Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10338


This item is only available as the following downloads:


Full Text

AlflfO XL. HOMERO 82.
Ptr tre uezes adiautados SJOOO
Por (res mzes rencidos 6J000
Purte ao correi por tres mezes. 750
StGUfflIA fMA Jl 1% ABiUL flt UM.
Ptr iuc arfiaitad*. .
Porte ao.o*rreo por o amo.
eu
DIARIO DE PERNAMBUCO.
BNCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO NO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima''
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Aracatv,
Sr. A. de Lomos Braga; Gear, o Sr. J. Jos de
Oiiveira; Maj-anhao, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Manoel Pinheiro & a; A-
inazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
BNCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO NO SUL.
Alagdas, o Sr. Claudino Palcao Das; Bahia, o
Sr. Jos Marlins Alves; Rio de Janeiro, os Srs. Pe-
reira Martins di Gasparino.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo e Escada todos os dias.
Iguarassu', Goyanna e Parahyba as segundas e
sextas-feiras.
Santo Antao, Gravat, Bezerros, Bonito, Carnara*,
Altinho e Garanhuns as tercas feiras.
Pao d'Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqueira,
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Tacaratu', Cabrob,
Boa Vista, Ouricury e Exu' as qnartas feiras.
Sennhaem, Rio Formoso, Tamandar, Una, Barrei
ros, Agua Preta e Pimenteiras as quintas feiras.
nha de Fernando todas as vezes que para aii sabir
navio.
Todos os estafetas partem ao >/i dia.
EPHEMEHIDES DO MEZ DE Aliitll..
6 La nova as 11 h., 29 m. e 2 s. da m.
13 Quarto cresc. as (J h., 46.m. e 14 s. da t.
21 La cheia as 10 h., 59 zn. e 2 s. da t.
29 Quarto ming. as 2 h., MU> e 32 s. da m.
PREAMAR DE BOJE
Prmeira as 7 horas e 42 niatos da man ha a.
Segunda as 8 horas e 6 minutos da tarde.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
Para o sol at Alagdas a 5 e 25; para o norte at
a famoj a 7 e 22 de cada raez; para Fernando nos
das 14 dos mezes dejan, mane., mas jul, set. enov.
PARTIDA M8 MNIBUS.
Para o Recife : do Apipuoos as 6'/, 7, 7 A, 8 e
8 /, dam.; de Olinda as 8- da m. 6 da tarde; de
Jaboatau as 6/, da m+ do. Caxaogi e Vanea as 7
da m.;. de Bemflca s 8 da-m
Do Recife : para o Apipuoos-s-S %, 4, 4 /, 4 %
' J-*'- V e,6 da tard; Pa Olinda s 7 da
mantua e 4 / da tardfcv para Jabuaiau s 4 da tar-
de; para Cachang e Vanea at'A.da tarde; para
Bemtnaas 4 da tarde.
AUDIENCIA DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do eommercio: segundas quintas.
Relaco: tarca e sabbados s 10 befas.
Fazenda: quinta* s 10 horas.
Jeito do eommercio: segundas s> Id horas.
Dito de orphao: tercas e sextas a-IO horas.
Primeir vara do eivel: tercas a sextas ao meio
dia.
Segunda vara da eivel: qnartas a sfcbados a 1 hora
da tarde.
das da semana
i'l: Segunda. S. f.jo Magno >. doo L da egr
12. Terca. Ss. Viotor e vana mtn.
)::. Qu.Vtta. S. HVrmenegihro priactee m.
!rt. Qulnia. S. I* mina .; S. ftun k> m
i-I. Sexta. S Pancrnrio; S. FjiHn.pi um.
f. Sabbado. S. Eagrcuiia v.. S. Cal sto ni.
i'' Domingo. Ss Hermosea** a Fortunato
ASSiGNA -SE
Ico Recife, em a lieraria da pnca da I
na. 6 e 8, dos proprietarios aaxtoei
Faria & Fimo.
PARTE QFF1CIAL.
CiOYKRM DA PROVINCIA.
Eipedicnle do dia 7 de abril de 1S6I.
me para verificar se ha agurdente ou qualques
bebida espirituosa.
Expediente do secretario de gorern.
OIBcio ao desembargador provedor da Sania Car
sa da Misericordia.S. Exc. o Sr. vice-presidente
da provincia, manda communicar V. S. que a as*
sembla legislativa provincial segundo constou de
[ ofllcio do respectivo 1* secretario datado de 5 do cor'
Orucio ao Exm. bispo diocesano.Para satisfazer rente nomeou a commissao de que trata o ofBcio
a deltberacao da assembla legislativa provincial, de V. S. de 28 de marco ultimo composta dos Srs.
faz-se necessano que V. Exc. Rama, informe acer-: Drs. A y res de Albuquerque Gama, conego Francis-
ca do projecto por copia incluso, elevando a matriz; co Rochael Pereira de Brito Medeiros e Caetano
a capella filial de S. Pedro de Tarail. Xavier Pereira de Brito.
Dito ao brigadeiro commandante das armas.! N. 87Dito ao Dr.
Outra dos irmos devoto* de Nossa Senhora da I Mftvmentoda enfermara do dia 8 de
Concetcao da Conceigao da Ese-ida erecta na gre- de 1864.
ja da Conceicaodos Militaros, pedinde urna lotera
de 1 0:0004 para editicar urna capellaA' com-
missao de polieoes.
abril
Conttnnar-se-ha.)
Srvase V. Exc. de mandar inspeccionar o sida- 1-
Mauoel Buarque de Macedo,
secretario da assembla legislativa provincial.
iii.iiuii. i 1" S K ^._i..__ i a-.... rt_ -_* ________
lo de polica Francisco Pedro Cordeiro, e assen-; Transmiti V. S. de orJem do Exm. Sr. vice-nre-
tar-lhe praya como voluntario, se or jnlgado apto, sidente da provincia para ser presente assemWa
para isso, visto que assim o sollicita no incluso re- legislativa provincial copia da infonnacao que o
quenmento.Communicou-se ao commandante do' Exm. prelado diocesano ininistrou acerca do pro-
corpo de polica. | jecto n. 18 deste anno que acompanhou o otcio de
Dito ao inesmo.Haja V. Exc. de mandar apre-; V. S. de 29 de marco ultimo sob n. 52.
sentar ao Dr. chefe de polica, amanhaa as 10 ho- N. 83Dito ao mesmoDevolvo V. S. de ordem
ras do da, tres pracas de pret para escoliarein um \ do Exm. Sr. vice-presidente da provincia para ser
criminoso ate a villa do Limoeiro.Cominunicou-se presente assembla legislativa provincial o reque-
ao Dr. chefe de polica. j riraento de Francisco Pereira de Carvalho, acerca
Mito ao mesmo.Para que eu possa resolver so- do qual a mesma assembla deliberarcomo enlen-
bre o fornecimento dos utencilios e mais objectos der em vista da informaco junta por copia mmis-
inencionados no incluso pedido do commandante da irada nela UiMnrari* Mfau>i*l
fortaleza de Itamarac, faz-$e necessario que o mes-
mo commandante declare se j esto vencidos os
liencillos a que aquellos tem de substituir.
Dito ao meStno.Queira V. Exc. mandar ouvir o
delegado do rirurgiao-mr do exercito acerca do
incluso pedido de medicamentos para a pharmacia
da colonia militar de Pimenteiras.
Dito ao mesmo.Queira V. Exc. mandar alistar
REVISTA DIARIA.
A assembla provincial, na sessao de sabbado,
oceupou-se na parte- da ordem do dia com a !
discussao do projecto n. 50 prohibndo a concessao
de subsidios s companhias dramticas ou lyricas
que derern represenlacoes no theatro de Santa Isa-
bel.e supprimindo o lugar de administrador do mes-
mo theatro, o de n. 56 que interpreta o privilegio,
concedido empresa Cambronne, a de n. 67 que-
eleva villa a povoacao de S. Jos de Barreiros, o.
de n. 72 que equipara os vencimenlos dos empre-
gados da thesourara provincial aos de igual cathe- i
goria da Jhesouraria geral, mandando-se ouvir a
commissao de ordenados, os quaes foram todos ap-
Tove baixa
sennoes. Etilo, convencido se achara desta verda-
de, que insti*uio a congregado da.nMsso.
S0| pois, argumentos estes que nao teem rcpli-
^ e rnm**> rretra ; dores espae- oa, e que maito provara em favonde nossa these.
A. pratica de alguns bispos du
tamben) aos aiiooa neste ponto.
mdicas.
Tve alta:
Aleixn. escravo de Antonio Bnptista.
Movimento da casad^delencao, no da 8 te-
abril, de-1864.
nosso imperio,
A saber
Existianu .
Entraram.. .
Sahiram. .
Existem .
Nacionaes .
Estraflgeiros
Molheres .
Estraageira .
Escravos .
Escravas .
388 presas.
9 >
14 >
3S3
260
31 >
2 >
1
64 .
5
363
Basta reBectirmos que das provincias do Brasil
asomis religiosas sao Pernambooo e Minas, justa-
mente as mais visitadas por niisMimarios.
Na prmeira deslas provincias urna negra revo-
nico h,i suftx-ada, nao ha murtoy pela eloquente
voz de um missiouarib.
Na segunda o actual prelado tsm conseguido una hiande'z *,i2O.9*t0Oi> fr
ptimo povo, um clero Ilustrada e outros muJtos- ^116 925,000 francas
beneficios devidos ao trabalho de suas missoes. | Qua,0 ^ C!4a ltum cifril .4^^^
Compenetrem-se, iwis, os nossus parochos dest, que esses dadu* s rniprelieadem os
)S de zelo h^*h *^5?J5SSR'| mos *" negaHados na Inglaterra
Se se juntassem as opcraci'iea dos baara
ttViOO.Ooo j cidaOes-do-rcutio e uj da AHeanafca
9,K)H9,500 ; ditas da Suiso 8.:.7l>.*W ; da* a
Suecia5.ttt),(*h total l7ti.tKI.OilO frac.H.
Essa cifra -Cuito mais impurtaiM, por bao pe
oonim smeate as o|>erar."M mares eaahcridas
no. publico, n pian tu que nuilas outras ao dw
gam ao ronhotiimenlo-dv Mesmo. i
Procurndoos mercadw monetario*, am fiar-
se toroam os valores cima indicado, irtiinm u
segrate : Vbnm negociados na mertrtt Mrte
americano 5,OOt)|000>OU> francos ; m fraar ita-
liano 3'149,490>u(> franco* ; a ala-
nos corpo? ein guarnicao nesta provincia, no caso
de serera julgados aptos para isso em inspeccao de
sade, os recrutas Severino Gomes Goutinho, Ti-
burtino Jos, Feliciano Jos da Silva e Jos Antonio
le Souza, que se acham detidos no quartel do 2"
i Irada pela thesourara provincial.
N. 88 Dito ao mesmo.Be ordem do Exm.
Sr. vice-presidente da provincia transmuto por
copia V. S. para ser presente assem-
bla legislativa provincial a informaco que minis-
trou o Exm. prelado diocesano relativamente aos
artigos substitutivos ai projecto n II deste anno
que veio annexo ao odleio de V. S. de 29 de marco
ultimo n. 53.
N. 89 -Dito ao mesmo.Passo as ruaos de V.S.
de ordem de S. Exc. o Sr. vice-presidente da pro-
vincia para ser presente assembla legislativa
provincial os inclusos artigos de posturas addicio-
naes que remellen a cmara municipal ,-da villa do
provados sem debate. A,,,menlad<* a cusa dos cofres provinciaes
Depois de ligeiras observaces, pela ordem. sabr | '0,l> da enfermara do da 10 :
o projecto que devia ser prevenido para a discus-
sao, na qual toraaram parte os Srs. Amynrhas, G.
iSi
nlieiros da culta Europa, que Ihes certificante,
que nao se hao de arrepender,
E' o conselho que Ihe damosv

SANTISSIMA THI!UADE.
Posto que a Natureza Diviua seja urna soy iar
dizivel e singular, ha comtuda em Dos tres pes-
soas, isto que esta Natureza Divina nica e
singular convm a tres, a saber, ao Pai ao Filhe
ao Espirito Santo; de- sorle que a unidade da
batalhao de nfantaria.Commumcou-se ao coro- Cabo com offlcio do do con ente junto' por copia,
ne Irecrutador. _,__ | N. 90-Dito ao mesmo. -De ordem do Exm. Sr. j
Dito ao mesmo.Queira V. Exc. expedir as suas vice-presidente da provincia passo as maos de V.'
ordens para que se abonera com urgencia os ven- s. para serem presentes assembla legislativa
intentos da escolta de prmeira lintia vrada do ter- provincial os inclusos mappas dos alumnos doGym-
mo de Inorara, visto nao haver all meios de ser nasio Pernambucano solicitados pela mesma as-
idla paga em os devidos lempos e ter de voltar ; sembla, segundo me commonicou V. S. em seu
amanhaa, conduzindo presos que vao ser julgados ofilcio de 17 de marco ultimo sob n. 3i.
uaquelle termo, onde devera permanecer a refer- \ 91 .d,0 ao msmo. _. Exc o Sr. vice-presi-
da escolta ale que se ulttmem osjulgamentos, como dente da provincia manda transmittir V. S. para'
solicit o Dr. chefe de polica, em offlcio desta data. serein presentes assembla legislativa provincial
Ummunicou-se ao Dr. chefe de pol''- os inclusos Iwlancos, orcamenlo e contas de sua re-1
Mito ao inspector da thesourara de fazenda. ceita e despezas acorapanhadas dos documentos
Estando em termos a inclusa conta em duplcala, e comprobatorios que remetteu a cmara mdnicipal
nao havendo inconveniente, mande V. S. pagar a j0 Bonito com oIBcio de 26 de fevereiro ultimo, ho-;
Manoel l-igueiroa de Faria & Fillto, a quantia de je recebido.
2304000 rs., proveniente de encadernaco e im- N. 92-Dito ao mesmo.-S. Exc. o Sr. vice-pre- i
pressoes fetas para a capitana do porto, segundo sdente da provincia manda transmittir V. S. para:
consta de offlcio do chefe daqitella reparticao data- ser prei0nie assembla legislativa provincial o in-
do de honlem, e sob n. 44.-Commumcou-se ao ca- c|USo projecto de postura que confeccionoueremet-!
pit.u) do porto. teu a cmara municipal do Rom Conselho com offl-
Milo ao in-|.eeior da thesourara provincial. To- ci do 30 .1.. morco ultimo,
mando em considerado o que no incluso requer- x. 93 Dito ao mesmo.Remeti por copia V.
ltenlo expoz o professor publico da. freguezia de s. de ordem de S. Exc. o Sr. vice presideute da pro-1
S. Fedro Martyr de Olinda, Sizenando Hilario Ra- vracio para ser presente assembla legislativa:
mos, e bem assim e que a este respeilo tnformou o provincial a informaco ministrada pela cmara
director geral da mstruccao publica, em ofllcio de municipal da ciliado da Victoria acerca da netieao
2 do crreme, sob n. 59, recommendo a V. S. que qUe jnc|uso devolv* de Francisco Correia de Amo-
mande |iagar integralmente ao suplicante os seus rm> a que se refere o offlcio de V. S. de 18 de mar-
vencimentos relativos ao mez de dezembro do anno <.0 u|timo sob n. 37.
prximo passado. i
Uilo ao capito do porlo.Mande V. S. por em'
liberdade o recruta Manoel Francisco Alves Teixei-
ra, ipte provou iseitfao do recrutamento. tlOMJlAKDO DAS ARMAS.
Dito ao director do arsenal de guerra.Recebt o
seu offlcio n. 281, do 1" do corrente, e em respos- Quarlel general do comtuando das armas de Per-
i^ts^sr oTSSod- -*- ddide d *8 de abrH de;
Fernando, como V. S. indica, convm que o conse-; lool.
Iho administrativo se limite a obter para aquelle; Ordem do da n. 310.
lim semenles mais miudas das plantas menciona- _0 general commandante das armas tendo atten-
das na relaco annexa ao seu citado offlcio cao a ^ue nos acharaos na estacao invernosa, deter-
Dito ao commandante da divis.io naval do segn- mina que de ora em diante se faga o servico da
do dslricto.Tendo seguido para a Baha a canto- guarnicao com o uniforme azul, que a parada te-;
jieira It'ijahy, de cuja g'uarnico Taz parte como en- nha lugar s 9 horas da manha a o toque de reco-
gajado o subdito porluguez menor, Manoel Jos Iner s 8 da noite.
Martins Pereira, a quem o Exm. Sr. ministro da 0 mesmo general faz cerlo para que tenha o de vido
marrana, por aviso de. 29 de fevereiro ultimo, man- effeito, que approvou o engajamento que hontem con-
dol dar baixa do servico ; remello por copia V. trahio para servir por mais seis annos, nos termos
S. o citado aviso para ter a devida execugao. ; do decreto e regulamento do de maio de 1858,
Dito cantara municipal do Bonito.A creaejio, precedendo inspeccao de sade, o soidad* da 4*
divNo e suppressao dos dislriclos sao da coinpe- eompanhia do 2 batatho de infantaria JosFran-!
enca da assembla legislativa provincial, e nao cisco da Silva, conforme parlicipou o respectivo
das tmaras aaniripaes, em virtude do disposto Sr. commandanie em offlcio dessa mesma data sob
no do art. 10 do acto addicional, como escla- n. 314.
Tiverara baixa :
iuihi 1 u.irte os ars. -\ill' ICILI-, u. rk..itu___ ^^^1 '"'"'muenus. |i_r" e"' u"mi uo- aui m iiuc o um
Campello, Cunha Teixeira e Buarque, proseguio a 2', u'nl",a,*o- escravo do Dr. Gervasio Goocaves da Natureza nao embaraca a pluralidade das Pes-
dscussao addiada sobre o projecto n. 22jiue con- "va*> anemia. soas netn a pluralidade das Pessoas a unida-
cede urna subvenco de 25 contos de ris unuaes I ~ i?ss?geir?8 5? vapor. pnrnhVba- samdo para : de da Natureza -. a Natureza Divina de la* sor-
ao Imperial Instituto Agrcola Pernambucano. Ora-' P0"0* do sul : Manoel Caetano de Aginar Bran- le urna as tres Pessoas que sao o mesmo e
ram os Srs. Nabor e Silva Ramos. 4a0 Sl" sw,l>ora e 1 filha, I). Clelta de Mello Car- nico Dos, islo o que se diz claramente ao Novo
Na 2- parte da ordem do dia (forca policial): jg?.a* g" ,e l cr,ad', D- Mara Mendoza lestamenta
contrauou na tribuna o Sr. G. de Drummond. que I Js,ell(J:ranco e 1 escrava, Jos Anlomo Almetda ; Ide, diz Jess Christo, ensinai a todas as na-
preencheu a hora, fleando a dscussao addiada. buinr;s, Eugenio Jos Neves de Andrade, Anlo- goes, baptisando-as em nome do Padre, do Fillto
A ordem do dia para hoje comprehende a mate-' Bj,no de Viveiros Sabugo, Joaquim Franca-. e do Espirito Santo ; e S. Joio diz: tres do tes-
ria nao discutida e mais 1- discussao dos projectos 5? f? "* "P". ",0,ai de Aqumo Oltvetra, temunho no co, o Pai, o Flho e o Espirito Santo,
ns. 4 e 66, e 2' dos de ns. 45 51 e 64 I se Joa,lu,m de Albuquerque Jambetro, Manoel e estes tres nao sao mais que utn.
Hoje deve installar-se a segunda sessao judi- ''unna H*8? Ve,'oso> Mnool Joaquim Maia, Cada urna das tres Pessoas propria e verdadei-
ciaria do jurv desta capital, sob a presidencia do "?M0.PWeJa ,de L>'ra- Antonio Joaquim de ramente Dos, ellastm entre si perfeita gualda-
Sr. Dr. juiz de dreito da segunda vara, Manoel Jo- Ao1"'", Joaquim da Silva Torres, Dr. Ameneo
s da Silva Neivas Alvares buimaraes sua senhora e 3 escravos.Ongc-
nes Honorato Fiaviano doRego Monteiro, alferes
Thoui Gomes Pereira Lima sua senhora e cinco
filhos.
zes, das sociedades, corporagoes e de partmtaft .
nao ha vi; dtivida que as operaces aoaetori do
mercado ingiez excedem s das nutro* MSCiaa
I europeusy e- a somata Iraal de lodo o iir*qurci
; ment da Europa e do novo inundo coa calaras
: movis, durante os ltimos 2 3|4 aaoos. de earta
I chegaria 12,000.000.
Dessa sommacolossal mais de 3|4 sao i
1 para a obrado dtstruicao (a guerra.)
TETE
III POCCO DE TUBO.
Traduzimos do Peft'f Journal osseguintcs factos:
Hontem (5 de fevereiro) s 2 horas da tarde, leve
ramente Dos, ellas tm entre si perfeila gualda- Mello, e Seve, oppozeram-sa a sua a
de porque senda a natureza Divina indizivel, nao! fallando contra a redaccao ddlla, os Srs.
pode separar-se. Almeida, Gustavo do Reg, podirara a
Sob providentes diligencias da subdelega-
ca da Capunga, foi effectuado no dia 7 do corrente
0 casamento de Benigna Mara da Conceicao, offen-
dida por Luiz Ricardo Cavalcanti ; assim corno
tambera o foi no segrate da o de Catharina Fran-
eisea das Chagas, olTendidapor Bibiano Gomes An-
dr Avelino.
No dia 25 do passado foi encontrado, no lu-'
gar Janlim na margera do Rio Pirapanta, o cada- lugar a recepcao de Mr. de Carn, na academia
ver dura preto, j em estado de pulrefaccao, nao franceza.
se podendo conhecer nuem fosse. A mesa compunlia-so de Mrs. Viennet, Villemain
Jos Mara da Cunta, morador no engenho o Logouv.
Recanto, do termo de Serinhiiem, foi fertdo na ca-; O recipiendario era acompanhad-i de seus para-
beca por Manoel Vicente e Antonio de tal, mora- nympltos Mrs. Guisot e de Montalembert.
dores no engenho Diamante, do termo de Ipojuca, Mr. de Cirn leu o seu discurso de recepQao, e
que o atacaran) era sua propria casa armados de fez, segundo o uso, o elogio de Mr. Biot o (Ilustre
ccete. Apenas praticado o crirae, pozeram-se em ; sabio a que succede.
fuga, sem que a polica anda os tenha podido cap- Mr. Viennet, director da academia, respondeu ao
turar. i recipiendario, e o valente octagenario mostrou-se
. N'um batuiue aue ttavia em trras do onge- mais vivo do que nuuca.
nno Rocha, no termo da Escada, foram ferldo *
ditas chancas e Joaquim Monteiro, por um cele- O roubo dos diamantes do duque de Brunswick,
bre criminoso de nome Anastacio, que ultima-1 pelo qual acaba o seu criado de ser condemnado f,Dre a verdadeira morle de Jess, traduzdas do
mente lograra fugir do mel do creo. 20annos de trabalhos forcados, complicou-se com la"m em aemao e do allemaoem rrancez, segunOo
Pelo delegado de Govanna foi preso Jos um incidente contra toda a espectativa do roubado. o manusenpto de um irinao da ordem sagrada
Por occasiao da apprehensao desses diamantes do.i,Esseni0S' contemporneo de
em rao de Shaw, foram depositados na secretaria
do tribunal do eommercio ; e sendo condemnado o
o reo, o duque reclamou a entrega delles, o que
nao pode ter lugar antes do levaniamento do em-
bargo feito em nome de duque reinante de Bruns-
wick, que reivindica, a* menos em parte, essas
joias, como tendo sido distraltidas dos diamantes
pertencentes a cora.
Assim como o Pai Omnipodente, tambera o .
o Flho e o Espirito Sanio.
O Pai gera o Filho c este so gerado pelo Pai
o o Espirito Santo nao procede s do Pai, procede
tambem do Filho.
Esle propriamente o Mysterio, que distingue
os christaos dos judeus; este o Mysterio, de que
Dos reservou o conhecimento sua igreja, e que
s mostrou muto confusamente synagoga; este
o Mysterio, que lem tide os ataques das primei-
^ ras e mais famosas herestas, e com que Dos tem
conservado a F na sua igreja por meio dos matores
Santos, pelos maiorjs trabalhos martyros de
i seus principaes escolhidos; por isso deveinos a
Dos um reconhecimento muito particular, de que
esta crtica nada nos cusle, e se tenha dignado con-
, ceder-no-la gratuitamente.

A sagrada congregaciio do Index por decreto de
15 de dezembro passado condemnou as seguiutes
A morte de Jess. Revelares histricas
1
delegado de Goyanna foi preso Jo>
Lopes de Lima, por ter assassinado Joo Bloqueio,
no lugar Ignei Ihereza, do termo de Goyannmha,
em 1855. Nao se tendo naquella poca procedido I
diligencia alguraa, requeren elle e obteve senten-
gade prescripejio, em virtude do art. 273 do regu-
lamento n. 120 de 1842.
A presidencia, approvou a nomeacao que fez
o Dr. chefe de polica tle Joaquim Thodorico do
Albuquerque Maranho para o lugar de escrivao
da casa de detenco.
Ao commandante do corpo de polica conce-
deu-se a permissao que pedio para alistar naquelle
corpo o paisano Ubaldo Antonio de Souza Res, que
foi considerado apto para esse fim.
< 0 papado Scismatico ou Rema eu sua re-
com a igreja oriental, pelo abb. Guetl.
No Montenegro existe urna familia, provavelmen-
te mais numerosa do que qualqucr outra da Euro-
pa toda.
E' um povoado composto de duzentas casas, cu-
Acha-se nomeado o desembargador Ansel- jos habitantes por mais numerosos que sejam, tera
mo Francisco Peretti, para exercer interina-
mente p cargo de fiscal do tribunal do eommercio
desta capital, visto ter o desembargador Manoel
Rodrigues Villares, de ir tomar assento no supre-
mo tribunal de Justina.
Sob proposta do Dr. chefe de polica condeu-se
ao tenente-coronel Luiz Francisco de Barros Reg,
a exoneracao que pedio do cargo de delegado do 3
districlo desta capital, e para o substituir nomc-
ou-se d" Dr. Augusto de Souza Leao.
1863.
2.
laclo
1863.
3." t George Sand, todas as obras publicadas
al o dia de hoje.
4. Da ultima perseguicao da igreja e do fim
do mundo, em italiano por P. B. N. B. seis volu-
mes, Forsombrone, 1863.

0 CATH0LIC1SMO GANHA TEHHE.NO.
Inglaterra.
Igrejas Mosteiros Convenios
o lime de Martinovies, c sao todos aparentados.

Vai ser inaugurada em Lima, no Per, a Escola
das artes e o/pcios, que protnette ser a prmeira da
America meridional.
Pensa-se tambera em dar impulso ao ensino,
agrcola.
O governo deve solicitar do congresso a autori-
sacao para fazer as desjtezas com um grande esta-
| beleciuiento modelo ; e emquanto aguarda tal au-
torisarjao, j tem promovido urna inolhor cultura
o dos
I8G3
1802
Sacerdotes
1,267
1,242
907 56 173
872 55 171
Escossia.
1863 178 191 13
1862 175 191 > 9
A 31 de agosto o bispo catholico de Liverpool
laneou a prmeira pedra pata a edificacao de urna
nova igreja em Adlnglon perto de Cltorley, no
Lanscashire.
Esta igreja poder conler 400 pessoas, na sua
frente deve ser collocada urna aotiga cruz de pedra
de urna velha capella que quatro sceulos exista
na ilha de Anlerdoo,
Assignado.Solidonio Jos Antonio Pereira do
Lago.
Conforme.Jos Ignacio de Medeiros Reg Mon-
tetro, capito encarregado do delalhe.
receU o aviso n. 395 de 19 de selembro de 1860.
Nao pode por isso ser approvada aereacao dos dis-
tnctos de que trata tmara municipal do Bonito,
era seu ofllcio le 12 de marco ultimo, e cutnpre
que solicite do poder competente.
Dito ao director da reparlieao das obras publi-
cas.luteirado do conledo de sita informaco de
28 de marco ultimo, sob n. 80, dada acerca da pon-
te do Briirazitilio, recommendo Vine, que faca uni
orcanieiilo dos (rabalhos e niateriaes etnpregados
naquella ponle, u que foram aproveitados, addicio-
nando-llie a imiwrtancia dos concertos posterior-
mente exerutados por administrado, e compule SEsSAO ORDINARIA EM 21 DE MARCO DE 1864
L-se no Crrelo Mercantil, da corte, o que se-
Na mesma conformidade tambera nomeou-se
Francisco Benicio das Chagas, para o lugar vago a vinha, e propagado o uso das machinas
de 3o supplente do subdelegado do districlo do Bo- instrumentos proprios agricultura,
nito, Io da freguezia do mesmo nome. I
- Concedou-se 3 mezes de licenga ao escrivao e No jornalismo deve-se inverter o proverbio, e es- ^. 'f f /" *
labelhao do termo de Nazareth, Franck.i i Alves, crever :-Quem cala ndo_conunte. | JgSlSSffim.TZctlo 'Z
Da Cruz extrahimos o seguiute ; '"0.?a.?u!'.p.^.nau fa!landd. d;l* nu1rofa* s0,_1e
de Souza Paiva, para tratar de sua sade onde Ihe
oonrier.
.i
PERHAMBCO
ASSEMBLA PROVINCIAL-
rbparticao da polica. Ha na Europa o muito louvavel coslume de se
Extracto das parles do dia 9 de abril de 1864. i dar urna missfto, ao povo, antes dos respectivos pa-
Foram recolhidos casa de detenco no dia 8 ; roches tomarem conta de suas parochias. i
do corrente. E' esle um uso da matar ulibdale, por ser elle
A' ordem do subdelegado de Santo Antonio, Mar-1 um como preparo do terreno, que tera de receber
tiniano Jos do Carino Barbosa, pardo, sem deca- j era breve a sement da palavra divina pela bocea
raco do motivo. de >u pastor.
esle orcaiiieulo cora o to contrato.
Uilo ao mesmo.Informo Vmc._ porque espaco
de lempo lunccionou essa repartirn era unta par-
te do convenio dos religiosos franciscanos, e se
com elles houve alguui ajuste para esse lira.
Dito ao juiz de paz presidente e membros d
junta revisora de. qaaltUrafita da freguezia de Na-
zareth.Nao tendo acotnpanliado a lisia dos cida-
daos iptaliiieados volantes nosa freguezia no cor-
rele anno, que Vmcs. me enviarara com o seu
ollkio tle 30 de marco ullitnn, as copias tas acias
como as rvlaces de que trata o decreto n. 2,865 de
21 de dezembro de 1861, cumpre que ra'as retnet-
tan cora a possvcl brevidade.
Dito no juiz tle paz presidente da junta de quali-
licacao da freguezia de ItamaracRemello
Vine, a inclusa lista dos cidados qualiticados vo-
tantes nessa freguezia no corrente anno, a que al-
lude o seu ofilcio de 23 de marco ultimo, e bem as-
sim as in-trui coi-s a que se refere o decreto n.
2,865 de 21 de d.ze.mbro de 1861.
Dito ao gerente da companhia Pernambucana.
Pode Vine, fazer seguir para os portes do sul at
Sergipe, o vaptr Purakyba, no dia e hora indicado
era seu ofllcio de honlem.
PortaraO Sr. gerente da companhia Pernam-
bticana, mande transportar at o Rio-Grande do
Norte, no vapor l'eninimga, era lugar de r, desti-
na.io passageiro e estado, Luiz Mosquita de
Loureirw Meraes
Dita.O Sr. gerente da companhia Pernambuca-
na, mande transportar at o presidio de Fernando,
o vapor Hamnnguape, era lugar de proa, destina-
do passageiro de estado, mullier do sentencia-
do Antonio Alves de Oiiveira, de nome Francisca
Xavier da Eucamacao, e a urna sua lilha menor.
Dita.0 vice-prt-sidenle da provincia, atienden
do ao que Ihe requeren o juiz munieipal e de or-
phos do termo de Iguarassu bacharel Joo Carlos
Augusto Cavalcante Vellez resol ve conceder-lhe
um raez de liccpca com venrimentos para tratar
de sua sade.
Dita. O vicepresidente da provincia, attenden-
do ao que requereu Jos Feliciano Machado, resol-
ve conceder-lhe licenca para ir ao presidio de Fer-
nando no vapor Mamungnape, levando comstgo os
eneros constantes da retocan junta assignada pelo
secretario do governo com os preces constantes at-
testados pelo presidente da junta do* correctores
desia cidade, nao podando porm effectuar o desem
PHKSIDENCIA DO Sn. CONSBLHEII10 TI1IGO DE
i.ounRino.
(Conclusao.)
O Sr. Buarque :(Publicaremos em oulro nu-
mero )
Dada a hora fica a discussao adiada, e o Sr.
presidente designa a ordem do dia e levanta a
a sessao.
SESSAO ORDINARIA EM 22 DE MARCO DE 1864
PRESIDENCIA DO SR. CONSELHEIRO TRIGO DE
LOUUKIHO.
As 11 e J horas da tnanliaa, feita a chamada e
achando-se presente numero legal dos senhores
deputados.
Abre-se a sessao.
Lida a acta da anterior approvada.
O Sr. PniMEiiio Skcretario d coata do se-
grate
EXPEDIENTE.
Um ofilcio do secretario do governo, remetiendo
o orcamento e despeza, que preciso fazer-se com
a cmara municipal do Bonito de modo a servir
tambera de cadeia e casa do jury. -A* quem fez a
j requisico.
Oulr do inesmo, remetiendo o requerimento em
que o contiuuo da secretaria do governo Luiz
Francisco Vicira de Luna, pede se consigne quola
na lei do orcamento para pagamento da gratifica-
do de 200,5 que Ihe foi arbitrada pelo trabalho
que presta ao archivo da mesma secretaria.A' i
commissao de orcamento.
Outro do mesmo, remetiendo a informaco mi-
nistrada pels director das obras publicas acerca da
construccao da estrada de Trombetas ao Bonito,
que se refere o projecto n. Tdesle anno.A'com-
missao de obras publicas.
Outro do mesmo, remetiendo o relatorio apo-
sentado pela cmara municipal da villa do Brejo,
propondo as medidas e providencias que mais ade-
quadas julga para sua boa administraco.A'
commissao de negocios de cmara.
Urna petico de Francisca Theodora de S. Jos,
regente do recolhimento de Nossa Senhora da
Conceigao de Olinda, pedindo a restituido da
subveacao annual de 5001 que d'antes tinha.A'
commissao de orcamento.
Outra de Luiz Jos de Souza, pedindo que se
Ihe marque quota na lei do orcamento para paga-
monto da quanlia de 1:477816 rs._ de uaa. sen-
i dos'ditos gneros, sem que por parle do I tenca obtida no tribunal da relacao contra a fa-
cummandante do meSmo presidio se proceda aexa-! senda provincial.A' commissao de calamento.
A' ordem do de S. Jos, Siraio, crioulo, escravo
de um tal Araujo, para averiguacoes policiaes.
A' ordem do da Boa-Vista, Vtctalino Jos de Sou-
za, pardo, Jos Querino do Nascimento, e Pedro
Adriano de S, crtoulos, todos disposicao do co-
ronel rerrotador; Quintiliano, tambem crioulo,
escravo de Gervasio Goncalves da Silva, sem decla-
racao do motivo.
O chefe da 2* seccao,
/. G. deMesquita.
Movi ment da casa do detenco, no da 6 de
abril de 1864.
Existiam...... 379 presos
Entraram..... 5
Sahiram...... 18 >
Existera....... 366
A saber:
Nacionaes..... 264
Estrangeiros... 32
Mulheres...... X p
Estrangeiras... 1
Escravos...... 63 >
Escrava;...... 4 366
Alimentados a custa dos cofres pblicos 157
Movimenlo da enfermara no dia 7 de abril
de 1864.
Tiveram baixa :
Joao Dooizio, sarnas.
Joo Roberto Pereira, panaricio.
Tiveram alta :
Pedro de Souza Lima.
Joo Benlo de Vasconcellos
Jos Francisco de Paiva.
Victorino da Silva Lima.
Movimento da casa de deteaco no dia 7 de
abril de 1864.
Existiam . 366 presos
Entraram. . 13 >
Sahiram . 11
Alin de que seja isto de grande importancia, en-
tre nos de necessidade sumraa.
era setnpre o nosso bora povo est cora boas
disposicoes de animo para receber as iostruegoes
de um parodio; tnuilas vezes por motivos alheios
sua vontade, elle ignora os principios mais come-
lindos da religio, ignoraucia esta origein do des-
respeito aos sacerdotes, s autoridades, e de ral
outras funestsimas e perniciosas consequencias.
A utilidade das missoes prorada por militares
de exemplos fra dentro do nosso paiz.
ltimamente a gazeta franceza, t> Momle, falla 17o,000,000 ; Portugal 7o OO^OO ; oses
de urna misso dada por capuchinhos na cidade de Sul norte^americanos lo,0U(),000; a colon
Laval, a que assistiratn tres mil pessoas, commun-
gando centenas de fiis, convencidos pela irresisli-
vel forca da palavra do missiooario.
Fado quasi ideulico contara as l'.jlhas do norto
narrando as missoes dadas em Gameleira e Gran-
ja, onde mil odios foram esqueeidos, mil pessoas
reconciliadas e legitimadas centenas de unioes Il-
citas.
Porque, fallemos com verdade : nao ha outro
aceoes inglezas, cuja importancia total nao se co-
nltece exactamente, lie m comprometido com a
sotnma de 5,687,337,50!) francos a saber : por dif-
terenlos estajos, com 3,910,062,300 francos ;
companhia docaminho de ferro do continente, com
1,260,836.300 francos ; cidades o provincias do
cttntinente 135,416,700 francos ; sociedades nan-
earas do continente, com 78,710,700 francos ; a
Sociedade Italiana de Caualisaco, com 55,000,000
francos, etc. etc.
Segundo a importancia das dividas contrahidas,
os estados se seguem deste modo : Estados-Unidos
da America do Norte, cora 5,000,000,000 francos;
Italia 1,720,550,000; a Russia e Finlandia.....
391.500.000; a Austria 382,500,000; a Franca
350,000,000 ; a Turqua larabem 350,000,000; os
estados medianos da Alleinanlta (para censtruc-
co de estradas de ferro) 187,885,300; as Indias
lados do
ia Victo-
ria 55,000,000 ; o Egypto 54.875,000; a Dinamar-
ca (catniihos de ferro) 50.000,000 ; a Suissa (ca-
minhos de ferro) 37,867,006 ; a Prussia (dem)
18,000,000; Marrocos 12,000,000 l[i ; a Suecia
4,286,000 ; total 8,940,062,300 francos.
I testas sommas colossaes s cerca de 500,000,000
foram tomados para litis productivos (sobretudo
estradas de ferro) ; toda a outra importancia en-
gulirara as outras necessdades dos estados, princi-
arbitrio maiormenle para um pancho, de fra da plmente os exerctos e frotas de guerra !
cidade, para educar os paroch.anos, do que esle i Para a construccao das v.as-ferreas requereu-
A saber
Exislem.... 368
Nacionaes. .
Estrangeiros
Mulheres .
Estrangeira
Escravos .
Escravas .
266 presos.
32 .
2 >
- 1
62
5 l
368
usado as partes mais cultas da Europa.
Sabemos tambera que ha na Italia sociedades,
que tera a seu cargo mandar de lempos a tempos
missionarios pregaran as cidades e as aldeias
Ora, por meio da palavra autorsada de um
missionano, que entra era nos a conviccao dos dog-
mas do c.lirislianisino : por meio dessa eloquen-
cia cha como a phrase da Escriptura, despula dos
atavos de um ouropel falso e mundano, que a per-
suasao vai como que se inoculando era nossa alma,
porque entendemos o que o pregador falla, sua
linguagein simples, mas bella, mais falla ao cora
gao e razo do que esses estudados s.crmoes dos
nossos pregadores.
Nem todos sabein historias, nem todos esto ao
alcance das sciencias para poderem entender os
modernos oradores.
O povoquer um phraseado puro, mas claro, quer
um hornera que Ihe pregue cora o eiemplo e com
a palavra, e onde acharemos raelbor isto do que era i
um misstonario ? |
Nao queremos todava cora islo dtzer, que nao
se no continente : para as austracas 243,156,250
francos ; para as particulares no norte da Allema-
nha 179,452,500 francos ; para as ditas do Sul
18,428,500 francos ; total para estradas de ferro
allemas e austracas 443,037,250 francos ; para
as estradas francezas 333,000,000 ; para as italia-
nas 252,413,009 ; para as russas 125,156,250 ;
para a estrada nos principados danubianos.......
68,750,000 para as hollandezas 27,000,000 1'2 :
para as suissas 14,00 ",000; e para as belgas
6,000,000; total para sociedades particulares-----
1,269,856,500 francos.
CAIARA HIMCIPVL
SESSAO EXTRAORDINARIA AOS 17 DE
REIRO DE 1864.
Presidencia do Sr. Barro _.
Presentes os Srs. Henriqu. da Silva, bnb r
Almetda, Seve, Gustavo do llego, Mata, Mella a 6a-
inii-o, abre-se a sessao, e lida a.acta da iinlin
dente, a qual sendo posta em disratsa, aa Srs.
Seve, oppozeram-sa a sua aparovae>>.
-. "p'o, petaran a palavra, e
fallaratn a favor, e sendo encecrada a Macujea.
fot posta a volos a mesma acta e approvada.
L-se o seguinle
EXPEDIENtK:
Um ofllcio do Exm. presidente da pronacia,
coramunicando que tendo sido approvadas pete c-
mara dos deputados, segundo Ihe fot declarad po-
ayiso da repartico da imperio de 13 da ten lire
ultimo, as cleiedes primarias da parochia de 3. te-
se desta cidade, e da villa da Pao do Ateo, e se-
cundarias do collegia desta capital e da viNade
Pao do Allio, para a 12* legislatura, e perteacea
les ao pnmeiro districlo eleiloral desta provteru.
Inleirada.
Outro do Exm. commandaite das armas ao Esas.
presidente da provincia, eTrom desparte) deste
mandando a cmara informar; nelte represeaia
S. Exc. que o hospital militar nao lem, romo de-
vera ler urna casa destinada!ao deposito das cad-
veres, das pracas que ali fallecen! em qoaaSo ao
:lO e.iiu1ii7.t:w nar.t n l>mili>ri.% r.ot.li.-.. Mtr^lin.
lo que os facultativos e o director do tuestan has
pital reclamara providencias a esse respailo, as
juaea solici, convencido ciroo est da eeeMtda-
de de que quanlo antes se prepare a mesan casa,
era s jtor que os cadveres nao deven esur ei-
poslos em lugar que possam ser vistos petes doea-
tes em tralamento, como mf que sem essa casa, a
artigo 66 do regulamento de 25 de novemhro dr
1814, que manda depositar jos cadveres por 2*
horas, nao pode ter a devida applicacao no hospi-
tal militar; conclue dizendoqne em quanlo se nao
prepara a casa mortual a da que se trata, conven
que os cadveres das pracas | que fallecer dora
era diante seiara depositados] no remerte panuro
durante as 24 horas, para a que nerearw aa-
tonsa?ao da cmara, e por so pede ao Esa. pre-
sidente da provincia providencias a respailaPos-
lo em discussao, resolveu-s informar aa Esa.
presdemela provincia que no cemtierio puWka
tambem nao existe casa raortuaria que se preste
para tal fim.
Outro do Dr. juiz de dreilp da 1* vara .
Ionio de Araujo Freitas Hentiques,
que tendo convocado a prmeira sessao dojory no
corrente anno para o dia 29 (lo presenta mez; lea
lira a cmara a necessidade que ha de ser anote
do o salo do mesmo jury, asim cono a sala coa-
tigua em que funeciona o conselho, noavrSM par
unto a cmara de dar as providencias para er
feito este servico, tem roma para ser coUnradu
n'aquella casa um relogio, coja nermideai evi-
dente. Mandou-se ordem sste sentido ao preru-
rador, e tambera scientilicar ao Dr. juiz de direrto
ter-se tomado em consideracao a sua rxtgearia.
Outro do advogado, dizendo recordarse da ha
ver-se suscitado questao acerca do que remner
Francisco Joo Honorato Serna liraada, e ajas ara
submettida deciso do pre4
nao sabendo se houve ou na
cmara de Ihe communicar
para dar seu parecer.A* coi
(llenriques da Silva e Leal Sei
Outro do mesmo, dizendo
ta a asserco em que se I
juiz do paz supplente do harij
poderem os juizes de paz reqi
por haverem passado para os i
gados as attribuicoes policiaes]
que dispe a lei de 3 de dezeni
to de 31 de Janeiro de 1842,
posto que em pequea escala,
paz exercem attribuicdes policio
mente podem requisitar forja
declarados no artigo 65 ijj e
fazends muitas outras consd
zendo carnara que seu i
deciso d governo seim
se resolveu.
Oulro do subdelegado da frejj
Jos Francisco de Souza Lina.
multado no da 2 do corrente
Bastos de Oiiveira, Manoel Parara
Guilherme da Costa, na quan ia de
um por terem infringido o art go 9* da liante II
das posturas de 30 de junho i e 1649, na) aarn
j havia dado guias para recolh ron a ia
das multas ao cofre municipal iQnai
se ao subdelegado que nenhoa dei
multados havia anda rccolhido a quanlia i
que Ihes foi iinjiosla
Outro do subdelegado da freg iczia dos Alaga-
dos, Dr. Jos Roltert de Moraes Sata,
do a quanlia de 44000, iiiuorta icia da i
impozera a Gezuino da Costa e i Iboqaerajae
por ler infringido a disposican o arteja 16 i
3* das posturas munieipaes.1 wdoa-aa i
ao procurador, e acensar o rece imana.
Oulro do juiz de paz do 2* di- hete da fr
do Recife, Luiz Antonio Goncalves Pta.
ienle da provioria. e
| deciso, hoaveaat a
que ha a rispeilt
imissao de pelicoes
)
< Ihe parecer exae-
ea a reclanacaa do
> do Recite, de ao
sitar terca panuca
(legados e sobdrle-
fue exerciaa, pelo
|ro e a i
que os
a
publica,
ttgo 91 da tei; e
aces, coacta; di-
na soaaneavr ella
negocia.Assta
da Suva e
censlrucco de estradas de ferro no
Alimentados custa dos cofres pblicos, 153.
cerca
eos para a
continente.
Os capilaes requeridos para outros nos produc-
tivos, para eommercio e industria, desappareccm
vista do consumo de dinheiro pelo estado.
Para caracterstico da situaco, podem tambem
servir os capilaes tomados por corporaees, sobre-
ludo das grandes cidades. Essas, quanlo a sua
haiam en^r^ttr^adores de mert, maocerlo admmstraeo ttaanceira, seguem o. oxemplo dos
uuepouco rructo alcanam cora suas predicas, estados. As reclaraaces fetas pates mesmas no
mi uasso uue vemos o coiiirar oas missoes. I grande mercado raonetrto durante os ltimos 2
Das conferencias de S. Vicente de PauU, que s 3|4 annos dividein se da mane*ra segrate : con-
orecava em etylo de misso, Bossuet'sahindo ura trahiram emprestiinos : cidades e coramunas bel-
dia dizia : que tinha outido S. Paulo pregar. \ as de 46,000; cidades francezas 41,000,000 ;
Este santo sacerdote repela a seus discpulos, hollndolas (Ainsterdarai 38,571,500 ; italianas
que mais fructo ganhavatn as predicas do que os (Milau) 18,000,0()l>; cidades e circuios pmssianos,
nicando achar-se em exercieio
Juntando isto a despeza feila polos estados de I qualidade de 4* volado.Inteir
rea de 444,000,000, resulla 1,713,856,500 fran- Outro do juiz de paz do I* asteo da 9* i
da freguezia dos A (logados, Jo-e'
le Pessoa, declarando achar-se en
mesmo cargo, par impedimento do *
lei rada.
Constando ler fallecido o juiz de paz da > ana
do mesmo distrieto, a cmara teeroe i
primeiro supplente para juranenur,
assim a lista.
Oulro do procurador coraran
ordem para promover de pn lateara a
priago de urna casa da roa JrTapira,
priedada do coramendador teda Pnila de i
a qual ltimamente f,vra
seguodo est informado por i.
semelhante negocio, nao a cana a Mr i
diada a que ten de sax
MTJLADO


l'ft sn

Ali
=a
=
:i *
3=
frentes titila e de'mais duas na mesma direccito. c Apwllwle. o juie ; appellade, Antonio Luir
pertonceiites ao mesino eommendador. as quaes ee Andrade
dcvem reeuar, segundo dejennina a planta, ion- ^metanle, o |iwtotflf ftappeAado, Jos Feitou
vindo >aber nuanlos palmos, deve reeuar cada casa os bantos.
para eiit.io poder elle tratar da desaproprtacao mugbwcms'civeis.
amigavel.Que se ouvisso respeito ao eugennei A averiar a dizima e a avaliar a causa
ro cnrdiador, e se recommendasse ao procurador, A appellacao civel.
conforme requcreu o Sr. Gustavo do R*go, que A4)pellaiHe, a preta Paula e suafllha; appellado,
constando ter o proprieurio dessas casas, qnando Francisco Duarte Fneilas.
requeren licenca para cooslrui-las, assignado um Ao Dr. curador de ausentes
termo, pelo qual se resaonsabelisra a dar era to- A mpprtlaco cweL
do o iem|K) franca passagem por aquella ra, de Appellante, Domingos Jos da Costa Guimaraes;
accordo com a mesma planta indepeudente de appellada. D. Isabel das' Chagas Guimaraes.
libra
um
qualquer ndemnisac.o, huvesse por isso o mes-
mo procurador de iudagar da existencia do dito
termo, que deve achar-se, senao no archivo desta
cmara, no da secretaria do governo.
Com Tiste ao Sr. desembargador procurador da
cora
A appellacao civel. .
Appellante, a fazenda nacional; appellado, Jos*
Outro do fiscal do Beetfe, centmwiieaitdo que Maxiiuiaao Seares de A velar.
tendo o guarda da mesma freguezia Jos Candido
de Carvalho, so ausentado delta desde o dia 23 de Assignou-se
Janeiro ultimo at boje, som que tivesse dado a ra- feitos :
zao de semethante ausencia, em vista do que pro-
DESIGNACAO DGDI.V.
dia para julgameuto dos seguintes
AppeUaro crime.
ojuizo; 'appellado, Manoel Redn-
punlia a sua demissao, e para substituido a Braz Apianante,
Ferreira de AlbuquerqucInteirada; approva a gues Giquiri.
proposta e demitlio o guarda Jos Candido de Car- passacens.
valho, mandando fazer neste sentido as coramuni- O Sr. desembargador Caetano Santiago passou
cacOes do estylo. *<> Sr. desembargador Gitirana
Outro do administrador do cemiterio do Poco As appelliicSes civeis.
da Panella, remetiendo o niappa dos cnterramentos i Appellante, Manoel Frederico Carlos de Saboia ;
feitos no dito estabeleeimento no mez de Janeiro appellado, Trajano Antones de Alencar.
ultimo. Ao procurador. i Appellante, Joo Venancio Machado Paz ; ap-
Outro do administrador do cemiterio da freguezia pellado, Joaquim Ignacio da Costa.
de S. Lourcneo, remetiendo o mappa dos enterra- O Sr. desembargador Gitirana passou ao Sr-
roemos feitos uesse estabeleeimento desde o dia Io i desembargador Louronco Santiago
10 do correte.Igual destino. A appellacao civel.
Tendo o Sr. Sevo requerido cmara que repre-' Appellante, padre Antonio Jos Pinto ; appella-
MMMM ao Dr. ebefe de polica sobre o proced- do, o barode Jaragu.
ment que tem tidoo Dr. delegado desle lermo as! O Sr. desembargador Lourenco Santiago ao Sr.
ultimas domingas deste moz, multando a quantos desembargador Res e Silva
individuos encoutrou com nina porta de seu esta-: As appeUatoes civeis.
belccimento aberta com o tlm smente de limpar Appellante, bacbarel Felippe Carneiro de Olinda
as partileiras, e sacudir a poeira das fazendas, i GanpeUfl ; appellados, Jos Duarte Bangel eon-
proeedimento este do Dr. delegado nao muilo regu- tros.
lar, em viste da daan do conselho de estado, ex- Apiolantes, Dr. Joao Ferreira da Silva ; appel-
pedida por avist> n. 334 de 16 de agosto de 1862, a lado, Joaquim Jos Alves Lima,
qual a cmara, tendo tomado em consideracao, re-1 OSr. desembargador.Reis e Silva passou ao Sr.
solver em sessio de 14 de Janeiro ultimo, 'propor j desembargador Almeida e Aibuquerque
ao Exm. presidente da provincia a revogaco da' '* naneii/u-r** rimt.
pooco frequentede obediencia, dediearo, respei- -Chanellin retratst*, cstabelecido na ra da Impe- dem fina .*......"
to < a mi zade. ralriz, aceniettMa.desta molestia.foi aqu deseosa- Caf bom.......
Como espose, ninguem era mais extremoso e fiel, nado por habis mdicos: r*tirou-se para a Baha, dem escolha ou lestoiba .
era pedera idolatrar mais sua querida e virtuosa e all continuad em [ratamente, at que foi se- dem torrado......
coaserte, su* terna e mu digna eousocto, como ganda vez -desengaado pelos mdicos d'alb, che- Caibros ........
elle praticava. gando eu a Macei, um amigo pedio-me, que o Cal..........
Como amigo, nao era at possivel encontrarse acompanhasae at a casa do Se Chijtiano para ver dem branca .- .
maior leaMaae, constancia, sinceridade, identifica- um doente e prescrever-lhe algum remedio, encoo- Carne seeea (xarque) .
cia prealino, quer na fortuna, e quer principal- tre e fllho em urna cama desantendo e em estado Carneros .......
mate na adversidade do que houve nelle. de prostraeo, pos que escarrara sangue, e tinha Carvo vegetal.....
temo cidadao,era inteiramentaprestente, ncan- complete inapetencia, e fraquau, ponto de nao Cavernas de sicupira .
eavei em seus misleres, laborioso etntelligente. Ao se poder por em p, no fim de ua garrafa do Cera de carnauba em bruto,
ouvir a noticia de qnalquer divergencia, offerecia- xarope etkerio de veame j se eetanva elle no m- dem dem em vetes .
se, procura va, eorria>ressuroso, envidava mesmo tado doptssear em casa, desappareeida a mapa*! Cha .........
todos os esforcos para ser o medianeiro da paz e lencia, e os escarros de *angue; c a loase mi- Charutos.......
harmona entre os seus concidados; em urna pa- ligada. j Cevados (porcos).....
lavra, entr'elles servia de Iris de allianea, e mos-, No da segunda j achei em estado de faziVto Cocos (seceos)......
trou-se semine um perfeilo cavalleiro. | passear pelo *eu sitio todas as manhftas. Arabada, Colla..........
Dotado do malor zelo pelo servido publico era esta o aconselhei, que continuasse no uso do mes- Couros de boi, salgados .
restricto no cumprimento dos seus deveres. Re-' mo xarope etherio alternado com o charope alcoo-1 dem idem seceos espichados.
passado do acrisolado civismo, sacrilkava tudo lico de veame, e que usasse dos bandos salgados dem idem verdes......
para roanutencao das instituices da sua chara pa- na pancada do mar. Sentio elle nos primeiros dem idem cabra cortidos. um
tria, emsumma, era dellasuma inabalavelcolum- bandos alguns choques, mas em o aconselhei que dem idem de onca.....cenlo
na, um primoroso pendor, nm exemplar elemento continuasse, com o que se tem dado muito bem, Doces seceos.......libra
de ordem. Ps (Iue' "nho reccbdo cartas de Macei, em qne dem em gela on massa.
Como pai, sabia conciliar perfeitamente a gravl- se me communica o seu bom estado. I dem em calda......
I dade desse venerando titulo rom os mais puros Neste molestia os expositores de medicina nao Espanadores grandes ....
I disvellos, Ilimitada bondade, e completa ternura aconseldam bandos salgados, apenas quando d'elles dem pequeos.......
1 para rom lodos os seus fllhos. tratam, dizein ser applicados contra as escrfulas,' Esleirs para forro de estivas
Para que, pois, proseguir neste justa apreciacao dypocdondria, eslherismo, amenorrdea, racldis- de navio........
do seu subido merec ment T | mo etc.; entretanto vi este bom resallado no Qlho, Estopa nacional ......
Nao ha quem ignorar possa, que o tenente-coro- do Sr. Cdristiano, e outros factos iguaes tenho vis-; Farinha de de mandioca. .
nel Jos Venceslao Alfonso Regueira de Bastos, to as molestias siphylicas, e outras muitas que' dem de araruta.....
era de um coraeo mu dcil, magnnimo, bonda- com o uso do xarope alcoolico de vtame tem se Feijae de qualqucr qudlidadc. .
doso, de nobreza d'alma, esclarecida pela virtude, obtido cora radical. Frechaes........um
73000
MJOO
7-WOO
440
30
l
um
arroba
urna
lil.ra .

>
cento
um
cento
libra

MOTOBMTO 10 ?01Tt.
, ** rfroa m> at.
fj Assu 14 das, barca portuguesa Ht de
* lada, capitao Matheus de Soma *
5em 13, cara sal; i
zevedo & C.
JVarw taludo aeW*a.9
Aracaju' e portes intenneilioa kyba, commaottente Martias.
asennaiti.
Suspendeu do lamarao para a Rabia a ntmm
tonal CampMttu, eaptiau Joa Iregnria, r>
mesma carga que trouxe de teta Caihariaa.
m "
Aao uouveram entrada bw
um
cento
arroba
alqueire
arroba
postura de 28 de maio de 18i:t, iirmada uo prrnci
po e:'talie|,Tido pela dec i sao do con se I haSendo
poslo em discusso, edepois votos, passou que se
officiasse ao Dr. chefe de polica no sentido reque-
rido pelo Sr. Seve.
OSr. Mello declarou que voteva contra, porque
enUmdia que a [loslura nao e.-iava suspensa, e o
facto de ter sido proposte a rovogaeo, nao mpede
Ai appellnees civeis.
Appellante, Francisco Marinho de Aibuquerque
Mello; appellado. Francisco Jos Vianna.
Appellante, Joo Cleoplias de Lemos Vasconcel-
los: appellado. Simplicio Jos de Andrade.
O Sr. desembargador Almeida e Aibuquerque ao
desembargador Motte
Appeltuato cicel.
Appellante, bacharel Bsmardo Duarte Brandao ;
unitivamente revogada. Sr- desembargador Motte passou ao Sr. des-
Nesla occasiao o Sr. Barata requereu que de no-; embargador Peretli
vo se pedisse ao Exm. presidente da provincia a As appeUacoes civeis.
approvaco da postura que Ihe fura remettida, re- Appellante, Rento Antonio Esteves; appellado,
vogando aquella de 28 de maio. I Manoel Dutra de Souzaj
A' requerimento do mesmoSr. Barata mandou-se' Appellantes, Pedro Jjw da Gwta e outros; ap-
ofleiar ao Exm. presidente da provincia, que em pellado, Antonio Joao Ferreira Damasceno.
vista do art. 21 da le n. 1,177 do orcamenlo geral! O Sr. desembargador! Accioli ao Sr. desembar-
co estado expedisse suas ordens a inspector da' gador Assis ,
thesomaiia de fazenda para remetler acamara! As appel\ames civeu.
urna rclacao dos foreiros de terrenos de marinha,! Appellante, Joao Paes Barrete de Aibuquerque ,
alim de que a mesma cmara trate da execueao de app_ellado, Manoel Ignalco de Aibuquerque Mara-
A' requerimento doSr. Mello, mandou-se chamar \ Appellante, Jos Rodrigues Ramos ; appeltaao,
para juramentar o primeiro supplente do juiz de Ricardo Jos Fernandef.
paz do 3 disti icto da freguezia da Boa-Visla, visto Appellante, Bernardo Jos de Barros ; appella-
achar-se mudado o segundo votado Juvelino Armi- dos, Jos Antonio Marqbes e sua mulher.
nio de Barros Correa. Ao Sr. desembargador Caetano Santiago
I Si. Barrate fez o seguinte requerimento, que' AppeUhrao cicel.
foi approvado, dando-se em seguida ordem para Appellante, Manoel Lavalcanti e sua i
que se fizessem as convenientes parlicipagoes : appellado, Alexandre Jo ; Kodriguos.
Bequeiro que sejam supprimidos o segundo
districlo de paz das freguezias ao Santo Antonio e
Recife, e o terceiro da Boa-Vista, que de ora em
diante jicara dividida em dous districtos para a
imno8presava a vaidade da jerarchia," dos ttulos,! O Sr. Dr. Silva medico hbil de Macei, depois Fumo em lolha, bom .
posicoes e fortuna, porque todas essas honras nao de ter applicado a um seu doente de rheumatisme dem ordinario ou reslolho
eram immorredouras e bem comprehendia o bello o xarope alcoolico de veame, logo que elle se dem em rolo bom. .
dito de um sab'O, qn* o homem, emquanto vico, i poz em estado de largar as moletas, em que an- dem ordinario ou restolho
mortal, e s pela morte se pode immortalisar. dava arrimado, o aconselhou que continuasse com Gallinhas......
Morreu pobre, slm, pelos revezes da sorte, mas o uso do niesmo xarope conjunctamente com os Gomma.......
1 cercado de toda consideracao publica. Morreu, banhos salgados, com (|ue se tem dado muito bem, Ipecacuanba (raiz). .
| sem o galardio, que Ibe era devido aos saus rel- e um dos mdicos, que allt em Macei tem com- Lenha em acias ....
vantes servicos, porque a mirrada mao da mais in-; pete conflanga. as prejataooos de veame por Toros........
famecalumnia procurou ferir sna illihada reputa- mim feita>. pelos bons resultados, qUe tem obtido' Lindas e esletos.....
cao, embora na conviceo de todos, no conceito em sua clnica. | Mel ou melaco.....
unnime, eUatriuniphass sempre mais acrisolada, Quando alguem se v com tosse vai ao medico. Milito. .... .
como o ouro se purifica no cadindo, ou como a pe- este o examina e declara -o sondor est alloctedo Papagaios......
dra que scintilla quando ferida. dos pulmoeso doente desanima, com este senten- pao Brasil '. .
Alfim, era ortodoxo sem dypocrisia, franco sem ya entende estar sem mais cura, quando os factos dem de jangada. .
lingimento. ingenuo por excellencia, generoso sem e a experiencia teem demonstrado que mutos, ten- Pedras de amolar .
limites, firme em seus sentmentos, sem exagera-1 do procurado o lugar aproprado, se teem salva- dem de filtrar ....
?ao, affavel em seu trato, grave em seu porte, Jo- do; e assim explcala mutos expositores dme- dem de rebolo ....
vial, circunspecto, prestedio para com todos, gra- diciua. Piassava.
Ora, neste provincia temos facilidado hoje e re- Pontas, ou edifres de vaccas
curso do ar ; por que a via frrea nos proporco- novildos........
na, pois que em pouco lempo urna pessoa que exis- Prancdes de amarello de dous
te neste cidade fcilmente se transporte para as, costados.......
ultimas estacoes de Gamelera e Una, lugares per- .dem de louro.......
to do Bonito e de outros pontos que sao considera- Rap..........
dossertao, quanto mais que os mesmos lugares' Sabao..........
j nao sao raaos, segundo, pens, principalmente no Sal..........
to e recondeoido sem nunca deixar enveldecer o
beneficio, resignado o mais que era possivel, des-
j interessado em extremo, e donrado a toda a prova.
E ludo sto, sentares, que por lodos condeci-
i do, e confessado, apenas importe um bom nome,
'que segundo os livros sagrados val muito mais que
a posse de muitas riquezas.
A estima e a amizade sao mais dignas e estima-
ou
veis do que a prata e o ouro amontoado nos co-
| fres. Meliits est nomen bonum quam divitia mulla';
super argeutitm et aitntm gralia -nono.
Nao obstante, sennores, a sensibilidade nneren-
wr*- .. Salsa parrilha.
Mas dir-se-haurna pessoa po|>re nao tem mais Sebo em rama. .
de se transportar e d'alli estar isso se respou- dem em velas. .
de, que, naquelles lugares existem casas vasias e 0la em vaqueta. '.
Tahuas de amarello.
te aonosso organismo, nao pude ficar emmudecida, allugam-se por prego eommodo, e mesmo muitos
nem deixar de desafogar-sc em saudoso pranto, gneros de primeira necessidade, all se vendem
ou derramar pelo menos urna lagrima, soltar um i pelos mesmos precos que aqu.
ai, um gemido, sobre a campa do justo I Aquelles, pois, que eslverem nestes circums-
Idem diversas.
Tapiocas. .
' Tatajuba.
arroba
urna
arroba
i
cento

um
caada
arroba
um
quintal
um
una
molho
cento
um

libra

alqueire
arroba
urna
duzia

arroba
quintal
Ad morte, morte cruel, duro effeilo do fatal (tancias, eu des facilito explicar os meios pelos I Travs '. ........ urna
delicio do primeiro homem, arrancaste urna vida. quaes se davem reger, e llies fornecerei os medi-! rjnhas de boi.......Cento
lo preciosa, descarregaste o teu brbaro golpe so-! camentos gratuitamente.
, bre tiio preclaro e recominendavel cidadao I Nao dexarei de advertir ao publico, que as mi-
Misera condicao da humanidade Negra tela nhas preparacoes de veame sao reunidas com ou-
0 Sr. desembargador
bargador Doria
As appellfirdes cavis.
Appellante, Antonio
parece cubrir o vico, e o perfume da natureza !
Eis a prova mais convincente da dissolucao da ma-
teria e da immortalidade d'alma 1 E' forca, porm,
tros ingredientes, e com elles tenho obtido ptimos | Vinagre
Vassouras de piassava.
Ditas de timb .
Ditas de carnauba .
resultados ; nao se engae o mesmo publico com
outros, que por ah so annunciam, cujas prepara-
caada
00
3JS00
4*000
ifooo
8J000
230
30
14 K)
2J500
151600
3*500
500
170
240
100
350
10000
1*000
320
500
4*000
2*000
15*000
l*f>00
2* 1500C
1*800
5*000
14*000
8*500
80WI
5*000
600!
rJMQ
23*000
1*6001
11*000;
8*000
200
UOO
3*000
5*000
5*000
840
4*000
1*200
120
5*000
20*000
10*000
1*000
120
400
25*000
5*500
7*000
2*M
110*000
73*000
2*8(K>
2*000
6*000
200
10*000
8*000
t50o
500
*
EDITAES.
*to Kunvni em
e lena fcaa
pre^ni-
Assis passou ao Sr. deseiu-, obedecer aos infalli veis decretos da Providencia... ces ignoro, assm como aproveitamenio delles
jusica de paz, na conformidade da divisao policial,! appellado, Joaquim de onza Leao;
visto a experiencia ter suflieientemente provado que
taesdivises sao prejudciaes ao servieo publico, e
bol ordem e regularidade da justica etc. Recife, 17
de feveieiro de 1864. Barata.
O Sr. Gustavo do llego fez tambem o seguinte
requerimento, que foi approvado :
ltequeiro que seja extensiva por todas as fre-
guezias da capital a auloridade dos liscaes, para
Jncalves Ferreira Cascao;
Sr. desembargador Doria ao Sr. desembarga-
dor Caetano Santiago
Appellantes civeis.
Appellante, Antonio Francisco Anastacio ; ap-
pellado, Jos Francisco na Costa.
A Sr. desembargador! Gi lira na
A appellacao civel,
Appellantes, Joaquim francisco de Albuquerquc
Curvemos a fronte ao nico e supremo poder, ao
braco perfeitamente poderoso e invisivel 1 S a re-
signacao o melbor balsamo do edristao, e o mais
cabal triumpbo da religao 1
Adeus sim adeus, c para sempre, meu caro pr-
| mo, meu idolauado amigo t
Portas da eternidade, abri-vos, franquea-lde o
ingresso, correi, anjos do Sendor. a receb-lo
j Occunile, angel Domim.
Meu Dos, Vos que sois lao afeito ao perdo e
aos enfermos, quem por ventura lenhara sido ap
pilcados ; cada um responde por si, e eu affirmo
com verdade oque aqui tenho relatado, cujos me-
dicamentos cesta provincia s vendo em minha bo-
tica na ra Direita n. 88.
Jos da Rocha Paralaos.
Nazarelh do Cabo, 7 de setombro de 1863. -
Illni. Sr. Jos da Rocha Prannos.<'om o maior
prazer levo ao ronhecimento de V. S.. que o doen-
te que V. S. acha-se administrando-lhe remedios,
A' 2 horas encerrou-se a sesso.
PBLICACOES A PEDIDO.
poderem multar nas infraccoes, qnando por ven-! Santiago o (lirios ; appellada, Francisca Thomazia
tura as encontrem em qualquer freguezia por on- \ da (k)nceieao Cante.
de passem, sendo as corridas dmente privativas
aos das respeeiivas freguezias. Paco da cmara,
17dei'evereirode 1864.O vercador," Gustavo Jos
do Iti'ijn.
Autoi'uou.KQ ao Sp. verttador Moli, onourrpfifttlo
dte obr is do matadouro publico a mandar reparar
a estacada ltimamente feita naqucllc estebeleci-
mento
Presin juramento por procuraeao que apresen-
tou Horacio de Gusmao Colho, o juiz de paz do 2"
districlo da freguezia de Jabeatao, Jos de Sotiza
LeSo.
Despaenaram-se as peliedes do Albino Amorim
& i'., Antonio Carneiro da Cunda, Antonio Fernn-
des Velloso. Antonio Fernandes da Costa, Antonio
Elisio Antunes Ferreira, Anastacio Alexandrino
de Salles Dutra, Amonio da Cosa Ferreira, Clan-1
dio Pelino Ferreira da Cruz. Francisco Marques
Codillo. Irmandade do Sendor Bom Jess da Viasa-
era, Joaquim liarlxisa deOliveira, Joaquim de Son-
xa Mate, Jos Kraneiseo de Souza Penna, Joaquim
Marques dos Santos Souza e Mello, Joaquim Jacio-!
tho, Jos Martns Perelra, Joao Cbrteostomo de Al-'
bii(|in-rq;ie, Jos Lina Innocenco Poggi, Marcelino
& CManoel Jos Lopes (uimar.iev Manoel Igna-
indulgencia, por vossa misericordia perdoai as acha-se no todo rejflabelecido, porlanto, nada sent,
leves faltes de lao virtuoso varao, fallas que os .tendo desapparecido no todo a tossu, tem nimia
proprios justos livctam e sao congentes da pobre disposicao comida c acha-se nutrido. Deixou de
Alfandegade Pernambtuo, 9 de abril de 1864.
(Assignados):
O l. eonferente, Florencio Domnguez da Silva.
O 2.' eonferente, Jos Mara Cesar do Amoral.
Approvo. Alfandega de Paernmbuco, 9 de
abrilco de 1864. Carvalho liis.
Conforme. O 4." escripturario, Joao dos San-
tos Porto.
Recebedorla de rendas Internas
geraes de Pernainbuco.
Rendraento do dia 1 a 8........ 5:791*921
Idam do da 9................. 882*90!'
;:674*890
humanidade.
Sendor, por vossa sagrada paixao, outorgai-lhe
a luz perenqe, a bemavonturanea c o repousoeter
no...
A trra Ihe seja leve...
rinliam^ O. J ja.aaota>i
Dr. A. de V. U. de Drummond.
Vill-i A Cn
jo iae.

Phtysfca.
I II 1 IMItlllt
Sobre a campa do tenente-eoro-
uel los Venceslao Affonso
Uegneira Pereira de Bastos.
Vlf.ll.VTE... QCIA NKStM'IS IfBC DIK.M, NEO HOK.VM.
Senhores.Apressado corr do Recife para des-
.!!?8J.:;| Ias- -h''.'."l'\ "a^ues de Abreu Porto.; pedirme e abracar o meu sempre prezado primoe
venladeiro amigo o tenentc-enronel Jos Venceslao
Maria da ConccicSo Bocha.
E levanluu-.-e a .-essao.
Eu Francisco Canuto da BeaviagHM
a escrevi. Barros Bego presidente,
e Amoqaerqne, Gameiro, Leal Seve.
secretario
Reg, Reg
curomca jmsmk
ntiiti > \i n\ ittni.
SESSAO EM 9 DE ABRIL
nUMIURMCM do BXU. BR. co.NSKi.KKiliO
SII.VEIRA.
As 10 horas da manha, prsenles os senhores
de>embargadore- Santiago. Gilirana, Louronco
Santiago, Reis e Silva. Almeida e Aibuquerque,
Motta, Perelti. Acctoii, Assis. e Doria, abrio-se a
sessan.
O Sr. desembargador Guerra, procurador da co-
ra, nao com parecen.
Pas-ados os feitos e entregues os distribuidos
derain-se os seguintes
JILGAME.VTOS
Uefursos aunes.
Itecorrente. ojuizo : recorrido. Jos Paixao da
Cola Lefio.
Bdator o Sr. desembareador Santiago.
Sorteados ossenUores desembargadores Assis,
Almeida e Albuquenpie e Molla.
lnqirocedente o recurso.
Reeorrente. ojuizo; recorrido, o juiz de paz e
delegado de Mamanguape.
Relator o Sr. desembargador Santiago.
Sorteados os senhores desembargadores Almeida
e Aibuquerque, Acculi o Reis e Silva.
Imprattedente.
Reeorrente, o juizo ; recorridos. Montenegro &
Brasil.
Adiado na sessao de 22 de marco.
Deu-se provimento ao recurso, sendo pronuncia-
do o juiz.
llabea&ttirpus.
Negaram oltun pedida em hal>eas-eorpus por
Franckco Correia de Athayde Siqueira.
Concedeu-se ordem de habeas-corpos a Ju-tino
Francisco \ankr, para o dia 10 de maio futuro, ou-
vindo-se o juiz de dircito do Ip.
Appellaroet citis.
Appellante, D. Josephina Sebastiana Cavalmnti
de Aibuquerque; appellado, Bernardo Jos de
Barros.
Beceberam-se as embargos do appellante.
Appellante, o curador da prett Caetana ; appel-
ladaJMaria Joaquina da Silva Manta.
Continuada a soatenca.
Appellante, Chnstovao Jos do Reg Mello; ap-
pellado, Firmno Francisco Flores.
Confirmada a sentenea.
Appellante, Joaquim" da Franca Cmara ; ap-
peHaeo, Joao Alves de Uwvalho Cesar.
Connrmada a sentenea.
Appeitenie, Domingos Joc Pinto ; appellada,
l!lnn-adlde ^"l* Cna ^ Co Confirmada a senfenca.
UUOCNCIMeajMU:
ua a 8r' de*e*Dbaf,,or Promotor da
At appellaroes rime*.
Appellante, Manoel Cabral de Mello -, appellada
a justica.
Appellante, Justiniaoo Barbosa de Lima; appel-
lada, a justica.
Appellante, o juizo e Jos Antonio da Conee&e&o;
appellado, Flix Jos Bamos.
Appalisnte, o julio ; appellado, Antonio Fran-
cisco Gomes.
Affonso Itepueira Pereira de Bastos, logo que soube
de sua grave e perigosa enteruiidade ; mas em
balde, porque apenas chegtiei este termo, tive a
infausta noticia do seu passamettlo.
Sobremaneira contrariado, c talado de summo
desgosto por to sensivel e involuntario acouteci-
niento, vendo pois prestar o tributo ijue devo
sua saudosa memoria ; vendo confundir minhas
iiiui sentidas lagrimas com as de lodos osbons Se-
rinhaeases, que o distinguiram sempre cm a sua
estima e consideracao, com as dos meas prenles,
e amigos, que tambem eram de tiio estimavel
pessoa, venno, emfim, dar-lde um ultimo aperto de
mao, e dizer-lte um eterno adeus.
Sim, j nao existe o tenente-coronel Jos Vences-
lao Alfonso Pereira de Bastos, mas o seu renome
perdurar sempre, porque elle nao haixou a sepul-
tura, nao desappareceu deste mundo como o im-
po, ou o perverso, que desee campa esmagarjo
pelos remorsos inherentes aos seus maleficios, e
perseguido pela execraco publica, on anathema
geral.
Nao farel, por certo, a sua apologa, porque ella
est na consciencia todos, que bem sabem ter
sido elle o epilogo dasmais sublimes virtudes.
Bepetirei apenas o que mais pode oflerecer envi-
da a seu respeito.
A recordacao desses seus raros predicados, des-
sas suas ejemplares .aeros acha-se estampada, vive
e vivera sempre no copioso pranto que derramam
todos os que com elle trataram, mantiveram rela-
eoes e o eonbeceram, e assim passar posteri-
dade.
O teszemunho solemne, a voz unsona de profun-
do sentimento e viva saudade, que se observa em
todos os habitantes desta localidade, d'onde elle era
natural, onde viveu por mais tempo, oceunou as
principaes pesedej civis, militares e do suffragio
popular, onde veio lindar seus preciosos dias, sao
a demonstraeao mais solemne, e constituem o mais
completo panegrico de tao distinclo varo, fallam
mais alto, traduzem melbor do que eu pedera
dizer.
Assm, tembem, senhores, se exprimi mui viva-
mente x sensivel perda de Josias pelas sentidas la-
grimas dos filhos de Jacob : Lvxerunt e*in com
planctu magno.
Quando cessam as prevencoes, quando desappa-
rece a injustiea, quando seproscrevem as perfidias,
quando sucembe a calumnia, que circumda o
continuo lidar da vida humana ; ou qnando a ver-
dade refulge, triumpha e impera ante a aridez do
sepulcro, entao que se ouve a voz imparcial e
sincera, presta-se o valioso, natural, simples e su-
blime preito ao verdadeiro mrito ; que se reco-
nhece que a presenca do cadver do homem vir-
tuoso torna-se o simulacro de um altar, pelo res-
peito, confianca e admiracao, que causa e infunde.
E esta grande eeflleaz recomtnendaco transmiti-
da de geracao em geracao, e serve de continuo esti-
mulo para sua familia.
No a lisonja, incompativel com o meu carc-
ter, mal cabida neste hora e neste lugar, nao sao os
vinculo* de parentesco e'amizade que me arrastam
a exprimir-me dest'arte. Nunca o incens rescende
senao depois de queimado. ''
Becorra-se sem o mnimo receio a todos estes
lugares, e ouvir-se-ha a urna s voz, que o tenente-
coronel Jos Venceslao Affonso Regueira Pereira
de Bastos, sempre Coi o mais esforcado defensor do
pobre e desvalido, o constante arrimo da triste e
toonesta viuva, o decidido protector do infeliz or-
phao, o balsamo enrgico, o remedio prompto, a
consolaeio suave, a earidade, emfim, em sua mais
pura realidade, embora lo nobre empenho Ihe
eustasse saerillcios.
Como Qlho elle foi um modello edificativo, e
O xarope etherio de veame por mim preparado,
| mnto tem aproveitado aos que soffrem desta mo-
lestia, e de lanientar-se, que, no obtuario desta
cidade a maiora dos que sueumbem de tubercu-
los pulmonares, sem procurarem o recurso do pra-
i tico c do experiente, que lites podem crcaniinliaro
ineio de sua salvaeao.
I O Sr. Braga com leja de ferragens na ra
I Direita, foi desengaado por dous habis m-
dicos, acha-se bom com o tratamento por mim
] proscripto.
A Sr." Jeronvma Maria da ConceicSo, moradora
na travessa do Monteiro n. 10, achando-se desen-
i ganada, tambem mim recorreu e acha-se resta-
boieeHa. '
_ l'm sobrinho do senhor professor de Nazereth do
Cabo, acha-se bom, como se v de sua caria ahaixo
transcripta, alm de outros factos, qne poderia aqui
mencionar.
A pdtysica a destruico o a magreza de todo
corpo, em consequencia de chagas," tubrculos, e
concreivao dos bofes e de empyoma, atropina ner-
vosa, e outras molestias que vieiam os humores,
como escorbuto, alporcas, gallieo, aslhma, bexigas,
sarampo, etc.
Na plilysica, chegando ao estado de gravidade, o
que muito piule cencorrer para a 'salvaeao do
doente e ajudar os medicamentos o ar do campo,
exereicio conveniente e dieta, a qual nao deve ser
de nenhuma cousa quente, ou de difficil digeslao ;
e a bebida cumpre qne seja de natureza branda e
fresca.
Todo o seu alimento se ha de dirigir a moderar
a acrimonia dos humores, e a nutrir, e susier o
doente, para o que preciso reduzi-lo ao uso de
vegetes e leite.
Toda comida e bebida, que se tomar ha de ser
em pamas porees, para evitar qne o excesso do
chylo fresco opprima os bofes, e accelere muito a
circnlaeaodo sangue.
Muitos doentes desta molestia se teem entregue
ao uso do olee de ligado de bacaldo, e outras pre-
paracoes de resinas e blsamos, sem que dellas
i tenhain tirado proveilo; e alguns ex|>ositores de
niedecina cembatom com muita razo esse trata
ment.
E' costume earregar o estomago do doente com
medicamentos oleosos e balsmicos ; porm estes
em vez de tirar a causa augmentam-na, esquen-
tando o sangue, ao mesmo lempo que tiram o
apetite, relaxam os solidos, e sao de toda sorte per-
niciosos.
Tudo que se fizer para extinguir a tosse, alm
do exercieio e rgimen apropriado devem ser re-
medios de uatoreza acida, detergente e calmante.
Os accidos possuem a virtude de produzirem
bons efleitos nesta enfermidade, porque, nao
contribuem a apagar a sede quando acomettem a
febre ethica, mas tambem a refrescar o sangue.
Aos doentes desta enfermidade, quando o seu
estado de gravidade tal que a febre othica'Ds
acomette, prescrevo-lhes o sueco de um limao
dissolvido em urna chicara d'agua com bastante
assucar em um grande copo para misturar com
um papelinho dos pos refrigerantes para lomar,
com que ahviam no acomettimento da febre, e pela
manliaa e xarope etherio de veame. Tenho acon-
selhado, que facam uso de vegetaes de natureza
acida, como taraujas, limoes, pitangas, uvas etc.,
e appleacoes de plantas amargosas, que fortificara
o estomago, e servem ao mesmo lempo para destruir,
e mitigar a sede.
A Sr.* D. Joaquina de S Brrelo, tendo urna
sna escrava fallecida desta molestia submettida ao
tratamento de sea medico, resolveu procorar-me
para tratar de om outro escrave, que soffria da
mesma enfermidade, prescrevi-lbe o xarope de ve-
j teme, tem melhorado consideravehuente.
1 A sendora doSr. Antonio Francisco Honorato
foi desengaada por habis mdicos desta cidade,
eteve prosuda, e nos ltimos paroxismos da morte
foi cora o xarope de veame salva, como se v da
carta impreesa no Jornal i* Recife do 9 de leve-
reiro de 1863.
O scravo Emilio do Sr. tenente-coronel Rodol-
pho Joao Barata de Almeida, foi tembem desen-
gaado por habei* mdicos, e com o xarope de
veame acha se completamente restablecido, como
se v tembem da carta impressa do mesmo Sr. to-
sente-coronel no mesmo Jornal do Recife.
O Sr. Antonio Cbristiano Fogt, filho do Sr. Chris-
liaoo Fogt, propietario e estebelecido na cidade
de Macei, o primeiro bem condecido nesta cida-
de, pois que foi empregado na casa do Sr. Len
temar os ullimos remedios que V. S, receiteu no
dia 38 do pissado, resta agora V. S. mandar-
me dzer qual a dieta que o doente deve conser-
var e por quantos temos, mencionando as comi-
das que dever usar daqui em diante.
[trald-IIID tyui a ijfiaiJccci V. O. tu Minti u.ue
toniou no tratamento do meu sobrinho, ahaixo de
Deus, devido o seu reslabelecimento a pericia de
V. S., e par Isso pode V,S. sempre contar com os
ineus diminuios prestimos, e desejarei em todo o
tempo dar urna prova do meu reronheciment.
^ Desejo V. S. todas as venturas, por ser de
V. S. muito respe'tador e obrigadissimo criado.
Francisco Beringuer Cesar de Mene.zes.
Consulado provincial.
Rendmente do dia 1 a 8......... 22:779*548
dem do dia 9 ................. 8:427*9011
31:207*457
PRA$A DcTrECIFE
OllE ABRIL VE IM-l.
AS TRES HORAS DA TARDE.
Revista semanal.
Salsa de Bristol.
O grande puriQcador do sangue.
A nica preparaco original o gennina para a
cura radical dos mais perigosos e confirmados ca-
sos de eftropbulas ou mal do rei, chagas antigs,
leioeafos, tumores, abeessos, ulceiiis o todas as
qualidadesde.erup<;cs escabrosas e escropliulosas
e a legitima salsaparrilha de Bristol. preparada por
l.aninaii \ Kemp.
E' igualmente um remedio certo para rheuma-
lsmo, empigens, linda, escorbuto, tumores brancas
e aifecces nevralgicas. deblidade geral nervosa
do systema, falte de apetite, languidez, tonteiras,
e todas as molesli.is do ligado,- febres, (abres bilio-
sas, frios e ictericia.
0 melbor, e emfim o nico remedio certo para a
cura de todas as molestias provenientes de um es-
lado impuro e vieadodo sangue.
Os que soffrem deslas molestias podem estar na
certeza que nao tem a menor pancula de substan-
cias minoraes, inereuraes, ou outro qualquer ve-
neno neste medicina.
Ella inteiraiiicnle innocente, c pode ser toma-
da por pessoas no maior estado de fraqueza ou as
enancas mais delicadas sem Ibes causar o menor
mal.
E' preciso acaulelar-se contra as tres Hsifiea-
coes e iinitaces que cxisiem, pediudo a legitima
safa de Bristol preparada nicamente por Laoman
t.'v Kemp.
A' venda em casa de Caors & Barbosa e J. da C.
Bravo & C.
Cambios___
Algodo..
Assucar.......
Agurdente.
Couros......
Arroz......
Azeite doce.
Bacalho..
Batatas..
O lllm. Sr. inspector da th.-*>u
em cumprimento da ordem do En
da provincia de 17 do rorrentr.
blico que o concurso para paan]
de 2" escripturario da mesma the;
gar no dia 18 de abril prximo
os pretendentes ser examinados na f rammatKi A.
bngua nacional, escrintoracTw po partida 4W
bradas. arithmetca e suas "apptcirV*, can e-
lieraldade reduc.Ao de moeda,TprM enviu-
das, ao calculo le descont* e juroaVmtp*** tum-
poslos, sendo preferidos os qu.- iivqreni ara letin
e soubereni linguas estran^ ira-
Os pretondeates ikvero apresc
rmenlos nesta thcsouraria, rom
provem que sao maiores de 20 ann
(omportaiuenlo.
E para constar se mandn pudn
pelo jornal.
Secretaria da thesouraria provincial de Pera
bnco, 18 de marro de 18*4.O petarte. A F.
d'Annunriarw.
O lllm. Sr. insiiertor da Inesoraria prvM
cial, em cumprimento da ordrm di> laaa. Sr. vice-
presidente da provincia, manda bzrf puabro. ar
no dia 28 do correnle, perante a juana de faltada,
da im-ma thesouraria. se ha aV arrateaiar. a ajara
por menos fuer os reparos, de pe atcuim a par-
te do caes da ma da Aurora, em traMe i>bmu
sio l'i ovincial, avahados em 2:04O*W-
A arrcinatacao sera feita na forma-ea Vi pmnv
cial n. 343 de 15 de maio de 1854 eaabMdaaaato
es|>eciaes abaixo declaradas.
As pessoas que se propuzerem a es*a anvaav
te(o eomparecam na fala das scssas da r>*vriri.'i
junta no da cima mencionado, pal nv*u dia
competen lemente ha I litadas.
E para constar se mandou publicar prawnir
pelo jornal.
Secretaria da thesouraria provincial a> Eira
buco. 5 de abril de 1804.O secretar, a. f. *
Annunciacn.
i :i.,\t SI I.AS KSr-KCIAES RARA AKHKMATA %>
I.* A obra da recunslruccau tic 24M palmas cer-
rentes de caes na na da Aurora <*ra feita
de conformidade cora o or ramea lo revpectrvn. ap-
provado pelo conselho da directora da* oara* pa-
llucas, na importancia .
i.' Us |>againenlos serao feitos en duas preste
roe- iguaes, sendo a primeira quando as hraaataa*
eslverem em meio e a ultima quaadoaiver lagar
entrega da obra.
3.* O arrematante dar principio aa*
no prazo de 20 dias, e os concluir m de 65.
bus contados da data da arrematar to.
4." O arrematante, nao tera dirriio a
outra n-clamacao ou imiemnisaraM om ai e [
veniente do caso previsto nos artigo* Jet ar-
eamente mencionado.
5.* Para ludo quanto aqu nao estiver arevins.
regular-se-ha pelo que dispoe a le.Ceeairav. A
V. de Annunciacn.
O Dr. Tristao de' Alencar Araripe, onVwi da awpe-
rial ordem da Bosa e juiz de direita especial H.
cominercio desla-cidadc do Rrcife. por Sea Ma-
geslade lm|ieral e OinMiriiriunal o Sr. D. tr-
avo II a quem Deus gnarde, etc.
Faco saber pelo presente que no da 25 d> abril
do CMirente anuo se ha de arrematar em prarapa-
blica deste juizo, na sala das audvnnaa. ara'ate
de Jacaranda em bom estad", a valia. par pn-
nhenlos mil ris, e urna escrava de ann- Marp
i na. avadada por mu cont duzento* mil Mte,
a qual crioula, e reprsenla ter matara a"
e foram iiendorados a 1** alaria nior per si e como tutor dos meaorr*. per etera-
cao de Jos Joaquim l.opes i|e .Mmrtrta.
E nao havendo lancadnr que rubra o arena da
avadaran, a arreniaiarao sera feita pelo valor *i
adjudicaiao com o alialiincnlo da fei.
B para que rhejiue ao ronlieciineelo de fclv-
sera publicada este na forma do e da abril da 1804. K i X.\i\.*-\ Mar Itodrifasu
Nascimenlo. esrrivn, > lohacfati
Tritliio de Mrmnr .Ximipe.
Saccon-sc sobre Londres a 27
Vi d. por 1*000, sobre Baris a
345 rs. por fr., e sobre Lisboa a
98 |>or cento de premio, elevan-
do-se os saques para a Europm
100,000 na presente semana.
, O deste provincia vendeu-se de
20*000 a 21-iOOO por arroba, c
o de .Macei, posto a bordo, de
21*500 a 22*000 6 o da l'ara-
liyba, lamn ni posto a bordo, a
P,teP.!w!*"tfa llc 55251^ cimento de mel lie tur,/para a catatada
DECL1R1CES.
4*400 por arroba, o sotneno
de 3*300 a 3*400, o maseavado
purgado de 25850 a 2*'.IOO, e o
bruto de 2*450 a 2*G0O.
Vendeu-se a 75*000 a pipa.
Os seceos salgados veiiderain-se
a 170 rs. por libra.
O pilado da ludia venden-se
a 2-5700 por arroba, e o do Ha-
ranho a 3*000.
'oiu|anhla de eavallarla de
l'ernatu lineo.
\ mesma coiiipanln.i ihivim contratar o forae-
lieiu--!' pmpoatea n d lt> do corrrnv a'
mato dia, na tecretaria da dita companlea.
Quarb
1864.
I no t.juii|Ht das l'ruieeza 7 ife abril 4-
Manuel Porfirte ife Castra Aiaup.
i-ipito i-oiuiiundaBtL*.
IHiiselliii ailMiii>liaiivK.
Ocon-elbo adininislralivo, para lornei-iavalo *
arsenal de guerra, lem de comprar o* ubp-rlna **-
O de Lisboa vend.'U-se a 2*7iK) guinn s:
por gateo, nao havendo do do Es- Au de labarraqne 4o nrralas, asuardeni.
)re10_ garrafas, alrool a :M." :>ii duas aburar *> fenv l
Em atacado obte.ve 12*000 por! Mi ilmisrar 4 oiiava-, tmmm Mtaa 12 ario
barrica, e a retalbo de SO00 a bas, acetato de morparaa I oara, atitataee
13*000: licando cm deposito b-i* libra-, beijoim 2 libra-. I- na\ i iii.r.i- ,
2.400 qtiintaes.
Bolaehiuha......
Caf.......
GOMMERCIO.
mU Um DE PERSAMBliCO.
O novo banco de Parnambuco paga o 12 divP
dendo a razio de 9* por accao.
Cha.........
Carne secca...
Chumbo. ..
Alfandega
Bendimento do dia l a 8 ........ ia"i:740*701; rrft,
ldemdodia9................. 20:379*640 ^"J*-
212:120*341
Movlmento da alfandega
Volumes entrados com fazendas..
t t com gneros.
Volumes sabidos
cora
com
fazendas...
gneros...
93
217
83
646
310
729
Descarregam no dia 11 de abril.
Barca inglezaEnchynuoncarvao.
Patacho dinamarquezAticecarvao.
Barca ingleza-Scrap/iinu-mercadorias.
Barca inglezaVision-carvao de pedra.
Brigue inglezWUliam pedra e carvao.
Patacho argentinoH & Ccarne secca.
ALFANDEGA DE PEBNAMBUCO.
PAUTA DOS PRECO DOS GNEROS SI'JEITOS A D1REITO BE
EXPORTACAO. SEMANA DE 11 A 16 DO HEZ DE
ABRIL DE 1864.
Mercaduras.
Abanos......L
Agurdente de cana. ....
dem restilada ou do reino .
dem caxaca.......
dem genebra.......
Idem alcool eu espirito de agna-
ardente....., .
Algodo em caroco '. .
dem em rama ou em lia. .
Arroz com casca......
dem descascado ou pilado .
Assucar maseavado.....
Manteiga....... A franceza vendeu-se do 510 a'
515 rs. por libra, e a ingleza de
740 a 760 rs. a dita; (toando em conselho as 10 horas da manhaa do dia 11 r<
deposito400barris desta e 2,200 re"";- ,
daquclla. "ala das sessoes do conseibo administrativa para
Massas......... Venderam-se a 7*500 a caixa. tornecimento do arseual de guerra 6 de abr>l
Oleo de liuhaca.. Vendeu-se de 1*900 a 2*000 o!de ,864-
Unidades. Valores.
cento
caada

arroba
1*400
800
800
400
890
900
Vend rain-se a 2*000 por ar-
roba.
dem a 2-5000 a barriqnjnha, da
americana-
Idem de 8*000 a 8*500 por ar-
roba, havendo falta do de boa
qualidade.
dem de 2*000 a 2*300 a libra.
A do Bio-Craude do Su I v n
deu-se de 2*000 a 3*600 por
arroba, e a do Bio da Prata de
2*200 a R*600;flcando em de-
posito 38,200 arrobas da pri-
meira o 11,300 da segunoa.
O de municao vendeu-se a 23*
o quintal.
Carvao de pedra. Negociou-se de 12* a 13*500 a
tonelada.
Vendeu-se de 5*300 a 5*liX)
a duzia de garrafas
Farinha de trigo. Retalhou-se de 22*000 a 23*000
por barrica da de Philadelphia,
e de 23*000 a 24*000 a de Tries-
te ; Meando em deposito 900 bar-
ricas da primeira, e 1,100 da se-
gunda, ao todo 2,000 barricas.
Louca..........A ingleza ordinaria negociou-se
com 320 por cento de premio
sobre a factura, ao cambio de
3*600 por .
i 4 ora/
ridasff libras, rea branca I arroba, cera aseare!
la 2 ditas, carbonato ie patetaa i libra-, carheaa-
lodemagncMa I dita, cdloiato de )<> eas, eampliora 4 libras, r.-oia- para pibil.i-
Dento tednreto de ninaw lanen, mna
belladona I libia, dio de a.onii.. tara- u
lindo Hi binas, (lores de ro-a-
poiassa 8 libras, dito de rliumli H oncaa, din .1
ferro 8 ditas, linhaca 2 arrabal
manila commiim de primeira qualid ote I .irr
manteiga de porro 4 arroba-, oteo .
robas, dito de mastrusso 2i vidr<. dito
doa 16 libras, dito de tifiado de bacaII i > 8 diU-
dilode uiiveira .12 ilila<. \rcliloiur.te ife fer
oncaa, papal attaaitepaat mmatt
resma, p.i|H-l de embrullio 2 rema*, lito nra.n ,
paulado I dita, pastilbas de Kemp 24 vi.i
los para eirurgia I resma, dito* para nx-itenaa |
dita, roldas de cornea 200. santonina 2 on.-a-, sa-
me 6 libras, taagneugas liambargajeaas Ja, -ai
sa de Bristol 24 vidros, -ul|>b.iio quemno 6 oarar
sulphato de magnesia 8 arrota*, tanteo 4 mi. f.
valerianato de quenino I onca, vinho liram-
libras, vinagre 4t garrafa*, xarope de NaeV H %,.
dros, creosoto i libra, h\M> -olivla cas, lim.ilha de ferr |Uluiliada I libra, rrentor
de trtaro 8 libras, opio 4 ditas, rallo 4 ditas, aa>
sarolas de ferro forradas de pitrretena que ere >
libras de liquido 4, ditas de dito dito q
libras de liquido 4, ditas de dito dita qne leve 2 li-
bras 4.
Quem qnizer vender tees objerto- apresentrn as
suas propostas em carta fechada na serreuria .,
dem branco.
dem refinado........ '\
Azeite de amendoim ou mendo-
nim......... caada
dem de cco\...... >
dem de mamona.....
Batatas alimenticias..... arroba
Bolacha ordinaria, propria para
embarque....... >
5*008
20*000
1*500
2*800
2*600
3*800
4*480
2*000
1*600
800
1*200
i*000
galio.
Passas.......... dem a 7*500 a caixa.
Presuntos....... Venderam-se a 14* por arroba.
Queijos........Os flamengos venderam-se a
1*400, dinheiro de contado.
Sabio..........O amarello vendeu-se a 150 a
libra, e o do Mediterrneo a
250 rs.
Toucinho.......0.de Lisboa vendeu-se a 8*000
por arroba.
Vinagre........O de Portugal vendeu-se de 115*
a 120* a pipa.
Vmhos.........Os de Lisboa venderam-se de
200*000 a 220*000 por pipa,
os da Figueira a 230*000, e os
de oulrus paizes de 200*000 a
Velas.......... As de composico venderam-se
a 500 rs. o pacote de seis velas.
Descontos....... 0 rebate de letras regulon de 8
a 10 por cento ao anno, havendo
falta delles.e abundancia de nu-
merario.
Pretes......... Para o Canal inglez, carregando
neste porto a 40; para Liver-
pool de 226 a 25 pelo lastro,
"/w Vt por libra de algodao!
Antonio Pedro de S BarrrU
Coronel, presidente.
Sebasliao Jote Basilio Pyrrko.
Inspecfo do arsenal de marinha
Faz-se publico que a commissao de per.!.* eli-
minando na torina determinada no reculas
annexo ao decreto n. 1324 de 5 de leLib
18o. o casco, machina, raldeiras a Moreteo ai
.reacio, amarras e ancoras do vaporea
companhia Peruambucana de navecaco
achou todos cmm objecios-jn regular esu
Inspeccao do arsenal de marinha de
buco 8 de abril de 1864.
H Barbosa de Almeida.
. Inspeiior.
A junta administrativa da Saou Casa da Mi-
sericordia desta cidade faz publico, que vai teten-
lar pelo juizo municipal da I" vara, escririo lap-
tista, aeco ordinaria contra os herdeira da falle-
cido Jos da Cunta Teixeira, para naMteee de te
ventarlo e partilha a que se proceden peto jane ea
provedorte, escrivo Vasconcelos, nos aras da I-
nado Jos Bento Fernandes, e acea da terete*ia-
cao contra os herdeires de Francisco Aataase Ma-
rio, para, por meto dessas accoes, haver. aten de
outros bens, os sobrados ns. 35,37 e 45 na rea da


r.nu, fieguozia de S. Fr. Pedro Goucaives. do Re-
Clff.
Cerreio gc/aL
Os Srs. Firmiano Joe Rodrigues Ftrreira Jea-
qoim L.-opoldino Barrita Maoiel Manuel de Al-
meida Bastos, qneiram vir ou mandar a reparucao
do erre fcreber cartas reeommendaJas.
ES
THEATRO
DE'
S. ISABEL.
KMPRE1A
QlAltTA-FEIRA 13 DE ABRIL DE 1864.
3a Recita 1 MalgMtura.
Represenlar-sc-ha o magoirico drama em 1
aclos
O resto do espectculo
ciado.
ser em lempo aunan-
Grande galera de novas
vistas.
Hua da laaperarla n. 5S.
Hoje e amanh estarn patentes as segimites :
Panorama da cidade du Pars.
Assalto e tomada da lorio de MalacolT.
Ciliado de Valenca na Hespanha.
A sanguinolenta 'batalha a bayoneta calada dada
pelos Hespanhoes no scrraHro em frica contra os
Marrocos.
Praca do commercio Iluminada em Lisboa por
oceasiao dos festejos do casamento do rei de Por-
tugal,
Cidade do Rio de Janeiro.
Estado presentes mais diversas vislas que dei-
xam de ser mencionadas por oceupar muito es-
paco. .
O salao estar aberto aos sabbados, domingos,
quartas e quiulas-feiras das 7 huras da noite em
diante. Entrada 500 rs.
LEILO
DE
Wapao* le borracha.
.\o armazn (lo Auues.
Para liquidar.
O agente Pestaa far leilo por conta Jo quem
perleocer de diversas caixas de sapatos de bor-
racha com perfeito sorlimento para fechamento de
factura e serio vendidos em toles vontade dos
compradores : segunda-feira li do corrente pelas
11 hotas da manha uo armazem do Annes defron-
te da alfandega.
mmm
AURORA BRILHAR1E
I1K
Parte do sobrad da ru do Arago nu-
mero 19.
IVrfa-felra 18 de abril.
O agente Pinto autorisado pelos procuradores
bastante do bacharel Jos Theodoro Cordeiro, le-
var a leilo a parte do sobrado de dous andares
com soto na ru do Arago n. 19, que por leg-
ma materna tocou ao mesmo bacharel, isto as ti
horas do dia cima dito em seu escriptono ra j
da Cruz n. 38, onde se dar desde j qualquer es-
clareciment a rcspeilo. __________
un io
M
Carros e cava los
O agente Simoes far leilo requerimento dos
curadores liscaes da massa fallida di) Jos Mar-
(pies dos Santos Aguiar & C, e mandado do Illm.
Sr. Dr. juiz de dfreito especial do commercio dos
carros, cavados e mais utencilios da cocheira ra
do Imperador n. 25, em um ou mais lotes a vonta-
de dos licitantes.
Terca- Tetra 12 do corrente s 10 ijl horas
da manha em a mesma cocheira a ra do Impe-
rador n. 25.
AVISOS DIVERSOS.
AVISOS MilITIMOS.
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR
Dos portos do sul c esperado
at o dia 14 do corroute um dos
vapores da compatihia o qual de-
IKiis da demora do costume se-
guir para os portos do norte.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no dia de sua chegada, encommen-
das e dinheiro a frete at o dia da sabida as 2 ho-
ras : agencia, ra da Cruz n. 1, escriptorio de An-
tonio Luiz de Oliveira Azevedo & C____________
^IMPERIALES
At o dia li
do corrente es-
pera-s da Eu-
ropa o vapor
francez Estrn-
madure, 0 qual
depois da demo-
ra do costunn'
seguir para o
Rio de Janeiro locando na Babia, para passagens
etc.. trata-se na agencia ra do Trapiche n. 9.
MESSAGERIES
Os passageiros de,Pernambuco para os portos
da Europa que queiram segurar as suas passa-
ji'iis .i Bordado* i):u|iii>!es desta eomuanhia nos
inezes de inaior (fluencia tem a facufuade d as
tomar no da om que. os vapores seguem paca o
sol, pagando pwvui como se losse do Rio de Ja-
neiro.
0 cirurgiao Leal mudou
a sua residencia da ra do
Queimado para a ra das \
Cruzes sobrado n. 36, pri-
meiro andar, por cima do
annazeni Progressista, aon-
de o acharao como sempre
prompto a qualquer hora pa-
ra o exercicio de sua pro-
fissao, chamado por escripia.
ftlez de Maria
Vemle-sc este livro conforme o uso do
hospicio da Penha a 15 cada livrinho: na
livraria n. (> e 8 da praca da Independencia.
Aos o:000$(>00.
Sexta-feira, 15 do corrente se extrahir
a stima parte da segunda lotera da Santa
Casa da Misericordia, no consistorio da igre-
ja de N. S. do Rosara da freguezia de San-
to Antonio,
Os bilhetes o meios eafo venda na
respectiva thesoararia ra do Crespo n.
15 e as casas commissionadas.
Os premios de 5:000*5000 ate 105000
sero pagos urna hora depois da extraeco
at s 4 horas da tarde, e os outros no dia
seguinte depois da distribuida" das liaUs.
O thesoureiro,
yotonio Jos Rodrigues de Souza.
LARGO DA SANTA CRUZ N. 84.
O proprietario do grande armazem de molhados denominado JAnrora Brilhanle, acaba de
reduzir o prego dos seus gneros, prc?os estes que muilo nao de agradar aos senhores com-
pradores.
Manteiga ingleza flor a 720 e
Dita hamburgueza muito nova a .
Dita franceza a 540 e 560 r. e m
barris a
Queijos do reino novos a 2*500 e .
Presuntos novos de Lamego, libra a .
Chouricas do reino novas, libra a
Espermaceti* muito fino a 720, 6V0 e .
Velas de carnauba arroba 10* e libra
360 e.....''
Cha li\ sson muito superior a 00 e
Dito perola a .
Dito miudinln a 2*800 e .
Dito preto muito superior a 1*800, e
Latas com bolachinha de soda de o
libra a.....
Ditas cora biscoilQs de varias qualida-
des. ..-
Doce de goiaba e banana fino a 400,
560 (caixo) e -
Marmelada nova dos melhores auto-
res, libra a 640 e .
Latas com peixe savel, capuxo, fango,
congro, salmonie e oulros muilos
bem preparados a ...
Sardinhas de Nantes, latas a .
Frascos com genebra de Hollanda da
verdadeira, a 500 e frasqueiras a
Garrafoescom genebra de agarrafas a
Frascos com genebra de laranja a .
Vinhos da Figueira e Lisboa, a 400,
500 e...........
Dito do Porto fino a 6*0, 740 e .
Dito branco proprio para missa a .
Serveja de boas marcas a 500 rs. a
garrafa e a duziaa.....
Cognac verdadeiro, a garrafa por.
Vinhos Anos engarrafados no Porto, a
garrafa por 1*, 1*200 e .
800
800
520
;i000
480
640
600
320
2*700
1*500
3*000
2*250
3*000
1*400
640
720
15000
320
5*500
8*000
1*000
560
800
640
5*H50
15000
1JO00
UA
EMDOR
Dito muscalel e Setubal a 800 e .
Licores Gnus a 800, 1*000 e .
Caixinhas com ameixas muito eafei
tadas a 1*600 e......
Lalinhas com ditas a 1*500, 2*
Ditas eom flgos de comadre novos a
t*500e.......2*000
Ditas eom ervilbas francezas e partu-
guezas a.......
Ditas com ostras a.....
Oitas com massa de tomates ,
Ditas com fructas de Portugal a 560 e
Azeitonas de Elvas em frascos a .
Frascos com conservas a 750 e .
Ditos com musanla franceza a .
Macos com 20 macinhos de palitos de
denles a......,
Tijolos de lirapar a.....
Araruta verdadeira vinda de encom-
menda, a libra a.....
Gomma de engommar a 2*'<00 a
roba e a libra a 100 e
Tapioca muito nova, a libra a 140 e
Ervilhas seccas egrao de bico, a libra
Massas para sopa, macarrao, talharim
e lelria, a libra.....
Diins brancas, viadas de Litbea, a .
Pevide, eslrellinhas e rodinlias a .
Caf de primeira srte, a libra a 280 o
Sabao verdadeiro hespanhol, a libra .
Dito massa a 160, 200, 240 e .
Alpista a 1*800 a arroba e a libra .
Painco a 5* a arroba e a libra
Amendoas de casca mole a 360 e dura
Azeite doce relinado, a garrafa a 800e
Molhos com mais de 100 ceblas a. .
Castauhas novas, a libra ....
N'ozes, a libra
Noticias!
noticias!
Noticias!
Noticias!
Noticias!
Novos arranjns.
Novos arranjns
Novos arranjns.
Novos arranjos.
Itovbs arranjos.
Ketratos de 3* por 2*.
Retratos de 3* por 2*.
Ketratos de 3* por 2*.
Retratos de 3* por 2*.
Ketratos de 3* por 2*.
Ketratos de 3* por 2*.
Retratos de 3* por 2*.
Retratos de 3* por 2*.
Retratos de 3* por 2*.
Retratos do 3* por 2*.
80
160
160
Assim muitos outros gneros que deixam de se mencionar, tudo da melhor qualidade
JR por preeps muito commodos.
DE
200 retratos lirados por dia.
200 retratos tirados por dia.
200 retratos lirados por dia.
200 retratos tirados por dia.
200 retratos tirados por dia.
Retratos de 5* por 4*.
Retratos de 5* por 4*.
Retratos de 5* por 4*.
Retratos de .'i* por 4*.
Retratos de 5* por 4*.
Retratos do 5* por 4*.
Retratos de 5* por 4*.
Retratos de 5* por 4*.
Retratos de 5* por 45-
Ketratos de 5* \x>r 4*.
Na galena americana.
Na galera americana.
Na galera americana.
Na geleria americana.
Na galera americana.
Ra do Imperador n. 38.
Ra do Imperador n. 38.
Ra do Imperador n. 38.
Ra do Imperador n. 38.
Ra do Imperador n. 98.
Oestes precos s]nos dias uteis.
Denles preces s nos dias uteis.
i
R. 22.
Granrff annr 4r tala.
Este armazem nmtm Indo qnant
preciso |>ara que a industriad*; |*iniiira. alr
qualuer genero que soja. uV*fn|'idx
seu fin, isto embelkzar, ruaarrvar e
reproduzr.
Montadii em grande escala r -n|-| U
directamente |>or grandes (abrirs le Pj-
r. Londres i Hairiburgn. pgde 11IW.1 -r
producto* de wf-.-iora. tasfazer qual-
quer i'iiriimmenda a yrs>o trato a r-1-
Ullio.
Os Srs. artistas |Hnt.^s, f m dnWM de
obras BOderao rirnMwt a v.ibd.* tmt*
que todo estar a vi>|a, as diflereMo> r-
rus de que tiverem n.ie>sMU.W.
Ha tintas em massa e em p imyalfta-
vel, c como as obras a -nvernuar s* tt
dew eoiprenr tintas muida, r u dm>.
recendo rnnliani.-aasqurvem > lora para
commercio, por vellia*, e lalv.i hhMr.
das, nesle armazem n as morra a t-
ta do censuniidor, que s a^-im iri ba-
tas frescas c venla..'ir.is
Ha tamlicm ouro verdadero, vrrdp em
p oemfolha, prata em f.dba, p delmw-
zcar de varias cures, diamantas para o*-
t;u- viilros, biiriiidon-s.iiaiarsuperaen-
carnada, aman-la e verde, tintas vy-
taes, azul, roxa, verde e ainarelU, momb-
sivas, tnicas que se devem emprefar a
confeitarias, collecixies d piareis para
fu i ;j ir nuili'ira, couii proprieditd', e xilm
de varas qualidadrs. verana, copal,
graixa, branco ou escuro para a ia*er.>r
e exterior, para etiqueta. e quadrus, lia-
las linas em lobos, em rrajaea tellas para quadros, caixas de tintas fina*
e pa|M>l para desenlio.
Essencias anniialieas verdadeira*, fras-
cos e vidros para vidrac;a de ludo w ia-
manhi.s, e multo* oulros ob^eraia. riija
utiliilade e eniprego s rom a visto ptV-
rao ser mostrados.
Joo Pedro das Neves,
l-rente.
DE
J. VIGNES.
M.. &&. Rl'A l>0 IMPERADOR .V *..
Os pianos desta antiga fabrica sao hoje assaz conhecidos para quo soja necessario insistir sobre a
inca falhar, por serem fabricados d proposito, e ter-se feto ltimamente mellioramentos importan-
tsimos para o clima deste paiz ; quanto s vozes sao melodiosas e flautadas, e por isto muito agrada-
veis aos ouvidos dos apreciadores. .
Fazem-se conforme as encommendas, tanto nesta fabrica como na do br. Klondel, de Pars, socio
correspondente de J. Vignes, em cuja capital fonn sempre premiados em todas a expesicoes.
No mesmo estabelecimento se acha sempre um esplendido e variado sortimento de musieas dos
melhores compositores da Europa, assim como harmnicos e pianos harmnicos, sendo tudo vendido
por precos muito razoaveis.
CONSULTORIO MEDICO-GUIRI
COMPANHIA BKASILEIKA
DE
PAQUETES A VAPOR.
Dos portos do norte espera-
do at o da 17 do corrente o va-
por Oijn>ork, commandante o
primeiro lente Antonio Maree
lino l'ontes Ribeiro, o qual depois
la llenura do costume seguir para os portos di
sul.
Desde ja recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o ispor poder conduzir, a qual devera
ser embarcada no dia de sua chegada: encora-
raeodas e dinheiro a frete at o dia da sabida s 2
horas, agencia ra da Cruz n. 1, escriptorio de
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo cV C._________
COMPANHIA PERNAMBCANA
DE
.Vives^vS costeira a vapor.
Fernando de Noronha.
No dia 13 de abril prximo,
ao meio dia, seguir para o pre-
sidio de Fernando, o vapor Ma-
itni)iijtiai>e, commandante Mou-
ra._______________ ________
lili le Miguel.
S::he com a maior brevidade o patacho portu-
;; com o seu consignatario, na roa de Apollo n. 4.
DO
U FEKU DE ATTAHTTDE I.OBO MOdOOM>,
1!i:iIC O. P.IRTE1RO E OPER.4DOR.
3 Ra da loria, casa do Fiindo
O Dr. Lobo Moscoso d consultas gratuitas aos pobres lodos os
horas da manliaa, c das C e meta s 8 horas ua noite, excepto dos
Pharmacia especial liomeopathica
No mesmo consultorio ba sempre o mais appropriado sorlimento de carteiras
- 3
dias das 7 s i
dias santificados
m\ 1)4 FOKTIM.
AOS 5:000.000
Bilhetes garantidos
A' ra do Crespo n. 23 e casas do eostume
O abaxo assignado tendo vendido nos sena mui I tu|30S avulsos, assim como tinturas de varias dymnamisacocs e pelos preess segumies
afortunados bilhetes garantidos os de n. 2093 com Carteiras de 12 tulios grandes. 125000
de 24 tubos graodes. 18^000
de 36 tubos grandes. 245000
de 48 tubos grandes. :10j500O
> de 60 tubos grandes. 3-*>5000
Prepara-se qualquer carteira conforme o pedido que se fizer, e com os remedios
que se pedir. .
Um tubo avuiso ou frasco de tfntura de meta tica 15 00.
Senda para cima de 12, custaro os pi ecos estabelecdos para as carteiras
Ha tubos mais pequeos c,ada nm a 500 ris.
a sorle de 10:0005 em quarto*. n. 1775 com a de
3:0005. n. 2001 com os 5005 e outras muita* sor-
tes de 2005, 1005, 405 e 205 da lotera que se
acabou de extrahir beneficio da igreja de N.
S. do Amparo de Ooanna, convida aos possuido-
res de ditos bilhetes a virem receber seus respec-
tivos premios sem descont algum em seu esta-
belecimento Casa da Fortuna ra do Crespo n. 23.
O mesmo tem exposto venda em seu dito esta-
belecimento e as outras casas do costume os no-
vse afortunados bilhetes garantidos a beneficio
da Santa Casa da Misericordia, que se extrahir
sexta-feira 15 do correnle.
Precos.
Bilhetes inteiros..... jJOO
Meios......... >*oou
Para as pessoas que comprarem
de 1005 para cima.
Bilhetes....... :M
Meios......... 25(oO
Utmoel Martins Fiuza
3--RIA ESTUEITA 1)0 ROSARIO -3
Francisco Pinto Ozorio contina a col-
locar denles artiliciaes tanto |wr meio de
molas como pela pressao Uo ar, nao re-
cebe paga alguma sea que as obras nao
liquein a vontade de seus donos, tem pos
e outras preparaees as mais acreditadas
para conservaban da bocea.
^ociedade de seguros mutuo.
de vida iustallada pelo Batuco
Uuio ua cidade do Porto.
Os agentes ucsla cidade e provincia Antonio
Luiz de Oliveira Azevedo & C escriptorio na ra
da Cruz do Recife n. 1, estao autorisadws desde ta
alomar assignaiuras e prestar todos os esclarec
mentos que forom necessarios, as pessoas que de
sejarem concorrer para to til e benfica empre
as egurando um futuro lisongeiro aos associado
lo 29.
Nova leja dos baraleirot na ru 4
Ricas saias de fustaoa 55. camisa* ingleza 1
senhora a 25, 25-"uo, 35 e 45, ct*rtas dr fu
brancas a 55, chitas com lu.ln> |ra rotarla ro
6 palmos de largura a lio o covado, r.miiiraia de
cores para vestido a 320 e rovad, lias para veui-
do a 480, 560 e 6-40 o covado.
Ao i. 29.
Nova Inja dos baraleiros na ru do Qmtmii.
Tarlalanas de todas a. cores, fazenda niuib- Ib
a 720 a vara, cambraia para cortinado, \v* frtl
varas, por 105, chales de La |>or te, 45. ->5 Pi,
camisas inglczas para homrm a .:><5, 305 ;',*5.
Ao 29.
Nova luja dos baraleiros u na do Qienaada.
Ricos prelos, franjas de todas as qualMlad,
(rangas de seda, de algodao e de La. manf ulu
camisinlias Inirdadas, cullarinho piinh*, bdu*
bordados, botoes de vellud, iV seda e d.- fusta*,
bandos de caln-llo. meias de Mea, leqoe* : cojo
ertigos se vendem por metade do seo val* pr sor
para acabar.
I'recisa-se coniprar ai^umas casa* torrrm :
quem tiver e quizer vender, dirija-M a ra V
Queiniado n. 2-'i. que se dir ()lieiu prefija.
Quem tiver para vender um mum ip-
teiro de 1M a 24 anuos. padUa nrururar SfaMl
Uouvi-ia de Souza, 110 sen e>criptorio. roa \\*&-
lo 11. 30, que por mais de >ni valor nao deixara d*
eompra-lo, a^iadanilo-lhe a ligura.______________
- Precisase de una amarte boa rondn ii para
roatnhar o engommar, s for preciso : sa ra d
Crespo n. 10, loja.________________________
Wiiliam 'I10, soeio grenle da cas ile Itibr,
Sehamellau A C, retirase i.-.np..i inamentr para
Buropa o Aeixa u aireada da lu ooa anftaaa>
eial o Sr. Ilenr de la Graapa
Mugase a luja da UM po>la o m nu rt
Cres|K> 11. 4, com armac.lo e sem ella, para tratar.
em casa de J. Falque ua ucsiiia rua a. 4.
lina ama para casa <'.< Iimih i r.i mo
|i! pona familia, ollereeiiM' na rua Sebo mo-
inero 38.
Rio de Janeiro.
0 brigue nacional Ahnianle pretende seguir
eom inuila brevidade, tem parte do seu carrega-
inento engajado : para o resto que Ihe falta, e es-
*ravos a frele, para os quaes tem excellentes com-
modos, Irata-se com os seus consignatarios Anto-
nio Luiz de Oliveira Azevedo & C, no seu escrip-
orio, rua da Crin n. 1. ______________
Para o hio (ir nde do Sul.
Barca nacional Agnia.
Segu com a maior brevidade para aquelle por-
to, para onde reoefao carga prego commodo : tra-
ta-se com os consignatarios Bailar Jit Oliveira n.
20, rua da CauVia do Recife^_________________.
O patacho nacional Dons Amigos, estando
carregado, sabe no dia 12 do corrente para o Rio
de Janeiro. O navio de boa marcha e tem ex-
cellentes cominillos para passageiros ou escravos
a frete : a tratar com o capitao Jos lVreira Re-
cande, na praea do commercio, ou com os consig-
ualanos Amorim Irmos. rua da Cruz n. 3.______
llio de Janeiro.

Segu em poucos uias o brigue escuna Jocem
Arlhar, ton parte do seu carregamento engajado,
para o resto que Ihe falla e.escravos a frete para
isTjaaestem excelleules coinmodos trata-se com
(is seus consignatarios Antonio Luiz de Oliveira
Azeotdo ai C. no seu escriptorio rua da Cruz nu-
mero 1.
Baha
0 ualhabote Guraldi sabe nestes oito dias :
tratjf com Tasso Irniaos.
TUH.I.TKO
Sociedade dramtica M^lpo-
nieue Permimbucana.
Pelo psesenle sao ooBvidailo* indos os oenharaa
socios para ropiparecerttip em sess^o de assera-
bln geral no da 11 do corrente. as horas da tar-
de alim e frtar-sc de nejrocios Oe Importancia.
Secretaria da sociedad Motpoaaeno Peroam bu-
cana, 9 de abril de 1864.
Joao (N. A. Mftctl,
i secretario.
IIVICOH.
A melhor obra da bomeopalhia, o Manual de Medicina jHomeopalbico do Dr. lahr,
dons gt andes volumescem diccionario............ 7SS
Medicina domestica do Dr. Hering,........... lw!
Hepertorio de Dr. Mello Moraes. ............ JJj
Diccionario de termos de medicina ...,...,. 0000
Os remedios deste estabelecimento sao por demais cotilleados e dispensam portan-
to de serem novamente recommendat^s aspessoa que quizer era usar de remedios ver-
daderos enrgicos e duradores: ba ludo do melhor que se pode desejar, globos de ver- (
' dadeiro abocar de leite, notareis pela sua boa conscrvncao, tintura dos mais acreditados
esUbelecimenios europeos, a mais exacta e aecurada preparacito, e portanto a maior ener-
1 gia e certeza em seus effeilos.
Casa de sade para escravos.
RecelM-se escravos para tratar de qualquer eiifermidado ou fazer-se-lhe qualquer
ODeraco, D*ra o que o annuuciante julga-se suiricientemente habilitado.
O tratamento o melhor possivel, tatito na parte alimentar, como na medica,_e
fuoccionaudo a casa a mais de quatroannos, ha multas pessoas de cujo coocoito se nao
PTd?dSar, q7e pdem ser^consultados por aquelles que tosejaren mandar aeus
Paca-se 2S000 por dia durante 60 dias e d'ahi em diante W5G0.
As operacoes serlo previamente, ajustadas, se nSose quizerem sujeitar aos precos
raaoaveis que coetuma pedir o annuneiante.
It \\C O IAIIO
ESTABELECIDO XA CIDADE DO PORTO
Agentes em Pernambueo
A11I ouio Luiz de Oiivelra jj^
azevedo \ i .
Sacam por todos os paquetes sobre o [|
mesmo banco irazo ou vista, sobre a
caixa filial em Lisboa, e agencias em Fi-
gueira, tmbra, Aveiro, \izeu, \ illa-
Real Hcgoa, Vii-niia de Castello, Guima-
raes' Barcellos, Lamego, Cevilhaa, Braga,
Penllel, Braganca, Amarante, Angra,
llha da Terceira, llha de Faias, llha da
Madeira, Villa do Conde, Valenca, Bastos,
Oliveira de Azemeis, Chaves e "
oito dias vista ou ao prazo que se
cionar.no seu escriptono rua
n. 1.
I
11. 31.
recisa-se de um furaeiru u rua I n"Tial
Precisa-se de tuna prela 0:1 mu mi ?! 11 |i-
eja fiel, pagase bem : na ruad* IItIh a. IflaV
Pede-sc ao |iortui;uez MMaaarfaaa>, aiuioa
conhecido em llio Formes.- por l.ii eral Cmr. qu^
tenha a bondade de responder a um aaaiinrm .ahr
vem nos Diarios de 28. 25) e 30 do M pMaam
passado. que Ihe diz respeito. para aljrnen "*?
acreditar que se funde pona lina sem ligaile urna
famosa chapa de chumbo._____________________t
I'recisa-se alujar um nmleque mi vellm iM
saba comprar,para casa de puuea lauulia aa roa
do Trapich.' n. 26:________
Fafe, a
conven-
da Cruz
FOLWNHAS PARA 1864,
Na praca da Independencia livraria ns. 6
e 8 acham-se venda as seguintes folhi-
nbaspara I86iimpressas nesta typographia
em excellente typo e bom papel,
Folhinha de porta contendo as mate-
rias do costume, rs........
Dita de algibeira, sob a epigraphe
religiosa, contendo alm das materias
! do costume os sele passos da PaixSo
de Nosso Senhor Jess Cbristo ; cnti-
cos do mez Mariano; hymnus e jacula-
torias ao Santissimo Sacramento; ex-
100
no
coroa
30
rara o Ki Grande do Sul.
Brigue nacional T>gre.
Secue com a maior brevidade, recebe carga por
meco commodo para aqoelle porto : iraUt-se com
U consinatarios Bailar & Oliveira, na rua da Ca-
EI8ES."
Curso de inathemallcas cle-
iiu iitai<-s.
Oprofessor d malhematicas elementares
(ymnasioProvineiat tem de abrir pariieularmenle .
um curso destas sciencias. cujas li^Ses A
cer
SEGUROS DE VIDA EM MUTUALIDADE.
Adireccao do BANCO UNIAO tendo obtida do governo de S. M. F. a auiorisaco para eslabcjle.
o seguredevidas em mutualidades, faz publico que desdeja toma snbscnpcoes annuaes por urna
s vez, debai.xo das seguintesceadieoes
Com perda de capital e meros
Dito capital sement;
Bito lucros smente;
DE
tOO caixas com masoas.
(lcente Pestaa far leilao por conta e risco
da uimn perleaoer de cerca de 200 caixas de
,,'assas sordas, alelria, macarrao, lasanhe em
rfe#|.. citado e as melhores que. tem rindo ao
>rr?.lo e:n um ou mais lotes a vontade dos com-
l!StiZaM<*T*i~*o torrente pelas 10
^a^amafd.aanoariH.zemdoAnnes.
poTtrue nao smente se co-
ne'nbura resultado mas ato
cousas, conforme as condi^oes
iventcs tudo aquillo que os so-
*W^#WPmWs, sao por esbnotivo' obrigados a pagar, bem como caducidades que
:e-se urna mulher para ama interna de occorrerem pe]a Wt ^em,n'inento^c^KTi!^Shftla Tutelar e outras ; e parase poder
l pouca familia ou de hornera solteiro : As liquidaces sao nelo svsteraa das comptrohKis hc>pal)hoI^ Tu ti,ir ^ b u b^ea.
fazor uma idea do que pode prodnzir urna entrada, aunual de lu, punnea-se a sejjuiuie uo^a
ta sobre a experiencia de muitos anuos decompanhias desta natureza :
dd S0Urt Em S aunQS Em 10 aanos Em lo aonos Era 20 annos Em 2,i aimo
lfcroce
uma casa de pouca
na rua das Trincheiras n. 13.
Antonio Duarte Carueiro Viaona vni a eiiro-
pa, e deixa por seus bastantes procuradores o
Sr. Antonio Pedro de Souia S ares, seu primeiro
procurador c gerente de todos seus negocios, em
segundo lugar os Srs. Prente Viahna Je ''., o ter-
ceico o Sr. Jos Joaqun da Costa Piiiheiro.
Arrendarse ou .vende-so uma casa Com' bas-
tantes commodos. com lerreno de plantaces, pert
do baiiho por ser junio a ponte de Tigipi : a fal-
lar no engenho Peres com o capitao Carneiro, oh
nos Afogados com o bmcnle-coronel Manoet Joa-
qninj do Reg Albuquerque,
plicagoes de diversas oraoes;
Seraphica; exercicio ao sagrado cora-
co de Maria; oracao para visiUr as
igreias no dia da Porciuncula ; oracao
para escolha dos estados da vida ; dita
a Senhora da Conceico ; e meditacoes
sobre a reforma da consciencia, rs. .
Dita de dita, sob a epigrapheVa-
riodade, contendo alm das materias do
costume : receilas uteis e necessarias
aos diversos raysterios da vida ; physi-
ca e recreativa ao alcance de todos:
pilheriase ratices; poesas; charadas;
mximas e pens.imentos colligidos por
um curioso...... .......
Ditas ecclesiasticas ou de padre para
res^r o officio divino, redigida pelo re-
verendo conego penitenciario da S de
Olinda...........640
Precisa te de um cralo da 12 a 16 annix
na rua do Corredor do Bi-po n. 2\.____________
Precisarle de unu >ma ipae oeja e*enr. h
ra cozinhar e engommar. paga se !in : na ni
Direta n. 72.
MTK, lAITMlMI ^ .
Itua tarija 4o Rosar a. 31
Veaow:
Todos os remedios uo Dr. Uul.lr.
Capsulas e ini-ceao ao maliro.
Injeccao Pauga *
Piluiasdo Dr. Alian.
Pillas do Dr. Laville.
Pilulas do pobre-huinem. eicellpnt coara rhrn-
malismo.
Pilulas para sezoes. i
Pillas e ungento llollovai
Phogphatu ferro de larras.
Todos os remedios de Keip : HaffJ
anacaliuila. salsa de Brisii>l, eX. de.
E muitos oulros medicanienlo e ^sawiali que sempre se encoutrarao em oila botara.
iiTIC\l-;K(Ni.\ll\
BARTHOLfaJEl' & C
It na Larga d HowrU pjw
\ Miite:
Ventosas de gomma elastii.
Ksmaite.. para ourives.
Fundas iugleaas.
Vidros de bocea larga rom rolla.
Tinta branca em massa paia pintura
a libra.
320
A
llfpfljM
Tjiyn-^r
0 abaixu assignado dcclara'quo at hoje
encarregou da festa de Nossa Senhora
__ |>-se i'lfeeiivainente dintieiro a premio em
pequeas e grandes quantias : na rua
numero SU.
Por um
Por
menino de 1 dia
: t T
de 3
, de 4
uma pessoa de
> de
anno
'
20
HIH
a 4
lS
a TO
905
8R5
M&
8fiS
R6$
90*
400*
300*
2!10S
280*
270
270*
-2705
27H3
300*
OOA
750*
72(>*
710*
700*
700*
.38
7uU*
2:000*
1:7004
1:600*
1:560*
1:530*
1:540*
1.500*
1:6000
1:800*
nao se
d Soleda-
l de'na igreja de Santo Amaro das Salinas, bem
1 7001 como W,e "nda Iem rt" em refereneia ao enc.ir-
l-T00 regado dessa feoto, mesmo porque nao se qtier in-
1 40ol trometler em semelhanle negocio. A nao ser um
VTiOa Vl'ril;w,,'iro ''rapla ou caiinaiador infame, nao
T3304' P"* ah;,ixo assifnadnaefeditar 'ue algnem Ihe
il 400J teida aUfiboido ntene.nc;io em ta| negocio, pWo
3:7004
5:000*
As erradas por uma. s vez ^g^lgJggSS jTKa Xochao.-F
Porto, 10 de agosto de 1863
Augusta ja>r flaVpoorr.
I -ngentes em Pernamwco : Antonic
V.
Ut de Oveira Azeved* C rua da Crnz n. 1.
que desde ja declara o contrario.
Trslao Francisco Torres.
AMA
rrecisa-se de nn wna para engommev e cozi-
nhar n'uma casa V duas pessoas de famis : no
caes do Ramos r*. 3i wgimdo andar.
fioaiajor-
"o bacharel Jos Ruierto da Coaaa Sal-
les continua cora o si csrripturio de ad-
vogado ;\ rua eslre d<> Rcarm a. 41.
! aadar. onde pode ter proraradodao 9
horas da tnanliaa as 3 da (ante: oaaaa
na mesma rasa.
paj pajjj
t rua Ja>
T1NTURI4RIA.
Tinge-se com per^icSo para
cor, e o mais barato posairel:
Rangel 0. 38, segundd a*r.
UELOIOS,
Vende-se em casa de Jolinston r>,r *
C rua do Vipwh i 3- un M^9"fti-
menlo de rebigioa d> r P^*"? ^1
glez, de um dos am#anm*iM
de Liverpool, e larnhem um
bonitos trancellin> |>ara os
rarieoMi
lll.-t*'S
INJECCAO BKOW.
gafirrlna
Remedio inallivel *>?*
recente?, nico tkaaw ra W>-
rn da Crax a. pft
antigs e
tica franceza
co30.


RODPA FHTA
!*0
ARMAZEM
D
O Br. WHtla awss te o*~eoa escrip-
rin de a4vocai.i kunua do Crespo n. 1 ?
ser nfoiibndfl todos os dius iiieit' 9
10 bara* da mauka s 3 da Urde.
LETREIRO VERDE.
Neste esfetkoimento 'ka serapre um sortimento comple** de roupa feila 4e
todas as qualidades, tambe se manda faaer por medida, vaotade dos ooooar-
rentes, para o cjue tem um das melhores professores, assim cobiq tambem tan um
grande e variado sortimonto de fazendas de homens e meninas.
Casacas de panao preto, W* 3000; *>** de setim preto- .
Sobrecasacas idem, 300-e.. 25)>000 Ditos de ditos e sedatbranco,
Paletos idem e de cores, 286, $4 e ...... .
205, 150 e......100000 Ditos de gorgurao de seda
Ditos de cascmira, 20,5, 154. pretos e de cores, 120, 100 e...... 70000 Collctes.de fustao e brindaran-
mm\
HvhMpeda
AWAVIATA.
A' na Francisco Garrido Utudo negociado o seu aatigo
Aotel denominado Brotntr, abri urna nova hos-
pedara ein a rasa n. S da ra larga do Rosario
cujos commodos hab litam a annunciar ao pcbli-
M-coque nella ter empre lodas as iguarias nreoa-
,ia rasa haver todoe^aaero de bebidas necessa-
rio, a iimie sorvrte .muito bem feito, e dous bilha-
*m de mogno competentemente preparado?. Ewta-
ra aberla desde as inoras da manha at ;li
*4a noite; e ludo slo-sar feito por precos to-ra-
xoaves que os fregueses necessariamente licarao
sttisfeilos. Para metor conhecimento do publico o
.pnoprietorio declara que .a asa a etn que fuoc-'
awnou a muito coabccidasociedade Corybantina.
Ditos de alpaca, 50, &0 e
Ditos ditos pretos, 90, 74
50. 40e .......
Ditos de brim e ganga de co-
res, 40500, 40, 30500 e. .
Ditos branco de linho, 60, 50 e
Ditos de merino preto de cor-
dao, 100, 70 e.....
Calcas de casemira preta, 120,
30500; co,3#oO0, 30 e
,, ^Seroutafi de brim de kobo,
30OOOI 20400 e ......
ijmnn Ditas de 'te0*0 4 *m e- -
,,*UVU. Camisas de peitos de linba,
40000, 40, 30e......
Ditas de madapolo, 205OQ,
50000; 20e........
i Chapeos de assa, pretos fran-
100, 80 e......74KXW! cezes, 160, H e .
Ditas de cores, 90, 80 e.
Ditas de meia casemira de co-
res, 50000 e.....
Ditas de princeza e merino pre-
to de cordao, 40500 e. ,
Ditas de brim branco e de co-
res, 50, 40500, 40 e .
Ditas de ganga de cores, 30 e
Colletes de velludo preto e de
74000 Ditos defltro. SS, 40,30500 e
'Ditos de sol, Se seda, 120,
4i5GOO 110, 70 e......
Collarinhos de Uafeo fino, ulti-
40000] ma moda.......
I Sortimento completo de grava-
205O' tas.
20500 Toalhas para rosto, dueta, 110,
20000
10400
20500
10600
80500
20000
fJ0OOO
640
0
Aluga-se o prnieiro e segundo andares da
SP? rcaa n. 193 da ra Imperial : na ra da Aurora
" inaaiero 36._______________________
O baebarel Perpentino Saraiva de Araujo
Gahao, residente na villa de Pao d'Alho, onde tem
*eu .escriptorio de advocacia, adiando se autorisa-
do peta directora da lostruocao publica, ensina os
.preparatorios de lalim e frascez.
doutro sim recebe em sua casa, mediante razoa-
elipensao, os alumnos, cuj6 pas ou encarregados
nao possam de outra maneira man te-los na villa.
Aceita igualmente meninos de primeiras letras
oe,confiar pessoas habilitadas e idneas para o
es, medico pela Uni
vereidadedeCeimbra, d consultas em
sua casa das 9 s di fcoras da manha, o
das 4 s6 da tarde. Visita os doentes
eai suas casas regularmente as horas
para isse deejgnada, salvo os casos ur-
gentes, que anrao corridos em qual-.
qaer occasiec D consultas aos pobres
que o procuraren) ao hospital Pedro II,
aonde eneoatcada diariamente das 6
s 8 horas da "macha.
Tem sua casa de sade regularmente
montada para resaber qualquer doente, I
anda mesan* os atiesados, para o que
tem commodos apropriados e nella pra-
tica qualquer operacae cirurgica.
Para a casa de sade.
Prmcira classe .'(000 diarios.
Segunda da.... 2fiSO0
Terceira dita.... 2^000
Este estabelecimento j bem acredi-
tado pelos bons servicos que tem pres-
tado.
O propietario espera que elle conti-
nu a merecer a conflanca de que sem-
pre tem gozado.
A VELHA ENCICLOPDICA
tespeltavcl estabelecimenfo de fuzcadas
Crespo numero 19.
DE
fl
a libkhiiam: m brasil
SEU NASCIMENTO. VIDA MORTE
E SEPULTURA
Per Afi'iiiiMi de Albuqaerqae Mello.
Est a imprimase e (ar vm tolutne de 400
pagiuat.
J foi publicado no Diario de Pernambucoo prin-
l.iquHafio.
JOS GOMES VILLAR.
Teude irretid a prolrcri das
EXCELLENTISSIMAS SENHORAS,
e lo publico ein eral.
Oproprietario nao descanca um s momento para bem servir aos sea* (rf u^-. u.
zendo encommendas para
Inglaterra, Franca, SuUsa e Allenaiha
das melhores fazendas para
Sen horas e para homens
[e vende-as por precos que admirara.
Imporlanle eslabflrciaeaU
Importante cstabclecinieiilo
DE
Fazndas
1.1 Xeller na ra da Imperatniz faz qualquer ne-
qucDcia da abundancia de materia que tem este
jeraaL
r?or aquelle principio o publieo ter podido ver
DE
Seda, ISa, lindo e algodSo.
Ra do Crespo numero 19.
RECIFE.
Vende liaialissimo.
DE
Fazendas
Seda, lia, linho e
de
Ra
'dio
a do Creapo nnaaero 19
(6eio coiB sua loja, seja com fazendas ou sera ellas, se a materia de.ver ser ou nao interessante.
Tambera continua a vender baratfesimo para aca-
. bar depcessa com tudo que existe oa sua loja.
Ama deleite
Preeiea-se de urna ama de leite f uc tenha bom
leite : a auida Florentina n. 31, quina da ra
Bella.
| e........
cores, 90 e. ..... 70000 Chapeos deso, de alpaca, pre-
R Ditos de casemira preta, 50 e 40000 tos e de cores.....40000 US
U| Ditos de ditas de cores 50 Laa 40 e........30500 Cobrtas de chita chineza., 20000 "4
padc Flix Barreto de Vascwicelios
trausferio a sua aula de latiin para casa
do lllai. Sr. I)r. Jos Soares de Azevedo,
actual director da instruccao publiea da
provincia, na ra Bella n. 37. Os inte-
ressadospodem entenderse ou cora o
mesmo Dr. ou com o annunciante, das
8 al s 11 horas da manhaa.
O mesmo aaounciante anda precisa
de um primeiro andar para sua residen-
cia no centro do bairro de Santo Antonio
e assim tambew de Sima ama escrava,
KECIFE.
\f*it baratiMo*.
0 Dr. Cosme de S Pereira conti-
na a residir na ra da Cruz n. 53,
Io e 2o andar, onde pode ser procu-
rado para o exercicio de sua profis-
so medica, e com especialidade
sobre o seguinte
Io molestias
2o
3o
KMWOtpilMaWB^^ "er-
Precsa-se de urna senhora para ensinar o
pertuguez, msica e costura em um engenho : a
tratar com os Sr*. Leal & Irinos, com escriptorio
na ra da Cadeia.
Offerece-se paracaixeiro de taberna um ra-
paz de 13 annos, chegado prximamente de Portu-
gal : quem precisar dirjase ra do Vigaro n.
12, primeiro andar, escriptorio.
lili.
Precisa-se de una ama para casa de pouca fa-
milia : na praca do Corpo Santo n. 17, terceiro
andar.
AVISO,
Boga-sc s pessoas que tiverem penhores em
meu poder, o favor de vir resgata-los no praso de
30 dias, a contar de hoje, lindo osquaes serao ven-
didos para pasamento ; depois do que nao tern
direito a exigi-los em qualquer tempo. Becife 7
de abril de 1864.
___________Jos dos Santos Ramos do Oliveira.
Machina de vapor, propria para mover ma-
china de discarocar algodao, e para padaria ou
quali|ucr outro mechanismo qui precisa da brea
de 2 at 3 cavallos : para ver o eucommendar. os
pretendentes podem dingir-se ao Sr. Antonio Maia
de Brito, fabrica de cigarros a vj
OnartoU
Magues sobre Portugal.
O abaixo assignado, agente" do banco
mercaniii Portuense nesta cidade, saea ef-
fecti va mente por lodos OS pai|lie(-s SObl'C
o mesmo banco para o Porto e Lisboa, por
qualquer soraraa, vista e a prazo, po-
dendo logo os saques a prazo serem des-
contados no mesmo banco, na razao de 4
por cento ao anno aos portadores que as-
sim Ihe convier : as ras do Crespo n.
8 ou do Imperador n. 51.
Joaquinr da Silva Castro.
.'-.'i
Oalaixo assignado tira passaporte para den-
tro e fra do imperio, despacha escravos e encar-
rega-se de agenciar compras e vendas dos mesmos,
mediante a paga que.se convencionar, e nao rece-
be-os em sua casa de commissao, como por enga-
o foi annunciado ha dias por este mesmo jornal,
podendo ser procurado em sua casa na ra Velha
da Boa-Vista n. 38.
Caetano Mendes da Cunha Azevedo.
A ticlicao.
D-se dinheiro a juros com hypotheca
era predios ou com boas rmas : na boti
ca do Sr. Gameiro, se dir quem da.
r*
Alugue!.
Aluga-se a casa terrea da ra Velha
22 : a tratar na ra do Sebo n. 2i.
Anentlameuto.
Arrenda-se o engenho Canzanza, distante desta
praca cinco legoas, moente d'agua, com todas as
obras, c boa casa de vivenda : a tratar no enge-
nho Carauna com a proprietaria.
(lasa de commissao de escravos na ra
do Imperador n. 4o, terceiro andar
Nesta casa recebem-se escravos por commissao
para serem vendidos por conta de seus senhores,
nao se poupando ex forros para que os mesmos se-
jam vendidos com promplidao aflm de seus senho-
Precisa-se de urna ama forra ou escrava que sai- res n*o soffrerem empate cora a venda dellcs. A
lia engommar peritamente e cozinhar, de boa!casa tem todas as oomtnodidades precisas, e segu-
fapor. na ra dos conducta, pagase bem : na ra das Cruzes n 36 ranea, assim como afianca-se o Jui/n. trsuaoientn
1 rj">-~- .-i.- | -onipto [mra vender escravos de ambos os se-
1 xos, vellios e novos
^m*
Precisa-se fallar na loja ,i ra do Cres-
po n. 17, com os senhores Pirinino Moa-
Miro da Silva Carneiro, Pedro Barbosa
da Silva, Jos Antonio Lopes Jnior a
negocio de nteresse.
Precisa-se de urna ama que saiba engommar
o de bom comportamento : a tratar na ra do Im-
perador, armazem de louca n. 41.
Precisa se de urna ama de leite sem fllho :
na ra da Concordia, sobrado n. 34, armazem
do sol.
m
CASAS
al "gar
nho, felts a moderna, o com commodos pai fa-
milia : a tratar com Jos Joaqnim Lima Bair.io,
na ra da Cruz n. 18.
para
Aluga-se a casa na ra do Mondego n. 7, com
bous commodos para familia, tem 2 salas, 4 quar-
tos, cozinha fra, quintal e cacimba, e na ra I)-
reita n. 36, loja, que serve para um estabeleci-
mento on casa de morada, tem quintal e cacimba :
tratase na ra da Cadeia do Becife n. 29.
itiir
Acalia ii saliirdos prelos de no'sa
eflicina o almanak civil, ecclcsia>tico,
commerefl, fabril e agrcola, conten- |^aVp0red1rfee d"M 3:^,Mbre hy^
do todos os empreados, engenhos e
negociantes, iicIhsvc as modificaces
havidas ale M de dezemnro ultimo ;
vende-sea 1$000 uuicamente na li-
vraria n. 6 e 8 di praca da Indepen-
dencia.
O abaixo assignado roga encarecidamonte
pessoa que se dignou procralo em seu escripto-
rio pira entregar urna carta vinda de Lisboa para
seu mano Antonio Rodrigues de Almeida, a bouda-
de de ir de novo o procurar,
Preta
0 hachard
Francisco Augusto da
Costa
ou preto.
Precisa-se de urna preta escrava para cozinhar,
ou um preto velho para trazer umcaixao com co-
mida da Soledade para a loja da ra do Queimado
n. 16. onde se trata.
Precisa-se de um caixeiro para urna fulirica
de espiritos : a tratar na ra Direita n. 28.
Al-.igamse duas casas terreas sitas na ma da
Ksperanca, ra que vai da Soledade ao Mangui-
Roa
advogado
no MPEiuDon n. 69.
Para imprimir urn volume o autor pede asigna-
turas smente quanto baslem para as despuzas
da rapresso e brochura.
E' a summa da obra mostrar como a liberdade
no Brail tem sido sempre sophysoiada pelas tran-
saccoes que tem feito o partido liberal com os cor-
cundas, governando quasi sempre os corcundas
anda mesmo com os liberaos no poder; mostrar
como para este tim, nao tendo os corcundas apoio
no povo, tem corrompido o paiz para vencer as
eleiciVs. e ler as cmaras suas; tem corrompido
as cmaras para destruir todos os actos legislativos
do partido liberal, todas as garantas constitucio-
naes.
Como, por estes meios, os corcundas tem redo-
zido e paiz ao pauperismo e miseria, faltando
cada um toda a garanta do direito, e portanto to-
dos os meios de vida, porque onde nao ha garan-
ta s ha extersao, qur dos governantes, qur dos
mais fortes, e nao ha industria licita que d para
vi ver.
E' como urna historia, desde a independencia ate
hoje, fazendo-se apanhado smente dos factos im-
portantes, donde comecou a nasccr a liberdade no
Brasil, e como ella tem sidoespancada, ssassioada
e enterrada, analysando-se todos esses factos, c de-
monstradose todas as consequencias das arlima- I
nhas do partido corcunda, e da imbeclidade, fra- |
queza e corrupcao do partido liberal no Brasil, me-
nos era Pernambuco al a ratoeira da revolucao
de 48, em que o li/.eram cahr.
Analysa-se todos es ramos da admnistracao, e
mostra-se como tudo feito em defraudacao da I
causa publica, dos interesses da communho, e em tahelecimento de fazendas na ra do Crespo.Vvi-
beneficio smente dos protegidos : como todas as sam a todos os seus devedores em geral, que de-
emprezas e melhoramentos s tem de bem publi- ram procuraco especial ao Sr. Ivo Martins de Al-
eo c pretexto, e de real a locupletacao dos afi- meida para receber amigavel ou judicial ; e sem
IWdos. queporisso tenhamos a menor responsabilidade
-Precisase alugar d.m prel* para ffW
fazendas na ra : a ,hsso miffZSm SS,
dirija se a ra do Padre Floriano n. 21 tJTR
horas da manhaa, que achara HUMM tratar n
annunciar sua resj.lencia para ser pr.K-uradT'
Precisa-se de um menino de 12 a T
com pratica de berna ou sem eila aa
ra das Crioulas n. 27.
de olhos;
de peito :
dos orgos geniti
urinarios.
Em seu escriptorio os doentes se-
rao examinados na ordem de suas
entradas comecando o trabalho pelos
doentes de olhos.
Dar consultas todos os dias d s]
6 as i0 da manha, menos nos do-
mingos.
Praticar toda e qualquer opera-
c5o que julgar conveniente para o
prompto restabelecimento dos seus
doentes. i
COMPRAS.
Comprase enectivaroente ouro e irata
ras velhas : na praca da ln1|PI-.n.i..n,.V .
obras
loa de bi I heles.
na praca da Independencia
a. 23
L ompra-se efectiva-
mente
ouro e prata em obras velhas pagandVw kem
na ra larga do Bosario n. 4, i.ja de mirivea.
Comprase cobre, lalao chumtw : ao ar
mazem da bola amarella no oili a da secreuria de
polica.
Gamifi.
Campos & Lima t?ndo acabado com o seu es-
L'ompam -e garrafas vasias
e tambem frascos e botijas de
do Imperador n. ."7, armazem Al]
12 14 amo* :
Umcliic-se pela analyse da situacao, e mostra-se j com o que o mesmo senhor tenha de obrar, motivo '\aem "ver, dirija se travessa la Madre d.; I. .-
Compram-se escravos m.
barato : na ra da Cadeia n H
Compra-se um molei|ue de
vinho e erTrja.
[enebra : aa ra
inca.
vn.li
como Pernambuco com as quatro provincias suas que s com elle se devero entender.
n. 2, que achara com quem trata .
Compram-se garrafas e b* lijas vacias por
s assig
naturas nao chegarem para a publicagao. Depois
de impresso custar o volume '.i&. Assigna-se na
livraria ns. 6 e8 da praca da Independencia.
DENTISTA DE PARS
19Ra Nova -19
Frederico Gautier, cirurgiao dentista,
IOS to.l...> .... ..(.- i o._". ^ iA%> SU. Al M3, C CUl-
loea dentes arliflciaes, tudp com supero-
ridade e perfeicao, que as pessoas enten-
didas Ihe reconhecem.
Tem agua e pos denuncio.
Dinheiro vista.
! Algodfiozinlio com pequeo
toqu de avaria a 4,^500
e 5^000 a peca,
Vcnde-sfi na ra do Queimado n. 14, superior
algodaozinho com pequeo toque de avaria je
63 a peca, a elle que est se acabando.
mais 2o 0|0 do preco actual
mero 72.
na
V//ia
tncom.m nda.
No armazem do caes de Apolla n. 55 compra
um cylindro para padaria, queesl ja era bota es-
tado.
Compram-se frascos de gen bra vasias
ra Bireila n. 72.
Compram-se casas terreas quem liv.-r
quizer vender, dirija-se praca e Pedro II n. t.
Na praca da Independencia, loja de ourives
n. 33, compram-se obras de ouro, prata e pedras
preciosas, assim como se faz qualquer obra de en-
commenda, e todo e qualquer concert, e igual-
mente se dir quem d dinheiro a premio.
' tao novo
Vndese o ultimo piano mandado fabricar em
Pars, especialmente para este clima, ecom todo
I cuidado possivel, pelo bem conhecido Joao Lau-
Na ra Imperial n. 1 precisa-se do urna ne- i iMmnicrque teve armazem de pianos na ra da
gra cozinhcra e ongommadoira. | Imperatriz; e por ser o ultimo, vende-se muito em
A nessn-t ma annuni-irm ^r.,;-n, a a "nn conta.s para salvar o dinheiro que se tnha adian-
a +fB$&ggZ Klo? JlSI! f : "" l-^ro
gir-se a Santo Amaro, ra da Aurora, depois de
passar o Gymnasio e a ponlezinha de ferro, a se-
gunda casa ao p do Sr. comniandante de cavalla-
na. .Na mesma casa compram-se aeces da com-
NOVO SYSTEWA
DE
ESCRipriRACio mcmiL
POB
Partidas dobradas.
Jos Antonio Gomes Jnior vai mandar para o
prelo um novo systema de escripturacao mercantil
por partidas dobradas, de confermidade com a de-
cis-'.o do tribunal do commercio da capital de im-
perio, em sessao de 27 de Janeiro de 1851, em vis-
. e caso o nao encon- la da qual pode o Diarto ser escriturado or ex-
!S,lTi ,,,h.0 "^"eriptorio.ltracto.'do.lirros auxiliare" sendo as eoZl e-
ou declarar por esse jornal qual o lugar em que o raes (do amigo systema) letras a ,gar, e letras*
deve procurar.
Luz Antonio Bodrigues de Almeida.
receber. substituidas por columnas as contas cor-
rentes, demonstrando estas por urna simples som-
Aluga-se urna casa terrea na ra da Alccria ma\em lual,iuer momento que o commerciante
queira saber o estado de sua cas;
devedoras, e quaes as credoras, as respectivas
e uma loja no largo de S. Pedro : a tratar com ]Uer estado de su? quaes a
i columnas.
Joao Hibeiro Lopes, ra da Cadeia n. 33, loja.
Moleque.
Precisa-se alugar um moleque de lo 16 annos
de idade: na ra do Queimado n. 28, primeiro
andar.
Criado.
Precisa-se de nm criado
n. 28, primeiro andar.
O bataneo geral, formulado segundo este novo
systema, nada deixa a desejar, como se observa em
di Itrenles modelos.
| Ainda contm esta obra: 1- uma taboa com n-
meros fios, potos quaes conhecido o proco de uma
I arroba (seja elle qual for) de qualquer genero, por
lima simples muttiplicacao se conhece o importe
de qualquer numero de arroba, libra e oncas a 2*
,o decreto n. 313!) de 13 de agosto de 1863, que
na ra ao yueimado declarae modifica o regulamento do sello n!27!3
de 26 de dezembro de 1860 ; 3 o decreto n. 3217
_ de 31 de dezemhro de 1863 que altera as disposi-
fa- ces do regulamento das alfandee-as.
ces do regulamento das aifandegas.
AvnaGMk
No trapiche de Casianha Grande se acbam tres
barricas de farinha de trigo chegada no mez de
dezembro ; quem a ella se julgar com direito, diri-
ja-se ao abaixo assignado, dando os necessarios
signara. Norberm Cavalcanti doAlbuquerquo.
O advogado Eduardo de Barros pode
ser procurado para os misteres de sua
protissao, das 7 s 9 horas da manha e
das 3 da tarde em diante na casa de sua
residencia ra da Saudade n. 15.
Credores.
YENDAS
Vende-se salitre de sii|>erioi
barato preco : na ra do Vigano
- Vende-se um sobrado de u n andar e solo
Os credores do Sr. Francisco Virssimo do Bego IJ
Barros queram entender-se com Tasso Innaos, ra
do Ainorim n. 3o, segundo andar.
0 bacharel A. B. de Torres Bandeira,
profossor de geographia e historia no
Gymnasio desta provincia, contina no
ensino particular destas inesmas disci-
plinas, e bem assim de rhetorica, phlloso-
phia, inglez e francez : na ra estreita
do Bosario n. 31, terceiro andar.
O Dr. Carolino Francisco de Lima San-
tos, eontina a residir na ra do Impe-
rador n. 17, 2. andar, onde pode ser pro-
curado a qualquer hora do dia e da noite
para o exercicio de sua profissio de me-
dico ; sendo que os chamados, depois de
meio dia at 4 horas da tarde, devem ser
deixados por escripto. O referido Dr.
nao abandonando nunca o estudo das
molestias do inlerisr, prosegue, com o
maior afflnco, no das mais dilliceis e deli-
cadas operacoes. como sejam dos orgos
ourinaros, dos olhos, partos, etc.
sito na ra de Apollo n. 8, rom
e forte*,
armazem.
ra Difiu
qiialidade
31.
p.r
0 quartos e um
grande armazem : quem o quizei comprar, eab-n-
da-secom Bernardino de Sena un ;, que. dir quena
, o vende.
Vende-se a parte da casa dk pedra e cali-
luada na ra da Soledade n. 50J em chao pro-
' prios, cozinha fra. cacimba com boa agua, e pun-
tal mando, I qual parl se aelia ivre e ilesemha-
racada, e corresponde ao valor de 1:2155 ; *-ml-
| por conseguinte a oulra urna peq ena |*arle no .!
trezentos e tantos mil iis, segu ido a anliga ava-
liarao : os prelendentes poderao entender-se com
o Dr. Campos, que indicara o ve dedor.
Precisa-se para uma casa eslrangeira de uma
escrava robusta, liel e sem vicio, que saiba bem
lavar e fazer o servico interno de urna casa, afian-
ca-se bom tratamento : a tratar em Santo Amaro,
casa do Sr. Carlos Luiz Cainbroune.__________
Uma pessoa competentemente habilitada, e
que offerece todas as garantas de illustraco, de
moralidade e de longa pralica de eusino, se pro-
po-- a receber em sua casa, qur como pensions-
las, qur como meio-pensonistas, qur simples-
menle como externos, um limitado numero de me-
ninos para Ihes dar a educaco moral, religiosa e
Iliteraria, que se pode receber nos melhcres esta-
belecimentos desta naturezit Nao se recebera in-
ternos maiores de Itlnnos. As condicoes de ad-
missao, assim coma'htdas os maisesclrecimentos
a este res|*eito sera fornecdos no escriptorio da
praca de Pedro H n.> em todos odias nteis'das
9 horas da manhaa s 3 da tarde.
Alto -'----------
IVIH
ATTEJV^iO
Ad >acacia.
I 0 bacharel Lourencx Avellino de
I Albiit|uen|ue Mello, antigo advoga-
fc do desla cidade, tendo regressado
^ ella, tem aberto o seu escriptorio
M ua do Imperador n. 40, onde pode
yj ser procurado para os misleres do
B sua profisso todos os dias nteis
das 9 da manba s 3 horas da
jg larde, e offerece como garante a
jgs seus constituintes a nao interrompi-
B da pratica de 25 annos de advoca-
cia. O mesmo aceita partidos e
H| tambem causas nos lermos do in-
S lerior onde tocar a estrada de ferro. $ I
Fazem-se llores de todas as qualidades, tou-
cados de seda e la, carapucas e sapatinhos de
la por diminuto preco, assim como cosem-se cos-
turas finas egrossas," bordados e labyrintos : na
ra da Uniao n. 43.
lalim e franrez.
Eslao abenas estas duas aulas desde
o 1 do correte, no sobrado n. 52, da
ra da Cadeia do Becife.
Caixeiro.
Prncisa-se de um pequeo de 12 14 annos, na-
cional on- cstrangeiro, para caixeiro de fra do
balaode-uma bdlkx na cidado da Parahiba : os
Offerece-se uma ama para casa de pouca
!Ia\Se?Xni^WZSaa? E2L J A edi,^dlaoh" vai ser feitem beneficio do!^~m~<3SSk
F2^X*'l^^*^!fl*tt& "P'*1 Portuguez, porofferecimenlo do
Na ra da Conceijao n. 11 precsa-se de um me- prelendentes podem dirigr-se ra da Cadeia do
nio de 10 a 12 annos, dos chegados ha pouco da Jlecife n. 44, a fallar com Thomaz Fernandes da
Cunha.
se ra do Imperador no terceiro andar n. 16. .f esper-^que1 o"publico conc.'irra com^^Decnva !".?.a S!A" Fra'lcisc0 8> a fa,lar co"> o esc'rivlo tres andares, "com "ampias accommodatoes para
que o publico concorra com a respectiva
Aluga-se a casa n. 36 na ra da Matriz da assignatura, nao s em attencao a utilidade da dita
Boa-Visla, o segundo andar do sobrado n. 9 na ra 0Dra. mas tambem ao flu a quo applicado opro-
Direila com fundos para a ra da Penha c a luja : ducto.
a tratar no mesmo. Subscreve-se na praca de Pedro II, escriptorio
-'--------------------------------------------------------*- : do lllm. Sr, Dr. Fonseca, e loja de livros dos lllms.
\\t \ ItlV f l-'I^f? Srs- Guimares & Oliveira ; ra -la Imperalriz
^,iW Wj, iVr'"-B--!l (aterro da Boa-Vista) loja da bandeira n. 28, e em
t-recisa-se ae urna ama de leite que seja forra e casa do autor, ra do destino n. 3, das 4 s 6 ho-
ni r^T'Hr^'L0 S ,ehamais de4 a6 mezes: ras na oc-asiao da entrega.
Quera se quizer alugar para criado, dirija-se I Precisa-se alugar urn sobrado de dous
-ua de S. Francisco n. 8, a fallar com o escrivao tres andares, com ampias accomi
S- uma familia numerosa, e aluga-se por cinco ou
I mais annos, com todas as possives vantagens para
o proprietario e para o inquilino, prefere-se casa
Precisa-se de uma ama para o servico de uma Jl^iX"'^^!,e a,rv},rtdo'. e. que ao seJadi?"
casa de pequea familia : na ra do Queimado n K^tl nV 3 lraUr n escnptono
28, primeiro andar. ra-a dt't(lro n- *
XiHtEtS
DE
PARTIDAS DOBRADAS
OFFEHECIDAS
A ASS0CIAC0 COMMERCIAL BEXEUCEXTE
DE
i*i<:ii.\iiiicrc-o
POB
Terceiro escriturario da tbesouraria
de fazenda de Pernanliuco e eomuetentenienle ai-
torisado para exereer pro-
fessoralo particular de arillimelira uamesma
provincia.
Acha-se esta obra nos prelo da typographia
Commercial, d'onde em breve sahir luz da pu-
blicidade em ntida impressao c sob o formato de
8* portuguea.
Compoe-se esta obra de um volume, dividido em
uma parte theorica e outra pratica, de fcil alcan-
ce s pessoas que se queram dedicar ao esindo da
escrituraco.
A respectiva assignatura acha-se aberra em to-
das, as livrarias desla cidade, ao preco de 5A000
por volume.
HniaYssjBM slBRSi
Comt:mlila adelldade de
seguros martimos e ter-
restres estabeleclda ao
Rio de *ane!a*o.
AGENTES EM PEPNAMBUCO
Antonio Lniz de Oliveira Azevedo k C,
competentemente autorisados pela direc-
tora da companhia de seguros Fdelda-
dc, lomm seguros de navios, mercado-
predios no sen escriptorio ra da
n .1.
Vende-se um exccllenle -dtio na estrada do-
Rosannho, enmprehendendo 000 almos de rt-nle
e mais de 2,000 de eitencao, alai ando iiiuilo para
o fundo, onde confina com o: jarn, c u aWaa
Cacnnda, que hoje do Sr. Tas.
Contm o sitio abundantes arvpres, como sejam:
maiigueiras. jaqueiras, mangabe ras, saputisrirv.
lmeiras, limoes doces, tipin-ir; s, pinheiras, um
grande e ptimo pomar de ex elk-ntes laranjas
oilis, abarate, grande profuso c caneleiras, que
pode suppir todas essas boUras e casas de drupa*,
cajueiros, dends, coqueiros, goiabeiras, fructa-po, aracaes bananriras.
No fundo do sitio existe uma malla de grande
exlenco e abundante de madeii i de diver-as qua-
lidades, e donde se pode tirar I nha |iara vin.li
todo o anno. uma rica e cxcell nle baila para ra-
pim existente nos fundos do sil > cajiaz de snlen-
ta r muitos cavallos de verao i invern, e i-nira
mais para cima que est planlac a, pasto para 12 a
13 vaccas de leite.
Alem de outras commodidade que oflereee o si-
lo, aceresee a de uma bella, rande e moderna
casa, construida logo na entrada com 80 palmos
de lenle e 'JO de fundo, conten lo tres grand--- sa-
las na frente e diversos quartoi espacosos e fres-
cos, assim como grande estriba a e grande cozi-
nha fra.
(te produelos do sitio o conslijuem urna ptima
propriedade, cujos rendimenlos o iilli--ieni-- lia-
ra a stistentacao de uma numer isa familia, e > a
prxima retirada do proprielar p.n a outra pro-
vincia o oDrigaria a vender um; lao til proprieda-
de, que muito adequada para algiiin senhor de
engenho que queira vir morar na pra?a. a que
tendo alguns escravos, pode (;>u ; d.-lla um gran patrimonio : quem quizer, poit fazer uma I lu
acquisicao, dirija-se a esta typoferapliia, ou bija
do Sr. Ramos na ra do Crespo,] fazendo quina lia-
ra a do Queimado, que dir cota quem se deve en-
ender-
2?ceo? sr'-e p a
Ama
lll-triunto primara e Secundaria Monliard & C fazem sciente a esta praca que
L A. S. declara ao respeitavel publico desla durante a ausencia do Sr. Frederico Monhard fi-
cam encarregados da gerencia dos seus negocios
os Srs. Osear Falkuseo e Carlos Baumer que as-
signa roconpiiictamen te.
VISift
Quem precisar comprar um bonito boi para car-
HSS! *.aCha n ext;rcici0 de seu magisterio,
Direito SHaS au M caa ^ da rua
- Eu abaixo asignado declaro que ningue'm!
faca negocio com Bento Jos de Miranda com os
pertences.c arroacao da padaria na travessa do Li-
- ----------- u v MI *---------" I** "-"i i/iiipr II U I II II' #| | ] ( I
ma em banto Amaro, por quanto nao Ihe perlcnee, roca, dirija-se rua da Aurora n 22
e so sim ao dito abaixo assignado : no caso que LaVa e Q-------------'.
procure a quem engaar, ouvir toda a sua chro- preco muitf. nmST Cm "rta&o, I
niea por este Diario. .?. c?m^
Precisa-se de um menino de 12 a 14 annos
com pralica de taberna ou sem ella : na Capuaga
rua das Crioulas n. 27.
Os Srs. credores da massa fallida de
Manoel de Azevedo Pontes sao convidados
Tireni receber o primeiro dividendo, hoje
sahbado 9 e segunda-feira II de abril em
casa dos administradores rua do Trapiche
Novon. 16.
Jos Ooucalves Ferreira Costa, tem ca-
sas terreas para alugar na travessa do
Costa junto a fundico ao preco de 05 e
105, com portao para a mar : a fallar
na mesma travessa na taberna do fim da
mesma.
Antonio Francisco Correia de Mendonca. Boa-Visla n. 19.
-, e precsa-se alugar uma
P.tiK?.r*T*.flu" ^ fl"' : na rua da Matriz da
Joao de Arruda Cabra 1 faz ver a quem con-
vier que contratou por compra a taberna sita na
rua do Bangel n. 10, pertencenie ao Sr. Antonio
Precisa-se de uma ama para comprar
c cosinhar: na rua do Imperador n. 69,
1 primeiro andar.
Sitio na Capunga.
Aluga-se um sitio na Capunga a margem do
Martins da Silva : quem se julgar com direito a Capibaribe, com boa casa de vivenda e mais arran-
Aluga-se uma casa terrea sita na travessa
do Dique n. 3; trata-se no armazem n. 36 da rua
da Cadeia.
Joao Fernandos Prenle Vianna com sua se-
nhora vai Europa.
Mariano Francisco Ferreira faz sciente a
quem inieressar, que comprou ao Sr. Jos Paulino
Lopes de Almeida a sua taberna sita na rua do
Bangel n. 17-________________________
L. Francfort vai para Europa.____________
AMA
Precisa-se alugar uma escrava para ama de ca-
sa : na rua da Glora n. 44.
Precisa-se de uma ama para cosinhar em
casa de pouca familia : na rua Nova loja n. 7.
Aluga-se um sitio com grande casa e cochei-
ra nos Remedios, defronte da igreja : a tratar ein
Bemfira, sitio de A. V. da S. Barroca.
C -3 3 O-*
1
c
"3

< o a-p s o a f a -
ag. es gga

X3 os Q.1
2 3 =!
2 3 S.
a
a
-i
a>
os'

3
=3 3
2 2 2o

09 -
23
09

sr?
,^4
9
01
sro- =
B
Alugam-se o segundo e terceiro andares da
qualquer r.ecjamaeo. apreseote-se uo praso de jos ; a rallar com Jos Mana beve, na illia do* Ba- casa da rua da < adeia n 4 ; a tratar no armazem
tres dias. los, rua do Seve, casa n. 16. / | da mesma.

I
saM

9


oi.^'Kftfln
C I, l RIII
45
C0I1MERCIAL
T. ^ ~_______________________, %\' S-----
mm
RA IIO Ql EI!I AIIO TV. 15.
Passando o becco da Congregarlo segunda casa.
Ra Direita
Oicrrm!oi-am!!
45
CALCADO
.
NOV1DADE.

Pereira Rocha A C. acabam deabrr-na ra do Qucimado n. 45 um armazem de nolhados denominado Clarm Comtnercial,
onde o respeitavel publico encontrar sempre um completo sortimcnto dos melhores gneros que vem ao nosso mercado, osquaes
aero vendidos por presos muilo resumidos como o respeitavel publico ver pela tabella abaixo mencionada ; garante-s bom peso
e boa qualidade dos gneros comprados ueste armazem. ^-*-'
Arroz do Maranhao, da India e Java a 80 e Chouricas e palos muito novos a 800 rs. a
100 rs. libra e 20400 a 20800 rs. a ar-! libra.
roba.
Ameixas francezas em latas e em frascos a
10200 e 10600 cufaseos grandes a
20500,
Mora *n caixinhas elegantemente enfeitadas
com ricas estampas no interior das caixas
a 130000,10400, 10600 e 20.
Amendoas cora casca muito novas a 280 rs.
a Itbra.
Al pista a 169 rs. a libra e a 406OO rs. a ar-
roba.
Avi.'ite doce francez muito tino em garrafas
grandes 960 rs. a garrafa,
dem del/.sboa a 640 rs. agarrafa.
Araruta verdadeira de mal arana a 320 rs. a
libra.
-Avelas muito grandes e novas a 180 rs..a
libra.
Batatas tnuito novas a *0 rs.
Biseoutos inglezes de diversas marcas a
10300 ris.
Bolaehinhas de soda, tatas grandes, a 20 rs.
a'lata.
Ditas inglezas muito novas a 30000 a banri-
qoinha e a 200 rs. a libra.
Bauba de porco refinada a 440 rs. a libra
e em barril a 4cO rs.
Cfe hysson, huebine perola a 1 #600,
-20500, 20800 3#0 a libra.
Idom preto muito -superior a 20000 rs. a li-
bra.
^Gerveja preta e oranGa, das melboresimarcas
que vem ao mercado, a 500 rs. a -ganrafe
e 50800 a duzia.
' Cognac inglez fino-a 900 rs. a garrafa.
Conservas a 720 rs. -o frasco,
dem, s de pepino, a 720 rs.
dem, s de aseitonas, a 750 rs.
Cevadinha de Franca muito superior a 220
rs. a libra.
Cevada a 80 rs. a libra.
Ervilhas portuguezas a 640 rs. a lata,
dem seccas muito novas a 200 rs. a libra.
Figos de comadre e do Douro em caixinbas
de oito libras e canastrinhas de 1 arroba a
10800, 50500 e 280 rs. a libra.
Farinba do Maranhao a 120 rs. a libra.
Farioha de trigo a 120 rs. a libra.
Genebra de Hollanda verdadeira marca VD
a 560 rs. o frasco c 60200 rs. a frasquei-
ra.
dem em garrames de 3 e 5 galoes a 50500
e 70500 cada um com o garrafo.
Gumma do Ar*caty a 80 rs. a libra.
Graixa a 100 rs. a lata e 10100 rs. a duzia.
Grao de bico a 150 re. a libra.
Licores muito finos a 700 rs. a garrafa.
dem, qualidade especial e garrafas muito
grandes, a 10800 rs. a garrafa.
dem garrafas mais pequeas a 800 rs.
dem, garrafa forma de perae rolha de vi
dro, a 10000 rs., s a garrafa vale o di-
nheiro.
Palitos do gaz a 20200 rs. a grosa.
Passas muito novas a 488 rs. a libra,
Peras seccas mpiuj novas a 600 rs. a libra.
Painco a 200 rs. a libra.
Polvo secco muito novoa 400 rs. a libra.
Presuntos de Lamego em calda de azeite e
muito novo a 640 rs.
Queijos flamengos do ultimo vapor a 20400
ris.
dem pratoa 610 rs. a libra.
Sal refinado em frascas de vidro a 600 rs.
cada um.
Sardinhas de Nantes a 32n rs.
Sag muito alvo e novo a 260 rs. a libra.
Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tijolos de limpar facas a 140 rs.
Vellas de carnauba pura a 360 rs. a li-
bra.
dem stearinas muito superiores a 600 rs. a
libra.
Vinho do Porto engarrafado o melhor que
ha ueste genero e de varias marcas, como
sejam: Velho de 1815, Duque do Porto,
Madeira, O. Pedro, D. Luiz I, Mara Pia,
Bocage, Cbamisso e outros a 806, 900 e
1)5000 a garrafa, e em caixa com urna du-
zia a 90000 e100000.
\ \ -UAJ
Bom A novo, a primeira necessiuade para a sau-
e e formc*arueBto do individuo I
Meu Dos I... ju^is de pavao se|obrigm por
essas roas que Afufa jreda e nauseaito a
de uro palelol bem Huido sobranceiro un
guedis rodo enuduas 5>gts>um balio bom tor-
neado e bambaleante, drsntljrud una pona de
bolina safara e carcomida I I
Santa Barbara! 1 Corram ra treita, lidias e
rapazes! scudam na praia essos malditos jetkt,
e comprem :
Borzeiu ns de Cantes, 8*000.
Ditos Irancetes debezerro 70. **>'
Ditos francezes de lastre para homein 30. -
Ditos para sentara, de luaere, enditados, 54300.
Ditos para sentara, gapia alia, 40800.
Botinas de menina tiSOO./r.^
Ditas de cores para menina 20OOQ.
Sapaloes de Nantes de duas sola's 50.
Ditos de sola e vira 4-3500.
Zapatos de borracha par% enhoras 10500 .
Ditos para meninos 10000.
Snalos do lusire pfcr sentara \>.
Ditos de tapete para hornero e senbora 800(K.
Ditos da liga constitucional 500 rs.
E i sortimento comple.o em sola, vahjoel,
ouros, bezerro francez como nenhum, couro de
lusire muito grande, e ludo quanto pertened arta
deS.Chr*pi-' J
---i TU Jll
9 li A1U.O IIO v\ uno
GRANDE SORTIMENTO
r
DE
Os rasos
OS MAIS AGGRAVANTES
E
luma pertinaz iiuracao
mi
Manteiga ingleza perfeitamente flor, desem- i dem em pipa, Porto, Lisboa e Figueira a
barcada de pouco a 800 rs. a libra, e de 81 480, 500 e 560 rs. a garrafa e 30, 30500
libras para cima se far urna differenca.
dem franceza muito nova a 560 rs. a libra,
e em barril ter abatimiento.
Massa de tomates em barril a 480 rs. a li-
bra.
dem em tata a 640 rs.
Marmelada imperial dos melhores conservei-
ros de Lisboa a 600 rs. a lata.
Marrasquino de Zara, frascos grandes, a
800 ts.
dem regular a 500 rs.
Charutos dos melhores fabricantes da Babia Massas para sopa : macarrao, talharime ale-
e especialmente da fabrica imperial de! triaaS80TS.
Candido FeroeiraJorge da Costa, a 10860,' Nozes multo novas a 160 rs. a libra.
20000, 20200, .20500, 20800, 30006 e Peixe em latas preparado pefct primeira arte
30500 a caira. de corintia a 10 rs. a lata.
Caf do Rio maito superior a 260, 280 e Palitos de derttes a 160 rs. o masso.
300 rs. a labra, e 70500, 80 e050O-rs. a Palitos de dentes a 120 rs.
arroba. i dem de flor a 280 rs.
e 40 a caada,
dem branco de Lisboa muito fino a 500 rs.
a garrafa,
dem de Bordeaux, Medoc e S. Julien a 700
e 800 rs. a garrafa, e 70000 e 70500 rs,
a hazia.
dem MorgauxeChateauluminide 1854, a 10
a garrafa,
dem moscatel a 800 rs. a garrafa.
Vmagre de Lisboa a 200 rs, a garrafa e
10200 rs. a caada.
Kirsk garrafas muito grandes a 10800 rs.
Alm dos gneros cima meneionados te-
mos grande porco de outros que deixamos
de mencionar, e que tudo ser vendido por
ipecas e carnadas, tanto em porcoes como
iretalho.
Quem comprar de 1000000 para cima te-
t o abate de 5 por oento.
MERGANTIL
RITA Bl % A1IEIA IIO REOFE W. 53.
NOVO E
GRAITDE J&MfiOm DB MOLHADOS
{ WKVA A CAEIA 0 IIEC1FE I. 53.
FranosoeFeirnandes Duarte acaba -de abrir -na -nua da Cadeia do liecieo. 53, um grande e sortido armazem de olhadosAi
nominado \JnOa Mercantil. Neste.grande rmazem encontrar sempre o respeilavel publico um .completo eortimeoto dos melbonei
generas que vc.aomercado, tante-estrangeiros, como naoionaes, os .qaes-sero vendidos em poroes ou a Mtalbo por creeos assat
commados. ^
Manteiga ingleza e?pecialmente escolbida Vinagre de Lisboa a 200 rs. a garrafa e Sardinhas te Nantes a340 rs ouartoeS6(i
de primeira em fcarril se faz abatimento. Azeite doce eSoado em garrafas brancas a Lalas com peixe om posta; ti corvina
Manteiga franceza a maK superior do.mer- 00 rs. vezueo cierne lineuado iumiinh i
cado a 560 rs. a tita*, e 520 rs, esubarril A^ite doce de Lisboa a 640 n. .a garrafa e
oq mci'o. 40800 a caada.
iPrezuntos inglezespaca fiambre, de superior Geneora de Hollanda a 500 rs. o ^irasco e
qualidade, chegados neate ultimo vapor, a 5800 a frasqaeira.
Gaixinbas com araeixas franoezas, ornadas
Quaijos Ocmengos ebegados neste ultimo
.vapor a 20800.
tQueijo prat muito fresoc e novo a 640isa.
tatanbas .pauito novas z SO rs. a libran
.e:30OOO a arroba.
Ch^uxin oioelhor que ha ieste genero.,
mandado vir de conla pcopria a 20800
\s. a libra.
Cha hj^Gf) muito superior a 3560 rs. a li-
bra ; -cb hy&an proprio para negocio a
10500 rs. a lilra.
Cha preto muito superior a 20 a dibra.
Biscouiosiisglezesm latas com differentes
qualidadee, como sejam craknel., victoria,
piquete^ oda, eaplain, seed, bornez e
outras ttuiias mansas a 10350.
IVJL.v'.li'mttf de soda em latas grandes a 20.
F>/os em eaiunhas hermticamente lacra-
das, muito proprias para mimo a 10500.
Caicinbas de 8 libras de figos de eoaia-
dne a I0e20ada orna.
Passae muito novas, chegadas neste ultimo
vapor a ;>() > rs. a libra e 30 um quarto;
e em eaixa se faz abatimento.
Arneixas francezas em /'atas de meia a 3 li-
bras a 800 rs.
Obampagne da marca mais superior que
n vindo ao nosso mercado a 180 o gigo,
garante-se a superior qualidade.
V'uibo Bordeaux das melhores qualidades
que te pode desejar de 70500 a 80000 a
caixa e 720 a800 rs. a garrafa.
Caixas eom vinho do
coa ricas estampas na caixa exterior,
muito propr aspara mimo, a MSOv, USOO
e2|.
Frasco de vidro com tampa do mesmu, icon-
tendo meia libra >de ameixas rancezas, a
10206.
larmelaa imperial, dos melhores cooser-
veiros e Lisboa, eca latas de I e meia a
2 libras .a 600 rs a labra.
'Eructas em calda das melhores qcadades
que ha em Portugal em latas heretica-
mente lacradas a 500 rs.
Peras seccas muito novas a 640 rs. a libra.
Nozes muito novas a 160 rs. a libra.
Amendeas de casca molle a 400 rs. a libra.
AveLaas muito novas a 200 rs a libra.
Amenduaa confesadas de diwrsas cores a
800 rs. a libra.
10300 rs.
-Satmoem latas, preparado pela nova arte
decozinha, a 800 ira.
Maca de tomates em latas de Uibra.a'6G0
ris.
Cbnufiease paiosem latas de 8 easeia libra
por 7 Toucinho de Lisboa a ^20 rs. a libra
80600 a arroba.
Bolaxinha ingleza a 320 rs a libra e 40 a
barrica.
Sag mu4o novo a 240 ra. a libra.
Cevadirma de Franca-a 200 rg. a libra.
Farioha do Maranhao a 120 rs. a libra.
Araruta verdadeira a 320 rs. a libra.
Cevada a 120 rs. a libra e ?f> a arroba.
Aipista a 160 rs. a libra e 40800 a arroba-
Batatas muito novas em gigo6 eom 40 libra*
por 10500.
Cebollas a 10 o molho com mais de 100 ca-
da um.
Caf lavado de primeira qualidade a 300 n.
a libra e 90 a arroba.
ESCRFULAS,
OU ERPCOES ESCROFULOSAS,
Ulceras de Iwla a esperie,
SYPHILIS, OU MAL VENREO,
TUMORES,
i;imiIi< <*.
BERTOEJAS,
OPHTHALMIA,
Hydropisia,
Impg-ens,,
HERPES,
ERVSPELAS
ESlXcRBlTO,
Tinlm,
IfflAilAS INTiGAS,
DEBUiDADE (i ERAL,
Trrrrinhh", N(^vralgas,
FUrlH DE IfBBOs, IMSOO,
&VFFESSB& DAS REGRAS, ou
AMENORRHEA,
M1BBM 09 H Wm.
Ketciifio lias i rias,
EMAOIAjO,
lOfcnmuif/vcoitii-etto jwiil niente do-eetado oc*MO Mnlpvw,
IUTLAITMACES CHRONICAS,
-AfTeC90es Chronicas do Fgado,
A**eii como roo AS .\s mam BDUUupntt MO-
XC^TI.VS, PBrt.-OlI'Al.MKTIK JUANDO SAO
CALCAD VS.OU l'UOJ)l'WH>AS PELO R'I
un o no Mmcx'Ki oo
Quixino,
"Soas estas Eiifeimidades prompta e efllcaa
.eute oedem A benfica, poderosa e
purificantes qualidade da mu
justamente afamada
HlSlrimiMH DE BISrOL
A venda as blicas de Oaors & Barbosa'
ra da Cruz, e Joo da C Bravo A C, ra
da Madre de Dee&
DUARTE & C.
Participam aos seus numerosos freguezes e ao publico em geral que acabara d
receber de sua propria encommenda, o mis lindo e completo sortimento de molhado*,
os quaes vendem por grosso e a retalho por menos 10 por cento do que outro qualquer
annujiciante, como vero pela seguinte tabella que abaixo notamos, garantindo os mes-
mos proprietarios nao s o peso como a qualidade de seus gneros.
AVISO.
Todos os sechores que comprarem para negocio ou casa pareular de 100
cima terao mais 5 a 10 por cento de abatimento, os proprietarios scientilicam
odos as seus gneros silo recebidos de sua propria encommenda, razo esta
vender por muito menos do que outro qualquer estabelecimento.
i Vellas de carnauba e comr
$m
i*wa pow
36o rs. a libra e de lo,
arroba.
Genehra de Hollanda ^ ...
I 4Wrs. a botija,
ter abatimen'
/OScodo lo
joo II^>oors.
Manteiga ingleza flor a 8oo rs. a libra.
Castanhas muito novas a 2,ooo rs. a caixa, e
a 16o rs. a libra.
Bolinho francez e em caixinhas de 7oo a
l,5oo rs. cada urna,
dem franceza a mais nova do mercado a 56o
rs. a libra, eSiorsem barril Massjs para so- carr5Qjtalhar
dem de porce refinada muito alva 46o rs. a 4Bo rs.
a libra. | ment.
Prezunto para fianbre a 8oo rs. a libra. dem e?
nh
de coota a
e em fftizia ou em barrica
a libra e em caixa ter abati-
dla uxim miudinho vindo de conta propria,
o melhor do mercado a 2,8oo rs. a libra.
dem hyson de superior qualidade a 2,6oo rs.
a libra.
dem perola o melhor que se pode desej?^r a
2,7oo rs. a libra.
dem preto muito flno a 2,5oo rs. ?. libra.
dem mais baixo pouco a 2,000 rj. a libra.
dem mais baixo a l,8oo r?,. a libra.
..irt'llihlia, rodinba cpevidecm caut-
as de 8 libras, muito bem enfeitadas le
-,5o0 a 3,ooo rs. a caixinha e a Goo rs. a
libra.
' Boce de goiaba em caixas de diversos tama-
itos de 6oo a l.ooo rs. o caixo
1 Sabo massa de 2oo a 2io rs. o melhor, em
caixa ter abatimento.
: dem hespanhol a 28o rs. a libra.
Peixe em latas muito novo ; savel, pescada.
Macas e peras chegadas neste ultimo vapor, ^^ do C** raui* suprior a 280 r6. a li-
muito perfeitas, s vista se Caz o preco. i br e B04OO a arroba.
Conservas inglezas em frascos graodes a 750 Caf do Rio, proprio para negocio, a 80.
rs. cada um. [Arroz do Maranhao a 100 rs. a libra e 20800
Ervilhas fraocezas e portuguezas em latas de' a arroba; on
1 libra a C40 rs. IArroe de Java a ^ rs- i,bra e 21)400 *
Ervilhas seccas muito novas a 160 rs. aLr ?,rroba-
libra. i "ellas de spermaceti a 560 rs. a libra e
Chocolate francez. o que ha de melhor nese' v ?,40 ff n nan
genero, a 10200 a libra. ; *e"*s de carnauba refinada a 320 rs. o mas-
Oioeelale'hespanhol a 10200 a libra. ^ M e* 9* a *"$*:
ssrss t rscns>rdes3 "^X*e^%%o r,.
Zfh^LfT da^elhores marfcas i bra ; em caixa se faz abatimento.
SUfijBF***0 rs- agarraae Estrellinha^pevideearrozdemassaparasopa
,a* a 600 rs. a libra e 30 a caixa com 6 libras.
Porto superior de 90
a 10* a duzia, e 900 a 10 a garrafa; deste Cognac inglez de superior qualidade a 800
genero na grande porc5o e de differentes e 10200 a garrafa,
marcas acreditadas que j se venderam Licores francezes das seguintes qualidades:
por 14* e 150 a caixa, como sejam: Duque
do Porto, Lagrimas do Douro, D. Luiz,
Cambes, Madeira secco, Carcavellos, Nc-
tar de 1833, Duque Genuino.
Vinho de pipa: Porto, Figueira e Lisboa, a
400,480 e 560 rs. a garrafa, e 30, 30200
e 30500 a caada.
Vinho branco de superior qualidade, vindo
j engarrafado a 640 rs. a garrafa e a 500
rs. de barril.
Anizete de Bordeaux, Plarsir des Dames
e de outras muilas marcas a 10 a garrafa
e 100 a caixa.
Marrasquino de Zara a 800 rs. a garrafa e
90 a duzia.
Moslarda ingleza em potes j preparada a
400 rs.
Palitos de dente lixado6 com flor a 200 rs
omasso, ditos lixadossem flor a 160 rs
o masso com 20 massinhos.
Gomma de engommar muito fina a 80rs. a.
libra.
Banha de porco refinada a 480 rs. a libra e
400 rs. em barril pequeo.
Charutos dos melhores fabricantes de S. F-
lix, em caixas inleiras oo em meias, de
10600, 20 e 30.
Mostarda ingleza em p, em frascos grandes, Presuntos do reino, vindos de conta propri
1k i 0l2^v de casa Particular, a 400 rs. a libra; intei-
refinado a 500 rs. o pote. | ro se faz abatimento.
Sal
Os senhore|que comprarem de 1000000 para cima, terJo o descont de 5 por cento, pelo prompto pagamento.
FAZEMIAS
pretas para a quaresma
Superiores moureaotiques pretos lar-
gos a ifimn, 5-300, 30, :i:m 40 o
covado, booc grosdenaples pretas lar-
iros a 15300. 15600, 15800, 25000,
25500, 30 e 30500 o covado, ricos ves-
tidos de mooTeatinque preto com barra,
titos de porgurao preto bordados e ada-
ifiuscados com hura, o mais moderao
*foe tem vindo a Pentamtiuco, e outras
mitas fazendas de Intu goslo, pretas
proprias para vestido, operiores capas
4e *xia preta a 160, 05, 250, 300,
335, 40 e 500, ,man(sfi pretas de lit,
lindo,- chapeos de pal ha de Italia, o que
pode haver de mais gosto Canotier :
na loja das columnas na ra do Cres-
po n. 13, de Antonio Crrela de Vas-
concellos k. C
. Novos goutambarques.
Sao chegados os lindos sootambar-
ques e basquinais de seda pretas, rica-
mente enfeitadas, as mais modernas
que teem vindo Pernambuco, viadas
no ultimo vapor francez, por precos
maic commodos do que em outra qual-
quer parle : loja das columnas na
ra do Crespo n. 13, da Antonio Cr-
rela de Vasconcellos & C
linturanas. m
Na ra do Imperador n. *2, no grande TSL
armazem de tintas se vende todas as co- '
res precisas para tingir pannos.
Vinho do Alto Douro viudo do Porto engar-
rafado garante-se a superioridade deste vi-
nho, das seguintes marcas : Duque, Ge-
nuino, velho S'occo, especial lagrimas do-1
ees de 1819, vinho especial D. Pedro V.,'
vinho velho, Nctar superior de 1833, Du-1
que do Porto de 1834, vinho do Porto ve-
lho superior, madeira secca de superior
qualidade, vinho do Porto superior D. Lu-
iz 1. de 1847, lagrimas do Douro espe-
cial, vinho do Porto de l.oooa l,2oo rs.
a garrafa e de lo,ooo a 14,ooo rs. a caixa
com urna duzia.
Bolachinha de soda especial encommenda e a
mais nova que ha no mercado a 2,2oo rs. a
Tmr
Biscoitos inglezes das melhores marcas em
latinhasde 2 libras a l,3oo rs. a lata.
dem inglezes craknel em latas de 5 e 7 libras
de 5,ooo a 6.000 rs. a lata, e em libra a
800 rs.
Queijos de reino chegados pelo ultimo vapor
a 2,5oo rs. cada um.
dem prato a 7oo rs. a libra.
Vinho em pipa das mais acreditadas marcas
como sejam B F., PBR, JAA, outras
muilas marcas, Porto, Lisboa e Figueira ;
de 48o, 5oo, 56o, 64o e 800, rs., e o do
Porto fino em garrafa, e em cnada a
3,000, 3,5oo, 4,000 e 6,5oo rs. o melhor I
do Porto.
corvina, salmao e outras muitas qualidades
preparada de escabeche 2.#a arte de coh
lata.
1
nhade l,2oo a l,8oo rs. a
Figos em caixas de 1 arroba, 'cS libras
a 8,000 4,000 c 2,000 rs. a cahiinha.
Barris de viudo branco de quinto, marca b
A Filho a 60,ooo rs. o barril.
Marmelada imperial dos m- Ihores fonsen?-
ros de Lisboa a 64o rs. a Ltinhade I lit 1 ?.
ha latas de 1 / e 2 libras.
Massa de tomate em latas douradas de 1 libra
a 64o rs. a lata.
Ameixas francezas em caixinhas elegante-
mente enfeitadas de l,5oo a 3,ooo ra. a
caixinha, tambem ha latas de 1 */t a 6 Ih
Idem em frascos com tampa de rosca a t .r-x:
rs. o frasco.
Chocolate portuguez, hespanhol, frarxez e
suisso a 1,2oo rs. a libra.
Conservas inglezas das seguinbs maros e
Mixde-Picles e cebollas simples a 75o rs
o frasco.
Ancoretas de vinho colares a 5o,ooors.. e
a 72o rs. a garra f
Sardinhas de Nantes a 32o rs. a latinea.
Charutos das mais acreditadas marcas >U
2,5oo a 4,ooo rs. a caixa.
Champagnhea melhor do mercado de 12.000
a 24,000 rs. o gigo, e de l,2oo a 2,000 rs. a
garrafa.
Papel greve paulado ou liso a 3,5oo rs. a res-
Idem Bordoaux das mais acreditadas marcas ,. ma\ ,. _
a 7oo rs. a garrafa, e a 8,000 rs. a caixa. Idem (le Peso Pauta,1 ou l,z0 dt Mta a
Garrafes com 5 garrafas de superior vinho _, *'000 rs-.a resma.
do Porto a 2,2oo rs. com o garrafo. G"mma raml0 fina e a va a 8o rs- a llLl a-
dem com 5 garrafa de vinho da Figueira mais alI),sta e Pa,F1S0 Je 16o a 2oo rs. a l-
proprio para a nossa estac5o por ser mais ,.[a' m*
fresco a 2,4oo rs. com o garrafo. Pa,!tos do Saz 2--00 rs- a 8rosa c 2o0 a
dem com 5 garrafas de vinagre a l,2oo rs.'
com o garrafo.
Vinho branco o mais superior que vem ao
nosso mercado a 56o rs. a garrafa, e a
4,3oo rs. a caada.
Velas de esparraacate as melhores neste ge-
nero de 56o a 6io rs. o maco, e em cai-
xa ter grande abatimento por haver
grande porcao.
Azeite doce em barril muito fino a 64o rs.
a garrafa e 4,8oo a caada,
dem francez refinado a 800 rs. a garrafa.
Ervilhas francezas e purluguezas a 64o rs. a
duzia.
Vasos inglezes de 4 a 16 libras vasios. muito
proprio para deposito de doce man?';t
ou outro qualquer liquido de 1,000 a
3,ooo rs. cada um.
Licores das melhores marcas e mais tinos
a l.ooors. a garrafa e em caixa ter abati-
mento.
Cognac verdadeiro inglez a 9oo rs. a garrrtfo
e lo,5oo rs. a caixa.
Chouricas as mais frescas do mercado a 800
rs a libra.
Genehra de laranja em frascos grandes a
l,ooo rs. o frasco.
lata. Serveja das mais acreditadas marcas d
Bocetas eom doces seceos de Lisboa de 3oo 5,5oo a 6,5oo a duzia e de mais a 5oo rs.'
a 3,5oo rs. cada urna. a garrafa.
Toucinho deLisboa a 3oo rs. a libra, e a dem em botijas e meia, sendo preta da
9,000 js. a arroba. muito creditada marca T de 6,5oo a 7,8oo
Nozes muito novas a 16o rs. a libra e 4,8oo rs. a duzia.
rs. a arroba. Ceblas em molhos gratules a 800 o mAhn
Caf de l.1, 2." e 3.a qualidade de 26o, 3oo 640 o cento, e a C,5oo rs. a caixa
e 36o rs. alibra, doCear de7,8oo, 8,600, Pimenta do reino a 34o rs. a libra.
e 9.2oo rs. a arroba do melhor. Farinha do Maranhao a 14o rs. a libra
Arroz da India, Java e Maranhao de 2,8oo a Tijolo para limpar facas a 16o rs cada un.
3,000 a arroba, e de 80 a loo rs. a libra. Cominho a 4oo rs. a libra.
Passas muito novas a 8,5oo a caixa e 5oo Erva doce a libra.
a libra, ha caixas meias e quartos. Canella a l.ooo rs. a bra.
Sevadinha de Franca a 24e rs. a libra. Batatas a 1,00o rs. o gigo com 32 libras lirnii-
Sagfi muito novo a 28o rs. a libra._________' das e 3,ooo rs. a caixa de duas arrobas.
m#&mmmmmmmmm
Fogos de artificio. S
No grande armazem de tintas ra do
Imperador n. ii, se vendem todos os
productos ehimicos enipregados lia com-
posie.lo dos fogos do artificio.
&ffi mmmm shhsh
Vende-se urna barcaca que carrega de 120 a
130 saceos de assucar, assim como afumas bestas
mansas de roda, e bol de carro: a Tallar no Afo-
gados com O tenente-coroiwi Maqoel Joaquim.
Fo arm-zem de llenry fiibson, na roa
da Cadeia do Rer.ife numero G2,
vende-sc
O melhor fe Uro asplial-
(ico,
proprio para cobrir telhados, para forrar salas, so-
bre ladrilhos por baixo de tapetes ou esleirs, ou
para collocnr entre a madeira d navios e o forro
de metal nos mesmo. Este feltro, alm de muito
barato, leve e duravel, precisando metade da ma-
deir* usada para aguentar os telhados, peta facili-
dade da sua applicacao, pode ser col locado por
qualquer carpinteiro ou trnbalhador curioso ; tem
igualmente a particular van(em de ser invulne-
ravel ao cupim e mais replis condnsalo da
homldade e cbova, alm de muitas outra van-
tagens : os pretendentes dirijam-se ao supra-indi-
eado armazem.
bo*n a l^fiflO
a caada, garrafa a 3(50 rs., gaz a 440, estearinas
a 540, de carnauba a 320, queijos frescos a 35 :
no armazem da estrella, largo do Paraizo n. li.
Machinas Inglezas
para descarocar algodao as melhores <\\w
tem vindo a e*U> mercado : ra da Scnzafa
Nova n. 42, em casa de S. P. Johnsk n
&___________________
Vendcm.sc as casas terreas sitas em Sendo duas na na du S. Francisco com os mu*
terrenos n. 10 e 18, e urna na ra o Itomfim *
26 : quem as pretender dirija-se ao Korte dj Mal-
los n. 10, a entender-se com Antonio Francia
Collares.
mmmmmmmmm-**:
Laas escossezjis
g\ loja do barafelro ra lo9
Crespo n. I, jtinto ao arco
a 400 rs.
Faztmla
cova !.
'/'i moda
J
Vende-se o sobradinho~da ra das Trinche!.
MI n. 37: a tralar no largo do Paraizo n. 6.
Botinas contra callos.
Botinas inglezas para homem. sesdo a mais
bem feitas e macias ue lem vindo. polo fcira-
, tissimo preco de tt : ua roa lo va n. 7. loja *>
vapor.
1 Vende-se a armario da loja da roa larga *>
. Rosario n. 31, com um'resto de miudetas ou
ellas vonlade do comprad<>r: a iratar na
'
MUT


VMUIW tC
DO
PROGRESISTA
E
DO CRESPO N. 9
3J. 3i
RA DAS
BA
ufo balrro de Hauto Anin lo.
joaaulm Jos Gomes de.Soowa tem a honra de participar ao reapei-
tavet nublico que tem resolvido vender os seus gneros de pnmeira qualidade por menos
a ., or'cento do que outro qualquer annunciar, como se ve do presente auuuocie.
adverando o proprietario d'estes armazens a aquellas pessoas que frequentarem estes
esLelecImeotos, que nunca tero occasio de reclamar qualquer genero, visto ter-se
ampiado 'estas casas o ptimo systena de s se negociar com gneros especialmente es-
o*1*08- c|lA | CONSERVAS
hysson, uxim e perola a 2 400, 2,600 o -
2,tJ00 rs. a libra.
CAF
muito suoerior, do Rio e do Ceara a 8,000
superior,
e 8,400 a araoba e 300 rs. a libra.
YINHO
de Lisboa c da Figueira a 3,500 e 4,000 a
araada,
do IHirto engarrafado de diversas marcas a
4.000 rs. a garrafa.
Bordeaux de diversas qualidades a 7,000,
8,000, 9,000 e 400 a duzia.
CHAMPANHE
a
inglezas a 8,500 a duzia e 7G0 rs. o frasco.
SAL REFINADO
em frascos de vidre com tres libras a 600 rs.
PEIXE
em latos emticamente lacradas a 4,001
rs. cada urna.
PORVOS
do Porto muito bem conservados a 500 rs.
a libra.
MSTABDA
preparada muito neva a 400 rs. o frasco.
MRMELADA
dos melhores conscrveiros a 640 rs. a libra.
IIAXDE REVOLUTA
NO
ARMAZEM
DO
:*
ESPERM ACETE
melhor que temos neste mercado a 20,000 mu^uPf'or a m rs" a hbr8' e m Ml"
rs. ogigo. a rs- CHARUT0S
CERVEJA da Rahia a 4,600. 2,200, 3,000 e 4,000 rs.
muito superior a 5,000, 5,500 e 6,000 rs. a a caixa.
duzia. TOUCINHO
,,,,.,.,... 4 muito novo a 9,000 rs. a arroba e 300 rs. a
laEMJMtyA lilira
de Hollanda em frasqueiras a 5,500 e 500 ERYILHAS SECCAS
as mais novas do mercado a 420 rs. a libra.
PALITOS PARA MESA .
muito bem feitos a 460 rs. o maco.
VINAGRE
500
rs. o frasco.
ROLACIIINHA
de soda em latas grandes a 2.000 rs. cada
urna,
inglezas em barricas a 4,000 e 240 rs. a
Acaba de reeeber di sua propia encommenda um grande e vanado sortimento
de molliados todos primorosamente escomidos, por isso apressa-so o proprietario em
oerecer aos seus freguezes e ao publico em geral a seguinte tabella dos seus gneros e
resumidos precos, aliancando tedo e qualquer genero vendido neste bem conhecido ar-
mazem.
Pede-se toda attentto.
0 proprietario pede a todos os senliores chefes de familia e ao publico em geral
que nao deixem passar desapercebida a seguinte tabella:
AVISO.
Neste armazem e no largo do Carmo n. 9, armazem Progressivo, recebem-se as
libras que vulgarmente correm no commercio por 8,5890 a 90, o proprietario em seus
armazens da-Uioe este valor, sendo em pagamento, e teto para evitar confusoes em trecos.
rs. a duzia l.ooo rs. a garrafa, garante-se
que os melhores que temos tido no mer-
cado.
Passas emcaixasde I arroba','i e '/* a 7,5oo,
3.6oo e 4,9oo rs. a caixa, e 4oo rs. a libra
lihra.
R1SC0UT0S
em latas de todas as qualidades, a 4,300 rs.
cada lata.
ARROZ
da India e d Maranho a 2,600 e 8,000
arroba e 400 rs. a libra.
de Lisboa PRR a 240 rs. a garrafa e 4.G00
rs. a caada.
AMENDOAS DE CASCA
as mais novas do mercado a 240 rs. a libra. I
garante-se serem muito novas, e graudas.
0 hoinem do moYimento nJUvestaciona.
AVANTE E SEMPRE
GUERRA AOS INIMIGOS
Bao se admille a uuio commercial.
Nao se quer a diaba da allianca.
Na se teme a faria dos corsario.
Este auno ha de ser Msseit*.
Os canhes esto preparados.
FOGO! BOM FOGO!! MELHOR FOGO!!!
Abaiio a liga d'agia vi sagre
Viva a liga do gemios Coeres coa laoibre!
Viva o conservador das conservas iogleas!!
Vivan os liberaes freguezes do BALIZA!!!
Vivan todos que lereni esle annancie.
&TTO
to >js
CEVADA
muito nova a 2,500 a arroba e 100 rs. a
libra.
GOMMA.
muito superior em saceos com quatro arro-
bas a 2,000 e 400 rs. a libra.
CASTANHAS
piladas muito novas a 320 rs. a libra.
PASSAS
is mais novas do mercado a 8,000 a caixa e
e 500 rs. a libra.
francezas em latas de 4 e ![2 libra a 1,000
rs- a libra.
SARDINHAS
de Nantes muito novas a 300 rs. a lata.
FARINIIA DE ARARUTA
a verdadeira e muito nova a 400 rs. a libra a
40,000 rs. a arroba.
ERVA DOCE
muito nova a 300 rs. a libra e 9,000 rs. a
arroba.
CO.MINHOS
os mais novos e mais superiores a 400 rs. a
libra.
NOZES
muito novas a ICO a libra e 5,000 rs. a ar-
roba.
SAG
o melhor que pode haver neste genero a
2*0 rs. a libra.
MASSA DE TOMATE
em inunnas ce i unra por nos rs. a lanr.
SABO MASSA
neste genero ha semprc um grande sorti-
mento variando o preco de 420 a 240 rs.
Manteiga ingleza perfeitamente flor, a 8oo rs,
e em barril a 78o rs.
dem franceza a 54o rs. a libra, e 500 rs.
sendo em barril.
Cha uxim a 2,7oo rs. a libra, e de 8 libras
para cima a 2,6oo.
dem perola a 2,8oo rs. e de 8 libras para dem cormthias propnas para podim a 8oo
cimaa2,7oo, rs. a libra. .
hlem hysson o mais superior que se pode Marmeladas dos mats afamados fabricantes de
desejar a 2,6oo c de 8 libras para cima; Lisboa a Goo rs. a libra
a 2 5oo rs. Ervilbas secas muito novas a 46o rs. a libra,
dem menos superior a 2,4oo ede 8 libras Grao debico muito novo a 46o rs. a libra.
para cima a 2,3oo rs. Ervilbas france/as em latas a Coo rs.
dem proprio para negocio a 2,3oo, de 8 li- j Potes com sal refinado a 48o rs.
bras para cima a 2,2oo. Fumo de chapa americano a l,4oo rs. a libra
dem do Rio em latas de 2, 4, 6 e 8 libras fazenda especial.
cada urna a 2, 3, 3,5oo e 4,8oo rs. a lata. Presunto para fiambre inglezes a 7oo e 8oo
dem preto o melhor que se pode desejar rs. a libra.
neste genero a 2,8oo rs. Chouricas e paios mnito novos a 64o a libra,
dem menos superior a esse que se vende Batatos muito novas em gigos de 31 libra a
por, 2 e 2,4oo, a l,8oo rs. a libra. 4,ooo rs. e6o rs. a iibra.
dem mais bafea bom para negocio a 4,5oo Massas para sopa macarrao, talbarim aletria
rs. a libra. a 4oo rs. a libra,
dem miudinho proprio para negocio a 1.5oo Cognac verdadeiro inglez a 8,5oo rs. a caixa
rs. a libra. e 8oo rs. a garrafa.
Queijos do reino chegados neste ultimo va- dem francez a 7,ooo rs. a duzia e 7oo rs. a
pora3,4oo. garrafa.
JUl HUS SRCCOS VlllUOS pIT liavtn ,i l,7un. t.li.n ulus cm ki .unir <|tiniiljiuh; o Je loilo* oo
SENHORES E SEIS HORAS.
O proprietario do grande Armazem do Baliza estabelecido na do Livi
38 e 38 A, defronte da grade da igreja, acaba de reduzir os preco de qoasi
gneros do seu magnifico deposito.
A tarifa abaixo publicada atiesta bem esta verdade.
A guerra aos inimigos, est portanto, assim declarada.
As pessoas, ainda as mais exigentes, que se dignaren ir esle esialwlwaaerito
ficarao por certa muito satisfeitas, nao s quanto as qualidades des gneros, tmmamo
tratamento todo attencioso que se Ibes dar.
Alm documprimentodos deveres da boa educaco, haver dora en diaale
maior capricho em satisfazer ledos que honrarem esta casa.
Os gneros pelas qualidades e precos annunciados, serao ofTerecidos ao
dos Srs. compradores. Noreceieo publico que se pratique o contrario, como em
casas, que al annunciam o que nlo tem-----O Baliza nao illude-----
Ameixas francezas emeaixinhas eem frascos Licores inglezes e francezes <*m va** de di-
de diversos tamanhos a 4,2oo, 4,6oo, versos tamaitos a l.ooo, I..Vn e 4Jso
por libra.
Existe alm d'estes gneros, um explendido sortimento de phosphoros, fumo, al-
pista. peras em calda o, seccas.figos, copos finos para agua, massas para sopa, azeite, ca-
e outros muito gneros, de es-
por mdicos presos
^53
. .^.u., |v-. ^ ^... ..,.., ,. o,,ao. II.;"-. wpm IIII1I3 JJJIil d^
Delta, pimenta, velas de carnauba, banha de porco, papel
ti va, que lodos sero vendidos por mdicos precos.
Toado 0 proprietario dos armazens do progressista deliberado nao concorda
com a liga da uiao Commercial, Clarim, Alinca, etc., etc., etc., dejara que s con
i' la em alliar-se aos seus freguees. Guando com estos urna liga de interesses recprocos'
taJj os seus alliados a faculdade de comprarem por precos muito em conta o bom fiam-
bre, o formidavl queijo e a siborosa bolacliinha de so la, que fazem urna boa al banca
cona a superior champanhe e o porto fino, nicos que sabem imitar a uniao destes ar-
nazens com os seus concurrentes. Viude, senliores, a >s armazens, aonde podis d'en-
tre um muito esplendido sotimento desaborosos alimentos, escollierdes os quemis
vos apetecer, cortos de que nunca tereis occasio de arrepender-vos de gastar o vosso
dinheiro uestes estabelecimentos.
COMPLETO SORTII^FO.
NO
AKH../E.U
CONSERVATIVO
23-Largo do Terco-23.
Joaquim Simio dos Sanios, dono desie arraa/.em de molhado*, scientiflea ao respoilarel puMi-
eo que leem um completo sortimento dos mesmos os ijuaes offerecein mais vanlaguiu aos Srs. compra-
dores, do que em uulra .|nalqner parto, garanlind-se a superior qualidade.
.Manteiga inpleza flor !a 800 rs. a libra.
dem francesa muilo nova a 800 a libra em li-
bras 540.
Caf do Rio, de 1- e 2' sorie .120 e 280 a libra, e
arroba 9JI e 85oOD.
Arroi pilado do Maranho de 90 rs. a 100 a libra
M'lno alpista a 160 rs. a libra, e arroba 4800 rs.
Ser/eja das melhores marcas a 500 a jarrara.
Ginebra vardadeira de laranja a tIOOo fraseo.
1 lem do Hollanda a 400 re. a bolija d,e contra.
Tueinho de Lisboa a 320 a libra, e arroba 8JS00
Passas muito novas a 180 rs. a libra, e caixa 9fi
AtSe doce de Lisboa o callao 35 e a garrafa 640.
IJ; de carrapalo a 280 a garrafa, e a caada 24
Ak-iria M, T, a 480 rs. a libra.
Gomma de enjznmmar muilo alva a 100 rs. a libra.]
Sardinhas de Nantes novas a 320 e 360 rs. a lata
e cm pnrriio se far abalimento.
Todo
6 por cento.
Vellas de carnauba a 360 o 400 rs. a libra,
dem de spermacete a 560 e 600 rs. a libra.
Phosphoros do paz a 25300 a t;rosa.
Bismutos e bolachinlias de soda a 15400 e 25000
a lata.
CJioorcas novas a 720 rs. a libra.
Batatas a 2} o gigo.
Bolaehinha ingler.a nova a 240 rs. a Kbra.
Charutos da> melbores marcas de 14200, 11500
25000, 35000 e 45000 a cala, em pWfio ee
far abalimento.
Vh0L^,fa de 8AA a 50 a garrafa' e a caBa"
dem de Lisboa a 40 a garrafa, e a caad
35000.
dem de outras marcas a 24700 a aada,
dem branro de LLsbpa a o'OU a garrafa.
qualquer comprador que comprar de 505000 pnrn cima, ter a d^conto de
_____
_^_
'

Vende
.4 ttencao.


Mez de Hara.
O afamado mez de Marlfc' qhte se vendia a 35,
\^ende-se por commode preco um esento erkm-; 25 M53#0, eonj esumjws e ntidamente BKeT
lo de bonita lipura, muilo robusto, e proprio para so, atha-s* verida tror acabar a 15000 6 rume
todo e qualquer servicu, e muito |>rincipalmente -
para feitor e sitio por ter grande pratrra e enten-
der muito de plantario : a Iratar no caes do Ra-
mos n. 2.
\ 97.
Para se fechar cuntas, \tndenvse as poo-
cabarricas que restam da verd(kir gra-
xa n. 97 : no escripiorio de Eduard Fenton,
na ra do Trapiche n'. i9.
- Na ra Korroosa ou largo do Hospicio, wa
n. 89, vendrm-se cinco rasaes de canarios bambur -
euete< productores 105ea4a casal : a tratm- da
7 as 9 lloaras da maphaa, e,das 3 s o da unte.
Vende-so um cabriolet inglez de quatro To-
daspara um on dous cavados, nm cavallo rodado
'I i misino cabriolet, urn cavallo rosilho bom an-'
p<-, silfo n. 2. iftran* o .
approveitem-se da occasio, que mu poucos res-
lam : na ra do Imperador n. lo.
FEiJlO
Vende-se feijo mulatinho muito novo a 175500
o alqueire, e a 560 rs. a cuia, dilo mais trigueiro a
145 o aJuueire, e a 440 rs. a cuia : na ra DireHa
numero .
FEU\0
Vendem-se saceos com 20 cnias de feijo mula-
tinho muilo novo a 115500, dito mais trigueiro a
95 : na na Direita n. 8.
' ara iodos.
Pecas de madnpol rom jioufos salpicos de
mofo 45500. 53590 e W, Jifas d; dito entesta-
do muito fino i 75.' Alcodiii*yiha superar com
pequeo to.|ud de ninfo pur 45 e" 45500 a peca :
na ra do Queimado n. 17.
**J* para aojo** meii
dem prato es melbores e mais frescos do
mercado a 76o rs. a libfa.
dem loruLrino a Goo rs., e sendo inteiro a
Joo rs. libra, vende-se por este preco
pela poiri que temos em ser.
Biscoilos em latas de 2 libras das seguintes
fabricantes mais a creditados a !,rjoo,
2,ooo, 2,.*ioo, 3,ooo e i.ooo rs. a caixa,
os mais baixes sfio dos que por abi se ven
dem a ,ooo e 2,8oo rs.
Gaf de premeira qualidade a 8,5oo rs. a ar-
roba e 28o rs. a libra,
marcas : Osborne, Craknel, Mixed, Victo- dem de segunda qualidade a 8,2oo rs. a ar-
ria, Pec-nic, Kance, Machinee outras mul-
las a i ,3oo e i 4oo rs.
Polvos chegados ltimamente do Porlo a 32o
rs. a libra.
dem em latas grandes a 2,ooo rs. a lata.
Balaeliinha de Craknel em latas de 5 libras
bruto a 4,ooo rs.
dem ingle/as em barricas a mais nova do
mercado a 2,5oo rs. a barrica e 2 lo rs. a
libra.
Ca toes com bolas france/as proprios para
mimos ou para anjos.que vilo as proeis-
ses a Coo rs. cada um.
Peras seccas as mais novas do mercado a 4oo
rs. a libra.
Figos de comadre em litas de 4 e 8 libras
lacradas hermticamente a 4,4oo e 2,2oo
rs. a lata.
dem em caixiiilias de 8 libras a l,8oo, e
4o rs. a libra.
Nozes muito novas a 140 rs. a libra, e 4,ooo
rs. a arroba.
Amendoas confeitadas a !)oo rs. a libra.
dem de casca mole a 32o rs.
Vinhofi engarrafados no Porto e Lisboa das
seguintes marcas: .duque, genuino, vclho
secco especial, lagrimas doces, vinlio es-
pecial D. Pedn> V. nertur superior de
1833, duque do Porto de 4834, vinho de
Porto, velUo superior, madeirasecca, Por-
to superior D. Luiz I, e nutras militas
marcas, em calva de urna duzia a lo.obo e
Ooo rs. a garrafa.
dem brauco de uva pura a 64o rs. a gna-
la e 4,ooo a caada.
dem superior .a 5oo rs, a garrafa e 3,2oors.
a catiaila.
dem em pipa Porto, Lisboa e Figueira das
atareas mais acreditadas a 3,8oo a caada]
e ooo rs, a garrafa.
Ideai de marcas pouco contiendas a 4oo rs.
a garrafa e 3,ooo rs. a caada.
Especial vinho Lavrad>sem a mais pequea
Oomposic3o a 560 a garrafa c 4,ooo rs. a-
caada.
Pomada a 200 rs. a duzia, sevada muito no-
va a 80 rs. a lil>ra, e 2,5oo a arroba.
roba e 26o rs. a iibra.
Arroz do Maranho a loors. a libra, 3,ooo rs.
a arroba,
dem da India muito superior a 2,9oo rs. a
arroba, e loo rs. a libra,
dem mais baixo redondo a 2,6oo rs. a libra,
dem da India comprido a 2,4oo rs. a arro-
ba, e 8o rs. a libra.
V.-llas de carnauba do Aracaty a 9,J>oo rs. ar-
roba, e Stio rs. a libra,
dem de sebo muito dura Qogiado esparmace-
te 36o rs. a libra,
dem de esparmacete a 54o rs. a libra, e em
caixa a 2e rs.
Papel o melhor que se pode desejar para os
Srs. empregados pblicos a 5,ooo rs. a res-
ma, j se vendeu por 7.ooo rs.
Idcmalmaco pautado e liso a 3.ooo rs. a resma,
dem de peso pautada e liso a 3,ooo rs. a
resma,
dem a zul de botica ou fugueleiro a 2,2oo rs.
a resma,
demembrulho de 1,2oo a l,4oo rs. a resma.
Ameixas francezas em latas de 1 V* libra a
i ,2oo e 8oo rs. a libra,
dem em frascos de 3 libras a 2,5oo rs., s o
frasco valle 1 ,ooo rs. tambem temos em
frascos para 1, 4oo rs.
Conservas ingieras a 7oo rs. o frasco.
Molhos inglezes a 8oo e l.ooors. o.frasco.
Moslarda preparada em potes muilo nova a
2oo rs.
Latas com 2 a 4 libras de caj secco o mais
bem arranjado possivcl a l,8oo e 2,8oo
i-s. y lata.
Sei veja lon. Tenente verdadeira a 6,8oo rs.
a duzia.
dem de outras marcas preta e branca a 5,5oo
c 6rooo rs. a duzia inteiras.
Vassouras de piassava com 2 arcos de ferro
virutas do Porto a 32o rs.
CelioUas mitite novas a 8oors. o molho e 5oo
rs. o cento.
Chocolate portuguez hespanliol e francez de
8oo a t,ooo rs. a libra.
l'Geeebra de Hellonda em frasqueiras a 6,ooo
Garrafes com 4 '.'i
e 56o rs. o frasco,
garrafas de vinho supe- dem em botijas a 4oo rs.
dem em garrames de 14 garrafas a 5,2oo rs.
> Palitos do gsi a 2,2oo rs. a groza e 2o rs. a
caixa.
Vinagre PRR em ancorelas de 9 caadas a -dem de dentes lixades em macos grandes
rior a 2,5oo rs. com o garrafao.
dem com 4 '/ ditas de venagre ai,
garrafa.
13,000 rs. com a ancoreta
dem em pipa puro sep o balisnu a 2oo rs.
a garrafa e ,4oo rs. a enada.
Caixaseom 1 dmiadagatrafa de vinho BOr-
deaux fazenda muito especial a 6,8oo rs.
a caixa e 7oo rs. a gafrala.
Licores francezes e portuguezes das seguin-
tes marcas crome do violetas, gerofles, ro-
sa, .bsiuto vesjieiro, amor perfeito, amen-.
dua amarga, percicot. de Turin, Botefim,
morangos, limSo, caf, laranja, cidra, gui-
ja, canella; craro, orteli pimenta a l.ooo
com 2o rs o machines a i 2o rs. o masso.
Cominhos muito novos a 32o rs. a hltra e
lo,ooo a arroba.
Sag muito novo a 24o rs. a libra.
Cevadinha de Franca a 18o rs, a libra.
Milho alpista a 14o rs. a libra c 4,5oo .ja
arroba.
Gomma a 8o rs alifara e 2,4oo a arroba.
Peixes em latas al,ooo rs. a lata j prompto
a comer-se.
Fai"eJlo de Lisboa marca N. e Biato lacoM
grandes a 4,ooo rs.
VEM)ESE
vernii do gtt pelt "prefO da fabri^n : i
Cal de Lisboa e potaba da
llnssia.
da bola a u re la no oito da ser retara
1-
Vende-se na ra daCadeia do Recife n. 26, par
de polica, onde se mudou o antigo e acreditado deposito da
' mesma ra n. 12, ambos os gneros sao
novos e
e
na rea Queimado loia da agtTa ~ P Vende-se na ra Hireta n: 32. vinlw verde legtimos, e se vendem a prego maj* lurato if qfi
a, 480 rs. agarrafa. ara Qualquer; parle.
2,000,2,5oo e2,8oo rs. e a libra a 8oo rs.
Amendoas novas a 32o rs. a libra.
Azeite doce reQnade a 8oo rs. a garrafa,
dem de Lisboa a 64o rs. a garrafa e 4,8oo
rs. a caada.
Alpiste a 16o rs. a libra, e 4,8oo rs. a arroba.
Arroz do Maranho, da India, e Java a 8c e dem franceza a 560 rs. a lilraf e
loo rs. a libra. por menos.
., ... Idemem latas a2OOOea 14300 Ma.
Aletria branca e amarella a loo rs. a libra. Massa (,(, lom,u.em tarri|il ^^ a
Araruta verdadera a 32o rs. a libra. Um em ^ ^ ^ a ||(a
Batatas novas em gigos de 36 a 4o libras por Moslanla mkvt 4IK), i)tM) N
l.ooo rs. e a 4o rs. a libra. Marmelada imperial d..s ih.IIh
Biscoilos inglezes Lunch a 18oo rs. a lata de
rs. a duzia.
Manteiga ingleza flor a 8oo rs. a libra d> x
libras para cima sera aberto um iarril m
presenca do comprador,
dem de2.a e3.a qnali
rs. a iibra.
rrn!
5 libras.
dem de diversas marcas em latas menores
a l,3oo rs.
dem de Lisboa de qualidade especial em la-
tas grandese pequeas a 3,ooo e l,5oo rs.
Bolachinhas americanas, a 3,ooo rs. a barrica
e 2oo rs. a libra.
Banha de poreo a 44o rs. a libra, e em barril
a 4oo rs.
Baldes americanos muito proprios para com-
pras a i.uou t3.
Cha huxym, hysson c perola a 3,ooo, 2,8oo,
2,500, 2,oooel,6oo rs.
dem preto a 2,ooo, l,6oo e l,ooo rs. alibra.
Chanpagne a melhor do merend a 12,oooo
gigo e a l,2oo rs. a garrafa.
Chocolate francez pnmeira qualidade a 1 ,loo
rs. a libra.
Mein em lata a 640 rs. a lata.
IV9 O P*.
imperial d tes de Lish+ta a 600 rs. a libra.
Marrasquino de zara a 8h rs. o frasm e a
8-> a duzia.
Massas para opa, ta-lhahm e mararrin a
480 rs. a libra,
dem finas, estielinba e p**vi)e, ratuala
com 8 libras a 15800.
Nozes a 16o rs. a libra.
Peixe preparado de esealHih''. da nvlh>>r
qualidade que tem rindo ao merca!o. a
i a lata.
Presumo rs. a libra,
dem para fiambre < inglez) a 6(0 r*-n a
libra.
Id-in americano a 100 rs. a libra.
Papel ahnaco a 35000 a re>ina.
dem de peso a 2< a resma.
Palitos para denles a 160 rs. o nw.
Dito dito de Ror a 200 rs.
Ditos do g a 24200 a groza
Passas novas a 480 rs. a Ubre e a I*mo a
caixa.
Queijos flamengos do ultimo v.tp.,r a 2.'>4M).
Dito londrino a !KK) rs. a libra.
dem hespanliol a l,2oo rs. a libra.
dem suisso a l,ooo rs. a libra.
Cerveja branca marca Allsopps a 4,5oo rs. a
duzia, e a 4oo rs. a garrafa.
Cognac inglez a 64o rs. a garrafa a 8oo e a
l.ooo rs.
Concervas inglezas em frascos grandes a 75o. Dito prato a 640 rs. a libra.
rs. o frasco. j Sardinhas de Nantes a 320 i s. a Uta.
dem francezas de muilas qualidades a 5oo[Ditade LMMtl a 640 rs. em btegrand*.
rs. o frasco e a 5,ooo rs. a duzia. Sag muito superior a 240 rs. a libra.
Charutos neste genero temos grande sorti- Sal relina io, era potes l TiJro, a 000 rs.
ment tanto da Bahiacomodo Rio de Ja-, o pote.
neiroa l,6oo, 2,2oo, 2,5oo, 3,ooo e4,ooo Sabo massa a 120, 160, 200 e2W>rs. t
rs. a caixa. I li''-
,,,. ao n Toucinho de Lisboa a 32i> rs. a libra.
Cafe do Ceara muito superior a 28o rs. a libra nU) ( San||>s c ^^ R a ^
e a 8,ooo rs. a arroba. T:0,0 para |jnipar fafM a | io rs. eab .
dem do Rio a 3oo e 28o rs. a libra. Vassouras amer.canas a 64o rs. rada an.
Ceblas a Joo rs. o molho com mais de loo We|n (J Porlu 4M) raj|a m
ceblas.
Chouricas e paios a 72o rs. a libra.
Cevadinha de Franca a 2oo rs. a libra.
Cevada muito nova a 8o rs. a libra. :
Copos lapidados a 5 e 6,ooo rs. a duzia.
Doce de goiaba em latas a 4oo rs. a libra.
dem de caj em latas a 320 rs. a libra.
Ervilhas francezas e portuguezas a 5oo e 64o
rs. a lata.
dem seccas a 16o rs. a libra.
Figos de comadre em caixinhas com 8 libras
por 16oo rs.
Farinha do Maranho a 12o rs. a libra.
Aelas de carnauba e com[osico a 320 rs. a
libra e a 10 a arn.lu.
dem stearinas superiores a 560 rs. o
maco, e em caixa por menos.
Vinho do Porto, nes>te geneno tomos < mr-
lhor sortimento possivel, que veaiieaa
por precos muito haixos a l| a garrafa e
a 10/ e 124 a duzia.
IdemCberrv. eda Madeira cm harria e
caixa, a 125 a caixa e o barril enJumt
tamanho
dem de Figueira e Lisboa, em ancora*
8 a 9 caadas, por 285000.
Farinha de trigo muite superior a 12o rs. a Dito em pipa a 35000, 3,5500 e 4uoo a ca-
libra.
nada
5 a
Farelo em saceos grandes a 4,ooo rs. o sacco *** ***** M% a
Genebra ingleza marca gato a l,ooors. a 8"1 Wem iuera em garra^ ^^ ^ #
ra'a- garrafo.
d em verdadeira de Hollanda em frascos muito |,j,.m j0 Bordeaux, das nvdhores mmam ose
grandes a 1,2oo rs. o frasco. vem ao mercado, a 63 a caixa e a *40 r*.
dem de Hollanda em frascos pequeos a 5oo a garrafa.
rs. o frasco. i Vinagre de Lisboa a jQOt, lj8oo e 2,1000 a
dem de laranja a l.ooo o frasco.
Gomma do Aracaty a 8e rs. a libra.
Graxa a loo rs. a lata e l.loo a duzia.
Linguas americanas de grande tamanho
l.ooo cada urna.
caada,
dem idem.em garrafes com 5 garrafas, por
15 com o garrafo.
Vinho de caj a 15 a garrafa. Ete Tioho
tem dez anoos.
Kufeltes r cascarrllha e ranfa
a MO rs. cada nm.
A aguia branca esl vendando bons enfaites de
cascarrilha e tranca, prelos e de cores todos ao
baratsimo preco "de 500 rs., servindo elles tanto
para senhoras como para meninas, a vista pois
da commodidade do preco ninguem deixar de os
comprar na ra do Queimado loja la aguia branca
n.8. ___________________________
AGENCIA
FNDICiO DE LOW-MOOR.
Rus da SennOa nova n. 42.
Neste estabelecimento contina a haver
um completo sortimento de moendas e meias
moendas para engenho, machinas de vapor
tachas de ferro Iiatido e coado, de todos o
tamanhos para ditos.
______________________________________________.------------------------!---------------------------------------------------------------------------.
Arados americanos e machinas para
lavar roupa: eA casa de S. P. Johnston & C,
ra da SehzaUt Noyfe n. 42.
________. ^ ----------------------------~ .
Tcndc-se um cavauo e u:in macbma pro-
Srios para nadara e moer mandioca : na ra do
ngel n. 9.
Ra da Seazalla Sota 41.
Neste estabelecimento vendem-se:
ferro coado libra a 110 rs.,
Moor libra a 120 rs. i
Luas de Jvvia.
Receben -se luvas de Jonvio braara* r ptm
propnas para a quaresma : mru dt Qiaai
loja do beija flor n. 63.
Traariahas ie lia Iba aara fala de
> aeshan.
Itecebeu-se, Iraorinhas de lUvena
ca de 30 varas a 6W) rs e de 130 r.->. M>aaa* :
' na ra do Queimado loja do lieij A* n T
Enfritrs dr rediahas rn lar aa frrafr.
Rereben-se. variado sortimeMO dr mk-iicn V
diversas cores a I-Vioo 2A: aa i
loja do beija Oor n. 03.
Vendem-se doa> silbo> para
senhora : na ra Nova n. I. I-ja de iillm
da lal .'ina do Sr. Lima : ndverle-se i|oHuW
tem algutn usn.
Atlunro.
Vei.de-so um jopo de lila* roa Main aa ira
. pe lenco-, por pre^u razoarri : qhcm
dirija-se ao raes do Ramos a. SO,
1 r a pesoa com quem deve tratar.


o _e Per
Hffumir iefm
anni e
Grande liquidado
de luchas na lja do Pavao, ra .da Imperalriz n.
60, d liin A Silva.
Ara-se este esubelecimeoto completamente sor-
tidode fazendas inglezas, francezas, allemaes e
suissas, pruprias Unto para a praca romo para o
malo, prometiendo vender-se mais baralo do qae
em outra qualquer parte principalmente sendo em
porco e de todas as fatendas do-se as amostras
deixando flcar penhor ou maodam-se levar f m ca-
sa pelos caixeiros da loja do Pava.
Asehilasdu Pava.
Vendem-se superiores chitas claras e escuras pe-
lo barato preco de 840 e 280 rs. sendo tinUs segu-
res, diias francezas finas a 320, 340, 360, 400 e
500 rs.. o covado, ditas pretas largas e estrellas,
riscados escoceses finos a 140 rs. o covado, isto na
loja do Pavao ra da Imperatriz n. 60 de Gama &
Silva.
As cassas de Pava* a 210, 280, 300 e 320 rs.
Vendem-sc linissimas cassas persianas cores fi-
las a 320 rs. o covado, ditas francezas muito finas
a 340 c 280 rs., ditas ingzexas a 340 e 280 rs. o
covado, liiiissimo organdy malisado com desenlio*
miuilinlius a 320 rs. o covado, cassas garibaldinas
muilo finas a 320 rs., isto na loja do Pavao ruada
Imperatm n. 60, de Gama Silva.
\s tiaziabas U b usirii do Pava.
Vmdem-sc as mais modernas lazinhas wossan-
bru: ebegadas peto utiime vapor trance* sendo
de ma s cor ou4e listas iniudinbas ooaa 4 pal-
mas de largura, (praprias para vestido ifo senbora,
mipa para menes e capas, e pelo haratissimo
w-eco dojOOrs. covado, ditas nfestadas trans-
sjarentes de tjtisdrmhos a 300, 406 360 rs. o co-
lado, ditos alisadas muito fiwas-a 300 e 400 rs.,
ditas mais baratas do que chrta famtiem maiisadas
a 320 re. o -novado, ditas a Mara Pia con palma
de sed* v 4 \* linos de iargwa a X) rs. o covado,
ditas detHua so cor (arda, aam\, cor de lyri
perol* rjrapas para vertidos, sautembarqwes e
garibaldes a 720 rs. o ornado, ditas escomas a
800 400 rs,. islo s oa 4oja *> Pavao, ra 4a Im-
pera (Ha Cl), de Gama >Silva.
Os chafes d* Pava.
Ven#em-se linos chales de crepon estampados
Jelo 'burato preco dr "OS. 73, 83, ditos de perita re-
mua a 73 e 83, Hites {retos ricamente bordados
a rfllrot com vidrttho a 123, ditos pretos lisos *
i3, -dilos de crrs a 43800 e 53, ditos de merm
estampados a 2 c 33.dilos de laa a I32N0 e*J,
filio* de relroz proto -para luto a 63, islo na toja
do Pavao ra da Imperalriz n. SO, -de 'Gama &
"Silva.
Fazraaas pretas par* a qaaresiM vende -o favio.
Vande-se g-rosVnaple prelo inuito superior a
14600, lito a S300, 24, 23300, 2480 e 34, mo-
Teanliquc p*d nwilo superior a 34 c 24000, sar-
ja preta hespanhola muilo encevpada a 24, isto na
loja do Pama (va da Imperatriz n. '60, -de Gama
_ Silva.
6 Pari rende para lulo.
Vende-ss-superior setim da Gliioa faraenda toda
de laa stsm lustre tendo 6 patata de largura pro-
jiri" para vestidos, palelols, rapas ule, |>elo bara-
to preso de 33, 24200, 24900 e covado, cassas
prelasteas,-oliilas pretas lar-gas e eteeitas, diales
de niel iiiM li- as e bordados -ii comgottirthas e oulros iiur'ios arligos que se ven-
dem por pregas razoaveis: na luja do Pavao roa
da 'ImpoF.iip; ii. 60, de 'Gama A Sita.
Os ror pintos Jn Pavifl
Venfle-sc -os mais modernos rorpinhos de am-
tinda 'nieamente bordados e ertfeitados a 7 e OS ,
xa liijadotPnvo, i ua d* ImperdlPK n. MuvBifcta.
Os vemidas do H'-tnia
Vende-st ricos vestidos te ^rosdeoaplc prelo Ti-
camente bordados icvetudo pelo barato prero'de
464, -sendo tazenda que sempre se vendeu a 1M&
e 4OB ; ditos de enmbraia brnneosrieameilieibor-
dados.a-orarhe. sendo ropries para baile e opsa-
ment a.10, 15, e 3*S; ditos de laa comandas
barras a IR c 1;>S ; isto na Iqia do Pavtocua
da imperairiz n. Wl.-do Gama & -Silva.
Os JMDBAS do TilvflIL
Vonile-so panno preto mailo-superior pelo barato
pii'i-u de.24, 2300,3i e 3J>300, ditos muito linos a
44, i>4 escories de casemira.piela enfestada a
44, 4.'<0u.f (4, rasenrira preta 'fina de una s
largura mato lina n '14*00, 23. SSoOO o J4, cor-
tes de -casimira de coi a 4, JloOO e 04, casemi-
ras eo/esladas de umn^ cor proprias tara caiga,
paleim.-, wiKeies, capos para sontioia, roupM pra
mei)inosa-4e 3.>>e.<* covado, isto na Joja do
Pavao, Htt'dalmpenttHz n. 80, de Garaa&wlva.
i\ ruiipe do 1'avio.
Vendem-se palelot-de panno .preto -sobpecasa-
coslir/a'iula-muito boa ft 124. ditos muilo dinas a
164,O,aS e 304, calcas decasemira prela boa
fazmida a 44300,53, 64,74 e 84, paletote aaacos
de panno piolo a ,74. dios de caseimra de -cor a
4 e74, ditos de alpact .preta, ditos de merino
proto, ditos de brini de 'tres, calcos de casemira
de cor a 44. 34,64,74, ditos de eaxemira da
Escossia a :4, ditos de dif ira pardo a 24')0, -filos
do cir a 24-e 84800, dios brancas reoito *,
sto na:loja do Pavao, ra da [mpevatriz n. '60. de
Gama 6 Silva.
.OS Mll'iUKktft -Umusv.
V.-nilcm-se reos coi tinados propmos para Mel-
la e ramas pelo baralo pen de''S par, sendo o
melhor que-ha no mercade': na ra a lmperairiz
ii. 8f, de (ama (S Silva.
*i ,V> colchas de P\o.
VeiKleni-si'.cob-h.is de Ikiho alcoc4ioadas -.pro
prias-para cama pelo batato preco-dOS} cada nnu
na [ua da Imperatriz n. As ctlcinhas do Pava.
\'i'inlem-se ealenhai de etnbtaia bot-dadas pa-
ra iiiiaiuias-p.-io baralo preco de 500 e 640 rs.,
mlaiu-urms para senbora e meninas a 00, 800 r.s.,.(,-imsinliis.-om mani-'L-itis a l*80 : na
oja do 'avio ra da linpeatri?. n. 60.
U- bordados do Pava*.
Vendem-se eamislobae de eaarraia muito finas
com manjaitos e otos muitoibeai bordadas pelo
barate prejo de 1528K, ditas de fil a 13. ricas
pelerinas ou romeiras bordadas a 15600 o 5. su-
perores maagtutos co.-n olla e aialao a 'e 44,
aemlo omito em bordados e os mais modernos
qm ha no mercado, manguitos e eamisnhas a 34
.84500, pollinhas flnissiauas de eaoibraia aSOO,
4ilasde lit aiO e rt<< ra, pecas de entremetes
com varas a640 rs., lira* bordadas a 15, e ou-
trw RUiitos artifos neste genero (pie se vendeai
ma:-- fiante do i/ue em outra /ualqtie*- parte : s
na loja do Pavao!, ra da Imperatriz a. Ot). de Ga-
ma A iiva.
As (Tapas do Pa*o>
TmdiM nr ricas capas de seda preta ricamente
enfeitodas, sendo as mais modernas pelo barato
preco de 20,5, 254, W5 e 405, sautembarques de
seda ireta sendo ricamente enfeitados a 204, 255
e 303 : ua ktia do PavSo ra da Imperatriz n. 60,
de Gama & Silva.
As c;uulii2ias do PavaM.
Vendem-se pecas de eambraia muito fina eom
lpicos tendo < |2 varas cada peca a 3 O, ditos
a 34 e 34500, ditas adamascadas muilo linas pro-
M-ias pata cortinados a :14, ditas a 44, pecas de
ambraia brancas lisas azenda muilo lina com 8
i\i varas a 34500, 44, '*4500, 54, ditas de qua-
r a zoaveis : na loja do Pavao ra da Imperalriz.
Panno de liuha.
Vejado-sc panno de linho com 4 palmos de lar-
gura proprio para lences, toalhas e ccroulas pelo
barato preco de 640 R. a vara, bramante (tfl linho
om MJ palmos de largura a 24500, algodaoznho
moutroooi8 palmos de largura a 14, pecas de
Hamburnoflom 20 varas a 94. 104 e 115, pecas de
madauolao iioo a 73*00, 85, 95 c 104, ditas de
algodownho a 4, 64500 e 74, o outras multas
f izendas braacas que se vendem muito baratas
allm de apurar dinheiro : na loja do Pavao ra da
imperatriz n. 60, de Gama & Silva,
Cortes de cassa a 35500.
Vendem-se cortes de cambraia com babados a
35500 : na loja do Pavo ra da Imperatriz n. 60.
de Gama & Silva.
0 PavSo vende laazinhas pretas.
Veudem-se lazinbas pretas a 200 rs. o covado :
na loja do Pavao ra da Imperatriz n. 60, de Ga-
ma & Silva. ,
A Mara Pa.
O Pavao vende a 8$
Vendem-se os mais lindos cortes de vestidos a
Mara Pia com lindas barras de seda, sendo che-
gados pelo ultimo vapor francez pelo barato prego
de 85 cada um : s na loja do Pavao ra da Im-
peratriz n. 60, de Gama & Silva.
Os baloes do Pavao.
Vendem-se crinolinas ou baloes de 30 arcos Un-
te tarantos como de cores sendo americanos que
ao os melhores por se nao quebrarem a 34O0 o
de35 arco* a 44. ditos de musselina com babados
3 45. ditos pacamenioa-aJ^-oV : na loto do
Palo na daroperatrlz o. 00, de Gama & ftln.
SILVA & SOUZA
IIti do Crespo esquina 4a rna do imperador.
Tondo-se o propietario d'este armazem asaociado com o Sr. Paulo Ferrara da Silva, resolver daMhe o titulo de principal,
por ser o mais bem localisado desta cidade, e como um dos socios tenha de partir para a Europa, aflm de all escolher os melhores
gneros, desde ja se pede ao respeitavel publico toda a attenrao, nao s para este armazem, mas tambem para o grande armazem A ban-
ca, da ra do Imperador n. 57 e para*o bem sortido armazem Progresista da ra das Crwes n. 36, sertas todas as pessoas que fro-
quentarem estas casas de. que aro urna economa de 10 a 20 por cento -do preeo t|ue possam comprar em outra parte, porque nm-
guem melbor do que nos pode olerecer tantas vantagens como as que se observara nos armazens:
vi.Liixv rntx a Imperador o. s.
PHOCiRESSlSTA!! na das Crnzes n. 3.
PRINCIPAL !!! ra do Crespo n. .
Vinho do Porte cm barril muito especial a Farinba de artrnta verdadeira a 32o rs. a Ib.
64o rs. a garrafa, e 5,ooo rs. a caada. I Phosphoros do gaz a 2oo rs. a duzia e
Vinagre puro de Lisboa a 2oo rs. a garrafa e 2,2oo rs. a groza-
l.ioo rs. a caada. Bolaclnba americana em barrica a 3ooo
dem em garrtoes com 5 garrafas. | re., e em libra a 2oo re.
.\zeite doce de Lisboa superior qualidade a Tijolopara limpar facas a 12o rs. cada um.
64o rs. a garrafa e 4,8oo rs. a caada. Vassouras de piassata cora dous arcos de
Batatas em gigos de triuta a trinta e tantas li- ferro prendendo o cabo a 32o rs. cada
bra a 2,5oo rs. o gigo e o rs. a libra. urna.
Genebra de Hollanda a mais superior a 6,ooo Escovas de piassava proprias para esfregar
re. a frasqueira e 56o rs. o frasco. casa a 32o rs.
casas se vende a 2,6oo rs., custa neste ar- Idememgarrafescom25garrafasa8,ooors. Sardiphas de Nantes muito novas a 32o re.
mazem 2,2oo rs. a libra. 1 Gerveja das melhores marcas de 5,ooo a a lata,
lem uxim, o melhor que pode haver neste i 5,5oo a duzia e 5oo rs. a garrafa, Peixe em lata muito bem preparado: savel,
genero a 2,6oo a Ib. garntese a qualidade. Cognac superior a 8oo c l.ooors. agarrafa, corvina, pescada e outros a l.ooo rs. a
fdem preto muito especial a 2,ooo rs. a li- e em caixa ter abatimento. late-
bra, e mais baixo, porem muito soffrivei a Marmellada imperial dos melhores e mais Ervillias portuguezas e francezas ja prepa-
l,2oo a Ib., vende-se [toe estes precos cm j afamadosconserverros de Lisboa em latas' radas a 6io e 72o rs. a lata,
razo de nestes ltimos navios ter-se rece- de libra, libra e meia e 2 liaras a 6oo rs. Caf lavado de primeira sorte a 32o rs. a
bido grande porcao desle genero, a dife- Conservas inglesas em frascos grandes a libra, e 9,ooo a arroba.
Manteiga ingleza a mais nova e fina chegada
neste ultimo vapor a 8oo rs. a libra e de 8
bras para cima ter abatimento.
dem franceza, a melhor c mais superior do
nosso mercado a 56o rs. a libra e 52o em
barril oumeio.
Banha de porco refinada e muito alva a 44o
rs. a libra, eem barril a 4oo rs.
Cha bysson, o melhor neste genero especial
encommenda do proprietario a 2,7oo a Ib.
dem idem menos superior e que em outras
RL\ O OtEIHAUO \. H
Uja t azendas 4e npsio Frederico ios Sute Porto.
Fazendat pretas para aquaresma.
Ricas capas de seda preta bordadas e enfeiladas para senhora
Soutembarques e manteletes de seda pretos muilo superiores.
Zuavos de seda pretos ricamente entenados a 174.
Luvas de pellica de Jouvin para homem e senbora.
Chapeos prelos para homem e chapeos de sol de superior qualidade.
Sortimento de grosdenaple preto, pannos finos, caseiniras pretas, menino, sellara e k
basina preta tudo por commodos precos.
Camisinhas de cambraia aGaribaldi o camisinhas e manguitos brancos e de cor.
Vende-se para acabar orgaodys da India a 340 rs. o covado, lauMnhas i 360 rs. r. covailo
cambraias de cor a 240 e 320 o covado e muitas outras fazendas por comiuodo: precos.
Chegaram as muilo superiores
ESTEIRAS PARA NA LAN.
\\\) \ /o! Ki., FIG LD'OukBACAI I lO
XAROPE DE RBANO IODADO
Segundo os attetlatlos dos meflicus dos ho*pitaes de Pai, ("nsignados no IVi.-iicciu. r x ai'|,r1l""t'2
de varios Acadmicos, este Xaropc emprega-sc com o malor iicc), em lugard LEO DE riCADO DE
BACALHAO, ao qual elle realmente nperlor. Cura as molestia* de peito, a> tteof*!**, o l)Bi|-tutiiM>.
pallidez e molleza das canies, as pardas d' appelite, e regenera a conlilui(;;'io puiilii ando o tanpit. tm
iumma o mais poderoso depurativo conhecido. Elle nunca canea esiinaioon m irrtotiiHf mmo o
duro de polassium e o ioduro de ferro e administra-** com a nuior emcaculaue aoa mnn.* ui)ntm
aos humores ou ao entupiniento das glndulas. O utunr (.mif, do horpilal ucSau'Luu de fwm,
o recommenda d'um modo inteiramente particular as molestias da pelle, conjunclaimnle rom u pilulM
que tectn seu nome.
Depsito geral i em Pars, en casa de MM. Gil wault e C, phai maceutiro*. 1, na de la Kruillade .
em Lisboa, en casa de RadrlR* *m cs(a-Carvlh*; no Porto, en cata de cael Jaa de a****
rerretr; em o Rio-de-Joneiro, tu, relala e Mala, ra do Sabao, 11 i em oAio, en casa de
Jaa Cactaaa Frrvelra-Eaalahelr; em iito-Crande, en caw de Jaaaiwla de Uaday ; em tarmn-
ho, en casa de Ferrelra e c, em l'ernambuco, shaaai e Qa, ra da Crui, 31; ftaaaa, e aat priocipoe*
pharmacias do Brazil.
Deposito geral em Pernambuco ra da Cruz n. 22 em casa de Caros Rarbou
renca de preco de Coo a 800 rs. a libra
do dem do Rio emlata de I at 6 Ib. a l,4oors.
a Mj., neste genero o melhor possivel.
BisoiKitos inglezes em latas com differentes
(oalidades como sejam craknel, victoria
pic-nic, soda, captain. sced, osborne e ou-
tras muitas marcas a 4,35o re. a lata.
Bolachinha de sAaem latas grandes a 2,ooo
rs. cada urna.
Figos em caixinlHS hermticamente lacradas
e muito proprias para mimo a l,6oo e
2,600 rs. c*Aa urna.
dem em cairii*as de 8 Ib. a2# rs. cada urna
Passas novas a 8,000 rs. a caixa e 48o a Ib.
Araeixas frmoecas em latas de libra e meia e
3 libras a l,2oo, 2,000 e 800 rs. a libra.
Caixinhas *n ricas estampas a !,4oo rs.
cada ua, fraseos de vidro com rolha do
mesmo, emitendo libra e meia de ameixas.
Champagite da marca mais superior que tem
vindo ao wsso mercado a 18.000 rs. o gi-
go, e lySoo rs. a garrafa; garante-sea su-
perior qualidade.
Vinho Bordean* das melbores qnalidades qwc
se pode desejar a 7,ooo e 7,5oo rs. a cai-
xa e 64o rs. a garrafa.
Caixas o Vinho do Harte superior de 9,ooo
e lo,oo rs. a dateia, e Ooo el.eoo rs. a
garrafa-, neste genero ha grande poncSoedc
difTenerrtes marcas muito acreditadas que
j se vonderara >or 14,000 e 1 u.-ooo a eai-
xa comofK'jam: l>oqtie do Pinto, Lagrimas
do Douro, D. Luiz, Cames, Madeira sec-
ca, Nctar, Gemiirx) e Malvasia finoe ou-
ti mi rom.) ciierry n M^rteira para 42,000 e
13,ooo irs. a carxa.
Vinho de pifu: Porto, Lisboa, Figueira a too,
48o 56o h. -a garrafa, 3,ooo, 3,2oo e
3-5oo rs. a canafla.
Idemlranco o meflior neste enenr viudo de
eHCorameifla a 6wo rs. a garrafa, e 4,5oo
r a caada.
75o rs. cada um. dem do Rio muito bom a 28o a libra e
dem franceza de todas as'qualidades de 8,Uoo re. a arroba.
legumes e fructas.a 5oors. 1 Arroz do Maranhao a loo e 120 rs. a libra.
Mostarda franceza em pote preparada a 4oors dem de Java a loo rs. a libra
Amendoas de casca mole a 4oo re. a libra.
Avelas muito novas a 2oo rs. a libra.
Palitos para denles 12ors. o mago.
dem lixados muito-fraos a 14o rs.
Velas stoarinas a 56o rs. a libra e em caixa Nozes muito novas a 2oo rs. a libra.
a 54o re. Chouricas e paios a 7oo rs. a libra,
dem de carnauba pura e refinada a 360 rs. Toucinho de Lisboa a 320 re. a libra ou a
a libra e lO.ooo a arroba. 8,5oo re. a.arroba,
dem de composicao emraacadas a 32o rs. Presuntos de Lamego de superior qualidade
o maco e 9,ooo rs. a arroba.
Massa de tomates em latas a 600 rs. a libra.
Doce em calda das mais especiaes fructas da
Europa a 600 rs. a lata.
Ostras em latas muilo bem preparadas a
l,ooo rs.
Massa para sopa estrcllinha muito nova em
caixas de 8 libras a 3,oooe Soors. a libra.
dem talharim, maearrao e aletria a 4oo rs.
dem macarro mais baixo a 24o rs. a libra.
Cevadinha muito nova de Franea a 2oo rs. a
libra.
Sag o melhor que possivel a 24o rs. all.
Farinha de Maranhao a melhor que presen-
temente tem vindo ao nosso mercado a
14o rs. a libra.
Gomma do Aracaty muito aira a 80 re. a Ib.
Licores muito finos de Bordeaux e tedas as
marcas que ha neste genero a 800, l.ooo
e 1,2oo re. a garrafa.
Genebra de laranja em frascos grandes a
Ijoo rs. rada um.
Tmaras do Egypto a 8oe rs. a libra e em
caixinls de 5 libras a 3,5oo rs.
chegados neste ultimo vapor a 56o rs.alb.
Alpista muito novo e limpo a 16o rs. a li-
bra e 4,60o a arroba.
Painco novo a 18o a Ib. e 5,ooors. a arroba.
S.ibo massa, araarello e eastanho a 22o e
24o rs. a libra.
dem mais baixoumpouco a 16o, 180e2oo
re. a libra.
Castanhas pelladas a 24o rs. a libra.
Chocolate francez de primeira qualidade a
l,2oo rs. a libra.
dem de Sant muito superior e medicinal a
l,3oo rs.
Copos lapidados proprios para agua a 5,ooo
rs. a duzia, que em outra qualquer parte
7 e 8,000 rs.
Charutos dos melhores e mais afamados fa-
bricantes de S. Flix e do Rio de Janeiro,
de l,5oo a f',000 a caixa.
Cebollas novas a l.ooo rs, os molbos gran-1
des e 800 rs. o cento.
Doce de goiaba a 64o rs. o caixo. I
Lcntilhas, excellente legume para sopa cgui-
sado, a 24o ra, a,libca.
JARABE DE CORTEZAS DE NARANJAS AMARGAS
fe J. -P. l.*IIae, bk, Farmacutica de la Iscatlj svferwr it fam
Este Jarabe, al regulariEar las fnnciones del estmago intestinos, destruye esas
indisposiciones proleilormos, y hace abortar las enfermedades de que son signos areeaT-
sores. Mdicos y enfermos han reconocidoqnc restablece la digestin, naciendo desa-
parecer las pesadeces de estmago; que calma las jaquecas, pasmos,y calambres, que
son clrcsullado de digestiones penosas. Su gusto agradable, y la facilidad conque*
soporta, lo han hecho adoptar como el espoclncco infalible de las enfermedades nervio-
sas, gastritis, gastralgias, clicos de estmago y entraas, palpitaciones, lales de co-
razn, vmitos nerviosos. Su accin sobre las funciones asimiladoras csjtal, que lo
mdicos mas ilustres lo han adoptado por escipicnte real de los dos primeros agentes
teraputicos : cl Ioduro de potasio y el Proto-Ioduro de hierro, habiendo
observado que bajo su influjo, el primero pierde su accin irritante, y, I seyaad
su efecto astringente.
JARABE FERRUGINOSO
dc CAITU4S ai mumi ^aim
con PROTO-IODURO de HIERRO
La asociacin de la sal frrea en el J.irbe
de i-ortea* de naranja* es tanto toias racional
cuanto que este Jarabe, empicado tolo para
esliinnlnr el apetito, artivar la secrecin drl
jugo gstrico, v por coniinitenM. roaalartaar
la* funciones aiidominalt-x, neutralizal>lri>lrs
efecto de lo fcnuviiiosos y dlo imlun pe-
sadez de cabeza, constipacin, dukire epiea-
lii.11-', al paso que facilita su absorcin. Di-
suelto en el Jarabe, se loma y Murta fj. l-
menle por hallarse en cl e*taao puro mas
a.siiinlal.le; y asipuede segnine M cura de los
toleres plidos, prdidas blandas, ant-ima,
afecciones escrofulosas y raquiti*M>. El frasco :
4 fr. 80.
JARABE DEPURATIVO
DE iMOIIS Kt NtBAKJAS AHAKGis
CON IODURO DE POTASIO
El Ioduro de potasio, adminl^rado en solu-
cin bajo f-irma slida, causa al enfermo una
culi repugnancia, determina accidentes que
lo oblitain renunciar este dicaz remedio.
Unido id Jarabe de coitezas de naranjas, no
causa ni iiattialyia ni dcMirreslotiel estmago
irtestinos, y ti acias a este salvo-cotuluclo,
las earw depuradas pueden seguirse sin inler-
ropciion en la afecciones escrofulosas, tnoer-
euVisaSj ranerresas, i en las secundarias ter-
eJMfaa, inclusas las reumtica, de que es su
mas sesmo especiUco. Lndsisesuidelinidade
al u.iiera que el mdico la valia como quiere.

hl frasco : 4 fr. 50
Los Jarabes de J.-P. LAROZE estn siempre en frascos especiales (jamasen medias
ilwlellas ni frascos redondos .Expediciones: en casa J.-P. LAROZE, ru de laFoni.unc-
Molirc, 30't. Depsito general: farmacia Laroze, ruc Ncuve-dcs-Pelils-Champs, 4,
y en casa dc todos los farmacuticos antiguos dc Francia y del Estrangero.
Desgnete en que lengua deben estar las instrucciones que acompaan cada arodacto.
- i
HnMe na ma do Imperailor botica franceza n. 38.
Papt4,'rt^"p;rut;iio"o n^rjor qa ha fies- ErvnlVs soccas" jaTfcscaaca-das a 2oo rs. a
te genero a 4,5oo rs. a resma. libra.
Grande pechiuclia
Coque de atarla na loja e
armazem la Arara ra da ini-
faeratriz n. 50 de JLourenco P.
VL. t.uiuvtr*,.
.,-<. .a. .-...;..
Vende-se mada.rK)lao ifflez com pequeo lo-
que de avaria ,por5500 7$ e 8J, alfrod.ozinho a
iVO:
LOJft 09 BEIJA FLOfi.! A AGVI.V BR4NC4
|{Jja 4o^ueiiuailo ouiivero i3. \n**km*e'mM6ins
Craatiiihas .para senhora. WfW t MIIVIB
Vendcm-sc pravaiinlia*-dc.di-versos ostos uis prctt-c de_outras core?.
moderase .17-20 c 800 rs. : ua ra do Queimado,. P-ftiHal (]( COl'CS,
loja do .beija-flor a. 63.
Filas para dcUrttue dc Vcndem-se lilas ftira debrum de vestido de linho
com 12 .varas .a 400 rs. a poca : ua ra do>Que-
mado, l(u> do boija-fli' n. 03.
Petes trAvessos.
VendoBvse pontes travoasos de .caracol a
frente de Kirracba aoO r^.: na ra do Queima-
do, loja dOi!x:ija-tlor n. 63.
I'ajiel beira (dowaila.
280
T>. U'WlVdUtl, Ullrt?. IldlILUdO Ulltlfl IUIC3 JXUS il
iJimjhs (laiiH-i-os chegados no ultimo va- Alfazema a 2oo rs. a libra e_b,ooo areHJia. :jo, *J0 e 400 rs. o covado, gorgurSo de linho pa-
por c rnwitit frescos.
. i-
Arara ra da Imperan iz u. G.
Vende-se jDape beira dotirada a !>20e e 13300,
1 dito de.cr^Seibctradourada a t&lOO : na ra do
'^ucimado, iaja do boija-flor a. 4'!.
Aiivciupes.
Vendem-se attvelopes de diversas quadades
licanco a 80t rs. e de cora (140 rs, para caitas de
Jaita a 400 rv., prelo a 730 rs. : na loja do lieija-
Oor na ra do (Queioiado n. 63.
4'.iIjls de Ijofar.
Eendo recelJido volas de aljfar cotn cruzoe de
pedraiiuiUindoa luiJj.inli' vende-se a 1$ cada
luna:: iiarua do^ueimado loja do beija-flor n.3.
Cauasati ile ifias.
Vendem-se camisas de motas muito Anas a
1^800 e 13300 : na ra do Queioiado, loja do bei-
ja-flor a. 63.
Euiiles de fila.
Tendo recebido enfeites de fiu pretas e de co-
res mais modernas que se esto usando a ideada
um : na ra do Queimado, loja do beija-flor ti. 63.
Fila de la preta para debrum.
Vende-se lita de laa preta para debrum com iO
varas a 900 rs. peca : na loja do beija-flor ra
do Queimado o- 63.
filas de linho para bordar vestido
Vendem-se fitas de linho para bordar vestido
Flhfts grandes,para enfeilesde bandeijas : ven-;
dem'-seia ra do jueimada, leja sumen 8.
VIH1 IJI Ij
A agtsia braoca acaba de receber um bello ,
complete aorlimenta de eofeiles 00 laoat, ditos'
sem laeog, <;tc. ; tafflbem receben outros mui bo-
nilo>, e" segundo suas recommendaces kieramdos
que ha de nais moderno e apurado gosto _: as.-iw
os preteudeotes munid de diuheina serae bem
-servidos : ua ra do Queimado, loja d'a;ua Jjran
Ca u. 8. I
Frascos
rom AHF^cvd ao vigilante.
Custodio Jos Abres Guimaies salsa ao respe-
coaa gnmma arbica dissolvida : eodem-se
ra do Quewuio, loja il'^uia branca o. 8.
Vvelas com pedrasno-
vo sortimento.
A aguia branca reeebeu por esse ultimo vapor
objectos
bom gorito, <|ue tanto sastisfoito se acha, apresenta
o novo attto, cliamando pe loe eeus frvsjntezes que '
venham ver para otr, que s *ssim podero apre-!
um now~e"bVllo sortw.ientodas procurada fivelas ciar e aeharao umrande sortiroimlo de fazendas iL^'^ SjLtaS U s
com pedras, podendo assim saisfazer a todos que eudenlesx tHiudeca^uoto paca &osso como para dM, ito. Je nuisseitna a i* so
dellas jwecisarem, uua vez que appareca diohei- iclallio, que todosserao sortidos a vonlade, mesmo 1 aa hbju rainz n. ao
T nTrVA d niiSnaV. ll 4*^ lia branca mi- aalauer trague* de tira que nao possa vir a esta rara nde os ttrlt* dc. nscados fr
Faafinlas prupiias para scuboras e lucilinas.
Vende-se gollinhas cun bolanzinlio para senhora
e meninas a 00 e30 rs., manguitos de fil e
cambraia enfeitades a 300 rs.. manguitos e pollas
i pm intJjm a '. t 13-80. catnisiuhas bordadas
.para senhora.a i, dilas bordadas uo colarinho e
punlwse grvalas .muito linas a 4300 e i> : s
a Arare, ra da Imperalriz n. 56.
rineipia a Arara vender as colchas.
Vende-se corr-has avelludadas para cama a 83.
ditasde.linhn alcoe.hoadas a 33. ditas dc fustn a
53, ditas de damasco a 43, ditas de chita a 23:
I na lojada Arara ra da Imperatriz n. 06.
Arara vflitJr assas a 2 iO rs.
j Vendo-se cassas francezas finas a 240 e 280 o
covado, ouandys Baos a 210. 280 e 220 o covado:
na ra daJmp(:ratriz.n. 36 loja da Arara.
Momia (tila ta Arara.
Vendo-ce palelols de brim de cor a 23300 e 33'
ditos de mua casemira a 33500, ditos melhores a
43300 e 6, ditos pretos de panno a 3?, 63 e 83,
ditos de cusouiira lina c.debrunhadus a 83 e 103,
dilos pretos.de alpaca a 23300 c 'i3. calcas pretal
meia
nos
ca-
s a
23
.e3500 : na na da Imperalriz n. 36.
Kaloes da liaia a 3.
Vende-se baldes crinolinas de 20, 30 o 40 arcos
madapolo a
na Arara ra
aurezfs a
30.
14
PAPEL INGLEZ
to : na ra do Quetaiado, loja iTaguia branca nu- qaalquer freguee de tira que ni possa
u^jfo praca e quetram dirigir-se a este<=tahelemenIo Vende-se corles d^riscados trnceles com
faeendo seus t>edidos jwr meio dartas., e pode.- cavados a 33 o corte : na na da Imperatriz n. 56.
I rao fazer que ser tudoomprido fieknente, poden- liar* vende corles de caseimia prela a 3 \
do-se fazer procos muo razoaveis, eao s elas; vende-se corles de casemira preto para calcas a
afn too e de uesa. i b035 cmPras Aleado grande sortimento dTapel greve e ou-! c1* d sl,a. 1**'* eooU> como doe 4 reaf) lfara vende es sootembarqns.
tras muitas qualidades, que ..constantemente se,^<)90*<'Dac*"'.';-. ^ VAPOR Vende-se soulemharqm* pretos muito ricos, ca-
acham na loja (Taguia branca, az-se notavelpolal SAiSra nt/irihnie pas onapridas e manteleles de superior qualidade
supenoridade de qualidade o papel inglez almasso I ..,. e/%r,i*0o^i1 *T n-i^ m rv,'a 8*1 e 2S3 : s a Arara ra da Imperalriz nu-
ou roupioho de meninas com 40 varas a~640 e e de peso, que acaba de chegar para a dita loja ;'
800 rs.-a pea s quem tem loja do beija-flor j um e' ou^slo mui encorp'X /deVm a^e'tinV ***9 ^J^/'Z SlX
'do lustroso emacio., quena verdade* odos agr- ^^^L^ZTSnLXtlZ
ra do Queimado numero 63.
Botoes de madreperola.
Vendem-se botes de madreperola mais moder-
nos que tem vindo para punhos de senhora a 320
rs. o par : s quem vende por este preco na
ra do Queimado, loja do beija-flor numero 63.
Fila de velludo tara bordar vestido.
Vende-se fila de velludo prete com 10 varas a
i 900 rs. a peca : s quem tem por este preco a
! loja do beija-flor da ra do Queimado n. 63.
Fila de velludo bordada.
Vende-se fita de velludo preto bordada de di-
versos gostos e mais modernos proprios para qua-
resma : s quem tem a loja do beija-flor ra do
Queimado n. 63.
Franja prela.
Vende-se franja preta de diversas larguras para
enfeitar capas ou manteletes os mais lindos gos-
tos que se pode encontrar : na loja do beija-flor
ra do Queimado n. 63.
Facas e garres.
Vendem-se facas e partos de balango de 1 bo-
tao a 33300 a duzia, ditas de 2 bot&es a 63400:
na ra do Queimado, loja do beija-flor n. 63.
Dminos.
Vendem-se domines muito finos a 13200 e
13400: na loja de beija-flor da ra do Queimado
n.63.
Visporas.
Vendem-se visporas maito finas a 800 rs. : na
ra do Queimado, loja do beija-flor n. 63.
'damT As resmas da,ue!le tem 480 folhas, as las que se vende pele. toratopreex) de 13500 e 23:
desle 500, e cusa cada urna 83. Tambem veio da >"> vigilante ra do Crespo n. 7.
mesma qualidade e de lamanho pequeo, era ca
xinhas de 100 folhas, tanto liso como beira doura- i
da, distando este 23, e aquello 13200 a caixinba.
J vem pois os apreciadores do bom papel que
Os precisos (alheres pa-
ra enancas.
Chegaram e acham-se venda na ra do Quei-
mado, loja d'aguiabranca n. 9.
O
dirigindo-se munidos de dinheiro serao bem servi
dos : na ra do Queimado, loja d'aguia branca
numero 8.
COPOS CO TI II %-
A aguia branca acaba de receber os bem conbe-
cidos e apreciados copos com banha, os quaes es-
to sendo distribuidos com aquells pretenderles
que contribuirem com 23300 a vista : isso na rna
do Queimado, loja d'aguia branca n. 8. ^^^^
MIJITO BOAS HEAS
para scuhora* e meninas.
A aguia branca reeebeu mui boas meias france-
zas, de fino tecido e fio redoudo, o que as tornam
de immensa duraco, porque muito eonvm, anda
mesmo distando 7 e 83, como se estao vendendo a
dinheiro vista, na loja d'aguia branca, ra do
Queimado n. 8.
PAEINHA FONTANA.
Farinha da maito acredita ia marea
fontana re sem lia rea da lioje, vende-se
per preco mais eommoda do que em
qualquer Jira parte : ua roa da Cruz
o. 4 rasa de N. 0. Biekr l C. soeces-
sores.
o
g
o
I
So
ce

S?5
o
p-
SO
GO
1
Sedinbas a 300 rs.
Arara vende sedinhas de listrinhas para vestidos
a 300 rs. o covado* ditas finas a 800 rs., la Ma-
na Pia com 4 palmos de larpoe palmas de seda a
800 rs. o covado : na ra da Imperatriz n. 36.
Arara vende cambraias de carocinbos a 2&>00.
Vende-se cambraias de carorinhos para vestidos
a 23-riO0 a peca, cortes de cassa franceza a 23, co-
berturas de pellos a 13 e 13000 : na ra da Im-
peratriz n. 56.
\ Grande sarttmento de rateadas pretas para a qua-
P-1! resma.
SO
i
P-
O
i
p
&
ce

i
8
Sedas, grosdenaple. panno* finos e casemiras.
Vende-se grosdenaple preto para vestidos boa
; azenda a 13400, 13600, 23, 23400, 23600 e 33 o
! covado, sarja hespanhola de seda, panno fino prelo
! a 13600, 23. 23300, 33 e 43 o covado, muito su-
perior casemiras prolas finas a 23 e 23400 o cova-
do, merino fino a 235OO e 33, dito de cordo a
233OO o covado : na ra da Imperalriz n. 36.
Arara vende madapolo francez a 1>.
Vende-se madapolo francez entestado a 43 e
43300, bretanha de linhu. h. lences e seroulas a 440. 300 e 640 a vara, bra-
mante de linho de 10 palmos de largura a #a
vara, brim pardo de linho a 800 e 13, dito branco
a 13, 13280 e 134OO a vara : na rna da Impera-
triz n. 36.
Arara vende laziuhas para vestido a 240 rs. o
cavado.
Vende-se laazinhas para vestidos de senbora a
AIindito da Baha
para saceos de assucar e roana de escrito; le*
para vender Antonio Luiz de Oliven a A>v C-, no seu escriptorio rna daprnz n. I.__________
GAZ GAZ GAZ
Vene-se gaz da meHtor (pialiil de pHo
pre.o de iO por lata de y pfca : no -ir-
iii.i/.nii do Caes do Hamos n. 18 e ra
Trapiche Novo n. 8. ____
Vende-se una barraca nova i.- 4 viazeir
bem construida, de 43 canas, boa vi-lcira. a di-
nheiro ou mesmo a prazo assim olf.n ra l.i.as f
mas: a entenderse na ra Direila coio o h,
Bento de Barros Feij.
F o'o do r
necehem-si- encommenda? t Ibp ia .1 n
armazem da I ola aniarella ni oiiu .la -. ufara
de polica, sendo o mesmo fo^o fabt I'-ado 1:. I..I.11
ca da viuva Htifino, na estrada de J Barrw
Vende-se para mais de 180 mil
lita e lijlo de altenaria batida, lanthu e b asi
lo da malhor qualidade que pode a|i
quizer comprar, pode tralarcom o mtkt a aCais-
nisirador Zacaras dos Santos Bar
das Barreiras, otaria n. I', mi rom Varia
Goncalves Vieira Guimares, na naa t?.
Luvas de prlllr-.
Chegaram para a loja d'aguia atuajea, raa 4c
Queimado n. 8.
Hua da Scazalla a. 42.
Vende-se, em casa de S. P. Jolinst. n ,v 1
sellins e silhes inglezes, candieiros < raslr-
caes bronzeados, lonas iBgtttH, Id di '!a,
chicotes para carros e montara, afNM jtn
carros de um e dous cavallos. enlaffiMftl
ouro patente inglez.
ptima
farinha de milho a otto patacas arroba : na rar.
do Bru n. 32. fabrica ile costura a vaoi*.
Vcnile-.se alpaca prela a 500 rs. a ravsdo.
Vende-se alpaca pela para vestidos a SOt), Ca
700 e 800 rs., lina dc cordo a 8011 rs (ara aaja>
tot, prinreza prela a 8(U e CM) > rotado, I< n lau-
na prela fina a 13400 o .corado, laazit feas 11 '.
para senhora ipte eslo de lulo a 7i( .in-.ido
na ruada Imperatrizn. 36. A loja c-la afeita-
s 9 horas d noite.
escbavos ruemosT
ATTEMJAO
Acha-se fgido o escravo de m me Pan-*tiM
idade 40 anuos, pinteo mais ou men ura regular, grosso do corno, bem e^|iarlaud>, l-ar-
bado, e j com alguns cabelh> inama na barbo
bracos e pernas grossas e bastante nAvdMas*, in-
do as pernas arqueadas, porta n<> minio, rosln-
ma andar cm sambas, e as vezes emhriapa- l>a^
tan le por gostar muito de brber : MaMMi roba-
se s autoridades policiaes desta e das proviiu-M"
limilrophes, que o facam apprehender e lvalo, a
seu senhoro major Antonio da Silva (i -mo^na
ra Imperial, assim como rogase aos captf>< *?
campo a apprehenso do dito escravo, que -
bem gratificados. i
CAL DE LISBOA
Vendem-se barra eom eal des-
ta procedencia, en pedra, chega-
da boje, e nica nova, que ha no
mercado, na rna do Trapichen.
13, armazem de Hanoel Telxel-
ra Baato._____________________ ,
__Vende-so toucinho do serto mnito now a.
240 a libra, figos novo a 160, sement de oeeoiro'
a 320 a parrara : no pateo do Carmo, esquina da! za escura e clara para calcas e paletots a 440 rs.
raa de Horts n. 1 i 9 covado: na ra da Imperalriz n. 36,loja da Arara.
Fofrio no dia 2 de marco uo rorrele 1
do engenho Floresta do termo de Alalai, previo
cia das Alagoas, um eseravd de nmne La, rnis
signaes sao os seguintes : cabra, com 22 _t Sa-
nos de idade, corpulento, eslalura rrarolar, rara
gorda, sem barba, os beicos Um tanto giossua, irm
todos os denles e bem alvos j cojo ex-ravo pre-u
me-so andar no centro desti provinei, miiuu.
irada de ferro : quem o apfrehender p >dera _-
iregar nesla praca a Antoni. de Moura Rolin, om
em Macei a Manoel Joaqni n Duarte Guimarr*.
ou mesmo no referido engenl o a en senhor o l>r
Jos Casado de Arcioly Lima que ser recompen-
sad generosamente.
Fugio no dia 2 do corrhm nnT~wteart7
nome Ignacio, de idade de l* a 20 anuo, o jnal
foi escravo do Sr. Joao Caval anii de All>t>i|neri|nr
240, 280, 320, 400 e oOO rs o covado, casemiras Mell- *enhor do engenho AiT
lisas proprias para capas de senbora a 13800
covado : na Arara ra da Imperatriz n. 36.
Arara vende fustn a 500 rs.
Yepde-se fustao de cores para roupa de meninos
calcas e paletots a 300 rs. o covado. ganga franee-
reiros. e suppoe-se que
portanto pede-se s autori
quer lugar a apprehenso do
ca pitaes de campo, levando
qne sero recompensados;
seguintes signaes : prelo, foloj
eos grandes e tem algumas
ri, termo de Bar
esta dirarajs)
policiaes de >pial
mo, bem rom* m
da f_di jo nknloajne leai tt
reas pelas coala.
hAJlL ADO


mo ae
fera ii e Abril le 1
LITTERATRA.
. v9:que dedireito humano nao pode derrogar
Hflo naifral ou divlojo ; mas segundo a ordem
nalurnl estabelecida pela Divina Providencia, as
coutas inferiores existem para soceorrer as preci-
soes do homem e por isto a dvisao e aprepriacao
das cousas procedentes do direito humano nao im-
pcdem que se lance mao das referidas cousas para
sustentar aquello que fe acha necessitado ; donde
resulta que o superfluo que certas pessoas pos-
suem devido por direito natural a suslcntagio dos
Ainda o Sr. aVpulade Pedro Luir e a sua crusada
aili-jmUia.
(Continuarao.j
II
O Sr. dc-putado Pedro Luiz depois de liaver re-
ceb.do encomios pelos scus artigos na ...prensa e
polos mus rasgos oratorios na tribuna, julgou que ^ e -Q fe de com mesma couga ^^
lamben podia recobe-los em suas temerarias ox-j rer a ,odo5) fica a ,iberdade de cada um distrDUir
cursoes oe campo da mora a do dogma ; e e.-lo ^ von|a(|e Qs seus ^.^ qs fis
agora convertido em autoridade ecclesiastica, e ar- ,?._,:
vorado em censor do abbade Mallet; correndo as-, '. ___._.._ ,. .
. fcntrelanlo, continua o ange ico doctor, se a ne-
simonsco de tornar-so ridiculo, e sem reparar'
que por este modo usurpava os poderes e direilos
dos bispos, nicas autoridades legitimas para de-1
a- ,. i i seme (como quando urna pessoa esta em ocri"0 e
cidir, seos hvros dos lazarisias encerrara erros mo-; pt uui.ii|v..|v,b
raes e dogmticos, e se os capuchinhos pregara o; n5 e V*8}. soecrre-Ia de oulra maneira) neste
fanatismo e um Deus falso. I ePode-*B l'citanienle njuda-la com o bem albeio
Os livros
a a u -. P'Pr" liabet rattonem furti vet ramnw (S th 12
o da moral, e na parte dogmtica ha vicios minio :.
graves ; ha por exemplo, a opimao que consagra
duas rcdempges, .mando a egreja consagra urna
too smente.
cessidade lao manifest e urgente que se torne
evidente dever-se soceorrer rom o que acha pre-
e um Deus falso. I y '"1C .juua-ia com o Dem aiueio
.... ti rado descobena ou occultamente: e isto nao ( a
! que os lazarlstas levam para toda ffar-' ..... uiwmiuie, e isiondo ea
... \ .... faar a verdade nem furo nem roubo: Et hornee
r. deputado, nao tem o cunho da rel.g.ao ... .. 7777
q. 66. a. 7.)
Por meio da abundante luz que esta magnifica
exposigo langa sob mais de um ponto de vista, v-
alas quaes sao esses livros, em que termos se ," que em caso e "*** como ninguem ne-
acha expressa essa opiaio de duas redempeoes 1, g"a ser aquel,e em ''ue se Precisa *" a fome,
Eis o que o Sr. Pedro Luiz nao diz, como devera fa-1 5? SejH .,morl Pr ella> licil lanar
ze-lo. E' sempre o mesmo systema
sera provar, pretendendo assim chegar aos .
"or consequencia nao pode haver furto, que
P. Mallet. E nem
que a doutrina exposta commum a todos os ideo-
e
Humar ImiU) do alheio- Provavelmente desses casos ex-
tremos em
scu, ^ conseuueuca
nns. Por mais que ararme o Sr. depulado, nao ,.,., .,,,
.... Ia"a o Mallet. E nem convm i ni-----------
posto err que os padres lazanstas introduzam li-
vros no Brasil que contenham erros moraes e dog-
mticos.
gaco dosJions principios da ecouemia epeialj e!
^onorlHcAo e trabalho. E' a trela drtod
dos aovermSs e los povot, ron as boas lOslilfi-' Je i
coes. 9 W a ''"e
E' nesslescob l/atica do seu proprjo ioterejfB consfl
que se educa o producto com a gymnastica da erao-! prio i
m
mo tempo se eriga o ornamentava, e tu- .
no meio da azafama de operacoes anlogas foT(aacii e^L
expositores de todos os paizei executava.n ^ 2K ^
n.i'lhiir a i ,..,ri!.. .'____._l.i._. j. H c,T
era
Ure
Uve
melhor,
lo
iflcio, era incumbencia que
>r, e porfa, com os trabalhos de a., industrial
anda incompleta no interior do pro-! ^XS da
justo, que ama a justica, ( Justus Domtnut,
liliam dilexil Ibid. X, 8 ), e que como tal
crime dos paes nos filhos at a terceira eq
racio ; ( Ego sum Deus zelolet, mitaus
tem patrum in/Uios, intertiam et anorTOn
tionem.
tence
vido;
19
( Mis
ao mesmo tem justo, e assim como diz o prophe- sada*Vpeo Neajo/~dsrres "de Fraya,' 'ao'mesmo da de remetter os WJsaospVodoetTd "tio'dJja- i -
ta re, a misericordia e a verdade cncontraram-se tempo queattoBim quao modestos *
nelle; a Justina e a paz beijaram-se : (Misericordia ,p* dss successos huje lau brill
et vertas obvia verunt sibiijustitia et oax osculatie eni lv4 ridentes da animacao* 6
sunt Ihid I XXXIV ti \ que a cada volta da fesla ao trabalho, se foi alar-1 A tarefa da classifioaco scientiflca dos nossos
u.LAAAi, ii.) gando sempre o seu plano, e oslenundo cada vez productos naturaes, e a desiga icio syslematica de
Entre tanto esse Deus vingador, esse Deus que ( mais brilho idea do futuro. J nao bastavam em
odia os peccados o Deus da Kscriplura Santa, o *8" os P??0 ,d? Loi>re, dos /nrn//,/o i Praga
ii.mc,.. ,^, .; ,o j. .. j. da Concordia; fot preciso a arena dos Campos
Deus dos pontfices, dos santos padres e dos douto- E, S(,ss5c9.de tres M*t, e nunca a victoria
res, o Deus dos chrtstaos e dos capuchinhos.
como
Ifecrao inleira
poseo
l f.iran Os come- neiro para Londres, deveu-se o bom estado em que lurlun3 de eJ
l.aules, mostrara aqui cliegarain, e concorreu para o bom elTeito do od-ls ascwi "'"
e da esperartca. uosso compartimento. lao m'l'.ortai.le eiKarj
Na qualidade de simples leigo.nao posso entrar
em qnestdes da competencia dos sacerdotes, e nem
de.vjo fallar em materias em que a minha igno-
rancia pode levar-me involuntariamente a raliir
em erros ; se bem que me sinta com forcas, gra-
os s a Deus, de humilhar-rae perante o juizo dos
l> missao as suas decisocs.
Nao obstante, porm, pe^o venia para dizer, que
parece-me que um livro orthodoxo pode dizer, que
Jess Christo nosso redemptor de duas maneiras,
sera por isto sustentar um erro dogmtico.
Era virtude do peccado, diz o primeiro theologo,
c o principe dos philosophos christaos, o homem
liavia contrahido ama dupla obrigaeao : 1* fra l-
galo pela cscravidao do |>cccado, porque segundo
aexpressaode Joao, f rile qite commette peccado
e cscravo do peccado VIII, 3.), e tornase, como diz
S. Pedro, escravo daquelte por quetn fui vencido
(i. Epist. II, 19); c assim sendo, tendo o demonio
veucido o homem induzindo-o ao peccado, o no
mo.n lornou-se seu escravo : 2 fora tambem li-
gado quanto a divida da peua, que obrigava o ho-
piera segundo a justica de Deus; c essa obrigaeao
anda urna escravido, pois que perlence a es-
cravidao .o solTrer o que se nao qur, competindo
ao homem o ser livre, e usar de si segundo a sua
vontade. Por consequencia a paixao de Jess Chris-
to tendo sido urna salisfacao sufliriente e supera-
bundante para o peccado do genero humano e pa-
ra a pena que elle havia merecido, a sua paixao
foi como o preco pelo qual nos livrou daquellas
duis obrijares... Diz-se portanto que a paixao de
Chnsto uo*sa redempeao : Et ideo passio Chris-
(S.Th.p. q. 48 a-
4i dicitur esse noslra reitemptio.
4.c.)
Por aqui se v, pois, que a paixao de Chrito
senhor nosso do dous modos nos remio, livraudo-
pena que por causa delle merecamos justamente ;
ou como diz em outro lugar o doutor anglico ;
essa paixao obrou maneira de redempeo em
quanto nos liviou da cscravidao do peccado, e a
maneira de sacrificio em quanto por meio della fu-
ios reconciliados com Deus : Per modum ven re-
demptionis, iHuuantum per rom teberamur serv-
tute culpa;; per modum aulem sacrificii inquun-
tum per eam reconcitiamur eo. (Ibid. a. 6.
ad. 3.)
Creio portanto que podemos l.ir em um livro
Jess l.hristo nosso redemptor de duas maneiras,
iivrando-nos do demonio e reconcilindonos com
Deus,seiu que isto queira dizer que lia duas
redempeoes. E fui provavelmente isto, ou cousa
srtrelhantc, que o Sr. Pedro Luiz leu, ou ouvio
diz< r, je sem compreheuder o que leu, nem pe-
dir que Ihe explicassem o que ouviu, vem agora
perante urna assetnlila illustre aecusar os pa-
dres lazaristas por ensinarem que ha duas re-
dempeoes.
Na parte moral desses mesmos livros, accres-
conta oSr. depulade-, ha cousas assombiosas, sin-
gulares ; ah por exemplo, encontra-se urna espe-
cia de formulario de perguntas para a Moflido ; e
isto o que ha de mais revultunle (salvo n inlole-
ravel gallicismo que se fosse na bocea de um ca-
pucluulio seria um ilalianUmo.)
pareca bastar.
Ah 1 Sr. Pedro Luiz, tema e respeite esse Deus ; Fallando dessa pnmeira exposicfio que se abri
nao se fie era ser elle soffredor e soberanamente aiFuroPa fl,n de seculo passado e que durou
mcQ,;-i ^uu'-"*,," urna semana, escrevia o ministro do interioras
misericordioso, patiens et miiltum misericors ; ore autoridades departamentaes :
para que elle, esquecendo a sna misericordia, nao j A exposicao nao foi mullo numerosa; mas
deixe obrar s a sua justica contra os quo ultrajara a pnmeira campanha, e esta campanha desastro-
os seus ministros, que elle manda reoeitar tS* para aJn(!l,!,,i* ingloza-- Nessas fab,icas f os
_ uiauuiicpeiiar. j arsenaes donde devem sahir as armas mais funes-
lentio um grande numero devezes ouvido os tas ao poder britannico.
capuchinhos, quer as grandes cidade*, quer as' Reconheco, disse mais tarde o rei Luiz Felip-
pequenas villas, e nunca os ouvi dizer nada que o-1 o*,THena,^p0S'5a0 de '?** ,,a excediJo.as out.ras-
. '. ,, a H e foi de todas a mais gloriosa ; mas so por cinco
tenaessea minha e es meus sentimentos chris- annos conservar esse titulo. Tenho firme confianga
taes. E' certo que os tenho ouvido dizer, pouco' que a de 1849 ha de eclipsa-la.
mais ou menos : Meus irmaos, teraei a colera de' ,A e^pansao pois, a tendencia desta institu-
queosbens se ornara coramuns. e era Deus que se irrita cora furor contra o seu ^%^3^&trr^&
sequeucia nao pode haver furto, nue "'(" furore Domtnus mpoputum siium Ps. i da paz.
CV, 40); mas tambem n5o vos esquegaes que esse anuo de 1861 jogamos tambem as nossas pri-
Deus bom e misericordioso; nem vades crer que!ine,ras armas, e marcamos para a nossa industria
a dala memoravel da sua primeira Olympiada.
Por mais imperfeito que possa ter sido o nosso
primeiro ensaio, c modesta a nossa contribuicao
para o concurso internacional de hoje ; e antes de
ter a honra de dizer V. M. o como foi recebida
e julgada a contribuicao brasileira no me das
maravilhat do South Kensingtoj, permilla-se-me
aqui, par da cmrgratulacao pelo presente, fazer
um voto pelo futuro :
Nao seja remoto o da em quo, deixando- a in-
dustria brasileira os trucos da juventude pela ro-
bustez e hombridade, y* nao baslem para as *ufts
exposicoos nacionaes os espacos do edificio da es-
cola central; e avparecenv nos concursos un-
versaes, ninguem Mieeonteste mais completa vic-
toria.
EXCl'gM.
Ao desempenho das instrucr^es do governo im-
perial no tocante a parte propriiMnente econmi-
ca da nossa iotervenejao'na expsito internacional
e bellamente denominada ale* ppala que
visatnos, devia preceder urna serie Je expedientes
preparatorios, indispeasaveis pan o- bom xito da
nos? primeira apparicao.
Essa larefa nao era du someno importancia, e
nem fu* objecto de cuidado e lrabaHio> pouco cou-
siderave.
A dbfribuicao do espafjonoedficiod* exposicao
pon entrr o* governos e expositores- nacionaes e
estrang;ewos foi, como fonil de inmginar, urna
operacao wui afanosa e chola*de difficuidades, mas
condigna dos commissarios-reaes da eijwsicao in-
ternacional'de 1862.
-VcircuJ.'-T inicial da empreza (marco de 1861),
eommunicada a todos os governos- por intermedio
das legaeoes- britannicas, ft>i a- centellta elctrica
para indicar o campo da batnlha ; e o 1 de maio
de 1862, a- pala vi a passada aludos os arr-maes das
industrias o- mundo.
as mais-vastas proporcSes furam inunediata-
mente organiSHdas por todoo-os governod-commis-
ses internaeionaes, compostas e presididas pelas
mais altas pereeoagens na lititiagem da reakza, da
administrara, da sciencia e das artes.
Koram eguabnente designadas ommissoes exter-
nas, cora seus delegados e agentes em< Londres,
para sepdrem>desde logoein contacto con* os com-
missarios reaos; e tomarem as-providewtias pre-
liminares da inslallacao.
Entre estas era primordial a.degna5fr-d>espa-
go no' edificio-da exposicao, e-para isso deluda a
l*rte se faun pedidos em oompetieao dttseom-
monal.
TS-nJo reeetd a circular dos comauwanu
reaes, nao sc-de-cuidou por certo o governo Im-
perial de solicitar tambem pana os expositores bra-
steirns um lagar entre os convivas do fiatim in-
dustrial ; e en, devido lempo liveram,. pos, os
Jomwissarios renes a declivracao> que e 22 jle
aato de IMfc Ikera ao miiiswrio da agricultura
o presidente da*xposicao nacional, pedwdo para
j'Hrasil, coid- ^riiio apropriado, 1296 pes-quadra-
dos no edificio-da exposicao Oe Londres.
A derrama pulas provincias para a ooitocacao
dos productos, nao podia na verdade olfereeer an-
daento elencetlos seguros para um calotodeli-
ninvo,. e era entretanto urgente calcular um cs-
pa/o.
A modestia.sempre bem nimia ainda oas maio-
res-aspiracoe%.emacterisouai|uella dedaracao, c a
prudencia prevaleceu ao dttsejo de urna ostentacao
ulvi-z frusianea.
Assim fieou.desde logo c nome do Brasil figuran-
do na lista dos paites cootribuiutes, o noticiada
!nos dOiuinerttos offi.-iaes .euiiiinissae^luretora da
exposicao nacional no Kio de Janeiro, enrarregada,
como em outros paizes,. de orgaiusax para a de:
Londres a ooirtribuicao bmsileira
O |K"lido.iot>ri' una base aiiroximada era par;.
commissame reaes um prinripio Vfleilde manten
Vio meio de- exigencias porliosas e innmeras port
parte dos gev^rnos e eapositores- de todas as na
g6Vs.
O espii attribuo a Deus por este modo de fallar a colera e
as outras paixoes como ellas sao em nos ; nao.
quando vos digo que em Deus ba colera, s se-
gundo a analoga de seus effeito?, pois sendo pro.
prio da colera o punir, d-se metaphoricamente esse
nome as puoiedes que Deus inflinge por sua jus-
tica.
Ora, o que ha aqui de phanatteo, e de contrario
a verdadeira nocao de Deus ? Quena por ventura
o Sr. Pedro Luiz que os capuchinhos pintassem um
Deus s de amor e de bondade, ser justicia
c sem vinganca, como o Sr. depulado o suopde e
deseja ? Isto que seria pintar um Deus- falso,
por que um Deus sera justica seria um absurdo" e
nunca um Deus.
Agora porm vejamos como a religiao e o Heus
do Sr. deputado Pedro Luiz. Senhores, eu que*>
o verdadeiro reinado do Evangelho ; quero que se'
nao faca da cruz um instrumento de destruieo
(tambera assim fallava Luthero falso apostlo do
Evangelno puro); nao admitto que o charlalo
( lea-se capoehinho ) se decore com as vestes de
apostlo, e suba a um pulpito como o arlequn so-
be para a pakraque. ( Maito bem.)
Senhores, continua o orador, houve um temp
em que sobre a tetra, appareeeu un homem, cuja,
figora anglica inspirara sympathia e conlanc,.
cuja alma era seera e pl achia..... Esse homem era*
faz objecto do exemplo referido, porque du- ",n,) *" **ea?> er* Ghrs*fc.... Essa creatura dl-
trina certa e corrente que radicalmente nulie"! vina era mansa e loa, era o eordeiro de Deus...
a promessa pela qual alguem se ohriga a hzer urna &* homem urna s vez forpoisnido de colera em
consam, assim como aquella porque tambem al- sua vi<*a' "WpoW lar Ufar 10 templo, e encon-
guem se compromette a pagar urna certa quanta ,rou alBUBS" homens que vendram pombos, fructas
para induzir outrem a fazer urna rwisa prohibida' "o sagrado recinto ; tnrHetrsf ie fra, tomou de um
pelas leis divinas e humanas, eomo 6 o homicidio, j azorrague, e enchoulou- do templo- esses vis merca-
dores... Se essa figura anglica, se esse espirito
tranquillo visse hoje o templo, a casa de seu divino
logos, sendo de mais sanecionada pela ajiprovacao
do S. S. P. Innocencio XI, como se pode ver na
Jheologia toral do cardeal Qessel, i. 2. p. 496.
Abstenbo-me de tirar lodos os coronarios que
resultam da precedente exposicao, nao s por amor
da brevidade, como para poupar remreos ao Sr.
Pedro Luiz, que no seu Ilcito desejode manchar a
repulaco de respetaveis sacerdotes, nao nensou
bem no que disse.
A segunda these argida de immoralidade que
se alguem receber dinheiro para matar, e mo matar
deve restitui-lo. Mas onde est aqui a immorali-
dade, que tao evidente como se diz? Ser na na-
tureza do exemplo, ou na doutrinaj que elle en-
cerra ?
Na natureza do exemplo nao pode ser, porque
nao havendo ah affirmacao, nem negacao, a cousa
era si absolutamente indifferenle; alera de que
cxemplos dessa mesma natureza e outros em que
se poe em hypothese o incendio de urna proprieda-
de, o defloramento, o roubo, o adulterio, etc., etc.,
encontram-se em todos os moralistas, e seria ab-
surdo por isto dizer que todos eninam (inmorali-
dades. Na doutrina do exemplo tambem nao, por
que jamis se poder por em duvida a sua exac
ti dito.
Eu ponho de partea invalieade da premessa que
Mas se certo qae o P. Mallet diz, que aquelle
que recebe dinheiro para matar, e nao mata, deve
restitui-lo, certamente rm elle o unico-qne o diz;
pois que isto doutrrna- assenfe, e commummente
ensinada pelos moralista, trujo testemar aqui'
pudvilauna mniBtiuiai, na mnessemos tor-
nar este artigo mais longo db-qne deve ser.
pae, essa cwiera nao terkr limites. Os mercadores
esto l nn turba de sem levita* t Nao traficam
nicamente com as riquezas materiaes, mas com o
DO ha itrt nnhr^ snhr< 9 nirra. rnnk a mnef inpi9
e com a dignidade ; nao tspeeulam so com o ouro
mas tambeu com a palavra de Dus t Havia
Entretanto canvindoaocapo-apresentar sempre a eordeiro do Evangelho de fniminar ali mesmo a
da ao s. S. Pi Lt, honrada por ellerom um breve Ex'"-' Sr- Pws,den,e. coariae -<"***> e approvada por muitos crdenos, areebispos ebfo- S^ rroo/,lc,onan'' ** seria ecusado de
pos fraucezes, e onde se l o seguinte : tSe a ae-
cao 10a nao foi praticaJa. o entretanto a qoatkt
prometlida j se acha paga, ha obrigaeao de resfi-
tui-la o mais ccdopossivel; sendo- que pelamtsma
razao aquelle que a pageu tem direito de exijp.la.
impo.
Depos do Sr. Pedro Lua demos agora a pala-
vra a Ernesto Renn, autor doimpio livro, intitu-
ladoVida de Jess.
< Jess essa.sublime pessoas que ainda hoje pre-
se, porm, ella effactuou.se, aquelle qne leve paute-' side diariamente os de nellanao pode tomar a tomar o que deu, porque chamada divua, nao s no sentido i* ter absorvida
repugna que urna aecao iinmoml, illkeita seja ara. toda a divkuiude, mas por sor oiodiyuoque mais
concorreu para a sua especie carainktr para o di-
Ora, toilos os manuaes da confissao, que em lin
gna portugueza correm entre ns e se achara na
mao de to los os fiis trazem esse chamado formu-
lario ; os nossos bispos os conhi-cem, autorisam o
seu uso, e nunca ninguem descobriu nelles nada
de escandaloso, excepto o Sr. A. Herculano, de ru-
jas ideas irreligiosas o Sr. Pedro Luiz qur cons-
tiluir-se imitador. Por consequencia, segundo o
mencionado Sr. Pedro Luiz, o nosso respeilavel
c illustre episcopado seria reprehensivel por per-
mittir a leilura daquellos manuaes ; consequencia
ab.-urda, nadmissivele que nos repellimos cora
todas as torgas.
Mas por que livro (ara o Sr. deputado o seu exa-
Oie de conscienca 1 Acaso ser pelo manual do
digno padre Roqnelle 1 Pois ahi mesmo vem isto
a que se quiz chamar formulario,
Urna vez, porm, encelada a carreira da critica,
nao devia o nobre orador, agora convertido em
theologo, ex oratore llieologus factus, ficar s nis-
to ; e assim passando ao campo da theologia moral
afflrma que o abbade Mallet, autor de grande no-
ta par os lazaristas, eslabelece casos de conscien-
ca que asso.nbram o espirito anda o menos timo-
rato, como por exemplo, que o operario que furta
ao freguez para matar a tome nao ladro, e que
se alguem receber dinheiro para malar, e nao ma-
tar, deve restitui-lo ; sobre o que exclama o mora-
lista de tribuna : como, senhores, podem viqorarr,
correr nesta pocas senulhantes theses evidentemen-
te imtnoraes t
Ainda aqu cala o Sr. deputado o titulo da obra
do mencionado Mallett, e a pagina em que leu essa
doutrina, que s Ihe parece iromoral por nao sa-
ber moral.
Nao conhego a referida obra/e nem quiz perder
tempd em procura-la -, mas confiando na tidelida-
de da citagao, digo que ella parece-me nao ter na.
da de mnfctral.
Vejamos o primeiro exemplo : O operario que
furta ae fiegutz para matar a fome,nao Indino.
Nao queremos outro guia para elucidar este pon-
to senao a autoridade de S. Thomaz, mestre dos
Iheologns, e aquelle mesmo que serviu de exposi-
tor aos padres do concilio de Trento. Ora, o dou-
tor anglico respondendo questao, se permit-
tillo a alguem furtar em caso de necessidade -.
Vtrumheeat alicui fmrari propter netetsilalm,
responde assim :
titulo para isto; como por outnyparte nao.ropug*
na menos que o enrae seja un- iluto para poder
conservar-se o que- se reeebeu con salario ou re-
compensa. (T. 2 p. 334.)
Portanto, se o P: Mallet ensera- theses nUm
mente immoraes, a mesma censura deve cahir so"
bre o P. Gullois, e ainda mais sobre S. Thomaz
que sustentando a mesma doutrina, traz um exenv
po que havia chocar nunto a moralidade do- Sr.
deputado, se eu aqui o transe re vesse totalmente
desejando porm evitar um a nato na irritabilidad-
moral do Sr. Pedro Luiz, apena darei a suiama
do exemplo, que versa sobre restituigao: Stcut
cum qnis dnt miretrici propter fornicationem. (S.
th. 2. 2. q. 62. a. 5. ad 2.)
vino ( loe. cit p. 457. ) Se Jess toruasse a vir ao
mundo, reeonlieceria por discipulosy uo aquelles
que pretendan eucerra-lo em alguraas phrases de
cathocismo, mas aos que tnubalham para continuar
a sua idea (ibid. p. 446.)
i Nunca se foi menos padre d que o foi Jess,
nunca maior immigo da topmasfue afogam a re-
ligiao sob pretexto de protege-la ( Ibid. p. 9.) Um
! culto puro- urna religiao sempares, e sem profeta recida dus-coramissarie reaes, s^ube, de modo al-,
exteriores, absentando toda, nos sentimentos do eo-
rago, erao s ronsequeneias das mximas de Je-
sus, que nunca recuou dlanle- desta ousada com-e-
quenca^ que o tornava no soio do judaismo um jv.
volucionario de primeira. ordem (lliid. p. 85, Mi )
Oh I que these immoral! Camo possivei< que A quera dingir-se para, fundar o reina lo de Deus-?
um livro onde se ensinam taes couas, ande na Jess nao hesita Os fundadores do reino de Deus
mi de todo o mundo, e ainda mais que seja. con- sero es simples. A natureza anglica e doce de
siderado como o melhor corameotario da Sagrada Jess tornase aqui superior (Ibid. p. 127.)
Escriptura I Ser possivel f
Que responder o Sr. Pedro Luiz ao que acaba.
roiravei-e-a rntenlo geral,regularapartlha enrer
todos os- poorurrenle:* man tea il entretanto em.
nosso avor a forma estimativa.do pedido ; retul-
tado este para que cs*urbuira*Q.seu* duvida o in--
(erases cu* que os eominissiirios reaes acolheram
se.npro-a in.ervengi do Bnsil, e a benevul.:ncia.
liara oem o presideoto da oemibesso brasileira
em Londres.
scientillcos grande e
Flora, sobre que tem
monas, dos nossos
geral dos artifea da
ga residencia no Brasi
ligado s tradirces d
na engenharia. p'rcslou
nacao, com a melhor v
resse, Mr. John Miers,
neana e da socieiMe re
Respondendo em 18 de marco, a
que t/, desta nomearao perguniafanrmr eeeosv
missarios reaes, em qual das ra**? feria M
Miers ser rellorado romd jurado do HsH.
A nomearao de um juriOJo exrlur r rtmtm m
ra toda a collerco brasilera onVreria armb bhm
difliculdade pratica, e era o de*:gnr a cssaevV
productos, na qtnrl oVtc^ elle lunrriwsar i
dando o princ|Ho geral de turado* por rfcsr-.
Para conciliar a nossa poVo e>peri.il rom t to-
seja vel representa'*} de todp* m hosm mtumm
nos conselhos do jWy meCame a
nosso jurado, foi intftspemavet
elasse em ipie virti4m-nt* le**- al
motor escala possivel, -nrmrfr nnmrro
productos. Assim, de *rfSr> nm 9r.
puc aos rommissarios reaes 4 emm,Jm
'urnio para a elasse IVo>> catlial"^ myl^r
Nusfe sentido respond a:
en. i* oV margo -, e rendo
sigoand ueMe documenlo ..
dos servigee aesignalados que-
ieiros difmenle prestou o
Al aqui a serie dos exped
que aclml'alMd* romo in.l.-i _
exilo da nossa apparicao : ;.<*>
pn-guei para uMmm- a pane innrirl
roci Konttmtrda nossa inlerrefie.
Esses meios forma, n a )ne>> das
(oes especiflVadw Ktt, insirccdes > 24 dr_
bro, |ielas rjuties se devia guiarla nsnlw,
por alvo o dipto-pencamente d treaar
os nossos protbctos-, c estodar is d i
trangeira.
Entre essa detorramares fifnra-
mero detalhe, .'aja-i-mcuc>> lillrral
fluencia inirirr.-Ta na nafcn(>4da i
ante; e outras- que s
recursos organirados, qae- j di
nao eslavam ir.mha dijpeiic,ioi
Essas indica. Vs dtrrmm $
complexo as mudificacue .pvr
pratiras Iho bou ve*sem do- i
Assim, sem indlvtdualiMr
gSes.direi, |ior exen;plo; njw
presa do nosso jRInaiomr
fraacezes. belgas -aHeiiUM-
MMk ter lugar na frn i
na> "II- remedido, lem-duvMl
eslreitea do tempe neces.meie-,
'oniior-o de um d-jcmenls por
cieso e importante, qae henes*
ve senmfitica das t^eposire.-
Bntnetanlo. sem atasiaV-uw-
ruitrucrves nesta pite, altusei it-chkaluge
mformanja |Bta
iva
ao trtmwmjn
mnt* >> im
m a jusUrfe
.i, iproveilando a!gi:nMts-vatM'a
deparet m cathaloja. ctieeeiai,
complet>, da exposiri.ii |iarciM naJyrovmria* Pz-
ru- Gon essas modiCcugces-e-mi are*ac-a
\u- uiernUr de u--: 'inwVnrnt-*. meerfaioa ma
uemeniHalara dos r.osos pmdar
inglez, imp traduc. -r as lmp:4
linenle pre-nrhe ati-certo pinte i
tenninii^i.
Vitiindk aos mer que x taimtl
nsTucgoes de 24 de krtnWr./
nnresMo yaralelto i* oossa. pnkcia ettrmnp>'-i
das esportacoes estmat|eiras-ra o r^prii
las instrureves no s-jc maier
me. pai, a commHRlare^M *'.<<
organisar re meios pam aititfir
sideratim, e formuiw um pwgrai
exei-.ig.iov
l'ap-.i ilur urna idtda nasea
Deixando ao bom. senso dos leitores a apreciacao
da maneira de fallar de Jess Christo commum a
mos de expor? Continuar a reputar iinmoraes os Ernesto Renn e ao Sr. Pedro Luiz direi smente
autores ecclesiastcos, que aconselham a restitu- que Jess Christo nao. um homem, mas um/>
cao no caso do nao cuniprimento de urna pro- homem ou um hmnem, ens, e que se o filhe de Deus
messa? j procedesse do pae, como exisiindo do nada, nao se-
Se admiravel a coragera do Sr. deputado Ira- ria seu verdadeiro, seu propro filho : ihgp o ver.
zer tribuna aecusages lio infundadas, e que re- dadeiro n,ho ** Deus Prorede do "*- nSo N
velara a innocencia de seu espirito em quesles creado, e por consequencia nao urna, creatura.
lao importantes, fica-se verdaderamente estupefac- Filium esse Jkum de Deo, lumen dehtmme, Deum
to de ver que existindo na cmara sacerdotes, que ve>'um de Dr0 ver* 9eniteum> o estavam ouvindo com muita attenco nao fizes- Innlw te ffa/r; eis-aqui est, como a egreja em
sem a menor reclamaga... E entreunto havendo seu syraboto1 falla de Jess Christo.; e como ella
elles feito um curso de dogma e de moral, podan devem fa,*ar ,odos os christaos quenSo querem ca-
com todo direito dizer ao orador : Perdo, meu mr em heres'a. cousa muito fcil, diz S. Jernimo,
collega, os sapateros s teem direito a palavra em QO3"110 se falla levianamente : Bx verts, mord-
materia de sapato. Ne tutor ultra crepidam. Itane P"latit incurritur haress.
Voltando agora o referido depulado a sua alten-1 horror que o Sr. deputad tem ao jesuitismo,
gao aos sermes dos capuchinhos, que elle contina segundo elle mesmo diz, levou-o a fallar ainda dos
a affir.nar nao serem 5eno emiMnrio do jesuitismo jesutas, exprobando-lhes assassinai.* que elle
e inoculadores do fanatismo no paiz censura-os vi- nunca commetteram; sem corar de toroar-se assira
rulentamente por pregarem um Deus falso I triste echo de calumnias peetestaales.
Ha tantos annos que esses piedosos padres estao As accusagdescalumBiosasdtv regicidios iaNRta-
no Brasil missionando, e at hoje nem os bispos, das contra os padres da sooiedade de Jess, nao sao
nem o senso christao dos brasileiros lindara conde- originaes, nem o Sr. Pedro Luiz pode pretender a
enteque os capuchinhos italianos preavara um pateroidade tollas, e pois repele somante aquillo' deTxMuVX' a Mr?w! H. Ctrk'cuiaTnUMdgenia
Deus, que nao o dos christaos; esta gloria eslava qUe 0s timigo* da egreja lem dito mwHas vezes. {e aeUi4ade correspondern perfeitamente sua
reservada ao insigne talento do Sr. deputado Pedro Vejamos por nossa vea o que sobre Isto diz a his
Luiz. loria imparciat
. (Continuar-se-ha.)
Um Cathomco.
As*im ; apenas recebi o decreto da minV.a no>
menoo.eas instocges de-s'jtrie dezembre* sem
per.la de lempo trute'i de ntendW-me com asceiu-
iiUMartos reaes para aplanar as difieuldade$j da
eHncurrencia, antes.de fanLerrlbeofficialme.kie o pe-
di.lo duespaco earaesoitsus- producios n-jedificio
da exposigo.
A 29 de janairo, conmuniquei formalmente aos
ceinmissarius reaes os nuioes dos merabros da
oo.iunisso brasileira alenlao nomeadcs.oSr. ba-
ro de Maut.o Sr. Dr. IVreira da Stfva, como o
tiz mais tarde respe.lo do Sr. Porto Alegre.
E sobre a, base estimativa da declaragao de 22
de agosto, nnica que anda ento me era. dado indi
car, ped que se designasen difinitivatnento 1,31)0
rs q.ladrados para os productos brasileiros. Em
de (evareiro, eslava resol vida a qpeslin do es>a-
go, sendo-iKis concedidos 1.250 ps.qiiiradns ; e
a boa vontade nunca desmentida,.dos comniissa-
rios reaes fui aimla devt.la a vanlagcm importan-
lssima de una exeeilcnte lo.-aHdade, que mutto.
ben> compmsou as proporgSes. da rea conce-
dida.
As diligenmas conducentes, i designa cao (o es-
fogo, foratiL ao mesmo tenmo aeompanhadas de
todas as medidas collateraos- para o recebtu.ento
dos nossos ainos, era su devida colloragae.
A>sim, em 27 de jane', foi Mr. Tliomaa Hill,
nosso vW-eonsul em Soathamplon, nomeado por
mu agente da commi>sao brasileira para effec-
tiur na alfmdega da.|uelle porto, romseecao ae
direitiis a ex|ie.ligao l.s nossos artigos para a ex-
psicao, sendo para isso por mira auterisado com
>s dtividos poderes em forma offlciaL segundo a
indi.-agao dos commssarios reaes.
A 29 de Janeiro, nomeei agento da commissao
bra>ilcira para auxilia-la nos variados trabalhos
Fallando este Sr. dos servlgos dos referidos ca-
puchinhos, diz : tDeixam os templos construidos
cusa de superstiges e de fanatismo, mas deixam
os templos para jue? Senhores, denlro desses
templos ha um altar, e.sobre o aliara imagem de
um Deus; mas que Deus ? Um Deus que elles (os
capuchinhos) pintaran cheio de colera, de rancor
e a respirar vinganca!
A ouvrem-se s.'inelhantes palavras pronuncia-
das em ton de ivprovagao, dir-se-hia que o senhor
deputado enrommoda-se com a terriyel idea de um
desiKnagao ; e a do 3 de fevereiro, mcarreguei de
presidir a ergani>agao, preparo e arranjoscienldico
dos productos na exposicao a Mr. IV.ti.-rt II.mt,
director do mu^eu de g.-oto^ia praiira de Londres.
Todas essas no.i.eagoes foram devidamcnle com-
mui.icadas aos commiss:.ris reaes, para as dese-
ja veis facilidades da ..peragao.
Essas e outras provi leticias estavam j tomadas tivamenlo
e ludo preparado para o recbmento
lodos os objectos sob as diversas classes do catalo-
go inglez, onde elles deviara apparecer para (a
apreciagao do jury e conhecimento do publico, foi,
como disse, por mira encarregada especialmente a
Mr. Itobert Hunt, nome mu condecido na Europa,
e notavelmente ligado aos annaes das ex|osiges
da Inglaterra, como allestara o seu precioso And
Bool; para a de 1851, e o muito mais ampio para a de Id62.
Assim orgnnisado o pessoal necessario, proce-
deu-se cora lodo o vigor aos trabalhos da coostruc-
gao, adorno do compartimento, e eollocago dos
productos; de sorte que de todos os compartimen-
tos estrangeiros foi o do Brasil o nico que se
achou completamente acabado para o 1" de maio ;
emquanto por mais de quinze das depois da aber-
tura solemne da exposigo ainda os outros esfavam
completando as sitas installages.
DaM resullou que logo nos primeiros d*w da
exposigo se tomou o nosso compartimento pau-
lar aos visitantes em gei ai, e especialmente aos
que o examnavam para o estado da sciencia, e
pelo nteresse do coimncrcio e das fabricas. Nesse
resultado leve aivda boa parte a commisso direc-
tora da exposicao naciona, pelo facto de haver re-
meltido para Londres os objectos pe Ivapor de 8 ,
de fevereiro: sem afir discreta providencia lefia ^*'^ *l>
sido mpossvel comptetar-se o ttrpartimento para
o Io de mato.
O espago concedido av Brasil era pequeo em
relagao ao numero e notureza- dos producios
que lindamosde extrahir ;-e foi per isso necessa-
rio fechar tres lados da rea; e elevar doze ps
a paredes do compartimento,- aftm1 de1 ulilisa-tas
indemnisando-nes- da exiguidde da' rea.
Por este expedante, alias maguido por .piasi to-
do os exposituresreonseguio-se queToosein devi
damente expostos jdos os artigos do'nosso-conlin
feote.
A localidade, port, nao podi ser melhor ; dan-
do par a avenida prktcipaldo jardiraadjacente da
sooiedade de dorticultara, ficou 'Compartimento
Drasiletroem evidencia- continua, e por asswdizer
en contradigo.
O numero, variedade ? carcter dfs-object* ;
methoilo seguido na sua eollocage; .- decora.;:!
e ornato d*compartimento-; reuniao, em sufw'na.
Je todas casas disposig5es-,.i!avam enyestgSo kr>
sileira um-certo lypo variefjadoe alegr*,-congen('l;
a nnvidade de sua apparii;:.
N'um larm'deollios gerah sobre a exr^isigo, dh
zto o Times de 3 de maio : c^eolleccau- do Brasil
perece imii admiravelinent.- .irranjada. y
Esta primeira inuressao db-effcito geral de nos-
so compartimento nao foi de mudo meos benerolc
manifestada peta imprensa franceza. Logo nos
primeiros arlioos sobre a exposicao de l.wmlres.
disse o Jornal dio-Debutes, oBrasl brilha per urna-
originalidad cfceia de atlraclivos-r
O todo da-nossa colleccao era na verdacJbinto-
ressante, e em contraste con ouCra que all ostn-
tawm grandes esplendores e vastas dimensoes,
sujgeria umaretVsao seria. Efeijuanto a perfei-
gao artstica e a sumptuosidade bnthavam perlia
eu muUs dasexpotttges de outre paizes, laiwoa-
das>.porm, a certos gneros ou esptacies de-pro-
ductos, e inedianiesforgos seculares, o Brasil! fa-
zenda, quasi de aAigadilho, um ar:Mmento de-sens
daveres, mostron logx da primeirave, n'um mt
des aggregado deseus especimece-que reunia.em
seu seii o germen das riquezas- preduzidas en:
qtiaoi tedas as partes d globo ; qce- tinha demro
en si ludo o que pede precisar ; c que capa? de
tu.tc .produzr. faiBindo. apenas o que oso depende
s serteo tempe,--ctmdigo advsniteu, mas-es-
senoial a grandeza das nages. N*- variedade dos
seus productos nao sevo'reflexoJd gloria hist-
rica dos suas industries ; mas all e*a inleira. a
es|*}i*eagsi dos seo ihiAnn ruiunm
Antes da aberturasotemno da expeeifo, trateu-
se !ege de organisar o jury intereaotonal HreC
jiilga^nento dos pro'Jdctos exhibidos- por todos o
pames
Segundo as decapes-tomadas petoseeremissajio:
reaes {.ara a consliiioa do jurv na., presente ex* isaCi* apresen landos quepeeeai
posigao, devia ser este" composlo' de-mwnibros in- Pf *m.fm'f*9m^^ m
gteres eestrangei ros variando porm, a&proporgSes.
Para a nomeagedos jurados ingtea -guiaranv
se (is-cnninissarii.-r- rtiies. na generatoiade dos oa-
ses-peta proposta dos expositores,, cada um dos
q*jaes.apresenlavoenomes de tres-peseeas cora
ejuWIcarSes para^jdradve.
Quaado para ta* nomeagoes airara necordo
cumiuus entre oe-expiMores dos- artigos de umJ
trafico, eu do disrioio, escoldam os-eommissarios-
coaes os ndiviikics-qtie reuniar. maior numero
de voto* ; e em algn rasos, salisfuaendo aos-de
sejos-dbs proprus uxqiosilores, ncmeavam [M.n ti4
luesat pessuas devidumente qual tinadas.
As colonias iagtozas toram retresentadas por
ui'.utr- recoinir.iMiliiili*- pelos diAwnies comtus-
.-arios coloniaes, mu. para cada cotona umicer-
to numero, correspondente ae- e>-pago por ella
escapado na esposioo-
A proporgo caire eojurados estrangeiros-e>o-
glezes nao fui arbitrariamente ficada, e de-*es -se
iHimearain p.u.-. o. jar y de cada elasse tantos
quaates a experiencia das eapotsiges pa>adas
mostrou sereainecestsarios.
As nagoes eslran^iras que tumarain patio na
exposigo iirJiaui o direito de uomear um jurado-
para cada 'Ihssi em que lssem repruseotailas
por viute espoiiorfc> para caa sob-classo-em qoo
e>lives-eoi quinze.
Como alternativa porm era concedidj.a, caite,
naeao um aarto numero de jurados pro;jorcioBl
ao espago pacolla oceupadb no edificio,, o ,quc foi
aceito por alguns paizes.
Sem essa alternativa, a regra geral do numero
de juradns^seguarto o numero de expesiiores, se-
ria inapplicavel aquel les paiaes cujas leatribuigie*.
sendo a'is vastas na sua.totalidad^. n.loi>.ur.is-
sem comludoem cada elasse ou sub-alasse de pro-
ductos numero sufficiente de cx|>oona paja> llies dlneilN a um jurau
Assira, sufpondo a insufflcenca.do. numero de
expositores, estabelecida .para cada elasse de pro-
ducto, appltearam os oommissaries reaes. o prin-
cipiada proporcionalidade do paco ac. estados
da Atnenica do Sul e central, a que estes, nao du-
viJnram aceitar.
Para cese fin diigram-me a.circulan- de 15 de
bvereiro, convdando-me pata que me ealendesse
eom os cummissarios daquailes- estados, afim de
leg.eri.ius colleen^ainente dous jurados, que nos
rcprisotassera uojury inlernacioaat
Esses estados, eran o Brasil, as. repblicas de
'Coia Rita, Guatemala, Ecuador, lerA, Venezuela
e Uruguay.
A essa coramunicagao. respond, em 19 de fe-
vereiro : q,ue nao davendo ato ento cdogado ,
Londres a eollecgo brasileira, nao me julgava
dabilitado a declarar aos. commssarios reaes, pial
das alternativas oftereeidas aa sua circular wria
applicagao ao Brasil i eniretanlo. como eu estiva
certo de que pouca ou nenhuma siimlaridade ti
ndam os nossos productos cora os que podoisem
exhibid as repblicas hispano-ameriranas, sealia
nao poder annmr idea que a circular rae sug-
gerva, da elegao coajuncla de dous jurados para
u Brasil e aquelles estados.
AlluJimio a extensao do nosso teriitorio, popu-
tago, commercio, e importancia no. mundo, con-
clu pedmdo aos commssarios reaes, que recon-
siderando o assumpto concedessesa aa Brasil jura-
dos cu separado.
entra esta pretengo mtltavam de mos dadas
a exiguida.Ie do espago que pedimos, e o pequeo
numero de expositores por classes*
Ti ve nao obstante a satisfagao de receber, em
28 de fevereiro, resposta dos commssarios reaos,
concedendo a nomeagao de um jurado especial
para os exiwsitores brasileiros, Picando para toda
a America do Sul e central dous jurados, col lee-
Horneados pelas respectivas rommis-
nlemao
qne
d'eatre
e illaslra. m Hk
compmtm, ynao>
jury iattrmmieaat $m
l>rovieBna*. trre aire
nlrar aa
.tosejareis
ll'-unindo a sew i
leci.iM-nlo pratico i
ablicado inter
rsos mmeralepi m
iudusina, por ea
onde oVisea oses
no*sos prime i ros
a esta minha
taale e getkeroso
eml.ro da soeiedar Lis-
de l/mtm.
a -i t
>prehen*>^|n
di
tros paizrs. alim >- exriar o tra
eorc.|iu.rimo saliunrate .r.vw.i-
penal, niera per oerto Itastame-
partkM|iar-j< malerLal..a nos pnaaiwi er
f-c.industrial par:ende i iiaiiiejtieiiii rr-.l)Mma>>
awwlras multiformes dos paadman) m ai. \
honras siwplesmcnto de u..d.smOrta o amasia
nac jMHlia satisfar a mMttujiwaHama; ja>
Hitas- tecr i peo- ^ sabjeetiem ap mriaa^a-
lajota a Avulga. '-.cv-esie teagr Mavu Oanaffi
BHI os lias eeoiteawcws dafc-oaprnicites 3a as*-
de pnmeira ulilidaaa, qu jm **mt -iaa.o-aa
esAidu a+rofundaJ.) do <|u 'nan-ma; a a. s*a raakc-
dos nossos ses.
productos na alfandepa de Soutdampton, transpor- Assim no areopago internacional de 1862 nao
; te de camiuhos de ferro, estages intermedias, etc.; co.niwreceu o imperio, por mero accidente geo-
A IaPOSIQ.O IJiTEKSiiCIOML DE LONBRES EM
mi.
Relatorio de Sr. consrllielro Carvalhi loreira,'de sorle 'in* quando aqui chegaiam pelo vapor grapdico, como litisconsorto desses paizes na causa
presidente da commisso brasileira.
(ConfinNd^o.J
Sugeitas ainda s leis geraes da actividade e do guinte os 48 volumes emn t upo |ara o desenvelviuiento succeesivo de suas gao estavam dentro do edificio da exposirao.
r.oporcoes sem liiuite>, requeretn s exposiees o Abriros volumes, conferiros obiertos, po-los em
aquelles que operara a iniquidade; ( Oditli omnes cuida.to nao interrompido das coinparagoes dos boa guarda, e vantajosamente colloca-los no com-
gui operanlnr insjMilatfm. Pr. V, 7 ); de uro Deus resultados ; de novo* raeius de acijaoi da propA' parlttnento brasileiro, qitQ ubro o espago desifna^
Oneido, em 5 de margo, nesse mesmo da foram lo- nacional da exposigo de sua industria,
go expedidos para Londres, sob os sellos da alfan-! Essa deciso dos coramissarios reaes, de 28 de
dega, e depositados no banco de Inglaterra os dous fevereiro, importando urna excepcao das regras
volumes contando objectos preciosos ; e no dia se- *-*---------------.:...:. j .. ~ --
gaw.no pMHo de w>ta de u
viesee marcar nc tennomalm
o syu n)irespontei)ie a que ja
imii.-arrem a x-jKnin.;a
da.os treltiplos j variados, recaasue Oe m **j-v
a !.'r,u>'.i. muitos caoradu*.nrto* rslraa*ve at^aa*
naa a> inesmos-ainda u. U nnnaa.in nem aJna
liara dar a ato* eslnoe- o enneo aaomnMpna 4a
imp.-imalidade o. da sa-eiievx. eral iamwnjmwnmt
(omraetie-lo a nomos de s* iinporiancia re A rnaliecida aceiiai remanal en)
riop.Sa So .puado rewttida da aoteonank i
lionaspoder am iaes mrtrrmroos ama .i
l;ueiile piililiadas, faMNiearas i-unOnr^a
les a exrilar i <:.-;uril. da mpreza so.
ttaageiru a I ja da wsea irodurraa.
Por oulro lado, cufuprta-uie eiiiia^i
arr a segn Ja. parte do irogramm: .aaa um* -
tanciei a> injlrercflaa do govenio ia^aemL
Tmlas as dis|iosiceesdese ihirirmuia n r nr
lando a inveslixacaodaii meltmraueMan aa|
por outros paizes am lodos os gen*-ru de laOulne
e com especialidade daqueltes qta> aa cur.rmrw
adoptar pela,vaamtpni que iranam am aanaena
indares de nossa. proriuccao;
de. produites. nurus, ou novas
dos ja ronhecioW; e em geral It
desse inxressur a iktenro/rimeyt in mam i*
tria, lindara oswiamente de > .i-iniiir a
parte desse pregramma.
Aliendendo. quanto era posara!,;
as aelrnpcdes, proeurei -av-lairr ai
gao genrica denlro dus liimta araitca*
inluilo, lembrei-me de instraar aa i
masoo sob a ponto de visteara I.
podes..: loteressar ao dVvmvulviineiM da am* m-
dasiraabnndo |>r eatm as eapeOifi
IMiras urna devassa .smaiiora sor a. I.asse aas condir.tes a entrar aa,;
puitsaraento.
Assim, um esludo onntraposto i
o-xdibl.i. e do que xluluram .uim mt mnm k
ndam de ensinar-iu* do que pran>r e aaa.
eu resumo o plano, que me to dada Amanar ^ar.i.
levar ehVilo as islas palrivliraa i
penal.
Para a execueao .leste plaao
propria exposicii. furam naturahanam i
se esludo e apreciaga m ur.Mtorhm mm att fm*-
ram como expuaente's da tama inilaaOjie neimnanl.
e outros, ruja produrgao at note mal mm.< '
ou quasi inteiramente des^miecida, oll.ru. eur.'
tanto conda.- ment o rene os mcahures titules a
eslaii.-ca geral da nnes-a rvianta nakma.
Na elasse mineralocira e feahajiaa
producios fui essa trela commeUia I
HiMl; da analyse edunira dn
de ferro e carv-to orcupim-c
John Percy ; e laalmrnie o Lhf.
substancias vegelaes e alimeairiaa,
produeos que inereceram a *a amnania
A' uieltiores auiorida.le- na p>4m mi nmiim
a pos.eao offlcial que oempa Mr. Hm i Ir, tu. '
mu>u de geologa praltea d> LomN. en > mw
si o <|ue elle ; o Dr. \Srr< i f frimr met
lurga o a sua autoridade t
pelas emprezas de mineracau,
equivoco -, o Dr. Lankester.
rollecgdes dos producto animacs a
< museu de Suulh Kensiajtaa >,
nhecido, e como o Dr. Perev,
de Real de Londres.
eslabeleridas para a constiuieao do jury, foi ala-
da urna prova de consideragao especial pelo Bra-
sil ; e agraducendo-a como devia, respond, em
11 de margo, nomeando logo nosso jurado,
A esculla de urna pessoa que reunisse as ha Li-
li i ages teclinicas e praticas para devidamente
(Cellaaw ai U).
PSRNAMBCa- TTP. >jg M. t. t.
uto
TLEGfVEL


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ETTQT3YDD_AH21ZF INGEST_TIME 2013-08-28T01:22:47Z PACKAGE AA00011611_10338
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES