escuna na-
cional Cortla, tem parte de seu carregamento
prompto : para o resto que Ihe falta, tratase com
os scus consignatarios Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo t C, no seu escriptorio ra da Cruz nu-
mero 1.______________________________\_______
Para o Rio de Janeiro
pretende seguir com muita brevidade o veleiro e
bem conheeilo palhabote nacional Puihide, lem
parle do seu carregamento engajado : para o res-
to que Ihe falta e eseravos a frete, para os quaes
lem excellentes commodos, trata-se com os seus
consignatarios Antonio Luiz de Oliveira Azevedo,
ra da Cruz n. 1.____________________________
Para o lilo turanilr do *nl
pretende seguir cora muita brevidade o patacho
nacional Carolina, tem parte do seu carregamento .._.
prompto: para o resto que Ihe falta, trata-se cora <* IWMhnri i(l^ U horas
Prccisa-se de urna ama que saiba
muito bem cosinliar, seja aceiada e
fa^a as compras para casa de pouca
familia : na ra da Cadeia do Recife
n. 38, primeiro andar.
Retratos de 3| por 15300.
Retratos de 3 por 1&900.
Retratos de 35 por 15500.
Retratos de 35 por i5800-
Retralos de 35 por 15-'*>0.
Retratos de 35 por 15-">00.
Retratos de :4 por i*.m
Retratos de 35 por 15S00.
Retratos de 35 por 15500-
Retratos de 35 por 15^00.
200 retratos tirados por dia.
200 retratos tirados por dia.
200 retratos tirados por dia.
200 retratos tirados por dia.
.200 retratos tirados por dia.
Retratos de 55 por 45-
etralos de 55 por &5-
Rstratos de 55 por 45-
Retratos de 55 por 45-
Retratos de ,*>5 por 45-
Retratos de 55 por i3
Retratos de 55 por 45-
Retratos de 55 por 45-
Retratos de 55 por 4.5.
Retratos de 55 por 45.
Na galena americana.
Na galena americana.
Na galera americana.
Na geleria americana.
Na galera americana.
LKIliAO
Terca-eira 28dejuuho s 11 horas,
ra da Cadeia u. 53.
Natiuvess.v do Lima pehto k CiSA dk salde em .
Santo Amauo. | Manoel Tavares d'Aquino faz ver ao publico
De um terreno com 80 palmos de frente e 250 e ao commercio, qde vendeu a sua padaria sita na
ditos de fundo contendo: tres caixoes divididos ra do Cotovello n. 31 ao Sr. Francisco Domingos Destes precos s nos dias uteis.
liara casas terreas de ii palmos do frente e 60 de Dias, livre e desembarazada de qualquer debito, Destes preees s nos dias uteis
fundo, dous esto quasi cobertos, rende o que est ; no dia 19 de maio de 1864.
em meia-agua 85 por mez, bem edificados, boa i Ad^.^ jusla e contratada por venda a cas*
posigfio por ser esquina e fronleiros a propnedade terrea sj(a na caa(je de oiinda, ra do Bom-Fim
do Sr. Saldanha : sao convidados os pretendentes! n 20 (|U(,,n se jU|gar co, jreito a ella, aonun-
ao previo exame e serao vendidos pelo raaior pre- cje nQ 0 de ,res dias da data deste
eo que se adiar em leilao.____________________
Ra do Imperador n. 38.
Ra do Imperador n. 38.
Ra do Imperador n. 38.
Ra do Imperador n. 38.
Ra do Imperador n. 38.
Mr
re
B
S 5 _
M V ^
ja = ja

(O
o
V, >
> -'=.
v. a

c o
S a,
c
aa -ce
O
_ W)
to o a
cu
2

O 2

.f C gS -I
*tll. a
srZ g.* -o-^,
i6 ^3-? =r 3 a.
c'a.e. 5. i
| ?i3a^
I & & =.-o
8 S 5 o
STc- -o
eo
h
D-ce
v' n. S"
6> O" "*

3^
r
~ -, =
zr. o
l u.
5.
'A o
o
9.
um no touTificz
Por oidem do Illm. Sr. presidente participo a
DE todos os membros da directora provisoria, que,
Urna cale-che com lanternas e arreos, um n0 pr0xmo sabbado, 25 do correle, as 6 horas da
carro de 4 rodas com cubera e arreios, e tarde, haver sessSo para Ibes ser apresentado o
>beita : projecto de estatutos, e tratarse de outros assuinp-
i tos importantes : a reunio tera lugar no Cabine-
te Portuguez de l.eilura.
Leilao de eseravos
Como sejam :
Joanna, crionla, de 17 nnnos, cosinheira.
Victoria, de 20 anuos, lavadeira, cosinheira
tandelra.
Urna negrinha com 14 airaos de dade e outras.
Sc\la-feir;i Io de julho.
O agente Pinto lar leilao por conta de diversos
de diferentes eseravos com habilidades, isto s
11 horas do dia I- de julho no armazem do sobra- j
do da roa do Trapiche n. 40 confronte ao consu-
lado inglez. _____________ .. __________
Secretoria do Monte i'io Portuguez 21 de junho
de 1864.
Joaquim Gerardo de Bastos.
2. secretario.
Precisase de urna ama capaz para todo o !
servico de casa de pouca familia : na travessa da
Matriz de Santo Antonio n. 8.
I n-iiin particular
21 Hua dos Ci)t:es*l
Sebastiao Antonio de Albuqucrquc Mel-
lo, professor particular provisionado pelo
director geral dos estudos, avisa aos pas
de seus alumnos que, tiansferio a sua
aula para aTua das Croles n. 21, pri-
meiro audar, onde contina a leccionar
aos seus discpulos com zelo e dedicaeio,
as materias do encino primario e secun-
dario. Os senhores que quizerem util-
sar-se do seu presumo, podem dirigirse
mencionada casa qualquer hora, ob-
servaodo oais qne. est dlsposto a ensi-
nar a noite alguns preparatorios aos que
nao podeiem frequeutar de dia.
Monte Pi Portucuez:
de 105 e a mensadade d
A directora provisoria, tendo j confiado a urna
I commisso o trabalho da organisaeo dos QStatntos
.julga todava conveniente scienlilicar desde logo
todos os seus compatriotas o seguinie :
1." S sero socios elleclivos os cidados porto-
guezes.
, 2." A joia ser
500 rs.
3.* Os socios terao direito aos beneficios da
ciedade quando (achan lo-se desprovidos de
cursos) estiverem desomp regado, doentes
presos.
4." Aquelles que, por motivos graves ou moles-:
ta perigosa, tiverem neeessidade de se ausentar,
serao pagas as dspotas de transpone com com-
modidade e decencia, ou paraootras provincias do
; imperio, ou para paiz eslrangeiro.
5. Fallecendo qualquer socio, far-se-lhe-ba um
1 enterro decente, se elle nao deixar meios |iara
isso.
6." A sociedade prestar igualmente soccorros,
C4SA DA FORTUNA.
AOS 6:000.000
Hllhetes garantidos
A' rea de Crespa a. 23 e casa de costura*
O abano assigoado tendo vendido nos seus mui-
to felizes bilhete> garantidos os dous meio- com a
sor te de lO.oui.jiKM), e dous quartos n 3022 com
a de 2:0005 e n 2070 com a oiitra de 2 0005 e
outras muitas com a sorte ib- 5005, 2005 e 1005.
da lotera quj se acabou de extraliir a beneficio da
igreja de ossa Senhora do Rosario, couvida os
possuidores de ditos bilhetes a virem receber seus
respectivos premios sem os desenlo da lei, em
seu eslabelecimento a ra do Crespo n. 23.
O mesmo tem exposto venda os novos e felizes
bilhetes garantidos a beneficio da groja de Santo
Amaro de Jaboato que se extrautr quima feira
30 do crrente.
Preen.
Bilhetes inteiros..... 75000
Meios......... 3550
Quartos........ 15000
Para as pessoas qu-i coraprarera
de 1005 para cima.
Bilhetes........ 05500
Meios......... 352S0
Quartos........ 15700
_________________Mantel Martin* Fiuza
= De novo sao convidados todos os irmaos
comparecerem no domingo 20 do corrente, nftm de
I em mesa geral proceder-se a eleic4o de juiz e es-
rrivo para o auno de 1864 1865, em virtude dos
! mesmos nao terem aceitado os ditos cargo para
que foram eleitos em o de maio do auno cor-
rente.
Consistorio da contraria de Santa Rila de Cassi.i,
22 de junho de 1864.
I O escrivJo,
i Angrlo Custodio IMrujues Frunza
Precisa-sede urna ama portuguesa para casa
de pouca familia,dndose liom trato : a fallar no
primeiro andar da ra da Cadeia n. 64 desde as
11 horas as 3 da tarde.
Precisa-se alugar urna preta que saiba cozi-
nhar e ongommar: quem a tiver, dirija-se ra
do Trapiche u. 4, que achara com quem tratar.
Irmatidadede S. rVdro
Por deliberarlo da mesa regedora de 21 do cr-
reme convido a todos os irmaos sacerdotes e secu-
lares para a reunio da mesa geral que deve ele
Ser o novo provedor, para o dia 27 do corrente, as
horas da tarde, como determina o art. .11 do
coinpromisso da irmandade, visto nao ser possivel
por motivos imprevistos azerse a inesma eleicao
| no dia 26. como determina o art. 19 do mesmo
i coinpromisso.O c.-erivao interino,
Padre Uuilhermino do* Sanios Muniz Tavares.
Pexior
Precisase de um feitor que entenda de planta-
rao de capim e saiba tirar leite : na ra da Auro-
ra n. 68
so-
re-
ou
mmm^wMmmmmmm
M
Um apparelho para cha composlo de
G pecas, 2 salvas, 2 lucias para la
var naos, 2 jarros e 1 paliteiro, tu-
do de prala do Parlo.
Sexta-felra 1* de julho.
O agente Pinto far leilao por conta de quem
pertencer das differentes obras de prata do Forto
cima mencionadas, s 10 horas do dia supradito
no armazem da ruado Trapiche n. aonde have-
r em conlinuacao leilao de escraves e carros.
LEILAO
DE
Um engenta) com bom cercado e matas, com
casas de moenda para caldeiras e de pur-
gar todas de pedra e cal.
Quarta-fcira 6 de julho.
O agente Pinto autorisado pela commisso en-
carregada de liquidar os bens de Joaqun) El virio
O Dr. Carolino Francisco de Lima San-
tos, contina a residir na ra do Impe-
rador n. 17, i" andar, onde pode ser pro-
curado a qualquer hora do diae da noite
para o exercicio de sua prolissao de me-
dico ; sendo que os chamados, depois de
meio dia at 4 horas da tarde, deyera ser
deixados por escripto. O referido Dr.
nao abandonando nunca o estudo das
molestias de interior, pro maior affinco. no das mais difflccis e deli-
cadas operares, como sejam dos orgaos
ournarios, dos olhos. partos, etc.
Na ra estrella do Rosario n. 34
Advogado Affonso de Albu-
querqne Mello,
pode ser procurado a qualquer hora ; as
feiras, porm, na villa do Cato.________
Revistado Instituto Archeolo-:emquantoonecessitaivm, as viuvas e lillios me-
nores dos socios que fallccerem em penuria.
Apresentando esta idea geral dos llns que a so-
ciedade tem ern vista, e havendo oficiado s com-
misses nomeadas nos diversos bairros desta cida-
de para llies pedir o seu valioso auxilio na acqui-
eieao de socios, a directora tudo espera da leal
coadjuvacao e doacrisola.ic patriotismo dos Hus-
ma cavaheiros a quem >e dirigi, e de todos os
seus compatriotas en geral.
glco e Cicograpblco Peraaiu-
hucano.
Acham-se venda os 3 primeiros nmeros, na
lvraria Econmica de Jos Nogneira de Souz,
junto ao arco de Santo Autonio, onde se subscre-
ve para esta Revista :
Poranno.....55000
Humeros avulso 15500
AH A
Precisa-se de urna ama que saiba lavar e en-
gommar : na ra das Cruzo* n. 39, taberna.___
Aluca-se urna otaria na travessa dos Coelhos:
os pretendentes dirijam-se i tabana da e>quin:i do
largo do Carino que volt i para a ra de Hurtas
numero 2._______________^_____________
Antonio Pereira de Azevedo faz publico que
desta data em diante se assigna Antonio Jos de
Castro Azevedo. Recife i4 de maio ib- 1864.
EsaiRElMKVro
AcudinrJo com presteza ao pedido dos senhores
eanalbinhas, lenho a inforqnr-lhes que tendo con-
versado com o m.itutodo Serid, de que traa em
seus aiinuneUs nos Diarios de 22 e 2:t do corren-
te, perguntei-lhe a quem elle tinha comprado fa-
zendase era que ra ; respondeu-meque lomprou
na ra do Maria Copes, chegando ao Sal. e que os
denos da casa eraOI dous socios ; que sabia que i.l
entraado, porm que nao tratara da ventilar a tal
Iraflcancia, porque os donos da casa se tinbam
obrigado a nstituir-lhe as Calendas que Ihe faltas-
sem depois de conferidas em ininlia casa no Serid
na presenca de tres testeraunhas : a lontinuou di-
Uiido-me, J d Vine, que com esta obrigacao que
levo por escripto en todo o lempo tenho o direito
de exigir o que me falta.
Eu devia aqoi mesmo exigidas, porm os donos
da casa pediram-m e supplicarain muito que nao
muito desairoso para elles,
4 riada
sextas-
Aluguel.
podera para
criada porlugue/.a olferece-se gratuita- gtndo-se ao Gabinete Portuguez de Leitura,
mente para arompanhar alguma familia para Eu- 'casa da secretario, ra da Cruz n. 23, primeiro
ropa : quem precisar annuncie. andar.
--------------------,-__.----------------------- A todos, em geral, que receberem listas, roga a
ti ID Tf| directora o especial obsequie de as devolverem
rUlllU. opportunamente, ou acompanhadas de offlcio, ou
Furtaram do poder do abaixo assignado urna siniplesmente assigoadas, para a directora ter
, vacca rapoza, nova, sem marca de ferro, com urna S(.enca jrtS caralhoiros a quem Ihe cumpre tribu-
cria de dons annos pouco mais ou menos, a qual ,ar os .eus agradecimentofc
foi comprada palo mesmo abaixo assignado ao Sr. Recfe ;j je un|U) ,ic 1864.
Jos Teixeira Bastos, quando outr'ora morou no j J(,.,. j;i Silva I.ovo,
Manguinho : roga-sc |Krtanlo a quem der noticia Presidente.'
Joaquim Gerardo de Basts,
2 secretario.
lizesse isio, porque era muito esairoso para e
Alm das pessoas nomeadas, qualquer cidail.io y^,,,;, brilhanU fajara que faznn, t o grande con-
liortugnez que pretender contribuir para o de- cen0 ,\e qUe aosam neata iran ; um meu eomua-
-envolvimentode l3o til associagao angaiiando ,jre e companheiM de vagem, a pedido deltas,
assianaturas e demonstrando assim o interesse exige de mim o mesmo favor, e como a este nao
que'lhe merecem as colisas da nossa chara patria, pe:s faltar por isso boje mesmo retirme para a
porier para esse lim oliter listas iinpressas, dri- niinha trra, que louvado teja Dos l nao ha tan-
ou a to tratante e traficante, passando por hornera hon-
rado, o meu compadre atada tica acabando os seus
E' o quanto tem a informar-lhe o
urlias.
negocios.
Aluga-se o segundo andar do sobrado da
Velha n. 20 : a tratar na ra do Sebo n. 24.
ra
outr'ora morou no
roga-sc portanlo a quem der noticia |
certa ou levar taes animaos ao seu sitio no Rosa-
ruho reeeaer de gratineacio MA>
Frederico Velloso Koop._______ '
Na ansencia do abaixo assignailo, como ad';
ministrador da niassa fallida de Siqueira & Perei'
de Vasconcellos en-
Attencao.
Acha-se justo e contratado o terreno sito na
segundo
para
lo,
e de papel por preco mais eommodo do que era
outra qualquer parte, e vende-se boqueta para en- padaria : na ra do Rangel n. 9.
feitar bolos e bandeijas muito ricos de cera a ii Precisase de urna ama de leite
caplo Beiarmino dos Santos
ou na praca do commercio
Pinhelro a bordo,
LEILOES.
Por ter adoecido o agente Miranda, deixou
de effectiiar os leiloes annunciados, mas logo que
se restabelecer os annunciar de nova para poder
realisar-se.__________________________
LEILAO
DE
PRHDIOS i: MOVElSr
IIOJE.
Pertmcente ao espolio do finado Joo Baptista
da Bocha por ordem do consulado de Portugal, o
agente Pestaa vender em leilao por conta de
quem pertencer : em Santo Amaro de Jaboato,
urna casa de pedra e cal, cora cosinha fra, co-
cheira, estribara,eom suas dependencias, sendo
dita casa situada margem da estrada publica
para Santo Antio, confrontando ao norte com dita
strada, ao sul com o no Jaboato, a ste cora a
casa de Tneotonio Jos da Costa, e no noonte com
Luiz Pereira de Mello, avallada por 2:500*. Esta
osa pertouce ao casal do finado por permuta que
fez o finado e sua mulher com Theotonio Jos da
Cunha como consta da respectiva escriptura de 8
de uovembro de 1838, alera disto a casa e terreno
oue Ihe pertence como da escriptura de aforamen-1
to de 10 de fevereiro de 1859, 6 foreira ao enge-
nho Bulhoes e paga annualmente 444. estando es-
te foro pago at o anno de 1862. Diversos movis
que se acham dentro da mesma casa de Jaboato
uo valor de 111*700 rs.
Urna casa de taipa coberta de tema, sita na ba-
tneteira avaliada em 150*.
Uinadita em arma^o, coberta de tenas sita na
ponte dos Carvalhos avaliada em 90*.
Sabbado 23 do corrente, pelas 11 horas da ma-
ha na porta da associago coramercial.________
do dia cima dito o engenho S. Joaquim em Muri
beca, o qual limita ao nerte e ao oeste eom trras
do engenho Suassuna, ao sol com trras do enge-
nho Muribequiriha e trras chamadas Mungongos,
e ao leste com trras de S Andr. 0 leilao ser
effectuado no escriptorio do referido agente ra
da Cruz n. 38, pudendo os pretendentes desde i
examinaren! o mesmo engenho.
Ama
1VIS0S DIVERSOS.
Os Srs- assigoanles fM se achaa
a dever a suhsenpcao deste Diario
queiram mauda-la satisfater autes
que termine o corrente mez, para que
se nao use dos recursos necessarios pa-
ra o rcceliimeiito. ____________
Associacao rrypograpica
Pernambucana.
Sabbado, 25 do corrente, s 8 horas da noite, ha-
ver sesso extraordinaria do eonselho: os Srs.
conselheiros comparecero ao lugar do costume
hora indicada.
Recife. 23 de junho de 1864.
Jesuino Francisco Begis,
! secretario.
na ra Im-
"de papel mais barat, faz-se rapellas de alfinns, perial
bolos de S Joao, as>im como prepara-se flores pa-, Aluga-se o terceiro andar da casa n. 48 na
ra enfeites de igreja e capcllas de llores de aran- Trapiche : a tratar no armazem da mesma
ja muito ricas para noivas, faz-se toda qualidade *uu" '
de costuras e bordados, tudo com presteza e per-. 2=-------,---------.------------------------------
Meio e por menos do que em outra parte, ven- Precisa-se alugar dous eseravos : na ra do
de-se tainbem folhas de toda quabdade de flores de Imperador n. "
papel, finalmente faz-se toda qualidade de flores
para senhora, tocas de crianca e tudo isso muito ;
barato.______________________________________; Precisa-se de una ama que cosinhe o saiba en
Precisase de urna ama para cozinhar e com-; gommar : na ra da Senzala Nova n. 39, taberna
prar na ra, para casa de pouca familia : na ra da esi,ujBa que volta para o Becco Largo.______
do Vigario n. 1, arraazera de cabos. I Ainda est venda o s.t.a no Bosar.nho, )a '
Subscreve-se para a tradcelo das oae>, sa- anaunciado |)or e#le Diario, cora magnifica casa,
tyras e epstolas de Horacio. ; muitos arvoredos de varias qualidades, duas bai-
Esta tradueso tem por lim abgeirar-se e taciu- bas mujt() ttrren0 para p|anlar 0. muita maJeira:
tar o estado deste excellente e primoroso ciassico ^m jjer dri|a.se ao mesmo sitio t
da lingua latina, estimavel nao s pelo seu estyio | r0niietario ou Reledade n. 7.
brilhante, como pela profusao de couselhos e s
tencas raoraes.
Na Piranga, defronle do sitio do ir.
vendem-se duas vaccas leiteiras com crias.
mam
Precisase para um eslabelecimento em urna
villa no interior desta provincia um moco de 18
20 annos, que saiba tomar cuidado de urna machi-
na a vapor : a tratar das 3 s 4 horas, no subrado
D. 11, praca do Corpo Santo, primeiro andar.
D-i-se a quantia de 5005 sobre hypotheca
em eseravos : ua ra de Santa Rila n. 27, segun-
do andar._______________________________
'Mo'edade de seguros mutuos
de vida installada orlo Banco
Uolo na cldade do Porto.
Os agentes nesta cidade e provincia Antonio
Luiz de Oliveira Azevedo C,, escriptorio na ra
da Cruz do Recife n. 1, esto autorisados desde ja
a tomar assgnaturas e prestar todos os esclarec
mentos que forera necessarios, as pessoas que de
sejarem concorrer para to til e benfica empre
i as, egurando um futuro lisongeiro aos associade
ROUPA FEITA
NO
ABMAZFn
DE
tratar com
Vfeflft %
I
*
LEI_.\0
DE
106.
f lacao.
As difllculdades que cercam um menino para
I entender as licoes deste e de outros classicos, mu- ao dito Sr. ajudante.
tas vezes tem feito desanimar os estudantes, cau- precSa-se de um caixeiro
I sando-lbes desgosto e enfado a ponto de abandona-: vn_ do uonito : na ra Iraperia
rera o estudo do latiin, indispensavel para cursar
as aulas de estudos superiores, o qoe talvez nao
acontecesse, se houvcssem escrptos, que os guias-
sem na prompta comprehenso dos raesraos clas-
sicos.
As nacoes cultas da Europa possuera traduc^oes
de todos os classicos da lingua latina : ponan to
nao ha razao plausivel para que nos Brasleiros
estejamos privados dessas vantagens.
Para um tal fim parece que era convem urna
traducido servil, que seria inspida e nauseante,
se nao mais innitelligivel que o proprio texto lati-
no, nem to lvre que cause confusao. frecen ao s*l7j-"por ordem da directora convido po-
traductor que oessenc.al era dar a intell.genc.a ni iragao po o ^ eslabelecimento to
mai segukfa pelos cmnmentadores, e expo-la em JJ^JJhores associados que esto era atraso de
mensaidades e pe?o a quem se julgar credor do
Gabinete, que aprsente suas conlaa no praso de
lina taberna na rna de Hortas n
Segunda-feira 26 do corrente.
Havera um grande leilao dos gneros o junta-
iliHrna ita na ra de lio
s 11 lio-
Aos 6:0ug00.
Quinla-feira 30 do corrente mez se ex
trahir a primeira parte da primeira lotera
a beneficio da matriz de S. Amaro de Ja-
boato, no crasislorio.da igja ile Hl S., iSu5_rn_fe accommodada.
do Rosario da freguezia de Santo Antonio. "*. d*oulos achara0 muit0 qoe emendar-, os disci-
Os bilhetes, meios e quartos acham-se pu|0S 0 qUe aprender em menos tempo, e os pro-
venda na respectiva thesooraria roa do fessores o que aproveitar.
PrAnn n IR O precoda assignatura para os subscriptores e
L-respu n. i. nnntnAA .v .9annr, 105, sendo pagse no arto de se inscreverem,
Os premios de 6:000,5000 ate 123000 ^J^ ^m ontre:a da 0bra, que ser em
sero pagos urna hora depois da extraeco um ^ volume com o texto latino,
ats 4 horas da tarde, e os outros ao dia Suj3screve-*e at oultimo^dejijlhodocorrenle
para padaria na
ii. 37._________
Precisa-se de urna ama forra ou eaptiva para to-
do o servico de urna casa de pouca familia : a tra-
tar na lojda ra Nova n. 11.
GABIWETE .
PORTUGUEZ UE LfclltRi EM PER-
VAHBICO.
Achando-se prximo o termo da actual admi-
KJETBEIBO VERDE-
Neste eslabelecimento ha sempre um sortimento completo de roupa feita de
todas as qualidades, tamben se manda fazer por medida, vontade dos concur-
rentes para o que tem um dos memores professores, assim como tambem tem um
grande e variado sortimento de fazwdas de todas as qualidades, para senhoras.
grande
horaens e meninos.
Cas^s de panno Preto,35*e 304000 Dito df>st,m preto .
Sobrecasacas dem, 30(5 e. iWM Ditos de dttos e seda branco,
, Paletos idem e de coro*, 454 i .** e. _.*._ j"
20A 15 e .... I0J000 Ditos de gorguro de seda
Ditos de casemira, 904, m, Pretos e de cores, 64, 54 e
: 424 404e. 7*000 Colleles de fustae
i Ditos de alpaca, 54. 44 e
I Ditos ditos pretos, 94, 74
m 54,44 e r
m Dito* de brim e ganga de cO-
34500
J400
34000
44000
oto dias.
Secretaria do Gabinete Portugnez de Leitura
em Pernambuco aos 21 de junbo de 1864.
Joaquim Gerardo de Bastos.
1. secretario.
74000
_ Precisa-sede urna ama para denude casa
ES^oS 5guTn debida dlstVibui^O^listeS.- ^ na lc^ i* livros dos Srs. Guima^aes & OH- de familia> gue saiba..ngo
n 106, segunda feira 27 do corrente
ras em ponto, peio agente Pestaa, esperase a
concurrencia do respeitavel publico no lugar an-
ounciado.
u
DE
Predio na povoaco do Mouleiro to-
dos em chaos urapriwft,
Cocdeiro Smoes, far leilao requerimento dos
admiSistrares da rrlassa fallida de Joaqun Wi--
ra Goelb) & C, e por mandado do lllm. br. vr.
O thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
Para bollos de H. loSo e 9.
Pedro.
Manteiga inglesa 800, 720 e 610 rs. a libra,
dia franceza 610r. a libra, familia de trigo 120
i rs. a libra, e tudo mais do mellior qoe ha. no mer-
i cado por precos cmodos, no antigo e acreditado
estahelecimenlo junto a esta typographia n. 42. j
A pessoa a quem pertencer 15 tonclladas o ]
carvo vmdo no brigue ngle Jostph Cope, %,ueira
se dirigir aos seus consignatarios Patn,
C., ra do Trapiche Novo n. 10.
>.''W
veira, ra do Imperador.
I
HeirV FusttrTl'.nparicpam "ao ^
respeitavel publico e priucipalmea- ^
te aos seus fregnezes que muda jm
o seu armazem de gaz do caes do
Ramos para a ra do Imperador
n. 16.
ra da Conceicao n. 31.
"TTouem pr.Ieo um trancelm com urnacasso-
leta diriia-se Estrada Nova, sitio da v.uva Mlla-
S, que dando os signaos certos Ihe sera entre-
gue
Wf 44500, 44, 34500 e
Ditos bFanco de linbo, 64, ao e.
Ditos de merino preto de cor-
do, 104, 74 e 5,50O
Calcas de casemira preta, 120,
104, 84-
Ditas de cftres, 94, ofi e.
Ditas de meia casemira de co-
res, 54000 e.
Ditas de princeza c merino pre-
to de cordo, 44500 e. ,
Ditas de brim branco e de co-
res, 54, 44500, 44 e
sa-se de um caixeiro de 12 14 annos,
Nubft que tenha pratica de taberna : a tratar na ra da
1 Roda n. 48.
Para a villa do Brejo precisa-se de urna ama
que entenda de todo o servico interno de urna casa:
a tratar na ra de Hortas, casa n. 142, segundo
andar.________________________________
Precisa-se de um raeumo para criado, que
seja livre ou eacravo : a tratar na ra do Corre-
dor do Bispo, primeira ca.-a a esquerda, indo pela j
ruados Pires.
54000J
54000)
44000J
24500
24000
14400
24500
14600
84500
24OOO
64000
64000
4
64000
740OO Chapeos deso, de alpaca, pre-
440OO tos e d core.......44000
^Lences de bramante de linho. 3000
3460o Cobertas de chita chineza.. 24500
co, 34500, 34 e
Seroulas de brim de Unho,
24400 e .....
Ditas de algodlo, 14600 e. .
Camisas de peitos de linho,
44, 34 e. .....
Ditas de madapolo, 24500,
24e........
Chapeos de massa, pretos frau-
cezes, 104, 94 e. .
74000 Ditos defltro, 54, 44,34500 e
Ditos de sol, de seda, 124,
44000 H4, 74 e......
1 Collarinhos de linho fino, ulti-
44000 ma moda duzia. .
Sortimento completo de grava-
24500 tas.
Ditas de ganga de cores, 34 e 24500 Toalhas para rosto, duzia, 114,
Colletes de velludo preto e de
c6res. 94 e.
Ditos de casemira preta, 54 e
Ditos de ditas de cores 54


Diario de Peruambuco Sabalo 3& de Juulio de 1*4.
O
ran
fabrica
Maques sobre Portugal.
O abaixo assignado, autorisado pelo
Banco Mercantil Portuense. e na ausencia
do Sr. Joaquim da Silva Castro, saca ef-
fectivamente por todos os paquetes sobre
as pravas de Lisboa e Porto, e mais luga-
res do reino, por qualquer smma vis-
la, c a praso ; podendo, os que tomaren!
saques a praso.receberem avista, no mes-
1110 Banco, desconundo 4 0|0 ao anno: na
loja de chapos da ra do Crespo n. 6, on
na ra do Imperador d. 63, segundo an-
dar.Jos Joaquim da Costa Mala.
Arrendase, vende-se, ou mesmo trocase por :
casas na praca um sitio na Varzea margetn to
ameno Capibaribe, com duas grandes casas, com
7 quartos, 4 salas, 2 cozinhas e ura solo, tendo a
parte cocheira, estribara, e quartos para criados,
todo plantado de arvores de fructo, abacates, sapo-
tis, frucla-pao, limao doce, limas de unibigo e da
Persia, larangeiras de umbgo, soletas, tangerinas,
etc., um grande cafesal com (rudas, jaqueiras,
mangueiras, coqueiros, dendezeiros, com mais no
fundo una casa de taipa, e bem assim mais 4 ca-
sas de lijlo acabadas de pouco lempo, com frente
para o nascente, muilo frescas, tendo cada urna 2
salas, 2 quartos e cozmha fra : os pretendenles
dirijam-sc ra do Queimado n. 27, loja de fazen-
aas dos Srs. Custodio & Camino.
DENTISTA DE PARS 1
19Rui Non-19
19Rui Nora-19
Frederico Gautier, cirurgio dentista,
faz todas as operaedes de sua arte, e col-
loca dentes artificiaes, tudo com superio-
ridade e perfeigo, que as pessoas enten-
didas lhe reconhecem.
Tem agua e pos dentificio.
8
S
Aluga-se um sitio na estrada da Ponte de
l'choa ea marg.m do rio, pouco adiante do Illm. I
Sr. commendador Nery Ferreira, tendo banheiro, j
palanque, galinheiro e outras acommodagoes; e
outro dito no Monteiro, em frente ao oitao da igre-
ja : a tratar com Antonio Jos Bodrigues de Sou-'
za, ra do Crespo n. 15, ou estreita do Rosario nu-!
mero 32. _______________________
Na praca da Independencia, loja de ourives '
n. 33, compram-se obras de ouro, prala e pedras j
preciosas, assim como se faz qualquer obra de en-:
commenda, e todo e qualquer concert, e igual-
mente se dir quem da dinheiro a premio.
Saques sobr Portugal.
[Aotonio Luiz de Ovcira Azcvedoal
Agentes do Banco Umao do Porto.
Competentemente autorisados sacam
por lodosos paquetes sobre o mesmo Nan-
eo para o Porto e Lisboa e para as se-
guintes agencias:
Amarantes.
Arcos de Val de Vez.
Aveiro.
Barcellos.
Bastos.
iKvora.
Sfrafe.
~Vianna do Castello.
lJfVilla do Conde.
Villa Nova de Porti-
mo.
Villa Iteal.
Villa Nova de S. An-
tonio
Vizeu.
Beja.
Braga.
Braganca.
Caminha.
^Castello Branco.
'-'
IH'Fipiiera.
Guarda.
Lagoa.
Lagos.
Lamego.
Loilia.
Moneao.
Moncorva.
Oliveira de Azemeio.?8!
Chave. e
Coimbra.
Covilhaa. H
Elvas. B
Extremos. Q,
Penna Fiel. jjg]
Pinhal.'
Porto Alegre. (H!
Rcgoa.
Setubal. M
Taver.
Th ornar.
Ilha Terceira.
Payal.
Madeira.
S. Miguel.
Qualquer sonmia prazo ou vista,
JR podendo logj os saques prazo sercm
j descontados no mesmo Banco a razao do
'm i por eente ao auno ; a tratar na ra da f
M Cruz n. 1.
Precisase de una ama que seja boa cozi-
nheira, para casa de um estrangeiro : a tratar na
ra da Cadeia do Recife, loja de relojoeiro n. 40.
Toma-se para casa de ponca familia urna
mulher portugiieza de bons costumes : a fallar no
sitio do Sr. Joao Pinto de Lemos na Passagem ou
no primeiro andar da ra da Cadeia do Kecife nu-
mero 64._________________
Pede-se ao Sr. Joao Germano de Paula, quei-
ra vir declarar nesta typographia onde residem
Jos Feliciano de Araujo PinhciroeD.Mara Fran-
cisca, que pelo mesmo senhor foram incluidos no
numero dos assignantes deste Diario, sendo a fo-
lha recibida por elle, e nao paga.
Precisa-se de urna ama para casa de pouca
familia, prefere-ie escrava : na ra do Rosario n.
4, loja.
COMPRAS.
Compra-se ouro c prata em obras velhas
paga-se bem: na loja de bilheles da praca da Inde
pendencia n. 22.
Conipra-se nm moxo para piano : na ra do'
Cabug n. H, botica. ____________
Compra-se urna preta de 30 35 annos de
idade, nao lendo vicios nem molestia alguma, pre-
fere-se que seja de nacao : a pessoa que a tiver,
dirjase a ra da Soledade n. 66 para tratar.
Compram-se Diarios a 45 a arroba : na ra
das Cruzes n. 39, taberna.
INJECTION BROU
de focos de artificio, da vfuva Rufino, situada na
estrada de Joao de Barros; nesta fabrica apromp-
ta-se toda e qualqoer encommenda destes artigos
como maior esmero e presteza, seja para dentro
ou fra da provincia : recebem-se as eneommen-
das no arraazem da bola amarella, no oitao da se-
cretaria de polica.
r-
PERFMERIA MDICO-HYGIWICA
V J.-P. LAROZE, imu, Famachlk U luieb especial ie Para
Estos productos son el resultado de la aplicacin de las leyes de la higiene la per-
fumen, que se elevay convierte en farmacia de la belleza, encargada de atender ila hi-
giene del cutis, cabellos y dientes, que todosson rganos Un importantes; sirven para evi-
tar y destruir las causas de las enfermedades que su hermana primognita, la farmacia
propiamente dicha, est llamada curar.
aoa lostral pira conierrar y embellecer loe
cabellos, fori ficando sos raicee ; el truco a fr.
ACEITE DE AVILLANAS fERrUMADO, para re-
mediar i la sequedad y atona de los cabellos; el
frasco.............2 fr.
vwaorr os tocador supertmo, renom-
brado por su suavidad 7 celos refrescante; el
frasco.............1 fr.
COLD CREAM SUPERIOR, para conservar el cutis
blanco, fresco, difano, y eritar las conaecuenclu
del u>o de los afeites; el bote. t fr.' M
ACUA DE COLONIA SUPERIOR con mbsr sin
i-l. La estabilidad de su perfume la hace bascar
para el tocador, baOos locales y generales; el
irasco..............i fr.
pastillas orientales del doctor Taiil Clement,
para quitar el olor del tabaco y neutraliiar los hli-
tos fuerics; al caja........1 y 2 fr.
AOA DE I-LORE8 DE ALHUCEMA, cosmtico
muy buscado par destruir las cometones, fortale-
cer y refieacar ciertos rganos; el frasco. 1 fr. SO
ESPIRITO M MENTA SUPERrrNO. Es el mas
perfecto i indispensable complemento del toca-
dor de la boca despus de la comida; el
frasco............1 fr. 25
POMADA conservadora con quinina pura, para
fortificar los cabellos, hermosearles y evitar que
se pongan canos antes de tiempo; el bote. S fr.
Depsito en todas las ciudades en casa de los farmacuticos, perfumistas, peluqueros,
mercaderes de modas y novedades. Venia por menor : En la Farmacia Katom, ru
Neuve-des-Petits-Champs, 26.
Expediciones: en casa de J.-P. LAROZE, ru de la Fontaine-Molire, 39 fci.en Pars.
Desgnese en que lengua deben estar las instrucciones que acompaan cada produtto.
lauu u BJOO para curar inmediatamente
los dolores de muelas; el frasco 1 fr. 25
POLVOS DENTFRICOS ROSADOS, con base de
magnesia, para emblanquecer y conservar loa
dieot'-s; el frasco........1 fr. 50
opiata dentitrica para fortificar las endas y
evitar las ncvralgijs dentales .... 1 fr. 50
oorattvo dental para curar los dientas ca-
riados antes de la emploinadura, y evitar los abre-
sos y delores; el Irasco coa el instrumento, a fr.
ACUA LEDCODERMINA, para conservar la her-
mosura de la tei y las [unciones de la piel ;-el
frasco.............S fr.
espritu de ajos REcnnoADO, complemento
del tocador de la boca despus de cada comida;
el frasco...........J fr. 25
jabn lenitivo medicinal, para el tocador ;
i la violeta, almendras amargas, ramillete, etc.,
el Jabn............1 fr. 50
Jason lenitivo MEDICINAL, con yemas de
huevo, para evitar las grietas en el cutis, hendiduras
y enfermedades de la piel; la violeta, ramil-
lete, etc.; el Jabn. ........2 fr.
CREMA BOJ JABN LENITIVO MEDICINAL en
polvos. Ks especial para la barba, como tambin
para el tocador de las mugeres y nios; el
frasco
JARABE DE CORTEZAS DE NARANJAS AMARGAS
De J.-P. LAROZE, Quilico, Farmacrutico de la Escuela superior de Par
Este Jarabe, al regularizar las funciones del estmago intestinos, destruye esas
indisposiciones proteiformes, y hace abortar las enfermedades de que son signos precur-
sores. Mdicos y enfermos han reconocido que restablece la digestin, haciendo desa-
parecer las pesadeces de estmago; que calma las jaquecas, pasmos, v calambres, que
son el resultado de digestiones penosas. Su gusto agradable, y la facilidad con que se
sopona, lo han hecho adoptar como el especifica) infalible de las enfermedades nervio-
sas, gastritis, gastralgias, clicos de estmago y entraas, palpitaciones, males de co-
razn vmitos nerviosos. Su accin sobre las funciones asimiladoras es tal, que los
mdicos mas ilustres lo han adoptado por escipiente real de los dos primeros agentes
teraputicos : el Ioduro de potasio y el Proto-Ioduro de hierro, habiendo
observado que bajo su influjo, el primero pierde su accin irritante, y *! segundo
su efecto astringente.
JARABE DEPURATIVO
DE CORTEZAS DE NARANJAS AMARGAS
CON IODURO DE POTASIO
El Ioduro de potasio, administrado en solu-
cin bajo forma tiitla, causa al enfermo una
gran repugnancia, determina accidentes que
lo obligan rt injuriar este dicaz remedio.
Unido al Jarabe de cortezas de naranjas, no
caiifa ni gastralgia, ni desarreglo del estmago
intestinos, y gracias este salvo-conducto,
las curas depuradas pueden seguirse sin inter-
rupcin en las afecciones escrofulosa?, tuber-
culosas, cancerosas, y en las segundarias ter-
cianas, inclusas las reumticas, de que es su
mas seguro espeetteo. La dosis est definida de
tal manera que el mdico la varia cont quiere.
ti fraseo : 4 fr. 50
JARABE FERRUGINOSO
DE CORTEZAS DE NARANJAS AASCAS
con PROTO-IODURO de HIERRO
La asociacin de la sal frrea con el Jarabe
de cortezas de naranjas es tanto mas racional
cuanto que este Jarabe, empleado solo para
estimular el apetito, activar la secrecin del
jugo gstrico, v por consiguiente, regularizar
las funciones abdominales, neutraliza los tristes
efectos de los ferruginosos y dlos loduros (pe-
sadez de cabeza, constipacin, dolores epigs-
tricos), al paso que facilita su absorcin. Di-
suelto en el Jarabe, se toma y soporta fcil-
mente por hallarse en el estado puro mas
asimilable; y asipuede seguirse la cura de los
colores plidos, prdidas blancas, anemia,
afecciones escrofulosas y raquitismo. El frasco:
4 fr. 50.
Los Jarabes de J.-P. LAROZE estn siempre en frascos especales (jamas en medas
botellas ni Irascos redondos!. Expediciones: en casa J.-P. LAROZE, ruc de la Fontaine-
Molire, 396a. Depsito general: farmacia Laroze, ru Neuve-des-Petits-Champs 26
y en casa de todos los farmacuticos antiguos de Francia y del Estrangcro. '
Desgnese en que lengua deben estar las instrucciones que acompaan cada producto.

30 O
13
>
i

jfk.59inE!
-n
ot W
iss?3
" = Fr-I 3 5 = ,
S i's ? = !*?;
- c E = r. -_.
i!i:|I!|.
!f:i 13
i-ir i'.ni
5 P i .. 5 5 r
iiiavl)
fZ IE 3 S
eag"S|| t"
- = I E." 9
-:_.". _g"
>r-l >-ar
t-si:ilf|o =
g So'. o_f $=
S
!
i3 3d
O
>
a
O
I'.SSai
Vende-se na ra do Impetador botica franceza n. 38.
Cura ca'arrhos, tosset
coqueluche, irritace$
nervosa sos dos bron-
chiot todas a* doen-
caj do piito; basta ao
otate ama coin rchdea deste xarope D' Foroit.
Dr. chsble, em Paria, ra thmmm, .
Pars, 36,RuaVivienne, D*
CHABLEmdecin
AVISO AOS SRS. MDICOS. .1^
Sirop du
DrF0RGET
/>
Compra-se um preto de ineia idade que nao
tenha vicios nem achaques : na ra da Cruz n.
18, armazem.
Compra-se urna casa terrea em qualquer ra
desta cidade, com tanto que seu valor nao exceda
de 1:000* at 1:600* : na loja da ruada Cadeia
do Recifen. 17._________________^_^^_
Na roa da Cadeia do Recife defronte do Bec-
co Largo n. 25, precisa-se comprar urna casa de
um andar com quintal e cacimba e na falta della
urna terrea que tenha bous commodos e quintal,
situada em qualquer ra dos hairroa da Boa-Vis-
ta, Santo Antonio e Recife mesmo at a ruado
Brum, paga-se bem agradando o lugar e os com-
modos : quem a tiver e quizer vender dirija-se
casa cima mencionada do segundo andar que
achara com quem tratar.________
Comprase um cylindro americano novo ou
que seja servido : na ra do Rangel n. 9.
DEPURATIF
i SAIVG
PLUS DE
COPAHU
VENDAS.
VENDE-SE
A freir enterrada em vida por Andrade Ferrei-
ra 3 vol. por 3*500 ; Contos ao fogao por E. Seu-
vestre 1 vol. por 1*200 rs.; Lindas Peninsulares
por Jos de Torres 2 vol. por 3*000; As rumas
do meu concento por F. de S 2 vol. por 2*300 rs.;
Um philosopho as aguas furtadas por E. Souves-
fre 1 vol. por 1*200 rs. ; O que ka de ser o mun-
do no anno tres mil 1 vol. por 2*500 rs.
Vendem-se caixoes vasios a 1:760
cada um : na ra das Cruzes d. 44. j
BspaatOM pichincha.
Chapeos de palha do Chile a 320 rs., e em du-
zia a 3*. pdese asseverar que pecbincha vis-'
ta da qualidade, e para o que venham ver e com-
prar : na loja da ra da Madre de Dos o. 16.
DaSENFERMIDADAS dessexuaes, asaffeo
:UTANEAS,E ALTERACOESDO SAMGUJS.
------------------------"lio 000 curas das impingsns
pstulas, herpes, sama
.comixoes.acrimonia.e al-
Vercoes, viciosas do san-
-------------------bbbPM ; tru, e alteracoes
aosangue. (Xarope vegetal sera mercurio).Ben-
ralUa. veajetaM BAIVHO* MINERAEst
toBao-se dous por semana, seguindo o tracumento
Depurativo .- empregado as mesmas molestias.
Este Xarope Citracto da
ferro de CHABLB, cura
immediatamentequalqaar
purgaeao, relaxacao,
e iebidade, e ieoal-
jente os fiuxos e flores brancas das murheres.
su iBieecao benigna emprega-se cor o Xarope da
Curado d* Ferro.
Hcaaarraida*. Pomada que as cura em tros das
POMADA ANTIHERPETICA
Costra: as affeccots cutnea e comtxoM.
PILULAS VE6ETES DEPURATIVAS
o CateMe, cada frasco vai accompahado
*m folhelo.
i Vende-se na rua do Imperador botica
franceza n. 38.
ATTEM^AO.
Muita attengo.
O abaixo assignado avisa a todos os seus deve-
dores em geral, de inaiores e menores quantias,
assim como de letras ha muilo vencidas, que ve-
nham no praso de 15 dias pagarem roa Direita
n. 91 os seus dbitos, e se assim nao o tizerem se-
rlo seus nomes publicados por esta Otario, o de-
pois executdos sem distincoes de pessoas ; faco
o presente annuncio para que depois nao se que'i-
xem do -Jos Martins da Silva Bornes.
Roubaram do sobrado da rua de S. Francisco
n. 68, urna pulseira de gomo, um alfioete e nm
par de rosetas, todo de ouro : roga-se polica ou
algum senhor ourives que apprehenda qualquer
pesaoa que olerecer estes objectos, que ser re-
compensado.
** \m ts/

<*?.-
o o
3--RLA ESTREITA DO RSAKIO-3
Francisco Pinto Ozorio contina a col-
locar denles artificiaes tanto por meio de
molas como pela pressae do ar, nao re-
cebe paga alguma sem que as obras nao
fiquem a vontade de seus donos, tem pos
e outras preparacoes as mais acreditadas
para conservacao da bocea.
PARA BEM DE TODOS
FAZEI FAVOR DE LR ESTE ANNUNCIO
(ty economa domes- ^ tica que se vai tintar.
0 assumpto fB importante.
DESCOBRIO-
0 verdadeiro e principal ar-
BAL
SE %IIVII,
mazem. de molhados o do
IZA.
Xfnguem coatestar esta vcrtlade.
A fama far correr esta noticia.
A posteridade bcmdir o nome do Baliza.
Actualldade Batel palmas de contentamento!
& &
Sem mitras nem coros para ornar a fachada de seus annuncios, e as portas do edificio em nue habita o Baliza se
contenta em tomar o seu lugar de honra na vanguarda de todos os homens do progresso.
Sopre antera o maldito Clarim, o seu toque de retirada a marche-marche do desacreditado Progresa; arme a tenda
dos falsos apostlos da sincendade no tratro, da realidade na pratica dos negocios commerciaes. revele finalmente a sua
grande msobordinacao fingindo desconhecer os seus superiores, deixando-se flear sentado, em vez de perfilar-sc c fazer a
continencia do estylo, porque o incansavel Baliza sempre fiel ao seu juramento ter continuamente na melhor ordem todo o
seutrem de guerra e no mais complecto movimento, o seu presumo para bem servir, desde o mais simples camarada at
o mais alto general da prtmeira classe do exercito dos seus constantes freguezes.
Entremos na materia :
SENTIDO!
ORDEHI DO DA.
Desde a i. publicado deste annuncio at segundo aviso Manoel Pedro de Mello, propietario do grande armazem
do Baliza estabelecido rua do Livramento ns. 38 e 38 A vender a todos os seus freguezes.
Cinco por cento menos
que qualquer-jjos seus amaveis collegas que por menos annunciar. Qualquer objecto que nao chegue a contento dos se-
nhores compradores, pode ser devolvido ainda mesmo pelas pessoas que moi-arem no centro da provincia
0 dinheiro recebido pelo gener0 que nao agradar ser restituido sem constrangimento algum.
Declaraco importante.
falso o boato que tem feito espalhar o soldado soprador da rua do Queimado de que se acha o Baliza associado
ao armazem Unie Mercantil aberto a rua da Cadeia do bairro do Recife.
A liga entre os collegas um crime de lesa-povo.
E entre-tanto o Baliza ligueiro.
Ligueiro sim das ideas liberaos dos progresistas de todo o universo aos sentimento mais ntimos de seu coraco.
Deste modo de pensar ser o Baliza eternamente conservador.
mm>
WjXSCSt
ltS6k%.m
\^>-
SfZ&Q.t.
^ssa

MOVIMENTO
BAIRRO DO RECIFE, RUA DA CADEIA N. 50
0 mais novo e o melhor
AKTM/i:n DE HOJLif 11IOS
Esquina defronte da rua da Madre de Dos
TT
!\ovos enfeites para senhora.
A aguia-b'ranca acaba de receber um beilo e va,
riado sorlimento de enfeiles de diversas qualidades-
e o que de mais moderno possivel encontrar-se
aqu, fazendo-se notaveis por suas novidade e ele-
gancia uns, cuja grade de um fino e delicado te-
cido a que apropriadamenle se chama invisivel.
Assim, i vista desse completo sortiinento, qualquer
cidado munido de dinheiro est habilitado a com-
pra-Ios : na rua do Queimado, loja d'aguia-branca
n. 8.
Bonitas nonecas.
Com rosto de cera, massa c porccllaua.
Acha-se na loja d'aguia-branca rua do Queima-
do n. 8. um grande sorlimento de bonecas de di-
versos tamaito-, cotn rosto de cera, massa e por-
celana os pretendenles munidos de dinheiro
achanto La disposicao para o vender.
Botcs' de cornalina
e outras qtialidadcs para coletes
A Aguia branca acaba de receber um novo e
variado sortimento daquellcs apreciados botoes de
cornalina brancos e encarnados, chatos e redon-
dos para coleles, cujas abotuadutas cootinuam a
Antonio da Silva Campos, suceessor do antigo Xascimento defronte do becco Largo, bem co;
nhecidoj nesta praca, acaba de transferir o seu estabelecimcnlo para a casa cima indicada, onde"
os seus benvolos amigos e freguezes, bem como o respeitavel publico em geral enrontraro o mais
variado, escolhido e melhor sortimento de moldados, a par do aceio, elegancia e bom rgimen do esta-
belecimento.
O annunciante, tendo feito nma completa reforma no tocante a casa e gneros, possuindo bons
correspondentes na Europa para remessas de conta propria, acha-se convencido que merecer a pro- ser vendidas pelo commodo e" ii alleravenrecoYe
tec?ao de lodosos amigos do bom e barato, a qual desde j reclama, asseverando-lhes que jamis des- M cada urna Lom,IMWO e ina"e"vel pago de
merecer a confianga com que se dignarem de o honrar. Alm de=se's receben timhem o.urns t mi.tro
Em resumo, visite o respeitavel publico o novo e superior armazem Movimento, compre-lhe al- ^rolaTS^
guns gneros, e entao Ocara convencido da realidade do presente aviso, verificando por si niesino que menno lim mmanm" mol(1^ Para
dMdSdBeBss^rx^^^ "de prcos-agrad i-iL Aff.Rxwg ??
Finalmente, todas e quaesquer garantas que es.abelecimentos idnticos teera offerecido aos' Quemada lo^a ?3 nncan ^ d<>
concorrentes, serao manlidas neste em grao maior. I J fc Dr,,nca -
ll SIMIOS E GAIXIMIAS
com perfumarlas.
Na rua do Queimado n. 8 loja d'Agua-Branra, os
freguezes munidos de dinheiro encootraro, boni-
tos bausinhos cobertos de couro e com 6 frasqui-
nhos de extractos por lfo00 cada um, e outros
cobertos de papelfto com 9 frasquinhos por 250OO
um; caixinhas com 6 frasquinhos de ditos por
15000 urna, outras com 12 ditos por 2W00 urna,
outras com 3 ditos, cuja coberta parece tartaruga
a 15500 cada urna, e outras com pastilhas de chei-
ro a OO, 15000 e 25000.
Envelopes bordados e carles cora bei-
ras douradas.
Na loja da aguia branca, rua do Queimado n. 8.
achavam-se a venda bonitos envolopes bordados e
grande SS'fS beir dourada?, tendo de uns e de
panici-
LIQUIDACAO
23-Largo do Terco-23.
Joaquim Simao dos Santos tendo de se retirar est resolvido a liquidar e fazer urna .
vanlagem a qum seu armazem frequentar, e vender por menos do que outro qualquer annunciante, i ou'^os, matores e menores, proprios para
para isso tem nm yantajoso sortimento tanto neste armazem como fra e para melhor servir o publico | P?"es de_ casamentos, bailes etc.
o annunciante scientifica aos seus freguezes que tem frecuentado este estabelecimento que de
hora em dtante terao % vantagem de 10 a 20 por cento menos que compraram em outra poca pelo
seu prompto pagamento.
Attenclo.
Caf do Rio de primeira e segunda sorte a 270 e; Dito em caixa da Baha dos mclhores fabricantes
de 15200, 25400 35 e 45.
300 rs.
Arroz pilado a 80 e 100 rs. a libra e 25*00 e 35
a arroba.
Milho alpista limpo a 170 rs. a libra e 45800 a
arroba.
Toucinho de Santos e Lisboa a 240 e 280 rs. a libra.
Passas de carnada a 500 rs. a libra e 105 a caixa.
Azeite doce de Lisboa no a 640 rs. a garrafa e
45800 a caada.
Dito de carrapato a 320 rs. a garrafa e 25240 a
caada.
Hassas para sopa aletria, macarrao e talbarim a
480 rs. a libra e 105 a caixa.
Chouricasas mais novas a 800 rs. a libra.
Charutos em macos de 30 a 65 o milheiro e a
640 rs. o cento.
Phosphoros do gaz vindo de conta groza 25300.
Manteiga franceza a COO e 640rs. a libra.
Hita ingleza flor a 800 e 900 rs. a libra.
Biscoutos e bolachinbas de soda a 15300 e 25-
Vinho do Porto engarrafado a 800 rs., garante-se a
superior qualidade.
Dito em pipa Figueira das marcas mais bem co-
nhecidas a 300 rs. a garrafa e caada 35800
e 3550.
Dito de Lisboa especial para negocio a 360, 400 e
440 a garrafa e em caada faz-se abatimento.
Dito branco proprio para missa a 640 e 500 a gar-
rafa e em caada a 55 e 35500.
Bolachinha americana a 200 rs. a libra e em bar-
rica ha grande abatimento.
Precisase alugar nm moleque para oservi-
Si de casa de pouca familia : na rua estreita do
osario n. 24.
Vejam! vejam! ~*
Na ruada Praia de Santa Rita Nova, deposito da
ribeira do peixe, sobrado de azulejo, segunde an-
dar, preparanvse encommendas de toda a qualida-
de de bolos, pao-de-l, pastis de nata, bolnhos e
bandeijas para casamentos e bailes, tudo pelo mais
commodo prego possivel ; na mesma d-se venda
pretas por vendagem.
Precisa-se de um caixeiro que entenda de
Pharmacia : quem esttver neslas circunstancias,
deixe seu nome e morada em carta fechada com
as letras L>. C. nesta typographia._______________
Ama.
Precisa-se de urna ama para casa de pouca fa-
milia : a ti atar na rua da Roda n 54.
Thoraaz Teixeira Bastos em sua vjagem a Eu-
ropa, deixa por seus procuradores, em !. lugar o
Sr. Domingos das Neves Teixeira Bastos, e em 2
o Sr. Antonio Jos de Castro.
DE
DE
J. VIGNES.
!%. ftft. RUA DO IMPERADOR N. &&.
Os pianos desta amiga fabrica sao hoje assaz conhecidos para que seja necessario insistir sobre o
sua superioridade, vantagens e garantas que oflerocem aos compradores, qualidades estas incontesta-
Teis qu e.elles tem definitivamente conquistado sobre todos os que tem apparecido nesta praca ; pos-
suindo. um teclado e machinismo que obedecem todas as voatades e caprichos das pianistas, sem
nunca falhar, por serem fabricados de proposito, e jer-se feito ltimamente melhoramentos importan-
tissimos para o clima deste paiz ; quanto as voces sao melodiosas e flautadas, e por isto muito agrada-
veis aos ouvidos dos apreciadores.
Fazem-se conforme as encommendas, unto nesta fabrica como na do Sr. Blondel, de Paris, socio
correspondente de J. Vignes, em cuja capital foram sempre premiados em todas as exposicoes.
No mesmo estabelecimento se acha sempre um explendido e variado sortimento de msicas dos
memores autores da Europa, assim como harmnicos e pianos harmnicos, sendo tude vendido por
ec ,es commodos e razoaveis.
Completo sortimento de Utas
Onas. lisas c lavradas.
A aguia branca recebeu um grande e completo
forttmento de fitas de diversas larguras e qualida-
des, tanto lisas como lavradas, e em todas ellas co-
nhece-se a superioridade da fazenda, notando-se
as lavradas o bom gosto dos novos e lindos dese-
nhos, isso tanto as matisadas como as brancas,
e pela commodidade dos precos o pretndeme que'
se dirigir munido de dinheiro rua do Queimado
loja da aguia branca n. 8, ser bem servido.
Capachos Inglezcs.
Na loja da aguia branca, rua" do Queimado n. 8
vendem-se bons capachos inglezes, os qnaes alm
de bonitos sao de immensa duragao, pelo que s
tornam baratos pelos pregos de 45, 55, 65 e 75
cada um.
Cartas francezas.
A aguia branca, na rua do Queimado n. 8, rece-
beu um novo sortimento de linas artas francezas
com beiras douradas e brancas, e as est venden-
do baratamente a dinheiro vista.
Objectos de pttantasla viudos
para a aguia branca.
A aguia branca recebeu novos e bonitos objec-
tos de phaniasia, alguns dos quaes nunca vistos
aqu, sendo :
Bonitos aderegos completos feits de perolas"falsas
Ditos ditos de pedras, por cuja perfeigao e bom
gosto quasi se nao distitigucui das verdadeiras.
Lindas pulseiras de mosaico.
Dtia dita de perolas falsas tanto para senhoras
como para meninas.
Dila de chapa de crystal com listas douradas.
Dita de cornalina branca, azul etc., etc.
Bonitos alGoetes e anneis para gravatas.
Bonitos pentes de concha, obra de apurado gosto.
Outros travs sos com pedras para meninas.
Bellas guamigoes de pentes dourados, ornados
com caixos de uvas, feitos de aljfar, obra su-
blime.
Outras igualmente bellas, todas de fino dourado e
com pedras.
Outras a tartarugadas, nada inferior a aquella.
Voltinhas de aljfar branco e de cores com cruzas
de pedras.
Esses e outros muitos objectos acham-se a venda
na rua do Queimado, loja da aguia branca, n. 8.



izarlo de Pcrnamboeo sabbado i de Juaho de 184.
GRANDE r/ I Grande liguidatfo
sormenU de fazendas novas riadas dt fD*ts ,BJ ** fm*. ra da imperatrii .
peo vaponinglez para o proprieta- Acto.M e,uXuwSi!o ww*i..or.
rioO grande amiazeni 6 loja d la-tidodu fazendas inglezas, francezas, alleniaes e
ICilla da Arar* Pila da lmnpritrZisuissas' Pr0Prs tonto paraapraca como para o
" 5 ? P.. ''nato; nromettondo venderse mai* barato do que
era oufra qualquer parte principalniL'iiie sendo em
porfo e de todas asfaiendas dfiose as amostras'
deixando Gcar penhor ou mandam-se levar em ca-
u. 56, de Loureitco Peretra lleudes
Gaimafes
Pecninclia, a 36200.
Vndese baratissimo para apurar dmheiro, a
saber : cortes de ahitas franceas de cores osearas
e claras com 10 covados por 3200, ditos de chitas
inglezas a 2400, ditos de cassas franceas a 23 e
23500, ditos de cambraia de salpicos a 20300 e 35:
s na Arara, ra da lmperatrii n. 36.
A Arara vende a 2 iO rs.
Vende-se organdys Uno para vestido a 240, 280
e 320 rs. o covado, cassa franceza fina a 320 o co-
vado, gorguro de linho para vestido a sSO o cova-
do : loja da Arara, ra da Imperatriz n. 36.
A Arara vende liazinhas de uuia s cor
a640rs.
Vcndem-sa ricas lazinbas lisas proprias para
'amas e vestidos, os melhores gostos possiveis, a
640 o covado, ditas Maria Pia muito lina com pal-
mas a 6M) o covado : ra da Imperatriz n. 56, loja
da Arara.
Cortes de easemira a 'iff.
Vende-se cortes de meia easemira para calca a
24, ditos melhores a 2o00 e 35, ganga para caira
a 440 o covado, brim do linho preto a 300 rs. o
covado : ra da Imperatriz n. 3b.
Fil de linho a S2 rs. a vara
Vende-se fil de linho branco proprio para forro
de vestido a 320 rs. a vara, tarlatana de cores
a 640 a vara, fil de linho fino a 800 rs. a vara :
na ra da Imperatriz n. 56.
Veos para senhoras a 1,000 rs.
Vcndem-se os rnais modernos veos para chapeos
de senhoras a 15 um, de todas as cores, manguitos
de fil e bordados a 500 rs., manguitos e gola a
l>, golinhas para senhoras e meninas a 240 e 320
cada urna, cainisinhas Unas para senhoras a 2 e
44500 : s na Arara, ra da Imperatriz n. 56.
Arara vende os cartes de la Varia Pia a 180.
Vendem-se ricos cortes de laa de barra os me-
lhores que tem vindo, pelo prego de 184 o corte,
ditos a 84, vende lazinhas em covado a 240, 280,
320, 400, 500 e 640 o covado, dtas lisas de cores a
640, casemiras para capas de senhoras a 25 o co-
vado : ra da Imperatriz n 56, loja e armazem da
Arara, de Mendes Guimaraes.
Bramante da Arara a 2-5200 a vara.
Vende-se bramante de linho de 10 palmos a
24200 a vara, panno de linho para saceos e ccrou-
las a GiO a vara, hamburgo de linho a 440, 560 e
600 rs. a vara, brim de linho branco fino a 15^00,
13100 e 15600 a vara, dito pardo a 800, iO, 15 e
1J20U a vara : ra da Imperatriz n. 56.
Chitas da Arara a 2 iO rs.
Vendem-se chitas finas a 240 e 280, ditas largas
a 320, 360 e 400 rs. o covado, de cores fixas : ra
da Imperatriz n. 56, loja da .irara. de Mendes Gui-
maraes.
diales da Arara a 2>:(i0.
Vendem-se chales da merino estampados a 25,
25500, 45500 e 55, ditos de laa e seda a 14 : ra
"3a Imperatriz n. 56, loja da Arara.
Ol! que pecliineha, a I#000.
Vendem se lencos de seda grandes a 15, ditos
pequeos a 800 rs., gravatas de seda de cores a 500
rs., ditas pretas de laa e largas a 800 rs., collari-
nho para homcm a 400 rs., meias cruas a 200, 2iO,
300 e 500 rs. o par : ra da Imperatriz n. 56, loja
da Arara.
Fazendas pretas para luto, eassas, a 320 rs.
Vendem-se cassas pretas para luto a 320 o cova-
do, veos pretos para chapeos da senhoras a 15,
luvas de seda pretas a 15, princeza preta enfesta-
da a 640, 800 e 15 o covado, alpaca preta a 300,
640 e 800 rs. o cevado, laazinha preta a 640, mo-
rim e bombazina : ra da Imperatriz, loja da Ara-
ra n. 56.
Grande sortinientode roupa
tolda.
sa pelos caiieiros da loja do Pavo.
As chitas do Pavo.
Vetadem-se superiores cbttas claras e escuras pe-
lo barato preco de 240 e 280 rs. sendo tintas stgu-
res, ditas francezas linas a 320, 340, 360, 400 e !
500 rs., o covado. ditas pretas largas e estreitas,
riscados escocezes finos a 240 rs. o covado, isto na
loja do Pavao ra da Imperatriz n. 60 de Gama &
Silva.
As cassas do Pavao a 210, 280, 300 e.320 rs.
Vendem-sc finissimas cassas persianas cores fi-
xas a 320 rs. o covado, ditas francezas muito finas
240 e 280 rs., ditas ingzezas a 240 e 280 rs. o
covado, finissimo organdy matisado cora desenhos
miudinhos a 320 rs. o covado, cassas garibaldinas
muito finas a 320 rs., isto na loja do Pavo ra da
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
As liazinhas da exposicao do Pavao.
Vendem-se as mais modernas lazinhas mossan-
bique chegadas pelo ultime vapor francez sendo
de urna s cor ou de listas miudinhas com 4 pal
raos de largura, proprias para vestido de senhora,
roupa para meninos e capas, e pelo baratissimo
prego de30 rs. o covado, ditas entestadas trans-
parentes de quadrinhos a 500, 400 e 360 rs. o co-
vado, ditas matisadas muito finas a 500 e 400 rs.,
ditas mais baratas do que chita tambem matisadas
a 320 rs. o covado, ditas a Maria Pia com palma
de seda e 4 palmos de largura a 800 rs. o covado,
e ditas de urna s cor parda, azul, cor de lyrio e
perula proprias para vestidos, saulcmbarques e
garibaldcs a 720 rs. o covado, ditas escocezas a
800 e 400 rs isto s na loja do Pavo, ra da Im-
peratriz n. 60, de Gama & Silva.
Os chales do Pavo.
Vendem-se finos chales de crepon estampados
pelo barato prego de 65, 73, 84, ditos de ponta re-
donda a 74 e 84, ditos pretos ricamente bordados
a retroz comvidrilho a 124, ditos pretos lisos a
54, ditos de cores a 44500 e 54, ditos de merm
estampados a 24 e 35, ditos de laa a 15280 e 25,
ditos de retroz preto para luto a 64, isto na loja
do Pavo ra da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
0 Pavita vende para luto.
Vende-se superior setim da China fazenda toda
de la sem lustro tendo 6 palmos de largura pro-
prio para vestidos, paletols, rapas etc., pelo bara-
to preco de 25, 25200, 25500 o covado, cassas
pretas'lisas, chitas pretas largas e estreitas, chales
de merino lisos e bordados a vidrilho, manguitos
comgollinhas eoutros muitos arligos que se ven-
dem por precos razoaveis : na loja do Pavo ra
da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Os veslidos do Pavo
Vende-se ricos vestidos de grosdenaple preto ri-
camente bordados a veludo pelo barato preco de
403, sendo fazenda que sempre se vendeu a 1005
e 1*05 ; ditos de cambraia brancos ricamente bor-
dados a croch, sendo proprios para baile e casa-
mento a 10, 15, 20 e 305 i ditos de la com lindas
barras a 18 e 154 ; isto na loja do Pavo ra
da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Os pannos do Pavo.

Oiira^
DUAftTE ALMEIMV
ESPLENDIDO SORTIMENTO DE MOLHADOS
ar. 9 rita o crespo ar. o
Esquina qne volta para a roa do Imperador
II PIHCIPAI
Acaba de receber de sua propria encommenda um grande e variado sortimento
de molhados todos primorosamente escolhidos, por isso apressa-se o propietario em
offerecer aos seus freguezes e ao publico em geral a seguinte tabella dos seus gneros e
resumidos precos, afianzando todo e qualquer genero vendido neste bem conhecido ar-
mazem.
PARA A FESTA
DE
S. JOO E S. PEDRO
Amcndoas confeitadas de8oors. a libra. ja, canella, cravo, rlela" pimenla a l.ooo
Manteiga ingleza perfeitamente flor, a 9oo rs, | rs. a duzia l,ooo rs. a garrafa, garate-se
libra. que os melhores que temos tido no mer-
Idem franceza a Goo rs. a libra, e 58o rs. cado.
sendo em barril. | Passas em caixas de 1 arroba '/a e '/* a 8,5oo,
1 ,5oo e 2,3oo rs. a caixa, e 5oo rs. a libra
garante-se serem muito novas, e graudas.
Cha uxim a 2,7oo rs. a libra, e de 8 libras
para cima a 2,6oo.
dem perola a 2,8oo rs. e de 8 libras para dem corinthias proprias para podim a 9oo
cima a 2,7oo, rs. a libra.
dem hysson o mais superior que se pude Marmeladas dos mais afamados fabricantes de
desejar a 2,Goo e de 8 libras para cima Lisboa a 64o rs. a libra,
a 2,5oo rs. i Ervilhas secas muito novas a 16o rs. a libra,
dem menos superior a 2,4oo e de 8 libras Grao de bico muito novo a 16o rs. a libra.
para cima a 2,3oo rs. Ervhas francezas em latas a 600 rs.
dem proprio para negocio a 2,3oo, de 8 li- Potes com sal refinado a 48o rs.
bras para cima a 2,2oo. Fumo de chapa americano a l,4oo rs. a libra
Vende-se pano7rTt7muiio"Ju"perior pelo barato dem do Rio em latas de 2, 4, 6 e 8 libras fazenda especial,
preco de 25, 25500,35 e3j}500, ditos muito finos a cada urna a 2, 3, 3,3oo e 4,8oo rs. a lata. Presunto para fiambre inglezes a 7oo e 800
Jf' 1 *-5vc2rtes de cascmira PreIa enfestada a i(iem preto o mellior que se pode desejar rs. a libra.
fag!fauLGiaTKr25a ffio &"" ,,ncste Sener0 a *>**>rs- ?>ocas e paios ranito noyos a 64o a libra,
tes de easemira de cor a 55,5500 e 65, casemi- dem menos superior a esse que se vende Caixas de traque n. 1 a 8>o00 cada urna,
ras enfestadas de urna s cor proprias para calca, i por, 2 C 2.loo, a 4,800 rs. a libra.
coa 45500 e 35500, ceroulas' de linho a-25000 el e cora 44, 55,65, 75, ditos de caxemira da
15800, camisas francezas de linho a 35, ditas de
algodao a 25300 e 25300 : na ra da Imperatriz..
loja Arara n. 56.
Nao esquecam os baldes da Arara.
Vendem-se baldes do 15, 20, 30 e 40 arcos a 35,
35500, 45 e 453OO, ditos de brilhantina a 45, co-
larlas de chita a 25, ditas de damasco a 45, ditas
de fusto a 55 : ra da Imperatriz n. 56, loja da
Arara.
SoutaiDliarqne da Arara a 20 e 2>\
Vende-se soutambarqne muito bem cnfeitadoaSO
Massas para sopa macarrao, talharim aletria
a 4oo rs. a libra.
Cognac verdadeiro inglez a 8,5oo rs. a caixa
A ron u Pavao Iluem buuuibuu prupriu para ueguciu a i,uuu 1 e 800 rs. a garrafa.
Vendem-se paietots de panno preto sobrecasa-; rs, a libra. j dem francez a 7,000 rs. a duzia e 7oo rs. a
eos fazenda muito boa a 125, ditos muito finos a Queijos do reino chegados neste ultimo va- garrafa.
165, 20?, 255 e 305, raleas de easemira preta boa por a 3,000.
frescos do
ntoiro.
inteiro a
paletots, colletes, capas para senhora, roupas para jem mais baixo bom para negocio a 1,500
meninos a 35 e 3#.00 o covado, isto na loja do ii ra
Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva. ,, ....
dem miudtnho proprio para negocio a i ,000
rs. a libra.
Charutos em grande quantidade e de todos os
fabricantes mais_ a creditados a l,5oo,
2,000. 2,ooo, 3,ooo e 4,000 rs. a caixa,
os mais baixos sao dos que por ahi se ven
000 rs. a libra, vende-sc por este preco; dema 2,ooo e2,5oo rs.
SS?! 25 5'2Sded!r .Sos SS* fino"! n. Pe,a p01^? ",,e !cT?,em Caf de PrTcira (ua,idade a 8-8e 9'ri0
sto na loja do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Biscoitos em hilas de 2 libras das seguinles \ rs. a.arroba.
Gama & Silva. marcas : Obborne, Crakuel, .Mixed, Victo-, dem de segunda qualidade a 8,5oo rs. a ar-
Os cortinados do pavo. ria, Pec-nic, Fance, Machine eoutras mui- roba e 26o rs. a iibra.
Vendem-se ricos cortinados proprios para janel- tas a [ 300 e 1 400 rs. Arroz do Maraiiliao a 12ors. a libra, 3,000 rs.
a e camas pelo barato preco de 95 o par, sendo o ,-i,p(n,|ns nltimampntp do Porto a 3<*o
n..|hf.r (iiip Im no merraa na na < i Imni.ralr7 nS CIKg.Ul! UllUIldlIielie U TOIIU d 0_U
I
melhor que ha no mercado : na ra da Imperatriz I **" ^e
n. 60, de Gama i Silva. rS. a libra.
As colchas do Pavo. Bal.ubinha de Crakuel em latas de o libras
Vendem-se colchas de linho alcochoadas pro- bruto a 4,000 rs.
e 235 rada um, veos pretos e de cores para senho-. pnas para cama pelo barato prego de 55 cada urna uem inglezas em barricas a mais nova do
ras a 15 cada um, riscados francezes a 280 o co-
vado. Todas as fazendas existentes neste estabe-
lecimento vendem-se por preco baratissimo, e do-
se amostras com penhor, ou manda-se levar as fa-
zendas casa das familias pelo caixeiro da loja da
Arara, na da Imperatriz n. 56.
Cortes de cassa da Arara a 2#000
Vendem-se cortes de cassa a 25, ditos de dita a
25WM), cortes de babados a 35 : ra da Impera
triz n. 56, lo a da Arara.
na ra da Imperatriz n. 60, de Gama c Silva
As prccalas do Pavo.
Vendem-se as mais lindas precalas que tem vin-
do ao mercado chegadas pelo ultimo vapor fran-
cez, pelo barato preco de 600 rs. o covado, dias
mercado a 2,000 rs. a barrica e 2io rs. a
libra.
Carines com bolas francezas proprios para
mimos ou para arijos que vao as procis-
MIIIMSEPaTENTE
de trabalhar mo para
descarocar algodo
FABRICADAS
Por Plant Brothers & C.
OLDAM
Estas machinas
podem descarocar
qualquer especie
]de algodao sem
^estragar o fio,
' sendo bastante
duaspessoaspara
o trabalho; ,pde
descarocar urna
arroba de algo-
do em caroco
em 40 minutos,
oo 18 arrobas
por da ou S ar
robas de algodo
limpo.
Esta machina
a nica que
possue as vantagens de nao destruir o fio do al
godo e de azer render o dobro de qualquer ou
tra com menos trabalho, a sua introdueco para
as provincias deste imperio ser de muito valor
para todos os interessados na lavoura do paiz.
Assim com machinas em ponto grande do mes-
mo systema,oraql serem movidas por animaes,
agua ou vapor, pas uaes podem descarocar 18 ar-
robas de algodo ampo por dia.
O algodo descarocado por estas machinas tem
muito mais estimaco nos mercados de Europa e
vende-se por maiorpreco.
As machinas se acham venda nnicamenie em
casa de
Saunders Brolhers k C
M. II, prae* do Corpo Manto
RECIFE.
Os aicos agentes neste paii.
Na fabrica do sabo da roa do Raogel n. 34 con-
tinua-so a vender sabio amarello massa, tanto em
caixa como a reulbo, a 0 rs. a Hora-
de lislrinha muito miudinhas proprias para vestidos | sfes a Qqq rg c;1(];l um
e roupas de meninos e meninas lo barato preco peras seccas as mais novas"do mercado a 4oo
rs. a libra.
de 300 rs. ; s o Pavo ra da Imperatriz n. 60,1
loja de Gama & Silva.
Os sotiteanharqnes do Pavo
IO# e i.J(so Pavo.
Vendem-se os mais lindos souteanbarques que
tem vindo ltimamente de laazinha c caxemira ri-
camente bordados e enfeitados, cores mito delica-
das pelo barato prego de 104 e 135 fazenda esta
que em oulras lojas se vendem por 205 e 255,
s para liquidar : na loja e armazem do Pavo
ra da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
As chitas do Pavo '-IOO e
8&SOO o corte.
Vendem-se cortes de chita com doze covados
cada corte, ditos com dez covados a 25'*00, fazen-
da muito boa, e que nao desbota, s na loja do Pa-
vo tem esta pecliineha ; a ra da Imperatriz n.
60 de Gama A Silva.
Las de urna s cor.
Vendem-se lazinbas de urna s cor, sendo en-
carnada, azul, cinzenta, cor de caf, lirio claro, li-
rio roxo cor de perola pelo baratissimo prego de
640 o covado, fazenda muito fina s o Pavo, ra
da Imperatriz n. 60 loja e armazem de Gama &
Silva.
Panno de linho.
Vende-se panno de linho com 4 palmos de lar-
gura proprio para lences, toathas e ceroulas pelo
barato preco de 640 rs. a vara, bramante de linho
com 10 palmos de largura a 24500, algodozinho
monstro com 8 palmos de largura a 14, pecas de
Hamburgo com 20 varas a 94, 105 e 115, pecas de
madapolao fino a 74500. 85, 95 c 105, ditas de
algodozinho a 64, 64500 e 74, e outras multas
fazendas brancas que se vendem muito baratas
afim de apurar dinheiro : na loja do Pavo ra da
imperatriz n. 60, de Gama & Silva,
O bramante do Pavo com doze
palmos de largura.
Vende-se bramante de linho puro, muito fino com
doze palmos de largura o melhor o mais largo que
tem vindo ao mercado pelo barato prego de 24800
rs.a vara ; s na loja do Pavo de Gama & Silva,
aua da Imperatriz n. 60.
A precalas do Pavo.
Vendem-se as mais lindas precalas qas tem vin-
do ao mercado chegadas pelo ultimo vapor francez,
pelo barato preco do 600 rs. o covado, ditas de lis-
trinha muito miudinhas proprias para vestidos e
roupas de meninos o meninas pelo barato preco
de 500 rs.: s o Pavo ra da Imperatriz n. 60,
loje de Gama di Silva.
Os balites do Pavao.
Vendem-se crinolinas ou balos de 30 arcos tan-
brancos como de cores, sendo americanos qu
sao os melhores por se nao quebraren) a 3450Q.e
de 35 arcos a 44, ditos de musselina com babados
45, ditos para menina a 25 e 35 : na loja do Pa-
vo roa da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
O Pavo vende 8*.
Vendem-se os mais lindos cortes de veslidos a
Maria Pia, com lindas harpas de seda, sendo che-
gados pelo ultimo vapor francez pelo barato prego
de 84 cada um : s na loja do Pavo ra da Impe-
ratriz n. 60, de Gama & Silva.
Os bales do Pavo.|
A 2>00 so o Pavio.
Vende-se baloes com 20, 23 e 30 arcos pelo ba-
ratissimo prego de 24500, assim como tem um
completo sortimento de baldes para meninas de to-
do* os lamanhos pelo baratissimo preso de 24500,
notando que sao bales de arcos os melhores qae
tem vindo da America Ingleza, vendem-se por este
prego para liquidar : so na loja e armazem do
Pavao a ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Figos de comadre ein litas de 4 e 8 libras
lacradas hermticamente a l,4oo e 2,2oo
rs. a lata.
dem em caixinhas de.8 libras a l,8oo, e
2io rs. a libra.
Nozes muito novas a 120 rs. a libra, e 4,ooo
rs. a arroba.
Amendoas confeitadas a 8oo rs. a libra.
dem de casca mole a 32o rs.
Vinhos engarrafados no Porto e Lisboa das
seguinles marcas: duque, genuino, velho
secco especial, lagrimas doces, vinhe es-
pecial D. Pedro V, nctar superior de
1833, duque do Porto de 1834, vinho do
Porto, velho superior, madeira secca, Por-
to superior D. Luiz I, e outras muitas
marcas, em caixa de urna duzia a lo,ooo e
1 ,ooo rs. a garrafa.
dem branco de uva pura a 64o rs. a garra-
fa e 4,ooo a caada.
dem superior a ooo rs, a garrafa e 3,2oors.
a caada.
dem em pipa Porto, Lisboa e Fgueira das
marcas mais acreditadas a 3,8oo a caada
e 5oo rs, a garrafa.
dem de marcas pouco conhecidas a 4oo rs.
a garrafa e 3,ooo rs. a caada.
Especial vinho Lavradio sem a mais pequea
composic5o a 560 a garrafa e 4,ooo rs. a
caada.
Farinha do Maranhao a 240 rs. a libra.
Ricas caixas com Ggos a l,ooo rs. cada urna.
Ricos livros com figos i,ooo rs.
Pomada a 200 rs. a duzia, sevada muito no-
va a 80 rs. a libra, e 2,5oo a arroba.
Garrafes com 4 '/ garrafas de vinho supe-
rior a 2,5oo rs. cora o garrafo.
dem cora 4 f/i ditas de venagre a 1 ,ooo rs. o
garrafo.
Vinagre PRR em ancoretas de 9 caadas a
15,ooo rs. com aancoreta
dem em pipa puro sem o batisme a 2oo rs.
a garrafa e,l,4oo rs. a caada.
Caixas com 1 duzia da garrafas de vinho Bor-
deaux fazenda muito especial a 6,8oo rs.
a caixa e 7oo rs. a garrafa.
Licores francezes e portuguezes das seguin-
tes marcas creme de violetas, gerofles, ro-
sa, absinto vespeiro, amor perfeito, amen-
dua amarga, percicot. de Turin, Botefim,
morangos, limo, caf, laranja, cidra, gin-
a arroba.
dem da India muito superior a 2,9oo rs. a
arroba, e loo rs. a libra.
dem mais baixo redondo a 2,6oo rs. a libra.
dem da India comprido a 2,4oo rs. a arro-
ba, e 8o rs. a libra.
Vellas de carnauba do Aracaty a 9,ooo rs. ar-
roba, e 32o rs. a libra.
dem de sebo muito dura fingindo esparmace-
te 36o rs. a libra.
dem de esparmacete a 54o rs. a libra, e em
caixa a 52ers.
Papel o melhor que se pode desejar para os
Srs. empregados pblicos a 5,ooo rs. a res-
ma, j se vendeu por 7.ooo rs.
Idemalmaco pautado e liso a 3,ooors. aresma.
dem de peso pautada e liso a 2,5oo rs. a
resma.
dem a zul de bobea ou fugueteiro a 2,2oo rs.
a resma,
dem embrulho de 1,2oo a I,4oo rs. a resma.
Ameixas francezas em latas de 1 '/* l'Dra a
l,2oo c 8oors. a libra,
dem em frascos de 3 libras a 2,5oo rs., s o
frasco valle 1 ,ooo rs._ tambem temos em
frascos para l,4oo rs."
Conservas inglezas a 8oo rs. o frasco.
Molhos inglezesa 8oo e l.ooo rs. o frasco.
Mostarda preparada em potes muito nova a
2oo rs.
Latas com 2 a 4 libras de caj secco o mais
bem arranjado possivel a 1,8oo e 2,8oo
rs. a lata.
Cerveja Tenente verdadeira a 6,8oo rs. a
duzia.
dem de outras marcas preta e branca a 5,5oo
e 6,ooo rs. a duzia inteiras.
Vassouras de piassava com 2 arcos de ferro
vindas do Porto a 32o rs.
Cebollas muito novas a 1,000 rs. o molhoe
8oo rs. o cento.
Chocolate portuguez hespanhol e francez de
l.ooo a l,2oo rs. a libra.
Genebra de Ilollonda em frasqueiras a 6,ooo
e 56o rs. o frasco,
dem em botijas a 4oo rs.
dem em garrafes de 14 garrafas a 5,2oo rs.
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a groza e 2o rs. a
caixa.
dem de dentes lixados em macos grandes
com 2o rs. o macinhos a 12o rs. o masso.
Cominhos muito novos a32ors. a libra e
lo.ooo a arroba.
Sag muito novo a 24o rs. a libra.
Cevadinha de Franca a 18o rs. a libra.
Milho al pista a 14o rs. a libra e 4,5oo rs. a
arroba.
Gomma a 28o rs. a libra e 5,4oo a arroba.
Peixes em latas al,ooo rs. a lata j prompto
a comer-se.
Farello de Lisboa marca N. e Biato saceos
DE
(vo se engancm com a mitra)
AMIGOS!
Nao Jeiam este annuncio com precipilacao.
Confrontem os precos dos ouln>s aonunciantes.
Venham ver os gneros que temos expostos a venda.
A vista faz fe.
Nao temos palavras bombsticas.
Nao nos enculcamos o primeiro recebedor de conla propria.
Nao desacreditamos ao collega porque nao quiz ser nosso socio.
Val a qncm toca.
Para abastecer a todos os habitantes desla bella provincia anda nao sao suilicien-
tes as casas que actualmente oxislom abenas com grandes proporc/ios para ton ni mi
magnifico sortimento de molharlos: assim, pois, os propietarios do \rmazem l'tituir il
nao invejam a sorle dos seus collegas.
Habitantes de Pernambuco.
Nos temos um excedente sorlimento dos melhores gneros que so podo adiar
em nosso mercado. Vinde ao nosso cstabelecimento, e se a rossa boa f lor Iludida
urna so vez ao menos, castigai-nos nao voltando mais a nossa casa.
Amendoas confeitadas de bonitas coros a dem do Hollanda em garrafes com 24
l,ooo rs. a libra. garrafas a 7,2oo rs. com o garrafo.
dem de casca muito novas a 3oo rs. a libra. Lentilhas excedente legume para sopa e ui-
Avellas a 2oo rs. a libra. I zados a 2oors. a libra.
Ameixas francezas em caixinhas com lindas Licores francezes de todas as qualidades a
estampas a l,2oo, l,4oo e i,6oo rs. cada' 8oo o l.ooo rs. as garrafas grandes.
uma- Manteiga ingleza perfeitamente lli a 8oo e
dem em frasco de vidro com rollia do mes-' 96o rs. a libra.
rao ou de melal, a i,2oo e lioo rs. ca- dem franceza nova j deste anno a Ooo rs.
da um. a it>ra, e 56o rs. em barris inleiros.
dem em frasco grandes 2,5oo rs. cada um. Marmelada especial dos melhores fabricantes
dem em latas de 1 '/* e 3 libras a I,2oo e; de Lisboa a Ooo e 64o rs. a libia, ba latas
2,ooo rs. de dilTerentes tamanhos.
Arroz da India e Maranhao o melhor que se Massa de lmate em latas de I libra 56o rs.
po le desejar a loo e 12o rs. a libra e cada uma.
2,8oo e 3,ioo rs. a arroba. dem para soda eslrelinha, pevide e rodinha
Azeite doce de Lisboa a 6oo rs. a garrafa,, em caixinhas surtidas a 3,ooo e 3 5o rs.
e 4 8oo rs. a caada. | Cada uma e 5oo rs. a libra,
dem francez clarificado em garrafas kan-, dem macarrao, (alerira e alelria a ioo rs.
cas a Ooo rs. cada uma, e lo.ooo rs. a! a libra,
duzia.
caixa com 1
Alfazema muito nova e limpa a 32o rs. a li-
bra.
Alpista a IGo a libra, e 4,6oo rs. a arroba.
Rolachinhas de Lisboa da fabrica do Reato
Antonio das seguinles qualidades: aguae
sal doces, e iniperiaes em latas de 6 li-
bras a 3,ooo rs. e de 3 libras a l,5oo
rs. eemlibraa 64ors., estas bolachinhas
torna-se muito recommcndavel com es-
pecialidade para os doentes.
Biscoilos e Bolachinhas de suda em latas, de
todas as. qualidades e marcas que se pro-
curar a 1,35o rs. a lata.
Bollos francezes em cartes e de diversas
qualidades a G'io rs. cada um.
Banha de porco verdadeira refinada a 4oo
rs. a libra e em barril a 38o rs.
Batatas novas a 160 rs. a libra.
Bolachinhas inglezas ltimamente desembar-
cadas a 24o rs. a libra e 2,ooo rs. a bar-
rica.
Champagne das marcas mais superiores que
al boje tem vindo a nosso mercado a
18,ooo rs. o gigo, l,5oo rs. a garrafa in-
teira, e 8oo rs. as meias
Cha uxim o melhor que se pode desejar e
que outro qualquer nao vende por menos
de 3,ooo a 2,7oo rs. a libra
dem perola especial qualidade a 2,6oo e
2,8oo rs. a libra, garante-se a qualidade
d'este cha
dem hysson o mellior que possivel en-
contrarle a 2.ioo e 2,6oo rs. a libra.
dem do Rio em latas de 2, 4, 6 e 8 libras
a I,2oo e l,4oo rs. a libra.
dem prelo muito lino a l,6oo rs. a libra.
Chocolate das melhores qualidades, francez,
hespanhol e suisso a l.ooo, l,2oo e l,ioo
rs. a libra.
Charutos do acreditado fabricante Jos Tur-
grandes a 4,000 rs.
O proprietario do grande armazem Unio e Commercio declara aos seus fregu
zes e amigos e ao publico em geral, que para facilitar a commodidade de todos cstipuiou
os mesmos precos nos seguintes lugares: ~
Uniao e Commercio ra do Queimado n. 7.
0 Verdadeiro Principal ra do ImpjradOT Ji. 40.
|"~Bichas de Hamburgo.
Vende-se bichas de Hamburgo, as melbores que
tem viodo este mercado', por preco multo barato:
na ra Nova n. 61, defronte da Illraa. cmara mu-
nicipal.
Vende-se uma escrava de 18 a 16 annos, de boa
figura, engomma e cozinha com perfeicao : na ra
do Livramenlo n. 38.
cias, Napolees e Guanabaras a 2,3oo rs.,
e em caixas inteiras Trovadores a 3,ooo
rs. cada uma.
dem de oulros muitos fabricantes e de
dilTerentes marcas para l,5oo rs. as mei-
as caixas de suspiros a l,6oo, 2,ooo e
3,ooo rs. as caixas inteiras.
Conservas inglezas a 8oo rs. o frasco.
dem franceza a 5oo rs.
Cognac inglez das melhores marcas a l.ooo
rs. a garrafa e lo.ooo rs. a duzia.
dem francez suporior qualidade 8oo rs. a
garrafa e 9,ooo rs. a duzia.
Cominho e Erva-doce a 4oo rs. a libra.
Cravo da India a 6oo rs. a libra.
Canella a l.ooo rs. a libra.
Copos finos para agua a 5,ooo rs. a duzia, e
5oo rs. cada um.
Caf do Rio superior a 28o e 32o rs. a li-
bra, e 8,8oo e 9,5oo a arroba.
Doce fino de goiaba a 6oo rs. o caixo.
Ervilhas portuguezas ltimamente chegadas
a 7oo rs. a lata.
dem seccas a 16o rs. a libra.
dem j descascadas a 2oo rs. a libra.
Farinha de ararula verdadeira a 32o rs. a
libra.
Figos em caixinhas muito bem enfeitadas a
a l,ooo rs. cada uma.
dem em latas ermilicamente lacradas a
l,ooo e 2,5)0 rs. cada uma.
dem era caixas de '/ arroba a 2,5oo rs. ca-
da uma, e 2oo rs. a libra.
Graixa muito nova a loo rs. a lata e l.ooo
rs. a duzia.
Genebra de Hollanda em frasqueiras com 12
frascos por 6,ooo rs. e 56o rs. o frasco.
dem de laranja a l,ooo rs. os frascos gran-
des e H.ooo rs. a caixa com 12 frascos.
dem de Hollanda em botijas a 4oo rs. ca-
da uma.
dem em garrafes de 16 garrafas a 4,boo
rs. com a garrafo.
! Mostarda franceza preparada em fiasco a 4oo
rs. cada um.
Molho inglez em garralinhas com rolhas de
vidro 6lo rs. cada uma.
Marrasquino verdadeiro de Zara a l,ooors.
a garrafa, lo.ooo rs. a caixa com 1 duzia.
Nozes muito novas a 16o rs. a libra.
Prezunto de fiambre superior a Goo rs.
dem do Porto para paneila a ooo rs. a libra.
Passas novas a 48o rs. a libra,
l'eixe em latas de dilTerentes qualidades co-
mo, savel, cortina, govas, pescadinhae
oulros a l.ooo rs. a latas.
Palitos para denlos a I io c 16o rs. o masso
dos melhores.
Painco o mais novo e limpo a IGo rs. a libra.
e 4,5oo rs. a arroba.
Palitos do gaz a 2.loo rs. a groza, -2oo rs. a
duzia, e 2o rs. a caixinhas.
Quejos flamengos chegados neste ultimo va-
por, a
dem pialo muito fresco a 8oo c Doo rs.
a libra.
dem suisso a melhor qualidade que al bo-
je tem vindo ao nosso mercado a 8oo rs.
a libra.
Sal refinado em potes de vidro a 5oo rs. ca-
da um.
Serveja das melhores marcas a 0.roo rs. a
duzia, c 56o rs. a garrafa.
Sardinha de Lisboa e Nantes em qoartes e
meia hilas a 38o 98o rs. cada nma.
Sag mnilo novo c alvo a 2io rs. a libra.
Sevadinha de Franca 18o rs. a libra.
Sevadaa loo rs. a libra, e 2,8oors. a arroba.
Traques de 1.a qualidade a 8,5oo rs. a cai-
xa, e22o rs. a carta.
Toucinho novo de Lisboa a 24o c 32o rs. a
ibra.
tado de Simas em 'i caixas das seguin- Tijollo para liinpar facas a 15o rs. cada um.
tes marcas Pariziences, Suspiros, Dili-
Vinho em pipa Porto, Lisboa e Figueira das
melhores marcas a 3,8oo rs. a caada, e
ooo rs. a garrafa.
Idem'do Porto Lisboa e Figueira do marcas
menos conhecidas a ioo rs. a garrafa, e
2,8oo rs. a caada.
dem Colares especial vinho a Goo rs. a gar-
rafa.
dem Lavradio muito fresco nao levando com-
posicio a 56o rs. a garrafa, e 4,ooo rs. a
caada.
dem branco de uva pura a 56o rs. a gar-
rafa, e 4,5oo rs. a caada.
dem mais baixo a ioo rs. a garrafa, e 3,ooo
rs. a caada.
dem Bsrdeaux em caixas de 12 garrafas das
marcas mais acreditadas a 6,ooo e 7,ooo
rs. a caixa.
dem muito especial que raras ve/es vem ao
nosso mercado a 1,2oo rs. a garrafa, ga-
rante-se que por este mesmo preco d pre-
juizo e s se encontra n'este armazem
dem do Porto em caixas com 12 garrafas
das seguintes marcas Lagrimas do Douro,
Duque do Porto, Genuino, Velho Particu-
lar, malvasio fino, D. Pedro V, D. Luiz
I, Nctar e outros a 9,ooo e lo.ooo rs.
a caixa e 9oo a I .ooo rs. a garrafa.
dem Muscatel superior a l.ooors. a garra-
fa, e lo,ooo rs. a caixa com 1 duzia.
Vinagre puro de Lisboa a 2oo rs. a garrafa
e 2,4oo rs. a caada.
dem em garrafes com 5 garrafas a l,ooo
rs. com o garrafo.
Vassouras do Porto de arcos de ferro a 32o
rs. cada uma
dem de escova para esfregar casa 36o rs.
cada uma.
Vellas de espermacete superiores a oCo rs.
a libra, e 52o rs. em caixa.
dem de carnauba refinada e de composico a
36o rs. a libra, e de lo.ooo a ll.ooo rs. a
arroba.
Empreza daiUuminaClo
gaz.
Todas as vendas de apparelhos e reclamacoes
(por escripto dando o nome, morada, data, etc.),
devem ser feitas no armazem da ra do Imperador
n. 31. Os machinistas mandados para atlender a
estas, apresentarao um livro que os reclamantes
devero assignar logo depois de prompto o servico
reclamado ; isto para qae a empreza fique sciente
de haverem os mesmos senhores sido devidamen-
te attendidos.
Ferro para onrives.
Na roa larga do Rosarlo n. 24, loja de ourives,
vendem-se todos os ferros e utencilios de ourives.
AGENCIA
Dk
FNDICAO DE LOW-MOOR.
Ru la Semilla iovi n. 42.
Neste estabelecimento contina a haver
um completo sortimento de moendas e meias
moendas para engenho, machinas de vapor
e tachas de ferro batido e coado, de todos os
tamanhos para ditos.



Arados americanos e machinas para
lavar roupa: em casa de S. P. Johnston & C,
ra da Senzalla Nova n. 42.


Diario e PcmalraM Sahbado 2 3 de Jnah e uci.
Largo da
anta Cruz i
numero
12 e 84.
Esquina daj
ra do
Sebo n. 12'
e84.
BHILHANTE
U IIOIU BRILHANTE
GRANDES ARMAZENS DE MOLHADOS.
Francisco Jos Fernandes Pires proprietario dos armazens de molhados denomina-
dos Brilhante Aurora e Aurora Brilbante, ao (arroda Santa Cruz ns. 13 e 84 (esquina
da ra do Sebo), faz sriente ao respeiuvel publico desta eidade c do interior que nos
nos importantes estabelecimentos vender sempre gneros novos e de primeira quali-
dade e rendar a todos pelo mesmo preco.
O completo sortimento de todos os gneros finos e grossos que costomam ter outros
estabelecimentos desta ordem se eneontrarao sempre nos armazens da Brilhante Aurora
e Aurora Brilhante e sempre em grande escala a vontade dos Srs. compradores.
O proprietario dos armazens Brilhante Aurora e Aurora Brilhante pede a todos os
senhores e senhoras que quando liverem de mandar suas relac5es a estes eslabelecimen-
los por seus criados seja em carta fechada ou com grande recommendacao a estes arma-
zens, cerlos de que sero tao bem servidos como se viessem pessoalmente.
A Brilhante Aurora e Aurora Brilhante troca qualquer um genero que por acaso
nao aerade erecebe as libras esterlinas a 9,sendo por compra: a tabella de seos gneros
ser mudada todas as semanas.
Amenduas confeitadas para sortes a libra 1-3.
Manteiga ingleza flor a 8(30, e 960 rs.
Dita mais abaixo a 640 e 720 rs.
Dita franceza nova libra 640 e e u barril a
600 rs
Vinho muscatel duzia 111.5 e garrafa 1>.
Dito branco proprio de Lisboa caada 4A800
e g&rrafa 640 rs.
Vinho branco de muito boa qualidade cana-
da 43> e garrafa 480 rs.
Chocolate sant mullo novo a!S200 a libra. Dito Xerez fino a caada 7^500 e garrafa a
Cha perola o melhor que ha ( redondo) a 1&2O0.
libra 35200.
Dito dito ruis abaixo a 25500 e 2800.
Dito uxim muito fino a 25800 e 3.
Dito hysson superior a 2*600 e 2*800.
Dito mais abaixo a 25 e 2,5300.
Dito preto muito fino a 2i00.
Dito em massos a 2*.
Dito do Hio em latas de 4, 2 e i libra a
15500.
Cafe de moca superior arroba I0i5o00 e li-
bra 400 rs.
I Dito Madeira seca caada 103 e garrafa 2J>.
1 Dito em caixas de urna duzia do Porto dos
melhores autores a 12,5, *4$ e 16,8.
Garrafas com licor fino francez e portuguez
a 1*.
Ditas cor vinho de caj muito claro a I*.
Ditas com mi'i de abelha puro a 13.
Frascos com genebra de Hollanda de 2 gar-
rafas a 15.
Dito de urna garrafa a 560 rs.
Dito de tartaja verdadeira a 1*200.
Dito do Hio e do Cear arroba 95300 e libra Duzia de graxa latas grandes a 15.
320 rs.
Dito mais abaixo arroba 85o00 e libra 280.
Barricas com bolachkia ingleza ingleza nova
a 35-
Latas com bolachinha de soda de 5 libras
a 3*500.
Dila< com ditas sortijas de 2 libras a 1*400
Frascos com animas francezas s o frasco
val o dinheiro a 2-3800 e 3*.
Latas com ditas a 1*400, 2*200 e 45-
Ditas com figos do comadrea 1*500.
Carias com 23 massos de velas de sperma-
eete a 360 rs. a libra.
Ditas maiorea a 600, 640 e 720 rs. a libra.
Caixa* com urna arroba de velas do Araca-
ty 103300 e libra 400 rs.
Ditas de composicao arreba 10*c libra 360
Saceos grandes com farinha deGoianna mui-
to boa a 5*300.
Dito Je Porto Alegrcmelhor que de Muri-
beca a 6*.
I Ditos com milho novo com 24 cuias a 4*000
Caixinhas hermticamente lacradas eproprias Dito com farello de Lisboa 120 libras a
para mimo a 25 e 2*800. I 55500.
Caixinhas com ditas a 1*. 25500 e 5* de Dito rom arroz de casca a 5*500.
arroba. Duzia de garrafas de serveja branca e preta
Presunto de Lamego muito novo a libra '. ') a 3*800 e em barricas a 5*500.
rs. inteiro c a retaiho 600 rs. Am do Maranhao em sacecs arroba 2*600
Chouricas e |iaios novos a libra 800 rs. e libra 100 rs.
Latas com ehouricase linguieas novas vin- Dito Ja India e Java arroba 3* e libra 120.
das nesle vapor com 9 libras por 6*500. Araruta verdadeira arroba 8* c libra 320
Hitas com peixe ensopado de muias quali- rs.. mataran*.
dadts 1 I*. Gomma do Aracaty para engommar arroba
Ditas coid erviibas francezas e iiortuguezas
a 880 rs.
Ditas com feijao verde francez a 800 rs.
Ditas com massa de tomate novo libra
$, 560 rs.
Ditas com ostras a 720 r?.
A-.P uilas com marmelada dos melhores autores
C^) de Lisboa a libra 640 rs.
\st, Potes com mnstarda franceza preparada a
"ifcr libra 480 rs.
^jjL. Frascos com conservas de pepinos, meiides
iw^ e azeitonas verde a I*.
) Dita dita franceza a 800 rs.
Giros com trinta e tantas libras de btalas
novas a 3*500.
Queijos novos do vapor a 3*200 e 35500.
Ditos de prato cnplicado a I*,
am Dito suisso a 800 rs.
O) Dito de manteiga do Serid a800rs.
Caixas com passas novas de 1 arroba 7*.
meia 33500 e. quarto 25 e libra 480 e
640 rs.
.vmendoas com casca .1 libra 240 rs. e arro-
ba 6*.
8*e libra 160 rs.
Tapioca ou farinha do Maranhao nova libra
160 rs.
Erviibas seccas muito novas libra 200 rs.
Sag e sevadinha a 240 rs.
Seva la arroba 3*200 e libra 120 rs.
Graxa de boio 97 a 280 rs.
Sabio massa a 200, 240 e 280 rs. a libra.
Dito hespanhol verdadeiro a 400 rs. a libra.
Balaios do Porto diversos lamanhos de 320
a 2*.
Capachos para portas de varias cores a 600.
700 o 800 rs.
Grao de bico arroba 45500 e libra 160 rs.
Pataco arroba 5*500 e libra 200 rs.
Milho alplsta arroba 45800 e libra 160 rs.
Azeite doce de Lisboa garrafa a 640 rs.
Vinagre de Lisboa caada 15300 e garrafa
200. 240 e 320 rs.
Massos de palitos de dentes com 20 massi-
nbosa 160rs.
Tejlos de limpar facas a 160 c 120 rs.
Caixas com 40 cartas de traquea a 9*500 e
a carta 280 rs.
Resmas de papel almaro pautado a 5*.
Toucinho de Lisboa arroba 8*500 e libra
320 rs.
Dito de Santos arroba 7* c libra 280 rs.
Molhos com grandes ceblas a 1*600.
Cento de dita solta a 1*500.
Mauncos de albos a 240, 320 e 400 rs.
Nozes libra 160 c arroba 5*.
Caixas c meias ditas com charutos finos da Dito prev liso o melhor que ha a 4*500.
Babia dos melhores latineantes de Jos Dito de peso c pautado a 2*500 e 25800.
Portado de Simas, liis e outros. sendo Garrafdes com 25 garrafas de verdadeira
Suspiras, Parisienses suspiros, Delicias. genebra de Hollanda por 85500.
Normas de lfavana, Exposic.ao, Almiran- Azeite de coco garrafa 560 rs. c carrapato
tes, Barateiros, varetas, Guanabaras, Be- 360 e caada 25560.
palia imperial, Acadmicos de Olinda, Se- Caixes com doce de goiaba a 640,800 e 1*,
nadares e Apraziveis de 1*500 a 8* a cai-
xa de 50 a 100 charutos.
Grozas de caixinhas de palitos do gaz a I
25200 e 200 rs. a duzia.
Barris com azeitonas novas a 3, e 4* bar-
ris grandes.
Vassouras do Porto piassava muito seguras Esleirs de varias qualidades.
a 400 rs. j Cordas de postar e de andaime.
azeite iioce francez dos melhores fabrican- Favas da ilha de S. Miguel arroba 3*200 e
tes caixa 10*c agarrafa 1*. libra 120 rs.
Caixas com vinho Bordeaux branco e tinto Copos lapidados para agua e vinho a 3*500,
S. Julien, S. Eslife e outros a 7*500 e 8*. 5*800, 6* e 7*.
Vinlio do Porto fino em barris de 5o que ra- Ditos lisos para varios precos.
ras veces apparece por 80* e em caada a Calix lapidados grandes e'pequeos duzia
5*500 e garrafa a 800 rs. | 3,4 e 5* ; e 400 e 500 rs. cada um.
Dito da Figneira puro caada 4* e 45500 e Massas para sopa macarro, talharim e ale-
garrafa a 480 e 560 rs. tria a 480 rs.
Dito de Lisboa de boas marcas a 35500 e Estrelinha e pevide libra 560 rs.
45 e a garrafa a 440 e 480 rs. Xaropes de frnctas nacionacs a garrafa
Cognac verdadeiro a garrafa 15 8 15280. 500 rs.
?E muitos outros gneros que nao possivel men-
cionarlos todos de primeira qualidade.
A sattsfocio da Brilhante Aurora e Aurora Brilhante vender moito embo
GRANDE ALLIANCA
57 RA- DO IMPERADOR 57
DE
Paulo Ferr ra da Silva *v. Companhia
Grande sorliiru'iitu de oolbado* em grosso e a retaiho. tnico armazem que mais
vant.-igeus oHe-me ao publico.
Desengunem-ae todos
;: o Al I i.inca o vordaileiro homem do progressso. _^-*-
:: o tirtaoca o verdatkro e principal armaran d<- molhados.
: o tllian^a o armazam que vende mais barato.
i i manta o armazem que rende os melhores gneros.
l;: e AI llanca o armazem onde preside o meHior aceio.
Fiquera todos sabedores desta vrnlade,
Venharo todos ra o imperador n. 57.
Venbam rer of gneros que lemos expostos a venda.
PARA AS FESTAS
S. J0&0 ES. PEDRO.
Amctidoas confeitadas de bonitas cY es dem de Horlanda em garrafes com 24 gar-
800 rs. a libra. | rafas a 7,2oo rs. com o garrafao.
dem de casca nuiito nova a 3oo rs. aJibra. | Lentijhas encllente lepme para sopa e gui-
llara.
todas as qualidades a
800
0
NEM COROAS NEM MITRAS

E
GRMDE ARMAZEM
DE
RIJA DO IMPERADOR \. 4
Jimia ao sobrado ero que mora e Sr. 0>hsrne,
Para a festa de Santo Antonio, S. Joao e S. Pedro.
miarle Almridrt A C, reeeberam de sna proprla rnrommeu
da o mala lindo e variado sortimento de molhados, proprio
da presente estacio
to, mas a DINHEll'.o.
embora bara-

oS 85-5 N
ua<5 -

v.
ga.a|g8.a
ES
'S.K*
a a 3
o v 2
3 y u c^. _^
3 Q.l O O H
Q, B9 tsi
S- ,Q 3
g
C Si
o a.
o 5 E*i3 0.-5 2 m P -, s; a.
r-<-B SoSrr;3'"-ip.5,So
2 s
ce
0 a f
M*| 2S
BS-2So.
CB
o-
_ O)
1 CD
I
"3 a.
trJr =3 o ct. a>
O es.
- B- S P
-J O J (D QJ
SE go 5" S
-^^ B.
5
!=
B
*
ai
E.
o.
o
at
1
t
a'
&
3
"1 Jf
Di
"i
"-1
O
s
Es
B
&
i
ce
c?
i\ armazem de fazeodas baratas de
Santos (oelho, ra doQueimado, n.
19, vende-se o seguate*
ltenco..
Lazlnhas.
Ricas laazinhas para vestido, fazenda a melhor
que tem viudo ao mercado, tanto om posto como
"in qualidade da fazenda, pelo baratissimo prero
de 560 rs. o covado.
Laazinhas uiiudinhas carmezius, proprias para
vestidos de meninas, e camisinhas a 640 o covado.
Cortes de laa com lo covados pelo baratissimo
prerjo de 63-
Oobertas de chita da India pelo baratissimo preco
de 23300.
Lencoes de panno de linho a i.
Lengoes de bramante de linhe tino pelo baratissimo
prego de 33200.
iiramante de linho fino com 10 palmos de largura
lelo baratissimo preside 23500 a vara.
Atoalhado adamajcaao proprio para toalhade mesa
a 23000 a vara.
Cambraia de forro a 23600 o 33200.
Ciuardanapos adamascados a 33800 a duzia.
Toalhas alcochoadas proprias para maos a 53 a
duzia.
Cortes de caiga da ganga amarella de listras e
do quadros, pelo baratissimo preco de 13200 o
jrte.
Cambrala adamascada ccftl 20 v.irs. proprla
para cortinado, peto tarati--i mo preco delOjWOi
a pega. i
Ricos cortes de la Hara Pia pelo baralissimo 1
preco do 183-
pna para saia a 4J1200. P i C- no seu ef riPtono rua da Gruz n- ________
,ras da India proprias para ftrr de sala,' Alftft SORZalla KV H. 42.
de 4, 5 e fl palmos de largura, por menos proco du Kairl -- *a.a*^ an.^i,,, ^
que em outra ioaiquer parte. 1 testal *MtiientovendeiB-8e:lohasde
Neste armazem tambem se enrontrar um ama- ferr0 do libra a 410 rs., dem de LO* I
de sortiuianto ie rompas feitaf, c por medida." i Moor fflB f'a 120 rs. 1
Arelaas a 2oo rs. a libra.
Amcixas francezas em caixinhas com lindas
estampas a l,2oo, l,*oo e 4,6oors. cada
urna.
dem em frasco da vidro com rolba do mes-
mo ou de metal, a 1.2oo e l.ioo fs. cada
um.
dem em frasco grandes a 2,5oo rs. cada
um.
dem em latas de 1 e 3 libras a l,2oo e
2,000 rs.
Arroz da India e Maranhao o melhor que se
pode desejar a loo e 12o rs a libra e
2,8oo a 3,4oo rs. a arroba.
Azeite doce de Lisboa a Goo rs. a garrafa, e
4,800 rs. a caada.
I dem francez clarificado em garrafas bran-
cas a 9oo rs. cada urna, e 10,000 rs. a
caixa com I duzia.
Alhzema muito nova e limpa a 32o rs. a li-
bra.
Alpista a 16o rs. a libra e 4,600 rs. a ar-
roba
Bolacliinbas de liifam da fabrica do Beato
Antonio das seguntes qualidades: agua e
sal doces, e impet iaes em latas de 6 libras
a 3,ooo rs. e de 3 *f% libras a l,5oo rs.
e em libra a 64o rs., estas bolacbinhas
torna-se muilo recommendavel com espe-
calidade para os doentes.
Biscoilos c Bolacbinhas de soda em latas de
todas as qualidades e marcas que se pro-
curar a 1,35o rs. a lata
Bolos francezes em cartes e de-diversas
qualidades a 64o rs. cada um.
Banba de poico verdadeira refinada a 4oo
rs. a libra e em barril a 38o rs.
Batatas novas a 16o rs. a libra.
Bolacbinhas inglezas ltimamente desembar-
cadas a 2io rs. a libra e 2,ooo rs. a bar-
rica.
Champagne das marcas mais superiores que
at boje tem vindo ao nosso mercado a
18,000 rs. o gigo e l,5oo rs. a gnala
lateara, e 800 rs. as meias.
Cha uxim o melhor que se pode desejar, e
que outro qualquer nao vende por menos
de 3,ooo a 2,7oo rs. a lilir'a.
dem perola de esp cial qualidade a 2,600 e
2,800 rs. a libra, garanle-se a qualidade
deste cha.
dem hysson o melhor que possivel encon-
trar-sc a 2,4oo e 2,600 rs. a libra.
dem do hio em latas de 2, 4, 6 e 8 libras
a l.2ooc l,4oo rs. a libra.
dem prelo muito fino a 1.6oo rs. a libra.
Chocolate das melhores qualidades, francez,
hespatihol c suisso a l.ooo, l,2oo e l,4oo
rs. a libra.
Charutos do acreditado fabricante Jos Fur-
tado de Simas em {1 caixas das seguin-
tes marcas: Parizienses, Suspiros, Dili-
cias, Napolees e Guanabaras a 2,3oo rs.,
e em caixas inteiras Trovadores a 3,ooo
rs. cada urna.
dem de outros muitos fabricantes e de dif-
ferenles marcas para 1,5oo rs. as meias
caixas, de suspiros a l,6oo, 2,ooo e 3,ooo
rs. as caixas inteiras.
Conservas inglezas a 800 rs. o frasco.
dem franceza a 5oo rs.
Cognac mglez das melhores marcas a l,ooo
rs. a garrafa e lo,ooo rs. a duzia.
dem francez superior qualidade a 800 rs.
a garrafa e 9,ooo rs. a duzia.
Cominho e erva-doce a loo rs. a libra.
Cravo da India a 600 rs. a libra.
Canella a l,ooo rs. a libra.
Copos finos para agua a 5,ooo rs. a duzia, e
5oo rs. cada um.
Caf do Rio superior a 280 e 320 iS. a libra,
e 8,800 e D.ioo a arroba.
Doce fino de goiaba a 600 rs. o caixao.
Erviibas portuguezas ltimamente chegadas
a 7oo rs. a lata.
dem ceceas a 16o rs. a libra.
dem j descascadas a 2oo rs. a libra.
Farinha de araruta verdadeira a 320 rs. a
libra.
Figos em caixinhas muito bem enfeitadas a
1,000 rs. cada urna.
dem em !?tas ermiticamente lacradas a
l,5oo e2,5oo rs. cada urna.
dem em caixas de '/i arroba a 2,5oo rs.
cada urna, e 2oo rs. a libra.
Graixa muito nova a loo rs. a lata e l.ooo
rs. a duzia.
Genebra de Hollanda em frasqueiras com 12
frascos por 6,000 rs. e 560 rs. o frasco
dem de laranja a 1,00o rs. os frascos gran-
des c H.ooo rs. a caixa com 12 frascos.
dem de Hollanda em botijas a 4oo rs. cada!
oma.
dem em garrafoes de 16 garrafas a 4,800!
rs. com o garrafao.
zados a 2oo rs. a
Licores francezes de
800 e l,ooo rs. as garrafas grandes.
Manteiga ingleza perfeitamente flor a
e 96o rs. a libra.
dem franceza nova j deste anno a 600 rs.
a libra, e 58o rs. em barris inteiros.
Marmelada especial dos melhores fabrican-
tes de Lisboa a 600 e 6io rs. a libra, ha
latas de differentes tamaitos.
Massa de tomate em latas de 1 libra a 56o
rs. cada urna.
dem para soda estrellinha, pevide e rodinha
em caixinhas sortidasa 3,ooo 3,5oo rs. cada
urna e Soors. a libra.
dem macarro, talharim ealetria a loo rs. a
libra.
Mostarda franceza preparada em frasco a loo
rs. cada um
Molho inglez em garraftnhas com rolhas de
vidro a 64o rs. cada urna.
Marrasquinho verdadeiro de Zara a l.ooo rs.
agarrafa, lo,ooo rs. a caixa com 1 du-
zia.
Nozes muito novas a 16o rs a libra.
Prezunto de fiambre superior a 600 e 800
rs.
Idmjo Porto para panella a 500 rs. a libra.
Passas novas a 48o rs. -i libra.
Peixe em latas de ditferentes qualidades co-
mo, savel, corvina, govas, pescadinha e
outros a l.ooo rs. a latas.
Palitos para denles a lio e a 16o rs. o mas-
so dos melhores.
Patnco o mais novo e limpo a 16o rs, a li-
bra, e a i,5oo rs. a arroba.
Palitos do gaz a 2,loo rs. a grosa. e2o rs.
a duzia, e 20 js. a caixinha.
Queijos flamengos chegados neste ultimo
vapor, a 3,000
dem prato muito fresco a 800 e 9oo rs. a
libra.
dem suisso a melhor qualidade que at ho-
je tem viudo ao nosso mercado a 800 rs.
a libra.
dem londrino a 9oo re.
Sal refinado em potes de vidro a 3oo rs,
cada um.
Cerveja das melhores marcas a 6,000 rs. a
duzia, e96o rs, a garrafa.
Sardinha de Lisboa c Nantes em quartos e
meias latas a 38o e 58o rs. cada urna.
Sag muito novo e alvo a 2io rs. a libra.
Sevadinha de Franca I80 rs. a libra.
Sevada a loo rs. a libra, e 2.800 rs. a ar-
roba.
Traques de l.'1 qualidade a 9,5oo rs. a cai-
xa, e 2io re. a caria.
Toucinho novo de Litba a 21o e 3o rs. a
libra.
lijlo para limpar facas a loors. cadaum.
Vinho em pipa Porto, Lisboa e Figueira das
melhores marcas a 3,800 rs. a caada, e
5oo rs a garrafa.
dem do Porto Lisboa e Figueira de marcas
menos conhecidas a loo re. a garrafa, e
2,8oo rs. a caada.
dem Colares especial vinho a 600 rs. a gar-
rafa.
IdemLavradio muilo fresco nao levando com-
composicao a 56o rs. a garrafa, e 4,ooo
rs a caada.
dem branco de uva pura a 56o rs. a garra-
fa, e 4,5oo rs. a caada.
dem mais baixo a 4oo rs. a garrafa, a 3,000
rs. a caada.
dem Bordeaux em caixas de 12 garrafas das
marcas mais acreditadas a 6,5oo e 7,ooo
rs. a caixa.
dem muito especial que raras vezes vem ao
nosso mercado a 1.2oo rs a garrafa, ga-
rante-so que por este mesmo preco d
prejoizo e s se encntra n'este arma-
zem.
dem do Porto em "caixas com 12 garrafas
das seguintes marcas Lagrimas do I>ou-
ro, Duque do Porto, Genuino. Velho Par-
ticular, Malvasio fino, D. Pedro V, D.
Luiz I, Nctar e outros a 9,ooo e 10,000
rs. a caixae 9oo e l.ooo rs. a garrafa.
dem Muscatel superior a 1,00o rs. a garra-
fa, e 4o,ooo a caixa com 1 duzia.
Vinagre puro de Lisboa a 2oo a garrafa e
2,4oo rs. a caada.
dem em garrafoes com 5 garrafas a 1.000
rs. com o garrafao.
Vassouras do Porto de arcos de ferro a 32o
rs. cada urna.
dem de escova para esfregar casa a 36o rs.
cada urna.
Velas de espermacete superiores a 56o rs.
a libra, e 52o em caixa.
dem de carnauba refinada e de* composicSo
a 36o rs. a libra, e de 10,000 a 11,00o rs.
a arroba.
Manteiga ingleza
da safra nova vinda nesle vapor de 28 de
maio a 900 rs. a libra e da velba a 800 c
850 rs. a libra.
Manteiga fraoeeza
da safra nova a 600 rs. alibra.
Aniendoas
confeitadas de lindissimas cores a 800 rs. a
libra.
Traques
de n. 1 os mais superiores do mercado a
8,5500 a caixa e 220 rs. a carta
Ameixas
em frascos de vidro com 3 libras liquido a
2^400, muito propios para mimos.
CartSes
com bolos francezes a 500 rs. cada um.
Latas
com bolacbinhas de soda de todas as qua-
lidades a 15300.
Chocolates
de Ibdas as qualidades a I#000 a libra.
Presuntos inglezes
dos melhores fabricantes a 800 rs., tambem
temos velhos para 500 rs.
Queijos flamengos
I chegados neste ultimo vapor a 3ooo.
dem prato
o melhor que se pode desejar a 1:>000.
Conservas inglezas
as mais novas que se pode esperar a 760 rs.
o frasco.
Figos
em libras e caixinhas ricamente domadas,
proprias para mimos a 900 e l#00.
Cha uxim
o melhor que se pode desejar, que outro
qualquer nao pode vender por menos de
U a 2J660.
dem perola
especial qualidade a 2^700 rs. a libra.
dem hysson
o mais aromtico que tem vindo ao nosso
mercado a 2$600.
Massas amarellas
talharim e aletria a
Macas brancas
para sopa a melhor que se pode desejar,
macarro, talharim e aleiria a 400 rs. a
libra e lr>500 a caixa.
Vinho
Figueira J A A e outras muitas marcas acre-
ditadas a 500 rs. a garrafa.
dem de Lisboa
e de ootras marcas a 100 rs. a garrafa, e
23800 a caada.
dem do Porio
generosos engarrafado des melhores fabri-
cantes da eidade do Porto alie 1200
a garrafa e de 100 a 12{ a caixa, as mar-
cas sao as seguintes: Chamisso 4 Filho.
F. & M., Nctar ou vinho dos Deuzes,
lagrimas do Douro e outros muitos.
Latas
com 10 libras de banba a 4000.
Bolachinha ingleza
a 1#800 a barrica da mesma que por ahi
venden a 2#oooe 2ioo.
Alpista e Painco
o mais novo do mercado a 140 rs. a libra,
e 4#400 a arroba.
Nozes
as mais novas do mercado a 420 rs.a libra.
Cervejas
dos melhores fabricanlesje de todas as mar-
para sopa, macarro,
480rs. alibra:
C M. %%'
o muilo afamado cognac Pal Brandy
rs. a garrafa e de outras muitas
des a 4,000 e 800 rs. a garrafa.
COPOS
cas de 4^500 a 6-5500 a duzia.
<2AHITOS
Charutos Thom Pinto,. Beis e outros em
meias caixinhas a 46500.
Arroz
do Maranhao a 400 rs. a libra, e da India
a 80 rs. a libra, e 2rS500 a 3->0O0 a ar-
reba desses que vendem por 33400.
CAFK
de 4.a e 2.a sorte do Hio de Janeiro a 8A300
e 8^800 a arroba, e 280 a 300 rs. a libra.
Garrafoes
com 4 i garrafas com vinagre a 4-5>0OOcom
o garrafao.
r.ENERDA DE LARAXJA
verdadeira a 43000 o frasco, e de 113000
a caixa.
DEM
em frasqueiras de Hollanda a 84800 com
42 frascos.
1 GENEBRA
'de Hollanda verdadeira em frasqtieia a 600
a 1,80o' rs. cada urna,
qualida- { PALITOS
' os verdadeiros palitos do gaz a J.00 a groza
e 2o rs. cada caixinha.
lapidados para agua a 4,5oo e 5.000 rs. a I LICORES
duzia, e a 440 e 5oo rs. cada um. finos de todas as qualidades, a I0.000 a caixa
PAPEL com urna duzia e a 4,000 a garrafa.
ahnaro, greve, peso e de outras muitas qua- PASSAS
dades de 2,2oo, a 4,5oo a resma do me- as mais novas do mercado a 9.5oo rs. a cai-
Ihor. xa e 5oo rs a libra.
PAPEI- Marmelada
azul e pardo para embrulbode 4.4oo a 2,2oo
rs. a resma.
Corinthias
passas corinthias muito novas proprias para
podim a 800 rs. a libra.
Fumo
o verdadeiro fumo americano em chapa a
4,4oo rs. a libra
Vinagre
PHRem ancorelasde 9 caadas a 15,ooo rs.
cada urna.
Cebollas
as mais novas do mercado a 7,ooo rs. a caixa
e 4,ooo rs. o molho.
dos melhores fabricantes de Lisboa, como se-
am Abren e outros muitos a 600 rs. a
libra.
Prezunto
o verdadeiro prezunto de Lamego a 52o 1
a libra.
ARROZ
Maranhao, Java e India, a 4oo rs. a libia e
de 3,ooo, a 3,2oo rs. a arroba.
VELAS
de espermacete de diversas marcas a 56o rs.
a libra e em caixa lera abatimenlo.
VELAS
de carnauba em caixas de arroba a 9,3oo t
caixa e 34o rs. a libra.
Algidao
da Baha
GAZ GAZ GAZ
Vende-se gaz da melhor qualidade a 423
a lata e em loles de 40 latas para cima se
far abatimenlo. no armazem do Caes do
Ramos n. 48 e rua do Trapiche Noto nu-
mero 8.______________
RHa da Senzala n. 42.
Vende-se, em casa de S. P. Johnston 4 C,
sellins e sillines inglezes. candieirose casti-
caes bronzeados, lonas inglezas, fio de vela,
chicotes para carros e montara, arreios par!
carros id om e dous cavallos, e relogios de
ouro patente ingle/..
INJECCO BROW.
Remedio infallivel contra as gnorrheas
antigs o recentes, nico deposito na bo-
tica franceta, r?i da Crr. n. 22, pre-
co 33
Charutos de Havana
de superior qualidade vendem-se em casa
de Sehafleitlin A C, rua da Cruz n. 42.
At que ehegon
um grande sortimento de bico e renda preta de
noro modelo chamado (gatpj o methot que se
pod desejar neste artigo e que se vende muito ba-
rato : na loja do gallo vigilante riu de Crespo
D. 7.
Fabrica Conceico
Bahia.
Andrade t Reg, receben ronstante-
mente etem a venda no sen arraneta nT
34 da rua do Imperador, algoa*: dliqueU
la fabrica, proprio para saceos de acu-
car, embalar atgodao empluma etc.. etc.,
pelo preco mais razovel.
._t >KSS I
Os proprietarios do grande armazem o Verdadeiro Principal declaram aos seis
freguezes e amigos c ao publico em geral, (pie para facilitar a commodidade de todos e>-
tipularam os mesmos precos nos seguintes lugares:
llnio c Commercio rua do Queimado a. 7
0 Verdadeira Principal roa da Imperador ir. 40
GRANGEIASantiblennorrhagicas de DUNAND
ex-INT. doHOSP.dos VENREOS oePARS 4? PREMI01854
'Superiores i lo Effeilo seguro e prorapto, tem nausea, nem clicas, nano tremor. Med lomar em se/redo sem liaana.
Injecgo curativa e preserva ti va
InfaUlv!, cur.i com rapi-lez */) ifar'i 01 McommenW rintn|t''>,rt* il* infatM .co.. Tlore* b.-anoai Adv.-insn: i
MRakaMM muiiitimit, (orlillca o, i->guia4ilo*t os prw'rv A- .|unur HMMvM. l'AKIS. >. r. ./ Virrh-.S-|...
Deposito geral em Pernambuco rua da Cruz n. 22 emeasa de Caros dV Barboia
otda
RUA DO QUEMADO NUMERO II
Loja de fazendas d< Augusto Frederic dos Santos Porto
Chapeos para senhoras.
Chegaram de Pars as mais liada cbapclioas e chapeos de palba da Italia para seahora-.
Ricas capas e soutembarques de *eda preta e casenira de cor para seoboras.
Cortes de superior morentique branco para vestidos de noivas.
Camisas inglezas muito superiores para homens, peitos, punhos e colronos de iinbo.
Chapeos de seda para cabeca e chapeos de sol de seda ioglezes.
Lencos de labyriiMho francezes a 15 cada um.
Camisas de Jneatno muitu superiores.
Cortes de la de barra para vestidos de senhoras de 13 a ta{.
A mesmaioja tem o maior e mais superior sortimento de
V. Esleirs para salas.
Neste esttbelecimento enermtrarao os senhores que precisare forrar suas ,*^*^2
qualquer quantidade que desejarem de 4, 3 e 6 palmos de largura, sendo (plida*- muiw
superior e por mdica preco.
PLVORA
Vende-se em barril por menos do (fie em outra
3U.1 Iquer parte, para fechar;>onta bo armazem
e J. A. Moreira Dias, rua da Cruz n. 26. onde en-
contrarao'a antostras.
Folha de ferro palvanifaflo para telhado :
na rua da Catfeia do Rrafe n: 56 A, loja de ferra-
gens do Bastos.
I'ISAPATOS DE BUXRAC1M
a 10OOO. 105OO e tgftOO o par
na roa do Queimado loja 1,1 % A* PE i:i.i.it A
Para hamens, amlketes e nrainas.
A Aguia-branca, na rua do Queimado n. 8 reet*
bou Uiva? de poliica, pura bornee?, malheres e
mcnia?.
Liquidaeae.
DE
Bicos pretos
Na rua do Queimado n. 47, aonde se -vende por
lodo o preco ; asslm como botoes de seda t vellu-
do para casaveque.
Albmis jaNi\inte retratas.
Vende-se ee I indos alboDs para vinte retrato.' pe-
lo barato preco de 4* eada nra : ?6 oo vigilante
I rua do Crespo .1.


D torio ie
Ma
Jnuho de 1 *4
GRANDE ARMAZEM
Ra da Cadeia do Recife. 60
Thoraaz Telxeira Bastos, tendo de partir para a Europa no dia 30 de junho, afim de tratar de
spa saude, tero resolvido a vender barato e mais barato do que na Europa para liquidar todos os ar-
tigas ingieres, franeezes e allemaes existentes em seu armazem, como sejam : fazendas, miudezas, per-
fumarias dos mais acreditados fabricantes, relogios inglezes, cxcelleutes correntcs e correntoes para
relogio, aneis e botoes para punhos com brilliantes, braceletes, oculos, face main e muitas outras obras,
utilera fina, como tlheres para mesa e para sobre-mesa com cabos de metal fino, ditos do marfira e
de outras qualidades, tesouras finas e caivetes, tesonras modernas para alfaiates, navalhas finas, lan-
icias e outros artigos, sortimento de bacias de metal para lavar o rosto e outros artigos, um rico cha-
fariz de crystal para jardim on meio de mesa de jantar, ricos quadros para saloes, um excellente co-
fre de ferr bastante grande, crystaes finos como lustres, candelabros, lanternas com pingedles, copos,
garrafas e muilas outras pecas de gosto para adorno de consolos, porcelanas finas, cerno ricos jarros
para llores, pparelhos dourados para cha e caf, ditos para jantar, e muitas pecas para enfeitar mesas,
grande sortimento de estampas de saotos e vistas de-dlfferenles cidades da Europa e outros proprios
para sala de jantar, realejos grandes e pequeos caixas com msica, ricas pecas cora machinismo
para salas, instrumentos de mgicas muito bem feitos, machinas de pnolographia para retratos de dif-
ferentcs tamanhos, machinas para fazer caf, machinas para limpar tapetes e varrer o chao, bombas
pan jardim, pianos de tres cordas do afamado fabricante Peycl, camas de ferro coro colchao elstico,
grande sortimento de b'rinquedos finos para meninos, baldes de papel.transparente e lanternas colori-
das para illuminaces a moda de Pars, salva vidas para horaens e senhoras feitas de borracha, pro-
prias jiara quern loma banho eui lugares fundos e mnitos outros artigos e ludo ser vendido muitissi-
ino barato afim de liquidar-se inteiramente.
RIVAL SEM SEGUNDO
ltua do Queimado ns. 49 e 55, loja de miudezas
de Jos de Azevedo Maia e Silva, est continuando
no seu progresso de vender baralissimo :
Capachos grandes e superiores a 500 rs. cada um.
Caixas de superiores obreias de cola e massa a
40 rs.
Cordao branco para vestido e espartilho, vara 20
ris.
Linhas de carretel (150 jardas) de superior quali-
dade a 60 rs.
Cartdes de linha Pedro V (200 jardas) j muito
contienda a 40 rs.
Crozas de pennas de ago de muitas qualidades c
superiores a 500 rs.
Caivetes de duas folhas porm finos a 500 rs.
Caixas com caluneas muito bonitas para rap a
100 rs.
Franja branca e de cores para toalhas a 160.
Pares de botSes para punno muito bonitos a 120.
Caixas com soldados de chumbo muito bonitos a
126 rs.
Tinteiros de vitfro com superior tinta a 160.
Ditos de barro rom superior tinta a 100 rs.
Groza de bot6es de louea praliados, o melhor, a
160 rs.
Tesouras para costura, o mais superior, a 400 rs.
Ditas para uulias multo linas a 400 rs.
Escovas para limpar denles muito superiores a
200 rs.
Libras de I a a de todas as cores (pesada) a ~.
Caixas de phosphoros de seguranca a 160.
" 4*as de papel amizade pautado e liso a fiOO rs.
Ditas com 100 anvelopes multo superiores a 800
ris.
Cadernos de papel branco e de cores, pequeo, a
20 ris.
Cartas e taboadas para meninos a 80 rs.
Caixas com superiores seas de aeender charutos
a 40 rs.
Carretas de linha Alexandrc (200 jardas) de cores
a !HJ rs.
Baralhos para voltarete muito finos a 240.
Cartas de alfinetes franeezes muito linos a 40 rs.
Meadas de linha ftxa para bordar a 20 rs.
Pares de sapatos de tranca multo superiores a
i600.
Papis de agulha com um pequeo toque a 10 rs.
Groza de botoes de madrepcrola muito finos a
560 rs.
Cartdes e caixas de clcheles franeezes superiores
a 'i0 rs.
Ilontts para meninos muilo finos a 15500 e 25.
Macos degrampos superiores e limpos a 40 rs.
Croza de puosphoros do gaz muilo novos a 25200.
Areia preta muito superior a 100 rs.
Caixas de rap com espclho a 100 rs.
Realejos para entreter meninos a 80 rs.
Pecas de fila de linho mnllo boas a 40 rs.
Pentes de laca muilo bonitos a 15.
Enfeites de laco de todas as cores a 15300.
Modas rom alfinetes franeezes a 20 rs.
Caixas com qnatro papis de agulhas imperiaes a
240 rs.
abneles de familia a 80, ICO e 320.
Caivetes de duas folhas muilo linos a 320.
Paree de sapatos de laa para meninos a 400 rs.
Sapatos de tranca fiara senhora e para homem, os
melhores que teni viudo, e por pceo muito barato:
rroem qulzer ver. venha ra do Queimado ns.
i'.i e 83, e nra ludo como i bom e barato.
Vende-se um carrinho americano de qualro
rodas em bom uso cun vanes e lauca para um
ou dous cavallus : na ra do Hospicio n. 20 so dir
(uem vende.
| Vende-se um cabriole!: no pateo do Parai-
zo n. 26. i
0 IVrfnitte da Jloda.
AGUA FLORIDA
De Murray Este aro quio delicado perfume
qnnsi epta iiiextintrnivel c tfo choio de
mimosa fragrancia c frescura como o
delicado clieini das pfoprins vetdccen-
tis urea. Durante os mezes caloren-
tus do verija o son uto torna-se minen-
teniente aprazivel o deacjavol em con-
gcqueiiciu da iiiHuencia retrijriraiite e
suave cjnc ella prdtiK sobre a pello:
em quanto tina usada no baldo ella
imparte >> carpo lnguido e caneado
\nna certa elastic.idade de vigor e turca.
E/la hiipati transparencia as f> \\
e remoce pannos, sardas e beitoejat dt
*.ubrc a ja fie.
o rati mm de Kf
PAEA OS CABELLOS,
K una preparaclo udiuiravel para liin-
por, at'ormosear, conservar e reetabcle-
cer os cabellos.
venda as boticas de Caors de Barboza,
ra da Cruz, e Joao da C. Bravo & C, ra
da Madre de Dos.
Atteoco
O dono da toja do Beija-flor, na ra do Queimado
n. 63, acaba de abrir um outro espacoso estabcle-
cimento de miudezas na mesma ra a. 69, por isso
avisa aos seus freguezes e amigos, que uestes dous
estabelecimentos encontrarn sempre grande sorti-
mento de miudezas, perfumaras e objectos de gos-
tos; e vender sempre mais barato que outro qoal-
quer, como abaixo so ver.
Piules dourados de Iravessa.
Delicados nenies dourados de travessa para me-
ninas a 15500 cada um, ditos sem ser dourados a
500 rs. cada um : as lojas do Beija-fJor, ra do
Queimado ns. 63 e 69.
Voluntas de aljofares.
Lindas voltinhas de aljofares com cruzes de pe-
d n h a s imitando a brillantes a <5 cada urna : as
lojas do Beija-flor, ra do Queimado ns. 63 e 69.
Lavas de Jouvio
Chegaram pelo ultimo vapor as desejadas luvas
de Jouvin de todas as cores, tanto para homens
como para senhoras : as lojas do Beija-flor, ra
do Queimado ns. 03 e 69.
Tlheres pan meninos.
Vendem-se tlheres de cabo de halaneo para me-
ninos a 280 rs. o talher : as lojas do" Beija-flor,
ra do Queimado ns. 63 e 69.
Colheres de metal principe,
i Vendera-se colheres de metal principa muito fi-
| as para sopa a 35600 e 45400 a duzia, ditas para
:' cha a 25 e 25400 a duzia, ditas para assucar a
; 500 rs. cada urna, ditas para terrina a 25 cada
urna, e so quem vende por estes precos as lojas
do Beija-flor, ra do Queimado us. 63 e 69.
Facas e jarte.
Vendem-se facas e garios oitavados a 25800 a
duzia, ditas cravadas, cabo prelo e branco a 35 a
duzia, ditas de bataneo de 1 bollo finas a 55200
ditas de 2 botoes muito finas a 65500 a duzia, ditas
de 1 bolao para doces e fructas a 55 a duzia, ditas
de 2 botoes a 55200 a duzia : as lojas do Beija-
flor, ra do Queimado ns. 63 e 69.
Tiras bordadas.
Vendem-se tiras bordadas, a peca a 15100, 15200
c 15300 : as lojas do Beija-flor, roa do Queimado
ns. 63 e 69.
Hallados bordados.
Vendem-sc babados bordados de varias larguras
a peca a 15600, 15800, 25, 25200 e 25400 : as
lojas do Beija-flor, ra do Queimado ns. 63 e 69.
Lindos sapatiuhos.
Vendem-se lindos sapatiuhos para baptisados de
(naneas a 15500 e 25 o par : as lojas do Beija-
flor, ra do Queimado ns. 63 e t-9.
Botoes para punhos.
Vendem-se botoezinhos demadreperolaedemar-
fim para punhos a 320 rs. o par, ditos encarnadi-
nhos a 120 rs. o par : as lojas do Beija-flor, roa
do Queimado ns. 63 e 69.
Filas para debrum de vestidos.
Vendem-se fitas de laa de todas as cores para
debrum de vestido a 900 rs. a peen, ditas pretas
de seda a 15100 a peca : as lojas do Beija-flor,
ra do Queimado ns. 63 e 69.
Filas brancas para debrum.
Vendem-se percas de lita branca de Ijnho para
debrum a 400 rs. a peca : as lojas do wrja-floi
na ra do Queimado ns. 63 e 69.
Iticas filas lanadas.
Vendem-se muito ricas filas lavradas para sinto
de senhora meninas : as lojas do Beija-flor, ra
do Queimado ns. 63 e 69.
Espedios de Jacaranda.
Vendem-se espelhos de columnas, de Jacaranda,
a :I5 e 15500 cada um, ditos de madeira amarella
a 2540U e 25800: as lojas do Beija-flor, na roa
do Queimado ns. 63 e 69.
Filas de velludo estrellas.
Vendem-se fitinhas estreitas de velludo para en-
feHe de vestido a 900, 15 e 15200 a peca : as lo-
jas do Beija-flor, ra do Queimado ns. 63 e 69.
Trancas de la para bordar.
Vendem-sc trancinhas de laa pretas para bor-
dar camisinhas e vestidos a80 e 160 rs. a peeinha,
ditas brancas com 40 varas a 600 rs. a pe^a, e ou-
tras muitas cousas que setornarao enfadonho men-
ciona-las, pois s com a vista se poder vero gran-
de soriiniento das lojas do Beija-flor, na ra do
Queimado ns. 63 e 69.
Carretas.
Riqnissimas carretas de madreperola pfoprias
para qualquer prsenle, pelo baratissirao preco de
155OO e 25.
Goliobas.
Folha do Flandres.
Grande sortimento de folha de Flandres: na ra
da Cadeia do Rccife 11. 56 A, loja de ferragens 1
Bastos.
Pe leas de eAres.
A loja da Aurora na ra larga do Rosario n.
38, recebeu sortimento de luvas de Jouvin de co-
res ebegadas pelo ultimo vapor asmis frescas
que tem chegado, tanto para homem como para
senhora, digo, muito piopnas para o baile que
lem de havur vespera de S. Joao; assim cuino tam-
bera renda lisa pecas de 10 varas a 400, 500 e
600 rs.
i RiVPE, HAPE.
m
Duailc lVreira v C com annazeui 2tt
de loucas. vidros, etc. etc., na ra do S
Crespo n. 10, aeabam de reeeber pelo ul- jIR
timo vapor a costumada c fresca pitada %
do prineeza de Petropolis, em libra neste g;
estabelecimento e a retalho : na ra lar- >?<
ga do Itosario 11. 38, loja da Aurora. %
>.
\ iiilm do Porto superior
em caixas de una e duas duzias : tem para ven-
der Antonio Lote de Oliveira Azevedo & C, no seu
1 oscriptorio ra da Cruz n. 1.
O Vigilante esla alerta, nao Ihe era permettido
deixar passar desapercebido sem que nao dsse o
seu canto afim de annunciar ao respeitavel publico
o grande sortimento degalantarias do melhor gosto
propriamente para qualquer mimo, que acaba de
chegar nesle ulnmo paquete, assim como rmiitos
outros objectos que recebe por diversos navios,
tanto de sua conta como de consignacao, que est
resolvido a vender por procos muilo baratos para
vender muito e ganbar pouco, e dar1 extracto ao
grande deposito que tem, que espera merecer a
proteccao do respeitavel publico, empregaado para
isso todas e as melhores diligencias para que fi-;
quem satisfeitos: isto s no Gallo Vigilante, ra |
do Crespo n. 7.
Ricas porta-joias.
Cofre de muito gosto por I65OOO1
Cestinhas transparentes, forradas de madre-
perola por 185000
Lindas jardineiras 105000:
Ricos cofres com camapheu 105000 1
Lindas caixinnas com pedras brancas 105000
Lindo balao com calnnga dentro lambem
para joias H500
Tambalier para ditas 95000
Cestinhas idem idem 65000
Cosmorama idem dem 65000
Urnaiinha 65690
S ao Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Ricos porta-bouquetcs de diversos gostos e pre-
ces : s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Ricos sintos
com bolcinhas ao lado a 10. 12 e 155, ditas sem
bolga, porm do mesmo gosto, a 25500, 35, 35500
e 45, ricas fivelas avulsas para sintos, o melhor
que se pode encontrar, a 15500, 25, 25500 e 35 :
s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Cabazes 011 cestinhas.
At que chegaram as desejadas cestinhas on ca-
bazes para as meninas trazerem ao braco, o mais
rico possivel, a 25500, 35500, 4, 5, 7 e 105 : s,
no Vigilante, rna do Crespo n. 7.
Pentes.
Neste artigo tem um grande sortimento. tanto
para alisar como para atar cabello, o mais lindo
que se pode desejar, assim como de arregacar ca-
bello, tanto de borracha como de tartaruga, com
enfeite e sem elle para meninas: s no Vigilante,
ra do Crespo n. 7.
Penles
Tambera chegaram os riquissimos penles de
concha de tartaruga e de massa lina, qae se vende
por 25, 3 e 55 : s no Vigilante, ra do Crespo
numero 7.
Lcques.
Rlqtussimos leques de madreperola, tanto para
senhora como para mocinhas, pelo barato preco de
12 e 145 : s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Mais legues.
Com pequeo deleito, loques de sndalo, por ba-
rato piveo, a 85 e 105, cbinezes, muilo bonitos,
lambem por barato preco de i e 55, bentarallas
muito bonitas tambem por barato preco de 4 e 55,
leques de charo tambem por 45, todo isto para
acabar, perdendo-se lalvez 80 0| : s no Vigilan-
te, ra do Crespo n. 7.
Pulsciras.
Lindas pulsciras de contas e de missaoga, cores
muilo lindas e de muito gosto a 15 e 15200.
Para segurar manpulos.
Tambem chegaram as liguinhas estreitinhas de
borracha que as senhoras tanto precisara para se-
gurar os manguitos por ser muito commodo mili-
to barato, a 320 o par: s no Vigilante, roa do
Crespo n. 7.
Sapatiuhos euirias de seda.
Riqu: irnos sapalinhos de seda e de merino en-
feitados, assim como meiaszinhas de seda, gorra-
zinlias e touquinhas para as criancinbas se bapli-
sarem : s no Vigitente. ra do Crespo 11. 7.
Yolliulias.
Lindas voltinhas deperolas falsas com cruzinhas
fingindo brillantes, assim como cruzinhas avulsas
e voltinhas, pelo barato preco de 15 e 15200, as
cruzes avulsas a 400 rs. : so no Vigilante, ra do
Crespo n. 7.
Rlquissimas goiinhas e manguitos, o melhor gos-
to possivel, a 25, 25300 e 35: s no Vigilante,
ra Enfeites para seuhora.
Riquissimos enfeiles com laijo e sem laco e de
outros muitos gostos a 15, 15^00 e 35 : s no Vi-
gialnte, ra do Crespo n. 7.
Trancelins.
Lidos Irancelins de cabello para relogio ou lu-
netas, pelo baralissimo preco de 15500, ditos de
retrpz a 200 rs.
Bab'dinlios eutrcnieios.
Riquissimos babadinhos entreineios com lindos
desenhos tapados e transparentes, pelo baratsimo
preco de 15200, 15500, 25 e 35: s no Vigilante.
ra do Crespo n. 7.
1 ;>(;! i-rilliiis.
Grande sortimento de cascarrilhas de dvenal
larguras, assim como galaozinho c tranciuhas pro-'
prias para enfeites : s no Vigilante, rna do Cres-
po a. 7.
litas
Grande sorlimento de filas de diversas larguras
e qualidade, por preces que admiram aos compra-
dores, havendo lilas largas proprias para sinteiros
que se pode vender a .100 rs. a vara, e peca de :t
varas a 25 : s no Vigilante, ra do Crespn. 7.
Fitas de la.
Pitas de laa de todas as qualidades, p'roprias para
debrum de vestido a 700 rs. a peca : s no Vigi-
lante, ra do Crespo n. 7.
Ricos espelhos,
Riquissimos espelhos com moldura dourada e
sem ella de 85, 10,12 c 145, assim como con co-
lumnas de dilTerentes tamanhos a 25, 3, 4. 5 e 65:
s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Lindos jarros e figuras.
Riquissimos jarros e figuras de porcelana fina
para en fe 1 te de sala, sendo o melhor gosto que aqu
tem apparecide : s no Vigilante.
Para pos de arroz.
Riquissimos vasos com bonera para pos de ar-
roz, consa de multo gosto a 15500 e 25, assim co-
mo facetes s-com os pos a 320 rs. cada um : s
no Vig lanle, ra do Crespo n. 7.
Pei'fuaiarlas.
Grande sortimento de extractos c banhas, poma-
das, assim como os lindos ropos eu vasos com dis-
tinctivos e ofTerecimentos s sinhazinhas, dos me-
mores e mais afamados autores de Paris c Ingla-
terra, assim como os grandes cepos de banna japo-
neza a 25 e a 15 ; assim como oulros objectos que
nSo possivel por hoje aOnunciar, e vista dos
freguezes se far lodo negocio : na loja do Gallo
Vigilante, rna do Crespn. 7.
oh, fin:i a voalade do comprador
Vende-se urna parte de terrrs da praprie la-
de Bernardo do lermo de Porto Calvo pcoainci 1
das Alagoas, a qual distada v||adcst' nome 3 le-
snas e da povoacao de Una (ultima estaeio da i i
frrea 8), a parte que se vende sullleiente pan
levantar-se nella um engenho : tratase na raa 11
Vigario n. II, primeiro andar.
Vende-se
me de furo superior em barrts e em ranadas
por menos do que em oulra qualquer parte: na
iravessa dos tuararapes n. 7.
Vende-se o engenho Brejo, silo na freg /.
de Bezerros, sendo d'agua, e toda a obra de p< Ir 1
con moilos terrenos, para todas as plant. .
quem o pretender, dirija-se ao mesmo, OD Bejia
prae.a as Cinco Ponas n. 05.
Gi'avata de seda :j20.
Prelas e de cores, prineeza preta de t palie
largura, com um pequeo toqne de mot M 8 r.
o cavado, pechineha para os Srs. aUaatea ; a 1 aa
da Madre de Dos n. 16. |
Feijao a 6^0007"
Vendem-se saceos com 22 cuias de foijao ola-
linho e rajado, pelo barat pre^o de 65, peehiocha
igual lempos nao apparece neste mercado, | 1-
lanto cheguem ao barato antes que se acabe : na
ra da Madre de Dos ns. 5 e 9.
Salitre refinado, superior qualidade, vinlio i-
deaux, differenles qualidades, mais barato que em
qualquer parte : no armazem de E. A. Hurle
u, ra da Cruz n. 48. ___________________
Farlnha de mandioca
ensacada e da melhor que ha : vende Miguel load
AI ves no seu escriptorio, casa n. 19 da ra da
juz____________________________________________
Cal de Lisboa e potassa da
Rnssla.
Vende-se na ra da Cadeia do Recife n. 26, para
onde se mudon o antigo e acreditado deposito da
mesma ra n. 12, ambos os gneros sao novos e
legtimos, e se vendem a preco mais barato do qua
aru tqualquer|parte.
Trina, volantes e gales.
Vende-se trina, volantes e galoes de todas as
larguras por presos muito barato: s no vigilante
ra do Crespo n. 7.
Vende-se urna casa na ra das Conquistas, na
Soledade n. 1 : a tratar na mesma.
Veade-se alpaca prrla a $00 rs. o covado.
Vende-se alpaca preta para vestidos a 500, 600,
700 e 800 rs., una de cordao a 800 rs. para pale-
tot, prineeza preta a 800 e 640 o covado, bombazi-
na preta fina a 15400 o covado, lazinhas preta
para senhora que estao de luto a 720 o covado :
na ruada imperatriz n. 56. A loja est alerta at
s 9 horas da imite.
Na ra de Apollo n. 32 ha um grande sorti-
mento de niarniore para ladrillio, sacadas, hom-
brewas e (legraos de 8, 9 c 10 palmos de corapri-
dq;e 2 112 di; largo, folhas de marmore proprias
para lampos de mesas o para tmulos, vasos gran-
des para jardim, ou para ornar tmulos, por pre-
cos muito razien eis
Farinlia de mandioca superior
em saceos grandes: vende Antonio Unta do Olivei-
ra Azevedo (k C, no seu escriptorio ra da Cruz
numero I.
ESCBAVOS FGIDOS.
ATTENQAO.
Est fgida a preta de nome Hathilde, crioula,
de idade, pouco mais 011 menos, 3 aneo, loado
os signaes seguintes : cor preta fechada, osa '
gafurina, tem um signal no rosto da parte estjuer-
da, imitando queimadura, baixa do corpo, p um
tanlo secca, levou comsigo um roupao de cainbraia
azul com um pafo na frente, e panno preto : pe-
de-se s autoridades policiaes on capitles de cam-
po de a appreheaderem c levar rna do SemVr
Bom Jess das Crionlas n. 30, que serio gi-nerosi-
mente recompensados.
Fugio de casa de seus senhores, 110 da I i do
correte, o escravo Izidro, crioulo, de idade 25 au-
no?, pouco' mais ou menos, estatura regular, cheio
do corpo, cor um pouco fula, cabellos carapinhos,
olhos pardos, beicos um pouco grossos, nariz n-gu-
lar, ps grandes e grossos bem desembarazado no
fallar, nao malcriado, levou calca do brim brin-
co, camisa de madapolo, chapeo de filtro ja usa-
do ; cujo escravo filho de Calisla Mana da Con-
ceicao, do Brejode Bananeiras, provincia da Para-
hiba do Norte ; veio em 1861 em pagamento para
os Srs. Guimares Alcoforado desta eidade, uii-
[ioe-se ter seguido para aquelle lugar : roga-se a
todas as autoridades e capitaes de campo a sua
apprehenso e leva-lo ao paleo da Santa Cruz 11
G. que serio generosamente recompencados.
RELOGIOS,
Vende-se em casa do Jolinslon Pater A
C ra do Vigario, n. 3. um bello sorti-
mento de rejogios de ouro patente in-
glez, de um dos mais afamados fabricantes
de Liverpool, e tambem urna variedade de
bonitos trancellins para os mesmos
ATTKNfAO
Acha-se fgido o escravo de nome Faustino, de
idade 40 airaos, pouco mais ou menos, cor fula, al-
ura regular, grosso do corpo, bem espadando, bar-
bado, e j com alguns cabellos blancos na barba,
bracos c pernas grossas e bastante cabelladas, leu-
do as pernas arqueadas, porm nao muito, C to-
ma andar era sambas, e as vezes embriagt-se
tante por gostar muito de beber : perianto rog.i-
se s autoridades policiaes desta e das provincias
limitrophes, (pie o facam apprehemler e leva-lo .1
seu senhoro major Antonio da Silva Gusmo, na
ra Imperial, assim como roga-se aos capHaes
campo a apprehenso do dilo escravo, que tert
bem gratificados. ^_^_^__
LISTA GE11AL
m a |a
DOS PREMIOS HA t). PARTE DA 1. LOTERA CONCEDIDA POR LE PROVINCIAL N. 408 A BENEFICIO DA ICHEJA DE NOSSA SENHORA DO ROSARIO DA EREGUEZIA DE S
40 1,1.' II'VIIII l\l.' 1 ,!,',
I
).
AMO ANTONIO DO RECIPE. EXTRAHIDA EM
3 DE JUNHO DE 1864.
NS. PttEMS. --------------------------------------- ......... NS. 1'KEMS.jNS. PBEMS.l-VS. PEMS. NS. I'IIKMS. NS. PHKMS. NS. PIIEMS. NS. PBEMS. NS. Pl'.EMS. S, PREMS. NS. Pl'.EMS. NS. PIIEMS. NS. PHEWS. NS. PAEMS. NS. PHKMS. NS. PIEMS. NS. PIIEMS. NS. PEMS. NS. PREMS..NS. PREMS.
4 105 157 105 itt 105 501 105' 608 105 803 105 940 105 1151 105 1325 105 1484 105 1662 205 1829 2008 105 2176 105 234 105 2504 105 2683 105 2883 105 3108 105 3287 105
8 59 -' 40 1 ** _ 70 7 ^_ 44 --- ti" il 91 65 205 30 1005 16 80 55 0 86 85 14 2005 91 ~~
10 205 fO II ] 7 ___1 71 8 _ 45 -_ 69 205 43 92 72 105 "31 105 17 82 57 10 87 205 88 16 105 92 ---
1" 105 61 34 ! 10 __ 75 _ 10 49 , j 74 105 44 n> 94 78 36 18 83 405 58 - 11 89 105 89 22 95 -
1 66 _ 55 12 81 13 52 __ 75 . 46 95 81 38 405 24 86 405 61 14 94 90 26 3302 ---
22 67 _ 56 13 83 205 14 61 2005 76 r- 47 97 83 '.:: 105 23 88 105 70 21 96 98 28 6 ~"
26 72 __ 68 _ 14 84 105 16 63 10.5 79 --- 50 20 1501 87 44 27 90 73 25 97 2904 -1 J1 10 ---
27 77 i 69 mt 16 _J 87 20 65 82 --- 58 105 10 405 89 i5 28 2200 76 26 2700 8 -j 34 2 " 17 -~"
:1 78 70 22 __ 94 205 23 68 _ 86 --- Gl 12 105 94 46 33 8 77 28 6 10 19 ""
:2 92 _ 72 24 tm 95 105 24 76 ^_ 89 __ 63 __ 17 _ 1700 30 1005 35 17 86 2005 31 9 11 i 2U* 20
33 >JH ^_ 75 26 _| 96 1 27 __ 83 92 205 65 19 _ 1 54 105 41 20 91 10,5 32 11 24 41 405 22 ---
203 mm 80 81 84 86 89 3 99 405 6 10 12 13 14 27 __1 ' 97 __ 28 205 84 40| 97 105 68 205 26 __ 9 52 42 22 98 34 10:0005 15 28 44 105 34 ---
.17 l t 32 ---' 701 ., 29 105 89 105 1201 71 105 32 11 53 45 405 24 2400 35 105 18 39 45 205 38 ---
40 7 --- 37 4 __ 34 99 4 74 205 35 205 17 61 46 105 26 2 39 19 42 51 105 39.
43 - 11 405 40 - 5 _ 35 1003 405 i 77 105 38 105 18 65 49 31 405 8 _ 44 20 43 52 40 mm
45 50 T 60 ti 62 15 16 105 43 45 _ 5 38 40 4 6 105 9 15 " 78 81 39 40 32 35 70 77 z 53 55 '33 42 105 12 13 45 47 __ 22 27 51 61 __ 64 66 43 47 ---
20 _ 48 10 1 45 _ 9 18 82 -12 36 79 56 47 17 _ 56 29 205 62 72 48 -T-
24 _ 61 _ u 1 48 10 _ 22 83 ^ 43 37 84 57 32 20 __ 63 32, 105 63 78 - 57
25 _ 66 12 _ 54 405 19 __ 23 85 44 38 88 ' 64 ' 37 21 65 35 64 76 - 67
65 27 1 70 __ 13 ^_ 55 105 24 205 25 405 99 57 y- 41 91 67 59 " ib 205 69 36 66 405 80 - 68
67 28 _ 78 --- 14 56 . 31 105 34 105 1403 61 45 93 68 205 60 32 105 72 37 80 105 81 70 ---
68 32 ^J 83 --- 1 57 34 __ 37 . 4-5 63 __ 53 93 69 105 63 34 76 39 85 85 405 78
70 35 ^ 86 _ 16 3 43 .^ 38 _ 64 54 96 79 2:0005 09 .35 _ 77 40 86 89 105 83
75 43 tm 16 87 18 _ 65 5005 44 40 9 mm 63 56 1900 81 105' 70 38 83 42 89 92 87 ~~
7 - 58 ^ 17 88 _ 22 67 105 47 205 43 10 ^. 69 62 1 94 - 71 40 _ 84 49 3003 93 - 91 ~
86 60 mm. 29 IOO5 90 --- 26 _ TO 50 105 44 12 __ 70 63 8 93 83 43 86 55 10 3203 - 99
89 62 . 30 105 95 _ 27 81 59 _L 45 16 _ 73 64 13 97 86 205 44 98 1005 63 205 12 4 3400 8 15 20 22 24
92 5005 63 31 37 40 52 97 --- 29 . 83 63 _ 47 1005 18 ... 77 - 67 405 14 99 87 w* 45 405 2600 105 73 1005 14 14
3 105 101 205 2 205 66 69 74 - 605 6 7 31 37 48 85 88 89 1 67 69 76 48 57 105 19 22 26 79 M 92 69 71 75 105 15 16 24 ^_ 2102 3 5 205 105 89 90 93 49 31 52 105 7 11 15 2801 3 7 8 11 15 16 105 17 1 22 24 34 35 2:0005 105 19 21 -28 29 1005 105
a 105 83 53 9 --- 52 92 78 62 28 93 76 30 ~"~ 8 95 ' 53 18 a_ 31 26 _
i 4 _ 58 _ 11 --- 58 98 80 3 32 94 78 31 205 9 - 99 55 19 "^ 34 31 205
7 - 85 _ 59 21 65 99 205 83 73 39 1600 --- 79 80 82 34 105 14 2303 58 20 25 26 33 35 40 405 44 mmt 36 - 32 105
8 - 87 M 6i 405 24 66 405 900 105 88 74 41 1005 2 --- 35 "* 19 4 62 ^ 22 105 46 ^^ 37. 1005 36
9 90 -_, fio 105 25 67 05 1 92 76 44 105 3 ^^ 37 22 7 "~ 63 205 105 405 105 16 48 42 105 40 mm
12 16 93 94 66 67 205 28 30 ~~ 70 * 4 6 __ % 1101 81 93 ~ 46 49 ^^ 4 7 _ 86 68 90 VI 33 27 28 14 1 20 23 26 27 28 405 66 67 70 75 205 31 34 405 49 56 1005 105 43 54 205 41 56
17 - 99 --- 71 105 32 205 77 9 2005 10 - 96 205 51 11 57 ^ 30 "* 41 105 39 105 59 5 105 57
20 - 901 72 33 10n 78 10 105 11 97 105 36 17 --- 94 6t ~ 32 79 80 81 55 43 ^^ 67 ^ 60 - 59 1 o_
?5 - 7 __ 75 35 __ 84 14 19 98 57 18 92 66 "" 30 56 47 ' _ 70 ^m 65 - 67 ^H
*' - 13 205 76 39 85 15 22 99 59 . 24 205 94 95 1804 10 H 13 25 ^^ p 74 75 82 87 88 98 2003 3 51 33 55 405 105 57 _ 50 76 75 - 70
30 - 1 14 105 78 45 88 18 25 1301 62 29 105 32 89 _ 63 mm 62 83 78 76
n - 16 --- 83 205 46 89 20 33 4 63 32 37 36 93 64 mm 63 84 79 -n 84
37 - 21 27 , 84 85 105 50 51 : 90 95 "" 24 27 ^~ 38 40 . 3 *^~ 65 74 20 105 38 48 201 101 61 65 39 40 95 96 205 105 69 78 64 66 80 90 81 -83 - 89 90
4! 7
45 7 - 34 37 to ^ 89 90 _ 52 53 96 801 205 31 33 405 105 45 48 205 19 105 20 -1 ** 7 79 t 83 20J 53 59 61 40J 10J 66 | 73 42 W 97 Is - 72 -1 82 :H v 84 S5 92 3500 2005 1
51 43 98 53 ^ 2 *a 39 ^* 49 Pero. =ryp. de Manoti Foueiroa de Paria & Hlho=im.
0 eso rivSo, Jos P edro das Nt tes
V



9
Mari* de JPe
basco NNiado 4e J.aho ale f *
LITTERATURA.
0 QUEVAE PELO MUNDO.
Em seguida damos o loxto da convengo
luida entre a Franca e o Mxico :
O governo do S. M. o imperador dos France-
o de S. ti. o imperador do Mxico, anima-
no- lie egaal tiesa}! de assegurar o rcstabdwimen-
'o da ordem no Mxico, e do consolidar o novo
resolvern regular por meio de urna
Ufio as condicoes de permanencia das tropas
franejzas aquello paiz, e nomearam seus pleni-
]ioteiiciaros para esse flm, a saber:
S. M. o imperador dos Francezcs, a Mr. Char-
les Francois EJuaVd Ilerbet, ministro plenipoten-
darlo de 1.a classfeAconselbeiro de estado, direc-
tor no ministerio dos\ negocios estrangeiros, gran-
de ofirial da ordem imperial da Legiao de Hon
ra, etc.
E S. M. o imperador do Mxico, Joaquim Ve-
iasqnez de Leao, scu ministro de estado, sem pas-
ta, exaude illeial da distincta ordem de Nossa Se-
ntida de Guadalupe, etc.
Os quaes depois de terem communicado os
seus plenos poderes, que encontraran! em boa e
devida forma, concordaram nos seguintes artigos :
< Art. 1." As tropas francezas que actualmente
e idiam no Mxico, serao roduzidas o mais bre-
ve possivel, a um 'corpo de 2S,000 horneas, com-
prclTendendo a legiao cstrangeira.
Este corpo, para garantir os interesses que
luotivaram situagao, permanecer temporaria-
mente no Mxico, segundo as condicoes reguladas
pelos artigos seguales :
Art. 2. As tropas francezas cvacuaro o M-
xico, proporgo que S. M. o imperador do Mexi-
i-o poder organisar as tropas necessarias para as
substituir.
nhaa, no pateo da uoiversidadc, para ali continna-
rem a demonstradlo a que deram principio baaT-
guns das.
Apenas se achavara punidos, ouviram-se gri-
tos contra o ministro e contra o regulameoto. A
estes gritos juotavam-se tambem violentas recrin) i-
nagoes contra o jornal Um Sold, onde liaba appa-
recido um artigo injurioso para os estudantes, e
que excitara os nimos.
> A cada momento se ouviam palavras da anea-
ra, dirigidas contra os que queriam insultar a mo-
cidade universitaria na interior do pateo, em que
se achatan. Os estudantes mostravam-se mesmo
dispostos a repellir qualquer ingerencia extrema,
armando-se com as pedras do pateo que havia sido
por elles descalcado.
c Felizmente aquellas ameacas nao chegaram a
levar-se a eeilo, porque emquanlo os estudantes
es'iveram no pateo, nlnguem foi envolver-se com
elles.
A estes primeiros pormenores ac rosee otaremos
que a preseuga do lenle, o deputado Boggio, nao
deixou de contribuir para tranquilisar os nimos.
Havendo-se dirigido para elles, foi s depois de
duas horas de perseveranga e de firmeza que con-
seguiu obter a promessa de que a reunio se dis-
solveria.
dissolver. Muitos estudantes exclamaram oesta oc- opposicao que ha de eacootrar este contrato,
cas.ao que nao Hatom a menor inlencae hostil, que mui,0 rasoavelmente na minha opmio, e talvez
nSo queriam fater mal a pessoa alguroa, e prose- quasi necessaria na actual situacao das finabas
guiram no caminho. Percorreram ppis a ra La
Grange em toda a saa extensao.
Tendo chegadoegreja]deS. Felippe, un dele-
gado da porfeitura, acompanhado de bersaglieri,
dirigiu-sc para o grupo, a de novo intimou os estu-
dantcs para so retiraren).
A ILB.l DE CRETA.
Recordaeoes de viagrni.
II
(Continuago,)
t Nesta occasiao, um cidadao, que nos dissera'm O* hitantes : turcos, gregos e sfakiotaa.A ilha
chamarse Mr. Perogio, nm dos lentes da universi- depois d guerra da independencia.
dade, fallou a mullido, e reeonhecendo que urna Ein mni^ dessas ilhas nao ha um s Turco, o
semelhante demonstrado no meio da cidade nao 1uando- no "'n de cada anno, ia o eapito-pach.
poda continuar, eonvidou os estudantes a separa- com a sua esquadra, fazer urna volla pelo Archipe-
sua origera. e o sentimen^p
1 i l -
rem-se, ou a dirigiremsc para a praca d'ar- e' eram os P"mazes gregos que am encontra-lo
mas.
Esta ultima proposta foi muito applaudda, e
todos os estudantes se apressaram a seguir o lente,
mas os-Jjersaglieri avancarara entao a marche-
marche.
Art. 3.- A legiao estrangeira ao servigo da
Franca, composla de 8,000 horneas, permanecer
linda por espago de seis annos no Mxico, fiados
os quaes todas as outras torcas francezas devera
Mr silo chamadas na conformidade do artigo 2.
A dalar de hoje, a dita legiao passar ao servigo,
e sold do governo mexicano.
O governo mexicano reservase a faculdade de
derrotar a durago do emprego no Mxico da le-
giao estrangeira.
Art. 4.' Os pontos do territorio que devem
ser oceupados pelas tropas francezas, assira como
as expedientes militares dessas tropas, se houverem
da ter lugar, sero determinados de commura ac-
cordo e directamente entre S. M. o imperador do
Mxico, e o commaodante em ebefe das torgas
i
ancezas.
Art. 5. Em todos os pootos onde a guaroigo
nao for exclusivameote de tropas mexcauas, o
commando militar ser entregue ae commandante
frasees.
No caso de expedigoes combinadas de tropas
francezas e mexicanas, o commando saperior des-
sas tropas pertencer egualmente ao commandan-
te francez.
Art. 6. Os commandantes francezes nao po-
dero intervir em nenhum ramo da adminlstraco.
Art. 7. Emquanlo as necessidades do corpo
d'exernto francez necessitarem de dous em dous
mezes um servigo de trausporte entre a Franga e o
pono de Vera-Cruz, as despezas desse servigo, fi-
ladas na somma de 400,000 francos por viagera
(ida e volla), serao supridas pelo governo mexica-
no e pagas no Mxico.
Art. 8. As estagoes navaes que a Franga
mantem as Antilhas e no Ocano Pacifico, man-
darao muitas vezes navios, para que a bandeira
frasete se veja no Mxico.
Art. 9. As despezas da expedigao franeeza ao
Mxico, que dnvcm ser satisfeitas pelo governo
mexicano, sao fixadas na somma de 270 milhoes,
por todo o lempo que durou esta expedigao at
1." de julho de 1864. Esta somma produzir um
juro na razio de 3 / ao anno.
Desde o I. de Julho, todas as despezas do exor-
dio mexicano, ficarao cargo do Mxico.
Art. 10. A indemnisagao que deve ser paga
Franca pelo governo mexicano, por despeza de
sidos, sustento e conservago das tropas do corpo
de exercito, desde o 1. de julho de 1864, Oca fixa-
da em 1,000 francos, por homem e por anuo.
Art. 11. O governo mexicano entregar in-
mediatamente ao governo francez a somma de 66
milhoes em ttulos~do emprestimo pela laxada
omisso, a saber : 54 milhoes em deduego da di-
vida mencionada no artigo 9 e 12 milhoes conta
das indemnisagOes devidas a Francezes em virtude
do artigo 14 da presente convenci.
Art. 12. Para pagamento do excesso das des-
pezas da guerra c para ajuste dos encargos men-
oonados nos artigos 7, 10 e 14, o governo mexi-
cano ohriga-se a pagar annualmento a Franga a
somma de 2."i milhoes em numerario. Esta quan-
a ser dcduzida : I. das sommas devidas em vlr-
tude dos ditos artigos 7 e 10; 2. da importancia
em juro e capital, da somma fixada no artigo 9 \
3., das indemnisagoes que se flearam a dever a
subditos francezes em virtude do artigo 14 e se-
guintes.
i Tendo Mr, Boggio afumado que nao era exac-
to ter a guarda nacional recebido ordem para em-
pregar a torga am de dissipar o ajuutamento, re-
bentaram entusisticas acclamagdes e unnimes
applausos.
t Mr. Boggio. quando eslava com os estudantes,
notou um iadividuo que os impellia desordem :
dirigiu-se a elle vivamcote e forgou o a retirar-se.
t Pouco depois os estudantes sairam para a ra
do Po, sem coratudo deixar de soltar gritos de ac-
clamago.
i Houve alguns que eoto propozeram que se
dirigissem ao escriptorio do joroal Um Saldo, para
obterem urna reparago da injuria feita ao corpo
dos estudantes; mas nao tendo esta proposta eu-
coutrado muitos adhereoles, resolveu a moona que
era preciso irem era primeiro lugar municipali-
dade onde se dizia que eslava era armas, desde pe-
la manha, urna companhia da guarda nacional
seguindo depois para o quartel dos bersaglieri que
se sabia estarem reunidos.
t Formarara-se as illeiras, era demonslracio
poz-se em movimento. Quaado chegaram praca
do pago, eucoolraram umacompauhia de soldados,
e foi enlo que se ouviram muitos gritos de viva o
exercito Tudo se descubri, repetindo este grito,
O mesmo acoatoceu em frente do palacio real, on-
de se gritou : viva e/-r'I Tomando pela ra Do-
ragrossa, os esludantes, seguidos naturalmente de
ura grande concurso de povo; dirigiram-se pan a
muoicipalidade, e entrando no segundo pateo, pas-
sarara em frente de urna companhia da guarda na-
cional, cujos soldados se mostravam muito admira-
dos de urna semelhante inspeccao.
Voltando roa Doragrossa, estudantes cami-
nharam para a ra della Crcala, em frente do no-
vo quartel dos bersaglieri, onde os applausos e as
acclamagoes ao exercito se Qzeram de novo ouvir.
Um estudante subiu entao ao parapeito do tos-
so aberto em frento do quartel, pediu a palavra e
instou com os estudantes, em nome da lei e da
dgnidade da corporagao, para que se dissolvessem
pacificamente : prevenindo-se todava, de que fl-
cavara todos convocados para as duas horas da
tarde se reunirem dante do palacio da universida-
de. afim do verlicarem urna nova demonstrago
em honra do deputado Boggio.
Assim terminou a primeira parte da demoas-
tragSo-, tudo se limitou a gestos, e a destraigo de
alguns nmeros do jornal Um Sold, de que se fez
auto de f.
Accrescentaremos tambem que esta manha
os esludantes dlziam que o decreto de suspensao
dos cursos tmha sido assgnado, e que de tarde se
esperava um decreto real mandando fechar a uni-
versidade em consequencia daquellas demonstra
goes.
Istosuccedeu entrada da praca de S. Car
los, entre o Caf Plemonte e o estabeecimento Ca
farel.
O salve-se quem poder foi geral- e nm gran
j em Paros e entregar-lhe o tributo ; em dutros, um
: ag, acompanhado de alguns soldados albanezes,
representava o snltao, e era encarregado do man.
ter a ordem, mas o pobre funecionario viva em
continuas afllicgoes.
Beferiram-me em Thasos que, amigamente, as-
sim que os vigas davam signal de avistar-se no ho-
risonte algum navio suspeito, o voyvoda (taes se
chamavam no norte do Archpelago esses governa
dores em pequea escala) tratavam logo de fugr
de numero de estudantes, surprehend.dos por esta T 7 k ^ l0g de fUgr
manobra repentina, cahiram sobre os prticos da J"^ ,p'a^s 1 ae^m mon.anhas da ilha;
praga, onde quatro delles oram presos Unindo esCndia,n;se nas raa,s ^nsas sombras at que des-
depois as fileiras, os bersaglieri dirigiram-se com aPParecese ,odo "^ de temor,
os seus presos para o lado da perfeitura, onde en-1 E,n algamas ilhas mais importantes, como Chy-
Irarara, deixando atraz de si um grande ajuntamen-1 pTe> Rhodes.- Metelin e Chio, certo numero de fam-
to, em frente da porta.
Ento o lente Peseglio sahla sobre o columello
de um candieiro da praga de S. Carlos e pediu a
palavra, consegrando persuadir a demonstrarlo da
necessidade de se dissolver, mas escolheu alguns
estudantes para o acorapanhar junto do ministro, a
cuja casa se dirigiu, afim de obter a liberdade dos
mancebos presos.
A companhia da guarda nacional, que j tinha
lias mulsumanas se tinham estabelecido em cidades
guardadas pela artilhana das fortalezas; mas a po-
pulagao agrcola e commerciante, dissemlnada
pelas aldeas do interior e pelas costas, era toda
christa. Havia somente duas ilhas, onde os Mul-
sumanos se aventuraran! sahir dos recintos forti-
ficados, espalhar-se pelos campos e habitar nas
aldeas : fallo de Euba e de Creta, de Negroponte
e de Canda como diziam os Italianos. E' que Cre-
ta e Euba eram, pelo menos em certos lugares,
sido vista na unlversidade, chegou deoois encer- n ,3,, Pe' menos em certos ln&ares-
rou-se cora os bersaglieri'no pTc'l "erfe" I S^^^X 5 "5""
em trfmla dn mial Mhki.il. 1- a L arvoreao, qne nao podiam deixar de at rah r os
em frente do qual a muludao arada se acha estaco- Turcos, esses indolentes contempladores, que que-
. .___c ,,,..,. rem tr co,hei,as 1ue nao Ihes custe mulla fadiga,
al2LE2 S""US mpre5SM qUC eS,3S,e depS d0 ,rabalh0' nas "or ^ repouso e medi-
desorden, produz.ram na cidade.. tagao, querera ser acalentados pelo frmito da fo-
Ihagem e o murmurio das aguas. Ao mesmo tcm-

De urna correspondencia de Turin extrahi-
mos o seguinte, em relagao a abertura do parla-
mento :
A cmara dos deputados vae reunir-se, ea
batalba parlamentar empenha-se desde logo. O mi-
nisterio est resolvido a nao recuar diante do ata-
que das seus adversarios.
Os jornaes que de ordinario manifestam o pen-
samento do governo, veem cheios de artigos sobre
a queslao romana, que disperta do seu profundo
somno.
A recente eofermdade do papa, e a eventuali-
dade da sua morte, susci tarara de novo, como or-
dem do dia, esta queslao, que certamente a mais
grave de todas as que se agitara no muodo.
Sente-se um certo escrpulo em reflexionar
sobre as consequeocias da morte de um pontfice,
a cujas virtudes pessoaes os seus proprios adversa-
rles prestam homenagera. Mas se as grandes func-
gdesteem os seus privilegios.colocam tambera aquel-
que as oceupam fra das regras ordinarias; e a
vacancia da Santa S sera um acontecimento to
eonsideravel, cujas consequenclas seria impossivel
diplomacia prever e alraprensa discutir. O con-
vencimento geral de que o slaru quo existir
emquanto Pi IX vi ver.
po essas ilhas eram tao vastas que os Mulsumanos
julgavam-se quasi tao seguros ah como no centl-
nente, e, portante, podiam dispersar-se em grupos
numerosos e compactos, sempro promptos para de-
tonderem-se uns aos oulros e para repellirem qual-
quer tentativa de desembarque.
Em condlg5es tao fav ora veis para os Mahometa-
nos, tudo concoma para que bem de pressa elles
fossem eslabelecer-se em Euba. Dessas planicies
thessalicas e beodas, onde em poucos annos se ti-
nham 0*Mo os primeiros conquistadores, bastava
um passo para galgar o estreito e achar-se na
ilha.
Por isso, logo que os Vcnezlanos, em 1470, per-
deram Negro-Ponte, repartiram toda a Euba em
proveito dos vencedores,era beoeficios militares ou
feudos.
Se os Venezianos lentassem qualquer ataque of-
feusivo, ou oulros inimgos ameagassem a ilha,
para alcangar o cominete, bastava atravessar a
pooto de Chalis, ou metter-se ora urna barca e re-
mar um pouco ; to estrello o Euripe, sao tao
mansas e to bellas as suas aguas azues, que nao
parece um brago de mar, mas sim um grande ro
Os mesmos que sao impacientes resignara-se isem corrente, ou antes de iovariavel corrente ; em
com esta especie de tregoa mas evidente que a Chalis, tem menos largura do que o Sena em
exaltago de um novo pontfice mudara completa- Pars.
mente a situago. A sjtuagSo de Creta djff sensve|raente da de
Nao acredito que se tenham trocado notas of- Euba E' de todas as ilha. ,.., .
ts eulte o zoverno h>Mi n .,. .,.; "" ae loaas M "nas reKa> a mais arreda-
da d continente, e tambem a mais solada, aquel-
a parte a memoria da
da sua nacionadade.
E' preciso pi^enher essa grande lacona da histo-
ria, e ligar ao glorioso paseado o presante eheie de
esperangas e de promessa?.
A tarefa difflc.l, e muitos elles se tem quebra-
do e perdido para sempre.
Para apantarr e reunir anda algnns, temos de
recorrer muitas vezes tradigao oral tal qual a
lem conservado os cantos populares ou a fiel me-
moria dos velnos, essas rivas ch roicas do passa-
do : mas essas recordagoes ser s vezes vagas e
mal alinhavadas : especialmente aos viajantes
europus que pediremos exactos promenores e pre-
cisas informagoes.
Aperar dos prejuizos de que abundam a maior
parte delles, apezar das preveng5es, que lhes inspi-
rava o schisma, alguns nao podem eximlr-se de
tomar interesse por esses desgragados, que tam-
bem tm o titulo de chnstaos ; relatam com mais
ou menos emogo e sympathla o que supportam e
soffrem esses miseros descendentes de um povo,
cojo nome fallou sempre a todas as ImaginagSes. Te'
remos, pois, de citar muitas vezes, Belon, Tourne-
fort, Prococke, Olivier e outros, que pisaram as
plagas de Creta em diflerentes pocas, e estes tes-
temunhos se completarlo com as revelagoes que
ouvimos ha poucos annos, da bocee dos Sfakiotas,
sentados, nas longas noutes do outomne, roda do
lar, snde as mulberes e as meninas lancavara gran-
des bragadas de sarmelito para inflaramar os
enormes toros de oliveiras, e os troncos de casla-
nheiros ou de cyprestcs.
(Continuar-se-ha.J
UM POUCO DE TUDO.
Do Jornal das Familias iranscrevemos o se-
guinte artigo do Sr. M. de Azevedo :
Art. 13. O governo mexicano entregar, no
Mxico no ultimo da do cada mez, ao pagador ge-
ral do exercito, o que dever para cobrir as drspe-
zas das tropas francezas que ficaram no Mxico,
na conformidade do artigo 10.
Art. 14. O governo mexicano obriga-se a in-
demnisar os subditos francezes dos prejuizos que
soffreram ndevidamente, e que motivaram a ex-
pedigao.
t Art. 15. I'ma comraisso mixta, composla de
tres Francezes o de tres Mexicanos, nomeados pe-
los seus respectivos governos, ha de rennir-se no
Mxico no praso de tres mezes para examinar e
regular essas reclamagdes.
Art. 16. Urna comraisso de revisao, compos-
ta de dous Francezes e de dous Mexicanos, da mes-
ma manera designados, residente em Pars, pro-
ceder liquidadlo definitiva das reclamagSes j
admiltidas pela commissao indicada no artigo pre-
cedente, e resolver sobre ellas, e a sua derisao
nao ter appellago.
Arl. 17. O governo francez pde em liberdade
todos os prisioneiros de guerra mexicanos logo que
o Imperador tiver entrado nos seus estados.
Art. 18. A presente convengo ser ratificada,
e as ratifleagoes serao trocadas o mais breve que
for possivel.
Feita no pago de Miramar, om 10 de abril de
1864.(Assgnado) :Herbet.Joaquim Velasgutz
de Leao.
O mesmo jornal a Italia diz tambem :
J disseraos que os estudantes se deviam reu-
nir s duas horas da tarde em frente da universi-
dade., Aquella hora vram-se concorrer de todos
os lados mancebos que se agrupavam junio da por-
ta de ferro que fecha o palacio do lado da ra do
P. A porta eslava fechada; Dxado na parede lia-
se um aviso do reitor da unlversidade, prohlblndo
toda a reunio, a qual seria ser immetliatamenie
dissolvida.
Os estudantes, nao renunciando dea de en-
trarem no pateo, dirigiram-se para a sua Zecca,
conseguindo, depois de alguns esforros, arrombar
a porta daquelle lado, penetrando na praga.
a Passada urna hora, o rufar do tambor annun-
ciava a chegada da guarda nacional.
Era, com effeito, urna companhia deste corpo
que vinha da muncipalidade. A um signal dado
todos os estudantes reunidos, ainda pacificamente
em frente da porta da universidade do lado da ra
Zecca, se precipitaram no pateo. Quande chegou
diante da porta a guarda nacional fez alto, no meio
dos mais vivos applausos da parte dos concurren-
tes. O commandante da companhia apparecea en-
to porta, de espada embainhada, e pediu para
fallar.
O silencio seguiu-se como por encanto ; o ca-
pilo. exprimindo-se em termos, cuja moderago
nao poderia deixar de louvar se, pediu aos estu-
dantes, como cidadao e como soldado, que pozes-
sem termo a um estado de cousas que a lei nao
poda por mais lempo tolerar. Confiando na boa
t educagao e no respeto pela ordem de todos os
t estudantes, pego-lhes, disse elle, queiram evacuar
o pateo da,unlversidade. Urna unnime sal-
va" de applausos acolheu estas dignas palavras, e
logo, os estudantes, em numero de uns quatrocen-
tos, comegaram a sahlr pacificamente para |a ra.
atase
liano.
Falla-se tambera de
que neate momento est desempenhando em Pa-
rs o general Menableu, ministro das obras publi-
cas ; mas nao tenho podido nformar-me com exac
tidio a respeilo do que ha na realidade sobre esta
missao.
Al agora tudo se Umita oficialmente a notas
sobre a repressodabrigandagem. O governo fran-
cez proraetuu o concurso efflcaz das tropas france-
zas para guardar a fronteira do reino de aples, e
tem mantido a sua promessa.
t O general Montebello tomou medidas para im-
pedir apassagem des bandos que vao e veem, e que
tinham feto dos estados da Russia urna especie
de
I !!PPcara onde,1eriam mais difflcnldade de transpor-
tar-se as familias turcas, pois para fazer esse tra-
jete deve-se contar sempre com alguos das de
viagera de mar, c os Turcos nao gostam de embar
car ; seria finalmente o lugar onde em caso de al-
gum assallo, elles se veriara obrigados a esperar os
socorros que Ihe enviassem os seus irmos de
trra firme, ficando expostos a recebe-los tarde.
Como se explica, pois, que se encontr tao gran-
de numero de Musulmanos em Creta, e que os ba-
ja de urna outra extremidade da ilha, nao s nas
cidades, como em aldeas chrlstas, nos districtos
do interior, mesmo no centro das altas monta-
nhas ?
praga de refugio.- A Franga pela sua parto
tem feilo esforgos para que as autoridades ponii- :peDdencia' os Mu_sulmanos tormavam muito maior
ficias concorram para a repressao da brigandagem ;
mas um concurso com que aqu se conta muito
pouco.
A Ihese que aqu sustentara os jornaes que,
no caso de vacancia da Santa S, sera o povo ro-
mano chamado a decidir da sua sorle. Como nao
conhego Roma, e nao gosto de fallar do que ignoro,
ser-me-hia impossivel dizer quaes sao as opinio^s
reaes dos Aomanos; parece-me comtudo certo que
a classe media partilha os sentimentos da materia
dos Italianos.
Quanto raassa do povo, a historia antiga diz-
nos que os seus sentimentos sao to movis como
I as agnas do mar, ea este respeto o capitulo da his-
ria moderna nao aprsenla no desmentido a histo-
ria antiga. Tudo depender do vente que soprar na
hora em que Pi IX fr chamado para um melhor
mundo.
Ha de ser urna hora solemne para a Italia. To-
dos os das se v sto mais claramente. O que se
pode dizer hoje, e que a questao romana se tem ir-
ritado com o tempo em vez de se tranquillisar. E'
como urna chaga cuja irrltagao se mantvesse pela
presso de um corpo extranho; a sua dr excess-
va de principio, exaspera-se sem cessar, at ao mo-
mento em que chega a crise e alguraas vezes a
morte.
O triumpho de Garibaldi ra Londres j pro-
Como que om Creta, antes da guerra da inde-
parte da populagao do que na ilha de Euba f
Nos primeiros annos deste secuto, segundo o
testemunhode diversos viajantes, metade dos habi-
tantes de Crea pertenciam ao islamismo, pelo me-
nos na apparencia e na profissao exterior. (1) Ha
ah urna anomala que se explica pela historia da
conquista e do dominio turco, pelo estudoda sita-
gao que ella creava aos subditos chrlstos; mas
onde achar-se essa historia e os dispersos tragos
desse quadro ?
duziu o resultado qne fcil prever ; agitou, at
certo ponto, o partido de aego.
As eleigoes que se verificarara no mez passado
tinham dado a materia ao partido moderado. Agora
*
A cidade de Turin viu ltimamente alterar
a ordem em consequencia das demonstrares da
parle dos estudantes contra um novo regulamento
da universidade, e contra o ministro do reino, d
quem tinha dimanado esse regulamento.
Sbreosles aconteclmentos, M-se na Italia o
seguinte:
Os estudantes reunirm-se de novo esta ma-
. ---------------r-- -- tiuiidiii u.iuud tiMiuua ao pumuu mouerauo. Agn
.-.I n- ra coraP|eto segmnwnto | reuniram-se cinco ou seis collegios e parecen de-
a esta sab.a resolugao, e em vez de se dissblverem I ver dar a vantagem aos candidatos da esquerda.
dnCrntnrriCnae,"eCf ^ dir'8ire"'-^ Para o Enlre estes collegios, preciso citar os de aples
domic.io do ministro da .nstrucgSo publica. e de Palermo. Conyra nao exagerar o alcance des-
O ajuutamento, agrupado de novo, tomou pela tes movimentos mas torna-se necessario nao os dls-
rua da Academia Albertina, seguido semtfre de simular.
um grande numero de curiosos, e segua para al Q ooe ha de mais importante saber o que
de S. Lzaro, d.aote da casa n. 32 que julgavam far o general quando regressar. Garibaldi vndo de
ser a morada de Mr. Amarl. E" intil dizer que Londres nao hade ser o Garibaldt vindo de As-
em todo este longo trajelo nao cessaram os gr.los: promonte. Mas at* este momento, nada deixa te-
e assobios eque esses gritos eassobios augmenta-: mer que elle se deixe arraslar num caminho pe-
ra quando o grupo chegou a indicada casa. | rigoso para a grande causa a que deve as acclaraa-
Logo depois souberam os estudantes que se ti-'5es ,ne na acll>aldade est recebendo.
nham engaado, e que Mr. Amarl morava em n.
34 da ra fterge Nuovo. Gorreram para ali, e
9 novo imperador do Mxico aindanonotificon
a sua, exaltago ao ral da Italia. Nao se sabe mesmo
-----. -----------~.>w suachegad os gritos e assobios augmentaran. (*uaes sao as suas instruegoes a este respeto. Com-
pnneirlomvalmnnfa nrphunHa.ca mil <4n..n *...- -___. .
consideravlmente.
A demonstrago segnlu depois pela roa da
Academia, e pela do Hospital. Nesta ultima perce-
beu que vinha sobre ella um destacamento de ber-
saglieri, seguido de ura grande numero de agentes
de polica.
-l Ainda que esta apparigao lhes nao agradasse
muito, os estodanies suspendern, o passo e rece-
beram os bersaglieri eom applausos. Ocapltp com-
mandante do destacamento fez entao soar por tres
vezes o ciarla, para lhes Intimar a ordem de se
prehende-se qual deve ser o embarago do novo im
perador, collocado 'entre as affeipSes de familia, e
os seus novos deveres de soberano pela grara do
povo, e tambem da Franga at certo ponte.
Quanto ao governo italiano, est prompto a
reconheeer Maximiliano, mas a sua dlgmdade nao
Ihe permute tomara iniciativa. Tudo quanto se diz
sobre a escolha de um embaixador para o Mxico
pois prematuro.
A venda dos camiouos de ferro do estado a
casa Rothschild, est quasi ultimada; mas posso
confirmar agora tudo quanto tenho escripto sobre
Esbarra-se em urna seria difDculdadeque encon-
tra diantede si todo aquelle que com um s olhar
quer abranger os deslinos da raga grega, e acom-
panhar at os nossos dias, atravs de todas as po-
cas, o seu genio vivo e indomavel.
Durante os trezentos annos e mais que decorre-
ram entre a conquista tarca e o despertar da Gre-
cia, em fins do secute passado, os christos do
Oriente, por assim dizer, nao tem historia.
Sem existencia nacional, submeltidos a urna du-
ra e caprichosa oppresso, privados de ludo o que
constitue os encantos da vida, e alm de tudo ten-
do cnido em urna profunda ignorancia, nao que-
rendo lembrar-se do passado, envergonhados c
desesperados do presente, nao podendo ainda con-
tar muito com o futuro, que memorias poderiam
confiar ao papel ? que interesse apresentanam a
elles mesraos ou aos estrangeiros a narragao mo-
nologa de suas miserias, de suas humilhagdes, dos
opprobrios que Ihesjprodigalsava o insolente e fan-
tico orgulho de seus dominadores ?
Apenas alguns conventos, algumas egrejas, como
as de Janlua e de Constantinopla, conservam ri-
das chronicas, onde nao se encontram seno tongas
listas de nomes e de datas, a serie dos hygoume-
nos dos bispos e dos patriarchas ; quanto a prome-
nores sobre p estado das pessoas o das trras, sobre
o que senliam epensavam essas massas silenciosas
e curvadas sob o jugo, nada disso se encentra nes-
ses magros e pobres annaes.
imperio turco tinha seus hisloriographos offl
piaes, dos quaes parece que alguns eram horaens
de verdadeiro mrito, a julgar pela obra de M. de
llammer, tirada quasi nicamente de fume orien-
taes ; mas por ventura esses altivos Musulmanos
dignavam-se importar-se com a condigao desses
ghiaours, desses raas, desses subditos christos,
que elles despresavam e detestavain ?
Durante esses tres secutes,os chrlstos, particu-
larmente os Gregos forano vivando e durando ape-
zar de tudo ; oppuzeram conquista urna resis-
tencia passiva, mas infatigavel, conservando a sua
religio, era multes lugares o seu idioma, era toda
(1) Um viajante francos,' Olivier, que leve occa-
siao de examinar os registros que servem para a
irrecadagp do haratch, calculen que era 179o, a
populagao da ilha era de 2,040 habitantes, dos
quaes uns 110 mil eram Musulmanos. A' vista de
outros dados, inclino-rae a crer que esses nmeros
eram um pouco exagerados.
a astuta.
A mulher o encanto da vida, a esperanga da
existencia, o anjo da ventura, a divindade do
mundo.
A mulher o ente que nos d as illusoes, a
santa qne tem por altar o coragao de todos; o
anjo que nos faz sonhar na primavera da vida.
A mulher torna a nossa imaginago viva, o nos-
so coragao puro, a nossa alma christa; ella
i|uem guia o homem s accoes generosas, o solda-
do ao herosmo, o sabio posteridade, o phyloso-
pho Deus.
A mulher a locomotiva intellectual da natu-
reza.
A mulher a estrella da creago, a flor da for-
mosura, a estatua de encantos, poesa do mundo'
Na mulher ha a delicadeza das formas c a bel-
leza do semblante. Deus quiz formar a mulher to
formosa para ser o typo da creago.
Alguns novos embrutecidos no barbarismo e
despidos de civilisago teem desprezado a mulher.
Na Chiaa ella cscrava : o marido a compra e a
pode matar. No Japo est sujeita completo des-
prezo. No centro da Asia vendida como qual-
quer mercadoria. Em toda a frica desprezada,
e na Nubia severamente castigada se ousa ser-
vir-se do cachimbo do seu marido.
Alguns philosophos teem dito heresias da mu-
lher. Secundo disse : A mulher tempestade da
casa, estorvo do descango, naufragio do homem e
leoa que afaga. Muitos outros destes teem sido
hincados contra a mulher ; mas pergunlae esses
crticos que assim fallam das mulheres, e elles vos
daro a resposta do raarquez de Moliere : teslaveis, porque se detestaveis.
Entre os povos cultos a mulher tem toda pre-
ponderancia, e representa na familia, na socieda-
de, na litteratura e nas artes ; por Isso tem appa-
recido urna Stal, Sevign, Jorge Sand, Girardin,
e outras muitas.
E divina a misso da mulher : nos planta a f
na alma e a virtude no coragao. E' o primeiro 11-
vro santo que o menino estuda : nos conselhos de
sua mo bebe a moral de Deus, os principios da
religio.
A mulher o anjo que terna a vida do homem
bella, rheia de prazeres e de amor, que nos sorri
na juventude, que nos consola na veihce, que nos
acompanha nas venturas e no3 anima nas des-
g ragas.
A mulher o ente quem podemos chamar
nossa inae... e nossa ma a alma da nossa vi-
da, o coragao do nosso peilo, a santa da nossa exis-
tencia ; nossa me quem nos ensina os risos na
nfancia, quem nos amamenla ; quem primeiro
enxuga nossas lagrimas, quem nos d as primei-
ras palavras e as primeiras caricias; nossa me ;
a nossa mestra desde o berro, nossa amiga na ju-
ventude, nossa irmaa na desgraga ; o ente que
chora quando choramos, que se alegra com os
nossos risos; a consolaeo da nossa vida, o ente
que tem sempre um coragao para nos dar, urna al-
ma que s do seu filho ; nossa mae o nosso
DeUs no mundo.
mulher rene em si todos os sentimentos da
I Ai !.... e entretanto
Nao te lembras a>e extremoso
Amo-te tanto 1
Se toco da lyra as cardas,
E's a minha raspirago :
Se canto, sao os leus mimos
Sempre o thenpa da cango :
Al! ... e entretanto
Nao te lembras que extremoso
Amo-te tanto f
Se descoranj rainhas naces.
Tenho saudades de ti ;
Se coram depois n son has,
E' porque teu rosto eu vi :
Ai I... e entretanto
N3o te lembras que extremoso
Amo-te tanto !
Se leda vejo a natura,
E" porque leda sorris;
Se triste porque tu' choras
Sou entaa muito infeliz :
Ai I... e entretanto
Nao te lembras que extremoso
Amo-te tanto !
Se vivo, que anda espero
Teu affecto merecer;
So ingrata fres... tem pena
Vendo o teu bardo morrer :
Ai !... e entretanto
-Nao te lembras que axtremoso
Amo-te tanto *
Vem pois, virgem qaerida
Ao lado do teu cantor.
Venturosa, entre as delicias,
Ouvir meus cantos d'araor...
Ai I... e entretanto
Tu1 nio vens... Escuta, virgem :
Amo-te tanto I
Da Estrella do Norte transcrevemos o segrate
artigo do Sr. Joaquim J. C Queiroz :
O HOMEM CONSIDERADO EM SIA CRKACO E aTbON-
DADES DE DEIS PARA COM BU.B.
Assim como a sociedade para seu explendor e
perfeigao exige um superior ou um re que a re-
presente, assim a natureza seria imperfeita se nao
tvesse sua frente um ente que compendiasse to-
dos os primores e bellezas della.
E qual foi o ente escolhido por Deas para ter a
honra de ser collocado sobre este throno magni-
fleo f
O homem, sua ereatnra predilecta, a quem Elle,
pelos dons preciosissimos com que o dotou, dis-
tingui de todos os outros animaes, a abaixo do
qual est tudo quanto a natureza tem de mais bel-
lo e precioso.
Depois de havor apparelhado ura rico jardim,
esmaltado de urna quanldade mmensa de flores,
e assorabrado dearvores fructferas, depois de ha-
ver feilo por assim dizer um sumptnoso palacio,
o Omnipotente apoderando-se de nm bolo de bar-
ro, e insuflando sobre elle um sopro vivificante,
creou o rei da natureza, e collocou-o no lugar que
Ihe havia destinado, dando-lhe a permissao de co-
mer dos fructos daquellas arvores, excepte dos da
arvore da sciencia do bem e do mal.
Dcsgragadamente Ado juntamente com sua mu-
lher abusaram das loeffavels bondades do seu
Creador, que lhes apparecendo fez com qne con-
fessassem o seu rrime, e expulsou-o do paraso
por indignos de hahitarem-no.
Quo felizes e ditosos eram os nossos primeiros
paes no paraso I
Isentos de todas as afllicgoes e trabalhos goza-
vara elles de urna vida toda cheia de encantos, do-
tados de santidade, dejustiga e de immorlalidade ;
adorando ao seu Creador, e contemplando pasma-
dos o seu Ilimitado e mcomprehensivel poder.
difliril de acreditar-se primeira vista que urna
tal felcidade fosse interrompida c cortada por
urna cataslrophc to funesta I
Infeliz delles e de nos se o Altisslrao nao fosse
laocheio de misericordia.... Elle bem podia ex-
terminar o homem feito por suas mos e sna se-
melhanca no momento em que este transgredi a
sua le.
Porm nao o quiz !
Ao contrario fe-loconheeer o seu crme debaixo
de todo o amor, e afim de dar-lhe um lenitivo ao
coragao quejazia mergulhado nos abysmos da tris-
teza, Ihe prometteu a viada de um Redempter ;
promessa to consoladora que pode estancar o
pranto que corra de seus olhos depois que perde-
r a morada deliciosa e encantadora que Deus Ihe
havia offerecido.
vida ; nella se acha a moral da creago; parte
della a civilisago do mundo ; ella quem educa
as intelligoncias. Lamartine disse : O que sou,
devoo minha m.'i. Cuvier assevera que sua
me quem o tornara sabio. Kant dizia que com
sua me aprender a philosophia pura e christa.
Comprehenda o homem bem a mulher, e ver
nessa que Ihe d o ser e a vida o ente destinado
para Ihe dar a felcidade. a virtude, a sciencia e a
gloria.
E' do Sr. Juvenal Galeno esta poesa :
Asno-te tanto r
CANCAO
Amo-te tanto I E' mmensa,
E' pura minha affcigo ;
Tu' vives dentro em minh'alraa,
Reinas no meu coragao :
Al!... e entretanto
Nao te lembras que extremoso
Amo-te tanto I
Se durmo, tu' es mcu sonho,
O meu constante sonhar ;
Se velo, s em ti pens,
E's o meu doce scsmar ;
Ai I... e entretanto
Nao te lembras que extremoso
Amo-te tanto !
Se o riso me enfeita os labios,
Ai 1. devo-te o meu sorrir j
Seo pranto me orvalha as faces,
Eis a causa do meu carpir :
Ai I... e entretanto
Nao te lembras que extremoso
Arao-te lauto I
Se calmo me torno s vezes,
Al I devo-ta o repousar ;'
Se a febre me queima a fronte,
E's causa do meu penar.
Ai I... e entretanto
Xo te lembras que extremoso
Amo-te tanto!
Se deliro, 0 teu despreso
Que me leva a delirar;
Se genio... tem piedade...
Sao zelos do teu olhar :
Bem podamos nos hoje nao estar sujeitos a tan-
tos trabalbos fadigas, e gozando de urna immor-
lalidade completa ; porm, oh erro deploravel I o
primeiro homem deu mais crdito s palavras da
serpente do que s de Deus, fechou os olhos infi-
nita bondade e ao preceito que Ihe foi imposto,
preferindo assim o caminho das trevas e da des-
grara aquelle pelo qual se vae ao reino de Deus.
Que exemplo maravlhoso vemos na creago do
primeiro homem I .'
E serados o tivessem sempre em vista em suas
acedes quanto niio seriam felizes 1
Como revelado neste facto to pathelico quan-
to notavel o amor que Deus consagra a todos o*
seus filhos !
Ecom que intento permittiu Elle que se desse
este faci I Por ventura nao sera cora o de incluir
no coraco da humanidade o odio para o mal e o
amor para o bem ?
Porm, ingratos filhos I que pela maior parte fe-
chara os olhos s bondades do um pae to extre-
moso, esquecidos do fim para que foram creados,
julgando que acharara a felcidade era suas des-
[umbrosas ambiges, coatentando vaas e Ilusorias
paixoes 1
Ah se elles comprehendessera seu destino I De
certo fugiriam de todo o mal, o nao se ternariam
vis escravos do peccado. *
Filhos de Ado, que herdamos e possoimos des-
de a uossa origem tantos e to preciosos ben.- e
dons, desterremos do coragao todo e qualquer in-
diferentismo e desprezo com que possamos tratar
o nosso Creador, de quera os recebemos, assim
como para com os nossos semelhantes, a quera de-
vemos amar, como nossos irmos.
Envidemos os maiores esforgos afim de reparar-
raos tudo o que temos pilleado em quebramento
dos santos preceites do Auter da nossa existencia,
procuremos retribuir bem todas as riquezas e be-
neficios que Elle sobre nos nao cessa do derramar,
nao usando dallas seno como Elle quer e nos
manda : gloriflquemo-lo, correspondamos sempre
com vehemencia e a mais jutlente dedicagao
seus designios; n'uma palavra comprehendamos
bem o nosso destino, que sempre seremos felizes,
amados e abengoados por Elle.
PERNAMBl'CO.-TYP. DE M. P. DE F. & FILHO


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E8NLOR6HY_OTNJLJ INGEST_TIME 2013-08-27T23:52:29Z PACKAGE AA00011611_10400
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES