Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10389


This item is only available as the following downloads:


Full Text
.
AMO XL. HOMERO 133.
Por tres mezes adiutados 5|O00
Par tres mezes vencidas 6J000
Porte ao correio aar tres mezes. 0750
,inajt r-V tia% 52 1
mia> vNa
SABB1B0 II DE JOMO DE 1864.
Par ana adiantado.....49J00O
Parle *> earreia por uh aun. 3f 000
DIARIO DE PERNAMBUGO.
BNCARR8GAD0S DA SUBSCRIPCAO NO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima'
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Aracaty,
Sr.A. de Lemos Braga; Cear. o Sr. J. Josd8
Oliveira; Maranho, o Sr. Joaquim Marques Ro"
drigues; Para, os Srs. Manoel Pinheiro & C; A-
nuzonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
KNCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO NO SUL.
Alagdas, o Sr. Claudino Falrao Dias; Babia, o
jr. Jos Martins Alves; Rio de Janeiro, os Srs. Pe-
cera Martins & Gasparino.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo e Escada todos os dias.
Iguarassu', Goyanna e Parahyba as segundas e
sextas-feiras.
Santo Antao, Gravat, Bezerros, Bonito, Caruaru',
Altinho e Garanhuns as tercas feiras.
Pao d'Albo, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqueira,
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Tacaratu', Cabrob,
Boa Vista, Ouricury e Exu" as quartas feiras.
Sennhaem, Rio Formoso, Taraandar, Una, Barrei-
ros, Agua Preta e Pimenteiras as quintas feiras.
liba de Fernando todas as vezes que para ali sabir
navio.
Todos os estafetas partem ao Va dia.
EPBBMERIDES DO MEZ DE JIMIO.
4 La nova as 9 h., 20 m. 20 s. da m.
12 Quarto cresc. as 9 h., 27 m. e 26 s. da m.
19 La cbeia as 8 h., 34 m. e 20 s. da t.
26 Quarto ming. as 11 b., 53 m. e 3 s. da m.
PREAMAR DE HOJB.
Primeira as 9 horas e 18 minutos da manba.
Segunda as 9 horas e 42 minutos da tarde.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEMOS.
Para o sul at Alagoas a 5 e 25; para o norte at
^Granjaa 7 e 22 de cada mez; para Fernando nos
das 14 dos mezes dejan, marc., maio. jul, set enov.
PARTIDA DOS MNIBUS.
o ,,.? Recie : do Apipncos as 6 V, 7. 7 /z, 8 e
8 Vi .; de Olinda as 8 da m. e 6 da tarde; de
Jaboatao as 6 y, dam.; do Caxang e Varzea s 7
da o.; ue Bemfica s 8 da m.
Do Recito : para o Apipucos s 3 >/,, 4, 4 A, 4 /fc
' *.'-*' x ll e 6 da torde; Para Olinda s 7 da
inauhaa e 4'/da tarde: para Jaboatao s 4 da tar-
de ; para Cachang e Varzea s 4 /, da tarde; para
Bemncaas4datarde.
AUDIENCIA D03 TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal docommercio: segundas o quintas.
Relacao: tercas e sabbados s 10 horas.
Fazenda: quintas s 10 horas.
Juizo do commercio: segundas s 11 horas.
Dito de orphaos: tercas sextas as 10-horas.
Primeira vara do civel: tercas e sextas ao meio
dia.
Segunda vara do civel: quartas sabbados- a 1 hora
da tarde
DIAS DA SEMANA.
6. Segunda. S. Norberto b.; S. Eustorgio b.
7. Terca. S. Roberto ab.; S. Licario diar. m.
8. Quarta. S. Maximiano ab. S. Gildardo b.
9. Quinta. S. Pelagia v.; S. Primo m.
10. Sexta. S. Margarida r.; S. Getulio m.
11. Sabbado. S. Barnab ap.; S. Feliz m.
12. Domingo. S. Joo de S. Facundo S. Guido
ASSIGNA-SB
no Recite, em a livrara da praca da Independen* i i
ns. 6 e 8, dos proprietarios Manoel Figueiroa d
Fari & Fimo.
gulos da mesma freguezia, se conservem ellas em
descanso em tal ponto, quando devem percorrer as
ras corapreheodidas na desiguaeo que Ihe
feita.
Recito
2Si calSar. CXet0 P0' eSUr 8,ffrePd.? ns s Podramos enconira-los no exame das di-1 Foi nomeado subdelegado de Maracahipe em Duarte Antonio Serra, Portugal, 49 annos, casado,
de dardos syphiliticos; assim o commuinco a V. i
S. para seu conhecimento e direccao.
Dito ao inspector do arsenal de raarinha.Pode i
V. S. mandar regressar para o servico do semina-
rio episcopal o Africano livre Amancio, que se
acha nesse arsenal, conforme solicitou o respectivo
reitor em officio de 28 de maio ultimo, sobre que
PARTE QFFICIAL
GOVKMO DA PR0YIM1A.
Espediente de dia 8 de junho de 186 i.
Ofllcio ao brigadeiro commandante das armas.
Sirva-se V. Exc. de mandar abrir assentameato de
pracas aos recrutas, Nicolao Senhorinho Bezerra,
Dionisio Jos Antonio de Lima, Jos Albino dos
Santos, Sergio Arruda de Miranda e Joo Pereira
da Silva, que foram considerados aptos para o ser-
vico do exercito em inspeceo de sade, como V.
Exc. declarou em seu officio n. 1,022 de 7 do cor-
rente Communicou-se ao lenenle-coronel recru-
tador.
Dito ao mesmo.Sirva-se V. Exe. de mandar'res, vantagens oflereceram a'fazenda publica, con-
pr em liberdade, o recruta Francisco Martins da! forme declara V. S. em ditos offlcios, que Acara as-
versas questes que enunciamos no nosso prece- lpojoca o Sr. Pedro Pinto de Miranda, sendo exo
' 55 art8- | nerado por propria solicitacao o Sr. alferes Manoel
Digamos algumas palavras sobro cada urna deltas, Erasmo de Carvalho Moura.
e comparemos os seus resultados com os que nos | Convm que o servico de rondas pelas pa-
podenara dar tambem as estradas do norte. : irulhas nao se restrinja smente s calcadas da
Poder-se-ha dizer que e prefervel o prolonga- ireja matriz da freguezia, dando assim lugar a que,
ment da estrada de ferro do sul at as cabeceiras emouanto se commettem crimes em diferentes an-
>ersa a intormacao de V. S. do Io do corrente sob do S. Francisco, com o sacrificio das linhas do nor-
n. 685.Communicou-se ao reitor do seminario. te ? Acreditamos que nao.
Dito ao director das obras militares.Approvo os Qualquer que seja a importancia da grandiosa
contratos que, segundo os seus offlcios de 21 de empresa de D. Pedro n, jamis poder ella preen-
abril uUimo sob ns, 37 e 39, celebrou V. S. com cher a sua misio sem que eslenda um dos seus I Chamamos a attencoda competente autoridade,! Benigno, Pernambuco,
Fredenco Skiner e tose Pereira Alcntara do O, bracos as linhas do norte, e que estas se internem pois, para semelhante coslume por seus effeitos i vulsoes.
este para a execucao da caiadura e pintura de hos- pelas provincias, para, por meio da navegaco do dtanosos.
pital militar pela quantia de 3205, e aquello para S. Francisco, ligarem-se quelle poderoso tronco : No dia 13 do corrente tem lu o do lageamento da cosinha do mesmo hospital pela ahi est o flm comraum da unio, a necessidade de ciio do rendimento dos chafarizes e bicas da Com-
de 440,5 visto seremesses os proponentes que maio- que prosigam igualmente as tres linhas. paonia de Beberibe, sendo por espaco de
Cada urna destas tem por sua parte interesses auno.
secundarios e locaes qne convm tambem satis- Remettem-nos o seguinte
um
sim respondidos -Communicou-se ao inspector da fazer. Sr. redactor da Revista Diaria. A cmara
thesourana de fazenda. Se a estrada de D. Pedro II, partindo da edrte do municipal ha contratado a factura de um atierro
Dito ao director do arsenal de guerra.Sendo ex- imperio, centro do grande mercado brasileiro, es- no becco do Quiabo, freguezia dos Afogados, in-
pres^amente prohibido o transporte de objectos de tende os seus carril pelo interior das ricas provin- clusive urna bomba. Ora de urgente necessi-
municao nos paquetes da companhia Brasileira, cias do Rio de Janeiro e Minas, desenvolvendo a dade o referido aterro serventa publica ; porm
nao pode ter lugar a remessa para o Maranho das cultura dos seus immensos productos agrcolas, o a bomba pode ser procurada, pois nella nao en
co de 4 do corrente sob
es
K M*Gl'BIIM DA LOLCA.
V
Como j disse no principio desla historia, eu
narro e nao invento; por isso nao so admire a bel-
vr apparecer um personagem, que
" VAvsu do qcacbamos de expor, esperamos I '^ZtST^iSJTm $& se^la
capsulas fulminantes, que sedestinam aquella pro- augmento da riqueza mineral, animando o trabalho, chergamos outro flm de utilidade alm de condu- i, ieitora de
t'QCHa'*Cn 'erabra V. S. no final do seu offl- plantando a actividade em todos os ramos da in- nr agua para viveiros. Com o andar
tura do algodo e a criacao do gado por si re- com aquella bomba poderao ser applicados em bo-
illioramentos da ordem do que proje- neflcio de outras necessidades mais urgentes.!
No da o do passado o Rvm. padre Herculano
Silva, visto ter sdojulgado incapaz doexercito.se
gundo consta do officio de V. Exc. de 7 do corren-
te, sob n. 1,028.
Dito ao mesmrPode V. Exc. mandar passar
escusa do servico ao soldado da companhia de ca-
vallaria Jos Domingues dos Santos, aceitando em
seu lugar o paisano Joo Flix da Costa que se pro-
poe a servir por elle o tempo que falta completar
Ale sua prara, nma vez que este foi Considerado
apto para isso em inspeceo de sade, e aquelle se
acha comprehenddo nos termos do regulamento j de
de 28 de setembro de 1839, conforme declara V. I no
Exc._ em sua informagao de hontera datada, sob n.' Exm. presidente daquella provincia.
1.&25. Dito ao commandante superior interino da guar-
Dito ao mesmo.Alm dos cinco recrutas de que! da nacional de Cabrob.Pelas faltas de que tra- tamos,
trata o meu officio desta data, queira.V. Exc. man-1 tam os offlcios desse commando superior datados | Se verdade que era sua maior parte a estrada' jS de Yrilo celebrou ia do Rosario, era
dar alistar nos corpos emguarnicao nesta provm-, de 4 de margo e 4 de maio ltimos est o tenente- projectada da Bahia atravessa longos e esteris Santo Anto, urna missa pelo repouso do nosso fai-
cia, se orem considerados aptos para isso era ios- coronel do batalhao o. 49 de infamara da guarda' areiaes para chegar ao S. Francisco, o mesmo se lecido prelado
peccao de saude, os nove mencionados na relacao! nacional do municiflpio de Cabrob Antonio da nao d com a linba de Pernambuco, que alm de No ultimo dia de Mez Mariano o mesmo Rvm.
inclusa que se achara deudos no quartel do 2" ba- Suva Souza Araquan, comprehenddo as disposi- percorrer quasique em sua total exlenso terreno* celebrou missa pelos devotos que concorreram com
talhao de infantana.-Comniunicou-se ao tenente-; coes do 4 art. 97 e do art. 98 da lei n. 602 de removidos pelo planto do algodo ou que a estes esmolas de cera para a festividade.
coronel recrutador. 119 Je setembro de 1830; cumpre por tanto que V. se prestara, tem ura commercio consideravel no Entrou hoolem de S. Matheus, o palhabote
DItoaomesrao.-Remettoinclusoorequerimen-iS. de conformidade cum o art. 103 da citada lei e seu alio sertao com o interior da importante pro- nacional Uous amigos com toda a tripolacao doen-
smuq,UC ufa afi dS ia;,,alalhao de 'nfantaria ma|s dspositSes em vigor nomeie ura conselho de vincia do Cear. te de seses, prucipalmento o seu mestre, pelo que
Joao Mauricio de Almeida Albuquerque pede per- disciplina para tomar conhecimento das omissees ; Quaesquer que sejam os proficuos resoltados que ao demandar a barra icou simal de soccorro, afirn
dito do resto da pena que esta cumpnndo, para de que e aecusado esse afflcial. : a magestosa estrada de ferro de D. Pedro H traga de poder desembarcar o mestre
que V. Lxc. so sirva de mandar juour ao mesmo, Dito a cmara municipal da villa da Boa-Vista, ao paiz dingindo-se ao S. Francisco, elles nao se- Na praia de Tambau- da provincia da Par-
requerimcnlo a cerl.dao de assentamento do sup- Remello cmara municipal da villa da Boa-, rao de tai ordem que facam esquecer aquelle que hyba, appareceram diversos'voluines com kerosene
phcante, como se determinou era aviso- da repart-; Vista para seu conhecimento copia da lei n. 601' directamente se esperadas estradas do norte qual e genebra, tendo urna destas o segrale lettreiro :
^ao aa guerra de 16 de maio ultimo. de 13 de maio ultimo, determinando que a fregu-; o das communicacoes baratas enlre os portos do
uno ao mesmo.Em vista do que \. Exc. expoz zia de Santa Maria Rainha dos Anjos passe a ter a Atlntico e os habitantes do sul e centro do Piauhv,
em seu officio n. 1,015 de 6 do corrente, tica sera j denominacao de freguezia do Senhor Bom Jess do sul do Maranho dos municipios interiores de
elTeilo a recommendacao constante do une Ihe diri-' da Igreja Nova, licando elevada cathegoria de Pernambuco, do oeste da Bahia, do norte de Minas-
i em 4 ueste mez, relativamente a entrega dos i matriz a capella que sob a invocacao do mesmo se- Geraes, do norte e centro de Goyaz. >
para pagamento da torca. nhor existe na povoaco de Cabrob. Poderemos distinguir a preferencia que enxer-
Dito cmara municipal do Ouricury.Remet-! gamos no projecto na necessidade que tem a estra- do'Sr. capitao Vicente" Antonio do Espirito Santo,
to a cmara municipal da villa do Ouricury para da de D. Pedro II de alravessar os terrenos produc- uraa Volla de cordao de ouro de dous palmos e
^, seu. conhecimento copia da lei n. 601 de 13 de ; tores, para que ofereca urna renda capaz de aliviar meio de compnraento, cora urna flga de unicorne
r?J?.ul\l doBcorrente- uma BUTda de honra maio ultimo que desmembra da freguezia desse! as garantas do estado 7 engastada em ouro e urna imagemz.uha da Concei-
para assistir ao ofllcio solemne que os religiosos do, nome e anoexa a de Santa Maria da Boa-Vista os Devemos era lal caso dizer que aquella estrada 3 e outra de S Braz
raesmo-convento ,em dt celtbrar Pel rePouso eter-, terrenos nella mencionados.-Igual copia remet- mais contribue para as rendas publicas, e que por- A insolencis dos labios j chega a este ponto,
teu-se a cmara municipal de Cabrob. | tanto o seu direito essa preferencia nao pode tendo at afiliados, como se v, entre raullieres ; e
ser contestado ? Anda aqui nao assenta a excep- p0i infelicidade factos desta ordem o anlogos se
tubrculos pulmonares.
9
Luiza Mana da Paz, Pernambnco, 64 annos, viuva,
Santo Antonio ; hepatite.
Josepha, Pernambaco, 2 das, Santo Antonio-; mc-
eraeephalia.
Suzana, Pernambuco, 17 dias, S. Jos ; espasmo.
Clara Felicsima de Souza, Pernambuco, 24 annos,
viuva, Boa-Vista ; tubrculos pnlmonares.
Anna, Pernambuco, 15 dias, Santo Antonio; es-
pasmo.
2 mezes, Boa-Vista ; eon-
Fernando, escravo, Alnca, 50 annos, solteiro, S.
Jos; hepatite.
Joaquim Jos de Sant'Anna, Pernambuco, 38annos,
casado, Santo Antonio ; gastro interrte.
UM POICO DE TI DO.
8:000000 destinados para pagamento da
destacada na comarca de Flores.
Dito ao mesmo.Queira V. Exc. mandar pos-
tar em frente do convento de Nossa Senhora do
/. Melckers. Sckiedam. I. & V. N. 833, bem
como pedacos de taboas qneimadas, quedenotam
incendio de navio.
Hontera, pelas 2 i|2 horas da tarde, uraa pre-
ta passando pela ra da Imperatriz, tirn do pes-
coco de uma menina que se achava janella, fiiha
no do Exm. bispo de Chrysopolis.
Dito ao desembargador'Firmino Antonio de Sou- i Dito as thesoureiro "das loteras.Approvando
za.Accuso a recepcao do officio de 7 do corrente, [ nesta data o plano que Vmc. apresentou-rae cora
cni que V. Exc. communcou ter entrado no exer-, o seu officio de 4 do corrente para a exiracco das
cicio de cargo de presidente da relacao desla pro- partes das loteras ordinarias desta provincia -, as-
cao pedida em favor daquella empresa. repredoiem em escala avultada, parecendo que es-
E' um facto conhecido no iracado das nossas es- tamos da poca dos ratoneros, sem quo se movam
tradas de ferro, principalmente as tres de qu nos aquellos a quem compre velar na seguranca da
vincia, para o qual foi nomeado.Lommunicou-se sim Ih o coramunico para seu conhecimento remet- temos oceupado, que todas ellas pagam o pesado prupriedade do cidadao.
a thesourana de fazenda. tendo-lhe uma ciiia do rferdn ulano nara ter : trihnin d jirniirm i.irr,.n.u i-Amnlptartipnie n.,... i ....i.,.. k.
ma copia do referido plano para ter i tributo de atravessarem terrenos" completamente Procedendo-se hoolem a escavaco em face
Duo ao desembargador Antonio de Barrse Vas- execucao.-Igual copia remetleu-se thesouraria improductivos, e isto nao por falta de estudos, nao do convento de S. Francisco, i
concellos.-Accuso a recepcao do officio desta data, provincial. pela inexperiencia, mas to sraenle para satsfazer do cano de esgolo das aguas pluviaos, torara encon-
cm que V. S. communcou ter entrado em exerc- Portana.-0 presidente da provincia, attendendo ; uma idea, attingir um flm, que compensa todos os tradas ahi div rsas osudas humanas em tal estado
co no da 4 do corrente. ao que pooderou o presidente do tribunal do com-1 sacrificios do passado, e do qual depende todo o fu- de calcnacao, que reduzlam-se a p ao apertarse
Dito ao desembargador provedor da Santa Casa ; mercio era data de 7 do corrente e a que o desera- turo dessas empresas. Se a estrada de D. Pedro-------- *~ '
de Misericordia.Em visu do que V. S. expoe em bargador adjunto Custodio Manoel da Silva Guima- II exige, como ns reconhecemos, desde j o seu
seu.ofllcio de 30 de maio ultimo e da mtoTtniqao t raes seachano exercicio de fiscal do mesmo tribu- prolongamento para o interior do paiz, por que
ministrada nesta dala pelo juiz de orphaos desle nal, resol ve nomear os desembargadores Francisco delle e s delle vira a auferir lucros comosquaes
errao, pode V. S. mandar receber em algum dos ] Domingues da Silva, e Jos Ignacio Accioli de Vas- possa diminuir o onus dos auxilios do estado, as
estabelecimentos a cargo dessa Santa Casa a me-1 conceilos para exercerem interinamente os lugares estradas do norte, que esperara ludo da sua coo-
nor Vicencia fiiha de Mana Francisca do Amparo. |de adjuntos d'aquelle tribunal.Fzeram-se as ne- cluso, que foram sacrificadas ao pensamento
a que se refere o seu citado officio.Communcou- cesssaras communcacoes
se ao juiz de orphaos desta cidade. ___
Dito ao cnsul das repblicas da confederaco
Argentina e do Chile.Pelo officio que me dirigi;
Despachos do dia 8 de junho de 1864.
em data de hontem, o Sr. Jos Joo de Aroorim,
cnsul das repblicas da confederaco Argentina e
do Chile, tico inteirado de que, de volla a esta capi-
tal, vai reassumir as funcees dos seus cargos.
Aproveito a occasio para apresentar ao mesmo
Requer tinentos.
Tendo amigamente sido o cruzeiro do convento
no meio da ra, e fazendo-se junto elle os entr-
ramenos das pessoas miseraveis, de suppor que
perlencam e.-sas ossadas quelles cadveres alli
sepultados.
Tendo-se concluido a collocaco das colum-
grandioso do valle do S. Francisco, e que actual- as, para a illuminacao gaz ao longo dos passeios
mente sao exploradas com pesados encargos para ateraes da ra do Crespo, eleve hoje coraecar-se a
o paiz, devem tambem ter a razoavel aspiraco de acender os respectivos combustores, segundo uo-lo
chegar ao seu termo, e coucorrer de um lado para informara.
Australiano Pergentino de Almeida Andrade. ; essa unidade e grandeza do imperio, e de outro Cora, esse accrescimo de illuminaco expensas
Passe, nao havendo inconveniente.
Alexandre Xavier da Silva.Informe o Sr. te
nenie-coronel recrutador.
Archanja Micaella de Luna.Requeira ao go
asESiasE4- mita ^r^s-ar^sT^sc^iSfi
distincta consideracao.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.Ao
alferes Thomaz Jos Labre, que vai substituir o al-
feres Joaquim Rodrigues Vianna no commando do
destacamento da cidade da Victoria, mande V. S.
abonar o quaolitativo a que lirer direito para con-
dueco de sua bagagem, bem como passar-lhe guia
^mm.fnu'nT^'ramUDCU Se br,gade,r01 Fr. Jorgede SanfAnnaLocio.-Dirija-se ao Exm.
To3a?tetoa--Dec.arando-,e o brigadeiro'Sr" "'*- mn-ndan,. das arJas.
commandante das armas em officio n. 1,015 de 6
do correte, constante da copia inclusa que os oito
contos doris destinados para pagamento da torca
de 1' linha destacada na comarca de Flores foram
entregues ao collector por V. S. incumbido do refe-
rido pagamento e nao ao commandante da dita for-
Sa : assim Ih'o communico- em resposta ao seu of-
cio n. 268 de 25 de malo ultimo.
Dito ao mesmo.Restituo a V. S., coserlos cora
offlcios do brigadeiro commandante das armas da-
tados de 13 de abril e 30 de maio ltimos, sob ns.
668 e 669, os documentos que vieram annexos a
sua informacao de 31 do citado mez de maio n. 290,
ja esta com praca ha mais de dous mezes.
Tenente-coronel Domingues Alves Matheus.
Passe portara concedendo a licenca que requer.
Altores Clemente Francillo Tavares.-Informe o
Sr. director da colonia.
Felden Brothers.Dirjase a thesouraria da
fazenda.
(UflMAMHI DAS ARMAS.
Quarlel general do commando das armas de Per-
para a cessaco dessa garanta de juros que por dos donos dos cstabelecimentos d'alli, flea aquella
sua vez deve se estender s outras provincias ir- ra cora bello aspecto, olterecendo um agradave"
que eniao mereca um vigario
Eis o personagem que n'esses lempos nao sei
se os deva chamar se ra-barbaros era consultado
em tudo e para tudo, como na remota antigudade
o orculo de Delphos e outros.
Com efTeto era tal o crdito que tlnha um viga-
rio, qne, se algum dia elle se lembrasse de dizer
que o co era preto: jurariara todos pelas palavras
do Sr. vigario.
Agora que j apresenlei o meu novo persona
leria de exquisitos c orgnaes muito digna de fi
gurar em qualquer afamado museu de preciosa -
variedades.

NKM KUMl SEM KRLCTO.
Ao poeta Bruno Seabra.
Em la cesta de flores
Deixa deilar uma flor ;
Mas ai I que eu vou laucar
Um goivo qu'expressadr.
Em dar-te uma flor, poeta,
Meu desejo se resume ;
Mas, tuas flores tem cheiro,
E as minhas nao tem perfume.
Nao quero misturar govos
Com cravos, rosas e jasmins ;
Nao quero por flor incultas
Em cultivados jardins.
Mas j que flores nao dou-tc
Quero ao menos dar-te um fruclo,
O fructo que fr mais doce
Desle meu pomar inculto.
Vou depr na acafata
De leus fructos perfumados...
Mas, ah nem um fruclo dou-te
Que os nao tenho sazonados.
Por nao ter fructos e flores.
Vou j commeller um furto ;
No leu pomar ejardim.
Roubo uraa flor e um fruclo.

;\o podendo os burros fugir da mana da poca
pensam em nomear uma commisso para agrade
cer ao incansavel trabalhador, o Ilustre e dislincto
hppologo brasileiro o Sr. Jacome, o interesse que
lem lomado pelos seus sofTrimenlos e os de seu-
j concidadaos da raca cavallar ; e o grande servico
; que acaba de prestar-lhes, aliviando-os das pesa-
gem; peco licenca leitora para faz-la assistir gg.CTIPJg *!!12.!222^2 Rr
conversado dos dous estudantes, conversado em : mUendo d ora era dian,e Prestar melhor serv.co.
que o vigario representa o papel de diccionario bi-! _____
bliographico das mocas da sua parochia.
J sei quem ella exclamou Luiz entrando ,
alagado de suor, o que nao impedia que era suas
feices transluzisse ura contentamento divino.
CHR0MCA JUDICIARIA
Oou-te os meus parabens, tornou-lhe Azeve-
do; pois, a julgar pela la alegra, ella to digna
do teu amor, quanto formosa o eucanladora.
Adivinhasle, e s por isso vou dar-te um
abraco.
E dirigindo-se ao seu amigo Luiz abracou-o com
essa efluso, que s lera as pessoas, que esto sob
a presso inmediata de um amor imraenso.
Bom; disse Azevedo depois de receber o
abraco ; agora assenta-te, e conta-me o que sou-
beste respeilo de tua amada.
TRIIII Y V I. DO OTiniHUO
SESSAO ADMINISTRATIVA EM 9 DE
JUNHO DE 1864.
rilKSIDENCIA DO EXM. Sil. DESEMBARGADOS
PEItETTI.
s 10 horas da manh.ia, reunidos os Srs. depu-
tados Reg, Lemos, Alcoforado e Rosa, o Sr. pre-
sidente declarou aberla a sesso.
Lida, foi approvada a acta da ultima.
EXPEDIENTE.
Um officio do Sr. Dr. cheto de polica, de 8 do
Eu te satisfago. Soube em primeiro lugar que corrente, communicando ter recebido a parficipa-
aquella outra nao sua irraaa, como suppunha-
mos, mas apenas sua amiga.
Por ora anda nao te vejo muito adiantado '
Cada cousa seu tempo. Em segundo lugar
soube que ella se chama Laura.
Luiz ^>ronunciu este nome cora corta emphase,
e parou "alguns momentos para dar Azevedo o
lempo de admira-lo.
Laura I repetir Azevedo. um bonito no-
me.
Ento, voltou Luiz triumphanle ; pois pos-
sivel pensar-se um s instante que ura anio como
aquelle podesse ter um nome, j nao digo feo, po-
rm menos bonito ? I
Contina, disse Azevedo rndo-se do entu-
siasmo do seu amigo.
Finalmente, soube que ella tem quinze an-
nos, c que fllha de uma familia honesta. Era
quanlo me bastava. Nada mais quiz saber, e corr
a dar-te parte da minha ventura.
Anda uma vez acceta os raeus emboras, e
dize-me qual foi o anjo que tao bem te insiruio.
O vigario, mea amigo. J vs que eu nao
cao de ter entrado em exerciclo do cargo de presi-
dente desle tribunal o Sr. desembargador Perelti.
Oulro do Sr. chefe do diviso, da mesma dala,
em igual sentido.
Outro do Sr. inspector da thesouraria de fazen-
da, de 7 do corrente, no mesmo sentido.
Foi presente a colacao offlcial dos precos cor-
rentes da praca, relativa ultima semana.
Arcbive-se.
DESPACHOS.
Um requerimenlo de Brandar a Brandis, satisla-
zendo o despacho desle tribunal de 23 de maio.
I Vista ao Sr. desembargador fiscal.
Oulro de Belmro Gomes de Oliveira, pedindo o
registro de sua nomeaco de caixeiro de Domingo^
I Teixeira Bastos.Registre-se.
Outro de Ges, Bastos C, juntando uma cer-
i lido em satisfaco do despacho desle tribunal, de
6 do corrente.Vista ao Sr. desembargador fiscal.
Outro de Prente Vianna & C, pedindo o regs
tro de uma procuracao que Ihes confeno P. Orbe-
lin & Paydenol.Como requeren).
Outro de Antonio Carlos Pereira de Burgos Pon-
maas.
Melhores estudos do seu futuro prolongamento
nao vera em abono da preferencia dada a estrada
de D. Pedro II : por emquanto tudo conjectura.
Se debaixo de lodos os pontos de vista as linhas
do norle nao cedem o passo a estrada do sul, se
para qualquer deltas alcancar c desenvolver a ira-
mensa prosperidade a que esto destinadas indis-
pensavel essa communidade de interesses, qual-
quer auxilio que de preferencia receba uma dessas
linhas, em sacrificio das outras duas, e nao encon-
tr fundamento em suas condicoes peculiares, um
incentivo para a desharmonia, e pode ser o esque-
cimento dos interesses de uma localidade em favor
de oulra igualmente importante.
Queremos o prolongamento das estradas de fer-
ro do norte para o valle do S. Francisco, as condi-
. coes que traca o projecto da cmara dos Srs. depu-
nambuco, na cidade do Recife, 10 de junho de tados; queremos que esse prolongamento prece
dam, como se pretende, os mais serios estudos lo-
caes, que nelle se atienda a conveniencia da escolha,
1861.
Ordem do dia n. 330.
O general commandante das armas faz constar f?as 1ue na0 se eslabelecam excep?oes que nao es-
guaruicao d'esta provincia, que o Sr. capito do !ao justificadas, que sejamos tratados todos com
2. batalhao de infamara Luiz Paulo de Figueira I igualdade ; sem esta condico o lira do projecto
H Coutreiras Nabuco de Araujo, que se achava no raa realce para una e passageiras esperan-
aura de que, de conformidade cora o parecer da 80S0 d >res mezes ''cenca que obtivera, do go- ^SE^aaS
contadona dessa thesouraria a que se refere a sua imperial, termmou-a a 8 do corrente, e nao
citada informacao, mande indemnisar o 9- bata- se tendo apresentado como devia, o declara ausen-
Iha de infanlaria da quantia de 54,5340, despend- ,e nos termos da le de 26 de maio de 1835, sendo
da com velas de carnauba para illuminaco do i nesa data chamado por edilal. ____ .
quartel do mesmo batalhao durante o lempo, em | Assignado.-Soii/onio Jos Antonio Pereira do
Conforme.Jos Ignacio de Medetros Reg Mon-
tetro, capito encarregado do detalhe.
EDITAL.
Solidonio Jos Antonio Pereira do Lago, commen
passeio populaco.
RErARTICAO DA POLICA.
Extracto das partes d da 10 de junho cor-
rele.
Foram recolliidos casa de delencao no da 9 do
corrente :
A' ordem do subdelegado do Recife, Jos Anto-
nio dos Santos, para correceo.
A' ordem do de Santo Antonio, Luiz, escravo de
Joaquim da Silva Lopes, por infraccao de postu-
ras.
A' ordem do de S. Jos, Joao Emiliano Pereira,
por suspeito.
A' ordem do da Boa-vista, Bonifacio, escravo
de Antonio dos Santos, por briga, insultos e furto.
O chefe 2- daseceo,
/. G. de desquita.
Movimenlo da casa de detenco no dia 8 de
junho de 1864.
Exstem___364 presos.
Entraran)... 16
Sahiram ... 6
Exstem.
374
que esteve em concert o encanamento da illumi-
naco gaz do predito quarlel. Communicou-se
ao brigadeiro commandante das armas.
Dito ao mesmo.Se nao houver inconveniente,'
mande V. S. pagar aos empresarios da illuminaco
nesta capital a quantia de 823^300, sendo 681,5300
proveniente do gaz consumido cora a illuminaco
dos quarteis do 2, 7o e 9" batalhoes de infaotaria,
do corpo de guarnicao, companhia de cavallaria e
bem assim do hospital militar, durante os mezes de
Janeiro, fevereiro e marco desle anno, e de 1425
de coocertos, feitos na illuminaco daquelle hospi-
tal, segundo consta dos inclusos documentos.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.
Hecommendo V. S. que, em vista do competente
certificado, mande pagar ao arrematante dos con-:
r.ertos da ponte do Anjo a importancia a que tiver
A idea de uma somma fixa votada desde j para
a continuaco do prolongamento das nossas actuaes
estradas de ferro encontra o serio embarace como
observou ura Ilustrado deputado por Minas, de es-
gotar-se o capital concedido em um ponto menos
conveniente para termo, anda mesmo provisorio,
de urna estrada daquella ordem ; este meio, embo-
ra nao seja um mal, traz a possibilidade de com-
meltermos um erro, que seria o resultado da rre-
flexo. Cumpre estudar os prolngamenos, e quan-
dadoTdas ortens da Rosa eS._Benlo de ArSTca- ,0 aD.tes habilitar o governo para realisa-los a pro-
valleiro da imperial do Cruzeiro, condecorado porcao que a sua conveniencia se tor manifestando,
com a Cruz da guerra a favor da independencia e Pr. mc' de secc"es ou partes da estrada que
do imperio na provincia de Pernambuco, e com terminen) em pontos que se prestem a forraacao
a medalha de Ouro da campanha do estado orien- de centros populosos ou que ja o sejam.
tal do Uruguay, brigadeiro do exercito imperial, Pretendemos mostrar a necessidade do impulso
simultaneo das tres linhas frreas que parlera do
litoral e se ligam ao S. Francisco, sera que se pen-
se que procuramos alimentar uma idea de bair-
risino.
A saber
Naconaes... 263 presos
Estrangeiros 37
Mulheres...
Estranheiro. 1
Escravos___ 58
Escravas... 4
poda recorrer tonte mais pura, sem ir ao pai da | ce de Leao, pedindo certido do registro de sua so
moa- ] ciedade com Antonio Correia Gomes.D-se.
E elle prestou-se a isso de boa vontade ? | Outro de N. O. Beber & C, succcssoies, pedn-
Com a melhor boa vontade do mundo, logo d0 que se mande certificar pela junta de correcto-
que.conheceu as minhas inteaces. j res, o prego porque foi vendido o algodo de pr-
Que sao ? .. meira e segunda sorie era 26 de maio prximo pas-
Cora mil bombas preciso que estejas_pen-
sando em cousa muito diversa, para anda nao te
res percebido que pretendo casar-me com essa
moca 1
Ah I fez Azevedo.
Mas agora lembra-me uma cousa, sobro a
qual quero que me aconsclhes.
Sou lodo ouvidos.
O vigario proraetleu-mc apresentar-me fa-
milia di-lia...
J um grande passo dado. Uma represen-
taco do vigario uma recommendacao poderosis-
sima.
Sim ; mas na roca nao ha aquella liberdade
da corte, de sorte que nao sei o que hel de fazer
para saber se ella gosta ou nao de raim, e se quer
ou nao casar-se comigo. Vejo-rae embaracadissi-
rao na escolha do meio de que devo laucar mo.
Nada mais simples. Depois de seres apre-
sentado familia, se nao liveres occasio de fallar-
Ihe sos, escreve Iho urna carta pintando o teu
amor, e mostrande-lhe as tuas iutencSes. _
commandante das armas da mesma provincia de
Pernambuco, e n'ella inspector do arsenal de
guerra, por sua magestade o Imperador, etc.
Faco saber ao Sr. capito da 3.* companhia do
2. batalhao de infanlaria Luiz Paulo de Figueira
Coutreiras Nabuco de Araujo, e a todos quelles
direito, proveniente d primeira prestaco do seu 1ue poderem o quizerem fazer chegar ao seu co-
eguodo contrato, por haver execulado melade da nheciraenlo, que nao tendo elle comparecido no da
obra do orcaraento supplementar, segundo consta 9 do corrente mez, por ler flnalisado no da ante-
de officio do director da repartico das obras pu-,nor a '"cenca de tres mezes cora que se achava na
blicas datado de hornero, e sob n. 148.Commuoi- corte para tratar de negocios de sua familia foi
cou-se ao director das obras publicas. hoJe declarado ausente era ordem do da desta
Dito ao mesmo. -Constando de officio do director guarnicao sob o n. 330 e chamado pelo presente
da repartico das obras publicas, datado de non- edital para que se apresenfe dentro do prazo de
tem, esob n. 149, que o arrematante das obras dos dous mezes a contar da data d este, sob pena de
reparos da ponte de Mamucafcinha, na estrada de proceder-se a respeito de sua falto de compareci-
Tamandar ja fez melade da obra, tanto do primei- menl0 D0S termos da le de 26 de maio de U
REVISTA DIARIA.
ro orcamenio como do segundo, assim o commu-.
nico a V, S., para seu conhecimento, e afun de que,' wnle
Hontem entrou em julgamento no tribunal do
jury Francisco Jos da Fonseca, pronunciado as
imas do art. 201 combinado com o art. 34 do ro-
igo criminal, em consequencia de haver tentado
ferir ao subdelegado da Boa-Visto.
O ministerio publico agitando a aecusaco, his-
Eparaqueore^
nte ediial que assignei e flz sellar como sinete 'OT,a, Aacla ,M. .. JSl. 2JT2
em vista do compleme certificado, mande pagar
ao mencionado arrematante a importancia das pri-
meiras prestaces de laes orcaraentos.Communi-
cou-se ao director das obras publicas.
Dito ao capito do porto.A' V. S. ser apresen-
lado o recrula.de marinlia Delflno Manoel do Nas-
cimento para que Ihe d o conveniente destino de-
pois de inspeccionado. Communicou-se ao Dr.'
cheto de polica.
Dito ao commandante do corpo de polica.De-'
clarandtt-me o brigadeiro commandante das armas j
em oBoio de hontem datodo sob n. 1026, que o
soldado da seccao nrbaaa do corpo sob seu
das armas imperiaes, e que ser publicado as ga
zetas desta cidade.
Qurtel general do commando das armas de Per-
nambuco, 10 de junho de 1864.
Solidonio Jos Antonio Pereira do Lago.
DIARIO DE PERNAMBUCO
existencia deste a autora altrbtiida ao aecusado
I e d'ahi conclue pela condemnaco deste no grao
| medio da aggravante do $ 1 do art. 16.
I A defeza, encarregada ao Sr. Dr. Francisco Leo-
1 poldino de Gusmo Lobo, na ausencia do advogado
, do aecusado, desenvolvida com os recursos in-
i tellectuaes reconhecidos no Sr. Dr. Gusmo Lobo
374
Alimentados a custa dos cofres pblicos 141.
Movimento da enfermara no dia 9 de junho de
1864.
Teve baixa :
Manoel Francisco ; eplepecia.
Falleceu:
Joaquim Jos de Santa Anna.
Movimento da casa de detenco do dia 9 de
junho de 1864.
Existiam......374 presos
Entraran)..... 4 >
Sahiram...... 17
Falleceu...... 1
J me lembre dsso.
receber a caria ?
Fcars sabendo que nao gosta de t.
Sim ; mas se a receber, depois tambem d-
ro : ora, uma moca que recebe cartas !
Pretendes ento mandar-lh'a pelo correio, ou
publica-a por arautos ?
Certamenle que nao.
Enlio ninguem saber; e como se ella rece-
ber a carta signal de que te ama, e quer casar-se
coratigo, que te importa que depois de casado di-
sado.Como requerera.
Oulro de Braga Silva & C, pedindo certido se
Domingos Ferreira das Neves Guimares socio
de industria ou de capital da sociedade Gomes &
Oliveira.Como requerem.
Outro de Valle Porto & C, pedindo certido das
quitacoes de seus dous ex-socios commanditarios-
Como requerera.
Outro de Thomaz de Aquno Fonseca, Brasileiro.
de 77 annos de idade, residente nesta cidade onde
estabelecido com casa de commercio de commis-
soes, pedindo malrcular-se.Vista ao Sr. desem-
bargador fiscal.
Outro de Joaquim Anlunes de Oliveira, por seu
procurador, Brasileiro, de 44 annos de idade, na-
tural e domiciliado no Aracaty, aonde tora estabe-
lecido sua casa de commercio em gneros de ex-
portado e importaeo, pedindo matricula de com-
merciante. O mesmo despacho.
Oulro de Antonio Candido Anlunes de Oliveira.
Brasileiro, de 38 annos de idade, natural e domici-
liado no Aracaty, aonde estabelecido com casa
Mas se ella nao quizer de commercio de exportaco e importaeo, pedin-
do matricular-se.Igual despacho.
Outro, informado pelo Sr. desembargador fiscal,
de Phipps Brothers & C, pedindo matricularse.
Matricule-se.
Oulro, tambem informado, de Thomaz Jos da
Silva, pedindo o registro de seu contrato social.
Satisfaca o parecer fiscal.
Oulro de Frederico Chaves e Joo Luiz Vianna.
em satisfaco ao ultimo despaetio do tribunal de 27
de maio prximo passado.Volte ao Sr. desembar-
gara que ella recebeu cartas tuas ? | gador fiscal.
Eis como o vigario principiou a representar o Outro de Antonio Correia Maia, porteiro deste
seu papel de deus es-machina no theatro do tribunal, juntando uma certido em satisfaco do
amor dos nossos hroes.
(Prosegue.)
A saber :
Exstem....... 360
Nacionaes.....251 presos
Estrangeiros... 37 i
Mulheres...... 9
Estrangeira ... 1
Escravos...... 57
Escravas----.. 5
360
Alimentados custa dos cofres pblicos 141
Movimento da enfermara do dia 10 de jnnho de
1864.
Teve baixa:
Jos Pereira Coelho, angina.
0BTUARIO DO DIA 7 DO CORRENTE NO CEMTERIO
PUBLICO : .
Jos, escravo, frica, 30 annos, solteiro, Boa-Vista;
estrangulado.
Manoel, Pernambuco 1 da, Boa-Vista espasmo,
o qual pelo estudo das provas dos aulos, dedo a, Um prvulo encontrado na porta da igreja do Car-
existencia do fado attriboido ao aecujado, demons-
in
Procurando descobrir os fundamentos de uraa
com- preferencia em favor da estrada de ferro de D. Pe-
uiando ZinoWo Alfonso Vianna. nao pode por em dro II, para que as suas obras prosigam dude- ji,
trando por domis a ausencia da tentativa E,as
sim, termina pelo pedido da absolvicao do aecu-
sado.
Desistindo ministerio publico da replica, tam-
bem desisto U treplica a defeza, sendo o aecusado
absolvi anual
mo.
Rosa, escrava, 2 mexes, S. Jos; gastro interite.
Joao, escravo, Afriea, 46 annos, solteiro, Recife
afleceo cardiaca,
Mara, Peraambuao, 1 anno, Santo Antonio; Ut>
mor.
Da Semana Ilustrada extrahimos o seguinte :
RESPOSTA CHIBANTE.
A Madre Natura, sem contestarn a primeira
abbadessa do mundo, tambera a mais caprichosa
fabricante de typos.
A' prima faite, os productos da fabrica parecem
iguaes entro s na classe a que pertencem.
Pois assim nao c.
despacho de 2 do corrente.Requeira ao governo.
fleando estes papis sobre a mesa, aflm de servirem
de base a ntormaco quo este tribunal houver de
dar quando tor consultado, nos termos da segunda
parle do arl. 44 do reg. n. 738.
Sendo conclusos os autos de rehabilitado de
Machado & Santos, lveram o seguinte despacho
Mostr se a sua concordata foi proposta e aceita
em juizo, bem como devidamenle homologada.
Sendo tambem conclusos os autos de rehabilitaco
de Joo Baptisla Telles, socio da firma Diogo, Filho
14 CJunte certido io projecio de sua concorda-
Abrindo mo de outros exemplos e para nao es
tarmos a desenfilerar lypos e mais typos, vamos | ta que foi approvada por seus credores.
ao rato, que uo s caracteristico da Graa-Bre-1
tanha, patria da ralce em todos os seus graos e
nulidades. ..
Ha rates no comer, no beber, no cocar, no dor-
SESSO
mo-
mir, no fallar, no escrever, afinal em todos os
dos de proceder activa e passvamente.
O rato um Protheu, que lem todas as formas
conhecidas e capaz de apresentar mil outras, que I sao, estando reunidos os'Srs. depulados Reg. Le-
JUDICIARIA EM 9 DE IUNHI >
DE 1864.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. DESEMBARfiABOn
A. F. PERKTTI.
Secretario, Julio Guimares.
Ao meio-dia, o Sr. presidente abri a ses-
ninguem conheca.
O ratu nao prisma somento, kaleidosoopo re-
presentante das figuras menos previstas.
0 rato cidadao do universo. >
Nao diz sempre ubi bene ibi patria, mas diz que,
acastelladona sua excentridade, qual o caracol na
concha, vive no melhor dos mundos, entregue
contemplaco de si mesmo.
O Rio de Janeiro frtil em typos ; al poder ia,
so j esti vesso congracado com Joo Bull, remet-
ler um typographia do Times, que os tem a
granel.
Mal das vinhas, Kel, Sarrabulho, Urso. o poeta
do Areopago tricolor, o 8 dos cacos et tiusdem fr-
fur, que fra massanto mencionar, dio ama ga-
mos, Rosa e C. Alcoforado.
Lida, foi approvada a acta da sesso antece-
dente.
Foi lido o officio, de 8 do corrente, do Exm. Sr.
presidente da provincia, communicando que, com
as nomeaedes dos Srs. desembargadores Francisco
Domingues da Silva c Jos Ignacio Accioli de Vas-
concellos, para exercerem interinamente as lugares
de adjunctos desle tribunal, flea satisfela a requi-
sico qne Ihe foi dirigida 2 do corrente.
AGOBAVOS.
Aggravante Tboroio Valeriano Baptista ; ag-
gravado, los Pinto da Costa.
Aggravante, D. Amella Frederica do Reg Bar-
ros. Cavakant) j aggrayados, Gun?el & Perdigao.



O Exro. Sr. presidente negoo provlmwrto.
Nada mais houvc.

=r
___

mm.
Diarlo de
Sahhndo II i,,'., MTtW

,
COMMUNICADOS.
A Minora da aaaotbla provin-
cial de i'ei'uantlNico. e o Sr.
deputado Lniz Felippe de Son-
za Le So.
Na se-sao de 7 de maio da cmara temporaria
disse o Sr. deputado Luiz Pelippe de Souza Leo,
defendendo o inslito procedimenlo da materia da
asseinbla provincial de Pernambuco :
1 r*rf-daquelfa ptTWflf^WHMTe por bem im-
' posta*a multa, e revalidarlo, que os obrigra a
Despectiva recebcuPria ujs lendas sob undaraenlo
I de haverem snlirnmlo'Se ao pagamento do sello de
Suas vias de letra, mudadas ali sellar no dia 18
e julho prximo passado; as quaes tinham sido
ewtle litadas naquelle mesmo dia, e na impor-
tancia de 25:OOO#08O sobre Peniuneate-4 C. desaa
pr:i>;a do llio de Janeiro: esperam ser Hendidos
ii seu recuree, como de justica. 0 recorrentes
de bom grado feriam renunciado recurso qualqaer,
c sugeitar-se-iam vnntade daquella recebedoria,
seniio divisassera no procedimento dalla, alm de
orna vexaco odiosa, dezar dado a reputaco de
sen crdito.
Injusta e Ilegal foi aquella deciso, nio obstante
O Sr. 'Luis Felippe. Desde os prmeiros dias! a informarao do administrador, que consta do do-
de trabalhos da assembla provincial de Pernam- cumento n. 1; na qual elle, sobre ter sido inexac-
buco, appareceu no seu scio um certo grupo, to,-dlateu--6i proprio, quando confesa* come em
que se moslrava sequioso do applausos das ga-, ceutesUcap ao que liaviaui allegados os recurrentes
lerias, e que os provocava de todos os modos, em sua reclamacao perante thesouraria, qne
ja se mostrando muito lisonjeado com os que bou vera retido as vias de letra, e fkera entre-
recebia, j empregando linguagem propria para gar-lhes urna deltas smente, depois de 4 ou 6 dias
desperia-los, e j aculando os mos inslinctos de haver feito a retencao das mesmas; pois este
populares. > | procedimento culposo rm vista das ordens do go-
Mais adianto diz o Sr. Dr. Luiz Felippe para o verno imperial, como declara o aviso de 22 de ja-
Sr. Dr. Godoy : neiro de 18CI.
i Os partidarios do nobre deputado na assem-
. bla provincial se moslram muitc lisongeados
com eatas demonstragoes.
Na sessao de 2 de marco da assembla provin-
cial de Pernambuco disse o Sr. deputado Dr. Sabi-
no Olegario Ludgero Pinho, um dos membros da
minora aecusada do promover os applausos:
t O Sr. Sabino Olegario. (Tratava-se da nul-
lidade do collegio de Goianna na eleicao para
deputados provinciaes.) Eu sei, Sr. presiden-
Fot inexacto oiditoadmroi-traiier, guando affir-
nia, que os recrtenles enviaran) reparticao as 3
vias de letra (Ier3 que'nS conlinha, como ainda
nao contem aceite, nem firma de endosso como se
v do documeato n. i,) cope pretendern! sellar
urna s dellas; por quanto o simples facto de leram
elesmandadoali todas 3,repellea idea de que os mes-
mos pretendessem sellar smente urna das mesmas,
e muito mais a de quererem subtrairem-se ao pa-
gamento de sello devido: se o intento fosse qual o
te, que o espirito de partido no Brasil tem leva-: que lhes attribue dito administrador, de certo nao
do a desbonestidade eleitoral at o ponto de se leriam remetlido reparticao respectiva todas vias
ligurarcm eleoes e de santificar-se a lieco e o da letra; e se a imposicao de multa em taes casos
escndalo; mas lempo de acabar com essas, implica o Tacto de um crime commetlido, tanto
tralicancias que s poden) ser aconselhadas pela assim que o art. 114 do decret. n. 2,713 de 26 de
malevolencia ou pela perversidade---- (Muitos dezembro de 1860 suieila u infractor, alm de mul-
apoiados na sala e as galeras.) la, s penas do art. y7 do cod. penal, nao poderao
ii Sr. presidente. Nao licito aos especiado- com justica ser os recorrentes assim considerados;
res darem signal de approvacao nem de desap- quando de mais se v dq 55 do citado artigo, que,
provacao. Se os senhores espectadores nao se j para se verificar a multa, ser preciso, que concor-
conservarem silenciosos, cumprirei o regiment rain circunstancias, que demonstrem, ou facarn
mandando sabir aquelles que se esqiiecerem
d'tsse dever.
O Sr. Sabino Olegario. Permuta V. Exc. que
abra aqui um incidente.
Alm da justa observarlo, que V. Exc. acaba
de fazer s galeras, e que Ihe determina e im-
poe o regiment, necresce que estando no arco-
pago da provincia, todos nos devemos conservar
aqnelle resneito necessario, nao s ao lugar, por
que o lugar representa a provincia, como ainda
efugio de S. M. o Imperador, que aqui se ada,
e que representa o imperio; e todos nos somos
monarebistas. >
As palavras do Sr. Dr. Lniz Felippe provam que
presumir designio, ou premeditado de querer
substrair-seaopagamento do sello.*
O facto se dra como passam os recorrentes
expr perante V. Exc, visto nao ter sido devida-
mente informado.
Tendo elles de fazerem um saque daquella
quantia pelo vapor, prestes a sabir d'ali para essa
corte, sobre Porciuncula & C, mandaram por um
familiar as3 tas de letra reparticao; este vclta
depois, com tardanca de mais de hora proveniente
nao s de iffluenm de expedientes na mesma,
como da distancia, em que esta fica do escriptorio
dos recorrentes; e declara, que era preciso maior
quantia para o sello, e que todas as vias da letra
Certiflqoe-se.Thesooraria de Peraambuco, 8
de junho de 1864.J. Baptisla.
Em cumprimento do despacho retro, certifico ser
o recibo, que se referem os supplicantes do theor
seguinte :
Recib as letras pedidas na preffMe ttrcio
Recife, 28 de maio de 1864.O^rocurador
derico Stares.
a/^'? coad0' e 27 rollos com WaTobas no Onancelro de 1864-1865, os objectos* declara-'
dos na relaco que ste segu.
Exportaeo.
Sumaca bespanbola Guadalupe, carregou para
Barcelona : r
700 saccas cora 3447 arrobas e 31 libras de al-
godao.
FJ?1^*?1 ?**8 Joio de *" Correa, \ ??** ingl" Coldtr>
Fre-1
offlcial da secrelafia da thesooraria de fazenda de
Pernamtoaco pasaei a presente et) 9 de junho de
10S4.Servindodeoflicjal-maior Manoei/os Pinto.
carragou par *Talpa-
com 19600 arrobas de assocar
*
pmucAtog kmm.
Pela manhaa do dia 27 do mez. passado, volta-
ramineos fimos d'anla publica de instruccao pri-
maria, e disseranvme, meu pai, nao temos aula
uestes quioze dias, por que o nosso professor vai
para o jury ; respondi-lbes, percebo meus Olhos o
que me dizem ; porm o vosso digno professor tai-
vez seia dispensado ; por que desempenha na so-'agjnc,. branco; 3dlas"comW7"arrobs
eiedade um magisterio de alta importancia, pois
nao deve a aula estar fechada dorante m trabalhos
do trmnnal do jury, e quando o vosso pai tambem
desempenha o dever de juiz de facto e parece-me
ter observado que alguns ompregados pblicos sao
.1920 saceos
branco.
Lugre dinamarquez Nicoline, carregou para Val-
paraizo:
2450 saceos cora 12250 arrobas de assocar
branco.
Barca franceza S. Diitiz, carregou para Liver-
pool pela Parahiba. :
eOO sacros com 10000 arrobas de assocar mas-
cavado, 120 saccas com 610 arrobas e 4 libras de
algodao.
Barca brasileira Iris, carregou para o Ro da
Prata :
1450 barricas com 10414 arrobas e 17 libras de
sucar branco, 350 ditas com 2817 arrobas e 27
libras de dito mascavado
medidas de caxaca.
Barca ingleza Nelkerton,
pool.
4200 saceos com 21000 arrobas de assocar mas-
> Para a lacrado.
e 80 cascos com 14800
carregou para Liver-
dispensados requisico dos chefes, e autoridades,: ^0, 743 ditos com 3372 arr0Das c 3 libra de
e se esses sao dispensados parece-me que a dispen- algoda 1 < o uniai ue
sa do vosso professor ser requisitada e por isso *gr*gue hespanhol Ricardo, carrecou nara Rar-
elle nao leu os trabalhos da assembla provincial | tinham de ser selladas; entenderam aquelles, que
antes de tomar a deliberaco de offender o carcter se exiga taxa integral por cada urna das vias; essa
e a digndade dos membros da minora da mesma
assembla.
As palavras do Dr. Sabino demonstran) eviden-
temente a falsidade e o embuste, com que se tem
procurado substituir a propria ignominia pelo des-
crdito alheio.
Da comparaeo dos referidos trechos resulta
que o Sr. Dr. Loii Felippe nao fo (como era de
esperar) muito rircumspecto na apreciacao dos fac
exigencia demandava que um dos socios da firma
sacadora, e tnico que ali reside se entendesse cora
a reparticao; mas a demora j havida com a que
demais sedara para realisacao do sello, tornava-se
incompativcl com a presteza do saque da letra; pelo
que fizeram novos saques em outras vias, que te-
riam de ser selladas no lugar do aceite da letra,
como permittido; e fizeram voltar o portador
reparliQfio para retirar as que havam la ficado; o
tos; e que aquelles que abusaram da sua boa f! que foiahi denegado sob pretexto de que urna j se
remettendo-llie informacoes viciosas, estiio longej achava sellada; ainda por urna terceira vez foi o
de aspirar os foros de homens honestos e nioiali- portador mesma reparticao com ordem para pa-
sados, i gar o sello da que eslivesse sellada, e retirar todas
A mentira, o embuste e a calumnia sao os meios j ellas para screm inutilizadas; o que tambem foi
mais poderosos que os especuladores polticos em-' denegado,
gam para couseguirem o seu ongrandeciinento' o dia j
pregam para conseguir
pessoal.
Elles sabem manejar perfeitamente essas armas,
e por meio d'ellas alcancam a satisfacao dos seus
desejos, porque desgracadamente no Brasil a bones-
No dia seguinte drigiu-se o socio da firma para
saber a razao or que havam sido retidas as vias
de letra, e o administrador nessa ocrasiao declara
o mesmo, que havia referido antecedentemente o
portador, que urna das vas j eslava sellada, en-
tidade, a moraldade e a justica paree i que se afu- tendendo aquelle que o administrador quizera sig
gentam dos homens, logo que ells chegam a o
cupar as cadeiras da overnanra.
Recife. 7 de junho de 1864.
Dr. Sabino Olegario Ludgero Pinhc
Tinhamos feito chegar ao conhecimento do pu-
blico, por termos dado publicidade polo prlo, o
fado de nos ter multado a recebedoria das rendas,
nilicar-lhe, que ma das vas tvesse recebido o
cunho do sello, e nao que estivesse propriamente
sellada, pois que por parte do socio nao se dra o
pagamento da taxa ; pelo que retira-se este dlzen-
do. que nao effectuava a transac^ao : porm pas-
sadosdias, sem duvida mais dos que declara o ad-
ministrador cm sua informaeSo, o que pouco im-
porta, apresenta-so no escriptorio dos recorrentes,
um empregado subalterno da mesma reparticao, e
como subtractores de sello devido duas vias de faz entrega da via de letra sellada; o que de
prompto fez presumir que o referido administrador
melhormente avisado de seu dever a mandava
restituir, c perguntando pelas outras, foi-Ibe res-
pondido, que ficaram na reparticao, e que elle vi-
nha para cobrar a taxa da que entrogava ; ento
retoi-quirain os recorrentes quo lhes troujesse as
outras, pois nenhuma duvida leriam em pagar a
taxa da remedida; e passou o socio a inutilisar a
mesma, rasgando-a em parte, cm que se acliava a
firma social, como dclla se v no processo da re-
clamacao.
Foi esta a intimacao, que os recorrentes recebe-
ram em seu escriptorio, e que agora pelo admi
letra na importancia de 2*)-.0OU50O0: e mais que,
a despeito de nossa justa reclamacao, que nao
quizera atttender a thesourana, iquemos sujeitos
una execucao judicial para pagamento de urna
tal mulla; cabe-nos agora publicar, que levando
ao conhecimento do governo imperial urna recla-
macao acerca daquella injustica, a justica deste
nao tardou cm repara-la no quanto era-lhe possi-
vel; e mandar advertir ao administrador da
mesma recebedoria de sua irregularidade a res-
peito ; como fezlo por aviso, cujo theor aqui fa-
zemos transcrever : e praza Dos, que o niosmo
Sr. administrador abrando esse rigor, com que
exerre sua administracao, n applica-lo s inter- i nistrador e traduzida como tendo sido a da multa;
preiaeoes dos respectivos regulamentos, com o que
muito se atropelam os contribuales.
Ja/rt & Espirito Santo.
AVISO.
Em 22 do passado expedio-se aviso presiden-
cia de Pernambuco, communicando ter chegado ao
conhecimento deste ministerio a representarlo de
Maia & Espirito Santo, negociantes na capital da
provincia, transmitida no omcio n. 127 de 29 de
dezembro do anno passado.
Em vista dessa representaejio e mais papis que
a acompanham, consta que tendo os supplicantes
apresentado a recebedoria do Recife tres vias de
pois que depois della nenhuma outra pessoa da
referida reparticao apparecera fazendo intimacao
aos recorrentes.
A prova de que a via sellada fura restituida no
escriptorio dos mesmos, e nao onde, e como infor-
mou o administrador, se acha no documento n. 3 ;
c se aqneila est completamente sellada, como ap-
parece, ou alguem teria pago a taxa para melhor-
mente ser firmada a multa, ou a taxa nao constar
ter entrado na receita, c a verba posta foi simples
formalidade, visto que os recorrentes nao a pa-
garam.
Permita V. Exc. aos recorrentes ponderar que
se o art. 54 do citado regulamento determina
ter
letra paparam o sello de urna tao smente, deixando; lugar a revalidacao smente quando exista titulo
de pagar odas outras; que por este facto, foram 1 sujeito sello, que nao o baja pago nos prazos
detidas pelo administrador, esperando elle que vies-1 marcados; se urna letra de cambio, ernqoanto nao
sem eflectuar o pogamento dentro do prazo de 30 seja aceita 011 endocada, est em lempo de ser sel-
dias, conforme o art. 21 3." do regulamento de 56 lada, romo se deprehende rio artigo 170 do dito
de dezembro de 1860, ntao em vigor: que, nao1 regulamento, e finalmente, se a mesma pode ser
comparecendo os supplicantes at o fim deste pa-: sellada no lugar do aceite, como expressamente
zo, mandril o administrador lavrar termo de mulla' permute o art. 32, como ser possvel revalidar-se
e revalidacao, e intimar a decisao ; que, intimada o sello de urna letra como a de que so trata, que
a decisao em 20 de agosto, o dito administrador
recorren della ex-oflicio em 21 de setembro para a
thesourana, a qual confirmou a decisao cm 30 des-
se mez ; que, mais tarde, havendo sido os suppli-
cantes notificados pelo juizo dos feitos em outubro,
para pagaren) executivamente a multa, interpuze-
nem eslava ainda aceita, ede mais fra inulilisa-
da?
E' reparare!, que o administrador deduzisse a
obrigacao em que entendeu ficar a letra de ser re-
validada, de um acto inteiramentc seu ; compu-
tando no prazo o lempo em que as vias da letra
ram em 17 um recurso para a thesouraria, o qual estiveram e ainda estiio, retidas em seu poder, nao
oi desattendido em 28, por enlender-se perempto quiz attender a advertencia feita no final do aviso
o direito da parte ; que, em 24 de novembro, re- j de 22 de Janeiro de 1861 e outras existentes,
correram para o tribunal do thesouro, por inter- A thesouraria, de quera se recorre, fundada na
medio da thesouraria, que nao Ibes admittio esse informaco do mesmo adminisrador nao attendeu
recurso, indeferindo a peticao em 1. de dezembro; a reclamacao dos recorrentes, e addicionou a seu
pelo que em 12 de dezembro representaran) ao the-
souro contra o procedimento da recebedoria e the-
souraria.
Ora, havendo o administrador qualificado o fac-
to de no pagamento do sello das outras duas vias
das letras como subtracrao do imposto previsto no
art. 114 do regulamento citado, manifest que o
processo a seguir-se era o prescriplo nos arts. 744
e seguintes do regulamento de 19 de setembro de
1800, como expressamente determina o art. 118,
1. do regulamento, e nao impr a multa e fazer
intimar a parte, profenndo assim urna deciso|in-
dependente da audiencia previa do multado, e tor-
nando tumultuario todo o procedimento fiscal.
O (acto, porm, de deixar de pagar o sello das
duas vias de letra, no prsenle caso, em que os
supplicantes a levaran) a reparticao no prazo legal,
nao poda ser classilicado no art. 114, nem em
qualquer outro para sujeitar a parte multa ; por-
quanlo, a apresentaco dos ttulos estacao publi-
ca exente a intencao de sonegar o imposto devido
ao estado, accrescendo que nao se do as crcams-
tancias previstas no mesmo artigo como condiedes
da pena nelle comminada.
E' cerlo que os supplicantes, crendoos ttulos e
levndoos reparticao, contrahiram efiectivamen-
te a obrigacao de pagar o imposto, fica.ido sujeitos
revalidacao se o nao pagassem no prazo legal,
por facto exclusivamente seu; mas nao menos
certo que nao se Ibes deviam reter os ttulos, visto
3ue tinham a seu favor o legal, podendo dentro
elle satisfazer o sello em qoalquer outra estacao
fiscal onde Ibes coevlesse.
Cumpre, portante que a mesma presidencia d
suas ordens para qut o inspector da thesouraria
expeca as precisa providencias para que lique
sem effeilo o processo execulivo instaurado para a
cobranca da multa imposta em viriude do art. 114;
e ootrosim, declarar ao administrador da recebe-
doria que menos regularmente se houve neste as-
sumplo, deixando de appHcar exactamente as dis-
posi^Ses qne regulavam esta queso, e recorren-
do ex-oflicio de sua decisao para a thesouraria;
porquanlo em materia de sello nao ha recurso ex-
officio, ou necessario, senao das decises das admi-
mslracoes dea mesas de rendas e col lectoras como
determina o art. 126 do rag lamento, e art. 62 do
decreto de 17 de marco de 1860.
Recurso.
Illm. e Exm. Sr. presidente do thesouro publico
nacional.Maia 4 Espirito-6anio, firma social es-
tabelecida na praca de Peroenbaeo, recorrem para
esse thesouro da injusta decisao dada pela Inesou-
dispensado.
Enganei-me em meu pensamento, por que al
esta data anda se nao abri a aula, nem mesmo
este pequeo beneficio do meu pai poseo gosar
sem interrupcao; ja tao sobrecarregado de impos-
tas, e ainda mais vista da le do orcameato pro-
gressista, que tem de vigorar do l" de julho futuro:
o respeitavel publico desculpe das faltas por que
nao sou escriptor.
Recife, 10 de junho de 1864.
Um che fe de familia.
Ao dislindo e especial carpo eleitoral drsla
provincia.
Candidato senatoria o Dr. Joiquim Saldanha
Marinho, dirigi cada um dos dignos eleitores es-
peciaes desta provincia, a circular abaixo trans-
cripta ; mas podendo acontecer que, muitas das
mesmas circulares, por circumslancias que se no
pode prevenir, nao tenham chegado, e qoe agora
mesmo nao cheguein ainda a seus destinos, por
isso faz-se a presente declaracao, pedindo-se ao
mesmo tempo desculpa de faltas que possara appa-
recer e nolar-se, e de que jamis deve ser respon-
savel o mesmo Dr. Saldanha Marinho, que s tem
motivo para confessar-so eternamente grato, ao
distocto e especial corpo eleitoral desta provincia, I
queja urna vez o acolheu benigno.
Illm. Sr.Tendo solicitado do corpo eleitoral de
nossa briosa provincia a admisso de meo obscuro
nome na lista trplice que foi offerecida cerda na
ultima eleicao, consegu isto, e do modo o mais no-
bre e lisongeiro mim, que por tao grande consi-
derarao me confesso eternamente agradecido. Da
tribuna parlamentar eu me dirig aos eleitores de
minha provincia, e lhes tributei ahomenagem devi-
da pelo titulo de suprema honra que rae haviam
concedido.
Pela lamentavel morte do Sr. consclheiro Fran-
cisco Xavier Paes Barrete d-se noea vaga no se-
nado, e nova eleicao vai proceder Pernambuco.
Apresente-me novamente ; reputando de minha
dignidade consultar ao mesmo corpo eleitoral se
nos puliros mezes decorridos da eleicao em que fui
considerado tenho em alguma cousa desmerecido
do conceito em que se dignaram ter-me os eleito-
res pernambucanos.
E porque tenho consciencia de mim, como tenho
intima ronviccao da dignidade, independencia e
firmeza de carcter de V. S., nao duvido contar
com
candidatura na eleicao ~ que se vai agora proceder.
Ausente do campo onde a eleicao vai ser dispu-
tada eu nao cont senao com a bondade e honra
de V. S., em cujas qualidades confio plenamente.
Sempre firme nos principios libcraes, para trium-
pho dos quaes nenhum esforco e sacrificio tenho
poupado, me reputo no caso de merecer a conti-
uuaaao de seu apoo.
Fica as suas ordens o de V. S. amigo, patricio,
criado obrigado
Joaquim Saldanha Marinho.
Rio de Janeiro, 7 de abril de 1864.
igue hespanhol Ricardo, carregou para Bar
celona :
600 saceos com 3115 arrobas e 14 libras de al-
godao, 400 couros salgados com 12300 libras.
Barca ingleza Margare!, carregou para Liverpool
por Macei.
700 saceos com 3500 arrobas de assucar masca-
vado.
Brigue inglez Glaucus, carregou para Liver-
pool :
5065 saceos com 23323 arrobas de assucar mas-
cavado.
Brigue dinamarquez Fortuna, carregou para o
Canal pela Parahiba.
900 saceos com 4500 arrobas de assucar masca-
vado.
Recebedoria de rendas Internas
geraes de Pernambnco.
Rendimento do dia 1 a 9........ 10:72o046
dem do da 10................. 878*050
11:603*096
Consulado provincial.
Rendimento do dia 1 a 9......... 34:215*29.1
Idem;do dia 10................. 3:315*423
37:530*716
MOYIMENTO DO POETO.
Navio entrado no da 10.
S. Matheus. 6 dias, hiate nacional Dous Irmos,
de 64 toneladas, capitao Joaquim Jos da Silvei-
ra, equipagera 7, carga IcOO alqueires de fari-
nha de mandioca : Tasso & lrmo.
Observacao.
Nao houve sahida.
Fundeou no lama rao um brigue hespanhol, mas
nao teve couiraunkacao com a trra.
EDITAES.
De ordem do Illm. Sr. Dr. chefe de polica,
faro publico, para conhecimento de quem interessar
possa, que em quanto se estiver lazendo o calca-
carrosas, e quaesquer oulros vehculos de con-
duegao.
Secretaria de polica de Pernambuco, 9 de junho
de 1864.
O secretario,
Eduardo de Barros Falcao de Lacerda.
O Dr. Tristao de Alencar Araripe, offlcial da im-
perial ordem da Rosa e juiz de direito especial
do commercio, nesta cidade do Recife de Per-
nambuco por S. M. I. e C. o Sr. I). Pedro II, a
quem Dos guarde etc.
Paco saber aos que o presente edital vrem c del-
; le noticia tiverem, que no dia 22 do mez de junho
I do corrento anno, se ha de arrematar por venda
1 qnea mais dr, em praca publica, depois da au-
diencia respectiva, os escravos seguintes : Sabina
I de nacao, de mais de quarenta annos de idade, com
,,,.,, I un lubinho na cabeca, avahada em 300* : Basilia,
Xarope alchoohco de veame, preparado pelo crioU|a de 17 annos de jdade avaiiada em 800* :
pharmaceutico Jos da Rocha Prannos, estabele- as quaes sao perlencentes a Joo Marinho Paes Bar-
1 reto, e vao praca por execucao de Manoel de
Souza Pereira.
Os pretendentes devero apresentar suas propos-
las em carta fechada at o dia 15 do crreme.
Alfandega de Pernambuco, 1 de junho de 1864.
O segundo escriturario, Caetano Gomes de S.
Objectos para a guardamoria.
Lonas.
Brisa.
Bandeiras para sigoaes de 2 e 3 paanos.
Oleo de linhaca.
Tintas preparadas a oleo.
Ditas em p.
Breu.
Alcatrao.
Verniz.
Fio de algodao.
Tljoto para limpar ferrageds.
Piassaba.
Esloupa.
Cera cm grume
Graxa ou sebo
Cadarfo estreito
Cadarco largo
Azarcao
Taixas de bomba
Cabos de diOerenles qualidades e grossuras.
Folbas de cobre ou metal.
Pregos de ferro e cobre de dillerentes lamanhos.
Azeite de carrapato e de coco.
Lanternas ou phares.
Ferquetas de ferro.
Correntes de differentes grossuras.
Ferros de differentes taraanhos.
Remos de 12, 14 e 16 ps.
Louca de mesa e cosinha.
Para o servico da capatasia.
Livros em branco para os armazens.
Azeite doce para os guindastes.
Tinta roxo- trra em p.
Brochas para pintura.
Verniz de carvao de pedra.
Pai a o expediente das seceos.
Cadernos em papel paulado para os extractos
dos mappas.
Papel greve pautado.
Dito dito liso, e de linho.
Dito mala-borrao.
Peonas de ac.
Ditas de aves.
Lapes pretr.
Dito de cores.
Caetas.
Tinta prcta para escrever, e tinta rosa.
Ditas carmisim.
Ara preta.
brelas.
Ituguas.
Cdarcos.
Caivetes e raspadeiras.
O Dr. Tristao de Alencar Araripe, offlcial da impe-
rial ordem da Rosa, juiz de direito especial do
commercio da cidade do Recife de Pernambuco e
seu termo, por sua magestade imperial e consti-
tucional o Sr. D. Pedro II, a quera Dos guarde
etc.
Faco saber aos que o presente edital vircm o
d'ellc noticia tiverem, que no da 4 de julho do
correntc anno se ha de arrematar por venda a
3uem mais der, em praca publica depois da au-
iencia respectiva, casa terrea sita ra da Con-
cordia n. 61, tendo urna porta e duas janellas na
5.a
O permetro ou limites do terreno da ar-
rematado da veoda d'agua na freguezia da
Boa-Vista ser o seguinte: comecando pela
ponte da Boa-Vista seguir pela ra da Au-
rora at a primeira ponte depois do Gym-
nasio, d'ahi seguir em linda recta ao sitio
dos denleirosdo fallecido Francisco Joaquim
Pereira de Carvaio, d'alti seguir pela es-
trada do Pombal, e pelo travessa do Boi at
a ponte do Manguinho, d'ahi pela estrada
adaixo at o sitio dos derdeiros de Luiz
Gomes Ferreira, e d'ahi em seguimento da
dirisSo do sitio dos ditos herdeiros de Luiz
Gomes com o sitio da fabrica do rap- at o
rio Capibaribe, e d'ahi para baixo seguin-
do a margem esquerda do dito rio at a pon-
te da Boa-Vista. Adverte-se que esta liaba
, divisoria segu sempre pelo centro das es-
tradas, de maneira que a parle da estrada
que ficar alm da dita linha nao pode fazer
parte do terreno que comprehende a arre-
matarlo. Da Cidade Nova de Santo Amaro
principiar da da segunda ponte da ra da
Aurora at o largo da capella de Santo
Amaro, d'ahi seguir pela estrada nova de
Olinda comprehendendo um e outro lado da
ra at encontrar no sitio dos herdeiros do
fallecido Francisco Joaquim Pereira de Car-
valho.
6.a
O permetro da arremataco para as fre-
guezias de Santo Antonio, Hecife e S. Jos
serao comprehendidas na diviso de cada
urna dellas. A dos A fugados comprehen-
der smente a ra Direita al Giqui pelo
lado do norte at a igreja do Remedio, e pe-
lo sul al a ponte de Motocolomb. Os ar-
rematantes nao terao direito aos chafarizes
e penas d'agua que durante o prazo da arre-
mataeao se houverem de abrir fra dos pe-
rmetros cima marcados, e taes chafarizes
e penas d'agua ficaro cargo da admiois-
tiacao.
7.
Os arrematantes nao poderao pedir in-
demnisacao alguma quando pnr occasio de-
qualquer reparo ou concert no encanamen-
lo haja (liminucrioou falta d'agua at o pra-
zo de 24 horas e smente lera direito a re-
clamar alguma indemnisaeao pelo lempo
que exceder a este prazo.
Escriptorio da Gompanhia de Beberibe, 7
de junho de 1804.
O escriplurario,
Marcolino Jos Pupe.
Consnlado provincial.
Pela mesa do consulado provincial se faz publ-
cente duas salas, dous quartos, cosinha fora,, co que os lrin|a djas Dleis' ra pagamento boca
quintal muradoe cacimba, em terreno de marraba; j do cofre do spgundo semesfre doF abnn0 fitiancciro
vigente de 1863 1864 dos impostes da dcima dos
avahado em 3:000.^000, a qual pertencentc No-
berto Muniz Teixeira Guimares e sua mulher'
vai praca por execucao de Joaquim Jos Baptis-
la, como cossionario de Jos Muniz Teixeira Gui-
mares.
E na falla de licitantes ser a arremataco feita
pelo preco da adjudcalo com o abatimento res-
pectivo da lei.
E para que chegue ao conhecimento de todos
mandei fazer o presente edilal que ser afflxado
nos lugares do costume e publicado pela imprensa.
Dado e assado nesta cidade do Recife de Pernam-
buco aos 7 de junho de 1864.
Eu Manoel deCarvalho Paes de Andrade, cscri-
vo o subscrevi.
Tristao de Alencar Araripe.
Attenco
indeferimento o achar-so prescriplo o direito della;
mas, os recorremos confessam que nunca recebe-
ram intimacao de multa, e s sim, a exigencia do
pagamento da taxa de urna das vias ; e aqui ajun-
tam, sob n. 4, um documento de prova negativa,
nica possivel, de como nao foram intimados da
multa e revalidacao, e chamaran) juizo o empre-
gado, que se diz ter feito tal intimacao, para de-
clarar sob juramento o dia, lugar e perante quem
a fizera. com a comminacao de que se nao com-
parecesse se haveria como nao tendo feito tal inti-
macao.
Naodcixarao os recorrentes de reflectr sobre a
ponca credibilidade, attenra aordem e regularida-
de no expediente da reparticao, que se deve pres-
tar ao facto de ter sido sellada urna daquellas vias,
deixando de o ser as outras, que alias foram todas
conjuntamente ali i apresentadas; ou todas deve-
riam achar-se selladas, ou nenhuma dellas deveria
estar. O mesmo administrador para justificar-se
historia o occorrido de forma tal, que teve de es-
quecer-se da dignidade dos demais empregados,
que intervcm no expediente do sello de pa-
pis, dndoos como ignorando que antes do ul-
timo decrete, em agosto do crreme anno, as vias
de letra recebiam a verba do sello com paga da
taxa repartida por ellas, o que sempre all oi ob-
servado, e se deve demais notar que o dito admi-
nistrador nao tivesse podido determinar os dias
precisos, em que teve retida em seu poder a pri-
meira via da letra, sem duvida por Ihe faltar a me-
moria, e a tivesse de sobejo para conservar e rea-
lar minuciosidades, que informou terem-se dado
em occasio do sello das via.
Os recorrentes ajuntam a este recurso cinco do-
comentos, e esperam da justica do Exm. presiden-
te do thesouro, para qnem recorrem, que serao at-
tendido; e V. Exc. receber merc.
Cidade ao Recife de Pernambuco, 24 de novem-
bro de 1863.
jjt Maia A Espiri Santo.
PBTfCO.
Mim. Sr. inspector.Dizem Mala i Espirito San-
to, que para bem de seus direitos precisan), qne V.
S. se digne mandar dar-mes per certido o theor
do recibo, que fora passado por parte dos suppli-
cantes, para qoe podessem elles haver desta the-
sooraria duas vias de lelra, qne foram retiradas na
recebedoria das rendas; mas que foraa agora
restituidas, em vista da'decisao do overne feral i
respeito da feelamasao dos supplicantes e pede
buco.
Este xarope incontestavelmente superior a Uv
dos os xaropes depurativos, Je cuja composicSo
o seu maior elemento a salsa parrilha, pois que se
tem conhecido ser o veame mais enrgico para a
prompta cura das molestias, cuja base essencial
o pende da purificacao do sangue : assim pois se
tem verificado por muitas pessoas que se achavam
desengaadas, as quaes achara-se hoje restabeleci-
das com o referido xarope alchoolico de veame ;
entretanto que alguns, tendo usado do xarope de
Curinier, de Larrey, de salsa parrilha, de sapona-
ria, oleo de ligado de bacalho, e outros agentes
desta ordem nada conseguiram. elle de fcil
digesto, agradavel ao paladar e ao olfato. Alguns
mdicos desta cidade c da de Macei o teem re-
commendado para a cura das
Impigens, tinha, escrophulas,
Tumores, ulceras, escorbuto,
Cancros, sarna degenerada, lluxo alvo.
Todas estas affec^oes proven) de urna causa in-
terna ; nao ha pois razao alguma em crer qne el-
las se podem curar com remedios externos. Tam-
bem se prescreve o xarope alchoolico de veame
para o (ratamente das affecges do systema nervo-
so e fibroso, taes como :
Gotta, rheumatismo, paralysia,
Dores, impotencia, esterilidadc,
Marasmo, hypocondra, emmagrecimento.
O xarope alchoolico de veame sobretudo, da
maior utilidade para curar radicalmente, e cm
pouco lempo o rheumatismo.
Adverte-se que o verdadeiro xarope s se vende
nesta cidade na botica cima indicada do abaixo
assignado ; e em outra qualquer parte que se tem
annunciado nao da mesma composicao, e nem o
abaixo assignado se responsabilisa.
Jos da Rocha Paranhos.
E na falla de licitantes ser a arremataco feita
pelo preep da adjudicacao com o abatimento res-
pectivo da lei.
E para que chegue ao conhecimento de todos,
I mandei passar o presente edital, que ser afflxado
i nos lugares do costume, e publicado pela im-
prensa.
Dado e passado nesta cidade do Recife de Per-
nambuco, aos 9 de junho de 1864.
I Eu Manoel de Carvalho Paes de Andrade, escri-
; vo o 6unscrev.
Tristao de Alencar Araripe._
Os flseaes das qnatro fregiiezlas
desta cidade, ele.
Fazem constar a quem interessar possa, que o
artigo 2 das posturas addicionaes de 20 de julho
de 1860, abaixo transcripto que inteiramenle pro-
hibe o costume de se fazerem fogueras nesta ci-
dade est em perfeito vigor.
Art. 2." Fica inteiramente prohibido o costu-
me de se fazerem fogueiras nesta cidade por oc-
oasiao das festividades de Santo Antonio, S Joao e
S. Pedro, e em outros quaesquer dias ; o contra-
ventor pagar a multa de205000,e o duplo na rein-
cidencia.
E para que rno appareca ignorancia, fazem pu-
blico.
Cidade do Recife. 8 de junho de 1864.
Os liscaes
Manoel Joaquim da Silva Ribeiro.
! Joao Xavier da Fonseca Capibaribe.
Tliomaz Antonio de Vasconcelos Albuquerque
Maranhao.
Manoel Antonio Ferreira Gomes.
O Dr. Ernesto de Aquino Fonseca, cavalheiro da
ordem de Christo, juiz de orphos e auzentes da
cidade do Recife e seu termo, por S. M. o Impe-
rador, que Dos guarde, etc.
0 perfume dO hemisplieriO OCCi- Fa?o saber aos que o presente edilal virem que
> r | requerimento do Dr. Manoel do Nascimento Ma-
Hl.lllill. ; chado Portella, curador do prodigo Valeriano Man-
0 perfume o mais balsmico e aromtico de i so da Costa Reis, vai praca por tres annos o ar-
quantos se conhecem por sem duvida a agua Do- rendamenlo do engenho do Meio, de Ipojuca na
rida de Murray & Lanman. E' o verdadeiro espi- comarca do Cabo, por 1:2004000 annuaes, de cujo
rito, a verdadeira essencia das flores encerradas engenho consenhor da quarta parte o predite
qual asmodeu em urna garrafinha de crystal. O prodigo.
DECLARARES.
COMPANHIA
o
Nodialodo correntc, pelas 12 horas
do dia, ter lugar no escriptorio da Gom-
panhia ra do Cabug n. 16, arremataco
do rendimento dos chafarizes e bicas por
bairros ou totalidade e por espaco de um
anno, sobas bases e condices abaixo trans-
criptas ; os Srs. licitantes comparecam com
seus fiadores ou declarado dos mesmos no
mencionado dia, devendo ser as propostas
em carta fechada apresen tada na mesma oc-
casio ou antes no escriptorio onde melhor
se devero esclarecer e informar.
Bases sobre as qnaes se deve laucar.
Bairro do Recife.
Chafariz e bica do caes da al-
fandega....... .
Dito da ra da Cruz. .
Dito da ra do Brum. ,
Dito do Forte do Mallos e bica.
5:400*000
6:5003000
4:4600000
3:390>000
i9:390000
Bairro de Santo Antonio.
Chafariz do largo do Carmo. 9:600,5000
Dito do largo do Paraizo. 6:500>000
Dito do largo do Passeio Pu-
blico........4:2503000
Dito da ra
Dito da ra
do
da
Sol. .
Concordia.
3:200*000
4:1000000
27:6503000
Bairro da Boa-Vista.
Chafariz e bica do Caes do Ca-
pibaribe........ 4:6003000
Dito da ra da Aurora.
Dito da caixa d'agua dos Pires.
Dito da praca da Boa-Vista. .
da Soledade. .
Dilo do largo
2:4003000
6:5003000
6:000->000
1:5'6$000
seu aroma fresco qual o de um ramalhete recem
colhido e composto de odorferas flores, e mesmo
depois que este murcha e perde seu cheire, este
perfume indestructivel permanece no objecto que
ha tocado tao puro c delicioso como no principio.
No salo calido, no banho, como enfugnatorio aro-
mtico, como aroma fino e delicado para o lenco, j
vestidos e a pelle ; ou deluido, como meio ante-ir-
ritante para depois de se fer feito a barba, sobre-
puja e excede todas as mais aguas aromticas
para o toucador, incluindo at mesmo essa tao afa-
mada agua da colonia de Joao Maria de Jarina.
21:020*000
Bairro de S. Jos.
Chafariz do largo da Bibeira. 12:0003000
constar mandei passar o presente que Dito da ra Imperial.. 6:1003000
Dito do meio do aterro dos
Afogados.......2:0003000
E para
ser afflxado nos lugares do costume, depois de
ter transitado pela chancellara do supremo tri-
bunal da relacao do districte.
Dado e passado nessa cidade do Recife de Per-
nambuco, em 23 de abril de 1864.
Eu, Florianno Correa de Rrito, escrivo, o fiz
escrever e subscrevi.
Ernesto de Aquino Fonseca.
Contina a estar em praca o engenho do Meio.
sito no termo de Ipojuca, as quaes serao depois
da audiencia do Illm. Sr. Dr. juiz de orphos, de
Acha-se venda era todas as principaes droga- conformidad com o edital cima.
ras e lojas de perfumaras.
COMMERCIO.
ilfaadega
Rendimento do dia i a 9 .... 238:6904933
dem do dia 10.............'----- 13:682^079
20:1003000
Bairro dos Afogados.
Chafariz do largo de Nossa Se-
nhora da Paz.....4:1003000
Cidade Nova de Santo Amaro.
Chafariz junto a rampa de Starr
4C........2:0003000
Passagem da Magdalena.
6003000
1.*
Huvlmcnto da alfandega
Volumes entrados cora fazendas...
i com gneros.
O Dr. Tristao de Alencar Araripe, offlcial da impe-
rial ordem da Rosa e juiz de direito especial do
commercio e seu termo n'esta cidade do Recife Chafariz do largo do viveiro.
capital da provincia de Pernambuco, por sua Condices
magestade imperial e constitucional o Sr. D. Pe-
dro II, a quera Dos guarde etc.
Face saber aos que o presente edital virem e
d'elle noticia tiverem que no da 13 de junbo do
correte anno, se ba de arrematar por venda a
quem mais der, em praca publico deste juizo os es-
M'm.xn.'i' travos seguintes : Agostinho de naco, maior de
*0 annos de idade, avahado por SOOJK
de 30 annos de idade
faoio crioulo de 20 annos
Volumes sabidos
f c
com
com
fazendas...
gneros...
54
338
10o
793
A arremataco ser feita por espaco de
um anno a contar do lde julhp de 1864.
2.a
O pagamento 4 Companhia ser feito em
/or s02$2!tt Jaiob prestaces raensaes dividindo-se pelos 12
ol^lZX^^t P*> ** arremataco em letras as-
Descarregam no dia 11 de junho.
Barca ingleza City of the Sultnmercaduras.
Brigue portuguezConstantediversos gneros.
Barca portuguezaLaura sal.
Barca hollandezaSclteringa farinha de trigo.
Brigue nacional Liberalcarne de charque.
lMportaco.
Brigue escuna naeioaal 42ysne, entrado do Rio
_ Grande o Sul, consignado a Amorim Irraos, ma-
V. 8. assim o mande receber merc.O advetado nifestou o seguinte:
Pereira de Mella
13374 arrobas de charque, 40 barricas com 260
idade, avallado por 600,1000, os quaes foram pe- signadas pelos arrematantes e seus fiadores,
I nhorados por execuco de Antonio Jaeimho Borges alm do respectivo termo assignados pelos
J9z contra D. Mara Joaquina Machado Cvaleanti, e mesmos.
i nao havendo lancador qoe cubra o preco da avaha- o *
I cao i arremauco ser feita pelo preco da adiadi- n ... .
900 -cacio na formada lei. 0 arrematante no podera vender agua
E para que chegue ao conhecimento de todos por mais do estipulado de 20 rs. por balde,
mandei passar o presente que ser publicado pela e ser obrigado a dar agua para beber a
imprensa e affliado nos lugares do costume. mmut dp natiofin a narr
Recife 9 de junho de 1864. I"6" fle P^B1** a PW.
En Manoel Maria Rodrigues de Nascimento, es- *
crivao o subscrevi. 0 arrematante nao peder vender agua
Tristao de Alencar Araripe. fra do permetro de sua arremataco, anas
ZJt MEE? d.a JiSSjrf* SSffJi T entro della pode foe-lo da forma qoe qot-
virrode da portara da thesooraria de fazenda n._____ ... _______... ...__. *.
67 de 28 de maio prximo passado, precisa contra- eroa Ibe convier, nunca faltando a venda
tar para o expediente da mesma reparticao no an- ao publico nos chafarizes.
predios urbanos d&> freguezias desta cidade, e da
dos Afogados, de 20 por cento do consumo de
agurdente, e de a por cento sobre a renda dos boos
de raiz perlencentes a corporacoes de mo morta,
se principiam a contar do Io de junho vindouro.
Mesa do consulado provincial de Pernambuco, 2o
de maio de 1864.
Antonio Carneiro Machado Rios.
Administrador.
Conselho de compras uavaes.
Tendo o conselho de fazer os contratos abaixo-
declarados convida aos pretendentes apresenta-
rem suas propostas em cartas fechadas no dia 11
do corrente mez at as 11 horas da manhaa, era
que os mesmos contratos teem lugar.
Por tres mezes lindos em setembro do corrente
anno.
Da lavagem de roupa dos estabelecimentos de
mannha, e do fornecimento de fardamentos, aos
aprendizes artfices, mperiaes marinheiros, apren-
daos ditos, fuzileiros navaes, africanos e africanas
livres, composto o fardamento do seguinte: blu-
sas de algodao azul, blusas de brim branco, bo-
nete de uniforme, bonets do servico, calcas de
brim branco, calcas de algodao azul, caigas do
panno azul, cobertores de la, colchas de algodao,
camisas de algodaozmho branco, colchos de linho
cheos de palha, frdelas de panno azul, fronhas de
algodozinho, lences de dito, lencos de seda preta
para grvala, sapatos feitos no paz, saceos de
guardar roupa, e travesseiros de linho cheos de
palha, para os aprendizes artfices: calcas de brim
branco, calcas de algodao azul, camisas de brim
branco, camisas de algodao azul, calcas de panno
azul, frdelas de dito, lencos de seda preta para
gravata, sapatos feitos no paiz, e saceos de lona
de marinhagera, para os imperiaes marinheiros e
aprendizes dilos ; bonets de chapa e palla, calcas
de brim branco, calcas de panno azul, camisas de
brim branco, fardetas de panno azul, frdelas de
brim branco, grvalas de couro de lustre, po-
lainas de panno preto, c sapatos feitos no paiz,
para os fuzileiros navaes, calcas de algodao azul e
camisas do mesmo panno, para os africanos livres;
camisas de algodozinho, e saias de algodao azul,
para as africanas livres.
Devero os objectos de fardamento de manufac-
tura ser feitos de conformidade com s medidas
que se darlo aos contratantes ou contratante.
Por doze mezes lindo em junho do anno prxi-
mo vindouro.
Do avamento dos roceituarios das enfermaras
de marinha e dos africanos livres, dos servieps
de barbeiro s mesmas enfermaras, e do for-
necimento do ambulancias aos navios da ar-
mada.
Faz o conselho estes contratos sujeitos ap-
provaco do Exm. Sr. presidente da provincia, e
por elles licam cargo dos contratantes a multa
de 10 % "o caso de demora na entrega dos objec-
tos, ou de nao serem os servieps de que se incum-
birem feitos no devido tempo, e de 20 % pela falta
de supprimente dos objectos, serem estes de ma
qualidade, ou nao forera os ditos servieps presta-
dos, ou feitos de forma conveniente; "acrescendo
para o contratante do servico da lavagem de rou-
pa licar-lhe tambem carg o pagamento da im-
portancia das pecas que se extraviarem.
Sala do conselho de compras navaes, 7 de junho
de 1864.
O secretario,
Alexandre Rodrigues dos Anjos.
Conselho admiuistralivo.
O conselho administrativo para fornecimento do
arsenal de guerra tem de comprar os objectos
seguintes:
Para o arsenal de guerra.
Cornetas de loque com volta e bocal 12, costados
de amarello de 25 a 28 palmos de comprimente e
de 16polegadas de largura 6, custadinhosde ama-
rello com 26 a 28 palmos de comprimente e de 16
18 polegadas de largura 6.
Para o corpo de guarnicao.
Cubos onodoro hermticamente fechados, 6.
Para o corpo de guarnicao da provincia do
Cear.
Bandas de la com 12 palmos de comprimente
13, casimira verde covados 39, clcheles pretos pa-
res 312.
Quem quzer vender taes objectos aprsente a
sua proposta em carta fechada na secretaria do
conselho,s 10 horas da manhaa do dalo dejunho
prximo vindouro
Sala das sesses lo conselho administrativo para
fornecimento do arsenal de guerra, 8 dejunho
de 1864.
Antonio Pedro de S Barreta,
Coronel presidente
Sebastiao Jote Basilio Pyrrho,
Vogal secretario.
erreio feral.
Pela administrarlo do correio desta cidade se
faz publico, qoe em virtode da convenci postal
celebrada pelos governos brasileiro e francez, se-
rio expedidas malas para a Europa no dia 15 do
corrente pelo vapor inglez Parama. As cartas se-
rao recebidas at 3 horas antes da qne for marca-
da para a sabida do vapor, e es jornaes at 4 horas
antes.
Admi ni straco do correio de Pernambuco 16 de
junbo de 1864.O administrador,
Domingos dos Paseos Miranda

An enuta cao
a a audiencia do dia 11 do correle, do ju-
aicipal da 2* vara, eteririo Cuaba, aerio ar-
Finda
zo munii
rematados um ptaao e
Caetano Aureiiano de Carvalbo CouJoTem^Ttiade
da execucao que Ihe encaminha Jos Caetano de
Albuquerque.


Diario de Fernambne Sabba
t onselho auniInUtratlvo.
0 conselno administrativo para fornecimenle do
arsenal de guerra tem de comprar os objectos se-
guintes: ... D,
Par* a lortalaia de Cabedello da provincia da ra-
rahiba do norte.
1 Bandeira imperial de filelle pequeo.
1 Dita azul para signal.
i dita branca para dito.
i dtta encarnada para dito.
i gallardete axul.
2 Larris de dous fundos.
1 drica de bandeira.
Quera quizer vender toes ohjectos aprsente a
soa proposta era carta Techada na secretaria do
conselho s 10 horas da manha do da 17 do cor-
rente. ,
Sala das sossoes do conselho administrativo para
fornecimento do arsenal de guerra 10 de junho
de 1864.
Antonia Pedro de Sa Barreto,
Coronel, presidente.
Sebastto Jos Bazilio Pyrrho.
Vogal secretario.
Terca-feira 14 do corrente, depois da audien-
cia do juii municipal da 1* vara, vai praca urna
preta de meia idade, e os movis seguintes : 2
marqaezas, 1 comraoda e 8 cadeiras de amarello
era meio uso, por execuco de Tranquilino Soum
Sesse contra Guilberme da Costa.
CORREIO GERAL
Relaco das eartas segaras existentes
na* administraco t comi desta
cidade para es'senhores abauo de-
claradas.
Braga & Anlunes.
Carlos Augusto de Faria Veiga.
Francisco Moreira da. Costo.
Guilherme, Carvalho 4 C.
Joaquim Praneiseo Santiago.
Jos Joaquim Alves de Amorira (2).
Miguel da Silva allro.
Marto da Coureico dos Sanios.
Manoel Alves Guerra.
Fura a Baha
pretende seguir cora muita brevidade a escuna na-
cional Carlota, tem parte de seu carregamento
prompto : para o resto que Ihe falto, tratase com
os seos consignatarios Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo & C, no seu eacriptorio ra da Cruz nu-
meru 1. ____________
Para Rio Grande do sal
pretende seguir com muita brevidade o patacho
nacional Carolina, tem parte do seu carregamento
prompto : para o resto que Ihe falta, trata-se com
o capitao Belarmino dos Santo Pinhelro a bordo,
ou na praca do commercio. ______,
Para Lisboa e Porto
Sahir com brevidade a barca nacional Manan-
a ; recebe carga a frete, e tem excellentes com-
roodos para passageiros : trat-so no escripteno
de Manoel Ignacio de Oliveira 4 Filho, no largo
do Corpo Santo n. 19.______________
Para o Rio de Janeiro
pretende seguir com muita brevidade o veteiro e
bem conhecido palhabote nacional Piedade, tem
parte do seu carregamento engajado : para o res-
to que Ihe falta e escravos a frete, para os quaes
tem excellentes eommodos, trata-se com os seus
consignatarios Antonio Luiz de Oliveira Azevedo,
ra da Cruz n. 1.
Sexta-feira i 7 do corrente mez se ex
trahir pelo novo plano approvada pelo
Exm. Sr. presidente da provincia e abaixo
publicado, a primeira parte da primeira lo-
tera da igreja de Nossa Senhora da Boa-i
Viagem, do consistorio da igreja de N. S.
do Rosario da freguezia de Santo Antonio.
Os bilhetes, meios e quartos acbam-ae
venda na respectiva thesouraria ra do
Crespo n. 15.
Os premios de 6:0005000 at 12,|000
serlo pagos uma hora depois da extraeco
at s 4 horas da tarde, e os outros no dia
seguinte depois da distribuirlo das listas.
0 thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
IEIL0ES.
LEIO
THEATRO
DE
S. ISABEL.
E1PREZA
GERMANO iCOIHBrU.
14a Recita da assignatnra.
Sa liba'lo 11 de JHnho.
Subir scena o magnifico mysteno cm qualro
actos, ornado de msica e machinismo,
OS MILAGRES
noj:
Sabbado 11 de juuho s 11 horas
ra da Cadeia n. 53
DE
Urna casa terrea, chaos foreiro,
ra do ragdo n 5.
Por intervenco do agente Euzebio se vender
cm leilo pelo maior prego que se achar a casa
terrea o. ."> sita I ra do Arago n. 2, com 2
portas e janella. portadas de pedra, tem 28 palmos
de frente, 2 salas e 3 quartos em baixo, um soto'
sala, um quarto grande e entro mais pequeo e
90 de fundo, cosinha fora e mais um quarto junto,
cacimba grande com boa agua, quintal soffrivel.esta
casa esl bem edificada atlendendo aos grandes
eommodos internos e junto de quasi todos os esto-
belecimenlos que forneccm os objectos a necessi-
dade da vida, por [isto mesmo que se encom-
menda a attenco do respeitavel publico afim de
que aproveitem a opportunidade. ________
PLANO
Para as partes ordinaria
DE
LOTERAS
APPROVADO PELO EXM. SR. PRESIDENTE.
3,300 bilhetes a 65......21:000*00
Beneficio, sello e commissao 20 v 4:200*000'
Liquido. 16:800*000
1 Premio de......6:000*000 :
1 Dito de.......1:4005000
1 Dito de.......600*000
3 Ditos de
6 Ditos de
12 Ditos de
26 Ditos de
50 Ditos de
1000 Ditos de
1100 Premios.
2400 Brancos.
200*000
1005000
40*000
20*000
12*000
0*000
600*000
600*000
480*000
520*000
600*000
6:000*000
16:800*000
3500 Bilhetes.
N. B. Os premios maiores de 400*000 esto su-
jeiios ao descont da lei provincial, e os maiores
de 1:000*000 ao da lei geral.
Thesouraria das loteras 9 de junho de 1864.
O thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
ni
lili x/l'
Comecar s 8 horas.
Amaiihaa
Domingo, 12 de junho de 1864
Recita extraordinaria
Lirre da assignatnra.
Subir scena o interessante drama em quatro
actos, ornado de msica,
OS MILAGRES
BAWt AUTOMIO
Terminar o espectculo com a espirituosa co-
media em um acto, ornada de couplets, msica do
Sr. Colas,
UMA CEIA NO CAMPO.
Comecar s 8 horas.
O resto dos bilhetes eslo venda desde j no
oscriptorio do tlicatro.
avisos martimos.
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR
Dos portos do norte espera-
do at o dia 17 do corrente o va-
por Oyapock, commandante Pe-
| dro Hypblito Duarte.o qual depois
I da demora do costume seguir
do sul.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no dia de sua chegada, encommen-
das e dinheiro a frete at o dia da sahida as 2 ho-
ras : agencia, ra da Cruz n. 1, escriptorio de An-
onio Luiz de Oliveira Azevedo & C__________
para os portos
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR.
E' esperado dos portos do sul
at o da 14 do corrente o vapor
Apa, commandante o primeiro
| tenente Alcanforado, o qual de-
. _' pois da demora do coslume se-
guir para os portos do norte.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no dia de sua chegada: encom-
uiendas e dinheiro a frete at o dia da sabida s 2
horas, agencia ra da Cruz n. 1, escriptorio de
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Navegarn costelra a Tapor.
11 lia de |rnando de Noronna.
No dia 14 de unho prximo,
ao meio dia, seguir um dos va-
pores da companhia para o pre-
sidio de Fernando de Nero-
nha.
DE
Urna casa terrea coberta de telha na
Vanea.
1I<> JE
O agente Pestaa vender por conla e risco de
quem perlencer uma casa terrea coberta de telha
na Varzca lendo 2 salas, 2 quartos cosinha fra e
um terreno com 18 palmos de largura e 280 de
fundo inclusive a casa, com alguus arvoredos de
frucU, foreira irmandade do Santissimo Sacra-
mento da mesma freguezia : sabbado 11 do cor-
ente pelas 11 horas d manha no armazem do
Sr. Annes defronte da alfandega.
LEIL0
DE
100 saceos com arro da India
Terca-feira 14 do corrente.
O agente Pestaa vender por conta de quem
pertencer 100 saceos com arroz da India em um
ou mais lotes vontode dos compradores: terra-
feira 14 do corrente pelas 10 horas da manhaa no
armazem do Annes.
DE
Um dos melhores sitias da
Ponte de Ucha.
Quarta-feira ao meio dia.
O agente Miranda achando-se competente-
mente autorisado vender em leilo um dos
melhores sitios da Ponte de Ucha, o qual
tem uma encllente e sumptuosa casa, com
uma fachada que Ihe d uma apparencia ou
vista magnifica, sendo devidida em salas,
gabinetes, quartos, alcovas de grandes d-
mensoes alm da cocheira, estribara e
quartos para criados, que tem independen-
tes da dita casa.
O sitio murado, tem porto de ferro,
bem assirn uma grande cacimba d'agua po-
tavel, jardim e abundante em arvores fruc-
tferas taes como mangueiras, jaqueiras, sa-
potizeiros, coqueiros etc., etc.
Confina-se do lado direilo com o sitio do
Exm. Sr. baro de Beberibe, e do lado es-
querdo com o do Sr. Jorge Tasso.
Nao podemos deixar de mencionar mais
um terreno que fica em situaco opposta.
com porto de desembarque que tambem
per'tence ao mesmo sitio.
O referido agente presta se desde j a
dar as mais minucesas informaces em seu
armazem da ra da Cruz n. 57, aonde ser
etTectuado o leilSo.
COIIP4IHIA
DAS
MESSAGERIES IMPERIALES
At o dia 14
do corrente es-
pera-s da Eu-
ropa o vapor fran-
cez Bearn, com-
mandante Aubry
l de la Noc, o qual
depois da demo-
ra do coslume
seguir para o Rio de Janeiro tocando na Baha,
para informales e passagens trata-se na agencia
ra do Trapiche n. 9.
Os passageiros de Pernambuco para os portos
a bordo dos paquetes desta companhia nos mezes
de maior affluencia tem a faculdade de as tomar
no dia em que os vapores passam para o sul, pa-
gando porm como se fosse do Rio de Janeiro.
Para o Rio de Janeiro
o novo o velelro patacho Polycena, capitao Cypria-
no rtDtooio de Quadros, segu com brevidade ; re-
cebe carga a frete e escravos, para os quaes tem
excellentes eommodos : tratase com Miguel Jos
Alves, ra da Cruz n. 19.___________________
Rio de Janeiro.
. O brigue Trovador segu com brevidade, rece-
to carga e escravos a frele : trata-se com os con-
signatarios Marques, Barros dt C, largo do Corpo
Santn. 6.
Maranho.
O palhabote Garlbaldi tem j parte da carga en-
gajada, e para o restante tratase com Tasso Ir-
mos.__________________
Para o reuedo.
O hiale Amelia, segu por esles das.: a tratar
com o capillo na ra do Vigario n. 5.
n
-i g a> o o
" a 5 5' sr.
a> a 5' o.. 5
Cfl 05 -j
Cija o
^
es
00 w
o
co
O 5"03
o
B9
X3
C CD CB
( o b S.
O
53o
5- a 3 0 3 _
iis-sp'
g'SSl.icT
l O 3 (t O
O
as
^is-^o
03 OS
O
fB
= a oj a *- sr
S t 3 B n o
3> g oa a> y
O j= 3 =.0
C C < O ,-rs
3 CB is Vi =, .
11 ^S<-
CB B-> O^
gi-S 1=3
CO CB CB O
l V. 1/1 Vi o /.
r
i*
Mpnte Ko Portugnez:
A directora provisoria, tendo j confiad a ama
commissao o trabalho da organistados estaMtos
julg* todava convomanle scientlflcar desde lojv a
iodos os leus compatriotas o seguinte :
!? S4serio soeios effectivos oeidados poftn-
gezes.
1* A joia a do iq 0 a mensalidade de
800 rs. ^
3.* Os socios tero dtoeito aos beneficios da so-
ciedae quaado (cliando-se ssprovidos de re- :
cursos) estivarem desempregados, doenles ou
presos.
4. Aqltosi|ue, por motivos graves ou moles-
tia perigOM, tiverem necessidade- de se ausentar,
sero pagas as despeas de transporte cora com-
modiJade e decencia, ou para outras provincias do
imperio, oO para pab. estrangeiro.
8.' Falleceado qualquer weio, far-se-lhe-ha am
enterro decente, se elle nao deixar meios para
isso.
6* A sociedade prestara igoalmeoto soceorros.
em qaanto o neeessitarem, s viavas e fllhos me-
nores dos soeios que fallecerem em penuria.
Apresenlando esta id geral dos lins que a so-;
ciedade tem em vista, e havendo ofiBciado s com-
rasses orneadas nos diversos bairros desta eda
de para Ibes pedir o seu valioso auxilio na acqni-
eicao de socios, a directora ludo espera da leal
coadjuvafao e do acrisolado patriotismo dos Ilus-
tres cavalhetros a quem se. dirigi, e de todos os
seus compatriotas em geral.
Alm das pessoas nomeadas, qualquer cklado
porraguej que pretender contribuir para o de-
.-L-nvoivimento de tao mil associaijo augariando
assignaluras e demonstrando assim o itteresse
que Ihe merecem as cousas da nossa chara patria,
peder para esse lim obter listas impressae, diri- i
gtndo-se ao (abinete Portugnez de Leitura, ou a
casa da secretorio, ra da Cruz n. i'S, primeiro ,
andar.
A todos, era geral, que receberem listas, roga a
directora o especial obsequie de as devolverem
opportunamente, ou acompanhadas de offlcio, ou
simplesmente assgnadas, para a directora ten
sciencia dos cavalheiros a quera Ihe cumpre tribu
lar os seus agradecimentos.
Recife, 3 de junho de I86i.
Jos da Silva Loyo,
Presidente.
Joaquim Gerardo de Bastes,
2 secretario.___________
Criada.
Precisa-se de uma criada portugueza ou das
Unas, para o servico de duas pessoas: no caes 22
de Xovembro n. 30, primeiro andar junto ao buhar.
CICERO PEREGRINO
Ra do LivraiueiU 19
Primeiro :mdar.
Precisa-se alugar uma mulher de boos eos-
turnes e aceiada, estrangeira ou da (erra, e pode
ser oscrava, para tratar de cnaucas em uma fami-
lia estraogeira, morando na Casa Forte, (tara coser
e tratar do vestuario das mesmas crianzas e tudo
qaanto fur eoncernente a ellas, agradando paga-se
bem : procure no escriptorio n. 17, primeira casa
no trapiche do Angelo junto da prara do com-
mercio.
Fazem-se bolos de bada de todas as qualida-
| des, e armam-se handeijas com a maior prompti-
[ do e aceio a contento das encommendas, por pre-
j eos muitoem conta : na ra de Santo Rita n. 10.
Urna criada franceza.
Na ra do Livramento n. 19, precisa-se de uma
criada franceza, fazendo-se ordnalo vantajoso,
bem como se promette servico leve e bom trata-
meo to.
8aqaes sobre Portugal.
O abaixo assgnado, autorbado pelo
Banco Mercantil l'ortuense. e na ausencia
do Sr. Joaquim da Silva Castro, saca ef-
fectivamente por todos os paquetes sobre
as pracas de Lisboa e Porto, e mais luga-
res do reino, por qualquer somma vis-
ta, e a praso ; podendo, os que tomarera
saques a praso.receberera avista, no mes-
mo Banco, descontando 4 0i0 ao anno: na
loja de chapos da ra do Crespo n. 6, ou
na ra do Imperador n. 63, segundo an-
dar.Jos Joaquim da Costa Maia.
Jaboato.
Aluga-se uma grande casa em Sanio Amaro de
Jaboato, com eommodos para grande familia : a
tratar com Tasso Irmos.
ai a
Por despacho do Dr. juiz de direto especial
do commercio, sio | convocados os credores da
massa fallida de Fortunato Jos Fernandes, afim
de comparecerem no dia 11 do corrente, pelas
12 horas da manhaa, na sala das audiencias,
para o lim de verificar-se os crditos, deliberar-se
sobre concordata, ou formar-se o contrato de unio,
DENTISTA DE PARS
19Ra Nova-19
Frederico Gautier, cirurgiao dentista,
faz todas as operacSes de sua arte, e col-
loca dentes artificiaos, tudo com superio-
ridade e perfeifo, que as pessoas enten-
didas Ihe reconhecem.
Tem agua e pos dentilicio.
Aluga-se um sitio na estrada da Ponte de
Uchoa e a margem do rio, pouco adiaste do lllin.
Sr. commendador Ncry Ferreira, lendo banheiro,
mercio.
e lodos nos termos do art. 842 do cdigo do com-1 V*W, galmhe.ro e outras acommodaOes; e
1 outro dito no Monteiro, em frente ao oilao da igre-
ja : a tratar com Antonio Jos Rodrigues de Sou-
za, ra do Crespo n. 15, ou eslreita do Rosario nu-
mero 32.
Saques sobre Portugal.
* Antonio Luiz de Oliveira Azevedo!
&C.
Agestes do Banco I'niao do Porto.
Competentemente autorisados sacan
por lodosos paquetes sobre o mesmo Ban-
co para o Porlo e Lisboa e para as se-
guintes agencias:
Mr. Poaee de i\<
Sr. Antonio Carlos Pereirn de Burgos Poace
insiste emfazer persuadir ao publico, que
eu me separei de sua companhia e Ihe propuz c-
icJo de divorcio, sem que para isso tvesse motivo
altfum fundado, mas arrabiada lao smenlo por
movimento estranbo, chfgando sua vcllcidade ao
ponto de iaculcar. quo eu vivo sob a pressao da
voulade de meus pas, e que s pelo invencivel
temor que estes me inspirara que ainda nao me
reconciliei ostensivamente cora elle, quando alias,
em particular, vivemos na melhor inteligencia.
E de tudo isto tira elle motivo para roe incommo-
dar de novo, propondo-me uma aeco rescisorla do
divorcio, na qual allegou as mais revoleantes falsi-
dades.
Pedia o decoro que eu me abstivesse de trazer
luz publica esla desgranada questao, que o Sr.
Burgos lem procurado dar uma triste celebridade.
Entretanto, forrada pelo indigno e insidioso pro-
cedimenlo do Sr. Burgos, venho, bem mea pe-
zar, fazer perante o publico as seguintes solemnes
declaracoes, que serio repetidas sem n errupeo,
emquanto o Sr. Burgos nao se convencer de que
deve deixar-me vi ver tranquilla e socegada. Nao
quero, comtneu silencio, dar uma apparencia de
verdade ao romance que o Sr. Burgos inventou e
espalha, e favorecer assim os seus tenebrosos pla-
nos.
Eis aqu as minhas declaraQoes :
Sabi da companhia do Sr. Burgos e refugiei-me
na casa paterna para Ihe propor a areo de divor-
cio, nao porque fosse isso movida por vonlade
estranha, mas sim em razao dos incomportaveis
; martv rios por que me fez passar o Sr. Burgos, dn-
j rante dez longos annos que vivemos junio. Sahi
de sua companhia por causa de suas repelidas e
e>rundak>sas infidelidades ; sahi porque j estova
caneada de.solTrer toda a sor te de mos (ratamen-
|tos; sahi porque .a minha vida corra immnente
1 perigo ; sahi porque era o meu corno, nem o
meu espirito tinham mais forras para supporlar too
longo e insollrivel tormento ; sahi, nalniente,
porque j tinha pago com usura o passo impru-
dentsimo, que dra, e de que muito me tenho ar-
rependido, cin casar-me, contra a vonlade de meas
prenles, com o homcm mais refalsado que o cu
i cobre.
Em tudo quanto tenho feito este rerpeilo, meus
pais nao figuraram senao como meus naturaespro-
: tectores. Quem sabe que eive firmeza e resolucao
baslante, para casar-me, ainda menor, contra a
i vonlade de meus pais, na.) acreditar re lamente,
que boje, vinle annos depois de meu casamento,
seja constrangida, por vonlade de meus pais, a vi-
; ver separada doSr.Borgos. Elles, pois, nao exer-
ccram e nem exercem a menor violencia sobre a
minha vontade, a qual nunca foi mais Uvre do
que na resolucao que tomei e conservo de vi ver
completa c perpetuamente separada do Sr. Burgos
Vivo lo salisfeila e feliz em companhia delles,
i quanto possivel uma |iessoa, que tem moitos
e grandes motivos de desgosto, e em todo o caso
I infinitamente mais satiafeito c feliz do que viva na
companhia do Sr. Burgos.
Faca, portanto, o Sr. Burgos, o que Ihe snggerir
a sua al hoje nao igualada malicia. Finja a minha
letra e assignatura, para inculcar que Ihe escrevo
cartas : diga que vivo opprimida por meus pais,
mas que entretanto o e>lmo e almejo pela nossa
reeonciliacao ; compre lestcmunhas para irem de-
pr aipiilo i|ue Ibes d a esludar por escripto ;
! prive-me da doce satisfaco de ver meus filhos e
Amarantes. Lagoa.
Arcos de Val de Vez. Lagos.
Aveiro. La mego.
Barcellos. Lei lia.
Bastos. Mon^ao.
Evora. Moncorva.
Fafe. Oliveira de Azemeio.
[Faro. Chaves.
'Vianna do Castello. Coimbra.
Villa do Conde. Covilha.
n. 33
precio:
iSTfiA^ Jrt ". ierra, s pedera .ograV o.u fim prin-
1 "*""' __ M ------------------------------ cipal, que e annullara sentenca de divorcio, e res-
O abaixo assgnado quereudo retirar- talielecer a rommunhao de bens, para ler o direi-
se para Portugal, e nao podendo fazer sem to de participar da pequea heraaca, que me ha
mo limiilP 5in< rnntns rom seus credores dc vir l)or monede meus pais, a quem Dos, por
que liquide suas 8 devedores, pede a estes tenliam a bond.nle (.onervar a vida por nimios annos.
' de virem satisfazer seus dbitos, do contra- j E nao conseguira senao isso, pois que nao ha-
rio o obrigarao a lancar mao dos meios verla poder algum sobro a trra que me ohrgasse
com um ente, quem, por tantos e
: judiases para este lim.
Luiz Moreira da Silva.
Recife, 3 de junho de 18G4.
MVlla_ Nova de Porti- Elvas.
liEI^AO
DE
Um bilhar e mais atencilios do liolel
da ra eslreita do Rosario b. 14
iniul: IVlra Itt do corrente.
O agente Pestaa por autorisacio do consulado
de Portugal far leilo no dia 16 do corrente s
10 horas da manhaa na ra estreita do Rosario
n. 11, de um bilhar com todos os necessarios, di
versas mesas com marmore, cadeiras e outros ob
jeclos. r*rtencentes ao estabelociraento de hotel, do
subd' porluguez Manoel Correa de Sena, que se
ausenlon deixando-o em abandono.
ATISOS DITCB50S.
0 cirurgiao Leal mudou
a sua residencia da ra do
Queimado para a ra das
Cruzes sobrado n.
meiro andar, por
36, pn-
cima do
armazem Progressista, aon-
de o acharao como sempre
prompto a qualquer hora pa-
ra o exercicio de sua pro-
fissao, chamado por escripia.
Aluga-se a loja do sobrado que fica a beira
do rio, antes da fabrica do gaz, (em eommodos pa-
ra familia, e por ser um pouco retirado, aluga-se
muito barato : a fallar no mesmo sobrado.
C4S4 1)4 F0RTUY4.
AOS 6:000.000
Bilhetes garantidos
k' roa do Crespo n. 23 r casas do eostume
O abaixo assignado tendo vendido nos seus mui-
to felizes bilhetes garantidos os dous quartos de n.
391 com a surte de 3:000i e os meios n. 23 e 271 i
com a sorte de 500 e outras sortes de 2005.
1005, 405 e 205, da lotera extraordinaria que
se arabou de extrahir a beneficio da igreja de S.
Pedro, convida aos possuilores de ditos bilhetes
a virem receber seus respectivos premios sem os
descontos das leis em seu estabelecimeuto ra
do Crespo n. 23.
O mesmo tem exposto venda os novos e felizes
bilhetes garantidos a beneficio da igreja de Nossa
Senhora da Boa-Viagem que se exlrahir sexla-
feira 18 do corrente pelo novo c excedente plano
approvado.
Preeos.
Bilhetes inteiros .<.... 75000
Meios......... 35800
Quartos........ 15900
Para as pessoas que comprarem
de 1005 para cima.
Bilhetes........ 65500
' Meios......... 35250
Quartos........ 15700
Mane Martins Ftuza
Precisa-se alugar uma escrava para lavar e
engommar, e fazer o servico interno de uma casa
de pouca familia; quem a tiver, dirija-so Sanio
Amaro, casa de C. L.Carabrone.
Club eommerelal.
A reunio familiar do corrente mez de junho tera
ugar na noite do dia 11 do mesmo.
O Sr. Manoel ngostinho Pires tem ama carta
na ra de Vigario n. 21._________________
Attencdo
Precisa-se de um escravo para o servico interno
e externo, ou de um criado para o mesmo fim :
na ra do Queimado n. 29.
Josepha Maria dos Prazeres e Silva, viuva de
Joo Henriques da Silva, declara pela dcima vez
pelo presente que todos os solos que pertenceram
ao eitincto vinculo de N. S. da Conceicao dos Co-
queiros da Boa-Vista, hoje pertencem ao sea casal,
e os quaes se acham desembarazados. E se nisto
restar alguma duvda, a esenptura e acto de pos-
se judicial, pela qual pro va Ihes pertencer, se acha
lanrado no cartorio do tabellio Almeida.
A mesma cima pede aos seas foreiros que se
nao acharem em dia a bondade de mandarem sa-
tisfazer os foros vencidos, podendo procuraren! seu
filho Jos Henriques da Silva, que por ella se acha
autorisado a taes recebimentos.
O Sr acadmico Antonio Jos Lopes Flh.
qaeira apparecer na roa dos Pires n. 24 a negocio
qne nao ignora.
mao. Exiremos.
Villa Beal. Penna Fiel.
Villa Nova de S. An- Pinhal.l
tonio Porto Alegre.
fVizeu. Begoa.
Beja. Setubal.
[Braga. Taver.
Sllraganca. Thomar.
Cfamlnha. liba Terceira.
Castello Branco. Fayal.
fFigueira. Madeira.
^Guarda. S. Miguel.
Qualquer somma prazo ou visto,
podendo logo os saques prazo serem
descontados no mesmo Banco a razao de
4 por cenlo ao anno ; a tratar na ra da
Cruz n. 1.
a'
I a viver mais
1 lio justos motivos, do fundo d'alma aborreco e des-
! preso.
j Viereza Adelaule de Slgueira Caral-anli.
------------;-----;----;------------------------------ V a HlMll tOfill'.
drammalica lllgleza C porlHgUCZa. Nao nos negocies do Estado, mas sos 4a ttuni-
D. Appleton & C. livreiros,edtores e importado- fia, que a mulher deve mostrar o seu juzo e a sua
res em New-York, Estados Unidos da America, prudencia, ella se torna mais interessante pelo seu
acabara de publicar um novo melhodo para os in- pudor, modestia e candura, se amavel e virtuosa
glezes aprenderem a lingua portugueza por E. F. ( ella, o objecto o mais encantador di nalureza.
Granerl. 1 vol. 12 mo. Se quando a mulher se irrita, muda de sexo.
Este livro, o melhor at hoje publicado ex- perde tambem a estima das pessoas sensalas, quan-
pressamente impresso para supprir a immensa fal- do faz fallar de si, na razao do batido que ella faz
ta que ha de uma grammatica ingleza c portu-! no mundo.' Ella bnlha quando recatada, mas
gueza, para aquelles que fallara o inglez e que de- desde que traa de se deixar ver c conhecer por
sejam aprender a lingua portugueza. i actos dignos de censura, despreza-se, e nao se re-
D. Appleton & C. sao os editores das obras em j para senao em seus defelos.
hespanhl para edacacao muitissimo usadas no
sul da America. Tambem publican os melhores
: albuns para carloes de visita.________________
Va ra eslreita do Rosario n. 34
A mesa regedora da irmandade de S. Cris-
pim e S. Crispiniano erecto no convento do Carmo,
convida a lodos os seus amados irmaos, para mesa
geral. s 10 horas do dia 12 do corrente, para tra-
tar d negocios eprogresso da mesma.
Consistorio, 9 de junho de 1864.
Marcelino M. da Cruz,
Srtcretario interino.
- Precisa-se de 1:5005 a juros por hyputheca
em uma boa propriedade : na ra do Queimado n.
24 se dir qaem qner : esta mesma propriedade
tem olana e barro para toda a obra, e vende-se.
mmwMM mmmmmmi
Fabrica Conceicao da
Bahia.
Andrade 4 Bego, recebem constante-
mente e tem venda no seu armazem n.
34 da ra do Imperador, algodao d'aquel-
la fabrica, proprio para saceos de assu-
car, embalar algodao empluma ele, etc.,
pelo preco mais razoavel.
Advogado Afonso de Albu-
querque Mello,
i pode ser procurado a qualquer hora
feiras, porm, na villa do Cabo.
as sextas-
Joao
Precisa-se alugar uraa preta que saiba cozi-
nhar e engommar : quem a tiver, dirija-se ra
po Trapiche n. 4, que achara com quera tratar.
Jos Lopes Corval arrematante das dividas
da massa fallida de Antonio Carneiro Pinto, pede
a todos os devedores que venham satisfazer seus
dbitos na travessa da Madre de Dos n 2.
^"PrecisaTs de uma criada livre ou escrava
que saiba cosinhar e engommar : a tratar na ra
do Apollo sobrado n. 79, segundo andar.
Alfred Gunthorpe subdito brilanmco relira-se
para a Inglaterra._______________
casa diri-
PROTESTO.
("azemiro da Silva Machado, faz publico
e desencaminhou de seu poder duas letras,
sendo uma aceito pelos Srs. Joaquim Aureliano de
Gumo l'cha, e Francisco Manoel Marinho Fal-
coda quantia de 1:5325987, cuja letra nao foi
paga em seu venrimenio, porm como tvesse sido
protestada, lrei por cerlido o dilo protesto que
se acha em meu puder; outra aceita por Antonio
Jos de Alhaide Alvira, da quantia de 9705275 ja
vencida, lodos moradores no passo de Camaragibe,
provincia das Alagoas, por isso pelo presente pro-
testo e previno aos ditos meus devcdores.para que
nao as paguem a outrera, e sim ao annunciante
por ser dellas a saccador e propcetario, assim
como rogo a alguem que as tenha achado o favor
de as erazer em casa de minha residencia, ra da
Camba do Carmo n. 17; que sera recompen-
sado._______________________________
Ama deleite
Precisa-se de uma ama de leite
ra da Cruz n. 57._____
(Mximas do C. Bastos.)
Aluga-se por preeo commodo o 1" e 2* andar
do sobrado da roa da Senzala Velha n. 48 : a ira-
tar na loja do mesmo.______________________
Aviso at i 5 de junho.
O abaixo assignado faz sciente a todos os seus
devedores que, os que al a dala accima Ihe nao
pagaren), sero suas comas e ttulos entregues a
seu procurador, afim de o fazer judicialmente
sem excesso de pessoa.
Desesperado de esperar,
Quero receber
Para pagar a quem dever.
Joo Cazemiro da Silva Machado.
a tratar na
Quem precisar de uma ama para
ja-se ra das Cruzes n. 18.
%rcheo!o- pr'ocedeui no di- 22 de maio prximo passado que
' Pfiim i tinham de servir para o futuro anno de 1864 i
: 1865, convido aos irmos a comparecerem no res-
pectivo consistorio no dia 12 pelas 11 horas do
*______________ alai .. 1 l'.lf.in i I i V.'
Revista do Instituto
gleo e eographieo
bueaao.
Tendo sido anullada pelo Illm. Sr. Dr. tai-
te capellas a nomeaco para os cargos de esenvao
e thesoureo desta irmandade na eleigao que
Aa mam iirnxilllO pas
anno de 1864
Gra
itie
fabrica
de fogos de artificio, da viuva Rufino, situada na
estrada de Joao de Barros; nesta fabrica apromp-
to-se toda e qualquer encommenda desles arligos
com o maior esmero e presteza, seja para dentro
ou fra da provincia : recebem-se as encommen-
das no armazem da bola amarella, no oito da se-
cretaria de polica.
i aixero
Um rapaz Brasileiro offerece-se para caixeiro de
cobranca nesta pra^a, e d fiador de sua conduela:
quera precisar annancie.
*.
Acham-se venda os 3 primeiros nmeros, na a para se proceder a nova eleicao dos referidos
livraria Econmica de Jos Nogueira de Souz,
junto ao arco de Sanio Antonio, onde se subscre-
ve para esta Bevista :
Por anno.....55000
Nmeros avulso 15300
sargos. Consistorio da irmandade do Santissimo
Sacramento da freguezia de S. Frei Pedro Goncal-
ves do Becife, 7 de junho de 1864.
Francisco Xavier de Oliveira,
Escrtvo interino.
Cantillo Joaquim da Rocha relira-se para fra offerece-se uma ama para servido de casa
da provincia.____________________ 0u mesmo para andar com menino : quem preci-
Offerece-se um rapaz habilitado para cobran-
ca, tanto no nato como na [iraca, e d fiador a
sua canducto : quem precisar, dirija-se ra da
Concordia n. 23, taberna.
AlleiicAo
Lendo no Diario de 9 e 6 do corrente, deparei
com ara annancio de venda de leite paro, garrotes
e vitelos que venda no lazereto do Pina, querendo
assim offonder a reputoco do digno mordomo'; o
rendeiro da ilha do Nogueira quer Iludir o publi-
co e a santo casa da Misericordia, perqu essa pro-
hibe a criae.ao de gado na dita ilha, assim coujo
prohibe ter gados de acougue paslorando, pagando
por dia. Islo faz conta ao rendeiro porque nao
paga o pastorador, porque serve de pastorador um
pobre menino de Ir annos, orphao, filho de Goian-
na, mal comido e vestido ; nem por compaixao
raanda-se ensinar a ler, tendo esse infeliz qrpho
e sua infeliz irmadous escravos, ama preta e um
raoleque canoeiro, e s p?r elles tem Dos oeste
mundo, porque o seu juiz e pal dos orphos exia-
lem em Goianna, nao podem ouvir os seus gemidos.
Um pai de famifto-________
Desappareceu da Casa de Dencao, um cao
da Torra Nova, cr preta, com o pe branca e a
cauda bem frocda e que acode ao orne de Al-
banla : quem o restituir ser generosamente grati-
ficado.
No mosteiro de S. Bento, em Olinda, preci
sa-se de um bom cozinheiro.________________
Precisa-se de uma criada livre ou escrava
para cozinhar: na ra de Apollo n. 8.__________
Aluga-se o terceiro andar da casa n. 48 na
ra do Trapiche : a tratar no armazem da mesma
casa. ________________________________
livre ou escrava
na ra de Saneo
onde morn o Sr,
sar dirija-se ra da Roda n. 21.
"O advogado Eduardo de Barros pode
ser procurado para os misleres de sua
prosso, das 7 s 9 horas da manha e
das 3 da tarde em dianle na casa de sua
residencia ra da Saudade n. 15.
_
_T g
S j
' i
o er
I?
_
a 2

I
lia
P zx c o a
o w '/
o- \
na v a,
_
iilo
9 1 S 1 I
_. =r
V o ? ? ? T
Precisa-se de uma criada
que saiha ceznhar e comprar:
Amaro (Mundo Novo), sobrado
Dr. Sabino.
Madama Ferro,
Bento Cordo Rodrigo, subdito
Europa.
PARA ALUGAR.
Aluga-se o sobrado de um s andar na
. proprietaria do hotel italiano sito na ra do Trapi-
hespanhol, vai che n. 44, tem a honra de participar ao respeitavel
publico desta capital, e em particular aos senhores
empreados do commercio que acharao todas as
segundas e quintas-feiras a afamada sopa de ra-
ma Im- viole, como assim todos os outros das outras es-
periafn. 160, com eommodos para grande familia, colindas sopas italianas; isto estar prompto das
grande quintal murado e portao : a tratar na pa- 10 horas da manha s 4 da tarde, horas mu'*
dara da ra Direita n. 84. proprias para lanche ; afiancando Ihes que os pre-
'------!--------1------------------;--------------7- eos erao os mais razoaveis possiveis, e de que es-
, Precisa-se alugar uma ama forra ou captiva g^^ a c^urrencia^J________________.
que compre, cosinhe e engorame, para casa do i_"a '"-------------.-------- -pravo _ra a
pouca familia ; na loja da ra Nova, n. 11. ~ Precisase alugar um preto escravo para o
I K__________' '___________1__________ trabalho desla tvpograhia, pagando-se uiana, senia-
1 I). Anna Joaquina Teixeira da Molla Caval- _a| ou mensalmente; d-se o sustento, se agradar
i canl arrenda o seu engenho Novo, sito no termo. ^ pr0prieiario : na livraria ns. 6 e 8 da praga da
' de Iguarass : quem o pretender, dirija-se ao raes- x-dppendencia.___________________________
; mo engenho a tratar com a ProPire.t",_;i ?!"* Aluga-se a casa terrea da ra do Progresso
'*WS3b^r*Frl&* Q" 2I Ounto do Cammho Novo) ambemje_vende,
xeira da Molla
mero 9.
Cavalcanti, na roa
gu permuia-se por outra que seja siluada as fre-
ouczias de Sanio Antonio ou S. Jos : na ra do
Precisa-se alugar uma ama forra ou escrava
para cozinhar : na ra Augusta n. 24.
William Roilinson, subdito inglez, manda pa-
ra Inglaterra seas tres filhos menores em compa-
nhia de um criado.
oao da Silva Ramos, medico pela l ni
versidade de Coimbra, d consultos em
sua casa das 9 s 11 horas da manha, e
das 4 s 6 da tarde. Visita os doenles
etn suas casas regularmente as horas
para isse designadas, salvo os casos ur-
gentes, que sero soccorridos em qual-
quer occasio. D consullas aos pobres
que o procurarem no hospital Pedro II,
aonde encontrado^ diariamente das b
s 8 horas da manhaa.
Tem soa casa de sade regularmente
montada para receber qualquer doente,
ainda mesmo os alienados, para o que
tem eommodos apropriados e nella pra-
tca qualquer operacao cirurgica.
Para a casa de sade.
Primeira classe 35000 diarios.
Segunda dita.... 25500 >
Terceira dita.... 25000 >
Este eslabelecimento j bem acredi-
tado pelos bons serviros qne tem pres-
tado.
O proprietorio espera que elle conti-
nu a merecer a confianza de que sem-
pre tem gozado.
_ Anda est por alngar-se o.segando andar do nue,ma_0 n. 77.
J^^cJS^S&:JT!!S. -Q-n. precisat
do lado direito quem vai Ja ra do Queimado para
S. Francisco. No mesmo sobrado ha duas pedra
de cantara para vender-se ; tambem se alugam
duas mei-aguas com si lio e trra para plantacdes e
amitos arvoredos, pessoa que vivadeplantaroes:
quem pretender estas, falle na estrada de Joao de
Barros, sitie defronte da capella.
tro, com habllitages para todo o servico, dirija-se
ao paleo do Hospital n. "
4 ttengo.
Precisa-se de um escravo para o servico interno
e.externo, ou de um criado para o mesmo fim :
quem tiver annuncie.
O abaixo assignado faz ver ao Sr. Ihesmirci-
ro das loterias que tendo comprado meio bilhete
desta lotera de n. 2163. garantido, e como tenha
perdido o dito me bilhete, vrm fazer vera S. S\
qne haja de nao pagar a quem presentar, no caso
quo saia a sorle.Antonio Mariauo r*a Cruz.
Di-aedinheiro a juros em pequeas quantias:
na ra do Rangeln. 54 se dir quem d.


Diarf 4e Penuibuc* abbado ilic 4uk 4c 1 H4.
Kbsbb particolar
21At Sebastiao Antonio de Albuquerque Mal-
lo, proessor particular provisionado pelo
director geral dos esludos, aisa aos pais
de seus alumnos que, transerto a sua
aula para a ra das Cruzes n. ti, prj-
meiro audar, onde contina a lecciooar
aos seus discpulos com zelo e dedicacSo,
as materias do eusino primario e secun-
dario. Os senhores que quizerem utili-
sar-se do sea presumo, podem dirigir-se
a mencionada casa a qualqner hora, ob-
servando mais qne, est disposio a ensi-
llar noite alguns preparatorios aos que
nao poderem requentar de dia.
Precisa-se de orna ama livre ou escra-
va que engomme bem, cosinhe e faca o
servico de urna casa de familia : ra Di-
i'-ita n.90,__________________________
No dia 8 do corrente fugio do abaixo assignado
o preto de nome Antonio, com os signaos segnin-
tes : crioulo, de idade de 40 annos, altura regular,
desdentado, barba feita, nariz chato, pescoco cur-
to, um tanto inclinado para a frente, urna marca de
ferida no estomago, ps grossos, e as costas mar-
cas de chicote, tem cicatrices as candas, em urna
das maos dos dedos nao os pode abrir, levou ves-
tido caiga, parda, paletot preto j veln, camisa
branca, sendo urna de abertura bordada, e 2 pares
de calcas, urna branca e outra parda, 1 cobertor,
sendo metade de estopa e a outra de algodao ; foi
encontrado na estrada do Peres : roga-se s auto-
ridades policiaes ou capules de campo de o appre-
hender e levar ra da Imperatriz n. 80, que so-
rao recompensados.
__________Francisco Jos Goncalves da Silva.
Manoel Raymundo Penaforte, solicitador pro-
visionado pelo Exm. Sr. presidente do tribunal da
relacao e do commercio, pode ser procurado para
o exercino de snas funecoes na ra do Livramento
n. 2o, segundo andar, das 7 As 9 horas da manhaa,
e das 3 horas as o da tarde.
COMPRAS.
Compra-se um mxo para piano : na ra do
Calmg n. 11, botica.
Compra-se ouro e prata em obras velhas
paga-se bem: na leja de Lilhetes da pracada Inde
pendencia n. 22.
A .tguia branca na ra do Quel-
mado a. M receben :
Talagarca, seda frouia, o froco para bordar.
Linhas e agulhas para erofchet.
As afamadas agalhae parisiense, imperial- e
Victoria.
Carleiras com agulhas de igoal superioridade.
Agulheiros e dedaes de marm e madreperola.
Retroz em carritei?.
Allinetes brancos e prelos em caixinhas.
Tesouras finas de ano pollido para unhas e cos-
tura.
Caivetes com lima, e folha pequea para lim-
par unhas.
Pinceis finos cabo de ojso e marfim para
barba.
Escovas finas dito dito dito e madreperola para
limpar denles.
Ditas ditas dito de madreperola para limpar
pentes.
Pentes de marfim para alisar e tirar piolhos.
Ditos de dito com chapa de metal para limpar
os mesmos.
Facas de marfim para papel.
Raspadeiras com molla e cabo de marfim.
Pastas pretas e coloridas para papis.
Lionas pretas lustrosas, a raelhor que se pode
encontrar para machinas, em carreteis de 200
jardas.
Papel para folhas. e rosas, tendo algum ra-
fado.
Folhas avelludadas e de panno para dita.
Botes de cornalina
e outras qualidades para coletes
A Aguia branca acaba de receber um novo e
variado sortimento daquelles apreciados botoes de
cornalina brancos c encarnados, chatos e redon-
dos para coletes, cujas abotuaduras continnam a
ser vendidas pelo commodo e inalteravel prego de
2 cada urna.
Alm desses recebeu tambem outros de madre-
perola, massa e osso, com differentes moldes para
o mesmo fim.
J se v, pois, que o pretndeme munido do di.
nheiro achara sortimento vontade na ra do
Queimado loja d'Aguia branca n. 8.
SUVA ros DE STRRUHA
a I0OOO. 1 X.OO e S0&OO o par
na ra do Queimado loja d'Aguia-Branca n. 8.
BU SIMIOS E CAIXINHAS
com perfumarlas.
Na ra do Queimado n. 8 loja d'Agua-Branca, os
freguezes munidos de dinheiro encontrarlo, boni-
1 tos bausinhos cobertos de couro e com 6 frasqui-
I nhos de extractos por 14500 cada um, c outros
! cobertor, de papelo com 9 frasquinhos por 24000
, um; caixinhas com 6 frasquinhos de ditos por
115000 uma, outras com 12 ditos por 25000 uma, Manteiga ingleza perfeitamente flor, a 9oo rs,
outras com 3 ditos, cuja coberta parece tartaruga, e 10 a libra
a IJ50Cicadjturna,e outras com pastilhas de chei- Idem franceza'a 64o rs. a libra,
NEM COROAS NEM MITRAS

GRMDE
VKMA/EM
DE
RIJA DO IMPERADOR lo
Junio ao sebrado em qae mora o Sr. O.^barfle,
Para a festa de Santo Antonio, S. Joao e S. Pedro
Ouartc AImeida A C, i
da o mala lindo e variado
da presente estacSo.
Manteiga ingleza
da safra nova vinda neste vapor de 28 de
m?io a 900 rs. a libra e da velha a 800 e
850 rs. a libra.
Manteiga
ouarte % Imeida C., reeebera de su. proprl encoen.
sortimento de molbados, proprlos
da safra
Acaba de receber de sua propria encommenda um grande e variado sortimento
de molbados todos primorosamente escolhidos, por isso apressa-se o propietario em
offerecer 3os seus reguezes e ao publico em geral a seguinte tabella dos seus teneros e
resumidos precos, afiancando todo e qualquer genero vendido neste bem conhecido ar-
mazem.
80
S. ANTONIO, S.
Amendoas confeitadas de 8oo rs. a libra.
PARA A FESTA
DE
JOAO E S. PEDRO
Compra-se um cabriolet de 4 rodas
em bom uso: na ra da Cruz armazem nu-
mero 54.
ro a 500, 15000 e 25000.
i mivetes linos de cabo de madrepero- Ch
la eduas folhas.
Por estarem tocados de ferrugem vendem-se
sendo em barril,
uxim a 2,7oo rs. a libra, e de 8 libras
ja, canella, cravo, rlela pimenta a l,ooo
rs. a duzia i.ooo rs. a garrafa, garante-se
que os melhores que temos tido no mer-
e 6oo rs. cado.
Passas emcaixasde i arroba '/i e '/* a 8,5oo,
Comprase uma casa terrea nesta cidade
'rata-se na ra Imperial, sobrad n. 64, ou com o
solicitador Burgos.
YENDAS.
Vendem-se caixoes vasios a 1:600
cada um : na ra das Cruzes n. 44.
Para pageiu.
Por ser de bonita figura, vende-se um mol
de idade de 12 annos : na ra do Amorim
)leque
n. 36.
HILHO
a 160 rs. a cuia : na ra da Praia n. 29, por baixo
do palacete, em porcao e a retalho.
Vende-se uma taberna com poucos fundos
na ra Direita dos Afogados, propria para princi-
piante, e tem muitos commodos para familia, ven-
de tanto para o mato como para a trra : quem a
quizer comprar, dirija-se mesma ra, na padaria
n. 66, que achara com quem tratar vende-se me-
tade vista e metade a praso, dando um endocan-
te nesta praea de pessoa conhecida. Tambem se
vende uma carraca e um cavallo muito bom e
novo, e anda bem baixo.
i,5oo e 2,5oo rs. a caixa, e 5oors. a libra
para cima a 2,6oo. garante-se serem muito novas n m-andaa
s^S^^S^FS^S. e Idera Pero'a7 a 2>8o rs- ^ 8 libras para dem corinthias proprias para poSim a 9oo
duas folhas : na ra do Queimado, loja da aguia cima a 2,700, l rs. a libra.
branca n. 8. dem hysson o mais superior que se pode Marmeladas dos mais afamados fabricantes de
faBVelopes bordados e car loes com bei- desejar a 2,6oo e de 8 libras para cima| Lisboa a 64o rs. a libra.
ras donradas, a 2>5o rs- Ervilbas secas muito novas a 16o rs. a libra.
Na loja da aguia branca, ra do Queimado n. 8, *dem menos superior a 2,4oo e de 8 libras Grao debico muito novo a 16o rs. a libra,
achavam-se venda bonitos envolopes bordados e para cima a 2,3oo rs. Ervilhas francezas em latas a 6oo rs
^sts^is^^^v^.^x^^s^SSa 2,3o'de8 Ii-:Ksor,halreinad0 a 48o/r
pacto de casamentos, bailes etc. L.Dras. P*r.a cima, a 2'2?0- Fumo de cnaPa americano a 1,400 rs. a libra
Completo sortimento de fitas Idem do Rl em ,atas de 2, 4,6 e 8 libras fazenda especial.
finas, lisas e lavradas. L. ^ uraa a 2> 3* 3'5o e 4,8oo rs. a lata. Presunto para fiambre inglezes a 7oo e 8oo
A aguia branca recebeu um grande e completo Idem preto O melhor que se pode desejar rs. a libra,
sortimento de fitas de diversas larguras e qnalida- i neste genero a 2,8oo rs. Chouricas e paios mnito novos a 64o a libra
^^^pSSS^S^^SZ IdZm|Del 4SoUoPear4rnner?aq,Uhe '"^ P "^ "' > SP"! S* ^ "
as lavradas o bom gosto dos novos e lindos dse- por' ?' .'a 4'800 rs- a ,,bra- Massas para sopa macarro, talharim aletria
nhos, isso tanto as matisadas como as brancas, l e pela commodidade dos precos o pretndeme que rs. a libra. Cognac verdadeiro inglez a 8,ooo rs. a caixa
tffZSSZSttStS:rS"1 >^i'"<>PrPri Capachos inslezes. \n i L Idem francez a 7>000 rs-a duzia e 7oo rs. a
Na loja da aguia branca, ra do Queimado n. 8 Que,Jos dreino chegados neste ultimo va- garrafa.
Vende-se um cavallo :
Meira, na pra^a do capim.
na cocheira do Xico
Vende-se a taberna sita na ra de llortas n.
106 : a tratar na mesma.
ou fina a vontade do comprador
vendem"-se bons capachos inglezes, os quaes alm Por a 3300.
de bonitos sao de immensa duragao, pelo que se dem prato 6S melbores e mais frescos do
Em casa de Mills Latham & C, ra do
Croz o. 38, \enili'-se o seguinte :
Folhas de ferro galvanisado.
Tintas em oleo.
Oleo de linhaga.
tornam baratos pelos precos de 4#, o&, G& e 7&
cada um.
Cartas francezas.
A aguia branca, na ra do Queimado n. 8, rece-
beu um novo sortimento de finas cartas francezas
com beiras douradas e brancas, e as est venden-
do baratamente a dinheiro vista.
Objectos de phantasla viudos
para a agnla branca.
A aguia branca recebeu novos e bonitos objec-
tos de phantasia, alguns dos quaes nunca vistos
aqui, sendo :
Bonitos adereces completos feitos de perolas falsas
Ditos ditos de pedras, por cuja perfeicao e bom
gosto quasi se naedistinguem das verdadeiras.
Lindas pulseiras de mosaico.
Dita dita de perolas falsas tanto para senhoras
como para meninas.
Dita de chapa de crystal com listas douradas.
Dita de cornalina branca, azul etc., etc.
Bonitos allinetes e anneis para gravatas.
Bonitos pentes de concha, obra de apurado gosto.
Outros traversos com pedras para meninas.
Bellas guarnigoes de Bentes dourados, ornados
com caixos de uvas, feitos de aljfar, obra su-
blime.
Oirtras igualmente bellas, todas de fino dourado e
com pedras.
Outras a tartarugadas, nada inferior a aquella.
Voltinhas de aljfar branco e de cores com cruzes
de pedras.
Esses e outros muitos objectos acham-se a venda
na ra do Queimado, loja da aguia branca, n. 8
| mercado a 76o rs. a libra sendo inteiro.
dem londrino a 6oo rs., e sendo inteiro a
5oo rs. a libra, vende-se por este prego
pela porgo que temos em ser.
Biscoitos em latas de 2 libras das seguintes
Charutos em grande quantidade e de todos os
fabricantes mais a creditados a l,5oo,
2,ooo, 2.000, 3,ooo e 4,ooo rs. a caixa,
os mais baixos sao dos que por ahi se ven
dem a 2,ooo e 2,5oo rs.
Caf de premeira qualidade a 9,ooo rs. a ar-
roba e 32o rs. a libra.
GRANDE LIQUIDACAO
DE
h.N-
Na loja da na do Crespo numero
Aproveitem todos.
17.
,nnMLprop^ielariodeslKm^rUnteeUabelecimemovai Europa comprar fazendas de
zSSraSmas* *erV"" ^ sennoras> razao porque est vendendo fa-
a 9ftAC'eSndar,C0 Mo,a?e, para casam?t0 a 95. soutembarques pretos muito importante
a,325e284, mnte> Pretos a 20 e x8fc capas pretas importantes a 331 a. 401
capas de casem.ra de cor a 181 e 231, soutembarques de casemira a 101 chaDos dena'
SS 2? ESoTi*? Im l S- cort,es e l5a rito apurado "* S^ E
fh^e^Vs^U^
e,n&T;?dne%P3TaSr. 25 W" a *** de *%T&
Madapoles finos a 81,91,101, 111 e 121.
^^^^^^^^^^r^ii^^y^pe^ie 8 1,2 raras a
Pa,pa cln Pernambucano.
a. a r ? circassiano faienda <>e mallo apurado gosto para vestidos, proprios de tarti-
F */i;VAS BARATAS
nu mmib u sm hq mmnm@)
Rico* vestidos brancos bordados a 101 e .121. ------------
Cales inglezes de arcos e croch a 31, 41 e l.
Camiinhas e manguitos muito bem enfeitados a 31.
Grande sortimento de lazinbas muito boas a 360 e 400 rs.
o,.-. L Soutembarques e capas de seda, merino e cambraia bordada.
Bramante le linho mnito largo a 21.
rganos e cassas francezas finas a 480 rs.
Cambraias lisas, fil de linho liso, cambraia de salpicos.
lan^ ..1T cortes de ,ia Maria Pia de 8* a 1S#.
Mmofos vestidos Japonezes a 141.
yariado sortimento de chales em qualidades e precos.
Aiusselinas brancas com pinta de cor.
Grosdenaptes pretos do 11600, 11800 e 21
Lencos de cambraia bordados a capricho a 11
MadapolSo barato a soo.
Vende-se madapoto bom e perfc/to a 51800 a peca com 20 varas
os estes aingo outros muitoe s vendem por precos que admirara I na ra do Crespo
uumera 1.
marcas : Osborne, Crakntl, Mixed, Vicio-1 dem de segunda qualidade a 8,5oo rs. a ar-
roba e 26o rs. a bra.
Arroz do Maranhao a 12ors. a libra, 3,ooo rs.
a arroba,
dem da India muito superior a 2,9oo rs. a
arroba, e loo rs. a libra,
dem mais baixo redondo a 2,6oo rs. a libra,
dem da India comprido a 2,4oo rs. a arro-
ba, e 8o rs. a libra.
Vellas de carnauba do Aracaty a 9,ooo rs. ar-
roba, e 32o rs. a libra,
dem de sebo muito dura fiogindo esparmace-
te 36o rs. a libra,
dem de esparmacete a 54o rs. a libra, e em
caixa a 52e rs.
Papel o melhor que se pode desejar para os
Srs. empregados pblicos a 5,ooo rs. a res-
ma, j se vendeu por 7.ooo rs.
dem almaco pautadoe lisoa 3,ooors. a resma,
dem de peso pautada e liso a 2,5oo rs. a
resma,
dem a zul de botica ou fugueteiro a 2,2oo rs.
a resma.
Idemembrulho de 1,2oo a l,4oo rs. a resma.
Ameixas francezas em latas de 1 '/i libra a
l,2ooe8oors. a libra,
dem em frascos de 3 libras a 2,5oo rs., s o
frasco valle l.ooo rs. tambem temos em
frascos para 1,4oo rs.
Conservas inglezas a 8oo rs. o frasco.
Molhos inglezes a 8oo e l.ooo rs. o frasco.
Mostarda preparada em potes muito nova a
2oo rs.
Latas com 2 a 4 libras de caj secco o mais
bem arranjado possivel a l,8oo e 2,8oo
rs. a lata.
Cerveja Tenente verdadeira a 6,8oo rs. a
duzia.
dem de outras marcas preta e branca a 5,5oo
e 6,ooo rs. a duzia inteiras.
Vassouras de piassava com 2 arcos de ferro
vindas do Porto a 32o rs.
Cebollas muito novas a I,ooo rs. o molhoe
8oors. ocento.
Chocolate porluguez hespanhol e francez de
l,ooo a 1.2oo rs. a libra.
Genebra de Hollondaem frasqueiras a 6,ooo
e 56o rs. o frasco,
dem em botijas a 4oo rs.
dem em garrafesde 14 garrafas a 5,2oo rs.
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a groza e 2o rs. a
caixa.
dem de dentes lixades em macos grandes
com 2o rs. o macinhos a 12o rs. o masso.
Cominhos muito novos a 32o rs. a libra e
lo.ooo a arroba.
Sag muito novo a 24o rs. a libra.
Cevadinba de Franca a 18o rs. a libra.
Milho alpista a 14o rs. a libra e 4,5oo rs. a
arroba.
Gomma a 2oo rs. a libra e o,4oo a arroba.
Peixcs em latas a l.ooo rs. a lata j prompto
a comer-se.
Farello de Lisboa marca N. e Biato saceos
grandes a 4,ooo rs.
ria, Pec-nic, Fance, Machineeoutras mui-
tas a l,3ooe 1.4oors.
Polvos chegados ltimamente do Porto a 32o
rs. a libra.
Balachinha de Craknel em latas de 5 libras
bruto a 4,ooo rs.
dem inglezas em barricas a mais nova do
mercado a 2,ooo rs. a barrica e 24o rs. a
libra.
Cartoes com bolas francezas proprios para
mimos ou para anjos que vao as procis-
soes a 6oo rs. cada um.
Peras seccas as mais novas do mercado a 4oo
rs. a libra.
Figos de comadre em litas de 4 e 8 libras
lacradas hermticamente a 1,40o e 2,2od
rs. a lata,
dem em caixinhas de 8 libras a 1,8oo, e
24o rs. a libra.
Nozes muito novas a 120 rs. a libra, e 4,ooo
rs. a arroba.
Amendoas confeitadas a 8oo rs. a libra,
dem de casca mole a 32o rs.
Vinhos engarrafados no Porto e Lisboa das
seguintes marcas: duque, genuino, velho
secco especial, lagrimas doces, vinho es-
pecial D. Pedro V, nctar superior de
1833, duque do Porto de 1834, vinho do
Porto, velho superior, madeira secca. Por-
to superior D. Luiz I, e outras muitas
marcas, em caixa de uma duzia a lo.ooo e
l,ooo rs. agarrafa,
dem branco de uva pura a 64o rs. a garra-
fa e 4,ooo a caada,
dem superior a 5oo rs, a garrafa e 3,2oors.
a caada,
dem em pipa Porto, Lisboa e Figueira das
marcas mais acreditadas a 3,8oo a caada
e 5oo rs, a garrafa,
dem de marcas pouco conhecidas a 4oo rs.
a garrafa e 3,ooo rs. a caaada.
Especial vinho Lavradio sem a mais pequea
composico a 560 a garrafa e 4,ooo rs. a
caada.
Ricas caixas com figos a l,ooo rs. cada uma.
Ricos livros com figos 1 ,ooo rs.
Pomada a 200 rs. a duzia, sevada muito no-
va a 80 rs. a libra, e 2,5oo a arroba.
Garraoes com 4 '/* garrafas de vinho supe-
rior a 2,5oo rs. com o garrafo.
dem com 4 '/ ditas de venagre a 1 ,ooo rs. o
garrafo.
Vinagre PRR em ancoretas de 9 caadas a
15,ooo rs. com a anco reta
dem em pipa puro sem o batismo a 2oo rs.
a garrafa e l,4oo rs. a caada.
Caixas com 1 duzia da garrafas de vinho Bor-
deaux fazenda muito especial a 6,8oo rs.
a caixa e 7oo rs. a garrafa.
Licores francezes e portoguezes das seguin-
tes marcas creme de violetas, gerofles, ro-
sa, absinto vespeiro, amor perfeito, amen-
dua amarga, percicot. de Turin, Botefim,
morangos, limo, caf, laranja, cidra, gin-1
franceza
nova a 600 rs. alibi a.
Amendoas
confeitadas de lindissimas cores a 800 rs.
libra.
Traques
de n. 1 os mais superiores do mercado a
a caixa e 220 rs. a carta,
Ameixas
em frascos de vidro com 3 libras liquido a
2#400, muito propios para mimos.
Cartees
com bolos francezes a 500 rs. cada um.
Latas
com bolachinhas de soda de todas as qua-
lidades a 1,5300.
Chocolates
de todas as qualidades a 10000 a libra.
Presuntos inglezes
dos melhores fabricantes a 800 rs., tambem
temos velhos para 500 rs.
Queijos flamengos
chegados neste ultimo vapor a 30 e 30200. |
dem prafo
o melhor que se pode desejar a 1^000.
Conservas inglezas
as mais novas que se pode esperar a 760 rs.
o frasco.
Figos
em libras e caixinhas ricamente douradas,
proprias para mimos a 900 e 10200.
Cha uxn
o melhor que se pode desejar, que outro
qualquer nao pode vender por menos de
30 a 20600.
dem perola
especial qualidade a 20700 rs. a libra.
dem hvssoB
o mais aromtico que tem vindo ao nosso
mercado a 20600.
Massas amarellas
para sopa, macarro, talharim c aletria a
480 rs. a libra.
Os proprietarios do grande armazem o Verdadeiro Principal declaran aos seus
freguezes e amigos e ao publico em geral, que para facilitar a commodidade de todo* es-
tipularan! os mesmos precos nos seguintes lugares:
l'Biao e Commercio ra do Queimado b. 7
O Verdadeiro Principal ra do Imperador n, 40
Macas brancas
para sopa a melhor que se pode desejar,
macarro, talharim e aleiria a 400 rs. a
libra e 40500 a caixa.
Vinho
Figueira J A A e outras muitas marcas acre-
ditadas a 560 rs. a garrafa.
Idem de Lisboa
c de outras marcas a 400 rs. a garrafa, e
2800 a caada.
Ideni do Porto
generosos engarrafado des melhores fabri-
cantes da cidade do Porto a 10 e 10200
a garrafa e de 100 a 120 a caixa, as mar-
cas sao as seguintes: Chamisso AFilho
F. & M., Nctar ou vinho dos Deuzes'
lagrimas do Douro e outros muito.
Latas
com 10 libras de banha a 4fj000.
Bolacliinha ingleza
a 10800 a barrica da mesma que por ahi
vendem a 20000 e 20400.
Alpista e Panino
o mais novo do mercado a 140 rs. a libra
e 40400 a arroba.
Nozes
| as mais novas do mercado a 120 rs.a libra.
Cervejas
dos melhores fabricantesje de todas as mar-
cas de 40500 a 60500 a duzia.
CGARUTOS
Charutos Thome Pinto,. Reis e outros em
meias caixinhas a 10500.
Arroz
do Maranhao a 100 rs. a libra, e da India
a 80 rs. a libra, e 20500 a 30000 a ar-
roba desses que vendem por 30400.
CAF
de 1.a e 2.a sorte do Rio de Janeiro a 80500
e 80800 a arroba, e 280 a 300 rs. a libra.
Garrafes
com 4 i garrafas com vinagre a 10000 com
o garrafo.
GENEBRA DE LARANJA
verdadeira a 10000 o frasco, e de 110000
a caixa.
IDEM
em frasqueiras de Hollanda a 5:S800 com
12 frascos.
ROUPA FEITA
NO
ABHAZE9
DE
%W^fc fc TO&t
I
UETREIRO VEROS.
*ft
Neste estabelecimento ha sempre um sortimento completo de roupa feita de'
todas as qualidades, tambem se manda fazer por medida, vontade dos concor- f
rentes, para o que tem um dos melhores professores, assim como tambem tem um
grande e vanado sortimento de fazendas de todas as qualidades, para senhoras
homens e meninos.
Salitre retinado, superior qualidade, vinho Bor-
deaux, differentes qualidades, mais barato que em
Sualquer parte : no armazem de E. A. Burle &
., ra da Cruz n. 48.
Pefamto do arco de Santo Antonio,
Roa da Senzalla Nava i. 42.
1 Neste estabelecimento vendem-se: tachas de
ferro coado libra a HO rs., idemde>vs
Moor libra a!20rs.
PARA AFESTA
DE
S. ANTONIO E S. JOAO.
Manteiga ingleza muito boa a 800, 720 e 640 rs.,
franceza a 640, em porcao faz-se abatimento, vinho
de Lisboa a 25600 a caada, e 360 a garrafa, Fi-
gueira a 34200 a caada e 440 a garrafa, cartas de
traques a 240, e outros muitos gneros bons e ba-
ratos : no armazem da Estrella, largo do Paraizo
numero 14.
Casacas de panno preto, 350 e 300000
Sobrecasacas idem, 300 e 250000
Paletos idem e de cores, 250,
200, 150 e...... 100000
Ditos de casemira, 20, 150,
120, 100 e...... 70000
Ditos de alpaca, 50, 40 e 30500
Ditos ditos pretos, 90, 70,
50, 40 e...... 30500
Ditos de brim e ganga de co-
res, 44500, 40, 30500 e. 33000
Ditos branco de linho, 60,50 e 40000
Ditos de merino preto de cor-
dio, 100, 70 e..... v8Jb0
Calcas de casemira preta, r20, -
100, 80 e...... 70000
Ditas de cores, 90, 80 e. 70000
Ditas de meia casemira de co-
res, 50000 e..... 40000
Ditas de princeza e merino pre-
to de cordo, 40500 e. 40000
Ditas de brim branco e de co-
res, 50, 40500, 40 e 20500
Ditas de ganga de cores, 30 e 20500
CoHetes de velludo preto e de
50OOOJ
50OOO
40000]
20500
Ditos de stim preto. .
Ditos de ditos e seda branco,
60 e.......
Ditos de gorgurao de seda
pretos e de cores, 60, 50 e
Colletes de fusto e brim bran-
co, 30500, 30 e .
Seroulas de brim de linho,
S"**?0 e.....20000
Ditas de algodao, 10600 e. 10400
Camisas de peitos de linho,
W,Me......20500
Ditas de madapolo, 20500,
20 e........
Chapeos de massa, pretos fran-
cezes, 100, 90 e. .
Ditos defltro, 50, 40,30500 e
Ditos de sol, de seda, 120,
11i570e......60000
Collarinhos de linho fino, ulti-
ma moda.......
SortimeBto completo de grava-
tas.
Toalhas para rosto, duzia, 110,
e .
10600
80500
20000
640
cores, 90 e...... 70000 Chapeos deso, de alpaca, pre-
Ditos de casemira preta, 50 e 400001 tos e de cores.....
Ditos de ditas de cores 50 I Lences de bramante de linho.
40 e ....... 30500 Cobertas de chita chineza..
0
60000
40000
30000
20500
9
IlIiiliJHg
hOBi
NO
Armazem de fazendas
DE
Custodio, Carvalho & Companhia.
RA DO QUEIMADO *

Pecas de panno de linho uno com 20 varas pelo baralissimo preco de 101 a peca.
Cambraia adamascada branca peca 3J. iv f*y*.
Lencinhos para meninos e meninas a 100 rs.
Leos brancos para algibeira a i a duzia.
Toalhas de fostao de linho duzia 44.
Toalhas adamascadas delinho pelo ktrato preco de 3*0WI0e M cada uma.
Laazmha* de urna s cor p tjo aupa d em enlnos e seoora/



Diarlo de PcriwkN Sabbado li tfc
Grande liquidadlo
de lateadas m leja do Pavio, rua da laperitrix i.
M, de fiama & Sih a.
AcOa-ae este esUbelecimento completamente sor-
tido de faieadas ingieras, francezas, allenies e
suissas, proprias tanto para a praca como para o
mato, prometiendo venderse mais barato do que
em outra qualquer parte principalmente sendo em
porgo e de todas as fazendas do-se as amostras
delxando licar penhor ou mandam-se levar em ca-
sa peles caixeiros da loja do Pavo.
As chitas de Pavo.
Vendem-se superiores chitas claras e escuras pe-
lo barato preco de 24o e 280 rs. sendo tintas segu-
res, ditas francezas finas a 320, 340, 360, 400 e
800 rs., o covado, ditas pretas largas e estreitas,
riscados escocezes finos a 240 rs. o covado, isto na
loja do Pavo rua da lmperatriz n. 60 de Gama &
Silva.
.4s easaas de Pavo a 210, 280, 300 e 320 rs.
Vendem-se Qnissimas cassas persianas cores fi-
las a 320 rs. o covado, ditas francezas muito finas
a 240 e 280 rs., ditas ingzezas a 240 e 280 rs. o
covado, flnissimo organdy matisado cora desenhos
miudinhos a 320 rs. o covado, cassas garibaldinas
muito finas a 320 rs., isto na loja do Pavao rua da
lmperatriz n. 60, de Gama 4 Silva.
As lazinhas da eiposico do Pavo.
Vendem-se as mais modernas lazinhas roossan-
bique chegadas pelo ultime vapor francez sendo
de urna s cor ou de listas miudinhas com 4 pal
mos de largura, proprias para vestido de senhora,
roupa para meninos e capas, e pelo baratissimo
prego de 500 rs. o covado, ditas enfestadas trans-
parentes de quadrinhos a 300, 400 e 360 rs. o co-
vado, ditas matisadas muito finas a 500 e 400 rs.,
ditas mais baratas do que chita tambem matisadas
a 320 rs. o covado, ditas a Mara Pia com palma
de seda e 4 palmos de largura a 800 rs. o covado,
e ditas de urna s cor parda, azul, cor de lyrio e
perola proprias para vestidos, sautembarques e
garibaldes a 720 rs. o covado, ditas escocezas a
800 e 400 rs isto s na loja do Pavao, rua da lm-
peratriz n. 60, de Gama & Silva.
Os chales do Pavo.
Vendem-se linos chales de crepon estampados
pelo barato preco de 65, 75, 8$, ditos de ponta re-
donda a 75 e 85, ditos pretos ricamente bordados
a retroz com vidrilho a 125, ditos pretos lisos a
i&, di los de cures a 45300 e 35. ditos de merm
estampados a 24 e 35, ditos de la a 15280 e 25,
ditos de retroz preto para luto a 65, isto na loja
do Pavao rua da lmperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Fazendas pretas para a quresma veide o Pavo.
Vonde-se grosdenaple preto muito superior a
15600, dito a 15800, 25, 25500, 2580 e 35, mo-
reantique preto muito superior a 35 e 25800, sar-
{' a preta hespanhola muito encorpada a 25, sto na
jja do Pavao rua da lmperatriz n. 60, de Gama
& Silva.
0 Pavo vende para luto.
Vende-se superier setim da China fazenda toda
de la sem lustro tendo 6 palmos de largura pro-
pno para vestidos, paletols, capas etc., pelo bara-
to preco de 25, 25200, 25500 o covado, cassas
pretas lisas, chitas pretas largas e estreitas, chales
de merino lisos e bordados a vidrilho, manguitos
comgollinhas e outros muitos artigos que se ven-
den) por precos razoaveis : na loja do Pavo rua
da lmperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Os eorpihos do Pavo
Vende-se os mais modernos corpinhos de cam-
braia ricamente bordados e enfeitados a 7 e 85 ;
na loja do Pavo, rua da lmperatriz n. 60, de Ga-
ma & Silva.
Os vestidos do Pavo
Vende-se ricos vestidos de grosdenaple preto ri-
camente bordados a veludo pelo barato preco de
405, sendo fazenda que sempre se vendeu a 1005
e 1-JO& ; ditos de cambraia brancos ricamente bor-
dados a croch, sendo proprios para baile e casa-
mento a 10, 15, 20 e 305; ditos de la com lindas
barras a 18 e 155 i isto na loja do Pavo rua
da lmperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Os pauos do Pavo.
Vende-se panno preto muito superior pelo barato
preco de 25, 25500,35 e 3500, ditos muito linos a
45, 55 e 65, cortes de casemira prela eofestada a
45, 45500 e 65, casemira preta fina de urna s
largura muito fina a 15800, 25. 25500 e 35, cor-
tes de casemira de cor a 55, 55500 e 65, casemi-
ras enfestadas de urna s cor proprias para calca,
paletots, rolletes, capas para senhora, roupas para
meninos a 35 e 3$50 o covado, isto na loja do
Pavo, rua da lmperatriz n. 60, de Gama & Silva.
A rovpa do Pavo.
Vendem-se paletots de panno preto sobreeasa-
eos fazenda muito boa a 125, ditos muito finos a
165, 20#, 255 e 305, calcas de casemira preta boa
fazenda a 45500,55, 5, "5 e 85, paletots saceos
de panno preto a 75, ditos de casemira de cor a
65 e 75, ditos de alpaca prela, ditos de merino
oreto, ditos de brim de cores, caigas de asemira
de cor a 45, 55,65,75, ditos de eaxemira da
Escossia a 35, ditos de brim pardo a 25500, ditos
de cor a 25 e 25500, ditos brancos muito finos,
sto na loja do Pavo, rua da lmperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Os cortinados do pavo.
Veadeni-se ricos cortinados proprios para janel-
la e camas pelo barato preco de 95 o par, sendo o
melhor que ha no mercado : na rua da lmperatriz
u. 60, de fiama & Silva.
As colchas do Pavo.
Vendem-se colchas de linho alcochoadas pro-
prias para cama pelo barato preco de 55 cada ama
na rua da lmperatriz n. 60, de Gama & Silva
As precalas do Pavo.
Vendem-se as mais lindas precalas que tem vin-
do ao mercado chegadas pelo ultimo vapor fran-
<*ez. pelo barato preco de 600 r*. o covado, ditas
de iislrinba muito miudinhas proprias para vestidos
e roupas de meninos e meninas pelo birato preco
' de 500 rs.; so Pavo rua da lmperatriz n. 60,
loja de Gama & Silva.
Os soufeanbarques do Pavo
Ol e t&s o Pavo.
Vendem-se os mais lindos souteanbarques que
tem vindo ltimamente de lazinha e caxemira ri-
camente bordados e enfeitados, cores muito delica-
das pelo barato prego de 105 e 155 ; fazenda esta
que em outras lojas se vendem por 205 o 255,
s para liquidar : na loja e armazem do Pavo
rua da lmperatriz n. 60 de Gama & Silva.
A chitas do Pavo *# IOO e
0SOO o corte.
Vendem-se cortes de chita com doze covados
cada corte, ditos com dez covados a 25400, fazen-
da muito boa, e que nao Desbota, s na loja do Pa-
vao tem esta pechincha ; a rua da lmperatriz n.
60 de Gama A Silva.
Las de urna so cdr.
Vendem-se lazinhas de urna s cor, sendo en-
carnada, azul, cinzenta, cor de caf, lirio claro, li-
rio roxo cdr de perola pelo baratissimo prego de
640 o covado, fazenda muito lina s o Pavo, rua
da lmperatriz n. 60 loja e armazem de Gama &
Silva,
Panno de linho.
Vende-se panno de linho com 4 palmos de lar-
gura proprio para lenees, toalhas e ceroulas pelo
bacato preeo de 640 rs. a vara, bramante de linho
com 10 palmos de largura a 25500, algodozinho
monstro com 8 palmos de largura a 15, pecas de
Hamburgo com 20 varas a 95, 105 e 115, pecas de
madapolao fino a 75500, 85, 95 e 105, ditas de
algodozinho a 65, 65500 e 75, e outras muitas
fazendas brancas que se vendem muito baratas
aflm de apurar dinneiro : na loja do Pavo rua da
lmperatriz n. 60, de Gama & Silva,
O bramante do Pavo eom doze
palmos de largara.
Vende-se bramante de linho puro, muito fino com
doze palmos de largura o melhor e mais largo que
tem vindo ao mercado pelo barato prego de 25
rs.a vara ; s na loja do Pavo de Gama & Silva,
aua da lmperatriz n. 60.
As precalas do Pavo.
Vendem-se as mais lindas precalas qus tem vin
do ao mercado chegadas pelo ultimo vapor francez,
pelo barato preco de 600 rs. o covado, ditas de lis-
trinha multo miudinhas proprias para vestidos e
roupas de meninos e meninas pelo barato preco
de 500 rs.: s e Pavo rua da lmperatriz n. 60,
loje de Gama di Silva.
Os baldes do Pav3o.
Vendem-se crinolinas ou baldes de 30 arcos tan-
brancos como de cores, sendo americanos que
sao os melhores por se nao quebraren) a 35500 e
de 35 arcos a 45, ditos de musselina com babados
45, ditos para menina a. 25 e 35 : na loja do Pa-
vo rua da lmperatriz n. 60, de Gama & Silva.
O Pavo vende 8*
Vendem-se os mais lindos cortes de vestidos a
Mara Pia, com liodas barpas de seda, sendo che-
gados pelo ultimo vapor francez pelo barato preco
do 85 cada uro: s na loja do Pavo roa da lmpe-
ratriz o, 60, de Gama Silva.
^*Sr ~"uiiRhMC
Largo da
^Santa Cruz
numero
12 e 84.
,v^
Esquina da^
rua do
Sebo n. 12'
e84.
IIIULIIWTE AURORA


AURORA BRIIHANTE
GRANDES ARMAZENS DE MOLHADOS.
Francisco Jos Fernandes Pires proprietario dos armazens de molhados denomina-
dos Brilhante Aurora e Aurora Brilhante, ao largo da Santa Cruz ns. 12 e 84 (esquina
da rua do Sebo), faz sciente ao respeilavel publico desta eidade e do interior que nos
seus importantes estabelecimentos vender sempre gneros novos e de primeira quali-
dade e vender a todos pelo niesmo preco.
O completo sortimento de todos os gneros finos e grossos que costumam ter outros
estabelecimentos desta ordem se encontraro sempre nos armazens da Brilhante Aurora
e Aurora Brilhaole c sempre em grande escala a vontade dos Srs. compradores.
O proprietario dos armazens Brilhante Aurora e Aurora Brilhante pede a todos os
senhores e senhoras que quando tiverem de mandar suas relacoes a estes estabelecimen-
tos por seus criados seja em carta fechada ou com grande recommendago a estes arma-
zens, certos de que sero to bera servidos como se viessem pessoalmente.
A Brilhante Aurora e Aurora Brilhante troca qualquer um genero que por acaso
nao agrade erecebe as libras esterlinas a 95,sendo por compra: a tabella de seus gneros
ser mudada todas as semanas.
Amendoas confeiudas parasortes a libra 15. Vinho branco de muito boa qualidade cana-
Manteiga ingleza flor a 800, e 960 rs. 1 da 45 e garrafa 480 rs.
Dita mais abaixo a 640 e 720 rs. Dito Xerez fino a caada 75500 e garrafa a
Dita franceza nova libra 640 e en barril a! 15200.
600 rs Dito Madeira seca caada 105 e garrafa 25.
Chocolate sant mullo novo al5200 a libra. Dito era caixas de urna duzia do Porto dos
Cha perola o melhor que ha ( redondo) a
libra 35200.
Dito dito mais abaixo a 25500 e 25800.
Dito uxim muito fino a 25800 e 35.
Dito hysson superior a 25600 e 25800.
Dito mais abaixo a 25 e 25500.
Dito preto muito fino a 25500.
Dito em massos a 25.
Dito do Rio em latas de 4, 2 e 1 libra a
15500.
Caf de moca superior arroba 105500 e li-
bra 400 rs.
Dito do Rio e do Cear arroba 95500 e libra
320 rs.
Dito mais abaixo arroba 85500 e libra 280.
Barricas com bolachina ingleza ingleza nova
a 35-
Latas com bolachinha de soda de o libras
a 255OO.
Ditas com ditas sortijas de 2 libras a 15400.
Frascos com ameixas francezas s o frasco
val o dinhiro a 25800 e 35.
Latas com ditas a 15400, 25200 e 45.
Ditas cora figos de comadre a 15500.
Caixinhas hermticamente lacradas e proprias
para mimo a 25 e 25800.
25500 e 55 de
melhores autores a 125, 145 e 165.
Garrafas com licor fino francez e portuguez
a 15-
Ditas com vinho de caj muito claro a 15.
Ditas com mel de abelha puro a 15.
Frascos com genebra de Hollanda de 2 gar-
rafas a 15.
Dito de urna garrafa a 560 rs.
Dito de laranja verdadeira a 15200.
Duzia de graxa latas grandes a 1.
de
sperma-
Caixas com 25 massos de velas
cete a 560 rs. a libra.
Ditas maiores a 600, 640 e 720 rs. a libra.
Caixas com urna arroba de velas do Araca-
ty 105500 e libra 400 rs.
Ditas de composico arroba 105e libra360
Saceos grandes com farinha deGoiannamui-
to boa a 55500.
Dito de Porto Alegre melhor que de Muri-
beca a 65.
Ditos com milhonovo com Menina a 45000
Dito com farello de Lisboa 120 libras a
55500.
Dito com arroz de casca a 55500.
Duzia de garrafas de serveja branca e prela
a 55800 e era barricas a 55500.
Caixinhas com ditas a 15, 25500 e 55 de Arroz do Maranhao em sacecs arroba 25600
arroba. i e libra 100 rs.
Presunto de Lamego muito novo a libra 5C0 Dito da India e Java arroba 35 e libra 120.
rs. inteiro e a retalho 600 rs. Aramia verdadeira arroba 85 e libra 320
Chouricas e paios novos a libra 800 rs. | rs., matarana.
Latas com chouricas e linguicas novas vin- Gommado Aracaty para engommar
das nesle vapor com 9 libras por 65500.
Ditas com peixe ensopado de muitas quali-
dades a l.
Ditas cora ervilhas francezas e portuguezas
a 880 rs.
Ditas com feijo verde francez a 800 rs.
Ditas com massa de tmale novo libra
560 rs.
Ditas com ostras a 720 rs.
uilas com marmelada dos melhores autores
de Lisboa a libra 640 rs.
Potes com musanla franceza preparada a
libra 480 rs.
arroba
55 e libra 160 rs.
Tapioca ou farinha do Maranhao nova libra
160 rs,
Ervilhas seccas muito novas libra 200 rs.
Sag e sevadinha a 240 rs.
Sevada arroba 352C0 e libra 120 rs.
Graxa de boiao 97 a 280 rs.
Sabo massa a 200, 240 e 280 rs. a libra.
Dito hcspanhol verdadeiro a 400 rs. a libra.
Balaios do Porto diversos tamanhos de 320
a 25-
Capachos para portas de varias cores a 600,
700 e 800 rs.
Frascos com conservas de pepinos, mexides. Grao de bico arroba 45500 e libra 160 rs.
e azeitonas verde a 15- ] Painco arroba 55500 e libra 200 rs.
Dita dita franceza a 800 rs.
Gigos com trinta e tantas libras de btalas
novas a 35500.
Queijos novos do vapor a 35200 e 35300.
Ditos de pralo cnplicado a 15.
Dilo suisso a 800 rs.
Dito de manteiga do Serid a 800 rs.
Caixas com passas novas de 1 arroba 75,
meia 3 5500 c quarto 25 e libra 480 e
6i0 rs.
Amendoas com casca a libra 240 rs. c arro-
ba 65.
Nozes libra ICO e arroba 55-
Charutos finos de Simas e dos melhores fa-
bricantes da Babia de 25 a 85 caixas de
100 e50.
Grozas de caixinhas de palitos do gaz a
252OO e 200 rs. a duzia.
Barris com azeitonas novas a 3, e 45 bar-
ris grandes..
Vassouras do Porto piassava muito seguras
a 400 rs.
izeite i'oce francez dos melhores fabrican-
tes caixa 105e agarrafa 15.
Caixas com vinho Bordeaux branco e tinto
S. Julien, S. Estife e outros a 75500 e 85.
Vinho do Porto fino em barris de 5o que ra-
ras vezes apparece por 805 e em caada a
555OO e garrafa a 800 rs.
Dito da Figueira puro caada 45 e 45500 e
garrafa a 480 e 560 rs.
Dito de Lisboa de boas marcas a 35500 e
45 e a garrafa a 440 e 480 rs.
Dito branco proprio de Lisboa caada 45800
e garrafa 640 rs.
Cognac verdadeiro
Milho alpista arroba 45800 e libra 160 rs.
Azeite doce de Lisboa garrafa a 640 rs.
Vinagre de Lisboa caada 15500 e garrafa
200, 240 e 320 rs.
Massos de palitos de denles com 20 massi-
nhosa 100 rs.
Tijolos de limpar facas a ICO e 120 rs.
Caixas com 40 cartas de traques a 95500 e
a caria 280 rs.
I Resmas de papel almaro paulado a 55.
: Uitogreve liso o melhor que ha a 45500.
j Dito de peso e pautado a 25500 e 25800.
Garrafoes com 25 garrafas de verdadeira
genebra de Hollanda por 85500.
Azeite de coco garrafa 560 rs. e carrapato
360 e caada 255C0.
Caixes com doce de goiaba a 640,800 e 15,
Toucinho de Lisboa arroba 85500 c libra
320 rs.
Dito de Santos arroba 75 e libra 280 rs.
Molhos com grandes ceblas a 15600.
Cento de dita solta a 15500.
Mauncos de alhos a 240, 320 e 400 rs.
Esleirs de vanas qualidades.
Cordas de postar e de andaime.
Favas da ilha de S. Miguel arroba 35200 e
libra 120 rs.
Copos lapidados para agua e vinho a 35500,
55800, 65 e "5.
Ditos lisos para varios precos.
Calix lapidados grandes e" pequeos duzia
3,4 e 55 ; e 400 e 500 rs. cada um.
Massas para sopa macarro, talbarim e ale-
tria a 480 rs.
Estrelinha e pevide libra 560 rs.
Xaropes de fructas nacionaes a garrafa
500 rs.
a garrafa 15 e 15280.
Viho muscatel duzia 105 e garrafa 15.
>E muitos outros gneros que nilo possivel men-]
ciona-los todos de primeira qualidade.
A gatisfaco da Brilhante Aurora e Aurora Brilhante vender muito embora bara-
to, mas a DINHEIRO.
ATO
t ILIIO
PARA BEM DE TODOS
FAZEI FAVOR DE LR ESTE ANNUNCIO
(li da economa domestica que se vai tratar.'
0 assumpto importante.
jDESCOBMO-SE AFIjVAjL
0 verdadeiro e principal armazem de molhados o do
BAL
IZA.
\lncuem contestar esta verdade.
A fama far correr esta noticia.
A posteridad? bemdlr o nome do Baliza.
Actnalldade Batel palmas de contentamento!
Sem mitras nem coras para ornar a fachada de seus annuncios, e as portas do edificio em que habita, o Baliza ?c
contenta em tomar o seu lugar de honra na vanguarda de todos os homens do progresso.
Sopre embora o maldito Clarim, o seu toque de retirada a marche-marche do desacreditado Progresso; arme a tenda
dos falsos apostlos da sinceridade no tratro, da realidade na pratica dos negocios commerciaes. revele finalmente a sua
grande insobordinacSo fingindo desconhecer os seus superiores, deixando-se ficar sentado, em vez de perfilar-se e fazer a
continencia do estylo, porque o incansavel Baliza sempre fiel ao seu juramento ter continuamente na melhor ordem todo o
seu trem de guerra e no mais complecto movimento, o seu presumo para bem servir, desde o mais simples camarada at
o mais alto general da primeira classe do exercito dos seus constantes freguezes.
Entremos na materia:
SENTIDO!
ORDGH DO OA.
Desde a I.1 publicaco deste annuncio at segundo aviso Manocl Pedro de Mello, proprietario do grande armazem
do Baliza estabelecido rua do Livramento ns. 38 e 38 A vender a todos os seus freguezes.
Cinco por cento menos
que qualquer dos seus amaveis collegas que por menos annunciar. Qualquer objecto que nao diegue a contento dos se-
nhores compradores, pode ser devolvido anda mesmo pelas pessoas que morarem no centro da provincia.
0 dinheiro recebido pelo gener0 que nao agradar ser restituido sem constrangimento algum.
Declaraco importante.
falso o boato que tem feito espalhar o soldado soprador da rua do Queimado de que se acha o Baliza asso^do
ao armazem Unie Mercantil aberto a rua da Cadeia do bairro do Recife.
A liga entre os collegas um crime de lesa-povo.
E entre-tanto o Baliza ligueiro.
Ligueiro sim das ideas liberaes dos progressistas de todo o universo aos sentimento mais ntimos de seu corncao.
Deste modo de pensar ser o Baliza eternamente conservador.

MOVIMENTO
BAIRRO DO RECIFE, RUA DA CADEIA N. 50.
0 mais novo e o melhor
ARTtf AZ13UI HE JIOlilIA110K
Esquina defronte da rua da Madre de Dos
Descobertas e arentnras dos ma
rese regides polares. novo e farell).
Na livraria econmica, rua do Crespo n. 3, se Vende-se milho novo e farello por prego mais
acham a venda o 5 e 6 volumes da obraDeseo- commodo do que em outra qualquer parte : no
bertas e aventuras dos mares e regides polares,' armazem de Joaquim Francisco de Alero, no Forte
traduzda do inglez pelo Menente da armada Cola- do Mattos
tino Marques de Souza.
Na cocheira do pateo do Paraizo n. 26 existe
um cabriolet venda.
Antonio da Silva Campos, successor do antigo Nascimento defronte do becco Largo, bem co-
nhecido j nesta praca, acaba de transferir o seu estabelecimento para a casa cima indicada, onde
os seus benvolos amigos e freguezes, bem como o respeilavel publico em geral encontraro o mais
variado, escolhido e melhor sortimento de molhados, a par do aceio, elegancia e bom rgimen do esta-
belecimento.
O annunciante, tendo feito urna completa reforma no locante a casa e gneros, possuindo bons
correspondentes na Europa para remessas de cunta propria, acha-se convencido que merecer a pro-
teceo de todos os amigos do bom e barato, a qual desde j reclama, asseverando-lbes que jamis des-
merecer a confianca com que se dignarem de o honrar.
Em resumo, visite o respeilavel publico o novo e superior armazem Movimento, compro-lhe al-
guns gneros, e ento ficar convencido da realidade do prsenle aviso, verificando por si mesmo que
nenhum outro estabelecimento o serve melhor que este, seja em commodidade de precos, agrado e
delicadeza, ou legalidade de pesos c medidas.
Finalmente, todas e quaesquer garantas que eslabelecimenlos idnticos teera offerecido aos
concurrentes, sero manlidas nesle em grao maior.
LIQUIDACAO
ARMAZEM CONSERVATIVO
23Largo do Terco23.
Graxa n 97.
Vndese a verdadeira graxa n. 97 em barricas
com lo duzias de boioes por prego mais commodo
do que em qualquer outra parte : no armazem de-
fronte da porta da alfendega._________________
GAZ GAZ GAZ
Vende-se gaz da melhor qualidade a 1 ->
a lata e em lotes de 10 latas para cima se
far abatimento. no armazem do Caes do
Bamos n. i 8 e rua do Trapiche Novo nu-
mero 8.____________________________
Farinha de mandioca superior
em saceos grandes : vende Antonio Luiz de Olivei-
ra Azevedo & C, no seu escriptorio rua da Cruz
numero 1.___________________
Charutos de Havana
de superior qualidade vendem-se em casa
de Schafleitlin & C, rua da Cruz n. 42.
Cal de Lisboa e potassa da
Rnssla.
Vende-se na rua da Cadeia do Recife n. 26, para
onde se mudou o antigo e acreditado deposito da
mesma rua n. 12, ambos os gneros sao novos e
pode desejar oeste arligo e que se vende muito ba- legtimos, e se vendem a preco mais barato do qu
rale : na loja do gallo vigilante rua do Crespo, ara tqualquerjparte.__________________
Vende-se urna urna de Jacaranda para depo-
sito de ossos: na rua da lmperatriz, loja de mar-
cineiron. 26. ^^_^^__
O 111Vtii
SEM SEGf DO
Kua do Queimado n. 49 e 35 est
acabando a pecbincha.
Peoas de bico com 10 varas
a 200 rs.______________
Feijo a\0$
Vendem-se saceos com 22 cnias de feijo molati-
nbo e rajado : na rua da Madre de Dos ns. o e 9-
Ferros para onrives.
Na rua larga do Rosario n. 24, loja de onrives,
vendem-se todos os ierres e utencilios de ourives.
At que ehegon
um grande sortimento de bico e renda preta de
novo modelo chamado (guip) o melhor que se
o. 7.
do
Queijos, llngnlcas e carne
sertao.
Vende-se na taberna de B S. Costa, pateo do
Paraizo n. 16, oito para a roa da Florentina.
Ceblas a II o cento
de Paulo Lopes.
vende-se no armazem
Joaquim Simo dos Santos tendo de se retirar est resolvido a liquidar e fazer urna grande
vantagem a quem seu armazem frecuentar, e vender por menos do que outro qualquer annunciante,
para isso tem um vantajoso sortimento tanto nesle armazem como fura e para melhor servir o poblico
o annunciante scientifica aos seus freguezes que tem frequentado este estabelecimento que de
hora em diante tero a vantagem de 10 a 20 por cento menos que compraram em oulra .'poca pelo
seu prompto pagamento.
Attenco.
Caf do Rio de primeira e segunda sorte a 270 e
300 rs.
Arroz pilado a 80 e 100 rs. a libra e 2100 e 3*
a arroba.
Milho alpista limpo a 170 rs. a libra e i800 a
arroba.
Toucinho de Santos e Lisboa a 210 e 280 rs. a libra.
Passas de carnada a 500 rs. a libra e 105 a caixa.
Azeite doce de Lisboa lino a 640 rs. a garrafa e
4,9800 a caada.
Dito de carrapalo a 320 rs. a garrafa e 2J240 a
caada.
Massas para sopa alelria, macarro e talbarim a
480 rs. a libra e 105 a caixa.
Chouricas as mais novas a 800 rs. a libra.
Charutos em ma?os de 30 a 65 o milheiro e a
6i0 rs. o cento.
Vassa para rato?,
Ferreira & Martins com armazem na travessa da
Madre ae Dos n. 16, tendo recebido avoltada re-
messa de massa phosphorica para destruir ratos e
baratas, coja efflcacia ja bem, conhecida, e dese-
jando que esta excellente preparac5o cbimica es-
teja ao alcance de todos, tem resolvido vender a
duzia de boioes a 2*000 cada orna, e avolso a 500
rs.. e com urna duzia cada casa tica livre desses
animaes damninbos.
Dito em caixa da Babia dos melhores fabricantes
de 15200, 25400 35 e 45.
Phosphoros do gaz vindo de conta groza 25300.
Manteiga franceza a 600 e fiiOrs. a libra.
Dita ingleza flor a 800 c 900 rs. a libra.
Biscoutos e bolachinbas de soda a 15300 e 25.
Vinho do Porto engarrafado a 800 rs., garante-se a
superior qualidade.
Dito em pipa Figueira das marcas mais bem co-
nhecidas a 500 rs. a garrafa e caada 35800
e 35500.
Dito de Lisboa especial para negocio a 360, 400 e
440 a garrafa c em caada faz-se abatimento.
Dito branco proprio para missa a 640 e 500 a gar-
rafa e em caada a 55 e 35500.
Bolacbinha americana a 200 rs. a libra e em bar-
rica ha grande abatimento. _____
Grande pechinclia.
A 200 rs. o covado.
Cambraias escuras finas a 200 rs. o covado para
acabar ; nao se do amostras para que se acaben)
logo : quem quizer, venha comprar no armazem
de fazendas de Custodio, Carvalho & C, rua do
Queimado n. 27.
No armazem de fazendas baratas de
Santos l'oelho, roa do Queimado, o.
19, vende-seo seguinte'
Attcnco.
l.aziiili;is.
Ricas lazinhas para vestido, fazenda a melhor
que tem vindo ao mercado, tanto em gosto como
em qualidade da fazenda, pelo baratissimo prego
de 560 rs. o covado.
Lazinhas miudinhas carmezins, proprias para
vestidos de meninas, e camisinhas a 640 o covado.
Cortes de la com l.'i covados pelo baratissimo
preco de 65-
Cobertas de chita da India pelo baratissimo preco
de 25500.
Lencoes de panno de linho a 25-
Lencoes de bramante de linho lino pelo baraussimo
preco de 35200.
Bramante de linho fino com 10 palmos de largura
pelo baratissimo preco de 25300 a vara.
Atoalhado adamascado proprio para toalha ci mesa
a 25000 a vara.
Cambraia de forro a 25600 e 35200.
Guardanapos adamascados a 35800 a duzia.
Toalhas alcochoadas proprias para mos a 5-3 a
duzia.
Cortes de caiga de ganga amarella de :slras e
dequadros, pelo baratissimo preco de I52C0 <
orte.
Cambraia adamascada com 20 varas, propria
para cortinado, pelo baratissimo preco de lOOCO
a peca.
Ricos corles de laa Maria Pia pelo baratissimo
prego de 185-
Pecas de cambraia de salpicos com 8 l|9 varas
pelo baratissimo prego de 45.
Pegas de platilha de algodo com 10 varas, bto-
pna para saia a 45200.
Esteiras da India, proprias para forro de sala,
de 4,5 e 6 palmos de largura, por menos preco du
que em outra qualquer parte.
Nesle armazem tambem se encontrar um gian-
de sortimento de roupas feilas, e por medida.
PLVORA.
Vende-se em barril por menos do que em ontra
qualquer parte, para fechar conta : no armazem
de J. A. Moreira Das, rua da Cruz n. 26.. onde en-
contraro as amostras.
GAZ G4Z GiZ
Superior qualidade
Latas de um, dous e cinco galoes
Na rua do Apello n. 2.
Sitio venda-
Vende-se ou permuta-se por predios nesta eida-
de um dos melhores sitios dos Afflictos com excel-
lente casa de vivenda, constando de 7 salas, 8
Joartos, grande estribara, cocheira para 4 carros,
as cacimbas de agua potavel, duas baixas de
caplm, innmeros arvoredos de fructo, e pasto
para 8 vaccas: quem o pretender, dirija-se a rua
do Queimado, loja de ferragens n. 33, que achara
cora quem tratar.
Na rua do Vigario n. 11, escriptorio do j. .
Ramos e Silva & Genros. tem para vender o se-v
guinle |
Superior vinho do Porto em barris Be 10.
dem idem idem em caixas.
Cera de Lisboa em velas.
Ricos e elegantes pianos.
Balangas decimaes.
Algodao da Babia para saceos e roupa de cscravos.
Bufoneas.
No armazem da Aurora "Brilhante ha quatro
bracos de bataneas duas de balcao e duas grande
do autor Roroo, assim como urna para cb, por
prego barato.
Cola da Baha.
Vende-se no escriptorio de Antonio de Almeia
Gomes, rua da Cruz n. 23. primeiro andar.




.MMnrtodo
al
i
UNIAO
1
RITA HACADEIA DO ItKCIFE 53.
NOVO E
SHDB AEICAZBM DE MOLHADOS
RA DA CADEIA DO HECIFE IV. 53.
* Francisco Femandes Duarte acaba de abrir na roa da Cadeia do liecife n. 53, om grande osortido armazem de molhados de-
nominado Vnid Mercantil. Neste grande armazem encontrar sempre o respeilavel publico um completo sortimento dos melbore
cenaros que vem ao mercado, tanto esirangeiros, como nacionaes, os quaes serio vendidos em porc5es ou a retarlio por precos assai
Manteiga ingleza especialmente escolhida Vinagre de Lisboa a 200 rs. a garrafa e
de primeira qualidade a 800 rs. a libra, 15200 a caada.
em barril se faz abatimento. Azeite doce refinado em garrafas brancas a
Manteiga franceza a mais superior do mer- 860 rs.
cado a 560 rs. a libra, e 520 rs. em barril: Azeite doce de Lisboa a 640 rs. a garrafa e
onmeio. 458O0 a caada.
Prezantes inglezes para fiambre, de superior Geneora de Hollanda a 500 rs. o frasco e
qualidade, chegados neste ultimo vapor, a 56800 a frasqueira.
720 rs. a libra. jCsiribas com ameixas francezas, ornadas
Queijos flamengos cbegados neste ultimo com rcas eslampas na caixa exterior.
vapor a 25800.
Queijo prato muito fresco e novo a 640 rs.
a libra.
Gastanhas muito novas a 120 rs. a libra e
e 36000 a arroba.
CU uxin o melhor que ha neste genero,
mandado vir de conta propria a 26800
rs. a libra.
Cha hyson muito superior a 25560 rs. a li-
bra ; cha hyson proprio para negocio a
15500 rs. a libra.
Cli preto muito superior a 25 a libra.
Blscoutos inglezes em latas com differenles
qaalidades, como sejam craknel, victoria,
piquelez, soda, captain, seed, bornez e
entras muitas marcas a 16350.
Bolachinha de soda cm latas grandes a 25.
Figos em caixinhas hermticamente lacra-
das, muito proprias para mimo a 16500.
Gaixinhas de 4 e 8 libras de figos de coma-
dre a 16 e 25 cada urna.
Passas muito novas, chegadas neste ultimo
vapor a 500 rs. a libra e 35 om quarto ;
e em caixa se faz abatimento.
Ameixas francezas em latas de meia a 3 li-
bras a 800 rs.
Champagne da marca mais superior que
tem vindo ao nosso mercado a 185 o gigo,
garante-se a superior qualidade.
Vinho Bordeaux das melhores qualidades
muito proprias para mimo, a 16200,16500
e26.
Frasco de vidro com tampa do mesmo, con-
tendo meia libra de ameixas francezas, a
15200.
Marmelada imperial, dos melhores conser-
veiros de Lisboa, em latas de 1 e meia a
2 libras a 600 rs. a libra.
Fructas em calda das melhores qualidades
que ha em Portugal em latas hermtica-
mente lacradas a 500 rs. *
Peras seccas muito novas a 640 rs. a libra.
Nozes muito novas a 160 rs. a libra.
Amendoas de casca molle a 400 rs. a libra.
Avelas muito novas a 200 rs- a libra.
Amendoas confeiladas de diversas cores a
800 rs. a bra.
Maguas e peras chegadas neste ultimo vapor,
muito perfeitas, so vista se faz o preco.
Conservas inglezas em frascos grandes a 750
rs. cada um.
Ervilhas francezas e portugnezas em latas de
1 libra a 640 rs.
Ervilhas seccas muito novas a 160 rs. a
libra.
Chocolate francez, o que ha de melhor nesle
genero, a 15200 a libra.
Chocolate hespanhol a 15200 a libra.
Genebra -le laranja em frascos grandes a 1*.
Sardinhas de Nantesa 340 rs. o quarto e 56<
rs. meia lata.
Latas com peixe em posta : savel, corvina,
vezugo, eberne, linguado, lagosioha, a
16300 rs.
Salnao em lata, preparado pela nova artt
de cozinha, a 800 rs.
Macaa de tomtes em latas de 1 libra a 60(
ris.
Chouricas e paios em latas de 8 e meia libra
por 76.
Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra e
86600 a arroba.
Bolaxinha ingleza a 320 rs a libra e 46
barrica.
Sag muito novo a 240 rs. a libra.
Cevadinha de Franga a 200 rs. a libra.
Farinha do Maranho a 120 rs. a libra.
Araruta verdadeira a 320 rs. a libra.
Cevada a 120 rs. a libra e 36 a arroba.
Alpistaa 160 rs. a libra e 46800 a arroba-
Batatas muito novas em gigos com 40 libras
por 16500.
Cebollas a 16 o molho com mais de 100 ca-
da um.
Caf lavado de primeira qualidade a 300 rs.
a libra e 95 a arroba.
Caf do Cear muito superior a 280 rs. a li-
bra e 85400 a arroba.
Caf do Bio, proprio para negocio, a 85.
Arroz do Maranhoa 100 rs. a libra e 26800
a arroba.
Arroz de Java a 80 rs. a libra e 24O0 a
arroba.
Vellas de spermaceti a 560 rs. a libra e
540 rs. se for em caixa.
Vellas de carnauba refinada a 320 rs. o mas-
so e a 95 a arroba.
Doce de goiaba a 640 rs. o caixSo.
aletria a 480 rs. a h-
Camoes, Madeira secco, Carcavellos, Nc-
tar de 1833, Duque Genuino.
Vinho da pipa: Porto, Figneira e Lisboa, a
400,480 e 560 rs. a garrafa, e 35, 36200
e 36500 a caada.
Vinho branco de superior qualidade, vindo
j.i engarrafado a 640 rs. a garrafa e a 500
rs. de barril.
omasso, ditos lixadossem flor a 160 rs
o masso com 20 massinhos.
Macarro, talharim e aletria a 480 rs. a
que se pode desejar de 75500 a 85000 a Cerveja branca e preta das melhores marcas bra; em caixa se faz abatimento.
caixa e 720 a 800 rs. a garrafa. qe ha no mercado a 500 rs. a garrafa e Estrellinba^pevidee arroz demassa para sop>
Gaixas com vinho do Porto superior de 95 5*80u a duzia- ,, 4 nn | a 600 rs. a libra e 36 a caixa com 6 libras,
a 10 a duzia, e 900 a 16 a garrafa ;deste Cognac inglez de superior qualidade a 800 Palitos de dente lixados com flora 200 rs
genere ha grande porgo e de differentes e 15200 a garrafa,
nwrcas acreditadas que j se venderam Licores franceses das seguinles qualidades:
por 14$e 155 a caixa, como sejam: Duque Anizete de Bordeaux, Plaisir des Dames' Gomma de engommar muito fina a 80rs. a
do Porto, Lagrimas do Dooro, D. Luiz, e de outras muitas marcas a 16 a garrafa! libra.
e 105 a caixa. (Banha de porco refinada a 480 rs. a libra *
Marrasquino de Zara a 800 rs. a garrafa e | 400 rs. em barril pequeo.
95 a duzia. Charutos dos melhores fabricantes de S. Fe
Mostarda ingleza em potes j preparada a lix, em caixas inteiras ou era meias, df
400 rs. I 16600, 25 e 36.
Mostarda ingleza em p, em frascos grandes, Presuntos do reino, vindos de conta propria
a lacada um.
Sal refinado a 500 rs. o pote.
kv-
de casa particular, a 400 rs. a libra; inte-
ro se faz abatimento.
Ossenhcra que compraren* de 1005000 para olma, tero o descont de 5 per cenlo, pelo prompto pagamento.
C L A
COMMEBC
RA DO QUEIiflADO W. 45.
Passando o beceo da Congregado segunda casa.
mmm &
N0V1DADE.
Pereira Rocha A C. acabam de abrir na ra do Queimado n. 45 um armazem de molhados denominado Clarim Commercial,
onde o respeitavel publico encontrar sempre um completo sortimento dos melbores gneros que vem ao nosso mercado, os quaes
aero vendidos por precos muito resumidos como o respeitavel publico ver pela tabella abaixo mencionada ; garante-se o bom peso
e ba qualidade dos gneros comprados neste armazem.
Arroz do Maranho, da India e Java a 60, 80 Chourigas e paios muito novos a 80 rs. a; Palitos do gaz a 26200 rs. a grosa.
e 100 rs. a libra e 15800 a 2*600 o 36 libra. Passas muito novas a 480 rs. a libra,
a arroba. Cevadinha de Franca muito superior a 220 Peras seccas muito novas a 600 rs. a libra.
Ameixas francezas em latas e em frascos a
16200 e 16600 emfrasns grandes a
26500.
dem em caixinhas elegantemente enfeitadas
com ricas estampas no interior das caixas
a 125000,16400, 16600 e 25.
Amendoas com casca muito uovas a 280 rs.
a libra.
Alpista a 160 rs. a libra e a 45600 a arroba.
Azeite doce francez muito fino em garrafas
grandes a 960 rs. a garrafa.
dem de Lisboa a 640 rs. a garrafa.
Araruta verdadeira de matarana a 320 rs. a
libra.
Avelaas muito grandes e novas a 180 rs. a
libra.
Biscoutos inglezes de diversas marcas a
16300 ris.
rs. a libra.
Cevada a 80 rs. a libra.
Ervilhas portuguezas a 640 rs. a lata,
dem seccas muito novas a 200 rs. a libra.
Figos de comadre e do Douro em caixinhas
de oito libras e canastrinhas de 1 arroba a
15800, 56500 e 280 rs. a libra.
Farinha do Maranho a 160 rs. a libra.
Farinha de trigo a 120 rs. a libra.
Genebra de Hollanda verdadeira marca VD
a 560 rs. o frasco e 65200 a frasqueira.
Painco a 200 rs. a libra.
Polvo secco muito novo_a 400 rs. a libra.
Presuntos de Lamego em calda de azeite e
muito novo a 640rs.
Queijos flamengos do ultimo vapor a 35100
dem prato.
Sal refinado em frascas de vidro a 600 rs.
cada um.
Sardinhas de Nantes a 360 rs.
Sag muito alvo e novo a 260 rs. a libra.
Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
dem em garrafoes de 3 e 5 gales a 56500 Tijolos de limpar facas a 140 rs.
e 76500 cada um com o garrafao.
Graixa a 100 rs. a lata e 15100 rs. a duzia.
Licores muito finos a 700 rs. a garrafa.
dem, qualidade especial e garrafas muito
grandes, a 15800 rs. a garrafa,
dem garrafas mais pequeas a 800 rs.
Bolachinhas de soda, latas grandes, a 25 rs.' dem, garrafa forma de pera e rolha de vi-
a lata.
Ditas.inglezas muito novas a 36000 a barri-
quinha e a 200 rs. a libra.
Banha de porcor efinada a 440 rs. a libra e
eembarrila 4C0 rs.
dro, a 15000 rs., so a garrafa vale o di-
nheiro.
Manteiga ingleza perfeitamente flor, desem-
barcada de pouco a 960 rs. a libra, e da
de segunda qualidade a 800 rs.
Vellas de carnauba pura a 360 rs. a libra.
dem stearinas muito superiores a 600 rs. a
libra.
Figos em caixinhas emticamente lacradas
a 16600.
Vinho do Porto engarrafado o melhor que
ha neste genero e de varias marcas, como
sejam: Velho de 1815, Duque do Porto,
Madeira, Pedro, D. Luiz I, Maria Pia.
Bocage, Chamisso e outros a 800, 900 e
15000 a garrafa, e em caixa com urna du-
zia a 96000 e106000.
Cha hvssoo, huchin e perola a 16G00,
25500, 25800 e 36000 libra. I dem de tempero a 400 rs.
dem preto muito superior a 25000 a libra. Massa de tomates em barril a 480 rs. ahbra.
Cerveja preta e branca, das melhores marcas dem em lata a 640 rs.
que vem ao mercado, a 500 rs. a garrafa Marmelada imperial dos melbores conservei-
e 56800 a duzia.
Cognac inglez fino a 900 rs. a garrafa.
Conservas a 720 rs. o frasco.
dem, so de pejTino, a 720 rs.
dem, so de azeitonas, a 750 rs.
Charutos dos melhores fabricantes da Baha
e especialmente da fabrica imperial de
Candido Ferreira Jorge da ttwta, a 16800,
25000, 25200, 25500, 25800, 3-5000 e
35500 a caixa.
Caf do Bio muito superior a 280 e 320
dem franceza muito nova a 640 rs. a libra. dem em pipa, Porto, Lisboa e Figueira a
480, 500 e 560 rs. a garrafa e 35, 35500
e 45 a caada,
dem branco de Lisboa muito fino a 500 rs.
a garrafa,
dem de Bordeaux, Medoc e S. Julien a 700
e 800 rs. garrafa, e 76000 e75500 rs.
a duzia.
dem Morgaux eChateauluminide 1854, a 16
a garrafa. '
dem moscatel a 800 rs. a garrafa.
Vinagre do Lisboa a 200 rs, a garrafa e
16200 rs. a caada.
Kirsk garrafas muito grandes a 16800 rs.
Alm dos gneros cima mencionados te-
mos grande porco de outros que deixanios
de mencionar, e que tudo ser vendido por
pecas e carnadas, tanto em porodes como
retalho.
Qoem comprar de 1006000 para cima te-
r o abate de 8 por cento.
ros de Lisboa a 600 rs. a lata.
, Marrasquinho de Zara, frascos grandes, a
800 rs.
dem regular a 500 rs.
1 Massas finas para sopa : estrellinha, pevide,
rodinhas e letrianhas a 600 rs. a libra e a
46 a caixinlia com 12 libras.
: Nozes muito novas a 160 rs. a libra.
Peixe em latas preparado pela primeira arte
de cozioln a 15 rs. a lata.
Palitos de den tes a 160 rs. o masso.
Palitos 03 Jfles a 120 rs.
rs. a bra e 86500 e 85800 rs. a arroba.
Llera londrino chegado no ultimo vapor a dem de flor a 200 rs.
900 rs. a libra. | Amendoas confeiladas a 900 rs. a libra.
Caribes de bolinhos francezes muito novos e Doce de goiaba em latas o melhor possjwla
muito bem enfeitados a 700 e GOO rs. 25 e em caixo a G1U ~
rs.
ESPLENDIDO SORTIMENTO DE MOLHADOS
V O RA IIO CRESPO W. 9
Esquita qae volt* para a roa da laieradtr
PRINCIPAL
DE
. (X se engaiten con a mi ira)
AMIGOS!
Nao leiam este annuncio com precipitaran.
Confronten] os precos dos outros annunciantes.
Venham ver os gneros que temos expostos a venda.
A vista faz f.
Nao temos palavras bombsticas.
Nao nos enculcamos o primeiro recebedor de conta propria.
Nao desacreditamos ao collega porque nao quiz ser nosso socio.
Val a quena tora.
Para abastecer a todos os habitantes desta bella provincia anda nao sao sufficien-
les as casas que actualmente oxistem abertas com grandes proporces para terem um
magnifico sortimento de molhados; assjm, pois, os preprietarios do Armazem Principal
nao invejam a sorle dos seus collegas.
Habitantes de Pernambuco.
Nos temos um excedente sortimento dos melhores gneros que se pode adiar
em nosso mercado. Vinde ao nosso estabelecimento, e se a vossa boa f fr illudida
urna s vez ao menos, eastigai-nos nao voltando mais a nossa casa.
Amendoas confeitadas de botiitas cores a dem de Hollanda em garrafoes com 24
l.ooo rs. a libra. garrafas a 7,2oo rs. cora o garrafao.
dem de casca muito novas a 3oo rs. a libra. Lentilhas excellente legume para sopa e gui-
Avellaas a 2oo rs. a libra. zados a 2oors. a libra.
Ameixas francezas em caixinhas com lindas Licores francezes de todas as qualidades a
estampas a i,2oo, l,4oo e l,6oo rs. cada1 800 e l.ooo rs. as garrafas grandes.
urna. I Manteiga ingleza perfeitamente flor a 800 e
dem em frasco de vidro com rolha do mes- i 96o rs. a libra.
mo ou de metal, a 1,2oo e 1 ioo rs. ca- dem franceza nova j deste anno a 600 rs.
da um.
dem em frasco grandes 2,5oo rs. cada um.
dem em latas de 1 t e 3 libras-a 1.2oo e
2,000 rs.
Arroz da India e Maranho o melhor que se
p le desejar a loo e 12o rs. a libra e
2,8oo e 3,4oo rs. a arroba.
Azeite doce de Lisboa a 600 rs. a garrafa,
e 4,8oo rs. a caada.
dem francez clarificado em garrafas bran-
cas a 9oo rs. cada urna, e lo,ooo rs. a
caixa com 1 duzia.
Alfazema muito nova c limpa a 32o rs. a li-
bra.
Alpista a 16o a libra, e 4,600 rs. a arroba.
a libra, e ;>8o rs. em barris inleiros.
Marmelada especial dos melbores fabricantes
de Lisboa a 600 e 64o rs. a libra, ha latas
de differentes tamanhos.
Massa de tomate em latas de 1 libra 56o rs.
cada urna,
dem para soda estrelinha, pevide e rodinha
em caixinhas surtidas a 3,ooo e 3,5oo rs.
cada urna e 5oo rs. a libra,
dem macarro, lalerim e aletria a 4oo rs.
a libra.
Mostarda franceza preparada em frasco a 4oo
rs. cada um.
Molho inglez em garrafinhas com rolhas de
vidro 64o rs. cada urna.
Bolachinhas de Lisboa da fabrica do Beato Marrasquino verdadeiro de Zara a l.ooors.
Antonio dasseguintes qualidades: aguae | a garrafa, lo.ooo rs. a caixa com 1 duzia.
sal doces, e imperiacs em latas de 6 li-1 Nozes muito novas a 16o rs. a libra,
brasa 3,ooo rs. e de 3 / libras a l,5oo Prezunto de fiambre superior a 600 rs.
rs. e em libra a 64ors., estas bolachinhas dem do Porto para panella a 5oo rs. a libra,
torna-se muito recommcndavel com es- Passas novas a 48o rs. a libra.
pecialidade para os doentes.
Biscoilos e Bolachinhas de soda em latas, de
todas as qualidades e marcas que se pro-
curar a 1,35o rs. a lata.
Bollos francezes em caribes e de diversas
qualidades a 64o rs. cada nm.
Banha de porco verdadeira refinada a 4oo
rs. a libra e em barril a 38o rs.
Batatas novas a 160 rs. a libra.
Bolachinhas inglezas ltimamente desembar-
cadas a 24o rs. a libra e 2,ooo rs. a bar-
rica.
Champagne das marcas mais superiores que
at hoje tem vindo a nosso mercado a
18,ooo rs. o gigo, l,5oo rs. a garrafa in-
leira, e 800 rs. as meias
Cha uxim o melhor que se podo desejar e
que outro qualquer nao vende por menos
de 3,ooo a 2,7oo rs. a libra
dem perola especial qualidade a 2,6oo e
2,8oo rs. a libra, garante-se a qualidade
d'este cha
dem hysson o melhor que possivel en-
contrar-se a 2.4oo e 2,6oo rs. a libra.
dem do Bio em latas de 2, 4, 6 e 8 libras
a I .-loo e i,4oo rs. a libra.
dem preto muito lino a l,6oo rs. a libia
Chocolate das melhores qualidades, francez,
hespanhol e suisso a l.ooo, l,2oo e l,4oo
rs. a libra.
Charutos do acreditado fabricante Jos l'ur-
lado de Simas em 'caixas das seguin-
tes marcas Pariziences, Suspiros, Dili-
cias, Napoleoese fiuanabaras a 2,3oo rs.,
eem caixas inteiras Trovadores a 3,ooo
rs. cada urna.
dem de outros muitos fabricantes e de
differentes marcas para l,5oo rs. as mei-
as caixas de suspiros a i,600, 2,ooo e
3,ooo rs. as caixas inteiras.
Conservas inglezas a 800 rs. o frasco.
dem franceza a 5oo rs.
Cognac inglez das melhores marcas a 1,00o
rs. a garrafa e lo,ooo rs. a duzia.
dem francez suporior qualidade 800 rs. a
garrafa e 9,ooo rs. a duzia.
Cominho e Erva-doce a 4oo rs. a libra.
Cravo da India a 600 rs. a libra.
Canella a l.ooo rs. a Jibra.
Copos finos para agua a 5,000 rs. a duzia, e
5oo rs. cada um.
Caf do Rio superior a 28o e 32o rs. a li-
bra, e 8,800 e 9,5oo a arroba.
Doce fino de goiaba a 600 rs. o caixo.
Ervilhas portuguezas ltimamente chegadas
a Too rs. a lata.
dem seccas a 16o rs. a libra.
dem j descascadas a 2oo rs. a libra.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Figos em caixinhas muito bem enfeitadas a
a l,ooo rs. cada urna.
dem em latas ermiticamente lacradas a
l,5oo e 2,5'X) rs. cada urna,
dem em caixas de / arroba a 2,5co rs. ca-
da urna, e 2oo rs. a libra
Graixa muito nova a loo rs. a lata e 1,000
rs. a duzia.
Genebra de Hollanda em frasqueiras com 12
frascos por 6,000 rs. e 56o rs. o frasco.
dem de laranja a 1,000 es. os frascos gran-
des e ll.ooo rs. a caixa com 12 frascos.
dem de Hollanda em botijas a 4oo rs. ca-
da urna.
dem em garrafoes de 16 garrafas a 4,8oo
rs. com a garrafao.
Peixe em latas de differentes qualidades co-
mo, savel, corfina, govas, pescadinhae
outros a l,ooo rs. a latas.
Palitos para denles a 14o e 16o rs. o masso
dos melhores.
Painco o mais novo c limpo a 16o rs. a libra,
c 4,5oo rs. a arroba.
Palitos do gaz a 2, loo rs. a groza, 2oo rs. a
duzia, e 2o rs. a caixinhas.
Queijos flamengos chegados neste ultimo va-
por, a
dem prato muito fresco a 800 c 9oo rs.
a libra.
dem suisso a melhor qualidade que at ho-
|, jo tem vindo ao nosso mercado a 800 rs.
a libra.
Sal refinado em potes de vidro a 000 rs. ca-
da um.
Serveja das melhores marcas a 6,000 rs. a
duzia, e 56o rs. a garrafa.
Sardinha de Lisboa e Nantes em quartos e
meia latas a 38o 58o rs. cada nma.
Sag mnilo novo e alvo a 24o rs. a libra.
Sevadinha de Franca 18o rs. a libra.
Sevadaa loo rs. a libra, e 2,8oors. a arroba.
Traques de 1.a qualidade a 8,5oo rs. a cai-
xa, e24o rs. a carta.
Toucinho novo de Lisboa a 24o e 32o rs. a
libra.
Tijollo para limpar facas a 15o rs. cada nm.
Vinho em pipa Porto, Lisboa e Figueira das
melhores marcas a 3,8oo rs. a caada, e
5oo rs. a garrafa.
dem do Porto Lisboa e Figueira de marcas
menos conhecidas a 4oo rs. a garrafa, e
2,8oo rs. a caada.
dem Colares especial vinho a 600 rs. a gar-
rafa.
dem Lavradio muito fresco nao levando com-
posicao a 060 rs. a garrafa, e 4,ooo rs. a
caada.
dem branco de uva pura a 56o rs. a gar-
rafa, e 4,5oo rs. a caada.
dem mais baixo a 4oo rs. a garrafa, e 3,ooo
rs. a caada.
dem Bsrdeaux em caixas de 12 garrafas das
marcas mais acreditadas a 6,5oo e 7,ooo
rs. a caixa.
dem muito especial que raras vezes vem ao
nosso mercado a 1,2oo rs. a garrafa, ga-
rante-se que por este mesmo preco d pre-
juizo e s se encontra n'este armazem.
dem do Porto em caixas com 12 garrafas
das seguntes marcas Lagrimas do Douro,
Duque do Porto, Genuino, Velho Particu-
lar, malvasio fino, D. Pedro V, D. Luiz
I, Nctar e outros a 9,ooo e 10,000 rs.
a caixa e 9oo a l.ooo rs. a garrafa.
dem Muscatel superior a l.ooors. a garra-
fa, e lo.ooo rs. a caixa com 1 duzia.
Vinagre puro de Lisboa a 2oo rs. a garrafa
e 2,4oo rs. a caada.
dem em garrafoes com 5 garrafas a 1,000
rs. com o garrafao.
Vassouras do Porto de arcos de ferro a 32o
rs. cada urna
dem de escova para esfregar casa 36o rs.
cada urna.
Vellas de espermacete superiores a 56o rs.
a libra, e 52o rs. em caixa.
dem de carnauba refinada e de composifo a
36o rs. a libra, e de lo,ooo a ll.ooo rs. a
arroba.
Aencao
O dono da loja do Beija-flor, na ra do Quetoudo
n. 63, acaba de abrir um oulro espacoso estabele-
cimeoto de miudezas na mesma roa n. 69, por isto
a?isa aos seos fregueses e amigos, que nestes doos
esubelecimtnlos encontrarlo sempre grande sorti-
mento de miuderas, perfumarlas eobjectos de gos-
tos; e vender sempre mais barato qne outro qual-
quer, como abaixo se ver.
Pettea dttrades de travessa.
I>elicados peotes dourado* de travessa para me-
ninas a i500 cada um, ditos sem ser dourados a
500 rs. cada um ; as tojas do Beiia-flor, ra do
Queimado ns. 63 e 69.
Voltiuhas de aljtfares.
Lindas voluahas de aljofares com croxes de pe-
dnnhas imitando a brilhantes a II cada urna : as
tejas do Beija-Bor, ra do Queimado ns. 63 e 69.
Lnras de Joinin
Chegaram pelo ultimo vapor as deseiadas lavas
de Jouvm de todas as cores, tanto para homens
como para senhoras : as lejas do Beija-flor, ra
do Queimado ns. 63 e 69. ,
Talheres para menos.
Vcndem-so talheres de cabo de balanco para me-
ninos a 280 rs. o talher : as lojas do Beija-flor
ra do Queimado ns. 63 e 69.
Colheres de metal principe.
Vendem-sc colheres de metal principe muito fi-
nas para sopa a .13600 e 4^400 a duiia, ditas para
cha a 2^ e 2400 a duzia, ditas para assucar a
500 rs. cada urna, ditas para terrina a 2 cada
urna, e s quem vende por estes precos as lojas
do Beija-flor, ra do Queimado us. 63 e 69.
Facas e garios.
Vendem-se facas e garios oitavados a 2*800 a
duzia, ditas cravadas, cabo preto e branco a ''& a
duzia, dilas de bataneo de i botio Anas a 5*200
ditas de 2 botdes muito finas a 6*500 a duzia. ditas
de i botiio para doces e fructas a 5* a dozia, ditas
de 2 bot5es a 5*200 a duzia : as lojas do Beija-
flor, ra do Queimado ns. 63 e 69.
Tiras bordadas.
Vendem-se tiras bordadas, a peca a 1*100, 1*200
e 1*300 : as lojas do Beija-flor, ra do Queimado
ns. 63 e 69.
Rallados bordados.
Vendem-se babados bordados de varias larguras
a peca a 1*600, 1*800, 2*, 2*200 e 25100 : as
lojas do Beija-flor, ra do Queimado ns. 63 e 69.
Lindos sapalinhos.
Vendem-se lindos sapaiinhos para baptizados de
criancas a 1*500 e 2* o par : as lojas do Beija-
flor, ra do Queimado ns. 63 e f9.
Botes para pnaos.
Vendem-se botoezinhos demadreperolaedemar-
fim para punhos a 320 rs. o par, ditos enrarnadi-
nhos a 120 rs. o par : as lojas do Beija-flor, ra
do Queimado ns. 63 c 69.
Filas para debrnm de vestidos.
Vendem-se fitas de laa de todas as cores para
debrum de vestido a 900 rs. a pega, ditas pretas
de seda a 1*100 a peca : as lojas do Beija-flor,
ra do Queimado ns. 63 e 69.
Filas brancas para debrun.
Vendem-se pecas de fila branca de linho para
debrum a 400 rs. a peca : as lojas do Bt ija-flor
na ra do Queimado ns. 63 e 69.
Iticas lilas b y radas.
Vendem-se muito ricas fitas lavradas para sinto
do senhora e meninas : as lojas do Beija-flor, ra
do Queimado ns. 63 e 69.
Kspelhos de Jacaranda.
Vendem-se espedios de columnas, de Jacaranda,
a 3* e 4*500 cada um, ditos de madeira amarella
a 2*400 e 2*800 : as lojas do Beija-flor, na ra
do Queimado ns. 63 e 69.
Fitas de velludo estreilas.
Vendem-se fitinhas estreitas de velludo para ea-
feite de vestido a 900, 1* e 1*200 a pera : as lo-
jas do Beija-flor, ra do Queimado ns. 63 o 69.
Trancas de la para bordar.
Vendcm-se tranrinhas de laa pretas para bor-
dar camisinhas e vestidos a 80 e 160 rs. a pocinha,
ditas brancas com 40 varas a 600 rs. a prca, c ou-
tras muitas cousas quesetornarao enfadinho men-
ciona-las, pois s com a vista se poder ver o gran-
de sortimento das lujas do Beija-flor, na ra do
Queimado ns. 63 e 69.
O SVrfmnc h\ Moda.
AG-XA FLORIDA
Do Murrav & Liimnan.
Este varo cjuio doliendo perfume 6
quasi que iucxtinguivel c to chelo de
mimosa fragrancia c frescura como o
delicado cheiro das proprias verdecen-
tes flores. Durante os mezes ea'oren-
tos do vero o seu uzo torna-so iniiueu-
teniente aprazivel o descjavcl cm eou-
6equencia da influencia refrigirante o
suavo que ella prodiiz sobro a pelle:
em quanto que tizada no banho ella
imparte o corpo lnguido e cansado
urna certa elasticidade de vigor e torea.
Ella impart timisparencia as feicoes,
e remove pannos, sardas e hertuejas di
sobre O WM ORIE.MIL DE KKflP
PARA 08 CABELLOS,
urna preparaco admiravel para lim-
par, aformosear, conservar e restabel-
cer os cabellos.
A venda as boticas de Caors Barboza,
roa da Cruz, e Joao da G. Bravo & C, roa
da Madre de Dos.
ATTENCAO.
Vende-se alpaca preta a 500 rs. o cavado.
Vende-se alpaca preta para vestidos a 500, 600,
700 e 800 rs., flna de cordao a 800 rs para pale-
tot, prineeza preta a 800 e 640 o covado, bomnazi-
na preta fina a 1*400 o covado, Saciabas preta
para senhora que eslo de luto a 720 o covado :
na ra da Imperatriz n. 56. A loja est aberta at
s 9 horas da noite.
fara algotlo.
i Vende-se por 'preco commodo urna excellente
machina americaua que trabalba com um cavallo
para fazer mover qualquer machina pequea de
descarocar algodao, tendo a vantagem de ser mul-
to simples e ecoaomisar muito o irabalho bracal;
a tratar na padaria dama Dircita n. 84.
Empreza'da illuminacao
gaz.
Todas as vendas de apparelhos e reclamacoes
fnor escripto dando o nome, morada, data, etc.),
devem ser feitas no armazem da ra do Imperador
n. 31. Os machinisU. mandados para atlendera
estas, apresentarao um livro que os reclamantes
deverao assignar logo depois de prompto o servico
reclamado ; isto para que a empreza fique sciente
de haverem o? mesmos senhores sido devidamen-
te attendidos.
Queijos SerW.
Vendem-se queijos do Sendo multo frescaes 4
600 rs. a libra : no largo do Carino, esquina da
rus do Hortas, armazem n. t.
Para a festa de Santo Antonia, S. Jeo, 8. Peara
e Sant'Ana.
Para fazer bolos, vende-so massa com toda lim-
peza e perfeicSo : na abobada da Penha, janella
que tem tres irascos de vidro n. 37 ; e igualmente
tem mandioca, e vende-se tanto em porco como a
retalho.______________________
Fui-lana de mandioca
ensacada e da melhor que ha : rende Miguel Jos
Alves no seu escriptorio, casa n. 19 da roa da
JUZ__________________________________________________

Sebolasjl!
A 6* a caixa. e 800 rs. o cento : no armazem
do caes da alfandega n. 3.__________
Veude-se
urna excellente mucamba crioula cem boas habili-
dades, t dita dita, 1 bonito mulatinho de idade de
10 annos, a parte de um sobrado no balrro do Re-
cite : na travessa do Carmon. 1. _______
Vende-se ntna quarta parte do sobrado de
dous andares n. ll da roa do Padre Floriano :
qilam u quizer comprar, dirjase a ra do Hanoel
n. 18, segundo andar, onde atibar com quem tra-
tar, das 6 horas at as 10 da rnaahaa, ou das 3 s
6 da tarde.
,


4


o*
GRANDE ARMAZEM
DA
60 Ra da (Meia do Recife 60
Thomaz Telxeira Bastos, tendo de partir para a Europa no dia 30 de junho, afim de tratar de
, sua saude, tem resolvido a vender barato c oais barato do que na Europa para liquidar todos os ar-
j tigos inglezes, francezes e allemaes existentes em seu armazem, como sejam : fazendas, miudezas, per-
, fumarias dos mais acreditados fabricantes, relogios inglezes, cxcellentes correntes e correutees para
relogio, aneis e botoes para punhos com brilhantes, braceletes, ocnlos, face main e murtas outras obras,
cutileria fina, como talheres para mesa e para sobre-mes com cabos de metal fino, *tos do marflm e
,w,V n, aierta> nao lne era permettido de outras qualidades, tesouras finas e caivetes, tesouras modernas para alfaiates, navalhas finas, lan-
., tlJll n aesapercebido sem que nao desse o cetas e outros artigos, sortimento de badas de metal para lavar o rosto e outros rticos, um rico cha-
o S^r.?mI.a,nrta^!^.aoresfeitav,ei.1 publico ariz,de.crystaI para Jardira ou raei0 de mesa de Jantar' ricos 1aadros Para ^ws, um excellente co- fi
o granae sortimento de plantaras do melhor gosto | re de ferro bastante grande, crystaes finos como lastres, candelabros, lanternas com pingeotes, copos, b* rEr* dllas a Mana P' mo'to Ana com pal- Ditos de barro com superior tinta a 1
emo ricos jarros' .83-^ COVado: raa da ^P61"5""1 n- ^ '^ Gma de botSes de louca pratiados,
Mfli(gi
GRANDE
feas* H Arara a 2f000
ftlt>vat*r ingle para aaratrieU-
"jto graide armazeui e toja de fa-
zendas la Arara, raa da "mperatriz
n. 56, de Loorenco Fereira Mendes
Gnimares
Peekincha, a 3*200.
\ende-se baratissimo para apurar dinheiro, a
" cortes de chitas francezas de cores escuras
saber
de babados a 3* : roa da Impera-
tnz n. 86, lo i a da Arara.
RIVAL SEM SEGUNDO
Ra do Queimado ns. 40 e 55, loja de miudezas
de Jos de Azevedo Maia e Silva, est continuando
o seu progresso de vender baratissimo:
Canas de superiores obreias de cola e massa a
40 rs.
Gortio branco para vestido e espartilho, vara 20
e c a^ comi lOcovados por 3*200, ditos de chitas L""* de carretel (150 jardas) de superior quali-
"'"sa S*400' ditos de cassas francezas a 2* e ^ade a 60 rs. H
2*5W,ditosdecanmraiadesalpicosa2*500e3*: Cartees de linlia Pedro V (200 jardas) j muito
il l ti H Afn Vilo A n __.." 'i> AAMnilin* a Li\ *
so na Arara, ra da Imperatriz n. 56.
A Arara vende a 240 rs.
conhecida a 40 rs.
Groxas de pennas de ac de muitas qualidades e
h^Lame1 P.ara 1ual(luer m,m. .uc acaba de garrafas e muitas outras pecas de gosto para adorno de consolos, porcelanas finas, como
f 2, imo Paqnete, assim como muitos para flores, apparelhos dourados para cha e caf, ditos para jantar, e muitas pecas para enfeitar mesas,
lantn a <|ae Tecers Por dlver.sos navios, grande sortimento de estampas de santos e vistas de differentes cidades da Europa e outros proprios Corfies de cascmira a 9M.
ro.nivirtVo ..^!3.000 consignacao, que est para sala de jantar, realejos grandes e pequeos, caixas com msica, ricas pecas com machinismo Vende-se cortes de meia casemira para calca a
Vende-se organdys fino para vestido a 240,280 r,S!rf a ^/.t
e 320 rs. o covado, casta franceza fina a 320 o co- j?l*ete8 de duas folhas Prm finos a 500 rs.
vado, gorgurao de linho para vestido a aSO o cova- .5 com calurfgas muito bonitas para rap a
do : loja da Arara, ra da Imperatriz n. 56. L22a. -.
A Arara vende lazinhas de urna s cor *ja branca e de cores para toalhas a 160.
, *in 1 "es de "fes para punho muito bonitos a 120.
Vendem-se nM wlrfk : i8 com soldads de chumbo muito bonitos a
\ enaem se ricas llazihhas lisas proprias para 120 rs.
s. os melhores- gostos possrvete, a Tinteiros de vidro com superior tinta a 160.
100 rs.
Ricas porta-jolas.
Cofre de muito gosto por 165000
Cestinhas transparentes, Torradas de madre-
perola por 185000
Lindas jardineiras 105000
Ricos cofres com camapheu 105000
Lindas eaixinhas com pedras brancas 105000
-indo balo com caluoga dentro tambem
mo barato afim de liquidar-se inteiramente.
165000
95000
650001
65000!
65000
para joias
Tambalier para ditas
Cestinhas idem idem
Oosnwrama idem idem
Urnazioha
S u Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Ricos porta-bouquetes de diversos gostos e pre-
sos : s no Vigilante, roa do Crespo n. 7.
Ricos sin (9
com bsleinhas ao lado a 10, 12 e 155 ditos sem
Loica, norm do mesmo gosto, a 25500, 35, 35500
e 45, ncas Ovelas avulsas para sintos, o melhor
que se pode" encontrar, a 15500, 25, 25500 e 35
so no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Cabazes n cestinhas.
At que chegaram as desejadas cestinhas ou ca-
bazes para as meninas trazerem do braco, o mais
rico possivel, a 25500, 35300, 4, 5, 7 e 10* : s
no Vigilante, rna do Crespo n. 7.
fentes.
Nesfe artigo tem um grande sortimento, tanto
para alisar como para alar cabello, o mais lindo
que se pode desejar, assim como de arregacar ca-
bello, tanto de borracha como de tartaruga, com
enfeite e sem elle para meninas : s no Vigilante
ra do Crespo n. 7.
Peales
Tamhem chegaram os riquissimos pentes de
concha de tartaruga e de massa lina, que se vende
por 25, 3 e 55 : s no Vigilante, ra do Crespo
numero 7.
Leques.
Riqusimos leques de madreperola, tanto para
senhora como para mocinhas, pelo barato preco de
12 e 145 : s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Mus leques.
Com pequeo defeito, leques de sndalo, por ba-
rato preco, a 85 e 105, chinezes, muito bonitos,
tambem por barato preco de 4 e 55, bentarallas
muito bonitas tambem por barato preco de 4 e 55,
leques de cnaro tambem por 45, tudo isto para'
acabar, perdendo-se taivez 80 OO : s no Vigilan-
te, ra do Crespo n. 7.
Pulseiras.
Lindas pulseiras de contas e de missanga, cores
muito lindas e de muito goslo a 15 e 15200.
Para segurar manguitos.
Tambem chegaram as liguinhas estreilinhas de
borracha que as senboras tanto precisam para se-
gurar os manguitos por ser minio commodo e mui-
to barato, a 320 o par: s no Vigilante, ra do
Crcpo n. 7.
Sapatinhos eineias de seda.
Riqusimos sapatinhos de seda e de merino en-
feilados, assim como meiaszinhas de seda, gorra-
zinhas o tooquinhas para as criancinhas se bapti-
sarem : s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Carretas.
Riqusimas carretas de madreperola proprias
para qualquer presente, pelo baratissimo preco de
14500 e 25.
Yo H i ii has.
Lindas voltinhas deperolas falsas com cruzinhas
fingindo brilhantes, assim como cruzinhas avulsas
e voltinhas, pelo barato preco de 15 e 15200, as
cruzes avulsas a 400 rs. : so no Vigilante, ra do
Crespo n. 7.
Goiiohas.
Riquissimas goiinhas e mancuitos, o melhor. gos-
to possivel, a 25, 25500 e 35 : s no Vigilante,
ra do Crespo n. 7.
Epfitos para senbora.
Riqusimos enfeites com laco e sem laco e de
outros muitos gostos a 15, 15500 e 35 : s no Vi-
gialnte, ra do Crespo n. 7.
Trancelins.
Lindos trancelins de cabello para relogio ou lu-
netas, pelo baratissimo preco de 15500, ditos de
retroz a 200 rs.
Babftdinhos eotremeios.
Riquissiraos babadinhos cnlremeios cora lindos
desenhos tapados e transparentes, pelo baratissimo
preco de 15200, 15500, 25 c 35 : s no Vigilante,
ra do Crespo n. 7.
Oscarrilhas.
Grande sortimento de cascarrilhas de diversas
larguras, assim como aalaozinho e trancinhas pro-
prias para enfeites : so no Vigilante, ra do Cres-
po n. 7.
Fitas.
Grande sortimento de fitas de diversas larguras
e qualidade, por precos que admiram aos compra-
dores, lia vendo fitas largas proprias para sinteiros
que se pode vender a 300 rs. a vara, e peca de 3
varas a 25 : s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
'las de ISa.
Fitas delaa de todas as qualidades, proprias para
debrum de vestido a 700 rs. a peca : s no Vigi-
lante, ra do Crespo n. 7.
Ricos espelhos,
Riquissimos espelhos com moldura dourada e
sem ella de 85, 10,12 e 145, assim como com co-
lumnas de difierenles tamaitos a 25, 3, 4, 5 e 65:
s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Lindos jarros e figuras.
Riquissimos jarros e figuras de porcelana fina
para efiite de sala, sendo o melhor gosto que aqui
tem parecido : s no Vigilante.
Para pos de arroz.
Riqusimos vasos com noneca para pos de ar-
roz, eousa de muito gosto a 15500 e 25, assim co-
mo paeoles s com os pos a 320 rs. cada um : s
no Vig lame, roa do Crespo n. 7.
Perfumarlas.
\ \i).W OLEO di. Pili UiOm i;\(. \LII \(i
XAROPE DE RBANO IODADO
Sagundo o ittestidos dos mdicos dos hoepities de Parii, consignados no Prospecto, e a approvacio
de twrio Acadmicos, este Xarope emprega-se com o malor roccesso, em lugar do LEO DE FIGADO DE
BACALHAO, ao qual eneereatmente superior. Cora as molestias de peito, as escrfulas, o lymphatismo, a
pallider e mollera das carnes, as perdas d' appetite, regenera a constituicao purificando o tingue. Em
lumma o mais poderoso depurativo conhecido. Elle nunca canea o estmago ou os intestinos como o
ioduro de potassium e o ioduro de ferro; e admlnistra-ee com maior efflcacidade aos meninos sujeitos
aos humores ou ao entupimento das glndulas. O D*ntr caaena* r, do hospital de San' Luis de Pars, J
o recommenda d'um modo inteiramente particular as molestias da pelle, conj lindamente com as plalas
%ut teem seu nome.
Depsito geral 1 em Part, en casa de MU. Grtataalt e o, pharmaceuUcos, 7, roa de la Feuillade
em tbon, en casa de Rodriga da Caata Carvalha no Porlo, en casa de MlaarI Jaa de Saai
rerrelra; em o Rio-de-Janeiro, lo*a relala e Dlnla, ra do Sabio, II; em Bahia, en casa
'*-Cetaa Fcrrelra-EaalnBclra; em Uto-Grande, en casa de Jaaaala de Gadoy ; em aran-
Mo, en casa de Ferrelra e C"; em Pernambuco, Saaum e C*, ra da Crus, 22; Sansa, e as prlncipaes
pharmacias do Bratil.
Deposito geral em Pernambuco ra da Cruz n. 22 emeasa de Caros & Barboza
5ti ? u a STSTaa 5 rfi a m 2

_ O J *a* H
r. as 0 ce g
g,!?S-SS'B.e?'gg6.o.S'S
osg^se-S'Fi'is.r
a
O- M as,__ o
oo.3tia
- S B 3' sr 3
^^
as
g- "2 3lq3|a
S3i||S-5g
o ns o ui
O
a
u
.g"B
. S V (B B
_ 5.3.2
CL5srBSi"5ra"
a,3S-02.p,o
o as o. o *
sr-2
-i
aj
I
las
-t
os
os'
-i
C
B
g-
re
oq
as
O
- c o
3 a.-
a. ~ a-
O, 1 "i
-O as
S?T3 S-g
Si
o
orj as "O
o r re
as as en
as
1
as
V re
as -i
2 b-
t
is-
as
e
S
i
i
d>
MACHINAS DEPATENTE
de fraliu I liar mi para
descaroear algodSe
FABRICADAS
Por Plant Brothers & C.
OLDAM
Fil de linho a 32 rs. a Tara
Vende-se fil de linho branco proprio para forro
de vestida a 320 rs. a vara, tarlatana de cores
a 640 a ?ara, fil de linho fino a 800 rs. a vara :
na ra da Imperatriz n. 36.
To para sen hora a I.OOO rs.
\endem-se os mais modernos veos para chapeos
de senhorasa 1 nm, de todas as cores, manguitos
de fiiu e bordados a 500 rs., manguitos e gola a
15, golmhas para senhoras e meninas a 240 e 320
cadauma, camisinhas finas para senhoras a 2# e
4*300 : s na Arara, raa da Imperatriz n. 56.
Arara veide m caries de lia i Mara Pia a 18$.
i Vendem-se ricos cortes de lia de barra os me-
lhores noe tem vindo, pelo preco de 18* o corte,
ditos a 85,^vende laazinhas em covado a 240, 280,
320, 400, 500 e 640 o covado, dtas lisas de cores a
640, casemiras para capas de senhoras a 2$ o co-
vado : ruada Imperatriz n 56, loja e armazem da
Arara, de Mendes Guimares.
Bramante da Arara a 20200 a vara.
Vende-se bramante de linho de 10 palmos a
25200 a vara, panno de linho para saceos e rjerou-
las a 640 a vara, hamburgo de linho a 440, 560 e
G00 rs. a vara, brira de linho branco fino a 200,
I400 e 1*600 a vara, dito pardo a 800, 640,15 e
1J200 a vara : ra da Imperatriz n. 56.
Chitas da Arara a 210 rs.
Vendem-se chitas finas a 240 e 280, ditas largas
a 320, 360 e 400 rs. o covado, de cores fixas : ra
da Imperatriz n. 56, loja da Arara, de Mendes Gui-
mares.
Chales da Arara a 2300.
Vendem-se chales da merino estampados a 25,
25-500, 45500 e 55, ditos de 13a e seda a 15 : roa
da Imperatriz n. 56, loja da Arara.
Oh! que pecbincha, a 10000.
Vendern se lencos de seda grandes a 15, ditos
pequeos a 800 rs., grvalas de seda de cores a 500
Estas machinas "d,tas Pretas de laa e largas a 800 rs., ertteri-
podem descaroear ?"> Par.a ho qualquer especie 300 e 500 rs. o par : ra da Imperatriz n. 36, loja
de algodao sem da Arara-
estragar o fio, Paleadas pretas para lulo, cassas, a 320 rs.
sendo bastante Vendem-se cassas pretas para luto a 320 o cova-
duaspessoaspara do, veos pretos para chapeos da senhoras a 15,
o trabalho; pode luvas de seda prelas a 15, prnceza preta enfesta-
da a 640, 800 e 15 o covado, alpaca preta a 500,
640 e 800 rs. o covado, laazinha preta a 640, mo-
rim e bombazina : ra da Imperatriz, loja da Ara-
ra n. 56.
Cirande sortimento de ronpa
feita.
Vende-se paletots de panno preto a 165, 145,
125, 105, 85 e 65, di los de brim de cor a 35500,
35e 25500, ditos de meia casemira a 45500 e 35300
descaroear urna
arroba de algo-
dao em caroco
em 40 minutos,
ou 18 arrobas
por dia ou 5 ar-
robas de algodao
limpo.
Esta machina
possue as vanlagens de nao deslruir o fio do al- ca,c*?.d.5J)r"n a *** e S*300. dls de brim bran-
godoede fazer render o dobrode noalquer ou- 9^J**00 e 35500, ceroulas de linho a 25000 e
tra com menos trabalho, a sua introduccao para f?^' cam'5?Afraneezas de linho a 35, ditas de
as provincias deste imperio ser de multo valor vEaS a ^ce *300 : na rua da lmPcatriz,
para todos os interessados na lavoura do paiz. f l0JaArara n- 56-
Assim com machinas em ponto grande do mes- ^a0 psnfC>"i os baldes da Arara,
mo syslcma,oraql serem movidas por animaes, Vendem-se baldes do 15, 20, 30 e 40 arcos a 35,
agua ou vapor, pas uaes podem descaroear 18 ar- 35300, 45 e 45500, ditos de brilhantina a 45, co-
rabas de algodao ampo por dia. bertas de chita a 25, ditas de damasco a 45, ditas
algodao descarocado por estas machinas tem de fusto a 55 : rua da Imperatriz n. 56, loja da
muilo maisestimacao nos mercados de Europa e Arara.
orzeguins para senhoras e meninas a 15300,
sapatos de marroquim com salto a 15, obras fran-
cezas, sapatos de borracha a 640, lamancos a 400
rs., tanlo para homem romo para senhora : na rua
dos Quarteis n. 22 junto a loja de funileiro.
Vende-se carvao a 600 rs. a barrica : no pri-
meiro armazem na rua da Concordia com a frente
para a rua do Cano.
160 rs. o melhor, a
Tesouras para costura, o mais superior, a 400 rs.
Ditas para unhas muito finas a 400 rs.
Escovas para limpar dentes muito superiores a
200 rs.
Libras de lia de todas as cores (pesada) a 75.
Caixas de phosphoros de seguranca a 160.
Ditas de papel amizade pautada- e liso a 600 rs.
Ditas com 100 anvelopes muito superiores a 800
ris.
Cadernos de papel branco e de core?, pequeo, a
20 ris.
Cartas e taboadas para meninos a 80 rs.
Caixas cora superiores iscas de acender charutos
a40rs.
Carreteis de linha Alexandre (200 jardas) de cores
a 60 rs.
Baralhos para vollarete muito finos a 240.
Cartas de alfinetes francezes muito finos a 40 rs.
Meadas de linha fixa para bordar a 20 rs.
Pares de sapatos de tranca muito superiores a
Papis de agnlha com um pequeo toque a 10 rs.
Groza de boloes de madreperola muito finos a
560 rs. v
Candes e caixas de celchetes francezes superiores
a 40 rs.
Bonets para meninos muito finos a 15500 e 25.
Magos de grampos superiores e limpos a 30 rs.
Groza de phosphoros do gaz muito novos a 5200.
Areia preta muito superior a 100 rs.
Caixas de rap com espelho a 100 rs.
Realejos para entreter meninos a 80 rs.
Pecas de fila de linho muilo boas a 40 rs.
Pentes de laco muilo bonitos a 15-
Enfeites de laco de todas as cores a 15300.
Rodas com alfinetes francezes a 20 rs.
Caixas eom quatro papis de agulhas imperiaes a
246 rs. ^
Sabonetes de familia a 80, 160 e 320.
Caivetes de duas folhas muito finos a 320.
Pares de sapatos de laa para meninos a 400 rs.
Sapatos de tranca para senhora e para homem, os
melhores que tem vindo, e por preco muito barato:
quem quizer ver, venha rua do Queimado ns.
49 e 53, e ver tudo como bom e barato.
vende-se por maior preco.
As machinas se acliam venda unicamenie em
casa de
Sauadei's Brolhei s & G.
\. II, praea do Corpo Manto
RECIFE.
Os nicos agentes nesle paiz.
Soutambarque da Arara a 20 e 2i>0.
Vende-se soutambarquemuito bem enfeiladoa20
e 235 cada um, veos pretos e de cores para senho-
ras a 15 cada um, riscados francezes a 280 o co-
vado. Todas as fazendas existentes neste estabe-
lecimento vendem-se por preco baratissimo, e dao-
I se amostras com penhor, ou mandase levar as fa-
j zendas casa das familias pelo caixeiro da loja da
I Arara, rua da Imperatriz n. 56.
Botica e armazem de
drogas
Rua do Cabug n. II.
DE
Joaquim Martinho da Crnz Cerreia.
Vende-se o seguinte :
Salsa parrilha de Bristol.
Pastilhas assucaradas de Kemp.
Pastilhas vermfugas de Kemp.
Elixir de citro lactato de ferro do Dr. Thennes.
Robda Lafcteur.
Xarepe depurativo d'odoreto de ferro e Guy.
Xarope peitoral sedativo de Guy.
Pastilhas peitoracs balsmicas de Guy.
Plalas da vida.
Burel franciscano (mesclado) para imagens.
Injeccao Brow.
Xarope de citrato de ferro de Challe.
Plalas contra sesoes.
Salsa parrilha de Sands.
Ex tracto tia ido de salsa parrilha de Eailys.
Xarope alcoolico de vellame.
Alm destas drogas ha constantemente um com-
pleto sortimento de tintas, verniz, onro para dou-
rar, preparados chimicos e pliarmaceuticos que se
vendem por commodos presos.
NOTA FABRICA
LICORES E PERFUMARAS
A' roa de Anarioi, n. 12.
For varejo e atacado.
Pj'este novo estabelecimanto encontrarao sempre
os freguezes todas as qualidades de bebidas espiri-
tuosas, fabricadas com todas as regras d'arle, e
por sso livres de ser nocivas ; o que nao acontece
com as que sao fabricadas sem roethodo e pelas
receitas que os charlates annunciam vender, pois.
como j temos tido occasio de ver, vendem lico-
res coloridos com substancias venenosas, como se-
ja o licor de rosa colorido com vermelhao ( Bi-oxt-
do de chumbo) e o de amendoas colorido rom ama-
relio francez Cbi-chromato de chumbo) Eucoati a-
rao algumas perumarias de superior qualidade
commodas em preco. Tudo se vender por pi
muilo razoaveis, trazendo os freguezes os mrro>
que a todos habilitara a comprarem barato.
Aprompiam-se encommendas com brevidaife
rigorosamente bem acondicionadas, tanto para den-
tro da provincia, como para fra delta.
Bebidas espirituosas.
Licores de todas as qualidades em garrafas pretas.
Dilo, dito, em garrafas brancas.
Gencbra igual a hollandeza.
Dita de laranja superior.
Agurdente d'aniz.
Dita de hortela pimenta.
Dita do reino superior. '
Dita de flor de laranja, recommendavel por sea^k
tomachica. ,
Dita de canella.
Alcool de 35 a 38Cartier.
Perfumaras.
Agua de Colonia coramum.
Dita ambreada.
Dita almiscarada.
Dita das Nymphas. .
Banha em latinhas de qualro OBcas proprias para
as familias econmicas.
Banha para tingir de preto os cabellos, e que nao
suja os lencos brancos.
Leite virginal em garr.ifinhas, proprio para os Srs.
barbeiros e cabellereiros e uso domestico. Be-
neficia a cutis e tira as manchas da pelle.
Extractos variados ; banha em vasos dourad
extractos finos em frasquiohos ricos.
AGENCIA
Da
FNDIGO DE L0W-M00R.
Rna da Sennlla iova n. 42.
Neste estabelecimento contina a haver
om completo sortimento de moendas e meias
moendas para engenho, machinas de vapor
e tachas de ferro batido e coado, de todos os
tamanhos para ditos.
Arados americanos e machinas para
lavar roupa: em casa de S. P. Johnston & C,
rna da Senzalla Nova n. 42.
ESCRAVOS FGIDOS.
F ugio
honlem 6 do correte, da casa oe seu sentiur, o
cabra de nome Paulino, marcado de beKigas, i>ai-
xo, corpo regular, vistas baixas, sahio de maohaa.
levando comsigo camisa de riscado e calca escura I
pede-se aos senhores cap tiles de campo ou qua-:
quer pessoa que o pegar, leva-lo rua do Crespo
n. 5, loja de Marcelino & C, que se gratificar.
QUE DEfflOR*.
Nao tem apparecido a escrava Justina que fugio
em Janeiro do correnle anno, levando seis vestidos
de chita e dous chales, sendo um preto ; a escraua
tem os signaes que se segu : parda escura, falla
humilde, anda de vagar, e cosluma pentear o ca-
bello e abrir estrada : pede-se a loda e qualquer
pessoa do povo, capitaes de campo e aos pcdesjres
a apprehensao da dila escrava, e leva-la ruada
Esperanca n. 74, que alem de se ficar agradecido
recompensa-se muito bem.__________________
ATTEN(A0
Acha-sc fgido o escravo de neme Faustino, de
idade 40 annos, pouco mais ou menos, cor fula, at-
ura regular, grosso do corpo, bem espadao, bar-
bado, e j com alguns cabellos brancus na barba,
bragos e pernas grossas e bastante cabelludas, ten-
do as pernas arqueadas, porm nao muilo, costu-
ma andar em sambas, e as vezes embriagase bas-
tante por postar muito de beber : portanto roga-
se s autoridades policiaes desta e das provincias
Hua da Senzalla n. 42.
Vende-se, em casa de S. P. Johnston A C,
sellins e silhes inglezes, candieiros e casti-
caes bronzeados, lonas inglezas, fio de vela, limitrophes, que o facam apprehender e leva-lo a
chicotes para carros e montara, arreios para 'sea a*0 maJ.r Antonio da Silva Gusmao, na
An .. a___ n. i j i rua Imperial, assim como roga-se aos capitaes de
carros de um e dous cavallos, e relogios de ^^ \ apprehensao do dito escravo, que serac
ouro patente inglez. I bem gratificados.
Grande sortimento de extractos e banhas, poma-
das, assim como os lindos copos ou vasos com dis-
tincvos e offerecimentos as sinhazinhas, dos me-
lhores e mais afamados autores de Pars e Ingla-
terra, sala como os grandes eopos de banha japo-
niza a ii a U; assim ramo ostros objectos que
nao possivel por boje annunciar, e vista dos
freguezes se far todo negocio : na loja do Gallo
Vigilante, raa do Crespo o. 7.
UfriM 4* -Mi*
para saccoa douracir raspa de eacravo; tea
pan vender Antonio Lou de Qlivek-a Azevedo 4
C, no sen escriptorlo roa da Gnu n. I.
LISTA GERAL.
94.a
I
1.
DOS PREMIOS DA LOTERA EXTRAORDINARIA, la PARTE DA 1. CONCEDIDA POR LE PROVINQAL N. 557 DE 4 DE MA10 DE 1863, A BENEFICIO DA IGREJA DE S. PEDRO APOSTLO
DESTA CIDADE, EXTRAHDA EM 10 DE JUNHO DE 1864.

NS. PREMS.
7 10*
8
12 -
16 -
19 -
NS. PREMS.
VEWISE
I
portadas de ciawli-dB Usras, alpam lagedo pan
calcadas: no escrlptorio de Manoel Ignacio de Oli-
veira & Filho, no largo do Corpo Santo n. 19.
Vis* a Parto saperkr
en caixas de urna e duas duzias : tem para ven-
der Antonio Luis do Oveira Ase vedo & C., no seo
oscriptorio roa da Cruz n. 1.
24..
25
26..
33
38
39
47
51
53
60
62
63
66
68
76
77
82
85
87
91
92
95
99
103
4
5
6
7
11
14
i5
18
21
4
N
34
36
41
42
44
46
JIOi
5005
)>
no*
20*
10*

-c
100*
151
55
64
67
68
69
72
80
87
90
93
206
9
10
12
22
31
33
34
36
37
45
49
55
60
63
66
69
71
73
81
85
93
300
y i
3
5
8
9
11
10*
20*
10*
20*
10*
2005
10*
NS. PREMS.|NS. PREMS.
16
,17
19
4
30
341
49
51
54
56
57
60
64
67
68
70
75
76
80
82
88
89
93..
94
95
403
9
11
15
21
22
36
44
46
51
53
54
55
56
60
6i
69
77
83
85
91
92
94
m
99
500
10*
J10*
140*
3:0005
40*
10*
20*
10*
40*
10*
505
6
7
9
11
20
22
23
25
33
34
36
38
40
42
43
44
48
53
55
56
71
72
75
78
80
85
86
90
91
94
600
1
7
8
10
14
15
16
29
34
37
42
46
47
50
55 .
20*
10*
205
NS. PREMS. NS. PREMS. iNS. PREMS. INS. PREMS.
660 10* 848 10* 1014 10* 1189 10*
82 52 22 91 __
87 100* 56 27 95 __
-88 10* 60 30 96
96 65 33 98 405
98 69 35 -- 1200 105
99 2005 71 36 6 - i
701 10* 80 39 ., 7 405
11 20* 86 47 mm 12 105
14 10* 91 49 __ 16
lo 92 50 ^ 20 _
18 93 52 _ 28 n
19 96 59 31 __
32 98 61 _ 45 ---
39 99 68 __ 50 205
40 904 70 57 105 i
42 7 74 59
47 __ 8 83 _ 60
48 10 85 _ 63
50 __ 11 92 Pl 7
55 _ 19 93 __ 68
58 24 98 72 405
59 27 1107 73 105
61 . 33 13 _ 74
66 40* 38 200* 14 75
67 105 42 10* 18 77
68 405 47 19 __ 79
72 10* 48 20 ^^ 82
75 51 21 86
78 53 22 93
88 54 33 94
89 58 34 100* 97
92 63 41 10* 1300 ^
93 64 42 1 __
803 65 43 M 2 __
4 69 51 _ 7 _
6 . 76 55 __ 8 100* 1
13 79 57 11 10*
16 81 20* 60 19
19 82 !0* 64 20 .
20 __ 83 _ 68 _ 21
21 ._ 87 M 72 .23 20*
23 __ 88 aaa. 79 30 10*
28 90 H 81 31
31 ~> 93 H( 82 34
37 i 97 04 43 _
41 i 1012 T9 86 aaa 46 ""
NS. PREMS.
1347
50
52
55
57
59
64
65
69
71
76
80
87
95
97
1405
8
11
13
19
21
25
26
30
36
38
50
51
59
65
67
74
75
80
89
95
1501
4
8
9
14
15'
19
24
2f
ao
33
10*
10*
NS. PREMS.
20*
10*
1538
43
45
67
72
73
77
78
79
85
89
90
96
99
1601
2
3
6
18
25
28
32
33
35
36
38
41
46
47
49
50
51
55
56
69
70
72
75
86
91
95
%
98
1718
19
21
22
10*
NS. PREMS.
40*
1P*
40*
10*
1731
40
43
44
45
51
56
64
68
69
71
75
76
77
78a
81
93
96
1804
12
13
15
16
30
32
36
37
38
40
41
45
46
48
51
58
60
67
70
86
89
90
92
95
7
1900
3
16
10*
40*
10*
20*
10*
NS. PREMS.
Servindo de escrivaO, Luiz Epiphaneo Mauricea.
?
Pern;
1917
18
20
27
30
32
36
43
49
53
58
59
63
64
69
70
75
81
82
84
86
89
93
94
98
99
2000
3
12
14
16
22
24
32
53
59
62
64
66
67
71
74
79
90
94
97
10*
NS. PREMS.
20*
105
205
10*
40*
2099
2100
3
4
10
12
20
25
32
33
36
39
43
44
45
49
51
58
63
64
66
71
73
79
82
87
97
98
2201
4
18
26
27
28
29
30
36
41
43
44
45
50
54
55
60
64
73
10*
20*
10*
20*
10*
NS. PREMS.INS. PREMS.
20*
10*
2281
82
89
94
%
97
98
2301
2
4
7
10
13
15
26
33
36
37
40
45
48
49
50
58
67
70
73
74
77
81
89
90
91
92
99
2401
4
11
27
29
34
38
48
50
8i
64
5
10*2456
64
97
2505
8
14
19
21
26
29
30
34
42
44
48
49
50
51
52
58
64
65
67
71
76
82
85
87
90
91
92
95
20*
10*
NS. PREMS.
10*
10*
2655
64
66
68
70
71
74
75
77
92
93
94
98
99
{a
20*
10*
2005
10*
2606
8
11
16
18
19
20
V
35
36
45
46
52
1
2
5
6
10
..{
14
15
17
20
24
25
27
30
3f
32
34
41
43
51
52
64
56
10:000*
100*
10*
105
205
5005
20*
105
20*
m
60
63
20*. 5
10* 67
73
74
Typ. de Manoel Figutiroa de ForkiA #stto=184.
NS. PREMS.
2775 10*
76
77
78
81
84
97
2800
6
9
13 100*
17 10*
20
24
25
28
45
63
68
71
75
76
77
81
85
87
89 -
91
92 _
93
% _
2900
5
12
14
22
24
30
31
34 ?
48 *
51 m
61 -
66
72
28
94 .. *
>



ftafcfcai 11 de Jimko e 1M4.
LITTERATRA.
POLMICA RELIGIOSA.
Os l.-.iirsos do Sr. deputado PedroLuii Perfira de
Souza, na cmara dos depulados.Pretencio
Janrard. lustilutos religiosos. Jesutas.
I zaristas. Irmaas de Caridade. Capachi-
iiinis.Necessidade das ordens religiosas no
Brasil.
(ContinuarSo.)
XI
Curiosas coincidencias.
* ..|iressODa-nos uro pensamento triste.
Esta discussao, apparentemente de pequeo al-
cance, revela todava a existencia de dous males :
J o Brasil coala em seu seio echos de urna pro-
I "canda de doutrinas heterodoxas Ej na as-
amblea dos nossos representantes da nacao, eses I
discursos sao receidos cora brados de apoiado, e
jgmta bem I
C antes de passar avante, expliquemos desde j,
o frr.ncamenle, o intuito da confrontacao a que va-
mos proceder. Nao se nos allribua o pueril im-
pulso de querer aecusar de plagios ao Sr. Pedro
f ,'.;. Teamos a coragem da verdade, se do ta-
fenlc desse esperangoso mancebo ormassemos me-
eor conceito na propria extensao que darnos a
eSla polmica llie manifestamos a muita considera-
do em que o temos. Respetamos a intelligencia
desrulparao* as intencoes ; repelllmos as dou-
iriuas.
E" porque estas deutrinas nos parecem repercu-
tida^, 3 sao ms (comquanto brilhantissimas) as
vejes que as iniciara.
Disto poderiamos dar muitas provas; limitar-
nns-hemos a algumas. Colligir-se-ha da commu-
nfflade de pensamuntos, e muitas vezes at de phra-
603, qae o cholera-morbus religioso, que era varias
arcases europeas est grassando se tornou conta-
gioso ao nosso compatriota.
{'nesc Renn:
V.o ihario de PcinamoMCO apparecerammemorias
M)\>r astas quesloes, no sentido orthodoxo, e traga-
da?, em geral, pelas mais aparadas pennas. Entro
rilas, citaremos aqui a de um Catholico, que julgou
acertado deixar ao bom senso dos leitores a apre-
ci?is? da maneira de fallar de Jess Christo, com-
?ir.irr. Ernesto llenan, e ao Sr. Pedro Luiz. O
respectivo parallelo por aquelle distincto Catho-
ft presentado as seguintes palavras :
i Agora porra vejamos como a religiao e o
+ Jo Sr. deputado Pedro Luiz. Senhores, eu
quero" verdadeiro reinado doEvangelho; quero
que ss' nao faca da cruz um instrumento de destru-
co. (Tamben assim fallara Luthero falso apostlo
da Eranfetiio puro); nio admitto que o charlatio
QH-se capuchinho) se decore com as vestes de apos-
tlo, a suba a um pulpito como o arlequim sobe
para o palanque. (Muilo bem.)
c Senhores, contina o orador, hotive um tem"
tao :-. que sobre a trra appareceu um homem, cuja
f : <. anglica inspirava sympathia e confianga>
ctija "!raa era severa e placida... Esse homem era
Fillic de Deus. era o Christo... Essa creatura di-
riaa era mansa e boa, era o cordeiro de Deus...
User homem urna s vez foi possuido de colera em
ssa via. Dingiu-se um da ao templo, e encon-
tTOU alguns homens que vendiam pombos, fructas
lio sagrado recinto; encheu-se de ira, tomou de um
azorraouc, e enrhotou do templo esses vis merca-
ieres Se essa figura anglica, se esse espirito
Iranquilo visse hoje o templo, a casa de seu divino
rio, essa colera nao teria limites. Os mercadores
estiio !a na turba de seus levitas Nao trafican
anirr.irente com as riquezas materiaes, mas com o
q?e '.:?. de nobre sobre a trra, cora a conscicncla
c coc a dignidade ; nao especulan s cora o ouro.
Alias tambem cora a palavra de Deus I Havia o cor-
fleiro do Evangelho de fulminar ali mesmo a roca
rgerr-ada e prostituida... Mas afflango V. Exc,
Sr. presidente, conclue o orador, que infallivel-
JQaente o revolucionario divino seria aecusado de
4mpi
Depois do Sr. Pedro Luiz, demos agora a pala-
vra a Ernesto Renn, autor do rapio livre, intitula-
do Vida de Jess.
Jess, essa sublime pessoa, que ainda hoj
p-osirta diariamente aos deslinos do mundo, pode
sor chamada divina, nao s no sentido de ter ab-
Wroufa toda a divindade, mas por ser o individuo
qvic mais concorren para a sua especie caminhar
pira o divino (loe. cit. p. 457.) Se Jess tornasse a
vir ao mundo, reconheceria por discpulos, niio
agrclle que pretendem encerrado em algumas phra-
.-.;.r do calherismo, mas aos que trabalhan para con-
tfauar a sua idea (Ibid. p. 446.)
1 Nunca se foi menos padre do que o foi Jess,
nanea maior inimigo das formas que affogam a re-
ttgto, ob pretexto de protege-la (Ibid. p.89). Um
cuite puro, urna religiao sem padres, e sem praticas
exteriores, asseotando toda nos sentimentos do co-
t~~::. eram as consequencias das mximas de Jess,
Que nunca recuou diante desta ousada consequen-
cta, gao o tornava no seio do judaismo um revolu-
cionario de primeira ordem (Ibid. p. 35, 86). A
(tcv dirigir-se para se dar o reinado de Deus ?
osu6 nao hesita. Os fundadores do reino de Deus
scrac es simples. A natureza anglica e doce de
l\.sus tornase aqai superior (Ibid. p 127.)
Accrescentemos ainda outros trechos do mesmo
.. (2* ed. p. 80) : Un charme infini s'exhalait
(fe ja pente... ouy sentail quelque chose de pe-
lurant eldoux... une de ees ravissantes figures
(c aqi'i tome-se nota que as repetidas Uguras ango-
!; do Sr. Pedro Luiz nao dio o figure angelique
0o original, pois esse figure significa rosto, como
Renn mesmo explica, pagina 80). R annoncait
tipe grande colere... (pag. i20). Jess est le rvo-
%\r.io:.:aire transcendant... (pag. 116). Les pretres
n'font pas ce qu'ils ordennent aux autres de {aire
J\i.) Le temple offrait un aspect peu difiant... De
trate' boutiques s'elaienl etablies dans enceinte sa-
etee; on y vendaitdes beles pour les saertfices. .
Cet air profane, dans le maniement des dioses san-
tes, M-tsail le sentiment religieux deJsus... B
.tisait quon acait fatt de la maison de priere une
cveme de voleurs. Unjour meme, dit-on, la cole-
re V'mporta; el rapa coups de fouet ees ignobles
vendcirs, et renversa leurs tables (pag. 214).
Poderiam multiplicar-se estas transcripcoes,
comprobativas de entidade de pensamentos, mas
para que ?
Vctor Hugo :
r essa adrairavel penna alvo do assombro uni-
ersal; nao ha mais deslumbrante estylo, nem
lamiera mais perigosas doutrinas, que as desse so-
cialista! as poucas palavras proferidas sobre
tmtitutos religiosos, religiao pelo Sr. Pedro Luiz,
G licite descobrlr, nao s que S. S. se saturou dos
anesmos sentimentos que o autor dos Miseraveis,
as postou-se, para o grande combate, hombro a
*oinbro com o (voluntario) exilado de Guerasey
Ctubebeu-se no mesmo espirito, a ponto de frequeni
tewente usar da mesma successio de ideas, de
denticas termos.
O Sr. Pedro Lmz, fazendo urna especie de syn-
Ibese dos seas sentimentos sobre os monges, excla.
Jma : Direi conclumdo, que esta peste religiosa...*
ev interrumpido por apartes, accrescenta : t Nao
tico guestao de palacra : esta praga religiosa >
dPo.-s bem : olheando os Miseraveis, actaar-se-haoldade.
no livro VU cap. 2 eguaes expressoes : Le Upre
monackale a presque rongi, etc; e logo adiaste se
l : o monachato foi tima praga.
O Sr. Pedro Luiz : Os estatutos da ordem de
S. Lzaro (que ordem ser esta ?) sio exacta-
< mente os estatutos da ordem da Companhia de
Jess. Vou lr cmara alguos artigos desses
estatutos: ^Obediencia passiva, abstcncSo
completa de si mesmo Mas como que deve
obedecer ao geral da ordem ? Desta maneira :
Quasi roci christi : prompt, hilariter, perseve-
ranter, et cceca quadam obedientia. O' laza-
rista, porm, obdece ao geral da ordem, quan-
do formal ? Nada, nao, senhores, deve obede-
cer mesmo ad nutum, ad ejus primum signum.
< De maneira que deve advinhar as intencoes do
Geral. Mas qual o fundamento phiiosophico
desta escravidao ? O lazarista quasi limam in
manibus fabri, a lima as raaos do operario,
t Oulra prohibido esmagadora : Legere autem
vel scribere nos adiscerit sine expressa supe-
< rioris licentia. Mas urna : eque regulas, ne-
que constitutiones nostras exterms communica-
bit, etc.
Ora agora, em seguida, abramos os Miseraveis
edc. de Bruxellas, 1862, VI 80 e 95.) Ahi lere-
mos e seguinte, e, o que mais carioso, nao j
applicado a Jesutas, nem a Lazaristas, mas siiu
as monjas bernardinas benedictinas da regra
de Marlinho Verga :
Vctor Hugo: Elles sont sounises la priure,
d'une soumission absolue et passive. Cest la su-
jeition canonique fisto que nao fez conta ao Sr.
Pedro Luiz repetir) dans loute son abngation.
Comme la voix du christi, ut voci christi au
geste, au premier signe, ad nutum, ad primum
signum, tout de suite, avee bonheur, avec perse-
veranee, avec une certaine obeissance aveugte,
prompte, hilarilet* perseverante!; et exea qua-
dam obedientia, comme la lime dans main de
l'ouvrier, quasi limam in manibus fabri, ne
pouvant tire ni ecrire quoi que ce soit sans per-
mission expresse, legere, vel senbere, non adis-
cerit sine expressa superioris licentia.....Cest la
regle de saint Benoit (Isto tambem supprimio o Sr.
Pedro Luiz, ou, ainda peor, adulterou !) : Arcane
onul ail profane doit penetrer. Nemo regulas,
seu constitutiones nostras, externis communica-
bit.
Nao para snrprehender esta identidade de vis-
tas, que leva ambos a empregar os mesmos
argumentos, com o mesmo intuito, e at com a
deraonstrac.ao pela mesma ordem ? E, antes de
passar, cumpre aqui deixar assente, que essas
monstruosidades, (corpo de delicio contra Jesutas.
e Lazaristas) sao regras internas, e preceitos
communs muitas ordens, e de ambos os sexos.
Se isso fosse, por tanto, argumento para idenlifi-
cacao das duas ordens, s-lo-ha para uniformida-
de com outras muitas.
Mas prosigamos.
O Sr. Dr. Pedro Luiz, censurando a educaco
das meninas, feita pelas Irmaas de Caridade, por
ir de encontr ao principio da familia, narra as
seguintes ancdotas :
Urna moca no Porto ia vver sob as ordens do
director da corporaco ; a mae foi visita-la ; a
menina abaixou os olhos, e disse : Nao vos
conheco. Nao me conhaces > disse-lhea po-
bre me consternada.Nao vos conheco. A|>ar-
< tae-vos de raim ; pertenco a Deus, s a Deas ;
< Aqui na curte, um homem muito respeitavel,
cujo nome nao quero citar, foi victima de egual,
attentado, etc., etc.
E' a mesma historieta, dos Miseraveis (id. p.
89). Di jour une jeune filie fut visite par sa
mere, etc.t
O Sr. Pedro Luiz falla-nos de um terror branco,
primoco-irmao do petite patentre Manche, da
mesma obra, (id p. 96).
l'ma vez ao menos pareceu o nosso orador es-
crupuloso, e as seguintes palavras contrastara com
todo o restante do discurso :
O Sr. Pedro Luiz : cumpre examinar bem de
perto a instiluico.. Em taes materias, bom
deixar de lado, tanto a apologa como a maldi-
c5o. Nao quero extremos. Respelto essas mu-
Iheres (as Irmaas de Caridade), por que antes
de tudo o sao, etc.
Oujamos agora Vctor Hugo, fallando de outra
congregneao de mulheres, cujo regulamento, e
vida claustral analysara (id. p. 123). tNous avons
parl de ce lieu singulicr avec detail, mais avec rs-
ped. Nous ne comprenons pas tout, mais nous
n'insultons ren. Nous sommes gale distance
de 'hosanna de Joseph de Maistre, e du ricanement
de Voltaire (id. p. 134: combattons, mais distin-
guons. Le propre de la vent, c'est de n'tre ja-
mis excessive. Quel besoin a t'elle tfexagerer f
Ponhamos termo a estas confrontares, facis de
multiplicar. Tamanha a semelhanja entre os
dous genios, que nao desesperamos de ver o do
nosso conterrneo soffrer da lei do verdadeiro pro-
gresso urna trausforraacao, mais saluiarnlo que a
que em sentido inverso se deu no espirito do seu
camarada nesta cruzada. Na edade do Sr. Pedro
Luiz, o autor dos Miseraveis compunha odes ao
nascimento do duque de Brdeos, e morte do de
Berry, a tragedia Irtamne (celebrando, sob no-
mes egyptanos, o regresso de Luiz XVIII), e fun-
dava o jornal intitulado Conservador Iliterario.
Se a consistencia as opinies nao dote do carc-
ter do companheiro do Sr. Pedro Luiz, esperemos
que este, com o gyrar dos annos, se nao invergo-
nhe egualmente de mudar de ideas, sobre tudo
para melhor.
Forca-nos a verdade (cojos diraitos sio superio- le a pena refutar. Um negro obedece lei eral, ontr'ora, e se coroparam-se algarisraos decennaes
res aos de Platio) a reconhecer que tal vez a po- que de certo nio amar por si mesmo o trabalbo
drido do scalo tenha algura tanto panetrado nos mas soffre-lo como urna necessidade e limita-lo a
nossos claustros; que a gloria de Den, e a vanta- satisfacao das precs5es.
gera do povo por ventara aconselhem importantes,
e meditadas reformas, sobre tudo no pessoal das
nossas ordens religiosa*; que as necessidades apos-
tlicas do flm do scalo XIX sao mais outras das
dos seculos IV, IX, ou XVI.0: que at mesmo val
mais nenhuns frades do que frades mos. Por-
tanto, se existem em nossa sociedade religiosa
que precederam e seguirn. 1848, ver-se-ha que o
numero anaual das unides regalares montn na
Martinica de 46 a 637, em Guadelape de 101 a
907.
o Soberano Pontfice, supremo fiscal da disciplina
da egreja, prestar sem duvida seo braco forte pa-
ra coadjuvacao em todo quanto contribuir para
vantagem conjuncta da moral social, e religiosa.
Mas reformar nao destmir; cura nao raorte.(l)
Nao examinamos neste momento o que possa
achar-se inscripto n'un ou n'outro regulamento,
ou Aviso; lei obedeca o cidado, mas seja a opi-
ntao publica, nao extraviada, quem dicte essa lei.
A' easa, denominada rainha do mundo moderno,
que nos dirigimos franca, e directamente, pedin-
do-lhe proteccao... protecc,o contra ella mesma, se
fr mister.
Digamos, com Lacordaire, ser inexplicavel que
se vede a homenscaneados das paixoes do san-
gae, e do orgalho, e tocados de amor a Deus, e a
seus semelhantes, que a elles mesmos os arranca
reunir-se n'uma casa sua, e ahi, sem privilegio,
com votos que apenas Ihes ligara a consciencia,
occuparoin-se modestamente em servicos que a
humanidade, talvez, nem sempre conceba, mas
que, em todo o caso, a ninguem prejudicam. E'
inexplicavel, mas assim E quando nos, apai-
xonado amigo deste secuto, nascido em suas entra-
nhas, Ihe pedimos qualquer outra liberdade, sbito
no-la outorga. Liberdade de descrenca \ concedida.
Liberdade, at juventude, de influir sobre os seus
destinos, tratando as mais graves questoes ; con-
cedida. Mas quem hoje, penetrado dos elementos
divinos, que revolvem as nossas eras, impetrar ti-
berdade de seguir as inspirares da nossa fi, de
nao pretender mais cousa alguraa, de viver pobre,
e tristemente com alguns amigos impellidos por
eguaes desejos, ver apparecerera-lhe logo maosde
ferro, mandarem-no parar, invocaren], e inventa-
ren! nao sabemos quantas leis, e bradarem contra
Annibal, bateado as portas de Roma t
Esclare^a-se a opinio sincera. Contribuam pa-
ra isso os nossos companheiros, os levitas do Se-
ahor, sal da trra, a quem estas lucias sao obri-
gatorias. Agradecamos a quem, provocando esta
nova crusada, babilitou o paiz a repellir, por sua
attitude, a calumnia de ser elle indiferente em
materias de religiao. Se lemos durmido, accorde-
mos, que tempo. Sus Reajamos contra as on-
das philosophicas, ou antes irrupcoes do protestan-
tismo, que tudo ameacam engulir I
Dzia a sabedoria grega, que o principio era a
metade do todo ; principiemos.
Comecarl A obra comecada est meia feila,
falta melade? Recomece-se, e flndou. Assim dzia
Auronio:
Incipe! Dimidium facti est, ceepisse. Supersit
Dimidium : rursus hoc incipe; et efficies !
Recife, 10 de maio de 1864.
JoAQt'w Pinto de Campos.
Se as suas despezas esli quasi reduzidas a
mais simples expresso, qae ellas ficaram no
que eram, quando os senhores estavam longe de
querer criar para os seus escravos precisoes art- j nos diz Mr. Cochin (4), o bello presente
ciaes. Que se proceda hoje em sentido inverso, recido em menos de dez annos sociedade
e ver-se-ha cada nova candi (So de bem-estar por nial pela emancpatjao Certamente nao ha nada
elle adquirida Iransforraar-se em um certo njime- melbor, e todo o mundo applaudlr estas tenden-
se es-
< Quarenta mil casamentos, vinte mil filbos le-
gitimus, trinta mil fllhos reconhecidos, eis aqu,
offe-
colo-
membros podres se existem abusos, extirpem-se; r0 de dias de traba,h0) 0 sabc muit0 cias T^ay|a dcve.se acrescenlai. ainda
As \ n ti I has francezas em 1863.
(Continuacao.)
Excepto as chicotadas que desappareceram com a
escravidao, a populacao das Antilhas quasi que
nao tem mudado de physionomia dorante longos
annos. Al poder-se-hia, generalisando esta obser-.
vacio, applica-la a muitos traeos da sociedade
crioula, e talvez que assim se chegasse a explicar
como urna transforniaco lio radical, tio impru-
dentemente dirigida, qual tem sido a emancipacao
dos negros, s se acoopaonou de perlurbacdes re-
lativamente insignificantes. E' este na verdade um
ponto de vista contra o qual prolestam os crioulos.
Persiste-se, dizem elles, em nos julgar na Franga
segundo as antigs nocoes do cdigo negro, somos
apresentados como systematicamente hostis ao es-
tado de cousas inaugurado era 1848, e nao ha de-
clamarlo do abbade Raynal que nao seja tio acre-
ditada boje como nos melhores dias da Historia
philosophica das duas Indias. Ah I poder-se-hia
dar esla resposta, que, para que assim nao suc-
cedesse, para que em quinze annos os costumes da
vossa sociedade se modificassem pelas novas con-
dic5es que nella se operaram, seria preciso que sob
os trpicos a nossa natureza fosse dotada de urna
perfeico toda especal,|e que o inexgotavel fundo
de vaidade, que coube em partilha loucura hu-
mana, s existisso na memoria. Que cousa mais
commoda do que regular as suas classiGcacoes pe-
la cor da pelle? E urna vez admittido o principio
de semelhantes dislinccoes, perraittdo esperar
que esta desigualdade desapparecer tio cedo dian-
te da egualdade civil ? Talvez que hoje fossem en-
contrados poucos crioubs asss instruidos para
restabelecer cm todos os seus graus a antiga hie-
rarchia da mistura dos dous sangues (2); mas,
nem por estar tio rnente dividida em tres classi-
ficafes, nao deixa de existir a escala.
Tanto o mulato julga-se superior ao negro, quan-
to o branco desprezar ambos os outros, e nao te-
mo alarmar que assim ser por muito tempo. Sou
pelos brancos, dzia Napoleio I a seu conselho de
estado, porque sou branco. Ser tenho esta razio a
dar, e a melbor. Quero crer que os colonos
que se dizem isentos do prejuizo da cor, errara
com a melhor boa f ; mas, se do testemunho dos
homens passamos aos das mulheres, acharemos
mais verdade, senao mais franqueza. Urna negra,
^>ara as damas crioulas, apenas um ser do mes-
mo sexo, e a mesma distancia ser guardada pela
rapariga de cor, posto que sob a forma de um des-;tecia dem menos supremo de urna parte, e de orna romana, elle fazia revi ver a raca dos Brutos, dos
aversio grosseiraraente exprimida da outra. Moi Titos, dos Othons, dos Numas Pompilios. Algumas
rahi femmes bk l (eu aborrego estas mulheres *ezes preferiam um grande nome dos lempos mo-
brancas), dirio francamente as bellas mulatos.; demos: se era conhecedor de vinhos creava um
Cora tudo algumas vezes v-se estraohas fraterni-1
dades servirem de cortejo a estas antipathias.
Se as Imitas divisorias que separam essas tres
classes nao parecem de natureza a admittir alga-
ma modiflcacSo, se principalmente os brancos es-
li entrincheirados em lugar inaccessivel, nao vem
a proposito perguntar-se que mudanca a emanci-
pacio trouxe aos costumes crioulos T Fallo debai-'
Alexandre Herculano. ET este ainda um gran-
de vulto, que nos apraz tratar com muita mais
deferencia que os precedentes, por ser, a nossos
olhos, muito mais respeitavel. Esta justa venera-
gao, porm, nio nos impede de lamentar que os
seus estremecimentos em prol da liberdade o tor-
nem muitas vezes injusto para com a religiao, seus
institutos, etc. Deploramos todo o alcance, a dou-
trina, o pensamento do opsculo, que aquelle nos-
so sabio amigo publicou em Lisboa, por occasiio
da triste questio das Irmaas de Caridade, mani-
fest de guerra contra os institutos religiosos, en-
deressado nio nagao portugueza mas ao de-
nominado partido liberal portuguez, denominarlo
que at est longe de excluir muitas das princi-
paes intelligeocas daquelle reino. Tambem ahi o
Sr. Pedro Luiz foi inspirar-se, menos alias as
palavras, que no espirito. Seria simples a de-
monstragSo ; mas preferimos nem tenta-la. O no-
me, e as opinies de um nosso amigo particular
sio assumpto, que desejamos excluir da polmi-
ca, com quanto o consideremos demasiado ben-
volo, e tolerante para que receemos cair, por
divergencia, no seu desagrado.
Nio materia esta qae valha largas dlmensoes.
Cremos todava haver convencido de qae o parla-
mentar brasilero fez coro, em varios pontos, com
vozes. tambem |mu nota veis, mas qae a egreja
gemeo de ouvir!
XII
Conciusao.
Os ttulos de tita, et moribus dos institutos re-
ligiosos, e especialmente dos calumniados, ahi fi-
cam: sio estes os grandes operarios da verdadeira
civilisaslo, do verdadeiro progresso, daquelle que j luz dos principios Ahi se d Hadm tiremos
bem deixar a preguiga quando a sua phanlasa
excitada, ou a sua vaidade posta em jogo. E' as-
sim que em 1848 os que entao se libertaran, nao
descangaram em quanto nio conseguirn! a casaca
preta na qual viam o symbolo da sua liberdade.
Existe em S. Pedro da Martinica um alfaate que
fez fertuna com este commercio : era quanto o ma-
rido gabava ao negro admirado a elegancia da sua
toilette europea, a mulher introduzia-lhe as alg-
beiras, como presente, um par de luvas brancas
de algodio do compriraento de um p, e o feliz
comprador nio deixava de recommendar instante-
mente o arraazom a seus amigos. Depois da pai.
xao da casaca preta vem a dos botins de pulimen-
to, e tambem usou-se de mcias. Infelizmente este
accrescmo de luxo tinba seus inconvenientes. Cal-
gar botina ao domingo, soffre-se: restavam seis
dias para andar-se de p no chao; mas introduzir
meias nesses botins, era enxertar um supplicio
n'outro. Venceu-se a difficuldade s conservndo-
se meias na parte vsivel, isto nes canos, e o
p ficou n no seu involtorio envernisado. Os ne-
gros do campo passaro, no canto de ierra que cul-
tivara ou nos casaes dos agricultores, urna vida
que j tem sido por vezes descripta. Os negros
da cidade vivera diferentemente; mas, para co-
nhece-los bem, convm estudar esta singular clas-
se de cidadios em suas casas, nos bairros que tor-
naram-se seus dominios ; e as provas por que el-
les fazem passar os seus propietarios, oceupariam
um longo capitulo. Primeramente aluga a casa
por junto algama negra velha, qualquer Maria Ro-
sa ou Cydalisa, a qual comer por dividir cada
quarto segundo o seu tomanho em maior ou me-
nor numero de repartimentos, dous, tres, quatro,
e at mesmo mais havendo necessidade. Os tabi-
ques, tendo a altura de um homem, serio cons-
truidos de taboas de caixes ou de panno de enfar-
dar. Feito isto, a casa mmediatamente subi-
cada. O inquilino que aluga nm dos repartimen-
tos, arma em um canto de lie ama corda na qual se
suspenderao os botins e a preciosa casaca preta,
de maneira que nao estejam ao alcance dos ratos.
Ura couro de boi servindo de cania completar a
mobilia, se trato-se de um celibatario; se de urna
familia, os movis augraentar-se-hao com urna pa-
nella de barro, urna caixa de pu invariavelmente
pintada de flores de cores vivas sobre fundo azul,
e urna meia duzia de meninos que plinbarao no
reg da ra como outros tantos patinhos. Quando
urna casa invadida por tal modo, quasi sempre
nao sao pagos os alugueres; mas deserabaragar-se
da tribu nio das cousas mais facis, porque se-
ria trabalho perdido o metter-se em gastos de papel
sellado. Conhec um proprietario persoguido por
urna semelhante invasao, que, depois de haver
prudenciado por muito tempo, de ler esgotado to-
dos os meios conciliatorios, al mesmo as intima-
g5es legaes, s pode llvrar-se usando do seguinte
procedimento. Reuniu urna esquadra de operarios
munidos de escadas e ferramenta, e veiu sua
frente arrancar as portas e janellas da casa; de-
moliu os repartimentos internos, e fez cara de der-
ribar o proprio telhado. Se o meio era violento, o
triumpho foi completo, e o inimigo inteiramente
derrotado. Foi ama verdadeira fgida do Egypto,
cada um salvava-se, levando debaixo do brago a
sua fortuna e a sua mobilia; porm, accrescenta-
va o narrador, o que mais me surprendeu foi o
numero dos raeus inquilino?. Suppunha lntar com
uns vinte recalcitrantes; deslou o triplo.
O estado civil dos negros nio a parle menos
curiosa da sua historia. A escravidao nao permil-
lia-lhes o luxo de nome patronmico, s o liberto
poda usar delle, e para este fim proceda-se de
tempos em lempos verificago de ttulos de liber-
dade, como na metropole verificacao de ttulos
de nobreza.
A ultima que se fez na Martinica remonta a
1807 ; os archivos conservam-se na secretaria do
tribunal do Forte-de-Franga, e nao sem admira-
gao que se veera ali muitos nomes hoje considera-
dos na colonia. Comtudo as alforrias acabaram por
multiplicar-se de tal sorte que contava-se antes de
1848 mais de 30,000 homens livres de cor na lha.
Assim muitos d'entre elles nao tinham nome pa-
tronmico, entre oulros a classe numerosa dos li-
vres chamados da floresta, islo dos libertos sem
formalidades officiaes.
Quanto aos escravos, era-lhes forgoso contenta-
rem-secom o simples nome de baplismo, que se ia
de muito boavontade procurar namythologia. Era
a poca das Floras, dos Cupidos, das Cybcles, e
talvez convenha acrescentar que nem Flora nem
Cupido nio levavam a mal o nome de familia de
que eram privados.
Sobreveio o anno de 1848, que dotou-os com es-
te beneficio. Cada um pode baptisar sua familia
presente ou futura, e as casas da cmara toram
abertos os registros chamados.de individualidade,
que primitivamente eram urna especie de lista ele-
toral na qual os recem-libertos foram autorisados
a qualificar-se com um nome patronmico. O cam-
po era vasto, mas a escolha nao deixava de ser dif-
ficil, por que os nomes j eiistentes na ilha tinham
sido muito prudentemente prohibidos, e a imagina
gao dos negros nio Ihes fornecia outros.
Deste modo a maior parte delles entregaram-se
ao bom gosto dos erapregados da cmara. Se acon-
Vatel; se dansarino, urna Veslris, Montaigne, Sul-
ly, Nelson e outros mullos, adquiriram deste modo
urna descendencia negra. Alguns nomes surgiam
directamente da phantosia desses padrinhos offi-
ciaes; outros, por exemplo Tinora, eram tomados
na algaravia crioula e lembravam os extraordina-
rios diminutivos (3).
Finalmente certos libertos iimitavam-se a con-
xo de um ponto de vista puramente moral. De servar nome das maes. e baptisavara-se bizarra
certo o negro nio ignora o que ganhou, sabe que munte Rosinha ou Emilia. Como quer que seja, to
esto livre da golilha, e do chicote do administra-; dos ou Quas todos 8osam de um nome patronimi-
dor; mas quanto a considerar-se egual ao branco, jco desae ^48.
coosa cm que nunca pensar. Yeux bk qu'a i Infelizmente a franqueza perroiltida pelos regis-
brul ngre (o olbar do branco queiraa o negro): \ tros de individualidade nao tem sido conservada,
ainda hoje ouve se este dictado, em que julga-se e, apezar de muitos reclamagdes, os retardatarios
ver passarera como um retlexo barbaras apparen- qQe nio aproveitaram-se a tempo dessa medida,
cias da esci'avidSo, e sio os negros quem o repe- sao obrigados a passar hoje pelas formalidades cus-
tem em muito boa f. Tem-se dito frequentemen- tosas e complicadas da le metropolitana : deve-se
te que, para o negro, liberdade era synonyrao de rec0rrer ao senhor chanceller-rar, aos jornaes,
preguiga. E' urnadessas banalidades que nao va-ie,c Comprehendese que elles pouco caso fazem
(1) J que o Sr. Pedro Luiz manuteou tao alten- ; de-
teniente osMiseraveis de Vctor Ugo, como ficou | Este progresso nio foi o nico em materia de
provado-nio faria mal em flxar o seu eypirito so- estado civil E' conviccio geral, que os negros das
bre o cap. 18, totn. IV, com o Otate : vento a nossas colonias casam-se muito mais hoje do que
t muito a quem do melhoramento desejado. Se se
sahiu do rgimen universal de concubinato e pro-
miscuidade que inqumava o passado, nio menos
verdade que o total dos nascimentos legtimos nao
ebega as nossas Antilhas metade do algarisrao
dos nascimentos naturaes (5).
Assim um resumo extrahido cuidadosamente dos
registros da cmara de Forte-de-Franga, de 24 de
maio de 1848 a 31 de dezembro de 1860, estabele-
ceu que, era 5,202 nascimentos, smente 1,885 sio
legtimos, pertencendo 448 classe branca, em
quanto em 3517 nascimentos Ilegtimos, 3,433 per-
lencera classe de cor.
Nao convm esquecer que a cdade de Forte-de-
Franca, gragas importancia do elemento adminis-
trativo, possuelmaior numero de brancos do que ou-
tro qualquer bairro da ilha. V-se que, se o negro
progrediu a respeito de moralidade conjugal, ainda
falta-lhe fazer mais algumas cousas. Apenas che-
gou se a rectificar as suas noges ura pouco con-
fusas acerca do casamento.
Qual o cura das nossas Antilhas a quem nao
tenha suCcedido ver um negro irazer-lhe o seu an-
nel de allianga rogando-lhe ingenuamente que o
descase ? O pobre sacerdote debalde gasto toda a
sua eloquencia com o esposo descontente, o qual
retlra-se persuadido de que s a m vontade impe-
dio que o cura recebesse o seu annel. Algumas
vezes nao tica msto. O maire de urna raunicipali-
dade de Guadelupe, cingido cora a facha tricolor,
e em toda a magestade de sua gloria official, esla-
va fazendo casamentos.
Um par negro, apreseniase, a ceremonia princi-
pia, e o magistrado j tinha encetado a leitura edi-
ficante do capitulo IV, titulo V, do livro primeiro
acerca dos direitos e deveres respectivos dos es-
posos, quando despertou-se-lhe urna lembranga Pa-
ra e interroga o futuro marido : Nao caseite, ha
seis mezes ?Sm, sinhd.Toa mulher morrea ?
Nio, sinh; elle em Mara Galaade; esse muh
nao est bom ] mim deixa elle. Este milh (esta
melhor) accrescentava elle indicando com satis-
fagSo o novo objecto dos seus amores. Teve o mai-
re occasiio de recommendar para o futuro mais
cuidado na pablicagao dos banhos; porm duvida-
se que o negro tenha visto nesta recusa outra
cousa que nio seja um acto de hostilidade pessoal.
Custa sermos severos para com urna immoralda-
de que tio pouca consciencia tem de si, principal-
mente se se atiende aos exemplos que os brancos
dio aos negros. A vida quasi feudal de habitacao
sob o captiveiro prestava-se mulo todas as des-
ordens deste genero. Ali, onde reinava soberana-
mente a vontade de uro s ; ali, onde a propria
justiga quasi que nao tinha aegio ; era impossivel
que qualquer capricho do senhor nao fosse acoilli-
do como um favor, e'o que aconteca. O habitan-
te fallava acerca dos seus bastardos (era o termo
proprio) como da cousa mais natural do mundo.
Sua mulher aceitava-os sem recrirainagoes, at
mesmo tratava-os cora cuidado a cerlos respeitos, e
jamis esquecia-se, quando morria seu marido, de
vesti-los de luto, assim como as maes. Conhec um
valenle e digno habitante que, aos setenta e um
annos de edade, tinha egual numero de bastardos.
Mea pae rae repetia muitas vezes, dzia escusan-
do-se, que o melhor meto de termos bons criados,
era fazermo-los nos mesmos.Deus nao permita
que ninguem supponha que eu de caso pensado
represento a sociedade crioula sob um ponto de
vista desvantajoso I Ella deve isto s crcumstan-
cias. Tem-lhe sido muito difflcil transformar-se em
alguns annos, e alera disto seria muita injustiga
julga-la, s tendo era vista o que acabamos de
notar.
E' no campo, longe das cidades, que se deve
procurar a vida colonial, se se quer conbecer a
sua physionomia verdaderamente original. Um
mundo parte se revela desde os primeiros pas-
sos. Em Franga, as numerosas povoaces que ser-
vem de centros agrcolas recordara nao s o tem-
po da feudalidade como a necessidade de reuui-
rem-se os horneas para defender-se duranle secu-
tes de barbaria. Succedeu o contrario as ilhas.
O temor das lulas internas nao tordou em desap-
parecer cora os caraibas aborgenes, e, podendo
cada colono livremeute estabelecer-se no terreno
que Ihe era concedido, os raros povoados que fo-
ram creados, de alguma sorle virara-se prematu-
ramente em decadencia. Quasi na mesraa poca a
escravidao veiu dar urna forma definitiva essa
existencia ao mesmo tempo agrcola e manufactu-
rera. Posto que sobre toda a extensao da habita
gio ( o nome que dava-se csses dorainies, cujo
possuidor chamava-se habitante) a autoridade do
senhor fosse mais absoluta do que nunca tinha
sido na edade media a dos baroes sobre os seus
vassallos, comtudo nao era a feudalidade, tao hie-
rarchica no seio das suas desordens, mas antes
urna especie de autocracia patriarchal, de que as
nossas sociedades europeas nao offereciara nenbum
exemplo, e qual ora exaltada, ora calumniada
excesivamente, todava nao faitavam nem mrito
proprio nem urna certa grandeza. Ura grupo de
chocas ou de casas de negros espalhadas desorde-
nadamente entre touceiras de bananeras ; sobre
urna altura prxima, a casa principal; mais abai-
xo, o engenho e as officinas que delle dependem ;
ao redor, vastos campos de um verde desmaiado
dominados por altas serras cheias de florestas, tal
oquadro material dessa existencia, tal o golpe
de visto geral da campanha das nossas Antilhas.
Penetremos n'uma dessas habitagfles onde elabo-
ra-se a fortuna colonial. Ah a hospitalidade tra-
dicional, e as revolugcs nada mudaram este
respeito.
Para o europeu habituado a ver a agricultura,
senodespiezada, ao menos geralmente abandona-
da raaos grosseiras, a sua primeira sorpreza ser
encontrar um proprietario escrupulosamente civili-
sado e de una destinegao, de urna urbanidade de
maneras, com que pouco se oceupam os nossos
caseiros da Bauce ou da lirio. E' que o habitante
ao mesmo tempo agricultor, industrial e manu-
facturero.
Alm das qualidades naturaes que Ihe sao preci-
sas para dirigir um pessoal numeroso, o seu fabri-
co assucareiro exige um todo assaz extenso de co-
nhecimentos adquiridos, em que frequenlemeute a
theoria vem mistnrar-se com a pratica. Tem-se,
ha muito, representado em Franga o agricultor das
nossas colonias como um typo de molleza e indo-
lencia, como um senhor egosta enriquecenda-se
sem remorsos com o trabalho de outrem. Que o
despotismo autorsado pela escravidao tenha tido
seus abusos, ninguem o negar, porque a omnipo-
tencia a peior escolho da natureza humana.
Comtudo provavel qae esses abusos tenharo sido
exagerados, e que murtas vezes se tenha tomado a
excepgao pela regra ; o interesse bem entendido
do senhor a melhor prova disto. Quanto pecha
de molleza e occiosidade, parece que sempre foi
infundada, e este' respeito a vida do habitante
devia ser no secuto passado muito semelhante
aquella que presenciamos hoje. Lerantar-se ao
nascer do sol, at mesmo precede-lo quasi sempre,
s recolher-se depois de ter corrido a propriedade,
para acompanhar o desenvolvraento de cada plan
tagio de cannas, passar tongas horas no engenho,
no moinho ou junto das caldeiras, vigiar a comida,
e as repararles sem cessai renascentes, em ama
palavra nio desprezar nenhum dos cera detalnes
de um cultivo continuamente complexo ainda que
se restrinja a sua escala, eis aqui o programla
de ura dia que nao certamente o de um ocioso.
E esta inspeegao de primeira necessidade, co-
nhece-se a sua vantagem comparando-se urna ha-
bitacao dirigida pelo proprio dono com outra era
que reinar negligentemente um administrador
desmazelado. Emcorapensago, se verdade que
nada attrahe como a Ierra, em nenhuma parle este
axioma mais verdico do que nessas babilages
que resuraem a historia de urna familia, os esplen-
dores do passado, as affeiges do presente, e as
esperangas do futuro. Os seus filhos pdera aban-
dona-las, o que succede muitas vezes, mas raro
que nio regressem. V-se crioulos felizes voltorem
vida de habitantes depois de terem gasto nos sa-
ldes do Pars os dez melhores annos da sua moc-
dade. Outros, com urna fortuna mais que suffi-
cenle, dilatam de um anno para oulro a sua parti-
da definitiva para a Franga, e acabam por nao
partir mais, ou, apenas desembarcado na Europa,
j teera saudades da colonia. Outros, finalmente,
at abandonam os seus interesses na metropole
para ir beneficiar as ilhas alguma propriedade
patrimonial. A emancipagio de 1848 foi para to-
das essas existencias una crise solemne : vae-se
ver que prego as nossas colonias livraram-se
della. O seu futuro deponder das liges que Ihes
tiver dado este periodo de transiecao,
II
Depois de ter seguido urna das longas ras que
atravessam a cidado de Forte-de-Franga na sua
grande dimensao, o viajante avanga alguns passos
at a Ponte-Simio e acha-se arrebatadamente trans-
portado ao centro de urna deliciosa paizagem tro-
pical. A' sua esquerda estende-se a baha dos Fla-
mengos, lisa, calma e transparente, limitada no
primeiro plano pelas rgidas linhas do forte S. Luiz
e no horizonte pelos campos das Tres Uetas, que
virara nascer urna imperatrz. A' sua direita, en-
tre duas cortinas de palmeiras e bambs, corre
tranquillamente um modesto ribeiro bordado de
jasmins, de verdura e de casas de negros; no fun-
do do quadro eleva-se a spera e sombra barreira
dos cabegos.
E' o ribeiroMadama, que ali vae langar-se
na bahia entre dous edificios de aspectos muito
dessemelhantes, sendo um delles ura dos mais bel-
los engenhos de assucar da colonia, o oulro, trisle-
raente rodeado de ura muro, offerece a perspectiva
de urna prisao.
(4) Da aboligao da escravatura por Mr. Cochin ;
Paris, 1861.
(5) Para a Martinica esto proporgao apresento-se
pouco mais ou menos nos termos seguintes :
melhoro homem no tempo, e o salva na eterni- \ao espirito humano-, suppremtr mo-, cumpre r#-, (3) Era algaravia crioula, tinom significa ho-
I formar $ tuqMformar.
memsinho,
Nascimentos de cor, legtimos
dem Ilegtimos
dem brancos,.
dem Ilegtimos
Total.
23
68
8
1
"00
(Continuar-se-ha.)
A ILHA OE CRETA.
Recordarais de viagem.
H
O pac: caracteres physicos e produccoet naturaes.
As ruinas.
Continuagio).
Exceptuados os altos valles dos Montes-Brancos
e do Ida, a vinha produz admiravelmente em toda
a ilha de Creta, c, apezar da sua negligencia e dos
grosseiros processos que empregara, tanto os chris-
laos como os musulraanos, fazem nella excellenie
vinho, que se assemelha ao da Sicilia.
Os Venesianos, que sem duvida tinham mais cui-
dado na vindima e na fermentago, apreciavara
muilo certos vinhos dos districlos prximos ca-
pital, e seus historiadores e paetas muitas vezes os
elogiam com o nome de raalvasia de Canda. A
oliveira, assim como a vinha, esto tambem espa-
Ihada por toda a parte. Fra dessas duas excep-
ges, cada una das outras arvores, das quaes as-
sgnalaram a existencia era Creta, tem o seu can-
tao especial, e fra d'ahi nao produzem. Caslanhei-
res, nio vimos senao em Enia-Choria e porte de
algumas aldeas as montanhas de Selino. S a
provincia de Rhetymo que tem carvlhos, e a*
alfarrobeiras sao nicamente numerosas as pro-
vincias orientaes. Sfakia tem diversas qualidades
de carvlhos, e o Dict lera o pinheiro que d pi-
nna, e a palmeira.
Nos tempos amigos, nao devia ter side assim :
quando a ilha era mais povoada e bem cultivada,
para introduzir differengas na vegetogao, nio devia
haver senao a orientogo e a diversidade das altu-
ras ; gragas aos accidentes do terreno, cada pro-
vincia devia poder reunir quasi todas as arvores,
s quaes convm o clima da ilha.
O que percorremos e descreveraos, com bastante
pesar, Creta tal qual a tem tornado os resultados
do tempo e da devastogao a assolagio feita por tan-
tas invasoes barbaras, e aacgo morosa de um pes-
sirao governo. O tecido de florestas e de plantogdis,
lio rico e too variado, que a mi de Deus e do
hornera com prazer estendeu por essas montanhas
e planicies de Creta, por teda a parte est por as-
sim dizer, roto e despedagado. Aqai foi urna cor
que desappareceu, ali, outra que se apagou ; nao
se encontra em parte alguma essa harraoaiosa
combinagio que constitua a belleza do todo.
Como demonstraremos em outro esludo, desde
muitos seculos os habitantes da ilha nio cuidavam
no dia seguinte, porque nio tinham certeza de go-
zado ; nio faziam mais do que reparar os estragos ;
nos lugares onde os castanheiros escaparam dos
incendios e de toda a especie de devastaces, co-
miam-se castanhas; onde ainda sobreveviam al-
guns cavallos, colhiam se as landes. E nao desse
modo que era toda o Oriente o homem abatido :
como que amesquinhado por ura longo desasimos
obedece natureza como escravo, em vez de oraV-
nar-lhe como senhor ? Estende a raao como um
mendigo para receber aquillo qae ella se tgna
dar-lhe em memoria do passado, como nico tri-
buto s valentes ragas que outr'ora lio corajosa-
mente domaram o solo ainda vrgem, e saiflMMe-
ram sua triomphante energa a capricWosa o re
beld fecandidade.
Na Grecia, as ilhas do mar Egeu, u Asia Me-
nor, o homem o rei destnronisado. a quem a cora
paixao dos subditos, ha muito teaapo livres por
meio de urna feliz revolta, concede ama penso
mediocre e mal paga humilde e extenuado, con-
formando-so com a sua sorte, vive elle dessa esmo-
la e de alguns restos da perdida opulencia, das mi-
galbas dasumptuosa mesa, oae orgulho&os se
tentavam seos grandes antepasados.
(Continwn-sc-ha.)
ERNAMBUCO.- TTP. M. P. k huf


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EP8297M31_ONI1AK INGEST_TIME 2013-08-28T03:10:24Z PACKAGE AA00011611_10389
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES