Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10340


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AMO XL. HOMERO 84.
Per tres aiezes adiantades 5$O00
Pr tres mezes vencidos 6$00
Parte ao cerreie por tres mezes. 750
QUIMA FEIBA 13 DE ABRIL DE 1864.
Por aaao atontado.....19$00O
Porte ao correio por nn aano. 3J00O
DE PERNAMBUCO.
KNCARREGaDOS DA SUBSCRIPgO NO NORTE
Parahyha, o Sr. Antonio Alejandrino de Lima"'
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Aracaty,
Sr.A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira; Maranho, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Manoel Pinheiro & C.; A-
mazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
KNCARREGADOS DA SBSCRIPCAO NO SUL
Aiagoas, o Sr. Claudino Falco Dias; Bahia, o
Sr. Jos Marlins Alves; Rio de Janeiro, os Srs. Pe-
reira Martins \ Gasparno.
EPHEMERJDES DO MEZ DE ABItIL.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo e Escada todos os dias.
Iguarassu', Goyaona e Parahyba as segundas
sexus-feiras. 6 La nova as 11 h., 29 m. e 2 s. da m.
Santo Autao, Gravat, Bezerros, Bonito, Caruarn'J 13 Quarto cresc. as 9 h., 46 m. e 14 s. da t.
n Ala^ e 5aranhiin? nas ,ervas feiras. 21 Lna cbeia as 10 h., 59 m. e 2 s. da t.
Pao d Alho. Nazareth. Limoeiro. Breo. Pesmieira.l..___ a. ,. __
raing. as 2 h., 14 ra. e 32 s. da m.
. -, -----
Ouricury e Exu' nas quartas
Serrnhem, Rio Formoso, Tamandar, Una, Barrea-
ros, Agua Preta e Pimenteiras nas quintas eiras.
Ilha de Fernando todas as vezes que para ali sahir
navio.
Todos os estafetas partem ao y, dia.
PRBAMAR DE HOJR.
Primeira as 9 horas e 18 minutos da manhaa.
Segunda as 9 horas e 42 minutos da urde.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEMOS.
Para o shI at Alagas a 5 e 25; para o norte at
a Granja a 7 e 22 de cada mez; para Fernando nos
das li dos mezes dejan, marc., maio, jul, set. enov.
PARTIDA DOS MNIBUS.
w*?,^ = *> Apipnco, as 6il j, 7 y* 8 e
8 /i da m.* de Olinda as 8 da m. e 6 da tarde; de
Jaboatao as 6 >/, da m.; do Caxang e Vanea s 7
da m.; de Bemfica s 8 da m.
Do Recife : para o Apipucos s 3 s> 5'/j, o /, e 6 da tarde; para Olinda s 7da
manhaa e 4 Vi da tarde; para Jaboatao s 4 da Ur-
de ; para Cachang e Vanea s 4 V da tarde; para
Bemflcaasidatarde.
AUDIENCIA DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal docommercio: segundas e quintas.
Relacao: tercas e sabbados s 10 horas.
Fazenda: quintas s 10 horas.
Julio do eommercio: segundas s 11 horas.
Dito de orphos: tercas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel : tercas e sextas ao meio
dia.
Segunda vara do civel: quartas e sabbados a 1 hora
da Urde.
DAS DA SlMaNa.
11. Segunda. S. Leo Magno p. dnnt. dacgr
12. Terra. Ss. Virtur e Voaata im.
13. Qua'tta. S. Hermenegildo principe aa.
I i. Quinta. S. Domina v.; S. Tnorno m.
13. Sexta. S. Panera*'in; S. BriM*-
16. Sabliado. S. Engracia .; S.tHxJo m.
17. Domingo. Ss. Herinogenes e Fortnalo
ASS1GNA-SE
no Recife, em a livrara da praea da 1
ns. 6 e 8, dos propretarios Manoel
Faria k Filho.
PARTE QFF1CIAL.
GOVERUO DA PROVINCIA.
Expcdirnte do lia 9 dr abril de 1861.
Offlcio ao Exm. presidente da provincia do Para.
Tendo fallecido na enfermara de marinha dessa
provincia Francisco Martin Duarte, que na quali-
dade de escrevcnte servia no vapor de guerra Be-
beribe, como consta do incluso exemplar do Jornal
do Recife n. 75 de 2 do corrente, solicito de V.
Exc. a expedico das convenientes ordens no sen-
tido de ser enviado para aqui, com a possivel bre-
vidade, o espolio <|iie elle deixou, alim de ser en-
tregue a respectiva mi, Antonia Lucinda dos Pra-
zeres, que reside ne>ta capital, e assim o pede no
requerimento constante da copia inclusa.
Dito ao brigadeiro commandante das armas. -
Sirva se V. Exc. de mandar por em liberdade,
dando-lhe baixa, se ja estiver com praca, o recruU
Severino Gomes Coutinho, que provou isencao do
recrutamento.Communicou-se ao coronel recru-
tador.
Dito ao mesmo.Queira V. Exc. providenciar
-convenientemente para que se abonem em os de-
vidos tempos, os wncimentos das 16 pracas que fo-
r.nii ao termo de Serinhem escoltando presos do
justica, visto que esto ellas soccorridas de sold
smente at 10 do corrente, e tem de permanecer
all at o encerramento da sesso do jury como tu-
do declarou o chefe de polica em offlcio desta data.
Communicou-se ao Dr. chefe de polica.
Dito ao mesmo.Queira V. Exc. mandar por cm
ibordade, dando-lhe baixa se ja estiver com praca,
o recruta Augusto Ribeiro de Aquino, que provou
isencao do recrutamento. Communicou-se ao co-
ronel recruUdor.
Dito ao mesmo.Queira V. Exc. mandar inspec-
cionar e alistar como voluntario se for ronsiderado
apto para isso, o paisano Antonio Anacleto dos San-
tos Jnior, que segundo declarou-me o coronel re-
crutador em olllcie n. 79 de 8 do corrente. offere-
ceu-so para servir em o 9. batalhao de infantaria.
Communicou-se ao coronel recrutador.
Dito ao inspector da thesourana de fazenda.
Restituo V. S. os papis que vieran) annexos a
sua informarn de honlem, sob n. 184, aflm de
que, de conformidade, com ella mande pagar a An-
tonio Pereira do Lago Guimares quando este re-
yjuerer, a quantia de 650 >00 res, a quero tem di-
jvi'o, por haver feito os concertes de que neressi-
tava o forte do Buraco, segundo consta do ollirio
do director das obras militares n. 26.Communi-
cou-se ao director das obras militares.
Dito ao mesmo.Se nao houver inconveniente,
c estiver em termos a inclusa conta em dupplicata,
mande V. S. pagar a Julio de Vasconcellos, con-
forme solicitou o brigadeiro commandante das ar-
mas em ullieiij de hontem, sob n. 640. a quantia de
i75iio rata, despendida no primeiro irimeiitre des-
te anno com o expediente da secretaria do delega-
do do cirurigio mor do exercito nesta capiul.
Communicou-se ao brigadeiro commandante das
armas.
Dito ao mesmo.Respondendo ao offlcio que V.
S. me dirigi em 6 do corrente, sob n. 179, relati-
vamente ao proprio nacional em que se achava a
prensa de algodao de Manoel Antonio Ribeiro sito
no Forte do Mallo, e que foi incendiado, tenho a
dizer que opporlunamente mandarei fazer o exame
e relalorio, de que trata o citado olDcio, visto que
sendo pequeo o numero dos engenheiros de que
dispoe avrepartieao das obras publicas, acham-se
elles na maior parte empregados fon da capital, e
os que restam, aqui esto oceupados em trabalhos,
de que presenteinen e nao podein ser distraludos.
Dito ao mesmo.Transmiti por copia V. S.
para seu conhecimento o aviso expedido pela re-
particiio da guerra em 6 de fevereiro ultimo, arer-
ca do lente do 2." batalhao de infantaria Joo Pe-
dro Correa.
Dito ao cap to do portoA' V. S. serao ^pre-
sentados os recrutas d marinha J0F10 Baptista Be-
zerra e Antonio Francisco da Silva, para que Ihes
d o conveniente destino depois de inspeccionados.
Communicou-se ao Dr. chefe de polica.
Dito ao mesmo.Remedo incluso por copia o
offlcio que em 6 do corrente, me dirigi o inspec-
tor do arsenal de marinha para que V. S. tendo em
vista o que elle pondera, provideucie conveniente-
mente no sentido de se evitaren) os damnos que
catisam ao caes e rampas os donos de embarcares
pequeas que mandain piula-las a fazer-lhes obras
n'aquelles lugares.
Dito ao commandante do presidio de Fernando.
Expedindo nesta data orden para serem remet-
idos a esse presidio no vapor Mmnnnguape 26 sen-
tenciados de Justica, cujos nomes con cao e guias juntas, a que v.o annexas as de Lucia-
no Jos Martins, e Flix Jos de Aguiar, que para
ah foram enviados sem guias; assim o communico
V. S. para seu conhecimento.Fez-se o necessa-
rio expediente a esse respeito.
Dito ao commandante superior da guarda nacio-
nal do Recife.Sil va-se V S. de providenciar para
que um dos corpos da guarda nacional desta capi-
tal preste um piquete de 30 pracas commandado
por um alferes alta de assistir missa que o ba-
talhao n. 1 de infantaria sob seu commando supe-
rior tem de mandar cantar ao seu padroeiro S. Vi-
cente Ferrer no convento do Carino amanha as 9
toras do da.
Dito ao cnsul de Portugal.Remeti por copia
ao Sr. Claudino de Araujo Guimares, cnsul de
Portugal nesta provincia, para seu conhecimento as
tnforinagdes ministradas pelos inspectores da Ihe-
souraria de fazenda e da alfandega desta cidade,
acerca da representacao que o seu antecessor trou-
xe ao meu conhecimento em 12 de marco ultimo,
relativamente a multa imposta ao capto do tin-
gue portuguez Joven Amelia.
Renov ao mesmo senhor cnsul os meus protes-
tos de estima considerarn.
Dito ao director das obras militares.Mande V.
S. caiar e pintar como solicitou o brigadeiro com-
mandante das armas em offlcio de 8 do corrente,
os tres compartimentos da fortaleza de Itamarac
uue foram ltimamente concertados. Fizeram-se
as communicacoes oecessarias.
Dito ao superintendente da estrada de ferro.
Nao tendo o Sr. superintendente interino da ostra-
da de ferro satisfeito ale esta daU as inorinacoes
pedidas em meu offlcio de 7 de marco ultimo, faz-
se necessario que m'as envi com a brevldade que
Jhe for possivel, aflm de satisfazer a requisic^o que
novamente acaba de fazer a assembla legislativa
-provincial a semelhante respeilo. -Igual pedido se
.fez ao engenheiro liscal da mesma estrada.
Dito ao ronselho de compras navaes.Approvo
-os ajuste que fez oconselho de compras navaes com
diversas pessoas para fornecercm ao almoxarifado
do arsenal de marinha os ohjertos mencionados no
oficio que me dirigi cora data de 8 do corrente. -
Communicou-se ao inspector da thesouraria de fa-
zenda.
Dito ao mesmo.Ficam approvados os contratos
que para fornecimento do artigos de fardamento
us guarniedes dos navios da armada e companhias
de aprendizes do arsenal de marinha, bem como de
rwapas dos africanos livres, celebro o canselho de
icompras navaes, coro as pessoas indicadas no ter-
mo datado de 22 de -. orco ultimo, de que me re-
mellen copia com offlcio de 7 do corn-nle.Com-
municou-se ao inspector da thesouraria de fazenda.
Dita ao consclh administrativo. -Recommendo
ao eonselho administrativo que compre para forne-
cimento do almoxarifado do arsenal de guerra, os
objacios mencionados no cluso pedido.Fizeram-
se ai commuDiea?Q>s necessaria.

Dito cmara municipal de Goianna.Para sa- j
tisfazer a deliberacao da assembla legislativa pro- j
vincial, informe a cmara municipal de Goianna
acerca do que pede Domingos olasco do Espirito.
Sanio, no incluso requerimento, que apresentou
mesma assembla.
Dito ao juiz de paz presidente da junta de quali-
firacao da freguezia do Exti.Evidenciando se de
doi-unicnlos que me foram apresentados pelos elei-
tures e supplentes Alexandre Magno Peixoto de ,
Alencar, Jos da Costa Agr, Manoel Florencio de
Alencar e Joo Lopes Caminha, que na qualificagao
a que se procedeu nessa freguezia em Janeiro deste
anno. se deram irregularidades que alTectam a sua
validade, como losse enlre mitras, a de ter a res-'
pectiva junta funccionado era casa particular, e
6 leguas de distancia da matriz, sem motivo plausi-;
vel que Justifique essa infraccao do artigo 4. da
lei de 19 de agosto de 1846, resolv annullar os j
trabalhos da mesma junta, e determino que se pro-.
ceda a nova qualilcaco guardadas as formalda-
dea legaes; advirtind-o de que nao licito s jun-
tas de qualiflcago, e mesas parochiaes recusaren)-
se a mandar inserir nas respectivas actas os pro-
testos d'aquelles a quem a lei tem dado esse direi-
lo para esclarecimento da autoridade competente,
como preccituam o aviso de 25 de fevereiro de
1847 $ .1 e artigo 9 do decreto 2621 de 2:1 de agos-
to de 1860.Commuoicou-se a respectiva cma-
ra municipal.
Portaria. O vire-presidente da provincia atten-
dendo ao que Ihe requeren o tenente da seccao ur-
bana Thomaz Rodrigues Pereira, resol ve conceder-
Ihe oito dias de licenca com vencimentos para ir
villa da Escada.
Eipcdirate do secretaria da goveraa.
N. 96 Offlcio ao Dr. Manoel Buarque de Mace-
do, primeiro secretario da assembla legislativa pro-
vincial.Em solucaoaoofllro de V. S. de 28 de
marco,sob n. 49, maula o Exm. Sr. vce presiden-
te da provincia remetler por copia V. S. para ser
presente assembla legislativa provincial o offlcio
que dirigi o director das obras publicas acerca da
copia da planta da estrada de Goianna Pedras de
Fugo, solicit.ida por essa assembla a quem foi re-
medida em offlcio de 27 de abril do anno passado,
sob n. 83.
N. 97.Dito ao mesmo.Transmuto V. S. de
ordem de S. Exc. o Sr. vice-presidente da provin-
cia para ^er presente assembla legislativa pro-1
vincial aflm de que se digno de resolver como en-
tender o incluso requerimento acompanbado de in-
fonnar.i 1 da thesouraria provincial em que Fran-
cisco Antonio da Silva Cavalcanti, portero do con-
sulado provincial representa acerca da injuslca
que tero soffrido quanto a percepgo de seus ven-
cimentos.
N. 98.Dito ao mesmo.Remello V. S. de or-
dem de S. Exc. o Sr. vice-presidente da provincia
para serem presentes assembla legislativa pro-
vincial as infrmacoes exigidas nos tres quisto
mencionados no seu offlcio de 31 de marco ultimo,
sobn. 61
Despachos do dia 9 de abril de IS5-I.
Requerimentos.
Antonio Jos de Santa Anua.Informe o Sr. Dr.
chefe de polica.
Alexandre Maria Barboza da Silva.Informe o
Sr. inspector da thesouraria de fazenda.
Bacharel Francisco Brando Cavalcanti de Al-
meida.Passe portara prorogaudo o prazo por
tres mezes.
Florencia Anna de Amor Divino.Informe o Sr.
director do arsenal de guerra.
Jos Moreira da Silva.Satisfaga a exigencia da
contadoria de fazenda.
Joaquim Francisco de Mello Santos.-Informe, o
Sr. Dr. juiz de direito da segunda vara.
Jos Marcelino da Cosa.Passe portara conce-
dendo a licenca pedida.
Manoel Martins de Macedo.Remedido ao Sr.
Dr. juiz de direito da comarca de Palmares para
tomar conhecimento dos factos, e proceder como
for de direito.
Tenente Thomaz Rodrigues Pereira.Passe por-
tara rom-edn Jo a licenca pedida.
que a guarda a vaneada tomn posigao ero Horsens. seu palacio Miramare perto de Trieste c al I i rece-
m avango mais adante teria fcilmente enllocado ber no domingo da paschoa nma deutago me-
o exercito austraco no perigo de ver cortada a sua xicana, e das mos da mesma a sua eleicao para
communicago com os Prussianos perto de Friede- imperador do Mxico. Poucos dias depois elle
ricia, por meio do desembarque de um corpo dina-
marquez em qualqer parte das costas, era quanto
que a conreiiirar.o perto de Vele garanta essa
communicago, debaixo de todas as circums-
tancias.
Entretanto reina a maior actividade perto e den-
tro das fonilieaeoi's de Duppel. de um lado para
conejuir as obras de cerco, a construccao e a ar-
mago das bateras para o ataque, do outro para
reforgar as fortiflcagcWs por todos os meios de refl-
oamento.
Os trabalhos prussianos foram muito erobaraca-
dos pelo desfavor do tempo. Ao principio nao foi
tenciona embarcar-se para o Mxico bordo da
fragata austraca Novara.
A nsurrecao poloneza, apezar do estado de cer-
co decretado pela Austria sobre a Galicia, nao
abandonou a continuago do combate, e est se
preparando para urna nova campanha na prxima
primavera.
ltimamente alguns bandos obtiveram pequeas
victorias sobre os Russos, porm sem consequencia
alguma.
P. S. em 21 de marro.
No dia 17 de margo teve lugar no mar bltico,
perto da ilha de Rugen, um corobat
u.ne naval de al-
po sivel a edificacao das bateras por causa do galo guias horas, entre as corvetas vapor prussianas
que impeda todp o irabalho na trra ; o gelo foi Arcana e Nymuhe, assim como o vapor de aviso
seguido por um tempo de chava e nev, que trans- Loreley e algumas canhoneiras, e sete navios de
formou toda a posigao em frente de Duppel ero uro guerra dinamarquez, dos quaes 1 nao, 2 fragatas,
so grande pantano, no qual o transporte da amiba- 2 corvetas, e 1 navio rouragado. A flolilba prus-
na grossa para s bateras tinha de lutar com as siana foi naturalmente obrigada a ceder supe-
maiores difflculdades Assim para arrasUr uroa rioridade do inimigo, e ret.rou-se finalmente, em
pega de artilhana de 24, foram requeridos as es- parte sobre as costas de Rugen, e em parte para
forgos reunidos de nao menos de 12 cavallos e 100 0 porto de Sevinemunde. Mas com razo se louva
horoens, e gastaram-se horas, para levar um desses a coragem com que ella attacou o inimigo to
canhoes so 100 passos para diante. forte.
No dia 13, Analmente as quatro primeiras bate- Ella nao perdeu nenhum dos seus navios, e res-
nas prussianas ero frente da parte meridional das pondeu vigorosamente o fogo dos Dinamarquezes.
oriiflcagoes de Duppel achavam-se promplas e ar- Os Prussianos perdern) 5 morios e 9 fendos, os
madas, e na noite do mesmo da 13 foram dados os Dinamarquezes maior numero de morios e 10 fo-
primeiros tiros contra as obras do inimigo. Come- ridos. Na manhaa do dia 18 toda a esquadra dina-
gou, pois, o boinbardearaento, bem que longe de marqueza deixou as aguas prusiana*. O comba-
ser na extensao devida te do dia 17 o primeiro da joven marinha prus-
Mas ja de novo se achava em andamento urna siana
outra proposta de congresso. E' verdade que a
Dinamarca no dia 11 de margo finalmente rejeitra
definitivamente a proposU ingleza ; mas singular-
mente antes de ter havido lugar essa recusa, as
duas grandes potencias allemas do seu lado lem-
bravaui de nov a idea de conferencias. Decidin-
represaatante de sua magestade prussiana nesu
corte, assistia a essa solemnidade pela rircumslan-
cia de ser esta corte prente com a de Berln, mo-
tivo anlogo ao que determinou o convite dos ou-
tros ministros que deixei mencionados ; e havendo
tornado parle no banquete que era presidido pelo
priaeipe de Galles, cumpria-lhe observar toda a
etiqueta observada em Ues occa*ies. Levado, |>o-
rom, por um espirito mal entendido de um patrio-
tismo exaltado, o embaixador da Prussia faltou.ero
: presenga do berdeiro presumpuvo da corda ingle-
aa, a civilidade que Ihe devja, deixando de acom-
panhar sua alteza real no brinde que este augusto
personagera propozera a seu real sogro, el-rei da
Dinamarca I
A circurostancia das hostilidades em que se acha
a Prussia contra a Dinamarca nao poda justificar
realisada se a Inglaterra e a Franca s* nvraaaaa
decidido a susleMar pelas arnui otftibd t Lna-
dres de 1852, actualmente infringido peto AnMria
e Prussia desde a ocrupagu d Juiland.
Quando n)esnio, porm, o gabiele Mnarad vks-
se a conseguir este rrsulu.lo, to me parrre qm
o conflicto danino-alleino tendera a >miplilirar
se, porque essa quoio sendo: boje roiavlna tm
ralle das circumstaneias poliajras da Zmnfm m-
teira, havia de provavelmenie dtierminar ataa al
lianca da Austria e Prussia rom. a Ru>ia, iMimiii
de que alias j se falla mullo njufunne Buliriei na
minha ultima carta.
A questo des ducados Iraz actualmente rom.H;o
a Mil 1 ign das quesloes pulaca, huntrara e ibltan :
na deciso destas sao parles iniere>sa duas grandes |iotenrias allemrs e a Iu->i.i. *
essa excentricidade, porque nao se trauva de urna ,,uc tem e|(as imer^ssc ^n suppianiar o e>piru.. >to
dentonstraco |wlitiea, mas sim de um mero cutn- independencia mamfesUdo ness* suas ropernv...
primenlo do estylo que nao iroporlava compromis- possessoes.
so alguro para aijuelles que bouvessem de tomar Ora em laes circumstaneias, a frise actual fmn
parte nesse acta se acha a paz da Euroja nao mostia signacs t me-
->estas circumstaneias o expediente adoptado Ihoras; e das difficuldades meari.ma.tos pnert
pelo conde de Bernstorlf, foi para logo muito mal 0 recelo de que a diplomacia venha a ser iraantela
recebido, causando grave desgosto ao principe de nos esforcos que anda faz nara resolver a4o
Galles, que por esse modo teve de ver seu Ilustre favoravel a paz geral da Europa a que>iao dos du
sogro insultado em sua real presenga. Tao agas- Cados, que hoje est servindo de pretexto para p>
tado IIcou o principe real com esle triste incidente ,., ebulligo inuilas causas potincas
que se atflrma haver sua alteza significado j o de- UM1;i soluco 1
ver retirado desta corte aquelle erobai-
No se sabe anda se houve a resposta offlcial da
Dinamarca proposta d'armisticio das duas gran-
des potencias. Porm passa por certo desde hon-
lem, que a Dinamarca recusa, c por contra se de-
clara prompta de aceitar urna conferencia sem ar-
misticio, como a Inglaterra tinha proposto ao
do o progresso na Jutlandia, acharam por bem en- principio, mas nao outramente do que sob base
tretanto de dar disso conhecimento aos assignantes Jas convengges de 1831 e j^j Natuialmente
do tratado de Londres de 8 de maio de 18o2, por nao de pensar, que d'essa njaneira a conferencia
meio de urna notifleacao idntica, testemunhando a se realisar.
continuago dos seus sentimentos de conciliaco e
de paz, com a declaragao de se acharen) promplas ------
para concluir um armisticio para o fim de urna lMdrM B de mm > IRfil
conferencia, seja sob base do uti possMetis mililar, Londres, -d de marra de 1800.
no momento da realisagao, seja sob a condigo da A mala do Brasil, vinda pido paquete de Brdeos
evacuago de Duppel-Alsen pelos Dinamarquezes e f a'|ui distribuida s esla manhaa havendo o pa-
da evacuago da Jutlandia de seu lado, supposto quete Bearh chegado desta vez muito tarde no porto
que cessassem simultneamente as operagoes por de seu destino.
mar e que a Dinamarca entregasse os navios de As noticias commerciaes trazidas do imperio cau-
conmercio allemes al agora capturados ou em- saram nesta praga favoravel impresso, e o cambio
barga dos.
A respectiva
Vienna no dia
10, provavelmtj
immediatamen
de Prrnamliiir.o "sobre Londres foi aqui annuncia-
nolificagao foi expedida de Berlin e do a 27 d. 3|4 7|8
r, o lera chegado em Londres no dia As noticias polticas foram sem importancia para
nte O conde Russell emprehendeu esl" Piz. e por isso os jornaes nenhum commenu-
e de formular dessa declaragao das rio lizeram a semelhante respeito : correu entre-
EXTERIOR.
rOKHKNIMI.VOK.VCIAS O DIA
KIO lK PKHWnilUO.
11IHIIIIU.0.
29 de marga de 61.
Quando escreyemos a nossa ultima em principios
do mez, ainda nao se achava nada decidido acerca
da propoMa de urna conferencia para a pacifica ac-
commodago da questo allema-dinamarqueza,
fela pela Inglaterra. As duas grandes potencias
tinham aceitado a proposta, mas a Dinamarca pe-
dir tempo para se determinar. Nao havia duvida
que essa dilago da resolugo s era urna forma
oceultante para urna recusa, e por essa razao a
Austria e a Prussia resolvern) de dar urna maior
extensao s suas operagoes sobre a pennsula cm-
brica, e a emprehender de novo a marcha avanga-
da na Inslandia, suspendida ao principio. Isso foi
principalmente o resultado das negociagaes havidas
em Vienna entre o general prussiano de Manteutlel
e o gabinete austraco.
A Austria abri mo da sua resistencia contra as
operaroes na Jutlandia, e iu dia 8 de margo, o exer-
cito austro-prussiano, concentrado perto de Kol-
diiig, |zse em movimento; a divisad da guarda
prussiana, debaixo do commando inmediato do
commandante em chefe, o marechal de Wrangel,
do lado deste sobre Friedericia, o corpo austraco
sob o general de Gablentz pelo lado do norte sobre
Vede.
Os Prussianos no seu avanco s encontraran) urna
iraca resistencia, que rpidamente venceram, apri-
sionando 180 Dinamarquezes, de maneira que ain-
da no mesmo dia chegaram al s obras avangadas
de Friedericia e all entrara) em bivac. Mais
forte foi a resistencia que o corpo austraco en-
conlrou.
A' legua e meia ao snl de Veile apparcceu ca-
vallaria inimiga e repellio a testa da guarda avan-
rada austraca, retirando-se sobre Veile, quando
se aproximara o grosso do corpo dos Austracos.
lininediaUmenie ao norte da dita cidade ha urna
posigo elevada, forte, e ao mesmo tempo que as
comiuuiiicagoes enlre esta c a cidade tinham sido
enirincbeiradas, achava-$e ella oceupada por tres
regimentos de infantaria dinamarquezes com tres
bateras de artilharia e dous regimentos de cavalla-
ria. Os Austracos foram logo ao ataque, e depois
de um curto combate asaz sanguinolento, princi-
palmente com a bayoneU, os Dinamarquezes,
achando-se em perigo de ftearem torneados, relira-
ram-se era boa ordem.
A perda dos Austracos nesse encontr foi de
eerra 120 morios e ferdos, a dos Dinamarquezes
de 80 ; mas elles perdern) mais de 100 homens
prisioneros. Os Aulriacos tomaram o seu quar-
tel geral para a noile, em Veile, ao mesmo tempo
que a sua guarda avangada perseguio os Dinamar-
quezes na sua retirada para o norte. No dia se-
guiule avangarara al Horsens, e no subsequente
at Aarhuiis. Nao se mostrou mais o inimigo, e
s de longe appareeeram de vez em quando alguns
piquetes de cavaltaria, que logo se retiraran), e
quando os Austracos entraram em Aarhuus, sou-
berara que a infantaria e artilharia diuaroarqueza
all se liona embarcado para Friedericia e Alsea,
em qitautoqae a cavallaria seguir para o norte.
Em consequencia disso ceesou o avanco, e o quac-
teljeral ausirtaco voHou, para Veile, etaquaoto
duas grandes | otencias allemas urna nova propos- Iranio nesta capiul a noticia do fallecimento no
ta Oiuamarc, e de por em movimento toda a Rio de Janeiro de Mr. Westwood, cnsul britanni-
pressao da miiuencia mgieza era copennagoe pea ( ucccro tco p*r o paMico n epiiaii.
aeeitago da mesma. Ainda nao se pode prever o, va acerca de urna nova noraeag3o para aquelle
resultado final; at agora o que parece, que a ; posto.
Dinamarca tomn em considerago a mesma pro-1 Nao que se trate de um cargo de diplomacia,
posta, e as ultimas noticias deixam esperar, que se Para o qual se requeroria a maior cautella em to-
por considerago para coro a Inglaterra, ella nao dos os tempos; roas as circumstaneias excepcio-
ousa rejeita-lo pur, entretanto nao aceitar seno naes ero que seacham as relages polticas entre o
debaixo da condigo de modillcagoes positivas. Urna j Brasil e a Gra-Bretanha, requeren) que o governo
semelhante aeeitago condicional, porm, sera iden-.,da rainha cscolha mesmo para aquelle cargo urna
tica com uroa rejeigo, porque a Prussia, que s j pessoa que comprehendendo a posigo respectiva
coro repugnancia consentir na declaragao de 7 de dos dous governos, mantenha com sabedora as nni-
marco, e a isso s se resolver para assim comprar eas relages possiveis ora existentes entre essas duas
a approvago, alias recusada, da Austria para o "Cites.
progresso na Jutlandia, aproveitarse-ha # toda a oc- ] E possivel que lord Russell venha a nomear para
casio para livrar-se da onerosa obriggo dessa ess lugar uro dos cnsules inglezes acreditados
declaragao, e j agora os seus orgos oflkiosos fa- j* no Brasil, visto como a circurostancia provavel
zem lembrar, que ella insslir na aeeitago, sem de terem adquirido um conhecimento pratico das
reserva, da proposta do armisticio feita, e que a re-, pessoas c cousas no Brasil pode contribuir para o
jeigo de urna unir condigo ser considerada; roelhor des'empenho dos melindrosos deveres que
como a rejeigo do total. j noJe. incumben) ao cnsul geral da Gra-Bretanha
Mas, mesmo dado o caso que o armisticio se no imperio,
realisasse pela adhesao pura da Dinamarca, ainda Nao sera todava Mr. Vereker o indigitado, por
nao se ganbaria nada para a conferencia, em quan- 1ue. conde Russell nao ignora que o governo ro-
to nao Ihe for asscgtirada a partid pago da dieta pcrial jamis Ihe concedera o exequtur.
allema, na qual a Franga nsisle debaixo de todas! Mr- Hunt, residente em Pernambuco, passa aqu
as circumstaneias, e to pouco a reunio da con- por empregado hbil c prudente; e poderia ser
ferencia garantira desde j um resultado. portanto o escollado para succeder o fallecido Mr.
Os interesses sao ainda to divergentes, e ero Westwood no cargo que oceupava.
quanto nao forero dados golpes mais fortes ao exer- tt Praga os consolidados nglezes 3 % acham-
cito dinamarquez, do que al agora, falta todo o
constrangimeuto resultante da situago militar,
que podesse domar os contrastes.
Na dieta, a situago nao leve ainda mudanca.
A proposta austro-prussiana de subordinar as tro-
pas de oceupaco, que se acham no Holstein, de-
[leja de
xador.
Nos circuios diplomticos a conduela do conde
1 de Berustorff tero sido geralmenle censurada, por
i que se entende que nao era o palacio da rainha o
I lugar proprio onde aquelle diplmala devesse
j fazer urna scena daquella especie.
Na noile do dia 10 do corrente, em que teve lu-
| gar o baptismo do duque de Cornwall, houve jan-
lar e recepgo no palacio de suas altezas o princi-
pe e a princeza de Galles ; mas o embaixador da
Prussia nao eompareceu all, talvez em virlude do
procedimenio escandaloso que se Ihe attrbue e que
tanto offendera quelles principes.
Nesu ultima qnizena occorreu neste reino urna
calamidade publica, que importo a perda de mu-
tas vidas e de minia propriedade. No dia 12 do
correle o telegrapho de Stiellield annunciava para
aqui que o iinmenso reservalorio de Bradffleld que-
brara suas fortes paredes, arrojando suas immen-
sas aguas no valle de Sheffleld e produzudo urna
roedonha ronundago, que destruio mais de trezen-
tas vidas epara cima de meio milho eslerlino de
propriedade I
Na sua furiosa torrente, aquellas aguas, assim o processo nsUurado em Paria c-artra
despejadas por um estreito valle, foram levando que recnteme me leniaram assasatoar o imintw
diante de si edificios, e cora estes as pessoas e os Mapole-i, dera lugar aquella disdusao, vis* eaaw
gados que nelles residam; e foi lo prompto o 0 procurador imperial francez descubrir ^ae w
desastre que succedeu na noite daquelle da, que autores daquelle atienlado se corresponda chb
esses infelizes cahiraro victmia>. -em haverem telo famoso M.izzmi, enviando suas carus a esto mO o
tempo de evitarero to horrivel desastre til : nome de Mr. Flower e com a morada
A noticia de tamanha calamidade causou aqui a membro do governo brlannco.
O gabinete de Londres protesto sempre pato 1
nutengo da integridade da monarctiu
queza ; mas nada faz para impedir a viotoeao de*-
se principio pela Austria e Prussia, quiadi rerto
que se em fevereiro houvesse Coorertado rwa a
Suecia a sua poltica aquelle respeito lera mrif
a indeeiso em que neles de Vienna e Berlin, a nao se aveaaaraMi
at s portas de Fredcncu, onde lea arlaton al
as suas tropas !
E' esta perplexidade que ronstue o grande ar-
tigo de aecusaco da opposico aqu roMra mt-
nislerio, que se nao mudar de poltica a e*M res-
peito acabar de revoltar ainda mais eoatra m
paiz e a representacao nacional I
Varios incidentes piovaran j a (rata
que o gabinete tem na cmara eVie 1
anda recentemente por occasiao
soffreu um membro desu ada
Slansfeld, acerca de suas ligacoes reas Mauiai.
governo havendo passado por nma otaca*. *
te a mostrar o desgosto rom que a cmara ejra
as declaragoes fetas por Mr. SunsfeM acarea Oaa-
se 1 nenien te. apenas venceu-a por dez votos I
maior consternago, e j se acha aberu nesu ca-
pital, bem como no lugar da caUslrophe, uroa
suoscripgao publica para minorar a son dqul-
les que havendose salvo se acharo todava arrui-
nados.
0 governo expedio logo para aquelle districto
muilos soccorros, bem como ordonou aos seus mais
habis engentamos que fossem estudar a causa
daquelle sinistro. Suppoc-sc geralmenle que foi
elle devido s cheias que tem havido nos ros tri-
butarios daquelle grande reservalorio, que por
esse modo achouse repentinamente com maior vo- abafar a mpopularidadeTmetem 'acarreado m
O desar que d'ahi resultar para o aoaae tafVz.
foi patenteado pela oppo-icao oerante parta auto 1
e apezar das expllcagOes do accosad* *m *>4
Palmer-ion que lomuu a de Ira do eu coMega, a
cmara dos communs pode reunir um importa**:
numero de votos para censurar a<|uelks trale mci-
dente.
O gabinete, porm, proclama a maioria ose leve
se bem que diminua, mas ha quem diga one tord
Palmerslon vira a desfazer-se de Mr. Sian-frtd. e
com este expediente poder o primeiro ministra
in-
vern este triste inciuenle.
O archiduque Maximiliano aqui esleve tres dto,
leudo vindo para despedirse de Sua MaertaS1 a
rainha antes de sua anida para o Mxico.
A archiduqueza acompanliou Sua Alteza iaaae-
rial, e ambos lizeram aqu seus adeuse* a 1-rei
Leopoldo, que ainda permanece nesla capital, 1
lume d'agua do que comportava a sua solidez.
A opinio publica aqu tem lamentado este des-
granado soccesso; mas nao impula a pessoa alguma
a sua causa ; entreunto annuociam de Sheffleld que
varias firmas daquella cidade iam intentar aeges
pelos prejuizos solTridos contra a coinpanhia geral
das aguas.
As sommas j assignadas en) favor dos infelizes reside no palacio de iu.-kingham.
de Sheffleld sobem j a vinte mil libras, havendo 1 De Londres seguiram Suas Altezas imperiae*
apenas urna semana que a subscripgo foi aberta.' para Bruxellas, e logo depxns para Miranor, oaxa>
Na deslruco alludlda acharase comprehendidas receberam no di 27 do corrente a depuuco mr-
varas manufacturas importantes do districto, m- xicana enearregada de Ihes apremiar a mrwiia
portando a ruina de firmas alias muito acredi- do vol nacional, pelo qual aquelle principe r ro-
tadas I ; llenado imperador do Mxico.
No dia 18 do correle o parlamento briunnico Posteronnenle Suas Magestaiks imperiae h
encerr suas sessoes at 5 de abril prximo. Es- embarcaram em Trieste bordo da fragata aas-
tas sao as chamadas ferias de paschoa, (pie tem iriaca Elisabeth, seguindo viagem para Vera-Crea
se a 91 7/8, mantendo-se nesse prego com firmeza
pela esperanga de que o governo brtanuico venha
a impedir urna guerra europea.
! Os fundos brasileros de 5 OpO eslo a 99 1|2 ; e
os de 4 l|2 0|Oa87 1|2.
Portuguezes 3 OO 48 1|2.
Gregos5 0|0 221|2.
Turcos consolidados 54 I[2.
Mexicanos 3 0|0 43 1(4.
Italianos 5 0|0 67 3|8.
Hespanhes passivos 35 3|4, 36.
0 algodao de Pernambuco lica coUdo a 26 d. 3[4
por libra ; o do Maranho a 27 d.'. e o da Bahia a
nesta ultima semana,
bailo das ordens das duas grandes [totencias al-
lemas est dormindo nas commissoes, a que foi
entregue.
O parecer da commisso acerca da parte posi-
tiva da quesio da successo no Schleswig Hols-
lein fica sempre ainda adiado pelos esforgos da i
Austria e da Prussia, e urna proposta independen-
te apresentada pela Baviera na sesso da dieta do 2o d. e 25 d. 1|2 por libra :
dia 12 de reconhecer o duque Frederico VIH nao venda do nosso algodao em Liverpool subi a
entrar to breve era vofago. Tambem a pro- i.880 saccas, e o prego deste genero tera-sc conser-
posta hannoveriana e a de HesseDarmstadt. que vado firme, sendo bom o pedido,
tencionam a particpago da dieta na guerra das 1 0 cacao do Brasil tero regulado de 41 s. 59 s.
grandes potencias, posara de repouso nas com- per cwl
misses. Caf de qualidade 73 s. 82 s. per cwt; 2* dita
Muito fallada urna viagem que o duque de 70 s. 74 s.; e ordinario de 60 s. 69 s. per cwt.
Coburgo fez no dia 12 para Pars. l!n,a carregago desta ultima especie foi vendida
O flm da mesma provavelmente nao outro do com destino ao Mediterrneo a 66 s. 6 d. per cwt;
sempre lugar por occasiao desta solemnidade an-
nual; sera fallar aos estylos se o parlamento nao
inlerrompesse agora os seus trabalhos, e foi lord
Palmerslon quem propoz na cmara dos communs
esse encerramento.
Na sesso de 18 deveria ter sido discutida a in-
coan escala por Civiu-Vecchia e varios partea t
liespanha.
O novo imperador do Mxico deseja ir a Rama
para pedir em pessoa a bengo papal em favor ee
esudos que Sua Magestade vai agora governar ; a
ao mesmo tempo avj>lar-se com a rainha d.- II
que sondar o imperador Napoleo acerca das suas
verdadeiras intenges na questao do Schlesvig-
Holstein. Al agora a Franga n'essa questo to-
mou urna posigo, que sobremodo satisfaz os dese-
jos nacionacs da Allemanha.
O duque de Coburgo provavelmente ter de in-
dagar at que ponto a Allemanha em caso dado
poder conUr com essa attitude.
A Allemanha soffreu urna grave perda pela roor-
te repentina do rei da Baviera que teve lugar no
dia 10; s i 1 1/2 horas da manhaa. Um pequeo
tumor no peito esquerdo, que ao principio nao
mereceu altengao, desenvelveu-se no dia 9 em
urna erysipela, a qual com a mais extraordinaria
rapidez e a despeito de todas as medidas tomadas,
se estendeu de maneira, que os mdicos durante
a noite perdern) toda a esperanga de poder salvar
a vida do rei. No dia 10, s 4 horas da manhaa
elle receben a extrema unco.
O rei conservou o goso de todos os seus sentidos
at o momento da morte, e morreu nos bragos da
rainha, depois de ter havido urna conversa de hora
e meia com o principe real.
O rei Maximiliano gosava na Baviera d'uma
immensa poputaridade, e era tambem um dos sobe-
ranos os mais populares da Allemanha. Nascido
era 1811, elle reinava desde 1848, quando subir
ao throno, em consequencia da abdicago de seu
pai el-rei Luiz, que sobrevive a elle, e assim ape-
nas chegou idade de 53 annos.
Elle era casado desde 1842 com a princeza Ma-
ra, filha do fallecido principe Guilherme da Prus-
sia. 0 seu filho mais velho, o actual rei Luiz II
nao tem mais de 18 annos de idade.
Tambem um outro throno alternan, e de Wur-
temberg acha-se ameagado de urna mudanga.
Desde 10 dias o rei, na )dade de 82 annos, est
soffrendo debaixo d'um grave ataque d'asthroa,
e so os beletros dos mdicos fallam ltimamente
de allivio, fazem constar ao mesmo tempo a con-
tinuada diminuigo das forras.
A aceitarn do throno imperial do Mxico peto
archiduque Fernando Maximiliano d*Ausrria
agora definitivamente positiva. Durante a estada
do prncipe em Pars foram por elle tomadp6 os
ltimos convenios com o imperador Napoleo, e
ffcjt elle seguio para Londres. Ir depots. nara o
e outra destinada do Bltico a 70 s. per cwt.
Pao Brasil 70 s. a 75 s. por tonelada.
Assucar branco de Pernambuco e da Parahyba
29 s. 6 d. a 33 s. per cwt; mascavado 23 s. 6 d.
29 s. Dito branco da Bahia 29 s. 32 s. 6 d. per
cwt; e mascavado 24 s. 28 s. 6 d. per cwt.
Couros seceos do Rio 7 d. a 9 d. 1|2 por libra.
Ditos salgados do Ro Grande 4 d. 1|2 a 6 d.; sec-
eos 6 a 7 d. e seceos saleados 4 d. 1|2 a 6 d. por
libra.
Chegaram na ultima quinzena de diversos portes
do norte do Brasil a Inglaterra os seguinles navios:
da Bahia Morning Star (8) a Grewesend; de Per-
nambuco Sarawak la Mu (il)aDcal;de Per-
nambuco Mctcur (li) a Queenstown; do Para Tif
bit (12) a Liverpool; da Baha Compagnie (lija
Clyde; de Pernambuco /Eohts (11) a Krogsroad;
de Pernambuco Sarah e Granito (17) a Queens-
town ; e da Bahia Elisabeth (18) a Falmeuth.
De Inglaterra seguiram na ult'in* quinzena para
alguns dos portes do norte do imperio os se-
guimos :
De Liverpool Belm (10) para o Para; de Lon-
dres Boadicea (10) para Pernambuco ; e de Fal-
mouth Duke of Cornwall (18) para a Baha. OBoa-
dicea arribara entretanto a Comes, havendo perdi-
do o gurups.
No dia 10 do corrente teve lugar no palacio de
Buckiugham a solemnidade do baptismo de sua
alteza real o duque de Cornwall, til to do principe
e da princeza de Galles.
Assstio a essa ceremonia sua magestade a rai-
nha, el-rei dos Belgas, o prncipe de Glucksburg,
alm do principe e da princeza de Galles, outros
principes da familia real.
O arcebispo de Canruaria foi o ministrante, bap-
tisando sua alteza com os nomes de Alberto Victor
Christiano Eduardo: foram padrinhos nesse acto
suas magestades a rainha da Graa-Bretanha eo re
Christiano da Diaamarca, aros do recem-nascido.
Depois da Testo religiosa houve um explendido
banquete offenecido aos prncipes asstenles, e ao.
embaixadoc dn Prussia e ministros da Blgica, de
Saxe, de Portugal e da Dinamarca.
Nesta ultima parte daquelta fesU asseveta-se
3ne correr* um desagradavel incidente por parte
o sfflbaixiidor da Prussia. O conde de Bewyorff.
terpellago de lord Ellenborough acerca do estado panha, visto como essa soberana preside aos mo-
das negociagoes entre este gabinete e os bellige- tinos de urna nago que tem tanto relages putni-
rantes no norte da Europa ; mas prevalecendo-se cas e comuirn iaes com o Mxico,
da nopportuuidade da occasiao, o conde Russell 1 > imperador e a imperalriz da Austria aceaapm-
conseguio do interpellante o adiamento dessa roo- nhararo seus augustos prenles al Trieste, per*.
gao, salvando assim urna nova crse para o minis- em que como j disse Suas Magestades iaexeaaas
te no. se embarcaram para seu novo destino.
Desse mesmo expediente se tem servido o viscon- j As noticias dos atodoa-Uaaiaa chegam at 12 do
de Palmerslon na cmara electiva, de modo que lia corrente por via de Nova-York.
quasl dous mezes que o parlamento se acha reuni- As armas ronfederaes haviain atrancado gor-
do sera que o haja dado explicagoes sati-faclorias tantos vanUgcns sobre o inimigo, havendo o lo-(-
da sua poltica relativa a esse conflicto, em que a pik, general confederado, balido Sftrraaaa aja
Gra-Bretanha lera figurado diplomticamente. O fura obngado a retirar se sobre Vuksburgo rom
governo inglez tero titubeado constantemente nesU grande perda.
emergencia, e d'ahi a sua neuhuma influencia coro Alguns boatos elevam a vinie mil heenoa e
qualqer das parles que entraram nessa desgraga- morios e feridos, que o exercito federal ggfltol
da luta; e nessas circumstaneias lord Palmerston nesse encontr ; isio parece ser exagerado, sendo
recra ver discutida limpiamente no parlamento a certo todava que Sherman perdeu a baulha a ajne
actual poltica desta administrago ero relacao a se cha de volta V.cksburgo.
quesio dos ducados. O almirante Farragut se achava coca a es A ultima pitase desta iroportanU questo, por federal perlo de Mobile, tencionando atacar aaao
parte da Inglaterra, consiste na proposU de urna imprtame ponto,
conferencia para regular esse litigio, tendo por ; o general Grant reuna numerosa*, fon
base a continuago das hostilidades e as negocia- 0 oiuto, segundo se acredita va de lomar
goes que em I80I precederam o tratado que no se- por assalto.
guinte anno fui aqui assignado com o lim de man-1 Meade continuava no commando do exercito do
ter a integridade da Dinamarca. Potomac, se bem que existisse contra eMe ana gra-
A Austria e a Prussia aceitaran essa proposta 1 ve descontentamente por se Ihe a intuir a
desanimo.
Dizia-se em Washington que o
coln o reprehender por haver esse
mido a sua convircao de que o sul
mais ser subjugado.
O premio do ouro fica va a 62 y{.
Ufr
ragri-
ao podera ja-
da Inglaterra; roas nada por emquanto sabido of
flcialinente a esse respeito por parte da Dinamarca,
se bem que posteriormente ao encerramento das
cmaras algumas folhas hajaro annunciado que o
gabinete de Copenhague aceitou tambem aquella
proposta de conferencia e que o litera com as con-
dires ciUdas.
Logo que o parlamento houver entrado nova-
mente em exercicio, os ministros serio sem duvida
obrigados a dar explicagoes categricas sobre este
ponto, porquanto o paiz exige que o actual gabine-
te declare quaes sao os pssos empregados por esU I Temos visU cartas e jornaes da Eorof, _**
administrago para reviodcar o prestigio da In- q0MS foi porudor o vapor fraocez Esirtmm&rr.
glaterra, Uo rebanado presentemente por motivo j cmn A^ : de Hainburgo 20, de Londres e fans
desta questao. i 23 e de Lisboa 24 do passado.
Mas, o que seguir-se-ha provavelmente se a Aus- Sobre a rubrica Extrritr encontrarao o
tria, Prussia, Dinamarca, Suecia, Russia, Inglaterra M cartas de nossos correspond atoa
DIARIO DE PERNAMBUCO
e a Franca, se reunirem aqui em conferencia para,' \ quesio dinamarqueza parece que
dissentirem o conflicto dano-allemo? Ningum qumzena se tem aproximado de orna sutura* go-
confia seriamente n'um bom resuludo desses es-
forgos, porque a Dinamarca jamis consentira
n'uma umo meramente pessoal da corda dmaroar-
queza con os ducados, embora a Ansina e a rrus-
sia, e M mesmo a conederago germnica, quei-
rain prestarse a manter a integridade daquella
monarchla scandinava, como isto parece certo por
parte das duas primeiras potencias boje en* guerra
contra esse pe<|ueiio estado.
Ora era tees circumstaneias a presumpeo pare-
ce ser que a conferencia, se houver de ter logar,
nao conseguir o ftm desejado, seguindo-se aeon-
tinuaga d'uma erise que aroeaga. a> Europa d'uma
guerra geral.
A Dinamarca espera sempre arrastrar as gran-
des potencias occidentaes em. sea favor, certa dn
que nesse- raso determinara a Suecia a celebra*
ma alijanoffensiva c defeoslv^que jV> (eria-sto
quinzena ^_
citlra. A Inglaterra nao iiisisiindo no mrm
como condigo precisa para a retebrago e ama*
conferencia, obteve dos gabinetes de Vienna a do
Berlin a adhesao confereocia. O diainargaat
anda nao respondeu, mas esperase que so aio
recusar, n'uma conferencia qoe se basde na iate-
gridade do territorio dinamarquez, a refutar a
questo que se debate.
Aflrma-se Umbem qne- o rei Leopoldo do iel-
gica aceitara ser arlxtro da eontenda coaa o 1
consenlmenlo das partes inloraaaadas.
Landres se devia redigir o projeeto do 1
eoro parlicipato do-prineipe Joo de Gruek feorgs.
irmo do rei da Dinamarca e dos ontfemxaouro da
Austria, da, Pruwia, do Suecia e de tord
sell. Dizcse que o governo dinanurqoei;
raaorendos Belga*, depoia de Ihe agradecer a
aceitan-a: sua oOentn, que o priaeipe do Gtoekatoar-


---------
?
Mario de Perrswbow Jjnarfa elr* 18 de Abril de tftd.
I?
go recelara os poderes noccssarios puf egomar
sobro a base da integridad* o limite das suas conoessoVa a formarn de um1
Schleswig-Holstein administrativo como exislia an-
tes do 1848 : ou a separago poltica do Holstein
e da Dinamarca. Quanto segregacao do Sch-
leswig o {joverno dinama.rquez nao o.-l disposto a
la das exfolente* noticia- receidas daquelle paiz,
da fuga de Jurez e cas vicloiias do general Ba-
zaioe.
O imperador sob proposta do ministro da guer-
ra nomeou commendadores da legiao de honra os
que adherram
liaoo.
propozesse urna conferencia sem armisticio ; que a partir para Ron
Austria c a l'russia aceilarain a proposta, mas que pecial. O general
ainda nae chegra a resposta do gabinete dinamar- '
que-/ ; acerescentoa que tinha motivos para suppor
3ue Franca, Hussia e Succia apoiariam a idea
e conferencia, mas que entender nao de ver fazer-
Ihes communicaeao alguma etn quanlo nao hou-
vcsse certeza deaceilago por paite dos bellige-
ra ntes.
Lord Palmerston disse mais que cm quanlo a In-
glaterra, a Franca, a Austria, a l'russia o a Suena
Stivesscni de accordo para admiilir a validade do
Iratado de I85, e a ubrigaco de manter a nte-
griilade da Dinamarca scmelhante accordo consti-
tua tuna base para a conferencia ; que ainda se
nao haviam especilicado bases precisas, porque
anda se nao sabe se os bclbgeranlcs acuitaram a
proposta.
A Prussia emiiira durante estas negociagoes a
opinio de que os ducados deviam ser unidos ad-
niinislraiivamcnte e ligados Dinamarca pela sim-
ples uniao pessoal; mas lord Palmcrslon dissera
nt> parlamento que rssas propostas s teriam
de ser discutidas, depoil de comegarem as nego-
ciagoes.
Dizem de f.hrislania que por occasiao da aber-
tura do storthiiig de Noruega, o rei alludira a um
projecto de emprestimo de tros milbes de vixdol-
ars para auxiliar a Dinamarca, se for preciso.
Orignnu-se d'aqui o boato de que se I rala va de
reunir um cotpo de exercito e utua esquadra, para
tomar parte activa na lula.
O ro Ca los XV de accordo coin a burguezia e
a pobreza nao propeudo para ingenr-se na ponteo*
da ; n as nasolasses inferiores ola-se grande ten-
dencia para auxiliar delinilivament a Dinamar-
ca ; porin a influencia de-las e oecessariameute
inuilo limitada.
Terminaran na Dinamarca as elegcs para o
ri.tgruad ; todos os memoro* da assembla perlen-
cem ao partido nacional exaltado. O bisan Mon-
radl, presidente do conselho, e o ex-chefe do gabi-
nete Mi. Hall, forain elottos por grande inaioria O
governo de Copenliagne com tal pat lamento nao
estira inuito disposto a fazer livremente grandes
concesses.
No da 13 comecou o bombardeamento dos en-
trucheiramentos de Duppel, e contra Fridericia no
Jutland. Em frente de Duppel nao reuniram os
Prussianostoda a artilharia de sitio; dizem que ten-
cionavam dar um assalto aos entrincheiramentos
no dia ii annversano natalicio do rei Ouilherme.
O bombardamela. de Duppel nao tem tido bom
resultado, e o de Fridericia cessou.
Oi inamarquezes evacuaram o Jutland onde se
nao poderam sustentar em presonca da considera-
vel superioridade do iuimigo, seo na praca de
Fndericia. A cavallaria retirou-se para Viburg e
a infamara desnecessara para a guarnicao da ci-
tada piafa dirigise a ilha de Alsen.
No da 17 houve em frente da ilha de Rugen um
cmbale naval entre cinco vapores de guerra dina-
marquezes e duas coi vetas prussiauas, auxiliadas
por mutas chalupas canhonciras. epois de vivo
tigo as esquadrilhas reuniram-se por detraz de
Grnela. Parece, porm, que a vanlagem licou do
lado dos Dinamarquczes.
Apear da superioridade naval dos Dnamarque-
zes, os Prussanos conseguinm desembarcar na
liba de Fehmnaro perto da costa ao noroeste de
lloL-lein, e aprisionaram a guarnicao dinamarque-
za que all se achava.
Cinco vapores dinamarquezes cruzam em frente
do Stralsund, onde a esquadrilha prussiana se acba
ainda presa pelo gelo.
Saldo de OpenBague um vapor com quatro com-
panhias de guarda real na torea de 800 homens,
ignorava-sc o destino ; mas parece que o governo
dinamarquez soubera que o principe Augustem-
burgo devia sabir um dia determinado de Kiel para
do i nnerador Haxim
Em Londres tem navido grandes difliculdades na
inristindo eniqtie o pipa o reprehender pela n i
vulgacho da conversa intima de sna sanudaile cOm
os parochos de Lyon acerca da reforma da lylhur-
gia.
A despeza com as tropas de oceupacio, segundo
se diz, vai ser reduzida no ornamento a metade generaos mexicanos D. Thomaz Mejia e D. Adria
porque ba idea de deixar all smenle urna briga- no Woll.
admtiila livremente o s o far obrigado pela for- da, o que permitlir dispensar o commando do ge-
cadas armas, neral Monlebello, que apezar das suas orthodoxas
Lord Palmerston na cmara dos commons deca-1 convieces, se aeha intrigado com sna santidade, o
rou em sessao de II que haviam sido infructferos sacro collegio eos ministros,
os estreos empregados para quo os belligerantcs! Diz-se que o duque de Monlebello embaxador
celebrassein um armisticio ; que o governo inglez francez na Kussia, antes de regressar ao seu posto
Roma incumbido do urna missao es- emissao do emprestimo mexicano em consequenria
_. conde de Montebello, seu irmo,' das condiges nao serem satisfactorias por isso
dirigi ao ministro da guerra detalhada informa- que nao tendo o archiduque Maximiliano filhos, de-
cae acerca das rizas occorridas em Roma entre ver herdar o throno daquellc imperio um princi-
3ue a nanea, Kussia e Succia apoiariam a idea soldados francezes e pontificios. O general trihue pe hespanhol.
e conferencia, mas me entender nao dever fazer- estes conflictos ao inconvenienle dos dous cora- O general federal Sherman retirou-e para
mandos separados. Wicksburgo, deslruindo os caminhos de ferro de-
Parece que tentara convencer o papa de que o pois do combate que leve com os confederados,
meio do fazer cessar as desordens seria reunir os | O general Gant foi nomeado tenento-gencral,
dous commandos naS suas mos. Sua santidade~no posto que s fra conferido a Washington e outras
quiz ouvir fallar de tal arbitrio, e declarou que notabilidades.
seria um allomado sua soberana, c que se se i Na cmara dos deputados, em Portugal, ft-
realisasse, s Ihe restara lomar o caminho do exi-
lio.
O general declarou que vista de tal sluaco tra 53.
pri
imperador _
Na maor parte das vezes filhos de circunstan-
cias que surgem e desapparecem, ellos tendera por
sua natureza a apparecerem e desappareeerem
com os acontecimentos, com os fados que consti-
tuan) a razo de sua existencia.
Assim, pois. Sr. presidente, se isto verdade
incontestavel, os nobres deputados ho de convir
comigoem que a existencia do partido progressista,
faci muito explicavt'l e at natural.
Entrelando, senhores, a existencia desse partido,
e a heterogeneidade ou homogeneidad'.' de seus
elementos, acham-se mais que muito debatidos, ex-
plicados e apreciados no parlamento do paiz, nao
serei eu, por tanto, quem tenha o intuito de dizor
li- nha sido votado na generalidade o projecto para a sobre este assumplo alguma cousa nova que venha
: abobeo do monopolio do tabaco, por 76 vetos con- influir sobre a vossa conviego, sobre a vossa in-
vista de lal siluaeo tra 53. telligencia......
nao pode reprimir os conflictos, e que deseja ser Continuava na mesma alia a discusso do con- O Sn. Clnha Teixeira :Nao considera que haja
substituido. fliclo com o hispo de Coimbra. Tnha muita voga nopartido progressista dous elementos diversos?
huppoe-se que o duque de Monlebello foi encar- o projecto de viagem deel-rei D. Luiz e sua augus- OS. Soahes Bhakdo :Responderei.
regado de induzr seu irmao a que se conserve no U osposa Paris e a Turin, chegaodo a aflirmar- Houve um lempo, senhores, cm que o partido
seu posto at serem reduzdas as Torcas de oceupa- se que brevemente seriam esperados os reaes nos- consrraidor c o partido liberal so agitavam no
cao- : pedes na corte de Franca. ; paiz, procurando cada um por seus meius conseguir
O papa, que esleve gravemente enfermo acha-se ; Nodia 11 de abril devia abrir-se circulacaoo a direccao dos negocios pblicos; haviam ideas
restablecido ; julgase que assistir s solemuida- caminho de ferro de Coimbra ao Porto. capitaes, principios que caraterisavam esses parti-
dos da semana sania. No dislriclo do Villa Iteal continuava a svndl- dos, e estabeleciam entre ellos urna luha diviso-
Falla->e em crise ministerial em Ralia. Parece cancia para conhecimento das irregularidades elei- ria; mas com o correr dos lempos esses principios
que se formar um gabinete presidido por Katazzi, loraes que tinham posto em desordem grande parte se foram modicando, os individuos se aproxima-
em que cntrarao Rcasoli e La Marmora. Os gene- da provincia. j ram, se entenderam, formaran) urna liga e depois
Fallava-so novamente em recoraposico mutis-; desta liga o partido progressista. Foi isto o que se
'erial. : dou e est na opinio do paiz. Se o nobre depulado
Birci por consegunte que no campo poltico nao te respeitou a opinio publica, de que nao pratkou
devem ser os precedentes pessoaes, nao devora ser essas fraudes, nao iukrvoio no processo eleitoral
os odios autigos que vedem e prohibam que se en- como aqu se disse.
tendara, se abracem e c'onfraternisem anuelles que j O Sn. Cu-ha Tbiibira : A conseqtiencia lgica
.era em vista um mesmo irs, a felicidade do paiz. ;esta, que quaudo em urna eleicao nohouver
Os nobres deputados, lidos e Ilustrados como os derramamento de sangue, o presidente tem res-
reconhepo, se teem consultado a historia polUica los! peitado os direilos dos cidados.
Branoao :Nao disse consequen-
que esses factos constituem
. para mm um indicio muito vehemente, geram em
i meu espirito a conviccao de que o presidente nao
no } ou. reconheco, se teem consuliado a historia poltica dos peitado os direilos da
CJiegoa detente a S. Nazairc o general Berthein, povos nao de ter observado que aos partidos politi- O Sr. Sores Uran
procedente de Veracruz. Embai-cram do mesmo pon eos nao. dado a dons da perpotuidade. Files vi-' cia infathvel, disse i
lo para p Mxico quatorze offlciaes prisioneiros, vem ou morrem conforme a marcha dos acontec-! para mim um indicio
ASSEMBLA PROVINCIAL
raes Cialdoi e Durando sero nomeados comman-
danles dos dous coritos de exercito de 80000 ho-
mens que vooccupar em Bolonha e em Pava, e
Pzzeghettone.
Forarn condemnados morte os dous assassinos
Cypnano e Gona Lagala, Papa e Avanso foram
condemnados s Rales. O processo dcstes scclera-
dos horrendo. Foram testemiinhas varios indivi-
duos a quem estes salteadores cortaram as orelhas
para receberem o sea resgate.
A guarda nacional de Aviglanodeucabo do Nin-
eo-Nanco e do alguns bandos que o seguiam. O
governo denuncou ao governo francez a existen-
cio de^TOO guerrilhas em Roma, que esperavam
occasiaol de penetraren) as provincias meridio-! porque apresentou o seu requerimento de urgen-
naes. I <", declarando que nao insistir pela sua a!op-
0 rei Victor Emtmnuel anda inspeccionndoos cao, se acaso so entender que nao ha urgencia de
pracas de guerra. O governo recebe ISO milhoes ser a questo que se agita decidida de prompto.
da casa Rolschid conta da ac.quiscao das vas I O Sn. Jacobina :Oppoe-se ao requerimento de
frreas do estado. urgencia.
O general Garibaldi sabio a 21 de Caprcra a.bor-! O Sr. Cu.nha Teixeira :Diz que sendo o illus-
do vapor inglez ValMlu, acompnhado por seu li- tre presidente da casa o primeiro a manifestar-se
Iho Menoiti, o coronel inglez Chambers, e mais, contra a urgencia, vendo que o honrado Sr. 2o se-
cinco pessoas. Nao ha nolicia alguma sobre a di- j cretano tambem se oppe
receo que tomn, l'ns dizem que se dirige a "
entende que semelhanle partido com|K)slo de ele-
mentes heterogneos, eu nao vejo ahi dous princi-
pios, vejo dous partidos que se culenderain, que se
abracaraui c forinam hoje um nico partido com as
mesmas vistas, com as uiesmas ideas e eo:n os
mesmos principios. Fallando assim, eu fallo da
maneira porque se manifestaran! no parlameulo os
SfcbSAO ORDINARIA EM DE MARCO DE 18G4. homens mais distinctos da actual situaeo. qur
presidencia do sr. no.NSELiiEiRo trico DE j tivesse militado outr'ora nesta qur naquella das
Loi'REino. duas parcialidades.
(Concluso.) Senhores, um dos mcus ligeiros protestos refere-se
Sr. Cunha Teixeira :Manifesta as razos a una proposicao laucada na casa pelo nobre de-
pulado do 1 distrcto, quando disse que o poyo
desta provincia, nos ltimos feitos eleiloraes nao
foi chamado s urnas em nomc do partido progres-
sista, mas sim em nome. do partido liberal.
OSr. Costa Riueiuo :Nao disse isto, mas aceito
como se o tivesse dito.
0 Sr. Diodoro : Fui eu quem o disse e o con-
firmo.
0 Stt. Soahes Brandao :Ainda est, senhores,
. ao seu requerimento, \ suppunho eu que bem gravado e bem fresco na
In-1 nao tem duvida em retira-lo, e nesse seutido pede memoria de todos a reunio que no theatro de
glaterra, onde se Ihe prepara esplendida recepgo;; que seja consultada a casa. Santa Isabel se offectuou as vesperas da eleicao,
outros dizem que a sua sahida tem s por flm res-1 O Sr. Trigo de Loureiro :(Pela ordem.) Sr. ] de 9 de agosto, bem como as outras reunios que
labelecer a sua saude ; em quanto outros preten-! presidente pedi a palavra para explicar a razo, tiveram lugar com igual fim as outras fregu-
dem que ser para excitar os espiritos a favor da! pela anal me opponho urgencia. zias. Euassisti a urna dessas reunios, a que se
Italia. Declaro que me opponho urgencia, porque fez no theatro, e vi que ahi se fallou em nome do
No da 10 leve lugar em Londres o baptismo julgo de maior importancia, de maior utilidade ( partido progressista, em nome da liga, e por conse-
do filho do principe de Galles. A ceremonia cele- publica a discusso do projecto da frca policial, quencia me parece que essa asseveraco dos nobres
brou-se com grande sumptuosidade na capella par- que faz o otijecto da segunda parte da ordem du deputados fere a evidencia dos factos, oppe-so ao
ticular. Foram padrinhos a rainha Victoria c rei da, cuja primeira parte foi destinada para o ex-'que disse a imprensa poltica dossa poca, c ao que
pediente da casa, o discusso de outros pr>jectos, | se acha na conscientia de toda a populaeao desta
isto duas horas para estes, e as duas ultimas | cidade, e da provincia, appcllo para o tribunal da
lmras para aquello. opinio publica.
Tenho lambem em considerado, que, sendo a j Ainda, senhores, se disse nesta casa que o parl-
Dinamarca, representado pelo principe de Sch- questo da forra policial de muito maior impor- do progressista nao era um partido novo. E esta
leswig-llolsten-Sonderbnrgo-Glucksburgo-, a du- tancia e de maor utilidade publica, do que a urna outra proposicao, que fere de frente a tudo
queza de Saxe-Coburgo-Gotta, representada pela | questo de que ora se trata; se por ventura se quanlo se tem dio no parlamento do paiz nesta
gr.ia-duqucza de Mecklemburgo Strellz e oland- j dsse hoje preferencia discusso desta, a discos- [ legislatura e mesmo na passada cmara; a tudo
grave do Hosse, representado polo duque de Cam- sao delta continuara de preferencia no dia de quanto dizem os jornaes polticos que tem signili-
brigde. O principe recebeu os nomos de Alberto 't amanha, e, segundo me parece, ainda amanha cacao no paiz, a aqullo que est na eooscicncia de
Victor Chnstierno Eduardo de Galles; ainda nao, nao seria termiuada. todos. Quanto a mim eslou convencido de que o
tem ttulos, mas julgase que no primeiro conselho | A isso accresce, que concedida hoje tal prefe- partido progrwifia nao nem o antigo partido
privado a rainha o far duque c par.
D<-se que por todo o inoz de abril os principe
de (alies ir.o visitar o imperador dos Francezes
O typho tem feilo grandes estragos em Lond
ha tantos doentes nos hospitaes e ha to grande I cial, etc. a unie desses dous partidos, unio em quo nin-
falta de facultativos que foram convidados alumnos | E' nicamente por estes motivos que me oppo- guem renegou o seu passado, em que nnguom
de medicina francezes para servirem naquellcs es- j nho urgencia, e nao pelas consideraces que esqueccu suas gloras, em que ambos se fizeram
visitar o caslello de Paluos, situado sobre o rio tabelecimentos, mediante urna gratilicaco e sus- apresentou o meu nobre amigo o Sr. 2" secretario,' justica e concordarara em esquercer o passado
i lento. J chegaram bstanles desses alumnos e, a quem agradeco muito a allenco que quz ter! para to smente cuidaren) no bem do paiz. (Apuia-
so esperados outros mais. para comige; mas declaro qu estou prompto dos, muito bem.)
Sir Robert Peel propoz cmara dos commons j para responder : sm, Sr. presidente, se a casa
0 pagamento de 173 mil libras como primeira me- julga. mais mil continuar nesta r|r~-a-~ <-Aln in
dos Belgas; a princeza hereditaria da Prussia, re-
presentada pela princeza Helena, a duqueza viuva
de Schleswig-Holstein-Sonderburgo-Glucksburgo,
representada pela duqueza de Cambrgde; o rei da
enviar a tropa mencionada para desembarcar jun-
to an caslello durante a noite e apoderarse do pre-
tndeme que sena conduzido capital. O principe
do Tibaldo foi processado cm Pars confessou que
Mazzm o havia autorisado a procurar Slanfeld pa-
ra delle roceber diversas seminas, a fin de levar a
eueito a conspiraco contra a vida do imperador
dos Francezes. Grenc declarou agora que Ma/.zi-
iii Ihe indicara a casa de Mr. Flouer n. 3o Thurloe
sonare, Bromplon, que a habilaeo de Mr. Slans-
fel.l.
Sir II. Slracey proioz que se lomasse cm consi-
deraco a allegacao do procurador imperial Mr. cusso cm que tem tomado parte to Ilustrados c
Cordoen, que involve naaccusaco urn membro do dstinc.tos collegas (nao apoiados), tanto mais, Sr.
A segunda discusso fica adiada pela hora.
SBOtntDA l'ARTE DA 0I1DE.M 1)0 DIA.
''onlina a segunda discusso do projecto de li
xac.o de forca policial.
O Su. SoAiir. Braxdao : Sr. presidente, nao oc
cupare por muilo lempo a allenco da casa
parlamento inglez.
A mocao do Mr. Straccy foi rojoilada por 171
votos contra 11 ; leudo votado o proprio Mr.
Slansfeld o que cedeu a urna maioria de nove
votos.
Este resultado fez tamaita sensaeo, que o pro-
prio Slansfeld nao hestou em declarar que dara
a sua demisto. se o governo julga.-sc a (tropo-
sito.
Lord Palmerston declarou que seinelhante de- zer poltica.
missao nao seria aceita. Mas um motivo particular que nao vem a pro-
No dia lo" houve urna serie de rocrminacoes' psito manifestar, move-tne, ta I vez bem contra 0)1-
viclentissimas contra o procedimento do governo,: nha vontade, a vir abusar de
e contra Mr. Slansfeld quando lord Palmerston de- apoiados.)
ciar.iu que nao aceitaste a derissio do lord do J v'
almirautado.
res. Se o honrado gcntlcman, diz elle, julga op-
porluno ter retacos intimas com o homemque es-
crevou a theoria do punhal, cousa quo somnle
Ihe diz respoito; mas quando aecusadode ser o
intermediario entre os autores da theoria do pu- hilo de seguir na tribuna, que mcllior doqueeu
nhal com repugnancia e asco que a cmara o : e^clarecero a materia. (Nao apoiados.)
v sentado no banco dos ministros I (Muitosap-j Mas, Sr. presidente, tendo de oceupar-me espe-
plausos.) E' o mais que se pode de dizer a um t cialmcnte com um tpico dessa longa e vehemente
membro do governo continuando elle encarrogado "
dos mesmos negocios "
fui feir. quando os soldados desemttarcaiain no i iaoo da sonima devida pelo resgate dos direilos do versao na ordem do dia, eslou prompto para to-
ponlo dado nao (todoram colhc-lo s mos, porque '
ja havia desapparecido.
Os jornaes de Hainburgo nolicaram a morte do
principe do Augustembargn, mas esta noticia
coiiiplelamenle falsa. Consta, porm, que o pie-
tendente que ha lempos fra convidado a sabir de
Kiel vai sor ollicialinente intimado a sabir daquel-
la cidade. O rei da Baviera recebeu iillicialineule
un representante do duque do Augustemburgo.
Nodia 12 discuti adieta de Francfort a pro-
posta da liavera para reeonbecer os direilos do
principe do Augustemburgo. Os representantes da
Ausliia e da l'in>sia requero!am o adiamonto da
dscus.-o declarando que em breve dariam a sua
opinio sobre esses direit-is.
O addaniento de oilo das fui appi'ovado. Parece
que as duas potencias allemas abandonan) deci-
didamente a causa do principo do Augustemburgo,
allegando quo os seus direilos esto oivados de
nullidade.
Diz-so que o duque Ernesto de Saxc Cohurgo
tentara inieressar o imperador Napuleo a favor
do prncipe de Augustemburgo, prometiendo, se-
gundo se albinia, o apoio da dieta germnica"c dos
estados secundarios contra a Austria o Prussia se
o governo francez se pronuncias a favor das na-
cionalidades allemas.
O duque antes de partir de Pars reuuio na re-
sidencia da sua logaeo os representantes de aign-
mas pequeas coi les da Allemanha. O duque nao
vio o archiduque Maximiliauo; e na sua vi>ita aos
embaixadoros das piiucipaos potpnaiM exceptuou
os representantes da Austria o da Kussia.
A avorso contra os Prujsianos geral tanto no
Schloswig como no ilolsten. as suas reaecos, in-
solencias e modos rudos, contrastara eom o proce-
dimento conciliador dos Austracos. Os habitantes
do rosto do Sehleswig sao decididamente do parti-
do dinamarquez ; assra o partieiparam aos seus
goveruos, o commiasario real austraco conde de
Reonsteow, e o general Gubleutz oin suas paitici-
paces.
O general Goblentz ordenou aos habitantes de
Veite, (Jullandia) que entregassem todas as armas
e muuices s autoridades militares germnicas
no prazo de 'i horas.
ErnTlrinen en'outros pontos da cosa stlcmp-
triuital da Alloinanha, ocouimcrcio e a navegayo
acbain-se parahsados por causa do. bloqueo.' O
porlo do Jalido foi oceupado por soldados prussa-
nos.
Levantam-se forlilicacoes as margens do Elba,
em Caxbuen.
Parti para Munich o marecbal francez Mac-
Mahon para assisr por parle do imperador ao fu-
neral do rei Maximiliano. O rei Luiz 11 prestou em
Munich o juramento exigido pelo parto fundamen-
tal, peante o conseibo de estado. Declara o novo
ni no discurso pioforido nessa occasiao que se
prope goveroar para bom do paiz, conformndo-
se fielmente com os preceitos da constUuieo.
O re do Wuitemberg acha-se gravemente
doente, e attendendo A. sua avancada idade (83 an-
nos) nao provavl que escape. A morte deste so-
berano acabar de transtornar as combiuacoes dos
estados secundarios, contra a influencia aostro-
prussiana.
Corred em Paris o boato de urna nova ten-
tativa contra a vida do imperador. Fallavarse na
pdso de tres criado do paco. O isato (oi puste-
nrmente desmentido, e parece que fra inventado
com intuitos eleiloraes.
As eleicos em Paris nao foram favoraveis ao
governo O governo a|>ezar de nao alH\ar qaudida-
turas, ompregou os moios ao seo alcance, para fazer
vulgar Mr. Pinar d no Io cireulo o Mr. Lev y no 6.
Mr. Carnot foi eleito pelo 1- circulo por 13,554 vo-
tos, reiinindo apenas o candidato minMeriaJ 5,979.
Ho 51' circulo Mr. Garnier Pags (ave 13,185 votos,
tendo o candidato ministerial apenas 5,381 votos.
Os jornaes inimsteriaes afteclam tratar com iudif-
ferenca este resultado ; as coito que produzio
Uastanle sensaeo as altas regios governainen-
laes.
6 cmaras francezas vo ser prologadas al 6
de maio para se discutir o orcameoto e outras lois
de importancia,
O ardeai arcebispo de liouen,fipgr. Bonnechos
logo dtipeis de lomar assenlo no senado queixu-se
de nao ter o governo francez perseguido a obrado
Mr. llenan, intitulada -Vida de Jess Cltr*to.
Mr. Roan realsou mais de um inilbo de fran-
cos as primeiras edices daquella obra, a segun-
do so di^ prepara outra destinada s classes ope-
raras, sem as notas e outros accessorios cujo pre-
(o ser nicamente de um franco.
O Moniteur responde ao cardeai de Bonaid que
sustenta niio ter incorrido na censura da santo s,
E' nesle partido que figuro, a este partido que
InnhA n honra Jo portonoor oamo.o n>*. humflfllT
soldado, esta a bandeira que hasteio noslacasa,
Kscalda. mar parle nesta discusso at aonde chegar a mi- ese os nobres deputados consoguirem derriba-la, ou
A cmara dos communs addada para 4 de | nha pequea inlelllgenca. (Nao apoiados.) i cahire abracado ao meu honroso pavilho. (Muito
abril. E' por tudo isso, repito, que me opponho ur- bem, apoiados.)
A discusso que houve no parlamento sobro a j goncia, mas se a casa quizor eslou prompto a en-! Senhore, o nobre depulado que so assenta do-
intmidade do lord do aliniranlado Mr. Slansfeld twr na discusso desde j. fronte de mim disse om um dos tpicos mais enthu-
com Mazzini, sendo thesoureiro em Londres dos Consultada a casa, consonte na retirada do re- siasticos, mais ardentes do seu bollo discurso: quaes
seus emssanos, tem sido bastante calorosa. Quan- querimenlo de urgencia. sao os elfoitos da liga t o nobre deputado consulte
bem ao paiz, consulte a todo o imperio desde o Prata
at o Amazonas c as provincias, as comarcas, os
termos, as freguezias, as villas, as povoages o as
aldeias, todas Ihe ho do responder :vinde e v-
de.Quanto a mim contento-ine apenas om dz;r
ao nobre deputado que o olToito que de mais porto
Nao pretenda tomar parte o prsenle debate I vejo, que se me olfereee aos olhos, como resufado
por dous motivos : primeiramenlo porque nao po- da liga, o prazer que sinto nesle momento por
dia ter a pretonco dotrazer mais luz (tara unta dis-' me aohar nesta casa em companhia dos nobres
' deputados. (Muito bem.)
E' offeito da liga a presenea de todos nos nesta
presidente, por quanlo novteo, c ostranho as lulas casa, c assim como eu tenho'o praser, eu que nao
da tribuna, sompre que a ieho de oceupar, assal- sou membro da opposfcao, de me encontrar deste
ta-me o acaRhamento que me natural, pela cons- respeitavel recinto cora os nobres deputados, acre-
ciencia que tenho de minhas fiaras babilUaces dito que ellos lambem polos mesmos motivos toio
(nao apoiados); o segundo motivo, Sr. presidente, igual praser de se verem collocados ao lado dos
porque nao desejava oceupar nesta discusso a at- seus collegas,
tencao da casa, porque entendo que esta assem- O Su. Sabi.no :-No ha duvida.
bla, por sua natureza e allrbuires antes desti- O Su. Costa Ribeibo : Pela miaba parte nao me
nada a promover o bem da provincia do que a fa- contento om que o resultado da liga seja a nossa
estada nesta casa, quero cousa mais importante,
quero a realsacao das ideas.
O Sn. Soares'Bbandao :Eu nao disse que era
ossa paciencia. (Ao osle o nico effeiio da liga, nem que nos devemos
satisfazer nicamente com este eueito; disse ape-
la ve, porlanto, a cmara, quo nao tenho por fim as que quanto aos effeitos da liga om geral o no-
estabelecer urna uiscuss.o sobre poltica coral. bre deputado consultasse ao paiz inteiro, e que
Tona., rii...i. ._... j.. ? .__j_______.-._ j:. ______.- \. __ .__i_ .
xar de responder a aquellas consideraces que me Que maisouvi cu nesle recinto, Sr.presidente?
proponho a conibater, c que foram apresentadas Lembro-me que ouvi aecusaces graves aspera-
pelos nobres deputados que impugnam o projecto, monte enunciadas contra' a adminislraco do Sr.
essas^ fallas serao suppridas por aquellos que tpe Dr. Silveira de Souza, pelos que Ihe airburam
urna intervenco indebita, e mesmo escandalosa,
segundo se disse, nos diversos pleitos eleiloraes
que agitaram a provincia no anno prximo lindo.
Senhores, quanto esle ponto, se eu ine domo-
aecusaco que como a casa foi lesteruunha, pronto-' vesse, se eu tive>se o proposito de estabelecer
veu o nobre deputado pelo terceiro dislricto contra urna discussa, de dar una resposta cabal ooeu-
roi approvada por setenta votos contra cincoen- a adminislraco do distincto Sr. Silveira de Soma,1 pando a attencao da casa |wr um espaco de tem-
a e;dous na cantara dos communs o bil apresen- tendo, digo, de responder a um dos tpicos dessa po mais longo) apezar de nao ser o mais capaz de
lado por Mr. Ewart para a iuirodueco do syste- aecusacao, nao posso por mais que quoira deixar o fazer por nao me reconhecer com as bases pie-
rna mtrico decimal de pesos e medidas ; a otro- i de tomar a questo de mais alto, antes de tocar na cisas, (nao apoiados) talvez podesse, se nao con-
duccao ser facultativa. dofeza desse poni que servio de base a um dos ca- vencer aos nobres deputados, ao menos convencer
pilulos de aecusacao do nobre deputado a quem aquelles que com imparcialidade apreciaren) essas
A folha serai-ofiicial de S. Pelersburgodo dia
11 nega que o estado de sitio na Gallitzia fose
proclamado de accordo com a Russia, e aecusa o
Mornmg-Post de tentar com o falso boato da santa
allianca, fazer sabir a Franca da atiiiude pass-
va na questo dinamarqueza.
A Russia bastanteforle, segundo diz o merno
jornal, para poder sem o estado de sitio da Gatllt-
zia ahafar a insurreico se tornar aerguer o eolio.
Entretanto a insurreico polaca vai lomando no-^
vas forcas eapesar dos rigores das autoridades
moscovitas, nao cede um palmo de terreno.
O grao duque Conslanuno da Russia quo se
achava em Badn segu para Venecia onde o im-
perador da Austria (endona passar una grande
revista ao exercito. A Auatria reforcou as guar-
nices que conserva na Hungra.
Em Alhenas houve nova crise ministerial. A
nova adminislraco codiprohende Mr. Tringhelta,
ministro da guerra, Mr. Peinos, ministro da jns-
me redro.
Por essa razo, nicamente por essa razo, veu
fazer bem succinlas consideraces c me aproveita-
rei do ensejo para lavrar ligeiros protestos, deffinir
molia posicao, entrando na apreciaco de algumas
proposices que foram produzidas nesta casa.
Sr. presidente, ao contrario do nobre diputado
pelo terceiro distrcto, ao contrario dos nobres de-
putados meus digoos collegas de distrcto, que se
empenharam no presente debate, a administraco
do br. Dr. Silveira de Souza mereceu-me toda a
coofianca, porque seus actos eranj a meu ver pau-
tados pejo espirito de rectido, pelo espirito de
moderagao, e inspirados sempre pelos verdadeiros
intoressos da provincia, cuja administraco Ihe foi
conliada. (Apoiados, muito bem.)
Ao contrario dos meus nobres collegas entendo
que o partido progresla, em cujas theiras tenho
a honra de nublar, sebera que como o maisobs
lica, Mr. Roarais, ministro aa marinha. Ignora-! curo dos seus soldados (nao"apoiados)" ter" seus
se o nome dos oulros membros do gabinete. principios dcfilnidos e patriticos, ten na origen)
O estado linanceiro pe6mo, e falla o crdito! nobre e fundada no desenvolvjaiento de nossa so-
para erapreslimos. ciedade potitica, na lo*iea irrecusavel dos factos ;
O cabo submarino do golpho prsico acha-se
coilocado. A va frrea de Boinbaim India cen-
tral abrio-se circulago 1 demarco.
O arehiduque Maximiliano tem ido immen-
saraente obsequiado pelo imperador .dos France-
zes. Harmonisaram-te as dissidencas sobre va-
rias condces reclamadas pelo futuro snonarcha
mexicano ; o rouiiuandanlo em chefe do exercjto
francez uo Mxico tera de se conformar comas
instrueces que receber do governo local. O novo
imperador assim que chegar ao Mezico tratara de
organisar um corpo auxiliar eslrangero om que
podem servir os Francezes, e urna parle conside-
,ravel do exercito de oceupago comeeac a retirar
para a Europa.
A divida de 230 milhoes de francos reconhe-
cida.peio Mxico ea Franga e ser paga peto modo'1
mais (avoravej.
Nao partiram os navios que ainda se aehavam
em Franca, e que deviam formar urna divisiofia
ra bloquear a costa mexicana do Pacifico, em Ws-'
a se nobre elle, quanlo a sua origcm, nobre eu
considera ainda quanto a seus fins.
Permittam, porlanto, os nobres deputados que
eu entre na demonstrado dessas proposices, e de
mais algumas,outras no mesmo sentida
A' aquellas que entendem que contra o partido
progressista, contra seu futuro, contra a suaesta-
hilidade, contra a possibilidade de fazer elle o bem
do paiz se oppoem a. supposta heterogeneidade dos
elementos quo o constituem, a esses, senhores, eu
direi essas poucas palavras : os verdadeiros par-
tidos polticos significara urna idea, as ideas em
relago ao mundo exterior inspiram-se nos factos,
e assra como nos vemos que os faetos sao modifi-
dos pelas ideas, nao podemos deixar lambem de
adiuittir que as ideas sejam modificadas pelos fic-
tos. (Apoiados.)
Na opinio aos espiritos imparciaes na* poderao
jamis ser condemnadas as pessoas por haverom
questoes.
(Trocam-se apartes.)
O Su. Soares Bra.ndXo :Quanto este ponto,
pois, eu apenas direi, senhores, que os mais con-
sumados estadistas do paiz, os homens mais mora-,
usados e que teem um nome mais nolavolmente
escripto na historia poltica deste imperio, nessas
ludas, nesses pleitos eleiloraes jamis consegui-
r m o resultado de dizerera os vencidos que as
eleicSes corrern) livres, e que as autoridades nao
tiveram interferencia nos processos eleiloraes. O
Sr. Silveira de Souza, apenas nao tem a felicidade
de constituir una excepgo nica essa regra.
(Apoiados, muito bem.)
Eis aqu, ao que no meu espirito se reduz essa
aecusagao ; e tudo o mais que se diz doSr. Sil-,
veira do Souza. E' que elle nao pode abrir por si
s urna excepg que nonhutn administrador foi
dado abrir,em caso idntico.
Ha ura aparte.)
I Sm. Sorbes Brandao : Senhores, o que vi-
mos durante o anno que acabou de .lindar 1 Vimos
que em toda a proviucia a ordem publica couser-
vou-se inalteravel, que a vida do cidado foi res-
peitada, e que esses tristes factos d'oulr'ora se nao
reproduzcan; que felizmente o sangue peruam-
bucano nao foi derramado. em nenhuraa das eloi-
goes por que passou a provincia, e desies factos
eu tiro a seguinte conclusao :A seguranca indi-
vidual que reinou, a ordem. que por toda a parte
nlerveio no processo eleitoral, nao conculcou .
direilos dos cidados, conviccao que tanto mais se
aprofuuda quando se atiende aos factos da nossa
historia poltica.
Sr. presidente, sao estas as fracas, ligoiras o
succinlas considei ages que Uve cm vista apresen-
tar com relaeo polilica, sao, como disse prin-
cipio, lieros protestos que me era preciso la-
vrar. Quz definir a minha poetan) nesta casa,
quiz explicar o yuto de adheso, e d conlianca, de
franco e leal apoio que presto transacta o ac-
tual administraco, e actualidade polilica. (Muito
bem)
Nao julguei-me dispensado at certo ponto des-
tas observage, desta dolinieo de minha sllua-
gao, porquanto a primeira vez que polticamente
eu apparego iterante minha provincia, a pri-
meira vez que oceupo um lugar publico, e assim
liuba de obrigago me fazer eonhecido por aquel-
les que para aqu me euviaram, em nome de um
partido poltico que tem principios e bandeira.
Kcconbeco que j vou abusando da paciencia da
casa, (nao apoiados) epor isso vou tratar de ivsii
mir-mco mais possivel. Passarei a outra ordem
de consideraces.
O nobre depulado pelo lercoiro distrcto, em sua
vehemente aecusacao administraco do Sr. Dr.
Silveira de Souza,' fallou a respeito de diversos
contratos celebrados por esse administrador.
Senhores, eu nao rae acho habilitado para fazer
urna defeza cabal acerca de todos esses eoutratos.
Um Sr. Dki-utado :J foi foila.
O Sr. Soahes Brandad :Alguns de meus no-
bres collegas j o tem feito.e meu ver sullieieu-
temeule ; eu direi tambora a meu turno alguaa
cousa a respeito de um de que tenho conheci-
mento mais particular, do contrato que foi foilo
com o Sr. Antonio Francisco Paos de Mello Bar-
reto com relaeo aos reparos e conservaco de cer-
ta parle da estrada da Victoria.
Sr. presidente, o nobre deputado pelo terceiro
dislricto deu como causa desse contrato o paga-
monto ou recompensa do servicos eleiloraes. Se-
nhores, quando o carcter, quando a digmdado do
cidado cora quem foi celebrado esse contrato nao
devessem desde logo repollir seniolhaule inspira-
cao, (apoiados), o seu carcter poltico, a posigo
que oceupa na sociedade, as relaces de parentes-
co, em que, como a casa sabe, que se acha para
com um cidado aliam nte collocade no partido
progressista, repeliera a idea de ura desses arran-
jos, estos que felizmente nao loria jamis neces-
sidade de soccorror-se, porque felizmente tem
ineios do fortuna sulllcienles para vi ver muilo
hourosa e decentemente na sociedade. (Apoiados).
Acoutece alcm disso, como j live occasiao de
dizer que, achando-se esse cidado ligado por la-
gos muilo ntimos, pelos lagos de sangue, a ura dos
vultos que parte mais importante tomaram as lu-
las polticas desla proviucia, isto sendo irmo do
Sr. conselhero Paos Barroto, nao poda jamis esse
contrato ser-lhe dado como recompensa de servicos
prestados urna siluago era que tinha parle to
distmeta um seu irmo.
Porlanto, Sr. presdeme, parece-me que essa idea
de'arranjos lucrativos, de recompeusa por servigos
eleiloraes com relago ao Sr. Mello Brrelo, nao
pode merecer o menor peso, nao pode fazer a me-
nor impresso no juzo desta casa.
Mas o nobre deputado (telo 3 distrcto nao se li-
niiloua essa censura, o nobre deputado foi procurar
urna ofleusa le. O nobre deputado avangoo que
o presdeme era sua vontade tenaz, em seu capri-
cho constante de ferir as mais terminantes dis-
posigoes da le, lambem procedeu assim quando
leve de fazer o contrato de que trato, que leve lu-
gar com o Sr. A. P. de Mello Brrelo pura reparos
e conservago de urna certa parte da estrada da
Victoria.
Disse o nobre deputado quem respondo, e cuja
ausencia boje desta casa profundamente lamento,
que o presidente da provincia na. tinha autorisa-
eo legal para fazer semelhante contrato. Quanto
a este ponto eu me limito, me conlolo cora o ma-
nifestar a casa a disposieo da lei.
Oorcamento vigente decreta no art. 130 seguid-
lo i > roperos o conse vaco de estradas e
pon teseem contos de ris. Por consegrante havia
na lei do orcamento urna quota para reparos e
eonse vaco da estrada da Victoria.
Do contrato que aqu tenho, e que nao lerci para
nao abusar da allenco da casa, mas que offerego
aqualquer dos nobres deputados, que porveutura
possam ter duvidas, mostrase que trata-se apenas
de reliaros e conservaco pelo prego de quatro
conloso selecentos mil ris.
^ (ktnforme preceita o 3o do art. 12 da le n.
511, podoin ser cITectuada iudependente dearre-
uiataco, a factura de qualquer obra publica, som-
pre quo o seu valor oreado nao exceder a quanlia
de seis contos de ris.
Eis a disposieo desse artigo da lei: (Le).
Ora, se sempre que se ti ata de urna obra cujo
valor nao excede a seis contos de ris. pde-se
dispensar a concurrencia, e sondo o contrato de que
se lala a|tonas do 1:700-3 demonstra-se evidente-
mente quo nao havia necessilade de abrir a con-
currencia, que o presidente poda fazer o conlralo
independoiilt de arremataco, e que por consegran-
te no caso om quesio nao'houve offehsa da lei.
Agora cuuipro-me dizor quo a razo que acluou
talvez mais poderosamente no espirito ua presi-
dencia da provincia para fazer esse conlralo, pa-
ra o qual abas eslava autorisado pela propria
le, foi que os habitantes do lugar, aquellos que le-
iihain de se aproveitar inmediatamente da estra-
da, haviam feito represenlarOes ao presidente d .
provincia, baviam-lhe observado que o invern se
aproxima va; o que, se por ventura se nao fizes-
sera reparos om cortos leos do ompedraraento, a
estrada lornar-sc-hia do difliclimo. transito; re-
presenta cues estas quo foram a repartico das
obras publicas, e sobre as quaos ella omiltio juizo
favoravel.
Posso anda asseverar casa que o motivo que
mais mfiuio no animo o contraanle de taes re-
paros e conservaco foi, a ncces*idade quo tinha
do que se uzeasen) olles, adra de que poesse ser
mais fcil ou possivel, pelo invern, o transito ou
transparte seu e dos gneros de sua iuduslria do
engenho que oceupa para esta cidade.
Anda foi un ponto de aecusacao para o noUv
deputado pelo terceiro dislricto, o nao ter sido foi-
lo esse contrato poranle lliesouraria, e sim ae-
rante a presdeucia.
E>la razo senhores, tambera nao procede le-
gando o art. U da lei n.28t, as ariemataces de-
vem ser feitas peanle a lliesouraria ; mas nao se
irala Sr. presidente do um. arremataco, trata-se
de um contrato, e o uobre deputado nao pode citar
ura artigo de lei que disponha quo os contratos, co-
mo o de que touho tratado, deve ser feitos peanle
ihesouracia. A dsposgo da lei asegrale :
(Le.)
J se v claramente que a lei traa de arreraaia-
coes e nao do contratos.
Ainda o nobre depulado argumentou dizendo
quo nao se lnha exigido do contratante fiadores
idneos.
Senhores, a esle topicc respondeu muito bem,
no nieu entender, a presidencia da provincia as
i n for macos ministrada, a requisieo do nobre de-
pulado, explicando porque nao tinha sido exigido
fiadores, e a razo quo nao se tinham de /azor
pagamentos adianlados ao contraanle, que esses
pagamentos so podoriam ter lugar depois que o
cuniratante lzesse entrega da obra,donde se v
que a falta de fiadores nao podia trazer prejuizo
algura aos cofres pblicos, visto que nao teria d>'
pagar-se o prego desse contrato sera que a obra se
acltasse concluida e roeebtda depois dos competen-
tes exanies.
Alera disto ainda posso apresontar una outra
consideragao, e e.-ta enconlro-o no regulaineuto ex-
pedido pela presidencia da provincia em data do
31 de agosto de 1863, e que diz no seu art, tt, que
de todos os pagamentos feitos aos eoulratanies.
deve ser deduzdos urna dcima parle para garan-
ta das multas e boa execueao do contrato.
Porlanto vea casa que os interesses liscaes da
provincia nao podan ser offendidos, por isso que
os pagamentos nao loriara de sor feitos antes da
V-
foram iucumbidw de taes ropar.r, um par eaav
trato, mas por a/remalacao, e Ihcrui eam raan-
ros por prego muilo superior melle que ft tratado com o Sr. A. F. Paes de Mello Rarrrt.
Sr. presidente, o Sr. Silvestre Dama L arraaaa-
tou reparos de enivelraineuioentre os atareas av
, oilo e nove mil bracas cora abate fe tS par
eenlo sobre o valor do orcamonto e nao -iVtifi
cada braga importou qaasi emoVt mil rs. Trevs-
: tas o desosis tiraras de reparos a> r-'nmimi i
, foram arremaladas por Jos Fernanda iMaivaav
i ir os morros de seto e oilo mil brar.is. eu<4>nj ca-
da braca onze mil ris, nao obstar lerna jdar-
rematadas cora dous por cenlo oV abale, i arr-i-
vao de Holland- arremalou reparos V fcrra aV
cinco mij bracas, eostaain rada nrao I-5IJ3,
anula oulros reparos arremaladin \mr r*le t>Ni>
senhor o toram pelo nremdo orcaiaetMa de 1*1*5.
entrelanio que o Sr. Mello Barrate orntraMi a fer-
rara de cada braca de reparos l Ierra por W
7JW braca r,;'aro de C"ld'anaBa par
L'm Sr. Depitvdo : Pode es^ dilterenra pr.-
> ir da quahdade do terreno
(Trocam-se mais aaarte*).
O Sn. Soahes Baamo Kn nao me man*
de documentos para piovar lu.lo im.i aaas n^
comprometi a aprescnu-los se os nobres tiiati
dos os asigiraaa. _"*_"
O Sn. Ci.nha Teixeira : Eot ao mal
hendeu o meu aparte.
O Sr.. Bol ana Bouib Comprebendi e no-
bre depulado disse que differeno d prer p*.
dia dar-so om razo da dtllerenca',. nalurrza I.
terreno em que eram fetm> ,-s.s rearo.
Acho que o aparte do n .loe ila|iTaV) a*<:it.
cabvel, mas eu respondo que Mnan abjan taaaV-
ciraento dessa estrada, sei \u-o nui> lugares em que foram feitos os repara, e aHtnr .
que noha nenhuina dilfcren.-i |ie possj auiri-
sar eM desproporcu da notivel hjs p erns.
( Trocara-se apartes, i
O Sn. Saiiks inalie :Esladiflereaca aV prr
gos a favor da fazemla, referc-se aos repara* *
ierra o empeilramento para que foram roanraia!-
pelo cidado a que naj tenho referido, peto p
refere ao contrato da conservarn ha o Jiginn1
O Sr. Antonio Francisco Pae de aVIto aWrea*.
eeotralou a conservaco de cada mil ar>. .*
Z4000 inensaes. A cou~erTaro |m>c noMatMra-
gao custa ao guverno 70 e lautos uiil res por nvz
pouix) mais ou menos, em rada mil braca*, par fc-r
dous homens diariamente trabalban.to ruaa a jart
de 15WH) cada um, e um conservad* r. que tii..
sobre 5,000 bracas vencendo inensalnenie MltRUi
Senhores m arete ler demonstrado a miprr
delicia da aecusacao Lita pelo aera epanaaV
quanto a este |xnto. e M alguma crasa nte km* hi-
lo demorar por mais lempo, e procurar par laaW
os ineios tirar a limpo este neco-io, na atamn *
meu nebre collega pelo segando distrirle, i
o permitiir as minhas torgas. Se per l"
ahusado por de mais da paciencia da cana, r*
que leodo conliecimcnto desse tarto, julgava-aar aa
obrigaco de nao deixar duvida abruma siittre etu
Um Sr. Dei-utaimi :Tem eOfatai perfrtb
mente.
O Sr. Soabrs Brandao -.Desde. q inostra salisfoita com as explieaces por nana) A
das, apenas me resta pedir-lhe deseulpa pela a
que abusei da sua allenro. I Nao apnaaitaa. .
Eu, |km#, senlieres me' assepto ronvtrto de
nao fiz mais que um pequeo disrorsa sena e*.
quencia, nem r.onformidade rom as rreras. i >
apoiados.) Mas os nobres deputados lia de r>m-
fessar que nao estavam aulorisados a aperar aV
mira outra cousa. |tor isso que me faliam na re-
cursos. ( nao apoiados i e eu apenas me nana raas-
proiueiiido a locar muilo de leve, a pronarar ni
ponder a una parle das acensar. s fesias prW at-
bre deputado pelo terceiro distriolo, sobre tarlt-
que eu tinha mais eu menos eonheriaaraiin. a fim
de mostrar que esses lacios nao tinham de forata
alguma o carcter que o nobre deputado Ihe ejutz
allnbuir. ( Muito bem, muilo, bem. )
A discusso lica adiada pela hora
O Sr. presidente designa a ordem da da e le-
vanta a sessao.
SESSAOOKI.NAIUA EM M MARO! I* t*\
|'Rksii>km:ia uo sr. conseliikiru tbic ar
l.m'REIRO.
As 11 e ', horas da m.inli i feia a inanaila
achando-se prsenle numero legal dos seahure*
deputados.
Abrc-se a sessao.
I.ida a arta da anterior .inpr... 11
0 Sn. Priukiho Skciietarhi da cunto do ae-
guiute
EXPEDIENTE.
l'm oilicio do secretario do governo, remtame
a ola do excedente das barreiras que sena najan
sano estabelecer as estradas |Kovinriaes a p*- ?
refere o .*" quesilo do oilk'io de 2 oo rorreale, m*
n. li. A' quem fez a requisirn.
Oulro do mesmo, renieiiedo o comaroaai" > da
irmandade do Senhor II un Jess dos Poltres Aflar-
tos da cidade de Nazarelh. A' ciHiiuu-s d-- li-
gnos ecclesiaslico-.
Outro do mesmo, remetiendo os rxenqdar.
relatorio com que o Exm. Sr. prrMdeale abr
presente sessao desta assembla.A archivar.
Uulro do mesmo, remetiendo as rntora*---
ministradas pelo inspector da lliesouraria pnwin-
cial acerca do que esajto nato .iJienantiJa rm oA'
de 10 do crlente, anb n. i". A' quem (el a re-
illlisieao.
1 uta petidk) de Thomaz Anl-rnto Kaaaos jn>
secrelano da repartico das obras puWica. i-
do um aun.i de bcenca cm lo-to- o- >eus venri-
menlos. A' commis>o de |'ie
Oulrade lilaiidinn dos San'i Lofal i'j>teta>
Illanco, profeesor de instrocro primaria da
do Caito, pedindo qni; se junte o do<*iii*rMo affn
so a pi'lico do supphcaiite. em que |N-de a graMi-
cai-.io |Htr mais del. anuos de i-win 4e -ti
magisterio. A' cominis-ao !< insirurro pa-
Idiea.
Outra de (j.ildino Eleuteri" l.;\eiraa.- au
professor pnhlicode in>tnn cao primara da pa*a-
gao de Aguas Bellas, prdade o aduiaaaaaana v
cinco iiiezes de seus veiicinient' para p.l.
(tiir seu destino. A' coiiiuusso de njNjnarr't
publica.
Oulrade Fehppe aVeanie l'.avalranli da Alna-
querquo, arroinaiaiite do pe,Licio da larreira *
Sanio Amaro de Jaboato, |teilindo um abale rur
respndeme a .>> parle do valor do seu tmUat.
A' couiinisso de peteien,
Onda do .Maximino da Silva Gusmo. arrenta-
j lante do imposto e IfJIN sjire caliera a> naaV
I consumido no municipio de l^uara-Mi. r.-lau >
iinimio de lMi-1 Im;. n'din.io a nanti
conlralo.A' coinmi-so to peticrs.
Outra de Ouilliermino Per-ira da Silva, i
urna iudomnisacao pelas despojas que fez rea ?
oncanameuto do riacho Ta piara na poaoarc *
Allinbo. .\" coinims-ii d; obras ptiin-.i-
Outra de diversos propriet.iri.t- da fre/ueziad->-
Allomados, |tedindo a coiilinuaco e melhorameni
da estrada denominada travessa doLnca.-.V ceav
nisso de obras publicas.
Outra do coronel Jos de Carvalho Araajo j-
valcanti. pedindo pagamento do alague! da ra*
que serve de quarlel e prisao publica na rmearra.
de Garanhuns. A' commissao de orcinnal aro
vmcial. *
Sao lidos e approvados os sefrutnies parteara*
A commissu de petn;es n-rendo o r|wrriaii n -
to do Dr. Augusto Carneiro Montrro da Silva Sea
tos, no qual pede a esto assembla que HV aaaeaV-
dar exer.icio na cadeira de aeomeina do rotir*,.
dos orpbos para a qual fura nomeado por pmu
ra de 10 de fevereiro de I (Mil. ou que esta aaaem-
bla o mande considerar cuna lente pentra .-
artthmelica e|georaelru em dis|tonilNudaV, aeaerar
em exercicio na primeira vaga, ou rrearo df> ra>
deiras de laos materias que bou ver. para cuja -
mearn lr compleme o governo proviaciaL
A cominisso considerando que a dita ijaVj
foi creada pelo presidemo da proinna aV aaMai
sem posterior approvaro : coaaideraada ajee tat
creago suporllua, pois em oulros ritibnbrjaaia
tos do governo exisiein caoeiras di gi nmiaiai px
onde sao remetlk'os os alunaaos de cet
orplios. (piando esto con ven jtemete
dos na iusirurgo primaria:
foi presenciada, sao o indicio mais vehemente de obra concluida, e ainda assim cria de fazer-se
filial 'lt l)inLf r'i.t-i.-i MMinilnn n.. J:.n!a_- J__ >^. .1 j a_ A_____: ...
gue a adminislraco respeitou os dreitus dos ci
dados, garanlo-ihes a mais plena liberdade ;
(apoiados) porque, senhores, nao sei se devo diz-
lo em honra dos bros do povo desla provincia,
sempre que os seus direito* sao conculcados, qu
suas opinies sao abafadas e desrespeladas, raras
vezes nao temos a lamentar alteragdes da ordem
urna dedugo da dcima parle do valor delles, que
licaria em deposito para a garautia da boa execu-
eao do contrata e das multas.
Eu nao sei, senliores, o que mais disse o nobre
depulado pelo lerceiro dislricto sobre esle ponto
de sua aecusago, mas anda para por mais pa-
.. tente a legalidade, a razio com que procedeu o
publica, manitostacoes wais ou menos gravos con- governo fazendo esse contrato, ett direi mais almi-
tra a autoridad*, falto de respeito at a vida dos ma, cousa.
cidados. (Muito Lera.)
Por conseguiste- dessa ordem inalterada, desse
modificado seus principios polticos de accordo sangue que nao foi derramado, dessa paz que rei-
com a marc de seu paiz e dos acentecimenlos. nou sempre, eu tiro a eeocluso de que o presidea-
0 Sr, A. Francisco Paes de Mello Brrelo con-
tralou n io rnente a conservaco, como os repa-
ros de empredrainento e de trra em algunstaecos
da estrada. Diversos individuos que aates delle
i|ue os direilos porque reclame- ,
pi orierain de um acto do adimneurneer de nr-
vincia nao anprovado, o que esta aamanMa no
deve per modo algnm conlirmar. para na rata'-e-
leccr um precedente que pode Irazer lerriveia raa-
sequencias : a ronunissao de parecer a sepa
indefenda in integro a dita peticio do Br.
lo Larneiro Monieiro da Silva Sanare.
Paco da assembla legislan va provifint i
de marco de I84./r H.tmos. "
A comim>sao de agrtcuHura,
publicas leudo examinado a paWeio dos i
da freguezia de Miinbeca, em aee netf
flcio de. una estrada, que, parlindo de .
Prazeres na va farrea, se dirrs s inweiioi d
Laroto. Piedade, Candeias e Correr, e eV mv
reeer que seja remetiida a preatdeeria
cia para que om indo a repartico de
blica--. informe se raanet a ireeeaa
irada pelos porto indicados, e se a
MOTILADO


t
ti Ja de 2:5003 sufBeicnlc para a sua eonstruc-
ga.
Sala das commiss5es, 23 de marro de 1864.
H'ifo liar ros. Compeli.
Vei mo-ae apoia-se o sectate requerimcnto:
Requriro que se pera ao prndenlo da provin-
cia copia da deeiso dila proposia da repartiese
las obras Micas para ser multado o empreteiro
Jos Mamede Alves Ferreira. por nao Icr cumprido
n condiedes do sen contrato, relativamente aos
*, 8 e 9* leos da estrada de Pao d'Alho. Ger-
-<*>> Compeli.
F. approTado.
K" igualmente approvado o segrate requen-
mento : ,
Bequeiro qne se peca as govemo copia da plan-
ta de que se servio a repartico das obras publi-
cas para organisar o ornamento da estrada de
Goianoa Ped as de Fugo. Gervasio Campello.
(Continuar-se-ha J
REVISTA DIAK1A.
Ha sessao do hontem a assenthla provincial oc-
eupoo-M na l3 parto da ordeni do du com a 2* dis-
cusso das emendas apresentadas cin 3" ao projec-
to n. 22 que concede a suhvenro de 25:0005 para
i) estabelecimenio de um engenho modelo e appro-
voii-as sem debate. Approvou em i* discssao o
n ojelo n. 71 deste anno que concede 6 mezes de
bnna com o resjieclivo ordenado ao secretario da
repartico das obras publicas, sendo a dispensa do
inslersticio do mesmo requerida pelo Sr. Gervasio
Campcllo.
Approvou em 2" discssao o projecto n. 6 deste
auno que supprime a villa de N'ossa Seniora do O'
h eleva a povoacaodetpojuca cathegora de villa,
farando-M ouvir por esta occasiao em favor do
projecto os Srs. Jacobina, S Pereira e Amynthas, e
contra os Srs. Cunha Teixeira e Jos Maria ; pro-
longando -se a discssao at a hora da 2' parte da
orden) do lia, por ler requerido urgencia i>ara con-
tinuar a discssao deste projecto o Sr. Cunha Tei-
xeira.
O Sr. Cunha Teixeira pela ordem pedio qne de
preferencia fossem postos em discssao projeclos
de interesse geral, devendo entrar nesle numero
aquelle que impoe sobre os caxeiros estrangeiros.
Passando-se a discutir o projecto de forga poli-
cial oecuparam a tribuna em favor do projecto o
Sr. Silva Barros o contra o Sr. Costa Bibeiro, que
se lizeram ouvir at o lini da sessao.
A ordem do dia para boje, alm das materias
ja dadas, mais a 2' discssao do projecto n. 74, e 1*
dos de ns 40, 79, 7o, 80, 47 e nica do parecer n.
60 tu lo deste anno.
No dia 2 do correntc noile, em Goianoa,
Antonio Bodrigues de Mendonea assassinou com
un tiro de pistola a Vicencia Maria da Conceico,
sahindo levemente ferido pelo mesmo tiro Seralim
da 'osta, mando desia.
0 delnqueme foi preso pelo respectivo delegado,
que para logo tomou as demais providencias afim de
instaurar o competente proeesso.
Esse delicio foi lilho da altercacao bavida entre
Mendonea e Seralim, sendo a raulher deste mora
innocentemente, quando O tito era a elle dirigido.
Coinparecendo hontem ao tribunal do jury 41
jones do ficto, declarou-se aberta a sessao.
Sendo prsenle o juiz municipal preparador, Dr.
M. Gentil, off.receu os seguidles processos para
seren.submetldos julgamento:
!Autora a justiea publica.
Bos Thomaz e Al'cxandre, escravos dos herdei-
ros de Manoel Jos Pereira ; pronunciados no arl.
1 da lei de 10 de jante) de 1885.
2- Autora a juslira publica.
Reo Antonio Goacalves; i>ronuncado no art.
20o do cdigo criminal.-
lleve responder boje julgamento o reo An-
tonio Goncalves.
Depois do ainanha se extrahir a stima
parle da segunda lotera da Sania Casa da Miseri-
cordia.
O conselho director de instrueco publica,
em sessao de hontem, examinou as prosas escrip-
ias dos candidatos que no dia o do corrente ha-
viam-se submeliido anxame de verificarn de ea-
paridaile para o magisierio primario, c cnformou-
se aoni o julgamento da respectiva commisso de
exatM ; pelo qu foram considerados no caso de
obter o competente tulo, o segnintes seohores :
Antonio J ovino da Fonseca, Antonio Francisco de
Moura, Flix de V.ilois Correia, Juvonrto Tempo-
ral, Joao Jos Rih"iro o Salyro Anizii deFaria.
De Po-d'Alho em dala de 11 do crrenle es-
creviiri-ii'i- : I
Ahnal parece que estamos decididamente com
o invern ; lera cabido dias para c copiosas
chovas. !
l2>to em aclividade os cabalistas para a elei-
cao de 17 do eorrente.
No salteado ultimo c ia havendo vina aijoa
suja. E' o caso : prohibido em dias de felra o
ter-se cavallos nos lugares destinados para a ven-
da de generes.
c O'fiscal Halando de fazer sabir os que all es-
lavam den urna cipoada em um dos laes cavallos, o
apparecenduodono, insultou bastante ao mencionado
fiscal, que o prenden ordem do cnefe de polica.
Mas licou de nenhum effeito a tal prisao, por nao
haver sido feita a ordem da autordade local. En-
tretanto eonsta-me que o DseaJ deu de tudo parle
ao delegado, que tora sem ditvida de instaurar o
competente proeesso.
Sube boje a scena no Sania Isabel o drama
do distinelo dramaturgo fraucez Victorieu Sardn
Os ntimos, que tantos apptoasos colheu em Pars,
piando alh foi representado em 18til, e no Biode
laneiro. A" rspede do drama encontramos na
treu Omlimporaine o seguinte :
Victorieu Sardou esrreveu sen drama com o
vigor da inocdade, com urna real superioridade e
um succesM ainda mais inconleslavel. Todo o as-
saropto, isto o typo de cada um desses ntimos
que I imaiii-iws linio, desde nossos licros, que nunca
mus restitacm,ale iiosshs mu Hieres, que nos entre-
gum, sobresal admiiavelmenie. s Vigneox e os
Marcal nada deixam a desojar, porquauto sao in-
vejosos, arrebatados e raaos a supporem-se reaes.
ToJas as sconas era que altos ligurain lem lances
sublimes, principalmente a do duelo, onde dous in-
timo* fc-forcam-se para que o seu amigo seja r.s-
sassinado, p'or nina diminua disputa e una mal
entendida salisfacao da honra. Igualmente bel-
lo o discurso de Ifarcal apresentando-ae como
exeinplo. Tudo isso foi applaudido e o devia ser
pela dextreza c finara com que foram iracados.
Eis o assumpto do drama :
Caussade, burnera philosopho, casado com
nina encantadora mnlher, que um dos Mimos pre-
tende seduzir, para o que emprega todos os meln,
nada conseguiudo por causa da virtude da Sra.
Canstadt, que sabe resistir as tentaces.
A divisao dos papis foi a melhor possivel, a co-
raeear pela Sra. Caussade, cuja ardua la rea foi
onfiada a Sra. D. Autonina Manpjelou, para sua
estra, e promelte urna boa e digna interpreta gao.
Meato espectculo se rao apresentadas duas novas
vistas, urna sala de gosio e una estufa, tal como se
usam na Europa, e como ainda nao foi apresenta-
dono nosso theatro, devidas ambas aos pintis d
Sr. Veneri.
O vapor francei Estrcmiulure conduzio a seu
J)ordo da Europa 135 passageiros, dos quaes : 12
para Peraambuco, 1 para a Babia, 88 para o Bio
de Janeiro, 7 para Montevideo e 27 para Buenos-
A y res, ligurando entre elles os Srs. cousellieiro An-
gelo Muuiz da Silva Ferraz, de Buuscn secretario
da legagao prusstana no Bio, e de Vermenil dito
da legacao franceza em Buenos-Ayres.
Ja tomaram passagons para a Europa, na tol-
la do Estremadure, 10 passageiros. ,
i )s Srs. Iiuarie A C, proprietarios dos armazens ,
J'rogressivoe L'niaoe Commercio, j conbecidos do '
publico desta cidade, abran amaubaa 14 do cor-
rele um novo eslabelecimento do mesmo genero,!
sob odistinctivo doVerdadeiro, Principal e Gran-
Je Armazem de Molhadosna ra do Imperador |
n. 40, junio i casa do Sr. Osbornn, no qual encon-1
trar-se-ba um bello e escolbido sortimento de ludo
<|Uo propno deslas casas, por precos razoaveis.e
asseguram que as cncominendas que Ihe forem fei-
(as serao executadas com toda a (idelidade seja
resgalearaento.
ItEPAUTHJAO DA POLICA.
Extracto da- partes do dia 12 de abril de 1864.
Foram recolhidos a casa de deluucao no dia 11
A ordem do delegado do terceiro districto, JoiW ,
.Antonio Barbo-a, pardo, por furto de cavallos e{
ferlmenios.
A ordem do subdelegado de Santo Antonio.'
llraz, africano, escravo de Jos on Amonio Mar-
ques de Amorim, para correccao.
A ordem do de S. Jos, os pardos Baphael An-
tonio Corroia de Araujo, Manoel Antonio Barbosa,
:imho por brig, e Jos Mana e Sant'Anna, sem
,1 claracao do motivo.
A ordem do da apungd. Manoel Izidro do Nas-
vimento, pardo, por criine de estupro
O ebefe da 2' seccao,
J. G. 4tMtatela.
Passageiros d< vapor francei Estmnadnre,
viudo de Bordeaux c portos intermedios :l.eo-
1
poldo Smitli do Vaseoncellos, H. G. Faid Chrjstern,
Joao Jos Hodrigues Vieira, Jos Correia Loureiro,
Castodio Bento Habsllo, Manoel Jos Pereira Pa-
checo e 2 filhos Jos Joaquim P. de Mgalbies,
Pedro DeMlno de Agaiar, Joao de Azevedo Cruz.
Joao S. Pereira Pacheco.
Segum para o sul :Raymando Udaela, Nico-
la linmediaio.
I Passageiro do hiato nacional Nicolao I. sabi-
do para Aracaty :C. de A. Pires.
Movimento da casa de delenoao, no dia 10 de
abril de-1864.
Existiam. ..... 348 presos
Entrarara..... 6
Sahirara...... 10
A saber:
Existem....... 344
Naoionaes..... 24o
Estrangeiros... 31
Mulheres...... 1
Estrangeiras...
1
Escravos...... 61
Escrava......
344
Alimentados a cnsta dos cofres pblicos 154
Movimento da enfermara no dia 11 de abril
de 1864.
Te ve baixa :
Roberto de Souu Barros, torcicolo.
Movimento da casa de detencao, no da H de
abril de 1864.
Existiam. ... 344 preses.
Knlraram 7
Sabiram'. ... 7
Existem. ... 344
A saber:
Nacionaes .
Estrangeiros .
Mulheres .
Esirangeira .
Escravos .
Escravas .
243
32
1
l
62
5
34T
154
Alimentados custa dos cofres provinciaes
Movimento da enfermara do dia 12 :
Te ve baixa :.
Joao Antonio Barbosa, ferimentos.
Tiveram alta :
Jos Francisco do Valle.
Feliciano de Jess-
Buberto de Souza Barros.
BITUAniO DO DIA 10 DE ABRIL, NO CEM1TSR10
PUBLICO.
Manoel Francisco Pinho de Mello, Peraambuco,
19 annos, solteiro. Boa-Vista; urna intente
ch roica.
Antonio, Peraambuco, 2 horas, Recife ; suffocado
em sangue.
Domingos, escravo, frica, 40 annos, solteiro, S.
Jos ; congestao cerebral.
Dia 11.
Sevciino, escravo, Afria, 40 annos, solteiro, Boa-
Vista j hepatite chronica.
Maria do Bosario, Pernambuco, 26 annos, casada,
Boa-Vista : phtysira pulmonar.
Maaoel, frica, 24 annos, solteiro, Boa-Vista j in-
tente.
Mariinho de Oliveira, Portugal, 40 annos, solteiro,
Boa-Vista : febre perniciosa.
Luiz, Pernambuco, ti mezes, S. Jos ; convulsoe*.
Carolina Maria da Conceico, Maranhao, 29 annos,
solteiro, S. Antonio ; bexigas.
Enterrada na Jesnina Bodrigues, Parnambuco, 23
annos, casada, Recife; hemorrogia de sangue.
Jacintbo Francisco do Nascimento. Perna*n*uco,
18 annos. solteiro, Recife ; tubrculos pulmo-
nares.
Dia 11
Gerlrudes Lopes, frica, 70 annos, viuva, S. Jos ;
paralysia
Pedro, escravo. frica, 40 annos, solteiro, Boa-Vis-
ta ; dio rola.
Mauricio Antonio da Silva, Para, 37 annos, soltei-
ro, Boa-Vista ; ulcera intestina.
Feliciano, Peraambuco, 'J mezes, Boa-Vista ; con-
volases.
Tbeodora Candida da Conceico, Peraambuco, ->
annos S. Jos tubrculos pulmonares.
Francelina, Pernambuco. 45 anuos, solteira, S.
Jos ; peritonite.
.Maria ZelVrina da Caaha Alm.'ida. Pernambuco,
50 annos, viuva, Boa'Vista; hepatite.
vm rorro de tuoo.
Do Jintninanr traduzimos o seguinte :
Dkcueto da r.inii'AMiiA nanteza.
Nos, Tricot c Benoil, generacs de divisao pela
graca de nossos milhoes, tomos decretado e decre-
tamos o seguinte :
Arl. 1." (Juerendo que os artistas parlicipem dos!
benilieios da tberdaae dos tktatro, e desejando
ajudar os tres thealros da nossa boa cidade de Pa-
rs,o Cbatolet, a Porto de S. Mariinho e a Gai-
tanomeamos o capilao Harmanl, ministro plenipo-
tenciario encaregado de commandar ascompa-
nhias, e de dirigidas ao centro das oporacocs.
Art. 2." As companhias serao commandadas mi-
litarmenlc.
Art. 3." O capilao Harmant ter por ajndante de
ordens os lugar-tenenles Marc-Fournier e Hippoly-
to ostoio.
Art. 4. Ter sobre ellas direitos de vida e
morte.
Arl. 5. Proliibir-llies-ha conversar com as ta-
verneiras.
Art. 6." Durante a campanha de 1864 o capilao
Barman! far as reqoisieSes necessarias, e ordena-
r as levas de recrutas de provincia, se vir que ha
lactinas ou desercSes as companhias as suas or-
dens.
Art. 7." Ouvir quando for preciso aos dous lu-
gar-teuentes, e em caso extremo obrar por si sem
isto.
Art. 8." 0 uniforme dos ofliciaes ser o paletot
preto todo aboloado, e cobrirao a caboca com o
shako militar. O capilao Irar o paletot pardo 1110-
rengo e o schanslai polaco scrvir-lhe-ha de bonet
Durante as sesses do conselho, o capilao somonte
estar coberto. .
Arl. 9. Os lugar-tenenles nao podero percorrer
as ras de Paris sem eslarem coberlos com os seus
sbak'-s O capilao trar o shapeka na mao.
Art. 10. As companhias conservarlo o uniforme
burguez, lendo somenle |iorsgnaes disliiictivos dos
outros cidados as palavrascompanltin nanteza-
collocada as costas.
ArK 11. Nomeamos a Francisco Sarcey e a Du-
penty hisloriograiibos da campanha de 1864.
Art. 12. Prohibimos cxpressamenle ao capilao
de brincar com as taverneiras.
Fcito no quartel general do Chalet, aos 23 de Ja-
neiro de 1864.
Os generaos de divisao,
Tricot e Bencht.

Dous crticos achavam-se ao lado da orchestra
da opera.
Bepresentava-se o Moijtts.
Nao gosta desla msica, querido confrade ?
Nao.
Ouca, pois, este coro na capella...
O liiema usado.
Mas suave. Eis as vaue que se perdem ao
longe...
Deixe-as: a perda nao grande.

Meri fallavn um dia com Theophilo Gautier so-
bre algumas aves raras em Franca, nolavelmente
de Casto, ave escura, bravia e mu dilllcil de ti-
rar.
Nao difficil de tirar, diz Theophilo Gautier,
seno pela razo della nao existir.
L-se no Comi dos Estados Unido:
Um ailemo residente 001 urna aldeia perto de
La-Orose Wi-consln) atislou^se como voWntaTto
em 1861.
Tinha elle urna gata iiaeestimava mtito, e, quan-
do parti para o exercito, exigi da mulhcr a pro-
messa de que nao matara nenhum dos gatinhos que
gata dsse luz al ao seu regresso.
A mnlher cumprio fielmente o desejo de seu ma-
rido, qiK', regressando ltimamente ao sen lar, a-
rhou 11 uma -granja contigua caa urna familia de
galos eoinposta de 3 ou 4 geracSes.
Eram 149 gatos I
Que agradaves noites devem dar a visnhanc!
O vate.
O vate no crneo eBcerra
Novo espago e nova luz,
Povoado das imagens,
Q'a sua lyra produz.
Essas imagens d'imagens
Vivera, como Vivera as flores;
Como ellas tambera morrem
Na estacao dos seus amores I
Oatras imagens succedem^
Com mais vida e mais aecao,
Como um sonho de donzella.
Na primitiva e.-tao.
Mas seHmageos funreas f X
Knlolam Triste vale! as coritas (ere,
Cania, ge me e suspira!
Mil ideas ge amloveran'
!ro crneo do vate ousado,
Nos olho ferveui-lh'as lagrimas,
Nos labios riso forjado...
Com a lyra elle se abraca,
Corre a ionle dos seus olma,
Rega a lyraqual a flor,
Que se derraba enlr'abrolbos.
Volve os ollios para o co,
A lyra a Deus aprsenla;
Seus labios fallara eos aojos,
Sua alma geme sedenta.
E as suas inspiracoes
u aluuenla 111 um ide,.i,
Merrem como a esperanza
No ciigaiio mais fatal!
A Perseceranzn de Milo conta o seguinte :
Depois do ikssassinato dos dous cat&eiros docam-
bista Baldini, Iwuve um roubo acoinpanbado decir-
cumstancias curiosas e que merece set ooniado.
lu padre Toi assaltado de noile quando se reco-
llna para sua casa.
EinquaiUo os ladros Ihe rebuscavam as algibei-
ras, passou uma palrulha de soldados francezes.
Os marotos, receiando ser descobertos, obrigaram
o padre a cantar a ladainha, o qne elle logo fez
emquanto que os ladrees ajoelhados em volia delle
respondiam milito devotamente ora pro nobis.
Os soldados francezes, julgando que era um gru-
po de devotos, dos que noite sabem a rezar pelas
ras, Blawou-se 6em fazer reparo. Depois que a
palrulha passou os ladrbes continua rain a sua ope-
raco deixando o padre sem um sold.
I.e>se na Gateta de Colonia :
Dous irmaos estabeleeidos em Vieuoa com ne-
gocio, tiuhain passado letras falsas de eambio para
sustentarem o seu commercio.
Este meio fraudulento, foi a nnal descoberto, e
um dos dous culpados vendo que tudo estava per-
dido, concebeu o designio generoso de se sacricar
por seu iruiao.
Deu parle a este ullmo do seu projecle, que era
suicidar-se, mas antes disto devia escrever uma
carta aos seus credoros, confessando a falsidade e
desculpando seu irmao de toda a parlieipac-o no
delicio, do qual assumia toda a responsabilidade.
Como bem se pode suppor, o irmo M. X., nao
querendo acceilar um tal sacrificio, conjurou seu
irmo para que desistesse do seu designio, prefe-
rindo antes, visto que ambos eram culpados, que
expiassem juntos a sua falta ; porm o mais ra-
lbo dos irmaos presistu na sua resolucao.
Arraujou um vdrw de acido prusico, e, beben-
do-o, esperava a morte.
Fez isto na ausencia do M. X... (o irmo mais
novo), e quandu este voltou e soube o que se pas-
sara, foi immodiatamente chamar um medico, que
nao lardou a descubrir que, felizmente, o supposto
acido prussico, nao era mais que um porgante
noffensivo, que o boticario dora a M. X..., mais
Velho, para se desembarazar d'elle; porm, M.
X... liuha cffeclvamentc,'antes da sua tentativa
de envenenamento, oscripto aos seus oradoras.
Estes sabendo que a vida do seu devedor nao es-
lava eraperigo, qoerellaram dos dous irmaos, que,
cm.conseqnencia d'i to, foram preso*.
L-se na poca de Madrid :
Diz uma carta de Fuenteseca que n'aqaclla po-
voacao falleeeo uma pebre mulher do campo com
122 annos menos doas mezes de ida le, deixando
uma familia composta de 3 lilhos (o mais novo de
91 annos), 27 nelos, 18 bisnetos c 3 ltanmelos,
na maior parle varees e dedicados agricultura
os que leemidade suflkiente para Irabalnar.
A resjieitavel macrobia morreo no uso completo
das suas faculdades intellectuaes, e recordava-se
do marquez da Ensenada, ministro de Fernando
VI, que vira em Granada, e de outros personageos
do seu lempo.
Quando expiren, rodeavam o seu leilo 32 pos-
soas da sua familia.
0 Escholiaste Medico refere que o Sr. RelwooI
dirigi uma communicacao ao jornal a Lance!, em
que referia as cirenmstancias de um caso de febre
lyphoide, n'uma mulher aind 1 moca, qne tomou
dentro em |oucos dias, cn\ quanto houve maior
proslraco, quatro garro/na do rin'io do Porto !
Aiuwir r-tlii'.ts il.l ih'nilisula
acharaos de excessivo no tratamemo pelos aicooii-
cos de que langa mao a medicina Ittglpza, esta do-
enle diz-se que iirou o maior partido do uso do vi-
nho, c que se restabeleceu com brevidade.
O Jornal do Commercio de Lisboa conta o que
segu. i
Os campos de Gollega, Salvaterra, Benavento c
Santarera acham-sj iunundados.
A eljeia ja invada tamhcni os campos da Azam-
buja ; e os de Villa Nova c do Carregado j igual-
menle a osla hora devera estar coberlos de agua.
Us prejiuzos sao grandes, porque j havia umita
sement na Ierra.
Eai quauto nao principiava o concert os eoncur- antoridado, i*ra ver se dessa frna descaneavam
reines viam e adniiravam os obieclos oBwcecidos, es niairii-ulados da cabolasum do tamas mulla
'j*1B se ar,havam era expnsicio na sala da entra- que o mesmo Ibes impoeni, o raesino para, qvafido
da. Algumas prendas luviam de valor, e inuias de uer |>or aquioutro navio, nao wrmo rcprodozidos
um mrito extraordinario, io s pela perfeico, os mes mes escarnalos, que foram pralcados por
que m nuava, cnuw lanjbem por sereui Irabaibos i occasiao do naufragio da barea Ailrien, era que a
feilos por psuricias nossas. dignidade da naco brasleira foi assaz compro-
Eram mmensos os objeelos ofbrecidos, por falta! medida pelos actos de pilhagen que se deram na
de espas&o nao nos possivel dar uma nla^ao de quella occasiao, os quaes, segundo
lodos elles, e assira liinitar-nos-liemos a mencionar rain concitados pelo mesmo capataz.
compro
eram n:
publico, fo-
alguns, que mais sobressabiram.
Como objecto de valor nao podemos deixar de
mencionar dous vasos do clirvslal da Bohemia offe-
recidos pelas Ex mas. Si as. Das. Maria dos Anjos
da Souza I^ao, e Billa Zeferraa Paes de Andrade;
uma puleeira com brilhanles oflerecida por Miuo.!
1 Cambronne, um annel de esmeralda cora um oii -
Pilar de lumarac, 26 de marQo de l?6i.
O aprecicdor do ment.
PiUlus vc^etacs assncaratls de
herup.
Qualqucr una pvssea que se sinta atacada da
, c?i n bW10,* br,,hanles offerecdo pela Exraa. bilis, 0 que faca uso destas admiraveis pilnlas, por
sra. u. fcUelirudes de (.Hiveira Cdsuo, dous vasos este meio lem lomado a melhor das precaugoes
de alabastro otferecidos pela Exiaa bi'a. D. Maria; contra todas as molestws epidmicas. Uma s dse
Laronna Tararea da Silva. p6de salvar uma pessoa da febre amarella. do cho-
lera ou das febres intermitentes biliosas.
Preduzem um efleito verdaderamente maravi-
Ihoso em todos os desarranjos do ligado c do ven
Primavam pela delicadeza e gosto um quadro
! bordado representando o senhor agonisante aflore-
i ,lt2fl*Ixyu-Sra-D-M;,ria H-da s',v*G8sre-
esa iranaino rw merto apreciado, nao menos apre- tre ; ellas se compem exclusi\-arnente de subs-
ciaoos lorara nm guarda lenco de seda branca bor- tancias vegetara por ser uma medicina fortificante
dado a ouro offerecido pela Exma. Sra. D. Ameba que nunca debilita, pdem por isso ser adminis
;vrv ferreira. orna almofada para allineites toda irada com a mesma seguranza tanto s enancas
de sida branca, bordada ouro e enfeitada de ornas j as mais tenras Qcomo aos homens mais robustos.
">res imitando myozotijs, era de uma delicadeza, Sao as nicas pilulas desta natureza que se acham
e se nao pode descrever, oflerecida pela Exma. acondicionadas em frasquinhos de crystal e sk>
inapreeiaveis como o melhor dos remedios para as
O Commercio do Porto diz o seguinte :
Os prejuizos que a marmita duaniarqneza p le
cansar ao commercio austraco sao considera-
veis.
A exportacao e a importacao do Trieste, ele-
vam-se por'anno a 138 milhoes de florins aus-
tracos.
Ros portos da Austria entram annualmente e sa-
hem 1.j:000 navios.
A sua marinha mercante conta.40:000 navios
com 3o:000 tripulaules.
O movimento da navefacas dos portos prussia-
nos de l:800 Ilamburgo importa um valor de 336 marcos
banco. A sua navegaco de .">:< 00 navios por
entrada e sabida, e a sua marinha mercante de
500 navios.
A importacao de Breuse de 130 milhoes de
thalers, a sua navegacao de 3:000 navios, e a
sua marinha mercante -300. Luuerk importa 20
milhoes de mareos, tora urna navegacao de 1:500
navios dos quaes Ihe perlencein 60.
As marineas mercantes de Huinover, Oidenhur-
go C dos dous M'Tklnburgos. nao conlaui juntas
me.os de 2:000 velas.
flores
que
Sra. D. Mara Anna Paes Brrelo, uma inda almo-
fada de seda azul bordada ouro oflerecida pela
Exma. Sr. B. Amalia Lemos, um prato de porcel-
lena branca pintado offerecido pela Exma. Sra. D.
Paulina de Siqieira, foi um trabalho que leve
grande aceilaco; um qoadra coniendo um passa-
ro bordado ouro offerecido pela Exma. Sra. I).
Josepha Gulhermina Peregrina da Silva, um tape-
lt bordado olferecido pida K\ma. Sra baroneza do
Civramento, uma grinalda de flores artitleiaes ofle-
recida pela Exma. Sra. D. Carlota Carneiro da
Cunha.
As 7 i|2 prindpiou o concert por uma linda
symphonia para piano a iiuatro raaos, composta
jielo maestro Donizedi. sobre es motivos de algu-
mas operas do maestro Bellini, hbilmente execu-
lada pela Exma. Sra. D. Emilia Coeiho, e o Sr. J.
Smoltz.
O publico j conhece o programma, e assim,
mencionaremos smente o que melhor execue,o
tora.
As Exmas. Sras. D. Paulina de Siqoeira c Maria
dos Anjos de Souza Leo cantaran) um duedo da
opera 17 Giwamenio do maestro Mercadante, agra-
dou bastante, nao s pela belleza musical, como
pela perfeico da execucao.
A Exma. Sra. D. Paulina de Siqueira cantn a
cavatina da opera La Somnantbula do maestro Bel-
lini, executou admiravelmentc, para o que muio
concorreu sua voz mavosa e extensa, c a verdadei-
ra expresso, qu<: ella sabe dar a msica.
Foi ouvda com um silencio profundo, que s os
bravos, que se nao podiam conter nterrompiam.
O caro La Carita foi o linal da primeira parte,
foi cantado por qunze senhoras, as quaes, pelas
bellas rana, e maneira porque deseiiqienharam,
mostraram que merecida a aceilaco, que tem
em toda a Europa e mesmo eutre nos, to linda
composico.
A segunda parle comecon por uma svmpbonia
para piano a quatro mos da opera OBtff do
maestre Herald,executada peta Exma. Sra. D. Ama-
lia Lomos e J. Smoltz, foi cxeellente a execucao,
locaran com rardaeifa expresso, e muilo gosto,
a Baa. Sra. D. Amalia Lomos mostrou que era
digna discipula do Sr. Smoliz.
A cavatina de Giannn Grny do maestro Donisetti
foi cantada pela Exma. Sra. D. Maria dos Anjos
de Souza Leo, que fez-tos ronhecer o quanto vale
urna boa composico, quanto executada por una
pessoa, que tem bella vz, e qne comprehende as
bellezas e os senliuientos da msica. Nao dexou
a desejar seno ouvir-se a repetico.
O duetto da opera Maria Padilla do maestro
1 inisetti, foi cantado pelas Btmas. Sras. I). The-
reza Dow-lay e Paulina deSiqueira, as duas vozes
casavamse adiniravelmente, tanto no timbre como
na execucao, que foi perfeita, embhora a extrema
difliculade da msica.
Cora eeil) juilquer q u seja a discripeo nao
pode seno Bear inferior ao uierecimenio com que
des- mfienliarain as respectivas parles as senhoras,
que citamos. No Ihi do duelto o publico deu to-
da a expanso ao enlhusiasino e victoriou-as ar-
deMe mente.
A' Exma. Sra D. Francisca de Paula e Silva lo-
ci.u no piano a grande fauazia militar sobre a ope-
_. < .'...i-. 1.. i.,..-------._ j----------- TliimiiiHli
comosla percrz, de.-empenhou com ramio gos-
to, apreciamos nao s a belleza e diflieuldade da
msica, como tambera a bfla execucao, (juo na
verdade, est superior a todo elogio.
Tiramos larnbem occasiao do apreciar aos Srs.
Staber, Jorge Vctor e Dr. Moseoso. sendo um na
rabeca, outro 110 piano, e o ullmo na flauta.
O piano foi ocenpadj pelo distuicto maestro J.
Smoltz, que ja bastante condecido entre us, as-
sim, inda diremos a respeito.
No inlervallo da primeira a segunda parte as
senhoras vendiara os objectos, que estaran em ex-
posieaO) assim como algumas llores iialuraes, <|ue
se Ibes hartan Olferecido.
Era tolos os semblantes via-se o prazer, e reina-
va entre as pessoas a maior fralermdade, os limi-
tes marcados entre as diversas cl-.sse, da socieda-
de pela dilerenca das jerarchias, fortunas, deixa-
ram de ser barriras de separacao para os cora-
Qoes.
Foi urna verdadeira nm'te de festa.
Tem-se apurado para mais de seis contos de
ris.
Eryx.
silo em primeira man. iv trrrm -yi* *o(
urna subida ile H scliillm--. a om,i., Ormr
Tabaco.A tendencia favoravel m v>aa aa
qualidades. Em leHe wmdyrt '-"\ tnihi (U
tabaco avariado do Ka-Gr*nrte di Sol i \ e II o/
schillings. Em ser cerra de 3.0110 wilanw a ta-
baco do Brasil.
Algodo.Sem transacrws e o preces sen na>
danca, continuando a falla de asealln.
Carao. -Todas as qualidades de ocaot prnra-
r.^das, e os precos mais altos.
I Couros.Os couros Iransatantio .vham- nm
t>i>-';o muito fume. ode|rf.-iio mM muilo minute
e nao honraran novas Investente*.
i Parlinm para o Rio de Janeara, navios Ihrlm
:c \alkijren. e para a Babia CnHm,
Em Ciiseqoencia .la ineerle/a do. n.Ti.a-Ua mM-
lieos, o numero de navi,H rarjra para o Braai
muilo limitado, e apenas temos de imur re
carga :
Para o Bio de Janeiro sTaanft,
Grande do Sul Mtitkilde e Mam
Caanan
Sobre Londres, 3 mezes dala. Llmarru I
ling |>or : prasocurlo Vi nano- ';
por se.
Sobre Pars. 3 mezes dala, 1!>3 '. fraitri |.
marcos banco; prazo curto i'.H) ', franges
100 marco banco.
Sobre Lisboa, 3 nana data. V-> '/> srhilliag ha
por um mil res; descont 4 e ', ",,
e Baante
pessoas de ambos os sexos, seja qual fr a sita
fdade.
Encontrar-se-bao em lodas as lojas de drogas e
na botica de Bravo & C. e de Caors & Barbosa.
COMMERCIO.
myo una be peiwwbijco.
O novo banco de Parnambuco paga o 12 divP
dendo a razo de )5 por acjSo.
Airaadega
Kendiment do dia 1 a 11........
dem do dia 12.................
223:066*270
19:501*012
2i2:5f>r*282
viovhurnto da alfandega
Volumes entrados com fazendas...
< com gneros.
Volumes sahdos com
cora
fazendas...
generes...
127
194
85
158
321
243
1 1111-.13 it.-i.lo.os Oe nlt ia i
COHMJUICASOS.
Breve noticia do etncerto e Ifilo em favor dos
rslabrlecimcntos piosda provincia.
A sociedade actual tende para o bem-estar mate-
rial, parlindo do bem-estar moral.
Hoje era lugar de sumpluosos palacios, de sober-
bos circos, creara-se liospiues por loda a parte.
Assim, podemos dizor qoe a caridad uma ten-
dencia da civiiisaco mmlerna, porque cencorre
para o bem-eslar, e para isso veja-se o afn com
que se creara monte-pos, e a.-ylos de toda natu-
reza.
A cardade nao smente uma virtude chrstha,
tambem urna peeetsidade social.
Muito deveo chrislianismo mulher, e podemos
dizer sera nada de, errar, qu ella lera mais ou me-
nos parte no que a sociedade tem de grandioso.
Ha bem poucos das ti venas ama prova dsso. Al-
gumas senhoras comprehendndo que o egosmo
o maior llagello da nossa sociedade, eque precisa-
mos de uma propogaco nova de fraternidade chris-
taa, que excite os poderosos e felizes a soccorrer os
infelizes e os fracos, e como um dos remedios a
cardade, esse grande poder contemporneo, aven-
taram dentro ellas uma idea grande e generosa,
todas apanharam a luva, e a porfa cada qual que-
ra ser a campeadora dessa misada da candade, A
idea fundio-se nellas, como se funde as grandes
almas tudo quanto nobro e generoso, porque o
primeiro germem que desabrocha no coraco da
muffier a piedade, a cotppaixao.
Assim naseu o concert, que tev lugf em pa-
lacio uo dia 4'do correute; ful a caridade christa a
origem dessa reuniao lo aplaudida por mais de
tresentosicwiearri'nU'S Bacieeaes e estrangeiros fui
uma idea feliz plantada em terreno ubrrimo, que
produzio cem por um, foi a voz do um clioro de an-
jos cantando os tllenos da pobreza desvalida.
Nao podemos deixar de mencionar as senhoras,
que se enrarregaram da realisaejio de tao sublime
idea. Foram as Exilias. Sras. Das. Clementina de
Moraes Sarment, Paulina de Siqueira, Mara dos
Anjos de Souza Leao, baroneza do L va ment, ba-
roneza de Bvbribe, Fimrina Cavalc.anli Paes Bar-
io, Rilta nefelina Paes da Andrade, Joaqinna Pinto
de Lemos, ^nua Leo|>oldina de Siqueira Ferreira,
e Mara Carolina Tavaros d.-i Silva.
No adito"esse templo dedicado caridade gnar-
davam as portas algumas senhnras destinadas a n-
ceberem a entrada ouosmolade todos quantes qur-
zessein coaeorrer para essa obra meritoria, nao foi
em vo que essas matronas distjnctas esperavam
pela oflerta dos convidados, niituem se. excusou da
dadiva, ninguem deixou de honrar o cofre das
oblacdes.
PBLIGACOES A PEDIDO-
Do nada ao muito.
Muilo feliz se deve considerar aquello pobre de
espirito que lendo sido caixero do vender aova-
dos de lzon la. passa hoje a dar ordens a aqhel-
les que lilhos da academia onde aprendern! a dis-
ciplina e beberam a srieneia, se raVM sujeitar ao
latronismo e miserias que Ibes impe o pobre de
espirito, porgue macha cima nenes e de promp-
to Ihes chama de insubordinados, quando elle o
mais ignorante da disciplina e o primeiro a eom-
metler actos que nao s o destinaran, como frrem
a dignidade d'*juelles que os vem praticar, sem
poder ao moaos desviar-se iessa hnrnem corram-
pid).
Que desgraca pora a vida militar ?
Quando pensou esse infeliz passar de caixeiro
a uosico social que lo mal oceupa ? 1
Quaes os exeniplos de disciplina e honradez ?
Findo esta proinettendo voltar imprcnsa, se
vir que se faz necessario a apresentacao dos feilos.
0 tlaiii" protegido do Daoilo.
Oescarregam no dia 13 de abril.
Barca inglezai'ac/n/iiHon-carvao.
Barca ingleza -Seraiihina-ferro.
Barca inglezafuion -carvo de pedra.
1111 ]> o r ti vio.
Barca ingleza Seraphma entrada de Liverpool
consignada Johnston Paler & C, manifeslou o
seguinte :
20 ggos Iraca, 50 barricas cerraja, 6 quartollas
vinho, 410 caitas sabia, 51 toneladas carvao mi-
do, 31 ditas coke ; aos consignatarios.
2 fardos c 16 caixas tecido de Imito c de algo-
do,2 caixas seibas completos, 10 ditas machinis-
mo,3 ditas e 9 volomes ferragens, 1 volume ara-
nte de cobre,- 12 rollos chumbo em lencol, 100
harris dito de monico, 2 fardos lio, 100 'ps de
ferro, 2 barr-as estanto, 199 fogareiros, 2 caixas
e 78 meias dilas cha. 50 barris manteiga, 46 ditos
salitre, 5 ditos bren, 13 caixas enxofre, 5 barricas
cutleria, 40 barris pregos, 15 caixas objectos de
seleiro, 1 dita conservas, 1 dita pertences de boti-
ca, 319 barras e 3 feixesde forro, 40 toneladas de
pedra S. P. Johnston & C.
3 caixas tecido de linho ; Izidoro NettoA Cj
2 ditas e 34 fardos tecido de algodo : a Raba
Se hmmeltau c\ C.
4 fardos e 6 caixas tecidos de algodo c mixtos -,
Carneiro & Nogueira.
48 pilares de ferro fundido, 48 chapas dem ; ao
bario doHvrsnanu.
1 caixa inusselina 5 Jeffercs.
58 caixas lijollos: Dammayer.
4 caixas leetioda linho, 5 fardjs pannos para
veame ; N. O. Bieber L\ C.
1 caixa tecido mixto ; Joao Keller iS C.
50 caixas maclunismos : Saunders Brothers
&c
27 fardos e 37 caixas tecido de algodo ; Ja-
mes llyder & C.
i caixa e 1 1
de Abren.
21 caixas e 39 fardos tecidos de algodo, c de
dito e linho ; Ferreira A Araujo.
1 caixa mixto ; llennque & Azevedo.
3 embrulhos cadeiras e Iravesseiro de eram ;
W. Martillean.
33 fardos 8 13 caixas lecido de algodo, i ditas
objeelos de eserptorio ; Mills Laan & C.
I barrica serrato, 2 ditos dita en garrafa, I cai-
xa viuho ; ao capilao James.
12 caixas phosplioros ; Ferreira & Monleiro.
20 barris manleiga, 10 caixas phosphoros, 200
dita sabao ; a Tasso Irmaos.
50 barris manteiga ; a Ferreira & Loureiro.
12 caixas liabas, 8 Jilas e 63 barricas miaaras,
farras, senas, vidros para lampies, e ferragens
a Prenle Viauna & C.
100 barris chumbo de munico, 10 toncos de
chumbo, 17 caixas reguladores,"600 barras de fer-
ro, 2 caixas entelarte, l ratona minnwss, 2 barr
cas ferragens, 14 caixas e 52 fardos tecidos de al-
godo e de linho. 10 caixas conservas, 3 harnea
provses, 1 c.iixote ervilhas, 1 tete sardnhas, 12
frascos peixe em conservas, 7 qneijos, 23 presun-
tos, 2 anees de toucnlio, 3 barris manteiga, 8 cai-
xas vinho, 25 ditas phosphoros 11 pares de sapa-
tos, 1 jarra ignoro, e 5 gallinhas; a ordem.
Barca ingleza Vision, entrada de Liverpool, con-
signada, a Saunders Brothers & C. manifeslou (
segrate :
607 toneladas de carvo de pedra ; a ordem.
Barca america na Eagle, entrada de New-York
consignado a Henry Forster guinie :
2,170 ps de taboado de cedro 330 barris carne
de varea, 200 ditos dita de porco. 1,001 caixas de
sabao, 3 caixas onjectos para pescar. 1 caixa pn-
turas, l ditas banha, 200 ditas velas, 800 caixas
oleo de Kerosene. 169 rentos, 20 volumes cabos r>
barris manteiga, 12 ditos alcatro, 1 caixa chicotes
e ponas para ditos, 4 baleeiras, 1 volunte forra
gens ; aos inesmos.
Hiato nacional Sant'Anna, entrado do Aracaty,
consignado, a Bemvindo G. do Amaral, manifestou
o segrale :
4 caixas algodo, 63 meios de sola, 31 cooros
salgados : a Jos Machado de Souza Pinentel.
| 13 saceos cera de carnauba, 31 caixas velas ;
i viuva Monleiro 4 Filhos.
150 meios de sola, 20 barricas cera de carnau-
ba, 3 caixoes bagagem de familia, 2 pacotes carne
secra ; a ordem.
Begressando ao logar de meu nascimento, d"on- :m saccas algo lo em pluma, 22 molhos pelles
de rae havia apartado, em procura de sande e me- ,],. cnbn, t callao pennas de ema ; a Jos de Sa
Ihor sorte, aduiire a mudaiira que no curto epsi-' tao Jnior.
co de uiiiiha viagem, se operou na fregneza de Barca pertugueza Iris, entrada do Assu' consig-
Itamarac, que rae vio naseer. nada) a ordem^manifestou o seguinte :
Os assassinos, reos de pobcia e ladros de ca-' 4^7 alqueiies de sal; a ordem.
vallo, oslentavam aqu um destonor inqualifica- Briguc nacional Relampaqo, entrado do Bio de
vel. O uso de armasdefezas era um luxo de que Janeiro, consignado, a C C. da Cosa Moreira
os relapsos nao dispensa va 111; cada nm Irazia sen ntanifestou o seguinte :
punhal col locado em forma de alfmete de peito. I 5^90 abracires de'farinha de minlioca : a
Emtint a tranqutliaade publica e seguranca indvi- or(toiu.
dual eram necessidades que os homens honestos
do lugar almejavam ver garantidas, tols suas vi-
das e propriedadoi esteran a merc dos sicarios,
que impune e alfrontosamente transitavam as ras
publicas da jiovea^o.
Hoje, gnacas prudencia e energa- do Sr. t'e-
nente Cuilherraino Ferreira Alcntara, j nao se
viera reproduzdos esses escndalos. O Sr. lente
Guilhermino, naqualdade de primeiro supplente
de subdelegado, em eujo ex.rcco se acha haal-
guns mezes, se tem musitado incansavol na re-
(irCsSao dos delictos. As acertadas o prudentes me-
didas por elle platicadas uo sentido de restable-
cer a ordem publica, o fazem di;no da estima e
considerajo dos homens que amara .0 soreg e
prosperidadt! de simpnlria.
Varios processos insiaurados: criminosos cap-
turados ; dtentbs os vadlos ; perseguidos os de-
sertores : taes foram as providencias tomadas
pelo dito Sr. lente para restituir a tranquildade
de que boje gozam os habitantes de llamarac. K
ludo eonseguio sem estrondo, nem auxilio de tor-
ca esfranha, mas smente com seus inspectores, e
alguns homens da reserva, que se preslam ao ser- r
vico da polica, pois o? Itamaraquences sao natu-.
ramente doceis e dados ao trabalho, sendo que, se |
itecebedoriu de rendas internas
eraos de Pernambnco.
Rendimento do dia I a 11........ 7:5495001
dem do da 12................. 767887
8:316*978
Consulado provincial.
Rendimento do da 1 a 9......... 36:2955043
fdemdo dia 11................. 2:548o:j.(
38:84397
Hamuiiryo, 21 de marre de iSti.
Relator io commerctal.
O mercado contina era poscao tranquilla, mas
com (liegos firmes, em consoquenca dos paqueos
supprimenios recebidos.
Cal.Durante a primeira parte da ultima quin-
zena o mercado esteve mais animado ; nos ltimos
dias porm, ntostrou-se mais tranquillo, tamo
espera do leilo hollandez, como das uolicias devi-
das do Bio.
O favoravcl xito do eilo na Hollanda, ven-
aos criminosos aqu existiam eram na mor parle dendo-setudo alm das taxas, assim como 0 despa-
vindos do fra, e aqu homizlados pela moleza e cho recebido do Bio, influirn] muito favoravel-
lolerancia da polica transacta. ment sobre o mercado.
Prosiga o Sr. lenle Guilhermino Ferreira Al- Venderam-se 17 mil saccas de caf do Bio e San-
cantara na encelada carreira de seus trabadlos los a 6 t e 8 )( as duas semanas passadas; a
policiaes, que serao os seus serviros reconhecidos qualidade regular ordinario do Bio cotado lio-
pelo govemo, e pelos homens de boa vontade. Je : 7 }\ e 7 >( schillings.
Agora o que muito convira, era a mudenca do Assucar. -Em consmpienca das vendas na ulti-
actual capifnz. que lano abuso tem fcito de sua ma semana,. Ilcou completamente evacuado o depo-
UM)
i) t %,
I '1
,Prat.i. 10 a
|>r
PMECOS C/iRKENTr.
Lomret, 43 dr mar,
Fundos ingk'zes.
Do banco, 237 a 239 \*x < UN
Consolidados 3 / 'Jl / a !,l I V Reduzidos 3 /. 89 I .1 S9 5'H p.r 3? II rx div.
iNovos 3 / 89 l/ a 89 5 |^- X Wtlex div.
Fundos esirangi'iri"
Belgas (io frs, I) 4 '/t /* "a 101 por X *t
Brasil.'iros 1839, 1859 5 / 99 a Hi i* Jt WH
4 '/> % 88 a 89 |r lu
1863 4 1/2. 98 1/4 a X9 :!/4 por X IW
(kmfedi'railos 7 '/ 50 a 54 por X 100 ex drv.
Egypcios 7 /, 901/2 a 100 1/4 i* l !
Cregos cora juros desde 1840 5 % 23 1/4 a t 3 V
por 100
Grana Coupons al 1846 5 /., 1 3/4 a II I '4 par
100
Hispanhes 3 /, 52 1/2 a 53por X Hi
differidos 3 juro actual 4 3 4. 46 I 4 a
46 por X ira ex div.
internos (I Peso; 3 "V W l'ia *> I i
t por 100
passivos exlcrnos 3 /.. 35 3/8 a Xtfr
por 100
llollandezes (Fl. t2-l)4"V BM a 102 p.>r fil
2 /, /,h 63 I'4 a M I 2 |nm" X l
llalianos (frs i" )S %.67 f8 <7 :: s por X UM
Mexicanos com atrasados desde julbo 1*5 inrlaai
' ve-3 % 3/4 a 4,5 |Hir X 100
Nova Granada 3 % diferidos juro artaa! t -/^ 30
a 31 por 1B0
l'oiluguezes. |K53. 3 "',. 48 I 4 a 4H 3/ipnr X Un
Dea l-')li 186.1. 3 '. 48 I 4 a 48 :i i |< X I
Dos. 1863. caut. 3 /.. 1/4 a 3/4 ar.
Ilussos 1844 5 /-, 9 a 91 |n.i X H t\i.
1864 .'i >'. '.m ,i 91 Mir 100
V a H1 ;1 ** IH,r ""
3 '/. H I 4 a M I i an MI
Sardos 5 !. 83 a M5 par i l>
Turcos. IHM I N a 94 |.r X IMI
\*:n 6 '/. 70 I t a 703't por i I e% drv
1864 1'. '" 71 14 a MI 4|>r
1863 I "/. 67 a Ii9 por HJ
Internos (Meiljidie d'ouio
7'8 a 54 1.8 \mvc* M
Vonezuelanos : /.. jUr,) pafaral 4 '.
118 por HW
a 1864 6 -;... 61 I 4a 61 I 2p.rS*
Banco.-.
Banco Brasileiro e Portugus, 3 a 3 l, \ pr. por ae.
I!.meo dr Londres edo llra-il. I'.'a 4 i
l'.aneo de l.on. Buen-is-Avres e Rio
12 premio per aeran,
Camhsaa.
Lisl.'.a -1 m/d, 54 l/l a 54 14 |.r'/
Porto:! m/d. 54 '',a 54 3/8 |>r X
Rio de Janeiro f>0 d/v, 26 pir i aotrainal
Ainsteidaiu:! m/d. II 19 I 4 a II lp 4|r
tfambnrgn : ni d. 13 7 i i t l'. x |i
Paris 3 ni d. 45 60 a 45 60 per
3 d v, 4.". 4U a 45 30 par C
Mai seiba 3 m/d, 45 60 a 45 l". por
Genova 3 m/d. 45 74 I 4 a 45 77 I
Trieste :t m'd. 14 10 ;i 14 IS por
Vii-nna :! ni I li 10 a li I."', por
Manrin o ni-ii; -^ i/ mprsii
Cdiz 3 m/d, 48 a 'i7 3 I pan
Moiae- preetesaa,
i taro, i'in barra, de le 77 s. 9 8. por HM-i a> !?-
Moedas brasilefras novas 77 sd. nl.-oi
Incas hesjianliolas 76 s. 9 jl dem
'patrias, 74 s. 3 A na I
Pnto en barra, de lei 3 l 8st tea
Patacas.....xieanasSs. 3 I 4d Jk-ni.
r.olumnaies. Carolos ."> <. I d. i.l.'in lirnv.
Crosadas oovos "> >. 0 i S d m
Pecaj de 5 francos, 4 s. II 3,'i d. dem.
Generes ih* imjiortarao.
Algodo de l'eiii.iniliiiin. 4'i d. a 47 d. |nr II. 8*-
llliual.
do M.iranho. roda. 45 d. i 47 \t\' nominal.
maquina. 45 i 47 1/4 4.
|ior Ib. noiiiiii.il.
da Babia. 25 a 26 d. |i>r Ib. nm
Av-uear do Brasil, bramo. 29sT< d. a 38 a. 84.
por 114 Ib.
Captivo de direitos. mascarada
d. por 114 Ib
Arroz do Brasil. lOs. o d. i 41
Nao ha.
Cafe do Rio, 68 a 84. a 74* o
lavado. 73 1 O d. ;
Ib.
Cacao do Para, 57 s. O d. I ''.
dem da Babia. 41 s. O d. a hj
Tapioca do Bio. I 3/4 .1. a ."i I 4
do Para 1 '/t d. a 4 por
Coaros do Brasil :
Seceos salgados, de 44 a 36 llwJ
por Ib.
Secos, de 8 a 44 H.s.. 6 >/, d. aj 1/1 por Ib.
Verdes, de 38a 51 II.. Id. a 14 d. parte.
Do Ro de Janeiro :
Verdes, de 48 a 74 tes., 3 3 i d.11 4 d. \-.r Ib.
Do Itio Grande :
Verdes, de 08a70tes,. 5 I 4 i. parte.
de 44 a 88 II.. 4 f'X d. a 5 d. |mr Ib
Seceos, de. 48 a 34 Ibs.. 8 d. .. 9 I 4 d. r-r Ib.
. de 40 a 44 II.. 7 i .1.1 a X "', ,|. (.m- ,.
Chifles de 9 a 18 ornas 9 >. oj.l. a 13 a Od. pw
143 irentn.
de 22 a 44 earas, 4-.i a 8 4 a 34 a 84>par
123 froiixo."
Ipecacu.inha. 8 s. a 8 s. por li firme.
Jacaranda do Rio, X 10 a
rainal,
da Babia. X 9 '
rainal.
Mercado monetario. Nao houve alterarn i
laxa do banco de Inglaterra, que contina a 6 pur
cento ; a laxa une regula fura daquelle eslal-ien-
iiicnto de 5 3/fc por rento. Julgam inuihM >ne
amanha a drecco do banco reduzira o sea es-
conlo, mas incln.imo-nis a crer que e.u reJuci-a*
a ter lugar s ser annunriada depois tia feria*.
Fundos. Era conseqiencia,1 4s anteas) actual 4a
mercado monetario e da Niuaeao |Hi|iiira.osprer dos fundos cspecnlafivos continuain a -offrer o-.il-
laces violentas e quasi diarias.
Algodo.At ao dia 1 i o mercado ficoa aa Iroa-
xido em que o noticiamos na nos-a ulUna revista,
baixando os precos. No dia 14 houve mais ;
I -. 6 d. a 29
. 0.1. |H>r 114 h\
|H.| 114 Ib.
X4 a 84 par" 112
o.l. por 112 Ib.
id. por 114 li.
I |M.| |il.
dem.
i I ",.1.1* IR
6 iH.r |iin.'|:i 13 pOT liiftria.la m-
co, lomando incremento a nselliora al ao da 19.
quando o mercado no va incite tornou-se fi*on>.
cora tendencia para a baixa.! Nao podemos desear
de pensar que este mercado acha-se d unta poMri
muito critica.
As vendas da qunze na sohem a 8M881
Assucar.Depois da nossa; ultima reviu o
cado lornou-se menos aomailo. e lem ron ti omito
com pouco movimento, ntas seeilo moderada ae
quanlidades offerecidas, e nao forrando o* posM-
dores vendas, os precos en arral hast Irada hrmee,
sendo exceinional alguma v inda que se lem feto
com baixa de 6 d. em 114 I l*s A apathia se nota ansie genero pode a Itibitir-se em parir a
rircunuiancia dos consum ores nao qnrrrrm
comprar alm das suas necesidades immediatas.
efflqnauto o ministro da f. oreameaso, que na eniuia* d I muit.- .
dar uma alteracao nos dir los deste genero.
No do Brasil era ser nao h arre traasarre* dig-
nas de nolar-se, linManiae ai as vendas no mar a*
segnintes, para o Remo-Unid i, peras da dasrarga :
7,000 saceos dr l'ernamb eo. raascarado rtere,
pelo J Scatt, a 29/0.
4.100 ditos da Baha^ms ravado ordinario, pH>
Atbalrou, a 2S/8.
Em Liver|Mol lizeram-se.aB segnteau ventas :
2,700 saceos de Macei. ttlho, de fliO a tlfi.
1,430ditos de Pernambuco, novo a 48 O no rv<
4,700 ditos de dito, velho.|de 26/0 a 27/0.



1,730 ditos de dito, v el feo apreso que nao trans-
pirou.
300 ditos da Parahyba, vamo, a 26/0.
930 ditos do Maranho, a 8/0 uo caos e 28/6 no
armazem. I
3,100 ditos de Pernambuco, pelo Coito, a 29,0.
para o Keiuo-Unido, peso de descarga. .
200 toneladas de Pernambuco, novo ordinario, a I
27/6 |ara o Bemo-Unido, peso da descarpa. !
3,800 saceos de Pernambuco, a 29/0 para o Rei-
no-Unido, pesos da descarga.
3,100 ditos de Hacei, novo, a 28/6 no cae--.
l'ara o Continente nouve urna procura limitada,
mas anda nao se fizeram olleras proporcionadas
para cargas, de modo que nao podemos alterar as
nossas coiaeoes, que lirain como segu :
Para o Continente.
De Pernambuco, branco, 30/0 a 32/0.
Dito, mascavado, 25/U a 27/6.
Da Babia, branco, 29/0 a 31/0.
Da dita, mascavado, 25/0 a 28/9.
Para o Mediterrneo.
De Pernambuco, branco, 30 0 a 33/0.
De dito, mascavado, 23/0 a 27/6.
Da Babia, branco, 29/0 a 32/0.
Da dita, mascavado, 23 0 a 27/6.
Pescada
:':)'
Caf. No periodo desia revista o mercado tem Consolidados .
!
2
3- i
Pirahvba.
2*
3" ,
Bagre.
2-
Ipecaciianha, por "8 .
Jacaranda, por tonelada :
Rio.........
Ralla........
Piassava, por 2,240 :
Para ... Nominal
Babia......
Pixurim, por (Sp, bom .
Salsa-parrilha, por :
Boa.......
Inferior.....
Tapioca, por 112 "8 :
Rio, superior .
ordinaria. .
Uruc, por <, Para bom
Finidos e cambios.
Fundos inglezes.
Banco de Inglaterra (Accoes) %
i/6 a i/
4/0 a 4/8
3/3 a 3/7
2/9 a 2/1
2/3 a */
16a2/0
1/9 a 2/0
8/0
515 a 22
29at
24 a 25
11 10/.a Sillo/
1/6
1/0 a 1/4
34/0 a 36/
20/0 a 25/0
3 d a 7d
3 91 Vi a 91 Vi
estado mais animado do que ha algum lempo, esta- Reduzklos......3 89% a 89%
belecendese urna subida de 1/0 a 2/9 em 112 li-i Fundos Novos. .3 89% a 89%
Mexicanos .
Portuguezes.

bras as qualidades do Brasil; as vendas em ser:
montam a urnas 4,000 saceos do Rio, bom ordina- f Belgas,
rio e ordinario superior, de 69/0 72/0 e 1,100 sac- Brasileiros
eos da mesina procedencia, lavado, que em leilao
oUiveram de 76/6 80/0; lambem venderam-se
1,800 saceos do ordinario da Bahia de 60.0 61/0.
Venderam-se uo mar as seguintes cargas :
Tjalf 3,000 saceos do Rio, Good First, a 70/0 para
Slockolmo.
Helene 2,870 ditos do dito, Ckannd First, a 66/6
para Trieste.
Cyntkia 3,300 ditos do dito, dito, a 67/0 para o
Continente.
Pura 3,024 ditos do dito, dito, a 69/0 para Cons-
tantinopla.
Maria 2,000 ditos de Santos, bom, a 70/0 pouco
mais ou menas para o Continente de modo que o
valor das cargas do Rio Good First, para o Conti-
nente, pode cotar-se de 68/0 69/0.
Venderam-se em Liverpool 360 saceos do Rio
de 67/0 69/0 ; apresentarain-se em leilao 660 sac-
eos da Baha, mas forain retirados na falta de lan-
co conveniente.
O leilao da companhia hollandeza, verificado em
16 do crreme, correu bem, o que, unido s ulti-
mas noticias do Rio, tem contribuido a consolidar
o mercado.
CacaoApesar dos precos reduzidos notados na
nossa revista continuou desatendido ; o do Para
est procurado, mas nenhum ha disponivei.
Em Liverpool offereceram-se em leilao 1,937 sac-
eos da Babia, mas foram retirados setn lanco ; pos-
teriormente, porm, houve mais alguma procura e
venderam-se 1,000 saceos a 41/0.
Jacaranda Apresentaram-se em leilao 70 tone-
ladas de 10 i 30, termo medio af 16 12/9 ;
drstas 50 toneladas 13 eram para exportar. Nao
houve entradas.
Pao-Brasil.Apenas sabemos de alguma peque-
a venda em retalbo, continuando o mercado em
apathia.
Couros.Os salgados do Rio Grande continuam
firmes, seudo diminuta a existencia ; os seceos en-
contraran! actualmente prompta exlracco s nos-
sas cotaeoes, achando-seo mercado desprovido. A
procura para as qualidades do Brasil foi limitada.
Selio. Houve mais algum movimento, e eleva-
mos as nossas colacVs. Nestes dous dias passa-
dos, (orm, o mercado se tem tomado um pouco
frouxo.
De boa cor 41/0 V2/0 por 112 libras.
Soffrivel e escuro 40/0 41/0 por 112 libras.
Escuro e muito escuro 38/6 39/0 por 112 li-
bras.
Cambios.Continuou a falta de transaecoes sobre
o Rio de Janeiro, Picando o cambio nomiualmente a
26 d. Osupprimento de letras sobre Lisboa foi di-
minuto, regulando o cambio de 52 1/8 d. a 52 1/4
d.; sobre o Porto houve melhor supprimenlo e as
letras foram procuradas de 52 1/4 d. 52 3/8 d
Metaes preciosos.Nestes tiltimos dias tem ban-
do bastante movimento na prata em barra.
P. S.Algodao. O mercado fecha se em muita
apathia, moutando as vendas de hoje a 4,000 sac-
cas, incluindo200 saccasde Pernainbuco de 26 1-4
d. a 26 3/4 d., e 400 saccas do Maranho de 26 d.
27 I 2 d.
Asnear.Nott-se mais alguma desanimaco no
mercado.
Caf.A companhia hollandeza tem annunciado
um leilao de 88,000 saceos para o tim de abril, e o
mercado i esta OMUUM animado. ____
Estrangeiros.
Va
Dinamarquezes .
Hespanhes. .
Differidos
> Passivos
Hollandezes. .
1833
1836 3
... 1837 3
. 1859 3
. 1860 3
. 1862 3
. 1863
Scrip (Camellas) 3
Russos......5
........i V2
Raneo de Franca (Accoes) frs.
Fundos franeezes. 4 %
. .3
Metaes preciosos.
Ouro em barra. .Por onca 77/9
100 a 101
87 a 88
52'/i a 53
46 a 46 /i
36 a 36 '/
64 a 64 /i
100 a 101
45 % a 46
O Dr. Tristio de Alencar Arnrpe,offlciaI da impe-
rial orden a Rosa e juiz de dircilo especial do
coinmerck desta cidade do Becife, por Sua Ma-
gostado Imperial e Constitucional o Sr. D. Pe-
dro II a quem Uens guarde, etc.
Faco saber pelo presente que no dia 23 de abril
do crrente anno se ha de arrematar em praca pu-
blica destejuizo, na sala das andiencias, nm piano
de Jacaranda em bom estada, avahado por qui-
nhentos mil res, e urna escrava de nome Marga-
rida, avallada por um cont e duzentos mil ris,
a qual e motila, e representa ter quatorze annos,
e loram penhorados Jos Maria de Carvalho J-
nior per si e como tutor dos menores, por execu-
caode Jos Joaquim Lopes de Almeida.
E nao havendo I aneador que cubra o preco da
avaliacao, a arremataco sera feita pelo valor da
adjudicacao com o abatirnente 4a iei.
E para que chegue ao conhecimento de todos,
sera publicado este na forma do estro. Reeife, 7
de abril de 1864. Eu Manoel Maria Rodrigues do
Nascimento, escrivo, o subsorevi.
Trutao dt Aiemcar Araripe.
Pela inspectora da alfandega desta cidade
se faz publico, que no dia 14 do correte, ao meio
dia e a porto da mesma, sern arrematadas em
hasta publica cinco bengalas apprehendidas aos
marinheiros da barca americana Alto, na occasio
de desembarque, sendo; urna de madeira no valor
de 4I6rs, equatro ditas de osse, pesando tres libras
todas, no valor de 204 : a arremataco lvre de
direitos ao arrematante.
Quarta seccao da alfandega de Pernambuco 12
de abril de 1864.O 2" escriturario,
Caelano Gomes de S.
ATISOS MARTIMOS.
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
i 0 cirurgiao Leal mudou
a sua residencia da ra do
Queimado para a ra das
8^f!e5; Cruzes sobrado n. 36, pri-
rrente um. don __. __ ___ J__. _. r t
PAQUETES A VAPOR
Dos porros do sul csperadi
at o da 14 do corrente um. dos -^.i-.^ nJ011 __ _i
vapores da companhia o qual de- HieirO 11K ltl, pOr ClUia UO
pois da demora do costume se-_______ Tl_ __ i.
pira para os iwriosdonor^arniazem rrogressista, aon-
Desde ja recebem-se passageiros e engaia-se a J_ l.^^
cargaqueo vapor poder conduzr, a qual dever ser embarcada no dia de sua chegada, encommen- _TOiA ~^1^ X, _
das e dinbeiro a iref at o dia iida s 2 ho- prOHiptO a qualquer IlOra pa-
ras: agencia, raa da Crui n. 1, escriptorio de An-; nirnw/iin^ rl/v atisfeilos. Para mellio conneriui
tomo Luiede Oliveira Azevedo & C___________|Kl O CXClTlOlO fle SUa prO- Pfopnetorio declara qii a casa *
DECLARARES.
48 A a 48 V
V, a Vi prem.
90 a 91
87 a 89
3300
93.25
66.90
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR.
Dos portos do norte espera-
do at o dia 17 do cerrente o va-
por Oyapock, commandantc o
fissao, chamado por escripia.
Mez de Maria
Vende-sc este livro conforme o oso do
hospicio da Penba a 1$ cada livrinho: na
a m
conou a muito ronheci|a sociclade Cory
Aluga-se o prime ro e segMdo
casa n. 193 da roa Imi erial : na roa da
numero 36.
primeiro tenente Antenio Maree I vrar'a n. 6 e 8 da praga da Independencia, do pela directora da i strucciopoW
lino Pontes Ribeiro, o qual depois
da demora do costume seguir para os portos do ;
sul.
Desde j recebera-se passageiros e engaia-se a;
carga que o vapor poder conduiir, a qual devera!
ser embarcada no dia de sua chegada: encom-'
pendas e dinheiro a frete at o dia da sahida s 2
Mmm\
A TllAVlATA.
A' rna i IU ir Laraa i. J7.
Francisco Garrido ti ido neforad* te*
hotel denominado Tra ndor, abri m ni
pedaria em a rasa n. 7 da rna torga d |
cujos commodos o hab itam a as
co que nella ter semp e todas u
radas por um hbil cu oaro. Onir* i*, i
ma rasa haver todo < genero de bebida i
rio, noile srvete m to bem eiio, t,
res de mogno compete teniente fnp*i
r abena desde as 6 I vas da maana al i
da noite; e tudo islo i r feito por areew ti* ra-
zoaveis que os fregu] s necessar
- O bachirel Perntino Saraira de AramV>
Oalvao, residente na vi a de Pao dAlho,
seu escrijitorio de advo acia, arhand aniono
ira. nw
pieparatonos de latim i frauen.
utrosim rerebe'ea sua rasa, med
vel pens.ci, os alumnos, rujos pas ou anea
i nao possam de nutra i uneira maafe>lai
Aceita igualmente n minos de printeira^
que confiar pessoas abilitadas e idnea* r
extrabir Dom desempenho do m: ;isierk, *------niwan
ra.
portuguez em moeda
do Brasil
Oseas hespanholas
americanas.
Prata em barra ...
Patacas brasileiras
Pesos columnarios hes-
panhes......
Carolus.......>
Ferdinand.....>
Ditos das repblicas hes-
panholas e mexicanas >
Moedas de 5 francos.
Cruzados novos. ...
Cambios.
Lisboa........90d.d
Porto.....
Rio de Janeiro (Nominal) 60 d.v
Rabia e Pernambuco.
Amsterdam......3 m.d
Hamburgo......
Paris.........
..............3 d.v.
77/5
77,8 a 77/9
76/3 a 77/6
74/3
5/1 Vi
5/1 Vi
5/2
4/0 Vi
4/0 Vi
5/0'/
a 4/0 Vi
52 a 52 'A
52'/i a 52 Vi
26 d a 26 >/ d
11.19
13.7'/ja 13.8
23,55 a 25,65
25.20 a 25.30
A junta administrativa da Santo Casa da Mi-
sericordia desta cidade faz publico, que vai inten-
tar pelo juizo municipal da 1* vara, escrivo Bap-
tisla, accao ordinaria contra os herdeiros do falle-
cido Jos da Cunha Teixeira, para nullidade do in-
ventario e partilha a que se procedeu pelo juize da
provedoria, escrivo Vasconcellos, nos bens do ti-
nado Jos Rento Fernandes, e accao de reivindica-
cao contra os herdeiros de Francisco Antonio Du-
rao, para, por meio dessas accoes, haver. alm de com muita brevidade. tem liarte'do eu carreca"-
?*JE52 f^f d3.3, 3' e M ;HDda mento eW Cruz, freguezia de S. Fr. Pedro 6oncalves do Be- crayos a frete, para os quaes tem excellentes
m
Aos 5:0OeSO00
Corredepolg damanlia.
Sexta-feira, 15 do corrente se exte-
AnronioTu^e Olveiratt C r^"" i ^^T3 Jgrta. da O*** Mfm ** Sa"'a i ""."^ [""^^ '"^^
------rrtllptMtII4 npn.,,l,l...------Casa da Misericordia, no consistoda igre- ArrrifnneaU.
i ja de N. S. do Rosara da freguezia de San-; Arrenda-se o engeolfc Camama. dtMaate dota
to Antonio. Pf*?3 legoas, iwjtnte dagna.
Os bilhetes e meios esto venda na
respectiva thesouraria ra do Crespo n.
15 e as casas commissionadas.
Os premios de 5:000^000 at 100000
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
NaTegael eos t el i-a a vapor.
Fernando de Nerenha.
remto a tratar ao
rielara.
No da 13 de abril prximo,
ao meio dia, seguir para o pre-
sidio de Fernando, o vapor Ma- ]
mangvape, commandante Mou- serao pagos urna hora depois da extraccao
praca cinco legoas,
' obras, e boa casa de vi
nho Carauna com a pr
Casa de comniiss de eseram m m
do Imperador 45, tereeir* aoiar
Rio de Janeiro.
O brigue nacional Almirante pretende seguir
Nesto casa recebem-s esrravos por man
at s 4 horas da tarde, e os outros no dia ga.*,*g. *"** -<
seguinte depois da distribuicao das listas. jS ZBEflS Cf Z
0 thesoureiro, res nao soffrerem empa I nnn a venda delta*. A
Vntonie Jos Rodrigues de Souza. casa ,em todas ** rom" ndidades prera e *ejr*-
ranca, assim como aliai ca-se o bom trataawaiix
Conselho administrativo.
O conselho administrativo para fornecimento do
arsenal de guerra tem de comprar os objectos
seguintes:
Para o hospital militar.
Chinellas razas, pares 100, colxoes de panno de'
quaes tem excellentes com-
modos, tratase com os seus consignatarios Anto- j
nio Luiz de Oliveira Azevedo & C, no seu escrip-
orio, ma da Cruz n. 1.
Para o Hio (r--mlc do Sul.
Barca nacional Agnia.
Segu com a maior brevidade para aquelle por-
C.4SA ll\ FOKTIIW
AOS 5:000.000
Bilhetes garantidos
A' rna do Creso n. 23 e casas do costume
O abaixo assignado tendo vendido nos seus mu
Ha sempre para vendei escravos de
xos, ve I hos e novos
Jiarrl
linho com 9 palmos de comprimento e 3 1/2 ditos K>, para onde recebe carga preco commodo : tra-; atortunados lilliett5s garantidos os de n. 2093 com
de largo clieios de palha, 60. i &<*> "m os consignatarios Baltar & Oliveira n. ^2de 12S55 em 1^1s' n- ,775 com a de
Para o 4o batalho de artilliaria. 26 rua da Cadeia do Reeife. J.uuutf, n. 2001 com es o00 e outras muitas sor-
NAVtOS A CARGA PIRA O NORTE 00 BRASIL.
Ceara Sindbad15 de marco.
Para Til B28.
Pernambuco Zone2i.
demfonald 25.
demCity of the Sultn31.
Numerario.A taxa do descont continua a 6
por cento. Durante esta quinzena a exportaco de
especie, e a procura para descontos tem sido con-
sideravel, porm ao mesmo lempo as entradas de
metlico da Australia e Indias occidentaes mon-
Algodozinho de listra, covados, 1,500.
Para o arsenal de guerra.
Lences de zinco com 9 palmos de comprimento
e 4 ditos de largo, que facam 1,600 palmos quadra-
dos, rame de ferro para amarrar, arrobas 2, taboas
de louro de assoalho de 26 28 palmos de compri-
mento e 12 14 polegadas de largura, duzias 10,
cuslado de amarello de 26 28 palmos de compri-
mento e 16 polegadas de largo, 6, custadinho de di-
to de 26 28 palmos de comprimento e de 16 18
polegadas de largo, 6, taboas de pinho de 3 quartos
, de polenadas de grossora, duzias 5, arcos de ferro
i de 11/2 polegadas, arrobas 20, dito de dito d 1
j dita, arrobas 10, ferro ioglez em barra de 1 e 1/2
polegadas de largura, quintaes 40, rame de ferro
en' verga de 1 oitavo de grossura, quintal 1. i
Para a companhia de cavailaria.
Apparelhos de limpeza, 75.
Quem quizer vender taes objectos apresentem as
suas propostas em carta fechada na secretaria do
conselho, s 10 horas da manha do dia 18 do cor- [
rente.
lia de h. Miguel.
Sahe com a maior brevidade o patacho portu-
guez Souza, anda recebe alguma carga : a tralar
com o seu (asignatario, na rua de Apollo n. 4.
Baha
O palhabote Garibaldi sahe nestes oito dias :
tratar com Tasso Irmos.
O
Francisco \u;
adt
Bia oo Imf
tes de 200, 1004, 405 e 205 da lotcria que "se ^^^fac-i da Ind,
acabou de extrahr a beneficio da igreja de N. 33 *com,,, Vm se nrai
S. do Amparo de Goianna, convida aos possuido- 7 Z
m de ditos MibeK, vireai recebar TTSg. SSb.^a?^
l
Para o Kio Grande do Sul.
Brigue nacional Tjgre.
Segu com a maior brevidade, recebe carga por
preco commodo para aquelle. porto : tratase com
os consignatarios Baltar & Oliveira, na rua da Ca-
deia n. 26.
Para o Hio Grande do
Sul
numero 30.
tam a cerca de 2,000,000 as quaes habilltaram o
banco a augmentar o seu deposito, e provavelmen-
te far com que em breve a taxa seja reduzida.
Algodao. O mercado desde a nossa ultima re- Jos Goncalves Ferreira Costa contra JooCancio
Sala das sessoes do-conselho administrativo para se!"e em J008 d,as hr,Rue nacional Pedro V: annos qt
fornecimento do arsenal de guerra, 11 de abril Para resto da carga lrata-ie na rua de Apollo praca da
de 1864.
Antonio Pedro de S Brrelo,
Coronel presidente.
Sebastiao Jos Basilio Purrho.
Major vogal.
Piafa de movis.
A praca annunciada*de movis por execuco de
tivos premios sem descont algum em seu esto-
belecimento Casa da Fortuna rua do Crespo n. 23.
O mesmo tem exposto venda em seu dito esto-
1 belecimento e as outras casas do costume os no-
vos e afortunados bilhetes garantidos a heneflcio
da Santa Casa da Misericordia, que se exlrahir
sexta-feira 13 do corrente.
Precos.
Bilhetes nteiros..... 65000
Meios......... 35000
Para as pessoas que comprarem
de IOO5 para cima.
Bilhetes........ 55500
Meios......... 25730
__________________Manoel Martins Fiuza
'aixeiro.
Precisa-se de um menino de idade de 14 16
annos, que tenha bstanle pratica de taberna : na
Boa-Vista n. Ii.
mente se dir quem d
isto da Costa
too* .1. 69.
ndeneia, luto de narives
ouro, praia e pedra*
qualquer era de ea-
juer concert, e goal-
inheiro a premio.
No trapiche de Castanh Grande se arkam im
barricas de farinba de iri o rbecada ao aws de
dezembro : quem a ella s julirar anal dir*, diri-
ja-se ao abaixo assignaoVu dando os aere*ariiw
signaes. Norbi^no Cavab
mm&mm
fiD O advocado Kduard
*"* ser procurado para
S prolisso. das 7 as 9
das 3 da tarde em dial
de Alhanuer>|Di>
pode m
e su. ni
Barro
misleres de sea
ras da manhaa e
na rasa de sua
residencia rua da Satadade n. I".
LEILOES.
BOLETIM COMMEBCIAL.
Liiiiyool, 23de marco de 1864.
(Preces livres de direitos para o vendedor).
Algodao, de l'cinainbtico, por %
Bom
Mediano.......
Ordinario......
Babia :
Bom.........
Mediano.......
Ordinario......
Maranho:
Alcntara......
Itapicur......
Caxiaa.......
(Maquina) :
Bom........
Mediano........
Ordinario......
Assucar, do Bio, por 112 fi
Branco.........29/0 a 31/0
27 d a 27 '/i d
25 '/i d
25 d
20 d a 26 '/, d
24 Vi d a 23 d
24 '/2 d a 24 5/i
27 y, d
26 >/* d
26 d
27 d
26 26
visia tem flutuado tnuitissimo, tanto em precos co- Ferreira da Silva foi transferida para o dia 13 do
mo em vendas, e a apathia que entao exista con- corrento, das 3 s 4 horas da tarde, porta do juiz
lineen at o da 12, quando dessa data al o dia 18 de paz do Io distrcto da Boa-Vista.
Iiisprccao do arsenal de niarin lia
as vendas montaram a 76,000 fardos, com urna
subida Je l|2 d a 3l4dpor libra no do Brasil, 1 d | Faz.s pn[,lieo quo a CommUs3o do p.rt mu
V ."".'i"""- 1 i|l a u um Mrma n quauua- mnando na forma determinada no regulamento
des inferiores, que estavamtao depreciados, porm annexo ao decreto n. 1324 de 5 de. fewreiro de
Sem limites.
Pelo agente Miranda.
no.11:
ii-jjc s ti hora da mantisa, em seo armazera
da rua da Cruz n. 59, o agente cima mencionado
far leilao sem a menor reserva de preco dos se-
Precisa-se de urna senbora para ensinar o
pertuguez, msica e costura em um engenho : a
tratar com us Srs. Leal & Irmaos, com escrptorio
na rua da Cadeia.
Quem se quizer alogj
rua de S. Francisco n. 8,
Silva Bego.
para criad. >. dirija- <*
fallar com o earrivae
Joo de Airiida Catira
vier que contralou por
Offerece-se paracaixeiro de taberna um ra- rua do Bangel n. 10, per...
paz de 13 annos, chegado prximamente de Portu- Martins da Silva : quem s
gal : quem precisar dirija-se rua do Vigario n. qualquer reclamarao, api
12, primeiro andar, escriptorio.
tres dias.
faz ver a awm eaa-
a a taberna Ma aa
10 ao Sr. Aalam
se julgar tota dire a
le-se a* ara* a*
AVISO.
Lo tiro.
Mascavado........ .
Pernainbuco:
Branco .........
Louro..........
Mascavado........
Italua e Macei :
Branco.........
Louro..........
Mascavado........
Meneo..........
Agurdente cachaca, por gal :
Balsamo de copaliiba, por i
Claro..........
Tuno.........
Borracha, por :
Fina..........
Mediana........
Ordinaria........
Cabera de negro.....
Sernainby........
Do Cear, Sernambv. .
Cacao, por 112 tf :
Para, bom.......
Babia, bom.....
Caf, por 112 :
Bio, 1* sorle......
2......
Escolhido......
Babia, i" sorte.....
2' .....I
Escolhido
28/6
25/0 a 28/0
29/0 a 31/0
2K/6 a 2I/0
23/0 a 28/0
29/0 a 31/0
28/6 a 29/0
24/0 a 28/0
10/0 a 15/0
1/6 a 5/0
1/6
1/5
1/10 a 1/10 V
1/7 '/i a 1/9
1/4 a 1/6
i/iViai/a/a
lo d a 11 d
1/2 a 1/3
54/0 a 55/0
41/0 a 42/0
68/0 a 70/0
64/0 a 67/0
75/0 a 80/0
64/0 a 66/0
60/0 a 62/0
68/0 a 72/0
ra, achou todos esses objectos -jm regular estado.
22..... d.a ,"dia dariinde 'luantidade de al- iuspecco do arsenal de marinha de Pernam-
gooao prompto para embarque, e as noticias me- DUC0 j g aur| e 1S(4
IT xVZV/'l "I a0P''f-,' d;l/luesl50 .dinafnarque-, arbosa de A|medjL
za. As entradas do Brasil desde o principio desle Inspector
EnL*L! ?5,J.:^0 S5*" co,,lra W2 d,- Na subdelegacia da freguezia do Poco da Pa-
^EEZ!f^J&lu!22!Li nella existe *l4 de roupa que fo aehada na
&?^J&b*U*^,ilTm !.,eira d0 ri0: i^n sejulgar c"m diieit0 a referi-
as vtnaas noje sao *,uw ,ja r0Upaj e dando os signaes, Ihe ser entregue.
Subdelegacia de polica da freguezia do Poco da I
Pauella 11 de abril de 1864.O subdelegado,
Joo Paulo Ferreira.
lu
237.834 ditos idem. As vendas
fardos.
Assucar do Brasil.Nao temos nenhuma altera-
cao a nolar no mercado deste artigo. As trans-
arcoes para consumo continuam a ser avulta-
das aos ltimos precos dotados, conservando-se
muito firmes. A quantidade em ser em segundas
mos pequea e o total om ser na alfan.lega vai-
se reduziudo. Durante esle anno tem havido urna
diflorenca para menos as entradas de 25,000 to-
neladas por mez, e este facto juntamente com o!
augmento da procura para exportaco, de espe-!
rarque f>ca com que os precos subam. As vendas
inoiiian a 11,050 saceos, do armazem, e 200 tone-
ladas e 12,00 saceos em viagem aos precos cima
notados.
Balsamo de copahyba. -Contina com procura.'
Borracha.Os possuidores tem eflorecido abun-
danleinente este artigo no mercado, resultando em
vendas de 30 toneladas um baixa de 1|4 a 1|2 por
libra na fina ; e em 12 do corrente chegou o Tit
Bit cora 85 toneladas, fazendo hoje a quantidade
em ser urnas 533 toneladas. Tambem se vendeu !
tima porco do de Guayaquil e sernamby do Cear
aos precos ltimamente colados.
THEATRO
DE
DE
Fazcndas apartadas.
Quinta -tetra 14 do corrale
ao mel dia.
O agente Pinto far leilao por ordem de diver-
sos e por conta e risco de quem pertencer de 13
fardos de algodozinho marca l'WIA .'>.'>.! una
porco de madapolo e lencos de cassas tudo
com avaria d'agua salgada, e existente no armazem
da rua da Cadeia n. 38. onde se eflectuar o lei-
lao s 11 horas em ponto de dia cima dito.
Bogase s pessoas que tiverem penhores em
mou poder, o favor de vir re?(fal-os no praso de
30 dias, a contar de hoje, lindo os quaes serao ven-
didos para pagamento ; depois do que nao terao
direito a exigi-los em qualquer teiniK). Becife 7
de abril de 1864.
____________Jos dos Santos Bainos de Oliveira.
Machina de vapor, propria para mover ma-
china de discarocar algodao, e para padaria ou
qualquer outro mechanismo que precisa da foffn
de 2 at 3 cavallos : para ver e encommendar, os
prelendentes podem dingir-se ao Sr. Antonio Maia
de BriUj, fabrica de cigarros a vapor, na rua dos
Quarteis.

Companhia Odelidade de
segnros martimos e trr-
resnres esCabeleelela mo
Rio de Janeiro.
AI.FNTF.S EMI'KiSWRlr.O
Antonio Luiz de Olivrira Airveen & C,
comiielcntemento autorisaibis pela direc-
tora da companhia de giirns Fidebda-
de, tomam seguros de navios, narrado- I
ras e predios no seu escriptorio rua da 1
8
Cruz n
Ceara........ 65/6 a 70/0
Sebo do Ro Grande, por 112 Ibs. ;
Bom e duro...... 41/0 a 42/0
Mediano....... 40/0 a 41/0
Escuro....... 39/0 a 39/6
Cera de carnauba, por 112 '3. Neuhuma.
Chin-es, por 123:
De vacca........ 10/0 a 15/0
De boi
Clina, por W :
De cavallo......
De vacca. .
Couros, por :
Bio, seceos de 30 a 35 .
i 20 a 24 .
> de touros, 35 a 40 *..
Rio Grande, por 5, salgados
de 65 a 70 *.....
Ditos de 43 a 50 t. .
Salgados de vacca, 40 a 48
de cavallo seceos, 10 a 13 (S
salgados, 23 a 37 tf
16 a 20
dem de Pernambuco, Baha,
Maranho e Para, por 'e*:
Seceos salgados. 26 a 30 'S
> espichados, 16 a 20 %
Curtidos de 7 a 'J tf......
Molhados salgados, 40 a 46 3
dem do Cear Parahyba e
Macei, por '*} :
Seceos salgados, 30 a 32 9 -
Molhados 43 a 50 :
Cumar, por 'f :
Bom.....Nominal
Ordinario. ... >
Farinha de mandioca :
Boa, por 112 t. Nominal
Gomma ou bucho de peixe, por u) :
Guntiuba 1" qualidade 3/3 a 3/6
2 2/3 a 3/0
3' .. 2/6 a 2/7
20/0 a 30/0
10 d a 14 d
9dal2d
7 V* d a 8 d
6 Vz d a 7 d
6 >/i d. a 7 d
5 Vg d a 5 V2 d
4 V d a 5 d
4 Vid-
Ayo a 6/0
5/0 a 9/6
4/6 a 5/0
5 V d a 6 d
A Vz d a 5 Vi
6 d a 6 '/i d
4 V d a 4 '/z d
1/6
/3
18/0 a 21/0
S. ISABEL.
EHPREZ4
I.F.inhMI K0IMBR4.
3a Recita da assignatura.
QUABTA-FEIBA, 13 DE ABRIL
Subir -scena o interessante drama em quatro
(.acao.Oda Balita tem mais procura e vende- actos original francez
ram-se 1,000 saceos a 411 por 112 Ibs.
Cafe.Continua com bastante procura. Do Bra-
Precisa-se fallar na luja a rua do ijv>- Sg!
po n. 17, com os senhores Firinino Mon- ~~!
teirn da Silva Carneiro, Pedro Barbosa i
da Silva, Jos Antonio Lopes Jnior a jSJ
negocio de interesse.
Aluga-se um sitio rom grande ra.a aMta4-
ra nos Remedios, defronte da igreja : a tratar eet
Bonifica, sitio de A. V. da S. Rarnra.
V. da S. harr.N
n. 21.
ateiros nal na i
^.
Aluga-se urna casa terrea na rua da Alegra
e tima loja no largo de S. Pedro : a tratar com
Joo Bbeiro Lopes, rua da Cadeia n. 33, loja.
, Dj, j n Offerece-se una ama para casa de nouca fa-
Mctade do sobrado da praca da Ba' muta para eotionar, engommar alguna cuu.-a, e
\
Nova loja dos lu -a Irires aa na a Qerimada.
Bicas saias de fusiaoa .'4, tamisa*ingbzas para
senbora a 2. 24300, .3 e 4& r fu>i
bramas a 54, chitas com liisilu para ndwria m
6 palmos de largura a 640 o ebrad<>. cambraia 4e
cores para vestido a 320 o rovid, lias para resu-
do a 480, 560 e 640 o covado. ]
At i. 21.
Nova loja dosbaraleirnn na ha da Qirimado.
Tarlalauas do todas as enresj fazemb mou.. f.n*
a 720 a vara, cambraa para rrtinado. pira de!
i^la n 2i lllial l'i'llili' 1'iAltt Para fl7er os servieos de dentro de casa, alianea-se varas, por I0, chales de la pfcr 34, 45, 4^ k,
iota ii. v i|ui i c ic >" a conducla da ama quem (.uj,er a|ua.|a Jfjja- eaniisas nglezas para liorm-m ; 3K4, 304 e 6"4
sil venderani-sc 334 saceos do Rio de 67t a 69i por
112 Ibs.
Cera de carnauba e cumar.N3o ha.
Couros do Brasil.Precos firmes. Em 31 do cor-
rente ter lugar um grande leilao de couros
seceos.
Gomma de peixe.Sem alteraco nos precos, po-
rm algumas qualidades sao mais procuradas.
Jacaranda.Do Rio nao ha, e da Bahia mu pou-
ca. A procura mediana.
Uruc.Frouxo.
MOVIMENTO DO PORTO.
PEBSONAGENS.
Tholosan, medico....... Germano.
Marerat............... Pinto.
Caussade.............. Thomaz.
Mauricio.............. Lisboa.
Vigneux............... Porto.
Abdallah............... Borges.
I Lancelot............... Teixeira.
La Richaudire......... Leonardo.
iLourenco.............. Barbosa.
Cecilia................ D. Antonina.
Benjamina............. D. Bernardina
JVioio entrado no dia 12.
ftourdeaux e portos intennedios=>13 dias vanor
fr.ncez Endure, de 1162 toneladas, T,- EES"*............ "" "?' nard'na P
mandante Theoilore Favier. 0,1!.,' iin Senhora Vigneux....... D. Mana Pontes.
D. Olympia.
D. Virginia.
Pontes.
Theodore Favier, equipagem.
carga difireme mercadorias.
Navios sahiitos no mesmo dia.
iii ocniura v iglieux.......
ll5> Raphael...............
Jenny.................
Macei Patacho inglez Arax-, "capitao G. .>.*.!?" Passa-se em Ville d'Avray, na casa de
Horns, em lastro.
Araoaty-H:aie nacional Nicolao I, capilo Traja-
no Theodomiro de Moura, carga diflerentes g-
neros.
Rio de Janeiro e BahiaVapor francez Estremadu-
re, commandante T. Favier.
EDIT1ES.
Olllm. Sr. inspector da thesouraria provincial,
em cumprimento da ordem do Exm. Sr. presidente
da provincia de 17 do corrente, manda fazer pu-
blico que o concurso para preenehimento da vaga
de 2o escriptnrario da mesma thesouiana ter lu-
gar no dia 18 de abril prximo vindouro, devendo
os pretendentes ser examinados na grammatca da
lingiia nacional, escnpluracao por partidas do-
bradas, arithmetica e suas applicacoes, com es-
pecialidade redueco de moeda, pesos e medi-
Caussade.
Actualidade.
Terminar o espectculo com a graciosa come-
da em um acto,
A Viuva da Camelia,
Comccar s 8 horas.
Grande galera de novas
vistas.
Rua da imperatriz a. 53.
annuai.
Quint-i-feira 14 de abril ao meio da.
O agente Pinto autorisado pelos procuradores
bastantes do bacharel Jos Theodoro Cordeiro le-
var a leilao a metade do sobrado de dous anda-
res e soto na praca da Boa-Vista n. 21, que por
legitima materna tocou ao mesmo bacharel, isto
ao meio dia do dia cima dito em seu escriptorio I
rua da Cruz n. 38, onde se dar devde ja qual-
quer esrlarecimenlo a respeito.
LEILAO
BE
se rua do Imperador 110 lerceiro andar n. 16
Qu i ala-fe ira 14 de abril as 11 horas
em noiiK
O agente Pinto far leilao reqnerimento do in-
Maques sobre Portugal.
O abaixo assignado, agente do banco
mercantil Porluense nesta cidade, saca ef-
fectivamente fKir todos os paquetes sobre
o mesmo banco para o Porto e Lisboa, por
qualquer soinina, vista e a prazo, po-
dendo logo os saques a prazo serem des-
contados no mesmo banco, na razo de 4
por cento ao anno aos portadores que as-
sim Ihe convier : as ras do Crespo n.
8 ou do Imperador n. 51.
Joaquim da Silva Castro.
:*"*2
ICO 3
ef- *
4 29
Nova loja dos baraleirns na na da
Micos prelos, franjas de to as as qtiahdade*,
trancas de seda, de algodao e i e laa. manenito*
camisinbas bordadas, rnllarinnt i e pjnbf*, n
bordados, boloes de velludo, de -da e dr fusta.
bandos de cabello, meias do rda, Irqers : mino*
ertigos se vendem por metade i o seo valor im* **t
para acabar.
^m*
Precisa-se comprar algumas casa terreas
quem livor e quizer vanear, i irija aj a rua d
Queimado n. 23, que se dir qi era precisa.
Quem tiver para vender fem escraro .aae-
teiro de 18 24 annos, poder prnrurar ManH
Gouveia ile Souza, no seu enera] orio, roa de Apol-
lo n. 3(1, que |Mir mais do seu va or nao detiara de
conipra-lo, aniail.uulo-lhe a figo a.
Precisase de urna amado lua conducta p
rozinbar e engommar, s for pr riso : aa rua d
Precisa-se de urna ama forra ou escrava que sai-
ventariante dos bensdo finado Miguel Joaquim Das ba engommar perfeitamente e cozinhar, de boa Crespo n. 10, loja.
de Castro e por autorisacao do Illm. Sr. Dr. juiz conducta, paga-se bem : na rua das Cruzes n. 36, Urna ama para ra*a de
de orphos nao s das dividas activas da loja de \ primeiro andar,
ferragens d'aquelle finado, como tambem das di-
vidas activas da massa fallida de Castro & Amo-
nio, compradas pelo mesmo finado conforme a
nota existente em poder do mesmo agente, o lei-
lao sera ptTectuad no dia e hora cima dito no
escriptorio da rua da Cruz n. 38.
de pouca familia, offerece-se na
ln ru-
in dl-iro m;j
roa du Sebo nu-
LEIliO
DE
artigas.
Trastes e ou Ir s ni u i tos
Sexta-feira 15 de abril.
O agente Olimpio no dia, hora e lugar cima
vender em leilao: marquezas novas e usadas,
commodas, apparadores, camas franoezas, lavato-
rios, cadeiras avulsas, relogios de cima de mesa e
algibeira, mesa elstica, cabides c outros muitos
objectos que estarao patentes aos compradores no
diado leilao
AVISOS DIVERSOS.
Instituto Arckeologico e Geo-
graphico Peraambucano.
llavera sesso ordinaria quinta feira 14
do crreme abril, pelas 11 botas da ma-
Hoje e amanha estarao patentes as seguintes :
Panorama da cidade de Parts.
Assalto e tomada da torre de MalacofT.
Cidade de Valonea na Hespanha.
A sanguinolenta Walha a bayoneta calada dada n,ua e nCs>a remvf e discutir o orea-
das, ao calculo de desconlos e juros simples e com- pelos Hespanhes no serralho em frica contra os menl P"a O anno de 1861 a 1865, o que
postos, sendo preferidos os que tiverem boa lettra Marrocos. nao pode ter lugar na ultima assembla por
esouberemlinguas estran^iras. Braca do commercio Iluminada em Lisboa por se nao acbar presente o respectivo ll.esou-
Os pretendemos deverao apresentar seus reque- occastao dos festejos do casamento do re de Por- re;r0 *^
rmenlos nesta thesouraria, com documentos em tugal, I
provem que sao mntores de 20 annos, e teem bom Cidade do Bio de Janeiro. 'M POis convidados todos OS membros
comportamentn. I Estarao presentes mais diversas vistas que dei- do Instituto que actualmente se acham no
E para constar se mandou publicar o presente xam de ser mencionadas por oceupar muito es- Reeife a assisiir a esta sessao.
Alugam-se duas casas terreas sitas na rua da merojlo.
Esperanga, rua que vai da Soledade ao Mangui-1 M _._, 3" ..T
nho, feitas a moderna, c com commodos para fa- /.!! A mwWj eLMmi!
: .* f _co! ,os J"a na rua da Cruz n. 18.
sadia, e que o leite nao leuha nu is de I a *
A. A. Ferreira vai a Portugal tratar de sua na rua a" Drum n. 8i.
saude.
lalilli e frailee/.
Esli abortas estas duas aulas desde
o I" do corrente, no sobrado n. 52, da
rua da Cadeia do Becife.
ftLmnaSaaJ-
a ilo
DG |
O Dr. Carolino Francisca i
tos, contina a residir na rua do lni|--
rador n. 17, 2 andar, onde pode >.-r pro-
curado a qualquer hora do da e da ao*
liara o exercicio de sna prorifeto de me-
dico ; sendo que os rliamado^, deaaia de
meio dia at 4 horas da lardd, dme tmt
deixados por esc ripio, o Referid* Dr.
nao abandonando nunca o testado das
molestias de interiw, prosegee, can a
maior ahinco, no das mais demrew c del
cadas oiieracoos. como seja miden i
ourinarios, dos olbos, partos, etc.
tk-i
RELOGIOS.
Concertam-se relogios de algibeira, de parede e
de cima de mesa, seja qual for os seus autores,
assim como realejos eeaixas de msica, tudo com
perfeico e presteza, garantindo-se o bom regula-1 Alugam-se o segundo e
lamento e mais barato do que em oulra qualquer casa j, rua da Cadeia n 4 a i ^ST
parte: na rua da Cadeia Nova ou detenco n. 36., da mesma.
pelo jornal.
P5
r-iC0.
Secretaria da thesouraria provmeiafl de Pernam- O salo estar aberto aos sabbados, domingos,
mico, tg o> marco ,je 1864.O secretario, A. F. quarts e quins-feiras das 7 horas da noite em
(TAnnuficiacoo. J diante. Entrada 500 rs.
Sala do Instituto, 11 de abril de 1864.
J. Soares d'Azevedo,
Secretario perpetuo.
Precisase de tima ama para eteommart
nhar n nina CeM de duas |ssoas d.- badfca
caes do Hamos n 32, segundo ambir.
A pessoa que annunciou prensar ** t:S
a premio sobre hypolheca em predx, pede m-
Ama de leite.
Precisa-se de urna ama de leite que seja forra e
sadia, e que o leite nao tenha mais de 4 a 6 me-
zes : na rua do Brum n. 84._______________^^
Aluga-.>e para servieo de carroca um preto'
que seja escravo e sem \ icio, de idade de 40 43
aiiuos.e ronusto : quem tiver para alugar, dirija- *'r_i* ^?"l Amaro, rua da Andnra, .
se rua do Sebo n. 8, das 6 s 8 horas da manha Da!,s?r Gymnasio e a pontozinh de Wm, a se-
d do meio dia s 2 horas da urde. F.onua casa ao p do Sr. commandbMV de ravaae-
- Precisa-se de um mo.eque de idade de 16 | ^JRErS! ?Z!XZXfSl.
20 annos para servico de casa : a iraur na rua theca de predios livres.
Anda esta por alugar a casa da rea e> S.
Miguel dos Alegados n. 28 : a tratar na rea Im-
perial n. 98.
da Cadeia do Becife, loja de relojaew-a a. 40.
Fernando Alfonso Coelho retira-se para fura
da provincia, ;
MI3LADO]





Jod da SilvaRamos" medico pela~l'nf
versidade de Coimbra, d consultas em
sua casa das 9 s U.horasda manha, e
das 4 s 6 da larde. Visita os detentes
em suas casas regularmente as horas
para isse designadas, salvo os casos ar-
gentes, que serao soerorridos em qual-
quer occasio. D consultas aos pobres
que o procurarem no hospital Pedro II,
aonde encontrado diariamente das 6
s 8 horas da manhaa.
Tem sua casa de sade regularmente
montada pa'ra receber qualquer doente,
ainda mesmo os alienados, para o que
lem commodos apropriados e nella pra-
tica qualquer operaco cirurgica.
Para a casa de salida.
Primeira classe 35000 diarios.
Segunda dita.... 25500 >
Terceira dita.... 23000
Este estabelecimento j bem acredi-
tado pelos bons serviros que tem pres-
tado.
O proprietario espera que elle conti-
nu a merecer a conGanca de que sem-
pre tem gozado.
-
Pdese ao portuguez commerriante, muito
conhecido em Hio Formoso por Liberal Cuca, que
ten ha a bondade de responder a urn annuncio que
vem nos Diarios de 28, 29 o 30 do mez prximo
passado, que Ihe diz respeito, para alguem nao
acreditar que se funde prnla lina sem liga de urna
famosa chapa de chumbo. _______
Precisa-so alugar um moleque ou velho que
saiba comprar, para casa de pouca familia : na ra
do Trapicha n- 26.___________________________
Precisase de um criado de 12 16 annos :
na ra do Corredor do Bispo n. 24._____________
Precisa-se de urna ama que seja escrava, pa-
ra cozinbar e engommar, paga se bem : na ra
Direita n, 7t
k mnum m mu sil
SEU NASCIMENTO. VIDA MORTE
E SEPULTURA
Ptir Alloiiso de Albuquerqiie Mello.
Est a imprimirse e far um totume de 400
pagina;.
J foi publicado no Diario de Pernambucoo prin-
cipio em tres artigos communicados, e nao pode
ser continuada a sua publicaco assim, em conse-
quencia da abundancia de materia que lem este
jornal.
Por aquello principio o publico ter podido ver
se a materia dever ser ou nao interessanle.
Para imprimir urn volunte o autor pede assigna-
turas e smente quanto bastem para as despezas
da impressao e brochura.
E' a summa da obra mostrar como a liberdade
no Brasil tem sido sempre sophysmada pelas tran-
saceoes que lem feito o partido liberal com os cor-
cundas, governando quasi sempre os corcundas
ainda mesmo cora os lilteraes no poder ; mostrar
como para este llm, nao tendo os corcundas apoio
no povo, tem corrompido o pai/. para vencer as
Wcoes, e ler as cmaras suas tem corrompido
as cmaras para destruir todos os actos legislativos
do partido liberal, todas as garantas constitucio-
aaes.
Como, por estes meios, os corcundas tem redu-
zido a pare ao pauperismo e miseria, faltando
cada um toda a garanta do direito, e portanto to-
dos os meios de vida, |iorque onde nao na garan-
ta s ta extorsfio, qur dos governantes, qur dos
mais fortes, e nao ha industria licita que d para
vi ver.
IT como urna historia, desde a independencia ate
boje, fazendo-se apanhado smente dos factos im-
purKaiites, donde coinecou a nascer a liberdade no
Brasil, e romo ella lem sido espanrada, assassinada
c enterrada, analysando-se todos esses factos, c de-
monstrado-se todas as consequencias das artima-
rtias do partido corccmrta, e u imbecilidade, fra-
nos em Pernambuco at a raloeira da revolucao
de 48, em que o fweram -eabrr.
Analysa-sc todos es ramos da administraejio, e
mostra-se como tudo c feito m defraudado 4a
causa publica, des interesses da communhao, e em
benelicio smente dos protegidos : como todas as
emprezas melberamentos s tem de bem (Mi-
co o pretexto, e de real a locupletacao dos afi-
(hados.
Conctue-se pola analyseda siluacao, e mostra-se
como Pernambuco com as qualro "provincias suas
irinxs do norte, .as primoiras na manifestado dos
sentimientos livres, tem chegado maior ahfeeoao.
Aassignalura de 25 por volume, pagos adian-
tade, obriftando-sc o autor a reslilui-los se as assig-
natnras naochegarem para a publicaco. Dcpots
de .Mtipre.-so -costar o vslume 35- Assigna-se na
livnaria ns.-6 < 8 da praca da Independencia.
DENTISTA DE PARS !
19llu Nova-19
Fredertco Gauuer, clrurgio deirtfgia,
faz todas as operacoes de sua arte,-e col-
lora denles arlificiaes, tudo com sttperio-
ridadee perfei<;iio, que as pessoas enten-
didas Ihe reconheeem.
lem agua pos dentificio.
Oradores.
Os crederes doSr. Francisco Virissims do Reg
BarriM queiiMii enlender-se com Tasso truuaos, ra
do Amorim 35, segundo andar.
O baUltrel A. R. de Turres Banfieira,
professor de gcugraphia e historia no
ytwlHuh desta provincia, contina no
ensino particular deslas inesmas disci-
plinas, e'bem assim de rhetorira, pblli>so-
phia, iiii-k-z efrancez : na ra estretta
do Rosara-n. 3-1,'lerceiro andar.
m
m
en
A (I dCaci.
O bochar iLoarenro Avelliuo de B
Albiu|uerjue Mello, antigo advoga- fl
4.Q desta cidade, leodo regressadoai
ella, teta alterlo o seu escriptorio tf
roa do ImperaaW n. 40, onde pode >*
r procurado paca os misleresde ^J
sua proflssao todos os dias utei M.
(k< 9 da iiiMili is 3 Ilotas da ^
lare, c olTerece orno garante a |K
seue constuiBtec a nao ioterrompi- >0
^ da pr'atica de 25 aniaus de advoca- j
cia. i) mesmo aeea partidos e H
taiiik.in causas qos lennos do in- W<
terior onde tocar a estrada de ferro. $
Tmmmmmmmmmm-mmmm
Fazemse tlorcs de todat a qualidades, tou-
ca.os de seda e laa, carapueae e sapatinhos de
laa por diminuto preco, assim como cosem-se cos-
turas linas e grasas, bordados e iabyrintos : na
ra As. Uniao n. 43._____________
Caixeiro.
Preowa-se de um jiequeno de 12 14 annos, na-
cional ou eslrangeiro, para caixeiro de fra do
balcao de urna botica na cidade da Parahiba : os
pretendemos podem dihgir-se ra da Cadeia do
Kecife n. 44, a fallar com Thomaz Fernaudes da
Cuaba.
TM Jos Gonealves Ferreira CosU, tem ca- Jp
fm sas erreas para alugar na travessa do ^
'$1 Corta junto a undi^io ao preco de 95 e OT
a5 IO, com port'i para a mac : a fallar XM
Ci na iu.!
'A mesma. W<
mmmrnmmmm
Precisa-se de urna ama para comprar
e cosinhar: na ra do Imperador n. 09,
piimeiro andar.
Sitio na Capiingn.
Aluga-se um sitio na Capunga a margem do
Capibaribe,com boa casa de vivenda e mais arran-
ios; a fallar com Jos Mara Seve, na ilha dos Ba-
tos.rua do Seve, casa n. 16.__________________
William Otto, socio gerente da casa de Babe,
Schamettau & C, retira-se temporariamente para
Europa e deixa na gerencia da dita casa commer-
cial o Sr. Henr de la Grange.
>
aa t^ ^
o '
3 -Rl'A ESTUEIIA DO ROSARIO-3
Francisco Pinto Ozorie contina a col-
locar deutes artificiaos tanto por meio de
molas como pela pressiio do ar, nao re-
cebe paga alguma sem trae as obras nao
fiquem a vontade de seus donos, tem pos
e unirs preparacoes as mais acreditadas
para conservaco da bocea.
Mocledade de seguros mataos
de vid iastallada pelo Banco
i ulo na cidade do Porto.
Os agentes nesta cidade e provincia Antonio
Luiz de Oliveira Azevedo & C escriptorio na ra
da Cruz do Becife n. 1, estao autorisades desde j
a tomar assignaturas e prestar todos os esclarec
mentos que forem necessarios, as pessoas que de
sejarcm concorrer para to til e benfica empre
as, eguramio um futuro lisongeiro aos associado
BAIVCO l VIO
ESTABELECIDO NA CIDADE DO PORTO
. Agentes em Pcrnamhuco
Antonio i.ii Vi de Oliveira
Azevedo b. C.
Sacam por todos os paquetes sobre o
mesmo banco prazo ou vista, sobre a
caixa filial em Lisboa, e agencias em Fi-
gueira, Coimbra, Aveiro, Vizeu, Villa-
Beal, Bcgoa, Vianna de CasHIo, Guima-
res, Barcellos, Lamego, Coviiha, Draga,
Penafiel, Bragan^a, Amarante, Angra,
Ilha 4a Terceira, Ilha de Faias, Ilha da
Madeira, Villa do Conde, Vatenca, Bastos,
Oliveira de Azemeis, Chaves e Fafe, a
oilodias vista ou ao prazo que s# conven-
cionar,no seu escriptorio roa da Cruz
n. 1.
(tirso de mathematicas ele-
mentares.
0 professor de mathematicas elementares no
Gimnasio Provincial tem de abrir parliiulavmente .
uih curso destas sciencias, cujas lieoes devem !
principiar no dia 3W do corrente mez : as pessoas
que Ihe tem fallado para aprenderem as ditas sci-
encias, comparecam na casa de sua residencia na
lu.i Direita n. 74,o dia 49, das 7 horas al as 9
da manhaa, e a tarde a qualquer hora, para se ma-
tricularen).
Campos & Limn t.no acabado oem o seu es-
'tahelecimento oe tazendas na ra do Crespo, avi-
-sam a todos os seus devedores em geral, que de-
rain procuracao especial ao Sr. Ivo Marlins de Al-
meida para receber amigavel ou judicial ; e sem
que por isso tenhamos a menor res(>onsabilidade
com o que o mesmo seulior tenha de-obrar, motive
que s com elle *e devero entender.___________
Antonio Duarte (arneiro Viuima vai tnro-
pa, e deixa por seus bastantes procuradores o
4-. Antonio Pedro fie SUM Soares, seu primeira
ijirocurador e gerente de lodos seus negocios, em
segundo lugar os Srs. Prente Vianna & C, e ter- t
ceiro o Sr. Jos Joaquim da Costu Pinheiro.
Arrenda-seou veode-se una casa com bi-
tantes commodos, cein terreno de plaotacdes, perto
do banho por ser junto a toiite de rijjipi : a Tal-
lar no engenlio Peres com o capito Carneiro, oa
nos Afogados com o -ten<'nte-coronel Manocl Joa-
quim do Bego Albliquerque.___________________
D-se cnVrtivaineiite dinheiro a premio ew
petfuenas e grande* ouanlias : M ra Augusta
nutaero 4o.______________________________
o teneciro andar do sobrado da mu larga do Besa-
rlo que olla para a doCabug, redilicado de nowi
e cora grandes eommttdos para familia : a tratar
no segundo andar do tesmo._________________
ioaquim de Mello Carreiro, subdito porttt-
guez, -retira-se para a ilba de S. Miguel.
rpEs de m.
u.ul-iiiic iMiinf- Honreaux,
discipula do conservatorio imperial de msica de
Paris, d icoes de jiianoe canto : a trufar na ra
Nova n. f, bija do Sr. Hypotito Domont.________
PrecUa-se de offlcaes de fnnileiro, na loja
^a ra da Cruz n. 39 : a tratar na mesma.
Noticias!
Noticias!
Noticias!
Noticias!
Noticias!
Novos arranjos.
Novos arranjos.
Novos arranjos.
Novos arranjos.
Novos arranjos.
Retratos de 35 por 15500.
Betratos de 35 por 15-N0-
Betratos de 35 por 15500.
Bi tratos de. 35 por 15500.
Betratos de 35 por 15500.
Retratos de 35 por 15500.
Retratos de 3J por 15300.
Betratos de 35 por 15500.
Betratos de 35 por 15500.
Retratos de 35 por 15500.
200 retratos tirados por dia.
200 retratos tirados por dia.
200 retratos tirados por dia
200 retratos tirados por dia.
200 retratos tirados por dia.
Retratos de 35 por 45.
Betratos de 55 por 45
Betratos de 55 por 45.
Betratos de 55 por 45-
Betratos de 55 por 45-
Relralos de 35 por 45-
Belratos de 55 por 45-
Betratos de 55 por 45-
Betratos de 55 por 45-
Betratos de 55 por '5-
Na galena americana.
Na galera americana.
Na galera americana.
Na geleria americana.
Na galera americana.
Ba do Imperador n. 38.
Ba do Imperador n. 38.
Ba do Imperador n. 33.
Ba do Imperador n. 38.
Ba do Imperador n. 38.
Oestes precoi s'nos dias uteis.
Destes preces s nos dias uteis.
noticias as senhoras.
Vestidos azues claros ou brancos nao servem, os
! pretos sao melhores.
As horas mais convenientes ao trabalho sao das
9 horas da manhaa s 3 da tarde.
Aluga-se o sobrado de um andar da ra da
Praa n. 57 : a tratar no Campo-Verde, ra do
Destino n. 20, sobrado.
txlerna exposicfto
Dnarte, Perelra 5 ., rm
do Crespo n. t.
Tsm para vender m rico c completo
sortimento de candieiros gaz como sa-
jam para bancas de meio de sala, bonitos
pares para consolos, lamparinas para
quarlos, para ptndurar etc., ele, bem
como para vender tontade do compra-
dor gaz de varias qua1[dades. Previne ao
mesmo tempo que tem de ehegar pelos
primeiros navios da Europa loucas de to-
dos o% padroes modernos, porceiauas, ti-
dros, ci ystaes, azulejos, figuras para jar- w
dins, vasos para cornijas, pinnas, bollas, Ws
looes para portoes de chcara etc., etc., 2|
e tudo mais que qualquer pessoa deseje ffi.
ter tendente ao nossq^wno, garantindo S
rommodidade em^fffecos e sinceridade
no Iratamento de qualquer oncominenda,
de que se enearrega/m.
"" _r _r-.i/.
CUSTODIO, CARVALHO i C.
A ttencao.
Na ra da Florentina n. 28 lava-se e engomma-
se com presteza e por preco commodo.
Na ra das Cruzes 37 precisase de offi-
eiaes de charuteiro.
27 Ra do Queimado 27
Para menloas.
Lencinhoi de cassapelo btrato preco de 100 rs. c.u um.
Cambralas
organdvs Roissimas a 240 rs. o covado.
1 18 a peca
de entremeios finos bordado a 15 a peca.
Cortes de
cambraia branca com flores a 35 a peca.
Ricas cassas pretas
bordadas de muito gosto.
Madapolo
enfestado francez muito fino a 300 rs. a vara.
Lencos
de cassa brancos e de cores a 15200 e 25 a duzia.
Coliertas
de chita chneza a preco de 25 cada urna.
Tiras bordadas peca 25.
Cambraia de linho a 35, 45 e 35 a vara.
Bicos cortes de laa dos mais modernos a preco de 205 o corle.
Aluga-se a casa terrea n. 170 na ra Impe-
rial, com todos os commodes necessarios, sendo
murada al a beira do rio : a tratar na ra da
Boda n. 6, aonde se contina a dar comidas por
mdico preco, incumhindo-se a mandar conduzir.
OLINDA.
0 padre Jos Esleves Vianna tem aberto as suas
aulas de prlmeiras letras, latim e francez, desde o
dia 4 de abril : assim como contina a ensinar as
inesmas materias por casas particulares.________
Precisa-se de urna ama para casa de urna
senhora: na ra por detraz da igreja de Santa
Thereza n. 6. ______________________^^
O hoinem solteiro que precisar de urna ama
de boa conducta para servcos internos, dirija-se
ra da Conccicaozinha, loja n. 8.
D-se 3005 sobre hypotheca em algum es-
cravo ou escrava : na ra de Santa Rila n. 27,
segundo andar.
Deseja-se fallar com um rapaz natural do
Conselho de Monta-Legre da freguezia do Beigoso,
sobrinho do reverendo vigario los Gonealves Pe-
reira : na ra da Guia n. 41__________________
Na padaria da Torre precisa-se de um amas-
sador que saiba vender pao.
Len Chapelin, photographo, estabe-
lecidonarua da [mperairiz n. 14', vai a
Europa a bem de seu interesse.
Emprehendendo esta viagem com o fim nico
de estudar os raelhoramentos e progressos de sua
arte, espera, de volta em setembro, poder agradar
as pessoas que se dignarem occupar-lhe. Deixa
sua casa e offleina encarregada a sua esposa, que
tendo longa pratica de tirar retratos continuar a
trabalhar com todo o esmero e promptido.
QAproveila a presente occasio para agradecer
ao publico desta formosa capital e particularmen-
te as pessoas que Ihe honraram com a sua con-
fianca, a proteccao e bom acolhimenlo que thc
prodigalisaram e ofierece o seu pequeo prestimo
em Paris onde especialmente se dirige ; devendo
retirar-se no fim do mez at l oachar o respeita-
vel publico prompto para qualquer trabalho de
sua proflssao.
COMPLETO SORTIMENTO.
NO
ARMAXEU
CONSERVATIVO
23-Largo do Terco-23.
Joaquim Smao dos Sanios, dono deste armazem de moldados, cientfica ao re>peitael
co que leem um completo sortimento dos mesmos os quaes offerecem mai< vantagem aos Srs. eoac*a-
dores, do que em outra qualquer parte, garantindo-se a superior qualidade.
Manteiga ingleza flor (a 800 rs. a libra.
dem franceza muito nova a 560 a libra, em li-
bras 340.
Caf do Ro, de I1 e 2 surle 320 e 280 a l.ra, p
arroba 95 e 85300.
Arroz pilado do Maranhao de 90 rs. 100 a libra.
Mho alpisla a 160 rs. a libra, e arroba 45800 rs.
Ser-reja das melhores marcas a 500 a garrafa.
Genebra verdadeira de laranja a 15100 o frasco.
dem do Hollanda a 400 rs. a botija de contra.
Toucnho de Lisboa a 320 a libra, e arroba 85500
Passas muito novas a 480 rs. a libra, e caixa 95
Azeite doce de Lisboa o gallo 35 e a garrafa 640.
dem de carrapato a 280 a garrafa, e a caada 25
Atetria M, T, a 480 rs. a libra.
Gomma de engommar muito alva a 100 rs. a libra.
Sardinhas de Nantes novas a 320 e 360 rs. a lata
e em porcao se far abatimento.
Todo
6 por cento.
Vellas de carnauba a 360 e 400 r*. a lera
dem de spermacete a 560 e 600 rs. a libra
Phosphoros do gaz a 25300 a grosa.
Bisconios e bolachinhas de soda a 15400 e SfMt
a lata.
Chouricas novas a 720 rs. a libra.
Batatas a 25 o gigo.
Bolachinha ingleza nova a 240 rs. a lil-ri.
Charutos das melhores marras dr 15201), IJ50O.
25000,35000 e 45OOO a caita, em porco se
far abatimento.
Vinho Fiueira de SAA a 500 a garrafa, e a -aao-
da 35500.
dem de Lisboa a 400 a garrafa, ea -ana
35OOO.
dem de mitras marcas a 25700 a ranada,
dem branro de Lisboa a 500 a garrafa.
Dinheiro vista.
Algodaozinho cora pequeo
toque de avaria a 4$500
e 5$000 a peca.
Venoe-sw na ra do Queimado n. 14, superior
algodaozinho com pequeo toqoe de avaria a 55 e
65 a pee a, a elle que est se acallando.
rus do
COMPRAS.
O Dr. Cosme de S Poreira conti-
na a residir na ra da Cruz n. 53,
4 *' un.lu'. 4n radopara o exercicio de sua profis-
so medica, e com especialidade
sob.-e o seguit
Io molestias de olhos ;
2o depeito:
3o dos ergaos geniti
urinarios.
Em seu escriptorio os doentes se-
ra examinados na ordem de suas
entradas comeando o trabalho pelos
doentes de olhos.
Dar consultas todos os dias d
6 as 10 da manlia, menes nos de-
miagos.
Pratcari uia e qualquer opera-
co que julgar convenieete para o
prompto resUdolecimento dos seu6
doentes.
Compra-se effectivamente ouro e prata em
obras velhas : na praca da Independencia n. 22
tea de bilheles.
L ornpra-se efectiva-
mente
ouro e prata em obras velhas, pagande-se bem
na ra larga do Bosario n. 24, loja de ourives.
Compra-se cobre, latao e chumbo : no ar-
mazem da fcela amarella 00 olao da secretaria de
polica*
Papagaio fuyoo.
Domingo 10 do corrente, as 6 horas da tarde.
fiiL-io da ra da Imperatriz, sot>r:Mlo de Frederico
Cuaes, um papagaio muilo manso, tendo urna
unha de menos, o olho direito nm pouco fechado, e
bastante follador : rogase a quem o tiveractaado
a bondade de leva-to, que ser recompensado.
Antonio Lniz de Faria Guimaraes, subdito
portuguez, retira-se para o Para.
Jos Joaquim deC-rvallio, subdito portuguez,
retirase para Macei.
Precisa-se alagar U'na preta de mcia idade :
quem tiver, dirija-se ra Direita u. 58, segundo
andar.
AluM-e urn moleque de idade de 13 14
annos, muito bom eoaiaheiro e comprador, serve
bem urna casa e sabe fazer todo servie/) com per-
feigao : a tratar na ra dos Pires n. 54.
Jeronymo Tlioni da Silva, cidadao brasileirj,
retirase para Europa.
ATTEgAO
Alujase urna casa com bastantes commodos pa-
ra grande familia, sita na travessa da Passagera da
Magdalena : a tratar na holea do pateo do Carino
numero 3.__________________________________
Preeisa-se de urna ama forra ou escrava para
casa de pouca familia : a iratar na ra do Arago
numero 12.______________________________
Precisa-se de urna ama que compre, engom-
me, cozinhe e faca o mais servico de urna pequea
familia : na na dos Pires n. 27.
Compram-se Diarios velhos para euibluJWa
45 a arrobe : no largo da Penlia n. 6._________"
Garrafas.
Compram-se garrafas vasias de vinho e serwja,
e tambem irascos e botijas de genebra : na ra
do Imperador n. 57, armafcm AHanea.
Compram-se escraros mocos e fortes, sendo
barato : a ra da Cadeia n. 52, armazem.
Coni|ram-se garrafas e botijas vasias por
mais 25 0(0 do preco actual : na ra Direita au-
mero 72._______________________________^^
CetHprwn-se frasoos de genel>ra vasias: na
ra Direita 72.____________________________
Coiiiprain-se casas terreas : quem tiver o
Juizer vender, dirija-se praca de Pedro II u. 2,
efronte da igreja do Espirito Santo.
Compra-se um baiKo de si buiul j usado,
mas em bom estado : na ra da Viraban n. 39.
Cozinhci'u
Compra-so ou aluga-se umescravo que cozinhe
com perfecao : na ra da Cadeia n. 35, loja de
Alfredo & Matheus.
Compra-se urna escrava preta que entenda
de cosinha, lavar e engommar : na ra da Cruz
do Becife n. 43, primeiro andar.________________I
Compra-se una preta qitit saiba bem cosi-
nhar e engommar : ra do Queimado lo,a nu-
mero 51.
e qualquer comprador que comprar de 505000 para cima, tora o decoato 'j*.
sa tsss&
i VELH4 ENCYCLOPEDICV
Respeitavel estabelecimento de fazenda* A
Crespo numero 19.
DE
i JOS GOMES VILLAR.
Tendo merecido a prolecro das
EXCELLENTISSIMAS SENHORAS,
e do publico em geral.
OXproprietario nao descanca um s momento para bem servir aos seus fregw z_, a-
zewk encommendas para
Inglaterra, Franca, Suissa e Allemaiiha
das melhores azendas para
Senhoras e para homens
[e vende-as por procos que admiram.
I Importante estabelecimento
DE
Fazndus
DE
Seda, lia. Itnho e algodo.
de
JM BDfflia fT__A_,
ftuu do Crespo numero 19,
RECIPE.
leude iiaiatissitux.
Importante estatifireimenlo
C
F a zr iitlas
DK
Seda. ISa, linho e algodo
JS _D_t_3 7'J__A,
IIna do Crespo numero 19
REQFE.
leude baratissinio.
^okek ::;
A 6RA11M GURA
PARA TODAS AS MOLESTIAS 110
Hlffl, IM E ti EfflilS.
wm
YENDAS.
__ Alugase a loja de urna po-ta s na ra do
Crespo n. 4, com annacao e sem ella, para tratar.
em casa de J. Falque na mesma raa n.i._______
"" Luiz Antonio Go?alves Perreira, como tu-
tor e administrador de seu llho Ascencio, lendo
no Jornal do Recife n. 76 um annuncio em que se
exuoe venda o sitio luiranga em que o referido
menor tem parte, protesta contra semelhante an-
nuafio quanto a parte do mesmo seu filho, e de-
clara que a ninguem autonsou a vender o referido
sitio fpjrtng*.'
_embranca aos boticarios.
Nao se esqnecam de comparecer para a arre-
matado das drogas de que o digno conselho an-
nuncion a compra para o da 13 do corrente. Pre-
cos razoaveis que para cantarada!
AO PUBLICO.
O abaKO assignado, a bem do seu direito faz
scente a quem nteressar, qQe o Sr. Candido Al-
ves Lima Ihe devedor da quantia de rs. 4:5005,
porcujo debito Ihe fez especial hypotheca em 5 de
junho de 1863, as notas do tabellio Luiz Ferrei-
ra Bandeira de Mello, da villa de Iguarass, dos
quatro escravos Caetana, BenedicU, Abilio e Le-
andro; pelo que protesta o abaixo assignado fa-
zer valer o seu titulo de preferencia em qualquer
emergencia que occorrer em dilos bns, afim de
ser convenientemente pago, Becife 9 de abril de
1864.Francisco Muniz das Chagas Pacheco.
--0 padrt F. B. de V., no Ufgfr do
Paraize a 29, segundo mar, ainda
precisa de nm pi inieii o andar para sua
residech ao centro da freguezia de
Santo Antonio, e assim t-imhcm de
una ama es--i-av que saiba engom-
mar e cosinhar e que seja liel.
^U'- uae m *o euan*re.
On demande nne onserire excellenle em tnute
especes de conture on desire, qu'olle s'ache faire
les reprises, raccommoder les bas y enlin, tous
les raccommodages en general. Elle sera bien
traite qu'ille said libre ou esclave : s'adresser
Si. Amare sito de Mr. Charles L. Camhronne.
Preta cozinheira
Precisa- se de nma preta para cozinhar e trazer
todos os das um raixao com comida da Soledade
para a ra do Queimado n. 16, loja, onde se trata
Quem precisar de urna escrava com bastante
e bom leite para criar, dirija-se ra larga do Ro-
sario n. 22, segundo andar.
Na ra da Alegra n. 7 aluga-se urna escrava
para todo o servic/i.
Oadvogado Alfonso deAlbu-
querque Mello,
com escriptorio na ra estreita do Rosario n. 34,
encarrega-se de quaesquer causas crimes, cves.
militares e ecclesiasticas. Compromelte-se a en-
caminhar com a maior brevidade as appellacoes
3ue Ihe forem confiadas ou a relaco e ao tribunal
e commercio do districto, ou a relaeao ecclesas-
tica. Encarrega-se de defezas peranle o jury
desta cidade, oudos termos prximos, dando a par-
te condueo ; assim como de quaesquer outras cau-
sas por ter em alguns delles procuradores de con-
fianca.
D consultas verbaes e por escripto; prometle
todo o zello, seguranca e actividade, garantidos por
lima pratica e experiencia de quasi 20 annos.
Pode ser procurado a toda a hora, menos as sex-
tas-feiras, por se achar das 9 horas s 4 desses
dias na villa do Cabo.
Na ra da Cadeia do Recife n. 3, primeiro-
andar, tiram-se pas.sapoites para o estrangero, e
de escravos para o Rio de Janeiro, com promplidao
e prego commo-lo.
lina sala e alcova tara guarda-livro
solteiro.
Precisa alugar-se : no escriptorio da ra do Im-
perador n. 34.
SorDfAc.
Sorvete tedos os dias ao meio dia : no ra do
Trapiche n. 18. ________
Aluga-se o segundo andar do sobrado na ra
da Lapa n. 13, pt r barato preco : os pretendentes
dirijam-se praca da Boa-Vista n. 9.____________
Tendo ficado a porta da cocheira do Dr. Fer-
reir, no paleo do Parado, sem estar fechada
chave, em a noite de 9 para 10 do corrente, desap-
pareceu da mesma um cava I lo rugo, de boas car-
nes, com marca de colleira de carro, muito rin-
chao : quem delle tiver noticia, peder dar parte
na rna larga do Rosario n. 20, que ser recom-
pensado.
Vende-se urna mobilia de Jacaranda bonita e
nova : na ra da Cadeia armazem n. 53, do agen-
te Enzebio._________________________________
Vende-se urna preta crioula, bonita llgura,
sem defeito nem vicio, com 25 annos de idade,
viuda do mato,propria para se applicar a qualquer
servico : para ver e tratar na ra das Cruzes nu- \
mero 1.____________________________________
Vende-se um sobrado de um andar e sotao,
sito na ra de Apollo n. 8, com 10 quartos e um
grande armazem : qnem o quizer comprar, enten-
da-secom Bernardino de Sena uias, que dir quem
o vende. I
Vende-se urna escrava de 28 annos, que en-
gomma com perfecao, cozinha igualmente, faz^
doce de qualquer qualidade, relina assucar, cose
chao, etc. ; emlini faz com perfeigo qualquer ser-,
vico de urna casa de familia : na ra do Queima-:
do n. 37.___________________________________ j
Veudem-se dous caixes de pedra e cal em
Santo Amaro, junto ao sobrado do Sr. Manoel Cus-
todio, se acham divididos em raspaldo, prompto a
receber travejamento, assim para casa terrea ou
sobrado, a vontade e bolsa do comprador, tendo 3
janellas e porta, com 42 palmos de frente e de fun-
do 113, tudo de vo, alm de um grande terreno,'
em cujo centro passam duas ras novas at dudar-
se na estrada de Luiz do Reg : os pretendentes
queiram dirigirse ra da Cadeia, armazem n.
53, do agente Euzebio, que nielhor informarles
dar.
Vendem-se duas casas por barato preco, sitas
M Gi |ui, tendo urna armacao para taberna, um
quarto, urna sala, cozinha fra, estribara, cacim-'
ba c grande quintal cercado : c outra com dous
quartos, duas salas, cozinha fra e quintal : quem
pretender, pode-se dirigir ao pateo da Penha n. j
10, armazem Progresso, que achara com quem
tratar.
AS
Vendem-se bonitas vaneas c muito boas : no
sitio do Cacunda, no Rosarinho.________________j
Vende-se a taberna da ra do Rangel n. 17.
Vende-se urna barcaca que carrega de 120 a
130 saceos de assucar, assim como alumas hestas
mansas de roda, e bos de carro: a fallar nos Afo-
gados com o tenente-coronel Manoel Joaquim.
i ara lodos.
Pecas de madapolo com poueos salpicos de
mofo 45500, 55500 e 65. ditas de dito entesta-
do muito lino 75- Algodaozinho superior com
pequeo toque de mofo por 45 e 45500 a pega :
na ra do Queimado n. 17.
VKXDKSE
verniz do gaz pelo prego da fabrica : no armazem
da bola amarella no oito da secretaria de polica
Flalas \cgetecs AsMieararia.s
De X-emp
Compostas dos dois novos resinoides chama-
dos Ponopim.iNA c Leptanorina, e inteira-
mentc livres do Mercurio ou outros venenos
mincraes ou metallicos, slo de grande uti-
dade nos paizes clidos em cazos de
DISPEPSIA, ENCHAQUECA,
ConstipaQSo ou PrizJo do Ventre,
PADECIMENTOS DO FIGADO,
Aflvrjfles Biliosas,
HEMORRHOIDAS, CLICA,
Ictericia,
PEBRE GASTRO-HEPATICA,
B ontrastnfcrmiditdts anloga*.
Ellas vo rpidamente substituindo os ant'goa
purgantes drsticos.
A venda as boticas de Caors & Barboza'
ra da Cruz, e Jo3o da G. Bravo C, ra
da Madre de Dos.
Aitcnco
X ra do iiirlinmlo n. t, fa-
brica de chapeos de sol.
chegado pelo primeiro vapor fumo caporal da
primeira qualidade, e vende-se um pacoto por 15,
meio parole 500 rs., e timbera cachimbos os
mais modernos ; por isso pede-se aoj senhores ru-
inantes que souberem apreciar o que bom fumo,
que nos honre com a sua presenca ; tambem ben-
galas de muito bom gosto com castoes de marm,
tudo se vender pelo preco mais razoavel do que
em outra parte. Na mesma casa vende-se papel
proprio para cigarros._________________
FARELO
Vendem-se saceos com 90 libras de fardo a
35800 : na ra da Madre de Dos ns. 5 e 9.
FAZfcNIIAS !
pretns para a fmmrtmH
Superiores monreantiqu.s pn-iof lar-
gos a 25200, 25500, :15, 35500 e fo o
covado, Imhis groMlt-napics pfrta lar-
gos a 15500, 15600, 15*1". iV*in.
25500, 35 e 35500 o covado, rico ve-
ndos de inoureaiiiique preto rom karra,
dilos de eorguro preto bord n- f ada-
mascados com barra, o mais moderno
que lem viudo P< rnaml-uco. r unir
muias fazendas de bom co-in, pretas
proprias para vestido, sup-Tiorcs rapas
de seda preta a 165, 205. t5f :U5.
355, 40 e 505, manas pp las de tilo,
lindos chapeos de palha de Italia, o que
pode haver de mais gosto a i'anot -r :
na loja das columnas na rna do Crr-
po n. 13, de Antonio Correa uV Vas-
concellos & C
Novos soutanilmrqiies.
Sao chetados os lindos -oiitamlar-
ques e bas|uinas de seda pn-las. rira-
Dienle cnfeiladas, as mai> nuioVrn<
que leem vindo Pernambno. vindas
no ultimo vapor franrrz, por prrrns
mais commodos do que em ontra qual-
quer parte : loja das columnas na
ra do Owpo n. 13, de Antonio Cor-
ma de Vasconcellos & C
Mez de Mara.
O afamado mez de Mara qne se vradia a 35,
25 e 15500, rom estampas e ntidamente imprcv
so, acha-se venda por acabar a I SOM -> v^lunie.
approveitem-se da NMfa, qne mu poueos rev
lam : na ra do Imperador n. 15.
Vende-se para mais de 180 rmllv-iro* t le-
Iha e tijolo de alvenaria batida, ladrilli.. -. upau*n-
to da nialhor qualidade que ptxle apparerrr :
quizer comprar, pode tratar com o socio
nistrador Zacaras dos Santos Barros, Ba-
das Rarreiras, nlara n. 15, ou rom Jos Hara
Gonealves Vieira Guimares, na ra ."tova m. *-
Algorfa* i* Babia
para saceos de assucar e roupa o> esrravo; tem
para vender Antonio Luiz de Oliveira Azevedo _
C, no seu escriptorio rna da Cruz n. 1.
GAZ GAZ GAZ
por preco reduzido.
Vende-se fjaz da melhor rjualiil d pelo
pre.o de !<.> por lata de 5 galoes : no ar-
mazem do Caes do Ramos 11. 18 e ra ds
Trapiche Novo n. 8.
Vende-se a parte da casa de pedra e ral ri-
mada na ra da Soledad 11. 50. em chaos pr>*-
prios, cozinha fra. rarmba com \->.i agua, e M
tal mnrado, a qual par- se arta livre e d.-M-ml-..
rabada, e correspoada ao valor de 1:2155 ; seM
por roosegiiinle a outra urna pequea parte no V
trezentos e tantos mil res, segundo a ulica ava-
liacao : os pretendentes poderao entender-se coa
o Dr. Campos, que indicar o vendedor.
Vende-se o pardo SeveriarnTrom 22 ans
de idade : quem o pretender, dirija-se a cM-p-
torio do Dr. Alcoforado, que tem podfK-5 para rea-
lisar a venda.
'i
MUTILADO


utarto me ren
iueo toara leira isae awii ae ism.
/
DUARTE .& C.
Participara aos seus numerosos freguezes e ao publico em geral que acabam da
receber de sua propria encoramenda, o mis lindo e completo sortimento de molhados,
os quacs vendera por grosso e a retalho por menos 10 por cento do que outro qualquer
annunciantc, como verao pela seguinte tabella que abaixo notamos, garantindo os mes-
dbos proprietarios nao s o peso como a qualidade de seus gneros.
AVISO.
Todos os senhores que comprarem para negocio ou casa particular de 100* para
itt:voiM v\"
ARMAZEM
DO
Acaba de receber de sua propria encommenda um grande e variado sortimento
de molhados todos primorosamente eseolhidos, por isso apressa-sc o proprietario em
lferecer aos seus freguezes e ao publico era geral a seguinte tabella dos seus gneros e
cima ter3o mais 5 a 10 por cento de abatimento, os proprietarios' scientificam mars "qa resumidos precos, afiancando todo e qualquer genero vendido neste bem conhecido ar-
odos os seus gneros sSo receidos de sua propria encommenda, razo esta para pode mazem.
vender por muito menos do que outro qualquer estabelecimento.
Manteiga ingleza flor a 8oo rs. a fibra. I Vellas de carnauba e cemposic5o de 32o a
Castanhas muito novas a 2,ooo rs. a caixa, e
a 16o rs. a libra.
Bolinho frQcez e em caixinhas de 7oo a'
l,5oo rs. cada urna,
dem franceza a mais nova do mercado a 56o
rs. a libra, e 54o rs. em barril.
dem de porra refinada muito alva 46o rs, |
36o rs. a libra e de lo,ooo a 11,ooo rs.
arroba.
Genebra de Hollanda em botijas de conta a
440 rs. a botija, e em duzia ou em barrica
ter abatimento.
Massas para sopa macarro, talharim e aletria
* a 48o rs. a libra e em caixa ter abati-
a libra. i ment.
Preunt<> para fianbre a 8oo rs. a libra. dem estrellinha, rodinha epevideem caixi-
Ch uxim miudinho vindo de conta propria, j nhas de 8 libras, muito bem enfeitadas de
o melbor do mercado a 2,8oo rs. a libra, j 2,5oo a 3,ooo rs. a caixinha e a 6eo rs. a
dem hyson de superior qualidade a 2,6oo rs., libra.
a libra. Boce de goiaba em caixas de diversos tama-
Idera perola o melhor que se pode desejar a' nhos de 6oo a 1 ,ooo rs. o caixo
2,7oo rs. a libra. Sabao massa de 2oo a 4o rs. o melhor, em
dem preto muito fino a 2,5oo rs. a libra. caixa ter abatimento.
dem mais baixo pouco a 2,ooo rs. a libra, i dem hespanhol a 28o rs. a libra,
dem mais baixo a l,8oo rs. a libra. Peixe em latas muito novo ; savel, pescada,
Vinho do Alto Douro vindo do Porto engar-
rafado gar.inte-se a superioridade deste vi-
nho, das seguintes marcas : Duque, Ge-'
nuino, velho secco, especial lagrimas do-:
ees de 1819, vinho especial D. Pedro V.,'
vinho velho, Nctar superior de 1833, Du-
que do Porte de 1834, vinho do Porto ve-'
lho superior, madeira secca de superior
qualidade, vinho do Porto superior D. Lu-'
iz I ."de 1847, lagrimas do Douro
cial, vinho do Porto de l.oooa l,2oo'rs.: rs
*arrafaejIe _lo,ooo a 14,ooo rs. a caixa Amexas francezas em caixinhas elegante-
mente enfeitadas de l.oo a 3,ooo rs. a
Pede-se toda atten$to.
O proprietario pede a todos os senhores chefes de familia e ao publico em geral
que n5o deixem passar desapercebida a seguinte tabella:
AVISO.
Neste armazem e no largo do Carmo n. 9, armazem Progrcssivo, recebem-se as
libras que vulgarmente correm no commercio por 8*890 a 9$, o proprietario em seus
armazens da-lhpe este valor, sendo em pagamento, e isto para evitar, confuses em trecos.
rs. a duzia l.ooo rs. a garrafa, garante-se
que os melhores que temos tido no mer-
cado.
Passas em caixas de 1 arroba '/ e '/ a 7,5oo,
3,6oo e l,9o rs. a caixa, e 4oo rs. a libra
garante-se serem muito novas, e graudas.
dem perola a 2,8oo rs. e de 8 libras para dem corinthias pro'prias para podim a 8oo
cima a 2,7oo, I rs. a libra.
dem hysson o mais superior que se pode Marmeladns dos mais afamados fabricantes de
desejar a 2,6oo e de 8 .libras para cima Lisboa a 6oo rs. a libra
a 2,5oo rs. Ervilhas secas muito novas a 16o rs. a libra,
corvina, salmao e outrae muitas qualidades I dem menos superior a-2,4oo ede 8 libras j Grao de hico muito novo a 16o rs. a libra,
preparada de escabeche 2. a arte de cosi-! para cima a 2,3oo rs. | Ervilhas francezas em latas a 6oo rs.
nha le l,2uo a l,8oo rs. a lata. i dem proprio para negocio a 2,3oo, de 8 li- Potes com sal relinado a 48o ts.
O homem do moyimeiito nilo estaciona.
AVANTE ESEMPRE
GUERRA AOS UHUGOS
Xa se admitte a uniao coruiaf rcial.
Nao se quei* a liaba da allianca.
Nao se teme a furia dos corsarios.
Este anuo ha de ser blssexto.
Os eanhdes esto preparados.
FOGO! BOM FOGO!! MELHOR FOGO!!!
Abaixo a li/a d'agoa no vinagre
Viva a liga do genuino Chores con f anare'
Viva o conservador das conservas ingina!!
Vivara os liberaos freguezes do BlLfZl!!!
Vivam todos qn- lerem este annoncio.

MTOSHBM)
Manteiga ingleza perfectamente flor, a 8oo rs,
e em barril a 78o rs.
dem franceza a 54o rs. a libra, e 500 rs.
sendo em barril. ,
Gb uxim a 2,7oo rs. a libra, e de 8 libras
para cima a 2,6oo.
Figos em caiga* de 1 arroba, */j e 8 libras' bras para cima a 2,2oo.
a 8,ooo 4,00o e 2,ooo rs. a caixinha. i dem do Rio em latas-.de 2, 4. 6 e 8 libras
Barris de vinho branco de quinto, marca B; cada urna a 2, 3, 3,5oo e 4,8oo rs. a lata.
4 Filho a 60,ooo rs. o barril. dem preto o melhor que se pode desejar
Marmelada imperial dos m Ihores conserve!- neste genero a 2,8oo rs.
ros de Lisboa a 64o rs. al. tinhade 1 libra, dem menos superior a esse (pie se vende
ha latas de 1 '/i o 2 libras.
por, 2 e 2,-Ioq^ a 4,8oo rs. a libra.
Fumo de chapa americano a l,4oo rs. a libra
fazenda especial.
Presunto para Hambre inglezes'a 7oo e 8oo
rs. a libra.
Chouricas e paios mnito novos a 64o a libra.
Batatas muito novas em gigos de 3' libra a
l.ooo rs. e6o rs. a iibra.
SENHOliES E SEP/IOHAS.
O proprietario do grande Armazem do Bauza estabelecido roa do Livramentn n*.
38 e 38 A, defronte da grade da igreja, acaba de reduzir os presos de quasi XoAm os
gneros do seu magnifico deposito.
A tarifa abaixo publicada attesla bem esta verdade.
A guerra aos inimigos. est portanto, assim declarada.
As pessoas, ainda as mais exigentes, que se dignarem vir este estabelecimento.
ficarao por certa muito satisfeitas, nao s quanto s qualidades dos genero, com ron
tratamento lodo allencioso que se Ibes dar.
Alm do cumprimentudos deveres da boa educacao, baver d'ora em dianle anda
maior capricho em salisfazer ledos que honrarem esta casa.
Os gneros pelas qualidades e precos annunciados, sero olTerecidos ao runw
dos Srs. compradores. Noreceieo publico que se pratique o contrario, como era otiiras
casas, que al annunciam o que nao lem.... O Baliza nao Ilude___
Ameixas francezas em caixinhas eem frascos Licores inglezes e francezes em vasos delu-
de diversos tamaitos a l,2oo, l,6oo, versos tamaitos a l.ooo, l,5ou e 4,flo
2,ooo, 2,5oo e2,8oo rs. e a libra a 8oo rs. rs. a duzia.
Amendoas novas a 32o rs. a libra. Manteiga ingleza flor a 8oo rs. a libra e de g
Azeite doce refinado a 8oo rs. a garrafa,
dem de Lisboa a 6io rs. a garrafa e 4,8oo
rs. a caada.
Alpiste a 16o rs. a libra, e 4,8oo rs. aarroba^
Arroz do Maranho, da India, e Java a 8c e
loo rs. a libra.
Aletria branca e araarella a ioo rs. a libra.
Araruta verdadeira a 3o rs. a libra.
Batatas novas em gigos de 36 a 4o libras por '.,""' ''" "7'? "' Jr
1 ooo rs e a 4o rs a libra Mostarda ingleza 400 e bOO res o
RUekit ini*e i.imVh a isaa n .h* libras para cima sera aberto um ImmtI d
presenta do comprador,
dem de 2.a e %* qnalidade a 7oo, Coo e ioo
rs. a libra,
dem franceza a 560 rs. a libra, e en barril
por menos,
dem em latas a 20000 e a f 500 a lata.
Massa de tomate em barril a 480 rs. a libra.
dem em lata a 610 rs. a lata.
poe.
nMan>
com urna duzia.
Bolaehinha de soda especial encommenda e a
mais nova que ha no mercado a 2,2oo rs. a
lata.
Biacoitoj inglozos das mothores mnriMo cm
latinhasde 2 libras a l,3oo rs. a lata.
dem inglezes crakne! em latas de 5 e 7 libras
de
fn'nt" Massa_de tomate em latas douradas de 1 libra; dem mais baixo hom para negocio a l,5oo Massas para sopa macarro, talharim aletria
rs. a libra. | a 4oo rs. a libra.
dem miudinho proprio para negocio a l,5oo Cognac verdadeiro inglez a 8,5oo rs. a caixa
rs. a libra. e 8oo rs. a garrafa.
Queijos do reino chegados ueste ultimo va- klem francez a 7,ooo rs. a duzia e 7oo rs. a
por a 3,1oo. garrafa.
dem mais secco viudos por navio a l,7oo. Charutos em grande quanlidade e de todos os
V a 6
caixinha, tambem ha latas de 1
bras de I,2oo a 4,5oo rs. a lata.
dem em "frascos com tampa de rosca a l,6oo
. rs. o irasco.
Chocolate portuguez, hespanhol, francez e
suisso a l,2oo rs. a libra.
ooo a 6.000 rs. a lat, e em libra a Consems Dg|ezas das gegunUg manage
f\ j v a ii.- Mixde-Picles e cebollas simples a 75o rs
Queijos do reino chegados pelo ultimo vapor 0 frasco.
a 2,5no rs. cada um. Ancoivtas de vinho colares a 5o,ooo rs., e
dem prato a 7oo rs. a libra. a 7;2f) rs a af "' c
Viulio em pipa das mais acreditadas marcas Sardinhas de Raidos a 32o rs. a latinha
como sejamBA F., I'BH, JAA, mitras Charutos das mais acreditadas marcas de
minias marcas. Porto, Lisboa e Figueira ; 2.000 a 4.ooo rs. a caixa.
Je 18o, 500, 56o, 64o e8oo, rs., e o do Champagnhe a melhor do mercado de 12,ooo
Porto lino em garrafa, e em ornada a a24,ooors. ogigo.ede l,2ooa2,ooors. a
Kiem prato fs memores 'e*mais irescs ao
mercado a 76o rs. a libra,
dem londrino a 6oo rs., c sendo inteiro a
5oo rs. a libra, vende-se por esle prego
pela pon-'io que temos em ser.
Biscoitos em latas de 2 libras das seguintes
ianncantes mais a creditados a I,5oo,
2,ooo, 2,5oo, 3,oof) e 4,ooo rs. a caixa,
os mais baixos sao dos que por alii se ven
dem-a 2,ooo e2,ooo rs.
Gaf de premeira qualidade a 8,5oo rs. a ar-
roba e 28o rs. a libra.
3,ooo, 3,5oo, 4,ooo e 6,5oo rs. o melhor
do Porto.
dem Bordoauz das mais acreditadas marcas
a 7oo rs. a garrafa, e a 8,ooo rs. a caixa.
Garrafoes com 5 garrafas de superior vinho
do Porto a 2,2oo rs. com o garrafao. *
dem com 5 garrafa de vinho da Figueira mais
proprio para a nossa estaco por ser mais
fresco a 2,40o rs. com o garrafao.
dem com 5 garrafas de viaagre a l,2oo rs.
com o garrafao.
Vinho branco o mais superior que vem ao
nosso mercado a 56ors. agarrafa, e a
4,3oo rs. a caada.
Velas de esparmacate as melhores neste ge-
nero de 56o a 64o rs. o maco, e em cai-
xa ter grande abatimento por ha ver
grande porcao.
garrafa.
Papel greve paulado ou liso a 3,5oo rs. a res-
ma.
dem de peso pautado ou lizo de 3,5oo a
4,ooo rs. a resma.
Gomma muito fina e alva a 8o rs. a libra.
Milho alpista e painso de 16o a 2oo rs. a li-
bra.
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a grosa e 2oo rs. a
duzia.
Vasos inglezes de 4 a 16 libras vasios, muito I
na, Pec-nic, Fance, Machineenutras mui-
tas a l,3oo e 1 4oo rs.
Polvos chegados ltimamente do Porto a 32o
rs. a libra,
dem em latas grandes a 2,ooo rs. a lata.
Balachinba de Craknel em latas de 5 libras
brillo a 4,ooo rs.
dem ingle/as em barricas a mais nova do
mercado a 2,."ioo rs. a barrica e 2'o rs. a
libra.
Ca loes com bolas francezas proprios para
mimos ou para anjos que vo as procis-
soes a 6oo rs. cada um.
Peras seseas as mais novas do mercado a ioo
rs. a libra..
Figos de comadre em latas de i e 8 libras
lacradas hermticamente a l,ioo e 2,2oo
proprio para deposito de doco manteiga I rs- a lata.
ou outro qualquer liquido de l.ooo a I,'<;m em caixinhas de 8 libras a l,8oo, e
3,ooo rs. cada um. 2io rs. a libra.
Licores das melhores marcas e mais finos Nozes mnito novas a 140 rs. a libra, e 4-,ooo
a 1 ,ooo rs. a garrafa e em caixa ter abati- rs- a arroba.
ment. j Amendoas confeitadas a Ooo rs. a libra.
Cognac verdadeiro inglez a Ooo rs. a garrafa!,,lem '1 csea mole a 32o rs.
Azeite doce era barril muitu fino
a garrafa e 4,8oo a caada,
dem francez rehuido a 8oo rs. a garrafa.
Ervilhas francezas B puriuguezas a 64o rs. a
lata.
e lo.5oo rs. a caixa.
a 6 lo rs. Chouricas as mais frescas do mercado a 8oo
rs. a libra.
Genebra de laranja em frascos grandes a
l.ooo rs. o frasco.
Bocetas eora doces seceos de Lisboa de 3po
a 3,5oors. cada urna.
Toucinho deLisboa a 3oo rs. a libra, e a
9,ooo js. a arroba.
Nozes muito novas a 16o rs. a libra e 4,8oo
rs. a arroba.
Caf de l.\ 2.a e 3.* qualidade de 26o, 3oo
e 36o rs. a libra, doCearde7,8oo, 8,6oo,
e 9.2oo rs. a arroba do melhor.
Arroz da India, Java e Maranho de 2.8oo a
3,ooo a arroba, e de 8o a loo rs. a libra.
Passas muito novas a 8,5oo a caixa e 5oo
a libra, ha caixas meias e quartos.
Sevadinha de Franca a 21o rs. a libra.
Sag muito novo a 28o rs. a libra.
Serveja das mais acreditadas marcas de
5,5oo a (>.5oo a duzia e de mais a 5oo rs.
a garrafa,
dem em botijas e meias, sendo preta da
muito creditada marca T de 6,5oo a 7,8oo
rs. a duzia.
Ceblas em molhos grandes a 8oo o molho
640 o cento, e a e,5oo rs. a caixa
Pimenta do reino a 34o rs. a libra.
! Farinha do Maranho a 14o rs. a libra.
Tijolo paralimpar focas a 16o rs cada um.
Cominho a ioo rs. a libra.
Erva doce a libra.
Canella a l,ooo rs. a libra.
Batatas a l.ooo rs. o gigo com 32 libras liqui-
das e 3,ooo rs a caixa de duas arroba*.
!\> arm -zem ilc llenn (ibsnn, n;i ra Machinas loglezas
da Cadeia do Rei'ife numero t'2, P*ra descarocar algodo as melhores que
\ende-SC iteni Vin^r> a est0 merca(' : rua da Senzala
.-. ., ._ Novan. 42, em casa de S. P. Johnston
O 'melhor feltro asphal- j&c,. _______j
Z%i\ \ ~* Venden se as casas terreas sitas em Olind.i,
C", ,, sendo duas na rua de S. Francisco com os seus
proprio para cobrir leltiados, para forrar salas, so- 'reoos n. l e 12, c urna na rua do Bomfim n
traJadrilhos pqt baixo de tapetes ou esleirs, ou fb : 'l"e*] as l-relcnder dinja-se ao Forte do Mal-
p.-sra collocar entre a madeira de navios o forro'^,|n-,u- a enlen:1cr-s com Amonio Francisco
de metal nos mesmos. Esle feltro, alm de muito, '
barato, lev.: e duravel. precisando netade da rna- i
Jeir usada para agm-nlar os le liados, pela facili- i
djde da sua applicaciw, pede ser collocado por
i|iialMer earpinlelre ou trabalhador curioso ; tem
iguanmite a p.iriicnlar vanls^em de ser invnlnc-
ravcl ao ropim e mais repts eondensaco da
imiw.lade e a chova, atn de mullas Otilia-
lapens : os pretendemos dirijam-se
i-adn armazem.
van-
ao supra-indi-
14.
\ endem-se saceos com dousalqueires do farinha
de mandioca, pelo Ijaraio prego de &'MQ : ua rua
da Madre de Dos ns. e 9.
Lilas escos.sez;is
j.V.-i loj:i do baratelro r: m
{ Crcqi! n. I. junio a o arco
a 400 rs. o covade.
Fazenda a moda
Botinas contra coitos.
Bolinas IngMUC para homem, sendo as mais
bem feitas o macias i,ue tem vindo, c pelo bara-
lissimo pn-o de 93 : na rua jfoa n., 7, icya do
\cndrtii- nradourada :,-m cas:, dos Srs. Ferreira & Ma-
tlieus. rua da Cada n. 68.
Vinhos engarrafados no Porto e Lisboa das
seguintes marcas: duque, genuino, velho
880*0 especial, lagrimas doces, vinho es-
pecial D. Pedro V, nctar superior de
1833, duque do Porto de 1834, vinho do
Porto, velho superior, madeir secca. Por-
to superior D. Luizl, e ostras muitas
marcas, em caixa de urna duzia a lo,ooo e
9oo rs. a garrafa.
dem branco de uva pura a 64o rs. a garra-
fa e 4,ooo a caada.
dem superior a 5oo rs, a garrafa e 3,2oo rs.
a caada.
dem em pipa Porto, Lisboa e Figueira das
marcas mais acreditadas a 3,8oo a caada
e 5oo rs, a garrafa.
dem de marcas pouco conhecidas a 4oo rs.
a garrafa e 3,oeo rs. a caada.
Especial vinho Lavradio sem a mais pequea
ooroposicao a 560 a garrafa o 4,ooo re. a
caada.
Pomada a 200 rs. a duzia, sevada muito no-
va a 80 rs. a libra, e 2,5o a arroba.
Garrafoes com 4 4/i garrafas de vinho supe-
rior a 2,5oo rs. com o garrafao.
dem com 4 ditas de venagre a 1 ,ooo rs. o
gariaf5o.
Vinagre PRR em ancorelas de 9 caadas a
15,ooo rs. com aancoreta
dem em pipa puro sem o batismo a 2oo rs.
a garrafa e i,ioo rs. a caada.
Caixas com 1 duzia da garrafas de vinho Bor-
dean* fazenda muito especial a 6,800 rs.
a caixa e 7oo rs. a garrafa.
icores franceses e portuguezes das seguin-
tes marcas creme de violetas, gerofles, ro-
sa, absinto vespeiro, amor perfeito, anien-
dua amarga, percicot. de Turin, Botefim,
morangos, limao, cafe, laranja, cidra, gin-
ja, canella, cravo, rlela pinten la a l.ooo
marcas : ((.-borne, Craknel, Mixed, Victo- dem de segunda qualidade a 8,2oo rs. a ar-
roba e26o rs. a iibra.
Arroz do Maranlio a loors. a libra, 3.000 rs.
a arroba.
dem da linlia muito superior a 2,9oors.'a
arroba, e loo rs. a libra.
dem mais baixo redondo a 2,6oo re. a libra.
dem da India comprido a 2,4oo rs. a arro-
ba, e 80 rs. a libra.
Vellas de carnauba do Aracaty a 0,5oo rs. ar-
roba, e 3iio rs. a libra.
dem de sebo muito dura (Ingindo esparmace-
te 3iio rs. a libra.
dem de esparmacete a 54o rs. a libra, e em
caxa a 5o rs.
Papel o melhor que se pode desejar para os
Srs. empregados pblicos a 5,ooo rs. a res-
ma, j se venden por 7.000 rs.
dem aimaco pautadoe liso a 3.000 rs. a resma.
dem de peso pautada e liso a 3.ooo rs. a
resma.
dem a zul de botica ou fugueleiro a 2,2oo rs.
a resma.
dem embrulho de 1,2oo a 1, ioo re. a resma.
Ameixas franerzas em latas de 1 libra a
l,2oo e8oors. a libra,
dem em frascos de 3 libras a 2.3oo rs., s o
frasco valle 1,00o rs. tambem temos em
frascos para l,4oo rs.
Conservas" inglezas a 7oo rs. o frasco.
Molhos inglezes a 800 e l.ooo rs. o frasco.
Moslarda preparada em potes muito nova a
2oo rs.
Latas com 2 a 4 libras de caj secco o mais
bem arranjado possivel a l,8oo e 2,8oo
rs. a lata.
Servia lk>ru Tenente verdadeira a 6,800 rs.
a duzrii.
dem de outras marcas preta e branca a 5,5oo
c 6,000 rs. a duzia inteiras.
Vassouras de piassava com 2 arcos de ferro
vindas do Porto a 32o rs.
Cebollas muito novas a 800 rs. o molho e 5eo
rs. o cento.
Chocolate portuguez hespanhol e francez de
800 a l,ooo rs. a libra.
Genebra de Hollonda em frasqueiras a 6,000
e 56o rs. o frasco.
dem em botijas a. 4oo rs.
dem em garrames de 14 garrafas a 5,2oo rs.
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a groza e 2o rs. a
caixa.
dem de tientes lixades em macos grandes
com 2o rs o mscinhos a 12o rs. o masso.
Cominhos muito novos a'32ors. a libra e
10,000 a arroba.
Sag muito nove a 24o rs. a libra.
Cnvadinha de Franca a 18o rs. a libra.
Milho alpista a 14o rs. a libra e 4,5oo rs. a
arroba.
Gomma a 8t> rs a libra e2,4oo a arroba.
Peixes em latas al,000 rs. a lata j prompto
a comer-so.
Farello de Lisboa marca N. e Biato saceos
grandes a 4,000 rs.
Biscoito^inglezes Lunch a 18oo rs. a lata de ^ de u^ lMOfli ^
dem de diversas luarcas em latas menores *??2 de 800 rs. o fras,-o e 1
a 1 3oo rs duzia-
dem de Lisboa de qnalidade especial em la-1 mf *?.' ,aJharim c "****&>
tas grandese pequeas a 3,ooo el.Soors. I,. m ;'.?" 11 ...
Bolachinhas amerianas, a 3,ooo rs. a barrica "^m fibras a' IS.' l *' '""**
Nozes a 16o rs. a libra.
Peixe preparado de escab^he.
e 2oo rs. a libra.
Banhade poreo a 44o rs. a libra, e em barril
a ioo rs.
Baldes americanos muito proprios para com-
pras a l.nan rs
Cha huxym, hysson e perola a 3,ooo, 2,8oo,
2,5oo, 2,ooo e l,6oo rs.
dem preto a 2,ooo, 1,60o e 1,00o rs. alibra.
Ohanpagne a melhor do mercado a 12,000 o
gigo e a l,2oo rs. a garrafa.
Chocolate francez primeira qualidade a I,loo
rs. a libra,
dem hespanhol a l,2oo rs. a libra,
dem suisso a l,ooo rs. a libra.
Cerveja branca marca Allsopps a i,5oo rs. a
duzia, e a 4oo rs. a garrafa.
da nnn
qualidade que tem vindo ao owrcad, a
Ida lata.
Presunto de laraego muito soporior a i*0
rs. a libra,
dem para fiambre (inglez) a 640 ri-ia a
libra,
dem americano a 400 rs. a libra.
Papel aimaco a 3000 a resma,
dem de peso a 2,5 a resma.
Paulos para denles a 16*) rs. o maco.
Dito dito de llor a 200 rs.
Ditos do gaz a 2 Passas novas a 480 rs. a lilu-a e a 1*800 a
caixa.
Cognac inglez a 6io rs. a garrafa a 800 e a Queijos flamengos do ultimo vapor a 2r>00.
l.ooo rs. 1 Dito londrino a 900 rs. a libra.
Concervas inglezas em frascos grandes a 73o' Dito prato a 640 rs. a libra.
rs. o frasco. Sardinhas de Nantes a 320 rs. a lata,
dem francezas de muitas qualidades a SooDitade Lisboa a 640 rs. em lat grande.
rs. o frasco e a 5,5oo rs. a duzia. Sag muito superior a 240 rs. a lil.ri.
Charutos neste genero temos grande sorti- Sal relina Jo, em potes de vidro, a 600 rt.
ment tanto da Babia como do Rio de Ja-; o pote.
neiro a 1,60o, 2,2oo, 2,5oo, 3,ooo ei.ooo Sabo massa a 120, 160, 200 e240 rs. a
libra.
Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Dito de Santos e 300 rs. a libra.
Tijolo para limpar facas a 1 iO rs. rada uro.
Vassouras americanas a 64o rs, cada urna,
dem do Porto a 400 rs, cada urna.
Aelas de carnauba e compnsifo a 320 rs. a
libra ea 10* a arroba,
dem stearinas superiores a 560 r. o
maco, e em c;iixa por menos.
Vinho do Porto, neste genenf temos o me-
lhor sortimento possivel, que ventana
por presos muito baixos aj 1* a garrafa e
a 10/ e 12 a dant.
IdemChcrry.e da Madeira etn barris e en
caixa, a 12* a caixa e o barril conf. tme o
tamaito
dem de Figueira eLisbAaJem ancoras de
8 a 9 caadas, por 28*000.
Dito em pipa a 3*000, 3*3(11) e 4*ooo a ca-
ada
dem do Porto, denomiuadoj
caada.
rs. a caixa.
Caf do Cear muito superior a 28o rs. a libra
e a 8,000 rs. a arroba,
dem do Rio a 3oo e 28o rs. a libra.
Ceblas a 9oo rs. o molho com mais de loo
ceblas.
Chouricas e paios a 72o rs. a libra.
Cevadinha de Franca a 2oo rs. a libra.
Cevada muito nova a 80 rs. a libra.
Copos lapidados a 5 e 6,000 rs. a duzia.
Doce de goiaba em latas a ioo rs. a libra,
dem de caj em latas a 320 rs. a libra.
Ervilhas francezas e portuguezas a 5oo e 64o
rs. a lata.
dem dem em garrafoes a
Baliza, a 5* a
2*500, com o
dem seccas a 16o rs. a libra.
Figos de comadre em caixinhas com 8 libras
por 16oo rs.
Farinha do Maranho a 12o rs. a libra.
Farinha de trigo muito superior a 12o rs. a
libra.
Farelo em saceos grandes a 4,000 rs. o sacco
Genebra ingleza marca gato a 1,00o rs. a gar-
rafa.
d TrZff^ H"an?a em fraSC0S mUl' Id^n'dfBordeaux, das n
grandes al ,2oo rs. o frasco. vem ao nierca(,0) ^ a
dem de Hollanda em frascos pequeos a 5oo a garrafa.
rs. o frasco. 1 vinagre de Lisboa a I *600,ll*8oo e 2*000
dem de laranja a l,ooo o frasco. ; caada.
Gomma do Aracaty a 80 rs. a libra. Idfm idem.em garrafoes cota 5 garraf;
Graxa a loo rs. a lata e l.loo a duzia. 1 t* com o garrafao.
Linguas americanas de grande tamaito a Vinho de caj a 1* a garfafa.
1,00o cada urna. 1 tem dez annos.
res marras rp>
ixa e a 640 rs.
Cal de Lisboa e potassa da
tiiMsia.
Os precisos talheres pa
ra crianzas.
Chegaram e cham-se venda na rua do Quei- legtimos, e se vendem a preco mais barato do que
ido, toja d'aguiabranca n. 8. aru tqualquer.parte.
Vende-se na rua da Cadeia do Recife n. 2B, para
i onde se oiudon o antlgo e acreditado deposito da
mesma rua n. 12, ambos os gneros sSo notos e
mado.
afeites de cascarrllha e tranea Kua da Senzalla Hova 1. 42.
a ,u aoo,rs- aa, um-,. Neste estabelecimento vse:tachandn
A aguja branca esta vendendoboas en fe tes de Q nnAn kk-, n/T/TT .
casrarrilha e franca, nr&os e fle cores todos ao [fro 1oado j^F3 a "P ra., Mna n) \jf9
baralissimo pre?o de 500 rs., sertindo eltes tanto I "oor r8-
para senuoras como para meninas, a vista pois j
da commodidade do proco ningnem deixar de os
comprar na rua do Oueimado loja da-nguia branca
n. 8.
de 4|oi
AGENCIA
FUNDICAO DELOW-MOOB.
Roa 4a Senzalla nova 1. 42.
Neste estabelecimento contina a haver
um completo sortimento de moendas e meias
moendas para engenho, machinas de vapor
e tachas de ferro batido e coado, de todos os
tamanhos para ditos.
Arados americanos e machinas para
lavar roupa: em casa de S. P. Johnston 4 C.
rua da Senzalla Nova n. 42.________
Miva de pellica.
Chegaram para a loja d'aguia branca, rua do
Queimado n. 8.
i.nvns de tJoutfi
Rerebeuse luvas de Jouvii l>ranra r prnas
propnas para a o^iaresma : na rua do Qu.i
toja do beija flor n. 63.
Trancinbas de la lisa para frilrs de
de sr a liora.
ltecebeu-se, trancinhas de diversas core na-
ca de 3C varas a 610 rs., e dn ISO rs. nrnornas :
na rua do Queimado lija do ieija flor n t.
Enfcites de redinhas cea lar na frente.
Reecbeu-se. variado sorti ten lo d> fnfni.se
diver>as cures a 1*400 o 2*:[na roa doQnwinnin
i loja do beija fior n. 63.
j Vende-fe loocinbo dn ^rriao mu Un ni* n
240 a libra, fiyos novos a I M sement dn i
a :tO a parrafa : no pateo # Carmo,
rua de Hurtas n. 1
Sal do h\t
Vndese a h( rdo da barra
tratar com Antonio Luiz da
V... no seu escriptorio rua da Croi n. !. ou con.o
capitao a bordo.
portnc'.i.'ia ris : a
Oliveii V>*


"
mbtrl de t*nra*irttmt** <|atara flrar**V.e AJm-i de ta
0 PRINCIPAL
Grande liquidado
de fatf adas na lija do Pavo, roa ,da Impertir .
b, de Gana k Sil.
AcOa-so este eslabelecnenlo couipleurotutesor-
tio de faiendas inglezas, francezas, allemaes e
suissas, proprias tanto para a praca como para o
mato, prometiendo vender-se mais barato do que
cm outra qualquer parte principalmente sendo ero
porco e de todas as fazendas do-se as amostras
deixaudo ficar penhor ou mandam-se levar em ea-
sa pelos caixeiros da loja do Pavao.
As chitas do Pavao.
Vendem-se superiores chitas clarase escaras pe-! SILVA & SOITZA
lo barato preco de 240 e 280 rs. sendo tintas *gu- k n OlJUt A ** 0\JVMa?L
5Sdiu%r!CTS8i^i&%i!&l Ra do Orospo n. 9, esfuma da ra do Imperador.
riscal escomes finos a 240 rs. o covado,* isto na| Tendo-se o proprietario d'este armazem associado com o Sr Paulo Ferrara da Silva, resolver dar-lhe o titulo de principal,
loja do Pavao ra da imperatriz n. 60 de Gama & por ser o inais bem localisado desta cidade, e como um dos socios tenlia de partir para a Europa, afim de all escolher os melilotos
DE
Silva.
As eassas do Pavao a 2 *}, 280, 300 | 320 rs.
Vendem-se liuissimas eassas persianas cores fi-
xas a 320 rs. o covado, ditas franeczas tnuito finas
a 240 e 280 rs., ditas ingzezas a 240 c 280 rs. o
covado, oissimo organdy matisado com desenhos
miudinhosa 320 rs. o covado, eassas garibaldinas
muito tinas a 320 rs., isto na loja do Pavao ra da
Imperatriz o. 60, de Gama & Silva.
As laazinhas da e\pesco do Pavo.
Vendem-se as mais modernas laazinhas mossan-
bique ebegadas pelo ultime vapor francez sendo
de uioa so cor ou de listas miudinhas com 4 pal-
mos do largura, pruprias para vestido de senhora,
roupa para meninos e capas, e pelo baratissimo
pretil de 500 rs. o covado, ditas entestadas trans-
parentes de quadrinbos a 500, 4G0 e 360 rs. o co-
vado, ditas nistisadas muito finas a 500 e 100 rs.,
ditas mais baratas io que chita tambem malisadas
a 320 rs. o covado, ditas a Maria Pia com palma
de seda e 4 palmos de largura a 800 rs. o covado,
e ditas de una s cor parda, azul, cor de I y rio e
perola pruprias para vestidos, saulcmbarques e
garilialdes a 720 rs. o covado, ditas escocezas a
800 e 400 rs,. isto so na loja do Pavao, ra da Im-
peratriz u. 60, de Gama & Silva.
Os chales do Pavo.
Vendem-se finos chales de crepon estampados
pelo liara lo preco de 6*, 7*, 85. ditos de punta re-
donda a 74 c 85, ditos pelos ricamente bordados
a retroz com vidrilho a 124, ditos pretos lisos a
54, dilos de cores a 44500 e 54, ditos de merino
estampados a 24 e 35, ditos de laa a 14280 e
ditos de retroz preto para luto a 64, isto na loja
do Pavo ra da llmperatriz n. 60, de Gama A
Silva.
Fazendas felas para a quaresraa vende o Pavo.
Viinde-se grosdenaple preto muito superior a
14600, dito a 14800, 24, 24500, 2480 e :<*, me-
reantiqur- preto muilo superior a 34 o 24800, sar-
ja preta bespanhola muilo encorpada a 24, isto na
loja do Pavao ra da Imperatriz n. 60, de Gama
& Silva.
0 Pavo vende para lulo.
Vende-se superior setim da China fazenda toda
de laa sem lustro lendu 6 palmos de largura pro-
tirio para vestidos, paletots, capas etc., pelo bara-
to frrero de 24, 2.5200, 24500 e covado, eassas
pretas lisas, chitas pretal largas e estrtitas, chales
de merino lisos o bordados a vidrilho, manguitos
omgotltnhas e outros muitos artigos qoe se ven-
den jo;- precos ruMwefa : na luja do Pavao ra
da Imperatriz n. 60, de Gama A Silva,
s corpinhos do Pavo
Vende-se os mais modernos cor|>whos de cam-
i>,>.i ricamente bordados e enfeitados a 7 c84 ;
na luja do Pavo, ra da Imperatriz u. 60, de Ga-
ma & Silva.
Os vestidos do Pave
Vende-sc ricos vestidos de grosdcittple preto ri-
camente bordados veludo pelo barato preco de
404, sendo fazenda que sempre se vendeu a 1004
o 1^04 ; ditos de eambraU brancosricamente bor-
dados a croch, sendo proprios fiara baile e casa-
meata a 10, 13, S e 304; ditos de laa com lindas
barras a 18 e 15*4 ; isto na loja do Pavo ra
Os pannos do Pavao.
Vende-se panno preto muilo superior pelo barato
preco de 24, 24308135 e 35t. ditos muito tinos a
45, 55 e 64, curtes de casemira preta enfestada a
44, 44500 e 65, casemira preta lina de urna s
largura muito lina a 1*800. 24. 24500 e 34, cor-
tes de casemira de cor a 54. 3*00 e 64, casemi-
ras (infestadas de orna s cor proprias para calca,
pak'toM, collete.t, cipas pitra senhora. <>( pnr
meninos a 34 e 39500 o covado, isto na loja de
Pavo, roa da'Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
i\ notipa do Pavo.
Vcndmn-sc paletots de panno preto sobrecasa-
cos fazenda muilo ba a 123,-ditos inulto linos a
164, SS, -35 e 30jhh calcas de casemira preta boa
fazenda a 44500,55,65, 7 e 84, paletots saceos
de panno preto a 75, ditos de casemira de cor a
64 e 74, ditos de alpaca preta, ditos de merino
preto, dilos de brini de cores, (leas de casemira
de cor a 44- 55.04 75, dilos de casemira da
Eseossia.a 35, ditos de brim pardo a 2*S00, ditos
do car a 4 e SJEBQO, ditos brancos nimio finos, I
alo-na loja do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de 3*
Gama jcJBva.
Ok coralitados So pavo.
Veodem-ee ricos ro tinados proprios para janel-^
la c camas pelo barato preco de.95 o par, sendo o
melhor queiano mercado: na ra da Imperatriz
o. 60, doGatia & Silva.
Ascoliiliac do Pavtv
gneros, desde j se pede ao respeitavel publico toda a aUenco, nao su pura este armazem, mas tambem para o grande armazem Alian-
Ca, da ra do Imperador n. 57 e para o bem sortido armazem Progressisla da ra das CruzeS n. 36, sertas todas as pessoas que fre-
quentarem estas casas de que (arito urna economa de 10 a 20 por cento do preco que possam comprar em outra parte, porque nin-
guem melbor do que nos pode offerecer tantas vanlagens como as que se observam nos armazens:
ALLIANCA! na do imperador a. *J.
PROGRESSISTA rna das rmm n. se.
PRINCIPAL!!!r,,a do crcspo
Manteiga ingleza a mais nova e fina chegada
neste ultimo vapor a 8oo rs. a libra e de 8
libras para cima tei abatimento.
dem franceza, a mcllior e mais superior do
nosso mercado a 56o rs. a libra e 52o em
barril ou meio.
Banlia de porco refinada c muito alva a 44o
rs. a libra, eem barril a 4oo rs.
Cb ltysson, o melbor neste genero especial
encommenda do proprietario a 2,7oo a Ib.
dem idem menos superior e que em outras
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a Ib.
Phosphoros do gaz a 2oo rs. a duzia e
2,2oo rs. a groza*
Bolachinha americana em barrica a 3,ooo
rs., e em libra a 2oo rs.
Vinho do Porto em barril muito especial a
64o rs. a garrafa, e 5,ooo rs. a caada.
Vinagre puro de Lisboa a 2oo rs. a garrafa e
l,4oo rs. a caada,
dem em garraoes com 5 garrafas.
Azeite doce de Lisboa superior qualidade a Tijolopara limpar facas a 12o rs. cada um.
64o rs. a garrafa c 4,8oo rs. a caada. Vassouras de piassaya com dous arcos de
Batatas emgigosdetrinta a trintaetantasM-' ferro prendendo o cabo a 32o rs. cada
bra a 2,5oo rs. o gigo e 8o rs. a libra. ,ima-
Genebra de Hollanda a mais superior a 6,ooo Escovas de piassava proprias para esfregar
rs. a frasqueira c 56o rs. o frasco.
casas se vende a 2,6oo rs., custa neste ar- dem em garraoes com 25 garrafas a 8,ooors.
mazem 2,2oe rs. a libra. Ceneja das melhores marcas de 5,ooo a
dem uxim, o melltor que pode baver neste 5,5oo a duzia e 5oo rs. a garrafa,
genero a 2,6oo a Ib. garante-se a qualidade. i Cognac superior a 8oo e l,ooo rs. a garrafa,
dem preto muito especial a 2,ooo rs. a '
li-
bra", e mais baixo, porem muito soffrivel a
l,2oo a Ib., vende-se por estes precos em
razo de nestes ltimos navios ter-se rece-
bido grande porco (leste genero, a diffe-
renca de preco de 6oo a 8oo rs. a libra
do que se vende em outra qualquer parte.
dem do Rio emlata de l at 6 Ib. a 4,4oors.
a Ib., neste genero o melhor possivel.
Biscoutos inglezes em latas com differentes
qualidades como sejam craknel, victoria
pic-nic, sofla,captain. sced, esborne e ou-
tras rauitas marcas a i,35o rs. a lata.
Bolachinha de soda em latas grandes a 2,ooo
rs. cada utna.
Figos em caixinhas hermticamente lacradas
e muito proprias para mimo a l,6oo e
2,0oo rs. cada nina.
dem em caixinhas de 8 Ib. a 2)5 rs. cada urna
Passas novas a 8,ooo rs. a caixa e 48o a Ih.
Ameixasfrancezascm latas de libra e meia e
3 libras a l,2oo, 2,ooo e 8oo rs. a libra.
Caixinhas com ricas estampas a l,4oo rs.
cada urna, frascos de vidro com rolha do
tiicsmo, eotndo libra e meia de ameixas.
Qtampagne da marca mais sujierior ^ue ten
vindo ao nosso mercatto a 18,ooo rs. o gi-
go, e 1,8rxi rs. a garrafa: garante-sc a su-
perior qualidade.
Vinho Bordmx tas meili/res qualidades que
se pode desejar a 7,ooo e 7,5oors. a cai-
xa e 64o rs. 9 garrafa.
Catxas com Vinho do Porto superior de 9,ooo
e lo.oeo rs. a duzia, c 9oo e i.ooo rs. a
garrafa; meste genero ha grande iKircaoc de
iliirureiiles marcas muito acreditadas que
ja se voiKterain por 11,000 c 13,000 a cai-
xa como sejam: Duque do Porto, Lagrimas
do Itouro, I). Luiz, Camocs, Madeira sec-
ca, Nootar, Cenumo MaKuisia fmoe ub-
tros como Cherry c Madeira para 12,oooe
13,000rs. a caixa.
Vinho de pij)a: Poiio, Lisboa, Fi^ueira a 4oo,
48o e 5<5o rs. a garrafa, "3/soo, 3,2oo e
3,5oo k. a caada.
dem bvanoo o melhor neste genero vindo de
encommenda a 600 rs. a ganrafa, e 4<5oo
s. a calilla.
e em caixa ter abatimento.
Marmellada imperial dos melhores e mais
afamatlos conserveiros de Lisboa em latas
delibra, libra e meia e 2 libras a 600 rs.
Conservas inglezas em frascos grandes aj
75o rs. cada um.
dem franceza de todas as qualidades de,
legumes e fructas a 5oo rs.
casa a 32o rs.
Sardinhas de Nantes muito novas a 32o rs.
a lata.
Peixe em lata muito bem preparado: savel,
corvina, pescada e outros a 1,000 rs. a
lata.
Ervilhas portuguezas e francezas j prepa-
radas a 6io e 72o rs. a lata.
Caf lavado de primeira sorte a 32o rs. i
libra, e 9,ooo a arroba,
dem do Rio muito bom a 28o a libra e,
8,5oo rs. a arroba.
Arroz, do Maranho a loo e 120 rs. a libra.
Mostarda franceza em pote preparada a 4oo rs dem de Java a loo rs. a libra.
Palitos para dentes 12o rs. o maco. Amendoas de casca mole a 4oo rs. a libra,
dem lixados muito finas a 14o rs. Avelas muito novas a 2oo rs. a libra.
Velas stearinas a 56o rs. a libra e em caixa Nozes muito novas a 2oo rs. a libra.
a 54o rs.
dem de carnauba pura e refinada a 360 rs.
a libra e 10,000 a arroba,
dem de composicao emmacadas a 32o rs.
o maco e 9,ooo rs. a arroba.
Massa de tomates cm latas a 600 rs. a libra.
Doce em calda das mais especiaes fructas da
Europa a 600 rs. a lata.
Ostras em latas muito bem preparadas a
1,000 rs.
Massa para sopa estrellinha muito nova em
caixas de 8 libras a 3,oooe 5oors. a libra,
dem talharim, macarro e aletrta a 4oo rs.
dem rnacarrao mais baixo a 2iors. a libra.
Cevadinha muito nova de Franca a 2oo rs. a
libra.
Sag o melhor que possivel a 24o rs. alb.
Farinha de .Maranho a melhor que presen-
temente tem vindo ao nosso mercado a
14o rs. a libra.
Gomma do Aracaty muito alva a 80 rs. alb.
Licoies muilo finos de Bordeaux e todas as
marcas que ha neste genero a 800, l.ooo
e l,2oo rs. a garrafa.
Ocncbra 1.200 rs. cada utn.
Tmaras do Egypto a 800 rs. a libra e cm
caixinhas de 5 libras a 3,5oo rs.
Papel almaco pautado o melhor que ha nes-
te genero a 4,5oo rs. a resma.
Sal refinado em lindos potes de vidro a 5oo
rs. cada um.
Mlhos inglezes en garrafinhas rom roma de
vidro a 64o rs. por e muito frescos.
. Chouricas e paios a 7oo rs. a libra.
Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra ou a
8,5oo rs. a arroba.
Presuntos de Lamego de superior qualidade
chegados neste ultimo vapor a 56o rs.alb.
Alpista muilo novo e limpo a 16o rs. a li-
bra e 4,6oo a arroba.
Paineo novo a 18o alb. e 5,'ooors. a arroba.
SabSo massa, amarello e castanho a 22o e
24o rs. a libra,
dem mais baixo umpouco a 16o, 180e2oo
rs- a libra.
Castanhas pelladas a 24o rs. a libra.
Chocolate francez de primeira qualidade a
l,2oo rs. a libra,
dem de Sant muito superior e medicinal a
l,3oo rs.
Copos lapidados proprios para agua a 5,ooo
RlA 1)0 (PINADO N. 41.
Uja de fazeodus t Aigaslo Frederico dos Santos Porta.
Fazendas pretas para a quaresma.
Ricas capas de seda preta bordadas c enfeitadas para senhora.
Soutemliarques e manteletes do seda pretos muito superiores.
Zuavos de seda pretos ricamente enfeitados a I7J.
Luras de pellica de Jouvin para homcm e senhora.
Chapeos pretos para homem e chapeos de sol de superior qualidade.
Sortimenlo de grosdenaple preto, pannos Anos, casemiras protas, merino,
basina preta ludo por commodos Braaos.
Camisinhas de cambraia aGartbaldi e camisinhas e manguitos brancos e de cor
Vende-so para acabar organdys da India a 320 rs. o covado, lasinhas a .! r-. o coa
cambraias de cor a 240 e 320 o covado e militas outras Cazendas por commodos precos.
Chegaram as muito superiores
ETEIRA PARA SALAN.
sc.'is'.ria r Um-
mm.
LfclNirDo-HSRjoJVENiERa&ifeR
Superiores a (odas as ptcp*n{0( ^iieuJasalt lioj onura a r.unurrh...
Bnuo wguro e nrooiplo, tan n: luiaa*, n.ni oulicu, nen mm*. K
n
Injecco curativa e
lnfUlvl. ctirt eMB.npitca *"' mrea w.
IjHUaiBK** **** >"**tu,tlm-le, iont;:: i
iiiiaiaiiiM coDiitB
...^ 4m .Hit-
l'i*i|u-r tlii
preservativa
... ^
i....
riors. brarcd.
- I1 Wi.S. ,., .
-
.....W.S
Deposito geral em Pernambuco ra da Cruz n. 22 em casa de Caros A Barbo
PERFUMERA MDICO-HYGINICA
Be J.-P. LAROZE, Qilak. FinMcrtic* it k htmk t^md t
Estos productos son el resultado de la aplicacin de las leyes de la higiene i la per-
fumera, que se eleva y convierte en farmacia de la belleza, encargada de atender a la hi-
giene del cutis, cabellos y dientes, que todos son rganos tan importantes; sirven para vi-
tar y destruir las causas de las enfermedades que su hermana primognita, la farmacia
propiamente dicha, est llamadacurar.
MJWH. DEJUIFRICO para curar nnifdUtinu.'ntc
los dolo, es de iiniHao ; el frasco 1 fr. 25
polvos dentfricos rosados, ron base de
magnesia, para emblanquecer y conservar los
dienl'S ; el frasco........1 fr. M
OPIATA DERTITRIC A, para foililirar las enca i y
CTUr las nt'\ i algias dcnlalcs 1 fr. 50
OnAtTVO dbmtal para curar los dientes ca-
riados antes de la enipkxnadura, y ciliar los sbec-
sos y dolores; el frasco con el in.-ti umenlo. A fr.
ASSJA leucodermma para conserrar la her-
mosura de la le y las funciones de la piel; el
frasco.............S f r.
Mpnrrtr ra amis bectiticado complemento
del tocador de la boca despus de cada comida;
el frasco...........1 fr. 25
*** Lam-rrvo mxdicbial, para el tocador ;
i la violeta, almendras imarr.as, ramillete, ele,
el jabn............i fr. 5
jaoh urnto mxdioimai., cao yemas de
kaeio, para evitar las giielas en el cutis, hendiduras
enfermedades de la piel; i la violeta, mll-
ete ; el Jabn.........2 fr.
jabn lenitivo medicinal en
polvos. Es especial para la barba, cuino tambin
ra et tocador de las mugeres y nifios; el
...........a fr.
y enl
tete,
AOCA LDSTRAL, para conservar y emarlWet lm
cabellos, fortificando sus ralen ;et frasco fr.
acetib dc avxllaas niillll. ara re-
mediar i la sequedad y asoma de los cabellos; el
frasco.............'. ir.
TJtACRB Da TOOAOOK IHI!. rentas-
lirado por su suavidad y aciion refmcamr: rl
frasca......... C>.
COLD CJUCAM ISfUMa, para conserTar rl rns
blanco, fresco, didiano, y editar los consrrae<*j*as
de uso de los afeites; el Bote. I fi. M
AOVA BE COLONIA BUPXIUCrB CM aaskar SM
el. La estabilidad de su perfume la hace bastear
Kra el tocador, baAos locales y geneak-; el
isco..............afir.
pastillas ORElBTAixa del doctor Paal Clensmi.
para quitar el o n del tabaco y neatratiiar lo Bul-
tos fuertes; al caja. ....... I y 1 Ir.
AOOA DB PLORES DB ALarOCSaSA, COSrarlKa
muy buscado par drstiuir las comeonex, fnrv*
cer y refiescar ciertos draanus; el fnreo. t fi. :*
ESPIRITO DE MENTA EDPBRPUSO. Es et ama*
perfecto i indispensable coaaplriaeulo del uni-
dor de la boca despus de la coaaids ; H
frasco............1 fr ;.
POMADA COBSEBTABOBA cou quinina pora, para
fortilicar los cabellos, hermosearlos y avstaa HHe
se pongan canos antes de tiempo; el bote. $ Ir.
y
Es esixcial cara la buba, como tambin mmmmmmmmmmmm_____._.______
para e
frasco
Depsito en todas las ciudades en casa de los farmacuticos, perfumistas, ptluquetos,
mercaderes de modas y novedades. Venta por menor : En la raumavea tr, ru
Neuve-dcs-Petils-Champs, 26.
Expediciones: en casa de J.-P. LAROZE, ru dla Fonuinc-Molire,39i,enPsrM.
Designtie n que lengua deben tttar la* instrucciortct fue acompaan caim proiiucfo.
Viende-se na ra do Imperador botica franceza u. 38.
Foffo do ar
Grande pechincha
coiu toque de avarla na loja e
armazem da Arara ra da Im-
peratriz n. 5G de IaOiirenco .
II. tai i ni :i r es.
Vende-se rom toque dc avaria.
Vende-se madapolao inplez com pequeo to- ca da viuva Kiifino, na estrada de J
que de avaria por tjfioOO 7? e 8*5, alpodaozinho a '"
iJoOO e -)'6. cambraias lisas linas a ',& e 3^500 :
Recebem-se encomirtrndas de fo
armazem da bola amare I la no oilao
de polica, sendo o me-mu foo fnlirir
*)> ar : *
erretn
th> n.i CatWi-
io dc Barril
. na roa da Imperatriz loja da Arara n. 56.
rs a duna, qtte em outra qualquer parte XtaitJ faifndilsJlilul)as bai.alissmas.
e 7 e 8,000 rs. Vnde-se chitas finas cores escuras a 240 e 280
Charutos dos melhores e mais afamados fa- rs. o covado, ditas francezas linas cores (xas a
bricautes tle S. Flix e do Rio de Janeiro,, 320, 360 eW0_rs-io covado, gorgurao de linho pa-
de l,5oo a ;>,ooo a caisa.
riscado
loja da
ra vestidos de senhora a 280 o covado,
francez para vestido a 280 o covado : na
Cebollas novas a l.ooo rs. os momos gran-, Arara rnada Irnperalrz 5C.
FaMiidaft pruprias para seuhoras c meniuas.
Vende-se gollinhas com botaozinho para sentara
e rueainas a 200 e 320 rs., manguitos de fil e
dos a 800 rs. o cont.
Doce de goiaba a 6io rs. o caixa'o.
Lentirhas, excellente tegume para sopa e gui-
sado, a 4Q rs. a libra.
Ervilhas seccas j descascadas a 2oo rs. a
libra.
Pimenta do reino muilo nova a 36o rs. a I ib ra.
Criminhos e erva doce a 32o e 4oo rs. a Ib.
Gravo a India a 600 rs. a libra.
Canella muito nova a 1,000 rs. a libra.
All'azema a 2oo rs. a libra e fi,ooo a arroba.'
Graka a loo rs. a lita e 1,100 rs.a duzia.;
Botica e armazew
drogas
dc
Ra do Cabug n.
DE
Joaqum Martinta da Cm
II.
(ITfs.
cambraia enfeitados a 500 rs., manguitos e gollas
para senhora a 12 c 15280. camisinhas bordadas
para senhora a 25, ditas bordadas no colarinho e
punhos e grvalas muito linas a 45500 e iij: so
a Arara ra da Imperalnz n. 50.
Principia a Arara vender as calchas.
Vende-se colchas avellodadas para cania a 85,1
ditas le linho alcochoadas a 55, ditas de fustao a i Ncceo Brow.
Vende-se o seguintu :
Salsa parrillia do Itiistol.
Pastilhas asucaradas de Kemp.
Pastilhas vermfugas de Kemp.
Elixir de cilio lactato de ferro do Dr Tberwrs.'
Robdo Lafecleur.
Xaropc depurativo d'odorclo de ferro) Xart)H! peitoral sedativo de (iii;..
Pastilhas pciioracs balsmicas de tli
Pilulas da vida.
liuvl franciscano (meselado) para iu
agens
LOJA 00 BEIJA FLOR.
Hua tk Quciina lo numero 63.
tir-atalinlias pia seabora.
Vendem-SQgravaiinlias-de'diversos gostos mak
modernos a 720 e 800 rs. : na ra do Quenadu
Vendem-se colchas de linho abt'ochoadiK p ro .^^ 0 bcijaj0er n.63.
Fita para dcbruai de vestidos.
pnas para cama pelo bat:ato preco.de 55 cada una
na ra da Imp.-ralrz n.O, de Gama & Silva
As caloiflbae deftwio.
Vendem-se rzlcinhas de. cambraia bordadas pa-
ra t> ninas pelo barato paeco de 500 e 640 rs.,
relaiitjuios para senhora e meninas a 500, 6We
8(io rn-.. eamisinkas com maflguitus a 1528: na
oja d S'avao ra da lm]ierariz n. 60.
Os bordados do Pavo.
V<'iifciiin-se camroinhae do^ambraia Vcndem-se lilas para dobrum de vestido de linhe
coc 12 varas* 400 rs. a pega : na ra do Quei-
inado, loja du.L.'ija-lli.r n.'63.
i'cu tes tnwcssirs.
V-endem-se pentes traversos de caracol ua
frente de borradla a 500 rs.: na ra o Queuna-
do, laja do beij**9or n. 63.
Papel heira aurada.
\ Aiii\ mm
reeebeuas verdadeiras
Lava* Je Join.n
pretas e 4c outras cores.
Papel de cores,
Follia* grandes para enfetes de kandeijas : ven-
dem-se na ra do tjueiatiadu, tuja numero *.
E^FEITES
Vende-se papel beira domada a 15200 e 15300,
com tnanguitos e golas muito iiem bordadas peto oit0 de cor de uekadourada a 15100 : na ra do
barat pw,;o,de 15S0 lilas 4e los 15, ricas QUeimado loja do beija-flor u. 63.
pelel uiai ou romeiis bordada a 15600 3 25, su- liTlnnri
peiioresiiungiiitoscoai golla e A balito 3&e 45, Yon sendo mu to bem boixiados e *> mais modernos J^""^" anve*>Pe? ^(..'ers',s Qualidade
que l,a o arcado, nunguilose <-a,.iisnlias a 35 ^nf**^ e *s cor a 6W rs., para artas de
com fa?o e otarras qualidades.
A aguia branca acarba de reeeber um beUo e
ompleto sertimento dc enfeites oom lacos, ditos
sem lacos, etc. ; tambem cecebeu outros mui bo-
nitos, e segundo suas reoommemlaeoes vieram dos;
ditas de lil a 210 e 32o rs., pegas de ntrentelos
com 3 varar, a 40 r., tiras bordadas a 15, e ou-
tros miiilos artigos,nete genero o,ue se veadem
mais barato do u,ue em outra qualquer parte : s
na loja do Pavo, ra da imperatriz a. 60, de Ga-
ma & Silva.
,W. capas d Pavo.
Vendem-se ricas capas de seda preta ricamente
afeitadas!, sendo as mais modernas pelo barato
praeo de 205, 255. 305 e 405, sautembarques de
swl preta sendo ricamente eufeitados a 205, 25
e 30 : na loja do Pavo rita da Imperatriz n. 60,
de Cima & Silva.
As cambraias do Pavo.
Vendem-se pecas de cambraia muito fina com
salpieoa(endo 8 |2 varas cada pe^a a 3 0, ditas
a 35 e 15500, ditas adamascadas muito finas pro-
prias para cortinados a 35, ditas a 45, pecas de
cambraia brancas lisas fazenda muito lina com 8
1|2 varas 8 35500,45,45500, 55, ditas de qua-
ros proprias para forro e babados por precos mui-
a zoaveis : oa loja do Pavo ra da Imperalriz.
Panno de linho.
Vende-se panno de linho com 4 palmos dc lar-
ftor na ra do Queimado n. 63.
Voltas de aljfar.
Tendo reeebido vojs de aljfar com ruzes de
pedra imitando a briikante vende-se a 15 cada
urna: na ra do Queiaudo loja do beija-fior o. 63.
Camisas le metas.
Vendem-se camisas de meias mito finas a
15200 e 15300: ua ra do Queimado, loja do Jtei-
ja-flor x. 63.
EulVilrs tila.
Tendo recebido enfeites de fita pretas e de co-
res mais modernas que se eaio usando a 15 cada
um : na ra do Queimado, Iota do beija-tlar u. 63.
lila de Ua preta para debrum.
Vende-se fita de laa preta para debrum com 10
vara a 900 rs. a peea : na loja do beija-nor ra
do Queimado n 63.
Fitas de liulio para bordar vestido
Vendem-se fitas de linho para bordar vestido
ou roupinho de meninas com 40 varas a 640 e
800 rs. a pega s quem tem loja do beija-flor
ra do Queimado numero 63.
Botes de madreperola.
Vendem-se botes de madreperola mais muder-
55, ditas de damasco a 45, ditas dc chita
ua loja da Arara ra da Imperatriz n. 06.
Arara vende eassas a 210 rs.
Vende-se eassas francezas finas a 210 e 280 o
covado, organdys linos a 240, 280 c 220 o covado:
na ra da Imperatriz n. 56 loja da Arara.
Itoupa feita da Arara.
Vende-se paletots de bi im de cor a 25500 e 35
ditos de meia casemira a 35500, ditos melhores a
455OO e 65, ditos pretos de panno a 5J, 65 e 85,
ditos de caseinira tina e dehrunhados a 85 e 105,
; ditos pretos de alpaca a 35500 e 45, caigas pretas
, de casemira a 45500, 55. 65 e 85. dito.- de meia
casemira, ganga e brim a 25 e 25500, ditos finos
a 35508, ditos de brim bra-nco a 35 e 35500, ca-
misas francezas a 25. 25**0 o 35, seroulas a
; 15600, dttas de linho a i ,. 25500. colletes a 25
i e 25500 : ua ra da Imperatriz n. 56.
Ualoes da Arara a 3#.
Vende-se bales crinolinas de 20, 30 e 40 arcos
a 35,35500, 45 e 45500, ditos de madapolao a
35500, ditos de iinisselina a 1*| : s na Arara ra
da linpi-rali u. 11. 06.
Ai .'ua ende os cortes de 1 scadtis franrezes a 3.->.
Vende-se cortes de riitados francezes eom 14
coeados a 35 o corte : na ra da Imperatriz n. 56.
Irara rende cortes de casemira preta a 3 ".
Vende-se certes de casemira prcia para calcas a
os pretendenves munidos de diuheire serao bem l jni iTrcxCuR fi Vlf XV
servidos : na ua do Queimado, loja d'aguia bran : lJa.l *l_irjltli.1U AU lUILANIb.
ca n. 8. Custodio Jos Alves Cuimaraes avisa ao respei-
1iVfiwc lavel PUD'ico,e aos seus freguezes, que acliando-se
1 d^JlJO (as obras da loja do Vigilante concluidas, e aehan-
coufomrna arbica dissol vida : vendem-se aa, do-so as portas abenas a concorrencia do res- i **,**ow. -^# ma na Arara n. ao.
ra do Queimado, loja d"aguia Lranca n. peitavel publica, para asstm apreciar o novo gallo rara vende os soulembarqnes.
VV.a,/ In f .*m /vxnAvtrt o anr\ J ^e se acha no fSPa?oso e aleare campo, guarne-1 Vende-se soutembarques relos muito ricos, ca-
r IVClUo LOlll IJulli llom~flUm cido das lindas flores e muitos outros objectos de. pas compridase manteletes de superior qualidade
bom gosto, que tanto sastisfeito se acha, apr-esenta a 225 e 255 : s a Arara ra da Imperatriz nu-
VO SOVtl7lftO. o novo canto, chamando pelos sous fregueies aue I mero 56.
ventiam ver para crr, que s assim poderojtpre-1 Sedtnhas a 500 rs.
ciar, e acharao um grande sortimeoto de fazendas Arara vende sedinhas de lislrinhas para vestidos
tendeles miudezas, tanto para graso como para a .500 rs. o ovado, ditas linas a 800 rs., laa Ma-
retalho, que todos serao sonidos a vootade, mesmo ria Pia con* 4 palmos de largo e palmas de seda a
qualquer freguez de ra que nao possa vir a esU 600 rs. o covado : na rna da Imperatriz n. 56.
praga e queiram dirigirse a este esubelecimento irara wude amttraia de earocinhos 2^500.
Xaropc de cilrato de ferro de Cbable
Pilulas contra seses.
Salsa parrilha de Sands.
Extracto fluido de salsa parrilha dc $ail\.
Xarope alcoolico de vellaitu .
AJem destas drogas ha eon.-tant.-iiatnle um nn
pleto sortimenlo de tintas, verniz. oiafo para ilotv
rar, preparados chimicos e pliarnuetiuticu *|tM <*
vendem [ior comminlos precos.
FARINHA FONTAKA.
Farinha da muilo arrf'ila a narra
FoDtaiaccscmbni-ci1a hojp, M'ode-sr
{or preco mais comatotit lo {m> tm
qualquer outra parte : na rea la (ron
n. 4 tasa Je N. 0. Bieber k C. accees-
sores.
1
l'EU 0
Vende-se feijo mulalinliu muilo
o alquoire. e a 560 rs. a cuia, dilu u ai- u ign< ii
145 o al
numero
A agola branca recebeu por esse ultimo vapor
um novo e bello sorttmento das procuradas fivelas
com podras, podendo assim. sattsfazer a todos que
della- precisaren!, mita vez que appareca dinhoi-
ro : na ra do Queimado, loja d'aguia branca nu-
mero 8.
lueire, e a 440 rs. a cuia : ia na f*retfa
FEIJ40
\ endem-se saceos com 20 mia< de leijSo mtata-
imlio muito novo a 115500, dito mi i ingaetr* a
95 : na ra Direita n. 8.
Vende-se alpaca prela a SOO rs
PAPEL l\6LEZ
almiaro e de peso.
Alem do grande sorti meato de papel grve e ou-
tras muitas qualidades, que constantemente se
acham na loja d'aguia branca, faz-se notavel peta
sunenoridade de qualidade o papel iuglez aimesso
e de peso, que acaba de negar para a dita loja ;
um e outro sao mui encornadas e de um assetina-
do lustroso e tiiacio, que na verdade ai odos agra-
dam. As resmas daquee tem 480 folhas,, e as
gura propno para lenees, toalhas e ceroulas pelo. nos que tem vindo para puubos de senhora a 320 deste 500, e cusU cada urna 85. Tambem ve*o da
barato preco de 640 rs. a vara,_bramante de linho | rs. o par : s quem vende por este prego oa mesina qualidado e de tamaito pequeo, em ai-
i xinhas de 100 folhas, tanto liso como beira doura-
da, custando este 25, e aquelle 15200 a eaixinha.
j vem pois os apreciadores .do bom papel que
dirigindo-se munidos de dtnheiro sero bem servi-
35 : na ra do Queimado, loja d'aguia branca
numero 8.
COPOS COM BA-
A aguia branca acaba de reeeber os bem conbe-
cidos o apreciados copos com banha, os quaes es-
to sendo distribuidos rom aquelles pretndenles
que conlribuirem com 25500 a vista : -isso na ra
do Queimado, loja d'aguia branca n. 8.
mijito mus mm
para senfaoras e meninas.
A agnia branca recebeu mui boas meias france-
zas, de fino tecido e fio redoudo, o que as tornam
de immensa duracao, porque muito convm, ainda
mesmo custando 7 e 85, como se estao vendendo a
dinheiro vista, na loja d'aguia branca, ra do
Queimado n. 8.
Vndese urna barcaea nova de 4 viagens,
bem construida, de 45 eaixas, boa vetara, a di-
nheiro ou mesmo a prazo assim offereca boas fir-
mas : a entendr-se na ra Direita om o Sr.
Bento de Barro* Feijd.
fazendo seus pedtdos pnr meio de cartas e pode- Vend-se cambraias 4e earocinhos para vestidos
rao faier que sera tadoompndo fielmente, poden- UbQ0 t ^ franceza a 25, co-
oVse fazer preoos mtuto razoaveis, nao so pelas *ZZ1 *2 Sfc. a 4 tm) n.. ., ,*', "
boas compras feiTas nesta praCa,cdmo dos W 2Bfn
recebe de sua propria eonta, como dos que recebe' **^ -
de consignacoes. brande sortimenU de fazendas pretas para a qua-
tOHEGADO PELO VAPOR.
S para o vigilante.
Grande sortimento de fivelas pretas e com pe-
drinhas de nuiiio lindo gosto assim como titas pa-
ca binlos pretas e de cores para as mesmas ti vo-
las que se vende pelo barato proco de 15500 e 25:
sno vigilante ra do Crespo n. 7.
com 10 palmos de largura a 25500, algodozlnho
monstro com 8 palmos de largura a 15, pecas de
Hamimrgo com 20 varas a 95> 105 c 115, pe?asde
mada|iolSo nno a 7550O. 85, 95 e 105, ditas de
algodozinio a 05, 65500 e 75, e oulras muitas
fazendas brancas que se vendem muito baratas
afim de aparar dinheiro : na loja do Pavao ra da
imperatriz n. 60, de Gama & Silva,
Cortes dc cassa a3;>500.
Vendem-se cortes de cambraia com babados a
35500 : na, loja do Pavao ra da Imperatriz n.,60.
de Gama & Silva.
0 Pavo vende laaxinhas pretas.
Vendem-se laazinhas pretas a 200 r*. o covado :
na loja do Pavao ra da Imperatriz n. 60, de fia-
ma & Silva.
A Maria Pia.
0 Pavo vende a 8$
Vendem-se os mais lindos cortes de vestidos a
Maria Pia com lindas barras de seda, sendo cne-
eados pelo ultimo vapor francez.pelo barato preco
de 85 cada um : s na loja do Pavao fu da Im-
peratriz n. 60, de Gama 4 Silva. _
foibalues o Pavao.
Vendem-se crinolinas eu bales de 30 arcos Un-
i bttanos como do,rcs_ sendo americanos que
sao os melhores por se nao quebraren, a 3*500 e
de3 arcos a 45. ditos de rrnisselina com babados
;*d** jra menina a U-o 3*: na 1*4)
tSRfi dTfmperariz ib 60, do Gama i Silva,
i por
ra do Queimado, loja do beija-fior numero 63.
Fita de velludo para bordar vestido.
Vende-se Ola de velludo preto com 10 varas a
KK) rs. a peca : s quem tem por esle preco a
loja do beija-flor da ra do Queimado u. 63.'
Fita de velludo bordada.
Vende-se fita de velludo preto bordada de di-
verso* gosos e mais modernos proprios para qua-
resma : s quem tem e a loja do beija-flor roa do
Quetmado n. 63.
Franja preta.
Vende-se franja preta de diversas larguras para
enfeitar capas ou manteletes os mais lindos gos-
os que se pode encontrar : na loja do beija-flor
ra do Queimado n. 63.
Facas e garios.
Vendem-se facas e garios de balapco de 1 bo-
tio a 55500 a duzia. ditas de 2 botes a 65400:
oa ra do Queimado, loja do beija-flor n. 63.
Dminos.
Vendem-se domines muilo finos a 15200 e
15400: na teja do beija-flor da ra do Queimado
n. 63.
Vsperas.
Vendem-se visporas multo finas a 800 rs. : na
ra do Queimado, loja do beija-flor n. 63.
Ana para atf*M de prelM*W.
Vendem-se na roa do Qneimado loja da aguia
branea n. 8.
resma.
Sedas, grosdenaple, pannos finos e casemiras.
Vende-se grosdenaplo preto para vestidos boa
fazenda a 15400, 15600, 25, 2*400. 25600 e 3* o
covado, sarja hespanhola de seda, panno fino preto
a 1*600, 2*, 2*500, 3* e 4* o covado, muito su-
perior casemiras pretas finas a 2* e 2*400 o cova-
do; merino fino a 2*500 e 3*. dito de eordao a
2*500 o covado : na ra da. Imperatriz n. 56.
-Arara vende madapolao francez a -4$.
Vende-se madapolao francez entestado a 4* e
4*300, bretanha de linho, hamburso de linho para
lencee o seroulas a 440, 500 e 640 a vara, bra-
mante do linho de 10 palmos de largura a 2* a
vara, brim pardo de linho a 800 e I*, dito branco
a 15. 1*280 e 1*400 a vara : na ra da Impera-
triz r. 86.
Arara reade liazinhas para vestido a 40 rs. e
etmdo.
Vende.se laazinhas para vestidos de senhora a
240,180, 320, 400 e 500 rs. o covado, casemiras
lisas proprias para capas de senhora a 1*800 o
covado : na Arara rna da Imperatriz n. 56.
Arara vende fustao a 500 rs.
Vende-so fustao de cores para roopa de meninos
calsjas a paletois a 800 rs. o covado, ganga france-
za escura e clara para calcas e paletots a 440 rs.
o covado: na na da Imperalriz n. 56,loja da Arara.

\
E USB04
Vendem-se barr con eal des-
ta procedencia, em pedra, chega-
da hoje. e nica nova, que ha no
aereado, na ra do Trapiche n.
18, ar atasca- de Manuel Teixel-
M

N.97.
Paia su fechar cuntas vendem-se as pou-
eas liarricas que restara da verdadeira gra-
xan..97: w escriptorio de Btluard Feotn,
.tta.fiia do Trapiche n. 19.
Vende-se alpaca preta para vestid s a 'W> t($
700 e 800 rs., fina de rordan a 8CO 3 [ara r>-
tot, prinreza preta a 800 e 640 o eo' ido, I ( r I a.-h
na preta fina a 15400 o covado, li .1711 bs | r. -.
para senhora que sto do luto a 7 0 r. revado
na ra da imperatriz n. 56. A loja -,u al s 9 horas da nuile.
BJBBJ .1
I75.U
reradf.
l2.
Hua da seozalla u.
Vende-se, em casa de S. P. JohnsU>n i i.
sellins e silhoes inglezes, canteiros e casti-
caes bronzeados, lonas inglezas! fio as via.
chicotes para carros e montara, am-h-s para
carros de um e dous cavallos, relogios de
ouro patente inglez.
escritos roemos.
ATTENCaO
Acha-se fgido o escravo de iwn>4 Fairtinn, te
idade 40 nnnos, nonco mais 00 rm-nn. r-r fula, at-
ura regular, grosso do corno, bem esaaaan*', I at-
bado, e j com alguna cabellos brajafos na haiba.
bracos e pernas grossas t bstanle calVIinda-i, trn.
do ai pernas arqueadas, porftn nao B.niin, m
ma andar cm sambas, e as vezes ("briaga-** I
ante por gostar muito de brber : nprianto n
se s autoridades policiaes desta e da> pruvinria
limitrophes, que o facam apprehendftr e l**va-lo a
sea senhoro major Antonio da Silva Gumn, na
ra imperial, assim como roga-se aot rapilaes te
campo a apprehenso do dito escrav, qoe serio
do ftVrete tmm.
deAtatan. r*-*
bem gratificados.
Fupio no dia 2 de marco
do engenho Floresta do termo
ca das Alageos, um eocravo da notite Luiz, rm
signaos sao os seguintes: cabra, com 22 a 23 sa-
nos de idade, corpolento, estatura regular, rao
gorda, sem barba, os beiros om untogrosao*. tem
todos os dentes e bem aira* ; cojo carra* pra
me-se andar no centro doeu previaia, huhn-
irada de ferro : quem o appreheniirr p tregar nesta pra$aa Antonio de Moura It-iun, oa
em Macei Mantx-I Joaqnim toarte f.BianwiaB.
ou mesnx do referido engpabo a sea wtaar o 9r.
Jos Casado de Accioiy Lima, oue toga re
sado generosamente.
MUTILADO


nutri de Fem ambaro ... Qnarta felra 13 de Abril de I !.

LITTERATRA.
linda o Sr. deputado Pedrs Luii e a sua crusada
aiiti-jcsuilira.
III
(Concluso.)
Exacerbado em seu odio aos jesutas polas pala-
vras que em sea discurso ronsagrou em favor da
I accidente, ou soube servir-se delle para de aro s
golpe erir a aristocracia e os jesutas, duplo poder
que se oppunka ao despotismo central com que
Pombal sonhra. Por isio espalhou-se a noticia de
que os jesutas tinham sido os iustigadores do cri-
me, e nomeadamente os padres Joao Alexo de Sou-
za, Joo de Mallos e Gabriel Mallagrida. (Ibid t. 17
p. 218.)
E:n vista desta fiel e imparcial narracao, respon-
iluirao de" Jess o Ilustre Sr. depulado Jun- dai" os homens rectos, se ha namorte dos supra-
queira/aima generosa e uobre, a quem agora cor- mencionados re.s fundamento algum para que urna
dialuie.ite felicitamos, por nao ter tido vergonha, pessoa que presa a verdade, e pensa suas palavras
nem medo de defender a religiao e suas santa* a,m's do P'of iiislilu.coes; irritado por ver que um hoajem de Henrique III, Hennque IV, o principe de Orange e
ulenlo Ihe fazia frente, aniquilando as suas futeis D-io>{-
e vulgares aecusacoes, rodutindo ao seu devido NSo, os jesutas nunca foram inmigos dos reis
valor, pelo rigor da lgica e pela evidencia dos sendo os maiores amigos dos papas; os que odiam
factos os seus miseraveis rasgos de habilidade e as a [ara, estes sao os que sempre tem aborrecido a
suas Irreverentes e orgulhosas elegancias, o Sr. cora.
depuUdo Pedro Luiz ao ouvir chamar res/ieitavel a ,, .
| szss: zz ss: &
. Instituido respeitavelj Sim, porque usa de rolava banhada em sangue do cadafalso abaixo
todas as armas, porque irazia n'uma manga o ve- Se a companhia de Jess anda exstisse, certo que
nono e n'outra o punhal; respcitavel porque as- os seus membros seriam considerados como res-
sassinou Henrique III, Henrique IV, o principe de ponsaveis por esse horroroso crine, como sempre
Orange e D. Jos; respcitavel, porque conseguiu o foram por todos aquellos que se iterara durante
obscurecer o cu com o fumo de suas fogueras; sua existencia. Livrou-os Deusde tragar masesse
respeitavel porque inaiou sempre em nomc de acerbo calix.
DeUSl Em lugar delles existiam, porm, os patriotas,
Quem nao v Oestes palavras o odio de que se os fogosos jacobinos, os apostlos do liberalismo os
achava possuido o seu autor quando as pronun-, discpulos de Voltare e de Rousseau que em no
ciou ? Pois assim que um espirito honesto e des-; me da liberdade tyranisaram a Franca rouband
previnido julga factos histricos os mais conheci-, a egreja em nome da egualdade e assassinando o
A1 j clero em nome da raternidade. Foram elle* os
Deixando porm o Sr. Pedro Luz entregue aos i 1ue principiando por aborrecer os padres, acaba-
seus pretenciosos e immoderados assomos, vejamos i ram P^'ndo a sna deportacao, e pondo sobre o al-
com a irrecusavel e imparcial autoridade do histo-1lar do Cordeiro Immaculado a infame prost-
riaJor C. Cantu, que nao pode ser chamado jesni- i
ta, nem ultramontano, como se passaram aquelles j Eslava o Sr. deputado Pedro Luiz muito ancho
factos, que a Iodo custo quer-se imputar a socieda- pensando ter produzdo um grande effeito no eso-
nossa soberana, e um tributo de affecto memoria
de seu illuslre e amado sogro.
pressarmos o nosso mu sentido pezar, ao versaos
esta ceremonia inaugural privada da presenca de
E' nosso dever agora apresentar Soa Magesla-19ua n,a884,ade. Pla triste perda que lem eoberto
de urna breve narracao das circamstancas ligadas de luto nao iuteira. Mui sinceramente com-
com a realisacao do projecto de celebrar urna se" | Par,ilhamos s vossos sentimentos de profunda
gunda exposcao internacional nestej paiz, e para symP,tWa Para com sua magesude, na dolorosa
cuja direceao nos foram concedidos poderes por afDicr'0 cm carta de ineorporacao, graciosamente nos oulor- silar 8U" magstade, e todo o povo dos seus
gadapor Sua Magestade, do raez de fevereiro de don,in,os-
1861- E* mpossvel contemplar o espectculo hoje
Nos annos do 1838 1839 a Sociedade das arles' ai"',;senlado a WMtt vista sem penosamente lem-
por cujos esforgos foi em grande parte originada a brar'nos 1uan, "avernos perdido todos no illus-
exposio de 1831, tinha tomado medidas prelimi- !rt!'^IUC,,)e' CUJ nome estava tao oteiramentc
nares para o lint do verificar, se em favor da re-1 2 T^LS^ "^l ^^^ "*"*
plipo decennal daquella grande experiencia ha-1 5 J n{aS e d,sc,ra"n'o **
vera urna opiniao assaz forte para ju fincar a pro- !n t'n wn*'cule ^ aPreciar os
seeuco activa do prejeclo. ^S^^l^^^^S^ 22T <** **
rado satisratorio o resultado pela Sociedade das ^ Z^Lrt "><* assegurar-vos
Artes, as hostilidades entao surgidas no Continen- ".,,e ,ue sua ma te obrigaram suspenso de ulterior e proced .elxf r mar nesla exPsi?s. e dos sinceros
memos. Idesejos de sua magestade, de que o xito corres-
0 restabelecmento da paz, no verao de 1839 I Pnd mlanenle s intencoesesespcrancascom
dou lugar a que se JSJt.'llS.ISSESSa^S?^ '"<"""
questao, porm ja tao tarde que foi neeessaro dif-! ne o aux e^TJS! T*' med"
i *m auxilio e cooperacao cordial de hnnens di*,
erir a exposicao para este anno e a Sociedade linctos Uti var03 aJ Dj ^~
das Arles obteve urna prova decisiva de que exis- tambem ardenles votos para que a exposcao in
lia geral desejo de urna segunda grande exposi- ternacional de 1862, alm de proporcionar-os re
cao por forma a ma.si satisfactoria, sto pelas gosijo e instruccao, seja recordada como um elo
ass.gna.uras de ante de 1,100 ind.viduos, com va- in),,orIanIe da \aiiJ de c%^iqZJo
nasquantias desden at 10^00 libras, e mon-; naes> que conduzam as naC6esT mlnd TmS
lando a nada menos de 430,000 libras, em urna nbre emu| .nutuamente Ihes orov
esenplura de garanta, afim de levantar os fundos nnam Jt ^ ,hes ^ve'
necessanos para levar-se a effeito a exposcao.
Os commssarios da exposcao d? 1851, lem-
antagens
Concluindo este proemio eivvo da solemnidade,
seguiu o cortejo pela nave do edificio para o
brando-se da fonte d'onde proceder a sua pro- ; imDono Oriental, onde leve lugar a parte pro-
predade e sua existencia como corporaco, nao se inle cs,,Va'da ceremonia.
raveis, que, em auxilio de todos, a scieocia libera-
lisa de modo pratico e fcil nos calhalogos das ex-
posicoes.
Assim distribuidos pelo corpo do edificio, gale-
nas e annexos, as colleeees de todos os paizes,
formando cada qual urna regio com o aspecto pro-
prio da sua nacionalidade, dessas mesmas dfferen-
imperial, dizean os oetmrnlos >
ser o mesmo consuntemeate
ca do*de a origemdas eipos*fge> aiicinaai j, e"i_.
admitle varias ordens de recomprma.*. mili i\
as segundo o mrito reronneeMM, m >rvien prr*-
tados, e os progresos consumei; e ifnr 4* a
jas de povo povo resolta*, urna ordenV U7varie- SStSI T** '"^^ -"*
dade, e a iuipressao do bello c da poesa na indas- unnersai.
'ria. Depois da exfK>icao de Franca, em Mpja; m ^
Desde o da segmnte ao da abertura se lornou o cie g.ralmenle recebidas sobre o MMenw m m-
Soutli Knistnjton o ponto de attraccao geral, e co- rys de recompensas foram mHfcir ackMaaW, em
loa am kmtmimtk-
lafcrio do prc
bouth Krnsington o |ionio ae attraceao geral, e co- rys de recompensas foram mh-II
mecon para logo a larefa diaria agradarel e ins- seos defeitos praliros argidos
trncllva, das rislM a exposcao, romana de mais servaees rnmnulifciitM no re
de seis metes, e de seis milhoes de pessoas I te da commis.-ao imperial H,br.-
esqueceram de que, por urna de suas primeiras
profanas, veio a religiao
de de Jess.
Henrique III, diz o referido historiador, despre-
sado das catholicos pelos seus vicios, dos protes-
tantes por sua hypocresia e de todos por suas du-
bedades...aquelle mesmo que mandou apunha-
lar ao duque de usa, e ao cardeal de Lorena seu
irmao, foi assassinado porThago Clemente, joven
frade jacobino, ignorante e fantico, e que foi im-
pellido a commellcr este acto pela duqueza de
Montpenser (Hisl. Univ. T. 15 P. 225-231.)
Henrique IV, contina o illuslre historiador,
pensou poder conceder aos jesutas a tolerancia
que conceda aos protestantes. Elles tiveram mui-
ta difllculdade em entrar no reino, sendo conside-
rados adversarios das liberdades da egreja gallica-
na e dos direilos reaes, no lempo das perlurba-
coes quando foram expulsos. Dizia-se alm disto
(cousa digna de ser notada, mas que nao deve ad-
mirar) que os jesuilas faz mi um quinto vuto, pelo
qual se obrigavam a ser dedicados Hespanha, e
que todos os das resavam por Felippe II; quando
nesse me.-mo lempo eram perseguidos em Hespa-
nha pela inquisirao, e principalmente pelo rei, a
quem nao convinham nem a solida organisaco
dos jesutas, nem o poder que elles tinham de per-
millir a leitura dos livros prohibidos, e de absol-
ver os herticos, em vez de queimalos.
Chamou-os Henrique IV, e o P. Colln soube
por sua habilidr.de e moderacao desembarazar o
seu espirito das sinistras prevengas que tinha
contra elles. Um da conversando Henrique com
0 mencionado P. Cotlon sobre o segredo do confis-
sionario disse-lhe : lintao nao denunciarles um ho-
m?m que quizesse assassmar-me f Nao, senhor,
rcspoudeu-lhe o jesuta, mas me poria entre vos e
dle. Heurique IV defendeu os at no parlamento.
Entretanto imputaran aos jesutas e aos capuchi-
nhos as frequentes tentativas dirigidas contra a vi-
da do rei; e Joao Cliatel que feriu a Henrique,
confessou que f-ra levado a islo por ter ouvido di-
irr aos jesutas ser aeco meritoria malar um he-
rtico e um lyranno.
.. .Eulirn quando Henrique procura va realisar a
sua utopa, de formar urna repblica europea, pois
assassinado por Francisco Havaillac, mancebo na-
tural de Angulcme; e esle fantico confessou que
o havia morto porque elle era huguenite e inimi-
go do papa (Ibid. P. 242-246.)
Pelo que at aqu flca dito ve"-se, que o sabio e
imparcial historiador nada diz donde se po>sa le-
gtimamente inferir que foram os jesutas os auto-
res da marte de Henrique III, e Henrique IV.
A morte deste ultimo rei foi obra exclusiva do
infame Ravaillac, que como lodos sabem, nao era
jesuta.
E cumprc advertir neste lugar, que nos ltimos
lempos de sua vida Henrique IV eslava na maior
harmona com a egreja, a quem a sua morte affli-
giu consideravelmente. De sorte que nessa poca
escrevendo S. Francisco de Sales a um amigo ero
27 de maio de 1610, poucos das depois da mesma
morte, pruicipiava assim a sua caria : Ah I meu
amigo, certo que a Europa nao poda soffrer
morte mais laineolavel do que a do grande Henri-
que, etc. > E o S. S. P. Paulo V disse lambem ao
cardeal d'O.-sat, embaixador da Franca em Ro-
ma : Pcrdestes um bom soberano, e eu o meu
braco direilo.
Oucaraos agora o mesmo historiador sobre a
morte do principe de Orange e D. Jos.
O principe de Orange, patriota interesseiro. e
que fazendo-se republicano e protestante procura-
va as honras que nao podera obter como catholiro
e cortezao.. .foi assassinado por Balthasar Gerard,
homem empregado em seu servico, e que com o
seu proprio dinheiro comprou as pistolas de que
serviu-se. Sendo porm torturado confessou, que
tivera por Instigador de seu crime, ora o duque
de Parma, ora um franciscano e ora um jesuta
(como era entao costume) mas talvez a aecusacao
nao fosse fundada a respeito de nenhum delles,
mas nSo obstante ella excitou horrores contra to-
dos (Ibid. P. 169-173.)
Depois de ha ter o sabio historiador italiano fal-
lado dos indignos e infames tramas de qne serviu-
se Pombal para arruinar os jesutas, diz : De re-
pente espalhoo-se a noticia de que Jos rei de Por-
tugal soffrera tres tiros; ninguem os ouviu, e de
ninguem foi o rei visto, a excencao do .mesmo
Pombal e de seu clrurgio. Entreunto repetiu se
que o alternado fra dirigido pela mao dos jesu-
tas, e inslituiu-se urna rommissao presidida pelo
referido Pombal para julgar os culpados. (Seguem-
te os horrores commettidos contra os jesuilas, e os
principaes membros das familias de Tavora e d'A-
veiro). Depois o historiador accrescenta :
A infamia do processo a melhor prova da in-
nocencia dos arcu.*ados, pois bastar dizer que
alm du profundo silencio que nelle se guardou, o
rei proliibiu que jamis fose revisto. O mundo
curioso de conhecer a vrda>le, nao pode descubrir
ouira roasa, seno qtie voltando o rei de urna en-
trevista amorosa com a marqueza u'Aveiro no car-
ro de Texeira seu camarista, foi aguado |iek>
marido e cunhado da mesma senhora, os quaes que-
riam vingar-se de Texeira ; mas tendo o cotero
^litado qi*e ali ia o rei, elles fugiram... Em resu-
mo ne turna em tudo islo seno urna vinganca de
Tumbal, a quem fora negada, para sen fllho, a mi
de urna Tavora. Ou o ministro fez apparecer o
rito da cmara, (aneando companhia de Jess
odiosa aecusaco de regic.do, quando selembra
que ao hava anda citado nenhum testemunho
valioso que o animas em seu odio aos padres da
companh.a; e nestas clrcumstancias diz, que se
Quaes foram porm estes papas nao diz o Sr de-
putado, e nem o poderla dizer. O que lodos sabem
e que s odiaram os jesuilas os protestantes, os
sophistas volterianos, os jansenistas, os leitores de
Encycloped.a, que, como dizia d'Alembert em urna
carta a Voltare, concorrea mais para a ruina dos
jesutas do que os jansenistas; e alm destes a in-
fame Pompadour, cuja vida escandalosa foi'sempre
censurada pelos jesutas.
O que lambem todos sabem que desde Paulo
HI, le insliluiu os jesutas, at Clemente XIV, que
os abola e deste at Po IX, elles receberam sem-
pre de lodos os papas a do episcopado catholco os
ma.s sinceros elogios, e a mais decidida protocolo
sem esquecer o concilio de Trente que chamoTnm
a sociedade de Jess, pium eorum institutum.
O que anda tedos sabem que Po VII na bulla
Soltiatudo ommum ecclesiarum de 7 de agosto de
1814, pela qual restabeleceu a ordem dos jesutas
elogiando-os muito acrescenta o seguinte Aos'
votos unnimes de quasi todo o universo enrizo
em favor do restabelecmento da sociedade de Je-
sus, reunem-se diariamente vivos e instantes pedi-
dos de nossos veneraveis irmos arcebispos e bis-
pos, assim como as pessoas as mais dstincias de
todas as ordens, sobretodo depois que a fama tem
publicado por todas as partes a abundancia dos
fruclos que a mesma sociedade produziu nos pa.
zes em que viveu etc.
Isto o que sabem todos : resta, pois, que o Sr.
Pedro Luiz nos diga agora o; papas que odiaram
os jesutas.
Quanto ao obscurecmento do cu pelo fum*d$
fogwiras dos jesutas, que mntaram sempre em no-
me de Deus, Ihe responderemos que as fogueras
dainquisicao eram. fetas com a lenha dos gover-
nos civs e accendidas pelas maos dos intrigantes
polticos, que estes fogueras tambero serviram
para queimar jesutas vivos, como succedeu com o
velho padre Mallagrida, que foi lancado nellas pela
mo carrasca de Carvalho mni>iro de D. Jos- y. e
finalmente que a egreja nunca teve outras armas
para punir os hereges senao as espirituaes, as
quaes looge de malar vivifieam, como j se espri-
mu um concilio : Sancta ecclesia gladium, non
hahet nisi spiritualem, quo non ocridit, sed'vivi-
ficat.
Terminando este artigo, sem ter podido fallar
sobre outros pontos do discurso do Sr. diputado
Pedro Luiz, para nao trnalo mais extenso do
que convm, pontos que I o terao a son dfevda
resposla, crreme o dever de declarar que nao
'Maneto offender a pessoa do- Sr. Pedro
A pos das harmonas
decisoes, quaesquer prove.los que Messem tirar-1 5SBT ^S?SSt^
se da exposica, seriam applicados objectos es- zas reunidas e patentes dos Gedeoes da industria,
tridamente relacionados com os fias da mesma ex- i diversos do hroe da BiMia em nao serem as lan-
posicao, ou ao eslabelecimento de exposicoes se-1ternas da e,xPer'oncia mostradas para aterrar,
K ^ mas para esclarecer,
roelhantes para o futuro ; e assim pozeram sem :
. ,. .-,..., Hompendo um silencio pr.rfundo. proferio o
hesitar a nossa disposicao, Iivre de tode encargo, hispo de Londres, em accento commovdo, esta
um espaco de quasi dezesete acres, na proprieda- solemne oraeo :
de Kensington Gore. Foi isso principio conside-
rado sullicente |>ara que a eiposico precisava ;
mas, lendo-se verificado ser insuHciente o espaco
original, accrescenlaram elles, pedido nosso,
tDeus Omnipotente, que vedes-o intimo de todos
os roracoes, conheceis todos o desejos, e para
quem nao ha segredos: purificas es pensamentos
de nossos coracoes pela nspir ico dtr vosso san-
to espirito, para que perfeitamente vos- amiinos e
mais oito acres, os que restavam cpales de para magifiquemo dignamente vosso ZSmL .
niinha
Luiz tratando de suas doutrinas, mas qae somente
&.iitra estas, que de certo nao merecem condes-
cendencia, que eu dirijo os meus ataques. Ao
Sr. Pedro Luiz, como homem eu respeito e amo
mas aos seus erros, que reputo mui perniciosas,
desejira de corayao poder maia-lo.% seguindo as-
sim o rouseiho do santo bispode Hifionia : Dilige
nomines, inter/icite errores.
Recife, 6 de abril de 1864.
I OATHOLIO.
A EXPOSigAO INTERNAClOXtt DE LONDRES EM
1ML
Hela torio do Sr. ceaselheo Carvalho Morcirav
presidente da eommisso brasileira.
H
(Conltnuaciio.J
Quando comecamos nossas funecoes, ha pouco
anda, eslavamos na expectaco de um momento
em que tvessemos a grande honra de hoje dirigir
aqu nossas palavras Sua Magestade en pessoa,
e mostrar soberana dentro deste recinto as pro-
vas que a presente exposcao subministra, de co-
mo era solida a opioio originariamente mantida
por Sua Alteza Real. Tal prova se acha um lem-
po no avultado tamanho da exposieao, ne ardor
com que todas as classes do paiz ha procurado to-
mar parte nella ; e na grande despeza ncorrda
por expositores mdividuaes para melhor apreseo-
larem vista seus producios e seus macbnismos.
Ainda urna vez, pois, nos se.ja dado repetir Sua
isso utilisar-sc. Por esta concesso de sitio temos
que expressar os nossos agradeclmentos.
Aos governos das nacoes eslrangeiras e- das ci>
lonias de Sua Magestade, justamente dtevrdo o
nosso reconhecimento pela maneira pnrque>com
unanimidade maior aida que em 1831, corres-
ponderam ao convite que se Ihes fez para nos aju-
darem nesla emprez.-c Ero tao cordial cooperaeSo
achamos ouira prora de haver chegado o lempo
em que o repetir a esposco de 1851 se linha tor-
nado desojavel, por ben de todas as nacoes.
Tributo scmelhante devido por nos aquellos1
subditos de Sua Magesfade, que se- apresentaram
como expositores, ou que .pozeram nossa dispo-
sico mm'las obras valiosas,.Ilustranvas dos varios
ramos de arte britannca, e neste particular deve-
mos especial gratidao sua Mages tade.
Crea- de 22,000 expositores se aeham repre-
sentados aipii, dos quaes 8000 sao- subditos de
sua magesude, e 14,000. de estados eslrangei-
ros.
Oarranjoe-plano do edificio' tal,, que os ar-
ligos exhibidos foram geralmente disposlos em
tres graodes divisoes :
l* Bellbs-artes, em gateras espeeialmento para
essa reparHcO:.
2." Materias primas, manufacturas-, maehinis-
mos de agricultura, no corpo prinoipal do edificio
e no anaexo oriental.
3.* Miohnismo que reqperem torca de vapor
ou de agaa-para sua effeetiva exhiroeao, ne-aone-
xo occii! Denlro*destas divisoes- a classificaeao adoptada
a muiloi respeilos semelhante que se empre-
gou em 1851, conservaodo-se os arligos olauni-
cos e coloniaes parte dos enviados por paizes
estrangeiros, e lendo-se a cada, pa distribuido
sua porcopnvativa no espaco reservado aos es-
trangeiros.
Nos catlogos que agora aprsenla os para
serem submettidos soa mui graciosa magestade,
achar-se-hio lodos os- particulares necessarios a
respoito-dos artigo exJiibidus.
Na scieccao e arrautede muiios dos ramos mais
importantes da exposivio tomo*, consideravelmen-
te auxiliados pela cooperacao cordial e ivnselhos
[Je pessoas de todas as categoras, de varas
juntas tocaes, de classes, de ocios e ouira cu-
jos ser.vico coro gratidao recoubeceuocs.
Seguindo a regra adoptada na csposic.ao de
1851,. deoidiinos.se dssero premios^ em forma de
medaihas, em todas as classes da exposcao, ax-
ceptonas dasecoiio de bollas-artes ; sendo, porm,
essas-medaihas. de urna s classerecompensas
por mritoseoidistincgao algn de grao, eour
cedjdas por jutys nomeados para, as di versan olas-
ses,. o coinnuslas de membros. britannicos. e es-
trangeiros. Escuta-, Deu*. padre, as-nossas
Jess CtMislo Nosso Senhor.
IJem)^ glande satisfacto em, poder participar
sua magesude que as ncSes eslrangeiras. escolhe-
nam pessoas de alta distinccjk), em scieacia e m.-
duslrU para servirem de jurados, e uropre-oos
testificar a benvola promptido com que emi-
nentes fabricantes deste paiz e outras. pessoas. dis-
tinctas. no estadcy assim como nos varios- ramos
das sceucias e artes, eonsentirara em servir de
jurados, e aceitaran! a responsabidade e traba-
Iho dessa i a rea.
por Jess Qiristo Nosso Senhor. Amen.
Senltor, sarrae a rainha
fe" misericordioso nos escutae ao miocw-vn
Dolae de reetido vossos ministros,
E regozjaeo vosso povo escolhido.
Sal vae, Senhor, o voso povo.
A" abeneme MR heranca,
Dae nos pazenv nosso lempo, Senhor,
Pois nao ka quem por nos combata,
se \sk3o- tmente, Deus.
m
Sracas vos damos,. Senhor, por todos os ttenefi-
cos- tjue nos hawi outorgadn : por nossa pros-fK!-
ridade nacional, e pelas beneos a cada um de'ns-
dadas em nossas nroprias casa. Recordar-os-he-
mos.Senhor^neste-da solemne, que em vosea-mi-
sericordia, nao esquecestes o eastigo. Temperas-
te, com pesar, nosso regosijo Concedis annos-dc
goso-lranquillo, e iVum- momento- removis as- ven*
Juras (pie nos haveis- prestad,, iiuando vedes que
-para nosso bem a- oalamidade. Dee-nos, e a> to-
dos por quem oramos,.o lembnar-nos de que sobre
MM> ha> pesado a vosea- mo, e- de como essebri1-
lhante da, ha mulo-oom alvonoce' esperado, che-
goUiat'niHl, mas ne-isento de escuranuvem. Ehsi<
nae'nos,--Senhor a levar nossaa-provaeoes comooor-
regio de um pae que nos MMU e pennitli que, se-
gu:ndbos;exemplos-que nos (lestes-, obremos de-
raiile a> vida, cuu.o inaior zulo e singuleza dw-io-j
tenco como vossa vista.
O vos que fosles- Creador dos cos e da wra,
que-separ.astes o solo enxuia o o ajunUmenlo das
agua : que piimstro Dzesies-broiap- na superie
do nosso globo abundancia- de sua escondida rlwr-
dade, e por vossa providencia haveis depws velado
sempre sobre ellay e abencoado .'eu augmento^vs]
que depositastes a.riqueza no pronndo centr da
ierra.e as cavernas omiHas-do mar; vos que en-
chestes a ierra, as aguas e e-ar de eonsas preeiesas
que-servem aos gozos do homem : lancae, ves im-
ploramos hoje, es olhos stbre nos que desejamos
dcdlear estes thesouros ao-vosso srrieo.
Vos que primeiro formaste o wrpo humano, e
Ihe bafejastes o s olhos com.que ve, e a destra moy.e lodos oe-dutes
da razo e do gusto fazei que ludo.vos consagre-
mes.
Vos que assrgnastes a. todas as varias tritos da
tenra o deterrewado siliode suai habitco,. desig-
naado.a.cada qual sua-Sarea paftieuUr, e ao mes-
roa-tempo hawis dadecoraen aos horosas para
ir-se-ao mar em navios-e affronar os pernos das
grandes aguas, com o Sai de le*arem de uu> clima
aoutro as boas cousas-queprciuz cada.ota: aben-
fwae a mutua troca- de vossos dons que nesle edi-
tkio buscamos promover..
Vos padre sempiterno, <|o fwestes de- um san-
gue todas as nacoes habitantes da Ierra, derribae
todas bametrasque obslrueatauossa uiuo, lancae;
a.vist.sobre estecancurso.de |iaizes diversos eo-|
abencoae para disTnndir. o. Evangelho de vosseJ
mito.
Vos, eterno filho de Des, principe do cu, emJ
cu jo reiao celestial os hotaens nao so offendeFioJ
mais cu destruir ju, porque l nao- eiilram nwn
paixes, foinentae, vos pedimos, entnens todas as
artes benignas da paz, bani da Ierra luda a parfia
odenla e incitae as naques rivaliade generosa
para o-bem.
Vs, bemdto espirito de caridadp-santa, re3e1.de
modo nossos eoracoes que o getv-no humano se-una
pot Jess Ctaistu a'uma s irnaandade; que-,.mein-
bcos uos dc*.oulros,. irabalheiBus por toda aparte
cada um em, sua esphera para supprir s paeci>es
de todos.
orajoes por
Estemos persuadidos que a eminencia dos ju-
rados, tant* estrangeiros como britannicos, assim
escolbidos,satisfar os expositores de que os seus
objectos serio examinados por juizes competentes
e iroparcoes. E' certo que essa rounio de tantos
homens priooipaes vindos de todas as partes do
Padue Nossoy etc.
A paado Suntoor, alm de toda a comorehenso,
mautenia vossos eoracoes a vossos espirito* no co-
nhei-nento e amor de Deus, e de seu filho Jess
Christo nosso Senhor ; e- a benco de Beus Todo
Poderoso { Padre, Filhoe Espirito Santo, seja com
voso e H|ie- para semttre. Amen.
Assim. faWou o apostlo da paz, doutrinando a
exjosicao na linguaem.do Evang-lho, e o choros
mag-estcos do Alleluta. e do Aui.-o (iMt-ssias) can-
tados loo em seguida,.recolheraraanda o echo de
suas palavras -, pira diffundi-las n'uma harmona,
sublime.
O hymno nacional encerrou a> ceremonia ; e u
duque de Cambridge, declarou or ordem da tu- \
nha, esur aberta. a exposcao.
A datar desse momento abria-se tambero para a
exposcao urna nova phase deIrabalhos, conJuct-n-
les aos seos destinos e preciosos em suas relacdVs. |
A' fesu suecedia o estudo neseio da hospialdaite;
mundo,, deve exerciur moa iufluencia favoravel e a Inglaterra mostrava aos seus convives os toe-!
souros que havia accumwlado no decurso de dez
anuos, reeebendo em retorno o padro das rique-
zas de todos os povos do globo.
Metade do esporo do edificio foi, como em 1851,
reservado para a tira-Bret roba e suas numerosas
colonias, sendo a ouira metade destinada aos paizes
estrangeiros.
A collocaco dos productos nao seguiu desta vez
Os artigos agora expostos mosiraram que o pe- como em 1851, a divisao singular determinada pe-
na agrieullura, as manufacturas, e no commer-
olu, dissemuando instrueco valiosa e pratica
sobre o esUdo da sejencia e da industria em seus
respectivos paires, assim como fazendo coahecer
todos aquillo de qne precisein e o que podem sup-
prir.
Magesude a seguranoa de nossa sympathia por riodo decorndo desde 1851, anda que duas vetes !,a Ps'?o topograpbica das naeSes, segundo a qal
" re C'-utral
occasiio da perda, jua priva da sua real presenca interrompido por guerras europeas se assiaoala 5ccuParann nlao os paizes quentes a n*xv
esu ceremonia inaugural ; e ao passo que damos ^ uin pr,TCiW sein exeialu, ^ '^^ nj3 J SSAlmjSS!: Z3SSK
sentido testemunho a falta daiptelte inapreciavel arh,s e as mauufaciuras.
auxilio que Sua Alteza Real em todo o lempo es- *,,
lava tao prompto presur-nos, temos a otTerecer E "^ "St voi0' *>* a Posico inter-
a rainha nossos mui devidos agradecimentos pelo uac,nal de lM2' *mA vaB aor* ber 'rada,
e que temos a honra de dirigir, venha a
ulerease manifestado por Sua Magostad* na em
preza, em haver ordenado Vossa Alteza Real e
a milords coromissarios o virem representar nesta
occasio a sua soberana pessoa.
Devemos tambera respeilosos agradecimenles
Suas Altezas Reaes o principe real de Prussia e o
principe Osear, de Suecia, presidentes das com-
missdes por aquelles paizes, pela honra que Suas
Altezas Reaes nos Uzeram em vir Inglaterra
para assi-iirem esu ceremonia. Na assistenca
es. A es-
sa idalidade geograpbica prestava-se eommoda-
mente a forma original do palacio de Cry sial, com-
posto de urna nave imm>-nsa, cujo transepto vmha
a formar assim o equador desse mundo industrial.
Foram entretanto agora coll<>cados os productos
formar so1' mes,n0 P'ano de disiribuieo realmente geo-
graphico, adoptado na exposcao de 1851, e seeui-
um elo nao indigno da cada de exposicfles nter- do na de pra^a em 1855. Tres grandes ex|*r!en-
naciouaes, e que Ilcar para sempre associada cias lem pois verificado, ser a classilii acu por na-
com o honrado nome do illuslre consorte de sua 5** e nlo pelos ramos d- industria, o nico plano
iiiaizcstade i exe1uivel Para as exposicSes unvereaes, congenial
^ ,. aos Hns deltas e adaptado aos seus resultados.
Ao terinJoaro diacuf so, entregou o conde Gran- I Som esses grupos nacionaes, faltariam os melho-
ville por parte dos comuiissarios reaes, a chave rti elementos e os de maior alcance, aos estudos
da exposcao ao duqne de Cambridge ; e respon- f"^ e esutisticos na esphora elevada de
u. <..vFU.,^ .^ ^ r suas comparagSes : ao pa-so que a justapo-icio
Os tres brilbantes Iriumplios do |iensamenlo so
bre a materiaa nvencao do genioa verdade
as creaces industriaes da scienciao bello as
manifeslaces induslriaes da arle, lesuinindo, no
dizer de um sabio contemporneo, todo o estudo
dasexposiedes universaes, eram oque all Umbem
se huta de contender e de esludar.
Emquanto um cor|io numeroso de homens emi-
nentes e profissionaes de todas as partes do globo,
encetava desde logo a larefa penosa c dedicada do
exame e apreciaco dos producios de cada classe
distribuidos as dificrentes parles de um edificio
inmenso, reunindo os elementos de veredictos iro-
parciacs, condignos de sua repulaco : em nonato
assim fuiccionando por dous inezes o jury inter-
nacional, pn-parava novas paginas para os archi-
vos da industria, registros preciosos onde o iraba-
Iho vae de lempos lempos inscrever e renovar os
seus ttulos de nobreza ; ouira sorte de jury com-
posto de todas as classes, e de todas as nacoes, eli-
diendo diariamente, e por rmlheiro*, os espacos do
edificio, circumuavegava idealmente o mundo, ob-
servando, aprendendo e admirando, Aos elcitos
das sceucias e das artes as declarac,oes ollieaes e
solemnes e ao publico em geral, o regosiju e a ins-
trueco.
Rcconhecendo U1A0 o alcance desdas visitas ex-
poscao iniervieraio varios governos em favor da
redueeo das Urifas dos caminhos de ferros, e a
expensas suas se viram aqu chegar etsas legiovs
de obreiros e coutraroes-tres escolhidos, Mhh de iHi-
hsarem do esludo comparado dos aperfeicoameiitos
iniroduzidos nos processo e nos melhodo da pro-
duego de seus respectivo ramos.
O que assim faziam os governos estrangei/'js- fa-
cilitando a essas classes laboriosas o accesso > ex-
pesieo como um meto podereso de educacopro-
IbsiotMl, fui na maior escala nealisado na Ingla-
terra, em beneficio dessas mesmas classes, e em
geral da parle menos favorecida1 da sociedade, me-
diante o sysleiua adoptado de prejM differenciai-
de entrada.
Coinecando pela munificencia real em ministrar
a varios-institutos de educaco sob seo inmediato
patrocinio-e a iiHlnares de obreiros-que haviam
trabalbado no eiltlieio da exposcao 1-os lucios de
visita-la, por ser ju.-to que elles vissein o que
conhulia a-sua propria obra era iMeressanteo
espectculo dessas iwocissoes continuadas para o
Sonta Kensington; de eorporacoes, collegios, esco-
las e peusiuiiistes do ambos os sexos, artfices,
obreiros deollicinas, rendeiros e trabalha^iores dos
campos; organizadas cusa e sob a dlreceo das
classes superiores, dos pieos, dos senhur;* territo-
riaes, dos grandes mbrleaoles da metrvuete, e ou-
tras secces de-paiz.
Um movimemo gneros, discreto e paariolico,
UOerahsava assHn-aos colhtboradores dos- avtefac-
tee das industrias-, aos neopttyios das s^ieiMnas e
das arles, aos instrumento vivos da produeco do
sol, a vanas seccoes-do eaereilo e armad,- e al
aos-invlidos de Wtelsea e de- tireemeich, uto jubi-
len ptenario, ulil eaprazivelt
Para cada urna dessas atajan bata nesse- re-
ointo destinos a reoonhecer, retninisceocKw-a'iies-
pcii-ir, aspirayoes a-nnirir^ habilidades a eoufroo-
lar. ivcuipciisa> ^i-ompariu--,. pw enire as sensa-
coes-da gloria e da grandeza nacional; e para to-
das en geral dir-st-nia que aritalluva o dito usual
deKraiikliu .1 xpetieniw6em urna esmoia- ?-
dr rWiror custam onro.
Tal- anda, entre-oatros, e-gsande beneficia-eot-
laterai, e de fcil .vioisicao.. ioe retine sobre o
paiz onde se realizatnas-exuesi^5es universaes,
Cerno -era de prever, soubtra- Inglaterra muslar
que altantenlc apreriva a' importancia da vimih
des bespedes que raatte/ relnibwindoa digsameu-
te cvmi- a ospialidade obsepnosa que Ihes dava.
A- m 9m fallar aeysas diuiiuortlracos af-
nea> e granillosas das altas nlacses da scoiedade
ingtezay aaoftnodo p-aeiosamunte e festejando-o*
eslrangetro mais grados (ne-a- exposcao altnahi-
ra, i.Ujuaiilus ollicialmente aieUa se acln>.un li-
gadus;.sen fallar anda00 acoibimento me-ou-
tras classvs egualmente porliavaot em prestatilhesr
fraiujueando aos competidores- de outros paizes o*
seus proonos estabstecimentes Industriaes-; o g-
veros-Jglaa da sua pacte dava- indislinctauwnler
por todos os ramos da. administrarao, todas- a fiV-
cilitlades aos e-tratgeinos qne por essa occasio
qui20sse-a> visitar or>esiabelechnentos pullliees.
Neste- seatido foram-devidwiieole autorizadas s
lega;desa<(ui acrediudas, a proporcionar :u -suli-
ditos de suas respectivas naeoes os meios-de aaV
Ufi arsenes, eslaieiros, museu, bibliothseas,-galu-
riis-de bellas artes, .p,ilacius,. parlamente, .casa*da
iii.ila, banr-i de Inglaterra,, noapitaea, |>nisces, ele.
V franqueza ofcial, em summa, prt-oucava r-
valisar eocn a iiffiuiisidade individual. Eodusejt-do
eom|)tflsar i-or esse-modo es cooperadores- da ex-
pusico iiiiernaciuiiiil das- vanUgens que nxste
graiide successo eabiam a Inglaterra.
A operacao diSbil e laboriosa ros jnrades- em
examinar os objectos coinpiehendidos as trhya e
seis ctesses, quti forma van as tres s-iccoes da ex-
poscao da industriamaatfias primas, maenas
e. maiiufacura.-liava 1.helado ao -ui leruv., li-
nha de seguir-se adec4ai;aeaodas ibeonipens expositores.
Na quarta MBK0, pertn, a das bellas iras, to-
ras excluidlos premios, porque essa ex^osieo
ospecial ti nha. sopor, ubjecto illustrar o p^ogresso
e coi id cao piesente da Ai te Modjrna ; sendo livre
a cada paiz marcar periodo dessa deMgnaco,
alias limitada quaute- aos expositores iegjezes,
obras dos artistas vimos em quaquer leupo desde
1* de maio.do 186i
O syslema.de premios nastaj exposicao interna-
cional I--I, iiuiui, rnoiidicado em relajo ao segui-
do as dtias anteriores exposices. Ueste genero.
Ai ludo a deesodus comiiiissarios reaes, adoptan-
do agora, urna st recompensa uniforme, em subs-
tituir de diversas cathegpnas de medaihas, e
uuirc* iiioi de louvor e de esliniui'--
Naexposi^aode 1851, annunciando o seu metho.
do de pennos, u eslabeiecendo.eectas regras pasa,
ses vi r de guia aos jurys, diziaro os coiiimssarios
ruaos ; ttue desejavaaii, quanto fosse possivel, re-
i-oiupeiisai' todos os ajstigus emqualquer das sea-
iiies. da xposicao, que parecessem aos juizes com-
pelemos pussuir decidida supenoridade de qual-
que ivilureza : quu a sua iuteuco delles cea re-
couuMrusar a excellencia. so>, qualquer forma em
que oa se apiesentasse, e nao dar induzueutos
a disluieces de mera cotnyeticao iudividusl : que K
eaibora houvesse tres cnedaUkas de differemes la-
uuuilios e desechos, uo. se propunham a indicar
aos jurys quo as Osseuxcoaie priraeira, segunda e
tercena eui graduuco, para a mesma classe de
objectos mas antes as cousiderassem como
rocos de apreciar e aislinguir os caracteres res-
pectivos dos objectos que se devessew premiar, e
nao cono destinadas a fazer marcas distinctvas
as mesmas classes de arligos exhibidos ; que re-
ronheeiaiu perfeilamente uo se dever procurar a
excelieiii-ia na producco suienie nos arligos de
ailo preco, ew que se tivesse empregado muito cus-
i de iraiiaibu e babilidade, mas que Umbem se
devi animar a exhibico dos arligos baratos, que
reunisseiu a qualidade ao baixo preco, ou a novi-
dade da producco. Que as medaihas nao ex-
clualo as doacoes pecuniarias, quer como premios
para ser bem succedida. a coinpelico, quer como
recompensas em circuuisi;-ncias especiaes, acuiii-
pauhaudo e addicionaudo a dislincca honorfica
da medalba.

srinj^e as aprerwrej ...
criterio commum p..rqu cm matrm V
sao |r natureza variavei.
frnr
imperial soOrc arpiella ex(.
Nessc iiiqioriaiite documento foi nida prini. \tx
indicada a conveniencia de allefar-se e
dos jiins, dandd-lhesoutro raracMr mais
neo ao destino de mas investiaaeH ; sem o mtr. a
despeno dos mclhorr* m.-lh.-l..s.il.. cmprepi diie
po notassaiio e da isenco abimaVla oV toda a in
fluencia. ||.s hilara srtnm-e as aw.TMf
Uvas um
industria
e incompletos os elementos oV'a'rceacinana!
dos jury. Assim. para se airnarem' hrrn r
tuosas as suas operacoVs n> rx|nxic-',
saes, cujo objeclo e per em evtdrnria'.^ 1
sos etfciloadw, a verdadeira m**o do* mr
ria naluralirn-nle limitada a .-nHnr as apVrWna
mentos, indica-los nos priNlnnoref. crhamar at-
lencao dos induslriaes e faiiricanter mos em que o estado da anadajW que dest-jar.
Levado por conideracues desta orite* lierfeiLmeme aqu resumo, propunha 9 inmine
Napolen, para as sulijuenl.- eX|-in>r.--inmrr
saes no conrernenle industria, a .-ul--iiim.\',,i ,1,,-
jurys de recompensas petos jurys de esnjan
quaes, em vez de preicrirem jubjamenins .terrs
sem rnerainnife expr e desrrever <> que -1 ram, moslran, mide o venrassem. a orifrinali
dade de um preresw, e o atento de um prinV-v
sem com ludo serem ol>rigados a formar corra
soes laaaaaaltaia, e-comparar o ffo non e evmmwmh
vel. Esta allerapio, porm, nao |rra appliravrOas
bellas-arles, sendo- para ella* mentido prinrwm
da recompensa ; por<|ue o belte na p*tr-,
o mil, ser aprecia*-por tode; eso aos e*c
e dado o dirigir o gesto.
O effeito dessas observacVs. taJrHxmeati
didas com a autoridade de uoavkraatde ex
ca, qual a de 1855, parare ter nwwKin *ie rev-
io poni para mudilicar-se o pwneipin ejne wiin
de base as recompensa na expooir.io insernarieant
l'ma s medalha de tronze. conre-Mwr se adep-
tou. par lodos os expositores na- tres- .'trtaia da
industria, exrluindo franraflienfc a-graduar in do
ment, r quasi a imilaer- da : ffh minrnimudi 1
do cararier dos jurys, peis crjsraWw reraasprav
sas-por etl decermda- en nier.^ sambuto dr e-
cwoes que praiicameote sr redOzcm- a a .ifrar.
sem comparar a excedencia- y a nutdde 1
paa-
qu se anrtwnaj.
de iftnoci re-
'ba. cvm-^fmm-
wr-o 1
aren .va
uMe artigo n
reunir os .-sstri
. pe*
foi ;(tma>T-
e iiutnu arro-
ja a.|ti.r
toe
docto sob ll- agesa o valor da
presentid per dou niodts
do-je tedaway pur urna trzi
as nteneoVs-kaaaajaj para
que merecer* este ou a<|u4te
pruJncoan, sen cwn tudo
superiortdade;
Assim.aaaaaHamtido aa aj^aaai.-
das rroompenra rsnferidas rrxnim-n w .t.- \mt
os relzlonos- uV jstrys lornam *- simple*-
Lirios ies-as dk(ik-voe>, e m-j*r ponto d vr*
ao ni-.siiKf lempo- para a biH
coiope-.ii ?. de esluds, e os refa
realis;H"!iii seus-dnVrentes
urna julrae^poMuriu.
Para a declanic.a dos prwa as ma
commis*irios reae wdia II de-jio; e
lando o seuliroento d publico, *: > enr.iet'ad 1
ral dos ooncursna>*. tornaran em da d-saraao
da desuado ae* UQbalbo de la a lulmaa ra-
balho.
Afim le que esla rrremorus
racter 1% una .dunonidadt
convidados-os-gouerrw dos p:
na exp( tyi*. a-mnoriarem
riaes para-renror^na-tns nosa-
do em inme do vapacilores dai
ai.-oes, ticUrztf 5o- des premia i^me o ju*
nacional '!*:<-tKiu.-wistMrdfcri-i.id-
Este convite dW eunmissa
intermedio do povera brun
mente aceeito ;. e algnns prin
aagens, e em genal o diploma;
h-s, forari:-,.iin.-ulci!. pelos gor1
romo seus-rrr.*t/ofdM espert. |iara Ma
altada daa-aaajlaai
O curto- espaeo. sjae medunV entre Am em
que tora oriaiiiada a idea dr--Jfmn. e n-Jm par*
ella desertado, mi. dava utrna a e.-pa/nr-s -r Jn
itrasil e dos Esiarior-tnidos. remeste .sai roa-
vite que ms.fosse dirigido.
Pela aorrespendracia hav mire a-Jliaajai
Office e } comrm-saxios reaesr ie que ir foi r4.i1>-
nunicada em-S-ih-junho. Wms rectmmri r*a
lacuna, alta ju>4iaVavd, r tyiaifi ans liman 11
nos raaasr qiir-. ramo rcpr-i tn-inii > rauerm
nesla carta, meeoe-siderava naipilinli na usa
pareces lambem. a aquella iammiiide-,' cmtK*9-
presenenrie esjtetcktl pi,r paie-d* Bra.*,, .mu.
missaiius reaes ari-i-iiaram. ;!* proi*-.a imH. e
como 31I -me tr.msideraram mt errrn>-a..i im n|>
slante-j me tawerem ron velada, nmi rnrtai>aj do
corpo- diptomotiro, p*i .|je. i runaMBOaas BMB-
bem da-a Itrjjaro do Bra*>. ;
Aos- represoftantns esremaa* rorraaiia c.rmrn-
pare:n.a.dcrtj*aco dos rretams ae prwidaali da
respeoiiva uvmmissio, ci-no era eu.ponanx aai-
co rauabre. da commis.sia- brasil' nk-iine-a|ui >^
aahoaa, fai sari saro, pora prermbar o ^rnrram-
ma ,la sotvmiiid.uiv, nunwar wim na <-e iln
mirias mate, em nom *l* -st. -,)res *. ftn*J,
o catelogo- das rerompRaxas >> t^ mtfnn!
Paca a .formalidad d.-ste- -toinuneei ^srcrnurm
da iagaco o Sr. Aguar U'AndraiU. t, ind ah .e
pascou ra maneira a ~-r rnlirniaaai ia_
Deste expediente, ai d-ixw de Jar eoata ar-
trasca* imperial, (jr-i s..-digan .-ie*r*a-W. e
c-.iovmitssarios reaes Ja sea paste fonuliurni* m
psasawam
A lesla do da IMeve o raais aatto sornr> .a
a*'Vu na exprnro o que-a simplicidad dn j,>-
jiPamma pareca indicar. a> ottjartn, par si anes-
:no. dava solemaidade um carcter trawdR*.. .
do enthusiasmo geral. h deemraro dos pnmi
nesse rerumen Kxtraordrmrm dos u-mpos mar
nos, era um troabu syiabttba*, que parrrij. tme-
ressar a lodos os e>pecdbres ; dir-se-hia mm ca-
da qual enmerehendia por inslim-to a (dMiamptim
da mato, applaudmdi.-a eoaao se me mnbcmn sana
Mal dos lousos. ganbadae, pelo venredr*.
No terraoo supotiur do jardim da 3i*imbJe
de Iloriculhira >, eode se erigiu um Vati
do thronoy por oceastao da abrriura 1
eram reeebidos es renresmlantes r-f mns *-
das as personajpnks omViatmenle n'idnih.. Ali
cm presenca dr duque de Oinhrdco.
Boa magestade a rainha para essa rr*u
fio-se aos representantes espeeiaaa, a
de Oanville ;
Tenho o prazer de saudar por parte 1__
lamios de sua maffostade para a etneoir mter-
aaconal os distinrtos represiianlrs da nara>.
eslrangeiras, quo nos honram toamadn parle n
artes doste da A priimptido rom qne a anear-
nos dos paizes cstranjrriro* acuttieram n rosrnte da
goverao ingb-z, altamente apreciada nem nmm
deste paiz. Tenho as-ora de ne>lir qa* na ;
sen Un tes especiaes se dignen, > reobrr o
rio do conselho dos presidente dos jury*.
deu sua alteza real do modo seguinte : ; das industrias'similares,' n'uoi ponto de vista pu-1
, _fc ^.u. raroente lechuologico, sem dislinccio d nacoVs
. Nao podemos preenchsr odever qne a rainha arocendf) ^ indie>da vtn 0 PMM,e d fal)nail.
de Sua Alteza Real o principe real de Prussia re- nos tez a bonra de commetter-nos como represen- je, do obreiro, do negociante e do consumidor, '
conbeceraos ama deferencia cordial aos dosfdos da tanles de sua roagesiade nesla occasio, sem ex-. ; plenamente supprida por essas cte-ssiHoc6es admUj
nao deixaram de observar
das as nacoes aprsente ni
qaal, justificando a prrvisio
pe que j nao existe, deve moilo s
ferecida* por tees expmirne* para
lado da industria em rada pa, e
de partida para o arofresaa rutara.
dasa-
Os premios sern depois entregues
sarios de sua magesude. Pedimos a
Era, em sumroa, a theoria da simples superlo- dos representantes especiaes para hace 1
ridade, envolveodo, porm, na pratica o elemento os P'*""0.* "entro do edificio ; pnis ser aaradavH
da concurrencia. aos "Pos*>res r>os diversos paizes 1
representante de' sua propria naci o 1
Assim, na primera exposcao universal, observa pelos jurys aos sen bem surredidr* 1
urna autoridade a mais competente, ao passo que vessandn o edificio, os re
se pretenda m nter entre os expositores uina egual-
dade que nao existe nos seus mentes respectivos,
eram estes eterificados em diversas cathegorias :
a primera i,tinha grandes medidas do conselho ;
a segunda, medaihas de premio; ea terceira, moa-
toes honrosas.
Na segunda exposcao nniversal de 1833 : os
premios aos produelos da industria foram, 1 a
medalha de ouro, a de prala, 3'a,de bronze, 4*
menea 1 honrosa : e as bellas urin, madamas de
ouro. de 1", I* e 3' classe, mene-ao honrosa. Ex- ________
pheando este systemn, complejo pela, como***) P^WxAMBUGO.- fYP, f M. P. f. i"
rCentraaar-r-*^
MOT3LADO


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EW1TBMVN3_LWHTHX INGEST_TIME 2013-08-28T00:37:58Z PACKAGE AA00011611_10340
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES