Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10373


This item is only available as the following downloads:


Full Text
/
AflilO ILJMERO 117.
Por Iros mtzen diaiiUo,08 5$O00
Por tros ezes vencidos 6S00
Porte ao correio por tres mezes. 750
.>h
SEGM FEIBA 23 DE MAIO DE 1864.
Por auno adiaotado.....19|00O
Porte ao correio por o ano. 3J000
BNCARREGADOS DA SUBSCRIPTO NO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Aleandrino de Lima
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Aracaty,
Sr. A. de Lomos Braga; Gear, o Sr. J. Jos de
Oliveira; Maranhao, o Sr. Joaquim Marques lio"
drigues; Para, os Srs. Manoel Pinheiro & C; A~
reazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO NO SUL
A taguas, o Sr. Claadino Falco Das; Baha, o
rr. Jos Martins Alves; Rio de Janeiro, os Srs. Pe-
eira Martins Gasparino.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo e Escada todos os dias.
Iguarassu', Goyanna e Parahyba as segundas e
sextas-feiras.
Santo Anto, Gravat, Bezerros, Bonito, Caruaru',
Altinho e Garanhuns as tercas feiras.
Pao d'Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqueira,
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Tacaratu*, Cabrob,
Boa Vista, Ouricury e Exu" as quartas feiras.
Sennhaem, Rio Formoso, Tamaudar, Una, Barrei-
ros, Agua Preta e Pimenteiras as quintas feiras.
II ha de Fernando todas as vezes que para al i sabir
navio.
Todos os estafetas partem ao '/, dia._______
EPHBMERIDES DO M"SZ DE MAIO.
5 La nova as 9 h., 04 ni. 2 s. da t.
13 Quarto cresc. as-4 b. e 61 m. da t.
21 Lna chela as 11 h., 4 m. e 30 s. da ni.
28 Quarto ming; as 7 h. e 56 m. da m.
PREAMAB DE HOJE.
Primeira as 5 horas e 18 minutos da manhaa.
Segunda as 5 horas e 42 minntos da tarde. '
PARTIDA DOS VAPORES C0STEIR03.
Para o sul at Alagas a 6 e 25; para o norte at
a Granja 7 e 22 de cada mez; para Fernando nos
das 14 dos mezes dejan, marc., maio, inl, sel. enov.
PARTIDA DOS MNIBUS.
Pira o Recife : do Apipueos as 6 Vi, 7, 7 /*, 8 e
8 Vj ** m- 5 de Olinda as 8 da m. e 6 da tarde; de
Jaboatao as 6 i/i da m.; do Caxang e Vanea s 7
da m.; de Bemfica s 8 da m.
Do Recife : para o Apipncos s 3 /,, *, 'A, 4 Vi,
5, 8 'A. 5 V e 6 da tarde; para Olinda s 7 da
manhaa e 4 /j da tarde; para Jaboalao s 4 da tar-
de ; para Cachanga e Vanea s 4 >/i da tarde: para
temflcaas4datarde.
AUDB2NCIA DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal docommercio: segundas e quintas.
Relaco: tercas e sabbados s 10 horas.
Fazenda: quintas s 10 horas.
Juizo do comineroio : segundas s 11 horas.
Dito de orphos: tercas o sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel: tercas e sextas ao meio
da.
Segunda vara do civel: quartas e sabbados a 1 hora
da tarde.
DAS DA SEMANA.
23. Segunda. S. Basilio are.; S. Desiderio b. m.
24. Terca. S. Antonio b.; S. Vicente de Leirins.
23. Quarta. S.- Gregorio VII p.; S. Urbano p. m.
26. Quima. cp Pesia do Corpo de Deas.
f- Sexta. S. Joo p. m ; S. Ranulfo m.
8. Sabliado. Ss. Senador, Podio e Justo bb.
2*J. Domingo. S. Maximiano b.; S. Mximo m.
ASSIGNA-SE
no Recife, em a livraria da praca da Independencia
ns. 6 e 8, dos propietarios Manoel Figueiroa do
Paria & Filho.
PARTE OFFIGIAL.
JMIN18TJEIIIO DA JUSTINA.
DECRETO N. 3,248 DE 13 DE ABHIL DE 1864'
Altera a organisaco da guarda nacional da capi-
tal da provincia do Para.
Allendendo proposla do presidente da provin-
cia do Para, hei por bero decretar o seguinte :
Art. 1.* Fica extincta a secgo de companhia de
cavallaria da guarda nacional da capital da pro-
vincia do Para, e creado un batalho de mfauta-
ria, com qualro compaobias e a designago de 21
do servigo activo, formado dos guardas qoalifica-
dos no districto da Boa-Vista e Guajar-Ass, da
ficguezia da S, e urna companhia avulsa, com a
numeraco de 2.', tambem do' servigo activo, or-
ganisada no dislriclo de Ilapicur, da mesma fre-
guezia.
Art. 2.* O batalho de artilharia e o 1." e 2.* de
infaolam cooservaro a actual organisaco que
tm, e comprehendero os tres districtos de dentro
da capital e o da ilha das Ongas.
Ari. 3.* Fica derogado o decreto n. 2,084 de 27
-de Janeiro de 1838.
Zacaras de Ges e Vasconcellos, do meu conse-
lho, presidente do consclho de ministros, ministro
e secretario de estado dos negocios da juslica, as-
sim o lenha entendido e faca execuiar.
Palacio do Rio de Janeiro, em 13 de abril de
804, VI." da independencia e do imperio.Com a
rubrica de Sua Magestade o Imperador.Zacatias
de Ges e VasconctUos.
N. 3,251 DE 19 DE ABHIL DE 1864.
Cria um commando superior de guardas nacionaes
7ios municipios de S. Bernardo da Purnahyba e
da Tutoya da provincia do Maranhao.
Altendendo proposta do presidente da provin-
cia do Maranhao, hei por bem decretar o se-
guinle:
Art. .!. Fica desligada do commando superior
da comarca do Rrejo da provincia do Maranhao, a
guarda nacional dos municipios de S. Bernardo da
Parnah>ba e Tutoya da mesma provincia, e com
ella organisado um outro commando superior, for-
mado de um corpo de cavallaria de 3 esquadroes
cora a numeraco de !.; dous batalhoes de infan-
taria de seis companhias cada um, com as desig-
nages de 34 e 41 do sprvigo activo, e urna seccao
de batalho de duas companhias com a numeraco
de 8.' do servico da reserva. Estes corpos tero
as suas paradas nos lugares que Ihes forem mar-
cados pelo presidente da provincia, na forma da
lei.
Arl. 2." A seccao de batalho da reserva n. 8, e
o batalho de infamara n. 34, que j se acha crea-
do, (carao perteocendo ao 2. d'aquelles munici-
pios, e os muros corpos ao pruneiro.
Art. 3. Fica derogado o decreto n. 1,244 de il
de outubro de 1833.
Zacaras de Ges e Vasconcellos, do meu conse-
llio, presidente do conselho de ministros, ministro
e secretario de estado dos negocios da juslica, as-
sim o tenha entendido e faca executar.
Palacio do Rio de Janeiro, em 19 de abril de
1864, 43 da independencia e do imperio.Com a
rubrica de Sua Magestade o Imperador.Zacaras
de Ges e Vasconcellos.
Dito ao mesmo.Restiluo V. S. o requerimen-
to do tenente-coronel commandante do corpo de
polica, Sebastio Lopes Guimares, alm de que
conformidade com o parecer da contadoria dessa
thesooraria, a que se refere a sua nformago da-
tada de hontem, sob d. 180, mande entregar ao
supplicanie a quantia do 120,5000 a que tem di-
reito, para compra de duas cavalgaduras.
Diloao juiz municipal de Ipojuca. Dou solugo
"consulta feila por Vmc. no primeiro de marco
ullimo, declarando que os menores orphos des-
validos, de que trata o seu olllcio daquella data, e
aos quaes nao poder ess juizo dar tutor, na forma
da legislacao em vigor, devem ser remettidos a
esta prsidencia, se estiverem as condicoes dos
arts; 8 e 9 do decreto n. 1317 de 4 de Janeiro de
1853, afim de serem alistados na companhia de
aprendizes marinheiros.
Dito ao juiz municipal de Garanhuns. Inteira-
do pelo seu ofBcio de 21 de abril ultimo, dos mo-
tivos pelos quaes deixou de funecionar o conselho
municipal de recurso desse termo, respondo de-
clarando, que devendo a junta de qualificago das-
sa freguexia ter principiado no dia 16 do corren-
te, como me declarou Vmc. em seu citada offlcio
os trabalhos da reviso, que estaro concluidos ao
mais tardar no dia 9 de julho prximo vindouro,
convoque Vmc. guardadas as formalidades da lei,
o referido conselho para o dia 30 do predito mez
de julho, que para isso Pica designado, afim de to-
mar conhecimento das reclamages quo por ventu-
ra tenham deixado de ser attendidas pela referida
junta.
liOMIANDO DAS ARIAS.
Qaartei general i* eommaads das armas e Per-
aakaea, na cidadf do Recife, 20 de mii de
1804.
Ordcm do dia n. 324.
Tendo S. M. o Imperador, por decreto de 23 de
abril ultimo, noraeado desembargador da relaco
da corte ao Sr. Dr. Francisco Doraingu.es da Silva,
que nesta provincia exercia o emprego de auditor
de guerra, cujo emprego acaba de exercer, como
communicou em seu offlcio de hornera datado : o
general commandante das armas tem o grato de-
ver de, nesta occasio, pagar um trbulo ao bene-
mrito Sr. desembargados declarando que o mes-
mo senhor em tal exercicio mostrou a mais culti-
vada e Ilustrada intelligencia ; bem como a maior
pericia e dedicago pelo servico, pois que um s
processo nao deixou ptr julgar i accrescendo ainda
que mullo recommendavel se torna o Sr. desem-
bargador por sua libada conducta, trato delicado e
fina educago que tanto o caracterisam e formam
o seu proprio elogio, grangeando assim a estima e
sympalbia de seus superiores, especialmente do
commandante das armas, que muilo soube apreciar
as boas qualidades do Sr. desembargador Francis-
co Homingues da Silva, quera deseja a mais pros-
pera e feliz viagem ao lugar do seu destino, certo
de que deixa no general um verdadeiro amigo.
Assignado.Solidonio Jos Antonio Ptreira do
Lago.
Conforme -Jos Ignacio de Ifedeiros Reg Mon-
teiro, capito encarregado do detalhe.
G0VER30 DA PROVINCIA.
Expediente do dia 19 de maio de 1861.
Ofiicio ao brigadeiro commandante das armas.
Queira V. Exc. mandar por em liberdade, dando-
lhe baixa se j csliver com praca, o recruja Joao
Maicellino Rodrigues da Silva, que tem isenjao do
recrulamento.
hilo ao mesmo.Em cumprimenlo do aviso da
repartico da guerra de 22 de abril ultimo, sirva-se
V. Exc. de mandar inspeccionar as prajas cons-
tantes da relaco nominal que veio annexa ao seu
ollicio ile ii de marco ultimo, sob n.336, remellen-
dome cora o termo de inspeccio, as cerlidoes de
assi'mmenlos das referidas pracas, afim de poder
aquello ministerio resolver sobre o deslino dellas.
hito ao mesmo.Recebi o seu ollicio n. 911 de
18 do crreme, e (ico sciente de haver V. Exc.
mandado apresenlar ao commandante do vapor Pi-
racnse, o recrula Eugenio Jos Martins, por se ter
verificado ser elle desertor do brigue-barca Itama-
rar.
Dito ao mesmo.Queira V. Exc. informar acer-
ca do que pede no incluso requerimento o phar-
luaceutico Americo NunesCorreia.
hilo ao commandante superior da guarda nacio-
nal do Recife.Mande V. S. aggregar ao Io bata-
lho de infamara da guarda nacional sob seu com-
mando superior, o lenle quarlel-mestre o bata-
lho n. 43 da mesma arma do municipio de Barrei-
ros, Jos de Mello de Albuquerque Montenegro,
que transferio a sua residencia para o municipio
do Recife, visto j estar finalisado o prazo de sua
apreseutaco sse commando superior, romo V.
S. declarou em oflieio n. 61 de 16 do crreme.
hilo ao desembargador provedor da Santa Casa
de Misericordia.Pode V. S. mandar admittir no
collegio das orphas, nos termos de sua informacao
de 18 do crreme, as menores de nomes iosephina
Francisca e Emilia, lilhas de hiniz Ignacio Praze-
res dos Santos, a que se refere o requerimento que
devolvo.
Dito ao inspector da Ihesouraria de fazenda.
Participando o bacharel Agosiinho Ermelino de
I,cao, era data de 28 de abril prximo lindo, que
por ter sido comeado juiz de direito da comarca de
Cacapava na provincia de S. Pedro do Rio-Grande
lo Sul, deixara natfitella dala o exercicio do cargo
de juiz municipal e de orphos do termo de Olinda :
anin o communico V. S. para seu conheci-
mt-nto.
Dito ao mesmo.Communico V. S. que o ba-
charel Tristo de Alencar Ararpe enliou em 15 do
corrente no gozo da licenga de 30 das, que obteve
para tratar de sua sade, "passando o exercicio do
cargo de juiz de direito especial do commercio ao
juiz de direito da primeira vara, bacharel Joo An-
tonio de Araujo Freitas HVnriques.
Dito ao mesmo.Communico V. S. que o ba-
charel Jos Paulino da Cmara eotrou em 13 do
correnle no exercicio do cargo de promotor publi-
co dcsta comarca, para o qual fui nomeado.
hilo aorae.-mo. Communico V. S. que o ba-
charel Miguel Bernardo Vieira de Afnoflm reassu-
inio em 9 do correnle o exercicio do cargo de juiz
municipal e de orphaos do termo do Caruar.
hito a mesmo Communico V. S. que o ba-
charel Agrelo Jos Conzaga reassumio em 26 de
marco ultimo o exercicio do cargo de juiz munici-
pal o de orphos do lermo de Cabrob, e nesso
inesiao dia assuraio as funcedes de juiz de direito
interino da comarca do mesmo nome, por se achar
cora licenca o respectivo proprieiario.
Dito ao mesmo. De conformidade com o que
solicltou o Dr. chefe de polica em offlcio n. 562 de
12 ueste mez, expeca V. S. suas ordens afim de
que a collectoria do municipio da Boa-Vista abone
aos recrutas que all forem apurados as diarias a
que tiverein direilo em visfa de prets aprsenla-
dos pelo respectivo delegado.
Dito ao inspector da ihesouraria provincial.
Transmuto a V. S. a inclusa cotila na importancia
de 1333 rs. do gaz consumido coma illuminacTio
da casa de detenco durante o mez de margo ulti-
mo amOeirae, nio ha vendo incoo veniente, man-
de pagar aos empezarlos da lluminaco publica
Fielden Brnjher*, a referida importancia, conforme
solicitou o Dr. ehefe de polica, em offlcio de 17
do correnle, sob 680-
PERHAMBDCO
ASSEMEA PROVINCIAL,
SESSAO ORDINARIA EM 21 DE ABRIL DE 1864.
THESIDENCIA DO Sil. CONSELHEIRO TRIGO DE
L0UBE1H0
A's 11 )i horas da manhaa feila a chamada e
achando-se presente numero legal de senhores de-
purados, abre-se a sesso.
lida e approvada a acta da anterior.
O Su. PiuviEino Secietaiiio d conta do se-
grate
EXPEDIENTE. -
Um offlcio do secretario do governo, remetiendo
as infonnaces ministradas pela- repartico das
obras publicas, e Ihesouraria de fazenda, acerca
das dimensoes que tem o terreno de marraba oceu-
pado pelo quartel de corpo de polica.A' quem
fez a requisico.
Outro do memo, remetiendo a informacao minis-
trada pelo juiz de direito do Cabo acerca^ da pre-
tenco de Bernardo Ferreira de Barros Campello.
A' commisso de orcaraonto provincial.
Outro do mesmo senhor, remetiendo um offlcio
do desembargador provedor da Santa Casa da Mi-
sericordia, acerca de certas medidas concerneutes
quelle estabelecimeuto. Inleirada.
Oulro do mesmo, remetiendo a informacao que
deu o inspector da ihesouraria provincial acerca
do quanto rendeu uos ltimos tres aunos que este-
ve por arremalaco o imposto de 20 % de agur-
dente.A' quera fez a requ;ico.
Urna petico de Francisco de Araujo Cezar ces-
sionario de Manoel Joaquim Bandeira de Mello,
escrivo do jury da cidade de Nazareth, pedindo
que na lei do orcamento municipal se marque quo-
la para o pagamento da quantia de 307200 de
custas que llie deve a cmara daquella cidade.A
commisso de orcamento municipal.
lido e approvado o segninie parecer :
A commisso de petices quem foi presente a
pelico de Jos de Souza Cabral e de outros pro-
prieiaros e agricultores moradores no termo da
cidade da Victoria comarca de Santo Anlo, na
qual pedem a esta assembla a creaco de uraa
medida efflcaz para emharacaro mal que ellos eslo
soffrendo com o estrago de sua lavoura pelo gado
vaceum de outros moradores d'ali das vizinhancas;
considerando que pelas posturas da cmara daquel-
le municipio expressamente prohibido o trazer
gado sollo sob pena dos infractores pagarem 45000
por cabeca : a commisso de opimo que o peti-
cionarios se devem dirigir cmara municipal res-
pectiva exigindo a fiel execucao ilota postura que
sendo rigorosamente observada bastar para por
termo a esse mal de que com justos motivos., se
queixam os peticionarios, devendo acamara lomar
na devida consideraco a reclamaco |dos pelicio-
cionarios por que Ihe compele zelar os interesses
de seus mnnicipes.
Sala das commissoes, 20 de abril de 1864.Silva
Ramos.Albuquerque Mello.Rockael.
lido e Oca adiado por ter pedido a palavra o
Sr. Gervasio Campello o segrale parecer:
| A commisso de petices examinando o qu re-
quereu Maximino da Silva Gusmo, e allendendo
a que o peticionario, pedindo a esta assembla a
resciso do contrato cora elle celebrado sobre a ar-
recadaco do imposto provincial de 2J&00 sobre
gado vaceum consumido no municipio de Iguaras-
su, nao (raz prejuizo faznoa; allendendo a que
o peticionario iuformou com documentos mais ou
menos valiosos a dminuico do consumo do gado
naquelle municipio ; e allendendo mais ser de jus-
lica o objecto da mesma pelico obrigando-se o pe-
ticionario ao cumprimenlo do dito contrato durane
o resto do primeiro anno at que v novamente
praca o referido imposlo, de parecer que seja de-
ferida a dila pellico, (cando rescindido o contrato
' na forma requer la.
1 Sla das commissoes, 18 de abril de 1864. -afa-
no'/ Netto. -Joao Teixeva.
E' lido e julgado objecto de deliberaco o segura-
la pr'jeclo :
> A commisso encarregada de visitar os esta-
belecimentos pos a cargo da Santa Casa de Mise-
ricordia, tendo j apresenlado em seu minucioso
' relatorio o resudado da visita e as providencias
mais convenientes para que ditos estabeteermentos
preencham o fim para que sao destinados, de'pa-
recer que se realisem ditas reformas, e para isso |
submelte consideraco da casa, a seguate reso-
luco :
* A assembla legislativa provincial de Peroam-
buco, resolve:
t Art. 1 Fica o presidente da provincia autori- I
sado a reformar os regulamentos do collegio dos i
orphos e do das orphas, sob as seguintes bases : |
1." A enfermara, rouparia e concertos da roupa
dos orphos tii-ara a cargo de irmas de caridade; i
2."_No peder ser autorisada a remessa dos '
orphos oo collegio para os arsenaesde guerra ou '
de marrana, seno como ullimo castigo aos incor-
rigiveis ou que nao aproveilarem as aulas ; 3.
As orpha sero, logo que tiverera completado a
idade de 20 annos, restituidas quera houver re-
querido sua adniisso no collegio; 4." Nao sero*
concedidos dotes e enxoval para casamento, seno
como recompensa s que se houverem desiinguido
por sua conducta e aproveilamento; 5.* Sera
marcado nos respectivos regulamentos o numero
lixo dos educandos que, segundo as capacidades
dos estabelecimentos, podem ser admittidos em ca-
da um oviles, e alm do qual nenhum mais ser
admillido sob pretexto algum.
Art. 2* Ser igualmente inalleravel o numero
dos doentes que, segundo a capacidade das respec-
tivas enfermaras, poder, compreliender a parte
prompta do hospicio Pedro II.
c Arl. 3. O presidente da provincia mandar
correr cora preferencia as loteras concedidas pela
lei n. 330 de 19 de abril de 1854-, autorisando tam-
bem a transferencia do collegio dos orphaos do pre-
dio particular em que est para eutro do patrimo-
nio, contiguo ao convento da Gloria, feitos para es-
se fim os neoessarios concertos.
t Art. 4. Ficam revogadas todas as leis e dispo-
: sicoes em contrario.
t Paco da assembla provincial de Pernarabuco,
21 de abril de 1864. -Aures ama.Rochat. >
E' lido, julgado objecto. de deliberaco e manda-
da imprimir o seguate projeclo : .
c A comroiaso de petices, revendo requeri-
mento de Mignel Candido de Mederos Pinto, no
qual pede esta assembla um privilegio para dar
bailes de mascara nos dias do carnaval, e tambera
pela Pasclioa por espacp de 4 annos; considerando
que esta assembla nao compete conceder privi-
legios em materia desla nalureza, mas tendo em
atienco, que o que. pretende o peticionario ge-
: ramente concedido, em todos os paizes, porque os
bailes de mascara prestara nesses dias ao povo ara
I divertimento agradavel, que o entrelom com mais
calma, do que as mascaradas pelas ras ; coasi-
| derando mais que a peticionario tem de fazer des-
pezas nao pequeas com osnecessarios preparativos,
j e que nao deve nesle caso ficar exposto prefe-
rencia de qualquer outro concorrente : a commis-
so proi>oe o seguiuie projeclo de lei.
c A assenibia legislativa provincial de Pernara-
buco, resolve :
ArL nico. Fica autorisado o presidente da pro-
vincia a conceder o thealro de Santa Isabel a Mi-
guel Candido do Mederos Pinto, para que este d
| por 4 annos bailes mascarados nos dias de carna-
val e Pasc-hoa.
f Paco da assembla provincial, 16 de abril'de
1864.Silva Ramos.Albuquerque Mello.
E' lido e vai^ a imprimir o seguime parecer :
A commisso de negocios ecelesiaslicos prestan-
; do a devida aiteneo ao compromisso da irman-
: dade do Sanlissimo Sacramento de S. laetauo da
| Rapoza, j com approvaco do Extn. prelado dio-
cesano na parte religiosa, de parecer que seja
tomado em consideraco o dito compromisso e ap-
provado igualmente na parte civil.
c Sala das commissoes da assembla provincial
21 de abril de 1864. Albuquerque Maranhao.
Teixeira de Mello
Sao lidos, julcados objecto de deliberaco, e:
vao a imprimir s soguinles projectos :
t A commisso de petices, revendo o requer-'
menlo de Joo Falque e Automo Machado Gomes
da Silva no qual pedem esta assembla a res-i
ciso do cntralo pelo qual elles obtiveram o pre-
' vilegio para estabdecerem carros de praca nesta
cidade, ou ento urna prorogaco do praso esti-
pulado para cumprimenlo do mesmo contrato,
mas sem mulla no caso de nao execucao : a com-
misso considerando que os peticionarios soffre-
rara serios prejuizos na ultima crise commercial,
por que passou esla praca ; considerando que a
provincia nada soflre com a resciso deste contra-1
lo, e que convm nao ter este privilegio conced-!
do quem nao pode lalvez delle aproveilar-se,
embarazando que alguem mais habilitado possa
pretender igual privilegio, podendo com a inme-
diata realisaco prestar ao publico os beneficios
dos carros de praca : a commisso de opimo
que esta assembla obrar com toda a equidade
e acert mandando rescindir o contrato celebrado
I com os peticionarios Joo Falque e Antonio Ma-
j chado Gomeda Silva, e neste caso a commisso
prope o seguinto projecto de lei.
| a A assembla legislativa provincial de Per-'
nambuco, resolve :
Arl. 1.* 0 presidente da provincia fica auto-
risado a rescindir o contrato celebrado com Joo |
Falque e Antonio Machado Gomes da Silva para o
eslabelecimento de carros de praga nesta cidade.
t Sala das commiss5es, 20 de abril de 1864.l
Silva Ramos. Manoel Enarque de Macedo.Ro-
chad
c A assembla legislativa provincial de Per-
narabuco, resolve :
A commisso de petices, a quem foi presen-
eui sua ongein attemorio da soberana da assem-
bla.
Depois de algumas considerares que pela or-
dem fazem os Srs. Jos Maria e Buarque, o offl-
cio mandado archivar.
O Sr. G. Campello faz commisso de polica
as seguintes interpellacoes : se a forca que guar-
nece o paco da assembla estsob as ordens da
mesma commisso ou da maioria da casa; e
Art. 2." O pessoal da repartico nao exceder
do seguinte :
1. Um engenheiro em chefe com o ordena-
do annual de 2:200000 e 600 degrauficaco.
i. Qualro engpnheiros de seccao com > or-
denado annual de 2:0o0 e 4005 de graiilicaco
cada um.
g 3.* Qualro conductores, serviodo um de se-
cretario da repartico, com o ordenado annual de
se o offlcial maior da secretaria
tendo dado parte de prompto, e achando-se no j t g 4." Qualro praucantes de obras publicas
exercicio do lugar de juiz de paz da freguexia do i coro a gralificaco annual de 600 cada um.
desla assembla, j 1:000.5 e 200 de gratificarlo cada um.
e achando-se no i 4. Quatro pralicanies de obras
Poco da Panella, tambera se apresenlou nesla se
cretaria para exercer as suas funcedes.
(0 Sn. Presidente deixa a cadeira que oceu-
pada pelo Sr. yiee-presidenle.)
B.emetie-8e mesa o soguinle requerimento que
approvado :
c Requeiro que se convide aos Srs. deputados
autores do protesto que foi apresentado casa,
para vir tomar asseoto, urna vez que foram jul-
gados illegaes os fundamentos pelos quaes se au-
sentaran!.Sdveira Lobo.
O Su. Aualjo Barros (nao devolveu o seu dis
curso.y
(Continuar-u-ka.)
RUTISTA DIARIA.
Tendo sido terminado o calcamento da ra da
Aurora, entre as duas pontes, passou esse servigo a
ser executado na ra do Imperador, apoz a qual
segulr-se-ha a na Nova, segundo estamos infor-
mados.
Os trabalhos executados na primeira cuslaram
49:946^300, destribuidos pelo seguinte modo :
Calcamento do lelto da ra___ 40:078*500
Passeios por conta do governo... 7:844*000
Canos de esgoto............... 2:024*000
5." Um "agente fiel de deposito e pagador,
com ordenado de 800* e 400* de gratificaco.
t 6." Dous desenlutas com a gratificaco an-
nual de 800* cada um.
< Arl. 3." Alm do pessoal de que trata o artigo
antecedente, haver ao servigo das obras provin-
ciaes o numero de mestres de obras, fetores, guar-
da* e srvenles que forera exigidos pela nalureza
de cada urna das ditas obras.
' Art. 4. Os lugares de que trata o arl. 2" se-
rio preenchidos segundo as necessidades reclama-
das pelas obras provinciaes.
Arl. 3 presidente da provincia dividir as
obras provinciaes em quatro districtos, no centro
de cada um dos quaes residir um engenheiro de
seccao.
1.* Ficaro cargo do engenheiro em chefe!
as obras executadas dentro da cidade do Recife e
seus arrabaldes.
t Art. 6.a Ninguem poder exercer os cargos
de engenheiros da provincia, sem que exhiba ttu-
los de engenheiro civil ou militar das escolas do
Imperio ou da Europa, salvo aquelles que, contando
mais de dez annos de pratica, apresenlarem certi-
ficados de aptido, e j tiverem sido encarregados
de obras importantes.
Art. 7." A parle administrativa concernenle j
ao servigo das obras provinciaes fica cargo de ca-1
da um dos engenheiros encarregados das ditas
. um .
49:946*500; gbras na parte que Ihe disser respeto.
A rea do leito da ra do Imperador, que tem Art. 8. Todo o pagamento autorisado pelo
de ser calcada, recula por mil bragas quadradas,! servigo das obras provinciaes, que r concernenle
poiico mais ou menos, com urna largura media de j obras ou acquisigo de material de um valor
57 palmos, afora os passeios. Para cobrir essa su-1 superior duzentos mil ris, fica cargo da the-
perticie sao oecessarias 120,000 pedras.
A despeza correspondente esse servico com-
pulada em 38:000*000 aproximadamente. Nao en-
tra nisto o valor dos passeios e canos de esgoto,!
que ainda nao est determinado, por depender de
coinbinacoes ulteriores.
A contribuigao dos 15 por cento dos particula-
res, anda por 12:484*300.
Con a nova lei do orcamento, norm, creou
souraria provincial ; o pagamento, porm, inferior
aquella snmina ser elfectuado por intermedio do
agente fiel.
t Art. 9.* O presidente da provincia designar,
sob propoata do respectivo inspector e sempre que
fdr preciso, um ou mais empregados da ihesoura-
ria para servirem de pagadores ao servico das
obras publicas provinciaes.
t Arl. 10. presidente da provincia poder
mais oatra imposigao de valor igual, paga em conceder aos engenheiros das obras provinciaes,
duas prestacoes, com applicago aos passeios, conductores e empregados da ihesouraria que ser
aquella imposico tem de crescer cora mais 50
por cento, no futuro exercicio.
Tendo de effectuar-se a obra da ponte de
virem de pagadores, sempre que sahirem dos seus
districtos em servigo publico ou para fazerem pa-
gamento fra d i cidade, ajudas de custo, segundo
descarga da alfandega, cujo orgamenlo e planta uma tabella que dever ser approvada pela assem-
nos informara que j se acham confeccionados, ira- bla provincial, e regular as referidas ajudas de
portara que se abrisse concurrencia para a res- cusi, segundo as calhegorias dos agentes, e dis-
peciivafaclura ; visto haverem diversos preten- uncias quo se Iransportarera.
denles. Jm ll. A prsenle le ser execulada dentro
O jogo, sendo um divertimento em que o es- de dous mezes da sua publicago, bem como o re-
pirito s refocilla, a imaginago repousa e as ahji- gulamenlo que a ella se referirem mesmo na parle
beiras se enchem, um curioso que se applica ao
esludo das evoluges sociaes em seas vanados ra-
mos, teve a pachorra de dar-se ao improbo traba-
Uio de colleccionar dados estilsticos acerca da
existencia de casas de tal entretenimento na Boa-
Vista, no-Ios ofTerendo em seguida.
Como cnsaio, a sua tentativa nao pode chegar
anda exactido. Mas conta o nosso curioso na
segunda edigo memorar o seu Irabalho, comple-
tando-o por meio de notas applicalivas v porque
dillerentes inspectores de quarteiro sendo afilia-
dos essas casas, ficaram de dar-lhc mais minu-
ciosas informagoes.
Eis as localidades :
Boceo de Joo Francisco,
Praga da Boa-Vista,
Coelhos,
Ruada Gloria (2),
Ra Velha,
Ra da Conceigo,
Ra Nova dos Pires,
Ra Atraz da Matriz,
Ra do Cotovello,
Ra da Santa Cruz.
Ra do Arago,
Ra do Alecrim.
Como estudo, recommendamos eslaeslatistica ao
respectivo subdelegado.
repartico da polica.
Extracto das partes do dia 21 de maio de
1864.
Foram recolhidos casa de detenco no dia 20
de maio.
A' ordem do Illm. Sr. Dr. chefe de polica, Ma-
noel Antonio de Almeida, Joaquim Ferreira da Sil-
va, ambos sem declarago do motivo ; Manoel Jos
de Sena, Estanislao Joaquim de Moura, como cri-
minosos.
A' ordem do subdelegado do Recife, Joaquim
Avelino da Costa, disposico do Dr. delegado da
capital.
A' ordem do de Santo Antonio, Miguel Joo, para
averiguagfies policiaes ; Thoraazia Maria de Jess
Rodrigues, por embriaguez e disturbios.
A' ordem do de S. Jos, Damin Concalves Pa-
checo e Sebastiana, para averiguagoes policiaes ;
Francisco Graciano de Araujo, Goncalo Lopes de
Oliveira, por infraego de posturas ; Joaquim, cs-
cravo de Manoel'Jos da Cmara Pimentel e Jos
Antonio Botelho, todos sem declarago do motivo.
A' ordem do da Boa-Vista, Clara Maria Francis-
ca, para correego.
A' ordem do da Caponga, Anna Joaquina Maria
do Carmo, para correego.
O ehefe da 2* seceio,
J. G. de Mesquila.
Passageiro do hiale nacional Amelia, entrado
do Penedo :Manoel Duarte Vieira Jnior.
Passageiro da barca porttigueza Paquete do
Rio-Grande, sahida para a Parahyba :Eslanislo
Rodrigues de Souza.
Passageiros do va[K>r nacional Parahiba, sa-
ludo para oCear e porlos intermedios :
Francisco das Chagas Oliveira, Mathias Carlos de
Araujo Maciel, AITon-o de Siqueira Ferrio, Anto-
nio Jos Coelho, Francisco de Oliveira Lima, Dr.
Jos Maria de Albuquerque Mello, Luiz Mesquila
Loureirode Moraes, Manoel da Paz, Antonio Rodri-
gues, Joo Villerbino Gomes Carneiro, Jos Cle-
inenlino de Albuquerque Mello, Clemente de Arau-
jo Lima Jnior.
Movimenlo da casa de detenga, nodia 20 de
maio de 1864.
Existiam...... 365 presos
Entrarara..... 19 >
Sahiram...... 14
A saber:
Existem....... 370
Nacionaes..... 263
Estrangciros...
Mulheres......
Estrangeiras...
Escravos......
Escravas......
35
5
i
62
4
370
dependente da approvago da assembla provin-
cial.
Arl. 12. Ficam revogadas a lei n. 286 na par-
le em que se oppoe prsenle resolugo e todas
as mais disposiges em contrario.
Art. 1." Os vencimentos dos professores e pro-
fessoras prvidos antes da lei n. 369 de 14 de maio
de 1855, ficam igualados aos dos nomeados depois
da dita lei. dispensando-se a habilitago exigida
pela i- parle do arl. 26 da mesma lei.
Arl. 2.* Ficam revogadas as disposiges em
contrario.
t Arl. As congruas dos coadjuctores das fre-
guezias da provincia ficam elevadas 300*.
Art. 2." Revogadas as disposiges em contra-
rio.
Art. 1. Fica elevada cathegoria de villa a
povoago de Ipojuca, e transferida para ella a sede
do tormo do mesmo nome.
t Arl. 2." Fica suppnmida a villa de Nossa Se-
nliora do O' do mesmo termo.
t Art. 3." Revogadas as disposiges em contra-
rio.
t Art. 1." Fica o presidedte da provincia autori-
sado a contratar com quem por menos ftzer, ou
maiores vantagens olferecer, a parte da eslrada ao
norte desta provincia, a comegar do rio l'b al a
l ponto do Bujary, ficando o respectivo contrato de-
Alimentados a cusa dos cofres pblicos___ 151
Movimenlo da enfermara no dia 21 de maio
de 1864.
Tiveram baixa :
Jos Ferreira da Silva Pinto, bronchite.
Pedro Celestino de Almeida, unha oncravada.
Jos Rodrigues da Silva, intermitiente.
Jos Joaquim de Farias, asthma.
Euzebio, escravo, sentenciado, intermitiente.
Tiveram alia :
Salvador Perera Brando.
Francisco, escravo de Antonio Pertira.
Manoel, escravo de Duarle Ribeiro.
Indo ha dias no cemiterio publico, tiremos ah I )endente da" approvago da assembla provincial,
occasio de saber, que enlre difTerentes catacum- Art. 2. Ficam revogadas as disposiges em
bas que so abnram da irmandade de Nossa Senho-
ra da i onceigo dos Militares se comprehenderam
too requerimento dos irmos devotos de N. S. da
Conceico da Escada, erecta na igreja da Concei-
go dos Militares desta capital, no qual pedem
esta assembla a concesso de uma lotera de
120:000*000 para a edilicago de uma capella
para a mesma Seohora, considerando a juslica do
pedido, pois geralmente sabido que to veneran-
da iraagern se acha c'ollocada em um nicho oa es-
cada da referida egreja, de parecer que seja
concedida a dila lotera, o ento propoe o seguinte
projecto d lei.
Art. 1." Fica concedida aos irmos devotos
de N. S. da Escada, erecla na igreja da Conceigo
dos Mililaresdesla capital, uma lotera de 120:000*,
para a edilieago de uma capella para a mesma
Senhora.
< Pago da assembla legislativa provincial de
Peruambuco, 21 de abril de 18134.ilva Ramos.
liuarque de Macedo.Rochad.
Foi mandado imprimir o seguinte parecer :
< A commisso de obras publicas atiendendo a
necessdade de levar agua poiavel cidade de O-
linda, e allendento mais a que as obras dispendio-
sas devora ser eraprehendidas com toda circums-
I pecgo, e depois de rigoroso exame de parecer
; que seja approvado o projecto que autorisa os es-
tados cima mencionados.
j Sala das commissoes, 21 de abril de 1864.
Silcrira Lobo.GervazioCampelloReg Barros.*
E' lido c approvado a redaego do projeclo o. 11
: deste anno.
Um offlcio dos Srs. depulados Joao Francisco
Teixeira, Diodoro l'lpiano Coelhn Calanho, Joa-
quim de Aquino Fonceca, Sabino Olegario Ludge-
rio Piano, Jos da' Cunha Teixeira, Antonio Jos
da Cosa Ribeiro, Joo Braulio Correia o Silva.
Manoel Netto Carneiro de Souza Bandeira, c Cas-
par de Menezes Vasconcellos de Drummond, par-
tecipando que deixara de comparecer s sessoes
desla ass#mbJa, cmquanto esta conservar-se sol
o apparalo belfceo, e protestando contra semelhan-
te fado por ju.lga.-lo nao s desairoso.. mas tarabem
duas, em que* foram depositados os cadveres do:
brigadeiro AleixoJos deOliveira ecoronel Antonio
Mana de Souza, cujos ossos tinhara por tanto de ser
langados no deposito geral. Mas o digno adminis-
trador, o nosso amigo o Sr. Manoel Luiz Vires,
nao pode soffrerque distinctos servidores do eslado
fossem assim deslembrados ; e consequentemente
raandou s suas expensas construir dous depsitos
com lampa de marmore, nos quaes (ez encerrar os
restos mortaes d'aquelles valenles do nosso exer-
cito.
Acto de dedicago patria, nao a primeira vez
que o Sr. commendador Vires delles d copia.
Iguaes depsitos, em numero maior de vinte, tem
elle mandado erigir memoria de pessoas, cujas
familias nao reclamaram seus ossos e para-no-
tar que nessa irapulso generosa de seu coragao,
senlra o mereciraento e os servigos do individuo.
Falleceu o terceiro escripturario da Ihesou-
raria de fazenda desla provincia Antonio Francisco
de Oliveira Baduem Jnior, que ha lempos acha va-
se doente gravemente.
Hoje deve iustallar-se a terceira sesso indi-
ciara do jury desla capital, sob a presidencia do
Sr. Dr.juiz de direito da primeira vara criminal
Joo Anlooio de Araujo Freitas Heoriques.
Inforraam-nos que es exercicios do mez ma-
riano, celebrado na igreja de S. Jos, tem lido a
conveniente decencia, presidilo elles toda a re-
gularidade e devogo.
Em dala de 30 de abril foi sanecionada a se-
grale lei provincial sob o o. 582 :
< ArL 1-* A preferencia entre as loteras da pro-
vincia ser regalada annualmente na lei do orga-
menlo, e s vigorar no exercicio que penencer
a referida lei.
< Art. 2.* Ficam revogadas todas as disposiges
em contrario.
Em data de 9 do corrente maio, foram sane-
nonadas as leis provincias abaixo, sob os ns. 583,-
584, 585,586,587, 588, 589 e 590 :
a Arl. !. A forga policial para o anno financei-
ro de 1864 1865 conservar o mesmo numero de
pragas, e organisago establecidas pela lei n. 507
de 29 d-' maio de 1861.
< S 1 A seccao urbana Mear inteira mente
disposico do chefe de polica.
c 2.. Os chefes da seccao urbana sero po-
nteados e demittidos pelo presidente da provincia,
sob proposta do chefe de polica, e os demais offi-
ciaes do corpo, como o eram antes da le n. 546
de 9 de abril de 1863.
8 3.- Os offloiaes de ambas as sccccfcs do cor-
no lero os vencimentos e gratificacoes marcadas
na citada lei n. 546, ficando o ajudante do mesmo
corpo com grttflpaaao igual do seorelano, alem
da que dada para o expediente.
t Art. 2. Ficam revogadas. todas as leis e dis-
posigoes em contrario.
Arl. i.* O presidenta da provincia refotoaara
a repartigo das obra* pnb|ias de conjorniidade
cora as bases que segueta i
ogadas as disposiges
contrario. ,
t Art. 1." Pica creado no termo de Nazareth
mais um offlcio de 2 tabellio do publico, judicial
e notas e escrivo do civil e crime, cujo serven-;
tuario o exercer por dislrbuigo com o actual ser- \
ventuario : servindo aquelle jumamente de escri-
vo de residuos e capellas e este de execuges ci-'
veis.
4rt. 2.' Ficam revogadas as leis e disposiges |
em contrario.
Arl. 1." Ficam isentos do pagamento do im-
posto langado sobre a renda das casas onde se j
acham os eslabclecimenlos commerciaes, aquelles |
destes estabelecimentos, cujos caixeiros forera to-
dos nacionaes.
t Art. 2. Ficam revogadas as disposiges em
contrario.
Teudo-se reunido a assembla geral dos ac-
cionistas da Companhia de Beberibe, no dia 20 do i
corrente, foram approvadas as contas do semestre !
prximo (iodo, e procedeu-se em seguida a eleigo
da nova adminislrago que deve servir at 30 de
abril do anno prximo fuluro, sahindo cienos os
Srs. :
Director, o Rvm. Dr. Antonio da Cunha e Fguei-
redo.
Vice-director, Justino Pereira de Fana.
Secretario, hr. Jos Eustaquio Ferreira Jacobina.
Caixa, Thomaz de Aquino Fonseca.
Adjuntos. Manoel Custodio P. Soares.
Jos Pereira Vianna.
Dr. Jos Bernardo G. Alcoforado.
Domingos Antunes Villaga.
Dr. Joo Jos Pinto Jnior.
Commisso de contas.Luiz Antonio Vieira.
Jos Pires Ferreira.
Joo Igoacio de M. Reg.
Pedem-nos esta publicago :
Meu charo redactor da Revista Diaria.Na con-
tinuago dos beneficios que a sua apreciavel Revis-
ta liberalisa ao publico, n.-io se esquega de lembrar
polica a necessdade de remover para os hospi-
laes de caridade, um pobre velho que vive na por-
ta de um armazem de carne secca da ra da Praia,
todo coberto de chagas, vertendo puz pelas pernas
e pelos escrotos, a ponto de fazor pocas na calgadal
Alera desse escndalo quo nae so denota deleixo,
se nao tambera pouca caridade, accresce a admira-
go dos que por all passara vendo semelhante es-
pectculo.
Tendo obtido aviso do governo imperial, para
fazer acto do 3 anno da nossa Favuldade, o estu-
cante Jos Pedrtira da Franga Jnior preslou-o no
dia 21 do corrente, e foi reprovado.
Por haver transferido sita residencia para o
municipio do Recife. foi mandado.aggregar ao 1" ha-
taUtito de inC-tlitara da guarda, nacional, o quarlol-
mestre do 45" batalho de Barreiros Jos d* Mello
Albuquerque Montenegro.
* Maodou-se d.w entrada no collegio das or-
ptis aos liihos de Di ni Ignacio Prawres dos San-
tos, da nomos Jooentiiru, Francisca e Emilia.
UM POLCO DE TIDO.
Conta o Escholiaste Medico, que ha poucos me-
zes um facultativo de Pars, um tal Dr. Conty de
Poramerois, foi acensado de haver enveuenado mais
de uma peseoa, e inclusivamente a propria mulher,
para obler largas sommas de diversas companhias
era que as vidas das suas victimas tinhara sido por
elle seguradas.
O magi>.trado, a quem a investigaco do caso foi
comineilida, leudo examinado o qarlo onde se
suppunha ler morrido a ultima pessoa envenenada,
nolou diversas nodoas no chao e perto da cama ; e
quereudo eselareeer-se a este respeito, mandou
raspar o sobrado no sitio das nodoas, e dando uma
pequea porcao das raspas a um bombo, vio que o
animal succuinbio rpidamente -, e assim arhuu-seO
razo para proseguir em experiencias feitas sobre
ras, pelo seguidle modo :
Descobrio-se o coragao de uma raa, e a vida sub-
sisti por muilo t'-iitt sem apparenle perturbaco
das funeges vitaes.
Uma segunda ra foi operada por um modo se-
mellianle, e deixou-se car sobre o coragao urna
gota de solugo de digilalina, que era a substancia
encontrada no eMoiiiago da ultima pessoa que se
dizia ter sido envenenada; o movimenlo do cora-
gao da ra diminuto gradualmente, a pulsao tor-
nou-se mais lema, e o animal morreu po'uco de-
pois. Collocou-se emlira uraa diminua porgo das
raspas do sobrado .-obre o coragao de uma terceira
ra, e o resultado foi o mesmo que oda solugo de
digilalina, sobreviudo a inorle iminediatameiile.
As duas ultimas ras morreram, em quanto a
primeira se conservou viva, e sera nenhum des-
arranjo nos iiiovimentos do coragao.
O magistrado decidi que estas experiencias fos-
sem repelidas na presenga do jury que ha de deci-
dir a queslo.
E' provavel que todas as possiveis origen de erro
sejam devdamciiie consideradas na apreciagao do
resultado desta experiencias ; ninguem melhor do
que alguns physologislas francezes eslo ao faci
de como ellas por vezes podem engaar.
Mas se forem concludentes, em mullos outros
casos podero as ras contribuir para serem reve-
lados grandes crimes, como o fallecido Marshall-
II di liulia previsto, notando os efteilos sensiveis de
diminutsimas dses de alcaloides as suas expe-
riencias physiologicas sobre as ras e outros peque-
os animaes.
Transcrevemos da Revista Escolstica :
animacao.
De que te espantas amigo ? I
De ver, pensas no jazigo
Tuas crengas, fenecer? I..
E' mesmo assim a existencia ;
Os i ni lio da adolescencia
Se esvaein logo ao nascer.
A voz do infortunio muda.
Nao temos quem nos acoda,
Quem nos d consolag>s I
E' s no lempo das flores
Que amigo e protectores
Nos abrem seas coragoes.
Lei fatal qne rege o mundo
A nos do abysmo no fundo
Arroja sem piedade I...
Em quanto o*outro* ditosos
Hecebem della'majs gozos,
Mais tonga prosperidade.
S eu coleado o que diics ;
Na sina do* infelizes
Bebes fel de airo soffrer...
mo percas porm as torgas;
A' desdita nao te torcas,
Lula pois que ha de'vencer.
Quero.ser hoje propheia;
Minha estrella de poeto,
Queres saber, o que diz T
Diz qu' leu presente escuro,
Diz |iorm que o leu fulUTO
Ha de ser milito felil.


rolarlo de Pcraumhuco ftfgunJa felfa tS de Malo de f 4.
ut_------t -
L-se do EvcningStar : !
Assim como nos paizes vinluiti-iros ou consur.M-
dore* de vinho ha pernos ou provadores para pro-,
var os vinhos, v.rilicar a ua quahdade, a sua pro-
veniencia, a sua data e recouliecer as misturas uu .
falsificad-oes que possam ter, do mesmo modo nos I
paites (indc se faz uso geral do cha, ha peritos e
provailorcs para este producto. Mas se o odelo de
provador de vinhos agradavel e salular, nao acon-
tece o mesmo com o provador do cha.
Ao passo que o primeiro seralmento robustece
a sadc pela platicado seu olcio, o do cha excr-
cendo-a compromette imitas vexes a sua propria
vida.
A liahiliiiade de um c eutro depende do clieiro e
di' paladar.
Se a estas vantagens o provador junta um co-
nbecmenlo profundo das necessidades de um mer-!
cado, e dos negocios, lem certo urna fortuna rpida.
e consideravel.
Porcn o perito no cha, suecumbe quasi suinpre:
uina doenca palmonar. !
O seu ollicio consiste em inspeccionar as can-e-
gacoes, c dividi-las em cathegorias de que elle fle-
termina o valor. Verifica primeiro a cor da fidha,
c o estado da limpeza. Toma dafnia um punliado
de cha que satura com a respiracao, e de que de-
pois aspira o cheiro. .
Itasta esta operacao para fazer penetrarnos pul-
, ines dos peritos urna certa qualidade de po que
com o tempo Me .diera a sadde.
Depois o provador faz nina iufusao de cha que
pro va entao na bocea.
E- assim que elle classifica os chas, pelo cheiro
e sabor.
Estes peritos chegam assim a urna subtileza de
olphato e de goslo, que s pode comparar-so do (
bom provador de vinhos.
Mas em lano que este ordinariamente gordo o.
passa bem, pelo exereicio da sua profissao, e pro-
vador do cha palhdo, magro, atacado do consump-
<}o, e parece que anda morrer.
Ao lim de um dia de provas eambaleia como um
honiein embriagado ou como um louco.
O Sr. L. F. M. P. pede-nos esta publicarlo .
A MOHTE.
(Respotta na mesma rima ao colleja Cgrillo de
Umos.)
A ventura o cu, thesouro a vida
l'm regado materno esta existencia :
E' a rnorie um phantasma; a paz /Herida
Nos rouba, e passa ahipor l'roridencia!...
Da rentara o prazer no nos tnijana -,
Su* da morte no mal nos tribuluitbs.
Nossas dores sao golpes da tyranna:
S Bella o lim fatal us encontramos.
Transcrevemos o segrale :
.....Pode urna joven senhora vollar de um agr-
davel sarau sem pagar o tributo das lembran-
tjUf...
Perguntai a toda essa turba de moras, e mance-
bos o (ni! se passa durante o resto da noule, que
se quciinuu na p\ra dos prazeres de um sarn; e
a uina voz vos respondern : ah recordase, se
se vela!.. .sonha-se.. .quando se consegue dor-
mir. >
Recordase, sim, todos aquel les eloquenles obse-
quios, aquellas palavras de sentido obscuro para
todos, e bem claro para s ella, que as ouvio e as
recorda I... recoi da-se, sim, o mancebo d'aquella
nteressanle senhora.. .toda iracas.. .toda espiri-
to, que Ihe arrastava o soracao e os olhos, quaudo
walsava; que Ihe prenda a alma inteii a nos ou-
vidos quando Ihe fallava.. .recorda-se com sauda-
de. .mais do une com saudade de um simples
pode ser... de um docetal vez. .murmura-
do com os labios quasi cerrados, e que anda as-
sim soa lo ternamente no eoraco; um docetai-
vez !...palavra mgica I primeiro elo dos aman-
tes late las primeiras esperanzas !talvcz...
expiesso sublime.. .to sublime 00 principio
de um amor nascente, como s o no lim dclle o
eu vos amo!da mulher que se adora; recor-
da--!! mesmo com nleresse de um duvidosoqueru
sabe ?de um tristenao seia|)ezar de toda a
sua bailiara frialdade.
E sonha-se tambetn : oh! sonha-se milito! c
ainda com o mesmo pobre mancebo, que a segliiO
inulilmujile toda a noute-. .Sonha-se com o seu
olhar de fogo que embebido nos olhos della pare*
ceu querer penetrar al sua alma para la plantar
o sentuiiento que dardejava !.. .Souha-se como
sorriso anglico da encantadora moca, que Ihe deu
una innocente flor.. .Sonha-se com aquello suspi-
ro ipie se apauhou descuidado.. .com aquello pe
que so tocn por accaso.. .com aquille eolio de
alabastro onde dous ihesouros se deixavam advi-
Bbar lo bellos!...
Da S, minia yttutrad* copiamos o que se segu:
Mulher.D-me a tua mo, Joozmno, seno
caio no mar.
liatido.Gara melado, ja liz esta asneira nina
vez ; mas por c. usa alguma repeti-la-hei.
*
l'm bomem do campo, vendo a esposa gemer
com dores de umbigo, lamenta va a cara melado
com esta bella ipiadra, digna de ligorar no Paras-
xo dos egostas ou no Panlhcon dos mandos dedi-
cados :
Ai de mim ai de VOSs !
Al de tis ambos do dous?
Ai de mim primeiramente !
Ai de vosse ao depois !
Os macrobios recelosos de lembrarom a morte
a eobranca do tributo, de que ella nao se esquece
desde a lentaco de Eva, evilam quanlo pudem
segredar a idade.
No tempo do rei velho havia um venerando co-
nego da cathedral desta corte, homem de cuja
J)occa nao era capaz de sabir a dala do seu nasci-
menlo.
Kma vez, porm, importunado cofn a sollirita-
cao de un curioso, aceitn com a scguiote evasi-
va, que olerocemos aos Nstores modificaveu.
Meu amigo, nao sei bem em que auno vim
ao inundo; o que Ihe posso dizer, segundo asseve-
raco de minha mi, que quando nasci o Pao
fAuucar ainda andar de gatinhas.
CMARA MIMCIPAL.
SKSSO BXTRAOKDHIAMA AOS 21 DE MARCO
DE 1864.
Presidencia do Sr. llanos liego.
Presentes os Srs. llego e Albuqucrque, Barata
de Almeida, Gustavo do Reg, Gameiro, fallando
com causa o Sr. Hcnriques da Silva, e sem ella os
mais senhores. abre-sea sessao, e foi lida e appro-
vada a acia da antecedente.
Le se o seguinte
EXPEDIENTA:
l'm officio do Exm. presidente da provincia, com-
municando haver por portara de 17 do corrente
conununicando ao bacharel Antonio Aunes Jacome
Pires a exoneracao qne pedir do cargo de 3 sup-
pente do juiz municipal da 1" vara.Intcirada.
Oulro do enpenhoiro cordeador, informanio o
requerimento que devolvp, no qual Theodoro Ben-
sen dos Santos pede para que Ihe seja permitttido
fazer urna casa de 50 palmos de fundo na ra cm
seguimento a travessa do Pocinho, freguezia de
Santo Antonio, declara nada achar que se opponha
a pretenrio do snpplcante, pois que s com urna
frente extensa pode elle construir ali urna casa re-
gular, visto nao ter oslo quasi nenhum fundo.
Mandou-se dar cordearSo.
Outro do mesmo, dizendo ter-se entendido com
o engenheiro encarreeado das obras do melhora-
mento do porto, e dirigindo-se ambos ao lugar dos
Coelhos, passando pelo das Barreiras, fizeram os
exames convenientes, e concordaran cm dar a
camhoa qoe pava por aquellos lugares, direeeao
constante da planta qne remelle, cuja direeeao
aeha-se indicada na me-ma planta com trafns azues.
Que se offleiasse ao Exm. presidente da provin-
cia, pedindo a approvacao.
Outro do mesmo, commuoicando que dirigindo-
se ao lugar do Manguind para examinar opassa-
dico i|i:e all existe no lado do sitio da Viuva de
Herculano Alves da Silva, achou-o em mo estado,
(in-cisando de inteira reforma, e que o concert
a faser-M nao poden.i importar em mais de 32*5-
Mandou-se ordem ao procurador para mandar
fazer o concert.
Outro do mesmo, informando o requerirr ento no
qual Joo Gates pede pcrmlsso para construir um
muro no fundo de seu sitio no lugar do Corredor
do Rispe, obrifjando-se por termo a demolir a par-
te do mesmo moro qne fr precisa para passagem
da ra ah projei-tada ; declara que indo aquelle
lugar achouo muro ja construido, sendo corto que
pela pinina em vigor tem de passar ali unja ra.
Posto em discussa resolvtu-e permittir que con-
tinuasse o muro, visto como elle no fondo do si-
tio, alem disso obriga-se o peticionario a"demoli-lo
quando a cmara asaim o eliga.
Outro do mesmo informando o reqnerimento de
Manoel Jos Carneiro, que pede licenca para fazer
com cinco e mel palmos m portas da rasa que
pretende reedificar na rttn das Cinco Ponas n. 28,
edara que as postulara* tenham seta palmos de
largura, sepdo este o mnimo desta dimensao, que
nao admiitindo a. frente da casa dnas portas com
esta largura, poda o peticionario faz-la cora urna
s, entretanto a cmara que resolvase devo ou nao
conceder a lieeuca piklid.Indefero-se.
Oulro do mesmo, informando sobre o que requer,
na netieio qne devolve, Joaquim Antonio Perei-
ra, reclamando contra a licenca concedida ao car-
pinteiro Jos Elias Mximo, para construir um esta-
leiro no terreno de sua propriedade na ra da
Praia de Santa Rita, dizendo que dito terreno Ihe
pertence, declara que qp documento com qne o re-
clmame instruio a sua peticao, v-se que tem ene
naquelle lugar um terreno com 30 palmos de tren-
te at a baixa mar, mas tambera e certo que esta
cmara proprietaria do terreno visinho ao do re-
clamante pelo lado do sul, o qual desapropiara a
Manoel Jos antas, sendo evidentemente nelle que
conceder ao carpinteiro Freir, construir o esta-
leiro era questao.-Neste sentido deferio-se a pe-
Outro do procurador communcando, que em
rirtnde da ordem recebida da cmara, havia en-
tendidese por escripia, com o commendador Joo i
Pinto de Lcraos, proprietario das casas incendiadas
na ra do Trapiche, adra de que delle soubesse o
preco que exigia pela desappropraco das frentes
de duas dessas casas, que devem ser cortadas,
conforme determina a planta da cidade, o qual Ihe
responder na caria junta, exigindo por semelhan-
te desappropraco a quaulia de 30:000,5, pelo
que considerando elle procurador que a desappro-
priacao nao esl no caso de algumas oulras, cojos!
valores sao de pequea importancia, eqoeem!
vista do art. 31 da le n. 120 de i. de maio de l'i.. i
tem de ser attendido o valor com que tica a pro-'
priodade, por isso traza ao conhecimcnlo da c-
mara para deliberar como jnlgasse conveniente.
- Posto em discussao, o Sr. Gustavo do Reg pede
a palavra, e declara que entende dever a cmara
abrir mo dessa desappropraco, commnnicando
ao governo da provincia o oocorrido.Assim se
resolveu.
Oulro do fiscal da Roa-Vista, communcando
que em vista da disposico da p >stura addicional
de 21 de novemhre de 1863, procedeu no da i
de fevereiro ultimo urna corrida nos passeios
! das casas da ra da Aurora, tendo antes intimado
! aos propietarios deltas para mandarem levanta-
! los do aecrdo com a mesma postura, mas nao
mandou lavrar ainda os competentes termos de
infrarco, porque mullos dos mesmos propriela-
rios Ihe apresentaram certificados de haverem pa-
: go na rsped i va reparlieo o calcamento da ra e
tambem o dos passeos, cm vista" do que resolves-
sc a cmara o que juigasse conveniente.Dehbe-
i rou-se communicar ao Exm. prosidente ua pro-
vincia.
Oulro do administrador do cemilerio da fregue-
; zia de S. Loureneo da Mata, remetiendo o mappa
i dos enierramentos que se fizeram no mesmo esta-
belecimento desde o dia 11 a 20 do corrente.Ao
i procurador.
Despacharam se as petges de Contamino Alves
l da Silva, Claudio Duboux, (2) Jos Ignacio Avila,
Joaquim Antonio Pereira, John Donnely, Manoel
Pereira de uliveira, Manoel Alves Nunes, Manoel
de Souza Rocha, Manoel Jos Carneiro, Malinas,
| Joaquim Guimares, Locas Carrioso de Mesquita,
Hara Antonia da Purificaco, Pedro Mullert Sou-
za. e levantou-se a sesso.
Ea, Francisco Canuto da Roa-Viagcm, secretario
a subscrev.-Henriques da Silva, pr-presidcnle.
! -Gamero. Leal Ser. Barata de Almeida.
liego.
Perguotado quando se mudou da cidade da Par-
nahyba T ...
Rcspondeu que fazcm 21 annos poueo maw ou
menos', que so retirou da cidade da Parnahyba.
Perguniado se na mesma cidade conhoceu um
mulalinho de nome Luiz, a quein chamam Loiz
Mandy, e que aprenda offlcio de carpina na mes-
ma cidade com o mestre Victai ?
Responden qae conhoceu apreodendo os oficios
de carpina e carpinteiro na cidade da Parnahyba,
com o fallecido Victai Antonio Pereira, de quern
elle respndeme era socio na mesma tenda, um
mulalinho claro, de nome Luiz, o qual foi entre-
gue como forro ao dito mestre Victai pelo fallecido
Domingos Dias da Silva, cunhado e primo, de co-
ronel Jos Francisco de Miranda Ozorio, para
aprender aquelles oflicios; e que no tempe da
guerra dos hlalos, sendo e mamo coronel Ozorio,
perfeito na Parnaltiba, aquelle mulato Luiz, j
era soldado de milteia, e andava, como tal, pres-
tando tervico na gueura om o coronel Ozorio o que
elle respondente sabe, por ver, e morar na cidade
da Parnahyba; e que a dous annos poueo mais ou
menos, foi que ouvio fallar ne>ta cidade qne o mu-
lato Luiz eslava sendo escravo do coronel Ozorio,
Declara finalmente que nesta cidade, existe o
pardo Mauricio, que foi discpulo do mestre Vic-
tai na Parnahyba, e que conhece perfeitamente o
pardo Luiz.
E nada mais disse, e nem Ibc foi perguntado, e
depois de Ihe ser I ido e achar conforme este seu
interrogatorio assigna-o cora o mesmo Dr. chefe de
polica.
E eu Miguel de Souza Borges Leal Castello-Pran-
co amanuense da polica o escrevt. Gervazio Ca-
mello Pires FerreiraFrancisco Xavier da Silva.
(Da Liga e Progresso do Piauhy.)
tazendas na cidade da Barra Mansa, provincia do >
Rio de Janeiro, fot atacado de elephantiases, e ja se j
achara n'um estado bastante avancado da enfermi- Bacalho-
dada, com os ligamentos dos dedos n'um estado de
dissolucao, e finalmente foi abandonado pelos facuk
lalivos.
Seu senhor, quz como um ultimo recurso expe- Batatas...
rimentar a salsaparrilha de Bristol. E com ver-j
dadeiro assombro e pasmo todo* presenciaran! o Bolachnha......
acompanharam o progresso do ama cura completa,
effectuada to smente por tres frascos de dita sal-: Caf...........
sa parrilha, na pessoa d este escravo, o qual pode
ser a tolo o tempo visto na casa do seu senhor no Cha............
Rio de Janeiro. Carne secca.....
COMMERCIO.
AOVO lUMtt HE PERMITO.
O novo banco de Parnambuco paga o 12 divP
dendo a razo de 9 por accao.
Alfande'ga
Rendimenlo do dia 1 a 10........ 502:60^200
dem do dia 21................. 24:817'J26
527:4225120
Cerveja.........
Farinlta de trigo.
pw gal\o, nao havendo do do
Eslroitu.
Por alaea.Io vendeu-se a 13**00
por barrica, e a ivialho de 15A .
a 16J; fleandoem deposito 2,000
barricas.
Venderam-se a 34000 por ar-
roba.
Vendeuse a 24200 a barrlqu-
nha.
dem de 84000 a 94000 por
arroba.
dem de 14900 a 24250 a libra.
A do Ro-Grande do Sul ven-
deu-se de 34200 a lo 100 por
arroba; ficando em deposito
49,000 arrobas.
Vendeu-sc de 54300 a 54400 a
duzia de garrafas.
A de Philadclphia venden-se de
214 a 224, a de New-York de
234 a 244, a de Trieste a 214,
c a francesa a 224; ficando cm
deposito 2,300 barricas da pri-
nitvliuenio da alfaadega
Volamos entrados com fazendaa... 33
t com gneros... 286
Volumessahidos com fazendas... 68
< < com gneros... 2%
H9
364
Piauhy.
IV
AOEVU. Sil. MINISTIlO D.V JUSTINA.
Ifnra questao importante. (*)
Nos nossos tres primeiros communicados temos
por domis esclarecido a liberda'de do infeliz mu-
lato Luiz Antonio da Silva Hcnriques, vulgoLuiz
Mandy -a quem oSr. coronel Jos Francisco de
Miranda Ozorio, entendeu, que devia rcduzir es-
cravido, depois do gozo pacifico da liberdade por
espaeo de rale e cito anuos face do mesmo coro-
nel, ha vemos de continuar a clamar contra esse
acto, reprovado e estigmatisado por toda a socie-
dade, platicado pelo mesmo coronel, que lem leva-
do seu arrojo ao ponto de ter, segundo se nos diz,
em ferros o infeliz Luiz, desde fins doanno de 1862
na cidade da Parnahyba dentro de sua propria ca-
sa, sem que seja dado a pessoa alguma ver o in-
feliz !
E o que dir a slo os Sis. Dr. Lacerda, juz de
direito, c Bassoai, promotor publico da Parna-
hyba ?
Sem du^da, o Sr. Dr. Lacerda dir, que preza
mais a amisade do coronel Ozorio do que a liber-
dade do infeliz pardo Luiz, o o Sr. Dr. Rassom di-
ta, que como promotor da Partanv ha nada pode
fazer em favor de. Luiz, porque lho do coronel
Ozorio Ser e.-ta a desculpa.
Sos, porm, diremos que presamos mais a li-
berdade do infeliz fraco e desprotegido, de que
qualquer consideradlo que. nos podesse ligar ao
Sr. coronel Ozono, porque nobreza-a defeza da
causa do fraco, quando ella justa, e sobre ludo
quando diz respailo ao direito de liberdade.
Alm dos documentos que irauscrvemos em
nossos tres ccimiiuniculos, niire-sc o Sr. coronel
Oiorio nos i|ue vo ahaixo inscriptos, pese bem
seu acto de barbaridade contra a liberdade albeia,
que nos o iremos levando a este grande tribunal
a opiniao publica.
Autos de pergenias feitas Manoel Francisco
da Silva Sum.
Aos qornze dias do mez de fevereiro de 1864,
nesla cidade da Therezna, na secretaria de poli-
ca, onde se achara o respectivo ebefe o Sr. Dr,
Gervasio Campello Pires Ferreira, a seu chamado
Comparecen Manoel Francisco da Silva Sum, a
quem o mesmo chele fez as pergunlas seguinies :
Perguntado qual o seu nomo, idade, estado, na-
turalidade, residencia e profissao
Responden chamar-se Manoel Francisco da Sil-
va Sum, com 32 annos de idade, casado, natural
da cidade da Parnahyba, morador nesla cidade, e
official de funleiro.
Perguntado que lempo faz que mudon-se da ci-
dade da l'arnahxba ?
Responden que far nove annos.
Perguntado se naquella cidade conbcceu o mu-
lato Luiz Mandy, e que declarasse ludo ynantosou-
besse a respeito delle e de sua liberdade?
Rcspoinleu que conbeceu na cidade da Parna-
hyba o mulato Luiz Mandy, e que anda boje o co-
nhece perfeilainente, e que quando elle respon-
dente leve uso de razo vio Luiz Mandy, na escola
de priineims Miras por mandado do coronel Ozorio
aprendendo a ler c que quando sahio da escola fei
aprender o officio de carpina, na mesma-cidade da
Parnahyba com o finado Victai, que lempos dopois
Luiz Mandy, abandonou acompanhia e casa do co-
ronel Ozorin, e morou por dous annos poueo mais
ou tuertos na ra da Praia. da mesma cidade da
l'arnnhyba, ondcErelacionou-se cora urna mulher,
da qual tere lilhos, qne por muiasvezes elle res-
pndeme, na qoahdade de guarda nacional ja
casa de Luiz Mandy, que tambem era guarda na-
cional avisa-lo para guarda dacadeia.o oulras ve-
168 da alfandega, onde Luiz Mandy por militas ce-
zes fez guarda com elle respondente, e que como
guarda undava pela cidade da Parnahyba publica-
mente sem que nunca houvesse a menor contesacao
com relace sua liberdade, sendo visto no servico
da guarda nacional pelo propro coronel Ozorio :
declara mais que por nimias vezes vio Luiz Man-
dy votar na matriz da l^rnahyba com o coronel
Ozorio, sendo este membr da mesa eleitoral, e nao
so lilhos do coronel Ozorio, como os dofalleeido
Domingos Das, chnmavam a Luiz Mandy,tio
Luiz, e ouvia elle respondente di er que Lniz Man-
dy era prenle da casa do coronel Ozorio ; e
declara finalmente que Be&ja cidade existo o mes-
mo "Francisco Carpina, que conhece perfeitamen-
te Luiz Mandy.
E nada mais'disse, nem Ihe foi perguntado, e
depois de Ihe ser ldo este seu interrogatorio, o o
achar conforme, o assigna com o mesmo Sr. Dr.
chefe de polica. E eu Miguel de Souza Eorges
Leal Casiello-Branco, amanuense da polica o es-
crevi.Gervazto Campello Pires Ferreira:Manoel
Francisco da Silva Sum.
Auto de pergunlas follas a Francisco Xavier
da Silva.Aos 15 dias do mez de fevereiro de
1864, nesta cidade da Therezna, na secretaria da
pfllicia. onde se achava o respeclivo chefe Dr. Ger-
vazio Campello Pires Ferreira, pelo mesmo foi in-
terrogado Francisco Xavier da Silva, pela maneira
segnintc :
Perguntado qual s.-u nome, idade, estado, nalir-
ralidade, residencia e profissao ?
Responden chamar-se Francisco Xavier da Silva,
com 64 annos d Idade, rasada, nalurat da cidade
da Parnahyba, morador nesta cidade, e carpina,
e earpintelro.
Contra-protesto.
Foi com grande sorpreza nossa que vimos n'um
artigo publicado no Diario de hoje, protestando
contra urna idea, que se tem levantado na Facul-
dade, adduzir o Sr. Valente (seu autor) o argu-
mento que d como cabecalho ao escripto. Tal :
. As lradicc5es desse pa'ssado negro, sobre o qual
devia lancar-so um veo lo denso queo oceultasse
para sempro, mais que nunca tem-se desenvolvido
cora urna intensidad!- verdaderamente incrivel em
Pernarabuco, e sobretodo na classe academical
Antes de responder ao argumento do Sr. Valen-
te, quero dizer-lhe em atlen?o aquelles, que com-
g sustentara a idea de nm disiinctivo para a nossa
clajsse, que nao- confunda ideas diversaso dis-
tinctivo da classe e o jesuitismopois que concor-
damos com aquella, mas repellnos esta.
Analysemos o argumento do Sr. Valente. Deseja-
va que elle provasse que o dislinctivo da classe
urna idea do passado, dos lempos barbaros; pare-
ce-me, porm, que o nio poder fazer, pelo menos
emquanto nao disser que a Franca, essa rainha da
civlisaco, a Allemanha, a Hespanha, Portugal c
o Bras sao paizes barbaros, pois todas estas na-
coes tem estabelecido disttnctivos para as classes
das pessoas, que s leeociM se dedican).
Queira o Sr. Valente fazer o obsequio de nao ser
myslcrioso e dizerque ideas lgubres evoca o
dislinctivo da classe (como queremos) ; a histo-
ria nada me diz a respeito; tal vez o Sr. Valente
soja o nico previiegiado para encontrar cousas
desta ordem na historia.
O Sr. Valente diz que : as dstnccCes sao
eonsequencias das antigs sociedades. Anda nisto
: lia ineiaelido. Se o dislincto acadmico quer fal-
| lar das classes de nobres e plebeos eslabelecdas
pelas amigas sociedades ; bem. Mas, nao istoo
que pedimos, principalmente quando a maioria dos
que assignaram a petco compasla de mocos
pobres, e assim licaria ella como o Sr. Valente (e
isto o que parece temer elle] excluida das honras
concedidas pela sociedade. Nao tema que o seu ta-
lento seja esquecido, em 1865 (talvez) seja elle lem-
orado.
O qne nos queremos um dislinctivo para urna
corporacao em que se encontra gente de lodas as
classes e de todas as cores da sociedade.
Diz ainda o Ilustre acadmico que a nossa idea
urna distncco sem base, e que nao era de apa.
rar parlisse de uina corporacao d'onde justamente
devem dimanaros principios de igualdade e fra-
lernidade para a massa dos cidadaos.
Parece que o Sr. Valente vive no reino da la,
oo talvez esteja inebriado pelo sonho dourado de
1865, o nao repare para a sociedade em que vive
O Sr. Valente nao sabe quo na sociedade cm que
vivemos pouca consideradlo se presta em geral aos
estudanles, pjrque alguns, que suppondo ser o es-
tudanle synonimo de vadio, debochado, etc. etc., se
tem tran-viado ? Como quer que essas pessoas se
uuan. com os estudanles ou estas com aquellas ?
O Sr. Valente pretendeudo refutar as bases da
dis'incgo pedida diz : esle espirito (o de clas-
ses), para nos, nao pode resultar de una distinc-
co puramente material, este espirito devo ser fi-
fho de aim principio moral, sympathco, oque s
se pode conseguir com ura systema homogeiieo de
ensino, o que justamente nao se da na nossa Fa-
euldade.
Eis aqu o argumento achules do Sr. Valente.
Dos males, Sr. Valente, o menor; como nao pode-
mos conseguir tudo de urna vez, vamos consegran-
do aos poueos.
Nao son daquelles que dzom que nao se poden-
do conseguir um bem por inleiro, nao se deva
trabalhar por conseguir parte delle. No enlamo, o
Sr. Valente, que dizia ha poueo que da Faculdade.
s devia sabir toas ideas, rem agora dizer que.
nao se podendo remover todo um mal, nao se deve
remover parte delle I Muito bem I I
Contina dizendo : a emalaco tambem enten-
demos nao poder dervar-sc de seinelhante causa,
Aquelle que nao fr levado pelo desejo de instruir-
se, nao o poder ser por essa Irivolidade.
Isto que argumentar cora ura certo lom
dogmtico ; com una peonada destroe-se ura ar-
gumento. Na reahdade, o Sr. Valente parece nao
conhecer os Srs. estudanles de preparatorios. Ja que
os nao conhece vou fazer coiihece-los.
Muitos estudanles rem para aqui com urna car-
rada de cartas de recotnmendaco, c fiados indias
e considerando que para estudar preciso traba-
dlo, nao estudam, e deste modo levara muito tem-
po em preparatorios, e como podera dizer que sao
acadmicos cntregam-se vadiaco.
Havendo a distneco para os acadmicos, e nao
podendo elles dizer que sao acadmicos, estudaro
para chegar ao Lio desejado oasis.
Anda conlinua o Sr. Valonte dizendo quo quan-
to ecconomia, nao ha ; porque o escolue o facto
mais usado para ir Faculdade.
OSr, Valente deve saber que vindo o uniforme
e comprado elle tem-se roupa para ir talvez al ao
quinto anno, sem necessidade de ouira roupa.
Finalisa o Sr. acadmico do 4o anno dizendo que
a economa s poderia provr da diminuico da
taxa. Nao sabera o Sr. Valente que os lentes j
por v17.es tem fallado contra semelhanie taxa, e
at um delles j nao disse que a nossa Faculdade
era urna alfandega ?0 que tem feito o governo? na-
da, como acontece sempre. Mas se o collega achar
i um meio para reduzi-la, talvcz seja adorado peU
I postendade.
Concluindo, diremos ao Sr. qoartannista qne pe-
i dimos o distinctivo por amor da classe a queper-
tencemos ; nao apresentamos oulras razoes, que
. nos levaram a faze-lo, porque nao nos eonvm
da-las em pubtico. NSo queremos sustentar ideas
1 dos lempos ; que j se vo na noute do passade.
Recife, 49 de maio de 1864.
Oescarregam no dia 22 de maio.
Barca inglezaRonaldmercaduras.
Barca francezaSaint Denis diversos gneros.
Brigue portuguezFlorinda -idem.
ALFANDEGA DE PERNAMBUCO.
FALTA DOS PRECO DOSCBNEK08 SUJBITOS A UIKE1T0 DB
EXPOUTAQAO. SEMANA M 23 A 28 DO MKZ DE
MAIO DE 1864.
Mercadorias. Unidades. Valores.
Abanos.........eente 14100
Agurdente de cana. .... caada 800
dem restilada ou do reino ... 800
dem caxaca......... 400
dem genebra....... > 8HO
Mein alcooi eu espirito de agua- > KK)
ai lente......... >
Algodo era caroco.....arroba 65280
dem em rama o em lia. t 255000
Arroz com casca...... 15500
dem descalcado ou pilado 25800
Assucar inascavado...... 25700
dem branco......... 45400
dem refinado........ 55120
Azeite de amendokn ou mendo-
bim.........caiada 25000
dem de coco....... 15600
dem de mamona..... 800
Rautas alimenticias. .... arroba 15200
Bolacha o diara, propria para
embarque.......
dem lina........
Caf bom........
dem esoolha ou restolhe .
\ dem torrado.......
Caibros.........
Cal...........
: dem branca.......
| Carne secca (xarque) ....
Carneiros........
Carvo vegetal......
Cavernas de sicupira ....
Cera de carnauba em bruto. .
dem idem. era velas ....
Cha..........
Charutos........
Cevados (porcos)......
Cocos (seceos).......
Colla..........
Couros de boi, salgados .
dem dem seceos espichados. .
dem idHi verdes.....
Idem idem cabra eortidos. .
dem idem de onca.....
Doces seceos ".....
dem era gela ou massa. .
dem era calda......
Espanadores grandes ....
dem pequeos. .......
Esleirs para forro de estivas
de navio........
Estopa nacional......
Farinha de de mandioca. .
Idem de araruta.....
Feijao de qualquer qudlidade. .
Frechaes........
Fumo em lolha, bom ....
dem ordinario ou restolho .
Idem un rolo bom......
dem ordinario ou restolho .
Calimbas........
Goiunia.........
Ipceacuanha (raz)......
Lenha era achas......
Toros..........
Linbas e esteios.......
Mel ou raelaco.......
Milho..........
Papadnos........
Pao Brasil........
dem de jangada. '.
Pedras de amolar.....urna
dem de filtrar
dem de rebolo
Piassava. .
Pontas, ou chifres de vaccas ou
novilhos........cento 55600
Planchos de amarello de dous
costados........um
Idem de louro........
Rap..........libra
Sabo..........
Sal..........alqueire
Salsa parrilha.......arroba
Sebo era rama.......
dem era velas.......
Sola era vaqueta.
Miranda, vai ser arrematado em praca publica do
juizo de orphaos desta cidade, por ires annos, com
a base da renda annual de 3.2005; e o eserivodo
respectivo inventarlo daquelle finado o Sr F|u-
riano Corroa de Brito : os pretendentes que qui-
zerem concorrer arrematacao desse arrendamen-
to, com scicncia das condijes que devem proce-
der, e habilitacoes que sao neeessarias para que
possam lancar nessa praca i podero ler o escripto
que ja se acha em mo do porteiro do juizo Ama-
ro Antonio de Faria.
Tem de ser arrematada em praca publica,
quarta-feira 25 do corrente, Inda a audiencia do
lllra. sr. Dr. juiz municipal da 2' vara, urna casa
terrean. 12 na ra da Praia, freguezia de Sanio
Amonio, assubradada do lado de delraz, com 21
palmos de frente e 63 de fundo, Irapeira para la-
do da fenle, pequeo quintal murado, cacimba
meeira, chaos fon-iros, qne se acha cm armazem.
avahada era 3.5005 liscrvo Baptisia.
Nao se tendo realisado hoje a arrematacao
do fornecimento de gneros para as dietas dos
doentes e races de empregados desle estabeleci-
ment, manda o Sr. director de novo convidar os
nie.ra, 1,200 da segunda, 1,800 pretendentes para apresenlarem suas propostas no
da lerceira, e 400 da quarla, ao dia 23 4o crreme, s 10 horas da manha.
Hospital militar de Pernambuco 21 de maio de
1864.O escrivo,
Jos Marcelino Alves da Fonseca.
Inspeccao do arsenal de marinha.
Faz-se publico que a commisso de peritos exa-
minando na forma determinada no regulamentu
anni'xo ao decreto n. 1,324 de 5 de fevereiro de
1834, o casco, machina, caldeira, apparelhos, mas-
treaco, veame, amarras e ancoras do vapor Pa-
ralaba da companlua Pernamhucana de navega-
go costeira, achou lodos os objectos em regular
estado.
Inspeccao do arsenal de marinha de Pernam-
buco 20 de maio de 1864.
H. n. Barbosa de Almeida.
400 da
todo 3,700 barricas.
Louca..........A ingleza ordinaria vendeu-se
com 325 por cento de descouto.
Manteiga....... A franceza vendeu-se a 600 rs.
por libra, e a ingleza de 800 a
830 rs.
Massas......... Venderam-se a 75500 a caxa.
Passas.......... Venderam-se a 85500 a caxa.
Presuntos....... dem a 145 por arroba.
Queijos........ Os llameiigos venderam-se a
25830 cada um.
Sabao.......... Vendeu-se de 140 a 130 rs. a li-
bra do ingles, c o do Mediterr-
neo a 240 rs.-
Toucinho....... 0 de Lisboa vendeu-se a 85000
por arroba. Ha falta do do Rio
Grande do Sul.
O de Portugal vendeu-se dtr
1155 a 1205 a pipa.
Vinagre........
Vinhos.........
Inspector.
De ordem do Illm. Sr. inspector da thesoura-
ra de fazenda desta provincia se faz publico qae
Os de Lisboa vonderam-se de nao tendo apparecido licitantes arrematarlo do
Velas........
Desconlos____
Fretes.......
2005000 a 2305000 por pipa, e
os de outroa paizes de 1U35 a
2005-
As de composco venderam-se
a 520 rs. o parte de seis velas.
O rebate de letras regulou de 8
a 10 por cento ao anno.
Para o ("anal inglez carro-gando
era Macei de 50 a 57 d para
Liverpool pelo lastro, (-arrogando
em nosso porto do 25 d. a 25 V
pelo algodo a 1 d. por libra, pa-
ra Liverpool pela Parahyba pele
lastro a 25 e por Macei a % d.
por libra de algodo.
35000,
1 750O0:
85500
75500
libra i'.n
um 360
arroba 280
500
i 35000
um 45000
arroba 15000
urna 85000
libra 300
360
j 15500
rento 25500
um 15f660
cento .35508
libra 500
t 176
9 240
> 100
um 350
9 105000
libia 15000
320
i 300
um 4500O
i 25000
cento 155000
arroba 15600
alqueire 25000
arrolia 4500
c 15800
nm .i-5000
arroba 145000
* 85500
i 8J060
9 55000
nina 600
arroba 15900
255OOO
cento 1561X1
115000
um 85000
ranada 200
arroba 900
um 35000
quintal 55000
um 550OO
nma 840
45000
I520O
mol lio 120
Navio entrado no dia II.
Rio de Janeiro8 dias, barca franceza Santa An-
ua, de 583 toneladas, cap lo L. David, equipa-
geni 15, em lastro ; a Sowthal Mellors & C.
Sahidos no mesmo dia.
Liverpoolbrigue inglez Tetania, capillo I. W.
Tbomaz, carga assucar c algodo.
Cear e portos intermediosvapor brasilero Pa-
ralaba, commandante Martina.
Minos entrados no da 22.
Aracaty12 dias, hiato nacional Nicolao I, de 43
toneladas, capillo T. Theodomirode Moura, equ-
pagem 7, carga algodo e oulros gneros; P-
rente Vianna & C.
Penedo36 horas, hate nacional Amelia, de 36 to-
neladas, capito Antonio Jos Rodrigues Pinhei-
ro, equipagem 6, carga arroz, milho e pedra de
casco e mais pertences da escuna Limhya, mar-
cada para boje, fica a mesma transferida para o
da 2o do correte, s 2 horas da tarde.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Per-
nambuco 21 de maio de 1864. Manoel Jos Pin-
to, servndo de ofllcial-maior.
Por ordem do Illm. Sr, Dr. Chefe de polica
faco constar a quem_ conver, que se acha recolhi-
do casa de detenco desde o'dia 14 do corrente
o preloJos, que foi preso no termo da Escada, e
declaran ser escravo de Manoel Antonio, senhor
do engenho Tejo do termo do Bonito.
Secretaria da polica de Peinambuco al de maio
do 1864.O secretario,
Eduardo de Rarros Falcad de Lacerda.
0 colada Manoel da Silva Ferreira, juz do
paz do 2 districlo da freguezia de Sanio Antonio,
contina dar audiencia as quartas-feiras e sabba-
dos, s 10 horas da manha, na casa de sua resi-
dencia em a ra Direita n. 10, primeiro andar;
sendo porm esses dias empedidos, dar audiencia
nos dias antecedentes ao meio dia. Despacha des-
de as 8 horas do dia s 5 da larde.
Arrematacao.
No dia 24 do corrente, terr.vfeira, s 10 horas
da manha, depois da audiencia do Sr. jniz de or-
phaos, vae a praga por arrendamento triennal a
razo de 1:5005 por anno, a propriedade denomi-
nada BarbaIho, sita na freguezia do Poco da Pa-
nella, requerimento de D. Candida Ro*a Paes
Brrelo, por si e como lulora de seus lilhos.
E' um grande sitio, com urna cxcellente' casa,
cora todas as commodidades para familia, e com
duas grandes e excedentes baixas de capim, mui-
to rendosas, com proporces para darem mais de
6:0005 por anno, accrescendo a par de tudo Isto
urna grande olaria e bem montada.
- Pela thesouraria provincial se faz publico,
amolar; ao mesmo capito.
Boston29 dias, barca americana Hazard, de 403 que a obra los reparos do caes da ra da Aurora,
toneladas, capito G. A. Karstens,.equipagem 12, em fronte do Gymnasio Provincial, vai novameotc
carga 3,400 barricas com farinha de trigo;
Henry Foster & C.
Surios subidos no mesmo dia.
Parahybabarca portuguesa Paquete do Rio-Gran-
de, capito Antonio Jos Lucas do Sobral, carga
lastro de assucar.
Falmonthescuna dinamarquesa Aliance, capito
J. Ostcrmann, carga assucar.
Observacoes.
Snspendeu do lamarao para a Parahyba a barca
francesa Sania Anua, capito L Dand, com o mes-
mo lastro que troaxe do Rio de Janeiro.
Fundeou no lamarao urna barca ingleza, mas nao
leve coniniuncai'o com a tena.
Santa
praca no da 25 do corrente, servindo de base .
arrematacao o offerecmento de 24 0|0 de abat-
meuto feilo por dous licitantes,
Secretara da thesouraria provincial de Pernam-
buco 19 de maio de 1864.O secretario,
A. F. d'Annuncaco.
Consetho administrativo.
O conselho administrativo para fornecimento do
arsenal de guerra tem de comprar os objectos
segu ntes:
Para o 7o balaiho de infamarla.
Brisa branco 1,250 varas, algodozinho 1,250
varas.
Para o 9.batalho de infamara.
Cordo pelo de retroz 117 varas c mea.
Para o 7o balaiho de infamara.
BooeU redondos para recrulas 50.
Quem quizer vender taes objectos apresentem as
suas propostas em carta fechada na secretaria v
conselho, s 10 horas da manha do dia 27 do cr-
lenle.
Sala das sessoesdo conselho administrativo para
fornecimento do arsenal de guerra, 20 4a maio
de 1864.
Antonio Pedro de S Barreto,
Coronel presidente
Sebastiao Jos Basilio Ptjrrho.
Vogal secretario.
THEATRO
DE
Taboas do amarello. .
dem diversas. ,
Tapiocas......
Tatajuba......
Travs......
Unhas de boi .
Vassouras de piassava.
Ditas de timb .
Di las de carnauba .
Vinagre.
urna
duzia
>
arroba
quintal
nma
Cento
caada
205000
105000
15000
120
400
255000
55"00
75000
25800 I
1105000 i
735000
25800
IfOM
65000
200
105000
85000
65000
500
Alfandega de Pernambuco, 21 de maio de 1864.
(Assignados):
O 1." conferentc, 'Manoel Peregrino ia bilva.
O 2.* conferentc, Benjamn Peres de Albuguer-
que Maranhco.
Approvo. Alfandega de Paernmbueo, 14 de
maio de 1864.Paes de Andrade.
Conforme. O 4." escriturario, Joo dos San,
tos Porto.
Recebedorla de rendas Internas
ge raes de Pernambuco. *
Rendimento do dia 1 a 20........ 19:9395162
dem do da 21..-............... 1:7705710
21:7095872
() No communicado do numero passado em la-
gar do seguinte : A m f do 8r. coronel Ozorio,
segundo nos consta, tem chinado a ponto de ter
desde 1852 Lea-se desde 1862, etc.
Ao publico.
0 primeiro supplente do juiz municipal de Villa-
Bel 1 a que o Sr. Dr. Estevo Benedicto Franca de-
clina de sua competencia era sua correspondencia
de S do corrente, ensenda no Jornal do Recife, o
abaixo assignado, que declara S. S. e ao publico,
que nao era prelendento ao juizado municipal de
Villa-Bella, e prora com o lestenranho insuspeilo
do Sr. Dr. Joao Bodrigues Chaves, digno juiz de
direilo desta comarca, que foi quem oonseguio a
nomeacao de S. S, e quando por urna fatal idade o
abaixo assignado fosse nomeado, tratara de pro-
mover sua remoco, como declarou ao Sr. Dr. juiz
de direito, rislo ter neste termo son familia e mni-
los amigos ; o abaixo assiguado declara S. S-,
que a dignidade de sea carcter repelle toda e
qualquer maebinacio contra a repuiaco de pessoa
alguma, o invoca o (cstemuuho nao so 4 todos os
magistrados e empregados passados e presentes,
como tambem o dos amigos polticos de S. S. desta
comarca, tanto mais quanlo o abaixo assignado nao
inimigo deS. S., isso- intriga, e protesta contra
tal nformacao qne Ihe deram.
i Villa-Bella, 27 de abril de 1864.
J0S Ptauhylino Menes Magalhies.
Salea de Bristol.
ATTESTADO DO BRASIL.
CWU DB EtBPHANTtASES.
Esta mfernudade horrenda tem Salsa parrilha de Bristol.
Leia-se I I Lera-se 1 I
Um preto, escravo do fflm. Sr. commendador
Dora Ildefonso Simo Lpez, proprietario de vari'1?
Consulado provincial.
Rendimeuto do da 1 a 20......... 59:6445886
Idem.do da 21......,........... 2:68*5336
62:3335222
PRACA DO RECIFE
91 DE HAIO IH: IMft-1.
AS TRES HOBAS DA TARDE.
Revista semanal.
Cambios........ As poucas transaccoes que se fi-
zeram durante a semana foram:
sobre Londres de 27 '/$ a 28 d.
por 15000, sobre Paris de 340
a 343 rs. por ir., e sobre Lisboa
de 93 a 95 por cento de premio.
AlgodSo........ O desta provincia vendeu-se de
M5000 a 2*5500 por arroba,
o de Macelo, posto a bordo, de
265000 a 265200, e o da Para-
hvba tambem posto a bordo a
275800.
Assucar........O branco vendeu-se de 45400 a
05*200 por arroba, o somenos
de 45000 a 4500, o masrava-
do porgado de 25900 a 35200,
e o bruto de 25600 a 25750.
Agurdente.....Vendeu-se de 805000a 855500 a
pipa.
Couros......... Os seceos salgados venderam-se
a 170 rs..por libra.
Arres.......... pilado da India venden-se
do 85700 a 5T90 por arroba,
e o do Maranhao a.35000.
Azite doce..... 0 de Lisboa vendeu-xe a 25600
9025000
2055000
IO45OOO
1835000
1045000,
I
1605000;
6O35OOOI
6515000
4:O5O00
I925OOO
2015000
1531080
1635000
3545000
GER1AK6 ACOMURt.
Kecita da asslgnatnra.
QL'ABTA-FKIRA, 25 DE MAIO,
Ter lugar a 1* representaeio do magnifico dra-
ma em cinco actos, original francez
IOl
PEHSONAGEXS.
1025000 Francisco Bcaujotais......
1635000
1735000
505000
da Misericordia
Itecll'c.
A lllra.'junta administrativa da Santa Casa da
Misericordia do Becife manda fazer publico, qui-
no da 27 do corrente pelas 4 horas da larde na
sala de suas sessoes tem de ir praca as rendas
das casas abaixo declaradas, os licitantes devem
comparecer acompanhados de seus fiadores ou
munidos de cartas destes.
Palrimor.io de or;ihos.
lina do Imperador.
N. 2 particular e 81 publico, uous an-
daros......... 1:202:000
Largo do Paraizo
X. 4 dito e 29 dito, dous andares
Ba das Larangeiras.
N. 5 dito e 17 dito, casa terrea .
Una Velba.
N. 8 dito e 32 dilo, casa terrea..
Ba de S. Goncalo.
N. 10 dito e 22 dito, casi terrea.. ..
Ba do Pires.
N. 13 dito e39 dito, casa terrea ..
Ba da Lapa,.
N. 4C dito e 11 dito, casa terrea.. ..
Ba do Vigario.
N". 72 dtoe 27 dito, dous andares ..
Ra da Sensata Velha.
N. 78 dito c 136 dilo, dous andares..
N.80 dito c 132 dito, dous andares.
N. 81 dito c 18 dito, casa terrea.. ..
N. 82 dito e 16 dilo, casa terrea.. ..
Ruado Pilar.
N. 91 dito e 105 dito, casa terrea.. ..
N. 92 dito o 104 dito, casa terrea.. ..
N. 94 dito e 99 dilo. casa terrea.. ..
N'. 07 dito e 10 dito, casa terrea.. ..
N. 100 dito e 104 dito, casa terrea. ..
N. 105 dito e 94 dito, casa terrea.. ..
Bosarnho.
N. 3 particular, casa e sitio......
Miruera.
N. 4 dito, sitio.........
Estalu-lerimentos de earidade.
Ilha de Joguera..... .
Secretara da Santa Casa da Misericordia do Be-
cife. 20 de maio de 1864.
O escrivo,
F. A.Garaleaati CousWro.
COMPANHIA
no
jNoescriptorio da mesina cumpanliia 's-
iribue-se com os Srs. accionistas os folhelos
inpressos conlendo os trnbalhos decorridos
no semeslre do 1 de novembro do anuo
prximo findo 30 de abril do corrente, e
que foram lidos e approvados na sessao da
assemblca geral de 20 do corrente.
Esc iplorio da Companhia do Bebet be,
21 deniaio de I8(>4.
O escripturario,
Marcolino Jos Pupe.
O caixa da companhia commendador Tbo-
maz de Aqnino Fonseca acha-se aulorisado
a pagar no seu escriplorio roa do Vigario
n. 19, das 10 horas era diante o 32 divi-
dendo desta companhia na proporco de 35
por cada apolice, adverte-se aos Srs. accio-
nistas qae este pagamento deve ser emmoe-
da de cobre, visto ser na especie que o
mesmo Sr. caixa tem recebido dos arrema-
tantes dos chafarizes desla companhia.
Escriptorio da Companhia deBeberibe, 21
de maio de 1864,
O escriplurario,
Marcolino Jos Pupe,
O engenho Bruno, com saas trras de planta-
cSode cannas, matas, edincios e ntenciHos, perten- o capuao Beiarm.no nos s*
cente aos iierderos do fallecido Joaquim Jos dejou na praca do commercio,
Germano.
Thoraaz
Victorino.
Lisboa.
Teixeira.
Porto.
Borges.
Guimares.
Pinto.
D. Mara Ponles
D. A. Marqueloa.
Prelas.
Barbosa.
Leonardo.
D. Olimpia.
D. Virginia.
D. Leopoldina.
Leonardo.
os oulros 16 annos
('onde de Varenues.......
Luciano de Meiens........
liaul Darniantires-.......
Salta-nuvens.............
Ilr. Teixier..............
Adbmar.................
Seligny..................
leinigio, rendeiro........
Condessa de Varanes.
Helena................I
Jeanna Vidal............i
Pedrisca................
Vendedor de limonadas
Tocador do realejo........
Pastelera......i.........
urna camponeza..........
Vendedora de ostias......
Francisco, criado.........
Ilomens do povo, etc.
O Io acto passa-se em 1814,
depois.
Terminar o espectculo com a graciosa co-
media em um acto
A Viuva das Camelias.
Coraecar s 8 horas.
AVISOS M1MTIMQS.
COMPANHIA BRASILERA
DE
PAQUETES A VAPOR.
Dos portos do norte esperado
at o dia 2 de innho e vapor
Paran, commandante e capito
de trpala Santa Barbara, o qual
depois da demora do costme se-
guir para os portos do sul.
Desde j recebem-se passagelros e encaia-se a
carga que o vapor poder conauzir, a qual deven
ser embarcada no da de sua chegada: encom-
mendas e dinheiro a frote at o dia da sabida s 2
horas, agencia ra da Cruz n. 1, escriptorio de
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C.________.
Para Uto <-ran> do Nal
pretende seguir com murta brevidade e patache'
nacional Carolina, tem parte do sen carregamenio
prompto : para o resto, que Ihe faha, trata-se com
to Beiarmioo dos Santos Pinhelro a bordo.


Piarlo de Pcrmtbnco Segunda felra 3 de Halo de 194.
Grande liquidadlo
de fazeadu na luja do l'avo, rua da Imperalriz h.
GO, de (ama k Sur.
Ac0a-se este estabeleciiuento completamente sor-
tidode fazendas inglezas, francezas, allcniaes e
suissas, proprias tanto para a praca como para o
mato, prometiendo vender-se inais barato do que
em outrar qualquer parte principalmente sendo em
porcau e de todas as fazendas do-se as amostras
dtixando flear penbor ou mandam-se levar em ca-
sa pelos caiieiro da luja do l'avo.
j|s chitas (le 1'jkio.
Vendem-se superiores chitas claras fresenras pe-
lo barato preco de 210 e 280 rs. sendo tintas s* g ti-
re, ditas francezas linas a 320, 340, 360, 400 e '
300 rs., o covado, ditas pretas largas e eslreitas,
riscados escoeezes linos a 240 rs. o covado, islo na
loja do Pavo rua da Imperalriz n. 00 de Gama &
Silva.
As eassas do l'avo a 2 0, 280, 300 e 320 rs.
Vendem-se fiuissimas eassas persianas cores fi-!
x*a a rs- covado> ditas francezas muito tinas '
a 240 e 280 rs., ditas ingzezas a 240 e 280 rs. o
eovado, finissimo organdy matisado. cora desenhos
miudmhosa 320 rs. o covado, eassas garibaklinas
muito finas a 320 rs., isto na loja do Pavao rua da
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
As liaziulias da eipasico do Pavio.
Vendem-se as mais modernas lazinhas mossan-
bique chegadas pelo ultimo vapor francez sendo
de urna so cor ou de listas miudinhas com 4 pal;
mos de largura, proprias para vestido de senhora,
roupa para meninos e capas, e pelo baratissimo
prego de 500 rs. o covado, ditas enfestadas trans-
parentes de quadrinhos a 300, 400 e 360 rs. o co-
vado, ditas malisadas multo finas a 500 e 400 rs.,
ditas mais nanitas do que chita tambem malisadas
a 320 rs. o covado, ditas a Mara Pia com palma
de seda e 4 palmos de largura a 800 rs. o cuvado,
e ditas de una so cor parda, azul, cor do lyrio e
peroia proprias para vestidos, saiMembarqes e
garibaldes a 720 rs. o covado, ditas escocezas a
800 e 400 rs,, isto so na loja da Pavao, rua da Im-
peralriz n. 60, de Gama & Silva.
Os chales de Pavio.
Vendem-se finos chales de crepon estampados
pelo barat preco de 65, 75, 85, ditos de ponta re-
donda a 7$ e 85, ditos pretos ricamente bordados
a retro* oom vidrilho a 125, dilos pretos lisos a
55, ditos de cores a 45500 e 5, ditos de merm
estampados a 25 e 55, ditos de laa a 15280 e 25,
ditos t relroz preto par tato a 6*, isto na loja
de Pavao rua da Imperatriz n. 60, de Gama 4
Silva.
awdas pretas para a qaaresma vende o l'avo.
Vonde-se gresuVnap'lc preto muito superior a
4*G00, dito a 15800, 85, 25300, 2580' e 35, mo-
reantique pneio muflo superior a 35 c 48800, sar-
ja prela hespanhola ntnito encorpada a 25, isto na
aja do Pawo rua da Imperalriz n. 60, de Gama
& Silva.
'0 Pvfo vende para luto.
Vene-sc -snperier setim da China fazenda toda
de la sem lustro tendo 6 palmos de largwra pro-
pno para vestidos, paletois, capas etc., pelo bara-
to proco de 25, 25200, 25500 o covado, eassas
preraslisas, chites pretas largas e estreftas, chales
de merino lisos e bordados a vidrrlho, manguitos
com^olliiihas eoulros muitosartigos que se ven-
dem por preces razoaveis : na leja do Pavao rua!
4a emperatriz n. 60, de Gama & Silva.
<8 corpitihos Vende-se os mais moderaos corpmhos de cam-
braia ricamaite bordados -e er/feilados a 7 e 85 ;
13R loja do Psvao, rua da Iwtpcratrz n. 60, de Ga-
ma & Silva.
Os vestidos 4o Pavio
Vende-se ricos vestidos de grosdonaple preto -ri-
camente bordados a veludo pelo barato preco fe
405, sendo fazenda que oempre se vendeu a 1095
el05 ; ditos de cambraia brancos ricamente bor-
dados a croch, sendo preprios pora baile e cesa-
mentoaO, 15, 20 e 305; ditos de laa com lindas
barras a 18 e 155 ; isto na loja do Pavao da Impemriz n. 60, de Gama & Silva.
Os pannos do Pavao.
Vende-se panno preto muito superior pelo barato
reco de 25, 25500,35 e 3500, ditos muito fieos a
&*.?*'"orles de asemira preta enfestoda a
45, 45360 e 65, casemira preta fina de urna s
largura muito lina a IJ800, 25.25300 e 35, cor-
tes de casemira de cor a 55, 55800 e 65, casemi-
ras enfestadas de urna cor proprias para calca,
paletois, colletes, canas para senhora, roupos para
meninos a 35 e 3-3300 e covado, isto na duja. do
Pavo, tua da Imperatnir n. 60, de Gama &-Silva.
X roupr do l'avo.
Venikm-se paletets de panno ,preto sobrecasa-
cos fazenda muito boa a .125, ditos muito finos a
165, 20?}, 235 e 305, calcas de casemira preta boa
fazenda a 45500,55, 65, 75 e 85, paletols-sccos
de panco preto a 75, ditos de casemira do cor a
65 e"7jf, ditos de alpaca preta, ditos de merino
preto, ditos de brim de ocres, caigas de casemira
de cor c 45, 55,65, ~. ditos de caxemira da
Escossie a 35, ditos d<: -W, im pardo a 25500, ditos
de cor a 25 e 25500, dh-js brancos muito ifmos,
sto na teja do Pavao, rua da Imperalriz n. 60, de
Gama A Silva.
K cortinadas do pavo.
Vendem-se ricos cortinados proprios para jaoel-
la e camas pelo barato preco de 95 o par, sendo o
melhor (,-ue ha no mercado: na rua da Imperalriz
ii. 60, de Gama & Silva.
As colchas .do Pavo.
Vendere-se colchas do linho alcoeheadas pre-
prias para cama pelo barato preco de 55 cada nma
na rua da Imperalriz n. GQ, de Gama & tiilva
M.h prcealas A Pavo.
Vendcra-se as mais Jinda* precalas que tem vin
0o ao mercado chegadas pelo ultimo vapor fran-
cez, pelo barato preco de <6O0iP. o covado, dilas
de lisirinha.j'inrlo miudinhas proprias para vertidos
eroupas demeninos e meoinas pelo barato preco
tie 300 rs. ; loja de Gama & Silva.
** onteanbarqns do Pavo
MOg i .>K mi o Pavo.
'Veadem-sc os mais lindos seuteanbarqnes que
%ctn viudo ltimamente de lazinha e caxemira n-
eamaate hordades e enfeitados, cores muito delica-
das peio barato preco de 105 e 155 ; fazenda esta
que era outras lajas se vendem por 405 c 235,
s pana liquidar : na loja e armazem do Pavao a
rua da Imperalriz n. 60 de Gama & SUva.
A *hli:\* do Pavo 8#AOO e
#*4H> o corte.
Vendeo-se corte* de chita com doze covados
oda corte, ditos com dez covados a 25400, fazen-
da muito ba, e que nao desbota, s na loja do Pa-
vao tem esta pechinoha ; a rua da Imperalriz n.
60 de Gama & Silva.
I.as de uuia
PARA BEM DE TODOS
FAZEI FAVOR DE LR ESTE ANNUNCIO
da economa domestica que se vai tratar.
0 assumpto importante.
oi:s< oiciibo-m: AFi]Afi
0 verdadeiro e principal armazem de molliados o do
^S5^>^
Acaba de receber de stia propria encommeoda um grande e variado sortimento
de raolhados todos primorosamente escolhidos, por isso apressa-se o propietario em
offerecr 30S seus freguezes e'ao publico em geral a segointe tabella dos seus gneros e
resumidos precos, afiangando todo e qualquer genero vendido neste bem conhecido ar-
matem.
Pede-se toda attencilo.
O proprietario pede a todos os senhores chefes de familia e ao publico em geral
que Rao deixem passar desapercebida a seguinte tabella:
AVISO.
Neste armazem e no largo do Carmo n. 9, armazem Progressivo, recebem-se a
libras que vulgarmente correm no commercio por 80890 a 90, o proprietario em seH
anmeos da-lhec este valor, sendo cm pagamento, e isto para evitar confusoes em trocos
Manteiga inglea perfectamente flor, a 8oo rs,'
e 10 a libra.
IZA
Moquero contestar esta verdade.
A fama far correr esta noticia.
A posterldade beindir o nomo do Baliza.
Actualidade Batel palmas de coutentamento!
iza se
dem franceza a 6oo rs. a libra, e 58o rs.
sendo em barril,
Gh uxim a 2,7oo es. a libra, c de 8 libras
para cima a 2,6oo.
dem petla a ,8oo rs.
cima a 2,7oo,
rs. a duzia i.ooo rs. a garrafa, garante-se
que os melhores que temos tido no mer-
cado.
Passas emcaixasde l arroba '/j o '/* a 7,5oo,
3,Goo e i,9oo rs. a caixa, e 4oo rs. a libra
garaote-se serem muito novas, e graudas.
e de 8 libras para dem corinthias proprias para podim a 8oo
rs. a libra.
dem hysson o mais superior que se p<#de Marmcladas dos mais afamados fabricantes d
desejar a 2,6oo e de 8 libras para cima Lrsiwa a Coo rs. a libra.
a 2,aoo rs. | Ervhas secas rotulo novas a 16o rs. a libra,
dem menos superior a 2,4-o e de 8 libras Grao de bico muito novo a t6o rs. a libra.
para cima a 2,3oo rs. Erlbas francezas em latas a 6oo rs.
dem proprio para negocie a 2,3oo, de 8 li- Pcftes com sal refinado a '48o rs.
bras para cima a 2,2oo. Fumo de cha(pa americano a l,4oo rs, a libra
dem do Rio cada urna a 2, 3, 3,ooo-e 4,8oo rs. a lata. IVcsunto para fiambre trtgiezes a 7oo e 8oo
dem preto o melhor que se pude lcsejar! rs. a libra.
neste .genero a 2,8oo rs. ^.houricas e patos mnito ovos a 64o a libra,
dem menos superior aesse que se vende i Batatas muilo novas em gigos de 34 libra a
por, 2 e 2,loo, a 4,8oo rs. a libra. l.ooo rs, e 6o rs. a iibra.
Idemiuais baixo bom para negocie a -I.oo Massas para sopa macarrao, talliarim aletria
rs. a Jibra. ; a 4oo rs. a libra,
dem raiudinho proprio para negocio a I ,ooo Cognac verdadeiro inglez a 8,3oo rs. a caixa
rs. a 'libra. e 8oo rs, y. garrafa.
Queijos do psino chegafios neste ultimo va- dem fraooez a 7,ooors. a duziae 7oo rs. a
pora3,Hoo. j garrafa,
dem ais secos vindes por navio a I,7oo.. Cliarutosemgrande quantidade e de todos os
dem prate es melhores emais rescesdej fabricawles mais a 'editados a I,5oo,
mercado-a 76o rs. atra. 2,ooo, 2,aoo, 3,ooo e 4,ooo rs. a caixa,
dem londnino a6oors., e sendo inteiro a os-maisfcaixos sao dos que por ah se ven-
.loo rs. aiibra, vende-se por este preco: dema 2,eoo e 2,5oo rs.
pela popcao que temos cm ser. I Caf de premeira quab'dade a 8,^oo rs. a ar-
Biscoit* ematas de 2 libras das seguintes roba e 28o rs. a libra.
marcas: Osborne, Craknfl, .Mked, Victo- dem de segunda qualidade a 8,2oo rs. a ar-
ria, Pec-nic, Fance, Machineeoutras mui- roba e 2o rs. a iibra.
las a A fio* e i 4oo rs. Arroz to Maranhao a loo rs. a libra, 3,ooo rs. J
Sem mieras nem coras para ornar a fachada de seus annuncios, e as portas do edificio em que habita, o Bali
contenta em tomar o seu lugar de honra na vanguarda de todos os homens do progresso.
Sopre embora o maldito Clarim, o seu toque de retirada a marchc-marche do desacreditado Progresso; arme a tonda
dos falsos apostlos da sioceridade no tralro, da realidade na pratica dos negocios commcrciaes, revele finaknente a Sna
grande insobordmacao fingindo desconhecer os seus superiores, deixando-se ficar sentado, em vez de perfilar-se e fa/er a
continencia do est>1o, porque o incansavel Baliza sempre fiel ao seu juramento ter continuamente na melhor ordem todo o
seutrem de guerra e no mais complecto movimento, o seu presumo para bem servir, desde o mais simples camara.la al
o mais alto general da pnmeira classe do exercito dos seus constantes freguezes.
Entremos na materia:
SENTIDO!
mu: n no da.
a n ,DeS!i! I-\pi*lica.;ao do Baliza esttbelecido a rua do Livramento ns. 38 e 38 A vender a todos os seus freguezes.
Cinco por cento menos
qn qwwquer dos seus amaveis collegas que por menos annunciar. Qualquer objecto que nao che-me a contento dos se-
nhores coMpradores, pode ser devolvido anda mesmo polas pessoas que morarom no centro da provincia
0 nheiro recebido peto gener0 ^ue nao agradar ser restituido sem constrangimento algttm.
Declaraco importante.
falso o boato que tera feito espalhar o soldado soprador da rua do Queimado de que se acha o Baliza asociado
ao armarem Unto Mercantil aberto a rua da Cadeia do bairro do Hecife.
A liga entre os collegas um crkae de lesa-povo.
E entre-tanto o Baliza ligueiro.
Ligueiro sin das ideas libcraes dos progressistas de todo o universo aos senlimento mais ntimos de seu coraeao
ueste modo de pensar eera o Baliza eternamente conservador.
so cor.
Vendem-se lazinhas de urna s cor, send-j en-
carnada, azul, eiilzeuta, ciir de caf, lirio claro, li-
rio roso cor de peroia pelo haratifsimo preco de
6AO o covado, fazenda muite fina s o Pavo, rua
di. Imperalriz a. 60 loja e armazem de Gama 4
Sifca.
Panao de linlw.
Vende-se panno de linho com 4 palmos de lar-
gura proprio para lenees, toalnas e ceroulas pelo
barato preco de 640 rs'. a vara, bramante de linho
eom 10 palmos de largura a 2#00, algodozinho
montro com 8 palmos de largura a 15, pecas de
Hambureo com 20 varas a 95, 105 e 115, pecas de
madapolao fino a 75600, 85, 95 e 105, ditas de
algodozinho a 65, 65300 e 75, e outraa muitas
fazenda brancas que se vendem muito baratas
aflm de apurar dinheiro : na loja do Pavao rua da
imperatriz n. 60, de Gama & Silva,
O bramante do Pavo eom doze
palmes de largara.
Vende-se bramante de linho paro, muito fino com
doze palmos de largura o melhor e mais largo que
tem viudo ao mercado pelo barato preco de 25800
rs.a vara ; s na loja do Pavao de Gama & Silva,
ana da Imperatriz n. 60.
\h preealas do Pavo.
Vendem-se as mais lindas precalas qus tem vin-
do ao mercado chegadas pelo ultimo vapor fraocez,
pelo barato preco de 600 rs. o eovado, ditas de lis-
trinha muito miudinhas proprias para vestidos e
e roupas de meninos e meninas pelo' barato preco
de 300 rs.: s o Pavo rua da Imperatriz o. 60,
loje de Gama & Silva.
Os bals do Pav3o.
Vendem-se crinolinas ou bales de 30 arcos tan-
brancos como de cores, sendo americanos que
sao os melhores por se nao quebrarem a 35300 e
de 33 arcos a 45, ditos de musselina com babados
a 45, ditos para menina a 2.5 e 35 : na loja do Pa-
vao rua da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
0 Pavo venrie 8#
Vendem-se os mais lindos cortes de vestidos a
Maria Pia, com lindas harpas de"sda, sendo che-
gados pelo ultimo vapor francez pelo barato preco
de 85 cada ura : s na loja do Pavao rua da Impe-
ratriz n, 60, de Gama A Silva.
Polvos diegados ltimamente do .Porto a 32o
rs. a libra,
dem em latas grandes a 2,ooo rs. a lata.
Balachioba- deCraknel em latas de 5 libras
bruto a 4,ooo rs.
dem inflezasem barricas n mais nova do
mercado a 2>oo rs. a barrica e 2io rs. a
libra.
Cartoes com bolas francesas proprios para
mimos ou para aojos que vio cas procis-
soes a Goo rs. -cada um.
Peras seecas as mais novas do mercado a ioo
rs: a libra.
Figos de coiuadre em Utas de 4 e 8 libras
lacradas hermticamente a l,4oe e 2,2oo
rs. a lata.
Jdem em caixinlias de 8 libias a l,8oo, e
24o rs. a libra.
Mojes muilo novas a 140 rs. a libra, e 4,ooo
rs. a arroba.
Amendoas confeifadas a 9oo rs. a libra,
dem de casca mole a 32o rs.
Vinlios engarrafados no Porto e Lisboa das
seguintes marcas: duque, genuino, velho
seoeo especial, lagrimas doces, vinho es-
pecial D. Pedro V, neetar superior de
1833, duque do Porto de 1834, vinho do
Porto, velho superior, madeira secca. Por-
to superior D. Luiz I, e outras muitas
marcas, em caixa de urna duzia a lo,ooo e
9oo rs. agarrafa,
dem branco de uva pura a 64o a garra-
fa e 4,ooo a caada,
dem soperior a 5oo rs, a garrafa e 3,2oors.
a caada,
dem em pipa Porto, Lisboa e Figueira das
marcas mais acreditadas a 3,8oo a caada
e 5oo rs, a garrafa,
dem de marcas pouco conhecidas a 4oo rs.
a garrafa e 3,ooo rs. acaiada.
Especial vinho Lavradio sem a mais pequea
composico a 560 a garrafa e 4,ooo rs. a
caada.
Pomada a 200 rs. a duzia, sevada muito no-
va a 80 rs. a libra, e 2,5oo a arroba.
Garrafes com 4 '/s garrafas de vinho supe-
rior a 2,5oo rs. com o garrafo.
dem com 4 "i ditas de venagre a 1 ,ooo rs. o
garrafo.
Vinagre PIIR em ancoretas de 9 caadas a
l,ooo rs. com aancoreta
dem em pipa puro sem o batisrae a 2oo rs.
a garrafa e l,4oo rs-. a caada.
Cacas com 1 duzia da garrafas de vinbo Bor-
deaux fazenda muito especial a 6,8oo rs.
a caixa e 7oo rs. a garrafa.
Licores francezes e portuguezes das seguin-
tes marcas creme de violetas, gerofles, ro-
sa, absinto vespeiro, amor perfeito, amen-
dua amarga, percicot. de Turin, Botefim,
morangos, limo, caf, laranja, pidra, gin-
ja, canella, cravo, rlela pimenla a l.ooo

<2">r
,2"?- C r-*i.
LIQUIDAC
ts^' '<'
ce
fatulas baratas 'le
rua (! (i!1 iiitto, n.
rw
25100 e 35
45800 a
Caf do Rio de primeira e segunda sorte
300 rs.
Arroz pilado a 80 e 100 rs. a libra e
a arroba.
MilhoaJpista limpo a 170 rs. a libra e
arroba.
Toucinho de Santos e Lisboa a 210 e 280 rs. a libra.
Passas de carnada a 300 rs. a libra e 10$ a caixa.
Azeite doce de Lisboa lino a 640 rs. a garrafa e
45800 a eanada.
Dito de carrapato a 320 rs. a garrafa e 25240 a
caada.
Mass;is para sopa aletria, macarrao e talliarim a
480 rs. a libra e 10*5 a caixa.
Chouricas as mais novas a 800 rs. a libra.
Chartuos em maco* de 30 a 65 o inilheiro e a
610 rs. o cento.
a arroba,
dem da India muilo superior a 2,0oo rs. a
arroba, e Soo rs. a libra,
dem mais baixo redondo a 2,6oo rs. a libra.
dem da India compridoa 2,4oo rs. a arro-
ba, c 8o rs. a libra.
Vellas de carnauba do Araeaty a 9.,Soo rs. ar-
roba, e 3(5o rs. a libra.
ISem de sebo muito dura (ingindo esparmace-
te 3to rs. a libra.
Jdem de esparmacete a 54o rs. a libra, e em
caixa a 52e rs-
Pa^el o melhor que se pode desejar para os
Srs. empregads pblicos a 5,ooo rs. a res-
ma, j se vendeu por 7.ooo rs.
Idean aimaco pautadoe liso a 3,ooore. a resma.
dem de peso pautada e liso a-3,ooo rs. a
resma,
dem a zul de botica ou fugueteiroa 2,2oo rs.
a resma,
dem embrulho de 1,2oo a 1, 4oo rs. a resma.
Ameixas francezas em latas de 1 l/t libra a
l,2ooe8oors. a libra,
dem em frascos de 3 libras a 2,5oo rs., s o
frasco valle l,ooo rs. tambem temos em
frascos para l,4oo rs.
Conservas inglezas a 7oo rs. o frasco.
Molhos inglezesa 8oo e l.ooo rs. o frasco.
Moslarda preparada em potes muito nova a
2oo rs.
Latas com 2 a 4 libras de caj secco o mais
bem afranjado possivel a l,8oo e 2,8oo
rs. a lata.
Setveja Bon. Tenente verdadeira a 6,8oo rs.
a duzia.
dem de outras marcas preta e branca a 5,5oo
c 6,ooo rs. a duzia inteiras.
Vassouras de piassava com 2 arcos de ferro
vindas do Porto a 32o rs.
Cebollas muilo novas a 8oors. o molho e Soo
rs."O cento.
Chocolate portuguez hespanhol e francez de
8oo a l,ooo rs. a libra.
Genebra de Hollonda em frasqueiras a 6,ooo
e 56o rs. o frasco,
dem em botijas a 4oo rs.
dem em garrafes de 14 garrafas a 5,2oo rs.
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a groza e 2o rs. a
caixa.
dem de denles lixades em macos grandes
com 2o rs. o macinhos a 12o rs. o masso.
Cominhos muito novos a 32o rs. a libra e
1 o,ooo a arroba.
Sag muito nove a 24o rs. a libra.
Cevadinha de Franca a 18o rs. a libra.
Milho alpista a 14o rs. a libra e 4,5oo rs. a
arroba.
Gomma a 8o rs. a libra e 2,400 a arroba. muito maisestimaco ns mercados de Europa c
Peixcs em latas al,ooo rs. a lata j prompto vende-se por maior preco.
a comer-se. I As machiuas se acham venda unicameuie em
Farello de Lisboa marca N. e Biato saceos casa de
ARMAZEM (MSEHVATI
23Largo do Terco-~23.
Joaquim Simo dos Santos tendo de se retirar est resolvido a liquidar o fazer una erando
vMtagem a quem seu armazem frequentar, o vender por menos do que outro qualquer anniinciante
para isso tem um vantajoso snrtimento tanto neste armazem como fra e para melhor servir o publico
o annunciante scientitoca aos seus freguezes que tem requemado este eslabelecimento que de
hora em diante terao a vantagem de 10 a 20 por cento menos que compraran! cm outra (noca nelo
seu prompto pagamento. F
Atiendo,
i 270
MCHIMSDEPATE^TE
de trabalhar mo para
desearoear algodo
FABRICADAS
Bwant Brothers & C.
OLDAM
Dito em caixa da Baha dos melhores fabricantes
de 15200, 25400 35 e 'i-j.
Phosplioros do paz viudo de conla groza 25300.
Manteiga franceza a (00 etiiOrs. a lira.
Dita ingleza flor a 800 a 000 rs. a libra.
Biseoutos e bolacliinhas de soda a 1300 e 25.
Vinho do l'orto engarrafado a 800 rs., garante-se a
superior qualidade.
Dito em pipa Figueira das marcas mais bem co-
ndecidas a 300 rs. a garrafa e cauada 35800
e 35300.
Dito de Lisboa especial para negocio a 360, 400 e
410 a garrafa e em caada faz-se abatimento.
Dito branco proprio para mis.-a a 610 e 500 a gar-
rafa e em caada a 35 e 35300.
Bolachinha americana a 200 rs. a libra e em bar-
rica ha grande ahalimeiilo.
10 palmos de largura
Hival sem segundo.
. Na rua do Queimado ns. 49 e 53. loja demiude-
zas de tres portas, est resolvido a vender ludo
quanto tem no seu eslabelecimento por precos que
a todos admiran), assim vejam e admiren).
Frascos com superior hanha para acabar a 200 rs.
i Uanlia transparente a melhor que ha a 600 rs.
I Bauua japoneza superior e garantida a 800 rs.
Estas machinas | Frascos de oleo verdadeiro babosa a 300 rs.
podemdesearoear | Ditos de oleo verdadeiro que tem urna maozinhaa
qualquer especie 300 rs.
de algodao sem Ditos de oleo superior Philocome a 800 rs,
estragar o Oo, < Sabonetes pequeos e tnuo linos a 60 rs.
sendo bastante Ditos inglezes, superior qualidade, a 160 e 320 '
duaspessoas para Ditos de bola muito finos a 240 o 400 rs.
o trabalho; pode Vinagre aromtico e cheirose, garantido, a 15.
desearoear urna Frascos de agua de colonia muilo finos a 100 rs.
arroba de algo-
dio em caroco
em 10 minutos,
ou 18 arrobas
por dia ou 3 ar-
;Xo aiiuazciii
Sanios i orillo
19, vende-sco segniule*
Aeuee.
Pechincka
Pe^as de algodo com una pequea avada pelo
baratissimo preco de 55.
Cef dlOM. Ma pCl tertUMta*BPW
Lencoes de linho pelo baratissimo preco de 25.
Lenn.es de bramante de linho lino pelo baratsimo
preco de 35200.
Lencos de cambraia brancos proprio para algibei-
ra pelo baratissimo preco de 25 a duzia.
Algodao entestado rom 8 palmos de largura pelo
baratissimo preco de 15 a vara.
Bramante de linho lino com
a 25300 a vara.
Atoalhado adamascado proprio para toalhadcmca
pelo baratissimo preco de 25000 a vara.
Pegas de cambraia de forro a 25600 e 35200.
Toalhas alcochoadas proprias para mos a 55 a
duzia.
Esleirs da India, proprias para forro de sala,
I de 4, o e 6 palmos de largura.
Cortes de calca do ganga amarella de Usina a
de quadros, pelo baratissimo preco de 1,5200 o
corte.
Cambraia adamascada com 20 varas, propria
liara cortinado, pelo baratissimo preco de liOOO
a peca.
Ricas lazinhas para vestido, fazenda a melhor
que tem viudo ao mercado, tanto em posto como
em qualidade da fazenda, "pelo baratissimo pnco
de u60 rs. o covado.
Ricos cortes de la de barra Mana Pia a 195.
Pecas de cambraia de salpicos pelo baratissimo
preco de 15.
ou Una a vontade do comprador
limpo.
Esta machina
a mura que
possue as vantagens de nao destruir o fio do al-
godao e de fazer render o dobro de qualquer ou-
tra com menos trabalho, a sua introdueco para
as provincias desle imperio ser de multo valor
para lodos os interessados na lavoura do paiz.
Assim como machinas em ponto grande do mes-
mo systema, para serem movidas por animaes,
agua ou vapor, as quaes podem descansar 18 ar-
robas de algodo limpo por dia.
O algodao descansado por estas machinas tem
muito maisestimaco nss mercados de
Ditos de dita verdadeira e que se garante a 600
ris.
Ditos grandes tambem verdadeira a 15200.
Frascos de cheiros muito linos a 200, 320 e 300 rs.
, Dilos de agua de colonia grandes a 640.
robas de algodao | Pares de ligas muito finas para senhora a 300 rs.
Pecas de fita branca de linho, superior qualidade,
a 100 rs.
Grvalas de seda muito bonitas e superiores quali-
dade a 300 rs.
Caetas de osso lisas e torneadas muito finas a
40 rs.
AGENCIA
DA
grandes a 4,ooo rs.
Cal de Lisboa e potassa da
Rnssla.
Vende-se na rua da Cadeia do Recife n. 26, para
onde se mudou o antigo e acreditado deposito da
mesma rua n. 12, ambos os gneros sao novse
legtimos, e se vendem a preco mais barato do que
aru tqnalqueriparte.
Para familias.
chegado na nova loja de miudezas na rua Di-
reita n. 104, um rico sortimento de modas, e os
muitns desejados enfeites do rede com froco, ditos
com fitas cascarriiha, ultimo gosto, a 55 cada um,
garantindoso as familias, o desafio de outro quai-
quer que se aprsente do melhor nesla fazenda.
Sauuders Brolliers & G.
X. II, pra?a do Corpo Manto
RECIFE.
Os nnicos agentes neslo paiz.______________
Santo Antonio
Acha-se venda na typographiada ruado Impe
radorn. 13 a trezena do glorioso Santo Anlonio.uiti
damentc impresso, em um folbeto, obra indispensa-
vel para os devotos do mesmo santo.
Duzia de lapis muito finos c fortes a 240.
Tranca preta lisa o melhor que ha a 80 rs.
Escovas para limpar denles muilo finas a 200 e
400 rs.
Pentes de volta para meninas regacar cabello a
500 rs.
Ditos dourados para meninas reparar cabello a 15-
Fitas para enfiar esparlilhos muito linas a 60 rs.
Varas de fita com ilhozes para vestido a 100 rs.
Abotoaduras de muito gosto para cohete a 120 rs.
Frascos de oleo de macar muito superior a 100
ris.
Agulheiros de Jacaranda
a 200 rs.
Espelhos de Jacaranda o
25300.
Duzia de facas e garios
linas a 65.
Duzia de facas e garfo?, cabo branco.
25800.
Pecas de ntremelos muilo bonitos a 700rs.
muito bons para agulha
brancos de columnas a
com dous botoes, muito
cravadas, a
FNDICAO DE LOW-MOOB.
Rua da Senialla nova n. 12.
Neste estabelecimento contina a ha ver
am completo sortimento de moendas e meia
moendas para engenbo, machinas de vapor
e tachas de ferro batido e ooado, de todos o
tamanbos para ditos.
Arados americanos e machinas para
lavar roupa: em casa de S. P. Johnston C,
rua da Senzalla Nova n. 42.
Vende-se ou d-se sociedade, entrand i com
dinheiro, n^iiina taberna, a qual est em bom lu-
gar : quem interessar, falle no armazem Conser-
vador, ne largo do Terco n. 23.
Vaccis.
Na Piranpa, sitio defronte.du sitio do Sr. Millct,
vendem-se 4 vareas boas leiiciras com crias.
Vndese a taberna do largo do Terco n. 24
com os gneros ou sem ellos o das melhores npsto
lugar: a tratar no Conservativo largo do Terco
n. 23.

Farlnha de mandioca
de Santa Camarina, e da mais nova que ha, em
muitos bons saceos e a preco enmmodo : no ar-
mazem do Annes defronte da alfandega.
- V


<^
Plarl e periHaeo Hegnad feira 13 le Mato le f 4.
Hoa da Senzalla IVova u. 42.
Neste estabelecimento vendem-se: tachas de
ferro coado libra a J10 rs., idemeLo*
Moorl>ra a 120 rs.
Esquina daj
roa do
Sebn. 12;
BRUJANTE AURORA
IOVO E
GRANDE ARMAZEM DE MOLHADOS.
Francisco Jos Fernar>dcs Pires tero a honra de participar ao respeita\el publico
que boje abri um novo e.-iab.-leeinii>nto d moldados denominado Br Hitante Aurora, ao
Jai o da Sania Cruz n. 12 esquina da na do Sebo n. II
O proprieano deste nvo stUabelecimento pede a todos os seus amigos e freguezes e
ao L.nuvulo publico de>ta cidade e do Interior, a sua protcr<;ao para este aciado estabele-
cimento. cortes de que ero lem.o algum abusar dacontiaocaque at hoje llies tem de-
positado.
No novo armaren! cncontrar-se-hasemprc um grande sortimento dos melliorcsgeneros
que ven ao nosso mercado e por precos os mais mdicos possiveis, certode que em parte
gama se vender mais barato e melhores gneros tanto em porcao como a rctalbp, do
que no armazem da rilhante Aurora.
A satisfacao da ilrilhante Aurora vondirmilito e milito barato, mais a dinheiro ;
a tabella do prego de scus gneros serao mudados todas as semanas :
Os l'ass
OS MAIS AGGRMNTI8

ir urna portilla/ fitirawt
I 1!
ESCRFULAS,
O ERUPCOES ESCROFULOSAS,
Vperas de loda a esjM'cie.
SYPHIUS. OU MAL VENREO.
RIM
Ameixas francezas novas ero latas a 15400,1
2e3S500rs.
Ditas era caixinhas muito enfritadas com
bonitas estampas a 1*400, I 600 e .
Chocolata franeez, hespanhol, suisso c por-
tuguez a i2nll c 15 a libra.
Mariin'lada imperial dos melhores consr-
venos de Lisboa a libra 600 e 640 rs.
Latas cum diversas frurtas em calda a 500 rs.
Ditas cora ervillias a 700 rs.
Dilas rom massa de tomate a C00 rs. a libra.
Ditas rom Ijos ermeticameote fechadas a
1GOO c U800.
Dilas com pene de posta ensopado a 1.
Ditas com ostras para frigideiras a 720 rs.
Ditas com linraieas fininhas viudas neste
vapor a 6ii>0.
Dilas conisardinliasdoXantesa3G0e 600rs.
Hilas com bolachinha de soda nova a 23.
Ditas enm biscoutos inglezes varios ttulos
a 13400 rs.
Frascos com mustarda prepprada a 400 rs.
Ditos mmd a verdadeira genebra de laranja
a 1320.
Cha de militas qnalidades.
Cha perola a 33 c 33200.
Dito uxim muito superior a 33-
Dito miiidinho a 23500 e 23800.
Dito hysson miudinho a 33-
Dito mais graudo a 23800.
Dito redondo muito boma25, 23500 e 23800
Dito preto em massos envolto a 13600 e 23.
Espe mcete fino o niasso a 540, 600 e 640.
Velas de carnauba arroba 103 e libra 360.
Dita de composicao arroba 9o00e Iibra320.
Charutos nao ha quem tenha melhor sorti-
mento em canas de 100 e 50 todos dos
melhores fumos de S. Flix de 25 a 83
a caixa de rem.
Caf do itiu arroba 85500 e 93 e libra a
320 e 280 rs.
Arroz de Java arroba 35200 e libra a 100
e 120 rs.
Ditodo Maranhao arroba 25500 e libra a
80 e 100 rs.
Grao de bico a libra 160 rs.
Ervilhas secas muito. novas a libra 200 rs.
ss: arrisas "",s- SSffiSr 'L
Ditos com apitonas e erras a 15
Capachos pa'ra [tortas pintados de varias co
ros a 600. 700 e 800 rs.
Manteiga inglesa flor a 800, 900 e 15.
<& Dita segunda sortea GiO e 720 rs.
5tS' Dita terceira sorle. a 400 rs.
S") Dita franeeza nova de 64 a libra 600 e 640.
fJft Dita dita de 63 a 540 e 560 rs.
&$ Dita ingleza em barril a 600, 720 e 800 rs.
J^ Dita franceza em barr*6 melosa 530e540.
Jk H iiilia de porco refinada propria para ba-
%>i nli.i de cabello a 440 e em barril a 400 rs.
b Vinho* Unos h o melhor a
desejar.
\ iiiho r]o Porto em caixa dos melhores au-
lorcs a 12,3.143 e 16.
cijo Dito ero pi| a a caada 55500, C
9?? garrafa a 720, 800 c 15
3P Dito xern muito fino a 13280 a
53K Kilo Madeira a 13400 a garrafa.
craS Dito da Figueira puro a 43500 a
Sevada arroba 25500 e libra 100 rs.
Sevadinha e sag novo a libra 240 rs,
Passas novas caixinhas de 16 e 8 libras a
25500 e 155i 0 e libra a 360 rs.
Doce da casca da gaioba caixoes grandes a
15200 e 640 rs.
Saceos com gomma, arroba 55500 muilo
boa e libra 180 e 200 rs.
Dita de ararula verdadeira arroba 85 e li-
bra 400 o 480 rs.
Alelria e macarrao a libra a 400 rs.
Kstrelinha muito nova a libra 480 rs.
Presunto novo de laruego para pauella a
560 rs. inteiro e libra 040 r*.
Chourcas e paios novos a libra 800 rs.
Cerveja branca e preta a duzia a 55500 e 63
Vinagre de Lisboa puro a 15600 a caada e
240 rs. a garrafa.
I e 75 e Carlas rom teto da China a 220 c 240 rs.
'Toucinho de Lisboa arroba 8-5800 e libra
garrafa. 28ft "
Dito de Santos muito novo igual ao de Lis-
COMMEBCML
RA 1IO O! E:III \HO HT. 45*
Pausando o becco da Congregado segunda casa.
mi
NOVIDADE.
Pereira Rocha & C. acabnm de abrir na ra do Queimado n. 45 um armazem de molhados denominado Clarim Commercial
de o respeitavel publico encontrar aempre um completo sortimento dos melhores gneros que vem ao nosso mercado os auaes
aaro vendidos por precos muito resumidos como o respeitavel publico ver pela tabella abaixo mencionada ; garante-se o'bom
e boa qiwfdade dos gneros comprados neste armazem.
Arroz do Maranhao, da India e Java a 60, 80 Chouricas c paios muito novos a 800 rs.
e 100 rs. a libra e 11800 a35(108 e 3> libra.
peso
a arroba. Cevadinha de Franca meito superior a 220
*meixas francezas em latas e em frascos a' rs. a libra.
10200 e 16000 em luscos grandes a Cevada a 80 rs. a libra.
25500. Ervilhas portuguezas a 640 rs. a lata.
Wem em caixinhas elegantemente enfeitadas dem seccas muito novas a 200 rs. a libra.
com ricas estampas no interior das caixas Figos de comadre e do Douro em caixinhas
a 12^000,1,5400, i600 e 20. i de oito libras e canastrinhas de 1 arroba a
Amendtras com casca muito novas a 280 rs.! 15800, 5*500 e 280 rs. a libra.
a libra. Farinha do Maranhao a 160 rs. a libra.
Alpista a 160 rs. a libra e a 40600 a arroba. Farinha de trigo a 120 rs. a libra.
Azeite doce franeez muito fino em garrafas Genebra de'Hollanda verdadeira marca VD
a Palitos do gaz a 20200 rs. a grosa.
i Passas muito novas a 480 rs. a libra.
GHAGAS ANTIGS,
Rheumatsmo Chrorio,
DEtJLUiADE (ERAL,
Nervoskliitlc, BeutlgfaM,
FMI MR, MHO,
SPPRESSAO DAS REGRAS, ou
AMENORRHEA,

r>
4fc

caada e
garrafa X 640, .r.;fiO p 500 r*.
Dito de Lisboa a 35900 o 35500 a caada e
garrafa i 400 c 480 rs.
Dito bramo puro de uva a 640 rs.
Dito in lis Inixn a 480 e S 0 rs.
Dito B>ideanx branco e tinto a 75 e 85 a
c;uxa e garrafa a 640, 8 0 e 15.
Dito iiiuscatel a 95 a duzia e 15 a parrafa.
Dito de. caji'i clarilicado a 15 a garrafa.
c vc-rdadeiro a garrafa 1-5 e I-V2ko.
Licores finos cm garrafas braucas a 15 e
15280 rs.
A/rit refinado a parrafa a 15-
Capils de valias finetas do iiaiz a parrafa
500 re.
Garrafoes enm 25 nrrafas de genebra de
_ hollauda 85300.
Coi 35500. 45500 e 55500.
Ditos i: cores a 05500 e 7
Assim como muims outrns nhjectos que deixa-se de mencionar, mais tudo
meira qualidade por procos baratissimos.
boa arroba 75 e libra 240 rs.
Figos de comadrea libra 280 rs.
Queijis do reino muito novos a 35200.
Bolachioa inplezanova a barrii|uinha 35-
Tijolos de limpar faoas a ICO rs.
Massos com palitos para denles a 160 rs,
Grozas com palitos do ga.z a 25200 e 200rs.
ad.uzia de caixinhas.
Latas com praxa duzia 15 e 100 rs. a lata.
! Boifics com dita 97 a 280 rs.
Vassouras do Porto de. piassva grossa a
'.00 rs.
. Molhos com sclmlas novas a 15.
Saceos "landos oom farinha- nova a 55-
Ditos com farello de Lisboa a 30800.
j Coniinho-, crva doce, pimenta e folhas de
Ion roa libra 400 rs.
i Balains para costuras de meninas para di-
versos procos. ,
I Caixoes vastos para plantacoes de muita
qualidade.
de pri-
RHencao las trinas,
. KMACIA(/O,
Oh e.hiiiirit/i-ccinte/ito fferaldo cor>o,2>ro>-e-
f i' ule do fgla INFLAMMACOES CHEONICAS,
Affecces Chronicas do Figado,
AxIM COMO TODAS AS MAIS SIMH.IIANTRS HO-
I.KMIAS. rUI.VCII'Al.MKNII-: QVAKDO SAO
eAlSADAs, OO I KODt'ZIUAS 1T.I.O MI l
LlVIUi USO DO Mecluio OU
(L I.MNO,
\--hu (-omii. iiiinlitni pelo frcquaiilr ui>* Am \It-
?*K>'ICO f uillf'nv lrrpnrn^'ej. .lliiifrupsi
Todas estas Enfcrtaidades prompta e efDca'
mente cedeA benfica, poderosa e
purificantes qualidades da mui
justamente afamada
SlliSlPIMIUH flli IMOL
venda as boticas de Caors 4 Barboza,
roa da Cruz, e Joo da C. Bravo & C, ra
da Madre de Dos.



i
m
VSr
m
mw^^.wmm
NO
AHnAZEJI
DE
fc^^%\^
X.ETREXRO VE.
*4S
i
^ rentes, para o que tem um dos melhores professores, assim como tambem tem um
m grande e variado sortimento de fazendas de todas as qualidades, para senhoras.
Neste estabelecimento ha semprc um sortimento completo de roupa feita de
todas as qualidades, tambem se manda fazer por medida, vontade dos concor-
i/#{ homens e meninos.
Casacas de panno preto, 35(5 e
'M
pf Sobrecasacas idem, 305 e
IOO0O
7(JOO0
3^300
3|.')00
3^000
4,5000
303000
25(5000
i Paletos idem e de cores, 5<5,
S 205, 155 e.....
>3 Ditos de casemira, 2fi, 1W.
?^ 125, 105 e...... 75000
* Ditos de alpaca. 55, 4# e .
M Ditos ditos pretos. 5T 75.
:j 55. 45 e ... .
9 Ditos de hrim e ganga de c-
Q res, 45500, 44. 3550 e. .
S Ditos branco de linho, 65, 55 e
* Ditos de merino preto de cor-
M do, 105, 75 e..... 55000
S Calcas de casemira preta, 125,
105, 85 e......75000
Ditas de cores, 95, 85 e. .
Ditas de meia casemira de co-
res, 55000 e.....
R Ditas de princeza e merino pre-
to de cofdao, 45500 e. ,
ffi Ditas de brim branco e de c-
>^ res, 55, 45500, 45 e .
>i Ditas de ganga de cores, 35 e
^ Colletes de velludo preto e de
S cores, 05 e......
2Wj Ditos de casemira preta, 55 e
:'4. Ditos de ditas de cores 55
m 43 e........
m
Ditos de setim preto. 550OOJ
Ditos de ditos e seda branco,
e.......55000]
Ditos de gorgur3o de seda
pretos e de cores, 65, 55 e 45000]
Colletes de fusto e brim bran-
co, 35500, 35 e 25500
Seroulas de' brim de linho,
25400 e......250OO
Ditas de algodo, 15600 e. 15400
Camisas de peitos de linho,
45, 35 e......25500
Ditas de madapolao, 25500,
25 e........ 15600
I Chapeos de massa, pretos fran-
cezes, 105, 95 e. 83500
75OOO Ditos de fltro, 55, 45,35500 e 25000
1 Ditos de sol, de seda, 125,
45000; 115, 75 e......65000
: Collarinhos de linho fino, ulti-
45000, ma moda........ 640
j Sortimento completo de grava-
25500 tas. 5
25500 Toalhas para rosto, duzia, 115,
i e........65000
75000 Chapeos deso, dealpaca, pre-
450OO tose de cores.....45000
Lences de bramante de linho. 35000 |
35500 Cuberas de chita chineza.. .
s
RIVAL SEM SEGUNDO
Ruar do Queimado ns. 49 e 55, loja de miudezas
de Jos de Azevedo Maia e Silva, est continuando
no seu progresso de vender baratissimo :
Caixas de superiores obreias de cola e massa a
40 rs.
Cordao branco para vestido e espartilho, vara 20
ris.
Linhas de carretel (150 jardas) de superior quali-
dade a GO rs.
Cartoes de linha Pedro V (200 jardas) j muito
conhecida a 40 rs.
Grozas de peonas de ac de multas qualidades <
superiores a 500 rs.
Caivetes de duas folhas porm finos a 500 rs.
Caixas com calungas muito bonitas para rap a
100 rs.
Franja branca e de cores para toalhas a 160.
Pares de botoes para punbo muito bonitos a 120.
Caixas com soldados de chumbo muito bonitos a
120 rs.
Tinteiros de vidro com superior tinta a 160.
Ditos de barro rom superior tinta a 100 rs.
Croza de botoes de louca pratiados, o melhor, a
! 160 rs.
Tesouras para costura, o mais superior, a 400 rs.
Ditas para unhas muito tinas a 400 rs.
; Escovas para limpar denles muito superiores a
200 rs.
Libras de 15a de todas as cores (pesada) a 7/J.
Caixas de phosphoros de segnranca a 160.
Ditas de papel amizade pautado e liso a bOO rs.
I Ditas com 100 anvelopes muito superiores a 800
ris.
Cadernos de papel branco e de cores, pequeo, a
20 ris.
Cartas e taboadas para meninos a 80 rs.
Caixas com superiores Iscas de acender charutos
; a 40 rs.
. Carreteis 'de linha Alexandrc (200 jardas) de cores
a SOrs.
1 Raralhos para vollarete muito Gnos a 240.
; Cartas de allihetes franeezes muito finos a 4t) rs.
Meadas de linha f xa para bordar a 20 rs.
Pares de sapatos de tranca multo superiores a
15600.
i Papis de agnlha com um pequeo toqoe a 10 rs.
: Groza de botoes de madreperola muito Unos a
560 rs.
Cartoes e caixas de clcheles franeezes superiores
I a 40 rs.
Bonets para meninos muito Onos a 15500 e 25-
Macos de grampos superiores e limpos a 30 rs.
Groza de phosphoros do gaz muito novos a 2JJ200.
Arria preta muito superior a 100 rs.
Caixas de rap com espelho a WO rs.
Realejos para entreter meninos a 80 rs.
Pecas de fita de linho muito boas a 40 rs.
I Pentes de laco muito bonitos a i&.
Enfciles de laco de todas as cores a 1JB00.
< Rodas com alfincles franeezes a 20 rs.
Caixas com quatro papis de agulbas imperiaes
240 rs.
Sabonetes de familia a 80, 160 e 320.
i Caivetes de duas folhas muito finos a 320.
i Pares de sapatos de laa para meninos a 400 rs.
i Sapatos de tranca para senbora e para homem. os
melhores que tem vindo, e por prec^ muito barato:
, quem quizer ver, venha roa do Queimado ns.
: 49 e bo, e ver tudo como bom e barato.
m&Kmmmmim:mmjm:mmmm] A^jTIbw^A
ASF11S\MES
Esta reservada urna pwbincha do eticllentes
charutos de um dos nn-lhores fabricantes da n;i.
Iiia, cuja; se vendem muito baratos (or'tereiii uin
pequei 1 1 r de fnro algamas caixas na ra
de Dos n, 18. detronte do largo da .\i-
: ya.
Salitre refinado, superior qualidade, vinho Bor-
deaux, differentes qualidades, mais barato que em
qualquer parte : no armazem de E. A. Burle &
peto C, ra da Cruz n. 48.________________________
ar- machinas Inglesas
GAZ GAZ GAZ
por preco rednzido.
Vendc-se gaz da melhor qnalid.de
pre o de 10;> por lata de 5 galdes : no
mazem do Caes do Ramos n. 18 e ra do para descarocar algodio as melhores que
Trapiche Novo n. 8. iem vindo a este mercado : ra da Senzala
Novan.-42, em casa de S. P. Johnston
AC, _____
C.rand:
CHEGADO PELO VAPOR.
S para o vigilante,
sortimento de (velas pretas e coi
Tentl 'aamiacao e pertonces da taberna
"!. Solwtade, na de loae l-Vnianiles Vici;a n. G4.
,1a e em boa localidade. ,,ran"'; sortimento e (veas pretas e com pe- Oiinina Ar\ QotiflA
-------- dr;n!ir,s ,L- omito lindo gusto asJim como fitas pa- UUC1J0S dO- OerlUO
n i;ua- ra sintos prclas e de coras para as mesmas flve-' Dcr.dem-se queijos do Serld mnito frescaes a
1 qu 1 ven!> ,eto barato pceo de 1*500 e 21: 800 rs. a libra : no largo do Carmo, esnuina da
sno vigilsnt ra do Crespo n. 7. I ra de Heras D 2
Vende-*fl um rabrioiel americano com
tro rodas e doas auentos : na ra do Arago nu
37.
grandes a 960 rs. a garrafa,
dem de Lisboa a 640 rs. a garrafa.
Araruta verdadeira de matarana a 320 rs. a
libra.
Avelas muito grandes e novas a 180 rs. a
libra.
Biscoutos inglezes de diversas marcas a
15300 ris.
Peras seccas muito novas a 600 rs. a libra.
Painro a 200 rs. a libra.
Polvo secco muito novo_a 400 rs. a libra.
Presuntos de Lamego em calda de azeite e
muito novo a 640rs.
Queijos flamengos do ultimo vapor a 35100
dem prato.
Sal refinado em frascas de vidro a 600 rs.
cada um.
Sardinhas de Nantes a 360 rs.
Sag muito alvo e novo a 260 rs. a libra.
Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
I a 560 rs. o frasco e 65200 a frasqueira.
dem em garrames de 3 e 5 galoes a 55500 Tijolos de limpar facas a 140 rs.
e 75500 cada um com o garrafio. Vellas de carnauba pura a 360 rs. a libra.
Graixa a 100 rs. a lata e 15100 rs. a duzia. dem stearinas muilo superiores a 600 rs. a
Licores muito finos a 700 rs. a garrafa. libra.
i dem, qualidade especial e garrafas muito Figos em caixinhas ermeticamente lacradas
grandes, a 15800 rs. a garrafa. a 1600.
dem garrafas mais pequeas a 800 rs. | Vinho do Porto engarrafado o melhor que
Bolwhinhas de soda, latas grandes, a 25 rs. \ dem, garrafa forma" de pera e rolha de vi-
a.lata. dro, a 15000 rs., s a garrafa vale o di-
Ditas inglezas muito novas a 35000 a barri- nheiro.
quinha e a 200 rs. a libra. Manteiga ingleza perfeitamente flor, desem-
Banha de porcor efinada a 440 rs. a libra e
eembarrila 410 rs.
Cha hysson, huchine perola a 1^600, ,
25500, 25800 e 35000 a libra,
dem preto muito superior a 25000 a libra.
barcada de pouco a 060 rs. a libra, c da
de segunda qualidade a 800 rs.
dem franceza.muito nova a 640 rs. a libra.
dem de tempero a 400 rs.
Massa de tomates cm barril a 480 rs. a libra.
Cerveja preta e branca, das melhores marcas dem em lata a 640 rs.
que vem ao mercado, a 500 rs. a garrafa Marmelada imperial dos melhores conservei-
e 55800 a duzia.
Cognac inglez fino a 900 rs. a garrafa.
Conservas a 720 rs. o frasco,
dem, s de pepino, a 720 rs.
dem, s de azeitonas, a 750 rs.
Charutos dos melhores fabricantes da Babia
e especialmente da fabrica imperial de
ros de Lisboa a 000 rs. a lata.
Marrasquinho de Zara, frascos grandes, a
800 rs.
dem regular a 500 rs.
Massas finas para sopa : cstrellinha, pevide,
rodinhas e letrianhas a 600 rs. a libra e a
i-s a caixinha com 12 libras.
Candido Ferrcira Jorge da Costa, a 15800, Nozes muito novas a 160 rs. a libra.
25000, 25200, 25500, 25800, 350OO e! Peixe em latas preparado pela primeira arte
35500 a caixa. de cozinha a 15 rs. a lata.
Caf do Rio muito superior a 280 e 320 Palitos de denles a 160 rs. o masso.
rs. a libra e 85500 e 85800 rs. a arroba, j Palitos de dentes a 120 rs.
dem londrino chegado no ultimo vapor a dem de flor a 200 rs.
900 rs. a libra. Amendoas confeitadns a 900 rs. a libra.
Carines de bolinlms franeezes muito novos e Doce de goiaba em '.alas o melhor possivel a
muilo bem enfeilados a 700 e OOOJrs. j 2;> c em caixo a 610 rs.
ha neste genero e de varias marcas, como
sejam : Velho de 1815, Duque do Porto,
Madeira, D. Pedro, D. Luiz I, Maria Pia,
Bocage, Chamisso e outros a 800, 900 e
15000 a garrafa, e em caixa com urna du-
zia a 95000 e105000.
dem em pipa, Porto, Lisboa e Figueira a
480, 500 e 560 rs. a garrafa e35, 35500
e 45 a caada,
dem branco de Lisboa muito fino a 500 rs.
a garrafa,
dem de Bordeaux, Medoc e S. Julien a 700
e 800 rs. a garrafa, e 75000 e 75500 rs.
a duzia.
dem Morgaux eChateauluminide 1854, a 15
a garrafa,
dem moscatel a 800 rs. a garrafa.
Vinagre de Lisboa a 200 rs, a garrafa e
I :>200 rs. a cariada.
Kirsk garrafas muito grandes a 15800 rs.
Alm dos gneros cima mencionados te-
mos grande porg5o de outros que deixamos
de mencionar, e que tudo ser vendido por
pecas e carnadas, tanto em porcoes como
retalho.
Quem comprar de 1005000 para cima te-
r o abale de 5 por cento.
UTA 1IACA1IEIA 1IO RECIFE X. 53.
NOVO E
GRA1TDE EMASBM DE MOLHADOS
RA 1)1 CADEXA llO KJECflFK Y. 53.
Francisco Fernandes Dnarte acaba de abrir na ra da Cadeia do Recifen. 53, um grande e sorlido armazem de molhados de-
nominado Unido Mercantil. Neste grande armazem encontrar sempre o respeitavel publico um completo sortimento dos melhore
gneros que vem ao mercado, tamo esirangeiros, como nacionaes, os quaes sero vendidos em porcoes ou a retalho por precos asst
commodos.
Manteiga ingleza especialmente escnlhida
de primeira qualidade a 800 rs. a libra,
em barril se faz abalimento.
Manteiga franceza a mais superior do mer-
Vinagre de Lisboa a 200 rs. a garrafa e
15200 a caada.
Azeite doce refinado em garrafas brancas a
800 rs.
cado a 560~rs. a libra, e 520 rs. em barril Azeite doce de Lisboa a 640 rs. a garrafa e
ou meto. 1 45800 a caada.
Prezuntos inglezes para fiambre, de superior Geneora de Hollanda a 500 rs. o frasco e
qualidade^ chegados nesle ultimo vapor, a 55800 a frasqueira.
720 rs. a libra. Caixinhas com ameixas francezas, ornadas
com ricas estampas na caixa exterior,
muitopropriasparamimo.a 1520", 15500
e25.
j Frasco de vidro com tampa do mesmo, con-
tendo meia libra de ameixas francezas, a
15200.
Marmelada
Sardinhas de Nantes a 340 rs. o quarlo e 560
rs. meia lata.
Lalas com peixe em posta: savel, corvina,
vezugo, cherne, linguado, lagost'mha, a
15300 rs.
Salmo em latas, preparado pela nova arte
de cozinha, a 800 rs.
Maca de tomates em latas de 1 libra a 600
ris.
Chourifas e paios em lalas de 8 e meia libra
por 75-
Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra a
85600 a arroba.
Bolaxinha ingleza a 320 rs a libra e 45 a
barrica.
muito novo a 240 rs. a libra.
imperial, dos melhores conser-'?*",.
meia a Cevadinha d Franca*a 200 rs. a libra.
Farinha do Maranhao a 120 rs. a libia.
1 e
veiros de Lisboa, em latas de
2 libras a 600 rs a libra.
Fruclas em calda das melhores qualidades Araruta verdadeira a 320 rs. a libra.
que ha em Portugal era latas hermtica- cfada a H rs- a ,'bLra e T arroba-
menie lacradas a 500 rs. AIPlsla a 160 rs. a libra e 45800 a arroba-
Peras seccas muito novas a 640 rs. a libra. IBalalas mui, DOvas em 8'80s Com 40 libra
por 15500.
Cebollas a 15 o molbo com mais de 100 o-
Queijos llamengos chegados neste ultimo
vapor a 25800.
Queijo prato muito fresco e novo a 640 rs.
a libra.
Castanhas muito novas a 120 rs. a libra e
e 35000 a arroba.
Cha uxin o melhor que ha neste genero,
mandado vir de conta propria a 25800
rs. a libra.
Cha hyson muito superior a 25560 rs. a li-
bra ; cha hyson proprio para negocio a
15500 rs. a libra.
Cha preto muito superior a 25 a libra.
Biscoutos inglezes em latas com differenles, Nozes rautl) novas a m ,bra
qualidades, como sejam craknel, victoria, Ame[ldoas de j^ molle a 400 rs. a libra,
ptquelez, soda, captam seed, bornez e Avelaas muito novas
outros muitas marcas a.15'150.
Boiachinha de soda em latas grandes a 25.
Figos em caixinhas hermticamente lacra-
das, muito proprias para mimo a 15500.
Caixinhas de 4 e 8 libras de figos de coma-
dre a 15 e 25 cada urna.
Passas muito novas, chegadas neste ltimo
vapor a 500 rs. a libra e 35 um quarto;
e em caixa se faz abalimento.
Ameixas francezas em latas de meia a 3 li-
bras a 800 rs.
Champagne da marca mais superior que
tem vindo ao nosso mercado a 185 o gigo, SS^vL-Ka! JSCn
garante-se a superior qualidade. i Chocolate he panhol a 15200 a libra
Vinho Bordeaux das melhores qualidades Genebra de laranja em frascos grandes a 1?. Macarrao, talharim e alelria a 480 rs. a
que se pode esejar de 75500 a 85000 a Cerveja branca e preta das melhores marcas Dra ; em caixa se faz abalimento.
caixa e 720 a 800 rs. a garrafa. Q,ie na n0 mercado a 500 rs. a garrafa e Eslrellinha,pevide earroz demassa para sopa
a
a 200 rs. a libra.
Amendoas confeitadas da diversas cores al
800 rs. a libra. I
Maclas e peras chegadas nesle ultimo vapor,
muito perfeitas, s vista se faz o preco.!
Conservas inglezas em frascos grandes a 750
rs. cada um.
da um.
Caf lavado de primeira qualidade a 300 rs.
a libra e 95 a arroba.
Caf do Cear muito superior a 280 rs. a li-
bra e 85400 a arroba.
Caf do Rio, proprio para negocio, a 85.
Arroz do Maranhao a 100 rs. a libra e 258OO
Ervilhas francezas e portuguezas era latas de; ^d^Java a 80 rs. a libra e 2400 a
1 libra a 640 rs.
Ervilhas seccas muito novas a 160 rs. a Ve|,,, de spermaceti
arroba.
a 560 rs. a libra e
540 rs. s for em caixa.
1, o que ha de melhor neste Ve||aJ de carD3uba refiliada a 320 rs. o ma-
soe a 95 a arroba.
Doce de goiaba a 640 rs. o caixao.
li
Caixas com vinho do Porto superior de 95
5*800 a duzia.
a 5O0 rs. a libra e 35 a caixa com 6 libras.
a 103 a duzia, e 900 a 15 a garrafa; deste Cognac inglez de superior qualidade a 800 pa|tos de dente lixados com flora 200 rs.
genero ha grande porcaoe de differentes' e 15200 a garrafa. o masso, ditos lixados sem flor a 160 rs.
marcas acreditadas que j se venderam Licores franeezes das seguintes qualidades:' o masso com 20 massinhos.
por 145 e 155 a caixa, como sejam: Duque Anizele de Bordeaux, Praisir des Dames Gomma de engommar muito fina a 80rs. a.
do Porto, Lagrimas do Douro, D. Luiz,; e de outras militas marcas a 15 a garrafa libra.
e 105 a caixa. Banha de porco refinada a 480 rs. a libra
Marrasquino de Zara a 800 rs. a garrafa e! 400 rs. em barril pequeo.
95 a duzia. Charutos dos melhores fabricantes de S. Fe-
Mostarda ingleza em potes j preparada a lix, em caixas inteiras 00 em meins, de
400 rs." 15600, 25 e 35.
Nec-
Camoes, Madeira secco, Carcavellos,
tr de 1833, Duque Genuino.
Vinho de pipa: Porto, Figueira e Lisboa, a
400,480 e 500 rs. a garrafa, e 35, 35200
e 35500 a caada.
Vinho branco de superior qualidade, vindo Mostarda ingleza em p, em frascos grandes, Presuntos do reino, vindos de conta propria
de caja particular, a 400 rs. a libra"; intei-
ro se faz abalimento.
j engarrafado a 610 rs. agarrafa e a 5001 a 15 cada um.
rs. de barril.
Sa! refinado a 500 rs. o pote.
-N
^\&
Osseithoifc que compraren) de 100,5000 para cima, tero o descont de 5 por cento, pelo prompto pagamento.
.*--*
>
HH


<"
Rlarl de *emmbut Segunda Iclr ta d Maft d- iS..
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
PAQUETE* A VAPOR
Dos porlos do sul espera-
do al o da 30 do cerrentc o va-
OuaHirk, comm.irulante i
LEILAO
Terca-fcira 24 de malo s 11 horas,
ruad Cadeia n. 53
primeiro lenle Antenio Mareo
,_. lino Poales Ribeiro, o fina? depois
da demora do cosluine seguir para os portos do
norte.
Desde j reccbem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no dia de roa chegada, encommen-
das e dinhero a frete al o dia da sahida as ho-
ras : agencia, ra da Cruz n. 1, escriptorio de An-
tonio Luiz de Oliveira Azevedo C
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Ha-ega?o costelra a vapor.
Macei e escalas.
No dia 25, segu o vapor Ma-
tnanguape, commandnnte Moura,
s 5 horas da tarde. Recebe car-
ga at o dia 24; encommendas,
liassagciros e dinheiro a frete
al o diada sabida s 3 horas da larde : escripto-
rio no Forte do Mallos nmero 1.
Para a Buhia
pretende seguir com muila brevidade a escuna na-
cional Carila, tem parle de seo carregamcnto
prompto : para o resto que Ihe falta, tratase com
os seus signatarios Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo & C, no seu escriptorio ra da Cruz nu-
mero I
DE
Lma mobilia dej.icar nil contra de
awarcllo n*va. j
Pelo agente Euzebio se vender en leilao duas j
mobilias urna de amarello e outra de Jacaranda |
ambas novas e de gosto, guarda roupa, mesas, ca-
mas, capachos, oleados para mesa etc. (
DE
lima casa lenca na ra do Alecrioi
uuiero 65.
Terfa-felra 2 i de Malo ao
mel dia.
O agente Olimpio por ordem de urna pessoa que
se retira para fra da provincia vender em leilo
a casa terrea poueo lempo acabada sita na roa
do Alecrim n. 65, em chaos foreiros cmara de
Olinda, a qual paga de foro 500 rs. por anuo. Os
preteodentcs desde j poderio examinar a referida
e para qualquer informacao poderlo entender-se
com o referido agente no primeiro andar da ra
da Cadeia n. 48, aonde ser cfTectundo o leilao.
IUMIK F4B1MC4
DE
CHAPEOS DE SOL <
De J. Falque.
I 4-RIJA DO CRESPO-4
Esta fabrica, a mais amiga e acreditada d'esta capital, acha-se de novo montada com um
variado sortimendo de chapos de sol inglezes e franceses, assim como de todo quanio diz respeito
sua profisso, como seja superiores sedas, alpacas e panno de todas as cores e qualidades, ar-
macoes e mais prearos para apromptar chapeos de sol vontade dos freguezes que se dignaren) da
honrar este estabelecimento.
Cobre-se e concerta-se toda e qnalquer qualidade d'estes artigos com a maior perfeicao e pres-
teza, e tudo por precos muito rasoaveis.
Bonito sortimento de bengalas precos cemmodo9.
4 Hn do crespo -. _
=3
Eio de Janeiro.
O novo velciro patacho Pohjrena, capitn Ci-
priano Antonio de Quadros, segu com brevida-
de ; recebe carga a frete e escravos, para os traaos
tem cxcellentes eommodos : trata-so com Miguel
Jos Al ves, ra da Croz n. 19.____________________
Aracaty
O hiate Santa Bita segu nestes das : a tratar
com o Sr. Quintal, no trapiche do algodao,________
Para o Eio de Janeiro
O patacho naeional Capuun segu impreterivet-
mente no dia 22 de corrate, so recebe algumn
carga miuda e escravos a frete, para os quaes lem
excedentes eommodos : trata-se com os seus con-
signatarios Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C,
no seu escriptorio ra da Cruz n. 1.
Para.
Vai seguir em pone** dias o patacho Thereza,
capito Joo Correia Lima, tem o carregameuto
quasi completo, para o pouco que Ihes falta trata-se
com os consignatarios Palmeira & Beltro, largo
do Corpo Santo n. 4, primeiro andar._____________
Vende-se o patacho brasileiro Thereza, de
lote de 175 toneladas, prompto a navegar jiara
qualquer parte : os pretendentes podem-se dirigir
a bordo para o examinar, que se arha fundeado
cm frente do trapiche do Exm. Baro do Livra-
mento. e para tratar, com os consignatarios Pal-
meira i Beltrao, largo do Corpo Santo n. 4, pri-
meiro andar.
LEILOES.
LEILAO
A 23 do corrente.
O agente Oliveira far leilao de variedade de
fazendas inglezas avanailas, recentemente impor-
tadas e de outras de differentes qualidades para
fechar certas contas, inclusive urna porcao de li-
nha prela em meadas propria para sapateiros e
seleiros, como prinreza para alf..iates :
HOJE.
s 11 horas da manhaa em ponto, no armazem do
tinado llenry Gibson, ra da Cadeia do ttecife.
JLLILAO
DE
Movis e outros artigos.
ME
Ski'.UNDA-FEIIU S 10 HORAS.
O agente Miranda far leilao por ordem de um
estrangeiro que se retira para a Europa dos oli-
OCtOS que ad'ornavan a sua casa : nina mobilia de
Jacaranda, cadeiras de bataneo, ditas de guarni-
lo, marquezas, mesas, camas, commodas, louca,
vidros, trein de cosinha etc., etc.
Em conseqneneia do leilao ser effectuado na ra
de Santo Amaro casa n.8,estar asrdeos dos que
quizerem comparecer, um omnious poslado na ra
do Crespo, as horas mencionadas._______________
JLEIliAO
DE
noai:
SkOINDA-KEIIU 23 DO COBHENTK.
O agente Pestaa legalmenle autorisado vende-
r por urna pessoa que se retira diversos escravos
de ambos os sexos e com habilidades a saber :
Joaiuia, rrioula de 20 annos, engomrnadeira, peri-
ta eosloreira, marca e faz labyrintho ludo com por-
tis) ; Mara, crioula, idade 28 anuos, engumma,
cos'inha e cose perfeilamente ; Marcelina, idade
11 annos, cose; Francisco,idade 13 annos, mula-
to; Severino, idade. 13 annos, crioulo: segunda-
feira 23 do corrente pelas 10 horas da mauliaa na
porla do armazem des Srs. Palmeira & Bcltriio.
Importante e variado leilao dos objectos
seguintes: duas mubilias de Jacaranda, ricos
espedios para sala, guardas roupa, guardas
louca, apparadores, mesas elsticas, redon-
das, compridas, cuadradas, oblongas etc., i
cadeiras de balanco, de guara ico e para me-1
nios, cabides, camas de diversas especies e!
qualidades, consolos, solas, marquezas, sen-
do ludo isso de gosto moderno e novo ; e!
tambem caixas de filas de seda, manteletes
de veludo, objectos de prata, ditos de luxo
e gosto para cima de mesa, relogios, qua-
dros, estampas, candieiros, lanternas, um
grande tapete e finalmente alm de outros!
muitos arligos.todos os ulencilios necessarios
para o fabrico de velas, e grande quanlida-'.
de de livros de medicina.
(tuara-feira s 11 horas
O agente Miranda por ordem de diversos
far leilao em seu armazem da ra da Cruz
n. 57, dos objectos cima mencionados.
A VEI HA ENCICLOPEDIA
Respeltavel estafeeleetmemto de fazeadas ra do
Crespo nnaiero 1.
DI
DE
Fazendas avariadas.
Sotrthall Mellors & C, farfw leilao por eonta e
risco de quem pertencer por nlervencaode agente
Pinto, de diferentes fazendas inglezas avariadas,
como sejam : madapoloes, algodozinhos e cam-
braias; s 10 horas do dia 25 do corrente em seu
armazem ra do Trapiche n. 38.
JOS GOMES VILLAR.
Tf xl merecMt a preteccat das
EXCELLENTISSIMAS SENHORAS,
r do publico em geral.
i ifiproprtetario nao descansa um s momento para bem servir aos seos freguezes, fa-
zendo encommendas para
Inglaterra, Franca, Suissa e Allemanlia
das meHiores fazen das para
Senhoras e para homens
|jevende-as por precos que admiram.
laiporlanle eslabelecimcnlo
N
Fazndas
Seda, lia, lluho e algodo.
de
[Rua do Crespo numero 19.
RECIFE.
Vende liaiatissimo.
InaorlaHle eslabeleeimealo
w.
Fazendas
m
Weda, la. Ilnho e algodo
ma do Crespo numero I?
RECIFE.
Vende baratissimo.
iii:iii\o
DE
Urna casa terrea.
O agente Almeida far leilao reqaerimenlo
dos administradores da massa fallida de Joaquim
Vieira Coelbo & C, e por mandado do Illm. Sr.
Dr. juiz especial do commercio, de urna casa terrea
sita na rua das Cruzes n. 6.
Qnarta-feira 23 4o corrente
emseu escriptorio rua da Cadeia do Recife n. 48,
primeiro andar, s 11 horas.
SEGUROS DE VIDA EM MUTALIDADE.
A direccao do BANCO UNIAO tendo obtido do governo de S. M. F. a atitorisacao para estabele
cer o seguro de vidas em mutualidades, faz publico que desde j toma sabscripce* uuuac uyr urna.
s vez, debaixo das seguintcs condicoes : F
Com nerda de capital e lucros;
Dito capital smenie;
Dito lucros sumente;
devendo a primetra liquidacao ter lugar na dcjaneTro de 1839.
As Vantagcns do emprego de capitaes cm inutualidade, sao obvias, iwirqne nao smente se co-
Ihe o juro de qnantias diminutas, de que avulsas se nao poderia tirar nenlmnt resultado; mas alm
disse, este reodimento augmentado pelo capital ou lucros, ou ambas as cousas, conforme as condicoes
da subsenpcao, dos que falleccm. Tamltem partido pelos socios sobreviventos tudo aquillo que os so-
cios morosos nos seus pagamentos, sao por este motivo obrigados a pagar, bem como caducidades que
Gccorrerem pela falta de cumprimento do compremisso social.
As liquidacoes sao pelo systema dascompauliias hespanholas, Tutelar e outras; e parase poder
fazer urna idea do que pode produzir urna entrada animal de I0, publica-se a seguinte tabella basea-
da sobre a experiencia de muitos annos decompauliias desta natureza :
En anuos Em 10 annos Em la annos Em 30 anuos Em 35 ana.
Por ura menino de 1 dia a 1 anuo H4 4005 9005 2:6005 4:7005
de 1 anuo a 2 . 904 :x>5 7505 1:7005 3:7005
de i t a 3 BU 3004 7205 1:K005 3:5005
de de 3 > 4 a 4 a 15 65 6* 2805 2705 7105 7005 1:5605 1:5505 3:3505
Por ama pessoa de lo . 20 > O* 1705 7 de 10 i a ao 8G 3705 7105 1.5605 9:1005
> > de 30 > a 40 > 8i; 7) 7305 75#5 1:6000 3:7005
i de 40 > a 30 905 3005 4:*5 B:flfi05
As entradas per urna s vez dao resultado* muito superiores s annuaes.
Porto, 10 de agosto de 1863.Os directores do Hanco Unio, Jos da Silva MachaAo.F. M. va
der Npoort.
Agentes em Pernambnco : Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C, rua da Cruz n. i.
mm
Acaba de chegar casa de J. Falque, um completo sortimento dos melhores albuns- para retra-
tos que se possa encontrar, e por precos eommodos, sendo para 30 100 retratos.
Assim como albuns para desenlio, escripta c msica, muito ricos e por isto muito propri os para
presentas.
4RUA DO CRESPO 4
FAZENDAS DAR ATAS
FAZENDAS BARATAS
PAR& AGABlft HA LO JA 0 3 HUTl RQ'
Ricos vestidos brancos bordados a 10 e 125.
Baldes inglezes de arcos e croch a 35, 45 e < j.
Camisinhas e manguilos muito bem enfeilados a 35.
Grande sortimehlo de laazinhas muito boas a 360 e 400 rs.
Soutembarques e capas do seda, merino e cambraia bordada.
Bramante de linho muito largo a 35.
. flrgandys e cassas francezas finas a 480 rs.
Camhraias lisas, lihide linho liso, cambraia de salpteot.
Lindos cortes de la Mara Pia du S^ a ts".
Mimosos vestidos japonezes a 145.
Variado sortimento de chales em qualidades c precos.
Musselmas brancas com pinta de cor.
Grosdenaples pretos de 15600, 15800 e 25.
Leen- de cambraia bordados a capricho a 15-
Madapolo barato a 5#NOO.
Vende-se madapolo bom e perfeito a 35800 a peca com 30 varas.
Todos estes artigos e ouiros muitos se vendem por precos que admiram na rua do Crespo
numero 1.
Defronte do arco ele Santo Antonio.
a.* n> -a :
A's onze horas do dia, porta da Asso-
caco Coinuiercil, pelo agente Al-
meid*.
Por ordem do Illm. Sr. Dr. cnsul de S. M. F.,
se proceder leilao de dous moleques, urna casa
na ponte dos Carvalhos, pertencentes ao espolio de
Joo Baptisla da Rocha.__________________________.
LEILAO
DE
%m@
O agente Almeida far leilao de cerca de 100
saceos com milho
Stgunda-frira 23 de correte
s 11 horas do dia no armazem da rua do Trapi-
che.
LEILftO
DE
Queijos lomlriii s, fugo da China, pre-
suntos para fiambre, fumo americano
ein chumbo ele e 10 barricas com
feriaba de trigo.
Ter^a-feira 94 do corrente.
Olafenie Pestaa vender por conta e risco de
quem perlencer diversos gneros, a saber : 50
queijos londrinos, 40 caixas com fogo da China, 8
caitas com 8 caixinhas cada urna de fumo ameri-
cano em chapa, 1 dita com 4 grozas de macos de
fumo americano"em chumbo, 3 caixas com lijlos
para limpar facas 161 presuntos para fiambre, 1
barril com carne salgada tudo muito novo : terca-
{eir 24 do corrente pelas 10 horas da manha no
arrtiazem do Annes defronto da alfandega ; na
aiesma oceasiao 10 barricas com tartana de tngo.
Em conlie-nneo c para liqnHaco
Tkucvfeira 24 de maio.
DE
Miudezas e perfumaras.
Thomaz Teixeira Baslos, tendo de ir Europa
tratar de sua sade fara leilao em continuacao,
para liquidacao e por intervencao do agente Pinto,
de dilTercntes miudezas e um completo sortimento
de perfumariasdosm'lhores e mais acreditados
fabricantes em seu armazemexposigao de Londres
na rua d \ Cadeia n.. 60.
Principiar s 10 hora- em poni.
AVISOS CTEBS0S.
0 cirnrgiao Leal mudou
a sua residencia da rua do
Queimado para a rua das
Cruzes sobrado n. 36, pri-
meiro andar, por cima do
armazem Progressista, aon-
de o acharad como sempre
prompto a qualquer hora pa-
ra o exercicio de sua pro-
fissao, chamado por escripta.
T
Aos 5.O00S0O0.
Sexta-feira 27 do crtenle raez se ex-
traliir a primeira parte da primeira lotera
da igreja da Capunga, no consislorio da
igreja de N. S. do Rosario da freguezia de
simi) Antonio.
Os bilhetes, meios e quintos acham-se
venda na respectiva thesouraria rua do
Crespo n. 45.
Os premios de 5:000^000 at 100000
serao pagos urna hora depois da extraccio
at s 4 horas da tarde, e os outros no dia
seguinte depois da distribuirlo das listas.
O thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
C4SA 1)4 FORTUNA
AOS 5:000,000
Bilhetes garantidos
A' rua do Crespo n. 23 e casas do eostume
O abaixo assignado tendo vendido nos seus mui
lo felizes bilhetes garantidos os tres quintos ns.
3353 com a sorte de l:004 e dous ditos ns. 487
com a sorte de 6004 e o de n. 1317 com os 3004
e outras sortes de 1004, 404 e 204, da lotera que
se acabou de extrahir a beneficio da Santa Casa,
convida aos possuidores de ditos bilhetes a virem
receber seus respectivos premios sem os descontos
das leis em seu estabelecimcnlo rua do Crespo
n. S3.
O mesmo tem exposto venda os novos e felizes
bilhetes garantidos da primeira parte da primeira
lotera de N. S. da Graca da t'apunga que se ex-
trabir sex ta-feira 27 do corrente.
Precos.
Bilhetes inteiros..... 64000
Meios......... 34000
Quintos........ 14200
Para as pessoas que comprarem
de 1004 para cima.
Bilhetes........ 54500
Meios......... 24750
Quintos........ I41OO
Maneel Martins Fiuza
O abaixo assignado apressa-s.e a rogar s autori-
dades policlaes e mais pessoas, e bem assim aos
empregados das barcas de vigias e das estacoes da
estrada de ferro, de mandarera apprehender o meu
escravo Salvador, com os signaes abaixo declara-
dos, que fazendo-me um crime fugira de meu sitio
da estrada do Arraial, no dia 20 de maio de 1864:
cabra, estatura regular, idade de 22 24 annos,
tem um braco torio da queda de um cavallo, tem
na frente fallas de denles, pagein, lera mi de
nome Maria, mulata, forra, tem tres irmos, Paci-
fico, Lucinda e Adriana, meus escravos ; foi escra-
vo do engenho d'agua de Iguarass, que foi do fi-
nado Henrique Popm Girao de suppdr que te-
nha seguido para aqueiles lugares onde foi nasci-
do, usa de um paletot sacco de estopa,-de ve ter
mudado de roupa ; protesto proceder contra quem
o ti ver azilado : quem o pegar, poder leva-lo
minha olaria n. 13, na rua do Mondego, freguezia
da Boa-Vista da cidade do Itecife, ou no dito sitio,
que pagarei o trabalho e despeza.
^Marcelino Jos Lopes.
Precisa-se de 1 o;i2:0lK\S a juros, dando-se
por garanlia um predio de muito maior valor : a
tratar na rua do Aragao n. 28.
RUA DO QUEIMADO NUMERO 11
Lnja de fazendas d* Augusto Frederic > do Santos Porto
Chapeos para senhoras.
Chegaram de Paria as mais lindas chapelinas e chapeos de palha da Italia para senhoras.
Ricas capas e soutembarques de seda preta e casemira de cor para senhoras.
Cortes de superior morentique branco para vestidos de noivas.
Camisas inglezas muito superiores para homens, peitos, punlios e colarinhos de iinbo.
Chapos de seda para cabeca e chapeos de sol de seda inglezes.
Lencos de labyiintho francozes a 14 cada um.
Cam'isas de menino muito superiores.
Corles de laa de barra para vestidos de senhoras de 134 a 184.
A mesma loja tem o maior e mais superior sortimento de
Eteiras para salas.
Neste estabelecimcnlo encontrarao os sonhores que precisarem forrar snas salas com esteiras,
tda e qnalqner quantidade que desejarem de 4, 3 e 6 palmos de largura, sendo a qualidade muito
superior e por mdico preco.
84Largo da Santa Cruz84
DE
DE
J. T-IGNES.
.V 55. RUA DO IMPERADOR -V 55.
Os pianos desla antiga fabrica sao hoje assaz conhecidos para que seja necessario insistir sobre a
sua superioridade, vantagens e garantas que offerecem aos compradores, qualidades estas incojitesta-
veis qu e .elles tem definitivamente conquistado sobre todos os que tem apparecido nesta praea ; pos-
suindo um teclado e maehinismo que obedeccm todas as vontades e caprichos das pianistas, sem
nunca 'alhar, por serem fabricados de proposito, e ter-se feito ltimamente melhoramentos importan-
tissimos para o clima deste paiz; quanto s vozes sao melodiosas e flautadas, e por isto muito agrada-
veis aos ouvidos dos apreciadores.
Fazem-se conforme as encommendas, tanto nesta fabrica como na do Sr. Blondel, de Pars, socio
correspondente de J. Vignes, em cuja capital foram sempre premiados em todas as expesicoes.
No mesmo estabelecimento se acha sempre um explendido e variado sortimento de msicas dos
melhores autores da Europa, assim como harmnicos e pianos harmnicos, sendo tudo vendide por
preces eommodos e razoaveis.
No grande armazem de mol hado
blico encontrar sempre um completo
vem ao mercado e por precos sempre
M aanteig inglcza flor a libra a 800 e
Dita segunda sorte a 640 e
Dita fraocza a 600 e .
Dita dita em barris e meios a 550 e
Toucinho de Lisboa arroba 84800
e libra a.....
Chouncas novas a libra a
Queijos do reino novos a
Cha hysson muito superior a libra
Dito dito mais abaixo a "25,24400 e
Dito perola a libra ....
Dito pretu muito lino a .
Dito mais abaixo a 14600 c .
Caf de caroco primeira qualidade
arroba 94 e libra
Dito mais abaixo arroba 84500 e
libra......
Arroz do Maranho o mellior
sivel arroba 3-5200 e libra
Dito da India arroba 24800 e
Alpista arroba 43800 c libra .
Painco arroba 54 c libra
Farinha em saceos graudes igual
a de Muribeca ....
Charutos linos caixado 100 a 24500
; denominado Aurora Brilbante, o respeitavel pu-
sortimenio dos melhores gneros alimenticios que
eommodos coniojse ve da tabella seguinte :
960
720
640
BBQ
320
720
35000
:i-5t)00
2,3'ilH)
;;3200
24500
23000
pos-
libra
4 e
Bolachinhas de soda arroba 640 c
Latas com ditas muito novas a
Ditas pequeas de varios formatos
Latas com peixe ensopado de posta
Ditas com ostras a 720 e .
Ditas, com marmelada a libra .
Ditas com ameixas francezas a
14400.24200 e .
Caixinhas de ditas com bonitas es-
tampas a 14600 e
Ditas com figos ....
Latas com fructas em calda .
300
280
120
100
160
200
6500O
44500
720
24000
15400
15200
Latas com massa de tomates nova a
libra ....... 600
Boioes com graxa 97 320
Duzia de latas de graxa a 14120
Massas para sopa a 480
Ameixas francezas libra 640
Paaaaa a...... 480
Figos de comadre novos a 320
.Vozes arrolia 43 e libra 160
Amendoas a 320 e 360
800
Azeitonas de Klvas em frascos a .
Conservas francezas e inglezas o
frasco a ......
Polvo do Porto libra a
Sag e sevadinba nova a
Vinhos esperiaes do Porto caada
54800 e garrafa
Dito muitolinoa caada 74 e garrafa
Dito da Figuaira puro a garrafa
560 e caada .....
Dito de Usboi a garrafa 480 e ca-
ada a 35200 c 34800
Cognac verdadeiro a garrafa a 15280
Serveja das verdadeiras marcas a
duzia a 64 e.....
Comma de engommar nova arroba
34800 e libra a 120 e .
Karinh.i do Maranho a libra .
Verdadeira matarana para papa
arroba 84500 e libra .
800 Saceos com farello de Lisboa .
720 34500 e......
Tijolos de limpar facas a
34800 Massos com palitos finos para den-
tes a ......
13800 Garrafas com mel de abelha novo a
14500 Dilas com diverses xaropes a
560 Ditas com genebra dclaranja a a
800
320
240
640
14000
44000
74000
160
160
480
34800
200
800
500
14200
m
muAmmm wmm,wmm&
CONSULTORIO (MIRIRGICO
DO
DR PEDRO DE ATTAHYDE LORO HOSCOSO,
MEDICO, IMllTJilHO i: OPERADOR.
3 Eua da .Gloria, cosa do Fundao 3
0 Dr. L*bo Moscoso d consultas gratuitas aos pobres lodos os dias das 7 s 1
horas da manhSa, e das 6 e meia s 8 horas da noite, excepta* dos dias santificados
Pharmacia especial, homeopathica
No mesmo consultorio ha sempre o mais appropriado sortimento de carteiras
tubos avulsos, assim como tinturas de varias dyrnnamisaces e pelos preces seguintes
Carteiras de 12 tubos grandes. ldOOO
de 24 tubos grandes. 18,5000
de 36 tubos grandes. 244000
de 48 tubos grandes. 305000
Je 60 tubos grandes. 350000
Prepara-se qualquer carteira conforme o pedido que se fizer, e com os remedios
que se pedir.
Um tubo avulso ou frasco de tfntara de meia onca 10' 00.
Sende para-cima de 12. custaro os precos estabelecdos para as carteiras.
Ha tubos mais pequeos cada um a 500 ris.
II vito*.
A mellior obra da homeopalhia, o Manual de MedicinajHomeopathico do Dr. Jahr,
dons grandes volume* ca>m diccionario............ 205000
Medicina domestica do Dr. Bering,........... 105000
Repertorio d# Dr. Mello Moraes............. 65000
Diccionario de termos de medicina ........... 35000
Os remedios deste estabelecimento sao por demais conhecidos e dispensam portan-
te de serem novamente recommendados aspessoa que quizerem usar do remedios ver-
daderos, enrgicos e duradores : ha tudo do melhor que se pode desejar, globos de ter-
dadeiro assocar de leite, notaveis pela stia boa conservadlo, tintura dos mais acreditados
estabelecimentos europeos, a mais exacta e aecurada prepararlo, e portanto a maior ener-
ga e certeza em seus effeilos.
Casa de sade para escravos.
Rccebe-se escravos para tratar de qualquer enfermidade ou fazer-se-lhe qualquer
operacao, para o que o annunciante inlga-se suficientemente habilitad.
Otrataraento o melhor possivel, tanto na parte alimentar, como na medicare
funecionando a casa a mais de quatro annos. ha umitas pessoas de cujo concetto se nao
pode dovidar, que poden ser consultados por aqueiles que desejarem mandar seus
dofntos
Paga-se 25000 por dia durante 60 dias e d'ahi em diantc 15300.
As operacOes "serao previamente ajusUtdas, se nao se qutzeiem sujeilar aos presos
razoaveis que costuma pedir o animntiante.
NO
Armazem de fazendas
DK
Custodio, Carvalho & Companliia,
99 Kl'A IIO QUEIJfMAllO 9
Pecas d panno de linho fino com 20 varas pelo baratissimo preco de 104 a peca.
Cambraia adamascada branca peca 34-
Lencinhns para meninos e meninas a 100 rs.
Lencos brancos para algibeira a 24 a duzia.
Toalhas de fustao de linho duzia 44-
Toalhas adamascadas de linho pelo barato precu de 34500 e 44 cada urna.
Laazinhas de urna s cor para roupa de meninos e seuhora.
Respondendo ao annuncio do Sr. Miguel
Ferrcira Pinto, annuncio de 17 do corrente, o
abaixo assignado nenhuma duvida podia por de en-
tregar o cavallo ao escravo Joo, de sua mai, sem
rdem, pois por outras multas vezes o mandou bus-
car, assim como cousas de maior valor, e sempre
entreguei por conhecer que o Joao Ihe mereca
toda a conQa'nca e capacidade, tanto para toda a
sua familia como para o publico, sempre o conheci
por seu fiel, e se por acaso linha desmerecido de-
via publiea-lo pelo jornal.
Jos Antonio Marques.
Na rua do Imperador n. 14 recebe-se por alu-
guel urna escrava lioa engominadeira.____________
Aula particular.
Rua Xova n. 59, tercclro andar
O abaixo assignado provisiondo pela directora
geral da instrueco publica para ensioar primeiras
letras, latim e francez, contina a leccionar as
supraditas materias, e anda admittu pensionistas
de menor idade.
A pratica de 18 annos consecutivos no exercicio
do magisterio, sua intuir dedicacao e o aproveita-
mentode seus discpulos sao garantas para aquel-
los que Ihe quizerem confuir a educaco de seus
filhos. .
Jos Mana Machado de 1-igueiredo.
A viso
Qualquer pessoa que se juigar credora do pala-
cio da Soledade (posto que esta casa julga nada
dever a pessoa alguma) aprsente seus ttulos no
praso de oito dias, a contar da dala deste. Palacio
da Soledade 21 de maio de 1864.
Caixerro
SITIO
Arrenda-se ou vende-se o sitio Moras, junto ao
palacio episcopal em Olinda, com bastantes arvo-
redos de ruclo, baixa paracapim, e cacimba com
boa agua de beber: queu pretender, dinja-se a
rua da Crur n. 150, loja de cera, que achara com
quem tratar_____________________________
Precisa-se alugar urna escrava que saiba
bem engommar e enzinhnr : a tratar na prara da
Independencia ns. 37 e 39.
Torna-se aprevenir ao Si. Paulino|
Manuel de Soma Oliveira morador no en-'
genho Caxoeira villa da freguezia de Seii-
nhaem que n5o pode vender acsciavaFran-
celina, e a todos os escrives e tabelliaes
para que nao pas&Mi escriptura da mesma.
Precisa-se de umjcaixeiro pralico em taberna :
no largo da Santa Cruz d. 12._____________________
- Aluga-se urna boa casa terrea com muitos
eommodos, no lugar do Pilar e bom sitio, por pre-
co muito rommodo, caiada o pintada de novo :
quem pretender, dirjase rua da Cruz n. 44,
primeiro andar._____________________________
Precisa-se alugar urna preta que saiba rozi-
nbar e engommar : quem a liver, dirija-se rua
do Trapiche n. 4, que achara com quem tratar.
Aluga-M um primeiro andar que sirva
para oscripiorio. d-sc preferenen as mas
do Imperador, Crespo, Queimadq, Ci u/es,
pateo do Qottegio e Rosario: quem qui/.er
alugar aiiimncie.
Na rua do Crespo, loja n. 18, existet carias pa-
ra os Srs. Dr. Elias Froderlco do Almeida e Alliu-
qiterque, Alexandre Josa Simplicio, alferes Anto-
nio Lobo Albertim de Miranda Hcoriques, l). Gui-
Ihermina Leopoldina da Silva, Catiiarina Veri-
diana d'Assumpcao e Chrislina Maria da Con-
eeicio.
ILEGIVEL
l


O SACROSANTO EECU.MLNICO
**Tio de PcrBMifcnm Segunda ff Ira a de Maio de 184.
Aluga-se o sobrad de um andar roa hoas
Precisa-so de urna ama para casa de peque-
|accommodac5es para grande familia, grande m.in- na familia : a tratar na ra Nova n. 23, segundo
CONCILIO DE TRBNTO -."-----p--^-8'1-0 r%>nP?r'i.MB: indar.
45
a tratar na padaria da ra ireita n. 84.
Ca latlni e loi-taguez
DEDICADO T. CONSAGUADO
los iilustrissiuius e Iteverendissimos Senhores
ARCEBISPOS E BISPOS
DA
41KB JA i i si i\\ \
NOVA EOigO
2 volunieseDcaicraados.
Est nos prelos da casa dos Srs. Antonio Gon-
calves Guimares & C do Rio de Janeiro, e as-
sipna-se em Pernambue na livraria deGuimaraes
& Oliveira, na do Imperador n. 54.
PAMA ALIGAR.
Aloga-se por preco commodo a casa da ra Im-
perial n. 213, com boas acommodacocs para gran-
do familia : tratar na padaria da ra ireita i
e.84._______________'__________________
Francisco Antonio Correia Cardozo convida
aos seus credores a virem receber o primeiro pa-
gamento de sua concordata no dia 24 do corrente
nc fundieao da ra do Urum n. 84, devendo nessa
oocasio apresentarem seus ttulos para ser anota-
do o dito pagamento. *
Aluga-se o segundo andar do sobrado do bec-
co Largo n. i ^, por prego commodo : a tratar no
mesmo lugar loja de barbeiro, na mesma casa
comprase urna canda para familia em bom es-
tado.
Attcnco
Xarope alchoolico de veame, preparado pelo
pharmaceutico Jos da Rocha ParanhoSj estabele-
cido com botica na ra ireita n. 88 em Pernam-
buco.
Este xarope incontestavelmente superior a to-
dos os xaropes depurativos, de cuja composco
o seu maior elemento a salsa parrilha, pois que se
tem condecido ser o veame mais enrgico para a
prompta cura das molestias, cuja base essencial
depende da punficacao do sangue : assim pois se
tem verificado por muitaspessoas que se achavam
desengaadas, as quacs acham-se hoje restabeleci-
das com o referido xarope alchoolico de veame ;
entretanto que alguns, tendo usado do xarope de
Curinier, de Larrey, de salsa parrilha, de sapona-
ria, oleo de ligado de bacalho, e ontros agentes
desta ordem nada conseguiram. elle de fcil
digestio, agradavel ao paladar e ao olfato. Alguns
mdicos desta cidade e da de Macei o teem re-
commendado para a cura das
Impigens, tinha, escrophulas,
Tumores, ulceras, escorbuto.
Cancros, sarna degenerada. Iluso alvo.
Todas estas affeevr.es provm de urna causa in-
terna-, nao ha puis razio alguma em crcr que el-
las se podem curar com remedios externos. Tam-
bem se prescreve o xarope alchoolico de veame
para o tratamento das afTecees do systema nervo-
so e fibroso, taes como :
Gotla, rheumatismo, paralysia,
Dores, im[iolencia, esterilidadr,
Marasmo, hypocondria, emmagrecmenlo
O xarope alchoolico de veame sobretudo, da
maior utilidade para curar radicalmente, e em
pouco tempo o rheumatismo.
Advcrte-se que o verdadeiro xarope s se vende
nesta cidade na botica cima indicada do abaixo
assignado ; e em mitra qualquer parte que se tem
annunriado nao 6 da mesma composicao, e nem o
abaixo assignado se respons'abilisa.
________________Jos da Rocha Paranlios.
A pessoa que aununciou no Diario n. 105 de
9 de maio de IKtii, querer comprar duas casas em
Beberibe, pude dii igir-so ra do Santa Rila nu-
mero 11.
mmm-mmm mmmmm
AVTEMflAO |
Ad'ocCa.
O bacbarel Lourenco Avellino de |g
Albaqnerqne Mello, antigo advoga- W
do desta cidade, tendo regressado $j
ella, tem aborto o seu escriptorio rita do Imperador n. 40, onde pode w
ser procurado pata os misteres de 5
sua profissao todos os dias uteis 9
das!( da manliaa as 3 horas da ti
larde, e oferece como garante a M
seus conslituintes a nao interrompi- j
da ni'.llica ili> ">: nnnne t\n iuIuam- ***
0 Dr. Cosme de S Pereira conti-
na a residir na ra da Cruz n. 53,
! e 2o andar, onde pode ser procu-
rado para o excrcicio de sua profls-
so medica, e com especialidad^
sobre o seguinle
1 molestias de olhos;
2o de peito :
3o dos orgaos.geniti
urinarios.
Em seu escriptorio os doenles se-
ro examinados na ordem d suas
entradas comecando o trabalho pelos
doentes de olhos.
Dar consultas todos os dias d si
6 as 10 da manha, menos nos do-
mingos.
Praticar toda e qualquer opera-
?o que julgar conveniente para o
prompto restabelecimento dos. seus
doentes.
=
-5 cr
I V S. &
5" B o "
. ^ c o re
o a> '" -i
-5
5'
a.
o
> 3
2 < ~.
3
o.
c
o-
u
Bom e novo, ae e aformoseaniento do individuo I
Kua Direita
Oicam! okaml!!
CALCADO
45
Precisa-se de
Aluga-se a casa da ra do Hospicio n. 28,
esquina da ra do Destino, propria para negocio,
com commodos para familia : a tratar na ra do
Mondego n. 47, padaria.
Mea Dos !... queps de pafgo se lohrigam por
esas mas que figura horrenda e nauseante a
de um paletot bem talhado sobrancero a um
mtde$ rodo em duas solas I um balo bem tor-
neado e bambaleante dcscubrindo urna ponta de
botina safara e carcomida II
! r,^,nia.Barbaa'' Conam rua Dire'ta> "ellas e
e SSrcm* "" Pra8 CSSeS maldi,^ *"
caixeiro com pratica de Borzeguins de Xantes 8AO0O
Khlrn^J25S eDha s,doca'xe1iro alguma Ditos francezesdebe erfoTi
taberna, sendo Portuguez, com idade, pouco mais Ditos franeczes de lustre nara homem SI
Ditos para senhora, gaspia alta, 4,8800.
Botinas de menina 2300.
Ditas de cores para menina 25000.
Sapatoes de Nantes de duas solas 55.
Ditos de sola e vira 45500.
Sapatos de borracha para senhoras lioOO
Ditos para meninos!000.
Sapatos de lustre para senhora l.
Ditos de tapete para homem e senhora 800 rs.
Ditos da liga constitucional 300 rs
Chmeloes rasos do Porto 1^600.
E um sortimento comple.o em sola, vaquetas,
couros, bezerro francez como nenhum, couro de
lustre mu.to grande, e tudoquanto pertence arta
de S. Chnspim.
VITELAS
Companhia fldelidade d
seguros maritimos e ter-
restres estabcleclda no
Rio de Janeiro.
AGENTES EM PEPNAMBUCO
Antonio Luiz de Oliveira Aievedo & C,
competentemente autorisados pela direc-
tora da companhia de seguros Fidelida-
de, tomam seguros de navios, mercado-
ras e predios no seu escriptorio rua da
Cruz n .1.
ATTENCAO
9 IiARCO DO i littlO 9
GRANDE SORTIMENTO
DE
Fabrica CoceQao'da
Baliia.
Andrade A Reg, recebem constante-
mente e tem venda no seu armazem n.
31 da rua do Imperador, algodao d'aquel-
la fabrica, proprio para saceos de assu-
car, embalar aiRodo empluma ele., etc.,
pelo preco mais razoavel.
1
-r Precisa-se de um bom cozinheiro, e de urna
ama para engommar e lavar : no sobrado n. 32,
rua da Aurora.
A FESTA.
0 Dr. Fernando de Sil e Al-
buquerque
tenha a hondade do mais breve que poder, dirigir-
se ao solicitador Leopoldo Ferreira Martins Ribei-
ro, na rua da Imperatriz n. 40, tratar de certo ne-
gocio de seu interesse, e que o mesmo nao ignora.
IP%SEK mmm mmmmm
CICERO PEREGRINO
lina do Livramcnto n. 19
Primeiro andar.
Aludid.
Aluga-se o 2 andar do sobrado da rua Velha
a. 20, e a casa terrea da travessada Bomba n. 10
a tratar na rua do Sebo n. 24.
Est para alugar-se a casa terrea n. 39 da
roa da Unio : quem a pretender, dirija-se rua i que acaba de receber
da Aurora n. 10, que achara com quem tratar.
^a ausencia do Dr. Caetano Xavier Pe- &
B reir de Brito o Dr. Cosme de S Pereira t
far suas vezes na qualidade de medico i
J*,' a pedido do mesmo ; seus clientes pode- I
B r.o dirigir seus convites rua da Gruz f
S^ n. 53, Io e 2o andar no bairro do Beci- %
fe, e para as consultas todos os dias das fe
6 s 9 da manha ahi o encontraro S
sempre prompto. ."!
O Dr. S Pereira empregar todos os 2|
seus esforcos para saiisfazer a conlianga 9
do seu collega e amigo ausente. i
de ac c com pedras.
Nao eslava bem a aguia branca deixar ficar lio
grande parte de sua boa freguezia sem essas
apreciadas flvelas de ac c com pedras, e por isso
apressou-se em mandar buscar o bello sonimento
e bem assim as necessarias
DARTE & C.
Participara aos seus numerosos freguezes e ao publico era geral que acabara d>
receber de sua propria encommenda, o mais lindo e completo sortimento de molbados
os quaes vendan por grosso e a retalho por menos 10 por cento do que outro qualquer
annunciante, como verlo pela seguinte tabella que abaixo notamos, garantindo os tus-
taos proprietanos nao s o peso como a qualidade de seus gneros.
Al'I NO.
Toaos os senhores que comprarem para negocio ou casa particular de I00 para
cima terao mais 5 a 10 por cento de abatimento, os proprietarios scientificam mais que
ojos es seus gneros sao recebidos de sua propria encommenda, razao esta para pode
vender por muito menos do que outro qualquer estabelecimento.
Mameiga mgieza flor a 8oo e M rs. a fibra., Vellas de carnauba e composic5o de 32o a
laem trancen a mais nova do mercado a 6oo' 36o rs. a libra e de lo.ooo a 1 i,ooo rs a
rs. a libra, e .8o rs. em barril. arroba
fitas, cojos novos e bonitos padroes as tornam agra-
daveis aos olhos de todos ; resta, pois, que os pre-
tendentes, munidos de dinheiro, dirijam-se rua
do Queimado, loja d'aguia branca n. 8, onde tam-
bem ha bonitos cintos bordados com borlas, etc.
Extraordinario sortimento
de perfumaras.
A superioridade das perfumaras que a aguia
branca vende est incontestavelmente reconhecida, Wem de porco refinada muito alva 46o rs., Genebra de Hollanda em botijas de conta a
e isto confirma a grande extraccao que Ihe* vao]
dando os apreciadores do bom. A aguia branca,' Prezunto nara fianhrA a Hnr, r, m. '
porm, tendo sempre em vistas o bem servir a su, rif ";1P5. "_" .f.-A80? rS> a Ilbra-
boa freguezia, tanto da cidade como do interior,
mandou ver o extraordinario sortimento que ac
jg da pratica de 25 annos de advoca- ,
S? ca. O mesmo aceita partidos e Wf
S taiubem causas nos termos do in- w<
Jg terior onde locar a estrada de ferro, tt
wmmwtwwmmm -mmm
Arrenda-se urna casa com um sitio na ostra*
da de Joao de Barros n. 3 : a tratar na mesma.
Aluga-se urna casa na rua de Sania Bita n
3o por O-S mensaes: a tratar no pateo do Garmu
n. 7, segundo andar.
Precisase de una ama para o servico inter-
no e externo de urna casa : na rua das Larangei-
ras n. ". primeiro andar.
Lava-se e ongomma-se com prompUdao e
asseio : na rua Augusta n. .".
D-se dinheiro a juros : no segundo andar
do sobrado n, 6 nos Martyrios, at as 9 do dia, e
das 3 da tarde por diante.
440 rs. a botija, e em duzia ou em barrica
--------iw ter abatimento.
Lna uxim mradinho vindo de conta propria, Massas para sopa macarro, Ulharim e aletria
o melhor do mercado a 2,8oo rs. a libra. a 48o rs. a libra e em caixa ter abati-
Aluga-se a casa terrea 77 rua Imperial,: %f ^'frmlhnStoto indo ldem.ySOn de SUPerOr ^M^ 2,6O rs.' ment,
caiada e pintada de novo, com bastantes commodos, \,fi Jw-'17w?!?~ qualidade, sendo a )lra>
para familia : a tratar rua do Queimado n. j ^AS* em arrafas de -versostamanhos ,dem perola 0 melhor que se pode desejar a *
Aluga-se o terceiro andar do sobrado n. 37, Dita dita em frascos redondos e quadrados
a rua do Arnorim : a tratar rua da Cadeia u. 62, Dita dita ambreada em frascos verdes,
segundo andar. Agua ambreada para banbos.
Dita balsmica e dentrificc para conservacao das
gengivase dentes e bom hlito da bocea.
Dita de flor de laranja.
Dita de rosa e dita de Florida.
MUTA ATTEN(A0
dem estrellinha, rodinha e pevide em caixi-
nhas de 8 libras, muito bem enfeitadas de
2.000 a 3,oo rs. a caixinha e a 6oo rs. a
libra.
Boce de goiaba em caixas de diversos taa-
nnos de Goo a l,ooo rs. o caixo.
O abaixo assignado, liquidatario da extincta fir- Pita de lavander e toilet.
ma de Vidal 4 Bastos, pela ultima vez avisa aos Dita de aiheniense para alisar
devedores da mesma firma, que venham pagar seus bellos depois de alado.
e segurar os ca-
Arrenda-sc o engenho Jardim da freguezia do
Gabo moente com o rio Pirapama distante da es-
taco de Ipojuca urna legua e de Olinda legua e
meia : quem quizer entenda-se com o Sr. Filippe
Santiago da Luz na rua do Apollo n. 31, ou no
engenho Arand com Manoel Antonio Gomes.
Precisa-se de una criada livre ou escrava,
que saiha cezinhar e comprar : na rua de Santo
Amaro (Mundo -Novo), sobrado onde morou o Sr.
Dr. Sabino.
Arrenda-se o engenho Jangadinha, distante
desta praca duas legoas, bom moedor de agua e com
proporcoes para fazer-se 2,000 paes de assucar an-
nualmente : a tratar no engenho Gavalleiro conti-
guo ao mesmo engenho, ou na rua de Santa The-
reza n. 38.
Perdeu-se na madrugada de 18 para 19 do
corrente um lenco de grade com ramos, com 12
paos de largura,"desde a rua da Imperatriz at a
igreja do Carino : quem o achou e quizer restituir,
pd< faze-lo na luja de funllciro da esquina da rua
da Aurora, que se ficar muito agradecido.
Precisa-se de urna preta quitandeira. ou um
moleque : a tratar na rua de Hurlas n. 106.
Precisa-se de um caixeiro para taberna, que
tenha alguma pratica da mesma c d fiador de sua
conducta : a ti alar na rua do Principe n. 32.
Aloga-se o segundo andar da casa n. 19 da
rua da camboa do Carino : a tratar com o solicita-
dor Manoel Luiz da Veiga, na rua da Gloria nu-
mero 91.
Est desoecupado para alugar-sc o armazem
no aterro da Boa-Vista, aonde leve estabelecimen-
to Joao Keller : a fallar com Jos P. da Cunha,
rua da Cadeia, escriptorio n. 21.
porcela
Dila dita em latas.
Dita diia em copinhos, sendo creme, duqueza e po-
mada imperial.
Bahuzinhos de vidro com perfumaras.
Gaixinhas com 6 frasquinhos de cheiros.
Gosmetique (ou pomada) superfina.
Extractos finos e de agradaveis cheiros em bonitos
I frascos,
as sextas- Dito frangipane, cheiro novo e mui agradavel.
| Dito de sndalo.
O protestantismo. Essencias concentradas, com differentes e finissi-
Na loja de ivros de J. Nogueira de *Souza, roa 'eii^vSnaTnara tirar sarda*
do Crespo, recebe-se asignaturas.para tAlJff JtSBaSLffi*ai e conservar-
Ihe o lustre.
Na rua estrcila do Kosaiio n. 34
Advogado Affonso de Albu-
querque Mello,
pode ser procurado a qualquer hora
feiras, porm, na villa do Gabo.
rua
a seguinte
obra que se esta publicando na Bahia.
BeFiTAgSo Macassar perols
do protestantismo comida em dezoilo epstolas en- 0le0 pnilo!eome 'superfino.
derecadas a um amigo por outro amigo que se as- pt0 de babosa
signa oFiel 0piala inieza franceza
,, kf.flexao. I Pos de coral e de Lubin para dentes.
A v.sla do incremento, que entre nos tem to- Sabonetes finos quadrados e redondos.
ma,!o insolenle.nente o protestantismo pode-se as- Dilos |D0S em c^lxinnas delres_
r2ta,!!iS!222?5 a a ^ Tm miwmaofliiospmbarba.
amis completa refutacao d aquelles heterodoxos Dilos creme de amendoa em vasos de vidro e por-
pnncipios. Mandada organi.-ar pelo sabio e ve- i ceiana F
aerando metropolita, o seu autor desempenhou do [ Tonico oriental de Kem
modo mais satisraiono a missao de que fora en- vinagre aromtico
S^.^ LSfi?1^ lSSi *2JS2 SaS' Wto ou Icite d'ire's para acabar as espnhas do
sumptos sao tratados, a erudicao histrica, e as rosto .
a.Tad, raciocinio,,nais torio c victorioso por si, E asin) mujtos ou(ros objectS de ,
mesmosreeommendam a-Befutagao do Proles- a dos 0 pre[endenle s^ri satisfeitol
tanl.snio-naojo ao clero por quem a fe e cns- por deixar ^ cob ja j. ,
nada, mas a todo verdadeiro chnstao que professa 0 Queimado n 8
toi?aTmanaa0^ d puantasia vindos
A obra dar um volume de quarto francez com para a agllia branca.
2O paginas pelo menos ; o preco d'asslgnatura A aguia branca receben novos e bonitos objec-
o de 3,3, e por consequencia o mais mdico pos- tos de phantasia, alguns dos quaes nunca vistos
2,7oo rs. a libra,
dem preto muito fino a 2,ooo rs. a libra.
dem mais baixo pouco a 2,ooo rs. a libra.
dem mais baixo a 1,8oo rs. a libra.
Castanhas muito novas a .ooo rs. a caixa, e! Erva dooe l64o"rs'.Tibri'
a 16o rs. a libra. Traques a 21o rs. a carta e 85 a cai.xo.
Boiinfio francez e era caixinhas de 7oo a; Peixe em latas muito novo; savel, pescada,
Qa* corvina, salmo e outras muitas qualidades
preparada de escabeche 2. a arte de cosi-
nha de l,2oo a l,8oo rs. a lata.
Figos em caixas de l arroba, '/ e 8 libras
numo, velno secco, especial lagrimas do- a 8,ooo 4,ooo e 2,ooo rs. a caixinha.
ees de 1819, vmho especial D. Pedro V., Barris de vinho branco de quinto, marca B
vmho velho, Nctar superior de 1833, Du- & Filho a GO.ooo rs. o barril.
quedo Porto de 1834, vinho do Parto ve- Marmelada imperial dos mtInores conservei-
Ibo superior, madeira secca de superior ros de Lisboa a 64o rs. a Uinhade 1 libra,
qualidade, vinho do Porto superior D. Lu- ha latas de 1 '/ e 2 libras.
izl.de 1847, lagrimas do Douro espe- Massa de tomate em latas douradas de 1 libra
cial, vinho do Porto de l.oooa l,2oo rs. a 64o rs. a lata.
a garrafa e de 10,000 a 14,ooo rs. a caixa Ameixas francezas em caixinhas elegante-
com urna duzia.
Bolachinha de soda especial encommenda e a
mais nova que ha no mercado a 2,2oo rs. a
lata.
Biscoitos inglezes das melhores marcas em
latinhasde 2 libras a l,3oo rs. a lata,
dem inglezes craknel em latas de 5 e 7 libras
de 5,000 a 6.000 rs. a lata, e em libra a
800 rs.
Queijos do reino chegados pelo ultimo vapor
a 3,ooo rs. cada um.
dem prato a )oo rs. a libra.
mente enfeitadas de l,5oo a 3,ooo rs. a
caixinha, tambem ha latas de 1 '/i a 6 li-
bras de l,2oo a 4,5oo rs. a lata.
dem em frascos com tampa de rosca a l,6oo
rs. o frasco.
Chocolate portuguez, hespanhol, francez e
suisso a 1,2to rs. a libra.
Conservas inglezas das seguinUs marcase
Mixde-Picles e cebollas simples a 75o rs
o frasco.
Ancoretas de vinho colares
a 72o rs. a garraf
a 00,000 rs., e
%m*
O editor.
Precisa-se de urna ama para casa de pouca fa-
milia, que cozinhe e faca o servico de compras : a
iratar na rua da Senzalla n. 22,'segundo andar, i
Para a villa do Brejo da Madre de Dos pre-
cisa-se do nina senhora Portugueza que nao seja
mofa, para lomar coma da administracao de una
casa de familia : a iratar na rua do'Sebo n. 22.
ouno largo da Assembla n. 20.
Hotel italiano de madama Ferro, rua
do Trapiche n. 44, segundo e tercei-
ro anda its
Xeste hotel os senhores que o quzerem fre uen-
tar ahario sempre por menos prego que em ou-
tra qualquer parle, almoco, jantr e lunch; ser
vndo-sedurante a semana diversas sopas taha-1 Aluga-se o primeiro e
as, como sejam, raviule, talharim, curset, lasagne'easa n. 193 da rua Imperial
e gnoreak, feito isto com ttdo o aceio o esmero | numero 36.
possivel.
Os senhores assignantos mensaes pagano muito
menos que os avalsos, pagando tambem uns e ou-
tros muito menos do que em outra qualquer parle.
E os senhores provincianos neste hotel acharao
lodos os melhores commodos para assistrem du-
rante o lempo que cstivercm nesta cidade.
segundo
na rua
andares da
da Aurora
sivel.
H O bacbarel Jos Boberto da Gunha Sal-
I les nuudou o sen escriptorio de advogacia
b paa a rua do Queimado u. 32, t. andar,
So onde pode ser procurado das 9 horas da
&B manha s 3 da tarde.
Precisa-se de um escravo para todo
vico de casa : a tratar na rua da Cadeia n. 20.
Precsase de um rapaz de i annos, com
pratica de taberna : na rua do Galdeireiro nume-
ro 94.
Vinho em pipa das mais acreditadas marcas Sardinhas de Nantes a 32o rs. a latinha.
como sejam BA F., PRB, JAA, outras Charutos das mais acreditadas marcas de
muitas marcas, Porto, Lisboa e Figueira ; a i Goo, 2,ooo, 2,5oo e 3,8oo rs. a caixa.
de 48o, 5oo, 56o, 64o e 8oo, rs., e o do dem suspiros de Jos G. P. a 2,4oo a meia
Porto fino em garrafa, e em cenada a caixa.
3,ooo, 3,5oo, 4,oeo e 6,5oo rs. o melhor Champagnhe a melhor do mercado de I2.ooo
do Porto. a 24,ooo rs. o gigo, e de 1,2oo a 2,ooo rs. a
dem Bordoaux das mais acreditadas marcas garrafa.
a 7oo rs. a garrafa, e a 8,ooo rs. a caixa. Papel greve pautado ou liso a 3>5oo rs. a res-
aqu, sendo : Garrafoes com 5 garrafas de superior vinho ma.
; Bonitos adereces completos feitos de perolas falsas. do Porto a 2,2oo rs. com o garrafo. dem de peso pautado ou lizo de 3 fino a
^RSa&S SfHUlS.!ldemcom5 garrafa de vinh. d-a Fi8ueira mais *.ooo rs. a resma.
gosto qua
proprio para a nossa estaco por ser mais Malarana a 32o rs. a libra.
Aluga-se a loja de urna porta s na
rua do Crespo n. 4 com armaco ou sem
ella, para tratar em casa de J. Falque na
mesma rua n. 4.
Precisase comprar urna mobilia
randa ou de amarello em bom estado
pouco uso : na rua Bella n. 36.
de
que
jaca-
leaba

Francisco
hachar ti
da Costa
advogado
do Imperador n. 69.
Bia
AM%.
Precsa-sc de urna ama para casa de pouca fa-
milia : na praca do Gorpo Santo n. 17, terceiro
andar.
Na praca da Independencia, loja de ourives
n. 33, compram-se obras de onro, prata e pedras
preciosas, assim como se faz qualquer obra de en-
commenda, e todo e qualquer concert, e igual-
mente se dir quem da dinheiro a premio.
Aluga-se um sitio na estrada da Ponte de
Gchoae a marg-m do rio, pouco adiante do Illm.
Sr. commendador Nery Ferreira, tendo banheiro,
palanque, galinhero e outras acommodaees; e
outro dito no Monteiro, em frente ao oito da igre-
ja : a tracar com Antonio Jos Rodrigues de Sou-
-.a, rua do Crespo u. 13, ou estreta do Rosario nu-
mero 32.
Antonio Luiz de Oliveira
'iv Lisboa.
Azcvedo saca so-
m m liite
Urna mulher muito sadia offerece-se para ama-
mentar : quem precisar, dirja-se rua do Jas-
niim, na Boa-Vista, casa da esquina.
Joaquim da Silva Gastro vai Europa, levan-
do em sua companhia sua senhora e 2 filhos.
Ao publico
O abaixo assignado tendo de retrar-se desta
provincia, deixa encarregado da cobranca do im-
porte des camarotes e cad-iras dos espectculos
que deu nos dias 10 e 18 do corrente no theatro
de Santa Isabel, aos Srs. Zebedeo Carlos Cesar e
Filho, e agradece aos Srs. que seintoressaram pelo
annunciantH, protestandolhe sua eterna gratidao
e ao respeitavel publico Pernambucano as nao
equivocas provas de proteecao com que o honra-
ran) nos mesmos concerios.
________________Guidi.
Aluga-se urna casa terrea com 4 quartos, sita
na rua do Jasmim, e d-se por preco commodo :
n rua do Alecrim n. 10.
rmmmmm-MmmmmwM
DENTISTA DE PARS !
Naques sobre Portugal.
O abaixo assignado, agente do banco
mercantil Portuense nesta cidade, saca ef-
fectivamente por todos os paquetes sobre
o mesmo banco para o Porto e Lisboa, por
qualquer somma, vista e a prazo, po-
dendo logo os saques a prazo serem des-
contados no mesmo banco, na razao de 4
por cento ao anno aos portadores que as-
sim Ihe convier : as ras do Crespo n.
8 ou do Imperador n. 51.
Joaquim da Silva Castro.
fresco a 2,4oo rs. cora o garrafo.
dem com 5 garrafas de vioagre a l,2oo rs.
com o garrafo.
Vinho" branco o mais superior que vem ao
nosso mercado a 56o rs. a garrafa, e a
4,3oo rs. a caada.
ero de 56o a 64o rs. o maco, e em cai-
xa ter grande abatimento por haver
grande porco.
Azeite doce em barril muito fino a 64o rs.
a garrafa e 4,8oo a caada.
dem francez refinado a 8oo rs. a garrafa.
Milho alpista e pajoso de 16o a 2oo rs. a li-
bra.
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a grosa e 2oo rs. a
duzia.
Vasos inglezes de 4 a 16 libras vasios, muito
proprio para deposito de doce manteiga
ou outro qualquer liquido de 1,000 a
3,ooo rs. cada um.
Licores das melhores marcas e mais finos
a l,ooors. a garrafa e em caixa ter abati-
mento.
Cognac verdadeiro inglez a 9oo rs. a garrafa
e lo,5oo rs. a caixa.
GfUNOES
COMPRAS.
Compram-se cruzados novos, moeda portu-
gueza, a 840 rs.: no armazem da rua de Heras
n. 2, quina que volta para o largo doCarmo.
t. ompra-se effechva-
mmte
Lindas pulseras de mosaico.
Dita dita de perolas falsas tanto para senhoras
como para meninas.
Dita de chapa de crysial com listas douradas.
Dita de cornalina branca, azul etc., etc.
Bonitos alfineles e anneis para grvalas.
*Bonitos pentes de concha, obra de apurado gosto.
Outros traveseos com pedras para meninas.
Bellas guarnicoes de pentes dourados, ornados Vpias a ,cnarmac.ilp m mplhnree nf>tP op. I
com caixos de nvas, feitos de aljfar, obra ... vei ae.w>
blime.
Outras igualmente bellas, todas de Gno dourado e
com pedras.
Outras a tartarugadas, nada inferior a aquella.
Voltinhas de aljfar branco e de cores com cruzes
, de pedras.
Esses e outros muitos objectos acham-se a venda i
na rua do Queimado, loja da aguia branca, n. 8. Ervilhas francezas e purtuguezas a 64o rs. a Chouricas as mais frescas do mercado a 8oo
KQ)HDtfffii lala- rs. a libra.
vwwvp'wv Bocetas eom doces seceos de Lisboa de 3oo Genebra de laranja em frascos grandes a
eSpeUlOS doUrCtaOS. \ a 3,5oo rs. cada urna. 1,200 rs. o frasco. P"
A aguia branca em contnuafao de suas encom- Toucinho deLisboa a 3oo rs. a libra, e a^Serveja das mais acreditadas marcas a
mendas mandou vir, e acaba de receber grandes 9,000 JS. a arroba,
espelhos dourados com mui bonitas e modernas Botijes com 10 garrafas de azeite doce a
molduras, evidros de primeira qualidade, avista H5oo
do que o pretndeme que sahir de casa munido de I r ',. .' a Q a
dinheiro e com disposicao de o gastar na compra wie ne 1. z. e o. qualidade de 26o, 300;
e 36o rs. alibra, doCear de8,5oo, 8,7oo, Pimenta do reino a 34o rs. a libra
e 9.000 rs. a arroba do melhor: Farinha do Maranho a 14o rs. a libra.
Arroz da India, Java eMaranho de 2,8oo a I Tijolo para limpar facas a 16o rs. cada um.
3,ooo a arroba, e de 8o a loo rs. a libra. | Cominho a 4oo rs. a libra.
Passas muito novas a 8,5oo a caixa e 5oo Erva doce a libra.
a libra, ha caixas meias e quartos.
Sevadinha de Franca a 24o rs. a 'libra.
Sag muito novo a 28o rs. a libra.
Mestarda ingleza em p a !# o frasco.
Cebollas a 8$ a caixa e l,2oo rs. o molho.
de um desses bonitos espelhos, dirigir-se rua
v, do Queimado, loja d'aguia branca n. 8, quesera
bem Servido. Tambem ha espelhos quadrados sor-
tdos em lmannos, e com molduras douradas.
JAB ROS
de porcelana e escarra
deiras de vidro
6,5oo a duzia e de mais a 5oo rs a garrafa
dem era botijas e meias, sendo preta da
muito creditada marca T de 6,5oo a 7,8oo
rs. a duzia.
Nora-19
cirurgao dentista,
- Aluga-se o segundo andar da rua do Impe-
daror n. 79: na rua do Crespo n. lo.
19Rua
Frederico Gautier,
faz todas as opera^oes de sa arte, e col-
loca dentes artfciaes, tudo com superio-
ridade e perfeico, que as pessoas enten-
didas Ihe reconnecem.
Tem agua e pos denticie.
A aguia branca tambem mandou vir bonitos jar-
ros de porcellana dourada c de differentes tama-
ouro e prata em obras velhas, pagande-se bem unos ; assim como escarraderas de vidro, objectos
na rua larga do Rosario n. 4, loja de ourives. esses sempre necessarios para o bom aceio das sa-
____ las ; resta somente que o comprador dirija-se com
dinheiro loja d'aguia branca, na rua do Queima-
do n. 8, onde ser servido com agrado e sinceri-
Canella a l.ooors. a libra.
Vassouras de piassaba de dous arcos de fer-
ro a 32o rs. cada urna.
Latas com banha refinada com 10 libras a
4|Boo.
:__________________________.
mmm
--- Precisa-se fallar ao Sr. Antonio Jos da Independencia n 2
Teixeira de Mendonca Belm, nesta typo-
graphia.
Fabrica le licores e perfumaras.
Neste estabelecimento compra-se efectivamente ade
garrafas, botijas e frascos de genebra vasias, assim
toda a especie de frascos de perfumaras : na rua
do Arnorim n. 12.
comprase rie la para homem e senhora.
constantemente ouro e prata em obras velhas : na A aguia branca, na rua do Queimado n. 8, ven-
aniiga e feliz loja de bilhetes de lotera da praca de mui boas meias de la para homem e senhora,
Madama Ferro,
?pI";ri? d0 h?tel ila,iano siu> na raa do Trapi-
ene n. 44, tem a honra de participar aoresceitavel
publico desta capital, e em particular aos senhores
empregados do commereo que acharo todas as
segundas e quintas-feiras a afamada sopa de' ra-
viole, como assim todos os outros dias outras e<-
jo.hidas sopas italianas: isto estar prompto das
JO horas da manha s 4 da urde, horas muito
propriaj para lanche ; aliancandolhes que os pre-
g< torio os mais razcaveis possivels, e do que es-
pora toda a concurrencia. '
Cmpram-se cruzados novos, moeda portu-
gueza, a 840 rs. : no armazem fia rua .de Hortas
n. i, esquina que volta para o largo do Carmo.
e pretas de laia e de seda para padres.
O advogado Eduardo de Barros pode
ser procurado para os misteres de sua
profisso.das 7 s 9 horas da manha e
das 3 da tarde em diante na casa de sua
lilil, nria rua da Saudade n. 15.
Compra-se urna escrava de meia idade que
nao tenha vicio nem achaque, que nao exceda de
o005 6005 : quem tiver, dirija-se rua do Li-
vnum-nto n. 29, que se dir quem quer comprar.'
Compra-se um selhm inglez em bom uso :
a iratar na rua do Crespo n. 18, loja.
Troeam-sc tres partes do engenho Quemadas,
na fnguezia de Barrciros, junto a cidade do Ro
Formoso, muito bom por ser perto do embarque
meia jegoa, com muito boas trras desafrejar tres
mil paes, me de animacs, por prodios mista praca,
casas ou sidos : quem quizer, dirija-se ruados
Pires, casa loma n.54, que ahi achara com quem
Jraiar, a qualquer hora,
YENDAS.
Vndese urna taberna e junto a mesma tem
casa de morada, no lugar,do Cachang.
Vende-se urna taberna com poucos fundos e
bem afreguezada na rua do Rangel n. 17.
Vinho do Porto superior
em caixas de urna e duas duzias : tem para ven-
der Antonio Luiz de Oliveira AzevedoA C, no seu
escriptorio rua da Cruz n. 1.
Farinha de mandioca superior
em saceos grandes : vende Antonio Luiz de Olivei-
ra Azevedo & G., no seu escriptorio rua da Cruz
numero 1.
A 2$500 o cento.
Charutos francezes : no bazar pernambucano,
rua larga do Rosario n. 30.
RUA DA MADRE DE DOS N. i.
venda.
Agua de Vicby, dita de Scltz naiuraes, muito
uteis para molestias de bexiga aquella, e esta (de
Seltz) para padecimentos de estomago, dita sulphu-
rosa das caldas da rainha para molestias cut-
neas, como dartros, impigens, etc. ; assim como
agua das fumas da ilha de S. Miguel, utilissima
para combaler azias e quaesquer inflammacoes do
tubo digestivo. Estas aguas garantem-se em sua
pureza, sendo a sua eflicaeia j bem conheclda,
tanto dos senhores mdicos, como do' publico. Bo-
tica de Joao da C. Bravo Farinha para animaes
granel.
Linlia.
Vende-se um carro novo de volta inteira pa-
ra trabalho da alfandega ou condueco de assucar,
por preco commodo : a tratar na rua do Arago,
casa n. '28.
Vende se a 23 o sacco : no trapiche Baro do
Livramento, no Forte do.Mallos n. 13.
Farfolla, fardo e milho
No grande armazem do molhados denominado
Brilhante Aurora, no largo da Santa Cruz n. 12, ha
grande quantidade de saceos grandes com farinha
de Goianna, muito nova a 'OO, ditos com farelo
de Lisboa com 120 libras a 5o00, dilos com mi-
lho novo (24 cuias) a .'800, e em porcao se far
abatimento.______________________________
Vende-se una carraca paja ser puxada por
um s boi: na Cruz de Almas, sitio ao voltar para
1 Beberibe.
Xa loja da Aurora, rua larga do Rosario n. 38,
vende-se linha de carretel azul ferrete a 20 rs. o
carretel, e sendo em duzia a 20o rs, dita de dita
branca de n. 80 120 com 100 jardas a 20 rs. o
carretel, e a duzia a 200 rs., pois muito propria
para as costureiras alinharem qualquer costura
que seja lina, assim como tambem tem gra.ide sor-
timento de qualquer qualidade.
Algndo da Bahia
para sacros de assucar e roupa de escravo; tena
para vender Antonio Luiz de Oliveira Azevedo &
G, no sen escriptorio rua da Cruz n. 1.
VINHO PURO.
Chegou nova remessa de arelas com supe-
rior vinho puro : vende-se no escriptorio de E. R.
Rabello, rua da Cadeia n. .Vi.
Vende-se una canoa aberta e bastante gran-
de, endo nova e bem construida : quem a preten-
der, dirija-se rua da Cruz 11. 44, que achara com
quem tratar ; e para ver, na ultima doca da rua
do Brum defronte da fabrica desabao_________
Vende-se a preco barato urnas cenlo e tantas
estairas de palha da Russia que vieram encapando
fardos de balaios, muito proprias para os armazens
que exporlam trastes para fra, o mesmo para ca-
pa de fardos de algodo : a tratar na rua larga
do Rosario, deposito n. 36.


II lar lo Ir P.
*>< giinda clra S 4c Nulo Je I*4.
0 PRINCIPAL
DE
SILVA & SOUZA
Ra do Orespo n. 9, esquina da ra do Imperador.
Tendo-se o proprietario d'este armazn associado com o Sr. Paulo Ferrcira da Silva, resolver dar-lhe o titulo de principal,
por ser o mais bem localisado desta cidade, e como um dos socios tcnlia de partir para a Europa, afim de all escolher os melhores
eneros, desde j se pede ao respeitavcl publico toda a attencao, nao s para este armazem, mas tambem para o grande armazem Alian-
ca, da ra do Imperador n. 57 e para o bem sortido armazem Progrcssista da ra das Cruzes n. 36, sertas todas as pessoas que fre-
quentarcm estas casas de que arao urna economa de 10 a 20 por cento do preco que possam comprar em outra parte, porque nin-
guem melhor do que nos pode offerecer tantas vantagens como as que se ebservam nos armazens:
ALLIANCA! raa d imperador n. f.
PROGRESSISTA1 r.a daa Cruzea ..
PRINCIPAL!!rna do Crespo *
Manteiga ingleza a mais nova e fina chcgada
nestc ultimo vapor a 15 rs.a libra.
dem franceza, a melhor e mais superior do
nosso mercado a 64o rs. a libra e 6oo rs
em barril ou-meio.
Banha de porco refinada e muito alva a 4io
rs. a libra, e em barril a 4oo rs.
Cha hysson, o melhor neste genero especial
oinoininenda do proprietario a 2,7oo a Ib.
dem idem menos superior e que em outras
Vinho do Porto em barril muito especial aiFarinhade araruta verdadeira a32ors. a Ib.
64o rs. a garrafa, e 5,000 rs. a caada, j Phosphoros do gaz a 2oo rs. a duzia e
Vinagre puro de Lisboa a 2oo rs. a garrafa e 2,2oo rs. a groza-
O Vi:itfa* IIHIICO
PRINCIPAL
GRANDE AIUZEH
DE
q a a__.
ssesSs
'5 oj v '5 i
, et sfl tz fk/m
''S'2'S-S-gK
&
000(S of?
MOLHADOS
IU1 DO IMPERADOR
&lfi
Bolachinha americana em barrica a 3,ooo
rs., e em libra a 2oo rs.
l,4oo rs. a caada,
dem em garrafocs com 5 garrafas.
Azeite doce de Lisboa superior qualidade a Tijolo para limpar facas a 12o rs. cada ura.
64o rs. a garrafa e 4,8oo rs. a caada. Vassouras de piassava com dous arcos de
Batatas em gigos de trinta a trintae tantas li- i ferro prendendo o cabo a 32o rs. cada
bra a 2,5oors. o gigo e 8o rs. a libra. urna.
Genebra de Hollanda a mais superior a 6,ooo Escovas de piassava proprias para esfregar
rs. a frasqueira e 56o rs. o frasco. casa a 32o rs.
casas se vende a 2,*6oo rs.A costa neste ar- dem em garrafocs com 25 garrafas a 8,ooo rs. Sardinhas de Nantes muito novas a 32o rs.
mazem 2,2oe rs. a libra. Cerveja das melhores marcas de 5,ooo a a lata,
dem uxim, o melhor que pode haver neste 5,5oo a duzia e 5oo rs. a garrafa, Peixe em lata muito bem preparado: savel,
genero a 2,6oo a Ib. garante-se a qualidade. Cognac superior a 8oo e l.ooo rs. a garrafa, corvina, pescada e outros a l.ooe rs. a
dem [troto muito especial a 2,ooo rs. a li-' e em caixa ton abatimento. i lata.
bra, c mais baixo,porem muito soffrivel a Marmellada imperial dos melhores e mais Enriabas portuguezas c francezas j prepa-
l,2oo a Ib., vende-se por estes presos em| afamados conserveiros de Lisboa em latas radas a 64o e 72o rs. a lata.
razio denostes ltimos navios ter-se rece-! de libra, libra emeiae 2 libras a 6oo rs. Caf lavado de primeira sorte a 32o rs. a
bido giandeporcio destegenero, a diflfe- Conservas inglezas em frascos grandes a libra, e 9,ooo a arroba,
renca de preco de 6oo a 8oo rs. a libra 75o rs. cada um. dem do Rio muito bom a 28o a libra e
do que se vende em outra qualqner parte. dem franceza de todas as qualidades de | 8,5oo rs. a arroba,
dem do Rio em lata de I at 6 Ib. a l,4oors. legumes e fructas a 5oo rs. i Arroz do Maranho a loo e 120 rs. a libra,
a Ib., neste genero o melhor possivel. Mostarda franceza em pote preparada a 4oo rs dem de Java a loo rs. a libra.
Oii DE
DUARTE ALMEIDA
Biscoutos inglozes en latas com differentes! Palitos para dentes- I2ors. o maco,
qualidades como sejam craknel, voreitia! dem lixados muito finos a 14o rs.
pic-nic, soda, captain. sced, osborne e ou-
tras muitas marcas a 1,35o rs. a lata.
Bolachinha de soda em latas grandes a 2,ooo
rs. cada urna.
Figos em caixinhas hermticamente lacradas
e muito proprias para mimo a I,6oo e
2,0oo rs. cada urna.
Velas stearinas a 56o rs. a libra e em caixa
a 54o rs.
dem de carnauba pura e refinada a 360 rs.
a libra e lO.ooo a arroba,
dem de composieao emmacadas a 32o rs.
o maco e 9,ooo rs. a arroba.
Massa de tomates em latas a 6oo rs. a libra.
Amendoas de casca mole a 4oo rs. a libra.
Avelaas muito novas a 2oo rs. a libra.
Nozes muito novas a 2oo rs. a libra.
Chouricas e paios a 7oo rs. a libra.
Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra ou a
8,5oo rs. a arroba.
Presuntos de Lamego de superior qualidade
chegados neste ultimo vapor a 56o rs.alb.
Alpista muito novo e limpo a 16o rs. a 1-
ldem em caixinhas de 8 Ib. a 25 rs. cada urna Doce em calda das mais especiaes fructas da bra e 4,6oo a arroba.
Passas novas a 8,ooo rs. a caixa e 48o a Ib. I Europa a 6oo rs. a lata. Painco novo a 18o a Ib. e 5,ooors. a arroba.
Ameixas francezas em latas de libra e meia e Ostras em latas muito bem preparadas a Sabo massa, amarello e castanho a 22o e
3 ultras a l,2oo, 2,ooo e 8oo rs. a libra. I l.ooo rs. 2io rs. a libra.
Caixinhas com ricas estampas a l,4oo rs. Massa para sopa estrellinha muito novaem dem mais baixoumpouco a 16o, 180e2oo
caixas de 8 libras a 3,ooee Soors.alibra.
dem talhaiim, macarrao e aletria a 4oo rs.
dem macano maisbaixoa 24o rs. a libra.
Cevadinha muito nova de Franca a 2oo rs. a
libra.
Sag o melhor que possivel a 24o rs. alb.
cada urna, irascos de vidro com rolha do
mesmo, contondo libra e meia de ameixas.
Champagne da marca mais superior que tem
viudo ao nosso mercado a 18,ooo rs. o gi-
go, e l,8oo rs. a garrafa; garante-se a su-
perior qualidade.
Vinho Bordean* das melhores qualidades qne
se pode desojar a 7,ooo e 7,5oo rs. a cai- temente tem viudo ao nosso mercado a
xa e 64o rs.- a garrafa. 14o rs. a libra.
Caixas rom Vinho do Porto superior de 9,ooo Gomma do Aracaty muito alva a 8o rs.alb.
rs. a libra.
Castanhas pelladas a 24o rs. a libra.
Chocolate francez de primeira qualidade a
l,2oo rs. a libra,
dem de Sant muito superior e medicinal a
l,3oo rs.
Farinha de Maranho a melhor que presen- Copos lapidados proprios para agua a 5,ooo
e 1 o.ooo rs. a duzia, e 9oo e l.ooo rs. a
garrafa; neste genero ha grande poroaoede
iliforontos marcas muito acreditadas que
ja se venderain por 14,ooo e 15,ooo a cai-
xa coml sejami Duque do Porto, Lagrima
Licores muito finos de Bordeaux e todas as
marcas que ha neste genero a 8oo, l.ooo
e l,2oo rs. a garrafa.
Genebra de laranja em frascos grandes a
1.2oo rs. cada um.
rs. a duzia, que em outra qualquer parte
7 e 8,ooo rs.
Charutos dos melhores e mais afamados fa-
bricantes de S. Feto e do Bio de Janeiro,
de l,5oo a 5,ooo a caixa.
Cebollas novas a l.ooo rs. os molhos gran-
des e 8oo rs. o cento.
Doco ilc goiaba a 64o rs. o caixao.
do Domo, D. Luiz, Cambes, Madcira sec- Tmaras do lgypto a 8oo rs. a libra e em: Lcntilhas, excellente legume para sopa e gui-
en, Nootar, Genuino e Malvasia linoe ou-
sado, a 2'io rs. a libra.
Ervilhas seccas j descascadas a 2oo rs. a
libra.
caixinhas de 5 libras a 3,5oo rs.
tros como Cherry e Madcira para 12,ooo e Papel almaco paulado O melhor que ha nes
13,ooo rs. a caixa. te genero a 4,5oo rs. a resma.
Vinlio de pipa: Porto, .Lisboa, Figueiraa 4oo,|Sal retinado em lindos potes de vidro a ooojPimentado'reino muito nova a 36ors.alibra.
i so e 56o rs. a garrafa, 3,ooo, 3,2oo e rs. cada um. |Cominhos eerva doce a 32o e 4oo rs. a Ib.
Molhos inglozes cmparrafinhas.com rolha de' Cravo da India a 6oo rs. a libra.
vidro a 64o rs. cada urna. [Ganda muito nova a l,ooo rs. a libra.
Queijos flamengos chegados no ultimo va-iAlfazema aoo rs. a libra e ti.ooo a arroba,
por e muito frescos. jGraixa a loo rs. a lata e I,loo rs. a duzia
3.5"0 rs. a caada,
dem bramo o melhor neste genero vindo de
criootnmenda a 6oo rs. a garrafa, e 4,5oo
rs. a ranada.
LOJA DO BEIJA FLOR.
Una do Queimado numero 63.
Cravatinhas para xenbora.
Vendem-se gravalinhas dediversos gustos mais
modernos a 720 e 800 rs. : ua ra do Queimado,
loja do beija-flor n. 63.
titas para delirum de vestidos.
Vendem-se litas para debrum de vestido de linho
cem 12 varas a 400 rs. a peca : na ra do Quei-
mado, loja do bcija-llor n. 63.
Pentes travessos.
Vendem-se pentes traveseos de caracol na
frente de borracha a 500 rs.: na ra do Queima-
do, loja do beija-ftor n. 63.
Papel beira domada.
Vende-se papel beira dourada a 13200 e 1300,
dito de cor de beira dorada a 13100 : na ra do
Queimado, loja do beija-flor n. 63.
Antelopcs.
Vendem-se anvelopes de diversas qualidades
branco a 800 rs. e de cor a 640 rs., para cartas de
visita a 400 rs., preto a 720 rs. : na loja do beija-
flor na ra do Queimado n. 63.
Voltas de aljfar.
Tendo recebido voltas de aljfar com cruzes de
podra imitando a brillante vende-se a 13 cada
urna : uarua do Queimado loja do beija-flor n. 63.
Camisas de meias.
Vendem-se camisas de meias muito finas a
13200 e I:i00 : na ra do Queimado, loja do bei-
ja-flor n. 63.
Enffitcs de fila.
Tendo recebido enfeites de fita pretas e de co-
res mais modernas que se estao usando a 13 cada
um : na rna do Queimado, loja do beija-flor n. 63.
lila de la tela para debrum.
Vende-se fita'de la preta para debrum com 1
varas a 900 rs. a peca : na loja do beija-flor roa
do Queimado n 63.
Pilas de Hubo para bordar vestido.
Vendem-se fitas de Itabo para bordar vestido
ou roupinho de meninas com 40 varas* a 640 e
800 rs. a pece auem tem loja do beija-flor
ra do Queimado numero 63.
Roldes de nadreperola.
Vendem-se botos de madreperola mais moder-
nos que tem vindo para punhos de senhora a 320
rs. o par : s qnem vende por este preco na
rna do Queimado, loja do beija-flor nHraero 63.
Fita de ve linde para bordar vestid*.
Vende-se tita de velludo preto com 10 varas a
900 rs. a peca : s quem tem por este prego a
loja do beija-flor da ra do Queimado n. 63.
Fita de vedado bordada.
Vende-se ftta de velludo preto bordada de di-
versos gostos e mais modernos proprios para qua-
rtsma.: s quem tem a loja do beija-flor ra do
Queimado n. 63.
Franja preta.
Vende-se franja preta de diversas larguras para
enfeitar capas ou manteletes os mais lindos pos-
to* Toe ?e pode encontrar : na loja do beija-flor
xua do Queimado a 6.
Facas e garios.
Vndem-8e tocas e garios de balanco de l bo-
llo a 535OO a dtuia, ditas de 2 botes a 63400 :
na roa do Qneimado, loja do beija-flor n. 63.
Vsperas.
Vewtem-e* visporai oito finas a 800 rs. : na
ra do Qneimado, loja do bejia-flor n. 63.
Demins.
Vendem-se dminos rauio finos a 13200 e
13400: na lj d beija-flor da roa do Queimado,
n.63.
BAIRRO DO RECIFEr RA DA CADEIA N 50
O mais novo e o melhor
AWinAWAZM. IIE MOLHADO
Esrmina defronte da ra da Madre de Dos
Antonio d;i Silva Campos, successor do amigo Nascimento defronte do beceo Largo, bem co-
nheeido ja nesta praca, araba do transferir o eeu estabelediavotti para a casa cima ind[cada, onde
os seus benvolos amigos o freguezes, bem como o Pespeilavfil pubiieo em geral encontrarao o mais
variado, escolhido e melhor sortimento de moldados, a par do aceio, elegancia e bom rgimen do esta-
belecimento. ._,._. .
O annunciante, tendo fcito urna completa retorma no tocante a casa e gneros, possuindo bons
correspondentes na Europa para remessas de conta propria, aeda-se convencido que merecer a pro-
teccao de todos os amigos do bom e barato, a qual desde j reclama, asseverando-lhes que jamis des-
merecer a cod llanca com que se dignarem de o honrar.
Em resumo, visite o respeitavcl publico o novo e superior armazem Movimento, compre-lhe al-
guns genero?, e entao ficar convencido da realidade do presente aviso, verificando por si mesmo que
nenlium outro estabelecimento o seFve melhor que este, seja em commodidade de pregos, agrado e
delicadeza, ou legalidadede pesse medidas.
Finalmente, todas e quaesquer garantas que estabelecimento* idnticos teem offerecido aos
concorrentes, serao mantillas neste em grao maior.
NADA.,kOLEOubF(ADO.f.BACALH \o
xarope de rbano iodado
Segundo o attestados dos medios dos buspitaes de Parit, consignados no Prosuedo, e a approvaco
de varios A cdmicos, este Xarope emprega-se com o maior successo, em lugar do OLEO DE FIGADO DE
BACALHAO, ao qual elle realmente superior. Cura as molestias de peito, as escrfulas, o Ivmphatismo, a
pallidei e mollea das carnes, as perdas d' appetite, e regenera constituicAo purificando o gangue. Em
summa o mais poderoso depurativo conhecldo. Elle nunca canea o esfdmago ou os intestinos como o
ioduro da potassium e o loduro de ferro; e admimstra-se com a maior eflicacidade aos meninos tujeitoi
aos humores ou ao entupimento das glndulas. O Donwr CaseBave, do hospital de San'LuU de Paria,
o reeommenda d'um modo inteiramente particular as molestias da pelle, conjunctamente com as pilulas
que teem sea nome.
Depsito geral i em Pexit, en casa de MM. GrinianU e c*, pharmaceuticos, 7, ra de la Feuillade
em Lisboa, en casa de Rodrigo Costa-Carvalb* no Porto, en casa e Mlgae! i *c >
rerrrir, em o Bio-de-Joneiro, vluia Pclsot* e Plata, roa do Sabao, II; tm Bahia, en casa a
Jas-Car (ano Ferrefra-Eaalnbeira; em Bio-Gronde, en casa de Joaaala ie Gaay em Jforon-
hAo, en casabe Ferrcira eO; em Pernambueo, saaum c c, rua da Cru, ; Sansa, e as prtnclpaes
pharmacias do Brasil.
Deposito geral em Peroambuco ra M Cruz n- 22 Mi casa de Caros & Barboza
Empreza da illuminaco
gaz.
Todas as vendas de apparelhos e reelamaerjes
fpor escripto dando o nome, morada, dala, etc.),
devem, ser feitas no armazem da ra do Imperador
a. 31. Os machinistas mandados para atlender a
estas, apresentarao um livro que os reclamantes
deverao assignar lopo depols de prompto o servieo
reclamado ; islo para qoe a empreza fique sciente
de haverem os mesmos senbores sido devidamen-
te*attendidos.
. n i
Vesde-se alpaca preta a i>00 rs. t cavado.
Vende-se alpaca preta para vestidos a 500, 600,
700 e 800 rs., fina de cordao a 800 rs para pale-
tot, priqeeza preta a 800 e 840 o covado, bombazi-
na preta fina a 1400 o covado, liaziohas preta
para senhora que etao do lato a 710 o covado :
na ra da Imperatriz n. 56. A loja est abe/ia at
as 9 horas da noite.
RBa da Senzalla n. 42.
Vende-se, em casa de'S. P.JohnstonAC.,
sellins e silhes inglezes, canteiros e casti-
^aes bronzeados, lonas inglezas, fio de vela,
chicotes para carros e montara, arreios para
carros de um e dous cavallos, e relogios de
euro patente inglez.___________________
Grande-pechincha.
A 200 rs. ctvato.
Cambraias escaras finas a 900 rs. o corado para
acabar ; nao se dao amostras para que se acabem
logo : quem quizer, venha comprar no armazem
de fazendas de Custodio, Carvalho & C, roa do
Qneimado n. ti,
Vendem-se arcos do pao para usa do pipas
ltimamente ehegados do Porto ; a tratar na roa
ai Senzsta Soja-a. 4.
C.
Autonio Fernandes Danta Almeida, dono dos acreditados armazens Progrwwo
e Umci e Commercto, e ex-socio do l'rogressoProgressista acaba de abrir boje um ou-
tro na ra do Imperador n. 40, junto ao sobrado em que mora o retratista o Sr. (feborn.
O propitetano deste importante estabelecimento, conhecendo que o mais rico e espagoso
, armazem que presentemente se tem aberto nesia praca, delibeou denomina-lo VKUAEl-
, RO PRINCIPAL ; sem duvida pode dizer, j pela pratica e conlicimenlo que tem destas
casas, que e-este um estabelecimento que nada deixa a (tosejar, j pelo esmerado aceto
| que nelto preside, como no completo sormento que elTetivamente recebe de sua propria
| emeommenda.
O proprietario do grande armazem VERDADEIRO PRINCIPAL gloria-se em ser o
primeiro a acabar com o grande segredo e abuso que reinava nos precos dos gneros de
| estiva, adoptando desde a sua primeira casa, -em publicar todos os precos de seus gene-
I ros, por onde va e v o publico que nunca mais pode ser Iludido como dizem esses. .
que, mordidos e queimados pela inveja, dizem n3o vol!... Illude!... desenganem-st
esses maldizentes, que emquanto andar no trilbo que pisa, nunca mais consentir que st
venda um objecto de 5,5 por 10f. O systema do Verdadeiro Principal vender muito i
dinheiro e ganhar pouco, com elle que sem medo diz, que bailas de papel o vento ai
carrega.
Pede-se a maior m. ik ">..
O pToprietario pede aos seus amigs e freguezes, e ao publico em geral protee-
I cao para o novo estabelecimento, garantindo aos mesmos que ninguem mais pode nffereeei
as vantagens que se presto a offerecer este importante estabelecimento. O l'HINCIPAL tam
: bem pede a todcs os Exms. Srs. o favor de mandarem seus pedidos ao novo estabeleci-
mento, certos de nao terem occasiao de se arrependerem.
Hala atien^o.
O VERDADEIRO PRINCIPAL pede en particular lodos os Srs. de engenho i
mais Srs. do centro, queiram mandar suas encommendas este estabelecimento, garatin
do'lhes o proprietario que tanto elle como os seus fmulos nao poujjaro esforcos pan
fielmente cumprirem os pedidos que vierem inderessados.
Ao pnMieo,
Oincansavel proprietario pede a todos os Srs. eSras. que, quandotenbam deman-
dar seus pedidos seja cm carta fechada ou com grande recommendaro ao VERDADE1
RO PRINCIPAL na ra do Imperador n. 40, junto ao sobrado em que mora o retratist:
americano o Sr. Osborn, e para mais certeza dos portadores tem este, sobrado urna betic;
franceza, no pavimento terreo. O VERDADEIRO PRINCIPAL, tem o portas de frente pin-
tadas de verde, as hombreiras Duarte Almeida &C.e por cima o VKKDAOEIRn
PRINCIPAL.
Massas para sopa muito novas, foi desembar-
cada ltimamente pevide: rodinha e es-
trellinha a 500 rs. a libra e :i-S a caixa com
8 libras.
Macarrao, Aletria e Talbarim a 400 rs. a libra
Vinagre fresco a 200 rs. a garrafa e 15400
a caada.
Dito em garrames a loOOO cada um.
Bolijcs com 8 a 9 garrafas de azeite, o me-
lhor que se pode desojar,
Palitos de dentes em macos
nhos a 10 rs. cada un.
Palitos do gaz a 200 a gTQM, 20 rs. a
caixinha e 200 rs. a duzia.
Graixa em latas muito novas a 100 rs. a lata
el000 a duzia.
Ceblas muito novas a 40 rs. o cento
800 o molho.
Dito mais baixo a 1300 e d^COO a libra, j Traques de primeira qualidade. a 8OC
Queijos chegados no ultimo vapor a 3#000. | caixa c 240 rs a carta.
Queijo prato chegado neste ultimo vapor a Charutos Ipjrangas em meias caixinhas
800 rs. a libra. 25000.
Ditosuisso Parmezao o melhor e mais Ditos Suspiros de Thom Pinto a 15600.
fresco que se pode desejar a 800 rs. a li- Ditos Avaneiros do mesmo a 15000.
bra, sendo de 4 libras-para cima a 780 rs. .Ditos Regala Imperial a 15600, garante-se
Dito londrino um pouco duro por "
Amendoas confeitadas com bonitas cores
J a 15000.
'Manteiga ingleza propiamente flor a 800 rs.
e 15 a libra.
Dita franceza muito nova a 6oo rs a libra
sendo em barril 580 rs.
Cha ucbim o melhor que se pode desejar, e
que outro qualquer nao vende por menos:
de 35 a 25700 rs.
Dito perola especial qualidade a 25600
e 25800 i s.
Dito hyeson o raellior que se pode desejar
a 25400 e 25600 a libra.
Dito hysson e da India muito superior a I
25200 e 2/400.
Dito do Rio em latas de 2, 4, 6 e 8, libras
a IjiOOO e 15200 a libra.
Dito preto muito especial a.25800 a libra.
o va expositfinle fazeiulas
bariitissimas.
Loja da Arara-iia Ja iniperMsiz n. 56.
O proprietario doste grande et;ibelerini,'iiio. Lou-
renco IVn-ira Mendos Guiqtsrie*. promette sera-
pre"vender barato para apurar dinhi iro.
Ciraude pecliincha, eortes de cas-
sa a t^OOO.
Veads-se cortes di cas-a franrrzi para rostidos
a 25, Jilos a 2A300. cortes de rambraia de palmas
solas com 1 vara de largura a 25, lilos oom ba-
badns a 35 : na ra da Imperatriz n. ,*6, loja da
Arara.
Iliamaotc de II0I10 a 9M'i Vende-se bramante de linho de 10 patanoi do
largura, profiri para lonces, a 25200 a vr.ia,
panno de linho de 4 palmos de larpura a 040 a va-
ra, bambuco de linho a 440, SU o MU rs, a va-
ra, brilanlia de linho fino a 040 e 800 r--. ; vara,
biiin de linlio branco a 15200, L5400, 600 o
a vara : na loja da Arara, ra da Imperairu n. Oo.
alio de liuho a so rs.
Vende-se fil de linho muito fino a WX) rs. a va-
ra, dito de cor e branco a 160 rs. o covado, tarla-
lana do cor a G40 a vara : na ra da Imperatriz
n. oti.
t oros de casenif ra a 'X.
Vende-se cortes de casemira de cor a 23. ditos
finos a ;t,S, cortes de sang Iraneeta a 15600, dito
de hrini pardo a 1,5800 a 23 : rna da Imperatriz
n. i)0, loja da Arara, de MendesOninmiaes.
chitas da Arara a 40 rs. o co-
vado.
Vendo-SSchitas escuras e claras a 240 e 2K0
rs. o covado, ditas francezas a 320. |00, 400 l iiti
1 li.-eados francezesa 180 r*. o coyatlo, ROrgaV
rio de linho para vestidos a 280 r.-. o covaJu, fus-
tio de cores 500 rs yangas para calcas e pali-
lots a 440 c oOO rs. o covado : na ra da Impera-
triz n. 'i.
A Arara vende balees a 3il
Vumle-se balik's lo l, 20, 2." e 30 arcos, dos
melhores que tem viudo ao mercado, a 35, 35*O
e j. o ditos de brilhanlina a 43, meias para se-
nhoras muito linas a 500, 400 c 320 is. o par, di-
tos para montaos a 1^280, para acabar, na lujada
ra da Impcralriz n. 50.
A Arara receben novos soulembanpies preto*
de l.osdcnaplo ricamente enfeitailos, o os vende
por 223 e 253, capas pretas muito brin culi i.idas
e manteletes de giosdenaple de. superior qualida-
de : na loja da ra da Imperatriz n. 5(5.
Cassa organdys l 210 o rnvado.
Vende-se cassa organdys para vestido a 240.
280 e 320 ris o covado. cortes de di 10 com 14 as
ados a 53, ditos de la com barra a 83 : na ra
la Imperatriz n. 56 de Mendes Goimarns.
V liara vendeinadapolofranrrz enfoslado a IjjL
Vende-se pecas de madapolao francei enfestldd
1 4-3, dito inglez com 24 jardas a 63500, 73. 5.
'3 o 103, pecas de lgodao encorpado a 5 3, e63
73 : na ra da Imperatriz n. 56, bda da Arara.
Cirande sortimento de i-octpa
fefta.
Vende-se palitots de panno preto a 123. 103, 85
63, ditos de meia casemira a 33500, 3300 e 5.
1 i tos de brim lino a 65, 5500 e 33, calca de bnm
1 23500 a '25, ditas linas de brim pardo a 35, di-
as do brim branco 1 33500 o 43, serodtas de li-
tan a 13800 e 23,camisas franrezas finas a 24800
23500. ditas de linho a 33, pares de meias a 800
40 e 320 rs., pravatas linas pretas e escoras bor-
ladas as ponas a 15, ditas para menos a 800 e
500 rs., colarinhos do linho a 400 rs. ; s na loja
da Arara, ra da Imperad iz u. 56. loja do Mendos
Gu imanes.
Cirande pechineha de laziuhas
a *4 rs.
Vende.se laazinlms para vestidos a 240, 320,
4' 0 e 500 rs. o covado, ditas muito linas de cores
lizas, proprias para capas e vestidos do senhoras a
650 rs. o covado, ditas escuras muito linas a 640
rs. o covado, ditas de 4 palmos de largura com
palmas de seda a 720 o covado, popelina milite li-
na de ricas palmas a 13200 o covado : na 1 na da
Imperatriz 11. 56, loja da Arara n.-50.
Fazendas para .senhoras. gol!!-
nlias a 900 e S'0.
Vende-se golinhas para senhora a 200.386 e 508
rs. cada urna, ('amistabas para si DNorasa 1-3.15880
a 55 cada um.; e 23, dijas minio linas com gollinhas a 4-35UO : na
COin 20 maci- rua % Arara vende fazendas para
luto, cansas a 34)Ors.
Vende-se cassa preta lina a 320 rs. o covado,
lia prsia para lulo a 640 rs. o covado. alpaka
pn .1 a 500, O'iO e 800 rs., bombazina a 15400 O
covado : na ruada Imperatriz n. 56. loja e arma-
e zein da Arara, de Lbureneo Pereira Mendes Gui-
1 maraes.
Cortes de chita a MIH>.
a I Vendavse cortes de chitas de cores (xas eom 10
covados a 23400, ditos linos a 23800, ditos de ris-
a cado francezes com 14 covados a 33 : ua rua da
Imperatriz n. 56, loja da Arara.
virem
em navio a 500 a libra, c sendo inteiro
400 rs.
Bolachinhas em latas de 2 libras de todas as
qualidades que se procura a 15300 rs.
Ditas em latas rundes a 2(000 rs.
Ditas em latas de 5 libras de Craknel a
45000 a lata.
Bolachinha ingleza desembarcada ltimamen-
te muito nova a 25200 a barrica e 160
a libra.
Cartoes com bolachinhas francezas de diver-
. sas qualidades a 600, 800 e 15200 cada
um.
Peras seccas em caixinhas de 4 libras as
mais delicadas que se pode desejar a
25300.
Bocetascom doces de Portugal ricamente
enfeiladasa 25500, contendor peras, pe-
cegos, rainhas Claudia, ameixas, alperch
e outras muitas huelas.
Passas muito novas a 480 a libra e 75500 a
caixa; tambem tem meias e quartos.
Amendoas de casca molle a 260 a libra e
240 de casca dura, nozes 140 a libra e
45000 a- arroba.
Figos em caixinhas e latas hermticamente la-
cradas a 15500 e 25500, de 4 e 8 libras.
Vinhos em caixas de duzia vindos do Porto
e das seguintes marcas: Duque do Porte,
Duque Genuino, Madeira secca, Chamisso,

00
Velho secco, Vctor Emmanuel, D. Pedro /Mostarda preparada a 200 rs. o pote.
que sao charutos que j se venderam por
2:>600 e 2:)8()0, alm destas marcas tem de
todas as mais que coslumam vir nosso
mercado.
Genebra de Hollanda em frasqueiras a 6:>000
e 560 rs. o frasco.
Dita de laranja a 15200 o frasco e 125000 a
caixa.
Dita embotijas de Hollanda a 4i0rs.
Cominhos tnuilo novos a 400 rs. a libra e
sendo em arroba lera abatimento.
Erva-doce mttito nova a i00 rs. a libra.
Canella muito nova a 15000 a libra.
Pimenta muito nova e limpa a 340 rs. a libra.
Cravo muito novo a(40rs. a libra.
Alfazema nova a 400 rs. a libra.
Toucinbo muito novo de Lisboa a 280 rs. a
libra e 85000 a arroba.
Chouricas C paios a 640 rs. a libra. Fugio do engenho Mananta da coman-a de
Banha a mais nova e alva que se pode dse- Goianna, provincia de Ptrnambuco, o escravu de
jar em latas'de 10 libras a 45000 a lata. mn'e.Maxuniniai.o o qual foi comprado no anoo de
r..} u 1 1 u,ITi ____ i 1850 a Domingos de Suuza Barros, que o tutaa re-
Dita propria para banha de cabello por ser | cebldo ein (iaK"a dt razeluJaSj vi>to que nesso te.n-
alva e dura a 400 rs. a libra. p0 era estabelrcido em Peroambuco. O mesmo es-
Copos lapidados a 45800 a duzia c 5500.
Ameixas em frascos grandes a 25500.
Ditas em frascos mais pequeos a 15400.
Ditas em latas de urna e meia libra a 6 libras
a 152OO e 45000 a lata.
Mlho inglez rolha de vidro a 800 rs.
Prezuntos inglezes para Hambres muito no-
vos a 800 rs. a libra.
2. <
i
>
CG
Maanaaac^w.rAjw rhki .-^a?*
ESCRAYOS FGIDOS.
V, D-Luiz, especial vinho velho do Porto
e outros muitos a 95. 1.05, 125 e 145 a
duzia e 45 a 15200 a garrafa.
Vinhos em pipa Porto, Lisboa e Figaeira
das melbores marcas a 35800 a caada e
500 a garrafa.
Ditos do Porto, Lisboa e Figueira de marcas
menos conhecidas a 400 a garrafa e 25800
a caada.
Dito Colares especial vinho a 800 a garrafa.
Dito Lavradio muito fresco, n5o levando com;
posico, a 560 a garrafa e 45000 a caada.
Vinho Branco de uva fina a 600 a garrafa e
45500 a caada.
Dito mais baixo a 400 a garrafa e 25800 a
caada.
Vinho Bordeaux em caixas de 12 garrafas das
marcas mais acreditadas a 6i500.e 75000
a caixa.
Dito muito especial que raras vezes vem ao
nosso mercado a 15200 a garrafa, garan-
te-se -que por este mesmo preco da pre-
juizo, e s se encontra nicamente nWte
armazem. ^^
Licores francezes e portogueres dos memo-
res autores a 800, 15000 e 155*50 ag*
Cervejas das melhores marcas a 5#fJ0i e
5 rs. a dutia; tambem temos ordinaria
por muito menos.
Marmelada de todos os fabricantes de Lisboa
era latas de I libre a 600 e 640.
; cravo tem os signaes seguintes : baixo, grueso,
bastante barbado, bem pelo, idade de 48annos;
pouco mais ou menos : qualquer pessoa que o
traga a seu senhor, no mesmo eugenlio, ser bttD
recompensado.___________________________
Fugiodo cngcuhoS. Mondas, co'uuic* de Na-
tareth, na madrugada do da 19 di I i no 6
coi rente, anuo, una escrava de nome Jnsepha, m ,-
tencente Lauentino Gomal da Cunlia I
Bullan, a qual tem os signaee seguintes: crenla,
estatura regular, rorpolcnla, cor fula, i. raudos
e grossos, testa saliente, pernas grossas, multo riis-
posia, ladina, denles perfeitos o limado>, nariz Cha-
I to, rosto largo, cabellos carapinlios, oaos vivos e
um lauto espantados, rurn 30 anuos de idade, pou-
co mais- ou menos. Foi comprada no Recita ao
fallecido Joo Jos de Gouveia, tendo viudo de car
Conservas inglezas a 640 e 800 rs. o frasco.
Cognac inglez a 105000 a duzia e 15000 a
garrafa.
Dito francez a 85900 a duzia e 800 rs. a
garrafa.
Palle Brandy a 2$000 a garrafa e 325000 a raoaios, comarca de laWaan epois que foi co
-1% prada tem ft*ilo diversas fgidas, e sempre se diri-
gindo para Carrapatos e seus anaaldes, por onde
Sabao massa a 140 e 240 rs. a libra o melhor. j passon mais do auno em urna de suas fuga-, tcn-
Plvo a 320 rs. a libra e 95000 a arroba. idosido ah aptiiulnaildii, por i.-^ pre.-nm, oae
Vassmira ou l'ara os ^Ibt-s. Ue
oua ".frito, ella par Carrapaios se dirigi, tendo sido ja
oZO cada uma. v perwn-
Dilas americanas a 640 rs. tara d'alii sahir sera para ir para TaquariiiBga,
Papel almaco pautado e lito a 25400 a resma. ?mbr*s. ZBi&LXlltJSl^
t\ i lj M o des oo iciaes, capitaes de campo e qualquer pe.sM*,
DltO de peso pautado e llZO a 35 a resma. a surraptur, e leva-la a seu senhor, no referido
Dito azul propi'io para botica a 25 a resma, engenho, uu na praca do commercio aos Srs Ha>
Velas de soermacete a 5o0rs. alibra,e sendo noel Ignacio de Oliveirai Filho, que receiicia
-a a 49il ,0* deirraiitlcacao. Proceder-se-ha na forma da le
. em caixa a ozu. ^^ coolra quem (|uer que a conservar em seu poder.
Ditas de carnauba do Aracaty a 95000 a arro-, t
ba e 320 rs. a libra.
Farello de Lisboa marca N a 4*000 a sacca.
Tijollos para Limpar facas a 160 rs. cada um.
Peixe em bitas j preparado a 15000 a lata.
Chocolate liespanhol efrancez a 15000 a libra.
ATmcw
Acha-se fgido o escravo ~de n.ii.e Faustino, de
idade 40 annos, pouco mais ou menos, cor fula, al-
ura regular, grosso do corpo, bem espadado, bar-
Caf do Bio pnraewa sorte a 85700 a arroba nado, e j fm alguns cabellos brar-eos na barba.
e 300 rs. a libra. bracos e pernas gruesas e bastante rabelludas, te
Dito de segunda a 85400 e 280 rs. a libra. do a" enws ar1Hfadas. W* Dao 'uil0.
4__ a* \L___u- i i_j- j ancim ma andar em sambas, e as vezes embmiga-se bas-
Arroz do Maranho, Java e India de 25600 a tonu, Jlur gSlar raurto de MT. ^ r0a.
35 a aTruba e 100 rs. a libra. se s autoridades pollciaes desta e das provincias
Alpista muito novo e limpo a 140 rs. a li- limitroohes, bra e 45500 a arroba. seu fn*Hro major Antonio da Silva Gusmao, na.
p ___jTT .. aSBAA Mv snn *u- Imperial, assim como roga-se ao? capitaes de
Cevada muito nova a S58OO a arroba e 100 campo apprehensSo do dito escravo, oue serac
rs. a-libra. bem gratificados.


tXsrH e tgf* ftwnH fclr 3 e Malo le f *.
LITTERATORA.
Exposlfo Internacional lel.ou
dios cui 1 **.
RELATORIO SODBE OS TtfLEGIlAPHOS ELCTRICOS. POtl
urtvnn psrrira rbol'Cas, i* tenente do coiipo
M K.>ONHEIBOS.
sas e suscepliveis de appticacao vautajosa, o tele-
grapho de Alian, tal como foi executado, offerece' de 13 o qne se tornoa ecessaro, porque o trans-
A roda de escapumento tem 2o dentes em lugar opportuoa, o receptor iraz coma accessorio um
tantas resistencias a vencer pela aeco elctrica missor produz na passageuj da urna leltra seguln-
que sera necessano grande for$a motora para fa- te urna eorrenlc o orna interrnpco, que do lugar
ze-lo trahalhar, e assim mesmo nos parece pouco'a dous effeitos no electro-iman do receptor, cau-
provavel que elle seja capaz de reprodu;.ir despa-! sendo duda um a passagem de meio denle da roda
chos em grandes distancias. ] de escpamento. Pelos dous effeitos, passa uin den-
apparelhos impressores, telegrapho de m. de te, e so correspondo ao avanco de urna leltra,
(Concluso.)
O transmissor propriamente dito, tem a forma
geral do um receptor esc revente. Ha nc
inachiuisnio de relogio com disposicoes para ar-
ra.-tar uina tira de papel, mas o eleciro-iinan foi
suppriinido a.-sim como todo o systema escreven-
te, o em seu luear existe um cylindro de metal,
em parle envolvido constantemente pela lira de pa-
pel perforada com os signaes da mensagem. Esse
cylindro tem una pequea ranliura, cavada se-
gundo um i'iivulo parallelo as suas bases. Em fren-
te dessa ranhura existe urna ponta curva de me-
tal, preta e una haste vertical, que oscilla multo
fcilmente cm um cixo parallelo ao do cylindro, o
loca em seus movimentos dous contados, um P,
coninunicando com a linha, e entro R, em reta-
ca) cun a trra. Como cssa haste metlica com-
Diuaiea consianiemente com a pillia, suas oscilla-
(fas |iroduzem emissoes de correntes elctricas
n i ludia allernando com inlerrupgoes. Vejamos
como im lugar essas oscillacoes.
A pinta de metal da haste ose liante assenta so-
bre a tira de papel, que passa sobre o cylindro, e
6 conservada levantada em quanto correm por bai-
xo della parles intactas do papel ; mas, quando
passam as parles perforadas, a ponta cahe na ra-
nliura fronteira do cylindro, e ahi se conserva du-
rante a passagem dos buracos, que represenlam os
signaes.
Nesla occasiao, a baste oscillanle est juxlapos-
ta ao contado P, c correnies da pilha, passando na
buba, vo pruduzir em um receptor cscrevente
pontos e traeos, disposlos exactamente como os bu-
racos perforados na tira de papel, que arrastada I
pelo niachinismo do Iransmissor. V-se deste bre-
AIII.INClT.r.
Este apparelho foi executado e exposto pelo afa-
mado fabricante Mr. Bregue!. B' um teleg.apho
um de mostrador com manipulador de teclado circular
a que so ajuntaram ergios particulares para se
obter a impressao das lettras do alphabelo, indica-
das pela agulha do mostrador. Todas as partes do
telegrapho,manipulador, receptor e systema im-
pressorestao comidas em urna so caixa, onde
existem dous machinismos de relogio, um M para
dar movimento ao manipulador e ao receptor, e
oulro AT para produzir a impressao e deslocar a tira
de papel em que ella se effedua. Dous elec-
tro-imansE, Fsujeitam csses dous machinis-
mos influencia das correntes elctricas da pilha
de linha, e de urna pilha local que serve para a im-
pressao. Urna roda de metal, trazendo em sua peri-
pheria os typos em relevo de todas as lettras do
alphabelo, celloca successivamente sobre o martello
impressor cada letlra indicada pelo ponteiro do
mostrador. Um rdlo de fellro embebido de tinta
oleosa roca levemente sobre a roda e fornece de
lila os typos. Em fin, um pequeo marlello,
disposto em baixo da roda, em certas occasioes
apena contra ella a tira de papel que passa entre
elle e essa roda. O organismo deste telegrapho
de tal modo arranjado que a impressao de urna
monsagem se produz ao mesmo tempo lamo no
apparelho que a envia como noque a recebe, tendo
lugar em ambos os receptores effeitos anlogos.
Supponhamos o manipulador de urna estaco com
todas as teclas levantadas, estando o ponteiro sobre
a cruz do mostrador. Eoto as correntes da pilba
dessa estaco nem passam na linha uem no elec-
tro-iman E do apparelho respectivo, e a roda dos
typos apresenta ao martello impressor em ambas
ve Oame do apparelho automtico de Mr. Digney, Ias *"&" coman, ni can les o banco, que corres-
ponde cruz do mostrador. Entretanto, existe
que a principal operago da transmissao consiste
em perforar os signaes das mensagens. Feilo te-
to, ellas ao enviadas pelo trabalho automtico de
um machinismo, a que se pode dar toda a veloci-
dade compaiivd com as condedes tanto da linha
como do receptor.
O iransmissor automtico de Mr. Digney, tal co-
mo est constituido, emittindo as mensagens por
meio de correntes intermitientes de um s sentido,
incapaz de transmissao milito rpida a grandes
distancias: mas nao difcil dar-lhe essa proprie-
dade adaptan lo-o a enviar correntes alternada-
mente directas e inversas.
Os dous systemas de transmissao automtica, que
temos examinado, empregando os signaes Morse,
estao no ca-o de seren applicados com vantagem
communicaco entre a linha e os electro-imans
Edos dous apparelhos, que assim estao no caso
de recetar qualquer eorrente emittida da estacao
visinha.
Se se abaixa porra urna tecla do manipulador,
envia-se linha e ao electro-iman E do proprio
apparelho que transmute, urna eorrente a qual poe
em rolacao o seu machinismo de relogioM. Essa
rotacao communicando-se orgaos especiaes do
transmissor, produz urna successo de correntes
intermitientes, que, como a primeira, levadas pela
linha telegraphica vo actuar no receptor, causan-
do nelle effeilos idnticos aos que teem lugar no
Iransmissor. Assim, o seu machinismo de relogio
M roda de accordo com o desle, passo passo, e
ambos vo trazendo successivamente sobre o mar-
nas linha* telegraphicas em que esses signaes es- tello impressor as lettras das rodas de typos.
Masa tecla abaixada no manipulador elevou debai-
No sao taes apparelhos necessarios em todos os xo della urna pega que se collocou no caminho de
pistos de urna linha, mas os seus servicos sao va-
liosos nas estacoes, em que nao se pode occerrer
com os manipuladores ordinarios ao grande nume-
ro de men>agens que ha a transmitlir. Em tal ca-
so, a sua rapidez de transmissao d lugar a fazer-
uraa haste direelamente ligada ao systema motor M
de sorte que elle nao pode mais andar quando essa
haste ebega ao lugar da tecla. Entao as correntes
intermitientes cessam de lodo, ao mesmo lempo,
tamo no iransmissor como no receptor, e em am-
se com um s apparelho o servco de muitos, que bos as rodas de typos offerecem aos martelles
precisavam para corresponder-se de outros lanos impressores a letlra da leda abaixada.
fios teh-L-rapliicos ; do que resulla urna economa
mudo cousideravel, lauto no servco como no esta-
beleciineuto da linha.
Vejamos agora como se produz a sua impres-
sao. O electro-iman E tem urna armadura que,
como de costume, por intermedio de um escapa-
mente, dirige a rotacao do machinismo de relogio
pela influencia das correutes inlenr.iitentes. No
apparelho de Mr. d'Arlincourl essa armadura tem
O orgao,-que gOveni. a roda do escopa
TELEGRAPHO DE MR. ALLAN.
O telegrapho automotor desse engenheiro tem
em vista tornar a correspondencia telegrapiuca
urna operacao quasi toda mechanica. Tanto o seu I meuto, oscillando entre duas ponas de metalA e
transmissor como o seu receptor fonecionam em B>~e,u relat5 ambas com o fio do electro-iman
todas as suas partes pela aeco da elpctricidade, I F- do systema impressor. Por outro lado, esse
que at serve para dar corda ao machinismo de ort*o B commnnica com o polo positivo da pilha
relogio, que poe em movimento alguns orgaos do loral- Em quanto as correntes intermitientes, emit-
apparelho. Para a transmissao das mensagens, lldas I,el manipulador, se succedem com grande
Mr. Allannsa de um alphabelo differenle do de velocidade pela aeco do machinismo de relogio M-
Morse, composto de series de pontos agrupados de or8au oscilla entre os contactos Ac B, quasi
diversos modos. sem toea-los, e nenhuma correnle passa da pilha
Um apparelho especial perfora tiras de papel ''a' ^'^ impressor. Mas quando o movi.
com os pe,,uenos buracos circulares, que combina- "? d ,nrh,n,smo e P^ado Pfjo empecilho,
a. -.., ~ i .. Que '"e oppoe a tecla abaixada, o orgao H toca or
dos represeutam as lettras. onsegue-se isto mu- b <. i>i
lo fcilmente calcando successivamente teclas que f""' 'T *" COnl"Cl0sl A ,ou B' a corren,c
O appareiho tem, marcadas cada urna com urna **' P8 no fio do electro-iman F do
lema ; e a pressao de qualquer tecla produz na ti-j 225 ,m',ressor',a sua aadlra ^'.a.trahida, e
! deixa obrar o machinismo de relnjoana resnecii-
"aleura S ^ repreSeD,am reSPCC' | vo-N-, que leva o marlello contra a roda de
j typos, e marca na tira de papel a letlra da leda que
A tira de papel perforada col locada no a ppa-1 foi calcada. Em seguida, pela accjio do mesmo
relho transmisor, sendo ahi assenlada sobre urna j machinismo, a lira de papel deslocada da dislan-
pequena roda dentada com pontos salientes. Poe- cia que deve mediar entre duas k-tlras consecu-
lais chamado reais impressor.
re- sao elctrica foi posto em movimento ao mesino
lempo que o da estacao traosmissora, e, como ahi,
Os electro-imans desse retis, assim corno o elec-' corre por baixo dos pentes. Nene mar meato o
tro-man A do receptor, devendo obedecer a cor-' pentc escrerente apola-se constanlemele sobre o
rentos inversas lem urna disposigao especial muito papel, e decompoe em certos pomos a rabstaada
vantajosa, imaginada pek. Dr. Dujardin. o ncleo chimica, que o embebe, nas occasioes, om que cor-
do carretel, que forma qualquer desses electro- rentes elctricas, passam nos (los da linha, e atra-
imans, feto de fer/o oca, para ser levo, e pode vessam o papel para irem esciarse na ierra pelo
lano pelo ponteiro do moslrador como pela roda oscillar entre os, polos N e S de um man perma-! metal do apparelho
nenie flxo em um dos topos do carretel. Ordina-! Ora, romo a emissao de correntes no
de typos.
- .ran=missor
O etectro-imau B'do receplor aprsenla lambeta riamen,e> Pela egualdade de allracao desses polos,' pelos los da linha determinada pelo contado dos
disposiroes peculiares muito engenhosas, cora o fina n"c eo e rerro doce fica no meio do intervao denles correspondentes do pente, quo transmitte,
de servir para governar tanto o machinismo do t e^is en e en re s ',nas guando una correte \ com os diversos pontos do contorno das lettras, as
relogio, como o modo de accao das correntes de ^ec nca pafca no lio electro-iman, elle se mague- deromposieoos do papel chimico teem lugar na oc-
uma pilha local no electro-iman P do systema im- isa no^x remo corresPO"denie ao imn, ou como casiao desses contados, e por conseguinte reprodu'
pressor. i pol y-O como s. conformo o sentido da cor- zem cora pontos a forma dessas lettras.
Os ncleos dos jarretis do electro-iman E sao Tv lTa^^^ *** ulegr^ho Bonel.i reproduz os
mdependentes ura do outro, eapresentam era ambos ^ ? levadolr? ,! ? : deiPachos em "*" commuas.
os topos dos carreteis extremidades livres. Por tal .'_ le ad0 para e*le no segundo
disposicao, as correntes elctricas, passando no fio
desle electro imn, dao aos exiremos de ura raesrao
lado dos ncleos polos de nome contrario. Em
frente de cada topo o electro-iman E tem ama das
armadurasD e V, ambas formadas por imans per-
caso, por effeitos oppostos, elle se aproxima do polo
N. Assim o ncleo desse systema de eleciro-iinan
oscilla sob a influencia de correntes inversas, como
acontece armadura-dos outros electro-imans.
O manipulador do telegrapho do Dr. Dujartin
manentes, collocados ura em relacao ao outro cora de mostrador, e apresenta as segrales particulari-
os polos symetricos do mesmo nome fronteiros. A dades :
armadura D rege a roda de escaparaente, que gyra '' systema que produz a emissao das cor-! lraordinaria presteza de correspondencia quo o te-
Para evitaros effeilos da palarisagao e de outras
perturbares, que inffuem consideravelmente nos
systemas electro-chimicos, Mr. Bonelli emprega
meios muilo engenhosos, em cujo exame temos lu-.
gar para entrar. '
Apezar das grandes despezas do estabelecimen-
lo e da manuleneao de una linha de sele fios, a ex-
com o ponteiro do moslrador e a roda de typos! A rentes, envia na linha, quasi sera interropeo
armadura V serve, como um reais, para fechar uma eorrente de senlido opposto em cada lettra.
em certas occasioes o circuito da pha atravs do 2- A manivella do manipulador, qnando est
electro-i man P do systema impressor. sobre uma lettra qualquer, pode ser abaixada, e
O fio de electroimn E foi enrolado em direc- Pr esse movimento rompe-se a communicacoda
cao tal que, quando as correntes que o percorrem "nna em pilha da eslacao, que trausmilte, e pSe-se
sao positivas, a armadura D repellida, conser- -a linha em relacao com o seu receptor,
vando-se entre tanto a armadura V juslaposta, co- As correntes successivas inversas, cniiindas pela
mo de ordinario, ao lopo correspondente do elec- rot'acao da manivella, sendo levadas pelo flo tele-
tro-iman; e que ao contrario, quando ellas sao ne- graphico, vao actuar ao mesmo tempo no electro-
gativas V repellida e D conserra-se unida aoelec- man A do receptor e nos de seu rotean impressor.
ro-iman. j Naquelle, a oscillacao de seu ncleo determina a
Comprehende-se agora que as correntes positi-1 ro'acao *~* passo da "* dos l^'a ual v*m
vas lntermit.entes.emit.idas pela rotacao do mani- c"^ a cada correte deba.xo do martello ira-
pulador, causando a oscillacao da armadura D pro-
pressor a lettra sobre que passa a manivella do ma-
movam somente o movimento correspondente do nipu a or
ponleiro do receptor e de sua roda de typos, movi-1 Nos electro-imans do reais, os seus ncleos os-
mento que cessar quando o manipulador parar cillam entre quatro contactos, arraojados de la'
sobre uma letlra. modo, que o circuito da pilha da estacao receptora
E se entao fr abaixada a sua manivella, uma fechado atravs do electro-iman B do systema
correnle negativa ser enviada na linha, a qual, impressor sraente quando ha cessacao de corren-
percorrendo o fio electro-iman E, smente pro- tes da linha.
duzir a repulsao da armadura V. Por tal movi-
mento, essa armadura faz que a correnle da pilba
local passe no Oo do electro-iman P, que se magne-
tise e attrahe a sua armadura, levando assim o
martello impressor de encontr roda de typos.
E como ella lem nesse momento sobre o martello
Ora, isso se d, como vimos, quando a manivel-
la do manipulador calcada sobre uma letlra.
Porlanto, nessa occasiao uma correnle passa no fio
electroimn B, que a.trahe a sua respectiva arma-
dura : e ella, solicitando o marlello impressor,
. i .. i. calca-o sobre a roda flexivel dos Ivnos. e a noe em
a lettra sobre que eslacionou a man ve a do mani- ... A ,7
.,. ._____... u, u coniact0 com a tira ,je pa.)e onje |lca imiiressa a
pulador, essa leltra e impressa na Ura de papel que ,ol,r om ., u ^TT^
cobre o marlello q abaixado a manivella do trans-
missor.
Se, em seguida, se levanta a manivella do mani-1
pulador, a eorrente negativa cessa, a armadura i guando se levanta essa manivella e se contina
magntica V volta espontneamente para junio dos a,mov"la sobre mostrador, reproduz-se a succes-
nucleos de ferro doce do electro i man E; e, quan- sao de correnles inversas ; o marlello volta imme-
do a manivella conduzida para uma oulra leltra Galamente sua posico ordinaria, e a roda dos
repete-se a successo de correntes positivas inter- i lyp.os gyra de conformidade com o manipulador,
mitlentes, as quaes smente influem na armadura al parar com elle em uma ou,ra lel,ra' cuJa im'
D, e fazem andar o ponleiro do receplor, e sua pressa0 ,em lu8ar Pr effeitos semelbanles aos ijue
roda de typos, at a posico da nova leltra.' descrevemos.
O lelegrapho impressor de MM. Digney Frres ,eleraPno do Dr- Dujardin, pela leveza da sua
lera, como o de M. d'Arlincourl, alguns inconve- roda de ,ypos' pi'la sensib,lidado de seus eleclro-
nienles que o inhibem defonecionar com rapidez e imans' e Vo* uma erande (Iuan,idade de condiCes
regularidade era linhas extensas.
As rodas de typos de ambos sao muito pesadas
para poderem obedecer sera opposico acgo da
electncidade. Para p-las em andamento ha a
vencer a inercia de sua massa, e durante a rota-
cao adquirem uma quanlidade de movimento tal
que multas vezes nao param ao tempo em que ces-
sam as correntes que gorernam essa rotacao de
peculiares, que seria muilo longo enumerar, pres-
ta-s convenientemente correspondencia telegra-
phica com grande velocidade em linhas exlensas-
Assim, esse telegrapho imprime cora muila exacti-
dao 100 lettras por unnuio : numero que at com
os apparelhos escreventes de signaes Morse nao se
pode alcancar.
Para completar as boas qualidades de seu lele-
conformidade com a da manivella do manipulador. J 0,Dr ^^,0 e **" m' m "**
Transmiltindo as mensagens por riieio de frentes ^ 2 m*f+ e por me, de com-
intermiitentes de um s sentido, esses telegraphos b,Ba,oes ma" en&ennosa?' conseguiram faz-lo
imprimir simultneamente na estaco transmisora
nao estao no caso de operar efflcazmenle em Ion-
gas linhas telegraphicas.
A descarga de taes correntes nos nos extensos
sendo lenta, muitas vezes nao se pode effectuar du- P ?f? fla ,inna-
ranle as interrupcoes que as separam, e havendo
accumulaco de correnles nao se produzem no re-
ceptor effeitos concordes com a accao de correntes
inlerrompidas, como as que o transmissor emitte
Tem anda o telegrapho impressor de MM. Dignsy
Frres um defeito, que vera aggravar os nconve'
nientes, que citamos :- produzir o seu manipula
e na receptora, sem pilha local, os despachos, apro"
veitando para esse fim as correnles das proprias
Alera disso, por meio de seu reais impressor'
clles adoplaram o seu apparelho a poder servir
para a translaco, isto para se transmitlir um
despacho ao mesmo tempo a muitas estaedes con-
secutivas, enviando cada uma dellas eslacao vi-
sinha as correntes de sua'propria pilha de confor-
midade com os effeitos produzidos no manipulador
da estagoque transmitte.
legrapho impressor de Mr. Bonelli prometle reali-
sar, induziu uma companhia ingleza a emprega-lo
para uma nova communicaco telegraphica entre
Liverpool e Mancbester.
(Diario Oficial.)
dor na passagem de uma letlra a seguinte uma cor.
rente c uma interrupeo. Em conclusao, parece-nos que o telegrapho im-
. ., pressor do Dr. Dujardin, se nao a resoluco do
Claro esta que, quando se d a esse manipula- difflci, problema da telegraphia impressora em ca-
se em andamento o machinismo, que promove a
trarco da lira de papel, e quando as ponas da ro-
da dentada enlram nos buracos do papel, arrasta-
da por elle essa roda c posta em rotacao Essa
rotacao por una coinbinaco particular produz em
d'iis electro-imans que existem no apparelho, cor-
rentes ora de ura sentido, ora do inverso, as quaes
por sen cff.ito poem em oscillacao uma armadura
magntica, coiloeada entre os electro-imans. A
o>cillarfio dessa armadura por um systema 5spe-
cial serve para dar corda ao machinismo que mo-
ve a tira de papel, e tambem se transmiti a um
coniuiutador, que no momento da passagem de ra-
da huraco da tira de papel, emitle uma crreme,
ora directa, ora inversa, que levada pela linha
ao apparelho receplor- Faz parte desse receptor
um reais(\nc qnem recebe as correntes, que
o transmissor envia, e cujo flm communiear s
vezes nina pilha local com dous electro-imans fron-
teiros, disposhis no receptor tal qual como no trans-
missor.
As disnosicoe?reaissao novas, e da inven-
{ao de Mr. Alian. Elle fecha o circuito da pilha
local airaren do receptor, sob a influencia tanto
das correntes directas como das inversas ; e pre-
vine a produci;o de scentelhas elctricas entre as
superficies, cujo contacto d passagem eorrente
da pilha lo'-af, scenlelhas que se preduzem-nos ri-
la ordinarios promovendo aoxyllaco das super-
ficies de contacto e alterando a sua, couductibili-
dade.
No receptor as correntes elctricas, que lhe for-
nece a pilha local, mudam de sentido de conformi-
de com as enviadas do transmissor corresponden-
te por effeito de um systema inversor, que pela
oscillacao de uma armadura magntica c posto em
aeco pelos proprios electro-imans, a que essas
Crrenles vo ter.
O movimento dessa armadura tambem promove
a trarco de uma tira de papel, e por um orgo
especial uella produz a impressao com pontos em
relevo dos signaes que represenlam as lettras da
niensagem.
A disposico do systema impressor tem de pe-
culiar que elle trabalha e imprime um signal pe-
la aego de cada eorrente, quer directa quer inver-
sa ; resuliando os intervallos, que devera ficar en-
tre os signaes, do curto tempo que meda entre
duas crrenles consecutivas. Esla propriedade
desse apparelho, rombinada como novo svsiema
alphatn-tico du Mr. Alian, permute obter-se delle
urna transmissao mais rpida do que a dos tele-
graphos escreventes de systema Morse.
Mas ainda que suas disposiroes sejam engenho-
tivas.
E' pelo modo que procuramos descrever, que
calcando-se uma depois de outra as ledas corres-
pondentes s lettras de uma' men.-agem, se conse-
gue iinprimi-las successivamente era uma tira de
papel.
O telegrapho impressor de Mr. d'Arlincourl de
disposiroes engenhosas; mas tem um mecanismo;
dor a mesma velocidade que se costuma dar a um
manipulador produzindo um s desses effeilos en-
tre duas lettras consecutivas, os dous effeitos do
racteres communs, sem duvida ura grande passo
para esse fim.
Incontestavelmente elle e muito superior a todos
pnmeiro terao ugar no mesmo temno aue um do .....
. 7 ^ '. u os impressores exposlos; e sua praticab dade j
segundo e serao por tanto de metade mais breves. ,,, ,.a a ,. '
,.. -..-. j foi demonstrada no servico de a urnas nas na
Ascorren.es emittidas sendo por conseguinte de Franca
muito curta duraeo, o seu effeito falhar muitas
vezes se se fizer a transmissao com grande veloci- teleciupho electkico-chimico de mk. bonelli.
dade. Esse telegrapho precisa de uma linha telegra-
E' o que explica por que esse telegrapho s pode pn,ca com se,e f,)S para effoClQar a eorresponden-
imprimir 45 lettras por minuto, quando se conse- m enlre duas esta5es' c a,nda ('ue elle P0Sfa al"
gue transmitlir muilo correctamente com um ap- cancar pel scu s>'stema uma velocidade de trans-
parelho de mostrador ordinario ai 80 Imito* nnr misso superior a da maior parte dos telegraphos
r minuto. conhecidos, uma tal condico importa quasi a sua
telegrapho impuessor do dr. dliardin. 'mPossibil'dade pratica.
No lelegrapho impressor de sua invenco o Dr. i Sendo um apparelho eledro-chimico, de disposi-
Dujardin procurou obviar lodos os inconvenientes ?6>s engenhosas, e fondado em principios diversos
-1 que tem at agora tornado de applicacjio pouc dos que temos examinado, vamos dar delle uma
ser sua aeco dependente de um grande numero
de molas antagonistas, cuja tenso. difllcil por de
accordo com os effeitos que deven produzir.
Por ter a roda de typos relativamente muilo pe
sada, e por funcrionar com correnles interrompidas
de um s sentido, esse telegrapho tem em seu orga-
nismo inconvenientes que o impedem de imprimir
com rapidez, e que tornam a sua acgo muito
duvidosa a grandes distancias. Destes inconveni-
entes participa o que vamos examinar, e depois
delle discutiremos a sua importancia.
TELEGRAPHO IMPRESSOR DE M. DIGNEY.
Este apparelho uma modificaco do telegrapho I
breve noticia.
Sobre a superficie de uma mesa existe uma pe-
quena via frrea, onde corre um carrinho de nie-
van tajosa os apparelhos impressores, j experi-
mentados.
A roda de typos por elle inventada extrema-
mente leve e o seu receptor funeciona com corren- lal supportado por qualro rodas, uma das metades
desse carrinho serve para a transmissao, a outra
para a recepcao dos despachos. Em cada uma
existe uma abertura rectangular, coiloeada em uma
das partes do carrinho, na borda exterior ; e na
outra, na interior, de sorte que as duas aberturas
nao se achara na mesma recia.
tes de duas direccoes.
A roda de typos do Dr. Dujardin a parte es-
sencial e a mais engenhosa de seu apparelho recep-
tor. Em lugar de ser espessa, por ter os typos
ordinario de mostrador ao qual se ajunlou um sys-1 gravados na circunferencia consiste em urna la-
tema impressor. O seu manipulador differe^m .mina circular de aluminio, mullo delgada e flexl-
alguns pontos do manipulador usual: ITe|. pesando apenas de 7 10 decigrammas. Nessa' Sobre a mesma existo um syslema fixo seguran-
I.-A passagem da manivella de uma ,eUra ilamina ora> bordadas com fio de.Igodo, era cir- do dous pequeos pen.es de metal, tendo cada ura
seguinte, em lugar de produzir smente s vezes culo somp.nliaiido a sna borda, todas as lettras sele denles .solados uns dos outros, e commun.can-
uma eorrente, outra vezes uma interrupeo, da do a'Phabe,. quaes apparecera em urna das fa- do com os sete fios correspondentes da liana tele-
tugar a ambos esses effeitos. I "* da lam,na lra*da*com liona'como M Ie,lras 8r,pn,ca-
... ,-,... IA de retroz com que se marca a roupa. i Um desses pentes corresponde pela sua posico
2. A manivella esta ordinariamente isolada do Coiloeada horisonialmunte a t do tvima ovra a j ^ ._ .
.,. r,,,v iik. ii L.unoidud iionsoniaimenie, a roaa ae ijpos gjra a ami das metades do carrinho, a em que se faz a
mostrador, e porlanto da linha, que com elle com- entre o martello impressor, na parte .superior, e transmis.so- o pente fransmsor-; o outro es-
mun.ca; mas pde-se estabeleccr essa commnnica- uma lira de papel passando em baixo della, sobre u collocado seraelhan.emente a respeito da oulra
{ao, quando ella para em uma leltra, calcando-a ** estreita pecafixa, correspondendo exaclamen- uieiade- o pente escrerente.
sobre o mostrador. Eto, como essa manivella ,e no marle|lo mJires$or. Fb1o de uma malpria .
esta em relacao com o polo negativo da pilha da Dermjave| et marlello esl semDre emhell.Q de Pa" env,ar uma mensagem, e ella composta
perm.ave, esse maneiio es a serapre embebido de CQm fc meU| specM8 em um caixhoapro-
tinta, que HUra atravs del e d um peaueno vaso ,. .
.V* n F H priado a esse Ora, o qual e col tocado na abertura
que lhe fica superposto. Quando o martelo com- \, "J .. .,
'_____ ... da parta do carrinho dedicada a transmissao. Na
prime uma lettra da roda dos tvpos sobre a lira de y
O receplor lera mais de um receptor ordinario de. pei0T|0 do Unha que traca essa lettra em vir- estagao receptora tem-se collocado na metade do
lude da capillaridade, se embebe de tinta, e pela respectivo carrinho, que serve para a recepto,
compresso deixa sobre o papel o.contorno da let- uma barra de me,al cober,a com uma ,ira de pa"
tra.
linha, rujo polo positivo coramunica nesla occasiao
essa a ierra, uma correte iuversa emiltida pelo
lio leiegrapluco.
moslrador:
1." Uma roda de typos, collorada no mesmo ixo
da roda de escpamento e do ponteiro do mostra-
dor. Essa roda apresenta sobre om martello Im-
PT. *,*. p, *ro,. i j* 55- ge,&3?3
2." Um rolo de fellro molhado de tinta, seropre
em contacto com os* typos da roda.
pe embebido de uma dissoluco de nitrato de roan-
ganez.
Feilo isto, por meto de um machinismo particu-
tro-iman A, que governa sob a influencia de cor- lar pe-se em movimento o carrinho do pesio que
rentes iaversas o machinismo de relogio, que faz enva a mensagem. Passando por baixo do pente
3.* Um electro-iman especialF, pondo direc- gyrar a roda dos lypos, e um oulro electro-iman B transmissor, os sens sete dentes, qne abrangem to-
tamente em movimento o marlello impressor, e por. actuando sobre o marlello impressor, e ao raesrao da a largura dos typos, vio tocando successiva-
ura mecanismo particular tira de papel em que se tem(W regulando a accao de um oulro motor de re- mente as partes salientes de seus contornos, e como
taz a impressao. | l^ que arrasU em cortas occasioes a tira de pa- ha communicaco enlre os typos e um dos potos da
Alera desses accessorios, algnns orgaos do recep-' pe. O electro imn B obra'pela nOuencia da* pilha de linha, correntes sao enviadas pelos fios
tor impressor apresentara differencas essenciaes correnles da pilha de linha da estaco de recepcao correspondentes dos dies que os tocara. Na es-
que vamos mencionar. '[ para fechar 9 circuito desse piHa em occasiao taco receptora, o seu carrinho por uma transmi^
essas gargantas do Sfakia, onde a populaco grega
isenta de qualquer misiura, soube sempre conser
var tanto sob o dominio turco como soube o domi
liio veneziano, com a sua independencia armada,
11 ne o conquistador eslrangeiro raras veies ataron
de perto, uma curiosa linguagum na qual se reco-
jihece o carcter e a tradico do dialecto drico, que
em outro lempo se fallava em toda a ilha de Creta.
E' to alta e lo insu,-eravel a barreira que do la-
de de Sehno encobre os vales de Slakia que o ca-
minho mais curto para l ir ter passando pela
Canea.
Seguimos por um que atravessa o territorio da
aldea de Alikianou, celebre era Creta pelos seus
ricos pomares. O limeciro e a larangeira, que na
Italia e na costa da Syria, mesmo em JJTi. nao
crescem mais do que as macieiras que se plantam
na beira das nossas estradas da Normandia, aqu,
como as oliveiras de Selino, chegam a uma altura
e a um desenvolvimento como eu nuncatinha visto
em parle alguma.
Coniprehende-se aqui melhor a fama qne os poe-
tas e os viajantes tem dado larangeira. Asseve-
ra-se que a cultura dessa arvore foi introduzida na
ilha no principio deste secuto, e entretanto, s os
pomares de Alikianou produzem por anno, termo
medio, uns quatro milhoes de laranjas.
As laranjas de Creta, grandes c aromticas, sao
muilo apreciadas em lodo o Levante, em Alhenas,
em Conslantinopla e em Smyrna ; os vendedores
de fructas apregoam nas ras: -laranjas de Creta I
como se apregoa em Paris :ovas de Foptaine-
hleau. t
Urnas dez horas de marcha separam Canea do
districlo chamado la Rhiza;' ou por oulra a Raz ;
todo o terreno que se estende mesmo na raiz e
como que sombra das verlentes septenlrionaes
dos Montes Brancos. Na poquena planicie de Cra-
pi ha um poco que forma o limite de Sfakia.; de-
pois de deixar beberem agua ahi os cavallos, qne
vo lutar com um grande trabalho, entra o via-
jante um estrello desllladeiro.
As montanhas, cobertas de carvalhos c asiuhe^-
ras, despenham-se dos dous lodos em ingremes
descidas. Se t) assaltante que ataca Sfakia pelo
norte qur deixar a eslrada e subir ao alto, tem
de trepar por cima de pedras soltas, que a cade
instante lhe fiiam debaixo dos ps, leudo em
frente de *;' o inlmigo que, occnltando-se por en-
lre Vs arvore, nlo erra a poniarla.
Assim. era agosto de I9JI, os Turcos fizeram
uma desastrosa tentativa, que ihes custou perto
de mil hornee, tres pe^as de campanha e toda a
equipagem- Treze annos depois desse combate, o
viajante inglez Pashley, a quem devenios a nica
carta geographica de Creta, qoe pessuiamjs at
agora, encontrou ainda pelo oarainno acervos de
ossos einbranq'iei'idos pela chava e pelo invern.
Depois de se caminhar tres quinos de hora por
um dosfiladeiro estrei.o e cheio de vollas, chega-se
ao primeiro dos can.es sf.ikotas, a planicie de
Askylo. O lerrilprk) de Askyfo uma bacia .oda
rodeada do montanhas, que, pela sua configura-
cao, faz lembrar as altas planicies da Arcadia ori-
ental, Stymphado, Phcna, Orchomena, Mantina,
e Tegeo. As aguas que para ahi se precipitara
em consequencia das chuvas o da nev que seder-
re.e, escoam-se \m esgotos subierraneos; as prin-
cipaes aberturas sao nordeste, cm um terreno
muito baixo que, quando ha grandes chuvas, flea
quasi todo coberto de agua. J se v que, antes
de se abrirem taes esgotos, toda essa bacia for-
mava um lago ; mas, nem a historia, nem as tra-
diedes conservan) lembranea dessa poca, e de
memoria de hornera nao consta que isso jamis se
interrompesse, nem que os habitantes desse canto
se vissem algum dia ameajados de acontecer-lhes
o que peridicamente aconlecoem Slyraphalo e em
Phena, onde o elemento liquido estende-se sobre
parle do terreno quo j tinha abandonado, des-
tre as plantares, apaga todos os vestigios de cul-
tura e enterra no lodo as divisas dos campos. A
nica cousa que nos falla desse tempo sao os pe-
queos rochedos que em alguns lugares so erguom
da superiee unida da planicie ; sem duvida fo-
ram oulr'ora ilhotas no meio do lago; a pedra
desses penhascos de differente cor das monta-
nhas circumvisinhas, e tem evidentes signaes da
lenta accao das ag'uas.
O fri muito forte no invern, a nev dura
muilo lempo, e em todo o Askyfo ha apenas uma
oliveira que se moslra como uma curiosidade. Xo
produz ahi o trigo ; cultivam-se smeuie a cevada
e a vinha.
Como em toda a provincia do Sfakia, os habi-
tantes de Ask)fo sao regos, vivera em seis aldeas
dispersas na planicie perto das montanhas ; porm
durante o invern essas aldeas ficara quasi aban-
donadas.
A maior pajte dos Askvfintas lem casas e plan-
tacos de oliveiras no liltoral, e em flns de outubro
descera lodos para l.
As poucas familias que nao emigrara devem ler
o cuidado de fazer anteclpadaraenle todas as suas
provises, e de tomarem as necessarias medidas,
afim de se remediaren! entre si durante bastante
tempo; as vezes passam mais de seis semanas sem
communicaco possivel cora resto do mundo. O
caminho que de Askyfo vae ler a costa meridional
tem o mesmo aspecto que o que desee para a Ca-
nea. Sahe->c da planicie pelo lado do sul, passan-
do-se por um eslreito caminho, depois do qual en-
ira-se em um desllladeiro, conhecido pelo nome de
garganta de Askyfo, ton Askyphon talpharanglii.
Durante duas horas caminha-se com difliculdade
no leito da torrente, boje secca, sobre pedras roli-
cas e polidas pelas aguas. Esla entendido que
preciso o viajante apearse ; os animaes escorre-
gam sobre essas pedras lisas e sonoras, que reti-
era ao contacto das ferraduras.
Podera haver valles mais piofundos, dominados
por mais alias montanhas, por mais medonhos pre-
cipicios ; porra duvido que encontr em parte al-
guma um mais eslreito desfiladero. Nao ura
valle, propriamento dito, uma brecha aberta pelo
trabalho secular da torrente; na massa compacta
do rochedo ha lugares,onde,ostendendo-se os bracos
tocam-sc ao mesmo lempo os dous paradeiros op-
postos.
Na extenso de mais de uma legua, a largura
dessa brecha nao excede a 4 ou 5 metros ; s meia
legua antes de chegar a praia que as paredes
se affastam, e pde-se caminhar mais larga. O
que torna mais curioso esse desllladeiro a grana
das plantas, que nessas hmidas profundezas se
agarran) a todas as fendas do rochedo; ha luga-
res onde a figueira brava pende sobre nossas cabe-
cas, crusando os galhos de ura lado a oulro, e for-
mando um sombro ledo por cima desse eslreito
corredor. Em outros pontos onde o caminho alar-
ga um pouco, cyprcstes e grandes pinheiros piar-
necera os despenhadeiros que vo ler torrente
E' profunda a impressao, quando de repente, ao
sanir desse lugar escuro e acanhado, nos appareee.
o mar cara suas brilhantes ondas, com as ilhas en-
vollas em transparente e leve cerraco, com sen
immenso horisonte, no fondo do qual os olhos pro-
curam e a inaginacao suppoe entrever a longiuqua
frica.
Nas proximidades oa praia, acha-se a pequea
planicie de Franco Casteli com as ruinas do seu
castalio cmpoleirado em cima de um alio promon-
torio ; depois, vollaiido-se a oesle ao longo da costa.
A ILHA DE CRETA.
Recordaroes de viagem.
I
O patz: caracteres physicos e produccoes naturaes.
As ruinas.
(Continuando.)
A uma hora de marcha de Elos, deixa-se a pro-
vincia de Kissamos para entrar na de Selino, que
occopa ledo o sudoeste da ilha. Pouco a pouco,
perde-se de vista os caslanheiros, mas atravessa-se
magnficos bosques de oliveiras. Nem nessa .Mu-
ra, onde a lanea do Pallas fez brotar para sua ci-
dade predilecta a arvore sagrada, nem nas encos-
tas do Tivoli, d'Amalli ou de Sorrenlo, nem mesmo
nos maravilhosos jardins que orno Palermo do
uma to rica corta de folhagem e de llores ; nem
na Grecia, era na Italia, nem na Sicilia, nunca vi
em parte alguma oliveiras que se posso comparar
s de Seliuo, lano vico e elegancia, troncos lo
fortes, galbos to elevados e lo carregados de
fructo.
Estas oliveiras, cujos ramos mais altos chegam
sem estotro ao cume das nogureiras e dos casla-
nheiros seus visinhos como se senliriam tocadas
de cominiseraeo se podessem ver as nossas pobres
e pequeas oliveiras da Provenga, to encolhidas
cora o fri, to eulesadas, que parecem al ler me-
do de cresenr, e que do um aspecto to feio c lo
inste s colimas de Montpelher o de Beziers I
Aqui o hornera que falta nalureza ; desses bel-
los fructos que a trra produz quasi sem cultura, o
camponez creiense mal sabe exirahir um azeite de
muilo inferior qualidade, com o qual difficil al-
guem acosiumar-se.
Todo o azeite de Creta exporta para Marselha e
Trieste e desuado industria ; nos nossos pala-
cios palacios nao se poderia supportar o amargo
desse liquido mal preparado, ao qual ao azeilonas
podres, qne de misiura cora as outras vo para o
lagar, do um sabor de raneo e um outro muito
desagradavel.
Quando airavessamos esses campos, era o tempo
da colheita ; as aldeas achavam-se desudas ; seus
habitantes estavain todos acampados nas planta-
roes, oude lodo o dia resoavam as vezes e os can-
ucos. Por baixo das arvores estendiam largas co-
berturas ou grandes loalhas onde cahiam as azei-
lonas como chuva de pedra, batidas por todos os
lados com tongas varas. As raparigas, para al-
caucaremos ramos mais altos, trepavam nas arvo-
res, e meio ocultas entre a folhagem, esleudiam a
estaca para nos vei passar.
Aqui nao lugar proprio para descrever minu-
ciosamente as interessantes ruinas, que existem
era Selino, as numerosas torres de estylo belleni-
co que ainda eslo de pe por cima dos despenha-
deiros e nas gargantas dos valles, os admiraveis
restos de uma cidade primitiva perto da aldea de
Temenia, cidade cujos muros sao construidos de
pedacos de pedra tao grosseiros e quasi lo enor-
mes como os de Tyrintho, e que parece ter sido
abandonada mesmo pelos anligos cm favor de
Elyfos, grande cidade drica cuja soberana se es-
lendia outr'ora sobre todo o territorio que hoje tem
o nome de Selino.
Da aldea de Rhodovani, que fica muito perto das
ruinas de Elyros, o viajante v erguer-se diante de
si, pequea distancia leste, a massa central dos
Montes Brancos, que nas suas dobras escondemlatravs de um terreno rido e inculto, vae-se ter
ao burgo de Sfakia. centro administrativo da pro-
vincia.
Contam-se ahi de quatrocenlas quintas casas;
mas o aspecto dolu^ar nada tem de alegre. Muilas
drssas babitaedes, arruinadas pela guerra da inde-
pendencia, toram rauilo mal reparadas; outras,
que s durante o invern abrigam seus propieta-
rios, csjavain ainda fechadas qunndo visitamos
Sfakia. Nao ha porto; algunas lanchas dormem
na praia. Foi cm um desses barcos que sahimos
do Sfakia; as veredas que do burgo conduzem ao
segundo valle de Sfakia, o de Haghia-Roumeli e de
Samara, nao podem servir seno para os monta-
nhezes e para os cabritos montezes que abundam
nos Montes Brancos, e cuja cabeca figura nas
inoedas de diversas cidade* antigs dessa re-
gio. Impellido por um vento favoravel o nosso
barco, costeou durante muitas horas as ingremes
montanhas que terminara no mar por escarpados
penhascos, nos quaes as vagas leem feilo graodes
cavernas. No meio da viagem, quaoi enlre Sfakia
e Haghia-Boumeli, passaaios por Loulro, anligo
Puito-Phenis ; o nico ancoradouro que ha era
toda essa costa inhspita. Algumas escunas sa
achavam fondeadas ahi.
A aldea de Haghia-Koumeli, que orcupa quasi o
espago de una antiga cidade drica, Tarrka, est
siluada a uns vinte minutos de marcha da beira do
mar, na entrada do valle que tem egual ora.
Tem urnas quarenta casas, dominadas por duas
altas fiieiras de rochedos, onde s algum cabrito
pedera subir. Entretanto,!) valle bastante largo
para permiliir que as casas tenhan jardius e mes-
mo algum campo. Desse ponto, com tres horas de
caminho, que preciso fazer a pe, chega-se Sa-
mara, oulra aldea situada no principio do valle,
mesmo no centro dos Montes Brancas. O desllla-
deiro, menos aperlado que o de Askyfo ; porm
tem mais variedades, mais grandeza, e a agua, qne
nunca lhe falta, nem mesmo no vero, e que rui-
dosa se precipua por entre os rochedos, cora o seu
movimento e o seu rumor, d mais graca ao espec-
tculo. O aspecto do' terreno muda a cada passo;
aqui, o valle ospacoso, os montes sao coberto* de
arvores; ali, os dous collossaes rochedos aproxi-
mara-s de repente e parecem querer impedir a
passagem do viajante, apreaentam-se despojados de
toda a verdura e corlados a prumo; pendem-nos
sobre a c;1beca,avermelhados e ameacadores.
(Continuarse ha)
.ERNAMBUCO. TYP. UB M. P. f. 4
lJSS
1 M


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E25L37YHD_ZWA6DS INGEST_TIME 2013-08-28T00:13:43Z PACKAGE AA00011611_10373
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES