Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10310


This item is only available as the following downloads:


Full Text
^
AflJO X.L. HOMERO 54.
Por tres mezes adiantudos o$000
Por tres mezes vencidos 6$O
Porte aoeon-ein por tres mezes. ^750
u JJl-
. SEfiHDA FEttU 7 DE MARCO DE 1864.
Por anno allantado.....19$00O
.Porte ao correio por hb anno 3$0OO
DIARIO DE
ENCARREADOS DA SUBSCRIPTO NO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alejandrino de Lima!
Natal, o Sr. Antonio Marques da Sirva; Araoatv,
Sr. A. de Lemos Braga; Gear, o Sr. J. Jos de
Oliveira; Maranhao, o Sr. Joaquina Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Manoel Pinheiro C; A-
maionas, o Sr. Jeronymo da Costa.
PABT1DA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo e Escoda todos os dias.
[guarura', C.oyanna e Parahyba as segundas e
sextas-feiras.
Sanio Antao, Gravar, Bezerros, Bonito, Garuara',
Aliinho e Garanhuns as tercas feiras.
Pao d'Alho, Nazaroth, Limoeiro', Brejo, Pesqueira
Ingazeira, Flores, Villa Bella, tacaratu', Cabrob,
. Boa Vista, Ouricury e Bru' as quartas feiras.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO NO SL Sennhaem, Rio Fornioso, Tamandar, Una, Barrei-
ros. Agua Preta e Piraouteiras as quintas feiras.
ilha de Fernando todas as vezes que para ali sahir
navio.
EPHEMEB1DES DO MEZ DE MARCO.
7?
Alagas, o Sr. Claudino Falco Dias; Bahia, o
Sr. Jos.- Martins AIvcs; Rio de Jaueiro, os Srs. Pe-
reira Martins i Gasparino.
"odos os estafetas partem ao Vi dia.
1 Quarto ming. as 10 h., 5! m. e 44 s. da m.
8 La nova a 1 h., 39 m. e 20 s. da m.
1* Quarto cresc. as 3 b., 47 m. e 31 s. da m.
23 La cheia as 8 h., 27 m. e 3 s. da m.
30 Quarto ming. as 8 h. e 2 s. da t.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 2 horas e 51 minntos da tarde.
Segunda as 3 horas e 18 minutos da manha.
PARTIDA DOS VAPORES CO9TEIR0S.
Para o sul at Alagas a 5 e 25: para o norte at
a Granja 7 e 22 de cada mez; p: ra Fernando nos
dias 14 dos mezes dejan, m.arg., m ro, jal, se!, enov.
PARTIDA DOS MNIBUS.
Para o Recife : do Apipucos s 5'/, 7, 7 '/,, 8 e
>/2 da m.; de Olinda s 8 da m. e 6 da tarde; c
Jaboatao s 6/, da m.; do Casanga e Varzea s 7
da m.; de Bcmlica s 8 da m.
Do Recife : [.ara o Apipucos s 3 % 4, 4 'A, 4 V,
S' A1' l'1 e 6 da trde! Para 0linda s 7da
manhaa e 4 '/j da tarde ; para Jabo;,iao as 4 da tar-
de ; Dar Cachang e Vanea s 4 V( da tarde; para
Bemflca as 4 da tarde.
I AUDIENCIA DOS TRIBCNAES DA CAPiTAL.
[ Tribunal do commarcio: segundas e quintas.
Relagao: tergas e sahbados s 10 horas.
Fazenda : quintas s 10 horas.
Juizo do commercio: segundas s II horas.
Dito de orphos: torgas e sextas s 10 bofas.
Primeira vara do civel : tergas e sextas ao mel
dia.
Segunda vara do'civel: quartas e sabbados a 1 hora
da tarde.
DIAS DA SEMANA.
;7. Se|!unda. l.Thomai do Aqnlnod. anglico.
8. Terca. S. Jrrao de*Dens; s. Quintilo b.
9. Quirla S. Francisca Romana viuv.
10. Quinta. S. MilitSo ro.; S. UrollMveo^b.
l. Sexta. Conimemoragio da pai\odN. S.
[. Sabbado. S. Gregori Magno doq|Jka egr.
]3. Domingo. Ss. Mardomo e Christioa v. ni-
ASSIGNA-SE
no Recf, em a livraria da praca da Independencia
ns. 6 e c do proprietanos Manoel Fgooiroa d
Faria & Fime.
PARTE OFFIGIAL.
OVEREO DA PROVINCIA.
Conlinuagio da espediente do dia 2 de mirro
de 1861.
OIQcio ao Exm. presidenle da provincia do Para.
Na primeira opportunidade vai jer Iransinettido
ao ministro brasiloro em Par, o offlcio que para
ter se destino V. Exc. me remetida com o seu de
8 de fevereiro ultimo.
Circular as cmaras mucieipnos de Serinhera,
Han eiros, Villa Bella, Brejo, Boa-Vista, e Cabrob.
Pra cumprimento do aviso ex|MHlido pela repar-
ticci do imperio em 23 de fevereiro ultimo, deter-
mino a cmara municipal de___, que faga extra-
lu'r e remeta secretaria desta presidencia, com a
uiaiiir brevidade possivei. copia da acta da organi-
sag) do collegio eleitoral dessa villa na eleigo a
que se procedeu ltimamente pura um sena-
dor.
Otrlciu cmara municipal do Bonita.Para
cumprimento do aviso expedido pela reparligo do
imperio em 23 de fevereiro ultimo, determiuo' a ca-
ptara muuicipal do Bonito que faga extrahir com a
inaii r brevidade possivel, copia de todo o processo
da eleigao de eleiiores para senador, a que ltima-
mente se proceden nessa freguezia e na de Bezer-
ros, bem como a de organisagao do collegio eleito-
ral dessa villa por occasio dessa eleigo.
Dia 3. -
OfBcio ao Exm. Sr. Dr. Felisardo Toscano de
Brito, 1 vicepresidente da provincia da Parahv lia.
Frando inleirado pelo sen offlcio de 18 de feve-
reiro ultimo, de haver V. Exc. na qualidade de seu
i' vice-presidente assumido a adminislrago dessa
provincia, asseguro a V. Exc. que me encontrar
scmpre disposto a cumprir suasordens, qur sejam
relativas ao servigo publico, qur ao particular de
V. Exc
Dito ao brigadeiro commandante das armas.
Sirvi-ge V. Exc. de mandar por em lberdade. dan-
do-lhe balxa se j esliver com prag.i, o recruta Je-
ronymo da Silva do Nascinienlo, que provouiseu-
$o do recrutamento.
Dito ao mesmo. -Queira V. Exc. mandar alistar
nos corpa em guarnigao nesta provincia, os reclu-
tas Jr.s Antonio, Manoel Francisco dos Santos,
Anastacio Sebasliao, Jos Agoslinbo Barbosa, Be-
nedicto Jos .destino, Manoel da Cireumsisao Frei-
tas, Manoel Jos Tavares e Manoel Jeronymo Alfon-
so, que segundo o oflk-io de V.Exc. n. 411 de 2 do
crreme, furam considerados a(>tos para isso em
inspeegao de sade.Communicouse ao coronel
retratador.
Dito ao mesmo.Remeti inclusos por copia os
officius que cm 28 de Janeiro ultimo, me dirigiram
o iuiz de diieito da comarca de Cabrob, e o sub-
delegado supplente em exercicio na freguezia do
mesmo nome bem como a certido a que este se
refero, /im de que V. Exc. se sirva de mandar
pioceder como fr de lei contra o sargento de 1*
linba Joao Evangelista Leal, pelo procedimento re-
provado com que se honve na deligencia que lbe
foi or leada para captura dos criminosos Jos da
Costa Araujo, 4 lillios desle e 3 escraTOS.
Ditoao Dr. chefe de polica. Bespondendo ao
offlcio de V. S. sob n. 219 e data de 22 de fevereiro
prximo lindo lenho a dizer-lbe que em officio do
Io do correte informou o director das obras pu-
blicas ter sido entregue a um dos inspectores de
quart rao da freguezia da Varzea e j achar-se
ixvnp uta por alloma- pragas, a casa da guara
ceotigua a ponte do Caxang'i quouir'ora servio
de quarlel ao destacamento daqueua freguezia.
Dito ao inspector da llie-uuraria de fazenda.
Ao ofllcio n. 106 que V. S. me dirigi cm 29 de fe-
vereiro ultimo, jppoinlo declarando-lhe que fiea
approvado o contrato que, >cgundoos termos data-
dos do 22 e 2o oaquelle mez, celebrou o inspector
interino da alfamlepa, com o meslre carpinteiro
Joaquim Antonio Bodrigues, para reconstruir a ca-
Iraia vela da mesma alfaudcga mediante a quan-
liade 1:300*.
Dit< ao iaspeetor da thesouraria provincial.
Para s.uisfaier a reipjisien da a.-sembla legislati-
va provincial, informe V. S. circumstanriadamente
acerca dos sontos que reclaman) agencias para a
arrecadago do imposto de exportago sobre os
productos nacionaes, que to sao enviados ao mer-
cado desta capital.
Dito ao mesmo.Em vista do incluso pedido que
me foi remetido pelo director da reparlicao das
obras mblicas, com offlcio de liontem, sob n. 53,
muido V. S.. nao havendo inconveniente, adianlar
ao tliesoureiro pagador daquella repartigo, a qnau-
tia de 7:0005000, para occorrer as de'spczas com
.)' obras pjr adminislrago, cargo da mesrt>a.
Comm iiiicou-se ao director das obras publicas.
Dito ao director das obras militares.Entenda-
se V. S. com a gerencia da companhia de illumiua-
c^ao, alio) de que seja concertado com urgencia, o
bico de gaz estabeleci lo no corpo da guarda do
le I do c rito de guariiieao. para uvl(ar-se a
couiiniiagKo do grande consumo de gaz. Commu-
nicou-se ao brigadeiro comman 1 inte das armas.
Dito ao mesmo.Man I' V S.. com urgencia, fa-
ter os c tncerlos de que neeessila a umalha do quar-
lel do i" balalli'io de artilharia .i p. do lado do
Ierra, bem como extinguir um formigueiro que tein
arrunalo o corpo da guarda do mesmo quarlel,
como icquisitou 0 brigadeiro commaiidauto das ar-
mas, en offlcio ii LIO do i do correte.
Dito ao inspector do arson il de marinha.Man-
de V. ;i. alistar na companhia de npre idizes artti-
c s awtse arsenal, o menor Sabino, di) que trata o
i m l is i requer me o lo de Manoel Ignacio das Can-
dis*, visto que est as con ligues do regularaento
da mes.na companhia, segundo consta de su.i infor-
mago, n. Gii, de 2 do rorrete.
Dito ao director das obras publicas.Autoriso
Vmc. ios termos de seu oleio de 20 de fevereiro
ultimo, s >b n. 48, a mandar fazer por empreitada,
i por qoeni melhores con ligues olTerecer, de con-
formidade com o art. 9* do reguiam :mo de 31 de
agosto do anno preximo passado, os reparos deque
precisam as pontoinlias do Seralim, Piulo. More-
nos, Bento Velh i e Tapacr, os qiu-.cs roustain dos
documentos que vierain anuexos ao su citado ofli-
<-io, sondos das tros primefras na i o lortancia de
.'liOOi), os da qnarla na de 3"M)5000, e os da
quinta nade 1905000. Cmmunicouse ao inspec-
tor da thesouraria provincial.
Dito 10 gerente da companhia Pernambucana
Pode \ me. fazer seguir para os porlos de seus des-
tinos, < vapores Parikgta e ['mi nuil 11, nos dias
ii horas indicados em sen ofllcio do 1" do rorrente.
PortarlaO rtce-presideote da provincia atten-
ieiido ae que re |Uercu o promotor publico da co-
nniva Jo ho Formoso baeharel Paulo Martins de
Almeida, resolve cooceder-lbe um mez de licenea
rom v.-ncimontos na forma da lei para tratar (ie
sua saiile oesla capital.
____
lApcJienlr do secretario do inicrn).
N.' 18. Ofllcio ao Dr. Manuel Buarque d Mace-
do 1.* secretario da assombla legislativa provin-
cialS. Exc o Sr. vice-presidenle da provincia,
watida remelter V. S. pan ser presente as-
.- ol i a legislativa provincial aliin de que se digne
de tomar em conuderacao o ofllcio incluso por
copia qu em 27 de jam-iro ultimo, dirigi a cama-
ii iiiuicipal da vnla do Granito, eipondo a nvees-
le de si r comprado um i'dilicio perlenc
ao vicario Jos Modesto l'ereira de Brilo, para
fiinecionar a mesma cmara, e mais autoridades
il sel. munieiiiio e rojos commodos sao inencio-
UlJos na de-eripea lambem junta por copia. *
N.' 19. Diio ao mesmo.S. Ese, oSr. vioe-pre-
: ulente da provincia, manda transmittir por copia TlVinniAn
V. S. para ser presente assembla legislativa |> II I II II
provincial afim de lomar na consideracho que me- i 11 1 II II 1 v II.
provincial afim de tomar na consideracho que me-
recer o contrato que a cmara municipal da villa
de S. Bento celebrou com Joaqun) Jos Pacheco
do Amoral, para construir na mesma villa, urna
casa de mercado sob as condigoes mencionadas no
referido contrato.
N. 20. Dito ao mesmo. De ordem do Exm. Sr.
vice-presidente da provincia, passo s naos de V.
S. para ser prsenle assembla legislativa provin-
cial, o balaogo, orramentos e contas da receila e
despeza da cmara municipal de Garanhuns, do
anno 1862 18G3 acompanhadas dos respectivos
cocumentos e bem assim o offlcio Incluso por copia
ce 12 da fevereiro ultimo, em que a mesma cama-
ri expo as necessidades do seu municipio.
N. 21. Dito ao mesmo.S. Exc. o Sr. vice-pre-
sidente da provincia, manda transmittir V. S.
pira screm prsenles assembla legislativa pro-
v acial as inclusas contas, competentemente docu-
mentadas, da receila e despeza do anno de 1862
1*63 que a cmara municipal da cidade da Victo-
r a remetteu em 26 de janeiro c bem assim os or-
camentos da receila e despeza do anno de 186'i
1:56o, as relagoes dos devedores, e dos forciros
q te ora existem as t-rras do patrimonio d'quella
ir unicipalidade e finalmente o relatorio que a re-
ferida cmara dirige mesma assembla. Ao
mesmo Sr. 1. secretario remelteu-se os balangos
e orgameutos das cmaras do Granito, Agua Preta.
Ouricury, S. Bento, Bom Consclho, Villa Bella,
Cimbres, Ipojuca e Barreiros.
N. 22.Dilo ao mesmo.De ordem do Exm. Sr.
v ce-presidente da provincia transmiti V. S. para
si r presente assembla legislativa provincial as
inclusas contas e balaogo da receila e despeza do
amo de 1862 1863 acompanhadas dos respecti-
vos documentos que enviuu a cmara municipal
di Ciruar com offlcio de o de fevererro ultimo, e
bem assim os orgamenlos para o exercicio de 1864
1865.Ao mesmo Sr. secretario remetteu-se os
ba leos e contas da receta e despeza do anno de
1862 a 1863 da cmara municipal do Pao-d'Alho.
N- 24.Dilo ao mesmo.De ordem de S. Exc. o
Sr. vice-presidente da provincia transmuto V. S.
pa,-a ser presente assembla legislativa provin-
cial o mappa demonstrativo do balango da recolta
e cespeza da cmara municipal de Iguarass rela-
tivente ao anno que decorreu do 1" de outubro
de 1862 ao ultimo de setembro de 1863, acompa-
nlndo dos documentos comprobatorios das dospo-
za;i feitas durante o exercicio lindo e bem assim o
orcamento confeccionado para o anno finaneeiro
qu) lem de correr do de outubro do correte
an lo ao ultimo de setembro de 1865, e a relagao
nominal dos seus devedores e bem assim o ofllcio
incluso por copia de 13 de fevereiro ultimo, em
que a mesma cmara expoe circumstanciadamente
as necessidades mais palpitante de seu mouicipiu
Despachos de dia 3 de margo de 186i.
Res iiriimi-nlos.
Anna Thomasia de Mello.Informe o Sr. desem-
ba gador provedor da Santa Casa de Misericordia.
Antonio Moreira Beis.Informe o Sr. inspector
da thesouraria de fazenda.
Felicidade Maria Perpetua.Provea isengao que
allega.
FrancelinaMaria Borges.Infirme o Sr. desem-
bargado;- provedor da Santa Casa de Misericordia.
Joaquim Ribelrode Aguiar Montaroyos.Passe
poiiaria prorogando o praso at o dia 15 do cr-
reme.
Jacintho Jos de Mello.Informe o Sr. inspector
da thesouraria de fazenda.
Joaquim Jos Barbosa Lobato.Nao tera lugar
em vista da informaeao.
Dr. Joaquim Antonio Garneiro da Cunha Miran-
da.Satisfaga a exigencia do Sr. inspector da the-
soi.rara de fazenda constante da infurmacao de 26
de fevereiro ultimo por copia inclusa.
Joao Gongalves Bodrigues.Becorra osupplican-
le a um advogado.
Manoel Francisco dos Santos.Concedo o praso
qmi pede.
Rosendo Alvesda Silva.Informe o Sr. comman-
dai lo da canlioneira Iliijahy.
MI DE Jt\t:iiio. -
ASSEMBLE4 GERAL -
CAJI.tKA DOS M MIOItl>
DEPUTADOS.
CONCLUSAO DA sESSAO DE 11 DE FEVE-
BEIRO.
Ki.Eigo M r\n\HTB\.(! districto.)
' A comtnisso de constituicSo e podares ha-
vendo examinado as actas das eleiges primarias e J' i_J,.-g.u;n,en'? da ju>,ifica?ao (|ue foi presen-
do ji
cssa justifleago nao foram citados os membro:
ahm de issi-t.r erego ; e do relaferio do mesmo
chele de polio.-.eonsiaque elle aleda requisitoaao
commanluito merinoda guarda naci-wal um re-
forgo de 30 guardas, que foram fornecinos e no dia
seguinte dispensados.
A commissao de parecer que sao rollas am-
bas as cligoes : lantb a presidida pelo ^ juiz de
paz como a ipju f0i ferthsob a presidencia de Jure-
ma. A primeira foi feita Vbaixo da pre^ao da
forca arr.T'
de de Mamanguape, com 54 eleiiores, e a de S. Arruda Franca, Jos Silvorio de Laceria Caval-
Miguetda Babia da Traicao, com lo : ao todo Oi canti e Joaqun Francisco V Faria Braga, com
elotores. | varios cidadios a casa do 2> \im de par. busca-lo
i uaade de Mamanguape.Pelo que respeila a para continuar o trabalhos da mesa, ao que esse
i^ssa panjchia, foi a eleicao presidida pelo :t/ujuz juiz de paz annuio, continuando assim a eleieo.
, de u*. por nnped)mento do 1" e 2. A commissao Ouira versio-do secretario commissionado,
reconhecea suavalidade. visto que das actas nao l>oi? em seu oOb-io a prosniencia, (huido de id
consta reclamagao ou protesto, c de nenhum do- que, logo que bouve a contestacao sobre o recto
; cumento se mostra razao que a poss i nulllicar. ment da cdula de um votante." o juw do paz cem
Bahia da Traicao.A eleigo (rimara dessa a mesa declarou-se coacto, fez suspender os tra- frca irtv
paroch.a o presidida pelo juiz de paz. no rape- balhos e adou-os para odia 23 : que depois disto a I ro Se 5t5 i p7 i. 2^ l^? 6"1 "i"
d.mento do I-, e est as mesmas condigoes da lula se travra renhida, resultando dahi< o fcri- >%t S ? a PT? povoa,d2 *mo
| precedeale ; nao pudendo deduzir-st contra a sua ment do juiz de paz e de dous cidadaos. Nada diz! 11 ZJ^L n^.^f i-'a ',.resid,da Pr
osecreurio a respeilo do defino que tiveram a ff" ,DC0,n'eIen,t t6m ralidade peranlOa
secundarias do 1 districto da Parahvliad.i' ~\'nrta l? a cooimUsao, produzda perale > i supplente urna, livro e papis concernentes cleicao. i,.,,,.s n _.,w- ^_ .. ,.
e os d-un.entos aribes denTesDeUrTrem d,uu nli,,,,c-ipal de Ma=njfuape, visto q7para Ojuizmunicipal AntoniodaTrindade Antunes jJlmAZS^^^^J1""^ ^t
apresentar o seu parecer rtspu'0Vl!m cssa jusflcagao nao foram citados o, membros da Meira, narra o facto pouco mais ou meaos pelo R^ffiWtaTSS.'Sf^aSS^'S
compe-se de 10 collegios e de 20
parnrliias, sendo de 510 a somma total dos eleiio-
res que devem concorrer para a
P"ctivos depulados.
a que procedeu a
Eis o resultado do exame
commissao:
1 Collegio da capital.Nesse collegio, que se
cornee de quatro parochiis, a saber : Nossa Se-
nhora das Neves, que d 39 eleiiores; Santa Rita,
que d 15; Nossa Senhora do Livramento. que da
Ib ; e Nossa Senhora da Conceigao da Jacoca. que
da 10: correu regularmente a eleigao, sem prete-
rigao das formalidades legaes, quanto s frezue-
zias de Nossa Senhora das Neves e Santa Rila.
A cerca destas nao ha reclamagao ou protestos, e
as pegas offlriaes o attestam, sendo que na ultima
paroebia os partidos chegaram a um aecrdo dan-
I Carneiro da Cunha
cmuin, aes.sas occurrencias rcsultaram que o i)i,,m, vvh ^__i^. V. ... :"
presidente da provincia expedir ordem ao chefe X CavalCM, de Albuquer-
de polica, jiara que no dia 23 se achasse no Inga ; itaiWeihiihVriiii^' aW .....
com toda a forca que tivesse sua disposeao. ^--,h,el Carne,ro da Lu"ha"-
Desi'arte, emquanto o Io juiz de paz esne
emquanto o i miz de paz esperava
o termo do adiamento. o 2- juiz de paz contnuava
ostrabillios no dia 13 e concluiraos. dando em
resultado essa eleicao urna turma de eleiiores.
Por sua vez o 1- juiz de paz, no dia 23, prose-
Barao de Mamaoguape..... 62
Corroa das Neves....... 2
Costa Machado........ 1 i
< 7" Collegio de Aren. -Essa collegio, com 62
eleiiores, comde-se de duas freguesas, a saber :
a de Nossa Senhora da Conceigao di Ara com 41
eleiiores, e a de Nossa Senhora da Boa-Viagem da
Alagoa-Grandc com 21.
Ara A respeito dessa paroclna foram pre- Bu" nos trabalhos da eleigao adiada, que deram
sentes commissao, alin das respectivas acias, em resultado outra turma'de eleiiores.
urna roprcsentaco de alguns cldados do lugar e A commissao, em face dos fados occorridos,
diversos documentos. Na acta respectiva existe um de parecer que ambas as eleiges sao nullas, sendo
col lector das rendas
ercer aquelle cargo, e
Acommisso, pondo de parte algumas irre- manifest que a influencia indebita que no proces-
so oleitoral dessa parochia exerceu o presidente da
provincia por meio de seus agentes e com o em-
prego da forga, embaracou a legitima e verdadei-
. ra manifestagao do voto,
da parte da autoridade,j com oslen! igao de forga. Naluba.Nessa parochia correu a eleigo re-
ja com a sua intervengo indebita, j ;om a terri-
vel ameaga do recrutamento, j com priso que a
propria autoridade declarou haver ellectuado por Miranda.
engao. Estas razes pesaran) no animo da com-' A nica objecgo opposta contra a sua valida-
da elei-1 de deduzida de un> attestado e de urna certido,
por onde se ndstra que a lilha do juiz de paz se
do o conservador" eleiiores"! o liberal' 7 Resta Pl*.01**10 contraa validado da eleigao fe to por algnns que o juiz de paz, como
pois, commissao examinar as outras das paro- C til_-cont1a.p/olLlsl0 P.r ')a.rle da m,esa- LrV"'.cl.ae!' nao. pdia e.!e.rc
chias.Livramento e Jacoca.
151
que se figura presidida pelo 4 juiz de paz Joaquim
Lopes de Albuquerquc.
A commissao, tendo examinado as actas e do-
cumentos relativos a urna e a outra, reconhece a
validade da primeira. e a nullidadc da segunda, ,
cuja clandestinidade declarada no proprio relal ^TJZl^lT *'* """"'^
tonodojqizdedireito da comarca da capital da Co dessa paroch.a.
provincia. As razes "
da hora legal e da
fim de annu- T^: P^euen.e, da_ elo.eao
gularmente, como se mostra de suas actas," tendo
snio presidida pelo juiz de paz Felippe Jote de
s d^insii i ,eV rf, m7,i Alagoa-Grande.Essa parochia foi represen- casara na freguezia do Bom-Fim, com o Um de
^dta^mlMnda^n ta<1''1 no co"ego eleiloral por duas turmas de elei- provara incompatibilidade do mesmo juiz de paz
pellir os eleiiores, adduzidas para o fi- ''''""'- -reS-: "ma Procedcidida pelo l>ara presidir essa eleigo. Mas essa objeceo care-
lar-se a eleigo presidida pelo 3 juiz
objecci
os documentos nao' tra va-
m pretendido.
de parecer, que se decla-
Natuba.-
Houve duplcala de collegio, sendo um forma-
carecedoras de procedencia e de prov
Jacoca. Encontram-se ifualment
guezia duas turmas de eleiiores : unta procedente *
da eleico presidida pelo 3* julx de oaz Jos Gon- Dl^ le consultar o presidente da provincia
galves le tarvalho C*V e ootra nw^teda aCf ." da "f0^ de oranisar a mesa> diou de seu do ?'I8 ele,,res d" *"**< l'iocedentes da eleigo
ele.gao presidida peloTi-" fuiz de paz o ^enen eco I "r.'T10 ele,Ca0 P d,a 23' >-d"'">'> ^xtr de ii de agosto, ejmlro |>elos eleiiores reunidos de
ronel ManoelI Soares Nouein de Mones d,,a !,em haver esgotado os recursos legaes. No Natuba e da eleicao do Inga continuada no dia 13.
A commissao pronuncirl-se^ pela nu'llidade de i*.9'.1*!^' ^-l6^ designado pelo governo Aaawi municipal da capital da provincia, da-
amos
irSrSEJErS^ incoKtenca doret- Para *** 'primaria em7od-o imperio6, com- do preferencia.na" apurago "era. ao co.legiopre-
ro juiz de S e po irr"3 ides sUbs n- l ^ ma,r" 3juiz de ^ B ,o havendo S"',ld, "^S 1*.JU,Z-de Pt "W*"-eleilor,iS sio ^
aos que resuUam da^ituraVproJri^ S; ST"8^1?0 "T -l nem ^ orKR"3oa ames* "d"Ie da e,0*a0 ,nSa cunl"'uada ? di **
asegunda, por se haver ella procedido no dia 2^11 resSm,'",
10 e por ser urna duplcala insinuada pelo proprio daj'''nil
presidente da provincia, com recommendago do! j
pectivo
ciaes
d
emprego da forca.
Quanto eleigo secundaria desse collegio,
ve-se das res|iectivas authenticas que boove dupl-
cala de collegio ; um composto dos eleiiores das
quatro paro,las romprehendidosos da eleiro do Lavraao um lermo no sen,|do dessa pro-
Livramento preMHtf^3o3?nh bateos da '< Ps,a' rehraran.-se.todosos membros da mesa; pe-
eleico da Ja^ p Sdfc pelo 3 ju d'e paz 2 '' qUB T"'0 J"'2 de "^ W*1 ,,uvame'
<5Z.*____. I'13";1"" y-'" -> juiiit p.u, l sa, proceden a nina seenn, a eeii'a,. une terin non
COMANDO DAS ARMAS.
Quarlel ycncral do coiamando das armas de Per-
iiambuco, ua cidade do Recife, 1 de margo de
1861
Ordem do ha n. 29.
<.' general conunandante das armas faz publico
para conhecimenlo da guarnigao e lns convenen-
les o artigo do ministerio da "guerra de 18 de ja-
nei o ultimo, abaizo transcripto que por copia llie
foi-emetido pela vicd-presidencia, com oflico da-
tado de hoatein.
Aviso.
4' directora geral.2" seceo.Rio de Janeiro.
V.insterio dos negocios da guerra, em 18 de Ja-
neiro de 1864. lllm. e Exm. Sr.Tendo-se susci-
tado datadas a respeito do abono do vencimento
dos empregados dos boapitaes militares, que nao
tem ordenado durante os dia de impedimento jns-
tiiieuijo por gala, nejo, lieene.i ou molestia provada,
dee aro V. Exc. que de co'nformidade com o que
est estatuido as repartigoes do imperio, fazenda
e iinrinha, todos os empregados do ministerio da
gera, imjo vencimento constar nicamente de gra-
lilioaco. deven) percebe-la quando fallarem por
motivos jnstiticadosj- a Ivirlindo porm ipiee>tadis-
posicSo so aproveila s gralilieaeos de emprega-
dos permanentes e cojos servigos de vara ser con-
tad' s para ap enlacia.
l)ius guarde V. Esc.Jos Mariano de Millos.
Si. presidente da provincia de Pernambuco.
A: signadoSolidonio Jos Antonio Pcieira do
I.'nj' .
Conforme Jote lunario de Medeiros -jo Mon-
teiro, capilaoencarregadodo delalhe.
- 2-
Ordem do dia n. 299.
O general commandante das armas determina
que seja nosta data desligado do 7* batalbo de in-
faiitaria ao qnal se ach addido o Sr. alteres Do-
reinjos de Axeredo Coaoono, que amanhia segu
par: a corte como destino dereunir-seao batalbo
ii < a mesma arma a que perteoce.
O mesmo general fas coito que boje se apresen-
toa no quarlel general e flcou reunido ao seu ba-
lalh io 2 de Infantera, o Sr." alferes ('.andido Au-
gusto Itibeiro, vindo da provincia do Maranhao.
A signado.Solidonio Jos Antonio Pereira do
Lamt.
Conforme.Jos laado de Medeiros Reg Mon-
tan,, capito encorregadooo detalhe.
_ 4 _
Ordem do din n. 300.
O general commandante das armas faz publico
par:, conhecimenlo da guarnigao e devido elfeito,
que o governo imperial bouve por bem por aviso
do ministerio da guerra de ii do m-z de fevereiro I
pro:.imo (indo, nomear o Sr. tenente do corpo de
estado-maior de 2' elasse Alesandre Augusto de
Fri:.s Villar, para o lugar de director do labora-
lorio do fosos nesta provincia, oque constou de '
olli 'io da vico-presidencia de 2 do correte, data-
do, em conseqiiencia do que lica exonerado do:
dito lugar o Sr. tenente reformado Jo.io de Snjueira
Campello.
sslgoono 8tNmmk Jos Antonio Pereira do
I. ato.
C mforme.Jos Ignacio de Medeiros Reg Mon-
tar,>. capillo encarregado do delalhe.
o outro formado pelas duas turmas do Livramento
e rfa Jacoca, procedentes das eleiges, presididas
pelo Io uiz de paz de urna e ouira parochia.
A commissao, em face do que lica iwnderado,
separando desle collegio os 10 votos da parochia
da Jacoca, cuja nullidade reconheceu, ada o se-
grate resultado :
Dr. Felinio Henriqne de Almeida.....
Commendador Lindolpho J. C. das Neves.
l>r. Jos da Costa Machado...........
Dr. Diugo Vclho Cavalcanti de Albuq..
Barao de Mamanguape..............
Dr. Anizio Salathiel Carneiro da Cunha.
Dr. Jos Florentino Meira de Vasconc.
2" Collegio de Alliundra.Compoe-se esse col-
legio de duas parocliias. Nossa Senhora da As-
sumpcao da Alhamlra. com 6 eleiiores, e Nos-a
senhora da Penda de Franga da Taquara. com 14.
ao todo 20 elei tures.
E' de parecer a commissao que ambas devem
ser approvadas. visto que contra ellas nao appare-
62 votos.
61 >
60 >
8 .
8 >
7
1
sa, procedeu a una segunda eleigo, q i
no dia I" de setembro.
A commissao entende que o adiamenlo
terminou
foi
as formalidades da lei. de agosto, tomn -em separado os votos das duas
processo com regulari- patochias que constituirn) o oulro collegio.
a commissao, separando da tolaltdade dos vo-
No dia 23, corapareceu na malriz o 1" juiz de' tos os correspondentes parochia do Inga, que
paz e organisou nova mesa ; mas antes do lavrada j reconheceu nullos, e attendendo a que concorrerain
a acta, um de seus membros propoz que se ella ao collegio 32 eleitores de Natuba, acha que os vo-
dissolvesse, visto como a eleigo se havia feito no tos recahiram nos seguimos sentares :
dia 9. Lavrado um termo no sentido dessa pro-1 Fclinto........ 32 votos.
Correa das Neves 32
Cosa Machado. ... 32
9" Collegio de Pedros de Fogo.Esse collegio
formado pela freguezia de Nossa Senhora do
Taip com 27*leilores.
contra o art. 27 das instrueges de 28 de juuho de cerca desse collegio foram apenas prsenle
1849 ; que o 3" niz de paz observara os arts. e commissao 2 actas da duplcala do collegio para
5" das mesmas insiru-g-s, e que portento valida a eleigo de depuladoJ, eo documento u. 23 ap-
esta e milla aquella eleigo. pens ao relatorio do presidenle da provincia, o
t Tendo comparecido no collegio as duas turmas qual um ofllcio por copia do 1 juiz de paz Frau-
de eleiiores de Alagoa-Grande, foram os seus votos cisco Antonio Pereira, comraunicando que, haven-
tomados era separado, por entender o mesmo col- do sido expedido da matriz, fora com os eleitores.
legio que assim deveria praticar qur a respeito da supplente e povo para acamellado seu engenho
turma do Io juiz de paz, qur a respeito do 3o. por Rapua, aliin de alli dar comego aos trabalhos elei-
vicios que notou na organisagao da mesma paro- torao.
chin. Acerca dessa eloioao diz o presidente da pro-
A commissao havendo-se pronuticiado pela vincia que della s leve conhecimento pelo referido
nullidade da eleigo da parochia de Ni ssa Senho- ollicio. e pela rcmessa da acta da apurago dos vo-
ra da Conceigao Je Ara, e entendendo que aulla los com ollicio da mesa, aecrescentando parecer-
a eleigo da Alagoa-Grande presidida pelo 1 juiz "ie que fui arranjada clandestinamente uacapella
de paz, e que as irregularidades allegadas contra particular do engenta Itapu.
a eleigo des-a ultima parochia presii ida pelo 3o O Dr. Jos da Costa Machado forneceu una
juiz de
nesse
ao uessa uiiiina paroema prest la peio o w "i juu ua i.o-ia .iiacuaoo luiueceu una
e paz, nao sao procedentes, de parecer que certido authentica passada pelo secretario Ja ca-
collegio se contera apenas os votos da eleigo mar munici|ial de Pedras de Fogo e concertada
collegio de quatro paroebias, que sao "a de Nos-a
Senhora do Livramento com 41 eleiiores, a de
Nossa Senhora das Moros de Cuit, rom 13 a
de Nossa Senhora de Araruma, rom 11, e a de
.Nossa Seohora da Luz de Pedra Lavrada, com 5 :
ao todo 70 eleitores.
A commissao achou que as eleiges primarias
dessas quatro paroebias corrern) regularmente e
sem vicio que as annulle, sendo que contra ellas
nao houve reclamicao ou protesto algura.
A cmara apuradora da capital, na contagem
dos votos desse collegio, lomou, corao elle, em se-
parado o voto de eleitor de Cuit, Manoel Maria
Brayner, por nao t dos o eleitores de Podra Lavrada por lbe nao ha-
ver sido presente o livro das arlas, para cora elle
confrontar os diplomas desses eleitores.
A commissi, examinando as actas. veVifkoa
<|ue Brayner o primeiro eleitor cora 510 votos
e que os eleitores de Pedra Lavrada sao os mes-
mo que esliveram no eefleglo, ao qual nao cora-
pareceu ura eleitor.
> E por isso a commissao entende que a apura-
cao desse eollegio deve ser a seguinte :
Dr. Diogo Velho Cavalcanti de Auq.. 19 votos.
Dr. Anizio Salathiel Carneiro d.i i.unha. 46
Bario de Mamanguape.............. 46
Dr. Correa das Neves............... 22
Dr. Fenl)........................ 2i >
Dr. Costa Machado................. 22
4 Collegio da ndepenlciun.\:? collegio
compe-se de urna s freguezia, a do Nossa Se-
nhora da Luz, cora 49 eleitores.
A eleico correu regularmente, nao havendo
contra ella protesto nem reclamaco.
' Da authentica da apurago consta que foi con-
vocado o 1- supplente para substituir ura eleitor
que havia fallecido. A cmara da capital conloa
os votos, que recahiram sobre os Srs. :
Diogo Vclho....................... 2o votos.
Carneiro da i.unha................. 2*
Bario de Mamanguape.............. 23 .
Con a das Neves................... 2't >
Felinto............................ t\ ,
Cista Machado..................... 24
t 3 Collegio de Alaga Nova. Esse collegio d
formado pela paroeliia de Santa Auna, com 20
eleitores.
Tanto a eleicao primaria como a secundaria
correram regularmente. A votacao recabio sobre
os Srs. :
Felinto............................ 11 votos.
Correa das Noves................... 10
Costa Machado..................... o
Diogo Velho....................... 10
Carneiro da Cunha................. 10
Baro de Mamanguape.............. 9
6^' Collegio i Mimnngiiapo. Esse OoMegM
compoe-se de duas freguezias. que sao : a da cida-
ao todo 8i eleitores.
Inga.Essa parochia concorreu \o collegio
i eleitoral cora duas turmas de eleitores : una pro-
', rdente da eleigo presidida a principio pelo 1"
juiz de paz Jos Podro de Oliveira Rogo, no dia 9
de agosto, adiada para o dia 21, e cono uida sob a
no dia seguinte se procedeu i- chamada, e que a
3* se fuera no iniiiieliato a esse, nao estando lau-
noines dos votantes que nao con pare-
gados os
ccram.
O presidente da
nao negando a estada
mesilla presidencia; e outra procedente da mesma suppo, todava, que I
eleicao. principiada sob a dita presidencia, mas de peona com pretorig
continuada no dia 12,6"concluida sob a presidencia legaes.
provincia, no seu relatorio.
do i- juiz de paz na matriz,
fura a eleigo feita a bicco
io de todas as solemnidades
do 2" juiz de paz Antonio da Costa Oadolha. Os A commissao, vista dessa certido extrahida
faclos que se deram nessa dupla eleigo sao os se- do livro das acias das eleiges de Taip, e alien-
guiutes :
t Antes do dia da eleicao o presidente da pro-
vincia Ibera partir para' o Inga o major Miguel
Ferreira Cabral, com 20 pragas. como so mostra do
aflcio da mesma presidencia", datado de 31 de u
Iho, sob o fundamento de recelos do pe tur!) ICOO
na ordem publica Depois, anda o presidente en-
viara ao mesmo lugar o secretario da provincia Dr.
I.aureno de Oliveira Cabral, era cominisso para
assislir a eleicao.
dendo a que nao ha contra ella reclamagao ou pro-
testo de especie alguma. sendo que nao pode ser
aceita a simples allegaeo de haver sido feita a
bicco de peona, sem prova alguma que a corrobo-
re, entende que deve serapprovada a eleigo pre-
sidida pelo 2' juiz de paz Chacn, 'eila na respec-
tiva matriz.
E como da authentica do collegio a que con-
correram os eleitores procedentes dessa eteieo,
moslra-se que a eleigo para depulados coiieu
No dia 9, emquanlo o major Cabral ofliciava "elle regularmente, contou os votos, que reca iran
ao presidente que se havia dado comog i a eleigao,
e que nao haviam ocoorrido novidadea alo pu-
dendo ter tido lugar a l' chamada dos votantes,
por se ter concluido o dia, o secretario eommssio-
nadoeffleiava por sua vez que; vista do estado
de exallaeaoom que encontrara os hal.itantes da
parochia, entenda que a forga ali existente era
muito insignificante.
Correram, nao oblante, as coasas mais ou me-
nos Srs. :
Felinto..................27 roto
Correa das Noves......... 27
Costa Machado........... 27
t 10. Collegio do Pilar.Esse collegio forma-
do pelos eleitores da parochia de Nossa Senhora do
Pilar, em numero de 34.
Houve duas turmas de eleiiores : urna proce-
dente da eleigao feita na matriz e presidida pelo Io
nos regularmente, at que do dia 12. tendo havido J"IZ e i):17- noel Pereira Borges e outn i roce-
mn disturbio, relirou-se o juiz de paz, suspenden dente da eWcio presidida por Jos deBntiJu-
os trabalhos e foi adiada a eleigo para o dia 2:. re.nuj e cujas acias nSo foram prsenles a _-om-
. A'cerea da natureza e effeitos do disturbio ba Ini~s;l0-
duas versos inieiiamonte diversas. L A ''leigao presidida pelo 1" juiz de paz r.u adia-
da no dia 9 para o da 16 de agosto, e nesse dia
O major Miguel Feireira Cabral em seu officio continuada, adiamento aquelle que leve lugar por
presidencia, datado do mesmo da 12, diz que o causa de umm >tmi havido na igreja, do qual sahi-
proeessoeleitoral correr semnovidade at as 3 ram ftidos o delegado e outras pessoas. a acta
hora da tarde, mas que a essa hora pela duvid dos trabalhos desse dia foi assignada Romete pelo
de identdade i- ura votante exacerbaram-se os presidente e peles dous ecretarios, nao toado que-
nimos a ponto de nao se poder conter o romp- rido assigna-la dous escrutadores.
ment entre as duas parcialidades, arrojando se o ; Na acia do da 16, fazendo se majacao dos Ira-
povo de fra para dentro da igreja. interrompendo balhos do dia 17, transcreve-se um protesto dos
os trabalhos eteitorees, e tendo infelizmente de la- dous escrutadores, contestando a presidencia do l#
meotar-se o ferimenlo leve de iros individuos. < juiz de paz, por sor lenente-corouel sommandante
E em U01 attestado que elle o alferes Joaquim da guarda nacional, o protestando contra irreguli-
Manoel de Medeiros deram ao Dr. Lia lolphosobre ridades que se deram na foriuaejto da mesa; ser
policio (leste, dirigida ao presidenle da provincia, a chamada feita pela qualillcaco (leste auno aind.1
declarara ambo-; que o tumulto duran pouco nio conchuda, e ser a eteicSo feita debaUo do ap-
leg a ordem e BOCOgo, paralo dn forga publica, conservndose o destaca-
lempo, resta lieltveiiiio-se
sondo que a urna, livros e mal papis licarara in-
tactos, e nem a ine-a ou o juiz do paz ra speadeo os
trabalhos ou os a liou. sendo que, pelo contrario, a
mesa continuou sempre a (uoccionar dsde o mes-
mo da do tumulto, pois que havendo-se relindo o
juiz de paz que presidia a mesa na occ isiao do tu- i
inulto, foram os tros mesarios Belcior Nicolao de
ment dentro da igra ; ao qual protesto cootra-
prosestaram o juiz. de pas eos dous secretarias.
A eleicao presidida por Jos do Brito lucerna,
consta ser uin> duplcala feita em una casa parti-
cular.
Do relatorio do presidenle consta que ene fez
partir paga alli o ejwfjj do polica com 21' {cacas,
Baro de Mamanguape................ 130
Joao Flor jnfino Meira de VasconceMos. 1
Era ceociusao a commissao prope :
t !> q.jc gqam approvadas as eteigoe prima-
rlas das freguezias de Nossa Senhora das Neves da
capital; de Santa Rila e do Livraraentoj presidida
pelo 3 juu de paz, jiertencentes ao eollegio da ca-
pital ;
2 Que sejam approvadas as eleiceos- prima-
rias das paroehias dos collegios da Alhandra, Ba-
naneiras, Independencia, de Alaga-Nova;. de Ma-
manguape ,
3: Que sefua approvadas a eleicao'da paro-
chia de Alagoa-Grande. presidida pelo Z'pi de
paz Antonio Jos Cabral de Vasconcellos; a de Na-
tuba : c a Taip, presidida peto 2 juiz de pac;
4.- Que sejam annulladas as eleiges de Jaco-
ca, de Ari,.do Ing- e do Pilar, mandando-:* pro-
ceder a no"as ;
3. Que sejam declarados depulados o Srs.
Drs. Felinto Henriquo de Almeida, Lindolpho-Jbs
Correa das Neves e Jos da Costa Machado.
Sala dis commissoes, em 11 de fevereiro de
1864 Antonio Vicente do Nascimento Feitosa^-
Jooquim Seldanha Marinlw.
Nao ir.e conformando com a opinio do mea
collega que examinen as eleiges do 1 districto da
provincia da Parahyba, corre'-me o dever de moti-
var a miaba divergencia.
Para que o exame minucioso das eleiges pa-
rochiaes de um'dislricto possa ser proveitoso, com-
pre verificar, antes de tudo, o carcter geral da
eleigao, a posigo respectiva dos partidos, e todas
as circurastincias que possam dar luz, e encami-
nharnos no exame das informaces contradictorias-
e parciaes que a paixo e o inleresse poltico podenr
gerar.
Na provincia da Parahyba os partidos se man-
tinliain nas suas antigs posiges e os documento
que examinei mostrim que a parcialidade liberal
jera apoiada pelo presidente no2*districto, e a con-
servadora tolerada, seno apoiada no 1*.
Nao sao os adversarios do presidente somente
os que affirmam islo : elle mesmo quem o diz nas
palavras que copio textualmente :
Para o 2o districto liz roncesses francas aos
liberaes, e o mesmo pratique em seu favor nas
freguezias do Io dislrtclo, em que tinham legiti-
mos elementos. Nunca me resolv, porm, aem-
pregar a torga e a coaego contra os conservado-
res, que, concentrando seusesforgos no !, tor-
nariain improlicuas as medidas que sem escan-
dalo podesse empregar oontra elles algum dele-
gado infiel ao pensamento do governo. O meu
procedim. nlo desagradou aos partidarios exalla-
dos de arabas as opinies. Os conservadores at
retiraram-se do pleito om algumas freguezias a
pretexto de impossibilidade de accessoas urnas,
e os liberaes applainlmdo a adminislrago pelos
seus aclos em relago ao 2 dislricto, despeita-
ram-se pida sua neulralidade no 1; mal guia-
' dos, resolvern) nao disputar com honestidade-
dentro da rbita legal.
Alm de apoio do presidente nos termos em
que elle o declara, e que consisti em conservar
nas posiges oflloiaes a parcialidade conservado-
t ra, dispunba esta em muitas freguezias de outros-
elementos de triumpho.
O memorial da parcialidade liberal diz a res-
peito o seguinle, que esclarece o pleito. :
O partid} progressista, fra de todas as posi-
odes offlciaes, coala todava que a immensa po-
pularidade que o circunida, o com- a forga moral
que Iba do a aseengo do gabinete de 30 de
iiiaio. a poltica por elle inaugurada e o acto da
dissolugo.
O oulro, o vermelho, cujo chefe o presidente
< da provine.a, conta com lodos os recursos offl-
ciaes, como sejam forga publica, todo o funecio-
oalismo policial, toda a guarda nacional, alm
' das mesas plenas e qualilcages conveniente-
< mente preparadas, e enm o auxilio de laesmeios
ellicaznieiite empregados, tem por certo a vic-
toria. >
- No mesmo memorial se M ainda o seguinte :
Com o emiirego de todos os moto effirazes,
com a presenca de agentes elei loraes em dver-
sas localidades, para os fazer valer efhVazmcntc,
eoiendeu o presidente que cerradas licaraui todas
as portas aos pn 'gressislas para que elles pudessem
pleitear a oleig icom probabilidado d-' triumpho:
restaran, porm, o recurso das duplcalas, eesle
mesmo quiz S. Exc. coarlar ao partido progres-
t sista.
i Una ordem em reservado foi expedida a todas
as autoridades pociaes do districio, para que obs-
lassem por l< dos os meios a seu alcance que se
dessem aupticatu em seas districios.
Esta ordem extensiva a lod is os partidos que
se apreseutavam abaruihar a eleico nos lugares
mido nao contavaiii maioriav era s e exclusiva-
mente applici vel aos progressistas, fleanoo ao par-
tido verinetho Ubecdade ampia de fazer duplcala
onde e como julgasse de imsier, sendo al aulori-
sadas o ordenadas pelo presidente da provincia.
Pelo que lica dito, e era presenca dos docu-
mentos que examinei e confirman) mais ou menos
as proposigos que emulo, se pode concluir-o se-
guinte :
1." Que as duas-parcialidades vencern) regu-
larmente nas freguezias em que dsiuulu.u) de ele-
mentos bastantes para isso, e nas quaes ou chega-
ram a um accordo, ou nao quiseraa embancara
victoria dos seus contrarios jwr mei. de dupl-
calas.
2." Que cada urna das referidas parcialidades.
procurou em maior ou menor escala inutilisara,
forca do seu adversario por meio de duplcalas nos
lugares em que nao podan) vencer, por tereuteon-
tra si as rae.-as e as quallioaccs.
t O. exame pois, da eleicao. do Io dislricto da
Parahyba dove consistir en'i separar das eleiges
en-.duplcala aquellas que alo foram cicadas desse-
vicio,c relativamente as freguezias em que a elei-
{o 'oi dupla, examinar at que poni pode ser
considerada legitima aquella que se piolen leu
ernbaracar ou viciar por meio de emprego de du
p calas.
Julgo desneeessario condemuar semelhanie
meio, porque a cmara j o lem feilo por mais de
nina vez. Diivi apenas que nenhum partido tem
direito de eslerrar a marcha do processo eleitoral,
porque nao djspoe das qualilcages, ou porque re-
cela o abuso das mesas. O recurso contra o abuso
das quajilicagos lem lugar antes de lomocado o
processo eleitoral e contra o abuso das mesas ha
recurso par;> esla. cantara, que pode g dove anuul-
l>ill Mi>|li


Diario de Pernaatbnco Segunda felra % de H:u<> de l 54.
lar 11 Irddt e* q w nSo W ewMijiant
ipiaMIredo*, p i mesas auus -
vamei lo roiu-idi r..in romo Ins.
Fritas estos ronsidcragocs, evtrare no examo
Jas rleicBes parochlaes, comeando por aquellas
lio no foram (sitasen duplcala. ...
As eloi\>es quo nao estilo ovadas dcsie vico
- das freguezias do Nossa Senhor .i
Jas Noves da capital, Santa Rita, Alhandra, Nossa
Senhora da Penha da Tacuara, Nossa Senhora do
Livraraento da Baaanoiraa, Cacle. Ararana. Pefi
torrada, Nossa Senhora da Lm da Indepcndenr-iii,
Sant'Aoaa de Ataea-Nova, Mamafuape, Nainbii,
8. Mifuel d.i Balita daTraico e Atea, com 381
leHorea, cujos votos sao assim distribuidos:
Pogo Velho..... 191
Anso... ........ I-9
itamangoape UH
Petates......... 456
Carrea das Noves. IM
Costa Machado... IW
juiz do paz adiou os Irabalhos para o dia 2't quciio inesmo mcz. Porm allomas pessoas au-
i altadas por soldados da forca earrcgarain a ur-
ua, e depois. de perrorrerem' com ella algumas
cafas, convocaran! i juiz de pat immediato, que
arrumbando a mesrna urna, conclaio a elego,
apezar de adiada. No dia 23, designado para a
nova elego, comparerendo o juiz de paz mais
votado, proeodeu a nova eleicao, na qual cons-
la--me que so guardaram todas as formalida-
des tegaes, tendo assistido o Dr. chele de poli-
cia.
As informaeoes do major commandante, que a
parcialidade contraria ao Io juiz de paz julgmi in-
stepeita, concordan! na existencia da desordetn, e
diverge apenas na asseveraeo de que a urna, os
papis e livros flearam intactos.
t De (|uauto menciono! e transcrevi segue-se :
4. Que a parciahdade do tononte-coronel Ar-
ruda provocon o conflicto, e fez a desordein segu-
ramente por nao ter esperanza de vencer, porque
Ha por.'m a fiv ii'zia da Arda rom al lett-i- nao orivel que perturbe por urna maneira to
res, que o mea Mostr eatafa julga dever ser an- criminosa onrocesso eleitoral qucmicve conlianca
nullada pelos seguales motivos, que copio vextual- na maioria dos ([iiahlicados. .
nionl(. ; 2. Que e adiamento foi legtimamente resolvi -
A commisso pondo do parte algumas irregu- doe nao poda deixar de ser resolvido pelo1 juiz
landades qae se deram, convenceu-se, tm face de paz para qae so evitassem novas desordens, e
dos documentos apresurados, e do proprioroii- tivesse o presidente di provincia tem de prov-
Ira-protesto da mesa,r,ue a elego primaria de- denciar em beneficio ila liberdade do todos.
t sa pamema sebava feito dcbaixe de piessio 3." Que ningtiem tinha o direito de continuar,
violenta da parte da autoridad.', ja com ostenta- no meio decireumstaiioias lo extraordinarias, o
de forra, ja cen intervengan indebila, jacoin preeesso eleiloral, e qae millo tudo quanto se fez
meaeas de recriitainenlo. j rom prsoquea damcm dianle, quer a urna estivesse violada, quer
pr..orla autoridad* deelarou haver effecinado por eetrvessc pura. .
, encano. i ** Que no dia 23 a eleicao se fez com regula-
Nao posso arompanhar o meu Ilustre CoUena ridad; em presenca do chefe de polica, sem oc-
na reprovacio desta cieicio, i-orquo nao me pule correncia alguma que a inquine de vicios ou nul-
convencer 'da procedencia dos motivos que alie- :1idades.
g0U. o." Finalmente, que nao pode donar de ser
i As rifan aror< que li, mostrara que a parcia-. approvada essa eleicao sem que so d razu aos
lidade liberal pequea nessa loealidade, nao li-: |rturbadores da ordem, e lodos os quo quereui
nba a mesa, nao dispunha da qualiiieai;io. e nio vencer eleicao, inesmo s rnas se em qualquer occaso fr a is.-o levado, de- poriancia exclusivamente applieada aquelle flm.
claro que nao hoi do recuar. O excedente se existir ser destinado as estradas
Dos mo hade dar forca para hitar, sempre que cuja laxa das barreiras forem nsuffleientes para
se tratar dos interesses de minha provincia, e da sua manutencao, ou a estada e consirncco de ou-
honra de mcus amigos.
Tenho feito o meu dever. Desculpcm V. Exc. e
a cmara o tempo qae Ibes tnmei.
ORDEM DO DIA.
Entrou em discussi o para*1" da commissSo
especial sobre aposentadoria do magistrados.
tras estradas.
Art. 5. Acobranca da taxa das barreiras poda-
r ser feila |r adniinistiacao ou por arrematadlo
de eenmnidade com a presento le.
Art. 6. O presidente da provincia na expedicio
dos regulamenlos necessanosa execucao desia lei,
Ano nit i 1 _.^^..1__ .._ !.._________________ _-.-_.
Veio mesa a segtiinte emenda que foi lida, flea autorisado a conceder as isen^Ses para o paga-
apoiadae posta conjunctamente eradiscusso:
Accrescente-se conclusao nao podend"
enm tudo ser approvados por oflcnderem os arts.
454, 153 e 478 da conslituico do imperio. Ur-
bano.
A discusso ficou adiada pela hora.
Orrram os Srs. I.eitao da Cnnha, A. Lobo, l'rba-
no c Octaviarlo.
liaba portadlo elemento algom para vencer, tai lo
trae principiando a fazer urna duplcala, dessis io
della, e veio pleitear a eleicao com os volantes q.ie
possuia.
NSo possirel tamben que aceite o argumen-
to de pTessao violenta por iiarte da autoridade 'local
a justificaco em avor della desfefta i; ir
porque a ju_.
outra, e para mim vale mais do que tudo isto a 11-
fornAcao di juiz de direito Quciroz Barros, semp-e
considerado muilo honesto o .nodciado, o qual tiz
o se^uinte ao presidente :
t l'osso asseverar V. Exc. que nao lenlio facDs
que me antirisem a dizer qae as autoridades ci-
vis e militares houvessem na eleicao empregalo
Ara* ou wnaaea, em ordem a se dar o vol ni >-
te ou luquellc sentido.
A MteoUeSo de forca inadmissivel, porque o
preaMeata nao poda deixar do mandar a-fcrca pre :i-
sapara evitaras desordens que a lula dos partidos
podia originar e minio se receiava. Sou. pois. le
parecer que s.'jam appmvadas todas as eleicoes un
que se nao deram duplicatas, porque em todas il-
la* o processo eleitoral foi o mais regular que era
possivvl.
l'asso. portento, ao exame das freguezias tm
duplicau, que sao Livramento, Jacoca, Alagia-
tiran le, Pilar, Inga e Taip.
t Ucrameuio. N'esta fregu(ia, como se te-
prebende dos documentos prsenles c.niimissi.o,
os conservadores linbam a mesa e a qualifieaciio.
O primeiro jniz de paz, porm, d liarte de doeide
(sefuraraeiite de acerdo com seus contrarios e
aprsenla-so o > desimiKxlido a organisar a mea,
atues da hora (na opiniio dos conservadores i e un
tempo ( na opiniao dos liberaos). O quo c eerK
que essa defeccao do 1 juiz de paz embaracoi. o
lado conservador, que Qcou sem maioria ua me a.
e, em vez de pleitear a eleicao, recorreu a nina
duplcala coa o 4" juiz de paz, e essa eleicao nao
tein carcter algom de authenticidado.
Nao achei provas de que a mesase tiveise
organisado com preripitacao, e tudo me indo; a
crer que os conservadores abandonaram a eleiro
por perdorem a maioria da mosa.
liioeurdo, pois, com o meu coUega na app-o-
Tacao mieicao feila pelo 3" juiz de paz, e na c>n-
deinnacao da eleicao do 4, que considero reeui so
allega! para embafacar e fazer duvidar da legitima.
incoen.Meu filustre collega prope a annol-
lacSo do ambas as elei\|0es desta freguexia. Co -
cordo ueste |nto, porque a< circumstancias que
se Adrara foratn taes e o difllceis d verifletr,
pje nao rreio ler alguma das eleicoes feitas carc-
ter de regularidace.
Atapaa-fimnaV.Nesta freguezia se deu doi li-
caia pelo seguinte faci :
) 1" juiz de pai. sera motivo provado c leg li-
mo, adiou a oloico de H para 23 de agosto ; o 3o,
porm, est.ndo na igreja. organi ceden a eleicao. O adiamanto nao leve fndame ito
algum, e a eleie.ii feila em consequencia do in ;s-
m> aliamento nio pd le ter valor, em quanto fosse
tal i to approvado pelo presidente da
provincia.
t (loBcordiO, pois, em que se approv; a eleito
da 3' juiz de paz da Al agua-Grande, que c insiituio
a mesa, u procudeu aos trabadlos no da designado
l>ela i
i 'i frajoazia, segundo informal.o
do in^uip-'iio juiz de direito Oliveira Maeiul, cor-
reuo pr.r--elfitoral sem novidade. O la lo li-
teral faaer nnaa dopiicaia, e man lo i pi-
ra islo BfWflar asa, urna, ele O delegado iip-
poz-se a djplicata, e o resaltado foi urna lula, na
qua! o mesmo delegado a mus pessoas
O juiz. di vista da desorden), e para
deixar que os espritus fiVjuem serenados.adia a elei-
cao para o dia 16. o [ residente manda assist!:1 a
coillinuiii o da eleicio no dia 16 |ielo chefe de [ o-
lica. que d omita de que a eleicao se fez com re-
guiaridade, o de que a parcialidado hln-ral li/. ira
urna dipMaHa cota um suppljute de juiz de |iaz
em tuna cisa particular.
Meu oollaga da coramuso rejeita essa diq li-
cata, |Kirm njeita lambem a eleic'io da maliz,
adiarla par causa justa, e nontiauada no da 16 sob
ai vistas do cliefe de jiobwa, rom o fundamento
de eer frita debaixo dapresso da Pirca rmala
em numero de 56 pracaa, que o chefe de polica
havia couisigii levada.
Uo acho scmelbsule motivo procedente, vis-
to come a forca foi para manter a ordem, e nao ha
prova alguma de que ella se i esviasse desse pro-
posito, confiada, como eslava, segunda aulori la-
de da |iioviucia, que nao deu motivo por sen | m-
cedimento para ser aeoimado i:e parcial, ou i^ le-
ressado no triumpbo de algumas parcialidades i(ue
lutavam.
< Inga.A eleicao dessa freguezia corra regu-
larmente ; uo dia 12 de agosto, |rm, o juiz n u-
nicipal do termo, que nao parece suspeito, ofllciot
ao presidente da provincia nos seguiules termos :
< Devo einimuniear V. Exc. que al hoatnm,
pelas i lluras di tarde, earrea regularmente e
< com umita calma o MBMse eleitoral : appare-
eoudo, iiorin. davinas aeerca di ideniidade de
um votante, enicudeu a mesa, atienta adiscu^io
< oabirosa que e deu por essa oeeasiau, adiara
* deciso para a segunda oda nada, dectoia < M
c pareceu prulente, e que fui inesmo por toil * approvada. I'orm o tenente coronel Arruda o ti-
. gio e unpoz inesmo a mesa a deciso da qnestio;
il.i ijoa-i cuarta resol ven, considerando ser o
HUSMO votar.te o pmprio cualificado, e deier
c ser por isin aaceHa a sai o dula.
Em conseqWMiadwtt deciso, o dito tenen-
< tc-cori.iud Arroda griteo s poeaow, que desde
* o dia 'J se teemconservado na porta il.i igreja e
no coro iIimIi, que a cdula n.io devia ser re:e-
bida, devendo ene vencer ou morrer.
Em vrtude do que o novo aceommetteii a
* igreja, sendo arrebatado pelo mesmo Jos Pallo'
* e Ayres de Mello, das mos do juir de paz o li-
* vro das antas, rarsegaram a urna para a o; sa
* d Manon dos Anjm Trigueiro ( quebraran a
mesa e asenios i|ue se *havam na igreja, re-
snliandi .desse-tunnirU) e eonflielo tres fi-rimen-
los, senilo nm dos feridus o prnprio jiiix de paz.
Em virtade do que a mesa snspendeo suis
iraballK s. e den d lude orte a V. Exe. Cun-
- pre dizer V. Exc. que e pequeo desiacamm-
* lo, que aqu es le ve e esta, nao prestou o menor
4 auxilio, iielo contrario muito concorreu para e-
* ineilianf oonflicie, visto declarar o major con-
mandan e iiep,' a nsesa rim?, se aquella cdala do
votante tase colinda, cruzara os bracos, o i|ue
m muito aiiiuou o tenentc-coronH Arruda.
Por es le efllrio e iguaos cirmacos ordeno i o
presidente ao ehefe de polioia, que no dia 23 fosse
assistir cu n a f< '"
PERWAMBDGO
\SSEMBLEi PROVIXIVL.
CONCLUSAO DA 2 SESSO PREPARATORIA
EM 29 l)K FEVEREIKO DE 1864.
O Sn. Ci.NiiA Ttrxaua : (Nao devolveu seu
discurso).
O Su. Aii.vrio Barros r(Nao devolveu seu dis-
curso).
O Sn. Barros eSilva :(Nao devolveu seu dis-
curso.)
O Sn. Goncalves b Silva :(Nao devolveu
seu discurso.)
Q Su. Namb : i Nao devolveu seu discurso.)
O Su. Ami.ntiias :Declara que icm uegocio ur-
gente, o pede a prorogacao da hora para caiili-
nuar a digeusso.
Sao successivamente ldos e apoiados os seguin-
tes rcqaerimentos :
Reqneiro a prorogacao di hora para conti-
nuar a sesso at volar-so :Hoyo Barros.*
u Re |uoiro o adiamento da discusso do pare-
cer do segundo dislncto da provincia, por 21 ho-
ras.Pereira ile Brito.>
Move-se questo de ordem em que tomam parle
so, e ^J"Y7 os Srs.Gunba Teixeira, lluarque, Reg Barros, Pe-
. l^"fhrPn*^,r reir de Unto. Joo Teixeira, e 'jacobina, Te ando
U peona, como informa o prest- fiualmtIltu a ,,iscussSo a,,iaua pt,a hora.
O Su. Pmsidbnte designa para ordem do dia a
mesma materia, e levanta a sesso s cinco e ineia
lioras da larde.
SESSO PRESIDENCIAL DE INSTALLACO NO
1. DE MARCO DE 1864.
PIIK.SIUKNiaA DO SU. C.ONSKLHEIRO TRIGO DE L0UREOO.
A's id e nidia horas da manbaa, reunidos na
sala das sessocs os Srs. Trigo de Loureiro, Buar-
que. Ramos, Ayres, Rochad, Soares Brando,
Francisco Pedro,'Franca, Drummoul, Burgos, Sa
bino. Aquno, '
Joo Teixeira,
go Barros, Brito," Jacobina, J. Reg Barros e
Braulio,
Abre-se a sessao.
O Su. l'iiKstE.NTE convida os Ilustres membros
a dirigirem.se a matriz da freguezia do Recfe,
afim de assistireni inissa votiva do Espirito San-
io, acto que deve preceder, na forma do regimen-
t, insiallacod'asscmbta.
l'ouco depois do meio da, voltando os Srs. depu-
ldos ao recinto da asscmbla, o Sr. primeiro se-
cretario fez leilura de um omcio do secrolario da
ment de sangue.
Divirjo, pois do men Ilustre rol lega aconse-
jando cmara que approve a cleieao do Inga.
preeidida pelo I" juiz de paz, e aeonstlharia o pro-
eesso e punieaa dos perturbadores da ordem, se
nao fosseisso obrigaco das autoridades do lugar,
Pudra* de Fogo. Conormo-me com o parecer
do meu collega, o sou de opinio que se approve
a atajio da matriz,
sido feila a bico d
dente da provincia.
Pelo que fica dito, entendo que devem ser an-
nulladas as eleiedes de Jacoca e approvada* as
Do Livramento rom. 16 eleitores.
Da Alagoa-Grande com 21
Do Inga com...... 81
De Peoras do Fogo com 27
Do Pilar com...... 34
O tesuliado das eleiedes das freguezias onde
houve duplicatas, e que considero boas, d em re-
sultado 64 eleitores para o partido progressista e
So para o lado conservador, c esses eleitores, com
muito pequea differenea, votaram em seus respec-
tivos candida tes,
Assiui, quer sejam consideradas as eleieSes em
que o processo eleitoral nao foi perturbado por
duplcalas quer sejam consideradas as freguezias
em que os partidos procuraran! embaraear a victo-
ria dos seus contrarios por laes meios, o lado con-
servador se achou em maioria de eleitores.
Pnanlo, meu voto que, sem notoria injos-
tica, que nao aproveita aos partidos polticos, c
queso podem satisfazer interesses individuaos,
nao pode esta caniar i deixar de reconhecer como
legtimos representantes do 1
cia da Parahvba os Srs.
ment da referida taxa que fore u reclamadas pelo
servco publico.
Art. 7. Hevogadas as disposices em contrario.
Paco da assembla provincial de Pernambuco,
2 de marco de 1864.S. R.Buarque.
(Conttnuarse-ha.)
Kisnirso proferido pelo Sr. Dr. Cuaba Teixeira,
na segunda sessao preparatoria da assembla
provincial, no dia 28 de fevercire.
O Su Gcnha Teixeira :Sr. presidente, depois
de ter o^ta Ilustrada assembla ouvido o nobre re-
lator da commisso, e o nobre deputado que me
precedeu na tribuna (o Sr. Dr. Araujo Barros) pa-
rece que cu nao deveria mais fazer uso da pala-
vra, nao s porque reeonbeco a minha ineaiiaeida-
de intelleetual para sustentar urna discusso (nao
apoiados), mas lambem porque u io disponbo dos o-
nhecimentos precisos para acompanhar os nobres
depuindos, o segundo dos quaes dispoe de vasta in-
telbgenciae illustracao,e rene i isso a praticapar-
lamentar que rae falta. Assirn i farla, Sr. presi-
sidente, so por ventura nao se lomasse necessario
que eu destrua algumas propositos que aqu fo-
ram proferidas, e que de mim exigem prompta res-
posta.
Nao disse, Sr. presidente, que a commisso era
digna de censura ; nao disse que fura ella negli-
gente quando dera seu parecer em Tclayio ao Io
dislrleu eleitoral, o menos atada que proeurarra
proteger a causa dos eandidat >s do 2 dstricio,
quando mencionara o accresciino de 10 votos no
collego de Pao d'Albo.
Eu disse, Sr. presidenta que como os argumen-
tos estahelecidos pela nobre commisso em rclacao
a eleicao do Io distrioto lenham mais ou menos li-
gacao com os que foram apresenlados respelo da
do collego de Guian na, de mo lo que da approva-
cao da prmeira se iwdera depois tirar argumentos
em favor da segunda, quera cu previr isso, ou an-
tes protestar logo para que mais tarde se nao ex-
tranhasse que semelhaule que.1 to fosse ventilada
smente respeho do 2 districto.
Ao contrario, Sr. presidente, digna de censura
seria a commisso de verificacao de poderes, se,
encontrando na acta do collegic de Pao d'Alho o
aecrescimo de 10 votos, nao nos viesse denunciar
lal circumstanca, e neui eu Iba agradecera, pela
re r rauca, "o,,',"r^.^ I minha parle, semelhante oecultacab, pois deiejo
OS... Lumia TumBA : -Impvido e ello. aeonticerque a queslao de uullidades eomecasse
O Sr. Ara. jo Barros: -Quando a curamS3ao |M ^ d -
de pofrreS argu.o defeitos por augmento de cifras: )rr d \- ^ aesquer iuizes
na distribuicao dos votos do collego de Pao d Albo ni s' .' _,' -
nao poda ler em vista fazer relevar defeilos Ruacs, nheTr^de So (A^ aSt S mfc
t^)VS&<t l.l,egioJdeOo,an-
disiricto da provia-1 p^'^j^,,."^ comnimcan'd"o"que"pela "urna horada
tarde S. Exc. o Sr vice-presidente da provincia
: ^^^S^r^S^^ \ -.aiorio peranto a assembla pro-
' ^La0ai,!>!am^n'-ia,!L ii a* fnor<,im rt0 Sao nomoados para a commisso que tem de re-
lfikS*toLd^T,-,i"8-ero eebcr ao Exni- vicepresidente da provincia OS Srs.
-Jos,. Anlonw Sarama. _. ^ BraDd0i Bua,!que c ^ Pe(lr0.
Suspendeu-se a sessao.
REPORILA DO REi.IHENTO SOBRE AS COMMISsSRS PR
nm
L-se. e vai coniinisso de polica, a seguinte
indicaco :
Indico a seguinte reforma do cap. 7 do regi-
ment interno :
O presidente da cmara, logo depois de eleita
a mesa, dosignar os membros das commissoes,
vvptu as de rcsposla falla do throno, constitui-
dlo e poderes, fazenda, niarinlia c guerra.
Sala das sessdes, em 10 de fevereiro de 1864.
.4. C. limares Barios.
O Sr. Alvim requer que se nomeie um membro
para supprir a falla do Sr. baro do Porto-Alegre
na eommi'sao de manaba e guerra.
I) Sr. Presidente nomeia o Sr. Carneiro Cam-
pos.
0 Sr. Moreira Br.ANDAO :Sr presidente, leudo
no Jornal do Commirdo o discurso do Sr. deputado
Bezerra Cavalcanli acerca das eleicoes de minha
provincia, proferido na sesso de 22 do mez passa-
do, e publicado no dia 8 do crreme, em um sup-
piemente que anle-lwntem se d>tribuio, foi minha
IBtenco unmediatamente reclamar contra algumas
propo'siroes que se acham nesse discurso, e que
entretanto eu nao ouvir. assimeorno contra alguus
apartes que se me ftttribinin.inas qne nao sao nieus
mi esio aonslderavelmente alterados, ao passo
que entres foram desledos ou suprimidos.
Tendo, porm, desd* ento deixado le fiinccio-
nar esta cmara por falla de numero legal de seus
membros, s agora posso faser esta reclamaco.
com a qual pretendo nicamente restabelecer a ver-
dade do que aqu se passa, sem querer attr-
huir a proposito da parte de al.miem o que noto de
inexacto, assim nos meos apartes, como no discur-
so do nobre deputado a ipe'in me reliro
Quando li o discurso do Ilustre Sr. Leo Vello-
so, anierinrmenle publicado, eu lambem notei al-
gunai nexaelidoes, que nao deviam passar sem
reparo.
A' urna hora da tarde annunciada a chegada do
Exm. Sr. vice-presidente da provincia, reune-se de
novo a assembla, e sahindo a commisso, pouco
depois introduzido na sala S. Exc, que toma as-
sento e lo o seu rea torio.
Terminada leilura, S. Exc. retirase com as
formalidades do estylo.
Prucede-se a eleicao da mesa, que fica assim
constituida :
Presidente.
O Sr. conselheiro Trigo de Loureiro.
Vice-presidente.
O Sr. Dr. Pereira de Brito.
1 secretario.
O Sr. Dr. Buarque.
2 secretario.
O Sr. Dr. Jacobina.
Supplentes:
Os Srs. Drs. Costa Riheiro e Demosthenes.
0 Sr. presidente designa cara a ordem do da da
sessao seguinte a eleicao de comuiissoese discusso
de pareceres adiados.
Levauou-sea sesso as 2 c meia horas da tarde.
Facojustica honrada com isso de poderes,
sso nao cstou obrigado a pensar como
SESSAO ORDINARIA EM 2 DE MARCO
DE 1864.
PRESIDENCIA DO SR. CONSELHEIRO TRIliO DE
LOUREIRO.
s onze horas damanhaa. feitaa chamada achan-
do-se presente 29 Srs. disputados.
Abre-se a sesso, e lida a acta da anterior ap-
provada.
O Sr. 4" secretario d eonta do seguinte:
EXPEDENTE.
Requerimento de Jos de Vasconcellos, pedindo
se contrate com elle a piiblicaco dos debales da
assembla.A' commi-so de polica.
Outro de Ignacio Bento de Loyola, pedindo a
reintegraco do lugar de ollcial da secretarla des-
|KV apo-
commis-
Por ex'ioplo. quando elle tratou de suaadmsso ta assembla na va\-a que tem de baver
na proviiiea ja mencionada, disse que grande par- taitas mens amigos o tmbam >p tinao : cu flz for- sa je polica.
les reel.imaeoi's. prote>te eonira essa propo-ioao, Outro de Joiio Vicente de Torres Bandeira, pe-
de; apartes que tneram raapoatas de S. Exc. mas ain a esta assembla a gratilicaeode trezenios
nem aquellos neme-iasappareceram. ftntende-se mil ris. igual a que percebe o escrivo compa-
lambem da qnalifleaeta dos volantes da par orina nlieiro, concedida pela le provincial n. 244 de 16 de
do Prncipe, de raja lisia se apresentaram copias juulio de 182.-A' comntaao de pet^oes.
com urna numeraco alterada, e ouiras sem mime- sao lidos, a|>oiados era seguida approvados sem
racao alguma, apparece um aparte meu em que eu a--l.:itc os agolles reqaertaotrtoa:
allirmava ipie ,ssa uumeraeio havia 8dO feha de- Reqneiro quo esta assembla solicite da presl-
pois de se tirarem asprimeiras rpiat, como se me jencia as segumtos informaeoes :
occupawe de nm facto de que livesse perfeiio co-! i. (jin qUaiiro das obras provinciaes construidas
iibecmieiiio. quando o qne en disse foi simplesmen- ,, reparadas nos ltimos cinco annos, com consig-
lo que era islo de suppiir em vista dos docu
manto*.
Obscrvei anda outras nexatdes mais ou me-
nos mves ; entretanto, leudo em vista que esse
cavalhero nao contiuuava a fazer parle desta c-
mara, e nao querendo suscitar questes que podes-
sen pareeen ociosas, deixei de apresenlar a inintia
reclamaco.
naeo do iiantum aos seus respeetivos orcamen-
tos", os abatimentos com que foram arrematadas ou
a importancia eflectivamente despendida por ad-
ministradlo, quaes as que foram encampadas, e
um resumo das razos que para isto houveram ;
2.'' Copia do contrario celebrado para a cons-
li-ucean da ponte de S. Joo, e de todos os docu-
mentos relativos as inodii.-aeoes propostas rcen-
se, porm, proced assim as circumstancias que teniente no systema de soa eonetrucco
expuz, hoje nao posso fazer o mesmo, sendo as cir- 3. Copia das modilicacvs felas o contrato do
cumstancias differentes, e despertando a minha al-: caleameato da cidade em virtnde da resotOfio da
tenco assumptos muito melindrosos. Vou, pois,' assembla relativa a e.-to objecto ; c informaeiVs
cumplir o que reputo um dever meu. sobre todos os nonios do referido contrato, queieui
O nobre deputado fallando do presidente da m-' suscitado duvidas na execucao da mema obra, e
nba provincia, Iralou-o da maneira a mais desfavo-, sobre as providencias tomadas ou recommeildadas
ravel, procurando deprimir o seu carcter ; e a es- pela prc-dencia para resolve-las ;
te respeito nao se v de minha parte um protesto 4." Fin quadro do actual pessoal technicoe ad-
ao menos, ou a mais bgeira observarn I minstrativo da repartirn de obras publicas com
Nao era possivel que eu ouvis-e silencioso o que
se djssc contra um carcter honesto, contra um ci-
dado distincto, ; quem nao posso deixar de tribu-
lar nesta occasia como sempre, meu sincero res-
peito.
O nobre deputado chegou a ponto de mpniar a
esse digno presidente o fado de ter falsillcado, ou
concorrido para a falsiflca^ao de documentos ; e
apenas em contrario vem um aparte a iniui attri-
buido, desta forma :>ao crea nisso.
Declaro que proteste!, a protestel energicaineo-
te. contra tudo quanto neste sentido se enunciou.
Fallou-se tanr.bem de amitos e importantes ami-
gos ineus, a .-csanles injustas foram feilas a fuuc-
conarios de ama ordem elevada, e os apartes que
dei ou se nao publiearam, ou se acham completa-
mente alterados.
Assim, por exemplo, fallando o nobro deputado
do juiz municipal e do juiz de direito da capital,
lisse. que bavi grande differenea entre um
designaoo dos seus vene!meatos
3.* Urna ola do excedente das barreiras que se-
ria necessario estabeleeer as estradas provinciaes,
seopedagio fosse cobrado em distancias succes-
sivasde tres mil bracas, ncouipanhada do orna-
mento das casas de guardas que para sso crain
indispensavei-
G." Copia do relatorio(se houver) ou inforoiarao
do respectivo lical acerca da lluminacao dcsla ci-
dade.S R.Buarque.
Em additamento ao requerimento do Sr. Buar-
que.
Quanto se dispendeu com a construrom da pon-
te provisoria do Recfe, quanto se tem gasto em re-
paros e desde quando estava em andamento;
(Juaoto se tem gasto a cinco annos para c com
os reparos da ponte da Ba-Vsta, qual o esta-
do em que se acha.Sabino Olegario.
Requeiro que se peca ao governo da provincia
urna informacio circunstanciada acerca dos pon-
mas por
ella.
O que desojo 6 salvar a minia coherencia entre
a eleicao de Pao d'Alho e a de Coianna. O que nao
desojo que mais tarde possain julgar-nie contra-
dictorio no modo de considerar 3ssasque>loes. Nao
vou para esta casa cam prevengo alguma ; e as-
sim devo declarar, de preferencia ao nobre depu-
tado, que tanto me nterrompe com sons apartes
que serei juiz to imparcial para com S. Exc, como
para o Sr. D. Mamede, enjo nome fui aqu invoca-
do lao extemporneamente, e devo atada declarar
que entre mim e elle ex'istem menos relacoes do
que entre mim e alguns dos candidatos eleicao
por Goianna, e que se achara neste recinto.
Um Sr. Deputado : Estamos diseutindo os
nomes ?
O Sn. Clniia TKrxRiRA :Ni. Fago apenas al-
gumas observacoes sobre que disse o nobre depu-
tado a Sr. pr.Nabor, em apartes Desojo nao veres-
la discusso tornar-se calorosa, como poder ;u'on-
tecer |ior forca das pruvocagoes do nobre candidato
por Goianna (o Sr. Xabor) que, semduvda por de-
leito de memoria e nao de vout ide (quero acredta-
lo) entendeu dever refererr-se a algumas pbrases
que n.io foram minhas.a respeito de documentosque
disse exislirem em meu poder. vordadequei-sis-
lem ; mas nao f ji encamnhad) por mim o Sr. Dr.
Mamede, como avancou o nobro dopulado, nein foi
elle quem me minUtrou taes d( cimientos. Se o no-
bro deputado comprehendeu do que Iho disse eu o
contrario disto, a culpa sua.
Convngase o nobre deputado c toda a casa, que
nesta questo s proeuro salvar a dgndado de
meu voto, e com isso concorrer para que a justiea
nao soja preterida. Quando se. tratar da questo
de Goianna, smente traiarei du apreciar os fados
para poder julgar cora impareialidade, pouco m
importando saber quem liguri como candidato,
quem com a innullaco do collego de Goianna lu-
crar. Possuido desies desojes, farei jusiiea recta,
e declaro mu soleninemenie |ue meu voto de
minha ronscieneia,da causa da justiea, tenlia quem
a ti ver por si. (Muito bem).
Bm relacao ao adiamento, ir. presidente, meu
proposito como j disse urna vez, mostrar casa
que nenhum accresciino de volos se deu na elego
de Pao d'Alho, oque pretend conseguir coma
apreseotaeia que hei de fazer da acta que existo
em meu iwder, o manifestando me contra a appro
vacao desse collego antes de verificar-se a nao
existencia do tal accreseimo, ijuero harmonisar o
meu procedimento em relacao a esia questo e
de Goianna, da qual se oceup tambera o parecer.
O Sr. Demostiiknes :Mas ulga ou nao millo o
collego de Pao d'Alho ?
O Sr. Cumia Teixeira uslamonte para po-
der resolver esta queslaa que ;u peco o adiamen-
to, porquanto mostrando, nnm i iirntaiitn aiostrar,
que tal accreseimo se nao deu, nao poderei opinar
pela nullidadc desse collego, respeito do qual
alias nunliuma outra falta se arge.
Mas, se nao pudesse coiiserfur a prova de que
nenhum acrescono de votos se.d ,'U,eu consentira na
nulldade desse collego, apezar de haver receblo
a honra de ser o mais votado nesse pleito impor-
tante, em que tomei parte: ede feito,Sr. presiden-
ie. sement a circumstanca de se ter procedido a
eleigao nesse collego no da sezuinie ao era que se
proceden nesta capital, seria s ilh'ciente para justi-
ficar alguma argoico de irraularidade eleleo
do I* districto, se o resultado de ambos os collegios,
ein relacao aos nove deputades nao fosse o mesmo
que o do collego do Recfe, salva a graduago na
ordem da volago.
Mas o collego de Pao d'Allu, cumpre notar ao
nobre dopulado que me interi ellou pedindo nun
juizo sobre a nulldade dense cfllegio, oioaprsen-
la outra falla alm desse prelandido accresoinM
de 10 votos, e assim, como un possam ler os no-
bret depulailos, como eu, couvic^o da regnla-
ridade que houve nos respectivos trabalbos, cum-
pre esclarecer esse ponto para i,uo se d urna deci-
so justa.
Um Sr. Depi tado :Logo, no o acha millo f
O Sr. Cuuha Teixwra : h eu j disse que o
julgava nullo ? Pedi o ailiaine ito para pdennos
entrar en discusso mais larga, e por desojar a
apresenlar a acta que tenho em Dea poder,|K)is sor-
prendeu-mo a allegaco de.ssea'crescmo ; porm,
nos nobres deputados, se nao se convencessem, por
oecasiao dessa discusso, da regularidad)' dessa
elego, e de ser -o accreseimo filho de um meio
eugaiio, cumpriria proferir sua annullaeo.
O Su. Silva Barros : Mas o Kibre deputado nao
pode jamis contestar a asserg i da commisso.
O Su. Cumia Teixeira :Nao ponbo era duvida
convencido
que a Ilustr cominissao de poderes nao preten-
den de forma alguma despertar nesse ponto a bene-
volencia dos nobres deputados, nem levantar sobre
suas eabeeas urna espada de dous guies (apoiados);
ella nao poda ler em vistas senao o liel desempe-
nbo dos seus de veres, dar cinta exacta e minucio-
sa de ludo quanto cncnirou as actas, que foram
submettidas ao seu conbecunento. Si desse exa-
me ellaeoJhosse que a eleicao de Pao d'Albo devia
ser declarada nulia, sem dvida algurna o procla-
mara, sem estipular transaeeoes para o que se diz
existir na acta de Goianna.
Eu, pela minha parte, estou muito convencido
que a eleicao de Pao d'Alho corren regularmente,
assim como corren a elego do collego do Recfe,
e jior essa razio que pego seja approvada a elei-
cao desse districto.
E verdade que me consta haver no collego do
Recife urna lista de meuos, alientos os votos distri-
buidos nesse collego...
( Ha um aparte, i
O Sr. Araujo Barros... por essa razo se
poderla pedir lambem a nulldade desse collego ;
o nobre deputado, que encetou o deba :e, com aquel-
la independencia de carcter, de que nos tem fal-
lado, poda por semelhante noticia pedir que, visto
haverem duvidas tambera sobre o collego do Reci-
fe, se iratasse primeiro das eleigoes dos demas
districtos, llcando as duvidas sobre o primeiro pa
ra nlterior rcsoiaco desta cmara.
Se o nobre membro procedeaseassm, eu nao fi-
caria mais convencido da nobreta de seus sent-
mentos, nem faria inclbor juizo do que fago acerca
de sua independencia porm tena cortamente
duplo motivo para applaudir o seu | rocedm Mito.
O Sr. CinhaTeixeiiia : Declare que, se fos-
se posta em duvida minha elego, se ella tivesse
vicios, sera o primeiro pegar no chapeo e reti-
rar-rae.
O Sr. lamo Barros : Mas, havendo no seu
districto as fallas, que apontei, nao propoz a nulli-
dade do mesmo.
Um Sr. Deputado : Porque nao reconhece
que haja motivo de nullidadc
u Sr. Araujo Barros : Do que tenho expos-
to, Sr. presidente, v-se claramente qual o meu
pensamento. Desojo que se approve, quanto antes,
a elego do primeiro districto, para que possa
abrirte a assembla no da fixado fel le; para
que possa instituir-sc, quanto antes, o debate, para
o qual se nos empraza arena da eleicao de Goian-
na. Nenhum de nos deseja aqu linar, se a sua
eleigao nao fr legitima. Nenhum do ns deseja
lambem entrar no debate de Goianna s Dlo pra-
zer de fallar, mas por amor da moral.lade do res-
pectivo cobVgio, que pretendemos tirar a lirapo.
Voto, portante, para que seja rejiitado o adia-
mento projiosto pelo nobre deputadi, e para que
seja approvada a elego do Io districto.
Vozes : Muito btn, multo bem.
Disrnrso do Sr. Dr. Araujo Barros, pronunciado
na sesso de 2n do passaiio.
O Sr. Araujo Barros :Sr. presidente, preten-
do dizer muito poucas palavras, pir isso que se
nao trata agora da elego de Goianna ; trata-se
apenas de saber, se deve ou nao sor addiado o co-
nbecimonto da elego do Pao d'Albo, segundo foi
pedido pelo nobre deputado do primeiro circulo.
Mas anlcs que eu diga alguma co isa sobre esta
malcra, V. Exc. o a casa me permittiro que ma-
nifest aqui o pezar de que me acho possudo pela
maneira calorosa, animada de mais com que o no-
bre deputado encetou a discusso nesta casa
(Apoiados). O meu pozar tanto mais profundo,
Srs., quanto o nobre deputado parece-me al mos-
trar grande prevengo contra o orador que est di-
ngiudo agora a palvra este angosto recinto.
O Su. Ginau Tkixkira :Nao ap.iiado ; foi at
o nobre deputado que me provocon ttribuindo-me
urna asneira, porque eu me referindo Pao d'Alho
om termos bem claros, o nobre deputado disse-me
que euavangra que tinha havido partilna de vo-
tos, querendo suppr qae eu tiuha dito una as-
neira.
O Su. Araujo Iaruos :J aeaboil ?
O Sit. Coma Teixuira :Sim, senhor.
O Sr. Araujo Barros :-----Foi por isso mesmo
que disse, achar-se o nobre deputado armado de
grande prevengo para coniigo, por |uaulo apeuas
0 nobre deputado aprosenlou urna proposieo, eu,
sera querer de modo algum moleslalo, (e nao en-
trar jamis e:n minlias intences molestar a ne-
nhum de meus honrados colegas), perguntei ao
nobre deputado se os votos de Pao d'Albo se ha-
viara partlhado, como me pareceu haver dito. Se
assim tivesse acontecido, desse facto quera eu ti-
rar argumentos quando houvesse de fallar. Sendo
assim v, o nobre deputado qua nlerpretou muito
mal as minhas palavras; entretanto se eneber-
gou nellas alguma falta de attengo para com a
sua pesada, pode fazd-lo sentir, que do muito bom
grado retirare! tudo qumo possa parecer olTonsa,
pois tenho iulenccs de dar-lhe constantes provas
de deferencia.
O nobre deputado requercu com instancia fosse
adiado o conhecimento da elego do Goianna, di-
zendo querer resguardar nos direitos sobre o que
para o futuro houvesse do dizer acerca da eleigao
de Goianna, e declarando nao ter me lo de entrar
e.n nova lula eleitoral, pois estava eerto de que o
eorpo eleitoral do primeiro districto, se fosse an-
nullada a respectiva elego, o maniaria de novo
liara esta assembla, se* o julgasse credur dessa
honra.
Acredito pamente as synipalhias, cora que o
corpo eleitoral do primeiro districto distingui o
nobre deputado, enjo nierccimento reeonbeco.
O Sr. Cumia Teixeiiia :Obligado.
O Su. Nabou :Eu al Iho da va o meu voto, co-
mo eleitor.
OS. Araujo BAimos :-Maa tique o nobre de-
putado convencido que nenhum dos candidatos do
segundo distncio desojara ter asse lo aesta casaj
se nao livesse conseieneia da lesTliraidade de sua
eleieo. Cada um delles lera dignidad* de sobra
para reeeber com toda a calma qualquer pronuu-
ciaineuto desta tesembla.
O Sn. Coima Teixeira : Essa queslao por ora
anilla e prematura ; quando tratar-se de Goianna,
bao, porque ento lalve possa dizer. que um
depntado que se empenha para que o collego nao
Seja declarado nullo. nao mostra muito desnle-
resse de estar nesta casa ftrocam-se muitos outros
apartes.)
O Su. Aiiaujo Barros : Senhores, quem tem a
palavra sou eu.
O uobro depntado (para o Sr. Cunha Teixeira i
mostra paiiio pelos apartes ; eu desojo nao acora-
paulia-lo ueste terreno, porque nao queria alongar
o debate.
Entretanto, j que o nobre deputado falla em
desinteresse, e censura haver quem se tenha cm-
penhado para que a elego do eollegio de Goianna
seja approvada, dir-llie-hei que se ao nobre depu-
tado ha constado que tem liavido empenho naquel-
le sentido, aos seus adversarios nesta questo tem
constado lambem que mais novos empmhos e so-
liciiaees tem havido para que semelhante eleigao
seja milla.
O amor de patria, e o sentim^nto do justiea nao
conslituem o patrimonio exclusivo de pessoa al-
e ou-
tro, vem logo abaixo um aparto que se diznesse i tos i|ue roclamam agencias para aarreeadago dos
lerreno o ubro deputado est de melhor partido do impostos de exporlaco sobre os productos nacio-
quo en. jaaes que sao enviados ao mercado dota capital.
Nao possivel que dssesse isto, porque seria 8. ILBuarque.
urna conOrniacio do que o nobre deputado arabava Julga-se objecto de delberago e manda-se im-
qoe estava sua disposeje j de deeJarar ; o^jue eu disse foi que S. Exc. estava jpriuiir o seguinte projeclo :
A assembla legislativa provincial
na freguoyia do Pilar, elei.;o do Inga, adiada pe- |eiu melnores condges fallando contra pessoas de
io jmt de paz, em eonsequencia dos acoBiecmentos meu lado, porque eu nao me atrevera a vir neste
de que d coma o juiz municipal, para o dia 23. : recinto injuriar meu: adversarios.
9 secretaria do presidente mandado para n- Podia aqu ocerjpawne taubem de mim, a quem
stk a b ii io de Inga, refere o raso de couformi- o nobre deputado dirige algumas expressoes que
dade com a informaco do juiz municipal, se podem eonsiderar oll'ea-Kas ; mitou-inc porem
O juiz de direito da comarca, Dr. Oliveira Ma- a dizer que sao do nuuiera iJaqucllas que noouvj,
ci. I. M i r.laiorio ao presidente, diz acerca ido quando S. Exo. fajlava.
objecto 0 -e(/uinte : Pago estas obeservacSes, porque nao quero quo
No Inga, |wrm. no tereeiro dia (It de agosto), m tem|io algum se interprete iujevidai.nenteo meu
a parci.-.liilade contraria ao juiz de as. mais vo- p"ocedimento. Do men silencio ou dasniinlias pa-
lado que presidia a mesa, desenntlada que [er- lavfas aceito a responsabilidade : o qjio nao posso
dii a el-igo, provocou urna desordem tal, que couse/itir que passe como meu o que jnenao per-
resnlton uearem forillos o juiz de paz. subd de- leiice.
gndo e mais tref individuos, pelo que o mesmo Sr- presidente, eu nao quero provocar urna dis-
de Pernam-
bueo re sol ve
Afi l.'A tarifa da taxa das barreiras ser de-
cretada anaualmeute na lei do orgamenro.
Art. SL* as entradas provinciaes a laxadas bar-
reiras dever ser niUbfilorlda em distancias suc-
cessivas de tret; mil barcas,a comogar de um pun-
to determiiudo da cidade do Recife.
Art._3. Pea suppriiuido u pedagio das pontos
que nao furein construidas as expensas de parti-
culares que legalmeiito obleunan coHcessoes para
percebe-lo como benelicio ou awortisaeo do ca-
pital nellas empreados.
Arl. 4;' Logo que a receitade ums ou mais bar-
reiras fr Aulliciente para a cobscj'vacuo da eslra-
o que diz a commisso. J camine! a copia da guia, pelo que muito provavel que aquellos sen-
acta, c vejo que realmente existo nessa acia tal ac-1 tmenlos nao actuara s no corago do nobre depu-
creseimo. tado, mas imnbem no dos seus co.legas. Para que,
Um Su. Dei'utado :O accresciino de 9, e nao pois, eomecar com lanto calor e impaciencia?
de 10 votos. (Trocam-se apartes entro o Sr. Xabor c Cuuha
O Sr. Cusma Tkixkira :Perdo. mesmo de Teixeira.)
10 volos, segundo a somma ((ue llz, c nisso andou O Sa. Aiiaujo Barros : Pelo que se esl pas-
acerlada a commisso, e |ior ;er o accreseimo de sendo, veja que ha grandes prevengdes contra os
10 votos quo eu o attribuo a; Igum engao no es- candidatos do segundo districto ; que o eollegio do
crever o numere de decenas de votos de algum Goianna lera de ser largamente dheutido ; que
candidato, sendo qne anda devo accreseentar que muitos faetos e documentos vio ser apresenlados
mudos interessados que se a^liavam prsenles a contra a sua validado. Apparegam essasprovas,no
apurai/io do eollegio de Pao d'Alho ouviram deca- documentos com que tonos anieagailos, que esla-
rar se <|uc o resultado combinava com o numero mos prorapto para o debate,
do votos que as 81 cdulas deviam produzr. O Sn. Cumia Teixeira : D-me licenga para
O Sn. Silva Barros : Pois bera, ludo isto pesou um aparte ?
no espirito da commisso.
0 Su. (a-nuaTiixuira : Por lauto, Sr. presi-
dente, v-se de ludo quanto ho dito, que nao bou-
ve de minha parte proposiiodi offundor a commis-
so quando requer o adiami nio. A commisso
fez o seu dever, e eu cumpro o meu, requeren l>
esse adiamento para poder apreciara questo de um
modo conveniente, pois desoje que o collego de
Pao d'Alho lique a salvo de una suspela, se quer,
de nulldade nessa elego para membros desla il-
ii S Araujo Barros : Nao sou eu quem diri-
ge a discusso.
O Sn. Curan Teixeira :Guardemos tudo isso
para quando se tratar da elego de Goianna.
O Sr Araujo Barros :Como esse o meu
desojo, satisfago o nobre deputado com bastante
prnaer.
Sr. presidente, entendo que neo neeessaro
adiar-se o conhecimento da elego de Pao d'Albo.
Os defeilos, qne I he sao argidos, nao lera valor
lustrada assembla, e por sso qne folgo de ver' no meu animo, e eu, que nao receto que os nobres
que a commisso c os nobre.' deputados reeonhe-
eem e declaram francamente que a eleicao de Pao
d'Alho e de todo o l> dislricto urna eleicao, que
nao pode ser considerada milla.
Submetto, portanto, meu r 'querimento sorte
que o aguarda, e qualquer qu; soja o seu resulta'
deputados do primeiro districto sejam juizes sobre
a eleicao de Goianna, apresso-me em pedir a ap
provago desse collego.
Se receasse alguma rousa esse respeito, teria
proposto a nulldade de lodo o primoiro districto
por uiotivos, que nao me fallaran), e quando nada
na, aeerca do qual se tem dito mutas cousas era
voz b.iixa, e se tem ouvido tambera grandes alari-
dos (apoiados da esqoerda) por parle dos inte-
ressados.
RBYISTA DIARIA.
A assembla provincia!, na sesso de sabbado
passado, approvou em prmeira discusso o pro-
jeclo n. 1 deste Tinno, que regula a arrecadago do
imposto de Barreiros ; em segunda o de n. 2, que
marea o subsidio e ajuda de cusi dos deputa-
dos provinciaes na prxima futura legislatura ; e
adiou, remetiendo respectiva commisso. as pos-
turas da cmara de Nossa Senhora do O' de Ipo-
juca.
A ordem do dia para boje comprehendo a dis-
cusso do projeclo n. i de 1860, do n. 2 de
1860, 2* do n 30 de 1862, e costuras da cmara
de Flores.
Hoje pela manha reune-se a junta de quab-
ficagao desta trcguezia, afim de, dentro dos das da
le, acceilar as reclamaces que possam ser bitas.
Os exaraes de preparatorios, feitos nos das
2 e 4 do correte na Faculdade de Direito, deram
o segiinle resultado :
Em rbeterica foram approvados plenamente '.l
e simplesmenle 8.
Era geometra foram approvados plenamente 3,
simplemente 6 e reprovados 2.
Pelo governo imperial foi approvada a auto-
lisae'o. ipieconcedeu a presidencia para que osein-
preiuiros da ponte de ferro do Recife deem s ca-
li vi as da mesma ponte urna elevaco de mais de-
dous pos, visto assim couvir aoseu perfeicoamen-
t, e i navegaco de pequeos barcos que frequen-
tam n rio.
O Sr. Emilio llidoulac reassumio as funecoes-
de cnsul da Dinamarca nesta provincia.
Permiltio-se ao commandante do corpo de
palie a a darbaixa ao soldado Jos Antonio dos San-
tos, |>or haver flnalisado o seu engajamento, e
bem assim a contratar para o servco do mesmo
corpo os paisanos Sebaslio Jos Velho Brrelo e
Trajano da Silva Pereira que foram considerados
aptos para esse lira.
Foram designados para examinarem nos con-
cursos a que so tem de proceder perante a direc-
tora geral da insiruccao publica no da 9 do corra-
te os professores de instrnecao elementar Simplicio
da Cruz Ribeiro e (ieminiano Joaquim de Miranda,
bem como a piofessora Emilia Candida de Mello
Lun, e no da 11 os professores padre Vrente
Ferrtira de Siqueira Varejo e Miguel Vieira de
Barros Marreca.
_ Acham-se em concurso os omcios de par-
tidor do termo da Boa-Vista, accomulando nm
as funecoes de contador e o outro as de destrbui-
dor, s por isso devem os pretendenles apresenlar
seus requerimentos instruidos na forma da lei
dentro do prazo de 60 das.
Na mesma coaformidade tambero acha-se em
concurso o oflcio de escrivo privativo do jury e
execuces criminaos do termo da Eseada.
Hornera verificou-se, no salo do caes do Apol-
lo, a inaugurago da nova soeiedade dos Artistas
Al faites a qual foi bem concerrida, orando diver-
sas pessoas particulares e os cominiltentes das di-
versas associages que convite coneorreram.
De nossa parle fazemos votos para que o futu-
ro della se anlolhe mais brilhante para essa parte
de nrissos artistas, que j foram victimas de atrozes
dteepnSPs.
Honlem S. Exc. Revm., era soa capella, con-
ferio ao Revd. Luz Ferreira Nobre Pelinca a sa-
grad.! ordem de presbyiero.
Dotado de coudueta excellenle, de intellgencia
robu la ; dedicado ao pulpito, onde j tem um no-
me I em firmado; de corago Urano e maneiras af-
faves, foi sempre o Sr. padre Pelinca considerado
e eslimado por lodos estes predicados, jue ornam
o sen carcter de sacerdote e de hornera particu-
lar, pelos directores, lentes e companneiros de
seminario, e por todos quantos teem a dita de ro-
nhoce-lo : assim, pois, enlra para o clero um doto
membro, que faz-lbe honra.
O Sr. padre Pelinca natural do Ro Grande do
Norte, e pretende na capital d'aquella provincia,
para onde seguir no dia lo, celebrar a sua pr-
meira inissa no da de Psenos.
Sobe a 82 al esta dala o numero dos eolle-
giaes internos do seminario de Olinda, cujos traba-
dios de conformidade com os eslatutos tivoram
principio no da primeiro do rorrente : a direceo,
confiada ja a cinco annos aos Revms. Srs. conegos
Jos Joaquim Camello de Andrade, como nitor, e
Jos Marques de Casiilho, como vice-reitor eami-
nba oa melhor ordem e prosperidade possvois.
De eerto, ali'in#de outios raelhoramentos mate-
riaes, observa-se o adaniamento, que lem tido, a
reediflcago do corredor do lado do poente; e se
accresceutarmos o zelo, |ue ellos tocm |)or aquelles,
que Ibes sao condados, unido morahdade, anda
nao narea.la, nobreza de carcter, mui>a prudencia e
resp.'ito, de que gosam, pdese concluir, que a ins-
piraco presidio a nomeagao d'aquelles dous sa-
cerdjies, para dirigir urna casa de educaco da
ordem do seminario.
Em S. Francisco de Olinda tem havido ser-
inoes no domingo lardo como era de costume.
0 guardeo actual, Revd. padre mestre Fr. An-
tonio de S. '.amulo de Lellis, cuio zelo por sua or-
dem bera condecido, tem trhado o mesmo ca-
lumbo do seu digno antecessor.
O Srs. conego Joaquim Ferreira dos Santos, e
padie Jos Esleves Vianna leem sido os prga-
dores.
Remoitom-nos o seguinte :
Senhor redactor, perraitta-mc que tome um
pequeo lugar em sua Revista para fazer algu-
mas ponderaces acerca do jogo da bola, que sen-
do tolerado pela polica, cora tanto gosto e fervor
se ha propagado nesta freguezia de S. Jos pon-
to di j tres casas se contaren! no correr da ra da
Concordia.
Nesse innocente passa tempo, frequentado par-
ticularmente por homi-ns artistas, trabajadores e
at menores, joga-se forte dinheiro ; e negocio
tal e io bom, que s ao dono da casa, dizcm-me,
render dezeseis e vinte mil res por dia I!
l'odemos calcular de quantos transtornos, ri-
xas e desmandos nao sero orgeiu laes rasas, |>or
que, ah vemos assiduamente um numero extraor-
dinario de individuos a jogarcm, perdendo uns e
grabando oulros ; e de eerto, que ah alguns dei-
xaro mutas vezes, o pouco dinheiro que deveriam
appluiar mamitencao da mulher e dos fUljinhos.
que por isso sero sacrificados a foine e a nudez '.'
I'm destes dias, ao passarmos por urna dessas
casas vimos dous individuos, que se retiravain fu-
riosos, e que no meio de ameagas, jogavain-se as
maiores obscenidades, de sorle que por ultimo de-
saliaram-se e tomaram para os fundos da referida
ra da (/incordia : quera sabe, qual o resultado
desse desalio II
Quantos perdendo o habito do irabalho, arras-
Irados por tal divertiinento, nao se esqaecerio dos
seus deveres, e nao encelarao o carainho do vicio! f
Impunemente pode o hornera que nenhuns
meio; tem, alm do bom emprego do lempo, ah
perder dias e das de trabalho ; e por Bm, comc-
supprir elle suas necessidades, e quic as da/fa-
milia ?l
Tambera nunca vimos tantos roubos. e furtos,
alerta pois, cuidado com a moralidade publica, cui-
dado em previnir os enmes, que sempre ser me-"
Ihor que puni-los.
O comparochiano de S. Jos.
Repartiqao da polica.
Extracto da parte do dia 5 de margo deI86i.
Foram recolhidos casa de detengao uo dia 4 da
com nte:
A' ordem do Illm. Sr. Dr. chefe de polica, Alci-
xo, africano, escravo de Antonio Baptista, sera de-
clarago do motivo.
A' ordem do Dr. delegado da capital, Sabino Joo
Clin ac da Cruz, pardo, tambera sem declaragodo
motivo; Jos Baptista de Mello, branco, para cor-
reevo.
A' ordem do subdelegado do Recife, Jorge Etu-
per, grego, os pardos Manoei Antonio de Azevedo,
por uriga. Pedro Jos de Mello, Domingos Miguel
dos Anjos, e 'os Joaquim da Silva, todos para ave-
guages policiaes.
A ordem do do Santo Antonio, Candido Jos Tei-
xeiri, Jos Alves de Soma, brancos, Joaquim Jos
da Silva. Indio, os pardos, Kaymundo Jos de Lima,
Jos Teixeira do Souza. Cosme Jos da Cruz, Ma-
iiiel Moreira, e Pedro Augusto Giiimares. nl'i
no, lodos para rorrecgo; os crioulos, Antonio,
Francisco, e Joaquim, escravos, o primeiro d Joa-
(iiiin Jos de Olinda Tavares, o segundo do baro
do l.ivramenio, o lerceiro da viuva de Manuel 6on-
calvis da Silva, osles por fgidos e aquelle para
averiguages.
ImHmmi


...
Alarlo de Pernnmbiieo Wegnnd tlr t de .Harto de 18414.
3
1
i-

K' ,: da de S. Jo-i'-. Dionisio Benedicto,
irinr.li', por Infraecio de posturas.
A" ordem do da lija-Vista, Jacintho do Reg Mei
re I '>. portugnei, por embriaguez-, Mara do Kspi-
rito-Sanio, parda, por suspeita de estar fgida.
O chee da 2.' screao.
J. G. de Mesquita.
Lista do baptisados ocasaiuentosdafregaezi
il Sanio Antonio, un fcverciro de 1864.
Iguez. parda, lilha do asila, oserava de Lidia
Joseplia Ferreira.
Antonio, pudo, filho de Maria escrava de Josc
Franri-co Lourenro.
Joo, brco, tiio legitimo de Basilio Baptista
Tunado.
(Mona, parda, fUha legitima de Manoel Stverino
da Cruz.
Mana, branca, lillia de Auna Jaeintlia deSouza.
Maria, branca, lilha legitima de Eliodoro Franeiscc
da Cruz.
Alvaro, branco, filho legitimo do Dr. Alvaro Ca-
millo Tavares da Silva.
Ol.mpia, branca, lilha de Josepha Candida.
AnWnio. branco, lillio legitimo de Aotonio Josc
Fernandos de Castro.
Emilia, parda, tilla de Mathilde.crioula, escrava
do Ciando Dubeux.
CMhilde, branc, lilha legitima de Manoel Bento
de Oliveira Braira.
Flomno, branco, lho legitimo de Jos do Espi-
rito-Santo,
Matlnlde, branca, fllha de Constancia Goncalves
lonil.i
Amelia, parda, lilla legitima de Manoel Alexan-
" -4lre- ,
Idalina, branca, fllha do Henriqueta Sunoa de
Abre i.
> Juba, [tarda, fllha de Bernardina de Sena Brito.
Amelia, branca, filha de Ernesto Uenuogenes da
Silva.
Carmelina, branca, flllia legima de Thomaz Jos
da Costa.
Joaquim, branco, filho legitimo de Joaquim Ri-
ardo.
Jos, pardo, lilho de Vicencia Maria da Concei-
Francelino, branco, filho legitimo de Manoel Dias
fonaudes, baptisado antigo agora lanrado.
Francisca, branca, fllha legitima de Francisco de
Si Brrelo.
Maria, branca, filha legitima de Antonio Marques
Finas.
Adeb-rida, branca, filha legitima do Dr. Alexan-
die Percha do ('.armo.
Casamento.
Rom ngos da Silva Campos, com Carolina Maria.
O vario,Fwnco llenriques de Rezenie.
Pusageiros do vapor nacional Parahyba,
anido para Sergipe e porlos intermedios : To-
bas Gmzaga, 1 escravn a entregar, Cyprano de
Sonta Helio, sua senhora e 1 fllho menor, Theodo-
s i Uabullo Luz, Laurentino Peixoto dcMenJonca,
Antonio Ccfroni, Jos Florentino de F. Leao.
M mnenlo da casa de delencao, do dia i do
narco de 1864.
Existiam ... 352 presos
Entraram. 27
Sahiram 19
Existem.... 360
A saler :
Nacionaes. . 233 presos.
Estrangeiros. 32
Muliicres . 6 >
Estrangeira . 1
Escravos . 63
Escravas . 5 .
360
136
marco
Alimentados custa dos cofres pblicos..
Movimento da enfermara no dia 6 de
do 1861
Teve alta :
Anvmando Jos de Lima.
teve haixa.
Aleixo, estrave de Antonio Baptista, eontusiies.
Obituario do da 4 de marco, no ceuiterio
rniLico.
V rutina Tibnrcia de Mello, Pernambuco, 27 annos,
la, Boa-Vista; phtvsica pulmonar.
Antonia Maria d* Conceicao, Pernambuco, 30 annos,
solieir i, S. Jos; phtvsica pulmonar.
Dia 5
Francisco do Carino Marlins, Pernambuco, 70 au-
no-, viuvo. Boa-Yuta; erysipella.
Antonio Jeronymo, frica, 50 annos. casado, Boa-
Visla hepatite chronica.
Anna Francisca da Costa Guimaraes, Pernambuco,
37am w, casada, Santo Antonio; phthysica.
Felippe Netos Garateante, Pernambuco, 48 annos,
casadi). S. Ji >s bexigas
Maria Latina de Ramos, Pernambuco, 2o anuo*,
sollcira, Boa-Vista; gastroioterile.
CM POUCO DE TODO.
Do Peiil Journal traduzimos os seguintes lac-
ios
Em um merlina publico, que teve lugar em Abor-
de en, ass;nlou-se em erigir una estatua a r.miha.
Daaaeoiarausaotbi nomeada para tomaras pro-
vi Jenciai precitas alim de realisar tal objeeto.
As exequias de monseulior Hughes, arcelmpo ca-
holico d Xow-York. foram foilas OMH pompa.
O Im i.a-s americanos dio a deseripsad depar-
t la da cremonia; e esta foi effectvaineni.e ina-
jtMeae.
Urna nultidao consideravel atropellava-se na ca-
lli;dral, u toraava as portas.
0 cnsul geral d Franca, ochancellerc todos os
empicha los do consulado, o capitao de Mari vault,
niiiammlMtii da Tisiphone, e seus oflictaes lizerain
parte do cortejo.

>ie mez de mareo teria de seguir urna cara-
vana para a Terra Santa, sahndo de Marsellia.
Trans novemos da Revista Mensal da Soctedade
Mnsaios iliterarios o que segu :
DKsF.SCKUAM.V
Era n > alvorecer da existencia quando as flores
pirfumam os campos riJent^s da phantasia, e a al-
ma se litro as suaves viracoes do Densamente e
recabe alegre as doces iiuprcssdes que naseem dus
-sentidos, que eu vi ^ beira de um regato amena,
i| am iroso se deslisava asombra de frondosa
mangiMira, um desses anjos sahidos do divino pin-
I ile Manilo, va phantasiados nos arroubos lbri-
tas sequiosos do amores.
1 orna era bella essa viivem, aos quinze annos,
iiidolennraente reclinada a beira desse regato, na
nioraml"e no espelho de suas mansas aguas que
amorosas lambiam as negras trancas de seus ca
I) II >> BiKtaando ao prazer da brisa I
Cuno era seductora assim reclinada sobre a.'
ajaa (Juan la doyura impressa nesse anglico sem
liante I
(Juanlos aiiractivo-. quanta flexibilidade nesse
coupo de fada I
K aojiielle olhar tao lnguido educe, ora a fixar
su as aguas, e ora a acompanhar-lhe o curso att
P'iiler-so as siniui-.ida.les do regato.
Ah I porque rae nao deu a sorte esse pincel di-
vino M) n que dotara outr'ora Miguel Angelo, Mu
r lio, Hapiiael o tantos outros, para pintar as fr
mas -e.luctoras dWM arcbaojo terrestre !
E eu v-o, e com i una vi-ao, passou sem que ac
menos podesse beijar as Umbras de seu alvo rou-
pao!
E eu vi-o, e nem um olhar de compaixao pude
ni rocer-lhe
Como o naufrago sem esperanga e sem apoio nc
uni d) ocano enca|iellad i, eu sinto a esperanQ;i
alwndonar-me, e o anjo negro do desespero ro\;ar
me pela Fronte escandecida.
H n vao invoco a philosophia em meu auxilio,
muco uotolino dos infeliz -s e segura guarida con-
tra as tempestades do roraeo humano.
Baldado aapeUo '
Par;, as dores do coragao inefflcaz o balsan1
vli philosophia : e como a planta solada dos de
s mos arenoso-, eu sinto fugir-me pouco a pouco a
s >iv i da existoneia, sem que o orvalno benclico da
es(icranca vunha dar novo alent aocoracao res
. ii !o pelos ardores da febre que me devora.

n.n MVSTIDA.
^I'entie as flores tao bellas e vi
o niinio-o jinliin que amor cultiva,
i i .UjijJaniava em bellezas as mais formosas.
ella se curva va m respeitosas
A saudade, ojasnilm, a scmpre-vlva,
As perpetuas, o ly rio. a sensitiva,
rlfera e linda, 'ra o comnosto
!)' todo que lia di: bello as mais flores :
C)llie-a. foi o meu primeiro gosto :
llire d ,'pois seus dotes seductores,
Meu prazer nao se explica, eu vi seu roste
ia *
nuil VKNKNOS'..
Queiu as Burea nao ama tan vicosas,
Esses mimos do co que amor cultiva,
E a caneca nao curva a mais altiva.
Aos perfumes, e as cores tao formosas ?
Quem niio ama essas flores respeitosas.
Como a gravo perpetua, a sempre-vva.
Como a roxa saudade, a sensitiva,
Como o branco jasinim, o entro, as rosas ?
Mas a linda Camelia, esse composto
De todos os encantos das mais flores,"
Quem que pode amar sempro com gosto ?
Em seus falsos aromas seductores
O veneno as pet'Ias nterposto,
nanlas retes d niorle em croas dores !
No anuo de 1K63 morreram os seguintes meir.-
bros do Instituto franvez, seguudo jornaes euro-
peus
Horacio Vernet (academia das bellas arles) ;
Barlhe (academia das scieneias moraes e |iolili-
cas;) Despretz (academia das scieneias;) Bravais
(academia das scieneias;) Mequin Tandon (acade-
mia das scieneias;) Berger de Xivrey (academia
das inscripcoes o bellas leltras;) Eugenio Dela-
croix (academia das bollas artes ;) Alfredo de Vig-
ny (academia franceza;i Villerm (academia das
scieneias moraes e polticas;) Emilio Saisset (aca-
demia das scieneias moraes e polticas.
A litteralura tambem perdeu inuitos dos seus
membros, romo se v da segunte lista.
I.illiratos fiancezes :
E. Devc jue, romancista e dramaturgo; Arst-
des Guilbert, autor da Histoire des tilles de Frail-
ee ; Lubize. autor dramtico em Pars; Sebstiao
Rhal, traductor de Dante.edo llyppolite d'Euripi-
de, autor das Dicines fmtt, etc. Lefio de Wail-
ly, roiuaocis, traductor de Sbakspeare, de Wal-
ter Scott, ete ; Luciano Arnault, poeta trgico;
madama Dalertre (baronesa de Caiiowitz), autora
de romances e de coinposfes dramticas, laurea-
da da acadjmia franceza pelas suas tradocefiOs da
Messiade do KlopsUick e da Guerre de Trente ais,
de Schiller; Charrin, actor dramtico e cancionis-
ta ; Xicole, autor dramtico; Joto Keynaud, Ilite-
rato c philosopho, actor de Tare et Ciel; Jousln
de Lasalle, autor dramtico, antigo director do
theatro francez o das variedailes; A. de Goy, tra-
ductor de Dickens e autor dramtico; madama Me-
lamie Duinout, autora de numerosas obras desti-
nadas iustruccao e ao recreio da infancia; Hen-
riime Boisseaux, autor dramtico ; Emilio Law,
autor de urna Histoire de Jnhen /'Apasta!, collabo-
rador da Recue nutionale ; da Rente contemporai-
ne, da Bwim de Pars, ele.
Lilteratos de outrox iiizcs :
rynody, poeta hngaro ; Francisco Antana de
Figueroa. |ioela nacional da repblica do l'ru-
Kuay; Galvaz Amandl, autor dramtico em Ma-
drid; Minijzewsky, Iliterato e jornalista polaco,
moo por um assa^sino incgnito; Teobaldo Cie-
coni, poeta dramtico veneziano : Lniz Olona. poo-
la e autor omico na Sania (Hespanha); Alexan-
dre Soutgo, poeta grego; Mana Uordon. conheri-
da no mundo liiierario sob o noine de AlexanJre
Bergen; coinpoz e traduzio do francez, inglez e
allemao, irais do cincuenta pecas de theatro ; Fre-
dearie llebbel, poeta dramtico allemao; Thac.ke-
ry, o autor de numerosos romances, dos quaes o
mais notavel a Foire. aux Vanitt, Moser, autor
de numerosos Ueders, em Vieima; Joio Sporo-
chili, bisloriador e romancista popular, em Praga.
O Commenio do Porto noticia o que se segu :
Na espcrlaliva de grandes experiencias aereos-
tatieas anuuneiadas para a prxima primavera e
de novas viagens de longo curso do Gigante, no
numero das quaes se falla em atravessar o Medi-
terrneo, a questao de navegacao seria propria-
mente dita, contina a preoecupar vivamente os
espintos, tanto em Franca como em Inglaterra.
Duas conferencias do maior inleresse livcram
lugar nos dias 15 e 16 em Paris no circulo agrco-
la e na sala da ra da Paz.
Nestas duas conferencias M. Babinet (do Institu-
to) e M. Barrat affirmaram de novo e inotivaram a
sua f profunda na solucao prxima desta grande
questao.
M. Barrat, devia completar em urna segunda li-
o, no da 23 do corrente, a exposic.o dos seus
principios.
Por iniciativa de MM. Nadar, de Panton de Ame-
conrl, e de La Landelle, constituio-se urna confe-
rencia semanal, com o flm de crear o centro que
at aqni f.ltava, para as investigacoes dos parti-
darios da navegacao aeria.
_ M. Barrat aceitou a presidencia desta assoca-
eio.
a
L-se no Jornal do Commercio de Lisboa :
O peridico Ltt France publica as corres|ionden-
cas de S. Petersburgo, annunciando ter sido ap-
provado entre os governos da Russia e da China o
eslabelecimento de urna linha telegraphica desde a
Siberia Oriental at Pekn, coneedendo-se ao czar
0 direito de fazer edilicar e guarnecer muitos for-
tes junto desta linha, para a protegerem dentro do
territorio cbinez, at as portas da capital celestial.

Sir Joao Lawrenec, o novo vce-rei e governa-
dor geral da luda inglesa, natural da India, on-
de nasceu em 1811. e fllho do coronel A W.
Lawrence.
Seus paes o trouxeram a Inglaterra, e o man-
darn) educar na escola de Londonderry e em Hai-
1 \hiiry'.
Em 182!) foi para a India como em-ipturario.
Em 1831 passou a assistente do conimissario em
Chele e rendente em Delli. Em 1833, foi Borna-
lo magistrado e recebedor de Delhi. Desde 1836
18W), fw empregado como recebedor e magistra-
do nos districios de Delhi. Em 1846, foi recebe-
dor e juiz d'um dos mais importamos districtos de
Bengala, e adquiri grande reputacao como ma-
gistrado, pelo que mereceu sor distinguido pelo
governador geral Hardinge. Em 1847, foi Motea-
do commissario das provincias do Sutej, que ac-
bavam de ser incorporadas ao imperio britanuieo,
depois da guerra dos sikhs.
Aqu desenvolved grande talento nos ramos da
agricultura e (naneas, pelo que foi nomeado de-
pois com seu iruo sir Henrique Lawrence, para
administrar o Punjaub.
Nesta coinioissao houve-se com admiravel talen-
to e energa, dissolvendo o exereilo sikh, induzin-
do muitos a alistarem-se no servico britanuieo, e
orgauisando urna foiri irregular de 10 rgimen-
tos, para proteccio da fronteira occidental, e de
tal modo se heuve que durante, a grande
Appellante, Pedro do Albuqjcrque L'cha ; ap-
pellado, Joo de S Albuquerque.
Confirmada a seutenca em parte.
IIESIONACAO DE DIA.
Assgnou-se dia para julgaraento dos seguintes
feitos :
Appellaifies citis.
Anpellanles o appellados conjuuctamente, Anto-
nio Carlos Pereira de Burgos o Antonio de Siquei-
ra Cavalcanti.
para o tratameuto das aUeCCtS do systema nervo-
so e llbroso.taes como:
Cuta, rheumatismo, paralysia.
Dores, impotencia, esterilidade,
Marasmo, nj/pochondria, euiraagiecimento.
O xaropt'alchoolico de veame sobretudo, da
maior utilidade para curar radical ente, e em pou-
co tempo o rheumatismo.
Adverte-se que o verdadeiro top s s4 Vende
nesta cidado na botica cima indicada do almlxo
(irneiros .......
Carvao vegetal.....
Cavernas de sicupira .
Cera do carnauba em bruto,
dem dem em velas ...
Cha.......... >
Charutos ........cento
um
aro iba
urna
libra
MOQO
1501)0
8,5000
230
iiil
iooo;
, 3e 218 toneladas, capitao Jacintho Nunca da
Cosa, equipagem 12, carga sal e outros gene-
ros ; a Antonio de Almeida Gomes.
Baha o das.
63.
16,
Appollante, a preta Caelana ; appellada, Maria assigaado ; e eifl outra qualquei parte que se tem
Joaquina da Silva Manta.
Appellaeoes crines.
Appellante, ojuizo ; appelladb, Manoel Herme-
negildo.
Apnellanle. Jos Germano de Lyra ; appellada,!
a Justina.
Dii.ir.E.\"i:iAs crimks.
Com vista ao r. desembargador promotor da !
justica
.1 apjiellardo crime.
Appellante, o promotor'; appellado, Florentino,
escravo do Dr. Leile Oticua.
l'ASSAOKNS.
O Sr. desembargador Caetano Santiago passou
ao Sr. desembargador Ctirana
As appellu:Oes cireis.
Appellante, bacharel Felppo Carneiro de Oliuda
CmpelU ; appellados, Jos Duarte Raugel e ou-
tros.
Appellante, Antonio Virissimo da Silva; appel-
lado, padre Joaquim Xavier Portella.
O Sr. desembargador (tirana passou ao Sr.
desembargador Lourenco Santiago
A apiietlarili cicel.
Appellantes, Pedro Jos da Costa e uniros; ap-
pellado, Antonio Joo Ferreira Damasoeno.
O Sr. desembargador Lourenco Santiago ao Sr.
desembargador Res e Silva
As appellaeoes avtit.
Appellante, Domingos Jos Pinto; appellado,
Joaquim Jos Vieira e outros.
Appellante, o cnsul porluguoz ; appellados, os
credores do espolio do finado Jos Ribeirc de Ba-
rias.
O Sr. desembargador Motta pa&ou ao Sr. des-
embargador Peretti
A appellaco civel.
Appellante, D. Franeisea da Cunha Bandeira de
Mello; appellado, Joaquim Rodrigues Tavares de
Mello.
O Sr. desombargador Peretti passou ao Sr. des-
embargador Accioli
As apnellacis civeis.
Appellante, bacharel Bernardo Duarte Braudao ;
appellado, Antonio Ferreira Antero.
Appellanie, Joao Hyppolito de Meira Lima ; ap-
pellado, Manoel Joaquim Ferreira Esteves.
Appellanie, Manoel Frederico Carlos de Saboia ;
appellado, Trajano Antunes de Alencar.
O Sr. desembargador Assis passou ao Sr. desem-
bargador Doria
A appellaedo crime.
Appellante, Jos Pedro Xavier da Costa ; appel-
lada, a justica.
O Sr. desembargador Doria ao Sr. desembarga-
dor Caetano Santiago
.ls appellares crimes.
Appellante, o juizo ; appellado, Manoel Ferrei-
ra de Brito Lvra.
Appellante,' Bento Paulo Zedaues ; appellada. a
justica.
Ao meio-dia encerrou-so a sessao.
aununcado nao da mesma coit posi^ao, e nern o
abaixo assiguado se responsabilis i.
Jos da locha Paranhos.
u
A MM0K11 DO lOYSKLHLIKO
SEBSTIAO DO REG) BARROS
9 4c mares de i S:i.
..........morrer nao anii uilar-se,
Nem deixar de existir... Nai morre o justo,
Mas sim revive, immortal e eterno 1
cnob a lapide final, sem mail ser visto,
P,n leito sepulchral um hroe ss abriga,
weui lembrado d';iquelles que viieram
> virtude, o que puro, honesto e justo :
"obre o solo, porm, tudo se es (ueee,
"Jado vai-se confiar a mi do lempo,
mpassivel viajor, que destre ludo...
> memoria dos hroes s perin uiece,
O tempo a nao desfaz, Deus na) consente I
3a fama um tao querido e desejado
oh nunca morrer, revive senipre !
Saras vezes perpassa sobre a te-ra
M-trella tao hrilliante, luz tao baila,
Moril immensa de um futuro inteiro.
Ostentando a primaiia sobre os homeos !
nuil, deseja sempre em gloria tua
>stro> refulgentes e tao puros....
:mpe o silencio que te envolvj e lembra
saras virtudes de tao grande bimem,
Os nobres feitos do here recorta
OBgBASTiiio M ntoo B.viuios, imiaortal I
um
cenlo
libn,
i
um
cenlo
libra

<
um
cenlo
arroba
alqueire
ario ia
c
um
arroba
urna
arroba

cento
Recfe, 7 do marco de I86'i.
mmaassKm
COMMNICADGS.
9--P
A escolla do Sr. conselheiro Paes Brrelo para
senador por esta provincia detia urna vaga de de-
putado pelo 1. disiiiclo desta capital, e como per-
tenco ao corpo eleitoral d'esse districto, e muito
desejo ver essa vaga preenchida por um uome co-
nhecido, por um cidadao distincto por seus talen-
tos, luzes e MTSC0S, de modo que o districto lique
bem representado, tomo a liberdade de lembrar
para depulado o distincto orador o Sr. Dr. Jerony-
mo Vilclla de Castro Tavares. Creio que nenhum
eleitor peder conscienciosamente repellir o nom1'
do Sr. Vilelia Tavares, quando se trata de eleger
para a assembla geral um Pernambucauo Ilustra-
do, de carcter independente e nobre.
A eleieao do Sr. Vilelia, as crenmstancias
actuaos, nao s a reparacao da injustica, que o
4.* districto eleitoral Ihe fez, senao urna neeessiJa-
de potiticn, o qaalquer ipie seja o imerat prrtrn-
dente essa eleieao, far um servico real ao paiz,
desislndo d ella em favor do Sr. Vilelia Tavares.
Assim pensa
Um progressista.
Salsa parrillia de Itristol.
A salsa parri'hade Bnstol : Os 'limas dos paizes
trpicos sfio o laboratorio de toda.- as enfermida-
des cutneas e ulcerosas. E" esta ooil a razao por
: que esta preparaciio, que os suhjrga com urna se-
guridade proverbial, lilleralmen.o indispensavel
tamo no llrasil como no resto da America lles-
panhola.
As escrfulas em todas as suas terriveis formas
promptamente suceumbem mediante a applicaco
leste poderoso agente detersivo, as chagas se cu-
ram. as erupcoes desappareeem, as conjunturas
coulrahdas recobram sua elasticidade, as inflam-
inaeoes c tumores se desvanecem, os cancros se
atalham, os abeessos se seccam ( rheumatismo se
allivia por meio da salulifera operiaio de-te gran-
de purlicador e curativo vegelal nao supprimin-
do, mas siin extinguindo complelamente.
A verdadeira salsa de Bristol i preparada por
Lamman & Kemp. Nova-York e acba-se venda as
lejas de Caors e Barbosa e Bravo .i C.
Cevados (porcos).
Cocos (seceos).......
Colla..........
Gouros de boi, salgados
Idom idem seceos espicliados. .
dem idem verdes.....
dem idem cabra eortidos. .
dem idem de onea.....
Doces seceos .......
blein em gela ou massa. .
dem em calda......
Espadadores grandes ....
dem pequeos.......
Esleirs para forro de estivas
de navio........
Estopa nacional......
Farinha de de mandioca. .
Idem de araruta.....
Feijae de qualquer qudlidade. .
Frechaes ........
Fumo em tolha, bom ....
dem ordinario ou reslolho .
Idem em rolo bom......
dem ordinario ou restolho ,.
Gallinhas........
Gomina.........
Ipecacuanha (raz)......
Lenha em achas......
Toros..........
Linhas e esteios.......um
Mel ou melaco.......can.nla
Milho..........arroba
Papagaios........um
Pao Brasil ........quintal
Idem de jangada......um
Pedras de amolar.....una
Idem de librar......
dem de rebolo......
Piassava.........molbo
Ponas, ou cuifres de vaccas ou
novilhos........cento
Pranches de ainarello de dous
costados........um
Idem de louro....... >
Rap..........libra
Sabao..........
Sal..........alqueire
Salsa parrilha.......arroba
Sebo em rama.......
idem em velas......:
Sola em vaqueta. .
Taboas de amarello. .
dem diversas. .
Tapiocas......
Tatajuba......
Travs......
Uuhas de boi .
Vassouras de pia.v-av.i.
Ditas de timb .
Ditas de carnauba .
Vinagre.
ivs ; a minino ui) Alinela uomes.
ihia 5 dias, galera inglesa Dnrid Umrttm, de
633 toneladas, cipio F. orr.hhird, equipagem,
16, em lastro ; Saunders Droiliers c\ C.
Nanos sahidos no mesmo dia,
vaY AlUlll)as alacho inglez Italia, capitao Richard
*."[" Ha\er, em lastro.
' Liverrool Brigue inglez Seca, capilao 1. Rews,
carga assucar.
Canal -Brigue inglezCawrc, capilao Richard C
Sunxins, carga assucar.
Sergipn e portos intermediosVapor nacional Pa-
fahyba, coinmandame M. J. Martins.
bario eitlrudo no dia 6.
Pona ie Pedra24 horas, patacho nacional Andr,
ouir'ora Undine, (inglez) naufragado em sua
viagem deste porto para o da Parabvba, faz 10
pole ,'adas d'agua.
Marios sahidos no mesmo dia.
Parahj baSumaca hespanhola Prompta, capilao
Gerardo Mansiany; em lastro.
Rio Grinde do SulBrigue nacional Olinia, ca-
pitao Manoel Pereira de S, carga assucar.
170
240
100
350
105(MI0
15000
320
500
45000
25IXM)
COMMERCIO.
135000
15600
2|500
3500C
15800
54OOO
1450( K)
855(M)
85080
55000
600
15'.too
235OO0
15500
U5000
85' 100
200
1520(1
25500
55000
55000
840
45000
I52OO
120
EDITAES.
urna
duzia
arroba
quinta1,
urna
Cento

O major Antonio Bernardo Quinteiro.eavalheiro da
imptrial ordeni da Rosa e juiz de paz do 4 an-
uo do 1 districto da freguezia doSanseimo Sa-
cramento do bairro de S. Antonio da ridade do
Recite, provincia de Pernambuco, em virtude da
le, de
Faco saber aos que a presente carta de editos
vrem que por parte de Antonio Jos Rodrigues de
Soaza me foi enderecada a pelicao que do theor e
forma eguinte:
lllm. Sr. juiz de paz.Diz Antonio Jos Rodri-
gues de Souza, que elle arrendara a Francisco de
Paula (jueiroz Fonseca, urna casa e silio no lugar
do Morteiro pela renda annual de 4005000 a con-
tar do 1" de novembro do auno de 1862. E por-
que o : upplicado se acha a ilever a importancia da
mencionada renda aleo dia30 de novembro do auno
prximo paseado em que Ma mulhcr fez ao suppli-
! canle entrega da chave da dita casa, visto aehar-se
205000 o supplicado ausente em parle inrerta, e nosabi-
105000 da, i|ur o suppbcante chaina-lo a concaco alim
de pacu* amigavelmenle a reportaneia da ronda
vencida ou ver seguirem-se os meios conienciosos
pena de revelia. pelo que requer V. S. sirva-so
admitli-lo a justificar a ausencia do supplicado em
lugar incerlo e nao sabido, alim de se passar
cana ds editos na forma da le e doestylo.
Pede a V. S. deferimentos e recebera merc.
Miguel Jos de AlmeiAa Permimbucu.
Procurador.
Xa qual de i o despacho seguiule ;
Justifique.1 districto da freguezia de Sauto
Anlonks 8 de tevereiro de 1864.Qointeiro.
Em mi lude do qual despacho se proeedeu a in-
quirir) de teslcniunhas que depozeram sob ou-
55IO0
15000
120
400
255000
55000
7500
25-00
1105000
735000
25800
25000
6500fi
25OO0
105000
canaila
K50001 rameui 1 dos Santos Evaugellios a respeito da au-
65000 ; sencia o incerteza do lugar da resideucia de Fran-
500 cisco de Paula Queiroz Fonseca ; e sendo ludo au-
Alfandega de Pernambuco, 5 de marco de 1864.; toado e preparado me vienm os autos conclusos e
(Asignados): I por mim lidos nelles profer a senleoca do theor se-
0 i.* eonferenle, Antonio Carlos de Pmho Borges guinte
O 2." conforente, tuujamim Peres di Albuquer-
que Maranhao.
Appmvo. Alfandega de Paernmbuco, 27 de fe-
vereiro de 1864. Paes dAmlraJe.
Conforme. O 4." escripturano, Joo dos San-
tos Porlo.
Reeebedorla de rendas luteruas
seraes de Pernambuco.
Rend ment do dia 1 a 4 ........ 10:8035495
Visto provar-se pelo depoimcnlo das teslemunhas
que o supplicado Francisco, de Paula Queiroz Fon-
seca aeaa-se ausente em lugar incerlo, bei por jus-
tificada a sua ausencia : o escrivo passe carta de
editos com o praso de 30 dias, e pague aojustifi-
cante a? cusasIo districto da freguezia de Santo
Anlouk' do Recife, 29 de fevereiro de 1864.Qoin-
teiro.
Nada mais se continha em dita sentenca dada
oo ata i a ........ "i-u'i.'i vw: nos aalS l*'v ''*"" (';i (luil'>c passou ao juseante
dem o Oa o................. '""''**' | Antonii Joaquim Rodrigues de Souza e presente
12 2125880' e"a' e5m praso de 30 das, pelo qual se chama
O Novo Banco de Pernambuco convi-
da iis credores admitlidos ao passivo das
massas de Mesquila utra e l-Yancisco An-
tonio Correa (iirdozo a receber o primeiro
dividendo deslas massas, dependo exhibir
.)> respectifoa ttulos para sor annolado o
pagamento.
Alfaadega
Rer.dimento do dia 1 a 4........ 112:9635847
WemdodiaS ................. 24:9455050
137:9085897
GORRESPQNDENGIAS.
Srs. Redactores.& poca actual quasi que nao
merecem importancia os elogios que de continuo
pejam as columnas dos jornaes ; porque, como
geralmente sabido, esses elogios ou sao dictados
pelo proprio elogiado, que os compra a peso de
alguus vintens, ou sao jtarlos monstruosos da
baixa e corruptora adolacao.
Consejo da reracidad do que vonho de dizer,
estivo a deinillir-ine do proposito de escrever al-
gumas hutas em referencia ao proceder do lllm.
Sr. Severiano Jos de Moura, subdelegado supplen-
te e em exercicio, por occasiao do fado criminoso,
ijue occorreu no estabelecmeiUo de labeiua. sob
tumba administrarn, i ra do Rangel,no dia 2 do
corrente; e o fara, so porventura nao me assis-
lissc tambem a oMviccSo de que, estrangeiro,
alheio as oaestdei poliiicas do paiz, antrefM 1
meus negocios, jamis poder-se-ha acreditar que
outro roovel, a nao ser o de render ao mrito a
devida hoinenagem, ileioriuina-me a cserevc-las.
Assim, eu passo a ex por o Tacto.
No dia cima indicado, pelas 8 horas da Bolle,
estando eu ausente, appareceram seis pretos no es-
tabeleeimento, e pediram ao caixeiro Ihes vendesse
meia garrafa de agurdente; depois de beberem,
pediram mais outra nieia garrafa.
En tao um delles, recebendo o copo, atira o es-
pirito a cara do caixeiro, menor de rete annos
rosto que atlerrado e possuido de dores, o menor
pede socrorro; porm os desalmidos penetram
rvolia Para dentro do baldo, embargam-lhe a voz, cor
Hoviuieato da alfandega
Voiumes entrados com fazendas.
t com gneros..
Voiumes sahidos
com
com
fazendas.
gneros..
214
577
68
120
791
188
da India, o Punjaub se cooservon del, e at as
suas tropas ajudaram as inglezas a recuperar
Delhi.
Em 1857 foi nomeado gra-cruz do Banho, e no
anno seguinto barouete e raembro doconsell pri-
vado.
CHK0M4 JliUlGURIi
THIBIWI, DA IIK1- V; lO.
SESSO EM 5 DE MARCO.
PHESIDKNCIA DO EXU. SR. CONSKLIIEIHO
SILVEIIlX.
s 10 horas da niauha, presentes os senhores
desembargadores < aetano Santiago, Gitirana, Lou-
renco Santiago, Reis e Silva, Almeida e Albuqjer-
que, Molla, Peretti, Accioli, Assis, e Doria, abri-
se a sessao.
O Sr. desembargador Guerra, procurador da co-
ra, nao comparecen.
Passados os feitos e entregues os distribuidos,
deram-se os seguintes
JULGAMEN'TOS.
Recursos crimes.
Recrreme, o juizo; recorrido, Manoel Jos da
Silva.
Relator o Sr. desembargador Accioli.
Sorteado* os senhores desembargadores Grana,
Reis e Silva e Almeida e Albuquerque.
Improcedente o recurso.
Denuncia.
A denuncia de Joo Jos Ferreira contra Caldi-
llo Fi.uei-i'o Liubares
Relator o Sr dovnibargador Moda,
Sorteados
Lourenco Santiago e Almeida e Albuquerque,
rem a gaveta, roubain a quantia de oilenla e tan-
tos mil ris, e fogem apre-sados!
Poucos momelos depois, eu chego ao eslabele-
cimento; sou inteirado do occorrido, e dirijo-ino
ao lllm. Sr. subdelegado pcdndo-lhe providencian
S. S. nao se fez rogar, c as deu tao acertadas,
que no dia seguinle foram presos os seis ladrees,
que se arham recolhidos casa de detenfo, a des-
|H)i(o das estrategias com que se tem procurado
frustrar os passos da auloridade.
Honra, pois, ao atlencioso e diligente funeciona-
rio publico; honra a auloridade que se compene-
tra de seus deveres, e nao os sacrifica a einpenhos
e conveniencias mal entendidas; honra ao lllm.
Sr. Severiano Jos de Moura, muito digno subde-
legado supplento e em exercicio nesta freguezia de
Santo Antonio.
Sirvam-se. Srs. redactores, de dar publicidade a
estas linhas, certos de que em extremo obrigaro
ao seu constante loitor.
Recife, 4 de marco do 1864.
Mu noel Gomes Pereira.
:';*
PUBLICARES A PEDIDO.
ATTENgAO.
Xarope alehoolico de veame, preparado pelo
pharmaceiitieo Jos da Rocha Paranhos, estable-
cido com botica na ra Direita n. 88 um Pernam-
buco.
Ete xarope incontestavelmente superior a lo-
dos os tarops depurativos, de cuja composteio
o sen maior elemento a salsa parrilha, pois que se
os senhores desembargadores Doria, tem conhecido ser o veame mais enrgico para
itiago e Almeida e Albuquerque, ; a prompla cura das mole-lias, cuja base assoncial
Improcedente. depende da purilieaco do sangue : assim pus se
Appellucjes crimes. [tem veiideado per militas pessoas que se achamm
Appellante, o juizo ; appellado, Alexandre Mu- desengaadas, as quaes acbam-se boje restabeleci-
das com o referido xarope alehoolico de veame
rtesoarrenm no dia 7 d; marco.
Patacho inglez -/.(i/nn Patacho hespanholTheresitailiversos gneros,
linea inglezaTalismn -farinh; de trigo.
Itarca iBBjtan -Hnmtota -mercadorias.
Barca franceza Rio Gratuleinecadorias.
Brigue iuglez Jessie Scott ^carvao de pedra.
Escuaa UollandesaDru Qeruslers Poli -carvao.
Patacho oldeinburguez fortunii diversos g-
neros.
Patacho ilaliauoJ/uWudiverso; gneros.
Patacho inlez Propectes- idem.
luiportac.
Patacho oldemburguez Fortuia, enirado de
Londres, consignado Rothe A Bidoulac. mani-
festou o segunte :
97 toneladas e 12 quintaes de carvao do pedra;
aos consignatarios.
60 bai ris salitre, 4 ditos ejiofre e 800 ditos
plvora; Saunders Brothers A ^.
H> liarris oleo de bnhica; a M. orria.
j()0 bar is plvora e 200 barra* de ferro ; Pa-
tn .Nash t C.
30 barris salitre, 2 fardos lonas 45 caixas folha
d llandres; Prenle Vianna & C
30 barricas eeneja, 44 barra; de ferro e 50
ranas geuebra ; S. P. Pacheco.
40 caixas papel, 20 ditas cidra 2o barris breu,
32 ditos barrilha, 25 ditos oleo c linhaea, 1 bar-
r) vinlio, 1 eaixa verdete, 1 ba 'i lea brax, 195
barris chumbo de inunieo. 16 I arris eslanho em
barra, 8 barricas canos de chumljo e 330 barricas
cei veja : ordetn.
i caita perfumara ; Linden Wila c C.
25 saceos pnienta, 17 caltas rh, 20 ditas quei-
jos e 30 barris salino; a F. G. ele Oliveira.
20 caixas canella ; Taso Iri ifios.
1 ca xa lio de algodo, 6 ditas fazenda de dito,
1 voluine amostras ; S. P. MiMofl A C.
8 caixas liolacbiuha, 28 ditas conservas; Pal-
io. 1: a A lielirao.
1 caita lorneiras, 2 barricas canos de chumbo;
Manoel Ignacio de Oliveira A l'ilhos.
100 barricas giaxa, 1 dia tintas, 4 ditas esta-
ndo ; J. Amonio Moreira Dias.
1 caixa arreios para cavallo, roupa c objoclos
de uso ; Baltar A Oliveira.
ALFANDEGA DE PER.NAMBUCO.
PAUTA DOS 1'IIKCO OOS OJBnWOS SIJHTOS A DIllKllo DK
EXl'OUTAQO. SKM.V.N V DK 7 A I 2 DO MKZ DE MAR-
go de 1864.
Mercadorias. Unidades.
Abanos.........cento
Agurdenle de cana.....caada
Idem restilada ou do reino
dem caxaea.........
dem genebn.......
dem alcool ou espirito de agua-
irdente..........
Algodo em caroco ..... arroba
Idom em rama ou em laa.
Arroz com casca......
Idiiii descascado OH pilado
Assucar mascando.....
niz da Silva.
Improcedente.
Appellanie, o juizo ; appellado, Antonio Manoel
de Souza.
Improcedente.
Appellars citis.
Appellante. Joo Paes llarreto de Lacerda ; ap-
pellada, a baroneza ite Ipojuea.
Annnllou-se a panilba.
Appellante,EuzebioPinto; appellado, Elias Emi-
liano Ramos.
Procedente a appcllaijo.
Alquilante, Sebasliao Manpies do Nascimenlo ;
appellado, Julio Cesar Pinto de Oliveira.
Continuada a lentenca.
Consulado provincial.
Rendimento do dia 1 a 4......... 13:2485082
dem do dia 5................. 5:072601
PRAQA DO RECIFE
& DE .TIAH/O DE 1NB4.
AS TRES HORAS DA TARDE.
Revista semanal.
Cambios........Saeeon-se sobre Londres a 27
e 27 Vi d. por 1000, sobre Pa-
ris 345 rs. por fr., sobre Ham-
burgo a 055 rs. jmh- ll/U e. nubre
Lisboa 95 por cento de premio;
montando a 20,000 os saques
effectuados para a Europa.
Algodo........O desta provincia vendeu-se a
235000 por arroba, o de Macei
posto bordo, pelo mesmo pre-
co, e o da Parahvba. tambem
poeto bordo, de 245800 a 55.
Assucar........Vendeu-se de 3540) a 45200
por arroba do branco, de 35100
a 35200 do smenos, de 25700
a 25850 do nascavado purgado,
e de 25400 a 25550 do bruto.
Agurdente..... Vendeu-se de 725000 a 755000
a pipa ; existindo em deposito
50 pipas.
Carne secca..... A do Rio-Grande do Sul, nova,
vendeu-se de 25600 35:100 rs.
|K>r arroba, e velha, de 500
1300; a do Ro da Piala vnden-
se de 25400 35400 ; licaudo
em deposito da primeira 48JO0
arrobas e da segundi 44,378.
Couros......... Os seceos salgados v.-nderam-se
a 170 rs. por libra.
Arroz.......... t pilado da ludia vendeu-se
a 25800 por arroba, e o do Ma-
ranhao de 25800 a 35200.
Azeite doce.....O de Lisboa vendeu-se a 25700
por clao, e o do Eslreito a ris
25600.
Bacaliio....... Em atacado obteve de 125500
a 125800 a barrica, e a retalho
de 125500 a 135500; (cando em
deposito 7,000 qdinl
Batatas.........Venderaui-se a 15800 por ar-
roba.
Bolarhinha...... A americana vendeu-se a 25200
a barriquinha.
Caf........... Vendeu-so de 85000 a 85500 a
arroba.
Cha............ dem de 15800 a 2*300 a libra.
Cerveja......... dem de 5*000 a 55*00 a duzia
de garrafas.
Farinha de trigo. Retallwu-se de 18*000 a 205
por barrica da de Pniladelpliia,
a de Baltiniore de 185 a 195,
e a de Trieste de 21*000 a 22* ;
licaudo em deposito 3,000 bar-
ricas da primeira e 3,500 da se-
gunda, inclusive tres earrega-
mentos entrados nesta semana,
3,800 da terceira,ao todo 12,300
barricas.
Genebra........ Vendeu-se de 360 a 370 rs por
botija.
Louca.......... A inglezaordiuara negociou-se
com 310 por cento de premio.
Manteiga.......A franceza vendeu-se a 470 rs.
por libra, e a injjleza de 700 a
720 rs. a dita -, licimdo em ser
4,500 barris de ambas.
Massas......... VenderauMB a 75800 a caixa.
Oleo de linhaea.. Vendeu-se a 15hW o galo.
Passas.....
Presuntos.......
Valores. Queijos........
1*400
720, Sabao..........
800,
400!
8H0 Toucinho.......
900
Idem naneo. .
Mein refinado. .
Azeite de amendon
hhn.....
[deu] de coco .
deui de mamona .
ou meiulo-
entretanlo que algnns, lendo usado do xarope d
Curnier, de Larrey. de salsa parrilha, de sapona-
ria, oleo de ligad.) de baealliao, e oOtTOS lgente
destaordem nadaconseguiram. E elle de aei
gestao, agradavel ao pala lar e ao olfato. Abjuns Bolacha o diara,
mdicos desta cidade e da do Uacci o teem re-
ronmendado para i cura das
lni|iigens, linha, escrophulas,
Tumores, ulceras, escorbuto.
Cancros, saniadegenorada, lluxoalvo.
Tullas estas alT..'ee.'r. provea de i^a oausa in-
terna ; nao ha pois razio alganta o crer que el-
las so podein curar com remedios externos. Tam-
bem se prescreve o xarope alehoolico de veame
ili-1 Delatas alimeniicias.....
"' taclia odinaria, pro;nu para
embarque.......
Idem fina........
Caf bom........
Idem eseolha ou restlo .
dem loriado.......
Caibros .... .....
Cal...........
dem branca.......
Gane secca (x^rquo) ....
caaada
arroba
libra
um
arroba
5*375
215500
15500
25500
2*300
3*600
tfMO
IfMO
15600
H00
15200
:t*ooo
75IHX
8*0,*)
74000
40
:iiio
180
500
25800
Vinacre..
Vinhos...
Velas.
Descontos..
Pretes.....
dem a 7*000 a caixa.
Regularain de 13* a 14* wr
arroiia.
Os flamengos veuderam-se de
25 a 2*600 cada' um.
O amarello vendeu-se de 140 a
145 rs. a libra, e o do Mediter-
rneo a 240 rs.
O de Lisboa vndense a 8*200
a arroba.
O de Portugal vendeu-se de 4155
a 120*000 pipa.
(i- de Lisboa ven< eram-se a
220* a pipa.....fi de outros
najaos de 202* a 206&
As de composicSo enderain-se
do 500 a 520 rs. o pMuta de seis
Velas.
O rebate de letras regaln de 8
a 10 por cenlo ao amo.
Para o Canal wilez a 376, pa-
la o Havre a 25, do lastro pa-
la Liverpool 20 e do algodo de
V.
e cila o referido Francisco de Paula Queiroz Fon-
seca, para que denlro dos 30 diascompan ca por si,
por seu bstanle procurador, prenles e amigos,
para se proceder aos termos de conciliaco na for-
| ina da petico, e a qualquer outra. pessoa para que
. ,ne faa saber desla mesma cilaco, alim de uno
18:.t20()J elle nac lique iudefeso. O porteir desle juizo pu- '
bucara este nos lugares mais pblicos deste dis-
iricto, > o ailixai a passando eerlido em forma.
Dadaepassada nesle Io districto do Santissimo
Sacramento do bairro de Sauto Antonio da cidatte
do Recite, provincia de Pernambuco, aos 3 das do
inez de marco de 1864.
Eu Joaquim oa Silva Reg, escrivaoqoe o subs-
crevi.
Antonio Bernardo Qointeiro.
O cidadao Joaquim Amonio Carneiro, juiz de paz e
presiJenle da junta de quahflcacio da ftvgueiia
de Santo Antonio do Recife, etc.
Fa ;o saber a quem convier, que a juntad
qualiJicicao desta freguezia, em vi nudo da le lea
de reunir-se segundafeira 7 do corrente, pelas 9
horas di manha, na igreja matriz, para o recurso
dos o dias, alim de aceitar as reclamacoes ou de-
nuncias que por ventura possa haver diquelles ci-
dados residentes na mesma freguezia, e que do-
vendo ser quahlicados nao foram incluidos na lista
geral dos volantes.
Recifj 3 de marco de 1864. Eu Joaquim da.
Silva Rgo, escrivo o escrevi,
Joaquim Antonio Carneiro^
Pela inspectoria da aJfandeg;u s< faz puhiico
que no dia 7 do correle ao meio da, porta da
mesiiia. serio vendidas em hasta publica, de eon-
fonnidade com o offieio do insnecior da albodega
do Rio Grande do iNorle, datado de 29 de feweiro
prximo lindo, as joias abaixo declaradas appre-
hendidfs pelo guarda-nuir interiae da moma al-
fandega Thomaz Desebamps de MuniemoBency, ao
francez Luiz Resinan, as quaes foram commettidas
pela mesma esla, para serum vendidas na forma
do arl. 759 do n-gubum-ntu das alnuidegas : cuja
arroma'.ai; ao sera Inte de diremos ao arrematan le.
lima pulseira de ouro em forma de galio com 7
brilban.es engastados por 280*,; urna dita dito lisa
com 5 bullanlos sobre o laca, 1505-i. urna dita
dito em forma de escama com 4 bribantos,200* ;
dousaidneles, ambos com 13 brillantes- por 500*;
um dilo liso de forma espherica ceui i bullanles
sobre tringulos, esmaltados de negro, 60*; um
dito de peilo com um brillante maior, o urna pe-
quea perola, 160* ; dous ditos com diversos bri-
llantes cravados em (orina du piaba, leudo um
delles urna perola no pe, e o outro um pequ no
diamante, 160* ; dous dilos com i bullanle cada
um, an bos 140*; um dito menor cual 1 brilliante
505; lu pequeo t cancel im com um cruzeiro,
contundo 7 diamantes, 120*; tres pare. de bichas
com Idiamanle cada par. todas 2a*.; um dito
ditas com diversos bnibantes em (rma de pinha,
40* ; dousdlos ditas com i bullanle cada um,
ambos 80*; um dito dita em (orina de (Ionio,
com 3 brillantes, 805 ; um dito dita de forma es-
pherica com 2 brillantes. M); un' dito dita cora 4
brilhaules sO*; dou anueis con 1 brillante, 80*-
um dito com 3 diamantes, 25*, um dito pequen >
com 1 brillante, 10*; um dt- de chapa com t
diamante, 4*; um dito com lcamapheii,40*; um
annel Je ouro som pedra. 3*; um bolao de dito
dilo. 1*000.
Alfandega de Pernambuco V de marco de 1864.
O 2? uscrpturao,
Caetano Gomes de Sa.
O Dr. Trislio de Alencar Araripe, olllcial da un-
peral ordem da Rosa o juiz de direilo especial
do commercio desla cidade do Recife e seu ter-
mo, capital da provi:ia de Pernainbuco por
S. M. I. e C. o SenhB D. Pedro II a quem Deus
guarde ele
Favo saber pelo presente que no da 7 de marco
desie anuo se bao de arrematar por venda a quem
mais der em praea publica desie juizo,. depou da
audiencia respe, liva os escravos seguuiles : Ma-
noel, crioulo, de Jado de 22 aimo> pouco mais
ou iueiio>, avallado em 1:200*000.;. Herculano
mualo, de idadt do 21 annos, a valia.lo em......
1:20OOGO; Mana, rrioula, de ida*: de 31 auno.-,
avaliaia em 800*000 ; Ueinna, rrionla, de dado-
de 5 annos, avallada em 1:00*000, os quaes
sao pertenceiiies a I). Maria do Carmo Goncalves
de Oliveira, poi si e como tulera de seus tilhos.
uieiioros, o vio i praca por ex*cuco que contra
a niesma eueamiuiam Izac Curio i^ ('.., o na falt.x
le licitantes serio arn matados pelo precodaad-
judicacio com o abaliiaentu re>|iectivo da le.
E para que chegue ao conhecimento de todos,
maiiiiei passar edjtaes une serio atfixadoa nos lu-
garec do cosiurae e publicados l"'la i uprensa.
D.n o e pa-sado n.sla cidade do Recite, capital
da provincia do Pernambuco, aus 19 das do uicz,
du ('.ereiro de *86i, quadi;ig.^sino leiceiro da.
independencia o do imperio do Brasil.
Bu, Manoel de Carvalho Caes do Andrade, cs-
crivio o suUserevi.
|WMft ds Alencar Acaripv.
V !>or libra, loilus com 5
jior cenlo de priinagwn.
MOVIMENTO DO PORTO.
ajeotsej ntralos no Maranhao polo (loar -18 dias do primeiro parto
e 9 do segundo, brigue-escn.ua nacionnl fiptirto-
J)URi(Qa.
Poli adminislraQao do eorreo desta cidade so
faz publico, quedo conformidade com o decreto
n. 187 de 13 de maio de 1861, e respectivas im.
trticcees leve lioje lugar o processo da abertura


if-^JW^
" ^^ | |


Harto de fttnumhucw fceguttda feira 9 de Maico de ISti.
reiro de 18d3, condemnadas a consumo pelo art.
1)8 do regnlamento dos eorreios de 21 de deze n-
c de i8ii, assistindu esse processo o comm.r-
cianto Augusto Froderico dos Sanios Porto.
Desla abertura rcsullou achar-se duas caras
com documentos que lieam descriplos em liuo
liara esse fun destinado, sendo urna de Jjs Amo-
nio Coelho de Oliveira (de Lisboa), paiaManie
Fcrreir* Carneiro, rom urna obrigacai., e ou ra
le Manoel Joaquim Pata, tambera de Lislioa, p; ra
Kaaoel Joaquim Balravento, com urna cortidao de
kartismo. .
Por ultimo procedeu se ao queima de todas as
mais cartas, de que se lavrou o respectivo ter no
que o que se segu.
Crrelo de Pemambtiro, 4 de marco de 1864.
O administrador e thesoureiro
H
*
[Domingos dos Passos Miranda.
Termo de consumo las cartas pertencentes
me/, de teuveiro de 1863.
Aos 4 das do mez de marco de 1861, as 11 ho
ras da manha, na sala da administrara.) do cor-
reio desla cidade, estando presentes o Sr. ad n-
nistrador o thesoureiro Domingos dos Passos Mi-
randa e mais empregados, proredeu-so cm vi lu-
de do art 138 do reglamento dos crrelos de 21
de dezembrode 1844, o consumo de 191 Icarias e
73 jornaes, sendo 133 ranas c 73 jornaes nao sel-
lados o 58 cartas sellabas, tuilo na importancia
de 244840 como consta da factura, e cuja im-
portancia fica Berta data descarrogada ae mes-
mo Sr. administrador e the soureiro.
E para constar, so lavrou este termo em que
assignou o mesmo Sr. administrador e tuesourei-
ro, e empregados abaixo declarados.
E eo, Eduardo Firmino da Silva, ajumante con-
tador, que o escrevi.
O administrador e thesoureiro
Domingos dos Passos Miando.
O.-. ofDciaes papelistas
Luiz de Frama de Oliteira Lima.
Ismael Anua el Gomes da Silva.
Vicente Ferreir da Porciuncula.
O praticante
Atjelo Heraclio Araujo Pnnamluco-
O porte i ro
hlanoel Marinlto Souza P.mentel
Pela subdelegacia da Caputiga se acham de-
positados dous cavallos, sendo, mu castanlio e ou-
tro alazo, ambos castrados: quem se .julgar :om
direilo aos mesmos, provando, lhe serio entregues,
assim como o cavallo rugo-sujo, que anda se acba
depositado, e j tem sido annunriado.
Subdelegacia da Capunga, 5 de marco de 1861.
O subdelegado.
Francisco Antonio da Silva Cvala nte-
Arremata cao.
Na praca do juizo municipal da Ia vara, no (Ja 8
do correte, depois da respectiva audiencia, tem
COMPANHIA BRASELEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR.
Dos portos do norte 6 esperado
at o dia 17 do corrente o vapor
Cruzeiro do Sul, commandante o I
capitn do mare guerra (ervasio j
Mancebo, o qual depois da demo- i
ra do costme seguir para sVortos do sul.
Desde j recebem-sc passageiros e engaia-se a '.
carga que o vapor poder conduzir, a anal devera
ser embarcada no dia de sua chegada: encom-
mendas e dinheiro a frete at o dia da sahida s 3
horas, agencia ra da Cruz n. 1, escriptorio de
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C._________
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
ao Xavegaco costeira a vapor.
Parahjba, Natal, Maco, Aracaty, Ceari, Acarar
e Granja,
No dia 7 de mareo prximo se-
guir s 5 horas da larde para os
portos cima indicados o vapor
Piisiiiungo, commandante Bates.
_ Receb desde j carga at o dia 5.
Encommendas, passageiros e dinheiro a frete at
o dia da sahida s 3 horas da tarde : escriptorio
no Forte do Mallos n. !.
LElA
DO
PR ED10S
A SABER :
l"m sobrado de dous andares na travessa do Li-
vramento n. II, chaos foreiros.
llm dito de dous andares na ra das Aguas-Ver-
des n. 70, chaos foreiros.
l'm dito de um andar na ra de Santa Rita n.
75, chaos foreiros.
Urna casa terrea no pateo do Paraizo n. 31, i
chaos proprios.
Duas casas terreas na ra do Mondego ns. 69 e
71, chaos proprios. I
Duas ditas terreas na ra do Mondego com soto
n. 73 e 7o, chaos proprios.
Terca-feira 8 de marco de 1864.
O agente Pinto far leilo com" aulorisacao dos .
liquidalarios da mas,sa fallida de Jos Antonio Bas- j
tos. de todos os predios cima mencionados, as 11
horas do dia supradito em seu escriptorio ra
da Cruz n. 38.
Olinda. O conselbeiroFrancisco de Paula Baptista e
O padre Jos Esteves Vianni avisa aos pais de seu ilho o bacharel Graciliano de Paula Baptista.
familia residentes nesta cidade que tem aberto as advogam no seu escriptorio na ra das Tnnchei-
suas aulas de primeiras letras, latm e francez, des- pnmeiro andar do sobrado n. I
de o dia 1 deste mez, na ra de S. Bento, no so- acham presente* iodos os das utcis,
brado que volta para a ra di Porto Seguro.
Precisa-se de 6003 por :.nno, dando-se todos
os mezes 233 pelos juros: quem quizer annuncie.
Precisa-se na ra da Aurora n. 26, de um
rapazinho de boa conduela, qi.e saiba guiar carro.
desde
horas da manha at s 3 horas da tarde.
as 10
Lotera extraordinaria.
Precisa-se alugar um escravo para comprar
e fazer qualquer mitro servico que fot chamado:
a tratar na ra da Cadeia n. 62, segundo andar.
A viuva de Jacintho Silvestre Vicente conti-
na com o estabelecimento que tinha seu finado
marido, propondo-se a dar jantares para fra por
preco commodo e asseo : quem prscisar, procure
na ra da Guia n. 38, pnmeiro andar. Na mea-
a casa cima so precisa de negras por aluguel,
Sitio ua Capunga.
Aluga-se um sitio na Capunga, que j foi do fal-
lecido Joo Leite de Azevedo, tem boa casa de vi-
venda, com jaoellas as quatro frentes e commo-
dos sufficientes para familia, eozinha fra, quartos para compras e servico de casa,
para escravos, cocheira, cacimba ; o mesmo sitio'
tem algumas arvores, todo murado, com porto
para a estrada : a fallar com Jos Mara Seve, na
ilha dos Ratos, ra do Seve n 16, visinho da ponte
de ferro que vai da mesma ill a para o tlualro de
Santa Isabel.
Na livraria do Nogueira, ao p da ponte ve-
llia do Recife, vende-se o compendio de hermemu-
tria jurdica, c pratica do processo civil do conse-
lbeiro Francisco de Paula Baptista.
LEILAO
Precisa-se
familia, s para
numero 20.
de urna ama para casa de pouca ;
cozinhar: n > paleo de S. Pedro
Rio de Janeiro.
Segu em poneos uas o brgue escuna Jovem
Arlluir, tem parte do seu carregamenlo engajado,
para o resto que lhe falla e escravos a frete para
os quaestem excellentes commodos trata-so com
os seus consignatarios Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo & C, no seu escriptorio ra da Cruz nu-
mero 1.___________________________________
Rio de Janeiro.
Pretende seguir com muita brevidade o brgue
Almirante, tem parte do seu carregamento promp-
to, para o resto que lhe falta trata-se com os seus
consignatarios Antonio Luiz de Oliveira Azevedo
& C, no seu escriptorio ra da Cruz n. 1.______
Rio de Janeiro.
Segu impreterivelmente no dia 10 do corrente
o palhabote nacional Piedade, tem a seu bordo par-
te do seu carregamento, para o resto que lhe falla
e escravos a frete para os quaes tem excellentes
commodos: trata-se com os seus consignatarios
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C, no seu os-
criptoro ra da-Cruz n. 1.________________
Galera Nova Fama, i
A Nova Fama satura precisamente hoje as 2
horas da tarde para o lamaro, donde seguir o
de se arrematar diversas obras de ouro e prata, o seu destino ao Porto por Lisboa amanha 8, pelas
que ludo consta do escripto existente m ma ido ; j horas* da tarde, o que se previne aos senhores
porteiro, por execoeo do tenente-eoroiiel Justino, passageiros para o respectivo embarque._________
Pereira de Faria e outre, contra Candido Thcmaz I ------------:---------------- ,.
Pereira Dutra, escrivo Sarava. I Jira 0 1 0110.
Conselho administrativo. Segu at o da 10 do corrente, a velcira barca
DE
Un caixo de pedia e cal e 7 oieia-
aguas.
0 agente Almeida, competentemente autorisado
vendara em leilo um caixo para casa em altura
de receber travejamento na ra da Concordia n.
67, com 40 palmos de frente o 70 de fundo, em
cujo terreno esto collocadas 4 mcia-aguas que
rendem 83 mensaes cada urna, terreno foreiro a'
marinha,3casnhas de ns. 1 3 sitas na travessa
da Palma que rendem 12o mensaes cada urna e
pagara 260 rs. por anno de foro Msencordai de j
Olinda, cujas casas sao pertencentes ao Sr. Anto-'
nio Joaquim dos Santos Andrade, residente em
Portugal e por procuraco bastante do mesmo e j
de sua mulher est o Sr. Antonio Jos Rodrigues
de Souza autorisado a assgnar as respectivas es-'
cripturas. O mesmo agente proceder venda
em um ou mais lotes vontade dos compradores. .
Quarta-feira 9 do corrente.
Em o armazem da ra da Cadeia do Recife n.,
48, s i i hars.
Oabaixo assignado, arrematante das dividas da
i loja de miudezas da ra do Queimado de Joaquim
Offerece-se um rapaz esirangeiro para feitor I Jos da Costa Fajozes Jnior e da loja de fazen-
de engenho, do que tem toda a pratica precisa :! das da ra Direita de Fajozes Jnior & Azevedo,
quem do seu prestim) precisa- se poder dirigir avisa aos deredores das ditas lojas tanto da praca
ra do Pilar, em Fora de Port is n. 69,que l acha-; como do matto de vrem pagar seus dbitos ao
ra com quem tratar.
Precisa-se de urna ama que cosinhe bem : na
ra da Cadeia do Recife, n. 40 primeiro andar.
Precisa-se arrendar um sitio porto da praca,
que tenha pasto para vaccas; quem tiver dirija-se
ra da Palma n. 41 taberna
D-se um cont dcTi;, premio sobre hy-
iwtheca em casa terrea, livre c desembarazada,
dentro desta cidade : quem pi ecisar declare pelo
Diario, para ser procurado.
Aluga-se urna ama que saiba cosinhar e fa- i
zer lodo mais servico de um; casa de pequea la- j
milia : na ra da Gloria n. 36._________________, j
Precisa-ce de urna balaica grande i os seus
preparos que j seja usada : ;. ra Nova n. 58, de-,
psito.
abaixo assignado no largo do Colle^io junto ao so-
brado amarello, ou na ra de Borlas n. 104 ao Sr.
Fajozes Jnior at ao dia 15 de marco, do contra-
rio ter de entregar ao seu procurador para co-
brar judicialmente. Recife, 16 de fevereiro de
1864.
Antonio Joaquim Fernandes da Silva.
:+;
Precisa-se de
mas que engomme
1K, primeiro andar.
urna aira livre ou escrava,
na ra > streita do Rosario n.
BEscrptorio de advocaeial
J A' ra do Queimado n. 30, pri- 1
meiro andar.
O advogado Cicero Peregrino continua f
no exercicio de sua prollssao na roa do I
na do Queimado n. 30, primeiro andar. *
onde pode ser procurado das 11 s 3 lio- \
ras da tarde.
Aos IO:OOOJJOOO e 3:OOOJJOOO
0onta4eira io Ao corrente, se extra-
liir a segunda parte da primara lotera
beneficio da igreja do recolhimento do
GorarjBo de Jesus de Igoarass, pelo plano
junto, approvado para as extraes das par-
tes extraordinarias das loteras.
Ksle plano superior ao que estava adop-
tada para as loteras extraordinarias por con-
ter melhores e anaior numero de premios,
e tunbetn preferivel ao das loteras de fra
da provncia, porque conlendo apenas 3,000
bilhetes, o dono de um ter de entrar na
e\t -acro no jogo de 3,000 nmeros, mun-
do as outras estes nunca s5o em menos de
6,000, sendo que as estrangeras um nu-
mero premiado joga sempre contra 49 29
brancos, e se fr de premio maior ficar
suj'jito usura de um grande descont
(altan dos da lei), nao acontecendo assim
cora o da lotera tiesta provincia, que pa-
go com a maior promptidiio.
O abaixo assignado, pois, chama a atten-
co do respeitavcl publico para o que vem
de expor, avisando que os impostos e mais
beneficios resultantes da venda nesta pro>
viticia, dos bilhetes das loteras de fra.nun*-
ca serao applicados nella, que, infelizmente^
para a reconstruccao e reparos de seu
i \ templos e clisas de instruccao e caridade,-^
quasi que s tem o recurso dos beneficios
de suas loteras.
)s bilhetes, metos e qu trios acham-se
venda na respectiva thesouraria ra da
Crespo n. 15 e as casas commissionadas-
PLANO.
::ki bilhetes a los......30:0004000
lie elicio, sello e commisso 20 0[0 6:0004000
1.1:11. vo
O conselho administrativo, para forneciment) do portugueza Claudina, por j ter seu carregamento
seal de guerra, tem de comprar os obteetai se- prompto, recebe somen'e. passageiros, para os quaes
niL,pc B tem excellentes commodos, a tralar com os consig-
natarios na ra da Madre de Deus n. 3, ou com o
M
552 cortes de cassa, 5 duzias de camisas,
2 i cobertores de algodao e 81 mantas
de lfia.
Quarta-feira 9 do tarrale.
O agente Pinto far leilo, requerimento do
administrador da massa fallida de Rostron Kooker
v i-, e por mandado do lilm. Sr. Dr. juiz especial
do commercio, das fazeadas cima mencionadas
pertencentes mema massa e existentes no ar-
mazem da ra do Trapiche n. 46, aonde se effec-
tuar o leilo s 11 horas cm ponto do dia supra-
mencionado.
Para o hospital militar.
Cheruoviz da sexta edieao I, assucar retinad) 12 capito.___________________________________,
arrobas, amido 8 libras, zeite doce 2 arrobas, a- 1;ii\i Lisboa.
gua de flor de larangeira 3 caadas, acido crico Sahlra com toda a brevidade o muito veleiro
32 libras, agua ingleza 24 garrafas, rosas 2 libras, irjut ,ugUP7 constante 11, por ter quasi
bicarbonato de soda 8 libras balsamo tranquilo pto't^o seu carregamento, tem excellentes
8 libras, balsamo de tola 1 libra chlo.ato dt po- [m^0i ara pa5sascirs, e para estes e o res-
tassa 4 oncas.coufeilos de cubebas e ferro 1 libra,, e da l!arw tl.a(a.se com Manoel Ignacio de
chocolate de musgo irlands 4 libras, canella em Q|i & F no |a do rjorpo Santo .'.I9ji
casca 2 libras, chlomfjrmio 1 libra, cremoi de ----------r--------------------------
trtaro 6 libras, caixas para pilulas (portuguezas) I lBni'a Lisboa
1 grosa, extracto de alcassiis 2 libras, extiacto1 segu com apossivel brevidade o bem conhecido-
gornruoso de opio 4 ancas, extracto de tarrares 4 (lugre portuguez Jado, para o que tem grande par
LEILO
Lava-se c eogomma-se :oupa com perfeico
por preco commodo ; na jua do Arago n. 28, se
achara com quem tratar.
Precisa-se de um caixeiroque tenha bastan"
te pratica de taberna e que d fiador de sua con"
ducta; a tratar no pateo da Santa Cruz n. 2 e 4-
A commisso encarreg: da da cobranea das
letras emiltidas na circular.^ pela extincta the-
souraria provincial convida ios Srs. possuidores
daquelles ttulos a comparecer no dia 8 do cor-
rente ao meio dia, ra estrella do Rosario n.
28, aiim de tomar conhecimento do que lia occor-
rido acerca do pleito intentado, e bem assim a
determinar o procedimenlo futuro que deva ter a
mesma commisso respeito de semelhante in-
cumbencia. Recife, 3 de mrreo de 1864.Anto-
nio de Moraes Gomes Ferreira.Adriano Xavier
Alugam-se as lojas do sobrado n. 44 em
a ra da Aurora : quem pretende-las diri-
ja-se loja dos Srs. Bastos & Magalhaes,
.na ra Nova, que acharo com quem tra-
tar._________________________________
Alugam-se o segundo e terceiro andares do
sobrado da ra do Trapiche n. 48, mi frente para
o lado do Corpo Santo : a tratar no armazem por
baixo. _____________
HOTEL TKOYADOK
Angelo Romeiro Pinheiro tendo comprado o
muito conhecido e acreditado hotelTrovador-
sito na ra larga do Rosario n. 44. participa ao
respeitavel publico que se acha prvido de ludo
quanto necessario para satisfazer a exigencia do
qualquer freguez. Outro sim communico. que ha-
nelle mesa redonda para os assignantese
oncas. extracto de caroba 4 oncas, ex ti acto d) ci-
cuta 8 oitavas, extracto de guaiaco 4 oncas, espon-
ja grossa 2 libras, cssencia de rosa 2 oncas, em-
Elastro adesivo estendido 20 varas, fezes d'ocro 4
bras, flor de rnica 4 libras, gomma arbica de
primeira qualidade 32 libras, gomma alcatira 4 li-
bras, gomma de batata 4 libras, hespo sullit;. de
soda 8 oitavas. ..termes mineral 8 oitavas, linlaca
inteira 4 arrobas, man coinmum de primeira |ua-
lidade 32 libras, musgo irlands 4 libras, maeella
16 libras, nitrato di? potassa 2 libras, oleo de ainen-
poas doce 32 libras, oxido negro de ferro 4 onr;as,
doutas de veado calcinada 4 libras, pilulasde lllan-
crad 30 vidros, pilulas de Valeit 30 vidros, pilulas
de Radrcay 12 caixas. raiz de valeriana 2 libras
sabo para opdeldoc 6 libras, subnitrato de Ilismuth
1 libra, subcarlwnato de potassa 2 libras, sig; rros
de stramonio 30. sulfato de cobre fundido 4 oncas,
tartrato de potassa e soda 2 libras, tafei ingl< i i
pajieis, trtaro emtico 2 libras, vinhobrano 52
libras, vinagre branco 21 libras, vinho de qu na e
ferro de Moi ber 12 vidros, xarope do Pendo vi-
dros de 8 oncas 24, xaropc de Uaulgny e Ducho-
mel 12 vidros, xarope deiodureto de ferro de lllan-
card 12 vidros. pupicina 1 onja, scilla 2 li iras,
frascos de 6|0 410 2|0 e l|0 24.
Para o arsenal de guerra.
Pregos de usoalho li milheiros.
Para o "." bataliio de infamara.
."50 bonets redondos para recrutas.
te da carga engajada ; para o resto e passageiros,
aos quaes offerece bons commodos, trata-se com o
consignatario Thomaz de Aquino Fonseca, na ra
do Vigario n. 19, primeiro andar, ou com o capi-
to o Sr. Francisco Antonio Meirelles, na pracx
Quarta-feira s il horas na ra da
Cadeia n. 53 armazem,
DE
Um piano novo inglez, urna mobilia de ama-
rello c um sanctuaro de Jacaranda
obra bem acabada.
Pelo agente Euzebio se sendera em leilo um
piano novo inglez, mesa elstica, dita de amarello
de 12 palmos bastante forte e o de largura, guar-
da roupa, secretaria, carrinho para menino, trem,
cama pequea e outros artigos que serao pre-
sentes.
Pereira de Brito.-Manoel Joiquim Ramos c Silva. vera nelle mesa redonda para os
avnlsos, e que fornece csmida para tora,
Jos Jeronymo da Silva
Kia mulher vo a Europa.
Para Jlaranlio e Para
pretende seguir com muita brevidade o brigue na-
cional Amata, tem parte de seu carregamento
prompto : para o resto que lhe falta, trata-se com
os seus consignatarios Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo 4 C, no seu escriptorio rna da Cruz n. 1.
Para o Porto
A bem conhecida e velcira barca portugueza
RettaurarSo pretende sahir com brevidade per ter
a bordo maior parte de seu carregamento, e pa-
ra o restante e passageiros. para os quaes tem
magnficos commodos, trata-se com os seus con-
signatarios M. J. Ramos e Silva & enros, ra do
Vigario n. 10.
PARA 0 RIO DE JANEIRO
segu com brevidade o brigue. Trovador, recebe
carga c escravos a frete: trata-se com os consig-
natarios Marque, Barros & C, largo do Corpo
Santo n. 6._________________________________
Para o Porto
pretende seguir com muita brevidade a barca por-
Quem quizer vender; taes objectos apresentcm as i tugueza Feliz, tem parte de seu carregamento a
bordo : para o resto que lhe falla e passageiros,
paraos quaes tem excellentes commodos, trata-se
com os seus consignatarios Antonio Luiz de Oli-
veira Azevedo & C, no seu escriptorio ra d*a Cruz
numero 1.
Urna excellenle e [magnifica machina per-
pendicular de serrar e seus perlences,
engenho a vapore calderas, assim como
duas serras circulares com mesas e per-
tences.
Sexta-feira 41 ile marco.
O agente Pinto far leilo, requerimento do
administrador oa mm.-.-.i fallida do llostron Kooker
& C, e por mandado do Illm. Sr. Dr. juiz especial
do commercio, da machina de serrar e seus per-
tences e mais objectos cima descriplos, a qual
machina se torna recommendada por ser do fa-
bricante llorson; o leilo ser effectuado s 10 ho-
ras em ponto do dia 11 do corrente no gazemelro
(fabrica do gaz) aonde podero os prelendentes
desde j examinarem os referidos objectos.
suas propbstas em carta fechada na secretar a do
conselho s 10 horas da manha do dia 7 de mar-
co prximo vindouro.
* Sala das sessoes do conselho administrativo para
fornecimento do arsenal de guerra 29 ie fevereiro
de 1864.
Antonio Pedro de S Barret >,
Coronel, presidente.
Sebastian Antonio do Reg Ranos,
Vogal secrelario.
Conselho administrativo.
O conselho administrativo para fornecimen'.o do
arsenal de guerra tem de comprar os obj icios
seguntes:
Para a companhia de cavallaria de linha
Bonets 10, ditos sem pala 10, luvas, parts 10,
mantas de la 10, cordas de linho, bracas lo(, bo-
tins, pares 10.
Para provimcnlo do arsenal de guerra.
Taboas de refugo de louro, duzias 10, cab) de
linho velho, arrobas 20, rame de lato, arrotas 2,
sola de lustro, metos 20, rame de ferro fino pro-
prio para amarrar, arrobas 2.
Para o hospital militar.
Chit para coberta, covados 108.
Para o deposito de anigos bellicos da
provincia do Cear.
Brim raneo, varas 3,000, algodozinho, 'aras
1,500, mantas de la 300, bonets 300.
Qaem quizer vender taes objectos apresenb m as
suas propostas em carta fechada na secretaria do
conselho, s 10 horas da manha do da 9 do cor-
rente.
Sala das sessoes'do conselho administrativo para
orneclmento do arsenal de guerra, 2 de mar;o de
1864.
Antonio Pedro le S Barrito,
Coronel presidente.
S. A. do R. Barros,
Major vogal secretario
Pela contadona da cmara municipal lesta
cidade se faz publico que a poca para pagamento
do imposto municipal sobre casas de negocie, fln-
da-se no ultimo de marco vindouro, assim erme
necessario apr sentar o conhecimento de 2C por
cento pago na recebedoria das rendas geraes in-
ternas, o que se publica para conhecimen o de
lodos. Contadoria da cmara municipa I do F ecife
29 de fevereiro de 1864.
O contador,
Joaouim Tavares Rodovalho.
AVISOS MARTIMOS.
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
PAOIJETES A. VAPOR
Dos portos do sul esperado
o vapor Paran, commandante o
capillo de fragata Santa Har jara,
o qual depois da demora do cos-
tume seguir para os portes do
norte.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no dia de sua chegada, encominen-
das e dinheiro a frete at o dia da sahida as II ho-
ras : agencia, ra da Cruz n. 1, escriptorio di An-
tonio Luiz de Oliveira Azevedo t C
IIio Grande do *nl.
O patacho D. Luiz segu com brevidade, re-
cebe alguma carga a frete : trata-se com os con-
signatarios Marques, Barros & C largo do Corpo
Santo n, 6.
Hio hraiiuY do Sul.
O patacho nacional Salt, recebe carga para
aquello porto frete commodo : a tratar co n os
consignatario Bailar & Oliveira, ra da Cadeia
numero 26.
LEILOES.
a
OK
'O barricas com castanhas mul-
to novas.
HOJE
Por cont de quem perlenrcr vender o agente
Pestaa 20 barricas com castanhas novas desem-
barcadas hontem, as quaes serao vendidas em um
ou mais lotes : segunda-fura 7 do corrente pelas
10 horas da manha no armazem do Aunes.
Engenho Espirito Sanio, una parte do
engcoho Ferrccoza e de urna escrava
por nomc Luiza (ausente.)
A15 de marco corrente,
0 agente Olimpio requerimento do depositario
: da massa fallida de Manoel Buarque de Macedo
Lima c mandado do Illm. Sr. Dr. juiz municipal
I da segunda vara far leilo em presenca dos mes-
mos do engenho denominado Espirito Santo com
bem feitorias c moenda, de urna parte do engenho
Ferrecoza e da escrava Luiza (ausente.) O leilo
ser effectuado no armazem do referido agente
ra do Imperador n. 16, no dia cima pelas 12 ho-
, ras da manha.
100
i,i:iii%o
DE
sseces com arroz do Maranho.
HOJE.
O agente Pestaa vender em leilo por conta e
risco de quem periencer em um ou mais lotes a
vontade cerca de 100 saceos com arroz do Mara-
nho : segunda-feira 7 do corrente pelas 10 horas
da manha no armazem do Annes.
DE
flO saceos com mlitio saceos
grandes.
Terca-feira 8 do corrente.
Por conta c risco de quem pertencor o agente
Pestaa vender cerca de 90 saceos com excellen-
le milho em um ou mais lotes. ter<;a-feira 8 do
corrente pelas 10 horas da manla no trapiche do
Cunha.
IEIIAO
DB
Azeite doce, avellcs,uozcs, amendoas,
litios, pssas, aillos, papel para fu-
mar e escrever.
Terca-feira 8 do correte.
O agente Pestaa vender por conta e
quem pertencer 100 botijas com azeite
saceos com avelas, 10 ditos com nozes,
com amendoas, 10 cestos com ligo?, 10
risco de
doce, 10
10 ditos
calidos
com passas, 3 ecras com albos, 1 caixa com papel
para fumar, 1 dita com dito para escrever, tudo
ser vendido em lotes a vontade ouem ums lote:
terca-feira 8 do corrente pelas 10 horas da ma-
nha no armazem do Annes defronte da alfan-
dega.__________________
LEILAO
Fa;
endas e miudezas.
Sem limites.
Cals Innos faro leilo em liquidaciio do todas
as fazendas e miudezas que se acham'no armazem
e na alfandega, por intervengo do agente Almeida,
as quaes serao vendidas pelo maior preco offere-
cido.
Terca->ira8 do corrente
emseu armazem ra da Cruz n.31, s 10 horas.
AVISOS DIVERSOS.
Preeisa-sc fallar ao Mr. Au-
gusto Pater Cesar : na livraria
n. G c 8 da Praca da Indepen-
dencia.__________ ________
0 cirurgiiio Leal mudou
a sua residencia da ra do
Queimado para a ra das
Cruzes sobrado n. 36, pri-
meiro andar, por cima do
armazem Progressista, aon-
de o acharao como sempre
prompto a qualquer hora pa-
ra o exercicio de sua pro-
fissio, chamado por escripta.
Massa fallida de Amorim,
Fragoso, Santos & G
Os senhores credores da massa fallida de Amo-
rim, Fragoso, Santos & C. que levaram seus ttulos
ao escriptorio da adminislra^o para serem verifica-
dos, podem ir busca-Ios por seacharemconferidos.
Convida-se novamente, pela terceira e ultima vez,
quelles senhores que ainda os nao apresentaram
de o fazer no praso de oito lias, do contrario dei-
xaro de ser contemplados, como credores, no ra-
leio a que houver de se proceder.______________
Amerieo Carneiro da Cimba Albuqucrque o
seus irmos fazem scientes e convidam aos credo-
res do casal de seu finado pai, Joao Dias Carneiro
de Albuquerqne, para que no dia designado, 16
do corrente, fagam apresentar as suas letras e con-
ts no lugar de seu domicilio, engenho Guepe, ter-
mo de Pao d' Aih'i. freguezia da Luz, pois me ahi
perante o juizo competente e por despacho do mes-
mo, vo proceder ao inventario e partilha dos bens
deixados pelo referido casal ; sob pena de perde-
rem seus direitos; e para que ninguem se chame
a ignorancia fazem publico o presente aviso.
Na loja de Pinto & Flore, ra da Cadeia n,
47, deseja-se saber se existe nesta provincia Manoel
Gomes da Cunha, filho de Jos Gomes da Cunha s
de Custodia Mara de Oliveira, da freguezia do Coa-
to de Cambescr (Portugal) tendo vindo para o Rio
de Janeiro, aonde residem cinco irmos ha 20 an-
uos, poueo mais ou menos._____^__________
No pnmeiro andar n. 30 da ra do Queima-
do, precisase de urna ama para o servico interno
de urna casa de pequea familia.
li advogado Dr.Manoel do ascimento
Machado Portella, contiua a ter o seu S
escriptorio no primeiro .indar da casa n. aa
83 da ra do Imperador.
*Mm%M WkWS& W9mW9nW&
Compendio de dlrcito civil.
Na ra da Saudade n. 9, vende-se o
compendio de direito civil, approvado pelas
congregacies dos lentes das facilidades de
direito desta cidade do Kedfe e da do S.
Paulo para as respectivas aulas de direito
civil patrio.
AOS 1)W,0OO
CASA DA FORTUNA. I
Bilhetes garantidos
A' ra do Crespo n. 23 r rasas do costume
Quinta feira, 10 do correnip se extrahir ase-
gunda parte da primeira lotera da igreja do re-
colhimento de Iguarass.
O abaixo assignado, recommendando ao respei-
tavel publico a compra dos teus mui felizes bilhe-
tes garantidos, lembra-lhe a vantagem que ha cm
receber os premios por inteiro, por quanto quem
' tirar a sorte de 10:0003 em bilhete garantido nao
receber somente 8:4005, ein virtude dos descon-
tos de Iti "loque lhe faro em vista das leis, mas
sim os I0:000J que vem a ser os ditos 8:4005 8
mais l-.bOOS que pagar o ; baixo assignado, im-
portancia de ditos descontos, acontecendo o mesmo
com as outras sortes. Os premios seo pagos co-
mo de costume.
Preces.
Bilhetes inteiros..... 123000
Meios bilhetes...... 63000
Para as pessoas qu; comprarem
de 1003 parf cima.
Bilhetes........ 11-5000
Meios......... 53300
Manoel Martins Fiuza.
Precisa-se de urna pes oa que tenha alguma
pratica do officb de funileiro, que queira ir para o
mato, algumas legoas arred; do desta praca, da-sc
conduc^o e paga-se bem: a tratar na ra das
Cruzes n. 38, loja.___________________________
Freta-se ou toma ca ga a frete para qual-
quer porto do norte ou sul,;, barcaca or do Mar,
que se acha ancorada na es radinha : a tratar com
' o mestre da mesma, na travessa dos Guararapes
n. 7, ou a bordo.
fornece csmida para fra, nao so
subdito portuguez e para qualquer estbelerimento como para casas
particulares, por pre^o mdico c a contento. Este
estabeleeimento acha-se preparado para receber
qualquer hospede que nelle queira assistir. para o
que olerece os melhores commodos.
Liquido.
24:0003000
1 Premio de...... 10:0003000
1 Dita de....... 3:0003000
i Ditos de 5003000 .... 1:0003000
4 Ditos de 2003000 .... 8003000
7 Ditos de 1003000 .... 7003000
12 Ditos de 403000 .... 4803000
:i9 Ditos de 203000 .... 5803000
7'i4 Ditos de 103000 .... 7:440,5000
800 Premios.
22'JO Brancos.
24:000300000
DENTISTA DE PARS
19Ra Nova-19
Frederico Gautier, cirurgio dentista,
faz todas as operacoes de sua arte, e col-
loca dentes artificiaes, tudo com superio-
ridade e perfeico, que as pessoas enten-
didas lhe reconnecem.
Tem agua e pos dentificio.
Casa tic commisso de escravos na ra
do Imperador n. 4o, terceiro andar
Nesta casa recebem-se escravos por commisso
j para serem vendidos por cont de seus senhores,
' nao se poupando extorceos para uue os mesmos se-
jam vendidos com promplido aiim de seus senho-
, res nao solfrerem empate com a venda delles. A
casa tem todas as cormnodidades precisas, e segu-
raba, assim como allanca-se o bom tratmenlo. precisa-se de urna ama escrava ou forra para o
Ha sempre para vender escravos de ambos os se- serv(;o de urna casa de pouca familia : na ra do
xos, velhos e novos
30X) Bilhetes.
3os 7 premios de 1003000 dous perteneerao aos
nmeros mais approximados ao que obtiver o
premio de 10:0003000.
Dos 12 ditos de 403000 dous perteneerao aos
nc meros mais approximados ao que obtiver o pre-
mio de 3:0003000.
Dos 29 ditos de 203000 quatro perteneerao aos
numeros mais approximados aos que obtiveremos
premios de 0OO30OO.
N. B. Os premios maiores de 4003000 estao su-
jeitos ao descont de 4 por cento por lei provincial,
e is maiores de 1:0003000 ao de 12 por cento por
lei geral.
Tesouraria das loteras 27 de fevereiro de 186i
O thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
_
O-se dinheiro a juros : na
ma do Kangel n. O.____________
"~ Precisa-se de urna ama que cosinhe: na ra
de Imperador n. 71, segundo audar.
Ao corpo do coiuincrcio.
Tondo fallecido em Portugal o socio da casa
commercial Lima, Jnior & C., Joao da Cost Li-
ma Jnior, contina a predita casa no mesmo gyro
de negocio sob a firma de Viuva Lima Jnior &
C, e sob a gerencia do socio da mesma firma An-
tonio de Souza Pavolide.______________________>
Aluga-se um moleque : quem pretender, di-
n.a-se praca da Boa-Vista n. 9.
^%*
mm
O solicitador Antonio Carlos Pereira de
Burgos Ponre de Len, liada aceita al-
gumas casas de. partido e encarrega-se
de quaesquer questes judieiacs ou exo-
cucoes por mais difflceis que sejam, pe-
ante o foro desta cidade como tora del-
ta que nao exeedam de 13 legoas. E'elle
encontrado as salas das audiencias ou
na ra Imperial sobrado n. 64, das 6 as
9 horas da manha e das i horas da tar-
de cm diante.
Queimado n. 39.
Baso 2:0003 premio sobre hypolbeca em
um predio nesia praca ; na ra das Cruzes n. 7,
se dir quem d.
lg;l;lgi,i^j{llB
Advocada.
B
O bacharel Joao Goncalves da Silva
Moniarroyos tem escriptorio na ra es-
treita do Rosario n. 17, onde pode ser
procurado das 9 horas da nunhaa s 3
da tarde dos dias utes.
hFVlIU
Pede-se ao Sr. marchante que andou no dia 24
de fevereiro de 1864 com unas letras, dando 4 OO
a quem assgnasse para tirar 8:0003 da caixa fi-
lial, como se arranjou com oste negocio, meu ami-
go, nao ha mais quem queira assignar esles papa-
gaios. Meu bom amigo, no.- diga como tem se ar-
ranjadocora os 17:5003000 do Sr. C. Hora, dga-
me, este matulo fica desgranado, nao compra mais
un boi na feira nem um bode, e Vme. edificando
bons predios, boa casa mojilhada de Jacaranda,
inclusive sua companheira c seus pequeos. Ago-
' ra Vmc. tem recurso, passai as compras dos gados
, para Santo Anto. __________________
A ttenco.
Balbina Firmina da Silva Rosa, professora par-
, ticular, tem aberto sua aula do instruccao prima-
ria na ra do Vigario n. 20, segundo andar, all
acharo os Ilustres pais de f imilla que a qulzerem
honrar, confiando della a educaco de suas fllbas.
O cuidado que toma em sua aluoinas urna ga-
ranta de que aproveitaro muito, tanto na ins-
truccao como nos ira ta [nos le agu ha.
Precisa-se de um caixdro com bastme pra-
tica de molhados para o armazem do Balisa, largo
do Livramcnto n. 38. _________________
Oprofessor de flores de cera,
1 Contina a dar licoes de flores de cera com a
maior perfeico possivel; formando em 30 licoes
um rico quadro om todos o: vegetaes, tirando as
discipulas habilitadas a fazer ;m todas as qualida-
des de flores e fructas ronhicidas e aquellas dos
pazes da Europa : as pessoas que quizerem ulili-
sar-se de seu presumo, pdein proeura-lo na ra
do Arago n. 26, sobrado, di -manha at as 9 ho-
ras, de tarde das 5 por diantc.______
Na ra do Crespo n. 1;>, se aluga urna boa
casa e sitio no Monleiro, com frente para o oito
da igreja.
AH\Mlt<>
No armazem da Aurora Brilhante. largo da San-
ta Cruz n. 84, precisa-se de um caixeiro que en-
teada perfeitamente de taberna.
I'arinha r, fardo
No armazem da Aurora Brilhante, largo da San-
ta Cruz n. 84, chegou grande quantidade de fari-
nha em saceos, o vende-se mais barato.
No escriptorio de Claudio Dubeux vende-se
milho novo e farelo, sendo as saccas de milho a
335OO com 4 arrobas de peso, e o fa re lo a 43500,
lendo de peso 3 I|2 arrobas. Igualmente se vende
urna caleea quasi nova, em muito bom estado, o
toda forrada e pintada de novo.________________
Inhamci.
Vendcm-se 3,000 inhames muito novos, chegados
de norte, pelo barato preco de 30 rs. a libra; a
el es. antes que se aeabem : na taberna da ra do
Imperador n. 83.____________________________
Roga-se ao Sr. Joao Valentim Vilella Jnior,
Ictiefe daestaeo Krexeras, que venia ou mando
i p: gar na taberna da ra do Imperador n. 83 o que
wo ignora.
Precisa-se de urna ama que cozinhe bem : na
ra da Cadeia do Recife 11. 40, primeiro andar.
Pur exocugo de Antonio Fcrreira Pinto con-
tri Francisco Xavier de Moraes, se ha de arrema-
tar por venda, perante o juizo municipal de Olin-
da, na sala de suas audiencias, no dia 10 do cor-
rente, pelas 11 horas da manha, um sitio no lu-
gar do pateo do Carino da mesma cidade de Olin-
da, com urna morada de casa de sobrado de um
Na ra Novan. 36.precisa-se alugar um prc-
to para carregar um caixo com miudezas com
outra pessoa, sendo bom pag>se 03 por mez.
Offerece-se para administrador de qualquer
engenho um portuguez sem familia com muitos
annes de pratica de agricultura c distlaco : quem
de seu servico precisar dirja-se ra do Crespo
n. 17, que achara com uuem tratar.
at 1 ra da an'dar, chaos proprios, toda murado, dous porloes
de ferro, urna cacimba de pedra e cal e tanque ao-
Perdeu-se desde ra Nova,
Concordia um embrulho conlendo quinhenlos e
.piai enu c um mil res em dinheiro; a pessoa que
oachou, tendo consciencia e querendo restituir.
dfrija.se ra Nova n. 18, 011 ra da Concordia
n. 15, que se gratifica com a metade da dita quan-
tia, e se dar os signaes.
lado, urna bica tamhem de pedra e cal de agua de
beber, corrente e permanente, cocheira e galinhei-
ro, avahado por 6:0003-______________________
~ Em a noite do dia 18 do corrente mez, pelas
8 horas fugirain da cidade de Olinda da casa da
alaixo assignada dous mulatos escravos de noines
Guilherme e Moyss, o primeiro escuro, pouca
barba, traz pera e bigode, estatura ordinaria, com
Flix Pereira da Silva, subdito portuguez,
retra-se para fra do imperio, por algum lempo,' _
levando era sua conqianhia sua niullier Mara Fe-: Jj"ide"'de"3 30annoVe seccodo corno, e padece
lcia de Aranjo Silva, e deixa como seus procura-, de eryS(l0||;l ienj0 por isso a perna esquerda en-
dores, em 1." lugar a sen socio o Sr. Antonio Pe- |cnaja 0 segundo claro estatura ordinaria, labios
reir da Cost Gama, em 2." ao Sr. Joao Pereira coraj0# nar'z um pouco chato, grosso do corpo,
Moutnho, e em 3. ao Sr. Luiz omingues de se,,i barba e representa ter de 18 20 annos, tendo-
Souza.
na caben urna marca de cicatriz sem cabello: am-
bos foram vestidos e calcados com palitos escuro*
D-se 1:0003 a premio sobre hypotheca em
ca
ocurX'" 4U,",' U'L""C VV' """'" V"a "" fa de amarello envernisado cotendo 1 11 saqui-
v _____________________------------- I nlio com cerca de un contt de rafe em pecas de
- Precisa-se arrendar um sitio perto da praca, louro novas e velhas, tres doblas portuguezas, um
rasT terrea livreTdeshancada dent^0 iWiaei" i dc brim ***** ou ***** : levaram conr
que tenha pasto para vaccas
ruada Palma n. 1, taberna.
quera tiver dirija-se
.?*
\i
E* ** ** *&;% +&* rr*
Advocada.
Os advogados Manoe Jos Pereira de
Mello e Antonio Bango! de Torres Ban- XK
deira tem o seu escriptirio na ra es- B
treita do Rosario n. 10, primeiro andar. *
e ahi podem ser procurados das 10 horas $|
da manha at s 3 da tarde.
Innc *m wmmM
- Urna senhora encarregi-se de mandar lavar
e engommar roupa de algum senhores estudantes,
Eor commodo preco : quem quizer, dirija-se a ta-
erna da fundico, que dir onde deve procurar ,
tambem quer-se aluhar urna prela que faja o ser-
: vico de casa, e saiba engommar.
U acadmico Inneu Ceciliano Pereira da Cos-
t faz publico que d'ora cm diantc chamar-se-ha
Irme Ceciliano Pereira Joffity.______________
Precisa-se tomar a premio por oto metes
5:0003, dando-se 1 or garanta um sobrado em boa
ra e de muito mais valor : que 11 quizer fazer
este negocio, deixe carta fechada aonde deve ser
procurado, na lypographia do Sr. Figueiroa, com
as iniciaes A. M.
doirao e urna moeda americana grande e urna pe-
qama porco de moedas de ouro de cinco mil reis
e oilars; muitos papis de importancia, algumas es-
crituras publicas de acquisico, papis de com-
pras do esc ivos. entre os quaes est o do mulato
Mi"yss, certidoes de bapUsmo dos lilhos da abaixo
assignado, conhecinientns de decima, um recibo do
banco inglez de 7:1003000, una letrado 5:0005000
na) endossada, e duas letras saccadas per Fran-
cisco Gomes de Oliveira como testamenteiro do fi-
nado Henry Gybson, e aceitas urna por Marcellino
& 1',. da quant'a de 1:8585180 e a outra da quantia
de 2:0153660 reis aceita por Antonio Correa de
Vasconccllos, com endosso em branco, ambas ven-
civeis em 30 de marco do corrente anno, cujosacei-
Precisa-se de urna ama para cozinhar para duas antes j se acham prevenidos para as nao paga-
pessoas : na ra Imperial n 25. _____________' reto se nao a abaixo assignada : urna corrente do
Aluga-se um sitio muito perto desta praca, o ouro lctea para relogio cem sinete.jdgumas joias
qual esta todo murado, e tem grande casa de viven- de ouro e pedias e um pequeo caixo de madeira
da edificada ha muilo
tender, dirija-se a rol
AMA
Fugio lo sitio da
o escravo de nomc Caetano, de idade 45 annos,
pouco mais ou menos, tem os dedos das miios e
Pedias de Fogo ; a abaixo assignada roga encare-
cidamente s autoridades policaes de os capturar,
fondo sitio.
.. vos ( que talvez digam que sao livres) urna ben-
Precisa-se de um homem que saiba tratar do galla de estoque de cana da India verraelha com
planta de capim c corlar, e que tenha familia nao gomos com o cabo preto de bfalo.
faz duvida : na loja do Passcio n.','. Ubaldina Amalia de Mello.
f
i


Itia; lo de rcrnamboeo Segunda felra $ de Marco de 184.
AVINO
A pessoa qoe dr noticia de Mathildes Maraa
Conceicao linalmenlo legalizada, ser bom pratili-
cada, dirigindo-se ra do Amonio n. 13, sepuu-
do andar, cntender-se mi o Sr. Theophilo Ped o
do Rosario ; este por parto do professor .loaqui u
Domiogues da Trindade, na provincia de Sergipe ;
esta mulher viora da proviucia cima ein lS-fG pi-
ra 57, em companhia de un tal Manoct Cabocol),
oOlcial de sapateiro. para esta cidade, e consta que
fallecer._________________________
- Na ra do Amonm n. 58, segundo andar, 56
precisa alugar urna escrava para o servieo de caa
de familia, pagndose liem.________________
- Precisa-so de um amassador que entend
perfeitamenle do trabalho : na padaria da ra
'Real, no Manguinho, n. 35._________________
Pierro Puech, subdito francez. retira-se par i
Europa. _________ _____
Antonio de Muaos Gomes Kerreira retira-so
para fra do imperio. ____
Do litio do Mondego u. i, defronte da fabri-
ca de rap, fugio um guara, cor de rosa : quem >
entregar em dito sitio se gratificar.
ttocledadc de seguros mutuos
de vida Installada pelo naneo
i'uio na cidade do Porto.
Os agentes nesta cidade e provincia Antonio
Luiz de Oliveira Azcvede & C escriptorio na ra
da Cruz do Recite n. 1. estao aatorsadas desde {i
a tomar asignatura! e prestar todos os esclareci-
iTicntos que torem ecessarios, as pessoas que de-
sejareni coacorrer para tao til e benfica empre-
zas, egurando um futuro Ifeongebro aoa associade,
- A pessoa que tiver una preta escrava para
alugar dirija-se ra da Cadeia do Recite n. 43,
segundo andar.
y
Maques sobre Portugal
O abaixo assignado, agente do banco
mercantil Portuense nesta cidade, saca ef-
fectivamente por todos os paquetes sobre
o mesmo banco para o Porto e Lisboa, por
Jualquer somma, vista e a prazo, po- g
endo logo os saques a prazo serem des- 1
contados no mesmo banco, na razio de 4 9
por cento ao anno aos portadores que as- f
sim Ihe convier: as ras do Crespo n. fl
8 ou do Imperador n. SI.
Joaquim da Silva Castro.
mmwm mam mmm i
Precisa-sc de orna ama comleile: qi
ra Augusta n. 5.
Precisase de um hoinein que saiba dirigii
urna carroca com boi e urna canoa : no sitio do
Sr. Luiz Camhronne, em Santo Amaro.________
Alnga-sc o tereciro andar da casa n. 88 dii
raa dalmperatriz, e o sobrado n. 193 da ra Impe
r.al : na ra da Aurora n. 36.
Gelo, gelo, gelo.
Com a chegada da nova machina nao se expe-
rimenta mais falta de gelo fabricado com agua do
Prata, todos os dias a qualquer hora, para por-
tees grandes ou encommendas para fra da pro-
vincia dever haver aviso com antecedencia : ra
da Aurora junto a fundieao onde tem a bandeira
Alugase, comprase, troca-se por casas ter-
reas, adianta se alguma quantia pelo arrendamen-
to. um sobrado de um andar, rom bstanles com-
modos ou mesmo de dous andares, embora menor,
sendo as ruasprincipaes da Boa-Vista ou de San-
to Antonio: quem tiver dirija-se a ra do Cabug
loja de cera n. 5.
Precisa-se de um criado, preferc-se a mr de
i i M annos na ra da Senzalla Velha n. 140,
segundo andar.
COMPRAS.
Compra-se garrafas e botijas vazias : na ra
das Cruzes n. 42, junto a esta typographia.
Comprase eflrtivamente ouro e prata em
obras velhas: na prac,a da Independencia n. 22
loa de bilhetes.
Mirras
Comprase urna escrava sadia e que seja perita
cozinheira : na ra do Queimado n. 31). loja.
(. ompra-se e/f'ec tica-
mente
ouro e prata em obras velhas, pagando-se bem ,
na ra larga do Rosario n. -24, loja de ourives.
Garrafoes.
Compramse garrafoes ee todos os tamaitos a
340 rs. : noarmazem da Aurora Rrilhante, largo
da Santa Cruz n. 84. ______________________
Paga-se bem.
No largo da Santa Cruz n. 12, rompram-se dous
ctales grandes envidracados, assim como se pre-
cisa de um caixeiro bem pratica em taberna.
Compram-se garrafas vasias
ta n. 72.
na ra Direi-
i{ Curso de preparatorios
Francez,
Inglez,
|*< Geoinetri.i,
i Geographia,
Rhetorica
g ra do Queimado n. 30, primeiro andar,
|| das 10 s 2 da tarde.
O bacbarel Thom Fernandes Madeira de
Castro mudou o seu escriptorio de advogacia da
ra do Imperador n. 71 para mesma ra n. 77.
primeiro andar, e contina a advogar no adminis-
trativo, commereio. civel. crime e ecclesiastico.
VENDAS.
Francisco Garrido avisa ao respeitavel publico,
qne na sua casa denominada Traviata, na ra lar-
ga do Rosario n. 37, ter disposicao de hoje em
dante dous buhares demogno competentemente
preparados ; refrescos, sorvetes, etc.
I10SARIO--3
Francisco Pinto Ozorio contina a col-
locar denles artificiaos tanto por meto de
molas como pela pressao do ar, nao re-
cebe paga alguma sem que as obras nao
flqucm a vontade de seus donos, tem pos
e outras preparaces as mais acreditadas
para conservarn da bocea.
11*
Precisa-se de urna ama de meia idade e de bom
comportamento, para urna pequea familia, deven-
do saber cozinhar. engommar e lavar, tudo bem :
quem esliver nestas circumstancias, appareca na
botica do Sr. Pinto, na ra dos Quarteis, que se
lie dir quem precisa.
Antonio Francisco Moreira, Portugacz, vai
Portugal.
A pessoa que annunciou precisar de 600& a
joros, dirija-se a ra da Impcratriz n. 34, primeiro
andar.________________________________
Precisa-se comprar escravos de ambos os se-
xos, nao excedendo a idade de 15 annos : nesta
typographia se dir quem os quer.
LIVROS RELIGIOSOS.
Na livraria n. 6 e 8 da prara da Indepen-
dencia, vende-se as seguintes obras, a 10000
cada urna.
0 Novo Mez de Mara ou mez de maio, con-
sagrado Gloriosa Mai de Deus, por urn
sacerdote da diocese de Belm, traduado
do italiano a adoptado pelos revereodissi-
mus padres capuchinhos de N. S. da Pe-
nha da cidade do KecilV.
Relicario Anglico do Jesos Cliristo e de Ma-
ra Santissima, ofl'erecido a Nosso Scnhor
Jess Christo, preso columna.Nov-
sima edico com a oracag tnenlal, novas
devoces N. S. da Conceicao da Rocha
e enriquecida com eslampas.
Visita ao SS. SS. e i Marta Santissima, para
lodos iis dias do mee,Actos de prepa-
rarn e acclo de gracas para a sagrada
coinmiinliao, Modo de resar a COTOa
das Dores de Nossa Senhora, e Actos
que o ebristao leve fazer lodos os dias.
-*-Novissima nliiviu adornadas com diver-
sas eslampas, e augmentada de novas de-
voces N. S. da Conceicao da Rocha e
Via Sacra.
0 Devoto Cliristo, instruido no compen-
dio da doutiina, as regias da vida de-
vnta, do exatne de consciencia e prepa-
racSo para a ronlisso e comnianbaoj do
iudo de ouvir missa e meditar o rosa-
rio, e DO cniliiviiiiciito das indtilgonrias
concedidas aos seos coufrades.Novenas
da Assenro do Scnlior, da Conceic5o e
do Natal, das Minas, a novena e trezena
de Santo Antonio, a Via-Sacra breve, e
outras militas devoefles, rom i i ni ti I gene ias
parochiaes e [llenaras.
Veudeui-sc caixes vastos .
tfjHOO: nesta typographia.
Vendem-se 5 pares de azas para an-
os, por prego commodo : na ra da Impe-
atriz loja n. 72 A.
SAL
Vndese excedente sal portuguez, a bordo do
lirigoe escuna Granosa : a tratar na ruada Cruz
ti. 33, primeiro andar, escriptorio de Antonio de
ilmeida Gome..
A bordo da barca brasilea Iris existe supe-
iorfarinlia de mandioca, que se vende em por-
< oes ou a retalho : a tratar a bordo da mesma, ou
no escriptorio de Amorim I raos, ra da Cruz nu-
inero 3._______________________________,
Vndese urna tendendeira, urna niasseira e
i m cylindro, tudo em bom estado : na ra Dircita
tos Afogados n. 13. Na mesma casa vndese una
canoa que pega 00 lijlos, ludo por prego com-
modo.
RANGEIASANTIBLENNqRRHAGICAS DE DUNAND
o-INT oo HOSP. dos VENEREO de PARS -1? PREMI01854
Superiores a todas as preparscOes cocheadas at boje contra as *onorrhai e Blannorrhaaiat as mais internas a rabaldei.
Ilfltilo seguro opromplo, sem nauseas, nem colica, era tremor. Pacis a tomar em segredo sem t sana.
Injecgo curativa e preservativa
lBfaHHl, cari com rapidez ten dora os eKorrivtnlos cODlaglosot da aubos aeos. riora krancai. Adslrinjranla %
lalaamica camtHcUade, brille* 01 ttguenlo c 09 preserva Deposito geral em Pernambuco ra da Cruz n. 22 em casa de Caros A Barboza
45 Ra Direit 45
Oicam! oicam !!!
CALCADO
Bom e novo, a primeirl neeessidade para a sau-
de e aformoseaiuento do individuo!
Meu Dos!... que ps de pavao se lobrigam por
essas ras I que figura horrenda c nauseaute a
de um palctol bem talbado sobranceiro a um
fuedet roido em duas solas! um balao bem tor-
neado e bambaleante dcscubrindo urna punta de
botina safara e carcomida I I
Sania Barbara!! Corraiu ra Direita, bellas e
rapazesl sacudam na praia esses malditos gueiU-s,
< comprem :
llorzeguins de N'antes 85000.
Ditos francezes de bezerro 75.
Ditos fraucezes para homem -'3.
Ditos para senhora, de lustre, enfeitados, 35300.
Ditos para senhora, gaspia alia, VS800.
Botinas de menina 25300.
Ditas de cores para menina 25000.
Sapatoes de Nanles de duas solas 35-
Hilos de sola e vira '*55O0.
Sapatos de borracha para senhoras 15300
Ditos para meninos 15000.
Sapatos de lustre para senhora 15.
Ditos de tapete para homem e senhora 800 rs.
Dilos da liga constitucional 300 rs.
E um sortimento comple.o em sola, vaquetas,
couros, bezerro francez como nenhum, couro de
lustre multo grande, e tudoquanto pertence arle;
de S. Chrispim.
DNIAO
RCANT1L
RA Di CADEIA 1IO RKCIFE W. 53.
NOVO E
m UAZBU DS MOLHDOS
RA DA CADEIA DO DECIFE \. 53.
Francisco Fernandes uarte acaba de abrir na ra da Cadeia do liecifen. 53, um grande e sortido armazem de molhados de-
nominado Vniao Mercantil. Neste grande armazem encontrar sempre o respeilavel publico um complelo sortimento des melhores
gneros que vem ao mercado, tanto estrangeiros, como nacionaes, os quaes sero vendidos em porgues ou a retalho por pregos asss
commodos.
Manleiga ingleza especalo ente escolhida Vinagre de Lisboa a 200 rs. a garrafa e
de primeira qualidadea (00 rs. a libra,' 1 9200 a caada.
em barril se faz abalimer to.
Manleiga franceza a mais su >erior do mer-! 800 rs.
cado a 5(i0 rs. a libra, e oO rs. em barril Azeite doce de Lisboa a 640 rs. a garrafa e
ou meio. 4(800 a caada.
Prezuntosinglezesparafiamlre, de superior Genebra de Hollanda a 500 rs. o frasco e
Sardinhas deNantes a 340 rs. oquarloe 560
rs. meia lata.
OS MAIS AGGRAVANTES
i:
Ir"urna pertiita/, iiracao
ESCRFULAS,
O ERPCOES ESCROFULOSAS,
riccrns de lodit i especie,
SYPHILIS, 0( MAL VENREO,
TlMIOItES,
Flxill
ItJOO'
BERTOEJAS,
OPHTHALMIA,
I[ydrii]ii.sa,
Empgens,
HERPES,
la ros,
ERYSIPELAS
KSfOKM 10,
Tiali,
CHAGAS ANTIGS,
Rheumatsmo Chronco,
DEBILIDADE GE^AL,
Ncnosidadc, NevraJgias,
fut ni! arsm, mstio,
SUPPRESSO DAS REORA3, ou
AMENORREEA,
Reicca te lifiias,
EMACIAgAO,
Ou emmagrecimt ntogtraldocorpOiprom-
"te mmwmu chiokicas,
Affec903s Chronicas do Pigado,
1 110 rODAS AS MAIS -IMII.IIANTKS MO-
IJtSTIAB, l'KINCII'M.MKNIK ijIANDO SAO
iva id \~. ou prodzid \a pe <> hci
UVKC eso 1>0 Ubrcumio 00
Ql IMXO,
\--.lut rnitio tnnihriii |ii'l rrrqiionlr io ln A IC-
MCMl ( oiilllii, lilrimnij ,. lliii.inrm
Todas estas Enfeniiidades proinpta e efficaz.
mente cedem A benfica, poderoza e
purificantes qnaudades da mui
justamente afp.mada
qualidade, chegados neste ultimo vapor, a
720 rs. a libra.
Queijos flamengos chegados neste ultimo
vapor a 2,5800.
Queijo prato muilo fresco e novo a 640 rs.
a libra.
Castanbas muilo novas a 120 rs. a libra e
e 3,5000 a arroba.
Cha nxin o melhor que ha nesle genero,
mandado vir de conta propria a 2(5800
rs. a libra.
Cha liyson muito superior a 2*5560 rs. a li-
bra ; cha liyson proprio >ara negocio a
l.'iOO rs. a libra.
Cha preto muito superior a 2(3 a libra.
Biscoulos inglezes em latas com diHerentes
qualidades, como sejam cnknel, victoria,
piquelez, soda, captain, eed, bornez e
outras muitas marcas a l3."i().
i Bolachinha de soda em latas grandes a 2,5.
[ Figos em caixinbas bermetii'amente lacra-
das, muito proprias para mimo a l#30O.
! Caixinhas de 4 e 8 libras de lgos de coma-
dre a i;>e 25 cada urna.
Passas muito novas, chegadas neste ultimo
vapor a 50> rs. a libra e 35 um quarto ;
e em caixa se faz abalimenlo.
Ameixas francezas em latas di meia a 3 li-
bras a 800 rs.
Champagne da marca mais superior que
tem vindo ao nosso mercado a 18(5 o gigo,
garante-se a superior qualkade.
Vinho Bordeaox das melhores qualidades
que se pode desejar de 7(5OO a 8(5000 a
caixa e 720 a 800 rs. a garrafa.
Caixascom vinho do Porto superior de 96
a lO&aduzia, e 900a#a garrafa; deste
genero ha grande porro e de differentes
marcas acreditadas que j se venderam
por 149 e 155 a caixa, como sejam: Duque
do Porto, Lagrimas do Douro, D. Luiz,
Cames, Madeira secco. Car iavellos, Nc-
tar de 1833, Duque Genuino.
Vinho de pipa: Porto, Figueira e Lisboa, a
Azeite doce retinado em garrafas brancas a Latas com peixe em posta : savel, corvina.
vezugo, cherne, linguado, Isgoslinha, a
.5300 rs.
Salmo em latas, preparado pela nova arte
de cozinha, a 800 rs.
Maga de tomates em latas de 1 libra a (Cu
ris.
55800 a frasqueira.
Caixinhas com ameixas francezas, ornadas
com ricas eslampas na caixa exterior, Choui iras e paiosein latas de 8 e meia libra
muitoproprias para mirao,a I$200,1*55001 por 75.
e 25- : Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra e
Frasco de vidro com tampa do mesmo, con-; 85C00 a arroba.
tendo meia libra de ameixas francezas, a
15200.
Marmelada imperial, dos melhores conser-
vemos de Lisboa, em latas de 1 e meia a
2 libras a 600 rs a libra.
Fructas em calda das melhores qualidades
que ha em Portugal em latas hermtica-
mente lacradas a 500 rs.
Peras seccas muito novas a 640 rs. a libra.
Nozes muito novas a 160 rs. a libra.
Amendoasde casca molle a 400 rs. a libra.
Avelas muito novas a 200 rs a libra.
Amendoas confeiladas de diversas cotes a
800 rs. a libra.
Mag5as e peras chegadas neste ultimo vapor,
muito perfeitas, s vista se faz o prego.
Conservas inglezas em frascos grandes a 750
rs. cada um.
Ervilhas francezas e portuguezas em latas de
1 libra a 640 rs.
Ervilhas seccas muito novas a ICO rs. a
libra.
Chocolate francez, o que lia de melhor neste
genero, a 15200 a libra.
Chocolate hespanhola 15200 a libra.
Genebra de laranja em frascos grandes a 19.
Cerveja branca e preta das melhores marcas
que ha no mercado a 500 rs. a garrafa e
5*800 a duzia.
Cognac inglez de superior qualidade a 800
e 15200 a garrafa.
Licores francezes das seguinles qualidades:
Anizete de Bordeaux, Plaisir des Dames
e de outras muitas marcas a 15 a garrafa
e 105 a caixa.
Marrasquino de Zara a 800 rs. a garrafa e
95 a duzia.
400,480 560 rs. a garrafa, e 35, 35200, Mostarda ingleza em potes j preparada a
e 35500 a caada. 400 rs.
Vinho branco de superior qu.ilidade, vindo
j engarrafado a 640 rs. agarrafa e a 500
rs. de barril.
Mostarda ingleza em p, em frascos grandes, |
a 15 cada um.
Sal refinado a 500 rs. o pote.
Bolaxinha ingleza a 320 rs a libra e 45 a
barrica.
Sag muito novo a 240 rs. a libra.
Cevadinha de Franga a 200 rs. a libra.
Farintia do Maranho a 120 rs. a libra.
Ararott verdadeira a 320 rs. a libra.
Cevad;) a 120 rs. a libra e 35 a arroba.
Alpislia 160 rs. a libra e 45'SC0a arroba-
Batatas muito novas em gigos cem 40 libras
por 15500.
Cebollas a 15 o mol!.o com mais de 100 ca-
da um.
Caf lavado de primeira qualidade a SCO rs.
a litra e!)5a arroba.
Caf do Cear muito uperior a 280 rs. a li-
bra e 85400 a arroba.
Caf do Rio, proprio para negocio, a 85-
Arroz do Maranhoa 100 rs. a libra e 25800
a ar.viba.
Arroz de Java a 80 rs. a libra e 29400 a
arroba.
Vellas de spermaceti a 560 rs. a libra e
540 rs. se for em caixa.
Vellas Je carnauba refinada a 320 rs. o mas-
so e a 95 a arroba.
Doce de goialia a 640 rs. o caixo.
Macarras, talharim e aletria a 480 rs. a li-
bra ; em caixa se faz abatimento.
Eslrellnha.pevide earroz demassa para sopa
a 600 rs. a libra e 35 a caixa erm 6 libras.
Palitos de denle lixados com flor a 200 rs.
o masso, ditos lixados sem flor a ICO rs:
ormsso com 20 massinhos.
Gomm;i de engommar muito fina a 80rs. a.
libra.
Banha de porco refinada a 480 rs. a libra e
400 rs. em barril pequeo.
Charutos dos melhores fabricantes de S. F-
lix, em caixas nteiras ou em meias, de
1*9000, 25e35.
Presun:os do reino, viudos de conta propria
de casa particular, a 400 rs. a libra; iutei-
rose faz abatimento.
Os senhores que comprarem de 1O05OOO para cima, teriio o descont de 5 por cento, pelo prompto pagamento.
Rlill
COMMERC
RIJA 1IO QIEOIADO \. 45*
Ptissando o becco da Congregacao segunda casa.
StM-.PlBWr.IM M RRKTOL
A venda as boticas de Caors A Barboza,
NOVIDADE.
Pereira Rocha A C. acabam de abrir na ra do Queimado n. 45 um armazem de molhados denominado Claiim Commercial,
. onde o respeitavel publico encontrar sempre um completo sortimento dos melhores gneros que vem ao nosso mercado, os quaes
ra da Cruz, c Joo da C. Bravo & C, ra sero \endidos por pregos muito resumidos como o respeitavel publico ver pela tabella abaixo mencionada : garante-se o bom peso
da Madre deDeos. e ba qualidade dos gneros comprados ueste armazem.
i|tJl^^!g5^1 Arroz Jo Maranho, da India ( Java a 80 e Chourigas e paios muito novos a 800 rs. a Palitos do gaz a 26200 rs. a grosa.
Bom cavallo.
Vende-se um bonito e bom cavallo do
sella muito gordo, por prego razoavel :
para ver na corheira do Sr. Paulino e
tratar na loja da ra do Crespo n. 1, jnn-
HS lo ao arro de Santo Antonio.
POR M\0S DE EZ POR CENTO.
m
100 rs. a libra e 25*00 a 25300 rs. a ar-
roba.
Ameixas francezas em latas e em frascos a
15200 e 15600 eemfrascos grandes a
25500.
Idom em caixinhas elegantemente enfeitadas
libra. Passas muito novas a 480 rs. a libra.
Cevadinha de Franga muito superior a 220 Peras seccas muito novas a 600 rs. a libra.
rs. a libra. Paingo a 200 rs. a libra.
Cevada a 80 rs. a libra. Polvo seoco muito novo a 400 rs. a libra.
Ervilhas portuguezas a 640 rs. a lata. i Preguntes de Lamego em calda de azeite e
dem seccas muito novas a 200 rs. a libra.' muilo novo a 640 rs.
com ricas estampas no interior das caixas J Figos de comadre e do Douro em caixinhas Qoeijosflamengcs do ultimo vapor a 25100
a 125000,15400, 15600 e t',5. de oito libras e canastrinhas de 1 arroba a ris.
Amendoas com casca muito novas a 280 rs.' 15800, 55500 e 280 rs. a libra. dem prato a 040 rs. a libra.
a libra. Farinha do Maranho a 120 rs. a libra. i Sal refinado em frascas de vidro a 600 rs.
Alpista a 160 rs. a libra e a 45600 rs. a ar- Farinha de trigo a 120 rs. a libra. cada um.
roba. Genebra de Hollanda verdadeira marca VD Sardinhss de Nantes a 320 rs.
11 Mi!
Chapeos de castor preto. fazenda fina, por Ifii
:ada um: na ra do Queimado n. 43, esquina que: Azeile doce francez muito fino em garrafas a 560 rs. o frasco c 65200 rs. a fasquei- Sag muito alvo e novo a 260 rs. a libra,
rula para a Congregado ; estao-se acabando. | grancIc3 a 9G0 rs. a garrafa. ra. Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
&WS1E4 "
CONSERVATIVO
DE
jroAQiroi si JiAo nos sauttos
23-Largo do Tero-23.
O propietario deste armazem de molhados v mde os seus ja bem conhecidos gneros de pri-
meira qualidade por menos de dez por cento do que en outra qualquer parte, garantindo-se a supe-
rior qualidade.
Nao se diz o preco pita nao espantar.
Vinho das melhores marcas.
Man'.eiga ingleza flor.
Iden franceza.
Banha de porco retinada.
Vcll.is de spermaecte.
dem de carnauba.
Caf bom do Rio.
dem superior do Cear.
Toucinho de Lisboa.
Cha le diversas qualidades.
Queijos novos do vapor.
Milho alpista limpo.
Gomina de engommar al va.
Sibao de diveisas qualidades.
Ciouricas muito novas.
A'rozde diversos preco.
Serwja das raelliores marcas.
Sardinhas de Nantes novas.
'i'in'bra de laranja superior,
hiera do Hollanda marca Gallo.
1 liosphoros do gaz.
lolachinha ingleza em barricas.
Pissas muito novas.
Fgas de primeira qualidade.
Bicoutos e bolachinhas de soda.
Ciarutos de diversas qualidades.
Alm dos gneros annunciados eiistem outros muitos que enfadonho6mencinalo?,a dinhel-
ro coudo.
Vende-se a propriedade denominada Maltez, fita
na freguezia de Tracunhaem da comarca de Naza-
relh, com urna legoa de frente e meia de fundo, e
proporges para nella se levantar um bom enge-
nho de fazer assucar, sendo que actualmente ren-
de ella mais de 1:0005 que pagam os moradores
dem de Lisboa a 640 rs. a garrafa.
Araruta verdadeira de matarana a 320 rs. a
libra.
Avelas muito grandes e novas a 180 rs. a
libra.
Batatas muito novas a 40 rs.
Biscoutos inglezes de diversas marcas a
15300 ris.
que tem: quem a pretender entenda-se nesta pra- Bolachinhas de soda, latas grandes, a 25 rs.
j a lata.
Ditas inglezas muito novas a 35000 a barri-
quinlia e a 20(1 rs. a libra.
Banha de porco refinada a 440 rs. a libra e
eembarrila 410 rs.
Cha hysson, huchin c perola a 15600, ,
25500, 25800 e 35000 a libra.
____ dem preto muito superior a 25000 rs. a li-
bra.
Cerveja preta e branca, das melhores marcas
que vem ao mercado, a 500 :s. a garrafa
e 55800 a duzia.
dem em garrafoes de 3 e 5 guios a 55500 Tijolos de limpar facas a 140 rs.
e 75500 cada um com o garrafo. i Vellas de carnauba pura a 360 rs. a li-
Gomma do Arcaty a 80 rs. a libra. bra.
Graixa a 100 rs. a lata e 15100 rs. a duzia. dem stearinas muito superiores a 600 rs. a
Grao de bico a 150 rs. a libra. I libra.
Licores muito finos a 700 rs. a garrafa. i Vinho do Porto engarrafado o melhor que
dem, qualidade especial c garrafas muito ha neste genero e de varias marcas, como
grandes, a 15800 rs. a garrafa. sejam : Velho de 1815, Duque do Porto,
ea com o Sr. Antonio Jos Leal Reis, na ra da
Cadeia do Rccife n. 47.
Vende-se uT7 carro com vidraras, proprio
para particular, e rom arreios novos d metal prin-
cipe ; quem o comprar, nao faz a menor despe-
za. Tambem se vende a parelha de cavallos rucos,
gordos e grandes, multo bons troladores no carro e
na sella, andam bailo at nicio : ver e tratar na
ra do.Cotovello padaria n. 31.
Vende-se un tapete avelludado para
urna sala, obra muito boa c por preco commodo
e tratar na Soledade n. J8.
Vende-se para mais de cento e oitenla mi
Iheiros de telhas e tijolos de alvenana batida, la-1 _, ,
drilho c tapamento ; no becco das Barreiras olaria Cognac inglez lino a *JOO i s. a jrrala.
n. 15, acharao os pretendentes muito barato em
consequencia da methor qualidade da obra que
podeapparecer, para ver ajustarpodemdirigir-se
a ra Novan. 49, armazem de louca, ou na mes-
ma olaria com o socio e administrador Zacharias
dos Santos Barros.
Para a qiiareftfua.
Ricos corles de vestidos de chamalolc, morean-
tiquc com flores, fazenda nova, enfeites para ca-
liera de senhora, e ricos pontea para tranca e ban-
dos, guarnecidos de perolas, vende-se muilo bara-
to noarmazem da Kxposicao de Londres, na ra
da Cadeia do Recife n. 60.
Conservas a 720 rs. o frasco.
dem, s de pepino, a 720 rs.
dem, s de azeitonas, a 750 rs.
Charutos dos melhores fabricantes da Babia
e especialmente da fabrica imperial de
Candido Ferrara Jorge da Costa, a 15800,
25000, 25200, 25500, 258C0, 35000 e
35500 a caixa.
Caf do Bio muito superior a 200, 280 e
300 rs. a libra e "5500, 85 e 85500 rs. a
arroba.
dem garrafas mais pequeas a 800 rs.
dem, garrafa forma de pera e rolha de vi
dro, a 15000 rs., s a garrafa vale o di-
nheiro.
Madeira, D. Pedro, D. Luiz I, Mara Pia,
Bocage, Cliamisso e outros a 800, 900 e
15000 a garrafa, e em caixa com urna du-
zia a 95000 e 105000.
Manteiga ingleza perfeitamente flor, desem- dem em pipa, Porto, Lisboa e Figueira a
barcada de pouco a 800 rs a libra, e de 8
libras para cima se far urna differenca.
dem franceza muilo nova a 560 rs. i libra,
e em barril ter abatimento.
Massa de tomates em barril a 480 rs. a li-
bra.
dem em lata a 640 rs.
Marmelada imperial dos melhores conservei-
ros de Lisboa a 600 rs. a lata.
Marrasquinho de Zara, frascos grandes, a
800 rs.
dem regular a 500 rs.
Massas para sopa : macarro, talharim e ale-
tria a 480 rs.
Nozes muito novas a ICO rs. a libra.
Peixe em latas preparado pela primeira arte
de cozinha a 15 rs. a lata.
Palitos de dentes a 160 rs. o masso.
Palitos de dentes a 120 rs.
dem de flor a 200 rs.
480, 500 e 500 n. a garrafa e 35, 35500
e 45 a caada,
dem branco de Lisboa muito fino a 50 rs.
a garrafa,
dem de Bordeaux. Medoc e S. Juliena 700
c 800 rs. a garrafa, e 75000 e 75500 rs.
a duzi.
dem Morgaux eChat-?auluminidc 1854, a 15
a garrafa,
dem moscatel a 800 rs. a garrafa.
Vinagre de Lisboa a 200 rs, a garrafa e
15200 rs. a caada.
Kirsk garrafas muito grandes a 15800 rs.
Alm dos gneros cima mencionados te-
mos grande pe 3o de outros que aginaos
de mencionar, e que tudo ser vendido por
pecas e carnadas, tanto em porcoes como
retalho.
Quem comprar de 1005000 para cima te-
r o abate de 5 por cento.



MUTILADO



Diario de lernaiul>ueo ttcgnndn felia 1 de Mareo de 1 94.
I
ATTENCAO
9 LiAIU.O 1BO CMllillO 9
GRANDE SORTIMENTO
DE
11%
-i I ^
j> .y .
I
PARA A FESTA.
DUARTE & C.
Participan aos seas numerosos freguezes e ao publico em geral que acabara de
receber de sua propria encommenda, o mis lindo e completo sortimento de moteados,
os quaes vende por grosso e a retamo por menos 40 por cento do que outro qualquer
annunciante, como vero pela seguinte tabella que abaixo notamos, garantindo os es-
mos proprietarios nao s o peso como z qualidade de seus gneros.
AVISO.
Todos osseahores que compraron para negocio ou casa particular de lOO para
cima terao mais 5 a 10 por cento de abatiment, os proprietarios scientificam mais que
todos es seas gneros sao recebidos de sua propria encommenda, razo esta para pode
vender por muito menos do que outro qualquer estabelecimento.
Vellas de carnauba e composico de 32o a
36o rs. a libra e de lo.ooo a il.ooors. a
arroba.
ttflAXDE KEYOfjflJ^iO
NU
ARMAZEM
DO
ATTENCAO
AOS
O liomem do movimento mo estaciona.
AVANTE E SEMPIE
GUERRA AOS INIMIGOS
.\;io se aduiilte a uuio comnimial.
i\o sequer a liaba la allianca.
Nao se teme a furia dos corsarios.
Ust auno ha de ser hissexto.
Os eanhes et preparados.
FOSO! BOI FOGO!! ~- MELHOR FOGO!!!
Abaixo a \h Tagua no vinagre
Viva a liga do genuioi Chcres com o fiambre!
Viva o conservador das conservas iiiglezas!!
Vivam os liberara fregoeze do BALIZA!!!
Vivam lodos que. Icreiii esle aiuiunrio.
DO
PROGRESISTA
RIJA HAS ttl%E \. 3G
E
RA DO CRESPO N. 9
N*> bairro de Mani Antonio.
Joaquina .los ornes de Mouza tera a honra de participar ao respei-
tavel publico, que tem resolvido vender os seus gneros de primeira qualidade por menos
10 a 20 por cento do que ou'.ro qualquer anunciar, como se v do presente annuncio.
asseverando o proprietario d'estes armazens a aquellas pessoas que frequentarem estes,"
estabelecimentos, que nunca terao occasio de reclamar qualquer genero, visto ter-s
adoptado n'eslas casas o ptimo systema de so se negociar com gneros especialmente e
comidos.
SEMWHES
SE Sil O HAS.
Manteiga ingieza flor a 8oo rs. a /ibra.
Castanhai muito novas a .ooo rs. a caixa, e
a 16o rs. a libra.
Bolinho francez e em caix.in.uas de 7oo a
l,5oo rs. cada urna,
dem franceza a mais nova do mercado a 56o
rs. l libra, e 5io rs. em barril.
dem de poro* refinada muito alva 46o rs.
a libra.
Amanto para fianbre a 8oo rs. a libra.
Cha uxitn miudinho vinJo de conta propria,
o mel'tor do mercado a 5,8oo rs. a lilira.
dem byson de superior qualidade a 2,6oc rs.
a libra.
tem perola o melhor que se pode desejar a
2,7o rs. a libra.
dem preto muito fino a 2,r>oo rs. a libra,
dem mais batan pouco a 2,ooo rs. a libra.
dem mais baixo a l,8oo rs. a libra.
Vinho do Alto Douro viudo do Porto engar-
rafado garante-se a superioridade deste vi-
nho. das seguintes marcas : Duque, (e-
nuino, velho secco, especial lagrimas do-
Genebra de flollanda em botijas de conta a
440 rs. a botija, e em duzia ou em barrica
ter abatimento.
Massas para sopa macarro, talharim e aletria
a 48o rs. a libra e em caixa ter abati-
mento.
dem estrellinha. rodinha e pevide em taixi-
nhas de 8 libras, muito bem enfeitadas de
2,5ooa 3,5oo rs. a caixinha e a 6oo rs. a
libra.
Boce de goiaba em caixas de diversos lma-
nnos de 6oo a l.ooo rs. o caixao
Sabao massa de 2oo a 24o rs. o melhor, em
caixa ter abatimento.
dem hespanhol a 28o rs. a libra.
Peixe em latas muito novo ; savel, pescada,
corvina, salmo e outras muitas qualidades
preparada de escabeche 2ua arte de cosi-
nha de l,2oo a l,8oo rs. a lata.
Figos em caixas de 1 arroba, V* e 8 libras
O proprietario do grande Armazem do Baliza estabelecido ra do Livramcnto ns.
38 e 38 A, defronte da grade da igreja, acaba de reduzir os precos de quasi todos os
gneros do seu magnifico deposito.
A tarifa abaixo publicada atiesta bem esta verdade.
A guerra aos inimigos, est portanto, assim declarada.
As pessoas, ainda as mais exigentes, que se dignarem vir este estabelecimento,
ficaro por certa muito satisfeilas, nao s quanto s qualidades dt gneros, como com o
tratamento todo attencioso que se Ihes dar.
Alm documprimenlodos deveres da boa educaco, haver dora era diante ainda
maior capricho em salisfazer a todos que honrarem osla casa.
Os gneros pelas qualidades e precos annunciados, sero offe.-ecidos ao examc
dos Srs. compradores. Noreceieo publico que se pralique o contrario, como em outras
casas, que al annunciam o que nao lem-----O baliza nao illude-----
Ameixas francezas em caixinhas eem frascos Licores inglezes e francez.es em vazos de di
de diversos tamaitos a l,2oo, l,6oo, versos tamanhos a l.ooo, l,5oo e 4,8oo
CHA
hysson, uxim e perola a 2.400, 2,600 o
2,800 rs. a libra.
CAF
muito superior, do Rio e do Cear a 8,000
e 8,400 a araoba e 300 rs. a libra.
VINHO
de Lisboa e da Figueira a 3,560 e 4,000 a
a caada,
do Porto engarrafado de diversas marcas a
1.000 rs. a garrafa.
Bordeaux de diversas qualidades a 7,000,
8,000, 9,000 e IOjJ a duzia.
CHAMPANHE
CONSERVAS
inglezas a 8,500 a duzia e 760 rs. o frascos
SAL REFINADO
em frascos de vidro com tres libras a 600 rs.
PEIXE
em latas ermeticamente lacradas a 1,000
rs. cada urna.
PORVOS
do Porto muito bem conservados a 500 rs.
a libra.
MUSTARDA
preparada muito nova a 400 rs. o frasco.
MARMELADA
dos melliores conservemos a 640 rs. a libra.
ESPERMACETE
2,ooo, 2,5ooe2,8oo rs. ea libra a 8oo rs.
Amendoas novas a 32o rs. a libra.
Azeite doce refinado a 8oo rs. a garrafa.
dem de Lisboa a 6 lo rs. a garrafa e 4,8oo
rs. a caada.
Alpiste a 16o rs. a libra, e 4,8oo rs. a arroba.
rs. a duzia.
Manteiga ingieza flor a 8r o rs. a libra e de 8
libras para cima ser aberto um barril na
presenca do comprador,
dem de 2.a e 3.a qualidade a 7oo, 6oo e 4oo
rs. a iibra.
a 8,ooo 4,ooo e 2,ooo rs. a caixinha.
ees de 1819 ymho especial D. Pedro V., Barris de villll0 branco de quint0> raarca B
vinho velho, Nctar superior de 1833, Da- & Filho a to,ooo rs. o barril.
quedo Porto de 18.14, vinho do Porto ve- Marmelada imperial dos m Ihores conservei-
llio superior, raadeira secca de superior
q'ialidade, vinho do Porto superior D La-
ta 1 Vle 1847, lagrimas do Douro espe-
cial, vinho do Porto de l.oooa l,2oo rs.
a garrafa e d- lo.ooo a 14,ooo rs. a caixa
com urna duzia.
Bolacliinha de soda especial encommenda e a
piiis nova que ha no mercado a 2,2oo rs. a
lata
Biscoitoj inglezes das memores marcas em
latinb'isde 2 libras a l,3oo rs. a lata.
Idei) in?lezes craknel em latas de 5 e 7 libras
de 5,ooo a 6.000 rs. a tata, e em libn a
8110 rs.
Queijos do reino chegados pelo ultimo vapor
a 2.5oo rs. cada um.
dem prato a 7oo rs. a libra.
ros de Lisboa a 64o rs. a Ltinhade 1 libra,
ha latas de 1 'i e 2 libras.
Massa de tomate em latas douradas de 1 libra
a 64o rs. a lata.
Ameixas franoezas em caixinhas elegante-
mente enfeitadas de l,5oo a 3,ooo rs. 2
caixinha, tambem ha latas de 1 '/* a O ''
bras de 1,230 a ,5oo rs. a lata,
dem em frascos com tampa de rosca a l,6oo
rs. o frasco.
Chocolate portuguez, hespanhol, francez e
suisso a l,2oo rs. a libra.
Conservas inglezas das seguintes marcase
Mixde-Picles e cebollas simples a 75o rs
o frasco.
Ancoretas de vinho colares a 5o,ooo rs., e
a 72o r,s. a garra f
Vinho em pipa das mais acreditadas marcas Sardinhas de Nantes a 32o rs. a latinha.
como sejara B A F., PRll, JAA, outras Charutos das mais acreditadas marcas de
militas marcas, Porto, Lisbcfa e Figueira ; 2.5oo a 4,000 rs. a caixa.
de 48o, 5oo, 56o, 64o e 800, rs., e o do Champagnhea melhor do mercado de l2.ooo
Porto fino em garrafa, e em cenada a a24,ooors. o gigo, e de I,2ooa2,ooors. a
3.000, 3,000, 4,003 e 6,5oo rs. o melhor garrafa,
do Porto. Popel greve paulado ou liso a 3,000 rs. a res-
Arroz do Maranho, da India, e Java a 8c e.Idem franceza a 560 rs. 1 libra, eembarril
loo rs. a libra. I por menos.
.. ... ... Idemem latas a 20060 e a 1,5300 a lala.
Aletea branca e amarella a loo n. a libra- MasM de tomate em barr a 48Q a |bra
Araruta verdadera a 32o rs a libra. ,,,em em ,ata 6i0 ,ala
Batatas novas em g.gos de 36 a 4o fibras por Moslarda ngleza 4()0 e (0 ris 0 pote
Marmelada imperial dos melliores fabrican-
a melhor que temos neste mercado a 20,000 muito superior a 560 rs. a libra, e em caixa
I rs. o gigo. I a 550 rs.
nmmmm.'. CHARUTOS
' LfcRNEJA da Bahia a 1,600. 2,200, 3,000 e 4,000 rs.
muito superior a 5,000, 5,500 e 6,000 rs. a a caixa.
duzia. TOCINHO
GENEBRA muito novo a 9,000 rs. a arroba e 300 rs. a
de Hollanda em frasqueiras a 5,500 e 500 libra-
I rs. o frasco. tnviLHAb SLCCAb
1 as mais novas do mercado a 120 rs. a libra.
!de soda em latasgSs'.VoOO rs. cada! P^,T08| JftARA MESA
uma. muito bem fetos a 160 rs. o maco.
1 inglezas em barricas a 4,003 e 240 rs. a VINAGRE
lihra. de Lisboa PRR a 240 rs. a garrafa e 1.60O
BISCOUTOS rs. a caada,
em latas de todas as qualidades, a 1,300 rs. AMENDOAS DE CASCA
cada lata. as mais novas do mercado a 24 rs. a libra.
ARROZ FARINHA DE ARARUTA
da India e do Maranho a 2,(00 e 8,000 a verdadeira e muito nova a 400 rs. a libra e
arroba e 100 rs. a libra. 10,000 rs. a arroba.
l.ooo rs. e a 4o rs. a libra.
Biscoitos inglezes Lunch a I800 rs. a lata de
5 libras,
dem de diversas marcas em latas menores
a l,3oo rs.
dem de Lisboa de qualidade especial em la- j
tas grandese pequeas a 3,ooo e l.Soo rs.
Bolachinhas americanas, a 3,ooo rs. a barrica
e 2oo rs. a libra.
tes de Lisboa a 600 rs. a libra.
Marrasquino de zara a 800 rs. o frasco e a
8 a duzia.
Massas para sopa, taJharim e macarro a
480 rs. a libra.
dem finas, estrelinha e pevide, caixinha
com 8 libras a 1;5600.
.iNozesa 16o rs. a libra.
Banha de poreo a 4io rs. a libra, e em barril, Peixe nre|)a1(]o (le escabeche, da melhor
a 4oo rs. I qualidade que tera vinJo ao mercado, a
Baldes americanos muito propnos para com-1 f^ a lata.
I Presunto de laraego muito superior a 480
Cha huxym, hyiuon e porola a 3,ooo, 2,8oo,
2,5oo, 2,oo e l,6oo rs.
dem preto a 2,ooo, l,6oo e l,ooo rs. alibra.
Chanpagne a melhor do mercado a 12,oooo
gigo e a l,2oo rs. a garran.
Chocolate francez primeira qualidade a I,loo
rs. a libra,
dem hespanhol a l,2oo rs.*a libra,
dem suisso a l,ooo rs. a libra.
Cerveja branca marca Allsopps a 4,5oo rs. a
duzia, e a 4oo rs. a garrafa.
dem Bordoaux das mais acreditadas marcas
a 7oo rs. a garrafa, e a 8,000 rs. a caixa.
Garrafoes com 5 garrafas de superior vinho
do Porto a 2,2oo rs. com o s-arrafao.
ma.
dem de peo pautado ou lizo de 3,5oo a
4,000 rs. a resma.
Gomma muito fina e alva a 80 rs. a libra.
dem com 5 garrafa de vinho da Figueira mais M,f alPlsta e Pains0 de iGo a 2o re- a h"
proprio para a nossa estaco por str mais ,ra' Q a
fresco a 2,4oo rs. com o garrafao. 1 Pa,!,os do az a 2-2o rs- 8'osa e 2oo rs. a
dem com 5 garrafas de vinagre a l,2oo rs. duzi:a- M
com o gacralao. Vasos in8,eZ3S {le 4 3 16 libras vastos, muito
Vinho branco o mais superior que vem ao
nosso mercado a 56o rs. a garrafa, 3 a
4,3-00 rs. a caada.
Velas de esparmacate as melhores neste se-
ero de 56o a 6io rs. o maco, eem cai-
xa ter grande abatimento por ha.er
grande porcao.
Azeite doce em barril muito fino a 64o rs.
a garrafa e 4,800 a caada.
dem francez retinado a 800 rs. a garrafa.
Ervilhas francezas e purtuguezas a 64o m. a
lata.
Bocetas eom doces seceos de Lisboa de 3oo
a 3,5oo rs. cada uraa.
Toucinho deLisboa a 3oo rs. alibra. e a'
9,ooo js. a arroba.
Njzcs muito novas a 16o rs. a libra e 4,800
rs. a arroba.
Caf de I., 2.a e 3.a qualidade de 26o, 3oo:
e 36o rs. alibra, do Cear de 7,8oo, 8,6 io,
e 9.2oo rs, a arroba do melhor.
Arroz da ludia, Java e Maranho de 2.8) a
3,ooo a arroba, e de 80 a loo rs. a litra.
Passas muito novas a 8,5oo a caixa e too
a libra ha caixas rneias e quartos.
Sevadinha de Franca a 24p rs. a libra.
Sag muito novo a 28o rs. a libra.
proprio pira deposito de doce manteiga
ou outro qualqner liquido de l,ooo a
3,ooo rs. cada um.
Licores das melhores marcas e mais finos
a l.ooo rs. a garrafa e em caixa ter abati-
mento.
Cognac verdadeiro inglez a 9oo rs. a garrafa
e lo,000 rs. a caixa.
Chouricas as mais frescas do mercado a 800
rs a libra.
Genebra de laranja em frascos grandes a
l.ooo rs. o frasco.
Serveja das mais acreditadas marcas de
rs. a libra.
dem para fiambre (ingkz) a 640 retal
libra,
dem americano a 400 rs. a libra.
Papel almaco a 3000 a *esma.
dem de peso a 2j a resma.
Palitos para denles a 160 :s. o maco.
Dito dito de flor a 200 rs.
Ditos do gaz a 2,5200 a g -oza
Passas novas a 480 rs. a libra e a 1,5800 a
caixa.
Cognac inglez a 64o rs". agarrafa a 800 e a Queijos flamengns do ultimo vapora 2$500.
1,000 rs. Dito lumlrino a 900 rs. a libra.
Concervas inglezas em frascos grandes a 75o Dto prato a 640 rs. a libra.
rs. o frasco. Sardinhas de Nantes a 320 rs. a lata,
dem francezas de muitas qualidades a 5oo Dita de Lisboa a 640 rs. em lata grande.
rs. o frasco e a 5,5oo rs. a duzia. Sag muito superior a 24o rs. a libra.
Charutos neste genero temos grande sorti- Sal refinado,en potes de vidro, a 600 rs.
ment tanto da Rabia como do Rio de Ja- o pote.
neiroa I,00, 2,2oo, 2,5oo, 3,ooo e4,ooo Sabao massa a 120, 160, 200 e240 rs. a
rs. a caixa. libra.
_ ... Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Cafe do Cear muito superior a 28o rs. a libra 1)itu lle sintos e 300 rs a iibra#
e a 8,00a rs. a arroba. Tijolo para limpar facas a 140 rs. cada um.
dem do Rio a 3oo c 28o rs. a libra. Vassouras americanas a 04o rs, cada urna.
Ceblas a 9oo rs. o raolho com mais de loo uem (!o Porlo a 400 rSj cada uma_
CEVADA
muito nova a 2,500 a arroba e 100 rs. a
libra.
GOMMA.
muito superior em saceos con quatro arro-
bas a 2,000 e 100rs. alibra.
CASTANIIAS
piladas muito novas a 320 rs. a libra.
PASSAS
as mais novas do mercado a 8,000 a caixa e
e 500 rs. a libra.
AMEIXAS
francezas em latas de 1 e 1[2 libra a 1,000
rs. a libra.
SARDINHAS
de Nantes muito novas a 300 rs. a lata.
ERVA DOCE
muito nova a 300 rs. a libra e 9,000 rs. a
arroba.
C0M1NH0S
os mais no vos e mais superiores a 400 rs. a
libra.
NOZES
muito novas a 160 a libra e 5,000 rs. a ar-
roba.
SAG
o melhor que pode haver neste genero a
2*0 rs. a libra.
MASSA DE TOMATE
em latinhas de 1 libra por 600 rs. a lala.
SABAO MASSA
neste genero ha semj're um grande sorti-
mento variando o preco de 120 a 240 rs.
por libra.
MAIS ATTKM^lO !
Existe alm d'estes gneros, um explendido sortimento de phosphoros, fumo, al-
pista. peras em calda c seccas. figos, copos finos para agua, massas para sopa, azeite. ca-
nella, pimenta, velas de carnauba, banha de porco, papel, e outros muitos gneros, de es-
tiva, que todos serlo vendidos por mdicos precos.
ceblas.
Chouricas o paios a 72o rs. a libra.
Cevadinha de Franca a 2oo rs. a libra.
Cevada muito nova a Ho rs. a libra.
Copos lapidados a 5 e 6,000 rs. a duzia.
Doce de goiaba em Utas a 4oo rs. a libra,
dem de caj em latas a 320 rs. a libra.
Ervilhas francezas e portuguezas a 5oo e 64o
rs. a lata.
B.Soo a 6,5oo a duia e de mais a 5oo rs.
a garrafa.
dem em botijas e meias, sendo preta da
muito creditada marca T de 6,5oo a 7,8oo
rs a duzia.
Ceblas em molhos grandes a 800 o molho
640 o cento, e a 6,5oo rs. a caixa
Pimenta do reino a 34o rs. a libra.
Farinha do Maranho a 1 4o rs. a libra.
Tijolo para limpar facas a 160 rs. cada um.
Cominho a 4oo rs. a libra.
Erva doce a libra.
Canella a l.ooo rs. a libra.
Batatas a l.ooo rs. o gigo com 32 libras liqui-
das e 3,000 rs a caixa de duas arrobas.
1 ^elas de carnauba e composico a 320 rs. a
libra e a 105 a arroba,
dem stearinas superiores a 560 rs. o
maco, e em caixa por menos.
Vinho do Porto, neste geneno temos o me-
lhor sortimento possivel, que vendemos
por preros muito haixos a 15 a garrafa e
a 10) e 125 a duzia.
dem Cherry. oda Madeira em barris e em
dem seccas a 16o rs. a libra. caixa-a ^ a caixa e o barril conforme o
Figos de comadre em caixinhas com 8 libras tamanho
por 16oo rs. dem de Figueira e Lisboa, em ancoras de
Farinha do Maranho a 12o rs. a libra. 8 a 9 caadas, por 285000.
Farinha de trigo muito superior a 12o rs. a Ditoem pipa a 35000, 3$>00 e40ooo a ca-
libra. na'!;i
Farelo em saceos grandes a 4,ooo rs.o sacco Hta do Porto, denomiuado Baliza, a 55 a
Genebra ingieza marca gato a 1,00o rs. a gar- caada.
rafa dem idem em garrafes a 2.5300, com o
. garrafao.
Idemra-dadeira de Hollanda em frascos muito Uein de Bordeaux, das melhores marcas que
vem ao mercado, a 65 a caixa e a 640 rs.
Tendo o proprietario dos armazens do progressista deliberado nao concordar
com a liga da Uuio Commercial, Clarim, Allianca, etc., etc., etc., declara que s con-
corda em alliar-se aos seus faeguezes, fazendo com^stes urna liga de interesses recprocos'
tendo os seus alliados a faouldade de comprarem por precos muito cm conta o bom fiam-
bre, o formidavel oueijo e a siborosa bolacliinha de sola, que fazem urna boa allianca
coma superior champanhe e o porto fino, nicos que sabem imitar a unio destes ar-
mazens com os seus concurrentes. Vinde, senhores, aos armazens, aonde podis d'en-
tre um muito explendido sortimento desaborosos alimentos, escolherdes os quemis
vos apetecer, certos de que nunca lereis occasio de arrepender-vos de gastar o vosso
dinbeiro nestes estabelecimentos.
FARIWHA FONTANA.
Farinha da muio acre loitan;) Tsemlmicaia hoje, vcude-se
por preco mais coinmotl do que em
(jjnlqucr ontra parte : na roa da Oiiz
i:. 4 rasa de .\. 0. Bicher & C sutees-
.uva* de pellica.
Nvarar) para i loja d'agtiia branca, roa do
Qa.imado n. 8.
- Branco em maca,
Vende-se em latas d 28 libras o mell.or que po-
'. aver i 2 I do llusario n. 34.
VDDK-SE
i ilia de mandioca em saceos de dons alquelres,
|nr M-i'(;oxnminodo: na ra do Amnrim n. 41,
nan di' Ifaiimt Mawi da Coia & C.
Vende-se o liS van-a tonrina affoif ao
lo: a tratar na traressa das Crazes n. l\,ji ija.
vfirida de urna hypothcca.
Os liqaidatarios da massa fallida de
Jos Aiitono Basto ve;.dcm a bypathe-
ca que tem nos ennenhos 'lio fin-sso
|e Cajabuss no 'crmo le Scrinhem no
valor de 34:83SS911 rs.; a Halar as
\ casas a ra do Trapiche 11. 34.
i: llifi.hBih
Yea (a procedenen. em pedra. ehega-
mercado, na na do Trapiche n.
19, armazem de Mnuoel Telxel-
ra Itnsto. ^^____^_
Cal de Lisboa c potassa da
Hn.sHin.
Vende-ae na ra daCadeia do lecife n. 2fi, para
onde se mudon o antiyo e aceitado deposito da
mesma ra n. 12, ambos os genera sao notos e
legitimos. o se, vendem a prego mais barato do que
'uira qauqaer^part.
grandes a 1,2oo rs. o frasco.
dem de Hollanda em frascos pequeos a 5oo
rs. o frasco,
dem de laranja a l.ooo o frasco.
Gomma do Aracaty a 8o rs. a libra.
Graxa a loo rs. a lata e I,loo a duzia.
Linguas americanas de grande tamanho a Vinlm de caji a 15 a garrafa.
i ,ooo cada urna. tem dez annos.
a garrafa.
Vinagre de Lisboa a i #600, t,58oo e 2#000 a
caada.
Idtm idem.em garrafes com 5 garrafas, por
i5 com o garrafao.
Este vinho
Kna da Senzalla n 42.
Vende-se, em casa de S. P. Johnston & C.,
sellins e silhoes inglezes, candieiros e casti-
caes bronzeados, lonas inglezas, fio de vela,
chicotes jiara carros e montara, arreios para
carros de um e dous cavallos, e relogios de
ouro patente inglez.
GAZ GAZ GAZ
por preco rcdnzldo.
Vende-se gaz da melhor qalidrde pelo
pre o de I0> por lata de 5 galocs : no ar-
ina/.em do Caes do Hamos n. 18 e ra do
Trapiche Novo n. 8.
Os precisos Ki//teres pa
ra enancas.
s
Cheparam e aetum-M venda na na do Quei-
mado, lnj:\ d'apuiabranra 11. 8.
Millo i US aam
e Ifif rs. a cala : no patio d Paraizo n. Ifi, oitao
paraa ra da Florentina-
Foijao feijao feyfto.
Rua da aladre deDcus us. c 9.
Vende-se sarcos grandes rom feijao das sepmiiles
qualulades : I ira neo, auiarello, rajado e ntolatinho,
niai-barato que em oulra ijualquer partf, assim
tomo sardinhas em barris de i .200 |K>r SjOOO, ludo
proprio para lempo de quaresuia.
Farello a 45 o saeer rinde : no paeo da
Sania inu n. 4. junto a nadarla.
AURORA BBILHABTE
LARGO DA SANTA CRUZ N. 84.
O proprietario do grande jrmaiem de molhados denominado fAnrora Brilhante. acaba de
reduzir o prejo dos seus gneros, precos estes que moito bao de agradar aos senhores com-
pradores.
,iiv;is de foutin.
leecbii-se luvas de Jonvin brancas e pretas
proprias para a qnaresma : na rua do Qneiinado
loja do lieija flor n. 63.
Traiuinhas ilr lia lisa para cifeilcs de ramisinha
i de srubnia.
i;.i. ien-se, traneinlias de diversas' corea pe-
, ea le 30 varas a 6W) r.. e de O rs peuuenaa :
na rua do Qiinimado loja do heija flor n. 03.
Eiifcili's de reilinhas rom laro na frente.
Recetieii-si*: variado srirtinienio demfeitesde
diversas cores ;i l.'>'iOO : i a rua do Queimado
loja do beija flor n. 63.
Vende-se nm nortlhote : na taberna do An"
dr na encruzilhada de Beln.
Manteiga ingieza flor a 7O e .
l)iia hamburguesa muito nova a
i Dita franeeza a V0 e 560 rs. e era
barris a......
Queijos do reino novos a 3J300 o .
Presuntos novos de Laraego, liiira a .
ChouriCM do reino novas, libra a
Ksperinaeelemuilo lino a 70. (>40 e .
Velas de carnauba arroba 105 e libra
360 e.......
Cha hysson muito superior a 25300 e
Dito perola a
Dito miudinl'o a 25H00 e
Pito preto muito superior a 15800, e
Latas com bolacliinha de soda de 5
libras a......
Ditas com biscoitos de varias qualida-
des. ......
Dice de goiaba e banana lino a 400.
560 (caixau) e .
Marmelada nova dos melhores auto-
res, lihra a 640 e ....
Laias com peixe savel, capolo, fango,
eongro, salmootc o outros muifos
bem preparados ...
Sardinhas de .Vaoles. hilas a .
Fraseos eom genebra de Hollanda da
verdadeira, a 300 e feas |ueiras a
Garrafocscora genebra le 15garrafas a
Frascos com genebra de laranja a .
Yinhos da Figueira e Lisboa, a 400.
300 e...........
Pilo do Porto lino a 640, 7 o. .
Dito branco proprio para minsa a .
SiTVeja do toas marcas a SK) rs. a
gariafa e du'.iaa. .
Cognac verdadeiro, a garrafa por.
Vinhos linos engarrafados 00 orto, a
garrafa por 15. 15200
800
800
1*500
15280
25000
35800
25000
040
720
600
640
800
800
300
200
140
500
80
160
16U
480
320
480
:2o
400
so
160
200
240
15000
15000
160
200
Awitn muitos outros generes que deixam do se mencionar, ludo da nilhor qualidade e
^*. por precos inuiu coniuiodos.
Dilo musralel e Seiubal a 800 e .
Lici res linos a 800, 15000 e .
Catatabas com ameixas muito enfei-
tadas a I56IM) c.......
Latinhas eom ditas a 15300, 25 c .
I)iia com figos de comadre hotos a
l-:>300e.......
Dita* com ervilhas francesas e portu-
guezas a.......
Ditas rom ostras a.....
'tas eom massa de tomates ,
lina; com (iructas de Portugal a 560 e
A/.eitonas de Klvas em frascos a
Frascos com conservas a 730 e .
Ditos com moslarda franceza a .
Macos com 20 tnaeinhos de palitos de
denles a......, .
lijlas de limpar a.....
Araruia vardadeira viuda de encom-
menda, a lihra a.....
Gomma de engomar a 25100 a ar-
roba e a libra a 100 o
Tapioca imuii> nova, a libra a 140 e
Brvilhas seccas agrao de Meo, a libra
Mas-as pata sopa, macarro, lalharim
liria, a libra.....
Hit 18 brancas, viudas de Lisboa, a .
'evide, estivllinhas e rolinhas a .
Cafa de primeira s re, a libra a 280 e
labio verdadeiro hespanhol, a libra .
Dita massa a 160. 200, 240 e .
Alpista a 43800 a arroba e a libra
Painco a 35 a arroba e a libra
amendoas de casca mole a 360 edura
Azeile doce refinado, a gorila a 8iN)e
Molhos com mus ile 100 ceblas a. .
i'.istanhas novas, a libra ....
lg*CK)0 Xozes, a libra......
320
35000
480
640
600
320
1*700
2530o
35000
25250
33000
15400
640
720
1500O
320
5*300
15000
500
Mfj
640
33830
15000



Diario ie Peraawhnco tefnnna letra 3 de Marco le I8S-1.
*-
ALLIANCA
CIR1WDE 1R33UEM
DE
MOLHADOS
0 nico que mais vantagens offerece ao publico.
57 RA DO IMPERADOR 57
'..'
DE
Paulo Ferrelra da Silva.
0 proprieario deste grande estabelec i Tiento de molnados, recebe por lodos os
vapores e navios os melliores gneros que \;m ao mercado, os qnaes vende era seu ar-
ina;:em pelos mais resumidos preeee.
Tendo enejado ;i pouco da Europa, aonde deixou pesso.is encarregadn para a es- #]
cofl a do seos penaros, lem a honra de
ino elle pode vender 6o barato e por
seus freguezes com os melhores gneros
V!
Dnarle cv. C, vendem em seus armazens Uniao e Commercio e lar-
go do Carino n. 9, armazcm progressivo, os seguintes gneros deserbalea-
dos ltimamente.
Verdadeiro vinlio collares em ancore-
retas de 9 caadas a 50,000 e 800
rs. a garrafa.
Farello de Lisboa marca N ou Biato
tigo a 4,> a sacca.
Vinagre l'RB, em ancoretas de 9 ca-
adas a 18,000 e 2,000 rs.a ca-
ada.
Passas em caixas, meias e quartas a
8,000 4.000 e 2,000, a 480 a libra.
Peras seceos em caixas de quatro li-
bras o melhor que se pode desejar
a 2,500, e 640 rs. a libra.
distabas de 4 libras e 2 com amei:
a 1.500 e 2,500 rs. a caixinha.
ai.iiunciaraorespt.,tav.-l,1ubl.co, que ninguem eo- gg a p0rUlguez, o meibor que
tao reM.rn.dos pretos; serv.ndo como costumaaos gg (le naver d/b neste a
qoe apodedesejar. i,ooors. a libra.
ATTENQO.
* Qmrendo o proprietario deste to u.il estabelecimento a concurrencia da boa
freguezia, lem deliberado vender sempre por monos do que oulro qualquer, garantindo
aos sens fregueses lodo e qualquer genero sabido de seu acreditado armazem.
Manteiga ingiera a mais nova e lina chegada Velas estearinas a 56o re. a libra e eracaix*1


-t
2*
t
Bulaxmha de seda em latas grandes a .ooo
rs. cada nina.
Figos em caixinhas herraiticnmenle lacradas
e atrito proprios para mimo a I.Goo e
2,0oo rs. cada urna.
dem era eaixinlras de8 libras a 2,ooo rs. ca-
da urna.
Passas muito novas a 8,ooo rs. a caixa e 48o Escovas de piassaba proprias para esfregar
rs. a libra. i casa a 32o rs.
Ameixa francezas em latas de libra e meia e Sardinhas de Nantes muilo novas a 32o rs.
3 libra a 1.2oo 2,ooo e 8oo rs. a libra. | a lata.
Caixinlias com ricas estampas a l,oo rs. Peixe em lata muito bem preparado savel,
cada uina, frascos de vidro com rol ha do| curvina pescada e outros a l.ooo rs. a
ni 'sino, contendo libra e meia de ameixas., lata.
Chai ipagne da marca mais superior que tem'.Emilias portuguezas e francezas j prepa-
radas a 'io e 72o rs. a lata.
Cif lavado do primeva sorte a 3oo rs. a
ueste ultimo vapor a 8oo rs. a libra e de 8 a 54o rs.
libra para cima ter abatimiento. I lem de carnauba pura e refinada a 300 rs.
dem franceza a melhor e mais superior do; a libra e 10,000 a arroba.
nosso mercado a 56o rs. a libra c 52o em Mem de composicio omniaeadas a 32o rs.
barril ou meios. o maco e 9,ooo rs. a arroba:
Banlia. de por. o refinada e muilo alva a 44o Massa de tomate em latas a oo rs. a libra. igj
rs. a libra, eera barril a 4oo rs. Hoce em calda das mais especiaos frutas da
i.'lii livrs.m o niellior ueste, genero especial | Europa a Ooo rs. a lata. ftgtejj
eicomnieiida do proprietario a 2,7oo rs. a Ostras em latas muito bem preparadas aj|3
libra. I.ooo rs.
Mem idem menos superior e que em outras Peras seccas muito novas a 5oo rs. a libra.
casas se vende a 2,6oo rs., costa neste ar- liassas para sopa estreHiaba muito nova em
mazcm 2,2oo rs. a libra. caixas de 8 libras a 3,onoe Soors. a libra.
Idei i ixiiii o melhor que pode haver neste dem talhariin, inararrao c aletria a 4oo rs.
g ero a2,6oo rs. a libra, garante sea qua- dem macarrSo ura pouco mais baixo a 24o
ii lade. | rs. a libra.
dem pelo muito especial a 2,000 rs. a li- S lira, e mais baixo. paren muito sufrivel a libra.
t,2oo rs. a lihra. vemle-se por estes pie- Sig o meibor que 6 possivel a 24o rs. a
p 3 em razJo de uestes ltimos navios ter- libra.
se recebido grande porcao deste genero, Firinha do Maranho a melhor que presen-
a deferenea de [ueeo he de 6ooa 800 rs- teniente teni viudo ao nosso mercado a
a libra do que se vende en mitra qualquer 14o rs. a lihra.
parte. Gomma do Aracaty muitissimo alva a 8o rs.
dem do rio em latas de 1 ate 6 libra a i,4oo a libra.
rs. a libra, neste genero o melhor pos- Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
sivel. ', libra.
BJseoHos lgiezcs em latas com differenles Licores muito finos de Bordeaux e toda as
qaalidades como sejo craknel, victoria marcas pie ha neste genero a 8oo, 1,ooo
pie nic, soda, captaim. seed, osborne e ou-' e t,2oo rs. a garrafa.
tras muitas marcas a 1,35o rs. a lata. l'liosforos do gaz a 2oo rs. a dnzia c 2,2oo
rs. a groxa-
Bolaxinha americina em barrica a 3,ooo rs.,
e em lihra a 2oo rs.
Ti jlo para limpar facas a 12o rs. cada um.
Vanearas de piasuba eondetu arcos <\r
ferro prendendo o cabo a 32o rs. cada
urna.
Marmelada propriamente dito de mar-
mello, a 640 rs. a lata e em caixas
de 100 latas a 600 rs.
; ca de tomates a mais nova qne se
pode desejar a 640 rs. a lata e em
caixa de 100 libras a 600 rs.
Ervilha portugueza a 700 rs. a lata,
c em caixa de 100 libras a 640 rs.
Passas corintbias para pudim a 640
rs, a libras, e 400 rs. comprando de
arroba para cima.
Queijos londrinos muito frese* s a 800
rs. a libra e sendo inteiro a 60 rs.
Sebollas em caixas as mais novas do
mercado a 6,500 rs. a caixa, a 800
rs. o molho, e a 640 rs. ocento.
Batatas em caixas de 2 arrobas muito
novas e grandes a 2.400 rs. a caixa.
Sextinhas com figos proprias p;ra mi-
mos de crianzas a 60 rs. cada una
e comprando em duzia ter grande
abatanen to.
Erva doce muito novas a 5C0 r?. a
bra, c comprando em arroba a
10,000 rs.
Cominhos muito nevos a 400 rs. a li-
bra e 10,002 a arroba.
Licores portuguezes das marcas mais
acreditadas de Lisboa a 1,000 agar-
rafa e 10 a 12,000 a duzia, as quali-
dades sao as seguintes : m me de
violetas, gcroflez, rosa, absintho, ves-
peiro, amor perfeito, amendoa amar-
ga, percicot deturin. botefin, moran-
gos. limo, caf, laranja, cidra, gin-
ga, canella, cravo, orteliia, pimenta
e outros muitos de qualidades menos
superior que serao vendidos por pre-
sos cm relaco as suas qualida-
des.
li-fe
Os proprietarios afiancam que estes gneros sao muito novos e tudo
de primeira qualidade, tudo isto se vende nicamente no armazem Uniao c
Commercio na ra do Queimado n. 7, e largo do Carmo n. 9 armazem pro-
gressivo.
Qudjos
do alemtejo, das ilhas e flamengos, todos chegados neste ultimo vanor, a
2,500 os flamengos e 800 ris a libra do alemtejo e das ilhas, nicamen-
te no armazem Uniao e Commercio, ra do Queimodo n. 7 e largo do ar-
mo armazem progressivo.
Ra do Queimado
A preto de 3 a pef.
i o.^Sr,cs de cani0raia branca adamasceda [proprias para vestido e cortinados pelo barato i reco
de 35000 a pesa. "
Fiuos ntremeles.
ntremelos muilo finos bordados a i& e 15300 cada urna pesa.
Para acabar.
Finos organdys indianas padroes escuros a pceo de 2V3 rs. cada rovado para araar
\ I^SOO a duzia.
Lensos de cambraia brancos a 8<)0 cada urna duzia.
Laan
e coberlas a 20OO.
Fino fil.
Fil de 1 inlio bordado com toque deagua done a proco ,!e iOO rs. a vara.
fe
DE
DE
J. VIGNES.
M. *5. Rl'A lito IHPKRIDOR I. 55.
Os pianos desia antiga fabrica sao ho.e assaz conliecidos para que seja necessario insistir .obro a
sua superioridad.', vanlatrcns e garantas que offerecem aes compradores, qualidades etfaa iocom
veis qn e .etles tem definitivamente conqlistado sobre todos os que tem apparecido nesla orara : pos-
sumdo nm teclado e machinismo que obedecer todas as vontades e caprichos das piani't;^
nunca 'alhar, por serem fabricados de proposito, e ter-se feiu ltimamente melhoramentos importaa-
tissimos para o clima deste naiz ; quanto as vozes sao melodiosas e flautadas, e por isto milito ^rada-
veis aos ouvidos dos api eciadorr-. r e
Fazem-se conforme as cncommendas, tanto nesta fabrica como nado Sr. Blondel, de Par'
correspondente de J. Vignes, em cuja capital foram sempre premiados em todas as expo.-
N raesmo estabelecimento se acha sempre um explendido e variado sortiraento d msicas dos
uielhores compositores da Europa, assim como harmnicos c pianos harmnicos, sendo tu.:
por presos muito raznaveis.
a auia urna
paia
LOJA DO BEIJA FLOR. I
Grande pechincha
viudo ao nosso mercado a 18.000 rs. o gi-
go, e l,8oo rs. a garrafa, garante-se a mi-
perinr qualidade.
Viiiho Bordeanv das melliores qaalidades que
se pode desejar a 7,ooo e 7,5oo rs. a cai-
xa e (iio rs. a garrafa.
Caixas com Vinho do Porto superior de 9,ooo
e 10,000 rs. a duzia, e Ooo e l.ooo rs. a
ganan ueste generoba grande porcSoedc
dilerentes marcas muito acreditadas ipie
j se vendern por 44,000 15,ooo rs. a cai-
.xa como sej.i, Duque do Porto, lagrimas
do Domo, H. Luiz, CamSes, Madeua aec-
eo \eei,ir : (ienuino e malvasio lino c ou-
tras como Cherry e Madeira para 12,ooo c
I3,ooo rs. a caixa.
Vinlu de pipa Porto, Lisboa, Figueira, a 4oo,
48o, e 5tfo rs. a garrafa, Jl.noo 3,2oo e
3,*>oo rs. a caada.
Idea branco o melhor neste genero vindo de
enconmendaa Ooo rs. a garrafa, c 4,5oo
rs. a caada.
dem do Porto em barril muito especial a
6io rs. a garrafa, e 5,ooo rs. a caada.
Vinagre puro de Lisboa a 200 rs. a garrafa e
l,4oo rs. a (aada.
dem em garrames com 5 garrafa.
A/ ile doce de Lisboa superior qualidade a
Ci rs. a garrafa e ,8oo rs. a caada.
Batt ii s em gigos de trinta a trintae tantas li-
bra a 8 -rigo e 4o rs. a libra.
(em lira de lio lamia a mais superior a C,ooo
rs. a frasqueira c 56o rs. o frasco.
Iden. em garrames com25 garrafas a 8,ooo
rs.
Serveja das melliores mareas de 5,000 a
."i.ooo a duzia e oimi rs. a garrafa,
[iiae superior a 8oo e l.ooo rs. a garrafa,
e em caixa lera abatimento.
Marmellada imperial des melliores e mais
afamados concerveffOS de Lisboa em latas
di lilu-a e de libra e meia e duas libras a
Coo rs.
Goorefvas inglezas em fraseos grandes a
7.' o n. cada um.
dem franceza de todas as qualidades de
lii; umes e fruto a ooo rs.
Mostuda francezas em potes preparada a
leo rs.
Palitos para dentes 12o rs. o maco.
dem lixados muito fino 14o rs.
[na do Queimado numero 63.
Craiatiiilias para seuliora.
Vendem-so gravatinhas de.diversos gostos mais \
modernos a 720 e 800 rs. : na ra do Queimado,
loja do beija-flor n. 63.
Fitas para debrom de vestidos.
Vendem-se fitas para debrum de vestido de linho
com 12 varas a 400 rs. a pesa : na ra do Quei-
mado, loja do beija-flor n. 63.
Peales travessos.
Vendem-se pentes travessos de caracol na
frenie de borracha a 500 rs.: na ra do Queima-
do, loja do beija-flor n..63.
Papel beira lloarada.
Vende-se papel boira dourada a 1*200 e 15300,
dito de cor de beira dourada a 15100 : na ra o
Queimado, loja do beija-flor n. 63.
Aurelopes.
Vendem-se anvelnpes de diversas -qualidades
branco a 800 rs. e de cor a 610 rs., para cartas de
visita a 400 rs., preto a 720 rs. :
flor na ra do Queimado n. 63.
Viiltas de aljfar.
Tendo recebido vollas de aljfar com cruzes de
pedra imitando a brilhante vende-se a t.j cada
urna : na ra do Queimado loja do beija-flor n. 63.
Camisas de meias.
Vendem-se camisas de meias muito finas a
l-)iui a lilMI na ra do Qanimado, l.-i ja-flor n. 63.
com toque de avarla un loja e
armazem da Arara na da Em-
peratriz u. 50 de Lowreoco I*.
If. Cinlmares.
Veude-se cora toque de avaria.
Vende-se inadapolao inglez com pequeo to-
que de avaria por 65300 75 e 85, Icodaozinho a
45500 e 55, cambraias lisas finas a 15 e 3-3500 :
na ra da Imperatriz loja da Arara i. 56.
Vende-se fazemas limpas baralissiraas.
Vende-se chitas finas cores escura? a 240 c 280
rs. o covadn, dilas francezas linas cores flxas a
320, 360 e 400 rs. o covado, fiorguras de linho pa
recebeu:
Sapatinhos de setim branco bordados
tisados.
Meias de seda branca para o mesmo Um. .
Mu bolillas e delicadas louquinhas eifeitadas
para dito.
Pulseiras e
ras e meninas
Fila branca e preta de borracha, com diversas
larguras.
Transehns de borracha sonidos em cerfs.
Trancinha preta de laa, e outras trancinhas de
laa de gosto novo e mui bonitas para enfeites.
Enieites conservadores para senboras.
V adtiro.
Vende-e um preto ptimo padeiro c urna pn la
boa cozntira e lavadeira : a tratar na na do
bap. Mondepo, padana n. 47. __________
fregistos
Itepi>tros em grande ferraato.impressos em papel
,. deHollanda, ricamente ornados com vinhelas, de,
rollas de eontas brancas para senho- >-. s. da oeeiso, d'Assnmpsao. im das
1 nr-u i. hnrra,h, r,m HvPrS *!*"&* Ia P^. dos Milagres. S. Braz, o Se-
nhor Cruj.ificado, da BoaSentcnca, que se venera
na matriz de Santo Antonio, do SS. Sacramento, e
outros n lutos em pequeo formato, de dilerentes
invocasSes, que se trocara em porcao e a retalho,
por mui comniodo preco : na ra do Imperador n.
15, defrocle do convento de S. Francisco.
PAPEL liNGLEZ
almaeo e de peso.
Alem do grande sorlimento de papel greve e ou-
tras muitas qualidades, que constantemente se
acham na loja d'aguia branca, faz-se notavel pela
supennridade de qualidade o papel inglez almasso
e de peso, que acaba de chegar para a dita loja ;
orne oulro sao mui encorpados e de um issetina
do lustroso e macio, que na verdade a; ocios agr-1 Vende-se farinha muito superirTsacea"
dam. As resmas daqueile tem 480 felhas, e as' -
deste 500, e cusa cada urna 85- Tamben, veio da
inesma qualidade e de tamanho pequeo, em cai-
Vemle-se um estabelecimento de ferragens
na melhor localidade da ra do Queimado, mu,(o
I proprio pr.ra piineipiante por ter um pequeo un-
do em faz-ndas de lei : quem pretender deixe seu
nome em carta fechada no armazn da ra Ja
Cruz n. S, para ser procurado.
Vende.se os terrenos de marinha ns. 40 e
40 A, sitos na ra do Capiba ibe ; a tratar na da
Imperatriz n. 63 segundo andar.
RMbO: na taberna travessa da
pela muita porsao que tem.
roa liella n. 8,
ra vestidos de senhora a 280 o colado, riscado xinhas de 100 folhas, tanto liso como beiri doura-
fiancez para volido a 280 o covado : na loja da da,*ustando este 25, e aquelle 1200 a caixinha.
Arara ra da Imiieratriz n. 50. ja vem pois os apreciadores do bom papel que
Kazrndas proprias para senboras e meninas. dirigindo-se munidos dedmheiro serao bem servi-
Vende-se gollinhas com botozinho para senhora dos: na ra do Queimado, loja d'aguia branca
e meninas a 200 e 310 rs., manguitos de fil e numero 8.
N. 97
cambraia enfeitados a 500 rs., manguitos e pollas
para senhora a 15 e 15280, cainisiiilias bordadas
na loja rio beija-; para senhora a 25, ditas bordadas no colarinho e
punhose grvalas muito tinas a 455(0 e 55: s
a Arara ra da Imneratnz n. 56.
Principia a Arara Tender as -nidias.
Vende-se colchas avelludadas para cania a 85,
ditas do linho aleochoadas a 55, ditas de fustiio a
*5. ditas de damasco a 45, ditas de -hita a 25 :
na loja da Arara ra da Imperatriz n ."6.
naaaanm m a ME tbt com-girnima arbica dissolvida : veuderi-e na
Vende-se castas francezas finas a 240 e 280 o ra do Queimado, loja d'aguia branca n. K
covado, organdys finos a 240, 280 e. i'.iO o covado:
Vende-se a verdadeira graxa n. 07 : na ra do
Trapiche r. 19, escriptorio de Eduardo Fenton.
ATTEIMJAO
MOTO PESTES
de concha.
Chegaram novos e bonitos pentes de concha, muito novo, o melhor que ha no mercado, por pre-
Vendemse saceos muito grandes com milho
sendo de tartaruga, massa e dourados-, agora, pois,
dirigirem-se com dinheiro ra do Queimado,
loja d'aguia branca n. 8, antes que se acaliem.
FRANCOS
SO commodo, cada sacco d doos dos de M:onan-
guape : a tratar na trapiche alfandegado de ('--
millo Lemcs, ra do Trapicha
Vend.'-se um cavallo rastanho eaxito, bom
andador de baixo a meio: na cocheira do porto
da ra Nova.
libra, e 8,5oo a arroba,
dem do Rio muito bom a 28o a libra e
8,ooo rs. a arroba.
Arroz do Miranhao a loo e 120 rs. a libra. ,do Queimado^ 63
dem de Java a loo rs. a libra.
Atnendoas de casca mole a 4oo rs. a libra.
Arlaos muito novas a 2oo rs. a libra.
N.zes muito novas a 2oo rs. a libra.
(,l ourieas e paios a 7oo rs. a libra.
Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra ou a
8,5oo rs. a arroba
I'i esuntos de laniego de superior qualidade
chegados ueste, ultimo vapor a 48o rs. a
libra.
Alpista muito novo e limpo a ICo rs. a li-!?00 rs. apeea_: s quem tem por este precio
bra e i.Coo a arroba.
Enfeites de fila.
Tendo recebido enfeites de fita pretas e de eo- na ra da Imperatriz n. 56 loja da Arara,
res mais modernas que se esto usando a 15 cada Arara vende lazinhas para vestido a 240 rs. o
um : na ra do Queimado, loja do beija-flor n. 63. i covado
Fita de la preta para debrum. | Vendc-se Bailabas para vestidos de senhora a
Vende-se tita de laa preta para debrum com 10 240, 280, 320, 400 e 500 rs. o covadj, easemlrs
varas a 900 rs. a pesa : na loja do beija-flor ra ijug proprias para capas de senhora a 15800 o
tirelas com pedias-no>
vo sortimento.
EMRAYOS FGIDOS.
Filas de linlio para bordar vestido
Vendem-se fitas de linho para bordar vestido
ou roupinho de meninas com 40 varas a 640 e
800 rs. a paca s quem tem a loja do beija-flor
ra do Queimado numero 63.
Itotoes de madreperola.
Vendem-se boles de madreperola mais moder-
nos que tem vindo para punhos de senhora a 320
rs. o par : s quem vende por este preso na
ra do Queimado, loja do beija-flor numero 63.
Fila de velludo para bordar vestido.
Vende-se fila de velludo preto rom 10 varas a
a
covado : na Arara roa da Imperatriz n. 56.
Arara vende corles de easemira preta a 3-?.
Vendc-se corles de easemira preta ara calsas a
35, 35500, 45 e 55 : na loja da Arara n. 56.
Grande sortimento tic fazendas pretas para a qiia-
resma.
Sedas, grosdennple, pannos finos e casemiras.
Vende-se KrosdenapM preto para vestidos boa
lateada a 1-5400, 15600, 25, 25400,25600 e 35 o
covado, sarja hespanhola de seda, panno lino preto
; a 15600, 25, 25500, 35 e 45 o covado, muito su-
|Mrkir casemiras pretas finas a 2.5 e 25400 o rova-
, do, merino fino a 25500 e 35. dito de cordfio a
Faineo muito novo a 18o a libra e 0.000 rs.
a anota.
Sbo masa, auiarello e castanho a 22o e
24o rs. a libra.
dem mais baixo um pouco a 16o, I80e2oo
rs. a libra.
Citstanbas pelladas a 24o rs. a libra.
Chocolate' jraocez de primeira qualidade a
l,2oo rs. a libra.
Id>m de Sanie muito superior e medicinal a
l,3oo rs.
Copos lapidados proprios para agua aS.ooo
rs. a duzia, ffueem outra qualquer purle
7 e 8,000 r.
Charutos dos melliores e mais afamados fa-
bricantes de S. Flix e do Rio de Janeiro
de 1,800 a r.,ooo a caixa.
Cebollas novas a 800 rs. os molbos grandes
e 7oo rs. o cento.
n ce de goiaba a Ci rs. o caixo.
Leiitilbnsexcedente legume para sopa egu-
zado a 24o rs. a libra.
K-vilhas sircas j descascadas a 2oo rs. a
libra.
IMmenta do reino muito nova a 3(5o rs. a
libra.
Cominhos e erva doce a 32o e 4oo rs. a li-
bra.
Ciavo da India a Ooo rs. a libra.
Cnella muilo nova a l.ooo rs. a libra.
Alfazema a 2oo rs. a libra e U,ooo rs. a ar-
roba.
C aixa a loo rs. a lata e l,loo rs.a duzia.
25500 o covado : na ra da Impera! iz 11. 56.
1 loja do beija-flor da ra do Queimado n. 63. 4rara Tfndc fuslio a ;i0 rs
lita de velludo bordada. Vende-se fustiio de cores para roiq a de meninos
\ende-sc lila de velludo preto bordada de di- calcas e paletots a 500 rs. o covado, ranga france-
versos gostos e mais modernos proprios para qua- rA ,.s(.ura e clara para calcas e palelits a 440 rs.
ivsma : so quem tem e a loja do beija-llor ra do, 0 covado: na ra da Imperatriz n. 56,loja da Arara.
Queimado n. 63. Ro reila da Arara.
_ "aoja preta. Vende-se paletots de brim de rr 1 25500 e 35,
\ende-se franja preta de diversas larguras para dHos de meia easemira a 35500, dito? melhores a
enfullar capas ou manteletes os mais lindos gos-
2

B
GO
tos que se pode encontrar : na oja do beija-llor
ra do Queimado n. 63.
Facas c garfos.
Vendem-se facas e garfos de balanso de 1 no-
tao a 55500 a duzia, dilas de 2 boloes a 65400 :
na ra do Queimado, loja do beija-flor n. 63.
Dminos.
Vendem-se dminos muito finos a 15200 e
15400: na loja da beija-flor da ra do Queimado
n. 63.
Visporas.
Vendem-se visporas muito finas a 800 rs. : na
ra do Queimado, loja do beija-flor n. 63.
Loja das varas
5 IC 11:1 do Crespo 5
Neste estabelecimento vende-se por pie- i
Sos raznaveis os seguintes arligos alm g
os mais :
rentes de tartaruga fino Rosto Clo-
tilde e Imperatriz Eugenia a 125-
Cortes de cambraia branco bordado
a 155.
Manteletes de fil preto a 155-
Lias de cores, covado 240 e 400 rs.
dem infestadas* a 500 rs.
Vestidos para casamento sendo de
blond e moreantique.
Vestidos e capas pretas de bom gosto
proprios para o presente tenipo de qua-
resma. Alm disto tem um completo
sortimento de fazendas finas c grossas,
as quacs se vendem mais em conia do
que em outra qualquer parte, s avista
dos compradores se justificar.
Algnde da Baha
para saceos de assncar e roupa de escravo; tem
paM vender Antf.nio Luiz de Olivelra Azevedo &
C no sen escriptorio ra di Cruz n. I.
Ao n. 29.
Nova loja dos barateiros na ra do Queimado.
Ricas saias de rosti a 55, camisas Inglezas para
' senhora a 25, 25500, 35 e 45, colarlas de fustao
brancas a 55, chitas com lustro para coberta cora
p 6 (almos de largara a 640 o covado, cambraia de
cores para vestido a 320 a covado, laas para vesti-
do a 480, 560 e 640 o covado.
Ao n. 29.
Nova loja dos barateiros na ra do Queimado.
Tarlalanas de todas as cores, fazenda muito fina
a 720 a vara, cambraia para cortinado, peca de 22
vacas, por 105, chales de laa por 35, 45, 5* e 85,
camisas inglezas para homem a 385, 505 e 605.
4a n. 29.
Nova loja dos barateiros na ra do Queimado.
Bicos pretos, franjas de todas as qualidades, _
trancas de seda, de algodao e de laa, manguitos e moendas Para engenho, machinas de vapor
eainisinhasbordadas, eollarinhos e punhos, folhos C tachas de ferro batido e COadO, de todos OS
bordados, boten de velludo, de seda e de fustao, tamaitos para ditos.
baids de cabello, meias do seda, loques ; eujos__________________________________
nriigos se vendem por metade do seu valor por ser; Arados americanos e machinas para
lavar roupa: em casa de S. P. Johnston & C
Hua da Seuzalla \o>a n. 42.
Neste estabelecimento vendem-se: tachas de
ferro coado libra a 110 rs., idem de Lo
Moor libra a 120 rs.
AGENCIA
DA
FUNDICO DE LOW-MOOfi.
Kua da Senzalla nova n. 42.
Neste estabelecimento contina a haver
' um completo sorlimento de moendas e meias
Vendem-se 9 colchas ;om algum uso, de da-
maseo de laa. proprias para varanda, ou mesmo
pira afoneio de igreja : no armazem de molda-
os, esquina da ra de Moras n. 2.
Vende-s-j urna taberna em urna das melho- ra da Senzalla Nova n. 42.
re i ras da Boa Vista, tambera se laz negocio com
a .irmacao s. or seu dono ter de retirarse tra-
tar de sua saude : na ra da Imperatriz n. 34, se Vendem-se saceos com milho muito novo I
dir quera vende. 35200 : na taberna da ra do Sol n. 29.
Atlciican.
45500 e 65. dilos pretos de panno a lif,. 65 e 85,
ditos de casenrira na e debranhadee a 8| 105.
ditos pretos de alpaca a 35500 e 45, ateas pretas
de easemira a 45500, 55, 65 e85. dito de meia
easemira, ganga e brim a 25 e 25500, ditos finos
a 35500, dilos de brim branco a 35 o 35500, ca-
misas francezas a 25. 255CO e 3,5, seroulas a
15600. ditas do linho a 25 e 25500. cohetes a 25
e 25500 : na ra da Imperatriz 11. 5'..
llalles da Arara a 3-\
Vende-se baloes crinolinas de 20, :0 e 40 arcos
a 35,35500, 45 e 45500, ditos de inadapolao a
:i5500, ditos de nu-selina a 4-5 : s na Arara ra
da Imperatriz 11. 56.
Arara vende madapolo francesa -l#.
Vende-se madapolo francez enfestido a 45 e
4550O, bretaiiha de linho. h.-.inburgo le linho para
lenses e seroulas a 440. 500 c 640 n vara, bra-
mante de linho de 10 palmos de largura a 25 a
vara, brim pardo de linho a 800 e 15, dito branco
a 15. 15280 e 15400 a vara : na ra da Impera-
tri 11. 56.
Scdinbas a 500 rs.
Arara vende sedinhas de listrinhas para vestidos
a 500 rs o covado, ditas linas a 800 rs., laa Ma-
ra l'ia rom 4 palmos de largoe paln as de seda a
800 rs. o covado : na ra da Imperatriz n. 56.
Arara vende cambraias de carocinh is a 26300.
Vende-se cambraias de rarocinhos para vestidas
a 25-">00 a peca, curtes de. cassa franc?za a 25, co-
bertores de pellos a 15 e 15600 : na ra da Im-
iieratriz n. 56.
Arara vende os rortes de riscados francezes a 3l.
Vende-se cortes de ri -cados franceies com 14
covados a 35o corte : na ra da Imperatriz n. 56.
Arara vende os sontenibarqjes.
Vende-se soulembarques pretos muito ricos, ra-
pas compridase manleleies de superior qualidade
a 225 e 255 : s a Arara ra da Imperatriz nu-
mero 56.
lende-sc alpaca preta a 500 rs. j rovado.
Vende-se alpaca preta para vestido.; a 500, 600,
700 e 800 rs., lina de eordiio a 800 r.; para pale-
tot, princesa preta a 800 e 640 o covado, bombazi-
na preta fina a 15400 o covado, lazinhas prela
para senhora que esto de luto a 720 o covado :
na ruada Imperatriz n. 56. A loja est aberta at
as 9 horas da noite.
A aguia branca recebeu por e;se ultimo vapor j
um novo e bello sortimento das procuradas li velas:
com pedras, podendo assim satisfazer a todos que I rur fu||a 0|nos amarellados, lem
dellas precisarem, urna vez que apparesa dinhei-! cnada proveniente de erisipela, c
Fugio na noite de 3 de corrente a negra
Germana, com os signaes segundes: levou
vestido de roupao escuro j vellio. tem a
urna peina in-
costuma embebe-
r : na ra do Queimado, loja d'aguia branca nu
mero 8.
COPOS COM BA-
NflLt.
A aguia branca acaba de receber os bem conhe-
cidos e apreciados BOOM com banda, os quaes es-
to sendo distribuidos com aquelles nretendentes
ipie coniribuircm com 25500 vista : isso na ra de Nazarefi, na madrugada do da !9 de fevereiro
do Queimado, loja d'aguia branca n. 8. do correutt auno, urna escrava de nome Josepha,
">i 1 Ipertencenie a LaurentnoUomes da .uuha Pertira
i Beltrao, a qual tem os signaes seguintes : crioula,
estatura regular, corpolenta, cor tula, ps grandes
tllClliiriK ic grossos, testa saliente, pernas grossas, falla
' ms ,hx' frnce- apressada, muilo disposta, ladina, dentes prrfeitos
ino tecido e lio redondo, o que as tornam **' iz chal. "* lal cabe,Cs f"""
darse, ten diversas sicatrizes no rolo e testa,
fessim como costuma a mascar fumo, tem mui-
: tas prosas e j velha tendo cabelles bntn-
1 eos : quem souber noticias ou a pegar levem-a a
! ra das Cruzas n. 18, qoe ser bem gratificado.
Julga-se estar acoutada em algunia casa o que se
protesta com todo rigor da lei._______________
Fugio do engenho Santos alendes, comarca
MUT8 BIIaS i
para seuhoras e
A aguia branca recebeu mui
zas, de (ino tecido e Do redoudo, ,p,e a ivnu,, h |h u lpantados, com
de immensa durado, porque muito convel, anda ^no ; f
S225LCf!*22 n,f '?yZ%?% I?,, *n P "o Reclfe ao fallecido Joo Jos de Gouveia,
n EL l0JadaPl,ia branca' ruad0; tendo vindo de Carrapatos, comarca de Lunoeiro.
yueimauo 11. o. Depois que foi comprada, lem feito diversas fugi-
------------------------------------------------------- das, e sempre se dirigido para Liinoeiro e seus ar-
l.azinli:is modernas do Pavao. \ rabaldes, onde j passon mais de anno em urna de
eanvse as mata lindas lazinhas de urna s'sna* fugidss, tendo sidoahi aporehendW, por rffo
cor c com quadrinbos, rhegadas pelo ultimo vajior,! de presumir i|uc para la se Hk 1
pelo barato preco de 500 rs. o covado, ditas escos
sezas c ditas transparentes : SO na loja do l'avo,
ra da loiperatrli n. 60, de Gama & Silva.
As caifas pelas do l'avo.
Vendem-.-e alcas de easemira preta muito bem
feitasa55. SJ380, 6, 7e85, paletots do panno
preto. saceos, a "5, ditos sobrecasacos a 125,165,
20 e 255, rolletes de easemira preta e de cor a
45500 e 55, calcas de brim de linho pardo e de
cores a 25500 e 35, dilas a 25- ditas de c&xemira
da rnsassta a 35, dilas de meia easemira a 55500,
isto para apurar diuheiro : na loja do l'avio, ra
da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Chapeos de sol do Pavo.
Vendem se muito bons chapeos de sol de seda
com aspas de balea, pelo barato preso de 6 e 75,
ditos marqueiinhas para senhora a 25500, albur
nos de borracha para chuva, colarinhos de papel :
s na loja do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Algodozinho rom toque.
Ventlem-se pecas de algodozinho com pequeo
toque de avaria. pelo barailssimo preso de i e 55:
na loja do Pavo, ra da Imperatriz u. 60, de Ga-
ma i Silva.
As casemiras do Pavo.
Vendem-se mssimas casemiras entestadas de
urna s cor e com meseta, proprias para capas de
senhoras, roupas para liomens e meninos, pelo ba-
rato preso de 35400 o covado : na loja de Pavo,
ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
As chitas do Pavo.
ou tamben! para os sertes : roga-se s autorida-
des noticiaos, capitaes de campo, e qoalqaer pes-
aos, a captara da mesma, e leva-la seu senhor,
no referido engenho, que serao generosamente re-
compensad. >s, ou na praea do commercio aos se-
nhores Mai uel Ignacio de Oliveira & FiUto. Pro-
tesUi-se, armado com a lei, proceder contra quera
quer que a conservar em seu poder.
nm\i).
Acha-se 'ngido o escravo de nome Faustino, de
idade 40 anuos, pouco mais 011 menos, cor fufa,
I altura regular, grosso do corpo, bem espadando.
1 barbado e j com alguns cabellos brancos na bar-
ba, brasos e pernas grossas e bastante cabelludas,
tendo as pernas arqueadas, porm nao milito, eos-
turna andar sempre pelo Barro, Giquii, AfogadW,
etc., em sambas, e as vetes costuma embrtagar-se
bastante per gostar de beber : nortanto, rogase
autoridades policiaes e aos capitaes de campo o es-
pecial favor de o apprehender e conduzi-lo casa
de seu senhor. o major Antonio da Silva Granas,
na ra Imperial, que gratificar generosamente.
Fugic hontem a escrava Francisca, crioula,
de 30 annos de idade, estatura baita, cor fula, ca-
bellos comrridos, tem o semblante carregado. 1 s-
tava criando, suppoe-se que tomasse a direcvo do
Cabo, por ter mai e prenles : roga-se todas
autoridades desta praea e fra deila. \. a todos os
capitaes do campo que a prendara e levem-na a
ra Imperial n. 3, que serao generosamente recom-
pensados.______________________________
imi% 1$ fti:.rao-
II V* DE BOiU i;OSTO !
Ufoiremiquc, caus e soutembarqne.
Joaquiin fodjignes Tavares de Mello acaba de
receber de Pars e. de sua propria enoinmenda um
completo sortimento de raoireniique, capas e sou-
lembarqoe para senhoras, fazenda a melhor que
tem vindo a este mercado, os qnaes vende por mui-
to menos preso que em ouira qualquer parte : na
ra do Queimado n. 39, hija de 4 portas.
Vende-se urna casa e outra
ra da Amisade na Capunga, no
do ladodireito : quem vai por S
nho : a tratar aanmesma cas.
com alicerce na
ipi
do
1 principio da ra
. Jos
Vendem-se chitas claras e escuras, pelo barato
preso de 240 e 280 rs., ditas francezas a )00rs., IMMH lUglflO.
320, 360, 400 e 500 rs. o covado, fustao branco Fugio da casa do abaixo assignado, na nir. da .
para roupa de meninos a 400 rs., ditos de cor a Cruz n. 33, no dia25 de fevereiro, o escravo Jacob, ,
320, lazinhas escossezas a 400 rs., ditas pretas de najao Mina, maior do 40 annos, rujo escravo
para luto a 260 rs. o covado : s na loja do Pavao, foi do engenho Ubaquinha, pertencente ao Si -
rua da Imperatriz n. 60, de Gama 4 Silva. naci0 de Barros Wanderley, termo dp Serinhem.
Os grosdenaplcs do Pavo. O dito escrivo soffre muito de frialdado e presn-
Vende-se grosdenaple preto, muito boa fazenda, me-se que est acoutado em casa da amasia, rons-
a 15600, 15800, 25, 25500 e 35, sarja preta hes- ta ter sido visto no bairro de Santo Antonio, proxi-
panhola a 25, mourantique preto muito superior a mo oa casa do Sr. Jos Pedro do Bego, na ra das
55000 o rovado : s na loja do Pavo, ra da Im- Cruzes; alio, encorpado, e quando anda arras*
peratriz n. 60. um pouco a perna, lovou vestido calca de azulo.
Para late vende o pavo camisa branea e barrete vermelbo na cabesa, cos-
Vende-se setim da China, sendonma fazenda to- Uimafazer chapeos e muito ladino : prutt^N
di o> brim sem lustro com 6 nalmos de largura, con,ra "era o acoutar, e rogase aa senhore? ca-
muS fe e" prop ra ara venido? ca a? ro" p P" > P r-Ptora do dito escravo eqnn
ara honiese meninos, pelo barao preco de 25200 otronxer a casa cima indicada se a roempen- v
e 25500 o covado : na foja do Pavo, roa da Ira- sado. Donmgos Bodr.gues de Andrade.______
peratrizn. 60, de Gama & Silva. Fugic. no dia 21, s 8borasda noite, a cabra
Chales para luto vende o Pavao. fula, de nome Clara, com os signaes seguintes :
Vendem-se chales pretos proprios para luto, ri- baixa e cheia do corpo, ps e raaos grossos, com
carnente bordados : s na loja do Pavo, ruada falta de dous denles nfrente da parte de em a,
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva. anda muito apressada foi cora vestido de chita no-
------------------!------------------------------------ vo e chale, e anda de balao, quando foge so vai \u-
C.illeailO CIlIU Ciasl'C'" CStr.'a;.!!!'. ra o Becife : quem a pegar, leve-a a ra larga do
Borzegnins gaspiado de verniz para homem a Bosario, ot. no Apipucos, ao seu senhor, abaixo
t
Mangui-135. ditos para meninos a 25
I pendencia loja do Arantes.
na prasa da Inde- assignado.
Joao Machado Brando.


.
8
Diario de Pernambuco efunda felra t de nir > de I $*4.
LITTERTRA.
I pegas do inimigo ? Elevados pelo nosso espirito 1,360. sendo 17o mulheres de todas as edades e
altura de um povo livre e indopcndente, unamos condiges, em Rosscnia de l!80. era Telsze de 276,
__agora todas as nossas torcas contra os inimigos da J era Szawlc de 426, em Poniowicz de 474, cm Vil-
v-uida aronclusao do relatoriodo >* luira e da humanidade. Irnaos, encontr
n iintia apresentado ao parlamento o nosse inimigo urna lula encarnicada era cada um
dos seus passos; nao mercadejeis com a patria ne-
nhum dos russos sacrificios; sede tolos (Falla, e
Damos em
iiiinistro da marinha
hrs.-ileiro :
Crrjilo: i
A noces: idade de melhorar os nosso- meios de
restaurando as bateras e fortatozas do
porl mentando ou reformando o material
nerra, compelliu a reparucad i mea en
nao havian sido previstas nos credi-
-- para os exorcicios de 1NJ2 a U3
e 1801 iKiii. prodnzindo em resaltado om ix-
I2H4M, sobre as sommas votaias
para es gastos dos meamos exertielos decil i ste
qne totalmente pesa as rubricas Material
Obras e me licar redolido a mencrc (
propoivdes, compensndole as deficiencias de ti
konir de 296 ; todos estes prisionciros, assim como
os deportados, foram despojados de todos os seus
baveres.
t De Varsovia escrevem o segrate :
nio tomaos pelo resaltado; ama deshonra para' O genral Teheaglery, govornador militar da
ros entregar aos rossos inimigos os restos da vos-' Kidlatoacddeee ordenou aos proprietarios do pato-
sa fortuita. tinado de Cracovia que escoltossom a malla-posta
t O que ainda nos pide arranear por meio da nos arredores de Suobedniow sol) pena urna multa
violoncia, nio se ha de elevar milito, nem Ihe lia de 400 rublos. NocasodescramalbtToabada
I e api oveitar; apenas vos exhortamos, pelo amor
Nao deixarei de dizer qut nao haverdade nos
projectos que se attnbuem M govemo italiano. E'
Loa a sua situago.
As suas relagoes com a Fiauga sao excedentes
assim como com a Inglaterra. Anda que se nao
possa dizer que ha intimidado com a Prussia eRus-
sia, sao comtudo milito amig.ivoisas suas relacoes
cen as duas potencias.
.Sao ha pois motivo para compromclter esta
sitoacSo. Toda a naci, quo temo sonso poltico
claro c desenvolvido, est loinv le querer impel-
de Deus c da patria, a nao esmorecer pelo recco
I dos tormentos c dos supplcos, dezando eahir em
dos nossss tyrannos armas de que devem
rubricas, no primeiro daqoeltos eiercicios,
con as
verificadas na importancia de
202:898,1455, c< no passo a mostrar.
. Bxercicio de 1862 1863.
A le n 1,114 de 27 de setembro
de i860, decreiuu para as des-
pegas do exorcick) de 1862
1863........................
Reconhecida ainsuQlciencia
drssa quantin, roncedeu-se mais
,u ministerio da marinha por de-
crc'o 3,071 de 18 de abril de
186:1 u ni crdito supplcmenlar
de...........................
7,109:7931 M
283:2835w4
Tolalidade dos crditos... 7.493076*738
Segundo os docu-
mentos remedidos das
Jcgacdes, thesourarias
o oulras repartigoes,
per onde coi rem despe-
85 conta da man*
na, elevam-se os pa-
gamentos cffectuados
a...................6.',U4:203241
< Calcula a contado-
ra que, para saldar os
gasto,-, do exercicio at
o ccu encerramento.
anida sera nocessaro.. 832:982974 lU..i"
DiTerenca para mais
234:1095)"
t E' esta a dfferenca que realmente se da entre
os crditos concedidos c as despezas real isa las,
comparadas englobadamentc ; discriminande-sc,
por-m, as diversas rubricas, sobe o dficit ao al-
garismo de 437:007*832, assim distribuido :
14. Forca naval e navios de
transporte....................... 42:3945900
S *8. Escola de marinha....... 2.1/OitW
< S. 20. Reformados............ 1:,*'J'V*Y
S2I. Material................ 385:950*321
. 23. Despena eitraordinanas .,
e erentuaes...................... :7w*
437:007832
Semelhantc acrescimo de despeza proven :
No 14. Dos niaiores vencimeutos abone dos
aos officiaes e guarnicoes da dviso naval, que
Ufe o com mando do cliefe de eslavo estacioaou
nss aguas do Para e Amazonas ; e bem assim aos
das corvetas Imperial Marinheiro e Paraensr, du-
rante as commisses que desempenharam na iu-
ropr; e Kstados-Iraidos da America do Norte.
dos posteriormente organisagao do oreamentj.
o 20. Das reformas concedidas a officiaes
c (iracas de pret durante o exercicio.
Nog2l. Da compra de artilharia, armamen-
to de mo e muniedes de guerra, qur nesta corte,
qur na Europa, inclusive o pagamento da ulima
prestago por saldo da encoinmenda de bocas de
fogo destinadas ao armamento da corveta Mero-
hy, fabricacao de carretas e reparos, aouiisica} de
madeiras e muniroes navaes para os navios, forta-
lezas e arsenae?.
a No 8 23. Dasquantias que foi ncccssarlc ap-
plicar ao pagamento de differengas (le cambios,
gra'ificacoe.s e desjiezas de viagem de officiaes que
seguir ni para a Europa e Estados-l'nidos da Ame-
rica em commii-sdes de diversas nalurezas.
Exercicio de 1863
1864. O crdito
Oiiredido pelo artigo
5 da le n. 1.177 de
8 de eotenwro de
1862, para as despe-
rc- do exercicio de .-
1863 1864 foi de.. 7,464:007^
A despeza eonhe-
cida monta a.......1,323:6705685
A despera at
o f:tT do rxercii'io
calculada pela con-
ladoria, vista dos
castos etfcrtoades e
dos servieos em an-
damento, em.......1,720.4525340
-1--------------8,016:123,1225
los insurgentes, os proprietarios qne a acompa- 't o govemo para o camioho das aventura,
nham sao levados peranle um conselho de guerra. O partido mazzinista pensa de outro modo,
t As prisoes cas deportacSos continuara em Nao se pode dizer que este se]a umpartido pro-
Varsovia. Urna nmliidao de mulheres cercara da- priament italiano; um ramo do grande parti-
riamente o palacio do general Korff esperando bi- do revolucionario europeu. Este partido teria tu -
lhetes de licenca para visitaros seus prenles pre- do a ganhar se conseguase promover una guerra
sos. Os officiaes moscovitas, longe de serem toca- 'ao arriscada.
dos pela dr le stas pobres mulheres, humilliam-, ge a Italia knsse victoriosa loria o mrito do
as e ultrajam-nas. De centenares de mulheres bom xito; mas se fosse vencida, a monarchia fi
qno esperam a porta do palacio de Korff si vinte ou caria profundamente abalada, e isto seria lambem
trinla que recebem bilhetes, e fazem-nas esperar nmA vclor:i ,,ar;1 0 niazzinisino.
fra horas inteiras com um fri de 18" reamar. Al-; ......
. __j.___.. .... ._!.. O govemo considera anue partido fora das
cumas vezes mandam-nas dispersar com bombas. I '
As mulheres polacas eslo assim collocadas na dfspos.oes da const.iu,Ca), em conseqnencia da
cruel alternativa de abandonar os seus prenles dem.ssao pedida pelos deputados que hav.a na ca-
ou de sotTrer os mais grosseiros insultos se os que- E "^rusolvido a lraia, como ,al-
retn ver. Hontem (14) tentou-se em Palermo una maiii-
c O general Mourawieff mandou aqui um des- festacao anarchica Devenios lembrar que na dis-
pacho lando ordem para fazer suspender por duas eusslo a respeilo da Sicilia se produziu o arguraen-
scraanas a remessa de deportados para a Siberia l0 de que um conscripto sunlo-mudo traba sido
por causa de prejuizo que soffria o Borrico ordina- torturado pelos mdicos militares, que julgavain
rio do caminho de ferro. > simulada a sua cufermidade. Intentou-se um pro-
t A Gazeta NaroJora tambem annuncia algumas cesso aos aecusados desle fac) criminoso, se exis
deporlacoes para varios pontos. te ; no entretanto, o conscripto sahiu do hospital-
As correspondencias do raesmo jornal annun- O partido anarrhico imaginou fazer exposii.ao pu-
cam una grande agitaeao na t'krania. As auto- blicadaquelle infeliz, com o fim de provocar a de-
ridades moscovitas deste paiz estao assustadas, vis- sordera. A ntervengao de alguns empregados de
to que todas as tropas que ahi se achavam foram polica foi sufficicnte para fa?er malograr a tenta-
dirigidas para o Doug, para o Dnister para o lit- Uva.
grande numero de oulros officiaes superiores tisn.--;___------- -- ___. .
balterno< ^ uma e.-tatua de dimcnsSes naluraes. ornada de
um rico traje turco.
0 braco direito da estatua apoia-se era urna caixa.
e o esquerdo cnipunha um longo cachimbo oriental,
As adhetoes dos funecionarios civis nao sao me-
nos numerosas : muitos membros do governo de
Jurez tentara submetter-se, e entre ellos bnstari
citar-se o goveruador dos Estados de Novo Leao e
Coahiula, Mr. Vidaurri, que um dos homensinais
importantes do paiz.
A regen ia einprega todos os seus cuidados na
administracao, e p ir i.....le tai ostodarum pro-;i' ;i7,f """'"'""", "A*
jecio de banco nacional, e de soeied ido hypotbica- J* ir"* 9*ntoa*o na
ra, apresentado por Mr. Ochoa, economista muitoi a.'.;,,. ,,,,, ,, ,,, ,
distiuoto. Nao se dnvida que os cap.laes, que ain- 'V.' ..^'' '" "- :.r Mr- di; KcoJ,ea, a,'re asPor-
da abundan, inuito no Meslco, alllua n a stas duas u ..totr h ,, 1 em d"5 P*H**
importantes instituicS is de crdito. Sff'-ig? f"'1^ ?ccl,|,f um, 'T do es,pa'
A opinao imblica me tinha visto cora culi- *? : ,!;,;",,":iM cheio de c>lmdros, rodas.
ment, SmSES C So ^ B?sp5. ^1SSE' "'"' mh"' ,nula>'
nha, lieou multo satisfeito do ex to das recentes ne- c f,^ ,,',,; L'1,:,r- ^ ,
t;oc.an,esdiplomticas entabola jas com o gabinete .-..r' Mo da '"" ll."la "ppreheoie urna aln.ofada.
na ittitude de urna pessoa que acaba de fumar,
Me Me a raao distrahidamente.
Logo que o automato turco vao fazer a partida de
xailrez, Mr. de Keinpelen tira-lhc o cacliimbo da
mi), e o automato lixa desde entao os oihos no
mesa ou parte sujieriorda
servir-se contra nos.
Quanto mais dedicacao, unidade e aecrdo cm-
pregarmos n'esta obra, mais depressa veremos o
termo da nossa escravidao.
i Os nosjos sacrificios serao menores, c impedi-
remos a devastacao do paiz, para a |ual o oppres-
sor, nao vendo a possibilidade de um longo domi-
nio, tende agora nica e ostensivamente todas as
OU forras.
Ha um anuo, um punhado de valentes mance-
bos da nossa capital, por assim dizer desarmados,
cabiram sobre o inimigo, c este nao pode vnce-
los; levanta-te pois agora nacao polaca em nomc
de Deus: levanta-te com toda a tua forra, c des-
truirs, repellindo do ten slo os que por tantos
annos foram os teus verdugos.
Varsovia. 22 de Janeiro de 1864.
Da Pul i> traduzimos o seguinte :
O Morning Post publicou ha alguns das com
o titulo de -Execucoes na Polonia,-um documen-
ta lao triste como significativo. Era um quadro
das pessoas que tem sido exeeutadas na Polonia
desde que ronipeu a insurreigao ala ao lira do au-
no de 1863.
Esta estatistica foi extrahida dos jornaes offi-
ciaes russos. So contm o nome dos que tem sido
executados por mandados judiciaes, ou, pela maior
parte juridicamente assassinados. Os prisionei-
ros fuzlados no campo de batalha, os proprieta-
rios massacrados as suas casas, debaixo de pro-
testos incriveis, as pessoas exeeutadas summaria-
menle. sera a menor forma de processo, e em no-
me da lei marcial, nao tiguram neste lgubre qua-
dro.
. Na lista do Morning Post estao com ludo ins-
criptos 204 nomes, e essa lisia nao completa. As
nossas inforniac.'oes particulares permittem-nos ele-
va-la a 220, sem todava sahirmos do circulo que
Otoeste numero parece nao ser ainda defin- *c 1 tinlia sido condemnada a 5. pauladas, j urna daquellas com que se poderla conmover
esperamos comtudo ter occasao de o poder! Lm Francez' P^cei"or de uma fam,1,a da P" | Pvo.
dolski, morreu ao 120* paulada: mas contmuaram a
bater no cadver at as 500 que liaviam sido orde-
nadas.
que V. Exc. se diguou ESEKitKS 2~ f ?E* *" Se "" ba.,Cr *" ^^
uhecimento dos graves ao. tecinei, los o co idos *Z^&2ZSL f2RX?222.
no Mxico, p.stenormente oecapacao da capital ^ ^ '.^ T ] m urna luz no inte-
pelo ex -i cito rnocez-mexieano Acensando a re-1no da .mst> |,;"'n,e ao l'uu,IC0 l,ara w mV|-
cepcao des SZSSSXm e^eaZado or TtS^ ES ^ tSSfty.
S, M de ros manifestar o' Mocero e oiofondo inte- Hr; de Kel"l)elen levanta emlim os hbitos ula-
resse ^totoX\i^ZSm!2^X res do aull,mal al "beca, para fazer examinar
SS^SSSSJKSSSS. S d? lod^e"sendt'"ada- < **
ja da parle de S. M. pensamento algiiui, nem id<;a
de ingerencia directa ou indirecta nos negocios ni
temos do Mxico.
sao uotavel
Para convencer todos de que ninguem se oceulta
no apparclho, faz-sc gyrar o automato descoberto
____..___ o ,inni. ,r Pr dilTi rentes salas, conervam-se as gavetas late-
iJ^XTSSS&iSJSf S ra- *^ da-e as maiores facilidades para
toral do mar Negro,
t Escrevem de Cravova.
< Este incidente demonstra que tanto na Sicilia
como no resto dallaba, os poros esli tranquillos
No governo de Kamieniec-Podolski acabam de e satisfetos. Nunca ha d!sordcns quando a auto-
ser presas 700 pessoas, entre as qnaes muitas mu- ridade, por meios rasoaveis, as sabe evitar,
lheres e mangas, pouco mais ou menos 300 disri-' Ouvi dizer, e b mesmo nao sei aonde, que a
pulos da universidade. Sicilia estava a ponto de so s.'parar da Italia ; os
que fallam deste modo nio saben o que dizem,
Oito raancebiis e duas mulheres foram fuzila-
das. De 700 pessoas que estao as prisoes e de- jnemcora,,rehendem uma nica palavrada situacao
veiu formar um comhoyo para a Siberia nem uma
foi poupada pelo knout. Mulheres. criangas (de
dez e doze annos) morrerara durante o castigo : e,
hontem tarde em Cracovia, quando chegou esta Prova das d'^'C'** em que est p povo de Pa
noticia, uma senbora de Podolski sabia da morte Itrm0- f|ue 6 torrea a nica cidade da Sicilia onde
de sua filha,deixada entregue aos cuidados de sua possivel adesordem e a historia, do sordomudo
real daquelle paiz.
O pequeo incidente a que me refer uma
continuara a affligir o Mxico; S MJugarVhi'a c
feliz de ver os Mexicanos, unidos n'ura S pensa-
l'epois, Mr. de Kcmpelen fecha as portas da cai-
Decit
582:115,S330
Examinando a tabella annexa, reconhec tcis
que tal dficit deve dar-se as rubricas mater.al e
obras, sendo :
Material... 331.0775348
Obras..... 231:0385302
quo se evphca pelas mesmas causas cima assig-
naladas.
t Rio de Janeiro, em 2 de Janeiro de 18(4.
Joaquim li'iymundo de Lainnrc.'
tivo
dar exacto.
t As execugoes por se ter tomado parte na in-
surreigao principiaram em feverero. N"esse mez
vi eu 3; em margo 3. Foi em abril que se promul-
gan a engaadora amnystia, pela qual se pronun-
ciou a opimao publica em toda a Europa; foi pois
necessario abstr-sc durante todo aquelle mez das
execugoes publicas. Em maio nao vi nenhuma
mas desde entao, notamos era junho 30, em julho
26, agosto 17, setembro 24. outubro 22, novem-
bro 47. dezembro 29 (cifra incompleta tal vez por
metade.)
Deste moJo o numero dos suppl ciados vae
augmentando. A proponao que se exaure a insur-
reigao o numero das execugoes augmenta. Nao se-
ra isto um desmentido pungente dentre as suas as-
sergoes.
< Dos 204 suppliciados, cujos nomes figurara na
lista do Morning Post, 114 foram fuzlados e 90
tnforcados.
a De 88 executados nao indica a lisia do Mor-
ning Post, quaes erara as suas profisses. Eutre
aquellos de que se menciona a proflssio, conlam-
se 23 proprietarios, 23 officiaes de origera polaca
que serviam no exercito russo, e que ao primeiro
signal da insurreigao, veram lgar-se aos defen-
sores da causa do seu paiz; 16 officiaes inferio-
res e soldados na mesma situago, 18 operarios, 16
camponezes, 8 padres, 4 crurgies ou mdicos,
2 empregados, um engenheiro, um pintor, um of-
ticial de justiga, um estudante o dous subditos
prussianos.
Se decompozer-mos debaixo de outro ponto
de vista a lista das 204 execugoes encontraremos
que 72 tveram lugar nos palatinades da Liltma-
nia e da Samozilia, 29 na cidade de Varsovia, 19
Pedlaquia, 16 no palatinado de Plocbi. 13 do Ka-
lisch, 12 no de Augustowo, 8 nos liulhonia, bran-
ca, sete no palatinado de Rudn, sele na Maz.ivia,
quatro no palatinado Luklin, quatro no da Craco-
via, quatro na W'krania, dous na Wothyoia, e dous
ua Livonia polaca.
Outro Francez o Dr. Montaigu, que tinha ido
prestar soccorros a feridos nos arredores de Cra-
covia foi agarrado pelos Russos que Ihe cortaran!
o nariz, as maos e as orelhas. Assim mutilado, foi i
recolhido por uma senbora polaca que levou na
sua carruagem por os Russos o terem Julgado
inorto. O aspecto deste desgragado clama vingan-
ga.
O Morning Post publicou uma lista de 204
pessoas exeeutadas na Polonia desde o principio da
insurreigao at ao Io de Janeiro.
i Este quadro, diz a Patrie, tirado dos jornaes
officiaes russos. Nao conlm senao os nomes das
pessoas judiciariamenle executadas.Os prisioneiros
fuziladns no canino de batalha, os proprietarios
assassinados em suas casas, as pessoas executalas
summariamente sem nenhuma forma de processo
o om nomo d l.i nvircial. uio rifiirim nela fono
bre quadro.
f As execugoes por causa de parlicipagao na
insurreigao principiaram cm feverero.
N'uma correspondencia deKowno, na Samo-
gcia, l-se o seguinte :
i Em Kowno foi exectudo no dia 28 de dezem-
bro o abbade Makiewicz. Morreu como hroe, co-
mo um marlyr dos primeiros seculos do chrstia-
nismo. A tropa leve ordem para assistir aquella
execugio.
t As anligas invasoes dos trtaros c dos mogo
los, teem-se renovado no nosso paiz com todas as
suas atrocidades; mi Miares de familias de todas as
classesda sociedade sao arrasladas ao exilio e re-
dondas escravidao, depois de primeiro seren
despojadas das suas propriedades movis e iinnio-
veis.
t No dia de Natal, assisti eu a unidos mais hor-
riveis espectculos. Vi com os meus proprios
0 QUEVAE PELO MUNDO.
O governo nacional polaco publicou a 22 neiro urna proclamaciio, da qual extrahimos as se-
guintes passagens:
c A Polonia, a Rulbenia e a Lithuania letibra-
ran Europa a divida que linham conlrahido pa-
ra com ellas. Chegamos actualmente ao momento
decisivo em qae os povos muios devem, com) um
muco hornera, desenvolver todas as suas fergas,
afim de que es trabalhos penosos c sanguinol ratos
do anno que acaba de decorrer, prodm.am os fruc-
tos desejados.
O governo nacional conneee as aspiracSes da
najao, porque nao smente nacional pelo ame ;
porque polaco d'alma e coragio, assim como de
angite e de origem; porque conhece a nagac que,
com tanta conlianga, depositou as suas miios os
seus destinos. Tambera sabe e sent que procla-
niaudo os seus decretos e as suas ordens, nao
na- do que o interprete da vontade da naci; e
a vontade deste povo martyr que a causa djus-
tiga triumphe na nossa patria e em todo o mundo.
Nao combatemos somonte para nos; repellimos
para longo de ns essa mxima egosta que diz
que c sanguu de cada nagao deve correr > em
seu beneficio. Como ehristao-, somos umapnrcella
da humanidade pela qual Jess Chrislo denamou
o sen sangue; seja esla sempffe a nossa divisa c o
peso g lia. Mate
Existe um soberano na terra, eleito por uma
grande sacio, o enviado da Providen-ia, qae com-
prahonden a verdadeira missao do poder. Clorfi-
ca-se nao de governar milhoVs de hdmens, n.as de
sor o ex jeutor fiel da vontade dos milhes de ho-
neus que governa. Essj s;berano arremegiu co-
rajosamente face da Europa, gelada por um fro
egosmo, e presa por tratados barbaros, esta; pala-
rs memorareis.
e Nada ha mais glorioso do que ser reprcentao-
te de uma causa como a da independencia e da
t libcrdade dos povos.
c Seinelhanies palavras sao dignas de um me
narclia ehristo, dignas d'aquelle que, por toda a
pule e sempre, quer ser o interprete do po\o mag-
nnimo iiue o coUotu .ua frente, e isto o que
/az com que seguramente a Europa o deve com-
l.icbemler e ha de comprehende-lo.
f O nosso inimigo poderoso; mas que significa
essa foiga em presenga do enlhusiasmo e ila uni-
dado da nago ? Que representam enlre nilhues
de polacos dedicados sua patria, essas centenas
de Minares de oppressorcs armados que .'ssolara
o slo do sen paiz ? Nao serao para nos suff cientos
as naces e os ehugos? N.io nos tem estas armas
mastadj para tomarmos posse das bayoneta i e das
t As>im figuram todas as classes da socieda-
de no numero das victimas; camponezes, pro-
prietarios. operarios, padres e todas as classes
da antiga Polonia estao representadas, na propor-
gao, por assim dizer, da sua for?a c da sua popula-
gao, neslo novo marlyrologio da nacionahdade po-
laca. >
Dos jornaes francezes traduzimos as segra-
les noticias sobre o terror na Polonia :
Escrevem de Samogica com data de 14 de
Janeiro:
i Os comboios de velhos, mulheres e meninos
que os Russos expulsara diante de s como um re-
banbo, airares dos caminhos cobertos de nev e
de gele. recordara as antigs invasoes dos barbaros
e nao dito ainda senao uma frara idea das scenas
de desolagao de que o nosso paiz ha muito lem-
po theatro. Alm destes comboios de deportados
para a Siberia que partcm lodos os dias para o lu-
gar do seu destino, oulros comboyos, cheios de dr
versos objertos atravessam os nossos campos de-
vastados. Nestos comboyos vao de mistura uns por
cima dos oulros, movis, ronpas, pratas, objectos
de luxo e ate instrumentos aratoros, provenientes
do saque geral das nossas aldeias. A triste cara-
vana escoltada por officiaes russos que vao ven-
der estes objectos cidade. ou os dvidem como-)
pilhagem.
t us officiaes rivalisam em zelo no eumprimen-
to de actos de uma crueldad inaudita.
c O despovoamento da Samogica prosegue-se
olbos urna niultido compacta, na sua maioria com-
posta de mulheres c creangas, perseguidas pelos
russos, e arrasladas ao exilio e a morte. A maior
parle daquelles infelizes, Chetos de fomo c meio
mis, vao oppiimidas debaixo do peso da sua des-
graga, eerageral morrem no caminho.
c At agera consta (tanto quanto o lem permit-
ido a dilllculJade das communicaeijes) que tem
sido despojadas dos seus bens e langadas na es-
cravidao : 30 familiasde camponezes da cominuua
de Dusiaty ; antes de cliegarem a Dnuabourg li-
ndara umitas creangas mor ido de fri. (Dosiat]
foi confiscado depois da insurrei;ao milia Plaler); 127 familias da cjininuna de Uz-
pole (outr'ora propriedade dos Sapinga,) mulls
familias da communa de Orikszlyn ; 25 familias
dacommuna de Gasthim (que outr'ora era proprie-
dade dos Zaluskij : 200 familias que habitaran)
dezeseis aldeias as conununas de Poswal e de
Wobolnice ; muilas colonias nobres da parorhia
de Krakiuoec. do dislriclo le l'ouiewiuz ; DBS co-
lonias de Ibiany, Bygirkole, Piada, I.epluny, dos
districtos de Kowno, (230 familias pouco mais ou
menos); todos os camponezes das aldeias da com-
muna de Krokow ; 46 familias da communa de
Dalrivir, e Onalmenle a colonia nobre de HiDcat-
jeie, di.-tricto de lelsze.
f Sea tudo isto sejuularem as deportagoes de-
cretadas pelo chamado conseibo de guerra, pode
dizer-se |ue a Samogica tem sido despovoada de
urnas 38:000 almas. Preten 'e-se que a Rnssia t> -
O Joninf de S. Pelershngo reproduziu do
Invalido Russo, as segnintes informagoes sobre a
descoberta que se fez (e alguns documentos im-
portantes pertencentes com missao revolucionaria
polaca:
t ltimamente a infatigavel aclivdade da po-
lica de Varsovia consegum fazer descobertas da
mais alta importancia. Pe as correspondencias
que os jornaes teem publicado j conhecida a
prisao, na eslagio do camin 10 de ferro de Var-
sovia, do muilas pessoas em < lijo poier se encon-
trjjram dipcumentos muilo iu portantes relativos
commissao revolucionaria (Klaca. Neste momen-
to, estamos habilitados para dar a esle resuelto
algumas infprmagiies importaites.
Xas repartigoes da eslagio technica cstabele-
cda as salas da dita estaga reuniam-sc algumas
pessoas todos os dias s dez Loras da manlia tan-
to para receber ordens da crganisa^ao revolucio
naria, como para Ihe fazer siber todas as infor-
magotss que podiam consegu r. Era ali que cons-
tanteinente esperavam a sua chegada : o secreta-
ro da estacSo technica Jos Stricki, o chamado
Wiadislau Kwiaikowski e exiiedicionario do en-
genhrtiro em chefe Jos I.isewicz. eo inspector dos
ti'.-ili:ilho. Couradu ^i.luwfli
Estas reunios attrahirara a attengao do ma-
j?r general Trepow, que a I5 de noveibro (7 de
dezembro) cncarregou o chefe de polica o major
Bergmam de fazer de improv iso una assaltada na
secgo technica .prendendo odas as pessoas que
ali se encontrassem.
t Esta medida produziu o resultado de desco-
berlas mui graves, n'uma visita domiciliaria feita
em casa de Stricki, que foi preso conjunrtamenlc
com Kwiaikowski, e mais seto pessoas deseonbe-
cidas, encontraram-se muitos subscriptos j sella-
dos com o sello do chamado secretario d'estads
do governo nacional, evidentemente preparados
para serem expedidos para o eslrangeiro ou para
as provincias polacas internas e um grande nu-
mero d'ouiros documentos importantes.
Os papis aprehendidos servem para mostrar
por factos a que jase tem dito mais da uma vez
sobre o carcter cosmopolita lo revohu.-ao polaca,
e do qae a.eoaspiracao polaca nao est restricta
aos limites do reino da Polor ia, mas que se oslen.
de aliMilutamente as mesiaas proporgoes, lauto
na Posnania prussiana, eom na Galitzia o Cra-
covia pie pertencem Austria. No numero des-
808 documentos que actualmeute se achara em
nosso poder, ha um qae tem o seguinte caracle-
I rstieo : Instruraio para ii commissario externo
corle, unir os seus esforeos c contribuir, se forpos
aivel. para lar ao Mxico a paz c a febeidade, que
ha tantos annos perdeu.
Aproveto esta occa>io para offerecer V. S. a
seguranga da minha distincta consideragao. Mar-
quez de Mira/lores.
O ministro da guerra da Suecia resolveu que
este verao.se forniasseum campo iniltarera Axevel-
la, na Westrogothia Devem pois reunirse ali dez
mil homens de infamara e cavallaria. e algumas
bateras de arlilheria.
lm correspondenle de Stockliolmo diz : ,
l'in amigo mea que reside em llolsingsfort es-
creve-mo dizendo que ali se fazem graves queixas
ao governo russo, que manda abrir todas as cartas
que vem da rinlainJia. ou qne para ali sao dirigi-
das. Esse mesmo amigo declara pie os jornaes
russos nao cessam de insultar os finlandezes ; em-
pregara sempre uma linguagem pouco prudente
contra o pequeo exercito linlandez, e a respeilo
dos direitos que os membros dos quatro eslados da
dieta revindicam cora lao justa razio.
Mas nao sao s os jornaes de S. Petersburgo e
de Moscow, tarabem a nobresa em S. Petersbur-
go que do mesmo modo se dirige aos finlandezes,
em consequeucia do seu patriotismo, e que censura
tudo quanto diz e faz a dieta.
1 O que leva ao extremo o descontentamente dos
Dnlandeses, o pmcedimento das tropas russas
acantonadas naquelle paiz; onde se comportam
como verdadeiros barbaros.
Em Wibory nao se passa um nico dia sem
que se praiique algumacto de infamia oude violen-
cia da sua parte.
As mulheres nao ousam sair sos. Os homens
para se defenderem contra as violencias daquelles
KlurgaUes, resolveram andar armados de revol-
vers.
O general Imironius chefe da censura em Wi-
borg, prohibiu, debaixo das mais severas penas,
que OS jernaot fallassera dos 088808, a que impu-
nemente se entregara os soldados do czar.
O titube de Londres publica asoseguinles no-
ticias :
t Somos informados de que, durante a guerra
que acabamos de ter lias ludias, as tribus perderam
6:000 homens morios e feridos. Da nossa parte,
infelizmente, a perda foi tambera muito ronsidera-
vel. A natureza e as dhVuldades do terreno ex-
poseraui os nossos soldados a |ierigos mais do pie
ordinarios. Julgamos que as tropas inglezas nun-
ca foram mais enxovalhadas |>or ura inimigo as
Indias. Temamos que a guerra contra os Uowyrs
/esse sido um erro, mas achegadado coronel Ja-
mes reparou quanto era possivel o mal que se linhi
reno.
Enlabolaram-se negociagoes que parecem de-
ver ter o mais sal utar elTeito. Mas todas estas dif-
lieuldades polticas e estratgicas lorgaram-nos a
combater com desvanlaingein e em menos de dous
mezes perdemos 700 homens, entre elles um grande
numero de officiaes. Esperamos, comiudo, quo o
BSistigO applicado sera sulliciente para impedir que
os uo.-sos boiioosos niiuigos nos cansen novos re-
cejos serios.
0 Uniig fiews diz tambem o segninle :
A coniiiiunicagao ollicial chegada de Lobore, o
que boje se enconlra nos telegrammas, aununcia
um acoutermeiitoque esliramos, ha de conduzir a
um termo prompto e inesperado a guerra da fron-
leira do l'uiijaub-Mukla, que a si:de dos fanticos
do IndOStao ; dit-se que foram destruidos, e que as
nossas tropas se preparara para relirar.
Na datadas mais rcenles noticias,cstavm no
territorio de uma tribu que se no* mostra favora-
vl; s teera agora a exigir refens das tribus In-
doos e Othmanzype, na eonformidade do que se es
tabeleceu antes do comego da guerra. Gragas
prudencia das autoridades, foi comprimido um
morimento que pareca derer rebentar. O seu
priKiedimciito digno dos maiores elogios.
n'uma mmensa escala; segundo dados ceos, ava- nha 0 1)r(ljecl du dl!i|,ovoaI. ,uaos us dJsll.icU)i d
lia-se em 38,000 pouco mais ou menos o numero ,lu.s Uiar lodo 0 uk!lliei0 polaco, li.ando pelo m
das pessoas de toda a edade e sexo quo teom sido
deportadas desta provincia.
Affirma-se, e os factos justilcam essa supposi-
gio, que a Russa tem o projecto de despovoar ca-
da distrdo de doze colonias nobres e de muitos mi-
niares de a'deoes.
. Parece que Mourawieff recebeu at a este res- Scs e da morlalidade qae existe,
pelto a autorisacao do imperador Alexandre. Eis
como a Rus -ia res pe i ta a propriedade, j nao fal-
lando na seguraga pessoal. Arrancar individuos
dos seus lares domsticos, despoja-los de todo o seu
haver, c lam;a-ios depois em negras masraorras ou Miwuir centaiu-se 296.
nos doze colonias nobres, e alguns milhares de
camponezes catholicos de cada distrelo. E-te pla-
no foi concebido por MonrawilT, que, se diz ter j
autorisacao do imperador para o por en ixecucao.
As priscjts estao ebeias, apezar das deporta-
t Em Kowno os presos polticos nao sao me-
nos de 1360, sendo 175 molherOS.
t Era Rossienie os presos s.o 380 ; em Telsze
276 : en Szawle 426 em Poniewiez 474 ; em Wi-
expulsa-los para a Siberia, tomou-se para a Rns-
sia uma cousa das mai ordinarias.
Continuara as mais arbitrarias prista. Desa-
gradaes a um espiao, sois suspeilo, prendem-vos e
mettem-vesriacadeia.Ao cabo de alguns mezes de
prisao, se nao sois deportado sem julgamento, o
A peiiei&ein Milao conseguiu langar a niao
a um dos principies agentes do partido mazzinis-
ta, chamado Stampa.
t Em casa deste individuo encontraran alguns
papis sobre os projectos daquelle partido, qne se
, ..... j._. j diz pretende lomar um moviineulo em Veneza
que o caso mais ordinario, levam-vos dianle de '
ia$prorincuu$utjugaia$ pila Rnssia, documento
quo traga em detalhe aoflo i a eonspiracSo, a pial
comprehende a Austria e a Prnssia, e est era re-
laco com os recursos reveluciona/ios de toda a
Europa.
Outro documento muito curioso; ainstrui-
gao dirigida ao commissaiio administrativo da
ansa nacional em Pars, o principe Wiadislau
zartoryskf, doonmento muito extenso, e que tobo
um grande numero de quesioes.
O governo revolucionario manifesla ali, enlre
oulras cousas, a dea de que os Polacos na i devem
demaneira algnma lestemunhar que deixam de
approvar o congresso propoto pelo imperador Na-
poleao, porque, impossiwl o boin etilo d'esse
congresso, e que, se coitia inda a espocUtiva
t elle sederesse realisnr, era absolutamente ne-
eessario exigir adnissao no congresso d'om
t representante da Polonia, assim como o desar-
t mmenlo previo, alini, 'om especialidade, de
t paralysar a arelo dos nossos mimigos no con-
gres-o. Era seguida traga l'este modo adepto-
ravel situago do actual levanianieuio : momento, diz elle, nao estamos absolutamente
c forado perigo senao no campo. (onde pois i
esse campo ?) eexphi'a as cansas das frequentos
inudangas no pessoal lo gjverno revolucionario,
muilaii-,i> i|in- proveen dnj Jufeilaa lx-m eeobee
dos lo principe CsartorysiiL*
Alm d'estas eneontraa -se anda algumas re-
velacoes interessantes, come por exempio, na ins-
Irucr.o para 0commissario extraordinario do go-
verno nacional, o qual enrarrogado le collier
informaedes para saber o que ha da expedigo de
[japinski, e se se nao poderiam obtor armas na
Suissa ; mp5e-se-lbe lambe u a obngaco de vi-
sitar a Prussia. Italia, Fiama, Inglaterra e Os prin-
cipados do Danubio, alim de obler diversas infor-
mafOes organisagao revolucionaria n'aqelles
paizes ; n'uma circular dirigida aos chefe.- das
torcas armadas da Woiwoi ia, e que conlm ins-
trucgiVs relativas orgam-ago daquellas forra-;.
docuinenlo que tem tanto mais importancia, por
seo que da uma Idoj clara da desordem e da a-
nan'liia que rema nos bandos insurgentes, e da
nullidade dos seus recursos: e finalmente n'uma
circular para o cominiss.irio plenipotenciario na
Woiwodia niazoviana. a qual conten a eonli<-o
de que a falta de recurscp pecuniarios que im-
pede a fonnai.o daquelle distrdo,
Absiemo-nos de fazer mencao aqu de um
gramil-numero ile oulros papis muito importan-
tes petos detones qne dio sbreos peaeo im-
plicadas naoonspiracao, i sobre os recursos ma-
teriaea da iusurreigo.
o pie ain la merece pirlicular attengao urna
conta subniettida a rzond por um dos coinniissa
ros sobre as sommas despendidos, e na pial se
acha especifieada, entre ootras cousas, uma des-
peza muito consiileravel lela com a compra de
riuriios.'
A organisagao lo exi rcito nacional contina
activamente, e as divise.s Mrquez, Wox, e Mexia,
poiliu dentio en pouco rtonir-se pie se fonnou
em Querelan e em Guanajiiato mu 0 cominando do
or. conselho guerra que qur tenha provas ou nao
para vos condeuinar vos manda deportar. Com-
prehende-se fcilmente que com um tal systema, o
seguinte quadro esialislco nada tem de exagerado:
os presos polticos em Kowno sao em numero de
t Sobre este acto urna correspondencia de Tu-
rim diz qne o governo est reeeMdo a empregar a
sua auloridade para impplr qualquer tentativa, e
que tendo por fim oapoio da opimao publica, conta
o julga mesmo fcil o resultado.
O AUTOMATO JOGADOR 1)0 XADREZ.
O entendimcnlo humano UOStra-se sempre im-
presionado com a apparencia de vola c iutelligen-
cia, |ue os mais pernos meebanicos sabem, por
uii'io de engenhosos apparelhos, communicar aos
denominados automatos. O porabo deArebitas, a
mulber de N ibis, a eabeoa de bronze de Alborto o
Grande, o toeador de Rama deTaucauson, o famo-
so canario, quecantava, bebia e coma, tiveram em
differentes pocas inmensa voga.
Sena dillicil fazer a dese ipro de todas essas
Obras prunas. Mas justo distinguir d'entre ellas
0 famoso jo/ador de xadrez de Kempelen, pie tan-
la admira;o suscilou na Europa, e cuja organisa-
gao por muitos annos foi profundomysterio paraos
maiores sabios.
Em 1760, a iiiiperalriz Maria Thereza den um
esplendido sarao no seu palacio do Vienna. Enga-
jou para distrabir a corto um prestidigitador fran-
cez, hbil era experiencias pliysicas e magnticas,
que deixavam absortos os hospedes na seienehi.
Qne pensaea destes phenomenos sobrenatu-
raes, observou a Imperatris a ura cavalleiro hn-
garo, que eontemplava as sortes do francez com at-
triuao replila de desdem.
Nada vejo, i espondeu, que deva sorprender
\ M. Acho tudo muilo simples. Qualquer. pode
fazer essas experiencias, jue parecem too extraor-
dinarias.
Senao fosse a repulacode hornern. sabio, que
desfructaes, proseguiu a unperairii, duvidara do
|ue dizes. Quero, porin, admittir, que todos es-
tes ezereicios nada lalem; se me perroitlis exhibir
algnma cousa mais imrivel. mais mararilhasa,
Acceilo 0 emprazamento de V. M. Espero
fazer-llii' Bsquccor para sempre o physiee francw.
Entretanto, pego V. M. o espago de um anuo para
tornar a comparecer em palacio.
Seja assim. acudi a imperatriz.
Assim ser, raurniurou o cavalleiro hngaro,
e rclirou-se.
O hngaro deque fallamos era o bario Wolfgang
de Kempelen, que foi conselheiro d-. hienda, di-
rector das salinas da Hungra, e referendario da
chancellara hngara em Vii'ima. Sendo ainda mui
joven, manifestara pronunciada queda para a me-
i liamca, e bavia inventado algumas machinas de
muilo inerecimeoto.
Euipeiihado em cuni|irir a sua palavra, retiron-
sea l'iesburgo, e comegou os lrabalbos,occultando
euidadosamente a toda a genio o oajeeto destinado
a producir tanta sonsacad.
No liui de um anuo, apcosentou-se na eOrte de
Vienna con o tuttomalo jogaior de xadrez, obteve
um liiumplio incomparavel. A fama do automato
en breve corroo na Europa. Us Jornaes, J entao
propensos eiageraee, descrevende h prodigio
meebaoico, erara prodigo.-em pormenores maravi-
Ilhi-O-.
Mr. de Windicb. qne jogou oxedre com u auto-
general Miramoii, tendo > suas ordens os generaos I nato, eansiguoo os incidentes curiosos do umades-
l'iua e Ca-anova. Isas sissoes.
Pode dizer-se que, com r iras excepgoes, o auli-I O auionioto reci-bo os visitantes BO gabinete de
eo exercito mexicano esta mHilumnnm di nimlni Mr. de Kenpeien. O primiro objecto que d na
do, por isso qoe o ministro da guerra receben a vista piando n sotos no qoarlo a cama, de 1 me-
adhesao ivgoneia le mai. de 15 generaos de di- tro 20 retinnos de romp amonto, mm 75 eenti-
viso, 80 genoraes de brig: da, uus 200 coronis, e: metros de largura e 83 de altura, Jettaada enal'se
p5e uma almofada debaixo do brago
Quando este joga, ergue lentamente o braco, e
dirge-o para a pega que pretende mover. Movca
nio a prumo sobre a pega, abro os dedos, segura-a,
col loca-a na casa conveniente, recolhe o braco, e
rcrousa-o sobre a a mofada. Quando toma pegaao
parcero, faz o mesmo movimento. Em cada uma
delles ouve-se o ruido das molas e rodas, que cessa
apenas joga o lance.
O automato joga sempre primeiro. Quando joga
o adversario baixa a cabega, e parece contemplar
o t iboleiro com a maior attengao. Se d cheque
rainba, abaiza duas vezes a cabega ; se ao re,
tres vezes. Quando o parcero faz um movimenlo
errado abana a cabega indignadamente; e nem sem-
pr se contenta cora a muda desapprovacao. Mui-
tas vezes confisca a pega mal jogada ; e joga em
Seguida. Pode jogar dez ou doze lances sera se Ihe
dar corda.
Quando terminava a partida, o automato fa-
zia um curioso exercicio. Punha-se am cavallo
em uma casa do taboleiro, pegava n'elle, e azia-o
percorrer successivamente, e com rapidez, as 64
casas, sem pousar duas vezes n'uma s. Causava
milita surpreza ver um automato fazer semelian-
te exercicio, bastante difficil para om perito jo-
gaior.
O automato funecionou em presenga de mathe-
m.'dicos e mecnicos celebres, que nao descobriram
o segredo.
Como alguns suppunham que o mysterio da
invengo resida nos effeilos do magnetismo, Mr.
de Kempelen permittia que se puzesse sobre o ta-
boleiro um bocado de imn, que nao causava trans-
torno algum.
Ilouve quem pensasse que no corpodo auto-
mato se inlroduzia uma creanga de 10 ou 12
annos.
Quando porin se examinava o interior, conhe-
cia-se, que apenas teria espago para n'elle se in-
titKluzir um ebapo. Nao faltava quem ailribuis-
se ao diabo o movimento e a inlelligencia do auto-
mato.
O grao-duque Paulo, da Russia, veiu Vienna
alpins annos depois. O soberane, que enlao
reinava, alim de obsequiar o hospede, pediu a Mr.
Kempelen, que allegava achar-se a machina desar-
ra nada, o favor de a concertar, e de apresentar-se
com ella.
i M applausos que grangeou, e os seus prejuizos
pecuniarios, iniliiziram-n'o, seguindo o exemplq,
de amigos, a correr mundo cora o automato para
lucrar com a exhinigao.
Em 1783, Mr. de Kempelen apresenfou-se em
Pars. Mostrou o automato no celebre caf da Re-
gencia.
Ali foi batido pelos grandes jogadores, o quo
niio diminuu a sua gloria. A combinagao dos
lances era a maravilha que embaragava os sabios.
Di Franga passou Inglaterra onde ganhou milha-
res de libras sterlinas mostrando o automato a 5
schillings por cabega.
Fredcrico, rei de Prussia, era enthnsiasta do
x.'idrez. Quiz ver a machina de Mr. de Kempelen,
e oi batido pelo turco, cm presenga de toda a sua
corle. Desejando conhecer o segredo, amia os
cordes a bolsa com regia munificencia. Logo que
foi informado sentiu o orgnlho vivamente ferdo ;
mas calou-se. para nao dar o brago a torcer. O
turco foi mettido n'um canto do palacio, e ali es-
tere durante trinta annos.
N.ipoleo I enlrou cm Berln. Ouvindo fallar
00 machina, desejou ve-ia. Kempelen fallecer,
porm outro adepto da ana escola cncarregou-se
da direegao do apparelho. Comecou o jogo ; e o
imperador, no intuito de experimentar a sagaci-
dade do automato, fez um movimento errada O
automato saudou, levou a mao pega e colloeou-a
no devido lugar, Nap)leao repetiu o erro, e o auto-
mato toraou-llie logo a peca mal togada. Riu-se o ,
imperador. Como'pela vez terceira tentasse zom-
b.'.r rio turi'o, este derrubou todas as pegas, e nao
quiz jogar mais.
O principe Eugenio Beauharnais entao residente
em Munich, e distincto amador de xadrez, es-
creveu a Mr. Maelzel proprietario do automato.
Nio podendo resistir ao attractivo, deu 30:(KKJ
fnicos ao allemio pela machina e pelo segredo,
segunda vez revelado a um principe. Satisfeita a
cr.riosidade, de que Ihe servia a nova aeqnisnjlo !
Por isso a entregou entra vez a Maelzel, rom a
iiinilnao de pagar-lhe juros dos 30:000 francos.
Maelzel sahiu da Gaviera. Veiu a Paris cm
1810, e o automato tornou a ser o thema das con-
vi'isaeoos. Levou-o a Inglaterra, e tuve boa colhei-
ta de guineos.
O automato dava entao de partido um peo
e o primeiro movimento, ganhando i'uasi sempre.
Imprimiram-se as partidas jugadas, algumas muito
notareis.
O processo promovido contra Maelzel pelo pro-
rurador do principe Eugenio tornou mais conhe-
cido o segredo da inven;o.
Tratou-se de leva-lo a America sob a direccao
de Mr. Illemberger, discpulo dos professores do
caf e da Regencia. Visitou a Nova-York, Ralii-
ii ore, Philadelphia ; e chegou llavana em
1836.
A febre amarella tovoo em poneos dias o director
Maelzel, que o arompanhava, nao desammou. Pro-
poz-se percorrer a Aon-riea do Sol. Einlian-oii
pira a Colunibia, cujo clima deletTio nao tardou
em dar cali d'elle. O automato prdeo-se era
ai guia povoagao da repblica. Prova wlmente
foi destruido pela imnericia dos qne Ihe me-
clierani. Seja como for, nunca mais se fallou
n elle.
O segredo, por tantos annos debalde procurado
conheeido. certo. que se esconda um bomem
I -iitro da caixa. Como esto tinha dous compar-
timentos, um hbil processo (azis passar o indivi-
duo para o lalo opposto pianlo se abra a porta
de qualquer d'elh's. A caixa na era transpa-
rente, fechava-sehermeUcaraonte, n que servia para
tirar a dea de que alguem d'ali pudes-e ver o
jogo.
Entretanto o bomem accendia luz; e armava
an taboleiro porttil, cujas casas eran numra-
las. Tinha outro taboleiro numerado no tecto da
caixa por imada sua cabega. e correspondente ao
taboleiro do automato.
As |iegas com que se jogava eram forlemenie
magnetlsadas, e impelliam as pequeas alavanras
de ferro, qne bavia em cada ca.>a do taboleiro,
oIIoi-.hIo no tecto.
Assim. o que estava dentro da caixa ra as no-
;as movidas pelo adversario. Repeta o lance no
taboleiro, que tinha riefronle de si c por meto de
uma mamveila mova o bi aro do automato. Mipr-
iiindo com molas mui elsticas Hetblidade
aos dedos, fazendo-os operar com nurasxilnosa
precisao.
Tal era o iiieehanismo, pie por espaga de meio
secuto nao puderan bem conhecer us maiores sa-
bios da Europa, apezar de assiduos. esforeos.
r
(Jornal do Comnurcio, do Lisboa.)
-O.
PKRNAMB13CO. I'YP. HfiHF. P. & FlLUC,
mmmmnm**"**-
.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EY9L6MZ6K_TRA4O4 INGEST_TIME 2013-08-28T00:04:20Z PACKAGE AA00011611_10310
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES