Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10378


This item is only available as the following downloads:


Full Text
I
1
AMO XI. iieiSIO 122
Por ires mezes adiauU'dos >$O00
Por l res mezes vencidos 6J0U0
Porte aocomi por lies laezes. 7oU

SEGUNDA FEIBA 30 MIO BE 1864.
-4-

P ? ann imantado.....19S00O
PojU ao-eoi-reioporu-a jaao 3g0
ENCARRADOS uA M O NO NORTE
Ol reir; I u Sr. Joaquina Marque.
dr ues; Para, is Srs v aheiro & C-.
us, o Sr. Jeroajnw da Costa.
Ro"
A-
ENCARRFGADOS DA RCBSTRIPCAO NO Sl'L.
Alagaa, o Sr. I ao ,.. Faicao Dias; Baha, o
rr. Jo ro, i Srs. Pe-
ann i.
i'ARilDA DOS B&TAFiSAS.
Oiinda, Cabo e Escada tojos os dias.
[guarasstf, Coyanna e Paraoyba as segundas e
sextas-fd
i, Gravati, Bezerros, Bonito, Caruaru',
Altmho e Garanhuas na> lerj feiras.
Pao d'Alho, Kazareth, Limo ', Brejo, Pesqueira,
ta ra,Florea,Villa Be .Tacaratu', CalroEo,
iricnry e Exu' aas quartas feiras.
Serinhiem, Rio Ponsoso, Tamandar, Una, Barrei-
ros. naPretae Pimenteiras as quintas feiras.
Ilha de Fernando todas as rezos jue para ali sahir
navio.
Todos os estafetas partem ao >/, da.
EFSMERIDES LO M.Z o. \
a La nova as 0 h., 54 m. e 2 s. da t.
i3 Quarto cresc. as 4 h. e 61 m. da t
21 La cheia as 11 h., 4 m. e 20 s. da n.
28 Quarto ming. as 7 h. c 56 ni. di
PREAMAR DS HOJ::.
Primeira as 10 Horas e "ii n u: 5a.-
(Segunda as 11 ;:oras e 18 a. .. arde.
- ;> --- o> VjORS COSaJiUb.
Para o sui at AUfo is a 5 e 25 p^ra o norte at
a hI 'h'lA a "2 ie 'a'Ia C!ei l dia> 14 ao.- mezes dejan, marc., maio. |1, set. enov.
n PARTIDA Dt* fjMNJBlS.
Para o Recite : de Apipucos as 6 /,, 7, 7 '/,, 8
8 '/i "la ai.; de Ohuda as 8 da m. e 6 da tarde; de Juno d
Jaboatao as 6 '/, dan.; do Casanga e Vanea as 7
da m.; de Bernflca s da m.
Do Rerife : para oApipucos s 3 y?, 4, 4 '/,. 4 %
3, 5 '/ 5 Vi e 6 da tarde; para Oiinda s 7da
manbia e 4 Vi da tardo ; para Jaboatio *-, i Ja tar-
de para Cachang a Vanea s 4 Vi da tarde; para
Bei'iflr.A s 4 da tarde.
ACDl LNG1 I i Os iRiBUNAEd Da
Tribunal do comnurcio: segundas a cjni&t
Rehcao: tercas e sabbados s 10 horas..
Fazenda: quintas as 10 oras.
o comraercio: segunis s il hora.
Dito de orphos: tercas a sextas s 10 horas.
Primeira -vara do ,v.-el : tercas e sextas ao meio
da:
M N .
30. SegaaHa. S. Faenando r. i s. Emilia m.
31. Teros. 6. PetroniMa m. S. Lttpieino b.
1. Quaita. s.-. Firmo e Felino mm.
. Quinta. Ss. Marcelino presb.; S. FinlaaoJ.
3. Sexta. Ss. Pergeuiiao o Laurentino irs. t u.
t. Sabhido. S. Francisco ^ Caraeeiolo.
S. BaMhaj. S. l'a-li.-n i. s \icacio m.
AS8IGNA-
*a:. a,

}\
FHOViSu
iA.
l'Aji.'ilieiiL' du di.i l'i de iiiio de 1811.
Officio ao brigadciro commandaato das armas!
Queira V. Exe. mandar uinistrar os eselarecimen-
tes i|ue exige a contadura du fronda na> inclnsas
nformacSes, aeerra da despea du luz para o qoar-
lel do t.* batalbSo de iofaataria dorante o lempo
em i|uo dcixou de ser o mesmo qoartel Iluminado
gaz.
Dito ao mesmo.Queira V. Exc. minislrar-nic
una r.'laeao nominal de todos os recrotas rcai ni-
dos V. Kxc. no correute anuo que so acham ef-
fecrametle com praca no exercilo.OHkioa-se
tambem ueste sentido ao capitao do pono.
Dito ao mesmo.Queira V. Exc. expedir as suas
ordena para seren examinados no hospital militar
fi i din 27 do Brrenle, os medicamentos que, para
a respectiva pbarmacia, comproa o eonsellio admi-
nistrativo.Communicou-se ao presidente do mes-
mo conselho.
Dito ao Inspector da ihesouraria de fazenda.
Aniiuindo ao que aocilitoo o director Jas obras mi-
litares en ollieiode hontem, sob n. 08, recomiikii-
'> V. S. ojfla se nao bonrer inconveniente, e es-
tando em termes o&du^nmentos que devolvo em
duplicata. mande ndemoisar aquella repariigac da
quantia de 22'000 res, ijue despenden, sendo
'< ioio i lis com o respectivo expediente dorante o
Diez do abril ultimo; 43300 reis, com o concert
da muralba da fortaleza das Cinco-puntas ; i i |3 ')
reis, com o retalhamento do quartel da mesma for-
i 3 ; Ii'.i580 res, i'oin conrertosdo hospital mi-
litar e iialmentr 695 130 n is, c mi os da latrina
la Irilbo e f-igao do qoartel da c iiiifianhia de ariiii-
ces, como se vd dos mencionados documentos.
(") iinrannicou-se ao direrior das obras militares.
Dito ao mesmo.Devolvendu a V. S. os papis
qu<] vieram annexos ao sea officio de 17 do cor-
rento, relativos a despeza, na Importancia do
I2SO0O ieis, taita com a conduecao do Cardamento
destinado as pracas de primeira liulia que se
acham destacadas na villa do Cimbres, tenho a
dizer em resposta que deve V. S. mandar indemni-
sar essa quantia conforme recommendei em data
de -o de abril prximo lindo, visto que es:-a des-
pi 7a, segundo nformou > brigadeiro commandante
das armas em officio de h mtem, Sol) n. 948, nao
p le por deficiencia de recursos ser satisfeita pela
caixa de economia.- licitas do 9." batalhao de infan-
taria, a i|ue pertencem tacs prj cas.
Diio ao mesmo.Queira V.S. informar-n quaes
os terrenos j concedidos c os que exislom anda
dcvolutos no espaco compreheudido entre a ponte
la Boa-Vista e a casa de detencao, di clarando-me
ao mesmo tempo se, a respeito dos primeiros ex-
pediram-sc os competentes litlos, quaes as con-
iiriics eom que foram concedidos, e se estas leem
sido cumpridas nos prazos marcados.
Dilo ao mesmo.Communico a V. S. que o ba-
eliarel Jos Cardozo de Queiroz Fonceca, na quali-
cade de segundo snpplente do juiz municipal do
termo de Oiinda assumio em 2:j do correnle, o
exercicio do cargo de juiz de direito interino da
comarca do mesmo nome por ler o respectivo pro-
prietario sido removido para a vara dos feilos da
fazenda desta provincia.
Dito ao inspector da thesouraria provincial. -De
conformidade com o que soliciton o ebefe de poli-
da em officio de : do correnle. sob n. 601, re-
commendo V. S., que, nao havendo inconvenien-
te, mande pagar ao negociante Amonio Dominguos
de Almeida Fofas, a quantia de 76JMHK) reis. des-
pendida durante os mezes de marro e abril desle
anuo, com o sustento dos presos pobres da cadeia
do termo de Santo Anto, como se vd das duas in-
r as contas que vieram annexas ao precitado of-
flcio.Comraonicou->eao Dr. chofs de noticia.
Dito ao mesmo.Da quaoa do6j360 reis, cons-
tante da conta junta em duplcala, despendida
c im o alagoel da casa, que serve do cadoia na villa
do Granito a como o furnecimento de luz para a
inesma cadeia a contar da SO de mareo -2' de
abril mi) lo correte anuo, mande V. S. se nao
li iver inconvenienti pi^ar ao Dr. .Manoel Buar-
ijiie de Macedo, conforme soliciton ochefe de poli-
cia am offteio de hontem, sob u. 611, gmente a
d 4J000 reis, proveniente do mencionado aluguel,
visto que o restante deve ser satisfeito pela cmara
municipal do Exrt, queseacba habilitada para esse
flm.Commoafaou-se ao Dr. chele de polica.
Dito ao mesmo.Se nao houver inconveniente
mande v. s. pagar ao delegado do lermo di Villa
B i, on a pessoa por elle autorizada, a quantia de
i v'iihii) reis, despen lida com o sustento dos presos
pobres da cadeia d'aquelle termo durante os mezes
de jan iro atareo desle anuo, com so vd das ires
inclusas comas que para esse lim me foram remet-
ti'las pelo chcfi' de pulida com officio de 17 do
ate. -ol n. 377.Communicou-se ao Dr.chefe
de pulicia.
Dilo ao mesmo.-Km vi>ia da coula junta que
me remallen o direclur geral interino da inslrnc-
cao publica com officio de hontem, sob n. 93, mau-
de v. S. pagar a Manoel Carlos Maia pela verba
eventnats do correnle exercicio, conforme indicou
em sua informacao de 16 do corrente, sob n. 179
a quantia de (ii-VXio reis, proveniente de 800 fo-
lhetos que vendeu o referido Maia para uso das es-
colas publicas, eonlerido as novas cartas de A B C
compostas pel professor jubilado, Salvador llenri-
qne de Albuquerque.Communicou-se ao director
geral da instruccao publica.
Dilo a o director do arsenal de guerra.Mande
V. S. a< mittir nacompanhla de aprendices desse
arsenal juando houver vaga, o menor Jos, lillio
d.; Mara da Paft, sobre une versa a sua informa-
ao conselho adm
que
pharmaria d > hospital militar os
compro para a
medicamentos e
via reunir
de novo em 18 de abril, aliiu de de 71.s. 74 s.; e ordinario do 00
novo o assedio com a artilharia grossa prossi
que tinha chi-gado de Duppcl. quando ao meio dia Analmente toniar-se urna cesolucio Acerca dauues- rewL "
maisobjectos mencionados no meloso pedido.H- de 29 de abril foram sorprendidos p,.;i noticia que lo do tratado de eomoiareio com a Franca e do Pao brasi
zeram-ae as necessarias commumcacOos. os Dinamarqoezes baviam evacuadoFrledericia es- futuro do Zollveroin. ABaviera porm declarou
iii) ao director das obras publicas.-Mandc poutaneamente. Os regimantos mi avanco para o nao achar-se ainda sufficicniemenle besa informa-
\ me. examinar e fazer os concertos deque preei- norte voliaram immediatamenle, e depois de con- da, reclamando por isso anda um curto adiamento
sa o edihcio do Gymnasio na ra do Auiora, alim vencidos da exactidao dessa noticia lomaaam pos- 0 gabinete de Berln cedas a essa exigencia e li-
de evitar que as choras o damnifiquen!. se da praca abandonada.
Dito ao theeoureiro das loteras,Em vista de A retirada dos Dinarnarquozes foi feita com tan-
sua informacao de 23 do correnle autoriso Vmc. ta pressa, que deixaram na praca urna grande par-
a mandar correr extraordinariamente sem prejui- te da sua artilharia. Nao menos de 207 canhoes
zo das qee J obtiveram prcferencia.uma parte da foram encontrados ainda sobre os baluartes
lotera concedida em favor tas Obras da igreja do inimigo nao tinha ao menos tomado o
Divino Espirito Santo erecta na igreja do extincto enerara-las. Nac se conhe
collegio dos jesutas.
Dito cmara municipal do Recif.Em vista
da informacao unta por copia, ministrada pela the-
souraria.de fazenda em 23 do corrente, sob n. 263
Segunda vara to civel: quartas e sabbados a 1 hora1*0 *$*& *?* Vl rar.n ** ^f Independencia
ns. o a S, dos voprietanoa Maaoet rwueiroade
__________.________ Faria & Fimo.
da tarde
a 70 -. 6 ii.
c o
lempo para
a essa exigencia e
xoii o termo para a renliertura da conferencia para
o da 2o de abril.
De novo reclamou a Raviera nm adiamento, e es-
la vez at fins de inaio. O gabinete de Berlin en-
tretanto nao julgou dever consentir n'un lio gran-
de novo prolongamenio, e
brasil 70 s. .. 73 s. por tonelada.
Assuear brauco de Pernambuco a da Parahiba
do 30s. a 33 s. G d. per cwt.; mascavado c -.'."> s.
Dito braeo da Baha"30 s. 33 s. wr cwt.; mas- ?!","'"j'!j'w:i' *? ''"'denle ao desejo que numr-
-:. ha aa. .: .1 5?U *ua magostado de nao receber Ganbaldi; que
enlao se achava ainda nesle reino.
0 me/, de jullio para o lim do preoncber todas as
luneeojs da curie em vez de sua illu.-tre mai. qu
insiste em coas irrar-se fra do buucio da vida.
1 ma das recepc^os que a rainha baria annpnciado
em pessoa para o mez passado, foi contramandada,
carado ->;i s. 6 d. 2'j s. 6 d.
Couros seceos do Rio de 7 d. ", por libra*; e
ditos do Rio-Grande de 6 d. a 7 d. por libra. Couros
saleados de 4 d. '/i 6 d. por libra.
Na ultima qninzena seguio para o Brasil, de Car-
diff The Erie (27; para o Maranbao. Cbegaram
de diversos portos do imperio este reino unido os cireuhTda famiiTre;
s se entendeu a urna
ce ainda os motivos des- ddacao at 2 de maio. Em consequencia disso po-
sa retirada rpida, e a asse respeito s existem rm declararam em Munich nao querer mais tomar seguales:
Sf^SZl fVei ^c-'1"0! '"Ia yM'' ""' ?ravc |,;"'1'' na (,Drerenr'a- De Pernambuco Hartarrt Ridleu (26) Liver-
erro, querer defender Friedencia at o ultimo,; Lsses- acontenmentos por si s podiam parecer pool; de Pernambuco iimlish Monareh e The
porque urna vez em andamento o assalto, nao era de p"uca importancia-., mas estavam
vera a cmara municipal do Recife que Tbomc Ro- mais possirel a retirada da fortal
drigues da Cimba, nao tem litlo dos terrenos de cacao por mar com ilha de Fioni
marinha a que a mesma cmara se refere em seu cando completamente dominada pela praga. Mas
officio del 1 desle mes, sob n. 18, que assim lira podiam decorrer ainda semanas at iue' isso se
Assereraise que sua magostado Qcra muio con-
trariada com a visita que o principe de Galles fez
clandestinamente aquello patriota, por que o seu
lena sido manter as demonstrares-que aqu
avor desse eminente eslraugeiro fra
Quererla entretanto o
lierdc
em connexao Chance (2) Liverpool; de. Macei The UUtwarter
xa. a commum- intima com outros de maior considerao.io. Apezar (2) Liverpool; da Parahiba Tin-1,1.1 <:ii a Cr:.\ve-
liaem frente, li- de sua allianca com a Prussia na qnesto do Sch- send : do Para Mama (3) Liverpool; de Per-
1 no da coroa ngleza ganhar popularidad.'
auma oeeasiao, em que o nome de Ganbaldi era.
lao exaltado neslos reinos '. v: possirel que esse t-
resse sido o motivo que determiioo sua alteza real
a dar aquello passo.
Garibaldi dcixou Plvmouth
realisasse, e romo entretanto a conferencia se -
nha reunido em Londres, e o primeiro assumplo
com que ella se oceupara fra o armisticio, pare-
ca ser de interesse urgenii-sinio para a Dinamar-
ca de sustentar quanio possirel Friederiria at o
resi ondido.
Portarla.O presidente da provincia, atienden-
do a que o bacharel Manuel Innocencio Pues de
Figueiredo Camargo, declarou em um artigo que
fez publicar no jornal Constitucional Pernambuca-
>i". (po n.io aceilava o cargo de promotor publico
da comarca do Limoeiro, para a qnal fra por por-
tara de Si de fevereiro nllimo removido de igual
lugar, qee exercia na de Sanio Antao, e haven-
do j decorrido o prazo de tres mezes, sem que te-
lilla entrado no exercicio do novo cargo com nia-
nfesio prejuizo do ser vico publico, resol ve demitti- repulson-a exclusiramente sobre suas ilhas.
lo e nomear promotor publico da comarca do Li- suaposicao diplomtica em Londres acba-se
...-llolstein, a Austria puzera uUimamemeem nmbuifjm^
W a uyde. nhado p*-lo-duquo de Sutherland que o'
asaccoesdasnossasestradas de forro Acama seu hiate.
moviiiieiito todos os seos motores em Munich, Stol
tgard, D.'.rm-tali, Bknnorer, Cassel, etc., para co-
inu antes, zaquear a Prussia na questo das alfan-
degts, e as tentativas de demora da Baviera foram
urna primeira consequencia disso. Queria-se em
Munich ganhar lempo, ali.n de orgauisar de novo.
Klysa
descunto, inclusive as de S. Paulo que se acham
evou no
Antes da sua partida, esse general prp-
inesmo, afim deiChar-se de posse as nefociacSes juntamente com a Austria, a opposicfto contra a
ulteriores acerca lswjiaz, ao menos de um ponto poltica prossiana rta questao das alfandegas. As
lirme no coniinente dinamarqoei. 1 nesociacoes da confer,encia do Zollrerein provvol-
A apressada evacuaco de Friedericia desak.jou-' mente us ufferecerao em breve a occasio de rol-
a completamente do mesmo, lomou-lhe todo o pon-1 lar mais delalhadamente essa queslio.
leapoio militar sobre a pennsula Cimbnca, e Acerca da sssSo do da 2. se com ell-ito lew
Ai lugar, al este momento nada se sabia.
iori Ei-rei de Wurtemberg restabeleceuse miracalo-
. 1, '/, abaixo do par. As da Babia tem sido
vendidas a j; 16'/-,, 17; e as do Recife a 17.
O l.ondun & Brasilian Bank soffren lambem urna
baixa as suas accoes. que havendo subido a i 20
a 2i estao actoaimonte a lb'p. de premio.
As acjes do banco Anglo-Portuguez baixanim
igualmente, achando-se a E Pfa de premio, em
qoanio que j estheram com o de S por cada
arcao.
A razio desta depressao pode buscar-s 1 na
* clamoo ao |>ovo ioglez para manifestar o seu recu-
isso suuimamente peiorada. o que faz snppor que; smente, e pensa
mi 1 ro o bacharel JosJoaqoim deSouto Lima.
Dila-i) presidente da provincia, noma o prati- a repentina retirada de Friedericia nao fra o ro-1 ra fortilicar a sua saude. O seu estw 1 verdide
camella secretariado governo Silvmo Anlomo sollado de urna resolucao particular do gabinete que anda moito dbil, e o seu aslhm'a nao imer
Kodrigues para copiar os hrrosamigos do archivo de Copenhague ; mas sim que este a ^so tora for- deixa-lo.
da mesma secretaria, coja lettra corneja a pagar- cado pela repugnancia do seu exordio de comi-
se, rencendo por esse irabalho a gralifiracio men- miar o combale com a supremaca dos alliados,
sal de SOi, a qual so comeear a penceber do 1" sobretodo de expr-se por mais lempo aos hrri-
do jumo prximo indouroeui dianie. veis eueitos dos canhoes eslrciados da Prussia. ls-
i) presidente da provincia,conformando se lo, como dito, nao gao, porm, senSo siq
causa geral de desanimo, que aqu reina no mer
1 era breve para Wiesbaden pa- cado monetario pelo recelo de urna guerra, e pr-
ximamente na caresta do dinheiro.
Lord l'aimcrston se acha enfermo com um forte
ataque de gita que Ihe sobreveio ha alguns,
dias. Tem-se espalhado mesmo que esse estadista
e.-ia gravemente dpenio, havendo aquella molestia
pposieoes
( conde de Forgach, at agora chanceller impe-
rial austrisro pela Hungra tomn a sua deueissao
(i impeaiur aeeiiou a mesma nomeaodoem seu acommettido ja o estomago do illostr enfermo; en
ugar oconde deZichy para primeiro, e oconse- tretanto os jornaes nao tem indicado aquella gi
Iheiro do Poiwitzcr para segundo chancellar. O dade, limiiando-se annnnciar quepormoliv
nhecimento pela rceoslo que ihe fra taita, pro-
metiendo ao mesmo lempo rollar brevemente a
Inglaterra.
0 enihnsiasmo que se deseovolreu ueste paii em
favor de Ganbaldi nao tessou, e vai agora mes-
lra-se sob o aspecto de urna subserpco publica
destinada a acquisi;o de urna proprieiLde du va-
lor destinada a esse insigne homem o a seus her-
doiros; mas alguns joraaes anunaciam que Gan-
baldi manifestou j soainteneio de nao aceitar esse
donativo. ,
Tere lugar no dia 23 do passado a installacao
completa da conferencia de Londres, e no dia 1 do
corrente a lerceira sesso dessa assembla. Segun-
do baria en annunciado na miaba antecedente car-
ia, a Inglaterra pro-pez um armisticio como princi-
pio das negociacoes, ao que todava nao accedern!
"o- os plenipotenciarios das grandes potencias alenme
ari- pur nao lereui instrucroes nesse seulido. havendi
Remerimeutos.
Amonio Severino dos Santos.Nao tem lugar
em vista da int rmacjto.
armisticio na conferencia de Londres, ou se a Di
amaren finalmente nao se adiar obliga 'a a eva-
cuar lambem all sua posicao, o ataque sobre essa
os cruzeiros dinamarquezes, chegra finalmente
Aolonio Malaquias de Macedo Lima Informe Iba ser agora a primeira tarefa.
o Sr.director das obras publicas. as binas austracas e prussianas se falla da
Auna da Purilleaco Araujo.Informe o Sr. de- eventualidade, que mais tarde as operacjSea po-
sembargader prordor da Sania Casa de Mise- diam estender-se a um ataque sobre a Fionia. A
ricordia. pona se|itenlrional da Fionia s separada de
frmandade do Divino Espirito Sanio erecta na' Friedericia por um braco de mar de cerca de 3,000
Igreja dos jesutas.Dirija-se ao Sr. thcsourciro passes de largura, e como as pecas de artilharia
das loteras. 1 estreiadas prussianas de calibre d 24, de rain per-
Jos Ribeiro da Silva.-^Informe o Sr. director i lo.de Duppel a brilhante prova de alcancarem
do arsenal de
que hoje nc tem prestigio algnm; e una pr (|Ul. iss0 jinpr,;ira lna desvantagem grande
mudanza para o partido tory lena o inconveniente para o re Christiano uue sem n blcHiucio dos or-
piunipai esiacaoem uicnaten. Oa navios dmamar- conde de Malmesbury, que o paz nao repota em tirado na actnat inrra Aia.ima* fnih innun
iam o* BmcTan, ^ ^ nrlC "ar-' SSESi T ^t' TA* S^^^^^^^^Zt-
nram para o isaitu o. SOr auxiliado com as luzes do conde de Derbv que (iUez r0 neirara resol! indo diJ i nrnhahiliddH
Na Inglaterra rece.a-se que os navios austracos evidentemente pasearla a ser primeiro ministro mea nS^^
podiam seguir para ali e jumamente com a ma-1 n'uma administracao conservadora. Iqi, gou'"-ots uc l0nuus "ao VL,."KUn l>ru
nidia prossiana pot a Dinamarca em risco tambem Demais um ministerio desta cor levara a que- yis "cmaras o mverm hrit-.nnico tem si.ln in-
por mar. Em consecuencia disso, lord Palmerston lio dano-allemaa para o lado que aqu popular, e lerne lado a esse reZ.te ma nala decLou des-
ameaca, nessecaso.de querer mandar tambem islo aggrararia a siluaeo e.n que os bumens de ffiido^c^K
una esquadra para o Bltico. osudo da Inglaterra parereui aciiar-sc cun a sobe-! dar na actualidade c
Segundo parece, nao todava a inteneao da rana que segundo se diz propende inteiramente |
Misericordia para admiitir o liiho da supplicante
se houver vaga e esliver as condiedes da le.
Mara do Espirito Sanio.Informe oSr. lente
coronel recruiador.
TEMOR.
OOBBjESPOXjBBVCIAS o Ma
BIO 12-: aiCl\VMKl vo.
IIAMIHIU.O.
i de maio de 1S65.
A uossa ultima j lerou a noticia da tomada dos
reducios de Duppel, pelo corpo de exercilo prus-
siano no da 18 de abril. Desde enlao tem-se da-
dos mais exactos acerca das perdas de ambos os
forja mais de rinte retes superior em artilharia, importancia de 70 milhoes d lionas.
causando-lhe notareis perdas o retiraooo-sea sal- l'm boato, qu at agora merece poneo credno,
ramenlo. Desde enlao tiverara lugaroceurrencias falla de urna en'rerisla dos imperadores da Russia
idntica- em 94 e 30 de abril. e da Austria no prximo mez.
Na primeira dala o Mate prnssiano .Grille, rom Tambem se falla de orna entrevista entre o im-
tres pecas, aiacou porto de Rugen a fragata dina- perador da Austria e el-rei da Prussia.
marqueza Tordenikiold de loica de 36 canhoes,
perseguindo a mesma al 18 militas para o mar, ------------
quebrando e inceadiando-lhe um dos -cus mas-1
tros, nao sendo por contra tocado por urna unir 10>DKK.
baila, apesar de Ihe baver dado o Tordenskiold di-! d ,u ..; ,i. ec.
versas bordadas, e abandonando finalmente a per- ... 'e,"a Ue ,8("-
seguicao, que durara quntro horas,rel.rando-se pa-: A ""M? ljl,;'ls"' v;""la l1'0. PW8* '"'"'" W
ra Sevinmunde. ebegou a Soulhampton no da 4 do correnle, foi
aqu recelada 3, irazendo-nos a triste nolicia do
fallecimenlo doconselneiro Paes Barrete, ministro
e secretario de estado dos negocios estrangeiros de
8. M. o imperador do Brasil. Ao mesmo lempo as
ra
No dia 30 porm, urna crvela pru>siana aran-
era de Neiifalirwas.-er contra urna ne dinamar-
queza e doos pequeos vapores, os quas depois de
trocadas algumas balas, nao aceitaram o combale,
e procuraran! o alto mar.
---------------- ... porm o lim desse expe-
A voz popular attribto a rainha urna decidida djeDtej ,jli;lljj() venna a R.a|,ar-se f Nada tem es-
afreicao pela causa allemaaa, sem que para.esse capado a e.-le governo que indique sua determi-
li-n baja & M. consultado as conremencias polticas, nai.n0 jt recorrer a hostilidad! s mas a partida da
da Graa-Brotanha, cedendo apenas a affeicoes de esquadra ingluza para o nono seria j urna conces-
familia; e esta opunao comeca a aguar os e-piri- sf, reitaaqul a opinio publica, e urna vez prosi-
tas no senli lo opposlo, pela simples rato de que' m 0 ujealro da guerra podoria ella receber aren-
este e o lado para oade cumpre ao governo bi itan- lualmente ordena para auxiliar a Dinamarca, quan-
niro lnclinar-se. j do corto existir, ueste remo nm forte partido par-
Entrelanto ama qaalquer crise causara aqu lamentarem faror da manulencao daIntegridade
forte abalo, (liando corto que a moderna Ingla-; da Dinamarca, que agora esta ameacada. A pas-
terra busca sempre pperar suas mu laucas polticas gagem da esquadra austraca para o ocano gema-
por meio de urna suave iransicao; eporconse- nico causouaquigrande emecao, ea imprensa tem
gomia receia-se um successo que poderla faxer exigido que o ministerio observo os movimentos
estremecer os hbitos tranquillos desle poro. Tal dessa esquadra.
a obserraoio (|ue se tem olferecido a proposite da
cofermidade de lord l'almerston.
No parlamento briannico leve lugar no dia 3 do
Interpellado a esse respeito na cmara dos cem-
aiuas, o ministro do interior declarou que o almi-
rante ausiridco nao entrara no Bltico com a sua
follias publicaram a nova da nomeacao de um snc- corrente urna inlerpellacSo de Mr. Macaulay, niem- divso naval, devendo lmiiar-sc a proleger o eom-
go n. 3
Dito;
peda total monta 3,300 homens, ou como no dia
18 de abril se acharam ca rmbate 10.000 ho-
mlios de parte diuauaiqucza, mais de metade
das tropas, que tomaram parle no combate. Alera
disso fthiraia aas raaos dos Prassianos 118 pecas
de artilharia grossa, e um graade numero de ban-
deiras de Daaebrog dinamarquezas. Segundo as
disposiQoes do principe Frederico Carlos para o as-
sallo do dia 18 de abril, que ltimamente licavam
coobecidas, nao fra a intonoSo dos Prassianos de
tomar nesse mesmo dia lodos os dez reductos, e
alm disso tambera a eabeea de ponte de Sonde-
burg. O ataque devia liraitar-se primeiramente
sobre os reductos de n. 1 n. 6. Mas quaado es-
supre
bre o mar todo o mundo esperava resultados mais
favoraveis, e por isso a desillusiio duplamente do-
lorosa.
Entretanto a conferencia de Londres finalmente
reunira-se com effeito no dia 35 de abril. Primiti-
vamente lixada para o dia 12, tinha ella sldo.ada-
da at o dia 20 por causa da decisao da dieta alle-
maa, que ainda faltara. Mais lempo, tinha declara-
do lord Russell no parlamento inglez, a Inglaterra
nao esperara por proco algum, e se o representan-
te da dieta allema nao se achasse era Londres at
comino i a ser a mesma sem que baja indicios de I diaco formal pir pane desse soberano, e nao de almirante austraco quesquer morimenlos, pare
alteraco alguma. menos boas ollicios como pareca indicar Mr. Ma- cendo j mulla condescendencia desse offlcial em
O paquete Uncid:! despachou 12 297, c o cam-' caulay ; mas que o gabinete da rainha nao baria declarar que suas iaslriici .s Ihe nao permitiera
bio do Brasil sobro esta praca foi aqui colado Pr emquanto recelado coiamuaicaco official de | entrar o Bltico: ao mefnor meio de effectiva-
27 ',Vi por aiil reis.
Nesto mercado o banco
da Inglaterra eierou a
8% a laxa do juro de descomo, eo banco de Fran-
ga, receaado (pie houresse afluencia de pedido de
moeda para exiiorlacao para aqui, augmentou
7"/ a laxa do juro do seu descont.
O mercado monetario inglez acha-se completa-
o dia 20, a conferencia seria aborta sem elle. To- ment s*,m22: e a aPPa^C^o diaria de novas em-
mou-se porm bem nota desta declaraco na Alie- K^.C?!* b;ommas avultadas a lalvez
manha. o plenipotenciario da dieta allema. o Sr.
HU ida
I
riles as torcas do 'mesmo mercado, um indicio
da crise que se re proxiqa ueste centro finan-
)6 de 29 de abril ultimo.
o mesmo.Com a inclusa copia do officio
sea se achavam tomados, o ardor de combate dos ,i
soldados nao penaittiouma iulerrupcao. Sem dei- fi&^KSSi Zar"tr namllaaente .ee.ro.
xar demorar-se elles se laacaram inimedintamcn- dia 2(J do r, ,, (.,lart,,0'a' inriaterra nesse dia ia B u* fSDd?8 PWieoe. e s empresas coladas no
! sobre os outros reductos, e lambem sobre a ca- reaimente abrir a conferencia, os representantes da; Stock-Lxchange, -essintiram-se logo da caresta do
--- iIimIi.IIU lio Mili
do provedor da Santa Casa de Misericordia de 17
do corn nte, fica respondido o que V. S. me dirigi
em 28 Ide marco, solicitando um documento do
qual conste o fallecimenlo do africano livre Jorge
qu estere ao servido desse arsenal.
Dito ;io director das obras militares.Mande V,
S. com urgencia tomar urna goteira que existe so-
bre a parede da capella da fortaleza do Brum por
cima da porla da entrada. Communicou-se ao bri-
gadeiro commandante das armas.
Dito a|0 mesmo.Mande V. S. examinar com ur-
gencia a mangedoura das cavailaricas da compa-
nbia de cavallana, bem romo os pilares que sus-
tntala a mesma mangedoura, e me aprsente o
ornamento da despeza a fazer-se com os concertos
de que elles necessam.
Dito ao capitn do porto.-D V. S. suas ordens
para que o recruta de marinha Isidoro Joao Fran-
cisco de Miranda, seja entregue ao commandante
l i vapor l'urucnse, alim de" pertencer a respecti-
va guarniejio.
Dilo ao commandante superior da guarda nacio-
nal de Barreiros e Agua Preta.-lm deferimealo
ao reqneriinealo do alteres aggregado ao batalhao
n. 43 da guarda nacional do municipio d Barrei-
ros Francisco Gonealves Casado Jnior, sobre que
versa a sua informacao de 22 de abril ultimo, au-
toriso V. S. a mandar passar-lbe a guia de que
trata o art. 18 do decreto n. 1,130 de 12 de marco
de 1833, visto que o supplicante pretende transfe-
rir a sua residencia para a provincia das Ala-
goas.
Dito ao desembargador provedor da Santa Ca-
sa de Misericordia.Pelo officio de V. S. de 21 do '
correnle, fiquei inleirado de ter fallecido no dia 13
o modormo dessa Santa Casa bacharel los Ray-'
mundo da Costa Meuezes.
-Dito ao conselho administrativo.Itecommendo
beca de ponte, perante a qual leve lugar a
mais ardenle e sanguinolenta do combate.
parte
do ar-
(iinheiro, de modo que baxaram quasi todas mais
ou menos.
As noticias polticas inlluiram lambem para este
resallado, por quanlo se alfirma que a Dinamarca
recusou aecetar o armisticio proposto pela Ingla-
terra com a rondico de suspenso do bloqueio dos
portos allomaos como deseja a Austria e Prussia,
resultando provavelmente d'ahi o rempimento das
Austria e da Prussia recusaran! apparecer, antes
, de achar-se presente o Sr. de Beust. Nada reslou,
Ao principio tinha-se esperado que as pnmetras po5> a ing|ilterrai dtspeil0 (la fU;, deelaraio, do
operacoes dos Prassianos depois do assalto, senara qui. cosenlirn'iim demais adiamento at o dia 23
dirigidas contra a ilha de Aleen. C*rno era de prever, o primeiro issompt das
O commando geral do exercilo alliado, porem, deliberagdes da conferencia fra a questo
dirigi as suas vistas em primeiro lugar para aJu- msic0.
tlaad, e j ao dia 18 de abril algumas partes das
tropas al agora rollocadas no Sundeeitl avanca- A proposta respectiva fra apresenlada pela Irr- negociacoes eataboladas pela conferencia de Lon-
vam para o norte glaterra, c reclamavaem primeiro lugar cessagao dres cofa grave perigo para a paz da Europa, que
No dia 20 seguiram as primeiras bateras de ar- provisoria das hostilidades por mar e por trra at continuar ameacada pela duracao das hoslilida-
tlharia grossa, e mitras mais nos dias immedia- a conclusao de um armisticio formal, todava com des entre a Dinamarca e a Auslria o Prussia.
a clausula que fusse permiltido Dinamarca a
continuaejio dos seus bloqueis. Urna rerdadeira
furia deindignacao rompeu em toda a Allemanha,
qu ni loo telegrapho trouxe esta noticia. Os repre-
sentantes da Austria e da Prussia declararam po-
tiaver o gabinete do Ro de Janeiro" aceito aquella mente proteger a Dinamarca seria declarar com
mediaoao. precisao o que repota eosHs.be/fi, deixando assim
Com esla explicaco terminou o incidente, que de representar urn papel absolutamente vago. A
causou sorpresa pelo que respeita a resposta de esquadra austraca chegou.j a entrada do Elba,
Mr. Layard, por que havendo o governo imperial toreando os navios dinaaiarquezes a deixarem esse
aceitado j a dita mediacao a cmara esperava que ponto, que elles Moquearan) desde algum tempo.
o gabinete briannico houresse sem demora Sido As operacoes militares no Scheleswig e no Jn-
informado dessa circumstaneia pelo coade de La- lland nao ollerecem aetualmenle interesse novo,
vradio, ministro do Portugal nesta corle. En- Depois da tomada de Duppell pelos prussianos, o
tretanto essa declarai;o offlcial nao veio destruir a exercilo dnamarquez retiroii-se para a ilha de
crenca que aqui existe de achar-se em via de con- Alsea, oade ainda se eonserra protegido pela cs-
ciliago o conflicto existente entre o Brasil e a Gra- quadra. Fredereia que se achara fortificada e oc-
Bretanha, ficandoapenasaimpressodequeaquelle cupada pelas tropas, d'el-n-i Christiano, foi ultima-
ministro se exprimir em tas termos por Ihe fal- mente evacuada, retirndose a guarncao para a
lar at o presente a prova evidente do successo que ilha de Fionia ; de mo lo que os alliados se acham
o publico inglez appJaudio ha ja algum tempo. E"
provavel at que de prompto informado pelo minis-
tro de Portugal, Mr. Layard venha sem demora
hoje de posse do Sehelswig e do Jutland, menos de
Alscn e da Fionia. Este successo importa a reduc-
Qiio da Dinamarca Zelandia e a algumas peque-
las. as Inncheiras de Duppel s Rearara cerca
de dez mil homens, e na ilha de Alsen em frente,
os Dinamarquezes lambem s linham deixado uns
ciaco mil horneas, emquanto queoreslo das tropas
foram embarcadas e condolidas em parte para a
Fionia, em parle para Friedericia. No Jutland as rm, que se achavam sem instruceoes para aceitar
operagoes achavam-se quasi completamente para- a mesma proposta e que s podiam receb-la ai re-
das no ultimo lempo. fertndim, para requerer as ordens necessarias dos
0 assedio de Friedericia, comecado no primeiro seus gabinetes,
meado de margo desde fim do dito aiez lmitava- A conferencia por isso foi entreunto de novo
se a urna simples cerradura, e quanto s operacoes adiada al a chegada dessas ordens, e urna segun-
em campo aborto, smente alguns pequeaos'ea- da sesso provavelmente nao ter tido lugar at
contras das guardas avanearias perto de Voile, on- hoje.
de se achava o quartel dos Austracos, intorrompe- As instruceoes dos gabinetes do Vieuna e de Der-
ramo armisticio, dessa maneira realisado de fac- lin, como u de suppdr, nesta data ja se achavam
to. Mas com a entrada de urna parte do exercilo em Londres. Nao precisamos dizer que ellas sao
do cerco de Duppel isso se mudou. negativas. A Prussia e a Austria insisten), como
l'm corpo de exercito prussiano de cerca do do- condico fundameutal de qualquer armisticio, no
ze mil homens dehaixo do com'raando do general levanlamento do bloqueio oinamarquez.
de Munsler, avancou alm de Veile, e sobre Skan- As oceurrencias militares no Schleswig e no Jut-
derborg, Ilorsens e Aarhus at Viborg, ao mesmo land, e os acontecimentos diplomticos a Londres,
tempo que o? Dinamarquezes em toda a parte se todava nao esgolaram todo o interesse publico dos
retira varo apressadamente at alraz do braco de ltimos quince dias. Ao lado dos meemos, a ques-
mar, Lira-Fiord, que separa o alto norte do Jutland tao do Zollrerein, desde algum tempo inteiramen-
do conlineate. te posta de lado, cbamon de novo sobro si a alloz-
os Austracos entretanto cercavam de- novo a gao geral.
fortaleza de Friedericia, e estavam preparando de A conferencia do 7.oliveivin. ie Berlin, adiada
declarar na cmara dos commuos que a mediago as linas, onde o inimigo nao tem por emquanto
portugueza se acha finalmente aceita pelo Brasil. | levado a guerra pela ufenoridade de suas torgas
Caa folha desta capital annunciava ha das que : navaes. Mas. que cumpre fazer em farol da iua-
Mr. Vereker, cnsul iuglez no Rio Grande, nao i marca opprimJa ?
voltaria para o Brasil emquanto se nao achassem A Inglaterra e a Franca hesitara, em protestar
restabeleciuas as relacoes polilicas entre os dous solemnemente contra os actos dos alliados, porque
paizes. a Dinamarca tem dado '< guerra proporeSes goraes
Esla siagular nolicia parece ter em vista dispr que autorisam al certo poni a oceupagao do Ju-
o publico em favor daqnelte individuo, que deseja l'and ; o por conseguate ser a propria Dinamar-
lavez vollar para seu auligo posto ; mas o governo i ta quem por meio de concessoes poder salva:--.
imperad, que ser juiz na questao, quem lia del da oppressao, visto como nada parece aotorisar
Neste momento a impressao geral aqui que
reina um desacord completo entre as potencias
representadas na conferencia de Londres, pelo que
os capitalistas se mostram receiosos pxuvindo disso
a baixa dos fundos pela affluencia deites em busca
de compradores.
Os consolidados ingiezes de 3% que ha 8 dias
estavam coalados WJ, acnam-se actualmente
Os brasileros 3% eslava 101 >; e os 4,^ c!aTeTlgum"tonp seguir para Barmoral aa Es-1 Gibrallr no dia 26 do prximo passado de viageai
(1863) 83, deutois do haverem siio colados'na i cossia, onde teneiona demorar-se at o tempo om para Vera-Cruz, onde o ja esperado com >cu>da-
decidir se Ihe conviu continuar o exequatur.a um por em<[uanto a idea de que a Franca
ageate consular que de aecrdo com Mr. Christie
foi a causa das IropelLis que o governo liritanaico
pralicou no imperio do Brasil!
e a Ingla-
terra entran) na lula, em'favor do re Christiano :
o resultado da conferencia nao. dir entretanto
qual a verdadeira posigao deste principe em re-
Suarnageslaitea rainha regressou ao castalio de lgo s duas grandes potencias occideataes.
Wiadsor de Osborm-, e depois de urna pormanen- [ O imperador Maximiliano do Mxico passou em
semana ultima 87.
4% garantidos, 100 j. Todos esses valores se
achavam em condicues mais favoraveis ha agora
urna semana.
Em Liverpool o algodao superior de Pernambuco
fica 29 dx por fi ; o de 2" quahdade a 27 d. Vii e
o ordinjj'io 2i d. X por .
O do Marinho superior 29 d. por t; c o de
2" qiiahdr.de 28 d. d. '/a .
Fina'.mente o superior da Bahia tem obtido o preco
.de Vj d "A; e o ordinario 26 d. por libra.
I Cacao do Brasil est de 42 s. 60 s, per cwt.
I Caf t qualidade de 73 s. 80 s. per cwt. dito
que partir para Golha.
O principe Alfredo, segundo filho dj sua ages-
tado, parti ha dias para esse ponto, da Allemauha,
lendo-so demorado em Berlin onde foi recelado
por sua raagestiide prossiana, Esse joven princi-
pe dever succeder ao duque Ernesto, seu lio, no
ducado de Gotha ; c pan lamiliarisar-se com a po-
pulago desse pequeo estado, costuma fazer an-
imalmente a viagem que agora omprehenJeu.
O principe e a princesa do Galles esto definii-
vameate de volta Londres, havendo a drjncesa
dado no dia 3 do crrente una recepcao olcial em
nome de sua magesla.te a rainha. Assfeo a esse
cortejo o. porpo diplomtico, a corte e grande nu^
mere.de pessoas dlslinctas.
Orpriacipe de Gatles dovor permanecer aqui al.
de. Logo que chegar a esse pono sera recetlo
pelo governo provisorio q:;e resigoar as suas
imperiaes aios toda a auiorldade aoberana, e o
general Irancaa dexar de regei o paiz mihtar-
menie, como fazia, a titulo de oceupacau.
Mr. Hidalgo fu j recelado em Pars na quaii-
dade de enviado extraordinario e ministro pleni-
polenciariu de S. M. mexicana, e brevemente so
nstallar iiaquella capital a commissi mixta
franco-mexicana, encarregada das lqmdacdes a
que se refero o recente tratado do Mxico com a
Franca,
Em Roma oade estove o imperador MaXiroiKan
foi sua mageslade recbalo pelo papa na qasli
de soberano, hovondo mesmo sua saotida le feito
una visita pessoal a^aeile prncipe parece ijuj




Otarlo tfr r^r-t.-->'Be segunda feir SO *< SSao r? flft*.
.. supino pontill : endara
alor
la igi mexicana, at hqjfl al
Uni. i
As ultimas noticias dos E*tados-l "'d i.-sao encas
da nuiior importancia em favor dos eonlWmdos.
A v -ao do general Banks que deixara Nova-
. h : im o lim do n.a Lnisiatia, foi completamente batida era Pleas-
sar.i MI | lo inimigo. Parece que perder 12,000
mil homens, izarlos e, reriilo-. o que se achara cm
completa retirada sobro o ponto o'oi i a. N .
Tennessee n general Forrest capturou o' ferio Pil-
low, fazendo seisceMos prisionciros federa1*; o o
general Lee alravessara o Rapidan, coenecando as-
sim a carapanha da primavera contra o exerriM rio
I' eiiae.
Grant, que hoje lem o commando cm ehefe deste
xercito, se achava preparado para receber o ini-
dc irte que se Jntgava emlneotc ama bata-
Illa. Allirmava-se quo o general MarHUn
ra um commando sob as ordens da; 'II fflclai.
O senado federal votara o adiamanto da pro-
I ti da cmara electiva acerca '.:> proposta que
esta casa Dzora contra a oovaordera poltica esta-
bekcula no Mxico.
O premio do ouro licava a 76 /

INTERIOR.
itio i: jamuro.
11 DE MAJO DE 1864.
Avaluara dos depuradoselegeu hontem as rom-
miss,- de jnica criminal e de diplomacia, sendo
Horneados para usa os Sis. Junqueira. Sa e Alba-
alterque e Fl< urj; e para aquella os Srs. Barbosa
de Aimeida, Feitosa o Paraoagn.
Occnpou-se depols eom a 2* discusso lo orea-
mento ua paite relativa a despea do ministerio da
mantilla. Uraram os Srs. Casimiro Madureira e
Carneirjo de llampos, Hcaudo a discusso adiada
pela liora.
Foram offerecidas as segnintcs em >nd -:
Ao S II. Em vez de 2,O50:00OOOJ, ili i
8,iW:00 ,. sendo OiOOftJ eom a ac; ti
um vapor para a navegacao dos i ios Aragu
Ti ii i ,-. Vhtodoro. .1. Flenry. Franco de
I i. A. J. Moveira. RaioLL Uo da Cu-
!/('(..'.'o ;''is- Mirlo.
.'. -se a consigoaco do 5 22 c
somma (I IU:000$ para aconiinnacao das
oomeeadas do porto da capital da provideiada l'a-
1 do Vorte. -Arajio e Helio. llearlq 1
' r.Crrela das Nenes. Costa ." '
'
.-. 11 commissao relativa a 1 13 da
pr .. eliminem-se as palavras Qnaese da l'a-
[ra'jaoe Mfllo.Costa Machado.
11 n: n 11 \, inte o jiosse dol 1 ar de
direel ir geral da contabilldade d 1 i lsonro naci-
bal o r 1 H intael Arcianju Galvo. -
lo 2o do p issa lo foi cune
Doraseis de 1 i
sacaop&ra eontinaar a exercer as suas faneees,
: 1 iram approvados os respectivos estatutos.
Por portara de 0 do correte foram no-

io Bajista Forreira c Manoel da Silva Motta
ior, o i" para usen'e e o 2 |ra ajuda 1
corr io de Jagnai pe; J s Acfselc 1 !' r 1 a,
noel Joaqaim Brrelo, o 1" para agente e o 2o i-
ra ajudante do torreio de Monte-A legro; -1". >''">
Jos Gomes para agente do correio de Sal 1 mo-
Bio da Barra; Bernardino da Silva Mala para ti-
le do crrelo de Cetele, por d-mi-- io la la An-
tonio da Silva Frates, eGoncalo Alvos de Mattos
para ajudante da mesma le
dada Silverio Pedro Vieira, todos na provm ia
da Babia.
GoHinuMiicoa-se peto ministerio da af ricaltur.
nos Srs. Jos e Francisco HellerqneJ odoo iver-
no imperial resol vido mandar proee
dorio do Pomba, um dos connentes d 1 P.u
que banlia a provincia de Minas-Geraes, ttcani 111-
eambid s dessa coinmisso, e [tara a
soto lio wo presentes is instra *;o2s que rece-
beram para explorar o rio Parahyba. Alcm di
1 os ineios do commanicar o valle do rio
Dore eom o do Pomba, de u n modo va Matoso para
0 commercto intern i das pr ivin :ias de Ja-
. Espirito Sanio e Min dosenvol-
vi:o mi agrcola da grande t ma bandada p ir 1
rio; .- seus al 1 ihtes. '. eom -
tado .lew. projeMo <: isidcr ilTi 1 IS V
eonstrnecao de um ramal de estrada q te, p
do porto Novo .. ponh valle do 1
Pomba em commonica^ao eom a via-fci
J' ro II, 1 ir onde possam ter sabida o
i ronvindoque deem ; sua a>in:ao
pn I icilidade dos trans 1 la vi 1
lluvial, qur pela le restre, tanto e
11 rlodoCanha, como em rclacai ao
Fule lis.
1-2
OSr. marqu z de Cazias pedio hontem aosena-
do e(obtere, tsiusa da commissao especial incum-
bida de dar pai r ibre t ''--' icados -11
pro| isla de (Ixai So de forjas de trra, relali^
castigo corporal da! pracas do exercito 1
destaca da n
Fe' 1 ite api rovada 1 m pi
sao ; 1. ;i ;ao autrisando a concesso :
di cida 15o brasil iro aos subditos
porloi ...ionio Mari 1 da Silv 1 e 01 tros.
Enlrou depois em discossiio o parecer da com-
misao de fazenda e empresas privilegiadas .
da proposieao sobre o contrato feito com'J'wo Car-
los Pereira Pinto,para anavega^So lo rioITmgray
por I ..1 a va| 1 r. Oraram
nh -. Pi nn:. Mandel Felisar o, V:-. 1 U 1
bim c I). M .. iel, o leon 1 nci rr a di icussao p r
nlo haver qnem pedisse apalavra nen
fara votar.
A cmara dos denotados eleg a to ni m 1 c ...
misso de inarinlia e guerra, redaccao,
Btunicipaes e assemblas [irovincia endono
mi.. : ira a primelra osSrs. Mi r ira,
c barao de Porto Alegre; para a
Liberato Bptminondas e Haredo; para atci
os Srs. Lima Duarte, Abelar lo de Brito e Ari '
Lobo; e para a ultima os Srs. Pernandes .Motaira.
Pami lona e Aragao e Mello.
Conlinuou depois a 2* discusso do oreamento,
na parte relativa despera do mir : mar!-
iiha. Orou o Sr. Arago e Mello, Reand
1 1 ela h ira.
Foram offerecidas as seguintes rnenlas:
t Se passar a emenda para o melhoramento do
porto da provincia da Parahyba do Norte, ac
cente-se6:000 para o melhoramenlo da tan 1 do
rio de S. Miguel, na provincia das Alagfos, em-
fjoanto toi oreada.Josi Angelo./.'-/'.-/ idiiio.
Ai. ^ Ii.Accrescente-se rInclOHve ediflea-
rao de um quartel na Barra do Rio-Grande do S11I
para a companhia de aprciidizcs marinheiros, e de
dous pharoletes, um na Ponta-Alegre da Lagda-Mi-
nm, e outro na Barba-Negra da Lagta dos Pato,
ambos daqnella provincia.Barto m Prto-Atryre.
A. C. Ptnheiro Hachado.F. B. de OUveira trn.
J. 3. AffotttO Aires.
Ao 22 sobslitua-se a emenda da eommissao
pela oeguinte:Em vez In 6i0:000J00O, diga-e
630^00ji, supprimindo-sea ip.iota consignada para
as obras do caes da Sagracao, na provincia do Ma-
ranhio, se veriflear-se no serem ellas necessarias
para o me'horaincnio do porto daqnella provln-
cin. Wriato. Carlos Ribeiro.Ara'jao c Mello. >
S' paesar a emenda favor do porto da Para-
hyba do Norte, accrcscente-re :8:000* para me-
llioraiiienti da barra de Porto Seguro, queja lem
ijeamcr;..-Casimiro Madurara.J.Madureira.
Pcio vapor (levente, ebegado hontem do I" da
Prat .: di suido imperio, recebemos noti-
cias ''. Montevideo at 2 do correte e de Buenos-
Ayres at o dia 1". Na Repblica Oriental a situa-
tonlinuava sem alteracio: faUava-se semnre
em um ajuste roa o general Flores que, enti
: 1. Unha fei( 1 marenas forcadas eom o designio de
ira divisao dq coronel Barrios, o que nao cou-
s guio porque o general Moreno atinando rom o
intuito di'ste movenlo, accelerou a sna marcha,
e fazcnd.i avancar a divisa 1 Laguna fruslrou o pro-
Aqnella divisao pode, porlanlo, reencorpo-
rac-se ao exereita salvo na noite de 28 do pas-
sado.
lasques ehegados capital no da :0 an-
uuuciaram ao governo que o seera! Moreno esta-
v?uPa ^ioriJa c Flores no Cnamiso. e que as guer-
illias de ambos so liroteavam.
Foran presos em Canelones alguns falsificadores
de jj.llietes do banco couimer -ial e de papel-moeda
ue Buenos-Ajrres. Aquella capital iam chegandoos
deputados c senadores.10 congresso. No da I" de-
vi reiuiir-se a assembla provincial, por cansa
da quaT hnuve ltimamente serios conflictoe.
0 Dr. Sarmiento, gGvernadjr de S. Joo, entre-
a admini.-traci5o om governador interino,
. le seguir para os Estados na missao que Ibe
1 : confiada.
Alguns passageiros do Uereute M.rein .pie a
sahiua do vapor corra em Mon'.c
proximidades daquelU ei v-
' "' a parece rrivvi a noticia, por-
que se Flores nao se tem atrevido a dar batallia a
Soreoo, muito menos ira sitiar a capital, deixando
na retaguarda o exercito deste general e meltendo-
seassim entre dous rogos.
A? datas de Porto-Alegro alcancam at 3, Klo-
Grande 7 e Santa Catharina 9 do correte,
'cava em'. .ss.-nlo do governo da provincia do
iro dosul o Sr. Dr. Gouzaga.
0 Commeiciahbi Rio-Grande diz .po S. Exc deve
segnir para S. Gabriel no da 20, para encontrar-
se eom o commandanle das armas e o general
Netto, e combinaren] a pianeira de organisar a di-
visan que deve estar de oliservacao aos movimon-
tos que origmem no Estado Oriental a nova poltica
iniciada pelo actual gabinete.
l.."'-so na Qrdem de Porto-Alegre de 2G do pas-
sade :
A epidemia das liexigasno mez de marc* cau-
sn lamentaveis estragos nos Indios alojados na co-
lonia militar Caseros.
t Af o da 1 de abril corrate a. mortandade
tinlia subido a 49 I
t Diz urna carta de pessoa respeitavel daquelle
ponto, que :
1 A peste ainda se mostra inexoravcl para eom
miseros lillios das selvas, e muito mais para
eom a quedes que, mais estpidos, nao guardan 0
que a dieta prescreve; comtudo tenho esperanzas
de que logo acabar.
Os soldados da colonia tambem j se achaa
lados da peste, e nao sei o que resultar.
I '.'.' crivel, e isto mesmo insina a carta que
nos transmiti esta triste ora, que a terrivel epi-
demia fji para all Importada pelos Indios setva-
gens qae ltimamente foram mandados capturar
pelo padre Bronco e que viviam na Sena das An-
tas, os qn .es lia pouco esiiveram nesta capital, de
on le parece que levaram o mal.
; Para iae triste o lamentavel ocurrencia cha-
mamos a sera attencao do governoda provincia.
II Diario do Rut-Grande em dala de 3 e de 7 da
as seguimes noticias :
H iMCtn (2) polas 7 horas da maiihaa saicidpu-
se eom 11:11 tiro do pistola Francisco Bodriguei
Candi .la, mogo de 22 annos de idade, morador de
is, onde deixou familia, e que ha 10 das mais
i se achava nesta cidade, hospedado no
. do Sol.
O infeliz Candiota tencionava ir hontem mesmo
. ra P lo) 1 -. em companhia de um seu amigo, Ho-
norio Joaq im da Silva Leal; e tendo-se vestido
todo de preto, o calcado luvas de pellica tambem
. pedir una chicara de caf a urna moca de
sna amizade ao tambem alli se achava hospedada,
de nomo Constanca, c ao retirar-se esta para ira
zer-lhe o caf, Candiota aproveita-se de Boa ausen-
cia e escarrega sobre a fonte do lado direito um
tiro c im urna pequea pistola de algibeira de dous
can is qnc irazia comaigo.
1 A i estampido acudiram immodiatamente ao
quarto em que se alojara, e ahi o encoiitraran dei-
lado na cama, tolo preparado como eslava, eom a
caneca cm pedacos e a cama c.borla de sangue,
c ; ando anda a pistola segara na mao di-
reita !
Este infeliz moco premeditaba matar-se desde
0 da 28 do mez passado, segando as cartas que
11 encontradas, e que e-i.n datadas daquelle
dia; mas parece que amorte pouco natemorisava,
i 1- que na 1. ute 'de aate-houtem (domingo) tora
ao theatro e assistira a todo o espectacolo, mns-
tran to-se se ai ro satisfeito para eom as pessoas de
sen conh icimento.
.-Segundo se deprehende las -artas qne elle
i) .o, o'motivo que o levara a pratirar ubi tal acto
spero fdra ofallecimento de sna mii, em Pe-
lotas, no da 2.* do mez passado : mas dizem ouiros
.;; 'II jachava-se alcaocado '.ara eom um seu rmo
em piantia superior a 2:0005, o que talvez por isso
por aquillo lentasse, aluda to moco, contra
proprios dias I
A autoriJa te policial romparecea ao lugar do
suicidio, e mandn tomar cenia do pouco que dei-
xava o inf diz Candiota, cujo cadver foi hontem
m 11 dado sepultura. >
< Ld-se na Atalaia do lagnarSo :
.\"o dia 8 do crreme (abril), no logar deno-
mina l<9Brelanlias 8 ou 10 leguas distante des-
ta 1 da le, nlio-se um tremor de ti rra, que pro-
1 1 durante alguns segundos. Foi ello senii-
lo pela ms que habitam a casa fio fallecido
' 1 Machado, as quaes eom grande espant ti-
. ar-se aos movis existeates na mes-
1, afi 11 de nao seren derrabadas,
t F te nao consta haver estrago algara a
se. 1
tabelhau do piiuiico judicial u notas, o esetivau d 1
orphaos, ausentes, caj : t idoos do termo da
Etrella, na provincia do Rio do Januiro, Qcando
de iieuhu.ii cnVito o decreto de !' de outubro Je liutotOeote imjedidu de exercer as l'uneces paro-
1862, que conferio a Francklin de Menezes-Fraga ; chiaes, uo devia ser privado da percepciio da
a serventa vitalicia dos mesmos otBcios.
Teve merc Leonardo Jorge de Campos da-ser-
veotia vitalicia, dos offlcios de segundo thelttld do
publ/eo judicial e notas, e escrivo "de apellas e
residuos do termo da capital da provincia de Santa
Catharina.
irana, direito eom
'I;1' iou aquella nouiea-
eio. estando, p ,. > rlgari 1 agi-
coes
cepea
respectiva congrua que V. Ese. ihe mandara abo-
nar.
estaa doutrina consagrada pelo aviso por
e mlnbterio dirigido ao da fazenda em 29 do
abril de 1863, que mandou pagar os vencimento;
Declarou-se pelo ministerio da guerra ao da agri-
cultura, commerci e obras publicas, que ao se-
gundo lente de emeuh"iros Eduardo Jos de
Moraes, que se aeha a son disposicao, couc den s 1
jiermissao para acompanhat o Dr. Emnianue! Ii lis
em commissiio i Europa.
Por decreto de 6 do corrente foi exonerado a sen
pedido do Picar de iusuoetor do arsenal de inari-
nha da Baia o capito de mar e guerra Loureneo
da Silva Araujo Amazonas.
14
Hontem no houve sessao na cmara dos depa-
tidos por falta de numero legal.
P r le 7 do crreme foi exonerada o le-
luado reformado Fernando Laiz
lencia doconselho administrativo
. ; m un iio de faldamento na provincia do
.. 11 ... e nomoado para o dito cargo o vogal do
1 teaente-corouel do corpo de enge-
to Vieira da Silva
ia
gi .1 hontem o Sr. Nabnco, em lugar
do Sr raarquez de axics, para a eommissao espe-
cial ae lem de dar ; arecer sobre u ai tigos desia-
r idos da ; rojio ta de i\: cao do forcas do tur:;'.
c stigo i irporal das pracas do exercito e
- da guarda nacional.
E e la ai provon o parecer das rommis-
I zenda e oinprezas privilegiadas,
il 1 do Sr. Pilenla Bueno, sobre o
om .! i3o Carlos Pereira Pinto para
iroguay em barcos de vapor.
A cmara d s deputados elegen hontem as corn-
il.1 -" de ccraraercl i, i lustria e artes, e de ins-
iblica, sendo nomados para esta os Srs.
Sonza Bandeira, BrandSo e Bar ia de Oliveira, e
is Srs, Uareondes, baro de Prados e
unondas.
('. iiilinaou depois a segunda discusso do orji-
1 na i arte relativa 1 d p *a do ministerio "da
1.: rinha.
'....: 1 Srs. Sil vino Cavalcaate, Alvira e
... flcando a discnssao adiada pela hora.
Foram afTerecidas as seguintes emendoa :
_ Ao 22.Se passar a emenda para a edifica-
.-ao de mu quartel na barra do l'io Grande do Sal,
aerescente-se : e para reediDcacao do quartel de
lizes marinheiros na provincia do Espirito-
Santo, queja (em oreamento.A. Fleury.liarla
.'," Araujo.Sottza Carcalho.n
' Ao g 17.Em vez de 86:660*437, dlga-se -
110:660#i37, sendo 24:0001000 para daos phares,
um na barra do Norte do pono da capilal de Santa
Catharina, e outro na barra do Bio de S. Francisco
do Si,i, na mesraa provincia.Silceira de Souza.
Mi Uoe Alrim.'
Ao .pragrapho Pknres, acrescente-se :
Construindo-se desde ja um pharol na barra de
nagua. /canino Marcondes. Abelardo de
Brito.'
Per decreto de 7, 10 c 11 do corrente foram ne-
is :
O juiz municipal bacharel Salusliano Orlando de
Araujo Costa para juiz de direito da comarca de
Marapa, na provincia do l'ar.
0 bacharel Constantino Rodrigues dos Santos.
para Juiz municipal e de orphaos do termo do Bom-
lim. 11a provincia de Minas-Geraes.
O ajudante do porteiro da secretaria do iribunal
do commerci da Babia, para porteiro da mesma
secretaria.
Forarn removidos :
o juiz de direito Jos Baudeira de Mello, da co-
marca do Cabo, de segunda entrela, ua provin-
cia de Pernamboco, para a primeira vara crime de
terceira na do Para.
O juiz de direito Manoel Clemcntino Carneiro da
Cuuha, da comarca do Rio Formoso" para a do Ca-
bo, ambas de segunda cntrancia, na provincia de
IVrnambuco, pnrassim o haer pedido.
() juiz de direito Ludgero Gonfalves da Silva, da
comarca de Itapemirim, de primeira entrela, na
provincia do Espirito-Santo para a do Rio Formos",
de segaqda, na de Percamhuco.
0 juiz de direito (arlos Augusto Ferraz do
Abreu, da comarca de Saboeiro, na provincia do
Cear, para a de Itapemirim, na do Espirito Santo,
ambas de primeira cntrancia, por assim o haver
pedido.
I'oram concedidas :
Ao bacharel Antonio Bernardino dos Santos, e
demissao que pedio do lugar de juiz municipal e
de i.rphaos do termo de Sonza, na provincia da
Parahyba.
A' Veridiano de Souza Brochado, a demissao que
pedio do posto de tenente-ajudante do batalho de
infantaria n. 10 da guarda nacional da provincia
do Piauhy.
Foi designado o capitao do lerceiro btalhao de
infantaria da guarda nacional da provincia das
Alagas, Jos Joaquim Correa Barbosa, para exer-
cer o lugar de major do mesmo batalliao.
Foi gregado ao batalho 11. 19 da guarda na-
cional da mesma provincia, o coronel Theoonio
Ribeiro da Silva, cnimaudante do batalho o. 21
da referida guarda.
Foram declarados vagos os offlcios do primeiro
Por decreto de 7 do corrente foram nomados:
Escrvao da r.ceheloria da Baha, Francisco
Bruno Pereira, primeiro escripturario da the-ou-
raria de fazenda da mesma provincia;
1.-0 escripturario da thesouraria de fazenda da
Babia, Antonio Ribeiro Gninnraos, !. escriptura-
rio da recebedoria da mesma provlocia ;
1. cscridtui-ario da recebedoria da Babia, An-
tonio J ise Pereira, 2." cscriptnrario da tnesma re-
cebedoria ;
Lancador da recebedoria da Babia, Pompilid Ma-
noel de Castro, 1. escripturario da IhesourarU
fazenda da mesma provincia;
l. conferente da alfandega do Bio Grande do
Norte, An! mi Francisco reas, 1. escripturario
da mesma alfandega.
Por porlaria de 12 dj corrente foi Horneado An-
tonio Travassos da Silva Monte para ajudante da
agenda do correio da villa de Japaraluba, o 1 pro-
vincia de Sergipe.
Foi desligado do commando superior dos moni-
cipios do Rio-Preto e Parabybuna, da provincia de
Minas Geraes, a guarda nacional do distrcto de Bar-
bacena, e cora ella creado um c r lo superior.
Foi alterada a orgainsacao do commando .
rior ua guarda nacional dos muni ;i I P*ra-
hyliuna e Rio Preto da provincia de Minas G iraes.
Por decreto de 27 do passado ereoo-se um bata-
Hio de infantaria da guarda nacional no munici-
pio do Jardim, provincia do Bio Grande do N i'te.
Celebrou-se hontem no convento dos religiosos
Carmelitas a missa do stimo dia por alma do fal-
lecido bi.-po de Chrysjpolis.
A's 9 horas e mu quarto da inanhaa chegaram
SS. MM. e AA. Impcriaes, as quaes, sendo 1 cei-
das na portara pe a communidade dos religi sos.
irmandade do Espirito Santo e urna comiiu.--.io por
parte da imperial Sociedade Auxiliadora das Artes
Mechanicas e Liberaos c Beneceote, sul iram s
tribunas respectivas, coraecando logo a missa can-
tada, na qual olliciou o Rvin. Fr. Fausto do M ate
Camello.
Concluida a missa prononciou o Rvd. Pr. Alpe-
do de Sania Candida Bastos urna ora. 1 fon d re,
na qual poz em relevo as virtudes do lioa sa-
goindo-se ento o LUera-me, que termlnou as II
luirs 10 minutos, ri trando-se dep ii SS. M. e
AA. Impariaes acorapanhadas peas raesraas pes-
soas que as lindara recebido.
0 templo, que achava-se ainda decorado como no
dia das exequias, eslavo sempre completamente
de to is as gerarchias, e o -arco-
1 aborto, e guardado por qnatro archeir is '.'a
gua Ial irial, lendo as alabardas-era fun
.i ixava ver, aira ve?, do vidro que o cobre, o rosto
e pane do corno do fallecido bisp .
15
A cmara dos deputados o-cupou-s
; intl macao da i' disc is i" d
to sobre a companhia da estradadef rr i I
dro i. navega?5o a .por do Rio de S. Fi u) 'isco
e prolo gara tito das acluaes estradas de ferro.
'i aram os Srs. C Qttoni, C. Madureira, Pousoca
Vianna, Jos Jorge e BibeirodaLuz, ftoando a dis-
Ctis-;" a.
O Si Celso fundamentoa o seguate re-
querimenio, que licou ..dalo por pedir a palavra
o Sr. Andrade Pinto;
Reqeiro qne se offlcie ao govern pedindo
copia .iiola a correspondencia bavida acere::
qnestffljs suscitadas entro a provincia do Ro de
Janeiro e Minas sobro o Imposto d 1 attt.
Foi a presentado o s. guinto projejeto :
A assembt geral leer ita :
Art, 1* O cidadao qualltlcado votante
der ser eliminado da qualiflca^So meui mi 1 pro-
cesso regular, intentado peranteo conselho muai-
cipa) de recurso, eom appellacao para a relajao do
districto.
Art. 2 Xeste proeesso se dar lugar i exhi-
bicao da prova documental e lestemuuhal, e i dis-
cusso por escripia do ambas as parles.
Art. 3* O proeesso ser instaurado requer-
ment de qualquer cidadao qualiQca/l 1 na pa
que es| ecirli...'. a causa legal Ja eli.ninacaa
Art. V A fes \ .! is direitos do rol 1011 qoese
pr, tender eliminar peder ser feila por qualquer
cidadao qaaHficado na parochia.
.; proeesso peder comprehen-
der mais de qnatro votantes s eliminar.
Art. 6" Este proeesso nao dispensa o pro
perante a junta de qualiflcacao, o dever serin-
t litado durante os dias em que fuuccione o '0:1-
selho municipaL
< Art. 7" As testen..mlias serio inquiridas | lo
presidente do eonselho, e quaesquer duvidas que
rram na directo o formacao do proeesso se-
rn decididas pon raaioria doeousclno.
Art. s- As juntas parochiacs nao poderlo in-
cluir pea primeira vez na lista de qualiOcaeao o
cidadao que, alui de teros mais re (uisitos I"
ao juizo da junta, na apr< m atar 1 .tido de ida-
de, jaetQeaco ou docnmenl 1 qne .. suppra, o que
sera mencionado na arla, sob pena de lita d
50j por cada omissja
1 Art. 9" As mesas parochiacs, alm de,o no-
derem rejeitar votos ; pretexto da ma q laiillca^io
do volante, sao obrigadas a tomar em separado os
votos daquelles, cuja identidade desconheeerem.
Art 10. O votante, a quera .. mesa, nao obs-
tante a disposicao iu artiga antecedente, recusar
receber o voto ora separado, poder perante qual-
quer tabeiio ou escrivao fazer protesto de deca
raco de seu voto, em piesenca de cinco leslemu-
nhas que iiouverem assistido a recusa da mesa, as
qnao3 eom elle assignarao o mesmo protesto, nao
podende emenda termo (azor essa o 'taracao mais
de um votante.
An. 11. Estes protestos s serae adraissiveis
qnan 10 intentados antes do se findarem as 21 ho-
ras que s.; seiruirein a Ii' l:la! que ptlbli-
car o resollado da elcicao."
c Art. 12. A obrigaco c recurso dos arts. 9, 10
e 11 sao extensivos .. s co sgies eleitoraes e elei-
tores.
Ar!. 13. O governo na corte e os presidentas
as provincias lixaro o numero de eklitorea que
deve dar cada parochia, na raza o do um 1 leitor por
trinta votantes, tendo por base nica a quahlicaco
de 1804, o na falta desta a ultima anteriorm Me
feila, tanda esta nova ftxaeSo pava ter execuco
dependente da approvaeo d poder legislativo.
Art. 14. Ficam revegadas as dtapesicBes em
contrario.
t Sala das sesses 14 de maio de 1864.Silcei-
ra Lobo.
Por decreto de 27 do passado foi elevada
cathegoria de batalho a l sceriio do batalho da
activa da guarda nacional da" provincia do Bio
Gra. dedo Norte.
Por decreto de :J0 do passado crcouse mais um
baiamSo de infantaria no municipio das.Alagoas,
na provincia do mesmo nome.
Por portara de M do corrente foi nomeado
Francisco.
Cora a data de 12 do crreme foi expedido
pelo ministerio do imperio o aviso seguinte :
lilm. e Exm. Sr.Havendo o fallecido bispo
dessa dioeoe nomeado .. vigario collado da fre-
gnezia de Campia Grande da provincia da Para-
hiba, padre Camillo de Mendonca Fnrtado, para
exercer temporariamente o cargo de visitador na
provincia das Alagoas, recusou a thesouraria de
fazenda dessa provincia, pela qual se cffectua o
pagamento dos vencimentosque competem ao mes-
mo vigario, abonar-lhe' a congrua corresp'ondente
ao tempo em que se achou, por aqnelle motivo,
impedido de exercer as respectivas funecoes, en-
lendendo que ella compele ao sacerdote que subs-
titoio o dito vigario na administrasen da referida
freguezia.
Sendo, porra, incontestave!. como expressa-
quecompetiam aoconego vigario geral fos Joa--
quun Pereira da Silva em quanlo esteve pxercen-
do as runecoes de visitador na provincia do Espi-
rito Santo.
, Bise avi- ohtou tambem duplcala d.> des-
peza que por tal motivo se podia dar, declarando
que nenhiim v>icimento cabia ao sacerdote des:g-
para substituir o referido vigario geral du-
rante o seu impedimento-.
Para igOalmenl;' embaracar que baja essa
, duplcala no caso de que agora s trata, nesta tala
expeco as convenientes ordens presidencia da
provincia da Parabiba.
Fica assim resolvida a questao que molivou o
ofHcio de V. Exc. de 30 do mez lindo.
Dos guarde a V. Exc/ose Bonifacio de An-
drade e. Silva.Sr. presidente da provincia de
Pernambtico.
16-
Foram condecora los, polos aervicos prestados no
exercicio de suas fuuccoes.os seguintes ollciaes do
exercito :
Cora a commenda da ordem da Bosa : brgadei-
ro Jos.'- da Vici ira Soaros de Andrea, c coronis
1 llenrique de Beaurepaire Roban, Prederico Car-
neiro de Caninos o Francisco Antonio Raposo. Com
o efficialato da mesma orden : lenente-general
Jos Mai a da SilvaBiUencoort, tennpte-coronel
i Juvenrio Maooel Cabral de Menezes-, e majar Jos
Carlos de Carvatho Cora o hbil.) la menina, or-
den): lenentecorooel liviano Maxiiniano Antu-
nesGjirjii 1, majir Jos Joaquim de Lima e Silva,
'apila.. Severiano Martina da Fonceca, primeiro-te-
inente Fr icUtio Villela do Castro lavares, te-
nentes An Ir Pinto Beboocas e Antonio Pereira
j Rebouca-, alferesManoei Ignacio Carneiro da Fon-
totir.!. Com o habito da ordem de Christo : major
I Joaquim da Silva Maia, major-honorario Gailbr-
me Saeh ipanema, e capitaes Conraoo
Mara da Silva Bittenconrt, Francisco Cari
L'.!.. Luiz e Joaquim de
Souza Muza.
Teve a merrd do habite de S. Bento de Aviz o
caolt taria do exercito Francisco Marte
dos Guimaraes Peixote.
Foram conde com a ordem da Rosaos
segaintes estrangeiros : ajudaote-general de S. M.
o impera Ior da Russia Eduardo To-Itleben, com a
dignitaria ; o coron I de engenheiros do imperio
da Russia Constantino KlebmkofJ, com a commen-
da ; os ten -ntes- lOeis do mesmo corpo Gulllier-
me 'oppen Ba,i 1 Klora, eom o offlciatato.
r con dido ao lente cathedratico da e : !a
.central Dr. Jos Joaquim da Cucha o titulo de
. na Forma do regulamento du 28 dea!. .1
de II
Fon .'. idos ci I : I rasil ir s : o
1, :' ." flot-fcr,
e o subdito 01 ie 11......icisco Xavier Miranda.
Por dec;- tos 12 e i' do corrente foram no-
mead S :
1) bacharel Jos. Joajim de Moraes Navarro,
jniz moaieipal 1 irptiaos o termo de Hangara-
tiba, aa provincia do Rio de Janeiro ;
O bacharel Francisco Liberato de Mattos, juiz
municipal ede orphaos do termo da Sorra, na pro-
vincia ; 1 Espii to-Sanlo;
O bacharel Vicente Justiniano Bezerra Caval-
cantiijuiz municipal e de orphaos do termo do Mi-
nas-Novas, :.. provincia de Minas-Geraes ;
Ancibal Jos Pereira Borges, capitao sccreiario-
geral do commando superior da guarda nacio-
nal do municipio de Jacobina, na provincia dt
Babia ;
lacinlho .' .-.' da Silva Cintra, major comman-
jao de batallio de infantera
nal d : vi 1 activo da provincia
de S. Paulo;
. i de Toledo silva, major comman-
da la io de balalbao da reserva u. 7 da
gnar la 11 ial da mesma provincia ;
, Antonio Cesario Alvos de Castro, majoccom-
de batalho n. 13 do servic 1
da reser aguarda nacional da provincia de
Pern mbi
Foi o deserabargador Francisco Jorge
Monteifo, da relaeSo do Maranbo para a da Babia
onde ja .seach em exercicio, por assim o haver
..
Pol exonerado o juiz de direito CaetanoRstelhia
Cava I can ti Pessoa, ao cargo de chefe de polica da
ici 1 do Amazonas.
Foi promovido o lenle Luiz Casiiaao Martins
Pereira ao pisto de capitao qaartel-meslre do
commando superior da guarda nacional dos muni-
cipios do Sabara, Curvcllo e Santa Luzia, da pro-
vincia de Minas-Geraes.
Foi concedida ao tenenloda oitava companhia d..
batalho de infantaria da guarda-nacional do mu-
nicipio da cort", Uamio scente- Pinto, passa-
gem oo mesmo posto, cv.w^ aggregado, para o se-
gando batalho do servico da reserva.
Foi dis; ei le 11 exe'rcicio, por tempo indeter-
minado, .. coronel commandanle superior da guar-
da nacioual dos municipios-de Jacarehy e annexos
da provincia deS. Paulo, Joaquim Antonio de Pau-
la Machado.
Foi alterada a organsacao do batalho de iufan-
taru a. 26 da guarda nacional da provincia de S.
Paulo.
Foram ci 1 a las :
Urna seecao de baialbjio de guardas naclonaes
do servido activo na freguezia da Penha, da pro-
vincia de S. Paula;
t 11 se. 3 > 1 bajalblo de infantaria da guar-
da n leu activo, na freguezia de Be-
lm, na mesma provincia;
um batalho de infantaria de guardas haeonaes
do servlej activo, na freguezia de S. Jo; de Pe-
. nal va, da provincia do Maranbo.
Foi elevada b tegoria de seecao de batalho a
companhia avulsa o. :i do servico da reserva, or-
ganisada 110 municipio de Vianna, da provincia du
Maranbo.
A cmara des deputados elegeu hontem as aom-
missoes de sande publica, de estalistica, de coloni-
1, catechesee civilisa^ao dos Indios, o de agri-
cultura, io : -, sendo nomados us se-
nhores Kanoel Joaqnim, Mello Franco e Flores pa-
ra a primeira; I i 1 I.eito da Cnnha e Ne-
ry para a segunda; Silva Pereira, Mor ira Bran-
dan e Moma para a ultima.
Continan depois a 2.1 discusso do oreamento
na prte relativa a despsza do ministerio d'a i.-.ari-
nha. Oraram os senhores ministro respectivo e
Bitlencourt Sampaio,lieando a discassio encerrada.
L-se na Beeist t Commerdal de Santos de 10 do
corrente.
Viriinia de ama eufermidade que em poueos
dias exhaurio todas as forcas de sua alias robusta
san.le, soecambi 1 no dia 7* do corrente, pelas 11
horas da manha. o Sr. capitao de mar o guerra
llenry Vero lluntley, con.-ul de S. M. Britaunica
nesta cidado, na idade de 69 annos.
t O fallecido gozava por suas desuncas qualida-
des afestima geral do publico santlsta, e o seu fu-
neral, que leve lugar no dia 8 no cemllerio dos
protestantes, foi aeom.anhado, nao s pelos seus
numerosos amigos, como tambem pelo corpo con-
sular, as autoridades e muitos cidados desta ci-
dade.
' t Mudas pessoas repararan! neste acto a ausen-
cia de urna guarda de honra. Nao sabemos qual
a inconveniencia legal que poderia se opporj a
prestar ao fallecido as honras militares devidas ao
seu posto.
18
O senado approvou hontem em 1* discusso o
parecer que concede licenca ao Sr. Vieira da Silva
para se retirar sua provincia eir Europa.
' Passou cm 3" discusso, com as emendas da
eommissao de emprezas privilegiadas, a proposi-
to que approva o contrato celebrado com o vis-
conde Bai bacena para a explorarlo de minas de
carvo de pedra em Santa-Calharina.
Enlrou em 1* discusso o parecer da eommissao
de constitulgao sobre a indica'cao do Sr. Pimenta
Bueno, relativa atlribuico conferida pela consti-
luijo no art. 38 cmara dos deputados, c ora-
ram os Srs. Zacharas e Pimenta Bueno, sendo ap-
provado um requerimento deste Sr.- para ser ad-
diada a discusso do parecer, alira de ser ventilado
quando se tratar do outro que tem de ser dado so-
bre o projecto do Sr. Silveira da Molla acerca da
aposentadora dos magistrados.
11 la pn ii 11 de ffi i d Janeiro, que
deputado o Sr. Jos 1 C -ti.
Approv. : er da
mesma eommissao, que annulla a eleicao da fre-
guezia da Independencia, presidida pelo 'a\z de
paz Jacmtbo Jos do Souza Pimentcl, feita no Io do
setombro do anno passado.
Approvou mais sem debate, cm amaso d
sao, o projecto que aulorisa o governo a admitir
matricula do Io anno do qualquer das facilidades
d-' direito d 1 i np ;o o eetodaote Jos:'. Roberto
Vianna Guilhon, com em n las autrisando tam-
bem o governo a mandar passar carta de bacha-
rel em letras pelo imperial coHegio de Pedro II ao
estudante Jos Autouio Perora da Silva ; a levar
em cuna ao alumno Joto da Cuuha Beltrio de
Araujo Pereira, da escola central, o.exame de la-
tim feito na faculdade de direito do Recife, para I
tomar o grao de bacharel em matbematicas; a
dispensar ilo biennio para matricuiar-se em una
das faculda s de i!o a Aotouio Adolpho de
Pontee e Souza ; e a fazer igual merc a Antonio
Constantino de Valle, para matricular-sc cm qual-
quer das de medicina.
Approvou ainda o oreamento na parte relativa
a despeza do ministerio'de marinha, conjuntamen-
te eom as emendas da eommissao e mais a se-
gainlc :
Ao 22substltua-se a emenda daconmn
pela seguinte :-Em vez de ()10:000>OJ dlga-se
630:0003, suppriinindo-se aquotaconsignada [.o.i
as obras do caes da Sag'acSo, na provincia do
Maranbo, se verificarse nao seren ellas neces-
sarias para o melhoramento do porto daquella pro-
vincia. Viriato.Carlee Rihriro.Araijd,* t M \lo.
Approvou finalmente os artigas auditivos im-
pressos da eommissao, e mais os segointos, .1
ir. orarem os Srs. ministro respectivo, Ma. i
Bitencourl, Sampaio, Barro- Brrelo e Nery.
Artigo. O governo fica autortsado a reorgani-
sar a adrainistraco central da marinha.
os regulamentos da secretaria de estado, renta lo-
ria, intendencias, arsenaes, capitanas ile portos
quartel general, de modo arednzir ; !. im-
plilicando o trabaliio e diminnindo a despeza. On-
tro sim a acommodar a lasliluic 1 looselho na-
val nova reorganisacao, a a alienar os ..vais
Queesiiverom 00 forem qa or sua
consirucco .. mo isiado de conservacao nao sa-
tisfarn! s isdo servico naval. Sil vi no
Cavalcauti de lbuquerque.Joaquim Feliciodos
Santos. Flores.A. C. de Sa o Albu pier.pie.
Luiz Felippe.Sonza Carvalh 1. L ipes Netto.
Nery.
_ Artigo. Ficam approvados os art. i', i .
77, e tabella final do 1 1 |ue b ton com
o decreto n. 318G de 18 de ooveoibro de 1863.
Artigo. Fica o t risa 11 a conceder
aos artilheiros de l* e 2* classes, approvados pela
respectiva escola pratica, una gratilicaco addi-
cional ao sold, que sem de 120 rs. diarios para
os primeiros e de 100 rs. para os segundos.Sil-
vino Cavalcanti.Flors.-r-Felicio dos Santos.
Occupoue em iillim 1 |ugar, depois de ter ap-
provaJqo i", cora a 2.'discusso do art. 2" do
projecto sobre liia da estrada de ferro
de U. Pedro II, naveg toa' ipordo Bio S. Fran-
cisco e prolougamento das aciuacs estradas de
ferro. Oran o Sr. Junqaoira, llcando a discusso
ada la pela lioia.
19
A cmara dos depnUdos elegeu hontem a com-
. 1 de exarae do thesouro, sondo nomados os
Srs. Sajdanha Mariuho, Brando e Itebella
Oecupou-ss depois com a s ganda discusso do
projecto relativo unpanhia ta navegacao va-
por Bahiana. Depois de a ...,..> dos
Srs. Jautas, Marc 10 !a np is, Be 1 a
discussan adiada pela hora.
Foi olerecida a seguale emenda substitutiva de
lodo o projecto :
Art. 1." Pica o govern 1 aul ris: 1 a rever os
decretos n. 1,923 de iSd al ril del SI e a. 1,478
de 22 de n.ivembro de '.So';, conceden to as com-
paotuas Bahiana e Pernambueana, por dez anuos,
contad is da approvaeo d 'tetutos,
a coolinuacao da itiesui .1 do 84.0005
que at agora leem p 11 coiopaahias,
e conservando on r I 1 nos
oulros d >. anuos p islcnores. M. P. de Souza
Dantas.L. C. M. Batisbona.Luiz Felippe.Lei-
tao da Cunha.A. A.*de Souza Carvatho. A. s.
Lobo. i. Netl 1 -S. S,ju '. I ralo.Bar-
bosa de Oliveira.Barbosa de Aimeida,.Ferreira
de Moura.Silveira de Soaza.Pampl ia.Ri-
ta o '.Piulo de Mondonga.Prederico d. Aunei-
da.Moreira Brando.Serai hico. -Figueiredo.
t'essoa de Mello.Pedro M niz.Junqueira.J.
Madureira. Pinto Lim.. Sa e Albuqu. rq le.
1. Esp i. bao. 1
Comimiou em ultimo lugar a dis lo art.
21 \> projecl 1 s ibre a c
ferro de l>. Pedro II, navd ico vaj ir do Rl
Francis o o prolonga .. ai 11 estradas
de ferro. Orai im os Ii-
cando a discus o ada I
Foram 1;. ireci i..- ...; s eiueu las :
Ao art. conserv ilos is p.....
Fica anlorisadoo pn I imultaneo da
estrada de ferro de D. Ped... i .
Ibas, na proximidade de Sabara, e das estradas do
ferro da Baha e Pen ambuco, im dire-'cao o Rio
S. Francisco, garantiudo o governo o 1 ipital nu-
cessario a essas obras cora u mnimo de juro de
o "I"; sendo, porera, a primeira en raco Jo
capital at concurrencia de I2,000:0i > par..
.a la urna deesas iras bobas, e proce u-se 1 ao-
vas eucorporaedes por meto de orcamenlos muito
exactos ei medida que as obras eonli 1 las forem
se ultimando. Junqueira.J. Madureira. -(i, Ma-
dureira..V. Feitosa.Serspbico.S mza Ban let-
ra.Moreira.
A' condiro I.* to art. .'. lo !.. A ga-
rantiade juro.- s ibis na v
de 0 "|0, prgos durante 1 anno :.: na Duarte.
Por decreto do 2s do passado foi 1 ido 1 or
mais dous annos o pra .....parte
do art 7. do decreto n. 3 1*9 i '' de -
bro de 1863 para a .o '.. 1 ..,, I 1 acedes da
companhia Pernaubucaaa 1 .... t iteira
por vapor.
Por porlaria de 17 d tu noma-
dos :
Manoei Ribero da Silva Caro. .so. para tg ate da
orreio da Aid il da Podr i, por demi -.. > conced-1
da .'1 Moyss Pereira doCarvalho \ Maooel Ma-
rianuo da Silva, para ajudante do de Macah, am-|
has na provincia do Rio de Janeiro.
A cmara dos deputados elegeu hontem as com-
missSes de obras publicas e de negocios ecclesias-
ticos, sendo nomados para esta os Srs. Piolo de
Mendonca, Seraphco e Viriato, e para aquella os
Srs. Pinto Lima, Alvim c Barros Brrelo.
Approvou em seguida, sem debato, o parecer da
eommissao de poderes sobre a eleicao do i" distrc-
Por decreto do 14 do correul foram nomados
indos cirurgidas d 1 eorp 1 de sa le do exercito
osdoutores em raellcina Anl mi '.' lira da Silva
Guimaraes e Jos Nones la Silva.
P. ; decreto de 12 do e rrente fot nomeado o
eapitao-tenenm Jos \ve.lno da Silva Jacques para
o lugar de capitao do porto da pro vi n ia de Ser-
Bipe.
Por decreto da mesma data foi reformado o ca-
pitn de fragata Man I de Oliveira Paes no posi 1
de capitao de mar e guerra com o respectivo sol-
do, por contar mais de 3.i annos de servico jachar-
se inhabilite to de continuar.
-20-
A cmara dos deputados approv >u hontem, sem
debate, em terceira discusso o proj co d 1 senado
declarando que I). I.ui/.a Feliciana de Amorim o
Silva, viuva do teuentc-coronel Jo.- Polycarpo
Pessoa de Andrade e S iva, tem d.reito ao meio
sold da patente de seu marido desde ofalleci-
mento des|e, uo obstante a prescripro em que
incorrra.
Approvou depois successivameute em urna s
discusso sem debate, os projeelos que approvam
as pen-ik-s concedidas l). Mara Lulza de Bide-
gorry, viuva de Bernardo Urbano de Bidegorry,
e" D. Maria da Conceieio Costa Martins. viu-
va do Dr. Jos Candido Marques Martins, fallecido
por occasio do naufragio da corveta I). Isabel.
Occnpou-se em seguid 1 com a segunda discus-
so do projecto do senado que crea um c.ollegiu
eleitoral em Santa Anna do Parnahyba, da provin-
cia de Malto-Grosso. Depois de seren ollerecidas
varias emendas, e tercm os Srs. Fleury, Paula
Souza, Viriato |e ..rago e Mello feito algumas ob-
servares, foi approvado um requerimento de
adiamento proposlo pelo primeiro desses se-
nhores.
Conlinuou em ultimo lugar a discusso do arti-
go 2. do projecto sobre a companhia di estrada
de ferro de D. Pedro II, navegacao a vapor do Rio
S Francisco e prolongamcnto das actuaos es-
tradas de ferro. Oraram os Srs. Souza Carvalho e
Dantas, llcando a discusso adiada pela hora.
S. M. o Imperador, desejando que Suas Altezas
completen! os seus esludos j terminados de
historia ge.al com um conhecimento mais profun-
do de historia patria, diguou-sc cncarregar ao
Sr. Dr. Joaquim Manoei de Macdo a honrosa ta-
refa de acompanbar as augustas princesas no
aporfeicoamnto dos seus estudos nesta imprten-
lo materia.
Por decreto de 17 do corrente foi demitlido do
cargo de director geral da segunda directora da
secretaria de estad' ; ,< ,ia puma o r
lenenl 4 J Marte da-Silva BUteneourt.
Foram condecorados, com a commenda da or-
dem de S. Bento de Avlz, o brigadeiro Jo da
Victoria Soares de Andrea ; e com o habito da
mesma ordem, o capitSo do estado-maior de pri-
meira classe Francisco Raphael de Mello Rogo.
Foram apresentados : na dignidad.' de arcedia-
no da S Metropolitana o conego Hmrquc de
/. 1 Brando, e na de chantre da mesma S o cone-
go Manoei Jorge Franco.
Foram concedidas as permutas das respectiv
igrejas aos parodies das fregnezias de Xos-a Se-
ndera da Coneeieoda Malta-Grande, da provincia
das Alagoas e bspadode Pernambueo, e de Santo
Antonio da Gloria, da provincia e arcebispado da
Baha ; e aos das freguezirs do Senlior Deui
nio de S. Flix e de S. Jorge dos lbeos, ambos
da provincia e arcebispado da Babia.
Foi aceita e confirmada a renuncia que fez o pa-
dre Dr Patricio Mouiz da igreja parochial de Mos-
sa Seuhora da Conceie/10 de Angra dos Reis, da
provincia edtoeese do Rio de Janeiro.
Foi naturalisado cidadao hrasileiro o snbd.it.
portuguez Vicente Ferreira (uimares.
Por decreta de 18 do crreme
Foi nomeado o bacharel Candido Rabello de
Araujo Palbares, jniz municipal e de orpb
termo deQaelnz, na provincia de S. Paulo.
Foram removidos :
O juiz de direito Sebastin Jos da Silva Braga,
da comarca do Alto-Meariui para a de ltotal
ambas de segunda cntrancia, na provincia do
ranhio, por assim n haver p. dido.
0 juiz de direito Ovidio Guilhtm, da comarca
deSanteremde primeira cntrancia na provincia
du Para, para a do Alto Mearim de segunda na do
Maranbo.
Foram destgnadas :
A comarcada Santarm, de primeira entranrij,
na provincia do Para, tiara neila ler exercicio o
jniz de direito avnlso Pranctseo de Parla tetos.
a do Ipu', de primeira cntrancia, na provincia
d 1 Cear, para neila ter exerrioio o juiz do direito
avnlso Francisco Ur ano da SHva Ribeiro.
21
A cmara dos deputados approvou hontem, sem
debate, em primeira discusso o projecto que au-
lorisa o governo a mandar pagar ao ex-soldado do
extint-to corpo de arlilharia de marinha, Joo Au-
touio de Carvalho, os vencimenlos que Ihe sao di-
vides, relativos ao tempo decorrido de 16 de feve-
iv!ro de 1*27 27 de agosto de 1828.
Coutinuou depois a discusso do artigo 2 do
projecto sobre a eompanbia da estrada de ferro de
I). Pedro !l. navegacao a vapor do rio S. Francisco
e prolougamento das aetuaes estradas de ferro.
Oraram os Srs. ministro da ag cultura, commer-
1 io e obras publicas, e C. Ottoni.
Occnpou-se em ultimo lugar com a discusso do
projecto de resposte falla do throno. Orou o S".
Bezerra Cavalcanti
Ambas as dfseossdes Bcaram adiadas pela hon.
Acham-se inscriptos com a palavra os Srs. Ra-
lisbona, Marlinbo Campos, Limpo de Abren, Mo-
reira, Dantas, Pamplona. Feitosa, Anseles Lobo,
C Madureira, Sonza Carvalho c Moreira Brando,
a favor ; o cernir, os Srs. Ferreira da Veiga, l'r-
bano, C nioy, Chagas Lobato, baro de S. Joo do
Rio-Claro, Bittenconrt Sampaio o Nery
lnscreveram-se mais o- Srs. Flores, Lobato, .\f-
fonso Celso, Andrade Pinto, Carlos Ribeiro, Lima
Duarte, Nenias, Pedro Luiz, Aragao e Mello c Lui;
Fiiippe.
Entrn hontem do Rio da Prata o paquete fr. n-
cez Saintonge, rom datas de Buenos-Ayres at 11
e Montevideo at lo do corrente.
A repblica argentina brava em paz, e em ne-
nhuma das suas provincia se dera snecesso m
ravel.
Em Boenos-Ayros, porra, eontinnavam as
cocs provinciaes a preoecupar os espintos. R
vida, segundo pareca, a quesio de que dgm
ticia, no sentido de se nao proceder nova .
perigosa no estado de exaltaeo em que se a-1 a-
vain os partidos,velo Iranstorntr os clenlos o fac 1
de renuncia de alguns senadores.
A assembla mandou ontao fazer nova ele
medida que lui san-vi ma 11 pelo governadoi
provincia.
Rereiavam-se novo- conflictos sangninolenl
0 presidente da repblica, porm, para evita-
entebolou negocia^des com ai dous clubs CmVi
. del Pueblo para faz-los chegar ambos a nm com
promi-so sobre a lista dos candidatos, e entri:
por decreto do 13 de maio sosponden -
mareadas para lo.
A Montevideo cliegou ao anouteccr do (> do
rente, a nossa fragata Amazonas, com a missa
pecial enviada ;."lo governo imperial ao do -t
oriental do Uruguay.
Xo dia 12 foi o Sr. conselhciro Saraiva rom I
das as honras recebido pelo presidente da repol li-
pa em aodiRncia solemne, c proferto por este ov :a-
.io o seguinte discurso :
1 Exm. Sr. presidente.A carta de Sua Map -
lade o Imperador do Brasil, meo angosto sol ra-
no, que timbo a honra de entregar a V. Exc, me
arredila e..mo sen enviaab extraordinario en
troplenipni nciarlojcnto ao governo da reptil
01 iental do Uruguay.
- Conseguir qae, por meio de ama poltica |
vidente, e eom perseveranca executada, seji
ranlidos os direitos c os interesses legtimos 1
meus concidadSos, domiciliados no interior da ic-
publica, tal Sr. presidente, o Objecte especial da
minha missio, e o vivo desejo do governo di
- ade.
S a adopcao dessa poltica dissipara todas as
eau-as 1 roxiojasou remotas, que de futuro pe
perturbar a 1 relaoSes de perfeite cordialidade que
Sna Ma resude o Imperador do Brasil tem 1
peito cultivar com esta repblica.
Nao ha esforco que demasiado seis, senh .
presidei te, para conciliar os rateresses de dous ^ -
se americanos, e assenter as su .-
r.di.'oe- mternacionaes em bases solidas e pero.; -
nenies.
> Pela minha parte farci quanto em mim coubcr
para qu : misso do que fui encarregado seja pn
ii :na ambos os palies ; e dar-me-hei por feliz se
cando a benevolencia de V. Exo., poder ter-
nar hora patente toda a nobreza dos sentimentos
do Imperad ir. qne nao cessa de fazet votos pela
paz e prosperidade da repblica oriental do Ir 1-
guay.i
O presidente da repablica rosponde nester lc-
mos :
Sr. ministro. Fica em minlias mos a carta
de Sua Magestede o Imperador do Brasil, que acre-
dita a V. Exc. como teu enviado extraordinari
ministro plenipotenciario junto do governo da re-
pblica.
O governo oriental, que nao tara podido 1.
pode deixar de rconhecer a reciproca convenien-
cia de manler a mais franca, leal e amigavel 1
cao com o de Sua Magestede o Imperador do Bra-
sil, p que er ler dado proras de sua solicitarle
para que esta boa relacao seja permanente c mal
t.ravel, recebe com saisfaco a missio oe V E
dirigida i tao imprtente objecto.
t Reconheco, como V. Exc, quo nenhnm esfor-
co se deve omittir da parte de ambos os govern -.
para que os interesses de dous estados limitrophes
e amigos sejam Brraeraentc garantidos por meio
de relacies interna.donaos, fundadas no franco
effectivo acatamento da Justina e do direito reci-
proco, no respeito do principi" de ordem e de au-
toridad", nicas bases solidas de una amizade sin-
cera e permanente.
Xo pode haver nem difliculdado nem perigo
para os direitos e interesses legtimos dos cidada .-
dos dous paizes, nem causas prximas ou re;::
capazes de perturbar as relacoes de perfeil 1
dialidade entre ambos os novas e governos, quand 1
estes se inspiram de urna poltica baseada na luci-
los principios, se essa poltica leal e persevsran-
temenle observada.
Portante, aceito e agradeen, Sr. miaistro, as
benvolas manifesiacoes le V. Exc, e assim como
'espero que a rectido e illuslrafo do enviado ex-
traordinario de Sua Magestade o Imperador do
Brasil gabera fazer patente a nobreza dos sentiineu-
los que animam o seu augusto soberano para com
este paiz, V. Exc. deve estar seguro de que o go-
verno oriental, consequente com suas declarace-
c com seus actos, ha de dar testemunho ao de Sna
Magestade da elevaco das suas ideas e da lealda-
do de seus sentimentos.
aguerra intestina que infelizmente contina a
assolar aquella repblica nao ha noticia de impor-
tancia.
Flores elTectivamente approximou-se da capital
al seis leguas de distanc a, mas sem emprchen-
der, como nao podia emprehender, nada contra
ella. Retirou-se immediatamente, e ultima data
conste va que llcava no departamento de Minas. Os
dous oxcrcitos em marchas e contramarchas. I
servavam-se sem vir as mos, e, afora alguns re-"
contros de partidas destacadas, nenhum fado oc-
correra.
No Paraguay tambem nao havia novidade. Con-
tinua va a activa organisacao e augmento do exer-
cito, e era lalvez isio que dava alguma consisten-
I
1E6VEL


Dlart
ca no boato de que o presidalo Lpez est dis-
pomlii as coasas par com o apoi do Brasil e da
Franca fazer-so prximamente acdamar rei ou ira-
per.idor, passo a que tatvez se seguissc a tentativa
de anaexicio de alguma provincia argentina.
S. M. o imperador, aeompaubado dos seas sema-
cu: ios, chegou hontert s 9 horas e JO minutos ao
arsenal de inannVi, onde demorouso at 10 l|i
visitando as otllcinas de machinas. Embarcando
onlo na sua galeota vapor, acompanhado dos
Srs. inspector do arsenal e chefes Parker e Lame-
go, seguio para ilta das Cobras visitar as ser-
raras a vapor e forliflcagoes. Dall foi S. M. para
a fortaleza de santa Cruz, de onde dirigise Ju-
rujuba e Praia de Fra.
Ao regressar estove ainda S. M. na fortaleza de
S. Juo;
? d* *rn*m%n** Signada fe Ira 3o de Malo Je 1 Jai.
iullu.i
os odios dos sectarios do alcoro contra o lunuso, revisao quu repugnara por muuo teui
sempre croscente, dos cstrangeiros. I maior parte dos governos.
Pert o da fronteira de Clef, nos confins da regen-1 principo Frederico de Hesse Cassel acaba do
ca recusaram-se os rabes a pagar a capitaoo' expedir um memorial conferencia de Londres.
de 7- piastras, pedindo a abolieao da constitu- para que na hypolhe.>e de se pr de parte o tratado
cao, e cxig.ndo a demissao do pruoeiro ministro, de 1852, sejam Atendido* os seus direilos even-
Mo>tapha kamadar, e de outros funcionario; Uiaes a succassSo do Holstein. Aloi deste preten-
julgou-se isu ura pequeo levantamento, que seria; denle o do in-inc.pe de Augustemburgo ha anda as
raulu eme vencido e subjugado. e o goveruo man- preienges da Russia, e do duque de Oldemburgo.
Tarhi hev na? E?,.! VT8 ** rdens de A ** decidir-se entre tantos in-
Tarhak-bej para submetter dscolos os mas astro- teressos desencontrados.
gflSSS ''^: cheflfoi-morto- MOTlld0i ~ Mr Layard sendo nterpellado na cmara dos
o rebelde, pe o que se lhe lam juntando avan- coinmuns por Mr. Macaulay sobre a questao do ro-
?w,saq?ea?d,* Proclawando a supremaca dos verno inglez com o Brasil, responden que nao ti-
ao islamismo, e a aboligo da cousli- nha recebidocommunicagoofflcial de que o Brasil
aceitasse a mediado de el-rei de Portugal uo con-
tuico.
governo fretou o vapor Lombardia da socieda-' flicto auglo-brsiTefro.
retirando lo* ** i i1,a,,a?a de aT4 corre.ios ''uo Parlio lo* a ~ P^'^ento francez foi prorogado at o dia
tarde, retirando-se logo_____ ^ receber tropas em Soussa. A revolta foi progrodin-, 19 de maio.
_____ ... .. i do, e o governo provenido do seu incremento fez' A commissao de orcamento reunise nara eta-
d&EKTi. EJ&rfWEffiEi aCl'Va" 0S W* m>itares. A guarnigao da minar as novas raodilieages subordinada^ do bu-
,-, rf n L'ana Je ? ad0 os "Rocos da capital consta de dous mil homens, mas medida dget rectificativo de 1864 e no ordinario de 1863
cuera, o Sr. tonente-gencral Joao Frederico Cald-|que a revolucio se generalisa. o seu ardor pela Estas modificados referera-se reauco da sS
. causa do bey vai esfriando. Diz-se que o clero tra-
. ---------- ; balba oceultaraente para excitar revolta.
rol exonerado era data de 17 do correute o ma- O pov queixa-se das extorses do bev. Para so
jor .lo corpo de estado-maior de 1* classe Joaquim pagar a consideravel divida do estado, determinou
da Nha Maia, do lugar de 2 ajudante de direc- o goveruo haalguns annos, que os habitantes das
tor do arsenal de guerra da curte, por assim ha- provincias pagassem 36 piastras por cada indivi-
ver pedido : sendo nomeado para substtui-lo inte- do maior de 15 annos de idade. Em seguida du-
rinamenle o capillo do mesmo corpo Jos Francis- plicou-se o imposto sendo elevado 72. O pro-
co Coelho. prielarios de bois e cavados haviam de contribuir
ma dos bonds do thesouro o a da metade do segun-
do dcimo do registro.
O governo transige com a modificarlo em virtu-
de de um systema mixto, consignado em projeclo de
lei especial; reduzindo-se metade do segundo dcimo
do registro a datar do Io dejulho do correte anno
e contina em vigor sobre os outros mpostos indi-
rectos na conformidade da lei de 23 de junho de
18o7. .Youtra proposta limita a somma dos bonds
p,w -..;, coni 108 piastras. Estas exigencias na verdade do thesouro em eirculago, que fora anteriormen-
Por portar a de 19 do correlo foi nomeado Jos vexatonas levaram os indgenas ao maior grao de le Osada em 250 uiilhoes em 200 milhes desde o
hduardo de Jess Cerqueira, para agente do cor- exasperaeao ; largaram as charras para pegar em 1 de dezembro de 1864
2? ?Jja-"W?', na Prncia e Min.as^eraes. aas. O ministro Mr. Konber respondendo a urna nter-
por demissao dada a Antonio Gregorio ds An- Era alguraas povoacoes do interior tem bavido pollacao de Mr. Berryer mernbro do corpo leisla-
dradc- aa ; saques e incendios horrorosos. A propaganda re- tivo, disse que a Franca somenle far a guerra
.,., 2! solucionara invadi a regeucia de Trpoli e para para defender a honra do paiz e assuas fronleras,
lliitem nao houve sessao no senado nem na .-a- deimmstrar o geral accordo com os sublevados, as e que o conllicto que existe no norte da Europa so-
niara dos deputados por falla de numero legal. i autoridades marroquinas de Masagran prohbiram gue n'um caminho pacifico
i.,r i r, .T--------. i o commercio cora os chnstos. L Chegou no dia 9 Caprera o general Gari-
Por decreto de 12 do corrente : O bey aperlado pelas circunstancias aboli o baldi, que havia acceitado
coi elevada rathegoria '
4re^J'drtr> pedmdo auxilio lundaJo uo tratado
de 185t).
A iinprensa moscovita mostra-se cada dia mais
hostil a f ran^-a,.. ,|iw Mita que entre o; gabine-
te- i raneeie iuo-coviu roniei-.irain a fomentar ara-
ves dasintellb;onoja*
Conwijaraju imp-jrtauta* oiwraoes nos principa-
dos danubiano. O Turcos foram UerroUdo a'um
encontr.
O governo do ducado da Meeklemburgo-Seh-
werin, promulgou urna lei coneedendo aos senho-
ros a faculdade de inflingir aos seus servos em
caso de negligencia no seu sorv^o a multa de 5
thalers, urna semana de prisao e 25 chibatadas,
com acoodiao de que o senlior, decretando a pe-
na, seja assistido do seu inspector ou do raestre-
escola.
A cmara baxa havia rejetado a le, mas foi
approvada pela cmara alta, o que se iulgou sufli-
ciente. e
J era 1853 um decreto especial harta augmen-
tado as dimensoes das chibatadas, e ainda esta em
vigor.
Es as bellezas do governo constitucional no du-
cado de Mecklemburgo-Schwerin !
O Mcntteur diz que o imperador recebeu do
gabinete de Washington explicares satisfactorias
sobre o sentido e o alcance da resolujao adoptada
pela cmara dos representantes dos Estados-Unidos
em relacao ao Mxico.
O senado americano addiou indefinidamente essa
resolujao, que v presidente em todo o caso nao
tencionava saoeconar.
O imperador Napoleao mandou construir um
yatcb a vapor com que tencona brindar a impera-
lndo Mxico, Olha do rei Leopoldo da Blgica.
Mr. i)elamarre redactor da Patria, e Svnerra
do Corutitucwnel foram condecorados coni a or-
dem de .\ossa Senhora da Guadelupe. Muitos func-
conanos e jornalistas francezes teem tambera re-
cebido conderoracoes mexiemas.
Havia em Ni
oria de seccao de batalhao. imposto contra que so reclama va, c suppnmio a Sutberland de o conduzir no seu yatch A visita do
3 do servio da reserva or-, constitnipao. Os estrang=eiros residentes refugia- general Londres foi, segundo parece inteiramen-
de N launa, da provincia do ram-se as casas dos respectivos consulados. Os te poltica. Custa a acreditar que um hornera de
a companhia avulsa n.
ganisada no municipio
Mamau.
Foi creado ura batalhao de infantaria de guar-
da uacionaes do servido activo, na freguezia de S.
Jos de Penal va, da provincia do Maranhao.
23
Foram naturalisado cidadSos brasileiros os sub-
ditos portuguezes Domiugos Teixeira Leal c Ma-
noel Francisco Ferreira Ramos.
y _________
Por decreto de 20 do corrente foram nomeados:
O bacharel Dario de Almeida Fortuna, juiz mu-
nicipal e de orpliaos do termo de S. Joao do Prin-
navios francezes, italianos e iriglezes, deserabarca-
rara mariulieiros para protegerem os seus nacio-
naes contra os excessos revolucionarias. Espe-
ram-se mais tres fragatas italianas, e alguus na-
vios de guerra hespanhoes, inglezes, francezes e
portuguezes.
Com os reforcos navaes de Malta e Toulon bre-
vemente se devem reunir em Tunes uns seis ou
oito mil homens, decididos e bem disciplinados, o
este numero julga-se sufflciente para affrontar os
ataques dos insurgentes. Vinle e tres tribus lune-
rinas se achara em formal nsurreicao.
Acred[la-se, porra, que em presenta das con-
tribus
. que .
fortissnna construccao, que tem supportado os tra-
balhos incruentos de muitas campanhas, se deixe
i suecumbir ao peso de algumas festas.
O governo italiano receia queGaribaldi prevalc-
cendo-se do enthusiasmo suscitado pela rccepgo
' de Londres emprehenda a iovasao do territorio
pontificio, e diz-se que faz preparativo para frus-
tar qualquer tentativa neste sentido.
O principe Napoleao escreveu una carta ao co-
mit veneziano, de Turin, fclicilaudo-o pela sua re-
cente brochura intitulada : Urgencia da questao
teneziana, em que declara que esta questao recia
ma prompta solugao, e faz ardentes voto pela iu-
comecanara a depeudeneia da Italia desde os Aloe at o Adria-
' tico.
-.ova-York grande consternaran
o conv.te do duque de peJa formdavel derrota que soffreu o general Banks
1 no M.sslssipi. O chefe federal confessou a perda
de 2,000 homens ; mas os separatistas afflrmam
que elle perder 14,000 homens; avalia-se porm
razoavelmente a perda em 7,000 homens, entre
morios, feridos e prisioneros. A cidade e o forte
de Pillow que cahio em poder das tropas do norte,
e a navegacao das suascanhoneiras.
O general separatista Forrester recebeu reforcos.
e dispoe-se a passar o rio Tenessee.
Est inminente urna batalha com as forcas do
general Lee.
Os confederados metteram no fundo tres caobo-
neiras federaos em frente de Plymoulh. Estao in-
0 lerrompidas as communicacoes com a Virginia por
-' causa das operacoes militares.
que jiediram ios cargos de i\ i; 4' e tf m>-
plenles do subdelegado da fivguozia de 3. Frei
Pedro Go.'ifalves Jo Recife ; a Antonio Aureliano
Lopes Coutinho Jnior d; & supplente do subde-
legado do 1" ditrii;to da de Xaz.irelh e a Antonio
Cantillo Peregrino David Madeira drs.ibdeleRado
do dislricto de Cursuhype 2' da freguezia de Agua
Preia e finalmente demittio-se pvr assim convir
ao servifo publico a Joaquim Lopes Delgado Leal
de i" supplente do subdelegado do i" dislricto da
freguezia do Bom Jardim sendo nomeados para os
cargos abaixo declarados os eidadaos seguimos :
Supplentes do subdelegado do Recife.
Io Manoel da Silva Mendouea Vianoa.
2* Octaviano de Soma Franga.
4- Joaquim Filippe da Cosu.
0 Amerlco Pessoa de Albuquerque.
l supplente do subdelegado do districto do
Bom Jardim.
Manoel da Motta Silveira Cavalcanti.
A lotera que se segu depois da que est
venda e a 94." a beneficio da igreja do apostlo S.
Pedro, que se extrahir a 10 de junho prximo.
No sabbadonao funceionou o tribunal do ju-
ry por fallado numero legal.
O Sr. Dr. Jos Soares de Azevedo, por deter-
minago da presidencia acha-se lendo na cadeira
de philosophia nacional e moral do Gymnasio.
Era consequenca disto, acha-se sobrestado o
concurso a que se a proceder da referida cadeira.
Hoje principia a segunda sessao ordinaria
da cmara municipal desta cidade.
Depois d'araanhaa se extrahir a ultima par-
te da segunda e pnmeira da terecira lotera da
igreja de N. S. do Carmo.
Remettem-nos o seguinte :
Suppomos que as leis municipaes nao aqtori-
sara o deposito de carrosas as mas, e por isso
chamamos a attencao do Sr. fiscal da freguezia de
S. Antonio para a ra do Rangel, que est constan-
temente obstruida por grande numero de carrocas,
em manifest prejuizo dos viandantes. V de 'es-
perar que o Sr. fiscal ponlia incontinenti termo a
semelhante abuso..
Tambera chamamos a attencao da polica para
esse grande numero de escravos que constante-
mente se poe a frente das msicas, que com grito
infernal acompanhado de pauladas e socos tanto
incommoda ao publico e as pessoas em formas.
Encetamos, na oitava pagina do nosso nu-
mero de hoje, a publiracao do novo romance do
Molf/iu-.O qne nhonho quirr : mas ha muita
gente que, em ?t-r raprtefra, il b -as cabreadas.

Pois V. Ese- Sr. Brasil, mpnndo as botas t
Quu hei de fazer. meu amigo ? A guerra ao
fuucciiialismo vai dar cabo dos meus criados ; ';
preciso que desdo j me habitu a sei \ir-me com 3
prata da casa.

Quando pens que vou me casar com Alfre-
do, temo por Gustavo.
E eu por Alfredo. Elle to bom !

MOGRESSO FRA.NCJSCAHO.
__ Onde vas, bom canoeim.
Sera temer fadiga e risco T
Vou ligar o su I ao norte
Com oiio de S. Fraocisco.
Quero mostrar os prodigio
ueste rio brasileiro.
Eia, pois boa vfem
Rema, rema, canoeiro !
191
AMOll aOM A.MOU SE PAGA.
Quer ver, minha senhora, o retrato de om
anjo f Mire-se neste espelho. Oque occuila elle ?
Provavelmente o diabo.
PHIAIKIllA VAIUACAO 80MI O THEMA.
Tu sabes, que no mundo nada me resta,
quando tu me faltas. Quasi nao tonho nada de es-
perar dos cos I
Minha senhora, desculpe o incommodo. V.
Exc. de corto me condece, cbaino-me Pinto.
Nao me lembro ter visto o senhor ; mas pa-
rece-me que ainda lia poucos dias ouvi pronunciar
muitas vvzes o seunoine na iiraca do mercado

Tendo fallecido, em urna das transactas verea-
{oes da illustrissima desla capital do imperio, um
venador muito distincto e respeitado, lembrou-se
um pretndeme de empregos lucrosos de alcancar
para si o lugar vago.
Conhecia o presidente da illustrissima de ento,
hornera de coma, peso e medida. Tira-se de seus
cuidados, e vai |iedr-lhe a vaga querida.
Sou casado, excellenlissimo, pai de numerosa
familia, cidadao livre de culpa e pena, como poss
provar em tolda corrida. Desojo, oh se desojo,
ugar que me dizem ser de mais de dez cornos.
cipe, na provincia do Cear.
O bacharel Francisco Jaciutho de Sampaio, juiz versoes feitas pelo bey, a
municipal e de orphos do termo de S. Miguel, na -offerecera sua submisso.
provincia das Alagoas ; A Franca na Argelia representa, como o bey
O bacharel Joaquim Jos Gomes, juiz municipal do Tunes q elemento civilisada no norte da Afr- atacado de urna forte erysipela na perna
o de orphos dos termos reunidos de Santa Luzia ca. Era natural que o reaccionarios mahometanos e intensa febre. No dia" 7 ia melhor e recebeu o l {reen-bank rinr^r"37~aK5I aT
,sp,r.toSa..to, na provincia de Sergipe; se pronunc.assem contra as duas potencias ; era archiduque Carlos Luiz d-Austria. Anda que o J,Uelle estado. Via noticia causn muita Saca.
O jornaes de Riehmond annunciam que se com-
pletou o armamento de urna formidavel esquadra
couracada. Os confederados achavam-se prepara-
S2d l d C?rr.tnte SUa, sanlldade -achava-se \ dos para a prxima campanl.a. V V
esquerda| A legislatura de Nova York lenciona pagar em
O bacharel Jos Francisco Lopes Lima, juiz mu-
nicipal e do orphos do termo da Divina Pastora,
na provincia de Sergipe;
O bacharel Joo Augusto Faria de Abreu Lima,
uiz municipal e de orphos do termo de Piratiny,
na provincia de S. Pedro do Rio Grande do Sul;
O major reformado Pedro Honorato Correa de
Miranda, para coronel commaudante superior da
guarda nacional do municipio de Igarapemirim da
provincia do Para;
u tenente-coronel Jos Olympio Pereira, para
coronel coimuandaute superior da guarda nacio-
nal dos municipios de Chaves, Soure e Monsaras,
uaiiiesma provincia;
o alfares Joao Cauco de Be hernia Sampaio, para
tenene-coronel eouiuiandante do batalhao n. 22 da
guarda nacional da raesma provincia;
Francisco Lonrenco de Araujo, para tenentec e-
i'onel coraraandante do batalhao de infantaria n.
24 da guarda nacional da provincia da Babia;
Antonio Mondes da Costa, para tenente-coronel
chefe do estado maior do commando superior da
guarda nacional dos municipios de Jacarehy e an-
nexos da provincia de S. Paulo;
Joaquim Finta de Car val lio, para major com- emboscada de_Acir-Bouheker quando os hraas do
mandante da seccao do batalhao da reserva n. l
de esperar a nsurreicao dos rabes em Argelia
coincidindo com a revolta tnnerina.
O Moniteur dAlgerie do 26 contera urna notaoffi-
cial dizendo que os Ouled e os Harin nos distrie-
tos de Tinzet e de Bayar se haviam insurgido
sorpreudendo um esquadrao de spaleis. Os Ouled
foram repellidos de Taquin. Pozeram-se em mar-
cha para repellir a revolclo quatro columna
francezas.
Alguns fanticos haviam pregado a guerra san-
ta, aniuinciando que o Moulraa (Messias dos mu-
sulmanos) havia de apparecer neste anno para li-
bertar os rabes do jugo francez. Felizmente
suas palavras nao encontraran! grande echo.
seu estado actual nao seja mo, nao se julga que
possa resistir to repetidos ataques.
A Gazete de Colonia, desmente o boato da pro-
vavel eleico do principe Luciano Bonaporte, ao
summo-pontilicado ; pois o papa nao pode ser p-
rente de nenhuma dynastia reinante. Desraente
tambera o boato que corria de que Mgr. Meado ia
ser nomeado nuncio no Mxico, e affirma que nao
ha idea alguma de o affastar de Roma.
Esfriaram as grandes esperanzas da enria roma-
na sobre a docilidade do imperador do Mxico,
pois este, sendo sondado pelo cardeal Antonelli
as acerca de urna concordata, respondu que nao en-
trara era ajuste algum antes deestudar a situaco
Emliarcaram om Marselha e Toulon os regi- c necessidades do paiz cuja gerencia lhe lora col-
menlos de infantaria ns. 77 e 87. Um corpo de in- fiada.
digenas que devia embarcar em Oran para Franca Acha-se em Pars e foi recebdo pelo imperador
recebeu contra ordem. Dia-se que ia embarcar Napoleao, o ministro da marinha italiano general
um regiment que faz guarnido em Civita-Vec- Mensbrea.
cha para se dirigir pan Oran. As forcas mandadas
da Argelia para o Mxico proJuzram um desfal-
que de dez mil homens que as actuaes cireums-
tancias preciso preeneber promptaraente.
Os Ouled-Sid-Cheik sublevaram-se depois da
da guarda nacional da raesma provincia;
Foram concedidas :
Ao tenente-coronel reformado da guarda nacio-
nal da provincia da Bahia, Innocencio VieiraTosta,
mell.oramenlo de reforma no posto de coronel;
Ao capito da guardi nacional da mesma pro-
vincia, Raymundo llibeiro de Novaes, reforma no
posto de major;
Ao coronel commaudante superior da guarda
nacional dos municipios do Rio Preto e Parahy-
buoa, da provincia de Minas Geraes, Francisco de
Paula Lima, reforma no mesmo posto;
Ao lente reformado da guarda nacional da
provincia de 8. Pedro do Rio Grande do Sul, Jos
Maria de Souza, mellioramenlo de reforma no pos-
to de capito.
Foram creados :
l'ni commando superior de guardas nacionaes
no municipio de Igarapemirim, na provincia do
Para ;
l'm dito nos municipios de Chaves, Soure e Mon-
saras, da mesma provincia;
Foi elevada categora de scelo de batalhao
a seccao de companhia da guarda nacional de ser-
vico da reserva, orauisada na freguezias de Jta-
pe'va e Paranapanema, da provincia de S. Paulo.
P.lo ministerio da blenda communcou-se pre
sidencia da provincia de Pernarabuco, para sen co-
nl.eeimento e lins convenientes que, lendo S. M. o
Imperador mandado que a secgo de fazenda do
ci ii.-ciho de estado consullasse com o seu parecer
sobre a alteraco dos estatuios do novo banco de
!' niiinbuco, requerida pela directora, que mos-
ti ni ter sido unnimemente autorisada pela assem-
bla geral dos accionistas para sollicitar a altera-
cao dos estatutos do dito banco, em ordem a jtoder
ser a sua emissao, segundo entender conveniente,
no todo ou em parte garantida, oa pela forma es'
tipulada nos estatutos do banco ou pela permittida
\ \."da le n. 1083 de 22 de agosto de 1860 c art.
> do decreto n. 2685 de 10 denocembro do mesmo
'miio:epede a approvaco desta alterado para
pie possa ella augmentar'ou diminuir a somma dos
Ututos da garanta da emissdo propoirao que jul-
gar conveniente. houve por bem o mesmo augusto
Senhor, couformando-se com o parecer da dita sec-
de fazenda do 1." de fevereiro deste anno, de-
terminar por sua inmediata e imaerial resolucao
do:; do dito mez e anno que, sendo o sentido das
palavras que ficara transcriptas to ambiguo e
confuso, nao pode o governo imperial resolver
ii i da reforma dos estatutos que pretende a
directora sera que ella a formule em artigos e a
torne mais intelligivel.
b'-se no Mmos Geraes de Ouro Preto de 17 do
"oriente :
Da Diamantina communicam-nos o seguinte :
Teve lugar no dia l."do corrente asolemnida-
de da sagracao do hispo. A festa esteve brilhante,
mas m incidente contristador fez que mais de
urna lacrima se derramasse n'um recinto onde s
devia reinar prazer e alegra.
O conego Maneel dos Santos Ferreira, nao po-
dendo resistir ao desejo de dar um publico tesle-
munho da araizade que consagra ao Sr. D. Joao
Antonio dos Santos, subi ao pulpito, em estado de
grave incommodo de saude, despeito das instan-
cias dos medico e dos dous bispos presentes, para
que desististe de seu intento.
Apezar dlsso fez brillantemente o exordio,
mas ao entrar na peroraco foi acommeltido de
duas syncopi-s, sendo que na segunda perdeit de
t jilo os sentidos e caho. Soceorrido immediata-
mente, roltou a si e anda concluio o discurso do
modo o mais satisfatorio.
O Sr. conego Santos contina doente ; mas ha
esperanzas deque se reslabeleca.
No ultimo consistorio o SS. P. Pi IX pronunciou
a seguinte allocuco, favor dos Polacos e contra
o imperador da Russia :
O sangue dos fracos e dos innocentes clama
por vinganca ante o throno do Eterno, contra os
que o derramara. E era nossos dias nao vemos
districto de Fiaret sorprenderam e destruirara o tambera ura sangue innocente, derramado em um
destacamento do coronel Beauprtre. Esle exem- paiz catholico, na desgranada Polonia, onde esla
po foi logo seguido pelos breld-chail do districto mesma religiao catholica, peta qual S. Fidelis deu
do Boghac; maltrataran um pelota de spaleis a vida, to cruebnente perseguida ? Teria des-
juto Taqun, e assassinaram os soldados disper- jado nao alludir ao assumpto antes do prximo
so que encontraram. A tranquilidade, porm, nao consistorio ; porm recelo, guardando por mais
foi alterada no populoso districto do Tell, o nao ha tempoo silencio, attrahir sobre mim a puuieo re-
per ora receio de que os fanticos consigam suble- leste, annundada pelos prophetas aos que deixam
var as tribus onde os Francezes vo apparecer em consummar a iniquidade : vw mihi quite tacut. A
forcas. consciencia forca-me a levantar a voz contra o so-
0 general Martincau de Chenez marchou fren- berano potente, cujos estados chegam ao polo. Ou-
tc de una forte columna para Geriville. '. vi
O general de Signy parti de Oran com una i Esse altivo monarcha, que ousa tambera cha-
brigada, entrou em Prendad, e marchou deste pon- mar-se catdohco, achaud se fra da nossa santa
lo sobre Geriville, porm inetteu os sublevados egreja, olvida o juizo de Deus, que o aguarda pelo:,
entre dous jugos. Consta que o general Marlraeau seus maleficios. Persegue esse monarcha com fe-
batteu os rabes junto Geriville. roz entoldado a naeo polaca ; e emprehendeu a
O marocha! Felinice prorlamuu aos rabes o tarefa impia de extirpar a religiao catholica da Po-
kalgles.annunciando que nao tardara o castigo lonia, e de introduzir all o scUma Tivafaroa.
daquelle que Si-Selimau havia corrompido e des- O sacerdotes desse povo catholico sao violenta-
vairado ; que o governo acudi com promptidaO mente arrancados ao seu rebanho ; outros sao des-
ao sitio onde se acharam os insurgentes, e que em terrados ; outros condemnados gales ou traba-
breve seriam reduzidos a entregar-se discripcao. Idos infamantes. Felizes os que poderam fugir, e
Parece, porra, que a nsurreicao nao to insig- que divagam sera asylo na trra estrangeira I As
nieante como se inculcou e que nao ser fcil suf- egrejas sao profanadas, outras encerradas, por (al-
foca-la em poucos dias. ta de sacerdotes. Einfim, assumio esse arrogante
...a -seusacao
principalmente na Allemanba que possue muitos
fuudos federaos, e soffre consideravelmente com
esta especie de baucarota, principalmente se esle
exemplo se generalisar.
Por noticias da China de 26 de margo coasta
que os insurgentes vo poniendo terreno dlante das
tropas imperiaes, disciplinadas pelo major Gondon.
unas cidade importantes da provincia de Nan-
kin foram oceupadas por essa forca e a por cerco
capital, quartel general dos rebeldes taipiogs.
As noticias do Japo mostrara que o laicoou
se acha influenciado pelos iramigos dos europeus.
A sua retirada para Miacko no interior colloca-o
raerc dos reaccionarios. O empenho do dairaio
consiste era expellir as nacOes civilisadas de quasi
todas as partes do Japo, perraittindo apenas o
commercio em duas das mais insignificantes.
Consta que era Nagazaki foimui maltratado pe-
los Indgenas um subdito inglez.
A embaixada japoneza, actualmente em Paris,
traz instroecSes do seu governo para obter da
Franca e da Inglaterra modificacoes nos tratados de
commercio no sentido restrictivo.
Parece porm que apezar dos ricos presentes
destinados ao imperador o a rainha Victoria, Mr.
Drouyn de Lhuys e lord John Russell, acham-se de
accordo para regeitar as pretencoes do taicow.
As cmaras em Portugal iam ser novamente
prorogadas. O projecto de lei que regula a lber
dade do commercio do tabaco, fora approvado na
cmara dos deputados ; soffrera alteracoes impor-
tantes na cmara hereditaria, e vollou outravez
cmara electiva onde passaram essas alterayoes
por grande raaiora.
o principe de Joinvlle tinha sabido de Lis-
boa.
U governo o as cortes haviam recusado aos e.c2
ldante da universidade de Coimbra o perdao de
acto que esperavam era coininemorago do nasci-
meuto do priucipe real ;s estudantes retiraram-
se |iara o Porto ; as aulas licarara desertas por
muitos dias, mas por lira cederam s sollicitaeoes
do vice-reitor que paternalmente Ibes aconselhara
o regresso aos bancos da academia.
Foi autorisado o governo para contratar o cami-
nho do ferro do Porto Braga.
Comeoavam os preparativos que as prximas
eleieoes.
abalisado escriptor Camillo Castello Braneo, A fi- P, ?" Pr^?e ""MiMiMlWO, petas almas
Uta do Dr. Negro, qm cm nada desmerece em cora- ** "Sa*S?Si' ,.
paragao com os demais que ja temos publicado,
e que to bem acolhidos foram pelos eitores. dia-
do que agra-
0 marecdal Pelipier diz-se que teaciona mar- potentado faculdades, que o proprio vigano de PtI vaI,or hrasileiro Oyapock,
c.har contra o revoltoso se as columnas que con-
tra elles se dirigem nao os nvolverem prompta-
mente. : predilecto, arcebispo de Varsovia, atreve-se
Um telegrammade Londres datado de 5 diz mitti-lo do cargo que lhe confiamos!
recebemos jor-
Christo nao possue : depois de ha'ver desterrado, naes do sul do imperio com datas : do Rio Janeiro
mantido om capliveiro, ha um anno, o uosso lilho! **< da "ai"a 2e de Alagoas 28 do corrente.
a de-
c Laucando e opprobrio contra actos semelhan-
tes, nao entendemos dar incentivo revoluco eu-
ropea. Sabemos bem estabelecer dilTerenga" entre
a revoluco social, e os legtimos direilos
nardo, que luta pela independencia, e
ligo. Estigmalisando os perseguidora
licismo, cumpriraos um dever >a.'ra laa |pp>s-
ciencia. E' por tal motivo, que julguei deveTcom-
inunicar-vos as tristes noticias recekidas desse des-
granado paiz, em prol do qual (levemos redobrar
car, duque de Ostrogothia e irno do rei.
O governo austraco declarou que nao tinha ten-
cao de mandar a esquadra para o Bltico mas que
se limitara a proteger os navios mercantes allo-
mes no mar do norte contra as hostilidades da Di-
namarca.
Em Rendsburgo urna reuniao nacional do 5,500
rotos pede a independencia dos ducados sob o do-
minio do priucipe Augustemburgo.
O jornaes prusaanos dizera que s> governo nao
deve querer saber do principe de Augustemburgo
e dos seus conselberos; que o suffragio universal
nao resol ve cousa alguma, e que a unio pessoal
dos ducados com a Dinamarca concesso inad-
raissivd.
Ora excluindo todas estas solucoes s resta o do
protectorado do rei Guilherme, e taes parecem ser
i as vistas intimas.
Diz-se que a Prussia e a Austria, proporao a
'conferencia de Londres, a unio poltica dos dous
, ducados, a instituido de urna dieta de represen-
! tes do Scbleswig o do Ilolestein, o indigenato com-
; mura para os habitantes dos ducados ; a construc-
Temos visto cartas e jornaes da Europa, dos c do projectado canal enlre o mar do norle e o
quaes foi portador o vapor inglez Paran, com Bltico ligando Husun e Scheleswig; a conver-
datas : de Haraburgo 5, de Londres 7, do Porto II, sao de Rendsburgo em fortaleza federal, e o paga-
e de Lisboa 13 do corrente. ment de todas as despezas da guerra pela Dina-
Na parte Exterior encoulraio os leilores ae marca,
cartas de nossos coirespondentes de Hamburgo s Diz-se que Mr. i ismark, nnni
que o conde Russell annuncira cmara dos pa-
res que a conferencia aceitn o trasudo por um
mez sobre a base mli pos$Atttt> e com a suspen-
sao do bloqueio.
Os ministros do interior e da justica da Dina-
marca pediram a sua demissao descontentes pela
medida que manda levantar o bloqueio.
A conferencia que eslava adiada esperando as
instruccoes das potencias empenhadas na luta pode
a^ora comegar o seus t rabal hos.
Lord Grey na sessao do dia 10 annuncipu que I no fervor das oraees. Declaramos, pois, qne da-
os Dinamarquezes haviam no dia 9 battido a es- mos a nossa benfo apostlica a lodos os que boje
qnadra austraca ; esta noticia foi receida com rezarem pela Polonia. Oremos todos por ella!
applausos prolongados pela cmara. Este discurso foi proferido ora presenca do arebi-
Os Prussianos oceupam todo o territorio de Ju-1 duque Leopoldo, irino do imperador d'Ausiria, da
tlandia. Os Dinamarquezes evacuaram Fredericia i infanta D. Isabel Mara de Braganca, ta deS. M.
levando comsgo grande quantidade do material de \ \. D. Pedro II, e de quatorze cardeaes.
guerra, municoes, e deixando encravadas as pegas o encarregado do negocios da Russia em Roma
que nao poderam levar, o tudo inutilizado. Os al- pedio explicacoes sobre as intencoes do discurso,
liados pSem a praca em estado de defeza. o cardeal Antonelli respondu def endendo o direi-
A provincia de Jutlanda pagou urna contribu-' t0 que o papa tem de apreciar as oceurrenca se-
go de guerra de 72 rail libras. Todos os funecio- gundo entender.
narios que se quzeram oppr aquella contribuico o throno do rei Jorge da Grecia parece aba-
forcada foram presos na fortaleza de Rendisburgo. lado pela anarchia, pela indisciplina e pela desmo-
A apparico da esquadra austraca no canal de S. ralisaeSo : grita-se contra o conde Sponnecfc, pe-
James sobresalteu o governo inglez que deu or- de-se a sua expulso da Grecia ; as autoridades
dem para que urna esquadra ingleza estacionaste sao desobdecidas, nao se pagara impostos, nao ha
as Dunas 5 horas de Bltico ; se a Allemanha in- confianza no futuro.
tentasse contra a integridade da Dinamarca, a es- o ministerio Canaris, que se suppunha habilita-
quadra entrara lago no Bltico. do para reprimir a anarchia demittio-se, sendo
No dia 15 deviam estar reunidos em Gotbembur- nomeado um novo gabinete, segundo se julga, sob
go (Suecia) sendo coraraandados pelo principe Os- a influencia ingleza.
DIARIO DE PERNAMBUCO
Londres.
Da leitur dos jornaes colhomos o que segu :
E' gravissiraa a situago de Tunes. A subleva-
do geral, e o insurgentes acharase un dia
''e marcha da capital. O bey, Sidi-Mahomed-Es.-a-
dok promulgara lia annos ama constituida* libe-
ral, appropriada ao estado sod il do seu paiz. Re-
formon-se a legslaco rgida do cdigo musulma-
no, foram chamados aos consellios do etodo ho-
mens tolerantes e (lustrados, o bey ouvo com at-
teneo o conseldo dos europeus. Esto progresse
i'i ferir os preconceitos c abuso indgenas, exci-
tando a animadverso dos. ulemas.
Os deseontenlM esperaram enrejo proprio para
a roaego, deixanio anuntoar os resent nenio e
do rei da
I Prussia etabolara negociaces secretas cem o ga-
binete dinamarquez para'obter a annexago do
Holstein Prussia mediante o abandono da Dina-
marca.
A Dinamarca que nao liga grande mpotanca
ao Holstein poda entrar em ajustes c.om a Prussia;
mas oppoe-se a annexacio o direto histrico do
Scbleswig-llolslen, a iodissolnbilidade perpetua dos
ducados, e o direto da snecossao, e a integridade
da Dinamarca cujos interesses se tratam na confe-
rencia.
Jl Franca nao prescindira de certo de pedir
compensares no Rheno em troca da sua adueso
indicada annexacio. Esta annexago vio o pri-
meiro pusso para a reviso do mappa da Europa,
O novo gabinete assim composto :
Presidente do conseibo c ministro de (mancas,
Baln ;
Do interior, Angorino;
Dajustica, Papazephyropoulos ;
Da guerra, Zimbrakalsi;
Da marinha, Canaris;
Dos negocios estrangeiros, Caligas.
Julga-se que os comniaiidanles dos navios fran-
cezes e inglezes esto de accordo para desembar-
caren!, em caso de necessidade. torgas que defen-
dessemo banco de qualquer attentado
Est decidida a excurso da imperatriz da
Russia Kiningen, na Allemanha. Ser acompa-
nhada pelo czar, e creio que o imperador Francis-
co Jos e o rci da Prussia se avistaro com o im-
perador Alexandre.
Desta entrevista parara comentarios sobre urna
allianca intima das tres potencias ; mas a Preste,
do Vienna, ailudiodo aos boatos do entrevista, diz
3M se pode afiirmar que, pelo emquanto nada ha
e positivo tal respoito ; que certo que o im-
perador e a imperatriz d'Austria partem para Ki-
ningen om lins de maio, mas nao verdade que o
imperador e a imperatriz da Hussia cheguom -
quella cidade 15 de maio como se dizia, mas em
meados de junho, o que nao possivel que o im-
perador da Austria se demore lano tempo fra da
capital.
E' porm certo, que o imperador d'Austria deve
visitar o imperador da Rosare, quando apparecer
em Kiningen, mas desta entrevista dos dous mo-
narcha nao se pode afiirmar com certeza que ce-
lebran urna allianca, pois j se tem avistado algu-j
mas vezes sera d'ahi resultar combnacao alguma '
neste sentido.
O general Melrcbne foi pessoalmente inspeccio-1
nar o exercito russo estacionado na fronteira de
Renarabki, que se calcula em cem mil homens. OI
governo russo conyahio na Hollanda um empies-
timo de 150milh5es de francos.
da
O que occorreu de importante no Rio e su
erle vai transcripto aoh a rubrica Interior.
Espihito-Sasto.A apurago final le todos os
eollegosda em resultado 77 votas aoSr. Jos Mar-
celino Pereira de Vasconcellos, que definitivamen-
te o deputado assembla geral era substtuico
ao fallecido desembargador Souto.
Baha.A rolaco dos collegos de Nazaretli, Ita-
parca, Jaguaripe, Valenga, Jequrig, Camam,'
Porto Seguro e Tapera deu em resultado 318 vo-!
tos para o Dr. Pedro Antonio Faleo Brando, que j
incoiitestavelmenlfi o deputado a assembla ge-
ral, pelo ;i. districto.
Falleceram os Drs. em medicina Manoel
Caetano da Silva e Joo Isidro de Souza.
O Instituto Histrico elegeu sua nova meza
administrativa, que icou assim comj.osla :
Presidente.Exm. Arcebispo.
1. vice-presideute.Ur. Jos de Ges Siqueira.
S.* dito.Dr. Francisco Jos da Rocha.
1. secretario.Manoel Correa Garca.
2". dito. Pompibo Manoel de Castro.
Thesoureiro.Luz Olympio Telles de Menezes.
Orador Fr. Francisco da Malornida de Carneiro
da Canha.
Depois do urna nova prorogagio de 5 dias,
foram encerrados os trabadlos da assembla pro-
vincial, no dia 20 do corresta.
Durante os ltimos dias reinou fra da barra
rao tempo tal que fez arribar a sumaca Hortencia
o o patacho UUsses, poucas horas depois de terem
sabido, a barca hamburgueza D. Julio, em viagera
do Per (Pisagu) para Falmonth. e impossibilitou
de sahirera os navios portuguez Fernando I, sueco
Astrid, prussiano Melly e nacional Carolina.
L-se no Jornal :
O Sr. Dr. Jos de Goes Siqueira, lente de pa-
tologa geral apresentou congregago da facul-
dade de medicina, em 24 do corrente, a seguinte
proposta, que foi unanimente approvada.
Proponho que a congregago, por intermedio
do Sr. conselheiro directordirija-so ao Sr. cense-
Iheiro Antonio Policarpb Cabral, dando-lhc o pa-
rabem pela jntilago,que a seu pedidoconce-
deu-lhe o governo imperial, e manifestando ao
mesmo tempo a consideragao e aprego, em que ella
tem os valiosos e importantes servigos, que por
mais de 30 annos o distincto professor preslou ao
ensino e a esla faculdade, e por consegrante, o sen-
limenlo, que experimenta por ver-se privada de
recebor constantemente o pr^ioso concurso de
suas luze.s e experiencia. >
Sergifu.No dia 19 do corrente a assembla
provincial dirigi ao presidente da provincia urna
felicitagao pelo modo digno e justiceiro porque tem
administrado a provincia.
Alagoas.Perdeu-se, na altura da barra do Ga-
mella, a barcaga Flor do Mar,ie Pernarabuco para
S. Miuuel de < ampos, nada se salvando da carga
no valor de 60:0004
A's 5 horas da manha de 19 do corrente, o
corneta Joo, do 8 batalhao de linda, deu seis
bayonetadas em sua amazia Alexandnna, por era-
mos, na capital.
No dia 20 foram approhendidas 56 saccas de
algodo, por contorom dnas 12 libras de sementes
e as outras 6 arrobas de ditas.
maraos a attencao para elle, certos
dar.
Alguns moradores do largo das Cinco-Pon-
tas, pra frente da esiaco da va frrea, se nos
queixam de serera victimas dos ladres de gali-
nhas, que saltam por sobre os mtiro para furla-
rem-as. A' polica de S. Jos apresentamos a quei-
xa, para que providencie.
_ Chegou sabbado de Glascow. por Lisboa e S. !
Vicente, o pequeo vapor Ftying Fisli, de 60 tone-
ladas, qne se destina Montevideo. O nasio foi
construido em Liverpool, tem 103 ps de comprt-
mento sobre 13 de largura e cala 10 ps d'agua ;
todo de ferro c deve servir para passeio nos rios
de Montevideo. Veio nosso porto tomar carvo
e segu para seu destino.
O vapor inglez Paran trouxe seu bordo da
Europa, 130 passageiros, sendo ; para Pernara-
buco e 126 para o sul.
Passageiros do vapor Oi/apock, entrado do
Rio de Janeiro: Jos Joo de morim, D. Franco-
lina Albuquerque Bandeira de Mello e sua tia I).
Manoella de Hollanda Cavalcante de Albuquerque,
Dr. Joo Henrique Mafra, Dr. Jos dos Santos Sil-
veira, tenente Jos Paulo de Miranda, Antonio Fe-
lix Fernandes, Aureliano Augusto S. Surana, C-
lao G. de Castro e um escravo, Manoel T. da Cruz,
Jos Luiz Vieira, o l.j lente Octaviano A. V. de
Oliveira, P. Aureliano da Cruz Muniz, Alice, An-
tonio Alves de Carvaho Noves e 1 escravo, Fran-
cisco V. de Carvaho, J. Pedroso de Lima, J. An-
tonio Martins, Manoel Ferreira da Silva Chaves, H.
Loive. Jeorge A Bradlev. 1 praga, D. Josepdina
Anglica Rodrigues, Cici-ro B. de Mello, 1 escrava
de Jos Mondes de Freltas, 1 escravo de L Rodri-
gues, Joaquim dos Prazeres Lima, Claudino Ro-
drigues Dura, Antonio Jos da Costa Araujo, Jos
Antonio do Xasciinento, Pedro Delfim de Aguiar, !
Antonio Juveneio dos Prazeres, Francisco B. de
Albuquenpjo Bastos, Balthazar Jos de Magaldes
Bastos, Joao Nones Frigueiras. Ignacio Jos Pesta-
a Jnior. Tiburcio Alves de Carvaho, Antonio
Ferreira Pralo, Antonio Teixeira Pinto, Manoel de
Vascon ado Jnior, Domingos Jos de S. Peixoto,
Antonio Ribeiro Cavalcante e 1 escravo, Pedro da
Silva Reg, Jorge H. Raefry.
Seguem para o norte : Senador Joaquim Pe-
reira da Silva Souza, Miguel Cavalcante Gomes,
sua senhora e -4 lilbos, I). Marianna dos Pastas o
sua Una, Micdael Redney, Fr. Manoel da Nalivi-
dade Azevedo, J. Baptista do Carvaho, Alberto
Cumberaevth, Jos Leite Ribeiro c filho e 4 ex-
pragas.
REPARTICAO DA POLICA.
Extracto das partes do dia 28 de maio de
1864.
Foram recolbidos casa de detengo no dia 27
de maio:
A ordem do Illm. Sr. Dr. chefe de polica, Ma-
noel Gomes de Mattos, Joo Lourengo de Sant'Au-
na, vindo do Limoeiro, por estarera processados'.
alli ; Antonio Joaquim Ferreira Jnior, Benedicto j
Joo Quaresma e Victorino dos Santos, vindos da
provincia da Parahiba como sentenciados.
A ordem do Dr. delegado da capital, Francisco,
escravo de Manoel Francisco Duarle, por briga.
A ordem do subdelegado do Recife, Manoel Faus-
tino Ferreira, e Manoel Jos da Rocha, ambos sem
declaraco do motivo.
A ordem do de Santo Antonio, Manoel Domin-
gues Ramos, por disturbios.
A erdem do de S. Jos, Jos Carneiro Monteiro,
e Antonio Xetto Ferreira, ambos por infraeco de
posturas.
A ordem do da Boa-Vista, Severino, escra\o de
Francisco Martins Raposo, por ferimentos.
A ordem do da Magdalena, Joaquim Bento de
Souza, para correego.
O chefe da 2" secgo,
J. G. de Mesquita.
Passageiros do vapor inglezP Southamptou e portos intermedios :Eduard Mer-
rifeiid, Francisco Casales, Lourengo de Freitas
Guimares, Lucas da Silva Antunes.
Segu para o sul: Ferrant Pierre.
Obituario do da 25 de maio, no cemiterio
publico :
Caudida Rosa de Jess, Pernambuce, 68 annos,
viuva, S. Antonio; apoplexia fulminante.
Amelia, Pernarabuco, 9 annos, Boa-Vista ; den-
tigo.
Manoel Jos de Sanl'Anna, Rio Grande do Norte,
20 annos, solteiro, Boa-Vista ; tubrculo pul-
monar.
Rosa Maria, frica, 28 annos, solteira, Boa-Vista ;
gastro intente.
Leopoldina Lidia da Silva Barros, Pernarabuco. l
annos, solteira, S. Antonio; boxigas.
Maria Joanna de Alraeida, Pernarabuco, 89 annos,
viuva, S. Jos ; diarrhea.
Ignacia Maria da Conceigo, Pernamduco, 50 an-
nos, viuva, S. Jos ; febre perniciosa.
Bernardino de Sena, Pernambuco, 25 annos, sol-
teiro, Boa-Vista; anazarca,
26 -
Manoel, Pernambuco, 3 mezes, Recife ; sarampo.
Milito Jos de Miranda, Bahia, 25 annos, solteiro,
Boa-Vista ; suicidado com um tiro de pistola.
Mara Fausta da Conceigo Pedroza, Pernambuco,
21 annos, casada, S. Antonio; pthysica pulmonar.
27 -
Henrique, escravo, 10 mezes, S. Antonio; convul-
goes.
Domingos Joaquim de Mello, Pernambuco, 30 an-
nos, solteiro, S. Antonio; febre maligna.
Marta, escrava, 50 annos, solteira, Boa-Vista ;con-
gesto cerebral.
Philomena, escrava, 13 annos, solteira, S. Anto-
nio ; hypetrophia.
Antonio, "escravo, frica, 50 annos, solteiro, S. An-
tonio ; gastro interrte.
Benedicto, escravo, 11 annos, Recife ; anemia.
Candida, Pernambuco, 2 annos, S. Jos ; couvul-
goes.
.. conse-
guir racilniente o que tanto col.iga : diz-lde em
gargaldadas o patDSM do presidente. Eu nao pos-
so deferido ; se podesse eslava servido. Bequeira
ao povo as prximas eleieoes de setombro.
Ora I ora J tai oae asta empenhado por
outro candidato. O lugar convida___ paciencia f
Vou esperar melhor mar.
CllROMQ _JUDIGMU4
ri'!tii!i'.v\L do conmEiicio.
SESSAO ADMINISTRATIVA EM 27 DE
MAIO DE 1864.
PRESIDKNCIA do KXM. Sil. co.nselheiro
SOl'Z A.
As 10 horas da manlia, reunidos os Srs. depu-
tados Reg, Lomos, Alcofora lo e Rosa, o Sr. pre-
sidente declarou aborta a sessao.
Lida, foi approvada a acta da ultima.
O Sr. desembargador fiscal esleve prsenle, as-
sim como esteve ultima sessao era que prestos
juramento.
EXPKDIENTE.
Foi presente a colaco ollicial dos procos cor-
rentes da praca, relativa a ultima semana.
Arcbive-se.
DKSI'ACIIOS.
No requerimeuto de Joaqun Francisco dos San-
tos, pedindoo registro de nina escriplura de hypo-
theca que aprsenla.-IU-gsIre-se.
No de Joaquim da Silva Castro, pedindo tambem
o registro de urna escriplura de ractilkaco do hy-
potheca.Registre-so.
No de Joaquim Francisco da Cruz, pedindo o re-
gistro do disirato de sociedade que ajunta.O mes-
rao despacho.
No de Manoel Fernandes da Costa & C, pedindo
a transferencia de um livro para copiador de sua
casa cominercial, que se acbava sellado e rtibrica-
do para a casa de Martins Pinto, que Ibes nao
deraui uso algum. Como requerem. abrimlo-se
novamente os respectivos termos.
Foratn prsenles os seguintes requerraentos ofi-
ciados pelo Sr. desembargador fiscal :
O da viuva de Manoel Gongalves da Silva, pe-
dindo sua desoneracao de responsabilidade pela
barca Recife, que ven'deu aBaltar & Oliveira.-Co-
mo reqner em termos.
O de Bailar & Oliveira, pedindo se facam as an-
notages precisas no registro da barca IWcife, que
elles comprarais a viuva de Manoel Gongalves da
Silva.Prestado o juramento e assiguado' o termo
de responsabilidade, como requerem.
O de Antonio Jos Rodrigues da Costa c Fran-
cisco Jos Martins, pedindo o registro de sua so-
ciedade sob a razao de Costa & Martins.Regis-
tro-s.
O de Frederico Chave e Joo Luiz Vianna, pe-
dindo o registro do seu contrato social.Declaran
a naturalidade e domicilio do socio Chaves, e eli-
minem o artigo 3 por ser opposto a lei.
Sendo presentes os autos de rehahilitaco de C.
J. Astley & C, o tribunal deu o seguinte despa-
pacho :Na forma do parecer fiscal, devemlo mais
fazer traduzir na forma da lei os dous documentos
que csto em inglez.
ERHAMBOfiO
REVISTA DIARIA.
Sob proposta do Dr. chefe de polica conce-
deu-se a Jos Pedro da Noves, Jos Baptista I
O POICO DE 111)0.
Da Semana Ilustrada transcrevemos o seguinte:
Dr. Semana.Jam proximus Vcalegon, quer di-
zer : Quem v as barbas de seu visinlto arder ponlia
as suas de tnollto Compenetrem-se disto, e liquen)
bem certos de que para conquistar o Prata ne-
cessario escrever as notas diplomticas com pen-
nas inolbadas em saraiva de ouro. S dado
Gra-Brelanda escrever com cabellos do seu leo.
Molcque. Pois eu pens diversamente ; se eu
estivesse no lugar do senlior almirante, comegava
j a applicarpiu/as de ferro, cujo ofTeilo sena mais
efflcaz.
Dr. Semnui.Sempre mostras que moleque,
O principe Cou;a ameagado ao mesnn tempo da Fonseca Jnior, Caetano Cyriaco da Costa Uo- e por consequenca capoeira. Queros levar tudo as
los Russos e pelos Turco?, appellou para Lou-! reir e Ajustado Jos da C'jsla a exoneradlo cabegadas.
pelos
SESSAO JL'DICIAItIA EM 27 DE MAIO
DE 1864.
PRESIDENCIA DO EXM. Sil. CONSELHEIRO
SOUZA.
Secretario, Julio Guimares.
A ama-hora, o Sr. presidente abri a ses-
sao, estando reunidos os Srs. desembargadores Gi-
tirana, Silva uimares e Peretli, e OS Srs. deputa-
dos Reg, Leraos, Rosa, o C. Alcoforado.
Lida, foi approvada a acta da sessao antece-
dente.
O Sr. desembargador Gitrana apresentou em
mesa para ter o andamento legal, e o Sr. presi-
dente nomeou novo relator aos dous feitos entre
partes :
Appellantes, Domingos Jos de Amorm e Vic-
torino Luiz dos Santos ; appellados, os curadores
iscaes de Guilherme Carvaho 4 C.
Recrreme, Jos Tiburcio dos Santos ; recorri-
do, Antonio de Souza Ribeiro.
PASSACENS.
Appellante, Manoel Jos de Siqueira.Pitanga ;
appellados. o presidente e directores da caixa filial
do banco do Brasil nesta cidade.
Do Sr. desembargador Peretli ao Sr. desembar-
gador Silva Guimares.
Recrreme, o commendador Joo Paulino de
Azevedo Castro; recorrida, a companhia de segu-
ros Feliz l.embranca.
< Sr. desembargador Perett pedio designadlo de
um terceiro revisor.
Appellantes, Ferreira & Matheus ; appellados, os
curadores iscaes de Rostron Ronker 4 C.
Appellante, Jos Joaquim da Silva ; appellado*,
Ribeiro & Cadulf.
Apresenladas ao Exm. Sr. conselheiro presiden-
te, ordenou este que seguissem a revsao ; e o Sr.
desembargador Silva Guimares passou-as ao Sr.
desembargador Peretli.
DISTIUBUICOKS.
Appellantes, Domingos Jos de Amorra c Victo-
rino Luiz dos Santos ; appellados, os curadores lis-
caes de Guilherme Carvaho & C.
Appellante, Vicente Alves Machado ; appellado,
Jos Baptista da Pausara Jnior.
Appellante, Basilio Alves de Miranda Varejo ;
appellado, Antonio Gomes de Oliveira.
Appellante. Manoel Alves Ferreira; appellados,
Manoel Antonio Soares da Fonscca e outro.
Appel'ante, Vicente Alves Machado ; appellado.
Prente Vianna C.
Appellantes, Cluistiani & IrmSo ; appellados, os
curadores da massa fallida de Joaquim da Costa
Maia, os da massa fallida do Jos Luiz Pereira o
Manoel Sebastiao da Rocha Uns.
Appellantes, Jos Gongalves Malveira e outros ;
appellados, James Crabtree C.
Recrreme, Jos Tiburcio do Santos ; recorri-
do, Antonio de Souza Ribeiro.
"AoSr. desembargador Perctti .
Appellante, Manoel Jos da Silva Orillo; abiel-
do, Antonio Gomes da Cunha e Silva.
Appellante, Augusto Frederico de Oliveira ; ap-
pellados, os directores da caixa filial do banco do
Brasil nesta cidade.
Appellante, Mano-I Del guila, por seu procura-
dor ; appellados, Amaga Hijo 4 C.
Appellante?, os curadores liscae da massa fal-
lida de morim, Fragoso, Santos < C. e os do (iui-
Iherme, Carvaho & C.; appellado, Joo Baptista
Casanova.
Appellante, Joaquim Mariinho da Cruz Carrea ;
appellado?, D. Felicia Relaves e a fazenda provin-
cial.
I
I

HMHMfJ


ss
M I

Appellanles, os curadores fiscacs de Amorim, nwjtfc
Fragoso, Santos & C.; appellados, Cals Irmos.
Appellaste, o Dr. Manoel Buarque de Macedn
appellado, J. F. G. Kladt.
Ao Sr. desembargador Silva Guimares.
Nada mais houve, e encerrou-se a sessao a !#
horas da tarde.
TRI Bl\ V L DA HELADIO.
SESSAO EM 28 DE MAIO.
PRESIDENCIA DO KXM. SR. CONSKLHSIBO
SILVEIRA."
As 9){ horas da manhaa, presentes os senhores
desenibargadores Caelano Santiago, Gitirana, L#u-
renco Santiago,- Molt*, Accioli, Alraeida e Albu-
querque, Ucha Cavalcanti, e Doria, faltando sem
participacao os Srs. desembargadores Reis e Silva,
e Assis, abril i-si a sessao.
O Sr. desembargador Guerra, procurador da co-
ra, nao compareceu.
Passados os feitos e entregues o* distribuidos,
deram-se os seguintes
JULGAMENTOS
Aggravos de peticao.
Aggravante, Hyppolito Gadault; aggravado, o
Relator o Sr. desemnargador Almeida e Albu-
querque.
Sorteados os Srs. desembargadores Santiago,
e Ucha Cavalcanti.
Nao tomaram conhecimento.
DESIONAQAO DE DA.
Assignou-se
feitos :
ferir a 9se leproso, do que essa qoe l*ac
.pareceu urna desuoberia nifiortante; e qw ao
serio ditas aqui somonte, para fazer-lhc niJa
E, se anda na fr bastante, fique bem rio
esse miseravel, que estou preparado par* fat-lo
corar, se essa cara lateada fr d'isso sscep-
tivel.
Insulte-me uabem o Pernambucanocome quizer
e lhe parecer ; ande a todos os seus comparcas
que procedam da mesma maneira, inclusive o po-
tador de seu communicadb, quo pelos jorfcaes mes
nao darei a menor H-esposta.
Recife, 27 de maio de 1864.
Decio d'Aquiuo Foateca.
niar| de tcr--isnit*nco scg-tM fclr* < de Halo de tl.
""se-desvaaeco, os cancros se -arwi de pedra. Vendeu-se a 135o00 a tonelada.,
CORRESPONDENCIAS.
dia para julgamento dos seguintes
Appellaces civeis.
Srs. redactores.Li urna correspondencia do Sr.
Antonio Jos Gomes, publicada em o seu Diario de
24 do corrente, cumpre-me responder em defe-
rencia ao publico, i quem devo consideracao e res-
pe i to.
Havendo o Sr. Gomes se ausentado ha muitos
annos desta provincia (nao sei porque), provavel-
mente muita gente o nao conhecer, pode acon-
tecer, que algumas das pessoas que o eonheciam,
delle j nao se lembrem, sendo preciso dizer-lhes,
que o mesmo que leve padaria, e que se tornou
, muito conhecido nesta cidade, nao sei tarabem por-
que. Se todos estivesscm certos, ea estara dispen-
1 sado de vir hoje occupar a altencao do respeilavel
publico.
O Sr. Gomes, chegando esta cidade, o que sou-
I be por um seu annuncio no Diario de 118 do BOT-
maces e iismtm
aialnam, os **tewis se
allivn www da salutfera operacao-deste gran-
de purlira lrr curativo vecinal; nao supprimia-
do, mas stiw vtineutndo corrqrfetaraente.
A verdadt-w* salsa de Bnsuji preparada por
LammankKenip, Nova-York e acha-se venda
as lejas de Caors 4 Barbosa e Bravo & C.
COMMERCIO.
NOVO iuxco de pernabico.
O nevo banco de Parnambuco paga o 12a -div
dendo a razo do 9 por acco.
Alfandega
Rendimento do dia i a 27........
dem do dia 28.................
598:2835783
12.323*359
610:8075142
Hoviiueato da alfandega
Volumes entrados eom fazendas...
c c coiq gneros.
Volumes saludos
eom
com
fazendas...
gneros...
314
227
7
703
Descarregam no dia 30 de maio.
Brigue inglezGlaucusfarioha de trigo.
Polaca hespanhola Vigilantevinho.
Galera francezaSolferinomercadorias.
pon ugueza -Sympathiaidem.
541
710
Appellante, bachp"BernarcirDuarte Brandao i j ^^^S^^Z^l^Z-' Kue Tnama^z^Zr'I^USha de
'Tp'petnrjto-"" -- ** <'P?!^^T^ESZ arca inglez; tri,
Gomes dos Santos Pereira de t0 a entender-se immediatamente com qualquer
trigo.
appellado, Dr. Francisco Elias do Reg
Jos
Bastos
Dantas.
Appellante, Antonio Virissimo da Silva appel-
lado, padre Joaquim Xavier Portella.
Appellante, Lourenco Jos das Neves ; appella-
do, Jos da Rocha Paranhos.
Appellante, Manoel Camillo Pires Falcao; ap-
pellado, Paulino Pires Falcao.
Appellante, Francisco Marinho de Albuquerque
Mello; appellado, Francisco Jos Vianna.
DILIGENCIAS CRIMF.S.
Com vista ao Sr. desembargador promotor da
justica
Appellaco crime.
Appellante, o juizo ; appellado, Joe Ignacio de
Medeiros.
PASSACENS.
O Sr. desembargador Lourenco Santiago ao Sr.
desembargador Reis e Silva
A appellaco citel.
Appellante, Jos Antonio da Costa Reg, como
curador ; appellado, Francisco Muniz Pontes.
O Sr. desembargador Almeida c Albuquerque ae
Sr. desembargador Motta
A appellaco civel.
Appellante, Jos Maria da Silva Ferreira; ap-
pellado, Domingos Bernardino da Cunha.
O Sr. desembargador Motta passou ao Sr. des-
embargador Accioli
As appellaces civeis.
Appellante, a vi uva de 'Manoel de Almeida Cata-
nho ; appellada, a fazenda.
Appellanles, os administradores da massa de
Manoel dos Saulos Pinto ; appellado, Manoel Jos
de Carvalho. .
Appellante, Manoel Ribeiro da Cunha Oliveira j
appellado, Joao Evangelista Bello.
Appellante, a escrava Hermojenes appellado,
Manoel Martins de Aranjo Castro.
< i Sr. desembargador Ucha Cavalcanti ao br.
ao Sr. desembargador Gitirana
A appellaco civel.
Appellante, bacbarel Bernardo Duarte Brandao;
appellado, Antonio Ferreira Antero.
Ao Sr. desembargador Assis
Appellaces civeis. .
Appellante, o juizo 'appellado, Jos Tenorio de
Albuquerque. .
.apellantes, Carlos Jos Astley & C.; appellada,
a fazenda nacional.
Appellante, o juizo ; appellada, Luiza Thomazia
Correia.
Sr. desembargador Doria ao Sr. desembarga-
dor Caetano Santiago
A appellaco civel.
Appellante, Joao Paes Barreto de Lacerda ; ap-
pellada, a baroneza de Ipojuca.
DISTIUBCIQOES.
Ao Sr. desembargador Caetano Santiago
A appellaco civel.
Appellantes, Santos t'Rolim appellado
Moreira Lopes.
Appellacfies crines.
Appellante, Joao Severo Marques; appellada, a
justica.
Appellante, Joaquim da Sveira Borges ; appel-
lado, Francisco de Assis Cordeiro de Oliveira.
Ao Sr. desembargador Gitirana
Appellaro civel. .
Appellante, Luiz Antonio Aunes Jacome ; appel-
lado, Francisco de Salles Cardoso Lima.
A appellaro crime.
Appellante, o juizo ; appellado, Joao Ignacio de
Medeiros.
Ao Sr. desembargador Lourenco Santiago
A appellaco crime.
Appellante, o juizo ; appellado, Jos Ferreira de
Sampaio Junior.
Ao Sr. desembargador Motta
Appellaco civel.
Appellante, a mesa do rdem terceira de S. Fran-
cisco ; appellado, o juizo.
A appellaco crime.
Appellante. Theodoro Gomes da Silva appella-
lada, a justica.
Ao Sr. desembargador Accioli
.4 appellaco civel.
Appellante, ajaba e Fi'rmino Theotonio Santia-
go : appellado, ojuizo e o major Joao do Reg Bar-
ros Falcao.
As appellaces crimes.
Appellante, Alexandr Marinho da Costa; l
pellado, Antonio Rodrigues Alsino.
Appellante, o juizo ; appellados, Theotonio da
Silva Vieira e ootros.
Ao Sr. desembargador Ucha Cavalcanti
As appellaces civeis.
Appellante, Agostinho Lucas Correia ; appella-
da, a escrava Luiza.
Appellapte, Cosme Ferreira Lima o sua mulher;
appellado, Manoel Gomes da Cunha Lima.
A appellagoes crimes.
Appellante, ojuizo ; appellado, Jos Caetano dos
San,os- ^
Appellante, ojuizo; appellado, Lucas Antonio
Evangelista.
Ao Sr. desembargador Assis
Ai appellacoes civeis.
Appellante, D. Francisca das thagas Bandeira
de Mello; appellado, Francisco Rodrigues dos
Santos.
Appellaces crimes.
Appellante, o juizo ; appellado, Joao Ignacio de
Medeiros. ,
Appellante, Amaro Nery dos Santos ; appellada,
a justica. .
Ao Sr. desembargador Doria
A appellaro civel.
Appellante, Francisco Ribeiro de Andrade ; ap-
pellado, Joao Lobo de Macedo.
A appellaro crime.
Appellante, o juizo ; appellado, Jos Joaquim de
Santa Anna.
Appellante, o juizo ; appellados, Manoel Joaquim
da Silva e outros.
Ao meio-dia encerrou-se a sessao.
pessoa que deixasse seu nome e morada nos luga-
res por "elle indicados, quiz logo intrigar-me com
ALFANDEGA DE PERNAMBUCO.
res por ene inuicauos qu,i os credores do meu fallecido, sogro L. Jost da^.V v_ ^ 4 ^
ves, apresentando-me como autor das dimcuidaaes v
que ellos tem encontrado na realisacao dos seus ez de JMH-M18b4.
pagamentos. Ahanns
Estou persuadido de que ninguem o acreditara, ADanos. .......cerno
pois todos sabem o aguant soupontual e.n satis a- ffi^g&f^^ ; ; C,
zer qualquer obrigacao, nao havendo alem disto,
induzisse a oppor embarazos,
Goiwja.........Negociou-se a 5$500 a duzia de
garrafas.
iRaririha de trigo. A de Philadelphia vendeu-se de
19*200 a 22*000 por barrica,
a de New-York de 21*000 a
22*000, a de Trieste a 24*000,
o k franceza a 22*; Dcando em
deposito 9,300 barricas da pri-
meira, 1,000 da segunda, 1,500
da terceira e 400 da quarta.
Chegaram durante a semana 4
carregamentos da America, des-
carregando tres tudo e o outro
parte seguindo com o resto para
sul.
Luiica..........A ingleza ordinaria vendeu-se
de 320 a 335 por cento de des-
cont.
Manteiga.......A franceza vendeu-se a 590 rs.
por libra, e a ingleza de 800 a
a 850 rs. a dita.
Oleo de linhaca.. Vendeu-se a 1*900 o gala.
Qucyos....."... Os flamengos venderam-se a
2*830 cada um.
Toucinho.......O de Lisboa vendeu-se a 8*000
por arroba.
Vinagre........O de Portugal vendeu-se de
110* ail5*apipa.
Vinhos.........Os de Lisboa venderam-se de
200*000 a 230*000 por pipa e
os de outros paizes a 185*000,
187* e 190*.
Velas..........As de composicao venderam-se
a 520 rs. o pacote de seis velas.
: Descontos.......O rebate de letras regaln de 8
a 10 por cento ao anno.
Fretes.........Para Liverpool pelo lastro a 25
e 40d, para o dito pelo algo-
dao (-arropando em nosso porto
a 1d; por libra;;carregando na
Parahyba de '/8 a 1 d. por libra;
e carregando em
A cmara municipal desta cidade principia a
sua segunda sessao ordinaria deste anno, no dia
30 do correte, e nos que se seguirem. Secretaria
da cmara municipal do Recife 27 de maio de 1864.
Francisco Cavalcanti da Boaviagem.
Secretario.
De ordem do Illm. Sr. Dr. chefe de polica,
fao constar quem convier, que se acha recolhl
do cadeia da capital da
um preto velho de nome
rou ser escravo do portuguez Antonio de tal, mo-
rador na ra da Trempe, freguezia da Boa-Vista.
Secretaria da polica de Pernambuco, 25 de maio
de 1864.No impedimento do secretario o oficial-
maior Joaquim Gilseno de Mesquita.
pertencentes a Manoel Jos de Souza, e vao pra-
a por execucao que contra o mesmo encamlnha
cao de Medeiros Raposo, e na falta de licitantes
serao arrematados pelo proco da adjudicaran com o
abatmento respectivo da le.
E para que chegue a noticia a todos mandei pas-
sar editaes que sero afflxados e publicados nos
lugares do costnme.
Dado e passado nesta cidade do Recife de Per-
nambuco, aos 7 de maio de 1864. Eu, Manoel
de Carvalho Paes de Andrade, escrivao o subs-
crevi.
Tristao de Alencar Araripe.
0 MEDICO A PAO
4. Maranliao I Grande capricho de concert,
composto e executado por Arthur Napoleo.
5.a Segundo acto da dita comeda.
6." Grande puanlasia a quatro pianos, sobre mo-
tivos da opera Favorita, composta por Arthur Na-
pruvncia da Parahiba, poiejo, e executada pelos Srs. Smoltz e Eichbauo,
Lourenco, o qual deca- a joven A. Boltini e o autor.
7. Terceiro e ultimo acto da comedia.
8. Grande galope de concert, composto e exe-
cutado por Arthur Napoleo.
Principiar s 8 horas.
EHPREZA
GERMANO &C0IHBRA.
II* Recita da asslgnatara.
Quarta-feira 1 dejunho.
Representar-se-ha o muito apparatoso drama, en
cinco actos,
DECLARARES.
COMPANHIA
motivo algum que
sendo eu tambem credor do casal por urna quanlia
avultada, vindo por consegunte a participar de
qualquer prejuizo, que se causasse aos credores.
Dirgndo-me ao engenho Ferricoza, logo depois
do fallecimento de meu sogro, chamado de rneus
cunhados, propuz aos herderos pagar immediata-
mente todo o passivo do casal, recebendo o engenho
no valor, nao de 40:000* como diz o Sr. Gomes, e
sim de 48:000* ; quem soubcr os preijos porque se
vendam os engenhos e se vendem agora, nSo dir
que a ofTerta era desvautajosa aos mesraos herde-
ros. Todos acetaram a proposta ; mas os Srs. Go-
mes e Rocha se retrataram, entendendo sem duvida
que nao deviam abrir mao dessa propriedade que
estavam desfructando e que podiam anda desfruc-
tar por algum lempo ; para o que Ihes convinha
dlicultar a liquidado do casal.
Entao, lembram-se meus cunhados de formular
o convenio, datado de 16 de feverero e que foi pu-
blicado com a correspondencia do Sr. Gomes, sen-
do qoe dola se deprehende que as dividas passivas
seriam pagas por raim, dando-se-me no dito enge-
nho nao s a minha legitima, como toda a quantia
de que fosse credor, porque me compromettia a ce-
der-lhes o dit engenho em qualquer lempo, e pelo
mesmo valor; isto urna verdade que o Sr. Gomes
nao pode contestar, porque tenho muitas lestemu-
nhas de vista.
esse convenio se oppozeram tambem os ars.
Gomes e Rocha. Procurando conciliar os Interesses
dos credores com os dos herdeiros, pude resol ve-
los fazer um inventario amigavel, como effecliva-
mente se fez. Retirando-me para esta cidade, re-
cebi logo depois da minha chegada, a noticia de que
o mesmo Sr. Gomes se havia arrependido, e quena
promover judicialmente a rescisao do referido in-
ventario. Volte; ainda a pedido de meus cunhados
e cunhadas para que se fizesse um outro inventa-
rio, sendo separado em ambos o engenho Ferricoza,
e 20:000* no engenho liachoeira para pagamento
dos credores.
O que tem occorrido depois disto, faz-me crer,
que os Srs. Gomes e Rocha csto novamnte dis-
poslos a usar de todo o artificio para nao deixarem
essa propriedade. .
Eis o histrico do que se tem dado na liquidacao
do casal do meu fallecido sogro, e por elle se vera
que sao os Srs. Gomes e Rocha que teem posto to-
dos os embarazos para que se nao ultime a mesma
liquidacao. Tenho cartas, em que me_ communi-
cam, que elles dizem, que empregarao todos os
meios para a diffleultar. Entretanto sao elles que
veem hoje dizer aos credores, inculcando prestar-
Ihes o mais profundo respeito e vcneraco que pug-
naram sempre pelos direilos delles credores, de-
fendendo-os dos prejuizos, que eu Ihes quera cau-
sar ; quando eram elles que oppunham todos os
obstculos para nos prejudicarcm, e ainda o fazem
como se v do que elles tem pralicado ltimamente,
por ext-mplo hypothecar bens, etc., etc.
E' falso que o Sr. Gomes no dia do minha chega-
da tivesse comigo a couversa, que refere em sua
correspondencia era relaco aos credores, de quem
nunca fallou em sentido favoravel, sendo tambem
falso que na carta que me dirigi que allude
na mesma correspondencia, me tivesse fallado nos
credores do casal de quem alias nem delles tratou,
como se pode ver da mesma carta, que mostrare
a quem quizer convencerse da mentira do Sr. Go-
mes. Cumpre-me tambem dizer alguma cousa a
carta do Sr. Antonio da Rocha Wanderley, que
vem em seguida a correspondencia do Sr. Gomes.
Aquelle senhor mandon-me em maio do anno pas-
sado una correspondencia para faze-la publicar no
Diario. Nao o fiz, porque era um complexo de as-
neiras como se poder ver da mesma correspon-
dencia que mostrare a quem quizer ver, bem como
a carta que acompanhou, da qual se evidencia que
nao foi por indcelo minha que elle a fizera ; fui
inteiramente estranho intencao do Sr. Rocha. E
de admirar que s depois de um anno elle inan-
dasse prohibir a sua publicado. Ora, se durante
este tempo nao o fiz publicar apezar dos desejos
desse senhor, estava visto que nao a publicara
mais. Portante o fim do Sr. Rocha escrevendo a
sua carta em 12 do corrente, e mandando-a publi-
car com a-correspondencia do Sr. Gomes, fui mo-
leslar-me e tornar-me odioso para os credores. Eu,
porm, me vingare, mostrando a dita correspon-
dencia e a carta que a acompanhou, como j disse.
Podem os Srs. Gomes, e Rocha, seu digno acolyto,
escrever e publicar o que quizerem, porque tenho
consciencia do que pralico, e farei o que entender.
Devo declarar antes de terminar, que mandei
ajuizar ha pouco tempo ao Sr. Gomes pelo que elle
me devedor (nao pela divida do casal), sendo
que sem duvida isto concorreu para elle vir juizo
com suas mentiras.
Peco aos Srs. redactores a publicaco da presen-
te, com o que obrigado Ihes ficar" o seu assig
nante
Francisco Xavier de Oliveira.
Unidades. Valores.
1*400,
800;
800:
480,
a Vi d. por libra.
Macei de 3/t
dem caxaca........
dem genebra.......
dem alcool ou espirito de agua-
ardente.....,
Algodao em caroco..... arroba
dem cm rama ou em la. *
Arroz com casca......
dem descascado ou pilado
Assucar mascavado.....
dem branco........
dem refinado.......
Azeite de amendoim ou mendo-
bim......... catada
dem de coco.......
dem de mamona..... >
Batatas alimenticias..... arroba
Bolacha ordinaria, propria para
embarque.......
dem fina........
Caf bom........
dem eseolha ou restolh ...
dem torrado....... libra
Caibros......... um
Cal........... arroba
dem branca.......
Carne secca (xarque) ....
Carneiros........ um
Carvo vegetal...... arroba
Cavernas de sicupira .... urna
Cera de carnauba em bruto. libra
dem idem em velas.....
Cha..........
Charutos........ cento
Cevados (porcos)...... um
Cocos (seceos)....... cento
Colla. ......... libra
Couros de boi, salgados ...
dem idem seceos espichados.
dem idem verdes.....
dem idem cabra cortidos. um
dem idem de onca.....
Doces seceos....... Hbra
dem em gela ou massa.
dem em calda...... '
Espanadores grandes .... um
dem pequeos..... *
Esleirs para forro de estivas
de navio........ cento
Estopa nacional .....
Farinha de de mandioca. .
dem de araruta.....
Feijae de qualquer qudlidade.
Frechaes .......
Fumo em tolha, bom .
dem ordinario ou, restolho .
dem em rolo bom.....
dem ordinario ou restolho .
Calimbas.......
Gomma .......
Ipecacuanha (raiz)......
Lcnha em achas...... cento
Toros..........
Linhas e esteios....... um
Mel ou melaco....... caada
Milho. .......... arreba
Papagaios........
900
6*258
25.5000
1*500
2*800
2*700
45400
5*120
2*000
1*600
800
1*200
3*000
7*000
8*500
7*500.
440 i
360 i
280;
500;
35000
4*000
15000
8*000
300:
360;
1*500,
2*500,
155000:
3*500
5001
170]
240
100
350
105000
1*000
320
500
45000
25'* I
Uaniburgo, .'i ds maio de 48CI.
Relatorio commeraal.
Sem movimento notavel, e com limitadas impor-
tac_oes, o mercado continua em posigao firme.
Caf. A excepcao de pequeas transaccoes
para o consumo nao temos de notar outras de
qualquer importancia. As noticias que acabamos
de receber do Rio de 7 de abril, pelo telegrapho de
Lisboa, nao deixaram de ser de favoravel influen-
cia, o os precos de todas as qualidades subiram c.
l|16sch.
O caf real ordinario do Rio vale 7 3i87 9(16
sch.
Entraram em abril do Brasil 19,935 saccas, e
venderam-se cerca 15,000.
Importado de cafe de 1 de Janeiro at fim de
abril :
1864 20 1|2
1863 28 3|10
1862 36 3|10
1861 29 lilO
Em ser em fins
1864 8
1863 14
1862 22
1861 14
milhoes de libras.

de abril :
milhoes de libras.
b
205000,
105000:
15000
120;
400
255000
5*500
75000
COMMUNICAECS.
Fo-me possivel chegar a evidencia, quem o
leproso, que se assignou o Pernambucano, em um
commuoicado publicado no Diario de Pernambuco,
no qnal foi insultado atrozmente o distinelo Per-
nambucano e meu'muito especial amigo, Dr. Joa-
quim Saldanha Marinho.
Nao declino seu nome porque tenho ndjo de tao
pestilenta creatura; mas prometi que dar-lhe-
hei em tempo proprio a nica resposta que me-
rece.
Sei que o leproso que se assignou o Pernambu-
cano, procurou por esse communicado disforcar-se
da demissao que lhe foi dada, e que sem duvida
attribue a influencia do Dr. Saldanha Marinho -.
sem se recordar de seus altos feitos sublimado!,
nica causa que presumo ter sido a de sua de-
missao.
Sei ainda que o leproso a quera alindo mandou
tirar certido por um seu comparra ( o portador
das celebres procurares) de urna pendencia que
tive talvez dez annos, no juizo municipal da 2."
vara, cuja lide nao nova para o publico, que a
vio discutida pelos jornaes, e decidida a meu favor
por Juizes insuspeitos: semelhantemente, acabo de
reiuerer certido para estar prompto se fr neces-
sario, dar satisfagao ao mesmo publico, a quem
muito respeito; bem como, de requerer outras,
/ de negocios differentes, que podem mais iQliraa-
Srs. redactores.A oracao fnebre do Exm. Sr.
bispo de Pernambuco D. Joao da Purificado Mar-
ques Perdigo, a qual fora publicada em seu con-
ceituado jornal de 25 e 27 do corrente, alem de al-
guns erros typographicos, que os leitores podem
bem desculpare supprir, contem faltas de palavras,
e erros, que nao podem passar sem reparo, e sao
os seguintes:
Na traduegao do texto latino, quando dizc toda
Jud e Jerusalemdeve ser e toda Jud e Jerusa-
lem o pranteara. >
Na pnmeira columna do Diario de 27 do corren-
te, quando dizo verdadeiro mrito no conlieci-
mento ; se deve 1er : o verdadeiro mrito consiste
no conhecimento.
Na segunda columna, quando diz, imitar a
Untas razoes Ilustresdeve ser imitar tantos va-
roes Ilustres. Na mesma columna aonde diz a
diocese de Pernambuco acaba entao de receber o
golpe iea-se acabava entao de receber o golpe.
Na mesma columna aonde dizsera duvida senho-
res, que vos ignoraeslea-se, vos ignoraveis essa
particularidade. Na quarta columna, quando diz
a plida morte, com mirrados lhe cavava o sepolchro
deve ser com mirrados dedos lhe cavava o sepul-
chro.
Padre Lino do UonteCarmello Luna.
PUBLICARES A PIDIDO.
Salsa parrilha de Bristol.
A salsa parrilha de Bristol: Os climas dos
paizes trpicos sao o laboratorio de todas as enfer-
midades cutneas e ulcerosas. E" esta pois a razo
porque esta preparaco, que os suhjuga com urna
segoridade proverbial, litteralmentc indispensa-
vel tanto no Brasil como no resto da America hes-
panhola.
As escrfulas em todas as suas terrivcis formas
promptamente suecurabem mediante a applicagao
deste poderoso agente detersivo, as ehagas fia cu-
rara, as erupcias desappareeem, as eonjuneturas
contrahidas recobrara sua elasticidade, ae inflan.
Pao Brasil........ quintal
dem de jangada...... um
Pedias de amolar ...... urna
dem de filtrar......
dem de rebolo......
i'iassava......... molho
Pontas, ou chifres de vaccas ou
nuvilhos........ cento
Pranchoes de amarello de dous
costados........ um
dem de louro........
Rap.......... libra
Sabo..........
Sal ."...... alqueire
Salsa parrilha....... arroba
Sebo em rama.......
dem em velas.......
Sola em vaqueta...... urna
Taboas de amarello..... duzia
dem diversas.......
Tapiocas......... arroba
Tatajnba. .,...... quintal
Travs......... urna
Unhas de boi....... Cento
Vassouras de piassava. ...
Ditas de timb......
Ditas de carnauba.....
Vinagre......... caada
Alfandega de Pernambuco, 28 de maio de 1864.
(Assignados):
O 1." conferente, Jenuino Jos Tarares.
O 2." conferente, Joao de Freitas Barboza.
Approvo. Alfandega de Paernmbuco, 28 de
maio de 1864.A. Eulalis.
Conforme. Bazilio B. Furtado.
Recebedoria de rendas Internas
geraes de Pernambuco.
Rendimento do dia 1 a 27........ 26:244*607
dem do da 28................. 495*144
Assucar.Por falta de deposito, o mercado de
assucar achase na maior inaclividade ; os precos
todava continuam muito firmes.
Importarlo de assucar de 1 de Janeiro at fim de
abril :
1864 6 milhoes de libras.
1863 20
1862 14 li2
1861 17
Era ser em fins de abril:
1864 lr2 de milhoes libras.
1863 '8
1862 10
1861 9 1|2
Tabaco.O tabaco brasileiro acha-se muito pro-
curado desde os ltimos das ; urna partida chega-
da da Bahia, cerca de 600 bailas, e vendida em lei-
lao, obteve mui bons presos; nao recebemos ainda
nada da nova colheita.
Algodao.Muito firme; mas por falta quasi total
de genero olerecido venda, sem transaccoes dig-
nas de mencionar-se.
Jacaranda.Grande deposito e pouca procura ;
15*000' as qualidades inferiores difiicilmento se vendem.
arroba 1*600 CacaoSustenta os precos, e com boa extraceao
alqueire 2*000 para o consumo.
4500G i Cambios.
1*800 Sobre Londres, 3 mezes data, 13 marcos 1 schlliog
5*0001 banco por se praso curto 13 marcos 4 3|4 schil-
145000 lings por S.
85500 Sobre Pars,3 mezes dala, 1921(2 francos por 100
8*O0 marcos banco; prazo curto 189 3(4 francos por
5*000 : 100 marcos banco.
600 Sobre Lisboa, 3 mezes data, 46 schillings banco
1*900 I por um mil reis; descont 4 3|4 5 1|4 %.
25*000 Acabam de partir para o Brasil os navios se-
1*600 guintes :
11*000, .Muci/para Pernambuco, W'illink e Dona Pauh-
8*000 na para o Ro de Janeiro, Adler para o Rio Grande
200 do Sul.
900
3*000
55000
5*000
840
4*000
1*200
120
arroba
c
um
arroba
urna
arroba
MOVIMENTO DQ PORTO.
Navios entrados no da 28.
Southampton e portos intermediosvapor inglez
Paran, de 1720 toneladas, commandante J. H.
Jellicoe.
5*600; Glasgow por Lisboa e S. Vicente30 dias do pri-
raeiro porto e 10 do segundo, vapor inglez
Flyng Fish, de 60 toneladas, commandante Ja-
mes Ducon. equipagem 13, em lastro ; a A.
Iojiie & C.
Nomo sahido no mesmo dia.
iro e portos intermediosVapor inglez
oraraandante Jellicoe.
MaceiU'Barca ingleza Come, capilao R. Nicholls,
em lastro.
Navios entrados no da 29.
Rio de Janeiro e portos intermedios6 das, vapor
nacional Oyapock, de 1080 toneladas, comman-
dante o 1. tenente Pedro Hyppolito Duarte,
equipagem 63, carga varios gneros.
Bahia7 dias, patacho hespanhol Ricardo, de 171,
toneladas, capito Manoel Pijoan, eqnipagem 12,
em lastro; N- O. Bieber Si C,
Observacao.
O vapor inglez nao segui hontem para os por-
tos do sul, mas sim hoje.
110*000
73*000
2*800
2*000
6*000
200
10*000
8*000
500
EDITAES.
26:739*811
Consulado provincial.
Rendimento do dia 1 a 27......... 71:739*055
Idemldo dia 28................. 3:630*640
75:3569*69
PRAQA DO RECIFE
8 IDE II.IIO DE IN1.
AS TRES HORAS DA TARDE.
O Dr. JoaoVAntonio de Araujo Freitas Henriques,
juii de dreito da primeiravara criminal e subs-
tituto da do commercio desta cidade do Recife,
capital da provincia de Pernambuco e seu ter-
mo, por S. M. Imperial e Constitucional o Sr. D.
Pedro U a quem Deus guarde, etc.
Faco saber aos que o presente edital virem e
delle noticia tiverem, que no dia 20dejunhodo
corrente anno, se ha de arrematar por venda
quem mais dr, em praca publica deste juizo, na
sala dos auditorios, o seguinte :
Um sitio de trras no lugar das Curcuranas, de-
nominado Miranda, freguezia de Murbeca, lendo
alguns coqueros, e o restante com maltas sera di-
visa, trras foreiras, avahado em 500* ; um terre-
no na ra da Aurora com 33 palmos de frente e
132 de fundo, foreiro marinha, avahado em 900*
um terreno na ra do Seve, com 33 palmos de
frente e 132 de fundo, foreiro marinha, avahado
Kem 600*; um terreno na ra do Seve, com 33
r w c "^af^tSKTL SP fi.PrAm Pa|mos e um terc0 de fren,e e 32 de fundo' forei
Camb,os........Lante f SnaQ e^varm- H marinlia' avaliado e-m ?** ; 0S 1uaes foram Pe"
O caixa da compartira commendadOrTho-
maz de Aqttino Fonseca acha-se autorisado
a pagar no seu esenptorio ra do Vigario
n. 19, das 10 horas em diante o 32 divi-
dendo desta companhia na proporcSo de 3$
por cada apolice, adverle-se aos Srs. accio-
nistas da de cobre, visio ser na especie que o
mesmo Sr. caixa tem recebido dos arrema-
tantes dos chafarizes desla companhia.
Escriptorio da Companhia de Beberibe, 21
de maio de 1804,
O escripturario,
Mareolino Jos Pupe,
Conselho administrativo.
O conselho administrativo para fornecimento do
arsenal de guerra tem de comprar os objectos se-
guintes :
Para o arsenal de guerra.
Brim branco 3,000 varas, brim da Bussia 1,000
varas, amarello francez 3 arrobas, secante 1 arro-
ba, pennas calygraphicas 20caixas, fio de vela fino
5 arrobas, rame de lato grosso 2 arrobas, ferro
sueco em barra de 2 polegadas de largura 4 quin-
taes.
Para o presidio de Fernando.
Farinha de mandioca 44 11- alqueires.
Quem quizer vender taes objectos, apresentem
as suas propostas em carta fechada na secretaria
do conselho, s 10 horas da manhaa do dia 1* do
junho prximo vindouro.
Sala das sessoes do conselho administrativo para
fornecimento do arsenal de guerra 25 de maio de
1864.
Antonio Pedro de S Barreto,
Coronel presidente.
Sebastio Jos Basilio Pyrrho.
Vegal secretario.
Sexta-feira 31 do crreme mez de maio, de-
pois da audiencia do Illm. Sr. Dr juiz de orphaos,
se ha de arrematar, por ser a ultima pra?a, um
sitio na freguezia da Varzea, o qual pertencenle
heranca de Luiz Firmino Goncalves da Silva, e
vai praca por execucao de Eufrozina Maria das
Dores.
Conselho de compras navaes
Tendo o conselho de fazer os contratos abaixo
declarados convida aos pretendentes apresenta-
rem suas propostas em cartas fechadas,no dia 6 de
junho prximamente vindouro, cm que os mesmos
contratos teem lugar.
Contratos.
Por tres mezes at setembro do corrente anno.
Da lavagem de roupa dos estabelecimentos de ma-
rinha; e fornecimento aos mesmos estabelecimen-
tos e aos navios da aamada de agurdente branca
de 20 graos, assucar branco grosso, azeite doce de
Lisboa, azeite inferior, araruta, aletria, bolacha,
bacalho. bolachinha americana, cal preta e bran-
ca, carne secca do Rio Grande do Sul, caf em
grao, carne salgada, carnauba em velas, carne
verde, cangica ou milho pilado, cevadinha, cha,
farinha de mandioca da trra, feijao, galinhas, ]e-
nha, manteiga ingleza, dita franceza. matte, pao,
sal, sabo, lijlo de alienara grossa, toucinho de
Lisboa, tapioca, vinagre de Lisboa, velas stearinas
e vinho de Lisboa.
Por doze mezes lindos em junho do anno prxi-
mamente vindouro. Dos servicos de barbeiro as
enfermaras de marinha e dos africanos livres.
Sao sujeitos os contratantes do fornecimento
multa de 10 0|0 no caso da demora na entrega
dos objectos, e de 20 0|0 na falta do supprimento,
ou foromde roa qualidade ; bem como os contra-
tantes dos servicos de barbeiro c da lavagem de
roupa primeira dessas mullas se nao os fizerem
no devido tempo, e segunda, feitos inconvenien-
temente ; acrescendo, para o contratante da lava-
gem de roupa, e ficar tambem sojeito ao pagamen-
to da importancia das pe?as que se extraviarem.
Sala do conselho de compras navaes 28 de majo
de 1864.
Alexandre Rodrigues dos Anjos.
Secretario.
Consulado provincial.
Pela mesa do consulado provincial so faz publi-
co, que os irinta dias uteis para pagamento boca
do cofre do segundo semestre do anno linanceiro
vigente de 1863 1864 dos impostos da dcima dos
predios^irbanos das freguezias desta cidade, e da
dos Afogados, de 20 por cento do consumo de
agurdente, e de 5 por cento sobre a renda dos bens
de raiz pertencentes a corporaeoes de mao morta,
se principian! a contar do Io de junho vindouro.
Mesa do consulado provincial de Pernambuco, 25
de maio de 1864.
Antonio Carneiro Machado Rio*.
Administrador.
Terca-feira 31 do corrente, vao praca de
venda, linda a audiencia do Dr. juiz de orphaos.
urna casa lerrea na ra da .^urora n. 76, urna es-
crava e outros bens pertencentes ao inventario do
I). Mariauna Joaquina da Trindade.
Arrematadlo.
Perante o Illm Sr, Dr. juiz municipal da
segunda vara dever ir praca no dia i de
juoho prximo, depois da respectiva audien-
cia, o engenho Pintos sito na freguezia de
Jaboato, o que um dos melhores da pro-
vincia, com grande extenso de excellentes
trras demarcadas, as quaes se comprehen-
dem boas matas, duas boas casas de viven-
da c outras de moradores, casa de destilaco
com um alambique de subido valor, cocliei-
ras, estribaras, grande senzala de pedra e
cal e outras obras, tudo em muito bom es-
tado. O engenho me por agua e c co-
peiro.
Tem de servir de base a arremataco a
preco de t5:000# tendo alias sido avaliado
por'52:060#.
fim ao espectculo com a comedia em um
A esposa deve acompanhar
sen marido.
Tomam parte os Srs. Pinto, Guimaraes e Victo-
rino, e as Sras. DD. Camilla e Virginia.
Comecar s 8 horas.
Grande galera de vistas mo-
dernas.
lina da Imperalriz n. o3.
Ou agora ou mais nunca.
Todas as noitcs effectivas se faz mudanza de
vistas. O director deste salo durante sua demora
de poucos dias deliberou a entrada a 260 rs.
AVISOS MARTIMOS.
COMPANHIA
DAS
MESSAGERIES IMPERIALES
No dia 30 do
corrente espera-
se dos portos do
sul o vapor fran-
cez Huir une. com-
mandante Enout,
o qual depois da
demora do cos-
tume seguir pa-
ra Rordeaux tocando em S. Vicente e Lisboa.
Para informaQoes, fretes e passagens trata-se na
agencia ra do Trapiche n. 0.________________
Companhia Pmiambiicana
DE
Vivcsaco costelra a vapor.
Parahiba, Natal, Maro, Araeaty, Cear e Acaraeu'.
No dia 7 dejunho prximo s
o horas da tarde segu o vapor
Persinunga, commandante Rates,
para os portos cima indicados.
Recebe carga al odia 6. Encom-
mendas. passageiros e dinheiro a frete at o dia
da sahida s 3 horas da urde : escriptorio no
Forte do Mallos n. !
COMPANHIA PEKNAMBUCANA
DE
\'avc2;aco costelra vapor.
Macci e escalas, reucdo e Aracaj.
No dia 1 de junho prximo s
o horas da tarde, segu o vapor
Namanguape, commandante Mou-
ra. Recebe carga at o dia 3;
encommendas, passageiros e di-
nheiro a frete at s 2 horas da tarde do dia da
sahida : escriptorio no Forte do Mallos n. 1^_____
Companhia pernambucana
DI
.\avc";at,\o costeira a vapor.
liba de Fernando de Noronba.
No dia 14 de junho prximo,
ao meio dia, seguir um dos va-
pores da companhia para o pre-
sidio de Femando de Noro-
nha.
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR.
Dos portos do norte esperado
at o dia 2 de junho o vapor
Paran, commandante capito
de fragata Santa Barbara, o qual
depois da demora do costume se-
guir para os portos do sul.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no dia de sua chegada: encom-
mendas e dinheiro a frete at o dia da sahida s 2
horas, agencia ra da Cruz n. 1, escriptorio de
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo di C._________
Para o to" Grande lo Mal
pretende seguir com muita brevidade o patacho
nacional Carolina, tem parte do seu carregamento
prompto : para o resto que lhe falta, trata-se com
o capito Beiarmino dos Santos Pinhelro a bordo,
ou na praga do commercio._____________
Para a Bahia
pretende seguir com muita brevidade a escuna na-
cional Carlota, tem parte de sen carregamento
prompto : para o resto que lhe falta, trata-se com
os seus consignatarios Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo & C, no seu escriptorio ra da Cruz nu-
mero 1.
Londres a 27 y e 27 % d. por
liJOOO, sobre Paris a 345 rs. por
fr., e sobre Lisboa a 9a por cen-
to de premio.
Algodao........O desta provincia vendeu-se de
265000 a 265000 por arroba,
o de Macei, posto a bordo, a
274000, e o da Parahvba de
285200 a 28*500.
Assucar........O branco vendeu-se de 45400 a
552OO por arroba, o somenos
de 45OOO a 45200, o mascava-
do purgado de 25900 a 35200,
e o bruto de 25500 a 25750.
Agurdente.....Vendeu-se a 905000 a pipa.
Couros.........Os seceos salgados venderam-se
a 170 rs. por libra.
Arroz.......... 8 pilado da India vendeu-se
a 25700 por arroba.
Azeite doce.....O de Lisboa vendeu-se
por galo.
Bacalho....... Por atacado vendeu-se a 145500
tra os herdeiros de Joaquim Flix Machado.
E nao havendo lancador arremataco ser fei-
ta pelo valor da adjudicado com o abatmento da
lei.
E para que chegue ao conhecimento de todos,
mandei passar editaes, que sero publicados pela
impreosa e afflxados nos lugares do costume.
Recife, 24 de maio de 1864.
Eu Manoel Maria Bodrigues do mscimento, es-
crivao o subscrevi.
Joao A. de Araujo Freitas Henriques.
O Dr. Tristao de Alencar Araripe, offlcial da impe-
rial ordem da Rosa e joiz de direito especial do
commercio desta cidade do Recife e seu termo,
capital da provincia de Pernambuco, por S. M. I.
e C. o Sr. D. Pedro II, a quem Deus guarde,
etc.
Faco saber pelo presente que no dia 30 do mez
de mio do corrente anno se ho de arrematar por
Carne secca.....
a 25600 venda a quera mais dr, depois da audiencia res
pectiva e na sala dos auditorios, os escravos e ani-
maes seguintes : Luiz, angola, representa ter 25
por barrica, e a retalho de 155 annos, avaliado em 8005000 ; Maria, crioula, re-
a 165; licandoem deposito 7,000 presenta ter 35 annos, avahada em 8005000 ; 7
barricas. bois mansos de carrosa, avahado cada um em 305,
Existe em deposito 85,100 arro- 2105 1 quarto cor alazo avaliado em 405000 ;
ttas do Rio-Grande do Sul. 'prefazendo tudo a quantiajde 1:8305; os quaes sao
Araeaty
O hiate Santa Rila segu nestes dias: a tratar
com o Sr. Quintal, no trapiche do algodao,______
Para.
Vai seguir em noucas dias o patacho Tliercza,
capito Joao Correia Lima, tem o carregameuto
quasi completo, para o pouco que Ihes falla tratase
com os consignatarios Palmeira k Beltrao, largo
do Corpo Santo n. 4, primeiro andar.___________
Vende-se o patacho brasileiro timan, de
lote de 175 toneladas, prompto a navegar para
qualquer parte : os pretendentes podem-se dirigir
a bordo para o examinar, que se acha fundeado
era frente do trapiche do Exm. Baro do Livra-
menio, e para tratar, com os consignatarios Pal-
meira cv Beltrao, largo do Corpo Santo n. 4, pri-
meiro andar.
LEILOES.
THEATRO
DE
S. ISABEL.
TEBCA-FEIRA, 31 DE MAIO DE 186V.
Concert de despedida
DE
AIM IIIJR \ArOlllO.
1." A companhia dramtica dos Srs. Germano &
Coimbra representara a comedia em um acto,
A ESPOSA
DEVE ACOMPANHAR SE
MARIDO.
2." Grande phanta'sia sobre motivos de Lucia de
Lammermoor, executada por Arthur Napoleo.
3. O primeiro acto da comedia em tres afftos
LEIO
Terca-feira 31 do corrente.
NO ARMAZEM DA RL'A DA CADEIA N. 48.
O agente Olimpio far leilo de urna mobilia de
Jacaranda, urna dita de amarello, um santuario,
urna secretaria de Jacaranda, ura guarda louca,
um relogio de crystal, diversos* quadros com es-
tampas linas, um lavatorio com pedra, diversos cs-
pelhos grandes, marquezas largas eestreitas.quar-
tlnhciras, lavatorios, apparadores, cabides e outros
muitos objectos que se torna enfodonho men-
cionar. ^
Dar principio s 12 .oras em ponto.
LEILAO
DE
500 caixas cora salo amarello ame-
ricano.
Terca-feira 31 de malo.
Henry Foster & C. faro leilao por intervencao
do agente Pinto de 500 caixas com sabo ama-
rello, vindo da America e existente no a
do Sr. Annes em frente a alfandega, onde se
fectuar o leilo s 10 horas do dia supradito
ef-
T*
ILEGVEL


atarle de reraiahaw ftegtinda feira ># c .alo de f 4.
5
1
liElliAO
DA
lo ja de calcado da roa do Livramcnto
n.33.
Ter{a-eira as 11 horas.
O agente Miranda va proceder leilao no estabe-
cimento de calcado sito ra do Livramenlo n.
33, pertencente ao Sr. Antonio Pinto Bezerra de
Azevedo, por ordem do mesmo Sr.
Assim, pois, ser objecto da venda um completo
sortimento de borzegins, sapatoes e sapatos do cou-
ro de lastre, de marroquim, de panno, de tranca,
aviamentos, e todo que se faz necessario para fa-
brica de calcado ; assim como tambem urna boa
armacao envidraeada, e um candieiro de gaz com
o respectivo registro.
LE LIO
Terca-elra 31 do corrate.
O agente Olimpio far leilao de urna bacia e um
jarro de prata de lei, obra do Porto e de um rico
eonl.in de ouro de lei, ludo ser vendido por con-
ta e risco de urna pessoa que se retira para fra
da provincia.
Dar principio as li horas em ponto.
de movis eoutros artigos.
Em coutinuanio.
luarta feira ao nielo da.
O agente Miranda, por nao ter em seu armazem
proporcoes sufflcientes para accommodar todos os
objeclos de que esta va encarregado pelos seus
committeotes de expr venda, contina o mesmo
leilao expondo leilao um sem numero de objec-
tos anda nao apresentados, taes como movis,
quinquilharias, artigos de luxo, etc. etc.
LElLl
DE
Urna escrava.
Quarta-feira 1- de junho.
Por ordem io consulado de Portugal, o agente
Pestaa far leilao no da 1 de junho prximo fu-
turo ao p da Associacao Commereial, de urna es-
crava de nome Lima, a qual engoinma perfeita-
nienfe, cosinha bem e lava, tem 30 annos de ida-
de e pertencente ao casal da fallecida D. Anir;
Francisca da Costa Guimares, os pretendentes
podem a examinar em mao do mesmo agente.
LEILAO
DE
um escravo
<|ini(i-f ira ao ineo da.
O agente Miranda vender em leilao, no dia e
hora cima indicados, um escravo i>erito cozinhei-
ro, no seu armazem dama da Cruz n. 57.
DE
predios a a povoaeo do Montei-
ro, todos em cbos proprlos.
O agente Simoes far leilao requerimenlo dos
administradores da massa fallida de Joaquim Viei-
ra Ceelho C, e por mandado do lllm. Sr. Dr.
juiz de direito especial do commercio dos predios
seguales situados na povoario do Monteiro, come
sejam :
Cma casa terrea sem numero,eom 29 palmos de
(rente e 71 -de fundo, com duas salas, 4 quartos,
cosinha, 1 qiiarlo externo, quintal em aberlo, ter-
raco na frente com grade de ferro.
Tres ditas na mesma confarmidadecima, e jun-
los a.OOOSOOO.
Corre depols d'anianhlia.
Quarla-feira Io de junho prximo se
trahir a ultima parte da segunda e
meira da terceira lotera da igreja de N. S.
do Carmo, no consistorio da igreja de N.
S. do Rosario da freguezia de Santo Anto-
nio.
Os|bilhetes, meios e quartos acham-se
venda na respectiva thesooraria ra do
Crespo n. 15.
Os premios de 5:000;?000 at lO^OOO
sero pagos urna hora depois da extracto
at s 4 horas da tarde, e os outros no dia
seguinte depois da distribuicao das listas.
O thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
GASA D4 FOKTUYt
AOS 5:000.000
Bllhetes garantidos
A' ra do Crespo n. 23 e casas do costume
O abaixcf assignado tendo vendido nos seus mui
to felizes bilhetes garantidos o meio n. 572 com
a sorte de 1:200* e o de n. 2793 com a de 6005 e
outras sortes de 300,5, 1005, 405 e 205, da lotera
que se acabou de extrahir a beneGcio da igreja
da Capunga, convida aos possuidores de ditos bi-
lhetes a vironi receber seus respectivos premios
sem os descontos|das leis em seu estabelecimento
ra do Crespo n. 23. 1
O mesmo tem exposto venda os novos e felizes
bilhetes, meios e quartos garantidos da lotera a
beneficio do convento do Carmo que se extranir
quarta-feira Io de junho,
Precos.
Bilhetes inteiros..... (13000
Meios......... 35OOO
Quartos........ 15500
Para as pessoas que comprarem
de 1005 para cima.
Bilhetes........ 85500
Meios......... 25750
Quartos........ 13375-
Maneel Martins Fiuza
0 cirurgiao Leal mudou
a sua residencia da ra do
Queimado para a ra das
Cruzes sobrado n.
meiro andar, por
armazem Progressista, aon-
de o acharao como sempre
prompto a qualquer hora pa-
ra o exercicio de sua pro-
flssao, chamado por escripia.
A'IT^WP AO ~~"1 Sr. Pompilio Numa Pessoa, acadmico,
liruiyilv. I queira dirigirse na da Cruz n. 23, primeiro
Rqga-se ao Sr. Jos Joaquim de Lima, morador andar, a negocio de seu interesse._____________
Est para alugar-se a casa terrea n. 39 da
ra da Uniao : quem a pretender, dirija-se ra
da Aurora n. 10, que achara com quem tratar.
Aluga-se o primeiro e segundo andares da
casa a. 193 da ra Imperial: na roa da Aurora
numero 36.
; em Olinda o favor de vir tirar o seu penhor que
ha mais de deas annos tem em poder dai abaixo
asignada ; na ra de detraz da matriz da Boa-Vis-
ex ta n. 10, at o prazo de 8 dias da dala dcste, do con-
pri- trario jera vendido para pagamento do principal e
furos.
Recite, 2o de maio de 1864.
Antonia Mara d.i Silva.
Jos Francisco de Azevedo e sua senhora re
tiram-se para Europa.__________
Precisa-se de urna ama para casa de homem
soltciro : a tratar na ra das Cruzes n. 25._____ I
A viuva do Jacintho Silveste Vicente, conti-
nua com o mesmo estabelecimento de sea finado
marido, dando jamares para fora por preco com-
modo, na roa da Cruz n 26 ; assim como prope-|
se apresentar mao de vacca de manha nos domin-
gos e dia santos, com todo o asseio.
Na mesma casa precisa-se de criadas, ou escra-
vas que saibam cosinhar e engommar e todo o mais
servico de casa e ra.
36, pri-
cma do
.!
DENTISTA DE PARS
URna Nova-19
Frederico Gautier, cirurgiao dentista,
faz todas as operarSes de sua arte, e col-
loca dentes artificiaes, tudo com superio-
ridade e perfeico, que as pessoas enten-
didas Ihe reconhecem.
Tem agua e pos denuncio.
Empreza dailluminacao.
l gaz.
Todas as vendas de apparelhos e reclamares
(por escripto dando o nome, morada, data, etc.),
uevem ser feitas no armazem da ra do Imperador
n. 31. Os machinistas mandados para atlendera
estas, apresentaro um livro que os reclamantes
daiero assignar logo depois de prompto o serrino
reclamado ; isto para que a empreza lique sciente
do haverem os mesmos senhores sido devidamen-
te attendidos.
O
Precisa-se de um mo,
mente escripturar por partia? "obradas :*na
do Crespo loja n. 17.
~ Precisa-se fallar ao Sr. Antonio Jos
co que saiba perfeia' I Teixeira de Mendoza Belm, nesta typo-
graphta.
ra
Quem tiver urna escrava ou pessoa forra que
queira dar algumas vezes no dia leite a urna me-
nina depoucos dias: trate na ra Direita loja n. 47.
Aviso.
Na fabrica de sabo na ra do Bangel n. 34 se
contina a vender sabo amarelto massa, tanto em
caixas como a retalho a 200 rs. a libra.
Precisa-se de um caxeiro de 12 14 annos
de idade, que tenha
da Roda n. 48.
pratica de taberna ; na ra
Precisa-se de um caixeiro para taberna, de
idade de 12 13 annos, com pratica ou sem ella :
na ra do Rangel n. 18.
Precisa-se de um forneiro que saiba bem de:
sempenhar o seu lugar : na padaria da ra larga
do Rosario n. 16.
Jos Goncalves dos Santos retira-se para fra
da provincia.
Precisa-se alugar urna prela escrava para
comprar e cozinhar para urna familia pequea :
na praca da Boa-Vista, botica n. 6.
Offerece-se para alguma casa de homem sol-
teiro urna pessoa de idade e capaz para tomar con-
ta do servico interno e mesmo da regencia de
casa : a tratar no becco tapado da ra do Padre
Ftorlano n. 16._______________________
Precisa-se de ama ama para o servico inter-
no de urna casa de pequea familia : a tratar na
ra Direita n. 47 loja. ______
Precisa-se alugar urna preta que saiba cozi-
nhar e engommar : quem a tiver, dirija-se ra
do Trapiche n. 4, que achara com quem tratar.
O abaixo assignado declara que em algnm
tempo se assigaou Luiz Antonio dos Santos, porm
que por apparecer outro de igual nome, se assig-
ntnrd'oraem diasop te
onioLuianto sPereir aA naz.S-
SS
ou menos, de
Senzala Kova n. 4.

MUTA ATIENDO
O abaixo assignado, liquidatario da exlincta fir-
ma de Vidal & Bastos, pela ultima vez avisa aos
devedores da mesma firma, que venhant pagar seus
dbitos ateo dia 15 de junho, depois desa data
terao de ser entregues os mesmos a um procura-
dor para os cobrar jad-cialmente. Recri 15 de
maio de 4*64.
____________Joo Carlos Bastos Oliveira._____
Precisa-se de um caixeiro com pratica de
to s mesmas. | molhados, ou que tenha sido caixeiro de alguma
Urna dita margem do rio Capibaribe na ms-; taberna, sendo Portuguez, com idade, pouco mais
ma povoaeo com 55 palmos de frente e 42 de ou menos, de 16 18 annos,: a tratar na ra da
fundo, 2 salas, 4 quartos, cosinha externa, quintal '
em aberto, pequea baixa para capim, com caes e
escada de-tyolo e cal, margem do rio.
Urna dita com frente para a margem cima,
com 20 palmos de frente e 24 de fundo, 2 salas, 1
quarto e e -cosinha exlerna, com oilo de taipa,e
quintal em aberto.
. Urna dita em tudo igual ultima c junto
mesma.
Casas terreas de taipa.
Urna dita com 25 palmos de frente e 44 o
fundo.
lina dita com 26 palmos de frente e 31 de fun-
do, com 2 salas e 2 quartos, cosinha externa, quin-
tal em aborto.
V"ma dita do, 1 sala, 1 quarto, osinlia externa, quintal em
aberlo.
Tina dita com 22 palmos de frente e 42 de fun-
do, 1 sala, 2 quartos, cosinha e l quarto externo,
quintal em aberto.
Urna dita com 19 palmos de frente e 42 de fun-
do, 2 salas, 2 quartos, quintal em aberto, cosinha
externa.
O vigario encommendado na freguezia de
Muribeca tendo de celebrar na matriz da
referida freguezia una missa e memento
por alma de S. Exc," Rvm.' o Sr. hispo dio-
cesano, no trigsimo dia da seu pagamen-
to, convida a todos 03 seus paroebianos pa-
ra prestarem sua6 assistencias a tito carido-
so acto.no dia 30 do correte pelas 9 horas
da manha.
Amarantes.
Os pretendentes desde j podero examinar os Arcos dc Val de Ver-
referidos predios, e querendo qualquer informacao
Saques sobre Portugal.
Aiiloiio Luiz de OiiveirA Azevedo & C.
Agentes do Bakco Uniao do Pobto.
Competentemente autorisados sacam por todos
os paquetes sobre o mesmo Banco para o Porto c
Lisboa e para as seguales agencias:
Lagos.
i Aveiro.
podero enteader-se com o referido agente em seu
escriptorio ra da Cadeia n. 3, t andar, aonde
ser effectuado o leilao.
Quinla-feira 2 de junho s 10 e meia horas da ra'e-
: Faro.
Barcellos.
Bastos.
Evora.
manha.
LEILAO
DE
Um Ierre 110 com 37 palmos
na na do Sebo.
Sexta-felra 3 de junho.
O agente Pinto far leilao com autorisacao dos
Srs. Meuron & C, do seu terreno da roa do Sebo
junto a casa quefoi de Joanna dosPassos hoje de
Bartholomeu Lourenco, s 11 1|2 horas do dia ci-
ma dito em seu eseripterio ra da Cruz n. 38, on-
de poderao os pretendentes obter qualquer infor-
macao a respeito.
Vianna do Castello.
Villa do Conde.
Villa Nova de Portimao.
Villa Real.
Villa Nova de S. Antouio
e frente Vizeu'
; Beja.
Braga.
Braganca.
Caminh'a.
Castello Branco.
Figoeira.
Guarda.
Lagoa.
LEILAO
DE
Predios e ac$oes.
Como sejam
Urn sobrado de 3 andares e soto, com 3janel-
las de frente para ra do Vigario n. 23, e fundos
para a ra dos Burgos.
Urna easa terrea na ra do Cabug n. 8, na qual
se acha urna loja de chapeos de sol.
Urna dita na mesma ra n. 10, em que se acha
urna loja de fazendas.
lima penuena parte do sitio que foi do finado
cirurgiao .Maaoel Joaquim Pereira, em Parnamei-
rim. _
tteita-felra 3 de junho
ao mel da.
O agente Pinto autorisado pelo procurador bas-
tante do Sr. Francisco Jos Teixeira Bastos, far
leilao a hora cima designada do dia 3 de junho
dos predios cima mencionados, os quaes se tor-
nam recommendaveis jior serem edificados em
rua principaes, o leilao ser effectuado em seu
escriptorio ra da Cruz n. 38, onde obtero os
pretendentes qualquer informacao a respeito.
Lamego.
Lei lia.
Moncao.
Moncorva.
Oliveira de Azemeie.
Chaves.
Coimbra.
Covilhaa.
Elvas.
Extremos.
Penna Fiel.
Pinlial.
Porto Alegre.
Regoa.
Setubal.
Taver.
Thomar.
Uha Terceira.
FayaL
Madeira.
S. Miguel.
Qualquer somnia prazo ou vista, podendo
logo os saques prazo serem descontados no mes-
mo Banco a razo de 4 por cento ao anno'. a
tratar na ra da Cruz n. 1.
O administrador da massa fallida do finado Jos
Luiz Peroira, convida aos credores do mesmo fina-
do, para que, dentro de oito dias, a contar da data
deste, apresentem ao mesmo administrador, em a
sua loja n. 5, na ra do Cabug, os seus ttulos de
divida, afim de serem competentemente verificados,
sob pena de, lindo aquelle praso, nao seren atten-
didos na classificacao dos credores, quelles que
deixarem tic apresentar taes ttulos. Recife 24 de
maio de 1864.
Precisase de urna preta moc,a que cozinhe e
eDgommc : quem a tiver e queira alugar, dirija-se
ra da Cadeia n. 35, primeiro andar, que acha-
r com euem tratar.________________________
O abaixo assignado declara em tempo, que
tendo fogido os escravos Paulo e Emiliano para o
engenho do Sr. Pedro Francisco de Albuquerque,
all se acham, e bem assim os escravos Germano e
Joao fgidos tambem desde c anno passado, procu-
raram o Sr. Feliciano Joaijium dos Santos, em cu-
ja casa esto, sendo depositario delles o Sr. Anto-
nio Mara de Araujo, que j deve ter sciencia dis-
to, sem duvida, porque muto para crer que esses
senhores Ihe tenham communicado. Estes escra-
vos fazem parle da fabricado engenho Frescondim.
Manoel Barbosa da Silva.
0 abaixo assignado avisa ao Sr. Feliciano
Joaquim dos Santos que pode ir tomar eonta at o
fim do corrente, das bestas c bois que tem o mes-
mo abaixo assignado olwigacao de entregar, con-
forme recebeu na eccasiio do arrendamento do en-
genho l'Y.'-nhIiid, e se o nao fizer declara que se-
ro depesitados em jateo, assim como j o fez o
anno passado rom a fabrica, e o mesmo engenho
por se ter negado Smc. a receber tudo calculada-
mente, e Manoel Baibosa da Silva.
g
Precisa-se de urna ama para toda o servico
de casa de pouca familia : na travessa da matriz
de Santo Antonio n. 8.
Boupa engommada com a perfeico que se
pode desejar, tanto de homem como de senhoras :
na ra dos Pires n. 39.
Na roa estrella do Rosario u. 34
Advogado Afbuso de Albu-
querque Mello,
pode ser procurado a qualquer hora ; as sextas-
feiras, porm, na villa do Cabo.
Na ra de Aguas-Verdes, no primeiro andar
da casa n. 50, deseja-se fallar com urgencia ao Sr.
Joaquim dos Santos Coelho a negocio de seu in-
teresse,
Os abaixo assignados promoveram umasubs-
cripcao para Guiomar Luiza se retirar para Por-
tugal, e nao se effeituando a dita viagem pela sup-
phcante tomar outros destinos, os abaixo assigna-
dos concordaran) a offerecer a dita quantia ao Hos-
pital Portuguez; os senhores que concorrtram com
o seu contingente, e nao cancordar com o que fica
assim dito, queiram fazer o favor de irem receber
a quantia qne deram na travessa do Queimado n.
9, no praso de 13 dias. Recife 27 de maio de 1864.
Manoel Ribeiro Fernandes.
______Bernardo de Cerqneira Castro Monteiro |
Na ra dos Copiares, casa n. 3, se offerece
urna mulher para cozinhar para um ou dous ho-
rneas solteiros, assim como se encarrega do en-
k'ommado para os mesmos._____________
AMA M iim
Precisa-se de ama ama que tenha bom leite :
trata-se no sobrado n. 26 confronte ao becco do
Pocinhe, ou na estrada dos Afllictos, terceiro sitio
ao lado direito.
Jardineiro.
O cemiterio publico precisa de um jardineiro :
a entender-se com o administrador do mesmo.
Offerece-se para ama de homem solteiro urna
mulher de maior idade, para cozinhar, e d fiador
sua conducta : na ra Bella n. 26.__________
MlSSAOOli
Precisa-se de um amassador : na padaria de A.
F. da Silva Beiris, ra dos Pires n. 42.________
Milita atteu^ao.
Aos senhores ourives.
Oesappareceu do dia 27 28 do corrente um al-
O-
O
td
-i
I
CO
00
B
r
p-
o

o
g
O
O
O
P-
P
P
p
p
o
P-.
o
&
p-
o
p
p-
o

X p*
r/5 p-
p
QQ
P-0 CX>
B
8*
2 P
^^ CO
0
B
c- 0
p
fe
p
b:
p
p
co
p-
I
O

o
p
I
co
011 Una a vontade do comprador
trabalhar a mao para
descaroctir algodo
FABUI CADAS
Per Plant Brotliers & C.
OLDAM
possue as vantagens de
Estas machinas
podem descarocar
qualqner especie
S)dc algodao sem
estragar o fio,
sendo bastante
duas pessoas para
otrabalho; pode
descarocar urna
arroba de algo-
dao em caroco
em 40 minutos,
ou 18 arrobas
por dia ou o ar-
robas de ajgodo
limpo.
Esta machina
a nica que
destruir o fio do al-
godao e de fazer render o dobro de qualquer ou-
; tra com menos trabalho, a sua introduccao para
as provincias deste imperio ser de muto valor
finete de brilhante, tendo Tira"pequeo pingo preto Par.a ,?dos os '"""-essaxlos na lavoura do paiz.
entranhado na jwdra que muito mal se percebe, a
pedra de bom lamanho e ricamente lapidada, a
cravacao simples e moderna, estando um tanto
torta a perna do alfinete, em consequencia de se
forcejar quando pregava-se no peito das camisas :
roga-se aos senhores ourives nao fazerem transac-
coalguraa com o dito al tino te e dete-lo, eotregan-
do-o na ra Nova n. 32, terceiro andar, que alm
de agradecido ter 3Q& de gratificacao : o mesmo
se entende com qualquer outra pessoa que o ap
prehender e catregalo na casa cima.
AMA.
Precisa-sede urna ama para casa de pouca fa-
milia : na praca do Corp Santo n. 17, terceiro
andar.
Na praca da Independencia, loja de ourives
i n. 33, compram-se obras de ouro, prata e pedias
i preciosas, assim como se faz qualquer obra de en-
commenda, e todo e qualquer concert, e igual-
mente se dir quem d dinheiro a premio. .
Aluga-se um sitio na estrada da Ponte de
Uchoa e a marg;m do rio, pouco adiante do lllm.
Sr. commendador Nery Ferreira, tend
palanque, galinheiro e outras acom
outro dito no Monteiro, em frente ao
ja : a tratar com Antonio Jos Bodri
za, roa do Crespo n. 15, ou estreita do Bosario nu
mero 32.
Madama Ferro,
proprietaria do hotel italiano sito na ra do Trapi-
che n. 44, tem a honra de participar aorespeitavel
publico desta capital, e em particular aos senhores
empregados do commercio que acharao todas as
segundas c quintas-feiras a afamada sopa de ra-
viole, como assim todos os outros dias outras es-
colhidas sopas italianas ; isto estar prompto das
Precisase de urna ama para todo servico de i0 l,oras da manha s 4 da tarde, horas muito
urna casa de pouca familia : na ra das Larangei- propnas para lanche ; afiancando-Ihes que os pre-
ras n. 3 tiimeiro andar. 50S serao os mais razoaveis possivels, e de que es-
Precisase de aima pessoa forra ou captiva
para comprar e cozinhar, paga-se bem, sendo de
boa conducta e cozinhando
Queimado n. 7.
regular : na ra do
Quinteiro & Agr gratificam a quem tiver
achado, e queira entregar, urna pulseira de dia-
mantes com cadeia de contas brancas, e que cahio
i do braco de urna senhora na noite do dia 26 de
corrate, desde a travessa do Carmo at o meio
i da ra do Queimado, sendo que para comparaeo
, se mostrar outra igual. ____
pera toda a concurrencia.
Precisa-se de nma criada livre ou escrava,
que saiba cezinhar e comprar : na ra de Santo
Amaro (Mundo Novo), sobrado onde morou o Sr.
Dr. Sabino.______________________
Arrenda-se o engenho Jangadinha, distante
desta praca duas legoas, bom moedor de agua e com
proporcoes para fazer-se 2,000 pes de assucar an-
nualmente : a tratar no engenho Cavalleiro conti-
guo ao mesmo engenho, ou na ra de Santa The-
reza n. 38.
Precisa-sede um menino dos chegados lti-
mamente do Porto para caixeiro: no pateo do Ter-
co n. 141.
Da-se 1:0003 a juros sobre hypotheca em
ama propriedade : quem quizer dirija-se ra do
Queimado n. 59.__________________________
Grande
fabrica
de fogos de artificio, da viuva Rufino, situada na
estrada de Joo de Barros; nesta fabrica apromp-
ta-se toda e qualquer encommenda desles artigos
com o maior esmero e presteza, seja para dentro
ou fra da provincia : recebem-se as encommen-
das no armazem da bola amarella, no oilo da se-
cretaria depolicia.________________________
Precisa-se alugar urna escrava que nao tenha
vicio, e que saiba cozinhar o diario de urna casa,
eque engomrae soffrivelmente, para urna casa de
pequeua familia : quem tiver e quizer alugar, di-
rija-se ra da Imperairiz n. 4, segundo andar.
Assim como machinas em ponto grande do mes
mo systema, para serem movidas por animaes,
agua ou vaporeas quaes podem descarocar 18 ar-
robas de algodo limpo por dia.
O algodo descaroQado por estas machinas tem
muito mais eslimagao nos mercados de Europa e
vende-se*por maior preco.
As machinas se acham venda uuicamenie em
casa de
Saundcrs Brolheis k C.
X. II, praca do Corpo Sanio
KECIFE.
mOs nicos agentes neste paiz.
Alugam-se duas casas terreas pintadas de no-
to, no becco do Lima, bairro de S. Jos, cada urna
com 2 salas, 2 quartos e armario, cozinha fra e
um pequeo quintal, serve para urna pequea fa-
milia ; quem pretender, dirija-se ra da Impe-
ratriz n. 4, segundo andar.
Thomaz Pereira Bastos, Brasileiro, vai Eu-
ropa tratar de sua saude.
COMPRAS.
Comprase efectiva-
mente
ouro e prata em obras velhas, pagande-se bem
na ra larga do Rosario n. 4, loja de ourives^
- Rocco Pagano, subdito italiaao, retira-se para | -.Precisa-se de urna ama que saiba engommar
Eurooa e cozinl,ar- e pagase bem : no becco da Boia n.
i 2, primeiro andar,
Precisa-se de um bom
ama para engommar e lavar
ra da Aurora.
cozioheiro, e de urna
: no sobrado n. 32,
DE
Dividas aclivas do espolio de Joo
Captista da Kocha.
Por ordem do consulado de Portugal o agente
Pestaa far leilao no dia 4 de junho prximo fia-
do, porta da Associacao Commercial das dividas
activas prlencentes ao espolio do finado snbdito
portuguez Joao Baptisla da Bocha,na importancia de
9:360*696 ; sendo era contas de livro 4:0745832 e
em letras 5:2834841 rs., etrando neslas duas
hypothecas eujos ttulos e relafo das dividas
acham-se em mo do agente, onde podero ser
examinados. Na mesirta occasio vender-se-ha
urna casa na ponte dos Carvalhos avahada por
90j>, pertencente ao mesmo expolio.
AVISOS DIVERSOS.
Precisa-se de urna ama de leite : na ra da
Cooceicao n. 8, sobrado de um andar.__________
Precisa-se fallar ao Sr. Francisco Pereira La-
gos, nesta typographia. ________________
Precisa-se de urna ama qn" tenha bom leite :
na ra de Hortas n. 130.
Nao se sabendo a residencia do Sr. ,
Francisco Xavier Mendes Jnior, e pre^i- i |?,sJf lhe iulzerem conflar
sando-se fallar-lhe a negocio de seu interes-
se, pede-se-lbe que compareca ra do
Crespo lojan. 18.
Aula particular.
Ra \ov;i el rH. terceiro andar
O abaixo assignado provisiondo pela directora
;eral da instrueco publica para ensinar primeiras
etras, latim e francez, contina a leccionar as
supraditas materias, e anda admitte pensionistas
de menor idade.
A pratica de 18 annos consecuhvos no exercicio
do magisterio, sua inteira dedicacao e o aproveita-
mentode seus discpulos sao garantas para quel-
les que Ihe quizerem confiar a educacao de seus
filhos.
Jos Mana Machado de Figueiredo.
Poupando lempo, trabalho, passicncia o di-
nheiro com a compra dos chamins a nova inven-
cao do Sr. Browm, vende-se em casa dos Srs. Os-
borne ra do Imperador n. 78._______________
Dinheiro. a premio.
D-s a quantia de 800$ pelo tempo que se con-
cordar a um e meio por cento ao mez recebendo-
| so por seguranga penhores ou firma a contento,
pode ser procurado a pessoa que faz este negocio
i na loja de calcado na praca da Independencia do
Sr. Porto n. 39.
O abaixo assignado faz sciente ao respeita
vel publico, e principalmente aos senhores nego-
Arrenda-se o engeoho d'agua denomioado ciantes, com quera leve transaccoes de negocio,
Jussar, sito na freguezia de Ipojoca, pouco mais que julga nada dever nesta praga, porrrf se algnm
de urna legua das estacoes de Ipojuca e Escada, desses seohores se iulgar credor, pode apresentar
cora boas margens de massap para se safrejar: os seus ttulos as Cinco Ponas n. 66, no praso de
em grande escala : a tratar no paleo do Livra-;8 dias, ao Sr. Joo Jos de Carvalho.
ment com o Dr. Ignacio Nery da Fonseca. I Diogo Henrique de Souza.
Aluga-se o segundo andar e soto do sobra-
do sito na ra da Imperatriz n. 36 : a fallar no
' primeiro andar do mesmo.__________
No caf Restaurant do commercio, ra do
Trapiche Novo n. 22, tem quartos mobilhados para
alugar por mez. _____
Precisa-se de dous feitores Portuguezes para
todo o servico de campo : trata-se na ra da Moe-
da n. 10, das 9 horas da manha s 2 da tarde.
Aluga-se a loja de urna porta s na
ra do Crespo n. 4 com armacSo ou sem
ella, para tratar em casa de J. Falque na
mesma ra n. 4.____________________
Precisa-se de urna ama para casa de peque-
a familia : a tratar na ra Nova n. 23, segundo
andar._________________________________
Precisa-se de urna ama para tomar conla de
urna enanca de 14 mezes, e mais algum servico de
casa de pouca familia : na ra do Trapiche n. II,
hotel de Franca.
Compra-se
constantemente ouro e prata em obras velhas : na
amiga o feliz loja de bilhetes de lotera da praca
da Independencia n 22.
Fabrica de licores c perfumaras.
Neste estabelecimento compra-se electivamente
garrafas, botijas e frascos de genebra vasias, assim
toda a especie de frascos de perfumaras : na ra
do Amorim n. 12.
Compra-se ama mala de viagem de bom ta-
manbo e em bom estado. ^^___^_
Comprase urna escrava que seja mulata ou
preta, cora 30 annos de idade, pouco mais ou me-
nos, que saiba vender na ra e cozinhar, sem vi-
cio nenhum : quem a tiver.dirija-se' Capunga No-
va, na entrada da mesma, passando o primeiro
portp, no segundo, que achara com quem tratar.
VENDAS.
Santo Antonio
Acha-se venda na typographia da ruadolmpe
radorn. 13 a trezena do glorioso Santo Antonio,niti
damente.impresso, em um folheto, obra indispensa-
vel para os devotos do mesmo santo.
o iiiauial do plautador do algo-
do. por Tsirncr, coutendo os
seguintes captulos :
1 Methodos ordinarios da cultura do algodo.
2o Systema aperfeicoado da cultura do algodo
pelo Dr X. B. Cloud.
3o Historia natural do algodao, suas especies, e
variedades.
4* Molestia e insectos destruidores do algodao.
3o Analyse da planta de algodo com relaco a
appcacao dos estrames, etc.
6o Consumo do algodao e trafico do algodo.
_7 Historia do algodo e do engenho de algo-
do.
fsta obra nma compilacao dos artigos de jor-
nales de agricultura, e em geral dos melbores es-
criptos que oestes ltimos annos tem saludo luz
nos Estados do Sol da Dniao Americana acerca da
cultura, produeco, commercio, historia natural,
analyse chimica, e tudo mais quanlo diz respeito
este importante genero de producto agrcola.
Pode-se dizer que este Manual a obra mais com-
pleta que existe sobre a materia, sendo ao mesmo
tempo theorico e pratico,e encerrando todas as no-
ticias relativas scmclhante assumpto.
Vende-se a 63 o exemplar, na livraria de 11 F.
de Paria & F1II10, praca da Independencia nme-
ros 6 e 8.
O Livro do Povo,
obra adoptada fiara o uso das escolas primarias da
provincia, conlendo : vida de Xosso Senhor Jess
Christo, o vigario, fbulas, o bom homem Bicardo,
quadrupedes uteis, moral pratica, o professor pri-
mario, Simo de Nanlua, mximas e pensamentos,
da hygiene, receltas necessarias, o Brasil: vende-
se noBecife, na liv.-aria de M. Kigneiroa de Faria
S Filho, praca da Independencia ns. 6 e 8.
VIXHO PURO.
Chegou nova remessa de ancDretas com supe-
rior vinho puro : vende-se no escriptorio de E. R.
Babello, ra da Cadeia n. 53.
Trinas e volantes.
Chegaram a teiupo proprio.
So para o Vigilante.
Ate que chegou um grande sortimento de trinas
e volantes, gales, bicos e espegulhas pratiadas e
douradas, e de todas as larguras, propriamente
para os ornamentos de igrejas e oratorios para
festejar o mez Marianno ; sons precos sao muito
racoaveis: s no Gallo Vigilante, ra do Crespo
numero 7._______________________________
Cliegiiem ao barato.
Na loja do Passeio Publico n. 11, vendem-se pe-
cas de madapoles a 33 com 20 varas.
ATTEN(\0.
Vendem-so Malos para sortes de Santo Antonio
e S. Joao a 60 rs. a duzia : na livraria universal,
ra do Imperador n. 34.
a sacca : no
raizo n. 14.
Fardo a 3,80U rs.
armazem da Estrella, largo do
Pa-
Vende-se um preto mogo bom pedreiro e oleiro,
sem vicios : na Boa-Vista n. 6.
Terreno.
Vende-se um terreno com 30 palmos de frente e I
lio de fundo, sito na ra da Eperanca : a tratar
na ra Direita n. 106.
Muita attenedo.
i
Vende-se a taberna da ra do Bangel n. 22 com
poucos gneros, e bem afreguezada para a trra ;
e tambem se vende s a armacao, no caso dos pre-
tendentes nao quererem ficar com os gneros; es- Vende-so a taberna atraz da matriz de Santo
te negocio faz-se por causa do dono ter de se reti-1 Antonio n. 18, com poucos fundos, o d-so 10 0|0
rar muito breve para Europa: a tratar na mesma. de abate.
Vende-sc um sobrado mei-agua sito no bec-
co da Bomba n. 2 : quem o pretender, pode decla-
rar o seu nome e residencia na loja n. 18 da ra
do Queimado para ser procurado.
Farinha de mandioca superior
em saceos grandes : vende Antonio Luiz de Olivei-
ra Azevedo & C, no seu escriptorio ra da Cruz
numero 1.
Urna pessoa que se retira para fra vende
urna cama de armacao com lastro de palhinha,
com muito pouco uso : a tratar na ra do Quei-
mado n. 71.
Rtt da Senzalla n. 42.
Vende-se, em casa de S. P. Johnston & C,
sellins e silhes inglezes, candieiros e casti-
caes bronzeados, lonas inglezas, fio de vela,
chicotes para carros e montara, arreios para
carros de um e dous cavallos, e relogios de
ouro patente inglez.
Nova expsito de azeiulas
baratsimas.
Loiada Arara-Kua da Impci-.iti 11. 06.
Oproprietario dcste grande estabelecimento, Lou-
ren^o Pereira Mendes Guimares, prometi sem-
pr vender barato para aparar diuheiro.
Craude pcchlncua, cortes de cas-
sa a %#O0O.
Vende-se cortes de casa franceza para vestidos
a 23, ditos a 23300, cortes de cambraia de palmas
soltas com 1 vara de largura a 23, ditos com ba-
bados a 33 : na ra da Imperatriz n. 36, loja da
Arara.
Bramante de linho a 8too.
Vende-se bramante de linho de 10 palmos de
largura, proprio para lenc,esr a 23200 a vara,
panno de linho de 4 palmos de largura a 640 a va-
ra, hamburgo de linho a 440, 340 e 600 rs. a va-
ra, bretanha de linho fino a 6'i0 e 800 rs. a vara,
brim de linho branco a 13200, 13400, -3600 e 23
a vara : na loja da Arara, ra da Imperatriz n. 36.
Filo de linho a SOO rs.
Vende-se fil de linho muito fino a 800 rs. a va-
ra, dito de cor e branco a 160 rs. o covado, tarla-
tana de cor a 640 a vara : na ra da Imperatriz
n. 36.
Cortes de cascmlra a 2g.
Vende-se cortes de casemira de cor a 23, ditos
finos a 33, cortes de ganga franceza a 13600" dito
de hrim pardo a 13800 a 23 : ra da Imperatriz
n. 36, loja da Arara, de Mendes Guimares.
Chitas da Arara a 5MO rs. o co-
rado.
Vende-se chitas escuras celaras a 240 e 280
rs. o covado, ditas rancezas a 320, 360, 400 e 440
rs., riscados francezes a 180 rs. o covado, gorga-
rao de liuho para vestidos a 280 rs. o covado, fns-
to de cores a 300 rs gangas para calcas c pa-
tots a 440e 500 rs. o covado : na ra da Impera-
triz n. 56.
X Arara ven/le baldes a' il'v
Vende-se balos de 13, 20, 2o e 30 arcos, dos
melhores que tem vndo ao mercado, a 33, 33300
e 43, e ditos de brilhaniinaa 43, meias para se-
nhoras muito finas a 800, 400 e 320 rs. o par, di-
tos para meninos a 16180, para acabar, na loja da
ra da Imperatriz n. 30.
A Arara recebeu novos soutembarques pretos
de grosdenaplc ricamente enfeilados, e os vende
por 223 e 23.3. capas pretas muito bem enfeiladas
e manteletes de grosdenaplc de superior qualida-
de : na loja da ra da Imperatriz n. ."io\
Lassa organd\s 2i0 o covado.
Vende-se cassa organdys para vestido a 240.
280 e 320 ris o covado, cortes de dito com 14 co-
vados a 33, ditos de la com barra a 83 : na ra
da Imperatriz n. 56 de Mendes Guimares.
A Arara vende niadapolo franrez rnfostado a #.
Vende-se pecas de madapolo francez entestado
a 45, dito inglz com 24 jardas a 63300, 73, 83,
93 e 105, pecas de algodo enrorpado a 53, e^63
73 : na ra da Imperatriz n. 56, loja da Arara.
Grande soE't intento de roiipa
feita.
Vende-se palitots de panno preto a 123. 105, 85
e 63, ditos de meia casemira a 33300, 43300 e 33,
ditos de brim tino a 65, 25500 e 35, caiga de brim
a 2-3300 e 23, ditas linas de brim pardo a 33, di-
tas de brim branco a 35300 e 45. seroulas de li-
nho a 15800 o 25, camisas francezas linas a 25 J 1
e 25300, ditas de linho a 35, pares de meias a 200
240 e 320 rs., grvalas linas pretas e escuras bor-
dadas as ponas a 15, ditas para menos a 800 e
500 rs.. colarinhos de linho a 400 rs. ; s na loja
da Arara, ra da Imperatriz n. 56, loja de Mendes
Guimares.
Grande pechincha de lazinhas
.1 iio rs.
Vcnde.se lazinhas para vestides a 240, 320,
400 e 300 rs. o covado, ditas muito finas de cores
lizas, proprias para capas e vestidos de senhoras a
650 rs. o covado, ditas escuras muito finas a 640
rs. o covado, ditas de i palmos de largura com
palmas de seda a 720 o covado, popelina muito li-
na de ricas palmas a 15200 o covado : na ra da
Imperatriz n. 56, loja da Arara n. 56.
Fazendas para senhoras, golli*
nhas a 900 e 330.
Vende-se golinhas para senhora a 200,320 e 500
rs. cada una, camisinhas para senhoras a 15,15280
e 23; ditas muito finas com gollinhas a 45300 : na
ra da Imperatriz n. 56, loja da Arara.
A Arara vende fazendas para
luto, cassas a SOOrs.
Vende-se cassa preta fina a 320 rs. o covado,
la prela para luto a 640 rs. o covado, alpaka
preta a 300, 640 e 800 rs., bombazina a 1500 o
covado : na ruada Imperatriz n. 36, loja e arma*
zem da Arara, de Lourcnco Pereira Mendos Gui-
mares.
Cortes de chita a 2400.
Vende-se cortes de chitas de cores Oas com 10
covados a 25400, ditos finos a 25800, ditos de ris-
cado francezes com 14 covados a 35 : na ra da
Imperatriz n. 36, loja da Arara.
AGENCIA
DA
FUNDICAO DE L0W-M00B.
Ra da Senzalla nova 11. 42.
Neste estabelecimento contina a haver
um completo sortimento de moendas e meiss
moendas para engenho, machinas de vapor
e tachas de ferro batido e coado, de todos os
tamanhos para ditos.
Arados americanos e machinas para
lavar roupa: em casa de S. P. Johnston & C,
ra da Senzalla Nova n. 42.
~A 2^500 o cento.
Charutos francezes : no bazar pernambucano,
ra larga do Rosario n. 30.
da Baliia
roupa de escravo; tem
Algodao
para saceos de assncar
para vender Antonio Luiz de Oliveira Azevedo &
C, no seu escriptorio ra da Cruz n. i.
Vende-se alpaca preta a liOU rs. o covado.
Vende-se alpaca preta para vestidos a 500, 600,
700 e 800 rs., tina de cordo a 800 rs para pale-
tot, princeza preta a 800 e 640 o covado, bombazi-
na preta fina a 15400 o covado, lazinhas preta
para senhora (pie esli de lulo a 720 o cov;ul 1 :
na ruada Imperatriz n. 5*i. A loja est abertaa:
s 9 horas da noite.
Lilil a.
Xa loja da Aurora, ra larga do Rosario n. 38,
vende-so linha de carretel azul ferrete a 20 rs. o
carretel, e sendo em duzia a 20q rs, dita de dita
branca de n. 80 a 120 com 100 jardas a 20 rs. o
carretel, c a d:izia a 200 rs., pois muito propria
para as costnreiras allnharem qualquer costura
que seja lina, assim como tambera tem grande sor-
timento de qualquer qualidade.
i'ttn algodao.
Vende-sc por preco commodo urna exccllcn'o
machina americana que trabalha com um cavallo
para fazer mover qualquer machina pequea de
descarocar algodo, tendo a vantagem de ser mui-
to simples e economisar muto o trabalho bracal:
a tratar na padaria da ra Direita n. 84.
Machinas para algodfio.
Vende-se urna machina para descarocar algodo
e um motor com todos os pertences para trabalhar
com 2 ou 4 cavallos; a qual descaroca 120 arro-
bas de algodo por dia, sendo (muito maneira no
trabalho e de mui fcil transporte para o centro :
ella acha-se montada e o comprador pode ver o
seu trabalho, cujo resultado se garanto.
Tambem vendem-se machinas para descarocar
algodo movidas a braco, de diversos tamanhos
lano americanas como inglezas, as quaes descaro-
r,am de 20 60 arrobas de algodo por dia con-
forme e tamanno da machina, garantindo-se tam-
bem o resultado de cada urna. Todas ellas Machan)
montadas na fabrica da travessa do Carioca n. i,
caes do Ramos, onde os compradores podem se
dirigir para vero seu trabalho e tratar sobre sea
preco._________ ___
inglezas
Naehlnas
para descarocar algodo as melhores que
tem vindo a este mercado : ra da Senzala
Nova n. 42, em casa de S. P. Johnston
AC,_____________________________
Vinho do Porto superior
em caisas de una e duas duzias : tem para ven-
der Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C, no sea
ascriptorio ra da Cruz n. 1.


-"w~
Spi
T^
nlarA de
i egnuda frtra SO tmlo de t4.
Grande liquidacao
'it faieudas na luja lo i'avo, riu da lmperatriz
i>0, de Gama & Silva.
AcOa-se este estabelecimento completamente sor-
tidode tazendu ioglezas, francezas, alternaos e
suissas, proprias lano para a praga comu para o
mato, prometiendo vender-se raais barato do qae
ein nutra qualquer parte principalmente sendo em
porgiio e de todas as fazeudas do-se as amostras
deixando flear penhor ou mandam-se levar em ca-
sa pelos caixeiros da loja do Pavo.
As chitas de Pavo.
Vendem-se superiores chitas claras e escuras pe-
lo barato prego de 2i0 e 280 rs. sendo tintas segu-
res, 500 rs., o covado, ditas pretas largas e estreitas,
riscados escocezes finos a 240 rs. o covado, isto na
loja do Pavo ra da lmperatriz n. 60 de Gama &
Silva.
Ascassas do Pavaoa 210, 280, 300 e 320 rs. j
Vendem-se linissimas cassas porsianas cores fi- j
xas a 320 rs. o covado, ditas francezas muilo finas
a 240 e 280 rs., ditas ingzezas a 240 o 280 rs. o
covado, iiuissimo organy matisado com desenhos
miudinhos a 320 rs. o covado, cassas garibaldiuas
muilo Unas a 320 rs., isto na loja do Pavao ra da
lmperatriz n. 00, de Gama & Silva.
As laazDbas da exposiro do Pavo.
Vendem-se as mais modernas laazinbas mossan-
bique. chegadas pelo ultimo vapor francez sendo
de urna s cor ou de listas miudinhas com 4 pal
mos de largura, proprias para vestido de senhora,
roupa para meninos e capas, e pelo baratissimo
prego de 500 rs. o covado, ditas enfestadas trans-
i ..rentes de quadrinhos a 500, 400 e 360 rs. o co-
vado, ditas matisadas muito linas a 500 e 400 rs.,
Una da Senzalla Sovan. 42.
Neste estabelecimento vendem-se: tachas de
(erro coado libra a 440 rs., idem de Low
Moor libra a 420 rs.
i*.
OS MAIS AGCRAVATM
E
D'iium pertinaz auraeae
DE
ESCRFULAS,
00 ERPCOES ESCROFULOSAS,
Ulceras de toda a t sperio.
sypmlis, ou mal Venreo,
TVM0RE8,
I? hu Hit-oes,
BERTOEJAS,
ATTENCAO
'' Ti iMIMJJi 11 i lli^II) I
GRANDE SORTIMENTO
DE
ilUU, Ull.l5UiailWHJiU iiiuiiu linas uv v --.-., fiTxlirrtT l l.T
ditas mais baratas do que chita tambem matisadas | >\-{ niALBlA,
a 320 rs. o covado, ditas a Maria Pa com palma
HydHfMi.
de seda e 4 palmos de largura a 800 rs. o covado,
e ditas de nina s cor parda, azul, cor de lyrio e
perola proprias para vestidos, sautembarques e
garibaldes a 720 rs. o covado, ditas escocezas a
buO e 400 rs.. isto s na loja do Pavo, ra da lm-
peratriz n. 60, de Gama & Silva.
Os chales do Pavo.
Vendem-se finos chales de crepon eslampados!
pelo barato proco de 65, 75, 85. ditos de ponta re- j
donda a 75 e 83, ditos pretos ricamente bordados \
a retroz com vidrilho a 123, ditos pretos lisos a
53, ditos de cores a 43500 e 55, ditos de merm |
estampados a 23 e 35- ditos de la a 15280 e 25, |
ditos de retroz preto para luto a 63, isto na loja
do Pavo ra da lmperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Fazendas prelas para a qHaresma vende o Pava.
Vonde-se grosdenaple preto muito superior a
13600, dito a 15800, 25, 25500, 2380 > e 35, mo-
reantiqne preto muito superior a 35 c 25800, sar-
ja preta hespanhola muilo encorpada a 25, isto na
loja do Pavo ra da lmperatriz n. 60, de Gama
& Silva.
0 Pavo vende para luto.
Vende-se superior setim da China fazenda toda
de la sem lustro tendo 6 palmos de largura pro-
pno para vestidos, paletots, capas etc., pelo bara-
to preco de 25, 25200, 25500 o covado, cassas
prctas'lisas, chitas pretas largas e estreitas, chales
de merino lisos e bordados a vidrilho, manguitos
com gollinhas e outros muitos arligos que __ se ven-
dem por precos razoaveis : na loja do Pavo ra
da lmperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Os corpiunos do Pavo
ge.ns,

-j! ^-^ "
*"* i
M M T *-
u u,fc.-v-
?m A FESTA.
\
en ni
10|
e ti
dade
man
Vi
pie.;
45,
Vende-se os mais modernos corpinhos de cam-,
hrai ricamente bordados e enfeilados a 7 e85 ; |
r.a I tja do Pavo, ra da lmperatriz n. 60, de Ga-'
ma Suva.
Os vestidos do Pavo
jnde-se ricos vestidos de grosdenaple preto ri-
;ntc bordados a veludo pelo barato prego de
sendo fazenda que sempre se vendeu a 1005
)5 ; ditos do cambraia brancos ricamente bor-
i a croch, sendo proprios para baile e casa-'
o a 10, 15, 20 e 303; ditos de la com lindas
barra a 18 e 155; isto na loja do Pavo ra1
da I nperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Os pannos do Pavo.
ndo-se panno preto muito superior pelo barato
i de 23, 2-3500,33 e 35500, ditos muito finos a I
3 e 65, cortes de casemira preta enfestada a
45, 45500 e 65, casemira preta fina de urna s
larg ra muilo liaa a 13800, 23. 23500 e 35, cor-1
tos d! casemira de cor a 53, 53500 e 63, casemi-
ras coCestadas de urna s cor proprias para caifa,;
paletbts, colletes, capas para .-enhora, roupas para
menijios a 35 e 3J300 o covado, isto na loja do
Pavo, ra da lmperatriz n. 60, de Gama & Silva.
4 roupa do Pavo.
Vendem-se paletets de panno preto sobrecasa-
tenda muito boa a 125, ditos muito finos a
165, 20?, 255 e 303, calcas de casemira preta boa
fazenda a 45500,55, 63, 73 e 85, paletots saceos
de' panno preto a "5, ditos de casemira de cor a
C3 e 75, ditos de alpaca preta, ditos de merino
preto, ditos de brim de cores, calcas de casemira
d'cor a 45. 55,63.75. ditos de caxemira da
Ese esia a 35, ditos de brim pardo a 25500, ditos
de cor a 25 e 23500, ditos brancos muito finos,
sto na loja do Pavo, ra da lmperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
s cortinados (lo pavo.
Vendem-se ricos cortinados proprios para janel-
la e camas pelo barato preco de 93 o par, sendo o
molhor qae bao mercado": na ra da lmperatriz
u. 60, de (Jama & Silva.
As colchas do Pavo.
HERPES,
JPartros,
IIIIIWH
Estornino,
Tiiiha,
GIGAS ANTIGS,
Rheumatismo Cferortcov
DEBILIDAD UERAL,
Nervosidad*1, Nerroisins,
FJLTi DE APPETITE, NSM,
SUPPRESSO DAS REGRAS, ou
AMENORRHEA,
MI i BUS BRANCAS.
Sfreueo das Urnas*
. e.macia(;ao,
Ouetnmagrementegtrql do carpo, prw9-
Miente do estado vicioso do tangue,
INFLAMMACOES CHRCNICAS,
Afeccoes Chronicas do Figado,
ASSIM COMO TODAS AS MAIS SIMl l.il A N'TKS MO-
LHSTIAfl, l'C.INlll'Al.MKNI ;: QBAHBO SAO
CAL SAI) \S, OU PRQpl'ZIDA8 l'KI.O Mil
i.ivnK vso i>o Mercurio ou
Quii tro,
As.nIui romo tninbnn pelo fifqiii'ntc uso ] AK-
Todas Moa Enferniidades prompfn e oBicai
mente cadera A benfica. podarcJza e
purificantes qnalidades da mili
justnmentc afema n.n
SMiPSUffiMS m BEISTOL.
venda as boticas de Caors & Barboza,
ra da Cruz, e Joo da C. Bravo 4C, ra
da Madre de Dos.
RIVAL SEM SEGUNDO
Ra do Queimado ns. 49 e 5o, loja de miudezas
de Jos de Azevedo Maia e Silva, est continuando
no seu progresso de vender baratissimo :
Caixas de superiores obreias de cola e massa a
40 rs.
Cordao branco para vestido e espartilho, vara 20
ris.
Linhas de carretel (130 jardas) de superior quali-
dade a 60 rs.
Carlees de liuha Pedro V (200 jardas*) j muito
conbecida a 40 rs.
de muitas qualidadcs e
DUARTE & C.
Participam aos seus numerosos freguezes e ao publico em geral que acabam da
receber de sua propria encommenda, o mis lindo e completo sortimento de molbados,
os quaes vendem por grosso e a retalho por menos 10 por cento do que outro qualquer
annunciante, como vero pela seguinte tabella que abaixo notamos., garantindo os mes-
nos proprietarios n5o s o peso coma a qualidade de seus gneros.
! AVISO.
Todos os senhores que comprarem para negocio ou casa particular de 100$ para
cima terSo mais 5 a 10 por cento de abatimento, os proprietarios scientifleam mais que
odo s es seus gneros sao recebidos de sua propria encommenda, razo esta para pode
vender por muito menos do que outro qualquer estabelecimento.
Manteiga ingleza flor a 800 e i# rs. a /ibra. | Vellas de carnauba e composifo de 32o a
demfranceza amis nova do mercado a 600' 36o rs. a libra e de lo,ooo a 11,000 rs. a
1 rs. a libra, e 58o rs. em barril. arroba.
dem de porco refinada muito alva 46o rs. Genebra de Hollanda em botijas de conta a
i a libra. 440 rs. a botija, e em duzia ou em barrica
Prezunto para fianbre a 800 rs. a libra. ter abatimento.
Cha uxim miudinho vindo de conta propria, Massas para sopa macarrlo, talharim e aletria
o melbor do mercado a 2,8oo rs. a libra. a 48o rs. a libra e em caixa ter abati-
Idem hyson de superior qualidade a 2,600 rs. 1 meato.
dem estrellinha, rodinha e pevide em caixi-
a libra,
dem perola o melbor que se pode desejar a
2,7oo rs. a libra,
dem preto muito fino a 2.000 rs. a libra,
dem mais baixo pouco a 2,000 rs. a libra,
dem mais baixo a 1,800 rs. a libra.
nhas de 8 libras, muito bem enfeitadas de
2,5oo a 3,5oo rs. a caixinba e a 600 rs. a
libra.
Doce de goiaba em caixas de diversos tama-
nhos de 600 a 1,000 rs. o caixo.
Castanhas muito novas a 2,ooo rs. a caixa, e Erva dooe a 64o rs. a libra.
a 16o rs. a libra. Traques a 24o rs. a carta e 8$ a caixo.
Bolinho francez e em caixinhas de 7oo a Peixe em latas muito novo ; savel, pescada,
o mv%ii
Kua to Queimado n. 49 e o esta
acabando pecliinclia.
Pe^as debico com 10 varas
a 200 rs.
l,5oo rs. cada urna.
Vinho do Alto Douro vindo do Porto engar-
rafado garante-se a superioridade deste vi-
corvina, salmo e outras muitas qualidades
preparada de escabeche 2. a arte de cosi-
nha de l,2oo a l,8oo rs. a lata.
nho, das seguintes marcas : Duque, Ge-i Figos em caixas de 1 arroba, l/i e 8 libras
nuino, velho secco, especial lagrimas do- a 8,ooo 4,ooo e 2,ooo rs. a caixinha.
ees de 1819, vinho especial D. Pedro V., Barris de vinho branco de quinto, marca B
vinho velho, Nctar superior de 1833, Du- A Filho a 60,ooo rs. o barril,
que do Porto de 1834, vinho do Porto ve-; Marmelada imperial dos mtlhores conservei-
Iho superior, madeira secca de superior
qualidade, vinho do Porto superior D. Lu-
izl.de 1847, lagrimas do Douro espe-
cial, vinho do Porto de l.oooa l,2oo rs.
a garrafa e de lo.ooo a 14,ooo rs. a caixa
com urna duzia.
Botaehinha de soda especial encommenda e a
mais nova que ha no mercadea 2,2oo rs. a
lata.
Biscoitos inglezes das melhores marcas em
latinhasde 2 libras a I,3oo rs. a lata.
dem inglezes craknel em latas de o e 7 libras
Vendem-se colchas de linho alcochoadas pro-
.prias pura cama pelo barato preco de 55 cada nma i Crozas de pennas de qo
na ra da lmperatriz n. 60, de Gama & Silva superiores a 300 rs.
%s precalas do Pavo Caivetes de duas folhas porm finos a 500 rs.
Vendem-se as mais bndas precalas que tem vln- ^^rom ca,ungas muit0 bonitas P^a rap a
do ao mercado chegadas pelo ultimo vapor fran- Brn- ,'""" ,rn
coz, pelo barato preco de 600 rs. o covado, ditas Jranja branca e de cores para toalhas a 160.
de lislrinha muito miudinhas proprias para vestidos t^*J**SSJ3 *
e roupas de meninos e meninas pelo barato preco Jjq rs >0mo.
muito bonitos a 120.
de chumbo biuito bonitos a
de 500 rs. ; s o Pavao ra da lmperatriz n. 60,
I 'ja de Gama & Silva.
Os soiitcanbarques do Pavo
10# c 13# so o Pavo.
Vendem-se os mais lindos souteanbarques que
Tinteiros de vidro com superior tinta a 160.
Ditos de barro com superior tinta a 100 rs.
Groza de botos de louca pratiados, o melbor, a
160 rs.
Tesouras para costura, o mais superior, a 400 rs.
tem viudo ltimamente de laazinha e caxemira n-. Ditas para unhas muito linas a 400 rs.
ramente bordados e enfeitados, cores muito delica
das pelo barato prego de 105 e 155 ; fazenda esta
que em outras tojas se vendem por 205 o 235,
s para liquidar : na loja e armazem do Pavao
ra da lmperatriz n. 60 de Gama & Silva.
As chitas de Pavo afj-loo e
2ttOO o corte.
Vendem-se cortes de chita com doze covados gQ1""^ ** papel branco e de cores' Pe(lueno> a
Escovas para limpar dentes muito superiores a
200 rs.
Libras de laa do todas as cores (pesada) a 75-
Caixas de phosphoros de seguranca a 160.
Ditas de papel amizade pautado e liso a 600 rs.
Ditas com 100 anvelopes muito superiores a 800
tas c
res.
cada corte, ditos com dez covados a 25400. fazen-
da muito boa, e que nao desbota, s na loja do Pa-
vao tem esta pernocha ; a ra da lmperatriz n.
Las de urna s cor.
Vendem-se laazinbas de urna so cor, sendo en-
carnada, azul, cinzenta, cor de caf, lirio claro, li-
rio roxo cor de |erola pelo baratissimo preco de
40 o covado, fazenda imio lina s o Pavao. a rna
da lmperatriz n. 60 loja e armazem de Gama &
Silva.
l'aniiH de linho.
Vende-sc panno de linho com 4 palmos de lar-
cara proprio para len^es, toalhas e ceroulas pelo
barato preco de 640 rs. a vara, bramante de linho
com 10 palmos de largura a 25500, algodozinho
monstro rom8 palmos de largura a 15, pecas de
Hambunro com 20 varas a 95, 105 e 115, pegas de
Liadapolao fino a 75500, 85, 95 e 105, ditas de
algodozinho a 65, 65500 e 75, c outras muitas
fazendas brancas que se vendem muito baratas
afim de apurar dinneiro : na loja do Pavao ra da
lmperatriz n. 60, de Gama & Silva, "
O bramante do Pavo coiu doze
palmos de largura.
Vende-sc bramante de linho puro, muito fino com
doze palmos de largura o melhor e mais largo que
tem vindo ao mercado pelo barato prego de 25800
rs.a vara ; s na loja do Pavao de Gama & Silva,
aua da lmperatriz n. 60.
As j>recalas do Pavo.
Vendem-se as mais lindas precalas qus tem vin-
do ao mercado chegadas pelo ultimo vapor francez,
pelo barato preco de 600 rs. o covado, ditas do lis-
tiinha muito miudinhas proprias para vestidos e
e roupas de meninos e meninas pelo barato prego
de 500 rs. : s o Pavao ra da lmperatriz n. 60,
lije de Gama & Silva.
Os baloes do Pavo.
Vendem-se crinolinas ou baloes de 30 arcos tan-
brancos como de cores, sendo americanos quo
sao os melhorc* por se nao quebrarcm a 38300 e
de 35 arcos a i5, ditos de musselina com babados
45. ditos para menina a 25 a 35 : na luja do Par
vao ra da lmperatriz n. 60, de Gama & Silva.
O Pavo vende d 85
Vendem-se os mais lindos cortes de vestidos a
Maria Pia, com lindas harpas de seda, sendo che-
gados pelo ultimo vapor francez pelo barato prego
de ft-5 cada un: s na loja do Pavao ra da lmpe-
ratriz n. 60, de Gama & Silva.
Cartas e taboadas para meninos a 80 rs.
Caixas com superiores iscas de acender charutos
a 40 rs.
Carreteis'de linha Alexandre (200 jardas) de cores
a 50 rs.
Baralhos para voltarete muito finos a 240.
Cartas de alfinetes francezes muito finos a 40 rs.
Meadas de linha foxa para bordar a 20 rs.
Pares de sapa los de tranga multo superiores a
15600.
Papis de agulha com um pequeo toque a 10 rs.
Groza de botes de madrcperola muito finos a
560 rs.
Cartes e caixas de celchetes francezes superiores
aiOrs.
Bonets para meninos muito finos a 15500 e 25-
Magos de grampos superiores e limpos a 30 rs.
Groza de phosphoros do gaz muito novos a 25200.
Areia preta muito superior a 100 rs.
Caixas de rap com espelho a 100 rs.
Realejos para entreter meninos a 80 rs.
Pegas de lita de linho moilo boas a 40 rs.
Pentes de lago muito bonitos a 15-
Enfeites de taco de todas as cores a 15300.
Rodas com alflnetes francezes a 20 rs.
Caixas com quatro papis de agulhas imperiaes a
240 rs.
Sabonetes de familia a 80, 160 e 320.
Caivetes de duas folhas muito finos a 320.
Pares de sapatos do laa para meninos a 400 rs.
Sapatos de tranga para senhora e para homem, os
melhores que te'm vindo, e por prego muito barato:
quem qoizer ver, venna ra do Queimado ns.
49 e 55, e ver ludo como bom e barato.
ros de Lisboa a 64 rs. a Ltinhade 1 libra,
ha latas de 1 '/i e 2 libras.
Massa de tomate em latas douradas de 1 libra
a 64o rs. a lata.
Ameixas francezas em caixinhas elegante-
mente enfeitadas de l,5oo a 3,ooo rs. a
caixinha, tambem ha latas de 1 l/t a 6 li-
bras de l,2oo a 4,ooo rs. a lata,
dem em frascos com tampa de rosca a l,6oo
rs. o frasco.
Chocolate portuguez, hespanhol, francez e
suisso a l,2oo rs. a.libra,
de 5,ooo a 6.000 rs. a lata, e era libra a Conservas inglezas das seguintts marcase
800 rs. Mixde-Picles e cebollas simples a 75o rs
Queijos do reino chegados pelo ultimo vapor o frasco.
a 3,ooo rs. cada um. Ancoretas de vinho colares a 5o,ooo rs., e
dem prato a 9oo rs. a libra. a 72o rs. a garraf
Vinho em pipa das mais acreditadas marcas Sardinhas de Nantes a 32o rs. a latinha.
como sejam B & ., PRR, JAA, outras Charutos das mais acreditadas marcas de
muitas marcas, Porto, Lisboa e Figueira; a I600, 2,ooo, 2,5oo e 3,5oo rs. a caixa.
de 48o, 5oo, 56o, 64o e 800, rs., e o do dem suspiros de Jos G. P. a 2,4oo a meia
Porto fino em garrafa, e em cenada a caixa.
3,ooo, 3,5oo, 4,oeo e 6,5oo rs. o melhor Champagnhe a melhor do mercado de 12,ooo
do Porto. a24,ooo rs. o gigo, e de l,2oo a 2,ooors. a
dem Bordoaux das mais acreditadas marcas garrafa.
a 7oo rs. a garrafa, e a 8,000 rs. a caixa. Papel greve pautado ou liso a 3,5oo rs. a res-
ATOSIGA
O \ igilante est alerta, nao Ihe era permettido
deixar passar desapercebido sem que nao dsse o
seu cauto alim de annunciar ao respeitavel publico
o grande sortimento de galanteras do melhor gosto
propriamente para qualquer mimo, que acaba de
chegar ueste ultimo paquete, assim como muitos
outros objectos que recebe por diversos navios,
tanto de sua conta como de consignagao, que est
resolvido a vender por precos muilo baratos para
vender muilo e ganhar poco, e dar extraccao ao
grande deposito que tem, que espera merecer a
proteccao do respeitavel publico, empregando para
isso todas e as melhores diligencias para que II-
quem satisfeitos : isto s no Gallo Vigilante, ra
do Crespo n. 7.
Rieas porta-jsias.
Cofre de muito gosto por I65OOO
Cestinhas transparentes, forradas de madre-
. perola por 18501K)
Lindas jardineiras 105000
Ricos cofres com camapheu 105000
Lindas caixinhas com pedras brancas 105000
Lindo balo com calunga dentro tambem
para joias 165000
Tambalier para ditas 95000
Cestinhas dem idem 65000
Cosmorama idem idem 65000
l'rnazinha 65000
S no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Ricos porta-bonquetes de diversos gostos e pre-
gos : s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Ricos sintos
com bolcinhas ao lado a 10, 12 e 155, ditos sern
bolga, porm do mesmo goslo, a 25500, 35, 35500
e 45, ricas (velas avulsas para sintos, o melbor
que se pode encontrar, a 15300, 25, 25500 e 35 :
s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Cabazes on cestinhas.
At que chegaram as desejadas cestinhas ou ca-
bazes para as meninas trazerem no brago, o mais
rico possivel, a 25500, 35500, 4, 5, 7 e 105 : s
no Vigilante, rna do Crespo n. 7.
rentes.
Nosle artigo tem un grande sortimento, tanto
para alisar como para atar cabello, o mais lindo
que se pode desejar, assim como de arregacar ca-
bello, tanto de borracha como de tartaruga, com
enfeite e sem elle para meninas: s no Vigilante,
ra do Crespo n. 7.
Pentes
Tambem chegaram os riquissimos pentes de
concha de tartaruga e de massa fina, que se vende
por 25, 3 e 55 : s no Vigilante, ra do Crespo
numero 7.
Leque
8.
Garrafoes com 5 garrafas de superior vinho
do Porto a 2,2oo rs. com o garrafo.
dem com 5 garrafa de vinho da Figueira mais
proprio para a nossa estaco por ser mais
fresco a 2,ioo rs. com o garrafo.
dem com 5 garrafas de vinagre a l,2oo rs.
com o garrafo.
Vinho branco o mais superior que vem ao
nosso mercado a 56e rs. a garrafa, e a
4,3oo rs. a caada.
Velas de esparmacate as melhores neste ge-
nero de 56o a 64o rs. o maco, e em cai-
xa ter grande abatimento por
grande porco.
ma.
dem de peso pautado ou lizo de 3,5oo a
4,000 rs. a resma.
Matarana a 32o rs. a libra.
Milho alpista e painso de 160 a 2oo rs. a li-
bra.
gaz a 2,2oo rs. a grosa e 2oo rs. a
P^| du-
vi Ir.
ezes de 4 a 16 libras vasios, muito
proprio para deposito de doce manteiga
ou outro qualquer liquido de l,ooo a
3,ooo rs. cada um.
haver, Licores das melhores marcas e mnis finos
a l,ooo rs. a garrafa e em caixa ter abati-
Azeite doce em barril muito fino a 64o rs. ment.
a garrafa e 4,8oo a caada. Cognac verdadeiro inglez a 9oo rs. a garrafa
dem francez refinado a 800 rs. a garrafa. e lo,5oo rs. a caixa.
Ervilhas francezas e purtuguezas a 64o rs. a Chouri^as as mais frescas do mercado a 800
lata.
Grande pechincha.
A 200 rs. o covado.
Cambraias escuras finas a 200 rs. o covado para
acabar ; nao se dao amostras para que se acabem
logo : quem quizer, venha comprar no armazem
de fazendas de Custodio, Carvalho & C, ra. do
Queimado n. 27.
rs. a libra.
Genebra de laranja em frascos grandes a
l,2oo rs. o frasco.
Serveja das mais acreditadas marcas a
6,5oo a duzia e de mais a 5oo rs a garrafa
dem em botijas e meia?, sendo preta da
muito creditada marca T de 6,5oo a 7,8oo
rs. a duzia.
Bocetas eom doces seceos de Lisboa de 3oo
a 3,5oo rs. cada urna.
Toucinho deLisboa a 3oo rs. a libra, e a
9,ooo js. a arroba.
Botijoes com 10 garrafas de azeite doce a
5,5500.
Caf de 1.a, 2. e 3. qualidade de 26o, 3oo
e 36o rs. alibra, doCearde8,5oo, 8,7oo, Pimenta do reino a 34o rs. a libra,
e 9.000 rs. a arroba do melhor. \ Farinha do MaranhSo a 14o rs. a libra.
Arroz da India, Java eMaranho de 2,8oo a Tijolo para limpar facas a 16o rs. cada um.
3,000a arroba, e de 80 a loo rs. a libra, i Cominho a 4oo rs. a libra.
Passas muito novas a 8,5oo a caixa e 5oo Erva doce a libra.
I Canella a 1,00o rs. a libra.
Vassouras de piassaba de dous arcos de fer-
ro a 32o rs. cada urna.
i Latas com banha refinada com 10 libras a
I 4j45oo.
a libra, ha caixas meias e quartos.
Sevadinha de Franca a 24o rs. a libra.
Sag muito novo a 28o rs. a libra.
Mestarda ingleza em p a 1$ o frasco.
Cebollas a 8$ a caixa e 1,2oo rs. o molho.
tf(GA
Salitre refinado, superior qualidade, vinho Bor-
deaux, diir.'ivntes qualidades, mais barato que em
qualquer parte: no armazem de E. A. Burle &
C., ra da Cruz n. 48.
FAZENDAS BARATAS
FAZENDAS BARATAS
ACA&AR Ni LQJA D0 ARATIM
Ricos vestidos brancos bordados a 105 e 125-
Baloes inglezes de arcos e croch a 35, 45 o 05.
Camisinhas e manguitos muito bem enfeitados a 35-
Grande sortimento de laazinbas limito boas a 360 e 400 rs.
Soutembarques e capas de seda, merino e cambraia bordada.
Bramante de linho muito largo a 25-
Organdys e cassas francezas finas a 480 rs.
Cambraias lisas, fil de linho liso, cambraia de lpicos.
Lindos cortes de laa Maria Pia de 85 a 1S5-
Mimosos vestidos japonezes a 145.
Variado sortimento de chales em qualidades c precos.
Musselinas brancas com pinta de cor.
Grosdenaples pretos de 15600, 15800 e 25-
Lencos de cambraia bordados a capricho a 1.-3.
Hadapolo barato a 5NOO.
Vende-se madapolao bom e perfeito a 55800 a pega com 20 vara.-.
Todos estes arligos e outros muitos se vendem por pregos que admiran na ra do Crespo
numero 1.
Defronte do arco de Santo- Antonio.
Riquissimos loques de madreperola, tanto para
senhora /orno para mocinhas, pelo barato prego do
12 e 145 : s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Mais leques.
Com pequeo defeito, leques de sndalo, por ba-
rato prego, a 85 e 105, chineze, muito bonitos,
tambem'por baralo prego de 4 e 55, bcntarallas
muilo bonitas tambem por baralo prego de 4 e 55,
leques do chanto tambem por 45, tudo isto para
acabar, perdendo-se talvez 80 OjO : s no Vigilan-
te, ra do Crespo n. 7.
Pulseiras.
Lindas pulseiras de comas e de missanga, cores
muito lindas e de muito gosto a 15 e 15200.
Para segurar manguitos.
Tambem chegaram as liguinhas estreitinbas de
borracha que as senhoras lano precisam para se-
gurar os manguitos por ser muito commodo e mui-
to barato, a 320 o par: s no Vigilante, ra do
Crespo n. 7.
Sapalinhos e meias de seda.
Riquissimos sapalinhos de seda e de merino en-
feitados, assim como meiaszinhas de seda, gorra-
zinhas e touquinhas para as criancinhas se bapti-
sarem : s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Carretas.
Riquissimas carretas de madreperola proprias
para qualquer presente, pelo baratissimo preco de
15500 e 25.
Yoltinhas. ,
Lindas vollinhas deperolas falsas com cruzinhas
fingindo brilhantcs, assim como cruzinhas avulsas
e vollinhas, pelo barato prego de 15 e 15200^,as
cruzes avulsas a 400 rs. : s no Vigilante, ra do
Crespo n. 7.
Golihas.
Riquissimas golinhas e manguitos, o melhor gos-
to possivel, a 25, 25500 e 35: s -no Vigilante,
ra do Crespo n. 7.
Eofeiles para senhora.
Riquissimos enfeites com lago e sem lago e de
outros muitos gostos a 15, 15500 e 35 s no Vi-
gialnle, ra do Crespo n. 7.
TranceliBs.
Lindos trancelins de cabello para relogio ou lu-
netas, pelo baratissimo prego de 15500, ditos de
retroz a 200 rs.
Batadinhos entreneios.
Riquissimos babadinhos eutremeios com lindos
desenhos tapados e transparentes, pelo barat ssimo
prego de 15200, 15500, 25 e 35: s no Vigilante,
ra do Crespo n. 7.
Cascarrilhas.
Grande sortimento de cascarrilhas de diversas
larguras, assim como galaozlnho e Irauciuhas pro-
prias para enfeites : s no Vigilante, ra do Cres-
po 11. 7.
Filas.
Grande sortimento de fitas de diversas larguras
e qualidade, por preg-os que admiram aos compra-
dores, havendo fitas largas proprias para sinteiros
que se pode vender a 300 rs. a vara, e pega do 9
varas a 25: s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Fitas de la
Fitas de lia de todas as qualidades, proprias pa-
ra debrum de vestido a 700 rs. a pega : s no Vi-
gilante, ra do Crespo n. 7.
lllcos espelhos,
Riquissimos espelhos com moldura dourada e
sem ella de 85,10,12 e 145, assim como cora co-
lumnas de difierentes tamanhos a 25, 3, 4, 5 e 65:
s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Judo* jarres e figuras.
Riquissimos jarros e figuras de porcelana fina
para enfeite de sala, sendo o melhor gosto que aqu
tem apparecido s no Vigilante.
Para pos de arroz.
Riquissimos va=os com boneca para pos de ar-
roz, cousa de muito gosto a 15500 e 25, assim co-
mo pacotes s com os pos a 320 rs. cada um : s
no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Perfiiuiarias.
Grande sortimento de extractos e banhas, poma-
das. assim como os lindos copos ou vasos com dis- j
linctivos e offerecimentos as sinhazinbas, dos me-1
Ihores e mais afamados autores de Pars e Ingla-
terra, assim como os grandes copos de banha japo-
neza a 25 e a 15 ; assim como outros objectos que
nao possivel por hoje annunciar, e vista dos
freguezes se far todo negocio : na loja do Gallo ,
Vigante, ra do Crespn. 7. '
0 preeo convida.
Grvalas de seda prela e de cores a 320 reis: na
loja da ra dMadro de Daos n. 16r
Fl VELAS
de neo c com pedras.
Nao eslava bem a aguia branca deixar ficar tao
grande parte de sua boa freguezia sem essas
apreciadas fi velas de ac e eom pedras, e por isso
apressou-se em mandar buscar o bello sortimento
3ue acaba de receber ; e bem assim as necesarias
las,cojos novos e bonitos padres as lornam agra-
dareis aos oihos de lodos; resta, pois, que os pre-
leudeutes, munidos de dinlieiro, dirjam-se ra
do Queimado, loja d'aguia branca n. 8, onde tam-
bem ha bonitos cintos bordados com borlas, etc.
Extraordinario sortimento
de perfumaras.
A superioridade das perfumaras que a aguia
branca vende est incontestavelmente reconhecida,
e isto confirma a grande extraegao que Ibes vio
dando os apreciadores do bom. A aguia branca,
porm, tendo sempre em vistas o bem servir a sua
boa freguezia, tanto da cidade como do interior,
mandouvero extraordinario sortimento que aca-
ba de receber, vindo conforme snas rerommenda-
goes, sempre da melhor qualidade, sendo :
Agua de Colonia em garrafas de diversos tamanhos
e moldes.
Dita dita em frascos redondos e qoadrados.
Dita dita ambreada em frascos verdes.
Agua ambreada para banhos.
Dita balsmica e denirifice para conservagio das
gengivase dentes e bom hlito da bocea.
Dita de flor de laranja.
Dita de rosa e dita de Florida.
Dita de lavander e toilet.
Dita de atheniense para alisar e segurar os ca-
bellos depois de alado.
Dita de Mallabar e Hoide para tingir os cabellos
Banha transparente e laforncsa.
Ditas finas em frascos de diversos moldes.
Dita dita em bonitos vasos de porcelana.
Dita dita em latas.
Dita dita em copinhos, sendo creme, duqueza e po-
mada imperial.
Bahuzinhos de vidro com perfumaras.
Caixinhas cora 6 frasquinhos de cheiros.
Cosmetique (ou pomada) superfina.
Extractos finos e de agradaveis cheiros em bonitos
frascos.
Dito frangipane, chero novo e mu agradavel.
Dito de sndalo.
Essencias concentradas, com difierentes e Dnissi-
mos cheiros.
Leite virginal para tirar sardas.
Dito de cacao para amanar a cutis e conservar-
le o lustre.
Macassar perola.
Oleo philocorae superfino.
Dito de babosa.
Opiata ingleza e franceza.
Pos de coral e de Lubin para dentes.
Sabonetes finos quadrados e redondos.
Ditos finos em caixinhas de tres.
Ditos muito finos para barba.
Ditos creme de ameudoa em vasos de vidro c por-
celana.
Tnico oriental de Kemp.
Vinagre aromtico.
Dito ou leite d'ires para acabar as espinbas do
rosto.
E assim muitos outros objectos de gosto que na
compra dos quaes o pretndeme ser salisfeito
por deixar os cobres na loja d'aguia branca, ra
do Queimado 11 8.
Objectos de phantasia viudos
para a aguia branca.
A aguia branca recebeu novos e bonitos objec-
tos de phantasia, alguns dos quaes nunca vistos
aqu, sendo :
Bonitos aderecos completos feitos de perolas falsas.
Ditos ditos de" pedras, por cuja perfeicao e bom
gostoquasi se naodistinguem.das verdadeiras.
Lindas pulseiras de mosaico.
Dita dita de perolas falsas tanto para senhoras
i como para meninas.
Dita de chapa de crystal com listas douradas.
Dita de cornalina branca, azul etc., etc.
Bonitos alfinetes e anneis para grvalas.
Bonitos pentes de concha, obra de apurado gosto.
' Outros travessos com pedras para meninas.
' Bellas guarnieses de pentes dourados. ornados
com caixos de uvas, feitos de aljfar, obra su-
blime.
Outras igualmente bellas, todas de fino dourado e
com pedras.
Outras a tartarugadas, nada inferior a aquella.
Vollinhas de aljfar branco e de cores com cruzes
de [tedras.
Esses e outros muitos objectos acham-sc a venda
na ra do Queimado, loja da aguia brama, n. 8.
GRANDES I BONITOS
fws domados.
espelli
A aguia branca em continuagao de suas encom-
: mendas mandou vir, e acaba de receber grandes
espelhos dourados com mui bonitas e modernas
molduras, e vidros de primeira qualidade, vista
do que o prelendente que sahir de casa munido de
dinheiro e com disposigao de o gastar na compra
de um desses bonilos espelhos, dirigir-se rna
, dc:Queimado, loja d'aguia branca n. 8, que ser
; bem servido. Tambem ha espelhos quadrados sor-
1 tidos em tamanhos, e com molduras douradas.
de porcelana e escarra*
deiras de vidro
A aguia branca tambem mandou vir bonilos jar-
ros de porcellana dourada e de difierentes tama-
nhos assim como escarradeiras de vidro, objectos
esses sempre necessarios para o bom aceio das sa-
las ; resta somente que o comprador dirija-se com
J dinheiro loja d'aguia branca, na ra do Queima-
i do n. 8, onde ser servido com agrado e sinceri-
dade.
fie la para homem e sentara.
A aguia branca, na ra do Queimado n. 8, ven-
de mui boas meias de 13a para homem e seuhora,
e pretas de laia e de seda para padres.
Xo armazem de fazendas baratas de
Santos 1 oi'llio, na do Queimado, n.
19, vende-seo seguinte*
Attence.
Pechincha
Pegas de algodao com urna pequea avaria pelo
baratissimo preco de f>5-
Cobertas de chita da India pelo baratissimo prego
de 25 e 25500.
Lengoes de linho pelo baratissimo prego de 25-
Leneoes de bramante de linho fino pelo baratissimo
prego de 35200.
Lencos de cambraia hranros proprio para algibei-
ra pelo baratissimo prego de 25 a duzia.
Algodao enfestado com 8 palmos de largura pelo
baratissimo prego de 15 a vara.
Bramante de linho fino com 10 palmos de largura
a 25500 a vara.
Atoalhado adamascado proprio para toalha de mesa
pelo baratissimo prego de 25000 a vara.
Pegas de cambraia de forro a 25600 e 35200.
Toalhas alcochoadas proprias para mos a 55 a
duzia.
Esteiras da India, proprias para forro de sala,
de i, 3 e 6 palmos de largura.
Cortes de caiga de ganga amarella de lsiras e
de quadros, pelo baratissimo prego de 15200 o
corte.
Cambraia adamascada com 20 varas, propria
para cortinado, pelo baratissimo prego de 10*000
a pega.
Ricas laazinbas para vestido, fazenda a melhor
que tem vindo ao mercado; tanto em goslo como
em qualidade da fazenda, pelo baratissimo prego
de 560 rs. o covado.
Ricos cortes de lia de barra Maria Pia a lf'5-
Pegas de cambraia de salpicos pelo baratissimo
prego de 45-
GAZ GAZ GAZ
per preco reduzido.
Vende-se gaz da melhor qualidide pelo
pre.o de 10$ por lata de o galoes : no ar-
mazem do Caes do Ramos n. 18 e ra do
Trapiche Novo n. 8.
'
'*


ttrfo He PfTMMh
O % JBRUADEMO
PRINCIPAL
Segunda letra 3* Je Hule de i i
E
GRANDE ABMAZEM
DE
! 9? S. w J
i t= -o tris :
"aWgfi
;COC5 o
MOLHADOS
RA DO 1H PERIDOH
Outr'ora rna do Colleglo
DE
| DARTE ALMEIDA f- C.
.,-,. n0m Fernandes Ruarle Almeida, dono dos acreditados mSSSTSSSt'o
tm? 2^"* G eX"fnC' d !,ro0^soProgressista acaba de abrir hoje um ou-1
n nfn ,. Il?Pe,'ador n- 40- Junl ao **rad em que mora o retratista o Sr. Osborn.
proprietario deste importante estabelecimento, conhecendo que o mais rico e espacoso
denomina-lo VERDADEI-
conbeimento que lem deslas
MOVIMENTO
BAIRRO DO RECIFE, RA DA CADEA N. 50
0 mais novo e o mellior
AR9AZEJ HE *lOLII YIIOS
Esquina defronte da ra da Madre de Dos
nhiwMiu Tr ,,Campos, successor do amigo Xascimento defronte do becco Largo, bem
or^l2nP^L|,^a;A1C*lj?de lM*[erfroseuestabecuiento para a casa cima indicada,
ril3 ? am'Bf e l*gn89> Jiein como o reapetavel publico em eral encontrarlo o o
beldmento r sorl,men, de molhado!!> P" do aeeio, elegancia*! bom regina do esta-
eorresoonTnW F;,inn^^Unin PomJP,e,a reformano locme a eaaa e gneros, posaaindo bous
SKmS1^ reamm de coma propria, acba-se convencido que merecer a pro-
Scef-L nnrnnrTlm Z $-bar,to' aqUa desde- reclama' asscverando-ll.es que jamis W
merecer a contianca com que se dignarem de o bonrar.
n, f "T',-visLlc o.respeitavei publico o novo e superior armazem Movimenlo, compra-iba al-
Se hnm Z,ln 2S 2 ,eonvenc,do da realidade do presente aviso, verificando por si esnio
Acaba de receber de sua propria encommenda um grande e variado sortimento
quenelle preside, como no comDtetoWtn<^n^^^^Va ,aP, fm acc!0<1e molhados todos primorosamente escolhidos, por isso apress-se o proprietario em
tmeommenda. P ***** que eff(!tlvamente *ebe de sua propr.a; offerecer aos seus freguezes e ao publico em geral a segrate tabella dos seus gneros e
propri
0 propietario do grande armazcm VERDADEIRO PRINCIP\L gloria-se em ser o: 2Z ^^ ^ ^^ ^^ Tendid n6Ste bem C0nhecid ar"
primeiro a acabar com o grande segredo e abuso que reinava nos precos dos gneros de'
tstrva, a.lop ando desde a sua primeira casa, em publicar todos os precos de seus gene-
os por onde va e ve o publico que nunca mais pode ser Iludido como dizem esses. .
que, mordidos e queimados pela inveja, dizem nao virola!." Illude... desen
anem-se
se
----- -V....." tviuauvuu iiiiiiiii.il o VGIIUC1 1I1U11U 3
uro e gannar pooco, e com elle que sem medo diz, que bailas de papel o vento as
esses maldizeotes, que emquanto andar no trilho que pisa, nunca mais consentir que se
?enda um objecto de 50 por 10. 0 systema do Verdadeiro Principal vender muito
que nao
carrega.
Pede-se a maior tcaco.
O proprietario pede aos seus amigos e freguezes, e ao publico em geral protec-
jjao para o novo estabelecimento, garantindo aos mesmosque ninguem mais pode offerecer
as \an!; cm pede a todcs os Exms. Srs. o favor de mandarem seus pedidos ao novo estabeleci-
mento, cortos de nao terem occasiio de se arrependerem.
.Vais :K(<'U( fio.
O VERDADEIRO PRINCIPAL pede, em particular lodos os Srs. de engenho e
mais hrs. do centro, quenam mandar suas encommendas este estabelecimento, garatin-
do-llies o proprietano que tanto elle como os seus fmulos nao pouparao esforcos para
belmente cumpnrem os pedidos que vierem inderessados.
AO publico,
O incansavel propnetario pede a todos os Srs. e Sras. que, quando tenham de man-
Z2SL2P Seja "? carla fecl,ada ou com Prande recommendafo ao VERDADEI-
HO PRINCIPAL na ra do Imperador n. 40, junto ao sobrado em que mora o retratista
americano o Sr. Osborn, e para mais certeza dos portadores tem este sobrado urna botica
franceza, no pavimento terreo. O VERDADEIRO I
Pede-se toda attentfio.
O proprietario pede a todos os senbores chefes ao deixem passar desapercebida a seguinte tabella:
AVISO.
LIQUIDACAO
rwL
i l S
23Largo do Terco23.
i i
una gra
Neste armazem e no largo do Carmo n. 9, armazem Progressivo, recebem-se a
libras que vulgarmente correm no commercio por 80890 a 95, o proprietario em seu
armazens dar-lbee este valo sendo em pagamento, e isto para evitar confusoes em trecos,
Manteiga ingleza perfeitamente flor, a 8oo rs,
e la a libra.
dem -franceza a 64o rs.
sendo em barril.
a libra, e 58o rs.
rs. a duzia I.ooo rs. a garrafa, garante-se
que e os melhores que temos tido no mer-
cado.
Passas em caixas de I arroba ys e l/i a 7,5oo,
252 iO
PRINCneAiefde' IiaS h0mljreil'as Duarle Almeida A c- e Por cima o VERDADEIR0
Amendw confeitadas "com bonitas cores Massas para sopa muito novas, foi desembar-
cada ultimamente pevide: rodinha e es-
PIINCIPAL, tem 5 portas de frente pin- ^J^l S 1 ^b i a q ,
:. x n .,_ .. innnintilir. dem do Rio em latas de 2, 4, 6 e 8 libras
Manteiga ingleza propiamente flor a 800 rs.
e t> a libra.
8 libras.
1 lita IVnnceza muito nova a Goo rs a libra Macarrao.Aletria e Talliarim a 400 rs. a libra
- indo em barril 580 rs. | vinagre fresco a 200 rs. a garrafa e I 400
Loa ii. Inm o melhor que se pode desejar, e a caada,
(ue mitro qualquer nao vende por menos Dito em garralc.es i 10006 cada um.
de 35 a 2-5700 rs.
Dilo perola especial qualidade a 2;5GOO
e :>800 rs.
Dilo livsson o melhor que se pode desejar
a 2*400 eAGOO a libra.
Dito hyssoo e da India muito superior a
22-0 e 2/400.
Dito do Rio em latas de 2, 4, 6 e 8, libras
a 10000 e I taoo a libra.
Dito preto muito especial a 2<5800 a libra.
Dito mais baixo a I300 e I:>000 a libra.
jos chegados no ultimo vapor a 33000.
Queijo prato chegado neste ultimo vapor a
800 rs. a libra.
Ditosuisso Parmezao o melhor
fresco que se pode desejar a 800 rs. a li-
bra, sendo de i libras para cima a 780 rs.
Dito londrioo um pouco duro por virem
em navio a 500 a libra, e sendo inteiro
400 rs.
Bolachiiilias em latas de 2 libras de todas as
quadadesque se procura a LJI300 rs.
Ditas em latas grandes a 2;>000 rs.
Ditas em latas de 5 libras de Craknel a
i >000a lata.
Iiioba inglesa desembarcada ultimamen-
tc muito nova a 2^200 a barrica e 100
a libra.
Cartoes com bolachinhas francezas de diver-
sas ipiadadcs a GOO, 800 e 1(5200 cada
um.
Peras seccas em caixinhas de 4 libras as
mais delicadas que se pode desejar a
_ 500.
Bi tas com doces de Portugal ricamente
enfeiladas a 2:>500, contendo: peras, pe-
os, rainlias Claudia, ameixas, alperch
' i uiias mu i tas finetas.
Passas muito novas a 480 a libra e 7A50O a
caixa; tambem tem meias equartos.
Amendoas de casca molle a 260 a libra e
210 de casca dora, toses 140 a libra e
i >000 a arroba.
Figos em iai\"mhase latas hermticamente la-
cradas a 10600 e 2:>500, de 4 e 8 libras.
Vinhos em caixas de duzia vindos do Porto
e ilas seguales marcas: Duque do Porto,
Duque Genuino, Madeira secca, Chamisso,
Velh secco, Victor Emmanuel, D. Pedro
V, D Luiz, especial vinho velho do Porto
e outros muitos a 9, I0,->, I2 doria e l a 1#2G0 a garrafa.
Vinbos em pipa Porto, Lisboa e Figueira
das melhores marcas a 3;j800 a caada e
JOO a garrafa.
Mtos do Porto, Lisboa e Figueira de marcas
menos conhecidas a 400 a garrafa e 2#800
a caada.
Rito Colares especial vinho a 800 a garrafa.
Rito Lavradio muito fresco, n3o levando com-
posiejo, a 560 a garrafa e 40000 a caada.
Yiiilin iirancode uva flna a 600 a garrafa e
40560 a caada.
Dito mais baixo a 400 a garrafa e 2800 a
caada.
Vinlio Bordeauxem caixas de 12 garrafas das
marcas mais acreditadas a 65500 e 70000
a caixa. ,
Dito muito especial que raras vezes vem ao
nosso mercado a 10200 a garrafa, garan-
l'-.-e que por este mesrao preco d pre-
juizo, e s se encontra nicamente neste
armazem.
picores francezes e portuguezes dos melho-
r res autores a 800, 10000 e 10500 a gar-
rafa.
arvejas das melhores marcas a 5*500 e
H rs. a duzia; tambem temos ordinaria
por muito menos.
Warmclada de|todos es fabricantes de Lisboa
em latas de 1 libra a 600 e 640.
Bolijes com 8a9 garrafas de azeite, o me-
lhor que se pude desejar, a 50 cada um.
Palitos de dentes em macos com 20 maci-
nhosa 120 rs. cadaum.
Palitos do gaz a 2*200 a groza, 20 rs. a
caixinlia e 200 rs. a duzia.
Graixa em latas muito novas a 100 rs. a lata
e 1 $000 a duzia.
Ceblas muito novas a 540 rs. o cento e
800 o moluo.
Traques de primeira qualidade a 8;>500 a
caixa c 240 rs a carta.
Charutos Ipyrangas em meias caixinhas a
20000.
e mais Ditos Suspiros de Thom Pinto a 10600.
fc
Cha uxim a 2,7eo rs. a libra, e de 8 libras 3,6oo e l,9oo rs. a caixa, ~4oo'rs. a libra
para cima a 2,6oo. I garante-se serem muito novas, e graudas.
dem perola a 2,8oo rs. e de 8 libras para dem corinthias proprias para nodim a 8oo
cima a 2,7oo, | rs. a libra. n.4^ a cada.
dem hyssoo o mais superior que se pode Marmeladas dos mais afamados fabricantes de canfdafrrapat a 32rs-a earrafa
desejar a 2,6oo e de 8 libras para cima Lisboa a 6oo rs. a libra. j Massas para sopa alciria, macarrio e talharim
a 2,5oo rs. i Ervilhas secas muito novas 16o rs a libra r^0^ a libra e l0$8 cnixa-
dem menos superior a 2,4oo e de 8 hbras Grao de bico muito novo a 16o rs. a libra. cKmofem S4M Tu? na fe
para cima a 2,3oo rs. Ervilhas francezas em latas a 6oo rs. 640 rso cento ^ mMn
dem proprio para negocio a 2,3oo, de 8 li- Potes com sal refinado a 48o rs.
Fumo de chapa americano a I,4oo rs. a libra:
fazenda especial.
cada urna a 2, 3, 3,5oo e 4,8oo rs. a lata. Presunto para fiambre inglezes a 7oo e 8oo
dem preto o melhor que se pode desejar; rs. a libra.
neste genero a 2,8oo rs. Chouricas e paios mnito novos a 64o a libra.
iba a 500 rs. a libra e 3* a caixa com Wem menos superior a esse que se vende Caixas de traque n. 1 a 8*500 cada urna.
por, 2 e 2,4oo, a 4,8oo rs. a libra. uneenB___ .<
dem mais baixo bom para negocio a 1,800 "SK" T maCarra' talhanm alelria
rs. a libra. a 4oo rs a hbr.i.
dem miudinho proprio para negocio a l,5oo ^"fc verdadeiro inglez a 8,ooo rs. a caixa
rs. a libra. '., 80.rs-a gai"rafa- |
Queijos do reino chegados neste ultimo va- Ide?nCeZ a '0 rS- a duZ'a e 7 rS' a
por a 3,loo. i 8arraIa-
dem mais seceos vindos por navio a l,7oo. Charutos em grande quantidade e de todos os
dem prato os melhores e mais frescos do fabricantes mais a creditados a 1,5oo,
mercado a 76o rs. a libra. 2,ooo, 2,5oo, 3,ooo e 4,ooo rs. a caixa,
dem londrino a6oors., e sendo inteiro a os mais baixos sao dos que por ahi se ven
5oo rs. a libra, vende-se por este prego dem a 2'0o e 2'5o rs-
pela porcao que temos em ser. Caf de premeira qualidade a 8,5oo rs. a ar-
Riscoitos em latas de 2 libras das seguintes roba e 28o rs. a libra.
marcas: Osborne, Craknel, Mixed, Victo- dem de segunda qualidade a 8,2oo rs. a ar-
roba e2Go rs. a iibra.
Joaquim Simia dos Santos tendo de se retirar est resolvido a liquidar e fozer
n^aK^tL^fm\^^airmazera,fre,1,JeDtr' e vender m memi d 'uc outro V*\ n nn^inn,n ,-rJU?0 s"rtiratn'o,tanto neste armazem como fra e p^ra melhor serrir o ,
o annunciante scientifica aos spus freguezes que tem frequentado este estabelecimento ni
seTprTmpt^ment'o VantagCm d l0 2 Pr ** mcnM <,ue CO,!,rara,n C1" SSXJTpS
ttenoSo.
Cao30rsROdePrmeraC$CgUndaSOrte a 27 e D"eni;aixa da R-|hia dos melhores fabrican:-
Arar09ZrrPoh,d a 8 e 100rS- a liljra c 2i0 e ** \ Ph2UoS'dfga?vSo df coma groza 2-3300
wu [? ; i- .-a ... Manteiga franceza a 600 efilOrs. a libra.
Milbo alpista hmpo a 170 rs. a libra e 10800 a Dita ingleza flor a 800 e 900 rs. a libra
Tar^a-, c .., biscoutos e bolachinhas de soda a 1&30 c 23
Toucmho de Santos eLisboa a 240 c 280 rs. a libra., Vinho do Porto engarrafado a 800 vfTamiit^ a
Passas de carnada a 500 rs. a libra e iOJt a caixa.! superior qualidade. 6
te.doce de Lisboa fino a 640 rs. a garrafa e Dito em pipa Fifrueira das marcas mais bem co-
nhecidas a 300 rs. a garrafa e caada 3SU
a! c 30500.
Dito de Lisboa especial para negocio a 360, 400 c
a I 440 a garrafa a em caada faz-se abaiimento.
' Dito branco proprio para missa a 640 o 500 a gar-
| rafa e em caada a ', c 30SOO.
a ; Dolachinha americana a 200 rs. a libra e em bar*
i rica ha grande" abat ment.
Ditos Avanciros do mesmo a 10GOO.
Ditos Regala Imperial a 1;)600, garante-se
que sao charutos que ja se vendern) por
20600 e 2800, alm destas marcas tem de
todas as mais que costumam vlr nosso
mercado.
Genebra de Hollauda em frasqueiras a 60600
e 5G0 rs. o frasco.
Dita de laranja a 10200 o frasco e 12;>000 a
caixa.
Dita embotijas de Ilollanda a 440rs.
Cominhos muito novos a 400 rs. a libra e
sendo em arroba terabatiraento.
Erva-doce muito nova a 400 rs. a libra.
Canella muito nova a I.-miOo a libra.
PimenU muito nova e limpa a 340 rs. a libra.
Gravo muito novo a G40rs. a libra.
Alfazema nova a 400 rs. a libra.
Toucinho muito novo de Lisboa a 280 rs. a
libra e 80000 a arroba.
Chouricas e paios a G40 rs. a libra.
Banba a mais nova e alva que se pode dese-
jar em latas de 10 libras a 40000 a lata.
Dita propria para banha de cabello por ser
alva e dura a 400 rs. a libra.
Copos lapidados a 10808 a duzia e 50500.
Aiiiixas em frascos grandes a 2;5oOO.
Ditas em frascos mais pequeos a 10400.
Ditas em latas de urna e meia libra a Q hbras
a 1:^200 e 40000 a lata.
Mlho inglez rolha de vidro a 800 rs.
Prezuntos inglezes para fiambres muito, no-
\osa 800rs. a libra.
\ Mostarda preparada a 200 rs. o pote.
Conservas inglezas a 640 e 800 rs. o frasco.
Cognac inglez a 100000 a duzia e 10000 a
garrafa.
Dito francez a 80000 a duzia e 800 rs. a
garrafa.
Palle Brandy a 2*000 a garrafa e 320000 a
duzia.
Sabao massa a 140 e 240 rs. a libra o melhor.
Polvo a 320 rs. a libra e 90000 a arroba.
Vassouras do Porto com arcos de ferro a
320 cada urna.
Ditas americanas a 640 rs.
Papel almaco pautado e lizo a 20400 a resma.
Dito de peso pautado e lizo a 30 a resma.
Dito azul proprio para botica a 20 a resma.
Velas de spermacete a 560 rs. alibra.e sendo
em caixa a 520.
Ditas de carnauba do Aracaty a 90000 a arro-
ba e 320 rs. a libra.
Farello de Lisboa marca N a 40000 a sacca.
Tijollos para limpar facas a 160 rs. cada um.
Peixe em latas j preparado a 10000 a lata.
Chocolate hespanboi e francez a 10000 a libra.
Caf do Rio primea sorte a 80700 a arroba
e 300 rs. a libra.
Dito de segunda a 80400 e 280 rs. a libra.
Arroz do Maranhao, Java e India de 20600 a
30 a arroba e 100 rs. a libra.
AJpista muito novo e limpo a 140 rs. a li-
bra e 40500 a arroba.
Cevada muito nova a 20500 a arroba e 100
rs. a libra.
RA DO QUEIMADO NUMERO 11
Loja de fazendas &> Augusto Frederio dos Santos Porto
\ Chapeos para senhoras.
Sjg!1.* Parif a,maiq 1ndas chapclinas c cbapos de palha da Italia para senhoras.
Ricas capas o soutembarques do seda preta e casernira de cor para senhoras.
Lories de superior morenlique branco para vestidos de noivas.
rOSEZ '"Slezas muito superiores para homens, peitos, punhos c colarinhos dc iinho.
Chapeos de seda para cabeca e chapeos de sol de seda inglezes.
Lencos de labyriniho francezes a lacada um.
Camisas de menino muito superiores.
Cortes de la de barra para vestidos de senhoras de 135 a 183.
A mesma loja tem o maicr e mais superior sortimento de
listel ras para salas.
.*. "Xes'e estabelecimento encontraraoos senhores que precisarem forrar suas salas com e-lein-'
^^^^d^e^emdeMeeU^ largura, sendo a ZSLftR
ria, Pec-nic, Fance, Machineeoutras mul-
tas a l,3ooe I 4oo rs.
Polvos chegados ltimamente do Porto a 32o
rs. a libra.
dem em latas grandes a 2,ooo rs. a lata.
Balachinha de Craknel em latas de 5 libras
bruto a 4,ooo rs.
dem inglezas era barricas a mais nova do
mercada a 2,5oo rs, a barrica e 24o rs. a
libra.
Cartoes com bolas francezas proprios para
mimos ou para anjos que vo as procis-
soes a 6oo rs. cada um.
Peras seccas as mais novas do mercado a 4oo
rs. a libra.
Figos de comadre em latas dc 4 e 8 libras
lacradas hermticamente a l,4oo e 2,2oo
rs. a lata.
dem em caixinhas de 8 libras a l,8oo, e
24o rs. a libra.
Nozes muito novas a 140 rs. libra, e 4,ooo
rs. a arroba.
Amendoasconfeitadas a 9oo rs. a libra.
dem de casca mole a 32o rs.
Vinhos .engarrafados no Porto e Lisboa das
seguintes marcas: duque, genuino, velho
secco especial, lagrimas doces, vinho es-
pecial D. Pedro V, nctar superior de
1833, duque do Porto de 1834, vinho do
Porto, velho superior, madeira secca. Por-
to superior D. Luiz I, e outras muitas
marcas, em caixa de urna duzia a lo,ooo e
9oo rs. a garrafa.
dem branco de uva pura a 64o rs. a garra-
fa e 4,ooo a caada.
dem superior a 5oo rs, a garrafa e 3,2oo rs.
a caada.
dem em pipa Porto, Lisboa e Figueira das
marcas mais acreditadas a 3,8oo a caada
e 5oo rs, a garrafa.
dem de marcas pouco conhecidas a 4oo rs.
a garrafa e 3,ooo rs. a caada.
Especial vinho Lavradio sem a mais pequea
composico a 560 a garrafa e 4,ooo rs. a
caada.
Pomada a 200 rs. a duzia, sevada muito no-
va a 80 rs. a libra, e 2,5oo a arroba.
Garrafoes com 4 '/a garrafas de vinho supe-
rior a 2,5oo rs. eom o garrafao.
dem com 4 '/* ditas de venagre a 1 ,ooo rs. o
garrafao.
Vinagre PRR em ancoretas de 9 caadas a
15,ooo rs. com a ancoreta
dem em pipa puro sem o batismo a 2oo rs.
a garrafa e l,4oo rs. a caada.
Caixas com 1 duzia da garrafas de vinho Bor-
deaux fazenda muito especial a 6,8oo rs.
a caixa e 7oo rs. a garrafa.
Licores francezes e portuguezes das seguin-
tes marcas creme de violetas, gerofles, ro-
sa, absinto vespeiro, amor perfeito, amen-
doa amarga, percicot. de Turin, Botefim,
morangos, limo, caf, laranja, cidra, gio-
ja, canella, cravo, ortel pimenta a l,ooo'
Arroz do .Maranhao a loors. a libra, 3,ooo rs.'
a arroba.
dem da India muito superior a 2,9oo rs. a
arroba, e loo rs. a libra.
dem mais baixo redondo a 2,6oo rs. a libra.
dem da India comprido a 2,4oo rs. a arro-
ba, e 8o rs. a libra.
Vellas de carnauba do Aracaty a 9,5oo rs. ar-
roba, e 36o rs. a libra.
dem de sebo muito dura fingindo esparmace-1
te 36o rs. a libra.
dem de esparmacete a 54o rs. a libra, e em
caixa a 52o rs.
Papel o melhor que se pode desejar para os
Srs. empregados pblicos a 5,ooo rs. a res-'
ma, j se vendeu por 7.ooo rs.
dem almajo pautado e liso a 3,ooors. a resma, j
dem de peso pautada e liso a 3,ooo rs. a
resma.
dem a zul de botica ou fugueteiro a 2,2oo rs.
a resma.
WDAmOLEOi.kFICAIK),,, JUCALI \0
XAROPE DE RBANO IODADO
Segundo os attestados dos mdicos dos hospitaes dc Panz, consignados no Prospecto, e
iVrll Aa dem,c0,s' e*e Xarope empre?a-se com omalor successo, em lugar do OLEO DE FIGADO DE
balalhao ao qua! ellerealmente menor. Cura as molestias de peito, as escrfulas, o lympln
pallidei e mollera das carnes, as perdas d' appetite, e regenera a conslituic.ao purificando o suutoe. t'in
sumrna 6 o mais poderoso depurativo conhecido. Elle nunca canija o estmago ou os Intestinos como o
loduro de potassium e o loduro de ferro; e administra-se com a malor ellicaeidade aos meninos suieilos
aos humores ou ao entupimcnto das glndulas. O notor Cucnnr, do hospital de San' Luii de Parta,
o recommenda d um modo inteiramente particular as molestias da pelle, coniunctaniente com as pilulas
que teem seu nome. r
Depsito geral : em Paris, en casa dc MM. Grlmanlt e C, pharmaceuticos, 7, ra de la Feuillade
em Lisboa, en casa de Rodrigo da Coaia-Carvalho; no Porlo, en casa de Miguel Jos dc Sonza-
rcrreira; em o Bio-de-Janeiro, vi uva relxota e Dlnls, ra do Sabao, 11; em jfahta, en casa de
Jaa-caetano Ferrelra-Explnhelra; em Rio-Grande, en casa de Joaqun de Godoy: em Harn,
nao, en casa de Ferrelra e C; em Pernambuco, Saoum e O, ra da Crui, 22 Sansa, e as principaes
pharmacias do Brazd. v
Deposito geral em Pertiambuco ra da Cruz n. 22 em casa de Caros LOJA DO BEIJA FLOR.
{toa do Qacimado numero 63.
Cravaliiibas para sealiora.
liiOO: na loja da beija-flor da ra do Queimado
n. 63.
Vende-se
Facas c garios.
Vendem-se facas e garlos de balanco de 1 bo-
tao a S55O0 a duzia, ditas do 2 botos a 6Jt4<
na ra do Queimado, loja do beija-flor n. (53.
,Jem embralho de, ,2oo a ,,4oo r, a resma. & E" ? ^^^^^SSSW^Si ^ "
Ameixas francezas em latas del / libra a I Fitas para ilebrnm de vestidos. VonA .Dminos
1,200 e 800 rs. a libra. Vendem-se (tas para debrum do ves;ido de linho .y~e-ndem-s.e- domms aa linos J
dem em frascos de 3 libras a 2,5oo rs., s o | com 12 varas a 400 rs. a pega : na ra do Quei-
frasco valle 1 ,ooo rs. tambem temos em mad0' loJa do M*f 63.
frascos para l,4oo rs. Pectcs travessos?
CnnsprvK in(rlP7as a 7nn r r frasrn vendem-se pentes travessos de caracol na
consenas inglezas a 700 rs. o irasco. j frentede borracha a 500 rs.: na ra do Queima-
Molnos inglezes a 8oo e l.ooo rs. o frasco. ] do, loja do beija-flor n..63.
Mostarda preparada em potes muito nova a Papel beira domada.
200 rs. I Vende-se. papel beira dourada a 15200 e 1*300,
Latas com 2 a 4 libras de caj secco o mais dit0.de ^r do. beira dourada a IfilO : na ra do
bem afranjado possivel a l,8oo e 2,8oo Queimado. loJa do beija-flor n. 63.
rs a lata An.clopcs.
.o. una. Vendem-se anvelopes de diversas qualidades
Serveja Bon. Tenente verdadeira a 6,800 rs. branco a 800 rs. e de cor a 640 rs., para cartas de
a duzia.' visita a 400 rs., preto a 720 rs. : na loja do beija-
Idem de outras marcas preta e branca a 5,5oo flor na rua do tueimado n. 63.
e 6,ooo rs. a duzia inteiras. L.y1,as le aljfar.
Vassouras c niassava cnm'2 arrn< dp frrrn Tend0 receDldo voltas de aljfar com cruzes de
vassouras acpiassava com zarcos ae ierro pedra imitndo a brilhante vende-se a 1,5 cada
a loja de calcados da rua da Cruz n. 41, sendo
esta bem afreguezada e em bom local : a tratar
na mesma loja com o proprio dono pois este tem
de retirar-se a tratar dc sua sade.
vindas do Porto a 32o rs. uma na rua do Queimado loja do beija-flor n. 63.
Cebollas muito novas a 8oors. o molho e 5oo Camisas de meias.
rs. 0 cento. Vendem-se camisas de meias muito finas a
Chocolate portuguez iiespanhol o francez de' J*!00 e 'f.300: na rua do Queimado, loja do bei-
8oo a 1 ,ooo rs. a libra. j ,a-flor n" 63" EnMeJ de fi(a
Genebra de Hollonda em frasqueiras a 6,ooo. Tendo recebido enfeites de l pretas e de .
e 5bO rs. o frasco. res mais modernas que se eslo usando a lacada
dem em botijas a 4oo rs.
dem em garrames de 14 garrafas a 5,2oo rs.
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a groza e 2o rs. a
caixa.
um : na rua do Queimado, loja do beija-flor n. '!.
Fita de lia preta para debrum.
Vende-se fita de laa preta para debrnm com 10
varas a 900 rs. a peca : na loja do beija-flor rua
i do Queimado n. 63.
dem de dentes lixades em macos grandes, FU8 de iDbo para bordar vestido.
com 2o rs. O maciohos a 12o rs. O masso. Vendem-se fitas de linho para bordar vestido
Cominhos muito novos a32ors. a libra e ouroupinho de meninas com 40 vat-as a 640 e
800 rs. a pecc s quem tem lo.a do beija-flor
Vende-se no armazem da rua do Trapiche
n. 48, de Monhard & C, vinho superior de lior-
deaux chegado .ltimamente.
ESCRAVOS FGIDGS.
i o,oo a arroba.
Sag muito novo a 24o rs. a libra.
Cevadinha de Franca a 18o rs. a libra.
Milho alpista a 14o rs. a libra e 4,5oo rs. a
arroba.
Gomma a 2oo rs. a libra e 2,4oo a arroba.
Peixes em latas a l,ooo rs. a lata j prompto
a comer-se.
Farello de Lisboa marca N. e Biato saceos s
grandes a 4,ooo rs.
rua do Qneimado numero 63.
Botoes de madreperola.
Vendem-se botes de madreperola mais moder
nos que tem vindo para punhos de senhora a 320
rs. o par : s quem vende por esle preco na
rua do Queimado, loja do beija-flor nnmero 63.
Fita de velluda para bordar vestida.
Vende-se fila de velludo preto com 10 varas a
Cal de Lisboa e potassa da
Rnaala.
Vende-se na rua da Cadeia do Recite n. 26, para
onde se mudou o antigo e acreditado deposito da
mesma rua n. 12, ambos os gneros sao novos e
legtimos, e se vendem a preco mais barato do que
ara tqualquerjparte.
Farlnha de anandfoea
de Santa Catharina. e da mais nova que ha, en
muitos bons saceos e a preco commodo : no ar-
mazem do Annes defronte da alfandega.
a peca : so quem tem por este preco a
loja do beija-flor da rua dp Queimado n. 63.
Fita de velludo bordada.
Vende-se tita de velludo preto bordada de di-
versos gostos e mais modernos proprios para qna-
resma : s quejn tem a loja do beija-flor roa do
Queimado n. 63.
Franja preta.
Venderse franja preta de diversas larguras para
Vendem-se arcos de pao para uso de pipas enfeitar capas ou manteletes os mais lindos gos<
ultimamente negados do Porto : a tratar na rua tos que se pod encontrar : na loja do beija-flor
da Senzala Nova n. 4. roa do Queimado n. 63.
Fugio no dia 22 do corrente o escravu Luj,
crioulo, de idade de 20 annos, pouco mais ou me-
nos, o qual tem os seguintes signaes: estatura
baixa, corpo secco, barba nenuuma, falta de uro.
dente na frente, um signal na sobrancullia, mana
de bexigas nos ps ; este escravo tem o oilioio da
serrador, presentemente tem sido visto nos bairros
de Sanio Antonio e Boa-Vista vadiando, a roupa
que levou vestida foi caifa de riscado de quadros
j desbotado, camisa de madapolao, e um longo ru
cabeca era forma de carapuga : quem o appreben-
der leve-o rua nova de Santa Rita n. 13, serrara
de Paulo Jos Gomes, que ser recompensado.
Fugio no dia 18 do corrente a escrava de
nomc Joanna, de nacao, idade de 40 annos, mais
ou menos, baixa e grossa do corpo, tem olhos es-
pantados, e os cabellos cortados rente, levou ves-
tido de assento branco e salpicos rxos j velho :
roga-se s autoridades policiaes ecapites de cam-
Sa a apprebensao da dita escrava : quem a pren-
er, leve-a encruzilhada de Belem confronte ao
sitio do Sr. Fr. Joo do Rosario, que ser gratifi-
cado.
ATEN^O
Acha-se fgido o escravo de nome Faustino, de
idade 40 annos, pouco mais ou menos, cor fula, at-
ura regular, grosso do corpo, bem espadado. bar-
bad, e j com alguns cabellos brancos na barba,
bracos e peraas grossas e bastante cabelludas, ten-
do as peraas arqueadas, porm nao muito, costu-
ma andar era sambas, e as vezes embriaga-se bas-
tante por gostar muito de beber : portan roga-
se s autoridades policiaes desta e das provincias
limitrophes, que o facam apprehender e leva-lo a
seu senhor o major Antonio da Silva Gusmo, na
rua Imperial, assim como roga-se aos capilaes de
campo a apprehensao do dito escravo, que sero
bem gratificados.


9
Diario de PeraaMbnee
LITTERAT.RA.
ralas e de desviar dellas os perigos para com o es- cuja presenta aqu attesU que as conservara por
tado e os pavos.
ftegwda letra 8Q e Halo ele 1114.
Avisei do snccedido o meu amigo, e elle reitc-
1. Que magnifica lico com effeto para a egreja
Doscripro da festa por oeeasiia da iuauguraeao e para as sociedades, a modestia o a siniplicdad.e
de urna capella e de um hospital no liijfir do desle hornera de Deus! Dorante a sua longa vida,
rascenlo de S. Vicente de Paulo, no dia 2i' est continuamente era contacto com as classes as
de abril de 186. mais elevadas; sea genio o conduz at nos conse-
----- ., lhos do throno ; torna-se o arbitro dos grandes,
ii -, inso pno.NL.NCiAuo pelo padiu: etienxe, SOPK- destribuidor de todas as gracas, sua subida virtude
.ioit gbhal dos padues da missao e uAs n.MAAs altralic todas as consideracoes e reno em torno de
di cauidauk, na inaini hXqao do mom-mesto s 0 refpel0 e a confianga" de todos ; a alma de
II sua influencia a luz que gyra todas as intelhgen-
(Condusao) l-ias alravz dos movimentos que agitam todo o
Aqui eompelia-mo dizer-vos meus irmaos, o que corpo social,
sao em nossos dias as duas familias previlegiadas E entretanto mere alguraa ousa aproximar-se
de S. Vicente de Paulo. Porm comprehendeis o do sua pessoa. Sabe bem solliciiar e obter os dia
meu embarace ebegando i este lugar do meu dis- mants da rainha Anna d'Austria, para soccorrer
curso. A modestia parece condemnar-me ao si- as necessidades dos pobres. Porm Deus nao per-
lencio. Os proprios llies deste grande santo que niitte que tenha dislincgo alguma humana, ncm
assistem esta veneravel ceremonia, me censura- que seja elevado dignidade alguma da egreja ou
riam, se me ouvissem relevar-vos o bem de que do estado. Foi dado ao muudo para tornar-se o
siio instrumento. V6stanibem,6 beinaventurado pa- modelo dos padres. Ora este modelo precioso em
Ere, protestarais contra aminbateineridadeseou- nossos dias. De boje em diante o clero nao ter
sasse expor luz do dia o que tanto amaveis, o que outra influencia sobre os povos que nao seja a de
tanto vezes nos recommendastes oceultar nassom- sua virtude.
Iras da liumanidade 1 Entretanto, acaso nao ser Quanto mais fraco e pobre for ao ponto de vista
justo, exaltar-ros, agora que cstaes no cu, pois |1Umauo tanto maior ser o seu poder para conquis-
que fostes to inmundamente liumilhado durante a lar as aimas e ganliar os corajes, se souber li-
vossa vida? Alm# d'isto, por ventura ser-me-ha vrar.se(]e todo projecto pessoal e de todo interesse
1 ermittid oceultar um dos bellos raios da vossa desle inundo. ge se desprender de todo o elemen-
gloria ? Todos esses coracoes que vos admirara e t0 terrestre ; se abafar em si todo sentimento de
que vos amara acaso me perdoariam se guardasse ambigao ; se s aspirar erafim oceultar-se na sora-
silencio sobre as obras que operaes aiuda em vos- Dra da humildade, o seu triurapho sobre o orgulho
sos filhos, dous seculos depois que descostes a ter- do nosso seculo corto, e a sociedade est salva,
ra ? E demais nao ser sobre tudo por ah que Esta grande ligas est no fundo de todos os movi-
posso provar que sois o hornera providencial de mentos que agitam os povos.
nosso seculo como o fostes do vosso ? 2 Uma gme questa0 se co),oca n0 se0 da so_
Todava nada vos direi, meus irmaos, sobre o ciedade moderna. E' em roda della que gravitam
que a propria Providencia expoe todos os olhares todas as intelligencias. S ella occulta o segredo
para a gloria do seu humilde servo, llavera bem ; do futuro das geraeoes futuras.
scus exemplos e pelas altas virtudes que as distin
guem 1 Abengoae estas numerosas deputaroes do
clero de Franca, tao justamente orgulhosas de ver
em vossa pessoa, cercada de tao grande illustra-
co, o carcter de que se acham revestidos, e que
marcham tao generosamente sobre as vossas pe-
gadas t Abencoae todos esees dignos magistrados
da hierarchia social, como tambem os honrosos
Miembros da commissao do monumento e da lote-
rou a promessa de me entreter uma tarde com a
historia da mendiga do Mirante.
Fiquei eu imaginando o que viria a ser a histo-
ria desta mulher. J n'aquelle tempo rae andava
o cerebro, o coracao, ou o espiritonao sei bem o
que eraa fermentar a massa de voluraes, que
sahiram depois mal levedados, alguns azedos, ou-
tros inspidos, e Deus sabe se outros hao do sahir
peiores na substancia e no feitio. O certo que
ria, cujas solicitudes e nobres sentimentos exprs- eu, em 1845, ha quasi vinte annos, bem que nem
sarain tanto quanto foi possivel este dia, que devia' sequer entresonhasse o ru e o inferno de escrip-
ospalhar tanto brilho neste paiz I Abencoae este' tor, j me empenhava em tecer enredos de roman-
povo fiel, no seio do qual nos regosija ver ainda ees, emquanto os meus lentes de chymica e bota-
descendentes da vossa familia, dignos herdeiros da | nica se desvelavam em me fazer comprehender
vossa f e simplicidade, e que esl tao solicito por: que ha cidos e xidos, e que ha vegetaes raonoco-
vir honrar a vossa memoria, collocar-se sob a vos- tyledonios o vegetaes androgynos: cousas de que
sa poderosa proteegao Abencoae a nossa cara | eu sinceramente nao duvido nem se nada.
Franca, a quera sempre tanto amastes, que nao i O entrecho de novela, que eu phanlaaava por
tao temivel em seus movimentos polticos senao [ conta da mallrapida Albertina, era injurioso po-
porque possue um poder imraenso para o bem, e' bre mulher. Queria a minha derrancada imagina-
que s agita o mundo sob a direccao da Providen-, cao que ella tivesse deseido s escaleiras de uma
cia para obriga-lo a tornar-se melhor I Porm, so- vida precipitosa at se atolar no esterquilinio d'on-
bretudo, bemavenurado padre, abengoae as vos- i de sahira para se assentar as lageas das reas, es-
sas duas familias tao contentes por vos pertence- tendenda a mo caridade dos transentes. Ora,
rem, e que se sentem tao honrosas por curapnr a
raisso de perpetuar as vossas mximas e de con-
como j ento estavam escriptos aquelles muito
sabidos versos de Vctor Hugo, que dizem
servar o vosso espirito. Dae-lhes um sorriso do alto Qh i n'insultez jamis une femme qui tombe!
do cu, e o vosso corago estremece de alegra,; Qui sait sous quel fardeau la pauvre ame succombe!
A historia de Albertina, no trajelo de vinte an-
nos, maltas vezes me acudi lembranca, as ho-
ras em que eu combinava na palheta as cores com
que bosqueje! os quadros tristes e alegres da hu-
manidade, (que m'os aceitn benignamente, nao
porque fossem bons, mas porque eram fiis : das
deformidades da natureza seria injustica irrogar-
me censura a mim.
Uesaproveitei o romance de Albertina, em todas
as vezes que me lerabrou, porque rae alistara na
laureada c gananciosa milicia dos romancistas do
terror grosso, como d'elles dizia Julio Janin, o cele-
brado folhetinista, que escreveu o Burro morto, ro-
mance que comer a aterrar a gente desde o titulo,
e, l pelo meio adiante, mette a humanidade n'um
banho de sangue, sangue de muita gente c do bur-
ro citado.
Afinal, e muito a tempo, desertei s bandeiras
dos mestres francezes, e entend no melhor modo
de descrever os usos e costnmes da minha trra,
os sentimentos bons e mus como por c os tenho
visto, as paixcs como ellas sao c, e como creio
que ellas sao em toda a parte, tirante as compostu-
ras, artificios, e maravilhas de linguagem, com que,
para maior gloria do genio pestilencial, corruptor
das almas, os pintores da sociedade adulteram a
verdade das cousas, e pessoas.
contemplando-as tao numerosas, tao prosperas, e
vendo-as permanecer sempre taes quaes sahiram
das vossas mos, cheias da vida e da fecundidade
que lhe communicastes, mais de dous seculos de-
pois da vossa morte, apezar das revojuges que
atravessaram 1
Dignos representantes reunidos da Europa, Asia,
frica e America vieram em seu nome cercar o
vosso berco, ahi depor as suas homenagens, estrel-
lar os lagos sagrados que os uera vos, e procla-
mar em presenca dos anjos e do mundo que a sua
i vida a vossa vida; que as suas obras sao as vos-
sas obras, que o seu coracao o vosso corago!
depressa racio seculo que tenho a honra de chamar j E .,a quesl3o a da auIoridade. s tambera a j Ah respondei aos cantos do seu amor, dando-lhes
S. Vicente de Paulo meu pae. Vi renasccr as duas rc|giao po(]er resolve-la, porque s ella possue a \ novas effU5oes da vossa ternura paternal. Que le-
familias das suas ruinas ; assisti as diversas pha- uz quc escarece t00 0 0Hem que vem ao mundo. Vem aos paites que sao o theatro de seus trabalhos
ses de sua restauracao e de seu desenvolvimenlo. Q principio da agi,aco dos povos na0 novo, so. superabundancia de mercs e riquezas, de protec-
Conlemplando-as hoje mais numerosas e mais mcMQ mu(Jou d( o|)jeclo 0lr-or!l mm as here- ao> que assegurem s suas obras desenvolvimen-
prosperas do que nunca foram, sinto que S. \ icen- sjas que 1)erturUavaiu a sociedade. Mas a caima se los 'mais prosperos aiuda, e sua dedcago fructos
te est nomcio dellas e com S. Vicente e o prophe- restabe|ecia) quando a egreja tinha fizado de uma de salvaca0 qUe sejarn a consolacao da egreja, a
ta exclamo : .0 dedo de Deus esta aqu, i.jdus nianera llVariavel as verdades, que a duvida e a alegria do ccU e a instruccao da trra Emtim,
De, est hic A Providencia tinha dictado os decre- j dscu.5-0 C0DSdcravam ncertas. ; faze, grande santo, cora que aquelles que cra-
los de Napoleao ITA Franca tinha d'aqu, em d.an- | m flca c)ra de ^ h cer.
te para ellas limites muito estrenos: e um no de J^***^ ^^To? eirilSl! Qem .rabera ura dia o vosso throno na morada
riridade que deve atravessar os remos e os impe- era que>tao. o trauamo que atinge os espiraos e 4
i ios elevar a fecundidade de suas aguas todos que agita os povos nao tem oniro fim, nos designios a gloria. Amen.
os paizes da Europe. Nao digo bastante. O oriente da Providencia senao o de erguer todas as ruinas
como o occidente, os povos do sul como os do or- i que o livre exame democrtico amontoou sobre ella.
11, o novo como o antigo mundo, deviain vir abr-' Bem depressa rcapparecer, nao duvidamos, bri-
sar-se sombra desta arvore de dous ramos, e ali- Ihante com as luzes da f, e o edificio social peder
mentar-se com os seus fructos de caridade c sal-! nella de novo assentar-se com seguranca e felici"
Vdelas seguir nossos valentesexercitos dade. A religiaoconserva uma palavra do Evan-
vacao. \eoe-ias seguir nossos
as gloriosas campanhas da Crimea, Italia e Mxi-
co. Soguera pressurosas nossos guerreiros at
capital da China para al.i plantar a cruz de Jess
Cbrsto, espalhar os beneficios de sua caridade
neste vasto imperio, coberto com as sombras da n-
liJeliJade eda morte e ahi fazer amar assini ao mes-
mo lempo, o nome da Franca e o da religio.
Nao conlinuarei, meus irmos. J tenho dito bas-
tante. Porm em presenca desta maravilhosapros-
peridade, urna lembranca vem offerecer-se ao meu
espirito e enternecer o meu coracao. S. Viceite de
Paulo, no lim de sua carreira, admirado da impor-
tancia que tinhnm adquirido as duas familias, ex-
clamara rom toda a effusao de sua alma: Acaso
chamar-se-Iiti obra do homem aquillo em que o lio-
tnem nunca ensou Nunca tive a dea de fundar
vina companhin; a propria palavra congregacao
niea se upresentou ao meu espirito. Foi Deus
que fes tudo islo. *A Domino factum esl tates.*
E eu, chegado a uma edade em que a vida se in-
clina para o tmulo, abracando em meu pensamen-
to o vasto theatro em que as nossas duas familias
ollerccem to bello espectculo Deus, aos anjos e
aos humis, vendo aos heneaos que acoinpanham
os seus trabalhos sobre um e outro heniispherio,
sitonecessidade em repetir a paUvra do homem
de Deus. Nunca esperei ter resultados tao prodi-
giosos ; e exclamo com elle : A Domino factum est
istua; Deus so cabe toda a gloria. Ouco re-
tumbar no meio deste immenso auditorio a palavra
do grande apostlo: Fui eu sera duvida que plan-
tei, foi Apollo que regou ; porm foi Deus que lhe
deu o crescimento : Ego plantad; Apollo regavit ;
Deus aulem incre.nentum dedil.
S. Vicente de Paulo foi pois para o nosso seculo
como para a sua poca uma urna de eleico para
levar o nome do Senhor perante as nacoes, os reis
c os filbos de Israel : Vas electronis est mihi istc<
vt postet nomen meum coram gentibus, et regibus,
et filiii Israel.
S me resta dizer-vos que ser tambem o homem
providencial dos seculos futuros.
III
E' justa a adrairacao quando se considera que
tres seculos decorreram desde o nascimento de um
liomem como S. Vicente de Paulo, sem que a pos
teridade pensasse em marcar por um monumento
digno delle o ponto de partida da magnifica car-
reira que percorreu. Entretanto convm abster-
nos de aecusar de indifleren geraeoes que aproveitaram a sua influencia salutar
c colheram os seus beneficios. Todas ellas se in-
clinaram perante a sua grande imagera e conser-
varam a sua memoria abencoada. Porm os gran-
des santos que apparecem successivamente na
egreja sao homens eseolhidos por Deus. E' elle
que, as combinarles mysteriosas de sua Provi-
dencia, determina o lugar e as circunstancias de
sua apparico no interesse da humanidade. E'
elle tambera que traca o caminho que devem per-
correr atravz do mundo, o que Ihes communica o
genio que deve inspira-los para elfectuar os seus
destinos. Nao descem ao tmulo senao no momen-
to preciso por elle fixado em scus eternos decretos.
Porm fallara, ensinam, Irabalhara ainda depois de
sua morte : Defunctus adhuc loquitur. Na serie
das edades, sua memoria revela-se, seu nome re-
tumba, parecem agitar-se em seus sepulchros, para
fazer reviver a sua influencia e as suas inspirares
em favor das gerages atormentadas pelo irabalho
das transformares sociaes. Sao como nuvens be-
nficas, que, por intervallos, alravessara o horison-
te para refrescar e fecundar a trra. Assim du-
rante sua vida S. Vicente de Paulo encheu seu se-
culo com as riquezas de sua alta intelligencia e de
sea grande coracao. O seculo seguinte, quando
foi elevado aos aliares, viu sua gloria espargir-se e
as suas obras desenvolver o seu benfico poder.
No nosso, em 1830 a translaco solemne de seu
corpo veiu inaugurar o bello monumento de carida-
de quo hoje domina a sociedado intera. Se a Pro-
videncia reservou para a nossa gerago o cuidado
de cercar o seu bergo com lo grande magnificen-
cia, porque a inauguracao deste monumento a
aurora de um novo da que se levanta sobre a hu-
manidade, para dirigi-la durante esta phase de agi-
tacao febril e de progresso material para um futu-
ro prospero, oceulto ainda em sombras nuvens. O
orgolho e o egeismo sao as duas doencas que affli-
gem as sociedades modernas.
S. Vicente de Paulo por seus exemplos epor suas
doutrinas aprsenla ao mundo, na bumildde e na
dedicacao, os dous remedios uuicos capazes de cu-
gelho quo dissipar todas as illusoes, e que est no
fundo das grandes commoges que-agitam o mun-
do. E' ella que compete resolver o problema da
autoridade o da obediencia, da riqueza e da pobre-
za, que a razao humana sem ella jamis resol-
ver.
as nacoes, disse Jess Christo, os principes
dominam os povos, e os grandes exercem sobre
ellos o poder. Porm entre vos assim nao ser.
Aquelle que quizer ser o pnmeiro ser o servo de
todos ; assim como o filho do homem nao veiu para
ser servido, porm para servir e dar a sua vida :
Principes gentium domnwntnr eorum, et qui majo-
res sunt potestatem exercent in eos. Non ita erit
inter vos. Qiu voluerit primvs esse erit omnem
ttlTUl; sicut Filius hominis non venit mtnistrari
sed ministrare, et dar animam suam.
Assim, meus irmaos, a origem do poder Deus,
que se chama caridade, Deus caritas est, e a auto-
ridade a dedicagao. E' esta verdade que os gran-
A V1IIIA DO DOUTOR NEGRO
Romance original de (iamillo Castello Branco.
PREFACIO.
era estudanto na academia do Porto em
Eu
1815.
Em uma das ferias pequeas do anno, indo cu
despedir-me de ura cavalheiro, meu patricio, de
volta para o Porto, disse-me elle :
Vou encarrega-lo de uma commissao. Tome
o senhor tstas quatro pegas. V ao topo da calga-
da do Mirante. Se l encontrar ainda uma men-
diga, perguute-lha se conheceu um homem cha-
mado Antonio da Silveira. Kespondendo ella que
me conheceu, e provando-o com alguns signaos,
que o senhor fcilmente colher, entregue-lhe este
dinheiro. E se o senhor, uma ou outra vez, sen-
tir o desejo de abster-se de algum passageiro pas-
sa-terapo, e einpregar, em favor de pessoa desvali-
da, o dinheiro, que tal recreio lhe havia de custar,
v depr, no regago da pobre da calgada do Miran-
te, a sua usmola. Ver que sensagao doce e con-
solativa Deus lhe d era retorno da sua beneficen-
desaconteciraentos modernos tem por fim ensinar|cia; ver, meu amigo. ..Quando o senhor voltar
humanidade. E, ella que destruir os partidos a ferias-grandes, eu lhe contarei peo miudo quem
e que de novo ligar os lagos que devem unir to-. toi a mulher. Carego de recopilar as minhas re-
dos os coragoes no amor e na paz. As desordens miniscencias. E' este um lavor melanclico de
e es abusos cessaro de envenenar esta fonte da fe- que fogein os velhos, cuja mocidade foi desapro-
licidade dos povos, quando o orgulho e o egosmo; vetada ou desastrosa. O tempo mal baratado cho
tiverem cessado de misturar o seu elemento pesti-
lencial com as suas aguas salulares. A sciencia
da dedicagao era eminentemente a de S. Vicente
de Paulo. Nao smente a praticou em sua vida ;
mas ainda a legou s suas duas familias com o fim
de espalha-la no selo do clero e dos povos, e de fa-
z-la passar nos coslumcs das nages do mundo in-
leiro. A sua nica raisso ensinar a dedicagao
mais anda por seu exemplo do que por seus dis- \juoavu. i\) Va, pois, concluiu Antonio da Silvei-
cuisos. Ahi est o segredo de sua prosperidade e | raj d,sfarCando as lagrimas, e volt* a contar-me
ra-se na visinhanga da sepultura; o as afTeiges
Dengosas, que l se nos engolpharam na voragem
das alegras, parece que renascera com a foruosu-
ra sinistra, que tiveram, nos ltimos annos, quan-
do mais desvanecidas deviam de estar na memo-
ria. Assim mesmo, ha saudade ainda no recordar
tristezas, que eram o escuro do quadro de mil co-
res da infancia. Forjan et ha-c olim memmisse
que romances lhe suggeriu a visao dessa mulher
andrajosa, para a qual a propria caridade olharia
sem interesse, em quanto cu lh'a eslou apresen-
lando entre urnas nevoas mysteriosas, que pare-
cem esconder alguma princeza incgnita, assim
semelhanga das Ilustres penitentes da edade-m-j
dia. Escreva-me do Porto a dizer-rae se a pobre
do Mirante ainda vive.
das sympathias que encontram em toda a parte.
Eslranhas todos os nteresses e a todas as honras
deste mundo, s tem uma ambicao : a de fazer bem
todos e de se dedicar ao allivio de todas as mise-
rias e de todos os gneros de soffrimentos. Assim
as suas constituigoes, fundadas sobre as bases s-
lidas desla divina doutrina, nunca reclamam nem
reformas, nem modificagoes ; e podem ser obser-
vadas em todos os climas, e em todas as edades, e
sob o imperio de todas as transformages sociaes.
Por que hoje o clero trancez o primeiro clero
do mundo Por que que de todos os pontos do
universo se vem fazer appello ao seu zelo, pedir-
Ihe conselhos, esclarecer-se com suas luzes e apo-
derar-se das suas inspiragoes ? Por que que em
seu seio vemos nascer estas obras maravilhosas
da Propagatfio da f, da Santa Infancia, das Esco-
las do Oriente, que prestam to grandes servigos
egrejas, e que fazem brilhar os beneficios da civili-
sago sobre tantos povos sepultados as trevas do
erro e da infidelidade ? Ah 1 est ahi o fruclo da
dedicagao tirado da escola de S. Vicente de Paulo.
Sao as primicias dos gloriosos servigos que foi
chamado a prestar egreja, Franca, ao mundo
inteiio E' a aurora dos bellos dias que promette
a religio c sociedade este monumento venera- i,0' 1ue ella resguardava com a gola do capote. Ao.
E, se eu a nao encontrar,ataineiquem
me ha de dizer que ella morreu I
E' sensata a pergunta.. .Deixe-me ficr pen-
sando na resposta alguns dias, que nao sei respon-
der-lhe agora. Entretanto, escreva-me.
Na mesmo dia em que cheguei ao Porto, fui ao
local indicado por Antonio da Silveira.
Vi uma mendiga sentada na ra, e encostada ao
muro do jardim do Sr. Braga. A' beira della, en-
roscado sobre parte do capote da pedinte, dorma
um cao d'agua, cuja brancura e limpeza contras-
tava com os remendos sobre que se deitra.
A pobre representava cincoenta e tantos annos-
Como o vento de Janeiro era cortante, e a noule
vinha j desdobrando, nao pude ver-lhe bem o ros-
eu cobria de flores as escadas resvaladigas do vi-
cio, e ia com a melhor grmalda coroar a martyr
no seu atoleiro, e lembrar-lhe, como estimulo de
esperancas em melhor mundo, o quial dilexit mul-
tum (i) de Jess Christo, com referencia pecca-
dora, repulsada da visinhanga das pessoas honra-
das, segundo o padro da honra convencional des-
te mundo. Vinha, porlanto, a ser o hypolhetico
romance de Albertina i milsima historia de uma
milsima desgragada, com um remate de vida des-
toante do acostumado : em vez de morrer na en-
fermara da Misericordia, e do catre passar me-
sa das disseeges anatmicas, acabava os seus pe-
nosos das sob o tecto hospitalero da ordera de S.
Francisco, mediante quatro pegas csmoladas por
um homem, o nico talvez que se lembrava de a
ter visto bella, e deslumbrante na vertigem do cri-
me impudente e faustuoso.
Que hedionda historia eu engendrara Para isto
nao valia a pena cerrar eu os ouvides s prelec-
ges dos Srs. Santa Clara e Costa Paiva, quando
ura me dizia que ha cidos o xidos, e o outro me
poda encantar com a maviosa poesa dos amores
dos vegetaes monocotyledonios e androgynos Por
amor dcstas estragadas phantasias, deixei eu de
ser uma pessoa de serventiaThymica nesle mun-
do ; e fiquei escassamente sabendo, em botnica,
que as arvores sao vegetaes.
Aguilhoado pela impaciente curiosidade, que ma
deixava esperar quietamente a poca das ferias-
grandes, fui enfermara da Ordera de S Francis-
co procurar Albertina, com o disfarce de lhe offe-
recer o meu prestimo.
Nao preciso de nada, beindito seja o Senhor!
me disse ella. Foi o Sr. Silveira que mandou saber
de mira ? Santo homem I corago de Deus na mo-
cidade e na velhice I...
Esta linguagem predispoz-me a julgar do espiri-
to da mulher com vantagem.
Condensavara-sc as nuvens do raysterio em vol-
ta de Albertina ; mais insoffrida porlanto a curio-
sidad?, o prurido de romper a nuvem, e desnudar
o segredo daquella existencia.
Aventurei esta sonda era forma de observago
christa :
A Sra. Albertina soffre com admiravel pa-
ciencia os dissabores de sua vida !
Que remedio senao soffre-los I disse ella.
Mas ha poucos infelizes que salbam assim
consolar-se.
E' porque sao poucos os infelizes que sabem
o caminho do Calvario, o porto da Cruz, redarguiu
a mendiga de Mirante.
Ha muitos annos que desgragada ? pergun-
tei com a audacia de um espirito esfalfado, que
anda a cavar ideas para romances no reconcavo
da consciencia de toda a gente.
Eu nao sou desgragada, respondeu ella sere-
namente. Sou o que o meu Creador quer que eu
seja. Se nao tenho sobre que Deus chova, tambem
nao tenho cousa sobro que se cravem os olhos
da inveja.
Mas retorqui, balbuciando, parece-me
que a Sra. Albertina, antes de chegar a esta posi-
gao...
Se me d licenga, atalhu a irma da ordem
de S. Francisco, vou minha enfermara, que sao
horas de medico.
Despedi-me, descontente do tom admoestador
com que a pobre castigou a minha renitente inves-
tigago, e fiz parte disto ao meu amigo Silveira, o
qual me respondeu nestes termos :
a A vida dessa mulher nao o que o senhor
cuida.
t Ha urnas historias que se ouvem,sem se pedi-
rem : sao as dos crimes, que se desafagam das
presas do remorso ; e tambem as ha negrissimas,
contadas pela fatuidade cynica.
t D'essas busque-as o senhor que as ha de achar
de molde para escrever um Flos-diabolorum de
ambos os sexos.
t No tocante, porm, historia de Albertina,
dir-lhe-hei que os revezos sao de uma especie, que
nao anda usada era romances, por ser iguaria in-
sssa a paladares enfanados.de condimentos arden-
tes da especiara franceza, os quaes cifram em
sangue, lagrima^ o lama.
t O peorda bu oanidade, o sedimento, as fezes
do coracao, servidas era tagas de ouro o.ouro
da linguagem llrente Jorge Sand, e satnica
Cabe a proposito neste ponto declarar eu criti-
ca bem intencionada de alguns avaliadores dos
meus ltimos livros, editados em folhetins do
Commercio do Porto, que nem levemente me cons-
trangem as condgoes, que me pauto e imponho,
no desenvolvimento da idea moralisadora, ou, pelo
menos, intuito social e humanitario de cada um dos
-omances.
soledade dos seus pardieiros solarengos, afoga-
dos de serranas.
Nao obstante, o fagauhoso Silveira que poda
muito com os paes de Antonio, filho dcil e incapaz
de sacrificar a obediencia s suas imaglnagoes ro-
manisadas pelos poetas e prosadores latinos, levou-
o d'alii para Braganga, e l ao agaloar-lhe o braco
com o lislo de cadete, lhe vaticianou que seria ge-
neral como dez dos seus avs, visto que nao tinha
propensao para bispo, como outros dez avs d'elle.
Assim, pois, desceu o regiment ao Porto em
1810. Antonio da Silveira foi aboletado para a
ra de S. Miguel, em quanto se nao reorganisava
quarlel para cavallena. O patro do cadete era o
Dr. Negro. Appellidava-se assim o bacharel Fran-
cisco Simoes de Alpedrinha, porque era mulato,
nascido no Brasil, l muito do interior do filho de
um preto, magistrado do Rio de Janeiro, famoso
por militas letras c reelido.
Francisco de Alpedrinha formara-se em 1785
na L'uiversidade de Coimbra. Completado o curso,
preferir os ares de Portugal as vantagens promet-
idas no seu Brasil. Escolhera o Porto para resi-
dir e aqui viera assentar banca de jurisconsulto. A
cor nao foi implicancia concorrencia de clientes.
Estreara-se magnficamente defendendo um ru
famoso, e protegido. Sobreexcedeu a nomeada de
lodos os seus collegas forenses; e d'ahi pouco
todas as causas diulceis e lucrativas eram confia-
das da pericia e astucia de Dr. Negro.
vel, que boje inauguramos. Nao, nao ; a religio
nada tem a lemer dos graves acontec mentos, qu
se effectuam sob nossas vislas. S fazem preparar
o seu triumpho. As grandes crises sociaes prog-
noslicam sempre egreja uma nova gloria e abun-
dantes consolagoes, quando, como vemos em nossa
patria, ella se raostra cheia de vida e de fecundi-
dade.
O' grande santo, para quem se elevara n'este die
grandes votos e supplicas 1 esplendores que cer-
cam o vosso throno, lagae olhares de bondade e
de amor para esta magestesa solemnidade! fazei
com que as esperancas, que ella nos inspira, obte-
nham o seu cumpriraento Collocado na fonte
das gragas e das bengos celestes, fazei-as descer
cora profusao sobre esta piedosa asse'mbla, e que
fagara produzir era todas as almas as grandes vir-
tudes que tem tao admiravelmente ennobrecido a
vossa I Abengoae o immortal pontifico que oceupa
lao dignamente a cadeira de S Pedro, que hoje es-
qaece as suas queixas e as suas dores para assistir
pelo pensamento a esta festa da familia chrstaa,
em favor da qual tao affavelmente abria os thesou-
ros da egreja I Abengoae com toda a ternura do
vosso corago o nosso magnnimo imperador, cujo
genio comprehende lo bem o vosso, que estima
ver o vosso nome se confundir com as cousas que
opera para erguer as antigs glorias da Franga, e
crear-lhe novas e que tao poderosamente concorreu
para vos obter as honras deste memoravel dia I
Abengoae esses eminentes e veneraveis pontfi-
ces, guardas fiis das vossas tradigSes de caridade,
ver-me parado a distancia de dous passos, esten-
deu-me ella a mo aborta, sem proferir as pala-
vras costumadas da supplica. Aproximando-me>
disse-lh :
Vocemec conheceu Antonio da Silveira ?
A mendiga levantou o rosto de golpe, encarou-
me, e disse:
J est com Deus T
Vive, e est bomrespond.
Bemdito seja o Senhor tornou ella.
Ha quatro annos que nao tive novas delle...
Creio que vocemec a pessoa a quem elle
manda entregar este dinheiro...
Devo ser eu, que j recebi outras csmolas da
sua caridosa mo.
Sao qualro pegas que lhe entrego por ordem
do Sr. Antonio da Silveira.
A pobre beijoo o embrulho, e conservou-o entre
as mos erguidas, emquanto orou. Depois, levan-
tou-se, tomou nos bragos o cosinho, que tirilava,
e disse-me:
Faga-me a esmola de dizer ao Sr. Silveira
que a desgragada Albertina tica pedindo a Deus
sade e contentamente para o seu bemfeitor.
Perguntei-lhe onde raorava.
Tenho a minha enxerga n'um baixo ahi da
ra da Sovela;respondeu Albertina-mas, se
Nosso Senhor rae ajudar, inanha, com este be-
neficio do Sr. Silveira, irei melter-me na ordem de
S. Francisco, e de l irei dar contas Deus.
Taes saos os publicados com os titulas Tres ir-
maas, Estrellas funestas, Estrellas propicias, O bem
e o mal.
E, afora estes, que a critica irreflectida cuidou
me haviam sido assim prescriptos e agourentados
pela seriedade d'aquelle jornal, escrevi com egua|
intento e desassombrada espontaneidade o Amor
de perdirao, o Romance de um homem rico, e outro,
que est no prlo, chamado Amor de salvaeao.
De nenhuns outros me ficou tao choio o animo
de contentamento, contentamenlo sem vaidade, sa-
tisfacao de ter povoado a minha phantasia de ima-
gens, que seriam ainda sublimes e bellas, quando
nao fossem imitaveis e verdadeirs.
A esta serie de romances pertence a Filha do
Doutor Negro, bem que o titulo prometta scenas
escuras, e se d um geito de engodo curiosi-
dade.
Nao vem para isso.
Fago pouco finca-p em ttulos, e nao dou nada
pela cousa que traz logo um ro'.ulo de negocio, no
modo como se intitula.
Chamei ao livro assim, porque a herona do ro-
mance, como j se vae dizer, tinha muila honra em
ser assim conhecida.
A razao porque eu esperei vinte annos esta ho-
ra, hora de infinita dr, em que principio a escre-
ver tal romance, que eu, nesse longo termo de
minha existencia, cuidei que.sem intercalar de epi-
sodios imaginarios historia de Albertina, mal ou
de nenhuma maneira lograra dar-lhe vida, inte-
resse, variedade e numero, como diriga um cor-
recto juiz com o Quintiliano em mente.
Agora, revirou-se o meu cntendimento em cou-
sas desta ordem, como em quasi todas as cousas
ordenadas ou desordenadas pela gente.
Eston apto para trasladar o que vi e vejo, sem
pedir emprestado imaginativa o que a natureza
me nao d.
Se, alguma vez, falsifico as tintas, ou derramo a
mos cheias flores sobre as ulceras, isso um ex-
cesso de generosidade que uso com o mundo c co-
migo.
Bastam as miserias vistas : poupemo-nos es-
tampa, que nao corrige nem condemna. Para juiz
l est Deus. Para algoz, basta que cada ura o se-
ja de si proprio.
I
Em 1810, Antonio da Silveira, cadete de cavalle-
ra de Braganga, chegou ao Porto com o seu regi-
ment. Conflua para aqui a forca armada do nor-
te, agitada pelo refervSnte patriotismo da junta go-
vernativa, espertada scrodiamente da sua pavida-
senao estupida, inercia, l'm romancista de espirito
eminente e grandes dotes de investigagao,*(Sr. Ar-
naldo Gama.emdous excellenlesquadros da invasiio
dos Francezes em Portugal (i) Isto me Forra cancei-
ra de imitar os meus collegas peninsulares que,
antes de dizerem que o liomem que chega, des-
crevem a noute, se elle chega de noute, o terreno
que pin, as ras que percorre, as sensaces que
causa aos encontradigos, o que elle pensa do cu e
da trra, e o mais que nunca hornera se lembrou
de peusar. at ao fim de uns tantos captulos, que
se lomara admiraveis pela paciencia de quera os
cscreve.
Autorao da Silveira era ento mancebo de vinte
annos. Symoailiisava com Napoleao, que elle de
Houve ahi na ra Cha uma formosa menina,que
amou Francisco Simoes de Alpedrinha ; nao era
nobre nem rica; mas assim mesmo negaram-lh a
os paes, conta da cor do pretndeme. Uma nou-
te, a fascinada creatura deixou-se cahir de um pos-
tigo aos bragos do seu negro, que o era duas vezes
pela escravido da alma c pelo lustroso azeviche
da epidermeem que ella imprmiu o seu primeiro
beijo. D'ahi a raezes, cera precedencia de deposito
judicial e longo pleito, estavam casados, amndo-
se como Desdemona e Othello, a linda rival da ne-
v, e o preto de olhos coruscantes; mais felizes,
porm, que os desastrosos amantes do trgico in-
glez, amavam-se sem sombra de ciume.
D'este consorcio nasceu em 1790 uma filha.
Era Albertina.
Quando o cadete de cavalleria se aboletou em
casa do Dr. Negro tinha Albertina vinte annos.
Denunciava ella visvelmente a procedencia da ra-
ga paterna no esmaiado amarellecido do rosto, e no
alvor esfumado dos olhos em quanto, porm, ao
feitio das feiges, era o trasllado de ,sua me, rae-
i lhorado na negrido e espessura dos cabellos.
nao lama ?
Offerecessem a biograplua dessa mulher, que
mente vigorosa Frederico Souli, que isso se-1 si para si denominava o .apostlo involuntario da
emaueipacao dos povos, em quanto o seu coronel,
arengador de oitiva, atassalhava sempre Busnapar-
o senhor vistou na enfermara de S. Francisco, a te, uas suas allocuces, cora os flageladores epi-
algum daquelles capitalistas da iraaginago corrup- j thelos de -brbaro tigre da Corsega demonio
ta, aposto eu que elles nao aceitariam para romn- j da meia noute 1 e besta do Apocalypse
ce sem a clausula de alterarem a historia de modo
Filha nica, encanto do doutor, e orgulho da
me, recebera uma educagao esmerada, e, n'aquel-
les lempos, rarissma ainda entre meninas da pri-
meira classe. Seu pae, mais instruido em bellas
letras que o commum dos jurisperitos, fra o edu-
cador de Albertina era leitura, escripia, lingua
franceza, historia e geographia.
Antonio da Silveira, convidado a conviver com
os seus patres, agradou ao doutor, que secreta-
mente adorava Buonaparte, como pego do vento
arrazador do velho edificio social, e evangelisador
armado das doutrinas da egualdade. O doutor, no
mais escondido de sua consciencia, queria sobre-
tudo a egualdade das cores, e esperava que a civi-
lisago lograsse egualar os accidentes, logo que
effectivamnle se decrelassc a egualdade da subs-
tancia. Pellidava ella pela fraternidade dos des-
cendentes de Sem, Cham, e Japhet, visto que os
tres procederam do mesmo tronco. Tinha razao,
posto que, cincoenta e quatro annos depois, a civi-
lisagao ainda lh'a nao tenha dado. Os pretos con-
tinuara a ser fllhos de Cham, e nos de Japhet. .No
nosso av commum, isso verdade ; porm, so-
bre o gerador das ragas negras, pesa ainda a mal-
digo de Deus. Todos sabem que o segundo filho
do patriarcha, sobrevivente ao diluvio, escarnecen
seu pae, tomado do vinho que inventara. Pobres
negros, a civilsagao apenas pudera com muito
custo e o rodar de mais quatro seculos allivia-los
do nosso azorrague I
O rancor ao privilegie era desculpavel e sensa-
to no animo do Dr. Negro. As doutrinas, tmida-
mente balbuciadas pelo cadete, chegaram-lhe ao
amago, e abriram a represa dos panigyricos ao
vencedor de Austerlitz, ao rei de Italia, ao impera-
dor dos Francezes, ao mejhor Alcxandre, cuja espa-
da era a urna umpo escalpcllo extirpador do can-
cro social, facho lampejante de civilisago progres-
so, resgate, e reformago da humanidade.
Em quanto o doutor apostrophava, Antonio da
Siiveira estremecia electrisado pela torrente gal-
vnica expedida dos olhos de Albertina. E' certo
que ella olhava meigamente o cadete ; mas sem
intengao, sem amor, sem aquelle geito congenilo
de quasi to las as senhoras, chamado moda co-
quettismo. O que ella tinha no olhar vinha a ser
um natural requebr, peculiar a todos os ollios,
cujo docel de palpebras desmaia laugorosamente,
e cuja pupilla se contralle como ferida por luz de-
masiada. Estes olhos as>im quebrados sao mais
perigosos que os ardentes e irrequietos, porque in-
voluntariamente fazem o mal; sao como as lavas
que por forca de sua natureza abrazam quem as
toca.
A filha do doutor nao amava o hospede, nem mes-
mo lhe admirava o porte esbelto e marcial : g lava de ouvi-lo, que o dizer d'elle tinha a graciosa
orignalidade do moco instruido, que entra, sem
instruiccoes previas, na sociedade, fallar a lingua-
gem florate das suas silenciosas contemplnre.
quaes a inspirago lh'as dava, l nos topos das ser-
ras, na ourela dos regalos, e no frondoso d'
balsas.
que lhe jarretassem as virtudes principaes como
inverosimeis, e as accidentaes como erapecilhos a
travago do enredo.
t Esta mulher, de certo, lhe nao contar sua vi-
da, porque faz de conta que l est Deus que a sa-
be, e espera ser chamada a receber a feria dos que
trabalharara por ordem e estipendio d'Aquelle que
pertransiit benefaciendo (3). \
J o senhor v que tem de ouvir uma liisto-
Silveira era ainda prente do geueral d'aquelle
appellido, personagem admiravelmente bogal e in-
trpido capaz de imitar os Codros e os Curcios, se
os conhecesse ; Portuguez amiga, e eslou quasi
em dizer, o ultimo dos Portuguezes que se crearam
as agras de Trazos-Montes. Fra o general, in-
flamraado em amor da patria, que tirara pelas ore-
lhas o sobrinho da raollido ociosa das suas raedi-
tages e o levara a jurar bandeiras. Antonio la
ria de mediano interesse para os seus annos indolentemente o seu Horacio procul a negotus (i),
ouo seu Virgilio, sub tegmin (3), como o pegurei-
ro Tvtiro, era quanto o slo patrio estremecia bati-
verdes.
t Ha de acha-la
destituida de peripecias para
(1) Pode ser que, um dia, estas memorias
sejarn aprazkeis.Virg. En.
vos
um cont de livro, que se vende consoante o travo ; do pelo tropel das hordas conquistadoras. Educa-
de malicia, ou destemperado do horror; porm, se do pelos prosadores poetas do Lacio, o mogo, so-
o senhor a guardar em sua memoria, passados vn- litario pensador das fragosas raontanhas pendura-
te annos, bem pode ser que o seu espirito se com- i das sobre o rio Crrego, amava a liberdade ro-
praza em escreve-la, e o seu publico se deleito em mana, a liberdade dos Graccos e dos Cales, por
alternar com ella o fastio de alguma leitura dos amor da qual uns cidados se arrancavam as en-
seus romances escriptos dez annos antes, sob a tranhas como Bruto, o outros offeroeiam o pescogo
inspirago das paixes ms.i espada dos prelorianos como Cicero,, e as pro-
Quando voltei |provincia, apresentei-rae a Anto- prias raulheres se corlavam'q seio cora o punha|
nio da Silveira, que pontualmenle desempenhou a como Cecina Patus.
sua pajavra.______________________________j D.aqu procodia 0 seu affect0 a xapoleo, como
(2) Porgue muito amou. As palavras de Jess ho bastardo da revolugo franceza, e o seu amor
foram : t Muitos peccados lhe sero perdoados ---------------;- n"..^ An nh
m.,* p.,,> A* t Tum, (V O sargento-mor de Villar, e O segmo do ab-
porque muito amou Evang. de S. Lucas. balfe (episodios da invaso franceza.;
(3) Pawou bemfazendo; palavras de S. Pedro, ^ ^ e n,gi)Cios.
que resumera a vida de Jess. | (Zj A' sombra.
Elle, sira, Antonio da Silveira c quo amava Al
berlina.
Fra a primeira mulher que vira para amar-s
quem das suas montanhas.
A sede do amor j o l queimava em cima. A>
Lais e Phrynes, as Corinnas e Lesbias dos seu>
poemas e romances das edades heroicamente des-
trasasadas nao correspondan) ao typo que elle en-
tresonhava, bosquejado no melhor livro para airo-
na melhor arte de amar : o livro da natureza, qJ
se nos abre aos dezeseis anms, At aos vinte, i*
perava a mulher, cuja sombra, como dryade in-
tangivel.se llie encostava namorada e deuda de ler-
nura a cada tronco de arvore das suas llon>t'->
O visionario, com o espirito aquocido pelas leilu-
ras nada idaes dos chamados lempos divinos d
Homero, j se nao contenta va como os m\ Uros 4
velhas Cosmogonas: quera o quantum sufi*
(K) da realidade, o envoltorio gentil da ave de p*"
raizo, que o acordava dos sonhos com o sonoro ir
mir de suas azas ao voar-lho do corago pan
cu.
(Continuarse-la) *
I
(4) O bastante.
DKRNAMBim- TYP. DE M. F. F. *


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EMANKDHB2_WT39ND INGEST_TIME 2013-08-28T00:18:40Z PACKAGE AA00011611_10378
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES