Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10364


This item is only available as the following downloads:


Full Text
3
AHIO XL. ffMEBO'108.
Per tres mtm adiaotata ... 58000
Por Ires mezes vencidos 6JJ000
Porte a comi por tres mezes. 9750
DIARIO
/-f
QUINTA FEBtA 12 SE MAO DE 1864.
Por bi adiaotadt......I-OJOOO
Porte- ao correio por amo 3g00
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPQO NO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima'
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Aracaty,
Sr. A. de Lemos Braga; Ce.ir, o Sr. J. Jos d
Oliveira; Maranhao, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Manoel Pinhciro & C; A-
mazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA Sl'BSCRIPCAO NO SL
Alagas, o Sr. Claudico Falco Dias; Baha, o
Sr. J Martins Alves; Rio de Janeiro, os Srs. Pe-
reira Martins & Gasparino.____________________
PARTIDA DOS ESTAFETAS. EPHEMERIDES DO MEZ DE MAIO.
Olinda, Cabo e Escada todos os dias.
Iguarassu', Goyanna e Parahyba as segundas e
sextas-eiras. ,5 nova as 9 h-> 51 m. e 2 s. da t.
Santo Antao, Gravat, Bezerros, Bonito, Caruaru', 13 Quarto cresc. as 4 h. e 61 m. da t.
Altinho e Garanhuns as tercas feiras. 21 La cheia as 11 h., 4 m. e 20 s. da m
Pao d'Aiho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqueira, ft "
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Tacaratu', Cabrob, tH Quart0 mo- as 7 h. e 56 ra. da m.
Boa Vista, Ouricury e Exu' as quartas feiras.
Serinhem, Rio Formoso, Tamandar, Una, Barrei-
ros, Agua Preta e Pimenteiras as quintas feiras.
Illia de Fernando todas as vezes que para ali sahir
navio.
Todos os estafetas partem ao '/ dia.
PREAMAR DE HOJB.
Primeira as 8 horas e 30 minutos da manha.
Segunda as 8 horas e 54 minutos da Urde.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
Para csul at Alagas a 8 e 2o; para o norte at
a Granja a 7 e 22 de cada mez; para Fernando nos
das 14dos mezes dejan, mar, maio,jal. set. enov.
_ PARTIDA DOS MNiBlS.
Para o Recife : do Apipuocs s 6'/,, 7, 7 /, 8 e
8 /i da m.; de Olinda s 8 da m. e 6 da tarde; de
Jaboatao as; 6'/, dam.; do Caxang e Varzea s 7
da m.; de Bemlica s 8 da m.
Do Recife: para o Apipares s 3 % 4, 4 >/4,4/_
o, 5 'A. o Vi e 6 da tarde; para Olinda s 7 da
raanlua e 4 Vi da Urde; para Jaboatao s 4 da tar-
de ; para Cachanga e Varzea s 4 Vi da tarde; para
Bemfica s 4 da tarde.
I AUDIENCIA DOS TRIBUNA3S DA CAPITAL.
Tribunal do commercio: segundas e quintas.
Relagao: tercas e sabbados s 10 horas.
Fazenda: quimas s 10 horre.
Juizo do commercio: segundas s 11 horas.
Dito de orphaos: tercas e suts s 10 horas.
Primeira vara do civel: tersas e sextas ao maio
dix
Segunda vara do civel: quartas e sabbados a 1 hora
da tarde.
DIAS DA SkMaNa.
9. Segunda. S> Gregorio. Nazianacno 10. Terra. Ss. Manda e Pluladelplie mu
11. Quaita. Ss. Rabo 1 Ana.-lario inm.
12. Quinla. S" Joanna prinreza v S. N -r-o m.
i;, itt. S. l.'edrn I;. -; 11 uiii t. : i. Servare M.
li. Sabbado. S. Alhanasin U;S. Gil.
(">. Domingo do Espirito Sanio.
ASSIGNA-S
no Recife, em a livraria d^ praca da Indep eiee>
ns. 6 e 8, dos proprietarios Manoel Figuaroa <
Fari Firao.
PARTE 9FFICIAL.
G0YERM DA PROVINCIA.
Continuarlo do expediente do dia 7 de maio
de I vi i.
OIHcio ao Exin. presidente da provincia das Ala-
roas.Bogo V. Exc. que se sirva de providen-
A requisigao do Dr. chufe de polica vicram do
presidio de Fernando para esta capital o paisano
Miguel Pereira do Valle e o sentenciado Joo Jos
caglo indicada por esta assembla, allm de que as cederam a Jos Joaquim Cali por 1:4953000 por : producios e ronsequeniemente coucorrer para o
despezas da desappropriacao corressetn por cunta '
da companhia, e que apenas olereciam o adianta-'
de Gandra que se acha dsposiglo de Vrac. afim ment da quantia de 18:000,5 is sem juros, para i
de deporem como tcstemunhas no processo que por j ser pagos em prestagoes annuaes pelos cofres pu-
esse juizo se va i instaurar contra os indiciados na | blicos : de parecarque esta assembla nloappro-
ve o contrato celebrado pelo presidente da provfn
-:- >Mi j.. j____-----j io. --__ _________
mort do sentenciado Manoel Leandro Feitosa.O
quecommunico Vmc. para seu conhecimento e di-
reccao. Tambem communicou-se ao brigadeiro,
commandante das armas e ao Dr. cliefc de po-
lica.
ciar para que sejam ministrados os esclarecimen- d|0 ao engenheiro Gervasio Rodrigues Campel-
los que o juiz municipal da primeira vara desta lo.Transmuto Vmc. coberto com offlcio do ca-
<-ni.-i.it- solcita sobre o sentenciado Luiz Lopes Ro-
drigues eu Pedregulho, no olllcio de 4 deste mez,
junio por copia.
Portara.O presidente da provincia resol ve
Bornear Amonio Conrado Sabino para o lugar de
prateante da thesouraria provincial, que se acha
vago, por ter sido noineado Juvencio Temporal,
que o exercia, professor publico da freguezia de
Fazenda Grande.
9
Oflcio ao brigadeiro commandante das armas.
Sirva-se V. Exc. de mandar por em liberdade,
dando-lhe baixa se j estiver com praca, o recruta
Joaquim Jos da Sant'Anna, visto ter provad^sen-
fo de recrulamenio.Communicou-se ao Coronel
itcriiiador.
Dito 10 mesmo.-r-Sirva-se V. Exc. de mandar
per em liberdade o Irecruta Jos Ricardo de Lima,
visto que foi julgado incapaz do servico do exer-
pito de engenheiros Domingos Jos Rodrigues, o
ornamento e quatro plantas relativamente a um
trapiche de ferro na alfandega desta capital, alim
de que com a possivel brevidade d o seu parecer
este respeilo.
Dito ao thesoureiro das loteras.Mande Vmc.
extrahir urna parle da lotera concedida em favor
das obras da igreja matriz da freguezia de Sanio
Amaro de Jaboatao, cuja extraeco j fot ordenada
por offlcio desta presidencia de li de margo do an-
no passado.
Dito ao juiz de paz presdeme da junta quali-
cadra da parochia de S. Frei Pedro Goncalves do
Recife.Remeta Vmc. impreterivelmente at o
dia 14 do corrente ao presidente do respectivo con-
selho de qualiflcagao para a guarda nacional a re-
lagao nominal organisada por quartcirSes e em or-
dem alphabetica de que trata o 2 do artigo 60 do
decreto n. 1130 de 12 de marco de 1833. Iguaes
icio de V. Exc. de 125 de abril ultimo, sob n. 7o4 cagao das freguezias de Santo Antonio, S. Jos,
Communicou-se ao coronel recrutadpr.
Dilo ao mesmo.Sirva se V Exc. de informar
sobre o que pede no incluso requerimento o ex-
Bargeolo do stimo! batalhao de infamara Conrado
Goncalves Meirell
Dilo ao mesmo.
acerca do que peJ
da Mara do Rosano.
!S.
-Sirva-se V. Exc. de informar
; no incluso requerimento Igna-
Diio ao conseil
lninal de jusiiga
bacharel JJMol
reassumio^Hlen
da comarca do
conforme parlicip
coininunicago se
Dito ao Dr. che
ordens para que
prehendidos no n
iiii-.ie'io para a
organisadas por i
tica de que trat;
ii. 1130 de I i de
ordens para que
tridos da provine
Jei, como por vez
eiro presidente do supremo tn-
Communico V. Exc. que o
Clementino Carneiro da Cunha
icio do carg de juiz de direito
Rio Formoso em 2 do crreme,
m em offlcio dessa data.Igual
fez thesouraria de fazenda.
e de polica.Eipeca V. S. suas
s subdelegados dos distritos com-
uuicipio desta capital remettam
aos presidentes d>s respectivos conselhos de qua
Boa-vista, Poco da Panella, Afogados, Varzea, San-
to Amaro de Jaboatao, Muribeca e S. Lourerfgo da
Matta.
Dilo ao superintendente da estrada de ferro.
Respondeudo ao offlcio do Sr. superintendente da
estrada do ferro de 18 de abril prximo Godo, te-
nho a dizer-lhe que as contas dos transportes do
governo no mez de margo ultimo que vieram an-
nexas ao citado offlcio importan) em 815123 e nao
em 1325710, como ver o mesmo Sr. superinten-
dente da informago junta por copia do engenhei-
ro fiscal da referida estrada.
Portara.-O presidente da provincia, attendendo
ao que requereu o promotor publico da comarca
do Bonito, bacharel Joaquim do Reg Barros, re-
solve conceder-Ule um mez do licenga com orde-
nado na forma da lei para tratar de sa sade nes-
ta cidade.
guarda nacional at o dia 14 do
<:orreute impreterivelmente as relagocs nominaes
uarten oes e em ordem alphabe-
o 4. do artigo 10 do decreto
hiargo de 1853, expedindo iguaes
is subdelegados dos demais lis-
ia cumpram aquelle preceito de
bs se ha recommendado.
Dito ao inspecor da thesouraria de fazenda.
Commuuicando-ree o engenheiro Gervasio Rodri-
gues Campello en ofliei de lioniem que, tendo-se
encerrado os trabalhos da assembla legislativa
provincial, reassiimira naquella data o exercicio
das funegoes de Dgenheiro das ubras do melhora-
mento do porto, issim o declaro V. S. para seu
conhecimento e < ireegao.
Dito .10 mesn o. Respondendo ao offlcio que
V. S. me dirig) em 19 de marco ultimo, sob
n. 151, tenho a lizer que nada ha a resolver acer-
ca do cometido da citado offlcio, Visto j haver si-
do resumida a sa Ibesoararia a quantia de 1005
qiiii titulo de g aiilicaco lirou o quarto balalho
de artilharia a pj para o voluntario Manoel Joa-
qiiim Gomes Ji reiro que leve baixa por ser tam-
bor do q italhaoT de artilharia da guarda nacio-
nal deste municipio.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.
Km vista de sua
n. 172, dada coi
doria dessa Ulest
manto doemnent
de proeassar p
informago de 7 do crreme, sob
referencia ao parecer da conta-
uraria acerca do incluso requeri-
ido, rci'ommeiido V. S. que man-
ra ser paga quando a assembla
legislativa provibcial marcar queta para eSM fim
a divida de exe eicios lindos na importancia de
352J770 rs. de que credor o professor de ins-
tru gao elemenllir da freguezia do Altinho Eduar-
do Jos de Sant' Vana proveniente 'de seus ordena-
dos a contar de Janeiro junha de 1838. e de Ja-
neiro 14 de mirco de 1839, como se v do men-
cionado parecer
Dito ao mesnip.Transmiti V. S. para o fim
olventeme a inclusa relagao nominal dos Srs.
debutados que e mpareeamn s sesses de proro-
pagao da assem >la legislativa provincial a contar
do primeiro at 7 do corrente mez
Dito ao desembargador provedor da Santa Casa
de Misericordia.Ayprovo os orgamentos que V.
S. me remelteu CornT) seu offlcio de 3 do corrente
que respondo,! da receita e despeza dos estahele-
ciraeotOS ilecaridade e do patrimonio dos ornhos
para o futuro anuo econmico de 1864 a 1865.
Dito ao capiio do porto.Fago apresentar V.
S. o recruta de mannha Marnd Antonio, aflm de
|ue V. S. llie de o conveniente deslino, depois de
iii>peicionado.4-Communicou-se ao Dr. chefe de
polica.
Dito ao commandante do corpo de polica.Po-
de V. S. fazer unyajar para o servico do corpo sob
seu commando o paisano de que trata o seu offlcio
n. 217 desta dala.
Dito ao commandanle superior da guarda naco-
"iial ilo Recife.Devolvo o requerimento de Baldui-
no Jos Tavares da Silva, guardado terceiro bata-
lhao de reserva deste municipio, que veio junto ao
seu offlcio n. 34 de 2 deste mez, alim de que V. S.
Ihe mande passar a guia que pede e de que trata
o art. 42 do decreto
1853.
Impertiente do secretario do governe.
Offlcio ao Dr. Manoel Buarque de Macedo, enge-
nheiro fiscal da estrada de ferro.S. Exc. o Sr.
presidente da provincia manda declarar V. S.
que pelo seu offlcio de 8 do corrente ficou inteirado
de haver V. S. reassumido o exercicio do cargo de
engenheiro fiscal da estrada de ferro. -Communi-
cou-se a thesouraria de fazenda.
DESPACHOS DO DIA 9 DE MAIO DE 1864.
Rrqner mentas.
Anglica Mara Rosa da ConceicSo.Passe por-
tara concedenda a licenga requerida.
Padre Francisco Verissimo Bandeira.Indeferi-
do vista da informago.
Henrique Tiberio Cpistrano.Nao existndo no
presidio de Fernando, como informou o respectivo
commandante, registro do termo da autopsia, de
que se traa, certifique o offlcial archivista da se-
cretaria do governo o que este respeito constar
da mesma secretara.
Joo Raimundo Nepomuceno.Informe o Sr. co-
ronel reerntador.
Fr. Jorge de S. Anna Locio. Drija-se ao Sr.
commandante superior da guarda nacional do Re-
cife.
Joao Florentino Cavalcanti de Albuquerque
Informe o Sr. commandanle superior da guarda
nacional do municipio do RioFormosoeSerinhem
Bacharel Joaquim do Reg Barros.Passe por-
tara concedendo a licenga requerida.
Manoel Teixeira de Carvalho Ralalo.Informe
o Sr. juiz municipal da 1" vara desta cidade.
Tenente Pedro Paulo dos Santos.Junte a sua
patente.
Rosa Mara da Silva Salles.Informe
fe de polica.
PERWAMBOCO
ASSEMBLA PROVINCIAL.
SESSAO ORDINARIA EM 8 DE ABRIL DE 1864-
l'IIESIOENCIA DO SR. CO.NSELHEIRO TRICO DE
LOUREIRO. *
A meia hora da tarde, feita a chamada e achan-
do-se presente numero sufflcienle dos Srs. de-
pulados,
Abre-se a sessao.
Lida a acta da anterior approvaMa.
O Su. Piumeii# Secretario d- conta do se-
gu nle
EXPEDIENTE.
Um offlcio do secretario do governo, remetiendo
as posturas addiconaes da cmara municipal da
villa do Cabo. A' coramisso de posturas muni-
cipaes.
Outro do mesmo, remetiendo as nformacoes mi-
nistradas pelo inspector da thesouraria provincial
acerca da petigo de Francisco Pereira de Carva-
lho.A coininisso de obras publicas.
Outro do mesmo, remetiendo o balango, orgamen-
to e contas da cmara municipal da villa do Boni-
n. 1130 de 12 de margo de to.A' cdmtnisso de orgamesio municipal.
Outro do mesmo, remetteudo o mappados alum-
inio ao mesmo.Eupega V. S. as suas ordens, nos do Gymnasio Pernambucano. A'quem fez a
para que seja postada em frente da igreja do con- requisicao.
ven'o do Carnio um dos batalboes da guarda na-
cional, sob seu commando. alim de assistir ao offi-
Outro do mesmo, remetiendo a informago mi-', '' m.,nipinn
lustrada pelo Exm. prelado diocesano, acerca do I
cia em 30 de dezombro de 1863, com as pessoas
cima mencionadas.
Sala das commissoes, 8 de abril de 1864.(/im-
peli. Reg Barros. Silvera Lobo.
Fica tambem adiado, por ter pedido a palavra o
Sr. Silva Barros, o segulnte parecer :
A coramisso, revendo, a petigao de Manoel da
Costa Honorato, em que pede a esta assembla um
auxilio monetario, que por urna verba determinada,
qoer pela concesso de urna lotera para que jlle
possa dar ao seu Diccionario Topographieo eslats-
tico e histrico da provincia maior desenvolvi-
miento e perfeigo, visto Ihe faltarem os meios para
tao difflcil quo dispendiosa empreza : a coramis-
so nao pode deixar de louvar o peticionario por
um tao patritico empenho ; mas considerando
que a falta de trabalhos proprios e ndispensaveis
para a confeccao do urna tal obra, leva a crer
que o peticionario pouco mais possa fazer do gue :
j existe em a primeira edgo; considerando mais,
que tendo o peticionario de fazer grandes despezas
para realisago de seu desidertum, esta assembla
marque-lhe urna verba de alguma importancia, o
que actualmente nao pode ter lugar, pos a com-
misso pensa que nao sufflciente para o que pre-
tende o pelicionario urna quantia qualquer, o pro-
duelo de urna lotera como elle requereu : a cora-
misso de parecer que seja indeferida a petigao
de Manoel da Costa Honorato.
Pago da assembla legislativa provincial as 2
de abril de 1864Silva Ramos.Manoel Nelto.
ET lido e approvado o seguinte parecer :
A commisso de commercio, agricultura e obras
publicas examinando as informacoes que pela pre-
sidencia foram fqrnecidas a esla assembla, acerca
do pagamento de 33:6005 rs., das prestagoes que
sao de vidas ao engenheiro civil Jos. Mamede Al-
ves Ferreira, pela entrega, provisoria dos 15 e 16
langos da estrada do norte, de que arrematante,
de parecer que se pega copia do respectivo con-
trato, afim d poder ser devidaraente apreciado o
direito do arrematante.
O recebimentb provisorio de langos de estrada.
para dar direito ao recebimento de prestagoes por
parte dos arrematantes, necessita de clausula ex-
pressa no respectivo contrato, porquanto taes en-!
tregas sao em favor do arrematante; e desde que
se nao desprende o arrematante das obrigages re-
lativas aos langos entregados provisoriamente, nao
se entende que o trabalho que Ihe relativo, esfi
completo, e por consegrante uao em o arrematan-
te direito ao recebimento das respectivas presta-
goes, o menos ao juro, visto como nao ha mora.
A lianga prestada pelos arrematantes nao deve
comprehender a responsabilidade pelos dinheros
que forera levianamente dados pela thesouraria aos
arrematantes, e por consegrante f reos sero os re-
cursos, iracas serao as garantas quo restarlo a fa-
zenda para haver urna quantia indevidamente pa-
ga, claro que so se lera obrigacao de pagar depois
de feita a entrega definitiva.
O mesmo nlo se d acerca do pagamento dos
6005000 que sao -un resto de prestago pagas : e
por tanto a commisso de opinio que seja auto-
risadp scmelhante pagamento, porquanto muito
perde a provincia com o pagamento de juros, e
nrmente de juro alto como o estipulado.
Sala das commissoes, 8 de abril de 1864. Sil-
veira Lobo.-Campello.Reg Barros.
Fca adiado por tr pedido a pilavra o Sr. Jos
Joaquim do Reg Barros o seguinte parecer:
A commisso de petigo revendo o requerimento
de Herculano Julio de Albuquerque Mello, no qnal
pede a esla assembla para ser aposentado cora o
ordenado corn-.spondente ao tempo de servigo no
lugar de bedel do Lyceu desta cidade ; de pare-
cer que tendo o peticionario sido nomeado para o
lugar de mordomo" do Gymnasio Pernambucano
quando foi extinclo o dito Lyceu; e nao tendo que-
rido aceitar tal nomeagao, que tendo ento aban-
donado o exercicio do emprego publico, sem que
o Sr. che- reclamasse sua aposentadora, nao Ihe assisle direi-
to de pedir a esta assembla que o mande aposen-
tar, porque entende a commisso que s o deve fa-
zer quelles empreados que estlverem em exer-
cicio.e nao quelles que tivessem voluntariamente
abandonado seus empreges, vmdo tempo depois a
pedir a esta assembla aposentadora : pelo que
a commisso de parecer que seja indeferida a peti-
ro de Herculano Julio de Albuquerque Mello.
Sala da assembla legislativa provincial, aos 5
de abril de 1864.Silva Barros.Manoel Netto.
Vai imprimir o seguinte parecer :
A coramisso de negocios ecclesiastcos revendo
os estatutos da associago de Nossa Senliora das
Dores, cuja imagem se venara no aliar do Seiihor
Bom Jess dos Afflictos, na greja do recolhimento
do Sautissimo Coracjaa de Jess da villa de Igua-
rassu, de parecer que sejam approvados com a
alterago seguinte:
No art. 6 do cap. 3 diga-se o vice-director
ser igualmente nomeado por S. Exc. Rvm., sob
proposla do director, e o mais como o mesmo ar-
tigo, i
Sala das commissoes, 8 de abril de 1864. Ma-
ranhaoFrancisco Pedro.Teixeira de Mello.
E' lido e fica adiado por ter pedido a palavra o
Sr. S Pereira, um parecer da commisso de obras
publicas, indeferindo a petigo de Joao Hypolto de
Meira Lima; ex-arremataote do empedramento de ,
alguns pontos da estrada da Victoria.
E' lido e approvado outro parecer da commisso
de orgamenlo municipal, pedindo informagSes ,
cmara municipal de Goianna, acerca da preten"
gao de Domingos Nolasco do Espirito Santo, arre-1
matante do imposto de gneros alimenticios da
19 mezes, como se evidencia da cscripiura junta ,
considerando que semclhanta transago nao teria I
lugar, se por ventura nao houvesse maior prejui-!
zo ; considerando que muito bom podem os con-
doctores de gneros desviarera-se da ponte da Mag-
dalena pela travessa dos Remedios, e segu rem
pelos Allegados para esta cidade, principalmente
accrescimo da riqueza publica.
Mas, Sr. presidente, se a- construego da estra-
da do norte de manifesla ulilidade, a conslru-
co dessa parte, deque traa o projecto cresce em
ulilidade e necessdade ; porquanto essa parte da
estrada do norte e corlada, por dons rios, que, na
estago chuvosa, tornando-se caudaloso, mpossi-
no existndo naquella parte pedagio ; attendendo,, bilitam- o tramito desta sapital para aquella cida-
qne o cholera reappareceu esse trienio tanto nesta1 de, paralysam o commercio, produzem por iwim
cidade com mais intensidade nos lugares de fra dizer, urna solugo de continuidade as relagdcs,
bem como a varila, como comprova o atteslado. que prendem esla aquella cidade; aeemseendo
do inspector de sade; considerando que a quebra ainda, Sr. presidente esses inconvcnien)es e en-
da commandita inlluio na vida de muitos indiv- commodos os que resuiam de duas ladeiras es-
duos, eque privou alguns de outras coromoddn- carnadas e resvalads, que existen! ifaquella par-
des, e que portanto verosmil ter feilo desappa- te da estrada do norJe.
recer alguns vehculos ou carros de pessoas que Da factura dessa estrada nao resultara, Sr. pre-
moravam alm da Magdalena, considerando porm sidente. vantagens nicamente para Goianna; esla
que seguudo a theoria das leis de fazenda os sup- capital, toda a provincia lucrar; porque sabe V.
pilcantes nada teem de reclamar, ainda luesmo Exc. e a casa nao ignora, que estabelecendo-sc urna
nos casos imprevistos, extraordinarios, e nao co- fcil communicagilo enlre aquelle centro productor
gitados segundo diz o contador na mesma informa- j e o mercado desta capital, as Iraosacdes, augmen-
go unida : ettendendo porm a que a fazenda nao ; tarao, a industria agrcola, livre da difflculdade de
lucra com a ruina de qualquer cidado, e que j fazer chegar os seus productos ao mercado, progre-
houve prejuizo por causas extraordinarias, que dir: e d'ahi o augmento das rendas da provincia,
portanto de cquidade, e j teudo-se dado diver- vantagem real nao s para a comarca de Goiaana
sos precedentes por iguaes motivos, segundo afflr- e para esta capital, senao tambem para toda a Bro-
ma e diz o Sr. inspector na informago junta; at-; vincia.
tendendo mais que tendo os supplicantes arrema-' Masarpumentar-se-haos cofres provinciaes
do diversos impostes nunca pediram abate, e dei-. nao comporlam semelhantes despezas, a sua deflici-
xaram de eflectivamente cumprir suas obrigages; enca nao permute a construego de obras que con-
ronsiderando ainda que foi crescida a dilTerenga suma dezenas de contos do res,
no prego da arrematarlo presente comparada com : Sr. presidente, eu eetendo que os impostes tem
a passada e que concedendo-se um abate na quin- por lira a satisfago das necessidades daquelles de
ta parte do prego que den o arrematante ainda as-; quem sao percebidos; eu supponho que adefflcien-
sim a fazenda publica nao perder, e lucrar per-' ca dos cofres provinciaes nao tal que nao com-
to de dois contos o trezentos na somraa total do porte a satisfago das despezas da factura de tres
trienio ; por tanto de parecer a commisso que! leguas de esirada, lio reclamada pela populago do
se deve aceitar o seguinte projecto de lei. | norte desta provincia onerada de impostes.
A assembla legislativa provincial de Pernam-1 Anda mais: a quantia porque fr contratada ou
arrematada a factura da "estrada sera paga
parcialmente, a proporgu que se fr construin-
do os langos da mesma estrada, tornndose assim
as despezas menos onerosas, mais coniportaveis aos
buco, resol ve
t Art. nico. Fica concedido um abato da quin-
ta parle sobre o prego da arrematago a Flavio
Ferreira Callo o Jos da Costa Brandao Cordeiro
arrematante do pedagio da ponte da Magdalena, cofres provinciaes.
Carvalhos e Tapaeur ; ficam revogadas as dispo- Se os cofres da provincia nao se acham, como
siges era contrario. reconhego, em estado lisongeiro, eu emendo, Sr.
Sala das sesses da commisso de orgamento presidente, que muitas despezas que se fazem actu-
proviucial, 8 de abril de 1864. Joaquim do Reg almente devem ser despensadas, ou, quando menos,
Barros.Xavier Pereira de Brito. Buarque de diminuidas, urna vez que nao lenhara ellas a just-
Macedo, wneidu. licagio, o alcance imtnenso da despeza que crea o
O Sr. Bu.vroui { pela ordem ) pede que a projecto, a fim de que mais fcilmente possam ser
casa Ihe conceda dar as razes do seu voto, urna satisfeitas as de maiores utilidades c necessidades
vez que, concluindo o parecer por urna resolugao, publicas.
nao ter de ser subraettido di>cusso, nlo obs-
tante haver. um voto era separado no mesmo pare-
cer.
Persuadido, Sr. presidente, de que esta casa se
acha dominada pelo desejo de concorrer para a
prosperdade e engrandecimiento da provincia, es
O Sr. Brito : (pela ordem) manifesla-se con- pero que ella nlo negar a sua approvaglo ao pro-
tra a opinio do honrado membro que o precedeu, jecto, atientas a sua manifesta utilidade e reconhe-
por isso que o regiment expressamente determ- cda necessdade.
na que ao artigo 155 que o parecer que contiveri Nesta persuaso, senhores, eu nada mais accres-
a assignatura de um dos membros da commisso' cenlarei, a respeito do projecto, que digno de
vencido ou com restrieges, ficar ipso fado a-' vossa approvaglo.
diado. I Tenho concluido.
Consultada casa decide que ao honrado Io se-; O Sn. Gwcalves da Silva:Sr. presidente, de-
cretarte seja concedida a palavra para explicar o pois do que acaba de dizer o honrado membro que
seu vote. ] me precedeu, bem podia julgar-me dispensado de
O Sr. BiABOtE : (Nlo devolveu o seu dis- aventurar mais algumas consideracoes em susten-
curso.) taglo do projecto que se discute, certo como eslou
O Sr. Nabor : (pela ordem.) Entendo que to- i de que as judiciosas reftVxes do meu collega terlo
da a vez que se tratar de urna materia prevista no levado ao espirito da casa a convicelo iutima da
regiment, antes de todo deve lr-se essa djspo- | urgentissima necessdade da concluslo da estrada
siglo. ao norte desla provincia, entre os engenhos L'b e
O Sn. Presidente : Permita o nobre depu-' Bujary.
tado que Ihe diga que nlo est na ordem. O Sr. I Entretanto, Sr. presidente, na qualidade de sig-
Io secretario deu as razes que o levaram a assig- natario do projecto, drei ainda alguma cousa, em
nar o parecer vencido, por que a casa assim o ti-' ordem a corroborar o que j foi dito, com quanto
nha determinado, por tanto nao pode continuar.
O Sr. Naiior : Vou mostrar que nao eslou
fra da ordem.
O nobre deputado i" secretario pedio a palavra
para combater o projecto antes de ter sido julgado
object) de deliberag-^o, o que contra a expressa
determinago do artigo 107 do regulainento da ca-
sa que diz : (l)
O Sr. Bc.vriile : O arljgo 153 diz o seguinte :
O parecer sobre cuja materia o deputado pedir a
esteja persuadido de que nlo poderei augmentar
alguma idea sobre o assnmplo. (Nao apoiados.)
Um Sr. Deputado : O nobre deputado sempre
que falla Iraz muita luz.
O Sr. Goncalves da Silva :Agradego muito o
bora conceito que de mim forma o nobre depu-
tado.
Sr. presidente, a importanlissma comarca de
' Goianna, urna das mais ricas da provincia, pelo de-
senvolvmcnto de sua industria agrcola, a que olfe-
palavra se considerar ipso fado adiado para ser rece um futuro mais prosperoebnlhanle provincia
' pelos elementos de engrandecimento que em si en-
cerra, tem constantemente luctado com serios era-
baragos, para o seu adiamntente, quer moral, quer
material, tem sido urna daqucllas que menos ha
merecido a attenglo e os disvelos desta assembla,
e eu nlo podra nesta occasio solemne deixar (fb
protestar contra isso, afim de que se Ihe conceda a
factura da estrada que de tanta e to urgente ne-
cessdade, como se tem demonstrado, e eu ainda
bei de demonstrar.
A cidade de Goianna sem'contestaco a segun-
da desta provincia, o seu commercio tem grande
discutido quando se dr para ordem do dia. O
mesmo se pralicar com o parecer que troatvr vo-
te separado, ou assignatura com reslricg.o ou
vencido. Ora, o parecer conclue por urna reso-
Ingo. Nao poda haver discusso sobre ella, ti-
nha de ir logo imprimir, e esta foi a razo por que
ped para explicagar o meu vote veocido.
O parecer foi julgado objecto de deliberago e
mandado a imprimir, para entrar na ordem dos
trabalhos.
rRlUElRA parte da ordem do da.
1J discusso do projecto n. 51 desle anno que
orga a receita e fixa a despeza publica da provin- mente prosperado de cerios annos para e," sendo j
ca no anno linanceiro futuro. que da provincia da Parahyba vem muito assucar j
E' approvado sem debate. ; para o seu mercado no lempo de safra : ella tam-
2- discusso do projecto n. 16 desle anno que bem a segunda, que d um contingente mais vali-1
autorisa o fazimente de una estrada de Ub : so para as rendas publicas, augmentando.a receita
Bujary na comarca de Goianna. i tanto provincial, como geral: o seu slo ferlilissi-
O Su. Ahminio Tavares : Sr. presidente, pres- mo, e tendo-so ali desenvolvido em alta escala a '
tando a mnha humilde assignatura ao project), industria assucareira, entendo, que est no caso de
que se discute, tive em vista a satisfago de urna merecer a factura da estrada, que pego no projecto'
necessdade urgente, indeclinavel, que sent a que est em discusso. (Apoiados.)
comarca de Goianna, ou antes toda a parte desta
provincia, c algumas provincias do norte, que se
communicam com esta capital pela estrada que
se refere o mesmo projecto.
A comarca de Goianna, Sr. presidente, urna das
mais importantes, das mais florescentes desta pro-
vincia, sb qualquer relagao, urna das mais com-
merciantes, uina das mais productoras, finalmen-
te, urna das que mais concorrem para o augmento
das rendas provinciaes, tem direito inconlestado a
Senhores, conveniente que se anime as locali-
dades, que esto no caso de merecer a nossa alin-
elo, que os dinheros da provincia sejam gastes
com proveito e vantagens, dando se-lhes urna boa
applicagao, e nennuma.applicacao mais til do que
aqueHa que Iraz um bem real provincia, e nin-
gnem me poder contestar, que a factura de urna
estrada em lugar de tanto transite, como seja a
e Irada do norte desta provincia, nlo sejauma vanta-
gem muilo rea!, ura bem inconleslavcl: portanto
E' lido e approvado segrate requerimento:
pro ecto n. 18 deste anno.-A archivar R eiro ,a ,a vei s ,,ur.
( ulro do mesmo, remetiendo a informago mi-, ncia ao E?m Hpresidnte da proa os escla-
nistrada pelo Exm prelado diocesano acerca do, ?ecimentos que jMforarn pedidos acerca da estrada ,
projecto n. 11 d*ste anno.-A archivar d fcrr a|nda ri0 v s R Sa Pe.
Outro do mesmo, remetiendo as mformagocs mi-1 rera
co solemne que no da 12 do corrente tem de ce-
lebrar os religiosos daquelle convenio pelo repouso;
eterno do fallecido prelado diocesano.
Dito ao commandante superior da guarda nacio-
nal de Nazareth.Devolvo V. S. afim de serem
assignados o inclusos prets, que vieram annexos rastradas pela cmara municipal da cidade da Vic-
ao seu offlcio de 2 do crreme, sob n. 175, dos ven-! loria, acercada pet'cao de Francisco Corroa de j0 ,mprmr 0 seguinte projecto :
amentos de 6 guardas nacionaes que ne-sa cidade j Amorra. A' commisso de orgamento mumci- A asserau|a legislativa previ
cipal.
E\ lido, julgado objecto de deliberago e manda-
" cto :
provincial de Pernam-
foram chamados a servico desde 2 at 9 de abril
ultimo. '
Dito ao director do arsenal de guerra. Em vista
de sua informago de 7 do corrente, sob n. 311,
dada sobre requerimento do operario da 4* cas-,
se desse arsenal Manoel Pedro Goncalves tenho re- Fonseca, observando que ja tendo expirado o pra-, as do rjo CnaUi dcscen(Jo pe|a mesnM aaxo
solvido que keja elevado a 1*800 o jornal de IJiOOj zo determinado pelo regiment da casa,|nao po- i{ j, {nea3L j,buseira, na estrada que vai para
que actualmente percebe o dito operario : o que dia haver sessao, e qu-f achando-se mcominodado f.annolnh0i a encontrar com a antiga estrada do
cugo. Cpmmunicou-so thesouraria de fa- mo rcgulamento. -A archivar. Canhotinho o por ella cima at o ponto de par-
*j_ IT..i iuilii>']n lrt 11 L\-iMiluta rta M*ri*p.7 PArmi. ... r ir
buco, resol ve .
Outro do mesmo, remetiendo o projecto de po- Ar, j Fjcain desaoneXados da freguezia de
turas da cmara municipal do Bom Conselho.A s> Bent0 0 eacorporadS a de Garanhuns os terre-
comraissao de negocios de cmaras. nos combrehendidos nos seguintes limites : prin-
Outro do Sr. deputado Dr. Joaquim d Aquino ;cjpardo rioCanhoto, onde confrontar com as as
zonda.
Dito ao mesmo.Mande V. S. fornecer ao Dr.
befe de polica como este solictou era offlcio n.
534 de 4 deste mez 6 barras de madeira para o
qusrtel do destacamento do districloda Capunga. e
remella a conta da despeza para ser indemnisada.
Commuilicou-se ao Dr. chefe de polica.
Dito ao director das obras publicas.Recom-
mendo Vmc. que procedendo com urgencia aos
exames e estados precisos, rile informe, se no lu-
gar denominadoIburafreguezia dos Afogados,
pode ser construido o paiol de plvora com todas
as condicoos de seguranga, facilidadc de transpor-
te, e sera apparecer os inconvenientes, de que se
trata no requerimento incluso, que me ser devol-
vido, Offlciou-se %o director das obras militares
iiara sobr'estar at segunda ordem da presidencia
no comego da obra do mencionado paiol.
Dito ao juiz municipal da i* vara desla cidade.
Uina petigo de D. Joaquina das Mercez Ferre
ra, professora de instrucgo primaria de Caruar, I
pedindo ser removida daquella comarca para esta ,
cidade.A' coramisso de nslrucglo publica.
Oura de Innocencio da Cruz Cordeiro, arrema-
tante do imposto municipal de Pao d'Albo no trien-.
nio de 1857 1860, pedindo um abate do prego da
arremalaglo. A' commisso de orgameuto mu-!
cipal.
Outra de Joaquim Jos da Costa, pedindo ama
indemnisago dos prejuizos que sofTreu ;como ar-
tida.
t Art. 2* Revogadas as dspsiges em con-
trario.
Pago da assembla provincial, 8 de abril de
1864.Teixeira de Mtdlo. J. do Reg Barros.
Francisco Pedro.Reg Barros.Silva Burgos.
S Pereira.Carvalho Moura.Maranhio.Ayrcs
Gama.Andrade Lima.
E' lido o seguinte parecer:
t A commisslo de orgamento provincial tendo
|ue esta assembla procure remover os bices ] espero, que os nobres deputados deixem passar em
segunda discusso o meu projecto, porque assim
farlo um grande beneficio a provincia.
Sr.presidente, quando oulras comarcas alias me-
nos importantes tem sido favorecidas com excel-
entes estradas de rodagem; quaodo se observa as
difflculdades com que Imam os agricultores de
Goianna, para transporlarem os seus productos,
para o mercado desta capital, em consequencia de
se achar quasi obstruido o rio, e ser difflcil a sua
navegago, eu nio se, que se possa negar a factu
que diflteultam o seu progresso, faga desappare-
cer esses eslorvos com que lula para o seu maior
desenvolvimento.
Sr. presidente, eu podia fazer sentir a esta casa
as innmeras Uecessidades, que seffre a comarca
de Goianna, c pedir a satisfago deltas ; mas, a
deili -iencia dos cofres provinciaes nlo compor-
tando a satisfago de todas as desbezas necessa-
rias construego das obras, de que carece a pro-
vincia, e devendo nos por isso allender aquellas
de mais urgencia, assignci o projecto que atiendo | ra daquella estrada, que de certo modo reraove
a urna destas necessidades,
salisfaco imraediala.
que reclamam urna
Sr. presidente, a estrada de norte desta provin-
aquellas difflculdades, facilitando o transpone.
Sr. presidente, hoje, que felizmente para a co-
marca de Goadna urna estrada regular se acha
cia j se acha quasi construida at o rio Ub onde feita al as suas proximidades, este beneficio se
finda-se o contrato de sua factura, mediando ape-; torna para assim dizer de nenhum effeite, por isso
as enlre esse rio e a cidade de Goianna o espago i que urna importante parle dessa estrada, ainda. que
de quati o leguas, e sendo de notar que a factura : de pequea extenso resta fazer-se, collocando ain-
da parte dessa estrada comprehendida entre a da em serios embaragos os que tepm de fazer
ponte de Bujary e a cidade de Goianna, j se acha; transportar os seus productos d'ali para esta capi-
contratada, de sorte que o projecto, cuja ulilidade [tal, e vice-versa. Para remediar pois.estes emba-
j se dei xa evidenciar, refere-se nicamente a races que se deve completar a factu
parte comprehendida
de Bujary, e cuja
tada.
1
remtente do pedagio da barreira dcManguinho. lido com toda attenglo, a petigao e mais docu
A' commisslo de peuedes. ] mentes de Flavio Ferreira Callo c Jos da Cosa
Fca adiado por ter pedido a palavra o Sr. Amyn-' Brandao Cordeiro arrematantes do pedagio das
tas o seguinte parecer : pintes da Magdalena, Tapaeur e Carvalhos, em
A commisso de agricultura, commercio e obras que pedera ura abate no valor da arroraatago do
publicas, considerando que os Srs. Dr. Jos Bor~ mesmo imposte. Considerando a raesrr.a comrais-
nardo Galvo Alcoforado, baro do Livramento a sao queos supplicantes arremataran! o pedagio da
Antonio Luiz dos Santos, nao aceitaram a modn-, pona dos Carvalhos por l;2000Qv) annuaes, que
lida entre o rio Ub e a ponte da, e mesn* para queaobra fique perfeita, porque
ja factura ainda nao foi projec-' nao se o que quer dizer, ir-se desla capital ale o
I Ub em boa estrada, e d'ah ate a cidade de Goian-
Eu, Sr. presidente, me julgo dispensado de de-; na em roa, sendo que a extenso de caminha que
Dnsirar a ulilidade da construego da estrada rsto fazer-se, de pouco mais de tres leguas. Lonv
mon
do norte, porque esta a (o reconhecida pela as-
sembla, que auterisou a sua construego; e, quan-
do ule, ninguem coolesta que a distancia seja um
dos obstculos que se opponhom a satisfago im-
mediata de nossas necessidades, de nossos dse-
los : que as vias de commonirago sejam Consi-
deradas inslrumtmtes de trabalUes tendentes a
ve'ncor ou diminuir essas difflculdades, que como
diz Say, a facilidade, que teem os homens de com-
muncar enlre si, seja o primeiro fundamente da
sociedade : que finalmente eslabelecer, aperfei-
goar as vias de comraunicagao seja concorrer para
o augmento da producglo.facililar c transporte dos
pletemos esta obra, senhores, unamos a cidade, do
Recife a de Goianna por um caminb sempre
bom. Assim a obra ser regular, a estrada per-
feita.
J tive occasio do dizer nesta casa, que na ex-
tenso do terreno coraprchendido entre os enge-
nhos Ub e Bujary existen) dous rios, as quaes se
nao sao caudalosos, lornara-se com ludo bastante
profundos, durante a eslago invernosa, de mc-jo a
di lien Harem o transite, tanto das mercadoria',, como
dos viandantes. Naquclle mesmo,espacocor.iprehen-
dem-se duas ladeiras muito ingremes o una real
na distancia de moift legua, que, sli, ostros tantos
embaragos, para a fcil cniiiinunicaglo enlre esta
e aquella Cidade.
E' vendada que nesta estrada nao entrara a lade-
ra do Ub e o rio do mesmii nome, ruino me infor-
mou o Sr. Dr. Mamede -oin quem MMM a res-
peito, visto fazereiu parle do mu contra:
isso ainda se torna mais fcil e menos dispendiosa
a factura da entrada, que peco, |irque romo disw-
ram alguns dos nobres deputados entemti'tus ai
materia a maior despeza coni>te em s.- nivelar
terreno da ladeira, o cullocar a p-nte MN '-rto.
E, Sr. presidente, quando oon um sacrilirio da
provincia se jMMlera remover essas diflieuWa
des.....
Um Sa. Dbpi t.vdo.:Itesia saber se a provian..
pode fazer esse sacrificio.
O Sr. Sovto Lima : Podem-s fazer despHBI *
lUO, (Apoi.ulos.).
(I Sn. UO.N'ALv -;s u\ Silva :-l>iz;.....i. Sr pre-
sidenle, que, se rom um peqw disimilo j>od'
dotar aquella comarca de um tao grande hcnehVie.
nao pode esta assembla, cujo patrioti-mo nao i
consieslado, ne^ar-se. a appruvar > projeei, qme
tem por fim satisfazer a esla necessdade pie es
chamarei de primeira ordem. (A|oiados.i
Respondendo ao aparte que ka [khico me ->* dadn
pelo meu honrado collega do 3 districto; direi, qe
sou o |krimeiro a reconhecer, qae esu asetnhta
deve proceder rom todo o criterio e eiri'umsftecro
na decvetago das despezas qun livermns de fazer.
porque tambem sou o primeiro reconhecer, qu-
as missas circumsiancias linanceiras exigem a nui-
severa economa; porm s>o, Sr. presidente, nfin
importa o reconhecimeiitodcque proviucia i<>
possa occorrer a satisfago daquella rtespria. qn
sendo neces^aria, leude a um lim licito e justo.
.Mo direi, como se tem dilo por vezes n'esu
casa, que os nossos dinheros sao mal gastos.
mesmo esbanjados, sendo applicados a obras inutei-
e desnecessarias, querendo se assim apadrmhai
pretengos injustas e de vistas ambiciosas, nao fa-
rei semelhante injustiga aos nossos homens de *s-
tado e as assemblas transaetas, |>or que eu sou
daquelles que presumein sempre bem dos outro.
e s posso fazer mo conceito de alguem quanda
motivos fortes e inqieriosos me condozem a isso
Costumo justificar os actos da meu seiiHhaue.
at que provas era contrario eu lenba, e me pare-
ce, que esse o proceramente que lodos nos dr*e-
mos ter. O hornera probo e honrado nunca M deve
precipitar era seus juizos. A honra e a difiead
avahara sempre bem dos outro ( apoiados. i
__ E jiiem pensa assim, nao KMte encarar a to se nao pelo lado de sua milnUde, de sua vaata
geni, tanto mais, quando se trata de urna despeza
cor assim dizer econmica, por que ella tende a
fazer com que seja bem aproveitado o grande sa-
crificio, que a provincia j fez com a constrii-
da estrada ao norte na extenso de dez leguas, sa-
crificio, que nao pode produzix os bcneSros rebul-
tados que slo para desejar, por achar-se ioeompl r-
ta essa entrada.
Ust Sil Dkpit.vdo :Ninguem contesta a til,
dade da estrada.
0 Sr. GoxgALVF.s da Silva : Mi bem. **
contesiam a ulilidade da estrada, para que kvaa-
tam tamas duvdas ?
Para que nlo consentem, que se .satisf.un *sti
necessidado publica 7
Eu creio que os nobres deputados do proposita e
caso pensado queiram se opr>r ao p'ojecto. A o^-
posieo real, a opposieao legitima que se deve azer
urna idea, sera duvida aquella que lera po*
lira descubrir a verdade ( apoiados ) e ludo que o
for isso indigno d'esla casa, que tem ama un-.i
mui nobre, ura lim i imito elevado i minios apoia
dos.)
Sr. presidente, se eu visse, M M f r,r"
cumstamias linanceiras coni|'itavam maiore- ies-
pezas, se fosse li.-ongeiro e-!.ido m Mil
fres, eu nao pedira menle a farlura ila estrada
para iniuba* comarca, |ior que ella-e resent d
outras muitas necessiil.nles, e tudas de pruner i
dem, mas eu atiendo, para o mao e-lado de mw
linangas; se, qu ha um di-llicit, c pewna I !'
tenho lido o bom seiiso e a discri|ico precisa, par1
nao ter importunado a esla assembla com nom?
rauitos pedidos, e seja nie licito aproveitar di pr-
senle occasio, que a propria, para dizer ^
nobre deputado, que me honrou com seu a;
quando fallei a primeira \>-r. sobre a materia i.-so
, seja-me permilido dizer-lhe. que N n.io yer
ludo, para Goianna, como asseveroa aqoelle nobre
deputado quera me reliro. por qm senlwro,
eu quizesse a satisfagan de todas as neressida-tes
que pesara sobro a ininha comarca, eu pedir
esla assembla, que fosse repanda a caw
existe, fazendose urna enfermara, muraado-se es
seus fundos, rel'ormando-se o s>-tem.i das Ulrin-
alm de accommodaces para o- presos it' |
ordens, como nos fez ver o K\m. pr. -elente da pro-
vincia em seu bem elaborado roblono cu Ihe re-
dira anda a factura de um ri'initerkr, i>br in-
di-pcnsavel para uina cidade as con&ge da *
Goianna, vism como o que ali rSHtt diji aeee-
melha um cercado de pastajrem do que um tu-
gar sagrado, onde com a decencia devida se possam
sepultar os cadveres, nao oMMN os ln>ns oVsej
dejquese lem possuido a cmara munieipal daqoell i
cidade, para raelhora-lo, pondo-o em estado de be
preencher o fim para que fora atada.
1 m Sn. Dei'LTADOE o que fa/. a raman dV
Goianna com o dinheiro que arrerada?
0 Sil. GONQALVKS DA SlLVA .--Applll'a-0 1-
despezas, nlo Ihe tendo sido poMfeul at hoje tauer
a despeza precisa para a ronstruccao do referido
comiterio.
Eu fago jusiiga aquella cmara, por que a mul-
los dos seus vereadores lenho ouwdo relativam>*nf'
a necessdade da factura do ceraiterio. Todo* e'l-
de.-ejain que elle se faca, mas laliam-lhe os me*-
1 m Sr. Df.pi tado :Logo a cmara momeipr
de Goianna nao zetesa, como parece luculear *
nobre deputado.
O Sn. GoNc.\LVF.s da Su.vv :Perdoe-me o la-
bre deputado. Como tirar de minios palavra *-
melhanle illago 7
Pois nao concebe o nobre deputado que seja ami-
to zelosa a cmara municipal de Goianna. qc.
queira com a maior "sinceridade a reahsaeaV. *>-
quella obra, mas que Ihe faliem o meios. para rea-
lisa-la, para faze-la eOe<-liva ?
Supponho, que se pode muilo bem romrreheoer
o que digo, qne se pode lenumeate roocdtor
sejo com a carencia de mei.s, e por i*> ***
produzir effeito algum o aparte do ool-j *nacie.
Arada fallara na abertura do rio-ioaaa w-
cessiiiade de tonga dala reconhecnta. tono urgen
le aquella localidade, t posso diir. sem mm
de ser contestado, que a abertura do k>-(masa
a primeira o a mais palpitante nereSMdade da
comarca de Goianca- Todos a reeoaheeem, tedni
desejara de corago, que efla sef salisfrib, ai
de que seja rpido o transporte das mercadura
d'ali para aqu, e d'aqni para a.i.|
Ainda nao houve quem eoolestasse a fraude, a
immensa vantaeem da atwtura do rioGfliaa
em ordem a poderem as barraca chepir ao ->rli
da cidade, como j cegarara em outras pora*.
Ninguem certamente poria em duvida o fraude de-
senvolvimento que teria aquella ja importaulii n
dade, se acaso pxlesse fcilmente traosfortar as
seus productos pelo rio at a barra.
J v a cmara, que oulras muitas obras ue ea
considero indispensoveis reclamam a sua aea^ao.
porm, eu que como j disse, reconhego a deuViea
ria de meios em que se acham os osea or*.
nlo me abalancei a Iraze-las ao seu roubecMueak,
pedindo a satisfago d'ellas, como agora bf ca
relagao a estrada enlre Ub e Bujary, e d'esa mc-
do procedendo, nlo podia ser considerado, tmm


alarlo iePTMllMe <|iiluta fHra I rfr- Malo Je !)
t
um grande exigente, como um hornera, que Quer
tudo para si, e cousa algma para os outros.
As miaas doulrinas, os meus principios, os Tac-
tos de toda a niuiha vida protestara contra isso.
Costumo ser rasoavel, e n'essa exigencia que faco,
afim de se completar o resto da estrada entre o
Ub e Bojary, eu s encontr motivos, para se rafe
aiwiar, deixa'ndo-se passar a minha idea, o mea
projecto.
se dar commodidade a alguns esuravos ganhado-
ros.' Ser possivel que algumas pasuda* que
etica fe poupam, valliam o incomniodo de tanta
gente?
Isto demasiado deleixo 1
E' deponente contra a nossa cvilisco I
Em o lugar -competente deixamos transcrip-
to o relatorio apresentado pelo nosso amigo o Sr.
coronel Antonio Gome Leal, por occaslao 4e dei-
No quero que esta obra se faca j, que no pre- xar o commando do presidio de Fernando de No-
sente exercicio ella se complete, porque sei que ronha, do qual se evidencia quaes os melheramen-
11a demanda una despea um pouco avultada, sei tos importantes ali realisados sb as vistas desso
lambem que necessario que se faca o seu orea-1 teloso funecionano. que sempre se destingue em
ment, afim de que nao sesobrecarregue a proriu- todas as commissoes que Ihc sao connadas. Para
cia cun um dispendio que nao tenha urna' base so- esse trabalho chamamos a attencao dos leitores.
lida e segura, e mesmo para que nao se diga a seu Domingo prximo lera lugar a reviso do
respeito, o que se ha dito de Mitas, at de um conselho de qualificaco da guarda nacional da pa-
ntoJo inconveniente, j para os contratadores e j rochia de Nossa Senhora da Paz dos Aforados,
para os presidentes, que teem celebrado taes con- Ao goarda da alfandega Francisco Rufino do
tratos, c^esde j previno a cmara, que nao me Reg Barrete concederam-sc tres mezes de licen-
retiro a ninguem, fallo em geral, porque nesta oc- ga, cora o sold. _'
casio tenho mais que ver rom o que se tem de Foi nomcado delegado luterano de Gara-
fazer, do que com o que est fcito : quero antes nbuns o Sr. Antonio Baplista de Mello Pcixoto.
arauellar'o futuro e evitar a reprodttceao de Tac-
tos escandalosos, do que fazer aecusaepes que ja
nao podem aprovear.
Se nao se prJe fazer a estrada nesle anno e nem
cciro ou quarto no seguinte e nem mesmo no ter-.
anrto, faca-se a proporco que se poder, na'
razo das forras de nossa receita. O que eu
quero, senhores, de urna vez por todas, que
vos consintaes na factura da estrada, como nego-
cio urgente e indispensavel, para o bem estar, pa-|
ra o engrandecimenlo nao s de Goianna e toda a
provincia, como de outras muitas provincias, por-1
que sabido que as mercadoriasdas provincias do
Piauhy, Cear, Rio Grande do Norte e Parahyba,
sao eor.duzidas por essa estrada at esta capital*
alm de por ella passarem todas as pessoas que
vem daquellas localidades para a cidade do Re-
cife.
Sr. presidente, quando se celebrou o contrato,
para a factura da estrada que s acha quasi con-'
cluida a cometa* desta cidade at o rio Ub na
extenso de dez leguas, foi porque se reconheceu,
que o norte desta provincia necessitava de nina
boa estrada al a extromidade, que Pedras de
Bogo. Esta necessidade sepdo sentida ha mais de
seis annos ; isto desde a poca do contrato, tem i
continuado a ser sentida at boje, e nao ha quem !
nao diga que indispensavel que ella se conclua
at aquelle ponto, em consequeneia da affluencia,
do passageiros e mercaduras que por ella passam
constantemente ; bms nao se podendo j concluir '
toda ella, faca-se ao menos as tres leguas, que fal-
tam at a cidade de Goianna, e mais logo far-se-
ha o resto, e quem vio. como eu, o que era a es-;
trada de Oiinda at o Ub no temno do Invern, e
a v htjt*, nao pode deixar de bemdizer rio admt-
Mirador desta provincia, que emprehendeu e rea- i
lisou a factura do semeUiante estrada.
Muifos eram os rios, muitas as ladeiras d'aqui
at aquelle |Kinto, mas hoje um s rio so nao atra-
vessa. urna s ladeira se nao sobe, e todo o eami-
nho plano e cxcellente; sendo milito commodas
as viagens, e c por isso quo eu desejo que fique
feito o resto que nos falta, podendo-se ir a carro
d'aqui al a cidade de Goianna, e de l para ccom
toda vantageni e seguranza.
Senhores, entre as obrigaedes que tem o gover-
no de velar no bem estar e seguranea de um paiz,
afim de que elle possa attiogir ao mior grao do
perf. ico possivel, dispondo dos meios mis ade-
cuados conecnco daquelle fin, para qne se-
jam satisfeitas todas as suas necessidades moraes
e materiaes, nao se pode negar que a abertura de
estradas o meio (pelo lado material) mais conve-
niente e proficuo de conseguirmos aquelle resulta-
do ; isto a elevacao e o engrandecimento desse
tnesmo paiz, e foi por isso que mui judiciosamente
disse um escriptor : Dai a um paiz boas estra-
das e tereis conseguido inetade de seu melhora-
anento, e que a vautagom da abertura de estradas
conheeda pelos altos poderes do estado, anda
ninguem duvidou, e haja vista o programma do
gabinete de 24 de maio de 1862, e o de 18 de Ja-
neiro do correute anno. Nelles se eucontra aquella
idea bem pronunciada e definida.
O Sr. conselheiro Sacharlas enumerando as di-
versas reformas do que necessitava a nossa legisla-
ea>, e as diferentes necessidades publicas, disse
muito claramente que o governo se propunha a
remediar quanto em si coubesse semelhantes ne-
cessidades, prodigalisando toda attencao ao rom-
mtrcio e a agricultura, para o que era de mister
reformar a nossa legislaeo hypothecaria e alargar
as [vas de communicacab, porque incontestavel,
que sao estes os dous mais poderosos auxiliares de
urna mitra e outra cousa.
E' o proprio Sr. presidente do conselho quem
comiere ijue temos necessidade de estradas para o
Oonscimento da agricultura c do commereio, e
este o pensar de grandes escrptwes de direito
administrativo, sendo doutrina lambem eorrente
emns p.iizes mais adiantados da Europa, onde vos
ene miris lodo-O seu territorio cortado de boas
estradas.
Demonstrado, pete, como fica a necessidade de
occi rrer-se a satisfaro desse melboramento de
que tanto necossita a minha comarca, melhora-
meiit'i de que tanto dependen) o sen futuro deseo-
rolvjmento e prosperidade demonstrado que o
sacrificio que se exige dos cofres pblicos, nao ex-
cede', as suas (oreas, porque apenas se trata da fac-
turare um pequeo lanco de estrada : demonstra-
do o jliri ito que tem a comarca de Goianna inc-
recei* benvola attencao desta cantara*, pela sua
importancia, pelo seu commereio, pela sua indus-
tria sjgricola, verdadeira e nica fonte de riqueza
Por haverem provado isencao legal foram
mandados por em liberdade os recrutas Maurino
Antonio e Joaquim Jos de Sant'Anna.
^- REPART1CO DA POLICA.
Extracto das partes do dia 11-de maio;de 1864.
Foram recolhidos casa de detenco .no dia 10
de maio.
A' ordem do subdelegado do Recife, Rosa Mara
Joaquina, para correceo.
A' ordem do de Santo Antonio, Jos, escravo de
Albino da Silva Leal, ; requerimento deste.
A' ordem do de S. Jos, Cosme Jos Damiao,
para correceo.
O chefe da seccao,
J. G. de Mesquita.
?
i*
>
00
OC IJ J hna o Masculino. 1 1 > > o 1 a >
-J 1 M>l 1 *l * Fnninino. ~ i
te i -1 ^ 1 Masculino. 1 s 9 ?
A 1 ** 1 A [ - 1 Feminino.
Masculino.
Feminino.
I
I
|
1 i -J- 1 i> Masculino. i n 2 1 i ^2
t. " 1 Feminino. | 1
1 t I ] 1 1 1 -r 1 Masculino. 1 SI 1 1 1 SI ' en O
Oo 00 - 1 a | Feminino. \ 30 1 i! 1 P
I I
I I
I I
?
TOTAL.
5
-9
i
3
->
S:
yo
2
aprisco, o mu feliies resultados tein elle lirado
desta sua admiravel resolucao. Dever, por certo,
sentir um sincero jubilo o bom padre, ao terminar
os sius trabalhos entre nos. Hontem a tarde (do-
mingo de Ramos) houve segunda vez a solemni-
dade da renovacao dos votos dobaptismo para
aquelles, que nao tinham comparecido da primeira
vez, sendo concedidas bencao papal o indulgencias.
Depois. num enlevo da mais sublime e pathetica
eloqoencia, o padre Pacifico, pedindo ao povo que
se lembrasse de Nosso Senhor Jess Christo, que
soffreu antes de morrer, tres horas de agona e de
sede abrasadora por amor de nos, disse : t Rogo-
vos privis, durante esta semana santa, do fre-
quentar casas de pasto; que vos privis, por
amor de Jess Christo nosso Redemptor, por
amor de vossas proprias almas, e por amor de
t voseo querido pastor, de Bebidas espirituosas, e
t de todas as occasioes de peecar, principalmente
na sexra-feira da Patxao, nesse da, cm que nos-
so amado Jess dorramou por nos a ltima got-
ta de seu preciossimo sanguo. Agora pergun-
to : promelteis-m'o ? Fallai alto, e respon-
t dei-me?
Sim, sim, responderam todas ao mesmo tem-
po. Entao, em urna oraco eloqoente e repassada
de uncao, com os olhos e as mos erguidas para o
co,a alma do pregador achou expressoes para invo-
car os dons especiaes da trra sobre o povo que all
eslava reunido e sobre os seus irmos e amigos.
Os solucos suffocados de todos os circunstantes
denunciavam a compunco profunda dos coracSes,
accrescendo a isso a gravidade e circumspeccao-
que presidia ao acto, por quanto, ahi, nenhum dos
filhos do glorioso S. Patricio, apostlo da Irlanda,
manchn a honra de seu patrono, apparecepdo em-
briagado, por pouco que fosse. Isto, Sr. redactor,
um glorioso triumpho da visita dos bons fran-
ciscanos.
Celebrouse o santo sacrificio da missa pelas 7 e
meia horas da manha, para felcidade espiritual e
temporal de todo o povo, depois do que muitos se
foram inscrever na ordem do escapulario, e mullos
outros receberam o cordao da ordem de S. Fran-
cisco.
Igual successo alcancaram os padres em Ryde,
na ilha Wight, onde concluiram urna misso com
os mais prsperos resultados, antes de comecarem
aqui os seus trabalhos; e para prova de quanto
ellessouberam captivar os coracoes de nossos visi-
nhos catholicos daquella ilha, bast dizer que vie-
ram muitos para aqui, afim de receberem as ulti-
mas bencos do padre Pacifico, e de Ihe dizerem
um grato e affectuoso adeus.
Muitos se teem convertido nossa santa fe, fruc-
| to abencoado desta devota missao, durante a qual
numero das conversoes estendeu-se de setecenlos
oito centos.
| O Sr. Miguel Fontoura solicita-nos esta publica-
, cao consagrada a memoria do Exm. Sr. bspo dio-
[ cesano D. Joao da Puriticajao Marques Perdgo.
Pernambuco enlntou-se, pranto ardente
| Derrama o povo afilelo e magoado :
i Pela sentida morte do prelado
. T gome a natureza em dor pungente !
| A igreja mais doida e tristemente
'. O sino faz dobrar pelo finado,
! Do Brasil o pastor mais des ve I lado
Voou da Ierra ao seioOmnipotente :
E levou-o o Senhor I... quiz te-lo um dia
Entre os anjos no co I rest a memoria
i D'um coracao que os outros attrahia I
Pernambuco, escrevei na vossa historia
O nome do propheta que sabia
Ao pobre soccorrer, manda-lo a gloria f
ees quo rei|uor um tal e.-labeleuinento, onde j
se arham trabalhando as duas ultimas, faltando s
o final aperfeicoainento da obra com a qual pouco
dispendeu a fazenda, mereeendo a approvacao des-
sa presidencia, que em offico de i de novembro
ultimo, asslm o communicou-me.
A aatga casa em que funecionava a escola de
ment as ordem o instrucces que a presidencia.
me hava confiado acerca dos mesmos corsarios e |
en.lerecei um protesto ao commandaaledo florida,
intimando-lhe que dentro de 24 horas deixasse as
aguas do presidio.
Feta a intimacao do protesto pelo capito Jos
do Lerqueire Lima, na entrevista que u-ve com
COMMUNICilKft.
Continuamos do Sr. Cyrillo de Lemos as
PAGINAS INTIMAS.
I
Quao rpidas se mudam as scenas desta vida I
Ha dias, quando eu chegava, lia o prazer escrip-
to no teu rosto, o teus olhos nadavam em ondas
de alegra; corras paramim com os bragos abor-
tos e nao te fartavas de embeber o teu olhar no
ADVERTENCIA.
Na totalidado dos doentes existera 190, sendo
alienados 7 homens e 2b" mulheres.
Foram vstdadas as enfermaras estes das :
Pelo Dr. Ramos s 6 Ii2, G 20, G 1|2, G lr2, 6 1|2,
6 1|2,7.
Pelo Dr. Sarniento s 8 20, 7 1(2, 7 ii, 8, 8
1|2, 9 1,4, 7 1|2.
Fallecerain:
Cornelio Francisco de Paula, phtysca pulmonar.
Mara, preta africana, escrava, hepatite chronica. meu, procurando ler eniminh alma o fogo ardente,
Jos Joaquim de Sant'Anna, alienado. 1u.e "* na tua. Despedia-me !.... a tristeza
\nna Joaquina da Encarnaco, hepatite chronica. ve lava-te o semblante e me obrigavas a prometier
Efigena Francisca de Sant^nna, pht> sica pul-7''" o'nais breve possivel...
oo7c A?ora P;,reces fugir de nnm. A minha chegada
Evaristo Joaquim da Silva, idem. f j?te.>legr> e a minl,a retirada deixa-te indif-
- Passageiro da escuna nacional CoWofa, vinda 'e^l?n,!' ., ,.,-,.
da Rahia 0n (laem l^"16 assim t'"avar de fel o calix em
Relmiro Baptista de Souza. que eu beba o teu amor ?
Que mao cruel desfolhou sem do a flor dessa
------------ paixo to pura 1
Se sonbesses quanto me fizeste
primeiras lettras foi por um de meus antecessores aquelle conandaute, fez-lhe este S-.; ^--
convertida em hab.tacao de erapregados em vtst guntas sendo urna d'ellas a de na or consideracV,"
ilo eresr.idn nnmftro destes : em consequeneia disto nual o mntiv*nnmn ~v_:""'_- ,
do crescido numero destes; em consequeneia disto qual o motivporque o comraandaote ^oTresid\]
foi m.ster mandar edificar outra prxima ao quar- proceda d'esta forma com o ZX ouando 'e
tel do commando, que ja se acha prompta e nella nao hava lido o mesmo proced.menlo' com o coin-
continuando a escola. mandante do Alaterna que nenhum embaraeo
Precisando a igreja casa do commando, a de Ihe oppoz por parte da ilha, indo isTncendTad
hospedagem e outras de habitacao de empregados, varias erabarcaces I "^uuiau
e bem assim a aldeia, dormitorio dos sentenciados | A isto respendeu o caoitao Cernueira I iina nne
e rampas dos desembarques nos portos de Santo eutro era entao o commandanteT oresi b^'a^
Antonio e da villa, de diversos concertos, pintura e ta observado o commandantc do FI%X d?sso
caiacao para conservacao dos mesmos, a elles oe- tirara entendido do
corr fazendo-tties os necessarlos reparos.
Al
da Paaella.
i
que
A juma qualifkadora 4o
posta em sua maioria da
da unpoi tanria de snae fui _
de incorrer no desagraa e
serias difflculdades creadas
so achavam e sa cana os
quella freguesa.
Considerando a qi__
dial, como o priaeiro a
um paiz, que se rege pelo >wenu
c que quando viciada, o vwiu
18 hora "" proteslo> e de feif0 d'entro de
A enfermara militar foi novamente concertada e do mcL8 praidio" fe"' d'UDd0 'Vfe 3S afc'U" ""'* ,MeT<*<* W
vai funccionando regularmente sob a direceo do Vieram ao porto '___- ''
encarregado que seesmera no cumpriment de seus saber
deveres. 11
aores ^CSdK-33 embarca"l,s a I ". con, tudas as onaidcraca*
o vapores da t.onipanhia Pernambucana; -
Qana o cionaes, conduzln'do oEs.' SUS?*'' M
aV *
commando, encontre urna grande escavacao, que pas, vivandeiros, sentenciados militares e de ius
um de meus antecessores hava mandado fazer com ca, objectos remellidos pelo governo e carea de nar-
o tlm de augmenur a aldeia, cuja obra foi obstada ticulares; 6 vapores de guerra 2 curvetiv \ \
por ordem da presidencia e como dessa escavagao barcas," norte americanas; 1 galera c 1 barca in
resultasse odesmoronamenlo de parte de urna ra, gleza: 1 galera e a barca franceza Seve de'vmme
que Ihe ficava contigua, foi necessario por termo quo teve a infelicidade de bater na rxmta da ilha
isto, mandando levantar urna grossa muralha para [ do lado do Oeste, em um cabeco de nedra e foi a
supportar o aterro que deve impedir o estrago, que pique salvando-se smente a triuulacao 'l km
costuma fazer o invern.
Haveodo necessidade de urna casa para residen-
cia do raajor da praca, lancei mao de um velho ar-
mazem que j se achava em pessimo estado apro-
venando as paredes exteriores, flz levantar urna
casa com a elegancia necessaria e para melhor ac-
commodaco de outra annexa em que habita um
dos offleaes que faz parle do destacamento, mandei
construir urna nova casnga |na retaguarda desta
que j se acha pronpta.
do Estado Oriental, ontra de Camehne hetu, e i
escuna das ilhas do Sandwich: a excepcao de
duas d'estas embarcaces, que vieram ao porto
com o IIm de pedir medico para receitr as pessoas
que bordo vlnhara molestas,todas as mais vieram
refrescar.
Ha muito reconhecia a necessidade de se dotar
a lei fosse religiosamente uoaervaa, a
guinle se attendesse a iecitima sate>b<
de todos, sem di.-iincea) de crencaa
suas profi.^Vs, satisbzeno amas m
ment que prestaran cuastitastie
nao lambem um dos maiores
liberal, que garantir e respiur L
cicio do direito de todos os nitidis
Se por um lado exclu a jonia (yarfea ao
poda deixar de fazer da asta dea cidannae *
algumas pessiias que nanea ienanaa* aa tmpv
zia, (o que coiniiiiinraeDle t%i
po'phoros) bem cono muiu>
niam as coodicoes legaes oa ajan ja
perdido, e as que se naviain Mtdnd
ira fre-.'ueiia mesmo para >
(mas que entreunto todas Macan*
idas
o presic o de um regu.amento, no qual sereba. fado "se V^*,^Zr*S
sem definidos os deveres da adminisiraCao para mais de enwmnma tnarn nJa^eJTen
, que os seus actos se nao resentissem do arbitrio, ,,o se *-
I m acude que haviadadoprincipioem minha pas- mas entend quo outrem que nao o eoiniiiaudau- ; nnr ,-----..'J. m_ "rT"
sada administracao no anno de 1858 e que sem ra- te do presidio incumba i sua organisaco. incluidos as rHaceVdL
A perspicacia do Exm. Sr. general cmniandan- ,-0 ^ que w TJTaenir
to das armas quando ali esteve era dezembro do lempo legal maaifwtnu a
anno passado, nao cscapou essa necessidade, e en- "
to verbalmcnte me ordenou que conleccionasse
um regulamento e Ih'o remeliesse.
nicamente por obedecer a sua determnaco,
s-o |iftiz, nfio caasarei mais a paciencia dos
nubres collegas, esperando do seu patriotis
do hMeresse que bao sempre manifestado pelo
soffrer com o
teu desdem
Xem quero fallar nisso, a alma se me confrange
e o coraco parte-se-me de dor.
v Sou to desgranado I
O leu amor era a minha vida....
Quando altribnlado, perseguido pelos males que
me cprroem, senta prestes arreoentar-se o lio
da minha existencia, a tua imagem apparecia-me;
os meus olhos lltavam-se nella; viam o meigo sor-
teado chendo a este "lugar a 7 do riso eheio de promessas que Ihe errava nos labios,
passado, abriram inisses tres das; e minh'alma cobrava novo alent, e eu senta de
depois, na quarta-feira de cinza. Escolheram de | novo pulsar-me o coracao ebeo de vida,
preferencia este da especialmente consagrado s Hoje... ai de mim!
heneaos e reconciliado da igreja, esposa de um j N. B.Na linha 4' das paginas intimas de hon-
Deus bom e misericordioso, para que os peccado-1 lem, em vez deachara acerboleia-seachava
um prazer acerbo.
IM POICO DE TIIMJ.
Nos offerecem, traduzida do W'eskhj fkgister, de
Londres, a seguinte carta do Sr. Daniel Flynon.
DIOCESE DE SOI'TOWARK.
Portsmoutb, 21 de mareo de 1804.
Sr. redactor.Permitta-nie que, por meio das co-
lumnas de seu peridico verdaderamente catholi-
co, aniuincie a seus numerosos leitores, que os pa-
dres franciscanos Medas e Pacifico, da ordem dos
capuchinhos,
niez prximo
E*
do n
meus
mo e
desenjvolvimenlo e progreseo de nossa provincia,
que s dignarao acolher benignamente o prujecto
ora Mijeito sna con cm sijgniida discnssSo. (Muito bem, muito bem).
O Sii G. Campello manifestase contra o pro-
jecto.
Encerrada a disi-usso e posto a votos o projec-
to adprovado,
SEill \DA PARTE DA OIIDF.M DO DIA.
Contina a segunda disenssio do projecto de
fixad de forea policial.
O Si;. Oaspab Uur.MMoxD : (Nao devolveu
sen discurso).
Estando a hora bastante adiantada o Sr. presi-
dente djesigna a ordem do diae levanta a sesso.
do Sr. Cyrillo de Lemos esta poesa
o POETA.
(Ao P. Jumoi).
Errata lo discurso ilo deputadu leneilirio Franca,
pulil rado no Diario de hontem, II de maio.
Entre muitos outros erros lypographicos se dis*
tinguem os seguintcs :
a pai'na 2.a, columna o deste Diario, em lugar
da pontuacao e collocaco que se observa as se-
guintes palavrasex vi d'csse argumento, lambem
o nobre Uepulado.
A otan i respondo, deve haver a seguinte pontua
cao e col ocacaoex vi desse argumeuto, tambem
o nobre lepiado a quem respondo,
as mismas pagina e columna onde ha as pala-
vras pile reduzir-se la-se podem reduzr-se.
Onde ha a palavra apontoado la-se aponta-
mento.
KEVISTA DIARIA.
Reone-se hoje o Instituto Archeologico e Geo-
yraphieo 'eruamliucano.
Fui exonerado por portara de 10 do corren-
te o Sr. Dr. Francisco Leepoldino de Gusmo Lo-
bo da prijimotoria publica desta comarca do Re-
cife.
O exonerado exerceu esse cargo com vantagem
para o semen publico, desenvol vendo nelle urna
iulelligeiii ia vigorosa, ano se acha por seus effe-
tos estampada de modo indelevei nos fastos da tri-
buna crin inai deste foro.
O Sr. Dr. Jos Paulino da Cmara foi nomca-
do para o cargo de promotor publico desta co-
marca
Formado ha pouco, nao coniiecemos das habili-
tcoes do ;n>uiead uiielligenqae hahilitagBes o .iHo da sna nomea-
cae para uina comarca importante,cujo foro se de-
ve por tods os ttulos reputar o mais Ilustrado da
provincia.
Amapbiia reune-se em assemblca geral a
Companhia de Beberibe, afim de tratar das contas
do semestre findo, e proceder aeleicao da nova di-
rectoria.
Bemettem-nos o seguinte :
A* quem competir providenciar, pedimos pa-
ra que seja prohibido o transito pelo passadico aos
ganhadores earregados. e quasi sempre de -gran-
des voluntes, em completo detrimento dalivre pas-
sagem que devem gosar aquelles que transitam
nesse passadigo ; obrigando-se aos conductores dos
voluntes que necesstarem ser earregados sobre os
hombros ou sobre a cabeca aterem-no pela ponte
que Ihe fica pararella.
E* realmente ramentavel, que se nSo respeite
o commodo de um tao grande numero de pessoas
com incouti siavel direito a serem acatadas, paraj
Que aos labios Ihe assomou
Infeliz torvo sempre o seu deslino I
Da vida suspirar consom a flor
E em troca dos pezares quo Ihe causatn
Descantes ai de amor.
res, por quem se inostram muito dedicados, se po-
dessem aproveitar dos beneficios do co, c celebrou-
se o acto com tal forca de inspiraeo divina, e com
lio fervoroso zelo de devoclo, que parece ter pene-
trado nos mais recnditos abrigos do crime e da \
miseria, nesle foco de vicios e de peecados, em que j
a depravaco se patcntea escandalosa, a desaliar Porque deixa o poeta a triste scisma
liorrivel o'co, e tudo quanto puro e santo. Vergar-lhe a fronte sobre o p do chao ?
A inullido cereava os confissionarios, e dentre E porque no seu peito ardente pula
lodo esse povo, baria um grande numero que ha Em furia o coracao.
muitos annos se nao ajoelhava aos pos do conl'es- n _
sor. A estrenen das aossas pequeas igrejas nun- Desgranado nao sabe que um ente
til foi tao sensivel, como nessas tardes, em que 0^ do bereo a solfrer Deus deslinou I
cada urna dellas regorgitava de povo, a ponto de l gemida de dor foi voz primeira
ser difflcil ver os padres quando pregavam do altar
como personificacoes gloriosas de S. Francisco de
Assis, patriarcha e fundador de sua ordem, o qual
Ibes ensinou a seguirem com branda obediencia a
voz de Jess Christo, deixando o mundo e os falsos
e ephemeros prazeres, que nos elle offerece, para
levantaren, a cruz de nosso divino Senhor e Mestre. Emquanto os outros soffrem leves magoas
E' impossivel narrar circuinstancadamente tu- Que benvolo pranto vem seccar,
do, nos estreitos limites de unta carta. Basta dizer, A dor acerba e forte de seu peito
que ambos os misionarios manifestaren), com ver- Vai no fundo calar,
dadeiro cnthusiasmo, a linguagem da insprae.i,
desenvolvendo uina eloquencia profunda, apaixo- Entretanto se passa pelo mundo
nada e irresistivel. Mensageiros do co, como sem-! Com o rlso,t|ue os labios vem-lhe abrir,
pre foram, entre o tempo e a eternidade, vendo Todos creeni feliz o pobre louco
que eram rodeados por gente de todas as idades e Que oceulta o seu sentir,
condices a marchar para o mesmo fim, que all os
trouxe a elles, iniploraram, na mais suave lingua- rnste de 1ueni asvla na s"a aJma
geni de um coraco amoroso e sincero, dizendo' Delirios da paixao I
aquella gente que 'nao dexasse passar desaperce- Ninguem a sua magoa dar prantos
bida aoccasio, que se Ihe deparava, e que talvez Qu-ino "or Ihe apertar o coracao.
nao se repelisse mais, de se -reconciliar com Deus.! ________
Os gestos, o olhar lluminado pela chamm de i
fervorosa devoco, o grosso e trigueiro habito, o Kelalorio do Sr. coronel .lutonio Gomes Leal, por
rosario de madeira pendeute, e, sobretudo, a Ima- .-_-. j nr\A\a a iVrn.ii.lo
gem de nosso Redemptor cruxificado com o banco 0Mas,d0 ue mxw Pres,d, dc ornando,
ao pescoco, concorreram poderosamente para aug- glllm. e Exm. Sr.E' do meu rigoroso dever le-
mentar a torca e efflcacia de suas palavras. Subli- var presenta de V. Exc. o relatorio dos factos ce-
rnes nessa torca e na propria smplicidade, elles corrido nos onze mezes e quinze da* que cornman-
couseguiram despertar, nessas tardes, a mais ar- dei o presidio de Fernando de Noronha, para cujo
dente devorao nos corages daquelles mesmos, em commando em virtude do aviso da reparticao da
que ella dormitava desprezada e esquecida hava guerra de 3 de margo ultimo, foi nomeado o tenen-
muitos annos. te-coronel do corpo de engenheiros Luiz Jos Mon-
Vunca teruiinou de um modo tao solemne e con-
zao foi entregue ao abandono; obra esta que sem
medo de errar a de mais utilidade ao presidio ;
mandei fazer. urna rampa pelo lado interior do pa-
redao em toda a sua extenso, cobrlndo esta e re-
bocando aquelle com cimento, e bem assim mandei
aterrar todo o lado exterior do mesmo paredo com
mais de 23 palmos de largura. elabore um projecto de regulamento que submelti
Presentemente acha-se com muta agua, necessi- consideracao do mesmo Exm. senhor.
tando apenas no verao vindouro de profundar mais A' este trabalho precedeu lo smente o desejo
a baca ; o que nao consegu pela brevidade das de alguma cousa emprehender nesse sentido em
chuvas. cumplimento daquella ordem, porque baldo dos
u torno do rabnco da cal, que o invern anterior precisos conhecimentos, sou o proprio a reconbe-
arruinou brotando dentro olhos d'agua, foi preciso cer-me o menos apto para esse genero de tra-
faze-lo novamente. balho.
Quemarara-se quatro tornadas de cal que pro- Foi nomeado interinamente para o emprego de
duzram dous mil alqueires, os quaes foram con- major da praca, um capito ; convm que esla no-
sumidos as differentes obras que mandei fazer. meacao, isto que o lugar indicado tenha a ap-
riz abrir a estrada que vai do curral do gado provacao do governo imperial,|porque de abso-
vaceum ao do langero, por se achar intransitavel futa necessidade para coadjuvar o commandante
3 lJue^x.lstia- do presidio actualmente tao sobrecarregado de de-
A offlcina de sapateiro, contina segundo as ins- ver-, que nao podem por si s ser bem desempe-
truccioes do^ministerio da guerra de 10 de setem-' nhado, tendo-sc attencao que fortalezas de menos
pro de 18o9 e vai preenchendo o seu fim da me- importancia que o presidio, cousiderada fortaleza
Ihor forma, nao apresentando raaior numero de de primeira ordem, tem major da praca.
calcado pela falta da materia prima proveniente de ,
irregularidades dos transportes, as mais muito se > Ha urgente preciso da nomeaco dc um segnn-
tem prestado as differentes obras que mandei fu- do ajudaote, que tendo a seu cargo a inspeccao I ]"""-
zer, sendo nicamente necessario vir da capital das officinas, onde trabalham cerca de 80 operarios, ,*v~. *"""*^'"-
um mestre pedrelro para melhor direceo dellas. nao s para dar regulandade a esses trabalhos.
Os destacamentos de artilharia e de infamara roas tambem para evitar extravos e disturbios a
ficam pagos de sold, de etape, e gratificaco at o! que sao afeilos a maior parte dos sentenciados de
ultimo de marco do corrate anno e bem assim es cuja classe sao tirados esses operarios, fivnndo o
sentenciados militares e de justica de suas diarias primero ajudantc encarregado de todo o mais ser-
e os operarios de suas gratieacoes. : vi? inclusive o da agricultura o da direccae de
A populacao que consta de 1,829 pessoas, mappa ntais de mil sentenciados militares e de justiga so-
n. 2, foi accommettida de algumas molestias, sendo bre os quaes se deve exercer toda a vigilancia,
a bexiga c a phtysica as que mais estragos flzeram, Ao commandante do presidio se deve dar um
mrmente naquelles que affectados deste ultimo, secretario, que tenha a seu cargo o respectivo ar-
mal foram mandados da capital para tomar ares chivo e a escripturaco, que hoje avultada e nao
em virtude de requiscodo Dr. delegado do cirur- pode ser feta pelo commandante que cada mo-
giao-mr do exercito, nao errarei afflancando que ment se v na preciso de acudir as emergencias
dias de vida do do servico de naturezas diversas, a que se nao p-
| de sublrahir.
A' esses empregados se deve marcar vencmen-
lose assim tambem ao portoiro das oQlciuas e seu
ajudanle, tirados da classe dos sentenciados, pare-
cendo-me, que aquelle deve perceber por este ser-
vico a diaria de 200 rs. e este a de 120.
A igreja do presidio nao est por ser acanbaila,
em relacao com o numero de habitantes do mes-
mo ; todos nao pdem ao mesmo tempo assistii
ao santo sacrificio da missa, e d'ahi a necessidade
indeclinavel de duas missas inadmissivel com um
s sacerdote.
I*, ja pelas ni formar, es
publica, convt-nceo-sa a i
as condiroes precisas para o Uflii
direiios politicoa.
Nos asincluses. coanas r
ram feits com vistas poiiuca,
lando das inctusoes de wnim,
sentidos divergiam en poltica do _
da maioria dos menbros da juasa,
clioar os nomes de muitoa lunMiiuii
vara do mesmo modo qoa a naiari
da mrsma junta e sempre votaran
liberal e que entretanto (oran
E ^ue a junta, nao.
com manifest violarn da
publico, emenden e ent
daos serum os primeiros a
jastica, por isso quo o son
eluso de muitos ontrw que nu>;
i circuiastancias, liana por f
, da leico, .-en o ana sari
' representativo, prii
perdiam na estima da
reaai
o phtysico tem no presidio menos
que em outra qualquer parte.
Existera 252 sentenciadas militares, 777 de us-
ura, inclusive 20 mulheres.
Durante o men commando houvcram 5 casamen-
tes, e 28 baptisadvs ; fallecern] 9 soldados, 6 sen-
tenciados militare?, 13 de justca,3 mulheres livres
e S menores.
O gado vaceum, langero, cavallar, cabrum, vai
demuustrado no mappa n. 3 ; a peste do mal triste
devorou muitas canecas do gado vaceum.
Fiz plantar em 3 grandes terrenos destinados
para a agricultura nacional, 227 mil aovas de roca
nao tendo plantado mais por falta da sement de
maniva; e n'estcs mesmos terrenos, mandei fazer
grande plantacao de algodo da trra, mamoua,
milito, fejo fradioho, dc corda etc., todo este
legunie se acha com a primeira limpa, e a raaior
parte com a segunda.
Por nao haver sido tratado em tempo a plantacao
do algod.o, dcixou de ter o necessario desen-
raveis logo que
pela lei.
Sempre debaixo do mesmo |
usar e memorar o peonsmn
base, qne era a qualiacarao, i
em vista, prosegnio a junta cm
o fim, pensando ter cooaegndo
exactido matheioatiea*,
cao (o que impossivel en visto
mesna lei eleitoral) aa senos a a<
sa exactido con os dados existente*, cern de mw
jamis sr vera na fregoetia aansaa, asaaaenaw
iramoralidadas da ontro* temeos.
No dia 12 do mei prximo lodo eonrsno a jam-
ta estes seas primeira treaomo, ronadnanssV
logo depois que um ridado por rila oaililW ioi t>
novo e ouiro exrloido oa melhor nStn;n e hm
f, deviam ser excluido, o I* por ao lar a aada
precisa, e incluido o 2* por morar oa fWfm
tspe ando comtudo coioar durante oairmn ama >
iourrupro do seos trabalhos. ** iafarnai.il -
esclarecimentos po s recluir ar aquelles equi vorn, cao amnVm
decidir cora o devidu tundamrnio e ensarta a jan
xas, reclamacos u deaunria.i >|ao par
vessem de fazer os ci nt
A' este respeito permita V. Exc. que aqui re- illcgalidades com que. antervirmeate a
produza as ponderages que liz no relatorio de |la ve minha passada administrante. O templo do presi- \ a J""13 nmhuina dnvida tena
dio por acaiihado, ja nao pode comportar a reunio j i*s 4"* para e.->e fim fui que a k-i
dos seus habitantes as occasioes de missa, d'ali i rinco das para essa r^visao /
resulta a necessidade de celebrar-se duas adates,, 'I'1"'- Ptftj e inrontofavei ajan
o que nao adinissivel cora um so sacerdote. P- ,l,als circumspectas e nas
colheta hou- Ut antntealf,qoa o capello adeeca ou morra, e confessadode publico que esta q
nesle caso a populacao Picar privada do pasto es-
piritual al queseja maudado outro, que o SOOfti-
ta No caso de enfermidade do sacerdote, que-
rendo este leceber os soccorros espiriluaes e re-
volvitnento, pelo que muito pouca
ve e esta mesina em numero de 19 arrobas
foi remettida presidencia para os lins conve-
nientes.
Tendo a presidencia enviado este commando .
um sacco contendo sementes de algodo da Geor- conciliar-se quem lli os aduiinislrara i Se a pala-
gia nos Estados-Unidos, afim de serem plantadas [vra <"? deve ser ouv.da por todos os l.e.s catiio-
no presidio, de conformidade com o avisa da re- Micos deila jamis devem presc.ud.r os habitantes
parteo da agricultura, commereio e obras publ- da ,lna' P0"!"8 bjentelles mais que iienhu.ii outro
cas de 22 de dezembro ultimo, mandei plantaras:^0 "ecessidade dc quem os conduza a bom ca-
ditas sementes as primeiras churas e passados; ""nno> lue os faca ampiar carro ra, e onaotts
das livp narficinaean ni pIH nSo veiretavam- vezes o arrepcudiuienlo laz d um perverso um lio-
ealanuna^^ '"e? 'eroen.e Dos, obediente aos preceitos, e do para rs,, moUvo, e ante
ptridas as referidas sementes; parecendo-me que I "i bom cidadau I Penn.lla-me ma.s\ Exc que
este inconveniente procedeu talvez de haverem a!l.' reproduza tambem o trecho doi citado relato-
no acerca da necessidade de dous facultativos no
mesmo presidio. As razoes, que aconselham a
permanencia dc dous capelles. no presidio, >o
posto que diversas, de igual valor para a conser-
varlo de dous facultativos. Cm s j nao suffl-
cieule para cuidar no tratamento da populacao da
enfermara e tora della.
das melhores que se leen fets
Nao obstante, informam-n<><
junta nao lem cessado |, coilv-r i
roes sobre alguns dos .|iialuVado<
nos cinco dias da revi>ao man
tolva eampmta a san aannaa,
.Nao sei cuino, em visa diata,
dos que censurara a quablirana t
decididamente anuullada |>elo Kxm.
provincia. Diividamos que S. Etc..
, se resol va a decretar essa nulii-tde
procedeu
sido molhadas em agua salgada.
A escripturaco da secretaria do commando c a
do almoxarifad, licam em dia, continuando a d'es-
le no mesmo regimem de liscalsacao mandado
adoptar pela thesouraria da fazenda* e bem assim
a escripturaco do'conselho econmico da enler-,
maria militar, existindo em caixa a quantia dc
setecenlos setenta e um mil, c quarenta e um ris
(771,5041 rs.,) sendo duzentos vinte c dous mil,,
trezeutos noventa e oito, (222,5398 rs.,) saldo dos
vencimenlos da tropa e sentenciados tratados
n'aquella enfermara; e quinhenlos quarenta e
oito mil ris, (548,5000) importancia de gneros
viudos da capital o que foram consumidos at o
ultimo de marco findo, sobre cuja quantia offlciei
V. Exc. para determinar qual a direceo, que de-
ve ter.
as grandes enfermidades tem elle muitas retes
necessidade de fazer consulta-, mas cora quenas
' far ? as graves operacoes precisar de quem o
ajude, quem recorrer ? Se adoecer, quem to
; mar a seu cargo a direceo da enfermara o o ira- i nos>a parte as razes ilo
t.trncnlo da popuaco 1 Nao podara elle masmo achamo:
ter necessidade de ivceitar-se e ser soccorrido m-
dicamente f quem se encarregar deste servico i
Ent minha opioio a presenca de dous ci
les que pre>idiram a ciMireivionaram a
cao at.- o ponto em quo rtla contrario disso seria rondemnar sen
feza.
Snppmo-i mesmo que -- boato adrasV * Ibado na. revela d n M arlmai
einpeiiba.los p..r.;ssa niillHad>-. Kmr tonto qar
f.'ir appareear.
Se o motivo ou laud.-im.-nto anr uateos ar S
Exc. l'i'n tal que o >s convosJBt J erro en ajan an-
dn a junta, nada diremos dar-aos-hevae anr
vencidos; asM se se ar o annnman d. t ai
IV.i' uina nulli.lade sub-lancial e r.q
nos periuittir que apreM-nlemos pnt
liv.-rg.-ni-ia i
rurgies e de dous capelles de iudecliuavc
Para poupar a despeza, que mcnsalmente se faz necessidade.
com galinhas para as dietas da enfermara militar,
entend mandar fazer a creaco d ellas por conla
da fazenda c sem dispendi d'esta ao que me
prestei com boa vontade ; e j se achando bem
adiantada esta creacao tem sido desimada pela pes-1
te, e existem presenlemento 81 caberas c seuo
houver outro inconveniente, muito breve des-
apparecer esta verba de despeza.
O governo da provincia autonsou-me a comprar
urna maquina de fabricar farinha de mandioca
solador o festejo dessa semana de penitencia, de.
reconciliaco c de paz ; porquanto, no domingo
larde, o nosso venerando hispo, Dr. Grant, favore-
ecu-nos com sua santa presenca para coroar com
tero, como V. Exc. se servio comraunicar-me em
ofiicio de 14 do mesmo mez : o azendo doli en-
trega no da 17 do crreme, com as devidas for-
malidades, passo a descrever o estado actual do
presidio com os melhoraraentos que recebeu em
E' de mister allender-se, que ffc presidio nao ha
recursos, e que s.-us habitantes teem direito a se-
ren soccorridos corporal e espiritual mente.
Tendo dado principio a reparar as fortilicacoes
do presidio, fiz o que eslava as Biabas debis tor-
gas no pequeo periodo de minha udmimsirac,o,
tratando daquellas que me foram possiveis, lamen-
tando encontrar a fortaleza do Morro, que foi man-
dada edificar no anno de 17o8, pelo capito general
propriedade do capito almoxanfe Manpel Claudno de Pernambuco Luz Dogo Lobo da Silva e acaba-
de Olvejra e Cruz para ser paga com legumes da da em 1761, em estado de ruinas. Esta fortaleza,
produeco da ilha, a quem dei um documento que que defende a barra pelo lado do norte, e que mui-
i o habilita para tal recebimento como comtnuniquei' to ha concorrido para o socego do presidio, por
ao meu successor; este maqumismo muito servir ser o lugar mais appropriado para conservar reti-
na safra vindoura inormente quando o que existe rados da communicacao aquelles sentenciados des-
nas casas de farinha j se acha bastante arrui- orderos, mal intencionados, e que se nao conten-
nado. ; tam com a sua sorte, visto a localidade nao offere-
Tendo eutpregado lodosos meios de prevenir cer passagem para ella seno na bai xa-mar. e
fugas dos sentenciados, estabelecendo pontos as [ mesmo assim as aguas vivas; de summa neces-
praias que offerecem embarque com o fim de obs- sidade que sejam de novo levantadas aquellas mu-
lar, que com paos dc niulung fizessem jangadas ralbas, que o indilferentismo eotregou ao abando-
para se evadirem, nao pode comtudo impedir, que; no, porque o desacert as julgou desnecessarias.
2 soldados achando-se de sentinella no quartel de O armazeut do almoxarifad precisa ser aog-
Sant Anna e na porta do armazem do almoxari- mentado para accommodar o cartorio, o qual existe
fado, entre as quaes existia a balecira do servico do na casa contigua em que inora o escrivo ha mais
fuwiwvaw <** 0>- *- \*-x;oc*i"HLlu. I ^^ i------------ ----------- a i_ ------------- --.w... ~
Sinto-mc possuido de prazer declarando que o I referida balecira e evadiram-se das 2 para 3 horas qae serve de deposito da farinha no porte dc San-,
residi fica em perfeta tranouilidndp I da manha dc 21 de novembro do anno fiodo. to Antonio c bem assim o alojamento do destaca
ment, que guarnece aquelle porto.
o chrisina o trabalho tao bem comecado. Militares, o curto periodo, sobrneltendoi s AistV fiscal isa- Pres''; Que Pr "mitas vezes capturou a senten- de dous annos por autorisacao de um de meus an-
doutores e um sem numero de pessoas, cujas alvas doras dessa presidencia algumas providencias que c'a^os Ia no a^t0 mar, estes dous soldados mancom- tecessores, e isso annui pela lei da necessidade.
caas e nembros eufraqueci.dos altestavain o pro- considero de urgente necessidade. i munados com 6 sentenciados, levaram ao mar a Precisa tambem ser augmentado o armazem,
xme termo da curta existencia corftedida aos mor-
taes, ajoelharam-se ao par de innocentes enancas presidio fica em perfeta tranqulidade.
e dos que esto na flor da mocidade, para recebe- A guarnlco do presidio, corapSe-so do comman-! Este tete foi levado ao conhecimento da presi-
rem o Sacramento da Conlirmacao, e sentirem o dante, major da praca, ajudante, segundo cirur- dencia, remeltendo os signaes caractersticos dos _.:.,,.Ip .. >. ..
contacto das santas maosdo nosso prelado. Depois, giao, dous capitaes, sendo um commandante do'. sentenciados e ao Exm. Sr. general commandante | llm-. =???S ,w onvW^mnr "
foram todos, de velas acezas, renovar os votos da destacamento de artilharia eoutro do de infamara,1 das armas/o conselho de disciplina e bem assim u,*s Lasa> |iara (airu-1' uos ouiciaes einprt-
innocencia baptismal. Foi isto, sem dnvida, um 7 subalternos e 240 pracas, inclusive 53 para sen-; o de nvestigacao a que mandei proceder contra os T7' ,. o t. nh .
olhar de alegra, que o cu jubiloso nos dirigi ; tenciar, e sentenciados. Mappa n. 1. que julguei responsaveis, por semelbante aconte-! ,s ,. ,Lae ,arm,r (\ae exisiera, nao compor-
foi um olhar. que encheu e inundoii todos os cora- Existe mais um capello contratado, almoxarife,' cimento. 't,1m. ,,ra,1C0' roaxime com o novo machinismo
cues, e que humedeceu com lagrimas ift gratido e eserivo, boticario e agente do corre. | A presidencia por ofiicio de 8 de maio do anno cemprauo ; precisam de grande augmento.
de amor a mullos olhos nessa tarde. Foi urna sce-1 Pela falta de commodos para alojamento do des-; passado determinou que fossem cortadas as arvo-, Os offieaes e empregados em geral, portaram-se
mostrasse feliz do que o do Hvm. deao Philipps,
nosso muito bom e dedicado pastor. Foi, emfim, um
dos primeiros regosijos para aquelles que, depois
de passarem pelo sagrado tribunal da penitencia,
receberam, no mais abencoado sacramento, aquel-
lo grande pnhor do amor de um Deus misericor-
dioso. ,
O padre Medias deixou-nos, na segnnda-feira lo
de fevereiro, para ir desempenhar seos importan-
tes deveres em outras partes, flcando, porm, com-
nosco o padre Pacifico at hoje (segunda-felra),
com o lira de colher, dentre os pobres vagabundos,
algumas almas, que anda nao tivessem sido con-
duzidas, por um verdadeiro pastor, ao rerdadeiro
cortina onde trabalha a artilharia em logar de pla-
taforma.
O redacto de Santo Antonio soffreu grandes con-
certos, e mandei fazer um calabouco e cozinha, que
nao tinha e acha-se presenlemento- em estado de
servir.
A batina de Santa Anna onde existe aquartelado
o destacamento dc infamara, foi concertada e bem
asslm o seu alojamento.
~~, qi
feridas arvores e parabse este servico pela neces- offerecer consideracao de V. Etc., a qui
indulgencia se nao preenchi como devia a missao
A de que fui encarregado pelo digno antecessor de
na mesma fortaleza, concertar a muralha ou cor
tina do mar, e fazer um calcamento junto a mesma sidade de conservar as vertentes o interior da indulgencia se nao preenchi como devia
ilha.
Accelerado foi o meu embarque para o presid/,' V. Exc, certo V. Exc. de que fiz quanto eslava era
que teve por fim por cobro aos actos de hostilldaile
praticados pelos corsarios dos Estados americanos
do sul.
Quando all cheguei pela quarta vez 30 do
abril do anno passado, achei fundeado o vapor f7o-
rirfa, dos mesmos Estados o qual ao demandar a
barra o que me conduzla, suspenden o ferro e veto
minhas faculdades para a" desompenhar de modo
satisfalorio,"o sea isto nao attngi, creia V. Exc.
que nao foi a falta de vontade de bem servir ao
governo, mas de rrtelhgenca deve attribuir
qualquer falt em que porventura haja incorrido.
Quartel no presidio de Fernando de Noronha, 27
dc abril de 1801.Illm. o Exm. Sr. commenda'dor
Fiz levantar um edificio com as accommodaerjes reconhece-lo, voltando inmediatamente aos fundea- Domingos do Souza Leo, dignissimo presidente
precisas para nelle collocar as officinas de ferrei- dor. Assumindo o commando no dia subsequente desta provincia.Antonio Comes leal, coronel do
ros, tanoeiros, sapateiros ecarpinas com aspropor- !. de maio, foi meu primeiro cuidado dar cumpri- ostado-maior.
Muitas intrigas, manejos e daare*
M ton levantado por parle Jos |Kim. .|
o subdelegado da freguezia contra oa
junta da qualii-aro, assim romo I
fallar as nnllidades por elles argida!
ipaalioeaoto mas man este artigo vai onnm-
so, proseguiremos em ouiro ronimnnirada aeare
assuuiplo.
"i de maio de 1804.
(* Mn u/tiren**
ATrEN^AO.
Um fado bem interessant se acaba de dar ao
foro desta capital, e raerecendo, se.n duvida a M-
teiieo publica nos resolvemos a team le aa>
preaaa.
Por parte da junta ailminiMrativa da Saate Casa
ile Misericordia foi pruposto nma aceto erotaari.
contra os herdeirus de Jos da Iguana Taitcara, e
lendo-se de proceder a cuacan dos airtnrn. am;-
cedeu que, ou por negligencia ou aota ontr ou
fosea, os encarregado dense i'leit. nao notan aa -
lar una berdeira D. Maranna da i'aaha Taanera.
e bem longo do procuraren c.Tlilkar-^e da aaax
em que ella existe, jiilgaram ser
lo justicar que ella fallecida, para i
seus herdeirus como i n ce ros e aw olaaram pr>-
duzindo testeinunhas, que farilmenta a tosas* ar>-
taraui sanan a jo.-tiiicac;lojulgada pori
O publico que aprecie d.-vi>Umeate t
E D. M iiianna da Cunha Teixeira viva m arha
nesta cidade, onde lem luinstant
Abaixo publicamos o reqiierinoato
municipal da 1' vara, depemnata de
sentenca. Em virtude desses
por tres empregados da jo
Santa Casa da Misericordia, estad
por edictos os berdeiro dc D.
os juizes como sao (Iludido I
Kecife, 11 de maio de 1864.
Q
Illm. Sr. Dr. juiz municipal da 1
supplicantc (a junt administrativa da
de Misericordia) que dev
D. Marianna da Cunha Teixeira a I
de Jess, para fallarem aos
se refere a peticao ret
cidVis, ignorando as.,
residencia dos herdeirosdos
por isso faze-los citar por carta da
praso de 30 das, por todo a
cao; requer V. S. que se
pera receber merc Corno
doro Gomes.Justiflc.ia 15 do abril de 1864.-Tavaros-de T
Aos 27 dc abril da'iG
do Pernambuco em casa da rellanara do Dr. nVr
mogenes Scrates Tararea de V
_
Can
i
MUTILADO


Pjark de Pernambur Quinta clrd It de Malo de inm.
*
municipal da Ia vara, nelUTpelo dito juiz foi defi*? prociso entaque o Sr. coronel O/.orio prove.
rido o juramento dos Sanios Evangelhos s lesle- qu den chapa a Luiz Amonio da Silva Henriques,
rnunlias segrales e polo procurador da autora in- e n.o a Lali Mandy ; porm, isto impossivel,
qniridas as mesmas, do que Gz este termo. Eu porque e nico de tal nome que" alli existe o mes-
M.inoel Joaqun Bautista, escrivao que o escrevi. rno Luiz Mandy.
1" teslemunhrt. Aindamis improcedente se turnaria a defeza
fcatool Cavalcanti de Alhuquerqne Mello, vive do Sr. coronel O*rio qunado se observaste que
<\* ser eJprVgado da aulora, lestcinuuha jurada, lendo elle mandado ensinur a ter e escreaer a
etc., eic. Luiz Mandy, osle sempre se asslguou tuiz Antonio
Sendo perguntado pelo contedo na peticao da da Silva Henriques.
autora, disse que sabia que D. Marianna da Cunha No mesmo processo de ferimentos feitos na pes-
Teixeira e D. Rosa Maria de Jess sao fallecidas, c soa de Luir. Mandy, ainda so v a favor deste a fl
que ignora o lugar da resideucia e os nomes dos 57 un requerimeolo do coronel Ozorio com o at-
herdeiros das mcstiias Imadas o que elle testeinu- testado seguinte :
nha sabe por ouvir dizer a diversas pessoas, e mais Atiesto, que o guarda nacional Luiz Antonio
nao disse, e depois de lidoo sen depoimento assig- da Silva Hunriques est qualilicado desde o anoo
noucomojoize o procurador. Eu Manoel Joa- de 1848, e que quando eaera capitao e comman-
qun Baptista, e.crvo o escrevi.Tarares de Vas- danto interino do 1 batalhao de caladores da
concellosiManoel Cavalcanli de Albuquerque Mel- guarda nacional deste municipio, Ile prestou ser-
lo. Jos Theodoro Gomes. neos em destacamentos nesta cidade ; que esta de
8> testemunha. aovo qualilicado pelo conselUo deste anuo, dn qual
Luiz do Reg Barros, almoxarife da Santa Casa fui membro.
de Misericordia, etc., etc. c Ignoro se o dito guarda nacional escravodo
Sendo perguntado pelo contedo na peticao da suplicante, pois tem at boje vivido como livre, o
autora disse que sabia que D. Marianna da Cunha do archivo do batalhao deste commaodo nao coas-
Teixeira e Rosa Maria de Jess sao fallecidas o urque tenha sido reclamado como escravo.- Nao
que seus herdeiros eslao em lugar, acert, o que sei se est fardado, pois do dito batalhao do meu
elle lestemunha sabe por ser pubico e notorio eelle commando apenas unstrinta eslao.
tem ouvido dizer a diversas pessoas, e mais nao Quartel do commando do 1* batalhao de fu-
disse e depois de ido o seu dopoimento assignou zileiros da guarda nacional da Parnahyba, 13 de
com o juiz e o procurador. Eu Manoel Joaquim julli i de I8.'w. Miranda Filho, tenente-coronel
Baptista, escrivao que o escrevi.lavares de Vas- comniaiidaote.
Ot^'omagu, i: servein So mesmo lempo para destruir, i 1 gamella ; a Simpson a C.
e miligai' ? sede. 00 fardos panno de algodao ; a Antonio L. de Oli-
A Sr." D. Joaquina de S Barreta, lendo ma veira Azevedo.
concellosLuiz do Reg Barros.Jos Theodoro
Comes.
3' testemunha.
Francisco Gomes Castellao, vive de ser empre-
No nosso primeiro communicado flcou demons-
trado que Luiz Antonio da Silva Henriques foi qua-
lilicado votante em 1850 e 1851, assmi como que
foi..m membros da junta qualificadora de 1850, o
gado na Santa Casa de Misericordia do Reclfe, etc., Sr. coronel Ozorio ou seu filho Manoel Antonio de
etc. Miranda Ozorio, e Jos da Costa Sampaio, genro
Sendo perguntado pelo contedo na peticao da do mesmo coronel : agora, porm, mostraremos
autora disse que sabia por ouvir dizer que D. Ma- que cm 849 ainda foi elle qualilicado votante.
monada CunhaTeiunir fallecida, nao sabendo Eis o documento que se l a fl. G2 do processo
que deixasse fllhos, e que quanto a D. Rosa Maria de feverimentos feitos em Luiz Mandy i
de Jess nada sabia, e mais nao disse, e depois de Sebaslio da Silva Lopes Santiago, secretario
Jido o seu depoimcnlo assignou com o juiz e o pro- da cmara municipal desta idade por nomeacao
1 caixao charutos: a Manoel Joaoulm Baptista
Jnior.
i caixao charutos a Jos alendes de Freilas.
0 caixoes charutos a Palmetea & Hebra).
2i caixoes e lloioalxinhas charutos, 1000 quar-
linhas, 15 fardos fumo, JO ditos panno de algodao,
100 pacotes saceos vaziot, & barricas e 1 eaisoto
talhase lampos, e 10 saceos farinha de mandioca ;
a ordem de diversos.
Exportaee.
Patacho pnrtuguez Sottza, carregou para a ilha
de S. Miguel 357 barricas com 1947 arrobas e 15
libras de assucar branco, 661 ditas com 4.578 ar-
robas e 24 libras de dito mascavado, 28 cascos
com 908 medidas de agurdente, 341 ditos com
13758 medidas de mel.e 734 meios de sola.
Hecebedorla de rendas Internas
geraes de Pernambueo.
Rendimente do dia 1 a 10........ 7:6463180
dem do da i 1................. 1:096*213
curador. Eu Manoel Joaquim Baptista, escrivao
que o escrevi.Tavares de VasconcellosFrancis-
co Gomes Castellao. Jos Theodoro Gomes.
SrafMea
Vistos estes autos, julgo provada a ausencia dos
justificados, pelo que se passe carta de edictos, pa
legal. Certifico que reveudo o livro da qualifica-
co dos volantes desla fregoezia, delle consta ter
sido qualificado votante Luiz Antonio da Silva
Henriques, nos anuos de 1849, 1850 e 1851, e da-
hi em dianlc nao so acha mais o seu nome em di-
to livro. Parnahyba, 12 de 1855. Conforme. Se-
sua eacrava fallecida desta molestia .ubmeltida ao
traumeiilo de seu medico, reolveu procurar me
para tratar de nm outro esclavo, que safria da
mesma enfermidade, prescrevi llio o xaropa de ve-
lame, tem .nellioradoconsideravelinente.
A teuhora do Sr. Antonio Francisco Honorato
j foi desengaada por habis mdicos desta cidade,
esleve prosuda, e nos ltimos paroxismos da inorle.
foi coro o xarope do veame salva, como e v da
carta impressa do Jornal do Recife do 9 de feve-
| reiro de 1863.
O escravo Emilio do Sr. tenente-coronel flodol-
piui Joao Barata de Almeida, foi tambem deten-
ganado por habis mdicos, c com o xarepe de
veame ada se completamente restablecido, como
se v tambem da carta impressa do mesmo Sr. te-
nente-coronel no mesmo Jornal to Recife.
O Sr. Antonio Chrstiano Fogt, tilho do Sr. Chris-
tiano Fogt, proprietario e estabelecido na cidade
de Macei, o primeiro bem conhecido nesta cida-
de, pois que foi empregado na casa do Sr. Len
Chapellin retratista, estabelecido na ra da Impe-
ratriz, acomettido desta molestia foi aqu desenga-
ado por habis mdicos: retirou-se para a Baha,
e alli continuou em tratamento, at que foi se-
gunda vez desengaado pelos mdicos d'alli, .che-
gando eu Macei, um amigo pedio-me, que o
acompanhasse at a casa do Sr. Christiano para ver
um doente e prescrever-llie algum remedio, eneon-
trei o tilho em urna cama desanimado e em estado
de prostracao, pois que escarrava sangue, e linha
completa inapetencia, e fraqueza, a ponto de nao
se poder por em p, no fim de urna garrafa do
xarope etherio de veame j se achava elle no es-
tado de passear em casa, desapparecida a inape- Nario$ entrados no da 11.
tencia, e os escarros de sangue ; e a tosse mi- Baha-10 dias, escuna nacional Carlota, de 135
ligada, toneladas, capitao Antonio da Cruz Baptista,
No nm da segunda j achei em estado de faz-lo cquipagein 8, carga cerveja, farello e outros ge-
passear pelo seu sitio todas as manhaas. Acabada, eros; a Antonio Luiz de Oliveira Azevedo
esta o aconselhei, que conlinuasse no uso do mes- ] &
mo xarope etherio alternado com o charope alcoo- SanU Calharina41 dias, barca ingleza Crner,
lco de veame, e que usasse dos banbos salgados de 299 toneladas, capitao R. Nichollo, equipa-
na pancada do mar. Sentio elle nos primeiros gem H, em lastro ; a Johnston Pater & C.
banhos alguns choques, mas em o aconselhei que Barcelona48 dias, patacho hespanhol Cienfuegos,
conlinuasse, com o que se tem dado muito bem, de 112 toneladas, capitao Jos Marta Rodrigues,
peis que, tenho recebido cartas de Macei, em que eqnipagem 9, carga vinho; a Theodoro Chris-
8:742*393
Consalado provincial.
Rendimentodo dia 1 a 10......... 34:269*613
Idem;do dia 11................. 2:404*308
36:673*921
MOVIMENTO DO POETO.
as as cusas pelo justificante. Recite, 30 de abril bastiao da Silva Lopes Santiago, secretario da ca-
de 1864.-Hermoiienes
cohcellos.
Scrates TaVares de Vas-
PUBLICARES A PEDIDO.
Mtmv.
Ao i:\iii. Hr. ministro da jus-
tlea.
IMA ylBSTO I.MI'OUTAN'TE.
No n. 50 deste jornal sabio publicado nosso pri-
meiro communicado, em que expozemos alguus do-
eumentos e cmiltinios nossa opinio a respeto da
liberdade de Luiz Antonio da Silva Henriques, co-
nhecido por Luiz Mandy. a quem o Sr. coronel Jos
Francisco de Miranda Ozorio considera c possue
como seu escravo; agora, porm, continuaremos.
Em 181, leudo d coronel Ozono castigado na
Parnahyba a Luiz Mandy, apromotoria publica deu
contra aquello a compelente denuncia rom o fun-
damento de que 0 castigo liavia sido aoplicado em
pessoa livn. Esse processo licou paralysado, at
que no dia 11) de marco de 185S), achado-se em
exercieio da delegacia o Sr. Francisco Severino de
Moraes Correa, o jnlgon improcedente.
0 Sr. Moraes Corroa nao tomou soinenle conhe-
cimento da questo crime, como Ihe pertencia, e
pelo contrario no niepmo processo julgoii da liber-
dade de Luiz Mamh, considerando-e escravo do co-
ronel Ozorio I
No cuno do processo no dia 15 de .-elembro de
1851, Luiz Mandy foi interrogado, e, alm do mais,
dis>e o ieguiute :
i Foi-lhe ruis perguntado a elle olfendido se
guarda^ nacional ueste municio ? Uesiiondeu que
siin. Fui-lhe mais pi-rguntado de que roiii|>auhia
soldado? Responden que da 2" do 1 batalhao deste
inncipo. Fei-lhe inai< perguntado a elle otTendi-
do se lem prestado servidos agnarnicao do desta-
camento desta cidade ? Responden que sim. Foi-
lhe rnas perguntado a elle offendido quantas vezes
foi destacado ;' Responden (|lll, pr tres Vez.-s. foi-
lhe mais perguntado] a elle olfendido se lem volado
em eleieOes que soltera procedido nesta cidade ?
Responden que tem rolada Foi-lhe mais pergun-
tado quantas vezes [tem votado ? Responden que
por duas vezes. Foi-lhe mais perguntado quem
Ihe dar cdalas na'uccasio de votar as duas re-
feridas eleicoes .' l'o: respondido que fra o Sr. co-
ronel Jos Francisco de Miranda Ozorio. Foi-lhe
mais perguntado (Mmente se o Sr. coronel Jos
francisco de Miranda Ozono algum dia o tralou
por seu captivo II ponden que nao senhor. Foi-
lhe mais Br(ranlado quera se diz ser pal delle
offendido? Respondou ser o fallecido coronel Ma-
noel Antonio da Silva Henriipis.
t | por esta forma houve o dito juiz os presen-
tes interrogatorios por feitos. e mandou fazer este
termo que assigna com o dito olfendido. Eu Veri-
diano de Sonsa Broxado, escrivao que o escrevi.
Costa.Lum Antonio da Silva Hinrinues.
l,i t "" 'mi' '- ."ill .-'. 1 I', li.t : II
Do documento que Hemos lran*rever en npsso as lli;li5 admiraves e felizes. Todo o mundo me-
primeiro communicado, licou provado qosLati dico admilte que o melhor antisptico vegetal e
Mandy foi uua ilicado guarda nacional em 18al, e a,t.ncorbutico at hoie conhecido. c pode-se com
da propria conussao uwie se v que por tres veae
esleve como tal destacado na cidade da Parna
hvba.
mar >
O Sr. coronel Ozorio em 1852, depois de despei-
lado com o infeliz Luiz Mandy, nao querendo acar-
retar rom toda responsabilidade que be poda re-
sultar do aclo do chamar o infeliz ao captiveiro,
quiz ver se descarregava de sobre si essa mesma
responsabilidade, se seraelhante acto partisse da
presidencia da provincia, e nesse sentido dirigi
una peticao extensa ao ex-presidente conselheiro
Sara!va pedindo que Ihe mandasse entregar Luiz
Mandy, que era seu escravo.
A peticao a que nos referimos l-se a fl. 38 do
processo de ferimentos feitos em Luiz Mandy e o
despacho que ella teve foi o seguinte :
Exstindo o escravo do supplicante sollo, nao
compele a presidencia ordenar que volte a seu po-
der, o que s pode fazer o jioder judiciario, permi-
te o qual itere o supplicante estabelecer a sita qnes-
Ido para ser decidida.
a Palacio do governo do Piauhv. 4 de agosto de
1852.-/. A. Saraica.
O Ilustre Sr. conselheiro Saraiva em seu despa-
cho fez sentir bem claramente ao coronel Ozorio,
que sera urna questao regular no juiz competente,
e uina setenen que declarasse a Luiz Mandy escra-
vo, este nao poda jamis ser como tal reconheci-
do; maso Sr. coronel Ozorio nunca intentou aeco
alguma de escravido contra Luiz Mandy. e p^lo
contrario julgando-so senhor da Parnahiba, onde
lem constantemente disposto a seu bel prazer das
posiees locaes, sem recear coma alguma, lem
mettido o infeliz Luiz Mandy em ferros, castlgs-
ilo-o, e considerado-o sen escravo sem que este
seja por urna sentenea declarado !
Fique o Sr. coronel Ozorio convencido de que
havemos de apadrinhar a causa do infeliz com ro-
das as toreas, e em quanto nao entrad elle no goso
de sna liberdade, havemos declamar pelajustica
publica cm seu soecorro, e s o doixiremos de fa-
zer, se em vista das proras que temos| apresentado
apparecer um juiz lio deshumano, duc fulmine o
infeliz com una injusta sentenea, porque enlo
obdeceremos o julgado, depois que passar em ulti-
ma instancia, e maldiremos do juiz que assiir pro-
ceder.
Se o Sr. coronel Ozorio ouvrado as nossas refle-
xdes, mudar de parecer, e mandar qpe Luiz Man-
d\ gose paeiBeamenle de sua liberdade, Ihe garan-
timos tambem. que nao diremos mais urna patarra
sobre esta questao, porque teremos altingido nosso
fim -a liberdade do infeliz -.
Basta por boje.
(fa Liga e Proyresso.)
se me commuoica o seu bom estado.
Nesta molestia os expositores de medicina nao
aconselham banhos salgados, apenas quando d*elles
iraiain. dizm ser applicados contra as escrfulas,
hypochondria, estherismo, amenorr
mo etc.; entretanto vi este bom resuMdo no Tilho
do Sr. Christiano, e outros fados iguaes tenho vis-
to as molestias siphylicas, < nutras militas que
com o uso do xarepe alcoolico de veame lera se
obtido cara radical.
O Sr. Dr. Silva medico hbil de Macei, depois
de ter applicado a um seu doente de rhenmatismo
o xarope alcoolico de veame, logo quj elle se
poz em estado de largar as moletas, em que an-
dava arrimado, o aconselhou que conlinuasse com
o uso do mesmo xarope conjunctamente com os
banhos salgados, com que se lem dado muito bem.
e um dos mdicos, que all em Macei tem com-
pleta confianza as preparacoes de veame por
mim feilas, pelos bons resultados, qae tem obtido
em sua clnica.
Quando alguem se v com tosse vai ao medico,
este o examina e declara -o senhor est affectado
dos pulnieso doente desanima, com esta senlen-
C-a emende estar sem mais cura, quando os faetos
e a experiencia teem demonstrado que muitos. ten-
do procurado o lugar aproprado, se teem salva-
do ; e assim explicara muitos expositores de me-
dicina.
tiansen Navios sonidos no mesmo dia.
MontevideoSumaca argentina fl. A. C, capitao
Francisco A. Caballo, carga assuear.
raclhis- LiverpoolBarca ingleza Emdijmion, capitao J.
Stitt, carga algodao e assucar.
Observae/io.
Fundiou no lamarao urna barca franceza, mas
nao teve communicac/to com a turra.
EDIT1ES.
Joo Dernardino de Vasconcellos, official da impe-
rial ordem da Rosa, major do 2o batalhao de in-
fantaria da guarda nacional do municipio do Re-
cife. c cotnmandante interino do mesmo, por S.
M. I. etc. etc.
Fago saber a quem interessar possa, que de
confonnidade a lei e disposto no art. 1" parle 2\ c
art. 9 do decreto n. 1130 de 12 de maio de 1853, e
art. 8 das inslruccoes de 25 de outnbro de IH.jO.
se ha de reunir o conselho de qualilicaQo na 3"
dominga do Crrente mez de maio, as 9 horas do
dia, no consistorio da igreja de X. S. do Terco,
que serve de matriz na fregoezia de S. Jos.
E para que rhegue ao cohecimento de lodos,
DECLARACOES.
manda publicar o prsenle edital pela imprensa,
Ora, nesta provincia temos facilidad* boje e re- e alixalo na porta da referida igreja.
curso do ar ; por que a va frrea nos proporcio- Quartel do commando interino do 2- batalhao de
na, pois que em pouco lempo urna pessoa que exis-, nfanlaria da guarda nacional do municipio do Re-
te nesta cidade fcilmente se transporta para as Ufe 10 de malo de 1864. Joao IWnardino'de
ultimas cstacoes de Gameleira e Una. lugares per- Vasconcellos, major coinmandante interino.'
lo do Bonito e de outros pontos que sao considera- _
! dos serlas, quanto mais que os mesmos lugares i 5H"!5?s~s^'----- ""^^?^^^"
j niio sao mos, segundo, pens, principalmente no
verao.
Mas clir-se-liaurna pessoa pobre nao tem. mais
de se transportar e d'alli estar isso se respon-
do, que, naquelles lugares exislem casas vasias e
allugam-se |ior preyo commodo, e mesmo muitos
gneros de primeira necessidade, alli se veiulem
pelos mesmos precos que aqui.
Amelles, pois,;'que estiverem nestas circums-
lancias, eu Ibes facilito explicar os meios pelos
; quaes sedevem reger.e Ibes fornecerei os medi-
camentos gratuitamente.
Nao deixarei de advertir ao publico, gjue as mi-
nhas preparacoes de veame sao reunidas com ou-
tros agredientes, e com elles lonho oblido op'imos
resultados ; nao se engae o mesmo publico com
COMPANMA
Malsa de Briul.
A salsa parnlha de Bristol exerce suas propie-
dades purilicantes por todo o systema nervoso, neu-
tralisando o piros produzido e accumulado pelas
ulceras, escrfulas, abscessos e tumores, o escor-
buto, assim como todas as mais molestias das glau-
dulas, da carno e da pelle.
A historia desta preparacao tenj sido pelo espaco
de 30 annos una serie uo interrompida de curas
S3
Bo
Sao convidados os Sis. accionistas desla
cotnpanhia a reunirem-se cm assemiria ge-
ral no dia 13 do corren le me/, ao meio dia
para em conformidad^ dos seus estatutos
deliberar sobre as contas do semestre findo
outros, que por ah se annunciam, cuj's'prepa'ra- B proceder a eleicao da nova direep') ijUC
I cues ignoro, assim como aprovei tamento delles deve servir al 30 de abril do anno prximo
1 aos enfermos, qnem por ventura tenhain sido ap- futuro.
plicados ; cada'om res|Minde por si. c eu alTlrmo Escritorio da Comivinliia de Rpbcribr. Q
com verriade o que aqui tenho relatado, cajos me- l^'.'P'Ol i (ta i,oil
dicamentos nesta provincia s vendo em minlia bo- "e maiO ile lHbi,
tica na ra Direita n. 88.
Jos da-Rocha Paranhos.
Nazareth do Cabo, 7 de setembro de 1863.I
Illm. Sr. Jos da Rocha Paranhos.i'.fMtt o maior
peteer levo ao cohecimento de V. S.. que o doen-
le que V. S. acha-se administrando-lhe remedios, i
! acha-se no todo restabelecido, portauto. nada sent.
; tendo desapparecido no lodo a tosse, tem muila
disposieao comida e.aclia-se nutrido. eixou de |
; tomar os ltimos remedios que. V. S, receilou no i
special
Foi em 1851 que o coronel Ozorio comecou a
oppor-se liberdade de Luiz Mandy por nao que-
rer este acompanlia-lo mais as eleicoes, e islo
tao verdadeiro como im|iossivel ao coronel Ozona
ipresentar por onde profe que antes Luiz Maudv
era matriculado como seu escravo na alfandega da
Parnahyba.
Darertidao de idade que transcrevemos em
DOSS0 primeiro communicado, v-se que Luiz Man-
dy baptisou-se em 1822, no entauto que nos exer-
cicios de 1850 a 1851 e nos anteriores nunca foi
elle matriculado como escravo do coronel Ozorio,
sendo daquelle exerejeio em diante ; e porque as-
sim aconteceu ? 1'eia ousadia que teve Luiz Mandy
de nao querer mais Rcempanhar o coronel Ozorio
nas eleicoes I
Tendo Luiz Mandy nascido em 1822, em 1850
eslava cora 28 anuos. Responda o Sr. coronel
Ozorio, porque razao at aquella idade nunca o ma-
triculou como seu escravo ?
Responda-nos mais, porque razao mandou Luiz
Mandy para as aulas publicas aprender a ler e es-
crever ?
O coronel Ozorio deve ter feito dous inventarios
por morie de suas mulheres, c suppomos (|ue o se-
gundo foi feito em IlJ:t9 ; parece-nos que nao ser
capaz de apreseniar a Luiz Mandy descripto em
nenhum delles como seu escravo.
Depois do odio que- o Sr. coronel Ozorio dedicou
ao infeliz Luiz Mandy. quiz acabar com os meios
que o infeliz tinha para provar sua liberdade, e di-
rigi ao concelho de qualilicaQo da guarda nacio-
nal um requerimento que se l a fl. 37 do proces-
so de ferimentos na pessoa de Luiz Mandy, pedin-
do para ser este iluminado da qualificaco, visto
er seu escravo, e teve o despacho seguinte :
t Indeferdo, porque sendo o supplicante mem-
bro do conselho da qualilicacao no anno de 18i8,
consentio que o referido Luiz Antonio da Silva
Henriques fosse qualificado guarda nacional, como
-i insta do livro respectivo. Sala das sessoes do con-
celtio de qualificaco na cidade da Parnahyba, 19
de junho de 1855. Marques, presidente. Silva,
-secretario, vencido.Analio, capitao.
Transcrevemos o despacho supra nao s para
mostrarmosj que j em 1848, Luiz Mandy era qua-
tifleade guarda nacional, como tambem para que
se saiba que foi o proprio Sr. coronel Ozorio quem
oqiiiliflcou em tal anno.
Talvoz o Sr coronel Ozorio queira defender-se
dizendo que eram militas as pessoas que tinham
de ser qualilic.idas, que nao poda suppor que
Luiz Antonio da Silva Henriques fo.se seu escravo
Luiz, que havia lomado aquelle cognome industria
do por seus inimigos I
Um argumento tal s servia para provar a mui-
to boa f do Sr. coronel i i/.orio ueste negocio.
E na verdade, dar-se-ha caso que o Sr. coronel
Ozono dcixe de coflhecer a urna pessoa das que
morara dentro da cidade da Parnahyba ?
I* I *"VW "ll'tHIH. >J'I" W V IIIV illlOI lilil.' |'IC-0 ""O
ein IBol, e ante-escorbutico at hoje conhecido, e pode-st
1 j1'^.^ s i 'eda a certeza afiune;ir que um remedio es_
pera a cura do rbeumalismo e de todas as affec-
foes dos msculos, tendees e conjuneturas.
Enconlra-se a venda nas boticas de Bravo 6; C.
e Caors & Barbosa.
O escripturario.
Marcelino Jos Pupe,
^;iul;t Casa da Misericordia do
Reclfe.
A lilm.'junta administrativa da Santa Casa da
Misericordia do Recife manda fazer publico, que
no dia 12 do corrente pelas 4 horas da tarde na
sala de suas sessoes tem de ir praca as.rendas
das casas abaixr declaradas, pertencentes ao pa-
i dia 30 do pateado, resta agora V. S. mandar-1 ,,.nK)n0\le orpbaos. os licitantes deven compa
: me dizer qual a dieta que o doente deve conser- recer acompanbados de seus (adores ou munidos
Phlysica.
O xarope etherio de veame por mim preparado,
muito tem aproveitado aos que soffrem desta mo-
lestia, e de lamentar-se, que, no obtuario desta
cidade a maioria dos que sucumbem de tubrcu-
los pulmonares, sem procurarem o recurso do pra-
lico e do experiente, que Ihes podem eueaminhar o
meio de sua salvaciio.
O Sr. Braga com loja de ferragens na ra
Direita, foi desengaado por dous habis m-
dicos, acha-se bom com o tia,tamento por mim
preseripto.
A Sr.' Jeronyma Maria da ConceicSo, moradora
na travessa do Montciro n. 1 achando-se (desen-
gaada, tambem mim recorreu e acha-se resta-
b.decida.
Um sobrinho de senhor professor de Nazereth do
Cali, acha-se bom, como se v de sua carta abaixo
transcripta, alm de outros fados, que poderia aqui
mencionar.
A phtysica a deslruico e a magreza de todo
corpo, em consequencia 'de chagas, tubrculos, e
concrecQao dos bofes e de empyeraa, atrephia ner-
vosa, e outras molestias que viciam os humores,
como escorbuto, alpercas, gallico, asthma. bexigas,
sarampo, etc.
Na phtysica, chegando ao estado de gravidade, o
3ue muito pode concorrer para a salvacio" do
uente e ajudar os medicamentos o ar do campo,
exercieio conveniente e dieta, a qual nao de\ ser
de nenhuma cousa queute, ou de difficil digestao
e a bebida cumpre que seja de natureza branda e
rresca.
Todo o seu alimento se ha de dirigir a moderar
a acrimonia dos humores, e a nutrir, e suster o
doente, para o que preciso reduzi-lo ao use de
vegelacs e leite.
Toda comida e bebida, que se tomar ha de ser
em poucas porpj3es,-para evitar que o excesso do
chylo fresco opprima os bofes, e accelore muito a
circulacao do sangue.
Muitos doeuies desia molestia se teem entregue
ao uso do olee de ligado de bacalho, e outras pre-
paracoes de resinas e blsamos, sem que dolas
lenham lirado proveito; e alguns expositores de
medecina combtelo com muta razao esse trata-
monto.
E' costurae carregar e estomago do doente com
medicamentos oleosos e balsmicos ; porm estes
em vez de tirar a causa augmentam-na, esquen-
tando o sangue, ao mesmo lempo que tirara o
apetite, relaxara os solidos, e sao de toda sor le per-
niciosos.
de cartas destes.
Ra do Imperador.
var e por quantos lempos, mencionando as comi-
das que dever usar daqui em dianto.
Resta-me agora agradecer V. S. o cuidado que N 2 particular 81 paUhSo? dous an-
toinou no tratamento do meu sobrinho. abaixo de, ares.
Deus, devidb o seu restabelccimento a pericia de Largo do Paraiz
V. S., e por isso pede V, S. sepipre contar cora os | a 4 d(0 2,j diio.'dous andares'
mena diminutos prestimos, e dosejarei era todo o
tempo dar urna prova do meu reconbecimenlo.
Desojo V. S. todas as venturas, por ser de
V. S. muito respetador c obrigadissimo criado.
Francisco Beringuer Cesar de Menrzes.
NOVO BINCO RE FERNAIBECO.
O novo banco de Parnambuco paga o 12 divP
dendo a razao de 9 por accao.
Alfaudega
Rendiment do dia 1 a 10........
dem do dia 11.................
256:4405538
19:160^618
1:202:000
902.5000
2055000
2045000
1835000
1045000
1605000
6035000
375:6075156
Tudo-one se fizer para extinguir a tosse, alm
do exercieio e rgimen apropriado devem ser re-
E Luiz Mandy nao foi sempre qualificado guar-, medias de natureza acida, detergente e calmante,
lae ? A quatifleafao no feita por quarteirSes T bons effeitos nesla enfermidade, porque, nao s
E no est elle no numero das pessoas do quartel- contribuem a apagara sede quando acomettem a
Horiiueulo da alfandega
Volumes entrados com fazendas... 109
cora gneros... 245
Volumes sahidos com fazendas... 186
i com gneros... 695
354
881
febre cibica,-mas tambem a refrescar o sangue.
Aos (lenles desta enfermidade, quando o seu
estado de gravidade tal que a febre ethic-a os
acomette, prescrevo-lhes o sueco de um limao
dissolvido em nina chicara d'agua com bastante
rao da cidade f
Por ventura senao houvesse em tudo islo o cou-
sentirneoto doSr. coronel Ozorio, este quando fosse
iiualiflcar um individuo que tivesse o nome semo-
Ihante ao de seu soto Manoel Antonio da Silva
Henriques, nao procorana saber que individuo assucar em um grande cope para misturar com (
era este qu*com o nbfiie de Luiz Antonio da Silva um papelinho dos pos refrigerantes para lomar,
Henriques, raorava deoiro d'i'ciilado da Parna- com que aliviam no acometlimento da febre,e pela'
(lVDa ? manhaa o xarope etherio de veame. Tenho acon-
'Tambem se enfanaria.oSr. coronel Ozorio, qnan- selhado, que facam uso de vegetaes de natureza :
do com sua propria ruo entregava a Luiz Mandy, acida, como laranjas, Iim5es, pitangas, uvas etc.,'
-egundo esti" diz, a ctiaps para votar ? e applicacOes de plantas, amargosas, que forlifleam i
Descarregam no dia 12 de maio.
Escuna iuglezaRosecarvo e ferro.
Escuna inglezaZompefazendas.
Brigue inglez Zonemercadorias.
Brigue honoverianoUraniafarinha de trigo.
Escuna nacionalCarlota gneros nacionaes.
Rrigue hespanholC'eu/usi;ovinhos.
lmportacSo.
Brigue hannoveriano Urania, entrado de Trieste
consignado a N. O. Bieber & C., manifestou o se-
guinte :
1992 barricas farinha de trigo ; aos mesmos con-
signatarios.
Brigue inglez 0<7<;//o, entrado de Terra Nova
consignado a J. Pater & ('., manifestou o seguinte :
2097 barricas bacalho ; aos mesmos.
lliate nacional Santa Rita, entrado de Penedo e
Villa Nova,consignado a Tasso limaos, manifestou
o seguinte :
De Penedo.
100 saceos com 500 arrobas de arroz pilado ; a
Arminio & Saraiva.
De Villa Nova.
$00 saceos arroz de casca, 100 ditos milho, 150
pedias de amollar e 50 rebollos de pedra ; a or-
dem.
Kscuna nacional Carlota, entrada da Baha, con-
signada a Antonio Luiz de Oliveira Azevedo, mam-
festn o seguinte :
Gneros estrangeiros ja despachados para censuran.
435 saceos farelo, 2 fardos cobertores de algo-
dao, 1 caixole canchen os para gaz ; a ordem.
200 barricas cerveja ; a Palmeira & Bellrao.
23 barris alcatro ;a Antonio A. Gomes.
4 caixdes lencos escarales, 1 fardos fazendas, 7
ditos cobertores de algodao ; a Simpson & C.
4 caixas chales estampados ; a Schafheitlin & C.
5 caixas vinho, 3 ditos cognac ; a Henry Brood.
Gneros nacionaes.
10 fardos fumo ; a Jos Leopoldo ODrgard.
10 fardos fumo ; a Lima & CornVlro.
10 f*rdos fumo; a Joaquim Bernardo dns Res.
10 fardos fumo; a Antonio Jos L, onJcf
Ra das Larangeiras.
N. 5 dito e 17 dito, casa terrea .
Rua Velha.
ff. 8 dito e 32 dito, casa terrea..
Rua de S. Gonzalo.
X. 10 dito e 22 dito, casa terrea..' .
Rua do Pires.
X. 13 dito e 39 dito, casa terrea
Rua da Lapa.
X. 40 dito e 11 dito, casa terrea..
Rua do Viga rio.
X. 72 ditoe 27 dito, dous andares .
Rua da Senzala Velha.
X. 78 dito c 136 dito, dous andares.. 6515000
X.80 dito e 132 dito, dous andares. 4105000
N. 81 ditoe 18 dilo. casa terrea.. .. 19i*5i>00
X. 82 dito e 16 dilo, casa terrea.. .. 2015000
Rua da Guia.
N.84 ditoe 29 dito, casa terrea.. .. 1255000
Rua do Pilar.
X. 91 ditoe 105 dito, casa terrea.. .. 163S000
N. 92ditoe 104 dito, casa terrea.. .. 1635000
X. 94 dito e 99 dilo, casa terrea.- .. 25i(HK)
X. 97 ditoe 10 dito, casa terrea.. .. 1625OO0
X. 100 ditoe 104 dito, casa terrea. .. 1635000
X. 105 dito e 94 dito, casa terrea.. .. 1735000
Rosarinho.
N. 3 particular, casa e sitio...... 3225W90
Mirueira.
X. 4 dito, sitio.......... 2135000
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do Re-
cife, 9 de maio de 186'i.
O escrivao,
F. A. Cavalcanli Cousseiro.
Quiuta-feira, 12 do corrente, depois da au-
diencia do Illm. Sr. Dr. juiz dos feitos da fazenda,
as 10 horas do dia, ir a praca o segrale :
A wsa terrea em pilares, sita na rua do Pro-
gresso, n. 6, freguezia da Boa-vista, em chaos pro-
prios, avahada por 1005, para pagamento do que
deve fazenda provincial, Candido de Albuquer-
qoe Maranho, por Antonio Ferreira de Oliveira.
A' renda annual da casa terrea em Olinda, na
rua da Boa-hora, n. 21, com 2 salas, 2 quartos pe-
queos, quintal em aherto, em me estado, ava-
hada em 245, para pagamento do que deve a ir-
mandade de S. Benedicto.
dem da casa terrea na Casa-forte, n. 80, com
23 palmos de frente, e 46 de fundo, 2 salas, 1
quario, em mo estado, avallada em 365, para
pagamento do que deve Jos Francisco Carneiro,
pela massa fallida de Nuno Maria de Seixas.
dem da casa terrea na travessa do Marisco,
n. 30, com 1 sala, 1 quarto e cos tilia, em mo
estado, avahada em 365, para pagamento do que
deve Marcellino Jos Francisco Galvo.
dem da casa terrea de taipaoa rua do Cabral,
n. 17, em Olinda, com 68 palmos de fundo e 18 de
largura, com 2 quartos^ 2 salas, quintal em abor-
to, em mo oslado, avallada em 245, para pa^ar
ment do que deve o convento de X. S. do Carmo
do Recife.
dem da casa terrea na roa da Poeira, fregue-
ziado Poco, com 2 salas, 2 quartos, cosinha e
quintal, avahada em 965, para pagamento do que
deve Joao da Cunha Res.
dem da otaria, sita na rua de S. Miguel nos
.V vados, a qual tem 2 grandes telheiros, e
tornos, eom todos os seus pertences, em bom es-
tado, avahada em 2005, para pagamento de que
deve Manoel do Amparo Caj.
dem da casa terrea cm Olinda, na rua do Al-
jubo, cora2salas, aquarios, c quintal em aborto
em bom estado, avahada em 005, para [.au-
mento do que deve D. Fortunata Goelho da Silva
por Florinda Goelho da Silva.
dem da casa terrea nos Arrombados, n. 23
com 30 palmos de frenle, e K de fundo,' 4 quar-
tos, 2 salas, cosinha fra, avahada em %5, para
pagamento do que deve Joao Thomaz Perei a,
pela viuva de Antonio da Costa Reg Monteiro.
Recife, 9 de miio de 1864.
O solicitador da fazenda provincial
Joao Firmino Corma de Araujo.
Nos dias 13, 17 e 20 do corrente foz, depois
da audiencia do Illm. Sr. Dr.'juiz dos orpbaos, tem
de ser arrematado por ai rendamento .1 renda an-
nual do sitio denominado do Viveiro, silo na rea
Imperial, sendo a ultima praca no dia 20.
Cenarle administrativo.
Ocortselho administrativo, para fornecimento io
arsenal de guerra, tem de comprar os objectos se-
gu nles:
Para a enfermara de Fernando de N'oronha.
Farinha de trigo 6 barricas, assucar refinado 6
arrobas, etra hyssou 20 libras, banha de porro 1
arroba.
Para a eseripturacao do almoxanfado do
mesmo presidio.
Tinta preta para escrever 24 garrafas, pennas
de ac tinas 12 caixas, papel almaco pautado 12
resmas, canelas de espinho de quand 6 cartoes,
papel malta borran 6 cadernos.
Para a offlcina de sapateiro do mesmo.
Sola 600 meios, vaquetas 400, couros de cabra
1,000. martelos 6 duzias, limas chatas 6 duzias,
troquezes 4 duzias, facas 6 duzias, cera preta 2 ga-
melas, retraeos de vidros 2 caixas, vasadores 100.
Para o arsenal de guerra.
Telhas de ferro 150.
Para o corpo da guarnicao.
Papel almaco 2 resmas, pennas de aeo 2 caixas,
ditas de ave 50, tinta preta 2 garrafas, lapis de pao
2 duzias, areia preta 2 libras, carias de abe 12,
grammaticas portuguezas por Monte Verde, ultima
ediean .'I, aritltmeticas por Avila 3. paulas de tras-
lados 12, pedras para escripta 2, cretes 6.
Para o 7 batalhao de nfanlaria.
Bonets para recrutas 50.
Quem quizer vender Ues objectos apresentem as
suas propostas em carta fechada na secretaria do
consolhe s 10 horas da manhaa do dia 18 do cor-
rete.
Sala das sessoes do conselho administrativo para
fornecimento do arsenal de guerra 11 de maio
de 1864.
Antonio Pedro de S Brrelo,
Coronel, presidente.
Sebastiao Jos Rosillo Pyrrlto.
Vogal secretario.
A requerimento de Jos Joaquim da Cunha,
testamntelo de Joao da Silva Mercira, lem de ser
arrematada em praca publica, sabbado 14 do cor-
rente, flnda a audiencia do Illm Sr. Dr. juiz muni-
cipal da 2* vara, urna casa terrea n. 12 na rua da
Praia, freguezia de Santo Antonio, assobradada do
lado de detraz, com 21 palmos de frente e 63 le
fundo, trapeira para o lado da frente, pequeo
quintal murado, cacimba meeira, chaos fon-iros,
que se acha em arinazeui, avahada era 3:5005000.
Escrita.) Baptista.
(ORREIOGRHAL
Relaco das carias seguras existentes
ua ailntinislraf <> corren tiesta
cidade para os seuhores abaixo de-
clarados
Alexandre Luande.
Braga t Antunes.
Candido Thomaz Pereira Dulra.
Daniel Gumaraes \ C.
Francisco Luiz de Oliveira Azey/do.
Guilherrae Carvalho & C.
Dr. Joaquim Morera da Silva.
Joaquim Lucio Monteiro da Franca
Jos Joaquim da Cunha.
Jos Mendos de Freitas.
Jos Monteiro de Siqueua.
Mauricio Francisco Kerreira da. Sin l.
Manoel Alves Guerra.
Theobaldo ltalther Browne.
Travasso Jnior & C.
Vidal & Bastos.
Vianna fj Guimaraes.
Sexta-fcra, na audiencia do juiz de orpbaos,
vai unamente praca a casa jorrea n. 32 da rua
do Tainbi : quera n mesma quizer laucar, com-
pareca as 11 horas nasal,, das mesmasaudiencias,
que i una boa casa, < per l:400# baralissiino.
0 Illm. e Rvm. Sr. IJeao vigario capitular da
diocese manda fazer publico para cooneeimeilo
das parles interessadas, que por ora dar expe-
diente eaudiencia lodosos dias uteis no seminario
episcopal da cidade de Oliula, das 9 horas da ma-
nhaa ate as 2 da tarde; c fra deseas horas, i1 nos
casos urgentes, em sen sitio pouco alem da rua
do Rom Successo da mesma cidade.O padre Joa-
quim d'issumpcio. escrivao da 'amara eeetesias-
tica.
COMPANHlA B RASILEIBA '
MI
PAQUETES A %'APftR.
K esperad. d.> if*4 mrte
at odia 17 do corren*? c repar
Afti. commandant< prinrn
lente Alranfn pul dr-
|>ois da demora d-> cKstuiw s#-
KUrTa Ia-* US porIOS d *l-
- Desde j rerebetn-se panageiros e neaaja-M a
carga qnc o vapor pwtw cn.luzir. a qnal Vvera
^r em.ba"a<' no dia de sua rbejrada, mmmm
das e dinhwro a frcle al o iba da salud,
ras: agencia, rua da Cruz n. 1. rsrnp*,r., ? Aa-
lomo Lmzde Oliveira Azevedo A G
COMPANHIA m.YVMBICANA-------
THEATllO
DE
S. ISABEL.
i:insti:/\
GIRIIRO H.0IHBRA.
s Recita da asslgnatura.
Quiuta-feira 12 de maio.
Subir scena o fnteressante drama em cinco
actos, ornado de msica.
M
!\;MPS:K:m ostrirn a
PzraM, Natal, lacao, Iraraii, r frar.
.No dia 21 d<> nrmite m r,
horas da larde seguir para > par-
en cima murados, um .)-< va-
pores da compart.! tV-r>-|ri
carga at o da W. fomiiiaa
das, passageirose diubeiro a frH'- lr 3 lint* da
larde do dia da sabida : esenplorio no P.rle d
Mallos n. 1. ______ ____
COMPANMA PERNAMMJCII
BE
WavegafSo eoslrlra tapar.
Macei e escalas.
.No dia .'i do correnli* a let-
ras da lai de. taBBI um d..s vapo-
res da compaiilua. A rara era
recebida at o dia 24. Earoat-
mmdas, passageifos e dinhrir a
trele at o dia da sabida as 3 horas da t.ird es -
rriptorio no Porte do Mallos n. I.
COMPAti-HTA BRAgII.B.raA~
DE
PAQUETES A VAPOR.
Dos portes do Mil r t'^prrado
at o dia 16 do mrente u vapai
Paran, rommandante t> -prrle
de fraga la Sania Rarbara. a qaal
depois da demora do e>siiinie JK
guira para os portos do sjarle.
Desde j recebem-se passagrirne ei-ngap-^a
carga que o vapaf poder condiizir. a qual aVeaaa
ser embarcada no dia de sua rarasi i i.-na-
mendas e dinheiro i in-ie an- o dia da sahula aa S
horas, agencia rua da Cruz n. I, esrripiurin de
Antonio Luiz de Oliveira atftdo VV '".
Pitra a Ifohin
prelende eaaalr eom muila brevidade a esrr.wa aa-
cional Carlota, tata parte .1. ., u rarntae
promplo : pira o reste que hV .ilia, ir-i
os seus consiiiiaiarios Antonio Luiz de iNi\rira
Azevedo \ ('.., no sen e-v-ripiorio na da C.nw Ha-
rnero 1.
Vonilv-sr a baar,i I'inwjtt4i*\ iMra
e muito bem iimstiiii.la, ik UU;* \\e ift
caixas: quem a pnleoW aAdJi la-ai no
C.i's ilo IIanus, amule c-t funl.^h r a
Iralar na na ik> Crtipa hqa il fa/..-aalf
n. 7.
llio rantlr la w3T~
Vai seguir rom breridel a barra nacional Amt-
aaaV, outr'ora h*cife. rn-.-l..- rana d rima-
do, para oque tratas.' cm liallbar A iHivrira. rva
da Cadete n. fi.
Para o narnnho r Para.
O paladn Beberibe a seguii rom muil.i brevida-
de recebe carga e frotes para Hai r
por arroba, a para < Para i MM pm anaaa ira
lase con os leus r 'iisicualarK Antonio l.m/. >
Oliveira Axevedo a ('.. m wa uMiaterin ras dea
Cruzes n I.
lo (le Janeiro.
Obligue Impak Mtrimkeu argne rmb brevi-
Idade, e pede reaeker algaana raraa trata--' coas
os consignatarios Marques. l!.trros ,\ "... arafa
Corpo Sanio n. li.
Para o llio de JaaMre, a bala Barata, safJi
carrcgamlo o brigue brasdeiro /;..-, itlr, ov haa
[ marca e com commodiH para aarraaaa a tr.iiar
no escri|itorio Ainorim Irmaos, na da Crea a 3,
ou com o capitn Jos Rodrigan l'rat- na praat
do coimiiercio.
ParaoMaranhiU) e ftirt
i pretende seguir com muili brevilad' e laMti
nacional BetmHe, lem parle de -n carregameata
' prompto : para o resto que Ihe fall i, trata se coat
los seus consignaiari'- Antonio Lan at ilNaaaa
i Azevedo em seu eeeriptari rua da Ouz n. I.
Para Haba vai sahir em poorm ilias cm a
I carga que ti ver o veleiro pataca i /'. /.:. rapi-
: tao Jos Teixeira de Atcvedo, aa -ato
quizer carregar pode diig'r-9* asa c Palmeira & Hellro. largo do lorp-i SaatJ n. 4
primeiro andar.
^ara o ftio de Janeiro
0 brigue Relisario segu com brofilBlr, *Patk
: receber alguma carga : Irala-se rom os rnasigaa-
tarios Marques Barrea C., bu pe Saatr
I numero 0. ______
Para o Rio 4;r:uuli* da Sal
pretende seguir com milita brtaMada I iiarac
' nacional Carolina, lem parte do >-u can laaameK
! prompto : para e resto que Ihe falla, inla-s" roat
, o capitao Bciannino dos Santos 1'mln-iro a Ufda
ou na prar^a do commercio.
IEIL0S.
Terminar o espectculo com a chistosa scena
cmica, representada pelo actor Guimaraes. inti-
tulada.
A guerra da Italia.
Comegar s 8 horas.
Grande galera de vistas mo-
dernas.
tita da Emperatriz n. .v.l.
Hoje estaro p4eoes as seguinles
>isias:
iIteal santuaiiodo Bom Jess do Monte nos
suburbios de Braga.
i Cidade de Braga.
3Cidade do Porto.
4cidadede Coimbra.
5Cidade de Lisboa.
6Estatua eqnestre de D. Pedro-I no largo do
Roco no*Rio de Janeiro.
70 largo do pago apinhado de povo vendse
a nao Vasco da Gama. Barca do registo e toda a
praca do commercio toda Iluminada pela occasiao
dos festejos da casamento do re D. Luiz.
Hoje mudam-se novas vistas s 8,-8 Irl e 9
horas.
O salao estar aberlo al o dia 15 do corrente.
Entrada 500 res.
IKIIjAO
l)K
20 barricas coni salitrr-
af
Rabe Schmeltau & C. "arie atlaa por intcrvaa-
co do agente Pinlo a por conia e risco de rpaesa
fiertencer de barricas cnm saldr, exislealeaasa
seu armazem da rua da Senrala Vaaa n. tm> na-
de se effecluar oleiln a I hua em mmiIo do di
cima dito.
AVISOS MARTIMOS.
COUlA\III %
DAS
MESSAGERIES IMPERIALES
At o dia ti
do corrente espe-
ra-se da Europa
o vapor francez
Guien ne, com-
mandante Ennul,
o qual depois da
demora do cos-
tume seguir pa-
ra o Rk> de Janeiro tocando na Babia, para iiassa-
gens etc.: a tratar na agencia na do Trapiche
n. 9.
Os passageiros de Pernambueo para os portos
da Europa que queiram segurar as suas passagens
a bordo dos pageles desla compauhia nos raezes
de mair afftueneia tem a faculdade de as tomar no
dia em que os vapores passam para o sul, pagaufo
porm coa se fossero do Rio de Janeiro
LEU AO
DE
lilla casa d> ranipti r silie rom arvarri. raai ~tO
palmos de freute r G70 dr funda, arira da
estrada de Joe de Barr.
McM
O agente Pinto, legalmentc antorisado tara kntr
por conta de quem pertencer de urna ra salas, 4 quartos. 1 gabinete, disjxiisa, r. ha. 3
quartos fra, terraco na frente ; edilinMln a I i-ra
da estrada de Joo de Barros com erante sitie, (wr-
ceiro do lado direito depois do sino da Calata)
com mangueiras. jaqueiras. coonciros c laranpei-
ras; o leilo ser cffectuado a- 11 hora di. dta
cima dilo, na rua da Cruz n. 18, esrripforio aV
mesmo agente, aonde se dar a desde j quaesquer
informacoes a respeo.
LEIO
HOJE.
DE
28 jacazes com batatas t iO
caixas com cebolK.
O agente Pestaa vender |>or fonla de qata.
pertencer rt jacaaes de batatas muiln la.va-
quinta-reira li doeorrenie pela.- ID huras 0- aaa-
nhaa no armazem do Aunes, assim como 80 cana
com ceblas na mesma hora a armazem.
HOalK
* li har*.
O agente Miranda, a te pierimann do Sr. Aadr *
de Abroo Porto, e por despacaa ik.Sr. tr.Mt a
Uicipal da 1- vara, lar leilo das tnerradicia V
mais objeclos rjertencenle a ('-irlo* Aaamr. VeaK-
der Linden ; a saber : Si barris eom alvaivir. I
dito com |K4assa, S [lipas c.m vinagre, prand. i|ur-
tidade do garrafoes e bobjas com bebidas, i-spirl-
tuosas, S caiaas com pjaesaaraa, una markiaa
para aperiar rolhas. urna estanb- com vrus, uaa ra-
gi-tro ile gaz i seus pertCBCW, pajafea, r?rt'.:aata.


- -a*.-- *v .&&* *^ A9I
I
iros, rolhas de cnica, oteeUs-tHmpas'6e foltf Nifl Pillieattiras.
chumbo para garrafas, cauteiros ai*j*i co?, garrafas, botijas, barns, pipas e-ontroa raattob ;penkires jer0Bynlo alborto Mata, >ilippe Amonio
mrn>| jp Moraes, e aaocdl Joaqu m 4a Cunta, desle 1 i
c domez proximo-passado, irabatham em O le lito ser eftectuado no largo-io
marinna n. 6, defronle da torre de-K-alncofe.
DE
o acquisico de-signaturas para -urna pctflica-
James Ryder .' C, administradores OKcroncrde l.cou.
da massa fallida de -ioaquim Vieira CoelliO O Sr. Anteara Carlos Pereira de Hurgra Ponce*
& C, tendo de CUIWiir o disposto DO art. de Leos insiste^ni fazer persuadir ao publico, que
Hi'J do tdieo CUrmorrial mnviilam ,n* e? e *epari-le sua companhia e Ihe propnz ae-
ooj (iu \wui(ju uiaiiiiuud, COliViaam aos cao de 4iror*c, sem que para isso tivesse motivo
Sis. credires da .mesma (irma a llies entre- alguna fundado, mas arrastada lao sement por
'%'
-cao que tem de apparecer nos jeroaes dest* pro-, garem os-seus'tkuos no improrogavel prazo movimento eitranho, chegaudo sua volleiddu ao
vincla, com relacao aos empiwgados desta celona, i de 8 dias, que designado no refprido lili- ^ata de i,renlcar> lue cu vivo Sb a pressao da
o abaixo assigaads declara que nenhuma ifluen-! 0n -.itAnapniln nc muwmnn i no voolde 'e meus pas, e que so pelo in-vencivel
cia tem emes, negocios, e que at ignora ara- 8. aiieiW OS ltsmos senlior-cs que OS temor mi estes me inspirara que nda tio me
ao dessas medidas, admirando-se portan por sa- annunciantes Sem esses ttulos estao impOS- recoooiliei ostensivamente com oMe, quando alias,
ber que com amrcicas a uns premessas a outros sibilitadoS'dere-'ter a relacao de que trata em particular, vivemos na melhor intelligene.ia.
se pretende elogiar a quem tendo -conseieacia de aquello artigo E dotudo a* tira elle motivo para me incommo-
age7e~I'estaua far leikao porconta'e risco ee -seus erros anda hoje se segurando -por *as de ------- ----- dar de-novo, propondo-me urna aceo reseisoria do
iemperlencerdeumamobiliadeamarello^naF-aranha. Nao *m o-aba. ioassifi*ados-por ho- ,IZ.A;^^e)u'na^11'? a rada da Ponte de divorcio,na.qual allegou as mais revotantes alsi-
i.m'-a. enramada, marnn.-iadavatnriaa. a.le-. meos que nada sabem dos movtmentos da col-1 Licll0a e a maegam do no^ pouco adante do Illin. dades.
Pedia o decoro que eu me abstivesse de trazer
uz publica esta desgranada questao, que o Sr.
Wekta-feira
13 do *Hrrente.
quem.
da louca, commoda, marquesa, lavatorios, cande
labros, mesas etc. : sexta-feirai',3 do correte pe-
las 10 horas da maaha na ra da Cadeia n. *3,
primeiro andar, confronte ao arco da Conoeieo,
por cima do armazem do Sr. Teiieira.
LEI.L4
Sexta -Ieir U de maio s 11 horas i.
ra da Odeia. 53.
BE
Urna casa terrea 24 -sita praca 4a
Boa-Vista, cjae Taz esquina p .ra a
berro de Tuiihi.
Por intervenco do agenleEuzehio se vender
em leilo a casa terrea den. 24 sita praca da
oa-Vista, com 3 portas e 30 palmos de frente, 2
salas e G quartos, 80 palmos de fundo, cosinha fu-
ra, carimba, quintal e portiio para o becco do
Tambi, sao convidados os prrtendentes ao previo
exame, os documentos se acham vista, 6 urna
.bella acquisicao, porque a casa uin excellente
ponto para qualqucr estabelecimento. ______
MU ^
DE
Movis, pianos, machina* para costu-
ra, perfuma rias e outros tu o i los
objectos.
fSexta-felra 13 No AUI.UEM DV n.\ DA Cadeia !W Recife n. 48.
O geuttt Olympio fara leilo de diversas obras
novas c usadas de marcineiria e outros muitos ob-
jectos.
Dar principio s 11 horas em .ponto._________
LEILO
D.is dividas activas de Francisco Gomes
Castellao*
*bienio 14 lo crrante.
0 agente Pestaa por eonta dos administradores
da massa fallida de Francisco Gomes Castellao e
dopacho do lllin. Sr. I)r. juiz especia! Jo com-
mercio expu de novo em leilo as dividas acti-
vas do mesmo i'asti'ilo na importancia conforme
a relacao d( t;(l8*.iWi : sabbado 14 da corrente
pelas 10 horas di manna na porta da asiociaco
commercial
um sitio
,;, que naaa sauem uos movimenios aa coto-' ir v a ","i*am do rio, pouco adianto do Illin.
nia, que hao de justificar as (altas de sous empre-;br- commendaUor Nery Ferreira, teado banheiro,
gados. 0:gaerno quando entender que -elles es- Pa'anqi]e, galinheiro e outras acommodaces; e .
outro dito no Monteiro, cm frente ao oito da igre- Burges te procurado dar urna triste eelebridade.
ja : a trator com Antonio Jos Rodrigues de Sou- Entretanto, forcada pelo indigno e insidioso pro-
za, ra do Crespo n. 15, ou estreiu do Rosario nu- cedimenlo do Sr. Burgos, venho, bem meu pe-
mero 32-___________________________________| ar, ifaier perante o publico as segututes solemnes
'Francisco Alves Monteiro Jnior depositario declaraeoes, que sero repetidas enquanto o Sr.
da massa fallida de Jos Antonio Soares de Aze- Burgos nao se^ convencer de que deve deixar-me
vedo, convida aes credores da mesraa para rece- sem ni crrupcao.viv-jr tranquilla e soeegada. Nao
berem a importancia que Ihe compete en egundo Quefo, coa meu silencio, dar urna apparencia de
N
To fra da"rbita de suas atteiboices, ou que
prevaricara, sebera conhecer de suas Jallas pelos
mcios a sua disposicao. Se a mim se .refere a tal
publicaco, desde j declaro, que nao pedi, nem
agradecoessa demonslracao de amisade dos Srs.
inspectores, e ao Sr. Jeronynw Maia acooselho, que
ser meibor procurar para si, o que tanto se era-
penba em obter para outros, visto que, lie ni-
camente o aocusado perante o publico, pelos jor-
naes desta provincia, de cujas accusac.oes alias
muitissimo graves, anda nao se juslikou. Basta
por oca.
Pimentciras, 8 de mato de 1864.
Clemente r'raucilio Tavares,
Alferesajndanie da colonia.
Na norte de terca-teira, 10 do corrente, um
ratoneiro roubou de urna mulher que passava pelo
raes do Ramos, urna caixa de pao, contendo
dntro um chapeo de fil branco para senhera, e
bem as*im es objectos seguintes : 1 trancelim de
enrod lei, tendo de peso ti oitavas, 1 cacoleta de
dito com o letreiro amizade, 2 pulseiras tafnbem de
ouro, sendo urna de gosto antigo, bordada buril,
e mitra de eoarhas com urna quebradura de um
lado, 1 volla de coral presa na mencionada cacole-
ta e i par de rosetas de ouro com .1 pndulas de
coral dentro de urna caixinba : roga-se, pois, s
autoridades policiaes e mesmo aos senhores ouri-
ves, a nuera tor oerecido alguns dos mencionados
objectos, o obsequio de os apprehender e levar
ra da Concordia n. 2, o Nova n. 43.
rateio, no
quantia que
psito geral.
praso de 15 dias, e findo este qualquer vei"dade ao romance que o Sr. Burgos inventou e
te deixe de pagar ser recolhi'da ao de- esp, favorecer assim os seus tenebrosos pla-
Reeife 27 de abril de 4864. D0S. L ,
c.is aqu as minhas declaraeoes :
6ahi da cempanhia do Sr. Burgos reugiei-me
na casa paterna para Ihe propor a accao de divor-
cio, no porque fosse isso movida "por vontade
estranha, mas sim em razo dos ineomporiaveis
martyries pr que me fez passar o Sr. Burgos, du-
rante dez longos annos que vivemos juntos. Sahi
offerece-se urna pessoa para caixeiro de pharma- de sua companhia por causa de suas repetidas e
Aluga-se urna casa na ra Imperial
propria para padaria por ser muito grande
, um forno tambem muito grande e novo : a
na ra c muito:
e ter
tratar
Na rua Direita n, 135
cia bastantemente babilitado.
Alguma pssoa que tenha de fazer cobran-
cas em Mamanguape e queira se encarregar de
mais una, pode procurar na padaria da rua Di-
reita n. 84.
llovis c ohjccttt* e electro-piales -
iim M:jam :
1 mobilia le mognn, 2 cadeiras de balance, 3
ditas para menino, i raesaa para iogo, 1 secreta-
ria de mognO, 1 mesa de costura, 7 tapetes, 1 me-
sa redonda, 2 grandes espeinos, 2 relogios, 4 jar-
ros para BofS, li frascos, 1 bereo, 1 toillct de ja-
randi rom bimpode pedrae cspelho com louca de
porcelana, 1 eornmoda de Jacaranda, i lavatorio,
i toncador, 1 goarda roopa de mogno, 1 appara-
dor, 1 mesa clstica para 20 3" posmas, 1 gran-
de apparador, li; cadeiras, 2 camas de ferro; 2 di-
las de rento, 1 apparelbo de louca para jantar, 1
dito para ali
tal, irera de
lencoeg e mi
i".o. copos, callese garrafas derrys-
osinba, toallias de mesa, cobertores,
itos outros objectos.
tara 'i tu-
completo, colneres, garfos, faca
piales, da melhor qualidade.
l'ma granee urna
Iho para cha
do deeleciro-
Terca>l'eira i? A' mu do Imperador n. 49, 2o andar.
O agente Pinto autorlsado por um estrangeiro
que muda dik residencia far leilo de todos os
jbjeotos cima desnriptos, existentes no segundo
andar e setic do sobrado da na do Imperador n.
19, onde se eflectoar o leilSo no dia 17 do cor-
rente, deveii'Jjo eomeear as 10 oras em ponto.
O advogade Jacintho Pereira do liego
contina a exercer sua proflsso cm o
escriplorio de seu pai o Dr. Vicente Pe-
reira do Reg, rua do Queimado n. 46,
primeiro andar, podendo tambem ser pro-
curado em casa de sua nova residencia
rua estreita do Rosario n. 41, segundo
andar, das 4 horas da larde em dianle.
A pessoa que annuhnou querer comprar urna
| casa na povoacao do Beberibe dirija-se taberna
n. 2 da rua da Camboa do Carino, que dir quem
vende.
escandalosas fidelidades ; sahi porque j eslava
caneada de soffrer toda a sorte de mos tiatamen-
tos; sabi porque a minha vida corria imminente
perigo ; sabi porque nem o meu corpo, nem o
meu espirito tinham mais forsas para supporlar lao
lougo e insolfriveJ tormento; sahi, linalmenle,
porque -j tinha pago com usura o passo impru
dentissimo, que den, e de que muito me lenho ar-
rependido, em casar-me, contra a vontade de meus
prenles, cora o humen mais refalsado que o cu
cobre.
Em ludo quanto tenhe feilo este respeito, meus
pais nao liguraram seno como meus naturaes pro-
tectores. Quem sabe que Uve firmeza c resoluco
bastante, para casar-me, ainda menor, contra a
vontade de meus pais, nao acreditar certa mente,
que boje, vinte annos depois de meu casamento,
seja constrangida, por vontade de meus pais, a vi-
ver separa do Sr. Burgos. Elles, pois, nao exer-
ceram c nem exercem a menor violencia sobre a
minha vontade, a qual nunca foi mais livre do
11 ue na resol uco
PROGRAHMA
^esta e procissao dd Di-]
vino Espirito "Santo]
erecto no convento d<"
S: Francisco,
No dia 14 ao raeio dia ter logar a lien-
co solemne do apostolado, que no dia se-
guinte dever ser condolido e exposto
visla dos liis. Nesta orcasio sero exe-
culada- bellas e interessanles pecas mar-
ciaes, pela musir do 9 batalho de in-
famara do exercito.
A" noite haver malinas.
A alvorada o dia 15 ser saudada pe-
la msica marcial acompanhada do entre-
pito dos fugeles, depois da ceiebraeo
do sacrificio incruento.
As 10 horas em ponto principiar a
missa, orando ao Evangelho o profundo e
eloquente fregador da capclla imperial
Fre Joaquim do Espirito Santo e execu-
lando a orchestra o Rvm. padre mestro
Frei Candido.
Depois da festa far-se-ha distribuico
de estralas pelos necessitados que seacfia-
rem presentes.
As 4 horas da tarde sahir o Divino
Parclito em solemne procissao, que per-
correr as seguintes mas : rua do Impe-
rador, praca de Pedro II, parle da rua do
Queimado, Livramento, Direita, paleo do
Terco, travessa de S. Joo,. rua Augusta,
y\ Martyrios, Hurtas, paleo do Carmo, rua
^ da Camboa, Flores, Nova, Cahug. larga
5P5 do Rosarlo, parte do Queimado, Crines,
B IrlfeSM de S. Francisco recolher. A
W mesa regedora pede aos moradores das
IH referidas ras o obsequio de limparcm as
"* tesiadas de suas casas, mesmo porque dei-
^ xar de passar por aquellas que nao se
JS acharenr preparadas para isso.
jtt A noite haver Te-eum, orando o exi-
^ miopregador e Rvd. padre mestro Anto-
ja nio de Albuquerque Mello. De|Mtis se-
'? guir-se-ha o acto da tirada da baudeira.
O secretario,
Manoel (iardozo de Souza.
Honlem urna hora da tarde entraram
O adverado Miguel Jtw de
bnco Filho irade serpranaradto
sua profissao, no sea
n. 42, das 9 horas da maoha m 3
e fora de-las toras, na rmn de na r
pateo de S. Pedro.
\V. Cope e sua (anula
ropa.
retiran-M
Concalo Ferreira Nones,
se para fra do imperio.
aair-p
Arrenda-sc o eafratto t^irra *>,
zia da Escada, tem propnrnV* f,
mil pes, e excellente d afna : a
nho Bamburral na mesna Irrieila.
Thomaz T.ixeira Rastu< 7~p7dte
I mazem seu caixeiro o Sr. l^opoM Coi
1escrivo da irmaadMe de !
da matriz da Moa-Vista renvidn a |
charissiinos iriaios para ao dia 13 4 1
9 horas do dia se reunir ao nniwUL
ma irmandade para en neta pwal efcfrr-
nova mesa ,,.. f,.m ,,^ refrf ^^L? ,'
no anno de iH6i a MM na j, ,,m
Consistorio da rnatria da Ba.vtt *2mm,,
| -urltlM e |..
1 estabcleeMa an>|
laaelr*.
*m em nr*kwmm
i. a. ai- ...
rgnro* marillM,
restrea
Rio de
Ar.EXTES
8tiii(.ni.. Lmiz de Ohvrira laevd &
competenlemente auu.risaVs pato dare-
toria da companhia de nbm FtdMMa-
8 de, toinan anjm de navm iiinii
ras e predios no sen exriptorw r*a da
Cruz n .1.
i* bBB III
Joaquim Pereira le Sonta Km
, tratado de compra ao Sr. Jwh- C
I a sua taiM-rna na rua da SidedanV,
agua, livre e desembaracada qoem m janj
direilo, no praso d<- tres du <|Orira ana
por este Diario. Recite 9 de maio l IKSV
na
A huj iiei.
AJoga-M o sepunrlo aaaaV nolirl 4a
rua Vcllia n. I : a tr.itar na rua ,1. -
2 i.
no pn-
Francisco IVixeira Barbosa
* ficguezes que mudou a sua oOrtaa V
que tomei e conservo de viver I meiro andar do sobrado n. S3 da rua da Cruz, 're- Sj 'J.^'^.iP," !,!!!?,' roa '"'P **
- Precisa-se de una ama que emenda de cosi- completa e perpetuamente separada do Sr. Burgos | sidencia do Dr. S Pereira, onde se achava hospe- "La ,1 ,. 1J1 ?->Mi l"T
nha c seja boa engommadeira : na rua da Irape- VlV0 ta0 satisfeila c feliz em companhia delleV dado o reverendo padre Jos Pinto, que ha pouco J"n_r l,r"P".
ratriz sobrado 11. 47, segundo andar. quanto e possivel urna pessoa. que tem muitos chegara da liahia. abriram um bah do dito padre 9|V4-ar''f> ? V-"+
- Precisa-se deom caueirode 15 16 vm^'lBSSSltlSSr^TfJX !*E.Sn2 *??. '.^ ? M '^^^4^
ra
inliniumenlc mais satisfeila e feliz do que viva na
companhia do Sr. Burgos.
Faca, portanto, o Sr. Burgos, o que Ihe suggerir
Aluga-se urna casa na freguezia do Poco da a sua at hoje nao igualada malicia. Finja a minha
para um armazem de sal: a tratar na rua Impe-
rial n. 221.
j Panella, travessa da Casa Forte, com 2 quartos. 2
I salas, cozinha e quintal soffrivel, por 8l mensal:
a tratar com o escrivo do commerclo Manoel
Mana.
Francisco Pinto Ozorio continua a col-
locar deutes artificaos tanto por mcio de
molas como pela presso do ar, nao re-
cebe paga alguma sem que as obras nao
liquem a vontade de seus donos, tem pos
e outras preparaeoes as mais acreditadas
para conservaco da bocea.
PKNHOHES
O abaixo assignado adverte s pe*soas que tem
objectos penhorados na sua niao, que os venham '
resgatar no praso de 15 dias da publicagao deste,
do contrario sern vendidos para seu reembolso, |
perdendo os seus (Joos todo o direilo de reclama-
los emqnalqoer lempo. Recife 11 de maio de 1864.'
___________________Frederleo Canlter._______ !
Aluga-se urna- boa sala com 2 quartos, na
rua da Cruz : a tratar na rua da Lingoela, taber-
na n. i.
A pessoa que qnixer comprar urna negra de
bonita figura, dirija-se rua Direita n. 21. primei-
ro andar.
Aluga-se a casa terrea na rua Imperial n.
60: quem pretender dirija-se caixa filial.
------', .tt1--------------7r------------ de os ter vm millha companhia ; invente linalmen-
Nafundicao da Aurora, em Santo Amaro, te quanto sua fenil imaginaco parecer ennve-
letra e assiguatura, para inculcar que Ihe escrevo
cartas : diga que vivo opprimida |ior meus pais,
mas que entretanto o estimo e almejo pela nossa
rcconciliacao ; compre testemunbas para irem de-
pr aquillo que lhes d a estudar por escripto ;
prveme da doce satisfaco de ver meus lilhos e
precisa-se de dous moldadores, paga-se bem.
BiM'O I \ I AO
ESTABELECIDO NACIDADE DO PORTO
Agentes em Pernainliuco
a ti < onio 1.11 i/ de Olivelra
Azevedo & C.
Sacam por todos os paquetes sobre o
mesmo banco prazo ou vista, sobre a
caixa filial em Lisboa, e agencias em Fi-
gtieira, Coimbra, Aveiro, Vizeu, Villa-
lleal, Regoa, Vianna de Castello, Guima-
lieSj Barcellos, Lamego, Covilha, Braga,
Penafiel, Braganca, Amarante, Angra,
lilia da Tercera,"Ilha de Faas, Ilha da
Maueira, Villa do Conde, Valenca, Bastos,
Olivera de Azemeis, Chaves e Fafe, a
oito dias vista ou ao prazo que se conven-
conar, no seu escrlptorio rua da Cruz
n. 1.
Dienta para attingr o Iim que se propoe. Com
tudo isso, e concedendo mesmo que nao houvesse
justca na ierra, s poderia lograr o seu Iim prn-
. cipal, i|ue anuullar a senlenca de divorcio, e res-
labolecer a communt.o de bens, para ter o dire-
, to de participar da pequea heranca. que me ha
, de vir por morte de meus pais, qu'em Dos, por
i isso mesmo, para martyrio do Sr. Burgos, ha de
conservar a vida por muitos annos.
E nao conseguira seuo isso, pois que nao ha-
11 vera poder algum sobr a Ierra que me obrigasse
a viver mais com um ente, quem, por tanlos e
to justos motivos, do fundo d'alma aborreco e des-
i preso.
Tlwreza Adekn.de de Slqueira Cavalanti.
em sedlas, e :i-3.)O0 em prata e duas lmelas, ten-
do j no sabbado passado desapparecido um relo-
gio de prata, fabrica coberta, do mesmo padre, e
urna luneta de prata do Dr. S Pereira. O Dr. S
Pereira por si e em nome do reverendo padre Jos
Pinto, roga s autoridades policiaes que facam suas
pesquizas, aftm de descobrir o autor deste crime.
Cosinliciro.
SOS DIVERSOS.
Precisa-e
servico: quera
mero II.
a lugar am moleque para todo o
1 tiver dii ija-se rua da Cruz nu-
Instituto Archologico e Geo-
gmplkico Prnambucano.
Haver SfiSSV) Ordinaria quuila-feira, 121 Consistorio na vener;
do curente, s i I horas da raanhaa. Is- do Carmo tJ^*
instituto, 9 de maio de
Secretatiri do
1864
.1. Soares d'Azevedo,
Secretario perpetuo.
Ortlem tciccira do Carmo.
A .mesa regedora da veneravel ordem terceira
de N. S. do Carmo, convida a todos os seus charis-
simos irmns para comparererem no dia lo do
corrente, pelas 2 horas da larde, na nossa igreja,
para ae-mpanliar'a procissao do Divino Espirito
Santo erecto no convento de S. Francisco.
veneravel ordem terceira de N.
10 de maio de 1864.
Francisco Jos dos Santos Jnior.
Secretario.
Aluga-se umaescrava, a qual eugomma, co
tuina e lava perfeitarneotc, e fiel
Quarteis 11. 21, segundo andar.
Na rua Imperial 11.
boas leiteiras com crias.
1. vende m-se 3 vaccas
; A' minha mulber Tbcreza Adolaide de Siqueira Ga-
valcanii, digna lillia do Sr. conunendaor Anto-
nio de Siqueira Cavalcanti, senhor de Mai la-
pagipc.
Foi com verdadeira indignacoquedeparei no
Diario de Pernambuco de 30 com una historia to-
: da romntica e lgubre a meu respeito ; mas cer-
tamente de muito mau gosto, para todos aquelles
i I que a leram, ja sabendo dos promenores pastados,
w. i que seguiram a spamelo de minha mulher, effei-
na rua dos luaua traicociramente no engenho de meu sogro.
(onde com ella e meusfilhos, na roaisperfeita bar-
mona passavamos a fesia de natal ; nella, o mari-
do desditoso, regeitado com despreso, figurado
como um homem cheio de vicios e do chines, e a
(jg{ Olferece-se um perito cosinheiro che-
g3 gado ha pouco da Europa, muilo apto pa-
~j ra qualquer urna casa estrangeira ou
lgl qualquer outra, promeite nao deixar de
fjgj agradar : quem precisar dirija carta fe-
S diada a esta tvpngraphia com as iniciaes
iH A. i>. aleo da 12.
mmmmm mm mm mmmmm
Precisa-se de urna ama de bom compoi la-
mento para urna s pessoa, que saiba coser e en-
gommar : a tratar na rua do Imperador armazem
de louga n. 41.
abaixo declarados, na roa da Sana Tte
reza, junto raa n. 20 -
Miguel Pinto da Cantara.
Jos Ferreira de Mallos.
Manoel Jos Pina.
Joo Antonio de Panla ttodhgne*.
Belarmino Ales de l^rvalho Cesar.
Miguel Pinto da Cnnha.
Jo-e Antonio de Moura.
Antonio Matoso de Andrade laminha.
Antonio de Moura.
Joaquim Jos Pachaco.
Joaquim de llotlanda l'avalrante
Kecie. 6 de maio de l*M.
X
*
+;
m
'4
*
Dase 10:0003 premio sofa Inpotheea
em predios nesta praca : a tratar na rua
do Crespo n. 17, loja.
UlA IIK IIIE
Precisase de urna ama de luite que seja parida
de 2 3 mezes, sem filho : na rua da Concordia n.
34, sobrado do armazem do sol.
m AtteneU). ^6
B -..............-y---- -- I
0 eiikirgiao Leal mudou
a sua residencia da, rua do
Queimado para a rua das
Cruzes sobrado n. 36, pri-
meiro andar, por cima do
armazem Progressista, aon-
de o acliarao como sempre
prompto a qualquer iiora pa-
ra o exercicio de sua pro-
fissao, chamado por escripia.
Aos 3.0H0S0O0.
Segunda-feira IG do corrente mez ter
lugar a extraccao da terceira parte da qtiar- i
ta lotera do (iytnnasio. no consistorio da
greja de N. S do Rosario da freguezia
Je Santo Amonio.
Os biletes, meios e quintos acham-se
venda na respectiva thesouraria rua do
Crespo n. 15 e as casas commksionadas.
Os premios de 5:000/5000 at 100000
serao pagos urna hora depois da extraccao
at s 4 horas da tarde, e os outros no dia
segninte depois da distribuico das listas.
0 thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
Se na de arrematar pelo juiz de orphos des- mulher que diz o ler abandonado, figura como urna
ta cidade, pelas 10horas da manliaa, na casadas : esposa virtuosa c dsiincta, que somenle por nao
audiencias, o seguinte : una casa terrea sita na ter podido mais suppopta-lo, com razo e sem ser
Precisa-se de um criado, e prefere-se um que
seja boleeiro : na rua estreita do Bosario n. 28.
Prceisa-se de um primeiro on segundo andar
em nina das seguintes ras : praca da Boa Vista,
Hospicio, Aurora, Concordia, ou rnesmo casa ter-
rea as ras Formosa, Uniao e Santo Amaro, de-
nominado Cidade Nova : quem tiver annuncic ou
procure na loja de fazendas n. 71 da rua dalm-
peratriz.
Grammuca e aHlluti'ina [icio pro fes- j ||j
sor asir Nunes
Acham-se no dominio do publico, na lypographia
da rua do Imperador n. l-'i a grammaica e arith-
metica organisadas pelo professor Castro Nunes,',
adoptadas pelo consol lio director, e approvadas pelo
Exm. Sr. presidente da provincia, para as aulas de
iustrocco primaria.
Jos Marcelino de Mello, morador na cidade i,
da Victoria, foi avisado pelo Sr. Carlos Francisco jj
Soares de Bnto, que se achava no poder do Sr. Jos! L
Nunes de Olivera, urna letra aceita por mim da %
quantia de 1:0005; declaro, pois, que tal letra nao i]
aceitei, e protesto contra qualquer pessoa que te-"
nha a dita letra.
0 Dr. Cosme de S Pereira coat- |
na a residir na rua da Cruz n. 33,
Io e 2o andar, onde pode ser procu-
rado para o exercicio de sua profls-
so medica, e com especialidade
sobre o seguinte
Io molestias
3
rua de S. Miguel, freguezia dos Alegados n. 19, pe-
la quantia de 00, no da 13 do corrente, cujo es-
cripto se ada em ni o do porteiro do'mesmo juizo.
Anendam-se os engenhos CajahusMi e Caja-.
bussuznho, sitos na freguezia do Cabo, sendo o
primeiro d'agtia, e o segundo de animats, perten-
centes ao mosteiro do S. Benlo da Parahiba : os '
pretendentes dirijam-se ao paleo do Carino n. 15, i
tratar com Gabriel Antonio.
CASi IU FOBTIVA
AOS 5:000.0(M)
Bllhetes garantidos
k' roa do Crespo n. 23 e rasas d costume
O abaixo assignado avisa ao publico qi: se
acham venda em sao nstabeleeimento e as ou-
tras rasas do costume os felizes biluutes, meios e
quintos garantidos; da terceira parte da quarta lo-
tera do r.yninasio, que se extrahir segunda-feira
16 do corrente.
Os oremios sero pagos como do costunje..
Pre^o.
Bilhetes inteires..... 65000
*os......... 35000
Quintos. ..".,.. J5200
Para as pessoas que comprarera
de 1005 par*cima.
....... MSQ0
....... 217-iO
,;. 15100
_______.______Manoel Mal tina Fitizn
No dia 10 do corrent
de olhos;
de peito:
dos orgaos geniti
urinarios.
Em seu escriptorio os doentes se-
tao examinados na ordem de suas
entradas comecando o trabalho pelos
doentes de olhos.
Dar consultas todos os dias d s
6 as 10 da manhaa, menos nos do-
mingos.
Pratioar toda e qualquer opera-
cao que julgar conveniente para o
i prompto restabelecimento dos seus
B doentes.
Ama
Precisare de una ama de leite que nao tenha
filho : na rua do Imperador n. 63, loja de bahs
no sobrado novo.
Joo da Silva Ramos, medico pela Un
versidade de Coimbra, d consultas em
sua casa das i) s II horas da manhaa, e
das i s 6 da tarde. Visita os doentes
ca suas casas regularmente nas horas
para isso designadas, salvo os casos ur-
gentes, que serao socrorridos em qual-
quer occasio. D consullas aos pobres
que o procuraren! no hospital Pedro II,
aoude e encontrado diariamente das 6
s 8 horas da manhaa.
Tem sua casa de sade regularmente
montada para receber qualquer doente,
ainda mesmo os alienados, para o que
tem commodos apropriados e nella pra-
tica qualquer operaco cirurgica.
Para a casa de sade.
Primeira classe 35000 diarios.
Segunda dita.... 25300 >
Terceira dita.... 25000
Este estabelecimento j bem acredi-
tado pelos bons serviros que tem pres-
tado.
O proprietario espera que eile conti-
nu a merecer a confianca de que sem-
pre tem gozado.
por suggesloes de pessoa alguma, o aborreca o
desprezava I
Se a esposa que houvesse realisado o seu casa-
mento por amor e somente por amor, nao abando-
nasse alguinas vezes o seu marido, sem que este
dsse causa,ento jamis teriamos de lamentar
taas desgracas que se dio quasi todos os dias I
Entretanto, gracas a providencia, sou um desses
liomens bem conhecido na sociedade por meu rom-
portamento, c assim pode-se melhor .-quizar das
declaniates sempre vagas, que parlera DO intuito
: de rae ferir cruelmente do lado dessa seuhora, que
, coitada, j nao sabe de que nieios pode soecorTer-
: se para agora justlicar a sua separaoao, para
cohonestar as perseguicoes inauditas 'exercidas
: por seu pai protector I
. -Nao quero, cu o protesto, entrar n'uma discus-
so vergonhosa pela impreiisa, que deve ser sobre-
; maueira inconveniente a nimba propria mulher,'
acerca das justas razes
Alugam-se casas terreas lmpas e fres-
P ('as "a rlla (los Prazeres, lloa-Vista: a
S iratar do lado direito quarta casa, ao en-
trar.
I D-se dinheiro a juros em grandes e
pequeas qaantias : a fallar na botica do
Sr. Gameiro.
Precisa-se de urna ama que saiba
e lavar: na rua do Imperador n. iti,
andar.
Precisase de un caixeiro nacional ou por-
luguezque nao tenha mais do que 10 a 13 anuos:
na rua do Imperador n. 46, armazem.
Aviso aos Srs. de eiigenli<>
e chotes de tainilk
Avisase aos senhores cima a ao ffJaHUi^l ao-
buco desia cidade, que na al.rira aaaaaiada ra
j do llangel n. 3i vende-se cuasUMenimie
| amarello massa de laaeriar >pialtda.W-, i
eaixat, como a retalho. a *JO r. a liara.
!do comprarem n o nas tabernas vme 39rs.,
, quando na (ibrica o pouVm haver por aaaidara
proco ; |Mi lano o proprielarN) tiesta (atam-i f*-
ra do respeilavcl anwan rila aouaapnar a-
este beneficio que llie faz, reduzado o pi
' genero de primeira neces>idade.
Casa de torumissa t escratt m
do Imperador i. 4I>, ferreira aaaar
Nesla casa recebem-sti t-*rt ros por rttmmmtio
para serem vendidos par aanaa caw sndatrrs.
i nao se poupando exfnreai para >;im o an-im -
jara vendidos ron prompiido atas da ^asi a>i
! res nao soffr Tem empale cm a venda dckVs. A
nta tem todas as commodidadei
ranea, assim como aft.inra-sej> bom
Ha empre pan vender e*rravos aV ai
1 xos, velhos a novo.
iaest-
m
m
eosinhar
primeiro
IJfnhi'ii'o a juros.
lo sobrado da rua Imperial n.
dir quem d dinheiro a juros sob
6 i, se
aian-
tias a contento, em quantias
at a de 10:0005000.
pequeas
Contraria di
O secretario da confiara convida
S. Jos d'Agoiiia.
os roaos
da
|uo actuam em meu es-
pirito, para pretender annnliar a celebre sentones mesma comparecerem qointa-nura 12 do
que me condemoou, decretando o divorcio: tanto
inals boje, i;e muito confio a boa organisaco da
justca ecclesiastica, de cujos tribunaes s podem
presentemente partir decisoes justas e eminente-
mente jurdicas em favor de quem tiver de seu la-
do o direito e a justca.
Quem precisar da qtuniia de ** an-
dando por seguranca nina preta escraa ajar
engoanur, pode aroaant na \>n iL Sr. parto.
praca da Independencia na. '' e 3&, pan tratar
das condieoes e ajuste, pois abi se dir a
que pretende fazer este
Precisa-se alngar um escrev rnra traaaaaar
nesta IfpopakM, diaria, sprnanal nu atraha^a-
te, conforme aga dar : M iivrnria a*. < a 4a
praca da lnt HHBi ^s;
CICERO PEREGRDIOS
Una do Lm-auento 19
8
I.
rinaeir amalar.
m
Para os tribunaes <5 que devemos appcllar de
^ nossas questoes, elles sao os nicos competentes
para as decedir.
Assim posto, os fingidos protectores de minha
I mulher, devem-se convencer, que nao sao as suas
, falsas e calumniosas mpuiaedes, e nem mesmo as
i lamurias ou a vontade suprema do urna mulher,
! que dao o direito de se obter urna senteoca de di-
j vorcio.
O direito firma-se na lei, e pois nenbum magis-
i trado ijue so preza.pde a seu talante exorbitar-se.
, olendendo de frente a le expressa em Ihcse, dan-
! do como Ihe apraz por provado, allegacoes nao pro-
I vadas, e em sua sentenca falsamente fundando-se
em provas que nao exislem nos autos etc.
Esta minha questao de accao rescisoria da sen-
teiiQa de divorcio, que tanto ha incommodado aos
protectores de minha mulher est affecta aojuizo
ecclesiastico, nao devenios,
A
PteeMVM d<; ana ana para
milla : na praca do Corpo Saa'o n
andar.
V paara b-
i: i
OadvogadoAffonso de Albu-
querque Mello,
com escriptorio na rua estreita do Bosario n. 34, eclesistico, nao devenios, portanto, prevenir o
encarrega-se de quaesquer causas crimes, civois. seu juizo com laes publicacoes insidiosas, c outras
militares e ecclesiasticas. Comproraeite-so a en- luejandas patranhas proprias para illudirem aos
caminhar com a maior hrevidade as appellacoesltSP'r,lossulwr''c'aes-
i que Ihe forem confiadas ou a relacao e ao tribunal! .E l)or lst0 'I"" declaro solemnemente, que por
I de coramercio do districlo, ou a relacao ecclesias- mmha parle me recolhendoaD sileneo, podero el-
! tica. Encarrega-se de deezas perante o jury ,es e mmha mulher dizer tudo quanto lhes sugge-
desta cidade, oudos termos prximos, dandoa par- "r contra* "iinha honra e repulacao, porque na-
teconduco; assim como de quaesquer outras cau- da dire, agiiardando-nnr para as ulteriores deci-
sas por ter em alguns delles procuradores de con-1socs de nossa usa Amonio Carlos Pereira de
fianza. Vurgos P. de Leou.__________________________
Da consultas verbaes e por e*cripto ; promette! Precisa-se de um bom cozmheiro, e de urna
todo o zello, seguranca e actividade, garantidos por ama para engommar e lavar : no sobrado n. 32,
urna pratica e experiencia de quasi 20 annos.
Pode ser procurado a toda a hora, menos as sex-
tas-feiras, por se achar das 9 horas s 4 desses
dias na villa do Cabo.
Mi
te, pelas 9 horas do dia, no respectivo Consistorio,
para assislir as exequias que o reverendo prelado
lo convento manda fuer pelo repouso eterno de
S. Exma. Rvma. ; assim como tambem convidaos --A'u?a-se a, casas da ru.i do M .r,
mesmoa irmaos eompareeerem domingo 19 do *'9 e 7,; Pa er c<''.' M en?v:< "
corrente, petas 3 M horas da Urde, para eneorpo-!1*"**00 '" v,anna *' da CaaVia,
rados, acom|ianhar a procissao do Divino Espirito! '''__________________________^____^_
Sauto de ,S. Francisco. i .... ar9 a|a0Br
O secretario, ..,. WMr,r,"l"r-
Manoel Francisco dos Sanios e Silva., *!%* a fa da rua do M ------------ (piarlos e 2 salas, e izinha fora, puntal e r n laiai
para ama de trata-se na rua da :.;.!. i ao Rerife n.
OITerece-so una mulher idosa
homem solteiro, sendo para- cozinhar : quem pre-
cisar, dirjase a travessa da rua do Sol n. 33, que
achara com quem tratar.
A encao.
Aluga-se urna casa nova defronle do caes do Sr.
Gomes do Correio, a qual tem 3 quartos, 2 salas e
cozinha : quem a pretender, dirija-se praca da
Independencia n. lli, on defronle da mesma.
ENGENHO.
Arrendase o engenho d'agua, denominado Jus-
sara" sito na freguezia de Ipojuca, distante legoa e
meia das estaciies da Escada e Ipojuca, com trras
massap para safrejar sem grande marcha : a tra
tar-se na rua do Livramento com
Nerv da Fonseca.
rua da
o Dr. Ignacio an,iar
Mez de Mua
Vende-se este livro c^nfonn-- r. n<< ,
hospicio da Penha a \& cada li\riaho: na
livi aria n. 6 e 8 da praya da lirilt'pendrnH u.
Na praca da Independencia, toja do iawin
n. 33, com|iram-se obras de onro. prata e pedrat
preciosas, -.ssim como se faz qu?l.pi-r ara i* ea-
commcnila, e tudo e qiulqoer coocrrtn, e frgil-
mente se dir q.iem d dinheiro a premio.
Precisase de um criado que ^aiba aanadav,
e de urna ama para engomnialo eartnra : aa
>uz d) Recife, sobrado n. til, priar
rua da Aurora.
Bilhetes .
Meios. .
Quintos.
presenta ter raa.s.e natural da pr.,vincia do Cear-
aMa e n-se pouco, e ainda nao muito ladino
vou calca e camisa I ranea, costnmava andar nesta
circule n cabriolet, rom lardamento azul e vivos
braceos : quem o apprehender levj-o rua wirei-
udi Rosario n. 38, ou ao s;liodo con'selheiro Jos
Bealo, ta.Ponte de Uchoa, que sar recompensado.
4 ttenco.
A pessoa que qufer Jar sociedade em urna la- (
berna, sendo pequea, em bom lugar, entrando,
com 300 ou 4005 em dinheiro, deixe icar carta
fechada com as iniciaes A. J. S. no deposito da sa-
boaria do Recite n. 67.________*_______________
AMA
Precisa-se de urna ama para o servico interno e
externo do urna casa de pouca familia : a tratar
na rua da Senzala n. 22, segundo andar.
Aloga-ie una eacrava para todo o servico de
casa : a tratar na rua da Roda n. 17, primeiro
andar.______________^^
No deposito do pateo do Carmo n. precisa-
se de nm caixeiro da 12 14 annos, que tenha
algum; prati.-.i. preertf-so P^nugnez-: a'tratar no
mesm-),
Ad tiC*C.
0 bachaiel Lnurenco Avellino de !
Albuquerque .Mello, antigo advoga- S
do tiesta cidade, tendo regressado j
ella, tem aberto o seu escriptorio i A
ra do Imperador n. 40, onde pode |
ser procurado para os misteres de ,
| sua profissao todos os dias uteis '
i das 9 da man.'ila s 3 horas da ]
tarde, e olTerece como garante a |
seus constituintcs a nao interrompi-
da pratica de 25 annos de advoca-
cia. O mesmo aceita partidos e
tambem causas nos termos do in- i
terior onde tocar a estrada de Ierro. $
1%
Precisa-se de urna ama forra ou escrava que
saiba engommar, cozinhar e tenha bom comporta-
ment : na rua das Cruzes n. 36, primeiro andar.
Pagase bem.
J|| O bacbrel Jacintho Vrelra^do Reg
fg< tem aberto em sua casa de residencia
$ rua estreita do Rosario n. 41, segundo .-
|a andar, um curso das linguas fram-eza e U
ingleza. As horas sao distribuidas do s
modo seguinte : pela manhaa das 8 s 9,
e a larde das o s 8.
SKSfaWJRiK
Jos Joaquim Gomes Tcixeir deixou de ser
caixeiro do abaixo assignado desde o dia 9 de maio
de 18o4.
________________Luiz Freir de Andrade.
Offerece-se urna pessoa competentemente
habilitada para ensinar primeiras Ictlras ougram-
malica latn?, em algum engenho ou lugar fora
desfa cidade na rua estreita do Rosarm n. 4.
Antonio Alvos Vilella faz scente
Ama
Precisa se de urna ama para lodn o
temo de una eisa de potica nM*
Gloria n. 85.
~TTwat-
wx 4a
eros que ha no mercado, e por isso roga aos an-
tigos freguezes do Sr. Carpinteiro, e ao publico em
geral, que o honrem com a sua cenfianca, certos
de que todos qnantns se quizerem prover dos me-
Ihores gneros sero muito bem servidos, e encon-
traro toda a franqueza e boa fe, c se compromet-
te o novo proprietario a aitender a qualquer re-
claraaco justa, visto como o desejo que tem de
acreditar seu estabelecimento faz com que se con-
tente com pouco lucro para vender muito, e nao
poupar exforcos para bem servir e agradar a to-
dos em geral.
Ovidio Ferreira da Silva vendo a armaco
do estabelecimento de gneros de primeira neces-
sidade, que ltimamente teve na povoacao da Mon-
teiro : quem quizer comprar, pode procurar na
mesma freguezia do Poco da Panella, rua da Poei-
ra, na casa de sua residencia.
Holrqu* 0(1 ma.
Precisu-se de um moleque ou ama forra para o!
servico de pequea familia, e que faca as compras:
na Yua da Palma, quarta casa sem numero, das do
Sr. A. Roberto.
buquerque
tenha a bondade do mais orrve que ad*r, dirigir-
se ao solicitador Leopoldo Firreira Manas RaVt-
ro, na rua da Imperatrii n. 40, tratar da rerat ae-
gocio de seu interesse, e que o nawiao aa ya^rj
Alfred Thomaz Cx>k retira se para feaaja-
terri.______________________________________
CLUB PERNiMCiM
A reunio familiar dj correte mez lera hnfar
na noite do dia 19.
A direc(o do Club Pjriurabucaa.) pea aas
Srs socics que teem por costme infriapir a art.
10 ibs esta'.olos que prohibe a wntrida a> mi aa 11
menores de 12 annos, para que n.i) eosuameai a-
sic.i pratic.'.r para nao eollorar a aaenu dirccfaa aa
n-cessidade de fazer respeitar na dtaaaaifiaa daa
nesmos estatuios com medidas energk
Club Prnambucano, 9 de maio de f
R. i. rala de
PresianalB.
- Aluga-se por preco commodo a casa da rua A pedido de sua fa.r.ilia prerisa-se ankar aa-
Imperial n. 213 com 7 quartos, 2 salas, cosinha | ticias do Joo EvangelisU Pires, aitoril > I
fra e quintal com cacimba : a tratar na padaria. gal : na rua d-> Qooimad-^ Pija de 1
da rua Diryi'.a n. 84. IdeCarvalii


riariu uc rtn
UP/UOW
<* / _, IX..U ^
Hotel italiano de madama Ferro, roa
de Trapiche n. 44, seguudt e, tercei-
io andares.
Neste hotel os senhores que o quizerem fre uen-
tar acharo sempre por menos preso que eiu ou-
tra qualquer parte, almoco, janlar e lunch; ser
RIVAL StM SEGUNDO
ltua do Qneimado ns. 49 e 95, luja de miudezas
de Jos de Azevcdo Ha a e Silva, est continuando
no seu progresso de Tender baratsimo :
Ca xas de superiores obreias de cola emassaa
40 rs.
vindo-se durante a semana diversas sopas Italia-, Cordao branco para vestido e espartilbo, vara 20
Tisttv&tts sr "arar1 (45jardas) de superior quali'
'"Stihores.ssignantesniensaespat.raomuio CaosdollobalPedroV (200 jardas) j muilo
i f -iil\.i>
superiores a 500 rs.
" as porcii
calungas muito bonitas para rap a
ranteotempoquoestiveremnestacidade. i Laiws ^ com
Aluga-se a loja de urna porta s na FraDja ranea e de cores para toalhas a 160.
ra do Crespo n. 4 com arhaco OU sem Pares de botoes para punho muito bonitos a O.
ella, para tratar em casa de J. Falque na Cagas com soldados de chumbo muito bonitos a
Tinteiros de vidro com superior tinta a 160.
Ditos de barro rom superior tinta a 100 rs.
Groza de botoes de louca pratiados, o melhor, a
160 rs.
Tesouras para costura, o mais superior, a 400 rs.
Ditas para unhas muito finas a 400 rs.
Escovas para limpar denles muito superiores a
200 rs.
Libras de la de todas as cores (pesada) a 7#.
Caixas de phosphoros de seguranca a 160.
Ditas de papel amizade pautado e liso a 600 rs.
Ditas cora 100 anvelopes muilo superiores a 80U
ris.
Cadernos de papel brajico e de cores, pequeo, a
20 ris.
Cartas e tabeadas para meninos a 80 rs.
Caixas com superiores iscas de acender charutos
a 40 rs.
Carreteis de Imita Alexandre (200 jardas) de cores
IFNTI^f fF PARAS S Baaralho7'para voltarete muito tinos a 240.
UL.ll IvJIH UL I nillV ___ ('.arlas mestna ra n. 4.
mmfmr
m Fabrica Concei$lo da
Babia,
Andrade & Reg, recebem constante-
mente e tem venda no sen armazem n.
34 da ra do Imperador, algodao d'aquel-
la fabrica, proprio para saceos de assu-
car, embalar algodao empluma etc., etc.,
pelo preco mais razoavel.
ME
Aluga-se o primeiro e
casa o. 193 da ra Imperial
numero 36.
segundo
na ra
g
I
andares da
da Aurora
19Una Nova-19.
Frcxierico Gautier, cirurgiao dentista,
faz tedas as operacoes de sua arte, e col-
Ioca dentes artificiaes, tudo com superio-
ridade e perfeicao, que as pessoas enten-
didas Ihe reconrtecem.
Tem agua e pos dentificto.
Precsa-sc fallar ao Sr. Antonio Jos
Xtixeira de Mendonca Belm, nesta typo-
Jrapliia.
% smni^ mmm
sa Oadvugado Eduardo de Barros pode !
'" ser procurado jiara os misteres de sua m
__ profissao, das 7 s 9 horas da manhaa e jag
g das 3 da tarde em di ante na casa de sua 5
I residencia ra da Saudade n. 15. 5
Precisase de urna ama para todo o servico
de nma casa : na ra da Concordia n. 65.______
_ Na ra do Imnerador n. 14 tomase por kIu-
guel umaescrava boa engommadeira.________
Antenio Luiz de Oliveira Atoredo saca so-
bre Lisboa.
|M*8*WM Ililii
gas O hachare! Jos Roberto da Lanha Sah
S> les ;onlinua com osen oscriplorio de arf-
__: vogado ra estreita do Rosario n. ti.
2 I." andar, onde pode ser procuradodas 9
horas da manhaa s 3 da tarde : reside
na mesina caso.
Si^uem para e Haranhao no
Paran es francezes Joao Helias,
Joao el truno.
vapor nauona
I ilio Durrieu e
COMPRAS.
Comprase um sobrado de um ou mais anda-
res, em boa ra, e que esteja em bom eslade : a
tratar na ra do Crespo, loja n. 30 It.__________
Comprase efectiva-
mente
ouro e prata em obras velhas, pagando-so bem
na rna larga do Rosario n. -4. loja de ourives.
'Compra-se effwtivamente ouro e prata em
ibras : na piara da Independencia n. 22.
"~Fabr de Ikares e perfumaras.
Neate estabeleeimento compra-se efteetiramente
garrafas, botijas e frascos de genehra vasias, assim
oda a esper de frascos de perfumaras : na ra
d) Amoiim n. 12.____________________
- Compr-i-J uiobilii usada de leda a qualida-
de : na ra Nova, armazem de niobilias do Pinto
COMPRA-SE
Cartas de alfinetes francezes muito finos a 40 rs.
Meadas de linha f xa para bordar a 20 rs.
Pares de sapatos de tranca 'multo superiores a
1,5600.
I Papis de agulha com um pequeo toque a 10 rs.
i Groza de botoes de madreperola muito finos a
ol30 rs.
Cartoes e caixas de celchetes francezes superiores
i a 40 rs.
; Bonets para meninos muito finos a 1,5500 c 2,5.
Macos de grampos superiores e limpos a 30 rs.
Groza de phospfioros do saz milito novos a 25200.
Areia (.reta muito superior a 100 rs.
Caixas de rap com espelho a 100 rs.
Realejos para entreter meninos a 80 rs.
Pecas de (Ha de linho muito boas a 40 rs.
Peales de la;o muito bonitos a 15-
Enfeites de Taco de todas as cores a 1,5300.
Rodas com alunles rauccecs a 20 rs.
Caixas com quatro papis de agulhas imperiaes a
i 240 rs.
Sahonetes de familia a 8, 160 e 320.
Caivetes de duas folhas muito linos a 320.
Pares de sapatos de liia para meninos lOO rs.
; Sapatos de tranca para senhora c para homem, os
melhores que tem vinde, e por preco muito barato:
quem 49 e lio, o vera tudo como bom e barato.
No armazem de fazendas baratas ue
Santos < oellitt, ra du Qecimado, .
i9, vende-seo scguinlc*
4ttcncao.
* Pechincha.
Pec.s de algodiio\*om urna pequera avaria pelo
baraliiimo preeo de 55-
Cobertas de chita da India pelo baratissimo prco
de 25 e l900.
Lencoes de linho peto baratissimo piv^o de 2,5.
Lencues de bramante de linho lino fHo baratissimo
preco de 32t0.
Len?os de cambraia brancos proprio para algiuei-
ra pelo baratissinio preco de 25 a iluzia.
Algodao entestado rom 8 palmos de largura lo
baratissimo preco de 15 a vara.
Bramante de Imito fino com 10 paleos de largera
a 25300 a vara.
Atoalhado adamascado proprio para toalha de mesa
lelo baratissimo preco dti 25000 a vara.
Pecas de cambraia de forro a 25600 e 35200.
Toalhafi alcochoadis proprias para maos a 5 a
dtizia.
Ks! 'i:.!s d,i India, proprias para--forro de sala,
de 4. -"i e ti palmos de largara.
Cortes do calca de panga amarelia de lislras c
de qnadros, pelo baratissimo preeo de 15200 o
corte.
Cambraia adamascada com 20 ..- ras, propFia
para cortinado, pelo Baratissimo preeo de IOjWOO
a peca.
lucas laaiinhas para vestido, Cateada a melhor
que tem viudo ao mercado, tanto em gosto como
em qualidade. da feaenda, pelo baralicimo preco
de .*60 rs. o rovado.
Reos cortes de l;la de barra i Mana fia a 195.
Pecas de cambraia de salpicos pelo iiaratissimo
preco" de 45-
ana cama :'a conduzr familia : a tu na ra
Ja Aurora n. 7tf, segundo andar.__________
COMPBA-SE
ofre i i.v. uso : nn ra da Crespo n. lo.
Compram-se moedas de ouro oaeionaes com
!]2 0)0 de premio: aa ra da (^deia K5, ar-
maiem._________________________________
Compra-se papel de diarios a 45 a .-.troba :
na ra Jas Cruzes a. 39, taberna.
sem vicios, J,o-
ij. 23! su'..
Dito de cacao para amaciar a cutis e cuaservar-
Ihe o lustre.
Macassar perola.
Oleo philocomc superfino.
Dito de Ii,iliosa.
Opiata inglesa e franceza.
Pos de coral e de Lubin para dentes.
Saboneles finos quadrados e redondos.
Ditos linos em caixinlias de tres.
Ditos muito finos para barba.
Ditos creme de amendoa em vasos de vidro e por-
celana.
Tnico oriental de Kemp.
Vinagre aromtico.
Dito ou leite d'ires para acabar as espiabas di
rosto.
E assim muitos ontros objectos degosto que n;
compra dos quaes o pretndeme ser satisfeib
por deixar os cobres na loja d'aguia branca, rui-
do Queimado n. 8.
Objectos de phautasia vindos
para a agula branca.
A aguia branca recebeu novos e bonitos objec-
tos de phantasia, alguns dos quaes nunca vistos
aqu, sendo :
Bonitos aderecos completos feitos de perolas falsas.
Ditos ditos de pedras, por cuja perfeicao e bom
gosto quasi se nao distinguen) das verdadeiras.
Lindas pulseiras de mosaico.
Dita dita de perolas falsas tanto para senhoras
como para meninas.
Dita de chapa de crystal com listas doradas.
Dita de cornalina branca, azul etc., etc.
Bonitos alfinetes e anneis para grvalas.
Bonitos pontes de concha, obra de apurado gosto.
Outros travsssos com pedias para meninas.
Bellas guarnicoes de pentes dourados, ornados
com caixos de uvas, feitos de aljfar, obra su-
blime.
Outras igualmente bellas, todas de fino dourado e
com pedras.
Outras a tartarugadas, nada inferior a aquella.
Voltinhas de aljfar branco e de cores com cruzes
de pedras.
Esses e outros muitos obiectos acham-se a venda (
na ra do Queimado, loja da aguia branca, o. 8
GRANDES IBQfflTQS
espeihos do tirados.
A aguia branca em continuacao de suas encom-1
meadas maudou vir, e acaba de receber grandes
espelhos dourados com mui bonitas e modernas
molduras, e vidros de primeira qualidade, vista,
do que o pretndeme que sahir de casa munido de
dinheiro e com disposigao de o gastar na compra
de um desses bonitos espelhos, dirisir-se ra
do Queimado, loja d'aguia branca n. 8, que ser
bem servido. Tambem ha espelhos quadrados sor-,
tidos em tamanhos, e com molduras doradas.
JABRO!
de porcelana e escarra*
deiras de vidro
A aguia branca tambem mandoo vir bonitos jar-
ros de torcellana dourada e de diferentes tama-
olios ; assim comoscarradeiras de vidre, objectos
esses -sempre neceasanos para o bom aceio das sa-
las ; resta somente que o comprador dirija-se com
dinheiro loja d'aguia branca, na ra do Queima-
do n.-8, onde ser servido com agrado e sinoort-
dade.

PARA BEM DE TODOS
FAZEI FAVOR DE LR ESTE ANNUNCIO
da economa domestica que se vai tratar.
0 assumpto importante.
DESCOBRIO-SE AFJMAL
0 verdadeiro e principal armazem de molliados o do
BAL
IZA.
Viuciiem contestar esta verdade.
A fama far correr esta noticia.
A posteridade bettidir o nome do Baliza.
Actualidadc Batei palmas de contentamente?
TT

%k
de la para homem e seriara.
A aguia branca, na ra do Queimado n. 8, ven-
de mui boas meiae de la para homem e senhora, j
e preuts de laia e de seda para padres.
Sem mitras non coras para ornar a fachada de seus atinuni'ms, e as portas do edificio >'m qae habita, > Baliza
contenta em tomar o seu lugar de honra na vanguarda de todos os homens do progresso.
Sopre embora o maldito Clarim, o seu toque de retirada n marchc-marche do desacreditado Progresso; arin- a tfndi
dos falsos apostlos da sincerklade no tratro, da realidade na pratica dos negocios coinni'Tciaes. revele lirulmei t-' i >n
grande msobordinacaofingindo desconhecer os seus superiores, deixando-se lirarsentado, continencia do estyto, porque o incansavel Baliza sempre fiel ao seu juramento lera continuamente na melhor nrdem i.*lo o
seutrem de guerra e no mais complecto movimento, o seu presumo para* bem servir, desde o mais maplM !i
o ais alto general da primeira elasse do exercito dos seus constantes (regoezes.
Entremos ta. materia:
SENTIDO!
onii:u no m\.
Desde a .f publicacao dcste armuncio at segundo aviso Manoel Pedro de Mello, proprietirio do tm
de Balizaestabelecido ruado Livramento ns. 38e:i8 A vender a todos os seus fregueses.
Cinco por cento menos
Nxwa exjwsicao de fazendas
baratissimas.
Loja4a Arara-Kaa da lakferatriz u. 06.
Opropiietario-deste prandeestabulecimeato. Lou-
renco Pereira Mondes Giiimares, promette sem-
pre vender barato para apurar dinheiro.
Grande peefiincha, cortes de sa a 9#0 Vende-se cortes de cassa franceza para vestidos
I 2<3, ditos a.24506, cortes de cambraia de palmas !
solas com 1 vara de largura a 2$, ditos com ba- |
liados a 1 -5 : na ra da luiperatriz n. 56, loja da '
Arara.
mamulle de linho a ,fSOO.
Vendo-se bramaRtc de linbo de 10 palmos de
largura, proprio para lences, a 2>200 a vara,
panno de linho de 4 palmos de largura a (iiO a va-
ra, hamborgo de linho a 440, 540 e 000 rs. a va-,
ra, bretanita de linha fino a 640 e 800 rs. a vara, |
brim de lidio branco a 15200, I400, hJOOO e i& \
a vara : na loja da Arara, ra da lmperatriz n. 5ti. i
Fila de isiho a HOO rs.
Vende-se lo de linbo muito lino a 800 rs. a va- i
ra, dito de civ e branco a 160 rs. o covado, tarla-!
tana de cor a 040 a vara : na rna da lmperatriz
B. 56.
Corees de cascinira a '&&.
qoe qualquer dos seos anwveis collegas que por menos anmmciar. Qualquer objecto que nao chegue a contento d-s
nktres compradores, pode ser devolvido ainda mesmo pelas pessoas que morarem no centro da proviorM.
O dinheiro recebido pelo gener0 que nao apiadar ser restituido sen oonatrangimenlo algum.
Ueclaraco importante.
falso o boato que -tem feilo espalhar o sojdado soprador da rna do Queimado de que se a.ha o B.h/a
a; armazem Uniae Mercantil aberto a ra da Cadeia do bairro do Recife.
A liga entre os collegas um crime de lesa-povo.
E entre-tanto o Baliza ligueiro.
Ligueiro sim das ideas liberaes dos progressislas de todo o universo aos seulimento mais ntimos de asa nrafi
Deste modo de pensar ser o Baliza eternamente conservador.
^
i
>
"y
K r
Ra da Senzalla Xova n. 42.
Neste estabelecimento vendem-se: tachas de
ferro coado libra a 40 rs., ideaideLov
Moor libra 120 rs.
SALSPAERILHA
,V,
ou fina a vontade do comprador Vende-se cortos decasemira decora 25. ditos
Compra-se um preto coznheiro,
una Qgar : na rna di) tr)
( >mpra se
"lente ouro eprata em .Jiras velhas : a
antj;a e folia loja de bhetes de loceras da (>r.v;a
da Iaep.nd VENDAS.
VenJe-se nm excellente pardo em parecido
cora 28 aaiKM de idade, perito officiai de alfaiate,
EOpeira 8 ptimo para |iapem : na rna do Im-
perador n. 44, torceiro andar.
San
ma-se k venda
nto Antonio
Ach
radar n. 15
daiaente in
vj para os,
na typographiada ruadolmpp-
i trezen^i do glorioso Santo Antonio,niti-
presso, em utn lotheto, obra indispensa-
devotos do mesmo santo.
Vendase urna barcada
perwsto es
muito boa
na ra de
a do, com todos os
lo vela, por preco
Apolbn. 30.
Frelo de Lisboa
da marca"] ehegado ltimamente : na ra do Vi'
gaio n. 19 primeiro andar.
Ota
ptimo bui
exeellent i
do-se bara o,
de 130 saceos, esn
aparclhos novos, e
commodo : a tratar
Farinha de Santa enharina, e da mais nova que ha. em
muilos bons saceos e a preco commodo : no ar-
masem do Atine deronte da aifendaga.
VVELAS
de neo e com pedras.
NSe wiava bem a ajona branca deisar tlear tiio
grande parle de sua l>oa freguezia sem essas
ledras, e por isso
Sdeims de cantura
vindaa de Lisboa : na ra do Vigario n. ll, pri-
7ieiroand;r.
roa
das Laraageiras n. "24, vende-se um
ro. grande, muito manso, novoe gordo,
de sella, e igualmente para carga, ven-
Itenco
no ultimo
vapor a
Presuntos ingkzes chegados
680 rs. ai libra.
Salpicdes chonri^as do melhor fabricante deste
genero a 720 a libra.
Chouricss om latas de oito libras, mui superiores a
5300 a lata.
Ameixas em potes grandes a 35, emenores aSfKOO
dem em Utas rienmente. enfritadas, proprias pa-
ra mimofe a 15300, 15400, 15600 e 25800.
Doce de guiaba etn nixoes, o melhor que ha a
15800.^
Sueijos llamengos vindos no ultimo vapor a 35-
icores mui Anos, garrafa, a 15600,15800 o 25-
Conservasjmui novas a 800 rs. o frasco.
Vinho do Porto o mais delicioso possirel, engarra-
lado, ha oito annoslll sem exasrraro.
Manteiga ngleza flor a 15 a libra, nao sebo de
800 rs.
de sua i>oa
apreciadas ftvelaa de aeo e com
apressou-se em mandar" buscar o bello sormeato
(pe acaba de receber ; e bem assim as necessarias
litas,COJOS BO*06 e bonitos
daveis aos olUos de lodos
tendentes, munidos de
do Queimado, loja d'aguia branca n. 8, ond tam-
bem ha bonitos cintos bordados com borlas, etc.
Extraordinario sortimento
de perfumaras.
A superioridade das perfumaras que a aguia
linos a 35i cortes de ganga france/.a a 15600, dito !
; deoiim pard i RwO a 25 : ra da lmperatriz
n. U), loja da Arara, de MondesGoinatSes.
Chitas da .1 rara a 3 IO rs. o co-:
vado.
Veede-se cbilas escuras e claras a 240 e 280
rs. o avado, ditas francesas. 30, 360, OO e 140 i
rs., riscados fraoeezos a I8() rs. o covado, gorgu-
rio de-linho para vestidos a i*) rs. o covado, fus-'
la o de cores a 300 rs. yangas para caigas o pali-
lots a 'ii,!e 500rs. o covado : a ra da Impera- i
triz n. K. I
Irara veudc balees a 3^.
Vendes.- balos de 15, O, 25 o 30 arcos, dos:
melhores que tem viudo ao mercado, a 35, 35500
e i-3, e dms de brilhantina a 45. meias para se-
horas muit* finas a 300, 400 e 320 rs. o par, di-1
ton para montaos a l280, para acabar, na loja da i
ra da lmperatriz n. 56.
A Arara reeeieu novos souteiHbarijues pretos
4e grosdenaplc ricamente enfeitados, e os vende
por 225 e 255, eapas pretas muito bem enfeiladas
e manteletes de grosdenaplc de superior qualida-
de : na loja da rus da lmperatriz n. 56.
Gassa ortfandvs a 2 O o covado.
Vender cassa organdys para vestido a 240.1
280 e 320 ris o covado, corles de dito com 14 co-'
vados a 55, ditos de laa com barra a 85 : na ra ,
da lmperatriz n. 36 de Mondes Guimaraes.
A Arara vcjtdciiiadapolsfranccz culos lado a .\
Vende-se pecas de madapolo francez enfeslado
a 45 ditoioglez com 24 jardas a 65'iOO, 75, 85,
" e
7 "}
)
DE BRISTOL
eurae inilagraead di
CHAA A:\'TIt.4,
ERFERMIADES SYPHttpffiAS,
rysipelae, Ebeumatismo,
Neuralgias, Esiorbto,
etc., eie., etc.,
que te grangeado e dado o alto re-
nomo it .
Salsaparrilka de Bristol
MOVIMENTO
BAIRRO DO RECIFE, RIJA DA CADEIA A
0 mais novo e o melhor
%iin\w.un iii: fioiiii t nos
Esquina deronte da ra da Madre e Di
Antonio da Silva Campos, socressor do aoligo Mascimento, defi *
jiliecido j nesl i praca, araba de transferir o seu estab h ein enl i ara a i
os seus b loevolos amigos e fregaeies, I" tn como o raspeiUvel publico 11
variado, escolhido e melhot sortimento de motilados, a par do areio, eleganri i
fcelecimenio.
O annonriante, lendo Coito urna completa reforma no locante a casi e ,' n-i i
forrespondentes na Europa para remesas de conla prupria, >nvi a> in
teefSo de lodos os amigos, do bom i barato, a qual desdo jTeclama, a>scrcrand
merecer a coi.fiai.ca ci ni i|ue .. diguarein di o honrar.
Em resonio, visite o respeitavel publico o novo e suj)erior>annaiein HovisBeasA. ru ,
guns gen n l i Dear convencido da realidade do prsenle aviMi
neahom entro eslabelecinientoo serve mollt r qt e osle, soja en eomniodMaee k
delicadeza, on loValidadode psese medidas.
PiBalmente, todas c qoaesquer garantas qne eslabelecisacnlos idnticos teeui t1i
oneorrentep, -lio mantidas oeste em jro raaior.
I
NO
feita.
Vende-se pautte de panno preto a 125, 105. 85
e 5, ditos de meia casemira a 35500, 45300 e 35,
ditos de brim lino a \3, 2A5O0 .35, calca de brim
a 25500 ^ iii, ditas finas de brim pardo a 35, di-
tas de brim branco a 35500 e 45, scrouias de li-
ndo a 15800 e 25, camisas franrezas finas a 25200
por- todas partos do
sineute devidas
universo, sao to
branca vende est incontestavolmente recanhecida, i e 25500, ditas de linho a 35, pares de meias a 200
e isto confirma a grande e&traccao que lhe? vao
dando os apreciadores do Iwm. A aguia branca,
porm, lendo sempre em vistas o bem servir a sua
boa freguezia, tanto da cidade como do interior,
mandou ver o extraordinario sorlimento que aca-
ba de receber, vindo conforme suas recommenda-
tes, sempre da melhor qualidade, sendo :
Agua de Colonia em garrafas de diversos tamaitos
e moldes.
Dita dita em frascos redondos e quadrados.
Dita dita ambreada em frascos verdes.
Agua ambreada para banhos.
Dita balsmica e dentrifiee para conservaeao das
geniiivaso dentes e bom balito da bocea.
Dita de tlr de laranja.
Dita de rosa e dita de Florida
Dita de lavandor e toilet.
Dita de alhcniense para alisar e segurar os ca-
bellos depois do atado.
Dita de Mallabar e Hoide para tingir os cabelbs.
Banha transparente e lafornosa.
Ditas finas em irascos de diversos moldes.
Dita dita em bonitos vasos de porcelana.
Dita dita ern latas.
Dita dita ern copinhos, sendo creme, duqueza e po-
mada imperial.
Bahuzinhos de vidro com perfumaras.
Caimnhas com 6 frasi|tiinhos de cheiros.
Cosme'.ique i ou pomada) superfina.
Extractos tinos e de agradaveis cheiros em bonitos
frascos.
Dito frangipaoe, cheiro novo e mui agradavel.
Dito de sndalo.
Vende-se a dinheiro vista no amigo e mni
acreditado armaszem de molhad-is de Joo Baptista! Essencias concentradas, com dilTerentes 5
Gomes Peona, suecessor de Frinclscg Jos Leite, mos cheiros. %
na roa do Imperador n. 4. | Le!? virgiual yar tirar arda?.
rtissi-
240 e 320 rs., grvalas finas pretas e escuras bor-
dadas as ponas a 15, ditas para menos a 800 e
300 rs.. colarinhos de linho a 400 rs. ; s na loja
da Arara, rita da lmperatriz n. 30, loja de Mendes
Guimaraes.
Grande pechincha de lazlnhas
alio rs.
Vcnde.se laazinhas para vestides a 240, 320,
i"0 e 500 rs. o covado, ditas muito finas de cores
lizas, proprias para capas e vestidos de senhoras a
! 650 rs. o covado, ditas escuras muito finas a 640
! rs. o covado, ditas de 4 palmos de largura rom
| palmas de seda a 720 o covado, popelina muilo li-
na de ricas palmas a 15200 o covado : na ra da
lmperatriz n. 56, loja da Arara n. 56.
Fazendas para senhoras, golll-
nhas a *400 e SO.
Vende-se golinhas para senhora a 200,320 e 500
rs. cada urna, C3misinhas para senhoras a 13,15280
e 25, ditas mnito finas com golliuhas a 45500 : na
ra da lmperatriz n. 56, loja da Arara. *
.4 Arara vende fazendas para
I lito, cassas a 300 rs.
VeDde-sc* cassa preta lina a J20 rs. o covado,
laa preta para tuto a 040 rs. o covado, alpaka
preta a 500, 640 e 800 rs., bombazina a 15400 o
cavado : na ruada lmperatriz n. 36, loja e arma-
zem da Arara, de Louronco Pereira Mendes Gui-
maraes.
Cortes de chita a 90-too.
Vende-se. corles de chitas de cores fixas com 10
.-ovados a 25400, ditos finos a 55800, ditos de ris-
cado francezes com 14 covad/s, a 35 :*o raa da
lmperatriz n. 56, toja da Arara.
nica Legitima e Original
SALSAPARRLK DE BRISTOL,
PtiBOAliAA E.TC'l.l-IV ','(CME l'Oll
LilllAl & KEMP HE \0VA VOttK,
Mdanty a receitado D>: C. C Bristol.
A venda as boticas de Caors & Barbuza,
ra da Cruz, e Joo da G. Bravo di C, ra
da Madre de Dos.
Vende-se sal do Ass, a bordo da escuna
EiiU'stiiia : a tratar com Palmeira & eltrao, lar-
go do Corpo Santo n. 4, primeiro andar._______
Vende-se urna escrava de 29 anos de idade,
para engenho ou tora da provincia : na ra da
Matriz da Boa-Vista, sobrado d. 33.
QNSERV&TIVO
53Largo do Tergo23.
Jcaquim Simao dos Santos, dono deste armazem de moHiados, -i'tf-tta ni
150 jue teein um completo sortimento dos tnesmos os quaes olfereeem dms vantagati
dores, do que em oulra qualquer parte, garaiilindo-se a superior inalidaile.
I
GAZ K 10:000 RS.
a lata cora 5 galoes : na ra do Crespo D. 16, ar-
mazem de louca do Duarte Pereira & C.
-Vende-se um cirmelo em sib, 1 violao, 1
atlas de Raynaud, 1 arithmetica de Dczout, tudo
em bom estado e por preco commodo : na ra do
Santa Isabel n. 15, desde as 10 horas at as 2, e
das 7 s 9 da noite.
2,>'0 rs
Continua-se a vender saceos de milho a 25500
na ra Direita n. 4. ^^____
Grande pechincha.
A 200 rs. o rotada.
Cambraias escuras finas a 200 rs. o covado para
acabar ; nao se dao amostras para que se acabem
loga : quem quizer, venha comprar no armazem
de tazendas de Custodio. Camino fij C, ra do
Queimado a 27.
Manteiga ingleza flor a 800 rs. a libra.
dem franceza muito nova a 360 a libia, em li-
bras 540.
Caf do Rio, de 1J e 2J sorte 320 e 280 a libra, e
arroba 95 e 85500-
Arroz pilado do Maranhao de 90 rs. 100 a libra.
Milho alpista a 160 rs. a libra, e arroba 45800.rs.
Ser/eja das melhores marcas a 500 a garrafa.
Genebra verdadeira de laranja a 15100 o frasco.
dem do Hollanda a 400 rs. a botija de contra.
Toucinho de Lisboa a 320 a libra, e arroba 85'i00
Passas muito novas a SO rs. a libra, e cnix.n 9-3
Azeite doce de Lisboa o all.o 3J e a garrafa 640.
dem de carrapato a 280 a garrafa, e a caada 25
Alelria M, f, a 480 rs. a libra.
Uomma de engoramar muilo alva a 100 rs. a libra.
Sardinhas de Nantes novas a 320 c 300 rs. a lata
o em porcao so far abatimento.
Iodo
6 por cento.
Vellas de carnauba a W) *!*-> i -. r, li^a
dem de tpe nweass i "hu a Ofi r-. a lihsa.
Phosphoros do gal a 25300 a ,
Hiscoutos e bolarhinhas de nxlau '. ''.-
a hila.
Chouricas novas a 720 rs. a lil-ra.
Batatas a 25 o gigo.
Bolachinha inglesa nova a2^i
Charatas das melhores marca* 25000, 35 far abalimento.
Vinho Fijfueira de SAA a 500 a g.irr.tf?.
da 35300.
dem de Lisboa a 400 a gamU. t a ra
3|000.
dem de outras marcas a 27l^i
dem franco do Lisboa a 5K> a gamn.
a i
nalquer comiirador que comprar do 505000 para cima, ter c< -
Ven.ie-se alpaca uj-eta a 500 rs. o corado.
Vende-se alpaca preta para vestidos a 500, 600,
700 e 800 rs., fina de cordao a 800 rs para pale-
to!, princeza preta a 800 e 640 o covado, bombazi-
na preta fina a 15400 o covado, laazinhas preta
para senhora que esto do luto a 720 o covado :
na ra da lmperatriz n. 56. A loja est aborta at
s 9 toras da noite.
" .Na ra larga do Rosario n. 33, vende-se urna
prensa de copiar cartas, c quatro tileiros proprios
para mindezas, tudo em muito bom estado.
Vendc-se muito barato um carro coa vidra-
cas, um bntn estado, o arreos novos chapiados de
melal principo : na ra do Imperador, cochoira
numero 23.___________________
Veddem-36 saceos com farinha a mais nova
qoe ha no mercado, e muito fina : no armazem do
Annes defrontt -la lifandega.
Algflrio
para sa vos de assnear
para vender Antonio Laz de 8vi rs A;
C, no sen escriptorio ra da Cruz r, ;
da B.ihia
h roupa i"

Vende-so o compendio de ilnl
rozas : na ra do Queiaiado u.'.'.
-Vi-nde-se urna barcaca .
dona, ban construida, de 45 mbm 1 1
dinheii ou mesmo a praoa, sosia
firmas: ajiHsst>r-SO 11a na Diri iu a- r
i Beal 1 oe Rarros Feij.
da ateaOtafti
r
Vendem-se linguas seccas i.i .1.
e'pof preco em cunta : a bordo d*
roio M-.ih 1. funde id 1 ao pe
lefio._________________________
Vende-se a met.ide do sobra* t* *t
res n. 21 da ra do PaJre Floriaw l tri:;
Frederno Chaves, ra Ja Iiuperatr


irl e rerm*mhms ... 4.11 Inia felra 1 t Malo de l4.

x__swr
Wfftsajrn.--

Largo da
kSanta Cruz
n. 12.
qflp
Esquina da&
ra do k
Sebo n. 12.
IIIIILIIAME Al Ii01\
1 OVO E
GRANDE ARMAZEM DE MOLHADOS.
Francisco Jos Fernandos Piros tem a honra de participar ao respeita\el publico
q M Ji"jt abri um novo csiabplccum-nto de inulhadiis denominado frillumte Aurora, ao
lary.. da Sania Cruz n. 12 esquina da na do Sebo n. l.
( proprietario ao Iicnevulu publico de.sta tdado e do interior, a Ma proteceao para este aciado estabele-
Citnent.i, cerios de que em leirifo alguui abusar da confianza que at hojo Jhes tem de-
positado.
No novo armazem encontrar-se-ha sempre um grande sortimento dos raelhoresgeneros
que voni ao nosso mercado e por procos os mais mdicos possiveis, certo de que em u?rte
alguma se wndara mais barato e melhores gneros lauto em porco como a retalho do
que uo armazem da Unlhaiite Aurora.
A satisfaca da Hrilhantc Aurora voadermuito e muilo barato,
a tabella do prego de seus geaeros sero mudados todas as semauas ;
mais a dinheiro
Aib-'ms francetas aovas em latas a 14400,
i e :t550 re.
Ditas em caiinhas muito enfritadas cora
GQQ lamias estampa* a l^iOO. 1,5600 e 2*.
,H) Clmciilate francez, hespanhnl, stusso e por-
Uugueza USuOe i& a libra.
Maimelada imperial dos melhores oenser-
veiros de Lisboa a libra 600 e 6iO rs.
Lata eom diversas fructas Cin calda a 500 rs.
Ditas rom ervilnas a 700 rs.
Dias eom massa de tmale a 600 rs. a, libra.
Dita* ron figos ermelicamente fechadas a
14600 e 24.'i0e.
Ditas com pene de posta ensopado a 14.
Ditas rom ostras para frigideiras a 720 rs.
Du.ui rom linguicas itiinhas vindas nesie
, vapor a 64>"0.
Ditas romsardinliasdoKantes a 360c 600 rs.
Ditas com bolachmha de soda nova a 2.
Ditas eom biscoutos mglezes varios ttulos
a 14100 rs,
Frascos com mustaida prepprada a 400 rs.
[los enm a verdadeira genebra de laranja
I a 14120.
I nos grandes duas garrafas de hollaoda 14.
I los com una garrafa Si-Ors.
C tos com conservas 'de pepinos a 800 rs.
Dito com ditos de mexids e ouiras a 700
800 e 14.
I itos com azeitonas c ervas a 14.
( amachos para i>orlas pintados de varias co
res a 600, 700 e 800 rs.
Manteiga ingleza flor a 800, 900 c 14.
iMa secunda surte a 640 e 720 rs.
Dita leiceira sorle a 400 rs.
Dita francesa nova de 04 a libra 600 e 640.
Dita dita ile G.'l a 510 e 560 rs.
Dita ioyleza em barril a 000, 720 6 800 rs.
Na francesa en barra e mios a 830Vsw. *,elra P "''"';,'rSo a '''""a a 400 rs.
Cha de multas qualidades.
Cha perola a 34 e 34200.
Dito uxim muilo superior a 34.
Dito miudinho a 24500 e 24800.
Dito hysson miudinho a 34.
Dilo mais gratulo a 24800.
Dito redondo muito boma 24, 240 e 2800
Dito prelo em massos envollo a 14600 c 24.
Espermacete fino o masso a 540, 600 e 640.
Velas de carnauba arroba 104 c libra 360.
Dita de compo.-icao arrota94500e libra320.
Charutos nao ha quem lenha melhor sorli-
inenio em caixas de 100 e 50 todos dos
melhores fumos de S. Flix de 24 a 84
a caixa de cem.
Caf do liio arroba 84500 e 9& e libra a
320 o 280 rs.
Arroz do Java arroba 34200 e libra a 100
e 120 rs.
Dito do Maranhao arroba 24500 e libra a
80 e 100 rs.
Grao de bico a libra 160 rs.
Ervilnas secas muilo novas a libra 200 rs.
Notes arroba 44 e libra ICO rs.
Amendoas libra 240 rs.
Alpisla arroba 44800 e libra 160 rs.
Pnico arroba 54 e libra 200 rs.
Senda arroba 24500 e libra 100 rs.
Sevadinha e sag novo a libra 240 rs,
Passas novas caixinbas do 16 e 8 libras a
24500-e 145 0 e libra a 360 rs.
Doce da pusca da gaioba caixoes grandes a
15200 e 040 rs.
Saceos com pomma, arroba 54500 muito
boa e libra ISi e 200 rs.
; Dita de araruta verdadeira arroba 84 c li-
bra 400 e 480 rs.
O VHIUMlll _IKO
PRINCIPAL
GRANDE ARMAZEM
UE
ATTENCAO
0 JLAIU_0 lili i A ItlrlO O
GRANDE SORTIMENTO
meii
[>roii
I launa de porro refinada prTipria para ba-
nli.i de cabello a 440 e em barril a 400 rs.
Vinhos Anos ha o naellior a
d esc jar.
Vi ni,o do Porto em tai xa dos melhores au-
tores a iU, 144 e 165.
Dito em pipa a caada 55500, 65 e 74 e
garrafa a 720. 800c 14
)ito xerez muito fino a 15280 a garrafa.
iiio Maileira a 14400 a garrafa.
uto da Figueira puro a 45500 a caada e
garrafa a 640, 560 e 500 rs.
):io de Lisboa a 35200 e 34500 a caada e
garrafa a 400 e 480 rs.
lito branco puro de uva a 640 rs.
tito nnis baixo a 480 e 8 0 rs.
lito ll'id.anx branco e linio a 74 e 85 a
ca e garrafa a 040, 8 0 e 14.
Dito moscatel a 95 a duzia e 15 a carrafa,
lito de cajrt clarificado a 15 a carrafa.
gnae verdadeira a garrafa 15 e 15280.
acures Goos em garrafas brancas a lie
14280 is.
Azeite refinado a carrafa a 15.
lapils de varias frurtas do paiz a garrafa
_ 500 rs.
G.i rafi.'s cnia 2J garrafas de genebra de
Hollanda S5500.
i os lapidadas para vinlio e agua a duzfa
35500, 45300 e 55500.
lfos de cores a 055O0 e 75-
Assim como muitos onlros nbjcclos que deixa->e de mencionar, mais tudo de
meira qualidade por preeos baralissimos.

1
(
Kstrelinha muilo nova a libra 480 rs.
Presunto novo de lainego para panella
I 060 is. inteiioe libra 640 rs.
Chouricas e patos novos a libra 800 rs.
Ccrveja branca c preta a duzia a 55500 o 65 -fs>
Vinagre de Lisboa puro a 15600 a caada e '#W
240 rs. a garrafa.
Carlas rom fojm da China a 220 e 240 rs.
Toucinhfi do Lisboa arroba 85800 e libra
280 rs.
Dito do Santos muito novo igual ao de Lis-
boa arroba 75 e libra 240 rs.
Figos d-1 comadre a libra 280 rs.
Qiieijos do reino muito novos a 35200.
IMaeliina ingleza nova a barriquiuha $J>.
Tijnlos de limpar faoas a 160 rs.
Massos com palitos para denles a 160 rs.
Grozas rom palitos do gaz a 252011 e 200 rs.
a duzia de caixinbas.
Latas com graxa duzia 15 e 100 rs. a lata.
; li iie> com dita 07 a 280 rs.
i Vassouras do Porto de piassava crossa a
00 rs.
! Molhos com sebolas novas a 13.
! Sarcos grandes eom farinha nova a 55-
Ditos com farello de Lisboa a 35800.
Ceminhos, ei va dore, pimenia o folhas do
lo uro a libra 400 r.-.
Balaios para costuras do meninas para di-
versos preces.
CalxbVs vastos para plantacSs de muita
qualidade.
MOLHADOS
RA 0 IMPERADOR
N.tfr
Oiitr'ora rna do Colleglo
DE
I DARTE ALMEIDA C.
Antonio Femandes Duartc Almeidii, dono dos acreditados armazns 'rogressiv
e Unido e Commercio, e ex-soeio do i'rogretsoProgressisia acaba de abrir lioje um ou-
tro na na do Imperador n. 40, junto ao sobrado'em que mora o retratista o Sr. Osliorn.
O prop ietario deste importante esibelecimento. conhecendo que 60 mais rico c c?pacoso
armazem que presentemente se temaberto nesla praca, deliberou denomina-lo VERDADEI-
RO PRINCIPAL ; sem duvida pode dizer, j pela pralica e coubeimento que tem deslas
casas, que este um estabelecimento que nada deixa a desejar, j pelo esmerado aceio
quenelle preside, como no completo sortimento que efectivamente recela de su propria
emeommenda.
0 proprieta/io do grande armazem VERDADEIRO PRINCIPAL gloria-se em ser o
piimeiro a acabar com o grande segredo e abuso que reinava nos piecos dos gneros de
estiva, adoptando desde a sua primeira casa, em publicar todos os precos de seus gene-
ros, por onde va e v o publico que nunca mais pode ser Iludido como dizem esses. .
que, mordidos e queimados pela inveja, dizem nao vol!... Illude!... desenganem-se
esses maldizentes, que emquanto andar no trilho que pisa, nunca mais consentir que se
venda um objecto de 50 por 10A. 0 systema do Verdadeiro Principal vender muito
dinheiro e ganhar pouco, 6 com elle que sem medo diz, que bailas de papel o vento as
carrega.
Pede-se a maior alten^lo.
O proprielario pede aos seus amigos c freguezes, e ao publico cm geral protec-
cao para o novo estabelecimento, garantindo aos mesmos que ninguem mais pode offerecer
as vantagens que se presta a oflerecer este importante estabelecimento. O PKIXCIPAL lam-
bem pede a todos os Exms. Sis. o favor de mandarem seus pedidos ao novo estakMeci-
menlo, cortos de nao terem occasiao de Se anependerem.
Mais atten^o.
0 VERDADEIRO PRINCIPAL pede, em particular lodos os Sis. de tgeabe e
mais Srs. do- centro, queiram mandar suas encommendas este estabelecimento, garatin-
do-lbes o proprietario que tanto elle como os seus fmulos nao pouparao osforcos para
fielmente cumprirem os pedidos que vierem inderessados.
Ao >n)3i Oincansavel proprietario pede a todos os Srs. eSras. que.quandocr/hamdeman-
dar seus pedidos saja em carta fechada on com grande recommendaco ao VERDADEI-
IRO PRINCIPAL na ra do Imperador n. 40, junto ao sobrado em que moni o retratista
americano o Sr. Osborn, e para mais corteza dos portadores tem esto sobrado urna botica
francesa, do pavimento terreo, o VERDADEIRO PRINCIPAL, tem 5 portas de frente pin-
tadas dt'.verde, as honibreiras Duarte Almeida A C. e por cima o VERDADKIRo
PRINCIPAL.
Amendoas confeitadas com bonitas
DE
PARA A FESTA.
de carnauba e compotrio de a '
rs. a libra e de lo,ooo a II,ooo rs.
a 16000.
Manteiga ingleza propiamente tl-r a 800 rs.
e ih a libra.
.5 Dita franceza muilo nova a 600 rs a libra
sendo em barril ">8 rs.
Cha uclum o melhor que se podo desejar. e
cores Massas para sopa-suato novas, foi desembar-
cada ltimamente pevide: rodinba c es-
trellinha a 500 r,a libra o 3,->a caixa com
8 libras.
M;cairao,Aletria o Talharim a 400rs. a libra.
Vinagre fresco a 200-rs. a garrafa e l#400
a caada.
que otitro qualquer nao vende por menos Dito cm garrafoes a ,-MX)0 cada um.
qualidade a 2;>600
desejar
a
pn-
mmwwmmm
de H a 2^700 rs.
Dito perol especial
o 2^800 rs.
Dito hysson o melhor que so. pode
a 20460 e 2s.(>0 a libra,
I Dito hvsson o. da India muito superior
202O e 4/oo.
Dito do Rioom latas de 2, 4. 6 o S, libras
a I000 e 1^200 a libra,
i Dilo pelo muito especial a 26800 a libra.
Dito mais baixo a 15300 e 15600 a libra.
Queijos chegados no ultimo vapor a S5000.'
iQueijo ptatochegado noste ultimo vapor a
800 rs. a libra.
Dilosuisso Parmezo o melhor e mais
Rol i }r>es com 8 a i) arralas de a/.ch'. o me-
llorquese podedtesejar, a Sacada um.
Palitos-de denles en> macos com 20 maci-
nhos a 120 rs. cada-nni.
I';ilit(i:*(lii g;iz a 25<*> a gr->za, 20 rs. ft
cahmha o 200 rs. a -duzia.
Craixa em latas muifa novas a 100 rs*! lata-
e1-;O0O a duzia.
Cebla muito novas a f>40 rs. o oento e
800omolho.
Traques de primeira qualidade a 8$500a
caixa e 240 rs a cartn.
Charutos Ipyrangas m mcias caixinhafi a
Ditos Suspiros de Thom Pinto afcfiOO.
fresco que so pode desojar a 800 rs. a li-, Ditos Avaneiros do mesmo a 150O0.
bra, sendo de 4 libras para cima a 780 rs., Ditos Itegalia Imperial a 15600, garante-se
duro jior virem
e sendo inteiro

D-Oi'lT >1) Wimai)-
letre:ho veros
>Qb

ffeste estabelecimento ha sempre um sortimento completo de roupa feta de
todas as qualidades, tambera se manda fazer por medida, vontade dos concor-
rentesj para o que tem um dos melhores professores, assim como tambem tem um
^ grande e variado sortimento de fazendas de todas as qualidades, para senhoras,
I- homens e meninos.
36016*
255000
Casacas, de panno preto, 355 e
(i SoDrecasacas idem, 305 e .
[8 Paletos idem e de cores, 255,
^ 205, 156 e......105000
JS Ditos decasemira. 205, 155,
y I45,|105 e......
^5 Ditos de alpaca, 55. Me-. .
f* Ditos ditos pretos. 95. 75,
55, 4|5e......
Ditos de brim e ganga de co-
res, 45500, 45, 3*00 e. .
Ditos branco de linho, 66,55 e
Ditos de merino preto de cor-
do, 105, 75 e.....
H Calcas rl0 casemira preta, 125,
S {o6> **e......
b*5 Ditas de cores, 96, 85 e. .
w Ditas de meia casemira de c6-
0 res. 55000 e.....45000
3& Ditas de princezae merino pre-
to de jcordo, 46500 e. ,
Ditas de brim branco e de co-
res, U, 45500, 46 e .
Ditas de ganga de cores. 36 e
Golletes de velludo preto e do
Ditos de setim preto. 56000j
Ditos de ditos e seda branco,
66 e.......55000
Ditos de gorgurao de seda
pretos e de cores, 65, 56 e 45000];
Gollete. de fustao e brim bran-
co, 36500,35 e 26506
Seroulas de brim de linho,
25400 e......26000
Ditas de algodao. 15600 e. 16400
Camisas de peitos de linho,
45, 36 e......26500
Ditas de madapolo. 25500,
26 e........16600
Chapeos de massa, pretosfran-
75000 cezes, 106, 95e. 86500
76000 Ditos defltro, 56, 45,35500 e 26000
! Ditos de sol, de seda, 126,
115, 75 e......65000
Collarinhos de linho fino, ulti-
ma moda....... 640
Sortimento completo de grava-
tas.
26500 Toalhas parroslo, duzia,- 416,
le........
76000
36500
35500
36000
46000,
56000;
45000
25500
cores, >5 e......75000 Chapos deso, de alpaca, pre-
*_- 1 -I______ _-_.nl _._*_! /. _l/"_f_f"\ t l ." A i'.n rtAMAK
65006
Ditos de casemira preta, 56 e 46000
Ditos de ditas de cores 56
46 e ........35500
tos e de cores.....45000
Lences de bramante de linho. 36000
Coberlas de chita cnineza.. 26500
i'ara mover machina de des-
Crocar algodao ou de qual-
(flier especie.
V. 11 le-sfl uin keel!f-_S c novo caixao para tra-
I rlhal rom cavalln, servinde de motor para ma-
f_i.ia di: 1 lesea rucar algodo mi para qualipior ou-
ij inister : a iraiar na ra Dircita n. 84, muito
I ato e muilo ecbnomico pela simplicidade.
Vrnde- r urna rabrn de K ite rom dea- rrias.
I n a pnt 01, taborua, ijo
GAZ GAZ GAZ
pr pre^o redn/idio.
'Vende-se gaz da melhor qualid pre o de 105 por lata de 5 gales: no ar-
mazem do Caes do Ramos o. 18 e ra do
Trapiche Nove r.. 8.
Dito londrino um pouco
em navio a500 a libra,
400 rs.
Bolachinhas em latas de 2 libras de todas- as
qualidades que se procura a 16300 rs.
Dilas em latas grandes a 2*5000 rs.
Ditas om latas de 5 libras de Craknel a
46600a lata.
Bolacbinlta ingleza desembarcada ltimamen-
te muilo nova a 25206 a barrica e 160
a libra.
! Ca toes com bolachinhas-francezas de diver-
sas qualidades a 600,800 e 16200 cada
um.
Peras sectas era caiyinhas de 4 libras as
mais delicadas que se pode desejar a
26500.
Bocetascom doces de Portugal ratamente
enfei taitas a 25500, contendor peras, pe-
cegos, rumbas Claudia, ameixas, alperch
e mitras muitas fructas.
Passas muito novas a 480 a lil>ra o 76500 a
caixa; tambem tem meias e quartos.
Amendoas de casca molle a 260 a libra e
240 de casca dura, nozes 140 a libra e
45000. a arroba.
Figos em caixinbase latas hermticamente la-
cradas a 15500 e 25500, de 4 e 8 libras.
Vinhos em caixas de duzia vindos do Porto
e das seguintes marcas r Duque do Porto,
Duque Genuino, Madeira secca, Chamisso,
que sito charutos que j se vendern) por
25660 e _->80(>, al__destas marcas tem de
toda* as mais" que costumam vir DOSBO
mercado.
Genelna de Hollanda em frasqueiras a 66600
e 5(50 rs. o frasco..
Dita de laranja a 15-06'O frasee e 12>>000 a
caixa.
Dita embotijas de lollanda a 4i6rs.
Comii.hos muilo ncA'os a'400rs. a libra e
sen_o em arroba ti i abaliaiento.
Crva-tloce muito nova a 160 is. a libra.
Canella muito nova a 5000 a libra.
Pimeata muito nova e limpa a 340 rs. a libra.
Gravo -muito novo a(!W)rs-. a- libra.
Alfazwma nova a 400 rs. a liu a.
Toucinho muito novo de lisba a 286 rs. a
libra e 85000 a arroba.
Chouricas e paiosa640rs.alibia.
Banha a mais nova e alva que se pode dese-
jar em latas de _0- libras a 45000. a lata.
Dita propria para, banha de cabello por ser
alva e dura a 400 rs. a libra.
Copos lapidados- a. 45600 a duzia e 56500.
Ameixas em frascos grandes a _o00.
Ditas em frascos mais peqn Mos a 1640U
Ditas em latas derima e meia libra a 6 libras
a 15200 e 4500 a lata.
Molho ingle?, rotha de vidro a 800 rs.
Presuntos tagtezes para fiambres muito no-
\osa 800rs. a libra.
DUARTE & C.
Participan! aos seus numerosos freguezes e ao publico em gerai qoe acata
receber de sua propria encmmenda, o mis lindo e completo sortimento de anh*4flt,
os quaes vendem por grosso e a retalho por menos 10 por cento do qu; ontn. qiw -jmr
annunciante, como verao pela seguinte tabella que abaixo notamos, garandado m bm.
mos proprietarios. nao s o peso como a qualidade de seus gneros.
AVINO.
Todos os senbores que comprarem para negocio ou casa particular de 100$ m/t
cima tero mais 5 a 10 por cento de abatimento, os proprietarios scientieam m odos es seus gneros sao recebides de sua propria encmmenda, razo esta par* pete
vender por muito menos do que outro qualquer estabelecimento.
Manteiga ingleza flor a 8oo e 16 rs. a /ibra.; Vellas
dem franceza a mais nova do mercado a 6oo 36o
rs. a libra, e 58o rs. em barril. arroba.
dem de porco retinada muito alva 46o rs. Genebra de Hollanda em botijas de mnta a
a libra. 440 rs. a botija, e om duzia on en l*rrica
Prezunto para tlanbre a 8oo rs. a libra. ter abatimento.
Cha uxim miudinho vindo de conta propria. Masas para sopa macarro. talbarhn e ai.'tria
o melhor do mercado a 2,8oo rs. a libra. a 46o rs. a libra i em caia kr aba-
Idem hyson de superior qualidade a 2,6oo rs. | melo.
a libra. dem cstrellinha, roilinha e poi.W- -td raixi-
Idera perola o melhor que se pode desejar a nhas de 8 libras, muito bem enf>m..,u^ ,^
2,7oo rs. a libra. 2,5oo a 3,5oo rs. a cawiaha e a w> rs. a
dem preto muito fino a 2,5oo rs. a libra. libra.
dem mais baixo pouco a 2,ooo rs. a libra. ; Doce de goiaba em caixas de diver** ta_>
dem mais baixo a l,8oo rs. a libra. nhos de 6oo a l,ooo rs. o ca
Castanhas muilo novas a 2,ooo rs. a caixa, e Erva dooe 64o rs, a libra.
a 16o rs. a libra. Traques a Mo rs. a carLi e8r> i.
Bolinho francez e em caixinhas de 7oo a Peixe em latae muito novo ; mvH. pf* ada.
l,tkx) rs. cada urna. i corvina, satowo eoutras m;-ni,is mUtim
Vinho do Alto Douro vindo do Prto engar-j preparada tle escal>e'be 2/ a arte de i
rafado garante-se a superioridade deste vi-' nha de l,2oo a I &*> rs. a lata.
nho, das seguintes marcas r Duque, Ge- Figos em caixas de 1 arroba. > l
nuino, velho secco, especial lagrimas do-: a 8,ooo 4.ooo & 2.000 rs. 1 ai
ees de 1819, vinho especial D. Pedro V., 'Barris de vinho branco do quinto, nuica 6
vinho velho, Nctar superior de 1833, Du- de Filho a 60,ooo rs. o barril.
quedo Porto de 1834, vinho do Puno ve- SSarraelada imperiat dos arim .- >n<--n-
lho superior, madeira secca de superior ros de Lisboa a 64* rs. a I tinii
qualidade, vinho do Porto superior D. Lu-; ha latas de 1 e S i.br.w.
iz l.de 1847. lagrima^ do Douro espe- Masna de tomate em latas. Inirada* de 1 ;,bra
al, vinho do Porto de f,oooa l,2oo rs. I a64o rs. a lata.
a garrafa e de lo.ooo a f 4,000 rs. a caixa :Amerxas franceza.--em cnxinhas
com urna duzia. mente enfeitaoas de |t5oo a 3. re. a
Bolachinha de soda especial encmmenda e a' caixinha. tambem iia Ltm de l t j 6 li-
mis nova quena no mercadoa 2,2o rs. a bras de l._oo a i.loo rs. a ata.
lata. bien: em fi-;is.-.-s mu i;u,i-
Biscoitoi inglezes das melhores mareas em rs. o fraseo.
latiiihasde 2 libras a l,3oo rs. a lata. .'Clioc.iate portuguet, hespanhol, frutec 9
klem inglezes craknel cm latas de 5 e 7 libras. suiaso a 1,2oo rs. a libra.
de 5.000 a 6.000 rs. a tata, e em libra a Conservas inglezas das segomfes narrase
8(5 rs. Mixde-Picles e cebollas __ a X rs
Queijos do reino chegados pelo ultimo vapor o frasco.
a :i,ooors. cada um. Ancoretas de vinho colaren
Idem prato a 9oo rs. a libra. a 72o rs. a garra
Vinho em pipa das mais acreditadas marcas Sardinhas de Nantes a 32n rs. a latite.
como sejamBA F.. PRR, JAA, outras: Charutos das mais terediMas m.ir.-is
militas marcas. Porto, Lisba e Figueira ; a 580o, 2,ooo. 2.5oo p :; ;.... rs. a rea.
de 48o, 5oo, 5Co, 64o e 800, rs., e o do dem suspiros de JM ti. P. a Um rutia
Porto fino em garrafa, e em uada a' caixa.
3,ooo, 3,5oo, 4,000 e 6,5oo rs. o melhor Champagnhe a melhor do mercado d- 1 _.oo
do Porto. a 24,ooo rs. ogigo, ede lt_oo 11.< -/s. a
dem Bordoaux das mais acreditadas marcas garrafa.
a 7oo rs. a garrafa, e a 8,000 rs. a caixa. Papel greve pautado ou l.- 1:;.;.. rs. a res-
Garrames com 5 garrafas de superior ?inho ma.
do Porto a 2,2oo rs. com o garrafSo. dem de peso pautado ou izo d.- 3k-na
dem eom 5 garrafa de vinho da Figueira mais.[ 4,ooo rs. a resma.
proprio para a nossa estac3o por ser mais' Malsana a 32o rs. a libra.
fresco a 2T4oo rs. com 0 garrafo. 1 Milito alpisia e painso de 16o a 2..,. m. a _-
dem com 5 garrafas de viaagre a l,2oo rs. bra.
com o garrafo. i Palitos do gaz a 2,2co rs. 1 grosa e i,t rs. a
Viriho branco-o mais superior que vem ao duzia.
nosso mercado a 56ors. agarrafa, e a Vasos inglezes de 4 a 16libras va>i,>,. :nuiio
4,3oo rs. a caada. proprio para deposito ile Un-e __int.*tga
ou oulro qualquer liquido de 1 <,, a
3,ooo rs. cada um.
Liiores das melhores marcas e i&ii. Saos
a l.ooors. a garrafa c em caixa t r abati-
mento.
Cognac veradeiro inglc-z a 9.x rs. a garrai
e lo,5oc rs. a caixa.
mercado ato*
5o.iM.
r., e
Velas de esparmacate as melhores neste ge-
nero de 56o a 64o rs. o maco, e em cai-
xa ter grande abaimento por haver
grande porco.
Azeite doce em barril cunto fino a 64o rs.
a garrafa e 4,800 a caada.
dem fraocez refinado a 800 rs. a garrafa.
Ervilnas francezas e purtuguezas a 64o rs. a I Chouricas as mais frescas to
laU. rs. a libra.
Bocetas eom doces soceos de Lisboa de 3oo | Genebra de laranja em frascos- grandes a
l,2oo ?s. o frasco.
Serveja das mais acreditadas
Velho secco, Vctor Emmanuel, D. Pedro) Mostorda preparada a 200 rs. o pote.
V, 1)-Lub, especial ymho velho do Porto j ConscrVas inglexas a 640e8OOrs. o frasco.
a Cognac inglez a 105000 a duzia 15000 a
h; "o dir quem vendo.
TABOIlvS
Vondorr.r.o labnrgr. no armazem dn hfla rma-
rellanc o;i^(. da secretaria da (olida.
e outros muitos a 95. 105, 125 e
duzia e 1S 15200 a garrafa.
Vinhos em pipa Porto, Lisba e Figueira
das melhores marcas a 35800 a caada e
00 a garrafa.
Ditos do Porto, Lisba e Figueira de marcas
menos conhecidas a 400 a garrafa e 25800
a caada.
Dito Colares especial vinho a 800 a garrafa.
Dito liavradio inuito fresco, nao levando com-
posicao, a 560 a garrafa e 45000 a caada.
Vinho branco de uva fina a 600 a garrafa e
45500 a caada.
Dito mais baixo a 400 a garrafa e 25600 a
caada.
Vinho Bordeanxem caixas de 12 garrafas das
marcas mais acreditadas a 65500 e 75000
a caixa.
Dito muito especial que raras vezes vem ao
nosso mercado a 15200 a garrafa, garan-
te-se que noreste mesmo proco da pre-
juizo, e s se encontra nicamente neste
armazem.
Licores fraucezes e portuguezes dos melho-
res autores a800, 150O0 e 15500agar-
rafa.
Cenejas das melhores marcas a 55500 e
65 rs. a duzia; tambem temos ordinaria
por muito menos.
Marmelada de todos oa fabricantes de Lisboa
em lata? de 1 libra a 600 e flt.o.
garrafa.
Dilo francez a 85300 duzia e 800 rs. a
garrafa.
Palle Brandy a 25000 a garrafa e 325000 a
duzia.
Sabo massa a 140 o 240 rs. a libra o melhor.
Polvo a 320 rs. a libra e 65000 a arroba.
Vassouras do Porto com arcos de forro a
320 cada urna.
Ditas americanas a 640 rs.
Papel almaco pautado e fizo a 25400 a resma.
Dito de peso pautado e lizo a 35 a resma.
Dilo azul proprio para botica a 25 a resma.
Velas de sper mcete a 560 rs. a I i bra,e sendo
em caixa a 520.
Ditas de carnauba do Ararat) a 95000 a arro-
ba e 320 rs. a libra.
Farello de Lisba marca N a 45000 a sacca.
Tijollos para*limpar Ateas a 160 rs. cada um.
Peixe em latas j preparado a 15000 a lata.
Chocolate hespanhole francez a 15000a. libra.
Caf do Rio primeira sortc a 85700 a arroba
e 300 rs. a libra.
Dito do segunda a 85400 e 280 rs. a libra.
Arroz do Maranhao, Java e India de 25600 a
35 a arroba e 160 rs. a libra,
Alpista muitn novo o limpo a 140 rs. a li-
ara e 45500 a arroba.
Cevada muito nova a 25500 arroba, e IQO"
05. a libra.
a 3,Soo rs. cada ama.
Toucinho deLisboa a 3oo rs. a libra, e a
9,ooo js. a arrofea.
Rotijoes com 10 garrafas de azeite doce a
00000.
Caf de 1.a, 2.a o 3. qualidade de 26o, 3oo
e36o rs. alibra, doCearde8,5oo, 8,7oo,
o 9.000 rs. a arroba do melhor.
Vrroz da India, Java e Maranhao de 2,8oo a
3,000 a arroba, e de 8o a loo rs. a libra.
Passas muito novas a 8,5oo*a caixa e 5oo
a libra, ha caixas meias e quartos.
Sevadinha de Franca a 24o rs. a libra.
^a muito novo a 28o rs. a libra.
Mostarda ingleza om pa 15 o frasco.
Cebollas a 85 a caixa e l,2oo rs. o uaolho'.
marcas a
6,5oo a duzia e de mais a 5o rs a garrafa
dem em botijas e meia, sendo preta l
muito creditada marca T de,6oo a 7.8o
rs. a duzia.
Pimenta do reino a 34o rs. a libra.
Farinha do Maranhao a liors. a libra.
Tijoto para limpar facas a 16o re. cada __
Cominho a 4oo rs. a libra.
Erva doce a libra.
Canella a l.ooo rs. a libra.
Vassouras de- piassaba de dous arco Je fer-
ro a 32o rs. cada urna.
Latas com banha retinada com 10- lva
45oo.
ras a
GRANGEIASantblennorrhagicas de DNAND
ex -INI do HOSP. dos VENREOS dePAKIS 1? PREMIO 1854
&urorioresalndiisHep'irJOunlitcii:.si.lhuj*cnnriisai.orrhrUnnefclM-1 n...;, i,-r *
lhi;o seguro e prnmi.ln, em Hmu, nt-m colieu, i.mb tremor. Fi-i.. a toni-ir m -.-.-.l -ara i:_na
Injecgo curativa e preservativa
InfaUtoal, cura M rapidez ra lorr o- mcorrlmeine imlmlmii ,1 ,l s--. rlura. r_i
balsmica .CTic(>M.i,cidadr.,rlilii'.a oii teLir-enlo a o.spr_-rva de .(uai.|iir_i.-r-;K. IAHIS. ;.. r.
.1. < .
i. ~+t _
Deposito geral em Pernambuco ra da Cruz n. 22 em casa de Caro* Iwrboa
Empreza da iUuminaQao
gaz.
Todas as vendas de apparelhos e recinuiaces
fpor escripto dando o norae, morada, dala, ele),
devera ser feilas no armazem da ra do Imperador
n. 31. Os machioistas mandados para aliender a
estas, apresentaro um livro que os reclamantes
dovenio as?iguar logo depois de prompto o servico
reclamado -, isto para que a empreza fique sciente
do havereni os mesmos senhores sido devidaraen-
te attendidos. r__________
VINHO Pl RO.
Chppou nova remessa de ancjretas com supe-
rior vinho puro : vh<1e-sc no crripforio r^ F R.
Rabfllo. ma da Tsdpia n. 55
iGENCIA
FMCO DE L0W-H00I.
Ra da Srnula Ma a. -12.
Neste estabelecimento contina a lu
um completo sortimento de moendas n om
moendas para engenbo, machinas db vapor
e tachas de forro batido e coado, de todo m
tamanbos para ditos.
" Arados americano* e marhmw fian
iav \ roa da Somalia No~a n. W.


Blarlo de PeruMhne* QHlaHa felra it 4c Mulo de I 1.

Grande liquida$to
e fabadas na loja do Pavio, ra da Imperatriz l
00, de aaa A Silva.
AcOa-se esta eslabelecimont completamente sor-
tido de [azoadas inglezas, francezas, alleinaes e
suissas, proprias tanto para a praca come para o
mato, prometiendo veoder-se maw barato do que
ein outra qualquer parte principalmente sendo em
percao o de ledas as fazendas dao-se as amostras
deixando ficar penbor ou mandara-so levar em ca-
sa pelos caixeiros da loja do Pavo.
As chitas dtt Pavao.
Vendero-se superiores chita* claras e escaras pe-
lo barato preeo de 240 e 2N0 rs. sendo tintas segu-
ro, ditas francezas linas a 320, 340, 360, 400 e
500 rs., o covado. ditas prelas largas e estreilas,
rtscados escocezes linos a 240 rs. o covado, isio na
loja do Pavao ra da Imperalriz n. 60 de Gama &
Silva.
As cassas do Paviio a 2 U>, 280, 306 e 320 rs.
Vendem-se linissimas cassas persianas cores fi-
las a 320 rs. o covado, ditas francezas mnito finas
a 240 e 280 rs., ditas ingzezas a 240 e 280 rs. o
covado, finissirno organdy matisado cora desenhos
miudinhos a 320 rs. o covado, cassas garibaldinas
muito finas a 320 rs., isto na loja do Pavao ra da
Imperalriz n. 60, de Gama & Silva.
As laaziuhas da exposico do Pavo.
Vendem-se as mais modernas lazinhas mossan-
bique chegadas pelo ultime vapor francez sendo
de urna s coi ou de listas miudinhas com 4 pal-
mos de largura, proprias para vestido de senhora,
roupa para meninos e capas, e pelo barassUno
prego de 500 re. o covado, ditas entestadas trans-
parentes de quadrinhos a 500, 400 e 360 rs. o co-
vado, ditas malisadas muito linas a 500 e 400 rs.,
ditas mais baratas do que chita tambem matisadas
a 320 rs. o covado, ditas a Mara Pia com palma
de seda e 4 palmos de largura a 800 rs. o covado,
e ditas de uinas cor parda, azul, cor de lyrio e
perola propria* para vestidos, sautembarques e
garibaldes a 720 rs. o covado, ditas escocezas a
800 e 400 rs.. isto s na loja do Pavao, ra da Im-
peralriz o. 60, de Gama & Silva.
Os chales da Pavo.
Vendem-se linos chales de crepon eslampados
pelo barato prece de 65, 75, 84, ditos de pona re-
donda a 74 e 84, ditos pretos ricamente bordados
a retroz com vidrilho a 124, ditos pretos lisos a
54, ditos de cores a 44500 54, ditos de merino
estampados a 24 e 35, ditos de la a 15280 e 24,
ditos le retroz preto para luto a 64, isto na loja
do Pavas ra da Imperalriz n. 00, de Gama &
Silva,
r'a/.rmas pretas para a eaaresma veade o Pavo.
Vaode-se prosdenaple preto muito superior a
15600, dito a 15800, 25, 25500, 2580 > e 35, mo-
reantique preto muito superior a 34 c 24800, sar-
ja prea hespanhola muito encorpada a 25, isto na
leja do Pavao rua da Imperalriz n. 60, de Gama
& Silva.
0 Pava vende para lula.
Vende-se superior setim da China fazenda toda
de la .-em lustro leudo 0 palmos de largura pro-
prio para vestidos, paletots, capas etc., pelo bara-
to preeo de 25, 242OO, 245OO o covado, cassas
prelas lisas, chitas prelas largas e estreilas, chales
de merino lisos e bordados a vidrilho, manguitos
comgollinhas emitios muitos artigos que se ven-
den* por precos razoaveis : na loja do Pavo rua
da Imperalriz n. 60, de Gama 4 Silva.
Os rorpinhos de Pava
Vende-se 0$ mais modernos corpinhos de cam-
braia ricamente bordados e enfeitados a 7 e 85 ;
na loja do Pavo, rua da Imperalriz n. 60, de Ga-
ma & Silva.
O vestidos de Pavo
Vende-se ricos vestidos de grosdenaple preto ri-
camente bordados a veludo pelo barato prego de
405, sendo fazenda que sempre se vendeu a 1005
e 1.'05 ; ditosoe cambraia brancosricamente bor-
dados a croch, sendo proprios para baile e casa-
mento a 10. 15, 20 e 305; ditos de la com lindas
barras a 18 e 155 ; isto na loja do Pavo rua
da Imperalriz n. 60, de Gama 4 Silva.
Os pannos do Pavo.
Vende-se panno prelo muito superior pelo barato
prego de 25, 25500,35 e3J>500, ditos muito finesa
45, 55 e f>5, fortes de casemira prela enfestada a
45, 455OO e i-5. casemira prela fina de urna s
largura muito lina a 15800, 25. 25500 e 35, cor-
tes de casemira de cor a 55, 55500 e 65, casemi-
ras enfestadas de urna s er proprias para caiga,
paletots, colletos, capas para senhora, roupas para
meninos a .15 0 35O0 o covado, islo na loja do
Pavo, rua da Imperalriz n. 60, de Gama & Silva.
A roupa do Pavo.
Vendem-se paletots de panno preto sobrerasa-
cos fazenda mijito boa a 125, ditos muito linos a
165, 20?, 255 e 30-5, caigas de casemira prela boa
1,55, 65, 75 e 84, paletots saceos
O PRINCIPAL
DE
li 1 ;.
piar 1
Acaba de receber de sua prupria encommenda ura grande e variado sortimento
de motilados todos primorosamente escolhidos, por isso apressa-se o proprietario em
offerecer aos seus freguezes e ao pnblico em geral a seguinte tabella dos seus gneros e
resumidos precos, afianzando todo e qualquer genero vendido neste bem conhecido ar-
mazem.
Pede-se toda atteiitfio.
0 proprietario pede a toaos os senhores chefes de familia e ao publico em geral
que nao deixem passar desapercebida a seguinle tabella:
AVISO.
Neste armazem e no largo do Carmo n. 9, armazem Progressivo, recebem-se a
libras que vulgarmente correm no commercio por 80890 a 9#, o proprietario em sen
armazens da-lhee este valor, sendo em pagamento, e isto para evitar confuses em trocos
Manteiga ingleza perfeitamente flor, a 800 rs, rs. a duzia 1,000 rs. a garrafa, garante-se
e 1)5 a libra. que os melhores que temos tido no mer-
Idem franceza a 600 rs. a libra, e 58o rs. cado.
sendo em barril. Passas em caixas de 1 arroba'/e */ a 7,5oo,
Cha uxim a 2,7oo rs. a libra, e de 8 libras 3,6oo e l,9oo rs. a caixa, e 4oo rs. a libra
para cima a 2,600. garante-se serem muito novas, e graudas.
dem perola a 2,8oo rs. e de 8 libras para dem corinthias proprias para podira a 800
cima a 2,7oo, I rs. a libra,
dem hysson o mais superior que se pode Marmcladas dos mais afamados fabricantes de
desejar a 2,000 e de 8 libras para cima! Lisboa a 600 rs. a libra,
a 2,5oo rs. Ervilhas secas muito novas a 16o rs. a libra,
dem menos superior 1 2,4oo e de 8 libras | Grao de bico muito novo a 46o rs. a libra.
Entina francezas em latas a 600 rs.
Potes com sal refinado a 48o rs.
Fumo de chapa americano a l,4oo rs. a libra
fazenda especial.
SILVA & SOUZA
Rua do Orespo n. 9, esquina da rua do Imperador.
Tendo-se o proprietario d'este armazem associado com o.Sr. I'aulo-Ferreira da Silva, resolver dar-lbc mu.
por ser o mais bem localisado desta cidade, e como am dos socios tenha de partir pan a Europa, afim de all eaooHas 'naife r
gneros, desde j se pede ao respeitavel publico toda a attencao, nao s para este armazem, mas timbem para o grande aimazen i.i;
ca, da rua do Imperador n. 57 e para o bem sortido armazem Progressista da rua das Cruzes n. 36, sellas todas as pe, as quemareni estas casas de que farao urna economa de l a 20 por cento rio proco que posran comprar en ouiia parta, mm m
guem melhor do que nos pode offerecer tantas vantagens como as que n ohservam nos armazens:
ALL ANCA! raa do I ui|. orador n. 59.
PROGRESSISTA rw das Cruzes n. 3G.
PRINQPAL!!rm Cre8po n
Manteiga ingleza a mais nova e fina chegada
neste ultimo vapor a 10 rs.a libra,
dem franceza, a melhor e mais superior do
nosso mercado a 64o rs. a libra e 6oo rs
em barril ou meio.
Banha de porco refinada e muito alva a 44o
rs. a libra, eem barril a 4oo rs.
Cha hysson, o melhor neste genero especial
encommenda do proprietario a 2,7oo a Ib.
dem idem menos superior e que em outras
Familia de araruU verdadera a 32o r. a t&.
Pliosphoros do gaz a 2oo rs. a atara
2,2oo rs. a groza*
Bolacbinha americana em barrica a *>
rs., e em libia a 2oo rs.
Presunto para fiambre inglezes a 7oo e 8oo
rs. a libra,
i Chouricas e paios mnito novos a 64o a libra.
fazenda a V55I
de panno preto a 75. ditos de casemira de cor a
65 e 75, ditos (le alpaca prela, ditos de merino
preto, ditos de lirim de cores, calcas de casemira
de cor a 15- 55- 65, 75, ditos de casemira da
Escossia a 35, ditos de brim pardo a t&'M'i, ditos
de cor a 25 e 14000, ditos brancos muito finos,
sto na loja do Pavao, rua da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Os cortinados do pavo.
Verulem-se ricos-cortinados proprios para janel-
la e camas pel barato proco de 95 o par, sendo o
melhor que lia no mercado : na rua da Imperalriz
n. 60, de Gama & Silva.
ils colcbas do Pavo.
Vendem-se olebas de linho alcochoadas pro-
prias para cama pelo barato preeo de 55 cada urna
Ha rua da Imperalriz n. 60, de Gama & Silva
AM preealas do Pavo.
Vendem-se as mais lindas preealas que lem viu-
do ao mercado chegadas pelo ultimo vapor fran-
cez, pelo barato preeo de 600 rs. o covado, ditas
de lislrinha mullo miudinhas proprias para vestidos
e roupas de meninos e meninas pelo biralo proco
de 50d rs. so o Pavo rua da Imperalriz 11. 60,
loja de Gama & Silva,
Os soiiteaubarqnes do Pavo
Ic lSgsoPavo.
Vendem-se os mais lindos sonteanbarques que
tem rindo ltimamente do lazinha c eaxeinira ri-
camente bordados e enfeitados, cores muito delica-
das pelo larato preeo de 105 e 155 ; fazenda esta
que em outras lujas se vendem por 205 c 255, e
s para liquidar : na loja o armazem do Pavo
rua da Imperalriz n. 60 de Gama 4 Silva.
As chitas do Pavo '400 e
4#NOO o corte.
Vendem-se cortes de chita com doze covados
cada corte, ditos com dez covados a 25*00, fazen-
da mnito boa, e que nao desbota, s na loja do Pa-.
vo lem acta pichincha ; a rua da Imperalriz n.
60 de Gama A Silva.
i,:s de nina s cor.
Vendem-se ijazinbas de urna s cor, sendo en-
carnada, azul, finzenla, cor de caf, lirio claro, li-
rio rara cor de perola pelo baratsimo prego de
640 o covado, fbzenda muito fina s o Pavo, rua
da Imperatriz 1. 88 leja e armazem de Gama &
Silva.
Pauno de linho.
Vende-sc panno de linho com i palmos de lar-
gura proprio para lences, toalha e ceroulas pelo
barato preeo de 640 rs. a vara, bramante de linno
com 10 palmos de largura a 25300, algodaozinho
monstro com 8 palmos de largura a 15, pecas de
Hamburgo com 20 varas a 95, 105 c 115, pe?asde
madapolao lino a 75500, 85, 95 e 105, ditas de
algodozinlio a 64, 64500 e 75, e outras muilas
fazendas brancas que se vendem muito baratas
afim de apurar dinheiro : na loja do Pavao rua da
imperatriz n. 60, de Gama & Silva,
O bramante do Pavo com doze
palmo de largura.
Vende-se .bramante de linho puro, muito fino com
doze palmos de largura o melhor o mais largo que
tem vindo ao mercado pelo barato preeo de 24800
rs.a vara ; s na loja do Pavo de Gama & Silva,
ana da Imperalriz n. 60.
As preealas do Pavo.
Venilem-sc as mais lindas preealas qus tem vin-
do ao mercado chegadas pele ultimo vapor francez,
pelo barato preeo do 600 rs. o covado, ditas de lis-
trinlta muito imudinhas proprias para vestidos c
e roupas de meninos e meninas polo barato prego
de 500 rs.: s o Pavo rua da Imperatriz n. 60,
loje db Gama ev Silva.
Os baioes do Pavao.
Vendem-se crinolinas ou baldes de 30 arcos tan-
to brancos como de cores, sendo americanos qae
sao es melhores por se nao quebraren) a 35500 e
de .35 reos a 45, ditos de uiusselina com babados
a 44, ditos para menina a 24 e 35 : na loja do Pa-
vo roa da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
O Pavo ven^e 8*
Vendem-se os mais lindos cortes de vestidos a
Mari-i Pia, com lindas barpas de seda, sendo che-
gados pelo ultimo vapor francez pelo barato preeo
de 85 cada um : s na loja do Pavo roa da Impe-
ratriz n. 60, de Gama & Silva.
para cima a 2,3oo rs.
dem proprio para negocio a 2,3oo, de 8 li-
bras para cima a 2,2oo.
dem do Rio em latas de 2, 4,6 e 8 libras
cada urna a 2, 3, 3,5oo c 4,8oo rs. a lata,
dem preto o melhor que se pode desejar
neste genero a 2,8oo rs.
dem menos superior a esse que se vende I Batatas muito novas em gigos de 34 libra a
por, 2 e 2,4oo, a 4,8oo rs. a libra. l.ooo rs. e 6o rs. a iibra.
dem mais ltaixo bom para negocio a l,5oo Massas para sopa macarro, talharim aletria
rs. a libra. a 4oo rs. a libra,
dem miudinho proprio para negocio a l,5oo Cognac verdadeiro inglez a 8,5oo rs. a caixa
rs. a libra. e 8oo rs. a garrafa.
Queijos do reino chegados neste ultimo va- dem francez a 7,ooo rs. a duzia e 7oo rs. a
pora 3,100. garrafa,
dem mais seceos vt'ndos por navio a l,7oo. Charutos em grande quantidade e de todos os
dem prato os melhores e mais frescos do fabricantes mais a creditados a I,5oo,
Vinho do Porto em barril muito especial a
64o rs. a garrafa, e 5,ooo rs. a caada.
Vinagre puro de Lisboa a 2oo rs. a garrafa e
l,4oo rs. a caada,
dem em garrafoes com 5 garrafas.
Aserte doce de Lisboa superior qualidade a Tijolopara limpar facas a lo rs.
64o rs. a garrafa e 4,8oo rs. a caada. Vassouras de piassava com dous arta da
Batatas em gigos de trinta a trintae tantas li, ferro prendendo o cabo aJafeam rafa
bra a 2,5oors. o gigo e 8o rs. a libra. | urna.
Genebra de Hollanda a mais superior a 6,ooo Escovas dn piassava proprias para ftdaaaaar
rs. a frasqueira e 56o rs. o frasco. casa a 32o rs.
casas se vende a 2,6oo rs., custa neste ar- dem em garrafoes com 23 garrafas a 8,ooo rs., Sardinhas de Nantes muito novas a 32o n.
mazem 2,2oo rs. a libra. Cerveja das melhores marcas de S'ooo a a lata,
dem uxim, o melhor que pode haver neste; 3^oo a duzia e 5oo rs. a garrafa, I Peixe em lata muito n*ni preparado J
genero a 2,6oo a ib. garante- se a qualidade.. Cognac superior a 8oo e I ,ooo rs. a garrafa, j corvina, pescarla outros a I ,oo n. a
dem preto muito especial a 2,ooo rs. a li-1 e em caixa ter abatimento. lata.
Marmellada imperial dos melitores e mais Ervilhas portuguezas e francezas ja prrp^e-
afaiiadosconserveiros de Lisboa em latas radas a 64o e 72o rs. a tafea.
delibra, libra emeiae 2 libras a 6oo rs. Caf lavado de prneira Mfei I 32o n. a
Conservas inglezas em frascos grandes a
mercado a 76o rs. a libra.
dem londrino a 6oo rs., e sendo inteiro a
5oo rs. a libra, vende-sc por este preeo
pela porejio que temos em ser.
Biscoitos em latas de 2 libras das seguintes
marcas : Osborne, Craknel, Mixed, Victo-
ria, Pec-nic, Fance, Machine e outras mu-
tas a l,3oo e I 4oo rs.
Polvos chegados ltimamente do Porto a 32o
rs. a libra.
dem em latas grandes a .ooo rs. a lata.
Balachihba de Craknel en latas de 5 libras
bruto a 4,ooo rs.
dem inglezas em barricas a mais nova do
mercado a 2,5oo rs. a barrica e 24o rs. a
libra.
Cartoes com bolas francezas proprios para
mimos ou para anjos que vo as procis-
ses a 6oo rs. cada um.
Peras seccas as mais novas do mercado a 4oo
rs. a libra.
Figos de comadre em litas de 4 e 8 libras
lacradas hermticamente a i,4oo e 2,2oo
rs. a lata.
dem em cateadlas de 8 libras a l,8oo, e
24o rs. a libra.
Nozes muito novas a 140 rs. a libra, e 4,ooo
rs. a arroba.
Amendoas confeitadas a 9oo rs. a libra.
dem de casca mole a 32o rs.
Vinhos engarrafados no Porto e Lisboa das
seguintes marcas: duque, genuino, velho
secco especial, lagrimas doces, vinho es-
pecial D. Pedro V, nctar superior de
1833, duque do Porto de 1834, vinho do
Porto, velho superior, madeira secca. Por-
to superior Luiz I, e outras militas
marcas, em caixa de urna duzia a lo.ooo e
9oo rs. a garrafa.
dem branco de uva pura a 64o rs. a garra-
fa e 4,ooo a caada.
dem superior a 5oo rs, a garrafa e 3,2oors.
a caada.
dem em pipa Porto, Lisboa e Figueira das
marcas mais acreditadas a 3,8oo a caada
c 3oo rs, a garrafa.
dem de marcas pouco conheeidas a 4oo rs.
a garrafa e 3,ooo rs. a caaada.
Especial vinho Lavradio sem a mais pequea
composi;ao a 5G0 a garrafa e 4,ooo rs. a
caada.
Pomada a 200 rs. a duzia, sevada muito no-
va a 80 rs. a libra, e 2,5oo a arroba.
Garrafoes com 4 '/a garrafas de vinho supe-
rior a 2,5oo rs. com o garrafo.
dem com 4 l'i ditas de venagre a l,ooo rs.o
garraf3o.
Vinagre PRR em ancoretas de 9 caadas a
, l5,ooo rs. com aancoreta
dem em pipa puro sem o batismo a 2oo rs.
a garrafa e l,4oo rs. a caada.
Caixas com i duzia da garrafas de vinho Bor-
deaux fazenda muito especial a 6,8oo rs.
a caixa e 7oo rs. a garrafa.
Licores francezes e portuguezes das seguin-
tes marcas creme de violetas, gerofles, ro-
sa, absinto vespeiro, amor.perfeito, amen-
dua amarga, percicot. de Turin, Botefim,
morangos, lim5o, caf, laranja, cidra, gui-
ja, caoella, cravo, rlela pimenta a i ,oeo
2,ooo, 2,3oo, 3,ooo e 4,ooo rs. a caixa,
os mais baixos sao dos que por ah se ven
dem a 2,ooo e 2,5oo rs.
Caf de premeira qualidade a 8,5oo rs. a ar-
roba e 28o rs. a libra.
dem de segunda qualidade a 8,2oo rs. a ar-
roba e26o rs. a iibra.
bra, e mais baixe, porem muito soffrivel a
1,2oo a Ib., vende-se por estes precos em
razo de nestes ltimos navios ter-se rece-
bido grande porcSo rJeste genero, a difl-
renca de preeo de 6oo a 8oo rs. a libra
do que se vende em outra qualquer parte.
dem do Rio em lata de i at 6 Ib. a i,4oors.
a Ib., neste genero o melhor possivel.
Biscoutos inglezes em latas com diflerentes
qualidades como sejam craknel, vorcitia
pic-nic, soda, captain, sced, osborne e ou-
tras muitas marcas a 1,35o rs. a lata.
Bolachinha de soda em latas grandes a 2,ooo
rs. cada urna..
Figos em caixinhas hermticamente lacradas
e muito proprias para mimo a l,6oo e
2,6oo rs. cada urna.
dem em caixinhas de 8 Ib. a2# rs. cada urna
Passas novas a 8,ooo rs. a caixa e 48o a Ib.
Ameixas francezas em latas de libra e meia e
3 libras a l,2oo, 2,ow> e 8oo rs. a libra.
Caixinhas com ricas estampas a l,4oo rs.
cada urna, frascos de vidro com rolha do
mesmo, contendo libra e meia de ameixas.
Champagne da marca mais superior que tem
vindo ao nosso meitado a 18,ooo rs. gi-
go, e l,8oo rs. a garrafa; garante-se a su-
perior qualidade.
Vinho Bordeaux das melhores qualidades que
se pode desejar a 7,ooo e 7,5oo rs. a cai-
xa e 64o rs. a garrafa.
Caixas com Vinho do Porto superior de 9,ooo
e 1 o,ooo rs. a duzia, e 9oo e l.ooo rs. a
garrafa; neste genero ha grande porcTioede
diflerentes marcas muito acreditadas que
j se vendern) por 1 4,oqo e 15,ooo a cai-
xa como sejam: Duque do Porto, Lagrimas
do Douro, D. Luiz, Cames, Madeira sec-
ca, Nctar, Genuino e Malvasia fino e ou-
tros como Cherry e Madeira para 12,ooo e
13,ooo rs. a caixa.
Vinho de pipa: Porto, Lisboa, Figueira a 4oo,
48o e 36o rs. a garrafa, 3,ooo, 3,2oo e
3,5oo rs. a caada.
75o rs. cada um.
dem franceza de todas as qualidades de
legumes e fructas a 5oors.
MOstarda franceza em pote preparada a 4o rs
Palitos para dentes 12ors. o maco.
Irlem hxados muito finos a 14o rs.
Velas stearinas a 56o rs. a libra e em caixa
a 54o rs.
dem de carnauba pura e refinada a 360 rs.
a libra e I0,ooo a arroba,
dem de composico emmacadas a 32o rs.
o maco e 9,ooo rs. a arroba.
Massa de tomates em latas a oo rs. a libra.
Doce em calda das mais especiaes fructas da
Europa a 6oo rs. a lata.
Ostras rm latas muito bem preparadas a
l.ooo rs.
Massa para sopa estrellinha muito nova em
caixas de 8 libras a 3,ooee 5oors a libra,
dem talharim, macarro e aletria a 4oo rs.
dem macarro mais baixo a 24o rs. a libra.
Cevadinha muito nova de Franca a 2oo rs. a
libra.
Sag o melhor que possivel a 24o rs. alb.
Farinha de Maranhao a melhor que presen-
temente tem vindo ao nosso mercado a
14o rs. a libra.
Gomma do Aracaty muito alva a 8o rs. alb.
Licores muito finos de Bordeaux e tedas as
marcas que ha neste genero a 8oo, l.ooo
e l,2oo rs. a garrafa.
Genebra de laranja em frascos grandes a
I.2oo rs. cada um.
Tmaras do Egypto a 8oe rs. a libra e em
caixinhas de 5 libras a -3.5oo rs.
Papel al maco pautado o melhor que ha nes-
te genero a 4,5oo rs. a resma.
Sal refinado em lindos potes de vidro a 3oo
28o a taWaa
libra, e 9,ooo a arroba,
dem do Rio muito bom a
8,5oo rs a arroba.
Arroz do Maranhao a loo e 120 rs. a lt
dem de Java a loo rs. a libra.
Amendoas de casca mole a 4oo rs. a lira
Avelaas muito novas a 2oo rs. a libra.
Nozes muito novas a 2oo rs. a libra.
Chouricas e paios a 7oo rs. a libia.
Toucinho de Lisboa a 320 rs. a iibra ta a
8,5oo rs. a arroba.
Presuntos de Lamego de superinr iraaltda*lc
chegados neste ultimo vapor a 36o rs.a O
Alpista muito novo e limpo a 16o rs. a ^
bra e 4,6oo a arroba.
Painco novo a 18o alb. e 5,ooors. a arrefa
Sabo massa, amarcllo e ca.stmhw a lo r
' 24o rs. a libra,
dem mais baixo um pouco a 16o. I80>w
rs. a libra.
Castanhas pelladas a 24o rs. a libra.
Chocolate francez de primeira qiulklaaW a
I,2oo rs. a libra,
dem de Sant muito superior e medicinal a
l,3oo rs.
Copos lapidados proprios para agua a5.ooo
rs. a duzia, (pie em outra ipialtpter park
7 e 8,ooo rs.
Charutos dos melhores e mais .ifanudos fa-
bricantes de S. Flixc do Rio <\- JaneU'j,
de l,5oo a ?>,()O0 a caixa.
Cebollas novas a l.ooo rs. os molhos gra*
des e 8oo rs. o cento.
Doce de goiaba a 64o rs. o flflfc
Lentilhas, excellente legume para sado, a 24o rs. a libra.
Ervilhas seccas j descascadas a 2oo ra. a"
lihra.
Pimenta do reino muito nava a 3fio rs. a iibra
Cominhos e erva doce a 32o e ti>o rs. a >.
Arroz do Maranhao a loors. a libra, 3,ooo rs. \ dem branco o melhor neste genero vindo de
a arroba. I ^encommenda a 6oo rs. a garrafa, e 4,5oo
dem da India muito superior a 2,9oo rs. a rs. a caada,
arroba, e' loo rs. a libra.
dem mais baixo redondo a 2,6oo rs. a libra.
Idem.da India comprido a 2,4oo rs. a arro-
ba, e 8o rs. a libra.
Vellas de carnauba do Aracaty a 9,5oo rs. ar-
roba, e 3(io rs. a libra.
dem de sebo muito dura ftngindo esparmace-
te 36o rs. a libra.
rs. cada um.
Molhos inglezes em garrafinhas com rolha de Cravo da India a Koo rs. I Bm.
vidro a 64o rs. cada urna. jCanella muito nova a l.ooo rs. a libra.
Queijos tlamengos chegados no ultimo va- Alfazema a2oo rs. a libra a fi.ooo a arrota
I por e muito frescos.
Graixa a loo rs. a lata e l.Lo r<.a rho
LOJA DO BEIJA FLOR.
Rua do Queimailo numera 63.
Cravatinhas para senhora.
Vendem-se gravatinbas dedivcrsos gostos mais
dem de esparmacete a 54o rs. a libra, e em | modernos a 720 e 800 rs. : na rua do Queimado,
caixa a 52e rs. i loJa do beija-llor ji. 63.
Papel o melhor que se pode desejar para os Fiur8 fm *" dvstido8- ,. "
edem-se fttas para debrum de vestido de linho
^rs. empt egadoa pumicos a 0,000 rs. a res- com 12 varas a 400 rs j)ega na rua do Uuei.
ma, ja se vendeu por 7.ooo rs. limio, loja do beija-flor u. 63.
demalmagopautadoelisoa3.ooors. aresma. Pentes travessos.
dem de peso pautada e liso a 3,000 rs. a i Vendem-se pentes tr.-ivessos de caracol na
re.ma frente de borracha a oOO rs.: na rua do yuoima-
dem a zul de botica ou fugueteiroa 2;2oo rs. | do> lJa **^J jg dourada>
SOI'A FABRICA
E
LICORES PERFUMARAS
A' rua do Amorim, n. 12.
Por varejo c atacado.
N'este novo e?laheleeimtnto encontrarn sempre
os freguezes todas a- qualidades d>' bellidas espiri-
tuosas, fabricadas com todas as reoTM d'arte. e
por isso livres de ser noeivaa ; o que nao acontere
Kna da Seazalla 42.
Vende-se, em casa de 8. P. Jnhnston <* (,
sellins e silhes inglezes, ramliiin* l 11 'i-
faes bronzeados, lonas inglz;is, ri> llevla,
chicotes para carros e montarL, twriH para
carros de um e dous canllos, e reUifjm t
onro patente iniflez.
Marhina lulr/:>
com as que sao fabricadas sem meihodo e pelas para descarorar algodo ;is melh'
a resma,
dem embrulho de 1,2oo a 1, 4oo rs a resma. ,it;rcoV;d'e,;eraXurada'^llOO
Ameixas francezas em latas.de 1 */j libra a Queimado, loja do beija-flor n. 63.
I,2oo c8oors. a libra,
dem em frascos de 3 libras a 2,5oo rs., s o
fr
frascos
Conservas inglezas a 7oo rs. o frasco.
Molhos inglezes a 800 e l.ooo rs. o frasco.
na rua do
Auvelones.
Vendem-se anvelopes de diversas qualidades
^asco valle l,ooo rs. tambem temos em brancoa.*} rs-e d,eC0J6MTs>Pra ariasde
___ trt visita a.400rs., preto a 720rs. : na loja do beija-
ascos para l,4oo rs. ilor na rua do Queimadon. 63.
Vultas de aljfar.
Tendo recebido voltas de aljfar com cruzes de
Moslarda preparada em potes muito nova a pedra imitando a brilhante vende-se a 15 cada
20n rg urna : na rua do Queimado loja do beija-flor n. 63.
Latas com 2 a 4 libras de caj secco o mais:
bem arranjad possivel a 1,800 e 2,8oo
Camisas de ninas.
Vendem-se camisas de nleias mnito finas a
1520O e 15300 : na rua do Queimado, loja do bei-
ja-flor n. 63.
Enffitrs de lila.
Tendo recebido enfeites de fita pretas e de co-
res mais modernas que se esto usando a 1$ cada
receitas que os rtaarlalies anuumiam vender, pois,
como j temos tifio prrasiao de ver, vendem lico-
res coloridos com substancias venenosas, como se-
ja o licor de rosa colorido com vermeNdw (liioxi-
do de chumbi) e O le ameoduM colurido com ama-
relio francez fbi-chromfAe de chumbo) Encontra-
rao algumas perfumaras de superior quaUdade e
commodas em preeo. Tudo so vender por precos
lem vindo a este mercado
Nova n. 42, em casa de
4 0,
rua oa v- >
S. P. Jobtott*
Vende-se papel beira dourada a 1200 e 15300,' muito razoaveiv fratMndo os freguezes os meios
que a todos habilitan) a oaotpnrwn barato.
Apromptam-se eneommendas com breviilade 8
rigorojamente bem acondicionadas, tanlo para den-
tro da provincia, como para lora della.
Bkuidas BsnaiTyosAS.
Licores de todas as qualidades em garrafas pretas.
Dito, dito, em garrafas brancas.
Genebra igual a hollandeza.
Dita de laranja superior.
Agurdente d'aniz.
Dita de hortela pimenta.
Dita do reino superior.
Dita de flor de laranja, recommendavel por ser es-
tomachica.
Dita de canella.
Alcool d35-a38--r:arter.
Pehfumahia-.
Agua de Colonia comiiiuin.
um
Dita ambreada.
a ruado Queimado, loja do beija-flor"^ 63. Dita almiscarada.
Dita das Nymphas.
Banha em latinhas de quatro oncas proprias para
as familias econmicas
para tingir de preto os cabellos, e que nao
soja os lencos brancos.
Leite virginal em garr linhas, proprio para os Srs.
barbeiros e cabellereiros e uso domestico. Be-
neficia a cutis e lira as manchas da pelle.
Extractos variados ; banha em vasos dourados, e
extractos linos em frasquinhos ricos.
rs. a lata.
Serveja Bon. Tenente verdadeira a 6,800 rs.
a duzia.
dem de outras marcas prela e branca a o,5oo
e 0,000 rs. a duzia it.teiras. F(a ^ u ar, debruD,
Vassouras de piassava com 2 arcos de ferro Vende.se Bta de ,5a preu para debrum com te
vtndas do Porto a 32o rs. varas a 900 rs. a pe^a : na loja do beija-flor rua ."5"
Cebollas muito novas a 800 rs. O molho e 3oo do Queimado n. 63.
rs. o cento. Filas de linho para bordar vestido.
Chocolate portoguez hespanhol e francez de Vendem-se fitas de linho para bordar vestido
800 a 1 000 rs a libra ou roupinho de meninas com 40 varas a 640 e
Genebra di Holtonda em frasqueiras a 6,000 ES^SlSrii 'ja d M^T
e 5o rs. o frasco. ^^ de Badreperola.
dem em botijas a 4oo rs. Vendem-se botes de madreperola mais moder-
Idem em garrafoes de 14 garrafas a 5,2oo rs. nos que tem vindo para punhos de senhora a 320
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a groza e 2o rs. a rs- Par,: .s ne,m. vjnde_por este preeo na
p-j-g rua do Queimado, loja do beija-fler numero 63.
ia~. a' ,\nr.tnr. i:--,!,,,.__ a Fila de velludo para bordar vestido.
dem de dentes lixades em macos grandes Vende.se fila e ydZo preto com 10 varas a
com 2o rs. o macinnos a 12o rs. o masso. 900 rs. ape?a : s qoem tem por este preeo a
Cominhos mnto novos a 32o rs. a libra e loja do beija-flor da rua do Queimado n. 63.
lo,000 a arroba. Fita de velludo bordada.
Sag muito nove a 24o rs. a libra. Vende-se fita de velludo preto bordada de di-
rpvadinha de Franca a 18n rs 1 lihra versos ostos e raais modernos proprios para qua-
SI;,,,, !C i-K; ,5a* resmas s quem tem a loja do beija-flor rua do
Mdho alpista a lio rs. a libra e 4,5oo rs. a Queimado n. 63
arroba. Franja preta.
Gomma a 80 rs. a libra e 2,4oo a arroba. Vende-se franja preta de diversas larguras para
Peixcs em latas a 1,00o rs. a lata j prompto enteitar caPas ou manteletes os mais lindos gos-
Irte /iii ca h/mI.i ai\A/kntrnp fin lnl< nt\ Kii io.tiir
a comer-se.
Farello de Lisboa marca N. e Biato saceos
grandes a 4,ooo rs.
Pixe
Vende-se pixe da Snecia muito barato : no ar-
mazem da bola amarella no oito da secretaria da
polica.
O flasfello
los que se pode encontrar : na loja do beija-flor
rua do Queimado h. 63.
Faeaa e farfec.
Vendem-se focas e garios de balando de 1 bo-
llo a 55300 a duzia, ditas de 2 botos a 65400 :
na rua do Queimado, loja do beija-flor n. 63.
Visporis.
Vendem-se visporas mnito Anas a 800 rs. : na
rua do Queimado, loja do beija-flor n. 63.
das formigas e cupins : vende-se no armazem da Vendem-se dminos muito finos a 15200 e
bota amarella no oilao da secretaria de polica, a 15400: na loja d$ beija-flor da rua do Queimado
.500 rs. a caada. I n. 63.
-Vndese a dinheiro urna parte no
predio da rua da Aurora n. 8, contiguo ao
palacete do Sr. viscua-ie da Boa-Vista; a
tratar na toja da rua do Queimado n. 31.
Vender a taberna da rua Imperial n. 139
por qualquer precn, a dinheiro ou a praso, por o
deaterde retirarse.
Cal de Lisboa e potawsa da
tas*!*.
Vende-se na rua da Cadeia do Berife n. 2, pan
onde se muduu o antigo e acreditado Bfeat
mesma rua n. 12, ambos os pBBM
legitimes, e se vendem a preeo mai-
ara toualquer parte.
CflFr.ADO PEI.D VAPfiR.
S para o vigilante
Grande sortimento >ie livelas jtnias ^ wm ftt-
drinhas de muito lindo go>to assiin roim. Uta pa-
ra sintos pretas > ile cores para a- m---na* a*
las que se vende pelo barato preeo de lViOO t 25
sno vigilante na do Crespo n. 7.
Vendp-se a taberna do r:ie< i Ap-dlo m. ft
que faz .-offrivel negocio de liehidas. alem >\n a*-
gnm mais de come^tiviM-;..-i-n pira am fr>-
piante por ser de poucos funJ.s : ijuem ; r r
dirjase a mesma.
BOATO rGlDQS.
Desappareceu honlem noiP* da rn
do Rosario umescravo de n'.m-- lUvimin-l-, \i-
leucente a Manoel (Jomes de Mait-. 4-- W a 29
annos de idade, mualo d cor pslui.i. kaajai es-
corados, olhos ajiaiados, cabellos arrota !>- ca-
cliiados, (que conservava qua>i sempre a*a|
repartido), de bana estatura e rlv-m. p*m o*-
feito de rnrpo. ,-ahio vestido de me* ** a*j*
de quailrinhos pretos e brancos e i ..no-a m aa-
diioazul, nao levando enmsigo nenlimna
pa : quem o negar ou rteOe ti ver ini-rmaoies rt
actas, dirija-se me*ma roa n. 24, ^riwetni a-
dar, que sera bem recompensado.
Ausenlou-se ha 20 das, da ea-a t *m *-
nhor, a preta Thereza, rom >*> seginnies -n-.-ar
baixa, com falla de um denle na re*. |^ M
y>s, e lem marcas de eseropnolas m>*n*?a, ***
neia cidade, e diz ter hceu$a do suhor para bia
^uiiscripco para liberUr-se : que a pear leve a
ao'Dr. Sl|ado, na rua do Queimado O mr -
Dr. agradecer a qoem a pegar. i*(*r dos reeur*os Irgaes contra quew a urruibr.
\TTK\CAO
Arha-se fngido o escravo de m me Fapniw, a
idade 40 annos, pouco oais cu me*, cor lato, at-
ura regular, grosso do cit|x\ bem e-padamlo, tar-
hado, j eom algnns cabellos brswm ma km+%
bracos e irnas gTo*as e Imwumm* ra*Haaa, *>
do as pernas arqueadas, pore na '^a
ma andar em sambas, e a veie* wanHa-'*
tanle por gustar muito de beber : porranm r*r
se as autoridades nullriaes des e das pr*i*irM
linnlroiiheS*, qne o facam aporih""* e lea-k a
seu senhor o majir Antonio da Silva Gwmao, m
rua Imperial, assim como roga-e ana eamte* de
campo a apprehensao do dito esrrav, a atea
bem gratiticados.


/
Plnrl de PgrilMi# ... fcnlnia Ir Ira lt de Hlrt de 1 #.
LiTTERATRA.
Ajipeodice s Lices sobre a infallibilidade e e
poder temporal dos papas,
Pito Di: Aprgto Justiniano da Silva Guimaraes.
Conclusao.)
As porta* do inferno nao pre-
ealccerdo contra a eijreja.
\ Oriente as portas da cidade, onde iam sen.
tar-se os reto, oe patriarehas cosjuixes, sempre
designara*) o poder. Separado da S do Pedro, o
O.i'ote nao cornerina d'cssas grandes e amigas
re ordagoes senio a irona da sublime Porta. (Di-
>* v.oup. Sourer. pontif.)
8-
Darte as chaves do reino dos
I 'US.
taz-seaease pobre ignorante, baldo de toda a' nao comogou seuo no concilio de Florenca;
sciemia. mas creado no amor de Deus pelo? no- Flcary apona o dominicano Caetano romo "autor
uieu, no reino .los cus, e na divindade do Fillio desta doulrina, sob o pontifleado de Julio I.
de Dous, diz-se-lhc : Dou-te a cbave do reino confundir duas ideas differentes : crer e sus-
ilo cea. Isto cssas chaves immortaes, que pela tentar um dogma.
t lela raca, pela esperanea 'e pela caridade,
todos os estados da Europa se federalsaro para
garantirem-se mutuamente os seos direilos. Com
Ahrens afflrmamos que-a idea de urna tal confe-
deracio nao pode ser mais considerada como chi-
menea. Ainda mais, dizemos com o mesmo autor
quea idea de urna associacao de toda a huaia-
nidade (o que certamente est ainda milito re-
moto) nao pode ser mais considerada urna chime-
ra. (Oudot. Dev.) ,
(O fiet unum ovile el unus pastor inspira a mes-
ma esperanea a Cesar Cantu, como se pode ver na
segunda edicao franceza da sua Historia universal
pag. 32 da Mroducgfio.
1Q-
A doutrina da infallibilidade coeva
daegreja..4 aspirarao da nnidade an
dou sempre annexa a doulrina da in-
fallibilidade.
Gomo comprehender-se-hia o estabelecimento do
Filho de Deus sem urna prerogativa divina?
iz Iiossuel, que a doutrina da infallibilidade
e
pelo exercicio da soberana espiritual e pela virtu.
de da obediencia christaa, abrirao e fecharo as
parlas do cu; isto o poder moral, a autondade
religiosa, a drecgao e o sustentculo das concien-
cias, finalmente o que s, n'este mundo, constituo
a grande seguranga das almas. Eis o que dado
aouuis humilde, ao mais pequeo
Quanto a mim (falla o Sr. bispo de Orleans), di-lo-
Quando Bossuet nos diz que a doutrina da infal-
libilidade comecou no seculo XV, parece aproxi-
mar-so desses horaens, que tantas vezes e tao for-
tenicnte combaleu. Nao diziam os protestantes que
a doutrina da iransubstannacao nao era mais an-
tiga que o seu nome ? Os arianos nao argumenta-
' vam do mesmo modo? Bossuet enganou-se. Nao se
' t deve Jomar urna palavra por urna cousa, e o prin-
I cipio de um erro pelo principio de um dogma.
lu com toda a simplicidade e confiadamente a todo ^
cise da dignidade humana, quanlo a mim prefiro A verdade precisamente o contrario do que in-
ver esse poder as maos de Pedro-harqueiro, de d'ca Fleury ; porquanto na poca por elle desig-
um pobre homem simples c desarmado como en,! nada foi que se comecou, nao a crer, mas a dispu-
o de seus pohres cooperadores, a v-lo as maos ,ar sobre a infallibilidade. s contestacoes susci-
dos senhores do mundo e dominadores da ierra, ,adas sobre a supremaca do papa obrigaram a
as maos de um autocrala qualquer que seja de examinar a queslo de'mais perto, e os defensores
um juliano apostata, de urna Isabel de Inglaterra. da verdade chamaram a essa supremaca-infalli-
A dignidade de mnha consciencia, a liberdade de Dll,tlade. Para distingui-l de qualquer outra sobe-
minha alma, a honra de minha vida, a segurdade rania- Mas> na egreja nada ba de novo : n5o crer
de minhas fracas virtudes, estao mais vontade sen5 1ue sempre eren.
na egreja de Jess Chrislo; n'ella acho (como E se Bossuet quera vencer, devia mostrar a
diz Guizot) aquillo do que sobretudo tem necessi- poca da egreja.emque as Jecisoes dogmticas da
dado a m.uha alma n'este mundo : urna auloridade santa s tenham deixado de ser leis; devia aniqui-
penmle a qnal o meu espirito se inclina, sem que a \ a pr0va em contrario, feila com rigorosa logi-
za alma se oville. ca e mmensa erudQa0 devia jndicar 0 ,ribuna,
Gonfosso, que isto cdnvm melbor minha alti-' Que examinara taes decisoes e as reformara.
Tez c- a minha fraqueza; e goslosamenle repito' Se porm nao o faz, se nos concede, e al de-
co.no mestre: Meu Pac, rendo-vos gracas por Aa- monstra que sempre os decretos dogmticos dos
verdes esiolhvio para estas cousas, nao os hrandes pontifices foram leis da egreja, deixemolo a dizer
eos poderosos da trra, mas os pegenos e os hu- que a doutrina da infallibilidade nova. O que faz
isto para o caso ?
(Vid. De Maistre. Do papa.)
U.
mUdeSr (Dupanloup Ob. cit.)
A sociedade religiosa e a sociedade ci-
vil sao duas raos. A egreja de Jess
Christo e devia ser urna sociedade vi-
sicel. Os concilios geraes auferem do pon-
Eis como Lacordairc (Confr.) refuta os elogios* ''A1* a sua forca.
de Chateaubriand vida selvagem, e sustenta as E seno nos catholicos deveriamos reclamar urna
dieses apuntadas na rubrica deste paragrapho: regra quanto ao numero dos bispos que deveriam
Esse movimento de nossa alma para ra da so-, "** a ciedade ser urna aspirago ao estado primitivo a Se porm tal nao fossemos, se acceitamos como
quo Deus nos destinara, ou urna revolta' contra a ecumnicos os concilios, que a s de Rama prerla-
orJcm a uosso favor stabelecida por sua Providcn- na taes, como nos conciliaremos negando a infal-
cii? urna revelta, um arrojo do egosmo, impa- libilidade do pontifico ?
ciouti- dos lnnius que nos impoo a cominunhao No anno 381 estavam 180 bispos em Conslanti-
uuiversal com os nossos semolliantos, o esforcando- nopla ; em 1139 eslavam 1000 em Roma ; c 95 s-
sc por entregar o universo nossa indivdualidade ment na mesina cidade em l'12, contados os car-
iso'ada. Ao passo (jue no plauo da bondade divina deaes. Nada obstante, estes concilios sao egual-
a felicidade o patrimonio de todos, o egosmo mente ecumnicos.
procura sahir da humanidade para retirar-sc da
liariilha dos bens e dos males, e livrar-se dos de-
vores que inevitavelmente resultam de um grande
lodo de relaees. Aborrecem na sociedade a depen-
dencia e o trahaltio. Primeiro a dependencia : por
qu a sociedade nao existe scoo pela unidado ;
a uuidade se forma pelos lagos; os lagos, quando
se trata de seres intelligentcs, convertem-se em leis
obrigatorias para a consciencia e mantidas pela
d jpla auloriilade da forca o da razo. esto um
\uo abracado pela virtude que nao separa a sua
suile da dos ouiros, mas pesado para o egosmo
que s vive para si; razao porque, sendo a solidao
destruidora de todas as leis, pois-que o de todas
112.
O papa infallivel quando decide li-
tremente,
O summo pooiifico fallando livremente egreja,
c, como diz a escola, 'excathedra, jamis se enga-
nou ou se engaara sobre a f. Pelo vocabulo li-
vremente entendemos que nein os tormentos, nem
as perseguicoes, nem finalmente violencia alguma
tenka podido privar o papa da liberdade de espiri-
to que deve presidir as suas decisoes.
13.
Liberioe Honorio.
Bossuet havia argumentado com o fado de Li-
as relacoes, o egosmo aspira a solidao para esca- berio (em seu Defensio etc.) Mas na 2* cd. do seu
par depeudencia. O egosmo nao aborrece menos livro (1745) eliminou lodo o captulo em quede
o trabadlo, consequenoia do estado de civilisacao. tal tralava. Em a nova historia de Bossuet se l,
Alguus hoinens feridos n'um territorio immenso que um diadisse elle ao abbade Ledieu : c Elimi-
vivem com pouco custo : a natureza por si torne- nei do meu tratado daautoridade ecclesiaslica ludo
ecos para ludas as necessidades ; e o isolamento o que dizia respeito ao papa Libcrio, por que nao
diiuiuuiudo nell? o altraciivo que se produz a vi- provava bem oque eu quera estabelecer naquelle
da, seu uuuiero augmenta mullo lentamente, de lugar. >
sorle que a sua ociosidde nao soffre iuquielages. Liberi, dizS. Athanasio, vencido por umsoffri-
l*clo cuuirario, o homem social tem urna pateruida- ment de dous annos, e pela ameaca do supplicio,
de fecuuda como o seu coracao ; v, sob a bencao ; subscreveu finalmente a condemnarao que se Ihe
de Deus a familia converler-se em tribu, a tribu
oui cidade, a cidade em nag.au; as tendas abrigam-
se por traz das muradlas ; os territorios delermi-
iiam-se por marcos; a natureza falla perante as
ondas da humanidade. "E mister que a arle suppra
a falta de espaco e de rigor; mister que um tra-
to .Iho assiduo secunde as invengoes da arte. Offi-
clos inuumeraveis solliciiam os bragos do homem,
e os bracos do homem por sua vez solicitam os of-
fi.ios. Nossas veias s se enchem de fructo dos
nossos suores. Cada gotta do nosso sangue com-
prada trra pelo prego de urna virtude...
pedia; mas, foi a violencia que tudo fez ; e a ver-
sao de Lboriu pela heresia nao mais duvidosa do
que a sua opinio em favor de Athanasio, o que
tudo haveria claramente manifestado, se eslivesse
livre, A violencia, conclue S. Athanasio, prova
mui bem a vontade do que faz tremer; mas, por
forma algurna a do oue treme.
ganar-se nem engaar os outros, ensinando; de
nao poder, nem alterar a doutrina de Jess Christo,
nem enganar-so sobre o verdadeiro sentido do que
o Divino Salvador ensinou, ordenou ou prohibiu.
S Deus infallivel por natureza ; mas, por urna
graca particular amparou do erro aquelles a quem
encarrogou de ensioar aos homens em seu nome,
de sorte que o seu ensino jamis se desvie da ver-
dade...
A graga effica um soccorro ou urna graga ac-
Deus, eis a victima que tira o peccado do mundo.' v-o como mafor elraais antguloaue elle, aliui
Um delles era Andr, que foi dizer a Simao seu de que flcasse pra semprn ectabelecido que, por
irmo : Achamos o Messiat e levou Sima a-Je* mais vaUl 0U,sam,!UB se seJa- mister wns-
sus, que oihando-o filamente, intuitus um, disse- Zt', mVtnmnlPdn nrill8'," mb? T *""?' fectua-se em orna s caldera V le p^ *
Ihe, sois Simao, filho de Mo; d'or m diante ^l^'^-8 mai8- $* <"> <
chamar-vos-keis Pedro.
O apparclho de evapora^o 4e rlirbww M
-hn, funda-se nos mesmos prinr|'
cima oVscripto. O Irakalho de crtamal cf-
i dQ mundo, pois que ah nasceu o nome de rhrislao, notavel que
-per Antochia, da qual S. Paulo, que entretanjo simplicidad
famosos
r s: "z^r'f:Jesus s bordas do mar da if^&stffiA ss ^&
balitea, encontrou Andre e Simao que pescavam. por caracteres tao salnmles, era'preei que Pedro
Segui-me; farei de vos lescadores de homens. chegasse a una cidade anda mais illuslr-, a cssa
Tal i nrimpir ,..- Moma, capital da.jdulatr caminho do imperio:
tual, que Deus nos d, para pra.icarmos o bem, o raei0S 51 mlrT''\ \ ^^ "^ rT' 9"" Td ^T^ "T'T ^ *
, .-,, men,0b "a reieneracao universa religiao e da eereja: dev> por la! motivo tornar-se
que no-lo faz praticar certa e infalhvelmente. \ i a pf0prla egFeja de S. PVdra Kis onde Pedro de-
A egreja ousina, que ha urna graga efflcaz, urna seguiram-no. brande foi a sua cora vo chegar, pasaando por Antiochia e Jernsalm.
graga que sempre acompanhada do seu effeilo, c I SCra' gonerosa a sua M. '. Nada tenho a aceres?entar (diz o Sr. bispo d'Or-
que o obtem infallivelmente, sem todava coarctar
a liberdade. Este ponto de f firma-se na Escrip
tura : Dar-vos-hei um coracao novo, collocar
espirito no meto de vos ; e farei com que andis ...
via dos meus mandamentos, e guardis os mcus jai- \ vos ',ue dizeis ? Sima0 pcdro, tomando a
zos. (Esech. XXXVI,.26 27.) Ao Senlwr pertence' ? _* *!*** ""? S'8 ChrSl' F'"10 (1 DeuS
o coracao do re, como os menores ribeiros : falo-' V"0' """' ^Ao de JnSo P''1"e niio
hei pender para onde quizer (Prov. XXI, 1). 0 f' "l" """ $angue 1He '"' te rcvelou.em
bem nao i, nem do que quer, nem do que corre;l p",' q"f "U nos M,s- E "' ** ^ mas, de Deus que misericordioso. (Rom. IX 1G.) i e, pedra *'fACr a minha egreja,
E Deus quem opera em vos o querer e a execueo, \ '"T,' l?ftrm> '^ **- contra ella,
segundo a sua vontade (Philip. II, 13.) Que'o Deus "TZ ''""" *" "*" ; e tudo ('w
de paz vos torne dispostos para toda obra boa, afm j K^ 7" ^ 'f** "" "'d
de que f,,aes sua vontade, fazendo elle mesmo Z ^tTS^-VU^iS.ltt^ ,s .
vos o que Ihe e agradavel por Jesus Christo. (Hebr.' que signiticavam, esse olhar mystorioso la'ncado
XII, 2i.) sobre Pedro, quando pela primeiravezo viu e'e .. '' "orne symbohco substituido ao seu nome vulcar
Os hvros santos estao cheios de testos semelban. E ei-lo fundamento de um edificio divino esse bo-
tes, que enunciam nos termos os mais claros e pro- mera tao fraco, tao peccador...
cisos, que Deus transforma os coragSes dos homens,! ias> na?, s alegre demasiado o filho do bar-
arrastra-os, iransporta-os, opera no seu intimo, in- Swda^. ^ ^at-ha' Ktcat^
flue-lbes a vontade da acgo, repelle-os. Ora, to- mer e soffrer. 5'g
dos estes modos de fallar nao podem enender-sp,: Puco mais oa menos oto dras depois Jess io-
seno com relacao graca efBcaz, (al come liea de- aKa p,;dro> Thiago e Joao, e relirou-se para urna
flnida montanha alnn de orar. Durante a oragao sua fa-
ce lornou-se luzenie como o sol, e seus vestidos
merera uma deserip^ao r>pmiM. A
mplicidade e perfeir.in ae na a
mocidade do seu preco o tornan) rrrussi ni
vel.
' O prego de tima instaJlar-tn completa V iHras
sterlinas' 4.180.
Caldeira de eraporaro nbriii 4f Afimti em
/WOf.
Bala caldeira atravessada por am loto *Je >r-
ro balido |>or onde rlrnila o Tapor : r it-rrfa m
parte siqierior : e ni parle inftTior esrsl* mm a4-
vnli de deantifa, qtw s>: mu vmne par saci
Mi
tataes, i
sMMi
A tradigo nao menos formal sobre este ponto braDCOS Cmo a tK,ve- bisse Pedre:-Megtre, es-
f ceno, diz Santo Ago*,nho. que, quando quere- ^^p^:^a^^^ ""
mos, somos nos quem quer ; roas, Deus quei faz ^> Pedro, diz o grande bspo d'Hippona, que-
que queiramos o bem. Qoando obramos, certo "es descangar? Niio r desee da montanha,' c vac
que somos nos quem obra mas, Deus quem faz fcaM^Id oca" V S?.'' 12!teu co^?5
__ ja- i canosioe, prega a verdade. e cneearae as que obremos, dando a nossa vontade forgas efBca- eternidade, onde achara a seguranga ,
cissimas. (Guuxois, Cathec.) E a historia da egreja no-lo diz :'os suecessores
de Pedro nunca descancaram na montanha....
16.
Um di Pedro marcho sobre as aguas a chama-
Tu es Pedro, e sobre esta d<) d Salvador; o vento- soprava com forea, c Pe-
pedra edificar a minha egre- \ dl"c' ,0lmando1se de medo, coraegou a afunlar-se.
in e atLrta,dn{*r.,n\>xJ~~Smhor> "a,vae-"ie I exclamou elle. Diz Jess,
ja, e as portaste tnfei no nao estendendiHhe a mo :-llomm de poua, por-
prevalecerao contra ella. 1 que duvidaste f
Sente-se neste singular joge de paiavras, nao sei' l^^TSLtftSi SK
que seguranga familiar e omnipotente, nao sei que Jess Christo- dorma; os discpulos sobresaltados
complacencia divina de linguagem. Meditando so- acordam-n'o : Salvae-nos, que morremos t Jess
bre alte, e principalmente consideran* toda a serio SSr^cSfma"0 mar ** VenlS' Sbceve,n
dos lempos e das cousas, vera lerobranga invo- sobe Jesus a barca de Pedro; e diz-lhe :-TOw
luntanamente as seguintes palavras de Fenelon : o largo, duc m altum e laura as tuas reile>.
As palavras dos homens sinceros dizem o que Mestre, trabalhamos toda a nute sera cousa aigu-
mas, as palavras omnipotentes do Filho de Deus fa- "*C,n^guirmoi; m,as' m da vossa Palavra
zem o atie dizsin l r a-rede- ,b M Pucha-. a ma|bs qne-
zem o que aizora. brmwie, tao prodigiosa era a-quantidade de pei-
E assim foi. Ha dezoito seculos a frgil creatu- *e3; p^rP> "Pefaoto, cabe aos ps de seu raes-
ra, o canigo, o homem ignrame e obseuro tornou-1 J ^ jg ^fe^iES
se Pedra : ah descansa a forte egreja de Josus! umjia sers peseador de homem.
Christo, e as portas do inferno ainda nao prevale-' Kassim instrua Jess Christo o apostolado e o
ram contra alia. iseu 0,lefe eom a ima8em dos pertgos, das tempes-
j tades, dos destinos- futuros da egwja, e do soccopro
Quanto a mim (falla o Sr. brspo de Orleans) con- divino que nunca deveria faltar-She...
fessa-hi-hei : esse homem, que Deus tao extraor-
Mae, na Paixao e na morte de-Hestre devia Pe-
, dro roceber o maie- memoravel dos ensinos. Qoe-
dinanamente coneebeu no seu pensameoto e fez renda Jess lavar-lho os ps:9-que, SenhorT
com o seu poder, esso homem, centro e fundara en-1 O que faco, Prdrorno o comprthendes hoje ; com-
i do maior conselho divino realSsado no tempo, e V^ende-lo-has um da, e sabers- que na qualidade
conservado por urna providencia^ irarautave. atra-1 S^SX os &ST *
vez dos seculos, esse hornera nao so o objeclo da | E logo depois :Simao, Simaot Sutanaz vos pe-
minha f e o attracliyo do meu coragao, roas tam- <*" f0'" jeirar-tos a todos como trigo ; mas',, en
bem a admiragao inoxhatwlvel do meu espirito.; PediJ2T '' ?SS qM l tm f ml AeJnllei:a '> e
.__. ___ *- ____- quando convertido- oonfirma os tem irmuos.
Jamis esquecere. a impressao, que m tomou, i E assil lristeBa e^ ^etMMade das ligues era
quando o contemple! pela primeira vez em Roma,' sempre acompanhada da magnificencia das pro-
em 1831, sob as abobadas resplandecentes de San- messas-
i, Huii u.n. a ra;m nrnnr;n j;.. Antes de partir para o jardim :E' preciso que
ta Mana Ma.or. A mim propno disse m v agora^ ^ apodis ir.-K para ende
Ei-lo, o papa o successor de Pedro, o chefe'ldes "f Pe"untou i'odo. Nao pealis agora seguir-
a. --. -^- --. me> aaoi seguir-me-lias- um dia.E porque nao pos-
da chr.standade cathol.ca, a bocea da egreja -os so seguir-vos agora? Dara a minha vida por vos!
Em verdade. em verdade te digo : esta noutey an-
tes que o gallo cante, ter-me-hat renegado- tres
ecclesiossempre viva e aborta para dar liges ao
universo ; o centro da f c da unidade ehrista, o
foco da luz e da verdade, acceso para arlumiar o
mundo lux mundi; o homem enfermo, o fraco ve-
Iho, base immutavel de um edificio divino, contra
o qual os poderes das trevas' serao eternamente
impotentes ; a pedra angular, sobre a qual ergue-
se neste mundo a cidade de Deus. Ei-la a cabega
mortal sobre que descangam tantas recordagoes
gloriosas do passado, as esperangas do presente, os
via triui ,, scondendo ^3rt h i f'*1^** de,,M,:ul>* ;' ***& +> *>
tes do judeti uma cruz de pan, qnem K dUo d" C*??a-Var,am- c"", a,"'M li'^"i"'-
ser esse o successor futuro (ios senhores de mundo
e que o Deus desconlieeido por elle armunciado.
um crucificado ira dentro em pouco ao capitolio
desthfoja os Cesares, e lodos os deuses f Rra en-
tretuntff o que i acontecer. Jt>pter Capitoltao ca-
hin, os Cesares nao eslo mais ;li. Ruma vio aca-
bar esse imperio eterno, i|ue os seos poetas Ihe pro-
inettiam; e se uermauuceu uma grande cousa so-
bre a ierra, deve gragas a esse barqoeiro, que veiu
com seu bordao de peregrino bater a sua porta,
liazendolhe por prego da hospitalidade com a cruz
do Calvario, um imperio novo, o imperio universal
e immortal das almas.
E sabe-se o que foi essa hospitalidade, o o aco-
Ihimento que dou Roma soberana apostlica.
ero julgou abat1 la d'um s golpe, aullando Pe-
dro com a caboga para baixo em uma cruz, ao mes-
mo tempo que fazia cahr cabega de Pauto a fio
de ladio.
Mas, como quer que fosse a crueldade imperial
cmirorreu para cumprimeirio dojesigno divino.
Klevando Pedro na cruz. Mere tura para sernpro
em Itoina a soberana, de que linha modo. Roma,
sede providencial do pescador da Galilea, tesiemu-
nba de seu martyno, o depositara de seu veneran-
do p, adquira direitu de conservar a sua cadeS-
ra : essa eadeira de Pedro, ainda, e permanees
depois de tantos seculos, sob- a guarda do Deus, no
tugar para onde Pedro a ha*ia- levado e lixado por
sua morte. onde deixou os ses sagrados ossos, de-
pois de havor dado a seu mestre o grande testemu-
nhe do amor.
E' assin (para concluir tudo com a grande pa-
lavra de Bossuet), que foi estabelecida e Hxada em
Roma a cadeira eterna, o supremo principado, a
egrejn mae que tem a direccao de tildas segrejas,
o chefe do episcopado d'onde parte o raio dogover-
no, a ladeira nica na qual todos guardara a unida-
de ; e ali, que Pedro permaneca para sempre em
seus snecossores, como o chefe dos bispos cathuli-
cos e o. fundamento dos fiis.
Suppenbamos, diz um douto arcebispo, que Li-
beri houvesse formalmente (o que esta longo de
provado) subscripto o arianismo, pergunta-se : Fal-
ln elle naquella occasio como papa, ex-cathedra ?
Que concilios reuniu previamente para examinar
Se queris fundar duradouras instituigoes, es- a questao? Que congregages instituiu para defi-
ciovei cima da palavra liberdade a palavra obe-, nir o dogma ? Que preces publicas e solemnes
diencia, cima da palavra egualdade a palavra hie-1 mandou fazerpara invocar a assislencia do Espirito
rarehia, cima da palavra fraternidade a palavra Santo ? Se niio preencheu estes preliminares, nao
veuerago, cima do symbolo augusto dos direilos ensinou como mestre e doutor de todos os deis ; e
o symbolo divino dos deveres. O direito a face .neste caso, fique Bossuet entendido (diz De Maistre)
eg jistiea da justiga; o dever a sua face generosa nao reconhecemos o pontfice romane como infalli-
e devotada... vel.
A sociedade humana e a sociedade religiosa sao Quanto a Honorio, o que significa a condemna-
duas Iradas nascidas no mesmo dia da palavra di- gao de um homem, e de um summopontifice, 42
vma : uma odiando para o tempo, a outra para a annos depois de sua morte? Um patriarcha de
eternidade; distiuctas por seu dominio o por seu Constantinopla lembrou-se de examinar, se havia
flm, mas indissoluvelmente unidas no coragao do duas vonlades em Jesus Christo. Consulten Ho-
nomem, ahi susientando-se reciprocamente, cahin-
do juutas, levaotando-se juntas, affrootando juntas,
por sua commum immortalidade, o odio que a am-
bas persegue...
As pocas ant-religiosas produzem infallivel-
mente theorias anti-sociaes...
5 9-
Que sejam lodos um, como tu, pae, o
s em mim.
norio com palavras ambiguas. Este, sem perceber
o lago, e pensando que se tratava de duas vontades
humanas, isto da dupla lei que afflige a nossa
natureza, respondeu pela negativa. Demais^te-
vezes.
Christo, diz S. Joo Chrysostomo, saba bem
quem havia cscolnido, e sobre que fragidade
apeiava a sua enreja. Osdesfallecimentos, as que-
das, as contradiges moraes, ludo havia elte pre-
visto E alias isto ineviiavel aeslo mundoi. So os
espirites apoucados o irreflectidus de tal se admi-
rara. Mas, o fundo dos designios do Deiis neste
mundo, em tudo e particularmente na fundagao
da sua egreja, que estejam presentes a traqueza
e a liberdade humana : nisto est a gloria de sua
proprios designios do eterno futuro Principe dos ; 0Dra Pedro home|n fraco ,,,,,. um bar.
sacerdotes, padres dos padres, herdeiro dos aposto queiro; e seus successores, fiJhos de pastor ou de
los maior do que Abrahao pelo patriarchado. como barqueiro corno elle, deverSo pagar tributo hu-
,. n i -._ a_____m.i.i.-4. i mantdaoe. Jess Christo sabeo: mas, que Ihe im-
dizia S. Bernardo ; ma.or do que Melchisedec. pelo porta |S|? 0s home|)s ^ nwne'ns> mas' 0 Senhuri
sacerdocio ; maior do que Samuel pela jurisdiegao; Deus. E os espirito* sinceros, vendo isto, vendo
em uma palavra, Pedro pelo poder, Christo pela a extrema fraqueza dos que ronduzem a egreja,
unegao, pastor dos pastores, guia dos guias, ponto fi^^ti^^
cardeal de todas as egrejas, chave da abobada ca- esl5o> i^,,, Dt,us lanihem al esla. e a obra \V1.
tholica, cidadella intomavel da communhao dos li- na, pois que permanece.
Ihos de Deus 1 Demais, a salvagao do mundo nao deve cumprr-
! so na paz das alegras e prosperidades mundanas
E tal maravilha existe, ha 1800 annos, sobre esta i mas as lagrimas, as penas.no sangue. Eiso-
trra, em que tudo passa t Existe, nao no meio das 1"c Pedro deve sobretudo compreliender por meto
trevas e mbecilidade de nacoes entorpecidas pelo ide 'fr,ve's ''ve sendo a mais terrivel a de sua
. queda. U propno Lhristo em Gethseman cabe
soinno de uma eterna infancia, e sim no meio de Com a face no chao, e on a vista do amaro calx I
todas as mais vivas Iuzes desta grande civilsacao Simao, nao podeste vetar uma hora comig? E
moderna, que tudo esclarece; existe bem no cen- dff's t2S3? re"W'>v ,E Jess volt.va a fa-
,,''...., ce em direegao a esso discpulo fraco I E por for-
tro desta aclmdade dos povos europeus. que tudo ra desso olhar Pedro flevit amar, c suas lagrimas
gasta; existe, e resiste a tudo : maldade dos ho. j se Ihe estancaram com a vida I
mens, fatalidade dos acontecimentos, inconsis- Mas. apezar de tudo Pedro permanecen o pastor
. ,_ ,i supremo.E' um tal pastor, diz S. Bernardo, que
lencia das cousas, e sobretudo a fraqueza natural: convnha ao gonoro|humano,porque este um gran-
daquelles, em que se personifica. Respoodam : i de peccador etinha necessidade de uma grande pie-
Fez Dous alguma cousa mais extraordinaria e
maior ? Nao ha ahi manifetamenle uma obra di-
vina, o jogo mais extraordinario de uma potencia
infinita, ludens in orbe terror um, como dizem as di-
vinas Escripturas ?
Ora, Dous fez esta obra para um fim mmortal;
ella deve permanecer at o fim dos tempos; e sua
duragao passada, j tao assombrosa, serve para nos I
dade.
E a piedade, que deverei aos outros, Pedro o
primeiro a encontrar. Simao, filho de Joao, amas-
me mais do que estes ? pergunta Jesus thrisio, de-
pois da resurregao.Sm, Senhor, eu vos amo
Apascenta os meus cordeiros. Stmao, filho de Joao,
amas-tneJ Sim, Senhor, eu vos amo.Apascenta
os meus cordeirosSimao, filho de Joao, amas-mef
A esta tercera nlerrogagao Pedro lieou triste.
Mas,'assim era preciso: era uma delicadeza da di-
i vina bondade; era preciso que o amor confessasse
catholicos de garandada verdade dos orculos, que lres meSj 0 que ,res wu*0 medl) havia rom>ga.
a deelaram immortal.
(Lourez. pontif.)
ultimo.
Textos relativos a Pedro
do. Feito isto : Apascenta os meas cordeiros e as
minhas ovelhas. E assim receben. Pedro uma nova
investidura em presenga de todos os irmaos.
E todos reunidos ouviram ento a ultima pala-
resumo de algumas paginas d vra do Salvador.Todo o poder me foi dado no cu,
Sr bisvo de Orleans I' ,ta terr(l> como meu Pae me mand'i]}< eH vos man'
mendo novas questes, e nao desbando que se fal- viada mais desprezada de um paiz j tao despre- JJ^ %rSSLT(fW
lasse em duas vontades, escreveu de conformidade zado, na balilea (t), um menina brincava mar- confisso da f, o primeiro na confi>so do
I do, Ide, ensinae a todas as nacoes. Screi comrosco
Quando Augusto reinava sobre o mundo nteiro, por todos os dios at a consummaco dos seculos.
em um canto obscuro do globo, na Juda na pro- Desae en,a. diz Bossuet, tudo est acabado, Pe-
dro o primeiro, e romo tal sempre numoado
imeiro na
i amor, o
a Sergio. Quando muito commettera um erro ad- gera de um lago na barca de seu pae. Chamava-se primeiro na eleicao do successor do Judas, o pri-
mmistrativo. Simo, e era filho de Joao pescador. Eois era essa meiro na solemne promulgacao da le evanglica,
Tudo isto foi tortugo adespeito dos protestos' filho de um barqueiro do lago de Genesareth, que ^5l5JTO^T^0-^fe"
de Honorio ; e s depois da morte deste Sergio pu- dev,a um d,a succeder, a seu modo, a Augusto no ll0 concilio de Jcrusalera : tudo
A hora da nnidade, preparada e annunciada pelo | b|cou aquella carta, o que bem demonstra a m imperio de Roma e do mundo. ve para estabelecer o seu primad
Christo, parece approximar-se : as montanhas ^ do patriarcha de Constantinopla. (Vid. De Mais- No io" atino de Tiberio, successor de Augusto, ^Fmairaente.estranhatransfonnag'aoopeiou-seem
abaixam-se. os mares encurtan) se, a humanidade TBE p0 papa.)
14.
Voltaire confessando a pre
rogativa divina da cadeira de .
pedro a pena de morte. I ser elle proprio conduzido "por um pensaraenlo 'ara clanflragao. Assim se con>egue expub
r- -^ imMP a In* E para admirar, diz elle (hnsaw ae tm. gei.i. Eslava a chegar 0 ChrUt0. achava.S9 mesmo na bre a |erra resjdir es3a autoridadc prinripai, de contacto com o assuear crysialisado durante a re-
1 c. 35), que sob tantos papas escandalosos e tao!
pouco poderosos nada perdesse a egreja romana,
i:\|Mf4<*o Intrmacronal de*-
dres cin tnwi. f)
Producios agrcolas o industriaes-; cultura da
canna e-fabrico do atracar, pelo-bacharel An-
tonio Paulo de Mello Barrete, 2' tonente do sor-
po de engenbeiros.
(Oont)nuamo.)
Os apparelhos de evajioraeao no vacnoem bakia
temperatura e clfeilo triplo sao bascados sobre o
emprego do calrico latente do va^or, que depois
de ter desenvolvido sua fon;a motriz as diversas
machinas, se transmittesuccessivamenlo aos lqui-
dos collocados nos diversos vasos, nos-quaes se en-
trelem umvacuo em pregressao creioenle produ-
findo por eonsi^guinto a evaporacao cm>temperatu-
ras successivamentc mais baixas.
Segundo as applicacees- que so tero feito desto*
apparelhos om diversas tabricas do assuear, tem-se
chegado ao resultado dehaver uma economa no
comhustiv-il do cerca do 50 por cento.
Alera dessa ecr.nomia, queja constitue uma van-
tagem para-as localidades era que so emprega so-
mcnle o b.4,'ago por falla do outro combustivrl, ac-
cresce a de ser preciso empregar toda a cautela
para que durante a concontragau o cozimenlo ao ar
livre, a temperatura naoexceda a -10O"; o que de
influencia desfavoravel s dissoluges saccharinas;
no emtanlsque com os apparelhos de-evaporacao
no vacuo a-temperatura nao excedo a 100 graus, o
que favorece mesmo a Iransformago do assuear,
incrystalisavcl que possa ha ver em melago, o que
constitue um melhoramentn no proceseo.
Descripcao dos apparelhos de evaporacao
no micho.
Os apparelhos de evaporacao no vacuo coinne-
se de tres-caldeiras vertieaes, dous vasos do segu-
ranga, um condensador, um tubo para fazer subir
o caldo, uma bomba de ar, e um recipiente de va-
por. Cada caldeira alravessada era uma parle
de sua altara por tubos-entre os quaes circula o
vapor.
As dimensoes dessas-caldeiras podem variar se-
gundo aquanlidade de liquido que tem de ser eva-
porado. A disposicaedos tubos na&caldeiras tal
que fa-vorece a evaporacao do caldo pelo vapor que
j fez- funccionar a machina.
O processo seguido no Irabalho o seguinte:
Obtido o caldo da canna polos cylindros lamina-
dores, depois de ter passado petos defecadores e
travessado o carvio animal, elle recebido na
caldeira de evaporacao central, para ser evapostdo
at- chegar a uma. donsiilade de 15 17" Baun;
depois do que, la?;ea-se na segunda caldeira. que
tem o mesmo dimetro, para solrer ahi urna eva-
poracao de 40 ccatimetros de vacuo, e a operagao
se termina na terceira caldeira, que em algor* ap-
parelhos tem dimetro superior ao das das pri-
Nioiras. O liquido sahindo da segunda caldeira pas-
sa segunda ves pelo carvio animal, concentrado
na terceira caldeira, e d'aai lancado ci for-
mas.
as caldeias de evaporagao o vacuo produzi-
do por um condensador de injecgao e uraa bomba
de ar, a qual destinada tambora a extrahir os va-
pores conojensados e a agua que serviu para a con-
densaco.
Est apparelbo especial para o servido da evapo-
rago coipoe-se do una machina de vapor hori-
zontal ; dando movimentu a uraa bomba de duplo
effeito. O emb.ilo da bomba funeciona sem ser
guarnecido, a agua por si s em seu mov ment
sufflciente para impedir que o ar passe entre o cy-
lindrc-. e o embolo.
Vlvulas dispostas convenientemente permittem
augmentar a veloridade que de ordinario se d a
esses apparelhos, e por consequencia a sua torga
sob o mesmo voluuac.
Apparelhos de forca centrifuga para purificar
e clarificar os assueares.
A descrpgao deste apparolho, por meio do qaal
so obtem em alguns minutos resultados mu supe-
riores aos que produziam em dous mezes os amigos
apparelhos, nao poden deixar de inleressar aos
fabricantes do assuear.
Compoe-se este apparelho do uma raixa de me-
tal de forma cylindrica, aborta na parte superior
e fechada na inferior; no interior e em frente dos
orificias feitos na parede da caixa cylindrica existe
urna rodo meiallica.
Essa caixa alojada em uma especie de cuba,
tendo um machiuismo por meio do qual a caixa gi-
ra enutomo da arvoro vertical que a sustenta, fa-
zendo 1.200 vollas por minuto.
Modo porque funeciona. A massa pastosa ho-
mognea provenieufe do colmente do assuear
langada na caixa cylindrica posta em movimento
sempre com a velocidade mencionada.
A velocidade do movimento giratorio faz com
quo a massa seja langada para as paredes da cai-
xa, e.o varope entad se esca pelos orificios das pa-
re les e pela rede metallica, indo-se depositar no
resorvatorio que envolve a caixa, e d'ani passa pa-
L'wea^'pri'mriro ra eslerior Pr um tubo do cominunicagao. Com
concorre tudo ser- e?se aPParelho pde-se obter no fim de quatroope-
at suas fra- r*5*B> Que numero que se executa em cada
| tima, 200 kilogrammas de assuear puro.
Para ellectuar a operaco de clareamento, lan-
ijuanlidade de liquidu i. n(> : em geral 3i
soes dbasaa ealdeiras sSe lies ii- eaaatai 4e Ma6
a H Mjrt s(ros variando et seus prert de H J5
* ras '
llesun>:>*lo o que acim.i le mol #!> sobr i.^ei-
soes e prapM das dlversasprnu qw furmam a ?-
lailacao completa de nina f.fbfira de a-soear, ped
remos chegar ao aapmMa re^oiradn.
Para um fabrica de Msnear festinada a tutes
uma tonelada de asnear por di, ..inp.wta ** mar
ehhM de all* fmmm hons-Hita!. rm -.iindm r
2WI cenlimeiros de diaineim. r;.iu^ita*'m Mi s*
tubo, momlios pura raima. eaiik-r:is o> .-rap*aro
em numero de I, a iaMMkaeo sen >:
Para a que feate destinada a tmxr <* tapeta-
das por da, a IniWlmulu, inrlmiHc-lo** m aff*-
reihos acuna do?cripos. poderi> ser tevada a t
G6'.
Continuando a f-w.-r appbeaefto drx prrnn **
diversos apparelho". que wmmmm m fakrm *
assuear, fazendo varinr as snas dMisads, qnaaii
dade do assuear a obtere mm da nurirr. ? ral
deiras de evaporacao o*-., chmaremiK M r,>m>eri
ment- exacto do jirego de qualquer iotallar>> ao
ra produccio da i|uanlidade de assuear i|ae *c li-
vesse em vista obter es ln li.ras 4e nkammmx
dia. .
Conckiirei o meu ira hamo fazendo
da exposir.io do estado actual da cultura-1
e fabrico do assuear em alguns outros mi- ave-
ductores.
Conci'itiio.
Na ilh.i do Cuba, ow!c a planUi.-aodn-cafkaa
constitue um dos principas* ramos da'cuinrs.afr-
zar da iraperfeiciio dos apparelhos de agrukon.
a canna se desonvolve pereitamente. *
grande quantdade de assnear rrysiali.-aut o<
nem todo exirahido, perdendo-se graoJ narjaV
no bagaco, em ennsequene-a dos mai> apyartdfco^
empregados. As fabricas de assorar atti m.-laJri-
cuiiipein-so de um s andar. Dous motnko* U*
do cada um lres cylindros laminadores vt- p**
de compride; esiua'gam a canoa a tal pMM qat
sae qnasi secea e reduzida a-nma lamina mu e\
gada, em virtude das pressJes evrrida* p**"-1 r-'
lindros* laminadores separados apenas -iifimf
millimetros. A machina que os pe em no men-
t de orea de 15 cavados. O caldo da raaaa.aV
tdo levado por raeio do Nimbas a 1% caMtora-
d ahi corre travs do carv.-j) animal para, asm*
serie de rcse.^vaionos, pass^ado dpois pala *-
cesso de evaporacao, que se sftectua em oaiuir-
me baca- rectangular, e finalmente tonsaoa z
passar pelo carvo animal vara wuira ratfo r*
ah cozdo e crysialisado.
Effecluadas-essas operacoe, uassa-se p.ir.
parlo do ediieio, onde se prj-*edV ao deira
to em forma*,.contendo cada ama 30 kitogfr^aMaas
e no fim de t horas esta p^ooipto para se; paaV
cado.
As formas sao colloradas sobre o compartimento que podera ooMer de 0d \S>V
A rgila que se langa na parut superior 4a> aana
BMWeeMmcom agua quo se filtra aisav V* *
assuear. Kepete-se esla opj.-a-go mmta> .tzi-.
guarda-se o assuear nos annazens durarla vinH*
dias, depois do que tirado das d'irma. snafadq,
segundo a qualidade ; neste osudo eatra o-asran;
no mercado.
Martiniv*.
Desde I7w os habitantes da Martinica Km sm
pr,-.ado os seus esforcos para augmentar raaifca-
rar o fabrico do assuear, podendo-e ate w*m m-
zer, que toda as mais culturas basUata tv;.-M/k>
do |ielo abandono em que se aeham. O saaa as-
forgos nesse sentido nao tem sido mal st.naaHi- .
ponpianto a exportac.io qu n a.piella >pca eu
de 18.5W0,0tl'*;kilogrammas de assuear, M4
de 1800 1861, a 31056.106 de assurai. 3
de xarope e melacos ; sendo dignos de i
la sua qualidade os assueares brutos d Tr:\
Baixa-Ponla e S. Pedro.
(mu itm pe.
As fabricas mntraes de Kuadalupe ja. a^aitk Ja-
vantagens devidas aos a|>arellios .per*iri>aA.. de
Derosoo e gail, e mu lem mulboiaia aams
productos. Quanlo cultura, tambem taa satu
aperfeigoad%; mas nao tKn anda rle-piJo ayan-
to de perfeigao, eiluidade i- baixo;p>:>
Diflicil apre.Mintar uma retarao aiacsa ntre.
os productos desta colonia e o hwmn phad ;
porquanto depende do grau de lenidad-;, i* ter-
reno do sua piep.uac.v. | da |ioca. da cuakaMa.
Tem-se otwaMO, porsn, que < i-i:>nas tvria>la-
nos cinco prianritM mezes do aun pjouiem ate-
Ibores resultados quo as colindas v- iillimai me-
zes.
Assim, acha-se esiabeleeido, qu; : li. do tari
de junhoa corle da> canuas deve .a M SB enVe-
tuado.
A expertagao nesles ullimo> ana** tea iu
christaa, tendo sua frente o vigarlo de Deus, im-
peli e esclarece, com a sua superioridade de ora
vante firmada, os poves que ainda nfio adoraram
a palavra regeneradora do Evangelho. 0 gosto da
paz retm a espada na bainha ; uma linguagem de
fraternidade troca-se de uma a outra extremida-
de do mundo; o negro senta-se com o branco as
grandes asscmblas das nages, tudo presagia aos
espirites alientos nma era de approximagao, e o
6cculo em qne dever cumprir-se, sem destruir a
liberdade nem a variedade dos povos, a amiga
prophecia de um s pastor e um s rebanho. (La-
Coruai b, Confr.) '
Arredilamos que ss relagocs entre os povos se-
rio mais e mais dirigidas pela caridade. Acredi-
. (amos mesmo com Eschbach, que um dia tal vez
esse lilho de barqueiro cootava 30anuos ; eem todos esses homens, desde que a llarama apostlica ta;se. xaroPc '"Coloro no cylindro em movimento;
1 r esto licor airavessa
. vv wvfivi .< uicd iciid icmiia u.^ac auiifiiuouc '* ni< i|'.n, ut ..
: e vinha baptisar- que el le; investido? Qual ser^a sede da ratera- "^ ^.^^ dessfl ^^ ^^^
nem de suas prerogativas, nem de suas preten-
goes.
E para admirar, accrescenta De Maistre, por-
que tal phenomeno humanamente inexplicavel.
15-
A graga da infallibilidade
no exclue a liberdade dos
pontifices.
se como symbolo da humanidade penitente e rege- Bossu^ a estrada e o marco que ihe traga a Pro- W>r venda do producto o da seguinte ao da
Quando Joao baptisava-o, os cus abriara-1 videncia : fahricagao, e a possibilidade de tratar de novo os
nerada.
se sobre a cabega de Jesus,
gloria.
e circuradavam-na de
Tempos depois Joao mostrava o Salvador a dous que Ihe preciso fazer. Jerusalem, a cidade santa,
de seus discpulos, dizendo -Eis o cordeiro de ^^oa^a o*^^,^
videncia.
Jesus Christo nao falla sem effeito. Pedra le- **"" sem nue elles tenham tido tempo de soffrer
vara comsigo por toda parle, na pregago do Evan- alteragao alguma. Isto importa grandes vantagens
gelho, o fuadamento das egrejas; e eis o caminho e beneficio consideravel para os fabricantes e refi
nadores de assuear.
. Deu-sc em nosso numero de hornera o enga-
inegar para continuar a successo do povo de Deus no de ser co|Jocado esto titulo sobre o artigo do Sr.
(I) Pode sahir cousa boa da Galilea? Era um d'oude Pedro sahia a visitar todas as egrejas can- Era. I proverbio judaico. A'iim quid ahquid boni Gali- Orraando-as na f, onde era preciso que Paulo vies ra columna onde se acha o que se Ihe secne.
Ser infallivel ter o privilegio de nao poder en- lea potest esse. (Matt.) | se v-lo; contenipla-lo, estuda-lo, diz g. Chrysostomo i ^A ttedaccao-)
de assuear, inferior em numero de Martatara.
nao o saroduvida em qualidul:. \ ne* da ap-
pllcago-dos novas apparelhos a exportara da a-
sucar era mui iaftiior era qu;n:< Ltd e qnal:
Guyana
Os apparelhas apcrfeicoadc*. para a cultura i'
canna e fabrico do assuear, nao u-ado aimia iMa
ahi introduzdus. bem pouw se Uta de>ravol* J..
os productos dessa industria ; todava ella roat'
15 fabricas constantemente em attividaile. arda
zindo cada boelare do terreno 3 jOi I i |i iiamn
de assuear. A canna gecalmente cultivada ram
cotouia a canna ei luula, que mudo se aprua da eanna amarella da Balavia. A quantiUaJe d
assuear, em 1851, eWvuu-se a 3U.00O V^jrara-
mas.
Colonui de Afrku.
Depois da ntraducvo dos novos appar^K* ates-
: sai colouias, rpido progresses lem iMh).esa ia
Uustria.
Diversos sao os syslemas ahi emprrjadw,. ao
1 syslema, o cozmelu s elletlua a fofo a* eaS-
deiras de Ierro fuadido ; no 2., a evaporaran e r-
ziraento so effoctuam era apparelhos divarsae, a
evaporacao na balera tirim.irl e o taamr*
apparelhos de baixa tenqvratura de WatrrN: a
.1" s\>toina, evaporare na mesma baleru, pnriai
cuzose no vacuo ; no 4.", finalmeiitii, tanto a eva-
paracao como-o cozimenlo se efrcliun mm aaaa
relhos de baixa temperatura e U4.I0 .-ii-ito.
Ilha da lltumtiu.
A ilha da Reunio possue 119 fabricas, eaat>
quantdade de assuear produaid* de tijtmj *
1,700,000kilogrammas por anuo; ir 11 1 liman
parte se sorvem de turbinas.
As canoas geralmcnte ahi cultivadas sao a n*
na vermelha de Diard o Pinang, as quaes pndjn-
zera nos cylindrus esmagadores de 65 a 71 UA de
caldo. Por 100 litros de caldo, a qmniidada V
assuear oblido 180 kilogrammas. e es eerna
terrenos mais 10 oit l kilogrammas.
A cultura de um heclarc de terreno para asan
genero de plantaco exige 10 honvn-, a qruof*-
dade do assuear quo se obtem por hu otara raba a
a.oo kilogrammas.
A quantdade do assuear que al IHt
nha era de 68,16'J.tWI kilograinmas; tm IM6I
quantdade foi elevada a 73.000,000 kitogra
Colonias da Oremmia.
A natureza do terreno c a temperatura na 'i
nia proslam-se admiraveiroenie a esla genera de
cultura, como provam os seus producb>,- artaci-
palraenle os da Nova Caledonia, em que a rama
tem altingido a dimensdes eonsideraveis. Qsaato
industria, esta nao lem soffrido raodihVaeaa al-
guma em seus processos primitivos.
A' vista do que acabamos de nm'tr, t los nsm
lados que tambem furam oblidus na Hewrata,
Havana e Indias Occidonlaes, com a intr
dos mesmos apparelhos de triplo efcito, |
demonstrada a utilidade que d acquiii,ow
litantes resultara para o Brasil, onde o cama
forlilidade do terreno, actividade e
dos agricultores, conrorrem para a
monto de qualquer industria, e especialateata a 1
canna, que constitue um dos primearos arttara de
produegao do Brasil, e um dos mato imairtal.
ramos da sua riqueza.
(Diario Oficial i
P8RNAMBUGO.- TTP. U i. f. t. ftSS



Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E4CBU0SAB_YRBNR1 INGEST_TIME 2013-08-28T01:24:59Z PACKAGE AA00011611_10364
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES