Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10362


This item is only available as the following downloads:


Full Text
A-
' %
ti
.<
AMO XL. HOMERO 106
Por tres aezes adiantados 5$O00
Pr Irea mezes vencidos 6$0U
Porte aocorreio por tres mezes. 0750
TERCA FEIRA 10 DE MAIO DE 64
Por auno adiaaUo.....19J00O
Pnrte ao correio por um aana 3$UI)0
ENCARREGAD05 DA SUBSCRIPgO NO NORTE
Parad yba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima'
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Axacaty,
Sr. A. de Leaos Braga; Cear, o Sr. J. Jos d"
Oliveira; Maranho, o Sr. Joaquina Marques Ro-
drigues ; Para, os Srs. Manoel Pinheiro & C; A-
laazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
KNCARRBGADOS DA SUBSCRIPCAO NO SUL
Alagas, o Sr. Claodino Falcad Dias; Babia, o
Sr. Jos Martina Alves; Rio de Janeiro, os Srs. Pe-
reira Martins <3 Gasparino.
PARTIDA DOS ESTAFETAS. BPHEMERIDES DO MEZ DE MAIO.
Olinda, Cabo e Escada todos os das. J
lauarassu', Goyauna e Parahyba as segundas el _
sextas-feiras. 5 La nova as 9 h., 54 m. e 2 s. da t.
Santo Aiito, Gravat, Bezerros, Bonito, Caruaru', 13 Quarto cresc. as 4 h. e 61 m. da t.
Alnno e Garanhans as tergas feiras 21 La cheia as 11 h., 4 m. e 20 s. da m.
Pao d'Alho, Nazareth, lamoeiro, Brejo, Pesqueira, ao "'
Ingazeira, Flores, Villa Bella,Tacaratu', Cabrob,! 2S Uuarto ming. as 7 h. o 5C m. da m.
Boa Vista, Ouricury e Exu' as quartas feiras.
Serinhaem, Rio Formoso, Tamandar, Una, Barrei-I
ros, Agua Preta e Pimenteiras as quintas feiras. PREAMAR DE BOA
(I ha de Fernando todas as vezes que para ali sahir
navio. I Primeira as 6 horas e 54 minutos da manbaa.
Todos os estafetas partem ao V, dia.____________| Segunda as 7 horas e 18 minutos da tarde.
Partida do vapores uisteirus.
Para o sul at Aiagoas a 5 e 25; para o norte at
a Granja a 7 e 22 de cada mez; para Fernando nos
dias 14 dos mezes de jan. marc., niaio, jul, set. enov.
B PARTIDA DOS MNIBUS.
Para o Recife : do Apipncos s 6 /, 7, 7 U 8 e
8 Vz da no.; de Olinda s 8 da m. e 6 da tarde; de
Jaboatao s 6 i/j da m.; do Caxang e Vanea s 7
da m.; de Bemfica s 8 da m.
Do Recife : para o Apipucos s 3 Vz. *, Vi, 4 Vz.
5, 5 V4. 8 Vz e 6 da tarde; para Olinda s 7 da
manbaa e 4 V da tarde; para Jaboatao s 4 da tar-
de ; para Cachang e Varzea s 4 '/i da larde; para
Bemfka s 4 da tarde.
PARTE FfCIAL.
TI I \IS TI ltIO 1A FA*EXDA.
F.XPEIENTR DO DIA 22 DE KMCO DE 1864.
Circular s thesourarias.1.* seego Ministe-
rio dos negocios da fazenda.Rio de Janeiro, em
22 de marco de 1864.Jos Pedro Dias de Carva-
Iho, presidente do tribunal do thesouro nacional,
transmute aos Srs. inspectores das thesouranas de
izenda, para a devida inteUigcncia e execugo, as
instrurroes desta dala, constantes do exemplar in-
cluso, para a execugo do art. 70 $ 1." c 2." do
decreto n. 3,217 de 31 de dezembro de 1863.Jo-
s Pedro Dias de Canmlho.
Instrucroes a que se refere a circular n. 15 desla
data.
1." seego.Ministerio dos negocios da fazenda.
Rio do Janpirn, em 22 de marco de 1864. Jos
Podro Dias de Carvalho, presidente do tribunal do
ihesonro nacional, ordena que na execuco do
art. 70 SJ !. 2. do decreto n. 3,217 d 31 de
dezembro de 1863, se observan as alfandegas do
imperio as seguimos nsIrucgSes:
Art. l. Logo que o navio der entrada na alfan-
dega, e o seu capitao ou consignatario apresentar
os manifestos respectivos, ser urna das vias dos
mesmos entregue ao corrector, ou interprete de que
traa o art. 372 paragrapho nico do regulamouto
de 19 de setembro de 1860, o qual dentro do pra-
zo marcado nesse artigo, que sempre ser de tres
a tradaccilo do manifest, pela maneira que se se-
gu.
Art. 2. Os correctores ou interpretes vertero
para a lingua nacional todas as declaraeoes comi-
das nos manifestos, escrevendo por extenso as
quantidados e qualidades das mercaderas e trans-
erevendo ao mesmo lempo as marcas e contramar-
cas dos volumes, sua quantidade e qualidade e o
nome dos individuos a quem vierem consignadas,
ou (piando ordem, com esa mesma declaraco.
Art. 3.* Todos os volumes numerados sero des-
criptos separadamente, segundo seu numero e or-
dem numrica dos mesmos; os que vierem sem
numero, mas com marcas especiaes, sero igual-
mente descriptos, cada um de per si; os que vie-
rem com o mesmo contedo, ou granel, e que
nao costumam ser despachados por urna s vez,
serao descriptos integralmente e se seguiro em
braneo tantas lindas quantas forem bastantes para
facilitar o lancamenlo dos despachos da sadida ao
lado direito da folha, sendo cancellados os claros
do lado esquerdo.
Art. 4. Toda a escripturacao dos correctores ou
interpretes ser feita no lado esquerdo da folha,
tirando o lado direito para o laucamente do despa-
cho e sabida dos volumes.
Art. 5. Os manifestos que tronxerem em lingua-
gem vulgar os navios procedentes de Portugal,
dispensan! a traduego, com tanto que os respecti-
vos capitaes facam a transenpeo com as formali-
dades prescriptas nos artigos antecedentes, sendo
por ellos assignada e confirmada a exactido da
copia pelo corrector.
Art. 6." As alfandegas fornecerao o papel neces-
sario, que ser pautado e riscado, segundo o mo-
delo annexo, entregando-se aos correctores, c inter-
prete ou capitaes, tantas folhas quantas forem in-
dispeosaveis para a traduego ou copia.
Art. 7.* Entregues as traduccoes ou copias s
alfandegas, se fro nellas todas as notas do esly-
k), e segundo o modelo cima referido pelo em-
pregado, a quem forem entregues para esse fim.
Art. 8." E>tas traduccoes ou copias por extenso
serao numeradas com o mesmo numero do mani-
fest original que deve tirar archivado, depois de
feita a conferencia. A numeraco de ver ser se-
guida sem interrupeo e por exercicios.
Art. 9. O empregado que numerar as traduc-
coes ou copias, e as notar no manifest, far urna
inscripcio summaria, em livro especial, da qual
constara q numero da ordem, a data da annotago,
a indicaco do nome do navio e do seu capitao, da
nacionalidade, e procedencia, c da sua chegada
em la-tro ou carregado.
Art- 10. Cada urna das folhas das traduccoes ou
copias ser numerada, e rubricada pelo "mesmo
empregado, que tizer a numeraco do manifest.
Arli 11. As traduccoes ou copias organisatas na
frnu dos arts. 2. e 5." formaro cadernos espe-
ciaes, e conterfio na primeira folha as ndiraeoes
da in ripcao summaria, prescriptas no art. *9.,
perlencentes a cada um dos manifestos traduzidos
liados.
12. Estes cadernos, ou copias completas de
manifest sero classilirados segundo a or-
dem nos nmeros da insenpeo, reunidos c con-
servados com cuidado e encailernados em litros,
proporco que o numero delles possa formar um
volumej regular, e que facilite o lancamenlo das
entradas e MMdas dos despachos, e das observa-
c.des da costume.
Art. ;3. Cada um destes livros, depois de enca-
dernados, ser novamente numerado, e rubricado
pelo inspector da alfandega, ou por seu ajudante.
derlaranjdo-se na primeira folha o numero de ma-
nifestos bue contm, bem como o total das folhas
de rada Mume, devendo nesta occasio examinar
se foramlclassilieados e reunidos, na couformidade
dos artigos antecedentes.
Art 14. Para facilitar o exame dos livros terao
elles no oorso, depois de encadernados, o exerci-
cio a que pertcncem os manifestos reunidos nos
mesmos, e o total dos nmeros da inscripeo, alm
da numeraco dos tomo.
Art. 13| Os correctores c interpretes que infrin-
girem as presentes lostrueeoes na parte que Ihes
toca, seri punidos com s penas marcadas nos
regulamerttos liscais, e no cdigo docimmercio.
Art. 16. As presentes instrucroes sao apphca-
veis smer te aos navios estrangeiros ou nacionacs
que, vind) de portes .estrangeiros, conduzirem
mercadorias estrangeiras que tenham de ser depo-
sitadas ou despachadas as alfandegas, devendo-se
guardar a espeito dos manifestos das embarcacoes
de calwtafem bs regias adoptadas na alfandega
da corte, que prescindem do registro dos mesmos.
como era (.ratica nos consulados.Jos Pedro Dias
de C'irralk >.
ou co
Art
cada
te que informe senao ha outro :neio menos dispen-
dioso para se fazer o servico que referida forta-
leza presta a canoa*, que alludem os citados olQ-
cos, visto que tendo sido comprada dita canoa em
dezembro prximo passado se solicita agora para
ella concertos no valor de 200,5 e outros se succe-
dero com grande desvantagem dos cofres p-
blicos.
Dito ao iuspecter da thesouraria de fazenda.
Transmiti V. S. a conta junta em duplcala, a
fin de que nao havendo inconveniente mande pa-
gar aos emprezaros da illuminacao desta capital
a quautia de 68#400, em que importou o gaz con-
sumido com a illuminacao do palacio da presiden-
cia durante o mez de marro ultimo, como se v da
predita conta.
Dito ao mesmo.Em vista do que communica o
brigadeiro coinuiandanle das armas em ofilcio sob
n. 791, e data de 2 do corrente, junto por copia,
relativamente a falta de pagamento dos vencimen-
tos da forca destacada na comarca de Plores, re-
commendo V. S. que tome as uecessarias provi-
dencias no sentido de estar a respectiva col-
lectora sempre provida de meios, para oc-
correr a taes pagamentos, alim de que se nao re-
pita semelhante inconveniente prejudicioso ao ser-
vico publico e a disciplina militar.Coramunicou-
se ao brigadeiro commandante das armas.
Dito ao mesmo. Transmuto V. S. para o flm
conveniente, o inclusa mappa nominal do movi-
mento do pessoal das enfermaras do hospital mili-
tar na 2* quiuzena do mez de abril ultimo.
Ditoao mspecior da thesouraria provincial.To-
mando em cousideraco o que no ofticio junto por
copia, datado de 28 de abril ultimo e sob n. 116,
expoz o director da repartico das obras publicas,
a cerca da ponte de Anjo, recommendo V. S.
que, cntendendo-se com o arrematante dos reparos
d'aquella ponte, contrate com elle, pela maneira
iudicada no citado ollico, a execuyo dos novos
reparos, de que necessila a mesma ponte, e nao fo-
ram contemplados nos primitivos contratos os
quaes conslam do orcaroento, tambem juoto por
copiaconcedeudose-llie somenle o abate de 10por
cento no valor deste orcameuto, e bem assim 30
dias de prorogaco para a uoncluso das obras de
que foi incumbido.Communicou-se ao director
das obras publicas.
Dito ao director das obras militares.Em addi-
tameulo ao meu ollico de 2 do corrente recom-
mendo V. S. que ordeue ao engenheiro dessa re-
partico a quem foi incumbida a organisacao de
projeclos, plantas e orcamentos indicados no cita-
do officio, que faca urna exposico minuciosa do
estado em que se arha a capella em consiruccao na
colonia militar de Pimenteiras, apresentando o or-
caniento regular das obras nella j feitas, e o das
que restam fazer-se.
Dito ao mesmo.Approvo o ajuste que segundo
o seu otllcio de 4 do corrente sob n. 46 fez V. S.
com Jos Pereira de Alcntara do O', para encar-
regar-se da execuco do calafeto do hospital mili-
tar, obrigande-se tambem a substituir por taboas
novas as podres que se encontrarem no assoalho,
assim como por verdugos em alguns lugares que
delles necessitarem ludo pela quantia de 5004.
Coipmuuicou-se ao inspector da thesouraria de fa-
zenda.
Dito a Joo Carlos de Menezes e Souza.Pelo
seu offlcio de 4 do corrente, liuue inteirado de ha-
ver V. S. em 30 de abril ultimo, tomado pesse
do cargo de presdeme da caixa lilial do banco
do Brasil nesla capital para o qual foi nomeado
pela directora daquelle banco.
Dito ao Dr. Agostinho Ermelino de Leao.
Communico Vmc. que seguudo constou de par-
ticipago da directora geral da secretaria de estado
dos uegocios da Juslica de 12 do mez prximo lin-
do, S. Al. o Imperador por decreto de 5 do mesmo
mez, houve por bem uomea-lo para o lugar de juiz
de direito da comarca de Cacapava de Ia enlrancia
na provincia de S. Pedro do Rio Grande do Sul.
Fizeram-se as outras coinmunicagoes.
Portara.O presidente da provincia attendendo
ao que requereu Miguel Pereira do Valle, resolve
conceder-ltie licencaparair ao presidio de Fernando
no primeiro navio quepara all seguir, levan do em
sua coinpanhia urna ama e transportar para que!-
le presidio os gneros constantes da relaco junta
assignada pelo secretario do governo, nao podendo
porm effectuar o desembarque dos ditos gneros
sem que por parle do coininandante do referido
presidio se proceda a exame para se verificar se
ha agurdente outra qualqner bebida espirituosa,
sendo alm disso obrigado a apresentar ao predi-
to commaudante a factura de taes gneros attestada
quanlo aos pregos pelo presidente da junta dos
correctores.
AUDIENCIA DO TRIBCNAES DA CAPITAL
Tribunal do commercio: segundas e quinus.
Relaco: tercas e sabbados s 10 horas.
Fazenda: quintas s 10 horas.
Juizo do commercio: segundas s 11 horas.
Dito de orphaos: tercas e sextas s 10 horas.
Primeira Tara do civel : tercas e sextas ao meio
dia
Segunda vara do civel: quartas e sabbados a 1 hora
da tarde.
!>'A> !'A SVXA5*.
1. Segunda. Ss. Gregorio \.i/iaw Ai. 4 i
10. Tena, la. Bland limaiMafem
11. Ou.ila. 8a, Fabio e Aia.-l3Ctw mm.
12. Quima. S. Joanna pnaraaav.; S San a*.
13. Se\la. S. I', lio Ibgalaifc. I | .v-r* jt> a
l. Sabbado. S. Alliana-io I. ; >. IhI
|8. Domingo do Eiairlf Sanio.
ASS1GNA-3E
no Recife, em a liTraria da praca da I
os. 6 e 8. dos proprieuno* Juaoai
Kan k Piho.
u mm d provincia.
Expediente de dia 6 de naio it 1861.
Offlcio ao conselheiro presidente do supremo tr-
bunaldejustica uoinmuuico V.Exc. queobacha-
rel KrancisjcoGoncalresda Rocha, reassumio em 21
do mez preximo Undo o exercicio do cargo de jmt
de direito da comarca do Goiaona por ler oalisa-
do no da antecedente a hcenca de que gosava.
Communicou-se thesouraria de fazenda.
Dito ao brigadeiro commandante das armas.
Srva-se V Exc. de mandar por emiiberdade no
caso de anda o nao ter sido, o recruta Manoel Se-
verino Marques, que provou iseucao legal do re-
crutamnlO, conforme declnrei em olllcio de 31 de
marro prolimo flndo.Communicou-se ao coronel
reeroiadori
Dito ao mesmo.Strva-se V. Exc. de mandar
por em iburdade, o recruta Alfonso Manoel Jos
Tavares, dando-lhe baixa se j c>ilver com praca,
vistohaver provado isenco legal. Communuou-
se ao coronel recrutadur.
Dito ao anesmo.Para que en possa resolver
cerca da materia dos 2 offlcios do commandante da
fortaleza de Itamarac, annexos por copia a-s de
V. Exc. de 20 de abril ultimo, sob ns. 718 e 719.
sirva-se V. Exc. de exigir do mesmo comuiandan-
PERHAMB0C0
ASSEMBLEA PROVINCIAL.
SESSAO ORDINARIA EM 7 DE ABRIL DE 1864-
l'RESIDENCIA DO SR. CONSELHEIRO TRICO DE
LOUnElUO
Ao meio dia, feita a chamada e achaodo-.se
presente numero sufflciente dos Srs. deputados,
abre-se a sesso.
Lida a acta da anterior approvada.
O S. Primeiro Skcretaiuo d conta do se-
gunte
EXPED3NTE.
Um cilicio do secretario do governo, rcmettendo
as comas do orcamento da cmara municipal da
villa do Cabo. A' coramisso de orcamento mu-
nicipal.
Outro Jo mesmo, remetiendo as informacoes que
miuistrou a cmara municipal desla, relativamente
ao quanlo se tem gaslo com a obra do matadouro
publico desla cidade, e o estado em que se acba, e
o que falla para concluir. A' quem fez a requi-
sicao.
Oulro do mesmo, remetiendo as informacoes mi-
nistradas pelo director das obras publicas, acerca
do abaixo asignado dos moradores das Corcura-
na<, Candeas, Lorto e Piedado.A' coramisso de
obras publicas.
Oulro do mesmo, remetiendo a nota dos propre-
tarios que residen) em suas casas cullectadas pelas
collectorias de Olinda e Cabo. A' quem fez a re-
quisicao.
Outro do mesmo. communicando que os contra-
tantes dos inltws urbanos desta cidade povoaco
de Appimcos, aceitam a* modifkacoes feitas pela
commisso de agricultura, commercio e obras pu-
blicas, no parecer por ella formulado, menos na
parte relativa s desapropriaces, queso faro me-
diante a quantia de 18:00>5 que elles adiantaro
sem juros; mas que Ihes devero ser pagos em
prestacocs annuaes. A' coramisso de obras pu-
blicas.
Outro do mesmo, remetiendo o offlcio do inspec-
tor da thesouraria provincia We 2 do corrente acer-
ca do pagamento ds prestacoes a que tem direito
o engenheiro civil Jos Mamede Alves Ferreira,
pelos 15* e 16 laucos da estrada do norte.A' com-
misso de obras publicas.
Outro do mesmo, remetiendo o qaadro das divi-
das pasivas do exercicios fUdos liquidados pela
thesouraria provinria! ateo ultimo de marco prxi-
mo flndo. A' coramisso de orcamento provin-
cial.
Urna petieao de Joaqulm Jos Lobato, paitado
indriimis-icio dos projuixos que soffreu com o va-
lado que se abri em frente de suas casa* sitas na
povoaco 4o Barro da freguezia dos Afogados., .
rptptmsse rje obras publicas.
Outra do padre Joaquim d'Arago Elba, vigario
enconimendado na freguezia de Munber.a, pedindo
a gra$a de mandar correr com preferencia urna
liarte da lotera concedida pela lei provincial de 10
de maio de 1860, a favor da capella de Nossa Se-
nhora do Rosario daquella freguezia.A' commis-
so de peticoes.
Outra de Alexandrino Ayres da Paxo, pedmdo
ser igualhado o aluguel da casa em que funeciona
sua aula ao da freguezia dos Afogados e ao da po-
veaco do Peres.A' commisso de instrueco pu-
blica.
Outra de Ulisses Cockles Cavalcanti de Mello e
Joo Pedro de Jess da Malta, laocadores do con-
sulado provincial, pedindo urna ajuda de cusi para
fazerem os lancarnentos dos differentes impostes das
freguezias de S. Lourenco da Malta, S. Amaro de
Jaboatao e outros lugares. A' commisso de pe-
ticoes.
Outra dos roernbros da sociedade Beneficente dos
Artistas Alfaates, pedindo um imposto de 1 3
contos de res annualmente sobre as loja; de fa-
zenda que liverem officina de alfaiate, para que por
este meio se ponda termo fraude em prejuixo da
le.A' commisso de orcamento provincial.
Outra de Joo Hypolito de Mera Lima, ex-arre-
malante do imped-amento em diversos pontos da
estrada da Victoria, pedindo o pagamento da quan-
tia de 4:068J, que lhe deve a thesouraria provin-
cial.A' commisso de obras publicas.
Outra de Francisco Casado da Fonseca, fiador de
Francisco Cavaleanti de Albuquerque. arrematan-
te do imposto de 25'iO0 por rabera de gado consu-
midos nos municipios do Recife e Goianna no Irien-
nio de 1857 1860, pedindo dispensa do pagamen-
to da ultima lettra que se hade vencer tendente ao
mesmo contrato.A' commisso de pelgoes.
E' lido e tica adiado por ter pedido a palavra o
Sr. G. de Drummond, osegoiole parecer :
Foi presente commisso de fazenda e orca-
mento urna petico do coronel Jos Pedro Velloso
da Silveira, em que sollicita desta assembla um
acto legislativo, em virtude do qual fique o suppli-
cante exonerado da responsabilidade da banca que
assignou em favor de Francisco Pi da Silva va-
lenca, na qualidade de arrematante do imposto de
2.'00 e dizimo por cabera de gado vaceum as
comarcas ido serlo dos annos de 1849 1851.
Allega o peticionario que tendo os movimentos
de 1848 1850 difficullado, ou antes impossibilia-
do a arrecadacao do referido imposto, aelwu-se
elle peticionario na obrigaco de entrar para os
cofres provincaes com a importancia da banca no
valor de 32:0O0J> rs.; que em presenca dos emba-
reos do arrematante, e achando-se o supplicante
empenhado na pacilicago da provincia, recorreu
aquello a esta assembla, de quem solicilou e obte-
ve urna moratoria para effectuar o pagamento da
dita quantia em prestaces annnaes de quatro con-
tos de ris, que nao tendo a resoluco de>ta assem-
bla, que concedeu a referida moratoria, melho-
rando as circumstancas em que se acbava Po Va-
lenca, pelas condcoes onerosas cora que foi aquel-
la oblida, nao pode anda o arrematante satisfazer
aos seus compromissos ; que receiando o suppli-
cante que os seus bens ja peohorados, fossjm pos-
tes em arrematarlo, recorreu ao governo para que
este areitas.se como acetou, o pagamento annual
de quatro contos de ris que ofTereceu o peticiona-
rio, subsistndo entretanto o sequestro com suspen-
so da execugo at a completa extinceao da di-
vida.
Emende mais o supplicante, que tendo satisfeite
a ultima prestago a que estava obrigado, licou
exonerado de qualquer outro compromisso ; que
os juros a que sujeitou a lei o arrematante, nao
pdem obrigar ao peliconario; porquanlo a mora-
toria concedida quelle imiiortou urna novaeo de
contrato, para o qual de forma alguraa nao concor-
reu o supplicante, visto nao ler assgnado como
fiador novas letras exigidas, nemlo pouco fez
menso dos ditos uros o acto administrativo que
lhe concedeu os prazos para o pagamento integral
da divida.
A commisso examnou todos os documentos con-
cernentes prelenco do supplicante e delles ve-
rificou :
1 Que effectivamenle esta assembla concedeu
por le n. 315 de 13 de inaiode 1853, urna mora-
toria a Francisco Pi da Silva Valenca, para o pa-
gamento da divida a que estava obrigado peranle a
thesouraria provincial pela arremataco do im-
posto.
2 Que nao tendo o referido Valenga assignado
as letras a que lhe obrigava a moratoria, o coronel
Jos Pedro Velloso da .-ilveira, requereu e obteve
suspenso da execuco que contra elle na qualida-
de de fiador mova a fazenda.
3* Que este aclo administrativo foi provocado
pelo proprio coronel Jos Pedro, foi concedido em
consecuencia da citada lei n. 315, e que delle cons-
ta que o referido coronel deu hypotheea varios
de seus bens nao s para pagamento da quantia de
Irinta e dous contos de ris, que representa va o ca-
pital como dos respectivos juros, o que evidente-
mente o sujeitou a estes.
4 Que verdade que Po Valenca nao assignou
em lempo as novas letras como alDnna o suppli-
cante ; masque islo em nada allectou os direiios
da fazenda provincial, porquanlo a lei o. 315 de-
lerminou expressamente que subsislissem as anti-
gs garantas.
5 Que dos pontos precedentes se evidencia que
nao houve ovaco de contrato como allega o suo-
plicante, e que a ter esta lugar, nao podiam os seus
effeitos proceder quanlo ao capital.
6 Que o decreto de 5 de dezembro de 1849, a
que se soccorre a informaco do inspeclor da the-
scuraria provincial nao tem applicaco a questo,
e nao pode portante sentar o supplicante dos juros
a que est obrigado.por isso que o.refcrido decreto
tratando to somenle dos agentes da fazenda pu-
blica, nao tem relaco com urna moratoria conce-
dida por lei, caso em que ao poder competente ca-
be pela prejudicial demora dos dinheiros provin-
ciaes, ini|ior as condicoes que lhe approuvcr.
Por ludo quanlo expoz a eommissode parecer
que seja ind-ferida a petico do corooel Jos Pedro
Velloso da Silveira.
Sala das commissoes 5 de abril de 1864.Bunr-
que de Macedo.J. do Reno Barros.
E' lido e posto em discusso por ter pedido ur-
gencia o Sr. Jacobina o seguinte pagecer :
A commisso de agricultura, commercio eobras
publicas considerando que a commisso .de ueii-
ces em 1862 deu um parecer sobre a petico de
Jos Mara Ramonda, acompanhado de um projec-
to de lei, julga nao dever mterpor presentemen-
te o seu parecer sobre a nova pelicao do mesmo
Hamonia, solicitando desta assembla um prerile-
fjo de que trata o citado projecto de lei.Sala das
comml?soes,em5 de aoril de 1864. Catapello.
R. Barros.
Vai mesa e justificado pelo seu autor c se-
guinte requerimento : '
Requeiro que v novamente commisso a pe-
tico de Ramonda S. R.Ferreira Jacobina.
Pasto votos o requerimento approvada, sendo
| devolvido commisso oparecei. visto como o pro-
veci a que elle se refere foi regeitado na sesse do
[ anno passado.
Sao lidos, julgados objectos de deliberaco, e
, mandados imprimir os projeclos ns. 74, 75, 76 e 77.
E' lido, juigado objecto de deliheraco e manda-
do imprimir o projecto qne concede 6" metes de li-
j cenca ao secretario da obras publicas Thomaz Ra-
mos Bany.
Sao lides e. approvados os seguimos requeri-
Se o cidado Kehppe Mena Gallado da Fonseca
foi nomeado para a cadeira do Gymnasio Pernam-
burano ainda nao provida, ou se essa cadeira acba-
va-se vaga. Aquino.
Requeiro que se peca com urgencia presidencia
da provincia o seguinte :
Os titules scienlilicos quc_apresentou o cidado
Felippe Mena Callado da Fonseca, quando teve de
ser nomeado para urna das cadeiras de scieneas
naluraes do Gymnasio Pernambucano. Aquino.
Requeiro qne se pega com urgencia presiden-
cia da provincia o seguinte :
Copla do termode llanca que se lavrou em conse
lllm. Sr. redactor da llvisla Diaria.-Se foi
licito ao Sr. Antonio Francisco das Hevea no Dia-
rio de 7, e auxiliado somonte do ama declaragao
iluda e graciosa do Sr. Jos FidHis lo Almeida
procurar destruir o elfeito da* noticia imparcial e
verdadeira da apoplexia fulminante, que roubou a pondeu-llie :'Eu'v.'m
vida a seu respeitavel pa o Sr. Luiz Pedro das Ne- ,-oncluir com Sr.
ves, como consequencia de urna aguda indigestan,
agravada por alguns nacos de melancia, que nesse
estado comeu, para fazer injusta e |wuco generosa-
mente pairar sobre meu pal a impela de ser a
causa indirecta daquella apoplexia, allegando que
momentos antes havia cobrado delle urna divida,
nbar que o Sr. I.mz Pedro live.
ale por que o havia deixado bein >f~l >
ramios.- o Sr. Manoel Ki l--b-. oatrou mea pat para
a botica, o arhou-o sentado e l^a Ira
yunlou-lhe meu pai. enl.io em iroe
vou em sua rasa 'taer-th-
Luiz Pedro, a ajarm
occasio meu pal nao vio, a icm aada
dos mcommiMlos que eslava Mroado.
meu pai que elle estive*** n> mierfir 4a t^Otr -
perando o Sr. Mai-I Kidelis. o na pareen -rani
mil. Retirou-se meu pai para ra*a htim irao
quillo na ignorancia do in i.mm.-j.i ,ffg utmm
melteu ao Sr. I.uiz Pedro, alim ib- esperar pea* r
Manoel Fidelis. Ki< ludo quanlo paaaaa *
quencl.i do contrato celebrado entre a thesoura- dizendo-lhe lo agradaveis cousas, que excitou-lhc
ra provincial e_ o cidado Jos de Vasconcellos, i os bros, e o resultado foi ver-se hoje nrpho (de 30
para a impressao dos trabalhos officiaes.eiiino. I annos e casado) pranteando a paria de seu venera- oue geralmente se sabe.
E' lido e approvado o seguinte requerimento : vel pai, dando assim corjw a um dito louco e im- Informaram-me que durante ,-iv.
Requeiro que se pega com urgencia ao presiden-; prudente de um cavalleiro de altas conquistas, que Sr. Luiz Pedro appar-ivn .. tal Sr
te da provincia, que por intermedio da repartico nao respeitandoa grandeza de um espectculo ino- alias conquistas, e que faz garl*>
das obras publicas informe se as alieraroes ope-! menloso, e conlristador, acliou no faci de ler es- e trras, quando nao se lhe rend
radas na planta desta cidade de 1856, ha relagoes lado meu pa pouco antes do acontecimento na bo- quinndo a causal do em-oinmnd,
entre essas alteragocs e terrenos de mar inda conce-! tica do Sr. Luiz Pedro, motivo para calumniado e estado ali, informado porum lilhorfsr. Lna Pv-ln
ddos 0 engenheiro Jos Mamede Alves Ferreira,; exercer vindicta torpee indigna: mas licito me que meu pai tambera la e>uvera, proroaapru a
como se v das notas recebidas alim de que so pos- deve ser, procurando na verdade dos fados, resta- gritos e excessos prophos de quem pnavu rraVr.
sa saber se as ditas alteragoes foram feitas na iu- belecer a conseiencia publica, e confirmar ludo
tenrao de crearem-se essos terrenos ou se Ibes dar ; quanlo Vincs. asseveraram desapaixonadamontc e
melhor forma, ou mais vantagens. sem o menor motivo de affeigao ou desalfeigo.
Pago da assembla legislativa provincial de Per-; Meu pai, o honrado Sr. Jos Alves Barbosa
naraboco, 7 de abril de 1864. S. R.&t Pe tem bastante resignago e coragem para desprezar
aleivosia
retra.
O Sa. Soahes Biiandao (pela ordem) faz algumas
reelamacdes acerca da demora na publ cacao dos
trabalhos da casa a que responde o Ir. Cunha Tei-
xeira.
Os Sos. T. de Lourkiro, Buaroiib, Jacobina e
Amyni as. (pela ordem) anda fazem algumas consi-
deragdes sobre a mesma materia.
PHIMEIRA PARTE DA ORDEM DO DIA.
1' discusso do projecto n. 64.
A assembla legislativa provincial de Pernam-
bur, resolve :
Artigo nico. A preferencia entre as loteras
da provincia ser concedida annualmente na lei do
orgamento, e s vigorar no oxercicio que per-
ten cer a referida lei: revogadas as disposigoes em
contrario.
t Pago da assembla legislativa provincial de
Fernambuco, de abril de 1864. -Butirque.
E' approvado sem debate.
SEGUNDA l'AKTE DA OHDEM DO DIA.
Continua a 2* discusso do projecto n. 20 deste
anno Ene Jila a forga policial da provincia para o
anno futuro de 18041865.
OS. Presidente :Tem a palavra o Sr. Bene-
dicto Franga.
Contintiar-se-ha)
REVISTA DIARIA.
Met-
an que faz, dizmdo nao Iu dvi.U.
quem matn seu pai foi o Jo-.- -fu liklo.por raa-a
ile urna divida, o di lenho varillado mtH RaiBMBJ au I
para convencer a esse inion.' i gratuito
pai. a quem s traa pr|. an'h>aanaM i ii'>
pode eX|Mi-lo impunemente a>> wln e Viprrv^
publico, nem prajdaaaf aaa r-i>ui..;i.. F^liaa a
le a moralidade dos nossos n ib laai-. r----IW-tn *
bravatas e quixotadas. e faz.-m cht-zar a un- da
lei aos que a provoeam.
Meu pal que 27 annos vive meMa r*da.a ap-
plicado a seos irabaltvH, ron amata. eaaa>
veres de um zeloso cfiefe I- Urmlu esU
e sobranreiro a essa miseravH Irica
sa em sua conscienria, e tem um
so e flor i oso parao)por a >eus bfT.i anairr
M que derrain im a nvio larga M i
lumnia. e o veneno d*> odio, renVt.ini m
me*
lOi
Requeiro qoe se peca presidencia da provinoia
a sepilite informado :
No domingo deu a sociedade theatra
ponunt Pernambneann a sua representago.
O drama teve soffrivel desempenho, sendo al-
guns dos papis satisfactoriamente comprehendi-
dos e traduzidos em aego.
Consta-nns que os Srs. deputados que ha-
viam abandonado a casa, e a quera resolveu esta
ser devido o respectivo subsidio, fizeram ccsso
delle a favor da_Santa Casa da Misericordia.
De Serinhom nos esc.revera o seguinte :
Concluiram-se os trabalhos da junta de quali-
licago desta parochia; fazendo-se justiga a todas
as pessoas dos differentes credos polticos, que as-
latan no caso de seren qualilirada> na forma da
lei.
A mesa ficou composta da seguinte forma :
Presidente, o 2o juiz do paz, Dr. Antonio Ger-
mano Higueira Pinto de Souza ; secretario, o cida-
do llenrique Luiz de Barros Wanderley Lns ;
mesarios, os cidadios Jernimo Tdomaz Pereira
Dutra, alvogado Joo Damasceno Barros, e lesea-
te Honorio Fiel das Noves Freir ; sulistituiudo
no lercero dia dos seus trabalhos ao Sr. Jeiony-
mo Dalia, que se dispeusou de funcrionar por mo-
tivos que depois relataremos, o cidado Manoel
Peres Cainpello Jacomo da Gama.
A mesa em sua maioria, procedeu com im-
parcialidade* jusliga e moderago, deliberando de-
pois de ouvir com attengao as justas rerlamaroes
e pedindo s pessoas autorizadas do termo os es-
clarecimcnlos (jue podessein orienla-la para bem
cumprir o seu dever o lano assim foi, que nao
consta haver reclamagio alguma, era mesmo
desgostos e queixas dos influentes polticos de ter-
mo. Somonte o delegado de polica em exercicio,
quiz que fossem nicamente qualiticados aquellos
poucos progressstas com quem S. S. espera con-
tar na mesquinha poltica desta aldea, cora preli-
ricao at mesnii de numerosos cidados presti-
giosos, que bem ou mal adoptara a mesma poli- j
tica.
Nao acreditamos que to triste lembrangase-'
ja parto senao do entbusiasmo do delegado sup-,
pente, mas referimos estas circumstancas por que
S. S. diz pelas ras da villa, que far com que
seja milla a qitaliticago. que qur e podo faz-lo,
Vou agora era puncas patarras explicar a ra-
zo'da nulltdade que enxerga o delegado suppleu-
te na qualifirago a que nos referimos.
' Foi presidente da mesa um iruio do delega-
do supplente. que apoiado na forga publica do seu
prente, entendeu que s com o seu escrivo po-
da fazer aqualificago, e foi to lliano. que em
plena sesso despedrado seus companbeiros de
trabalhos, dlsse, que tinha instruccoes para fa/.-
|a como bem lhe aprouvesse, e at mesmo em sua
casa.
Porm nao podendo continuar este estado de
cousas, no tercero da de sua reunio protestou
contra ella, retirndole um dos seus membros
(o Sr. Jeronymo Dutra) que sendo substituido
pelo professor, o Sr. Barros, tambem se despelio
pelos mesmos motivos; sendo onlo preenchida a
vaga pelo eleitor Sr. Peres, que chamando jun-
tamente com seus outros companbeiros a ordem,
o presdeme, obrigou-o a proceder como lhe de-
termina a lei em taes rasos.
Reconsiderando-se os trabalhos da junta, man-
dou-se declarar na arta, na altura em que estava,
todo o occorrido procedendo ento a qualilicago
com todas as formalidades, sem mais objecgo do
juiz de paz, que justiga lhe seja feita, depois de as-
signar-so vencido na declarago, portou-se bem
pareca que linha conseguido o seu fim e depois,
seu irmo delegado, nao mais voltou villa, logo
que vio, que sua forga de soldados, s poda ame-
drantar a criminosos.
Agora perguntaremos qual era o meio de con-
tinuar a qualitk'acao principiada irregularmente
como foi pelo presidente 1 Seria continuar com a
exriuso de quasi todos e sem as formalidades da
lei, que e inesmcSr. presidente depois roconheceuT
A mesa por quasi unanimidadedebbereu da forma
por que anima disse.e qnaliticou Groos e f roya-
nos, e at mesmo Cariaginezes; ser esla a mil-
lidade ? Veremos.
Principiaran", hoje os trabalhos da revisad da
mesma qnalificacao. Nao honveram rec.lamacoes.
segundo consta, ser que foram todos, oo quasi to-
dos qualificados ou nao f Hoje que cada um toma
seu posto de honra, esto abandono prova a favor
da qualihcaeo.
J vamo por demais longo, paramos com o
proposito de continuar a communicar o que for oc-
corrondo, e se preciro for o que tem accorrido por
aqui. .' ."'.
-^ Hoje se extrahira a 1 parte da 1' lotera da
Igreja do S. Goncalo, pelo plano das loteras ex-
traordlninas, senda o maior premio 10:000*.
O Sr. Jqs* ivas Barbosa. Jnior, pade-nos a
seguinte pnMicftce:
a aleivosia : eu como lilho e amigo delle sou que
nao posso consentir, nem por momentos, que seja
sua reputago offendida, e seu nome trazido a urna
discusso de pequea importancia para o publico,
quando se occulla do proposito a causal de um tal
procedimonto.
< Supponba-se por momentos, que meu pai com
effeito cobrara do Sr. Luiz Pedro uina divida, e que
este a nao podesse ou nao quizesse pagar-la e que
isto desse lugar a algum azedume, e que depoisso-
breviesse ao Sr. Luiz Pedro a apoplexia que suc-
cumbio. O que haveiia nislo de mais, para se al-
tribuir esse aconlerimento como resullado directo
dessa supposta cobranga de divida, sem se consul-
tar as causas physicas e predisposiges do Sr. Luiz
Pedro das Neves, que pertencendo a regio dos A tataiialaammia wm
morios, nao licito notar-lde os desregramentos, j0 Sr. Antonio Frann-o da- \---
mosmo em repeito a justa dor de seus honrados respeito. Eu tamb.-m digo a verdad* e aaa a-
Gilios ? nho me.lo de ser contestado. Teaho direito a s
Se urna cobranga de divida, roesrao com essas acreditado.
agradareis cuumsque oSr. Antonio Francisco das .\-w |iavia divida liquidada: ato Inni rniti
Neves nao declarou, fosse causa da apoplexia, ento misso directo do Sr Luiz Pedro para rom av-u
o numero dos apoplticos sena quasi infinito. E pa, eoquepois lhe po.li.-i exitir cuaa ea is-
escaparia'da lista o tal Sr. Manoel Fideles ? E' o utawa. ou cora essas agradaveis eaaaas *
que nao tei, nem quero saber, at por causa do tal < J v perianto o Sr. Antonio*m Xevas ajar aa*
Sr. cavalleiro, que tem ameacado Dos e ierra por houve nem inexvlidao. nem orrrrtlar* aV m>Ai-
causa de urna citago para simples habilitago. vos, que occasiooassem a apopleja "aV aaa pai
Quem escreve para o publico deve antes de
ludo ser circumspeclo Eu invoco o teslemunbo de
lodos os mdicos que conheceram o Sr. Luiz Pedro,
para que digam se elle linha ou nao predisposiges
para terminar seus dias, como infelizmente acajou.
Lastimo e siuto em excesso um tal acontecimento.
Sei bem considerar a falta que ello ha de fazer a
sua honrada familia : sei que seus filhos perderam
o melhor. e talvez nico verdadeiro amigo, e antes
quizera nao oceuparme desse lgubre aconteci-
mento, para nao agmvar a dr a seus filhos.
Entro na historia da tal divida, por que a nar-
rago della basta o restabelecimento da verdade.
e para confuso do cavalleiro detractor e peque-
nino.
t Em 1860, meu pai negociou urna letra saccada
por Lourengo Jos das Neves e aceita por Lourenco
Luiz das Neves, da quantia de 3:0004, nao sendo
esta paga pelo aceitante nem pelo saccador em seu
vencimento, foi paga por meu pai, que a havia indos-
sado ; e at boje est [r ser pago por qualquer
dos prinrjpaes devedores, o assim tambera anda
nao foram esles ajuizados, e veja o publico bem a
dala da operaeao 1860.
Fallecendo o saccador < procedendo-se a inven-
tario de seus bens, mandn meu pai babiliiar-se
credor no acto do Inventario, e pedir separaco de
bens para seu pagamento. Essa tendencia ainda Santos, o primeiro vimo do Ipojora. e o
nao esl decidida. O finado Sr. Luiz Pedro das d Cabo, ambos sem declarar-) do aartivo
Neves, genro e herdeiro do saccador, teve do ser i \ ordem do lr. delegad da rapan!. M
citado para os termos da habilitago ou juslifirago escravo de Jos Simplicio de S* F.-tev. par mtnr
da divida, e como tal nao poda ser res|xtnsavel se ri0 e ^^fur^.
na ingenua e verdadera noticia rao Va
Diario.
Ri-flirtaS. S. nrn mnmenio.e vrja aja* ao
acoroeoar o despeitt, nem o odio 4o aaa
pequenino. que anda UiM-ando ajanan de
preste a seus manejos.
Veja que o proprio Sr Manoel Kid-li- >
a existencia da laj melancia. que r--iiri
mida, sem ser |>or oulro >pm a:io o Sr. **a
jos manes devemos poitp.tr e nao revnrrer.
Desejo e mesmo pego a lt S. mo I
aqui esla desagradavel discusso, r.-rto
s fui levada pelo dever de um ala i
i ver mantida i Ilesa a honra, e aio ave a a
j de sen honrado pai
Estou na justa espiten de mu *rri*> ftaat a
taren Mam M de r\rrrr-li
1 me obrigar.
iiepaiitico da NUOU.
Extracto das liarles do* da 8 a 9 da aaaia d
I 1864.
Foram rerolhidos i casa de deteario a *
de maio.
A' ordem do lllm. Sr. Dr. chele da p.'1
nio Jos Cosa Maia, Antonio Prrnra da Salva, va
dos do presidio dV Fernanito, enm 11
Manoel Joaquim huarlc e \nt >it > :
podi
nao pela sua quota parte: e portanto ja v o pu.
blico, que elle directamente nada devia a meu pai.
nem tao pouco eslava decidido o quantum lhe losa-
rla pagar, e por isso inacredilavet que meu pai
fosse cobrar delle divida alguma, at por que elle
uenhuma opposigo fazia ao pagamento por si.
t Estava o Sr. Luiz Pedro embancado com o
inventario e partilha dos bens do seu proprio casal,
por morte de sua presada mulher, e no dia 27 do
mez de abril ultimo, vmdo casa de meu pai nsar
como se houve no inventario por morte d i minba
querida e sempre chorada mai, dizendo que dese-
; java seguir o mesmo cammho ; nao o achamlo, en-
i controu-o na volta, pen?o que na ra da Cruz, e
depois disse
gao de posturas
A' ordem do subdelogado dr Santo Ai
Rodrigues de Souza, por tinga: G-nma f-dr.
dos Santos, para avcTiguaraV |>olieiars J *
mes de Olivuira, por suspeilo dr er drsrruc: o
Thereza. escrava de Josuino dV tal. por luajida.
A' ordem do do 8. Jos, Manoel h>tnfnr da
Costa, por embriague/: Manoel Frari-ro !Vir*
Bernardina Maria do J*u<. por dmorlm*: Ae-
dr.- Jos Marques Canfa, orno -osprrto dr -r
escravo.
-
A' ordem do sul>de|e<>ado de Sanio Anhta*
Antonio Ferreira, Claudino Nunc-. das '*>*. p>T
disturbios: Manoel. Ricardo, t Alberfct. r-rrav.^-
primeiro de Amonio de Souza \n. segnaaV *
ahi conversaran! sobre o objecto : e
elle a meu pai. < Sei que ests te habilitando para um tal Santos Nunes delHivetra.ee
receberes a divida do casal de meu logro, e sei da Fonseca e Silva, todos por bnca:
tambem que lenho de pagar a parle que me tocar, escravo de Antonio Correa de Yascoacrllo*.
e para isto j eslou prevenido. Sei anda que anda c-srraw de liosa Mana da Ci>are-ao. ananos *
agora aqui um sujeilo que compra a tua divida, e : querimenlo dos raaMUrvai >rhores
\' ordem Martins. pi,r disiurbots : Sansa, escravo di- dr
sembargador D. Francisco HaWiazar da Silvrn
para avenguage> peliciars.
O rhrfe da 2* Mefo.
J G > Met-**
Obitiario do ma 6 maio. m oaarnam
rtBuco :
Horlulana Rosa de Menezes. Piraaaaaarn. I aaaa
solleira. Sanio Antonio, inlbnwnario
Joanna Maria, cidade .le fMmda. '*>
Sanio Antonio, iirrirardita.
Ladislao, IVrnambuco. 15 d*as. S. Jos, i
Anna Joaquina da Enraraaeo,
annos. solleira, Bita-Vista, hrpaue cfcril
Viconle Rodrigues de Seixas. Prraaaatojc.
nos, viuvo, Boa-Vista, aterras gra
me interesso muifo, e al le pero que facas neg-
com elle, ainda que para isso seja preciso eu in-
tervir. Promelteu-lbe meu pai fazer o que esti-
vesse a seu alcance, e mesmo fazer algum abate
que fosse beneticio delle Sr. Luiz Pedro.
i 0 Sr. Manoel Fiielis Barroso com effeito pro-
curou meu pai para negociar a tal divida; mas
nao concluio negocio algum por ser desarrazoada
sua proposta, ou nao convir.
Era resullado foi meu pai botica do Sr. Luiz
Pedro participar-lhe que nada havia feito com o
Sr. Fideles, nao echando porm ao Sr. Luiz Pedro,
um seu filho offereceu-seair cnama-lo, noque iroso
pai nao consentio, dizendo ser negocio de pouca
monta, e que nao valia apenas encommodar seu
pai, isto se passou na sexia-feira : no sabbado vol-
tou men pai botica do Sr. Luiz Pedro, e tambem
nao o achou por duas vezes, na segunda-feira 21 Manoel Benedicto, Pernaoiboro, 35
do corrente, foi novamente meu pai botica, e tam-1 ta, escroplNilas.
bem nao achou o Sr. Luiz Pedro, e indo segunda \ Mana, Pernambaco, 11 mete, Sania
vez, um seu filho o foi chamar espontneamente, e ngao.
foi enio que meu pai referi ao Sr. Luiz Pedro o Manoel, rVruamburo, 5 mez.-*. Recalo,
que se havia passado rom o Sr. Pidelis, o proprio Marcionitta, Pernarabaee, 9 motas,
autor da graciosa carta, e meu pai e o Sr. Luiz. gastra intente.
Pedro conversaran! sobre outras varias cousas por Marianna, Fernambuco, 5 mezes. Ba-Vi
quasi meia hora da maneira mais amigavel e mais vulsoes.
camararia, como era cos.tume-, e aulorisada bon- Mara, Pernambaco, 1.1 mezes
dade do Sr. Luiz Pedro, e ajusiaram-se para Ierra-1 ftammacao de intestino.
nar-se o negocio do Sr. Fidelis, dizendo o Sr.Luiz Camillo,
Pedro, que o mesmo Sr Fidelis tinha na mao de' sdes.
Mmoel das Casimiras 6:0005 para comprar a di- < ^v-*
vida de meu pai c mais outras do casal, c qual di- Francisco, Pernambocc, mezes. *- ma
nheiro era de seus cunhados das Alagas, que o, rile rhroniea. -j u,
haviam mandado para esse fim, e por Isso nao per- Manoel Jos da Lonh* unas, ivnuiai. tv j
dia elle as esperangas de cojKlulr-se o negoc da solie.ro, Ba-Vista, colitr
melhor forma, e pedio para intervir nellc. e faier Ephigenu Francisca de Sam Anna.
chegar o Sr. Fidelis raio. M nos soliera Itoa-v.sta. phly-K-a polnoaar._
s .. c nm. Manorl, Pernambuco, 8 da*. 5. Jase,
t Nisl,chega o Sr. Manoel Fidelis,e majfcjjma Evansto jo^.n, da Silva, Piraaanaam,
solteiro, Ba-Vista, phtysica jralnanwar.
M.r.n Di.rr
deu-lh> Sr. Luiz Podro que nao, e que ao contra-
rio se eslava tratando do negocio delle Manoel Fi-
delis, e pedio a meu pai que o douasse com o Sr.
Fidelis, a ver se o reduiia a concluir o negocio,
mas que nao se fosse meu pai embora eraquanto
nao visse em que fleavam.
i Knlraram elles para o interior da botica, e fi-
cou meu pai porta, e se demorando um pouco,
voltou o Sr. Manoel Fidelis e chamnu meu pai a
escada da botica, e fez nova ofirta e chegaram
quasi a lechar negocio, quando um filho do Sr.
Luiz Pedro chamou ao 8r. Manoel Fidelis e ficou
meu pai s a esper*d*-o, s^na o#e podesse adevi-
Saul--
ezf*.9..
*riras Se aa-
raezes, B'a-Vi*ta. rcatal
ftV
Maria, Pernambuco,
sdes.
Domingos, escravo, frica, 31 ai
cife, luhiT. utos pulmonar.
Paulina, escrava, 42 annos, solleira,
febre tvphoide.
Dionisio Francisco da Silva, Peraaaaanaa.1
solteiro, S. Jos, hydmpezia.
Luixa, escravo, 13 annos, solleira, 9-*".
Olympia. escrava, 8 mears. Ba-VlH
sdes.
u I -


IslarU +t **Hkmbm*m_^ Trf letra i i clnica acerewc para suavizar o moribundo a todo i Mas dir-scha
(oesforco para soocorrer o mel Cxposto E mais, de so transportar e
urna pessoa pobre notera mais de Soma, capitn qu foi da escuna nacional Emi-
e d'aili otar Isno, se respoa /te, e seja ignorado o lugar da residencia do mes- N.
naquedes lugares existem rasan rasias e -


H PMJftr DE TUDO.
declaramos nue o Cont Antonio da Cunad t'i- j contemplando eom saudos* OCramemoracao. sado de, quj\ _
irE, que honteni publicamos, 6 transcribi da 0 apartamento dos IlInA.Srs J.x Elias "de Olivel-! allugom-sc por prego eoamodo,e ntesmo arates \em reaueler a T S cicao poredital eom o pra- N. 8 dito e 3 dito, casa terrea-
ra Joio Plnbeiro Calm, aldante e enferme.ro | gneros de pnaeira neressidade, alh se renden foja!, marcando V. S. da ei hora para os sup- j_______ Ra de 8. Goncaio.
mo supplieado, como onde possa ser encontrado,
Hua das Larangeiras.
o dito e 17 dito, isa terrea .
Una Vellia.
da casa ; e a todos os guardas, e com especial
mensao Carvalho, Loureiro, Machado, Rosa e Ani-
ceto merecebanv
Detencao, 8 de maio de 1861.
Manoel Tei.rcira de Garvalko Raala
Pastilla vermifug;as de Kem.
Todos os mediros que especialmente se teem dedi-
nueireao, ipte...
Revista Escotaslica, do Rio de Janeiro.
Sao doSr. Cyrillo de Lemos estas paginase
poesm seguinte:
PAGINAS INTIMA"!.
I
Aoi vinte annos eu tinha um corai;ao rico de
sentimenlo.
A paixao all brotava como as arrores n nina flo-
resta rirgem da minha patria.
didos de algum canto melanclico, a sua triste me- cado d cura das molestias das enancas asseverara
lopca penclrava-me n'alma, e ella arrancava vi- que as pastithas vermfugas de hevip
braco es anda mais tristes, arrebatndome cin do- o mais excellente e efllcaz qw
ees a -roubos de apaixonados pensamentos----- conhecido. Aeha..
lio e tudo mudoo radas com as substancias regetaes as mais saiuti-
Tristeesu, taciturno e solitario, trilho passos feras. O seu sabor delicioso nao causara au-
lento; o can.inho da vida, rompendo no* espinos seas nem dores, e produzem seu etTe.tocomplela-
os meus vestido*, rajando as pedras os ps ja mente sera que seja preciso logo .ramediatamente
cansaos do continuo tminhar usar de nenhuma especie de purgantes Tanto as
E boraue meu;T)"nis t 'm:,,s como os Propnos lilhinhos nunca desesperam
Ponrae araci e Nao fui amado ; porque derrame! dellas, porque se as primeiras teem completa con-
al irotta sdbre um coracao de brome a essen-'. lian? as pastilhas, estes ltimos as tomam com o
maior prazer possivel. Desde que estas admira-
reis e incomparaveis pastilhas foram descobertas,
todos os demais vermfugos asquerosos teem sido
quasi inteiramente abandonados e desterrados por
todos. As pastilhas vermfugas de Kemp se acham
lindamente acondicionadas dentro de frasquinhos
piravi o vigor da mocidade, curva-se abatido por de crystal nao s para sua boa exportacao como
prem;tura velhice, e a voz acostumada a entoar j para sua conservado contra todas as vicissitudes
hymms de prazer, cansa-se esomc-se em gemidos eos lempos. A' venda na leja de Bravo & C. e de
de aMrustias e suspiros de saudade desse lempo Caors & Barboza.
feliz,
sado
Ai
Ai
pelos mesmos procos que aqui. pilcantes produzir .i prova da ausencia do supp
Aqnelles, pois,prae estiverem nestas clrcnms- cado, e incerteza do lugar de sua residencia, assim
uncas, eu Ibes facilito explicar os meios pelos pedem ao illm. Sr. Dr. juiz a direito do comroer-
quaes se derem reger, e Ibes fornecerei os med- ci deferimento, por merc.Adrogadn, Castello
camentos gratuitamente. Braceo.
Nao deixarei d advertir ao publico, [que as mi- E maje se nao continha em dita pelicio, na
nhs preparacoes de relame sao reunidas com ou- qual dei o descach do theor seguinte :
tros Ingredientes, e com elles tenho obtido ptimos Stm, marcado o dia d'amanhla pelas 11 horas
resultados ; nao se engae o mesmo publico com da mannaa. Recife, 19 de abril de 1861 Alencar
outros, que por ah se aiiiiunci.au, cojas prepara-
coes ignoro, assim com o aproveitamento delles
aos enfermos, i quem por ventura lenham sido ap-
hoje tem sido pilcados ; cada um responde por si, c eu afOrmo,
gottal gotta sobre um coracao
cia di minha paixao !
SeTha no mondo alguma cousa, que possa mudar
comp clmente a felicidade em desgrana, c por cer-
to oswior nao partilhado.
Nai ra<-es cm que antes se via o colorido da vi-
da, c-^aJha'se a pallidcz da morte, o corpo queres-
que se perde ao longe as brumas do pas-
deser
Eu
le quem nao fecha o sea corarlo ao amor i Phtvslca
3o encanto que se deixa seduzir pelas sas Q ... *, e nreaiado
amos ras de ventura, ventura *"" ^.^ "uoKi'dSa S
se desparece cedendo o passo ao sombr.o e torro ^ ,esla> e %% ^ I10 Dluario desU
""f a. ,,., k,.ui um roin do mn ,;'*lde a maioria dos que sucumbem de tubercu-
para fazr- los ('"'."'"ares, sera procu.arein o recurso do pra-
Araripe.
E mais se nao continha em tal despacho aqui
transcriptoe produzmdo os snpplicantes as suas
testemunhas que depozerara convenientemente
Aeham-se ellas exclusivamente prepa-1 COrn verdade o qnc aqui tenho relatado, cojos me- aeerea da ausencia do supplieado Joao Ferreira
dicamenlos nesta provincia s vendo em miulia bo* de Souza, o Tespectiro escrivao fazendo sellar e
tica na ra Direita n. 88. preparar os autos, me os fez conclusos 6 nos quaes
Jos da Rocha Paranhos. dei c profer a sentenca do theor seguinte :
Nazareth do Cabo, 7 de seterobro de 1863 Hei por justificada a ausencia de Joao Ferreira
Illm. Sr. Jos da Rocha Paranhos.Com o maior de Souza, que se mostra estar em lugar nao sabi-
prazer levo ao conhecimento de V. S.. que o doen- do dentro do imperio, pelo que mando que seja
te que V. S. acha-se administrando-lhe remedios,' citado por edital de 30 das, para o lira requerido
acha-se no todo reitabelecido, portante, nada sent, Recife, 29 de abril de 1864.Tristao de Alencar
tendo desa aparecido no todo a tosse, tem muia Araripe.
disposiijao comida e acha-se nutrido. Deixou de! E mais se nao continha em dita sentenca que
tomar os ltimos remedios que V. S, receiteu no' aqui lica transcripta, por forca da qual o respecti-
dia 30 do passado, resta agora V. S. mandar-1 vo escrivao Manoel de Carvalho Paes de Andrade,
me dizer qual a dieta que o doente dere conser-1 que esta sobscrevea fez passar o presente edital
rar e por quantos temnos, mencionando as comi- com o prazo de 30 das, pelo qual e seu theor cha-
das que dever usar daqui em diante. I mo, cito e hei por citado ao referido supplicado
Resta-me agora agradecer V. S. o cuidado que ausente Joao Ferreira de Souza, para ver ser-lhe
tomn no tratamento do meu sobrinho, abaixo de assignados os 10 das da lei, a sua letra e protesto,
Dens, devido o sen restabelecimento a pericia de | conjuntamente com os demais responsaveis da
V. S., e por Isso pode V, S. sempre contar com os
meus diminutos prestimos, e desejarei em todo o
tempo dar urna prova do meu reeonhecimento.
Desejo V. S. todas as venturas, por ser de
V. S. muito respeitador e obrgadissimo criado.
Francisco Beringuer Cesar de Menezes.
era
103*000
1014000
1834000
1044000
1604000
6034000
Ne intervallo do stgsMte a* teruie, 9r
giraio Bovm cantar a aria de nter taCnet
ATTILA. ^"^^
No Ara da comedia, o Sr. Ge* e a El
D. Jaeintha Pieri anuario, peeWo. e
da opera IL POLUTO.
Terminar o espectculo coa a
em um acto,
.Va
POR CAUSA
M PAR DE BOTAS.
tan. Se.
onde fulgiam dous olhos negros
me n >dit(io I
Erh urna noute de verao.
Eu nunca notara a belleaa daflucHes olhos, mas
nessa noute elles fixaramse em mira com tal forca
de atraecao que fui me approximando della ; sua
mao iousou na minha, e sua voz doce e suave mo-
dulou-me baixinhoa msica da paixao: -
me :
rm,
apoi.-
foran
dada
amas-
perguntou-me ; nao o tremor convulso, po-
pie tomou-me o corno, e meus labios que se
rain com ardor febril na sua mo delicada,
respostas mais cloquales do que se fossem
de viva voz.
Inlleliz I eu a amava 1
Ama va aquelles ollws negros engastados n'uin
rosto de marmore, sem me lembrar de que o mar-
more 6 fri e insensivel; squecido de que ases
tatuis recebem
dem I
tico e do expeliente, que Ibes podem encamiubar o
meio de sua salvacao.
O Sr. Braga com loja de ferragens na ra
Direita, foi desengaado por dous habis m-
dicos, acha-se bum com o tratamento por mim
prescrip'o.
A Sr." Jeronyma Mara da Conceicao, moradora
na travessa do Monteiro n. 1 acluudo-se (desen-
gaada, tambera mim recorreu e acha-se resta-
belecida.
Um sobrittlio do senhor professor de Nazerelh do
Cabo, acha-se toom, como se v de sua carta abaixo
transcripta, aim de outros fados, que poderiaaqui
mencionar.
A phtysica a destruicao e a magreza de todo
corpo, em oonsequencia de chagas, tubrculos, e
mTTST^mnma- c^"^ "os bofes e de empyema, atropina ner-
culto>, ma5 nao mes cem.iwii V0Sil) e outfas rao|,,s,as que viciain os humores,
mesma letra, que j foram citados, comparecendo
ante este juizo allegando tudo quanto for a nem
de seu direito e jnsiica sol pena de se proceder a
sua revelia. Portante toda e qualquer pessoa p-
rente on amigo c coohpcido do mencionado sup-
plicado ausente Joao Ferreira de Souza, poder-
Ihc-ha fazer sciente de todo o expendido.
E para que chegue ao conhecimenlo de todos
mandei fazer o presente edital com prazo de 30
dias, que ser aflQxado nos lugares do costume e
publicados pela imprensa.
Dado e passado nesta cidade do Recife de Per-
nambuco, aos 7 de maio de 1864 Eu Manoel de
O novo banco de Parnambuco paga o 12 dirP Carvalho Paes de Andrade, escrivao o snbscrevi.
dendo a razao de 94 por accao
COMMERCIO.
NOVO BUCO DE mtNUIBlO.
Rendimento do dia 1 a 7 ........ 166:4434137
dem do dia 9................. 50:5134308
NoTlmcnt da alfandega
Volamos entrados com fazendas...
c com gneros.
Ata-a quero retroceder, e nao posso ??* 'lwreM' ^^ aslhma' beXgaS'
AS2Lrja "omeupei,oe ^ ro^^ndnaoe^de^idaA^
; que iiuiit,. pode cencorrer para a salvacao uo
' doente e ajudar os medicamentos 6, o ar do campo,
mi. dissina or momentos a UW,"V v "J"1"" "s ",t;u,V;,,"c",u;" -" .' 77K"'| urigue nacional-Bettsanocwer.
,",.. semmanle exercicw conveniente e dieta, a qual nao deve ser Rri ingiei_70n*-fazendas.
i.i u scuiui-u. d(J B8B|wt consa qneio, ou de difflcil digesuo ; Escuna n|eza Boadiceaferro.
encentro o insondavel, o infinito
Nao mais eonheco os risos da ventura, n
quer um raio de alegra
tristbza que me annuv-i,
E comtudo eu amo-a
Aini!-:t ainda apeear de todos os males que me
tem causado ; apesar-do desdem com que me trata
dn indilferenca }ue reebo em troca do meu
amilr I
Oh I podesse u arrancar do peito esta paixo
|ue[me gasta, como a ferrugem roe e consomm o
erru I podesse eu arredar de mim a sua imagen
seductora I___
Mas, nao. Para que ? morrena de saudade e
pez.ir se tal coimguisse
Volumes sahidos
com
com
fazendas...
gneros...
179
330
146
517
Desearregam no dia 10 de maio.
Brigue nacional Bctisanodiversos gneros.
509
663
e a bebida cumpre que seja de natureza branda e
fresca.
Todo o seu alimento se ha de dirigir a moderar
a acrimonia dos humores, e a nutrir, e suster o
doente, para o que preciso reduzi-lo ao uso de
vegetaes e leite.
Toda comida e bebida, que se tomar ha de ser
em poucas porcoes, para evitar que o excesso do
chylo fresco opprima os bofes, e accelere muito a
nn 'como elides- i ^'Sao Mullos doentes desia molestia se teem entregue
granados, que se habituam ao veneno do opio, ,
?S?a ?n^H.r q i'S-ti \ nnompr^l (enha,n *> proveito; e alguns expositores de
SlttlSiJmfL&T!"'** ^inacembafemeo,,, muita raziio esse trata-
Vive era paz encantadora crianza !
Meu amor nao>mais teincommodar, porque*
eanjpa discreta, e, na mudez do seu silencio, vela
inct ssante para que nao encapen os segredos, que
ihe sao confiados.
A deus.

*H'! .NAO ME OLHES I
Nem ja sei qual fiquei sende
Depois que os vi.
t. Dtas.
Os negros oftios se amorosos rol ves,
An os orrem nc teu puro olhar
Lii dos amores nos snoi brandes raios
Ar oul.o, encanto vm fazer brilhar.
Sci nb'llia iiiimcr-sa de fatal magia
Tr in>luz e fulge'nos olhares teus,
Como se acaso turante affeclo
Tocasse a virgem ideal de Deus.
Nao sei que encent, que poder oceulte
Aos olhos dea-te o divinal cndilo,
Mas sc que so rd4os eu moni de amores,
Sentindo n'alma perennal paixao.
O' virgem, vir^em do meu sonho ardente,
Vi*o celeste com quem fui me achar,
DoB-tedos males que innoeaote caucas,
Nao vais ido ..(. un teu langue olhar.
Na Crin se lt 8 <|ue segu :
A iiinaiKlade d;' S. Pedro pagou na semana pas-
sada traa divida te gratidiio a dous bomens seus
benfeitoree, inaugurando as paredes lateraes
entrada da iffreja, deus monumentos memoria
do insiitmdor do Jro e do instituidor do patrimo-
nio dos clcrifriis pables :
Eoa duas lindas pedras de marmore coilocadas
na parcele, toado prarados os bustos dorados dos
dous serros de Uns, se le
Lado da E|.istol.i
Jf inwm raam aperwA tnopt et
polmai mtis exUuuW. ad ptiiipeirm.
Saloinao.
Atpii jazem
os ossns rio Sargento-Mr
Alexandre Dias Kesendc
instMuid.ir do patrimonio
dos clrigos pobres.
Falleceu em 8 de agosto de
MCCCX1I.
I^ado do Evangelho :
Cantte domino et benedicile nomini ejus.
A' memoria
de no.'fO irmao
Manoel Vieirs dos Santos-
instituidor do coro desta
irraandade de S. Pedro.
Fallecen a provincia de Minas.
# -4
AJm da refntacae 4o sabio conse.lheiro Ataran,
i ideas proferidas oa cmara os depu'ados so-
trp as orden* religiosas, por u ruicao ; nm outro lenteda academia do Recife, se-
gundo di o Jornal do Commtncio, prepara tam-
ben) tuna memoria no sentido do douto caase-
Ihiiro.
A Paculdade de Direite da 'briosa provincia de
1'ernambiN'n, por mais de urna vei, tem mostmdn
>v sens senliventos cailiolicw en. defcza da igreja :
^^^e os nomes dos Srs. Autraa, Braz florentino, V-
.------^_^dela, Figueiredos e Aginar, o.uomes bem conUe-
Idos no paiz como illustraoes e como propugna
) dores dos principios catholicos.
Escuna ingiezaRosecarro e ferro.
Escuna ragleza Zampefazendas.
Brigue honoverianoUraniafarioha de trigo.
Brigue inglezOthellobacalho.
Iiiiimh-:k,-Tio.
O vapor nacional Parahyba, entrado do norte ma-
nifestou o seguinte :
De Maco.
3 saceos com 14 irrobas e 8 libras de algodo,
8 ditos 28 arrobas de carnauba, 16 molhos com
400 courinhos, 15 meios de sola.l sacco pennas de
ema ; a Antonio D. Carneiro Vianna.
300 meios de sola, e 22 molhos com 220 couri-
nhos ; a Rufino A. de Almeida.
18 saccas algodo em pluma, 5 ditos com 19 ar-
nd'-K c 24 libras de carnauba, 1 dito 14 libras de
pennas de ema, 17 meios de sola, e 12 molhos com
Tristao de Alencar Araripe.
Pela thesouraria prorincial se faz publico,
que as arrematarles das obras da conserracao da
estrada do sol entre o marco de 12,000 bragas do
engenho Massangana e reparos da parte do caes da
_ rna da Aurora, em frente do Gymnasio provincial,
16 O.S6A645 foram ,ransferidas para o dia 2 do corrente.
===^= Secretaria da thesonraria provincial de Pernam-
"! buco 6 de maio de 1864.
A. F. d'Annunciacio.
Secretario.
De ordem do Sr. inspector da alfandega se
faz publico, que lica transferida para o dia 10 do
corrente a arrematarlo annunciada por edital de 4
do mismo, relativo a 18 saceos com sementes de
algodo.
4* seccao da alfandega de Pernambueo 7 de maio
de 1864.O 2 escripturario,
Caetano Gomes de S.
Jos Francisco Pires, offlcial da imperial ordem da
Rosa, tenente-coronel e commandante do 4- ba
talhao de infamara da guarda nacional do mu-
nicipio do Recife, por S. M. o Imperador a quem
Deus guarde, etc.
Faco saber a quem nleressar possa que, em rr-
tude da lei, tenho conrocado para o dia 15 do cor-
rente mez os conselhos de qualiflcac,o das fregoe-
zias do Poco da Panella e Varzea, para o lim de
procederem revisan da mesma qualificaco, cu-
jos conselhos se reunirao nos consistorios das igre-
jas matrizes das referidas fregoezias, dando prin-
cipio aos seus trabalhos s 9 horas da mannaa do
indicado dia, que duraro por tempo de 15 dias
consecutivos. *
E para constar mandei fazer o presente que ser
afxado nos lugares mais pblicos das ditas fregue-
zias, e publicado pela imprensa.
Quartel do commando do 4" batalhao de infanla-
Recife, 4
:I00 courinhos ; a L A. Siqueira.
32 couros salgados; a Cunha Irmos. j ra da guarda nacional do municipio do
1 caixote com lOgarrafas de manteiga t ordem. j de maio de 1864.Jos Francisco Pires.
Do Acaracu' O Dr. Tristao de Alencar Araripe, offlcial da
ment.
E' costume carregar o estomago do doente com
medicamentos oleosos c balsmicos; porra estes
era vez de tirar a causa augmeulam-na, esquen-
tando o sangue, ao mesmo lempo que tirara o
apetite, relaxara os solidos, e sao de toda sortc per-
niciosos.
Tado que se fizer para extinguir a tosse, alm
do exercicio e rgimen apropriado devem ser re-
medios de uatureza acida, detergente e calmante.
Os accidos possuem a virtudc de produzirem
bous elTeitos nesta enfermdade, porque, nao s
contribaem a apagar a sede quaudo acoinetlem a
febre ethica, mas tambera a refrescar o sangue.
Aos doenles desta enfermdade, quando o seu
estado de gravidade tal que a febre ethica os
acometi, prescrevo-lhes o sueco de um limao
dissolvido em urna chicara
um^Lu^ndSa^ TXJSLTEZmSr I G;,leo,a "^Panho'a M, entrada de Cdiz, con-1 Mendonca & IrraSo devedores
Tebre e3 : sifflUdo, a Aranago Hijo & C ; manifestou o se- 3:6145620, e dos juros de um
N. 10 dito e 22 dito, casa terrea..
Ra do Pires.
N. 13 dito e 39 dito, casa terrea .
Ra da Lapa.
N. 40 dito e 11 dito, casa terrea..
Ra do Vigario.
N. 72 dito e 27 dito, dous andares
Ra da Senzala Velha.
N. 78 dito c 136 dito, dous andares.. 6514000
N.80 dito e 132 dito, dous andares.. 4104080
N. 81 dito e 18 dito, casa terrea.. .. 1924000
N. 82 dito e 16 dito, casa terrea.. .. 2014000
Ra da Guia.
N. 8* dito e 29 dito, casa terrea.. .. 1254000
Ruado Pilar.
N. 91 dito e 105 dito, casa terrea.. .. 1634000
N.92dtoe 104 dito, casa terrea.. .. 1634000
N. 94 dito e 99 dito, asa terrea.- .. 2544000
N. 97 dltoe 10 dito, casa terrea.. .. 1624000
N. 100 dito e 104 dito, casa terrea. .. 1634000
N. 105 dito e 94 dito, casa terrea.. .. 1734000
Rosarinho.
N. 3 particular, casa e sitio...... 3224*90
Mirueira.
N. 4dito, sitio.......... 413400O
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do ite-
cife, 9 de maio de 1864.
O escrlrio,
P. A. Cavalcanti Cousseiro.
Pela administraco do correio desta cidade
se faz publico, que de conformidade com o decreto I
n. 187 de 13 de maio de 1861 e respectivas ins- '
truccoes teve hoje lugar o processo da abertura das ]
cartas atrasadas pertencentes ao mez de abril de
1863, condemnadas consumo pelo artigo 138 do
regulameuto dos correios de 21 de dezembro de
1844, assistindo a esue processo o commerciante
Victorino Jos Monteiro. Desta abertura resulten :
achar-se urna carta com dinheiro, que lica descrip-1
ta cm livro para esse lim destinado, sendo ella de
M. Tertuliano, para Samuel W'asdman, contendo '
54 era sedula. Por ultimo procedeu-se ao queima I
de todas as mais cartas, de que ao lavrou o respec-1
tiro termo, que c- o que se segu.
Correio de Pernambueo 4 de maio de 1864.
O administrador,
Domingos dos Passos Miranda.
Termo de consumo das cartas pertencentes ao m>-z
de abril de 1863.
Aos quatro dias do mez de maio de 1864, s 11
horas da mannaa, na salada administraco do cor-
reio desta cidade, estando presentes o Sr. adminis-
trador e thesonreiro Domingos dos Passos Miranda
e mais empregados procedeuse era vlrtude do ar-
tigo 138 do regulamento dos correios de 21 de de-
zembro de 1844 o consumo de 248 cartas e 11
joruaes, sendo 129 selladas e 119 e II jornaes nao
sellados na importancia de 215108, como conste' Ra jiraade
da factura, ecuja importancia tica nesta data des Va ^fn\T rnm hreridaite a barra acaaat
carregada ao mesmo Sr. administrador e thesourei-; :a(^ ootr'ora Recife, rece* -arga a
ro. E para constar se lavrou este termo em que do 'ara 0 ,.ae trau-se com BaMmr b
assignou o mesmo Sr. administrador c thesouretro ja Qdeja n. j<$.
e empregados abaixo declarados. E eu Eduardo
Firmino da Silva, ajudante c contador que o es-
crevi.
O administrador,
Domingos dos Passos Miranda.
Os officiaes papelistas,
Ismael Amavel Gomes da Silra.
Luiz de Franca de Oliveira Lima.
Vicente Ferreira da Porciuncula.
O praticante,
Agnello Hcracho A. Pernambueo. Kr .R1!
O porteiro,
Manoel Marinho Souza Pimentel.
rOKrtMO tKKAi.
Relaro das cartas segnras vindas do norte pelo
vapor Parahilia., e das e\\stcntcs na adminis-
traeio do correio desla cidade, para os sniores
abaixo declarados:
OSr. Smoitz per ob-
orche'ta n* duelo que
mesmo Sr. Guidi e a Exi
Piri.
O resto dos bilh.*tes raaase
torio do tbeatro.
Ceaareara haca.
mi: \ rito
'aicrrlo de AagHaM
Em cunsequemia da morte do Kim. e
Sr. hispo aWCaaaa hVa transferlo e i
para qiiarta-feira II do corrate.
Grande gseriadt1 vistas m>-
dernas.
Raa da laiarawrls a. *.
Hoje estare )alfatrs as Mfaiato
> islas:
i Real santnaiiodo Hom b-sns *> eaae n
suburbios Je Braga.
2 Cidade de Braga.
3Cidade do Porto.
4Cidade de Coimhra.
5Ctate de Lisboa.
6 Estatua equestre de D. Pedro I ao auyu *
Raa no Ro de Jam-iro.
7O larg.i do paco apinhmlo > wen
a nao Vasco da Gamo. Barca do reat*a e *
praea do rommen'io toda illamiitMb pela err
dos festejos d^ casamento do re D. Lea.
Hoje mudainse novas vistas ae $, Irl
horas.
O salo estara aherto ate o u 15 a
Eatrada 500 rts.
AVISOS MUITDaM

a 9
u'agua com bstanle .
para misturar cora S;4 Leilao Jnior.
327 meios de sola ; a riura Manoel Goncalves
da Silva. .
136 meios de sola; a Jos do S Lejao Jnior, j
99 meios de sola ; a Fernandes & Irmao.
Do Ciara.
40 barricas farinba de trigo ; 1 caixa chitas ; a
"!' I.'lll.
1 fardo estopa ; a Jos dos Santos N'eves.
2 barricas queijos nacionaes; a II. J. N. Souza.
Do Araeaty.
4 barricas com 2 arrobas de soda ; a Jos de
com que aliviara no acometliment da febre, e i
niauhaa o xarope ctherio de veame. Tenho acon-
sulhado, que fajara uso de vogetacs de natureza
acida, como larajas, limoes, pitangas, uvas etc.,
e applicacoes de plantas amargosas, que fortificara
o estomago, e servem ao mesmo lempo para destruir,
o mi ligar a sede.
A Sr.1 D. Joaquina de S Barrete, tendo urna
sua escrava fallecida desta molestia submettu ao
tratamento do seu medico, resolveu procurarme
para tratar de um outro escravo, que soffra da
mesma enfermdade, prescrevi-lue o xarope de ve-
lame, tem melhorado consideravclmente.
A senhora do Sr. Antonio Francisco Honorata
foi deseuganada por habis mdicos desta cidade,
esteve prosada, e nos ltimos paroxismos da morte,
foi cora o xarope u^e veame salva, como se v da
carta apresa no Jornal da fttife do 9 de feve-
reiro de 163.
O escravo Emilio do Sr. tenente-coronel Rodol-
pho Joo Barata de Almeida, (ai tambera desen-
gaado por habis mdicos, c
guinle
50 lastros de sal; aos mesmos consignatarios.
Recebedorla de rendas internas
geraes de Pernambueo.
Rendimento do da la7........ 4:70.)5"Oo
dem do da 9................. 1:614*740
Ao publica.
Anteciunndo nimba partida para o presidio da
6:320544o
Consulado provincial.
Rendimento do dia 1 a 7 ......... 24:1064673
dem do dia 9................. 7:3015218
veame acha se completamente re-labelecido, como
-se v tambera da carta impressa do mesmo Sr. te-
Dgnte-coronel no mesmo Jemal do Recife.
O Sr. Anlouio Chi istiano Fogt, filho do Sr. Chris-,
timo Fogt, proprietario e estabelecido na cidade
de Macei, o priniriro bem conhecido nesta cida-
de, pois que foi emprecado na casa do Sr. Len
Chaiiellin retratista. esiabeleido na ra da Impe-
Mtrk, acomeltido desta molestia foi aqui desenga-
ado por habis mdicos: ielrou-se para a Baha,
e -Mi conlinnou era Iratamenlo, al que foi se-
gunda vez desengaado pelos mdicos d'alli, che-
gando eu a Macei, um amigo pedio-me, que o I
aeoapanba&M at a casa do Sr. Christiano para ver '
um doenle e prescrevcr-lhe algum remedio, encon-:
trei o lillio era uraa cama desanimado e em estado
de .prostraciio, pois que escarrava sangne, e tinlja
cmplela inapetencia, e fraqueza, a ponto de nao
se poder por em p, no fim de uraa garrafa do
xarope ethei io de veame J se achara elle no es*'
tado de passear em casa, desapparecida a nape-
lenci, e os escarros de sangue ; e a tosse mi-
ligada.
.No lim da segunda j achei em estado de fazlo i
passear,pelo seu sitia todas as manhas. Acabada
esta o aeonselbei, que conlinuasse no uso de mes-
nio xarope elherio alternado cora o charope alcoo-
lico de veame, e que usasse du-
im-
perial ordem da Rosa e juiz de direito especial
do commercio, desta cidade do Recife, capital da
provincia de Pernambueo e seu termo, por S.
M. I. e C. o Sr. f>. Pedro II, a quem Deus guar-
de etc.
Face saber pelo presente que Francisco Gomes
da Silveira, como testamenteiro de Henry Gibson,
por seu advogado, mo dirigi a pelicao do theor se-
guinte :
Illm. Sr. Dr. juiz do commercio.Diz Francisco
Gomes de Oliveira, como testamenteiro de Henry
Gibson, que sendo Juvencio Antonio dos Santos
da quantia de.....
e meio por rento ao
mez, importancia de urna nota proraissoria que se
tem de vencer em 23 de noverabro do corrente
anno, qu*r o supplicante interromper a prescripeao
para rujo lira, sjrva-so V. S. mandar lavrar o res-
pectivo termo ; e como os supplicados se acham
em lugar incerlo, quer o supplicaute justificar sua
ausencia, alim de ser citado por editos.
Pede V. S. assim Ihe delira.E. R. M.Aleo
forado.
Nada mais se continha em dita petic/io aqui ver-
bo ad verlntm transcripta e copiada, na qual dei o
despacho do theor segrale :
Sm, e juslilique amanha a urna hora da tarde,
ltecife, 23 de abril de 1864.Alencar Araripe.
E mais se nao continha em dito despacho aqui
verbo ad eerbum transcripto, era cumprimento do
mesmo fra a petigo apresentada ao distribuidor
respectivo Jos Joaquira Pertira da Silveira, fra
feita a distribuido ao escrivao do juizo especial do
commercio Manoel de Carvalho Paes de Andrade, e
produznao o supplicante as suas testemunhas que
depozerara convenientemente acerca da ausencia
dos supplicados Juvencio Antonio dos Santos Men-
donca & Irmao, sendo competentemente sellados e
preparados os autos subiram nimba conclusao, e
nellns dei o profer a sentenca do theor seguidle :
Julgo proced ule a justilicayao pela qual se mos-
tra acharera-se era lugar incerlo os justificados
Mendonca Si Irmao, que mando sejara citados por
editos de 30 dias para o lim requerido. Recife, 29
de abril de 1864. Tristao de Alencar Arari|ie.
E mais se nao conlinhae era outra alguma cousa
se declara va em dita sentenca aqui verbo adverbum
transcripta e copiada, e em observancia da qual o
respectivo escrivao Manoel de Carvalho Paes d
O Illm. Sr. inspector da thesouraria provincial, Andrade. que este subscreveu, fez passar o presen-
em cumprimento da ordem do Exm. Sr. presidente | te edital cora o prazo de 30 dias, pelo qual e seu
daprovinjia de 30 de'abril prenimo frado, manda : theor chamo, cilo e he1 por citados aos justificados
fazer publico que no dia 16 do corrente lera lugar [ ausentes Mendonca & Irmao por todo o contendo
novo concurso para preenchimento da vaga de 2o! na petieao cima transcripta e copiada : portanto,
escripturario da mesma thesouraria, devendo os toda e qualquer pessoa, prente, amigo ou conhe-
pretendentes ser examinados na grammatica da cido dos mencionados justificado* ausentes poderao
"ingua nacional, escripturagao por partidas dobra- j fazer sciente de todo o expendido.
Navio entrado no dta 9.
com o xarope de R0 d(1 janero17 jas barca ingieza Imperador,
de 461 toneladas, capitao John Power, equipagein
11, carga 4,000 sarcos com rafe Mathens
Austin & C. Veio receber ordens e seguio para
New-York.
Obseivaco.
Sabio c fundiou no lamaro a espera dos papis
tendentes a sua viagera, a barca ingieza Endij-
ntione.
Alexandre Luande
Braga V Antunes.
Candido Tliomaz Pereira Dutra.
Daniel Guimaraes & C.
Guilherme Carvalho & C.
Dr. Jeaquim Moreira da Silva.
Padre Joo Baptista Soares.
Joaquim Lucio Monteiro da Franca,
Jos Antonio Moreira Dias & C.
Jos Joaquim da Cunha.
leed Mendos de Freitas.
Jos Monteiro de Siqueira.
Mauricio Francisco Ferreira da Silva.
Manoel Alves Guerra.
Theobaldo Baltber Browne.
Travasso Jnior & C.
Vidal S Bastos.
Vianna \ Guimaraes.
Correio jeral,
Pela administraco do correio desta cidade se
faz publico que era' virtude da convenco posta
celebrada pelos governos
rao expedidas malas para a
corrente pelo vapor inglez Oneida. As cartas se-
rao rerebidas al 3 horas antes da que for marca-
da para a sahida do rapar ; e os jornaes al 4 ho-
ras antes.
Administraco do correio de Pernambueo 9 de
maio de 1864.O administrador,
Domingos dos Passos Miranda.
Hoje na audiencia do juizo de orphaos, escri-
vao Facundo, vai praea um terreno penhorado
por Antonio Joaquim Jos de Sant'Anna contra os
administradores da m.issa fallida de Joaquim Lu-
cio Monteiro da Franca.
praea de casa terrea da ra ib' Tambi,
annunciada para sexta-feira, ficou transferida para
hoje 10 do corrente, s 11 horas, na audiencia do
juizo de orphaos.
Conseiho administrativo.
O conselho administrativa para fornecimento do
EDTAES.
, das, arilhiiietioa e suas applicacoes com especiali-
: dade a reduccao de moedas, pesos e medidas, ao
calculo de descont e juros simples e composto,
sendo preferido os que tiverem boa lettra c soube-
rcra lingnas estrangeiras.
Os pretendentes devero apresentar seus reque-
banbos sa^aaos rllicn[8s nesja thesouraria com documentos em
,!n,,.'acnefla d Imar- Set0 e"e n8 P^^""03! que prapem que sao menores de vinte annos e tem
baubos alguns choques, mas em o aconselhoi que om'romoortamento
H^S^^t 1US M T ,daj "" '^l: B para constar se mandou publicar o presente
pois que, -teano recebido cartas de Macera, em .que'
se rae corainunica o seu bom estado.
Nesta molestia os expositores de medicina nao
aconselhara hanhos salgados, apenas quando d'elles
tratara, dUem ser applicados contra as escrfulas,
hypochondria, eslherisrao, amenor.rhea, racihis-
pelo Jornal.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
bueo, 2 de maio de 1864.
O secretario
A. F. da Atmunciccao.
mo ele.; entretanto vi este bom resultado no lho.O Dr. Ernesto de Aquino Fonseca, cavalheiro da
do Sr. Chrisbano, e outros factos iguaes tenho vis-
to as mote4ias-siphylicas, e ouuas raaias que
eos e.uso do .xurope alcoolico de veame lem se
sbtido cora ladicaL
O Sr. Dr. Silva medico hbil de Macei, depois
de ter applicado a um seu doente de rheura&lismo
o xarope alcoolico te veame, logo que- rito se
ordem deCbristo, juiz de orphaos e ausentes da
cidade do becife e seu termo, por S. M. o Impe-
rador, que fieos guarde etc.
Paco saber aos que o presente edita! virem que
a requerimento do Dr Manoel do Na.-cimenlo Ma-
ohado Portella.eurador do prodigo Valeriano Man-
so da Costa Reis, vai a praea por trae annos o ar-
aos em estado de largar as muletas, em que an- rendamento do eagenho do Meio, de ipojuca na
E para que chegue ao conhecimento do todos,
mandei passar edilaes que sero publicados pela
imprensa e afflxados nos lugares do costume.
Dado e passado nesta cidade do Recife de Per-
nambueo, aos 7 de maio de 1864. Eq Manoel de
Carvalho Paes de Andrade, escrivao o subscreri.
Tristao de Alencar Araripe.
DEGLIRACOES.
COMPANHIA
Sao convidadus os Srs. accionistas desta
compaithia a reunirenf-se em assembla ge-
ral no fia i I do corrente mez ao meio da
para em conformidade dos seus estatutos
deliberar sobre as contas do semestre lindo
ha de Fernando, se menos feliz na sooiedade, que da*a arrimado, o aeoaselhou que conhauasse ora comarca do Cabo, por 1:2004000 annuaes, de ente 1 6 proceder a eieicao da DOva direc^ao que
. >___ 1___________%____- _^____m a.^ha _^ t k L1 k 1 1 1 A i't t\ j~l \ C\ WW ^k t W k \' r> iu.i /I.Mll Mili't'. t Y*t I L l m k l\ l\l)^ \.l d~4h J^f\JfVt% J1 tt AAll .1 Jht. M ^-k M rt^ jvt.rt ..tr. k.A __A ^- _______U&.____- 1- __________I _l ^k^B& I \ 1 -i. L. 11 __ *
a sorte me desmembra cumpriosento de urna
sentenca all, leria por mais carpir meu pensa-
K;to saudoko, ao passo da sensibilidade, que roe
ica todos os instantes de graiidiio, M nao deixasse
emto ligeiros traeos aleaibrancaescriuta de anta
re^ooliecimeiiio paga com os Illms. Srs. &r& Rufmu
Augusto da Almeida e Franeisco Josa da Silva, r-
dadio prestantes quaoio huinanos, pelo que me
revelo grato.
E sem buscar testemunho mais poderoso que o
o usa do mesmo xarope conjune lamente com os engenho e oonsenhor da quana parte o predito pr-
baubos salgados, com <>ue se tem dado muito bem, digo.
e o u*n dos medicas, rjue all em Macei tem com-: E para constar mandei passar o presente que
pela onlianca as prefiararoos de veame por ser atfxado nos logares do costume, depois doler
mim faifas, pelos bons resultados, que tem obtido transitado pela chancellara do supremo tribunal
em sua elinica. ,. j da relacao do districto.
Quando alguem se xeom tese rai ao medico,' Dado e passado nessa cidade do Recite de Per-
este o examina e declara o senhor est affectado nambuco,ti 23 de abril de 1864.
dos pul meso doente desanima, com este senteo-i Bu Fternoo Corroa de Brito, escrivao, o nz es-
ea flntende far sem mais cura, quando os facU crerer e subscreri.
manifest presenta, do dteno adTnimstrador da a experiencia teem demonstrado" que muites, ten-! Ernesto de Aquino Fonseca.
casa de detencao desta provmeia, seu zelo incan- do procurado o lugar apropriado, se teem salva- O Dr. Tristao de Alencar Araripe, offlcial da im-
savel, a rehgiao no piaculo d nossaa culpas, man- do; e assim expheam muitos expositores de me- perial ordem da Rosa, juiz de direito especial
dando-nos celebrar at o Mez Mariano : esualdicina. do commercio da cidade do Becife de Pernam-
cconomia lazenda publica, fazend ao mesmo | Ora, neste provincia temos facilidado hoje c re- buco e seu termo por S. M. L e Co Sr. 0. Po-
tempo contentar aos uresos pe! educado prima-1 corso do ar ; por que a via forrea nos proporoio- dro II, a quem Dos guarde etc-
ria de seus limos : e na elesacao do tcabaiho arti- i nay pote que em pouco tempo urna pessoa que exis- Faca saber pelo present edita e delle tiverem
ocioso em que os emprega, mediante o amparo do | te nesta .i.iaaa fcilmente se transporta para as noticia que Joaquim de Souza Maia & C. por sen
sua attencao candosa para cora todos, formando .ultima incites de Gomeieira e Una, luaaree per- advocado rae dirigi a petieao do theor seguinte:
excedentemente um corpo de artesdes animados no todo Bonito' de outros nomos que so considera- Um. SrDizem Joaquim de Souza Maia & C,,
tendea, nos sertity, quanto mais ooe os mesmos lugares que tendo requerido a citacAo pela precatoria Hi-
ja nao sao maos, segundo, pens, principalmente no, clusa, sendo ter sido ella derolvida com cerlidSode
verSo- que nao foi encontrado o snpplicado Joo Ferreira
E assim o distincto medico no nue sua humani-
dade, confeso na dedicada amizade qnc alm da
deve servir at 30 de abril d anno prximo
futuro.
Eseriptorio da Companhia de Beberibe, 9
de maio de 1864,
O escripturario,
Marcolino Jos hipe,
Saata Casa da Misericordia
Reefle.
A Illm.* junta administrativa da Santa Casa da
Misericordia do Recife manda fazer publico, que
no dia 12 do corrente pelas 4 horas da tarde na
sala de seas sessoVs tem de ir praea as rendas
das casas abaixo declaradas, pertencentes ao pa-
trimonio de orphaos, os licitantes devem compa-
recer aeorapanhados de seus fiadores ou munidos
de cartas destes.
Ra do Imperador.
N. 2 particular e 81 publico, dous an-
dares..........1:262:000
Largo do Paraizo
N. 4 dito e 29 dito, dous andares .. 9024000
pri n
ami v
COMPANHIA BRiTTXimA
DE
PAQITETI A VAI
E' ept-rado tw* porto* 4 o*cv
al oda 17 do corrente
Apa, commandante i
lente Alcanforad),
pois da demora da o
portes do itL
Desde' J recebem-se pauageinw e ene
carga que o vapor peder coedniir. a
ser embarrada no dia de -na i
das e dinheiro a frete ate o dia da sabida ae t te-
ras : agencia, ra da Cruz n. I, i n ripease
ionio Luiz de Oliveira Azerede A C

Para o Maraaaaa e
0 patacho Behmbe a seguir enm mmta ai sida
de recebe carga e freivs para Marais a 3a r-
por arndia. e para o Para a 310 per
tase com os sem consignatarios Anton*
Olivt-ira \7eved0 A C no seo urrieterto raa da*
l^ruzes n I. __________________^________
Rio de Janeiro.
O brigue Imprim Mai imhriro s^nse mea bsi
dade, e pode roMBOt alguma carga wat m me
es consignalarios Marques, Barros A C, arpa *
(]orpo Sanio n. 6.
- Para o Hin de Janeiro, a fnir hnrate.
carregandn o briirue brasileiro mpn-<*4*r. de tem
marca e com coinmodo* para esrraroe : a tratar
no eseriptorio Ainorim Irraaos. roa 4a '.ras n
ou cora o capilao Jos Rodrigue* Prats. na *r*r*
do commercio.
Para o Miininhao e Para
pretende seguir cora muiu lirevilxte o i Herb
Bfj
brasileiro e francs, se-1 naetonal Marm\\ tea pata-ds san
Europa no da 16 do prompto : para .. re.-io que Ihe i:
ksnel
os ana consigaatsnaa Antonio La de ottretca
Azevetlo em ~eu eseriptorio ra da Crea t
Para Baha vai sabir em pmen
carga que liver o rcteiro patarbe D.
lio Jos Tettetra rte naneada,
quizer rarrvgv pana aai'i a
l'.ilrn.ira .V Itellr.io. l.,rgo do i orpo fmno n. V
prim.'iro andar. ____
Para o ttio me Janeiro
o brigue Bebearis saaa ci>m brendada.
rnaofea atpaai onrai : tr.it.-. >-nm
larios Marques Baraa >v i!., largo 4o l'/trpt
numero 0.
ObriiH1 Dortann t'.itnimh u-mifoma brr^ata-
' I CI IllM-IMU tHIIIIIIIIM I .i; i M' 11.11 ,1 I' M li' i lill'-llti' "1 I I I ____ ff-^.
ssL*i *- d0 com^v S0,,Jccl0S IkrtiStZXZSS^
ro* is C, largo do Cospn Santa n fi, m
seguiutes:
Para o corpo de gnaniicao.
2 resmas de papel al maco, 2 caixas de peonas
de ac, o pennas de ave, 2'garrafas de tinta preta,
2 diias ae lapis de pao, 2 libras do areia preta
para eseripte, 12 cartas de a b c, 12 laboadas, :!
grammatteas portuguoza por Monto-Verde, nliima
edii;5o, 3 aritlimeticas por Avilla, 3 paulas, 12
Iraslads, 2 pedras para escripia, 6 creides.
Para o arsenal de guerra.
10 caixas follias de Randres linas do 26 poli'-ga-
das de comprimento e 19 ditas de largura, 10 cai-
xas de 24 ditas de dito e li de ditas dita, 20 cai-
xas de folhas pequeas linas.
Para o 7 batalhao de Infantera.
M bonetes redondos para reclutas
Quera quizer vender taes objeclos aprsentelo as;
suas propostas em carta fechada na secretaria do
conselho, s 10 horas da manhaa do da 11 do cor-
rente.
Sala das sesse do conselho administrativo para ;
fornecimento do arsenal de guerra, 4 de maio.
efe 1864.
Antonio Pedro de S Brrelo,
i'oronel presidente
Sebaslio Jos Basilio Pyrrho.
Vogal secretario.
No dia 10 do andante mez, depois da audien-
cia do Dr. juiz municipal da 1* rara, vao praea
diversos movis penhorados Manoel Dnarie de
Souza, por execuco que Ihe move Jos da Fonseca
e Silva.
No dia 11 do andante mez rio praea de
venda, depois da audiencia do Dr. juiz municipal
da 2* rara as casas da testamentaria de Victorino
Teixeira Leile, todas era Afogados, ra Direita n.
84, ra do Maxixe n. A, rna do Motocolorab n>.
23 e 39 A, um pequeo sitio no porto de Motoco-
lorab.
pitao lli'iiri'pn' dos Sanio* Kernan-te*.
I'.it'a o Klo 4.r:tad> do
pret lele seguir com muita brevMlade
nacional Carolina, lem parle do BffJ carn
promplo : para o resto que Um- falla, ir^i.i
o eapilao Iteianuino ou na praea do commercio.
"Companhia brasileiba
DE
PAQUETES A VAPOR.
I> >s |i>>ruK ilo sid esperad.
a ti- o da 16 lo corrente e rao**
Paran, commandante rapiti
de fragata Santa lUr'ara. o npu'.
depois da demora do eeetaane sn-
guira para os (Mirlos do n'>rte.
Desde j recebem-se passageiros e rnrsi n a
carga que o tana poder conduzr, a osni dewra
ser embarcada no dia de .na rheaada: enana
mondas e diulieiro a frete ate o iba da tbida l
horas, agencia roa da Cruz n. I, esrnptotm d>
Antonio Luiz de oliveira Azeredo C
THEATRO
DE
S. ISABEL.
tBKii> CiHKKRi
firantlp espeelacno Ivrir.-d<-amatice.
Iteeita extraordinaria
Lirre da assignalura.
TERfA-FEIRA, 10 DE MAIO DE 1864.
Subir sema a linda e chistosa comedia em
tres actos, ornada de canto,
0 MDICO 4 PAO
No intervallo do priraeiro ao segundo arto, o Sr.
Guidi cantar a aria da opera IL POL1UTO, a
carcter.
LEILOES.
LEIIiA
DE
Minis, pianus, ralir elH, jiasefe no-
la e uro f outros muitos jrrtajt.
dW
NOAOHAXai D.V HUA D CaDCIA BO RaoVC OL Va
O agente Olimpio far l*ilao de diversas abra-
novas e usadas de man ineiria. o de na nada a
bnolet, jolas de prata c ouro e de ontrus nsma*
objeclos.
Dar principio s 11 horas.
^^^^
A. V. da Silra Barroca faz teMin
cao do agente Miranda, de fazendas
ao raeio dia, em sen artnaana
n. *.
rw
da rna M Cadera
Quarla-frir, Hit
:: aara*.
O afrente Miranda, em sen ai
Cmz n. 57, no dia e ora cima
lao de dirersas obras de marrineria.
orna commoda, um goarda-romte, <
aparadores, meas, cadetras, sota,
nheiras, assim como i^abaa rase* de
porcelana, 'ante-^ eandieiroa, na, a*


Diario de rrr*.afctn, O Iferffl felra IO dr Maio I Mkt.
inimo
Mayis e obras de prata -como sejara:
Uim niobiliade Jacaranda, 1 cama para casa-
do-, I xtiarda louca, 1 mesa para jaula r, i relogio
de prele, i dito de algiboira, i caileira, 1 com-
o la. 2 eabides, i mesa, i ecpetbo, rasurar-; o
Mangas, 2 jarws, i lavatorio, louca, vdrus 'e on-
iros objectos.
24 colhcres, 2 sabr-, 2 pares de rastieaes, 1 pa-
liieiroeuina cotaer grande ludo de prata do Porto.
Quarla-feira 11 ie naio no sobrado
O agente Pinto fara leilao eom autorisafo de
urna ramilia gue relira se para a Enr|, de lados
os objectos cima mencionados eaisteotes no so-
brado da ra do Kangol a. 53, onde se effectsar
o ledo a> M horas do da cima dito.
em particular, vivemos na mclhor inlelligeneia.
E de tudo isto tira elle, motivo para me ineemmo-
dar de novo, propondo-meuma a ceo rescisoria do
; divorcio, na qual allrgou as mais revoltanlesalsi-
dades.
Pedia o decoro que eu me aOstivesse de trazer
Inx publica esta desgranada rueslo, que o Sr.
Borpos ten procurado dar urna triste celebridade.
Entretanto, forjada pete mdigao. c insidioso pro-
cedimeuio do Sr. Burgos, venho, bem i meu pe-
zar, fazer perante o publico as seguintes solemnes
declaracSes, que secao repetidas eraquanto o Sr.
Burgos nao se convencer de que deve deixar-me
l i ii ii t n- IV11* -i i 2 Ja corren!1 seminerrupeao.vivsr iramrictilla e socegada. Nao
ffUlflia tetra, i hii torrale quer^ eommeu s^vAOt uma appareacia de
. II horas. verdade ao romance que o Sr. Burgos aventn c
O arenle Mirauda, requerimento do Sr. Andr espalha, e favoreeer assim os setis tenebrosos pla-
de Abren Porto, c por despacho doSr. tr. juiz mu- nos.
nici|>al da 1* vara, ar leilo das mercaderas e Eis aqui as minhas declaraeoes :
mais objectos perteneentes a Carlos Antonio Von- Sahi da eornpairhia do Sr. Burgos e rafugiei-me
der Linden ; a saber : 8o barris com alvaiade, 1 na casa paterna para Ihe nropor a accao de divor-
dito rom potassa, 5 pipas com vinagre, grande quan- ci, nao porque fosse isso movida por vwitade
tidade de garrafa e botijas eom bebidas espiri- estraoua, mas sim en rano dos inconportaveis
I O tt. Posee de Leoo. .
I O Sr. Antonio Carlos Pereira de Burgos Ponce
de Len insiste em fazer persuadir ao publico, que |
eu me separe! de sua companhia Ihe propaz ac-
cao de divorcio, sem que para >o 'ivesee motivo
algum fundado, mas arrabiada to somonte par;
inovimento jBtranbo, ehegandv sua velteiade ao A' ra de Crespo 2* e eaaat de costaste
fonto de iKtilcar. que eu vivo sob a presso da q aDaXl) assigaado leudo vendido nos seus mui-
vonlade de mees paje, e que s pelo mvencvel t0 fe|zes bilhetes garantidos o meio n. 423 com a
temor que estes mo mepiram que anda nio me 8orte e 5:000*. n- 2*1? com 3004 e eutras mui-
reconciliei ostensivamente com elle, quaudo alias, t3s sorles jt) iqqj, 40* e 20* da lotera que
9
4841)4 FORTUNA
aos io:ooo illliele* f arantido
A' ra de Crespo

^M.%&
se acabou de extrahir a beneflcio da matriz de
Barreiros convida aos possuidores de ditosbilhetes
a viran receber seus respectivos premios sem
descont algum em seu estabeleciment ra do
Crespo n. 23.
O mesmo tem exposU a venda os novos e afor-
tuuados bilhetes garantidos da prmeira parte da
primeira lolena de S. Goocalo que se exlrabira
no dia 10 do maio prximo pelo vantajoso plano
das loteras extraordinarias.
Os premios scrao pagos como de costume.
Precos.
Bilhetes nteiros..... 1?*9^9
Meios......... (*000
Quartos. ....... 3*000
Para as pessoas que comprarem
de 100* para cima.
Bilhetes........ 11*000
Meios......... 5*300
Quartos......, 2*730
________IfaneW Martiiu Finza_____
para apprtar eolhas, urna estanteeom livros, um re-
gistro de gaz e seus pertences, patolas, cardenaes,
til-iros, ralbas de cortca, etiquetas e tampo6 de
clmmlK) para garrafas, canleiros para pipas, fras-
cos, garrafas, botijas, barris, pipas e outros muilos
Objerlos.
O leilo ser elecluado no largo do arsenal de
marinha 11.'6, defroute da torre de Malacofe.
Aluguel.
Aluga-se o segundo andar do sobrado da
ra Vellia n. 20 : a tratar na ra do
LEI0
DE
Aluga-se a casa n. 148 da ra das Cinco Pon-
las: trata-se na ra da Cadeia, armazem n. 36.
Francisco Teixeira Barbosa avisa aos seus
freguezes que mudou a sua offleina de funileiroda
i ra Direita n. 2 para a ra larga do Bosario n. 20,
1 onde se acha prompio a satisfazer quaiquer en
commenda com promptdao.
Precisa-ee de uma ama que saiba cozinnar,
para casa de pouco servico ; no pateo da Ribeira,
numero 5.
faosas, p eaixas eom pbosphoros, urna machina martyrios por que rae fez |)assar o Sr. Burgos, du-
raaie dez longos auno que vivemos juatos. Sahi
de sua companhia por causa de suas re|>eidas e
escandalosas infidelidades; sani porque j eslava
caneada do soffrer toda a sorte de mos tratamen-.n- -*
tos; sahi porque a minha vida corra ilumnenle
perigo ; sahi porque nem o meu carpo, nem o
meu espirito tinbam mais torcas para supportar tao
longo e insollrive! tormento ; sahi, analmente,
porque j tinha pago com usura o passo impru-
dentissmo, que dora, e de que omito me tenho ar-
rependido, em casar-me, contra a vonlade de meus
parentes, com o homem mais refalsado que o cu
1 ma rasa dr campo ( sio co anoredos com 720 ( gj^ qa3m ^ ^^ ^^ me|js
palmos de frente e 6/0 de Tundo, i betra da! pais n-l0 figuraram sena0 f0m0 meus nalUraespro-
eslrada de Joo de Barros, lectores. Quera sabe que Uve firmeza e resolucao | j0,) garitas de Barros vi Eurapa, levan-
MaU-fcira i de maio. bastante para casar-me, aiuda menor, contra a do em sua mMMp,M, seu bino Carlos, menor de G
O agente Piolo, legalmenle antorsado far leilao vontade de meus pas, nao acreditara cortamente, 1 annngj deixa |(0r ^^ procUradores durante sua
por conta de quem pertencer de uma casa com 2 1u.e n0J annos ""' e meu casamento, ausenca em {. |ugar a seu socio o Sr. Antonio
salas, 1 quartos, 1 gabinete, dispensa, cozinha, 3 seia couslraiigida, nor vontade de meus pajs, a vi- J(JS(-, gilva dl) Brasj, em ^ ^ Srs Luiz Jos da
quartos tora, terraco na frente; edificada a beira ver separada do Sr. Burgos. Elles, pots, uaoexer- Costa Amorim & C, eem3 aos Srs. Mondes &
da estrada de Joao de Barros com gran le sitio (ter- ceram e nem exercem a menor violencia sobre a Coe|h0i
ceiro do lado direilo depois do sitio da Cscala) ",mna vonlade, a qual nuoca foi mais livre do m&!.YXf.*Mgm IM MHHHHMJ
com mangueiras, jaqueiras, coqueiros e larangei- 'I'"' na resolucao que tomei e conservo de viver &&*&&&&-&*&&&&&
ras; o leilao ser effectuado s 11 horas do da "np'eta c perpetuamente separada do Sr. Burgos a< precisa-se fallar, com urgencia, aos Srs. ffi
icma dito, na ra da Cruz n. 38, esrrptoro do Vlv0 ,a0 sa"sfeita o feliz em companhia delles, abaixo declarados, na ra de Santa The- S
mesmo agente, aonde se dar desde j quaesquer laanto possivel a uma pessoa, i|ue tem muitos ^ reza, junto casa n. 20 :
informac-oes a respeito. e grandes motivos de desgosto, e em todo o caso >gs Miguel Pinto da Cunara. *&
______________________________________ infinitamente mais satisfeita o feliz do que viva na >g j0& Ferreira de Mattos. ^4
--------- .."^^-HS^ ; companhia do Sr. Burgos. p| Mauoel Jos Pina.
A'VKK TITVP'R^)'^ Faca, portanto, o Sr. Burgos, o que Ihe suggerr j* juao Antonio de Paula Rodri^tt.-s.
Ul 1 bUOVa. I a 9Ua at boje nao igualada malicia. Finja a minha
i letra e assigoatura, para inculcar que Ihe escrevo
SOClEiME
DOS
ARTISTAS ALTAI ATES!
Per nain buco.
A directora da sociedade Beneficenle dos Arlis-
las Alfaiates em Pernamboco faz constar a todos
os seus irmos que transferio o trabalho de suas
sessoes para a casa da ra da Penha n. 5, phmei-
ro andar, pelo que espera que todos os senhores
(|ue allegavam a longitude do palacete do caes de
Apollo, como causa de suas faltas, se
agora em comparecer as sessoes que
a ser nos mesaos das.
A directora confia no zelo
IUMIE FABRICA
apressem
contnuam
e dedicacio de todos
ZSSM&Fe8peraque p **'
Secreria da sociedade Beneficenle dos Artistas
Alfaiates 7 de maio de 1804.
Manoel Rodrigues do O'
______________________1 secretario.
- Alugam-se dous sobrados com bastantes com-
modos, sendo o 2 andar e selo na ra dos Mar-
tyrios n. 4, e 1- andar da ra de Aguas Verdes n.
48, assim como a loja com armaeo para taberna
na esquina da ra de Hortas n. 39, bem loralisada
e livre dos impostos que se achava a dever, de ma-
neira quo o pretndeme nao tem mais do aue en-
trar com os gneros para negociar : quem pre-
tender, dinja-se ra do Imperador n. 44, lerce-
ro andar, amiga ra do Collegio, ou no mesmo so-
brado da ra de Aguas Verdes, lerceiro andar.
Quem tirar uma casa na povoacao de Bebe-
Sebo j ribe, que queira vender, annuncie sua morada
para se tratar do negocio.
CHAPEOS DE SOL
De J. Falque.
4-RA O CRESPO-4
Esta fabrica, a mais anlga e acreditada dVsta capital, acha -se d> novo iaMada m
variado sorlimendo de chapeos de sol ingieres e francezes, assim romo de iodo qaanin ttir re
sua proflssao, como seja superiores seMas, alpacas e panno de Mas n"rm e >pi iii-iai.-v
macoes e mais preparos para apromptar rliapcos de sol vonlade dos fregneze* que *e ikemrrm 4
honrar este estabelecimento.
Cobre-se e concerta-se toda e qualqurr qualidade d'esles arligos com a inaiur perfeirj r pr-s-
teza, c tudo por precos muito rasoaveis.
Bonito sortimento de bengalas precos remmodos.
4 I tu.-i do C'respo -- 4
I
Armazem de fazemlax
1>K
Custodio, Carvalho & Companhia.
RA DO y i Kl n % I MI
Offerece-se uma Portngueza para ama de casa
de pouca familia, a qual faz todo o servico de por- cada peca.
Grande perhlncha.
Cambraia branca lavrada propra para vestidos e cortinado-
tas dentro : na ru da Scnzala Vellia n segundo
andar ao pe de urna cocheira._______
Dase 300* por hypotneca de uma escrava, |
'' sendo o servico pelo juro, ou compra-s uma escra-
va : qnem tiver, dirjase a loja da Lira, ra do
(J.ii.'imado 11 .'i'..
pafj
45 cada uma.
*1
l.ar^M pr*rn .! ^JO*>
lima :WO. K1> 14
Precisa-se de um eaixeim para taberna, de
Id 44 annos de idade : aa roa do Sebo n. 54, ta-'
I icrna._______________________________
- AJuga-se a casa n. 17, na| roa de Mondego,
com 3 quartos e 2 salas, cano d e*goio no intal
para a ramboa, dando-se licenea a fazer-ee o-des-5
peje pole-pertao d otaria jumo a dita casa, e a lo- ;
map baobos salgados : a iratar na ra do Moadego,
, otaria n, 13.
O padre Francisco Viri'Simo Bandeta, pro-'
fessor poltico de primeiras letras da cidade de Na-
zareih, d curaprmento ao que mandou dzer em
-na carta, dirigida ra do Moudogo, olaria nu-
mero 13.
Toalhas de linho adamascada para mesas a 3*'00 e
Guardanajios de linho franjados a 3* a duzia.
Toalhas de linho para rosto a prego de 4*, 4*">0O e li-j a duza e
Ontra pcelilncha.
< 'amhraia escura verdadeira organdys a preco de 240 rs. o pirata.
Baldes para senhoras e meninas a preco de 2*oOO o 3* cada um.
Fil de linho liso vara 500 rs.
Panno de linho do Porto com 10 palmos de largo proprio para lew-es vara t*.
-KSS
A VKl HA ENCICLOPDICA
Respeitavel estabeleelmento de fazeatda*
Crespo nuuiero 19.
a rana
DR
12
lllStitlltO ArollPOlo<>'O,0 A (tPO-'canlas; di=a (ue vivo opprimida por meus pas,!
J Altrll 1 |nas que eolretonto 0 rslimo e almejo pela nossa |
reconciliacao ; coinpr; leslemunhas para irem de-
por aquillo i|ue Ibes d a esludar por escriplo ;
prve-me da doce satisfaciio de ver meus filhos e
I de os ter em minha companhia; invente finalmen-
a i te quanto sua Frtil imaginario parecer conve-
' i neute para attngr o fim que se propoe. Com
1 tudo isso, e concedendo mesmo que nao houvesse
j juslica na Ierra, s poderia lograr o seu fim prn-
! cipal, que 6 annullar a seotenca de divorcio, e res-
__' tabelecer a communr.io de bens, para ter o dire-
! P'll ->-jiii1(\m lo do pailici.ianla |ivpi.-na licranca. que me ha
Joi l de vir por morle do meus pas, qnem Dos, por
isso mesmo, para marlyrio do Sr. Burgos, ha de
conservar vida por muitos annos.
rra-plco Peniambueano.
Mtver sessao ordinaria quinla-feira,
11 confute, s II horas da manliaa.
St'n'laria do Instituto, !) de maio
1864
J. Soares d'A*evedo,
Secretario perpetuo.
0
Belarmino AI ves de Carvalho Cesar.
H Miguel Pinto da Cnnha.
Jos Antonio de Moura.
r Antonio Matoso de Andrade Caminha. {^
2H Antonio de Moura. W
g Joaqnim Jos Pacheco. >
^ Joaquim de. Hollanda Cavalcante.
Recife, 6 de maio de 1864.
Aviso aos Srs. de eiigenho
e cheles de familia.
^ i Perderam-se no da 5 do corrente duas capas
'$1 e das tarjas da irmandaite o> S. Jos d'Agonia,
5j i na Milla de Olnda para o Recite, de Santo Amaro
'f^. I al a ra do Imperador : quem as tiver adiado <
$* quizer entrega-las, dirija-se ra estrella do Ro-
5gj 1 sario n. 45, que ser recompensado.
y$ D-se a quanta que precisarem sobre hypo-
w theea em escravos : na ra de Santa Rita a. 27,
|H segundo andar.
Dinkeiro
(.1 -ii'O"! Hlfltl Ilu u" i'dll,|il>11 ",1 pequiirt iiciauv,, 'iuc u,c "* Avisa-se aos senhores cima e ao respojtavel pu-
LII til f, litU J_Ccll J11U.U.UU t vr uor morte do meus pas, qnem Dos, por |j|irr> desta cidade, que na fabrica de sabio da ra
a Ctin l'fKjifitaiP'l Hii T'llQ \(\ is, Ines"10' l'ai-a niailyrio do Sr. Burgos, ha de do Rangel n. 34 vndese constantemente saldo
il ouu L colUUllL'lai ua 1 ua uu conservar ft vida por manos anuos. amarello massa de superior qualidade, lano coi
Oiiaimiiln A1*a 'A riVl fll E nao "nseguiria senao isso, pois que nao ha- eaixas, como a relalho, a 200 rs. a libra. Escusa-
W,U.LiJJlaU.U j.di a a l lia ua3 Vl.ra |,0,jor a|gUin sobre a Ierra que meobrigasse ; 0 comprarem n'o as tabernas a 280 e 320 rs.,
rVllWi mlu'Qllrt 11 *^^ 1WT-I* viv,r n,a's co,n um et> a quem, por lanos e ,|Uando na fabrica o pndem liaver por lio mdico
VJ1 UACS oUUIallU 11. OUj pll I to justos motivos, do fundo d'alnia aborrego e des- preco ; portanto o projirelaro desta fabrica espe-
111firf4 mul'tl* lim filil flnjt're>0- ^ d0 respeitavel publico toda a coadjuvacao por
monu auuiu, yvi uiut uvj Jkireza AtkUwk le fqueira Caval<-anti. esle beneficio que Ihe faz, reduzndo o preco de-le
nimviVPin Vl'A ttllllit^cili iu0icalia, aun ; v mulia mullier Thcreza Adclaide de Siqueira Ca- 0 abaiio astignado ta scienteao respeiUvel
de 0 aCliaraO COIHO SeiUPre i Taleanli, nio de Siuueira Cavalcanli, Matar de Mara- co, que tendo de retirarse tcmporarianienie desta
cidade para tratar de sua saisde, .tem feto so-
Xa loja do arco da Conceicio n. 4< se dir quem
il 1:000* a juros de 1 1|2 0|0 ao mez, a quaiquer
praso com boas firmas.
Na uodicao da Aurora, em Santo Amaro,
precisa-so de dous moldadores, paga-se bem.
Jos Antonio dos Santos Fontes. snb*to de
S. M. F.. retira se para fra de imperio, delxando
por seus pimiradores, em primeiro lugar ao Sr.
Domingos B Sr. Joaqnim Francisco da Silva Jnior, e em ter-
ceiro ao Sr. Manoel Soares Pinhero.
JOS GOMES VILLAR.
Tcndo merecido a pretrrrae das
EXCELLENTISSIMAS SENHORAS,
e do publico em geral.
OJproprietaro nao descanca um s momento para liem servir aos si- fn-gnrt<^, f-
zendo eucommendas para
Iii!I;iIimt;i, Franra, Suissa t Allt-nianhi
das melhores fazen das para
Sen horas e
veude-as por precos que admirara.
1111 portan(c oslalieliH-imeiilo
DE
Fazmdas
para liowens
: A miiilia mullier licieza Adelaidc de Siqueira Ct-
Seilipre i WataaH, liU'ia lillia do Sr. eommcndador Anlo-
prompto a quaiquer ora pa-
ra o exercicio de sua pro-
isslo, chamado por escripia.
S
Aos
'ia
c 3:0O0SO00.
extraer
10:000$00Q
Corre hoje.
Terea-feira 10 do corrente mez tora lu-
gar a eKlraccfiu da primeira parte da pri-
men-a lotera da ignja de S. Goncalo, no
consistorio da igieja de. M. S. do Rosario
da fii'gnezia do Santo Antonio.
Os bilhetes, meios e qunrtos acham-se
venda na respectiva thesouraria ra do
Crespo n. 15 e as casas comraissionadas.
Os premios de 10:OOOSO00 at 20*000
serio pagos uma hora depois da extraccio
at s i horas da tarde, e os outros no dia
seguinte depois da distribuido das listas.
O thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
3 ciedade em conunandita com Joao Luiz da Silva em _aj na rua do Qlieiraado, loja de
seu estabeleeimento de taberna sito na rua da j0 (]arvalbo.
.social de Joao Luiz da
Silva & C, oqual competente para genr dito es-
tabelecimento d'ora em diante, competindolho ar-
a razao
Mudanza de estahelecimento.
0 agente de leiles Olimpio transferio
sua agencia para a rua da Cadeia do Recife
n. 48.
Precisa-se adujar uma escrava que saiba co-
zinbar e engommar : a tratar na praga da Inde-
pendencia es. :>7 e 39._____________________
Precsase de um canoeiro e que saiba an-
dar com um boi : quem quizer, dirija-se em San-
to Amaro, nlio de C.*L. Cambronne. _______
James Ryder & C, administradores
da massa fallida de Joaquim Vieira Coelho
& C tendo de cumprir o dispysto no art.
iS.'it) do cdigo commercial, convidam aos
Srs. crediires da nesma lirma a lites entie-
garem os seus litulos no mprorogavel prazo
de Hdias.que designado no referido arti-
go, atlendendo os mesmos senhores que os
annunciatites sem esses ttulos esto impos-
sibflitado ile rever a relaro de que trata
aquelle artigo.
Aluga-se um sitio na estrada da Ponte de
Jchoa e a marg.m do rio, pouco adianto do Illin.
Sr. commendador Nery Ferreira, tendo banhero,
palanque, galioheiro e outras acommodacoos; e
outro dito rio Monteiro, em frente ao oitao da igre-
ja : a tratar com Antonio Jos Rodrigues de Sou-
za, rua do Crespo n. 15, ou eslreita do Rosario nu-
mero 32.________________________________
Francisco Alves Monteiro Jnior, depositario
da massa fallida de Jos Antonio Soares de Aze-
vedo, convija aos credores da mesma para rece-
berem a importancia qne Ihe compele em segundo
rateio, no praso de 15 das, e lindo este, quaiquer
posito geral. Recife 27 de abril de 186.
iediiiiseiiii
DENTISTA DE PARS
19Roa Nava-19
Frederico Gautier, cirurgiao dentista,
faz todas as operarles de sua arle, e col-
loca dentes artiflciaes, tudo com superio-
ridade e perfeicao, que as pessoas enten-
didas Ihe reconnecem.
Tem agua e pos denuncio.
;iua ui'iuiiiui'j.
~V3R9fli'SIHfl
Preci*a-se fallar ao Sr. Antonio Jos
Teixeira de Mehdopga Belm, nesta typo-
^raphia.
UjB*n 'ae o iviui |spirit V. \]th ^Irt*.
De orde n du rumsellit) fiscal convocada a mesa
g,:ral para o da II #5 torrente, as 5 loras da tar-
de, ne respectivo consistorio, allm de proceder a
I-icio de e.cnvo, a di 5- e 7" definidores directos.
fiottrfetoHo t rqttndads de miie de ItMH.
Manoel incalves Agr.
Secretario do conselho.
precisar, drija-se
meros M e 15.
praea da Independencia nu
pana
F01 com verdadeira indignacaoquedeparei no
Diario de Pcrnamliuco de 30 com uma historia to- ,
da romaniM a e lgubre a meu respeito ; mas cer- 5S??\"^^ "
tarnente de muito mau gosio, para todos aqoelles
que a leram. j saliendo dos promenores passado
que segu
loada Ira
onde com
monia passav
do desditoso.
como mu
nuilher que diz o ler abandonado, figura como uma
esposa virtuosa e distincia, que somente por uaa
ter podido mais supporta-Io, rom razao e sem ser
por suggestes de pessoa alguma, o aborreca o
ik$ireziiru !
-Se a esposa que houvesse realisado o seu casa-
monto por amor e somente por amor, nao abando-
nasse algamas yezes o seu marido, sem que esle
dese causa,ento jamis -leamos de lamentar
tantas desgranas que se dao qoasi todos os das I
Entretanto, gracas a providencia, sou um desses
homens bem condecido ua sociedade por meu com-
portamenio, e assim pode-se melhor ajuizar das
declamaciies sempre vagas, que parten no intuito
de me ferir cruelmente do lado dessa seiihora, que
coitada, j nao sabe de que meios pode soccorrer-
se para agora fnstifiear a sua separacao, para
cohonestar as persegucoes inauditas exorcdas
por seu pa protector!
Nao quero, eu o protesto, entrar n'uma discu
slo vergonhosa pela imprensa, que deve ser sobre
manera inconveniente a iniuha propra mullier,! Aluga-se um excellente moleque : na rua da
acerca das justas raides que actuam em meu es- Hai sobrado 11. 16.
pirito, para pretender annullar a celebre sentenca
que me condemnuu, decretando o divorcio : lano
mais boje, que muito confio na boa organisacao da 1 -
juslica eclesistica, de cojos tribuna s podem |,p. conforma aladar a livrar.a ns. 6 e 8 da
presentemente partir decisoes jusUs e eminente-11 .i~------------------------------
Loja para rftffr
Aluga-se a loja do sobrado sito no largo do Car-
ino n. 18 : a tratar no mesmo sobrado no segundo
andar.
A*pedido de sua familia precisase saber no-
ticias de Joao Evangelista Pires, natural de Porta-
Manoel Ribeiro
Meta, la. linho e algotlao.
JD3J -ftDill'ja TXfYaiVJL
[Hua to Crespo nuiucro 19.
RECIFE.
Vende batatissimn.
Imporlaule fslabHrrimf>nU
nr
Fazmdai
Hea. la. linho r algotlw
PK
linho
JD3 1DDJI3 TlJl,
Rna do Creapo nninrro 19
Rrare
Vende ktralissiw.
?S iSil}
lloli'l i! iliano de madama Ferro, na
as, como sejam,raviole, lalharim, curset, lasagne
c gnoceaki. feto isto com te do o aceio e esmero
pnssivel.
Os senhores assignantes men-aes pagaro muito
menos que os avulsos, pagando lamben uns e ou-
tros muito menos do que em ontra quaiquer parte.
E os senhores provincianos neste hotel acharao
se-1 iodos os melhores commodos para assistirem du-
Joaqum Smao dos Sanios, dono desle armazem de molhados. seicntflea ao :-e*p.itavcl
co que teem um completo sortimento dos meamos os quaes onerecem mais vantagem aos ar-
dores, do que em oulra quaiquer parte, gar:uilindo-se a superior qualidade.
Casa de commisso de escravos rh i ua
do Imperador n. 45, icrcciio andar
Nesta casa recebem-se escravos por oommssao
para serem vendidos por conta de seus senhores,;
nao se ponpando exforcos para que-os meemos
jam vendidos com promptdao alim de seus seiiho- ranlc o lempo que estiverem nesla cidade.
res nao solTrerem empate com a venda delles. A i |reci casa tem lorias as commodidades precisas, e segu- m m,jI;,,ldl,iras, ( lire,0 l)p Pnxada, e 1 moleque
ranea, assim como afianca-se o bom tratamento. d( ,t utom niai 0 n,en.s. para entregar capim,
; regulando o preco um com o outro 155 mensaes, j ArtoVpilad do Maranhao de 90 rs. 100 a libra.
_________________1 pagos semanalmente, com sustento : no hotel ila- Mih0 a|.(sta a u\o rs. B libra, e arroba 4*800 rs.
Quem precisar da quautia de 0004 al 8005,! liano, rna do Trapiche n. 44, se dir quem precisa ^^ das melhores marcas a 500 a garrafa.
COMPLETO SOHTIHEMO.
NO
ARUIAZEJM
SERVATIVO
23Largo do Terco23.
aaan-
^it^.
bom tratamento.
Ha sompre para vender escravos de ambos os se-
xos, velhos e novos
Manteiga ingleza flor a 800 rs. a libra.
dem franceza muito nova a 560 a libra, em li-
bras 540.
Caf do Rio, de 1 e 2' sorte :20 e 280 a libra, e
arroba 95 e 8*500.
dando por seguranca urna prela escrava que sai lia
engommar, pode procurar na joja do Sr. Porto, na
praca da Independencia ns. 37 e 39, para tratarse ,. a .,
1S- das condcoes e ajuste, pois ah se dir a pessoa u" i.i^'r, um inar
i : tuepreleiidefazeVestc'negoco.___________ : EBS
Precisa-se alugar um escravo para trabalhar
partir
inenle jurdicas em favor de quem tiver de seu la-
do o direilo e a juslica.
Para os tribuimos que devenios appellar de
nossas questoes, elles sao os nicos competentes j
para as decedir.
Assim posto, os fingidos protectores de minha
mullier, (lovoin-se convencer, que nao sao as suas '
falsas e calumuiosas mpulacoes, e nem mesmo as
lainurias ou a vontade suprema de uma mulher,,
que dao o direilo de se obler uma sentenca de di-
vorcio.
O direilo firma-se na le, e pois nenhnm magis-
trado que se preza, pode a seu talante exorbitar-se,
offendendo de frente a le expressa em these, dan-
do como Ihe apraz por provado, allegaeoes naopro-
vadas, e em sua sentenca falsamente fuodaido-se
em provas que nao existen) nos autos etc.
Para uma casa estrangeira precisa-se de
urna ama de b.m coniportamento, arriada, saben-
e engommar bem, para uma
dirjase ao hotel ilalauo, rua
rapie
Alugam-se duas
Soledade : a tratar ua
pequeas casa na rua da
rua do Sel* n. 54, taberna
Francisco .^Ives Veiga, subdito portuguez,
retira-se para Europa, e df&Jjr gfgj ella, para tratar em casa de
dores, em 1
Lages, e em
nha.
lugar o Sr.
2* lugar o Sr.
Domingos Jos da Cu-
Quem precisar de urna ama de leite, dirija-se j
rua do Sr. Bom Jess das Crwulas n. 23. |
"^"Aluga-se a loja de uma porta s na
rita do Crespo n. 4 com armaco ou sera
J. Falque na
mesma rita n/4.
Genebra verdadeira de laranja a 15100 o frasco
dem do Hollanda a 400 rs. a botija de contra.
Toucinho de Lisboa a 320 a libra, e arroba 8*500
Passas muito novas a 480 rs. a libra, e caxa 9$
\ Azeite doce de Lisboa o gallan 35 e a garrafa 640.
! dem de Garrapato a 280 a garrafa, e a caada 25
! Aletra M, T, a 180 rs. a libra.
Gomma de engommar muilo alva a 100 rs. a libra.
Sardinhas de Nanles novas a 320 e 360 rs. a lata
e em porciio se far a bat ment.
Todo e quaiquer comprador que comprar
6 por cento. ^^____________
Vellas de carnauba a 3tiO e 400 m. a lihr
dem de spermarete a 360 e 600- rs. a libra.
Phosphoros ilo gaz a If300 l p
lliscoutos e bolachinhas de soda a IJIO" e 2J>
a lata.
Chourcas novas a 720 rs. a libra*
Batatas a 24 o gigo.
Rolachinha ingleza nova a *'><> i i
Charutos das melhores manas .' 13. Ii5ta>
25000, 3*000 e 4*000 a cai'.e .m porri. -
fara abat ment.
Vinho Fiirui-ra de SAA a 500a garrafa, e a raen-
da 35500
dem de l.isl*a i 4 35000.
dem de oulras marcas a 25700 a oanada.
dem branen de I.sIki.i a 300 a garrafa.
de 505000 para cima, taai o CICERO PEREGRINO
Rua do Livramento n. 19
Primeiro andar.
M Fabrica Concei Babia.
Andrade & llego, receben! constante- 9
JP!J mente e tem venda no seu armazem n. Jt
'\j. 34 da ruado Imperador, algodo d'aquel- .j
la fabrica, proprio para saceos de assu-
XZ car, embalar algodo em pluma ele., etc., J|
pelo preco mais razoavet. M
COLUTORIO MEDKMIRIR
DO
DR PEDRO DE ATTAIIYDE LOBO BOSCOSO,
Na rua de S. Francisco, sobrado n. 8, da re-
Esta miaba questo de accao rescisoria da sen- sidenra do escribo Silva Reg, precisa-se do um
tenca de bromo, que tanto ha inrommodado aos criado._____________- _________________
protectores de minha mulher est affecta ao juno M a\
ecclesastico, nao devemos, perianto, prevenir o imialAo
seu juizo com taes publicacoes insidiosas, c outras ] precisa-se de uma ama para casa de pouca fa-
quejandas palranhas proprias para illudirem aos ; m|a na praca ,j0 jorpo santo n. 17, lerceiro
espiritossuperficaes. 'andar.
E por isto que declaro solemnemente, que por
Empreza dailluminacilo
a ^az.
Todas as vendas de apparelbos_e
fpor escripto dando o nome,
minha parte me recolhendoaj silencio, podero el-
les e minha mulher dizer ludo quanto lhes sugge-
rir contra a minha honra e repularao, poraue na-
da drei, aguardando-me para as ulteriores deci-
soes de nossa causa.Antonio Larlos Pereira de
Burgos P. de Len. *
reclamacoes
morada, data, ele),
devem ser feitas no armazem da rua do Imperador
Aluga-se as rasas da rua do Mondego ns. n. %\. Os machinistas mandados para atlender a
69 e 71; para ver eslao as-chaves no n. 73, e tra-1 esu,s, apresentarao um livro que os reclamantes
ta-se com Prente Vianna 4 C-, rua da Cadeia, devero assignar logo depois de prompto o serrirjo
n. 57. reclamado ; isto para que a empreza fique sciente
__-------------------------------------------------- de haverem os mesmos senhores sido devidamen-
I
satn ni.--
Professora.
Precisa-se de ama seohera que tenli* habilita-
MkWf&GMSk mWmmmm Qoes necessarlas para entinar primeiras letras no
m rairai ,' %' Ai % | $K Inat0: a lratar ":i ru
te alten i idos.
AtlticaCta.
0 bacbarel Lourenco Avellino de
Albuquerfjue Mello, antigo advoga-
do desla cidade, tendo regressado
ella, tem aberto o seu escriptorio
rua do Imperador n. 40, onde pode
ser procurado para os misteres de
sua profiss2o todos os* dis uteis
das> da,.maulia "s 3 horas da
tarde, e o/Terece como, garante -a
seus constituirles a n3o interrompi-
da pratica de 25 annos de advoca-
ca. 0 mesmo aceita partidos e
tambem causas nos termos do in-
terior onde hcar n estrada de ferro.
JaTatt
Precisa-se de uma ama de leite : aa roa es.
treita do Rosario n. 32, primeiro andar._________
"^"JoTBaptista de M^deiros, com prensa de al-
Sodao sita no Forte do Mallos, faz sciente ao corpo
o commercio desta praca, que do de maio des-
te corrente anno em diante admittio como seu so-
cio o Sr. Fortunato Jos Das de Sarnpaio, gyrando
a Arma social de Joao Baplista & Fortunato.
Osa para alagar.
Aluga-se a casa da rua do Mondego n. 7, em 4
quartos e i salas, cozinha fra, quintal e cacimba
traase na rua da Cadeia- no Beclfe n, *>.
Aluga-se o primeiro e segundo andares da
casa n. 1I3 da rua Imperial : na rua da Aurora
numero 36.
mwmmm>mwmmm
\t' Dr. Fernando de S e Albuquerque,
$H Felii Pereira de Araujo tenham a honda-
R de de se drigirem rua da Imperatriz
B n. 40, o mais breve possivel, eotende-
^ rein-se com o solicitador Leopoldo Fer-
3R reir Martins Ribeiro, negocio de seus
interesses que os mesmos senhores nao
ignoram.
cota os remrlK>s
Precsa-se de um bom
ama para engommar e lavar
rua da Aurora.
Mez de Mwu
Vendo-s este livro conforme o uso do
hospicio da Penha a 1* cada vrinbo: na
livraria n. 8 e 8 da praca da Independencia.
"Na praga da Independencia, .loja de ourives
cozinbeiro, e de uma n. 33, oomaram-se obi46.ft,*p1'- W&
e pedras
izinneiro, e oe uma u- o, oumacaoi-ie oim> m -wi. w-rT. .
no sobrado n. 32, preciosas, assim c-awo *? <1 quaiquer oora a
Minmd> indo nuakiuer concTto, e i,uai
Precisa-se de uma ama que saiba
e engommar : na rua do Crespo, n. 18,
andar.
cozinhar
primeiro
commonda e todo e quaiquer c
"i'n;.e se dirtmt-m dinheiro
a premio.
mmwmmm
m baques sobre Po- 3 O abaixo assignado, agejflW ao banco m
mercantil Portuense nes' M ciando, saca ef- M
fectivamente por todc j os paqnetes sobre ^
o mosmo banco par- A.^i^rtoe Lisboa, por
quaiquer somma. ^^a e a prazo, bo-
dendo logo os t 1^ a p^jQ erm des-
contados no r jestm) banco, na razaC &e *
porceatoaoianw, ps portadores que ju"
8imlhe c^nvier : as ras do Crespo n.
q ou do In\frador n 51.
oaT4in) da Silva Castro.
tlllIKO IMRTKIRO K OPKRABOR.
3 Rua da Gloria, casa do Fuudao 3
O Dr Lobo Moscoso d consultos gratuitas aos pobres lodos os das da* I
! horas da manha, e das 6 e meia s 8 horas da noite, excepeo dos _tas santSmlos
Pharmacia especial liomeopatmem
No mesmo consultorio ha sempre o mais appropriado soiIirohu de awUni
tubos avulsos, assim como tinturas de varias dymnamisaces e pelos- precas
Carteiras de 12 tubos grandes. I0OO
de 24 tubos gratules. 486000
de 3 l ubos gratules. 24500
de 48 tubos grandes. 300000
> de60 tubos grandes. 3*5000'
Prepara-se quaiquer cartetra conforme o pedido que se fuer, e
que se pedir. .
Um tubo avulso ou fraseo de tintura de me on?a Id' 00.
Sendo para cima de 12, custarSo os presos establecidos paran* cartera.
Ha tubos mais pequeos cada um a 500 ris.
LlVKOHm
A melhor obra da homeopathia, o Manual de Med.cinajifcmeopathkodo DJ^
dons grandes volumes cem diccionario....... io*to
Medicina domestica do Dr. Hering,....... ttJMi
Repertorio do Dr. Mello Moraes.......... ^mtyb
Os reraeaios aeio eswui ic^ nsnPSSOa aue qutaerero osar de n'imMM>s ver-
fJewSTlei2^notovtis pela sua boa conserva^ tintura ,1 mais ara.lMi
2&^^^-a mais exacta e aecurada prepaHC50v e ,,rtan,0 a "^ mmm
Ra e cei te/.a em seus effeitos.
Cam de mude para eseraws.
Recebe-se escravos para tratar de quaiquer enfeimidadc ou fazer-^v-Jae qual.p>*r
nnerarSo oara o que o annunciante julga-se sufQaentamnte habilitaik.
^ OrftamrJnto 6 o melhor possivel-, tanto na parte alimentar, romo na rn.-d.ra. e
a mais de quatro annos, ha multas- pessoas de cuy conceitr se w3*
consultados por apielles que desejarem man.lar seos
ma cara : n ru
a;r.* rS^dTn! s wmw* mwrn wmm mmm
funecionando a casa
' pode duvidar, que pdem ser
' d0e,epat-e 25000 por dia durante 60 dias e iTai em dianta l*V*>- .
Vs operrnes s5o previamente ajustadas, se nao se qmzerem suje.tar aos pmoa
>nstnma pedir o annunciante.
razoaveis qut
ILEGVEL


Piarlo 4* f-crnaj>>4 Terca lcj>a IO de Malo de 18H,
PROCRAMMA
IFesta e flrociasfto do Di^
vino Espirito Santo]
erecto no convento de|
S: Francisco.
No dia i i ao meio dia tora lugar a ben- g
co'solcmne do apostolado, que no dia se-
guiiile dever ser conducido c exposto
vistji dos liis. Nesia occasiiio serao exe-
culadas bellas e interessautes pecas mar-
ciaes, pela msica do 9o batalhiio de iu-
fanliaria do exercito.
A' noite haver malinas.
A alvorada ao dia lo ser saudada pe-
la msica marcial acompanhada do entr-
pito! dos fugeles, depois da celebracao
00 >acrilico incruento. ....
Ais 10 horas em ponto principiar a
missa, orando ao Evangelho o profundo e
i eloquente pregador da capella imperial
1 Fre Joaouiui do Espinto Sanio e exci-
tando a orchestra o Hvm. padre rae.tre
l'r.i Candido. ...-.-
D,.|,sda f.-sta far-seha distnbuigao
de einiolas pelos necesitados que seacha-
rem presentes. .
As 4 horas da larde sahira o Divino
Parclito em solemne procissao, que per-
correr as seguintes ras : ra do Impe-
rador, praca de Pedro H, parte da ra do >|
Qoei nado, LivramenM, Direila, paleo do -
ferecj, iravessa de S. Joao, ra Augusta,
Mai'tvrios, Horta.', paleo do Carmo, ra -0
da Cmboa, Flores, Nova. Cabug, larga g|
do Hqsario, parte do Queimado, C.ruzes, jJE
travessa de S. Francisco recolhor. A K
mesa regedora pede aos moradores das fi
referidas ras o obsequio de limparem as
testadas de suas casas, nesmo porque dei-
xar Je passar por aquellas que nao se
acharein preparadas para isso.
A noite havera Te-Dcum, orando o exi-
mio pregador e Kvd. padre mestre Anto-
nio de Albuquerquo Mello. Depois se-
guir-se-ha o acto da tirada da bandeira.
O secretario,
Manael Cardozo de Sooza.
llontem urna hora da tarde cntraram no pr-
ineiro andar do sobrado n. 33 da ra da Cruz, re-
sidencia dq Dr. S Pereira, onde se achava hospe-
dado o reverendo padre Jos Pinto, que ha pouco
chegara da Hahia, abriram um bah do dito padre
e Ihe furtatam 37 pecas de ouro de 165000, 125
em sedulasi, e 35509 em prala e duas lunetas, ten-
do j no sajbbado passado desapparecido um relo-
gio de prala, fabrica coberta, do mesmo padre, e
urna luneta de prata do Dr. S Pereira. O Dr. S
Pereira por si e em nome do reverendo padre Jos
Pinto, rogai s autoridades policiaes que facam suas
pesquizas, afim de descubrir o autor deste crime.
m
m
Cosinheiro.
Offirece-se um perito cosinheiro che-
gado ha |K>uco da Europa, muito apto pa-
ra qualquer urna casa estrangeira ou
qualquer outra, promette nao deixar de
agradar : quem precisar dirija carta fe-
chada a esta typographia rom as iniciaes
A. P.at o dia 12.
PreCisa-se de urna ama do bom comporta-
mento para urna s pessoa, que saiba coser e an-
gommar : a tratar na ra do Imperador armazem
de louca n. 41.
Da se 10:0005 a premio sob hypotheca
em predios nesta praga : a tratar na ra
do Crespo n. 17, loja.
MMtt I
ama m um
Precisa-se de urna ama de leite que seja parida
de 2 3 mezes, sem lho : na ra da Concordia n.
34, sobrado do armazem do sol.
Sorvele.
Sorvete de creme, boje ao meio
Trapich n. 18. _____________
dia, na ra do
Leiiibrauca aos esquecldos
Os senhores que teem conta na loja de charutos
da ra da Imperatriz n. 43, facamo favor de quan
to antes irem pagar, pois nao possivel esperar
toda vida, do contrario lerao de ser postas em urna
relacaolpublica em dita loja seus nomes c mora-
das.
Attencao.
Alugain-se casas terreas limpas e fres- ?9
na ra dos l'razeres, Boa-Vista : a >p
tratar do lado direito quarta casa, ao en- -
trar. 3R
D-sc dinheiro a juros em grandes e >4
pequeas quanlias : a fallar na botica do
Sr. Gameiro.
mm wmm wmm
Precisa-se de urna ama que saiba cosinhar
e lavar: na ra do Imperador n. 46, primeiro
andar.____________________________________
Precisa-se de um caixeiro nacional ou por-
tuguezque nao tenha mais do que 10 13 annos:
na ra do Imperador n. 4G, armazem.
lliulicii-o a juros.
No sobrado da ra Imperial n. 64, se
dir quem d dinh'iro a juros sob garan-
tas a contento, em quantias pequeas
at a de 10:0005000.
FURTO.
ltoga-se a quem f.jr olTerecido am anncl de ou-
ro oom um brilhatUa e com a tirina T. J. S. G. de
o tomar, pois foi furtado, e tem-se supposicao de
ter sido por escravo, embora tenha passado a ou-
tra pessoa. Igualmente pete-se s autoridades po-
liciaes, ou quem o lomar, podo leta-lo ra da
Goncor Jia casa defronle do n. 44, que serao re-
compensados._______
O advogado Miguel Jos de Almeida Pernam-
buco Filho pode ser procurado para os misteres de
na proflssao, no seu escriptorio, ra do Imperador
i 42 das 9 horas da manhaa as 3 1|2 da tarde,
; fr destas horas, na casa de sua residencia no
pateo de S. Pedro.
45
W. Cope e sua familia
ropa. ______^___
retiram-sc para Eu-
Goncalo Fenvira Nunes,
se para fra do imperio.
Portuguez, retira-
45 Ba Direit
Oicam! oicam i i i
Calcado
Bom e novo, c a primeira necessidade para a sau-
de e aformoseamento do individuo I
Meu Dos I... que ps de pavo se iobrigam por
essas ras I que figura horrenda e nauseante a
de um paletot bem talhado sobranceiro a um
guedes roido em duas solas I am halo bem tor-
neado e bambaleante descubrindo urna pona de
botina safara c carcomida I!
Santa Barbara 11 Corram ra Direita, bellas e
rapares I sacudam na praia esses malditos quedes
e comprcm :
Borzeguins de Nantes 85000.
Ditos francezes de bezerro 75.
Ditos francezes de lustre para homem 55.
Arrenda-se o engenho Garra, sito na fregu-; Ditos para senhora, de lustre, enfeilados, 55500.
zia da Escada, tem proporcoes para dous tres' Ditos para senhora, gaspia alta, 45800.
mil pesre exeellente d'agua : a tratar no enge-, Botinas de menina 25500.
nho Bamburral na mesma freguezia. Ditas de cores para menina 25000.
~Thom7z Teixeira Bastos~despedio"dc~seu r-1 Sapatoo de Nantes de duas solas 55.
._._ 1 -^ I lili I L. I -. : I -1 A .. I r. '. VllA
mazem seu caixeiro o Sr. Leopoldo Gadault.
Precisa-se de um amassador : na padaria
em Santo Amaro, atraz da fundicao do Sr. Starr.
Ditos de sola e vira 45500..
Sapatos de borracha para senhoras 15500
Ditos para meninosl5000.
Sapatos de lustre para senhora 15.
Ditos de tapete para homem e senhora ^800 rs.
Ditos da liga consiitucional 500 rs.
Chineldes rasos do Porto a 15600.
E ura sor ti ment comple.o em sola, vaquetas,
bezerro francez como nenhum, couro de
Dito de caeao para amaciar a cutis o conservar-
le o lustre.
Macassar perola.
Oleo phiJoeome superfino.
Dito de babosa.
Opiata ingiera e francesa.
Pos de coral e de Lubin para denles.
Saboneles Anos qnadrados e redondos.
Ditos finos em caixinhas de tres.
Ditos muito finos para barba.
Ditos creme de amendoa em vasos de vidro e por-
celana.
Tnico oriental de Kemp.
Vinagre aromtico.
Dito ou leite d'ires para acabar as espinhas do
l rosto.
E assim muitos outros objectos de gosto que na
| compra dos quaes o pretndeme ser satisfeito
, por deixar os cobros na loja d'aguia branca, ra
do Queimado n 8. .
Objectos de pkantasla viudo*
para a agula branca. {
A aguia branca recebeu novos e bonitos objec-
tos de phantasia, alguns dos quaes nunca vistos
aqui, sendo : :
Bonitos aderecos completos feitos de pcrolas falsas.
Ditos ditos de pedras, por cuja perfeicao e bom
. gosto quasi se nao distinguem das verdadeiras.
Lindas pulseiras de mosaico. i
Dita dita de perolas falsas tanto para senhoras
j como para meninas.
I Dita de chapa de crystal com listas douradas.
Dita de cornalina branca, azul etc., etc.
Bonitos allinetes e anneis para gravatas.
O escrivo da irmandade do SS. Sacramento
da matriz da Boa-Vista convida a todos os seus
charissimos irmos para no dia 15 do corrente s
9 horas do dia se reun rem no consistorio da mes-
ma irmandade para em mesa geral elegerem a couros,
nova mesa que tem de reger a mesma irmandade lustre muito grande, e ludo quanto pertence arta Bonitos penles de concha, obra de apurado gosto.
de S. Chrispim. j Outros traversos com pedras para meninas.
Bellas guarnicocs de pentcs dourados, ornados
com caixos de uvas, feitos de aljfar, obra su-
'"iras igualmente bellas, todas de fino dourado e
com pedras.
a aquella.
res com cruzes
de pedras.
Vende-.-e a taberna da ra Imperial n. 139 Esses e outros muitos objectos acham-se a venda
por qualquer preco, a dinheiro ou a praso, por o
no anno de 1864 1865 na forma do compromisso.
Consistorio da matriz da Boa-Vista 10 de maio de
1864.
Companhia fldelidade d
seguros iiiarilluios e ter-
restres estabeleclda no
KIo de Janeiro.
AGENTES EM l'KI'NAMHICu
Antonio Luir de Olneira Azevedo k C,
competentemente autorisades pela direc-
tora da companhia de seguros Fldelida-
de, tomam seguros de navios, mercadu-
ras e predios no seu escriptorio ra da
Cruz n .1.
CHEGADO PELO VAPOK.
S para o vigilante.
i Grande sortimento de fivelas pretas e com pe- f mnimonie
drinhas de muito lindo gosto assim como filas pa-. u's SarJ?cnle bellas'lodas dc "D0
l^i^^A^^.^J^iSnn8 lA^Outrasatartarugadas.nada inferior
Sfi" Sl.'Sf fui, Creas7n!C7de ^ "' Voltinhas^de aljfar blanco e de cores
Joaqufm Pereira de Souza tem justa e con-
tratado de compra ao Sr. Jos Candido dos Santos
a sua taberna na ra da Soledade, em urna mei-
agua, livre e desembarazada : quem se julgar com
direito, no praso de tres dias queira annur.c ar
por este Diario. Becife 9 de maio de 1864.
3-Rl'A ESTRE1TA DO R0SARJ0--3.
Francisco Pinto Ozorio contina a col-
locar dentes aUiticiaes tanto por meio de
molas como pela pressao do ar, nao re-
cebe paga alguma sem que as obras nao
fiquem a vontade de seus donos, tem pos
e outras prepara^oes as mais acreditadas
para conserva?, o da bocea.
COMPRAS.
m
Compra-se um sobrado de um ou mais anda-
res, em boa ra, e que esteja em bom estado : a
tratar na ra do Crespo, loja n. 20 B.
L ompra-se effecUca-
mente
ouro e prala em obras velhas, pagande-se bem
na ra larga do Bosario n. 24, loja de ourives.
Compra-se urna negra que seja sadia, sem
vicios eboa quitandeira. prefere-se com cria, nao
excedendo esta 4 annos de idade : na mesma
casa compra-se urna mesa para jamar, estando em
bom estado : na praea da Boa-Vista n. 9.
Compra-se effertivamenle ouro e prata em
obras : na praca da Independencia n. 22.
Comprase urna casa terrea com bous com-
modos para grande familia, e que lenha bom quin-
tal, as freguezias de Santo Antonio, S. Jos ou
Boa-Vista : a tratar no cartorio do tabellio Porto
Carrtiro, ra do Imperador n. 42.
Fabrica de licores e perfumaras.
Neste estabelecimcnto compra-se effeclivamente
garrafas, botijas e frascos de genebra vastas, assim
toda a especie de frascos de perfumarlas : na ra
do Amorim n. 12.
dono ter de retirarse.
AVISO AOS SRS. MDICOS.
Sirop du
dTORGET
Cara caarrhns, tosset
coqueluches, irritafei
nervosas sos dos 6ron
cfios e toda* as doen~
cas do peito; basta a*
oenie urna colhe rehiles desta xarope D* PoiSR.
Dr. CHBLfc, em Paria, ma vi i*
Pars, 36,RuaVivienne, D'
CHABLE MEDECIN
DASENFKKMIHADAS UESSEXUAES, AS AFFEO
COF.S CUTNEAS, F. ALTERAgOESDO SANGUE.
110 000 curas das impingens
\mistulas. herpes, sarna
eomixoes, acrimonia, e al-
\'ercoes, viciosas do san-
jue; virus, e alleracoes
do sungue. (Xarope vegetal sem mercurio). Dopu-
ratia ircrlara HACHN MIRERACI
tomao-se dous por semana, seguindo o tractamento
Defurniirn : entregado as mesmas molestias.
Este Xarope Cilracto de
ferro de CHABLE. cura
immediatamente qualquer
purgacao, relaxacao,
aebtlidade, e igual-
mente os fluxos e flores brancas das mulheres.
Esta injeccao benigna emprega-se com o Xarope da
Cifrado de Ferro.
HeanrrMai, Pomada que as cura em tres diai.
POMADA ANTIHERPETICA
Contra: as affecfoes cutnea e eomixoes-
PILULAS VEGETAES DEPURATIVAS
do 9' Chlale, cada frasco vai accompahado *
jiai_folheto.______________________
Ventle-se na
franceza n. 38.
DEPURATIF
drj SAIVG
PLUS DE
COPAHU
roa do Imperador botica
Veode-se a arma^ao da taocrna da ra da
Senzala Velha n. iii : a'tratar no primeiro andar
por cima da mesmjL_____________________^^
na roa do Queimado, loja da aguia branca, n. 8
ftAIIOES I 60HITOS
espelh'/s dourados.
A aguia branca em continuacao de suas encom-
mendas mandou vir, e acaba de receber grandes
espelhos dourados com mui bonitas c modernas
molduras, e vidros de primeira qualidade, vista
do que o prelendente que sabir de casa munido de
dinheiro e com disposicao de o gastar na compra
de um desses bonitos espelhos, dirigir-se ra
do Queimado, loja d'aguia branca n. 8, quesera
bem servido. Tambera ha espelhos quadrados sor-
tidos em tamanhos, e com molduras douradas.
JAR ROS
de porcelana e escarra-
deiras de vidro
A aguia branca tambem mandou vir bonitos jar-
ros de porcellana dourada e de differentes tama-
nhos ; assim como escarradeiras de vidre, objectos
esses sempre necessarios para o bom aceio das sa-
las ; resla somente que o comprador dirija-se com
dinheiro loja d'aguia branca, na ra do Queima-
do n. 8, onde ser servido com agrado e sinceri-
dado.
Acaba de receber de sua propria eneomraenda tira grande e variailo *<*lNivnt<
de molhados todos primorosamente escolhidos, por isso apressa-s.' o pr offerecer aos seus freguezes e ao publico em geral a seguinte tabella dos seus genro* e
resumidos precos, aOancando todo e qualquer genero vendido neste bem iiifaMi ar-
mazem.
Pede-se toda attenciio.
O proprietario pede a todos os senliores chefi's de familia c ao puNiro em mal
que nao deixem passar desapercebida a seguinte tabella:
AVISO.
Neste armazem e no largo do Carmo n. 9, armazem Progresivo, recebem-se a
libras que \-ulgarmente correm no commercio por 8i5890 a 94, o proprietario em i
armazens da-lbee este valor, sendo em pagamento, eistopara evitar confusTN-s em traen
Manteiga ingleza perfeitameote flor, a 800 rs,
e em barril a 78o rs.
dem franceza a 58o rs. a libra, e OO rs.
sendo em barril.
Cha uxim a 2,7oo rs. a libra, e de 8 libras
para cima a 2,6oo.
rs. a duzia i,000 rs. a garrafa, garanfc
que os melhores que temos ImV> no
cado.
Passas em caixas de I arrota'
de ia para liomem c spnhora.
A aguia branca, na ra do Queimado n. 8, ven-
de mui boas meias de laa para homem e senhora,
e pretas de laia e de seda para padres.
Nova expsito de fazendas
baratissimas.
ftOVA FABRICA
. DE
LICORES PERFUMARAS
A' ra do Amorim, 11. 1 i.
Por varejo e atacado.
N'este novo eslabelecimenlo encontraro sempre
os freguezes todas as qualidades de bebidas espiri-
tuosas, fabricadas com todas as regras d'arte, e
por isso livres de ser nocivas; o que nao acontece j bados a S
com as que sao fabricadas sem methodo e pelas | Arara.
resellas que os eharlalies annunciam vender, pois, Ur-iiuaute de linho a S#900
como ja temos t.do orcasiao de ver, vendem lico- j V(.nde.se bramanIe de linho de 10 palmos de
res coloridos com substancias venenos como^se-1 largura> proprio para lences, a 2*)0 a vara,
ja o licor de rosa colorido com vermelhao ( Bi-oxi-1 d(J',. ^ d J ,^ de m a
do U chumbo) e o de a.nendoas colorido com* ma-; ^ hambur de ,inhoa 4W m m rs. a va.
relio francez (btcnomaio de chumbo) bnconlia- ra brelann$ de |inho fino a'640 e goo rs. a vara,
rao algunias perfumaras de superior qualidade e. bnm de |n|)0 hranco a if|MOj l&m> im e u
a vara : na loja da Arara, ra da Imperatriz n. 56.
Loja da Arara-Koa da Imperatriz n. 56.
O proprietario deste grande eslabelecimenlo, Lou-1
renjo Pereira Mendes Guimaraes, prometi sem-;
pre vender barato para apurar dinheiro.
Grande pechlncha, cortes de cas-
sa a jfooo.
Vende-se corles de cassa franceza para vestidos
a ii>. ditos a i'jOO. cortes de cambraia de palmas
solas com 1 vara de largura a ip, ditos com ba-
a ra da Imperatriz n. 56, loja da ]
Ctmfraria de S. Jos d'Agoui*.
O secretario da confiara convida os irmaos da
mesma comparecerm quinta-feira 12 do corra-
te, pelas 9 horas do dia, no respectivo consistorio,
para assstr as exequias que o reverendo prelado
do convento manda fazer pelo repouso eterno de
S. Bxma. Rvma. ; assim como tambem convidaos
mesmos irmaos comparecerem domingo 15 do
corrente, pelas i 112 horas da tarde, para encorpo-
rados, acompanhar a procissao do Divino Espirito
Santo de S. Francisco.
O secretario,
Manoel Francisco dos Santos e Silva.
Olferece-se unta mulhcr idosa para~ama de
homem solteiro, sendo para cozinhar : quem pre-
cisar, dirija-se travessa da ra do Sol n. 33, que
achara com quem tratar.
A ttenco.
Aluga-se urna casa nova defronte do caes do Sr.
Gomes do Correio, a qual tem 3 quartos, 2 salas e
cozinha : quem a pretender, dirija-se praca da
Independencia n. 22, ou defronte da mesma.
ENGEH"
Arrenda-seo engenho d'agua, denominado Jus-
tara, sito na freguezia de Ipojuca, distante legoa e
meia das estacoes da Escada c Ipojuca, com trras
masi-ap para safrejar sem grande marcha : a tra-
tar-se na ra do Livramento com o Dr. Ignacio
Nerv da Fonseca.
Antouio Alves Vilella faz sciente ao respeitavel
publico, que tendo comprado a taberna sita no lar-
go da ribeira de 6. Jos n. 15, que pertenceu ou-
tr'ora ao Sr. Beato Carpinteiro da Silva, abri de
novo esse esubeleciment sonido dos melhores g-
neros que ha no mercado, e por isso roga aos an-
tigos freguezes do Sr. Carpintero, e ao publico em
geral, que o honrem com a sua cenftanca, certos
de que todos quantog se quizerem prover dos me-
lhores gneros ie,o Buito bem servidos, a encon-
traro toda a franqueza e boa f, e se compromet-
te o novo proprietario a attender a qualquer re-
elamacao jusu, isto como o desejo qne lera do
acreditar seu estabelecimento faz cora que se con-
tente com pouco lacro para vender muito, e nao
poupar exforcos para bem servir e agradar a to
dos em feral.
Alaga-so urna escrava boa cozintaeira, levan-
do urna cria, para acabar de criar por estes tros
mezes, o a lupa-so mais barato: oa Iravessa da
CoaeorlitD.91.
Compra-se urna negra de meia idade, e alu-
gam-se duas que sejam boas quilandeiras : a tra-
tar na ra Augusta n. 59.
Compra-se moliilia usada de toda a qualida-
de : na ra Nova, armazem de mobilias do Pinto.
CONPRVSE
urna canoa para conduzr familia : a tratar na ra
da Aurora n. 70, segundo andar.
COMPRA-SE
um cofre em bom uso : na ra da Crespo n. 15.
commodas em preco. Tudo se vender por precos
muito razoaveis, razendo os freguezes os raeios
que a todos habililam a comprarem barato.
Apromptam-se encomniendas com brevidade e
rigorosamente bem acondicionadas, tanto para den-
tro da provincia, como para fra della.
Bebidas espiiutiosas.
Licores de todas as qualidades em garrafas pretas.
Dito, dito, em garrafas brancas.
Geuebra igual a hollandeza.
Dita de laranja superior.
Agurdenle d'aniz.
Dita de horlelaa pimenta.
Dila do reino superior.
Dila de flor de laranja, recommendavel por ser es-
tomachica.
Dita de canella.
Alcool de 35" a 38oCartier.
Pehfumarias.
Agua de Colonia commum.
Dita ambreada.
Dita almisrarada.
Dita das Nymphas.
Banha em" lalinhas de quatro oncas proprias para
as familias econmicas.
Banha para tingir de preto os cabellos, e que nao
suja os lencos brancos.
Leite virginal"em garr linhas, proprio para os Srs.
barbeiros e cabellereiros e uso domestico. Be-
neficia a cutis e tira as manchas da pelle.
Extractos variados ; banha em.vasos dourados, e
extractos linos em frasquinhos ricos.
VENDAS.
.Na ra das Larangeiras n. 24, vende-se um
ptimo burro, grande, muito manso, novo e gordo,
exeellente de sella, e igualmente para carga, ven-
de-se barato.
Terreos parase edificar.
Vendem-se bons terrenos em Santo Amaro, as-
sim como faz-se outros necocios ; tambem arren-
da-se um sitio com urna pequea casa, e com este
certas condices no seu melhoramento, Picando as-
sim independente de pagar alguma, conforme o
ajuste : a tratar na ra da Aurora n. 86, terceiro
andar, al o dia 26 do corrente.
Fil de linho a SOO rs.
Vende-se fil de linho muito fino a 800 rs. a va-
ra, dito de cor e branco a 160 rs. o covado, tarla-
tana de cor a 610 a vara : na ra da Imperatriz
H. 56. |
Corees de casenilra a '4$.
Vende-se cortes de casemira de cor a 2,8. ditos
Anos a 3>, cortes de ganga franceza a 1$600, dito
de hrim pardo a iidlO a 2 : ra da Imperatriz
n. 56, loja da Arara, de Mendos Guimaraes.
Chitas da Arara a 'i O rs. o co-
vado.
Vende-se chilas escuras e claras a 240 e 280
rs. o covado, ditas francezas a 320, 360, 400 e 440
rs., riscados francezes a 180 rs. o covado, gorgu- j
rao de linho para vestidos a 280 rs. o covado, fus-'
to de cores a 500 rs gangas .fiara caigas e pali-
tots a 440 e 500 rs. o covado : na ra da Impera-
triz n. 56.
A Arara vende lia loes a 3-v
Vende-se baloes de 15, 20, 25 e 30 arcos, dos
melhores que tem vindo ao mercado, a 3$, 35500
e l.j. e ditos de brilhantina a 4-5, meias para se-
nhoras muito finas a 500, 400 e 320 rs. o par, di-
tos para meninos a 1280, para acabar, na loja da
ra da Imperatriz n. 56.
A Arara recebeu novos soutembarques prelos
de grosdenaple ricamente enfeilados, e os vende
por 22 e 255, capas pretas muito bem enfeiladas
e manteletes de grosdenaple de superior qualida-
de : na loja da ra da Imperatriz n. 56.
Cassa organdvs a 240 o covado.
Vende-se cassa organdvs para vestido a 240.
280 e 320 ris o covado, cortes de dilo com 14 co-
vados a 55, ditos de laa com barra a 85 : na ra
da Imperatriz n. 56 de Mendes Guimaraes.
A Arara vende madapolio francei enfostado a i>.
Vende-se pegas de madapolo francez enfestado
a 45, dito ioglez com 24 jardas a 65500, 75, 85,
95 e 105, pecas de lgodao encorpado a 55, 65 o
75 : na ra da Imperatriz n. 56, loja da Arara.
Grande sortimento de roupa
feita.
Vende-se palilots de panno preto a 125, 105, 85
e 65, ditos de meia casemira a 35500, 45500 e 55,
I ditos de brim fino a 65, 25500 e 35, calca de hrim
I a 25500 a 25, ditas finas de brim pardo a 35, di-
! tas de brim branco a 35500 e 45, seroolas de li-
A superioridade das perfumaras que a aguia nno a 4goo e 25, camisas francezas finas a 25200
te'iii .~*t,
3,Goo e i,%o rs. a caixa, e 4oo rs. a IsUa
garante-se serem nimio novas, e pronto.
dem perola a 2,8oo rs. e de 8 libras para dem corinthias proprias para podim a iu>
cima a 2,7oo, rs. a libra,
dem hysson o mais superior que se pode Marmeladas dos maisabraadosfabricaiitesde
desojar a 2,6oo e de 8 libras para cima Lisboa a 600 rs. a libra
a 2,5oo rs. Ervilhas secas muito novas a 16o rs. a libra,
dem menos superior a 2,4oo e de 8 libras Grao de bico muito novo a n rs. a IiIh-j.
para cima a 2,3oo rs. Ervilbas francezas em latas a 600 rs.
dem proprio para negocio a 2,3oo, de 8 li- Potes com sal refinado a Mi rs.
bras para cima a 2,2oo. Fumo de chapa americano a I,too rs. a bi.ra
dem do Rio em latas de 2, 4, 6 e 8 libras fazenda especial.
cada urna a 2, 3, 3,5oo e 4,8oo rs. a lata. Presunto para fiambre inglezes a 7oo e Sno
dem preto o mellior pie se pode desojar | rs. a libra.
neste genero a 2,800 rs. Chouricas e paios mnito novos a 61o a labra.
dem menos superior a esse que se vende Batatas muito novas em gigos de 34 libra a
por, 2 e 2,4oo, a 4,800 rs. a libra. l,ooo rs. e 60 rs. a bra.
dem mais baixo bom para negocio a l,5oo Massas para sopa macarro, talharioi aietria
rs. a libra. a 4oo rs. a libra,
dem miudinho proprio para negocio a l,5oo Cognac verdadeiro inglez a 8,5oo rs. a cai\a
rs. a libra. e 800 rs. a garrafa.
Queijos do reino ebegados neste ultimo va- dem francez a 7,000 rs. a duzia e 7o rs. a
pora3,loo. i garrafa,
dem mais seceos vindos por navio a l,7oo. Charutos em grande quanlidade e de lol. -
dem prato es melhores e mais frescos do fabricantes mais a crepitados a l.5o.
mercado a 76o rs. a libra. 2,ooo, 2,.*Joo, 3,000 c 4,000 rs. a cana,
dem londrino a Goo rs., c sendo inteiro a os mais baixos sao dos que por abi sewa
5oo rs. a libra, vende-se por este preco dem a 2,ooo e 2,5oo rs.
pela porco que temos em ser. Caf de premeira qualidade a 8,."ioo rv a ar-
Biscoitos em latas de 2 libras das seguintes roba e 28o rs. a libra.
marcas : Osborne, Crakntl, Mixed, Victo- dem de segunda qualLule a 8,2oo rs. a ar-
ria, Pec-nic, Fance, Machinee outras mui- roba e 26o rs. a bra.
' Arroz do Maranho a loors. a lilra, 3.*>n rs.
a arroba.
FIVELAS
de ac e com pedras.
Nao eslava bem a aguia branca deixar Mear tao
grande parte de sua boa fregnezia sem essas
apreciadas fivelas de ac e com pedras, e por isso
apressou-se em mandar buscar o bello sonimento
que acaba de receber ; e bem assim as necessarias
fitas, cujos novos e bonitos padroes as tomara agra-
daveis aos olhos de todos ; resta, pois, que os pre-
tendemos, munidos de dinheiro, dirijam-se ra
do Queimado, loja d'aguia branca n. 8, onde tam-
bem ha bonitos cintos bordados com borlas, etc.
Extraordinario sortimento
de perfumaras.
II 1 1,,, D '" ""I"" """'' u" !"-"" = H"" "-----lili" 1 l!OUU e 24, l venae-st a uatiata raraguasi, nova branca vende est incontestavelonente recenhecida, e 25500, ditas de linho a 35, pares de meias a 200
I e muito bem construida, de lotacao de 20
caixas: quem a pretender pode ve-la no
Caes do Ramos, aonde est fondeada e a
tratar na ra do Crespo loja de fazendas
n. "
7.
Cal de Lisboa e potassa da
Rnssla.
e isto confirma a grande exiraccao que Ihes vao 240 e 320 rs., gravatas finas'pretas e escuras bor-
dando os apreciadores do bom. A aguia branca, sdas nas ponlas a 15, ditas para menos a 800 e
porein, tendo sempre em vistas o bem servir a sua goo rs., colarinhos de linho a 400 rs.; s na loja
boa freguezia, unto da cidade como do interior, mandou vero extraordinario sortimento que ac- Guimarae*
eoVe sr'dV.m^ih?",'THS,as 'ecommenda-iCjrll.de pechlncha de laxiiiha
coes, sempre da mellior qualidade, sendo : r m A
240,
Agua de Colonia em garrafas de diversos tamanhos
e moldes.
Dila dita em frascos redondos e quadrados. I
i Dita dila ambread.a em frascos verdes.
Vende-se na ra da Cadea do Recite n. 26, para Agua ambreada para banhos.
onde se mudou o antigo e acreditado deposito da Dita balsmica e dehtrificc para conservacao das
mesma rn* n. 12, ambos os gneros sao novse gengirase dentes c bom hlito da bocea
legtimos, e se vendem a preco mais barato do qne Dita de flor de laranja.
aru tqualqnerfcparte. Dita de rosa e dita de Florida.
__________________________________________ Dita de lavander e toilet.
I Dita de atheniense para alisar
bellos depois de atado.
Dita de lallabar e Huido para tingir os
llanli.'< transparente e lafornesa.
Ditas lir>as em frascos de diversos moldes.
Dita dita 0m bonitos vasos de porcelana.
Dita dita era 'atas.
Dita dita em cochos, sendo creme, duqueza e po-
mada imperial.
Bahiizinbos de vidrov com perfumaras.
e segurar os ca-
cabellos.
Manteiga ingleza
muito boa a 00 o 720 rs., franceza a-580, banha
refinada a 360 rs., cha miado a 25600, caf primei-
ra sori a 320 e segunda a 280 rs., arroz alvo e
graudo a 100 rs., toucinho alto e alvo a 280, bola-
chinha ingleza nova a 200 rs., estearinas alva* a
540 rs., velas de rompoaicao e carnauba a 320, al-
pista a 140 rs., sabo massa duro a 200 rs. maca
de tmale a 640 a libro, queijos frescos a 35000, _
latas com biscoutosa 1*400, cartas de traques for- Caixiobas com 6 frasi,-'linos de cbeiros.
tes a 220 rs., vinho puro de Figueira a 480 a gar- Cosmetque (ou pomada/ superfina,
rafa, dito de Lisboa a 360, dilo branco a 480 rs. a Extractos finos e de agrada'* cheiros em bonitos
garrafa, Bordeau fino a 640, cerveja branca e pre-1 frascos. '
taa oOO rs., azeite de Lisboa a 600 rs., vinagre a Dito frangipane, cheiro novo e aiui agradavel.
n i8, a pAna aw,|le de carraPat a 260. gaz Dito de sndalo.
nqnido a 440 rs. Todos estes gneros indo em Essencias concentradas, com differOOtes e imissi-
porsao faz-se umabamenlo : no armazem da Es-i mos cheiros.
ireia, largo do Pwauo p. 14. J Uile virginal para tirar sar ia.
rs.
Vende.se laazinhas para vegtides a 240, 320,
4 0 e 500 rs. o covado, ditas muito finas de cores
lizas, proprias para capas e vestidos de senhoras a
650 rs. o covado, ditas escuras muito finas a 640
rs. o covado, ditas de 4 palmos de largura com
palmas de seda a 720 o covado, popelina muito fi-
na de ricas palmas a 15200 o covado : na ra da
Imperatriz n. 56, loja da Arara n. 36.
Fazebdas para senhoras, golll-
nhas a coo e :*>.
Vende-se golinbas para senhora a 200,320 e500
rs. cada uma.camisinhas para senhoras a 15,15280
e 25, dilas muito finas com gollinhas a 45500 : na
ra da Imperatriz n. 56, loja da Arara. |
A Arara vende fazendas para
lato, eassas a 300 rs.
Vende-se cassa preta fina a 320 rs. o covado,'
la preta para luto a 640 rs. o covado, alpqka
preta a 000, 640e8O0rs., bombazina a 15400 o
covado : oa ra da Imperatriz n. 56, loja o arma-
zem da Arara, de Louronco Pereira Mendes Gui-
maraes.
Cortes de chita a t .
Vende-se cortes de chitas de cores fixas com 10
covados a 25400, ditos finos a 95800, ditos de ris-
cado francezes cem 14 rovados a 35 : na raa da
Imperatriz n. 56, loja da Arara.
tas a l,3oo e i 4oo rs.
Polvos ebegados ltimamente do Porto a 32o
rs. a libra.
dem em latas grandes a 2,ooo rs. a lata.
Balacbinha de Craknel em latas de 5 libras
bruto a 4,ooo rs.
dem inglesas em barricas a mais nova do
mercado a 2,5oo rs, a barrica c 2io rs. a
libra.
Cartes com bolas francezas proprios para
mimos ou para anjos que vo nas procis-
ses a oo rs. cada um.
Peras seccas as mais novas do mercado a ioo
rs. a libra.
Figos de comadre em htas de 4 e 8 libras
lacradas hermticamente a I,ioo e 2,2oo
rs. a lata.
dem em caixiHbas de 8 libras a 1,8oo, e
24o rs. a libra.
Nozes muito novas a 140 rs. a libra, e 4,ooo
rs. a arroba.
Amendoas confitadas a 9oo rs. a libra.
dem de casca mole a 32o rs.
Vinhos engarrafados no Porto c Lisboa das
seguintes marcas: duque, genuino, velbo
secco especial, lagrimas doces, vinlio es-
pecial D. Pedro V, nctar superior de
1833, duque do Porto de 1834, vinho do
Porto, velho superior, madeira secca, Por-
to superior D. Luiz I, e outras mudas
marcas, em caixa de urna duzia a Io,ooo e
9oo rs. a garrafa.
dem branco de uva pura a 64o rs. a garra-
fa e 4,ooo a caada.
dem superior a 5oo rs,.a garrafa e 3,2oors.
a caada.
dem em pipa Porto, Lisboa e Figueira das
marcas mais acreditadas a 3,8oo a caada
e 5oo rs, a garrafa.
dem de marcas pouco condecidas a 4oo rs.
a garrafa e 3,ooo rs. a caada.
Especial vinho Lavradio sem a mais pequea
composc5o a 5G0 a garrafa e 4,ooo rs. a
ranada-
Pomada a 200 rs. a duzia, sevada muito no-
va a 80 rs. a libra, e 2,5oo a arroba.
Garrafoes com 4 V* garrafas de vinho supe-
rior a 2,5oo rs. com o garrafao.
dem aun 4 V litas de venagre a I ,ooo rs. o
garrafao. *
Vinagre PRR em ancoretas de 9 caadas a
15,000 rs. com aancoreta
dem empipa puro sem o batismo a 2oo rs.
agarrafa e l,4oo rs. a caada.
Caixas com I duzia da garrafas de vinuo Bor-
deaux fazenda muito especial a 6,8oo rs.
a caixa e 7oo rs. a garrafa.
Licores francezes e portoguezes das seguin-
tes marcas creme de violetas, gerofles, ro-
sa,.absinto vespeiro, amor perfeito, amen-
dua amarga, percicot. de Turin, Botefim,
morangos, limSo, caf, laranja, cidra, gtn-
ja, canella, cr'avo, ortel3 pimenta a l.ooo
dem da India muito superior a t,9m,n i
arroba, c loo rs. a libra,
dem mais baixo ledondo a 2,6oo rs. a libra.
dem da India ounprido a 2.ino rs. a ami-
ba, e 8o rs. a libra.
Vallas de carnauba do Aracaty a !).."x> r*. ar-
roba, e Mo rs. a libra,
dem de sebo muito dura lingindo esporaace-
te 3 dem de esparmaeete a 54o rs. a libra, e cu
caixa a 52o rs.
Papel o melhor que se pode desojar p.ira 05
Srs. empregados pblicos a 5.ix rs. a r^-
ma, j se venden por 7.ooo rs.
dem almaco pautadoe liso a S.ooors. a rema.
Mein de peso pautada e liso a 3,ooo rs. a
resma,
dem a zul de botica ou fugueleiroa 2.ieo rs.
a resma,
dememhrulho de 1,2w>a I,ioo rs. a rri
Ameixas francezasem latas de I 1 libra a
I,2ooo8otirs. a libra,
dem em frascos de 3 libras a 2,5no rs..
frasi'o valle l.ooo rs. tambem tem* em
frascos para l.ioo rs.
Conservas inglezas a 7oo rs. o frasco.
Molhos inglezes a 800 e 1,00o rs. o frasco.
Moslarda preparada em potes muito nova ..
2 Latas com 2 a 4 libras de caj secco o mais
bem arranjado possivel a 1,80o e 2.*
rs. a lata.
Set veja Bon. Tenente verdadeira a 6,8e* rs.
a duzia.
dem de outras marcas preta e branca a5.5o
c C.ooo rs. a duzia inteiras.
Vassouras de piassava com 2 arcos de ferro
vindas do Porto a 32n rs.
Cebollas muito novas a 800rs. o Mantao e i">
rs. ocento.
Chocolate |>orliigue7. hespanhoi e fi mtn Ae
800 a l.ooo rs. a libra.
Genebra de llollonda em frasqoeiras a S^wx
e 56o rs. o frasco,
dem em botijas a ioo rs.
dem cm garrafoes de I i garrafas a 5,Ajo rs.
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a groza e 2o rs. a
caixa.
dem de dentes lixados em maros
com to rs o maeinhos a lo rs. o 1
Cominhos muito novos a 32o rs. a U
lo.ooo a arroba.
Sag muito nove a 2lo rs. a libra.
Cevadinba de Franca a 18o rs. a libra.
M1II10 alpista a I io rs. a libra e l.."ioo rs. *
arroba.
Gomma a 80 rs. a libra e 2,4oo a
Peixcs em latas a i,000 rs. a lata j |
a comer-se.
Farello de Lisboa marra !f. t
grandes a 4,000 rs.
I*ixe
* Vende-se pixe da Suecia muito barato : no ar-
masen! da bola araarella no oilao da secretaria da
polica.
O fIi>ello
das formigas e copia* :
bola amarella no oilao da
300 rs. a caada.


/
Jli+rt 4 %teapauja>*Haea> -- Tcrga lea 14 J Grande quidagilo
de fazndas ia loja 4o Patio, ra da Imperalrz n.
; 00, do. tiaaia A Silva.
AcOa-sc este eslabeleeimento completamente sor-
tidbdc fazeudas uglezas, francezas, allemaes e
suissas, proprias tanto para a praca como para o
mato, prometiendo vendcr-se mais barato do que
m outra qualquer parte principalmente sendo em
porcao e de todas as fazcndas dao-se as amostras
deixando ficar penhor ou mandam-se levar em ca-
sa pelos caixeiros da loja do Paviio.
As chitas do Pauto.
Vendem-se superiores chitas claras e escuras pe-
lo barato preco de 240 e 280 rs. sendo tintas segu-
res, ditas francezas Anas a 320, 310, 360, 400 e
500 rs., o covado, ditas pretas largas e estreitas,
riscados escocezes finos a 240 rs. o covado, isto na
loja do Pavo ra da lmperatriz n. 60 de Gama &
Silva.
As eassas do Pavo a 2JO, 280, 300 e 320 rs.
Vendem-se finissimas eassas persianas cores fl-
xasa 320 rs. o covado, ditas francezas muito linas
a 240 e 280 rs., ditas ingieza a 240 e 280 rs. o
covado, flnissimo organdy matisado cora desenhos
miudinhos a 320 rs. o covado, eassas garibaldinas
muito finas a 320 rs., isto na loja do Pavo ra da
lmperatriz n. 60, de Gama & Silva.
As liaziuhas da expesiro do Pavo.
Veodem-se as mais modernas laazinhas mossan-
bique chegadas pelo ultime vapor francez sendo
de orna s cor ou de listas miudinhas com 4 pal-
mos de largura, proprias para vestido de senhora,
roupa para menioos e capas, e pelo baralissimo
preco de 500 rs. o covado, ditas enfestadas trans-
parentes de quadrinlios a 500, 400 e 360 rs. o co-
vado, ditas raatisadas muito linas a 500 e 400 rs.,
ditas mais baratas do que chita tambem matisadas
a 320 rs. o covado, ditas a Mara Pa com palma
de seda e 4 palmos de largura a 800 rs. o covado,
e ditas de urna s cor parda, azul, cor de lyrio e
perola proprias para vestidos, sautembarques e
garibaldes a 720 rs. o covado, ditas cscocezas a
800 e 400 rs., isto s na loja do Pavao, ra da lm-
peratriz n. 60, de Gama & Silva.
Os chales da Pavo.
Vendem-se finos chales de crepon estampados
peto barate preco de 6\J, 75, 8J, ditos de ponta re-
donda a ?i e 84, ditos pretos ricamente bordados
a retroz eon vidrilho a i iA, ditos pretos lisos a
*, ditos de cores a 45500e Sfc ditos de merino
VKBtflt 1*1 IltO
LNCIP
E
GRANDE ARMAZEH
DE
j11h* = a.!
S?; o o o sc
3 .5
fS 55 v v B <
^. -a -o -o -o o-^ :
CfiflllL
MOLHADOS
RIJA DO IMPERADOR
N. 40
Outrora ra do Colleglo
DE
DUARTE ALMEIDA <$ C.
II
si)
glai.2. a.5
S'issl la
t n es g J : V
. -O O 3
"VI ss
la sai
PARA BEM DE TODOS
FAZEI FAVOR DE LR ESTE ANNUNCIO
da economa domestica que se vai tratar.
0 assumpto importante.
DESCOBKIO-SE 1FIAAL
0 verdadeiro e principal armazem de molhados o do
Antonio Fernandos Duarte Almcida, dono dos acreditados armazens l'rogressiw
e Vnio e Commercio, e ex-socio do PiogressoProgressista acaba de abrir boje om ou-
tro na ra do Imperador n. 40, junto ao sobrado em que mora o retratista o Sr. Osborn.
O proprietario deste importante estabelecimento, conhecendo que o mais rico e espacoso
armazem que presentemente se temaberto nesta praca ,'deliberou denomina-lo VERDADEI-
RO PRINCIPAL ; sem duvida pode dizer, ja pela pratiea e couhcimeDto que lem destas
casas, que este um estabelecimento que nada dixa a desejar, j pelo esmerado aceio
quenelle preside, como no completo sortimento que eletivamente recebe de sua propritl
emeommenda.
O proprietario do grande armazem VERDADEIRO PRINCIPAL gloria-se em ser o
primeiro a acabar com o grande segredo e abuso que reinava nos precos dos gneros de'
estampados a 25 e3& ditos dc'laa a 15280 e2&!estiva, adoptando desde a sua primeira casa, em publicar todos os pregos de seus gene-'
^ P81"*Jl50 a #' slVa lojf ros Poronde via e v* publico que nunca mais pode ser Iludido como dizem esses. .
de pavao ra da imperatrit n. 60, de Gama & (qUe, mordidos e queimados pela inveja, dizem nao vaoll... Illude!... desenganem-se!
f'neodas pretas para a uresnia veide e Pav* ssesmaldizentes, que emquanto andar no trilito que pisa, nunca mais consentir que se'
Vande-se grosdenapie preto muito superior a ven ura objecto de 50 por lOfli. O systema do Verdadeiro Principal vender muito [
dinheiro e ganhar pouco, com elle que sem medo diz, que bailas de papel o vento as,
carvega.
l't'de-.sc a inaior attra^io.
O proprietario pede aos seus amigos e freguezes, e ao publico em geral protec-
^ao para o novo estabelecimento, garantindo aos mesmos que ninguem mais pode offerecer
as vantagens que se preste a otferecer este importante estabelecimento. O PRINCIPAL tem-
bem pede a todos os Exms. Srs. o favor de mandarem seus pedidos ao novo estabeleci-
mento, certos.de nao terem occasiao de se arrependercm.
.liis atten^o.
VERDADEIRO PRINCIPAL pede, em particular 4 lodos os Srs. de engenbo e
mais Srs. do centro, queiram mandar suas encommendas a este estabelecimento, garatin-
do-lhes o proprietario que tanto elle como os seus fmulos nao poupario esforcos para
fielmente .% publico,
O incansavel proprietario pede a todos os Srs. eSras. que, qawdo tahas de man-
dar seus pedidas seja em arta fechada ou com grande recommendaro ao VERDADEI-
RO PRINCIPAL na ra do Imperadora. 40, junto ao sobrado em que mora o retratista
americano o Sr. Osbora, franeexa, no pavimento terreo. O VERDADEIRO PRKCIPAL, tem 5 portas de frente pin-
tadas -de {verde, nashombreiras Baarle Almeida d C. e por cima o VERDADEtto
PRJNOPAL.
BAL
IZA.
Xinguem contestar esta verdade.
A fama tara correr esta uotlela.
A postcrldade bemdir o nome do Baliza.
Actnalldade Batel palmas de contenta
ito!
-!*600, dito a 1*800, 9*, 25300, 2*80' e 3*, mo-
reantique preto muile superior a 3* e 2*800, sar-
ja preta hespanhoia mnito encorpada a 2*, isto na
loja do Pavo ra da lmperatriz n. 60, de Cama
,& Silva.
0 Pava* vende para lula.
Vende-se supeiior setim da China faeenda toda
de la sem lustre toado 6 palmos de largura pro-
prio para vestidos, paletols, rapas etc., pelo bara-
to preco de 2*, 1*200, 2*500 o covado, eassas
pretas lisas, chitas pretas largas e estreitas/chales
de merino lisos -e bordados a vidrilho, manguitos
comgolhnhas e outros muitos artigos que se veu-
dem por presos'ruoa veis : na loja do Pavao ana
da Imperatm n.W), de Gama & Sirva.
O carpiuutis do Part
Vende-se os mais modernos corptahos de-cam-
braia rcaincitis bordados e enfeftados a'7e8* ;
na loja do Pvhk, ra da Impcralfii n.'60,dj Ga-
ma & Sirva.
"ds vestidos do Pa*o
Veade-se rices vestidos de gresdenaple preto ri-
canteMe bordados a veludo pelobarato pkco de
40*, sendo fceenda que sempre se vendeu a 100*
e 1/1*:; dltcs-Ao cambraia brmeos ricamoale bor-
dadas a croeii'- sendo itroprios para baile e rasa-
meV).a40^r, 20 e 30*; ditsde laa eom lindas
banm a t% o lo* ; isto na loja do 'UaA'ao ra
da mporatrre a. 60, de Gama 4c Silva.
Os pannos da Pavas.
Vor.de-se psnno preto muito superior pelo barato
preijo de 2*, 25500,3* e39JJ09, ditos muito tinosa
U, hie *;'Corles de casemira preta entestada a
4(5, 4*o00-r:*, casemira preta 'fina -de urna s
largura mullo lina a 1*800, 25, 25300 e 3*, cor-
tes dC'Casemira de cor a 5*,3*500 e'SJ, casemi-
ros-cdfesiadaB de urna s cwr proprias ira calca,
paletols, oollstes, capas para<*ennora,irupas para
ioninos a -i'i e 3j500 o covado, isto -na loja do
avau, ra tii lmperatriz cu-60, de-Gama A Silva.
A roupa dofrvo.
'Vndejii-6e paletols de pawio preto sobrecasa-
cosiIaenda. muito boa a 12*,:o finos a
16*, -20, '9S* e 30*, calcas -de casemire preta boa
faaor.da a>4*00, o*, 65, 7* o h-3- paistots saceos
dapi'nno proto a 7*, ditos de caseflNM de cor a
C5 e7*, -diioe de alpaca ppotJ, ditos jwotc, ditosdelirim de cores, calcas de casemira
de cora''**, 5,6*, 75, ditos de 'casemira da
Eaeaaafe a 3*, ditos de lriu pardo a.2*500, ditos
d a -Z- 2-',:i\. ditos ibrancos muito finos,
coa loja do>Pavao, ra da fmneratriz n. 60, de
G ama.'&'Srlvs.
lis .i-tlnados do.|ao.
VoLdem-se.ticos rortinadee proprios .para janel-
la-ccamas pele barato preeo4e 95 o.per, sendo o
nVjlhor qHctono mercado': ta ra da ilmperatriz
n 4Me Gam?. Silva.
M colchas do lw 5o.
V-miii'i-se. o'clnis de Imii- alceolioadas pro-
priacipara cam:> pelo baratopseijo.de ii-cada nma
h, ra da lmperatriz n. 60, de Gama Arfiilva
As Vendem-se as mais lindas pwcalas que tem vin-
do ao mercado ti.egadas polo ultimo vapor fran-
cci- pelo barato preco de 600 r*. o covado, ditas
de Itbiinha muiU) nudinhas pr^opriaspana vestidos
c -oupasde meninos meninas pelo birao preco
de ow re.; so Pavao ra da lmperatriz. u. 60,
loa defama &S!va.
Os sottcanbarques do faxo
if( e .*# so o Pavo.
Vendem-se os mais lindos souteanbarques que
t'.'in viudo uliimamcate de laazinlia e casemira ri-
camente bordados e.enfeitados, cores muito delica-
das pelo barato proco de 10* e 15* ; faxenda esta
que em outra* lujas ^e vendem por 2(1* c 3*,
s para ljuidar : na l-'ja e armazem do J?avao
ru i da lmperatriz n.li de Gama & jIy.i.
% i eh ita do Pavo a Z M* e
X*iW o corte.
vendem-se rtes de hila com doze covaios
<-da corte, ditos com doz.covados a 2*ttt, fluen-
cia muito boa, e 4jue nao desbota, sna lojadoiPa-
>a. tem esta peeliiocha ; a ra da lmperatriz .o.
60 Je Gama >\ Silva.
Las de uma so cor.
Veadem-se lazinl'as de una s cor, sendo oa-
camada, azul, ciiizenta, cor decaf, lirio claro, li-
rio ro:.< i cr de perola (telo baratissimo preco de
tfct o.covado, lazenda -uitoliiu s o Pavo, ra
da liqperatnz n. 60 foja e armazem de Gama k
SS.
Patina ie linbo.
Vde-se panno de linbo com 4 palmos de lar-
gura propnio para lences,toalhase*:eroulas pelo
barato prece de 640 rs. a vara, bramante de linho
com 10 palmos de largura a 2*500, algodaozinho
monstro eoaS palmos de largara a 1*, pecas de
JTamburgo com 20 varas a 9*. 10* e 115, pegas de
siadapolo fiao a 7*500, 8*, 9* e 10*, ditas de
a^odaozinho a ti*. 6*500 e 7*, e outras muitas
iu Midas brancas yue se vendem muito baratas
alim de apurar diitbeiro : na loja do Pavao ra da
fmperatriz n. d fwaniaate do Pavo ron dozr
palmos de largnra.
Vende-se bramante de Imliopuro, mnitoino com
doze palaios de largura o mellior e mais largo qoe
tem viudo ao mercado pelo barato preco de 2*800
rs.a vara ; s na loja do Pavo de Gama A; Silva,
aua da lmperatriz n. 60.
Ao preealas do Pavo.
Vendem-M a* mais lindas preealas qus tem vin-
do ao mercado ebegadas pelo ultimo vapor francez,
felo barato preco de 600 rs. o covado, ditas de lis-
rinha muito miudinhas proprias para vestidos c
e roupas de meninos a meninas pelo barato preco
8.500 rs.: s o Pavo ra da lmperatriz n. 60,
je de Gama Os bales do Pavao. ?
Vendem-se crinolinas ou balos de 30 arcos tan-
to hraneo como da cores, sendo americanos que
ao os rnelhores por se nao quebrarem a 3*500 e
de 35 arcos a i*, ditos de musselina com babados!
TTT
'.L

o Bait/j
arme .i t--nda ;
Imeiite .i -iia '"
se < iJ/er a CB
.uarada ali
Sem mitras ncm coras para ornar a fachada de seus annunrios, e as portea do edificio -m <|ih) hab
contenta em tomar o seu lugar de honra na vanguarda do todos o, homens do pi ngresso.
Sopre embora o maldito Clarim, o seu toque de retirada a marrhe-marche do desacreditado Progre
dos falsos apostlos da sinceridade no tratro, da realidade na pratiea dos negocios commerciaes. re\ele li
grande insobordinac3o fingindo desconhecer os seus superiores, deixando-se ficar sentado, em vez de perfi
continencia do estylo, porque o incansavel Baliza sempre fiel ao seu juramento lera continuamente na melnnrlorilrm hIo o
seu trem de guerra e no mais complecto movimento, o sen presumo para tem servir, desde o mais himple
o mais alto general da primeira classe do exereito dos seus constantes freguezes.
Entremos na materia :
SENTIDO!
oicden no ni i.
Desde a I.' publicado deste annuncio al segundo aviso Manoel Pedro de Mello, proprietario do gra)vle arnueB
do Baliza estabelecido ra do Livramento ns. 38 e 38 A vender a todos os seus freguezes.
m
Cinco por ceiito menos
Amendoas confeitada? com bonitas cores
a-1^000.
Manteiga ingieza propiamente flor a *00 rs.
e sendo em barril ten't abatimenle.
Dita ranceza muito inova a 580 -a libra e
sikIo em barril 580 rs.
Ch'uchim o melhorque se pode'esejar, e
que outroqualquer nao vendepor menos
de 3 a 2,J700 rs.
Dito perola espeaiel qualidade a 2#C00
-2*800 rs.
Dito Hivsson o mel'hor que se poe desejar
B->400 e 2^600 :a libra.
Dito liysson e da Jodia muito -superior a
2#2<'0 e 2/400.
Dito -do Rio em latee de 2, 4, G^e 8, libras
a1:5000 e i,5200.a libra.
Dito preto muito especial a 2<$800 a libra.
Dito mais baixo a 1^300 e IdO a libra,
(juejifes chegados no ultimo vapor a 3-5000.
Quejjo prato chegado ueste ultima vapor a
809 rs. a filtra.
MassfN para sopa muito navas, foi desembar-
cada ltimamente pevide: rodinha c es-
tpcllinha a 500 rs. a libra e 35 a caixa com
8 libras.
Macarro, Alelria e Tamartm a 400 rs. a libra.
Vinagre fresco a 200 rs. a garrafa e 1,5400
a caada.
Dito em garpafoes a 15000 cada um,
Bolijoes com 8 a 9 garrtfas de azeite, o me-
Ihor ffoe se pode desejar, a 55 cada um.
Palitos de dentes om macos com-20maci-
nhos a 30 rs. cada um.
Palitos do gn a 2^200 a groza, 20 rs. a
caixinlia e 200 rs. a duzia.
Graixa em'latas muito novas a 100 rs. a lata
e 15000 a duzia.
Ceblas milito -novas a 540 rs. o cento e
800oimolho.
Traques de t-rimerra qualidade a 85500 a
calva-e 240 rs a carta.
Charutos ipyrangas cm meJaa caix indas a
2^000.
Ditosyisso Parajozo' o mollwr e mais Ditos Suspiros de altern Pinto al5600.
fcwco que se pode-desejar a 800 rs. a li- Ditos Avaaeiros do mesmo a 15600.
bw, sendo de 4 ufaras para cima a 780 rs., Ditos Uegtlia Imperial a 1>G00, garante-se
que qualquer dos seus amaveis collegas que por menos anntinciar. Qualquer objecto que nao chegue a comento ih>s se-
ohores compradores, pode ser devolvido ainda mesmo pelas pessoaa (pie morarem no centro da provincia.
0 dinheiro receido pelo gener0 que nao agradar ser restituido sem constrangiinento algum.
Declarado importante.
' falso o boato que tem feito espalhar o soldado soprndor da ra do Queimado de que se tJa o Baliza aaaod
ao armazem Unio Mercantil aberto a ra da Cadeia do bairro do Uccife.
A liga entre os collegas um crime de lesa-povo.
E entre-tanto o Baliza ligueiro.
Ligueiro sita das ideas liberaes dos progressistes de todo o universo aos seniimento mais ntimos tle s|u corafb.
Deste modo de pensar ser o Baliza eternamente conservador.
Ra da Senzalla Nava n. 42.
Neste estabelecimento vendeai-se: tachasde
ferro coado libra a 110 rs., idemde Lo*
Meor libra ai20rs.
m
confeito e especifico para
expellir os Vermes.
Dito 'londrino um |3uco duro por virem
em navio a 500 a libra, e sendo intoiro
MOoa.
Boiacliishas em latas-da 2 libras de todas-as
qualidades que se .procura a 15300 rs.
Ditas. Ditas-era latas de 5,libras de Craknel a
|806a teto.
Blaeuinha ingieza desembarcada uUamamen-
te muito nova a 25200 a barrica e tW
a libra.
Cartoes.c-Hn bolachinhaesfrancezas de diver-
sas quididades a 600, 800 e 15200 -cada
um.
Peras ecos em caixinias de 4 libras as
mais .delicadas que se pode desejar a
25500.
Bocetos com doces de Portugal ricamente
enfeitadas;8 25500, contendo: peras, pe-
cegos, rain'was Claudia, ameixas, alperch
e outras muias fruclas.
Passas muito novas a 480 a l&ra e 75500 a
caixa; tamban tem meias eqitartos.
Amendoas de casca molle a 260 a libra e
240 de caicttiura, nozes 140 a libra e
45000 a arroba.
Figos em caixinhas.e latas hermticamente la-
cradas a 15500 25500, de 4 e 8 libras.
Wnhos em caixa* de duzia vindos do Porto
e das seguinten mancas: Duque do Porto,
Duque Genuino, Madeira secca, Cliamisso,
que, sito charutos que j se venderam por
25600 e 25800, lm destas marcas tem de
todas as mais quecostumam vir nosso
mercad*:.
Genebra de llollandnem frasqueiras a 65600
e 560 rs. o fiasco.
Dila de taianja a 15iW) o frasco e 125000 a
caixa.
Dita embotijas de Hollanda a 440rs.
Cominhos muito novos a 400 rs. a libra e
sendo o'.i arroba teri abatimento.
Erva-dece anuito nova a 400 rs. a libra.
Canellamuko nova a 15000 a libra.
Pimenta muito nova e limpa a 340 rs. a libra.
Cravq muito novo a640r& a libra.
Alfazema nova a 400 rs. a libra.
Toucinho muito novo de Lisboa a 280 rs. a
libra e 85000 a arroba.
Chouricas e paios a 640 rs. a libra.
Banha a mais nova e al va que se pode dese-
jar em latas de 10 libras a 45000 a lato.
Sita propria para banha de eabello por ser
a I va e dura a 400 rs. a libra.
Capos lapidados a 45800 a duzia e 55500.
Ameixas em frascos grandes a 25500.
Ditas em frascos oais pequeos a 15400.
Ditas em latas de urna e meia libra a 6 libras
a (5200 e 45000-a lata.
Mlho inglez rolhade vidro a 800 rs.
Prezunos inglezes para fiambres muito no-
Pastilhas Vmiiiiips
DE KEMP.
Os meninos6 pedem gritos, porque
ellas sia de cIkTo, sabor e er agrada-
v-tts. Allegancia
ct', o iHoffcnsivo das
i segiuidaiile
le ac-
Pastilhas Vermifugas de Kemp
Aencao
a
Presuntos inglezes chegados no uliimo vapor a
680 rs. a libra.
Salpieoes e chouricas do melhor aliricante deste
genero a 720 a libra.
Chouricas em latas de oito libras, mu superiores a
64300 a lata.
Ameixas em potes grandes a '&, e menores a M800
dem em latas ricamente enfeitadas, proprias pa-
ra mimos a l.'j<)0, 15'tOO, 1^600 e 2,8800.'
Doce de guiaba em caixes, o melhor (pie ha a
i 800.
Queijos iamengos vinibs no ultimo vapor a ')i.
Licores mui finos, garrafa, a lA(RM), {800 e 2.
Conservas mui novas a 800 rs. o frasco.
Vinho d Porto o mais delicioso pos.-ivel, engarra-
ado, ha oito annosltl sem exageraeu.
Manteiga iugleza Oor a 1 a libra, nao sebo de
800 rs.
Vende-se a dinheiro vista no anlign e mui
acreditado arm jszem de molhados de Juao Baptista
Gomes Penna, successor de Francisco Jos l.cite,
aa raa do Iniperadnr n. 46.____________________
c/ r: o < cj ~ 53 > > c^ ~ *^ -3 s;
03-BJ33COO- S^S 6 "i O
e.-parliflw, a#a a*
de iwfurim fBM-
>arii.-, j >
luuitu naiiiJi

IxjoiIj pan ra^c
ir.uit'i
\j i l.. t i boBI'1
v>
fs.
c 2" -
f6
a
01
M
05
OS
Vi
c*5 w,__
3^^
IMS H\ BOA
especia
e <0utros muitos a 9#, 105, 125 e 145 a
dum e 15 a 15200 a garrafa.
Vitiltosem pipaPorto, Msba e Figueira
das ueihores marcas a 35800 a caada e
500 a garrafa.
Ditos-do Porto, Lisboa e Figueira de marcas
meos cijrJwcldasa 400 a garrafa e 25800
a rao id;!.
Dito Colares especial vinho a 800 a garrafa.
Utto Lavrado muito fresco, nao levando com-
posico, a 560 a garrafa e 45000- a caada.
VbIio branco de uva lina a 600 a gaerafa e
45500 a caada.
Dito mais baixo a 400 a garrafa e 25800 a
caada.
Vinho Bordeaux em eaixas de 12 garrafas das
marcas mais acreditadas a 65500 e 75000
a caixa.
Dito muito especial que raras vezes vem ao
nosso mercado a 15*00 a garrafa, garan-
te-se que por este mesmo preco di pre-
juizo, e ao se encontra nicamente neste
armazem.
aU*itorpara^menina"! e37na'oja do~Pa-Licores francezes e portuguezes dos njelho-
to fu da lmperatriz n. 60, do ama A Silva. .| res autores a 800, 15000 e 15500a gar-
A' .Maria Pa.
O Pavo ven Vendem-se os mais lindos cortes do vestidos a
Mara Pia, com HmJa* *** etMnrmn elw
Velho secco, Virtor Emmanuel, D. Pedro) Mrihpdf^mrai^" rs o note
r. D Luiz.especia. ve.ho ao Parft,^tP^a J^^bT?frasco.
Cognac inglez a 105000 a duzia e 15000 a
garrafa.
Dito francez a 85800 a duzia e 800 rs. a
gawafa.
Palle Brandy a 25000 a garrafa e 325000 a
duzia.
SabaO massa a 140 e 240 rs. a libra o melhor.
Polvo a 320 rs. a libra e 95000 a arroba.
Vassouras do Porto com arcos tle forro a
320 cada urna.
Ditas americanas a 640 rs.
Oeapwifio cxcwfvaueate Vefrtal,
sao estas pois as suas rnelhores e mais
completas ci Uaha as rocommeiKl.Wies
eolloco na categora taraaL
A superioridade das
Pastilhas de Kemp
sobre todas .as prepaia^es deatnnilas
para a hjcsiikj iin Uevido na sim-
ples compusieu :io seju aroma agrada-
vel e rapidez e infallibidade com
que alcaiica a destrnfco total daa
LOMBRIQAS.
.
venda as boticas de Caors Barboza,
roa da Cruz, e Joao 4a C. Bravo & C, roa
da Madre de Dos. ___________
Vende-se sal do Assn\ a bordo da escuna
ErnfUina : a tratar com Patmeira & Uoltro, lar-
go do Corpo Santo n. i. primeiro andar._______
B0T1C \ E DROGARA
O o.
I a te
2
II
h
a, os
a,a> w
Q CD -,
s s < ^ 3 3
s? o 3 o 2.
st0S's'S3.sb
u
o
v a
"j n = = "^j a
.c.0s;a-1a2 O S -i c o o" = _S.a.5

ro c. 5. C w
"' -> C- a
r-O
5. o
O CD
?' r'
II 5-
j-
a a> o.
O ^ no
VI CI> B3
c s'5'2 o n b
g5 g
M
e
s
M
i

n
I al'
-srs-
s
39
"1
I
o.
v
OQ
09
3
_g32p
03
i
o
a
o;
Z3 03
03

RIVAL SEM fcEGUNDO
Hua do Qiuiiudo ns. 49 e 55, toja ti
de Jos de A/.evedo Maia e S a, .->ia i
no seu prugresso de vender aran-Mino
Caixaa de superiores obreia de cota tmas-**
40 rs.
Cordo branco para vestido
ris.
Linhas dccnrrctel (1.70 jarda
il.ale a 60 rs.
Cartocs de linba Pedro V (2#Jt)
roubecida a 40 rs.
(rozas de peonas de aja de
superiores a 500 r<.
Cauiveles de duas tuinas porAi ti.- '>>
Caixas com ralungas muito
100 rs.
Franja branca e de cores paratlurika.- a W).
Para Caixas com soldados de chu
20 rs.
Tinteiros de vidro com superlr tinia i !M).
Ditos de barro com superior iattaM
Groza de botoes de louca p iti 160 rs.
Tesouras para co>tura, o i
Ditas para unhas muito tinas
E.M-ovas para limpar uenles
200 rs.
.ilnas de laa de todas as
Caixas de phosphoros de set^faora a NnJ
Ditas de papel amizade pal* > tira a *#r.;.
Ditas com 100 anvel.pes mu o oupviajm a W-
rcis.
Cadernos de papel br.inco
20 ris.
Cartas e taboadas para inenin
Caixas com superiores lacas
a 40 rs.
Carreleis de l.nba Alexandre
a HO rs.
Har Mos para vollart-le moiloltiiM a Xy
Carlas de aljinetes franrea i mu,. |n..s 4 i r:
Meadas de linlia f oxa para t dar a 20 r--
mito Mi|*Tior. i a
ou Una a vo ade do eomprdora
rafa.
Cervejasdas melhores marcas a 55500 e
65 rs. a duiia; tambem lemos ordinaria
.""poTTitiito menos. -'
Papel almaco pautado e lizo a 25400 a resma. BaRTHOLOMEI' & C.
Dito de peso pautado e lizo a 35 a resma, j Kiia Larga do Rosarlo n. 34.
Dito azul proprio para botica a 25 a resma. Vende *
Velas de spermacete a.560rs.a!hVa,e sendo Ventosas de gomma JJ*
em caixa a 520. Esmaltes para ourives.
Fundas inglezas.
Vidros de bocea larga com rolha.
Tinta branca em massa para pintura lina a 200 rs.
a libra.
Ditas de carnauba do Araeaty a 95000 a arro-
ba e 320 rs. a libra.
Farello de Lisboa marca N a 45000 a sacca.
Tijollos para limpar facas a 160 rs. cada um.
Peixe em latas j preparado a 15000 a lata.
Chocolate hespanhol e francez a 15000 a libra.
Caf do Rio primeira sorte a 85700 a arroba
e 300 rs. a libra.
Dito de segunda a 85400 e 280 rs. a libra.
Arroz do Marahh5o, Java e India de 25600 a
* 35 a arroba e 100 rs. a libra.
Alpista muito novo e limpo a 140 rs. a li-
bra e 45500 a arroba.
Cevada muito nova a 25500 a arroba e 100
rs. a libra.
Pares de sapalos de iranra
15000.
Papis de agnlha com um pAwn r Groza de bolcVs de madre, r.,'a
BaO r>.
Cartoes e caixas de celrhetr-
a 40 rs.
oneks para meninos imiito h#u
Macos d> ;raiii|ios up^.'ion:
Croza d pli.splioro, do m
Areia preta muito superior a
Caixas de rap com espelho
Realejos para enlrelcr ni- nirm-i
Pec.'is de fila de lindo muito b
1 so|-rHtr. a 0) 1
1 V>
muiio suatftmj a
(narfa) a 7^
core-, pei)Ut:>. a
1 l
|e aceiMfer '.-karata
bao jaroVj a <
iiHJltj Btw- a
(ranct-ies uperiBMi
a MH S -'-3
le i nipos a Mi r*.
1 I fV..
' I
m >
a DO 1
Pentes de laro muo bonitos
Enfeiies de laro de todas as c
Rodas com allnetes francezes i
Caixas com ipiatro auis d
240 rs.
Saboneles de familia a >), 160
Caivetes de duas folhas ininicj
Pares de sapa tos de laa para
j I Sapalos de tranca paia senbord
melhores que tem viudo, e por
quem quixer ver, vraha a,ru:
4! c 55, e ver tudo como
u t~ a tju<
*rs.
Aaltas WHr.t** a
ah a ."!*).
Mines a -00 RS,
e para fcoas'-ai. 1-
rerv maia aaraiu

barato.
AtKNCI
DA
FUNDICiO DE LOW-H00L
Raa da Seaadla mi a. 42.
Neste estabelecimento 1 tulma a karar
um completo sertimeoto de moeodaa 11
moendas para engenbo. m china
Vende-se urna barcaca nova de quatro via-
Na roa larga do Rosario n. 33, vende-se urna gens, bem construida, de 45 caixas, boa veleira, a e tacnas de ferro batido C C ttdo, de tdi>a
prensa de copiar cartas, e quatro fiteiros propros dinheiro ou mesmo a praso, assim offereca boas taannos para ditos,
para miudezas, tudo em mnito bom estado. firmas : a entenderse na ra Dircita com o Sr.
Beato de Barros Feij.
Vemlem-se linguas seceas muito superiores,
e'por preco em cuta : a bordo do palhabote Ar-
roto Malho, tundeado ao pe da escadinba do Col-
legio.________________________________
GAZ A 10:000 RS.
a lata com 5 galoes : na ra do Crespo n. 16, ar-
mazem de louca de Dnarte Perelra dr C.
Vende-se um clarineto em sib, 1 violo, 1
atlas de Raynaud, 1 arithmetica de Bezout, tudo
em bom estado e por pre?o commodo : na raa de
Santa Isabel n. J>, desde as 10 horas at as t, e Vendem-se tabocas : no armazem da bola ama-
das 7 s 9 da noitfl. i relia no oitao da secretarla da polica.
TABOCAS
Arados americanos BUf-hinaa para
lavar roupa: em casa de S. *. Jubnsioo A f.,
ra da Senzalla Nova n. 41
Gime de oL
Chegou aos grandes armax m da
Brilhante Aurora e Aurora Bri laat, m Ura i
Santa Cruz ns. 12 c 84, a verdi r eariw Jo Ss-
rid a 320 a libra.


Terca felr* de Mal e 11*4.
Esquina da*
ra do
Sebn. 12.<
BRILINTE AURORA
NOVO E
GRANDE ARMAZEM DE MOLHADOS.
Francisco Jos Fernandos Pires lem a honra de participar ao respeitaxel publico
qde hoje abri ura novo eslabelecimento de molhados denominado iilhanle Aurora, ao
largo da Sania Cruz n. 12 esquina da ra do Sebo n. 11
o proprielario desle novo eslabelecimento pede a lodos os seus amigos e fregnezes e
ao benevulo publico desta cidade e do inlerior, a sua proiecco para este aciado estabele-
ciiuonto, cerlos de que em tenido algum abusar daconliauca quo at hoje Ibes tem de-
positado. "
No novo armazem cncontrar-se-ha sempre um grande sortimento dos melhoresgeneros
qub vem ao nosso mercado e por precos os inais mdicos possiveis, cerlode que em parte
al( una se vender mais barato e melhoresgeneros tanto em porcao como a retalho, do
que no armazem da linlhanle Aurora.
A satisfecho da Drilhanlc Aurora vender muito e muito barato, mais a dinheiro ;
a 11 bolla do proco de sous gneros scro mudados todas as semanas :
MOVIMENTO
BAIRRO DO RECIFE, Rl A DA CADETA N 50
0 mais noivo e o melhor
A Hifl AWAtn IIE MOAHADOS
Esquina defronte da ra da Madre de Dos
Antonio da Silva Campos, raecessac do aptigo N'ascimento, defronle do becco Largo, bem co-
nhecido j nosia praca, acaba de transferir o sou eslabelecimento para a casa cima indicada, onde
os seus benvolos amibos e fregnezes, hein corno o respeilavel publico em geral oncontraro o mais
variado, escolhido e melhor sortimento de tnolhidos, a par do aeeio, elegancia e boni rgimen do osta-
belecmenlo.
O annunciante, lendo feilo urna completa reforma no tocante a casa e gneros, possuindo bons
correspondentes na Europa para remessas do conia propria, acha-se convencido que merecer a pro-
teceao de todos os amigos do hom.c barato, a qual desde j reclama, asseverando-lhes que jamis des-
merecer a confianza com que se dignaren) de o honrar.
Em resumo, visite o respeiUvel publico o novo e superior armazem Movimento, compre-lhe al-
guns gneros, e entao ficar convencido da realidade do presente aviso, verificando por si mesmo que
nenhum outro eslabelecimento o serve melhor que este, seja em couimodidade de presos, agrado e
delicadeza, ou logalidadede pesse medidas.
Finalmente, todas e quaesqner garantas que cstabelecimentos idnticos teem offerecido aos
oncorrenles, Aeio mantillas nesle em grao maior.
Cli
La
Di
Di
Di
Di
Di
An -i sas francezas novas em latas a 15400,
2> e 3500 rs.
D i- em caixinhas muito enfoitadas com
bonitas estampas a 1*400, JVGOO e V
icolate francez, hcspanhol, suisso e por-
luguez a t20 e 1J> a libra.
Marniolada imperial dos melnores conser-
-eiros de Lisboa a libra 600 e 6'tO rs.
. las com diversas fructas em calda a 500 rs.
las com ervilhas a 700 rs.
as com massa de tomate a 600 rs. a libra.
as com i>ros crmelicameote fechadas a
nut e 2*V>00.
as com peixe de posta ensopado a 1.3.
as com ostras para frigideiras a 720 rs.
Dilas com lingui^as fininhas vindas neste
apor a 6'ii0.
Dil is com sardinhas doNantes a 3G0e 600 rs.
Ditis com bolachinha de soda nova a 2&.
Dins cora biscoutos inglezes varios ttulos
o 15WK) rs.
'lb *"'; M0S coin mus,ar'a prcpprada a 400 rs,
it >s com a verdadeira genebra de laranja
13120.
tbs grandes duas garrafas de hollanda 1$.
Dit >s com um garrafa 5(>0 rs.
Dit >s com conservas de pepinos a 800 rs.
Diio= com ditos de mexides e oulras a 700
MX) e l&.
Dit com azeilonas e ervas a 1,8
Ca tachos para (orlas pintados de varias co
es a 600, 700 e 800 rs.
Manteiga ingleza flor a 800, 900 c 13.
Dm segunda sortea 610 e 720 rs.
Dili terceira sorte a 400 rs.
Dil a franceza nova do 64 a libra 600 e 640.
ri'p Dila dita de 63 a 640 e 560 rs.
Dill ingleza em barril a 600, 720 e 800 rs.
'^.' Dila franceza em barris e meios a 530 e 540.
Baihade porco refinada propria para ba-
ilia de cabello a 440 e em barril a 400 rs.
vlaiWs finos ha o melhor a
itoefar.
F
Dit
Dit
Cha <1e multas qualidades.
Cha porola a 35 e 32O0.
Dito mira muito superior a 3*.
Dito miudinho a 25500 e 23800.
Dito bysson miudinho a 33.
Dito mais graudo a 25800.
Dito redondo muito boma 23, 25500 e 25800
Dito preto em massos envollo a 15600 e 25.
Kspet macle fino o masso a 540, 600 e 640.
Velas do carnauba arroba 105 e libra 360.
Dita de composieo arroba95500e Iibra320.
Charutos nao ha'quem tenha melhor sorti-
mento em caixas de 100 e 30 lodos dos
melhores fumos de S. Flix de 25 a 85
a ca xa de cem.
Caf do ltio arroba 85500 e 95 e libra a
320 e 280 rs.
Arroz de Java arroba 35200 c libra a 100
e 120 rs.
Dito do Maranhao arroba 25500 e libra a
80 e 100 rs.
Grao de bico a libra 160 rs.
Ervilhas secas muito novas a libra 200 rs.
Nozes arroba 45 e libra 160 rs.
Amendoas libra 240 rs.
Alpisla arroba 45800 e libra 160 rs.
Pamco arroba 55 e libra 200 rs.
Sevada arroba 25500 e libra 100 rs.
Sevadinha e sag novo a libra 240 rs,
Passas novas caixinhas de 16 e 8 libras a
23500 e 155:i0 e libra a 360 rs.
Doce da casca da gaioba caixoes grandes a
15200 e 640 rs. .
: Saceos com gomma, arroba 53500 muito
boa o libra 180 e 200 rs.
Dita de aramia verdadeira arroba 85 e li-
bra 400e480rs.
Alelna e macarrio a libra a 400 rs.
Kstroliuha muito nova a libra 480 rs.
{ Presunto novo de laraego para panella a
560 rs. inteiro e libra 640 rs.
Chouricas e paios novos a libra 800 rs.
Cerveja branca e prola a duzia a 53300 0 63
INJECTION BROU
Az.
Ca
garrafa.
Din .Madcira a 13400 a garrafa.
Dilo da Figueira puro a 43500 a caada c
rrafa a C40. 560 e 500 rs.
Dilb de Lisboa a 35200 e 33500 a caada e
carrafa a 400 e 480 rs.
Dil i branco puro de uva a 640 rs.
Dio mais baixo a 480 e 5-0 rs.
i Bordeaux branco o linio a 73 e 83 a
fcixa o garrafa a 6i<), 8 /O e 15-
i moscatel a 95 a duzia e 15 a garrafa.
b do caj clarificado a 15 a garrafa.
l'.i. uac verdadeiro a garrafa 13 e 15280.
Le )res finos em garrafas braucas a 15 e
J320 rs.
te refinado a garrafa a 15.
ils de varias fruclas do paiz a garrafa
:00 rs.
raides com 25 garrafas de genebra de
o! lauda 83500.
os lapidados para vinho e agua a duzia
0500, 43500 o 53300.
,s de cores a 63300 e "5-
Assim como muitos outros objectos que deixa-se de mencionar, mais ludo
meira qualidade por procos baralssimos.
Dilo de Sanios muito novo igual ao de Lis-
boa arroba 75 c libra 240 rs.
Figos de comadrea libra 280 rs.
Qaeiji'S do reino raoitonovos a 35200.
Bolachina ingleza nova a barriquiuha 35-
lijlos de limpar faoas a 160 rs.
Massos ruin palitos para dontes a 160 rs,
Grozas com palitos do gaz a 25200 e 200 rs.
a duzia do oaixiiihas.
' Latas rom graxa duzia 15 o 100 rs. a lata.
Boioes rom dita 97 a 280 rs.
Vassoura> do Porto de piassava grossa a
400 rs.
Molhos com soblas novas a 15-
; Saceos grandes com farinha nova a 55.
1 Ditos com farello de Lisboa a 35800.
Cominbos, erra doce, pimenta e folbas
louroa libra 400 rs.
! Balaios para costuras de meninas para
versos procos.
Garita vasios para plantacoes de muila
qualidade.
de pri-
de
d-
'

^S3t^
-VrV
PERFUMERA mdico-hyginica
Be J.-P. LAROZE, Qilae, Farnaeiti de la letela especial de rara
Estos productos son el resultado de la aplicacin de las leyes de la higiene la per-
fumera, que se eleva y convierte en farmacia de la belleza, encargada de atender ala hi-
giene del culis, cabellos y dientes, que todosson rganos tan importantes; sirven para evi-
tar y destruirlas causas de las enfermedades que su hermana primognita, la farmacia
propiamente dicha, est llamada curar.
*oua LCTKAL, para conservar y embellecer los
cabellos, forlilicand* sis raices ; el frasco S (r,
cana am avbixabai nanncAse, para re-
mediar i la sequedad y atona de los cabellos; el
fruteo.............2 fr.
VINAGRE DI TOCADOR UrKRTIHO, renom-
brado por su suarlad icuon refrscame; el
frasco.............1 fr.
COL cream SUPERIOR para conservar el culis
blanco, fresco, diaTano, y evitar las consecuencias
de> uso de los afeites; el bote. 1 fr. 5*
AOVA DE COLONIA SurERJOR, con mbar 6 sin
t. La estabilidad de su perfume la hace buscar
para el tocador, baos iocalfs y geneales; el
frasco..............1 fr.
PASTILLAS ORIENTALES del doctor Paul Clcuil-nt,
para quitar el o'oi dertabaco y neutralitar tos hli-
tos fuertes; al caja........1 y 2 fr.
ACUA DE rLORES DE ALHUCEMA. Cosmtico
muy liu-i jii" p..i destiuii liCOTHmei, fortale-
cer y refiescar ciertos 6rani.s ; el frasco. 1 fr. 4
ESPIRITO DE MENTA SUPERFINO. Es el mas
perfecto indispensable complemento del toca-
dor de la boca despus de la comida; el
frasco............1 fr. 25
POMADA CONSERVADORA con quinina pura, para
fortificar los cabellos, lieniioseai los y evitar que
se pongan ranos antes de tiempo; el bote. 3 fr.
Depsito en todas las ciudades en casa de los farmacuticos, perfumistas, peluqueros,
mercaderes de modas y novedades. Venta por menor : En la rrmci Lnoit, ru
Keuvc-dcs-Pclits-Champs, 26.
Expediciones: en casa de J.-P. LAROZE, ru de la Fontaiiie-Moliorc,39i'A',enParis.
Pesignese M que lengua deben estar lat instrucciones qut acompaan cada producto.
LEK1R DENTFRICO pata curar inmediatamente
los dolores de inm-las ; el frasco f fr. 25
POLVOS dentfricos ROSADOS, ron base de
magnesia, pura cniblanquciei y conservar los
dients; el fiasco......... 1 fr. 50
OPIATA DENTFRICA, para fortificar las codas y
Vital Itt OGVIgi ili'iiialcs t fr. 59
GUR4TTVO dental, para curar los dientes ca-
riados antes de la etnploinadiira, y evitar kw abee-
sos y dolores; el fiasco coa el iiistiuniento. a fr.
AOVA leucoderiwina para conservar la her-
mosura de la un. y las funciones de la piel; el
frasco.............S fr.
Mpntrro db Am rectificado complemento
del locador de la boca despus de cada comida;
el frasco...........1 fr. 25
JABN LENITIVO MEDICINAL, para el loradol ;
i la violeta, anuendias amargas, ramillete, ele.,
el Jabn............1 fr. 5
mbom lenitivo MBDiaiNAL, con yemas de
huevo, pai a eviur las grietas en el cutis, hendiduras
L enfermedades dla piel; i la v ioleta, r amil -
e, etc.; el Jabn.........2 fr.
CREMA DB JABN LENITIVO MEDICINAL en
polvos. Es especial para la bai ba, como tambin
Ski el locador de las mugeres y niOos; el
isco............. 2 fr.
JARABE DE CORTEZAS DE NARANJAS AMARGAS
De X-P. L4ROZE, Quinico, Farnuculict de la Escuela superior de Pars
Este Jarabe, al regularizar las funciones del estmago 6 intestinos, destruye esas
indisposiciones proleil'ormcs, y hace abortar las enfermedades de que son signos precur-
sores. Mdicos y enfermos han reconocido que restabloco la digestin, haciendo desa-
parecer las pesadeces de estmago; que calma las jaquecas, pasmos, y calambres, que
son el resultado de digestiones penosas. Su gusto agradable, y la facilidad con que se
soporta, lo han hecho adoptar como el cspcclieco infalible de las enfermedades nervio-
sas, gastritis, gastralgias, clicos de estmago y entraas, palpitaciones, males de co-
razn vmitos nerviosos. Su accin sobro las funciones asimiladoras es tal, qne los
mdicos mus ilustres lo han adoptado |>or escipicnte real de los dos jirimeros agentes
teraputicos : el Ioduro de potasio y el Proto-Ioduro de hierro, habiendo
observado que bajo su influjo, H primero pierde su accin irritante, j el segundo
su efecto astringente.
JARABE FERRUGINOSO
HE UIIITI.ZAS DF. 1AKAMAS AVtDGAS
con PROTO-IODURO de HIERRO
1.a asociacin de la sal frrea con rl Jarabe
de crtela' de naranjas es tanto ina* racional
cuanto que este Jarabe, empleado solo para
i'.-liinular el apetito, activar la secrecin del
juco aaslrico, y por consiguiente, reautninr
las funciones abdominales, neutrali/a los liisles
efectos de los ferruginosos > dlos ioduros IjlO-
sadei d caben, constipacin, dolores epigs-
tricos), al paso que facilita su absorcin. Iii-
M.flin en el Jarabe, se toma y soporta fcil-
mente pnr hallarse en el estado puro mas
asimilable; y asipoede seguirse la cura de los
colores plidos, prdidas blancas, anemia,
feceinne*escrofulosas v raquitismo.El frasco:
4 fr. 50.
JARABE DEPURATIVO
OH UIK11.ZA.. 01. NAI AMAS AMARGAS
CON IODURO DE POTASIO
1 Ioduro de patada. administrado en solu-
(11 bajo turma .-('oda, causa al enfermo una
non repugnancia, determina accidentes que
n obligan i renunciar este eteai remedio.
Unido al Jarabe de cortesas de naranjas, no
causa ni naalralgla ni desarreglo del eslinaeo
Intestinos > gracias a osle salvoconducto,
las cutas depuradas pueden seguirse sin inter-
rupcioo, en las aflicciones tcroulosas, tulicr-
ulosas, cancerosas, j en las segundarias ter-
cianas, inclusas las reumticas, de que es su
mas seguro especifico. 1.a d.-is esta d- linidade
lal manera que el mdico la varia como quiere.
I-.I frasco : 4 fr. 50
Los Jarabes de J.-P. LAROZE estn siempre en frascos especiales (jamas en medias
botellas ni frascos redondos Expediciones: en casa J.-P. LAROZE, ruc de la Fontaine-
\ Moliere, 39'$. Depsito general: farmacia Laroze, ru Neuve-dos-Potits-Champs, 26,
y en casa de lodos los farmacuticos antiguos de Francia y del Estrangero.
Designtse en que lengua deben estar las instrucciones que acompaan cada producto.
Ditai segunda sorte a GiO e
Hila franceza a CtK) e
84Largo da Santa Cruz84
No grande armazem de molhados denominad" Aurora Urilhante, o respoilavel pu-
li!) encontrar sempre um completo sortimento dos melhoresgeneros alimenticios que
veml ao mercado e por precos sempre commodo> como se v da tabella seguinto :
Maajnteig ingleza flor a libra a 800 e )60 latas com massa de tenates nova a
70 .libra......
OiO Boioes com graxa 97
."lio l>uza de latas de grava a
Massas para sopa a .
30 fcmeixas francezas libra .
720 Passas a ......
3,1000 Figos de comadre novos a
Svif Cha "livsson muito superior a libra 3J000 Nozes arroba 43 c libra
Dito dito mais abaixo a 2,5,2$i00 e 2Jj60 Amendoas a 320 e ....
} 'itii porola a libra .... 3S200 Azeitonas de Elvas em frascos a .
:?*0 Dito preto muito fino a 25300 Conservas francezas e inglezas o
m*5 Dilo mais abuso a JUOO e 25000 frasco a......
rKMiwn primoira qualidade I'olvo do l'orto libra a
300 sa e sevadinha nova a
V'inhos especiaes do Porto caada
Dila
Ton.
dita em barris e meios a 550 e
inbode Lisboa arroba 8J800
libra a.....
Chonrieas novas a libra a
Qurijusdo reino novos a
Cafe de carneo
arroba 'J-5 o libra
Dito mais abaivo arroba 85-!>00 o
libra......
Arroz do Maiaulio o melhor pos-
sival arrolia 35200 o libra .
Dilo da India arroba 25SD0 e libra
Alpisla arroba I800 e libra .
Paine) arroba 55 e libra
Farinlia em saceos grandes igual
a de Muribeca ....
Charutos linos coila do 100 a IfSOQ
35 e
Uolaclnhas de. soda arroba iii'1 e
Latas o.i:ii ditas muito novas a
Ditas pequeas de varios formatos
Latas com peine ensopado d posta
Dilas com ostras a 72!) o
Ditas cum m trinelada a libra .
Dilas com aiueinas franoezas a
15*00,25200 e .
Caixinhas de ditas com bonitas es-
tampas a 15 503 e
Ditas com ij >- ....
Latas com fruclas em calda .
G00
320
15120
480
6^0
480
320
160
360
800
800
330
240
280
120
100
2 15201)
800
720
I5S30
53800 e garrafa
lOito muito fino a caada 75 o garrafa
Dito da Figueira puro a garrafa
"ut ^^ e cana^a .....
160 Dito do Lisboa a garrafa 180 e ca-
ada a 3*200 e .
Cognac verdadeiro a garrafa a
6 3i)00 Ser veja das verdaderas marcas a
duzia a 65 e.....
455O0l(xomma de engommar nova arroba
35800 e libra a 120 e .
25000Varinha do Maranhao a libra .
1340C Verdadeira matarana para papa
arroba 85300 c libra .
Saceos com farello de Lisboa .
35300 e......
Tijolos de limpar facas a
33800 Mussos com palitos finos para den-
tos a ......
Carrafas cora mol de abe Iba aovo a
15300 Ditas com diversos xareees a
5AU Ditas cm gonelira de laranja a a
O V-^ <-sCQ_ Q.V> .^ <1 JjQr.>
640
15000
45000
35800
15180
75000
160
160
480
35800
200
800
500
U2O0
> -3
33 W
RA DO QEIMADO NUMERO 11
'.oja de fazendas d* Augusto Frederic dos Santos Porto
Chapeos para seBtaswas.
Chegaram de Paris as rnais lindas cbapelinas o chapeos de pa*a da Italia para senhoras.
Ricas capas u soutembarques de seda prela e casemtra de cor para senhoras.
Cortes de superior mureotique branco para vestidos de noivas.
Camisas iogletaa muito superiores para hornens, peitos. ponhos e colarianos de iinho.
Chapos de seda para cabeca e chapos de sol de seda inglezes.
Lencos de labyrintho franreies a 13 cada um.
Camisas rio menino muito superiores.
Cortes de la de barra para vestidos de seohora* de 135 a 185.
A mesina loja lem o maior e mais superior sorti monto de
lsteiras para salas.
j rr; c 3_r
?! r a S s ,
Vemle-se na ra do Imperador botica-ftauceza n. :J8..
4TTENCA 0
9 EAIU.O IIO iMRM 9
GRANDE SORTIMENTO
DE
PARA A FESTA.
DARTE & C.
Participam aos seus numerosos freguezes e ao publico emlgeral qne aval* d
receber de sua propria encommenda, o mis lindo e completo soi intento de mntriaM,
os quaes vendem por grosso e a retalho por menos 40 por cento k) qne outn>
annunciante, como vero pela seguinte tabella que abaixo netamo garantindo m
mos proprietarios nao s o peso como a qualidade de seus gneros
AVINO.
Todos os senhores que compraren* para negocio ou casa p rticular de l cima terao mais u a 10 por cento de abatimento, os proprietarios scientifiram nw*
odos es seus gneros sao recebidos de sua propria encommenda, -ato esta para pode
vender por muito menos do que outro qualquer eslabelecimento.
Manteiga ingleza flor a 58o rs. a libra.
Castanhas muito novas a 2,ooo rs. a caixa, e
a 16o rs. a libra.
Bolinho francez e em caixinhas de 7oo a
l,5oo rs. cada urna,
dem franceza a mais nova do mercado a 56o
Yellas de carnauba < cttnposiro de 33o '
36o rs. a libra e de le,ooo a H.ouo rs. a
arroba.
Genebra de Hollanda em botija* de rnnta a
440 rs. a botija, e < n duzia oa em barrica
ter abatimento.
rs. a libra, e 54o rs. em barril.
: Massas para sopa mac rro, Ullianni e ietria
libra
: em caixa ter
dem de porco retinada muito alva 46o rs. a 48o rs. a
a libra. ment.
Prezunto para flanbre a 8oo rs. a libra. dem estrellinha, rodjnha e ae>wle en
Cha uxim miudinho vindo de conta propria,
o melhor do mercado a 2,8oo rs. a libra.
Idemhyson de superior qualidade a 2,6oo rs.
a libra.
dem perola o melhor que se pode desejar a
2,5ooa 3,5oo rs. ;
libra.
Boce de miaba em c
2,7oo rs. a libra.
dem preto muito fino a 2,5oo rs. a libra.
dem mais baixo pouco a 2,ooo rs. a libra.
dem mais baixo a l,8oo rs. a libra.
Vinho do Alto Douro vindo do Porto engar-
rafado garante-se a superioridade deste vi-
nhos de 6oo a l,o o rs. o caixo
libra.
nhas de 8 libras, m lito bem enfnudxs .le
caixinha e a **h> rs. a
xas de diversos
Erra dooe a 6 lo rs.
Traques a 2io rs. a arta e8-> .i ab*
Peixe em latas rauiu novo ; savH. pesla,
corvina, salmn o i itras militas qualidades
preparada de escal eche 2." a arte de cea-
nha de l,2oo al loo rs. a lata,
nho, das seguintes marcas : Duque, Ge- Figos em caixas de arroba. *ie 8 libras
nuino, velho secco, especial lagrimas do-' a 8,ooo l.ooo e 2 r>ori rs. a raixinha.
ees de 1819, vinho especial D. Pedro V., Barris de vinho bran o de quinto, marra I
vinho velho, Nctar superior de 1833, Du- 4 Filho a 60,000 i o barril,
que do Porto de 1834, vinho do Parlo ve- Marmelada imperial os m- Ihores ronservei-
Iho superior, madeira secca de superior ros de Lisboa a 61 ? rs. a I tmhade I Itbra,
2 libras.
atas doitradas t!c I libra
ha latas de 1 "s
Massa de tomate m
a 6lo rs. a lata.
Ameixas fraocaaas m caisiaba
mente enfeitadas
caixinha. tambeml
.'.(rile-
de l.5oo a 3.x' rs. a
ha lalas de 1 ';,ifih-
hrasilc l,2oo a ,*>u<> rs. a lata,
dem em fnsCM on i tainjia t\<- tmn a I.Ih
rs. o frasco.
QaOColate portugue hespanhol, frar.
suisso a l,2oo r a libra.
Conservas inglezas das seguinh > i
Mixde-Picles e ce Millas simples a 7j> rs
o frasco.
Ancoretas de vinho colares
a 72o rs. a garra
a :*.,(>.; rs., e
qualidade, vinho do Porto superior D. Lu-
iz I de 1847, lagrimas do ouro espe-
cial, vinho do Porto de l.oooa I,2oo rs.
a garrafa c de lo,ooo a ll.ooo rs. a caixa
com urna duzia.
Bolachinha de soda especial encommenda e a
mais nova que ha no mercado a 2,2oo rs. a
lata.
Biscoitos inglezes das melhores marcas em
latinhasde 2 libras a l,3oo rs. a lata.
i Mem inglezes craknel em latas de 5 e 7 libras
de 5,ooo a 6.000 rs. a lata, e em libra a
800 rs.
Qoeijos do reino chegados pelo ultimo vapor
a 3,ooo rs. cada um.
I dem prato a 9oo rs. a libra.
\ Vinho em pipa das mais acreditadas marcas Sardinhas de ante a 32o rs. a latinha.
como sejnmBdc F., PBB, JAA, outras | Charutos das mai: acreditadas marcas de
militas marcas. Porto, Lisboa e Figueira ; a I600, 2,ooo, 2, 00 e :i."oo rs. a cana.
de 48o, 000, 56o, 64o e 800, rs., e o do dem suspiros de J s 6. I', a 2. .n, i mea
Porto fino em garrafa, e em onada a caixa.
3,ooo, 3,5oo, 4,000 e 6,5oo rs. o melhor Champagnhe a melhbr do mercado do l^.ooo
do Porto. a 2 i,000 rs. o gig e de 1,2oo a ,0011 rs. a
dem Bordoaux das mais acreditadas marcas garrafa.
a 7oo rs. a garrafa, e a 8,000 rs. a caixa. Papel greve pautado] ou liso a Moa rs. a res-
Garrafoes com 5 garrafas de superior vinho ma.
do Porto a 2,2oo rs. com o garrafo. ; dem de peso pautkdo ou lizo V 3.:>no a
dem com 5 garrafa de vinho da Figueira mais 4,000 rs. a resm;
proprio para a nossa estacao por ser mais Mataran* a 32o rs. hina.
fresco a 2,4oo rs. com o garrafo. 1 Milho alpisla e pain o de 16o a 2oo rs. a li
dem com 5 garrafas de vinagre a l,2oo rs. bra.
com o garrafo. : Palitos do gaz a 2,2^o rs. 1 grosa e too rs. a
Vinho branco o mais superior que vem ao duzia.
nosso mercado a 5o rs. a garrafa, e a. Vasos inglezes de ib 16 libras vas**, muita
4,3iX> rs. a caada. proprio para dej. )sito de din-e st^nieiga
Velas de esparmacate as melhores neste ge- ou outro qualqi er liquido de Ll-
oaro de 56o a 64o rs. o maco, eera cai-1 3,000 rs. cada u a.
xa ter grande abatimento por haver' Licores das melhoi M marcas e mais fiaos
grande porcao. a l.ooors. a gari >fa e em caixa ter
Azeite doce em barril muito fino a 64o rs. ment.
a garrafa e 4,8oo a caada. Cognac verdadeiro fcglez a 9oo rs. a garrafa
dem francez refinado a 800 rs. a garrafa. e lo,5oo rs. a ca xa.
Ervilhas francezas e purtuguezas a 64o rs. a Chouricas as mais f escs do morcado a o
lata. rs. a libra.
Bocetas eom doces seceos de Lisboa de 3oo | Genebra de laranj em frasco* grandes a
a 3,5oo rs. cada urna. l,2oo rs. o frast >.
Toucinho deLisboa a 3oo rs. a libra, e a Serveja das mais acreditadas atarras a
9,ooo js. a arroba. 6,5oo a duzia e d mais a Son rs a garrafa
Bolijes com 10 garrafas de azeite doce a dem em botijas c meias, sendo preta la
5*5oo. I muito creditada i arca T de 6,5oo a 7,8oo
Caf de 1 .*, 2.1 e 3.1 qualidade de 26o, 3oo I rs. a dozia.
e 36o rs. alibra, doCearde8,5oo, 8,7oo, I Pimenta do reino a|34o rs. a libra.
e 9.000 rs. a arroba do melhor. j Farinha do Maranh o a 14o rs. a libra.
Arroz da India, Java eMaranho de 2,8oo a Tijolo para limpar teas a 16o rs cada naa.
3,ooo a arroba, e de 80 a loo rs. a libra. | Cominho a 4oo rs. 1 libra.
Passas muito novas a 8,5oo a caixa e Soo Erva doce a libra.
Vendem-se saceos com farinha a mais nova
que ha uo mercado, e muito fina : no armazem do
Annes defronle da alfandega._____'
4 2 500 rs.
Conlinua-se a vender saceos de milho a 2>00 :
na ra Direta o. 4.
vil.
Vendo-sc a motado di sobrado de dous anda-
res n. 21 da ra do Padre Floriano : a tratar com
i.Htfiras* para saias. !C j ..... r,,V,- im.*ratri n ti
Neste eslabelecimento encontrarSo os senhoras que precisaren! forrar suas salas com esleirs,' Frederuw Uia.ti,t ra a mperainz n. u.
jtU e qualquer quantidado que desejareai de 4, o e 6 palmos de largura, sendo a qualidade oauilo '
perior e por mdico preco.
i l \ 7 i 1 \ 7 (i \ 7 t Vesse-se alpaca preta a 500 rs. esrsdt.
Uil'J t 1 Ver.de-se alpaca preu para vestidos a 800, 600,
por pre^O rcoaiziao. 700 e 800 rsu fina de cordo a 800 rs para palo-
Vedtle-SO gaz da melhor miahd^de pelo 0:, princeza preta a 800e 640 o co vado, bombazi-
pre o de 104 por lata de 5 galoes : no aj- na lre,a fina aJfl^OO o covado, laazinbas preta
mvm do Caes do Ramo? B. 18 e ra do. ^Sfcffg*0 ,il',u,b R '
Ti piche Novo n. 8. as 9 horas da noiie.
Farinha do uuindioca para
animaes.
Vendos por barato \*Dtp no Furto do Matto n.
ta, trapiche, bario do vramento.
Vero* se muito barato uui carro com vidra-
.^aai.em.boin estado, c arrao iwvu* clupiado de
na ruatfa impratriz n. 56. A loia est abertt atlmflll principe : a r#a d/j Irnptrador, oochwta eserava e nm esrravo (pecas) cor
numero 23. e robustos, propnos para engonho.
BOTICi IMHTIIUnii:
llua liiriia do Itosara n 31
Vende:
Todos os remedios do Dr. Cbable.
Capsulas e injec^o ao matico.
InjeecSo Paus'j
Pilulas do Di. Alian.
Pillas do Br. Lavillc.
Ptalas do pobre-hmero. excellentes contra rhou-
matismo.
Pilulas para sezSes.
Pilulas e ungento Holiovay.
Pbosuhato ferro de Iberia.-.
Todos os remedios de tem*: patitas, pilulas,
anacahuita, salsa de Itrisiol, etc. ele.
E muitos ontros medicamentos e especialidades
que sempre se encontrarte em aila botica._______
Na ra do Vigario ns. 8 e 13 vcnJo-se urna
pretr., moeos,
a libra, ha caixas meias e qoartos.
Sevadinha de Franca a 24o rs. a libra.
Sagrt mnito novo a 28o rs. a libra.
Mostarda ingleza em p a 1)5 o frasco.
Cebollas a 8^ a caixa e 1,2oo rs. o molbc.
Canella a l.ooors. libra.
Vassouras de fiiassa a de dous arena de tor-
ro a 32o rs. cad. urna.
Latas com banha 1 'finada rom I
luto.
XAROPE TNICO REGENERADOR
DE QUINA E DE FEIRO
Preparado por CaiMAULTe pharmaeeutieos deS. A. I. o Prii pe
da Escola de pbarmacia de Paris, rui de li Fenillr
Esta nova combinarlo rene debaixo de um pequeo voluma urna forma ai
Ha multo ue os mdicos deaejavo ardentemente a reuniao eali dua ateaUi
dos maiores esforcos, nem a sciencia medica, nem oa quioileo o mala das
at aqui; gracas pnrem purecveranea humana acbo-se hoje aaawciada e* ouja
ciaa, a apilatat, o tnico, restaurador por excellencia, o lerr, a baxe de
mente o reparador dos torcas e da laude alterada ou perdida.
As mole-lias contra as quaes o Xarope tnico regenerador se tem mostrado
norrheias, faltas de menstruacao, dir d'eatomap), fnstlo, diec-toes pe*o e farmna,
menstrnac,es difTiceis, o Ivmphatismo, o empobrecimenlo do aantue, as esetnl kw, m
pelas moh-slias svphilitica. ,
Ha apenne um anuo que o Xarope de quina e de ferro foi appllcado no
hoje o medicamento mais em vega, gubstltuindo, por aasini duer, os medcame
O prospecto eneerra numero eerfiOeados de muitos membros da Academ
da faculdade que atteitao que este- precioso medlcaanento conservador
o reconftitninte da economa animal, Indlspensavel is pesaba que hatnt*
preservativo da epidemias.
Acha-se
em f.titioa, _
vfir Mle 11 el Jo c 8oa>a Ferrelra; no Bto-de-Joneiro,em casa da van 1 Prlsata I
Saliflo, 11; na Babia, em casa do M"ir Ja>Callaawlra
Sftr Jonaula > tionj; DO Jfaranndo, em casa dos Srs Ferrelra c C*
do Sbi BartaoloBira-Fraarlae* r Saasat em casa dos Sfiri 8aaM a]
elpnea pharmacia do'Bnixll de Portuial.
-se i venda no deposito eral, em Par, na pharmacia firlataalt c\raa 4t li
toa, em caza do Mir Raarlaja m Caala-CarraJIa, Barrai e O) o Parlo, M
io*pitae d<
na frruitnami r
deMaaMMe
ka
os
na lio-firaaaV, em caaa %)
em rerniniiK, ai rana
C. e ana *** na artav
Deposito geral m Pernambuco roa da Cruz h. 22 en ca a de Caros $ ferto*


Dito** 4
J
\
nmhmeo Tere* tetra 1 de Mu! ie *.

<: L l K i SI
COMMERCIAL
RIJA DO QUEOl % IIO W. 43.
Passando o becco da Congregado segunda casa.
smmu m wmm
NOF1DADE.
Pereira Rocha A C. acabam de abrir na ra do Queimado n. 48 nm armazem de molhados denominado Clarim Commercial,
onde o respeitavel publico encontrar sempre um completo sortimento dos melhores gneros que vem ao nosso mercado, os quaes
aerao vendidos por precos muito resumidos como o respeitavel publico ver pela tabella abaixo mencionada ; garante-se o bom peso
e boa qualidade dos gneros comprados neste armazem.
rroz do Maranhao, da India e Java a 80 e Chouricas e paios muito novos a 800 rs. a Palitos do gaz a 2200 rs. a grosa.
100 rs. a libra e 2400 a 20800 rs. a ar-1 libra. Passas muito novas a 480 rs. a libra.
roba. Cevadinha de Franca muito superior a 220 Peras seccas muito novas a 600 rs. a
Ameixas francezas em latas e em frascos a! rs. a libra. Painco a 200 rs. a libra.
4 200 e i600 e mraseos grandes a Cewda a 80 rs. a libra.
2^500. Entibas portugoezas a 640 rs. a lata.
Mom em caixinhas elegantemente enfeitadas! dem seccas muito novas a 200 rs. a libra.
com ricas estampas no interior das caixas, Figos de comadre e do Douro em caixinhas
a 120000, 0400,10600 e 20. de oito libras e canastrinhas de 1 arroba a
Amendoas com casca muito novas a 280 rs. I 10800, 50500 e 280 rs. a libra.
a |bra. Farinha do Maranhao a 120 rs. a libra.
Alpisla a 160 rs. a libra e a 40600 rs. a ar- Farinba de trigo a 120 rs. a libra.
Genebra de Hollanda verdadeira marca VD
a 560 rs. o frasco e 60200 rs. a frasquei-
ra.
dem garrafas mais pequeas a 800 rs.
dem, garrafa forma de pera e rolba de vi
dro, a 10000 rs., s a garrafa vale o di-
nheiro.
roba.
Azeite doce francez muito fino em garrafas
grandes a 960 rs. a garrafa,
dem de Lisboa a 610 rs. a garrafa.
Araruta verdadeira de matarana a 320 rs. a
libra.
Avelas muito grandes e novas a 180 rs. a
libra.
Batatas muito novas a 40 rs.
Biscoutos inglezes de diversas marcas a
l.->300ris.
Bolacliinhas de soda, latas grandes, a 20 rs.
a lata.
Ditas inglesas muito novas a 30000 a barri-
quinlia e a 200 rs. a libra.
Banha de poreo ifefinada a 440 rs. a libra e
e em barril a 4iO rs.
Cli tiysson, huchin e perola a 10600, ,
20500, 20800 e 30000 a libra,
dem prelo muito superior a 20000 rs. a li-
bra.
Cerveja preta e branca, das melhores marcas
que vem ao mercado, a 509 rs. a garrafa
e 55800 a duzia.
Cognac ingtez lino a 900 rs. a garrafa.
Conservas a 720 rs. o frasco,
dem, s de pepino, a 720 rs. -
dem, s de azeitonas, a 750 rs.
Charutos dos mejores fabricantes da Baha Massas para sopa : macarro, talbarime ale-
e especialmente da fabrica imperial de tria a 480 rs.
Candido Ferreif-a Jorge da Costa, a 10800, Nozes muito novas a 160 rs. a libra.
20000, 20200, 20500, 20800, 30000 e Peixe em latas preparad* pela primeira arte
30500 a caixa. de cozinha a 10 rs. a lata.
Caf do Rio muito superior a 260, 280 e Palitos de dentes a 160 rs. o masso.
300 rs. a libra e 70500, 80 e 80500 rs. a Palitos de dentes a 120 rs.
! dem de flor a 200 rs.
Polvo secco muito novla 400 rs. a libra.
Presuntos de Lamego em calda de azeite e
muito novo a 640 rs.
Queijos flamengos do ultimo vapor a 20400
ris.
dem prato a 640 rs. a libra.
Sal refinado em frascas de vidro a600rs.
cada um.
Sardinhas de Nantes a 320 rs.
Sag muito alvo e novo a 260 rs. a libra.
Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Manteiga ingleza a mais nova e fina chegada
neste ultimo vapor a 8oo rs. a libra e de 8
libras para cima ter abatimento.
dem franceza, a mehor e mais superior do
nosso mercado a 56o rs. a libra e 52o em
barril ou meio.
Banha de porco refinada e muito alva a 44o
rs. a libra, eem barril a 4oo rs.
Cha hysson, o melhor neste genero especial
encommenda do propietario a 2,7oo a Ib.
dem idem menos superior e que em outras
dem em garrafoes de 3 e 5 gales a 50500 Tijolos de limpar facas a 140 rs.
e 70500 cada um com o garrafo. v Vellas de carnauba pura a 360 rs. a li-
Gomma do Arccaty a 80 rs. a libra. bra.
Graixa a 100 rs. a lata e 101OO rs. a duzia. dem stearinas muito superiores a 600 rs. a
Grao de bico a 150 rs. a libra. libra.
Licores muito finos a 700 rs. a garrafa. Vinho do Porto engarrafado o melher que
dem, qualidade especial e garrafas muito ha neste genero e de varias marcas, como
grandes, a 10800 rs. a garrafa. sejam: Velho de 1815, Duque do Porto,
Madeira, b. Pedro, D. Luiz I, Mara Pia,
Bocage, Chamisso e outros a 800, 900 e
10000 a garrafa, e em caixa com urna du-
zia a 90000 e100000.
Manteiga ingleza perfeitamente flor, desem- dem em pipa, Porto, Lisba e Figueira a
barcada de pouco a 800 rs. a libra, e de 8
libras para cima se far urna differenca.
dem franceza muito nova a 560 rs. a libra,
e em barril ter abatimento.
Massa de tomates em barril a 480 rs. a li-
bra.
dem em lata a 640 rs.
Marmelada imperial dos melhores conservei-
ros de Lisboa a 60 rs. a lata.
Marrasquinho de Zara, frascos grandes, a
800 rs.
dem regular a 500 rs.
arroba.
480, 500 e 560 rs. a garrafa e 30, 30500
e 40 a caada,
dem branco de Lisboa muito fino a 500 rs.
a garrafa,
dem de Bordeaux, Medoc e S. Julien a 700
e 800 rs. a garrafa, e 70000 e 70500 rs.
a duzia.
dem Morgaux eChateauluminide 1854, a 10
a garrafa,
dem moscatel a 800 rs. a garrafa.
Vinagre de Lisboa a 200 rs, a garrafa e
10200 rs. a caada.
Kirsk garrafas muito grandes a 10800 rs.
Alm dos gneros cima mencionados te-
mos grande porco de outros que deixaoos
de mencionar, e que tudo ser vendido por
pecas e carnadas, tanto em porces como
retalho.
Quem comprar de 1000000 para cima te-
r o abate de 5 por cento.
O PRINCIPAL
I DE
m M SILVA & SOZA
Ra do Crespo n. 9, esquina da ra do Imperador.
Tendo-se o proprietario d'este armazem associado com o Sr. Paulo Ferreira da Silva, resolver] dar-hV ., litob. ,i,
por ser o mais bem localisado desta cidade, e como um dos socios tenha de partir pan a Europa, afinfrie all r-sroll,,
gneros, desde j se pede ao respeitavel publico toda a attencao, nao s para este armazem, mas bmbrmfcara o graudt- an
da ra do Imperador n. 57 e para o bem sortido armazem Progressista da ra das Cruzes n. 36, sellas todas as poMo? ,ju,
ca
quentarem estas casas de que faio urna economa de 10 a 20 portento do preco que possam romp
guem melhor do que nos pode offerecer tantas vantagens como as que se observan) nos armazens:
ALL ANCA! rna do Imperador o. A?.
PROGRESSISTA- rna das Crnzes n. 3.
PRINCIPAL!1 d* Cpespo n 9
>>ni otra paite. p<
Vinho do Porto em barril muito especial a
64o rs. a garrafa, e 5,ooo rs. a ranada.
Vinagre puro de Lisboa a 2oo rs. a garrafa e
l.oo rs. a caada.
dem em garrafoes com 5 garrafas.
Farinha de ai iruta verdadeira a 32o!. *
Phosphoros
2,2oo rs.
Bolacbinha
rs., e em
do gaz i 2oo rs. a ilw:
groar
americana ein barrica a 3.**
bra a 2ix> rs.
piassava com d d
deudo o cabo a 32. > rs .wtu
Azeite doce de Lishoa superior qualidade a Tijolopara li apar facas a 12o rs. cada i
64o rs. a garrafa e 4,8oo rs. a ranada. Vassouras
Batatas em gigos de trinta a trinta e tantas li- i ferro prc
bra a 2,5oo rs. o gigo e 8o rs. a libra. una.
Genebra de Hollanda a mais superior a 6,ooo Escovas de rlassava proprias pw
rs. a frasqueira e 56o rs. o frasco. rasa a 32( rs.
casas se vende a 2,6oo rs., custa neste ar- dem em garrafoes com 25 garrafas a 8,ooo rs.: Sardinhas de Nantes muito novas a M
UNIAO MERCANTIL
RIJA IIAC V1IKI V DO RECIFE \. 53.
NOVO E
GE1.WDS &U&Zmt DE MCLEADOS
RITA DA CADEIA DO RECIFE IV. 53.
Francisco Fernandes Dnarte acaba de abrir na ra da Cadeia do hecifen. 53, om grande e sortido armazem de molhados de
nominado l'mo Marcemtii. Neste grande armazem encontrar sempre o respeitavel publico um completo sorlimenlo dos melhores
gneros que vem aoimercado, tanto esirangeiros, como nacionaes, os quaes sero vendidos em porrees ou a retalho por precos assf
commodos.
Manteiga ingleza especialmente escolhida Vinagre de Lisboa a 200 rs.
de primeira qualidade a 800 rs. a libra,
em barril se faz abatimento.
Manteiga francesa a tyais superior do mer-
cado a 560 rs. a libra, e 520 rs. em barril
ou nieiu.
Pre/unius inglezespa^a fiambre, de superior Geneora de Hollanda a
qualidade, chegados neste ultimo vapor, a 5(51800 a frasqueira.
libra.
a garrafa e Sardinhas de Nantes a 340 rs. o quartoe 560
I 200 a caada. | rs. meia lata.
Azeite doce refinado em garrafas brancas a Latas com peixe em posta: savel, corvina,
800 rs.
Azeite doce de Lisboa a
48O0 a caada.
720 rs. a
Queijos llamengos chegados neste ultimo
vapor a 26800.
Queijo prato muito fresco e novo a GiOrs.
a libra.
Castanhas muito novas a 120 rs. a libra e
e 3(X)0 a arroba.
Cha tata o melhor que ha neste genero,
mandado vir de conta propria a 2(5800
rs. a libra.
Cha hyson muito superior a 2(5560 rs. a li-
bra ; cli hyson proprio para negocio a
14500 rs. a libra. ,
Cha prein muito superior a 25 a libra.
Biscoutos ingiezes em latas com differentes
qualidades, como sejam craknel, victoria,
piquete/., soda, captain, seed, bornez e
outras mtiitas marcas a 1(5350.
Bolacbinha de soda eib latas grandes a 2.
Figos em caixinhas hermticamente lacra-
das, muito proprias para mimo a 1(5500.
Caixinhas de 4 e 8 libras de figos de coma-
dre a !5e23 cada urna.
Passas muito novas, chegadas neste ultimo
vapor a 50 i rs. a libra e 3(5 um quarto ;
e em caixa se faz abatimento.
Ameixas francezas em latas de meia a 3 li-
bras a 800 rs.
Champagne da marca mais superior que
tem vindo ao nosso mercado a 18)5 o gigo,
garante-se.a superior qualidade.
Vinho Bordeaux das melhores qualidades
que se pode desejar de 70500 a 8(5000 a
caixa e 70 a 800 rs. a garrafa.
Caixas com vinho do Porto superior de 9(5
a 109 a duzia, e 900 a 1| a garrafa; deste
genero ha grande porcao e de differentes
marcas acreditadas que j se venderam
por ti* e 15(5 a caita, como sejam: Duque
do Porto, Lagrimas do Honro, D. Luiz,
Cames, Madeira secco, Carcavellos, Nc-
tar de 1833, Duque Gennino.
Vinho de pipa: Porto, Figueira e Lisboa, a
Mi, 480 e 560 rs. a garrafa, e 35, 3*200
e 35500 a caada.
Vinho branco de superior qualidade, vindo
j engarrafado a 640 ri. a garrafa e a 600
rs, de barril,
vezugo, cherne, linguado, lagostiuha, a
6 iO rs. a garrafa e' 1 #300 rs.
Salmao em latas, preparado pela nova arte
500 rs. o frasco e de cozinha, a 800 rs.
Maga de tomates em latas de 1 libra a 601
Caixinhas com ameixas francezas, ornadas reis-
com ricas estampas na caixa exterior, Chouricas e patos em latas de 8 e meia libra
muito proprias para mimo,a 1*20 ,1(5500 Por 7&
e2,5.
Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra e
Frasco de vidro com lampa do mesmo, con-
tendo meia libra de ameixas francezas, a
10200.
Marmelada imperial, dos melhores conser-
veiros de Lisboa, em latas de I e meia a
2 libras a 600 rs a libra.
Fructas em calda das melhores qualidades
que ha em Portugal em latas hermtica-
mente lacradas a 500 rs.
Peras seccas muito novas a 640 rs. a libra.
Nozes muito novas a 160 rs. a libra.
Amendoas de casca molle a 400 rs. a libra.
Avelas muito novas a 200 rs a libra.
Amendoas confeitadas de diversas cores a
80(i rs. a libra.
Maceas e peras chegadas neste ultimo vapor,
muito perfeitas, s vista se faz o preco.
Conservas inglezas em frascos grandes a 750
rs. cada um.
Emilias francezas e portugoezas em latas de
1 libra a 640 rs.
Emihas seccas muito novas a 160 rs. a
libra:
Chocolate francez, o que ha de melhor neste
genero, a 1(5200 a libra.
Chocolate bespanbola 1,5200 ajibra.
Genebra de laranja em frascos grandes a 19.
Cerveja branca e preta das melhores marcas
que ha no mercado a 500 rs. a garrafa e
5*800 a duzia.
Cognac inglez de superior qualidade a 800
e 15200 a garrafa.
Licores francezes das seguintes qualidades:
Anizete de Bordeaux, Plaisir des Dames
e de outras muitas marcas a 1(5 a garrafa
e 105 a caixa.
Marrasquino de Zara a 800 rs. a garrafa e
9(5 a duzia.
Mostarda ingleza em pote ji preparada a
4flO rs.
Mostarda ingleza em p, em fraacos grandes,
a 15 cada um.
Sal renado a 500 rs. o pote.
8(5600 a arroba.
Bolaxinha ingleza a 320 rs a libra e 451
barrica.
Sag muito novo a 240 rs. a libra.
Cevadinha de Franca-a 200 rs. a libra.
Farinha do Maranhao a 120 rs. a libra.
Araruta verdadeira a 320 rs. a libra.
Cevada a 120 rs. a libra e 3(5 a arroba.
Alpisla a 160 rs. a libra e 4*800 a arroba-
liatatas muito novas em gigos com 40 libras
por 15500.
Cebollas a 1(5 o molbo com mais de 100 ca-
da um.
Caf lavado de primeira qualidade a 300 rs,
a libra e 95 a arroba.
Caf do Cear muito superior a 280 rs. a li-
bra e 85400 a arroba.
Caf do Itio, proprio para negocio, a 8(5.
Arroz do Maranhoa 100rs. a librae 2^800
a arroba.
Arroz de Java a 80 rs. a libra e 24O0
arroba.
Vellas de spermaeeti a 560 rs. a libra e
540 rs. se for em caixa.
Vellas de carnauba refinada a 320 rs. o mas-
so e a 95 a arroba.
Doce de goiaba a 640 rs. o caixo.
MacarrSo, talharim e aletria a 480 rs. a li-
bra ; em caixa se faz abatimento.
Estrellinha,pevide earroz demassa para sopa
a 600 rs. a libra e 3*5 a caixa com 6 libras
Palitos de dente lixados com flor a 200 rs
o masso, ditos lixados sem flor a 160 rs.
o. masso com 20 massinhos.
Gomma de engommar muito fina a 80rs. a.
Sbra.
Banha de porco refinada a 480 rs. a libra e
400 rs. em barril peqneno.,
Charutos dos melhores fabricantes de S. F-
lix, em caixas inteiras ou em meias, de
1(5600, U e 3(5.
Presamos do reino, vindos de conta propria
de casa partwolar, a 400 rs. a libra; intei-
ro se fae abatimento.
mazem 2,2o rs. a libra.
dem uxim> o melhor que pode haver neste
genero a 2,6oo a Ib. garante-sea qualidade.
dem preto muito especial a 2,ooo rs. a li-
bra, e mais haixo, porem muito soffrivel a
1,2oo a Ib., vende-se por estes precos em
razao de nestes ltimos navios ter-se rece-
Cerveja das melhores marcas de 5,ooo a| a lata.
5,5oo a duzia e 5oo rs. a garrafa, Peixe em lat
Cognac superior a 8oo e l,ooo rs. a garrafa, corvina, p atada
e em caixa ter abatimento. lata.
Marmellada imperial dos melhores e mais Ervilhas porigiiezas e francezas i.: prq**-
afamadosconserveirosde Lisboa em latas, radas a 6 ) e 72o rs. a lata.
mnito bem prepai a e outros a l.io> i^.
de libra, libra e meia e 2 libras a 6oo rs.
bido grande porc3o deste genero, a dffe- Conservas inglezas em frascos grandes a
Orwphore* que tifflptvim fl tOOtfOOO para cima", leffo o descomo de 5 toor cento, pelo prompto pagamento.
renca de preeo de 6oo a 8oo rs. a libra
do que se vende em outra qualquer parte.
dem do Rio em lata de 1 at 6 Ib. a l,4oors.
a Ib., neste genero o raeluor possivel.
Biscoutos inglezes em latas com differentes
qualidades como sejam craknel, vorcitia
pic-nic, soda, captain. seed, osborne e ou-
tras muitas marcas a 1,35o rs. a lata.
Bolacbinha de soda em latas grandes a 2,ooo
rs. cada nina.
Figos em caix-inhas hermticamente lacradas
e muito proprias para mimo a l,6oo e
2,6oo rs. cada urna.
dem em caixinhas de 8 Ib. a25 rs. cada-nina
Passas novas a 8,ooo rs. a caixa e 48o a Ib.
Ameixas francezas em latas de libra e meia e
3 libras a f,2oo, 2,ooo e 8oo rs. a libra.
Carxinhas com ricas estampas a l,4oe rs.
cada urna, frascos de vidro com rollia do
mesmo, contendo libra e meia de ameixas.
Champagne da marca mais superior que tem
vindo ao nosso mercado a I8.000 rs. o gi-
go, e l,8oo rs. a garrafa: garante-se a su-
perior qualidade.
Vinho Bordeaux das melhores qualidades que
se pode desejar a 7,ooe e 7,5oo rs. a cai-
xa e 64o rs. a garrafa.
Caixas com Vinho do Porto superior de 9,ooo
e 10,000 rs. a duzia, e 9oo e l.ooo rs. a
garrafa; neste genero ha grande porcoede
differentes marcas muito acreditadas que
j se vpnderam por 14,ooo e t5,ooo a eai-
xa como sejam: Duque do Porto, Lagrimas
do Douro, D. Luiz, Cames, Madeira sec-
ca, Nctar, Genuino e Malvasia fino e ou-
tros como Cherry e Madeira para 12,ooo e
13,ooo rs. a caixa.
Vinho de pipa: Porto, Lisboa, Figueira a 4oo,
48o e 56o rs. a garrafa, 3,ooo, 3,2oo e
3,5oo rs. a caada.
dem branco o melhor neste genero vindo de
encommenda a 600 rs. a garrafa, e 4,5oo
rs. a caada.
75o rs. cada um.
Ideria franceza de todas as qualidades de
legumes e fructas a 5oo rs.
Mostarda franceza em pote preparada a 4o rs
Palitos para dentes 12o rs. o maco,
dem lixados muito finos a 14o rs.
Velas stearinas a 56o rs. a libra e em caixa
a 54o rs.
dem de carnauba pura e refinada a 360 rs.
a libra e 10,000 a arroba,
dem de composicSo emmacadas a 32o rs.
o maco e 9,ooo rs. a arroba.
Massa de tomates em latas a 600 rs. a libra.
Doce em calda das mais ospeciaes fructas da
Europa a 600 rs. a lata.
Ostras em latas muito bem preparadas a
f.oeo rs.
Massa para sopa estrellinha muito nova em
caixas de 8 libras a 3,oooe 5oors. a libra,
dem talharim, macarro e aletria a 4oo rs.
dem macando maisbaixoa24ors. a libra.
Cevadinha muito nova de Franca a 2oo rs. a
libra.
Sag o melhor que possivel a 24o rs. alb.
Farinha de Maranhao a melhor que presen-
temente tem vindo ao nosso mercado a
14o rs. a libra.
Gomma do Aracaty muito alva a 80 rs. alb.
Licores muito finos de Bordeaux e tedas as
marcas que ha neste genero a 800, !,ooo
e l,2oo rs. a garrafa.
Genebra de laranja em frascos grandes a
1.200 rs. cada um.
Tmaras do Egypto a 800 rs. a libra e em
caixinhas de 5 libras a 3,5oo rs.
Papel almaco paulado o melhor que ha nes-
te genero a 4,5oo rs. a resma.
Caf lavado
libra, e 9, 00 a arroba.
dem do Kid]
8,5o rs.
dem de Java
e primeira sorte 1 32i rv a
muito bina
arroba.
a 28.. .. irf.t, 1
Arroz do Ma uiho a loo e 120 1 fkn,
a loo rs. a libra.
Amendoas d( rasca mole a 4oo r-\
Avelas muit novas a 2oo rs. a libra.
Nozes muito tovas a 2oo rs. a I
Chouricas e aios a 700 rs. a h;
Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra 1:
8,5oo rs. arroba.
Presuntos de
hegados r este ultimo vapor a."*.o rs.alb.
Alpista muiK
bra e l, 60
Painco novo
Sabo massa J
.aniego de superi. r qualida*
l Ifl .
l
.rmh
a 22. .
novo e limpo
a arroba.
18o alb. e 5,ooors
amarcllo e raslanhi
24o rs. a libra.
dem mais b; xoumpouco a 16o. !Ofwi
rs. a libra.
Castanhas pelladas a 24o rs. a lil >
Chocolate frar rez de primeira qualidade a
l,2oo rs. a libra.
dem de Sant muito superior e me.l nuda
1.3oo rs. I
Copos lapidadas proprios para gu >. a 'i.*
rs. a duzia, queem outra qnal.,. 1 i>.*U-
7 e 8,000 rs.
Charutos dos nelbores e mais afanrudos lu-
bricantes de S. Flix e do Rio do .'n^iro.
de l,5oo a ,00o a caixa.
Cebollas novas a l.oon rs. os m< '':,< gran-
des e 800 r o cento.
Dore de goiab a 64o rs. o OI
Lentilhas, exce ente legme para .1- <>*
sado, a 24o -s. a libra.
Ervilhas serias j descascadas :
libra.
Sal refinado em lindos potes de vidro a 5oo Pimenla do rer > muito nova a 36.1
rs. cada um. Cominhos cen 1 doce a32o e \< r- 1 \b.
Mlbos inglezes em garrafinhas com rolba de Cravo da India
vidro a 64o rs. cada urna. Canella muito
Queijos flamengos chegados no ultimo va- Alfazema a 2oo
por e muito frescos.
la 600 rs. a li
iva a l.ooo rs. a
s. a libra e H.000 a arrufo
I Graixa a loo vi. lata e l.luo rs. 'ion.
LOJA DO BEIJA FLOR.
lina ilo Queimao numero G3.
Cravalinhas para souliora.
Vendem-se {ravatinhas de"diversos gostos mais
modernos a 7O e 800 rs. : na ra do Queimado,
loja do beija-tlor n. 63.
Fitas para debrum de vestidos.
Vendem-se lilas para debrum de vestido de linho
com 12 varas a 400 rs. a pee : na ra do Quei-
mado, loja do beija-flor n. 63.
I'.'iili's iravessos.
Vendem-se penles travessos de caracol na
frente de borracba a 500 rs.: na ra do Queima-
do, loja do beija-flor n. 63.
Papel beira dourada.
Vende-se papel beira dourada a I00 e 12300,
dito de cor de beira dourada a IA loo : na rna do
Queimado, loja d beija-flor n. 63.
Anvelopes.
Vendem-se anvelopes de diversas qualidades
branco a 800 rs. e de cor a 640 rs., para ca tas de
visita a 400 rs., preto a 720 rs. : na loja do ieija-
Qor na ra do Queimado n. 63.
Voltas de aljfar,
f endo recebido voltas de aljfar com cruies de
pedra imitando a briihante veude-se a 15 cada
urna : na ra do Queimado loja do beija-flor n. 63.
Camisas de meias.
Vendem-se camisas de meias muito finas a
1,5200 e 1,5300 : na ra do Queimado, loja do bei-
ja-flor n. 63.
Eiifritcs de lila.
Tendo recebido enfeites de fila pretas e de co-
res mais modernas que se esto usando a 1$ cada
um : na ra do Queimado, loja do beija-flor n. 63.
Fila de ISa preta para debrum.
Vende-se fita de la preta para debrnm com (O
varas a 900 rs. apee* : na loja do beija-flor ra
do Queimado n 63.
Pilas de linho para bardar vestido
Vendem-se fitas de linho para bordar veslido
ou roupinho de meninas com 40 varas a 640 e
800 rs. a pe$e s quem tem loja o beija-flor
ra do Queimado numero 63.
Bolate de madreperola.
Vendem-se botes de madreperola mais moder-
nos que lem vindo para punhos de senhora a 320
rs. o par : s quem vende por este preco na
ra do Queimado, loja do beija-flor numero 63.
Fila de velludo para bordar veslido.
Vende-se fila de velludo preto com 10 varas a
900 rs: a peca : s quem tem por este preco a
loja do beija-flor da rna do Queimado n. 63.
Fita de velludo bordada.
Vende-se fita de velludo preto bordada de di-
versos gostos e mais modernos proprios para qua-
resma: s quem lem a loja do beija-flor ra do
Queimado n. 63.
Franja preta.
Vende-se franja preta de diversas largaras para
enfeitar capas ou manteletes os mais neles Res-
tos qne se pode encontrar : na loja do beija-flor
ma do Queimado a. 63.
Facas e garios.
Vendem-ae tacas e arios de balance de 1 to-
llo a 5#500 a diuia, dita de 2 botes a 6J400 :
na ra do Queimado, loja do beija-flor n. W.
Domin*.
Vendem-se domfns multo fino* a l#16 e.
l&m na loja de neijaHof da na do Queimado
n. 63.
VUpora.
Veodem-se vsperas muito finas a 800 rs- : *
ra do Queiroado, loja do beija-flor 1. W,
Chepoa nova re
I rior vinho puro :
Habello, ra da
lIMinprilfi.
], -1 annrvfa r>m
kaie-N tMTipt. !. JeS.ll
Isla n. ''').
Al|>4 a Baha
para saceos de assirar e roupa l t*w
para vender Antonio Luiz de OhYfrira -dBA
| C, no seu escriptoilorua da i'.rnz n. I. ____
Vendo-e ociwipendiode phifc>*r*i.' fot V
ruzez : na rna do Queimado n.'.'.
Ven>m-se em ca
Nova n. 14.
li;i|ijo- ie laRilha
de Chrisani A *
l;ii Inlii
de Sania Catharina
mullos bons NNH
mazem do Annes de
TODA ATTEXCAO AO flGILDVTB.
Custodio Jos Alves Guimares avisa ao respei-
tavel publico e aos seus freguezes, que achando-se
as obras da loja do Vigilante concluidas, e achan-
do-se as ponas abortas a concorrencia do res-
peitavel publico, para assim apreciar o novo galla
que se acha no espaeoo e alegre campo, guarne-
cido das lindas flores o muilos outros objectos de
bom gosto, que tanto sastisfito se acha, aprsenla
o novo canto, chamando pelos seus freguezes que
venham ver para crr, quo s assim podero apre-
ciar, e acharao um grande sortimento de fazendas
tendentes miudezas, lano para grosso como para
retalho, que todos serio sonidos a vontade, mesmo
qualquer freguez de fra que nao possa vir a esta
praca e queiram dirigir-se a esle estabelecimenlo
fazendo seus pedidos por meio de cartas, e pode-
rlo fazer que ser tudo comprido fielmente, poden-
do-se fazer precos muito razoaveis, nao so pelas
boas compras eitas nesta prac,a, como dos que
recebe de sua propria conta, como dos que recebe
de ronsignaeoes.
Ir maailiora
da mais nv.i
a preeo rommoiio no ap-
onte da alaxl-aa.
Vende-se a dinhfiro nota parte n*
predio da rna da |M n. 8. Hfpn al
palacete do Sr. vi conde da Ii.>.i-\i-i -
tratar na loja da n do Queimado i. 'M
Vend-m' um 1 m sin rom U<* casa drae cal para famili; e laiiilxm M irora fm aaaa
fasa, o preiendenle v liando > r>-l" do valer ^ar
a dita vaina, nos luga sepililes : Cafuacaann-
guinho ou Uua-Visla :los prelerolenies pmlrai dtf-
gir-se Capunga .Novl para tratar e.i a viava (Sr
5r. Jo oBvaag li>la di '".o>ia e Suva.______
Vende-se um -
na praca da Boa-Vi>ta
se ao carlorio do tahcl
Imperador.
radode d u- andar *
(|iem o pavaaaaVr. isrija-
lio Porlocnrr ir i. da ni*'
Na ra Imperial
muilo boas leiteiras, c
i. I, vendvm-sc tres tan
iii crias.
ESCBA?( S FGIDOS.
- Ansentou-se balOdias, da risa .! j
nhor.a preta Thereza.Irom os >eauinie5 Mgnas'
baixa, com falta de una dente na frente, pe- ;r
sos, e tem marcas de < crophulas oprsn anaa
nesla cidade, e diz leff icen;a do seiihr* para arar
subscripcao para lber ir-se : quem a pf ar lee-a
ao Dr. Salgado, na roa do Queimado.
Dr. agradecer a quem a pegar, prou-iji. I"
dos recursos legaes coi ra qnem a ocrultar.
Hna da Senzalla n. 42.
Vende-se, em casa de S. P. Johnston A C,
sefflns e sithoes inglezes, candieiros e casti-
caes bronzeado8, lonas ingieras, fio de vela,
chicotes para carros e montara, arreit para
carros de um e dona cavados, e relogios de
ouro patente inglez. _
Fugio do poder os abaixn asipnaa M
escravo de nome Aleixi qoe honv.ram p." ew
pra que fizeram em ha: a publica ao* "'r',,-|rl*
Jos Kraneisro da Cruz, senhor do engenho Pattai
onde provavel se fe ia rrfngiado. I cnoufc
de trinta annos de idad. pooco mau on bm*.^, >
preta, secco do corpo : ase a (uem prgar !e
ve-o ao armazem de as ucar, no lartr da aaaaaa
bla, que sera recompev aao.
Jos da Silva Loyo A t.
ATTr vCA
Mhlaaa Inglezas
para descarocar algodio as melhoree qe
tena vindo a este mercarlo : ra da Senaala
Nova n. 42, em caa de S. P. Mam*
Acha-se fgido o esc vo de neme Fan'tiao, aV
idade 40 annos. pouco i ais oo menos, cor rala, at-
i ura regular, grosso do i >rpo. bem espaaando. la
hado, e j com alguns atxlln- l.raaro aa baraa.
I bracos e {ternas gruesas i bstanle cabelludas, te
do a pernas arqueadas, porem na moito. crom-
an andar cm sambas, e as vete fiaariara-se aaa-
tatile por gostar nwrto le Mnr : porraaa raia-
se s autoridad*, poci ea aaa at prvwfr
liantrophes, que e tacan apprehanarr e leva-fc a
seu senhor o major Anlc lio da Slva Gusmao.-t*
roa Imperial, assim corlo roga-se aas rapUifs m
campo a anpretowte dn|dilo mmm. ana tc^o
I bem gratificado.


Mari* % W*m*mhmt Tera lelra 1 e Malo V t *.
LITTERATRA.
K&nosico Internacional deson-
dres en Itott*.
(Contiouago.)
/( 'ilorie de E. LekesierUr. onmedidna; mem-
tiro da sociedad' real ; superintendente das col-
tercies de productos animan e alimentarios no
mutm t Kenttngtm no sitl.
Cl.ASSE. IIISF.CijAO A.'
Jniporla-?c animalmente do Brasil na Graa-
Bretntiln grande copia de tabaco fabricado, e de
qualidade tal boje, que faz crer se consumir
mullo maior quaulidade especialmente ja fabri-
cado.
Espiritas e rinhos.
Todos os surcos e soluges que conten assucar,
guando fermentados, sao capazes do produzir al
000). Quando estes licores sao destilados e o alcool
tirado delles, d-se-lhcs posto, ou com suecos natu
Ta, ou juntandolhes oulras cousas ; chama-se-
Ibes enlao cspiritos destilados, quaes a cachaga,
agurdente e genebra. Quando se Ibes ajunta as-
sucar cm grandes quanlidades chamam-se tico-
res. Quando o alcool se dcixa flcar cm combina
cao com o licor em que originariamente se desen-
volveu chamasevinho.
0 vinho, as mais das vezes, 6 tirado do summo
da uva: mas nutras vezes empregam-se para fazer
vinho suecos de ontros fructos, e at solucoes arti-
fieiaes de assucar. Soluges fermentadas de graos
germinantes (malt), a que ordinariamente se ajun
tan I upa ros, chamam-so eerveja.
Expozeram-se no compartimento brasileiro mm
lis qualidades de espiritos, licores e vinhos.
Espiritos.
Na fermentaeo de suecos sacharnos encontra-
se urna variedade de composlos, alm de alcool.
Alguns delles, niio somente teemum gosto desagra-
dare!, mas sao prejudiciaes ao systema. De ve, pois,
q destilador, nao somenle assegurar a de vida pro-
poreSd de alcool nos seus espiritos mas separar-
Ins os compostos nocivos, e desenvolver os agra-
daveis. Do novo mundo o espirito mais familiar
na Europa a cachaca.
E-ic c3jtirito faz-se destilando o refugo do assu-
car ou melaco. Tem mais gosto do que qualquer
ojtro espirito, procedido do desenvolvimento de
um composto peculiar, conhecido pelos chimicos
sob o nomo de eiher bulyrico. Outros compostos
da mesma qualiJade desenvolvem-se na cachaba
principalmente com o lempo: d'aqui vem olera
cchaca vellia mais valor do que a nova. A ca-
chaca 6 sujeita a contor oleo fusivel ; composto
nocivo qiiH se encontra em todos os espiritos des-
tilados, o de que todo o bom distilador trata de li-
vra-lo?.
Ao mercado geralmenle trazem a cachaca corada
por meio do assucar ; mas, assim como a genebra
c whisky, pde-se obler sem cor. Apresentaram-se
M colleccao brasileira diversas qualidades de ca-
chaca, c muitas foram pelos jurados declaradas ex-
ccllentes, claras e livresdaquellesdefeitos de sabor
BtoeaaMlai da negligencia na preparacao.
O jury conceden duas medalhas pelos espirito
desta colleccao -, nma a D. D. H. Huet, por cachaca
q\\" f jnlirada mnito boa e pura ; e a segunda a
A J. i! Pereira, por um espcimen de cognac de
cachaca branca que lambeni fui recommendado
c-i:no inuito puro e bonf.
Entre as cachacas houve duas que obtiveram
menguo honrosa urna da fabrica nacional e
OQtra exhibida por R. Coats, ambas caraclerisadas
BOY sua boa qualidade.
Alm dos mencionados cima, havia urna expo
sifao de espiraos, mostrando como este ramo de in-
dustria lem obtido consideravel desenvolvimento no
Brasil, e s carece de animago para produzir os
mais satisfactorios resultados. Huitos destes espi-
ritos tiuhain sabores inleiramente novos para o con-
sumidor inglez, precisando-se estabelecer primeiro
0 gosto por ostes, antes que possa effectuar-se venda
considrate! delles.
A venda de varios espiritos mais ordinarios de-
pendera inteiramente do seu prego, por isso que
espritus de qualidade mais baixa sao agora com-
1 :.; l na Europa por negociantes, especialmente
franrezes, e convertidos as cubicadas aguarden-
es e cognacs da Europa. Que a arte de distilar
condecida uo Brasil v-se dos espcimen* de aguas-
ardentes, genebras c alcool puros, expostos nesta
colleccao.
cado sobre outro que sbitamente Janeado nara
fronte.
A primeira feila com urna liga de cstanho
chumbft'fundWo, e moldada cm matriz metailiea. ('
mixto arta-sd entbulido em um canal circular que
nao completo, ou antes em um anoel abert, fei|o
no proprio corpo da espoleta Esse anoel c txte-
riormente coberlo por uina tira de papel onverni-
zado com a graduagao Itnpressa. J se v quese-
lo forjado o nrojcdl nao pode ser envolto pelo
lobo de fogo produzido pela explosao da carga do
anhao, e nao pode portanto a espoleta ser por esse
moto inflammada! Para atrancar esse resultado
recorreu Sir \V. Armttrong ao seguirte meehanis-
me :Ha no centro da espoleta um peqoeno cylin-
tiro co, dentro do qual se colloca um percussor
terminado em pona; este percussor est sustenta-
do nicamente por um passador que se quebra no
momento do tiro por eleito da inercia do mesmo
percussor ; e o detonador, ou antes o mixto fulmi-
nante nelle comido, inflamma-se.
A chamma produzida passa pelos lados do per-
ca, dos calibres l, 6, e 31; e um, pela culaira, do de cylindrico de ferro, onde sao submetiidas ac-
calibre 6. dio de uro grande martello vapor, cujo percus-
06 tres prineiros lem um forte anoel de bronze sor tem um guia cylindnco que entra no vasado
erdtutido na enlatrajjr'no qual se acham adaptadas (dn espira ;6 que assim se soldam essas espiras,
as alcas de mira. Os de calibre 1 e 6 s teera nma o se reduz o seu comprimento a 760 millimetros,
maneira que no material francez ou heaoanhol do
novo-modelo, que so podem chamar egmns.
SI W. ArmMrong etpoz tambem dtoarsos ca-
nhes do seu mtema, fabricados no se esfabele-
ciment i de Elswick (Nrwcastle-upon-Tynej. Sen-
do elles, porm, inteiramente eguaes aos exposlos
alca do lade direito; porm o de 32 munido de depois do que tomam o nome de cinta nmeros I, *'0 arsenal de Woolwiek, pavoee superfloo fator
duas, egualmeote dispostas nos dous lados. O que 1e 3; 7-, WMW estad, passara aos tornos on- ggj ffira 5HSSTfS^aT
se carrega pala cultura e em ludo semelhante aos de sao torneadas exterior e interiormente, deixan- acha na colleccao particular, por ser inleiramente
de que o Brasil j fez acquisgao. do-se-lhes o dimetro um tanto maior do que o de- diverso o systema quanto ao modo de cerrar a ca-
utos pontos differemessescanhoes dos de vido, afim de se observar se existe algum defeito' ^
rmstrong, sendo os principaes :-l a al- proveniente da forja ;-8, que nma vez escrupu- marin|l ein JJe ^
I \'mii'nlii iiTiininiiUo f..r-.i ,i.i A n: .;.,- J* L.t.
i montado em reparo de
^ ^bturac'or cima referido,
lesamente examinadas tornam a ofllcina de forja, tem duas fortes cundas de ferro forjado c u de ac,
onde se cscolhem tres nmeros das cintas consMe- collocadas vertiralment na culatra, em urna aber-
radas perfeitos que sao ainda caldeada, batidas e ,UM rectan*"lar Qno iravessa de um lado a ootro.
Estas cunhas sao munidas de azas ou mangas.
Em muifos
sir W. Arm
ma exagonal em vez de redonda e estriada ; 2
nao saofabncados com cintas de ferro torcidas, mas
sim forjados em una s peca ; 3", a culatra abre das pcrteitos que sao ainda caldeadas, batidas e
para um lado, por raeio de urna charneira, depois soldadas;-9 finalmente, que tres desses arcos ou e saliem em sentido opposto; sao lao bem dipos-
de desatarrachado o respectivo parafuso, que ser- t"l,os forjadas em espiral conslitucm um canbao tas que uina vez retiradas deixara a alma do ca-
ve de obturador ; 4o, finalmente, nao sao seus pro- em embrio, por assim dizer, pois tem ainda de nhao inteiramente livre ; permitlindo desla arte se
jectis forcados nem cobertos de chambo. Passar Pr "itas operaces antes de serom entre- 535KKE5 c^aric0' ",ue '
Duas objecces tem-se apresentado contra esses gues coinmissao examinadora. j isto feito, sao novamente introduzidas, e a peca
canhes ; 1*. o attrito de ferro contra o ferro, cau-1 Sre a unia0 do pnmelro ao segundo tubo, isto prompta para fazer fogo.
gado pelo movimento dos projectis na alma da pe- no lu8ar *]ue n5 de oceupar os munboes, eolio- i Na parte superior do canhao, e na altara do ou-
, ca, visto nao serem elles revestidos de chumbo, ou ca-se outra cinta fabricada de modo idntico a deora^ W
cussor a om paco annullar fechado por unel gl-1 ^ qualquer meta) ^^ duro (|(Jc Q fmo\ j, qUal estando em estado incandescente, a toado um ST"5' ^
lxar
em
mente por effeilo dessa operacao, causar alguma j Sobre este esforgo on cinta colloca-se o annel; nos simples, sem o grande inronteniente do para-
0 mixto desse canal circular arde em todos os explesao, e coip isso por o canhao fra de combate, dos munhes, que fabricado separadamente do fus0- 'll'e susreptivel de fcil desarranjo ; porm
sentidos, mas nao tem de produzir o de vido effeilo; alm de oulras conseqoencas. modo sego.nle. Escolhida a competente barra de j JueTmane^o uesss cfinhas "nao s^rrnt^dfiilctr,
senao no momento em que a combustao se verificar Nao nos parece producente ra primeira objec?ao,; ferro, formam-se nos extreroos os dous munfides, e depois ecerto nmeros de tiros,
no ponto determinado pelo graduador. porque sendo esses projectis construidos com urna introduz-so de novo no fornoy d*onde sahe para ser !. O canho Wedge-gun raiado, e lera 44 estras,
A graduaco impressa na mencionada lira de precisao quasi raalhemaiica, nao devem exercer enrolada em espiral, e depois forjada, afim de to-; dne2ver?,e semel"anles s do que se acab* de
papel est ca relacao com a distancia do alvo, a Br^ie csorcp na a|ma da peca \ o que se tem ve-1 mar a devida forma, havendo cuidado em qoe os, fl^ saDcmos explicar a variedade que se nota
rfleado as repetidas series de eaperiencias feitas i munhSes liquen nm cm frente e oatro, e seus et- no numero de estras dos canhes Armsftmy.
na praia de Southport. j xos- em urna me ma linha. 9 d "libre- 6 lem 36 ; o de 12-38 a de JO-44 ;
A segunda parece muto possivef, nao spelas KesU anda falar da construrcao-da cnlaw--melhaiie^VcampS
razoeeapresenladas, seno ainda pela falla de pe- i Deve-se ter observa*j que a libra do metal as- refurca(i como txgL. ^^'grande ca|bre;tem36;
ricia dos artilbeiros mas flea remov com a in- : trcS^^SS^T^SS^^ FuS"^^ '*' *' "^ "
troduegao desses roesmoscanhoes de earregar pela eixo. Sa culatra, porm nao podeiser o mesmo j Naose pde'dieerque onanlo maior ocabre
bocea, como os que se acham exposlos, e lano-assim que e ella- formada de vanas pecas 1BBor 0 mnm ^ t*rm porque se vemos
Para mostrar-se a forca dessa artilheria, basta :em,formade acuellas, que se forjam e-se soldam dous canhoesde 2070 com egual numero dees-
dizer aue o tanta* e calibre i ano montado no'l f tr6r' T" mu,,01e,smeT0 ,oma1ndo.a 'm.a *; irras, isto 44 ; ao passo qoe o de calibre 40'tem
dizer que o canhao *e calibre i (que montado no | ,ar? ^m& que a 0l(ra ^ me^, seja paralella ao ^ ou 16 majs do ^e 70 Ajsjn ^ ^
seu reparo lem o aspecto de um telescopio)' dou os i eixo do canhao. Sobre esse tubo depois de tornea- bas|a a ingpteeati 'iesses canhes para descobrr a
seguiotes resultados, com a carga de tres- oncas de I do e polido-collocam-se dos cintas duplas- hrjadas je ^,1 ida por $,> \y Armsironn na deterRiioa-
Dolvora Gonr om l"W de elevado -9IS metros Ide mdo sua fibra crme P-rpendicutarmen- 5o ^ numero de eslI.as
-mT r?- ,rViat Z^. ,eom a S p,,ai <|U0 ''0m a cula,p. Ha-.rio observar mais-o segoiole
com 3*1,600 metros, ecom 5*1.102 metros.
com a distancia do alvo, a
qual de ve conhecer-se.
Para graduar, pois, a espoleta nao preciso mais
do que girar o annel graduador, collocando o seu
indicador no ponto conveniente.
Esta espoleta que atarrachada no apiro do pro-
jectil tem a vantagein de poder ser promptamente
graduada pelo chefe de peca sera lira-la do seu
lugar, porque o annel graduado so acha do lado de
fra.
A espoleta chamada de concussao, que muito
mais simples, posto que fundada no mesmo princi-
pio que a anterior, consiste em um pequeo cylin-
dio de ferro co, tendo na extremidade superior
urna pequena^apsula contendo um mixto fulmi-
nante, e na inferior um percussor de lato. Ese
percussor guarnecido tambem de urna ponta esfc
sujeito ao cyhndro por um tame de lati.
No momento era que a carga se inflaroma exer-
ce elle em consequencia de sua inercia urna resis-
tencia ao movimento dado ao projertl, e aquello
rame de insufficiente resistencia quebra-se, dei-
Quanto a su resist*n*ia, Mr. WhiworlR'afTIrma
que carregou um dos seos canhes com am taco
de chumbo m uto aperlado, e recalcado de tal sor-
te, que a plvora na sua explosao nao pode laca-
lo fra ; lendo sabido pelo envido os gazes enlao
produzidos. Examinada depois a bocea de-fogo,
viu-se que eslava perfeita.
Como duracao, assegara tambem o mesmo-fa-
bricante que seus eaohdes nada deixam a desejar,
xando em liberdade o mesmo percursor, que de- \ vis,af.do eslado P"*** d* am de,les ****** &
pois de percorrer um pequeo espaco vasto, vae ,'00 ,,ro8
encaixar-se na cavidade do detonador, porm de Aim dos projecliesolidos cocos, empregades-or-
maneira que a sua ponta nao toca o mixto fulmi- j dinariamenie nesses caohoes^ acham-se expostes-os
nanle- solidos de face anterior plana, cojo effeito conirai
Nessa posigSo permanece at o momento em que gsossas chapas de ferro es tem tornad* notaveis.
o projectil encontrando algum obstculo d lagar a | Dos diversos systemas exstos merece ser tra-
que a ponta do percursor, que conserva a sua ve- i tadoem primeiro lugar odenortoadoArm3trong,
locidade adquirida, em quauto a do projectil re- per ser o adoptado pelo goverao inglez, e o que
pentinamente interrompida, v percutir forlemente | melhor se acha reprasentade nesse grande concur-
o mixto fulminante. Em consequencia disso in-
flamma-se a plvora tina contida na espoleta, pas-
'IVrminatm essa operago^ solda-se a culatra ao
corpo do canhao e passa-se a visita de recepeo.
Estando eonforme s regras prescriptas, o ca-
nhao torneado exieriormentesegundo s dimensoes
naturaes epaesa officina de precisao, onde sao
l.'dne nos canhes-de 0. ti e 20, a manivelta
do parafuso da culaira simples ; porm no ou-
tros do maior calibre- dobrada, e lem a frina-de
um balancim.
> Qoe o obturado* des canbes de 6 e 12, lera
quando o astro te c no mesmo brmtittuiM M
que o observador. 5 s caso a sua exarita mv
perior a de lodos os e ros methodos A ttim.,
ces se fazem da mai ira atraase :
< O observador ivela o sea tnenrfnliio, e de-
pois se assegura que idos os pira i-.^ 4, caao-
trin-cao, isto os par fosos nanlniti m nat-
guram o Jogo dos par; 'otos A- ratima, eir m
ai-heo per fe i la mente Mrtados, de lal sorte mm
vi- indo-se um ponto < 1 Ierra e tXerr*n>i-e mm^
leve pressao sobre a meta, se veja otajjiiilafjr-
nar a vir abaniionandt se o ioslruanatt, a se enl-
locar pur si mesmo no ruzanwnlo do ios
< Tem se enlao a ce ton que nao lita onda
solt no instrumento, que elle ai ralea toa
elasiieidade. Esta pre lue.Vi ipjc nao vi atada n
dicada em parle alum a de urna imporlaneit ex
trema, ea sua omisi D que 1 prrcisv atirita
maior parle das di fie rucas de latitud? calida-
pelas estrellas do norii do sol, roas o atnal re-
petidor as grandes oj raroVn geodesira da ne
dida do meridiano.
2" Pondo-se em < inrlenria os i*rr% a at-
nim e do limbo, fixa-s eni.it a rmela a ana atoa-
ra dada de maneira qu o b>>rdu da loa ve
sar pelo lio horisonlal a luneta, itofiaao-e
o uivimenfr aziinulha e se r>prra a |niiif a
qual se nota n instante por meie do easoamaHrii
li-se depon sobre o livd as posle* da koNta
il\ra-se ar> ilepois j, I neta no eiHido :
al que tima estrella t rolliida en
venna passar prlo fio.
s industrial.
O arsenal real de Wotwieh expoz canhes-dos
Licores.
Alm dos espiritos expozeram-se varios licores
no compartimento brasileiro. Muilos delles foram
fabricados com grande cuidado e adaptados a uso
geral que delles se faz. Estas formas de bebidas
alcoolicas sao geralmenle lomadas cm pequeas
quanlidades, quer simples, quer com agua.
Um licor exposto pelo Sr. J. H. da Silva Rabello'
premiado rom uina inedalha, foi considerado pelo
Jury como inleiramente egual maior parte dos
ompudores curopeus; chama-se licor de rosa
fliierendo imitar o celebre licor ouropeu do mesmo
Borno. Era suave ao paladar o o espirito livre de
qualquer mistura prejudicial. O licor de rosa ,
e o licor de cravo dos Srs. A. J. Ferreira Braga
& Irmao, obtiveram tambem mencao honrosa.
Varios licores apresenlados por A. J. G. P. Bas-
tos, taes como de canella, rosa, ortella piraenla e
delicias uas damas, obtiveram a mesma distineco;
aseln cont o licor de ans exposlo pela fabrica na-
cional.
Vinhos.
O novo mundo ainda tem de produzir vinhos que
possam compeiir com os do amigo ; comtudo o re-
saltado orillo pelas colonias inglezas, principal-
mente pela Australia, na cuitara e produrcao de
vinhos, nm incentivo para todas as partes do mun-
do onde a uva crescc c amadurece.
Que a uva cresceno Brasil e della se pode fazer
Vinho, viu-se pelas amostras de vinho de uva ex-
postas por varios fabricantes. Todava nenhum
dos viuhos de uva apresentou qualidades que mos-
trasspm mais doqne promessas. Havia comtudo
amo-aras do vinho de laranja que mereceram at-
!- ncao, e nma lao boa, que obleve do jury mencao
honrosa. Esta amostra foi exposta por J. de Bit-
enrourt.
A fabricafaode vinagre tem mnita connoxao com
a dos vinhos, pois que o alcool do vinho fcilmente
ce converte em acido actico pela oxydacao.
Varias amostras de vinagre de vinho se expoze
ratu na colleccao brasileira. O gosto por vinagres
Vitos de vinho tem decahido ltimamente na Graa-
Cretanha, visto qoe se obtem vinagre mnito poro de
andera, e a muito mais baixo preco.
AVminvnfo militar por Ayres Antonio de Moran
Ancora, capito do corpo de estado-mam de pri-
neira ciaste.
Espoletas.
As espoleta* qne sorvem para communicar o fogo
4 carga exptoaiva do projeetil sao objecto de graode
nteresse, e sem dnvida um dus mais importantes
Sfressorta d.) fsttma Amutrong. Relova, pois.
dar urna idea da soa construegio, alias mol diHk-.il
a dispendiosa.
, Sao de daas elasses : de percoasao e tempotcoro-
^inados ; e do eooeassao. Ambas, porm, teem o
sando a respectiva chamma por uns canaes late- deferentes calibres6j 18^20,40, 70 e 110; mas
raes, alim de communicar-se carga explosiva do gdjg do syslema dfe sir William Armstrong 5
projectil. quatro dos primeiros, edoos dos segundos, estao
Urna differenea se nota entre essas duas espolo- eoroando o bello Irophu que re|)resenta as diser-
tas usadas quasi sempre ao momo tempo, como sas phases dessa admiravel e enslosa fabrcarao.-
mostram as aecesdos projectis carregados que se | A descripcao destes- canftoes nao pode deixarde
acham expostos, e que a ponta do percursor da irrteressar aos que se- oecopam dos melhoramentos
de tempo est virada para a bocea do canhao; po- raatenaes da arma de artimaa.
rm na de concussao, aponta ella para o fundo da Sendo indifferente que se Irate deste ou daquel-
le calibre, pois que todo elles sao fabricadas sob
06 mesmos principios, preferimos dar a descripcao
Nestaultma o mixto detonante esta em coramu- docanhio de 12> ^ Campanba, por ser o que me-
nicagao directa com a carga explosiva do projectil; ^ U(lemos ^loaas.
o que nao acontece naquella, como se viu quando- ^^ ^^ fm eeri(>rmen,e a forma, de am
della tratamos. tronco de cone alongado, ou antes um canhao or-
Suppe-se que estas espoletas sao tao bem iraa- dinario sem moldura abjura, construido eom ferro
ginadas, que se podem rolar os projectis, e mesmo aceirado (stttl ironk raiado, e carregvse pela
faze-los cahir de ama certa altura, sem pergo ou culatra.
receio de explosao; porm que nma vez sahidos da O numero de suas estrias de 38, separadas en-
bocca de fogo, a menor cousa que interrompa a sua tre si por espaco* de tres millimetros -r tendo 7/10
marcha causar a sua explosao. A ser isso ver- de millimelro de profundade, e 3 > naiJlimetros
dade, acha-se resolvido o grande problema de fa-! de largura.
zer arrebentar os projectis no momento de chocar q dimetro da alma de 76 inillimetros. O passo
malquer corpo, sem pergo no transporte das mu-; da hlice de :t metros e 71 centimelros-, e o com-
nigoes. 1 pnmento total do canhao 2 metros o25 centime-
0 carregamento dos canhes do systema Arms. tros aproximadamente, sendo o da alma smente 2
trong muito simples; porquanto consiste em dar- \ metros.
se um sexto de rota ao parafuso da culatra, para a I A alma ligeiramente rebaixada no seu fundo.
quasi que mathemalicamenle aeabadas todas as-snas smenl(! Qma az3i por9m> todos es outros lem duas
parles. _lie se dobram em sentido oppeslo, acompanhan-
Feto esse rrtbalho, que ten o requinte da per- do a rnrvamra da iocea de fogo.
fegao, vae o canhao para a machina de brocar.ap- 3 ^ 0 ran|i;-|0 de-1*0 manido de doas al-
parelho poderoso que pode breear quatro canhees | as de |nra aos )adog ^ cu|arrav e nm ponto de
ao mesmo lerapo, e cujo modele tambem se w*a mira q,,,;^ cra cada munro.t.- tudo semelhante
exposto. Esta-operacao fe.ta com duas broeas as do caohode 12.
em 12 horas ; a> primeira deua> a alma quasi no, 40 pjrialmenie que se dfOgo-atodo os canhes
calibre exaclo-e a segunda a termina e alisa. | de marin1la por meio de-um-matleWo. disposto d-
Depois do competente exame vae a machina de; sorle qus-baie no centro de obturador, sobre a es-
raiar que honsenlal. | ^feu de r^renssao ciue evo acbar-se no ouvido;
Concluido esse iralwlho por su* nalureza moros 'lnos.de ,.anipanha 8dc s*o do fogo pe'
e delicado, alten o numero de estras de cada o meio das 0 nhao desse systema, e depois do respectivo examoy usa n:c ntooi os sv.-temas de canhes, ana
procede-se a abertura do buraco em que ha de ean carregados-pela Iwcca, qnerpela eatolra.
trar o obluradort Eto buraco quadrado e pe 1 Projectis.
nelra um cenlimetro abaixo da alma do canhao. Sl). w. Amwtrona leve a idea dr construir para
Tanto esta operacao como a da eonstruegao dor os seus cjnhfj^ |res classes-do prejectis, cujas seo-
parafuso da culatra exigem grande precisao t coes se achara expostas. S fabricados de modo
O obturador e-d ago ou ferro, o o seu fabrico de Ie podem. servir, j como-tela solida, j como b-
tanla importancia 1 que tem lugar en urna ofcina. ,a ^ ou gfaBada, e j comemelraha, e reunem
especial. Tem essa officina um-martello a vapor, a vantagemde arrebentar nomontento do choque;
forjas, tornos, icrnos, etc. Todos- os obturadores r n|eJ0 ^ uma Pspo|eta de percossao, ou no mo-
deslinados ao rr.esmo calibre deven ser idnticos nienl0 determinado pela graduaco da espoleta da
de modo que pessam servir indistinclamente en tnin0i qUe a ,.||(. se adaptan
qualquer canhao^. | o primeiro desses projettis deforma cylindro-
O ouvido e felo no mesmo obturador, sendo o oval, de ierro fundido,
grao de cobre em uns, e de bronze-de aluminio em () sguntf& cvlindro^conico, do mesmo metal ;
oulros. E" obliqno, e penetra at ao fundo ou cen- p0Fein &.,> e e paredes delgado*, lendo uma abr-
iro do resalto tronronico j mencionado. IQra no apcedo cone parx a inlrodnccao da carga
Acabado o canhao, resta brorcea4o, e collocar-, exp|osjva e da espoleta.
Ihe os pontos do mira ou joas. q terceiro que destinado a sabslilur a lanler-
A tinta ou proparago que se emprega para esse ne|a e ten> 0 DOme de semientishtlt, c tambem c-y-
fim de cor escura, e compe-se de agua de cal e |ndro-eooeo. de paredes aiada mais delgadas. No
acido sulfrico,, submeltendo-se os canhes assim mais nifiiA an Siyn,ndo. 6:ndow)rm a base a*r-
pintados ao calor suave de um foroo especial.
A manivela do parafuso da eulMra e o obtura-
dor recebem uma cor de purpura.
Para distancias curtas, as miras-ou joias sao col-
mis egual ao segundo, fcHdoporma base a*r-
la.para a inlroduegao e roljeeaea dos pedacos de
ferro fundido (formando s^gmenloode um circulo)
que variara em numero e tamanho, segundo o ca-
libre.- Estes segmentos emam no centro um-es-
c Notase da mesma maneira
gem e depois a h-rtura do niv.-l. Ent 1
seim.ire fi\o o parafuso pi<> rriem o Im
larga-se o liinl^) intern que sustenta a !
d-se ao inslriimrnth posirSo inversa; 1__
se ea tunela na poste o rovmirMe para I
se na posico inversa o iw*m> gnip-> de 1
ces da la e da ine-n 1 -sin-lla i|ue *e lina* kmm
na posigao directa, se 1 nunca drsprrzar- lura do nivel, fazenVi rao depois a leiio
nius. Parlindo-se ent destas novas InM
se tuilia partido da coi ndenria dos zerut, retoca-
se alternativamente es s- operar.-s. ptm^itf
ta e posigao inversa, e (.numero dr vean 1
deseja, st^indo o met od i rirculn _,
Em g.Tal cinco ve e* a operagodanta
um bello resultado. olwervacs sendo 1
feitas calcoiam-se da 1 anrira sefaiate:
< 1* Her.ne-se as ot lervagon da estrella e det-
las se detniz a hora or am mnhnd npmu na
pequea brwohora que acoaiaanaa esto xa f
tn Scolastic n. 4, e 01 e se acha on earnae des
te genero de clculos.
2* Reunm-sc as Aservae*?* da loa. r 1
lase o angun horarit da m-*rua
para a estrell.i- o pela mesnms formulas. Ha s-
menle de mata nn rali lio UV- tNaanas v wtmt
da la terse en coma a sua ;iaraMae, sea .
dimetro para eooduzi as oaservaedes as 1
e da variaeo de seu pmi-diamefr mm a
Estas pequeacorrer oes se .Mem
dos ordinarios Indicad s em Pranemar.
< Quanto .-.-n ere; 1 da renten r esto a ses-
ma que para .-vesiiell os don* astros I
observados na :i>im Hura
Mas tem-s*- noces idade para o ralraa dn an
golo horario da-toa di se ronheetri
o instante de onda o srrvarfw-.
Para isto st-strn das e'phsmsrides e da Isnr
gilude suplosla do lu ar. re>laado toser-**
larde uma corrtego ir raua dn p*mmo rm
dedeclinaco quercsi la ile ipwa wrdnitokra toa-
ronhrridc*r pren*
f ilude em lugar de se
le o elemenio procura* >.
- Cal rulas.- :. dio entre a visada den ta e inversa
e nao para cada visad: 1 solada, o
conveniente e ponatlti que
formula que para ato a. (H>tense.
los horarios dalnari respondenw* as
iwdios das visadas d recia e
eslado do rhromtmeiri
estrella,calculados pr edeniei
tes em ttnspn
AR.) dn la
se estes mesnicf.-insta
obiem a aseencao reqta
a T. sideral\lturm 0; com
horarios positivo dep is da passaassa
no, c negativos antes,
o A AR da toa assii
correspondente de Ia
das eplieineriii --. o
hora das visadas da
esquerda; tirar immediatamente o obturador; in- que o seu dimetro nessa parto cerca de 3 milli
troduzir atravez do parafuso o projectil e o cartu-; metros maior. necessario este rebaixamento pa-
xo, que se empurra at a cmara; lomar a eolio- raque o projectH entre fcilmente, e flquecolloca-
car o obturador dar outro sexto do volta ao para-
fuso da culatra, com torga, para a direita; e Q-
ualmente ntroduzir a espoleta de friegao no ou-
vido.
Diz-se que com o canhao de 12, e com artilhei-,
ros destros, podem dar-se 3 tiro em 95 segundos^
acertando sempre n'um alvo collocado a 1,097 me-,
do em disposcao de torgar-se com certa suavidade
contra as estrias no momete de dar-se fogo
carga.
As pegas que constituem o mecanismo para cer-
rar a cnlatra, sao : O obturador propiamente dito,
e o parafuso cujo eixo prolongamento do da alma
do canhao.
O obturador fatal vece) que entra n'umaabor-
tros de distancia,sendo a ve ocidade inicial do pro-' """ uv '"T1 V A h4a
, i tura feta de proposito na parte superior do canhao
jectil de 334 metros por segundo. | ^ ^ ^^ uma pfaQa de ferro forjado ou
li'antes era preciso limpar perfeitamente a arma ac de forma prismtica, e dotada de um mango
do canhao a cada tiro, e refresca-la a cada cinco ou aza, que se dobra por meio do uma charneira,
tiros ; hoje porm remediou-se esse inconveni ente para facilitar o seu manejo. Alm disto, tem em
com o uso de um taco ensebado que a limpa e lu- sua face anterior um resalto tron-conico reves-
brifica, podendo dest'artc ser o fogo muto mais ra- tdo de ura annel de cobre (verdadeiro obturador;,
pido. que se encaixa maneira de vlvula na alma do
A resistencia desses canhes notavel, porquan- "hio <*n<*> coulacl0 P"eito m outro an"
. nn nel do mesmo itietal que est aiarrachado ou mar-
te tem-se verificado ser de 33 toneladas por pole- ^^ ^ ^ ^ ^
gada quadrada, ou 5,193 kilogrammas por centime- A ^ ^.^ depos fc carregado 0 canWto,
tro quadrado. I consegue.se se*m esforC e mai de prompto, dando
Uma das provas a que foi submettido um desses somenle um sexto de volta ao parafuso da cualtra.
canhes de 12 para contrastar a sua resistencia,
foi a seguinte : carregou-se o canhSo com toda a
plvora que pode conter-se no espaco destinado
carga (projectil e cartuxo) e por cima collocoa-se
um cyhndro solido, de ferro, que se acha exposto,
do peso de 120 libras.
Esse parafuso, cujos passos sao curtos e vivos, e
co e tem o diamante maior que o da alma do ca-
nhao. O seu comprimento de 230 millimetros, c
tem por fim comprimir forlemente o obturador
contra o fundo da alma para cerra-la hermtica-
mente, e que se consegne por meio da manivela de
Deram-se 12 tiros deste modo, e recoahecida a qUe ej|e manido,
pega immedaiamente depois, foi encontrada per-, Dada esta idea geral dessa bocea de foge, tal co-
feita. I rao se aprsenla vista, cumpre descrev-la, nao
Assim se continuou, c com egual xito, at 50 s segundo informages que pude obler, mas pela
flejs 1 ospecgao dos differenles objectos que tormam o
1 mencionado trophu; pois elle uma verdadeira
Tambem se acha exposto ura cyhndro de forro demonstrago das principaes operagees mecaoicas
solido do peso de 1,00o libras, para as provas de p^q^ pa; resistencia dos canhes de calibre UO. A ,natera prima para essa fabricago como
vista de semelhantes provas, pde-se ter to- se dsse, o sleel iraa, da Suecia, ferro aceirado de
da conBanea nesses canhes quanto a sua resis- primeira qualidade, cuja dureza e tenacidado sao
lencia admiraveis, alm da propriedade de presiar-se f-
cilmente a soldadura.
SYSTEMA WHTTWORTH.
Depois das collecges expostas pelo arsenal real
de Woolwich e Sir W. Armstrong, sem contradi-
cao a dos Sr$. IrTWworfA & C, a mais importante
a todos os respeitos.
Esse tropheu mostra : I, que a materia prima
entra para o arsenal, om tongas barras de seccao
trapezoidal de 50 100 millimetros, segundo sao
destinadas fabricacao dos canhes de menor ou
maior calibre.2 que sao essas barras cortadas
locadas nos pontos mais altos da-superficie do ca- go ryliadrico'para acarp explosiva, e as deas
nhao ; para a* grandes distancias, porm, ha uma- espo|etas de pemissao e de tempo.
mira de ago no inunho direito, e uma alca na cu Todos estes projectis sao fe-vestidos de urea cn-
latra do mesmo lado. Esta alga de forma sim- _a de cnumi>0i cuja espefsura maior para a parte
pies, se bem que de complicada, eonstruegao, e o conca e vara de 3 -lti millimetros.
ponto de mina tangente a esse lado, e est armar Para revestir os prqer-t i s preciso col I oca-Ios
do em uma baste quadrangulan Bxa, sobre a qual. em um ^^^ de dimeasoes convenientes, onde se
pode correo j horisonlal e ja verlicalmenle, suj-n- derrama a0 redor delles- o chumbo fundido, que
tando-se em posigao conveniente por meio de um cn,ra as estras ejrr.olares previamente cestadas
pequeo parafuso de pressao. Um nonio graduado n0s projectis (no torno).para impedir que esse me-
em minutes vertical e horisonlal mente facilita- a ta| so jeSprenj:i na oocasio do tiro. Donosdo
operago.das distancias pequeas. A ele vacio est, qUe passain elles a um. apiiarelho que comprime
calculadle marcada tambera, de modo que a cada tortemente essa capade chumbo, e Ihes docah-
gru coprespondem 50 jardasy ou 4o metros e 70- ^ dtvido.
centimelros de alcance. Kgs projectis de segmentos (segmentsshelts) pre-
O canhao guarnecido de seu competente para- cedo. a es,a operagao a de fixar os segrr.enwS por
f uso de pon lana, montado, de-modo que conserve me) sempre uma po>igao normal superficie da bocea (.f.gjmbo para 0 qne se colloca esse pmjectl em
de fogo, qualquer que soja a elevagao que a ella.se um ,no|de com a base para cima, por onde se arru-
der. mam perfeitamente os segmentos (por ramadas cir-
Para faciliUr a correceo da pontana e deriva- guiares) derramando-se o metal nos seos ntersti-
go, as munhoneiras do* reparos sao, por assim di- c^. para ,)ue a,metal nao se introduz-a na parle
zer, duplas, isto a principal em que se encanara reservada carga explosiva e espoletas, colloca-se
os munhes teem ceno jogo dentro da outra. no centro um cyladro de ferro, que se Bxa na
Emliin, para fazer pontana de noute, tambem abertura dn pice do cone.
iraaginou Sir W. Armstrong um instrumento que Terminada esta operago, introduz-se o fundo do
se acha exposto, e a que deu o nome Nxtescope : projeclil que entra a malho, e faz-se enlao o seu
e summamenie complicado. Bastar saber que se revestimento. exterior que tambem envolve esse
funda na combinaco de dous pequeos espedios, fuiin.
sendo um dolado de certo movimenio afira de que gm ta| estado o projectil taiiioomparto, que se
reflectido nuiles o objecto a que se quer apuntar, e p8de arroja-jo contra um alvo de madeira de qua-
coneidindo a sua iinagem com a linha de mira, s doug mrtros de espessura, sem que esse choque-
haja seguranga de que o canhao est na devida di- ine rause ft raen0r desarranjo. Entretanto a resis-
reego. Nao me foi dado saber se este iastrumen- tenciaque elre apresema rotuca, por effeito da ea-
lo tem produzido bous resultados, o era sei se j p|osao da carga interior, tal, que basta uma osea
foi experimentado ou ensaiado. de plvora para faze-lo em pedacos.
A substituigo do material de artimaa sem- Quando se quer usar desses projectis como, bala
pre origem de grandes gastos, e tratando-se de um so|,da nenhuma particularidade ha que observar ;
paiz como a Graa-Brctanha fcil rompreheiider o quando, porm, se tem de emprega-los como sck-
alcance dessa despeza. Prescindindo das conse- rajmett, devem-se regular as duas espoletas, de
quencas dessa substiluigo, este caoho de Arms- ,||l6 adiante se tratar. Com esla precaugao. o
trong, calibre 12, de campanha, importa em 250, projectil deve arrebentar diante do objecto que se
materia prima e mo do obra; ao passo que o ra- bate, e se tal nao acontecer, arrebcnlas no mo-
nho liso tambem de calibre 12, cujo fabrico nao ment de chochado, ou ento por detrs- do objecto
tem tormo de comparacao com o daquelle, cusa sobre o terreno.
20a 1 Se o inimigo se adiar a pouca distancia da boc
Aceresce que este pesa i9 qnintaes, e s pode ca de figo, isto dentro do alcance ordinario da
dar cerca de 800 tiros mxima distancia de 1,280 metralha, puardar-se-ha a espoleta de lempo pondo-
metros : e aquelle, quu pesa somenle 8 quintar.*, a a zero de grus, atim de que o projectil arreben-
ja tem dado mais de 3,500 tiros a distancia de 4,570 te p0uco tempo depois de sahir da bocea do ca-
metros, segundo as experiencias mais recentes, nhao, adquirindo cada fragmento orna velocidade
Considerando-se, pois, o numero de tiros proporeio- egual a que tiver o projectil no momento da sua
nal ao prego do canhao, acha-se que o amigo costa rotura
5 shillings por cada tiro, e o Armstrong nao cusa o effeito destruidor desses projectis esta expes-
mais de um shilling o tres pences, sendo que opri- to em um modelo representando nma granada {seg-
ineiro perde sua etHcacia a 1,266 metros, e o se- ment-shelt), arrebentada dentro de uma cantara fe-
gundo alcanga um pequeo alvo a 3,218 metros I cbada.
O reparo om que esi m-ntadoesse canhao raa- pela sua eonstruegao, devem esses projectis ar-
do dtfsyslema Arnwfrono de flecha, e nada tem rebentar pelo menos em tantos fragmentos quan-
do novo : nao se Ihe nota melhuraraonte algum : tes sio os segmentos, sem contar os que produzir
uo passa do um reparo de campanha usual, com a granada propriamente dita, a capa exterior do
dous pequeos cofres aos lados do canhao, porm chumbo, o cyhndro de lalao em que esta encerra-
muito mais reforgado em todas as suas partes, afim da carga explosiva e as espoletas,
de resistir ao e>torgo da bocea de fogo no momento Segundo as experiencias feitas com o canhao do
do tiro, alenla a uatureza dessa artilharia. Em 40, tendo lugar a explosao do sea projectil dentro
precisao e alcance ella superior franceza, com de nm bocal fechado, e para isso preparado, te.n-'
o grande inconveniente, como artilharia de campa- se obtido, termo medio, 106 fragmeotos de ferro
nha, de ser o seu material muito pesado, e de diffl- fundido, 99 de chumbo e 12 provenientes das espo-
cil trans Kirie. Iotas e tubo metallico da canta, formando um lo-
Isso j houve occasio de observar-se na puerra tal de 217 fragmentos mortferos para bomeos e
da China, onde se achou essa artilharia em con- cavallos Quantos nao produzir a granada 110
currencia com a franceza. Segundo publicaran) que s de segmentos renta cerca de 112 ?
os proprios jornaes inglezes marrhavam bem as Tambem se ha observado que na distancia de
pegas de eampauha franrezas, puchadas por quatro 2,743 metros um projectil de 12 produz cerra de
pequeos cavallos do Japao ; em quanto a artilha- 100 furos nos alvos, sendo de notar que a capa ex-
ra Armstrong, puchada por oito cavallos inglezes, tortor de chumbo augmenta a efflcaea desta cas-
nutria-s com difflculdado por ter as rodas euter- se de tiro pelo numero de pedacos em que se sub-
radas at os cubo*. divide.
Este facto, o o estudo que hemos feito do mate-
nal de campanha das potencias militares da Euro- Brsvf. dksc.iupc.Xo do mrthodo de detirminaqXo
obfida. prorora-se a I
feridian adoptada, sor ssn*
loma .-. di!tortra om a
Iba rurJv'hU dn 1
chrnnoinelro. Se a di erenga ftr efonl a I
de supposla. esta lenf ude e axarnx a raso ena-
a rorrorcan se se livr-**
atS ratrutn-,
mas assim ni. aromeqV. i para otoer a vrrdadi ir
trario, a dilferaiK-a sof a
applirada a esta longit de -loikw:.
empregado oran dech ago rxactn
corrpegao que deve sei
posta para ter-se a lonj lude verdadeira imtrsa-'w
o meibodo
adiada.
seguinte j II deduz
Forn-*ia pava a
c Seja ta, a eorre*ao au o aaro de sefnn
dos de lempo qne se di re .ijnntar atorbrieameatr
longilude supposla do ligan,, em reman, de :
qne, sendo L a longim o venadrtra em tr|< sr
lenha L--*L. -f 6 L,
L,+ L,=IT, sendo H'
Aceresce que esses canhes raiados ou antes fa-1 em comprimento determioado para obter-se urna
ceados, charaam muito a allencao dos profissieoaes, CSpira de certa extenso.3* que, depois de irem
j pelo lado do sen grande alcance e forca de pe-
nelramento, e ja pela belleza da sua oonstrucco e
perfeigo de mao de obra.
Entretanto, sondo lies j ooahacos no Brasil,
e todos os calibres fabricados sob o mesmo princi-
pio, parece superfino uma descripcao mioociosa; e
por isso nos limitaremos a dtar qne esees fabri-
cantes expuzorara quatro canhes de ferro forjado,
mesmo principio, isto inercia de um corpo eolio-1 do seu systema\ sendo tres de carrefar pela boc-
ao competente torno onde sao caldeada convenien-
temente, passam a ser collocadas sobre um lami-
nador especial, de dimetro correspondente ao ca-
libre que se quer fabricar. V que retiradas des-
se laminador apresentam a forma ou aspecto de
um grande saca ruinas de 914 millimetros de com-
primento ;5*. que nesse eslado vo a outro torno
de alia temperatura para seren novamente caldear
das e depois collocadas verticalmeote em un mol-
i
considerada como
para o polo snl; isto
quando ella diminne,
A correcgo qnej
.1 declinagn da liia,
declinagao durante o
ou em outros tonam
(D e o l.. t.'i.iii os
Ora, eateutou-sr
D+ros I ees D eos P
pois que
em lu,; /
da declina io D
VARI
invors
dado polas
applwada a tonf itnnV *nr>
vi 1 nfde dn .'mfWwWt'.
S a H
hura verda.lrira do I* nv
ridiano adoptado. (O Avse as fonfitudts cesirs
(0) como positivas, e > de los* f ronm netat'
vas). Seja D a rteelm gao da toa no i>.-fan'* :
do 1 meridiano, a qa l que se-trata de corrigi
(on*idere-se as I ilude e as declinar.'*, .
-raes-eomo posilivas.)
Seja D a variactoda derlin.rao da toa
^eOO" dada pela iphemende*. ( D>d*t *er
-e iiiiva quando a roni
se a declinar toa astral
austral quando aayaaae*. >
ao ralrulo se dstn apparar
pois o sen ni iism iaa am
lewpo em o L. an tato
l.
que no calrnio
edeclinagao D.om la ir dad>Tlin:^_ IV,,
!
respertivcs signaes.)
|rU formula eos asnan I mo>
e I >ao tartos e nao ra
riam. Ixgn o angulott declinagao D e que 1 iamarea>* P n.e r
so de vena ible-ln, pondo nrta
-egninte to^-- I..
-eL
font
pa, nos leva a concluir que nenhum mais ligeiro
do que o francez, e o hespanhnl do novo modelo,
condigo essencial quando se (rala de artilharia de
batalha. _
O armo Arjnstrong, montado tambem em gran-
des e fortes rodas, tero tres corres, sendo o do cen-
tro muito pequeo, e destinado ao transporte de
es|M)letas, dedeiras e outros pequeos objectos ne-
cessarios aos usos da gu-rra -, e os outros dous.
para os projectis e cartuxos.
O carro de municao tem quatro cofres, dous a
dous; porm, separadas para dar lugar colloca-
gao de tres barracas de campanha, circulares, nn
seu i u ter vallo ; sendo o sea armo em tudo egual
ao do canhao. A roda de sohresaleute vae na re-
taguarda do curro DA L0NUTUDK TELAS OBSERV'AgKS DAS PASSAGENS
DA LA E DE UMA ESTRELLA PELA MESMA ALTURA,
POR E. LIIS.
Entre os diversos motho-los para as determina-
coes das longitudes, em torra, por mim emprega
dos e que nao se acham expostos nos compendios
o mais simple* e aquello que pode ser empregado
no maior numero de cireumstaneias, e mesmo que
sempre pratcavel quando os ontros o sao, o tas
passagens da la e de ama estrella pela mesma
altura, observadas com o theodolito repetidor em
altura. E-te tnethodo de uma exacdo Unto
maior quanto menor fr a latitude. (Jilo pode ser
empregado o 3n* de distaawa do equador, em to-
das as declinacoes da Iaa, cora tanto que o astro
seja extra-meridiano, ua txaetidSo a maior,
DADES
.-en
d as
9
Obispo d'Aireede Dai ero Franca, en;
bellissima circular ce vm-ou o ck-r> e
diocese r>ara nantni 1 a inaunarafan
Capella e Hospicio le miada a cu-la de
no proprio lugar em io nasrsu en 157a St Ti
de Paulo, e que deve er luga* a ti de
correnle anno.
Nessa circular sao mvidndos os laz
superior geral e as in ias de earidade, a
duas communidades f adadas por S. V
tambera todos os cari te, arcebspos e
Franga.
O Sr. hispo d'Airo seja qne a
seja com toda 1 ruagn trenria pussivsi
Esse prelado tallan. > das irmaas de rartdsa.dr
deltas : figuras de pie S. Vieran toa atorar
typonoceo. a qoem a piedade aaaaa tonaa sV
suas larcas loucas brj eas, cojos tsats de sirj- -
de i tan 1 olhares de ma sobre aaaatos luffrtat, sar
orphos e abandonado
Fis romo Deus em 'ranea per^aw as
dos, empregados pubifc.., cirro e arto de
e Gasconha, e peraotc
e padres do imperio I
do gloria S. Vicente,
zer a seus ilhos; o
immerecidas censara!
que os nao conherem
Venhain estrangeirfs. protestantes
nham eosinar-nos
provincias, ganbar
mudaremos nossas le e toca
nos melindres de nos- 1 relifio.
darmos. Mas irmas,
phios e pobres, darenf
cacao chnstaa, isso n o, nao
cardea<>, arceatofas, Itopas
inrez e da lora sai ranrir
pai do non santo, t dt pra-
umptata tom na atora av
que 00 Brasil na tasen
aira linroa.
t m dinartro;
Oh I que mal en
lidio !!!...
Has ootro o mod
calholico povo do Bra iL
tara
s
,k>
de pensar
Wf *. f. f.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EHWG2TC8Y_E0NLWH INGEST_TIME 2013-08-28T01:05:33Z PACKAGE AA00011611_10362
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES