Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10379


This item is only available as the following downloads:


Full Text
I
*)
AHflO XL. HBMEKO 123.
Por tres ezes luiaiitad* 5JO00
Por Vres ezes veicidos 6)000
Porte Mcrrcio por tres mczcs. 4750
DIARIO
** M-if J*
wl^l itT ?-,"** --.-- % #>HitHf
TERtJ FEIRA 31 DE MAO DE 1864.
flw ana atollad* .... {90000
Prte at carreia aar-ra anuo 3J000
ttNCARRBGADOS DA SUBSCRIPQO NO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima'
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Aracatv,
fir.A. deLemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira; Maranhao. o Sr. Joaquim Marques lio"
drigues; Para, es Srs. Manoel Piuneiro & C.; A-
tnazonas, o Sr. Jeronyroo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO NO SL.
Alagas, o Sr. Claadino Falcio Dias; Baha, o
rr. Jos Marlins Alves; Rio de Janeiro, os Srs. Pe-
ira Martins & Gasparino.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo e Escada todos os dias.
Iguarassu', Goyanna e Parahyba as segundas e
sextas-eiras.
Santo Antao, Gravat, Bezerros, Bonito, Caruaru',
Altinho e Garaahuns na largas feiras.
Pao d'Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Peaqueira,
Iugazeira, Flores, Villa Bella, Tacaratu', Cabrob6,
Boa Vista, Ourieury 6 Exn' as qnartas feiras.
Senuhaem, Rio Formoso, Tamandar, Una, Barrei-
' ros, Agua Preta e Pimenteiras as quintas feiras.
lina de Fernando todas as vezas que para ali sahir
navio.
Todos os estafetas partem ao '/t dia.
EPHEMERIDES DO MEZ uR MAJA
5 Loa ora as-h. Mi, bis. da L .
13 Quarto cresc. as 4 h. e 61 m. da t
21 La cheia as 11. h., 4 m. e 20 s. da ni. .".'
48 Qwarte.miag. a* 7 h. e SU m. da nk
PREAMAR DI HOJR.
Prime*a as 11 horas e 42 minutos da maahaa.
Segunda as 12 horas e 6 minutos da tarde.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
?MV?Vti Alagoas ale J5; para o norte at
a Granja a 7 e 22 de cada mez; para Fernando nos
dias 14 aos-mezes dejan, marc., maia,jul, set enov.
PARTIDA DOS MNIBUS.
Para Recite : do Apipucos s- 6/.7 7 Vt. 8 e
8 Vi da ra.; de Olinda as 8 da.ro. e 6 da tarde; de
Jaboatao as 6 '/i da m.^ da Cavaag e Varzea s 7
da ni.; de Bemfica as 8 da m.
2o, i*6*; **?? Apipucos s 3 Vi, 4, 4 A, 4 %
i, 8 /,, # V* e 6 da tarta; pan Olinda as 7 da
maniua e 4 / da tarde.; paia Jaboatao s 4 da tar-
de ; para Lachanga e Varzea s 4 V da tarde; para f*8nda.TaraA>rvei:
Bemflcas4datarde. f da arde
AUDIENCIA DOS TRIBNAB8 DA CAPITAL.
Tribunal do coameroio: tngrdn e quinta*.
elacao: tercaaesabbado i0toras.
Prienda: quinto s 10 horas.
uizdo eommercio: segudasall horas.
te de orphae; twea* e sexta* s 10 horas.
2*jmaira tar* de tivel:. tersa sextas ao nratoj
dia.
quartaa sahbados a 1 hanti
PARTE 0FF1CIAL.
GOTCRUO DA PROVINCIA.
Expediente de dia 27 de maio de 1864.
Offlcio ao brigadeiro coramaiidanle das armas.
Sirva-se V. Exc. de mandar inspeccionar e assen-
tar praca no caso de que seja considerado apto
para isso ao soldado do corpo de polica Zinobio Af-
onso Vianna, que se cforeceu para servir no exer-
cito como consta do incluso requerimenlo.Offl-
mu-se ao commandante do corpo de polica para
de paquetes a vapor mandem dar transporte para liano ao que se julga carcter bispnrro,.e no dia 2o
do mesmo mez desapparece, dando immediata-
mente o Sr. Lagache parte desse successo ao Sr.
Dr. (Tanarim, entao com a polica.
t Presonte o Sr. delegado, honiem mesmo, pelas
2 horas,, no hotel do Sr. Lagache, depois de obler as
inforraacoes cima penruntou se havia um bab
desse passageiro. E sondo-lhe apresentado um pe-
quena bah. coberto de couro, pelo mesmo Sr. dele-
gado foi elle aberto com a chave chada no bolso
do cadver,, e passando a-registrar e eontedo, era
a capital de Maranhao no prmeiro vapor que pas
sardo sul ao alferes do corpo de polica daquella
provincia Antonio Washington Jausen Lima e 4
soldados de 1* linlia, que vieram esta provincia
escoltando sentenciado de justca do Piauhy.
Communicou-se ao brigadeiro commandante das
armas.
Dita.0 presidente da provincia, attendendo ao
que Ihe requereu Amaro Lito de Oliveira, resolve
conceder-kie licenca para ir ao presidio de Fer-
nando de Noronha no hiate nacional Sergipano : elle composto de algumos camisas, versas chaves
tratar de negocios de seu particular interesse. pequeas, duas moedas de 800 rs., tres ou quatro
Dita.O presidente da provincia, attendendo ao oncas em onro, seis moedas de ouro de 205000
que Ihe requereu Antonio Fernandes de Castro,; nacionaes o tros bilhetes impressos, que diziam
fazer apresentar ao brigadeiro commandante das resolve conceder-lhe iicenoa para ir ao presidio de assim
armas o soldado de que se trata. Fernando no hiate nacional Sergipana, alim de tra-
Dilo ao mesmo.Sirva-se V. Exc. de mandar tar de negocios de seu particular interesse.
por em liberdade, dando-lhes baixa se jestiverem | Dita0 presidente da provincia, coaformando-
a proposta do Dr. chee de polica n. 603
publicado o ^guite of&io,. datado de 17 do cor-
rente :
Sua Magestade o labrador, quem foi prr
sent ofifcio de V. S. do-ftde abril ultimo, com-
municando que o tribuMl.'do conuoercio dessa ci-
dade determinara quev a* coaoruiade doart. 4.
do titulo nnico do cdigo, commercial o aviso n.
DIAS DA SEMANA.
TO. Segunda. S. Fernando re; S. Emilia ra.
it. Terca. S. Petronilla m.; S. Lupiciao b.
1- Quarta. Ss. Firmo .Felino mm.
2. Quinta. Ss. Marcelino presb. S. Fintano >.
3> Sexta. Ss. Pergeutirio e Laurentino irs. umt.
4 Sabbado. S. Francisca de Caraccioio.
&. Domingo. S. PaciCco.1; S. Nicacio m.
ASSIG.NA-SE
ja RfcW. n Hvraria4a prac* da Independencia
* 8> f08 propriecanos Manoel Figneiroa do
Pana & Fimo.
"dT
Haieo ser -15Cf quinta*
SMudoa gordas
MtnUntdOj.l-o- .
Cambio.Ai ultimas cotaees sao :
Londres Si.118.' at ,>i li V.
Fraa^k83a 8% l|4.
carne, oscae-
$?brZF'F*: oO.OOOfcaecos, na maior puto* 5|* e 27 3(4 d.
com praca, aos recrutas Pedro Jos da Fonseea e
Francisco Firmino Ferreira, que tem isencao do re-
rutamento.Communicou-se ao tenente-coronel
recrutador.
Dito ao mesmo.Sirva-se V. Exc. de mandar
apresentar ao Dr. chefe de polica, amanhaa, s 11
huras do dia, seis pracas de Jinha, afim de reforcar
a escolla do 7 batalhao de infamara, viuda de
Nazarcth, e que para all tem de regressar condu-
zindo 13 criminosos que vo responder ao jury da-
quelle termo.Communicou-se ao Dr. chee de po-
3W:Je,83 1(4.
se com a proposia ao vt. cnete de polica n.
de 23 do crreme, resolve conceder a Jos Pedro
da Silva Neves, Jos Baptsta da Fonceca Jnior,
Caettno Cyriaco da Costa Morcira e Anastacio Jos
da Costa, a exoneracao que pediram dos cargos de' almejamos
prmeiro, segundo, quarto e sexto supplentes do i dade.
subdelegado da fregueza de S. frei Pedro Goncal-
ves; e para os substituir nomeia:
1." Manoel da Silva Mcndonca Vianna.
2 Octavano de Souza Franca.
4. Joaquim Felippe da Costa.
130 de M de marco de 1860,. se procedesse elei-
rao ile um deputado pata, servir pelo lempo que
faliav ao commerciaute Antonio Alves Ribeiro, fa-
zendo-se-lho effectiva isaiicgao penal do art. 5.
do referido titulo nnro. por ter-se exonerado do
cargo contra a deliberado do mesmo tribunal,
houve per bem mandar declarar V. S. que essaj Divida nuhlicaCons-iU) i 7a 80 -i ii
decisao esta de accordoomo que claramente dis-!-ivel si{ S". S2g**g-*lJ2 fS'!
poe os artigos e avisej-eitados visto como, nao se, ^^^S^J ^SgKaee5a
venlicaudo neabum dos ca*os previstos no art. 3> -. ha c^mpradeesaTlkle% t JSSSTK
e tendo o commerciasto pola facto da aceiuco do- 43 ..k .*?* 1 r-> *a *
cargo de epatado, para, que (ora reeleito, contra- Descontos.-Rogulaai m praea de 7i8 a i 1. ao
h.do a obngacaode servir, pek) lempo marcado na.;meZf segunde.aTrim* ^ k
le, nao pod)a exiiwc-se do servigo sem incorrer na o anco "*-"-- pnnu a 9 i n Man i
sanccaopenal do mesmo artigo. Oquocommunicc,; *??ZZ CSTSt J"
no- da II para Liverpool, saccaram-se 10,00-so-
bre Londres a 27 3(8 e 27 1|2 d^e 40,000 francos
sobre Franca e Antuerpia- a 346 e 47 rs.
No dia 18 abrio-se a 27 3(8. 27 i|2 e 27 S8=d o
cambio sobre Londres- para o paquete francez
(rMM>Ne : desde entao as casas banearias tem pro-
curado manter a laxa d 27 3|8 d ; porm geral-
meato tem-se firmado o.cambio a 27 lii e 27T8i8 d
-wflflA.. !CMB P,lue,nas 'ransaecues a 27 3(4 d. Sommam os
& 3T,eo> na maior parte :u saques at esu data (22);
Sobre Londres : 280,000 a 27 3j8, 27/ 1|2, 27
Rio Je Janeiro~29400 a 29ti00.
Bnenos-Ay reao- par.
Saccaram-se-:
Sobre Inglaterra :
32:1|44
de 23, e em 2* discussao o parecer concederlo I
cen^a ao Sr. senador Vieira da Silva; e em 3* as
proposlcoes concedendo licenca ao conselheiro An-
tonio Ignacio de Azevedo e jttz de direito Luiz
liiMa. 6. Armino Pessoa de Albuquerque.Communi-. Pinto de Miranda Montenegro; e approvando a
Dito ao mesmo.Qutira V. Exc. informar cer- cou-se ao Dr. chefe de polica. | penso de 6005 aos vigarlos Jacintho Jos de Al-
ca da inclusa tabella de arbitramento daetape para Dita.0 presidente da provincia, conformando- meida e Jos de Sooza Lima; c approvando a apo-
as pracas do exercito nesla provincia, no semestre se com a proposta do Dr. chefe de polica n. 600 sentadoria ao juiz de direito Jos Bernardo de
de julho dezembro do anno eorrente. de 23 do crreme, resolve conceder a Antonio Au- Loyola; tendo orado sobre esta ultima os Srs. Pen-
Dito ao mesmo.Queira V. Exc. expedir ordem rcliano Lopes Coutinho Jnior, a exoneracao que na, Silveira da Motta, marquez de Olinda e Souza
para sei substituido por outra praca, no destaca- pedio do cargo de tercero supplente do subdelega-, Franco, e sido rejeitado nm requermento do Sr.
ment de Iguarassu, o ansperada Apolinario Anto- do do districto de Nazareth, prmeiro da fregueza, Silveira da Motta para flear a proposicao adiada
nio de Souza, que dalli regresseu por doenle, como do mesmo nome.Communicou-se ao Dr. chefe do at virem informacSes do governo.
participou-rae o Dr. chefe de polica em offlcio^n. polica. Entrando em 1* discussao o projecto relativo
Moccagata Giuseppe
Domestico de Ptazea
Strada Balbi, Vico Monachette n. 8.
Vicino atrimbarcadero
Genova.
De tudo se lavrou auto.
A polica prsegue em saas investigacoes, e V. "S. paira seu conhechnento.
que seja ella feliz no encontr da ver- j c Deas guardo i V..S.Zacaras de Ges e Vas
concelloi.Sr. Manoel Joaquim Bahia. >
ttio de Janeiro.O senado, approva na sessao BuJua.Chegou,. 26, o vapor de guerra francez-.
Sobre Franca : 860^000 francos a 344, 48, 46 a
tiOti, de 23 do correte.Communicou-se ao Dr.
chele de polica.
Dito ao cnsul dos Paizes-Baixos.Fico sciente
de ter o Sr. P. Cwon Sohnsten regressado da pro-
vincia da Bahia e reassumido oexercicio de cnsul
dos Paizes-Baixos nesta provincia, como me parli-
cipou em seu ofBco de 17 do crreme.
Aproveito esta opportunidade para renovar ao
mesmo Sr. cnsul os meus protestos de estima o con-
McliiaeoFizeram-se as necessarias communi-
cacoes.
Dita.O presidente da provincia, conformndo-
se com a prosista do Dr. chefe de iwllcia n. 599
de 23 do crreme, resolve conceder a Ermillo Pe-
rigrino David Madeira, a exoneracao que pedio do
cargo de subdelegado do districto "de Cursuipe, se-
gundo da fregueza de Agua-Preta. Communicou-
se ao Dr, chefe de polica.
Dita.O presidente da provincia, conformndo-
se com a proposta do Dr. chefe de polica n. 570,
bis de 14 deste mez, resolve demittr a Joaquim
Lopes Delgado Leal do cargo de prmeiro supplen-
te do subdelegado do districto de Bora-Jardim, pri
creacao de escolas agrcolas e fazendas normaes,
orou o Sr. Manoel Felisardo, o flcou a discussao
encerrada por nao haver numero legal para vo-
tar-se.
A cmara dos deputados, na sessao do mesmo
Lucifer^com 22 dias de viagem de Cherbourg, com
destino a Yalpauizo.
Anda re nava o, mo lempo fra da barra,
pelo que arrbaramo vapor Explorador, da conv
panuia do Amazonas que segua para o Para, ai
escuna ngleza itaven, para Shange, deixaram de
sahir diversos navios, e voltaram outros, poucas
horas depois de sbulos.
Foram despachadas, no dia 27, cento o trinta
e quatro oilavas e 14graos de diamantes brutos, para
a Europa.
NOTICIAS COMMJERCIAES E MARTIMAS.
Rio Grande do Sul. i? de mato.
As traa-acedes da praca foram limitadas nesta
quiuena, por (alia de entradas, pos que nao Ufa-
rnos supprimento*, mormente dos gneros de prin-
cipal consumo havendo bastante cscassez cm pri-
maras otaos de quasi todos.
Cambios.Sobre Londres 26 a 26 1|8 d., Paris
dia, approvou em 2 discussao o art. 2 e seus | 1365 rs., Harnburgo 708 rs. Rio de Janeiro 2 a 3
estrada di> fprrn' i\'. Rahii 9 (lm P^rn-ini!,u,-.-i 9 l\m
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
Transmiti V. S., para o tim conveniente, o inclu- meiro da fregueza do raesmo nome, por assim coa-
so aviso de letra na importancia de 1:961*950, vir ao servico publico, e para o substituir nomeia
scala pela Ihesouraria do rendas da provincia do o cidadao Manoel da Motta Silveira Cavalcantr.
Rio Grande do Norte sobre essa, c a favor, do ne- Communicou-se ao Dr. chefe de polica.
gociantes Marcellino 4 C e Candido Thomaz Pe- --------
reir Dutra.Communicou-se ao Exm. presidente ; Expedieate do secretario do governo.
Offlcio ao brigadeiro commandante das armas.
V. Exc. de ordem do Exm. Sr.
provincia, que por despacho desta
a sasfazcr o pedido de capotes para o stimo ba
fnlhTn ,-1., ,if> -- *- ^___ _II__ m 3 *
Diio ao mesmo.Em additamento ao meu offlcio ; "conimnico'
de 18 do crreme, declaro V. S. que as informa- presidente da pi
roes all pedidas, devem tambem comprehender
os terrenos de marinha que existem a leste entre as
pontes da Boa-Vista o de ferro de S. Isabel.
Dito ao mesmo.Communico V. S., que o ba-
liarel Barlholomeu Torquato de Souza e Silva re-
assiimio em 21 do crreme o exercicio do cargo de
promotor publico da comarca de Pao d'Alho.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.
Dovolo por copia V. S. o pedido feto pelo res-
pectivo commandante para o corpo de polica, alim
de que mande por em hasta publica e contrate o
fornecimento dos objectos nelle comidos, se por-
ventura nao exceder a quantia existente para isso,
e mencionada em sua informaco n. 194, desta
dala.Communicou-se ao commandante do corpo
df polica.
Dito ao mesmo.Autoriso V. S., nos termos de
sua informaco de noje sob n. 193, dada com re-
ferencia a da contadora des'sa thesouraria, a man-
dar pagar a Jeronymo de Souza Coelho conforme
solcitou o delegado do termo do Lmoeiro, em ofl-
co de 3 do crreme mez, a quantia de 18*180, em
que, segundo os documentos que devolvo, importa-
rain as despezas feitas com o tratamento do preso
da respectiva cadeia, Roberto Bezcrra da Paixao,
<|ue foi accommettido da varila.Communicou-se
ao delegado do Limoeiro.
talhiodejifamaria, a que allude o offlcio de V
Exc. d. 935 de 25 do eorrente.
DIARIO DE PERNAMBUCO
do projecto sobre a companhia da estrada de ferr
de D. P. H, navegado vapor do rio de S.Francisco
e prolngamelo das actuaes estradas de ferro, re-
jetando as duas emendas.
Approvou mais ob seguintes para-raphos additi-
vos ao mesmo artigj :
Se alguraa companhia qae inspire confianca
O'j), Babia 2 0|o, Pernambuco 2 Ojo-
Moeda nacional 9 1|2 Oip de premio.
Frelet Para couros salgados foi o ultimo freta-
raento a 45 schs. 5 Ojo de capa, para bandeira H-
vre das questoe polticas da Europa; e cima para
Liverpool 35 schs.
Todos os navios nacionaes (team fretado* para o
preferir tratar sobre a base de urna subvencab, imperio'a 300 rs. Ri d Janeiro, 400 rs. Bahia 500
podera o governo adjudicar-lhe qualqaer linha j '< rs., pof arroba para Pernambuco.
oreada e decretada com as clausulas seguintes : Alem destesjretaram-se uns cinco navios es-
t Podera conceder subvencao nao maior que a^traogeiros para carregar xarque para a Bahia e
quarta parte do orcameolo que houver sido feito' Peraanbuco.
por oroem o custa do governo, subvencao que j Assuear.As existencias vao-se escoando e o de-
nao sera augmentada nem diminuida por qualquer psito ect muilo reduzido. As ultimas vendas fo-
altera^ao posterior do custo paramis ou para ram ebctuadas de 5*200 a 5*600 os brancos, se-
menos- gundo a qualdade e boje firmam-se os possuidores
t a estrada ser dividida em seccoes, cada urna 'em 5*890 a 6*000 pelos finos,
das quaes possa prestar utilidade publica apenas CaANoJu em prraeiras mios e ctni-O de
concluida. SerSo as secce3 oreadas em separa- 9*300ur W*000 a arroba,
do; e, aberta ao transito cada urna dellas, pagar* t Cataca.hntraram no Hio de Janeiro 60 pipas,
Freles.Inglalerra, 33.a 40 sh. eouros salgados,
80 s. diuis seceos, o- tardos 21) sh. com 5 Oi0 da
oapa.
Sobre Harnburgo-: 0,000 m. b. a 660> rs.
Sobre Lisboa e o Porto tom regulado as- taxas se-
guintes :
100a 101 0(0/. avisa.
99aiOOol9, 30dias.
98 99 OlL > 60
97 96 0#j >.H) ,.
Apohces.Negociaram^e u geraes de ftOiOa
90|0.
Desoontos.Conserra-se nos beos a 8i olO.
Na praca regulaa.d* 7,l(2a 9 rto. continuando
JS?'Vc**?,2?8 ^^ 7 frfc da8 n-Pequeaa escala-a procura de numerario.
fTV J d0S ** cwa 10 0| de capa' ,0b i Acsoes.-Foram negociadas as do banxo do Bra-
ar^*008^^ V 0ftt sil ala*. 53* e54*ie premio; do banco Rural e
Marselaa,. -30 frs. couros salgados, 80 frs, | Hypothecaro, 68*. e 70* de dilate da. companhia
ditos seceos, e 40 frs. os fardos eora 10 [ de de Seguros Fidelidade a 6.de descont. ^^
*p"td. T-ni^. k J F/ees.-Nopetioda.aqueaUHdimos facharam-
tataflos-LiMuos :5^8 ct couros seceos, e 5 a> 7r se-lo fretainemosv. saber :
ps. os. fardos eom 5 i. de capa, sob bandeira es-: Para a Bahia, barca italiana CaUer.im 1300
trange.ra. barricas de tariote. a. 00 rs. cada. urna.
Brasil :*, o e b ris. por quintal de carne seeca,^ Para Buenos-Ayres, carrejando em Paraaagu.
e 3, (_nominal. patacho hanovesiaao.ArwWn, a.l real forte or ar-
A situacao commercial melhorou mnto pouce, roba de mate,
depois da sabida do lersey: a marcha dos neg-, Dito dito SpivanzfL pela somma redonda de 76
cos fu* geralmenle lenta; sustentaram-se porm oocas de ourov
os comesiiveis e lquidos em consequencia dos pe- ( Para as boceas do.Rie Grande (Mexicok pau-
quenos suppnuientos recebidos. cho eldemburgaez SagUta per 500, 3 mO,
Melhorou um pouco a posicao do vinho CataJao, Para o.Canai, arrogando.em Samas e Baha
obtenao ltimamente 57 a 60 cts. os de Ca- patacho hollandz Cosmopolil, a 02 sh e 6 d com
aellas e Febres, o 59,20 os de Carey em depo-, 5,qi0.
sit0: 3 .., Para as ifta*do Cabe-Verde, carregar sal para
Tambem vendeu-se urna partida de 3S pipas o Rio de Janeir.o, patacho, dnamarquei Hortensia,
desta ultima marca despachada a 64 ps. a. 400 rs. por aiqneire.
0 vinho francez s alcaoca de 20 a 2i ps. se- Para Liverpool, crregaodo em Pornambuco,
gundo a qualidade e coudcoes. Macei ou, Parahyea do Norte, barca franceza
0 assuear do Brasil est bem collocado -, tem-se San/ Anm a 3|8 d e 5 o|0 por libra de a/godo,
veodido o de primeira qualidade a 26,60 cts., o de com 200 toneladas de lastro da assuear. a 25 sh e
segunda a 2,50 cts., e o de tercera a 2 pesos, 5. 0|0.
O caf manteve-se a 16.40 cu. por quiataj,, e a i par Mvnievido carregando em Paranagu,
a aguardeolo de 67 a 68 ps. despachada. barca argentina nna, pela sarama redonda de
O arroz que trouxe o Saintoge deu em deposito 100oncas.
1.40 cts. Para New-York, brigue dinamarquez Virginia a
Rio de Janeiro, 22 de mw. 30 sh.
Boleiim de 9 a 22. Patacho sueco Er*k Andrea, a 35 sh limitado a
Durante a quinzena limilou-se ainda o mov- 4,200 sacoas.
memo do nosso mercado de imporiacao. satis-
o governo a subvencao correspondente.
Fixar-se-ha no contrato o tempo necessario a
conclusao de cada seceo e a multa por cada mez
de demora, multa que, a partir do prmeiro mez,
seguir progressao ascendente.
Gosar a companhia dos favores outorgados
Temos vista jornaes do Rio e Bahia, dos quaes
foi portador o vapor francez Guienne, alcanzando
os prmeiro* 24 e os segundos 28 do correa-
te. Delles colhemos o seguintc :
Santa Catharina.Comegaram 8 do eorrente
os trabalhos da assembla provincial.
O Despertador diz o seguinte :
A canhoneira de guerra Maracan de que privilegio
digno commandante o Sr. 1 teneute Thomaz Pedro Todo' o lucro alm de 7 %, deduzidas tambem
deBittencqurt Utrim a qual seguir para o Ro as conlribuicoes estipuladas para deterioracSes e
de Janeiro em meiado de Janeiro deste anuo para amortisacao, ser repartido igualmente entre o the-
fazer os reparos de que precisava, chegou de volta souro e os accionistas.C. B Ottoni >
uo da 7, e acha-se no ancoradouro desta capital. Occupou-se em seguida com o art. 3- do mesmo
Somos informados deque leve pessima viagem,! projecto. Orou o Sr. Chagas Lobato, Picando a dis-
por encontrar ventos contrarios e mar crespo, a ; cussao adiada pela hora
ponto de lcar sem combuslivel para continuar a | Foram offerecldas as seguintes emendas :
que a tem fraccionado a 130*000 a pipa; conser-
va boa procura.
Carne secca.Foi muito procurada e compra-
rain diversos exportadores cerca de 120 a 130,000
arrobas, dando pela boa superior qualidade de 2*
a 2*3000, pela desparelha 1*600 a 1*800 e magra
viagem; por seus grandes esforcos pode arribar a
seo,
aqu rliegar.
de D. Pedro II relativamente aos direitos de impor- [ 1*200 a 1*100 a arroba. Anda ficam depsitos
tacae; as trras publicas, sesmarias e posses, e as regulares para dispor parte della beneficiando-se,
matas, podreiras ou outras minas existentes em je nesta la entrante ainda se espera que amatauca
terrenos devolutos ou nacionaes. i seja imprtanle, se o tempo permitlir.
Alm da amortisago de que falla o % 5, ser i Gorduras.Tambem se lucrara varias compras
regulada a faculdade do resgate antes de lindo o ] do 3*900 a 4*000 a graxa, 4*800 e 5*000, o sebo,
cora tudo este artigo nao leve urna procura anima-
da, em vista dos resultados quo d sua especulacao
nos mercados do Rio, que chegando a ter um di-
minuto deposito, nem isso Ihe occasicnou urna alta
om suas colacoes.
Couros vacuns seceos.Poucas ou nenhumas
transaccoes se fizeram, e sustenta cotaces anda
| que um pouco mais frouxas aos da nossa ultima
revista.
Substitutivo ao 2.O governo fica autorisa- > Ditos salgados.Destes Ozeram-se compras im-
facao das necessidades mais urgentes do con-
sumo.
No mercado de exportaco desonvolveu-se prin-
cipalmente a procara de algodao e caf depois da t
chejada do n-
'. gao ao segundo artigo trouxe-nos propicias noticias
noticias de New-York, e nao desfavoraveis de Lon-,
dres, onde crescaa procura para os Estados-Uni-
dosi Dessa dnta (18) al hoje veuderam-se 27,0001
saccas, estabelecendo os ltimos pregos de lotes
redondos, urna alta de 150 a 200 rs. em relaco s
colacoes que vgoravara sahida do paquete inglez
Oneida.
Os exportadores para a Europa conservaram-sc
(oitB do mercado, nao Ihes sendo favoraveis na
raesma proporco as ultimas uoticias recebidas.
O mercado tica firme. Durante a quiuzena re-,
gularam as entradas do interior apenas cerca de .
Dito ao raesmo.-Accuso recebido o offlcio de 25 S- ^ancisco, e all prover-se de alguma lenha para do para, dentro dos hmites'do capital ixado pelo portantes e(]ue devera exceder a 50,000'pegas as
n. 1,598 de 9 de maio de 1855, mandar compradas, obtendo os pesados de 68 libras para
Rio-Grande do Sul.Aps urna prorogacao de
cinco dias encerraram-se os trabalhos da assembla
do eorrente, sob n. 192, em que V. S. me partci
pou haver Jos Domingues Didecera, dando por
liador Manoel Jos Dantas, arrematado com o abate
os reparos da ponte do caes da ra da Aurora em Chegra capital o 4o batalhao de infamara
frente do Gymnasio Provincial; e em resposta le- de linha, ido da corte.
nho a dizer que approvo essa arremataeao.
Dito ao commandante superior da guarda nacio-
nal do Red fe.Sendo conveniente ao servico como
declarou o Dr. chefe de polica em offlcio de 21 do
eorrente, que os inferiores e guardas mencionados
na relagao junta exercam os lugares de inspecto-
res de quarleiro para que foram nomcados pelo
delegado do Io districto desta cidade, haja V. S.
de expedir as suas orden* para que sejam clles
dispensados do servico da guarda nacional, em-
quanlo estiverem naquelle exercicio.
Relarao a que se refere o officio de S. Exc. o Sr.
presidente da provincia, desta dala.
1 batalhao de artilharia.
Guarda Joo Baptsta Alves Ferreira.
Dito Jos Leocadio da Silva.
1 batalhao de infamara.
2 sargento Jos Joaquim da Costa.
Guarda Apolinario Ignacio da Conceicao.
1 sargento Florencio Baptisia de Oliveira.Igno-
ra-se a que batalhao pertence.
Communicou-se ao Dr. chefe de polica.
Dito ao director do arsenal de GuerraAo offl-
cio que V. S. me dirigi em 23 de abril ultimo sob
d. 301, respondo declarando-Ihe que o panno ms-
ela remettido para fardamento da msica do 9o
batalhao de infamara de custo d 2*820 o co
O processo Ramos, do que j demos conla aos
leitores, coutinuava, leudo j sido interrogadas di-
versas testemunhas, e Ramos por diversas vezes,
recu-.iiido-se este a confessar cousa alguma.
Exm. e Rvra. Sr. bispo seguir 16 para
Porto-Alegre.
L-se no Commercial:
Com o forte vento que reinou antes de hontem
0 hiate Santa Isabel, carxegado de cinza e ancora-
do em S. Jos do Norte, rebentou as amarras, indo
bater de encontr s estacadas do litoral, donde,
devido aos esforgos do capito da barca Ligeira, o
Sr. Ilermogenco, que logo acudi de bordo de seu
navio com gente, ancorles e espeias, conseguio
1 safar, indo encalliar na praia, em consequencia de
fazer muita agua, motivado pelas fortes pancadas
que deu quando encalhado. >
Hontem entrou de Montevideo, com dous dias
de viagem, o vapor de guerra Parnahyba, trazendo
officios importantes e cora urgencia dirigidos ao
Exm. Sr. presidente da provincia, da commisso
especial junto ao governo da Repblica Oriental.
A' vista desta urgencia, o Illm. Sr. capitao de
fragata e do porto Jos Pereira Pinto deliberou
mandar o vapor Apa levar os offlcios capital da
provincia. >
A bordo da Parnaliyba veio de passagem o Exm.
e Rvm. Sr. bispo diocesano, que se recolbe de sua
decreto
proseguir pelo modo que julgar mais til a cons- cima' 145 rs. de peso de 64 libras a 140 rs. a li-
truegao da 3" seccao at Porto-Xovo do Cunha, e bra, novilho levano 120 a 133 rs., e vacca 110 a
da 4* at um ponto do municipio de Rezende que 113 rs. Em Pelotas ficam varias partidas para dis-
parecer proprio para termo provisorio da linha; por, urnas devido s altas exigencias dos xarquea-
ficando, porm, o exercicio da 2* faculdade depen- dores, e outras por serem levianos e com deleito
dente do complemento dos estudos hydraulicos o do carrapato.
Parahiba, e nao tendo lugar por ora a construegao Parana/ii, 10 de maio.',
se com o emprego de menos de melado do capital' Asucar.Branco superior, 5*600 a 5*800 ; dito
preciso, via frrea se puder installar na parle 'baixo, 4*800 a 5*000; dito redondo, 4*500 a4*600;
correspondente do rio a navegagao vapor.C. B. dito mascavado, 3*400 a 3*500 ; dito ma*cavinho,
Otloni.E. de Andrade Pinto. i 3*600 a 3*700 por arroba.
t Additivo ao 3.Na venda da estrada a com-! Caf.Tem sahida de 8*000 a 8*200 por ar-
panhia estrangera, se nao fr estipulada garanta 'roba.
de juros, podera o governo abater do valor das i Carne secca.3*000 a 3*600 por arroba,
obras at um quarto considerado como subven- Couros.Mineiros, 6*000 a 6*500 ; de Santos e
cao.O. B. Ottoni -JacobinaManoel Joaquim. de Santa Catharina, 6*500 a 7*000 ; e do Rio
vado, segundo communicou-me o director do arse-
nal de guerra da corte, em offlcio n. 217 de 6 do, visita pastoral.
crreme. Do ^Otario do Rio-Grande, copiamos o se
Dito ao director das obras militares.Remeti guite:-'
incluso a V. S. o officio que me dirigi o brgade-; Ante-hontem, foi avisado q Sr. delegado de po
gadeiro commandante das armas, em 25 do cor-
reme, para que faga orgar com brevidade as obras
de que necessita o quartel do 4o batalhao de arti-
lharia, segundo declara o respectivo commandante
em officio de 13 deste mez.
Dito ao commandante do corpo de polica.Pode
licia que na chcara da Sra. D. Faustia Centeno,
ilha dos Marinheiros, fra encontrado era um dos
malos um cadver ja mrrado, cora trajo decente, e
que pareca ter sido de homem branco.
c Honiem seguio para aquelle destino o Sr. dele-
gado, aconi pan liado do Sr. alferes de polica, e trou-
V. S. dar baixa ao soldado da secgo volante do xerara esta cidade o dito cadver, mandando por
corpo sob seu commando, Manoel Pedro da Silva, na Santa Casa, onde os Srs._Drs. Franga e Assis ; Iho como requereram.
Continuou em ultimo lugar a discussao do pro-
jecto de resposta falla do throno. Oraram os Srs.
Ratisbona, Ferreira da Veiga e Limpo de Abreu'
ficando a discussao tambem adiada pela hora.
Da ordem do dia n. 400 do quartel general do
ajudante general consta o seguinte :
Nomeac5es.Dos Srs. : segundo tenente do cor-
po de engenheiros Zozino Braulio Barroso, para fl-
ear disposigo do ministerio da agricultura, com-
mercio e obras publicas, afim deervir na provin-
cia do Cear como engenheiro da mesma provin-
cia ; ficando exonerado dessa commisso o Sr pr-
meiro tenente do dito corpo Jos Eduardo Bar-
bosa.
Capello alferes da repartirlo- eccUsiastica do
exercito, padre Jos das Dores Barata, para ir ser-
vir no 8o batalhao de infafttaria.
Tenente reformado do exerdto, Gaspar Jos Men-
na Barreto, para ajudante da colonia militar de
Avanhandava ; ficando sem efleito a nomeacao do
Sr. tenente do corpo de estado-maor da segunda
classe, Jacintho Candido da Silva, para o mesmo
lugar.
Transferencias.Dos senhores :
Tenentes Severiano de Cerqueira Daltro, do 8
batalhao de infamara para o 12 da mesma arma,
Severiano Pires Campos deste para aquelle bata-
visto que por molestia incuravel est impossibili
iado de continuar no servigo, segundo consta do
offlcio de V. S. n. 245, desta data.
Dito ao juiz municipal da 1* vara desta cidade.
Remeti por copia Vmc. para ter adevjdaaxe-
cucao na parte que Ihe toca, o decreto de 21 de
dez'embro de 1860, pelo qual S. M. o Imperador
houve por bem commutar em 12 annos de priso geiro nao entretevo dialogo com Silveno, e que
a pena de gales perpetuas a que foi condemnado chegadoilha desembarcou na chcara de D. Faus
pelo jury de Pao d'Alho, Francisco Gomes Lima,
que actualmente se acha no presidio de Fernando
Igual copia se reraetteu ao commandante do
presidio do Fernando. ,,,.., ; 1
Dito ao 1" supplente do delegado do termo de
Cabrob.Intelrado do conteudo do seu oftlco de
30 de dezembro ultimo, tenho a dizr-lhe que j se
acham preenchidos os lugares de supplentes da de-
9 termo o da respectiva subdelegada.; prender, e acha-se recolho oadea.
PortaraOs Srs. agentes da companhia brasi-i t Nos bolsos do colote com que eslava o cadver,
leira de paquetes vapor manden Idar transporte encontrou-se dez pcetas, duas moedas de 800 rs.
nira i caoital do Para por coma dio ministerio da e urna chavo j bastante enferrujada.
merr'i no nrimeiro vapor que passar do sul ao, Mais tarde soube a polica que do hotel ioraii
Ifen* do eslado-maior de 2' clase Jos Joaquim bavia desapparecido um estrangeiro, pelo tempo
Pintn dn Azevedo que va servir na provincia do,, que se diz falleoeu este, < dingmdo-se ali, soube
Vmazonas.-Jminunicou-se ao brigadeiro conf-ftinea 18ou 19 de feverero do correte anno entroa
mandante das armas
Araujo procedern) exarae, nao podendo a opinio j Segundo tenente do 4 batalhao de artilharia a
medica definir qual a causa a que se deva attribuir p, Honorio Domingos de Menczes Doria, para a
a morte, calculando de dous a tres mezes que ella I companhia de artfices de Pernambuco, como re-
tivera lugar. | quereu.
f Soube a polica que um catraieiro de nome Jos Alferes do 3 regiment de cavallaria ligeira, An-
Silverio havia em dias de feveiro conduzido ilha, tonio Nicolao Cnsul, para o 3' regiment da mesma
ara estrangeiro; que durante a viagem este estran-; arma, como roquereu.
No dia 23 sustemou theses e foi plenamente
approvado o Dr. em medicina e cirurgia pela uni-
versidade de aples Jos Giam Moreno, natural
da Italia; e fez exame de sufflcientia e foi appro-
vado o pharraaceulico formado em aples Fran-
cisco Georgia Marrano, tambem natural da Italia.
Por decretos de 23 foram removidos :
O desembargador D. Francisco Balthazar da Sil-
veira, da relagao de Pernambuco para a do Rio de
Janeiro;
O desembargador Francisco Domingues da Silva
da rolagao do Rio de Janeiro para a de Peruaro-
buco.
Foram oomeados :
O desefhbargador Firmino Antonia de Souza,
para presidente da relagao do Pernambuco.;
O desembargador Anselmo Francisca Perelti,
tina e procurou comprar fructas, as quaes Ih fo-
ram facilitadas pelo capataes ou pees; que abl se
demorou o estrangeiro, o catraieiro o aguardava
no seu bote, at que se fazendo tarde, foi procurar
o hornera para regressar, visto estar s suas ordens,
e nao o encontrando, entao fez-se de vela: tudo
isto confirmado por empregados da chcara
Este catraieiro cntondeu a polica que deviara o
Anselmo Francisca
. para presidente do tribunal da. commercio de Per-
para hospede do hotel um estrangeiro, que diiia vi- nambuco ;
Brigue dinamarquez Zepliir, a 37 sh e 6 d limi.
tado a 3,020ditas.
Brigue norueguease Vialkyrien, a 37 sh e 6 d
limitado a 4,000 ditas.
Patacho inglea Eleonor, a 40 sh limitado a 4,000
Brigue belga Uctatie, a 5 sen.
Para Pernambuco, brigue sueeo Minneti, 2.000
barricas de fariuha a 1* e 5 Ojo-
As cotagoes de frotes sao actualmente nomnaes.
Nao abundam os navios; porm, era razio do pe-
queo deposito de caf nao possivel lixar pre-
gas regulares. Para esta situagao concorre tam-
bem poderosamente o estado poltico da Europa.
23
A' ultima hora.
Cambio.Incluindo pequeas operacoes effec-
t nadas hoje na quasi tolalidade a 27 5|8 d, so.
bre Londres e 347 rs, sobre Pars, sommaudo os
1,500 saccas por dia, e actualmente nao superior saques pelo paquete francez Guienne :
odeposito a 20,000 saccas. Sobre Londres : 300,000 a 17 3|8, 27 1|2, 27
Pelo vapor inglez Royal Standart que sanio no 5|8e 27 3|4 d.
dia 11 para Liverpool saccarain-se pequeas som-i Fechou-se o cambio firme de 27 1|2 a 27 5|8d.
mas sobre Londres a 27 3|8 e 27 i[2 d., e sobre Sobre Paris : 600,000 francos a 344, 45, 46 e 47
Franga e Antuerpia a 346 e 347 rls. i ris.
Para o Guienne tem-se firmado ofeambio sobre Sobre Harnburgo : 160,000 m. b. a 660 rs.
Londres a 27 1|2 e 27 3|8 d. com pequeas opera- j Sobre Lisboa e o Porto regulou a tabella se-
gos a 27 3|4 d. ; sobre Franga do 344 a 347 ; so- guinte
bre Harnburgo a 660 rs., e sobre Lisboa e Porto do
97 a 98 "| a 90 dias.
Negociaram-se as apolices geraes do 6 (0 a
99 '|.
Nao houve alteragao na laxa do descomo: e
mercado contina folgado.
Caf.Desde o dia 9 do eorrente at hoje (22) I
venderara-se :
Para os Estados Unidos..... 36,600 saccas |
Para o Havre......... 1,000
Para o Cabo da Boa-Espcranca 2,800
100 a 101 o|0. .
99 a 100 olO. .
98 a 99 0|0. .
97 a 98 olO. .
Apolices.Das geraes do
hoje 25 a 9 1)2 o|0.
Descontos.Conservam-se nos" bancos a 8 olO.
Na praca continuara folgados de 7 l|2a 9 ()|0.
Metaos.Exportaram-se desde o da 11 do
rente at hoje (23) os valores seguintes
a vista,
30 dias.
a in >
a90 >
OlO negociaram-se
lo cor-
Total ..... 40,400
os
Grande, 5*200 a 5*400 cada um.
Iluenos-Ayres, 14Jde maio.
Cambio.As ultimas cotagoes sao :
Londres, 50 1(4.
Franga, 5,28.
Genova, 5,45.
Rio de Janeiro, 1,825.
Montevideo, 1|4 por 0|0-
Pesos fortes.Ultima venda a dinheiro 28,
90 cts.
Descontos.No banco 9 0|o ae anno, na praga
de 1 a 1 1|4 0|o ao mez.
Fretes.Inglaterra, 20 sh. couros salgados e far-
dos com 5 Oto de capa.
Havre.25 frs. couros salgados, 60 frs. ditos sec-
eos, e 40 frs. os fardos com 10 0|o de capa.
Marselha.25 frs. couros salgado?, 75 frs. ditos
seceos, e 40 frs. os fardos com 10 0|o de capa.
Estados-Unidos.Em navio neutral; couros sec-
eos 3|4 ct. e fardos 6 com 5 0|Q de capa.
rasil.Nominal.
As transaegdes realisadas desde a partida do
Mersey tem sido pouco importantes, contribuindo
para isto diversas circumstancias; a poltica preoc-
cupa os nimos mais do que convem marcha
franca dos negocios: as chuvas, embora provei'osas
para os campos, j comegam a difficullar os trans-
portes, e finalmente ha escassez de gado em estado
de contribuir para os trabalhos das xarqueadas.
Taes sao, a nosso ver, as principaes causas da cal-
mara dos mercados nesta quinzena.
As xarqueadas tem e un efleito reduzido muito os
sen* trabalhos, dando apenas lugar a pequeas, ope-
ragoes depois de satisfeitos os contratos pendentes.
Isto no que respeita a Buenos-Ayres.
Onanto a productos de xarqueadas dos ros pa-
rece-nos que a falta de transaegoes quo se tem no-
tado ltimamente de vida principal mame reti-
rada do mercado de urna casa especuladora em
couros, facto que dense precisamente depois .de
ter olla impresso certa anmagao nos pregos.
Esta tendencia para a alta eiu que desde entao
flcou o mercado ser diffkiuertio raaotido se nao
auxilia-la alguma noticia {avoravel dos marcados
consumidores.
Pode, entretanto, coacorrer poderosamente para
a snstentago do artigo- a probabilidade que ja tem
de que a producca de oouros pesadosdo Rio da
Prata ser neste aono muito pequeoa. O raesmo
porm em menor os-
Destinos.
Ouro.
Moedas.
Bordos.. 4:880*000
Lisboa. 4:7885360
Porto 5:021*600
Rio da Prata. 270:256*000
Total. 284:935*900 1:099*000 1:005*120
O Sr. Joaquim Pereira de Faria remetteu para
Pernambuco no Guienne 7:000* era notas do go-
veruo.
Acgoes.Negociaram-se 64 do banco. Rural e
caf, porm q
As ultimas cotaces de lotes redondos para
Estados-Unidos foram 7*300 a 8*000.
E para as qualidades separadas :
Superior8*000 a 8*300
l*boa-7*700a9*900
1 ordnara-7*100 a 7*600
2 boa7* 100 a 7*300
2- ordinaria6*000 a 7*000
Ha em ser 20,000 saccas.
Agurdente.Houve vendas regulares durante Hypothecaro a 70* de premio,
a quinzena, tanto para exportagao como consumo, | Caf.Nao constara vendas de
de 78* a 83* em trra a 90* a 93* posta bordo.; mercado mantcm-se firme,
A existencia fica reduzida 800 pipas. Era ser, 20,000 saccas.
Assuear No periodo que passamos em revista Achavam-se carga : para
fizeram-se vendas importantes do mascavo para (barca portugueza Flor da Mata ;
exportagao. Para o consumo, effecluaram-se ven | nho a dita Mario.
das regulares do mascavo e insignificantes do
branco. Os possuidores continuam muilo firmes
as suas pretengoes; e attendendo que ss sa-
fras estad terminadas e ao pequeo deposito que
hoje tem os, de crer que por em quanlo as sus-
tenten!.
Cotamos : Pernambuco, segundas sortes e finos,
5*300 a 3*800; terceiras ditas, 3*300 a 5*400 ;
quartas ditos, 5* a 5*200 ; somenos, 4*400 a
4-5300; mascavo baixo 3*030 a 3*130 ; Bahia c
Cotinguiba, branco, 4*300 a 4*400 ;
mascavo, 2*900 a 3*400.
Prata.
Moeda. Barra.
20*000 1:005*120
1:079*000
' Dita.-Os Srs. agentes da companhia Brasileira' una de Plelas, qu represeutava tr 30 aano&, ita-1 Peto ministerio dos. negocios da Justiga foi
Pernambuco, a
c para o Mara-
Teraos smente em ser :
Do Pernambuco .
Da Bahia e Cotinguiba.
De Campos......
Saceos 10,000 Ca xas 146 870 Barricas 368 275
Sahiram para Pernambuco : a 11, a barca
franceza Santa Anna ; a 14, o brigue Liberal; e
19, a escuna hespanhola Frisca.
Chegou, procedente de P'irnambuco, 16, a.
barca ingleza Traveller, com 10 das.
, Bahia, 23 de maio.
Cambio.Regulou : sobre Londres 27 3|4 d, so-
bre Paris 343 rs. por franca, sobre Harnburgo 653
rs. por franco c sobre Lsboa e Porto 98 a 101. OlO.
Assuear.Vendeu-se a branco a 3*100 pqr ar-
Campos,. roba e o mascavado a 2*700 por arroba,
Sahiram para Pernambuco : 12, o palha-
I bote Garibaldi e os palachos Bahia e Thereza ; e a
24, o patacho hespanhol Ricardo.
Achava-sa carga para Pernambuco, o pa-
ihabote Bella.
Total.....10,000 1,016 643
Algodao.Al a entrada do Guime conserxou-1
se o mercado em apathia. Desta data em otante ,
porm desenvolveu-se a procura, e a 23* por ar- j
roba vendeu-se quanto havia em ser, e varias par-
tidasachegar at 15 do mez prximo futuro. A '
quadra em que estamos, fira do safra, bvoravel a
posigaodo artigo. '
Durante a quinzena despachacharam-se 352 far-!
dos para o Havre, 58 ditos para o. Rio da Prata a.
38 ditos para Southampton,
Despacharam-se : Para o Porta 10 caixas e para
e Ro da Prata 150 ditas o 42 barricas.
Carne seccaHa em deposito 99,300 arrobas,
sendo 31,800 ditas do Rio-Grande o 67,500 ditas
do Rio da Prata.
Vendeu-se a primara de 2*200 a 3*200,
guada de 2*200 a 3*,
PERRAMBCO
ASSEMBLA PROVINCIAL.
SESSAO ORDINARIA EM 23 DE ABRILDE 1864.
eBSU>E.NClA DO SR. CONSELHEIRO TRIGO DE
LOUREIRO
(Conclusao.)
O Sn. Gervasio Campkllo, (pela ojdem) diz quo
o desojo mais ardente da maioria, a conservago
da torga, por. isso que teado-se votado na ultima
sosso o projecto que irapoe sobre caixeiros estran-
geiro, aquelle que foi apresentado como o motivo
para a prosonga dessa torga no recinto da aesem-
o a se- bla, parece que deveria ella ter sido mandada re-
tirar, a:n de uao embargar a volta dos nobres de-
succeder da carne secca,.
cala, mas como parece que para esto artigo abre- rs., e os outros a 260 e 270 rs.
se um nova mercado na Gra-Bretanha, iulgaraos despacharam-se para o Havre 1,300 salgados, e
que ao, primeiro indicio de raelhwamemo. na ilha, 6,560 seceos e para New-York 11 destes. Ha em
de Cuba e o Brasil augmeniarap a,quAs pretla- ser4,000.
edes dos actuaes pqssuidoro*. | Cambio.Pelo vapor Royal Standart, yte sanio,
Couros.Venderam -se 8,300, sendo 1,300 de' putadoa que se achara auseutes; po? isso pede que
Santa Calhariaa, destes os grandes e limpos a 280 a commisso de polica tome em consideragao a re-
rs., os pequeos a 260 rs., e refugo a 230 e 250 clamacao que de uavo faz para que a torC* :
tire, urna voz que nao ha mais motivo plaiisivet
que explique a saa presenga, tanto mais qna.n,to o
honrado Sr. presidente Jeclarou que logo que Ibs-
se votado o projoct*dos caixetros. ma.qd.aria retirar
afarga.


(O Sr. Presidente da pelo Sr. i se O Su. Loubhm :(Nao dc\olveu seu di*rnrn.>
O Sr. Jos M.uiia (pela ordeo) tai inda afu-
mas coosideratoes insistindo pela retirada daorea
do recinto da assembla. ;
Sao nnmeados para a commissio de legislacao
os Srs. Ayres Cama e Silveira Lobo.
Para a commisso que ieinto tenar alguna actos
a sanrcn, sao nomeados os Srs. Sirva Barros, Ma-
rauha'M' soares Brandao.
O Su. Silvkira Lobo pela ordem) requer que
exemplodoque so deu maadando-se de preferen-
cia as otiiras materias publicar a discussao havida
na casa a resiito da preseaija da tor$a neata rasa,
se mande tamltein publicar os discursos pronun-
ciados a.ena do projeeto qae impde sobre caixei-
IOS eslraiigeiros.
PIllMEIRA PAUTE DA ORDEM DO DA.
1* dlscuss.io do projecto n. 91 que isenta do im-
posto sobre renda de estabelerimenios, aquel les que
tiraron lodos os seus raixeros brasileiros.
E approvado sem debate.
1* discussao do pr. jecto n. 79.
A fSembla lugisttva provincial de Pernam-
buco, resolve: '
Atl.-l. Ficam desannexadas da fri'guezia de S.
Denlo e encorporados de Garanhuns os terrenos
comprehendidos nos seguntes limites, principiar
do rio Canlioto, onde confrontar com as nascencas
do rio Chata, descendo pela mesma abaixo ate a
fazenda liuhuzeira, oa estrada que va i para Canho-
tinbo, a encuntrar com a anliga estrada do Recife,
e por ella subindo at a passagem do rio < auhoii-
nlio e por ella cima at o ponto de partida.
Arl. 2 Revogadas as disposices em contrario.
Pago da assembla provincia, 8 de abril de 1804.
Teixeira de Mello.J. do Reg Baos.Fran-
cisco Pedro.liego Horros.Silva Hmgos.S Pe-
reira.Carvalho Maura.Maranlto. Ayres Gu-
ma. Andrade Lima.
Heqoeiro que acerca do projecto seja ouvido o
Exm. Sr. hispo diocesano, sem prejuizo da i" dis-
cussao.Francisco Pedro. '
E' approvado sem deoate, e igualmente o reque-
r ment.
2a discussao do projecto n. 74 qne concede lic.cn-
ca por .6 rnczes com todos os vencimentos ao se-
cretario da reparticao das obras publicas Tbumaz
Antonio Kainos Zauy.
E' approvado :-em debate.
E' api>rovado em 2" o de n. 64 que estabelecen a
preferencia entre loteras.
Knlra em 3* o de n. 4o que crea nina freguezia
com o titulo o Sr. Itom Jess do Caboclo.
E' remellido a mesa a seguinte emenda :
Ao projecto n. 43.
No artigo I" onde se diz :passar a denomi-
narse freguezia do Senhor Bom Jess do Caborlo,
sendo elevada a matriz a capella sol) a invocar
do mesmo Senhor, diga-se : passar a denomi-
narle fregnezia do Senhor Bom Jess da Igreja
Nota, sendo elevada matrii a capella sob a invo
cacao do mesmo Senhor, situada na povoacao do
Cabrobr.Araujo Horros.
2* discussao do projecto n. 48 que extingue a
reparticao das oliras publicas da provincia.
E' hdo e anoiado o seguinte :
Art. 1. Fica extincta a actal reparticao das obras
publicas da provincia.
Substitutivo ao art. Io
O "presidente da provincia reformar a reparti-
cao das obras publicas, de conformidad com as
ases segnintes :Francisco Pedro.Silva Barros.
Teixeira de Mello.Soares Brandao.Silva Ra-
mos. Andrade Lima.Compeli.BnarqueGon-
calces da Silva. -Ayres Goma.J. Reg Barros.
Arnunio.
O Su. Jacobina :-(No devolveu seu discurso.)
O 8r. Buarqub :(Nao devolveu seu discurso)
O Sr. Jacobina anda faz algumas considerares
acerca d<< artigo Io.
A discussao nVa adiada.
Conlinuacjio da 2' discussao do projecto da forja
policial.
Nao havendo mais nenlium senhor depotado pre-
sente com a palavra, encerra-se a discussao.
O Sr. Arauo Barros pede a retirada de sna
emenda, o que Ihe concedido.
Posloa vulos o projecto approvado com a emen-
da do Sr. Rochael.
Contimia a discu.-so adiada do projecto que ex-
tingue a reparticao de obras publicas da provincia.
Encerrada a discussao approvado o substitu
tivo. .
Art, 2. O presidente da provincia fica aulonsado
a organisar o servico da construccao, polica e fis-
calisaco das obras provinciaes, de couformidade
cun as bases que se seguem :
F' r-..wiiid a mesa e apiada a setruinte. emen-
da :
Sapprima-sc o art. 2 do projecto.Jacobina
Buarqiie.
Encerrada-a discussao a emenda approvada.
Art. 3. O pessoal do servieo de qne trata o arti-
go precedente nao exceder do seguinte :
| t. l'm enaeiilieiro em ebefe, com o ordenado
animal de 2:8005.
2. Tres enuenheiros de sercao, com o orde-
nado antiii.il de 2:4005 cada not.
| 3 Quatro conductores, com o ordenado an-
nual de i:S0O cada um.
i." Quatro platicantes de obras publicas, com
a gra iliraco de 6005 cada um.
5. Ib-iis destnliislas com a gratifieaco de
80(>5 animal cada um.
Vo a mesa e sao apoiadas as seguintes emen-
das :
1 l'm engenheiro em chefe 4:0003-
3" Tres engenheiros de seceo. Moa Ramos.
Aecrt si ('iie-se : com om agente fiel com o or-
denado i!e 1:2005. Sooret Bramido.
O Sr. Jacobina maufesla-se eoiilra o artigo em
discus-.i.
O Su. Buarque : -(N'.o devolveu seu discurso.)
O Su. S Perciba :Direi apenas quatro pala*
vras sobre este ai ligo.
Eu conipruliendo iierfeilamente o que enge-
nheiro em chefe, compreheiido o que engpnlietru
de arelo, o que nao comprendido o que quer
dizer pralcanie com ordenado de 6005, e conduior-
lugar que alias bem aquinhoado no ordenado.
De>ejava que o nobre I" secretario, que protissio-
nal, inc explicasse isto, porque eu nao sei o que
quer dizer pagar 6005 a un pratiraute, isto a
um individuo que vai aprender, e nao o que quer
dizer condulor.
Se o nobre deputado me explicar a natureza do
6ervico des.-es empregados, nao tere duvida em
votar pelo artigo.
O Sr. Silva Hamos : (Xo devolveu seu dis-
curso.)
O Sr. S Pereiua. declara nao se satisfazer com
as explicad-oes dadas pelo precedente orador, pelo
que rotara contra o< %% 3- e 4o do artigo.
Tendo dado a hora, liea a discussao adiada.
O Sr. residente designa a ordem do dia, e le-
-vauta a teasio
SESSAO ORDINARIA EM 26 DE ABRIL DE 1864.
PRESIDENCIA DO SR. CONSELHEIIIO TRIGO DE
LOUREIRO.
A's 11 'As lioras da manha feita a chamada c
achando-se presente numero legal de senhores de-
putados, abre-se a sessao.
lida e approvada a acta da anterior.
O Su. l'uiMEino Secretario da conta do se-
gunle
EXPEDIENTE.
Um offlcio do Secretario do governo communi-
cando que o Exm. presidi-nte da provincia recebe
hoje a c9inmissai que tem de ir levar alguns actos
a sua sanecao. Inteira .a.
E" lido e vai a imprir o seguinte parecer :
A coinmmissao de negocios ecclcsiasticos tendo
examinado o presente compromisso da irmandade
dn Santissimo Sacramento da freguezia de Agoas-
Bellas, ja aprovado na parte religiosa pe poder
competente de parecer que seja tambera appro-
vado por esta assembla na parle que Ihe perteure
Sala das commissoes, 25 de abril de 1864.Tei-
xeira de Mello.Maranhao.Francisco .Pedro.
E* ItdO e vai a imprimir o seguinte parecer :
A commissu de negocios eolesiasticos exami-
nando com a devlda attencoo compromisso da ir-
mandade de Nossa Senhora do Amiaro da ridade
de Goianna, j com approva^o do Exm. hispo dio-
cesano na parle rebgiosa, de parecer que seja o
mesmo approvado por esta assembla. excepto po-
rm, os arta. 30, 34 e 95 em relago ao jurameoto
de que tratam es referidos arligos, conformndo-
se desta forma com a opioio do mesmo Exm. pre-
lado.
Sala das rommissSe*, 26 de maio de 1864.Mn-
ranltioTcixeita de Mello.Francisco Pedro.
Sao I idos, julgados objecto de deliberaco e man-
dados imprimirlos seguntesprojectos :
A commissio de pelic5es, revendo a petieSo de
Antonio Bodrinucsde Albuquerque, na qual reqner
a esu assembla a gratiflcaje de 10 % sobre o ca-
pital de 4:2405, que elle cobrou do imposto de na-
tanca de gado vai-cum para o consumo desta cida-
de, para o que fra mandado em commissio'pelo
administradwr do consulado,onde elle 3o escriptu-
rario ; commissio de parecer que a pelicao do
supplieante se aVma em jusiica, pois, corno empre-
ado publieo,ee tetu-obrigacouB terminantes a cum-
caddlra <|o 0<-cupa | |>rir, pelo fUe rejfl||flrff<| i
ii orilda/tn estipu-
ladt; m.TS. coiiwfot-o-fntii-t'inartoencarrpgido do
wn servir remlo mais petado do qun o <|ue llu
cabia fazer, jasto q:e mr ,-|.. perciba nina gra-
tilicar-V., inrmnie tjiidu' esiylo seguido; mas,
considefaoda qne o sopplicaote recebeu durante o
lempo em que estevo em commisso o seu respec-
tivo ordenado; a commisso de parecer que so
d a peticionario a gratilieaco pedida, sendo n'el-
ia abatida a qontia que elle recebeu n'estes dia-,
como ordenado do lugar de 3* e-cripturario do con-
sulado provincial, eot'io prope e seguinte projec-
to de lei :
< A assembla legislativa provincial de Ponam-
buco resolve :
< Artigo nico. O presidente da provincia flea
autorisado a mandar pagar Antonio Rodrigues de
Alnuqoerque a gratilicaco de 10 por cento sobre
o capital de 4:2405, que elle cobrou do imposto de
maianca de gado no munici|io desta cidade, sendo
abatido o ordenado dos dias em que servio em
commisso.
t Paco da assembla provincial, 23 de abril de
1864.Silva Ramos.Rochad.
A assembla legMativa provincial de Pernam-
buco resolve :
Arligo nico. E' creada, no municipio da Es-
cada, urna colleetoria de rendas provinciaes.S. R.
Paro da assembla provincial de Pernambuco,
2o de abril de 1*61.Albuquerque Mello. >
A commissiio de Detieda, a quem foi prsenle
o requei imento dos guardas da casa de detenco,
no qual pedem a esta assembla para que Ihes
mande dar os 20 por cento sobre os seus ordena-
dos, como foi designado para todos os empregados
provinciaes pela lei n. 488 de 16 de maio de 1800
art. 31: considerando que estes funecionarios se '
acham em ludo nas mesmascireumstaneias do aju-
dante do administrador, e do escrivao da mesma
casa de delencao, os quaes percebem o requerido
beneficio, de opimie que a petico de justica, e ,
que os peticionarios sejam dcvidamente_ contem-
plado, como requerem, e n'esta conviccao prope
o seguinte projecto de lei :
t A assembla legislativa provincial de Pernam-
buco resolve :
t Art. 1. O presidente da provincia fina autori-
sado a mandar pagar ans guardas da casa de de-
teiifo os 20 por cont sobre seus ordenados, con- j
orme o qpe foi estipulado para todos os emprega-
dos pjovtnciaes pela lei n. 488 de 16 de maio de
1860.
c Paco da assembla legislativa provincial, 26
de abril de 1861. Silva Ramos.-Rochael.
E' lida e approvada a redacao do |>rojecto n. 64. I
O Su. Nabor (pela ordem) diz que, tendo-se vo-
tado na sessao anterior a despensa de mstersticie
do projecto de for?a policial, c volacao sobre se-
melhante despensa, nao foi regular, per isso que
na casa se nao achava presente numero surticienlc
de Srs. deputados, o que demonstra mencionando
os nomes daquelles senhores que se achavara au-
mentes.
O Sr. Bcarquk manda mesa o seguinte reque-
rimento :
Bequeir que se declare na acta que fica sem
efTeito a despensa do intersticio do projecto de for-
ga policial, por ler havido duvidas sobre a regula-
ridade de sua volacao.Bnarque.
Posto votos o rqneriinento, approvado.
I'UIMEIRA i-arte da oiidbm do wa.
Entra em discussao o seguinte parecer :
A commissio de peticoes, a quem foi presente,
a pelicao do juiz de direito, aposentando Antonio
d'Araujo Ferreira Jacobina, na qual pede a esia as-
sembla o pagamento de seus ordenados atrasados
desde o mez de julho de 1834 al junho de 1843.
qno elle dcixou de receber do tesouro geral pela
razo de que osles annos pertencem ao tempo em
iiue a despeza com a magistratura corra por con-
ta dos cofres provinciaes; considerando a commis-
so que o supplicant* foi removido em 1833, como
jniz de direilo para 6 Amazonas, e tanto que em
1833 seu nome nao aimarcceu na relaco dos em-
pregados de justica, que foi apresentada pelo con-
tador que ento servia na thesouraria de fazenda ;
considerando mais queem 13 de novembro de 1837,
isto 24 annos depois de ser removido para o
Amaeonas, foi elle aposentado como juiz, sem que
conste que lenha tido alguma outra nomeacao por
esta provincia : e sendo inalteravel o principio do
que os cofres provinciaes s devem pagar as apo-
sentadoras dos empregados das respectivas provin-
cias : a commisso de parecer que nao pode ser
altendida a dita petico por nao dever onerar
os cofres desta provincia com despezas que Ihe nao
compele satisfazer, e n'esta pensar de opnio que
seja indeferida a pelicao do juiz de direilo aposen-
tado Antonio d'Araujo Ferreira Jacobina. Sala das
MulBw, 19 d.. 180V Silva Hamo.Joaa
Teixeira.Manoel Setto (vencido).
Encerrada a discussao, poslo votos o pare-
cer e approvado.
Entra em discussao o parecer da commisso de
peticoes acerca da preteftcao do coronel Jos Pedro
Velloso da Silveira, que pede a despensa do paga-
mento dos juros que deve fazenda provincial, co
mu liador de Franc:-co Rio da Silva Valonea.
Vai mesa a seguinte emenda ao liuul do pa-
recer :
f Seja reformado o parecer no sentido de ser
admitlido o projecto seguinte :
t Art. 1. Pica concedido ao coronel Jos Pedro
Velloso da Silveira a despensa dos juros que delle
se exige, visto como pagou em lempo competente
as letras. S. R. Ayres Gama.Reg Burros.
O Su. S Pereiua prommcia-se contra o parecer
da commisso e em favor da emenda.
O Su. BOARQUE abunda em cunsideracoes diver-
sas em favor do parecer e. contra a emenda.
O Sr. Aras Gama d.fende a emenda que pos-
ta votos e apoiada, indo a imprimir o projecto.
Entra em discussao o parecer da commisso de
obras publicas acerca do contrato para cstabeleci-
ment de tnlhos urbanos desta cidade ao Apipucos.
O Su. Amvnthas justifica e manda mesa o se-
guinte artigo substitutivo ao parecer :
Artigo unice. Pica approvada a clausula do con-
trato relativamente apertura da nova ra,corren-
do a respectiva despeza pelos cofres municipaes
em preslaces, com juros de 1, 2, 3 e 4 annos..
Carrallw Moma.
O S'i. Jacobina pronuncia-se em favor do pare-
cer da commisso.
O Sr. Buarqi'e oppoe-se ao substitutivo apresen-
lado, renietleudo mesa a seguinte emenda ao pa-
recer :
Que nao seja approvado o contrato na parte
dependente desta assembla, subsistindo ludo o
mais na forma da lei n. 318, ficando entretanto li-
vre aos contraanles abrirem nova ra s suas ex-
pensas..Buarqttf.
0 Sr. Palla Baptista manifesta-so em favor do
substitutivo, cuja discussao tica adiada pela hora.
SECUNDA PARTE DA ORDEM DO Dl\.
%' discussao do projecto que orea a receita e fixa
a despeza da provincia.
Art. 2." A assembla provincial :
t." Subsidio de seus niembros
em tres mezes de sessao ....
% 2. Ajuda de custo aos mes-
mos.............
3. Empregados da.secretaria
g 4. Expediente e asseio da ca-
sa, inclii'ive a diaria do servente
% 5.- Publicaco dos debates e
outras impressoes.....
PUarto if PeMawfcaee ... Tcra letra I *+ Malo fie 11
15 ao servente.........
4.' Mensaliihde dos alumnos
pobres existentes .......
I 3. Museu.........
4005i KM
'2:7005000
I-JOJWW
30:94O#W>
O Sr. Amvnthas :(Naodevolveu seu diecufso)-
Vai mesa e apoiaae a seguate emenda :
Con ojmusendoGrwnasio Pernambucano 1:1005-
Amanillas.
OS.S Pereiua explica e aparte qne deu ao
precedente orador, e declara que volar pela emen-
da por elle ohVeeiita.
O Su. Silva Ramos : (Nao devolveu seu dis-
curso.)
Encerrada a discussao approvado o artigo e re-
jeilada a emenda.
Art. 6o Escola de commercio:
$ 4. Proeiweres-........ 3:1005000
2. Porteiro, servindo de con-
tinuo ............. 3005000
$ 3. Expediente........ 60*000
E* approvado.
Art 7." Aulas de lalim :
nico. Professores .
5:6605000
4:3155000
17:1)405000
1:6845000
6:1605000
700500W
9:00'5000
35:4845000
O Sr. S Pereiua justifica e manda a mesa a se-
guinte emenda :
Ao 4. Com a compra de nova mobilia 1:5005-
S Fretro.
E' approvado o arligo e rejeilada a emenda.
Art. 3." Secretaria da presiden-
eia-da provine a :
g i. Empregados, inclusive 2OO5
de gralilieaco do continuo que
serve no archivo........ 19:4805000
2. Expediente e asseio da ca-
sa, inclusive..a quota de 6005 des-
lio ida um collaborador para co-
piar os antigos liv/us do archivo,
cuja lelia coniega ajiagar-se. 2:9525000
3. Diaria de dous serventes 1:4605000
23:8925000
E' approvado.
Ai 1. 4. Directora geraL:
1." Empregados.......
I 2. Expediente tfasseio dacasa
i 3. Diaria de 15600 a um ser-
vente ...........;.
3:1805000
2OO50OO
8845000
4:2645000
Vai a mesa e apoiada a seguinte emenda.
Inclusive 6005 para aluguel da casa do profes-
sor de latim de S. Jos Rochad.
E' approvado com a emenda.
Art. 5.# Gimnasio Provincial :
I 1. Empregados e professores. 34:4401000
I f Aluguel de casa..... 2:00050W
I 3 Espediente, movis e as-
seio da casa, inclusive a diaria de
Vai a mesa e. apoiada a seguinte emenda :
Inchisive o professor da cdeira do Ouricury.
Buarque.
E' ajiprovado o artigo cora a emenda.
Art. 8 Escolas primarias :
1." Professores, inclusive os de
mais dez cadeiras, sendo oito do
sexo maseolino e dnas do se^> fe-
menino, as primeiras nos lugares
de... e as segundas nos de.... a
razo de 7205 de ordenado e 2005
de gratifieaco cada nm, ficando
suspenso durante o exercicio desta
le o provimentodes lugares de no- '
vos adjuntos..........' 105:5045165
2." Aluguel de casa, movis e
expediente........... 18:0005000,
123^5945165;
Vai a mesa e apoia-se a seguinte emenda :
Inclusive 4005 de adiantamento de ordenado ao
professor de Aguas Bellas, segundo foi votado por
esta assembla.Rochael.
O S. Reg Barros : Sr. presidente, tenho ape-
nas de fazer nina iuterpellar-o a Ilustre commis-
so, a respeito do motivo por que supprimio os lu-
gares de novos adjuntos.
OSn. Joaqtim do Reg Barros .Para satisfa-
zer ao honrado memhro que acaba de interpellar
a commisso de orcamento eu creio que a com-
misso* nao te ve em vista acabar com os adjuntos,
apenas entendeu que alientas as circumstancias em
que se aeha a provincia, a defflciencia dos cofres
pblicos, e alm disso, de pequea vantagem que
resulla da existencia dos adjuntos, se nao deviam
crear novos lugares desses, sem comtudo supprimir
o que existe.
creio que assim tenho satisfeito ao nobre depu-
tado.
Vai a mesa e apoia-se a seguinte emenda ao 1
do art 8.
Em lugar de 10, diga-se 15.P. Baptista.
Vai a mesa e apoiada est'outra emenda :
O professor ou prufessora que tiver mais de 40
alumnos perceber a gratificacao de2005 annuaes,
a mesma gratifieaco perceber o professor ou pro-
fessora que tiver mais de 12 annos de servico, em-
bora nao leuha igual numero de alumnos.S Pe-
reir.
0 Sn. Bitarqi'e manifesta-se contra as emendas.
Encerrada a discussao c o arligo approvado com
a emenda que manda fazer o adiantamento ao pro-
fessor de Aguas Bellas, a que eleva o numero das
cadeiras creadas a. 15, sendo as demais rejeitadas.
Art. 9." Associciago dos artitas 1:0005000
Art. 10 Bibliotheca provincial :
i" Bibliotecario...... 1:0805000
1 2o Aluguel de casa e expe-
diente............. 5445000
mar, jury, casas ifcis auditncias e cadems ; e ac-
ero. serve de cadeia da villa de Buique.Teixtira.de
mtto.~j. Mego Borres.
Emenda.Aeerescenle-se 20:^05T'para con-
moacao da obra de Gymnasio Pernambucano.
Stlea Ramos. ? ,
? *nenda ao g 7 do art. 14 : SendoJ :0005080
,pai3 '**de Nossa Senhor*na Pentia darSer-'
ra Talhada.-B. Franca, Francisco Pedro.-SUva
Bargm. Sikxi Burgos.
Ufo 00 an. 14 em vez da. 50:0005000 para
a nova ponte do Caxang diga-se 10:0815000 para
, reparos da mema.SUva Barios:S. Brandes
Amijnthos.
* NoJ ** art- '* em lagar de i:000# di-'
ga-?e 10:080i.-C(ii-t-,i//io Mam. .
O Sr. P. BkPTisTA justifica e manda mesa o
seguinte requerimeulo f-
fteqnerro o adtamento do art. 14 at que sejm
impressas as emendas no jornal da casa.P. Bd-
li'ia. F
Posto votos o reqoerimeoto, approvado.
Art. 15. Administrajao :
nico. Ordenado doadmistra-
jdor- ............. 2:1605000
Vo mesa as seguales emendas, que sao
apoiadas.
, Ao art. 15 acrescenle-se 8:0005 de subvencao
compaohia dramtica.AraiMO Barres.
Ao art 15 acrescente-se 2:0005 para a pintura'
do theatro de Santa IsabeL S. Ramos.
Os Srs. S. Ramos e Araujo Barros jusiificam as
suas emendas.
Encerrada a discussao, approvado o art. com
a emenda do Sr. Araujo Barros, e rejeilada a do
. Sr. Silva Ramos.
Art. 16 Forca polilicial ....
E' approvado.
Art. 17. Casa de Delencao :
1." Empregados, inclusive ci-
rorgie, barbeiro e cabelleireiro. .
g 2. Euiei iiieiro com a diaria
de 15600,...........
3. Expediente.......
g 4. Illummacao......
A saber: '
Naconacs 258
EsirangeirOB / 38
Mulheres ... 4
Estrangeira .. 1
Escravos ... 63
Escravas ... %
369
. Alimentados a cnstt do cofres pblicos. 137
Movimento do dia 19 de maio. .
Teve alta :
Ltliz Francisco do Sacrainonto.
~
-
ibl?4J: A' dC ATmeidalCan'a' Pwle-nosMU pu-
A BOBINA E 0 PRIXE DE 0UR0.

3 0 i 3 3 M B V 3 f
i "T '

s
237:6595800 .
13:5255600
5845000
2005000
8965000
15:2055600
I E' approvado.
Art. 18. Aluguel de casa para
cadeias e quarteis fra da capital 2:9585oqO
Fica adiada a discussao por ler-se verificado nao
, baver numero de Srs. deputados.
O Sr. Presidente designa a ordem do dia e le-
vanta a sessao.
Art !'. Subvencao Compa-
nhia Pernambucan.......
Art. i2. Auxilio Fazenda Mo-
delo que fr fundada pelo Instituto
Agrcola............
1:6215000
40:0005000
20:0005000
6.i-nnn5ooo
Sao approvados os artigos em dbale.
Arl. 13. Reparticao :
Io. Empregados. .
2. Ex|iediente e serventes.
21:1885000
2:1835000
23:3735000
Val a mesa o seguinte requerimento que
apoiado.
Rcqueiro o adiamento da discussao do artigo 13.
' Bnarque.
E' approvado or equerimento e fica o arligo
adiado.
Art. 14. Obras :
g 1. Reparos e conservago de
estradas e poutes, alm do produc-
do pedagio............ 50:0005000
2o. Cuuservaco e reparos de
caes............. 5:0003000
g 3". Dita dito de edificios. 6:0005000
g 4." Calcainento da cidade do
Recife............. 120:0005000
g 5. Obras contratada, alm
da precedente, sendo 16:6665668
para a ponte de S. Joo e 60:5000
para a empresa Mamede..... 76:6665663
g 6." Obras novas, sendo .....
50.0005 para a nova ponle do Ca-
xang, que dever ser previamen-
te contratada ; 30:0005 para a de
Mot-jcolomb dem ; 25:0005 para
a de l'irapama dem ; 8:0005 para
a construccao de casas para bar-
reiras ; 40:0005 para a continua-
i;o da obras da casa de Delencao,
i|uedevero ser igualmente contra-
tadas ; e 12:0005 para a conslruc-
c.o de ilii.ii cadeias no centro da
provincia........... 165:0005000
g 7. Matrizes, sendo 4:0005000
para a de S. Jos desta cidade 10:0005000
g 8." Para o levantamento da
caria geral da provincia..... 20:0005000
, 452:6663668
Vo a mea e sao a|ioiados as seguntes emendas:
Au g 7" do art. 14 substituido pelo seguinte :
Matrizes sendo 6:00o5O0O para a de S. Jot- desta
tidade, e 1:0005000 para cada una dasseguiutes :
Goianna, Nazaretn, Limoeiro, Iugazeira, Cabo,
Buique, Paoacaca. Jaboato, Una, Ouricury, Gara-
nhuns, S. Bento, Senhor Bom Jess da Igreja Nova,
Caruar, Serra Talbada, e-um para a irgreja de S.
Antonio de Pedras 'de Fogo 22:0004000 Francis-
co Pedro.leixeira de Mello.Soares Brandao.
Goncalves da silva.Andrade Lima.Ai-minio.
Maranhao.Rochael.Reg Barros. -J. do Rega
barros.
O g 6o do arl. 14 seja substituido pelo seguin-
te : Obras novas, 4seudo 8:0005000 para eoncerlo
da ponle de Caxanga que dever ser contratado ;
30:0005000 para a de Motocoloma, dem 25:0005
para a de Pirapama, dem; 8.0005000 para as
conslrucees de casas para as barreiras; 40:0005
para couliuuaco das obras da casa se delencao
que devero igualmente ser contratadas ; 12:0005
para con-iruce.au e reparos de cadeias amulo e
como o governo adiar mais conveniente: 123:0005
Araujo Barros. Soares Brandao. Ayres
Gama.
< Emenda ao cap. 4 art. 16, g 6 : E 3:0005
para construccao de um acude em Salgueiro. SU-
va Horro.Suca Burgos.-Franja.
Emenda ao cap. 6o art. 14 6. E 2:5005 para
construccao de um acude em Flores.Silva Burgos
Silva Barros. |
Emenda ao art. 14 6o: Sendo metade da
verba destinada a constru^So da cadeia de Naza-
reth.Oliveira Lima.
Acrrescente 6:0005 para canalisa^ao d'aizua
potaval para a cidadenda Victoria.S. K.Carwa-
Ihv Maura.
Emenda ao cap. V art. 14 6 4:0005000 para
dous a9des no termo de Buique comarca de Ga-
ranhuns, os lugares em que a cmara designar.
- 'leixeira de Millo. -1. do Reg Barros.Silva
Burgos.
1 Ao 5 do art. 14 do tit. 4 acerescente 6:0001
para urna ponte sobre o rio Mundau' na povoacao
de Correte, comarca de Garanhus.Tetxeira de
MelloJ. Reg Barros.Silva Burgo. >
Suppnma-se o '8 do art. 14.S Pereira.
t Ao I 7o diga-se sendo 1:0005000 Jpara a ma-
triz de Barreiros.S Pereira. 5
t No final do g 6 diga-se sendo 6:0005000 para
acabamento da casa da cmara principiada na vil-
la do Bonito afitu de servir para as seques da ca-
REVISTA DIARU.
Entraram hoetem em julgamento na sessao do
tribunal do jury Joao, escravo do Sr. Francisco
Accioli de Gouveia Lins, e Floriano, escravode Sr.
M.moel Ji Pereira dos Santos, pronunciados nas
penas do arl. 269 do cdigo penal, pelo roubo que
teve lugar na ra do Queimado, em urna luja de
ferragem de Jos Vielor da Silva Pimental.
0 ministerio publico a cargo do respectivo pro-
motor, r. Jos Paulino da Cmara, sustentando
com habilidade a autora resultaute de presump-
c,6es cuntidas em pecas do processo, concluio por
pedir a imposigo das penas da pielle artigo no
grao mximo ; visto que coucorreram na perpe-
trado do criuie as circunstancia aggravantes dos
lo 17 do art. 16.
Seguiram-se na palavra os advogados dos reos,
os Srs. Drs. Angelo Henriques da Silva e Jos Ro-
berto da Cunha Salles ; os quaes produziram com
lucidez a defezaem sentido negativo da autora im-
putada.
Terminados os debales, recolhe-se o conselho
sala das conferencias, d'onde voliaodo em seguida
com as respostas aos quesitos, lida pelo Mr. juiz
de direilo a seutenea absolutoria, na conformidad.'
das inesmas respostas.
No dia 24 de abril prximo passado foi ins-
t.lila.la nesla cidade a sociedadeAtheneu: Philoso-
phico Lilterario ; e procedendo-se a eleico da di-
rectora e mais commissoes que leem de reger os
trabalhos da mesma sociedade, foram ele i tos :
Presdeme.Jos Paulo do Reg Barreto Filho.
Vie/presidente.Alexandre Jos da Costa V-
leme.
1o secretario.Flix Ribeiro de Carvalho Jnior.
2o dito.Aquilino Gomes Porto.
Orador.Amancio Goncesso de Cantalice.
Thesoureiro. Antonio Silvio Ferreira de Car-
valho.
Commisso de Syndicancia.
Joaquim Manuel Vieirade Mella
Flix miieiiu de Carvalho Jnior.
Antonio Silvio Ferreira de Carvalho. .
Commisso de exame.
Aquilino Gomes Porto.
Cbristovo do llego Gomes Porto.
Alexandre Jos da Costa Valeute.
No sabbado deu a sociedade dramtica Jlr-
creioe Unido Familiar asuarepreseiitaeo mental,
correndo no todo o especlaculo do mudo satisfac-
torio.
Amanha se extrahir a ultima parte da se-
gunda e priuieii.1 da terceira lotera da igreja do
Carino.
Hontcm colebraram os Rvms. misionarios
capucbiuhus, no seu hospicio, urna missa selemne,
pelo desianco eterno do Exm. e Rvm. Sr. bispo, a
qual assistio grande numero de pessoas.
O va|ior francez Guienne, sahido hontem para
a Europa, conduzo dos pollos do sul 265 pasan-
geiros, sendo 77 |ara Lisboa e* 188 para Bordos.
Entre os primeiros acha-se o Sr. brigadeiro Luiz
Antonio Favilia, e entre estes o Exm. Sr. ronse-
Iheiro Joo Lius Vieira Cansanso de Sinimb e o
Sr Alfonso Gonella secretario da legai-o italiana
no Rio de Janeiro.
Pedem-nos que chamemos a altenco da po-
lica para o seguinte :
1 Margai ida. de 18 20 annos de dade, parda,
liberta, por carta lancada nas notas do tabelbo
Vieira de Mello, em Limoeiro, em agosto de 1863,
foi vendida em novembro do mesmo anuo pelo ma-
rido de sua senhora, que vive della separado,
urna pessoa de Pao d*Aiho, que de prsenle quer
vende-la nesla cidade do Recife.
Moradores da ra de S. Francisco se nos
queixam de algazarra que fazem uns vizinhos fes-
teiros, todas as noites, desde as 7 da noite al 2.e
3 da madrugada, com grave incommodo dos que
desejam repousar noite.
Chamamos para isso a ltenlo do Sr. Dr. dele-
gado.
Seguio hontem no Oyapock o nosso collega e
amigo, Dr. Heracho Vespasiano Fiock Romano, que
vai tomar canta do lugar de juiz de orphos da ca-
pital do Para, para o qual foi honrado com a escu-
lla do governo imperial.
Desejamos-lhe prospera viagem, sendo cerlo para
nos, que o conhecemos de perto, que all nao ir
representar seuo os interesses da justica com iu-
telligeucia, e sem dospr-se no entretanto da ame-
nidade do trato e da,docilidade de genio, que Ihe
sao caractersticos.
REPARTICAO DA POLICA.
Exiraclodas parles dos dias 29 e30 de maio do
1864.
Foram recolbidos casa de detenco no dia 28
de maio:
A' ordem do Dr. delegado de S. Lourenco, Jos
de Araujo Monte, Adeliano Flix de Araujo Monte,
como pronunciados ; Manoel Joaquim de Campos,
Manoel Lourenco do Nascimento, Victoriuo Jos de
Santa Anna, para recruUs.
A' ordem do subdelegado do Recife, Delfino Ma-
noel do Nascimento, para correccao.
A' ordem do de Santo Antonio, Joo, escravo de
Marcelino orneilas Cmara, sem declarado do
motivo.
A" ordem do do S. Jos, Ventura, escravo do Dr.
Dornellas, por infracco de posturas.
A' ordem d da Bja-Vista, Jorge da Costa Mon-
teiro, por embriaguez ; e Pedro da Cost, por cri-
me de furto. _
A' ordem do de Jaboato, Pedro Jos da Porciun-
cula, por crime de reduzir pessoa livre escra-
vido.
Dia 29.
" A' ordem do lllm. Sr. Dr. chefe de polica. Luii
Francisco das Mercz e Rosendo Baplista, ambos
sem declaraco do motivo.
A" ordem do Dr. delegado da capital, Manoel
Preire de Brito, para averpuades.
A' ordem do subdelegado de Santo Antonio, Ma-
ra, escrava de Jos Caetano de Albuquerque, re-
querimento deste.
A' ordem do de S. Jos, Roberto Henriques e
Joanna Maris de Jess, por disturbios.
A' ordem do de Jaboato, Auna Mara da Con-
cejero, por crime de reduzir pessoa livre escra-
vidao.
0 chefe da 2* seccao,
J. G. de Mesquita.
Movimento da casa de detenco, no da 27 de
maio de 1864.
. Existiam. ... 369 preses.
Entraram... "16
Sahiram .... 16 > '
Exisiem_____ 369
*\. r1 1 3 Masculino. 1 SI >
* 1 M is> o> 1 Feminino. 1 > Pl
j- 1 m 1^ Masculino. | 9> m
m 1 A II 1 Feminino. 1 ' si n
.1." c A Masculino. vi 0
.i. * H Feminino. < 0 en
1 1 SI - * te 1 ? I Masculino. K S 3
i = 1 . A w tf9 Feminino. (1
-i i 90 1 1 1 I ce 1 -4 Masculino. | c* 0 > -
si 4 00 Feminino. i
I
TOTAL.
=
B3
I
o


o
ce
3
00
o
1|2.
3|4,
alie-
ADVERTEXCIA.
Na totalidade dos doenles existem 170, sendo
alienados 9 homens e 25 mulheres.
Foram visitadas as enfermaras estes dias :
Pelo Dr. Ramos s 6 3|4, 7, 7, 6 1(2, 7
7, 7.
Pelo Dr. Sarment s 8 1|2, 8 20, 7 li2, 6
8 10, 8 1|2, 10 por caso judicial.
Falleceram :
Jos Mana das Neves, phtysica pulmonar.
L'ma mulher preta, cujo nome se ignora,
nada.
Rosa Mara, preta, gatro interite.
Victorino da Costa, preto, gastro interile.
Mara Ignez, preta, inlerite.
Pasageiros do vapor francez Ouwnne. vindos
do Rio de Janeiro :
' Andrade, Frederico Huber e Francisco da Bocha
Cavalcanti.
Passageiros do vapor nacional Mamanguape, vin-
do de Macei e por tos intermedios :
Jos Moreira das Virgens, segundo cadete Jos
Faancisco de Oliveira e sua senhora, e Vicente
Doce.
Passageiros do vapor francez Guienne, sahido
para Bordeaux e pertos intermedios :
Jos Maximiano Pereira Vianna e sua senhora,
Bernardino Duorat, Frederico Guttier, Lindolpho
Jos Burle, Henrique Jos Burle, Fehsberto Igna-
cio de Oliveira, Augusto Colombier, Raimundo
Mege.
Pasageirss do vapor nacional Oyapock, sahido
para os portes do norte :
Alferes Antonio Washington Jansen Lima com
4 pracas e 1 preso, Jos Nicolao Pereira, alferes
Jos Joaquim V. D. das Neves, Joaquim de Mello
Azevedo, Dr. Pedro Carlos Ribeiro, 2 escravos do
Dr. Francisco de Souza Carvalho e 1 criado, Ma-
noel (tabello de Oliveipa, Jos dos Santos Coelho,
JosGmcalves dos Santos, II. V. F. Ramn, Jos
Francisco de O. Petisco, Adriano dos Santos, Jos
Januario Aranha, Man Vicencia da Cooceieo.
Obituario do da 28 de maio, no cemitbrio
publico :
Clemente Estacio da Silva, Cear, 22 annos, sollei-
ro. Boa-Vista; typho.ie.
Manoel Antonio da Costa, Pernambuco, 26 annos,
solteiro, Boa-Vista; phtysica pulmonar.
Amonio, escravo, 8 mezes, Santo Antonio ; den-
lifo.
Agostinha, Pernambuco, 1 anno, Boa-Vista ;
idem.
Leocadia. Pernambuco, 12 anuos, S. Jos ; tubr-
culo pulmonar.
Dionizio, Pernambuco, 7 mezes, S. Jos; identicao.
Leandra, escrava, 5 aquos, solteira, Santo Anto-
nio ; gastro hepatite.
Victorino da Cosa. frica, 56 anuos, solteiro, Boa-
Vista ; idem.
Paulo, Pernambuco, 3 annos, S. Jos tubr-
culos.
Hanoel Pernambuco, 7 mezes, Santo Antonio;
. phlvsica.
Miguel, Pernambuco, 7 mezes, Sanio Antonio ;
denlicao.
Rosalina Mara da C.onceico, Pernambuco, 20 an-
nos, solteira ; inllauinaco.
Jovino, Peruainbuco, 6 anuos, S. Jos ; convul-
ses.
Francisca Mara da Conceco, Pernambuco, 50
annos, solteira, S. Jos ; dyarrha.
(toninas)
Debrucada na colljna
Rente quasi a beiranuj^
Triste e candida bonina
No asul se eslava a mirar.
De repente um peixe de ooro
Do mar contempla-a. -. e parou.
Era do ocano um thesouro
Que outro da trra cegou.
E diz-lhe : Que fares, triste,
Qne procoras outro chao,
Tu, cujo hostil nao resiste
< Ao suprar do uracao ?
t Que fazes ? F ella responde:
Adoro o mar desque o vi.
t Dizeni, certo, que elle esconde
t Bellezas mais que as daqui.
t Quero ver a qne elle encerra
(.lucro gosar novo amor >
c E's tu lindeza na ierra...
Nao veuhas, nao venhas, flor I
c Se cu na terrisou lindeza
Tu s lindeza no mar.
Vou... Ai I meu Deus t eslou presa I
Nao posso s ondas voar I
Nao venhas t O mundo mente I
1 Oga-te o ail ? Olha o eu I
Fetura de um Deus clemente
Ama a Ierra que te deu.
Nao I quero o mar !Nistoa brisa
Verga, verga e quebra o haslil,
E ei-la que., alegre, desli-a
Nas crespas ondas de ail I
Ai! por que a ierra deixaste
Por vir no ocano niorrer ?
invejei, como invejaste ?
Quiz cu na trra viver ?
J que foste curiosa,
Ja que desprezaste a Deus ;
SulTrers inorle afrontosa
No leilo dos escarceos I >
Debrucada na colina,
Nas oudas a se mirar,
Nao pende mais a bonina
Mora uo le lo do mar !
L-se no jornal Europe:
Os jesutas vo, segundo se diz, fundar em Cons-
tanliuopla um grrnde eslabelecimento.
J para esse lim compraran! dous terrenos, feu-
do um del les de 250,000 ps nas alturas da aldeia
de Orla Kenti, e outro do 50,000 na mesma aldeia.
A celebre compantna esta lambem em negocia-
coes para oompra de urna das maiores casas de
Pera, que transformar parte em igreja e parte
em aposentos para um cerlo numero de religiosos,
que alternadamente oceuparo o pulpito e o con-
fessionario.
O Commerci do Porto diz :
l'm menino, conta o Tempe, respondendo ba dias
.10 padre que Ihe pergunlava, por que que Ado
e Eva liuhain sido expulso do Paraso, disse :
O bom Deus expulsou-os, por que nao paga-
rain o aluguel.
Isto foi dito com urna roa de profunda con-
vcea
Soube-se depois que os pas do pobre menino
acabavam de ser des|iedidos pelo senhorio por nao
poderem pagar o aluguel.
Fez-so inmediatamente urna collecta, qne produ-
110 urna suffrivel somma.

O governo francez olTereeeu em tempo um pre-
mio ue 100,000 francos ao medico que descobrisse
um remedio ou autidoto etllcaz contra o cholera-
morbus.
Parece que um francez que com esse proposito
foi India, descubri o desejado remedio, para o
qual serve de base belladona.
Esta noticia fez grande sensaeo na Europa, so-
bretodo na Inglaterra.
ei ruin ir t.'iti" 111 i- '* m...v iv -- v..... .
36 Os lluguenolles ; em 1849 Propheta ;
854 A Estrella do Norte; e em 185'J o Per-
M POICO DE TDO.
No dia 2 de maio falleceu em Pars, depois de
una curia doenca de oito das, o famoso composi-
tor Giacoin.) Meyerbeer, amor das operas Roberto
do Uiabo, lluguenolles, Prophetae a Africana.
Esta ultima uo roi anda representada.
Nascera em Berln a 5 de selembro de 1794, e
conlava perianto 70 anuos de idade.
Era filho do rico banoueiro, piden, Jacques Beer.
Aos 7 annos era j um pianista" prodigio.
A sua primeiraopera foi o lo de Jepltt,repre-
sentada em Munich em 1812.
Em 1814 escreveu em Vienna a opera cmica
Abimelech ou o Deus dos Califas.
A 20 de julho de 1817 fez representar em Padua
a sua primeira opera italiana Romilda e Constanza
Km 1819 deu em Turin a opera Simiramide ri-
conoscinta, e em 1820, em Veneza, a sua fama
de Resburqo.
Depois de ter escrpto para a Opera de Berlin a
Porta de Bransdeburgo, voltou Italia e deu na
Sella de Milo a Manjurula de Anjou.
Escreveu em seguida as operas Estila di Grenala
o Afmanzor; em 1825 deu em Veneza a sua opera
// Cinciato in Eijlo ; em 1831 Roberto do Diabo ;
em 18
em 1854
do do Ploirmel, opera cmica.
Deu lambem em 1844, em Berlin, a opera pa-
tritica t campo da Silesia.
As suas comiwsicots religiosas sao :
A oratoria Uens e a Natureza, um Stabat, um
Miserere, um Te-heum, doze Psalmos, e os Oito Can-
ticos de Hopstock.
Escreveu para o casamento do principe da Prus-
sia a celebre Marclieaux flamheoux.
A Africana a sua opera indita.
Meyerbeer era condecorado com muitas ordens,
e commendador da Legio de Honra.
__
O Memorial do Libe, conta o seguinte :
Um lavrador abastado, vi nvo, e j de certa ida-
de, enamorouse ha cousa de um anno de urna ra-
panga de dezoiio annos, e casou com ella.
Seis mezes depois, um lilho que o viuvo tinha do
pnmeiro matrimonio, enamorou-se da mi da sua
madrasta, mulher anda bella e de ti ma e seis
annos, e quiz casar com ella.
O pai hesitou em dar o seu consent ment, po-
riii o filho insistiu, e foi preciso ceder : o man-
cebo e a viuva unlram-se |>elos. lacos do hymineu.
E assim licou um pai socro e geuro, urna esposa
madrasta do seu proprio padrasto, e urna sogra do
seu proprio genro.
A confuso anda deve ser maior, se dos dous
casamentes houver filhos.
__
L-se na Chronica de Parts :
Hontem, na representaco do theatro italiano no-
tava-se, que no camarote da bocea, fronteiro ao ca-
marote Imperial, um joven russo, que pelas suas
liberdades de grande senhor, fcilmente ser re-
conheeido pelos nossos leilores, em cada acto lau-
ca va a Mlle. Palti, nao s magnficos bouquets,
mas tambem bracelleles e outras jotas de melhor
gusto.
Esta ovacao nova em Paris, e que Mlle. Part aco-
liten o mais graciosamente possivel, produzio urna
certa sensaeo na sala e na scena.
CHI.0.MU JCDICIARii
tkibcvil i>o <<> n nh.m 10.
SESSAO ADMINISTRATIVA EM 30 DE
MAIO DE 1864.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. CONSELHEIRO
SOUZA.
As 10 horas da manha, reunidos os Srs. depu-
tados Reg, l.emos, Alcoforado e Rosa, o Sr. pre-
sidente declarou aberla a sessao.
Lida, fui approvada a acta da ultima.
DESPACHOS.
No requerimento de Jos Antonio dos Santos-
Fontus, pedindo o registra do seu contrato social.
Hegistre-se e publiijue-se..
So de Joo Baptista Tollos, ajunlando documen-
tos |iara os autos de sua rehabilitaco.Junto aos
autos, com vista ao Sr. desembargadOT fiscal, vol-
tem a Coiicluso.
No do porteiro Antonio Correa Maia, pedindo de-
terimenlo a sua petico.Selle a pelicao.
No do Victorino Jo.- Ferreira, pediudo rehabili-
taco. Auioada pelo ofllcial luuoceucio, vista ao
Sr. desembargador fiscal.
SESSAO JUDICIARIA EM 30 DE MAIO
DE 1864.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. CONSELHEIRO
SUIZA.
Secretario, Julio Guimardes.
_ Ao melo-dia, o Sr presidente abri a ses-
sao, estando reunidos os Srs. desembargadures
Silva Uuiuiares e Peretti, e os Srs. deputa-
dos Reg, Lomos, Rosa, e C. Alcoforado.
Lida, lu approvada a acta da sessao antece-
dente.
JULGAMENTOS.
Appellanle, Jos Juaquim da Silva: appeados.
Ribe.ru & Cadulf.
Sorteados os Srs. Lemos e Rosa.
Fui confirmada a sentones appellada.
Appcllaules, Kerreira & Matheus ; apiiellados, os
Curadores liscaes de Ro.-lron Rouker c C.
Sorteados os Srs. Lemos e Reg.
Foi confirmada a seutenea appellada.
Appilianles, os curadoies liscaes de Amorira &
Filhus ; appellado, lluurique Augusto Millet.
Foi julgada a desistencia.
Appellanle, Manuel Jos de Siqueira Pitanga ;
appeliadus, o presidente e directores da caixa filial
do banco do Brasil nesla cidade.
Sorteados os Srs. Rosa e C. Alcoforado.
Foi reformada a seutenea appellada.
PASSAGENS.
Appellante, Jos Paulo da l-'onseca, lestamenteiro
de Manoel Joaquim Dias de Castro : appellado,
Joaquim Ferreira da > osla.
. Appellaute, Francisco Jos da Silva Ralis ; ap-
pellado, Jos Rodrigues Ferreira.
Appellaute, Juu Piulo de Lemos Jnior ; appel-
lada, 11. Amia de Suuza e Silva.
DoSr. desembargador Silva Guimares ao Sr.
deseuibargadur l'eiein.
DISTRIBUICOES.
Appellantes, San Mndel, de Mauchester, e os
curadores liscaes da ma.-sa fallida de Rostrou Roo-
ker a C.; appellados, Kalkinau A Irmos.
Ao Sr. desembargador Peretti
AGRAVOS.
Aggravante, Antonio Joaquim de Mello ; aggra-
vado, Manoel Joaquim Baplista.
Aggravautes, o presdeme e directores da caixa
filial Uo banco do Urasil; aggravado, o curador
liscal da fluencia de Manoel Jos de S Araujo.
Aggravautes, Francisco Xavier de Oliveira e Ma-
noel JuaqUIm de Paria ; aggravados, os adminis-
tradores da massa fallida, de seve Finios 4 C
O Exm. Sr. couselheiro presidente negou pro-
vi meu lo.
Nada mais houve, e encerrou-se a sessao J>
horas da tarde.
CORRESPONDENCIAS.
Srs. redactores.Vi publicaco da sessao de 23
de abril da assembla provincial houve um enga-
o, que refenndo-se a um Sr. deputado, que se
acha ausente e a mim. deve ser rectificado.
Tendo sido sustemado o projecto n. 78, que con-
ceda um abate a Flavio Ferreira Catao, com ra-
zos de equidade, e sendo esta concesso om fa-
vor, 1 orno declarou um dos niembros so de orcamento, a quem foi woiettida a pelicao,
eu requer que a volacao fosse nominal. Pensei
que em questoes pessoaes d'esla ordem, todos os
Srs. depuiadus quizessem assumir a responsabili-


alarlo de PrraHn*N Tersa
m Mato d t**.
dade individual do voto: a asamblea rogeitou o
Ukeu re'jei -monto. ? Kujetsto fui approvjid. liu
rjadi ujue o meu. voltxioiilra, toss- inserido na acta,
o mesma podido fez o Sr. r. Jos MarU de Albu-
qucr<|uc o Mello, aereseentando que tinte-volado
a favor em primeira diseussao, o que se nao po-
desse sor admitlida esta sua cupHe-oTu reina va O
sen pedido.
Na pnblicacao dos dbale*, acredito que por en-
gao, fu nane deste incidente mencionado em se-
guida a diseussao, sobre o projecto rotativo aos
caixeiros, para o qtoaJ. ningijeui requemo votacao
nominal, oem houve pedido para ser inserido na
acia o vol de algum Sr. depnlado.
Qercaziu Rodrigues Campello.
1
e
1 ".' J" _JJU !
PBBUCACQES
i PIMD3.
Juma! do Commercio do 13 de maio, lse: missa
de He
juien).
flem hontem lugar na groja de S. Pedro a mis-
sa do elimo da pur alma do fallecido bispo de Fer-
nambueo D. Jnoda Punlcaca Marques Perdig o,
mandada celebrar pelos lew prenles e amigo o
l)r. Alnieida Bast s, que deve ao illustre finado to-
dos os cuidado- e auxilios de sua educacao liltera-
ria. .
Assstiram os Exms. Srs. ministros de Portugal, i
cnsul geratde Portugal, viseonde de Souto e Es-
trella, cominendado[v> Res Pereira Felicio, Cha-
gas d'Andrade, deaembargador Pereira Mouteiro,
e oiin a pessoas gradas' da capital. ,
Consta que o mesmo Sr. i)r. Alnieida Bastos,
mandara regidarisar as obligarles do compromis-
so da irmandade do S. Pedro, a qual periencia o
virtuoso prelado, alim do que tenlia lugar o respec-
tivo oflicio .solemne do urssiuio dia, assim acaba
de pagar oSr. Dr. Alnieida Bastos o ultimo tributo
amigo e protector.
Consta-nos que o Sr. Dr. Alnieida Bastos, qne-
rendo pagar ao seu bemfeitor c amigo, uin tributo
de rcuouuecimenio esta colligindo alguns aponte-
meiitos biugraphicos acerca do virtuoso prelado
que acabamos de perder
Daremos delles couliecimento aos-nossos leito-
xes.
pastilhas ycimifujas de Keuip. 1
As pastilhas vermfugas de Kemp sao por sem
lu\ida alguna inlinitamente mais elficazes e uteis
do que lodos os inais remedios perigo>os e nausea-
bundos que exislein para a expulso das lombri-
gas.
Ellos nao somonte expeliera e dsiroem esses in-;
eommodos taraslas mas tambera reniovem a mu-
cosidade em que elles se engendrara impedindo j
por esta forma a sua reprodueeao.
Aiuda nao se eneoutra um so caso em que ellas |
tenhain deixado de produzir o desojado effeito de
una maueira satisfactoria. Em virtude de se
acharem exeinptas de ingredientes irritantes, nao
causira ellas dor ou iueuramodo de qualidade al-.
gama e por meio da sua accao balsmica suavi- i
san o v.-itre e o deixam no estado de urna salu-.
bridade perfeita.
As mancas as confundem facilmenle cora outros
coiifeitos ordinarios em razio da sua aoparencia e
sabor, e goslam dola- tanto quauto gostain de pro-
pnos doces.
A venda as boticas de Bravo k C... Caors & Bar-
Loza. .
Altenco
Xarope alclioolico de veame, preparado pelo
pharinaceutieo Jus da Bocha Paranhos, esttbele-
ido eom botica na ra ireita h. 88 em Pernam-
ueo.
Este xarope incontestavelmente superior a to-
dos os xaropes-depurativos, de cuja composicao
o seu maior elemento a salsa parrilha, pois que se
tem ronhecido ser o veame mais enrgico para a
prompta cura das molestias, cuja base essencial
4 pende da purifieaco do sangue : assim pois se
tem verificado por muitas pessoas que se achavam
desengaadas, as quaes acham-se hoje restableci-
das rom o referido xarope alchoolico de veame ;
entretanto que alguus, letido usado do xarope de
Curinier. de Larrey, de misa parrilha, de sapona-
ria, oleo de ligado de baealho, e ontros agentes
de.-la ordem nada conseguirn). elle de fcil
dir'estao, agradavel ao paladar e ao olfato. Alguus
k mdicos desta oidade o da de Macei o teem re-
commeudado para a cura das
Impigens, ludia, esrrophulas,
Tumores, ulceras, ei-corluiio.
Cancros, sama degenerada, lluxo alvo.
Todas estas aTeceoes provin de urna causa in-
ferna ; nao ha p >is raso alginna em crer que el-
las se podom curar cora remedios externos. Tam-
bera se pie-nev o xarope alchoolico de veame
. para o tr.itamenio das alTeceSes do systema nervo-
so e libroso, taes como :
Golla, rheumalismo, paralysia.
Dores, impotencia, esterilidad!-.
Marasmo, hyporondria, emmagrecimento
O xarope alchoolico de veame sebretudo, da
maior ulilidade para curar radicalmente, e era
pouco tempo o rheumalismo.
A Iverle-se que o verdadeiro xarope s se vende
nosta cidade na botica cima indicada do ahaixo
asignado ; e em ouira qualquer parteque se tem
annuneiado nao da moma composicao, e nem o
abaixo assignado se responsabilisa.
Jos da Bocha Paranhos.
COMMERGIO.
NOVO BtXttDEFEMAUtCO.
O novo banco de Parnambuco paga o 12" div
deudo a razo de 9 por accao.
Alfandega
fiendimento do dia 1 a 28.......
dem do dia .'(O.................
610:8075115
27:334734
638:1415876
JNovlmcuto da alfandega
Voiumes entrados com fazendas... 475
t com gneros... 532
Voiumessahidos com fazendas... 117
c com gneros... 1,368
1,007
1,483
trigo.
Descarregam no da 31 de maio.
lirigne dinamarquezFortuna farinha de
Bngue ingle/. Gtnurusbaealho.
Galera francezaSolferino -mereadorias.
Barca portugueza -Sympnthia idem.
Barca inglezaArrear tile -farinha de trigo.
Barca ingleza -Margarelh mercadorias.
ecebedorla de rendas Internas
ceraes de Pernambueo.
Bendimento do dia 1 a 28........ 26:7394811
dem do da 30................." -1:5805295
28.3205106
Consnlado provincial.
endimento do dia 1 a 28......... 75:3715148
dem do dia 30................. 3:8555301
I rae a
79:2265449
de Lisboa 11 de malo
de 18tt-i.
Migo* dos amaos de kxi>ortaqo.
Algodo de Pernambueo, arral, d., 5 i0 rs.
Dito do Maranrtfio e Pira, dem d., 490 a 500 rs.
Assncar do Pernainbaeo, branco, @ 25100 a
25350
Dito inascavado idem, 15800 15900.
Dito do Rio de Janeiro idem, 14300 a 15900.
Diio da Baha, branco, dem, 250. a 25100.
Dito mascavado, idem, 158 a 15900.
Dilo do Maranliao, branco. idem 25000 25130.
Dito masoavado, dem, 15800 a 15950.
Dito do Para, bruto, idem, 15730.
A'uardeiile de caima do Brasil, pipa, 435000 a
445000 .
\rroz do Maranliao e Para, superior, 65l>i a
65800
Dito bom, 64600 a ?800.
Caf do Rio, primeira son, 3> b, 45700 a 45800.
Dito de sogumla sorle. dem, 45*00.
iaeo do l'ara; idem, J5I 354 0.
Dita da B ihia, 24800 a 35000.
Cera amarrtla de Angola, ar. h. d. 33o.
Dito de Bnnpiiell.i, idem, 338:SWIr.
Cravo do Maranli:io, ar. d, 180 a 3u rs.
Dito de Cirofo, dem c, 00 a 10J rs.
Castaphas do Maraohao, dem b, 15000 a 15100
res.
Clui-ds, mlhairo b, 95000 a 405000.
Couros seceos do Rio, arral. 120 a 128 rs.
Ditos verdes do Para, idem, 70 a 78^,
Ditos espichados da Babia, dem. 120 a 1*5 rs.
Ditos ditos do Maranliao. idem, 100 a 120 r.
Dilos silgados do Maranliao.lde.n b, 100 a HO rs.
Ditos ditos de Purnambuco, idem, 100 a 115 rs.
Ditos ditos da Baha, dem, 100 a 110 rs.
Ganella da China, 230 rs.
Com ni los, a c, 24600 a 34000.
Erva-doce, dem, 35000.
Gotnma copal eapol, idemv 45800 54000.
Dita dita amarella, idem, 45200 a 455W).
Dita branca, idem, 15800 a 25000.
Dita do Brasil, idem, 15200 a 15800.
Melaoo, pipa c, 365000.
Oleo de copaluna, barril b.. 325000 a 344000.
Salsa parrilha superior @ h., 165000 a 185000.
Ditadia regular, idem. 115000 a 134000.
Dita dita ordinaria, dem, 85000 a 94000.
Tapioca*oa, < d., 15600 a 2^200,
Cruc arrat. J20 a 160 rs.
Vaqueta* do M.iraufeio nina. 14700 a 25100.
Ditas do-Pirr, id.m. 15780 5IW0.
Ditas de-Pernambuco, dem, 15700 a 25100.
Cambios.
Londres a 30/ v 52 7|8
a 60/ v 53 i|8
... a 60 v 53 3|.-|
Pars a 100 '/' 532
Genova. a 3 -/a 528
Hamburgo. a 3-/* 47 1|2
Amsterdam... .a 3-/* 42(8
Madrid .... a d/v. 935
Porto ... a 8 d/v Par.
liletaes.
Pecas de 85000..... 84040 a 84080 a onro
Oncas hespanholas. 145900 a 135000 a
Ditas mexicanas ..... 144250 a 145350 a >
Aginas dos Estados-Uni-
dos .........'. 185550 a 185600 a ouro
Soberanos........ 45490 a 44500 aprat.
Ouro cerecado. I 25010 a 25020 a our.
Patacas hespanholas ... 940 a 5930 a
Ditas brasiloiras : 4960 a 5960 a
Ditas mexicanas..... 4940 a 4950 a 1
Vinte francos...... 34560 a 34580 a
Cinco francos...... 4880 a 4890 a
I 'rata portugueza..... 85000 a 84040 marco
Fundos e aceoet.
p. c. de assentomento '. 49 3|4 a 50
Coupons........ a a
Banco de Portugal.....5335000 a 3355000
> Commercial do Porto 2605000 a 262501
Mercantil 2605000 a 2645000
O banco de Portugal e o Commercial do Porlo
com e 2o semestre de 1863 pago.
Revista commercial
De 28 de abril a 11 de maio.
Depois da nossa ultima revisla o mercado con-
servou-se quasi sem alteracao, e com poucas ex-
cepgoes, as vendas realsadas forara regalares
para com todos os gneros de imporlacao, expor-
tacao e reexiwrtaco.
.No mercado de fundos tem-se notado bastante
frouxidao, realisando-se poueas transacedes, bai-
xando as cotacijes como se v, confrontando as ac-
tuaes com as da nossa antecedente revista.
Assncar.Anda por alguns dias depois da sa-
bida do Guenme se conservou esle genero na mes-
111.i situa^ao em que o descrevemos na ultima re-
vista, mas depois, em consequencia da subida do
dinhiro-cm Inglaterra, o mercado affrouxou, pa-
rausando mais o deseuvolvimenlo que ia tendo, e
qne se notava as transaccoes realsadas, com lu-
do bouveram algumas vendas, e urna das nossas
prineipaes casas commerciaes realisou compras de
2,000 sacros de Pernambueo, realsando tambem
vendas para consumo em escala regular.
As entradas foram de 79 Barricas, 2 caixas di-
tas e 208 saceos do Maranhao ; 117 barricas c 300
saceos da Madeira, 19 barricas e 60 saceos do
Para.
-Nao houve reexportacao e a existencia boje de
Caixas Feixos Gigos Paneir. Barrc. Barriq. Saceos
1631 292 13 24 2453 31 63870
Algodo. Vigoram as antigs cotac5es para o
do Brasil, nos limites das-quaes so fizeram bastan-
tes transacedes.
Nao colamos o de Angola porque as pretencoes
dos possuidores, e as offertas dos compradores es-
taoein distaucia tal, que nao podemos dar urna co-
taco positiva.
Nao obstante diremos que urna pequesima
porco (qualidade baixa) foi vendida a 380 rs.
Aguardamos, pois, os preco: que se abrirem para
as rnelhores qualidades.
As entradas foram de 201 saceos do Maranhao,
9 fardos e 30 saceos de Luanda.
Para Londres reexportaram-se 4 saceos, para
Liverpool 6 fardos e 22 sacos.
Agurdente do Brasil. O mercadoestava exhaus-
to ebegada do Mura Luiza do Maranhao, que
trouxe 20 pipas, 3 barris e 2 parrafoos, e que li-
cam a descarga. Nao temos, pois, a alterar a co-
tacoes.
Era agurdente estrangeira houve algum mov-
menlo, tendo entrado 31 saceos de Glasgow.
Arroz. Fizeram-se varas transaccoes para
consumo, e para reexportar, embarcando difieren-
tes para Cabo Verde.-
De Genova vieram 230 saceos.
Araendoas.Conservaram-se as anteriores cota
c8es, mas o movimeniofoi pouco importante.
Caf.Continua a ser insignificante o movimen-
to para o do Brasil. O de S. Thom depois das tran-
saccoes de que j demos conta, melhorou de situa-
cao, e os oreos colados Qcam firmes, tendo-se rea-
lisado a elles ba-tantes vendas.'
Os supprmenios que tivemos foram de 859 sac-
eos de Loanda. e lde Cabo-Verde.
A reexporlagao fui de 209 saceos para Hambur-
go, 48 para Londres, 316 para Liverpool.
A existencia boje de 11,711 saceos, 13 barricas
e 19 meias dilas do Brasil e Colonias.
Cacao.VendeTam-se cerca de 1,500 saceos de
S. Thom. Os precos soffreram eorao se v das co-
taces.
Hoje entrou a barca Linda, que trouxe 346
saceos.
Couros.Contina o mercado era apathia, o
maior movimento foi de alguns de Cebo-Verde e
pequeas partidas dos seceos do Brasil.
Castanhas do Maranhao.O mercado eslava des-
proveo, mas hoje deu entrada a barca Linda, que
trouxe 103 barricas, 3 saceos, e 1,121 alqueires.
(omina do Brasila mesma situaco.
Melaco.Os supprimentos ahogados foram de
233 barris do Maranhao,' 94 do Para e 140 cascos
e 33 quartolas de Demorara.
Effecluaram-se duas vendas com o desla proce-
dencia.
Pelo do Brasil tem os possuidores pretencoes
mais elevadas, as quaes tem sido desattendidas pe-
los compradores.
Salsa parrilha.Vendeu-se algnma, mas da or-
dinaria, porque das boas qualidades ha muto tem-
po que ha falta no mercado.
A barca Linda do Para imuxe 182 rolos.
Barra de Lisboa.
Entradas.
Maio 9, Afana Luiza, Caetano, Maranhao.
dem II, Linda, () Para. .
Sabidas.
Abril 28, Constante, Res, Pernambueo.
Maio 6, Feliz Ventura, Santos, Para.
Embarcaroes carga.
Pernambueo.Brigus Confianza, Soberano, Laia
II, (este a fechar), barca Corqa e patacho Jareo.
Maranhao.Brigue Boa F.
Para.Patacho Unio e barca Li'nJa.
Cear.Barca Flor de S. Simo.
BOLETIM COMMERCIAL.
Liverpool, 8 de maio de 1864.
(Precos livres de direitos para o vendedor).
Aljrodo, de Pernambueo, por :
Bom......... 29 d a 29 /, d
Mediano. .'...... 27 '/ d
Ordinario....... 26 V2 d
Baha:
Bom.......... 28 '/, d
Mediano........ 26 3/t d
Ordinario....... 26 d ,\ 26 >/ d
Maranhao:
Alcntara 30 d
Itapcur....... 29 / i
Caxias........ 28 i/, d a 2i */t i
(Maquina) :
Bom ......... 29da29/4'd
Mediano........ 28 '/? d
Ordinario....... 28 d
Assucar, do Bio, por 112 S :
Branco......... 30/0 a 32/6
Louro.......... 29/6 a 30/0
Maseavado........ 26/6 I 29/0
Pernambueo:
Branco......... 30/6 a 32/6
Louro.......... 30/0 a 30/6
Maseavado........ 27/0 a 29/6
Babia o Macei :
Branco......... 30/0 a 32/6
Louro.......... 29/6 a 30/0
Maseavado........ 26/6 a 29/6
Melaco........... 13/0 a 15/0
as
rfluiloencgaa. puf gtd: 1/u a O
samo la copabiba. por *t
i Bw......
Mediana.....
Ordinaria-. .
Cabera de negro .
Serna'mby. .
Do Cear, Sernamby.
Cacao, por 112 :
Para, bom.......55/0 a 56/0
Babia, bom.....4|/Oa42/0
Caf, por 112 :
Rio, 1* sorle.....
2- t ....
Escomido.....
Baha, 1" sorte ....
2' ..
Escolhido \ .
Cear......
Sebo do Bo Grande, por
Bom e duro......
Mediano.......
Escuro.......
Cera de carnauba, por 112 U.
Chifres, por 123
De vacca.........10/0 a L5/0
De boi .........20/0 a 30/0
CU na, por Ib.:
i/2 a 1/2 Vi
70/6 a 72/0
66/0 a D8/0
73/0 a 80/0
66/0 a 68/0
62/0 a 64/0
70/0 a 73/0.
63/0 a .70/0
112 Ibs. :
. 41/6
. 40/6
38/6
65/0
ina, lor Ib.:
De cavello......iOM 14
De vacca!1 f '. ? Wf> 12
7 a
Couros, por Ib :
Rio, Soceos de 30 a 35 Ibs:
> > 20 a 24 Ibs.
fe de loaros, 35 a 40 Ibs.
Rio Grande, por 16. :
Salgado-, de 65 a 70 Ibs .
Ditos do io a ol t. .
Salgados de vacca, 40 a 48
de ca vallo seceos, 10 a 13 S
salgados, 23 a 37 *
> > 16 a 20%
dem de Pernambueo, Baha,
Maranhao e Para, por :
Seceos salgados. 26 a 30
> espichados, 16 a 20
dem do Cear, Parahyba e
Macei, por :
Seceos salgados, 30a 32 S :
Holbados > 45 a 50 :
Farinha de mandioca :
Boa, por 112 tf. Nominal
Gomina ou bueho de pexe, por i :
,da8d
7'/id
7 /i d a 8 a
o ''-. d a (i
4V d a 5d
4 '/ a 4 V
6/0 a 7/0
16/6 a 10/0
6/0 a 6/9
d 6 d
'Ada
6 d a 6 '/2d
4 d a 4 '/, d
18/0 a 21/0
3/3 a 3/6
2 8a3/0
2/6 a 2/7
4/0 a 4/3
3|8 a 0|10
3iOa3|6
2|9 a 2(10
2|3 a 2|6
l|6a2|0
1)9 a 2|0
22
Gurujuba qualidade
2* .
3"
Pescada .
2- ...
3 ...
Pirahiba 1* .
2* ...
3* ....
Bagre 1 )
2* )
Jacaranda, por tonelada :
Bio.....: (Nemiaal) 15 a
Baha........29 a 12
Piassava, por 2,240 % :
Para.....Nominal 22
Babia..... 1012/6 a 110/
Pixurim, por 9, bom ... 1/6
Tapioca, por 112 :
Bio, superior.....32 0 a 36/0
ordinaria. ,,.., 20/0 a 25/0
Uruet, por Fundos e cambios.
Fundos ingleses.
Banco de Inglaterra (Acc-oes) H 238 a 240
Consolidados.....3 89 'A a 90
Beduzidos .
Fundos Novos.
Belgas. .
Brasileiros .
Estrangeiros.
88 >/i a 88 Vi
88 Vi a 88 Vi
Dinamarqueses .*
Hespanhes.....
DifiVndos .
Passivos .
Hollandezes. .
- .....
Mexicanos.....
Portuguczes. 1853
... 1856
... 1857
t ... 1859
. 1860
t ... 1862
. 1863
t Scrip (Cautellas) 3
Bnssos......5
.......4
86 a 87
52 Vi a 53 /,
45 Vi W V,
33 V,a 34
63 '/ W Vz
42 a 42 1/2
47 Vi a 48
Vj dse, a par.
91 a
88 a
3370
93.60
66.55
92
89
77/4 a 77/5
76/6 a 77/8
77/6
73; 9 a 74/0
5/1
4/101/2*4/11
5/0 a 5/1
4/10 a 4/11
4/11 a 4/11'A
51 V a 51 Vi
51 Vi M
25 d a 25 '/i d
12. V2 a 12 1
13.10 '/a 13.11
23 80 a"25.90
25.40*25:50
DO BIlASIL.
h
Banco de Franja (Aeces) frs.
Finidos franrezes. 4 Vz
t 3 .
Metaes preciosos.
Ouro em barra. .Por onea 77/9 a 77/9 V2
> portugus em moeda *
do Brasil
Oncas hespanholas
> americanas. >
Prata em barra ...
Pataras brasileiras
Pesos columnarios hes-
panhes......
Carolus.......
Ferdnand.....
Ditos das repblicas hes-
panholas e mexicanas
Moedas de 5 francos.
Cruzados novos. ...
Cambios.
Lisboa........90d.d
Porto.....
Rio de Janeiro (Nominal)60 d.v
Bahia e Pernambueo.
Amsterdam......3 ra.d
Hamburgo......
Pars.........
, .............3 d.v.
NAVIOS CARGA PARA 0 NORTE
MaranhaoCornelia21 de maio.
ParaCnpid15.
demA raeaty'iO.
PernambueoFlorst10.
Idem Diana10.
demHobeofthe Sai -18.
IdemChance20.
dem Ullswater15.
Numerario,No dia 2 do correnle o banco de
Inglaterra elevou o minimo do jura de 7a 8 ./.
e em 5 do mesmo de 8 a 9 % Estas elevaces tor-
navam-se necessarias pelo grande desfalque de
sonante era eaixa no banco, caucado pela exporta-
cao de especie para pagamentos de ajgodo, e
grande procura de capitaes para formacSo de no-
vos bancos e eompanhias sob a lei de Ltmitrd Lia-
bility. Alera mesmo deslas circunstancias ou de
qualquer inesperada especnlacao, o valor de dinbei-
ro presentemente deveria ter subido, visto que M
exporlacdes de fazenda que no fim do anno de
1863 mostraran) uin augmento de 20.000,000,
augmentado al boje, a raso do ^45,000,000 por
auno, e pelos subidos precos dos gneros em ge-
ral Este elevado estado do juro nao ser mantido,
pois, traa novos supprimentos de metlico a este
paiz, visto ser considerado o lugar mais seguro
para o deposito de capitaes.
Mercado de Manchester.O elevado estado da
laxado juro paralisou o mercado, porm como nao
ha fazendas em ser espera-so que os precos subam.
Algodo.Desde a nossa ultima revista as Irn
arenes tem sido mu avultanas com urna subida
de '/t d a 1 d por Ib. em o de todas as especies,
porm, a elevacao do minimo do juro cansou urna
declinaeao de 3|4 d da subida cima mencionada
O do Brasil tem mais procura para expertacao.
As vendas de algodo em viagem sao grandesj e
n'alguns casos a precos mais elevados do qne se
acha aijui em ser. Surales como abnndam no mer-
dado nao tem minorado tanto era precos. As ven-
cas hoje sao 7,000 fardos.
Assucar.O mercado durante esta quinzena tem
estado frouxo, e com urna declinaeao uos procos
de 1|6 por quintal. As vendas lera sido principal-
mente para consumo, e montara a 21,850 saceos e
790 caixas, aos precos acuna cotados, e 6,500 sac-
eos e 460 saceos em viagem.
Balsamo de copabiba.Ha pouca e continua com
procura.
Borradla.As chegadas desde- nossa ultima
do Cnpid* e do Aracaty, com runas 170 toneladas,
juntamente comodesejo da parte dos possuidores
de realisar, eausou urna pequea declinaeao nos
precos. As vendas sao 16 toneladas aos segninies
procos, a saber : l|I0a 1|I0 l|2pela fina, e 1|2 1|4
1|2 3(4 pela eab-jca denegro. Em ser do Para ti
cam ninas 679 toneladas.
Cacao. Nao consta vendas,
Cafe.Tem tido rooiM procura, porm os pos-
suidores o relem para oblerem. precos mais subi-
dos. As vendas do Brasil sao 630 saceos do Rio de
69|6 a 71i. ... ,
Couros di BrasilTem tido mais procura e al-
gurnas parcellas do Cear e Macei realisaram
precos mais subidos.
Curoar.Nao lia.
Jacaranda.-No dia 5 foram offerecidas em lei-
lio urnas 160 toneladas enejadas pela Ptlot Fish,
porm, nenhuina se vendeu por falla de compra-
dores.
Lruc. Meuxado frouxo.
FUEGOS COHRENTES.
Londres, 8 de maio.
Fundos ingleses.
, Do banco, 238 a 240 por 100
Consolidados 3 /, 90 3/4 a 90 7/8 por S 100
Bedmidos 3 o/ft gg 1/4 a Rg |/j p,)P < ^
Novos 3 %, 88 1/4 a 88 1/2 [>or s* 100
Fundos estrangeiros.
Belgas (23 frs. 1) 4 'A /. 100 a 101 por 100
Brasileiros 1839, 1859 a % 1001/2 a 10 por S 100
ex div.
4 Vt "/o. 88 1/2 a 89 1/.por S 100
1863 4 1/2, 00 1/2 a 86 por 59 100
Confederados 7 %, 59 a 61 por 100
Egypcios 7 c/o, 100 a 101 por 100
Gregos com juros desde 1846 3 % 21 0/8 a 21 7/8
por 100
G' egos Coupons al 1846 o '/^ 9 1/2 a 10 por
100
Hespanhes 3 "/o- 52 1/4 a 53 3/4 )>or < 100
dilleridos 3 % juro actual 2 1/4, 43 1/4 a
45 3/4 por s 100
internos (i Peso) 3 /o, 49 1/2a 50 1/2
I>or 100
passivos externos 3 %, 33 1/4 a 33 1/2
or 100
Hollsndeies (Fl."l2-1)4%,90 1/2 a 100 1/ por
se loo.
2 'A /o, 63 1/2 a 64 1/2 por s 100
llalianos (frs 281) 5 /,66 7/8 a 671/8por S lOC
Mexicanos cora atra-ados desde julho 1854 Inclusi-
ve 3 /, 42 7/8 a 43 per fe 100
Mexicanos 1864 cautelas 6 %,par L/2 premio por
Nova Granada 3 % diferidos juroaclual 2 '/., 301/2
a 31 1/2 iwr k*>
Poruguesos, 1833, 3 o/fc 4J 1/2 a 48 por Sf 100
Dos 1856 -1863, 3 %, 47 1/2-a 48 por 3* 100
Dos. 1863, can* 3 % >/l nes. par.
Bussos 1822 5 %, 86 a 88 |Kir S 100
I86 3 Vo, 86 a 86 por ai 100 ex div.
1864 5 /.. 1 1/4 a 1 1/2 por 100 pr.
'h /, 87 a 88 por S 100
. 3 /* 34 1/2 a 53 1/2 pdr S lOOex div.
Sardos 5 %, 85 a 86 |K>r S 100
Turcos, 1854 6 /, 88 1/2 a 89 1/2 por S 100
1838 6 / 6 a 68 1/2 por 100
1862 6 % 70 a 701/2 por 100
1863 6 %, 67 a 69 por 100
Internos (Medjidie d'ouroS 1) 6 /.., 49
3/8a49 5/8 pora? 100
Veneznelanes 3 % juro pagavel 2 */o- 22 1/4 a 22
3/4 por MO
a 1862 6 %, 54 a 55 por S 100 ex div.
Bancos.
Banco Brasileiro e Portugus, 2 1/2 a 3 pr. por ac.
Banco de Londres c do Brasil, 18 a 20
BancodeLon. Buenos-Ayres e Bio daPrata, 10a
12 premio por accao.
Cambios.
Lisboa 3 m/d, 51 3/4 a 51 7/8 por S
Porto 3 m/d, S 3/4 a 81 7/8 |>or S
Bio de Janeiro 60 d/v, 26 per Jt nominal.
Amsterdam 3 m/d, 121 a 12 1 por a? est.
Hamburgo 3 m/d. 13 10 a 13 10 3/4 por S
Pars 3 m/d, 25 85 a 25 90 por a*
3 d/v, 28 35 a 25 45 l/*por
Majselki 3 m/d, 25 83 a 23 90 por S
Genova 3 m/d, 25 90 a 26 0 por
Trieste 3 m/d, 11 95 a 11 05 por S
Vienna 3 m/d, 11 95 a 11 03 por Sf
Madrid 3 m/d; 48 a 47 1/2 peso
Cadis 3 m/d, 48 a 47 3/4 peso
Metaos preciosos.
Ouro, em barra, de lei 7/ s. 9 d. p. onca dep.
Moedas brasiloiras novas 77 s. 8d. idem.
Oncas hespanholas76 s. 6 d. idem. nom.
1 latras, 74 s. O d. dem
Prata em barra, de lei 5 s. 1 d. idam frouxo.
: Patacas mexicanas 5 s. 2 idem idem.
i Coluinnaros. Carolus 5 s. 1 d. idem, idem.
Crusdos novos 4 s. 11 1/2 d. dem, idem.
Pecas de 5 francos, 4 s. 11 d. a 4s. 11 1/8 d. id. id.
Generes de importaco.
Algodo de Pernambueo, 261 4 d. a 28 1/2 d. por Ib.
nominal,
do Maranhao, roda, 27 12 d. a 29 por Ib.
nominal.
maquina, 271/2 d. a 29 d. por
Ib. nominal,
da Babia. 20 tflhl 27 1/2 d. por Ib. n*m-
Assucar do Brasil, branco, 30 s. 0 d. a 33 s. 6 d.
por 112 Ib.
Captivo de dimites, maseavado, 23 s. 6 d. a 30 s. 0
d. por U2 Ib
Arroz do Brasil, 10 s. 0 d. a 21 s. 0 d. por 112 Ib
Nao ha.
Caf do Bio, 60 s. Od. a 74 s. 0 d. por 112 Ib.
lavado, 73 s. 0 d. a 80 s. 0 d. por 112
Ib.
Cacao do Para, 57 s. 0 d. a 60 s. 0 d. por 112 Ib.
Nao ha.
dem da Bahia. 42 s. 0 d. a 44 s. 0 d. por U2 Ib.
Tapioca do Rio, 1 3/4 d. a 5 1/2 d. por Ib.
do Para 1 1/4 d. a 2 por Ib. Nao ha.
Couros do Brasil :
Seceos salgados, de ,24 a 36 Ibs., 5 '/t d. a 6 1/2 d.
por Ib.
Seceos, de 8 a 22 Ibs., 6 >/i d. a 7 1/2 d. por Ib.
Verdes, de 38 a 54 Ibs., 4 d. a 4 1/2 d. por Ib.
Do Bio de Janeiro :
Verdes, de 48 a 72 Ibs., 3 3/4 d. a 4 d. por Ib.
Do Bio Grartde :
Verdes, de 63 a 70 Ibs., 6 d. por Ib.
. do 44 a 50 Ibs., 4 5/8 d. a 3 d. por Ib.
Seceos, de 28 a 34 Ibs., 8 '/, d. a 9 1/4 d. por Ib.
de 20 a 24 Ibs., 7 /, d. a 8 \U d. OOt Ib.
Chifres de 9 a 16 oneas, 9 s. 0 d. a 13 s. 0 d. i>or
123 frouxo'.
. de 22 a 24 oncas, 29 s. 0 d. a 32 s. 6 d. por
123 fromto.'
Ipeoaeuanha, 8 s. 6 d. a 8 s. 9 d por lo.
Jacaranda do Bio, 10 a 16 por tonelada no-
minal.
da Bahia, S 9 a S 13 por tonelada no-
minal.
Mercado monetario.No dia 2 do corrente o ban-
co de Inglaierra ternou a elevar o seu descont
para 8 por eenlo, e novamente no dia 5 para 9 por
cento. O dinheiro foi bstanle procurado a estas
laxas, pagando-so mesmo em muitos casos juros
anda mais elevado Estas laxas altas e Queman-
tes prejudicam muito o commercio. O banco de
Franca elevou o seu descont para 7 por cento.
FundosEm consequencia do estado actual do
mercado monetario e da situaco poltica, os precos
dos fundos especulativos continuara a solTrer os-
cillacdes vilenlas e quasi diarias...
Algodo.Cnntinuou a animaco notada na nos-
sa ultima revista at a dia 2 do corrente, quando
a subida do descont para 8 por cont fes afrouxar
o mercado ; uos dias 3 e 4 o mercado esleve em
apathia, com baixa nos precos; no da 5 houve a
principio mais firmeza, a qnal porm desapparecou
logo que se soube que o banco do Inglaterra tinha
uovamente elevado o seu descont para 9 por cen-
to, tornando-se o mercado frouxo e irregular, e as
nossas eotacoes deven) reputar-se quasi nominaes.
As vendas da quinsena montara a urnas 110,000
sacca.-.
Assucar.Depois da sahida da mala de Bordeo*
continuou a falla de animaco mencionada na nos-
sa ultima revista,mal consorvando-se os possuido-
res soffrivelmenle firmes, foram muito resumidas
as transaccoes, se bem que por precos cada vez me-
nos favoraveis. Em presenca, porm, do embanco
crescente no mercado monetario e as altas do des-
cont, os importadores teem-se mostrado ni pre-
sente semana mais ancosos por veuderem, sujei-
landu-se a urna baixa. de 1/0 a 2/0 em 112 1b.;
comtudo, mesmo com essa reduccao, os consumido-
res nao teem querido comprar com franqueza, -
cando o mercado em apathia.
Os possuidores do do Brasil nao tem forcado ven-
das, e nao nos constam transaces era ser -, tam-
bera era cargas no mar nada se tem fetto nestes
ltimos dias de extrema apathia, tendo-se realisa-
do as seguales vendas logo depois da sahida da
mala de Brdeos :
Emma, 1,460 saceos e 200 caixas do Bio, ama-
relio, revendidas a 32/0 para o Beino-Unido. pesos
da descarga.
Sex Brodere, 3,000 saceos da Bahia, maseavado
ordinario, a 26/6 para Hamburgo, seguras livrc de
avaria particular.
Temos do redusir as nossas eotacoes para car-
gas, como segu :
Para o Continente.
De Pernambueo, branco, 30/8 a 32/6.
Dilo, maseavado, 26/0 a 20/ii.
Da Baha, branco, 30/8 '/O.
Da uila, maseavado, 26/0 a 28/0.
Para o Mediterrneo.
De Pernambueo, branco, 30 a 33/0.
De dito, maseavado. 25/0 a 27 0.
Da Babia, branco, 30/O a 32/0,
Da dita, mMeavad >. 26 o a. |7/f>,
KlIeciuarau-.-e as seguin'es ven Ja era Lirer-
Em ser 2,000 saceos do Ceara, a 30/fi.
200 ditos o barricas e 790calxs da Baha, mas-
eavado b1xo, de 27/f> 28/0 no e#s.
4.HO0 ditos de Pernambueo, vojtfei, dji |8p,a 29/0.
700 titos de Pernambueo, novo, a 29/0.
1,400 ditos de dito, de imiwrlaciiu amiga, a 27/6
pesos da descarga.
1,500 dilos da Paravba e da Bahia, a 29/0.
1.850 dilos do Mara'n'bao, .le 30/3 a 30/6.
3,000 ditos do Macei, a 30/0
3,200 ditos da Parahyba, velho, a 28/0.
No mar 1,300 ditos do Maranhao, por va indi-
recta, a 30/0.
400 ditos da Babia, maseavado fino, a 31/6.
8,000 ditos do Pernambueo, a 30/0 no caes.
Em vista das enliadas pouco consideraveis que
ltimamente tivemos, a nossa existencia de 7,000
toneladas menos que na mesma poca de 1863, e a
existencia total no Reino-Unido raoslra u,ma ddfo-
renca para menos de urnas 29,000 toneladas.
Caf.Depois da nossa ultima revista cobraran)
mais animaco as qualidades das posscsses ingle-
sas, realisando-se precos mais altos, us sendo es-
peradas avirftadas entrad es do de Ceilao, tornon a
havi-r na'presente semina urna roaeeo de pouco
mais ou njenos 1/0 ora 112 lib.
Segande mencionamos no post-jicrptum d n3'
sa ultima revista, havia mais procura para o caf
do Rio, sendo esla procura para osEsUdos-L'nido-;
os 53,410 saceos do Rio, cuja venda cntao avisamos,
seguiram para all no mesmo navio Hydra: os
4,000 saceos de Sanios pelo, WeMtnia; cuja venda
noticiamos na mesma occasiio, foram baldeadas
para o mesmo destino; baldearam-se tambein
igualmente para os E-dados-Unidoi os 2,650 saceos
do Rio, Canal, pelo Cora, vendidos a 70/0. Poste-
riormente, porii), dessappareceu esta procura, e
na falla de offertas convenientes do Continente,
apesar das noticias favoraveis que se conliuuam o
reeeber do Rio, o mercado novamente tomou-se
frouxo; os possuidores, porm, conservam-se fir-
mes, e sustenlam-se as eotacoes um pouco cima
das anteriores.
As vendas em ser montara a un 3,OO saceos,
destinados na maior parte para os Estados-Unidos,
de 70/0 a 74/0, conforme a qualidade, alm de que
embarcaram-se ons 3,000 saceos para t) mesmo
destino por conta dos dooos.
Na Dossa ultima annunciamos a venda dos 2,500
saceos do Rio, pelo Eident, a 67/3, mas esla venda
foi depois annn liada.
A eotacao mais approximada para cargas do Rio
Good First, para o Continente de 69/0 a 70/0.
Yenderam-se em Liveroool un* 525 sacos do
Rlode 68/0 a 71/0, conforme a qualidade.
Carao.-nsioiitaram-s.- as qualidades das pos
sessoes inglesas por proco- nm tanto mais altos, e
para o da Bahia houve algnma procura para ex-
portar, veodendo-sc uns 500 saceos a 44/0.
Em Liverpool nao constara vendas.
Jacaranda.Nao houve nem entradas, nem ven-
das, e por cmquaolo esla madeira est inteirameu-
te desattendida, devende as nossas eotacoes repn-
tar-se nominaes. Existencia 2,702 coucoeiras do
Rio e 7,895 coucoeiras da Baha.
Po-Brasil.Nenhuina melhora temos a nolar.
Couros.Devido ter-se e-golado a exigencia
de couros salgados, ha- alguma procura para a car-
gas do Bio Grande no mar qne neste momento
aehariam compradores a 6 d. por couros de boi.
As eotacoes das mais qualidades devem conside-
rar-se mais 00 menos nominaes.
Sebo.Devido ao estado pouco satisfatorio da
da poltica externa, o morcado uestesiilliraos dias
lera estade um pouco mais firme, mas o negocio
tem sido de pouca menta. Nao alteramos as nos-
sas eotacoes do da America Meridional, que licam
sendo como segu ;
De boa cor, 40/6 a 41/6 por 112 Ib.
Soffrivel e escuro, 39 6 a-40/6 por 112 Ib.
Escuro e muito escuro, 38/0 a 38/6 por 112 Ib
Cambios.O cambio sol>re o Biode Janeiro con-
tinuou nominal de 26 d. a 26 X d., e nao nos
consta traasaccao alguma na praea. Sobre Lisboa
e p Porte os cambios regularam do 52 d. a 52 1/8
d. at hontem, quando baixaram a 51 3/4 d. e 51
7/8 d.. sendo principalmente a esle ultimo algaris-
1110 as transaccoes que o ellectuaram.
-Metaos preciosos.O morcado eslainuilo frouxo,
tanto para a prata em barra como para as patacas
mexicanas.
P. S. Alsodo.As vendas boje montara a 7,000
saeeas, ineluindo 200s,ieeas de Pernambueo a 28
3/4 d., 200 saeeai do Maranhao de 28 d. a 29 ;{ d.
e 170 saceos de Macei e da Baha de 27 1/9 d. a
27 3/4 d. Os procos do Brasil licam sem altera-
cao, mas o mercado em geral raoslra urna ligeira
medrara.
o a. I. 32 d> decreto de 13 de iuql do 1859, e a
re pieriinerifn do mirador da mesma tt. ranea, man-
dei passar o presente, chamando aos herdeirc.s do
mesmo Qnado ou a quem direito livor a n-ferida
herane a v'rem so habilitar no prazo de 30 dias
na forma do mesmo decreto.
E para que chegue ao conhecmenlo de todos
se uasMiu u prseme que ser afinado no lugar
11 eo-uiiiie e publica lo pela impunsa da capital.
Dado e passado oesia cidade de Olinda sob meu
signal e sello deste raizo vala sera sello ex-causa-
aos 27 de maio de 1864Eo Francisco das Cha-
gas Cavalcanii Pessua, escrivo de orphaos o au-
sentes o oscrevi.
Manoel Antonio do* Bastos e Silva Jdnor.
O Dr: Mano-d Antonio dos Pass.is e Silva Jnior,
jtiiz municipal de orphaos o ausentes jiipidente
em exercicio do termo de OlmJa, em virtude da
le ele,
Faco saber aos que o presente edilal viren e
del le noticia tivercm que no da 4 do prximo vin-
douro mes de junbo pelas 4 hmas da tardo por-
ta da casa da residencia dente juizo se ha de arre-
matar por venda una casa terrea sila na ra do
Jogo da Bola desla cidade, de podra e cal, com 30
palmos de frente e 66 ditos de fundo, com quintal
ora aborto por 280, uerteucente a mesma casa a
herimos da finada D. Joaquina Malaquias de Mo-
raes Mayer.
E para quo chegue "a noticia de todos roandei
pasan* o presente que ser allixado no lugar do
Coslume e publicado pela imprensa-
Dado e passado nesla cidade de Olinda sob meu
i signal e sello deste jui?o, vaina sem sello ei-caa-
! sa aos 23 de maio do 1864,
En Francisco das Ceagas Cavalcanii Pesiea, es-
crivo de orphaos e ausentes o escrevi.
Manod Antonio dos Pmsm e Silva Jnior,
De ordem do lllm. Sr. Dr. che fe de polica,
faco constar quem convier, que se cha recolhl-
uo cadeia da capital da provine ia da Parahiba,
um proto veioo de nomc I.ourenco, o qtMil decla-
rou ser escravo do ^ortuguez Antonio do tal, uiO
rador na ra da Trompe, Treguesla da Boa Vista.
Secretaria da polica de Pernambueo, 25 de maio
de 1864.No impedimento do secretario o official-
maior Joaqun) Gilseuo de Mosquita.
Navios entrados no da 30.
Bio de Janeiro e Bahia 6 dias, vapor francs
Guime, de 1167 toneladas, coinman lante Enout
Hippolyie, equipagein 118, carga dilforenles g-
neros.
Macei e portos intermedios 2i) horas, vapor
nacional Mamanyuaite, de 337 toneladas, cora-
mandante Manoe Rodrigues dos Santos Moura
equipagein 20.
Liverpool -41 das, barca ingleza Margare!, de 254
toneladas, capilo Georgo Avery, equipagem 10,
carga fazendas a oulros gneros ; a Saanders
Brothers & C
Navios sahidos n mesmo da.
Bordeaux c portas internvdios Vapor francs
Guienne, commandante Enout Hippolyte.
Portos do norte Vapor nacional Oynpock, com-
mandante o r* lente Pedro Hypolito Duarte.
Liverpool pela Par ihyba brigae portugus l\io
Venga, capt) Francisco Pereira Coelho ; em
lastro.
EDITAES.
DEC1AB1C0ES.
A cmara municipal desta cidade principia a
sua segunda sessao ordinaria deste anno, no dia
30 do corrente, e nos que se seguirem. Secretaria
da cmara municipal do Recife 27 de maio de 1864.
Francisco Cavalcanti da Boaviagem.
Secretario.
No dia 30 de junho deve ser arrematado pe-
rantca thesonraria provincial em cumprimento do
12 do art. 44 da lei provincial n. 596 o imposto
do dizimo do gado vaceum as segrales comar-
cas :
Bonito 3:2005000 por anno.
Brejo 2:0504000 dem.
Garaohuns 2:4005000 dem.
Flores 2:3005000 idem.
Ba-Vista,Taoarat e Cabrob 3:3005000 idem.
A arrematacao ser por Ires annos, a contar do
Io de junho do correnle anno.
(erante a thesonraria provincial tem de ser
arrematado no dia 16 de junho vindouro o impos-
to da laxa das barreiras das estradas e pun'-s se-
guimos :
Ponie dos Carvalhos 1:2065000 por anno.
Tapacur 2:2325000 idem.
Taoaruna 500501)0 dem.
Motocoiomb 1:6105000 idem.
Magdalena 7:7585000 dem.
Bujary 5545000 idem.
Caxang 4:4005000 idem.
Jaboato 4:4035000 idem.
Gequia 7:4855000 idem.
As arrematadles serna fetas por lempo de tres
annos a conlar'do Io de juiio do corrente anno.
O Dr. Ernesto daAquino Ponseca, cavalbeiro da
ordem de Christo, juis do orphaos e ausentes da
cidade do Recife e seu termo, por S. M. o Im-
perador, que D^os guarde etc.
Faco sab-r aos que o presente edital virem quo |
a requerlmento do Dr. Manoel do Nascimcnto Ma-
chado Portella, curador do prodigo Valeriano Man-
so da Costa Reis, vai a praea por tres annos o ar-
rendamenlo do engenho do Meio, de Ipojurt na eo-
marca do Cabo, por 1:2005 annuaes, de cujo en-
genho oonsenhor da quarta parle o predito pro-
digo.
E para constar msndei passar o presente que
ser afiliado nos lugares do coslume, depois de I
ter transitado pela chancellara do supremo tribu-
nal da relacao do distrioto. ,; <
Dado e pascado nesla ci lade do Recife de Per-
nambueo, em 23 de abril de, 1864
Eu Floriano Correa de Brito, escrivo, o fiz es-
crevere subscrevi.
Ernesto de Aqutnn Fonseca.
Hoje 31 do corrento tem de se effestuar
a arremataci) de que trata o [edital acimS.
O Dr, Manoel Amonio dos Passos e Silva Jnior,
juis municipal de orphaos o au-enles supplente
era exetcieio do tormo de Oliada, era virtude da
lei 1 le.
Faco sib*i>r ans que o presente edital virem c
delle noticia tiverem qne tendo fallecido Bernardo
Jos de Soma, sem ter deixado herderos eonheci-
dos neste termo e se procedido por este inlso ar-
reoadaoio 1,' sua. lieraRf* e de conformiJido eom
s:\i\:\ Casa da Misericordia do
Recife.
A lllm.'juulaadministraiiva da Santa Casa da
Misericordia do Recife manda faier publico, que
no da 2 do prximo futuro raes de junbo pelas 4
horas da tarde na sala de suas sessoes contina
a praea do arreodamenlo das casas abaixo decla-
radas portenconles ao patrimonio de orphaos por
tcmito de 1 3 annos. Os pretendentes devem
comparecer acompanhados de seus fiadores ou
muuidos de cartas desles.
Ra do Imperador.
N. 2 particular e 81 publico, dous a-
ilares......... 1:202:000
Largo do Paraso
N. 4 dilo e 29 dito, dous andares .. 8025000
Ra das Larangeiras.
t. 5 dito e 17 dito, casa torrea .. 20J5000
Una Velba.
N. 8 dito e 32 dilo, casa terrea.. .. 2045000
Ra de S. Goncalo.
X. 10 dito e 22 dito, casa terrea.. ... 1835000
Ra do Pires.
N. 13 dito e 39 dilo, casa torrea .. 1045000
Ra do Vigario.
X. 72 dtoe 27 dito, dous andares .. 6035000
Ra da Sensala Ve.
N. 78 dte e 136 dilo, dous andares.. 6511000
X.80 dito e 132 dito, dous a miares.. 4MI*000
N. 82 dito e 16 dte, casa terrea.. .. 2W5000
Ba da Guia.
N. 84 dte e' 19 dte, casa terrea.. 1255000
Ba do Pilar.
X. 91 dito e 105 dilo. casa torrea.. .. 163*000
X. 92 dte e 104 dito, casa terrea.. .. 1635000
X. 94 dilo e 99 dito, casa terrea.. .. 254*000
X. 103 dito e 94 dito,- casa terrea.. .. 173*000
Bosarinho.
N. 3 particular, casa c sitio...... 3225000
Mirueira.
X. 4dito, sitio.. ...... 2135000
Secretara da Santa Casa da Misericordia do Re-
cife, 30 de maio de 1864.
O escrivo,
F. A. Cavalcanti Coasseiro.
COMPANHIA
O calza da coinpanliia comniendadorTIio-
maz de Aqnino Fonseca aclia-sc aulutisado
a papar no seu eseriptorio ra do Vigario
n. 19, das 10 horas em diaote o 32 divi-
dendo tiesta coinpanliia na pioporcao de 3#
por cada apolice, adverte-se aos Srs. accio-
nistas que este pagamento deve ser em moe-
da de cobre, visto ser na especie que o
mesmo Sr. Caita tem recebido dos arrema-
tantes dos chafarizes desta companhia.
Eseriptorio da Companhia de Beberibe, 21
de maio de 18(3i,
0 escriplnraro,
Marco! ino Jos Pupe,
Conselliu adminislraiivo.
Oconselho administrativo, para fornecimento do
arsenal de guerra, lera de comprar os objectos se-
guimos :
Para o corpo da guarncan da provincia.
Bonete 373, manas de la, 368, bandas de la
13, panno asul covados 1360, panno azul para ca-
poles 396, casimira verde covados 39, casimira
amarella covados 19 1|2, hollanda de forro covados
1170, aniagem xaras 130, brim branco varas 3422
1|2, algodosinho varas 25n2, botos grandes de
metal amarello liso 4368, dilos pequeos de dito
2808, eolsetes pretos paros 312.
Para o quartel dos menores,
Gas gales 20.
Quem quiser vender taes objectos aprsente a
sua pro|iosia em carta fechada na secretaria do
conselho s 10 horas da manha do dia 3 de junho
proxirao vindouro.
Sala das sessoes do conselho administrativo para
fornecimento do arsenal de guerra 27 de maio
de 1864.
Antonio Pedro de S Brrelo,
Coronel, presidente.
Sebastiae Jos Basilto Pyrrho.
Vogal secretario.
No dia 31 de malo, depois da audiencia do
lllm. Sr. r. juis de orphaos, vai a praea pela ulti-
ma ves, por arrendamenlo, o sitio denominado vi-
veiro do Monis, sito na rui Imperial.
(onsellio administrativo.
O conselho administrativo para fornecimento do
arsenal de guerra tem de comprar os objectos se-
grales :
Para o arsenal de guerra.
Brim branco 3,000 varas, brim da Russa 1,000
varas, amarello francs 3 arrobas, secante 1 arro-
ba, peuiias calygraphieas 20caixas, fio de vela fino
5 arrobas, rame de lato grosso 2 arrobas, ferro
sueco em barra de 2 polegadas de largura 4 quin-
taos.
Para o presidio de Fernando.
Farinha de mandioca 44 l|2 alqueires.
Quera quizer vender taes objectos, apresentem
as suas propostas em carta fechada na secretaria
do conselho, s 10 horas da manhaa do dia 1" do
junho pioximo vindouro.
Sala das sessoes do conselho administrativo para
forneoimento do arsenal de guerra 23 de maio de
Antonio Pedro de S Barreto,
Coronel presidente.
Sebastao Jos Basilio Pyrrho.
Vegal secretario.
Tribonal do rommei-cio.
Pela secretaria do tribunal do commercio de
Pernambueo se fas publico, que nesta data lira re-
gistrado o papel de dissolueo de sociedade de Jos
Amonio da Silva Martius e Joaqun) Antonio da
Silva Marlins, estabelecidos sob a lirraa de Mariins
0; Irmo. na provincia do Para ; tirando a cargo
de Jos A. da Silva Martins o activo e passivo, e o
oitro desoneradode toda responsabilidade e pago
do sen capital e lucros.
Secretaria do tribunal do commercio de Per-
nambueo 24 de maio de 1864.
Julio Gnimaracs,
Olcial-inaior.
Pela mesma secretaria Sv' fas igualmente nubil-
09. que nesla dita fl "i remirado 0 contrato Jo. (lis-
solueo da sociedade de .o-le Paiva ferroira J11-
nror'e Joaqun) FraneiscyilS Crui, qqo negociavam
ue-i 1 praea sob a tirnnto Paiva i C-rm ; fieaudo

,W


a cargo de Cruz todo aciiYO, -e Pava desojwao
de qualquer responsabilidade -e quites.
Secretaria do trlfcunal do^eommarcio d Per-
nambuco 28 de malo de tMi.
Jalio Guimaraes,
'tf'Kcial-raaior.
de ** roaiubi
lado drlitm. -Sr.
'
'
Pela raesma 9eeretarU-se faz tambera psMico.
(|ue nesta data rol inscripto na livro compelenia- z.
caru de registro do pataokc idfv, de 263 tonela-
das, do qual proprietario-Andr de Abreu Porto,
e mestre Jos Joaqaim da Silva Ralis.
Secretaria do tribunal de commercio de'tfer-i Forte
nambuco 30 de maia -de MSfii. i ------
Julio Gnmaraes,
Official-motor.
CORREIO GERAL
Relarao das cartas %tgu as fiadas do sal, falo
vapor nacional Ovapock. ara os afeares
abaiie declarados:
Altino Rodrigues Pimenta.
Antonio Bezerra de Meneos.
Antonio de Moura I lo I i m.
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo.
Dr. Carolino Francisco de Lima Santos.
Dr. Carlos Pedro Ribeiro-
Domingos Al ves de Cerqueira Lima.
E. A. Burle.
Dr. Ermirio Cesar Coutinho.
Epaminondas Marianno de Sccza Gouveia.
Dr. Francisco Amintas de Carvalho Moura.
D. Henriqueta Mxima Tiban.
Joaquim Francisco Santiago.
Dr. Joaquim Jos da Fonseca. (3).
Joao Querino de Aguilar.
D. Josepha Francisca Pinto Rigueira Ramos.
Jos Elias de Moura.'
Jos Jorge de Squeira Filho.
Jos Meades Vieira.
D. Maria da Conceigo dos Santos.
Marianno Lopes Rodrigues.
Miguel da Silva Daltro.
Fr. Nicolao do Bomflm.
Prente Vianna & C.
General Solidonio Jos Antonio Pereira do Lago.
Sexta-felra 31 do crreme moz de maio,rie-
pois da audiencia do Illm. Sr.Dr.juiz de orpnos,
se ha de arrematar, por ser a ultima praca, um
sitio na fregueiia da Varzea, o qual perlencente
heranca de Luiz Firmino Gea^.alves da Silva, e
vai praca por ezecucao de Eufrozir.a Mara das
Dores.
Consulado |rovin Pela mesa do consulado provincial se faz publi-
co, que os trinta (Has uteis para pagamento boca
do cofre do segundo semestre do auno .flnanceiro
vigente de 1863 1864 dos impostos da dcima dos
predios urbanos das freguezias dasta cidade, e da
dos Afogados, de 20 por ceoto do consumo de
agurdente, e de o por cento sobre a rendados bcns
de raiz pertenceotcs a corporaooes de ruo mora.
se principiam a ontar do 1 de junho vindeuro.
Mesa do consulado provincial de Pernambuco, 8S
de maio de 1864.
Anloaio Carneiro Machado Ros.
Administrador.
Terca-feira 31 do crreme, vo a .praga de
venda, Anda a audiencia do Dr. juiz de orpaos.
urna casa lerrea na ra da aurora o. 16, urna es-
crava e outros bens perlencentes ao inventario de
D. Marianna Joaquina da Trindade.
Arrematadlo.
Perante o Illm Sr, Dr. juiz muwpal da
segunda vara devora ir praca no da 4 de
juoiio prximo, depois da respectiva audien^
cia, o engenlio Pintos sito na freguesa de
Jaboatao, o que um dos melliores da pro-
vincia, com grande extensio de cxcellentes
ierras demarcadas, as quaes se comprehen*
dem boas matas, duas boas casas de viven-
da e outras de moradores, casa de destilarlo
cora um alambique de subido valor, cocliei-
ras, estribaras, grande senzala de pedra e
cal e oulras obras, ludo era muito bom es-
tado. O engenho me por agua e co-
peiro.
Tem de servir de base a arrematarlo a
preco de 43:000-5 tendo alias sido avallado
por 52:080$.
O juiz dos feitos da fazenda despacha
na ra das Crazes casa n. 41,
andar.
N
\aves;aro rostclra a vapor.
yarahiba, NaU, Mimo, Aiata^ Cear e lcaraiu-
o da. 7 de junho pro un: o; s
8 horas dauafic segu o vapor
iBtmimmga, emmandairta ates, raco a* ifpeutcom^rae de rerro.
para os porto., cima iadiaades. I Tree ditas a mesm*conformidad cima, e jun-
rtXeelw ilC., "e:por mandado d&ilrra. -Sr. Dr.
m (lo-tisiu -especial do commero segrales iteados oa .pjvoaco do Muateir*. como
sejam :
Urna asaerrea-sem numero,conx1i& ramos d
frente 71 >Ae'fuado, iom duas satas, guarios,
cosnta, d qoarto xteano, ojiintalieaaberlo, ler-
Terca Selra
-r
31
nr-i
de Malo de A8*.
' > -----------------------
para os-portev.
iReoabe cafgfcftl odia 6. a>r. ora-
tnondas, pasaafiaro? n: dioheiio a frote at o da
da sahida s t hor>ac da tarde : escriaterio uo
do Mohos n: i___________-_________
COMMWHlfi PEfUMSIBUCANA
M
aTega^e foslslMi Tapar.
Hacei e tf*cale, rne e Araeaj.
t\Teda4 de vjanho prximo s
."1 bocas iiUimuttguapr. cemmandante Mou-
>ra. 'iooebe oarga at o> _ -enfiUMnendas, passageiros- e di-
nheir a frete.at<- as "2 bocaa tarde do U da
sahida : 6oripta#iO'noiFor4e'doSaltostt.l:____
COMPAHIA BRASILELBA
M
PAQUETES A TAPOR.
Dos partos do oarte esperado
.at o di* 2. de junho o vapor
Paran, coramaadaute epaitio
de fragait Santa Kariiara, o qual
de(ois da demora do costume se-
guir para es portos do-u.
Desde ji recebera-sc .poesageiros .e eaoasae a
carga que-o vapor poder o-'muzir, a qual deyer
ser embarcada no diado ua chocada: ncom-
, mendas e dwheiiro a frote at o dia d. sahida. 2
hora?, agencia ra da Groe n. i, eseriptoio.de
I Antonio Luiz de Oliveira Aaevedo & C.
Para Hi t rajadc da al
pretende seguir com milita ifarevidade .o patat>o
nacional Car&Um, tem paite .do seu carj,egamBl9
prompto : para resto que 1 he falta, trata-s cora
o capitao Beiarntioo dos Santos Pinheiro a bordo,
cu na praca do ommercio.
Para a Bahia
pretende seguir com muita bvewdade a escuna nr.-
oional Carlota, ton parte do eu carregameoo
prompto : para o resto que I he .falta, trata-se com
os seus consignatarios Antonio Luiz de Oveira
Aievedo & C, no seu scriptonie ra da Cruz nu-
mero 1.
Aracafy
Obiate Sania Rita segu nestesdy.o : a tratar
com o Sr. Quintal, no trapiche do algosao,
Para.
segundo
THEATKO
DE
Vai seguir em noucos dias o pataeho Thereza,
capitao Joo Correia Lima, tem o carregameuto
quasi completo, para o pouco que Ihes falta trata-se
com os consignatarios Palmeira & BeUrao, largo
do Corpo Santo n. 4, primeiro andar.__________
aranho.
.0 palhabote Garibaldi tem j parte da carga en-
gajada, e para o restante trata-se com Tasso Ir-
tiiojv_________________________________________
Para Lisboa pela ilha de S. Miguel segu
com muita brevidade o briguc portnguez Florinda,
capitao Joaquim augusto de Souza. Recebe carga
a frele para ambos os portos : a tratar no escrip
torio de Amorim lrmos, ra da Cruz n. 3.
to as esiiiRt
1'nu.dita.'inargeiii Ao rio.Capbacie na mes-
ma paooafo >com 55 palmos de-- frente e 42 de
fundo,4 -salas, A quartos, cosinhaycxieti:a, quintal
em at>sri. pequea iai.xa para cauta, eam caes e
escadadeit(jdo e oaJra margem do rio.
Urna dita om:frente para a margem cima,
com U palmo*-, de frente : 24 de Jnad3,1 sajas, 1
quaree e cosinha extorna, com oltotde taipa,e
quintal-em aborto.
l*a ta .su tudo igual ultima junto a
mescaa.
Casas termas de talpa-
Data uita com 35 palmos de frente e 44 de
funa.
I a dila cca 26 palmos de frente ei31 de run-
do, eo 2 salas-e 2 quartos.. cosinha externa, quin-
tal eai aberto.
Uaaa ddacom H9 palmoe de frente e i-dc fun-
do, 1 sala, i quarto, oosinha externa, .quintal em
aborta
Urna dita cem Si palmos de (rente e 12 de fun-
do, 1 sala, 2 quaitos, cosiohe e 1 quarto externo,
quintal urabeito.
Urna dita eom ilS palmos de frente e, 42 de fun-
do, 2 salas, 2 quattes, quintal -pm aberto, cosinha
externa.
Os pretendnte8 'desde j podero examintr os
referidos predios, e guerendo qualquer inforinaeao
podero ontender-se eom o, referido agente em seu
escriptorio ruadaCadeia n. 3, Io andar,;aoude
ser effeetuadoo Jeifao.
Quin-feira 2 de jeaho M W.e meia horas da
manha.
C4SA D4 FORTUNA.
AOS 5:000.000
BUhetes garantidas
i' roa da Crespo n. 23 e casas da eaatoas
O abaixo assigndo tendo vendido nos seus mi
tafeles bilheles garantidos q meio n. S72 com
a wsrte.de l.-SGOJl e o de n. 2793 com a de >60C e
outras sortes de 300J, 100^, 40* e 205, da letona
iqneseacabou de extrahir a beneficio da-jgpqa
da Gapuoga, convida aos possuidores de .ditas bi-
rhatosa virem receber ses respecvos. pramios
seai os destoutos|das lels em seu estabeleeiaiento
ra do Crespo n. 23.
O mesmoiem exposto venda os^ovos erfelizes I
I I 11 %o
Qnlata-felra t de juna* ti ha-
rs, na da CadeJa n. 53,
a r ltale 11a.
' m
lima casa terrea a. .64 aa Augus-
ta, cbo foreire.
Oh ira dita u. 4 raa de Aguas'Vor-
des, idem
Oatra dita h. i raa do Arago, fo-
reira, tem soto.
Pelo agente Euzebio se vender em Jeilao as
duas casas terreas n. 64 una Augusta, boa pro-
priedade, quasi nova, tem 4 quartos, cosinha fora,
quintal, cacimba, e portao paca a ra do Alecrim,
jende 360* por anno cujoaluguel baratissimo, e
a outra de n. 4 sita ra de Aguas-Verdes tem 2
salas, alcova fra, cacimba e quintal, soto cora re-
partimentos e mais um mirante, rende 240 an-
nuai: os pretendemos queirara ter a bondade de
examinar com antecedencia afirn de que naquelle
dia cima aproveite a pechincha.
Muita atteiico.
Aos senhores ourives.
. D.e5a/)Par^eu d0 d 27 28 do correte um al-
de bnlhante, tendo nra pequeo pingo preto
atnmhado na pedra que muito mal se percebe, a
pedia c de bom tamanho e ricamente lapidada, a
oravacao simpjes j; moderna, estando um Unto
torta a perna de nlflnete, em consequencia de se
forcejar .juando preg.iva-se no peito das camisas
roga-se aos senhores onrives nao fazerem transac-
eaoalguma com o dh.i alfinete e detc-lo entreenn-
do-o na ra Nova n. f2, lerceiro andar, qQe alcm
de agradecido ter SO& de gratifieaco so mesmo
se emende cora qualquer outra pessoa que o an-
preaender e entrepa-lo na casa cima.
llhetes, nietos e quartos garantidos da. lotera a
beneficio do convento do Carmo que se oxiranir
quarta-feira Io de junho,
Precos.
Bilhetes inleiros '.
Meios. ....
Quartos. .
Para as pessoas que comprarem
d 005 para cima.
Bilhetes ........ SJoOO
Meios......... 24750
Quartos......, 1&J75
Mattsel Martins Fwm
Precisase de um menino dos chegados olti-
; mmente do Porto para caixeiro:
co n. 141.
no pateo do Ter-
.
NU1TA ATTENCiO
DENTISTA DEPlRIS
19lu Um -n
Frederico Gautier, cirurgio dentista,
faz todas as operacSes de sua arte, e col-
loca dentes artificiaos, tudo com superio-
ridade e perfeico, que aa pessoas enten-
didas I he reconhecem.
Tem agua e pos dentiflcio.
Precisa-se faltar ao Sr. Antonio Jos
Teixeira de Mendonca Belm, nesta typo-
graphia._______________________
Preeba-se de- urna ama para toda o servir
de casa de; pouc? familia : na travessa da matriz.
de banto Antonio n. 8..
Roupa engommada rom a perfeico que so
pode desejar, unto de hornera como de senhoras :
na ra dos Pires n. 39.
~ ..s.r-. pPmpilio Num* Pessoa. acadmico,,
queira dirigirse a ra da Cruz> n. 23, primeiro
andar, a negocio de- seu iuterewe.
Aluga-se o primeiro e segundo
casa n. 193 da ra Imperial: na ra
numero 36.
andares-da
da Aurora
Da-se 1:000* a juros sobre hvpotheca em
urna propriedade: quera quizer dirija-se ra do
Queimado n. 5fl._____
Grande
fabrica
de fogos de artificio, da viuva Rufino, situada na
estrada de Joao de Barros; nesta fabrica apromp-
ta-se toda e qualquer encommenda destes artigos
com o maior esmero e presteza, seja para dentro
O abaixo assigndo, liquidatario da extinota fir-1 ou fra da provincia : recebem-se as encommen-
ma de Vidal & Bastos, pela ultima vez asisa aos : das no armazem da bola amarella, no oito da se-
devedores da mesma fiema, que venham pagar seus cretaria de polica. __________________
dbitos at o dia 19 deijuahe, depois deste date ; __ precsa-se alugar nma escrava que nao tenha
terao de ser entregues os mesmos a um procura- vi(.io e que ^^ eoZnhar 0 diario de uma ^53
dor para os cobrar jud'cialmeate.
maio de 1864. pequea familia : quem tiver e quizer alugar, di-
____________Joao Carlas Bastos Oliveira._____ rija-se ra da Imperatriz n. 4, segundo andar.
i Alugam-se duas casas terreas pintadas de no- Joaquim dos Santos Coolho a
I vo, no beccao Lima, bairro de S. Jos, cada uma I leresse> _____
S. UO- com 2 salas, 2 quartos e armario, cozinha fra e Os abaixo assignadorproiTioverara'amaubs-
um pequeo quintal, serve para uma pequea fa-.cripcao para Guiomar Luiza se retirar nara'l'or-
rnilia : quem pretender, dirija-sc ra da Impe-! lugal, e nao se effeituando a dita viagem pela sup-
plicante tomar outros destinos, os abaixo assigna-
Ka ra estreii do llosa rio n. 34
Advogado ffoaso de Albu-
querque Mello,
pode ser procurado a qualquer hora as
de e que engomrae soffnvelmente, para uma casa de | 'eiras, porm, na villa do Cabo,
pequea familia : quem tiver e quizer alugar.
sextas-
LEILOES.
LEIO
HaMFE
NO ARMAZEM DA RA DA C-ADEIA N. 48.
O geme Olimpio far leilo de uma mobilia de
Jacaranda, uma dita de amarello, um santuario,
uma secretaria de Jacaranda, um guarda louga,
um relogio de crystal, diversos quadros com es-
tampas finas, um lavatorio com pedra, diversos es-
pelhos grandes, marquezas largas c estreitas, quar-
tinheiras, lavatorios, apparadbres, cabides e outros
muitos objectos qffe se torna enfodnho men-
cionar.
i>nru prioci|iio aa 12 .oras em ponto.
S. ISABEL.
TERCA-FEIRA, 31 DE MAIO DE 1864.
Concert de despedida
DE
ARTHUK !APOLElO
1. A companhia dramtica dosSrs. Germano &
Coimbra representara a comedia em nm acto,
A ESPOSA
DEVE ACOMPAXILaE SE
MARIDO.
2. Grande phantasia sobre motivos de Lucia de
Lammermoor, executada por Arthur Napoleao.
3.- O primeiro acto da comedia em tres actos
0 pDIGO A PAO
4. Maranliao Grande capricho de concert,
composto e cxeculado por Arihur Napoleao.
'.0 Segundo acto da dita comedia.
6." Grande phantasia aquatro pianos, sobre mo-
tivos da opera Favorita, composta por Arthur Na-
poleao, e executada pelos Srs. Jorge Vctor e Eich-
baun, a joven A. Bottmi e o autor.
7.g Terceiro e ultimo acto da comedia.
8. Grande galope de concert, composto e exe-
cutado por Arthur Napoleao.
Principiar s 8 horas.
HHPKII
filUUfliO A COIMBRA.
IIa Recita da asslgnatnra.
Quarla-fcira 1 dejimho.
Representar-se-ha o muito apparatoso drama, em
cinco actos,
DE
oOO caixas cora sabo amarello ame-
ricano.
WK
Henry Foster & C. farao leilo por intervenr^ao
do agente Pinto de 300 caixas com sabio ama-
rello, vindo da America e existente no armazem
do Sr. Anncs em frente a alfandega, onde se cf-
fectuar o leilo s 10 horas do dia supradito
DA
loja de calcado da ra do Livramcnto
n.33.
HOJE
Terca-feira as 11 horas.
O agente Miranda vai proceder leilo no estabe-
cimento de calcado sito ra do Livramcnto n.
33, pertencente ao Sr. Antonio Pinto Bczerra de
Azevedo, por ordem do mesmo Sr. *
Assim, pois, ser objecto da venda um completo
sertimento de borzegins, sapatocs e sapatos do cou-
ro de lustre, de marroquim, de panno, de tranca,
aviamcntos, e tudo que so faz necessario para fa-
brica de calcado ; assim como tambem uma boa
armago envidracada, e um candieiro de gaz com
o respectivo registro.
DE
Um terreno com 37 palmos de frente
na ra do Sebo.
Sexta-felra 3 de jimba.
O agente Pinto far leilo com autorisaco dos
Srs. Meuron & C, do seu terreno da ra do Sebo
junto a casa que foi de Joanna dos Passos hoie de
Bartholomeu Lourenco, s 11 1|2 horas do dia ci-
ma dito em seu escriptorio ra da Gruz n. 38, on-
de podero os pretendentes obter qualquer infor-
mado a respeito.
LEILO
DE
Predios e ac$es.
LEILO
Dar
acto,
fim ao espectculo com a comedia em um
esposa deve acompahar
seu marido.
Toraam parte os Srs. Pinto, Guimaraes e Victo-
rino, e as Sras. DD. Camilla e Virginia.
Comecar s 8 horas,
THE.ITR0 DE APOLLO.
ftocledade dramtica lelpome*
e Pernambueaaa.
O Sr. director manda avilar aos Srs. socios que
sabbado (4 de junho) subir ascena acomeda dra-
ma em tres aetos intitulado o Cynico, e as come-
dias Conde de Paragar e poesa e msica, ou os
lamorados sn.i ventura.
Secretaria da sociedade Melnomene Pernambu-
na, 31 de maio da 1861.
Joao N. A. Maciel.
Io secretario.
iioji:.
O agente Olimpio far leilo de uma baca e um
jarro de prata de lei, obra do Porto e de um rico
cordao de curo de lei, tudo ser vendido por con-
ta e risco de uma pessoa que se retira para fra
da provincia.
Dar principio s 12 horas em ponto.
Como sejara :
Um sobrado de 3 andares e soto, com 3 janel-
las de frente para a ra doVigario n. 23, e fundos
para a ra dos Burgos.
Uma casa terrea na ra do Cabug n. 8, na qual
se acha uma loja de chapeos de sol.
Urna dita na mesma ra n. 10, em que se acha
uma loja de fazendas.
Uma petiuena parte do sitio que foi do finado
cirnrgifio Manuel Joaquim Poreira, om 1'arnamei-
rlm.
Sexta-feira 3 de junho
ao meio dia.
O agente Pinto autorisado pelo procurador bas-
tante do Sr. Francisco /os Teixeira Bastos, far
leilo a hora cima designada do dia 3 de junho
dos predios cima mencionados, os quaes se tor-
nam recommendaveis por serem edificados em
ras principaes, o leilo ser effectuado em seu
escriptorio ra da Cruz n. 38, onde obtero os
pretendentes qualquer informaco a respeito.
Cigarros pardos.
Da fabrica He Guimar5es & C. era
mingos de Villteroliy.
Estes cigarros cora uta consumo imiaen-
so no Rio de Janeiro e provincia, -tem sido
muito preferidos pela primaria do papel e
&uperioridade e pureza do fumo, o qual
preparado por meio de uma macsina
a vapor de forca apropriada e livre deesas
caarposices nocivas que tanto tem celebri-
sado outros fabricantes, assim pois o nosso
proposito manter a reputado que, de ha
dousannos concenciosamente temos gran-'
geado.
Uaieo deposito era casa de M. J. de Arau-;
jo Sonta, largo do Paco n. 12, Rio de Ja-i
neiro.
Os precos na fabrica e deposito so os se-
guintes:
Cigarros de papel pardo 2#700 o milheiro.
Ditos de 2* qualidade 24000
Di los Garibaidis 34800
Ditosbrancos em chumbo 35800
Ditos depalhaSanta Rosa 65000 >
Ditos de dita Faceiros QliOOO
Ditos de dita Baependy e^OOO
Ditos de dita Suspiros
(especiaes 8#000
Fumo de Minas picado
em chumbo. 800 rs. alifara.
A' venda nesta cidade no Razar Pernam-
bucano ra larga do Rosario n. 30.
Na ra de Aguas-Verdes, no primeiro andar
dancasaj^.^desfija-se fallar cora urgencia ao Sr.
negocio de seu in-
ratriz n. 4, segundo andar.
Thomaz Pereira Bastos, Iirasileiro, vai Eu- d?s concordaram a offerecer a diu quantia ao Hos-
ropa tratar de sua saude.
ATTEMAO
Ad'Qcacia.
O bacharel Lourenco Avellino de
Albuquerque Mello, antigo advoga-
do desta cidade, tendo regressado
ella, tem aberto o seu escriptorio
ra do Imperador n. 40, onde pode
ser procurado para os misteres de
sa profissao todos os dias uteis
das 9 da manhaa s 3 horas da
larde, e offerece como garante -a
seus constituirles a n5o interrompi-
da pratica de 25 annos de advoca-
da. 0 mesmo aceita partidos e
tambem causas nos termos do in-
terior onde locar a estrada de ferro.
i pital Portugucz} os senhores que concorreram com
; o seu contingente, e nao concordar com o que fica
, assim dito, queiram fazer o favor de irem receber
a quantia que deram na travessa do Queimado n.
9, no praso de 13 dias. Becife 27 de maio de 1864.
Manoel Bibeiro Fernando.
Bernardo de Cerqueira Castre Montelro
AMA W HITE
Precisa-se de uma ama que tenha bom leite :
tratase no sobrado n. 26 confronte ao becco do
l Pocinho, ou na estrada dos Afflictos, terceiro sitio
i ao lado direito.
Jurdiueiro.
O cemiterio publico precisa de um jardineiro :
i a entender-se com o administrador do mesmo.
OITerecc-se para ama de homem* solteiro uma
mulher de maior idade, para cozinhar, e d fiador
a sua conducta : na ra Bella n. 26.
LU
Saques sobre Portugal.
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C.
Agentes do Banco Unio do Porto.
Competentemente autorisados sacam por todos
os paquetes sobre o mesmo Banco para o Porto e
Lisboa e para as seguintes agencias:
Precisa-se de um amassador : na padaria de A.
F. da Silva Beiris, ra dos Pires n. 42.
tscola particular ra
Cruzes n 21.
Sebastio Antonio de Albuquerque Mel-
lo, professor particular provisionado pela
diroctorta geral dos estados, avisa aos
pas de seus alumnos que traosferio a sua
aula para ra das Cruzes n. 21, primei-
ro andar, onde contina a leccioner aos
seus discpulos com zelo e dedicago as
materias do cnsino primario e secunda-
rio. Os senhores que quizerem utilisar-se
de seu prestmo podem dirigir-se a men-
cionada casa a qualquer hora -, obser-
vando mais que est disposto a ensinar
noite alguns preparatorios aos que nao
poderem frequentar de da.
LEILO
_ o
Sexia-feira 3 de junho s 11 horas
O agente Pinto levar novamente a leilo as di-
vidas activas da massa fallida de. Antonio Pereira
da* Silva na importancia de 5:368,5442 rs., servin-
do de base a maior offerta obtida no leilo do dia
20 de maio, o leilo ser effectuado s 11 horas do
dia cima dito no escriptorio do referido agente,
ra da Cruz n. 38.
DE
AVISOS MARTIMOS.
de movis e outros artigos.
Em continuacao.
fOgarta feira ao nielo dia.
O agente Miranda, por nao ter em seu armazem
proporcoes sufllcientes para accommodar todos os
objectos de que eslava cncarregado pelos seus
committentes de expr venda, contina o mesmo
leilo expondo leilo um sem numero de objec-
tos ainda nao apresentadoj, taes como movis,
quinquilharias, artigos de lino, etc. etc.
LEIE.AO
DE
Urna escrava.
Quarta-feira 1* de jtinho.
Por ordem do consulado de Portugal, o agente
Pestaa far leilo no dia Io de junho prximo fu-
turo ao p da Associaco Coumercial, de uma es-
crava de nome Luiza, a qual engomma perfeita-
mente, cosinha bem e lava, tem 30 annos de ida-
de e pertencente ao casal da fallecida D. Anns
Francisca da Costa Guimaraes, os pretendentes
podem a examinar em mao do mesmo agente.
'MAMA
DE
Dividas activas do espolio de Joo
Captista da Kocha.
Por ordem doconsulado de Portugal o agente
Pestaa far leilo no dia 4 de junho prximo fin-
do, porta da Associaco Commercial das dividas
activas perlencentes ao espolio do finado snbdilo
porluguez JooBaptistada Bocha.na importancia de
9:3605696 ; sendo em contas de livro 4:074852 e
era letras 5:28o84< rs., eutrando nestas duas
hypothecas eujos ttulos e relaeo das dividas
acham-se em mao do agente, onde podero ser
examinados. Na mesma oecasio venfler-se-ha
uma casa na ponte dos Carvalhos avahada por
90,5, pertencente ao mesmo expolio.
AVISOS DIVERSOS.
laSM
Amarantes.
Arcos de Val de Vez.
Aveiro.
Barcellos.
Bastos.
Evora.
Fafe.
Faro.
Vianna do Castello.
Villa do Conde.
Villa Nova de Portimo.
Villa Real.
Villa Nova de S. Antonio
Vizeu,
Beja.
Braga.
Bragan^a.
Caminha.
Castello Branco.
Figueira.
Guarda.
Lagoa.
Lagos.
Lamego.
Lei lia.
Monco.
Moncorva.
Oliveira do Azemeo.
Chaves.
Coimbra.
Covilba.
El vas.
Entremos.
Penna Fiel.
Pinhal.
Porto Alegre.
Regoa.
Setubal.
Taver.
Thomar.
Ilha Terceira.
Fayal.
Madeira.
S. Miguel.
I CICERO PEREGRINO
Ra do Livramcnto n. 19
Primeiro nadar.
Aviso.
Na fabrica de sabo na ra do Rangel n. 34 se
contina a vender sabo amarelto massa. tanto en*
caixas como a retalho a 200 rs. a libra.
Precisase de um caixeiro de 12 14 annos-
de idade, que tenha
da Roda n. 48.
pratica de taberna ; na ra
Qualquer somma prazo ou vista, podendo
; logo os saques prazo serem descontados no mes-
mo Banco a razo de 4 por cento ao anno 5 a
O abaixo assigndo, desejando evitar quanto pos-1 tratar na ra da Cruz n. 1._________________
sivel o contrato do Sr. Feliciano Joaquim dos San- Precisa-se de uma ama para todo servico de
tos, acode-se pela ultima vez a imprensa para pro-1 uma casa de pouca familia : na ra das Larangei-
testar em nome de seus direitos contra as narra-
res inexactas e engaosas que se contm cm um
annuneio do mesmo senhor, ltimamente publica-
do as paginas do Diario de Pernambuco.
Sem descer a discutir pelos jornaes as pequeas
e numerosas questoes, a que tem. dado lugar o seu
contendor, que poe sem duvid a mira em expr
a reputacao do abaixo assigndo ao odio e despre-
zo pblicos, julga conveniente o abaixo assigndo
fazer saber ao Sr. Feliciano ou a quem convier:
Quo o escravo Paulo fuglo ltimamente da guar-
da do depositario Antonio Maria de Araujo. que o
podia ter confiado sob sua responsabildade, a
ras n. o, primeiro andar.
Precisase de uma pessoa forra ou captiva
para comprar e cozinhar, paga-se bem, sendo de
boa conducta e cozinhando regular : na ra do
Queimado n. 7.__________________________
Rocco Pagano, subdito italiano, relira-se para
Europa.
Precisa-se de um caixeiro para taberna, do
idade de 12 13 annos, com pratica ou sem ella :
na raa do Bangel n. 18.
O abaixo assigndo declara que em algum
tempo se assignou Luiz Antonio dos Santos, poK.i
que por apparecer outro de igual nome, se assig-
nar d'ora em dante
Luiz Antonio dos Santos Pereira.
m
Costa
O bacharel
Francisco Augusto da
advogado
f!i a do Imperador n. 69.
mmmmmmmmmm
O SACROSANTO E ECUMNICO
m
CONCILIO DE TRENTO
Precisa-se de uma ama de leite : na ra da
Conceico n. 8, sobrado de um andar.
Poupando tempo, trabalho, passiencia e di-
nheiro com a compra dos chamins a nova nven-
quem Ihe aprouvesse, levando caminhodoengenho $* do Sr- Browm, vende-se em casa dos Srs. Os-
Crassuipe,e conduzndo em sua companhia uma, borne rua (1 Imperador n. 78._______________
escrava do abaixo assigndo ; quo Paulo dexaodo !li niiciio
essa escrava em Frescondim, seguio a seu destino,
e quando mais tarde voltou este engenho, j
ex
pri-
LEILO
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DR
Xaregace eostelra a vapor,
liba de Fernando de Xoronha.
No dia 14 de junho prximo
00 meio dia, soguir um dos va-
pores da companhia para o pre-
sidio <]q Fernando de Noro-
nha. ......
DE
um escravo
Quarta-felra ao meio dia.
O agente Miranda vender em leilo, no dia
Aos 5.000$0O0.
Corre aiuanha.
Quarta-feira lde junho prximo se
trahir a ultima parte da segunda e
meira da terceira lotera da igreja de N. S.
do Carmo, no consistorio da igreja de N.
S. do Rosario da freguezia de Saoto Anto-
nio.
Osjbilhetes, meios e quartos acham-se
venda na respectiva thesonraria rua do
Crespo n. 15.
Os premios de 5:0005000 at 100000
serao pagos uma hora depois da extraccao
ats 4 horas da tarde, "e os outros no dia
seguinte depois da distribuicao das listas.
O thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
aquella havia sido capturada e levada a presenta
do abaixo assigndo por tres moradores do mesmo
engenho que foram devidamente gratificados com
loj sob promessa de generosa gratifieaco, se ap-
prchendessem Paulo, de quem informaram que to-
mara a direccao de Crassuipe com Emiliano.
Que falsa e inexacta a tal respeito a afrmac.o
do annuneio em queslo, que perfetamente revela
em seu autor genio inventivo' e pouco escrupuloso |
na exposico dos factos.
Que, quanto aos escravos Germano e Joao que
se sabe publicamente estarem em poder do Sr. Fe-
liciano a prestar-lhe servicos, protesta o annun-
cante fazer valer os seus direitos em tempo oppor-
tuno, destruindo as machinacoes dcsleaes de seu
contendor.
Que prompto como est o abaixo assigndo a fa-
zer-lhe entrega dos animaes, para o que j convi-
dou pela imprensa o Sr. Feliciano, nao est em
suas intencoes recusar-lhe a entrega do engenho,
com os instrumentos, utencis e fabrica ao mesmo
pertencentes, do que tudo fez, ha um anno, deposi-
to judicial.
Que finalmente preza o abaixo assigndo em
prego inestimavel o seu nome e a sua reputago,
e tem conscencia de nao haver em tempo algum
a premio.
D-se a quantia de 800?5 pelo tempo que se con-
cordar a um e meio por cento ao mez recebendo-
sc por seguranca petihores ou lirma a contento,
pode ser procurado a pessoa que faz este negocio
na loja de calcado na prac.a da Independencia do
Sr. Porto n. 39.
i:m
Precisa-se de um moco que saiba perfeta-
mente escripturar por partidas dobradas : na rua
do Crespo loja n. 17. .
mmmmmm mmm mmmmm
M Fabrica Conceigao da M
Bakia.
Andrade & Reg, recebem constante- ^
mente e tem venda no seu armazem n. W
34 da rua do Imperador, algodo d'aquel- j|
la fabrica, proprio para saceos de assu- ^g
car, embalar algodo em pluma etc., etc., 2KS pelo preco mais razoavel. )8g
mmmmmm mwm *****
iatim c portiignez
DEDICADO e consagrado
Aas Hlnslrissimos e Itevcrendissimos Senhores
ARCEBISPOS E BISPOS
DA
:. kb:.i v lisitvm.
NOVA EDigO
2 volantes encalmados.
Est nos prelos da casa dos Srs. Antonio Gon-
calves Guimaraes & C. do Rio de Janeiro, e as-
Sigoa-ss em Pernambuco na linaria de Guimaraes
& Oliveira, rua do Imperador n. Si.
Na praca da Independencia, loja de ourives
n. 33, compram-sc obras de ouro, prata e pedras
i preciosas, assim como se faz qualquer obra de en-
I comraenda, e todo e qualquer concert, e igual-
mente se dir quem d dinheiro a premio.
I Aluga-se um sitio na estrada da Ponte de
Uchoa e a marg-m do ro, pouco adiante do Illm.
j Sr. commendador Nery Ferreira, tendo banhero,
Ipalanque, galinheiro e outras acommodaces; e
outro dito no Monteiro, em frente ao oito da igre-
ja : a tratar com Antonio Jos Rodrigues de Sou-
za, rua do Crespo n. 15, ou estreita do Rosario nu-
! mero 32.
Jindama Ferro,
k
m
O administrador da
Sfifta j s.^!^iflns!5,on Luiz pereira-ponvda aos credores do mcsmo r,na
aos caracteres no-1 do para que) dentro de 0jt0 aSj a comr da data
votado o mais formal desprezo
nestos.
0 cirurgio Leal mudou
a sua residencia da rua do
Queimado para a rua
Cruzes sobrado n. 36, pri-
meiro andar, por cima do
armazem Progressiste, aon-
de o acharao como sempre
prompto a qualquer hora par
predios na povoacao do Monte i t r j
ro, todo em chaos proprios. ra o exercicio de sua pro-
OagsBte Simdes far leilo requerimente dos -fiooSv nlinrvinl^ /^ vmi.inl.
administradores da massa fallida (je Joaquim Ve. USSaO, (?Iianiaq0 PO feSCnpta.
b abaiXo.assignadono_inveja. a experimentada V?Sr?SSA'^Affi
[ divida, afim de serem competentemente verificados,
sob pena de, findo aquelle praso, nao serem atten-
I didos na classificago dos credores, aquellos que
deixarem de apresentar taes ttulos. Recife i de
maio de 1861.
ereconhecida boa f do Sr. Feliciano, com quem
nao se quer encontrar em comparaco de senti-
mentos hooestos, deixando a terceiros que julguem
a ambos. O abaixo assigndo respeila e acata o
juizo do publico, e julga-se collocado muita dis-
tancia desses que com seus hbitos insultam mo-
ralidade, affrontandoo por uma vida mil vozes ma-
culada.Manoel Barbosa da Silva.
ATTJE]?40o
Precisa-se comprar uma escrava que seja sadia
e que saiba cozinhar, de meia idade : quem tiver,
falle na rua estreita do Rosario n. 4, loja.
proprietaria do hotel italiano sito na rua do Trapi-
che n. 44, tem a honra de participar ao respeitavel
; publico desta capital, c em particular aos senhores
xa empregados do commercio quo acharao todas as
a fallida do finado Jos ^jf*!*!*^*^ a a^ada >! de ra-
vioie, como assim todos os oulros das oulras es-
colhidas sopas italianas ; isto estar prompto das
10 horas da-manha s 4 da tarde, horas muito.
proprias para lanche ; afian^ando-lhes que os pre-
cos serao os mais razoaveis possivels, e de que es-
pera toda a concurrencia.
Attencao.
D-se dinheiro a juros sobre garanta em prata
e ouro ; na rua estreita do Rosario n. 4, loja.
hora cima indicados, um escravo perito cozinhei-
ro, no seu armazem da rua da Cruz n. 37.
Joaquim Ferreira da Sirva muda seu nome
para Joaquim Ferreira Mattozinhos por haver ou-
- i tro de nome igual.
UaS Precisase fallar ao Sr. Joo Ferreira de La-
cerda.que roorou na rua da Roda, nesta tvpogra-
phia.
O Sr. Salnstiano Ciraco, que morou na rua
Direita, e reside nos arrabaldes desta cidade, tenha
a bondade de declarar sua morada que se precisa
fallar-lhe.
Precisase de uma preta moca que cozinhe e
engomme : quem a tiver e queira alugar, dirija-se
rua da Cadeia n. 55, primeiro andar, que acha-
r com quem tratar._______________________
O abaixo assigndo declara em tempo, que
tendo fgido os escravos Paulo e Emiliano para o
engenho do Sr. Pedro Francisco de Albuquerque,
all se acham, e bem assim os escravos Germano e
Precisa-se de uma criada
que saiba ceznhar e comprar :
Amaro (Mundo .Novo), sobrado
Dr. Sabino.
livre oa escravar
na rua de Santo
onde morou o Sr.
Arrenda-se o engenho Jangadinha, distante
desta pra^a duas legoas, bom moedor de agua e com
proporcoes para fazer se 2,000 pes de assucar an-
nualmente : a tratar no engenho Cavalleiro conti-
guo ao mesmo engenho, ou na rua de Santa The-
reza n. 38.
Aluga-se o segundo andar solo do sobra-
Joo fgidos Umbem desde c anno passado, procu-dfi. sito na rua da Imperatriz n. 36: a fallar no
raram o Sr. Feliciano Joaquim dos Santos, em cu- primeiro andar do mesmo.
ja casa estao, sendo depositario delles o Sr. Anto-1 No caf Restauran! do commercio rua do
nio Mana de Aojo, que ja deve ter scienc.ad.s- (Trapiche Novo n. 22, tem quartos mbilliados nara
lo, sem duvida, porque e muito para crer que esses alugar por mez. mounnaaos para
senhores Ihe tenham communicado. Estes escra-1 ----------------------------------.____________
vos fazem parle da fabrica do engenho Frescondim. | Aluga-se a loja de uma porta S na
Manoel Barbosa da Silva. rua do Crespo n. 4 com armacao ou sem
Precisa-se de um caixeiro de 16 20 annos,
que tenha alguma-pratica de taberna : a tratar na
rua da Cadeia do Recife n. 5*3.
Ama.
Na rua da Ga(Mt do Recife n. 13, 3o andar pre-
citare de uma ama que saiba cozinhar.
O abaixo assigndo avisa ao Sr. Feliciano ella, para,tratar em casa de
Joaquim dos Santos que pode ir tomar conta at o mesma rua n. 4.
fim do corrente, das beslas e_ bois que tem o mes-
mo abaixo assigndo obrigaco de entregar, con-
forme recebeu na oecasio do arrendamento do en-
genho Frescodim, e se o nao fizer declara que se-
rao depositados era juizo, assim como j o fez o
anno passado com a fabrica, e o mesmo engenho
por se ter negado Smc. a receber tudo calculada-
mente, e com o fim de receber renda ampia.
Manoel Barbosa da Silva.
Precisa-se alugar uma preta que saiba cozi-
nhar e engommar : quem a tiver, dirija-se rua
do Trapiche n. i, que achara cora quem tratar.
J. Falque na
Precisa-se de uma ama para tomar conta do
uma cnanga de 14 mezes, e-mais algum servico do
casa de pouca familia : na rua do Trapiche n. 11,
hotel de Franca.
Precisa-se de um caixeiro com pratica de
molhados, ou que tenha sido caixeiro de alguma
taberna, sendo Portuguez, com idade, pouco mais
ou menos, de 16 18 annos,: a tratar na rua da
Senzala Nova n. 4.

Precisa-se de um caixeiro
da fundico do Sr. Slarr,
na padaria atraz


* ItterM #t*kmm*M Ter^g
ale Mal* e I8l.
CURSO PRATICO
pedagoga I
Aos alumno-meares tas escalas nr-
maes primarias c aos instituidores
em excrcicio.
POR
MR. DALIGAULT
Traduiido t anotado por J. P. M. P.
Este excellente Curso de Pedagoga, alm do pre-
faclp, a de doas captulos preliminares, est divi-
dido era tres partes, relativas %" educarlo physica,
intellectuale moral
Ifo primeiro capitulo preliminar trata da dignl-
dade das Tuncco>s da instituidor primario ; no se*
gundp das cualidades que Ine sSo necesarias, quer
tenham directa relacSocomas.suas funccSes, taes
como tondade, firmeza, paciencia, regularidad^,
zelo, pureza de coslames, piedade christa*, auer a
ellas se reliram indirectamente, como a poliez, a
moestia, a prudencia, o de?interesse, amor de
rearo.
A primeira parte consta de doas captulos. No
primeiro trata dos metas indirectos da 'educacao
physica, ou precr.oces hygienicas >, taes como ; as-
seio dos meninos, hmpera da escote, e outros. No
segundo, tneies directos ou xerclcios, como
andar, correF, sallar, trepar, etc. etc.
A seguida parte relativa dueacao rntellectual,
ou iastruceo propriamente dita, conten cinco ca-
pitulas. No primeiro trata da escdlha do local para
a escala, oceupando-se tanto -do que dte respeito ao
sea exterior, como pateo, alpndre, latrinas etc.
oamo do se* interior, isto -, rea da classe, pare-
des, jataeilas etc.
No segundo capitulo traa damOfcilia da esoela :
strados, mesoes, camparnos, pedras, differdntes
quadres,-cabide, estante, relogio, fruciflxo etc. etc.
etc.
o terceiro occufwwe dos nvaios disciplinares,
em seis artigos, atgmrs dos quaes com sub relativos boa destrlbuicao do lempo e do traba-
Iho-; as difTereutes manelras oe transmittrr o pro-
fessor as suas order.s-; aos llvros de matricula, tl
themas, de notas etc. etc.; aos vigias ou repetido-
res; s recompensas, como elogio do mestre, boas
notas, lugares de distinecaa, medalhas, quadre de
honra, premios etc.; s punzes, tratando dosiwus
caracteres geraes, e indiacdo quaes s castigos,
modos de ialigHos.
No quarto trata melhores meios de etTectwa-la, "e dos xanes indi-
viduaos e frene-.
No quinta oceupa-se 'dros methoas de eusmo, em
duas seccoes ; na primeira dos methodos geraes,
isto do metiiodo individual, *a simutaneo," do
mutuo, e do 'nyxto: tazendo ver fllrrnuifflanr i ad-
mente qaaes as vantafens, e incoaveniente de cada
um : na segaoda dos melhodos partieulsres, divi-
dida em cinco artigos, no primevo dos quaes trata
da inslruopto moral"o religiosa, -dos principios a
seguir neste ensino.- do caratfer que Ihe conveni,
dos meios.de graver as verdades religiosas na
memoria Oes alumnos, fazen4o seu sentido e belle3-, no seganto ta leitura, e eos
difTerentes procesaos : no uwoeirrda escripia, dos
seus precessos, des objeclos *qae Ihe sao necessa-
rios, come cadentes, pennas, pautas, reguas, tapis,
traslados, ardozias cct. ; no (junris do caruto dos
principios geraes da arithetMa, das operacoes fun-
damentaos etc. : no i|uiu!o do et'.uto da gramma-
tica.
A terceira pa.e. da educa^uo moral c reCigiost,
coinpde-se deiqcatro capi*los. Ko primeare dos
quaes tenia do carcter dosdefeitos, que dcverasernorobieidos, coato a-ssn-
sualidade, a; -pregui^a, a mentira, a inveja-elc. No
terceirodas'virtudes que se devein imptaatar no
coragao dos'meninos, quer moraes pr ditas, como pureza deetXaaiea, |,iedade filial,-amor
frateraul, prebidade, benevolencia e poMez, res-
peito aos superiores, aos reinos, e s leis etc. quer
religiosas, coito a plodiide, a cxridade, a tiunani-
dade etc. \\o quarto, dos meios de fortificar- o ins-
tincto moral, e e seatwwnto religioso : toes como
bons templos do mesure, historias cdiGeantec, can-
ticos montes, exercicios religiosos, e outros.
A obri em 1 volame por" 130000 nagas--aa en-
trega do er.omplar.
Est abefa a assigaatara era todas as livrarias
desta apita!._______________
O %v. Ponre ate l.coa.
O Sr. Antonio Caries Pereira de Burgos Ponce
de Len insiste em fazer-pcnsuadir ao publico, que
eu me -separei de sua oampanriia e Ihe prcpuz ac-
gao de divorcio, sem que para isso 'vesse motivo
aiguin Yund&do, mas arrasietU tao smeni > por
muvimento estranlio, ehegando sua veUeidadc ao
ponto de inculcar, que ou vivo sob apressaoda
vontade de meus pas, o que so pelo inveocivel
temor que et.es me ospiram i que ainda.3ilo me
reeoncikei ostensivaaieae tora elle, qttando alias,
em particular, viveows -na raelhor iatelli(cncia.
E de tudo iei'j tira elle motive-para me inconuno-
dar de novo, >ropondo-e umr. ac^ao reseiseria do
divorcio, na rual allegoii BS4BSS revoitaotes Uhi-
dades.
Pedia o.deciro que e*t me al.ivesse de tratar
luz publica esta des^ra^ada qaestao, que Sr.
Burgos tean procurado dar una triste ceebrk *de.
'-Entretanto,'-forrada pele indigno c insidioso pro-
cedimenlo do-Sr. Burgos -venlio, bem mau pe-
.zar, fazer peraate o publico as r-eguintes ajlemees
declaragoes, .qs:e serao nspetidt emquanto o Sr.
: Burgos, nao ceoonvencer te que deve deixar-me
em Jnerrupcao vivir tranquilla socegada. ISo
quena, com oieu silencio, r urna appareocia de
verdad.e ao roenaace que c Sr. Burdos inventou e
^spalba, c favorocer assin os pe tenebrosos p-a-
Eisa-iui asiaicrias declararles'.
.Sabina companjia do Sr. Bangoc c refugiei-nje
na. casa.paterna fara Ihe prpor.a aegao de divor-
cie, nao .porque fe-.se isso movida por volitad*
eskaniu, mas *:u: em razio ios. iaromportaveis
martyrios.porqQe iae fez passarc-4r. Burgos, du-
ranteidezilngos neos que vivnmos juntos. Sabi
de sua companhia per causa de suas repetidas c
escasdalosas infidelidades ; saki canala deolTrer toda a sortedo nuos tratamen-
tos; Sii,porque a miaba vida eonia imminente
perigo sahi porque nem o oieu corno, nem o
meu espirito tinham ma>s forras para^upportar tao
. longo e insollrive! torn:ento'; sahi, linalmente,
.jorifue J tiuha pago com usura o .passo impru-
Lentissiiik?, que 6-Ji'a. e deque muito me tenho ar-
lependido, mu casar-me, centra a vontade, di meus
prenles, um o.uemem mais refalsado que o cu
cabr.
Em ludo quantc fcnho feitc este respeito, meus
pais nao figuraram oenao coreo meus nauraes pro-
tectores, yuem sane fue Uve firmeza e resolu^o
.baslof.te, para rasar-ine. anda menor, contra a
vonUiie de meus pais, nao acreditar cerUraeute,
,que Itji', vinte annos depois de meu casamontc,
jija.coLeirangiila, {tur veutad nr separada do Sr. Burgo. Elle*, pois, nao ecer-
#.eram e nem exercera a menor violencia sobre a
(kaoln voatade, a qual anca fo-i mais llvre do!
i|ii6 na ru'ohir.'io que Uunei e conservo de viver;
rondel c p-irpetuainente separada do Sr. Burgos
Viva tao saUsfeita e feliz em companhia del les,
qoaoto possvel urna pessoa, que iem muitos
e grandes motaos de desgosto, e ni lodo o raso
infinitoeente m2is satisfeiu e feliz do que viva na
eompaoka doSr Burgos.
Faca, portonto, o Sr. Burgos, o que Ihe sufgerr
a sua at boje nao igualada malicia. Finja a itinlia
letra e 'assignatura, para inculcar que Ibe esenevo
/arias: diga que viyo opprimida por meus pais,
was que entreunto o eslimo e almejo pela nossa
aoconciliaco ; eompre tstemunhas para irem de-
pr aquilo que Jbes d* a estudar por eseripto ;
Sarkvo-mc da doce tisfaco de ver meus iihos e
de os ler em minl compania ; invente finalmen-
te quanto sua erti imaginacao parecer eoMB*
nienle para altngir o Jim a que se propoe. Com
tudo isso, e concedeado mesmo que nao houvesse
Rustica na trra, s poderia lograr o seu im prin-
cipal, que annullar a senteoca de divorcio, e res-
tatelecer a communhao de bons, para ler o direi-
to de participar da pequea heranga, que me ha
de vir por mor/e de meus pas, quera Dos, por
baratissimas.
desses sniores se julgar creddr, pode apresentar
os seus ttulos aas Qnco Ponas n. 06, no praso de
8 das, ao Sr. Joo Jos de Garramo.
Dlogo Henriqne de Sonza.
O abaixo usifnado faz sciente ao respeito- Garrawes vazlos.
vel puhlfco,' e prinJipahnenle aps senhores neg-1 Compra-se gnrrafoe vazios bem acooflicioffados.
oianlfs, com que leve transac^Ses de negocio. |e limpos grandas a 480 e pequeos a 320 rs. : no j
que jolga nada evar nesta praa, porm s algum grande armazom de molhados da Brilhanle Au- r
rora ao largo da Santa Cruz n. It esquina da rur ^Oja a Aiara-Kua (la Impei'dlliZ B. 00.
do Sebn. II. Oprbprietario deste grande estabeleclmento, Loa-
Fariuha. milllO e farello. renco Pereira Mendes Guimares, promette sem-
Vende-se milito novo sacces grandes a 4, fari- pre vender barato para apurar dtoheiro. .
nha e farello saceos raonstros a 5^300 : no arma- (irnndepceliincha. corles de C(8-
zem da Brilhante Aurora ao largo da Santa Cruz sa a SAOtta)
n. 12 esquina da ra do Sebo n. !2 yende-se cortes de ca'aTanT'z para vestidos
4(1101 jos UOtOS. a 23, ditos a 300, cortes de cambraia de palmas
Chegaram ao grande armaiem da Brilhante Au- solas eom 1 vara de largura a ditos com ba-
rora, queijos novos vmdos neste vapor, ditos de baaos a 3# : na ra da Imperante u. W, loia da
prato, dito suisso, assim como queijo do Sendo ue Arara,
coalhaedemanteiga.o proprietario deste novo Bramante de Un lio a 02OO.
Nao se sabendo a residencia do .Sr.
Francisco Xavier Mendes Jnior, e preci-
sndose falter-lhe a negocio de seu interes-
se, pede-sc-lhe que compareca ra do
Crespo lojan. 18.______ -_______,
Preclsa-se de um bom cozinheiro, e de urna
ama para engommar e lavar : no sobrado n. 32,
ra da Aurora.
Roga se ao Sr. Adolpho Roberto Koop, faier
entrega de urea varea com cria que se aclia no
seo sitia, isto uestes tres dias. do contrario passa-
r pelo destost de ver publicada certa negociada
que Vmc. bem sabe.
Qaem precisar de orna ana seccadirija-se ao
BeccO des Burgos n. i. ^____________ ._
Quera precisar comprar urna linda mulali-
nhade idade de 131 anuospropria para se educar,
por nao ter vicios nem chaqus, sendo o milco
motivo da venda ter recebrao em pagamento :
dirija-se ra da Cru n. 30, Io andar.
ATENGAO.
'Qaetn precisar de urea ama para todo o servigo
<\c nma casa de pouca familia : dirifa>se a ra do
Bom Jess das Crloatos n. 3 achata com quera
tratar-___________
^ Aluga-seoterceiroandar do sobrado n. 3*
na'roa do Amorim : a tratar na rna da Gadciada
Recife n. 62, segundo andar.________
Aluga-se a-casa terrea a.7 na ra Imperial,
caiada e pintada de novo, cara bastantes commo-
-os para familia: a tratar na ra do Quotmado
numero I i.
armazem offerece a seus freguezes e ao publico v PT|m, ,,, Tih i ~imT al
urna variedade de gneros vindos neste vapor to-., nJe 1* Lmna,n'c1Je !n" de -^UFd
dos de primeira qualtdade e por precos os mais ggjy ffiaSn^f.rSWa'
coraraoos posjl, :ac.jdjSjuCr n. 12. %%^^?^** J
% iihos superiores. i ra, bretonha de linho fino a 610 e 800 rs. a vara.
No novo armazem da Brilhante Aurora encon- brim de linho branco a 14200,1*400, 1*600 e 2*
tra-se- vinho do Porto a 640,800 e 1* a garrafa, a vara : na loja da Arara, ra da lmperalriz n. 5.
dilo da Figueira a 480, 560 e 640, dito de Lisboa f?|| j nnn nn ,.s
a 400 e 480, dito branco superior a 480,640 e 800,. I v*ndf wa i- 1 or
vende-se filo de linho muito fino a 800 rs. a va-
ra, dito de cor e branco a 160 rg. o covado, tarla-
ESPLENDIDO SORTIMENTO DE MOLHADOS
V. 9 RUADO CHEMPO \. 9
Esquo; que volla para a roa do Imperador
dito Xercz, Madeira e muitas outras qualidades li-
nas o encanadas se far abatimeato.
Cha e mantelga.
No grande armazem de molhados da Brilhante
Aurora ao largo da Santa Cruz encontra-se cha fi-
no de tonas as qualidades, assim como manteiga
inglesa e franceza.
tana de cor a 640 a vara : na ra da Imperatriz
n. o.
Cortes de casemtra a #.
Vende-se cortes de casemira de cor a 2*. ditos
finos a 3, cortes de ganga franceza a 11600, dito
de "f1" pardo a 1*800 a 2* : ra da Imperatriz
n. 6^ loju da Arara, de Mendes Guimares.
Chitas da Arara a 40 rs. o <*-
vado.
?ene-se chitas escuras e claras a ?4Q e 280
rs.ocevado, ditas francezas a 320,360, iOO e 440
a tratar rs., rcados franceres a 180 rs. o covado, gorgu-
. rio 4z linho para vestidos a 28 rs. o covado, fus-
" Aluga-se a casa terrea da ra do Progresso; &> de cores a 300 rs gangas piara caltas e pali-
n. 21 (junto do Gaaunho Nove) tombem se vende, i**8 a 4*0e 500rs. o covado ; a ra da Impera*
Vinlio verde de Bastos.
O mellior que tem vindo a este mercado, em cai-
tas de duzia : no armazem de Jos Joaquim Lima
Bairao, a ra da Gruz n. 18..__________;
Aluga-se um preto liel para criado
aa ra do Arago n. 43.
;, t*s a 440 e 500 rs. o covado
ou permula-sepor outraque*sja situada as fre- i*'1 n- 56.
^uezias de Santa Antonio eu S. Jos : na rea do A fren vende hstocs a 3,5.
- Consta-me que a Sr tocinda Maria do Espi-1 Queimado n. 7?. Vende-se baldes de 1, O, 23 e 30 arcos, dos
to Santo, fiflia de Pedro Hiendes da Cinfha, nato- Vende-se muito em conta os sojos dos so- meihores_qoe iem vindoso mercado, a 3*, 3#TO
brados ns. 4 6, e os das casas terreas ns. 8, 6, e**'e ditos de brllhartiina a 4*. meias para se-
18,26, 8, 34 e 36 sitos todos na roa dos Marty-1nlwras n** f"* *. 400 e 3 rs. o par, di-
rtos: a -tratar na ra do Arago a. 43. i?.8.^?^^10.??.*. *$so> Para bar, na loja da
rito
ral da freguem de S. Jos de Bezerros, tendo esto
sahido dessa trra para R cidade do ReaTe, Toga*se
aos senhores que por acaso soubcrera "aonde possa
existir dita senhora, de 'the encaminhsr para a ra
do Fogn. 26, casa da Sr" Antonia Maria do Espi-
rito Sattw._______
AMA
Offepece-se urna nina para coziflhsr (portes para
ilntroJ para casa o pouca famHia : nueat preci-
sar, irija-se rea da Gaeims n. 4, -jjrimeiro
MMbe.
Saqaies-sobre f*rtujf;il
O abaixo ssignado, agente do banco
mercantil PortPjense nesla cidade,-saca ef-
feeii vanmirt" .por todos os paquetes sobre
o "raesaao banco para o Porto e Listen, por
quaiqmwr sontma, vista e a-pnazo, po-
dendo logos saques a nrazo serem des-
contados no tnesmo banco, na razode 4
poroentooanno aos portadores qne as-
sim ifce convier: as roas do Grespo n.
8 oa do faiperador n. 51.
Joaquim da Silva--Castro.
quairo vaccas -eem croas para -vendar.
Precfea-se de urai ama para casa de pouca
faraika, para onzinliar, lavar e eog8mmar : na ra
larga jaitoanga n. 33, primeiro andar.
Aluga-se urna escrava boa cozinheirc. e la-
vadeira, e tombem eagomma e '.-ende na ra : a
tratar a r:-da Cruz n. 30, terceiro -andar._____
fVecisa-sc de urna ama para coziohar e en_
gommar : na ra do Rangel n."9._____ _
A. G de Abreu reno de mudar o seu esta-
beieormento para outre armazem, far Jolao por
intervengo da agente Pestaa, fie porcode fazen-
das ingieas e francezas, quarto-feira 1 fle junho
s t% liorastda manliaa m pote, cm seu armazem oatraro as-coiostras.
daramda Gaeia n. 36.
Precisa-se de u-m "caixeira dos ltimos cho-
gados do llawo : na roa de A^uas-Venacs m. 48,
taeran.
Vende-se urna taberna na ra Directa dos
ra da Imperatriz n. 86.
A Arara receben novos
soutenibrqas pretos
Afogados, com poneos fundos, e no melhoc lugar; e rosdenaple ricamente eofeitodos, c os vende
vende tanto para o malo como para aterra, e tem ; por 28* e 23*, capas pretas muito bem nfetadas,
muitos commodos para familia, <3sla prepria para i e mameletes dearosdenaple da superr qur,lida-
prmoipiante : qaem a quizer comprar, drija-se ue : aa loja da ra da Imperatriz n. 96.
(%o se enganem coua a ml(rn)
AMIGOS!
N8o leiam esle aanoncio com precipilaco.
Confrontem os pptfts dos ulros annunciantes.
Venham ver os gneros que temos expostos a venda.
A vista faz fe.
Nao temos palavras bombsticas.
Nao nos enculcamos o primeiro recebedor de conta propria.
Nao desacreditamos ao coltega pon|De nao quiz ser nosso socio.
Tai a qiiem toca.
Para abastecer a toacs os habitantes tiesta bella provincia ainda nao sao suficien-
tes as casas que actualmente oxistem abenas com grandes proporces pata lerem uta
magntco sortimenlo de molhados; assim, pois, os preprielarios do Armazem Principal
nao invejam a sorte ^os seus collcgas.
Habitantes de Pernambuco.
Nos temos um excellente sortimenlo dos melhores gneros que se pode adiar
tm nosso mercado. Vinde ao nosso estabelecimento, e se a vossa boa fe lor Iludida
urna s vez ao teos, castigai-nos nao voltando mais a nossa casa.
Amendoas cwfeitadas de bonitas cores a dem de Ilollauda em garrafucs com 24
l,ooo rs. a libra. garrafas a 7,2oo rs. com o garrafto.
dem de casca muito novas a 3oo rs. a libra., Lentilhas excellenle legume para sopa e gui-
Avcllaas^n 2oo rs. a libra. zados a c2oo rs. a libra.
AMcixM Trancezas em caixinhas cora lindas. Licores francezes de todas as qualidades a
estampas a i,2oo, l,4oo c i,0oo rs. cada 8oo e i.ooo rs. as garrafas grandes.
um5. Manteiga ingleza perfeitameute fldr a 8oo u
dem em frasco de vidro com rolha do mes- 90o rs. a libra.
mesma ra, padaria n. 66, qne se Tara todo o ne
hocie a dinlteiro, e alguns pagamentos cora firmas
boas nesta praga.____________
Vende-se um preto de 36 anaos, serrador
sem vicios nom achaques : na ra de Hurtas a-
-24, primeiro andar.
Na roa do Livramenton. 19, comprase urna
escrava engommadeira e-costuren-a, que seia moca
e sem dote-his.
Ultim gosto.
Cortes de colletes de quadros, ultima joslo,*
45-jOO : na ra do {(eiroado n. 29.
VENMSE
unta /pequea taberna em um dos irrrabaldes u&
freguccia da Boa-Vista : qcem preteader, dirija-se
roa-4a Imperntjiz n.-74,-que W indicer o lugar
da >d'.la taberna.
Gasea organdvs a 210 e optado.
Vcnde-se cassa organdvs para -vestido a $49.
280-e 330 ris o covado, cortes dedfto com 14 eo-
vaos a-;>*, ditos de la con barras 8J> : na ra
da Imperrtriz n. 56 de Mendes Goimares.
% Arara Teude madapolsfrancei afasado 1 V$.
Vende-se pecas de madapolo francoz en-"estodo
;a 4,5, dito inglez rom 24 tordas a 65S00V 7, 85,
]9 e 05, pecas de lgodao eneorpadoa&fi, eQ6j>
if> : na ra da Imperatriz n. 36, Kja da Arara.
* rautle sortlaateaato de rampa
ffelia.
Venderse palitots de panno preto. i 113. 10, 85
e f-5, ditos dllos de brim fino a '45,2<55fO e '3& calca de brim
a 2,5.'i(K) c 25, ditas finas de brim. pardo-a 35, di-
tos de brim branco a ."!5o(W e 45- seroutas de li-
i-aho a 15800-e 25,camisas'iauc4!us Onas a 25200
e 25o0t, dius de linho a35 pp jes de meias a 200
240 e 380 rs., grvalas finas pr fetos e escuras bor-
dadas as pontas a 15, ditas p ara menos a 800
mo ou de metal, a 1,2oo e 1 ioo rs. ca-
da um.
dem em frasco grandes 2,5oo rs. cada um.
V-MfHH i ^^* rs-> colarinhos de lir.o a 'tOO rs. 5 na loja
Ka Piranga^efroatedo sitio na MHet,tuJ GainS/"3 ^ ,mpcnUric Tl' ^i(^ie Mendes
"^'ende-se -era barril:por menos da que em outra
qualquer parte, rara 'echar costa ; no arBiasm
->de J. A. Mereira Dias,.ra da Cruz a 26, cede en-
n
re, etc. : _
iodo lado esjjuerdo.
na ra Direi!.: n. 106.
3-ra mssm
aCAR10--3
Francisco Pisto Ozorio coaina a col-
tocar deutes artificiaes tanto por meio de
tosas c-i..mu pela pressao do ar, nao re-
oeiie.f aga algutna sem que as obras nao
fiquom.a voa'.ade de seus donos, tem pos |
e outea; nrcparafes as mais arrediladas
para ce&tMrvagaot'a bocea.
Aif A OE LK1TE
Precsa-e de iima ait.". de leile sem filho a
tratar na tuja de vros au p do arco de-Santo An-
ifcnio.
de pntainlia de Kazlahas
a SO rs.
Voade.se Hiazinhas para vestidos a 24fl, 320,
400-e-500 rs. o corada, dita I mntei finas ile cores
lizas, proprias para capas e vestidos-de set ihoras a
630 rs. o covado, ditas escu ras muito finas a 640
rs.ocovado,ditas de 'i pa linos e Sargura com
palmas de seda a 720-n cov ado. popeMoa inuito li-
na d ricas palmas a ti5200 o covado : na ra da
Imperatriz n. 56, lojada A rara n. C.
Fazendas |ara s eaboaraa, ;olll-
nhasa 2v M> e aso.
Vende-se golinhas para senlwra. lW, 32 0 e 500
rs. cadauma, camisichas p ara senderas a 15. 15280
35, dilas muito fines coi n gotliotiasn 45oi Ki : na
ra da Imperatriz n. 56,1 oja da Arana.
Venem-se sepoe para aoocgue, .-parafurroi-'d4 Arara cade fazemh s para
Baa,aVa,acio do B*spo,,priniei.-o si- j lulo, easas a 300-r.
Voade-se cassa. prota fina a 320 rs. o co vado,
Terreno. Itoapsetapara luto :a 610 rs. o covao, al paka
Tende-seurn terrene com 30 pacimos de fronte ell*'4'SO' 6W e'SGOrs., bombazina a 15'l 0 o
>1IS de fundo.,-sito na mua da Eperance : a tratar aovado : na rui dailmper atriz n. 30, loja e ai "ma-
zemda Arara, dei Loaren co Pereira .Mendes cui-
Feifo a lli|
Vendem-ee-saccos cora 22cuias de feijao raulati-
iBbo e rajado : na ana da Madre dePeosus. 5 e9.
Milito a 3#20.
Saccas com26 cnias de milho:
l'fira de eos-cs. 5 8-9.
na ra da Ma-
marar.s.
lories Yende-se cortesd^ chitas de cores fizas com
covados a 25400, ditcs finos a 25800, ditos de r
Muita utlennlo.
'Vende-se -a taberna a roa doRatifrd n. 22 com
poneos gneros, e bem afreguezada rara a t erra ;
e ti-nibem se-vende s t armacao, ocaso dos pre- j-cado francezes casi 4 covados a 35 : na ra t ta
tendentes nao quererem.Scar com os-paleros ; es- mperairizt. 56,-loie. da Arara.
.te negocio fa.--se por cata do dcoo lerie se reli-
rar-aiuito breve para Europa: a tratar ta mesma.
Precisa-se do urna na que t&nba bom e
hatante leite : ai tratar na ra Direlto u. -10, se-
Ui)Jn andar.
Xs aliaiio asignados.declaramos nada de-
ver nesta praca nem fra; no enlamo, quera se
ulgar.credor, apreseute suas contas no praso de
oito.diae. lteeile .'JllJe maio Jos do -Couto Ginraariies & C
Precisa-se de ubi eaixeiro 4j 14 16 aanos.
em pratiea de taberna; na ra dos Pires n. 16,
9 Preea-se de uoia.ftoia paia.cozinbarem ca-
sa de pouca familia : na ama da Crtz n. 29.
.Aluga.-re urna prota -ascrava para casa de
pouca familia.ou homem solteiro. \va, engomma
e cozinha : na ra das Flores n. 7.
C6MPBAS.
Compra-se effectiva-
mente
orna e prata em obras velhas, pagande-se kn
na ra larga do Rosario u. 4, loja de ourives.
.Fariafca tic nutuioca .snaeric!
em saceos grandes : vende Antonio Luk de Olivei-
ra zevedo & C no seu eccripuirio tua da Cruz
numofo 1.
Ai
8
o
SS

1
S5
Si-
I
ja
O

ce
i
o
p
O
O
trr>
AGENCIA
DA
FIDICiO BE 10W-M00I.
Rna a -fiaualla aova a. 4.
_______i Jeste estabeteatmento coBtina a bMaT
^ ^, hjb. cora; leto sortioaento de 1 moeadas e meias
p= oaosndas para eogeaUo, macuioas.de vapor
^, Ischas- Je ferro -batido .3 coado, de todos os
a*:.lmannos para dttoc.
g ; Arados amerioatios e machjes para,
' jJavar roupi: em cas*4e S. P. Joanstac I
o
ce
B
co
B
o
s
fi-
es
S
ra .da Seutalla Nova o. 42.
< Ana a vontade do eom prado r
Algoo da Baha
para sancos de assucar e roufa de escravo.; tom
para vender Antonio Luiz de G^sveira Azevado u
C-, no set: escriptorto fu da Gruc n. 1.
Santo Antonio
a
a
m
RA no RR i.in N?\3<
'. I
Conira-se
consmtemente ouro e prato em obras reinas : na
antiga c feliz loja de bilhelesde lotera da praca
da Independencia n ft. ______________
Fabrica de licore perfumarias.
Neste estaofeleci ment comprarse effectivamente
garrafas, botijas e frascos de gcneJjf vasias, assim
toda a especie de frascos de perfuutarias : na ra
do Amorim n. 12,
Acha-se evenda na typographiada ruadolmpe \-~
rador n. ,15 a Vezena do glorioso Santo Antonio.nit
dameate impt6sso, em um foLeelo., obra indispensa-
vel paraos devetos do mesmo santo.
VLNHO PURO.
Chegcn nova reeiessa de ancjreas com supe-i
rior vioho puro : ende-se no escriptorio de E. R. i
Rabello, ra da Cadeia n. 53.
Comprase urna escrava que seja mulata ou
preta, com 30 annos da idade, pouco mais- ou me-
nos, que saiba vender na ra e coziohar, sem vi-
cio nenhnm qnem a tiver.dirija-se^ Capunga No-
va, na entrada da mesma, passando o primeiro
portao, no segundo, que adiar cora quera tratar
Isso mesmo, para raartyrio do Sr. Burgos, ha de | Gompra-se urna escrava que nao tenha vicio
conservar a vida por muitos annos. nem achaque ; a tratar na ra do Livramento nu-
E nao conseguirla senao isso, pois que nao ha-. mero 29.
vera poder algum sobre a trra que me obrigassa I-------=-------;---------------------r.-------3
a viveTmas eom um ente, qiem, por tontos e I Brecisa-se de dina ama que saiba cosinhar e
tao justos motivos, do fundo dalma aborreco e des-
preso, andar^
Tlureza Adelatde de Situara Carakanti. Compra-se urna escrava que saiba cotinhar
'Trinas evolantes.
Chegaram a lempo proprlo.
U para e i'jyilante.
Ate que chegou um gra&Je sortimenlo de trinas
o volantes, gales, titeos e espeguilhas praliadas e
douradas, e de todas as larguras, propriamente
para os ornamentos de igrejas e oratorios para
festejar o mez Marianno ; sous precos sao muito
racoaceis : s no Gallo Vigilante, ra do Crespo
numero 7. _____________
Chegueni ao barato.
Na loja do Passeio Publico n. H, vendem-se pe-
ca* de madapoloes a 55 com 20 varas.
co da Bomba n. i
engommar : na ra do Imperador d. 'ni, primeiro j "l'/sj" "f? c
descaroear algodo
FABBie&OAS
Por Hant Brothei*s & C.
OLDAM
Estas maehnas
podem descaroear
qoalquer especie
de aJfodao sem
estragar o fio.,
sendo bstanle
(lnaspesenas para
o n abalho; pode
descaroear urna
arroba de algo-
do em carneo
em 40 minutos,
ou 18 arrobas
por da ou S ar-
robas de algodo
limpo.
Vendem-se estolos para sortes de Santo Antonio II ^ E6la machina
e S. Joao a 60 rs, a duzia : na livraria universa] ... e a unica que
ra do Imperador n. 34. po"ue as, vantagens de nao deslrur o fio do al-
------v ZSSS------r---------------; i Rodio c de fazcr r(-'nde" o dobrode qualquer ou-
~ l^:^ u so,,ra<|o mei-agua sito no Lee- tra com menos trabalbo. a sua ntroduco
ATTENCAO.
para
Preclsa-se fallar ao Sr. Francisco Pereira La- e,enB0.mraar! gos, nesta typographia.
Precsa-se de urna, ama que tenha bom leite :
na ra de lionas n. 130.
iV- Arrenda-se o engenho d'agua denominado
Jussar, sito na freguezia de Ipojuca, pouco mais
do urna legua das estaedes de Ipojuca e Escada,
com boas margens. de massap para se safrejar
era grande escala : a tratar no pateo do Livra
rnealo eom o Dr. Ignacio Nery da Fonseca.
cor preta; na ra do Imperador n. 4$,
andar.
moca, de
primeiro
VENDAS.
Vendem-5e os terrenos de marranas ns. 40 e
40 A do caes do Caplbariue : a tratar na ra da
mperattiz n. 63. i* andar.
;. quem o pretender, pode deca-! as provincias desle imperio ser de muito valor
c residencia na loja n. 18 da ra ; para todos os interessados na lavoura do paiz.
do gueimado para ser procurado.____________. 1 Assim como machinas em ponto grande do mes-
Vende.ee a taberna alraz da matriz de Santo! mo 'J'stema, para serem movidas por animaes,
Antonio 11.18, com poucos fundos, e d-*e 10 OO aSua ou vaPr> as 1uae-4 P0(,em uoscarocar 18 ar-
de abale. robas de algodo limpo por da.
Oalgodio descansado por eslas machinas tem
muito mais estimaco nos mercados de Europa e
vende-se por malor preco.
As machinas se achara venda unicamenie cm
de
Saiintiprs Bi'ollicrs k C.
^i. II, praca do Corpo ttanto
RECIFE.
; Oms nicos agentes neste paiz.
dem em latas de 1 \i e 3 libras a l.oo e
2,oo rs.
Arroz da India e Maranho o melhor que se
ple desejra loo e 12o rs. a libra el
,800 e 3,ioo rs. a arroba.
Azeile doce de Lisboa a Goo rs. a garrafa,
e 4,800 rs. a caada.
dem francez clarificado em garrafas bran-
cas a (too rs. cada urna, e 10,000 rs. a
caixa com 1 duzia.
Alfazema muito nova e limpa a 32o rs. a li-
bra.
Alpisla a 16o a libra, c i,Goo rs. a arroba.
Bolachinhas de Lisboa da fabrica do Boato
Antonio dasseguintes qualidades: aguae
sal doces, e imperiacs em latas de 6 li-
brasa 3,ooo rs. e de 3 /> libras a i,000
rs. eem libra a 6iors., estas bolachinhas
trna-se muito recommendavel com es-
pecialidade para os doentes.
Biscoilos e Bolachinlias de suda em latas, de
todas as qualidades e marcas que se pro-
curar a 1,35o rs. a lata.
Bollos francezes em cartes e de diversas
qualidades a Ci rs. cada um.
Banha de porco verdadeira refinada a ioo
rs. a libra e em barril a 38o rs.
Batatos novas a 160 rs. a libra.
Bolachinhas inglezas ltimamente desembar-
cadas a 24o rs. a libra e 2,ooo rs. a bar-
rica.
Champagne das marcas mais superiores que
at boje tem vindo a nosso mercado a
18,ooo rs. o gigo, I.oo rs. a garrafa n-
teira, e 800 rs. as meias.
Cha uxim o melhor que se pode desejar e
que outro qualquer nao vende por menos
de 3,ooo a 2,7oo rs. a libra
dem perola especial qualidade a 2,600 e
2,8oo rs. a libra, garanle-sc a qualidade
d este cha.
dem hysson o mellior que possivel en-
contrarle a 2,4oo e 2,6oo rs. a libra,
dem do Rio em latas de 2, i, 6 c 8 libras
a l,2oo e l.ioo rs. a libra.
dem preto muito fino a l.Goo rs. a libra.
Chocolate das melhores qualidades, francez,
hespanbol e suisso a i,000, l,2oo e l, loo
rs. a libra.
Charutos do .acreditado fabricante los Fur-
tado de Simas em "i caixas das seguin-
,tes marcas Pariziences, Suspiros, Dili-
c ias, Napoleoese Guanabaras a 2,3oo rs.,
e em caixas ioteiras Trovadores a 3,ooo
rs. cada urna,
Jtlem de outros mullos fabricantes e de
difierenles marcas para l,5oo rs. as mei-
as c.uxas de suspiros a -I,Goo, 2,ooo e
3,000 .rs. as caixas inteiras.
Conservas inglezas a 800 rs. o frasco.
dem franceza a oo rs.
Cognac inglez das melhores marcas a 1,000
rs..a garrafa e lo.ooo rs. a duzia.
dem francez "suporior qualidade 8-10 rs. a
garrafa e 9,ooo rs. a duzia.
Comnno e Krva-doce a 4oo rs. a libra.
Gravo da -India a 600 rs. a libra.
Qanella a -1,00o rs. a libra.
Copos fios .para agua a 5',ooo rs. a duzia, e
Soo rs. cada um.
Caf do Rio superior a 28o e 32o rs.
bra, e 8,800 e ),5oo a arroba.
Doce fino de- goiaba a 600 rs. o calilo.
Ervithas portuguezas ltimamente ebegadas
a 7oo rs. a lata,
dem seccas a 16o r*. a libra,
dem j descascadas a 2oo rs. a
Farinha de araruta verdadeira
Jibra.
Figos em caixinhas muito Lem
a 1,000 rs. cadauma.
dem em latas eraiticamente
J,5oo e 2,5)0 rs. cada urna,
dem em caixas de */j afroba a 2,S( o rs. ca-
da urna, e 2oo rs. a libra.
Graixa muito nova a loors. a lata e
rs. a duzia.
deoebra de Hollando em frasqueiras com 12
frascos por G,ooo rs. e 36o rs. o frasco,
dem de laranja a l.ooo rs. os frascos gran-
des e ll.ooo rs. a caixa com 12 frascos.
dem de Hullanda em botijas a 4oo rs. ca-
da urna,
dem em garrafes de 16 garrafas a 4,8oo
rs. com a garra fo. arroba.
dem franceza nova ja deste anno a One rs.
a libra, e .">8o rs. ein Larris inteiros.
Marmelada especial dos melhores fabricantes
de Lisboa a 600 e 04o rs. a libra, ha latas
' de dilTerentes tamaitos.
Massa de tomate em latas de i libra olio rs.
cada urna,
dem para soda estrelinha, pevido e rodinha
em caixinhas surtidas a 3,ooo e 3,5oo rs.
cada urna e 5oo rs. a libra,
dem macarra", lalerim e aleiria a loi
a libra.
Mostatda franceza preparada cm fias.o a U
rs. cada um.
Molho inglez em garrafinhas com reinas ile
vidro 64o rs. cada urna.
Marrasquino verdadeiro de Zara a 1,00o r*.
a garrafa, -10,000 rs. a caixa com 1 duzia.
Nozes muito novas a 16o rs. a libra.
Prezunto de fiambre superior a 600 rs.
dem do Porto para panclla a 5oo rs. a libra.
Passas novas a 18o rs. a libra.
Peixe em latas de differentes qqaidadcs ro-
mo, savel, corvina, govas, pscadin'iae
outros a 1.000 rs. a latas.
Palitos para denles a lio e 16o rs. o inass
dos melhores.
Painro o mais novo c limpo a 16o rs. a lij)ra.
e 4,3oo rs. a arroba.
Palitos do gaz a 2,100 rs. a groza, 2oo rs a
duzia, e 2o rs. a caixinhas.
Queijos flamengos chegados nesle oltimo va-
por, a
dem prato muito fresco a 800 e Ooo rs.
a libra.
dem suisso a melhor qualidade qu al
je tem viudo ao nosso mercado a 8co rs.
'a libra.
Sal refinado cm potes de vidro a 000 rs,
da um.
Serveja das melhores marcas a.G.ooo rs. 1
duzia, e 36o rs. a garrafa.
Sardinha de Lisboa e Mants em guarios o
meia latas a 38o 38o rs. cada nma.
Sag mnito novo calvo a 2lo rs. a libra.
Sevadinba de Franca 18o rs. a libra.
Sevadaa loo rs. a libra. 2.8^.-; .1;|. n,,;,
Traques de 1.a qualidade a 8,5oo rs. a cai-
xa, e24o rs. a carta.
Toucinho novo de Lisboa a 24o c 32o rs. a
libra.
Tijollo para limpar facas a 15o rs. cada um
a li-
libra.
a 32o rs. a
enfeitadas a
lacradas a
S.ooo
Vinho empipa Porlo, Lisboa e Figueira ias
melhores marcas a 3,8oo rs. a caada, e
5oo rs. a garrafa.
Idem'do l'orio Lisboa e Figueira de marcas
menos conhecidas a ioo rs. a garrafa, e
2,8oo rs. a canada.
dem Colares especial vinho a Cu0'r< agar-
rafa. 8 '
dem Lavradio muito fresco n-io levando
posicao a 36o rs. a garrafa, e 4,000 a
canada.
dem branco de uva pura a 56o rs. a gar-
,ra,a c 4,5oo rs. a canada.
dem mais bajo a 4oo rs. agarrafa, e 3,ooo
rs. a caada,
dem Bsrdeaux em caixas de 12 garrafas das
marcas mais acreditadas a 6,3oo e 7 (<-o
rs. a caixa.
dem muito especial que raras vezos ?err n
nosso mercado a l.oors.a garraa.ea-
rante-se que por osle mesmo preco da ni e-
ju.zo e so so ei.coutra n'esto armiteem
uiem do Porto em caixas com [jo, ,1
das seguntes marcas Lagrimas do Douro
)uque do Porto, Genuino, Vellio Panicu-
ai. malvasio uno, D. Pedro V. D Luiz
I, .Nctar c outros a 9
a caixa e Ooo
-'.ooo c I
l.ooo rs. a garrafa.
rs.
dem Aiuscatel superior a'l.ooors.
rs. a gaiTafti
fa, e lo,ooo rs. a caixa eom I duzia!
Vinagre puro de Lisboa a"2oo
e 2,4oors. a canada.
dem em garrafes com o garrafas a I
rs. com o garrafao.
Vassouras do Porto de arcos de ferro a 2o
rs. cada urna
dem de escora para esfregar casa 36o 1.-
cada urna.
Ve!las de espermacele superiores a 5Go rs
a libra, e 32o rs, em caixa.
dem de carnauba refinada e de composiclo 1
36o rs. a libra, e de lO.oooa ll.ooo" r< -,
Khh da Senzalla 11. 42.
Vende-se, em casa de S. P. JohnstonC,
sellins e silhoes inglezes, candieiros e casti- c
j caes bronzeados, lonas inglezas. fio de vela,
I chicotes para carros e montara, arreios para
carros de um e doui oavaHos, erelogiosde
ouro patente inglez.
Vende-se alpaca preta a 300 rs. o rovado.
Vende-sc alpaca preta para vestidos a 300, 600,
700 e 800 rs., fina de cordo a 800 rs. para pale-
to!, prinreza preta a 800 e 640 o covado. bombazi-
na preta lina a 1(5400 o covado, l'iazinhas preta
para senhora que estao de luto a 750 o covado :
na ra da Imperatriz n. 56. A loja est abena at
s 9 horas da noto.
fara algodo.
Vende-se por 'prego commodo urna escolente
machina americana que trabalha com um cavailo
para fazer mover qualquer machina pequea de
descaroear algodo, tendo a vantagetn de ter mui-
to simples e economisar muito o (rabalho braeal:
a tratar na padaria da ra Direita n. 81.
Empreza da illuminaclo
i gz.
Todas as vendas de appareihos e rela
(por escripto dando o norae, morada, dala e'ic)
i/ nr no armazem da ra daftiperaiior
n. 31. Osmachinistas mandados para alienara
esias^apreseniarao um livro que os reclamantes
deverao tssigaar logo depois de prompio o servico
reclamado ; i.-to para que a empreza fique scrnto
de haverem os mosmos senhores sido dcviiiamen-
le attendidos.
-/
Prelo a 3,800 rs.
asnera: no armazeai da Estrella, arm da Pa-
rado t. li.
ILEGVEL


PUrU m Pcim^mo Tere M** a* de Mal* driM4.
Grande tiqaidatflo^
fazendas na lua do l';.va;>, ra dj linpfalfli'i.'
hu fe epfU& K*va b. 42.
Neste esttRelMiemt>'rendm-se: tachas de
ttro coado libra a 110 rs., idemdeLow
loor libra *10 rs*
m
confbito e especifico para
expeir os Vermes.
de fazendas na loja
0, de Gama iSiba.
AcOa-se esto cstaftelexirnono roin^iretam, nt^or-'
ti do de fazendas jnjjLezas, francezas, aileiues e
suissas, prop ias tanto para a praga roino para o
mato, prometiendo vender-se inai.s barato do que
eni outra qualquer parte principalmente sendo em
porgo e de todas as fazendas do-se as amostras
deixano llcar penhor ou mandaro-se levar em ca-
sa pelos caixeiros da loja do Pavao.
As caitas do Pava.
Vendem-se superiores chitas claras e escuras pe-
lo barato prego de 240 e 280 rs. sendo tintas segu-
res, ditas raucezas linas a 320, 340, 360, 400 e
500 rs., o covado, ditas pretas largas e eslreitas,
riscados escocezes finos a 240 rs. o en vado, Uto na
loja do l'avao ra da Imperatriz n. GO de Gama A
Silva.
Aseassas do Pao a 210, 280, 300 e 320 rs. !
Vendem-se liuissimas cassas persianas cores fi- '
xas a 320 rs. o eovado, ditas francezas muito Anas
a 240 e 280 rs., ditas iugzczas a 240 o 280 r>. o
eovado, liui.-siino organdy matisado com deseuhos i
miudinhos a 320 rs. o eovado, castas garibaldiuas
muito finas a 320 rs., isto na lua do Pavao ra da
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
As laazinhas da eiposiri* d Pavi.
Vendem-se as mais modernas laazinhas mossan-!
biojoe chegailas pelo ultimo vapor francez sendo
de urna s cor ou de listas miudinhas com 4 pal*
inos de largura, proprias [>ara vestido de senhora,:
roupa para meninos e capas, e pelo baratissimu
ireco de 300 rs. o eovado, ditas enfestadas Irans-
pareles de quadrinhos a 500, 400 e 360 rs o co- j
vado, ditas matisadas muito linas a 500 e 400 rs.,
ditas mais baratas do que rima tambem matisadas
a 3:20 rs. o eovado, ditas a Mara Pia com palma |
de seda c 4pal(lios de largura a 800 rs. o eovado, i
e ditas de urna s cor parda, azul, cor de lyrio e
pcrola proprias para vestidos, sautembarqes e I
garittaides a 720 rs. o eovado, ditas escocezas a |
dOO e 400 rs isto s na loja da l'avao, ra da Im-
peratriz n. 60, de Gama & Silva.
Os chales do Pava.
Vendem-se finos chales de crepon eslampados
pelo barato prego de 63, 73, 83. ditos de ponta re-'
donda a 73 e 85, ditos pretos ricamente bordados
a retroz com vidnlho a 125, ditos pretos lisos, a
52, ditos de cores a 43500 e 53, ditos de merm
estampados a 5 e 35, ditos de la a 15280 e 25,
ditos de reiroz preto para luto a 65, isto na loja I
do Pavao ra da Imperatriz n. 60, de Gama 4
Silva.
Fazendas pretas para a quaresma vende o Parlo.
Vonde-se grosdenaple preto muito superior a
15600, dito a 15800, 25, 25500, 2580 e 35, mo- n M R I I r~* *i Q
reantique preto muito >uperor a 35 e 25800, sar- u u ivi d n i m o.
ja pceta hespanhola muito encorpada a 25, isto na' A venda as boticas de Caors & Barboza,
loja^oPavao ra da Imperatriz n. 60, de Gama fua da Cruz> ft JolQ da c Bfky0 & T m9
0 Pavao vende para luto. !da Madre de SksM'
Vende-se superior setim da China fazenda toda | ,-------------------------------------,_______,___
de la sem lustro tendo 6 palmos de largura pro-
pno para vestidos, paletols, rapas etc., pelo bara-
to prego de 25, 25200, 25500 o eovado, cassas'
pretas li^as, chitas pretas largas e estreitas, chales Ra do Queimado ns. 49 e 55, loja de miudezas
de merino lisos e bordados a vidrilbo, manguitos de Jos de Azevedo Maia e Silva, est continuando
comgollinhas eoutros muitos artigos que se ven- no seu progresso de vender baratissimo :
loja do Pavao ra Caixas de superiores obreias de cela i
ATTENCAO
9 IVVkiU.O DO MUWO 9
GRANDE SORTIMENTO
Fasfitbus Ycrmifiigas
DE KEMP.
O* meninos fie pedern gritos, porque
ellas sao de clu-iro, sabor e cor agrada-
veis. A elegancia, a 6gondade do
cao, o iuoffimsivo das
Pasthas Vermfugas de Kemp
A PAR DA SI'!
f omposir.ao exclusiTaraente Vegetal,
alo estas pola as suas uellioresc mais
Completas dd tudas as recommendacoes
que 60 ppssa fazer e com justa razad as
colloco uu categora d'uui fkvoi'ito uni-
versal.
A supe) ioridado das
Fastilhas de Kemp
sobre todas as frpavqSM destinadas
para o niesino fin devido sua sim-
ples coTuposico o seu aroma agrada-
vel e rapidez e infallibilidade com
que alcanca a destruicao total das
O IIIV11.
Y
llua do Queimado o. 40 e 55 est
ara bandoa prckiHcha.
Pecas de bico com 10 varas
a 200 rs.
DE
PARA

A FESTA.
RIVAL SEM SEGUNDO
dem por precos razoaveis : na
da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Os cm pinhos do Pavao
Vende-se os mais modernos corpinhos de cam-
braia ricamente bordados e enfeilados a 7 e85 ;
na loja do Pavao, ra da Imperatriz n. 60, de Ga-
ma & Silva.
Os vestidos do Pavo
Vende-se ricos vestidos de grosdenaple preto ri- Grozas de Pinnas de ac de muitas qualidades e
carnete bordados a veluib pelo barato preco de suI'e"ore.s a oUO rs.
e massaa
40 rs.
Cordo branco
ris.
Linhas de carretel (150 jardas) de superior
dade a 60 rs.
Cartoes de liaba Pedro V (200 jardas) j muito
conhecida a 40 rs.
para vestido c espartilbo, vara 20
quali-
DUARTE & C.
Participam aos seus numerosos freguezes e ao publico em geral que acabara da
receber de sua propria encouunenda o mis lindo e completo sortimento de mohados,
os quaes vendem por grosso e a retalho por menos 10 por cento do que outro quajquer
annunciante, como verSo pela seguinte tabella que abaixa notamos, garantindo os mes-
mo6 proprietarios nao s o peso como a qualidade de seus gneros.
AVISO.
Todos ossenhores que comprarem para negocio ou casa particular de 100$ para
oima terao mais 5 a 10 por cento de abatimento, os proprietarios scientiticam mais que
odos 8 seus gneros s3e recebidos de sua propria encoramejida, razo esta para pode
vender por muito menos do que outro qualquer estabelecimento.
Manteiga ingleza flor a 8oo e la rs. a Abra, i Vellas de carnauba e composicSo de 32o a
dem franceza a mais nova do mercado a 6oo. 36o rs. a libra e de lo,ooo a 11 ,ooo rs. a
rs. a libra, e So rs. em barril. arroba.
dem de porco refinada muito alva 46o rs.. Genebra de Hollanda em botijas de conta a
a bbr. 440 rs. a botija, e era duzia ou em barrica
Prezunto para fianbre a 8oo rs. a libra. ter abatimento.
Gb uxim miudinho vindo de conta propria, Massas para sopa macarrao, talharim e aletria
o melhor do mercado a 2,8oo rs. a libra.; a 48o rs. a libra e em caua ter abati-
Idem byson de superior qualidade a 2,6oo rs. i ment.
a libra. dem estrellinha, rodinha e pevide em caixi-
Idem perola o melhor que se pode desejar a' nhas de 8 libras, muito bem enfeitadas de
l 2,7oo rs. a libra. 2,^oo a 3,5o rs. a caixinha e a 6oo rs. a
Mera preto muito flno a 2,5oo rs. a libra. libra.
dem mais baixo pouco a 2,ooo rs. a libra. Boce de goiaba em caixas de diversos tama-
Idem mais baixo a l,8oo rs. a libra. nhos de 6oo a l.ooo rs. o caixo.
Castanhas muito novas a 2,ooo rs. a caixa, e Erva dooe a 64o rs. a libra.
a Ifio rs. a libra. i Traques a 24o rs. a caita e BU a caixo.
Bolinho francez e em caixinhas de 7oo a Peixe em latas muito novo ; savel, pescada,
i ,5oo rs. cada urna. corvina, salmo e outras muitas qualidades
Vinho do Alto Doro vindo do Porto engar-! preparada de escabeche 2. a arte de cosi-
1 rafado garante-sea superioridadedeste vi- nbadel,2ooa l,8oo rs. a lata.
nho, das seguintes marcas : Duque, Ge- Figos em caixas de i arroba, Ki e 8 libras
nuino, relho secco, especial lagrimas do-1 a 8,ooo 4,ooo e 2,ooo rs. a caixinha.
O Vigilante est alerta, nao Ihe era permettido
deixar passar desapercebido sem qoe nao dsse o
seu canto alim de annunciar ao respeitavel publico
o grande sortimento degalantarias do melhor gosto
propriamente para qualquer mimo, que acaba de
chegar neste ultimo paquete, assim como muitos
outros objectos que recebe por diversos navios,
tanto de sua conta como de consignacao, que est
na
0 precb convida.
Gravatts de seda prela e de cores a 320 re<
Ijftdarua dMadre Je Iteo^ u. i.
RLVLAS
de ac c com pedras.
Nao eslava bem a aguia branca dentar flear tao
grande parle de sua boa freguezia sem essas
apreciadas flvelas de ac e com pedras, e por isso
apressou-se em mandar buscar o bello sortimento
que acaba de receber ; e bem assim a Doressarias
lilas, cujos oovos e bonitos padroes as lornam agr-
daveis aos oluos de todos restas pois, qu os pre-
tendentes, munidos de dinlieiru, dirijam-se ra
do Queimado, loja d'aguia branca n 8> ende tam-
bem lia bonitos ciatos bordados com borlas, etc.
Extraordinario sortimento
de perfumaras.
A superioridadu das perfumarias que a .if-'uia
branca vende est iiicoutesiavelmeutertieouhecida,
e isto confirma a grande extraccao que Ihev vo
dando os apreciadores do bom. A agu* branca,
porm, leudo sempre em visla9 o bem servir a sua
boa freguezia, tanto da cidade como de interior,
mandou wr o extraordinario sertimento que aca-
ba de receber, viudo conforms suas recomuienda-
{5es, sempre da melhor qualidade, sesdo :
Agua de Lolonja em garrafa* de diversos lmannos
e moldes.
Dita dita era frascos redondos e quadrados.
Dita dita ambreada em frascos verdes.
Agua ambreada para bauhos.
Dita balsmica e dentrifiee para conservaeao das
gengirase denles e bom hlito da bocea.
Dita de flor de laranja.
Dita de rosa e dita de Florida.
Dita de lavander e toilel.
Dita de alhemense para alisar e segurar os ca-
bellos depois de alado.
Dita de Mallabar e Hoide para tingir os cabellos
Banha transparente e lafornesa.
Ditas linas em frascos de diversos moldes.
Dita dila em bonitos vasos de [rcelana.
resolvido a vender por preces muito baratos para I Dita dita em latas.
vender muito e ganhar pouco, e dar extraccao ao Diladita em copinos, sendo creme, duqueza e po-
grandejleposito que teni, que espera merecer a' mada imiierial.
proteccao do respeitavel publico, empregando para Babuzinnos de vidro com perfumarias.
isso todas e as melhores diligencias para que li- Calimbas com 6 frasquinhos de cheiros.
quem salisfeitos : isto s no Gallo Vigilante, ra Cosmetique (ou pomada) super6na.
do Crespo n. 7. i Extractos finos e de agradaveis cheiros em bonitos
Ricas pwta-juias. I frascos.
Cofre de muito gosto por 165000 Dit0 %"&**> cheiro novo e raa' gradavel.
Cestinhas transparentes, torradas de madre-
perola por 185000
Lindas jardineiras iii.simmi
Ricos cofres com camapheu 10r!KK)0
Lindas caixinhas com pedras brancas i05o00
Lindo balao com calunga dentro tambem
para joias J65O00
Tambalier para ditas 95000
Cestinhas dem idem 65000
Cosmorama idem dem 65000
Urnazinha 65000
S no Vigilante, ra do Crespo o. 7.
Ricos porta-bouquetes de diversos gostos e pre-
cos : s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Rices sinlns
com bolcinhas ao lado a 10, 12 e 155, ditos sern
bolea, porm do mesmo gosto, a 25500, 35, 35500 mETESZ2
e 45, ricas (velas avulsas para sintos, o melhor' J "^ H?B nara iraliar
que se pode encontrar, a 1-5500, 25, 25500 e 35
s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Dito de sndalo.
Essencias concentradas, com differentes e fimssi-
mos cheiros.
Lene virginal para tirar sardas.
Dito de cacao para ainariar a cutis e conservar-
Ihe o lustre.
Maeassar perola.
Oleo philocome superfino.
Dito de babosa.
Opiata ingleza e franceza.
Pos de coral e de Lubin para dentes.
Sabonetes finos quadrados e redondos.
Ditos finos em caixinhas de tres.
Ditos muito finos para barba.
Ditos creme de amendoa em vasos de vidro e por-
celana.
Tnico oriental de Kemp.
Cabazes on cestinhas.
At que chegaram as desejadas cestinhas ou ca-
li espinhas do
pelo barato preco
405, sendo fazenda que sempre se vendeu a 1005
e I2O5 ; ditos de cambraia braneos ricamente bor-
dados a croch, sendo oroprios para baile e casa-
mento a 10, 15, 20 o 305; ditos de laa com lindas
barras a 18 e 155 ; isto na loja do Pavao ra
da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Os pannos do Pavo.
Vende-se panno preto muito superior pelo barato
preoo de 25, 25500,35 e 3500, ditos muito finos a
45, 55 e 65, cortes de casemira prela entestada a
45, 45500 o 65, casemira preta fina de nma s
largura muito lina a 15800", 25, 25500 e
es de casemira de cor a 55, 55500 e 65,
ras enfestadas de urna s cor proprias para calca.
paletots, colletes, capas para, senhora, roupas para
menino.- a 35 e 3*500 o eovado, isto na loja do
Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
A roupa du Pavo.
Vendem-se paletots de panno preto sobreeasa-
cos fazenda muito boa a 125. ditos milito finos a
165, 20*, 255 e 305, calcas de casemira preta boa
Caivetes de duas folhas porm finos a 500 rs.
Caixas com ealungas muito bonitas para rap a
100 rs.
Franja branca e de cores para toalhas a 160.
Pares de botes para punho muito bonitos a 120.
Caixas- com soldados de chumbo omito bonitos a
120 rs.
Tinteiros de vidro com superior tinta a 160.
Ditos de barro com superior tinta a 100 rs.
Groza do botes de louca pratiados, o melhor, a
160 rs.
Tesouras para costura, o mais superior, a 400 rs.
ees da 1819, vinho especial D. Pedro V., Barris de vinho branco de quinto, marca B ^J!2!!L??gs& ST-I^nma,?
vinho velho, Nctar superior de 1833, Du-1 d- Filho a 60,ooo rs. o barril. no vante, rnad!cre^S 7. '
que do Porto de 1834, vinho do Porto ve- Marmelada imperial dos m> Inores conserve!- Pe ules
5. cor- DjIas para unhas muito finas a 400 rs.
Escovas para Jimpar dentes muito superiores a
20<) rs.
Libras de la de todas as cores (pesada) a 75-
Caixas de phnsphnros de seguranca a 160.
Ditas de papel amizade pautado e liso a t>00 rs.
Ditas com 100 anvelopes muito superiores a 800
ris.
Cadornos de papel branco e do cores, pequeo, a
20 ris. i
Queijos do reino chegados pelo ultimo vapor'
fazenda a 45500,55, 65,'75 e 85, paletols saceos Carlas e taboadas para meninos a 80 rs. a 3,000 rs. cada um.
de panno preto a 75, ditos de casemira de cor a Caixas com superiores seas de acender charutos dem prato a Uoo rs. a libra.
65 c 7, ditos de alpaca prela, ditos de merino /,4,.rs.j u .,._._,_. ^,,._,._, Vinho em pipa das mais acreditadas marcas
preto,.ditos debrlm de cores, calcas de casemira
de cor a 45, 55,65. 75, ditos de eaxemira da
Gscossia a 35, ditos de brim pardo a 2550, ditos
a 40 rs
Carreteis de linha Alexandre (200 jardas) de cores
a '0 rs.
ISaralhos para volunte muito finos a 240.
Meadas de linha f oxa para bordar a 20 rs.
Pares de sa patos de tranca muito superiores
15600.
pequeo toque o 10 rs.
a muito finos a
n. 60, di; Gama A Silva.
As colchas do Pa>o.
Vendem-se colchas do linho alcochoadas pro-
prias para cama pelo barato preco de 55 cada nma
oa ra da Imperatriz n. 60. de Gama & Silva
As prccalas do Pavao.
Vendem-se as mais lindas precalas que tem vin-
do ao morcado chegadas pelo ultimo vapor fran-
cez. pelo barato preco de 600 rs. o eovado, dilas
de lislrinha muito miudinhas proprias para vestidos
e roupas de meninos e meninas pelo biralo preco
de 800 rs. ; so Pavo ra da Imperatriz n. 60,
. loja de Gama & Silta.
Os son tea abarques do Pavo
I# e f g so o Pavo.
Vendem-se os mais lindos souteanbarques que
em vindo ltimamente di lazinha c eaxemira ri-
camente bordados e enfeitados, cores muito delica-
das pelo barato preco de 105 e 155 ; fazenda esta
que em outras lojas se ve.ndem por 205 e 255,
so para liquidar : na loja e armazem do PavSo
ra da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
As chitas do Pavo a 8JMOO e
2# o corte.
Vendem-se cortes de chita com dozc covados
cada corle, ditos com dez covados a 25400, fazen-
da muito boa, e que nao desbota, s na loja do Pa-
vao tem esta pechmcha ; a ra da Imperatriz n.
60 de Gama ,\ Silva.
Las de nina sO cor.
Vendem-se laazinhas de urna s cor, sendo en-,
carnada, azul, cinxentt, cftr de caf, lirio claro, li-
rio roxo cor de perola pelo baratissimo preco de.
640 o eovado, fazenda maite lina s o Pavo. ra
da Imperatriz n. f>0 loja o armazem de Gama A;
Silva.
Panno de linho.
Vende-se panno de linho com 4 palmos de lar-
gura proprio para Icnces, toalhas e ceroulas pelo
barato preco de 640 rs. a vara, bramante de linho
com 10 palmos de largura a 25500, algodozinho
monstro com8 palmos de largura a 15, pegas de
Uamburgo com 20 varas a 95, 105 o 115, pecas de
madapolo fino a 75500, 85, 95 e 105, ditas de
algodozinho a 65, 65500 e 75, e outras muitas
fazendas brancas que se vendem muito baratas
alim de apurar dinheiro : na loja do Pavo ra da
imperetru n. 60, de Gama & Silva,
O bramante do Pavo com doze
pulios de largura.
Vende-se bramante-de linho puro, muito fino com
doze palmos de largura o melhor e mais largo que
tem vindo ao mercado pelo barato preco de 25800
rs.a vara ; s na loja do Pavao de Gama & Silva,
aua da Imperatriz n. 60.
As nreealits do Pavo.
Vendem-se as mais lindas precalas qns tem vin-
do ao mercado chegadas pelo ultimo vapor francez,
pelo barato preco de 600 rs. o eovado, ditas de lis-
lrinha muito miudinhas proprias para vestidos e
e ronpas de meninos e meninas pelo barato preco
le 500 rs. : s o Pavo ra da Imperatriz n. 60,
ojo de Gapia \ Silva.
Os baloes do Pavo.
Vendem-;e crinolinas ou baldes de 30 arcos tan-
I.lauros como de cores, sendo americanos que.
sao os melhores por se nao quehrarem a 3#t00 e
de 35 arcos a 45, ditos de intisselina com bafcados
'i-S, ditos para menina a 25 o 35 : na loja do Pa-.
vo roa da Imperatriz n. 60, do Cama & Silva.
O Pavo ven-Ie H-l
Vendem-se os mais lindos cortes de vestida a
Mara Pia, com lindas harpas de seda, seado che-
> I i pelo ultimo vapor francez pelo barato prc-o
de 83 carta mi: s M loja do Pavo mi da Inqic-
lalriz n. 60, de Gama & Silva.
de cor a 25 e 2-5500, ditos braneos muito finos, Cartas de alunles francez.* muito finos a 40 rs.
sto na loja do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de "
Gama & Silva.
Os cortinados do pavo.
yendem-se ricos rortinad, s propriM para janel- ? !le "' c.om um Peflu .>
la e camas pelo barato preco de W o par, sendo o; G*g bot*M de "'adreperol
nolhor que ha no mercado : na ra da Imperatriz r,.z!S .
60 de Gama A Silva. Cartoes e caixas de celchetes francezes superiores
Bonets para meninos muito finos a 15500 e 25-
Macos de grampos superiores e limos a-30 rs.
Groza de phosphoros do fiaz muito novos a 25200.
Areia prela muito superior a 100 rs.
Caixas de rap com espclho a 100 rs.
Realejos para entreter meninos a 80 rs.
Pecas de fita de linho muito boas a 40 rs.
Pentes de laco muito bonitos a 15-
Eofeites de laco de todas as cores a 15300.
Mudas com aluoetes francezes a 20 rs.
Caixas com quatro papis de agulhas imperiacs a
240 rs.
Sabonetes de familia a 80, 160 e 320.
Caivetes de duas folhas muito linos a 320.
I'ares de sapatos de la para meninos a 400 rs.
Sapatos de tranca para senhora e para hornero, os
melhores que tem vindo, e por preco muito barato:
quem quizer ver, venha ra do Queimado ns.
49 e 55, e ver tudo como .bom e barato.
Grande pechmcha.
A 200 rs. o eovado.
Cambraias escuras finas a 200 rs. o eovado para
acabar nao se do amostras para que se acabem
logo : qnem quizer, venha comprar no armazem
de fazendas de Custodio, Carvalho & C, ra do
Queimado n. 27.
mperial
lbo superior, madeira secca de superior' ros de Lisboa a*64o rs. a Uinhade 1 libra,
qualidade, vinho do Porto superior D. Lu- ha latas de 1 '/* e 2 libras.
Massa de tomate em latas douradas de 1 libra
a G4o rs. a lata.
Ameixas francezas em caixinhas elegante-
mente enfeitadas de l,5oo a 3,ooo rs. a
caixinha, tambem Jia latas de i '/ a 6 li-
bras de i,2oo a 4,5oors. a lata,
dem em frascos com tampa de rosca a l,6oo
rs. o frasco.
Chocolate portuguez, hespanbol, francez e
suisso a l,2oo rs.a libra.
Conservas inglezas das seguintfs marcase
Mixde-Picles e cebollas simples a 75o rs
o frasco.
Ancoretas de vinho colares a 5o,ooo rs., e
a 72o rs. a garra <
Sardinhas de Nantes a 32o rs. a latinha.
como sjmB F., PRR, JAA, ou'tras Charutos das mais acreditadas marcas de
muitas marcas, Porto, Lisboa e Figueira ;' a i600, 2,ooo, 2,Soo e 3,5oo rs. a caixa.-
de 48o, 5oo, 5Go, 64o e 800, rs., e o do dem suspiros de Jos G. P. a 2,4oo a meia
Porto fino em garrafa, e em hada a caixa.
3,ooo, 3,5oo, 4,000 e 6,5oo rs. o melhor Champagnhea melhor do mercado de 12,ooo
izl.de 1847, lagrimas do Douro espe-
cial, vinho do Porto de 1,000 a l,2oo rs.
a garrafa o de i0,000 a 14,000 rs. a caixa
com urna duzia.
Bolacbinha de soda especial encommenda e a
mais nova que ha no mercado a 2,2oo rs. a
lata.
Biscoito* inglazes das melhores marcas em
latinhasde 2 libras a l,3oo rs. a lata.
dem inglezes craknel em latas de 5 e-7 libras
de 5,000 a 6.000 rs. a lata, e em libra a
800 rs.
I'eutes.
Neste arligo tem um grande sorlimento. Unto
para alisar como para atar cabello, o mais lindo
que se pode desejar. assim como de arregacar ca-
bello, tanto de borracha como de tartaruga, com
Dito
rosto.
E assim muitos outros objectos de posto que na
compra dos quaes o preb-ndente ser satisfeilo
por deixar os cobres na loja d'aguia branca, ra
do Queimado n 8.
Objectos de phantasla vlndos
para a agula branca.
A aguia branca recebeu novos e bonitos objec-
tos de phahtasia, alguns dos quaes nunca vistos
aqui, sondo :
Bonitos adereeos completos feilos de perolas falsas.
Ditos ditos de pedias, por cuja perfeico e bom
gosto quasi se ne dislinguein das vrdadeiras.
enfeite e sem elle para meninas : so no Vigilante, .BJ>,U ''T!U T u,m,,.,ku
ra do Crespo n. 7 ,.?da,s.^uise,_raf.d.e *&?
a 24,ooo rs. o gigo, ede l,2oo a 2,000 rs. a
garrafa.
Papel greve pautado ou liso a 3,5oo rs. a res-
ma.
dem de peso pautado ou lizo de 3,5oo a
4,ooo rs. a resma.
Matarana a 32o rs. a libra.
Milho alpista e painso do IGo a 2oo rs. a li-
bra.
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a grosa e 2oo rs. a
duzia.
Vasos inglezes de 4 a 16 libras vasios, muito
proprio para deposito de doce manteiga
ou outro qualqner liquido de l.ooo a
Salitre refinado, superior qualidade, vinho Bor-
deaux, differentes qualidades, mais barato que em
qualquer parle : no armazem de E. A. Burle|A
C., ra da Cruz n. 48.
Machinas para algodo.
Vende-se urna machina para descarocar algodo
e um motor com todos os pertences para trabalhar
rom 2 011 4 cava los; a qual descaroca t20 arro-
bas de algodo |>or dia, sendo muito maneira do
irabalho e de mui fcil transporte para o centro :
ella acha-se montada e o comprador pode ver o
ft\\ Irabalho, ctijo resultado se garante.
Tambem veodem-so machinas para descarocar
algodo movidas a braco, de diversos lmannos
lauto americanas como inglezas, as quaes descaro-
cam de 20 60 arrobas de algodo por dia con-
forme o tamaoho da machina, garantindo-se tam-
bem o resultado de cada urna. Todas ellas seacham
montadas na fabrica da travessa do Carioca n. 2,
caes do Mamos, onde os compradores podera se
dirigir para ver o seu trabalho e tratar sobre seu
prco.____________|__________________
Machinas Inglezas
para descarocar algod5o as melhores que
tem vindo a este mercado : ra da Senzala
Novan. 42, em casa de S. P. Johnston
AC,
do Porto.
dem Bordoaux das mais acreditadas marcas
a 7oo rs. a garrafa, e a 8,000 rs. a caixa.
GarrafOes com 5 garrafas de superior vinho
do Porto a 2,2oo rs. com o garrafo.
Idem com 5 garrafa de vinho da Figueira mais
proprio para a nossa estacan por srr mais
fresco a 2,4oo rs. com o garrafo.
ldem.com 5 garrafas de vinagre a i,2oo rs.
com o garrafo.
Vinho branco o mais superior que vem ao
nosso mercado a 56 rs. a garrafa, e a
4,3oo rs. a caada.
Velas de esparmacate as melhores neste ge-
nero de 56o a 64o rs. o maco, e em cat-1 3,ooo rs. cada um.
xa ter grande abatimento por ha ver, Licores das melhores marcas e mais fino*
grande porgo. a 1,00o rs. a garrafa e em caixa ter abati-
Azeile-docoem barril muito fino a 64o rs. ment.
a garrafa e 4,800 a caada. Cognac verdadeiro inglez a 9oo rs. a garrafa
dem francez refinado.a800 ts. a garrafa. e lo,5oo rs. a caixa.
Ervjlhas fraficeaas epurtuguezas a Bio rs. a Chouricas as mais frescas do mercado a 800
lata. rs a libra.
Bocetas eomdoees seceos de Lisboa de 3oo Genebra de laranja em frascos grandes a
a 3,5oors. cada ama. l,2oo rs. o frasco.
Toucinho deLisboa a 3oo rs. a libra, e a Serveja das mais acreditadas marcas a
9,000, js. a arroba. 6,5oo a duzia e de mais a 5oo rs a garrafa
Botijes com *0 garrafas de azeite doce a dem em botijas e meias, sendo preta da
5(55oo. muito creditada marca T de 6,5oo a 7,8oo
Caf de l .*, 2.1 e 3.1 -qualidade de 26o, 3oo rs. a duzia.
e 36o rs. alibra, doCear de8,5oo, 8,7oo, Pimenta do reino a 34o rs. a libra.
e 9.000 rs. a arroba do melhor. j Farinha do Maranho a i 4o rs. a libra.
Arroz da India, Java eMaranho de 2,800 a Tijolo para limpar facas a 16o rs. cada um.
3,000 a arroba, e de 80 a loo rs. a libra. Cominho a 4oo rs. a libra.
Passas muito novas a 8,800 a caixa e 5oo
a libra, ha caixas meias e quartos.
Sevadinha de Franca a 2io rs. a libra.
Sag muito novo a 28o rs. a libra.
Mostarda ingle'za em p a Id o frasco.
Cebollas a 8 Erva doce a libra.
Canella a 1.000 rs. a libra.
Vassouras de piassaba de dous arcos de fer^
ro a 32o rs. cada urna.
Latas com banha refinada com 10 libras a
4#5oo.
Vinho do Porto superior
em caixas de urna e duas duzias : tem para ven-
der Antonio Lniz de Oliveira Azevedo & C, no seu
osrriptorio roa da 1 ruz n. 1.
Linha.
Na loja da Aurora, ra larga do Rosario n. 38,
vende-se linha de carretel azul ferrete a 20 rs. o
carretel, e sendo em duzia a 20o rs dila do dita
b.-aoca do n. 80 a 120 com 100 jardas a 20 rs. o
rarreje!, c a duzia a 200 rs., pois muito propria
para as rostureiraa allnharem qqalquer costura
que seja lina, assian como tambem tem grande sor-
timento de qualquer qualidade.
FAZENDAS BARATAS
FAZEftlIAS BARATAS
PAR ACABlft NA LO JA D-Q 8ARATE
Ricos vestidos braneos bor4ados a 10,5 e 12,5.
Baldes inglezes de arcos e croch a 3, 4fi e i$.
CamiMiihas e manguitos rnuito bem enfeitados a .13.
Grande sortimento de laazinhas muito boas a 360 c 400 rs.
Soutembarque.se capas de seda, merino e cambraia bordada.
Bramante de linho muito largo a i&.
Organdys e cassas francezas finas a 480 rs.
Cambraias lisas, fil de linho liso, cambraia de salpicos.
Lindos corles de laa Hara Pia de 83 a 1S5-
Mimosos vestido* japonezes a 14J.
Variado sortimento de chales em qualidades c precos.
Musselinas brancas com pinta de cor.
Grosdcnaplcs iretos de 15600, 13800 e 23.
Lerfos de cambraia bordados a capricho a 13-
Miidapolo barate a 5J8SOO.
Vcnde-se madapolo bom e perf.;iloa53800a peca com 20 varas.
Todos cales arligos e outros muitos se vendem por precos que admiram na ra
numero 1.
Defronte do arco de Santo Antonio.
Penlcs
Tambem chegaram os riquissimos pentes de
concha de tartaruga e de massa lina, que se vende
por 23, 3 e 35 : s no Vigilante, ra do Crespo
numero 7.
Leques.
Riquissimos leques de madreperola, lanto para
senhora como para mocinhas, pelo barato preco de
12 e 143 : s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
)\ ii> lepes.
Com pequeo defeito, leques de sndalo, por ba-
rato preco, a 83 o 105, chineze^, muito bonitos,
tambem por barato preco de i e ;>3, hentarallns
muito bonitas tambem por barato prego de4 e 53,
leques de charo tambem por 43, tudo sto para
acabar, perdendo.se talvea 80 OjO : s no Vigilan-
te, ra do Crespo n. 7.
Po'sriras.
Lindas pulseiras de contas e de missansa, cores
muito lindas e de muito gosto a 13 e 13200.
Para srprar manyuitos.
Tambem chegaram as liguinlias estreitinhas de
borracha que as senhoras lanto precisara para se-
gurar os mao/iiitos por ser muito commodo e mui-
to barato, a 320 o par : s no Vigilante, ra do
Crespo 11. 7.
Sapalinhos t meias le seda.
Riquissimos sapalinhos de seda e de merino en-
feilados, asMn como meiaszinhas de seda, gorra-
zinhas o louquinhas para as crianrinhas se bapli-
sarem : s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Carretas.
Riquissimas carretas de madreperola proprias
para qualquer presente, pelo baratissimo preco de
13o00e23. "
Votlinhas.
Lindas vnltinhas de perolas falsas com cruzinhas
fingindo brilhantes, assim como cruzinhas avulsas
e voltinhas, pelo barato preco de 13 e 13200, as
eruzes avulsas a 400 rs. : s no Vigilante, ra do
Crespo n. 7.
Gol i 1 lias.
Riquissimas goiinhas e manguitos, o melhor gos-
to possivel, a 23, 23500 e 33: s no Vigilante,
ra do Crespo n. 7.
Enfciies para senhora.
Riquissimos enfeites com lace e sem lago e de
outros muitos gostos a 13, 13500 e 33 : s no Vi-
gialnle, ra do Crespo n. 7.
Traucelius.
Lindos tranceln^ de cabello para relogio ou lu-
netas, pelo baratissimo preco de 13300, ditos de
retroz a 200 rs.
Baltiidinlies ntremelos.
Riquissimos babadinhos eulremeios com lindos
deseuhos tapados e transparentes, pelo barat ssimo
preco de 13200, 13500, 23 e 33 : s no Vigilante,
ra do Crespo n. 7.
toscarrilhas.
Grande sortimento de cascarrilhas de diversas
larguras, assim como galoziiho e trncinhas pro-
prias oara enfeites : s no Vigilante, ra do Cres-
po n. 7.
Filas.
Grande sortimento de fitas de diversas larguras
e qualidade, por pregas que admiran) aos compra-'
dores, havendo fitas largas proprias para sin temos 1
que se pode vender a 300 rs. a vara, e pega de 9
varas a 23: s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Dita dita de perolas falsas tanto para "senhoras
como para meninas.
Dita de chapa de crystal com lisias douradas.
Dita de cornalina branca, azul etc., etc.
Bonitos alfmetes e aoneis para grvalas,
luiiilos pentes de concha, obra de apurado gosto.
Outros tramaos com |iedras para meninas.
Bellas guarnicoes de pentes domados, ornados
com caixos de uvas, feilos de aljfar, obra su-
1 blime.
Outras igualmente bellas, todas de fino dourado e
I com pedras.
Outras a tartartigadas, nada inferior a aquella.
Voltinhas de aljfar braneo e de cores com eruzes
de pedras.
Esses e outros muitos objectos arham-se a venda
na ra do Queimado, loja da aguia branca, n. 8.
GRANDES EBOHITOS
espedios do uro dos
A aguia branca em continuago de suas encom-
mendas tnaudou vir, o ac lia de receber grandes
I cspelhos dourados com mui bonitas e modernas
molduras, evidros de primeira qualidade, vista
do que o pretndeme que sabir de casa munido de
dinheiro e rom disposieao de o gastar na compra
de um desses bonitos espelhos, dirigir-se ra
j do Queimado, loja d'aguia branca n. 8, que ser
! bem servido. Tambem ha espelhos quadrados sur-
tidos em tamanhos, e com molduras domadas.
I JABRO
de porcelana e escurra*
deiras de vidro
A aguia branca tambem mandou vir bonitos jar-
ros de porcellana delirada e de dilerentes tama-
nhos j assim como escarradeiras de vidro. objectos
esses sempre necessanos para o bom accio das sa-
las ; resta simiente que o comprador dirija-se cora
dinheiro a loja d'aguia branca, na ra do Queima-
do n. 8, onde ser servido com agrado e sinceri-
dade.
de laa pra homem e st-nhon.
A aguia branca, na ra do Queimado n. 8, ven-
de mui boas meias de la para homem e senhora,
e pretas de laia e de seda para padres.
Vo armazem fie fazenils baratas de
Sanios 1 orillo, 1 iii do Queimado, n.
19, vende-seo seguiste-
Altenco.
Pechincha
Crespo
Fitas de la
Fitas de la de todas as qualidades, proprias pa-
ra dobrum de vestido a 700 rs. a pega : s no Vi-
gilante, ra do Crespo n. 7.
lfclcos espelhos.
Riquissimos espelhos com moldura dourada e
sem ella de 83, 10,12 e 143. assim como con co-
lumnas de differentes tamanhos a 23, 3, 4, 5e63:
s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Lindos jarros e figuras.
Riquissimos jarros e figuras de porcelana fina
para enfeite de sala, sendoo melhor gosto que aqui
tem apparecido : s no Vigilante.
Vara pos de arroz.
Riquissimos vasos COffl bonera para pos de ar-
roz, cousa de muito posto a 135IX) e 23, assim co-
mo pacoles s com os pos a 320 rs. cada um \ s
no Vigilante, na do Crespo 11. 7.
Perfumarlas.
Grande sortimento de extractos e banhas. poma-
das, assim como os lindos ropos ou vasos com dls-
linclivbs e offereciinmitos s sinhaiinhas, dos me-
lhores e mais afamados autores de Pars e Ingla-
terra, assim como os grandes copos de htnha Japu
neza a 2c a 13'; assim como outros objectos que nro n ftr in
nao possivel por boje annunciar, e vista dos Preorte1 Por '
fregnezes se far todo negocio : na loja do Gallo
Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Pegas de algodo com urna pequea avaria pelo
baratissimo prego de 55-
Cuberas de chita da India pelo baratissimo prego
de 23 e tfSOO.
Lengoes de linho pelo baratissimo prego de 23.
Leneoes de bramante de linho flno pelo baratissimo
, prego de 33200.
Lengos de cambraia braneos proprio para algibei-
ra pelo baratissimo prego de 23 a duzia
Algodo enfestado coni 8 palmos de largura pelo
baratissimo prego de 13 a vara.
Bramante de linho fino com 10 palmos de largura
a 23500 a vara.
Atoalhado adamascado proprio para toalha de mesa
pelo baratissimo preco de 23000 a vara.
Pegas de cambraia de forro a 23600 c 33200.
Toalhas alcochoadas proprias para mos a 53 a
duzia.
Esleirs da India, proprias para forro de sala,
de 4,5 e 6 palmos dr largura.
Cortes de caiga de ganga amarella de listras e
1 de quadros, pelo baratissimo prego de 13200 e
corte.
Cambraia adamascada com 20 varas, propria
para cortinado, pelo baratissimo prego de lOiOOO
a pega.
Ricas laazinhas para vestido, fazenda a melhor
que tem vindo ao mercado, tanto em gosto como
em qualidade da fazenda, pelo baratissimo prego
de 500 rs. o eovado.
Ricos cortes de la de Larra Mana Pia a i9&.
Pegas de cambraia de salpicos pelo baratissimo
prego de 43. ___________________
GAZ GAZ GAZ
per pre$o reducido.
Vende-se gaz da melhor qualid. d pelo
no ar-
mazem do Caes do Ramos n. 18 e rna do
Trapiche Novo n. 8.


Whtj Vfrfmwpy *> Tero* te Ira t T# Ml k? 1
O lERAIUKO
GRA\DE 4BMAZEM
DE
gssssf e
' .0-0-0 13 -gsSe
i a
- i- ^- t_ ^ fr. ^
.00
MOLHADOS
RA DO IU PE ADOR
Our ora ra do CoIIeglo
DE
I DARTE ALMEIDA C. V
Antonio Femandes Uuarte Almeida, dono dos acreditados armazens rrogressivo
e Unido e Commercto, e ex-socio do HrogressoProgressista acaba de abrir hoje um ou-
tro na ra do Imperador n. 40, junto ao sobrado em que mora o retratista o Sr. Osborn.
0 proprietario deste importante estabeleciinento, conhecendo que o mais rico e espacoso
armazem que presentemente se tem aberto nesta praca, deliberou denomina-lo VERUADEI-
RO PRINCIPAL ; sem duvida pde dizer, j pela pratica e conhcimento que tem deslas i
casas, que c este um estabelecimento que nada deixa a desejar, j pelo esmerado aceio'
que nelle preside, como no completo sortunento que effetivamente recebe de sua propria
eincommenda.
O proprietario do grande arraazem VERDADEIRO PRINCIPAL gloria-se em ser o
primciro a acabar com o grande segredo e abuso que reinava nos presos dos gneros de'
esli\", adoptando desde a sua primeira casa, em publicar todos os procos de seus gene-
ros, por onde via e v o publico que nunca mais pode ser Iludido como dizem esses. I
que, mordidos c quemados pela inveja, dizem n3o vaoll... Illude!... dosenganem-se
csses maldizentes, que emquanto andar no trilho que pisa, nunca mais consentir que se
venda um objecto de 5# por 10t5- O systema do Verdadeiro Principal vender muito
dinbeiro e ganoar pouco, c com elle que sem medo diz, que bailas de papel o vento as
earrega.
Pede-se a m;iir i<<< nvo.
O proprietano pede aos seus amigos e freguezes, e ao publico em geral protec-
cao para o novo estabelecimento, garantindo aos mesmos que ninguem mais pode olerecer
as vanlagens que se presta a offereoer este importante estabelecimento. O PRINCIPAL tam-
ben \tciUi a todcs os Exms. Srs. o avor de mandarem seus pedidos ao novo estabeleci-
mento, crios de nao lerem occasiao de se rependerem.
Mais attenco.
0 VERDADEIRO PRINCIPAL pede, em particular lodos os Srs. de engento e
mais Srs. do centro, queiram mandar sw*s encommendas este estabelecimento, garatin-
dorhes o proprKfcirio que tanto elle como os seus femulos nao pouparo esforcos para
ficlBK.nte cumprirem os pedidos que viercm inderessados.
Ao publico,
Oincansavel proprietario pede a todos os Srs. eSras. que, quando tenham de man-
dar seu pedidos sja em carta fecl>ada ou com grande recommendacao ao VERDADEI-
RO PRINCIPAL na ra do Imperador n. 40, junto ao sobrado em que mora o retratista
americano o Sr. Osborn, e para mais corteza dos portadores tem este sobrado urna botica
francesa, no pavimento terreo. O VERDADEIRO PRINCIPAL, tem 5 portas de frente pin-
tadas de verde, as uombreiras Duarle Almeida d C. e por cima o VERDADEIRo 1
PIIINCIPAL.
Amendoas confeiladas com bonitas cores
a lOOO.
Mantt.-iga ingleza propiamente flor a 800 rs.
c lia libra.
-fe
BAIRRO DO RECIFE, RA DA CADEIA N. 50
0 mais novo e o melhor
ARJ3 AXi;?I DE UOIYf IAIIO*
Esquina defronte da toa da Madre de Dos
nT i x
s ttt*.SJ|f
Massas para sopa muito novas, fui desembar-
cada ltimamente pevide: rodinha e es-
. trellinha aSOOrs. a libra c3# a caixa com
8 libras.
Dita franceza muito nova a 600 rs a libra' Macarro, Metria e Talharim a iOOrs. a libra.
s-nrto em barril 580 rs.
Cha uciiim o melhor que se pode desejar, e
Vinagre fresco a 200 rs. a garrafa c
a caada.
1#W0
que outro qualquer nao vende por menos Dito em garrafoes a 1^000 cada um.
de 3# a 25700 rs.
Dito perola especial qualidade a 2?5600
e 25800 rs.
Dito Itvsson o melhor que se pode desejar
a 2-S'iOO e 25000 a libra.
Dito hysson e. da India muito superior a
i>52> 0 e 2/400.
Dito do Rio em latas de 2, 4, 6 e 8, libras
a I5K)0 e I52 Dito preto niuio especial a 25800 a libra.
Dito mais baixo a 15300 e 15600 a libra.
Queijos chegados no ultimo vapor a 35000.
Botijes com 8 a 9 garrafas de azeite, o me-
lhor que se pode desejar, a. 55 cada um.
Palitos de dentes em maros com 20 maci-
nhos a 120 rs. cadaum.
Palitos do gaza 252OO a groza, 20 rs. a
caixmha e 200 rs. a duzia.
Graixa em latas muito novas a 100 rs. a lata
e 15000 a duzia.
Ceblas muito novas a 540 rs. o cento e
800 o moliio.
Traques de i>rimera quaiidade a 85500 a
caixa e 240 rs a carta.
Queijo prato chegado neste ultimo vapor a Charutos Ipvrangas em meias caixinhas a
800 rs. a libra. i 25000.
Ditosuisso a t'armezao o melhor c mais Ditos Suspiros de Thom Pinto a 15600.
fresco que se pode desejar a 800 rs.a li- Ditos Avaneipos do mesmo a 15000.
bra, sendo de 4 libias para cima a 780 rs. Ditos Retalia Imperial a I?i600, garante-se
Dito londrino um pouco duro por virem
em navio a 500 a libra, e sendo inteiro
4(ki re,
Bokchinhas em latas de 2 libras de todas as
qualidades que se procura a 15300 rs.
Ditas em latas grandes a 25000 rs.
Ditas em latas de 5 libras "de Craknel a
40 Bnlvhinhi ingleza desembarcada idtimamen-
te muito nova a 252t)0 a barrica e 100
a libra.
Ca toes com bolachinhas francezas de diver-
sas qualidades a 000, SO e 15200 cada
um.
Peras seccas em caixinhas. de 4 libras as
mais delicadas que se pode desejar a
24500.
Bocetascom doces de Portugal ricamente
enfeitadasa 25500, contendor peras, pe-
cegos, rainhas Cteudia, ameixas, alperch
eoutrasmuitas fruclas.
Passas muito novas a 480 a libra e 75500 a
caixa; tambern tem meias e quartos.
Amemlo;i* le casca molle a 200 a libra e
240 de casca dura, nozes 140 a libra e
45000 a arroba.
Figos em caixinhas e latas hermticamente la-
cradas a 15500 e 25500, de 4 e 8 libras.
Vinhos em caixas de duzia vindos do Porto
e das seguintes marcas: Duque do Porto,
Duque Genuino, Madeira secca, Chamisso,
que sao charutos que j se venderam por
25600 e 25800, aloni destas marcas tem de
todas as mais que coslumam vir nosso
mercado.
Genbra de Hoanda em frasqueiras a 0,5000
e 500 rs. o frasco.
Dita de laranja a 15200 o frascoe 125000 a
caixa.
Dita embotijas de Hollanda a 440rs.
Cominhos muito novos a 400 rs. a libra e
sendo em arroba tci ahatimento.
Erva-doce muilo nova a 400 rs. a libra.
Canda muito nova a 15000 a libra.
I'imciiia muito nova e limpa a 340 rs. a libra.
Cravo muito novo a C40rs. a libra.
Alftzeina nova a 400 rs. a libra.
Toucinho muito novo de Lisboa a 280 rs. a
libra e 85000 a arroba.
Chouncas e paios a 040 rs. a libra.
Banha a mais nova e alva que se pode dese-
jar em latas de 10 libras a 45000 a lata.
Dita propria para banha de cabello por ser
alva e dura a 400 rs. a libra.
Copos lapidados a 45800 a duzia e 5500.
Ameixas em frascos grandes a 25300.
Ditas em frascos mais pequeos a 15400.
Ditas em latas de urna e meia libra a 0 libras
a 15200 e 45000 a lata.
Mblho inglez rolha de vidro a 800 rs.
Prezuntos inglezes para Oambres muito no-
\osa 800 rs. a libra.
Velho secco, Victor Emmanuel, D. Pedro Mostarda preparada a 200 rs. o pote.
V, D Luiz, especial vinho velho do Porto J conservas inglezas a 640 e 800 rs. o frasco.
e outros mudos a 95. 105, 125 e 145 a
duzia p 15 a 15200 a garrafa.
Vinhos em pipaPorto, Lisboa e Figueira
das mdhores marcas a 35800 a canadae
800 a garrafa.
Ditos do Porto, Lisboa e Figueira de marcas
menos condecidas a 400 a garrafa e 258O0
a canada.
Dito Colares especial vinho a 800 a garrafa.
Dito Lavradio muito fresco, nao levando com
posicfio, a 500 a garrafa e 45000 a caada.
Vinho brancode uva una a 600 a garrafa e
45500 a caada.
Dito mais baixo a 400 a garrafa e 25800 a
caada.
Vialm Rordeaux em caixas de 12 garrafas das
marcas mais acreditadas a 65500 e 75000
a caixa.
Dito muito especial que raras vezes vem ao
nosso mercado a 15200 a garrafa, garan-
te-se que poFeste mesmo prego di pre-
juizo, e so se euconlra nicamente ueste
arraazem.
Licores francezes e portuguezes dos melho-
res autores a 800, 15000 e 15500 a gar-
rafa.
Cervejas das melhores marcas a 55500 e
05 rs. a duzia; tambera temos ordinaria
por muito menos.
Marmelada de|todos es fabricantes de Lisboa
em latas de 1 libra a 600 e 640.
Cognac inglez a 105000 a duzia .e 15000 a
garrafa.
Dito francez a 85900 a duzia e 800 rs. a
garrafa.
Palle Brandy a 29000 a garrafa e 325000 a
duzia.
Sabo massa a 140 e 240 rs. a libra o melhor.
Polvo a 320 rs. a libra e 95000 a arroba.
Vassouras do Porto com arcos de forro a
320 cada urna.
Ditas americanas a 640 rs.
Papel almaco pautadoe lizo a25400 a resma.
Dito de peso pautado e lizo a 35 a resma.
Dito azul proprio para botica a 25 a resma.
Velas despermacete a 560rs. a libra,e sendo
em caixa a 520.
Ditas de carnauba do Aracaty a 95000 a arro-
ba e 320 rs. a libra.
Farello de Lisboa marca N a 45000 a sacca.
Tijollos para limpar facas a 160 rs. cada um.
Peixe em latas j preparado a 15000 a lata.
Chocolate liespanhol e francez a 15000 a libra.
Caf do Rio primeira sorte a 85700 a arroba
e 300 rs. a libra.
Dito de segunda a 85400 e 280 rs. a libra.
Arroz do Maranh8o, Java e India de 25600 a
5aarriba e 100 rs. a libra.
Al pista jnuito novo e limpo a 140 rs. a li-
bra e 45500 a arroba.
Cevada muito nova a 25300 a arroba e 100
rs. a libra.
Acaba de receber de sua propria enommenda um grande e variado sortimento
de moldados todos primorosamente escomidos, por isso apressa-sc o proprietario em
offerecer 30S seus freguezes e ao publico em geral a $eguinte tabella dos seus gneros e
resumidos presos, aancando todo e qualquer genero Tendido neste bem conhecido ar-
mazem.
Pede-se toda atten$lo.
0 proprietario pede a todos os senbores chefes de familia e ao publico em geral
que n3o deixem passar desapercebida a seguinte tabella:
AVISO.
Neste armazem e no largo do Carmo n. 9, armazem Progressivo, recebem-se a
libras que vulgarmente correm no commercio por 85890 a 95, o proprietario em seu
armazens dar-lhee este valo sendo em pagamento, e isto para evitar confusoes em trocos,
Manteiga ingleza perfeitamente flor, a 800 rs,! rs. a duzia l,ooo rs, a garrafa, garante-se
e 15 a libra. que os melhores que temos tido no mer-
Idera franceza a 04o rs. a libra, e 58o rs. | cado.
sendo em barril. Passas em caixas de 1 arroba '/i e '/ 7,5oo,
Cb uxim a 2,7oo rs. a libra,"e de 8 libras 3,6oo e l,9oo rs. a caixa, e 4oors. a libra
para cima a 2,0oo. I garante-se serem muito novas, e graudas.
dem perola a 2,8oo rs. e de 8 libras para dem corinthias proprias para podim a 800
cima a 2,7oo, | rs. a libra,
dem hysson. o mais superior que se pode Marmeladas dos mais afamados fabricantes de
desejar a 2,6oo e de 8 libras para cima Lisboa a Ooo rs. a libra.
a 2,5oo rs. Ervilhas secas muito novas a 16o rs. a libra,
dem menos superior a 2,4oo e de 8 libras Grao de bico muito novo a 16o rs. a libra.
para cima a 2,3oo rs. 1 Ervilhas francezas em latas a 600 rs.
dem proprio para negocio a 2,3oo, de 8 li-' Potes com sal refinado a 48o rs.
bras para cima a 2,2oo. ; Fumo de chapa americano a l,4oo rs. a libra
dem do Rio em latas de 2, 4, 6 e 8 libras fazenda especial.
cada urna a 2, 3, 3,5oae 4,8oo rs. a lata. Presunto para fiambre inglezes a 7oo e 800
dem preto o melhor que se pode desejar' rs. a libra.
neste genero a 2.8oo rs. Chouricas e paios mnito novos a 64o a libra,
dem menos superior a esse que se vende Caixas de traque n. 1 a 85500 cada urna.
por, 2 e 2,400, a 4,8oo rs. a libra. Massas para sopa macarro, talharim aletria
dem mais baixo bom para negocio a l,5oo a ^^ a j,^
rs. a libra.
dem miudinho proprio para negocio a l,5oo
rs. a libra.
Queijos do reino chegados neste ultimo va-
por a 3,loo.
dem mais seceos vindos por navio a l,7oo.
dem prato s melhores e mais fresces do'
mercado a 75o rs. a libra.
dem londrino a 600 rs., c sendo inteiro a
Cognac verdadeiro inglez a 8,5oo rs. a caixa
e 800 rs. a garrafa,
dem francez a 7,000 rs. a duzia e 7oo rs. a
garrafa.
Charutos em grande quanlidade e de todos os
fabricantes mais a creditados a 1,5oo,
3,000, 2.5oo, 3,000 e 4,000 rs. a caixa,
os mais baixos sao dos que por ahi se ven
dema 2,oooe2,5oo rs.
Antonio da Silva Campos, surcessor do antiffO-Nasnmento defrontc do berco Largo, bem r.>
nhecldo j nesta praca, acaba de transferir o seu eslabelprimento para a rasa acirm indieaaa,
os.seus beneTolos amibos e fregneze, bem como o rcr*tavel publico em peral MHMitrarffn o mais
variado, cscolhido e melhor sortimento de melhados, a par do areio, elegancia e bom rgimen du esta-
bel cimento.
O annunciante, tendo fcito urna completa reforma no locante a ra
correspondentes na Europa para remessas de conta prupri, aclia-se convencido qw merecer! a pro-
teocio de todos os amigos do bom e barato, a qual dese j reclama, asseverandu-lhes f|tie jamis des-
merecer a eeiiflanfa cora que se dignarem de o honrr.
Em resumo, visite o respeitavel publico o novo e superior armazem Movimento, compre he al-
guns gneros, e ento ficar ronvencido da reahdade do presente aviso, verificando por si nio.-mo nenhnm outro estabeleeinienlo o serve melhor quo este, seja em commodidade de piveos, agrado e
delicadeza, ou lepalidade de pesos e medidas.
Finalmente, tenias e quaesqner garantas qne eslabelecimentos idnticos lecm offerecido aos
coacorrentes, serao manlidas ncsie em grao maior.
LIQODACAO
ARMAZEM CONSERVATIVO
23Largo do Terco23.
Joaquim Simao dos Santos tendo de se rciar est resolvido a liquidar o fazer urna grande
vutagem a quera seu armazem frcquenlar, e vender por menos do que outro qualquer auminciaiile.
para Uso tem um vantajuso sortimeuto tanto nesle armazem como fra c pra melhor servir o publico
o annunciante scieotifiea aos seus freguezes que tem fiequentado este estabelecimento quo de
hora em diante lefio a vautagem de 10 a JO por cento menos que compraram em outia poca pelo
sea prompto pagamento.
Atten$o.
Caf do Rio de primeira e segunda sorte a 270 e Uno em caixa da Baha dos melhores lubricantes
300 rs.
Arroz pilado a 80 e IOOrs. a libra e 25400 e 3
a arroba
Milbo alpista limpo a 170 rs. a libra e 4800 a
arroba.
de 15200, 2i00 35 e 4.
Phosphoros do gaz viudo de eonta groza 25300.
Manteiga franceza a fOOefilOrs. a libra.
Dita ingleza flor a 800 e'JOO rs. a bra.
fliseoutos e bolacliiuli.is de soda a 15300 c 25-
Toocinho de Santos e Lisboa a 240 e 280 rs. a lfbra.: Vinho do Porto engarrafado a 800 rs., garante-se a
Passas de carnada a 500 rs. a libra e 105 a caixa. superior qualidade.
Azeite doce.de Lisboa lino a 610 rs. a garrafa e Dito em pipa Figueira das marcas mais bem co-
45800 a caada.
Dito de carrapato a 320 rs. a garrafa e 25240 a
caada.
Massas para sopa aletria, macarro e talharim a
180 rs. a libra e 105 a caixa.
Ghouricasas mais novas a 800 rs. a libra.
Cbaxtitoseni macos de 30 a 65 o milbeiro e a,
640 rs. o cento.
nheeidas a 500 r. a garrafa e caada 3->S(M!
e 35-.00.
D to de Lisboa especial para negocio a 360, 400 o
440 a garrafa e em caada faz-se ahatimento.
Dito broas proprio paramissa a 640 e 500 a gar-
rafa e em caada a 35 e 35300.
Bolachinha americana a 200 rs. a libra c em bar-
rica ha grande ahatimento.
5oo rs. a libra, vende-se por este preco
pela porcjto que temos em ser. \ Caf de premeira qualidade a 8,5oo rs. a ar-
Biscoits em latas de 2 libras das seguintes roba e 28o rs. a libra,
marcas : Oshorne, Craknel, Mixed, Victo- dem de segunda qualidade a 8,2oo rs. a ar-
ria, Pec-nic, Fance, Machineeoutras mui- roba e 215o rs. a iibra.
RA DO QUEIMADO NUMERO 11
Loja de fazendas d* Augusto Frederic) dos Santos Porto
Chapeos para senhoras.
Chegaram de Paris as mais lindas chapelinas e chapeos de palha da Italia para senhoras.
Ricas capas e soutembarques de seda preta e cascraira de cor para senhoras.
Cortes de superior norentique branco para vestidos de noivas.
Camisas inglezas mmlo superiores para homens, peitos, punlios e colarinhos de iinho.
Chapeos de seda para cabeca e chapeos de sol de seda inglezes.
Lenco- de labyrimho francezes & 15 cada um.
Camisas de menino muito superiores.
Corles de laa de barra para vestidos de senhoras de 135 a 185-
A mesma loja lera o maiur e mais superior sortimento de
Esteiras para salas.
Neste estabelecimento encontraran os senhores que precisarem forrar su as salas com esleirs
tda e qualquer quanlidade que desejaiem de 4, 3 c 6 palmos de largura, sendo a qualidade muito
superior e. por mdico preco.
las a 1,3oo e 1 4oo rs.
Polvos chegados ltimamente do Porto a 32o
rs. a libra.
dem em latas grandes a 2,ooo rs. a lata.
Balachinha de Crakuel em latas de 5 libras
bruto a 4,ooo rs.
dem ingle/as em barricas a mais nova do
mercado a 2,5oo rs. a barrica e 24o rs. a
libra.
Ca toes com bolas francezas proprios para
mimos ou para anjos que vito as procis-
ses a Goo rs. cada um.
Peras seccas as mais novas do mercado a 4oo
rs. a libra.
Figos de comadre em Utas de 4 e 8 libras
lacradas hermticamente a l,4oo e 2,2oo
rs. a lata.
dem em caixinhas de 8 libras a l,8oo, e
2io rs. a libra.
Nozes muilo novas a 140 rs. a libra, e 4,ooo
rs. a arroba.
Amendoas confeitadas a Ooo rs. a libra.
dem de casca mole a 32o rs.
Vinhos engarrafados no Porto e Lisboa das
seguintes marcas: duque, genuino, velho
secco especial, lagrimas doces, vinho es-
pecial D. Pedro V, nctar superior de
1833, duque do Porto de 1834, vinho do
Porto, velho superior, madeira secca. Por-
to superior 1). Luiz I, e outras muitas
. marcas, em caixa de urna duzia a lo.ooo e
Ooo rs. a garrafa.
dem branco-de uva pura a 64o rs. a garra-
fa e 4,ooo a caada.
dem superior a 5oo rs, a garrafa e 3,2oors.
a caada.
dem em pipa Porto, Lisboa e Figueira das
marcas mais acreditadas a 3,8oo a caada
e 5oo rs, a garrafa.
dem de marcas pouco conhecidas a 4oo rs.
a garrafa e 3,ooo rs. a-canaria.
Especial vinho Lavradio sem a mais pequea
composicao a otiO a garrafa e 4,ooo rs. a
caada.
Pomada a 200 rs. a duzia, sevada muito no-
va a 80 rs. a libra, e 2,5oo a arroba.
Garrafoes com 4 V garrafas de vinho supe-
rior a 2,5oo rs. com o garrafao.
dem enm 4 '/s "ditas de venagre a 1 ,ooo rs. o
garrafao.
Vinagre PRR em ancoretas de 0 caadas a
15,ooo rs. com aancoreta
dem em pipa puro sem o batisme a 2oo rs.
a garrafa e l,4oo rs. a caada.
Caixas com 1 duzia da garrafas de vinho Bor-
deaux fazenda muito especial a 6,8oo rs.
a caixa e 7oo rs. a garrafa.
Licores francezes e portuguezes das seguin-
tes marcas creme de violetas, gerofles, ro-
sa, absinto vespeiro, amor perfeito, amen-
dua amarga, percicot. de Turin, Botefim,
morangos, limo, caf, laranja, cidra, gui-
ja, canella, cravo, rlela pimenta a l.ooo
Arroz do Maranho a loors. a libra, 3,ooo rs.
a arroba.
Iderada India muito superior a 2,9oo rs. a
arroba, e loo rs. a libra,
dem mais baixo redondo a 2,6oo rs. a libra,
dem da India comprido a 2,4oo rs. a arro-
ba, *e 8o rs. a libra.
Vellas de carnauba do Aracaty a 9,5oo rs. ar-
roba, e 3'>o rs. a libra,
dem de sebo muito dura lingindo esparmace-
te 3to rs. a libra,
dem de esparmcete a 5io rs. a libra, e em
caixa a 52e rs.
Papel o melhor que se pode desejar para es
Srs. empregados pblicos a 5,ooo rs. a res-
ma, j se venden por 7.ooo rs.
dem almaco pautado e liso a 3,ooo rs. a resma,
dem de peso pautada e liso a 3,ooo rs. a
resma,
dem a zul de botica ou fugueteiro a 2,2oo rs.
a resma,
dem embrulho de 1,2oo a 1, 4oo rs. a resma.
Ameixas francezas em latas de 1 '/* libra a
1,2oo e 8oo rs. a libra,
dem em frascos de 3 libras a 2,5oo rs., s o
frasco valle l.ooo rs. tambem temos em
frascos para l,4oo rs.
Conservas inglezas a 7oo rs. o frasco.
Molhos inglezes a 8oo e l.ooo rs. o frasco.
Moslarda preparada em potes muito nova a
2oo rs.
Latas com 2 a 4 libras de caj secco o mais
bem arranjado possivel a l,8oo e 2,8oo
rs. a lata.
Serveja Bon. Tenente verdadeira a6,8oo rs.
a duzia.
dem de outras marcas preta e branca a 5,5oo
e 6,ooo rs. a duzia inteiras.
Vassouras de piassava com 2 arcos de ferro
vindas do Porto a 32o rs.
Cebollas muito novas a 8oors. o molho e 5oo
m rs. o cento.
Chocolate portuguez hespanhol e francez de
8oo a l.ooo rs. a libra.
Genebra de Hollonda em frasqueiras a 6,000
e 56o rs. o frasco,
dem em botijas a 4oo rs.
dem em garrafoes de 14 garrafas a 5,2oo rs.
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a groza e 2o rs. a
caixa.
dem de dentes lixades em macos grandes
com 2o rs o macinhos a 12o rs. o masso.
Cominhos mnito. novos a 32o rs. a libra e
10,000 a arroba.
Sag muito nove a 24o rs.. a libra.
Cevadinha de Franca a 18o rs. a libra.
Milho alpista a 14o rs. a libra e 4,5oo rs. a
arroba.
Gomma a 2oo rs. a libra e 2,4oo a arroba.
Peixes em latas a l,ooo rs. a lata j prompto
a comer-se.
Farello de Lisboa marca N. e Biate saceos
grandes a 4,000 rs.
INJECCO E CAPSULAS
VEGETAES ao MATICO.
GRIMAULT E C' PHARMACEUTICOS EM PARS
Novo tralftuieirto preparado rom as fulhas de Matlco, Arvorr do Pera,pan a cura rapio.i e lnfat!iel
da Gonorrhea sem reccio alimm da contrarrfo do caBal ou da inflannmao do intestinos. O clebre
doutor Rlcor*. de Paris, ter renonciado, desde ua appariro, aoemprgo de qualquer outro tratamento.
Kinprega-se a lajereao no comco do fluxo. as capsulas em todos os casos clironicos e inveterados, que
resistirlo s preparacoes do copahu, cubeba e s Injeccfies com base metallir.a.
Depsito gerai: em Paris, em casa de MM. Grimaut e Ca, pharmaretitirns, 7, ra de la Feuillade;
em Lttboa, Joa-Afoiitlnho da Conla-Cartalbo Jnior; no !''. Miguel Jone de Bousa Fer-
relra; em 0 Bio-de-Janeiro, Gestas, 102, ra S. Pedro; em Boho, Jnn-Cnetun Ferrelra-Eapln-
lirtra-, em Hio-Grand', Joaqun de Godoy; em Haranho, Ferrelra e Ga; em Pernambuco,
saauaa r c. ra da Crui, 22 sausa, e as principaee pharmacias do Brazil.
Deposito geral em Pernambuco ra da Cruz n. 22 em casa de Caros & Barboza
Cal de i.lsboa e potassa da
Rnssla.
Vende-se na roa da Cadeia do Recife n. 26, para
onde se mudou o amigo e acreditado deposito da
mesma ra n. 12, ambos os gneros sao novos e
legtimos, e se vendem a pre$o mais barato ao qire
aru tqualjnejiparte.
Farlaha de mmndloe*
de Sanu Catarina, e da mais nva que ha, em
muilo bons saceos e a preco commodo : no ar-
mazem do Annes defronte da alfandega._______
Vendem^e arcos de pao para nso de pipas
ltimamente negados do Porto : a tratar na ra
da Senzala Nova n. 4.
LOJA DO BEIJA FLOR.
Kua do Quciiii ui numero 63.
Cravalinbas para seultora.
Vendem-se gravatinhas de diversos gostos mais
modernos a 720 e 800 rs. : na ra do Queimado,
loja do beija-flor n. 63.
Fitas para debrom de vestidos.
Vendem-se fitas para debrum de vestido de linho
com 12 varas a 400 rs. a pega : na ra do Quei-
mado, lqja do beija-flor n. 03.
Pentes travessos.
Vendem-se pentes travessos de caracol na
frente de borracha a 500 rs.: na ra do Queima-
do, loja do beija-flor n. 63.
Papel fira dourada.
Vende-se papel beira dourada a 1,5200 e 15300,
dito de cor de beira dourada a llut) : na ra do
Queimado, loja do beija-flur n. 63.
Antlopes.
Vendem-se anvelopes de diversas qualidades
branco a 800 rs. e de cor a 640 rs., para cartas de
visita a 400 re., preto a 720 rs. : na loja do beija-
flor na ra. do Queimado n. 63.
tollas de aljfar.
Tendo recebido voltas de aljfar com cruzo? de
pedra imitando a brilhante vende-se a 13 cada
urna : na ra do Queimado loja do beija-flor n. 63.
Camisas de acias.
Vendem-se camisas de meias muito finas a
1^200 e 1300 : na ra do Queimado, loja do bei-
ja-flor n. 63.
Eufeiles de fita.
Tendo recebido eufeiles de lila pretas e de co-
res mais modernas que se esto usando a 15 cada
um : na ra do Queimado, loja do beija-flor n. 63.
Vita de laa preta para debrum.
Vende-M fita de lia preta para debrum com 10
varas a 900 rs. a pec,a : na loja do beija-flor ra
do Queimado n 63.
Pitas de Hubo para bordar vestido
Vendem-se fitas de linho para bordar vestido
ou roupinho de meninas com 40 varas a 640 e
800 rs. a pece so quera tem loja do beija-flor
ra do Queimado numero 63.
flotees de madreperola.
Veodem-ae boldes de madreperola mais moder-
nos que tem vindo para punuos de senhora a 320
rs o par : s quem vende por este preco na
ra do Queimado, loja do beija-flor numero 63.
Hla de velludo para bordar vestida.
Vende-se fila de velludo preto com 10 varas a
6tK) rs. a ppga : s quem tem por este preco a
loja do beija-flor da ra do Queimado n. 63.
Fita de velhide bordada.
Vende-se flta de velludo prto bordada de di-
versos gostos e mais modernos proprios para qua-
resma : s quera tem a loja do beija-flor ra do
Queimado n. 63.
Franja preta.
Vende-se franja preta de diversas larguras para
enfeitar capas ou manteletes os mais lindos gos-
tos que se pode encontrar i na loja do beija-flor
ra do Queimado n. 63.
Facas e garlos.
Vendem-se facas e garios de halanco de 1 he
tao a 55300 a duzia, ditas de 2 botoes a G5'>00 :
na ra do Queimado, loja do beija-flor n. 63.
Visporas.
Vendem-se visporas muito finas a 800 rs. : na
' ra do Queimado, loja do beija-flor n. 63.
Domines.
i Vendem-se dminos muito finos a 15200 b
15tOO : na loja d beija-llor da ra do Queimado
n. 63.
Yende-se
a loja de raleados da rtia da Crue n. 41, sende
esla bem afreguezada e em hom local : a tratar
na mesma loja com o proprio dono pois este tem
de relirar-se a tratar de sua sade.
Vende-se no armazem da rua do Trapiche
n. 48, de Monhard & C, vinho superior de Bor-
deaui chegado ultiinameute.
ESCBAVOS FGIDOS.
Fugio no dia 22 dn corrente o escravo Luiz,
crioulo, de idade de 20 annos, poucu mais 011 me-
nos, o qual tem os seguintes signaos: estator
baia, corpo secco, barba nenhuma, falta de um
dente na frente, um signal na sobranccllia, marca
de bexigas nos pes; este escravo tem o offlcio de
serrador, presentemente tem sido visto nos bairros
de Santo Antonio e Boa-Vista vadiando, a roupa
que levou vestida foi calca de ri>cado de quadros
j desbotado, camisa de madapolao, e urn lenco na
cabeca em forma de carapuea : quem o appn hen-
der leve-o rua nova de Santa Hita n. 13. serrara
de Paulo Jos Gomes, que ser recompensado.
_ Fugio no dia 18 do corrente a eserava do
nome Joanna, de naco, idade de 40 annos, mais
ou menos, baixa e grossa do corpo, um olhos es-
pantados, e os cabellos cortados rente, levou ves-
tido de assento branco o salpicos rxos ja velho :
rogase s autoridades policiaes.e capitaes de cam-
po a apprehensao da dita escrava : quem a pren-
der, leve-a encruzlhada de Belem confronte ao
sitio do Sr. Fr. Joo do Rosario, que ser gratifi-
cado.
ATTKISCJiO
Acha-se fgido o escravo de nome Faustino, de
idade 40 annos, pouco mais ou menos, cor fula, at-
ura regular, grosso do corpo, bem espadado, bar-
bado, e j com alguns cabellos brancos ria* barba,
bracos peinas grossas e bastante cabelladas, ten-
do as pernas arqueadas, porm nao mnito, coslu-
ma andar om sambas, e as ver.es embnaga-se bas-
tante por gostar muito de beber : porianlo roga-
se s autoridades polieiaes desta e das provincias
limitrophes, qne o facam apprehender e lvalo a
seu senhor o major Antonio da Silva Gusmao, na
rua Imperial, assim como roga-se -aos capitaes de
campo a apprehensao do dito escravo, que serao
bem gratificados.
\


*
LITIEBA
Mm%o de fefMlifctd JTa-y lela* 8t de WjIo de i I.
A F1I.I1 A DO DOl 'TOIt M-4.IIO
Romance original de Carillo Casiello Uranio.
~i
_____ (Continuagiio.)
A matear ora Albertina. Outras mais bellas po-
(liria elle ler visto na cidade das formosas, no
Porto, que se tem de remla posse, como aquella
ciua Je da Grecia, o ninbo das gragas, nao s tres,
as mil, da qual cidade os contcniporancos d-
tjam :
Non licet mnibus adire Cormthum. (I)
Vinha isto a dizer que o amor em Corintho era
privilegio dos afortunados, dos magnates, dos dig-
nos das maravillosas raulheresque se deixavam
dorar por obsequio.
Nao assim, na moderna cidade das formosas :
estas sabem que o sao, e dio mais lento do quilate
'los sf us mritos quanto mais bellas se vem no
-IK.ho das almas, que no o vidro, que cada an-
uo delata urna ruga, senao que um como bronze
i que a imagem vac esculpida desta existencia
Jo sonaos i soberana realidade da existencia l-
brala. L que a celestial Corintho, a fonte sa-
grada das aguas de eterna juventude.
Poii sendo tantas as bellezas impressivas do
Pono (se bem que, em 1810, muias das principacs
muavam forajidas fama libertina, que preceda
i'enfa chai de la melare, o invasor Massena),
Antonio da Silveira nicamente sentiu coracSo pa-
ra a filia do doutor Negro.
Prueba Simcs acalorava a inclinago do rao-
oncarecendo as qulidades da ilha.
A primeira virtude de Albertina, dizia elle com
a suprema boa f se nao malicia de pae, que es-
t a fazer vinle annos minha filha e noamou ain-
oa. Que Ihesouros de amor nao enterra aquello
conejo Que ventura ser a do hornera que tiver
o segredo de abrir o seio que at agora smente se
descerrou s endientes do amor filial !
Antonio cuidava estar ouvindo a sincera apolo-
ga que os paes fazem das Albas aos forasleiro*
uodoa nvariavel/ornada descnpres da hos-
pilal-dade homrica.
O doutor sondou fcilmente o animo do hospede.
i :ongratulou-se. Deu os parabens Alba, e cuidou
que o silencio della exprimiao contentamento aba-
fador, que nao detaa ao coragao mais liberdade
que a de um at da3 suspiros.
Nao leve mao de si o jubiloso bacharel Alpedri-
n!ia : assim que o ensejo Ihe sahiu a talho, disse
io cadete que se nao reprimisse, quando tivesso
que dizer com referencia a Albertina.
Antonio, alegremente sorprendido, achou-se elo-
qnente, e discorreu com a leal e expansiva cor-
dealidade de um rapaz que, apesar de cadete de
avallara de Braganca, se considera em casa de
Labio, naqueas santos primordios da humani-
dade.
En casarei com sua filha, disse elle em re-
ale de um exordio adoravel de simplicidade, se
me ella quizer. Pedirei licenga a meus paes, e
alies, que me amam e desejam minha felicidade,
consentirlo, se nao consentirem...
Isso fcil supprir-se... atalhou o
rito. Eu casei judicialmente...
Mas a desobediencia... interrompeu
tobio.
A desobediencia, volveu o doutor, imposta
po'o coragao, urna culpa, que em si conlm sen-
tenas absolutoria divina e humanamente fallando.
Uin pao nao sabe era pode calcular sobre opera-
d-oes da alma inflexiveis paula do raciocinio. Co-
mo bol de cu contradizer o que minha Alha assen-
lar e a felicidade do seu coragao ?
U/jando que um pae affouiamente pode pro-
metter que seus filhos serao ditosos pelos csamen-
os que elles lhes elegem, em frieza de animo, e a
marera planos e trabados como se mandas-
.oiii architectar urna casa com tantas janellas, e
tantas salas e tantas alcovas!
11 nosso direilo submissao dos Albos caduca
desde o momento em que elles nos respondem com
o coragao, quando nos lhes interrogamos o juizo.
9 violentamos, fazemos da autoridade um fia-
jjcllo; se elles nos obedecem, a submissao nao
ja virtude, senao suicidio.
Desto arrasoado induz-sc que o bacharel tinha
anda frescas as lembrancas dos procars com que
ai licoiara contra os paes da sua nowa depositada.
Estas doutrinas, n'um romance, gragas ao descr-
dito da copsa, nao fazem mal neni bem ; mas, na
prosa, e estrada rameraneira da vida chaa, que a
g3nte arranjou, preciso cautella contra seme-
jantes doutrinas.
0 coragao, com que todos os imberbes, rebeldes
do galaoteio, dovia de estar despejado, quero di-
r emancipado do peje que purpurea.as faces ao
dor bisonbo.
Amava do.no dalrna : t oqua era ; amava pe-
a pnmelra ver ; oque Uuuea tfnha aconteede
la um cadete de ha cineoenta annos; que naqnellc
tempo, as palavra rotar, sem auxilio de adjec-
iivos, indicava logo ura libertino, terror das fami-
lias alheias, e dissipador dos bens da propria.
Antonio da Silveira, em oito syllabas, definiu-
me o seu modo de ser naquelle tempo :Eu era
urna menino-disse-me elle. Isto o mais que um
homem iunocente pode dizer de si, quando a meni-
na innocente, entendanse-nos porque ha meni-
nas que, a respeilo da pureza do seu espirito, po-
dem dizer : Eu era como um cadete dos mais
casquilhos de ha cineoenta annos. Ha de to-
do ; e desla variedade e desordem que se faz
a ordem e a graca do universo.
Albertina nao eslava no caso da menina eom
quem Amonio da Silveira se comparava, nem na
plana da outra, que quizesse comparar-se a um
donzel de moral desbaratada.
O amor nao era novldade para ella. Se o fra,
devia de tingir-se-lbe o rosto, quando o hospede
Ihe disse :
Nao posso por mais lempa oceultar a pafiSo
que..
Aqu, inlallou-seomogo,
E ella, nem paluda nem escarate, escutava-o; e
vinte segundos poderia elle contar seos qoarenta
accelerados latejos,- que Ihe dea o eoracao, al po-
der balbuciar o t-etn da phrase : -
A paixao que simo por a Sra*. D. Alber-
tina.
As palpebras magnificas dos olhos da fitba do
doutor Negro cahiram de golpe, e assim perma-mr
cerara instantes como a elaftorar duas Jam-imas. E
as lagrimas apontaram e derivaram as ees, an-
tes que ella podesse responde* o seguate ;
Eu nao posso ama-lo...
Antonio da Silveira, a poder iembrar-se oValgu-
ma cousa naquelle momento, devla'de ser do verso
do seu Virgilio :
Reluzin acut do dontor, e arroxaram-se-lue os
beieos. Q relance dos olhos afusilan uns lemiveis
raio de colera, os primeiros que a menina viu no
olhar caricioso do seu pae. E' que de assalto Ihe
velo lembranfa, que. sua filha, aos quattne an*
os, rora* sorprendida n'urna janella, trocando pitra-
"*a Prte om canal conhecimento das palavrasqne era unTgetierai em Iboi, dos mais dUtinetos na
ae escrcram latinamente coa cinco- g e mais. independencia do lrasil contra oa Hollandezes;
Jo5o tinha entrada de escada cima na casa do meu av foi magimtado superior, mea pae tamjwm
doutqr. e os Alpedrinhas eom petera em antlguidado de nas-
^Hertjna.eractianci de nove annos, e elle ti- cimento, c honra e saber, como as mais Mhistresca-
sas de Portugal! .
nh delesee.
ses de fllnbre amoroso com um muco de baixa ex- f a menina aprend djtle o talho da letra inrie
traccao, um amanuense 4) cartorlo de seu pae :. zi e obedeca mais depres aos brandos rogos dt
facto berrendo, que elle tlumv'esquecido, qnando (amanuense que aos do pae?"ae teimosa recusaba,!
disse ao hospedo que a primeira virtude de Alber-i com tregejtos de ammada, decorar as decIinaeSes
tina era estar a fai#r>*inte aflnos sem ter amado da grammatica franceza.
*>"* *" ," t ,o3o> Para U"> conciliar a rontade, ora dengosa,
Antonio, admirado do aprumo da formosa mu- ora rebelde, estud?aora ella as horas vagas, e
Iher, amndo-a mais por isso mesmo, invejandoat | ssim aprandeu a lingu franceza, e o mais que o
o galardo do homem que Ihe da va ause a tamanho! doutor ensinou filha.
e to inslito desengao continuou a obedecer ao
impulso de sua geaerosidade, dizendo :
O dontor Negro replsou neste artigo da sna pro-
sapia, e desgarrou-se tanto da tnlha da molestia e
que aos do paef* toimosa recusaba. {do siso, que o interlocutor teve do daquella febril
cabeca, que se perda I Quando pode, esfriou-lhe
os impulsos de soberba com muila brandura dere-
flexoes humnitarias acercada egualdade dos nasci-
mentos; e delicadamente Ihelembrou que um apo-
logista da razoira social, passada sobre as desegual-
dades absurdas pelo braco providencial da reroln-
A Sra. D. Albertina s pode e eve amar nm
i carado,
coraeo desprendido de ontros aTTectos. Eu eslou I vellCOra. que ,a ia em cima-
compromettidon'outrosamows, meu amigo: tive' Este desabrimento proceda de alguma descon-
fansa, que o Joao Chrysostomo conflrmou fazendb"
se amarello ou escarate, modos variados e infaus-
to com-quao oracJo atraisa seu amo... ou o
$eu esoravo.
Eu pens do coragao o que AlphotSe Karr pen-
sava do seu t Terra Nova: a gente nao sabe bem
; seo cao nosso amo, on nos d'elle. D's raodo que
o coragfo um perfldo toimifo^qoe temos dentro
de nos, o qual nos denuncia no rosto, quandV todo
toe sacrificamos, paz, honra, futuro, vida e per-
de-me a natureza e o progresso das luzes!).,..
o estomago Ihe iramolamos, este celtero da sade,
Quando Albertina perfez quatorze annos, Fran- r fraDceza, devia de ser mais consecuente com-
cisco Simoes disse rudemente ao amanuense que 8 mesroo. Esiavam cerradas para sempre as
as suas occupacSes do escriptorio nao tinham que, Prtas daquella razao degenerada pela dor. O ve-
Iho, se cahia em si por momentos, resaltava de si
a virtude de o confessar a sua Al
Enlao... atalhou o doutor iracando, disses-
sem isso logo, e j V. S. m'o poda ler dito I... ou...-|
permitta-me dizer-lbe que andou como nao andam
cavalleiros, quando me pedu minha Alba 1
Antonio cahia em si, o via eme a geaerosidade
era luconciliavel com a mentira, oque a virtude
e cousa mais custosa de praticar do que muita
gente cuida.
Alaertina vem em soccorro do corrido- mogo, e
exclama j
O Sr. Silveira m cavalleiro, mea pae I Eu
que sou a culpada ;
nao poda ama-lo.
Perguntei'Um :_ "
Que sentlmeBto Ihe havia inspirado Albertina
m auno antesf
A pa|xio, quclB dos hnies da honra.
E um anno depois, quamfo thiou na eadei
homem que ella preferir f'
-~ A paivao, quem dos limites da honra.
E se as suas diligencias contegulssem lan-
fa-los nos brijos um do outro, e a ambos nos bra-
cos da rnals dadivosa fortuna, que sentira o Sr.
Antonio da Silveira ?
A paixao, quem dos limites da honra.
A* resposta do torceiro qulsflo dsissti de com-
prebende-lo.
IV
Antonio da Silveira apresentou prelada do
convento dos Remedios, em Braga, a carta do Dr.
propno em mai phreneticas n-ecliras contra a fl-' fr"'3*0 8im5es Afpedfinha. ReunMae em
Iba, e contra o algez da sua alegra. I capitulo as venerabundas nonas, notaveis por sua
liDizia-me Antonio da Silveira: As agonas iTelhiee e epertencia der astucias do am.,r, deKbe-
^aquello infeliz, das tfiaes eu fui lestemuntu por
espaco de ires horas, poderam tanto coraigo, que
tie Acaram servindo de momento, homo, almez
de urna longa vida. Acodia-mo sempre o espee-
o cofre das gragas que asetinam e purpureara a
lu en qnem Ihe disse me!calis'e tuo ma8 cha|nado> bellew, vigor, e ga-
'lhardia.
taculo do Dr. Negro, quando eu medrtaVa pra*
ticar am acto occasionat de darano ou dssabor
para alguem. A mo da Providencia pezara sobre
elle tan dora quanto elle pezara sobre o seio do
outro bemem, que tambera era pae ; mais dura di-
rei, porque o outro vira sua Alba honrada, senao
invejada; o este era quem com sua propria o es-
pontanea mo a pozera- debaixo dos oihes do mun-
do cora urna nodoa, & todo o trance erabaracava-
M*AML*iM4iti ni. _, a-rehabilitaga da mulber difamada, iDju^tamenie
Tudo fjto perdeu Joao Chrysostomo, assim que o difamada.
Injustamente poi* ella nao tinba fgido
do Jo* GlH-ystomo ? inter-
rump- eu.
Niio, senhor: de casa do pae sabira> para
casa de ura procurador de causas, bomen de
bem, amigo do nioe>; d'est casa, condemnado
Obstuput, sletermt que coma etvozfautibus A*f,
que o Brrelo Feio Iraduz :
Pasmei; airipiou-se-me o cabeih;
E nos faces avoz me ficou presa (t).
jurispo-
An-
s cans palernaes, enchera a bocea, nao cousa
ncuhuma porque se faca obra.
O conoio urna capa de brocado, que se deita
as costas da lolice, para Ihe esconder os alejoes.
Qnando o amor se torna em rachilismo da alma,
podemos contar com carcunda para toda a vida.
Fazer de urna velleidade urna transfiguracao de
ndole, quero dizer, cuidar que o amor avassalla a
razo, e que este predominio aos olhos propia-
mente de um pae cousa respeilavel, eis um des-
vario que nivela a allucinar;ao do filho com a ne-
ctdade de progenitor.
A experiencia nao cessa de pregoar que os c-
lmenlos voluntarios, contra o alvitre dos paes, le-
vara em si peconha de culpa, maldico saneciona-
da em cima, onde est o grande espirito que dic
ton a quaria lei do declogo.
Mas eu creo que Ihe nao lembrou cotsai nenhu-
ma em lalim. Nestes apertos de coracao,; nao ha
propriamenle um professor de latinidade, qjte possa
respirar por ara hexmetro.
O cadete estava de p e, quando em anlogas
circumstaucias, toda a pessoa discreta endosase
levantara da cadeira para sahir, nto qve elle
se assentou. JustiAcadamente o fez; a arte- pode
estranhar o caso mas a natureza adatte-o : qae
sentiu um tremor e desfallecimento de pernasya<>
cidente que mais que muito conArma o que elle-d-
pois disse de si: i Eu era urna menina.
A Alha do doutor aproxiraou-se delle, estenda-
Ihe a mao, e murmurou :
Seja meu irmao. Estime-me, e compadeea-
se, que eu sou muito desgrasada por n ao poder
ama-lo I...
E desatou em lagrimas e solutos.
Erguera-se Antonio da Silveira, oorindo pass-
no pavimento da casa prxima.
Era Francisco Smoes de Alpedrlnha.
Albertina retiroa-se a enchngar as lagrirai is en-
tre as cortinas de urna janella. O hospede, com
um ar de assombro que tanto poda chamar-se par-
vo como sublime, llcou chambado s costas d i ca-
deira, sobre que apoira as maos.
O doutor sahiu da sua perplexidade nestes ter-
mos :
Que vem a ser isto ? Albertina vem de el 10-
rar I .. o cavalleiro est sorprendido I... Isti >
urna scena de amor ; nao pode ser outra coas; i I
Mas... amor comegado por lagrimas I... Ora va-
mos, menina. Teu pae teu amigo, e amigo do
Sr. Silveira. Eu creo que nem elle nem tu st >is
almas capazes de sentimento do qual eu nao pos sa
ser confidente. Albertina falla.
Antonio da Silveira, sem auxilio de Horacio ou
Virgilio teve urna idea heroica, respondeodo as-
sim com a mais prot;v)ta o ingenua natura li-
dado :
Eu desped-me da Sra. D. Albertina ; e ella,
correspondendo viva saudade que eu devo (basta
generosa familia, commoveu-se...
Nobn commogao! acudiu o doutor. Essas
lagrimas louvo-as eu ; esconde-las de mim des-
confiar da minha sensibilidade, menina. Eu preso
como a filho o Sr. Silveira, e oxal podesse arran-
car-lhe do corpo esta farda, que se rae augura a li-
br do despotismo I Pobre moco, com que animo
se vae expor a morrer, passado de urna bala do
campo adverso, onde estao os instrumentos cegc*j
da civilisago do mundo I
Eotendav'o-nos I exstemorj o doutor aqu fe
urna complicasao- de coasas- que me embrulham a'doQtor lhe ve*>n togresso no prhneiro andar. A
razo. E's tu que-regeitas o Sr. Antonio da Silvei- r1steza e defnhamento aggravaram mais as sns- < para .
ra-, Albertina ? P*tW do pae de ArberTma. Ao mesmo'tempo, a'
Sou eu que o areso como kmaa, nao posso mllina desmeoVava, nao ia mesa sem rauitos ro-
ser vc+uolariameaie sua esposa. gos d me ; e, todo, mil encontrava oselhos.do pae
Ben, toraarei as minhas medidas, redargaiu \ bai**'' os seus eom sobresenho, e responda,- cho-
FranctecoSimoes de Alpedrinha. Mbito bem I eu! rando e mordendo as agrimus nos beigos-, se' elle a
nao sabia quem tu eras, oreatura Criei-fe- e ala- [ uterpelTava severamente,
guei-te cerno am anjo ; db-maito amor com qaete' Deu-se, ePahi a pouces dias, o snecesso decisivo: \
satisAzos eapriebos resaltos1 a liberdade arregante! posto de sobre-aviso, o doufor sarprehndsU'um
com que fallas a teu pae. fel filha j diz que r&A eolloquio da- ra para a- sna'janelta. Joao foi aggre-
geita o esposo' quesea pae Ihe offerece. Mbito bem: I dido, s deixoa-se espascar, de bracos cruzados.
;eu serei d'hoje- a -vante o qae devia lev sido at Primeiro cacEtm e braco* ao doofor qne a pacien-1--
;aqui.
nada.
Veremos I... Sllveiroz V. S. nae-perdeu
Eu dava-lhe Albertina, cuidando qne ella
ca ao honrado-mogo. Albertina fligira da janella
no intento de sahlr ra. Qtiand o pae a vhi.
era nmthesouro.' Eoganei-me. Est desfeiloo en-1 deisou o amanuense, e foi,- ceg de ira, com as-
gano. Volt quando quizer a esti-casa : o amigo garras recurvas- sobre a garganta de Albertina ;
c'est cora os bracos abortos. Vaa cavalleiro^v, mas um pae sejaqgal for a^cdr qnr'tem, nao es-
que esta mulher era indigna de si.
Albertina cheravajolegante de soiieos:
Antonio, com os ornas no chao, e es bracos cru-
zados; ou via as phrases dora do doator, e chorv
va-lhe a alma compadecido da anciada menina.
Est- lance foi cortado a tonino pela toada das ci-
rmelas e tambores, qne-tocavam generala. O ca-
dete sahiu abruptamentd' retnceando- uta drra-
deiro olhar de Albertina.
O rebate falso do apparechaento de fnmoezes na
serra de* Val-longo foi-' cont irrvenca d algum
santo; qae viu as agostas do honrado mogo, e as
da pobre-menina, benemrita d piedad das al-
mas sensiveis, e admiradoras dos coraeSe intr-
pidos.
No dn-seguinte, o regiment d Silveira sahiu
|lo Porto: O cadete militou at ae m daioampa-
nha, senao com bravuraogua a maitos qpe-satu-
rara condecorados como bravos. O inimigo; con-
tra quem elle poz peitO) era oen coragie, a sau-
dade apatxoaada da til! -do doutor Negro.
! Finda a guerra, passoa pelo-Porto.- Antes-d en-
trar era casa do doutor Negro;, imjuiriu noa des-
ta familia.
Tinhauecorrido am aano- apenas,-depois delan-
ce descripto; e oque dissaraov a Antonio da SH-
veira era cousa lao eetranha e iccombinavel com
abre vi dado daquelle espaoo da tempo, que o-mogo
ajprtava. a cabega as maos de- espanto, o chora va
d a comnMserago.
Aqu vae o que elle-ouviu ausoa mens&proli-
x asiente contado :
Albertina seis aunes haia.<]ae se a (Te: oir a
ura amanuense do esariptor peierno. Este, mogo,
chamado Joo Chrysostomo, gozava todo o bom
nomo qae pode ter-sa a?.quet modo de vida, e era
bim-quisto.
c Foca era meniao para o Brasil, enviado por
son pae, lavrador das. ercaoias do BM64elrode!3tCoSim5es- A seducgi).que senao on tanja*
Viiraov Esteva l ansdons-anaos bem.aoreditadoium eruelssimo roubo decoraeao de urna filha ao
eom o patrie ; porim como-asade Ihe scasseas- amor de seu-pae? Quomousaahi provar-rae e-oear
trangula urna Alba:
Joao Chrysostomo nao podia voltar mai aquella
easa. Procurou outro escriptorio, que fcilmente
se lhe dparou com> melhorados interessos.
A pessoa, que ittermava1 Antonio da Silveira,
deste ponto deu um sallo para seis annos depois,
nao podendo esmiugar os factos seguidos ate prin-
cipios, do auno, de 18MV poca em que Albertina
fogiu-de eaa.
No momento em qoe- e- alferes coWa estes- por-
atenoras, eslava Albertina.o'um convento dtrDraga
e J'jao i'.dryostomo preso na cadeias da rela^ao do
Porto. O narrador sabia contar apenas-o-qua-ama-
au8ase perder a demanda e fora oondemnado>
como raptor a alenns anao de priso-; e qae AI-
bernoa, trazida do depaeito jaadicial para casa- do
pae, agir novamenle, e fwra presa no pateo-da
cadea e d'ali transferida para o convento.-
Aaiaaoa-se SHveira a procurar o dontor Negro;.
Eaeonrou-o modado, neebeo-o o velho-choran'-
de; mas sera \ehenioncia> de- transportes^ Ph'race-
que urna glacKlapathia, lhe tonta os movanento* iAntonil> d Silveira' *'* um. ann foi hos-
A iBtereadenrie,naava-60-oc4n.squecid3,-oaartt-1 Pede do D'; Francisco Swooes de Alpednioha.
o raptor,- vollou para casa do pae ; d'aqui fu-
giu, e breves passos- deu at cadeia que lhe
era peno ; e da cadma, anda antes de ver o
preso, foi, como ja lhe disse, levada- ao convente
de Braga J v que o mundo a difamara injusta-
mente.
Silveira deopediu-se do-dontor, com- promessa
de voltar.
Dal foi rlacao proeorar o preso Joao
Chrysostomo. Condaziram-n a um mano de
maHa, e mostraram-lh'o sentado a urna mesa de
pinho, escrevendo.
DI Antonio da- Silveira qo* o sujeile- repre-
aentava quarenta annos, bem qne anda nao
iwesse triiita. Era macilento, magro, e meaos
valgar deaspeilodo tue devia esperar-so do ftlho
de um lavrador do Minbo, onde, pelo ordinario,
as earas- dos agricultores nos qusren parecer pon"
co mais de rudimenares, como se- a natureza as
deiaasse configuradas na primeira sesso para
vollar depois a coabrmor-lhes oe-relevos. A boa
sombraje-Joao Chrysoetomo captou logo a beao-
voleaoia do seu descenhecido visilaato a quera ete
de p, corteiou. e disse-t
DWea que V. Sv se engaaasso no quie-
to..-
KT-b-Sr. Joao Corysostomo que eu procuro
torno S-vetra, tomando para asseniar-se ama das-
I tres cadeiras de pinho,.- qae decaravam o recin-
to, alias-alegre e bem. arejado- Depois contv
I nuou:
Pode ser que coninga de nomo ura tal
madeava phrase- desconoertada e allwiaado as-
sexnpto.
Antonio atatava-o, se 8!te Tseiferava tremente-
vexes contra Albertina.
Nao seria fehcidada unaiea diaate deixav
V>Si-- easar sua JUba.com esserapaz tao mal-julga-
d ; pelas leis ? dizia o Silveira eoaa a independencia.'.
da urna boa ecinaera razao. i jveira.
Mal julgado pelas laltJj eselamava o doutor^ j Sc-Oeus a tivessedestnado. para, minha es-
Pois o raptor da miaba ilha, o aten assassiao poda jposa, -cstaiia eu aqui entre ferros e ella. '<
ser jolgado do outro modo I 5mais cerrados-a luz do da?obserrou
Eu nao sei bem oquu a lei chama raptor, J
O pres-vimpallideceu, t murmurou:
Ouvi fallar de V. Sv
Como de um mav sujeilo ?
Nao, senhor. A Uha do S.. Dn. disse-me
que V. S. era .o nico homem do mundo- que ella
poderia amar, se Deus a nao tivesse.-...
Destinado para sua esposaatalhou Sil
outros
Joao
! Chrysostomo.
volveu Silveiro- Cada va ou n-:. urna filha, que Ca-
go a seus paes, e declara que qur casar cobl
homem para quarn fogf,. nao i raptada------
E' raptada porque seduzida! bradou Franr-
Em tedo o caso um dever defender a patria,
interrompeu o cadete.
Patria I voltou o doutor Alpedrinha, o qae
patria !... Ubi bene, ibi patria (3). Quem est
bem nestas espessas trovas de Portugal ?!... O
Brasil o melhor cu do globo ; e eu desconheci-o
como patria, porque urna colonia desta metropole
obscura. Quera quizer ter em Portugal urna patria
amavel, tem de refazer o paiz, franqueando as fron--
teiras aos iniciadores da civilisago, e nao trancan-
do-liras com o ferro e eom o peito. Sr. Silveica,.
nao lhe aconselho que deserte s suas bandeieas ;
mas admeesto-o a qae poape a vida, sem desaire
I da honra e da disciplina. Que sandice eu disse
a sardnica nos agora!... Honra e disciplina I... Honra synony-
mo de servidao a bonzos e fidalgos que l se estao
refastelaodo oa corte do Rio em redor do. inerte
rei, que se cootenta com a cora desamorada, o
com alguns arrateis de siraonte para cada mes.
Disciplina! Eu vi o que era a disciplina do exerci.
to portuguez no dia extremo do general Freir e do
Porto-Carreiro e dos outros. Meu amigo, aao se
exponba, pego-lh'o em nome de minha Alha, e ella
pede-lh'o em nome do coragao, que o ama I Nao
isto verdade, Albertina ?
se, vollou para Potogal.
c O pae, que nao era. dos mais rasoaveis, e .-
nha oatro filho a quem de veras quara, recebeu*
o de n sombra.
c Joao peda-fas--que? o deixasse ctdenar ; o pae
deu-lhe urna enzada, a- inandou-o rasar tojo.
c Era o mogo -dbil, e enfermigc t nao podb com
a aspereza da avouna,e fugiu para o Porto,.con-
fiando-se na promessa de Jess,.bjbj disse aos-G>a-
lileus :
a Olhac para as aves do cxj. qae nao. semeam,
Cu nao sei se este
beieos fie algum dos meus leitores, cuja inepcia
possa ser superior minha boa f. Seja o que
lor ; onde cstiver feliz um hornera que arrancasse
a esposa dos bragos de sua me, ou a mulher que
apresasse um marido com-os arpus da lei, ospo-
liadora dos diretos paternaes, esses que me des-
inmtara, rasgando esta pagina, e mandando-m'a
rubricada com os seus noraes. Quando isso acon-
tecer hei de eu cuidar que sou um tolo maior da
marca.
Tomemos o fio da historia.
- 11
Antonio da Silveira, na vespera da sabida do seu
regiment para as fronteiras, ameagadas de fran-
ceze achou-se a sos com Albertina. At aquella
hor?'noousara dizer-lhe a palavra mais difflci
ilu exprimir, quando verdadeira. Os que mais
amam, antes de o dizerem pessoa, que mais con-
vm que o saiba, irapallidecem, desseccam-se, e
sao capazes de irem a urna ethica.
As artes da lingua latina todas conjugam o ver-
bo amar por inteiro : os alumnos saem das esco-
las com os ouvidos impregnado?, digamo-lo assim,
do mais vital e usual verbo de todas as linguas
sabidas e ignoradas dos polyglotas. Pois, assim
mesmo, com toda esta profuso de amar no infini-
to, de amo no presente, de amei no pretrito, e de
niare? noJutoro, acontece que a menora do ver-
bo por 'e\cfjlenca se innoula e cerra logo que o
mais soerwgrammatico se acha como que affron-
tado pela mulher para quem elle parece que pun-
tualmente aprender a conjugago do verbo amar !
Isto admiravel ; e mais admirativo ainda no ca-
dete de cavallaria de Braganca, onde elle, com um
anno de praga, ou tariraba como l djzem, e con-
vivencia de cantaradas vesados a alta barganteria
trario d"isto f
raram que se consuliasse o doutor pelo correto an*
tes de se dar o exequtur a carta, que poderia/
sem milagre, ser cavilosa.
Esperoa, portante, o magnnimo- alferes qae
viesse pela posta o segundo aviso; como para or-
dem de saque monetario; e, a dfaer a verdade,
que thesouro demahdh ah raaiores1 cautela? que a
virtude de urna menina ? Bem o entendern) as
prevista religiosas de Nossa Senhora- dos Reme-
dios.
Albertina, confirmada a aothenticidadfe da1 carra
db pae,- foi conduzida ao' locutorio pela suh-priore-
rza, cujo? escrpulos, superiores ao mximo-elogio,
a multo etKfo coosentiram que a reclusa fieasse a
so'com canillar, mediaste as doas cancellas de
grades de- uom ferro da Suecla, o qual bem sa'
biam ellas que os mais ardentes snspiros nao t-
nhsm podido-drreter.
-* Eslranha- visito esta^ Sta: Ut Albertina I
disse com a vea tremente o aHterer.
3stranha,.simrespondan com anavel sere-
nidade a Alha dc-Dr. Negro: mas visita muiio
agradavet. Deus- sabe quantas rezes ea- liaba dito
commigo-: So oSr.Silveira fosse muito meu
amigo, t -ria procurado noticias di sna rafia... >
; E quem lhe dar que eu as no procoroi 7 Da
eerto, nao o acaso que me traz aqu...
Vem ato Porto ftotorrompeu'ella.
Sim, miaba senttora, venho da- casa' A%-seu
pao, e do carcere do seu malfadado amigo.
Vem V Iexelamou Albertina*-cOmo' est;
ellef
Elle, qu3m? E' por sea pae qe me pep-
gunta?
Nao, senhor; menpasei eu queesti b6m
torno! ella coro hombrldade e irona.Est vinga-
do; e- a vinganra, as ahnas paternaes como a -
delle, d sade s-alegria. P por Joao Cfirysost-
moquo-u tomo aliberdadfe- de purgUEar-lhe, j
que V. S. me falln delle.
PNer-lhe dellevolfeai Silveira desconsola-
do do tena-de altivez, e rnenosprego do> pae, com
que ella o-desanimou em sene planosperqu o vi,.
e lhe avahei a boa alma, e me condoi datamanho
e lo inmerecido infortunio. E' preciso que a
Sra. D. Albertina M-ao mundo e suaaonscien-
cia atesteOMnhe de-que eslima Joao Chrysostomo.
Pois nao dei eu ja o maior toslemunho ? que
Outro querem de mira.? Fugi de casa para-ser es-
posa delle- -toraei a fugir- para o procurar na ca-
deia ; vini arrestada a este earcere, onda nem o
cnorar me-j permittide, sera, que a morat.deelas
santas me nao esprema-no ocaacao aesponjaamar-
ga-da sua eadade I.Pdis> fal testemunhome
SalU dar ? Ut
O esseneial. Desista de nm futuro, ne nao
pode chegar por este camraha Joao CttBysostomo
asta a cumprir sentenea- do. ires annofrde prisao,
da qual I lio laltam trala e qoatro mezas, rail e
tantos das, vinle e cjaatro mil e tantas horas de
ferros, de vilipendio, de pobreza, c dt angustias,
superiores minha cemprehenso. Era qjuanto es-
ta agona se oniorce lentamente na cadeia do Por-
to, outra nao menos olorosa aqui vae aortando os
dias da Sra. Bv Albertina. No Am do-tres annos,
quem sabe se a sepultura de um ocide ambos se
tora cerrada? Se o benura, que a menina ama
at lhe dar e- acceitar por elle tamanhos supplicios,
tiver morrido, pego-ihe rae diga s algumas ale-
gras pelo- futuro alm a pedem.compensar des
desgostos, que solfre,-.e la pesar, s*no remorso,
de lhe ter feito a elle to pesada a cinz 1
E a minha?atalhou Albertina.Pcis ell
Antonio. eallou-se, perqaw as lagrimas do. velho
erara mais irresponli wis argumentos; porni ao
encralo com silencio, dizia entre si: Anu est
este homem penando o qne fez penar- ao pae de sua
mulher! Olho por oiho, dente pendente, dizem os
livros sagrados. E como elle se esquecen das dou-
trinas qae -tao elocuentemente prel eccionasa ha um
anno! Este mesmo dii a : Cerno hei de ea coa- i
Deiz estar, qui o tempo, nos- computos da
Providencia, tem outra vantagea diversa da nossa.
Quem sabe o que vem?
O preso ergueu-so alvorolado,.e exelamou :
B'.possivel qoe V. S. seja, o, measageiro de
alguma boa nova ? I
filio, senhor: desgragadamente nao. O que
vento perguntar-lbe se, no casa, de perdoar-lbe
o doutor, o senhor sahiria de Portugal renuncianr] imagina que eu.seUro menos 1
do a.mo da Sra. D. Albertina, pelo menos em
quanto o pae fox vivo. Com a constancia d'el'.a,
deve e pode o Sr. Joao Cbrysostomo contar: pola
swvdaria eu abono, se m'o. pedssem; portaiio,
aehava eu do summa conveniencia, interesse mes-
mo da vida do ambos, que pactuassem entre si-mu
I orle completo de corraspondencia, e esperassem-
tradizer o que-minha filha assantar, que a felici-, doutor offere<^ 2" Vlda' me nf eDS*D'
dad do seu coracao O nosso direito a submissao e senh9r saiAcando,se, sem vexame de ccraeao,
. dos ftlhos cadBca desde o momento em que elles. dara ao Bohro ve,lia a fl|ha- ca*a ausencia mala-
nem seganvnem fazem provimentos nos celleiros ;; n0J.respondem,oom o coragao, quando nos lhes Br e mais tarde voltara. a procura-la, sera o namono.
e com tuda vosso pae celestial as sustenta. Por
ventura ni), sois vos muito mais do que ellas ?...
* E poique andaes ve |solicite*, pelo vestido ?
Considera como crescem os lirios, do campo :
elles nao-trabalham neu fiara.
Conhego que o sinceramente, acuda pres-
suroso Antonio da Silveira, apenando a mo do
doutor.
Mas ella nao falla 1 tornou Francisco Simaos,
encarando em Albertina Ests suffocada, filha ?
Reanima-te I... O nosso Silveira voltar pan aos
dar a todos a felicidade. Nao verdade, meu ]
amigo ...
Voltarei, Sr. doutor, balbucou o moco.
Com juramento de cavalleiro 1
Com juramento, ratificou o mogo.
E minha filha vae jurar-lhe fidelidade como
nos teinpos poticos das cruzadas. Remocemos as
velhas pocas, meus lhos I Jurem as minhas
mos !
O enthusiasmo, com que o doutor Negro profe.
riu estas expressOes preliminares do juramento, ia
a entrar nos dominios do riso, quaudo Albertiua,
com firme voz e sereno semblante, disse :
Mea pae, eu s posso jurar que serei eterna-
mente amiga do Sr. Antonio da Silveira. Elle
bastante generoso para prescindir de outro jura-
mento, que seria falso ; e meu pae bastante meu
amigo para me nao oompellir a proraetter o que
impossivel cumprir.
c xa vos afflijaes,. pois, dijendo : que comer-,
mos, ou que beberemos, on com que nos cebri-
remos? >
Joao Chrysostomo, lera estos e outros versos do
Evaogelho de S..Matheus : aceitou-os consolativa-
mente, sem todava querer imitar s cegas.os lirios
do campo, qua nao trah&lham nem fiam..
As vestes, pomposas, do lirio, taesque nom Solo-
mo as teve raaiores, no dizer de Christo, l to'as
tece e avelluda em aoutes serenas um raio da tua,
e, ao earubescerem-se os visos das. monianhas, um
primeiro raa do sol l'has doura v mas an homem,
ha muito. desde o bergo da humanidade, condem-
nado ao trabalho, faz-se-lhe mister nao cuidar de
todo em todo que lirio.
Avisadamente o pens assim o filho do lavra-
doj do Couto do Vairo.
i Chegou ao Porto, trra onde a inercia um
stygma, e achou de nromnto o pao e trabalho sohe-
| jo sua necessidade.
m
Entrn Joao Chrysostomo ao escriptorio de al-
O vmas homm* mentes, de ,er cavado a sepultura de ^dous velhos.
-*- O Sr. Dr., disse Joao Chrysostomo, perdoa-
me-eom a condigno de eu.sahir da patria?
-~ Nao est isso ainda matado: eu que iraagt-
no realisavel o accordo i mas, sem o seu compro?
raisso, e o da Sra. D. Albertina, nao sondarei se-
gunda vez o animo dovelho.
Eu nao- decido do mim porque cumpro pon-
lualmente a vontada da Sra. D.. Albertina res-
pondeu o preso. Farei o que ella quitjHY com
tanto qu ella soja, feliz. Urna tompadecida pessoa
do Braga n)e diz que a pobre menina vite atormen-
tada ; desde que sei isto, a minha desgtaga nao me
o p prime ; si uto smente a d'ella.
Nao rae escreve, on, se aje escrew,a* cartas nao
as receba; algumas lhe escrevi, q/m lhe peoraram
a reclusao, porque viecam mao do Sr. Dr. Se
terrogaraos o juiza
|forg ccera I- (4)
Antonia da Silveira aventurou-s a pedir ao dou-
tor que embora denegasse consentimento tilha
para casar com o condtmnado per amor della, per>
doasse ao desgracado, e o.deixasse ir ganbar sua
vida. A isto respondeu o doutor:
Se eu cahia em tal, o nesmo era ajustarlosv
Assim que Albertina podesse fugir do convento ou,
de minha casa, estaa com elle. Deixa-lo.estar o
mea assassino onde est, Eu morro primeiro que
elle, morro, e esta ida que me vae matando a
: pedagos. A minha indiligencia est, a apagar-se.
Desped una clientes e outros foghrau. Nao sou
j o homem qua era Estou esquecidot perd o
amor ao, trabalho S por duna necosstdade me
guns advogados e escrivaes, allegando que tinha e sua filha que volte compaaha (?o pae.
sent a esta banca. Cahem-me as lagrimas no pa- y g pde consulta.lax 9U contormar-me-hei com
pe. Lango de mira com desesperada agonia os li- guJ vonla(je
vros. Enche-se-me a cabega de sangue, e aliro-.
me sem accordo aos bragos de minha pobre mu-
lher, que j sabe que vae ficar viuva e desampa--
rada.
Remdele essa angustiosa situago, vottou SIN
Depois de mais longo dialogo Antonio da Silvei-
ra, captivo d'aquoUe homem, cujo socego jusliheava
a pureza da consciencia, voltou ao pae de Alber-
tina, e expoz-lhe com exactido o conveacionado
entre elle o o preso.
O Dr. Negro deferiu para o dia seguinte a
resposta, e concordou no perdo, tirando a par-
veira.
Como? I acadiu o doutor. Como,senhor ?Ca
sando-os ?
- Nao drei tanto, visto qae mflexvel a saa do que o raptor ira para o Brasil, entrando a
repugnancia, Sr. Alpedrinha Mas d o perdo con-1 horda do navio logo que sabisse da cadea, Senao,
dicional ao preso; elle que v do Porto para longe>
ff H$o vae Coryntbo quem quer.
(2) Eneid. L. 3 v. 48.
(3)
A patria onde se est bem.
soffrvel forma de letra, e, por pequeo salario, co
piara papis: o ultimo onde pediu trabalho, e te-
ve aceitago, foi o do doutor Negro, cuja aspereza
de genio afugentava os amanuenses.
Joao Chrysostomo, logo na primeira semana, pa-
gou com as orelhas urna falla de ortographia, re-
petida depois do aviso.
O doutor era escravo da ortographia etymologi-
ca ; o o mogo tenda racionalmente para a simpli-
cidade que o Sr. Castilho, cineoenta annos depois,
aventou com grande dispendio de philosophia e pa-
ciencia intil.
1 J as orelhas do pobre Joao foram obscuras mar-
' tyres deste ramo de civilisago do alphabeto I
| Cora a sua muita docllldade, quando mais nao
: fosse, logrou elle captivar a estima do doutor, de!
Isso nao remedeia... Albertina tem-me odio.
A minha Alha morreu; e deseja-me a mono guan-
do ou a estou amando, assim mesmo, assim perdi-
da e despresivel.
Despresivel porque? interrompeu Silveira.
Abaixeza daquella alma I.. Cegar-se de pai-
xao por ura sevandija, qae ella viu entrar nesia
casa de (amneos e jaqueta de saragoga I Ella, que
eu creara como se um dos mais distinclos mance-
bos da sociedade a estivesse esperando t Dotada de
tantos talentos,formosa,altiva,descrate ao homem
de salario na casa de seu pae !.. Porque preciso
que\aiba, Sr. Antonio da Silveira, que meu bisav.
(1) 0' vaos MwnfM (*(W homtM, cgos cora-
cues.
LucrecioDe Nat.
nao.
Foi Antonio da Silveira a Braga, autorisado cora
credenciaes do doutor para podor parlamentar
com Albertina.
Singular homem este I Aqu fazemos alto para
pedirmos natureza excepcional deste alferes de
cavallera a definicao de semelhante ndole, que
urna das raras joias que eu conhego da natureza.
Interroguemo-la. A caprichosa nao responde. Es-
t alta de mais : est aos pos de Deas. No qui-
late das ndoles malfeitoras que nos cuidamos
ouvi-la, entende-Ia, e desfla-la sob o escalpello da
nossa critica sciencia do corago humana Isso
nao admira : qualquer cerdo revolve am lamagal,
e de nuvens cima nem o vo da aguia akanga-
Nao entendemos Antonio da Silveira. Vejamos
se elle quer ou pude dar induegoes do seu oa"
racter.
Eita imagina, que a senhera soffre muito, a
nao se queixadaque est sofrendo: apresso-me a
dize-lo;. que nao seja eu a ic>luntara.3ausa de
ser sea justiga e-ingratameote argido a corajoso
mogo. Eu dis*e-lbe que era honroso e-aecessario
salvarem-se ambos, sem pnejuizo do seu amorr
Amem-se liiiss, assim coma se aman encarcera--
dos. Emprazem a sua felicidade pora melhores.
dias, e nao. so estojara melando ou envelhecendo.
antes.da hora opportuna de resgatoi A libertad*
alcangam-aa com menoc sacrificio do que esto qe
fazem. Actualmente 4 impossivi vorem-se;. at
creio que irapossivel carlearem-se. Poi^ sa me
acceuarem o meu pasecer, a pz-ago dos- olhos
ser indemnisada com a liberdade doespicizo; po-
dero correspondec-se algum amigo Us. ac.ilita-
r. o ensejo ; ei,mesmo...
Pois sim!;oxclamoa Albertina com trans-
porte de espcoanga e ardeato desejo. de liberdade.
Como ha de sor isso ?

A menina escreve a seu pae; renuncia' a ca-
sar-s com Joao Chrysostomo e pede-lhe perdo..
Seu pae, se me nao engaara as bem fundadas es-,
peraacas, perdoa ao condeninado, cora a condigao,
de que elle salara, da cadeia para se embarcas pa-.
ra o Brasil. .
Para o Brasil ? Iioterrompeu Albertina ai-
vorofadapara o Brasil I Um eterno adeus' a
peior das mortes I.. isso o que de mira-, quorem ?
Nao I o mais atroz da agonia est passado. Mor-
rer 1... isso que tora ?... Nao quero I
Antonio da Silveira de si para si perdeu a con
flanga nos seus recursos, quando se viu lio vehe-
mente e dramticamente interrumpido. Era isto
um desanimar muito antes do tompa Quem sano
alguma cousa do coragao da mulher, est de so-
bre-aviso nestes assomos de paixao, e carrancas
contra a morte. As pobresinhas das. creaturas,
miito maravilloso de valor e tibieza, nao sao na-
da do que |parecem em semelhantes impulsos e
desconcertos de juiao. O mais cordato, nestes lan-
ces, dcixa-las esvaziar o pequeo coragao, quo,
a mea ver, desdo Shakspeare, est definido oo ti-
tulo de urna comedia delle : Mullo rumor para
cousa nenhuma. >
Assim e; mas as pessoas inexperientos, como
Antonio da Silveira, ponderam a gravdade appa-
rente de taes arrobataraentos, e flcam como lolhi-
das e inermes para rebater a frgil fortaleza da.
mulher assomada imitacao de Albertina.
(rolitiMor-te-*o.>
tERNAMBUGO. TTP. DE M. F. F. A FILIO

l


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ENATNS9I1_TJPNM7 INGEST_TIME 2013-08-27T21:13:24Z PACKAGE AA00011611_10379
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES