Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10368


This item is only available as the following downloads:


Full Text

I
AIRO XL. HOMERO 112.
Por tres leles adiantados 5fO00
. Por tres um vencidas 6$UU0
Porte ao crrei por tres mezes. #750
jjm
DE
.h

TERCA FEIRA 17 DE IAI0 DE 1W.
Ptrte cirrei. para 3J0U
RNAMBUCO.
BNCARKKGADG DA SUBSCRtPCAO NO NOKrg
Paranvba, o Sr. Antonio Alexandrrao de Lirna'
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Aracaty,
Br.A- Oliveira; Maranhio, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues; Para, o* Srs. Manoel Pinheiro & C.; A-
asonas, o Sr. ierouymo da Costa.
INCAflREGADOS DA SITBSCR1PCAO NO SL
Alagas, o Sr. Claudino Palco Das; Babia, o
rr. J'.im- Mar os Alvos; Rio de Janeiro, os Srs. Pe-
oira Manas o* Gasparino.
PaRIIDA DOS ESTAFETAS, i epuemeridbs do mez dk maio.
Oiinda, Cabo e Escada todos os das.
Iguarassu', Goyaana e Parahyba as segundas el
sextas-feiras. 8 Ln* B0T*'as 9 K-&. e 2 s, da t.
Santo Aullo, Gravat, Bezerros, Bonito, Garuara', i3 (Juarto cresc. as 4 h. e 61 m. da i.
121 Loa cheia as i t h., 4 m. e 20 s. da ir
28 Quarto ming. as ? h, e 56 m. da m.
Altinbo e Garanhuns as tercas feiras.
Pao d'Alho, Nazaretb, Limoeiro, Brejo, PesqneiraJ
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Tacaratu, Cabrob.J
Boa Vista, Ouricury e Exu as quartas feiras.
Sennhem, Rio Formoso, Tamandar, Una, Barrei-j
' ros, Agua Preta e Pimenteiras as quintas feiras.)
(Iha de Fernando todas as vezes que para ali sabirl _..
navio. I Priniiira as 0 horas 30 minutos da larde.
Todos os estafetas parten a l/, dia._________| Segunda a O horas e 54 minutos da snaahla.
PRKAM'AR DE HOJB.
wu
IUDlNCIa DO 1 RBI'.VaSS DA CAPITAL
- 1X) V'ArDKiia tOSi'r-lM.
-*!,# AJagoas a e 25; pan orla ate ...
fira 7 o 2J d eada mez; para Feriando no TnDaaJ wnunercio: segundas e quintas.
M z008 AWrSf^SiSfSf^^ -^ ?**: mu e sobados as 10 horas.
r*o.iUc
Fazanda : quintas 10 horas.
- de Apipueos as 6/,, % 7 ./ e
i deOhnaas 8 da. e6 dataras; daIJuuodo commeru: segoadas as 11 horas.
W*tJjh> a 6 i/a **.; de Caiaaga e TiMm 7
*^* *** Ja
Dopaf: paran.Ap.puMs3-i/1,4fc4/4,4,M,>
5"8> Vi*aa sarda; para (Miada as 7 da
maahia e 4 y da Urde; para Jabeatao 4 da tar-
de; PVaactont>eVartaais4Vdar4; para
"Me* 4 da tarde.
Dito de orphaos: tareas e sextas as 10 horas.
Prmeira Tara do vel : tercas a sextas ao
Segunda rara do ervs4 : nanas e sabbados a 1 aa^^a^'L* pr^esa^aTlaaaaal
DU.H tA a M.,.> v
16. S-tanda. S. Jlo Nepamumia <
17. Terca. S. PUrhoal B.. Hoa t
IR. Quaita. S. Flix de Carttohre f.
10. Qtrtnia. S. Pedro Oles*. 1; S. Iva f.
20. Sexta. S. Hernanlino de Sena f.
J2J. Saabado. Ss. Marros > ItieMputape a.
tt DosDingo. S. Rita de Lase* viuv
AS31GNA-SE
da urde.
Paria 4 Fimo.
PARTE UFFIC1AL.
MUttO DA NtOVIUlA.
Centinnaria do expedirme do dia 12 de aaio de
ISM.
Oficio ao inspector da thesouraria provincial.
Altendendo aoi|tie solicilou Jos Francisco do Reg
Barros no requerimenhi sobre que versa a sua infor-
m:iiao de 25 de marco ultimo, n. 15o, recommemlo
i V. S., que, tenrto em vista s infonnaces juntas
p >r copia, ministradas pelo director das obras pu-
blicas e a que se referem as de V. S. de 17 de
agosto e 9 de ontubro do anno prximo passado,
sol) ns. 400 e 547, e bein assim o remenlo e
clausulas constantes das.copias Umbein juntas,
untrate rom o supplicante mediante as necessa- ;
ria< garantas a ronstrureo de urna rasa para a i
barreira creada pelo renulamento de 13 de agosto
de 1851 na estrada da Victoria e em terrenos do
engenta Moreuos, sem outra reiribuieau mais do
que o producto do pedagio da mesma barreira por
spacodrt dezoito mezes, dndome V. S. conta do
resultado desse contrato para ter a linal approva-
co.
13
OfAeio ao Exm. presidente da provincia do Pa-.
r.l'as.-o s maos de V. Exc. o incluso oflBcio que <
para ler esse deslina me foi remuttido pela legacio :
ainperial do Brasil ein Lisboa, ein data de 23 de !
abril ultimo.
Dito o brigadeiro commandanle das armas
Respon honlem s.it, n. 836, tenho a dizer-lhe que o recru-
ta que em data de 11 desle mez mandei por era U-
berdaoV, chama-se Joio Antunes da Costa, e nao
Joao Nunes da Costa.
Dito ao mesmo. Sirva-se V. Exc. demandan
.alistar para o servico do exercito. depois de julga-
dos para isso a|rtos,.os recrulas Manoel Franci-co
^e Sales, Paulo Ferreira da Paixe e CaeUuo Go-
ru.>s C;valcaiiti, que Ihe sern aprsenla los |ior i
parte do rapito do porto. Offiriou-se ao capito
do porto |>ara mandar apresentar os recrulas de
que se trata.
Dito ao mesmo.Sirva-se V. Exc. de informar
acerca do que pede no incluso requerimeuto Ma-
noel dos SauloS Leal.
Dito ao mesmo.Anprovo a designaeSo que, se-
gundo o seu ollicio de hontem datado, sob n. 857,
tizera V. Exc. do capito do 4 batalho de arlillia-
ria ap Tiburcio Hilario da Silva lavares para
substituir interinamente no commando da fortale-
za do Itnim ao maior do corpo do estado maior de
egunda classe Antonio Francisco de Souza Maga-
Ihaes, visto achar-se este implicado no conselbo de
investigaco que se inslauruu ao segunde lente :
reformado ex-ajudante da mesma fortaleza Epi-
plianio llorpes de Menezes Doria.Conununicou-
se thesouraria da fazenda.
Dito ao mesmo. Sirva-se V. Eie. mandar cosa
urgencia por a disposicio d* mi inuuicipai da se-,
gla vara, atoa praca da eo'ntuwifeia do *4la-
ra para as diligencias necessarias a prxima ss-
sao do jury. I
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
Envi V. S. para os tins convenientes a inclusa;
copia da acta do conselho administrativo para for-
neeimento do arsenal de guerra datado de 30 de
abril ultimo.
Dito ao inspector da thesouraria provincial. .
Transmillo a V. S. os inclusos documentos, atim
de que estando elles em termos, e nao havendo in-
conveniente, mande pagar a Joo Carlos Augusto
da Silva, confirme-solicitiiu o cliefe de polica em
offleio de hontem sob n.564,aqiiantia de 1:8123340
rs., despendida com a alimcntaco e dietas farne-
cidas ao< presos polires da casa de delenco du-
rante o mez de alinl ultimo. Communicou-se ao
Dr. chefe de pulira. i
Dito ao mesmo. Temando em consideracao o
que expz o director da repartieo das obras pu-
blicas no oflicio junto por COpia, daladodeildo
corrente sol) n. 127, recommendo V. S que em
vi^ia do competente certilicado mande pagar ao
conservador do terceiro termo da estrada da Vic-
toria, nao s a qmntia de 32OAO0 es., que se Ihe
Osla a dever |K>r biver terminado os concertos das
po)ites de Morenos e Serathn Pinto, de qne foi iu-
cuinbido, mais tarnbem a de 1004000 proveniente
de 16 estivas, que achando-se arruinadas n'aquel-
las portee forana por elle substituidas nao obstan-
te nu Miaran contempladas no orcameuto de
taes (Mncertns.Coininunicou-se ao director da re-
partieo das obras publicas.
Dito ao mesmo.Itecoinmendo V. S. que senao
honver inconveniente, mande cagar a Simplicio
Jo.- de pello, a quantia de 26,5000, despendida
durante o trimestre de Janeiro marco deste anno,
com o sustento do presos pobres da cadeia de
Cimbres, romo se v da inclusa couta, que me foi
renicttiila pelo chefe de polica com ollicio de hon-
tem, sob n. 561.
Dito ao inesmo.Devolvo V. S. ja reformado e
cota lo c jm a copia da iiorinacoininistrada bntem
prloilirecior da repartigo das obras publicase sob
n. 128,0 pedido na importancia de :500&, que vcio
annexo ao seu ollicio de J do crrenle, n. 175, para
as obras por administraeao, cargo daqueila re-
pai iico no corrente mez, alim de que em vista da
citada informac.ao niaude salisfazer o mencionado
peiftdo, certo de que a despeza de cem mil res,
relativa aos concert* da ra do caes de S. Fran-
cisco devem correr pela verbaeveuluaesdo
corrente exercicio.(]ommunicou-se ao director da
repartieo das abras publicas.
Dito ao capito do parto.Faco apresentar V.
S. o rerruta de marinlia Jos Faustino alim de qne
Ihe d o conveniente destino depois de inspeccio-
nado, i
Dito ao mesmo.Faco apresenlar V. S. o re-
cruta de marinba Jos Barbosa Venceslao atim de
que lile d o conveniente destino depois de ins-
peccionado.Coiiiinumcou-se ao chefe de polica.
Dito ao commandanle do corpo de polica. Pode
V. S. jizer eugajar para o servico do corpo sob seu
commando o paisano Flix Ribeiro de Lima, anre-
seniado com o seu olflcio ii. 222 de 12 do cor-
rente.
Dito ao conselho administrativo. Approvo os
contratos que o conselho de c.ui,iras navaes segun-
do declaron em seu officio de 10 do correte, cele-
brou cbm diversas pessoas para fornerimenlo do
material da armada, cumprindo que o conselho. re-
mella copias dos respectivos termos a thesouraria
de fatvuda. Communicou-se a thesouraria de
fazenda.
Dito ao director geral interino da instruct'o pu-
klica.Respomiendo ao seu olBeio de 10 do cr-
rente, sob n. 87, tenho a dizer-lhe, que, ein vista
las lets nelle citadas, esto as typograpbias obriga-
exemplar de qualq seado essa bihiiotheca a de ipie trata a lei provin-
cial n. 293, de o de maio de 1852, a ella se deve
faz-r taes riWMi H' tanto, mais quauto nao sao as
referidas tyimgraphias competentes para julgarem
su a a>seiubia legislativa provincial acha-se no
caso de legislar saine esse assuui|)lo; cumpnn-
do-lhes smente ezecutar a lei Da parte que Ihes
dissi-r respeito cm quanto nao fr ella revogada.
DiUi ao cominandaiite do vapor Paruense.Para
que eu poosa bem ajuizar da opimo emiltida por
Vmc. em .ten offleio de 3 do corrente, sob u 114 de
que nao mais. dispendioso para a fazenda o em-
pregn de carvao peiieirado, sendo antes mais eco-
nmico convm que Vmc. me declare o preco deste
e o seu roiunino relativo ao carvo ao peneirado,
alim de se fajer a devlda computac^io, e poder este
negocio ser resolvido pela presidencia.0 que
commtinico Vmc. para seu conhecimento.
Dito ao commissario vaccinador.Ministre Vine-,
algumas laminas de puz vaccinieo para serem re-
manidas ao juiz municipal de Nazarelh.
Dito ao thesoureiro das loteras. Em vista de
sua informacode 11 do corrente, autoriso Vmc.
a mandar correr extraordinariamente sem pre-
juizo das que j obliveram preferencia, urna parle
da lotera concedida em favor das obras da igreja
de N S. do Terco desta cidade.
Portara.O presidente da provincia resolve de-
recrutados chamar servico de destacamento ou > Sr; disjio de Chrysopo^, D. Fre PeVo dfr Ssm- 30. Soccorros pnbSc
de corpos destacados a guarda nacional at 4,000 la M:,ri,vu> nasepu 'aa cidade do Recita no'-dia .D
pracas de prel, em circumsUn.ias ordinarias e at de-dezeraaro lirH a professou no eon*-erUdo
rO.OOO em circumstaiirias extraordinarias. Carn o daojuefla cidade no dia 7 de feveretro de
t Arl. 6. Fica revogadas todas as disposic5es 1799
em contrario. Cursoa as aul w de sua religiao cosa sea Irmo
Palacio do R de Janeiro, em 6 de maio de o padre mestre Fre Carlos, que fot depois hispo
*864. Jos' Mnriano nV Mattos.* ti> V jranao, e sendo anda corista raeoatiu a no-
Igualmente, foi hda a seguinte proposta pelo 1* meeea d professor de geometra, scieaeia em ipie
secretario : se rnstrou aotavel. Em 1805, nutricio craaae
A 4* commrsso de orcamento examinou com voca -o para as matnemalcxs, parti para Usboa,'
cuidado a tiroposta do governo, flxando a d-speza ereiettro logo o presbvterato, que Ihe- con ferio o
signar o jacharel Jos Bernardo Galvo Alcotira- cargo do ministerio da marinha para o ejercicio bisp. Paulopoiino D. Fre Miguel, na rapefta de
do Filho para exercer interinamente o lugar de de 1864 1865, e vem submeller consideracao IViniosla, o no anno seguinte matricobni-se na
procurador fiscal da thesouraria provincial duran- da cmara as seguinles ponderaedes : | acae-Maia real de marinha, no colkegio des nobres
le o impedimento do bacharel Cypriano Fenelon A' vista do estado flnanceiro do paiz a com- copeluio all o curso mathematico em 1809, len-
Guedes Alcofurado que parlicipou achar-se do- missao entende que de conveniencia publica que do do premiado nos ltimos annos.
ente. Fizeram-se as necessarias communlca- se restrinjan o mais pos1vel as despezas do esta- Creainlo-se nesta corte por caria regia de 4 de
roo-. do, e nesse intuito, considerando que varias repar- dezdmbro de 1810 uina academia nalilar, foi con-
----- ticSes cargo da marinha, alm de apreseniarem vidadt para lente substituto delta o padre mestre
Expediente do secretario do governo. um mechanismo complicado, tm um pessoal que fre Pedro, que- aceitando o honroso convite, re-
Olflcio ao brigadeiro commandante das armas. st> P De ordem de S. Exc. o Sr. presidente da provin- despezas sao despensa veis desde ja sem prejuizo do em IffJ, onde pas*ou a reger a cad^ira do Io an- negocios da jastica autorisrdo para despender
*>* e- m^rlio-"
ramelo do estado sani-
tario...........
31. Obras especia* do ministe-
rio do impeaio....'..
32. Instituto comaercial. .
33. Dito dos taenaos cegos. .
34. Dhh dos sapNOMMidos. .
35. iMioiaeca ssjMka. ....
3H liilillii bistariao googra-
37. Imfierial academia de medi-
cina...........
38. Eventuaes.........
39. Instrurco primaria c secun-
daria. .........
40. Hospital dos huaros.....
41. Suhvenco ao tyceu das ar-
tes e ollieios da sociedade
Propagadora......
ca declaro V. Exc. ein re de 12 do corrente, sob n. 852, que nesta data se
remetteu ao arsenal de guerra para sajisfazer o
pedidodo capito commandante da companhia de
cavallara que veio aunexo ao seu citado offi-
cio.
Despachos do dia 13 de maio de 1881.
ffff iifrinirafos.
Antonio dos Santos Cordeiro.Assignado, vol-
te, querendo.
Claudio Duboux.informe o Sr. inspector da
thesouria provincial.
onstancia Carolinia de Meira Bruno. Por ora
nao ha vaga.
Eduardo Calisto
sua mulher.
Francisca Thereza de Oliveira. A supplicante
tem o praso marcado no regulamento do 1" de
ma.o de 1858, para provar a isencao a que al-
lude.
Francisca de Assiz.Informe o
arsenal de guerra.
Francisco Das de Souza.IndehVido.
Tenente Henrique Tiberio Capristano!Passe.
Bacharel Joaquim Ferreira Chaves.Passe por-
tara concedendo a liceuca pedida.
Jos, primeiro, africano livre.Informe o Sr.
inspector do arsenal de marinha
Tenenle Pedro Paulo dos Santos. Volte ao Sr.
commandante superior interino da guarda nacio-
nal do municipio do Recife.
Paulo Ferreira da Paixao. Osnpplicante ser
posto em liberdade, se fr julgado incapaz para o
servico militar.
servico publico, julgou opportuno tornar menor a
cifra, como pasa a explicar nos seguintes [vara-
graphos da proposta do governo :
Provm a redcelo:
No 2. Da extiuccao desde j dos lugares de
memtiros adjuntos do conselho naval e de. uro ama-
nuense da secretaria do mesmo conselho!
t No 6. Da silppresslo de um dos lugares de
judante do intendente da marinha da corte, do pes-
\ soal encarregado do deposita do carvo do Mocan-
gu, do menor numero de serventes fixados para o
servico do almoxarifado e redcelo dos remadores
no, salido ein 1818, (seis annos depois) nomeado
Imit proprietario da dita eadeira; em 1833 foi ju-
bilado, racebendo elogios do governo imperial.
Seu s*.ber, sua illustraco, suas distinctas qualida-
des, merecerara-lhe a escolha para preceptor de S.
M. Imperador o Sr. D. Pedro II em sua menori-
dad.
Desde 1833 que habita o paco imperial. Con-
firmado bisiio pelo pap Gregorio XVI em bullas
datadas de 6 de maio de 1841, recebeu a sagraca
na capella imperial do paco imperial da qmtna da
Boa-vista no dia 13 de junho do referido anno.
guras, juros rer^irurae,
agio de moeda e rartacs..
133:3Of>|D0O* MX Juros do emprcsmo da co-
fre dosorphos. .
100:fJ800 17. Obras......
lfi:OmiJJ0Or> 18. Ajudas de ruto, me 38:3TM60O de Urremis de Sinrinha,
16:000aiaa) graiili--aeiV por smeos
13:860oOO I stiiiarariiM e eairaordi-
aarins, e despeus evea-
7:6M0 taaes.........
W. Exercicios Ando*.....
2:0003080 20. Adiantamentoda garanta de
9:0o0$SO 2 0|0 provincias a ata
da d ferro de B. Pedro II
21. Dito id^m d^ Prrnambuco.
22. Dito dem da Babia.. .
23. Dito em Londres por conta
da conipanhiar l'nio e In-
dustria ........
24. RepoMcoes e rrsluicdes. .
25. Pagamento do emprstito*
do c ifre di*, orpnos .
V*) lem-Sr*.
357:954-50:iO
2:0005000
3:0005000
HWflaajMn
nouowkwi
21.1 xc
:i*>
matamm
*
i
com os objectos designados nos seguintes paragra- 26. Dito de bens de defunlos a
dos escaleras da intendencia da corte, da suppres- j Koi-ihe conferido o honroso lugar de esmoler-xir
sao de urna guarda do almoxarifado do Para e ex- de |k'Jf- Receben o grao de doutor am mathma-
tineco dos ronselhos de compras. tica. Assi.tio a sagrarlo do Imperador, rece-
Retern Prnv me vv rnm' ^ 8 -* ** suppressao de um capellao e do iiendo nesta occasio a commenda da ordem de
1 um fiel do batalhlo naval. Christo.
rto | 12. Da supprcssao de dous guardas da ^ O mesmo pontfice Gregorio XVI Ihe con ferio os
casa de arrecadacao, do instructor de bombeiros ttulos de seu prelado domestico, conde Palatino e
do arsenal de marinha da corle, logo que ilude o biapaassintente ao solio pontificio, cujos breves fo-
sen contrato, de quatro guardas das com.ianhias rai enviados de. Roma no auno de 1813. A dig-
Sr director do **' al'r,*a<1'zes arlillee*, da redcelo do numero de nidada de conde Palatino fbl pela prmeira vez can-
Uim aprendizes, e finalmente do menor pessoal fi- ferida a um prelado brasileira.
xado is offleinas do arsenal da Baha e suppresslo feve a honra d.e rhrismar SS. A A. Imperiaes no
do estalieleciment naval do Itapra, qne poder dia 23 de dezembr.a do anno passado, e fot a utti-
ser aproveitado pelo governo como colonia militar ma vez que celebrou. Viven no paco de S. Chris-
ou agricola, conforme for mais conveniente. tovj|o durante 3! annos sempre retirado, gesando
< No g 13. Da suppresslo da capitana do porto da maior consideracao e respeito pela sua illustra-
de Matto Grosso, pralicagens das barras das pro- cao e eminentes virtudes que odUiinguiam. Doixou
vincias do Paran e Parahyba, e da redcelo do a fuk cruz, o annel e a sua bhiia ao Imperador, a
numero de rema lores em algumas capitanas. quam ddicou sempre verdadeira amisade. Quan-
. No g 15. Do menor numero de navios que se to recebia reparta Com os pobres,
considerain desarmados. Era niembro do Instituto Histrico, da Academia
No 21. D) material que deixar de ser for- Imperial das Betlas-Artes, do Instituto Episcopal
necido ao estabeleciment naval do Itapra, e ra- Religioso e de varias outras sociedades Iliterarias,
ces e ardaroento, correspondentes s pracas que tasto naciooae* como estrangeiras.
se diminuem as corapanhias de aprendizes art- ,
fices. __g __
No 22. Da snppressao da qunia consignada i o senado approvoo hantem sem debate, em
para as obras do caes da Sagraglo, na provincia ultima discusso, as emendas proposta de tkaco
do Maranhio. w reas de larra, menos a do Sr. Ferreira Pena
Fundada, pois, no que deixa dito, a eoamirwo soaseryie>> da guarda nacional em circumsan-1
tem a honra de submetter approvaco.da cmara- f*> ordinaria* ;n nriaair. e segunda diseus>o;
com as modiflcagdes abaixo imlicadas, a ppdpott a prot>osicao concedendo diversas cartas de natura- ]
do governo, convertida em projecto de leirpelo mo- lisacao; a em terceira discusso a proposla de cre-
do seguinte : ditos supplementares.
Art. 5." 0 ministro e secretario de estado dos -----
negocios da marinha fica autorisado a despender A cmara dos deputados oceupou-se hontem com
com o servico designado nos seguintes panuira- continuaco da discusso do reijueriinanio do Sr.
phos a quantia de ,. 7,752:0915920 Costa Pinto, pedrada informaces ao governo sobre
INTERIOR.
phos a quantia de. ."....." 3,128:V52*501
A saber :
1. Secretaria de estado. IJJ*Mtf000
2. Tribunal supremo de justica 105:700 3. Relacoes......... 289r360000
4. Tribuna** do commercio. '47:52051)00
5. Juslicas de prmeira entr-
ela ......... 947:540*000
6. Ajulas.de cusi a juizes de
direilo, ate....... 24:0005000
7. Despeza secreto e repressao
do trafico, etc...... 14t*0005000
8. Pessoal e material da polica 433:6725000
9. Guarda nacional...... 167:6215500
10. Condcelo, sustento, etc. ,
de presos........ 100:0005000
11. Evenluaes......... t:0005(100
12. Corpo policial da corte. 5(5:7325000
13. Casa do correccao..... 162:5265500
14. Obras........... 28:7405000
5
5
I7ii ijMna
HW)5f*>
IOU:OJM*n
lOOWaJ)
siMiian
S laaomai
t Art. 4.* O ministra a secretario de estado dos
negocios estrangeiras autorisado para desandar
cora os objecU s designados nos seguintes paragra-
ia jamkm:
Tleaato.
O senado concluio hontem a eleicao das suas com-
misses permanentes.
Entrando depois era ultima discusso as emen-
das a xaco das forcas de torra, oraram os Srs.
Souza Raipos, Penna, Das da darvalbo, Silveira da
Molla e visconda da Boa-Vista.
A discusso licou encerrada, nao se votando por
nao havar numero legal para isso.
Na cmara dos deputados foram lulas as duas
seguintes propostas, pelos ministros respectivos :
i Augustos e dignissinios senhores representan-
tes da naco.De ordem de S. M. o Imperador ve-
ndo apre.sautarvos, na forma da le, a proposla fi-
xando a forra naval para o auno liuauceiro de 1865
a 1866
Propona.
Art. !. A forc naval activa para o anno II- i anexas
phos a quantia de,
A saber:
1. Secretaria de estado (moeda
do paiz)........
2. Legaodes e consulados, ao
cambio de 27 dinheiro
por 15000.......
3. Empregados am disponibili-
dade (moeda do paiz). .
4. Ajudas de costo, ao cambio
de 27 dinheiros por 15000
5. Extraordinarias noextwrior,
dem.........
6. Ditas na interior, dem. .
737:1445999
136:9155000
431:6005000
13:5995999
60:0005000
70:0005000
25.0005000
Secretaria de estado .
Conselho naval .
Quartel-geueral da ma-
Conselbo supremo mili-
t 5 Contadoria.....
t 6." Intendendencias e acces-
sorios e conselhos de compras .
c 7." Auditoria e executoha .
8. Corpo da armada e classes
nanceiro de 1865 a 1866 constar dos navios que o
governo julgar necessario armar, guarnecidos pelos
olliciaes da armada e das demais classes, corres-
pondentes as suas respectivas lotacoes, e por 3,000
pracas de iiiariuhagein e de pret dos corpos de ma-
rinha em circunstancias ordinarias, -e 5,000 em
circunstancias extraordinarias.
< Art. 2." Contina o governo autorisado para
elevar ao seu estado completo os corpos de impe-
riaes marinlieiros da corle e Matto-Grosso, bein
como o batalho naval e companhias de apretidizes
marinheiros, segundo a orgauisaco que Ibes foi
dada por leis anteriores.
t Art. 3. Para preencher a Torga decretada nos
arligos anteriores o governo autorisado a dar
gratilicaco-s aos voluntarios que se apreseniarem
para o servico, a contratar uarionaes ou estrangei-'
ros, imMiaiue a concessao de premios, e a recrutar
DA forma das leis.
Art. 4. Ficain revogadas todas as disposicoes
em cpntrario.
t 9." Batalho. naval .
10. Corpo de imprtaos mari-
nheiros ........
11. Companhia de invlidos
12. Arsenaes.....
c 13. Capitanas de portos .
t 14. Forca naval .
j 15. Navios desarmados .
c 5 16. Hospitaes ....
17. Phar-s.....
18. Escolla de marinha .
Bihiiotheca da marinha
Reformados ....
Material.....
Obras ...
Despezas extraordina-
rias e eventuaes .....
KMENDAS
c Ao art. Em vez de :
7,752:0915920 diga-se 7,449:7625930
Aos paragraphos :
t Palacio do Rio de Janeiro, era b de maio de \f> Em vez de 2,542:9005000 diga-se
186*.-Francisco Carloi dt Araujo Brusque.i l 6o 152:6895250 i
< Augustos e dignissimos senhores representan- j i ,
tes da uaco. De ordem de Sua MageslaJe o lu- i 430 ,
perador, era virlude do preceilo da lei, veuiio apre-
seutar-vos a seguinte proposla :
Arl. l." As torgas de Ierra para o anno liuau-
ceiro de 1865 a 1866 consUro:
. i 1." Dos olciaes dos corpos movis ede
guarnigo, da reparligo ecclesiactica, e dos corpos
ae sade, do estado-inaior de 1' e 2* classes, da en- i
genheiro a do eslado-maior general.
% 2. De 18,000 pracas de pret de linha em
circunstancias ordinarias, ede 24,000 em circuns-
tancias extraordinarias.
Art. 2. As torcas lixada para circunstancias
ordinarias sero dividas em 12,000 pragas de prej
15
21
22
29:3085100
l,560:7855i32
231:09:15572
51:6755000
2,150:0005000
640:0005000
101 7705000 o numero de pragas de linha a polica destacadas
42:9005000 na provincia de Peruambuco na prmeira quinzena
do mez de agosto de 1863; o numero de guardas
narionaes destacados no mesmo prazo ; quantos
delegados e subdelegados militares existiam ento
na provincia, e quaes as Ucahdades a que foi man-
dado o chefe de polica, afira de assistirs eleiges
parochiaes de 9 de agosto ultimo a pretexto de man-
ter a ordem. Oraram os Srs. Figueiredo, Luiz Fe-
lippe e Urbano, ficando a discusso adiada pela
hora.
O Sr. Bretas fundamentou o seguinte requeri-
meuto :
t Requeiro que se pergunle ao governo em que
lei ou razio tem assento a exigencia do thesouro
de certiddes de qude de direitos de 30 por cento
aos juizes munici|aes reconduzidos, sendo alias elles
privados de seus ordenados no primeiro anno do
1,287:6895000 quatiennio, com quante nao pagoaa as thesou-
51:6755000 rariis os ditos direitos. 1
Ambos os re.juerimentos ficaram adiados pela
hora.
0 Sr. ministro da fazenda apresentou o relatorio
da repartieo a seu cargo a mais a seunte pro-
posta :
t Augustos e dignissimos senhores representan-
tes da naco.Dando cumprimento ao preceilo do
arl. 13 da lei de 31 de .miul.ro da 1833, venho
apresentar-vos a propasta da lei de oreaineiito para
o exercicio de 1863 a 1866
CAPITULO I
DKSPKZ.V CEU AL.
t Art. 1. A d peta geral do imperio para o
exerrlcio de l65 a 1866 lixada na quantia de
56,588:8235246 a qual ser distribuida lelos seta
diversos ministerios na forma especificada nos arli-
gos seguintes :
t Art. 2 O ministro e secretario de estado dos
negocios do imperio autorisado para despender
t Art 5.* O ministro e secretario d estado dos |
negocios da marinna autorisado para despender '
cora os objectos designados nos seguintes paran ra-
phos a quantia da...... 7,600:1065034
73:9035998
12:0845900
60:500 5000
152:6865250
3:4iO5O0i
513:2305400
29:3085000
196:5785000
13.0905074
1,560:78351 i
231:09-15372
189:1395364
86:6605437
112:4355752
6:20656:3
96:3695876
2,160:00051H) 1
610:0005000
200:0005000
A saber
1. Secretaria de estado. .
2. Conselho nava!.......
3. Quarlel-genaral da marinha
4. Conselho supremo militar. .
5. Contadoria........
6. Intendencia e accessorios e
conselhos de compras. ..
7. Auditoria o exerutoria. .
8. Corpo da armada e classes
annexas........
9. Batalhlo naval ......
10. Corpo de imperiaes mari-
nheiros ........
11. Companhia de invlidos. .
12. Arsenaes.........
13. Capitanas de portos .
14.' Forga naval........
15. Navios desarmado) ....
16 Hospitaes........
17. Puares.........
18. Escola de marinha e outros
estabelecimentos scienli-
lieos.........
19. Reformados........
20 Material..........
21. Obra...........
22. Despezas extraordinarias e
enveutuaes.......
102:8605000
41:0005000
13:8605199
12:6845000
60:5005000
I
154:7755300
3:4205000
527:5635200
29:4525100
203:1485000
11:2105866
1.541:8915840
233 035648
1,280:3905994
33:2695i HH)
183:9635788
91:3725825
132:7435091
91:2475l0
2,150:0005000
500:0005000
200:0005000
449:7625930
117:2995000
28:3485000
1,447:9015708
212:0705971
30:0005000
2,030:0005000
630:0 050OO
com os objectos designados nos seguintes paraara-
dos corpos movis
ni gao.
Art. 3. As torcas flxadas no J 2 do art. 1
serao completadas por engajamento voluntario,- ou
pelo reeruiamento, nos termos das disposiges que
existir.-m.
Art. 4." A respeito dos individuos que assen-
t DISPOSICOES GEnAES.
f Artigo. Figam suppnmidos os seguintes luga-
res e estabelecimentos:
No i 2. Dous membros adjuntos e um ama-
nuense!
No % 6. Um ajudanle da intendencia, tres <
guardas do almoxarifado, um fiel da ifba do Mo-
gaigue, um guarda do almoxarifado do Para, os
conselhos de compras da corte e provincia, com'
phos a quantia de.
A saber :
1. Dotarlo de Sua Magestade o
Iuiirador.......
2. Dita de Sua Magestade a Im-
peralriz........
2. Alimentos da prinreza impe-
rial a Sr." D. Isabel. .
4. Ditos da prinreza a Sr." D.
Leoptildiua.......
5. Dotagao da prinreza a S>."
D. Januaria, e aluguel de
casa...........
6. Dita de Sua Magestade a Im-.
peratriz do Brasil, duquesa
de Brag inga .......
7. Alimentos do prinripe o Sr.
D. Luiz........
8. Djtns do principe o Sr D..
Felippe.........
9. Ordenados dos mestres da fa-
Art. 6 O ministro e secretario de estado dos
negocios da guerra autorisado para desi*nder
din ns objectos designados nos seguinte paragra-
ausentes.
27. Dito de depsitos de qual
quer origrm...... 5
28. i'ilTerengas de cambio. 5
< Arl. h O ministro e secretario ae estad as-
negocios da agricultura, rommerrio c obras
cas autor isa.lo para despender u o
designados no* seguinles paracrapao* a
de 9,261:53559t5.
A saber :
1. Secretaria de estado.......
2. Socedade auxiliadora da in-
dustria nacional........
3. Mrlharameole da agricultu-
ra....................
; 4. Decobrimenio de explora-
dla de minas...........
3. Auxilio ao Dr Manins para
a poliliraglo de Flora
Brasileira .........
6. Eventuaes................
j 7. Jardim botanice da laga de
Hodrigos de Freitas.....
! 8. Dito do passeio publico.....
9. Corpo de bombeiros.......
10. Illuiiiinaco publica.......
11. Garanta dr juros as estradas
de ferro e de rodageni...
112. Obras publicas gera-* e au-
xilio as provincia.'-.....
! 13. Inspecgo geral da* obras
publicas do municipio....
14. Limpeza e irrigarlo d< cida-
de....................
15 Telegraphos..............
16. Trras publicas e eotonisa-
gao...................
17. Catee hese................
18. Subvengao s companhias de
navegagao vapor.....
19. Correr geral.............
CAHTt'LO II.
KECRITA GtRAL.
Hmula ordinaria.
Art. 9. A receita geral do imperio oreada n.
quantia de................... Rt.iMO'iiHklAai
Arl. 10. Esta receita ser eff.. tuada ru o
producto da renda geral. arreradada dentro lo
e'xenicio da presente lei. sob as Ululo* alan
designados :
1. Dirritos de importarlo para
consumo, licando i*ento
dalles o sal estraiifeiro..
2. Ditos de baldeago c reex
por taco.............
3. Ditos dem para a rosta da
frica.................
4- Expediente dos gneros rs-
irangeiros navegados |ior
cabotagem. livres de direi-
tos de consumo.........
3. Dito dos genero* do paiz ..
6. Dito dos ditos livres.......
7. Arinazenageui.............
8 Premios de assign.ulos ....
( 9. Aneoragem...............
10. Direitos de 15% das embar-
cages estrangeiras que
pa.-sam a narionaes......
11. Ditos de 5% na compra e
venda de embarcagoes...
12. Ditos de 15"',, a pao-lirasil.
13. Ditos de 5% de exporlag
elevados a 7%.........
121
ioiaa*jw
rWIIWl
562-7Ha*.|K.i
PMVI
i.cooaunjNwi
7295sna
rm iaMMM
116 3.V*5l9l
sii.mgm
2.5W:
73:7*7,
mnMRki
337 7IH*M
Mi IM7JMW
:; S7*mm
2H7 :Hsjt
|MH ilMIi*
WH4H5*
11 :hT*i
IM972JJMI
14
lo.
Ditos ie 2'
e de 6,000 dos corpos de guar- excepcao do agente comprador da rrte, passanda
as altribuiges da taes conselhos a serem exercidas
por quam o governo designar.
* No 9. O capelln e um fiel,
t No 12. Dous guirdas da casa de arrecadagao,
o estabeleciment naval do Itapra, que poder ser
aproveitado pelo govoruo como colonia militar ou i
lareiii praga voluntariamente, ou torera recrulados agrenla, conforme fr mais conveniente, dous.
observarsehlo as seguinles disposiges: guardas (2" sargentos), cem aprendizes da compa-,
i l. s recrulados servirlo |wr nove annos e nhia de artfices e um instructor de bombeiros do |
os voluntarios por uilo. Tanto as como outros, arsenal da corle, logo que linde o seu contrato, um ;
poriu, se depois de concluido o seu lempo de ser- guarda e trnla aprendizes da corapauhia de apren-1
vigo, quizerem continuar as Uleiras, poderlo faze- ,dizes artfices do arsenal da Baha, ura guarda e
1o engajando-.se por dous ou mais anuos. ; triula aprendizes da companhia de aprendizes ar-
S 2. Os voluntarios,aimdagratiiicagao diaria tilices do arsenal de Parnambuco, devendo a re-
igual ao sold inteiro ou ao meio sold de pniuei- duego do numero de aprendizes oparar-se era-
ra praga, einquanto torem pragas de pret, coufur- dualmenle e medida das vagas que se forem
me tiverrm ou nao servido no exercito o bjmpo daodo no estado actual das referidas companhias.
marcado na lei.perceberlo romo premio de engaja-1 No 13. A canilania do porto de Matto-Gros- 16- Ajudas de cusi de viuda e
monto urna gralifieago que nao exceda de 4005 so e as pralicagens da barras das provincias do! voiu dos depulalos. .
para os priineiroseflOOJtparaosseguudos.pagapeio Paran e da Parahyba. j 17. Facultades de direilo. .
mesmo modo que. for eslabelecido nosregulamentos : Artigo. O g .verno fica autorisado a accommo-11 Utas de medicinas.
do governo e quandp torem eseusos do ser-vigo se dar os regulainentos existentes s sppressdes
Ihes conceder as colonias militares ou de naci- taitas, desde j, as diversas repartiges da mari-
naes um praso de Ierras de 2i,oO0 bragas qua-, nha.
Artigo. Ficam revogadas as disposiges em
contrario.
Sala das, commisses cm 6 de maio de 1864.
Silvtno Cuvalcunli rt> Albiiquerqnr.Luiz da Sil-
va Flores.Jotiquim Felicio rfos Santos.
Em seguida completarara-se as eleiges para as
comraisses.
milla imperial......
10. Secretaria de estado. .
11. Gabinete imperial.....
12. Conselho de estado.....
13. Pre.-idencias de provincias.
14. Cmara dos senadores.
15. 1 amara dos deputados.
diadas.
* O premio para os que quizerem continuara
servir, na forma do j t" deste artigo, sera propor-
cional ao lempo pel qual de OoVo se engaja-
rem. I
< I 3. Os recrulados e voluntarlos poderlo exi-
mir-so do servico militar, por substitmcao de indi
viduos que tenhau: a idoneidade precisa para o mes-
mo servico,nQ entrando para os cofresi pblicos com '
sai uri
a quantia ae GO05 neutro aos seis
de praga
Art. 5." Para completar a torca flxada no s*2- dos religiosos do Carmo, onde segunda fera se Pje
arl. 1* poder o g*veruo na falla
r
Falleceu hontem pelas 6 horas da manhaa o Sr.
pritnetros tnezes hispo de i rysopolis, rujo cadver, depois de em-
balsamado, sera.esta larde comluxido para a igreja
de voluntario? e (ario as ultimas honras fnebres,
19. Academia das bellas-artes. .
20 Museu nacional......
21. Hygiene publica......
22. Empregados de visita de sa-
de dss portos. ..
23. I.azirelos.....T v
24. Instituto vaccinieo.....
25 Culto publico.......
26. Seii'.inarios episcopaes. .
27. E-,tabelecnnento de educan-
das no Para......
28,. Archivo publico. '
r29 Couimissao scientiflca para
explorar o interior de al-
gumas provincias do im-
perio........
4,698:2675958
800:0005000
96:0005000
12:0005000
6:0005000
102:0005000
50:0005000
6:0005000
6:0005000
11:4005000
153:8605000
i:071t*8
48:000501W
241:0305000
277:5505000
360:2305000
54:2505000
167:9725000
203:9705000
37:7165 00
8:9005000
14:1605000
23:2005000
7:0005000
14:7805000
1,105:9645980
159:0005000
2:0005000
14:7204000
16:0005000
phos a quantia de.
A saber :
1. Secretaria de estado .
2. Conselho supremo militar. .
3. Pagadura das tropa*. .
4. Archivo militar e ollicina li-
thographica......
5. Instrucgao militar.....
6. Arsenaes de guerra e arma-
zens de artigos bellicos .
7. Corpo de sade e bo-pilaes.
8. Quadro do exercito.....
9. Commissfies militares .
10. Classes inactivas.....
11. Gratiflcages diversas e aju-
das de cusi......
12. Fabricas.........
13. Presidios e colonias. .
14. Obras militares......
15. Diversas despezas eventuaes
14,012:9105873 16.
211:3345000
41': 8995000
33:0605000
27:6955000
291:6155000
2,193:8395940
738:8115600
7,660:3325550
168:5815000
605:0535581
163:2005000
182:4 3-5200
32 -.0005000
895:0005000
480:0005000
f Arl. 7* O ministro e secretario de estado dos
negnos da fazenda autorisado para despender
com os objectos designados nos seguinles paragra-
phos-a quantia de....... 17,155:4005936
1. Juros, amortisaglo e mais
despezas da divida exter-
na fundada, pertancente
ao estado, ao cambio par
de 27......... 3,218:4005000
2. Ditos da divida interna fun-
dada ......... 4,606:2365000
3. Ditos- da dita inscripta, an-
tes da emisso das res-
pectivas apolices, e paga- .
ment em dinheiro das
Suautias da mesma div-
a menores de 4005
4. Caixa da amortisago, filial
da Baha, etc. .
3. Pensionista* aai>osantados.
6. Empregados de repartiges
sxti netas........
7". Thesouro nacional e thesou-
rarias de fazenda. .
8. Juizo dos feitos da fazenda .
9. Estag5es de arrecadagao. .
10. Casa da moeda. .....
11. Adrainistrago de estampa-
ra a impresso do the-
souro nacional.....
12. Typographia nacional .
13. AUministragao de proprios
naiiotia-.*, e de terrenos
diamantinos .
14. Curadora de africanos livres
15. Premios, descontos de bt-
Ihetes da alfandega, com-
missoes, corretagens, se-
4:0005000
50:3205000
1,176:1285101
!5:838000!
1,239:9415000
77:1665! (00
3,270:6065000
135:1665000
Ditos de 1% do ouro em
barra.................
Ditos de '," dos diaman-
tes... ................
17. Expediente das capatazas..
18. Juros das aeges das estra-
das de ferro............
19. Hernia do correr geral.....
20. Dita da rasa ila moeda.....
21. Dita da senhoriagem de pra-
U....................
22. Dita da lilographia militar..
23. Dita da tvimgraphia nacio-
nal...................
24. Dita do Mario Offifial.....
23. Dita da casa de corre gao .
26. Hila do instituto dos menores
ariosaos...............
27. Dita dem dos meninos ce-
gos..................
28. Dita da fabrica da |i|vora..
29. Dita da de ferro de Ypaae-
raa..................
30. Dita dos telegraphos eletri-
cos...................
31. Dita ds arsenaes.........
32. Hila de proprios narionaes..
33. Dita de terrenos diamanti-
nos...................
34. Fra* de terreno* e de man-
nbas, cxcepl.-s as do lul-
nicipio nicipios das capilar* das
provincia* que a*ti*eni
e producto da vrada de
posses 00 domiaioft uteis
daquelles terrenos de ma-
rinha.*, rujo aforainenlo
fr pretendiilo por mais
de um individuo quera
a lei nlo mandar dar pre-
ferencia, ou nao senda
esta requerida em lempo,
os quaes sero (Mistos em
hasta publica para serai
cedidos a quero mais
der...................
N.I4A:S7tls>
27 *W5e
4HVM*i
O.-,7UM'
Mp
MM
:m :i:2.v
eVUSMn
:ir,:>tw>
MHPP
H VlrsjMHH
I6II>I5W>>
3:9MsV*>
JHPM
7 MIM1
I Ot75>
rm&m
21 9M5WH
35 5S7JM
4:83H5P
3 7raJaW
42:6285000
130:0005000
55:t275,<00
1:9005000
35. Laudemios, nao mi upr.-hen-
dido- o* provonieules das
vendas de terrenas de
marmhas da rorte e dos
municipios das rpita-
das provincias que lia-
rem..................
! 36. Sita dos bens de rata, pagaa-
do-se nos contratos de r*r-
mua smenle o sello ae
um dos valores.........
37. Declina urbana de urna le-
gua alera da dennreagao.
m/jva
1,14.1 titjMM
17
ILEGVELl


39
V)
41
42
4:)
II
45
47
48
49
SI
52.
53
54
m
50
57
58
59.
60.
6IJ
ah.rto> *> P^^M Tere felfa t *c Mal* d> !*.
48:1385000
89:781*000
9:000#*H)
104:8935000
114:0301000
2,251:6715000
14:3085000
S7:346*000
1,002:0095000
27:8725000
1,030:7705000
496:3455000
735000
303:252-5000
3a Dil adIWonardas cofucra-
roes do mo mora...... 104:6725000
Direitos novos e velhos c de ..,
chancellara............ 228:46.05000
Dilos das patales dos offi-
ciaes da guarda nacio-
nal...................
Diurna de 2*/. de chancella-
ra....................
J..ias dasordens honorficas.
Matriculas das facilidades de
dirilo e de medisina
Mullas por nfraccao de re-
gulamenlos........
Sello do papel l'uo e propor-
cional .................
46 Premios de 4epoiitos patu-
cos...................
Emolumentos............
Imposto dos despachantes,,
correctores e agentes de
leildes................
Dito sobre lojas, casas di
descontos, etc..........
50t Dito sobre casas de motis,
roupa, etc. fabricados u;u
paz eslrangeiro ....
Dito da 12% ua> loteras. .
Dilo de 12 % dos premios
das IMSMS......
Dilo sobre dalas mineraes.
Vaca dos eseravqo. .
Venda das terral publicas.
Cabrelas da divida activa.
Pecnliares do mvnicijno.
Honda do imperial collegio
de-Pedro II.......
"oncesso de pennas d'agua.
Dizimos .........
Dcima urbana. ....
Emolumentos de polica .
62. Imposto obre casas de ino-
il.is. .........
63. Dilo i'o consumo da agur-
dente.........
64. Dito do gado de consumo. .
65. Meia siza dos scravos. .
66. Taxa de heraiicas e legados.
67. Irmazenagetn da agur-
denle .........
Extraordinaria.
68. Contri buic/to para o monte-
po ..........
69. ludcnmisardes, incluido o
producto das [oleras que
o governo devt mandar
extrajiir nos termos do
arl. 1. da le n. 696 de
20 ile agosto, de 1853,-e
do 2.- da de n: 979 de 15
de setembro de 1858. 270:0015000
78. Juros do capilaesnaciotiaes. 122:3715000
71. Pioducio.de loteras para fa-
zer face as despezas da
casa do correcto e do
melhoramenlo sanitario do
imperio........ 53:5005000
72. Dilo de 1 / das loteras na
forma do decido n. 2,936
d 16 de junho de 1862 88:8005000
Venda It generas e proprios
nacionaes....... 62:9255000
74. Recdta eventual..... 167:3485<><0
* E porque nii* podii.m o. tota* do collegio de
Lavras influir no resultado da-'fcleican,
commissao que deve sor recociendo
A'j dahil Ule Dominas Deus sedem lhu.nl patrio
concluo a' ejnt, el reanabit i domo Jacob Kiefam, rrgiu
deputad ejs non erat (Me. Uta H.
reeleilo pelo 4r*ditiieto da prnuncia de Minas-
Geraes o cuuselhoire Domiciano Leite Ribeiro.
Sala da rommissdes em 7 de maio do 1864.
Antonio Vicente do Sascimento Feitosa. Jos
Caetano dos Santos. A. C. do S Albuquer-
que. > ,
Por decretos de 23 d abril e 4 do corrente >-
ram aposentados a seu pedido :
Oescrivo da recebedona da Baha Francisco
Germano Cordeiro de Castro ; _^
O 2 conferenle da alfandega do Maranliio A mo-
li Cesar Camaahade.
Foi demitiido: .
O escripturario da thesourana de lazenua
provincia do Rio Srande do Norte Aleixo Barbosa
200:4854000 da Fomeea Tinoco.
Foram nonwados:
Procurador fiscal da thesouraria de. Santa Ca-
tharina, o bacharel Olympio Adolpho da Souza Pi-
Ull)TA
Ajudantedo guarda-mr da alfandef a do "Rio-
Grande do Sul, Gervasio Nanea Pires, guarda-mr
da alfandega da Parnahyba ;
3* senpturario da alfandega de Pernambuco, o
4* escripturario da mesma alfandega Joao dos San-
tos Porto.
Pur portara de 4 do corrente foi nomeado :
4o escripturario da alfandega de Pernambuco, o
3* escripturario daalfamlega do Rio Grande do Sul
i3:81iV5OO'Jesuiuo Pinto de Merelles.
292:77950001 -----------
Por decretos de 4 do corrente : I nocidos de preto, teem
Fora'ii nomeados capelles alferes da reparticao prata.
eoclesiastica do exercito os padres Francisco de No eeatro do corpo
Km urna exiremidade estava o caixiu de seda
prela bordada a ouro, e guarnecido de gajoes tam-
bera de ouro, dentro do qual deve sor posto o eai-
xo de madeira no acto de ser o cJUVer levado
para acarneira. _
Seguio-se o Ubrr-me pela communidade, nio se
retirando S. M. o Imperador sem indagar os das e
horas das solemnidades religiosas que se deviam
seguir, e recommendar que a naohuma se proce-
desse sem a sua presen?*.
O cadver ficou ex posto la cmara ardeate, fa-
zendo a guarda de honra o 1 batalho de ftuilei-
ros, que foi honiem rendido pelo batalho de enge-
nheiros.
que declamu dar-se coin Rams, mas nao saber do
faci,o que apenas no domingo tarde Ihe dissera
algucm que Raas estava preso por ter-se adiado
oni moa cova de seu quintal pedamos de carne de
boi; declarou que dormir algumas noites un casa
de Rams, mas que de nada sabia.
A-preta Senhorinha disse que vira na casa de
Rams, na sexia-feira, Januario e o seu caixeiro,
mas que nao sabia das mortec, porque esUva fe-
chada no seu quarto, e qro notou Catharina estar
lavando a escada, alem de algumas oulras cir-
coinstaoeas que referi.
a Raros declarou no inlorroftorio ser natural
de Santa Catharina, ter Tinte e oito annos de ida-
de e nio ter ofcio.
. Quaodo eotrou na sala do Sr. chefe de polica
e vio oa ojelos que iinham sido trazldos da sna
seniaaas a S. M-. o Imperador, que mandou entre-
ga-las ao reverendo prior.
ftelirou-se enlao a fraila .imperial, sendo acom-
pauhada at a portara polas confrarias de carme-
lita, ordem tere-ira .do Carm, prelados de diffe-
rentes ordens religiosas, membros do ministerio, do
corpo legislativo e da corte.
Assstio ao ceremonial urna commissao por par-
te da Academti das Dellas-Artes, e ate a retirada
da augusta famTftn numeroso concurso de povo en-
cina o largo da Lapa e outros adjacenles.
DIARIO DE PERNAMBUCO
egiada de S. Pedro, segoindo-se malinas pela com-
munidade, com assistenca de S. M. o Imperador e
de seos semanarios, em urna tribuna conveniente-
mente preparada.
Findas as ceremonias, e retrando-se S. M., con-
servon-se a igreja aberia e franca a om numeroso
concurse de pessoas de todas as classes.
O templo est forrado de preto e preparado com
a maior decencia ; e, atiento o pouco lempo que
houve. merec a communidade elogios pelo esme-
ro, diligencia e boa vontade que mostrou.
No aliar-mr, todo guarnecido de preto, est a
grande imagem do Senhor CruxilicariO/ sobre o
Calvario; os quatro
nao inqualiflcavel oynisino, diante da'gravissima
accusac;o que sobre elle pesava.
O Sr. chefe de polica iuiernegou-o tambem
sobre suas jelacoes com Klaussen, que leve acou- J,0l""k'
gue na ra da Ponte, nos fundos da igreja das _r(?;.
Dores, e que desappareceu ha lempos, e de qnem '
se suspela sejam os ossos encontrados np viio em
baixo da escada. Rams disse que tinha compra-
po osse acougue, que o tinha pago, e que Klaussen
1 se mudara pora o Carainho Novo,, e d'ahi seguir
I para as colonirs.
< As outras leslemunhas nada disseram sobre
Recebemos, pelo vapor inglez Oneuht, jornaes
10 do corrente dos quaes iranscrevenuis
que vao publicadas sb a rubrica In-
terior e as qoe seguem.
Rio ue janeihu. Foi demillido de iou1cialda
secretaria de estado dos negocios da agricultura,
commercio e obras publicas, o r. Atnerico de
Pernambuco......
Colingoiba (em descarga).
Campos........
ToUl .
Caix. Ur,
tn
i.
.Va
3K
9tr
II,-.-
U7K :m
i
em Macab, o visconde de Ara-
ruama.
Por portaras de 9 do corrente foram nomea-
dos :
Joao Baplisu Ferreira e Manoel da Silva Mol-
la Jnior, o i para agente c o 2' para ajudanle
do correo de Jaguaripe; Jos Anselmo Percira e
Manoel Joa uim Brrelo, o l" para agente e o i-
II.5M
Algodo.Durante a quimena hotiv* pea artt-
vidade ueste mercado. VaNOarOw e as oootm par-
tidas entradas de 5l5 a tt5.
O dopo!>iii] pequeo, |>orm os precoo
Tam-se fronxos, cuocerrenaV Tal:o>am>ntv
to as noticia* do mesmo caraeler r( rUdas aW
sos morcados do norte.
Agurdenle. SuslenU-se irmo de 7"4 a *54
por pipa.
Ha em ser cerra de MO pipo
(aro* secea.Ha em di poailo I2I.IRW arreos.
sendo do Rio Graodc 27.000 ditas e do K da r>a
la 94,1*00 ditas.
Vende-s..- a pungir de 25600 a 35400 e a -
gunda de 2-SHJO a l.JO"<.
Couros.bllecluaram-se vtnilas inoiM
a 270 rs.
Ha em deposito 7.000, sendo moa
grandes, de 30 libras.
Fretes.Em coas de caf l>cbaram-se apenas os aV
guiles duianle a quinzeua.
Para o Canal : escuna ingleza Dmrmd a 55 <*
se earregar arate porto ti fe -arregaot es
Santos, barca ingleza Mnrktrrtl o vasa Ikasaaasar-
M Tjft.iku caiTti;anit
60:Ot"K)5V)00
31:0005000
3:2775000
1,106:0005000
7:0005000
3:8005000
182:0905000
145:0005000
191:0005000
Jos das Dores
missao dada a Silvero Pedro Vieira, lodos na pro-
vincia ila Baha.
L se no Corre/o Mercantil :
Paula Cavalcanli' de Albuqurque
Brata. ,0- Iluminado por cerca de 200 velas de cera e ro- foi visitada por centenares de, pessoas, e derronte
Foi reformado n 'forma da lei, por assra o ha- rodeado de 2i grandes tocheiros. da secretaria da polica, desde que para ella reco-
ver pedido o brigadeiro Lpiz Manoel de Lima e Em um vao do segundo pedeslal foi exposto o | Iheu-se Rams, conservoa-se um grande oncurso
Silva. [caixocontendo o cadver. | de pbvo, qiie foi augroentaado para a noile. Djrij0.||,e Us |nhas para communicar-lle | Ihelmiuc a 52"iTeV"
------------ A um lado, cercado de lus, foi tambem expos-' A indigoavaosemanirestou por todos os modos, uma(wj(jren|i> fre,|uenlt. nos grandes cstabeleci-1 Camuio.-Soimn...,, '
Da ordem do da n. 398, publicada ante-nontem to o rico cixao de que ja fallamos. todos qucriam ver a fera de forma humana que
pela repaiticao do ajudante-geheral, consta o se-! Hoje pelas 9 horas;da manhaa ha de celobrar-se ;tinha sido capaz de comtnetler to horroroso
1 a missa solemne com a encommendafao do eslylo,, crime.
o saque
meatos iudustriaes. Urna pedra desabada na mi-1 pnoaaej inlez Unetdn
Flijing ohwd carrrgando em Smo a 50 *k.. 11
eua sueca jTaoi- a VO >h.
Para S. Tltomaz : a ordens barra aclamara
*arga liuiiuda.
rf-riaam p*fc>
guinte
1 i na do importante, estabelecimento do Morro Velho
fez oito viclimas, e obsiruiu a mina de modo que
i ..
Pi-oinorilo.Por decreto de 30 de abril findo foi e oragao fnebre pelo Rvd. conego t-onsoea Lima, t Ultimomente entenderam alguns que deviam ocon, Branje despeza ser resiabelecida aordem
435:0005000 promovido ao posto de CirrgiSo-in6r de brigada esperndose a presenca de SS. MM. e AA. Impe-, Tazer juslifa por suas maos, e corae\;.arara a ro- reifu|.,,.jaje no servico Aeoiilecimeulos desles
graduado o cirurgiad do cofpo de saude r. Po- riaes. clamar a eulrega do assassino ; todos os meios d- ^ fre|UenlenwnUj em todos os estabelecimon-
di-
37:2315000 Tycarpo Cosario de Barros. Concluidos todos os orllcios religiosos, ser o cai- brandos empregados, "qur pul Sr. chefe de pon- nnwtM raB*W como nanavegaeao.es-
Nomeurao. Do Sr. lennU-general graduado x5o de madeira mettido no outro coberto de seda ca, quor por outros inultos, para disSuadi-los dos- !" .c ""* '/_* f,\,rC-d de plvora etc
1 Joao Francisco Caldwell, para inspeccionar os cor- e ouro, e collocado em'uma carneira aberU ex-, se intento, foram inuteis, e crescendo a efforves- ap.",.., .V, Dresuinir que este facto chegue
6905000 pos do exercito estacionados na provincia do Rio pressameote no centro da capell-mr, nica que ; cenca, comecaram a arremedar pedras e podagos -w Ma^mdn nara evitar isio di'o-lhe que o
Grande do Sul.-Avjso de 21 de abril lindo. fleari existindo na igreja. de vidros contra a forca, ped'ndo em altas votes o "";*""? "J^'^ 0 ue Ienho ex, sto,
Dos Srs. : Dr. em medicina Euphrasino Pataleao O Minas Geraes de Ouro-Preto d em 3 do cor- criminoso ; foi enlao preciso fazer disprsalos, o q
rente as noticias seguintes : que fcilmente se consegnio, resultando diversos
No dia 1 de Janeiro do corrente anno foi as- fenmentos, nao s em pessoas do povo, como em
sassinado com um tiro na fazenda da Boa-Vista, i soldados, segurado depois os presos fortemenle
distante da ridade do Grao Mogol 8 leguas, Do-, escoltados para a cada.
73.
4
5
6.'
52,000:OMC,i>iHJ
Depsitos.
Empreslimo do cofre de or-
pbaos......... 1,015:4955000
Rens de defuntos e ausentes.
Ditos do evento......
PreinioS de loteras ....
Salario le africanos livres. .
Depsitos de diversas ori-
gens............
225:037*000
'1:4905000
47:4805000
2:0495000
1,364:8015000
2,856:9495000
"Art. 11. O governo fica aulori.-ado para omit-
tir billietes de thesouro al a somma de.....
8,000:0005000 como anticiparaode recoila no eever-
cicio desta lei.
'CAPITCLO III.
NNNaVOOa OllaK
Art. 12. Ficain em vigor todas as disposiyoes
da lei d > uiramento antecedente, que nao versa-
rem particiilanncnte sobre a xago da rereita
e despeza, e nao liveieai sido expressamenle re-
vocadas.
i .ni i. 13. FJcam rovogadas as Jetee disposicSes
em coniiario.
t Rio de Janeiro, 7 de maio de 1804. Jov Pe-
dro Das de Curratho.
mingos Gomes PeTeira 10
t Na mesma distancia, no lugar denominado
Barraca, foi assassinado corn um tiro na noite do numero legal,
dia 5 daquelle mez Antonio Gonjalves Machado.
No districto de S. Jos do Gorutuba, do A cmara dos deputados approvou Jiontem em
mesmo termo do Grao Mogol, no da 15 de leve-1 primeiro. lugar o parecer da.-commis-o do pode-
reiro, um scravo de Jacititho Baptista, de notne res sobre a eleigae do quarto districto da provincia
Januario, tendo visto sabir os donos de urna casa i de Minas-Geraes, recosherendo depulado o Sr. con-
visinha, dirigi se para ahi, onde encontro urna selheiro Domiciano Leite Ribeiro.
menina de 12 para 13 annos de nome Raymunda, Elegeucm seguida as commissoes de-pensoes e
e
cusso lo projecio sobre a companhia da estrada
de ferro de Pedro II, luvegacao a vapor do rio S.
Francisco e protongamento das actuaos estradas de
ferro.
Oraran os Srs. C. Madureira, Frederico de e\-
meida e Barros Brrelo, Ocaudo a discusso adiada
pela hora.
TABULA EXIGIDA PKI.O ART. 12 I." DA KKI .N. 1.177
l)F. I HK SKTKMIIHO F. 1862, ntmCfrKDO As VIII-
BAfl lio o lo.: AMENTO PARA AS DUAB8 O OOTEINd
TK.M A KAiaItBADI DR AIII1IH CIIDITS SLl'PI.K;
.AIK.NTAl;i:s, NA FORMA DO MKS.MO ARTIGO.
Ministerio da justteo.
Deapotl secreta.
Ju.-lieas de 1." instancia.
Ajudas de custo.
Guarda nacional.
Coaduccao e sustente de presos, etc.
Ministerio da inarmlia.
Purea naval. Pelas comodonas e gratilica-
coes concedidas a oflteiaee e nuil pracas em por-
tbs eslirlngeiros, assini come pelas maierias dobra-
das ans olliciaes que serven do Amazonas e Malo-
Grosso
t Material. Pulo sustento, trataniento e curali
vo das guai nicoes dos navios da armada, e pelos
casos l'iriuitos de avarias, naufragios, alijuneno
de objectos ao mar, ele.
l)spezas extraordinarias e eveMoaes. Por
dillereneas de cambio e commissoes de saque,
premios de engajamento de artistas, t ugajamenlo
e reerotainento de pracas e menores, Iralaineiilo
de (iracas em polios eslrangeiros e em provin-
cias onde nao lia hospilaes ou enfermaiias, e pren-
de ftama.
Mimstei io da tierra.
Archivo militar e offlciu iiiographica. Pelos
jornaes dos o[ierarios e materia pruna para a
oflicina.
< Arsenaes de guerra, armazens de artigos bel-
licos, laboratorios e. conselhos administrativos.
Pelos jornaes dos operarios e materia prima para
as ollieinas.
Corpo de sade e hospilaes.Pelos medicamen-
tos dietas e utensilios.
c Exercito. Etapes, forragens e ferrageos.
Pelos premios de voluntarios e engajados.
Classes inactivas.Pelas etapas das pracas
invalidas.
Fabricas.Pelos jornaes dos operarios, mate-
ria- pruna para as ollcinas, dietas, medicamentos
e utensilios.
t Presidios e colonias militares. Pelas diotas,
medicamentos e utensilios, etapas e diarias aos
colones.
Diversas despezas e evenluaes. Pelo trans-
porte de tropas.
Ministerio d i DiHerencas de cambio Pela soturna que se
lizer necessaria para realisar-se a remessa de fun-
dos para o eslrangeiro, quando as operacoes forem
elTuciuadas abaixodopar.
Juros da divida interna fundada.Pela impor-
tancia que exceder a decretada, proveniente da
nova einissao de apolices da divida publica.
iuros da divida inscripta antes da einissao das
respectivas apotices, etc.Pelos que forem recla-
mados alem do algarismo oreado.
Juizo dos fritos da fazenda.Pelo que fal-
tar para pagamento de porcentagens da divida ar-
recadada.
' Estacos de arrecadaco.Pelo eteesso da
despeza sobre o credilo consignado para porcenta-
gens dos empregados.
c Premios de letras, etc.Pela imprlancia que
or necessaria alm da consignada para os servido*
que corre pe esla verba.
Juros do*emprestimo do eofre dos orphos.
Pelos que forem relamidos, se a sua importancia
exceder a do crdito volado.
Ministerio da agricultura, commercio e obras
publicas.
llluminacao publica.
Garanta de juros's estradas de ferro e de
rodagem.
orreio gerai-
Rio de Janeiro, 7 da maio de 1864. Jos Pe-
dro Dias de Carvutlto.
Fot tambem apresenlado o seguate parecer :
< A commi'sao de constiiuicjio e poderes, leu-
do examinado as acias da eleico, a que ltima-
mente se procedeu no 4. districto da provincia de
Maas-Ceraes, para pi eenchimenlo da vaga deixaua
pelo conselheiro Domiciano Leite Ribeiro, vai dar
seu parecer.
Comparaceram nos respectivos collegws, a ex-
cepeao do de Lavras, cuja aela n5o foi presente
commissao, 298 eleitores, dos quaes deram votos
ao mesmo conselheiro 138.
Fraucisco Nery.para 2o cirurgiao do corpo.de sa-
de da exercito.Decreto de 30 de abril findo.
2" cirurgiao do mesmo corpo Dr: Joao Severano
da Fon seca, para seguir cont o 4 batalho do in-
famara, desla corte para a provincia de Rio Gran-
de do Sul.Em 4 do corrente mez.
Tenente do corpo do estado-maior de 2* classe
Jacimho Candido da Silva, para o lugar de ajudan-
le do director da colonia militar de. Avanhaudava.
Eui 27 de abril lindo.
2" tenente do corpo de itngenheiros Antonio Jos
Ramos, para servir na provincia de Sergipe'.
Alferes do 7" batalho de ipfantaria Joaquim Al-
ves deFreitas, para secretario do mesmo batalhe.
A nom'eacao do Sr. capitn do corpo de artilices
da corle Jos Mara de Almcastro, para coadjuvar
a commissao de melhoramer.tos do material do
exerciio (ordem do da n. 394), ua qualidade de
membro adjunto.
Transferencias.-Dos Srs. : alferes Jos Floren-
cio de Toledo Ribas, do 3" regiment de cavallana
ligeira, para o 4- da mesma arma, e Manoel Pinhei-
ro de Oliveira, desle para aquello regiment, como
requererain.
Alferes Jos Francisco Ribeiro, d lugar de aju-
dante do corpo de guarnco do Amazonas para a
flaira do mesmo corpo.
2" cadete do batalho de deposito Cosme Francis-
co de Oliveira Banhos, para o 1" batalho de ufan-
tana.
Por decreto de 26 do mez passado foi concedida
a Eslevo de Aguiar Gemini exoneraco do lugar
de escrivao de f classe do corpo de offkiaes de fa-
zenda da armada, como pedir. *
Por decreto de 13 do passado foi alterada a or-
ganisacao da guarda nacional da capital da provin-
cia do Para.
Por decretos de 19 do passado :
Foi creado um'coinmando superior de guardas na-
cionaes dos municipios de S. Bernardo da Parna-
livba e da Tutoya, da 'provincia do.Maranbao.
Creou-se um esqadro avulso da guarda nacio-
nal as fregoezi&s de (Jucuiado e Cariacica, da
provincia do Espirito-Santo.
Poi elevada categora de batalho a secgo de
batalho n. 7 do servico da reserva da guarda na-
cional da provincia do Mai'aribSo.
Por decreto de 29 do passado foi autorisado o
transpone da soimia de 60:0005, lirada da verba
DilTerenca do caibblodo ministerio da fiuenda,
no exercii o de 1863 1864, para as verbasAja-
das de cusi, ele, e eventuaes.
Parle ainanhaa a crvela SitheroUij, levando a
sen bordo u Sr. almirante Uaro de TaBnandare e
seo esladoiiiaior.'
K-le navio, como j olicianios vai reun'u-se. a
forca naval brasilea stacfouada em Moulivido.
9
Por decreto de 4 d corrente foi autorisado o go-
verno para mandar pagar a Jaquu Das Bicallio,
inspector aposentado da thesouraria da provincia
de Minas-Geraes, a dflennca do ordenado de
1:2005 para o de 2:0005, com que foi melhorada a
sua aposentadori.
Por decreto d 30 d passado foi autorisado o
ministro e secretario de oslado dos negocios da
agricultura, commcrefo. e obras publicas aapplicar
s despeza* de agumas verbas deficientes do orea-
meato'respectivo' nbxrcicio de 1863 a 1864 a
quauta de 133:4475815,lilaila dassobwsda verba
obras publicas'graes e auxilio s provincaes.
Por decreto d<: 3'd corrente foi concedida a
aposentadori (ue |iedio o chefe do seceo da se- o'esquizas,
cretara de estado dos negocios da agricultura, i do dcsappareciinenlo, e prendeu-o immedialamen-
commercio e obras publicas Joao Jos Teixeira. I te, fecbaddo a casa em que elle tnorava, depois de
------------- a ter examinado e notado que no quintal havia
Ante-hontem pelas 7 y-, horas da noitc effecluou-; signaj de ierra revolvida de fresco,
se a tr.vsladaco dos restos morlaes do Sr. bispo de; t Hontein o Sr. Dr. chefe de polica, acompa-
Chrysopohs, "do paco de S. Clirislovao, onde falle- nhado do delegado e do subdelegado, dirigiranrse
cera, para a igreja dos religiosos Carmelitas, na casa de Rams, na ra do Arvoredo.
Lapa, segundo a ultima vontade do illusire linado. Fazendo-se excavacoes em diversos lugares,
Tendo o passamenlo tido-lugar s 5 horas da cncontraram-ee no vio embaixo de urna oseada
nianha do da 6,' o'embalsamento, feto por ordem que lica ho Interior da casa grande porcao de ossos
deS. M. o Imperador pelo Sr. Dr. Ferreira de Abren,' humanos, que all eslavam enterrados ha lempos,
nao oomeoou seno 26 horas depois, mas coucluio- e no quintal os Cadveres do dono e do caixeiro da
se em condcoes que paecem garantir a perfeita venda da ra da Igreja fetos em pedacos, e tam-
couservacodo cadver. bem enterrados junto com ellos um cachorro que
Antes "de ser este depositado no caixo, quiz S. acompanhava sempre Januario.
M. certilicar-so de que as suas ordens haviam sido Alm de Jos Rams, foram incontinente pre-
cumpridas c fazer as ultimas despedidas aoseu ve- sos Catharina Passel, que com elle Viva, a prela
neraiuio raeslre aimgo. | Seuhorinha, que tinha um quarle alugado na casa,
A larde volton S. M. o linperador, acompaniado e o Allemao Heinrich.
de S. M. a Imperatrz e de SS. AA. as Sras. prn- O Sr. Dr. chefe de polica passou depois mnu-11864. Joaquim Saldanha Marinlio. Manoel Pinto
cezas, (izerain oraco, demoraram-se algum_teiitpp ciosa revista em todos os objectos existentes,'na 'de Souza Dantas.-Martinlio Campo?.
junto do cadver, retiraram-se consternados. casa e fez coaduzir para a secretara de polica ________
Pouco depois parti o prestito pela manoira se- tres macbados, urna serra, o cortinado da cama de
guinte : dous batedores, um coche de respeiio, o Rams ensanguentado, e bem assim urna escova de Effectou-se honiem o funeral do Sr. bispo de
coche que coaduza o cadver (o mesmo que lem falo, um lenco com dinheiro em prata, e outro i Cbrysopohs.
servido para os enterros dos principes), um esqua- em c<*bre, um par de botas e outro de sapatos, ej A's 9 horas da manfia clvegararn SS. MM. e
di ao de cavallana de linha, o coche com o coiiego grande poi cao de velas de composico, sabao e li-1 AA, impenas a igreja dos religiosos carmelilas,
cura, o coche em que ia S. M. o Imperador acora- unas, e uma cabecada com redeas de prata. | em cuja frente e immediaces formaran! todos os
para
que, houve foi exactamente o .
sendo todo verificado pela autoridade policial, a
quem o superiulendeule coinmunicouj o fado.
; A este eslabelecimenlo do Morro Velho deve
a provincia de Minas os maiores beneficios ; espa-
1 Iba elle annualmentc urna somma de 1.800,0005
/.... a vista.
/.... a 30 asi
/.... a das.
'/- aWdia*.
Sobre l^mdres : i 400.000 a 27 I
27 3/8, 37 12 e 27 5/8 d.
Incluimos nesta somma aO.OMO temado bo*>
banco do Brasil no da 26 do paa*al a 27 VI 4
Sobre Franca iOo.Omi (ruaros a :iW eW*t<
Sobre Hambiirgo 2-'>00iM na. b. a Mil r.
Sobro Lisboa e o Porto tem rigoBia a tebrtu
seguate :
101
100
90
98'
A|>olices.Negociaram-s- a goraos /.
o 99 1/4 /, as prnvinaaes a 93
Descontos. Coaservam-se ios tiaras a 6 *r.
lar os "sUbeleciinenios i Na praca regulam de 7 I '2 a 9*'.. coatwoaojaW m
Honiem nao houve sessao no senado por falla de ^^^alH.Xr^f^rieo de frr0(edo todas pequea amata a procura de .unaeran.
as industrias da provincia, as qaes, ua falla de I Aretes. Negm-iaram-se : a- do Imoco oV -
estradas que facilitam a exportaco, encontrara a 555 e 525 de prmi<>; ifo banco Rural e Uva
neste importante estabeleciineiilo um valioso con-1 thecario 665 a 7 sumidor. A prosperidade a que nos ltimos qua-' I). Pedro II a 25500e 6 >lr il^srimio ; da aorad>
tro anuos tem attngido aquelle estabeleciraento, de ferro de (jiougallo a W por aeran ; > ooav
pela euergia do actual sujici intendente, se deve I panhia de seguros Fidelidad a 5 de W~i:a< ; .
a iiiroduceo de cerca de 4000,0005 do caplaes | companhia de llluraiuaco a Caz a 17W5 doprvmi :
. eslrangeiros entrados ua provincia em companhias da companhia do Amazonas a mu5 'W te : *
u.p.sen sobnubo tambera menor. ordenados, fazenda e jiuuca civil sendo nomeadot deslind a ex ,orar frenos aurferos, cora o | companhia de Navegac> e CommrrrK *> Ate. fa-
Entrando armado, prelendeu torear a Ray-. para aurimeira os Srs. Silyeira Lobo Valdolaro e ^ J agricuilara, commer- raguay a Ui de dekomo; o da IxNiopmtem raM>
munda, e para consegui-lo matou-a, be.u como ao Lu Flippe; para a segunda os Srs. Carrao, barao ^ d ovincia cm0 taulbem muU)5 to, ,,ai|U,l0S a Vapor a I20| po7arr>,
tttnSS&V6J^ ^ W*fl# ^ -renos e.minera^, que ven-
Occupou-se era ultimo lugar com a segundadis
menino.
t Esle malvado acha-se recolhido cada da-
criminal.
t No dia 12 do' mesmo mez, na fazenda da Ga-
meleira, districto de S.. Jos dos do Gorutuba,
Pacifico Jos de Aguiar assasiaou Joaquim Bar-
bosa da Fonseca.
< O assassino acha-sc preso e pronunciado no
art 102 do cdigo criminal.
No rio Ventana, distante da mesma cida-
de de Grao Mogol 4 leguas, viva mansa e pacifica-
mente Jos Goncalves, pai de numerosa familia,
traballlando em sualavra diamanlina, quando Lu-
cio Rodrigues e Clemente Rodrigues, seus cunha-
dos, possuidos de inveja por saberni que. elle fa-
lla interesse, para all se duigiram no dia 15 de
fevereiro pelas 10 horas da manha, e o assassi-
naram tiros e puuhaladas, e assenhorearam-se
do servico.
No dia 24 do mesmo mez foi preso, condu-
zido a cada do Grao Mogol e villa-de S. Jos do
Gorutuba, Jos Victorino de Souza, como man-
dante do assassinato de Urculino da Cosa e Fa-
ra.
-< No da 20 do mez passado foi recolhido
cada do Ub o reo Joaquim da Costa Lage, que
nesse mesmo dia havia assassinado Joo Macha-
do Jorge na freguezia de S. Scbastio dos ATlic-
los,
Como trisle appendice dessas noticias, publica a
niesnia tulla a seguinte, por certo pouco consola-
dora :
Na noite de 2 do corrente evadiram-sc da ca-
da da cidade do Serr 16 presos por um arroto.-
baineuto que fizeram no pavimento do edificio.
Recebemos foi has do Rio Grande at 26 do pas-
sado.
U Com inercia! desta dala transcreve dos jornaes
de Porlo-Alegre a seguinle netca :
i No dia 15 desappareceram o dono e o caixei-
ro de una venda siia ra da Igreja, esquina da
do Rosario.
* Diversas pessoas virara Januario, pois assim
se chamava o dono da venda, em companhia de
Jos Rams, na tarde desse dia, e oulros virara de-
pois o mesmo Rams ir chamar e menino, que era
caixeiro, ajuda-lo a fechar a perla e seguir com
elle
Cliegando ao ennhecimento da polica a noti-
cia dessas circumstancias, procuran ella descobrir
os desappareddos, interrogando a Rams, que de-
claran te-Ios deixado na doca, : soppor que, em-
barcando-se cm um dos tres lanchos que all es-
lavam, mili.un seguido para o Caby.
t Desde ento as vistas da polica lixar.-.m-se
em Ram<, e no dia 17 o Sr. subdelegado do se-
gundo districlo, lomando informales e fazendo
convenceu-se que Rams sabia da causa
deni suas lavras a precos altos, desembaraza -se
de divids gravosas, e* eollocam-se em favoravel
sluacti.
t A maior parle de nossa populacao reconhece
que os verdadeiros interisses pblicos aconse-
iham todo o favor, animajo e proteco a estes
eapitaes e aemigraco expontaneas, e intelligenle
que com ellos nos cnega.
t i) temuo e a experieucia ho de levar con-
i MXon Se6Ul P J Vicv^ ^ lodos a conveniencia de prestar benigno
e favoravel acolhimcnto s empresas que do es-
a falla do llirono
t Senhor. A cmara dos deputados recebeu
com jubilo a noticia de que V. M. I. trata do casa-
mento das augustas princezas, omito amadas e
queridas filhas de V. M. I, e faz votos Divina
Providencia para que a escolha dos consortes sa-
tisfaga plenamente os desejos sinceras de todos* os
lir.isil.ilns, e as conveniencias de nossas livres
nstituicoes, associadas inseparavelmente a feliei
dade da augusta familia de Y. M. I
A cmara cengralula-se com V. M. I. pelo so-
cego inalterado de que teem gozado o Imperio e
bem assitn pelo eslado lisongeiro da sade pu-
blica.
Aceita a mediacao offereclda pelo governo de
S. M. delissiraa no intuito do sorem restabelecidas
as relacoes diplomticas entro o nosso governo e o
da Gra-Bretanha, a cmara confia que a dignda-
de nacional ser manlida plenamenie em negocio
de tanta ponderado, e que muilo aflecta a honra
e os nteresses dos dous paizes.
. E' grato cmara saber que permanece.,! ** la capital Dr
inalteradas as relacoes internacional do Imperio
com as demais potencias.
Continuando infelizmente a lavrar na Rep-
blica Oriental do Uruguay a guerra civil, e recres-
cendo as queixas de olfonsas aos direltos e legili-
iiios nteresses de nossos compatriotas all residen-
tes', ser Satisfactorio a cmara que por meio da
misso especial enviada aquelle Eslado, e sem
quehra da neutralidade que as discussoes intesti-
nas da repblica vizinlia eumpre guardar o gover-
no imperial consiga a salisfaco devida as nossas
reclamacoes, e providencias elllcazes, aflm de que
sejam realisadas as garantas que as propras leis
desse Estado promettem aos que habilam o seu
territorio.
c A reforma da lei 3 de dezembro de 1841 acom-
panhada do melhoramenlo da sorle da magistratu-
ra, assim como a reforma da legslao hypothcca-
ria e da lei da guarda nacional, o melhoramenlo
da legislacao eliioral, a organisa^o conveniente
d.i admrastraco das provincias e dos municipio
iraugeiro nos trazera espontansamenle, e leflrfsa-
crilicios do eslado, os prmeipaes estabelecimenlos
de prosperidade para o" paiz : o capital e o lamba-
Iho intelligenle.
t No municipio de Caelb ou do Curvello, no
lugar denominado Rio de Pedras, se teein agrupa-
do amitos Iraballudores na explorafo do dia-
mantes.
Lm especulador porm, que d'aqui foi obser-
var o lugar informa-me, que, lendo-se reuoido mis
sessenta irabaltiadores na exploracao do terreno,
reconbeceiam ser muilo pobre o lugar, dando a-
penas diamantes pequeos, e poucos, pelo que tra-
laram.de relirar-se.
No municipio de S. Romao, segundo oulras hoj
informaco.'S, a produeco de diamantes paga bem De-amo.
o irabalio de exploracao. Urim. .
Esrmiro santo.No dia 23 do passado entran Porto .
no exercico de chefe de polica IMorlno o juiz mu- Haba .
Remigio Tavares de lili- IVrnaini.iico
veira. R'o da Prata
O Exm. presidente da provincia sabir*, para Monlevid.-o.
a colonia de Sania Leopoldina alim de assistir o
assontamento da primeira pedia da Igreja catho-
lica.
9 oltima hora.
Cambio.Inclundo nperarvs r|ur<
tuadas Ivoj' sobre Londres a 27 J'H a 27 li .. -
sobre Pars a a 346. 347 e 348 rs. iwm o> w-
quos pelo paquete inglez Oneim :
Sobre Londres. 450,000 a J7 14 fram praoa
17 3/8, J71/ie27 5/8d.
Incluimos nesta sonnna 50.0UU h-nndoo pote
banco do lira.-ii a 27 I'2 d.
Fecha o cambio firme sobre e d.
Sobre Pars 800000 francos a 146. 347 e t4>
ris.
Sobre Hamburgo, 250.000 m. h. a O rv
Sobre Lisboa e o Porto rogirixi a lateUa si-
guile :
101 /.... a vista.
100 /... a 30 a*.
9.l '.... a U das.
98 /.... a '.> da-,
Apolices.Negoriaram-se boje das faran d
6 /. a 9 1/2 /..
Descontos. Conservam-se no* banros a 9
Na praca regulara de 7 1/2 a 9 ivniamaad ew
pequea escala a procura de numerario.
MetarsKxrMrtaram-se do I* do crrente afc-
i'.'i os valores seguale* :
Ouro. Prau.
43:5445300 l:3750
3:860*:to 2tt-VW
122:2a 1-5000 5
5 5
l77:WI04ttM 5
10:4025000 -'
-
:,m-
-
Total
4r3:X50-y,:; i ..7uv)
Caf. Nao cimsiam vendas boj*. |Mr*m
cado manlem-se firme.
Ha em ser apt'iias 25 ooo sacra*.
NOTICIAS G0MMBRGIAB8 B MARTIMAS.
Wio Grtate, 2ti de BOril.
CilIBiO.Sobre Londres 25 3/4 e "20 d. : Paris,
3C5 a 360 rs. Hamburgo, 710 rs. Rio, 4 e 3 0/0 I
a 90 ds. ; Bahia, nominal; Pernambuco, nomi-
nal.
Fuetes.Para o Rio de Janeiro, 300 rs.; Babia.
400 rs.; Pernambuco, 500 rs., ultimo fietanieiilo,
Inglaterra, couros salgados, 33 sen.; craza, nomi-I ...
nal Teve lugar anle-honiiin 11-n rom imfa pooapo *
0 ultimo fretamento para o Canal foi o do lri- solemnidad.! a festiyidade doilUvm
gue inglez Km a-35 sch. no ^iw-nn dos rol..osos franriM-an.. F.o ara
MKTVES.-Oncas 325; f>>, 25; palacoes, acto v.-rdadeiram'-nte gramie prl. omMtodlBOV-
25; pecas americanas de 5 dirs., 105; UM dlas | Ihodoxia, que o realisou. e peto rsm-n *r 'te
de 2 112, tjf ; nm peso boliviano, 15 meio dito, | g<>"
500 ; columnarios
PERHAMBDGO
REVISTA MAIli
a iriii.indade cm eleva h a lda altura o fwawiKvn! lUlic-l/ l-jr -j xriean OS 0 do agradaVi'l. E' lll.lls (lili | I-de-,
uma lei de promoeo, Om. sys.e.na de recruUmen- J"^ f fJ o^ ,col u.nna, o. ^ ^ *^ ^ ^ ^
lo apropnado as nossas circumstancias, eran co- "^^.VA .;:,_ _!,.. a'?^.. I,'ii i deraf-se de corlas la-.-- da -
digoi militar de accordd com as justas exigencias
da disciplina, sao necessiddes de que se nao pode
prescindir j e a cmara, por sua parle, nao poupa-
r esfor^os para sitlisfaz-las.
Na ordem dos interesses materiaes a cmara
tomara na devida consideraeo o prolongamenlo
da estrada de ferro de D. Pedra II, sem esquecer
qualijucr outra medida de recoiihecida ulildade
publica.
Horda i-ai-ei..-De 8 1/2 9 o/O.
Rio de Janeiro, SS oV Vil O raoviinento do nosso mercado de imporlaco maie atoeerm toMatM M n oaidaoV.
foi linda pequeo durante a qui.izena que passa- la,,,l alM'";i-,l""' ** cxi-i.-o.-ia .
nio? em revista, nao dndose altera.oes de vullo someiMeoa fraeoo Mlllli. i|ur Ih,-
na posico dos principaes arl.gos. 0^ '>""> ''"-J"' '''lell.-s que a ama***
.No mercado de exportaco effectuaram-se ven-
das regulares de caf, apresenlando os ltimos pro-
cos uma alta de cerca de 100 rs. em arroba sobre
sahida do paquete francez
lores do pequeo deposi-
. Far por conciliar o maisvaniajosamenle pos- "iSfflJ^Sf "S
sivel, guardados os preceUos de, f a ecoi^nia, as SfcSgtJUSXm -inneza os non
circumstancias *"+/* XSE>\ ^^^^^.^^^^^.Sr^^
^io dessas fontes
jiiosperidade do imperio.
, t A cmara procurar, coadjuvada pelos demais
poderes de estado, equilibrar a receita com a des-
peza, apreciando como deve a legitima e provelto-
sa economa das rendas publicas.
Senhor A cmara, possuida dos mais patrio-
ticos desejos, auxiliar os estoicos do governo im-
perial para o engrandecimenl do Brasil, alvo de
todas as nossas aspiracoes.
Paco da cmara dos deputados, 9 de maio de
deixado aiuesquinliar-se a- grao.I /a- .1 >
lem consentido que a inlill.r.nrn -e m
ilioleiulas da s.la vida. O e-pirii.. dr
sol cu jos auspicios vive essa pa in-titntro aOi t
guia-la ua lula de honra que Inn eaoprtemdo m
prol dos direilos do calholi.-i-ino.
A igreja esleve devidainenlc a.loravi'la o pria
roso da armaco d.-empenhada |m-< di-marte ar-
tista o Sr. Rento Eleulerio de Smza Cir... a ir.
ultimas noticias recebidas dos mercados, consumi-
dores, como as diminutas entradas do interior e
eseasso supprimento das pi uncirs quabdades do f? profusao de liw.es. .pie derramando-.^ peh> ao
artigo templo, pare, un ->uil> di-ar as lama* Oa
No dra 20 do passado abrio-se o cambio sobre verdad.: que illu-traram os apoM.*-. a Irarraana
Londres a 27 1/2 d. ; saccoii-se depois uma peque- Jas llores, a harmnica meloda das nan-'ira*. ted
na quantia a 27 1/4 d. com prao, a 27 3/8 d. com concoma para mamie-iar grandeza .tn a -
e sem praso, e a 27 3/8 d. memorativo da grande e magel.a - As casas banoarias tem sustentado a taxa de 27 mi, ludo convulava o renle. at.yina.ln no- -
3/8 d. ; mas geralmente tica o cambio firme a-27 nos do raiholicismo. a misturar soas j/j,j as-vozes dos Ijevilas na mais sincera orara.
Solire Paris saccou-so a 47 e 348 rs., sobre O i>rofundo prega.tor da calila imperial Rvm.
Hamburgo a 660 rs. e sobre Lisboa e o Porto con- r. Ir. Joaquim .lo Espirito-Saotn, ~wn
forme a
tabella seguinle
Rr y... a vista
100/... a 30 dias.
99-/.-- . a 60 dias.
98 /.-. . a 90 dias.
pandado de seus semanarios, o piquete de servico
junto d S. M., os coches e carruagens com-mulas
pessoas da corte, dignidades ecclesiastieas, empre-
gados da casa imperial e prenles do finado.
s 8 3/i horas da noite chegou o acompaiihamen-
to Lapa. S. M. o Imperador pcou em urna das
primeiro interrogatorio foi fe i lo Catharina i corpos de liuiia e da guarda nacional, sob o com-
Passel, a qual declarou .que tanto o dono como o | maudo do Sr. brigadeiro Fonceca Costa,
caixeiro da venda tinhara sido assassnados por I Suas Mageslades e Altezas foram recebidos na
Jos Rams, com um machado que designou; que portara pelos reverendissiraos prelados do conven-
i.. ipnt*n4nila An l-'-r^riin anfn 0 ordem I.ove i fu
Srimeiro matou o velho Januario, isso quando ella
ora ao quintal dar milho sgalinhas, e queoar-
argolas do caixo (como j havia feito ao sabir do rastra depois para baixo da escada ; que- fahira
pacode S. Christovao, honra de qua nao havia exeinv depois e trouxera o menino, e que o assassinra
po no Brasil), e bem assim os Srs. mordomo da quando ella fra dentro perguntar preta Sendo-
casa imperial, marquez de Gaitas, conde de Iguas- rioha so tinha agua quenie para mate ; e mais
s, visconde de Sapucady, general-Calmen Cabral que lora Raras quem partir era pedacos
e monsendor Narciso. machado os corpos dos dous desgranados.
to, irmandade do Espirito Santo e ordem terceira
do Carmo, e ocenparam a respectiva tribuna.
Comecou enlao a ceremonia, offlciando o reve-
rendissimo padre mestre prior dos carmelitas. Se-
guio-se a missa uma svmphonia, a oraco fnebre
pelo Rvd. conego Fonceca Lima, e o Castrum Do-
cotp o iori$i no qual offlciaram os mon-senhores vigario
' capitular, Meirelles, provincial dos franciscanos e
as bellezas da oratoria e jogando rom lo** te>
\ cursos de que dispoem sua rohusia iMVlitfrm-a t
vata erudico, souue conquisiar a palma do
me na cadeira evanglica. Sua ora.;J.>,
pelo balsamo da verdad.- ratlH.lica.
perfeilamenle a magnitude do quadrn. pie i
6 7. a 99 lira achocar.
Fin.la a festa, tres meninas. nVuraodo
mais fortr* rolumnas do >-alhltcisiao fe, i
Negociaram-se as apolices geraes de
1/4 o 99 7, e as provinciaes a 93"/..
Nao houve mudanca na laxado descont.
Caf.Desde o di 23 do passado al hoje (81 ca e caridade.repartirn a remota de SEO re.
venderam-se : cada um dos muilo-. m-mdig. qu* arlluiraoa a |
Para os Estados-Unidos...........32,300 saceos, la do templo. Era bello ver a mi
Foi recebido pela rommunididade, de cruz alca-; Interrogado Rams, negou o facto, rahiodo, po-: prfeile dos barbadmhos, sendo a ultima oraco
da, sendo levado o cadver para a cmara rdeme, remKein omitas contradicSes, como a de dizer que' recitada pelo celebrante.
preparada em uma das salasdo convenio. eslivra com Januario na sexta-feira, e depois qoe I Depois os reverendos provincial e prior do coa-
No centro dessa sala, toda forrada e tapetada de o noyiaha mais de dous mezes, e asseguraodo i vento de S. Paulo, cantaran) a oraco ClemnUis-
preto, e sobre um ampio estrado igualmente forra- que nao sabia como tin'ham apparecido esses cada- sine.
do de preto, foi posto o caixo de madeira enver- veres enterrados no quintal da casa em que mora-
uizado contendo o corpo embalsamado; vendo-se, va, assim como nao sabia dizer d'onde provinha o
o Canal c norte da Europa... 2,200
o Cabo da Boa Espranca 8,200
Total....... 48,700
Para melhor comparaco da alta que apresen-
tam os precos publicamos'com as cota;dos aduaes
as que vigeravam a sahida do Estramadurt:
Lavado ......
Superior.....
1* boa.....'..
1 ordinaria..
2 boa.......
2o ordinaria..
Ha era ser
Assucar. Diranle
23 de abril.
85000 a 85300
75700 a 75900
75500 a 75600
75200 a 75300
05900 a 75000
65800 a 65900
8de maio.
85000 a 85000
75800 a 85100
75600 a 75700
75300 a 75400
75000 a 75200
6*800 a 65900
25,000 saccas.
effeclUaram-se
estendendo para esses infelices nr.-s-ila*BI i
que os convidando a lomaren ama parte activa *a-
graodezas do da e a conservaren acuno ao> loa-
do de seus corares o fa.-ho da fe, oseado* oa-
diK-uras da esperam;a. Louvore a er* ajm a*
ministram a occasiao de verme o mais poJhater
o mais sacrosanto quadro da religiao do >taoaa
A's 4 horas da tarde sahio o EioHso Paraca*
em solemnissima procis^o. Ogran.tV
anjo, que ex.vdeu 120, o uumaraia i
ment das ir mandado*, os seto doao o e* date Brac-
ios do Espirito eleganlemeato voiado o
a bellissuna armaco do andor, raatorroa
essa uma das mai* brillantes o
sdes que temos presenciado,
turar que ha muilo nao traban
O caixo de madeira onde estava o corpo foi met
tido era outro coberto de seda e ouro.
alravez do vidro collocado na parte superior,p ca- sagueque estava no corlinado e na escova : que! Desejando 9. M. e Imperador acmpanhar al
daver revestido das vestes episcopacs, com a mitra as velas, sabao e linha tinha comprado em um' o m da ceremonia, foi e forelro levantado da eea Assucar.Dorante a qumzena
e o biceulo ao lado a bolsa de esmoJet-mr e ou- barco viodo da Allemanha, e qoe as redeas e ca- pelos reverendos provincial, prior e mais religio- vendas regulares de raascavo de Campos aos ex- *Vl-"*
' a"u,!"lu,'os becada aimprra ha teinpos por seis palacoes sos, e deposto junto acarneira, no centro daca- iremos de 2*930 a 35M, conservando-se firmes os No Te-eumioroa o Rvm padre mtt
evantados outros um moco que nao condeca. pella-mr. j possuidores em razo da escassez do deposito e das Amonio de ta ( Prsenle o sargento Honorio, do tereciro ba- Deram-se nessa occasiao as descargas do es-' noticias recebidas dos mercados europeos. de novo e quadro do l^narulo mooaroa
Da Coringoiba e Bahia ^endeu-se todo o branco pode-chegar a belleza do orador sagrado o
tras Insignias
Em tres faces da sala eslavam
tantos altares, cobertos d prelo, com rrucilixos e
banquetas de prata. Sobre os quatro cantos do o
Sr.
. o sargento
lalho, e sobrinho do morto Januario, declarou que j tylo.
trad descaiisvam (iiiatroerandes vasos com cv-' essa cabecada e redeas eram suas, que estiverara Suas Hageslad.?s e Altezas foram prestarse de-' e raascavo que havia em ser, de 4* a 4*200.
emorestadas algom lempo, mas qoe m mez ti-, fronte da carneira e alli oraram, recusando o lm- j Do branco de Pernambuco apenas venderam-sc
nha entregue i seu lio para vende-las, e que ha perador as almofadas que Ihe trouxeram para a- alguns restos das marcas 4* boa o 3 barga. As
nitn das elle Ih'as linha mostrado, dizendo nao joelhar-se. ultimas noticias do norte e a exiguidade de suppri-
t las vendido Rams assegurou que as tinha 0 reverendo provincial offereceu depois a Sua mentes sustenta entre os possuidores as colaeSes
prestes, e de cada lado dous renques de tocheiro*
de prata em numero de 24.
as paredes, entre os altres. quatro medalhoes
contrallan os segnlntes disticos :
Sapiens in populo haniditabit honorem, et numen
utus erit vieras ia aternum.Eccl. xxxvh.
Beati morlui nui in Domino mortantur.ArociU
XIV.
Melior est mors qvam vita amara; et rrewiM
(eterna quam languor permeranne.Ecci. vi.
comprado talvez qnem Januario tivesse vendido. Mageslade o hyssope com agua beata ; o Impera-
. Presente depois Catharina, e, aiezar de aler- dor recebeu-o, as per-g.o o ^etro^'^ou o hys-
rada com a presenca de Rams, qoe pareca domi-! sope a Sua Mageslade a Imperatrz e a SS. AA.
na-la, conrmoo o qoe antes depozer, eontenUn- Imperiaes. c.Qa j. k
do-w cito em dizer que era nientira. Proceden emflm o Sr. Dr. Ferre.ra de i brea ao
0 terceiro inierrogatorio foi o de Heinrieh,' encerramento do caiiao, e foram as chaves aprc-
seguintes
! sorteeflnos.
3.* dita..
* 4.* dita (ha falta)
Somenos. .
. Fjcam em ser :
5*tW0aS*800
55300 a 5*500
.5*000 a 55200
4*400 a 4*600
to se preslam as portentosas
cismo.
Em concluso receba a actual
nossos paraliens pelo modo por i_
Enhar sua misso na mamfcstaeao da
vino Parclito.
No impedimento do Sr. Dr
! da thesouraria provincial, ara so
I lugar o Sr. Dr. Jos Bernardo Gatea
1 Filho.
' Fallecen no domingo, e foi koatej

/


Mil*", o Sr. !>. Jos RayratuckT da Cos jF
os, ei ronsoqueaca dt urna ulcera cancros que
lie appareceu na bocea.
O tinado era advogado dos auditorios desta cida-
!'', Usado M'rvido lambern na magistratura do foro
desla comarca do Recife ; e ltimamente liana ca-
deira de philosopliia racional do Gymuasio Per-
naniluicaiH) por baver sido nella prvido desde o
xtucto Lyceu.
Conwcou hontem o concurso para provimento
3o lugar do segundo escriturario da Ihesouraria
provincial cora assistoucia do Exro. presidente da
provincia.
Sao concurrentes os Srs. Ulysses Justiniano de
Oliveira, Joao Peret Seve, Joo Carneiro Honteirq
da Silva Santos, Dominios de Souza Leo Reg"
Barros c Jos Xavier Carneiro de Rarros Cam-
pello.
Deram-sc as proras deescripturaco mercantil
e de arithmetica examinando nesta materia o Sr.
lente Antonio Egydio da Silva, e naquella o Sr.
Br. Antonio Wiiruvio Pinto Bandeira e Accioly de
Vasconcellos ; e hoja deve terminar lodo o acto. '
. De Garanhuns nos escrevem em dala de 27 ,
do passado :
t O amigo advogado dos auditorios desla villa,
Miguel Pruno Villar da O' Barbosa, que, ha vinie
oilo annos pouco mais, ou menos, vivia entre nos,
morreu hoje, pelas duas horas da madrugada, de
nevralgia, cojos ataques, antes de expirar, se Ine .
repetiram em poucas horas dezeseis veres I
O Uado era natural dessa cidade, onde dei-
Xou parantes ; e aqui, por sua lealdade e genio
prestiraoso, coalara grande numero de amigo que
sinceramente lamentara a sua morte. Deus com-
padcese da sua alma, dando-lhe, em compensa-
ran domuifo que soffreu nesta vida, a gloria
eterna
Informam-nos do Rio de Janeiro que o Exm.
lera rom o maior prazor os arligos publicados
ueste Diario, em resposta ao Sr. depulado Pedro
Luiz, e que por essa occasio abeucoara os respec-
Uros autores
Tambera nos dizem que smente na igreja de S.;
Sebaslio que se celebrara os exercicios do mez
Mariano, a que assistem tantos calholicos, quantos
a referida igreja comporta, jeodo o otBciante o
Rvra. commissano geral dos capuchinhos Fr. Cae-
tano, conhecido pelo Apostlo Pernambucano.
Foi exonerado de recrulador geral o Sr. co-
ronel Francisco Joaquim Pereira- Lobo, sendo no-1
meado para subsiitui-lo o Sr. tenente-coronel Fe-'
Jiciauo Joaquim dos Santos.
Apparece noticia de que fallecer o Sr. te-!
tiente-coronel Miguel AITonso Ferreira Capobre em
consecuencia de urna queda que dera.
Ctdada preslimoso e centro de urna familia im-
portante por seus serviros, esta urna perda irre-
paravcl porque passa a provincia.
O vapor Oneida, que esteve em nosso porto
no domingo, conduzo seu bordo para a Europa, j
onde vai tratar-se, o Exra. Sr. conselheiro Eusebio
de Queiroz Coutinho Mattoso e Cmara.
Dr--ejamos-lhfi prospera viagem e que consiga o
leslaheleciinento de sua sade.
bm da verdade declaramos que o Rvm. Sr. j
cenen Rochad pedio-nos, no dra em que sabio o j
sen discurso ao qual se refere o Sr. Dr. Cimba
Tetaos, tizessemos urna errata no aparte deste
senhor, o que nao satisfizemos por julgarmos des-;
iieeessario, para quem lesse o que se Ihe seguia. j
Acaba de chegar do Rio de Janeiro para o j
nosso tbeatro o Sr. Jos de Freitas Carneiro, galn
cmico, bem conherido e apreciado nos theatros de
S. Pedro e Gymnasio da corte, nos de S. Paulo e
Rio Grande.
(i Sr. Carneiro reone urna bella figura, verda-
deiro mrito artstico, que q deveni fazer agradar
ao nosso publico.
Concrdcu-se ao taltelliao Francisco Bautista
de Almeida tres mezes de licenca para tratar de
sua sade, e nomeou-se a Ismael Augusto Caval-
cante Mello para o substituir interinamente duran-
te o sea impedimento.
kki'aiitk;ao ua polica.
Extracto das partes dos dias lo e 46 de maiodc
1864.
Foram rerolhidos casa de deteneao no dia 14
de loaio.
ordem do lllm. Sr. Dr. chefe de polica, An-
tonio Francisca da Paz, Pedro Jacintlto de lanos,
para recrutas, Jos, escravo do" Manoel Antonio,
por fgido.
ordem do subdelegado 'da Recife, Charles Ma-
llor, requiscio do cnsul inglez.
A ordem do subdelegado de Santo Antonio, Ma-
nuel Ignacio Ferreira Lima, per disturbios.
urdan do de S. Jos, Jos Francisco dos Res,
Semino Camino Pereira de Souza, Luiz Antonio
do aseimonto, Mara Antonia da Coitcoicao, Fran-
cisca Florencia de Sacramento, por embriaguez e
briga, e Benedicto, escravo de mu tal Araujo, pDr
infrccao de posturas.
A ordem do do Peres, Jos Francisco da Silva,
por disturbios e feriinuilos.
O ehefe da 2* seccio,
/. Q. de Mesqnita.
H*rto> +rw*mh**+ Tere *e>tr ti 4*Male *Sd4.
A saber
Nacionaes...
Estrangeiros.
Mulheres___
Estrangeiras.
Esc ra vos___
Escrava:-----
147
36
8
1
62
4.
~358
Brinca o. folga ;tirdo passa,
Mesmo a graca,
Que realca
Do leu i oslo a bolla cor ;
Um dia toras saudade
D'esl* idade.
Que se-evade
Como a vida de urna ti-.
Alimentados a custa dos cofres pblicos..... 146
Passgeiros do vapor inglez Otmda entrado
do Rio de Janeiro : Jos de Freitas, D.Hcnry Ara-
naga, D. Julio Longlois e Jos da Villa-Flor.
Passageiro da escuna nacional Ernestina,
sabida para o Para :Antonio Rento de Oliveira
Jardim.
Obituario do ou 13 dk maio, ko ckmitbrio
publico : ,
Jos, Pernambuco, 3 mezes, Boa-Vista, espasmo.
Joanna Mara da Conceieao Pernambuco, 2b au-
oos, solteira, Recife, ocetite. ,,
Adolpho, Pernambuco, 2 mezes, S. Jos, indi-
gesto.
E' eseusado por tanto irtnos agora a Caruaru,
diga fob gira pnlarra de honra se : leu a creden-
cial do Sr. Siiveif de Seaza, cooio u alDrmou na
cmara dos depulados e eu calar-me-liei ante o
empensagrado rt> son polavra.
No^eoho aiio do conu-siar jor rooteslar. con-
testo rom o fTm.dc convencer ; desejo aiflda esla
vez convencer ao Sr. God^y da ujexaclidodo que
------ disse, com o seu proprio lestemunbo.
Transcrevemos o que segu do Comntereio do Espero, pois, que dentro deste circulo S. Exc.
Porto : rae conteste! A queslo simples, nao na mysier
O Exprest conta o seguinle : barulua-la. nem ver fra de nos que temos bas-
Uonlem, o carrasco depois de urna execuso cm (ante para sermos acreditados.
Cavan, caminhava s pela ra qne se prolonga cora Honra por honra, quanfo basta, e desde
o camioho de ferro, quando a multtdao, descobrki- j asseguro ao meus amigos, que nao hei de ficar
do-o, comeos a gritar : envergonhado.
- O carrasco, o carrasco! Morra o bandido Recife, 17 de marco de. 1864.'
COMMEBCIO
Mata, mata
Alguns agentes de polica, a custo de rauitos es-
foreos, irapediram que o carrasco fosse despedaca-
do pela multidao.
O desgragado treraia como varas verdes, por mo-
do que apiedava v-lo.
As mulheres injuriavam-no, os rapazes atira-
vam-lne com lixo, e os homen procuravam apro-
ximarse delle para u fcrir.
Muximiano Lopes Macluido.
CORRESPONDENCIAS.
iWW Bi\CO N rERH\IWCC.
O novo banco de I'arnambuco paga o 12 divp
dendo a razao de '.) por accao.
Alfaadega
Rendimenlo do da la I'i....-----
dem do dia 16...............
Mevlincufo da alfandefa
VoJuraes entrados cura fazendas.
t cora gneros.
Volamos saludos
com
com
fazendas...
gneros...
82
123
li>3
171
207
314
v-,
-a
2
>
M
>
2. Uateulino. S > 'a
* P. ^1 Feminino.
1* Masculino. (,|
* * - . . F'inhiino. f j. y.
. A Masculino. I
* . Feminino. i r > o en
-fc-T * m - Masculino. f O S
- Feminino. 1 -1 -
-1 1 SI 1 l 1 .. - Masculino. o 1 i
QO - 14 Feminino. 1'
I
i
TOTAL.
.
5



ai
e
ADVERTENCIA.
Na totalidade dos doenles existem 186, sendo
alieuados 7 bomens e 27 mulheres.
Foram visitadadas as enfermaras estes dias" :
Pelo Dr. Ramos as 6 1|2, 6 l|2, 6 50, 6 33, C lr2,
G 3|4, 8 i|2.
Pek) Dr. Sarment s 7 40, 7 Ift 7, 8, 8 101
8 1|4,8I|2.
Palleeeram :
Francisco Xavier Soares de Mello, paralysia.
Firmioo Jos da Costa, ahsorpco purulenta.
Severno Pedro Antonio de Carvalho, tres horas
depois de entrar.
Matheos (escravo), ascite.
Manoel Luiz da Silva, plilysica pulmonar.
Itaymunda Moreira da Gloria, phtysica pulmonar.
Movimenlo da casa de deteneao, no da 13 de
maio de 1864.
Existiam. ... 363 preses.
Km rara i n ... 12 >
Sabiram. ... 16
i:m piuco de tubo.
Continuamos do Sr. Cyrillo de Lemos as
PAGINAS INTIMAS.
V
Longe, to longe comoa estou de ti, em vez de
abraar o meu amor augmenta de dia em dia.
As vezes, tortorado pela saudade, duvidando at
da bondade divina, tenlio impetos de acabar esta
existencia, que para mira urna tortura quando
nao te vejo ; nessas occasioes, porm, nao sei que
voz brada-me no intimo d'alma, e a mo, prestes
desfechar o golpe, deixa escapar a arma suicida.
Sun. nesses momentos tu me appareces bella
como serapre, en, covarde I apego-me convulso
tenue esperanc, que vejo luzr ao longe, e creio
em tornar a ver-te; e poder chamar-te minha I
Oh I nao podes calcular quanlo te amo t
Se eu chamasse aaoracao ao que sinto por
ti, mentira, porque nao adoracao, nao idolatra,
nao e loacura ; mas um composto de tndo isso, um
sentimento inexprimivel, urna paixao infrene e
desesperada, passando as raas do impessivel I
Julgasque minio t...
Arreda de mira leus olhos negros, e me vers
calor como se fora ferido pelo raio, cerno a ave na
amplidae dos ares tocada em cheio pela bala do
cacado r.
Amo-te tanto, que este amor j chega a ser um
sacrilegio, urna blasphemia 1
As vezes entro n'uraa igreja: a solemnidade
austera do lugar ; o exemplo dos circunstantes;
a voz grave e sympathica do sacerdote, tudo me
convida oracao ; ajoelho-rae e quero dizer meu
Deus e a bocea rebelde pronuncia Paulina 1
Ergo os otaos para o altar, corro-os em lomo de
mim, e por toda a parte vejo a tua imagem, e s
e sempre a tua imagem / Deus, igreja, altar, tudo
desapparece, e, nao sei porque mgico encanto,
sinto-me transportado aos nosses lares, e sorpren-
do-me conversar com tigo I...
Sira, Paunna, tu s a minha divindade^ a nrenca
nica que lenho e que desejo ter, ah nao_consta-
tas que eu me perca na* trevas do scepticismo ;
nao me obngues a descrer de tudo, at de mira
me sino !
Louco que sou 1
No fojo da minha paixo ; quando as horas do
recolhiinenlo, o espirito, exaltado pela distancia,
me aprsenla a tua imagem n'uraa visao vaporosa,
sinto-me tomado de vertigem, e como o viandor
cansado do deserto Iludido pela miragem que
arredila realidade, assim- eu creio ver teus olhos
se animarem, teus labios se entreabrirera, e tua
voz melodiosamente suave suspirar-me palavras
de amor !
Louco I insensato que sou !
Quem sabe se anda te lembrars de mim t _
Quera me diz que no leu peito, onde eu ereio
existir o iiinho da nossa felicidadc, nao se batanea
o c\ preste sobre o tmulo do teu amor T I...
Perdoa-me ; eu sou um doudo '.
Extraliidos de joruaes europeus, offerecemes aos
eitores os seguintes dados estatisticos sobre varios
objectos, cujo conhecimento interessa.quer como
curiosidade, quer como instruccao :
Todos os mnibus de Pars percorrem diaria-
mente treze mil leguas, o que corresponde a urna
Tolla e mcia do globo.
A lnha que vai do Odeon barreira de Ciichy
coinprehende urna extensao de 9 kilmetros.
Cada cinco minutos parte um mnibus, eisto
desde as 8 horas da manhaa at a meta noite.
S esla linha faz o trajelo enorme de SOI) le-
nas.
A' prmeira vista esta cifra achara certamente
incrdulos.
O censo da populacho da Italia at o ultimo de
dezerabro de 1861 d 21,777,334 habitantes em 39
provincias, divididas ehi 193 districtos, e 7,720 mu-'
ncipios.
A po|iulacao do reino est distribuida do seguin-
le modo- 11,914 grandes centros com 14,840,838
habitantes ; 13,378 aldeias com 1,840,701, e....
5,116,7193 que habitam casas de campo.
De cada 100 habitantes, 68,01 vivera nos gran-
des centros: 8,49 as aldeias ; e 23,30 as casas
de campo.
Os camnhos de ferro das differentes parles do
globo sobem a seu total de 126.069 kilmetros, di-
vidido pela seguidle forma :
A Europa tein 62,834 kilmetros a America
39,996: a Asia 2,293 ; a Occeania 588 ; a frica
386.
Os da Europa sao assim dividos: Inglaterra,
Eseossia e Irlanda 18,901 kilmetros ; Franca
11,840; Ausiria 5,311 ; Prussia 5,070; Allema-
nha 5,180 ; Hespanha 3,868 ; Portugal 634 ; Ita-
lia 4,500 ; Ruisia 2,060 ; Blgica 2,508 ; Suissa
1.146; Dinamarca 414; llollauda 490 ; Suecia
327 ; Norwega 200 ; Turqua europea 65.
Os da America assim : Esiados-Unidos 49,868;
Cuba 800; Canad 3,092 : Mxico 30; Nova Bruns-
wich 276 ; Nova Eseossia 160, Chili 334 ; Brasil
323 : Paran 80; Paraguay 13 ; Per' 80.
Os da Asia assim : ludia 2,230 kilmetros ;
Turqua asitica, 65.
Os da Occeania assim : Victoria 328 kilmetros;
Nova Gales do Sul 198 ; Adelaide 32.
Os da frica assim : Egypto 323 kilmetros;
Colonia do Cali 61. .
Esta extensao de todos estes camnhos de ferro
da Europa, America, Asia, Occeania e frica cus-
tou 122:472 mitades de francos.
Os primeros rudimentos de camnhos de ferro
foram os chamados Woodentrarnroads ou vas de
madeira, que comecarajn a empregar-se em 1650
nas minas de New-Castle.
Em 1790 appareceram os verdadeiros caminhos
de ferro formados de chapas fundidas sobre 1ra-
vessoes de madeira. ..
Era 1808 substiluiram-se as chapas de fundicao
por carris de ferro forjado, porm este meiho'ra-
mento nao se geueralisou at 1820.
Em 1821 coucedeu-se era Inglaterra a prmeira
linha destinada ao servico publico, pois at entao
os caminhos de ferro s serviam para ezploracoes
particulares.
Foi tambem enlo que coraecaram a empregar-
se as locomotivas a vapor.
Senheres rtdactorts.Nao foi sem bastante pas-
mo que no da 13 do correute. deparei em sua Re-
tislm, com a mais incompretaensivel e absurda de
E' um carrasco de profissae qua j exerulou se- todas as deinoastracdes da verdade, e tem sem
te ou oito pessoas, e nenhuma desUs raamfeslou bastante admiracao que vi ser seu autor o Sr. An-
sobre o cadafalso um terror tio abjecto como o de ionio Francisca das Nfeves.
que elle deu prova nas ras de Cavan. O verdada-e (aleo, o posaivel e o impossivel
Paludo e lvido, acompanhado de apupse mal- sao para o Sr. Noves ideas bien ticas. Qjianto las-
dicoes da multidao, chegon a entrar na esiaeao do limo ter de vir pela Imprensa expor os meus sen-
caininbo.de ferro guardado peles* agentes da po- timentos ao publico em defeza de raeu pai, erase-
lica. meluanle caso '-----
Urna recepeio mais desagradavel atada, se Racional como sou, presador de minha honra na
possivel, o esperava all. de meu pae, nao posso deixar de reclamar o direi-
Havia no trem e nas salas de espera porto de lo que mtrassUte,'oo ebstanle, j hav-lo reclama-
treientas pessoas, muitas das quaes eram emigra- do na minha ultima.
dos que iam para a America, o os amigos que se Passemos portante analyse das provas do Sr.
despediam delles. Neves, para depois, pela syothes chegarraos
Aquella scena de choros e abracos, apenas se verdadeira apreciacao de sua aecusagao.
cspalhou a voz de que o carrasco eslava all, mu- Primeiramente diz este senhor que nao obstante
dou-se repentinamente n'um grito de horror. meu pai nao ter de exigir divida alguma do Sr. i
Se nao fosse a polica teriam entercado o car- Luiz Pedro (o que eu raesnio j disse,) Ihe distara
Bsr-
rasco I
Nao o queriam receber era neulium wagn.
Uns seis -rgentes de polica tveram a feliz idea
de o arrastar para a frente, e fizeram-no subir pa-
ra um wagn de mercadorias que o trem tomou aa
passagem.
A energa louvarel dos agentes do polica se de-
ve o nao se darem desordens serias i
que nao estava para ter mais contemplacoes, e qun
nao esperva mais nem um dia, o que cansos tal
colera te afflicco ao seu estimado pai, que foi vic-
tima de urna apoplexia, sendo meu pai a. causa
ijuasi directa de sua orphandade e da de seus ir-
raaos. Sopbisma estupendo Mt
De um principio favorave para meu pai, qur o
Sr. Neves emanar urna conse |uencia para o mes-
i mo incendiara!... Falla o mudo ao sordo admi-
Na tarde de4 de abril deu-se na igreja de Co- culo de o ouvir... Tal a comparagao e a respos-
mena, na Toscana um doloroso aconteciraento : la sua prmeira demenslraoae.
Eslava a igreja cheia de fifis que assisliar s A segunda nao menos digna de attenco. Ci-
quarenta l\pras e fesla da Virgem. la o Sr. Neves na sua do dia 7, qne meu pai pro-
Em quanlo que os padres e ojxivo cantavam o curara o seu na botica, e que au o encontrando
Tc-Dfun, e que os sinos dobravara, o sino grande por estar em cima oceupado, insistir com o Sr.
que pesava 200 kilogrammas, desprendeu-se da seu mano para charaa lo, como de facte o chamou,
torre, cahio sobre o tecto com grande estampido, dizendo que o Sr. seu pai nao mamtra chamar o
e arrombando-o penetrou na igreja, cahindo no meu, e para sua garanta vale se de urna carta do
meio da multidao, e arrastando apoz si os mate- Sr. Maaoel Fideles, qual resa que elle (Manoe|
riaes e as tenas. Pdeles) nunca viera nossa casa chamar raeu pai
nesearregam no dia 17 de maio.
Barca ingleza Homildmercadorias
llarca francezaSaint enisidem.
liii-Mtrl-iro.
Patacho hespanUol Ctenfutqot entrado de
celona, consignado a T. Christiansen, manifestou o
seguinte :
136 pipas, 113 barril de a. e 110 ditos de 10.,
com vinbo tinto ; aos mtsnios.
Barca nacional Tlierew, entrada da Rio Grande
do Sul, consignada a Rallar & Oliveira, raauifeslau
e seguinte:
13,115 arrobas de carne de charque, 90 arrobas
de graxa em bexigas, 90 eouro vaceuns e SO la
ges; a ordem.
Brigue nacional Istia, entrado do Rio de Janeiro,
consignado a Amorim Irmos, manifestou o se-
guinte :
9,280 arrobas de charque, 60 couros vaceuns
seceos; a ordem.
Hiate nacioual fiedade, entrado do Rio d Ja-
neiro, consignado a A. Luiz de Oliveira Azevedo
& C, manifestou o segu ni-- :
Genaros estraugeiros j despachados para
consume.
400 bsrrieas farinha de trige, 20 pipas e 130
barris vinbo, 10 caixas canella, 1 dita chales e cor-
tinas, 6 banheiros de marmore, 1 caixlnha torne-
ras e vlvulas para os mesraos, 1 fardo linha bar-
qunha; a ordem.
Gneros nacionaes.
CtaNdloff Oemno Marbn|i
' Coronel Doming !Cetj F-rr.ira.
Demetrio de Cusma Ctwlho.
Elias Francisco Minde'l .
Praaciaro Accyoli de rtni>." Un*.
Fetiriana Joaquim du* Sanios.
Fvlisberto Ignacio de Oliveira
I Francisco Geraldo oreira Tem|ioral.
Francisco de Oliveira Vello r Silva.
372-243A't'l-' "l'ri'u'ano Deo-lalo do Sonl<.
30:609S88 cnri'iu __________ Heunquo Jos Alves Ferreira.
4--8">34l60 ,oa'l"i,u de Gumi* l'-m'ltau.
Joao Piolo de Ltiuo* Juui.r
Dr. Joao Pedro Madur.. da Fiovo.
Dr. Jo.-.' Jua mim de Morar "si wuoln
, Dr. Jeronyrao VUelta de Caoln Tavarr.
Dr. J'-.-t Honorio Urzerra dr MVnein.
Dr. Jos Mara de Albuquenpir lla^Brire Larrrio.
Dr. Jos l.adisl Perira da 5lva.
Dr. Jos Rodrigues Pereira.
Dr. Jorge Dornella Rilteiro P^oa.
Jestiino Rodrigue GarifcMo.
| Jos Alfredo de Carvalho.
Jus.- Raplisla de Ca>lro e SUva.
, Jos da Fonseca e Silva.
Jos Itiheiro Guimaros.
Jote Thomaz de Aguiar.
! Luiz i'.ainrirodo \\r$.
'. Luiz do Reg liarro.
i Mai.....I Duarle Rodrigues.
Manu.'l Caldas Brrelo.
Dr. Manovl Calda Brrelo.
I Dr. Manoel Francisco Teiaeira.
Dr. Manoel Pereira de Morar- Piutwiro
Dr. Maximiano \*\>r< Madiado.
Manool Jos Piulo.
TbooMi Garre.
Foram multados na ijuaolia .le li rada ota
dos srnhores jurados seguioles :
Dr. Joaquim ProaotoM Miranda.
. llu.) do l.iManieiilo.
Dr. K-iev"m Civaleanir dr .\llni.|iier>|ii.
Foi multado na quantia da 3 Vasconeello.
Foram finalmente relevad* das miilla> mty
durante a-esso os demais sonhures jurad',
lertiu apmseutado escusas legitima.
E para que chegue ao roober.menl." e SseV
interessados mandei passar o prs
poheade pela imprensa.
Recife, 2 de niaiod* I86V.
Eu Joaquim Francisco da Paola R*tave*l
773 saceos caf, 4 7 rollos, e 60 latas fumo, 22 ; u escrivao do jury o siilwrevi.
Exislem. . 359
A saber :
Nacionaes . 247
Estrangeiros .37
Muflieres . 8
Estrangeira . 1
Escravos . 62
Escravas . 4
359
Alimentados cusa dos cofres pblicos. 143
Movimento da enfermara do dia 14 de maio
Je 1864.
Te* baiv. :
'yrtUi'.:in/esrrAvo do Dr. Gervasio, anemia.
11 vera m alta :
Jos Rodrigues da Silva.
Jooi Joaquim de Parios.
Pedro Antonio Ribiro.
Francisco Jos da Silva.
Joo Marinho Gomes da Silva.
MoviineMo da casa de d 'tenco, nodia 1* de
maio de 1864.
Existiam...... 359 presos
F.ntraram..... 16
Salrinm......- 17
Urna pobre mulher ficou logo mora. Vinte pes
soas, pela maior parte mulheres, caram mais ou de negoeios seus particulares, dizendo na inesma
menos feridas, e entre estas, duas era perigo de carta, que ao entrar na botica estando meu pai
morte. ; coitrersor com o Sr. Luiz Pedro este Ihe dissera
** i <\w se tratava de sua cobranca e que pmlia por-
l'ma correspondencia de Sonderburgo conta nos unto assislir ; e mais na sua do dia 13, diz o Sr.
seguintes termos um dos incidentes do borabar-
deamenfn de Sondeburgo : i pai a mandado de seu mao Francisco.
Os habitantes aterrados sahiam a toda a pressa Eis o absurdo: No dia 7, diz que o senhor seu
das casas, levando trouxas de roupa, e oulros ob-jpae chamado por seu mano ; n> dia 13, por um
jectos. Lembra-me ainda com eraoco de urna negro ; o Sr. Manoel Pdeles traa com meu pai tu-
bella menina que seguia sua mi, laucando para gocios seus particulares, era nossa casa, e comtndo
toda a parte vistas curiosas. A mi verga va ao 0 Sr. Luiz Pedro, poucos minutos antes de sua
peso de urna trouxa de roupa branca. A menina morte, irata com raeu pai dos negocios do Sr. Ma-
levava debaixo do braco um pequeo embrulho e noel Fideles!!., este caso, se ha rriminalidade
os seos nonecos. i na causa allegada da moilo do Sr. Luiz, toda ella
Ambas caininhavam apressadas pai ando no ca- 'pesa sobre o coinmenlista Sr Fideles. Valha nos a
minho junto de um soldado que vinhado cmbale I verdade, Sr. Neves, e nao queira por mais lempo
cheio de lama, e qne voltava ao seu posto. Este trazer o publico absorto, vista de tantas contra-
soldado era sera duvida o cliefe daquella familia 'dicroes. Ainda nao finalsa.
fugitiva ; pois apertou as duas raaos da mi,abra- \ uno mesmo senbor que o senhor seu pai nao
cou a fillie, encarou-as ambas c correu para a fi- morreu de urna apeplexia causada por urna indi-
eira. gesto, pois que seu pai ora muilo recular en seus
Mal elle se separou da mie da Ulna, ouviose alimentos.
barris toucnho, 1,500 raixas sabao, 20 saceos
cola, 2 caixas rap e 18 voluines roupas e baga-
gens; a ordem.
Genero reexportado.
5 fardos madapoles; a ordem.
iCxporlarfio.
Barca iagleza Endymion, carregou para Liver-
pool :
3,317 saceos com 17,383 arrobas de assucar
mascavado, 2,903 dilos com 14,551 arrobas e 27 b-
Manoel lote ikt Srn ffJMom
DECLili^ES.
COMPANIIIA
pedido do seu, porm sim duas vetes para tratar \ DCa, un a|0a,Vl0
Brigue hanoveriano Amisia, carregou para Val
par.iizo :
3,300
branco.
Brigue
saceos cora 17,500 arrobas
Daiie, carregou para
reunid')
de assucar I Sis. accinnislas para ter rojJssT a ass^nsJiU-a
-^U feralonjiuHciaila |na Ik.ji-. .-mi) nosjnifH
injzicz '/i'1, laiitiuu i-.ii* 'mu
Nevos, que foi ura negro que foi ehamar o Sr. seu t morfl cnnviil.ulS ns ini-sni.is sowsonoj i se ojfjjojs>
3,000 saceos com 13,000 arrobas de assucar mas- reiit no iJia 0 ik) concille ;*> naci -lu no*
cavado. escriplorio ila mesilla componlua. alia nV
Recebedoria de rendas latrroas examinar as tontas J.. semestre limK aov
geracs de Pernambuco. nrovar o orcanienln du oemeslre vindtmro.
Reudimento do dia 1 a 14........ '^^S PTOCedar-M a elci.ai. -la nova a-liniM.sl..,,a
________ie Datar de diversos negocios ihhsi.ihi.-s o\
lS:M0f3M Irelatorio do Sr. director, o*evenin.l<-o
====== I desde j que na coiif">i'iiiMlale do arl. ff>
Consulado provinelal. ___dos eslaluios a rausalsj >.i.i roiM.leradn
dem do da 16.
um grito : aproximei-me e vi a menina ferida no
venlre com um eslilhaco de bomba e a mai do joe-
Iho segurando-lhes com as raaos as Mionas.
l'rocurei cora os olhos o pai, e vi-o na forma com
una mao nos olhos e com a outra apenando con-
vulsivamente a espingarda.
Veio urna carreta cheia de palha em cima da
qual foi deportado o corpo da menina. A mai,
esqueceu a trouxa, eseguio a filha chorando Em
menos de mcia hora cera episodios, todos curanto-
ventos e trgicos se aucoederaro. As canelas
cneias
as que
que iam
Rendimento do da I a
dem do da 16
li......... 48:3165120
%:581J832
A urna oulra pesso, que nao o Sr. Neves phar-
maceulico, que deve ter alguns conheciiuentos rae-'
dicos, seria islo relevado; porm, ja que o ignora,
digo-lhe que umitas vezes a leiniierauca a nuis ri- j Hasiu entrados no da 15.
gida, o cuidado mais minucioso na esculla dos ali-, \\0 p Janeiro 6 dias, vapor inglez Oneida,
menlos, nao livram o boinem de uraa indigestio,
Se por ventura urna emofio viva sobresalta uiu
individuo, depois de uraa comida, al mu leve, v-
se as vezes, s por isso, |>erlurbaba a digostfio, e
desenvelverera-se successivamente todos os pheno-
tenos que s.io a sua oonsoquencla. o senhor seu
completa e lera efleiii* nm 9 nnarru le
accionistas i|in! eontptftnf MHv dia.
Kscriplorin da Loinpanhia ile BetorilM*, 13
de maio de 181 4.
0 ?srrijHurarH.
MiivkIiho mtk Piip^.
Conselho adnainUlrafivo.
O conselho adminislrativopara fnrnt^-imeni O
2,284 toneladas, co.iimandante J.^A. Bevis, ei|ui- 3r^mi fc **"* ,,'r" ''.........*** ******
nacem 138 fololos :
Nmm saludos no mesmo dia. P;|!;' ,s '">-l",;i1 **'
Para-Escuna nacional Ernestina, caoilao Manoel >'"-Via f* I ",'s- ***" i "^
Js Perora Marinho, carga assucar e earne I **!.? onP! P"*"?
seeca.
4 bl.ra-
l lit.ra.
?iHiuiM ifc* oata-
No
de pis!
ra barao
lina caria daquella cidade diz :
Ocapilao B... era rico, honrado e estimado de
todos. E' no seu pa^sado que se vai procurar a
chave deste doloroso enigma.
Consta-nos qne ha 10 aunos, em li de marco de
1854, o capitn aceitou umduello americana, no
qual leve a desgraca de tirar a bola negra.
Em virtude das condicoes deste duello, a bola
negra condemuava-o a in.itar-se passados 10 an-
nos.
Alguns das antes da sua morte, diz-se que re-
cebe unta carta recordando-lhe as condicOi do
duello.
A 14 de marco de 1864, appareceu estendido no
seu quarto, e baHhado no seu sangue.
Esla historia tanto m>. verosmil, por isso que
na stuacao des negocios .particulares do capitn mndn-llie. A discussao esla completa e o publico
B... nada ha que podesse explicar lio trgica re- ser\ 0 Xm.
solucao.
A evolucao de Setembro conta o que segu :
Achand-'iios hoje no ottJur de um photograpbo
vimos entrar um sujeilo de porte aristocrtico e I
maneiras graves, que dirigndo-se ao artista, de-'
oois de cninpriraenlar as pessoas presentes, disse-
lhe n'uiii lora amavcl:
Sr. M., venho retratar-rae.
Em Mnete de visita ? perguntou o photogra-
pbo.
Em Mnete_de visita, sm senhor.
E de. corpo'intein, ou de meio corpo ?
Eu Ihe digo, desejava o retrato de corpo in-
teiro, mas como tenho pressa lro-otgora de meio
meus sentrnoslos em defender meu pai, alcuohan-
do-os de dever sagrado, dizendo mais abaixo que
nao v razan nenhuma para a defe/.a de meu pai
por mim II
Seo'direito me assiste, se o meu dever e este
sagrado em defender meu pai conlra as suas in-
cendiarias e contradictorias aeepsaedes, defende-
lo-lici.
Nao sulTrendo meu, pai aecusaca : alguma grave
o seria, nao deve ler oulra conduca BOHO a pie
lera tillo, despicsando venoideJras banalidades,nao ,
do Sr. Neves, mas dnt/uellej que nao pterleoj o en-
sejo de mostrar sua ntaldade de animo.
Repito que muito me pesa rel.Vmbr.ir as uliimas
horas de seu honrada e por mim estimado pai, po-
rm bem da verdade t honra M meu Bal, res-
llecife. 14 de maio de 1864.-
Jase Airee llarbus Jnior.
PUBLElOES 1 PEDIDO.
Observagao.
Suspendeu do lamarao para Macelo a barra
ngleza Come, capitao II. Nicolls. cora o mesmo
lastro que trouxe de ttttta Catharina.
Fundiou no lamarao nina escuna ingleza: mas
nao levo ronimunicacao rom a Ierra. Apparece
ao sul o hiate nacional Piedade
RdOMM entradas lio din 16.
Ilio de JaneiroII das, hlale brasHeiro Piedade.
de 241 toneladas, eapilo Jos Marques Van-
na, eqakpaaeo) 11, cofia cal, farinha de trigo
e oulros gneros ; a Antonio L. da O. Azeve-
do& C.
Cadix38 dias, escuna ingleza Presidente, de 134
toneladas, capitao R. ttoopc, equipagem 8. car-
ga sal ; ordem.
Navio saliidn fio OMUte dia.
LiverpoolBrigue inglez llarmslun^ capitao It. W.
Lamaos, carga assucar.
EDITAES.
Para o Sr. riijjenlitinrtiscal da estrada de
ferro ter.
do Sr. Cyrillo de Lentos esta poesa
IiN.
Nao sei que mimo, que graca
Te esvoaca,
Te perpassa
Do lindo rosto em redor,
O que sei que s mimosa
Como a rosa
Mais formosa
Que poz no mundo o Senhor.
Es farera e pequenina
Qual bobina,
Que germina
Junto ao p de alvo jasmim ;
meig'o e dote o sorriso
De improviso
Puro e lizo
Nos teus labios de carmim.
Corres, brincas innocente,
De repente
Mais silente
Te recolhes pensar ;
. To pequea ja tens dores t
Pota as flores
Dissabores
oulra flor podera dar ?...
Tua estrella, meiga filha,
o i eu hnlha;
Tua trilha
Fazem-Hores resplender;
Rrinca e folga sem receio
Que o teu seio
Torvo aiiceio
Nao vira entristecer.
Sableado 14 do corrente, ns dous wagons de 3-
classe. na larde desse di, em que lia sempre con-
currencia, voltaram para o injerior por forma que
nao havia asseotos para os passgeiros ; e o qne
corpo, por nao poder deuiorar-ine, e quando volte airmamos nao unta tanovacSo, por que um dos
com mais vagar entao o tirare de todo o corpo. wagons era em quasi sua totalidade oceupado
A innocencia do hornera foi acolhida cora um ppr trabalhodores, que se deraoraram durante a
sorriso pelos circunutantes, e quando elle se reti-1 semana linda, em servico da estrada de ferro na
rou ura individuo presente que o conhece conlou- efta$ao das Cinco Ponas, de maneira que se con-
nos differentes passageUs da biographa daquella i tjva mais de 60 pessoas em cada wagn. O em-
notabihdade. 'pregado competente, parece, que nao cuida quan-
Daremos urna amostra ao leilor nos dous se- do se daeessas eventualidades para |)rovidenciar
ROiole* fados. convenientemente.
Sendo alumno daFaeuldade de Medicina da Uni- i Tambem levamos ao conhecimento versidade de Coimbra (de que se vio obrigado a antes de partir o trem eolloearam luaes nos de v
fugir enxotado pelas respectivas reprova^oes) foi e 21 classe. Dar-ee-ha por vejilura que os passa-
chamado um dia a urna beo de anatoma. geiros de 3' classe nio tenham direito a nenhunt; gostinho, ue naeao, maior de^fcO anuos
Tratava-se dos ossos da Lacia. i desses favores (se o) que se confere
O nosso hornera depuis de descrever os ditos os- '< superiores ? !
sos cent todas as differencas que apresentam n'um ; Ha mu la docilidade assim mesmo nos i
e n'outro sexo, reraatou com um arde indisivel geiros de taorude classe
gravdado :
t Daqui se conclue que o parto no hornera
mais diflicil do ue na mulher.
Vendo as estatisticas pelas idades dos individuos
atacado^ de febre amarilla em Lisboa na epidemia
Devendo a cmara .municipal desla cidade
proceder no dia 17 do crreme a apurarao geral
de votos para um depulado assombla geral le-
gislativa pelo 1 disiriclo desta provincia, convida,
de conformidad* com o disposto no ari. 25 do de-
creto n. 2621 de 22 de agosto de 1860, aos eleilo-
res dos don* collegios do mesmo districto a assis-
lirem a este acto no dia indicado.
Paco da cantara municijial do Recife, em sessao
de 11 de maio de 1864.Luiz Francisco de Barros
Reg, presidente.Francisco Canuto da Beavia-
gem, secretario.
O Dr. Tristao de Alenear Ararpe, oUicial da im-
perial ordem da Hosa e juii de direito especial
do commercio, nesla cidade do Recife de Per-
nambuco por S. M. I. e C. o Sr. D. Pedro II, a
quem Dos guarde etc.
Faro saber aos que presente edtal virem e
delle noticia liverem que no dia 6 de junho do cor-
rente anuo se ha de arrematar por venda a quem
mais der em proco pantera deste juizo o seguinte :
,. .inho, de naeao, maior de 40 annos de idade
s cla>ses avaliade por 6005; Jacob de 30 e tantos annos de
idade avahado por 6005 e Epifano, crioulo, de 20
'' annos de idade pouco mais ou menos, avaliado por
800.
Pastilha uniiifiias de kemp.
Cliaiitamos a alteneiio de todas as mais para o
de 1837, e conhecejido que na columna da idade remedio mais agradavel e mil que se conhece para I
incerla figura um pequeo numero de casos, cou-1 fazer expelhr.as lombrigas : as pasUlbas vermifu-
cluio que -a idade incerla preservativo da febre I gas de Kereo.
amarella, e de ento para c quando da as relaces I Em vez de todos esses immuneos e perigosos
de familia pedidas pelas autoridades poe sempre remedios vermfugos eompostos de toda a casta de
na columna das idades, adianto do seu nome, ii'.wte mneraes apresentamos'w delicioso confetto vege-
incerla. a' Prmpo e infallivel na sua operacao, nao cau-
Talvez que um da demos lume toda a bogra- sando nauseas nem incoramodos de qqalidade al-
phiado horaem, que curiosssima, e que servir guma, produzindosempre o seu effeito d'uma raa-
de consolacao aos que, acabando de a ler poderem neira suave e completa, nao carecendo depeis a
'assstenciade qualquer um ouiro purgante: til
como um excel lento meio de fazer remover as
i obstruecocs do venlre, mesmo no caso de nao oxis-
. tirem vermes alguns, e finalmente tornaiu-se ellas
dignas por lodos os respeUos da conlianca e ap-
i 11 i vacan de todos os pas de familias, os quaus
j acharao estas pasiilhas elegantemente acondiciona-
das dentro de frasquinhos do crystal, e venda
I nas boticas de Caors & Barbosa e de Joo da C.
dizer :
__Solattumiest miseres socios habere
corrente.
Sala das sessoos do i-ons.'lbn adrini>trai v
fonnrini.|ito do arsenal de guerra H !
I8M.
Antanio Pedrtid' Si
Ciipinel ; -nti-nt-.
Sttmtt JMki X-Uti Piik*.
Vcp! -
Conselho admini traii:*.
Ocunsellin a lmini>'r.ilivi.. ira f i
arsenal de guerra, tein de r.mpnr ..bt^ri.^ e-
guintes :
Para a enformaria de Frnwnil> >le Nonajoo.
I'arinha de trigo 6 bMritas, aoaaooa fntmk< *
arrobas, cha li\>son i> liln.-. lOOa dV- BaodkM
arn ba.
Para a escripturai;."ni d .lini>\arif3ib> ik>
mr-iiKi |.|e',li..
Tinta prea pira OMMOBI 24 pHOBfeO p^oi-
doaeolooj 12 caiaao, oooH ; >; n
resmas, canela de e-pinii. de .puN-iii r.trir.
papel malta borrod 6 oodriQOK
Para a nllicina de ,-ipa! ir>> !> >.
Sola (*>t iimoos. va meta Va, roura e rahr
1,000. inarlelos l dolOO, luna-, rliata S Ouiia-,
lroJui;zes 4 duzias, facas t> duzias.. i sja-
raelas. retroeoa de vidrea i anhi- i .ture siaf.
Para o arsenal de guerra.
Telbas de ferro 131.
Para o corpo da gn
Papel almacw 2 raaos*, soooiM a> a^> 2 imwm,
ditas de ave :t). Hala prea i garrafa- hajoi V pa
2 duzias, arria prela 2 libra-, corto di aU li.
graminatiras porlugu zas j, r Monte Vrre. uMian
ediejut 3. arithraeli.a- i W AMla S, piola* V Kra*-
lads 12. pedras par., e-enpia 2, rrvajaj f.
Para o 7" halalho de infamara.
Bonets para rerraias.30.
Quem quizer vender laes aMsosoa ?pfr~tm+,m x
suas preposlas em carta fechada na vi rr*sro do
conselho s 10 horas da raanha A dia W de ror-
reeie.
'Para o non.) haialh d-- inbmeria.
II" 1|2 vara> decordo i>rrlo V r.-ir z
Para o segundo e srUmo batallirs ila infanta. >
6 3|4 covado6 de casemira.
378 botot's grande.- prai. ad> rom o o. 7.
162 ditos pequeos pralead* rM o. T.
Sala das sossfies do ronsrlh. adnnr*iralivo |
fornecimenlo do arsenal de gu-.-rra II I om
de 1864.
Anloiu Pedro t S BmrrU.
CoruoH. |
Sebastian Jone
Yoga I s^orrlario.
O etdado Maooel da SiU^a Ferr, #*
paz do 2* dislncto da fregotean da aoo* *"*.
contina dar audiencia OM juaria-.Vira- -**>*-
dos, i* 10 horas da manbaa, na taso M too
dencia em a na Direiu o. 10. aojasdo
' sendo porm esses das imped.). Jar;:
nos dias aolecedeole- as> meio da.
de as 8 horas do dia as 5 da lanl.-.
la IkeMMtfMM r '.
i>m i
COMMDNICiDOS.
En, e %r. deputado Ciedoy.
Affirmou S. Exc. na cmara electiva : ter lido a llfavi) &L.
jvrodnciaI com que o presidente da provincia nte ________
i reveslio de eararler oflicial para tratar da eleico
de senador em GaruoriL Adverte->e a umeerto Cazuaralia, natarM ile a
Respond : que nao era exacto isso; que elle nao cu do Ass, que lenlta a bondade
e m'ovoquei-o a (jue sob igual
tisse a sua allirmaco como eu o faza
de nao cont;
leu, e nem poda ter lido semelhante credencial; miar a Iludir a imbcil donzella jom quem al
enaootMi minha f em te.-iemunho do que disse,: luje tein sustentado um aamoro todo in*M
lestemunho garau-: que do contrario lera de pus pelo de.-go-lo de
na comes- ver o seu n.ne publicado, para melbormenloo
publicoconhecer a sua inelyta posoea, dando boa
Nao quiz esiar por isso, e no Diario de honlera | cja de M. ^S^nS^Z^lSSu a s'erran
veio dizendo que fga^-Jf^f^ Adelo Antonio de Morana.
Caraar visto serem encontradas aa nossas as^er I ^^^^.j,, ^lJir em sua'C,SA Ilfl0 se antt). Augusto Frede.rco de Uliveira.
me*, e pedircui um terceiro juizo.
Eu, porm, c que nao posso declmar da sua-
honra-para um ouiro juizo menos compe ente em
negocio concernente nos. crenca netfott,
cipe em po-lo ao andar da ra; j que witende IVIarmino do Reg Barros,
abusar tanto da; bondades d'elles. Dr. Bento los da Casia.
! Dr. Ca
Os quaes foram penhorados por execuco de
Antonio Jactalho.Borges contra D. Mara Joaquina
Machado Cavalcanti. Eno ttavendo laucador que
cuora o preco da avaliacao a arremalaco ser fei-
la pelo preco da adjudicaran na forma da iei.
fc para que chegue ao conhecimento de todos
mandei passar o prsenle que ser publicado pela
imprensa e affixado. nos lugares do coslume.
Recife, 19 de abril de 1864.
Eu Manoel Mara Rodrigues do Naseimenlo, es-
crivao o subscrevi. -
Tristo de Alenear Ararpe.
Por osla secretaria se faz publico para conhe-
cimento de quem possa interessar, que casa de
deteneao se aclia recolhido um preto de nome Ein-i o jjjxn. Sr. inszwctor
liano. remetlido rom oMcio de 9 do correnle pelo I x^nda desta provineio. *a '
delegado de polica declarou ser escravo do Porlnguz Antonide Ol- ai>ril iwiamo pasrtdo, manda fai-r
veira e^tabelecido cem padaru na vHia de Pao ni> u u do corsele, a* 2 hora* da laro*. pevao*
(C^Hkj junla da mesiaa ihesouraria. e*tara nia ya-
Secretaria do polica de Pernambuco 13 do maio Mica para ser arrematado, i >Hieu nus rr. t, m,
ue jgQ'j cor mais pMlenres da est-nna fandoje A*pv_v
Eduardo de Barros Falco de Laeerda. soas a rjueio ronvicr a dua arrrmaUc.iu. a>-.rj
Secretario. comparecer na referida ihesouraria oo da e naca.
O Dr. Manoel Jos da Silva Neiva, cuinmend.-idor i(j,cados.
da imperial ordem da osa, cavalleiroda de Secretaria da thesoorari di baonda do 1**-
Chrislo juiz de direito da t vara erran-' namtuco 13 de m..i de l14. MaO I
nal da comarca do Recife, por S. M. o Imperador servindj* de oJRe.,ui raawi
que Dos guarde, ele
Faco saber em virlude do arl. 86 do cdigo Pfii'riVi i'-il
do processo criminal qu" leudo sido convocada para WI,W' c
o dia 11 de abril, installou-se no da 12 e eu,*r ; Pea adrainslra\;io fi;., eorffojjo dralo r ida di
rou se no da 28 do dito mez, sendo nella julgAdo faz publico qne o*^ vlrlodc I. e\M*t*\*i
7 processos, coinpr hondendo 8 reos prosas. celebrada \<'\ .,< gnvern> bra-ibiro fr >'.. *-
Coraparecerara a dia sessao e foram MBt4qos os rao exiv.di.las mala* para Europa n > *a i l
senhores jurados suguintes : i currante polo vapor inglez (lotifo. As nrtoa m-
' rao recebidas .ii I h.-as antrs daqor I* soarra-
da |iara a sahida do vapor, r- os jorp*-j si
O pai <|f familia.
Carohno Franoisco de Lima Santos.
1 as antes. Admini-lracao .1 iorrio it Pto*o-
luco, 9 de mai-i de lAfi' I) .id '
' mingos dos Passos Miranda


DiMi *t artnga'.
Por este consulado h-: se publico que asm 4e rr
leilao do agente Almk2a, no dia quarU-fcira tti
do convnle, urna carroo?. de duas rodas e tam toi,
pertencente ao espolio d finado Marlinho -da Silva
Oliviira, na rua e .Imperador porta de Mata &
Irmos, a-si ni ano -Sd pede aos credores do dito
Martinho para apreseniar, dentro do prasa de 15
dias, seos mulos o momo consulado, alim de se-
ren verificado*, t'.-lo *ysmo sao convidados os
herdeiros habiliuulos-auccessao do espolie do fi-
nado subdito pwrtnaui* Antonio da Crfsta Panas
para virem recebe*- o lanudo do mesmo polio,
dentro de 15 dias da data deste, (ludo os quaes
sera o mesina espolio roraettido ao deposito publi-
co de Li.-boa. Recre dfi de maio de 1864.
Nos dia 13, 17 e to do crrente mee, depois
da audiencia do Illa, fir.ir. jaiz dos orphios, tem
de ser arrematad' par arrondamento a renda an-
mial do sitio denominado, do Viveiro, sito u* rua
imperial, sendo a ultima.praea no dia SO.
Pela thesoararsa provincial se faz publico,
qiic as arreinatafSes das tras da conservaeii* da
estrada, do sul eijtre o mano de 12,000 brabas do
engenho MluninjfMM e reparos do caes da rua da
Aurora em frente do Gwmnaslo, forain transferi-
das para o da ii> Secretaria daIihesuurarifl,provincial de Pernam-
buuo li de inaii de 1864. secretario,
A. F. d'Annunciafao.
O engenho Bruno, com 6uas Ierras de planta-
eao-de canuas, (lalas, edifi.iios e utencilios, pejleo-
ceule aos herdUros do fallecido Joaquim Jos de
Miranda, vai sur arrematado, em praea publica do
juizode orphcs desta cidade, |or tres annos, ciira
a bata da rend annual deHJfi*; e o escrivodo
resi>ec*ivo iuveiiario daqoelle tinado o Sr. Flo-
rianoiCorreia ce Hnlo : os |*etendenles que qui-
zerein oucorrt r arrematarn desse arreudamen-
to, com arfonei i das condices que devem proce-
der, e hahilitac es que sao necessarias para que
po.-sam anear essa praea ; podero ler o escripia
que ja se ada ein mo do portel do juizo Ama-
ro Auloniude rjaria.
CORntlO G'RAL.
lU-laco as tartas seguras viwas da sul pelo
Tapnr inglcz , e das vftitkVntes na ail-
luinislraro do ciirrcin desta ciiLade para os se-
nhores abaii* declarados:
Alexandre Luande. *
Augusto Cesar Fernandes Eiras.
Braga S Aniuus.
Carlos Augusto de Faria Viega.
Dr. Gynllo de Leuio> Nuues Faguudes.
Daniel Guimars & C
Elias Jos dos Santos.
Francisco Luiz de Oliveira Azevedo.
Francisco Moreia da Costa.
Guilhenue Carvalho A C.
Ilenrique Pedro da Silva.
Alfares Ignacio Pereira Serra.
Joaqun Lucio Monteiro da Franca.
l)r JosUento da Cunta Figueiredo.
Jos Joaquim Al ves de Amorioi (4).
Jos Jorge de S.|ueir.i Pido.
M.ijor Jos dos Santos Nunes Lima.
Manuel Alves Guerra.
Travasso Jnior A C.
Vidal & liastos.
c
THEATRO
DE
S. ISABEL.
BMJPBEZA
(F.IMIWO iroinm.
Recita c\ti*.iorlinai*la
Livre da assignatiira.
Grande espectculo ljrie-daniaiico.
QUARTA-FF.IRA, 18 DE MAIO.
Representar-se ha omuito apparatoso drama, em
quatio actos,
No fim do primoiro acto oSr. Guidi cantar a
glande aria da opera
I RU FOSCARI.
No lim do pegando acto o mesmo senlior cantar
a aria da opera
IL POLUTO.
Dar fim ao espectculo com o milito applaudido
dudo final da opera
Ili POL1UTO.
Cantado pelo Sr. Guidi e a Sr.* D. Jacinta Pirri.
Comerar s 8 lloras.
AVISOS MARTIMOS.
' COMPANHIA l'EKXAMBUCANA
DE
Xavegaco eoscira a vapor.
Paral lia, Natal, laca, Aracaly, e Ceari.
No dia 21 do correnle s o
t^.J ^4\ horas da larde seguir para os por-
\ j^. J%^, '''s 4,,'ina indi ados, un dos va-
. .'.-"^feSi^fejK l'ore da rompauliia. Heeeber
c-'li',Vr^a3' ''''"r a"' llia -'" Encommen-
das, pnssageiros h dinlieiro a frele al :t horas da
tarde do da dasahidai: escriplorio no Forte do
Mallos n. 1.
Rio e Jan<3m>.
C. -nevo voleiro iataeho Po/#inr, capitio Cy-
priano Antonio de QuaitriM, segoe .-com brevida-
deprteetie carga afwlnoseravos. para os quae
teHV ucellente* oonmmiiw : trata-ee com Migad
Jo*.>4 OJiiate Sania Rtl* eewnm****; a traur
eotBoSr. Quintal, no yapiclie do ahi-lao,
Vende-sc a barcada Paragmsi, nova
-e muKo bem constroida, de l<*r5o de 20
caijiae: quem a preesder pode ve-la no
iCes o Ramos. aonJe est funtteada e a
tratar a rua do Crespu luja de fazendas
n.JL____________________________
Para o .Vlaraafc* e Para.
0 patacho Beberibe a seguir com muia brevlda-
de recebe carga e freles iara Maranhao 300 rs.
por arroba, e para o Para2Q por arroba ; ira-
la -,-c voi os seus consignatarios J&ntonie Luiz de
Oliveira Azevedo & C. no se osoniplorio rua das
Crozesc 1.
Sfarlct de rcrmamdtwie Voivca letra 13 4
*,* f3V-
ogaac, i'ivm do dia annadUlo om sea escrip- Othaixo assigaada tenda'liBs no Diario i*
trJo rua da lruz n. 38. Perntmbuco de 13 le earrente aioc, nm annuneio
^^penvidando ao Sr. commendadr anoel da Vera-
=
COMPANHIA BRASILEIA
DE
PAQUETES A VAPOR
E'esperado dos portosdo norte
at odia 17 do corrente o vapor
Apa, commandantc o primeiro
tenenfe Alcanforado, o qual de-
[iois da demora do coslume se-
guir para os portos Ido sul.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-so a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no dia de sua chegada, encommen-
das e dinheiro a frrte at o dia da saluda as 2 ho-
ras : agencia, rua da Cjruz n. 1, escriptorio de An-
tonio Luiz de Oliveira Azevedo & C
" COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Xavegaco costelra vapor.
Haceiic escalas.
No dia i' do correnle 5 ho-
ras da tarde, segu uin dos vapo-
res da companhia. A carga ser
recebida at o dia 24. Encom-
meudas, passageiros e dinheiro a
(rete al o dia da sahiila as 3 horas da tarde : es-
criptorio no Forte do Mallos n. 1.
Para a Un la
pretende seguir com muilabrevidadea escuna na-
cional Carlota, tem parte de sen carrxgament
(nimipto : para o resto que Ihe falta, trala-se com
01 seus consignatarios Antonio Luiz de Oliveira
Aeeredo & C, no seu escriptorio rua da Cruz nu-
ifter I.
II i o Cirande do Nnl
V seguir com i.revidade a barca nacional Ami-
zade, outr'ora Rrcife, recel* carga a frete comino-
do, para o que tratase cora Ballhar & Oliveira, rua
da (jidea n. 2fi.
tira o filo de Janeiro
o brigne Beluario segu com brevidade, e pode
re.-el.er alguna carga : traU-se con* os consigna-
Unos Marques Uarros & C, largo do Cono Santo
numero G.
Para o Ri .rundo do Mal
pretende seguir com multa l.revidade o patacho
nacional Carolina, tem parte do M carregamento
prompto : para o resto que ihe falta, trata-w roa
o capiao Beiarmino dos Santos Pinhelro a bordo
ou na praea do rommerclo. '
Para o Rio de Janeiro, a frete haratoTest
carregando o bngue brasileiro Imperador, de b.;i,
marca e corn coinmodos para esclavos : a tratar 1
no escriptorio Amorim Irmos, rua da Cruz n 3
ou com o capitao Jo. Rodrigues Prats. na praea
do coiiiraorcio. r
LEILOES.
DE
Uieis>cbjectOA c, o <'dre-i*late* c-
iu.si-jiiu:
1 mol i lim de mogno, 2 cadeiras. de oalaneo, 3
dis para menino, 2 mesas para jgo, 1 societa-
ria de mogiiQ, i mesa de costura, 7 Uiietes, l me-
sa redonda, grandes espelhos, 2 relogios, 4 jar-
ros jura flores,^i frascos, 1 berijo, 1 toillet de ja-
rand eo\a tampo de pedrae espelho com louca de
porcelana, 1 counnoda de Jacaranda, i lavatorio,
I toneador, 1 guarda roupa de mogno, 1 appaxa-
dor, 1 mesa elstica para 20 31' pessoas. 1 gran-
de apparaibir, 1C cadeiras, 2 camas de ferro; 2.di-
tas de veuto, 1 apparellio de louca para janiar, 1
dito para tame,apoa, clices e garrafas de rflfs-
lal, trem de eo>jnha,Joalhas de mesa, coberlore,
lences e inultos outrus objectos.
Urna grande urna .para 40 chicaras, um appare-
Iho para cha completo, eolheres, garfos, facas, lu-
do de electro-piales, da nielhor qualidade.
HME
A' na dImperador 49, 2o andar.
O agente Pinto autorisado por um estrangeiro
que muda de residencia tari leilao de todos os
objectos cima desmotes, existentes no segundo
andar e soto do sobrado da rua do Imperador n.
49, onde se efectuar o leilao no dia 17 do cor-
rente, devendo comecar s 10 horas em ponto.
LEILAO
DE
Um excelleute sitio.
IIOJI2
Tcca-feira ao humo dia.
O agente Miranda competentemente autorisado,
vender em leilao um encllenle sitio na estrada
do Rosarinho, comprehendendo 600 palmos de
fente e mais de 2,000 de extenso, alargando
muito para o fundo,
Contm o sitio abundantes arvores como sejam :
mangueiras, jaqueiras, sapotizeiros, pinheiras,
etc., etc.
Tem no fundo do silio urna mata de grande ex-
tenso e abundantes madeiras, de diversas quali-
dades.e d'inde se pude tirar lenha para vender
lodo o anuo.
Com duas immensas haigas de capim capazes
de suMentar mullos cavados de verao invern.
Alm de oulras commodidades quo offerece o
sitio, accresce a de nina bella, grande e moderna
casa, com salas equarto- e assim i'omo grande estribarla e grande cosinha.
O leilao ser ellertnado ao meio da em ponto no
armazein da rua da Cruz n. 57.
O mesmo agente est prompto a dar a todos os
prelendenies as mais ampias infonnaijaes.
^ jkjVJ I a % O | Cruz Lins e Mito a tratar de negocio de seu inle-
-. foNi 9(1 di Mai*& H haMcA resse declara o teumo bateo Mignado qne na
Mra-ieini &\ ft da lladeH H. *J, arsazea dorachaseautnrsadsa rcamr ijuabpier tran-
rr eonta e-ordem de que* oerteneer o agente &i('io a;as Eaaefcio vender em leo o segninle = .commendador Vera-Cruz. Pude o Sr anna -cian-
J3 T3
v o
B
o
ta carro de 4 rodas coraaweios de metal nrin-',e- P'^Unt0'.
itm, tuifo quasi novo, asando apai
sitio dftfronte da igre|a dos itlictos casa
em ateo, cosa 300 palmos de frente e 1,000 de,
fundo. i
Cm predio-fccm novo de custesupeoiar a 12:000a,
seod casa de porta e 7 janella,4 quartos, 2 salas,!
cosiHka fra,.cacimba, lanque para Lando, bastan !
te (ts de.laraneeira.s, sapoUs, e otras arvores, e
junto a esta 3 litas pequeas edificadas no prin-
4-ipta iia rua 4a Amizade, Capaoga Sova es-
querda entrando pela estrada de S. Jd> do Man
v. i un lio -%\&i, 2"i e 26, na casa fraaae mora o
Sr. Antonio Roberto Filho. _______^^^
liEILVO.
DE
Una ma de prop ios., sitio com c.naiinad >s t-oiu
820 aaliuasde freale c(i7tt defun
d a taira da eslr.da de Jaao de
Barros.
Sc\U-Wra 29 o corrale as 1-1 4]! lisras.
O agente Pinto levar novamente a leilM urna
casa com 2 salas, 4 quartos, 1 gabinete, dispensa,
cosinha, tres e,aartes fra, terraco na frente coro
grande sitio (torceko depois do da cscala) eoin
mangueiras, jaquairas, coqueiros e laraage*rac
leilao ser effectuada as II 1|2 horas do dia 6U-
pradito rua da Cruz n. 38, escriptorio do referi-
do agente.
LEIUO
DE
Sobrado de 2 aa lares
Aguas-^eriesi 7i>, e
nm and.tr a solao da rua
Rao 75.
Seila-feira 2 > da corrale s 11 horas em ponU.
O agente Pinto fara leilao com autO'isaco dos
lquidatarios da mas-a fallida de Jos Antonio Bas-
tos dos predios cima deeriptos pertencentes
mesma massa. s II horas do dia supradito em
seu escriptorio da rua da Cruz n. 38.
da rua ihs
om dita de
de Sania
LtILVO
DE
I ni > maruina perpendicular de serrar
madeira com vapor farra de 14
cavalUs e calda forca -'e 20 c vatios
Sexta-feira 20 do corrente s 10 1/2
horas.
O agente Pinto far leilao- requeriraento do ad-
ministrador da massa fallida de Koslron Rooker &
C, e por mandado do Illm. Sr. Dr. jiz especial do
commereio, da machina, vapor, e caldeira cima
mencionados pertencentes referida massa, s
10 1|2 horas do dia aeima dito no seu escriptorio
rua da Cruz n. 38; podxinio os pretendentes desde
j examinarem os referidos objectos no gazomeiro
(fabrica de gaz).
Ilmd; rs., sendo 5,084,532 em letras e
283,M0rs. em ies-
Seila-fcira 21 do corrente s 10 horas em ponto,
O agente Pinto far leilao requerimento nos
administradores da massa fallida de Antonio Pe-
reira da Silva (com loja de fazendas na rua do
Crespo) e por mandado do Illm. Sr. Dr. joiz espe
cial do commereio, das dividas activas, pertencen-
tes referida massa, s 10 horas do dia cima di-
to em seu escriptorio rua da Cruz n. 38.
laEIIiAO
DE
lima loja de fzed.s, movis e juias
como sa>m:
Urna moliilia de amarello, 1 candelabro, 2 lan-
ternas, 2 jarros, 3 mesas eo cadeiras.
l'm relogio, 2 pares de argolas, 2 brincse urna
pulseira de coral.
A arinacao, candiciro e registro de gaz, urna
burra, una carleia, e fazendas da loja Ja rua do
Livramento u, 26.
(luarta-frira IS de malo.
O agente Pinto fara leilao A requerimento dos
curadores li cisco Urandao e por despacho do Illm. Sr. Dr. juiz
especial do commereio, de lodos os o jacios cima
mencionados pertencenies a referida massa : o
leilao ser elei-tuado na loja da rua do Livramen-
to n. 26, de vendo principiar s 10 horas em ponto
do dia cima dito.
laKiAO
DO
Deposito da ra u Mngnefa n. 6.
QUAHTA-FEIIU AO MEIO Na.
O agente Miranda far leilao por ordem do Sr.
Maternos Leuzdo que consta o seu eslahelecimen-
lo a saber : armagao, depsitos para bolachas, ba-
lancas, pesos, vjdros, candieiro gaz, cervrja, cog-
nac, licores, vinhos, biscoulos, bolachiuhas, conser-
vas e outros pinito? gneros.
AVISOS DIVERSOS.
DE
E^rravos, vri^nyalt1 s, santuarios,
pianos eout'og moits Iijm los
Qiiarta-feira 18 do corente.
No AIIMAZEM DA IlLA DA CADEIA DO KECIFK N. 48.
S 11 linllAS DO DIA.
O agente Olimpio far leilao de diversas obras
novas e usadas de maicineiria e outros muitos ob-
jectos.
Na mesma occa^io venderuma cscrava de 30
anno pouco mais ou menos.
IiETLLAO
Qninta-fefra s 11 horas.
DE
Cadeiras, consolos, commoda*, mesas elstica e
de muras especialidades, camas franreza, de ar-
macao, alm de outras de ferro, sofs, marquezas,
quadros de piorescas paisagens e estampas colo-
ridas de mulheres typicas, relogios para algibeira
e de mesa, vasos, candieiros g^z e albuns.
O agente Miranda far leilao dos objectos cima
menciunados, em seu armazcm da rua da Cruz
n. 57.
lllliO
DE
Fazendas como sejain:
Vestidos de seda e de laa, manteletes, chapeos
para senhoras, chitas, cas>as. lencos de linho,
breanba, madaooloes, algodozinhos, camisas,
rolletes, esparlilhos, chales de la, brins de linho,
grvalas, Invas, leones e ontros ariigos.
Uuinf a-feira 19 de malo.
Tnomaz Teixeira Bastos, tendo de ir a Europa
tratar de sua saude fara leao para liquidacao e
por interveneao do agente Pinto, de todos os ob-
jeetos cima mencionados existentes no armazem
da Exposicao de Londres, rua da Cadeia n. 60, s
10 horas em ponto dn dia cima dilo.
Em continoaco annuneiar-se-ha o dia para a
venda das perfumaras, mnidezas, obras de ouro
com hrilhaates e mais objectos do referido ar-
mazem.
LI II.AO
DE
Cognac e wisky.
Sexarffia ?0 do oorrenir 1 hora
O agente Pinto far leilao* eom antori Sr. consol inple;. e por cunta e risco de qnem per-
tencer de 6caixas com 6 dnzias or garrafas com
wisky e 3 caixas corn 3 duzias de wrafa* com
0 ciriirgiao Leal mudou
a sua residencia da rua do
Queimado para a rua das
Cruzes sobrado n. 36, pri-
meiro andar, por cima do
armazem Progressista, aon-
de o acharao como sempre
prompto a qualquer Lora pa-
ra exercicio de sua pro-
fissao, chamado por escripia.
Aos 5.000K0O0.
Sexla-feira O do currenie mez se ex-
traliin'i a primeira parte da terceira lotera
da Sania Casa da Misericordia, no consisto-
rio da ij-reja de M. S. do Rosario da
freguezia de Santo Amonio.
Os bilbetes, meios e quintos acham-se
venda na respectiva thesouraria rua do
Crespo n. 15 e as casas commissionadas.
Os premios de 5:0O0#OO0 at iUftfUi
serao pagos urna hora depois da extracca
at s 4 horas da tarde, e. os outros no di:
seguinte depois da distribuicSo das listas.
0 thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza
m\ \\\ FORIINA.
AOS 5:000.000
Bilbetes garantidos
1' roa do Crespo n. 23 e casas do coslume
O abaixo assignado tendo vendido nos' seus fe-
lizes bilheie garantidos o hiltete inteiro n 2345
com os 5:0005.o meio n. 17j.'t com l:200J> e o
quinto de n. 740 com 300, e outras mu las sor-
tes de 1005, 405 e 205, da lotera que se acabou
de e.xtrabir a enelicio do Gymnasio, convida aos
possuldores de ditos bilhetes a virem rw'eber seus
res|eclivos premios ^em os descontos das leis em
seu eslabelecimento a rua do Crespo n. 23.
O mesmo tem exposto venda os novos e felizes
bilhetes garantidos da primeira parte da terceira
lotera da Santa Casa da Misericordia que se ex-
trabir sexu-feira 20 do corrente.
Presos.
Bilhetes inteiree..... 65000
Meios......... 34000
Quintos........ 15200
Para as pessoas que comprarem
de 1005 para cima.
Bilhetes........ 35500
Meios......... 25750
Quintos........ 15100
Mantel Martins Fiuza
Precisa-se de urna ama j casa de peque
na familia : a tratar na rua Nova n. 23, segundo
andar.
lirgir-se rua do CaMereiro n. 42,
xo asslfmado, quereudo. Recife, IS
de maio de 1864.
Francisco Qointmo T*idrigues Esteres.
"a
I 1
6
O.-,
s v
- 3
s o

j
9
? 2.5S
"* ^^ m

O.
O
o
o
e
y.
-i
O

O
r
|
2
4> Mr. Posee de Un.
O -6r. Antonio Carlos Pcreira de nurgos Poace
de Len insiste em fazer persuadir ao publico, que
eu me eparei de sua companhia e Ihe propuz ac-
cao de divorcio, sem que para -isso tivesse molivo
algum fundado, mas arrasiadn tao rnenle Bor
movaento stranbo, chegande sua velleidade ao
ponto de inculcar, qne ea viva sob a presso da
voaiade de mena pais, e que s pelo invencivel
temor que estes me inspiram qne anda nao me
reconciliei ostensivamente com elle, miando alias,
em particular, vivemos na melhor inlelligencia.
f de tudo isto tira elle motivo-para me incommo-
darde novo, propondo-me urna aecao rescisoria do
divorcio, na qual allegou as mais revoltantes falsi-
dades.
I Pedia o decoro que eu me abstivesse de trazer
luz publica esta desbragada questao, que o Sr.
Burgos tem procurado dar urna triste celehridade.
tEntretanto, foreada pelo indigno e insidioso pro-
cedimenio do Sr. Burgos, vetriio, bem meu pe-
zar, fazer perante o publico as seguintes solemnes
dedaracoes, que serao repetidas emquanto o Sr.
Jlorgos nao se convencer de que deve deixar-me
en inerrupeo,vivir tranquilla e socegada. Nao
.quero, com meu silencio, dar urna apparencia de
Drseia.sn ^J^mU^^Vi^inTX ^^ florecer assim os .s tenebrosos pa-
natural da freguezia de S. Salvador da villa dn* vi. .. .u j t
- o, nao porque fosse .isso movida por vontade
mnorlaveis
Burgos, d-
rawte dez longos annos que vivemos juntos. Sahi
de sua companhia por causa de suas repelidas e
escandalosas infidelidades; sahi porque j eslava
(LIB TEKN t.KC.M0
phaa de pai e inai, fui criada em ca-a do
duano de bapiismo o fallecido icario da freaue- Tr,T, ?, f^ST*T? FKX
zia de S. Joao Baptisia de Hn7ESf!S\*2SL\ ^^^rtMta
m illa, o padre Manoel Jos de Barros, havendo TSTS^J^^^JSZ
aiguma pessoa que possa dar noticia desta senho-
ratfar muilo favor em cominuniear ao Sr. Joio
dos Santos Nunes Lima, rua Nova a. 58. para es-
te participar a quem deseja saber.
Casou-se no dia 16 do corrate na igreja da
Eslaneia e depois no consulado iaglez, William ra*Hi espirito tinham mais forcas para suiqortarto
caneada de toflrer toda a sorte de maos tratamen-
los; sahi porque a minha vida corra imminenle
pergo ; sahi porque era o meu eor|o, nem o
George Fennelly nMural de Mancheiiter com D.
Thereu Maria Dowsley destacidade. Nao se ds-
irmuem cartoes.
mn rival
L(A D MIDEZAS
ISItua do Queimado16
Saboneles de familia a 80, 160, 20 e 320 rs.
Onudos de eosmetique a 60, 120, 230 e 500 rs.
Caixiiihas de pos para deatol a 160 rs.
Krasqinhos de pos, sociedade bygienica, a 800 rs.
I'acoles de pos de arroz a 300 e 640.
Catxiiihas de ditos com boneca 15000.
Frascos de oleo de Cabosa a 500 e 640.
Frascos de oteo pbilocoine a 70 o 15.
Utos de banda lina transparente a 720.
Di los de agua de colonia a 400, 800 e 15.
Ditos de extractos a 400, 600, 800 e 15-
ilos de banha franceza a 400, 600 e 800 rs.
Garrafas de agua de Lavande 15.
Unas de agua llorida (legitima) 15280. -
Escovas para denles a 160,'320 e 480.
Ditas para cabello a 600, 15 e 15500.
Ditas para unlia a 8J0 rs.
Ditas para roupa a 640 e 11.
Penles de bab-ia a 240, 320, 400 e 500 rs.
Ditos de tres faces a 640 e 800 rs.
Ditos que fecham como caivete a 500 rs.
Ditos de borracha com costas douradasa 15280.
Ditos de massa em raxinhas a 400, 600 e8u0 rs.
Ditos de la;o e virados para alar cabello 15-
Di tus de marrafa esmaltado, a balu 45000.
Ditos de marrafa pretos a 25o00.
Ditos de tartaruga 45-
Dilos dourados para marrafa 15-
Hitos dourados para regaco 1-3.
Ditos ditos com pedrimias dem 25-
Ditos de liorracha com recortes Mam 800 rs.
Pecas de tranca de caracol a 80 rs.
Ditas de franja para cortinado 35
Luvas brancas de Jouvin 15 e 25500.
Dilas de Escocia para montara a 800 e 10.
Conservadores sem laco a 800 e 15-
Ditos com laco a 15 e 15280.
Bonitos adeiveo*. dourados com pedrinhas 35300.
Pulseiras de contas e missangas a 640.
Una- de con 1 as com pedrinhas <5.
Iticos cintos com li veas de pedrinhas 35-
Ricas Ovlas cora pedrinhas para cinto 25.
Vultas de coral pequeas e grandes a 400 e 25-
Gravatinhas de seda com paseador a 640 e 800 rs.
Dilas de seda para laco a 640 e 800 rs.
Ditas com cascarnlha as ponas 15.
Ditas com vidrilho as ponas 15280.
Bonitas toncas de selim para baptizado 35-
Dilas de blonde dem 15600.
Ditas de la a 300 e 800 rs.
Spatiuhos de merino para haptisado 15600.
Ditos de la paracrianca a 400, 60O e 800 rs.
Capachos do Porto de 4, 4 1|2, 5, 5 1|2 e 6 palmos
a 500,600, 700, 800 e 900 rs.
Bonitos botona para puniio a 160, 320 e 600 rs,
Tesouras linas grandes e pequeas a 600 rs.
Ditas com toque de fe.rrugem a 60 e 120 rs.
Filas e cordoes para espartiiho a 60 rs.
Oita vas de retroz preto a 140.
Brincos pretos e de cores balao a 320.
Rosetas douradas e pretas a 240.
ralos de armaco 45.
Meias de cores para homem e menino a 200 rs.
Ditas pelas para senhora a 320.
Orleiras com agulbas surtidas a 640 rs.
Calimbas com 100 agulhas francezas a 240.
Caixnihas com IOO agulhas Victoria a 320.
Cascaveis de lalo a 60 e 80 rs.
Vernicas de lato, duas faces, a 20 rs.
Duas de vidro, duas faces^ a 40 e 80 rs.
Anneis de vdio de dver*-as cores a 40 rs.
Tmteiro c arieiro de lalo a 15200 a 15600
Cai.ulias de pennas caligrapbicas 15280.
Ditas de pennas de lauca e mocinha a 720.
Paroles de papel amizade liso a 600 rs.
Caixinhas de papel amizade pautado a 720.
Ditas com 100 anvelepes 800 rs.
Ilaralhos de cartas francezas a 200 e 320 rs.
Carloes de 14 pares de colchetes a iO rs.
Ditos de 24 pares de colchetes a 40 e 80 rs.
Caixinhas de clcheles a 20, 40, 60 e 80 rs.
Massos de grampos a 30 e 60 rs.
Ditos de palitos litados linos a 240.
Duzia de caixas de phosphoros a 160.
Dita de facas e garfos a 3 e 45-
Dita de colheres de. cha a 500 e 25-
Pecas de cascarailha de sola a 25.
Ditas de cascarrilha rinmnia d>- la 15500. ^^
Ditas de fna branca para debrum a 160, 200 e
240 rs.
Ditas de liras bordadas a 25 e 25500.
Ditas de entremeios bordados a lv500 e 25-
Ditas de fita de velludo estreila e larga a 800 rs.,
I5OOO, 15200, 15400, 25, 35, 45- 55, 65 e 75,
Varas de hta de velludo a 100, 160, 200, 2U), 320.
400,500,600, 700,800, 900 e 15-
Varas de lila de velludo lavrado a 160 e 240
Ditas de cordo de lia matisado para quadros a
320 rs.
Dilas de aspas para hslo a 100 rs.
Ditas de galo bronco para os mesmos a 100 rs.
Pitas de tramoia e babado a 80, 160 e 240.
Duas de bico das libas a 120, 160 e 200 rs.
Dias de bicos e ren las a 80, 120, 160 e 200 rs.
Duas de bicos pretos a 120, 200, 320 a 480.
Dilas de franja de se.la a 400, 500 a 600 rs.
Dias de franja com vidrilho a 600. 700 e 800 rs.
Ditas de galo de seda preto a 400 rs.
Ditas de galo de la para dehrui a 160.
Ditas de galo de seda para debrum a 120 e 240.
Duas de labvrinlho grade a I2O, 200, 320 e 400 rs.
Ditas de llla'degrosdenaple de 4 e o dedos, o mais
rico que se pode deaejar para lacos a 15600 e 25,
ongo e msolTrive! tormento; sahi, nnalmente,
porque j tinha pajo com usura o passo impru-
dentsimo, que dra, e de que muilo me teuho ar-
rependido, em casarme, contra a vontade de mens
prenles, cora o homem mais refalsado que o cu
! cobre.
Em ludo quanto tenha feito este respeitn, mens
pas nao llgurarain seno como meus naturaes pro-
tectores. Quem sabe que live firmeza e resoluco
bastante, para casarme, anda menor, contra a
vontade de meus pais, nao acreditar certainente,
que boje, vinte anuos depois de meu casamento,
seja constrangida, |wir vontade de meus pais, a vi-
ver separada do Sr. Burgos. Ellos, pois, nao exer-
ceram e nem exercem a menor violencia sobre a
I minha vontade, a qual nunca foi mais livre do
j que na resoluco que tomei e conservo de viver
; completa e per|>etuauiente separada do Sr. Burgos
j Vivo to salisfeila c feliz em companhia delles,
; quanto possivel urna jiessoa, que tem minios
e grandes motivos de de-gosto, e em lodo o caso
infinitamente mais satisfeita e feliz do que viva na
compauhia do Sr. .Burgos.
Faca, poi tanto, o Sr. Burgos, o que Ihe snggerr
a sua at boje nao igualada malicia. Finja a minha
letra e assignatura, para inculcar que Ihe escrevo
cartas ; diga que vivo opprimida |or meus pais.
mas que entreunto o estimo e almejo pela nossa
rcconciliaco ; compre lestemunhas para irem de-
por aqnillo que Ihes d a estudar por escrplo ;
prive-inc da doce salisfaco de fdf meus filhos e
de os ter em minha companhia ; invente liualmen-
te quanto sua frtil imaginaco parecer conve-
niente para altingir o fim fue se prope. Com
. tudo isso, e concedendo mesmo que nao houvesse
I juslica na Ierra, s poderia lograr o seu flm prin-
1 cipal, que annullara seolenca de divorcio, e res-
tablecer a communl ao de hens, para ter o direi-
to de participar da pequea heran^a, que me ha
de vir por morle de meus pas, quem Dos, por
sso mesmo, para mariyrio do Sr. Burgos, ha de
conservar a vida por muitos annos.
E nao conseguira seno isso, pois que nao ha-
vena poder algum sobre a trra que meobrigasse
a_ viver mais com um ente, quem, por lautos e
to ju>tos motivos, do fundo d'alinaaborreco e des-
preso.
Tlifreza Adelaide de Siqueira Caval^anti.
A' minha multier Tliereza Adelaide de Siqueira Ca-
lalcaiiii, digna lillia do Sr. cuniiurndaiior Anto-
nio de Siqueira Cavalcanti, senlior de M.irla-
pagipe.
F01.com verdadeira ndignacoquedeparei no
Diario de Pernamburo de 30 cora urna historia to-
1 da romntica e lgubre a meu respeto ; mas cer-
tamente de muilo uiau goslo, para todos aqnelles
que a leram. ja sabemlo dos prouienores pas-ados,
que seguiram a spamelo de inioia mulher, elli-
tuada traicoeirameiite no engenbo de meu sogro,
onde com ella e meus liibos, na maisperfelta har-
mona passavamos a fesia de natal ; nella. o mari-
do desidioso, regeilado com despreso, figurado
como um homem ebeio de vioios e de chines, e a
mulher que diz o ter abandonado, figura como uina
esposa virtuosa e disiincta, que smenle por nao
ter podido mata aunporu-lo, com razo e sem ser
por suggestes de pessoa alguma, o aborreca
iti'spi Z'ica 1
Se a esposa que houvesse realisado o sen casa-
mento por amor e rnente por amoi, nao aliando
na>se algumas vezes o seu marido, sem que eslt
dsse causa,Olio Jamis birlamos de lamentar
tantas desgranas que se dio quasi lodos os das
Entreunto, L.'1'aea- a providencia, sou um deanes
houiens bem conhecido 11a sociedade por meu com-
portaineiiio, e assim pode-se melhor ajuixar das
declamacoes sempre vagas, que partem no intuito
de me feir cruelmente do lado dessa senhun, que
cuitada, j nao sabe de que muios pode soccornr-
se para agora justificar a sua separaco, para
cohonestar as perseguices inauditas exercidas
por seu pal protector \
Nao quero, eu o protesto, enlrar n'uma discus
sao vergonhosa pela iinprcnsa, que dove ser sobre-
maneira inconveniente a mmlia propria mulher,
; acerca das justas razes que actuara era mea es-
pirito, para pretender annullar a celebre sentenca
; que me coudemnuu, decrelando o divorcio : tanto
mais boje, que limito confio na boa orgamsacao da
juslica ecclesiastica, de COJOS tribunaes s poden
1 |iresentemenle partir decises justas e eminente-
mente jurdicas em favor de quem tiver de seu la-
do o direilo e a juslica.
Para os tribunaes 'joe devenios appellar de
nossas ipiesies, elles sao os'nicos compleme
para as uecedir.
Assim posto, os fingidos protectores de minha
mulher, devera-se convencer, que nao sao as suas
' falsas e calumniosas imputai.-es, e nem mesmo as
lamurias ou a vontade suprema de urna mulher,
que do o direito de se obter urna sentenca de di-
vorcio.
O.direito firma-so na le, c pois nenhum magis-
I trado que se preza, pode a seu talante exurbitar-se,
offendendo de frente a le expressa em lhe>e, dan-
docomo Ihe apraz por provado, allegaces nao pro-
vadas, e em sua senlcnca falsamente fundando-se
i em proras que nao existem nos autos etc.
Esta minha questao ite acrao rescisoria da sen-
i tenca de divorcio, que tanto ha inrommodado aos
protectores de minha mulner est a Recta aojuizo
' eccle>iastico, nao devenios, prtanlo, prevenir o
sel juizo com laes puhliracocs insidiosas, e oulras
qnejandas palranbas propnas para illudirem aos
espritus supe liciaes.
E por isto que declaro solemnemente, que por
minha parte me rerolnendoaj silencio, podero el-
les e minha mulher dizer tudo quanto Ihes sugge-
rir contra a minha honra e reputacao, porque na-
'ulleriores deci-
" hapr
an.
A minio familiar do correnle mez
na noile do dia 19.
A direceo do Club Pernamliorano 9*4,
Srs. socios que teem por rostunv infringir o
10 dos estatutos que prohibe a entrada
menores de 12 annos, par T"* nao r.nxinin> -
sita pratirar para nao roUnrar a me-na aettao mi
necessidade de fazer respmiar as di.po-ir^. m
meamos eslaluio> com medid* e^ergira*.
Club Pernambucano, o> maio de IHOi.
R. J. Barata d- Almrida,
___________________ Presidente.________
ENCENHO.
Arrendase o engenbo d'agua, dmominada Ase-
sara, sito na freguezia dV f|'juca, di-unie lean
meia das MtnpBnS da K-cada e Ipufuca. rom Mina
massa pe para sarejar sem gratule nurrha :_ a sra-
lar-se na rua do l.ivramoolo con o Dr.
Nery da Fonseca.
Neste hotel os senhores qne o qnizenaa fre 1
tar. acharan senpre |Kir menos proco que ro
ira qualquer parle, almoco, jantar e lunch 1
vindose durante a .-emana diversa* aapaa
as, como sejam, raviole, talbarim, nir-et,
e gnoceaki, feto itocom kdo o aieio e
possiveL
Os senhores assignanlcs sBSflMHs pag^rio
menos que os avulso, pagando umb ni uns
tros nimio menos do que em nutra quabiurr
E os senhores provincianos neste IwH a
lodos os melhores rommo rante o lempo que eslivercm n>-sta cidade.
Alii(a-se a loja rua do Cri'spo n. i com arm.\4fi mi
ella, para tratar em casa de J. Falque
mesma rua 11. 4.
Hotel it Ii.kio dr a-iaaaa Fn
do Trapicne 44, *t^udt ivvfr*
ro andares
DENTISTA DE PARS
19 Roa Nova -19
Frederico Gaulier, cirurgio dentisU,
faz todas as operacoes de soa arle, e rol-
loca denles artiticiaes, tudo com snpero-
ridade e |M>rfeico, que as pessoas enten-
didas Ihe reconhecem.
Tem agua e pos denuncio.
I
a
i
Precisare fallar ao Sr. Antonio Jos
Teixeira de .Mendnnra Belm, tiesta typo-
ftrapbia.
pode
Ia tt,-% ni
Oadvogado Eiluardo de arros
ser procurado para os mi-teres n> na
proflsso, das 7 as 9 huras da manha n
das 3 da tarde em dame na ci-a residencia r na da Saudade 11. I.'i.
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo sara
bre Lisboa.
da direi, agiiardando-me para as
ses de nossa causa.Aulomo Carlos Pereira de
ha bvros de mostras dos objectos cima especifi- urgos P. ae Len.
cados. _____
O abaixo asignado declara que havendo
passado doze letras de 7005 cada urna e mais sois
de 505 ao Sr. teneute-coronel Jos Candido de
Barros, pelas rendas futuras do engenho Monte-
video, quo enlo perteucia ao dito Barros, seis
destas letras de 7005 a vencer-se a primeira em
maio de 1865, e as mais a seguir todos os annos,
(carao sem valor algum e tem de seren restitui-
das ao mesmo abaixo assignado, por baver o dito
tenente-coronel Jos Candido, feilo venda de mo-
tada do referido engeubo ao lenle-coronel Ju--
Precisa-se de nm bom
ama para engommar e lavar
rua da Aurora.
cozinheiro, e de urna
: no sobrado n. 32,
\^\U
Precisa-se do urna ama forra ou escrava que
sniba engommar, cozinhar e tenha bom comporta-
ment : na rua das Cruzes n. 36, primeiro andar.
Pagase bem.
AlHira-se o sobrado de um andar e soto no
Jino Pereira de Farias, sem que estipulase a con- pateo do Terco n. 4, pintado de novo, com comino-
trauaeo do arrendamemo, coma foi avisado pelo dos para grande familia : a tratar no mesmo.
dilo tenente coronel Farias. Da7T7-----------------------r--------------,
Declara mais para tirar toda duvida, que as le-1 f -- f %e1?*Sa ,,u^ l>UR lmT ** um
tras a que se refere deviam ser l-go eniregues na [Xn'1 a h d',par, ',UC ," Tn'ri qUe
bonformiilade da escriptura de arrendndolo, em "KJftSCT ^ Potos fallecidos com-
a qual obr.ga-se o raesmo lenente-coronel. Jos nn\ P L".'/' ,*"n5a,ve* F,'rre,ra e fua
os sighaes seguiutes: baixo, pouca barca, falla Candido de Barros a entregai ao abaixo assignado ","'/> '".""' a "1:l !n.en'.'r dos mesmos-An-
muito descancada, falta de urn dente na frente,le-'a todo tempo que fizesse vnda do dito engenho; "^^ .tSo'n ITIu II L?>r LfS
von camisa e calca azul de algodo. este escrav., e como al o presente aluda nao o fizesse, o abai-1 *^J?'1.^ al0 n-,8' '"'""T0 "* 1". sra
ignado faz e.-ta dedaraco para que se nao -compensado, ficando-lhe por isso mu.to obr.gado.
Fngin da casa de sen senhor na manhaa de 16
do corrente o escravo de nome Franci-co, tendo
foi comprado ao Sr. Francisco Jos Vianna mora- xo assigna
der no Arraial, em 2 de marco deste anno : pe
de-se as autoridades policiaes e capitaes de cam-
po a captura do mesmo escravo entregar no
Forte do Mallos n. 3 ou na rua da Praia n. 35,
quo sera recompensado a quem competir.
Precisa-so d alugar urna preta boa cosi-
nheira, na rua do Crespo n. 17, loja.
- Procisa-se de urna ama que, saiha cozinhar e
engnmraar : na rua do Imperador n. 46, primeiro
andar
allegue duvida em lempo algum.
Recife, 16 de maio de 1864.
Feliciano do Reno Barros Arauje.
Marred onThe 16 II). al Ihe Estancia church Joaquim da Costa Lima (da Paraluba) julga
and afer'woard*at Ihe hritish #onulate, William nada dever, mas se aljiuem se ju'gar credor, qne.
George Fennelly latoof Minch-sler loTherzaMary ra aoresentar nua conta ou titulo na rn do Quei-
Powsley of thie eiiy. No cards. J mado n. 10, que promptamente ser pago.
Volinas!
t^tlinlatj
\ot'cas!
\olri.s !
Noticias!
Novos arranjos.
Novos arranjos.
Xovos arranjos.
Novos arranjos.
Novos arranjos.
Retratos de M por l-V**).
Retratos de :i-5 i-.r |VMIQl
Retratos de 35 |n.r l-V-x
Ri tratos de 35 p..r I
Retratos de 35 por 15300.
Ib lalos de 35 por 1550a
Retratos da 35 i-t I53WR,
llelralos de 35 |.r I5-"*).
RetrahM de :t-', |~.r l-V>oo
Retratos de 35 |ir l5-'i-
200 retratos tirarlos por dia.
200 retratos tirados por dia.
200 retratos lirados por dia.
200 retratos tirados por da.
200 retratos lirados por da.
Iblralos de 55 por 45-
Ralrafca de ">-> i-ir 45.
Pulalos ilf .'i > por 45-
Betraio- na ''i \* 45-
II -trato- da ->5 |H>r 45.
Ilelratos de -V, | r '.-"
Keiraios d H par "<
hVaratas do SI par 4-5.
Iteir.itos ib- -'-! \<- RelralM de ->-j \x 45-
Xa galena americana.
Na galera americana.
Na galera americana.
Na geleria americana.
Xa galera americana.
Itua do Imperador n. 3a.
lina do lmpi-i ad.T n. M.
Itua do Imi arador n is.
lina do Imperador n. :;*.
lna do Iiii|h-iailr n. :S.
Oestes presos s nos dias ntOM.
Ue-tes precns s nos dias uieis.______^^^
Precsa-se de urna ama SSCoa : na rua dos
Martyrios n. 15.__________ ^^_______^^^
O Sr. major Candido Kmiglm Pereira \j**t
tem unta carta viuda da Babia, nesia lvitgraphia.
Precisa-se de um criado, e pref.-re. un seja boleeiro : na rua estrella do Rosario n. 20.
(iraiunialic* e, arilliateina pela arafM-
sor (lastro !\unfs
Acbam-se no dominio do puldico, na lypofrapbi
da rua do Imperador n. 15 a grammalii-a e arlb-
meiica orgamsadas pelo nronasac Ca.lro Xoiv-,
anopladas pelo conselho director, e SfawiaaajBa |iel
E\m. Sr. presidente da provincia, para as aulas aV
instroccio primaria.
Honlem, 12 do correnle, fui perdido um i.iiiw-
le da 3" parte da 4* lotera do Gyinnasi n. *t
que tem de ser extrabida no da 16 : roga-sr a>
Sr. Ihesourelro, ra-o seja premia, o nio nngan>
seno ao abaixo assignada
Jos Jacinlho de Orvalho.
Trocain-se tres parles do engenhoQueimada*.
na freguezia de Barreiros, junto a cidade >b> Rio
Formoso, muilo bom por ser |ierto do embarque
meia legua, com muilo boas Ierras de sarejar irr
mil pes, me de animaos, por predio n-'-la prara.
rasas ou sitios : quem quizer, dirjase a rua dos
Pires, casa terrea n. 54, que abi achara rom quem
tratar, a qualquer hora.
Na rua da Roda n. 6 continua-se a mandar
comida para lora,; e na nii-sma casa precisa->e da
um prelo para o servico interno e externo.
Precisase saber onde mora o Sr. Ao CanV
miro, para se procurar urna carta vmda de Mareuw
cora dlrec^o a Jos P. Moura e Silva.____
Precisase de orna criada liVre o* esrrava,
que saiha cezinbar e comprar : na roa dn Sania
Amaro (Mundo Novo), sobrado onde morn *Sr.
Dr. Sabino.
Aluga-se a loja na rua da Penha n. I. pro-
pria para negocio : a tratar na rua da MairU da
Boa-Vi>ia n. 36. ____________
OITerece-so um cozinheiro ingler, o qual r
perfeitn em sua oceupa^o : na frente do arsenal
de marinha n. 6. ___.
3obilia,
Quem liver c quizer vender urna mohilia do
Jacaranda tendo lampos de pedra os fon*** a
meia de meio de sala, e em bom uso, anaonr
para ser procurado.


9 4 rtr**m*ff yerg rea* d+ udo d %***.
)
y
t Atoga-se un sitio na estrada da Ponte de
Uchoa e a niarg m do rio, pouco adame do Illrn.
Sr. oomnietidador Nery rVrreira, lendo ljanheiro,
palanque, galinhairo e outras aceminoaac^os} e
1 futra aviso. .
Os moradores do sonrado da ra larga do Rosa-',
rio que o amigo da boa visiojunea uoiiteni pela sua
estupidez OU ignorancia lev ao Diario de Pt- |
nambuco, chamando a attencSoda polica para ver
os alaridas se corrija dos seo* bailes (|ue cosiumam a dar de
tamao*, junto com o seuvpcquei de raspea!,
Francisco Alves Mnnteiro Jnior, depositario porque nestes das costomsm arraslar quantas ca-
da m-ssa fallida de Jos Antonio Sitare de Aze- deiras e gamelas ter|efli casa, pois os visinhos
telo, convida aos credores da mesrta para rece- que moram or_baixo nS-> eslao para perder Na
bercui a im|>ortancia que Ihe compete em segundo noite o> somno por semclhantes pelinlras, e como
raleio, no praso de 13 dias, e Ando este, qualquer estas testas cosfumam a ser sempre das 10 l\l ho-
qumtia que deixe de pagar ser recolhida ao de- ras da noite emdiante tornase mais incommodo.
oulro dito no Motteiro, em (rente o oitAo da igre-
ja : a tratar com Antonio Jos Rodrigue de fiou-
aa, ra do Crespo a. 13, ou eslreiu do Rosario nu-
mero 32.
psito geral. Recife V de abril de 1864.
Aluga-so urna rasa na freguezia do Pero da
Paeella, travessa da Casa Forte, com 2 quartos, i
salas, cozinha e quintal solTrivel; por 8 meosal:
a tratar com o escrivio do coinmercio Manuel
Mana.
Aluga-se a casa terrea na ra Imperial n.
M: quera pretender dirija-se caixa filial.
Joao da Silva Ramos, medico pela t'ni
versidadede Coimbra, d consultas em
sua casa das 9 s 11 horas da manhaa, e
das 4 as 6 da tarde. Visita os doentes
em suas casas regularmente as horas
para isso designadas, salvo os casos ur-
gentes, que sero soccorridos em qual-
quer occasio. D consultas aos pobres
que o procuraren! no hospital Pedro H,
aonde encontrado diariamente das 6
s 8 horas da manhaa.
TVm sua casa de satMe regularmente
montada para reoetoer qualquer doente,
ainda mesmo os alienados, para o que
tem ronrmodos Apropiados e nella pra
tica quatquer operado cirurgica.
Para a casa de sade.
Prime-ira dassv 35000 diarios.
Segunda dita.... 25300 >
ere-ira dita.... 24000 >
Ente estahelecimento j bem acredi-
tado pelos bons servicos que tem pres-
tad*.
O proprietaTio espera que ette conti-
ene a merecer a confianca de qtte sera-
fn tem gozad*.
1--2H
::
AM.I.
Precisa-se de urna ama |iara cesa de ponca Ta-
na [iraca do tiorpo Samo'iv. i7, terceiro
fiiiliu
andar.
Aluga-se as casas da rmvdo Mondego ns.
W) e 71; para w eslao as chaves no n. 73, e tra-
ta-s com Paraste Vianna &C, -ra da Cadeia,
B.-57.
Na praca n. 33, compraovse obras de ouro, prala e pedras
rectoras, assrm como se faz qualquer obra de e-
riiin.-ri.l;i. e-f-ido e qualquer eoncerto, e igual-'
mente se dir-quem da diuheiro a premio.
m m& xmmm mmmmmm
Atl Guaja.
0 bacharcl Lnuren$o Avellino de
Alhiiqwrrque Moli, atl'.igo advoga-
do desti cidade, lento regressodo
ella, tet.i aherto o-seu-escriptorio
ra dVlmpeador p. 40, onde pode
ser procurado para os misteres de
sua prolisso todos es dias nteis
das 9 tarde,* olerere camo garante a
seus omstiiintes a-tino interrompi-
da prati;a de 25 annos de advuca-
cia. 9 mesinn aceita partidos e
tambeir. causas nos tormos do in-
terior ede tocar a etfrada de ferro.
para os visinhos.
O carraspana velho junto com o moco.
Aluguel.
Aloga-se o 2- andar do sobrado da ra Volita
n. 20, e a casa terrea da travessa da Bomba n. 10 :
a tratar na ruado Sebo n. 24.
O aballo asignado julga conveniente fazer
publico, que tendo de retirar-se para o mato, aflm
de tratar de sua sade, |wdio exonerado tempo-
rariamente do logar que tem ocrupado como cai-
xeiro da casa commercial do Sr. Jos Augusto de
Araujo.
Recife, 14 de maio de 1864 .
Libanio de Cnrvalho.
Quem precisar de um moleque para todo o
servico, por aluuueis mensaes ; dirija-se ra do
Livramento, sobrado n 8.
!l EUtl.O 1IO C IHMO 9
GRANDE SORTIMENTO
DE

Precisa-se de. um caixeiro de 12 14 annos,
alguma pratica de taberna : a tratar na ra
do Im|ierador n 81.
Va i para o Rio de Janeiro Manoel Amaral.
PARA A FESTA.
. Aluga-se. o (piano andar com. soto da casa
da ra do Trapichen. 18 : a fallar no escriptorio. I
DUARTE & C.
Participara aos seus numerosos fregueses e ao publico em geral que acabara da
Precia-se de urna pessoa que teuha as hab- r "5, ,- j ._ ,_ A j
Htacoes necessarias para um armazem de motha-! receber de sua propna encommenda, o mais lindo e completo sortimento de molhados,
dos.' que s.ja fiel, sizudo e inteiiigcnte, a a fi*dr j$ quaes vendem por grosso e a retalho por menos 10 por cento do que outro qualquer
a sua condw-ta : na roa do lm(rador n. 46 se di- aawinciante, como ve rio pela seguinte tabella que abaixo notamos, garantindo os mes-
ro queme deseja._________^___________.__ j ^^ proprie^os n50 s5 0 pg^ como a quaiidade de seus gneros.
Noeageuiio Penanduba precisarse Aeum bom ; ^Ti.ua
hortalotre : a pessoa que se jnlgar habilitada, di- ,"%. M.^"*
nja-se ra de Hurtas
quem *rniar.
82, que actiar com
A o publico.
Quem tiver conta c.ra a taberna da ra de JoSe
Fernaides Vieira, dirrja-se tiWfesM da ra Belfa
n. 8, no praso do tres -lias. Recife 40 de maio de
180*-
Sorvet-c
Srvale de creme, hoje ao meie dia
Trapichen. 18.
Precisa-se eursprar
'moda ou de amarlo em bom -estado
poaco uso : na roa IMIa n. 36.
Antonio Jos Gomes scieMilica a quem Ihe
muzer fallar para delxar o seu nome e moradia
pr escripio : em Santo Amnro roa do Imperador
botica franceza;i/io Recife i na da Cruz n.-30, es-
criptorio do Sr. Temporal : assevera que apenas
|Teceba qualquer indicaco promptamente prrnra-
pri a quem Ihe euizer fallar, nao tem B9tistencia
certa razao porque faz o presente.
Todos i cima tero mais 5 a 10 por cento de abatimento, os proprietarios scientificam mais que
odos es seas gneros sorecebidos de suapropria ncoramenda, raso esta para pede
veuder por mito menos do que outro qualquer estabelecimento.
Manteiga Rgleza flor a 8o e li rs. a 36o rs. a libra e de lo.ooo a ll.ooo rs. a
arroba.
Genenra de Mollanda em botijas de conta a
440 rs. a botija, e em duzia ou em barrica
ter abatimento.
Massas para sopa macarro, talbarim e aletria
a 48o rs. a libra e em caixa ter abati-
(dem fraRoea a mais nova do mercada a buo
rs. a Kbra, e 3tfo rs. etn barril.
ia do dem de porco reiiuaa inuito alva 46o rs.
a libre.
a j'!ia de ^*" Promnta para lianbre a 8oo rs. a iibra.
1 Cha uxmq miudinno vindo de conta propria,
o melitor do mercado a ,8oo rs. a libra.
COMPBAS.
Idemfe^'son de superior qualidade a 2,6oo rs.' meato.
a Kbra. dem estreliinha, rodinba e pevide era caixi-
Idem perola o melhor que se pede desejar a ah*s . 2,7oo rs. a libra. 2,5ooa 3,5oo rs. a caixinha 6 a 6oo rs. a
dem preto muito fmo a 2,5oo rs. a libra. libra.
dem mais baixo peuco a 2,ooo rs. a libra. Boce de gaaba em caixas de diversos tama-
Idera mais baiso a 1.8oo rs. a libra. nhos de 6oo a !,ooo rs. o caixao.
Gafitanhas muito novas a 2,ooe rs. a caixa, Erva dooe a G4o rs. a libra,
a 16o rs. a libra. Traques a 2io rs. a carta e8# a caixo.
Comprase e/fectwa-
* mente
H ouro e prata em obras voJhas, pagand-se bem
k i na ra laryfl-do Rosario n. loja de ourives.
$? l-aUrit-.it de licores e perfumrias.
^jf Xcste estalwlecimento com|ra-se elTectivamente
^ garrafas, botijase frascos de genebra vasus, assim
toda a especie de frascos 4de perfumaras
do Amorim n. 12.
na ra
Bokiiho francez e em caixinhas
4,5oo rs. cada urna.
Vinno do Alto Deuro vindo de Porto en(?ar-
irafado garante-se a stiperioridade deste vi-
nho, das seguintes marcas : Duque, Ge-
nuino, velho secco, especial lacrimas do-
de 7oo t Peixe em latas muito novo ; savel, pescada,
corvina, salmoeoutras muitas qualidades
preparada de escabeche 2." a arte de cosi-
nhade i,2oo a l,8oo rs. a lata.
t
mmnw/MMmm-m-mwMn
Precisa-re. inolhalos, ou ijo tenha sido caixeiro de alguma
taberna, seatio J'ortoguez, cen: idade, pouco mais
ou menos, de. uj; 18 annos,: a tratar na ra da
Senzala .Vva n. i.
A ttenc o.
Aluga-se um-c.isa nova em S. Amaro dcfron(>:
da ca>a |do Sr. Gomes do-Correio, a qual IMD'8
quartos, 2-auwe mzinha : quem a pretender, di-,
rija-se.i pr#e d.'. Independencia n. 22, ou defroote I B."",ca,r r,'llf-
da mesma. ludej.ende
Compra-se um piano u.-ado, que seja moder-
no, e tenha bM vozes : quem o ti ver dirija-se
fabricada travessa do Carioca n. 2, Caesd Cosiaheiro.
Comprase um preto osinheiro, moco bonita fi-
gura e sem vioios : na ra do Sol n. 23.
- I ompra-se nina escrava de 30 a B annos de
idade, que ti-nha algamM tiabilidades, e (uo saiha
vender na na : guau tiver dirija-se ra de Mor-
as n. 68, que adiar com quem tratar.
Compra se
constantemente ouro e prata em obras vclhas : na
feliz loja de liilheles de lotera da praa
nci n 2i.
Figos em caixas de i arroba, '/* 8 libras
a 8,000 4,ooo e 2v0oo rs. a caixinha.
ees de 1819, vinho especia1! D. Pedro V., Barris de vin'ho branco de quinto, marca B
vinho velho, Wectar superior de 1833, Da- & FiWw a 60,ooo rs. o barril,
que do Porto de 1831, vinho do Porto ve- Marmetada imperral dos m lhores conservei-
Iho superior, madeira secta de superior ros de Lisboa a 64 rs. a 1 tinliade 1 libra,
qualidade, vinho do Porto superior D Lu-' ba latas de 1 '/ e 2 libras,
izl de. 1847, lagrimas do Dotiro espe- Massa dett*mate em latas douradas de 1 libra
cial, vinho do Porto de Moo'a l,2oo rs. i a 64o rs. a lata,
a garrafa e de lo.ooo a 14,ooo rs. a carca Ameixas francezas em caixinhas elegante-
"iin urna duaia. mente enfeitadas de l,5oo a 3,ooo rs. a
Bolachinba.de soda especial encommenda ea j caixinha, tambem ha latas de 1 '/i6 li-
mis nova que ha no mercado a 2,2oo rs. a bras de 1,2oo a 4,5oo rs. a lata,
lata. dem em frascos com tampa de rosca a l,6oo
Afinam-se Hanoi pelo |ireco cima : no hotel
I: ivj.ita, ra trjdo Mosario, se dir quem afina
M Fabrica Concei^Tio da H
labia.
Andrade & Be(M, reeeliem conslante-
ui -ule e tem a eada no seu awnazem n.
\'. da ra d< (mpAradnr, algodao d'aquel-
g la fabrica, protrrio para aaceos VSND1S.
Rtscoitos ingleaes das melhores marcas em
latinhasde 2 libras a l,3oo rs. a lata.
Idcu inglezes craknel em latas de 5 e 7 libras
de 5,ooo a ttoaa rs. a lata, e em libra a
8oo rs.
i Queijos do reine enegados pelo ultimo vapor
a "S ooo rs. rada um.
dem prato a 9oo.rs. a libra.
m
Na cocheira do Antonio Refinador vende-se
urna ptima paielht de i-avllo^ pretos para aman-
sar no carro, e muiio boa : a.pes>oa que quizer
comprar, dirija-se a-referidacodieira.
^^^^---------..-___----------
Xinfo Antonio
Ac!ia-se venda na typograplmda ra do Impe-
rador n. loa tiezenadt; glorioso Santo Antonio.ntl-
damente, mnresso, em an foihein, *J>ra indispenst-
i do fciesmo .-autu.
rs.' o frasco.
Chocolate portuguez, hespanhol, francez e
suisso a l,2oo rs. a libra.
Conservas inglezas das segninUs marcase
Mixde-Picles e cebollas simples a 75o rs
o frasco.
Ancoretas de vinho colares a 5o,ooo rs., e
a 72o rs. a garrat'
de ncn c Cinn pndr*i$.
Nao eslava bem a aguia branca dei-xar Bear to
graBde parte do sua boa fregnezia sem essa>
apreciadas flvelas de ai;o e com pedras, e |>or toan
apressou-se em mandar buscar o bello soniovnt-
nue acalia de receher: e bem a>sim as neci-ssaria
litas, i'iijos nuvos e bonitos padroes aslornain afra
daveis aos olhos de todos ; rcsla, |ois, que os pre
tendentes, mullid"* do duibeiro, iurijaiu-ee ru
do Queimado, loja d'aguia branca n. 8, onde tan
bem lia bonitos cintos bordados com borlas, eU
Extraordinario sortiniento
de perfumaras.
A superioridade das perfumaras que a aguia
branca vende est incontestavelmente reconhecida
e isto i'oniirma a grande exlrarcao qo Ihe* vi
dando os-apreciadores rio bom. A agnia branca,
porm, leudo seuipre em vistas o bem servir a su
boa freguezia, tanto da cidade rumo do interior,
mandn vero extraordinario sortimento que ac
ba de receber, vindo conforme suas reconunenda-
c5es, sempre da inclhor qualidade, sendo :
Agua de Colonia em garrafas de diversos tamaito?
e moldes.
Dita dita em frascos redondos e quadrados.
Dita dita ambreada em frascos verdes.
Agua ambreada para bauhos.
Dita balsmica e denlrifice para conservacao das
gengivase denles e bom balito da bocea.*
Dita de flor de laranja.
Dila de rosa e dita de Florida.
Dita de la vander e toilet.
Dita de allmense para alisar e segurar os ea
bellos depois de alado.
Dita de Mallabar e Hoide para tingir os cabello
Banha transparente e lafornesa.
Ditas linas em frascos de diversos moldes.
Dita dita em bonitos vasos de porcelana.
Dita dita em latas.
Dita dita em eopinhos, sendo creme, duqueza e po-
mada imperial.
Bahuzinhos de video com perfumaras.
Caixinhas com 6 frasquinlms de cheiros.
Cosinetique (ou pomada) superfina.
Extractos finos e de agradaveis cheiros em bonitos
frascos.
Dito frangipane, cheiro novo-c mui agradavel.
Dito ile sndalo.
BMencias concentradas, com differentes e finissi-
mos cheiros.
Leile virginal para tirar sardas.
Dito de cacao para amaciar a cutis e conservar-
Ule o lustre.
Maeassar perola.
Oleo philocome superfino.
Dito de babosa.
Opiata ingleza e franceza.
Pos de coral e de Lubin para denles.
Saboneles linos quadrados e redondos.
Ditos finos em caixinhas de tres.
Ditos muito linos para barba:
DiUis creme de amendoa em vasos de vidro e por
celana.
Tnico oriental de Kemp.
Vinagre aromtico.
Dito ou leite d'ires para acabar as espinhas do
rosto.
E assim mnilos outros objectos de posto que na
compra dos quaes o pretndeme ser satisfeilo
por deixar os cobres na loja d'aguia branca, ra
do Queimado n 8.
Objectos de phautasia viudos
para a aguia hrauca.
A agina branca receben novos e bonitos objec-
tos de pbamasia, alguus dos quaes nunca VjtOf
aqui, sendo :
Ronitos aderemos couqilitos feitos de perolas falsas.
Ditos ditos de pedras, por cuja perleicao e bom
gesto quasi se au distingut-m das verdadeiras.
Lindas pulseiras de mosaico.
Dila dita de pendas falsas lanto para senhoras
como para meninas.
Dila de chapa de crystal com listas douradas.
Dita de cornalina branca, azul etc., ele.
Bonitos alfineles e aunis para grvalas.
Bonitos pentes de concha, obra de apuradogosto.
Outros traversos com podras para meninas.
Bellas guarnicoes de pentes dourados, ornados
com caixos de uvas, Ritos de aljfar, obra su-
blime.
Outras igualmente bellas, todas de fino dourado e
com pedras.
Oulras a tai lampadas, nada inferior a aquella.
Vollinlias de aljfar branco e de cores com cruze>
de pedras.
Essos e outros muilos .objeclos acham-se a venda
na ra do Queimado, loja da aguia branca, n. 8
cif, embalar aii-odj empluma etc., etc., jj^ I -val para os devoto
MjMd prego onfe/MOBfel. B Veade-se urna hamaca nava Ae quatro via-
L** 'SlSl^'Si "4f MI v* W ^)M^SW'm ,1<,"S' bem ''0,l>"'llilly. 4* i- caixas, boa v.-leira, a dem com 5 garrafa de viabo da Figueira mais
inheiro o. mesmo ^jnmrtggib** proprio para a nossa ^^ |(0r ft r ma|g
Aii^;a-se o primeiro e segundo andares da firmas: aenleii
cha n- t**" la ra liuueriik! : na ra a Aurora Beato de Barros Fcij
nimaiero.ac.
Arreiidamento.
Freguezia des fugados.
Um lilio.eom casa no lugar da Piran^a, urna
olaria aa ra do Quiabo, um Mim com casa na ra
do Bue; ajtr.itar com Rraneism Carneiro Maohado
.iiios Juiuor na mesma fregueiia, ou com otenen-
to-coronet ilana?l Joaquim do Kego ^Ibuquarque.
Arreada-s o engenbo Carra, silo na fregu
zia da E>rada, tem proporcoefi |uwa dous a tres
mil-paes, e excediente d'agua : a tratar no enc-
nliciaamburral na mesma freguma.
O abaixo asiga ido ipiereiido clle.i-tuar a
ftiieijos do serio.
Chegou nos ariiiazens da Brujante Aurora e Au-
rora Brillianle, nu largo da Santa Cruz ns. 12 e
84, esquina da ra do Sebo, os verdadeiros quei-
jos do Sei ido io jilo frt-Beaes.
Empreza daiiiniiiiaeo
a gaz.
Todas as vendas .de apparelhos e reclaaiacoes
|ior escripto daudo nome, morada, dala, ele),
de\vrn ser Ceitas no aunazem da ra do Imperador
n. 31. Os madiuiistas niaodados para attendera
estas, apresentaro um livro que os reclamantes
jpresenW-se no praso de tres dias. Iteeife 1G de
nuv'o de 1664.
Joio Francisco Borges Ferreira.
PrecJ*a-st* de ui*aiteiro de la 16 annos
iara un aruazein de &al ; a tratar na ra Impe-
rial n. 221.
GftANDES E-UQ HITOS
espel.lv is do unidos
A aguia branca em conlinnacao de suas encom-
mendas mandou vir, e acaba de receber grandes
espelhos dourados com mui bonitas e modernas
molduras, e vid ros de primeira qualidade, vi.-ta
do que o pn-iendente que sabir de casa munido de
dinbeiro e com disposicao de o gastar na compra
de um desses bonitos espelhos, diripir-se a na
do Queimado, loja d'aguia branca n. 8, quesera
tieni servido. Tambem ha espelhos quadrados sor-
lidos efn lainaiihos, e com molduras domadas.
de porcelana e escaria'
de i ras de vh/ro
A aguia branca tanibeni manden vir bonitos jar-
ros de porcellana dourada e de differenles tama-
Palitos do gaz a 2,2oo rs.a grosa e 2oo rs. a j D|10s assim como rscarradeiraa de vidro, objectos
esses sempre nece.-sarios para o bom tea das sa-
las ; resta comente que e comprador dirija-se com
dinheiro a'loja d'aguia branca, na ra do Queiina-
Vinlw, em pipa das mais acreditadas marcas Sardinhas de Nantes a 32o rs. a latinha.
coKO sejamBA F., PRR, JAA, outras Charutos das mais acreditadas marcas de
muitas marcas. Perto, Lisboa e Figueira ; a I6oo, 2,ooo, 2.5oo e 3,5oo rs. a caixa.
de to, 5oo, 56o. (54o e Hoo, rs., e o do Mem suspiros de Jos G. F. a 2,too a meia
Port fino em garrafa, e em onada a aixa.
3,ooo, 3,5oo, 4,060 e 6,5oo rs. omelhor Champagnhea melhor do mercado de IS,00d
do Porto. a 2 i.ooo rs. o gigo, e de 1,2oo a 2,ooo rs. a
Idem.H'irdoaux das mate acreditatlas marcas garrafa.
a 7oo rs. a garrafa, e a 8,o Garrafes com 5 "garrafas de superior viuho ma.
do Porto a 2.2oo rs. com' o garrafao.
dem de peso pautado ou lizo de 3,5oo a
4,ooo rs. a resma.
Matarana a 32o rs. a libra.
Milho aipista e painso de i6o a 2oo rs. a l-
bra-
te atlendidos.
U hile liar r.L
Fiaiiciseo AugusU ik
atteogada
Kl'A DO iMI'KllADoll S.
Costa
MJD. ..
O abaixo accignado avisa s autoridades policiaes
e eapitaes de campo, e pessoag particulares, que
no da 12 do correte veio casa do abaixo asig-
nado o mulato Joan, com os siguaes seguintes:
falta de denles, barbado, de idade 50 annos, pouco
mais ou meos, mio dej-corado e Itet-e agunten-
te, eseravoda Sra. D. Antonia Francisca Cada va l
Pinto, veio mandado do senhor moco, Miguel
Ferreira Pinto, alugar um cavado com cangalha e
cassoaas para ir buscar urna carga de taranta* pa-
ra d naes do cavallo sao os s^ulntes: rnco pedrez. cas-
trado, aberto de cima, anda baixo at ineio. frente
foveixa, anuido, espinhaco corcundo, cauda com-
prida, grande, tem urna cicatriz anula por sarar,
da cangalha, ao p da pa, do lado direito nao estou
cerlo no ferro, mas tem alguns ferros : graiifica-se
bem a quem o pegar, levando ao Caminho Novo
ou Chora-menino.
Jos Antonio Marques.
Pede-se ao prdfcrietario da casa da ra das
Trincheiras n. 17, ou a quem suas vezes fizer, que
ordepe a quem mora no sobrado que uo bote rou-
pa a enxugar em cima do Uado do visinho, tob
pena de ser obrigado judicialmente a tapara pare-
do do oilo. ou bolar grades litas para impedir o
despejo at d'aguas ptridas.__________________
(obrado mobllhad*.
AlD?a-e o primeim andar do sobrado
Nova n. 39, com
moliiba nella existente
da ra
a ira-
MMHmsilEPtTENTE
de trabalhar mo para
desicarocar algod
FABRICADAS
Por Plant Brothers & C.
OLDAN
Estas machinas
poderndescarocar
qualquer especie
de algodao sem
estragar o fio,
sendo bastante
duaspessoas para
o traballio; pode
descaro^ar urna
arroba de algo-
dao em caroco
em 40 minutos,
ou 88 arrobas
por dia ou 5 ar-
robas de algodao
limpo.
Esta machina
a nica que
possue as vantaeeos de nao destruir o lio do al-
godao e de fazer render o dobro de qualquer ou-
tra cora'menos traba I ho, a sua introdurcao para
as provincias desle imperio ser de muito valor
para todos os inleressados na lavoura do paiz.
Assim romo machinas em ponto grande do mes-
mo systema, para serem movidas por ammaes,
agua ou vapor, as quaes podem de>caro(jar 18 ar-
robas de algodao limpo por dia.
O algodao descansado por estas machinas tem
muito mais e^imaejio nos mercados de Europa e
vende-se por maiur pree->.
As machinas se achaiii venda onicamenie em
casa de
Siiiui.lci's Hmllirvs <'..
V. II, praca do Corpo Maulo
RECIFE.
nicos agentes nesie paiz.
fresco a ,4oo rs. com o garrafao.
dem com 5 garrafas de vinagre a 1,200 rs.
com o garrfo.
Viuho tiran-o g mais superior que vem ao duzia.
Boeso mercado a 56o rs. agarrafa, e a Vasos inglezes de 4 a 16libras vasios, muito
4,3oo rs. a caada. proprio para deposito de doce manteiga
Velas de esparmacate as melhores neste ge- ou outro qualquer liquido de i ,ooo a
don de 56o a '64o rs. o ma?o, e em eai- 3,ooo rs. cada um.
xa ter grande abatimento por haver Licores, das melhores marcas e mais finos
grande porce. a I ,ooo rs. a garrafa e em caixa ter abati-
Azeite doce em barril muito fino a 64o rs. | ment.
a garrafa e 4,8oo a caada. Cognac verdadeiro inglez a 9oo rs. a garrafa
fdem francez refinado a Hoo rs. a garrafa. e io,5oo rs. a caixa.
Ervilhas francezas epurtuguezas a 64o rs. a Chouricas as mais frescas do mercado a 8oo
lata. rs a libra.
Bocetas eom doces seecos de Lisboa de 3oe Genehra de laranja em frascos grandes a
a 3,5oors. cada uunc I l>2oo rs. o frasco.
Toucinho deLisboa a 3oo re. a libra, e a Serveja das mais acreditadas marcas a
9,ooo js. a arroba. 6,5oo a J ti zia e de mais a 5oo rs a garrafa
Botijoes com 10 garrafas de azeite doce a dem em botijas e meias, sendo preta da
5#5oo. muito creditada marca T de 6,5oo a 7,8oo
Caf de l.1, 2.* e 3.a qualidade de 26o, 3oo I rs. a duzia.
e 36o rs. a libra. doCear de8,5oo, 8,7oo, Pimenta do reino a 34o rs. a libra.
e 9.000 rs. a arroba do melhor. Farinha do Maranhao a 14o rs. a libra,
irroz da India, Java e Maranhao de 2,8oo a Tijolo para limpar facas a 16o rs. cada um.
3,ooo a arroba, e de 8o a loo rs. a libra. Cominho a 4oo rs. a .libra.
Passas muito novas a 8,5oo a caixa e 5oo Erva doce a libra.
iVo armazem e azcud s lnatvs de
S mos oribe, ru* A lifiMadt, a.
t9, veade-Me seg-iule-
Adeiea.
Pee/lincha
Pecas de algodao ttm una pr.fi-tu MM ftU
ar.insimo preco de .'Jj.
aibcrtM de chita da ludia -pelo baratsimo n
de -ii ,. 2-5500. J
encoj-s de ludio |m-Io liaralis-imo pvgfi ?X.
.cueces de bramante de linln, iihj i-k oaraU-si
pirco de3#2.
Lenfos deftmd.raia bratcos proprio |
la i i I i'ah--in:o pieco de i a dll/u.
Mgodo e:.r, -i.-i.i-- com 8 palmo. de lai. ira i
liarali-im i i- co de 1 j \ara.
Rramanle de linbo lino coi o 10 pal,,.. ,- \lf
a UfO* a vara.
Aloalliado adamascado proprio par.i ->. \-mm*
pelo baratsimo i n-co de mu .n.
eras decambraia de torro a 2fti0 -,.
Tolhas alc-nhoadas proprias pata m i!|a
duzia.
Esleirs da India, proprias para forre de sota.
le l, 9 e G patino* de largura.
Cortes de calca de ranga amarrlla r?-- i -.-ira r.
le quadros, pelo baralissimo prego de 1-ftDt
cne.
Cambraia adamascada com W raras, pmpria
para cortinado, pelo baralissimo pi- !,;t\H
i p. ca.
Rteaa Uwilwha^ara wtW, f.. j- oda .i wHanr
pie tem vindo a mercado, lanto em ye-ro nmtf
mu qualidade da fazenda, |ielo laratfHHM pnc-
I-- 560 rs. o rovado.
Ricos corles de la.i de barra V.n i \ Pia a
Pecas de cambraia de salpico ptlo bui.
preco de i.
Variaba le andlora
de Santa Calharina, e da mais nova que ha,
muilos bons NWeoa e a preco romnodo : M
mazem do Aunes defronlo da alfamb ga.
m
VT
}

do n. 8.
dade.
onde ser servido com agrado e sinceri-
a libra, ha caixas meias e quartos.
Sevadinha de Franca a 24o rs. a libra.
Mostanla ingleza em p a 15 o frasco.
Cebollas a 8J a caixa e l,2oo rs. omolho.
i Canella a l.ooo rs. a libra,
i Vassouras de piassaba de dous arcos de fer-
ro a^32o rs. cada urna.
i Latas com banha refinada com 10 libras a
' 4fj5oo.
de !A; p;pa hornea e s- litara.
A aguia branca, na ra do Queimado n. 8, ven-
de mui boas meias de 12a para homem e senbora.
e pretas de laia e de seda pata padres.
I'ai'.i familias.
E chegado na nova loja de miudezas na ra li-
reia n. 104, um rico sortimento de modas, e os
pinitos desojados enfeites doxede com froco, ditos
com lilas cascarri-ha, ultimo gosio, a 5,5 cada um,
garaiilindo-se as familias, o desali de oulro qnai
quer que se aprsenle de melhor tiesta fazenda.
Salitre refinado, superior qualidade, vinho Hor-
deaux, differentes qualidades, mais barato une em
qualquer parte : no armazem de E. A. Burle 4
C., ra da Cruz n. 48.
Na na da Cadeia do Reci-
fe n. 50.
Tem para vender um balcao muito bom, urna
ba lauca, pesos e seus pertences, 3 candes para
caf, arroz etc., etc., 2 fiteiros para amostras de
talharim, macarro e outros ohjectos, tem mais
um armario envnlracado muito bom e proprio pa-
ra taberna, vende-se em conla.
Vende-se a taberna do caes d'Apollo n. 57
que faz soffrivel negocio de liehidas, alm de al-
giun mais de comestiveis, boa para um princi-
piante |H>r ser de poucos fundos : quem pretender
dirija-se a mesma.
BOTIC\B\RTIhlOJIE4K
Hita larga de Rosario ii. 31
Todos os remedios do Dr. Chable.
Capsulas e injeccao ao malico.
Injeccao Paug "
Pilulas do f)r. Alian.
Pilulas do Dr. I.aville.
Pilulas do pobre-homem, excellenles contra rheu-
matismo.
Pilulas para sezoes.
Pilulas e ungento Hollovay.
Phosphato ferro de Ierras.
Todos os remedios de Kemp: pastilbas, pillas,
anacahuita, salsa de Bristol, etc. etc.
E muilos outros medicamentos e especialidades
que sempre se encontrarlo em dita botica.
MachlnaN inglezas
para descarocar algodao as melhores que Queijos frescos
tem vindo a este mercado : ra da Senzala a 3,5500 e 24200 : no armazem da Estrella, largo
Nova n. 42, em casa de S. P. Jolmston do Paraizo n. ti.
te,
Os
Vende-so urna negriuha de 11 anno, e om
Vendc-se a armarao n pertences da taberna
da Soledade, rna de Jlo Fernandes Viira n. 64,
muito alreguezada e em boa localidad--.
Vende-se urna mulata de 30 annnsboa engom-' para conduzrr arda ou lijlo com roquea concert
madeira. cozinha bem e lava de sabo : na pra?a '. que se faca : a tratar com Antonio do Reg Me-
'.__ Vende-se em Santo Amarn, passando o hos-
pital inglez, um terreno com 300 palmos de frente
e 700 e tantos de fundo, foro de 90 rs. o palmo,
retalha-se de 30 palmos para cima; e tambem se
vende urna canoa de carreira, e nina nutra propria
tar no meirw foerado, das 9 hora da manhaa s moleque de 6 annos ; na ra dp Imperador n. 46, da Boa-Vista n. 30, segundo andar, ao p do cha-. deiros, taberna confronte o chafan* ao p da fa-
4 da tarde.
1 armazem.
fariz.
brica.
ATTENQAO.
Vende-se a parte de um sobrado de um andar e
sotau em perf.iloestado.livre e desemharacado, em
uina boa ra do bairro do Recife, bem como um
lindo molequinho de idade 7 annos, e um pelo
proprio para sitio idade 35 annos : na travessa do
Carino n. i.
Fore/o de Lisboa
da marca N, chegado uliiinamente : na ra do Vi-
gario n. 19, primeiro andar._________________
Para mover machina de des-
carocar algodao ou de qual-
quer especie.
Vende-se mu expeliente e roto caixao para tra-
balhar com cavallo, servindo de motor para ma-
china de descarocar aIgodao nu para qualquer ou-
lro mislcr : a tratar na ra Direita n. 84, muilo
barato c muilo econmico pela simplicidade.
. Vendem-se arcos de pao para uso de pipas
ltimamente, ehegados do Porto : a tratar na ra
da Senzala Nova n. i.
n\m SE
um boi com carroca, ou troca-se por um cavallo
qqe tenha andares : na Passagem, no sitio do Dr.
Firmo, se dir quem.
ova exposicao de fazHia>
baraissimas.
Loja da Arara-* u.- da linter Iriz t.
propi'ielario desle grandec-uli-lermrM>, Lr-u-
rencxi Perrira Memles iiuniara> >. 1 i.HneUe r
pro vender barato para apurar diiib- u>>
Cirande peehlaeha, rrcs d caa-
aa a xooo.
Vende-se corl'-s de cas.-a fralireza para v
a 2<5, dibft a 2.*iOO, corles de candi'
olas eom I vara de lar-.-ura a 5. ti i:- ertr k-
bados a 3-5 na ra da Imperan it n -i6, !mj3 tt
Arara.
Ilrunt;titic de llnlu. a ?#?.
Vende-se bramanie de I i 1 > i a de MI ktaaol de
largura, proprio pata lencoes. a ;iit*i 1 ora
panno di- lindo de V 1 al.....t f lM| 1 MOa va
ra, hamburgo de linbo a %M), 4tl r 1 '" rs. a va-
ra, bntanha de linho lino a IVM) e ki n- 1 \m.
bruii de linbo biancoa IA2ik. l-i'i-
a vara : na loja na Arara, ra da kR| eratris B.SS-
l'ilo dr lialio a NOC ra.
Vendc-se Mi de buho muito lino a *> 1- a va-
ra, dilo de cor e branco a M 1- i
lana de cor a liiO a vara : aa ra di impealrr
11. -iO.
forte* e caMrnlra 1 ?H.
Vende-se cuites de ras. ini.-i d. 1
Bnoa I 3,5. coiiis 1!" -.iiif.'i franc-7.- 1 f-", dio
de hrini paulo a l,*HOO.i i-J : rna di I r -.j
n. "iti. loja da Arara, de I -n-'-- -, .
Chitas d:i Arara a Z f C vs. m >-
vado.
Vende se dulas escuras .- rlara- a W
rs. o corado, ditas finaros* a aja, tji. Mi
rs., riscados IhWlWI I NO r-
rao de linbo para v.-iido- a MI 1 .- ,..- : .. -
tao de corda a 501) rs., gangas para r-.|. .- 1
luis a ille ."iiiOr-. o co\a.|ij : 11
u iz n. M
\ Arara rrndr balars a -
Vende-so bahies de l, #. W9 wv, !*
melhores que tem vindo ao mercad... .1 3t\ '* U
e i.J, o dllos .'i- lu illi.iii'iiia .1 1 ",.
nboras muilo lina- a 500. 'iHO .- :,*i: i
kM para nieiiiniis a l>MO, para ant r, oak^dj
ra da Imperairiz 11. .'iti.
A Arara i. i-elu i imvos m.iiIi-iiio..
de giiiMlenaplc ncaiiien'e
por "2A e OH, i":i|... ir. : 1 ,i
manteletes de r,,-deuaple da Mprtka HJiKtMa
de : na loja da rM da luq'.ra'rii o.
Cassa o."!|aml;,sa M uraiadt.
Vendc-se cas-a oigaiidxs pan \ -i. a iV
su e 310 ri- o coia-lo. i-.nl.-- .|.- ib 1 li r
vadosa.')-), dllos de lai eoiri |,..n., H IH
da hnporalrfa n 5t; de Mmdr '.
A .Arara rende taatapdataaarfl raptado a
Vende-M-p.-i-i, d-- mu m 1 I fi
a M, ditoiiiL'l. 1 mu 21 jardas a fi-Va. 7>. >-
95 e 105, pecas de algoo*. rprxn ,
75 na rna da Imprntril n. 30, I 1 .1. Ii
Ciraadc sortlmcutodr rcni.i
fella.
Vende-se palitols de panno preto a 124. Vi
e 11-5, ditos de iiM-.a casemira a :\*m 1 >"iiai 1 -
dilns de bi im lino a 1^5, AJ-'a).- Xj. rute* de >h
I 250X10 .-. 2-5, dilas linas da brim aord 3*. da-
las de brim branr-i a 3-5Xio 4.5. r
libo a I5N00 ,- 2-}. can.is.-i. fraio .-/..- .'.... a t**
p 25-">0O. dilas de ludio .i :i-5, jar. s ,:,- ,,. ,t -_-i
2iO e 320 rs. grvala- liiu. pn la- e-mr -
il.-iil.is IMS ponas g |A, dila< para m. M
.'KI rs.. i'olariidios lie bullo a Vm r- ; -
da Arara, rna da lmpei.ui/. n. H, loja*- Mer.de*
Giiiluaraes.
Cirandc prrliinrha de laxiat: j
a 941 rs.
Vende se laaiinha> para oaMM
4"0 e 300 is. o covado. d,:.:- iiiiii! -
lizas. pTuprias para rapa* r n -le:
.'0 rs. o rotada, ditas mm
rs. o covado, dilas de \ patarao .!
palmas de tadj a 720 o avado, |.priiM amia a
na de ricas palmas a 12IK) o aaad : aa rna da
Imperan iz n. :Ui, loj.i da Ar.ra n. .Vi.
I a /.en I as pura aeiiborasi. s!(i
tilias a *M r .
Vendc-se gulinli.is i-ara raaaara a Hl. :t*> eSN)
rs. cada urna, cimi.inbas para s^nhurasa I*. I4JB0
e 2, ili'as tninI-1 linas rum gollinhas a i->> ) : aa
rna da lm|>eralriz n. 36, l-ja da Arar
A Arara vende faze-arfa para
luto, eaasas a 30)o ra.
Vende-se RMM prela lina a .120 r-'. o orada.
lia prett para han a M) rs. o covad alpaka
prela aSOO, fiiOe SOOrs, iH.mluzina a I5't0ii i
carado : na roa da lui|>erairiz n. t\ l.-ia < ariaa-
zem da Arara, de foorenco Peroira Jlen.ie* lai
maraes.
Cortea de chita a tjftm*.
Vendes*- corles de chitas de mrr* Bx.is omi H
corados a MiiiO, dito* linos i i-W. Mar d rW-
cado francezes com \h corados a 3 : aa roa da
Impcrairiz n. 36. luja da Arara.
Vendf-sc alpaca prrla a aOU rs. raiadt~
Vende-se alpaca preta para ti-Mid* a 3ta)
700 e 800 rs., linalle rarifci a 800 rs p ira ;
lot, prim-eza pn-ta a HOO t.i.i,, ,-,
ua preta lina a liVuo o rawata, akanaana >rrfa
para senhora que est.io de lu'... a ?-.
na ra da imperairiz n. 36- A l..j i ota ahrrtaao
s D lloras da noiie.

:a.
:
Oaa a i*
.
GAZ GAZ GAZ
por preco rednaldo.
Vende-se ea da melbor ii-ialnl de pelo
Vende-se Jim hom sitio, denominado Joco da '___ i mn i .- i. ir.<
Bola, na cidade. de Olinda, com boa casa de mora-1 Pre de *?* ^ ft g,,Kf* : "'
da, cacimba, tanque para banho, com bastantes ar- "lazem (lo Caes do Ramos C. 18 e I na rio
vores fructferas : a tratar no mesmo. |Trapchc*Novo n. 8.


>
Itlsrlo de
Terca
lelra 49 de
alo de lt4.
Lii'M'o da
Santa Cruz
11. 12.
Esquina daA
na do
Sebo n. 12 &
*r05
Koa da Senzalla Nova, n. 42.
Neste estabelecimento vendem-se: tacha dt
ferro coado bra a 4f rs., ideaiddLn*
Moor libra a 420 ri.
--------- ~m.>-..
m coiifeito e especifico para
expeilir os Vermes. <*
LtllLH4NTE AURORA
VOVO E
GRANDE ARMAZEM DE MOLHADOS.
Francisco Jos Fernandes Pires tem a honra de participar ao respeita\el publico
que hoje abri um novo estabelecimento de molhados denominado Brilhanle Aurora, ao
largo da Sania Cruz n. 12 esquina da ra do Sebo n. 12.
ii proprietario deste novo estabeleci ment pede a todos os seus amigos e freguezes e
ao lienevulo publico desla cidade e do interior, a sua protecgo para este aciado estabele-
cimeuto, certos de que em iem;.o algam abusar da confianza que at hoje Ihcs tem de-
positado.
No novo armazem encontrar-se-ha semprc um grande sortimento dos melhoresgneros
que ven ao nosso mercado e por precos os mais mdicos possiveis, certo de que em parte
alguna se vender mais barato e melhores gneros tanto em porcao como a retalho do
que no armazem da itrilhante Aurora.
A .-atisfacao da Brilhanle Aurora vender muito e muito barato, mais a dinheiro ;
a tabella do prego de seus gneros serao mudados todas as semanas :
novas em latas a 15400,
Ameixas franrezas
25 e 35500 rs!
Ditas em caixinhas muito enfeiladas com
bonitas estampas a 15400. 15600 e 25.
Chocolate franccz. hespanhol, suisso e por-
tuguez a l 2i)0 lia hbra.
Marmelada imperial dos melhores conser-
veirus de Lisboa a libra 600 e G40 rs.
Cha de militas qualidades.
Cha perola a 35 e 35200.
Dito uxim muilo superior a 35.
Dito miudinho a 500 e 25800.
Dito hysson miudinho a 35.
Dilo mais graudo a 25800.
Dito redondo muito boma25, 25500 e 25800
Latas rom diversas frucias em caMaa 500 rs. H't0 pret0 emnmass&s envollo a 15000 e 25.
Ditas com ervilhas a 700 rs.
Dilas rorq massa de tomate a 600 rs. a libra.
Ditas com ligos ermetieamenle (adiadas a
15600 e 25500.
Ditas com peixe de posta ensopado a 15
Ditas coa ostras pona rtg) Pitas com ngoieas rmrahas vindas neste
vapor a 6S5oO.
Ditas com sardinhas doNantes a 30e fifiOrs.
Ditas com holachiaha de soda aova a 25.
Dilas com biscoulos inglezes varios ttulos
a 15400.
Frascos cota musiarda prepprada a 400 rs.
Ditos .-om a verdadeira genebra de laranja i.'''';,..
a 15120
Espermacele lino o masso a 540, 600 e 640.
Velas de carnauba arroba it&e libra 360.
Dita de composico arroba95500e Iibra320.
Charutos nao ha quem tenha melhor sorti-
mento em canas de 100 e 50 todos dos
melhores tumos de S. Flix de 25 a 85
a caixa de cem.
Caf do Hii. arroba 85500 e 95 e libra a
320 e 280 rs.
Arroz de Java arroba 35200 e libra a 100
e 120 rs.
i Dito do Maranbao arroba 25500 e libra
80 e 100 rs.
Grao de bico a libra 160 rs.
secas muito novas a libra 200 rs.
a
Ditos grandes doas garrafas de hollanda 15- JEdoaSm fcVr? ""
Ditos com urna garrafa 5(0 rs. "Jf' oa* '''"? rs-... ,Bn
Ditos com conservas de pepinos a 800 rs. t^lT im* ^f?-.e ,,bI5,160 rs-
Dilo* com ditos de mexides e outras a 700' 2"ft "E?1? f.tbri F00 r.%,
800 e 15 I !>ev',da arroba 25o00 e libra 100 rs.
Ditos com azeilonas e ervas a 15. ,: Sevad.nha e sag novo a libra 240 rs,
Capachos para portas pintados de varias co I ^a.^v^.cJJ,n,1,.*lf ^ 15 8 libras a
res a 600, 700 e 800 rs. L 25->0e 15->"0 c libra a360 rs.
Manteiga ingleza llor a 800, 900 c 1 A. ,)0^1"5',a aioba ca'*oes grandes a
Dita segunda sorie a 640 e 720 rs. c 15200 c 6* rs-
baccos com gomma, arroba o5500 muito
aK Dita terceira sorte a 400 rs.
3$} Dita franceza nova de 01 a libra 600 e 640.
fp Dita dita de 63 a 540 e 560 rs.
)M Dita ingleza en barril a 600, 720 c 800 rs.
r Dita franceza em barris e meios a 530 e 540.
, anha de pono refinada propria para ba-
JlP nha de cabello a 440 c em barril a 400 rs.
3> Yantaos finos ha o melhor a
#, dse jar.
a> Vinho do Porto em caixa dos melhores au-
tores a 12-5, 145 e 165.
Dito em pipa a caada 55500, 65 e 75 e
garrafa a 720, 800 e 15.
Dito xi ivz muito fino a 15280 a garrafa.
Dilo Madeira a 15400 a garrafa.
Dito da Figueira puro a 45500 a caada e
narrafa a 640. 560 e 500 rs.
Dito de Lisboa a 35200 e 35500 a caada e
garrafa a 400 o 480 rs.
Dito branco puro de uva a 640 rs.
Dito mais baixo a 480 e 5'0 rs.
Dito Bordea branco e tinto a 75 e 85 a
caixa e garrafa a 640, 8i)0 e 15.
Dito moscatel a 95 a duzia e 15 a carrafa.
Dito de caj clarificado a 15 a carrafa.
Cognac verdadeiro a garrafa 15 15280.
Licores linos em garrafas brancas a 15 e
15280 is.
Azeite refinado a garrafa a 15.
Caplls de varias frtelas do paiz a garrafa
500 rs.
Garrames con 25 garrafas de genebra de
_ hollanda 85500.
Copa* lapidados para vinho e agua a dozia
35500, 45800 e 55500.
Ditos de cores a 65500 e 75.
Assim como mnitos outros enjertos quedeixa-se d
neira qualidade por precos baratis'simos.
boa e libra 180 c 200 rs.
Dita de araruta verdadeira arroba 85 e li-
bra 400 e 480 rs.
Aletria e macarro a libra a 400 rs.
Kslrelinha muito nova a libra 480 rs.
Presunto novo de lamego para panella a
560 rs. inleiro e bra 640 rs.
Chouricas e pios novos a libra 800 rs.
| Cerveja branca e prela a duzia a 55500 e 65
Vinagre de Lisboa puro a 15600 a caada e
240 rs. a garrafa.
Cartas rom fogo da China a 220 e 240 rs.
Tourmlio de Lisboa arroba 85800 e libra
280 rs.
Dito de Santos muito novo igual ao de Lis-
boa arroba 75 e libra 240 rs.
Figos de comadrea libra 280 rs.
Queijos do reino muilo novos a 35200.
Bolacbioa ingleza nova a barriquinha 35-
Tijolos de limpar faoas a 160 rs.
Massos.com palitos para denles a 160 rs.
Gratas, com palitos do gaz a 25200 e 200rs.
a duzia de caixinhas.
Latas com graxa duzia 13 e 100 rs. a lata.
Boides rom dita 97 a 280 rs.
Vassonras do Porto de piassava crossa a
100 rs.
Ifolhos com sebolas novas a 15-
Saceos grandes com farinha nova a 55-
Pitos com farello de Lisboa a 35800.'
Cominos, erva doce, pimuta e. folhas de'
Ion roa libra 400 rs.
Balakw para cosiuras de meninas para di- _
versos precos.
Caixdes vasios para plantaanes de muila
qualidade.
mencionar, mais ludo de pri-
' -::-rr "to" >:. '"'"
;deDUNAND
mPREMJ0j854
Superiores u l< da l rs re] ii
seguro e prompi,
Irfalliv!,
Kidttat hojcoairaM Conorrhjs e Blennorrhaplas ;a na:* intensas e'rebtMas.
ni clicas, nem Iramnr. Pacis i tomar cin sagrada st-m tisana.'
Injecoao curativa e preservativa
: icm iio.-r- tt : -ju:ii(!iuoaa os araaarva A-. i|uaiqu*r altera*;-.. -- l*AKIS. :, ra !<, MircheSi-H-non.
Deposito geral era Pernambuco ra da Cruz n. 22 era casa de Caros* Barboza
23-Largo do Teico-23.
Joaqoim Suna o dos Santos leudo de se reliiar esta resol vido a liquidare fazer urna grande
winlagem a quein m-u armazem frequentar. e vender por menos do que outro qualquer annuncianle,
cara isso tem um vanlaj iso -orlimento tanto oeste ariiiazeni como fura e para melhor servir o publico
o annuncianle scientilfca aos seus fregaezas que -tem frequentado este estabelecimento que de
hora em diante urn a vantagen de 10 a 20 por qenlo menos que compraran enl outra poca pelo
son prompto pagamento.
AtteiM.iio.
rs '-'inda sorte a 270 e Dito em caixa da Babia dos melhores fabricantes
Caf do Hio de prim
300 rs.
Arree pilado a 80 e 100rs. a libra e 25400 e 35
a arroba
Mlho alpisia limpo a 170 r^. a libra e 45800 a
arroba.
I'oucinho de Santos e Lisboa a 240 e 280 rs. a libra.
Pasea m carnada a 500 rs. a libra e 105 a caixa.
Azcite doce de Lisboa fino a 640 rs. a garrafa e
45800 a caada.
Dita de carrapalo a 320 rs. a garrafa e 25240 a
ranada. .
Mascas para sopa aletria, inacarrao e lalhanm a
480 rs. a libra e *105 a caixa.
Chonrteasas mais novas a 800 rs. a libra.
Charalos em macos de 50 a 65 o milheiro e
40 r-\ o rent.
a
Phosphortt du gaz iodo de conla groza 25300.
Manteiga franceza 600 rs. a libra.
Dila ingleza llor a 800 o 900 rs. a libra.
Hiscoubis e botaehinhaa de soda a 15300 e 25.
Vinho do Porto engarrafado a 800 rs., garanle-se a
superior qualidade.
Dilo em pipa Figueira das marcas mais bem co-
nhecidas a 500 rs. a garrafa e caada 35800
e 35?tt0.
Dto de Lisboa cspeci.il para negocio a 360, 400 c
440 a garrafa e em caada faz-se abalimento.
Dilo branco proprio para missa a 640 c 500 a gar-
rafa e em caada a 55 e 35500.
Ilolachiiiba americana a 200 rs. a libra e em bar-
rica ha grande abalimento.
DE
J. V
DE
I'GNES.
M. 5. RA DO
Fastllisis Veritl6ps
DE KEMP.
O mtnnia s peilciw irrito*, yotque
ell:is sSb <\" clieiro, sal? e cor agrada-
veis. A eli'jjancia, a segundado de ac-
eit, inotteneivo das
Pastilhas Vermfugas de Kemp
A l'.wt n.v BOA
(>iipo>irao exclusivaiiienle Vegetal,
sao estas pnjs as suas Tiicllif)res o mais
completas <1e. todas as rfconliiiendaces
(jue so posaa fazer e cun justa cazan a-s
colloco na categora d'iim favorito uni-
versal.
A Bnperiordnde das
Pastilhas de Kemp
obre todas as jnttpatSfOM destinadas
para o inesmo Jim devido su sim-
ples composico io seu aroma adrada-
vel e rapidez c infallibilidado com
" que alcanca a destriico total d
LOMBRIGA8.
A venda as boticas de Caors A Barboza,
roa da Cruz, e Jlo da C. Bravo &C, roa
da Madre de Dos.
RIVAL SEM SEGUNDO
Ba do Queimado ns. 49 e 35, toja de miudezas
de Jos de Azevedo Maia e Silva,- est continuando
no seu progresso de vender baralissimo :
Caixas do superiores obreias de cola e nlassa a
40 rs.
Cordao branco para vestido e espartilho, vara 30
ris.
Linbas de carretel (150 jardas) de superior iiuali-
dade a 60 rs.
Carloes de linha Pedro V (200 jardas) j muo
conhecida a 40 rs.
Grozas de peonas de 350 de muilas qualidades *
superiores a 500 rs.
Caivetes de duas folhas porm ijnos a 500 rs.
, Caixas com calungas muito bonitas para rap a
100 rs. v
' Franja branca e de cores para loalhas a 160.
Pares de boloes para punho muilo bonilos a 120.
Caixas com soldados de chumbo muito bonitos a
I 120 rs.
i Tinleiros de vidro com superior tinta a 160.
Ditos de barro com superior tinta a 100 rs.
Groza de boloes de louca praados, o melhor, a
160 rs.
Tesonras para costura, o mais superior, a 408 rs.
Ditas para unhas muito finas a 400 rs.
Escoras para limpar denles muilo superioresa
200 rs.
Libras de 15a de todas as core (pesada) a 75.
Caixas de phosphoros de segnranca' a 160. .
Dilas de papel amizade pautado e liso a *OOrs.
Ditas com 100 anvelopes muilo superiores a 800
ris.
Caderuos de papel branco- e de caras, pequeo, a
20 ris.
Cartas e laboadas para meninos a 80 rs.
Caixas com saperiores seas de atender charutos
a 40 rs.
Carreleis de linha Alexandre (200 jardas) de cores
1 a !0 rs.
Itaralbos para vollarete muilo linos a 240.
Cartas de alfinetes francezes muilo Sinos a 40 rs.
M Meadas de linha f xa para bordar a 20 rs.
Pares de sapaios de tranca muilo superiores a
15600.
Papis de agulha com um pequpno'tomie a 10 rs.
Groza de boloes do inadreperola ihuIo linos a
560 rs.
Cartoes e caixas de celcheles francezes superiores
a 40 rs.
Donis para meninos muilo finos a 155*10 e 25-
Macos de grampos superiores e limpos a 30 rs.
Groza de phosphoros do gaz muilo DOfos a 200.
! Areia preta muilo superior a 100 rs.
Caixas de rap com espelho a 100 rs.
Realejos para eatreter meninos a 80 rs.
Pecas de lita de linho muilo boas a 40 rs
; Peales de Uco muim bonitos a 15-
Enfulles de laeo de todas as cores a 15300.
Bodas corn alales francezes a 20 rs.
Caixas com ijuatro panels de agulhas imperiaes a
240 rs.
Sahoneies de familia a 80, ICO e 320.
Caivetes de duas folhas muito linos a 320.
Pares de sapaios de la a para meninos a 400 rs.
Sapatos de tranca para senhora e para hornera, os
melhores que tem viudo, e por precs muito barato:
quem quizer ver, venha ra do Queimado ns.
41) e 55, e vera tuilo enmo c bom e barato.
fiivaisem segundo.
Na ra do Queimado ns. 4* e 55. leja de miude-
zas de tres portas, est resolvido a vender ludo
quanlo tem no seu csUibclecimento por presos que
a todos admirara, assim vejam e admiren).
Frascos com superior hanha para acabar a 200 rs.
Bwiha transparente a melhor que ha a 600 rs.
Banha japonesa superior e garantida a 800 rs.
Frascos de oleo verdadeiro babosa a 500 rs.
Ditos de oleo verdadeiro que lea* urna mozinha a
500 rs.
Ditos de oteo superior Philocorae a 800 rs,
Sabonetes pequeos e muilo Anos a 60 rs.
Ditos inglezes, superior qualidade, a 160 e 320.
Ditos de bola muilo finos a 240 e 400 rs.
Vinagre aromtico e cneirose, garantido, a 15-
Frascos de agua de colonia muilo finos a 400 rs.
Ditos de dita verdadeira e que se garante a 600
ris.
Ditos grandes tambera verdadeira a 15200.
Frascos de cheiros muito linos a 200, 320 e 500 rs.
Dilos de agua de colonia grandes a 640.
Pares de ligas muito finas para senhora a 500 rs.
Pecas de fita branca de linho, superior qualidade,
alOOrs.
Grvalas de seda muito bonitas e superiores quali-
dades a 500 ai.
Caetas de osso lisas e torneadas muilo finas a
40 rs.
Duzia de lapis muito finos e fortes a 240.
Tranca prela lisa o melhor que ha a 80 rs.
Escovas para limpar dentes muito finas a 200 e
400 rs.
Pentes de volla para meninas regacar cabello a
500 rs.
Diles dourados para meninas regalar cabello a 15-
Fitas para enflar esparlilhos muito finas a 60 rs.
Varas de fila com ilhozes para vestido a 100 rs.
Abotoaduras de muito gosto para collete a 120 rs!
Frascos de oleo de macaca muito superior a 100
ris.
Agulheiros de Jacaranda muito bons para agulha
a 200 rs.
Espelhos de Jacaranda e brancos de columnas a
25500.
Duzia de facas e garios com dous boloes, muito
PARA BEM DE TODOS
FAZEI FAVOR DE LR ESTE ANNUNCIO
da ecouomia domestica que se vai tratar.
* 0 assumpto importante.
DBSM OIIIIIO-Ni: %FI Vil,
0 verdadeiro e principal armazem de molhados odo
BAL
IZA.
Muciif m contestar esta verdade.
A fama far correr ein noticia.
A posterldade benidir o nonte do Baliza.
Actualldade Batel palmas de eoatentamenlo!
A-
faites*
Sem mitras nem coros para ornar a fachada de seus anuncios, e as portas do edificio era que habita, Baliza sr
contenta em tomar o seu lugar de honra na vanguarda de lodos os honiens do progresso.
Sopre emhora o maldito Clarim, o seu toque de retirada a marche-marche do desacreditado Progresso: arme a ttfnla
dos falsos apostlos da sinceridade no tralro, da realidade na pratica dos negocios commrrriaes. revele finalmente a sua
grande nsobordinacae fingindo desconherer os seus superiores, deixando-se ficar sentado, em vez de perfilarse e fazer a
continencia do estylo, porque o incansavel Baliza semprc fiel ao seu juramento lera continuamente na mellu.r urdnn lodo
seutrem de guerra e no mais complecto movimento, o seu presumo para bem servir, desde o mais simples .amarada ate
o mais alto general da primeira classe do exercilo dos seus constantes freguezes.
Entremos na materia :
sentido:
ordeh no ni %.
(p Desde a 1.a publicaran deste anpuncio at segundo avis Mmdl Pedro de Mello, proprielaii" do grande arummi
.fyffi), do Baliza estabelecido ra do Livramenlo ns. 38 e S A vender a todos os seus freguezes.
Cinco por cento menos
que qnnlquer dos seus amaveis collegas que por menos animnciar. Qualquer objecto qye nao rheune acontento ** je-
nfaores compradores, pode ser devolvido ainda mesmo pelas pessoas que morarem no centro da fiw'mm.
O dinheiro recebido pelo gener0que nao agradar ser rmotudo sem constrangmentu algum.
Declarafo Importante.
falso o boato que tem frito espadar o soldado aaprader da ra do Queimado 3c que se acha >- Bal i/a assocmll
ao armazem Uniao Mercantil aborto a rna da Cadeia do bairro do ReeS.
A liga entre os collegas um crime de lesa-povo.
E entre-tanto o Baliza ligueiro.
Ligueiro sim das ideas liberaos dos progressistaa de odo o universa aos innlhaMnln ama ntimos de n-u curario.
Oeste modo de pensar ser o Bauza eternamente coflservador.
' T.3E; ?::* "taso'
*>,

BAIRRO DO RECIFE, BA DA CADEIA N 50
0 mais novo e o melhor
AHIfl A3KK.M HE ]?IOIilff A'DON
Esquina defronte da roa ch Madre de Dos
I Raa \\-a Sruj'la a. 42.
Vene-se. em tasa dS. P.Jnhrstf' ir...
sellins e sillines inglezw, randieir.se ast
caes bronzeados. lonas ingleza.*. le. dvfa
chicoteo para carros e ncontaria. arrr> par
carros de um e dous caballos, e teU>gM* o
ouro iiatente inglez.
Veadc-se urna barra.a i|i .arr^i |;
eos 115 caixas) : para tratar, a ra ha
n. 83. sezundo andar.
lfslt da Kaliia
para sarcos di asmar anm de .-mt*
para vender Antonio Luiz Si oiiv, ira San
C, no sta escriptorio ra C Oux n. I.
J" A
&
s

co-
Antonio da Silva Campos, HKcesMr daaoligo Naseimea, defronte do beeto Largo, bem
aftcaMoj nesla pra^a, araba de transferir t> seu estabi-leeiineoto para a casa cima indicada, onde
os se"n6 benvolos amibos o fregoezos, bem como o resneiUret publico em geral encontrarao o mais i
vaciado, escolhido e mellisr sorliineiilo de inolliados, a par do aceio, elegancia e bom rgimen do esta-!
belecimcnlo. vindas de I i>l o
- O aniuinriante, tendo feilo urna completa reforma no locante a casa e gneros,, possiiind- bons, meiro andar '
correspondentes na Europa para remessas de conla propria, aeha-se convencido nu' merecer a pro- -------
tengao de lodosos amigos do bom e barato, a qual desde j reclama, asseverando-lhes que jarais des-
merecer a con flanea coa que se dignare de o honrar.
Em resume, visita rwBeitsjri potiN o novo a superior armazem Moviraentn, rnmpro-lhe al-
gas* gneros, e ento bai convencido da sealidade da presante aviso, verilicasdo por si taimo que
nenhum ontro eslabelecaaento o serve melhor que esle, soja em comuiodidade Je presos, agrado e
delicadeza, ou legalidad* de pesos e medidas.
Finalmente, tudas e quaesqm-r garantas que eslabefeeimentos idnticos teem orTereeido
eaacorrenles, serao mautidas neste em era mai'or.
\ende-se ou dase soatSE fDtraaS
dinheiro, n'iima tabi-rna. a qual .-. rm
gar : quem huarsanr, filie n<> arsasan j -fva-
livo no largo do Teras n. .
CIIAl'OS.
Ricas chapelinas de palhade li.,|,a a rtnmm a
Marta Pa. chegados no riiimo
da l.iilepi-nil.iiea ns. 14
*apor : n.-. yrara
Solriras de cantarn
na ru do Vigari* n f-
aos
E^rn-m
. illl'l ItllMM! W. ...
s pinnos desia aaaga fabrica sao liojc assaz couhecidos para que seja necessario insistir sobre a "as a "S-
nondado, vantageasagananasqae Offereeem aos conmradoros, qualidades estas incontesU- Duzia de facas e garfos, cabo branco, cravadas, a
.,,s que.elleste.ii .kiiiii'.ivam.:iiie conquistado sobre todos os que tem apparecido nesla praca ; pos-i 25800.
saina i. nm teclado maclnnisnio que obedecem todas as vontades e caprichos das pianistas, sem Pegas de ntremelos muito bonitos a 700n.
nunca 'alhar, por sern abncados de proposito, e ter-se feito itintamente melhoramentos importan-
UHumos para o clima Beste patl; quanlo as kaes sao melodiosas e flautadas, e por isto muito agrada-
vi i- aos ouvidos dos apreciadores. ^ B
Fazeni-se conforme as ei.commenda,, tanto nesta fabrica como na do Sr. Blondel, de Paris, socio
correspondente de J Vigaes, "m cuja capital foram snmpre premiados em todas as exposicoes.
ISo mesmo esU ment se ipre um explendido e variado sortimeuto de musioas dos
Al
84Largo da Santa Cruz84
No grande armazem de molhados denominado Aurora Itrilhante, o respeitavel pu-
blico encontrar semprc. um completo sortim<>nto dos melhores gneros alimenticios que
vem ao mercado e por precos se'mpre commodos como se v da tabella seguinte :
(.cr melhores oulorcs da Europt i
ti|ir"';osempjodosrazoaves.
Cal de Lisboa e potassa da
Rassia.
Vende-se na ra da Cadeia do Recite n. 26, para
onde se mudou o antigo e acreditado deposito da
mesma ra n. 12, ambos os gneros sao novos e j
[armnicos t planas harmnicos; sondo tudo veudide legtimos, c se vendem a preco mais barato do que
i aru tqualquer-parte.
Maanteig Bgleza flor a libra a 800 e
Dita segunda sorte a 6'i0 e
Dila franceza a 600 e .
Dita dila em barita e meios a '>0 e
Toucinliode Lisboa arroba 8800
c libra a......
Chouricas novas a libra a
Queijos do reino novos a .
Cha hvssun muito superior a libra
Dito dito mais abaiio a 2, 25400 e
lito perola a Irbra ....
Dito prete muito fino a .
Dito mais abaixo a 1JW00 e .
Caf de carolo primeira qualidade
arroba 95 e libra
Dito mais abaixo arroba 85500 o
libra......
rros do Maranbao o melhor pos-
sivel arroba 35500 e libra .
Dito da India arroba 25800 e libra
Alpista arroba 45800 e libra .
I'aineo arroba 55 e libra
Farinha em saceos grandes igual
a de Muribeca.....
Charutos finos caixa do 100 a IJBOO
.35 e
lolachinhas d soda arroba UiO e
Latas com-itas muito novas a
Ditas pequeas de varios formatos
Latas com peixe ensopado A posta
Dilas com ostras a 720 e
Dtas com mermelada a libra .
Dilas com ameixas francem a
15400,2S200e ....
Caixinhas de ditas m bonitas es.
tampas a 15!>00 e ...
Ditas com fuos ....
Latas com fructas om calda .
>m
a
yiiO Latas com massa de tomates non a
720
YI.NIIi H p.i.
Canon nova remessa de arelas r..m infe-
rior vmho puro : rende se no ferriplon >LL
llaltell*. ra da Cadeia a. ..
o manual lo plantador U aleo-
do. por J'urnrr. roaifeaido oo
seguales captulos :
Selhodos ordiiiarv-s da riillura >) J;i.li.
libra ... 600
GiOjHoioes com graxa i7 320
560 Duzia de latas de grata a 15120
Massas para sopa a 480
Ameixas francezas libra 640
Passas a...... 480
35000 Figos de comadre novos a 320
3400 Xozes arroba 4 e libra 160
25560 Amendoas a 320 e 360
A.zeitonas de Kl vas em frascos a 800
lonservas francezas e inglczas o
frasee a..... 800
Polvo do Porto libra a 3J0
Sag e sevadinha nova a 240
Vinhos especiaos do Porto caada
55800 e garrafa .640
Dito muitolinoa caada 75 e garrafa 15000
Dito da Figueira puro a garrafa (
560 e caada ..... 450OO
Dilo de Lisboa a garrafa 480 e ca- .
nada a 35200e .... 35800 <
;ognac rerdadeiro a garrafa a 15280
Scrveja das verdadeiras marcas a I
duzia a 65 c..... 75000 j
4350jGomina de engomraar nova arroba
35890 e libra a 120 e
320
720
35200
23500
25000
300
280
120
100
160
200
53000
720
23000 Farinha do Maranhad a libra .
13'i00 Verdadeira matarana para papa
1520) arroba 83500 e libra .
800 Saceos cem farello de Lisboa .
720 35500 e .
TijoLs do limpar facas a ,
33300 Massos eom palitos finos para den-
te* a ......
13900 Garrafas com mel de abelha novo a
13500 Ditas com diverses xaropes a
500 Dilas com genebra de laranja a a
rtflfl
160
160
480
33800
00
800
500
13200
1
2o Systcma atierfeicsadn da cultura do aitnrla
pelo Dr N. B. Cha*
3- Historia natura', do algodo, soa.- e*a*rie. a
variedades.
4* Molestia e insertos destruidores do alofi*.
&> Anahse da plrjla de algodao coa retar) a
appliraro doi enrosas etc.
" Consumo do algodaop trafico ito-al?.Mlio.
7" Historia do ilgodo e do eny/nau S* a|p>
:v\
esta obra uraa compilaba) >n nupy* Se jar-
naes de agricultura, e em geral das mHbnrn as-
erilos que neslc-s uliirnos anuos ein sabido a tai
nos Estados do Sol da 1'nlo Americana arrrra da
cultura, produri o. commereio. h^inria naiaraL
analyse chimii-a. 1' ludo mais quanlo diz r- este imporianle genero de pro.l;i.-ca.. agrirnw.
Pdese dizer que etM atanaal a ultra hu- roav
plela que existe sobre a materia. urnS aa mi iwa>
tempo Iheorico e pratico. e encerrando todas a aa-
tieja- relativas a *emelhante asmiaofa
\cndc-se a f>5 o cxemphr. na lirrara oV H.F.
de F'aria & Filho. praca da Indepen.k-nria momm-
ros 0 e 8.
O IA\ ro lo Poto.
obra adoptada para < uso das parola- nriNttrrts a
provincia, enmend : rida de Hane Senaxr Jeaa
Christo, o vigario. fbulas, o b->in hoasMn ftirr.rS,
quadru[>edes uteis, moral pratica. o prn*<-or ari-
mario, Simao de Mantua, mxima* e pe-ano m,
da hygiene. receilas necessariav o Brasil: Tan-
se no Kecife, na livraria de M Figupima S> Farta
& Filho, prac da Independencia ns. C e S
Farinha l> auisisea
da mais nova que ha ch^garto de Santa Cafhartan:
a bordo do patacho Pobcma, ancora !> S*fr>ia> S
trapiche do Baro do Livramenlo juMo ao do al-'
pana.
4GEKCU
FNDICAO BE L0W-H00L
Raa da Srnialli aera a. 41
Neste estab.>lei-imcnlo coniina a
nm completo sortimento do atenlas t
inoendas para enpenbo, machinas le
e tachas de ferro halido e cosdo, de
tamanhos para ditos.
Arados americanos e machina* par
lavar raupa: em casa de S. P. Jr-Jassa* 4 r-,
rm da Senzalla Nova n. 4.


I Urlo ale Per


gic l*rs (irande liquidacao

SILVA & SOZA
Ra do Orespo n. 9, esquina da ra do Imperador.
it foseada* m Uj 4 FaHo, raa la laiperalrk n.
60, de Gama & SHra.
AcOa-se este estabeleclmento completamente sor-
tido de (aiendas ingieras, francetas, allemies e
j suissas, proprtas Unto para a praca como para o"
mato, prometiendo vender-se mais barato do que
em ontra qualquer parte principalmente sendo em
SQfCao e de todas as faiendas do-se as amostras
erxando ncar penhor ou. mandam-se levar em ca-
sa pelos caueiros da loja do Pavao.
As cuitas de Pata.
Veoiem-se superiores chitas clara6 e escuras pe-
le barato preco de 240 e 280 rs. sendo tintas segu-
res, ditas francezas linas a 3*0, 340, 360, 400 e
500 r?., e covado, ditas preas largas e estreitas,
riscados eaooceies finos a 240 rs. o covado, isto na
loja do Pavao ra da Imrmrairii n fin d* r.inu .,
Silva.
ra da lmperatriz n. 60 de Gama &
e 320
Tendo-se o proprietario d'este armazera associado com o Sr. Paulo Ferreira da Silva, resolver dar-lhe o titulo de principal, i As ci&&is ^ pito.*. 2i 2xq 300
por ser o mais beai localisado desta cidade, e como um dos socios tenlia de partir part a Europa, afim de alli escolber os melhores vendem-se" finissimas ca*sasni
gneros, desde j se pede ao respeitavcl publico toda a attencao, nao s para este armazem, mas tambem para o grande armazem Alian-
ra, da ra do Imperador n. 57 e para o bem sortido armazem Progressista da ra das Cruzes n. 36, sertas todas as pessoas que fre-
quentarem estas casas de que farao urna economa de 10 a 20 por cento do pr.eco que possom comprar em outra parte, porque nin-
guem melhor do que nos pode offerecer tantas vantagens como as que se observam nos arrmeos:
ALL ANCA! rus do Imperador n. 5 3.
PROGRESSISTA!! cr9 m. se.
PRINCIPAL!! ** do Cpe,*
Manteiga ngli'za a mais nova e fina chegada I Vinho do Porto em barril muito especial a
neste ultimo vapor a 1$ rs.a libra. 64o rs. a garrafa, e 5,ooo rs. a caada.
dem frauce/.;, a melhor e mais superior do
nosso mercado a 64o rs. a libra e 6oo re
em barril ou meio.
Bauha de poico refinada e muito alva a 44o
rs. a libra, eem barril a 4oo rs.
Cha hysson, o melhor neste genero especial
encommenda do proprietario a 2,7oo a Ib.
dem dem menos superior e que em outras
Farinha de ararata verdadeira a 32o rs. a Ib.
Phosphoros do gaz a 2oo rs. a duzia e
2,2op rs. a groza*
rs.
. persianas cures li-
xas,i J?- covdo. ditas francezas muio Unas,
a 240 e 280 rs., ditas ingaezas a 240 e 280 rs. o
covado, fiaiseimo organdy matisado cora desenhos i
miudinhos a 320 rs. o covado, casss garibaldinas
muito finas a 320 rs., isto na toja do Pav5o rea da :
lmperatriz n. 60, de Gama & Silva.
As laaiiahas da eiiesicio do Pavao.
Yendem-se as mais modernas laazinbas mossan-
bique chegadas pelo ultime vapor francei sendo
de urna s cor ou de listas miudinhas com 4 pal;
mos de largura, propinas para vestido de senhora,
roupa para meninos e capas, e pelo baratsimo
preco de500 rs. o covado, ditas entestadas trans-
parentes de qondrinhos a 500, 400 e 360 rs. o co-
lado, ditas matisadas muito finas a 500 e
_ 400 rs.,
Vinagre puro de Lisboa a 2oo rs. a garrafa e i 2,2op rs. a groza- I fSLTflSSS J).,que lft!ll&fl" na*lisa1(Jas
j oi l- u i n a 320 rs. o covado, ditas a llana Pa com pama
l,4oo rs. a caada. Bolachinha americana em barrica a 3,eoo de seda e 4 palmos de largura a 800 rs. o covado,
dem em garrafoes com 5 garrafas. rs., e em libra, a 2oo rs. e ditas de urna s cor parda, azul, cor de tyrio
Aaeite doce de Lisboa superior qualidade a'Tijolopara limpa facas a 12o rs. cadaum. ; peroU proprias^ara vestidos, sautembarques e
64o rs. a garrafa e 4,8oo rs. a caada. Vassouras de piaisara com dous arcos e i SHS 7Z? Td2l & ^^"L*
Batatas em gigos de triota a trinta e-tantas li- ferro preodendo o cabo a 32e rs. cada ^atrz 60, de Gama Silva
bra a 2,5oors. o gigo e 8o rs. a libra. \ urna. *0g chales do Pari.
Genebra de Hollanda a mais superior a 6,ooo Escovas de piassava proprias para esfregar Vendcm-se finos chales de crepon estampados
rs. a frasqueira e 56o rs. o frasco. | casa a 32o rs. pelo barato preco de 6*, 7*, 8*, ditas de ponta re-
casas se venda a 2,6o rs., custa neste ar- dem em garrafoes com 25 garrafas a 8,ooors. Sardinhas de Nantes muito novas a 32o s. Jjjj ^^^^ii^Si^tt
mazem2,2o9 rs. a libra. jCerveja das melhores marcas de 5,ooo a1 a lata. 3*. ditos de cores a 4*500 e's*, ditos de merm
dem uxim, o melhor que pode haver ueste; *\5oo a duzia e 5oo rs. a garrafa. Peixe em lata muito bem preparado: savel,
genero a 2,6oo a Ib. garante-se a qualidade.; Cognac superior a 8oo e l,ooo rs. a garrafa, j corvina, pescada e outros a l.ooo rs. a
dem preto muito especial a 2,ooo rs. a li-1 e em caixa ter abatimento. lata.
Marmellada imperial dos melhores e mais Ervilhas portuguezas e francezas j prepa-
afamados conserveiros de Lisboa em latas radas a 64o e 72o rs. a lata,
delibra, libra emeiae 2 libras a 6oo rs. Caf lavado de primeira sorte a 32o rs. a
Conservas ingleaas em frascos grandes a j libra,- e 9,ooo a arroba.
75o rs. cada um. dem do Rio muito bom a 28o a libra e
dem fraDceza de todas as qualidades de 8,5oo rs. a arroba.
legumes e fructas a 5oors. > Arroz do Maranhao a loo e 120 rs. a libra.
Mostarda franceza em pote preparada a 4oo rs dem de Java a loo rs. a libra.
bra, e mais baixo, porera muito soffrivel a
4,2oo a Ib., vende-se por estes precos em
razao de nestes ltimos navios ter-se rece-
bido grande porcao deste genere, a diffe-
renca de preco de 6oo a 8oo rs. a libra
do que se vende em outra qualquer parte,
dem do Rio em lata de 1 at 6 Ib. a l,4oo rs.
a Ib., neste genero e melhor possivel.
Biscoutos inglezes em latas com differentes Palitos para dentes 12ors. o maco.
qualidades como sejam craknel, vorcitia
pic-nic, soda, captain. sced, esborne e ou-
tras muitas marcas a 1,35o rs. a lata.
Bolachinha de soda em latas grandes a 2,ooo
rs. cada urna.
Figos em caixinhas hermticamente lacradas
e muito proprias para mimo a 1,000 e
2,(!oo rs. cada urna.
dem cm caixinhas de 8 Ib. a2(J rs. cada urna
Pas'sas novas a 8,ooo rs. a caixa e 48o a Ib.
Ameixas francezas em latas de libra e meta e
3 libras a l,2oo, 2,ooo e 8o rs. a libra.
Caixinhas com-ricas estampas a l,4oo rs.
cada urna, fiascos de vidro com rulha do
mesmo, contcmlo libra e meia de ameixas.
Champagne da marca mais superior que tem
vindo ao nosso mercado a 18.000 rs. o gi-
go, e l,8oo rs. a garrafa; garante-se a su-
perior qualidade.
dem lixados muito finos a 14o rs..
Velas stearinas a 56o rs. a libra e em caixa
Amendoas de casca mole a 4oo rs. a Hbra.
Avelaas muito novas a 2oo rs. a libra.
Nozes muito novas a 2oo rs. a libra.
a 54o rs. I Chouricas e- paios a 7oo rs. a libra,
dem de carnauba pura e refinada a 360 rs. Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra ou a
a libra e 10,000 a arroba,
dem de composigao emmacadas a 32o rs.
o maco e 9,ooo rs. a arroba.
Massa de tomates cm latas a 600 rs. a libra.
Doce em calda das mais especiaes fructas da
Europa a 600 rs. a lata.
Ostras em latas muito bem preparadas a
l.ooo rs.
Massa para sopa estrellinha muito nova em
caixas de 8 libras a 3,oooe 5oors. a libra,
dem talharim, macarrao e aletria a 4oo rs.
dem macarrao maisbaixoa 24o rs. a libra.
Cevadinha muito nova de Franca a 2oo rs. a
libra.
Sag o melhor que possivel a 24o rs. alb.
Vinho Rordeaux das melhores qualidades que Farinha de Maranhao a melhor que prsen-
se pode desojar a 7,ooo e 7,5oo rs. a cai-
xa e 64o rs. a garrafa.
Caixas com Vinho do Porto superior de 9,ooo
e lo.ooo rs. a duzia, e 9oo e l.ooo rs. a
garrafa; oeste genero ha grande porejoede
differcotes marcas muilo acreditadas que
j se venderam por 14,000 e 15,000 a eai-
xa como sejam: Duque do Porto, Lagrimas
do Douro, D. Luiz, Camoes, Madeira sec-
ca. Nadar, Genuino e Malvasia fino e ou-
tros comoCherry e Madeira para 12,ooo e
13,ooo rs. a caixa.
\iulio de pipa: Porto, Lisboa.JFigueira a 4oo,
|8p c 56o rs. a garrafa, 3,ooo, 3,2oo e
3,5(10 rs. a caada.
dem branco o mellior neste genero vindo de
teniente tem vindo ao nosso mercado a
14o rs. a libra.
Gomma do Aracaty muito alva a 80 rs. alb.
Licores muito finos de Bordeaux e todas as
marcas que ha neste genero a 800, l.ooo
e l,2oo rs. a garrafa.
Genebra de laranja em frascos grandes a
1.2oo rs. cada um.
Tmaras do Egypto 1 8oe rs. a libra e em
caixinhas de 5 libras a 3,5oo rs.
Papel almaco pautado o melhor que ha nes-
te genero a A,5oo rs. a resma.
Sal retinado em lindos potes de vidro a 5oo
rs. cada um.
Mullios inglezes cm garrafinhas com rolha de
8,5oo rs. a arroba.
Presuntos de Lamego de superior qualidade
. chegados neste ultimo vapor a 56o rs.a Ib.
Alpista muito novo e limpo a 16o rs. a li-
bra e 4,6oo a arroba.
Painco novo a 18o alb. e 5,ooors. a arroba.
Sabo massa, amarello e castanho a 22o e
24o rs. a libra.
dem mais baixo umpouco a 16o, 180 2eo
rs. a libra.
Castanhas pelladas a 24o rs. a libra.
Chocolate francez de primeira qualidade a
l,2oo rs. a libra.
dem de Sant muito superior e medicinal a
l,3oo rs.
Copos lapidados proprios. para agua a 5,ooo
rs. a duzia, que em outra qualquer. parte
7 8,000 rs.
Charutos dos melhores e mais afamados fa-
bricantes de S.. Flix e do Rio de Janeiro,
de l,5oo a 5,ooo a caixa.
Cebollas novas a l.ooo rs. os molhos gran-
des e 800 rs. o cento.
Doce de goiaba a 64o rs. o caixo.
Lcntilhas, excellente legume para sopa e gui-
sado, a 24o rs. a libra.
Ervillias seccas j descascadas a 2oo rs. a
libra.
Pimenta do reino muito nova a 36o rs. a libra.
Cominhos e erva doce a 32o e 4oo rs. a Ib.
Cravo da India a 600 rs. a libra.
estampados a e 35, ditos de laa a 1 #280 e 2,
ditos deretro preto para luto a 65, isto na loja
ie Pavao rea da lmperatriz n. SO, de ama k
Silva.
Fazradas pretas para a qiaresua vende o PavSo.
Yande-se grosdenaple preto muito superior a
1*600. dito a 1*900, S*, 3*500, 2*80' e 3*, mo-
reantique preio inuilu mpehor a 3* e i800. sar-
ja prela liespanhula muito eacorpada a 2*, isto na
leja do Pavao ra da lmperatriz n. 60, de Gama
t Silva.
O Patio vende para lato.
Vende-se soperier selim da China faienda toda
de laa sera lustro tendo 6 palmos de largura pro-
pno para vestidos^aletois, capas etc., pelo bara-
to preco de f*, 2*^00, 5*500 o covado, cassas
pretas lisas, chitas pretas largas e*estreitas, chales
de merino lisos e boritedos a vidrilho, manguitos
comgollinbas eoutros muios ariigos que se vao-
dem por precos razoaveis : na leja do Pavao rna
da lmperatriz n. 60, de Gama dt Silva.
Os eorpinhos do Pit
Vende-sa os mais modernos eorpinhos de cm-
ara ia ricamente .bordados e edeiudos a 7 8* ;
aa loja do Pve, ra da lmperatriz n. 60, de Ga-
ma & Silva.
Os vestidos do Pava*
Vende-se ricos vestidos e grosdenaple preto ri-
camente bordados a veludo pelo barato preco de
40*, sendo fazenda que sempre se venden a 100*
t 1-0,-5 ; ditos de cambeaia brancos ricamente bur-
ilados a croch, sendo proprios para baile e casa-
mento a 10, 15, 20 e 30*; ditos de laa com lindas
barras a 18 e 15* ; isto na loja do Pavao ra
da lmperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Os pannos do Pavao.
Vende-se panno preto muito superior pelo barato
preco de 5*, 2*500.3* e 3500, ditos muHo finos a
4*, o* e 6*, cortes de casemira prela entestada a
1*, 4*500 e 6*, casemira preta fina de urna s
largura muito lina a 1*800, 25, 2*500 e 3*, cor-
tes de casemira de cor a 5*, 5*500 e 65, casemi-
ras entestadas de una s cor proprias para caira.
paletots, colletes, capas para senhora; roupas para
meninos 3* e 3H500 o covado, isto na loja do
Pavao, ra da lmperatriz n. 60, do Gama & Silva.
A roupa do Pavao.
Yendem-se paletets de panno preto sobrecasa-
cos fazenda muito boa a 125, ditos muito finos a
165, 20, 255 e 305, calcas de casemira preta boa
fazenda a 4*500,5*, 6*,'7* e 8*, paletots saceos
de panno preto a 7*, ditos de casemira de cor a
6* e 7*, ditos de alpaca preta, ditos de merino
preto, ditos de bi im de cores, calcas de casemira
de cor a 4*, 5*, 6*, 7*, ditos de caxemira da
vidro a 64o rs. cada urna.
efifcinmenda a 600 rs. a
rs. a caada.
firipllh nnva 1 rs hra Escossia a 3*, ditos de bnm pardo a 2*50o, ditos
xaneua muito no\a a 1,000 ts. a tiDra. |de wr a ^ ^^ dilos bnncos mni|o fi
arrafa, e 4,5oo j tueijos .Jlamengos chegados no ultimo va- Alfazema a 200 rs. a libra e b.ooo a arroba. st0 a loja do Pavao, ra da lmperatriz n. 60, de
Graixa a loo rs. a lata el,loo rs.a duzia. I Gama* Silva.
crtlBd8 9 pavo.
Vemlem-se ricos cortinados nrmrios para jan I-
n eeamas pelo barato preco de 9* o par, sendo o
mewor me ha no mercado : na ra da lmperatriz
n. w, de Gama & Silva.
As colchas do Pavo.
Vendem-se colchas de linho alcochoadas pro-
prias para cama pelo barato preco de 5* cada nma
na ra da lmperatriz n. 60, de Gama & Silva
As preealas do Pavo.
Yendem-se as mais lindas precalas que tem vin-
do ao mercado chegadas pelo ultimo-vapor tran-
cei, pelo barato preco de 600 rs. o covado, ditas
de lislrinha muito miudinhas proprias para vestidos
e roupas de meninos e meninas pelo barato preco
de 500 rs. ; s o Pavo ra da lmperatriz n. 60,
toja de Gama & Silva.
4>t sonteanbarques do Pavo
IOj| e l .# so o Pavo.
Vendem-se os mais lindos souteanbarques que
tem vindo ltimamente de laazinha e caxemira ri-
camente bordados e enfeitados, cores muito delica-
das pelo barato prego de 10* e 15* ; fazenda esta
que em outras lojas se vendm por 20* e 25*,
so para liquidar : na loja e armazem do Pavao a
ra da lmperatriz n. 60 de Gama A Silva.
As chitas de Pavo a IOO e
S&SOO o corte.
Vendem-se cortes de chita com dozc covados
cada corte, ditos com dea covados a 2*400, fazen-
da muito boa, e que nao desbola, s na loja do Pa-
vo tem esta pechincha ; a ra da lmperatriz n.
60 de Gama 1 Silva. *
Lias de nma so cor.
Vendem-se laazinbas de urna s cor, sendo en-
carnada, azul, cinzenta, cor de caf, lirio claro, li-
rio roxo cor de perola pelo baratissimo preco de
640 o covado, fazenda muite fina s o Pavo, ra
da lmperatriz n. 60 loja e armazem de Gama 4
Silva.-
Panno de linho.
Vende-se panno de linho com 4 palmos de lar-
gara proprio para lences, toalhas c ceroulas pelo
barato preco de 640 rs. a vara, bramante de linho
Com 10 palmos de largura a 2*500, algodozinho
mostro com 8 palmos de largura a 15, pegas de
Hamborgo com 20 varas a 9*, 10* e 11*, pegas de
madapolao fino a 7*500, 8*, 9* e 10*, ditas de
algodozinho a 6*, 6*500 e 7*, e outras muitas
fazendas brancas que se vendem muito baratas
aflm de apurar dinheiro : na loja do Pavo ra da
lmperatriz b. 60, de Gama 4 Silva,
O bramante do Pavo com doze
palmos de largara.
Vende-se bramante de linho puro, muito fino com
doze palmos de largura o melhor e mais largo que
lea vindo ao mercado pelo barato preco de 2*800
rs.a vara ; s na loja do Pavo de Gama & Silva.
aaa da lmperatriz n. 60.
As precalas do Pavo.
Vadem-se as mais lindas precalas qus tem vin-.
do ao mercado chegadas pele ultimo vapor francez,
pela barato preco do 600 rs.' o covado, ditas de lis-
trinha muito miudinhas proprias para vestidos e
e roupas de meninos e meninas pelo barato preco
de 500 rs.: s o Pavo ra da lmperatriz n. 60,
loje de Gama Os bales do Pavao.
Yendem-se crinolinas ou bales de 30 arcos tan-
raneos como de cores, sendo americanos que
so os melhores por se nao quebrarem a 3*500 e
de 35 arcos a 4*, ditos de musselina com babados
a 4*, ditos para menina a 2* e 3* : na loja do Pa-
vao ra da lmperatriz n. 60, de Gama & Silva.
0 Pavo vende 8)5
Vendem-se os mais lindes cortes de vestidos a
Mara Pia, eom lindas harpas de seda, sendo che-
gados pelo ultimo vafior francs, pelo barato preco
de 8* cada um : s na loja do Pavo rus da Imp-
ratrii a. 00, de Gama & Silva.
LOJA DO BEfJA FLOR.
tina do Qneimado limera ';!.
Cravafiaha para acabara.
Vendera-se gravalinlus de'diver-
modernos a 720 800 rs. : na ra i
loja do beija-hor n. 63.
Filas para debruai ir vestida.
Vendem-se tilas para debrnm > eMi* *> I
com 12 varas a 400 rs. a pera : aa roa la fjue*-
mado, loja do beija-flor n. m.
Peales Iravessoa.
Vendem-se peales traversos de rararef aa
frente de borracha a 500 rs.: aa ra db (Jjiian
do, loja do beija-flor n. 63.
Papel hrira dawada.
Vende-se papel boira douiaUa a 15r-i c 1M,
dito do cor debeiradourada a l*Iii* : m :,,
Queimado, loja do beija-flur n. 3.
Aavcloaes.
Vendem-se anvelopes de diversa* <|uaMaVn
branco a 800 rs. e de cor a MO rs.. para
visiu a 400 rs., preto a 720 rs. : na ion -
tlor na ra do yin imado u. ti-;.
Vallaa de aljaiar.
Tendo recebido volUs de aljfar roaa entapa *
pedraimitando a brilhanle venoV-se a I* ral-
nma : narua do Qneimado Inj do beijn-flxr r
Camisas de airias.
Vendcm-se camisas de m.ia- aaaoai BSi
1*200 e 1*300 : na ra do Qneimado, loja de U i-
ja-flor n. 63.
Eufrites de ila.
Tendo recebido eufeilt de lila \r<\> e > i-
res mais modernas que e e>o u-aado a i* .
ura : na ra do Queimado, loja do l-i>aW m. (3
lita de lia prela paca aVbraaa.
Vende-se fila de laa prela para rt-hrmn r*m t<
varas a 900 rs. a pera : na loja d<> tx-ija-OW riu
do Queimado n 63.
Filas de liaao para bardar vr*tide>
Vendem-se fitas de linho para h-^lar v^-
ou roupinho de meninas rom 40 rara* a *tO *
00 rs. a pere s quem lem a loja do be'.
ra do Queimado numero 63.
Bolees de adrrperala.
Vendem-se boles de madreperi.la mais &' i
nos que lem vindo para punhos ir -enbura a *j-
rs. o par : s quem vende por esta preeo av
ra do Queimado, loja do beija-llnr numero M
Pila de vedado para bardar vestida.
Vende-se tila de velludo preto tem M varas i
900 rs. a pega : s avjern tem por este nr-*r *
loja do beija-flor da ra do Qaeimad a. 63.
Fita de velluda bardada.
Vende-se fita de velludo preto bordada de da-
versos gostos e mais modernas proprio- ara -m-i
resma : s quem tem a loja do U-ija-ftVr ra <'.v
Queimado n. 63.
Fraaja preta.
Vende-so franja preta de diversas laamaaa par:
enfeilar capas ou mauleleles os mais luidos i
tos que se pode encontrar : na toja do betjr.
ra do Queimado n. 63.
Facas e arfas.
Vendem-se facas e garios de balanro I b>
tao a 5*500 a duzia. ditas de 2 baata a MWt:
na ra do Queimado, loja do beija-llnr a W.
Visaaras.
Vendem-se visporas muito Anas a 800 rs. : aa
ra do Queimado, loja do beija-flor n. 6.1.
DaaiiBs.
Vendem-se dminos muito finos a 1*200 <
1*UH): na loja de beija-flor da ra do Quetaud.-
n.63.
Grande pechincha.
A 200 rs. o MWfc.
Cambraias escuras finas a 200 rs. a rovad para
acabar ; nao se do amostras para i|ue e araUm
logo : quem quizer, venha comprai no arnuavm
de fazends de Custodio, Carvalbo & C. rus dr
Queimado n. 27.
por e muito frescdS.
CHEGADO PELO VAPOR.
S para o vigilante.
Grande sortimento de fivelas prelas com pe-
drinhas de muito lindo gosto assim como lilas pa-
ra- sintos pretas e de cores para as mesmas live-
las que se vende pelo -barato preco de 1*500 e 2*:
sno vigilante ra do Crespo n. 7.
ESCBAVOS FGIDOS.
ATTKNCill
Acha-se fgido o amjRO d.- BMK tau-nao,*V
idaile^40 anuos, pouco mais ou menos. <>* wla, ura regular, grosso docorpo,bem > lar
bado, c j com alguns cabeBoi braairas na taita
bracos e pernas grossas e baataatr tatadhada, ira-
do as pernas arqueada-, poim u mmi
ma andar cm sambas, e as vano en>l>ria*a-*e a*
tante por gostar muito de biU-r | rt
se s autoridades policiaes desta e da
limitrophes, que o facam apprebnui. r e kiisb a
stu senhoro major Antonio da Silva Himbi. aa
ra Imperial, assim como roga-aa bm nodal
campo a apprehonso do dito escravo. -'
bem gratificados.
LISTA GERAL
m:
DOS PREMIOS DA
O* FABTK DA 4. LOTERA, CONCEDIDA POR LE PROVINCIAL N. i!)2, A BENEFICIO DO GYMNAZIO PERNAMBUCAxN, EXTRAIHDA EM 16 DE MAJO DE 1804.
JSS. Pl II.MS. NS. PRI
1 3* 1G0
10 ot;
1C 69
17 70
19 72
20 73
21 74
J 75
23 __ 79
26 80
27 84 '
28 _ 87
2"l 88
31 90
33 92
30 93
41 94
43 iO* 95
48 34 98
51 99
:3 200
58 1
SI 0* 2
63 5* 4
70 o
72 0
73 _ 9
76 ^ 11
' 77 wmm 12
83 II
89 __ 15
91 18
93 21
46 , 29
% __ 38
97 __ 3
106 43
1* _ 30
20 53
26 55
30 39
32 61
34 e* 63
40 _ 70
42 V.
4* n
47 84
49 __ 83
l 86
:>i 96
m 7
56 98
o7 303
10
5*
10*
3*
10*
NS. PKEMS.
304 5*
8
10
16
24
27
32
38
39
40
43
43
38
60
61
66
68
73
75
80
85
86
88
92
96
98
400
2
5
10
li
13
16
17
16
1
21
23
24
26
30-
31 "
32
34
33
36
40
48
52
62
68
70
72
20*
3*
10*
5*
40*
5*
NS. PREMS.
473 5*
75
82
84
87
98
99
301
2
6
8
9
10
12
14
16
17
18
22
27
40
.41
44
47
- 48
49
30
53
60
63
66
67
68
60
K
89
91
94
97
99
601
2
6
7
44
12
15
17
18
19
20
21
28
20*
5*
10*
3*
10*
5*
600*
3*
NS.
629
30
34
37
38
40
41
4o
47
49
51
55
57
39
68
71
72
76
77
90
706
8
10
11
13
l
20
23
23
26
2*
29
32
34
33
40
41
42
44
50
51
53
54
36
60

63
64
66
"68
70
71
74
PliE.MS.
3*
40*
3*
5*
20*
3*
10*
3*
40*
5*
300*
3*
10*
5*

O sCFlv*, Seoeriano W de Maura.
NS. PHEMS. NS. PREMS. XS. PREMS. XS'. PRE
777 3* 940 5* 112G 3* 1297
79 43 28 98
83 51. 30 1300
86 53 31 1
91 _ 34 33 7
92 __ 33 36 13
93 __ 61 li- 26
93 _ 66 SO 31
801 __ 68 - 33 32
5 ,^_ 70 36 34
8 _ 72 60 38
11 -__ 74 61 ----- 40
13 77 62 43
20 _ 79 66 mi 43
22 100* 80 68 49 .
23 5* 81 70 -36
24 88 75 63
27 10* 92 77 64
28 3* 97 80 63
29 1003 _ 3 66
33 __ 6 96 71
37 8 1202 jt 74
40 14 6 76
41 10* 20 9 78
42 5* 21 10 79
43 23 13 .83
46 26 14 83
57 29 20 88
58 31 28. 92
59 36 32 94
60 39 -7- 96
62 45 40 t 99
63 47 42 20* 3* 1404
66 40* 61 4 44 7
68 3* 62 43 14
71 63 47 __ 16
72 71 SO ^ 18
84 10* 76 37 9^m 30
88 3* 77 59 * ^ 35
91 79 ce , 38
97 80 63 40
too 81 ' 65 __ 41
1 88 *** 67 M 42
3 90 10* 71 _ 43
8 94 5* 71 __ 44
11 % 73 43
14 1102 M 46
17 3 i 01 49
20 8 K 50
25 16 . 93 64
27 18 t . 94 60
29 19 93 ' 61
33 n 4 96 -~
SMS.
5*
NS. PREMS.
20*
3*
20*
5*
1462
66
72
73
82
83
85
87
92
94
96
97
98
99
1511
13
17
30
31
33
36
40
41
"44
49
50
31
54
58
59
10* 61
10*
3
20*
3*
100*
100*
5*
40*
3*
70
71
74
76
80
81
88
89
93
94
96
97
1602
3
4
ti
9
12
20
21
23
-40*
20*
3*
NS. PREMS.
1628 3*
31 -
33 -
W -;
43
46 -
BO
60
66 -
68
69
72
74
83
83
87
90
93
96
98
1701
2 -
4
8
21
18
19
21
26
32
33 .
33
36
38
10
41
49
53
67
40*
5*
100*
3*
73
73
77
78
60
92
93 1:200*
.97 5*
1800
2 -
3
4
-
NS. PRE
1805
7.
9'
12
15
18
28
29
32
41
48
32
63
63
68
70
72
73
77
82
83
85
66
88
91
94
97
1900
1
4
6
7
9
11
19
22
23
25
29
33
34
36
39
40
41
42
43
43
47
53
35
87
I
MS.
-10
10*
5*
20*
5*
NS. PREMS. i.NS. PREMS.
1958
60
62
63
64
67
69
70
71
71
76
77
79
87
5* 2090
91
93
: 94
i 96
- 2101
4
16*
9*1
89 -
95
99
2000
4
6
9
13
14 -
lo
18 -
19
20 -
22
23
24
26 -
28.
30
36 -
41
43
43
47 -
35 -
61
62
64
m
69
70
72
76
77
78
63
10*
3*
10*
5*
6
9
12
13
21
23
30
42
46
47
48
49
50
54
65
69
73
76
79
82
92
95
99
2201
5
6
11
13
16
22
25
27
34
36
37
41
42
43
44
-47
46
5.*
55
58

NS.
2266
67
69
71
73
75
77
78
81
87
90
93
94-
97
2307
8
10
i
17
18
29
34
33
30
43
46
47
64
50

62
6
66
69
7?
34
7
86
87
81
2400
1
2
3
I
*
6
9
9
10
4
21
i
PREMS.
5*
-
10*
5*
10*.
3*

NS.
1123
30
31
;is
:i7
42
44
47
46
49
.50
53
56
36
60
75
76
79
63
PREMS.
5*
10*
91
92
97
2300
2.
3
7 20*
8 5*
17 20*
18 3*
16* 21
5* 22 20*
28 3*
9
10
11
13
15
16
17
18
21
ti
28
31
34
35
43
43
47
52
54
86
37
60
61
63
5:000*
20*
3*
NS. 1
23C4
65
66
71
. 73
74
82
90
91
92
96
2G01
2
3
4
5"
7
11
18
20
25
28
29
32
36
37
39
40
41
44
46
47
30
32
55
57
38
62
73
74
87
2701
3
4
5
6
8
9
12
15
l'EMS. NS. PRE}
5* 2736
41
42
31
56
61
62 65
10*
10*
3*
40*
3*
40*
5*

32
Pern.Typ de Jlf. F. de Paria **\-664.
NS. Pl EMS. NS. Pl anas.
273G 3* 2928 3*
41 30
42 32
31 --- 38
56 __ 41
61 ajas 44
62 _ 50
65 52
70 __ 31
71 ota 55
77 - 36
87 __ 36
88 ^^ 61
91 _ 62 --
94 __ 63
95 __ 69
99 71
2802 _ 73
4 75 10*
5 81 3*
7 ^^ . 83
11 __ 84
13 _ 69
14 __ 91
17 3004
23 7 _
. 27 8 ^m
29 12 ^_
34 13
39 17
46 19
47 20 _
49 20* 22 _
50 3* 29
37 30
62 36
64 38
67 4t
80 45
86 47
88 46
92 Si *
96 83
2900 ; 34
2 1 38
3 69
10 61
11 62
12 1 U ~
17 68
23 J 72
23 74
\s.
um
77
1

88
90

97
rtioi
4
3
6
t:t
23
26
;)
34
35
40
46
46
50
51
53
55
57
5
61
64
66
67
74
75
83
86
94
96
98
99
3201
2
G
8
10
14
13
17
16
12
21
PREMS. >S. tttaW.
5*
-i # -
I .11 -
aj
.* -
39 -
44 -
45 _
18 -
4 -
53
34
55 -
57
64
71 -
73 -
7:.
78
85
86
87 -
O -
97 -
98
-
3303 -
7
9 -
10 -
12 -
15 -
26 -
W
31 -
40 t
42
3 -
59 *
61 -
63 -
71 -
73 -
74 -
75 -
n -
91
97
-baao
10


Wtftri ** Wevmumhmtm Tfi^s !* ff de nal* # *4.
LiTTERATRA.
O QUEVIE PELO MUNOO.
Telegraphia elctrica.-A palavra IfansotMida pelo rio francez e>u coroando o seu no me de luiivor
som.Telephonia.Experiencias ratales na geral.
America e na Alleinanha. Inexartidao da noli-. Para esle efleito basiava, depois de bem areri-
cia relativa ninrle do Dr. Levingstone.Aero- guarios qnaes gao os trabalhs inais importantes
lilho rahido na Blgica.Os aerolithos no Chiii. du Eugenio Simn, examinar minuciosamente a
Rcspiragao dos fructs.Morlalidade nos ca- preciosa coliecgao das cartas dos padres da coro-
minhus de ferro.Arvore da cera.Urgencia- panhia de Jess, que formam ama historii oom-
de estudar as desateras partuguezas na China, pela das nossas_miss5es na China, e a qual, se a
A telegraphia elctrica, que urna dis mais memoria nos nao encana, existe na livraria da
directamente inte- portentosas e surprehendentes invcngSes mo.ter- academia real das telendas
has, den erigem a nma descoberta, cojos effuits Quer laes cartas existan) na academia ou em
Julgamos opporluno transrrever as reflxo>s do
limes de U do correntc. acerca do relatnrio finan-
o uro de Mr. (iladsfone. Referem-se ao enmmercio
dos viudos, em que Portugal
nt i io. f-
Una duza de linhas (du a citada folha) ii'um scrao epiialmi-iite iidmiraves. onlra parte, evidente que esse elevado corpo
di-curso de oulras lanas columnas, conten toda a A telegraphia eleclriea commnnica o pensmn- scientifico, subsidiado pelo estado, que tem o de-
iaforihaco que o min-tio da fazenda julgou dever to, isio 6, a palavra por meio de signaes que se ver de prestar attencan < deseohertas que aFran-
api escolar, acerca du ufluio do tratado decora- dirigem ao sentido da vi^ta, mas como oes|irito 5a e a Inglaterra annunciam como feitas na China
niurrio cura a Franca em nossa silua(o UoaBceira. humano inransavel na vartVdade dos meins que pelos seus naturaes, qundo sejam em verdade
i'.i llanto, pumo mais se pedera expender am emprega para que os noves inventos se realisem e dos nossos antepassados.
iga di.-erlacao. Cunnm-1 ciando cun a Fianea, p pularisein, tciu-se repetido ulliinamente as ex-
aatcs do tratado, compravamus aonossos vi-inhos |>rrienrias para que o pensamento ou a palavra se
porto de 10,000,0t:0 auuunlincnto, importancia transmita al louginquas paragens por meio do
ilas snas mercaduras ; e vendiamo-lhes perto de som.
9.01)0,000. Aconteca isto eui 1H"1. precisamen- Antes de darmos noticias de algumas dessasex-
tc ha cinco anuos No anno de 183, grabas aos pcriencias que esto amplamenle relatadas e com
titilados, as nossas compras em Franca excederam o auxilio das respetivas eslampas nos jornaes es-
o valor de t 2i,0o0,000 ; e as no-sas vendas ao pecaes mais recenb-menle recehidos da America.
ucsno paz orean i>oi 23,000,000. da Allemanha c da Fraoga, convin ter em consi
i Me-se breve espago o naasn comnierrio de im- derago certus e determinados
Cagou-o...
mera doudo ?
para o comer com arroz I O ho-
As vezes, o rugo embirrava em nao querer pas-
sar deste ou daqutdle si lio, onde *em duvida liaba
- Quaet doudo 'tornou elle, isto come-se e leo>,,,,ne ** ir- e i*"*, ergoia-se no ar. a eu
muito bom ; o senhor nunca proyou tareco T
Sao.
Pois o xaroco chaaiara-lhe (rango do mar, e
eu c a isto chamo-lhe o frango do rio.
Enlo como fui que o mataste ?
Ha um anno que ando nestas diligencias ; c
o patrio apostou enmign um cruzado novo em co-
mo eu nao era capaz de Ihe acertar, e laes geitos
Ihe procurei at quecalhon. Hoje nao fiz como os"
011 tros dias, que me ia pespegar no vallado do lado
iem(.~6eriaaiente de qimuquelle osquajeio vivo rae
(Ueste prevar a dureza da estrada.
Felizmente que nao acouteceu aasia.
Ao soMr a rampa que se dilata da sahida da Ri-
baldeira para limo Juhjuei que me esperavam ah pendente! ao pescoco ;
para festejar a miaba pasadera. .,r 0$ ^ ^ ,:o-,lxet> a^a,,,
Os sinos repictvam alegremente e os fogueies es- os convidados, os familiares em *-n
A ruina dw estradas nao peTMMu ir
earruagena, e en o mAiro porojw
eavallo. *
.. frente, via-so o mea a*Mgo J*<
Prado Pereira, Irazendo a direMa a *m* nvx
lando ambos dous lindas cavaMaa 'mfaioj,....
i.kIk a primar, eom r aiahoi am
t
b a
U:n I.,
opposlo do rio, em >|e o maldito ora se esconda,
I ora me fazia negabas. Logu pela manha* fui-me
; escarranchar no carvalhero ; era di'baixo desta
arvore, na cavidade da raiz, que o velhaco costu-
mava cacear comigo. Mas desta. vez achou-se en-
gaado ; deixei-o deitar a cabera de fra, a minlia
esco|ieta eslava j engatrlhada ; como me nao viu ,
A primavera comec.ava a sorrir com toda a pom- no lugar do costme, fui trepando, fui trepando, e ; les valles, acordando aos chos das serrana, e o
pa do seu brilhante esplendor, e eu sntin-me co- i?6 <*?._**.P?M>.fe_*t ****** ** f*^^[aalqOB priaeiawa aMUWaar, doirava com seus
! raios de puro o cume dos montes, onde os moinhos
(Commercto do Parlo.)
Passelo-ao campo.
loiravam no ar : di^enghnei-me que nao era urna
recepcao ijuando ehegoei ao cimo da ladelra.
Aos (es de urna neosla que me firava na fren-
te, via-se um iogarejo alvpjando entieo macigo da
verdura, a torro da egreja embandeirada, arcos
de louro, e o povo agglomerado no adro. A msi-
ca espalhava os sons harmoniosos por entre aquel-
Iho
i- __ ni" ; vae ospois, eu, que nao lucia nem muga, fa-1
1 do m?.qu? aFrUd0 ,a eslre"f Ja,J'a a c.dade. Con- C0.Ihe polilaPia ans olhos. e zas, ferro-lhe 11/00 seja,
pdrtavio com a Fiama augui.-niou 50 por c-nio ; som." .^ultndoos meus deveres de reviileiro, reconheci o ma bala nos milos ; rom-Qa a espinotear. e eu m"slravam w ,,raC0S nus- ,nd"-, d,,0,a
e .is in -.-as .Aportacw's flaaM mais do que du- E' geralmpnte acreditada a opiniao de que o primeiro embaracn do ofBcio, adiando j fechadas esquecendo-me que eslava a eavallo no carvalhei-; santo. Feslejava-se a Senhora de Maryo e o povo
aguardava, nao funcriona domodoqueseesperava ; O americano M. HachemVrg Talca ter" achado
ebpTuprio facto evidencia a iiii|icrfcila aperaoio esse meio de lransmis.ao dos sons e lenclona rea-
das mus disposICOes. Usar o seu invento em diversas cidades por meio
<< l'ara reduzr a qnesiao a poucas palavras, o de instrumentos adaptados a que da o nome de
consumo dos vnoos frasete ueste par/, anda, pianos telephonicos. Bastar que urna pessoa lo-
coniparativamcnte diminuto. Assim, a principal e que no piano central, pusio em communicaco
mais prevista consequeiina do tratado, .- lera tido com os (Nitros pianos, para que as peasoai que os
parcial_realisa(;ao. A mercadura por excellencia, t.-em em casa ougam o que se e-t locando, temi
que a Fianca prepara com sunima perfricao, e da sm.mte a dar volta por unu vez a urna esi*ci de
(|iial os consumidores Hglczes se arhavam em manivela que serve a e.stabelecer a communicaco
grande parle divorciados, anda nao aflluiu as nes- com o referido piano.
para a Alhandra. I B urna constipagao I Ora vae-te j despir,'
Das antes, havia recebido convite para assistir lisse o meu amigo ordenando ao camhaio que ds-
ao casaroeulo de um amigo as Caldas, mas como **". *" a1uelle homem perseverante o aven
tureiro .
a jornada era demasiadamente longa, resolvi-me Em quaj,,0 0 nprft (,e Jns Lucas mnd||Va de
a ir espera-lo no dia seguinte sua casa do Me. fat0, examinamos a victima ; na concha dura e in-
xiai. flexivel, viam-se-lhe mais de dote signaes de balas,
. que nao tinham podido atravssa-la. O cacador
Bat as palmas e applaudi-me amlm.propno; encarregou-se de a esmigalhar a machado, e l
aquella festa de noivado havia ter que contar. As cozeu as pernas, a cablea e o interior, e tanto tei-
leitoras bao de tambera, por fim de conlas louvar a mou Para provarmos do tal acipipe, que-se niio
as praias em avultada quaniidade, posto que o ca- Como a invencao americana esperaremos mais h j- .^x. Para lamber os beijos, tamhem nao e para despre-
oiiuliu se ache goia fiance. Mr. Gladshmc n'ou- ampias inforniaces para de t.ido a acredilarmos. I m grt "i", e pode considerar-se rail vezes mais sahoroso
tr pai te do seu discurso, aprsenla incidentemente Se chesar a realisar-se veremos simples flu meul- Uiegando Alhandra s cinco e moia horas da d" Q"8 dVtesiavel bacalhu com ovos que o Sr
una assercao, que parece refutar a nossa assercao. Heos distribuir |>elas casas trrenles de harmona.' ure, linha sido o me.11 nlan. i,,nr u. n rknr- Thoma ""pinge no Sobral aos seus hospedes por
.Nao obstante, insMimos no fundamento do que O jornal De illustnrte Well iraia do invent de .ae' l,"na,s'doi P'*"w tomar lugar no char- bom dJnhfira
aviin(;.mos. [M. Reiz, professor em Fredericksdorf, perto de, ****** Ao sobral, villa que Rea daqaella estacao a A quinta Picava anda a quatro leguas do Me-
No anno que precedeu immcdiaiamente o tra- Franrfurl-sobre-o-Mein. Esle uveulo que do quatro leguas de distancia, e dormir essa noute na xial, e eta jornada era preciso no dia seguinte fa-
ri?^H.^^ satfflS?fui a,,resen,ad aopu-ix2r llITVrr ^rr **?**'? a,"i8 sr^^ir
faeto de que ini|*rtamos |*ra no>so u>o .OOO.lKX): Um dos instrumentos foi enllocado em urna das' B*'"ow,rt>' (*UB te,n slimM6 a d'sposioao dos nos- ruro, animal que Ihe tinha cabido em heranea e
galles de viudo do Porto, 2,800,000 galloes de v- salas do hospital civil de Francfort, estando (echa- v*r* passa-lerapo, um celebre volumedos que elle susteniava mais por amisade do que por
ni 10 do X. 1 ez, e apenas 597.000 gallos de vinhos ; das todas as portas ejanellas; o utro que cora- Mosqueteiros, pejado as margena de muitas notas ostenlacio.
frabeezes de todas as qnalidadrs. municava cora o primeiro por um nico to elec-' curiosas dos passageiros que ali descaucaio O
determinado pela legisla^o arlilicial ; que o povo cava distante do hospital aoo pes. i^a pri
bebera de boa vuntade vnlio palhete, se o podesse das salas extrahirara-.se sons graves do referido
obler a precus rasoaveis ; o que se os puros e sau- instrumento, os quaes foram todos repetidos. As
daris viiihus da Franca podessam ser aprsenla- pessoas que as-j-iiam a e.ta experiencia appiaudi-
dos ao consumidor brilannico, sem as restriegues
de fortes direitos, uo tardaran) em segurar a pre-
ferencia.
Mr. Gladstone, comprazendo-se em discretear
sobre os direitos dos vinhos, compara o consumo
de 1859 com o consumo de 18ti3 ; e estabelece, que
a uiipi'rtacao dos vinhos fruncezes se havia elevado
najuelles quairo annos de 597,000 gallos a......
1,905,000, mosirando um aicrescimo de nada ine-
iis de 330 por cenia Nao ser esse augmento sul-
ciente para provar o que o ministro avaoca ? Pa-
rece-nos que nao.
0b>. re-se que o augmento deriva de urna
quaniidade original to diminuta, que era mu f-
cil publica-la. EfTeciivamente, o consumo dos vi-
libes franceJes aiigmenlou em quatro anuos......
t,400,000 galloes, nada mais. Agora, altenda-se
para os vinhos de Hespanha e de Portugal ; para
o velho Porto, para o amigo Xerez. que os palala-
veis o baratos vinhos fraueexes deviam supplantar.
A impiirtaco de vinhos do l'orio. n periodo allu-
dido, sifbin de 5,000.000 2,700,000 galloes ; e a
dos de X- r-z de 2,800,000 a nada menos de......
4,80,OuO galloes. Ue-farie, o prnprio vinho me-
nos em n-o omsome-se em quaniidade limito maior
do que anieiioimenle. ao nasso que o Xerez. sem-
pre mais procurado, acba-se enormemente favore-
cido. O augmento do consumo do Xerez excede
actualmente, so em quaniidade, o aecr<*srmo de
consumo dos vinhos franceze ; e deve-se ter pr-
senle, que urna garrafa deRordrusou de B>rgonha
nao c justo equivalenie neste calcule de urna gar-
rafa de solido Xerez ou de Porto legtimo. Os vi-
nhos ligeiros sao bebidos im ropo grande, como a
cervi-ja ou a cidra, os outros em copos pequeos
como estimulantes ou cordeaes.
Quandn, por ronseguinte, estaheleeemos que a
procura do Xerez augmentou na proporg de------
2,000,000 galloes, ao passo que a procura fie vinho
palhete s excede o anterior consumo em 1,500,000
galloes ou menos, apresentamos maior augmento
em prul da saprtmarla do Xerez, do que se depre-
hnde dos algarismos. Mesrao no caso do vinho
do Port, que comecava a sabir das nossas mesas,
O romana real presentomente muilo maior
do .jue o de todos os vinhos. O Porto deix'iu al-
gura tanto de estar em moda ; mas o Bordeus e o
Boigoiiha anda nao conseguiram snpplanla-lo.
t Concluimos, pois, que einbora o augmento em
these de Vir. GlaiMone seja exacto, a sua enumera-
gao das importagOes franerzas signifVa muit me-
nos-do que apparenfa representar. Nao sen-ivel
resultado ronlaro consumo de mais 1,400,000 cal-
loes de vinhos paineles, anda qqe o auiinento do
Xerez s fosse meiade daquilla cifra. O contrasie
riostra, que apezar do vinho encontrar cada vez
Dlais fav.ir, os vinhos hgeiros anda eslo supidan-
lados pelos vinhos f.-rtas ; eem verdade sii|H>nino>,
que es.-e resollado concorda com as ampias deduc-
goes f. ilas pido chaneeiler do txehnpter. Segundo
O que cxpcnrleu coulncese, que a incompleta rca-
lisacao do augmento previsto nos direlos dos lico-
res espinluosos, devida em grande parle ni-
danga no goslo do publico. Parereu-lhe que vanios
jtradualuiente passando de vinhos ardentes para li-
cores mais suaves e saudaveis. Ser i.-to prova-
velmente rerlu ; prm nao menos verdade que
o nosso paladar anda nao rhegoii ao poni de sua-
vidade que os vinhos fraucezes representam. Da
mos anda bstanle ahengao ao Xerez, e reparamos
de algum modo a quehra.que principiava, da ten-
dencia para o Porto. Quando modificarmos mais
as BOssas predilercdes, e largarmos os vinhos a que
nos hahiiuanios pelos productos francezes, os re-
sultados do Halado com a Franca ho de traducir-
se un alpansiiios muilo mais efoquenles.
Nao podemos todava levantar mo doassump-
to, sem Mislentar anda urna vez que, pelo emquan-
to, o publico nao lein piohabilidade de faiuiharisar-
sc com os vinhos francezes. As praticas da anti-
gua I h no assumpto manleem o seu terreno conlra
o tratado francez e conlra as novas casas de re-
frescos.
Sem duvida, com pouco Irabalho hoje fcil
ter ao jantar nma garrafa de viho tinto palhete de
prego s.-az ronimodo ; mas o clarete do ministro
da azenda, ao costo de 14 schilliugs, posto qi.e cx-
cellente como elle disse, nao esta ao alcance do to-
das as fortunas
c Os primores dos lugares de LatOte, Chaleau
Margaux e Latour nao pe lencera a qulqner gas-
trnomo, mismo depois dadminuigo dos direlos.
E' cerlo que sem ter em cunta essas especies supe-
riores ha numerosas variedades doelaretes de Cda-
bus e Boigonha, que podem vender-so com lucro
ratoavel a 4 ob 5 shillings |M>r garrafa. Entretan-
to, sao precisamente estes os vinhos que os consu-
midores nao encontrara nos bolequins aunexos
aos espectculos pblicos.
t 0< meih'ftes hotes modernos niio esto mais
adanlados a este respeto do que as humildes esta-
lagams Domina geralmenle a idea de que nina
garrafa de palhete francez cusa muilo caro, poslo
que possa obter-se por prego egual, |wlo menos, a
urna de Xerez. Meia ranada dese vinho, encor-
pado e de boa qualdade, devia alcangai-se sem
duvida por ntela croa (dous shillings e seis pea-
Ce) em qnalquer hotel do paiz, em lugar de rusiar
fj shillings, e de ser quasi sempre de inferior qua-
ldade. O Iraiado francez, em definitiva, nao pro-
duziu sensivel impressao era nossos habite* a lal
respeiio, o o viajaule, romo oulr'ora. Jimia-se a
pedir a >ua meia caada de Xerez, senao se reduz
classica cerveja.
t O publico lem motivo para abrir os olho< e
ver cl*ro. As circulares e li-ias de pregis dos
mercadore* de vinhos formipain para desengao.
Qnalquer pode veriliiur o cusi verdadero dos vi-
nho francezes, e nao preciso umita experiencia
para verificar que se ublem vinho d- boa qualida-
e a prego moderados. Narealidade, o P^flo e o
Xerez sin mais rams E' s i* evKnescenles iradigoes das geraci-s pas-
sadas que os ltimos devem-o ser rupsiderados ar-
tigos de luxo. Supi'omo- que era brevo a verdade
sobre o caso ha de prevalecer : maseo quaaio nao
chega a epaea, nao pademos calcular o alcance do
ti alado com a Franca. E' alguina causa ter eleva-
do o mpMiaio dos vinhos fraucezes dp :100,00o
$00,000 rtrtlias de garrafa. ; |K>rm um arrresci-
nio, que nao representa fiis do que o augmento
do consumo dos vinhos forles.de Hespanha, sber-
ve para indicar o progreeso que reta a fazer-
ram enthusiaslicainente. Os sons tiuhara perdido
parte.da sua iulemidade, mas haviara conservado
a iiiesina elevacao, o que prova que o numero das
vibraces permaueceu egual nos dous exiremos do
lio.
Se a invencao seguir no seu aperfeigoamento e
se for possivel chegar a obter por meio de inler-
mitencias de corrents elctricas, bastante apro-
ximadas, todos os sons, po ler-se-ha entao esperar
que a electricidade cheguo a transuiiitir at a pa-
lavra humana, o que parece possivel, porque a voz
humana devida vibragao das curdas vocaes.
Este faci nao se p Je actualmente por era duvida,
porque diversos physicos e es|iecialmente M. Riol
chegarara a imitar o som da voz humana, e>ten-
dendo faxas elsticas de caoutehouc na extremida-
de de um tubo.
Taes sao as circumstanrias e experiencias mo-
dernas -da lelephonia, a qual promelte um novo
aperfeigoamento e imprtame para a telegraphia
elctrica.
Felizmente, para a sclencia nao verdadeira a
noticia que do Cabo da Boa E-peranga fui enmmu-
nicada ageneia llavas de ter morrido o bem co-
nheeido e infatigavel viajante o Dr. Levingstone,
ousado e esclarecido explorador da frica, ao qual
devenios importantes estudos o descabellas nos
dominios que possuimos n aquella pr.rte do mundo.
A notieia que a tal respe.to circulou em Paris
ro contestada d.-ntro em iouco lempo por noticias
mandadas da Cafraria independeule por um cu-
nhado do Ilustre viajante.
Nao foi Levingstone que morreu, mas sim sua
corajosa esposa e seu cunhado Roberto Modal, fal-
lrcendo ambos as margen* do Zambze.
Tamb> in estove era perigo de vida, ao qual es-
capou, M. Moffat, sogro do Dr. Levingsidne e cle-
bre i"da sua tradnego da Biblia e pela publicago
de um jornal na lingua indgena;
Os jornaes sceniicos comegam a publicar va-
rias noticias ivna do aerolitho que cahiu em
Tourinnes-la Grosse (Blgica) s 11 horas p um
piarlo da manha do da 7 de dezembro de 1863.
Segundo os mesmos jornaes esta queda foi acom-
pandada de detonacoes que algumas pessoa< do lu-
gar compararam a urna descarga de artilharia de
48 e que a distancia de 10 15 ki oraelros pareca
a exploso de um deposit de plvora. Alera dis-
to ouviu-se ura ruido de som agudo durante dous
minutos como o que provra de corpo que se roo-
va rpidamente no ar.
Quando o susto passou e os habitantes poderam
aproxmar-se do lugar em que cahra o aerolitho
reconheceram que os fragmentos anda eslavam
qoentes. O a-Tolilho cahiu na parle calgada de
urna ra e fez-se em pedagos, enterrando pedras
110 momento da queda dous decmetros abalxo do
nivel do terreno.
Vera a proposito repetir o qne sobre o aerolitho
se le em nina memoria de M Domes ko apresenta-
da academia das scie- cas de 'Pars, sobre a
grande quaniidade de aerohlhos adiados nos d-
senos de Alakaraa no Cluli, perto da serra de
Chaco.
Os aerolithos do deserto de Atakama sao nota
veis por mais de urna razao; em primeiro lugar
pela analoga que apreseniam nos veios das massas
que os formam com o celebre ferro meleorico que
exsie no inesnio deserto, e era segundo pela sua
romposigo que bstanle dilfennlo em muilo
pontos da dos aerohlhos coiihecidos.
Mr. Charles 8ainte-Claire Devlle apresenlou
academia .111 nome de Mr. Beflbl de Florenga urna
nota acerca de um sulfato de amoniaco que juina
novo, fiorque oxaminando-o viu que contiuha urna
grande porco de ferro e a que deu o nomo de
Uiissinguallile.
A phisiotga vegetal prngride era todos os as-
pectos. Sao imporlaues os estudos que nestes l-
timos annos se tem teilo acerca da respirago dos
fructs.
Mr. Cahours verificeu o facto da presenga ex-
clusiva do gal carbnico e azote nos fructs ma-
duros, e Mr. Chalin concorda cora elle no que res-
I" la composigo da slructura intima dos fruc-
ts, mas observa que Mr. Freiny j havia provado
anteriormente esse facto. as observages feitas
por Mr. Chatin sobre os fructs do Pi/rus, vilis,
nmpelopsis sumbucra etc., a proimrgo do gaz aci-
do rarbouieo ao azule variou de 24 a 98,9 p. c, e
a dos gazes em relago aos suecos que es tinham
em solugo vaiiou de 2 a 11 p. c.
C'iuverchel concordava em que o gaz carbnico
se forma completamente nos fructs em matura-
cao; esie tarto foi verificado por Mr. Cahours;
Mr. Chatin Umbem >e coufornia com elle, mas
nao acoinpanha o hbil cuimii-o quando sustonlu
que o acido carbnico devido a ferraenlaglo, por-
que os fi ucn.s nao possuera o organismo que, se-
gundo a opiniao de Mr. rasteur, serve para a fer-
iiieniaco, era os producios que se formam ao
mesiiiu temp'i que o acido carbnico da fermenta-
gao do assucar, o alcool, etc. Mr. Chatin asseve-
ra que o acido carbnico provm da de.-imico
das materias tannoides. Mr. halin-escreveu cora
a rollabnrago de Mr. Filhol uina ineuioria em
que esiabelece gue laes materias do nrigem. ao
acido carbnico quando esto sob a influencia do
oxygenio do ar e da luz solar.
A'cerra dos perigos que ha era viajar nos eami-
nhos dr ferro e as diligencias, um sabio itaiano
a lulnear esse livro oude aiguus amigos meus leera
deixado tantas memorias, cear algum bocado de
bacalbu cora ovos, a nica refeigo apetitosa quo
se eucoutra sempre naquolle hoM, felizmente ser-
vido pelas raaos delicadas de urna nedia rapariga
de olhos negros e rasgados, denles alvos e labios
0 ruro de me fallo, um ginete alio e bem ki-
lo, que tem oito annos de easa fra os dezaseis-
cora que viera ; pescogo arqueado, cabega intelli-
gente, crinas abundantes, mas esgalgado, apesar
do alimento farto que o seu dono Ihe d por can-
dade. Iinagme-se o buccphaio a quem o sabio do
baro de Catana salvou a vida quando eslava j
entregue as raaos do e.-fola, e tereis feito dea da-
ITrT TELSS mU,tagraSa' "T quelleestimavelipiadrupedequehavade condu-
versar cora a araabil.dade ae urna v,.scoodessa, zir.n a0 ,
embora exerga ali a humilde eondigao de criada,
e lo capaz de prender um coragao, como a linda ** dormi nada' pensando se o ruco que exce-
cozinheira da aguia negra na Italia, capivra o de a altura dos maiores cavaltos, teria a prudeu-
amor de lord Byron. 1 ca de me nao deitar comsigo na estrada, se no ca-
so de me voar o chapea, poderla sem oulro auxi-
lio trepar de nove para o selim, se dado o caso de
Mas este meu projecto foi translornado ao che-
gar estago da Alhandra ; o combovo tinha lar-
gado a iniiha pequea bagagem, e embora me di.
rigisse aos em pregados a presentando a guia para
m'a entregaren!, nenhum eslava autorisado a rece-
b-la, e lodos me respondiam :
O chefe vem j ahi.
Mas quero samr d'aqni.
em j o chefe.
Repare, porni, que se vae encuendo o ckar-
-banes e posso nao obler lugar.
. O chefe nao larda.
nao querer andar, o escandallara a espora, final-
mente, fazeudo muitas reffexoes par evitar quaes-
quer obstculos.
Mal rompeu o dia, sahei da eama e abri a janel-
la ; a brisa da madrugada entrou vaporosa pelo
quarto, trazendo-me o perlume da giesla, do jas-
mim e das rosas de abril que pnncipravam a des-
abiochar ; a estrella matutina, brilhava anda no
' meio de um cu asul e lmpido, as aves entoavam
'os ieus prime 1 ros gorgeos saudando a aurora !
- Mas o cocheiro vae subir para a almofada e j Que fe|j, s ,u> mea ^^ dJ7aett n,erior.
nao es|*ra. men,e ai|uj ,,3^ l(J perlurDl UD1 ruiJo nportuno,
Isto um momento, o chefe nao pode ter de- as paixos quu gastara e consoinem a alma, falsos
mora. amigos que alragoam, desejos que devorara o cu-
A minha suspeila realisava-se 1 no mesrao ins- "*'. arabiges que perverlem os mais nobres
unte em que o cocheiro gritava aos animaos tu- aenmaonlui, anjos mentirosos que attrahera para
minios : eh I eh I o chicote crepitara noar, e o o* abys.nos, esperaogas que tgcm, Ikisoes que
chai- baes, partia. amargan, desengaos que malam I Ohr como se
, ,. ..". > 6 feliz aqui, no incio desles montes que reverde-
Nestas alturas nao qu.z saber de mais nada cem a0 Spro do Creador, deste cu lo puro e se-
agarro na mala, meti a aguia as roaos de uro nut>> up aiei0 desta Iranquillidade suave, desle si-
dos guardas, affasto o que me impedia a passagem lencio doce, que se nao quebra seno pelo ruido
e corro a gritar pelo cocheiro O maldito volta a 'geiro da aragera bateado as folhas dos alamos,
cabega e contina a fustigar os awmaes cora a e ean, das aws *"e 8e Perdl u0 ^<'
maior indiferenga. Como se presente no meio deste paraiso a dea
A alma cahiu-me aos ps De repente, a deli- de Deus- ^ no cen4ro da? cidades Jesapparece
genc.a ambulanie para; da alioolada salta um ao estrondo ruidoso dos seus infernaes- alaridos I
vulto que se dirige para inim, caiubaio de ambas Eu julgava ter sido o primeiro a dispertar, mas
as pernas, o que nao o evitavade correr, trazeudo- quando cheguei a jauella quu.deila para o pateo,
sent um ks.-odio prolongado ; a este som. urna nu-
veiu de ponidos atravessa-me diaate dos olhos e
me idea um lagarto do fera.
Era o criado de um amigo meu que possue urna
quinta beira da estrada, a tres quartos d* legua
antes de Sobral, e a pouca distancia de Arruda.
Ole, meu rapaz, exelamei eu, tu por aqui I
E' verdade, chego de Lisboa com o patro,
que vae ali dentro ; o char-4ttncs est' cheio,
mas eu cedo-lhe o meu lugar e vou seotado no
lampo.
Mas as tuas pernas t...
vem pousar no chao, e logo era seguida um regi-
ment de gallinhas correndo a virem-se-lhe reu-
nir, ura balaPao de-gansos que eslendem as azas
para chegar mais depressa, e pavita, rolas e pa-
tos coraes, e marrecos, coelhos e pers, lebres e
perdizes domesticadas, galgos e perdigueiros, ludo
ali se ajunlou !
Conservei-me raudo diante de seraelhante espec-
tculo ; aquella comiliva de to deferentes farai-
As ininhas pernas tenhoascosluraado a obe- liaS( reunia.se cqmo se formasurna s, e acodia
decerem-me; lago del las oque quero e se fr pre- ao reclamo de seu dono para receber das raaos
ciso, at as ponho cabega. i delle alguus bagos de unlho e migalhas de pov
O bom do rapaz que me nao quera deixar ex- que chegavam a vir arrancar-lhe d'entre os de-
nost ao fro da noute e pretenda arranjar-me um dos !
lugar ao p do patro, grtou a um dos passagei- Maravildou-meesta scena ; aquello redomonho
de auimaes que se revolva alegremente, sen se
hostihsarein," pareceu-me magnifico.
Applaudi da janella a situagao. Insensato des-
ros
O' seu Manel Ratao, salte c para fra.
E a estas palavras do cambaio, um latago de ja-
leca e chapea desabado sahiudedentro.com a ag- lrui a harmona da obra : ludo fugu com a rapi-
lldade cora que sahe o domador da gaiola dos leoes dei do relmpago ; o meu amigo de cerlo cou
do Price, e tornou o lugar da almofada a nm gest fisle, mas soma com a bondade de quem descui-
do rapaz, que foi sentarse encruzado no tampo, Pa umerro innocente,
como faria urna odalisca n'ura commodo e soberbo o cavalle esl prompto, me disse elle; vamos
coxim. almogar e podes partir.
X i
Dentro, l eneontrei effertvamente o meu ami- Nao parto anda, darei primeiro urna volta no
go, que rae emprazou a ticar com elle aquella pomar. _
noule.
O ckai-a-bancs parliu ao trote dos quatro sendei-
ros vidos da escassa ragao da noule.
Desia vez, pela volta das sele e. meia, consegran
Como quzeres, mas toma conta com o sol.
Sol de primavera nao queiina, respond eu ;
vamos ao pomar. .
E volta foi ella, taes contemptagoes se succede-
chegar ao porlo da quinta sem escangalhar ne- rara, que era urna hora da tarde quando parti.
nhuraa das rodas, nem partir algum dos tiramos. Q ri|f(J que n5o ,inha sido rooillado ,a|vez perto
Quando nos apeamos, om maloio emhugado em de dous uiezes, enciieu-se de nobre ardor e recor-
uma grande manta veio abrir-nos a porta, e disse daudo-se dos lempos era que ligurava na cidado
para o meu amigo tremando o queixo :
Ganhei !
O que que tu ganhaste ?
A aposta.
Que aposta ?
Ora, nao se lembra matei-o I
A quem que tu mataste, desgranado, falla
entre os de meltior raes, morda o freio impaciente,
rmchava, sacuda a cabrea, archeava o peseogo,
dei.lando as mo cora toda a galhardia de um ea-
vallo amestrado, capaz de fazer inveja aos do circo.
Muflas vezes deitei a vista para a sombra que
se reproduzia na estrada, e vi a estampa perfei-
tsaima do ruco, parecondo-me muilo melhor que
o original, por se nao perreber a saliencia das cos-
tellas, o os cfssos me Ihe levantavain da garupa
Eu mesrao, julgar-me-hia um cavalleiro da edade
rSs^ts's^rts^
oude se viaja por estes dous modos. NIo se assste, retorqoio o malot soltando
,en^ncaminhfdefeo LTSn^SSB uraa *"* ^' *** **f- media, se nao fosse fallar no meu chapu a Cas-
viajantes e ferjdo um i>or 331,438. Ha, segundo O que que elle raatou, perguntei en sem ca pluma, fluctuando ao vento.
o iiiesmo sabio, 14 vezes mai>. probabilidades de Derreber
niorrer n'uin roiqi ou n'uma diligencia do que *"
n'um wagn de caminno do r-rro. I Umkagado ; vaes .saber essa historia, inle-
A arvore da cera ha mutos. seclos conhecida ressaDle
na China esta para ser aclimaUda em Franca, o
que se dever aos cuidados do misionario Buge- 4.0 entrarmos em casa, o Jos Lacas, que assim
nio iiiiion. Com a arvore (o pclaohvu) vem tara- R rhamaVa o lapuz, tira debaixo da wanta um
tem oinseem-fo Ui-tckom,) a que ella serve da que primeira vista pareceu-me
aumento. E ped pnmeira vez que a arvofe e o oiioimo umiu, ^ j~
insecto se irausporiaui para a Europa, segundo urna tartaruga,
afllrman os naturalistas franceres.
veta no Along de Cister a sna gloria,
um domingo da infancia passado as solidos do
campo.
A impressao deliciosa desta espectalva qne me
encanlava, s sent que me fugia, quando o eaval-
lo no seu passo grave tirina vallado o extremo da
eiicosta. e os olhos como qne acordando de um so-
nho, avistaram c do alto as planicies de Runa e
o soberbo edificio de Aleobaga que a piedosa prin-
ceza Mara Benedicta fez construir para os invli-
dos, no mero de seus arvoredos, e cercado de uina
cadeia de montes.
Nao tardn-muilo que me aproximasse desse mo-
numento e nao visse sentados pelas beiras da es-
trada os decrpitos soldados do imperador, uns de
muletas, outros em bracos, ou clyeios de gota, que
vinhara receber ali com a viragao da larde osder-
radeiros reflexus do sol para refrigerio da caugada
velhice.
Mais adiante, um-monte que a mao da Providen-
cia pareca ter dividido em dous, abre o ramiuho
> estrada, e foi ahi que avsle a ermidnha do Se-
nhor do Cal vario, rodeada de cypreste* pequeniues,
l em cima da rocha quo parece monto de espu-
ma de cal.
Era n'uma azinhaga*ali prxima que o-meu ami-
go linha ficado de mandar um criado para me con-
duair.
Com effeito, o meu zuia la estava sentado n'uma
pedra, e logo que me viu, ergueu-se eom ar de
que ja eslava enfastiado de esperar, e-tirando o
b ar-rete, disse :
O senhor quem vem para o Mexial ?
Sou eu mesmo ; lana muitod'aqu quinta ?
. Nao, senhor, um botad indo.
Cmegamos a andar unvcaminho detestovel on-
de o meu pehre ruco perdeu duas ferraduras, e
depois atravessamos os pinhaes.
O bocadinho prophetisado pelo meu guia) levou
duas horas !
Depois de me desengaar que se ia prolongando,
disse-lho :
Enlo anda falta muito ?
Ifo, senhor, aqueli*casa que flcaalli adi-
ante.
Este ali adiante, Oca va talvcz a um quarto de le-
gua do- distancia.
OSr tambem vem a tonego, mo perguntou
o guia 1 pois vae ver uina fosu como poucas ha-
vero la.pela cidade. U povo wsolveu fust-jar o seu
re cota lodo o espavenlo.
Ah I o-patro a perola dos horaens e- ludo que
se Ihes faz pouco.
Vo espera-lo e deitar-lhe conreitos-?
Eu nao Ihe digo nada, so-quero que veja, se
nao atira-se o merecimento cousa.
Queres guardar-me a sorpreza ?
Isso, fsso, quero antes que vpja pelos seus
olhos, pois contado nao Ufo sei eu dizer.
Finalmente chegamos ao Mexial ; a ente do si-
lio andava toda preoecupada, e as ras offerece-
rani-iue o espectculo do terreiro do Paco era ves-
pera de festejos reaes.
A dona da casa, mullier do meu amigo o Sr. Ma-
ximinno Joaquim Pereiras ura dos mais abastados
propvietarios de Torres Ved ras, rece*eu-me com a
maior amabihdade. Seu marido tinha partido para
as Calda*, alim de assisur ao casamento de seu ti-
ldo eom a Eyni. Sra 1). M-ina l.uiza Pereira Cal-
das, tilh nica do Sr. Luiz Jos Pereira Caldas,
um dos lavradores mais- rico daquelles sitios.
O casamento devia ler-se enVcluado no dia da
minhachegada eos noivos esperavam-se no dia se-
guinte.
A dona da casa mandou-mo servir immertiala^
mente ojantar, e importunada a cada intante pelos
magotes de gente dos arrednres que Ihe solii'ita-
vam licenga para ver os aposentos nupeiaes, e pe-
las perguntas cunUnuadas da cria'lagem que rinda
saber-lhe as ordens, pediu-me desculpa de nao po-.
der continuar a fazer-mo compauhia, o qu agra-
dec extremamente por me dar occasio a ir dei-
tar-me a deseangar a fadiga da jornada.
Dormi toda a noule e s despertei pe-la maolia
ao estrondo de ama gyrandola de fogu?les.
Sentei-rae sobresaltado na cama e disse comigo :
querem ver que peguei no somno e sanos noivos
que rhegam ? Feila esla reflexo, levantei-me en-
vergonhado. t
Quando abri a janella, vi o dia que vinha a rom-
per. Acabei de me vestir e sahi para a ra ; o po-
vo andava afatigado a concluir os arcos trium-
phaes ; porta de casa tinham levantado um e era
o mais pomposo de todos ; as flores enlagavam-s
ao buxo e no estandarte peodxnte de -cada lado,
viain-se as niciaes dos consortes.
Defrente da porta eslava o coreto para a msica;
mais abaixo deste arco, eocontrava-se outro de lou-
ro, depois deste, outro mais singelo, orna lo de vis-
lusos floros, de papis de cor, em seguida outro,
malisadode uina mullido de variegadas fitas, e a
entrada do lugar, o ultimo Cora toda a casta de en-
leiles e adornos.
Todo este luxo, esle apparato deslumbrante e
digno da rocepgo de ura mouarcha, era feito cus-
la do povo, que, dizia elle a urna voz, achava ludo
pouco para festejar o amigo dedicado e o bemfeiior
dus pobres.
Rapazes, mutheres e velhos, ninguera trabalhou
naquelle dia, e andavain todos em alvorogo espa-
Ihando palmas e flores pela ra do transito, con-
a
. *
agapaan.
AgMM chegad. ponte que i* eMrad* aan ..
Matiat, as girndolas de hfweUa MiUnm m m di-
lodos aquelle, oulciros e monies, a BMriaa torwi
uro hyiiino festivo, o, mmm r.-pteara
te, c o povo a di ni alas, vindo tonar
meu amigo, que nao poda deixar no daam-
nifesiago sincera do povo, que fona VH* wa> <-
nhor feudal, o juigarse honea aut Mu d
mundo.
A mullido acodiu de lal inanetra, e r mala a
coufuso do* fugeles, dinu< e h mt^ira. ne
fra inipossivel aos cavall. proseguir nm
nbo.
Todos se apearam ao airo da entra*.
11 da rain assim al casa, sendo ae mais de seisceatas pessoas que Manan 9n
Apenas eniraram,as janellas da rasa em-keram-se
o povo apinhoii-se no largo para ver a nniva mvm
sua vonlade, a musir snl.iu para o rora*. os
fugeles e os loques> de sino reno+araw-s*.
Depois apreseniaram-se ai viaiam da raoaant-
va ; mudando em seguida de hMleite rti
vez a janella aliin de agradarer de
siasmo do povo.
As cinco horas serviu-se ojantar aaa
s sele, vollando-se as janellas Wnwte
augmentara a mullido om o povo das
ativahido |iek> ruido da (esta, a que prurifii aw
vivas e s accluna-oe, ora aos *>, era ano
paes, como se pxleriam dar em Ijsboa
calamento rea1 ao Sr. IX Luri t Sra, D.
Pa-, ao Sr. D. Fernando a a Vctor f ir mu '.
At s dez horas da aoote em ipie e retiros a
msica, ludo se ronservou assim, e arder* per-
to de cem duzias de foguetes ; para a 1
res, 30 fallou aos noivos serem recebdus
de palio ; o rest foi completo.
Quanlo ao men amigo, esta ovar* falta m* al
(o de que ludo que possa diiar-e en *rm etogiti .
a noi v.i, urna seuhora de adacaca
voreciila dos dns da for I una e do 1
cia pouoo vulgar.
Se o povo de Mexial contar j nm aim* e-iire-
moso, junto d> He tem agora un-. anje> qar o apadar 1
a merecer lauta dedicago.
No da.seguinte, quando roaaia-a naaaami e n
do eslava- anda socegado, t appac-ltur naeii
ruco e vwltei quinta da Arruda.
Cheguei ahi ao meio da, matU-mr aa dH
de Torres-as 3 oras e ao comaoyo da* 7
Lisboa.
Quando se chega de urna jomad .i wrlwana a
primeiro amigo que m desej abracar VMU
seio ; o primeiro que eslava a ininaa espera era a
jornal reclamndome a revisto ." AriMi l>Ma
como a tinha deixado, sepela na so prorerbtal
sensaboria.
O quadrj do campo foi lo alagre, aa aa ba-
sitei em vez de revista de esemar aata aaaana
(D+IHzr de
\
Muitas vezes absorto na contemolagio das pai-
sagens por onde ia passando, que se animavam e t'uiudo os arcos e enfeitando as janellas.
coloriam aos prmeiros soes da primavera, qne so
esmalta vam de arvores rarregadas de flores da
verdura havia distrahido; mastigando as ervas que apanba-
va a geilo, em vez de proseguir o eaminho. En-
tao, quaiidu va que lano eu como elle haviamos
Que diabo isto?... cahido em distragao profunda, animava-o rhegnn-
E' nm kadtga I nlorrompea o maloio cocn- do-lhe os lac5es, quanto bastava para o instigar a
O pe-tachou e o lu-tchong sao oriundos d pro-
vincia do SeTohuer. 1
e.nS^^^^Z^S^X' do a cabega | eu" tinha jurado com-lo com arroz, ra trote, qne pouco depois esmoreca M iqd,len-
China inultos fados com que o iltustrado raiswona- e al que o oacei. 1 ca habitual.
Ao meio dia, outra girndola de foguetes estou-
rou no ar ; era o signal de reumo para aquellos
que quizessera ir esperar os noivos 110 cauinho.
As muflieres com os Ti i I ios ao eolio, e os velhos,
Ocaram com a msica a opera na |eiiirada do
lugar.
Eu nao podia flear impassivel; montei no meu
rugo, e i pequea distancia encoulre a alegre ca-
ravana.
TROPLNi;-RESPOSTA AO WVCm .
IPKINCIIMO DR Al IJKIOSO*
Respondesie-uos Sr., no M-,tulor #
bem que nao sejaiuos uoiiieadus em
de vossa resposta. Mas que importa em feamiiv
um nome de liomein ou de jornal en bea t aVa-
ria? l'uu iheuria uo e aera Jwo, ara* Fut<>. aeat
tu e nem eu ; uina llieoru. eu UiOu iet e. aaw
verdade ou um erro. Com a peiriu a aaa mm*
lodos cspinlos pu ramease chama aw arga-
iiienlos.
M ui to gustamos desse modo de di -rulir per-..
bre a cabirca dos individuos, francataaaaa fa* 1
p 1 inienla 1 nos por isso. Praza a. Dviw ajw 1
por costme, subreludo aa regia ra* p
com aaaaa* amigos; por .jue no dta ra se resolver a separar a duirina -h rcrii**, ui-
vez se veja menos vezes p-;dir cuufc** ao esrnr*'
do erro da doulnna.
No* pelo ronlrario, srnlior. tremn* ib-ver a->
inear-vos, bem que voss* astgn.itura, rmtr* <* db>
(Kistna le, falle a vosso ariqtu- M*s ruai _
uile-ioo e para honrar-ros, pufipie. tufo .pie
mabtes a palavra em pudn u. au* v 1
pouoo eligiainlei'ijo L'lU empfi Jo e
011 menos una iiiumliruiH'iauo leudan. jmxIm .-.ar
aipii ou acola, segundo .1 dura guait u g>vv-
uo Mas o tlenlo de cx-rever > um awrNoa* a>ae
sumos devedores a Do> e a nrs.> Irabilaw. a ar-
mis o jornalisino anda, aaezar de ab a-a( iaa>
delle se leuda rtilo, o a|>-ioi 'Uo o
[M-nsaiuenlo. Tainteui linios quanlos lem
eu quizerein reiu*r sobre a uptnit, ite>ab Ua-a-
beau al Lmanme. U ou seta >>raad-(x %m
vos uoiiie.oiios a gloria ue bver lomad ii^ti f*t
Iraz desses graudts rspints.
Deixemos poriu isso m-uIhit. Agora v-'ii'n a
dbale. TlllliamvS UlsllgUldo t-lilre o .Ir a,
autridade, eulre o fact e a ka, entre a l*n*
o direilo. enlre o acod-nle e a le. eutr ai
e o consenso. DMiutvo pueril, fesj>i.le*;
leza de espirito,.urgoto do s\uoimiii>, rum
de gl'diumatlra. E Sobre isso lio- imud ib k*M>-
caiiienie a Vaugelas, e de.os de im ler aMajaW..
a l'oncio, nostrnaes a mandar a I' W". i.-fc e.
direito roina.no. Pvlimiu 11 nomos ;oafr*//-r
di/.eis que uno se fin* mus .Irtlru*. ts m Intime M-
ti-raria, e iuu remuntnm, te farrea vaVr fum*
das consus. n jurisyrwtenci't rom>im tu* *>
uitijim Jessis mlurius ptflrr r tmlOi-tJmU.
Mus ailemle, senhor Podei-js* em
ir pio-iuar de outio la.l > a aftaaaai
delliiigu da trga e da idea, <;ua mo vi> procisainenle ao mu* par re aa a*tk
delimgo? TenJes es|iiei-iik>, por aCt-o, >iua a n .
jurisprudencia que linda |ajaj| ga 1> c. Uifc^n W
poJeies por seu uso o poder U'S- nh.; sabr a -
aaaaa, nao pode saaia maii renaraa dar rere
la'ssa queslo Nao soiinis lagios, v*>.r.
i'brisifios; datamos iia viuda do Ju-iu abre 1
e para dim-ulir eonreuienlenw^iie, ili-nii.
queris, na ordem ecuM oaueQorra K> 1
Isto posto, OU UM* verdatMj ipje O iniilrr e ^ .
tondade sao duas entidades, como o derlasajo -
que o poder o. laelo do coinaaa>lo ituiada sabrt
a for^-a armada, urna pistola o um prni-r, aVaaa L
J. Itus-eau ; que a autrnladd pe>o r-mWMm, a a
facto do cumulando ai>-uW. no assraanr
co, por quo obedecer na lingua la nmtat,
smenla adherir a jiisga, que a amUr r*.r* ar-
da matefW, e a autri iaJe, nats lula, a-iairaaal ;
que por luda parte onde da nma rarliis. aan>
importa de que natureza. prtirlaaaaai a racaato 11-
da pela razao, ha aulornla-le; ipaa dii-sa par aaaaa
pju, a autridade de Descarten, de .lewaaax aaata
era parle alguna se dizo podwr de .Sarrio*. .
der de Desearles ?
Vamos adiante. Nao ver*
neste daixu minut p>alrr justo a I
lo mais o poder justo, i-I"
nogo de ju.-liga derramailo aa sarir*>b>.
mais |Hir es-a.razao farilna-are re 'a ifcwa. larrt-
nienio udeiiendo, h"r Qjue resaeruilo a rada pad
rrspeita a si pn-prio; obwl nradn aa rada, ajaal
obedece a sua cmi-cieucia ; i** taaa* man
contrario, o p-adr injusto, is* .
gao cora o senliment de paaJaga
m^o, mas a obediencia lolanrit
rao por una surte de rons|Mrafe e taaa araat el-
la de ve volar de espada ao bd* p* riajaaanr par
ura redodrament de consiraag obediencia? Toda qoesln se rada* a 1
a a nada mais. Salvo o pasrerda m aaaa 1
q^uesio de palavra. por aaa aa
lau de ideas.
PSRNAilbCa- TTP. I* r. r. 4 rujo
Jk.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EQDPODILY_TG7VDV INGEST_TIME 2013-08-27T20:57:31Z PACKAGE AA00011611_10368
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES