Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10309


This item is only available as the following downloads:


Full Text
A
AMO XL. MUJER O 53.
Per tres niezes adiaiitadoti 5 8000
Por lies niezes vencidos 6SU0U
Porle ao correio por I res mezcs. 7oU
SABBADO 5 DE MARCO DE 1864.
Por auno aduntado. .... \9#00O
Porte ao correio por um anuo 3$00
E^CA BREGADOS DA SL'BSGlUPgO NO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrno de Lima >
Naul, o Sr. Antonio Marques da Suva; Aracaty,
Sr. A. de Lemos Braga; Cear. o Sr. J. Jos de
Oliven a; Maranlio, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigue^ Para, os Srs. Manoel Piuheiro & C; A-
mazmas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARRJ3GAD0S DA SIBSCRIPCAO NO SUL
AlagOas, o Sr. Claudino Faleo Dias; Bahia, o
Sr. Jos Marlins Al ves; Rio de Jaaeiro, os Srs. Pe-
reira Martios ^ Gasparino.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Ol.nda, Cabo e Rscada todos os dias.
Iguarassu'. Goyanua e Parahyba as segundas e
sextas-lbiras.
Saoto Anto, Gravat, Bezerros, Bonito, Caruaru*,
Altmho e Garanhuns as tercas feiras.
Pao d'Allio, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqueira,
Ingaieira, Flores/Villa Bella,Tatarata', Cabrobo,
Boa Vista, Ourieury o Exu' as croarlas feiras.
Sennhaem, Rio Fonnoso, Tamandar, l'na, Barrei-
ros, Agua Pela e Pimenteiras as quintas feiras.
ilh.i de temando todas as vetes que para ali sahir
i avio.
Toi os os estafetas parlem ap '/j dia.
EPHEMER1DES DO MEZ DE MARCO.
1 Quarto ming. as 10 h., 51 m. e 44 s. da m.
8 La nova a 1 h., 39 m. e 20 s.- da m.
15 Quarto cresc. as 3 h., 47 m. e 32 s. da m.
23 La cheia as 8 h., 27 m. e 3 s. da m.
30 Quarto ming. as 8 b. e 2 s. da t.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 1 horas e 18 minutos da tarde.
Segunda as I horas e 42 minutos da manha.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
Para o sul at Alagas a 5 e 25'; pira o norte at
a Granja 7 e 22 de rada mez; para Fernando nos
dias 14 dosmezes dejan, marc., maio jul, set. enov.
PARTIDA DOS OMXiBlS.
Para o Recife : do Apipucos s G ',2.7, 7 >/2, 8 e
8 '/ da m.; de Olinda s 8 da ni. e t da tarde; de
laboatao s 6 '/i da m.; do Caiang e Vanea s 7
da m.; de Bemtiea s 8 da m.
Do Recife : para o Apipucos s 3 '/,, 4, 4 '/i- 4 V*
5, 5 '/i. 5 V, c 6 da tarde; para O inda as 7da
manhaa e 4 '/, da tarde; para Jaboatifl s 4 da tar-
de ; para Cachang e Varzea s 4'/, da tarde; para
Bemfiea s 4 da tarde.
AUDIENCIA DOS TRfBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal docommercio: segundas e qnirtas.
Relacao: tercas e sabbados s 10 horas.
Fazenda: quintas s 10 horas.
Juizo do commercio: segundas s 11 horas.
Dito de orphaos: tercas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel : tercas e sextas ao meio
da.
Segunda vara do civel: quartas e sabbados a 1 hora
da urde.
DIAS DA SEMANA.
21. Sogmda. Ss. Populo e E-meridiao mm.
I. Terra. Ss. Siiitberln e Eudocio mm.
. Quartn. Ss. .invino. Basilio e Seeundila mm,
:t. Quinta. Ss.Hemeterio e Astero inm.
i. Sexta. S. Cassemtro re; S. Lucio p.
.">. Sabbado. S. Focas e Palatino mm.
t. Domingo. Ss. Vctor c Victoriano mm.
ASS1G.XA-SE
no Recife, era a livraria da praca da Independencia
ns. 6 e 8, dos propietarios Manoel Figueiroa d
Faria & Filbo.
PARTE OFFICiAL.
fiOVERSO DA PR0.INCI.4.
Rea torio apresenlado pelo E\m. Sr. Dr.
Domingos de Souza Leo, na abertura
da assembla provincial, no flirt6 do
corrente.
fCORCUWXO.1
LAVOURA.
A situacao da nossa lavoura digna da mais viva
solicitude, da mais aturada inediiaeao da represen-
taco provincial. assumpto sobre modo grave, e
acerca do qual por milito que se faca, nao se ter
eito de mais.
Melrior do que eu, cada um do vos coohece que
no psente u anda por dilatados annos ser a agri-
culturi a nossa nica fonte de riqueza. A' cada
um de vos nao escanarao as innmeras causas,
que acluam de um modo deploravel sobre a sua
trie.
Reconheco que os meios de que dispoe a provin-
cia nao sao tao ampios, que possaes com ino pe-
jante icmover-lhe os obstculos, as diffleuldades,
que Uta enibargam o desejado desenvolvimento.
Aos poderes geraes, que dispoe dos maiores re-
cursos do paiz incumbe prover as suas mais cus-
tosas necessidades. Mas, se nossos recursos sao
roinguados, se noiodemos lancar mode medidas
completas, radicaos, nem por is'so nos permiltido
rccuar; precisamos comecar.
admiravel que, sendo nsum povo exclusiva-
mente agrcola, nao tenliamos procurado satislazer
urna dis nossas necessidades mais intuitivas. Al-
ludo, abso uta carencia de escolas, de estabeleci-
menios onde se propague o ensino agrcola, quer
doutrin il, quer praticu.
saludo que, em regra, os nossos lavradores, e
os seus principaes agentes auxiliares, como os fei-
tores, a Imioistradores, e oulros. carecem de luzes
sobre a sua proflsso. As mais ligeiras nocoes da
scienci;. e arle agronmica Ibet sao desronhecidas ;
os metlodos, as pratcas mais aperfeicoadas anda
Jhes sc oceultas. E' a rotina, que os dirige, c os
domina completamente.
as nossas escolas nao se diz urna palavra sobre
a agria llura : a inoculado se applica aos estados
classico:, medicina, jurisprudencia, qualquer
outro ramo das scieocias, menos acquisico de
conhecnientos da industria agrcola e fabril.
Assim preparada, forado nfimo das ideas prat-
cas, tenw dirigida, com grave desvantagein so-
cial, pan oulra qualquer carreira, que os affasta
da vida Jo campo. E pois, claro que d'abi so
arreda a intelligencia; resultando, sein a sua beno-
fica e esclarecida influencia, a roiina, jsio a per-
manencia dos processos de cultura mais primiti-
vos ; a f; lia de estmulo para os melhoramentos ne-
cessarios
um erro, infelizmente autorizado por pessoas
illustrails, que a direcelo da livoura objectoquo
fcilmente se aprende. Ninguem pode boje negar
que, especialmente a industria da canna, exige es-
tudos theoricos e praticos. E para aquilaiarinos o
atraso deploravel desta nossa principal industria,
conscque.icia da ignorancia, que com oulras causas
como que a anniquiilara, basta.sem entrar em mais
individuado desenvolvimento. considerar que, tendo
a canna termo medio, 18 por cento de assucar em
relacao ao seu peso, apenas nos d ella, com os
meios rudimentaes applicados entre nos, 4, o 6
por cento. e de um producto Imperfeilissimo. Con-
signado este fado em relacao a impericia do nos-o
fabrico, cMkdderemos anda o modo irracional da
sua cultura, e apuraremos que, para obter da cali-
na o mximo de assucar crystalisavel sao desco-
nlu'cidos telo cultivador as co idicoes especaes da
qualidadii do slo, de sua prepararlo e dos adubos
que Ibe sao applica
Os apparelhos e instrumentos agrarios, mais
aperfeicoado, e que alias tantos bracos pouparam,
o que para nos de iminonso alcance, nem Ihcsao
bem conhecidos. Uniros muios meios, lio feriis
em prodigiosos elleilos econmicos para aquellos
paizes cuj;. lavour leaehava atrasada, Ibe sao ab-
solutamente estianhos, ou antipatliicos.
Assim, pois, s a uberdade de nossos terrenos.
as lantagms de nosso clima, da nossa posi^aogeo-
Sraphica e tainliciu a ausencia doselfeitos da rapi-
i translormacao da natureza do trabadlo que ar-
ruinou os estaMiecimentat curaos de algumas co-
lonias esirtingeiras explicam a raziio por que ; mes-
mo boje o 'insso primeiro producto, bem que fr.i-
canieute, pode alfronlar a concurrencia do oulros
similares no mercado do mundo.
CoIIo ados em quasi idnticas circurastancias s
nossas, longo de desanimarem, a maior parle das
Anlilhas e jotros paizes productores de assucar li-
zeram, e anda fazeni esforcos, para libertar a sua
lajroora do jugo da roiina, dtssa irisie posicaoem
que saliiraiu e os meios por clles empregados toril
produzido mais ou menos vantajosos roultados.
Imitemo-los no que nos fur possivcl; que, quanto
mim, carece de fundamento aopinio do abando-
bo da cultura da canna.
E' duvidoso, (|ue com vantagem possa ella ser
substituida por outra. O seu abatimenio mediante
as feliz.es circunstancias, que ha pouco alludi
desappareeer se aproveiUrmos os etemplos que
essus paize.-- nos indicam. A industria sacbarina
tropical, atiento o progresriTO augmento do consu-
mo do assucar cunseguindo, romo llie incumbe,
coiidicoes r.orm.aes de existencia, nao pode recear
a concurrencia da b< torraba, que ncomparavel-
meiite mais pobre, e de mais dlDcil manipulacio,
ser forjad i A papel meramente agrenla. Ana-
turi-za na siaordein admiravel determinen para
cada producto, um ponto do globo em relacao ao
respectivo clima.
Logo que a luz da ciencia eespargir igualmen-
te para iodos, a canna e a beterraba se rullocaro
em seu respectivo lugar ; e aquella, pela sua ln-
comparavel riqoeza de aes assuca.-ados cabera
cxclusiviunenie a prerogativa industrial.
Para que consigamos brm deeideratara, sem o
inconveniente de perniciosa concurrencia, que
releva empiegar os meios, cuja urgencia est na
conscieucia de lodos. Infelizmente, aquelles que se
podei iaiii Considerar heroicos osto alm das for-
jas da provincia. Assim que as fabricas ou enge-
nhes centraes acairelando o systema dadmsiio do
trabalho, tao maravilboso em seus elleilos, produ-
ziriam indubilavelinente grandes vantagens. Mas
para que sj ellectue essa idea tao eminentemente
til era necessario ou que o principio de assoacia-
co, cli.niiaclo a dirigir o futuro, com aeoodicao
de bouestidade, estiresse dilfundido entre nos ; ou
quo se realisasseai emprestimoa, ou garantas
delles, pelo governo em favor dos nossos lavra-
dores.
A primeira hypothcse, como nao o gnoraes, de
inexcquivel realisa^ao, nao s porque a idea de
assoeiacao apenas romeos entre nos, mas anda
porqoe a fa la de eapitaes, ehcareceodo o dinbeir,
os dirige para oinprezas que parecem mais ininie-
dialaiuente lucrativas e^elborconlieeidas, do que
o sao as agrcolas.
A segunda hypotbese, que acba valioso apoio no
xempi reiterado dos paizes mais adiaotados do
mundo, como a Inglaterra e a Franca, os quaes
lera uestes prximos annos proporcionado millies
para melhoramentos agrcola-, depende dos altos
poderes do estado, que, no utau raao aoteoder,
prestariata im dos mais poderosos auxilios, se au-
torisassfim mediaste solidas garanlias, empresti-
mos Mos em favor da lavoiira.
i:-.-es doi.s alvitres, de que perfunctoramente
venbo de fallar, seram de grande e inmediata
vantagem para o ramo principal da nossa ndus-
Iria rural ; seriam una prompta solucao dos pe-
rigis que aameacain.
Mas a impossibilidade cm que estamos deappli-
car um grande rem.'dio nos nao dispensa de Cogi-
tar qualquer oulra medida, inda que secundaria,
pro.eilosa.
Eu vos lembraria a creayao de um engenho, ou
fazo ida modelo. Eslou conveacido de que os seus
sites apezar de lentos, serao seguros, se seu fun-
dador, zeloso e solicito, como Ihe incumbe, tiver a
fortuna do deparar com pessoal idneo, e de con-
ceb r um plano apropriado s nossas circunstan-
cias
Nao vos proponhn desde j o ensino especial com
o fim de urna mstrueeio agrcola completa : a sa-
tisfaco dessa necessidade vira mais de espaco, e
em x'inpos menos diliccis. Limito-me, pois, ao quo
me oarece cxequivel, isto insiituicao de urna
fazenda modelo, que se dirija principalmente aos
sefli dos, e que pelo poder do exemplo promova o
abaldono dos meihodos atrazados,Je a introdueco
desvstemas racionaos servndo de verdadeiro pa-
dro da nossa agricultura, pelo qual possa cada cul-
tvac'or modelar a que Ihe pertence,
S pela experiencia de processos agrcolas, e
pelo conhecimento da marcha regular da fabrica
modelo, e de sua historia conseguiremos levar ao
espirito rotoeiro a conviccao das vantagens do pra-
ticos esclarecidos.
Taes estabeleciuienlos nao proporcionarao s-
nienle o ensino da cultura da tena c do fabrico dos
productos ; mas lambein o da ereaco e tralamen-
to do gado, o rgimen econmico e contabilidade
rural, assumptos abandonados e estranhos aos nos-
sos (u Invado res.
Os. eugenhos ou fazendas modelos equivalen),
para a agricultura ao que para as artes e scicncia-.
sao os grandes estabelecimentos pblicos.
Proponen-vos a ereaco de um engenho, ou fa-
zenda modelo, nao tive em mente, que para ella
exclusivamente concorressem os cofres provinciaes,
no intuito de ponpar-lhes maiores sacrilicios, que
Ihe eriain penosos, visto que as despezas com a
compra do terreno apropriado, da eddeacao, ulen-
s[> e outro misleres de sen cstabelecimenlo deve-
rao er erescidas. Desojando facilitar, e tornar pra-
ticayiil aquella idea, que considero da maior impor-
tancia, pareceu-me consegui-lo, pedindo-vos apenas
a consignaco animal do vintc ou trinta contos de
ris, ou mais, se assim o permittirem os recusos
da nossa receila. com destino especial de auxiliar
o Instituto Agrcola, no caso do que julgue elle
acertado senielliante ereaco.
Lhongeio-me de que os membros daquella til
instiluicao, com que em seu incessanle disvello
pelo bem do paiz, Sua Mageslade o Imperador as-
signa lou a visita que fez a esta provincia, procura-
rn desmentir a triste previso daquelles que nao
conliam nos seus resultados, levando effeto o
pensamento, que desenvolvido, deve produzir fe-
cundas consequencias em prol da nossa lavoura.
Do relatoro que o anno passado olereceu o meu
Ilustrado antecessor a assembla provincial se v
que cerca deJ80:00OO00 oran subscriptos cm be-
neficio do Instituto tendo-se cobrado somonte.....
30:3103000, os qnaes elevados pelos juros peree-
bidos da da Caixa Filial na importancia de res...
45:81)35902, se acha redunda a 42:0935782 em
consequencia das despezas de expediente e empre-
gados d-' sua secretarla.
Tomando conla da administraco da provincia,
teria procurado promover a arrecadaco da tolali-
dade daquella subscripoao Bu at ah ebegassem
minias atlribuicoes.
E>|>ero que islo se conseguir sem difflculdade:
confiado que o espirito patritico, que determinoua
promossade concurso pecuniario, nao arrefeceu no
animo daquelles cidadaos, que fazendo-a, tomaram
sobn si um compromiso de honra.
Augmentados os propiios recursos do Instituto
com i subvencao que vos peco, c quo poder ser
prestada por dons ou tres anuos, me parece que
conseguiremos lancar os fundamentos da fazenda
indicada, e conucar de prompto as suas opera-
ces.
Anlevjo tropecos eembaracos em sua execueao,
mas nao tenlio duvida de que, com boa volitado e
perseveranea strao ellos removidos, levando-sc
ao cabo projecto de tai inconiestavel utilidade, e de
lamanbo alcance.
-Nn MM licito duvidar, quo tomados de inania
c iiidilfi-renca os membros do Instituto, alias lo
immeLamente interessados no adautamento da la-
voura, deixem de einpenbar-se na realisacao de
um molo, que leude a dar vida e forca a nossa pri-
niera industria para cujo delinhamento tristemen-
Iructivas quando se Ihe offereca pessoal competen-
te; privando-a assim de um grande recurso acon-
sejado pela experiencia alheia.
Tao iulilirada se acba na conscieucia de todos a
necessidade dos meios de transporte, que escuso
chamar a vossa allenco para semelhante assump-
to. Nao ha quem desoonheca que urna boa viacao
a alavanca poilerosa do progresso moral e mate-
rial do qualquer povo. Sua falla traz a miseria do
lavrador, embaraca a produccao e eleva o preco da
materia prima esmorece o movimento comniercial
o. colloca as transaceoes merc do monopolista e
analmente afroxa a unidade e energa administra-
tiva. De sorle que sem estradas fica prejudicada a
lavoura. a industria manufaciureira, o commercio
e a administraco publica.
Entre nos mais sensivel se torna a ausencia des-
sa origem fecunda de prosperidade pela mingua de
bracos, cajos effeitos se vio manifestando em escal-
la ascendente. Toda a vez que os meios de trans-
pone permittirem o emprego de vehculos, muilos
bracos acrescero cultura.
Se nesie ponto alguma causa temos feto, muito
nos resta ainda a fazer.
E se nos falham bracos e eapitaes ese estas duas
magnas quesles, que tem orcupado e oceuparo a
altencao dos ixxleres do estado, e em cuja solucao
est librado o futuro da nossa lavoura, isto to-
da a nossa prosperidade, mo'podem ser resolvidas
pela representado provincial, balda dos necessa-
ros elementos para consegui-lo, ao menos envide-
mos lodo o empenho para dolar a provincia de
boas estradas que facilitando os transportes, dimi-
nuindo por este modo os gastos de nossa produccao
excitem a cultura dos gneros alimenticios, e de
exporiaco nos lugares mais ou menos longinquos
do mercado s por esle modo conseguiris que se
desenvolva e medre igualmente o eonunercio, essa
i industria irma da agrcola, e cuja correlacao e
dependencia reciproca fazem reunir, conciliar-so e
fuudir em um s, inleresses que a primeira vista
parecem inconciliaveis. Para que urna prospere
| releva que a oulra se desenvolva : sem productos
nao ha commercio, e sera este que Ihes proporciona
j sabida nao ha agricultura. E pois merecen os
I rosaos cuidados e desvelos, i>orque ambas se astea-
minham ao mesmo fim, que accomodar as cousas
| as necessidades daquelles que as reclaman).
Com um entendido espirito de economa, com
severa e judiciosa applicaco dos dinheiros pblicos
as nossas necessidades; com resistencia vigorosa e
patritica prelences exageradas do interesse
privado, conseguiris muito para o desenvolvimen-
to da provincia que tanto contiou em vos, encarre-
gando-vos de seus inleresses.
Jlcnho, seidiores, terminado a tarefa. que me m-
pe a le. de instruir-vos dos negocios pblicos e
das providencias, que me pareceram conducentes
ao melnoramenlo da provincia. Vossa illuslraco
e ardor pela sua felicidade suppriro largamente o
meu incompleto Irabalho.
A exiguidadedc lempo e as lidas da adrainistra-
cao me serviro de excusa perante vos, a quem
sero ministradas prompta e fielmente as informa-
cues e esciarecimentos de que necessitardes.
Asseguro-vos a minha cooperaco franca e since-
ra em ludo quanto tender para o engrandecimento
da provincia por esle modo cumpro o dever que
contrahi para com o governo imperial o satisfaco as
mais vivas aspiracoes do meu coragao.
Palacio do governo de Pernambuco, Io de marco
de 1804.
Domingos de Souza Leo.
cujo
lo coiicorre o atraso, em pie se acba.
Do empenho, da actividad)! e zelo do Instituto,
coadjuvado pelo governo provincial pende nao s o
xito da idea, que ora submetlo a vossa Ilustrada
ronsideraeo, mas anda a applicaco de oulros
meios tendentes a dar incremento a nossa agricul-
tura. A elle, por exemplo, incumbe a proniorao de
sociedades e comicios aercolas, a publicacao de as-
erilos, que esclarecam os lavradores sobre o seu
mister, elementos estes, que, banindo o isolamento,
COBgrsaando os mus inleresses, despertando-llie a
cinul.ieo, tem poderosamente cooperado para o
iiii'IIk ramenlo e progresso rural do paizes os mais
adiau'.ados.
O Instituto Agricola pode ainda prestar sonrios
de oulra ordem, j auxiliando a adiiiiiiUtracao com
esciarecimentos, e dados sobre medidas submetiidas
i pela mesma ao seu juizo, j velando e. reclamando
, em prl dos inleresses agrcolas.
. Se pois tal inslitaieio so antolha sob auspicios
lio lisongeiros, cerion'o Ibe recusareis os recursos
precitos para que prospere eauioja o grande flm
com i,ue foi creada.
A vos, aos poderes geraes do estado incumbe,
animar, excitar a nossa produccao decadente e im-
perfei la, para que possa da competir com a de ou-
lros p tises. B se principio receido que o poder
social nao deve inlervir de um modo directo em
objectos, que eniendem com a industria, tambera
nao se pode conii-star, irae grave perigo asiste no
abandono e omisso de sua inlluencia tutcllar em
taes a-sumptos.
Um outra idea, que lenho como de grande van-
tagera e de ncontostavel necessidade o emprego
| de raisses de |iessoas habilitadas paizes estran-
; geiros para o .'studo do systema, das pratcas de
cultura, dos processos do fabrico, e de varios ob-
Jeeios que respeitam a economa rural. Se oulros
| povos de urna civisacao avantajada dolas se soc-
l corren ; se a Franca, a Russia e a Inglaterra tem
i coin prolicnidade usado dessa recurso, maioria de
razao nos assiste para que a elle recorramos atien-
tas as nossas poucas luzes, nossa infancia na car-
reira das arles e ciencias ignorancia quasi com-
pleta ira que vivemos das dosrobertas dos melho-
rameotos, do progresso de tima industria idntica
nossa.
Sei |ue laes msscs nao eslo em grande cr-
dito ature nos que varias tentativas desse genero
tem faldado, e que por isso sao consideradas como
despega improductiva. Mas miaba humille opi-
Dio que o sea mi xito se, lem originado da ca-
rencU das habilitacoes precisas as pessoas que a
comp rain,ou de oulras circurastancias inteiramen-
le alhe'ias medida era si. Krssentimos-nos ver-
daile da falta de genio idnea, que jugando cora
corto* dados sciendlicos, conhecendo a sitoaoSo da
nossa lavoura sob todas as sua^ faces, possa', con-
iralando-a com a de oulros paizes, deduzir a(ire-
riacs justas, c indicar-nos meios praticos e con-
ducentes evitar os vicios, erros e methodos ab-
surdos que seguimos.
Me parece, pois, que nao se d motivo algnm pro-
cedente, para que nao autoriseis a administraco
da provincia a laucar mo dessas excurses ios-
Expediente do da 2 de marro de 1861.
Offlcio ao hngadeiro commaudante das ar-
; mas. Pode V. S. mandar alistar nos corpos era
jguarnieao nesta provincia os rocnilas Manoel Vi-
; cente Ferreira, Galdino Pedro da Cunha, Vicente
Perreira Franca e Uypolito Francisco do Monte,
que foram considerados aptos para isso em inspec-
cao de saiide, como V. Esc. declarou era seu ofli-
cio n. 388 de 29 de fevereiro ultimo. Coinrauni-
rou-se ao coronel recrutador.
Dito ao mesmo.Pode V. Exc, como propiw em
seu offlcio do 1 do corrente, n. 4G, centratar dous
mdicos civpara servirem nos corpos da guarni-
cao e ns hospital militar, visto que ha falta de ci-
rorgioee do corito de sade para seiiielliantc lira.
Coinmunicou-se ao inspector da thesouraria de
fazenda.
Oilo ao mesmo.Communico ;i V. Exc, que em
aviso de 22 do fevereiro ultimo declarou-rae o
Exm. Sr. ministro da guerra ler sido nomeado
nossa dala o tenenle do estado-maior de 2' classe,
Alexamlre Augusto de Frias Villar, para o lugar
de director do laboratorio de fogos desta provin-
cia. Fizerara -se as necessarias cominunicacoes.
Dito ao mesmo.Queira V. Exc mandar por
cm liberda le, dando-lho baixa, s.; j estiver cora
praga, o recrula Francisco Jos dos Santo?, quo
lem iscncao do recrutamento.Communcou-se ao
coronel recrutador.
Dito ao Dr. chcfo de polica. Resti-to
V. S. o recibo em duplicata, que vcio annexo
ao seu offlcio de bontem e sob n. 2o3, na impor-
tancia de I3I04 rs, despendida nos mezes de se-
tembro novembro do anno prximo passado. cora
o fornecimento de luz para a cadeia do termo de
Flores, visto nao poder essa quantia ser paga pela
thesouraria provincial e sim pela cmara munici-
pal daquella villa,me tem quita para esse fim vo-
lada pelo % 1", ari. 20 da lei do orcamento munici-
pal do corrente exerricio.
Dilo ao inspector da thesouraria de fazenda.
Communico V. S. que, segundo rae participen o
brigadeiro rnmmandante das armas em offlcio de
hontem, fallecen no dia 29 de fevereiro prximo
(Indo o lente do 9 balalhfio de infantaria Ma-
nuel Dionisio de Souza.
Dilo ao mesmo. Mande V. S. com urgencia
ajuslar contas at o fim de fevereiro ultimo, e pas-
car guia de soceorrimenio ao altere* Domingos de
Axoredo Coulinho, que tem de seguir para a corle
amanhaa afim de reunir se ao batalho n. 12 de
infantaria. Communicou-se ao brigadeiro com-
mandontc das armas.
Dito ao mesin.Recomniendo V. S. que, nao
have.ido inconveniente, mande pagar Ji>s Perol-
ra de Alcntara do O' a quantia de 985880 que '
tem direito, por haver feto os eneanamentos j
d'agua para o quariel do 2 batalho de Infamarla
c hospital militar, como se v da c.onta junta em
duplicata, que para esse fim me fui remedida com
offlcio do director das obras militares, datado de
hontem e sob n. 13, Communicou-se ao director
das obras militares.
Dito ao mesmo. Tomando em consideracao o
que expoz no incluso requerimento o escriptura-
rio do arsenal de guerra desta provincia,Francisco
Serfico do Assis C.arvalho, recorainendo V. S.
que mando pagar integralmente os seus venc-
mentos relativos ao mez de fevereiro ultimo, ron- ]
siderando assim abonadas as faltas por elle dadas
em todo aquella mez.
Dilo ao mesmo. Com copia do ofllcio do briga- '
deiro commandanle das armas, de 29 de fevereiro !
ultimo, transmiti V. S., para os lins convenien-
les. as relaces de mostra do destacamento de
liaba existente na povoarn do (ramio do termo
do Ex, o do um recruta. tudo relativo ao mez de
Janeiro ultimo.
Dilo ao mismo. Mande V. S. com urgencia
Justar contas at 29 de fevereiro ullirao, e pascar
guia de sorcorriment ao alferes do 8o batalho
do infantaria Gregorio Alves de Siqueira Bremo,
que tem de seguir amanhaa para a Rahia.
Dito ao mesmo. D V. S. as providencias ne-
cessarias. para que na reeebedoria de rendas in-
ternas leja, arrecadada a importancia (pie-, segundo
a nota por copia inclusa, est a dever o tenente-
roronet commandanle do batalho n. i6 de infan-
taria da guarda nacional do municipio de Agua-
Preta, Podro Francisco de Albuquerquj, de direi-
tos e emolumentos relativos sua patente. Offl-
eiou-so ao commandanle superior de Palmares.
Dito ao rrwsmo. Transmuto V. S:, para os
lins convenientes, duas retardes nominites dos mo-
vimentos, que houveram no pessoal das enferma,-
rias do hospital militar na segunda juinzena do
mez de fevereiro ultimo.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.
Se nao Imuver inconveniente, mande V. S. pagar
ao delegado do termo de Santo Anio. ou pessda
por elle autorisada. conforme solicitou o chefe de
polica em offlcio do Io do corrente sob n. 252. a
quanlia de 445200, despendida cora o sustento dos
presos pobres da cadeia daquelle lerm i durante o
mez de Janeiro prximo lindo, como se v da in-
clusa coata. Cominunicou-se ao Dr. chefe de |K>-
licia.
Dito ao mesmo. A' Joaquim Antonio de Cas-
tro Nunes mande V. S. pagar, nao havendo incon-
veniente, a quantia de .103, proveniente do aluguel
relativo ao segundo semestre do an 10 prximo
passado da casa que serve de cadeia no termo de
Tacaratd, como se v do recibo junio un duplica-
ta. que rae fo remetiido pelo chefe de polica com
offlcio de hontem sob n. 2-oi.
Dilo ai mesmo. Transmuto V. S. a inclusa
conla, afim de que, nao havendo inconveniente,
mande pagar ao delegado do termo di Krejo. ou
a pessa por elle autorisada, a quantia le 2o200.
despendida no mez de Janeiro ultimo com o sus-
tento dos presos no tres da cadeia daquelle tormo,
como se v da prediia contaque veio annoxa ao
offlcio do chefe do polica, datado de hontem sob
n. 253.
Dilo ao mesmo. Annundo ao que solicitou o
chefe de polica em offlcio de hontem, sob n. 155,
recommendo V. S. que. nao havendo inconve-
niente, mande pagar ao administrador da casa de
detencao a quantia de 123. em que, segundo a
conla inclusa, importaran) tres folhas de ferro pa-
ra o concert da cbamin daquelle eslabeleci-
ment.
Dito ae mesmo.Recommendo V. S. que, me-
diante fianca idnea, mande entregar ao provedor
geral da irmandade de S. Jos d'Agua-Preta, Fran-
cisco Jos da Costa Gumares, como m licitou esta
em offlcio de 14 de fevereiro ultimo sobro que versa
a sua informaco. n. 73 de 29 do preililo mez de
fevereiro a quanlia de 1:0003. votada pelo art. 13,
% 8 da lei do orcamento vigente para as obras da
igreja matriz daquella freguezia. Communicou-
se a predita irmandade.
Dito ao mesmo.Auloriso a V. S., de conformi-
dade com a sua informaco de 29 de fevereiro ul-
timo, sob n. 71, a mandar pagar integralmente a
Antonio Symphronio Rodrigues, como pede no re-
querimento qne devolvo, os seus vencimenlos rela-
tivos ao mez de Janeiro desle nno, como guarda
da casa de detencao, urna vez quo elle prove pe-
rante essa repartico haver cumprido com as obri-
gacoes inherentes--ao sen emprego, a cuntaY dw-t*
at 14 .o citado mez do Janeiro.
Dilo ao msmorMinstre-me V. S., os csclareci-
menios necessarios, afim de que eu possa prestar
a informaco pedida pelo Exm. Sr. ministro da
fazenda era aviso de 22 de fevereiro ultimo, acerca
do incluso requerimento documentado que mesera
devolvido e em que Adriano Xavier Pereira de
Rrlo e oulros, pedem isenco do pagamento da
decima de chancellara averbada em ura processo
instaurado essa thesouraria para pagamento de
letras que pela mesma Ihes foram endossadas.
Dito ao commandanle superior da guarda nacio-
nal do Recife. -Expeca V. S. as suas urdens para
ser postada em lenle da igreja do Senhor Rom
Jess dos Martyrios. no dia 4 do corrente as 2 '/< ho-
ras da larde urna guarda de honra, tirada de um
dos corpos da guarda nacional desta cidade. aliin
de arompanharao mesmo Senhor era proesso que
lem de sabir daquella igreja.
Dito ao coniiii.uidaiito do corno de polica.Po-
de V. S. fazer engajar para o servlco do corpo sob
seu ('ominndoos paisanosJoaquimJosdo Amoriin,
Manuel Casimiro do Sacramento c Hermogenes
Rodrigues Pereira. apresentados com os seus ofli-
cios ns. 96 e 98, do 1" do crreme.
Dito ao mesmo.Pode V. S. contratar para ser-
virem no corpo sob seu enramando os paisanos
Antonio Estoves dos Sanioso LiiizJosThcmotheo da
Silva, que foram considerados aptos para isso em
in-peceao de sade como V. S. parlicipou-me era
seu offlcio n. 100, desta data.
Dilo ao mesmo.Tendo o. brigadeiro comman-
danle das armas mandado alistar como recrula no
7" batalho de infantaria. segundo parliripoii-me
em offlcio do 1" do corrente, o soldado do corpo de
polica Manoel Joaquim da Cosa, aqueni V. S. de-
signou para servir no exercilo: assim Ib'o declaro
para que mande eliminado do mesmo corpo.
Dito ao director das obras publicasMande Vine,
proceder cora urgencia como requsilou o secreta-
rio da assembla legislativa provincial era offlcio
de boje os reparos de que necessila o pavimento da
casa da mesma assembla. ao lado direito das res-
pectivas galeras.
Dito aojuiz de orphaos desta capital.Transmit-
i Vmc. para seu conhecimento e direcoao copia
do aviso circular do ministerio de estrangeiros de
27 de Janeiro ultimo, contando a resolncao lomada
pelo governo imperial relativamente duvida sus-
citada por alguns agentes diplomticos sobre a
verdadeira mtelligeaeta das disposicOes do art. 7
da convenci consular celebrada entre esle impe-
rio e o da Franca e dos arligos correspondentes
das deraais convences comidas, que existen) cora
Oulras potencias.
Dito ao juiz de paz mais votado do 1- dlstricto da
fregueziadeVilla-RellaInleiradopelo sen offlcio de
8 de fevereiro Prado, do se nao ter installado na i'
dominga de Janeiro, a junta de qualieaco dessa
freguezia, pelas raides nelle declaradas, tenho a
dizer-lhe que tendo sido approvados pela cmara
dos deputados os novos Heitores dessa paroebia,
como constou de aviso da reparlieao do imperio de
13 do citado mez* de Janeiro, compre que Vine,
guardados os prasos o formalidades da lei convo-
que aquelles eleitores, e rena a referida junta no
dia 17 de abril vindonro, que para isso designo o
prosiga no respectivo irabalho da qualillcacao ten-
do era vista o decreto n. 2,885 de 21 de de'zembro
de 18til o mais disnosices era vigor.
Dito aos agentes da rompanhia Rrasileira de pa-
quete-: vapor. Podem Vincs. fazer seguir para os
rortos do sul, o vapor Princezn le Joiw Ule. ama-
nhaa hora indicada em seu odicio de boje.
Portara.Os senhores agentes da rompanhia I
Rrasileira de paquetes vapor, inandein dar Irans-'
iwrte para a corte |xir conta do ministerio da guer-
ra no vapor que acaba de chegar do norte o alteres
Domingos de Asevedo Coutinho, que val reunir-se
an batalho n. 12 de infantaria.
Dita. -Os senhores agentes da compaiihia Rrasi-'
leira do paquetes vapor, tnandem dar transpone :
para a Baha, por conta do ministerio di guerra,!
no tapar procedente do norte ao soldad > desertor
Manoel Jo- da Silva, que val reunir-so 10 corpo
de caradores daquella provincia.
DitaO vico-presidente da provincia, tendo em
vista o que requeren o guarda da alfandega dasta
capital, Francisco Jos dos Santos Jnior, o bem
assim o quo informaran) as repartieres eoinpelen-
les, resolve nmceder-lhe 15 dias de li*nrasem
vencimenlos para ir ao termo de Agua-Preta. ne-
gocio de seu particular interesse.
Dita.O vice-presidente da provincia, tendo em
vista o que requeren o offlcial de descarga da alfan-
dega desta capital Jos H'.yculano TI)onz de
Aquino, e bem assim o que a este respeit infor-
maran) os chefes das repartieres competentes, re-
solve conceder-Ihe tres meses de brenca cora ven-
cimenlos. da quatro quintas parles do resoectivo
ordenado para ir a corte, tratar de seus negocios
particulares. m
Expediente do secretario de governo.
>'. 4.Offlcio ao Dr. Manoel Buarquc de Mac-
do 1 secretario da assembla legislativa i>rovn-
cial.S. Exc. o Sr. vice-presidente da provincia,
a quem foi presente o offlcio de V. S. do 1 do cor-
! rente, sob n. 3 manda declarar V. S.. que fica
i nteiradodeter sido eleitaa mesa que deve rtger os
trabamos da assembla legislativa provincia .
\. 5Dito ao mesmo.De ordem de S.!
pelo camnho de ferro, em coosequencia do paque-
te ler entrado nt> Tejo a lioras da correspondencia
nao poder ja ser expedida nesse dia pelo correio
ordinario. Foi ura bora agouro.
As iMiiiu issoes nomeadas nesla cidade e as
provincias para colhereiq donativos a favor dos ha-
bitantes de Cabo Verde teem dado ptimos resulta-
dos. A subsorpcao no Porto, Segundo o apura-
raento provisorio da respectiva commissao, regula
cerca do circo contos de ris.
As subscripfdes para o seguro mutuo de vidas
no Banco Unan, desta cidade, elevam-se j a mais
de cem contos de ris. El-re o Senhor D. Luiz,
attendendo a.i que lite foi representado por parle
dos fundadores daquella til instiluicao, e cir-
Exc. cumslanca de ser o dito esfabdeeimenlo o priraei-
o Sr. vicepresidente da provincia, transmiti V. ro de lal natureza fundado em Portugal, declarou-
S, para
viudal,
ser presente assembla
os dous autograpbos das
legislativa pro-
resoluces da
se seu protector.
O novo Bamo Allianca va estabelecer-se n'uma
mesma assembla, de 30 de abril do anno passado, excellente casa da ra" de Bellomonte. No dia 16
que nao foram sanecionados pelos motivos nelles do corrente principiaran a ser entregues aos snbs-
declarados. criptores os ttulos provisorios das acedes, e no !
X. 7. Dilo ao mesmo. -S. Exc. o Sr. vicepresi- de marco se abrir o cofre para o pagamento da
denle da provincia, manda transmittir por copia primeira prestaco de 20 por eento ou 1000O ris
V. S. para serem presentes assembla legislativa por aeco.
provincial, as inclusas portaras da8, 27 c 30 de I As folhas de hontem (10) publicaran) annuncios
junho, 3, 7. 21 e 30 de julho, i, 7 c"91 do r.gosto, que diziam achar-se organsado nesta cidade mais
3, 18, 19, 25, 26 e 30 de setembroe 10 de oulubro,! ura novo banco denominado Del-Credere do Porto,
tudo do anno pastado, abrindo diversos crditos rom o fundo de dous mil contos divididos em vin-
supplementares. te mil acedes de 1003000 ris eada urna. A subs-
X. 12.Dito ao mesmo.S. Exc. o Sr.-presiden- ceipeo abri-se boje em casa do Sr. Benjamn
' Coll o Cuiuiares. na calcada dos
te da provincia, manda communicar V. S., afim
deque faca constar essa assembla, que per avi-
so do ministerio da justica de 8 de abril prximo
findo, foi declarado que S.'M. o Imperador por sua
Manoel Cuello Ouiraares, na calcada dos "Clri-
gos, e boje mesmo se encerrou porque a cifra
subscripta elvou-sc a mais de 5,000 contos.
Se assim continua a inania de formar no Porto
imperial resoluco de 28 de marco ultimo, tomada j bancos de descont, cedo tereinos em cada urna
sobre consulta da scelo de justica do conselho de I das ras urna rasa naneara I Digam o que quize-
estado, bou ve por bem conformar-se com o perecer
da mesma serco que pelo que pertence aouelle
ministerio, nada encontrou na colleccao de l:is da
assembla legislativa desla provincia promulgadas
no anno de 1862, que fosse offensva ronstiiuicao
do imperio.
Ao mesmo remetlen-se os autograpbos dos actos
de ns. 560 566 promulgados pela mesma assem-
bla. o anno passado.
N. 13Dito ao mesmo. -De ordem do Exm. Sr.
yiee-presidente da provincia, transmiti V S. os
inclusos exemplares da falla com que S. M. o Im-
perador, abri a 3* seceo da 11" legislatura da
assembla geral e a 1" da 12*
X. 14.Dito ao mesmo. O Exm. Sr. vice-presi-
dente da provincia, manda transmitlir por coia
i V. S. para ser prsenle assembla legislativa pro-
vincial o incluso acto de 21 do novembro u tuno,
1 approvando provisoriamente a postura apresentada
j pela cmara municipal desta cidade era offliio de
9 daquelle mez, sob n. 53.
i Ao mesmo remetteu se para idntico fim, c pro-
I jecto de postura da cmara municipal da Escoda e
(seus mappas do balanco., orcamento de despe-
I za : o projecto de postura das cmaras municipaes
deTacarate Cimbres.
| X. 15. Dilo ao mesmo Passo por copia s
mos de V. S., de ordem de S. Exc. o Sr. vicc-pre-
I sidenle da provincia, para ser presente assembla
! legislativa provincial o incluso artigo de po-tura
que tendo sido apresentado ao mesmo Exm. Sr..
pela cmara municipal do Recife com offlcio de 14
de Janeiro ultimo sob n. 2, nao mereceu appro-
vaco provisoria por nao contar o mesmo artigo
materia urgente nos termos do art. 2 do dcoreto
de 23 de oulubro de 1831.
Dilo ao brigadeiro commandanle dasarnias.-De
ordem de S. Exr. o Sr. vice-presidenle da provin-
cia, communico V. Exc que por despacho Jesta
data antorisou-se o director do arsenal de guerra a
salisfazer o pedido de bnnels para remitas lo 7
batalho de infantaria, que alinde o offlcio de V.
Exe. n. 383 de 29 de fevereiro ultimo.
Ao mesmo communicou-se oulra aulorisaeao
dada aquelle director para fornecer a guarid re-
quisitada pelo commandanle do corpo de guarn-
^o.
Dito a Carlos Slember.Pela secretara do go-
verno, se coinmunica ao Sr. Carlos Slember, subdi-
to banoveriano que segundo conslou de participa-
CO da secretaria de estado dos negocios do impe-
rio datada de 17 de fevereiro ultimo para se poder
dar andjmento ao requerimento em que sua merc
pede ser naturalisado cidadao brasilero preciso
que aprsenle Malenca de hahihtaco pelo respec-
tivo juiz de paz, nos termos dos arts. 6 e 7 da lei
de 23 de outubro de 1862.
Despachos do dia 2 de marco de 1861.
Requerimentos.
Antonio Marques de Olivera.Informe o
inspector da thesouraria de fazenda.
Sr.
rem os enthusiaslas do crdito ;'desenvolva'm co-
mo Ihes parecer as leis dos nossos estabelecimen-
tos, que nao podero convencer da sua convenien-
cia e prolicuidade a grande maioria das pessoas
que teem conhecimento das necessidades da praca
do Porlo. i ontam-se j quatro bancos e algumas
caixas filiaes de bancos.
No dia 29 celebraram-se na igreja da Misericor-
dia desta cidade as exequias annuaes de D. Lopo
de Almeida, fundador do hospital da dita irman-
dade. Conforme as preseriitces do finado, a san-
ta casa deu vestidos novos a cinco pobres, os
quaes, depois de assislirem s exequias, foram
acompanhados pelos mezarios eapella do hospital
assistir ao Te.-Devm que all se entoou. Final Ison
esta commemoracao com um abundante jamar
servido aos cinco pobres, pelos mesarios, no atrio
do hospital e em frente do retrato de D. Lopo.
Ira acto de vandalismo foi praticado nos ftns do
mez passado as arvores que cercam a praca da
Batalha com o intento de se fazerem seccar. Ap-
pareceram turadas no tronco e contaminadas com
azougue I Nao se descobriram os autores de se-
melhante malilicio.
O carnaval acabou como tinha comecadochulo
e semsaboro. Verdade que o terpo nao Ihe
correu favoravel; fortes aguaceiros cahiram nos
tres dias de entrado. Das exhibieites que appare-
cerain apenas merece menco especial a cavalga-
da representando o principe o a princesa de Galles
com a sua corte, e acompanhados de um esqua-
drao de hoise-guards.
Rompa a ravalgada por dous balodores a caval-
lo, segnindo-se-lbes dous carros descobertos em
que iain as pessoas que represenlavam a corle de
Windsor, e fechava-a um esquadrao dos guardas,
cora o respectivo clarim na frente. A imitacao
era perfeia. Os guardas calcavara botas de mon-
tar e vesliam calcao blanco, sobrecasaca escarate.
eouraea e capacete de metal, pennachos verme-
Ihos e lavas de canho.
Nos tres dias houve noule bailes de mascaras
nos theatros de S. Joo. Baque! e i irco, e em al-
gumas sociedades particulares. Tudo muito ani-
mado e ruidoso, mas sem lado algum recoinmen-
davel.
Registramos boje mais um suicidio. O do com-
mercianle o Sr. Jos Adrio da Rocha Sobrinho,
cujo cadver appareceu no dia 5 na praia chama-
da dos Ingleses, em S. Joo da Foz do Douro.
O finado era filbo do Sr Joaquim Adrio da Ro-
cha, e tinha desapparecido ha dias de sua casa do
Mathosinhos, dando indicios de desorganisacao
mental.
O Sr. Adrio da Rocha Sobrinho havia rcenle-
mente contratado a constrneco de um navio para
substituir a barca Patmtira, de que era caia, e
ura dos donos,e a qual esta para so desfazer no esta
leira do Ouro.
Fallecerara nesta ridade no dia 29 de Janeiro, o
Sr. Joaquim da Costa Lima Jnior, director da
academia Porluense do Bellas Artes, lente de archi-
EXTERIOR
<-okiii-:ki>o.\:*< i is da
HIO IE PKK*AMBUCO.
FOHTO.
II de fevereiro.
As eleices a que se procederara no dia 31 de
Janeiro ullirao, para preenchiinento das vacatura-
na cmara electiva, correram regularmente em lo-
dos os circuios em que tiverara lugar. A eleicao
foi pouco disputada porque cora a actual se-sao
termina a legislatura.
Em todas as cireumscnpcoes eleitoraes vhga-
ram as candidaturas dos amigos do governo. Por
Villa Nova de Gaya foi reeteito o Sr. Jos Luc ano
de Castro cora maioria de 233 votos sobre o can-
didato da opposicao. Xo crculo de Marco do Ca-
navezes saliio eleto o Sr. Dr. Antonio Pinto de
Magalbaes Aguiar, lente de mailiemalica na aca-
demia polylechnica desla cidade. Xo circule1 d
I 17
JosGora'esVilar-Satisfacaaexigenciaconslanie' )f'u '!vil- JO"* 80 arebitecto da cama-
do nirecer fisco I municipal do Porlo. Era pessoa de muito sa-
Iuduvina Mara da Conceico.-Concedo opraso >^ Pleito conhecedor da lilieratura clrssica ;
de *0 dia; i e no Io de fevereiro o Sr. Jos Mana Pedro Bran-
Manoe'l Alvos Rarbosa.-Salisf.ica a exigencia 'fnlld1e1M;"r ,*,minh10' "g limI0,?n,iI0 eSlJ
do Sr. inspector da thesouraria de fazenda constan-, '' Terena (Luis Brandao de Moli) e de sua
ln iinniDm i,r conii inclua fallecida esposa D. Mananna de Souza Hotstein,
tombfflno%We^meid. Jnior, -informe "***?" f6 ^T^ T* "MS
o Sr. juiz municipal do termo de Sanio Ando. Jf.*^ ft -JJ* de uraa para.ys.a
^mta^^w | Xo Douro concluiram-se as provas da ultima no-
vidade vincola. Vieran) para este fim 13:239
amostras de vinhos e agurdenles, dando ora re-
sultado o ficarem qualilicadas para exportadlo
58:841 c raeia pipas de vinho, e para #consumrao
17:493 e meia ditas de dito, fazendo o total de
76:3*0 pipas.
Da novidade de 1862 tinha sido qualilicadas pa-
ra exporlacao 54:291 c meia pipas, e para eon-
summo 11:544 e meia ditas.
Differenca a favor da novidade do anno passado
10,504 pipas.
Em Braga continuara as missoes, nao obstanto
lorem chegado ao Porto alguns dos padres que na-
q ne da cidade se erapregavara nesse sagrado mister.
A este respeilo escreve o correspondente do /or-
no/ do Porto, naquella cidade, o seguiuto :
O povo anda fantico com os missonarios.
Vecm anda de noite mulhcres aos bandos de mais
de una legua distante da cidade, para chegarem
a lempo das missoes que teem lugar do manhaa
cedo.
Seria bom que os dignos missonarios, entre
os quaes se enronlram alguns que virtude alliam
intelligencia e instruccao, procurassem obstar aos
vlmica desla cidade. No circulo de
Filgueiras, o Sr. Rodrigo Lobo de Avila, sobrinho abusos,
do actual ministro da fazenda e filho do brigadero! lia muilas mulheres das aldeias que abando-
Francsco do Paula Lobo d'Avila. que foi o anear-' nara as suas casas, deixando seus maridos, seus
regado da pasla da guerra na junta do Porto era pais e seus lilhos, e veem aqu para a cidade, e vao
1864. Xo circulo de Mogadouro foi eleto o Sr. para outra qualquer parle para onde forera os mis-
Jos Luiz Alves Feij. Xo circulo da Guarda, o sionanos.
Sr. Dr. Jos Joaquim Fernandos Vas; e no crculo t De modo que todos os das se vera ahi pelas
de Leiria o Sr. ministro das obras publicas, .oo ras o pelas portas das igrejas bandos de mulhe-
Chriso>tomo de Abren c Souza. j res de cabello corlado, que costumam seguir os
O Sr. Jumarlo Correa do Almeida, governidor mtssioaarkw.
civil do districto de Braga, foi nomeado pelo go-
verno para syndicar das occorrencias que se de-
rara as ultimas eleices municipaes do districlo
de Villa Real.
A cninuiissio de engenheiros nomeada pelo go
verno para inspeivionar as obras do caminho de
E' una especie de vadiagem, porque pelas al-
deias costumam os lavradores sustentar aquellas
beata servinhis do Senhor, alimentando assim a
jociosdade de mulheres que podiam trabalhar eser
- uteis s suas familias e sociedade, sera deixa-
reui de cuidar da felicidade eterna,
ferro do norte conelukt os seus Oamos e, segando t Os Ilustres missonarios faziam, pois, um re-
consta, achou em estado de ser abena explora- levantissimo servico religio e ordem social,
CO a parte desta va forrea de E-darreja Ctini- se enmregassem todos os meios suasorios para que
hra. So ainda mais urna vez nao falbarera os cal- essas mulheres de marrafan nao abandonassein as
culos eremos que ate ao meado do prximo mez suas familia- para andarn a correr para todas as
se podera f do Porto Cotmbra pelo caminho de trras onde lia missoes.
ferro, e ha mesmo quera afflrrae que para essa Xa mesma cidade teemse feito procisses do
poca Miar aliena eirculaeo toda a linti.i. at penitencia por causa da secca tao dilatada do pre-
Usaaa, o que nao acceditamos. sent invern.
A mala para o norte do reino, do paquete Mag- Xa (piesabio da igreja do Collegio lam quasi to-
aWma qiio ultirnom/enle chegou do Brasil, veio das as irmandades da cidade, e era acompauhada
^H^1^


Diario de Peritamfenco fcahbado ." de narro de l*4.
de troica i to Sr. fcrceblsno prima? levara o Santo Lcnh i o das nari.cs q ie estivcrcn. cm rolado
Sr. den., pagavam s varas do palio alguna eo-j raminmtoeam Portugal.
nefas da Sr. As cartas que nao trouxerem referouda consu*
i ara a igreja da Misericordia fui condnzido pro- lar nao tero rredilo nem validado, alguma, a l'in
test analmente o Botn Jeaiw da Falperra. I assim as que liverem sido ramadas tnais de qua-
Alguinas distas procissdes, per ordem do geie- renta e oito horas antes da partida do navio, salvo
ral da divisan, foram acompauhadas de guardas so liverem sido depois visadas pelo nieiuno cnsul
de honra com msica. 'l,,l! as referendou, o este declarar que o estado sa
OSr. arcebispo primal ordenou que nos Irea nilario permanece sem elteracin alguma.
dias do rarnaval hoavesse preces publicas ein Je
I'm Sn. Dbputabo :Todas o foram. Vai a mesa e apoiado o aegainte requer- eommetiido contra
O Sn. Ccnha Teixeira :No lias!.i qoe o diga, ment : adiar
sao necessaras as provas disso. Que (iqueadiado o conheci ment daeleijaoilo vida e haver o Sr. Dr. promotor publico requerido O; candieiros e bieos de caz anagaram-se mas
( O orador interrompido por muilos apartes. ) eollegio de l'o d'Alho, sondo, no entretanto, reco- o competente examc de sanidade perante o subde-
Gmvencam-se os nobres deputados de que com nheeidoscoiMdenotado* aqn*tles sonhores que o legado da freguezia de 8. Jos.
o emprogo desses apartes nao conseouirao que me sao pelo do liecife.Cunha Tcxeira.
desvie do proposito Arme, cm que eston, de profli-
gar os escndalos da eleieo de Goianna. Arho-mc
4 com bastante calma ; quero discutir a sangue fri ;
mmeltido contra Manoel da Paz, cm razan de se! nc sa|,a do porto, ikou mu gravemente deterio-
rar este gravemente enfermo e cm perigo de | fid,j.
Os candteiros e biros de gaz apagaram-se, mas
no porto esperava-se j havia alguin le npo a BX-
, plosao e por isso a unpresso no povo nao tul lo
stabele- ,., p
A daraeio da quareotena poder ser differente oucam-me os nobres deputadose depois faeam-me
* tn eros iuslica...
Pao
REVISTA DIJ.RU.
A assembla provincial en sua sessao de hon-
saggravo das heresias comidas no livro do Sr. He- para o navio, para as pessoas e para os gneros justica...
san, a Vid* de Jetmt, que tanta impresso ten. le- susceptiva. *~J*^frJ!iJE!2SSI^JtSLII^. *m "*>* 'N* das res-activas eommissoes,
to no mundo ealbolico. A i|Oarentena ou i de observaran ou do rigor; ^^'^^^^^Jl^^^^^^l e approvou em I- uiscussao o prnjecto n. 1 de*
O corom.ndador Jos liento amos Pereirs, e aquella nao ubriga ao desembarque da carga para reu com regulandade ; mas nao Da
sua aspe i a Sr." Mara Gertrodes da Silva '<
reir DStivrram cm Braga onde licou mmenla
urna commissao rompa-ta dos Srs.: J** Joaqi m
Vieira, Francisco Casimiro da Cruz Teixeira. Mi-
guel Jo R;iio e Luii Jnse de Maitos para proino*
ver donativos para o lidio que DO dia 28 dse*
tembro do correte auno, primeiro anniyersno
natalicio do principo D. Carlos, devera ter logar
no Rio de Janeiro em tx*neAVio do hospital Poi tu-
ques de Beneficencia, na dita cidade.
Xa frrgnczia de S. Vicente do Pens, 6 hilo-
metras de Braga, deu-se urna lainentavel faluli-
dade.
I'm anspecadado regiment n. 8 andavaa caca
com ora lilho do atfaiate Hanoi*! Jos de Ollveira,
nindo a entrar em urna lavema daqnelles silio
un dos |i.>deng..s que levava saliou dentro de
um quinii'iro do Sr. Alypio da Coala Malheirc, e
iiiatnii-lhe um coelho manso que all aodava.
O dono do coelho agarrn em um dos poden jos
pelo pescco, c baten com elle no chao ; e adver-
tido pelo auspecada de que Uater-lhc no cao equi-
vala a baterlhe nelle, deixou o. cao, c voltou-se
contra o dono. Quiz lirar-lhe a espingarda, e jao
o podendu ronsegnir, bateu-lhe com um pao a o
quebrar; nao salisfeito ainda, ia apegar n'i ma
espingarda, guando 0auspecada o estendeu |jra-
vemente f rilo com nin liru.
O anspucada foi preso, e tambem se acha em
curativo no hospital.
Em resultado dos trabalhos da commissao que
o governo noniiou em outubro do auno prximo
passado para rever os rcguUmentns sanitarios so-
bre o servicu das quarentenas, acaba de ser pi bli-
cado un novo regulamento sanitario. E' ainda
cedo para ser lievidainente apreciado, O tempo e
a experiencia faro conhecer se a nova reforma
acabar i om os rigores deso-c ssarios que por al-
gumas vi'zes foram empregados pilo cnuselbo do
sade publica e seus delegados eradifferentes |Kir-
tos do reino.
o lazareto, e esta nbriga ao desembarque de toda a
carga soseeptivel, bagagense espolies para o laza-
reto.
K' considerada carga susceptivel a que se com-
poner de algomas das substancias pegulntes :
O algudo cm ramaou em manufactura -. os ca-
qu
diga, 6 preciso haver provas para que a casa jtil-
gue. Appello, Sr. presidente, para caracteres dis-
tinctos que se aehani ueste recinto, o i|uc foram
pleiteiar suas eleicoes em ro d'Allio. Elias que di-
gam, se houve ou nao toda legalidade nessa elci-
cao. Appello para os Srs. Di s. Sabino e eodoro
bellos em manuf.iclu a ou em qoalquer oulro es- que la e-liveram. Appello tambem para o Sr. Dr.
lado ; o canhamo em rama ou em manufactura; Soares llrandao e para ootros, que Indos sao leste-
as cartas, jornaes c papis de correspondencia; os iminhas de que nessa ek'ieii houvit toda a publici-
couros lYeseos, Boeces oo em manufactura ;a cri-
na cm manufactura ou em qualquer oulro estado;
os despojos ou fragmentos animan frescos ; a laa
e o linho em rama ou em manufactura ; as pellos
e as pennas em manufactura ou em qualquer ou-
lro estado, ii finalmente aseda em rama ou em ma-
nufactura.
Concluida a qoarentena, o guarda-mr de saudo
verificar passoalmente so as btmeticiacSes se pra-
da le. toda regularidad); em sen proceaso, sm que
nem por suspeita se posea attribulr esaa resultado
a iniervencao do doto ( Apoiados, multo bem.)
O Sr. Silva Baiihos :A eominisso nao contes-
tn a moralidad)* daeteicao.
O Su. Cunha Taiuma :Jao digo que a
missao o conteste ; desejo estabetocer logo a ques-
to a respeito da eleieo de Pao d'Alho, Ja para qoa
fique bem patente a regularidad^ deasa eleieo e
<_ i i ni i< .*. |n "iuioii ni' cu ttz> i' nvw m^ -^ r --------- -------------- -a-1 ------------ -
licaram satisfactoriamente, e no caso contrario po- ja para quemis tarde, quando se tratar da de Goian
dera. sol si a r<>~|>n-;tlnli rentena pelos das que jnlgar necessarios para
que ai beiu fieiacoes se coiiqiltlein do nwdo que
a saude publica saja garantida, dando parte moti-
vada ao con silbo de saude.
Os passageiros dos navios sujeitos a quarentena,
podero passa-la no lazareto ou a bordo, se a aulo-
i idade sanitaria nao adiar uisso inconveniente. As
pessoas da Irqmlaeo piulero, obtida a nece~saiia
licenca do rapitao ou mostr do navio, fazera sua
quarentena no lazareto.
Aos passageiros qoe fiserem quarentena a bordo
dos navios impedidos scr-lhes-ha esta c miada des-
de o ultimo dia da descarga do navio, com tanto
que nessa poca se acn convenientemente bene-
ficiado, c aos que opta rom pelo lazareto ser-lr.es-
ha contada desdo o dia em que all entrarem.
B' penniltida a correspondencia por escripto
por intermedio das estacos de saude a todas as
o nao haver-nte pronunciado em relaeo eleicao
do Pao d'Alho.
O Sn. Nahoh :Conheco a inteireza do nobre
depotado.
ti Su. Cunha Tsuxbwa :Bom que conheca.
Disse e ainda repito. Sr. presidente : nao sei ex-
plicar esse accrescimo. se nao por algum engao
do copista, por quanto depois de feita a apuraco
.ni toda a regularidade, para se verificar se al-
gum equivoco se havia dado, sommaram-se todos
auno, que marca o subsidio u ajuda de cusa dos
deputados provinciaes na futo a igklatsra.
A ordem do dia para boje t: I* discussSo do
projecto n. I deste anuo, 2* do de n. 2 e umeo das
posturas monicipaes d<* Inojurn*
A 1* cadeira do 8" anuo da Kaculdade de Di-
reito funeciona as 8 horas o nao s !l, como foi pu-
blicado hontem.
Teve hontem lugar a procissao dos Marlyrios
com a decencia condigna.
Na falta que sentHDos nesta cidade de pontos
de recreio, para louvar granilemente a existencia
da distraerlo, que ora onerere a tarde dos dias
santificados o arsenal de inari iba, onde se ouvem
com- ''"(':is l"''.'as tocadas pela respectiva msica, que no,
sen certamen J,; harmonias honra aos grandes'
maestros tiaduziiMo Ibes as in-piraeoes com oslo
e iiiesmo musira.
K conveniente que a nossa |>opiila(o se apro-!
veite dessa innocente disliace;'.o com a sua concur-
rencia, augmentando asaim o' romero dos assisten-
tes de um e mitro sexo, ipue ja tem gozado desee
prazer.
De linda recebemos ejm ixas contra o proce-
der pouco regular, de um cabo de linlia all esta-
cionado para con um moeo pacifico, a quem o
mesmo perseguea tolo i trui-e insultando-o, e
provocaiido-o at. E' preciso que sobre tal baja al-
guma providencia, visto que lenhuma appareceu
anida, aperar de queseas da parte do referido mu
...,.,.^ i.,. i -. i _. q .,... -,.,ik de tollosos ci mimosos presos na provincia do l'iau-
numero dos que deviam dar as 81 chapas rerolhi
das e apuradas.
O Su. Aiuno Baiihos :Entao sommaram-se os
votos e de|Hiis fez-se a reparco ?
O Sn. Cunha Teixeira :O nobre deputadocom
presos na prov
liy na admiiu.-traco do actual ebefe de |*olieia Dr.
Consta-nos que, ha vendo conseguido re
cer-se o paciente do ferimento mortal que rece
bera ein um dos Beses ltimos do anno lindo, l-
timamente se aggravaram os seus padecimentos;
pbysicos, que o ameacam em sua existencia.
Aguardemos o exame medico que se ter pro-
cedido.
Em dala de :i do correte escrevem-nos o se-
guinie de Pao-d'Alho:
O invern panni, porm pensei qnc eslava-
mos definitivamente com elle pelo modo por que
comecou.
I t Este mundo parece qoa anda s avessas.
V-se BHonurfiat na orden ilujsica.
Foram presos tres ladros de cavallos que fo-
ram soltos alinal, por falla da flagrante, que devia
ter outra di liuieu quando so tratasse dessa espe-
cie de criine.
Unta lej especial necessaria para os furtos
de cavallos; a de 1 de setembro pouco adiantou,
segundo dizem.
L para a Gloria (de Po-d'Alho) urna mulbcr
matn a fiha ao nascer, est presa e processada.
i Nada inais lenho a dizer, a nao ser que a car-
ne de boi est carinha, a 18 o a 20 patacas.
Adeus.
Expedio-seordem para ser alistado na com-
panhia de aprendizes artfices do arsenal de mari-
nba o menor Sabino que para esse fim ser apre-
sentado por kbnoel Ignacio das Candelas, visto
aehar-se elle as eaodleSes do regulamento da
mesilla companhia.
Tendo o recruta Jeronyn da Silva tasci-
ment provado iseni;ao legal, inauJou-se que fosst
posto em libenlade.
Autorisou-se ao director das obras publicas
a mandar fazer por mnreilada e por quem melho-
res coivlicoes oftVreceros reparos de que preeisam
as poniezinlias do Serafim Pinto. Moreno, lenlo
Velhoc Tpaeuri, sendo os dasduas primeiras na
importancia de :!05000 rs.F os da tereeira na do
::KI5IK)0 rs., e os da quarla na de lOO^OOO rs.
Haadou-se adiantar ao tbesoureiro pagador
daquella repartico a quantia de 7:003000 rs. pe-
Gervasio Campello Pires Ferreira, a contar de 4 de ^^ ^.^ ^^ ^ ^^ as ^
sado, sendo o numero de tae- criminosos lOo'in- P s.*^J^^* carg **
dezembro de 18(i al 12 de setembro do anno pas-
pessoas em quarentena, ou seja no lazareto ou a'.na vasta inlelligencia parece nao dignarse do
bordo dos navios. Tambem Ibes permittido re-'. conceder que os outros tenliam alguma inielligen-
ceber de Ierra manlimenios, movis ou quaesquer j cia. Desde que eu disse que a eleieo foi disputa-
0 regulamento precedido de um relator da elTeilos ou soccorros de que precisaran, lodo nos da e feita com toda regularidade.eslava excluida a
mmi.-so uo qoal se diz que mais tan e, eVtabe- termos do regulamento de 22 de abril de 1817. idea de una repartico de votos.
Os espolies que. viereni a bordo dos navios pro
rdenles du Brasil, anda que de porto considera
Alm da pe-te da febre amorella e do cholera-
morbus. ouiras molestias iuiporlaveis ou transos*
siveis, como o lypho, bexigas, ele, poderao oeca-
sionar medidas qoarentenarias para os navios a
.ojo bordo se desenvolveren!, sera que cointudo
estas medidas preju liquem os portos da proceden-
cia, escala ou arribada dos ditos navios. 0 navio
que nao quizer suj itar-se quarentena e do-
mis actos de scalisaco sanitaria prescriptos |h;-
commi
lecidas as cuusas de outro modo, bavidas ootras
garantas j era relaeo aos panes das proceden-
cias dos navios, j ein referencia < eondicdes hy-
gienicis de Portugal, se poder modificar um i ou
outra dtsposico em favor do commercio.
A nomea^o de mdicos sanitarios nos pcrlos
pnncipaes o Brasil, contina o relatorio, de una
vantagem nconicstavel.
As retocoes frequenles dos dous paizes, o (acto
da existencia da febre amarilla como doenca que
se pode dizer endmica, em cirios pontos do im-
perio, iioniea lamente no Hio de Janeiro s l'ein nn-
buco, todo aconselha urna tal medida, leu biela,
pedida e reclamada ja rom instancia p-lo j-onse-
Iho de sade publica, eujas ideas acominissio ple-
namente adopta, fazendo suas as mides expistas
por esta rrpaitii;o em differentes occasjes.
Como elemento porm essencial desta nomeiieao
ronvina que o guverno se enleO'lesM com o do
Brasil de modo que aquclles luorriunarios lives-
sem urna posicio offlrial reronlierid*|pelo imperio,
que firmassein parte ou assisiissem com css, ea-
racier as sesses ou reunios das commissdeii sa-
nilarias da localidade, equeresponsaveis para eoin
o nosso governo, como seus empregados, fossem
esperalmenie encarregados de estudar a epbte-
niiulngia do |iaiz,aconselliando o governo bra-ilei-
ro na adopeo de medidas e praticas lendent-s a
fazer desapparecer ou alienuar pelo m^nos a tor-
ca o a iiiiensida.le de laes flagellos. Sobre a; in-
formarOes destes empregados seriara paseadas as
earlas'dc sado pelos respectivos cnsules, ba-en-
do asslm a nece-sana garanta para a determina-
jan da especie de medidas quarentenarias.
Julgamos de interesse resumir aqu as prmei-
paes di-[Hjsicocs do novo regulamento.
Os navios proeedeotns de pollos dedirados lim-
pos, com carta de sade liaipa e regular, sen oc-
curreneia siispeita a bordo durante a viagem, i em
fcuaa eoieticoi's Ingicnieas, serao admiltidos iu ine-
dialamenie livre pratira.
Quando forem portadores de carta de sade ruja.
ou quando liver occorrido doenca ou morlo sus-
peilas, sero sujeilos quarenb na de rigor, rea*
peciiva a molestia qut- existir no lorio a que a no-
ta da caria de sade ou a que a suspiila se refe-
rir.
Seo navio, postoque procedente de porto liinpo
portador de carta de. salido limpa, e regu ar e
scni caso de molestia ou de limite suspeitas duran-
te a viagem, fr julgado em rnnilicors de uvalu-
bridade i|ue possam Coinprumlter a saude publica,
poiler ser d.'tido alim de platicar as necessaras
medidas e operaciies hygieniras, que I le ser i in-
dicadas pela respectiva aotoridade sanitaria di litro' Hio Grande em 6 a barca Alfredo, liara
de vinte e quatro horas. e a galera Aurora, para o Marauho.
Os navios procedentes de portos declarados sus- j | t
pellos Ue cholera morbus tero urna ipiareateii.i de
cinco ibas compreliei.didos os de viagem, lindos os
quaes serio adimllidos livre platica, salvo se fo-
rem julgaUos em conilicdes de insalubiilade.
As ipiarenleiias de ob^ervaco pan estes n ivios
pdem tuer-m em qnalipier parto em que naja as
nec.ess.iiias garantas do i.-olamenlo.
(>s navios procedentes de porios declarados sus-
peilos ile b-bre aman Ha ou de peste brao una
quaienleiia de oh-ei 'ai;o at cinco cas, em que
nao sao incln.tus os de viagem.
Se laes navios trouterem qoinze dias de vi igem
e vierem em lastro ou com caiga insmcpivc I, se-
rn logo admitilos ;. livre praiica, exciqito -e fo-
rem jaleado- em cooibcoes de insalubridadc.
Tero igualmente livre pratica os pa$sa|eiros
vimtes em navios com quiuze dias de viagem e
com caiga sii-cepiivel, nina \n que as escobilla-
se tenliam enselvado ferbadas durante a viagem,
ficando n navio era cuarentena de observaco al
cinco illas.
A igual qoarentena flcam sujeitos os passageiros,
quaiiii'i o navio truuxer carga Rusrepovel e que
as escolilbas tenliam sido aliertas durante a Via-
Oque disse, o que repito que feita a Booracao,
verifleoo-se que a somma dos votos ohtido< pelos
c.us;e.i9 por crune de mor,. Agora- passainos rtt^JXXSS.* do Rio Fo,
a publicar os nemes dos que foram ****" nw^ bacharel Paulo Martins de Almeida.' eooce-
utT2??ZlL2L. feVereirode deu-se ummez de licenca com vencimentos para
^mJ?&tt5S escravo. Manoe, tratar ibe sua sade ne^ capital.
Araujo,
w, escravo,
Machado de Araujo,. capilo emente de Castra
Nazareth, oming>s, liberto, Jos Martins de Mo
-- sssst iu LtttsrSoorSoS
de Moraes, Antonio da Silveir;. I.ima, Jos Cardse
Varejn, Benedicla, preta, Jos Rodrigues de Santa-
Amia, D. Thereza Mara da Gmceico. Ameiieo
Carneiroda Silva Ohveira, Pecro LuizSenno Solfri-
vel, Mana Louienea de Araujj, Irineo Machado de
| Araujo, Havmiiodo Pereira de Carvalho, Francisco
> bohrde^ir^^^
ra dos Sanlo<, Rayinundo' Mor-ira dosl'assos, Joo
previannlu sejam abertose beneticados no laza- prodir/ir os votos das Hl chapas, recolludas a urna
relo, nos portos onde o bouver, e etn lugar apio-1 e apuradas, segundo a deslribuico de votos por
priado e escwlhdo pela auloridade aniiata na- cada um dos candidatos.
qneiles onde o nao bouver.
Isio, Sr. presidente, foi visto por todos. Soguio-se
o lavrar-se a acia.
0 Sr. Jaobi.na : E at j larde.
O Sn. Coma Teixriiia : verdade. Esqueca
acto dessa eleieo.
Porta nto, a
copia, nao sei
.:.-,,. ..ii,..i. im,, oninn itn ra nos annio<, HaMiiuuuo Mor-ira nos
ara Magdalena de Car-
valho.
Por tentativa de mortc : alnm dos i que j fo-
faci.
Tenho em mcu poder una copia da aria da
los reglamenos e,u vigor, pode sabir do portoIf^^.^t^^nt^^S^l^^^^ nos outros nmeros, foram presos
debaixo de quarenlena, e outro lauto podem fazer extralur do bvro de notas logo depois de l.uraua.
os passageiros do mesmo navio que os tiver trans-
IKirtado ou em qualquer outro que para este effeiio
fretarein, ou que for sahndo e os queira recolber.
Se algum navio imnador de carta de saude suja
ou procedente de porto declarado infeccionado ou
siispeito. liver feito em algum lazareto quarenlena
ou benelieiacoes iguaes s que delerininam os re-
gulanunlos porluguezes, ser-llies-ha levada em
cuota, e o navio ser admitlido em livre pratica.
so deiiois nao tiver occorrido novidade suspeila a: So, |Mirin, os nobres deputados entenderem que
honlo. a eleieo de Pao d'Alho asta viciada, deven) annul-
Xo caso porm que as referidas quarentenas e la-la, o sere o primeiro a pedir que toaba sto lo-
beneliciacoes nao sijam iguaes s determinadas gar, e acnnleca o mesmo em relaeo aoicollegio do
nos regiiiamentos porluguezes. o navio sera deli-; Recife, so realmente assim o merecer, por quanto
do em quarentena pelo lempo necessario para devo declarar mu clara e |iosiiivamente que nun-
completar a que 08 ditos regulamentos exigen ca quererei permanecer no recinto de uina assem-
prefazer as correspondeutes beneliciacoi'S.
A alfandega de Porto rendeu no mez de Janeiro
ultimo 17J:o():i5273, a saber :
153:6104803
0:9194770
Vt5%0
6-.G783023
1:1293311
esta casa, e uara tratar de elucidar esse negocio' do de Araujo.
Antonio Rodrigues Annanias, Joo Febx da Cosa
Vieira, Jos Lopes do Valle, Segisnando Pereira,
Feppe, escravo, Julo Jos de Aueheta, Francisco
de Ancheta e Jos Moreira de Uarros.
Por fehmentos leves : alta dos 18 nomes. que'
j for.un publicados, foiam presos mais os seguin-
les : Anua Joaquina de Jess, Franeelina Ferreira
Leopoldina, Muioel Vicente do Nasciiueuto, Jos
Pereira Faleo, Benedicto Jos Leal, Alejandrina
de tal, Jos Joaqiiim de Sant Auna, Angela Maria
de Jess, Joaquun Jos de Saiil'Anna, Francisco de
Abreu Spolveda, Paulo Francisco, Rayinundo de
Souza Vieira, Satyro Marques de Oliveira e Fir-
iniano Jos de Vasconcelios.
Hoiibo : alm d-is quatro nomes, que j foram
publicados, foiam pre.-os mai; os seguintes : Anto-
nio Peres, Francisco Jos Rodrigues, Ladislao Fer-
reira Luna, Manoel Clemente dos Santos e Jos
Francisco Fernandos.
Furto de animaes : alm dos cinco que j foram
publicadas, foram presos ni,i; os seguintes : Bal-
bino Alves Ue Arago, Manoel Ferreira de Souza
Lima e Jos Marques Gomes, bem como Francisco
de outra natureza.
Estupro com violencia : alm dos dous que j
Rbpauticao da POrjOa.
Extracto das partes do dia i demarco del8Gi.
Foram recolhidos casa de deleneao no da :i
do crreme :
A' ordem do Illm. Sr. Dr. chefe de polica,
Francisco Gomes de Andrade, branro, e Antonio
Pereira da Slv, como desertores ; Ismael, criou-
lo, seisavo de Jos Nunes da Rocha ; sem deelara-
cao do motivo.
A' ordem do subdelegado de Santo Antonio, os
crioulos Victorino e Carlos, escravos, e-te de Joao
Quirino de Aguiar & C, e aquelle de Joo Ferrei-
ra dos Santos Jnior, ambos como indiciados em
crime de furto.
A' ordem do de S. Jos, Tbomaz de Aqninn,
branco. para averiguaguVs policiaes ; Manoel, afri-
cano, escravo de Francisco do Sacramento, sem
declarada do motivo.
A' ordem do da Boa-vista Luz de Franca Mi-
randa, pardo, a disposicao do coronel reclutador.
A' ordem do de Jaboaiao, Clauduio Eufrasio
dos Sautos, pardo, por crime de roubo.
O chefe da %' sereao.
J. G. de .We.si/nito.
Passageiros do hiato nacional fffftnfacrto, sa-
hidopara o Araeaty :Padre J. Francisco dos San-
ios, Francisco Xavier de Carvalho, Manoel Pache-
co Moreira, Filomeno Xavier de Carvalho e Maria
do Carino da Costa Barros.
Movimento clnico d) Hospital Portuguez de
Beneficencia, em Pernaioboco, no mez de feverei-
ro de 186V, ao cuidado do Dr. Pitonga :
Existiam em liatameiito no mez d
forte.
Si cidade, onde era ignorada a verdadeira cau-
sa, que foi grande a consternacao.
Em Hrunswickslrect, Casllestreet, Lordstreet e
Limesireet via-se a maior confusao.
liada habitante imaginava que a casa de seu vi-
sinbo aeabava de desabar, e lodos se precipitavam
para a ra.
A obscundade era profunda, e o barulhe e o tu-
multo augmentavan o horror da situaeo.
A Ierra pareca ter soflrldo una cominocao ; as
mulberes e as creancas cotriam em todas as
diriceoes; as carroagens e os animaos encontra-
vam-se, e multo gente acicditava que era ebegado
o lim do mundo.
Ouasi todas as lojas soffreram estragos.
Em muitos lugares bouve perdas enn-ideraveis.
Os que mais solreram foram os negoraanles de
vidros. Ficaram quebrados muitos militares de
arralis de vidro.
O Times escreve :
As corridas do Cairo, establecidas pelo actual
vIc rci, liveram lugar, pela primeira vez, no dia
5, ro deserto, perto de Abbasiels, a cerca de i
millias da cidade.
0 campo da corrida era um oval de 2 inilhas de
exteiiso e meia milha de largura.
A primeira corrida de 3 milhas era para os ca-
nil is rabes, sendo o primeiro premio de -iOO lib.
e o segundo de 100 lib st.
O primeiro foi ganho pelo cavallo Hamdany,
perteneente a Mr. Smart, em lula com o cavalo
Uukley, pertencenie a Halim-Pach.
Na segunda corrida de 5 milhas, para os caval-
los de todas as nacoes, o primeiro premio era de
300 bb. st. u o segundo de 100 lili. st.
Eiitraram na lula 4 cavallos ingleses, que foram
vencidos por um cavallo rabe, de raca, que tam-
bem perdeu a corrida, porque o seu jockey foi
desmontado tereeira milha, o que permittio a
urna gua alaza, de Ali-Pach. ebegar primeiro.
.\a tereeira corrida, que era de 2 milhas, o pre-
mio de 100 lib. st. fui ganho por um cavallo de
Ali-Pach, em competencia com una gua russa,
perleiiccnlo a Mr. Guicbard.
0 teni|W eslava bello e as diiposicpes tomadas
eram expelientes.
Levantou-se um kiosco para o vice-rei e urna
grande tribuna para os eilropeus.
O carneo da corrida era cercado de postes e cor-
das.
Piquetes de cavallaria e a polica a cavallo
niantiiham a ordem.
n primeira corrida fez-se em 7 minutos quasi,.
a secunda em lo e a tereeira cm 6.
Alinal, foi disputado um premio de 100 lib. st.
pelos cavalleiros bach-hazouks, que se lancaram
em rasaos na corrida, formando um espectculo
dos mais agradaveis e animados.
Moa quando entender que nio lenho direto a um
assento nella, e se aqu meacho, Sr. presidente,
por que lenho coovircio intima de que sou legiii-
Impnriaco........ W3:6I04HU3 mo e mu legitimo representante do 1* districlo.....
Exportaeo........ ,J:'.I103770 (Muitos apoados.)
Ibexpoilaco....... U4060 I'm Su. kputado : Como lodos nos.
Consumo......... 6:0783923 O Sn. Ci.mi\ Tkixkiiia :.... mas se por momen-
Tonelagera ........ 1:12933'.I0 tos se ipir eu duvidasse dessa legitinndade, seria
Diversas recctas...... *>: I2032i9 I eu o primeiro a pedir a nullidade Ua eleieo. lan-
Cainbios.Sobre Londres a 90 d. 33 5/8 a 33 caria mo de meu chapeo para retirar-ine desta
7/8 : sobre Paris iOtl d. 328 \ sobre Ilamburgo 3 rasa.
mezesa 18 1/2 nominal.* M Sn. Deptado :Todos nos.
Abra termo de carga em 2t de Janeiro o brigoe (Trocam-se muitos apartes.)
GuMermr, para o Rio de Janeiro. O Sn. Cimia' Teixeuia : Provoco, pus, urna
Durante a qoinzena nao entruo ambareacao al- discossaoem relaeo a eleicao do l'districio. Lu
cuma cim relaeo aos portos do Brasil. a desejo mas qualquer que seja a resolueao des-
Sahiram cni 20 dejane.ru a galera Junquilla la casa, (que desde j ronhecido o modo porque
para 0 Rio de Janeiro ; em 28 a MlW^ pretendo ^^^V^ ZS&Sa de '*<*'" publicados, foi tamben, preso Fortunato Fer-
para Pernambuco, e o patacho .\uvo Actu, para a Se se pretende fazer acreditar que na eieuao ne
Babia ; em 5 de f.-vereiro a barca .'.i'nciru, para o Pao d'Alho ha motivo para nullidade.. como quiz a
geni.
As quarentenas de ob6ervacao para os ravos
gMoeaaaUw de polios su-peiios de ePre amrelia
s |>uilem ter luar nos port 'S onde baja lazareto
Us navios procedentes de portos declarados sus-
i'it"S i- ou cuta do sade limpa e regular, a cojo
ido porm tiver occorrido morto ou nM4esa
anapestos, sao e piii arados aos navios proa-e entes
de | mu (os infeccinalos, e licaiii por isso si jeitos
as medidas consignadas nos dous par igraplios se-
gaintim
Os navios procedentes de porlos declarados in-
feccionados cora carga susceptivo! o sem vasar-
reucia sus|ieii.i a bordo no porto do partida nem
durante a tojiem, -o sujeitos a una qoarentena
de rigor at cinco das, se o porto for coiisid:rado
iuf-eeio ia,io de eliolra mol bus ; at oito da-, se
Mrde lelire.amarella ; al doZe dlaS, se o lr de
peste.
Estes dias de quarenlena sao igualmente appli-
eados aos iMvkis proi-edenie de porlos declarado*
iufeceii>naiios,.ariijo bordo liver oerorridu molestia
ou iuoi suspeiti no porto da partida, dui inte a
viagem ou na i|uarinteiia, e lii am alem di-.-osu-
jejui.- a todas a- dcm..is medidas sanitarias que se
jolgarein indispuusaveis para .salvaguarda di sa-
de publica.
Os navios precedentes de portos declarados in-
fi v,-|, si-i i,, cari enea ?n.peii i abordo, quir ao
porto da pani ia qur daraule a viagem, sonto su-
jeilo- a quareotena de bservacio.
Os panos, qualquer que seja a proeedeoris,
que, por eseaia ou arribada forjada ou vi lunta-
na, GiM-gareai a qnabpier pialo do reino sem
cana d sade ou i un ella i regalar, podero sem
d'llieiilil de lecediei, debaixGile quari ntcna, quaes-
qmr nfie.-cos, ii.antiineiito.-. soccorros ou objec-
io ce pie carerarea.
T> do o navio, ipial.pier que seja a sua proce-
enea ijue iiuuxer ou tiver dm-ulrs ou mi rtos a
leudo, sujciUi quarentena que fr necessaria
para Mgura-tca da sade publica, na conformida-
ile dus rej:U.auiiuUis.
i/> cjimmaiidanies de navio nao .devero receber
a |.oril.i |i.s-oa a'guiua doenie n*iu rertidio de fa-
caito ti ve rom designaeio da moic-na. auilHinlira-
t | co C.-'iSnl pul tllgueZ. alim de i|i|i |u>r e -te do-
uuienlo s.' possa iiflstriir qualquer suspeila.
Todo o nano cbng ido a apreseular caita de
aible, l qiial liara i euii-i li-rada regola', dev,-
ra ser pa-s ola Conforme 0 inndelo oirp i..l pelo
con-ul portuguez do i> irlo da irocdeaeta, e com
os nslo- dos eoii-ul.s uurtiujuezes dos portos de
sua escala ou arribada.
Ra fia de cnsul poituguez poder a c; ra de
sade er pa--aila. e os vistos referend;*do. reos
Cnsules de Huspaiiha, e na falta destes por algum
o Para, honrada eommissao deixar entrever de seu pare-
cer, (nao apoiados) annulle-sc essa eleieo ; mas
nao sirva nunca esse faci a que aliadlo a com-
missao, de proteceo eleicao de Goiauna. Nao
quero ser depulado com urna eleieo eivada de
iiulbdades...,
Um Sn. DEruTAoo :Nem alguem o qur.
O Su. Cunha Tkixcira : ... porque lenho con-
vieco de qoe um depotado que eleiio espont-
neamente pelo eorpo elettoral, nao deve temer a
luta. (Muitos apoiados.)
O Su. Naiioii O um aparte.
I'm Su. Depgtaoo :Mas porque nao pede a nul-
lidade do eollegio de Pao d'Alho, ou de lodo o Io
districlo ?
O Sn. i i'NHA TmzmaA :Nao peco essa nullida-
de, porque eatondo que a eleieo de Pao d'Alho
nao uina eleieo falsa, e qoe a seu respeito nao
se apona nutra falla alm desse pretendido accres-
cimo de 10 votos ; mas se o nobre deptado wu
qualquer oolro entender que essa eleicao aove ser
annullada, e que a mesma sorte deve ter a do col-
ligio ilo Itecife. pro;ionlia a annullaco,e fique cer-
to de que, se me convencer da esntencia de mo-
tivos para isso, ha de sncontrarde minha parte ap-
provai;o a seu acto, porque esrou convencido de
Continua a discussao do parecer addiado sobre ,|uc. apetar dos ni. ios que forem empregados
a eleicao do 2" disirn lo eleiloral da provincia. )iara m,. arredar, aquclles que para aqu me man- lenuieutos graves .. uno.
Vai mesa e apoia-se o seguinterequerimento :! daram, bao de enviar-me segunda, tereeira e mais "' V
Requeiro que pelos canaes compeientes se p,ca vetes, se dessa honra me julgarcm digno*, (muitos
0 litro das artos do roUegio de Goiauna, bem como
o de notas, no qoal foi letrada a ara, Rcando
adiada a iliscusso da cleii;o do 2o dsiricto, al
me venhaffl asses litros parase proceder aos ne-
ei -.itiosexaiuos. t'iiH/iu Teixeira.
(Ointimiar-se-ha.)
Jos Vunes Soares e Seve-
PERNAMBUCO
4S8BULEA rB0VI\(.liL
TEIICEIRA SESSO PREPARATORIA CM f9 UE
PEVERE1RU DE 1861
pnjtsroutaAno su. consklhbibo mico de loubeuio.
As U lloras da manlia felfa a chamada acbaiu-
S6 presentes os Srs. Trigo i!e l.ourero, J.Teixeira,
Costo Ribeiro, C. Teixeira, Jacobina, Aquiuo, Soa-
res Brandan, Sabino, J do R. Barros. Goncalves da
Silva, Andrade Lima. Pacheco de UendouCS, Ger-
v.isio Campello. Manoel Netto, AmintoS, Reg Bar-
ros, Ayres, Rocbael, Drummoud, Demoslhenes,
Ibauiio, Francisco Pedro, Buarqun, Silva llanos,
Prauca, Umdi.ro. Sa Pereira. Nabor, Ramos, Perei-
ra do Brito, Burgos, A. Maranlio, Araujo Barros e
Arminio.
Atiie-se a sessao e lida a acta da anterior, p-
provada.
Ilisittrsi proferido pela Sr. Dr. Cunha Teixeira,
na scipunla sessao preparatoria da assembla
provincial, no ilia 2S de fevcri'iro.
O Sn. Ci'niia TEixF.mv :Sr. presidente, decla-
rando V. Etc. que esta em discussao o parecer da
primeira coimniss.io de poderes, desejo que V. Exc
se digne de suluneiier discussao a materia de
que -e trata poi partes.
Foram dados os pareceres com relaeo a lodosos
dislriclos i leiLoae- DcSejo que cada mu desses pa-
recer entre em discussao de per si.
0 Sn. Piiksiuivntk :l'iea em discussao a parte
relativa ao primeiro districlo.
O Su. Cima Tkixkiiia :Orna vez que V. Exc.
acaba de declarar que a discussao versar sobren
primeiro lstriclo eleiioral, passare; a OCCUpar-BM
do parecer nessa parle.
Sr. prtsdeiite, nao sem grande acanhamento
|Ui! nw a|.ie-ou:o ante luna a-seinlila lio Ilustra-
da para oiviiparme de negocios importantes, coiis-
i io. como me aillo, de minha ineapacidade ( nao
apmados ) para tratar de talassumpto ; mas vendo,
Sr. presidente, q le o parecer ora em discussao tem
mais ou menas ligarn com a questo da eleieo
de Goiauna, pvsto que nao pode Vuar de pren-
der seriamente a altenco de-la casa, por que
nada menos que urna qoestao de honra |iara a pro-
vineia e para Ma illulrada assenilda, que tera d-
julgar esse pleito, 'llleiido, Sr. presidente, ipie de-
to niaaiti nar mn c que laiiibein empieiarei cm relaeo a eleicao de
Goiauna.
Um Sr. Depitvdo -.-Todos mis somos indepen-
denles ( ai*oiados.)
( Tiocam-e diversos apartes. )
U Sr. Cunha Teixkiiia E nao o estou con-
lestanilo, senlwr depulado.
Nao sei coiiipielieinler. Sr. presidente, corno ap-
parece Imje na acta do eollegio de Pao d'Alho o
reir Luna.
Furto de escravos
rio escravo.
Armas defezas : Alm de um cojo nome j foi
publicado,foram mais presos: Joaquim Ferreira
Lima e Joo Carueiro Moreno.
lujurias : alm de um, cuj i nome j foi publica-
do, foram tambera pre.-os : Jio Rodrigues de Bri-
to e Ignacio Francisco Freir.
Calumnia : Francisco Beuto de Miranda.
Desertores do exerrito : alm dos tres, cojos no-
mes ja foiam publicados, foram mais presos os se-
guinics : Manuel Joaquun Civ.ilcanij, Ignacio de
llano- Fortes, Claro ua Costil Velloso', Raymundo
Manuel Moreira, HanO'l Graciano, Manuel Ferreim
do Nascimento e Vicente Ferreira do Mante.
..lm destes criuuno-os, f, rara presos mais 10,
que foram publica los de outia vez, e que nao esli
incluidos na numerarn dos acuna declarados |ior
sei em seus criuiis dilferenles, e sao .'por crime
de dainno, 1 de prevarieacao, 1 de complici-
dade ein crime de rapto, 2 de perjurio. 2 por
estelionato e falsidade e I de infanti cidio. de
soite que, resuinuid o v-si ojos de i de dezem-
bro de 1862 al 13 de fev. reno de 1801, foram
presos P.I2 criminosos, que se dividen) pela manei
ra sreiiuiie : por crune de u orle 78, por tentativa
de mosto 7, por rompMcidade em mine de morte
leves 33, por crime
furto de. escravos 2.
estupro rom violencia 3, n tas defecas 3, injuria:
3. calumnia t, damno 3, prevarieacao 1,
Janeiro....................
Eutraram no mez de fevereiro..
29
15
-ii
12
1
doentes.
Tiveram alia...................
Falleceu.......................
Fcain ein iralamento............ 31
-ii .
O fallecido foi de tubrculos pulmonares.
Movimento da casa de detencao, do dia 3 de
mai\'o de 1804.
A saber :
Existiam Eutraram. Sahiram . 354 presos 12 14
Existem 352
Nacionaes. Estrangeiros Multieres Estrangeira Escravos . 249 presos. :ii- G M 60 .
Escravas . o >
352
Alimentados custa dos cofres pblicos.. 136
Movimenio da enfermara no dia 4 de marco
de 186 i.
Tiveram baixa:
Manoel Bernardo da Guerra, nlciiniteiib:.
Jos Francisco de Paiva, tumores.
Candido Jo- Ferreira Ib andan, syphilis.
Jos,' Pereira de SOOM, iiilermitenle.
Ha\ mundo Jo.- de Cima, chapas.
Obituauio do da 3 db aUBpa, so cemitehio
ITIU.ICO.
Mana Joaquina, Pernambuco, CO annos, solteira,
Boa-Vista, hepaiito entorile chroaica.
I'M POICO DE TTJW.
0 Liverpool Courrier conta o sesointe
Em consequencia de urna circular expedida re-
centemento pelo ministerio da guerra, contenda
uisxuccoes para por em melhor pe as livrarias
dos regunentos e determinando que se escolham
quartos separados para ente fim, ou que se rons-
truim quarlos para recreio dos soldados,as autori-
dades em CeJcnestor deterunnaram que urna caba-
na ncasaa disposicao da commissao de cada ba-
talbo, para servir conforme as ordens do governo.
Vmi o fim de fazer exerutar o novo sylema, o
governo,alm de fornecer a mobilia para os quar-
tos e os arranjos para varios jugos de recreio,
concede a cada companhia duas libras e meioster-
liliss para compra de livros, para reparar os livros
estragados, e para occorrer a despeas eventuaes.
Cada quarto de recreio ha de ser fornecido com
os priiicipaes peridicos, magazines, el., a rusta do
sul sdo do governo e das subscripcoes dos ofli-
ciaes e das pracas de pret.
As subscripcoes nao podem, era caso algum, ex-
ceder a um shilling por mez para cada nfnrial, a
6 pences cada sargento, 4 pences cada cabo e 3
pe ices cada soldado.
Os hala ihoes que se acham no campo de Colches-
ter abriram j os seus quartos-, e em cada um del-
les podem obter-se tambem refrescos.
Na Cruz l-se o que segu :
lscrevem de Argel, dizendo que o cora Mondo-
vi matn no dia l'.l de Janeiro um leao enorme,
que linha tres metros de comprimenio. desde
calleen al a cauda, e que pesava 150 kilogrammas
aproximadamente.
A carne foi distribuida aos habitantes da aldeia.
f.mtoMa .ii Dicmu.
Tltlltl \ \ I, MO .11 IIY
SESSAO EM 1 UE MARCO DE 1864.
PltESIOENCIA DO SR. DR. J0.V0 ANT0M0 DK AHAIJO
KRKITAS HEXniQlES.
Pniiiolor publico o Sr. Dr. Francisco Leopoldino de
Gusmo Lobo.
Escrivo Joaquun Francisco de Paula Estoves
Clemente.
As 10 horas da manlia, feita chamada,
ac am-se presentes 36 sonhores jurados.
Foram dispensados por terem servido os senho-
Joo de S Leito.
Ui. Antonio Jos Alves Ferreira.
Foi dispensado a requisito da presindencia o Sr.
ca lilao Domingos Jos Rodriftoes.
Foram multadas em 205000 cada um dos sonho-
res multados no dia anterior que nao comparece-
rain boje, e laubem os seguintes seubores ".
Ai.Ionio Mu lins Seabra l.emos.
Di. Joo Ferreira da Silva.
Di. Jaciniho Pereira do llego.
Dr. lira7. Florentino Henriques de Souza.
Dr. Jos Eustaquio Ferreira Jacobina.
Antonio Goncalves Ferreira Casco.
Di. Jos da Cunha Teixeira.
Dr. Joaquim Jos de llampos.
Hontem a mul hoave um pnico extraordinario Antonia Pires Ferreira.
apoiados) porque nao fojo d luta. (Adiados das 'I- ,umu*5 '' "'"'"' "i'"vrtl":".^' c..n.i.iic.-
ealeras) dado em crime de rapto I, lerjorot, esletltonato
u Sn. N urna :-Nlnguem foge. e "** a* *ertores do exerci-
(Trocam-se muitos e prolom.'ados apartes.) i v n i i
(O Su. Piiesikntk reclama attencJto) ~ s;".','""" /'"""',e?V nte-hon,aflj
O Su. Cu.nuv Tmxnnu : -Nao quUrr. responder P" cul'10," Exm- Vl>,('nd' dc 8uassona,qoe vai
a apartes, e si.n Uwitar-me questito, em relaeo tomar as>.-ii lo no sena.,..
a qual ped a pslavra, mas urna m q.......i-bre Sr' 5?">" ** :" l!r,rr',s a,'hvs" "
depulado (o Sr. Nabor) est a interromi'er-.ne ron- Pr*sMeneia da Caixa Filial, de que e o mesmo Sr.
un |
nnuameiiie, direi qoe duvido milito qoe o nobre
depulado eonsinla na annulla^o da eleicao do col-
lagiO de Goiauna. como eu em relaeo ao de Pao
d'Alho, e mesmo ao do liecife. se para tanto houver
motivo.
1 m Su. DnWTiJM :Nao se traa agora da elei-
{io do eolli-gio de Goiauna.
O Se,. Cu miv Ti:i\Kiuv : -Bem sei dissp ; mas
deve, por paridade, asseverar i casa qoe o nobre
depulado, que me interrumpen, perguniandoporque
nao pedia a anmillai;o do CullegM de Pao d'Alho,
nao o (na ein relaclo ao de Goiauna, contra cuja
eleicao sedo motivos mu valiosos.
O Sn. Nabob :Ninguem teme entrar em nova
eleieo.
ii'Su. Clniia Teixeira : Contina o nobre de-
pulado a provocar-me para um terreno que eu de-
sojara evitar. Pois bem, devo dizer que o no ir
depotado nao pede, nao acceda a aun illaco do
eollegio de Goiauna, como quer que eu faca com o
de Pao d'Alho, porque sabe muilo bem que nao se-
ra reeleito, e i|ue se nao fosas essa fraude lamento-
vice-presideme.
Foi preso em G lianna noto respectivo dele-
gado Antonio Jos Ferino, criminoso na provincia
da Parahyba, villa de Cabaceiras, por morte perpe-
trada no caboelo nttmio do tal.
Esse criminoso ha milito que achava-se foragiilo.
Pedemnos a segrilnte puhlicaco :
Srs. redactores.Sendo eu moradora ruada
Matriz sorpreheiniido por urna patmiha acosjjjMnhada de
um inspector, a 1 hora da manlia dodia 3, os
quaes ni obstante eurunlr ir-uie dorinnlo, com-
tud tiveram a sem razo d; me I- varem preso s
inesmas horas, e .lo por .-e haver ipieixado um
vizuiho de lile terem emlialilo as portas, senundo
ouvi dizer ; ora parece ser minio zelo da parle do
tal inspector, que pelo nome nao perca SfinTAa-
na -, que sem o menor indicie de suspita contra
i ii i i ii, por isso que nao sou desronheeido, preee-
desse deste modo.
i Os larapio* que comm llem suas boas obras,
passaiH impunes de-a|K'i'celiidos, e a policia snhal-
vel que se praticou no eollegio de Goianna, nao es- terna dorme s BOras i|V< ellos funccionam, e eu
tana hoje apu (Apoiados e nao abofados.) que fatigado de mcu servic > artstico reentno-.....a
(Troeam-se muilos apartes, reina algum sossarro casa para decanear, son laromnmdndp m nrem,
as galeras.) por suspeitas ficticias. Firmo Felinto de Souza
Um Sr. Deittado : Guarde isso para quando Braya.
se tratar da eleieo de'Goianua. O jury absolveu em sensioda hontem Jna-
o Su. Cunha Teixeira : Ha vemos de che gar qoin Severiawo Nery de Vaifoneoitoe que, em um
l. Hei de entrar ne..a discussao, procurare! pa- dos ltimos inezes do amo cadenle, sulilrahira
leuiear os escndalos dessa farca. duas pecas de chita ao estabeleeimeato eommer-
O Su. Piiesiiie.vtk :Eu peco ao nobre deptado cial sol a firmaCii-Ioihi
que se cuija materia.
O Stt. Cumia Tkixeira :Permitta-me
em Liverpool, em Birkennead, e nasoutras tocati
dad s visinhas.
i'm sbito elaro, um abalo vilenlo, urna obs-
curidade completa oceasiouada pelo apagameolo
do gaz, o rebombar do irovo, o esialar dos vidros
que por loda a parte se quebravam, tai foi i sen.'
dos phenoiiieiios que repeiilinainente aterrarain os
habitantes de Liverpool.
Que Hulla acontecido ?
Teria o gasmetro fedo exploso?
Seria um ireuior de ierra 1
> v,-rd.i le uo tard >u a dcscohrir-se.
A barca Lotty Sleigh, de 322 tonelada--, capitn
Webber, devia naor-se da vela na manlia segara-
ie para Brass (Uver na costa d'Afriea occidental.
A bordo havia um earrajramaato de sal e plvora.
A barca buba sido rehogada hontem pelas iros ho-
ras da larde para fra de Kuig's-1) >ck.
Pelas 6 horas, o despeuseiro oceupava-se em
limpar as lampadas, quan lo se incendlou o oleo
de petrleo une ellas c uiiiuliaiii. E' pelo menos o
que se siippoe ; mas seja como for o que certo
que pouco depois n fog i eslava na cmara.
I) do-peiisoiro den ininediatmenle sigiwl de
alarme, e a tripularn acudi de Indas as partes.
Tiaiaram de laucar agua na cunara em grande
quaiitidade, m is deballe; o liquido iiillammado
coiitinuava a derramarse.
Bem d pros-a o capito e a equipagem, ebeios
de tonar peoi-aiido na plvora que encina o navio,
uo tralaram seno de o abandonar, renunciando
t -aha-lo.
Foi da ram liles receber a inpul ico, que fui eoudnzida
para trra. A maior parte destes homens peide-
rain as suas bagagens, mas o capito, nao leude
lomado as im-sin s |M*erauooos, perdeu ludo.
0 navio elava seguro.
Lugo que os boinens chegaraui a Ierra, enme-
i;ou a espalbar-se no porto e as doks a noticia
de que mu navio derogado de plvora se havia
incendiado.
Os operarios e os trabalhadores do porto reuni-
rao i-se um- dialameute para o vigiaiem.
De tonga nao se descubra a menor apparencia
de mceiiiiio.
A tripulacio do Lottg Sleitjh Matn ento aehar
una nibareavo qua quizesse ir a bordu para \r
di
V. Exc.
que le-ponila ao nolire deptado, ou enioseilii.'nK
de o chamar ordem, por quanto nao po8u deixar
de apreciar mais ou menos o que o nobre deptado
for avaiicaudo.
O Sn. Nabor : -Nao se traa de Goianna. O no-
aiiifiiienlo de 10 tolos na sonna total dos votos da-i bre depulado foi ipi.in sabio da ord--iii.
dos |ielns 81 eleidnes, que roncom-ram eb ico. 0 Sh. Cumia Teixeiua :Seja como o nobre, de-
llevo declarar friemnemenle V, Exc. e a casa puiado quizer.
que a elejcn de Pao d'Alho foi urna das mais dis- Cuucluiod<>, Sr. presidente, mando a mesa ama
e o f.>vo -e ludia apagado de per si, mas MOgueni
Carvalho & C. -, ra quiz prest o-se a esta arriscada tentativa
do Queimado. | Era proceder Com prudencia, como o proven o
Fra advogado do reo o Sr. Dr. Netto de Men- acooteciniento que se r-aun-n.
donca. Pe ,s 7 lioras-e 20 ininutu-. nina grande coluin-
O Dr. juiz de direiio, e presidenie do mesmo na de agaa e de fui naca fo arremessada aos ares
tribunal, julaoo perempia a aeco Intentada por com lima enorme labareda, no meio da qual se
Domingo- Murena da Silva Porto, visto nao haver destacavam os mastros e as vergas do navio.
resp.iiidido por si ou p ir seu procurado legitima* | Nao pareeia que a ni.isireaco vean sido des-
rnente coiisliluilo ehaiiiada do estro. V.-rifi- pedacada ao h.iver a exploso; os maslros para*
cava-se segundo o voto do ministerio publico ser o ciain ter bVad-i de una s pe^a com soas vergas,
crime de natureza parlieul ir, e nu H haver reali- laOgO em seguida se espalh.ui urna obscuridad!'
sado esa flagrante a prisa i do reo. em favor de completa no tlieatro do acoiiiecimeiito.
untadas, oque ao sen prores-o preauVe loda regu- emenda pedind adiamento quantu ao cubegio de quem aa atpadto alv.ir ato soltura. AbloaS navios foram damnilicailos peln queda
landade, como sei ia para Vscjar que livirse acn- Pao d'Alho, e declaro que accedo a auniillaeo Dejva /le entrar boje em julgamentu perante, de fiaguuinlns, mas levemente.
toci ( Trocam-se muito ajiarles,)
dnt-se eollegio, se por vemura os hnarsdia depula- o jury o |H)i*nsasa em qtifl i reo Candido Ju* de
dos ajireseiilareju oxHivos jiara lauto.
Os navios que estovara mai- prximos da barca
AJ^reu, aewisado jv>r erimt duientativa de mrJe soflreraui um kilaueo mu violento. S um navio
Ji aipiiui Cardse Ayres.
Jnaquim Teixeira l'eixolo.
Jos Francisco de Sa Laitao.
O Sr. Dr. juiz de direito declarou aberta a ses-
sao.
Comparecendo o Sr. Dr. Francisco de Araujo
llanos, juiz municipal da 2* vara, apresenlou
preparados para serem julgados os processos ie>
guintes :
Autora a justica.
lto preso, Ignacio, escravo de Jos Anto de
Si usa Magantos, pronunciado como ocurso no
art l'J doeod. criminal, em 13 de novembro de
I Mil
Autora a justica.
Rea preso, .dauoel do Espirito Santo, pronuncia-
do no art 201 do cdigo criminal ero iS de oulu-
bnnle 1863.
Autora a justica.
Reo preso Jna |uim Severino Nery de Vascon-
cellos, pronunciado no art. 257 do cdigo criminal,
ein 2:1 de outubro de 1863.
Autor Domingos Moreira da Silva Porto.
lto preso. Claudio Miguel Francisco, pronuncia-
do no art 201 do cdigo criminal, em 30 de no-
vembno de 18 3.
Autora a ju-lica.
R'. Candido Jos de Abreu, pronunciado no
art l'J3 do cu ligo criminal, combina i'o com o art.
3'i do mesmo cdigo, ein 21 de dezembro de 1863.
Autora a justica.
Reo pn-su, Antonio Lonreiro de Lemns, promin-
c alo no art. 269 do cdigo criminal, em 2 de Ja-
neiro de 1804.
Autora a justica.
Reo preso, I.nas Antonio Evangelista, pronun-
ciado no art. 261 do cixbgo criminal, em 8 de fe-
\ eren o de 1861.
Receidos os processos, procedeu-se a respectiva
chamada, deixando de eompareccrein os reos por
slaivn presos, e o autor Domingos Moreira da
Silva Perto, que foi laucado fra da aecusayo,
mandando o Sr. Dr. juiz de direito dar vista d
processn ao promotor publico.
Determinou o mesmo Sr. Dr. juiz de direito que
por urna tabella se designaste os das dos julga-
alelllos dos reos.
(i Sr. Dr. juz de direito proeedeu ao sorteio de
uais 12 jurados, alim de completar o numero de
V8 jura ais, e sahiram sorteados os seubores se-
guintes :
tintino Antonio de Mello. .
I>r. Innacio Nery da Fouseea.
Jos Cmiegliudes du Silva.
Mr. PauliijJo- de Oliveira.
'leileriCo Lopes Guiinaies.
Florencio Dominges da Silva.
Antonio Ignacio do llego Medeiros.
Vntoino Ju- de Castro.
tricante Ferreira da Porcinncula.
Antonio Jos Teixeira Basios.
Clisses Cokles Cavale.iuii de Mello.
Dr. Pedro Dornellas Pessoa
Concluido o so.rteio o Sr. Dr. jniz de dan
inandou proceder as necessahas notilicacoes, a k>
V
\
mmmmmm


Diario de Peraambuc* fcubhiido & de Marco de i 84.
vantou l sessao, addtando-a para od;i segualo .s
10 turas ila inanhaa.
SESSAO KM 2 1)K MARCO DE 1864.
HMHBU 110 Sil. DU. JOAO ANTONIO DE AIUUJC
KIIKITAS IIENIUQUKS.
Promotor publico o Sr. I)r. Francisco Uopoldho
-de Gusmiio lj>bs.
Esrrivo loaquim Francisco de Paula Estoves
Clemente.
s 10 h> asila manhaa. Caita ichamada, achara-
se presentes 39 genitores; jurados.
Foram dispensados do rnmnnrrrimrtn da pre-
senil' sessao, por motivos de molestia os H liorcs :
l)r. Itraz Florentino llcuriques do Souza.
Joaquini Jos Silveira.
Foram i.iuih '[ii dispensados da sessao, a bem co
servido publico os senhores :
Joaquim Amonio Carneiro.
Manuel Francisco dCarvalho Paes de Andrade.
Foram multados em 203000 cada um dos Sr;.
multados nos dias anteriores que nao comparec >
rain boje, e tambem os senhores:
Antonio Jos Teixeira Bastos.
Antonio Jos il-. Castro
Antonio Ignacio do RegMedciros.
Dr. IVdro Dornellas Pessoa.
Fredenco Lopes Gitiniares.
Dr. Paulo J.cde Oiiveira.
los Caoegundps da Silva.
Dr. Ignacio .N'ery da Fonseca.
Ruflno Antonio de M-lio.
O Sr. r. juiz de direito declara aborta i sessao.
Entra era julgamcnto o reo Manuel do Espirito
Santo, aecusado por criiM de offensas physie.'s
'eilas na pessoa de Julio Manpies da Suva.
ProcedenJo-se ao sorteio foram recusados pe a
defeca os senhores :
Marcelino J>s Lupes.
Dr. Joaquim Jos de Miranda.
Dr. Jacitttho Pereira do liego.
Pula firomotoria ful recusado o Sr. Luiz Antonio
.111 iritriit de Alineida.
Ficou ataido de servir no consellio, o Sr. M.-
noel Anioaii de. Jess Jnior, visto ler sido o juiz
processante.
Ojnry de senlenca compoz-se dos senhores so-
guintes :
Caetano Quinlino Galhardo.
M anac Joaquim Ferreira Esteves.
Vicente Ferreira da Porciuncula.
Alfonso dos Santos Bastos.
Carlos Joao de Souza Carvallio.
Florencio Dooiingues da Silva.
Antonio Camello Pessoa de Lacerda.
IPedro Alexsndrino de Barros C. de Lacerda.
Bomingoa Antunes Villaca.
Joaquim Jovenete da Silva.
Francisco da Silva Reg.
CapHio Antmi Jos de Suiza Cottsseiro.
E prestaran! juramento dos Sanios Evangelboi.
Foi o reo interrogado, e procedeu-se a leilura d)
proec-
Sr. promotor pedio a eondemnac.io do ro no
grao medio do arl ul do redigo criminal.
O Sr. advagado deduzinlo a defeza, pedio a con-
demnacao do reo no grao mnimo do art. 201 do
cdigo* criminal.
Fuios os debates e preenchidas todas as solem-
nidades da lej, o Sr. Dr. juiz de direito propoz O
segaintas qnestos :
1- Oreo Manuel do Espirito Santo, no (lia 27de
sciemliro do auno pateado fez na posesa de Joao
Mar pies da Silva, o ferimeiito descripto no corpo
2* Existem circumslaneias attenuantes a favor
lo reo?
Keeoiliido o jury de sentenca a sala secreta di:
conferencias ao meio dia, voltou hora da larde
respomlendo aos ojoaeitos pea maneira seguinte
Ao 1* e 2", sim, porunanunidade de votos.
Lidas as respaatas palo Sr. Pedro Alexndrinc
<3o Barros Cavalranli de Larerda. presidente de
t'onselho.o Sr. Dr.jniz de direito puh icn sitasen-
tenca, conilemnando o reo pena de. un mez de
j riaia e multa correspondente a utelade do tempo
as cusas
l.evantou a sessao, ad liando-a para o dia seguin
t as 10 horas da inanhaa.
ALANCO DA CAIXA FILIAL DO LONDON &
BP.ASlLLAN BANK EM PERNAMBUCO, 29 DE
VFEEURO DE 1864.
ACOTO.
I.ondon & Brasilian
Bank lodree. 480:3fi243ao
1 iiias eaeontadas 1,535:7734/r)
L'iversas cenias cor-
rnitese antros va-
lores ..... 798:539*380
Letras a receber 50:978,5471;
Mobilia..... 7:5'*i-510C
Caixa:
F n moeda corrente 7>5:103$>390
Depositado na caixa
filial do Banco do
jtrasil.....20o: 0005000 1.000:7035390
i' vara, c que abaleo va transcripta, ver o pu-'os 303 rs.,que o seuhor sem nenhum diroilo pe-
Miro as proprias palavras do mea denunciante. dia, mas at perdoou os juro da letra, que moma-
Fallou-lhe o valor para assever.tr uina falsidade; vam a 404 rs., de forma que o senhor lurrou rs.
recorreu lergiversaeSo. Os caracteres fracos, po- 705.
rm malvolos, nao arrostama verdade, que os ful- Se sea filho Julio, com a horca doro, procura no-
mina e acobarda. | vos coiifliclos e novas desordena para lucrar, asse-
Quando recehi a denunci;i, e a ia leudo, lamen- vero-lhe, qne niinha condescendencia eessoo. Na-
ta va a cegueira, rom qaa o desembargado!" lloJri- da mais don a comer, e as contestacoos serio de-
gues Villares buscava reviver a lembranca de nm eididas por jastiea.
faci lio desairosu ao bou carcter. Aluns rollega's metisda relajan qnerem, que o
En pretenda dizer Mas ao governo imperial, senhor seja o peior risinhn, que en ti-nho, quando
queofferecia a sua saliedoria e alta jastiea o pro- eu me queixo de 1). Tliere/.ae lilhos ; mas agora
cesso |ior nnin organisado contra o iiiho do denun- estou, que das duas visinhancas, s o diabo poder
rante e tranquillo esperarla a decisao do mesino escolher urna.
gi.verno imperial, que nao poderia ser seno a De vossa merc attencioso Manoel Rodrigues
enunciarao de justos dilames. i Villares.
Leudo, porui, o linal da denuncia, justa indig- R, i.Qtiasa.
naeao me sobreveio. Eu nao devia licar impassivel l'erante V. S., Sr. Dr. subdelegado da freguezia
ame a injuria, e asseolet ser dever tnou buscar, de Santo Antonio da cidade do llenfe de P.rnau-
destruir a aleivozia da arguicao. buco, i|ucixa-se Manoel Rodrltiaes Villares, desem-
Era a primeira vez, que ouvia a voz maledica Daador da relacao desta provincia, de Domingos
alrevei-se a duvidar de niinha probidade : proeu- de Caldas Pires Ferreira, mirador ni freguezia do
. rei r.-pellir o insolente airgressor. Santis-imo Saerameoto da Boa-Vista, sendo o moti-
A honra do magistrado como a inulher de Julio' vo da qoeixa o que passa i expor.
Cesar i nem soBpeitada deve^er. Em conseqneneia de repetidos insultos e amen*
Gracas a Dos, hei nianiido illeza a minha repu- cas Caitas a familia do queixoso por um lilbo do
taciio. Ergo a cabeca, t desalo o meu aggrdsor. querellado no sitio habitado por aquelle, prximo
Na capital do Ceara exerci o cargo de juiz mu- ao desta na estrada do Rosarinho, escreeu o quei-
nicipal. no Para o de juiz de direito ; estive na xo tima carta ao querellado em dias do correte
provincia do Espirito Santo como chele de tolicia ; mez, na qual llie manifesiava seu soffrimento, c de
aquictn Pernambuco exrrc igual cargo; e agora sua familia, solicitando a ti
DtervencJJo do querella-
do como pai e como senhor, alim de que os RlhOS
c escravos delle nao inijuietassem mais a familia do
queixoso.
Longe, porm, de dar as providencias que ocaso
requera, e qnalqoer hornean prudente nao dixa-
ria de dar, o querellado assentou de injuriar pu-
blicamente o queixoso, esperandoo, como espern,
3 ou 4 dias depois do recebimmto da mencionada
depois recebe mimos generosos. Leam-se as car- Tarta, junto da loja dos negociantes Siqueira & Pe-
tas sobos. 1 c 2 : depois explique-as o autor. reir na ra do CoNegio desta cidade, e ferinlo-lhe
S nao pode deixar de recusar emolumentos ge- o rosto com urna tabica, vulgarmente chamarla si-
nerosos o juiz. que para ir ao tribunal decidir os | p de rgo, < 2 para as 3 oras da tarde do dio 10
pleitos, ronduzido em carros mandados pelos li- do corrente, na oecasiio em que o queixoso regres-
ligantes. Leia-se a carta sob n. 3; e explique-a a j sava da relae.io. e segundo o scu costune, se diri-
pessoa quem ella se refere. ia pacifica n'ente meneionada loja de Siqueira A
S aceita emolumentos generosos, e nao cohibe Pereira, niio ten lo o qnmxoso proferido pdavraal-
os seus subalternos o migutrado, que provoca mi-'guia, non pratieadd antes de feridj acto capaz
exerco o lugar de juiz do cotnmercio.
Eis apontado o raminbo ; examine o desemhar-
gador os actos do juiz de direito : e terei prazer
de os ver palenteados.
Se o de>embargador confrontar os actos de um
com os actos do oulro ver que :
S poJcr receber cusas indevidas o magistra-
do, que secoiistitue solicitador de alheios feiios, c
aerareis quesMos para depois receber na praca
| publica afrotilosa contumelia. Lciam-se a carta sob
n. 4 e peiicao sob n. 5.
.Nao mais.... Eu temo que a justa indignacao
me excite.
Oftendido tao gratnilanente, e vendo a calumnia
tentar iiiacular-iue, ser-oie-ha desculpavel qualquer
excesso pelo amor da defeza.
Se esta me faz parecer aggressor, pec.os aos no-
inen- oordatos a sua complacencia |>or esse invo-
luntario desvio da prudencia.
Eme doloroso esse desvio ; revele-se-me, porm.
de Inllammar a colera do querellado.
E como assirno querellada le n incirrido etc.
Recife 13 de fevereiro de 185o.Manoel P.olri-
Stes Villares.
6Atleslailo do Exm. conselheiropresiden/e da
relnraa.
.Nunca tivu a menor qu'eixa contra a probidade e
mteireza do peticionario, que incapaz de querer,
e receber o que nao do lei. At hoja "Ao boers
peranle inim qneixa ou representacao contra os es-
lerivlesdo commereio, lenoo alias havido contra os
o detouVgo de immereeida olTeusa.
Atietida-se, que o mt-ti offensor nao s me ag- outros. Teiiho o peticionario. O. TristSo da Alen-
grhle na sua denuncia com improperios, como ain- \ car Araripe, romo magistrado limito de mos, e in-
da veni pela iuiprensa com arligos H.sensalos por telli-cnie, e assim ueraluienie reputado.
iassivo.
Capital.....
Depsitos a contas
correles. .
Diversas contas cor-
rentes e outros va-
l'ires.....
Letras a pagar .
3,873:9015910
888:888*890
1,944.2HI52oO
99G-.4OOS830
41.3305940
3,873:9015910
Pernambuco1864.
W. J. laynes, accountant.
COMMUNICADOS.
A subslitui da vag do Sr, consclht i
n I'h's Ha'-ielo.
O 1* districto eleiloral desta provincia chama-
co a pscolher nm deputado asaembla geral, em
virtttile da escolha do conselheiro Paes Barretojiara
sinador. .
(Juein ser o candidato que poder reunir mais
probahiiidade de uina eleico? No estado dos ne-
gocios pblicos nesta provincia nm nome n->s oc-
corre logo e elle o do conselheiro Antonio Pintu
Chirhorro da Gama.
Ningwm podar contestar iiue o 1 districtoefei-
ra!. rontem a maioria deeleitores |>ertencentes ai
partido hlicral, que, infelizmente se arha hoja divi-
did* em liberaos puros e libanes progressistas.
i.ui tal contingencia um candidato que tenha to-
lo i lo parte na lula por q e temo passado uestes
ultitnos tetnpos, qur es>e candidato se diga pro-
giissista qur lil>eral,diHlcilmente conseguir reu-
nir votos expontaneos que o levem cmara dn^
depatodas, alm de que as pretenees surgiro
pois que muios sao os que se acham habilitados
jiara o desenipenho de tito importante misso.conto
a de representar esta provincia, e talvez que inui-
11< os que aspiren) a essa honra.
.Nin^uem, por crto, contestar o mrito desst
distiarlu braMleiro, desse vulto que sabe honrat
as pnajfjotiit que llie bao sido conferidasf desse li-
l que leni sabido manter uina posicao digna
M BMta de lodos osaconteciinentos por que temos
passado.
Aim, poi-, alm do mrito que tem essa candi-
datura naaclualidade, em vista detestado dos ani-
mo- nesta provincia, occorre, sem duvida, que a
provincia de Periiamliiiio dar rom issa escolha
tuna provado|quanto Ihe ineiece o venerando vulto
respailado como autoridad.' pelus hometis mais m-
l mtantes da situaco, me>mo dos progreasistaa da
rte.quenaoce.-samde proclamaras virtudes civi
as desse dislinelo niembro da nossa magistratura
a v niiK IH--0 urna (KM-asio asada para a reconci-
iliaco da f. mili.i liberal.
O que dize nos esta na opinio publica, e nuii-
t a chiiores a quem temos ouvido, peusaincomo
I! cife, 5 demarco de 1804.
Um eleilor.
Denuncia dt> dcsciiilianjailnr Manoel Ritilrifnrs
Villares.
.! i o pab'ico est infuio.ido do motivo da denun-
cia contra mim dala |ndn deseqdiargador Manuel
i! i Irlgnes Villare : arala resta, porm, o coime-
. i;ii. ni-i de nina riiciiio-i meia que elle boj.; reve
lou em um artigo publicada nene Diana. Vou
; piosenia-la.
o dse n'iarua htr Ro Irigncs Villares, denunciai
do-me pelo faci d<" Iwver en proi......ado seu B-l
nr itiiii d> esle tonal >, qoa ido exerei o carga
t r H*fe da p ""i', hw i ousadia da laucar innt
i.il i.i-i in-i!iu.i'; i .' t i. o met carcter de juiz
1 lerillioar a saa denuncia, elle iiiiitii-a. qili
i i recebar BinnlnineniiM jnaVvid'is, c .
OsdeSTModos de um dos e.-crives. _
i u- peranle i lim set rero.
Na pelicao, que dirig ao Dr. juiz municipal d'.
elle escriptos, e depois negados provocar a minha
longamimdade, romo jinda hojeo faz.
Elle em sua denu.icia diz o seguinte :
O ex-ehefe de polica Alencar Araripe inslau-
rott o processo, que qntlilicot de estelliotialo por
singular malvadeza contra o hacharel Luiz Rodri-
gue Villares, Bino do siipplicante____elle nao re-
cuarta itianle de um assassinalo jurdico, tal como
em oulras eras succedeu no -ar, sendo presi-
dente um Alencar. se os lempos o perinillissem.
Vejase, se |-de haver paciencia |>ara ouvir dcs-
parates taes I
Calumniado pelo desembargador Rodrigues Vil-
lares, chainei-o a Jaita, para que elle expheasse a
sua injuriosa assersao.
Conselo do malelicio, e sem respeit.ir o proprio
liecfe, 10 do fevereiro de 18G4. Silceira, presi-
dente.
Do Exm. Sr. conselheiro presidente do tribunal do
commereio.
Atiesto quanlo ao l*e 2" quesitos negativamente :
quanto ao 3" quesito atiesto, que nada me consta
contra a probidade do suppltcanle como magis-
trado.
Recife, 16 de fevereiro de I864.-F. A. Souza.
Nota.Esle attfstados foram dados sob raque-
rmenlo, em que pedia, que os Exms. Srs. presi-
dentes da rancio e do tribunal do commereio attes-
tassem : 1", se ao conheciinento delles cliegra al-
guia arguicao de (|ue o supplcante reeebosse emo-
lumentos indevdos ; 2*. se perante elles tinlia
ch*'ga>lo alguma qucixa ou represeiitacao contra os
Enta um delles, recebendo o copo. Mira o es-
Ipiriloarara do eaixeiro, menor de ireteannos.
Posto que atlerrado e posMlido de dores, o menor
pedo soeeorro f |>orm os desalmados penelrain
para dentro do balean, embargam-lhe a voz, cor-
ren! a gaveta, roitbam a qoantin de oilenla e lan-
os mil ris, e fogem aprestados.
Poneos momentos depois, eu ehego ao estabele-
cimento; soo inteirado do occnrrido, e dinjo-irte
ao Ulan. Sr. subdelegado pedindo-lhe nrovideneias.
S. S. nao se fez rogar, e as deu lao acertadas,
que no dia seguinte foram presos os sois ladroVs,
(lie. se acham recolhidos rasa de detencao, a des-
peiio das estrategias com que se tem procurado
frustrar os passos da aiitoridade.
Hmra, |K)is, ao attencioso e diligente fnneciona-
rio publico; honra a autnridade que se compene-
tra d'' seus deveres, e nao os sa riiica a empentaos
e conveniencias mal entendida-.; honra ao Illin.
Sr. Severiano Jos de Moura. milito digno subde-
legado sapotate e em exereieio nesta freguexia de
Santo Antonia,
Sirvam-se. Srs. redactores, de dar pttblicidade a
estas liabas, cellos de que em extremo obrigarao
ao scu constante leito.
Recife, 4 de mareo de 1864.
Manuel Gomes Pereira.
Srs. Redactores. Alguem em defeza do Sr. de-
sembargador Villares na aaestio da denuncia des-
te contra o lllm. Sr. Dr. Alencar Araripe, em urna
publicaco inserida em seu jornal de boje (4 de
marco) loca em minha pessoa, sobre queut pareen
.que quer descarregar urna i.n.iutaco criminosa
que por rerlonao merreo.
Diz o tal, que recehi pela esc-iplura que lavrei
da compra do siHo que fi-r. o fl lio do Sr. desem-
bargad >r ao finado F... Vianna, a quanta de 105
rs., quando s devia receber 45000, segundo o re-
giment, c que poT isso commelti prevaricado pe-
lo Sr. Dr. Araripe tolerada. n< obslanta eu con-
fesada.
Mas en nao confesse que exi.;i aquella paga do
Sr. Vianna ; o que disse foi, que esle dora em lu-
gar do comprador que confessott nao tratar dnhei-
rn para pagar a escrintura, o que elle quz dar de
moto proprio105000.
Deinais. lavrei a citada cscrntttra no impedi-
mento do meu companheiro e a ngo o Sr. Baptis-
"a d'Almeida, em seu livro de radas, ea ello envn-i
os 105000 que recehi, como elb tambem comigo
usa em casos taes.
Basta esta rircnmslanca para deixar Iranspare-
cer, queett notinha interesse en fazerexigencias
para outrem.
Onde pois a arevaricaco que jommetli T
O Sr. desembargado!- Villares nao me conhece.
Estou rerto que se me conhecop, nao Ihe merece-
ra tanta olTeusa, ou uo consent ra em tal aceu-
saeSo.
Sou Srs. Redactores, etc.
folio Bnplista de S.
Recife, 4 de marca de 1801.
TABELLADO RENB4MENT0 DA AI.FA.NDEG/ DEPF.RNAMIUT.ONO MEZ DE FEVEREIRO DO
CORRENTE AX.N'OF/NAXCEIRO, COMPARADO COM fj DE IGUAES MEZE.S DOS DOl'S A.NSOS
LTIMOS.
decoro, elle nao corii|iaieceu, e as suas arguicoes escrivfies ,1 p eomnwrew par cobrareni casias inde-
foram jndicialnienie tleclaradas falsas, e a sua in-
sinuaco considerada calumniosa.
Offereco ao publico, cujo boni conceilo ass
preso, os documentos sob ns. 6, 7, 8 e 9, pelos
quaes vera a maiicia, rom que fui argido.
No intento de fenr-me o meu denunciante asse-
vidas; 3", cm que eoncello linham a probidade do
sopplicante como magistrado.
N. 7.Peticao e termo de rerelia.
Este documento p'.r extenso ser publicado de-
pois. Conten o reqiierimealo, cm que chaniei o
meu denunciante a juizo, e o termo de reveba, pelo
varea ooi ana denuncia, que eroquaato exerci o qnal foram declaradas misas e ealnmnlosas as aa-
cargo do Chefe de polica nesta provincia s liz o serenes contra a tmiiha probidad', escripias na de-
proresso, em que pronuncie] seu filho, inculcando Alacia.
assim prerencao de minha parte em sementante N. .Jirstificacn.
processo. Por extenso deixa este domnente de ser publi-
Foi mais urna falsidade do denunciante ; por-' cado hoje. E* nina declararlo jurada de lodosos
quanlo no ciimprinienu de meus deveres como solicitadores do juizo couunercial acerca do modo
autoridade poliiial liz 29 procesaos, segundo se por que se cubra m as rustas judiciaes no niesmo
ver da relacao sob n. 10.
O desembargador Rodrigues Villares aggredio-
me as trovas ; fugio rlaridade da luz.
O salteador tambem invesfe o viadante sob a
sombra da note : ao raiar da aurora afasia te,
porque peja-se de sua obra.
O denunciante escreveu palavras offensivas de
meu pundonor, snp|iondo talvez nao chegarem el-
JUIZ".
Nota Varios outros documentos se publicaran
depois quando tiver de dar ao publico ludo quanto
oceurrer sobre a denuncia.
N. 9.Cernan.
Joa<|uim Francisco de Paula Esleves Clemente, es-
crivo, etc., etc.
Certifico que, do meu cartorio nao consta ter-se
las ao meu co iheeimcnto, servutdo apenas como procedido coitlra os cscrivaes do juizo especial do
arma de intriga. !commereio, Manoel Mara Rodrigue- di Nascimen-
Gracas ao enverno imperial, que nao consentio, to, e Manoel de Camino Paes de Andrade, por na-
que licasse supilada a denuncia para op lorluna, j verein distas excessivas, ou por qualquer outro
mente prestar-as intriga, e malevolencia. crinie de prev.iricac.o. O referido verdade : do
No futuro apparecenam sem eontestacao as pa- que don f.
lavras de um alto m igi-trado. E o que nao dedu- i Recite, 2i de fevereiro de 1861.-Joaquim Fran-
zinai d'aln a desalfeico, e o despeilo \ cisco ik Paula Esteres Clemente.
.Nao: fique registrada a aleivosia ; ims (i(\ne\N. iO.Rrlarao dos processos organis'i l<>* 'do ex-
lainbem erguido podri, que denuncia o nenhum
valor das palavras da meu temerario arcusador.
Recife. 4 de ataren de 1864.
Trisldo de Alencar Araripe.
N. i.Carti.
Illma. Sra. D. Joaquina Mara Pereira Vianna.
Eslimarei, que V. S., e D Amelia, tenhain pas-
sado bem, livres inteiramente das fehres, que rwi
nain no Recife N-, aneas De al agora nos
lomos preservado della.
Depois que comincniqnei V. S., que fallei ao
II. sobre as seiueiic.as, que conserva em seu poder homicidio.
chefe de puJiria de l'rrnamhnco, Tristao de Alen-
Car Araripe, de 1859 1861.
1Joaquim Jos de Miranda, por crime de reJu
Zr exTavido.
2Joao Lucio Correa e outro. por homicidio.
3Jos Canuto Ruinualdo da Silva e oulro, por
offensas pbysicas.
4Jos lexandre Cuidan, por estellionato.
5Eugenio Tisset, por oflensaa physieas.
Josees Reg Barros, por homicidio.
7Antonio Vctor d i Sa Brrelo e outros, por
paraexecnlar pelas dista*, nunca mais me encon-
irei com elle : eu i di rei elle, que v poMoal-
mente fallar aom V. S, dire ao Luiz que faca o
inesino, bem que eu, a culpa que lenho, foi ler in-
dicado elle para tratar da robranca ent razo de
ello me ler servido bem e V. S. da primeira
vez.
Depois de se ter obtido tao feliz resultado em
negocio lio importante, duas colisas me tem des-
gustado ; a primeira foi o mimo, quu V. S. me
8Antonio Vctor Sa Barrete e outros, por igual
crune.
9Joao Xavier do Reg Barros, por falsidade.
10Jos Duarte de Ohvcra Reg, por eslellio-
nato.
II-Jos Duarte de Olveira Reg, por igual
crime.
12-bacharel Luiz Rodrigues Villares, por igual
crime.
13Mauoel do Naseimenlo Siqueira c outro, por
offereceu generosamente ; a vista delle despena crime de reduzir escravidao.
conlinuameute o meu agradecile uto, porm offus-! 14Joao Ferreira de Souza e outros, por ofdi-
ca a gloria, quo eu me aguardava de servi-fa com j sas pbysicas.
toda a dedicacao sem o menor premio ; mas o col-1 15Manoel Francisco do Naseimenlo e outros,
pado foi o Luiz, que fiel e obediente ao que V. S. por ferinienlos graves.
Ihe presrreveu. me naocontou com antecipacaoo 16Jorge Pereira Fcrnandes e outros, por crime
projecto de V. S. ; a segunda consa essa demore de roubo.
do B..., sabendo eu que V. S. deseja ter os seus 17Kaymundo Rodrigues dos Santos, por homi-
cidio.
negocios corrate*) e as suas contas justa'
Entretanto senara estou s nrdens de V. S.
Sou com re-qieito o amsade de V. S. atiento
respeitador obrigado e criado.
Manoel Rodriques Villares.
Boberihe, i6 de fevereiro de 1880.
18 -Manoel Marcellino Paes Barrete, por estel-
lionato.
19Joan Chry sostomo Pacheco Soares, por igual
crime.
20Antonio Pinto Cardoso Gama, por falsi-
Nota.Ainda lia outras cartas, que o desembar- dade.
gador Manoel Rodrigues Villares, querendo.se 21Franotsco Jos da Costa e outro, por estellio-
publicaro. nato.
N. 2.Carta. 22Anistiano Francisco Pereira, por hom-
Vllares. Rio, 12 de jam-iroMe 1849. Tnhas cidio.
razan, estav cwn eleito fra de lempo a revista, e 23hacharel Joan Francisco Teixeira e outros,
assim se julgou hoja ; pelo que podes ficar tran- pur ajuntamenlo iliicilo.
quillo, e don-te os parabens, fazendo-te prompio 24 -Eduardo Pereira da Luz, por tentativa de
aviso, segundo Uta rceonuneudago. Nadainais te- marta.
nho a coinntunicar-le, seno qne desejo, que gatea 25Joaquim Jos de Santa Anna, por homi-
sade e prazeres e que te nao i-squeeas de ti-u ami- eidio.
gu v.lho e collega A. P. Harreto Pedroso. 26Ignacio Gomes Marinho, |>or igual crime.
Nota.O desembargador Rodrigues Villares em 27Lourenco de Frailas Cuimares e outros,
o seu priniero com tunicado disse, que leve urna por poly^amia.
revista no supremo tribunal, e uunca escrevra so- 28Francisco de Paula Carneiro, por homi-
bre ella cdie.
N. 3.Carta. 29Francisco Al ves Machado e outros. por igual
lllm. Sr.Em resposta sua estimada carta de- crime.
claramos, qne com cffeito em 7 de agosto de 1862, ,
por ordem do coinmercianie Joaqnim J >se Silveira,
mandamos um carro ao Rusarinho buscar o des-:
ambargOdor Manoel Rodrigues Villares para o Iri-
bunal do commetvio, e depois leva-lo ao inesnto
logar..... I
Recife 18 de fevereiro de 1864. Quntenos A
Ayra.
Nota. Nesse lempo o rommerciante Joaquim
GORRESPONDENGIAS.
Srs. Redactores.T\;\ pora actual quasi que nao
merecem importancia os elogios que de continuo
pejain as columnas dos jomaes ; porque, como
geralmenle sabido, esses eloaos ou sao dilados
Jos Silv.-ira, Iralava de obler do tribunal do Cun- pelo profiri elogiado, que os compra a peso de
merciouma moratoria.
N. i
lllm. Sr. Domingos Pires.--Particpo-lhe, que seu
filho Julio foi encontrado nos fondos de seu silio,
armado de luir, pretexto de procurar una vie-
ra. Depois do que lera havido antecedentemente,
quera iive>se algnm ensino ou nataral vergonha, te
devia abster-sede entrar, e invadir sitio eereado
de poasoas, eMB Quem anta mal; e i>or manir ag-
gravu essr seu Iiiho acreseentuu, que ha de passar
acerca mas as votes qne quiter, e que a vacca
fr chumbada elle lia de chumbar algueiu d>.' mi-
nha familia.
II i pi'-.-oas ncocrlgiveis,e especuladores de pro-
hssilo, que alinejan coiiieinla- e desordens para
d'ahi lirai'ein lucro. Eu. e as |iessoas de miulia fa-
milia nao somos desee numero ; mies detesta nos
sosa etasee de perver.-os eipacnladores.
O -i nhorsahe peifeiiain 'lile, que apezar do sof-
freniios >na m creaea.i B d'oose sen Qifto, 0 meu
filho Luiz pratioaa a geiiorosidado do dar nao s i pediraiu mais oulra meia garrafa.
algn* vinteus, ou sao parios monstruosos da
baixa e corruptora adtilaono.
Conscio da vir.iei i.nie do que venho de dizer,
estive a demiitir-me do propnaMo de escrever ai-
gomas ludias em leferencia ao proceder do lllm.
Sr. Severiano .1 is de Moura. subdelegado supplen-
em exerc cm. por oecasiio du factu erimin ao,
que oecorreil no eslabeleiioiento de taberna, sob
minha adioini-trarao, roa d> Ringel; e o fuia.
no dia 2 do rorrenle porventur;i nao me assis-
lisse tambem a ronviceao de qne, eslrangetro,
alheo as qit'sies poliiieas do paz, eii
meas negocios, jamis poder-se-ba acreditar qne
outro movel a nao ser o de rendir ao mrito a
devida lioiiieHagein, deierinina-rae a esoreve-las.
Assim. eu |iassn a expr o faci.
No da cima indicado pelas 8 horas da noiie,
e-lando cu ausente, app II H 81 m sci- pelos no es-
labolci amento, e podiram au eaixeiro I hes ve ral esse
.....a garrafa de agurdente; depois de beberau.
PUBLICARES A PEDIDO.
Pergunla-se ao Sr. Jos Francisco de Souza Li-
ma se sen lo Sute, empregado em matar bois, po-
de ao mesmo tempo sor subdelegado da freguezia
de S. Jos, lando tolas as semanas de ir comprar
gado em Santo Antn, e tendo ile liscalsar seus
propriosactos no matadouro e ae- ug ) ?
Se as visitas policiaos que Smc ha feito at
matadouro eacouiiues, iem quebrado facas e exa-
minado pesos tambem dos seus lalhos, ou somonte
o zelo exercido para com os dos outros ?
Se verdade o que dizem que Smc. na sexta-
fera 19 do Brrenle s 6 horas da inanhaa, e an-
tes que chegtsse ao matadouro o respectivo fiscal.
mandara esfoJar um boi seu que nmanheeora mor-
lo do mal trsle ?
O arl. 8 lit. 4* das postaros de 30 de junlto de
1849 diz assim: Ninjuem poder matar mes
doentcs ou mandar esfolar e esquarb-jar as que
appareccrem moras os donos ou por elles, admi-
nistradores sero multados em 30$000.
Tera com effeito o Sr. sttbdelegid i transgredido
o tal artigo das posturas aproveilando o conro do
seu defnnto boistnho ? Se assim (, vale a pena ser
subdelegado.
Se verdade taniDim que em nm dos dias da
semana pastada Smc. consentio que um boi que
calora quas morto de una boiala que vinha do
pasto, fusse esfolado. Bsqoartijado i repartida a car-
ne pelo povo, presenciando titilo isto um seu Iiiho,
e um inspector de quarteinte.
Se'tud i isto exaeio, louvores ao Sr. subdele-
gado que tao zeloso so mostranocumprimento das
posturas inunicpaes !
0 perfume do hi'misplierio occi-
(leinal.
Agua florida de Murraj \ l.anman.
(Extracto do Daily T mesl.
A verdadera prova da genuidade c pureza de
qualquer um perfttine extrahido (las flores consiste
na suaduradoura existencia quando exposto a in-
fluencia do ar. O aroma derivado de leos chun
eos desvanece em breve e deixa nps de s um
cheiro por certo mui punco agradavd, porm
aquelle que obtido mediante a destillae/i > de
frescas e odorficas llores, se apura e aperfeicoa
pe|. contacto do ag e par i'onsegi.inte a sua dura-
^;io de maior espaco de lempo, liis por isso que
a agua Florida de. Murray \ Lo imn, forman lo
tima concentrada prolueco das mais raras flores
do snl, apanhadas dorante zeni li da sua flores-
cencia e maior fragancia, nao s posase a fres-
quidaod' ora fraseo ramamete, mas tambem in-
cleslrurtivel a inextinsitivel, a nao ser a exeepc/io
da [avagara do lenco anteriormente humedecido
na mesma.
A' venda cm todas boticas ti tojas de perfu-
mrias.
COMMERCIO.
O Novo Banco de Perntimbuco convi-
da os credores admiltiilos ao passivo dis
DttSMS Je Mesijuita Duira e FraaciCO An-
tonio Correa Cardozo a recetar o primeiro
dividemlo tiestas massas, deven lo exhibir
os respectivos ttulos para ser annoiado o
pagamento.
Alfauriega
Rend ment do da l a 3
dem do dia 4.........
79.8165019
33 I47798
ilS.%3847
llovliuento ta aliaudega
Volumes entrados com fazendas...
t com gneros...
Volumes saludos com fazendas...
t t com goneros. .
163
2oi
------417
138
273
------ 411
"escarregam no dia 3 d) margo.
Barca franceza flio G'/oiideiixe-inercadnrias.
Brigoe inglez Jessie Scottrrv;io depedra.
Patachu inglez-'/pcrin(j=farinhi de trigo.
Barca franceza.1forn Amalianho e cemento.
Patacho oldeniburguez tortum diversos g-
neros.
Barca ingleza lliinlitta -mereadorias.
Barca ingleafisismia farinha de trigo.
Patacho italianoAl/iriodiversos genems.
Escuna hollandezaOra* Bmuttri Poli -carvao.
Patacho hespanholThercsita diversos gneros.
Iixior Brigne oMemburpuense JMotr-. rarregOO para
Valpaiai-o ll.li'.KI MtCeos com 11,140 arrobas de
a--uear branco.
Brigne poruiguez Helia fanrii'aue carregou pa-
ra lishoa 1,8it> arcos com o.o.'ii arrulms de assu-
car branco e 830 ditos rom 4,2"0 ditas d; dito
masca vado.
ileccbelria de i-cntlas lsslc^rna
gerae de lern:itu>ii'o.
Hend metilo do da l a 3 ........ 8 6884371
dem do da 4................. llioAISt
lmiiiitaro.
Dirclos de importa^o para consumo. .
Ditos addiconaes de 5 %.......
Ditos addicioiiaes de i %......
DltOS de baldearan e i eexpurt.'tcao .
Hitos de ditos e ronportaeio para a Cosa
d'Afriea............
Expediente dos gneros estrangeiros nave
gados por cabotagetn........
Ditos dos gneros do paiz.......
Ditos dos gneros livres........
Ai inazenagens...........
Premio dos aseigaadoa .....
Dcspuiin martimo.
Ancoragem............
Ditos de lo % das embarcaroo eslrangeim
que passam a nacionaes.......
Ditos de !i % na compra e venda das einbar-
caeoes ............
Exportadlo.
Diivilos de lo % do pao Brasil ....
Direios de 8 / de exprtatelo ....
Ditos de 2 addiconaes .*.....
Ditos de 1 / de t'Xportaco.....
Ditos de 1 %de otiro en barra ....
Ditos de '/i "/o dos diamantes.....
Expediente das capatazlas......
interior.
Mullas.............
Sello ilo papel lixo........
Dito do pa|tel proporcional......
Emolumentos..........
Imposto dos despachantes......
Extraordinaria.
Iteivita eventual.........
1863 a 1864
Dzimos da provincia das Alagos.....
Ditos da provincia da l'arahyba.....
Ditos da provincia do lo Grande do Norte.
Contribuco de caridade........
184:6424450
6?:623969
9!-8
185876
7314043
2:9954800
4V44435
1:2:1460?!
5
3:iS84S8d
134068
44000
4
140:8124364
56:3244945
5
4
5
2: i 165420
8884531
5294400
2485810
G9-W00
87450
1862 1863
757:8154758
6.-0664443
0:7314348
1:8934814
833587o
776:3o 152 o
353:0264090
45:7764229
875756
225910
58052o*
2:1834999
5074633
6:0235126
5
2:81859o0
10o5000
4
87:8784268
35:1314632
4
4
5
1:2115610
681-i I.Vi
6385200
2294*70
295800
814180
1861 1862
537:0334830
Ki75330
3:7824882
2:2394983
2565630
549:1005625
472:3974470
55:8614145
1584099
144420
1:0595908
1:3574157
5844956
1:0314038
8195198
2:4894850
4
754000
87:4035929
34:9644626
1:3275 CO
7785.590
7521860
4435144
384200
755O0O
904733
661:7335180
4:9685450
1:5625763
1924423
9585128
#59:4145944
Alfandega de Pernambuco, 29 de fevereiro de 1864.
O 3* escrplurarioy
Joao Bernardo Diniz Pessoa.
Navios sabidos 110 dia 4.
CanalPolaca au.-triaca Manjarrlha, cap lao le-
xandre Pacurerk, carga a-sucar.
Rio de JaneiroBarca americana Meneo, capitn
II. vYortingen, carga parte da que Irouxe de Plii-
ladelphia.
Aracalylliate nacional E.rhalaran, capitao Tra-
jano Antunes da Costa, carga' dilTerenles g-
neros.
Nao liouvcram entradas.
EDITAES.
Fjunldade de liiic lo.
De ordem do Exm. Sr. director se faz publico,
que em sessao da congregarlo de bonteas se deli-
liemu cpie as horas em que devem funeconar ;.s
dilTerenles aulas desta Paculdade, foram distribui-
das pelo modo seguinte :
Pi imeiro anno, primeira cadeira, das 12 a 1 ho-
ra 1 segunda cadeira, das 11 s 12 na terceira
sala.
Segundo anno, primeira cadeira, das 9 s 10 ;
segunda cadeira. das 8 s 9 na primeira sala.
Terceiro anno, prime-ra cadeira, das 9 s 10 ;
segunda cadeira, das 8 s I na terceira sala.
Quarlu anno. priineira cadeira, das 8 as 9; se-
gunda cadeira, das 9 s 10 na segunda sala.
Quinto anno, primeira cadeira, das 9 s 10 ; se-
gunda cadeira, das 10 s II ; terceira cadeira das
M 4s 9 na (piarla sala.
Foram designad para regar as cadriras, enjos
proprietarios se acham impedidos, os segnintes Srs.
Drs. substitutos : Para a I* do 1* anno o Dr.
Drummond ; para a 1" do 2" o Dr. Aprigio ; para
a 1* d 1 4o o Dr. Tarquinio; e para a 1* do 5- o
Dr. B.uideira Piltra. Foram adoptados os resenos
compendios do anno passado. Outro sim, se faz
publico, que os estiidanles Joao Pereira da Silva
Leite do 3 auno, e Eghflo Francisco das Chagas
do 4o, que re piereram para fazer acto, se resolveu
que fos.-em admittidos, e maicju-se o dia 7.
Secretaria da Faculdade do Direito 2 de mareo
de 1864.
Jos Honrio Bezerra de Menezes.
Secretario,
0 cidado Joaquim Antonio Carneiro, juiz de paz e
presidente da junta de qualdieaeo da freguezia
de Samo Antonio do Recife, ele.
Faro saber a quem coaviar, que a junta de
qualilcaco de-la freguezia. em virlude da lei tem
de reunir-se segunda-feira 7 do corrente, pelas 9
horas da inanhaa, na igivja matriz, para o recurso
dos 5 dias. alim de aceitar as reetasnaeBoa' ou de-
nuncias que por ventura BOOM haver daquelles ci-
daditos resilientes na mesma freguezia, e que de-
v nd 1 ser qualilicados nao foram incluidos na lista
geral dos votantes.
Recife 3 de marco de 1864. Eu Joaquim da
Silva Bego, escrivo o eserevi,
Joaquim Antonio Carneiro.
Pela inspectora da alfandega se faz publico
que no da 7 do correte ao meio dia, |Kirta da
mesma, serlo vendidas em hasta publica, de Coit-
formidade com o olticio do inspector da alfandega
do Rio Grande ao Norte, datado de 29 de fevereiro
prximo lindo, as joias abaixo declaradas appre-
hendidas pelo guarda-mr rnteriuo da mesma al-
fandega Tliomaz Beeehunps de .Mouteuiureiicy, ao
francs Luiz Resinan, as quaes foram eommettidas
pela mesma i esta, para seren vendidas na forma
do art. 759 do ivgulanientn das alfandega* : cuja
arrematafao ser livre de direitos ao arrematante.
Uina pulsera de ouroem forma de galo com 7
hrilhanies enuastados por 1804i unta dita dito lisa
com 5 brilltantes sobre o laca, 1504; uina dita
dito em forma de escama com 4 brillantes, 2005 ;
dousallinetes, ambos com 13 primantes por 5005;
um dito liso de forma e-ohertea com 2 brilhantes
sobre tringulos, esmaltados ifc' negro, 605; um
dito de peito com um bullanle niaior, e urna pe-
quea perola, 1604 ; dous ditos com diversos hri-
Ihantes cravados ent forma de piaba, leudo um
delles nma perola no pe, c e outro um |>equ-no
diamante, 1605 ; dous ditos com I brilhame cada
um. ambos 1405; um dito menor com 1 brilhante
5u5 ; um pequi-no Iraiicelim com um cruzeiro,
eontendo 7 diamantes, 1205; tres pare de bichas
com 1 diamante cada par, todas 2505 ; um dito
ditas coirfdiversos brilhantes em forma de pinha,
408; dous ditos ditas com I brilbanle rada 1101,
ambos 805 ; um dito dita em forma de lluo,
rom 3 brilhantes, 805 ; um dito dita de forma es-
pherica com 2 brilhantes, 305; um dito dita com 4
brilhantes >04; dona anno eum 1 brilhante, 805"
um dito com 3 diamantes, 254 ; um dito pequeo
rom 1 brilhante, 105". um dit> de Chapa rom 1
diamante, 45; um dito com Icamapheit, 405; um
annel de ouro sem pudra, 35; um bolo de dito
dito, 15000.
Alfandega de Pernambuco 4 de marco de 1864.
0 2" escripturario,
Caetano Gomes deSa.
doas dce 32 libras, oxido negro de ferro 4 oncas,
1 ponas deveado calcinada 4 libras, pilulasde Blan-
erad 30 ridros. pillas de Vaietl 3() vidros, pillas
de lia Iroay 12 i-aixas. raiz de valeriana 2 libras
saldo paTa opdeldoc 6 libras, subnirato de Bisnuith
I libra, subearbonalo de polassa 2 libras, siuarros
de slrainonio 30. sulfato de cobre fundido 4 ultras,
lartralo de putassa e soda 2 libras, lafet ingle* 24
papis, trtaro emtico 2 libras, vinho branro- St
libras, vinagre branco 24 libras, vinho de quinao
ferrte Morder 12 vidros. xarope do Penado v>-
dros de 8 ancas 24, xarope de Baulgny e Duch-
me! 12 vidros, xarope de mdureto de ferro de man-
can! 12 vidros. pupicina I mica, scilla 2 libras,
frasee-, de 6d> 410 2|0 e 1(024
Para o arsenal de guerra.
Pregas de assoallto milbeiros.
lara o 7." balalbo de infantara.
50 lotiets redondos para recruias.
ytirin quizer vender taes ob|eclos apresenlem as-
suas pmpostos em carta fechada na secretaria do
cotisellio as 10 horas da ni.uiha do dia 7 de mar-
co prximo vindouro.
Sala das sessoes do conselho administrativo para
fornecimento do arsenal de guerra 29 de fevereiro
de 186 i.
Antonio Pedro de S Barrito,
Coronel, presidente.
Sebastiao Antonio do Reg Barros,
Vugal secretario.
Co isellio de comprasnavaes.
Contrata a conselho no dia 5 de marco prximo,
sob as coadiejooa do esiylo e por tres mezes at
jiiulio, Cambeto prximo, o fornecimento de vive-
res,dietas e outros obje'tos de consumo aos navios
da armada e estabelecunetilos de marmita, cem-
posio o fornerimenio de arroz do Maranhao, agur-
dente I ranea de 20 graos, assucar branco RTwsso,
azi'ite core de Lisboa, aeite inerior, ararnta, ale-
I tria, bolacha, bacalho, bolachmha anteinana, cal
branca e preta, carne seeca do Rio Grande do Sul,
(caf em grao, carne salgada, carnauba em velas,
eat ne verde, cangiea ou milito pilado, cevadinha,
cha. farinha de mandioea da trra, feijo. galinha,
manuiga ingksta, malte, manteiga franceza, |iedra
bruta de alvenaria, pilo, sabio, lijlo de alvenaria
grossa, loucinbo de Uehoa, tapioca, vinagre de
Lisboa, velas .-learinas e violto de Uslaa,
Tambem sob as roiidiegi'S do.-hlo promove o
rousidho no dia 10 do corrente mez a compra dos
seguintS objeeios do material da armada : 100
medidas de azeite de paisa, 4 arrobas de algodao
em rama, 20 groflts de pennas de ac, 6 duzias de
tahona da louro para anilaimes, 3 duzuts de laboas
de amarello de 23 pollegadas de largura, 2 bom-
bas de Japy. 3 duzias de laboas de assoalbo de
amarello d 38 palmos de comprimento e 2 2 l|2
de largura, I peca de cabo de cairo de 4 1|2 polle-
gadas, 10 lences de ferro inglez de 3|8, 1 bar-
metro t iherinoinelro de Fortic na mesma peca, 1
llurinoinelro de ar, l Hiermonietro de rhuva, l
htdroiretro de commereio, i hygroinelro de Soiis-
sre, 4 caixas de vidro, .UOO azulejos. 1 ihermo-
melro Je Saxlod, I anemotnelro, 1 inuiinete de
W'olthman, t balde de ferro de irazer agua do fun-
do, 200 palmos de cano grosso de chombo, e 200
ditos de dito lino, 6 pbiaes de lotes material ver-
de e enramada, 20 arrobas de ntorrao, 50 eagn-
nhos, 40 pecaade iioha do barca, 100 vertedores,
1,000 fenea.i de rede, 20 lanlernas de patente, 50
varos de cobre de 3)8, 100 varees dito de 4|8
100 de dito de 5|8. e 600 rentos de faia.
EITerlaoroiisciito o contrato de fornecimento
e promove a compra dos objectos, vista de pro-
postas apresetitadas no* mencionados dias at as
II Imras da manhaare para o que convida aos pre-
tendenles.
Sala do conselho de compras navaes 29 de feve-
reiro de 1864.
Alejandre Rodrigues dos Aojos,
SecretarioJ
No dia 5 de-corrente lein de seren arrema-
tados na porta doSr. juiz de paz do t districto de
Santo Antonio os bens penhorados a Higoel (ioines
Corris, |tor enecofao. de Manuel Fructuoso da
Silva.
Pala oontadoria da cmara municipal desta
cKlade se faz pubiieo que a poca para pagamente
do ini|Htsto municipal sobre ea*as de negocio, liii-
da-se na ultno de manii vindouro, assim como
neeessario apr.sentar o conheciiiiento de 20 por
cento ptgo na recebedoria das rendas genes in-
ternas, o que se publica para ronlieciinento de
todos. Contadoria da cmara municipal do Recife
29 de f jvereiro de 1864.
O contador,
% Joaquim Tavares Rodovalho.
?!rrein.
PesaadoaiaislraeSo-dacrralo se faz publico que
hoje (5) as 3 horas da larde cm ponto fechar-se-ho
as malas que deve conduzir o vapor cosleiro Poro-
hiba co11 destino aos portes do sul al o Araeaj.
DECLRACOES.
10:8034493 \,\
Consulado |>ro^ ia, i,,}.
Rendimentodu dia la 3........ 9:7034590
dem do dia 4 .............. .. 3.4564727
13:2504323
Cuuscluit adiitiiiislralivo.
O conselho administrativo, para fornecimenti do
arsenal de guerra, leinde comprar os objectos se-
guiHles :
Para o hospital militar.
Charoovii a sonta e.iieo 1. assocar refinada r
arrobas amido 8 libras, a/eile doce "J ai i'oUts,.'!-
gua do Une de larangeira .t cnidas, acidn cetnra
.12 libras, agua inglca 2i garrafas, nrt* 2 libras,
biC'irlxiiiafeJ de soda 8 libras, balsamo iranqinlln
8 libras, bal-amo de luid 1 libra, ehloratfi de |io-
lassa i aunas, Confoitos de cubeltas o ferro 1 libra,
rlioi'olate do musgo iran lea 4 libras, rinella em
rasca 2 libras, eliloi.d'oruiio 1 libra, ciemor de
trtaro 6 libras, eatus para pillas (|toftagueza)
I gros-i, extracto d- alc-t-stis 2 libras, extraigo
giNiim mi d o;no i micas, extracto de linaiaes 4
extracto de cartma 4 ooq*s, extracto de ci-
cuta 8 uitavas, extracto de guaiaco \ om-a-, es|M>n-
ja grose 2 libras, eencia de rosaSmifas, em-
plaslro adesiv.....tend lo 20 varas, l./.'s oYunru 4
ibras, llr de anua l libras, gomuia arbica de
primeira qttalidado 32 titiras, gamma alcatira 4 li-
1 nma de batata 't binas, liespo sttlflu de
soda 8 oitavas, lermes iniuoral 8 oilavas, lutliaea
fuiera t arrullas, mana ctMumum.de primeira qua*
li da le 32 libras, musgo iran iez 4 libras, macolla
16 libias, nitrato do polassa i libras, uleo deauteu-
____AVISOS MARTIMOS.
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
P.iOUETKS V V.%.Pt>K-
lio, partos do^sul esmerado
o vapor Paran, comniandante o-
eapiliio de fragata Santa Biirbara,
o qual depois da demora do ros-
turne seguir para os portes do-
norte.
Desee j recebem-se passageiros e ongaja-se a
carga que o vapor poder conducir, a qual deven
m oiiihMoarta no dia de sua chegada, eucommen.
das e dmtieiro a (reto at o dia da sabida as 2 ho-
ras : agenria, ra da Cruz 11. 1, escriplorio de An-
tonio Luis de Oliveira Azevedo A C.
"COMPANHIA BRASiLEI-
DE
PAQUETES A VAPOR.
Do- portas d norte esperado
- -j.1 <^k at 0 iba 17 du C rente o Vapor
T lV Cruzrhvdo Sul, cuiuinaiidaille o
tlfifJt TTi capiiaa de mal e gueri a Cervario
""'SssTWTIP^ Mancebo, o qual depo> da demo-
ra do postumo seguir para se partos do sal.
Des le ja reeebetn-se passageiros eeitgaja-sea
carga que o vanm poder oondoiir, a qual devera
ler eiiibarcadu ih) da de sua ebegada : eiieom-
tnendas e dinheiru a frete at o dia da sahidas 3
horas, agtHieia ra da Cruz 11. 1, escriptuiiu de
Antouio Luiz de Oliveira Azevedo 0* C,


Diario de Fesutxlcij abbado o de Hateo de tSi.
COMPAA PERNAMBUCANA
DB
tfavejiaco costeara a vapor
Paranvha, Natal, Macdfr, Yicatv, Ceara, Mmi
c Granja,
No dia 7 re maree prximo s-
gira a- h >ias da tarde pan )S
porlos cima indicados o vapor
'Persinunjti, coininandane Bates.
Recebe desde ja carga M o dia 1!.
Encommendas. passageiros e dinheiro a frete al
o diada sabida s 3 horas da larde : escriptorio
na Forto do Mallos n. i._________________
COM ANUA perna.mbucana
DK
Navegaco costeira a vapor.
Macei f Sergipe
No dia 5 de marro proxirro
seguir o vapor Pamkyba, coi i-
madanie Hartns, para os per-
l.is ania indicados, s 5 horas
da tardo. Recebe carga al o d a
4. neomniendas, passageiros e dinheiro a frele
al dia da saluda s 3 horas da tarde : escriji-
torio no Forte do Mallos n. 1._______________
Eio de Janeiro.
Segu em poucos dias o brigue escuna Jorem
Arlhur, tem parle do seu carregamento engajado,
para o resto que Ihe falla e escravos a frete para
os quaes tem excellentes coinmodos trata-se com
os seus consignatarios Antonio Luir de Oliveira
Azevedo & C., no seu escriptorio ra da Cruz nr-
mero i._______________________________
Eio de Janeiro.
Pretende seguir com muita brevidade o brigae
Almirante, tem parte do sen carregamento promi -
to, para o resto que Ihe falu trata-se com os seus
consignatarios Antonio Lata de Oliveira AzevedD
tiiC, no seu escriptorio rui da Cruz n. 1.______
Rio de Janeiro.
Segu imprcterivelini'iitr no dia 10 do corrente
o palhabote nacional Piedatlr, tem a seu bordo par-
to do seu carregamento, para o resto que Ihe fall
e escravos a frete para o quaes tem excellentes
commodos: trata-se com os seus consignatario;
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C, no seu os-
eriptorio ra da Cruz n. 1_________________
Rio Grande do ShI.
O patacho D. Luiz segu com brevidade, c re-
cebe alguma carga a froto : traia-se com os con-
signatarios Marques, larros & C. largo do Corpo
Santo n. 6.
Tcn'afeira 8 dft raarco de 18(V.
O agento Pinto far leiVao oon autorisa \m dos
liquidalarios d.-i massa fallida de Jos Antonio llas-
to*. de lodos o* precios cima mencionados, as 11
horas do dia .ipudito em seu escriptorio ra
da Cruz u. 38.
O inda.
O padre Jos Estoves Vianna avisa nos pais do
familia residentes nesta cidade, que tem aberto as
- Urna senhora encarrega-se de mandar lavar
o engommar roupa de alguns senhores cstudantes,
porcommodo preco : queni onizer, dirjase a la-
DE
Elgftlll Espirito Santo, nina parte do
ciigcnlio Fe retoza e de una cscrava
por uoiue l.ui/a (ausente)
% i. de mareo corrale,
O agente Olimpio requerimento do depositario
da massa fallida de Manoel lfuarque de Macedo
Lima e mandado do Illin. Sr. Ur. juiz municipal
da segunda vara far ]eilao em presenca dos mes-
mos do engenho denominado Espirito Santo com
bera feitorias c moenda. de urna parte do engenho
Fi rrecoza o da cscrava Luiza (ausente.) O leilao
ser cffeetnado no armazem do referido agente
ra do Imperador n. 16, no dia cima pelas 14 ho-
ras da manhaa.
AVISOS DIVERSOS.
Associacao Typographica
Pernal nbucana.
Sabbado, 5 do corrente, s 7 horas da tarde e
no lugar do costume, havera sesso ordinaria do
conseiho director.
Secretaria da Associacao Typographiea-.Pcrnam-
bucana, 3 de mareo de 1864.
_______Carlos Dias, i" secretai i4Mg\6l%;. ^
suas aulas de primeiras letras, lalim e francez, des- i ""na da fundico, que dir onde deve procurar .
de o dia I desto mez, na ra de S. Ment, no so- tambem quer-se aluhar urna pela que faca o ser-
twado que volta para a na do Porto Spguro. i Vl de casa, e saiba engominar.
Precisa-se de 600,5 por auno, dando-se todos
os metes 25j pelos juros: quem quizer anouncie.
A amiga e Sol).-. L.\ Capif. de S.\ Joao
d'Eseoss.*. sob o distinct.-. til.-.Seis de Marco de
1817do Orient.-. de Pernamb... reune-se em seu
- Precisa-se na ra da Aur.na n. 26, de u.n fem ,. na ni;l njreita n 3| uia doiningo 6
rapazinho de boa conducta, que saiba guiar carro. do f0rrn, ^ hf>rl< ria ,.,, |)ara 0 ,|ue
Joaquim Rabello Pessoa, morador em 01 inda, sao pelo presente convidados lodos os seus mui
por ler euconlrado outro de igual nome, resolveu dignos membros, por ordem do Resp.*. liui.-. Ve-
scriptorio de advocicial
V na do Qnciniado n. 30, pii-
niciio andar.
O advogado Cicero Peregrino coniinua
no exercicio de sua proflsuo na ra do
roa do Qui-iiiiaiio n. 30, priineiro andar,
onde pode ser procurado das 11 s 3 ho-
ras da larde.
Kio Grande mi Sul
O pitacho nacional Salle, recebe carga par;i
aquelle porto frete commodo : a tratar eoni o;
consignatarios Baltar & Oliveira, ra da Cadcu
numen. 26. ___________________________
Para o Porto.
Segu at o dia 10 do rorrete, a veleira barc;.
IKirtugueza Claudina, por ja ler seu carregamento
prompto, recele somante passageiros, para os quae.
lem excedentes commodos, a tratar com os consig-
natarios na ra da Madre Je Deus n. 3, ou coin o
rapito.
Para Lisboa.
Saldr com toda a brevidade o niuito veleirc
brigue portuguez Constante II, por ter quasi
prompto todo o seu canvgmiento, tem escolenles
commodos tinte da car trata-se com Manoel Ignacio de
Oliveira & Filho no largo do Coipo Santo .,19.n
Para ILisboa
segoe com apossivel bre^ idade o bem conhecido-
lugre portugnez alio, para o que lem grande par
te da carga engajada -, para o resto e passaireiros.
aos quaes offerece bons conmodos. trata-se com c
consignatario Thomaz de Aquino Fonseca, na ra
do Vigario n. 19, primeiro andar, ou rom o cap-
tio o Sr. Francisco Antonio Meirelle*, na praca.
Pitra Maranho c Para
pretende seguir rom muita brevidade o brigue na-
cional imma. tero part de seu carregamento
prompto : para o resto qiu Ihe falta, trata-se com
o seus consignatarios Ailonio Luiz de Oliveira
Azevedo c C, no seu escr ptorio rna da Cruz u. 1.
Para o Porto
A bem condecida e veleira barra portugueza
Restaurarse pretende sabir com brevidade per ter
a bordo a' maior parte de seu carregamrnte e pa-
ra o restante e passageiros, para os quas lem
magnficos commodos, trata-se com os seus con-
signatarios M. J. Ramos e Silva & Genros, ra do
Vigario n. 10.
PARA 0 RIO DE JANEIRO
segu com brevidade o brigue Trovador, recebe
carga e escravos a frele : trata-se com os consig-
na inu> Marques, Barros & C, largo do Corpo
Santo n. 6. _________________________
Para o Porto
pretende seguir com muita brevidade a barca por-
tugueza Feliz, tem parle de seu carregamento a
bordo : para o resto que Ihe falla e passageiros.
paraos quaes tem exrellenles commodos, trata-se
com os seus consignatarios Antonio Luiz de Oli-
veira Azevedo A C, no seu escriptorio ra da Cruz
numere i.
liMisase de nm aiHiitmiflor
para entregar este Daro do Manjtni-
niio a Apipucos: na Imana ds. 6 c 8
da praca da Independencia.
Lotera extraordinaria.
Aos IO:000#000 c 3:000O
Quinta-feira lo iln .nnvnto, se xtro-
liir a segunda parle da priineira toteria
i benelicio da igreja do recolliiinento do
Confie de Joras de Igurasso, polo plano
junto, approvado pan :is cxlrares das par-
tes extraordinarias das loteras.
Bsle plano 6 superior ao que eslava adop-
tado para as loteras extraordinarias por con-
tar melbores e maior numero de premios,
e tambem prefervcl ao das loteras de fon
da provocia,porque oontendo apenas 3,000
billietes, o dono de un tora de entrar na
extraccSo mjogo de 3,000 nmeros, quan-
do as outras estes nunca sao em menos de
6,000, sendo que as estrangeiras un nu-
mero premiado jogasempre contra i!) )
braceos, e se or de premio maior Qcari
sujeiin usura de um grande descOQlO
lalin dos da le), nao aconlecendo assim
com o da lotera desta provincia, que pa-
go com a maior prompUdSo.
O abaxo assTgnado, pos, chama a au.'n-
co do respeilavi'l publico para o que vem
de expor, avisando que os impostes e mais
liunilicios resultantes da venda nesta pro-
vincia, dos bilbetes das loteras de lora,nun-
ca serao applicatlos nella, que, infelizmenle,
para a reconslrucco e reparos de seus
templos e casas de instrueco e caridade,
quasi que so tem o recurso dos beneficios
de suas loteras.
(is bilhetes,mitos e qtwrtos ach m-se
venda na respectiva tliesouraria ra do
Crespo n. 18 e as casas commissionadas.
PLANO.
:(00 bilhetes a 105......30:0005000
Beneficio, sello c commisao 20 OjO 6:0005000
Liquido. 21-.0005000
assignar-M do dia 3 de l'ev.-reiro passado em dian
te, por Joaquim llabello Pessoa de Hrito.
Sitio na Capulina.
Aluga-se um sitio na Capunga, que j fol do fal-
lecido Joao Leite de Azevedo, tem boa casa de vi-
venda, com janellas as quatro frentes e commo-
dos stillicientes para familia, cozinha fra, quartos
para escravos, cocheira, cacimba; o mesmo sitio
tem algumas arvores. todo murado, com portiio
para a estrada : a fallar com ios Maria Seve, na
ilha dos Hatos, ra do St-ve n. 16, visinho da |>onte
de ferro que vai da mesma ilha para o tlicairo de
Santa Isabel. '__________________
Precisa-se de nina ama para casa de pouca
familia, s para cozinhar : no pateo de S. Pedro
numero 20.
OITereco-se um rapaz estrangeiro para feitor
de engenho, do que tem toda a pratica precisa :
quem daseu prestm) precisar se poJer dirigir
ruido Pilar, em Fora deportas n. 69,que la acha-
tcomquein ir:iiar._______________________
- Trecisa-se le urna ama que cosinhe bem : na
ro da Cadeia do Recite, n. 40 primeiro andar.
Precisa-se aramdar um sitio perto da praca,
mt^^anasto para vaceas; quem livor dirija-se
i* P^nha n. 1 taberna.
M>a-se iim cont de ris, a pr(
casa terrea, livre
&Q|hcca em
aenbw^ayacidaile : quem
taj^ itara ser tiv^irado
Preci
sobra hy-
baracada,
ara pelo
ner.-.
0 Ir.-. Hiram Gr.\ 30.-.
Secret.-.
Aurora Francisca Cavaloanii Lima convi-
da aos amigos do sen presado e fallecido ma-
rido Joao da Costa Lima Jnior a assistirem
a nii-;a de Rquiem que por sua alma faz
celebrar pelas 7 horas da manhaa do dia o
do corrente, na igreja matriz do Corpo San-
to, pelo que desde j Ihes antceipa os seus
protestos de gratidao e reconhecimento.
Antonio de Souza Povolide convida aos
seus amigos ao acompanharein na assisten-
ria da missa que por alma d(> seu mui pre-
sado amigo e socio Joao da Costa Lima J-
nior, faz celebrar na Igreja matriz do Corpo
Santo, pelas 7 horas da manhaa do dia o do
correte, a viuva do mesmo fallecido. Por
tao especial obsequio Ibes tic.ir summamen-
te grato.
sa-se di um ofllcial de rharuteiro : na
ra da Cadeia do Recife n. t:t.
_____------------------------------------------------
Aluga-M' nina ama (pie saiba cosinhar e fa-
xer todo mais servico de urna casa de pequea la-
t-lia : na ra da Gloria a. 36.
Precsa-se de nina balanca grande e os seus
prefMHatHpaK j seja usada : a'ra Nova n. 58, de-
posila.
Procisa-se de
mas que engomme ;
is, primeiro andar.
urna ama livre ou escrava,
na ra estreita do Rosario n.
AVISO.
Pergunta-se a quem possa responder se um
mandado de preceito se faz necessario transitar
oa chancellara e transitando no presidente da re-
lcelo pode assignar sem estar pagos os direitos.
Lava-se e engomma-se roupa com perfefao
! por preco commodo : na ra do Aragao n. 28, se
achara com quem tratar.
Precisase do um caixeroque lenha bastan-
te pratica de taberna e que d fiador de sua con-
ducta ; a tratar no pateo da Santa Cruz n. i c 4>
A commissao encarregada da cobranca das
letras emittidas na circulacao pela extincta thc-
souraria provincial convida aos Srs. possuidores
daqoellcs ttulos a comparecer no dia 8 do cor-
rente ao meio dia, ra eslreila do Rosario n.
-X. aflmde tomar conhecimenlo do que ha occor-
rido acerca do pleito intentado, e bem assim a
determinar o procedimento futuro que deva ter a tender a reclamarlo alguma.
mesma commissao respelto de semelhante in-
cumbencia.. Recife, 3 de marco de 1864.Anto-
nio de Moraes Gomes Ferreira.Adriano Xavier
Pereirade Brito.Manoel Joaquim Ramos e Silva.
Caiieirt.
Precisase de um caixeiro para taberna de 12 a
Ii annosde idade, e que saiba cumprir com suas
obrigaeoes : na ra da Cruz do Recife n. 3\.
Jos Jeronjmo da Silva subdito porluguez e
sua inulher vao a Europa.
l Premio de .
1 Dito do .
2 Ditos do 5005000
i Ditos de 2005000
7 Ditos de 1005000
12 Ditos do 405000
29 Ditos de 205000
7'ti Ditos de 105000
800 Premios.
2200 Blancos.
10:0005000
3:0005000
1:0005000
8005000
7005000
4805000
5805000
7:440,5000
24:000500000
LEILOES.
IiEILAO
DE
300 barricas cmn uolachinha.
HOJE
Henry Fostor & C. fariio leilao por intervencao
doagente Pinto, de 30' barricas com bolachinlias
uliimamente chegadas de Philadelphia no brigue
Inglez LapwiiiQ, s 11 horas do dia cima mencio-
nado no armazem do Sr. Anncs em frente alfan-
dega. _______________________________________
DE
ZO barrieas com castanhas mul-
to novas.
Segunda-feira 7 do corrente.
Por cunta de quem pertenrer vender o agente
Pestaa 20 barricas com castanhas novas desem-
barcadas hontem, as quaes serao vendidas em um
ou mais lotes : segunda-r. ira 7 do corrente pelas
10 horas da manhaa no armazem do Anncs.
; 3000 Bilhetes.
Dos 7 premios de 1005000 dous pertencerao aos
nmeros mais approximados ao que obtiver o
premio de 10:0005000.
Dos 12 ditos de 405000 dous pertencerao aos
nmeros mais approximados ao que obtiver o pre-
mio de 3:0005000.
Dos 29 ditos de 205000 quatro pertencerao aos
nmeros mais approximados aos que obtiverem os
premios de 5005000.
N. B. Os premios maiores de 4005000 estao su-
jcilos aodc.-conto de 4 por cento porlei provincial,
e os maiores de 1:0005000 ao de 12 por cento por
lei geral.
Tesouraria das loteras 27 de fevereiro de 1864
O thesoureiro.
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
iElLlO
DK
100 s cees com arroz de Maranho.
Segunda-fcira 7 do corrente.
O agente Pestaa vender em leilao por conta e
risco de quem periencer em um ou mais lotes a
rontade cerca de 100 saceos com arroz do Mara-
nho : segunda-feira 7 do corrente pelas -10 horas
da manhaa no armazem do Annes.
DE
90 saceos com millio saceos
grandes.
Terea-feira 8 do corrente.
Por conta c risco de quem pertencer o asente
Pestaa vender cerca de 90 saceos com excellen-
te milhoem um ou mais lotes: terca-feira 8 do
corrente pelas 10 horas da manhaa no trapiche do
Cunha.
LEIAO
PR EDIOS
A SABER \
Um sobrado de dous andares na travessa do L-
vramenlo n. 11, chaos foreiros.
Cm dito de dous andares na ra das Aguas-Ver-
des n. 7u, chaos foreiros.
Um dito de um andar na ra de Santa Rita n.
".'i chaos foreiros.
terrea no pateo do Paraizo n. 31,
ch\)i proprios.
Duas casas terreas na ruado Moodegp ns.69 e
71, chaos proprios.
Duas ditas terreas na ra do Mondego com sollo
n. 73 e 75, chaos proprios.
0 ciriirgifio Leal mudou
a sua residencia da ra do
Queimado para a ra das
Cruzes sobrado n. 36, pri-
meiro andar, por cima do
armazem Progressista, aon-
de o acharao como sempre
prompto a qualquer hora pa-
ra o exercicio de sua pro-
fisso, chamado por escripia,
INFAllli
Pede-se ao Sr. marchante, que andou no dia 24
de fevereiro de 1864 com urnas letras, dando 4 0|0
a quem assignasse para tirar 8:0005 da caixa ti-
lia!, como se arranjou com este negocio, men ami-
go, nao ha mais quem queira assignar estes papa-
gaios. Meu bom amigo, nos diga como tem se ar-
ranjadocom os 17:5005000 do Sr. C. Hora, dga-
me, este maiiii i tica desgranado, nao compra mais
um boi na (aira nem um bode, e Vmc. edificando
bons predios, boa casa mobilhada de Jacaranda,
inclusive sua companheira e seus pequeos. Ago-
ra Vine, tem recurso, passar as compras dos gados
para Santo Anto.
j tlin cao.
Ralbina Firmina da Silva Rosa, professora par-
ticular, tem aberlo sua aula de instrueco prima-
ria na ra do Vigario n. 20, segundo 'andar, all
acharao os illuslrcs pais de familia que a quizerem
honrar, confiando della a educaco de suas Binas.
O cuidado que toma em suas alumnas urna ga-
ranta de que aproveitaro muilo, tanto na ins-
trueco como nos trabalhos de agulha.
canto
lllOllt
a tratar na ra Nova us. 9 loja de II. Du-
Anjos
No pateo do Carmo n. 22, vestein-se anjos com
oslo e pcrfeic,o, sendo todos os vestuarios novos
e bem orntdos, que a todos agradarSo vista do
gosto, e commodidade de prego.
ffi o advogado Dr. .Manuel 5H Machado Psrtclla, contina a ter o seu 23
| escriptorio no primeiro andar da casa n. H
| 83 da ra do Imperador.
,21/0
Compendio de dlrelto civil. 0 abaM assigliado, arrCmatanie das dividas da
.Na ra da Saudade n. V, vende-se 0 loja de mindezas da ra do Queimado de Joaquim
compendio de direito civil, approvado pelas I Jos da Costa Pajotes Janior e da loja de fazen
congregacSee dos lentes das maldades de
direito desta cidade do Recife e da de S.
Paulo para as respectivas
civil patrio.
aulas de direilo
Precisa-.-e de um caixeiro com bastante pra-
tica de molhads para o armazem do Dalisa, largo
do Livramento n. 38.
Na ra do Sebo n. 47, deseja-se fallar com o
Sr. Joaquim Augusto Ferreira Uuimarcs, natural
da freguezia de Monte-cordova. no Porto, a nego-
cio de sea inlcresae.
Attrnco
Desappareeea na tarde de 4 do corrente, desde
as Cinco Ponas at a inspeecao do algodao. um
menino branco, de nome llerrulano, idade de 12
annos, inaisou menos r levando paletot pardo de
bnm, calca de castor, chapeo de feltro pardo :
quem o achou, queira leva-lo seu pai, as Cinco
Ponas, rancho do Sr. Carralho.
tavel publico a compra dos seus mui felizes bihe-
tes garantidos, lembra-lhe a vantagem que ha em
receber os premios por inleiro, por quanto quem
lrar a sorte de 10:0005 em bilhete garantido nao
receber somente 8:4005, em vrtude dos descon-
tos de 16 |0que Ihe faro em vista das leis, mas
sim os 10:0005 que vem a ser os ditos 8:4005 e'
mais 1:0005 que pagar o abaxo assignado, im-
portancia de ditos descontos, aconlecendo o mesmo
com as outras sortes. Os premios serao pagos co-
mo de costume.
Precos.
Bilhetes inteiros..... 125000
Meios bilhetes...... 65000
Para as pessoas que comprarem
de 1005 para cima.
Bilhetes........ 115000
Meios......... 55500
Manoel Marlins Fiuza.
DESPEDIDA DO
GABINETE PTICO DE
RECREIO
Caes 8* de .Hovembrod. lo.
Frenle ao passadico do llnifc.
O primeiro sem segundo rival (pie n'uma
si noite apresenta to grande numero
de vistas dos piizes mais notaveis
do tinixerso.
O director deste espacoso salo liojc e
.Na ra do Crespo n. 15, se aluga ama boa
casa e sitio no Monleiro, com frente para o oito
da igreja.
Advocacia. m
^ Os advogados Manoel Joat) Perera de ^
"+" M,'" c Anlonio Bangel de Torres Ban- ag?
^ deira tem o seu escriptorio na ra es- S
jJP treita do Rosario n. 10, primeiro andar. 3P
a| e ah podem ser procurados das 10 horas 2g
*f da manhaa al s 3 da tarde.
Os abaxo assignados participain ao respcila-
vel publico, e com especialdade ao corpo do com-
mcrcio, que desde o da 31 de dezembro do anno
prximo passado. amigavelmrnte dissolveram a so-
ciedade que tinham na loja de ourives na ra lar-
ga do Rosario n. 24 A, que nesta praca gvrava sob
a firma de Guimaraes & Barros, Orando desde essa
occasio cargo do socio Pedro de Almeida Gui-
maraes todo o activo e passivo da referida socie la-
de ; por isso que com elle se devera entender qual-
quer pessoa que por ventura sejulgue credor ou
devedor mesma. Recife Io de marco de 1864.
Pedro de Almeida Guimaraes.
Jos Joaquim Goncalves Barros
Fugio do engenho Santos Mendes, comarca
de Nazareth, na madrugada do dia 19 de fevereiro
do corrente anno, urna escrava de nome Josepha,
pertencente a Laurenlino Gomes da Cunha Perera
li'llro, a (pial tem os signaes seguidles : crioula,
Alugam-se as lojas do sobrado n. 44 em
a ra da Aurora : quem pretende-las diri-
ja-se loja dos Srs. Bastos k Magalhes,
na ra Nova, que acharao com quem tra-
tar.
O conselheiro Francisco do Paula Baptista e
seu filho o bacharel Grarihano de Paula- BapQsta,
advogam no seu escriptorio na ra das Trinchei-
ra (, primeiro andar do sobrado n. 19, aonde se
acham prsenles todos os dias alis, desde s 10
horas da manhaa at s 3 horas da tarde.
Xa ra da Aurora n. 26, precisa-se de um
rapazinho de Loa couducta, que saiba guardar
carros.
Precisase alugar um escr;>.vo para comprar
e fazer qualquer outro servico iue for chamado:
a tratar na ra da Cadeia n. 62, segundo andar.
Precisa-se alugar una ama para casa de pe-
quena familia, para todo o scrv.ro de casa, e que
seja fiel : na ra doCabug n. C__________
Criados.
Precisase alugar urna escrava para servico in-
terno, e um moleque de boa conducta : na ra da
Cadeia do Recife n. 52, terceiro andar
A viuva de Jacntho Silvestre Vicente conii-
nua com o estabelerimiMilo que tinba seu finado
marido, propondo-se a dar jantares para fra por
preco commodo e as*io : quem precisar, procure
na ra da Guia n. 38, primeiro andar. Na mes-
ma casa cima se precisa de negras por aluguel,
para compras e servico de casa.
Alugam-se o segundo e terceiro andares do
sobrado da ra do Trapiche n. 48, cam frente para
o lado do Corpo Santo : a tratar no armazem por
baixo.
IldirL TKOVAIIOK
Angelo Itomeiro Pinhelro tendo comprado o
muito conhecido e acreditado hotelTrovador
sito na ra larga do Rosario n. 44. participa ao
Mtpeitavel publico que se acha prvido de ludo
quanto necessario para satisfazer a exigencia de
qualquer freguez. Outro sm communco, que lla-
vera nelle mesa redonda para os assignantes e
avnlsos, e que fornece comida para fra, nao s
para qualquer estabelecimento como para rasas
particulares, por preco mdico e a contento. Este
estabelecimento acha-sc preparado para receber
qualquer hospede que nelle queira assislir, para o
que offerece os melbores commodos.
DENTISTA DE PARS *
19llua Nova-19
Frederico Gautier, cirurgio dentista,
faz todas as operaeSes de sua arte, e col-
loca denles artificiaes, ludo com superio-
ridade e perfeieo, que as pessoas enten-
didas Ihe recontaeeem.
Tem agua e pos dentificio.
Perdeu-se no dia 27 noite, um leque com
pouco uso, de varetas de madrepcrola dourada e
borla branca, desde a ponte nova ra do Apol-
lo : quem o achou e quizer restituido pode levar
praca da Independencia ns. 6 e 8, que ser re-
compensado.
Tendo-se de proceder o inventario dos bens do
fallecido cirurgio Francisco Jos do Amaral, mo-
rador que foi 110 engenho Manguinho, roga-se
todos que liverem direito ditos bens por qualquer
lido, hajam de apresenta-los na travessa da Vi-
raran n. 27, no praso de oito das, para serem ve-
rificados e attendidos, lindos o quaes nao se at-
Xa livrara do Xogueira, ao p da ponte \t-
Iha do Recife, vende-sc o comperdio de hermemu-
tria jurdica, e pratica do processo civil do conse-
HieiBo Francisco de Paula Baptista. __________
O abaxo assignado, socio rio na razo de Joaquim Jos da Fonseca & C, faz
ver ao corpo do commercio e a quem nleressar,
que desde 30 de junho do anno prximo passado
de 1863 se acna amigavelsiente dissolvida a socie-
dade que tinha com o Sr. Joao Ferreira da Silva,
na taberna da Capungvrua das Crioulas n. 27,
Uciio de plano e de canto. ; por occasio do mesmo senhor rr para o mato Ira-
Hdame Fanny Booreau d licoes de piano e de 1l3r de sua sude, e como a extincta firma nunca
Saques sobre Portugal
Oabaixo assignado, agente do banco
8 mercantil Porluense nesta cidade, saca ef-
feetivamente por todos os paquetes sobre
o mesmo banco para o Porto e Lisboa, por
qualquer somma, vista e a prazo, po-
dendo logo os saques a prazo serem des-
contados no mesmo banco, na razo de 4
por cento ao anno aos portadores que as-
sim Ihe convier : as ras do Crespo n.
8 ou do Imperador n. 51.
Joaquim da Silva Castro.
m mm
Prcclsa-se de unta ama rom leite:
rua Augusta n. 5.
Precisa-se de urna ama com bom leite c sa-
dia : na rua do Caldeireiro n. 56.
comprasse a crdito, julga nada dever, mas se al-
guem se julgar seu credor, queira, no praso de
tres dias, apresentar documentos legaes, findos os
quaes, por nada se responsabiliza o annunciante.
Recife 2 de marco de 1864.
_____________Joaquim Jos da Fonseca.
- Precisase de un menino de 10 14 annos,
para caixeiro de taberna, preferitdo-se Portugnez:
na Capnnga. taberna junto a pad:.ria.
O bacharel Manoel Firmino de Mello .conti-
na na sua profissao de advogado. podendo para
isto ser procurado na rua do Qu i mado n. 8, pri-
meiro andar, das 9 horas da manhaa al as 3 da
tarde.
Precisa-se de um boineiu que saiba dirigir
urna earroca com boi e una canoa : no sitio do
Sr. Luiz Cambronne, em Santo Amaro.
Aluga-se o terceiro andar da casa n. 88 da
rua da Imperatriz, c o sobrado n. 193 da rua Impe-
rial : na rua da Aurora n. 36._________^^^^
Gelo, gelo, g-elo.
Com a chegada da nova machina nao se expe-
rimenta mais falla de gelo fabricad* com agua do
Praia, todos os dias a qualquer hora, para por-
1. grandes ou encommendas para fra da pro-
vincia dever haver aviso com antecedencia : rua
da Aurora junto a fundico onde tem a bandeira
mmmm-wmM mmmmm
f Curso de preparatorios
v< Francez,
P$ Geometra,
H Geographia,
^ Rhetorica
mm rua do Queimado 11.30, primeiro andar,
y** das 10 s 2 da tarde.
Q bacharel Thom Fernaudes Madeira de
Castro mudou o seu escriptorio de advogacia da
rua do Imperador n. 71 para mesma rua n. 77,
primeiro andar, e contina a advogar no adminis-
trativo, commercio, civel, crinie e ecclesiastco.
Antonio Jos Ennes Braga vai Cumpa, e
suppondo nada dever, pede a quem se julgar seu
credor. para que Ihe aprsente sua conta no pra-
so do 24 horas. _____________________
AOS I0:00,000
CASA DA FORTUNA.
Itilhetes garantidos
A' rua do Crespo n. 23 e casas do rosliime
Quinta feira, 10 do correle, se exlrahir a se-
gunda parle da priineira lotera da igreja do re-; sar-se de seu presumo, pdem p.-ociira-lo na rua
clhimenio de Iguarass. do Aragao n. 26, sobrado, de manhaa al as 9 ho-
0 abaixo assignado, recommendando ao respei- ras, de tarde das 5 por diantc.
das da rua Direila de Fajozes Jnnior & Azevedo,
avisa aos deredores das ditas lojas tanto da praca
como do mallo de virem pagar seus dbitos ao
abaixo assignado no largo do Collegio junto ao so-
brado amarello, ou na rua de lionas n. 104 ao Sr.
Fajozes Jnior al ao dia lo de mareo, do contra-
rio lera de entregar ao seu procurador para co-
brar judicialmente. Recife, 10 Je fevereiro de
1864.
Anlonio Joaquim Fernandos da Silva.
0 prolessor de flores de cera.
Contina a dar licoes de flores de cera com a
maior perfeieo possivel: formando em 30 lines
um rico quadro com todos os vegetaes. (cando as
disripulas habilitadas a tazerem todas as qualida-
des de flores e fruclas conhecidiis c aquellas dos
paizes da Europa : as pessoas que quizerem ulili-
amanliaa domingo < do corrente, pela ulli-: eslalura regular, corpolenta, cor fula, pos grandes
mi ve/ np ma_ vw nesta ciuauo, tata anetaas apresen-1 apressada) muite disposta, ladina, deutes perfeitos
tar^es de novas vistas de meia em meia llo-
ra de nlervallo durante a concurrencia do
respeilavel piiMieo. 0 dito salao estar
aherlo das ti Irl horas da noite ateas II
horas, aonde se pode ver mais de oO vistas
por lo diminuto preco. Kntrada 500 rs.
No mesmo salo se vende um grande rea-
lejo por commodo preco.
e limados, nariz chalo, rosto largo, cabellos cara
pintaos, olhos vivos e um tanto saiapantados, com
30 annos de idade, pouco mais ou menos, foi com-
prada no Recife ao fallecido Joao Jos de Gouveia,
tendo viudo de ('.arrpalos, comarca de Limoeiro.
Iepois que foi comprada, tem feito diversas fgi-
das, e sempre se dirigido para Liinoeiro e seus ar-
rabaldes, onde j passou mais de anno em una de
suas fgidas, tendo sidoabi appreliendida, por isso
; de presumir que para l se lenha encaniinhado,
ou tambem para os sertoes : rogase s autorida-
Francisco Garrido avisa ao respeilavel publico,
que na sua easa denominada Traviaia, na rua lar-
ga do Itosano 11. 37, lera disposico de boje em
diantc dous buhares de mogno competentemente
preparados : refrescos, srveles, etc.
ociedade de seguros mutuos
de vida installada pelo Banco
i 11 fio na cidade do Porto.
Os agentes nesta cidade e provincia Antonio
Luiz de Oliveira Azevedo & C escriptorio na rna
da Cruz do Itecife n. 1, esto autorisades desde j
a tomar assignaturas e prestar todos os esclarec-
mentos que forem necessaros, as pessoas que de-
sejarem concorrer para tao til e benfica empre-
zas.egurando um futuro lisongeiro aos associado,
Casa de commissao de escravos na ma
do Imperador n. 45, terceiro andar
Nsla casa reeebem-se escravos por commissao
para serem vendidos por conta de seus senhores,
nao se poupando exforcos para que os mesmos se
jam vendidos com promplido afim de seus senho-
res nao solTrerem empale cun a venda delles. A
casa tem todas as commodidades precisas, e segu-
ranea, assim como alianca-se o liom tratamento.
lia sempre para vender escravos de ambos os se-
xos, velhos e novos
ajo O solicitador Amonio Carlos Pereira de
2 Burgos Ponre de Len, ainda aceita al
g3 guias casas de partido e encarrega-se
D de qnaesquer questoes judiriaes ou exe-
S cugoes por mais difilceis i]ue sejam, pe-
i rante o foro dcsia cidade como fora del-
la que nao excedam de 15 leguas. E' elle
encontrado as salas das audiencias ou
na rua Imperial sobrado n. 64, das 6 as
9 horas da manhaa e das i horas da tar-
de em diante.
m___,_____,,_____
Base 2:0005 a premio sobre bypolheca em
um predio nesta praca ; na rua das Cruzes n. 7.
se dir quem d.
No e*ci iplorio de Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo & C, rua da Cruz n. I, deseja-se saber
se vivo ou muri Jos Antonio Gomes Ribeiro
d'Oliveira, que saino de Lisboa para Pernatnbuco
em novembro de 1H07, chegando a esla cidade em
Janeiro de 1808, aonde foi para caixeiro do nego-
ciante Yillela, esteve nesta casa 10 annos, depois
retirou-se para o interior onde se estabeleceu;
mas ignorase a trra. Ficou correspundendo-se
com este Yillela e os lilhos. os lilhos deste que
poderao dar inibnnacSes. Consta que anda na
iwueos anuos este Jos Antonio era vivo.
Precisa-se de urna pessoa que tenha alguma
pratica do oflici) do funileiro, que queira ir para o des policiaes, eapites de campo, c qualquer Des-
mato, algumas legoas arredado desta praca, da-so
condueco e pagase bem: a tratar na rua das
Crnxes n. 38, loja.
Por ordem da mesa regedora da irniaudade
do glorioso patriareha S. Jos do Riba-mar, o so
cretario convida a todos os irmos para domingo,
6 do corrente, aclurem-se reunidos no consistorio
da referida irmandade, s 10 horas
soa, a captura da mesma, e leva-la seu senhor.
no referido engenho. que sero generosamente re-
compensados, ou na praca do eo nmercio aos se-
nhores Manoel Ignacio de 'Oliveira A Filho. Pro-
testa-se, armado com a lei, proceder contra quem
quer que a conservar em seu piule'.
Freta-se ou toma carga a frete para (pial"
da manhaa, quer porto do norte ou sul, a barraca Flor do Mar.
allin de proceder-se a eleico da nova mesa rege- que se acha ancorada na escadinh 1: a tratar com
dora.O secretaria. o mesteo da mesma, na travessa dos Guararapes
Feppe de Paula Arruda. n. 7, ou a bordo.
Adv
rocana.
O bacharel Joao Goncalves da Silva
Monlarroyos tem escriptorio na rua 68-
treilado Rosario n. 17, onde pode ser
procurado das 9 horas da manhaa s 3
da tarde dos dias uleis.
Xa rua Nova n. 30. precisase alugar um pre-
to para carregar um caxo com miudezas com
outra pessoa. sendo bom paga-se 303 por mez.
(HTerere-se para administrador de qualquer
engenho um portuguez sem familia com muitos
annos de pratica de agricultura e distilar o : quem
de seu servico precisar dirija-se rua do Crespo
n. 17, que achara com quem tratar.
AVISO
A pessoa que dr noticia de Mathildes Maria da
Concieao finalmente legalisada, ser bem gratifi-
cada, dirgindo-se rua do Ainoriin n. 13, segun-
do andar, entender-se com o Sr. lieophilo Pedro
do Rosario esto por parte do professor Joaquim
Douiiiigues da Trindade, na provincia de Sergipa ;
esta mulher viera da provincia cima em 1856 pa-
ra 57, em eompanhia de un tal Manoel Cabocolo,
ofllriil de sapateiro, para esta cidade, c consta que
fallecer.
Na ruado Amorim n. 58, segundo andar, so
precisa alugar una escrava para o servico de casa
de familia, pagamlo-se bem.
Precisa-se de um amassador que entenda
perfeitamenlc do trabalho : na padaria da rua
Heal, no Manguinho, n. 25.
Pierre Puech, subdito francez, retirase para
Euroia.
Antonio de Moraes Gomes Ferreira retira-so
para fra do imperio.
TI1KATR0 DK APOLLO.
Sociedadc Helpomene Pernambucana.
De ordem do Sr. direcior convido aos senhores
socios para se reunirem em assembla geral do-
mingo, 6 do corrente, s 10 horas da manhaa, no
lugar do cosiume.
Recife 5 de margo de 1861.
O Io secretario,
______________________M. Vianna.
Do sitio do Mondego n. 40, defronte da fabri-
ca de rap, fugio um guar, cor de rosa : quem o*
entregar em dito sitio se gratificar.
* *
J^ Fugio na noite de 3 de corrente a negra
"3^ Germana, com os signaes seguimos: levou
_- vestido de roupo escuro j velho, tem a
cor fulla, olhos amarellados, tem urna perna bi-
chada proveniente de erisipela, costuma embebe-
dar-se, tem diversas sicatrizes no rosto e testa.
a-sun como costuma a mascar fumo, tem mul-
tas irosas e j velha tendo cabellos bran-
cos : quem souber noticias ou a pegar levem-a
rua das Cruzes n. 18, que ser bem gratificado.
Julga-sc estar acoutada em alguma casa o que se
prole? la com todo rigor da lei. ___________
A pessoa que tiver tuna preta escrava para
alugar dirjase rua da Cadeia do Recife n. 43,
segundo andar.
Aluga-se, comprase, troca-so por casas tor-
reas, adianta se alguma quantia pelo arrendameu-
to, um sobrtto de um andar, com bastantes com-
modos ou mesmo de dous andares, embora menor,
sendo as ras principaes da Boa-Vista ou de San-
to Anlonio: quem tiver dirija-se rua do Cabug
loja de cera n. 5.
- Precisa-se de um criado, prefere-se a um de
12 20 annos ; na rua da Senzalla Velha n. 140,
segundo andar.
COMPRAS.
Compra-se garrafas e botijas vazias : na rua
das Cruzes n. 42, junto a esta typographia.
(Comprase effeciivaraente ouro e prata em
obras vellias: na praca da Independencia n. 22
loa de bilhetes.
Coirpra-se urna escrava sadia e que seja perita
cozinhera : na rua do Queimado n. 39. loja.
(. ompra-se e Afectiva-
mente
ouro prata em obras velhas, pagando-se bem ,
na rua larga do Rosario n. 24, loja de ourives.
(2ompram-se garrafas vasias : na rua Direi-
ta n. 72._______________________________
diarrafcs.
Corr.pramse garrafoes ee lodos os tamanhos a
320 rs. : no armazem da Aurora Brilhante, largo
da Santa Cruz n. 84.
Paga-se bem.
No largo da Santa Cruz n. 12, compram-se dous
caixdes grandes envidracados, assim como se pre-
cisa de um caixeiro bem pratica em taberna.
YENDAS.
LIVROS RELIGIOSOS.
Na livraiia n. G e 8 da praca da Indepen-
dencia, vende-se as seguintes obras, a 15000
cada urna.
0 Novo Mez de .Maria OU mezdemaio, con-
sagrado Gloriosa M3i de Deus, por um
sacerdote da diocese de Belm, traducido
do italiano e adoptado pelee reverendissi-
mos padres capuchnhos de X. S. da Pe-
nli; da ddade do Reeie.
Relicario Anglico de Jess Cbristo e de Ma-
ria Santissima, offerecido a Nosso Senhor
Jesjs Christo, preso columna. iNnvis-
sima edicao com a oraco mental, novas
devoces N. S. da Conceicao da Rocha
e enriquecida com eslampas.
Visita ao SS. SS. e a Maria Santissima, para
todos os dias do mez, Actos de prepa-
racao e acc3o de gracas para a sagrada
coinimmlio, Modo de ras8r a ora
das Dores de Nossa SeoRont, e Actos
que o cliristao deve l'azcr todos os dias.
Novissima ediccao adornadas com diver-
sas estampas, e augmentada de novas de-
vocQea N. S. da Conceigo da Roclae
. Via Sacra.
O Devoto GhristSo, instruido no compen-
dio da doutrina, as regras da vida de-
vota, no exame de consciencia e prepa-
racTio para a conissao e communhSd! no
modo de ouvir missa e meditar o rosa-
rio, e no conhecimenlo das indulgencias
concedidas aos seus confrades.Novenas
da Asseuco do Senhor, da Conceico e
do Natal, das Almas, a novena e trezena
de Santo Antonio, a Va-Sacra breve, e
outras muitas devoces, com indulgencias
panichiaes e plenarias.
Vendcm-se saceos com milho muto novo a
3^200 : na taberna da rua do Sol 11. 29.
ATTKN(JA0
Vendem-se saceos muito grandes com milho
muilo novo, o melhor que ha no mercado, por pre-
co commodo, cada sacco d dous dos de Maman-
guape : a tratar na trapiche alfandegado de Ga-
millo I.cinos, rua do Trapiche.
Vende-se una linda vacca lourina aleila ao
pasto : a tralar na Iravessa das Cruzes n. 14Jloja.
Vende-se urna armaco de louro em perfeilo
estado com todos os pertodees para taberna : na
rua do Rosario da Boa-Vista n. M.
Vendem-se o [tares de a/.as para an-
jos, por preco commodo : na rua da Impe-
ratriz loja n. 72 A.
Para a quaresina.
Ricos cortes de vestidos de chamalote, morean-
tique com llores.*f.uenda nova, enfeites para ca-
brea de senhora, e ricos pontos para tranca e ban-
dos, guarnecidos de perolas, vende-se ,muto bara-
to no armazem da Eiposicao de Londres, na rua
da Cadeia do Itecife 11. 60.
Vende-se para mais de cento e otenta mi-
Iheiros d'e tenas e lijlos de alveuana balda, la-
drilbo o tapamento ; no becco das llarreiras olaria
11.15, acharao os pretendentes muilo barato em
cun-equencia da melhor qualidade da obra que
pdeapparecer, para ver e. ajusfar podem dirigir-se
rua Novan. 49, armazem de louea, ou na nes-
ma olaria com o socio e administrador Zacharias
dos Santos Barros.


Diario de E*crnauibiico Safobado 5 de llarco de 864.
n VSBIE REVOIiU^AO
NO
ARMAZEM
DO
45 Ra Direita
Oicam! oam!!!
45
CALCADO
0 horaem do movimento nao estaciona.
AVANTE E SEMPRE
GUERRA AOS INDHGOS
Nao se admittc a auio commercial:
Nao se qner a (liaba da alliaaea.
Nao se teme a furia dos corsarios.
Este anuo ba de ser bltsexto.
Os cauhoes esto preparados..
FOGO! BOM FOGO!! MELHOR FOGO!!!
Abano a lisa d'agoa no vioagre
Viva a liga do genuino Lhercs com o Hambre!
Viva o conservador d.is conservas inglczas!!
Vivam os libcraes frcguezc> do BAUZA !!!
Vivam todos que lercm este aimum io.
SENIIOIIES
SEN HORAS.
O proprietario do grande Armazem do Baliza estabelecido ra do Livramento ns.
38 e 38 A, defronte da grade da igreja, acaba de, reduzir os precos de quasi lodos os
gneros do seu magnifico deposito.
A tarifa abaixo publicada attesta bem esta verdade.
A guerra aos inimigos, esl portante assim declarada.
As pessoas, ainda asmis exigentes, que se dignarem vir este estabelecimenlo,
Ocarao por certa muito satisfeitas, nao s quanto s qualidades das gneros, como com o
tratamento todo attencioso que se lhes dar.
Alm do cumprimento dos deveres da boa educacao, haver d'oraem diante ainda
maior capricho em satisfazer todos que honraren esta casa.
Os gneros pelas qualidades e procos annunciados, sero offerecidos ao exame
dos Srs. compradores. Noreceieo publico que se pratiqueo contrario, como em oulras
casas, que at annunciam o que no tem-----O Baltza nao illude....
Ameixas francezas emeaixinhas e em frascos. Licores inglezes e francezesem vazos de di
de diversos tamanhos a 4,2oo, i.Goo,
2,ooo, 2,5ooe2,8oo rs. e a libra a 8oo rs.
Amendoas novas a 32o rs. a libra.
Azeite doce refinado a 8oo rs. a garrafa.
dem de Lisboa a 6io rs. a garrafa e 4,8oo
rs. a caada.
versos tamanhos a l.ooo, l.ooo e 4,8oo
rs. a duzia.
Marteiga ingleza flor a 8oo rs. a libra e de g
libras para cima ser aberto um barril na
presenca do comprador,
dem de 2/ e 3.1 qnalidade a 7oo, Goo e 4oo
Bom e novo, a primeira nocessidade para a sau-
de c aformoseamento do individuo I
Meu Ueos I... que ps de pavo se lobrigam por
essas ras que figura horrenda e nauseante a
de um paletot bem talhado sobranceiro a um
(Hiedes roido em duas solas I um balo bem tor-
neado e bambaleante dcscubrindo urna pouta de
bolina safara e carcomida 11
Sauta Barbara!! Corram ra Direila, bellas e
rapazes I sacudam na praia esses malditos guedes,
o comprem :
ltorzeguins de Xantes 85000.
Ditos francezes de bezerro 75.
Ditos francezes para homem '>5-
Ditos para senhora, de lustre, enfeilados, o500.
Ditos para senhora, gaspia alta, 45800.
Botinas de menina ZjwOO.
Ditas de cores pata menina 2,5000.
Sapaldes de Xantes de duas solas o$.
Ditos de sola e vira 45500.
Sapatos de borracha para seuhoras lo6U
Ditos para meninosi000.
Sapatos de lustre para senhora 1$.
Ditos de tapete para homem e senhora 800 rs.
Ditos da liga constitucional 500 rs.
E um sortimento comple.o em sola, vaquetas,
couros, bezerro francez como nenhum, couro de
lustre muito grande, e ludo quanto pertence arte
de S. Cbrispim.
V
2
RIJA il V CA1IEIA 1IO RECIPE M. 53.
NOVO E
GEA1TDE AUMAZ'&U

'-;:
MOLHADOS
( Periwe da Moda.
RA DA A1IEIA DO UjECIFjE U. 53.
Francisco Fernandes Duarie acaba de abrir na ra da Cadeia do hecifen. 53, um grande e sortido armazem de molhados de-
nominado Unido Mercantil. Neste grande armazem encontrar sempre o respeilavel i ublico um complelo sortimento dos melhores
gneros que vem ao mercado, tanto esuangeiros, como nacionaes, os quaes sero vendidos em porgues ou a reaibo por pelos assas
commodos.
Manleiga ingleza especialmente escolhida Vinagre de Lisboa a 200 rs. a garrafa e
de primeira qualidade a 800 rs. a libra, 1)5200 caada.
em barril se faz abatimento. A/eite doce retinado em garrafas brancas a
Manteiga franceza a mais suprior do mer- 800 rs.
cado a 5G0 rs. a libra, e 520 rs. em barril Azeite doce de Lisboa a 610 rs. a garrafa e
ou meio. 40800 a caada.
Prezuntos nflezes para fiambre, de superior Genebra de Hollanda a 500 rs. o frasco e
qualidade, chegados neste ultimo vapor, a j 5)5800 a frasqueira.
r a

AGUA FLORIDA
De Murray Alpiste a 16o rs. a libra, e 4,8oo rs. a arroba, i rs. a libra.
Arroz do Maranho, da India, e Java a 8c e dem franceza a 560 rs. a libra, e em barril
loo rs. a libra. i I,or menos.
Idemem latas a 250G0 e a 15500 a lata.
Aletria branca e amarella a 4oo rs. a libra-
Araruta verdadeira a 32o rs. a libra.
Massa de tomate em barril a 480 rs. a libra,
dem em lata a 640 rs. a lata.
Batatas novas em gigos de 36 a 4o libras por Mostarda ng|cza 40o e 600 ris o pote.
i.ooo rs. e a 4o rs. a libra. Mannelada imperial dos melhores fabrican-
Biscoitos inglezes Lunch a 18oo rs. a lata de tes de Lisboa a 600 rs a )bra
5 libras. Marrasquino de zara a 8oo rs. o frasco e a
Idom de diversas marcas era latas menores #$ a duzja#
a i,3op rs.
dem de Lisboa de qnalidade especial em la-
tas grandes e pequeas a 3,ooo e l,5oo rs
Massas para sopa, ta-lharim e macarrao a
480 rs. a libra.
Ide.n finas, estrelinlia e pevide, caixinha
Bolachinhas americanas, a 3,ooo rs. a barrica com g |ras a. IdOOO.
e 2oo rs. a libra.
Banha de poreo a 44o rs. a libra, e em barril
a 4oo rs.
Baldes americanos muito proprios para com-
pras a l.ooo rs.
Cha huxym, hysson e perola a 3,ooo, 2,8oo,
2,5oo, 2,oo e l,6oo rs.
dem preto a 2,ooo, l,6oo e l.ooo rs. alibra.
Ch.inpagne a melhor do mercado a 12,oooo
gigoe a l,2oo rs. a garrafa.
Chocolate francez primeira qualidade a I,loo
rs. a libra,
dem hespanhol a l,2oo rs. a libra,
dem suisso a l.ooo rs. a libra.
Esto raro fnffo defiendo perfuma 6
quasi que incxtinguivel o lio cheo lo
mimosa fragrancia e frescura como o
delicado ceirur das proprios verdecen-
toa flores. Dorante os mezes caloren-
I verSo o son uzo torna-so minen-
temontc aprazivcl o desejavel em eoit-
aeqnencia da influencia refrigiranto c
suave que ella prodaz sobre a pelle:
em quanto que tizada, no baohe ella
imparto o corpo lnguido e caneado
nina certa ulasticidade de vigor e torca.
Ella imparte transparencia ae fei
i. nioc: panno*, tardas <. bertoeyas d
sobrt a ptUt.
Nozes a I6o rs. a libra.
Peixe preparado de escabeche, da melhor
qualidade que tem vindo ao mercado, a
1)5 a lata.
Presunto de lamego muito superior a 480;
rs. a fibra,
dem pa'ra fiambre (inglez) a 640 ris a
libra.
Ideai americano a 400 rs. a libra.
Papel almaco a 30000 a resma,
dem de peso a 2f a resma.
Palitos para denles a 160 rs. o maco.
Dito dito de flor a 200 rs.
Ditos do gaz a 25200 a groza
Cervejabranca marca Allsopps a 4,5oors. a'Passasnovas a 480 rs. alibra e a 1,5800 a
duzia, e a 4oo rs. a garrafa. j ':?!xa- at~nn
Cognac inglez a Oio rs. a garrafa a 8oo e a Quijos flamengos do ultimo vapor a 2^OO.
j qqo pg i Dito londiino a 900 rs. a libra.
Concervas inglezas em frascos grandes a 75o Dito prato a 640 rs. a libra.
rs o frasco Sardmhas de Nantes a 320 rs. a lata,
dem'francezas de muitas qualidades a Soo'Dilade Lisboa a 640 rs. em lata grande.
rs. o frasco e a 5,5oo rs. a duzia. Saj muito superior a 240 rs. a libra.
Charutos neste genero temos grande sorti- Sai refinado,em potes de vidro, a 600 rs.
ment tanto da Bahia como do Rio de Ja- o_ pote.
neiro a 1,6oo, 2,2oo, 2,5oo, 3,ooo e 4,ooo Sa .ao massa a 120, 160, 200 e 240 rs. a
Tojcinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Caf do Cear muito superior a 28o rs. a libra rj|0 de San(os e 300 rs a |Dra-
e a 8,00a rs. a arroba. | Tijolo para limi>ar facas a 140 rs. cada um.
dem do Rio a 3oo e 28o rs. a libra. Vassouras americanas a 64o rs, cada urna.
Ceblas a 9oo rs. o molho com mais de loo u(.m d0 porlo a 400 rs, cada urna.
O TOXICO 0BIEST1L DE KEXP
PARA 'OS CABELLOS,
tima preparacao adiniravel para lim-
par, afonnoeear, conservar e rettabelc-
cer 03 cabellos.
venda as boticas de Caors & Barboza,
ra da Cruz, e Joao da C. Bravo d C, ra
da Madre de.Deos.
Os precisos tal Iteres pa-
ra crian cas.

Chegaram e acham-se venda na ra do Quei-
mado, loja d'aguiabranca n. 8.
720 rs. a libra.
Queijos flamengos chegados neste ullimo
vapor a 2)5800.
Queijo prato muito fresco e novo a 610 rs.
a libra.
Castanhas muito novas a 120 rs. a libra e
e 35000 a arroba.
Cha uxin o melhor que ha neste genero,
mandado vir de conla propriE a 20800
rs. a libra.
Cha hyson muito superior a 2,5560 rs. a li-
bra ; cha hyson proprio para negocio a
1,5500 rs. a libra.
Cha preto muito superior a 23 a libra.
Biscoutos inglezes em latas com di Arenles
qualidades, como sejam craknel, victoria,
piquelez, soda, captara, seed, bornez e
oulras muitas marcas a 1)5350.
Bolachinha de soda em latas grandes a 20.
Figos em caixinhas hermticamente lacra-
das, muito proprias para mimo a 1,5500.
Caixinhas de 4 e 8 libras de figos de coma-
dre a 15 e 25 cada urna.
Passas muito novas, chegadas neste ultimo
vapor a 50J rs. a libra e 33 um quarto ;
e em caixa se faz abatimento.
Ameixas francezas em latas de meia a 3 li-
bras a 800 rs.
Champagne da marca mais superior que
tem vindo ao nosso mercado a 183 o gigo,
garante-se a superior qualidade.
Vinho Bordeaux das melhores qualidades
que se pode desejar de .75500 a 83000 a
caixa e 720 a 800 rs. a garrafa.
Caixas cora vinho do Porto superior de 93
a 10a duzia, e 90Oal5a garrafa; deste
genero ha grande porcao e de differentes
marcas acreditadas que j se venderam
por 149 e 153 a caixa, como sejam: Duque
do Porlo, Lagrimas do Douro, D. Luiz,
Camoes, Madeira secco, Carcavdlos, Nc-
tar de 1833, Duque Genuino.
Vinho de pipa: Porto, Figoeira o Lisboa, a
400,480 e 560 rs. a garrafa, e 35, 35200
e 35500 a caada.
Vinho branco de superior qualidade, vindo
j engarrafado a 640 rs. a garr?fa e a 500
rs. de barril.
Caixinhas com ameixas francezas, ornadas
com ricas eslampas na caixa exterior, i Chouricase paiosem
muito proprias para mimo, a 1520 >, 13500 por 73.
Sardinhas de Nantes a 340 rs. o quarto e 560
rs. meia lata.
Latas com peixe em posta : savel, corvina,
vezugo, cheme, linguado, lagosiinha, a
13300 rs.
Salmiio em latas, preparado pela nova arte
de cozinha, a 800 rs.
Maca de tomates em latas de 1 libra a 600
ris.
atas de 8 e meia libra
e25.
Frasco de vidro com lampa do mesmo, con-
tendo meia libra de ameixas francezas, a
15200.
Marmelada imperial, dos melhores conser-
vemos de Lisboa, em latas de 1 e meia a
2 libras a 600 rs a libra.
Fructas em calda das melhores qualidades
que ha em Portugal em latas hermtica-
mente lacradas a 500 rs.
Peras seccas muito novas a 640 rs. a libra.
Nozes muito novas a 160 rs. a libra.
Amendoas de casca molle a 400 rs. a libra.
A velaos muito novas a 200 rs a libra.
Amendoas confeitadas de diversas cores a
800 rs. a libra.
Macaas e peras chegadas neste ultimo vapor,
muito perfeitas, s vista se faz o preco.
Conservas inglezas em frascos grandes a 750
rs. cada um.
Ervilhas francezas e portuguezas em latas de
1 libra a 640 rs.
Ervilhas seccas muito novas a 160 rs. a
libra.
Chocolate francez, oque ha de melhor nesle
genero, a 15200 a libra.
Chocolate hespanhol a 13200 a libra.
Genebra de laranja em frascos grandes a 19.
Cerveja branca e preta das melhores marcas
que ha no mercado a 500 rs. a garrafa c
57800 a duzia.
Cognac inglez de superior qualidade a 800
e 15200 a garrafa.
Licores francezes das seguintes qualidades:
Anizete de Bordeaux, Plaisir des Dames
e de oulras muitas marcas a 15 a garrafa
e 105 a caixa.
Marrasquino de Zara a 800 rs. a garrafa e
95 a duzia.
Mostarda ingleza em potes j preparada a j
400 rs.
Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra e
83600 a arroba. .
Bolaxinha ingleza a 320 rs a libra e 43 a
barrica.
Sag muito novo a 240 rs. a libra.
Cevadinha de Franca a 200 rs. a libra.
Farinha do Maranho a 120 rs. a libra.
Araruta verdadeira a 320 rs. a libia.
Cevada a 120 rs. a libra e ?5 a arroba.
Alpistaa 160 rs. a libra e 45fc('0 a arroba-
Batatas muito novas em gigos com 40 libras
por 1550O.
Cebollas a 15 o molho com mais de 100 ca-
da um.
Caf lavado de primeira qualidade a 300 rs.
a libra e 93 a arroba.
Caf do Cear muito superior a 280 rs. a li-
bra e 85400 a arroba.
Caf do Bio, proprio para negocio, a 8.
Arroz do Maranho a 100 rs. ?. libra e25fc00
a arroba.
Arroz de Java a 80 rs. a libra e 29400 a
arroba.
Vellas de spermaceti a 560 rs. a libra e
540 rs. se for em caixa.
Vellas de carnauba refluada a 320 rs. o mas-
so e a 95 a arroba.
Doce de guiaba a 640 rs. o caixo.
Macarrao, talharim e aletria a 480 rs. a li-
bra ; em caixa se faz abatimento.
Eslrellinha, pevide e arroz de massa para sopa
a 600 r$. a libra e 35 a caixa com 6 libras.
Palitos de denle lixados com flor a 200 rs.
o masso, ditos lixados sem flor a 160 rs.
o masso com 20 massinhos.
Gomma de engommar muito fina a 80rs. a.
libra.
Banha de porco refinada a 480 rs. a libra e
400 rs. em barril pequeo.
Charutos dos melhores fabricantes de S. F-
lix, em caixas inteiras ou em meias, de
13600, 23e35.
Moslarda ingleza em p, em frascos grandes,, Presuntos do reino, vindos de conta propria
a 13cada um. de casa particular,a400rs.alibra; intei-
Sal refinado a 500 rs. o pote. rose fazabatimenlo.
Y
Os senhores que comprarera de 1005000 para cima, teriio o descont de por cenlo, pelo prompto pagamento.
UM

ceblas.
Chouricas e paios a 72o rs. a libra.
Cevadinha de Franca a 2oo rs. a libra.
Cevada muito nova a 80 rs. a libra.
Copos lapidados a 5 e 6,000 rs. a duzia.
Doce de goiaba em latas a 4oo rs. a libra,
dem de caj em latas a 320 rs. a libra.
Ervilhas francezas e portuguezas a 5oo e 64o
rs. a lata.
Aelas de carnauba e composico a 320 rs. a
libra e a 103 a arroba,
dem stearinas superiores a 560 rs. o
maco, e em caixa por menos.
Vinho do Porto, neste geneno temos o me-
lhor sortimento possivel, que vendemos
por precos muito haixos a 15 a garrafa e
a 10/ e 12 a duzia.
dem Cherry, e da Madeira em barris e em
dem seccas a 16o rs. a libra. f> j a caixae barrii conforme
Figos de comadre em caixinhas com 8 libras tamanbo
or 16oo rs !Wem de F|gu,ira e Lisboa, em ancoras de
Fa inha do Maranho a 12o rs a libra. 8 a 9 caadas, por 285000.
Farinha de trigo muito superior a 12o rs. a!D'U>em pipa a 35000, 33500 e43ooo a ca-
libra nada
Farelo m saceos grandes a 4,ooo rs. o sacco M5m_do Porto, denomiuado Baliza, a 53 a
Genebra ingleza marca gato a 1,00o rs. a gar-
rafa.
caada,
dem idem em garrafoes a 25500, com o
garrafo.
dem verdadeira de Hollanda em frascos muito idem.de Bordeaux, das melhores marcas que
grindes a l,2oo rs. o frasco,
dem de Hollanda em frascos pequeos a 5oo
rs. o frasco.
dem de laranja a l,ooo o frasco.
Gomma do Aracaty a 80 rs. a libra.
Graxa a loo rs. a lata e l.loo a duzia.
Linguas americanas de grande tamanho a
l.ooo cada urna.
vem ao mercado, a 65 a caixa e a 640 rs.
a garrafa.
Vinagre de Lisboa a 15600,158oo e 25000 a
caada,
dem idem.cm garrafoes com 5 garrafas, por
13 com o garrafo.
V nho de caj a 15 a garrafa. Este vinho
tem dez annos.
Ra da Senzalla n. 42.
Vende-se, era casa de S. P. Johnston A C,
sellins e silhoes inglezes, candieiros e casti-
caes bronzeados, lonas inglezas, fio de vela,
chicotes para carros e montara, arreios para
carros de um e dous cavallos, e relogios de
ouro patente inglez.
GAZ GAZ GAZ
por preco rcdiizldo.
Vende-se gaz da melhor qualid.de pelo
pre o de 103 por lata de 5 gajes : no ar-
mazem do Caes do Ramos n. 18 e ra do
Trapiche Novo n. 8.
~ Vende-sc um cachorro de rara, proprio para
um sitio; quftm pretender dirija se a taberna do
caes do '-olkgio no passeio publico.
Yendem-se saceos com farinha igual a de Muri-
beca. por prego mais commodo do que em outra
qualquer parte : no Forte do Matto, armazem de
Joaouim rrancicode Alem.
Feijao feijfio feijo.
lina la Madre de Deus ns. & e 9.
Vende-se sarcos grandes com feijao das seguintes
qjnlidades : branco, amarcllo, rajado e mulatinlir,
mais barato que em outra qualquer parte, assim
* como sardinhas em harrlsde 1,200 por 5,5000, ludo
p -opn'o para lempo de qnaresma._____________
Farello a 43 o saece grande : no pateo da
Santa Cruz n. i. junto a padaria.
Linas de louvin.
Recebtu-M lava* de Jouvin brancas e pretas
proprias para a quaresma : na ra do Quoimado
leja do heij.i llor n. 63.
Tranciuhasde lia lisa para enfeites de ramisinha
de senbora.
Rcceben-sc, tranciuhas do, diversas cores pe-
er de 30 varas a 640 rs., e de 120 rs. pequeas :
na ra do Queiinado loja do beija flor n. 63.
Enfeites de redinhas com laeo ua frente.
Etocebeo-se, variado sortimento deenfeUesde
diversas cores a J3400 : na ra do Quoimado
loja do beija flor n. 63.
Vende-se um novilhote : na taberna do A-
or na encruzilhada de Belcm.
Lazinlias modernas do l'av.io.
Vendem-se as mais lindas laazinhas. de urna s
cor e com quadrinhos. chegadas pelo ultimo vapor,'
pelo barato preoa de .'00 rs. ocovado, ditas escos-
sezas c ditas transparentes : s na loja do l'av.io,
ra da Imperalriz n. 60, de Gama k Silva.
As caifas pidas do Pavo.
Vendem-sc calcas de casemira preta muito bem
feitasa*i. SfSOO, 6, "e837 paletots de panno
preto, saceos, a 73, ditos sobrecasacos a 123,163,
20 e -'-3, rolletes de casemrra preta e de cora
43'00 e 53, calcas de brim de hnho pardo e de
cures a 23*J00 e 33, ditas a 23, ditas de caxemira
da scossia a 33, ditas de meia casemira a o'3o00, {
isto para apurar dinheiro : na loja do Pavo, ra
.la Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Chapeos de sol do Pavo.
Vendem se muito bons chapeos de sol de seda
com aspas de balea, pelo barato prego de 6 e 75,
ditos marquezinhas para senhora a 23300, albur
nos de borracha para chuva, colarinhos de papel :
s na loja do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Alijodozinho com toqne.
Vcndcm-se pecas de algodozinho com pequeo
loque de avaria, pelo baratlssimo prego de 4 e 53:
na loja do Pavo, ra da Imperalriz n. 60, de Ga-!
ma t Silva.
As easemiras do Pavo.
Vendem se fimssimas easemiras enfestadas de
urna s cor e com msela, proprias para capas de
senhoras. roupas para homens e meninos, pelo ba-
rato prego de 33400 o rovado : na loja do Pavo,
ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
As chitas do Pavo.
Vendem-se chitas claras e escuras, pelo barato
preco de 240 e 280 rs., ditas francezas a 300 rs.,
320,' 360, 400 c 500 rs. o covado, fusto branco
para roupa de meninos a 400 rs., ditos de cor a:
320, lazinhas escossezas a 400 rs., ditas pretas j
para luto a 200 rs. o covado : s na loja do Pavo,
ra da Imperatriz 11. 60, de Gama & Silva.
Os grosdenaples do Pavo.
Vende-se grosdenaple preto, muito boa fazenda, i
a 15600, 13800, 23,23500 e 33, sarja preta hes-1
panhola a 25. mourantiquc preto muito superior a ;
5300O o covado : s na loja do Pavo, ra da Im
peratriz n. 60.
Para hite vende o pavao.
Vende-se setim da China, sendo urna fazenda to
da de brim sem lustro, com 6 palmos de largura,
muito leve, propria para vestidos, capas, e roupa
para homens e meninos, pelo barato prego de 23200
e 23500 o covado : na loja do Pavo, ra da Im-
peratriz n. 60, de Gama Silva.
Chales para lulo vende o Pavo.
Vendem-se chales pretos proprios para luto, ri-
camente bordados : s na loja do Pavo, ra da
Imperatriz n. 60, de Gama c\ Silva.
RA 5*0 QtJEIJIADO V. 45,
Passando o boceo da Congregacao segunda casa.
> un i
flj
NOV1DADE.
Perora Rocha A C. acabam de abrir na ra do Queimado n. 45 um armazem de molhados denominado Clarim Commeraul,
onde orespeitavel publico encontrar sempre um completo sortimento dos melhores gneros que 'cm ao nosso mercado, os quaes
sero vendidos por precos muito resumidos como o respeitavel publico ver pela tabella abaixo mencionada : garanto-so o bom peso
e boa qualidade dos gneros comprados neste armazem.
Chouricas e paios muito novos a 800 rs. a Palitos do gaz a 20200 rs. a grosa.
liDra. Passas muito novas a 480 rs. a libra.
Cevadinha de Franga muito superior a 20 Peras seccas muito novas a 000 rs. a libra.
rs. a libra. Painco a 200 rs. a libra.
Cevada a 80 rs. a libra. Polvo seco muito novo a 400 rs. a libia.
Ervilhas portuguezas a 040 rs. a lata. : Presuntos de Lamego em calda de az
ls dem seccas muito novas a 200 rs. a libra.! muito novo a 040 rs.
com ricas estampas no interior das caixas Figos de comadre e do Douro em caixinhas Queijos Ihimengos do ultimo vapor a 2;>iuu
a 12000,15400, lliOO e %$. de oito libras e canastrinhas de 1 arroba a ris.
Amendoas com casca muito novas a 280 rs. 1,5800, 5:>.'i00 e 280 rs. a libra. dem prato a GiO rs. a libra.
a |bra. Farinha do Maranho a 120 rs. a libra. Sal refinado em (rascas de vidro a b
Alpista a 160 rs. a libra e a 44600 rs. a ar- Farinha de trigo a 120 rs. a libra. cada
Arroz do Maranho, da India e Java a 80 e
100 rs. a libra e 2;>iOO a 25800 rs. a ar-
roba.
Ameixas francezas em latas e em frascos a
15200 e 15600 ee nfraseos grandes a
. 25500.
Idom em caixinhas elegantemente enfeitadas
Vende-se um bonito c bom cavallo de
sella muito gordo, por proco r.izoavel :
para ver na cocheira do Sr. Paulino e
tratar na loja da ra do Crespo n. i, jun-
to ao arco do Santo Antonio.
SEi.
Chapeos de castor preto. fazenda fina, por 73000
cada um : na ruado Queimado n. 43, esquina que
volta para a Congregaeao ; eslo-se acabando.
Nilhoa 3$ a sacra
e 160 rs. a cata : no pateo do Paraizo n. 16, oito
para a ra da Florentina.
- Vende-se um motoqninho de idade de 7 an-
nos : na travessa da matriz de Santo Antonio nu-
mero 8.
roba.
Azeite doce francez muito fino em garrafas
grandes a 960 rs. a garrafa,
dem de Lisboa a 6i0 rs. a garrafa.
Araruta verdadeira de matarana a 320 rs. a
libra.
Avelas muito grandes e novas a 180 rs. a
libra.
Batatas muito novas a 40 rs.
Biscoutos inglezes de diversas marcas a
15300 ris.
Bolachinhas de soda, latas grandes, a 25 rs.
a lata.
Ditas inglezas muito novas a 35000 a barr-
quinlia e a 200 rs. a libra.
Banha de porco refinada a 440 rs. a libra e
e em barril a 4t 0 rs.
Cha hysson, huebra e perola a 15600, ,
25500, 25800 e 35000 a libra,
dem preto muito superior a 25000 rs a li-
bra.
Cerveja preta c branca, das melhores marcas
que vem ao mercado, a 500 rs. a garrafa
e 55800 a duzia.
Cognac ingle/. lino a 900 rs. a garrafa.
Conservas a 720 rs. o frasco.
Mein, s de pepino, a 720 rs.
Idom. s do azeitonas, a 750 rs.
Charutos dos melhores fabricantes da Rabia
e. especialmente da fabrica imperial de
Candido Ferreira Jorge da Costa, a 15800,
25000, 25200,'25500, 25800, 35000 e
35500 a caixa.
Caf, do Bio muito superior a 260, 280 c
300 rs. a libra e 75500, 85 < 8)500 rs. a
arroba.
Genebra de Hollanda verdadeira marca VD Sardinhas de Nantes a 32<> rs.
a 560 rs. o frasco e 65200 rs. a frasquei- Sag muito alvo e novo a 260 rs. a libra.
rai Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra,
dem em garrafoes de 3 e 5 gafos a 5*500 lijlos de limpar facas a 140 rs.
e 75500 cada um com o garrafo. Vellas de carnauba pura a 360 rs. a h-
Gomma do Artcaty a 80 rs. a libra. bra.
Graixa a 100 rs. a lata e 15100 rs, a duzia. dem stearinas muito superiores a 000 rs. a
Grao de bico a 150 rs. a libra. libra.
Licores muito finos a 700 rs'. a garrafa. Vinho do Porto engarrafado o melhor que
dem, qualidade especial c garrafas muito ba oeste genero e de vanas marcas, como
grandes, a 15800 rs. a garrafa.
dem garrafas mais pequeas a 800 rs.
dem, garrafa forma d pera e rolha de vi
dio, a 15000 rs., s a garrafa vale o di-
nheiro.
sejam : Velbo de 1815, Duque do Porto,
Madeira, D. Pedro, D. Luiz I, Mara Pia,
Bocage, Chamisso e outros a 800, 900 e
15000 a garrafa, e em caixa,com urna du-
zia a 95000 e 105000.
Manteiga ingleza perfetamentc flor, doscm- dem era pipa, Porlo, Lisboa c Figueira a
barcada de pouco a 800 rs a libra, e de 8 480, 500 e 560 rs. a garrafa e 35, 35^00
libras para cima se far urna differenca. e 45 a caada,
dem franceza muito nova a 560 rs. a libra, dem branco de Lisboa muito lino
e cm barril lera abatimento a garrafa.
Massa de tomates em barril a 180 rs. a li- dem de Bordeaux, Medoc eb. Jujicna ,00
i.a. e 800 rs. a garrafa, e 7*000 c />aOO rs.
Idemem lata a 040rs.
Marmelada imperial dos melhores conservei-
ros de Lisboa a 60' rs. a lata.
Marrasqunbo de Zara, frascos grandes, a
800 rs.
dem regular a 500 rs.
Massas para sopa : macarrao, talharim e ale-
tria a 480 rs.
Nozes muito novas a 160 rs. a libra.
Peixe em latas preparado pela primeira arte
de cozinha a 15 rs. a lata.
Palitos de dentes a 160 rs. o masso.
Palitos de dentes a 120 rs.
dem de flor a 200 rs.
a duzia.
IdemMorgauxeChateauluminide 1884, a 15
a garrafa,
dem moscatel a 800 rs. a garrafa.
Vinagre de Lisboa a 200 rs, a garrafa e
I -200 rs. a caada.
Kirsk garrafas muilo grandes a 15800 rs.
Alm dos gneros cima mencionad!
mos grande poreo de outros que d
de mencionar, c que tudo ser vendido por
incas c carnadas, tanto em poroes como
retamo.
Quem comprar de 10050(0 para cima te-
ra o abato de 5 per oento.
'


Diario de l'ernacubnco --- ftaado S de Harco ite I *:'. 1
TTENCAO
9 Ij tUCO 11IO IAKMO 9
GRANDE SORTIMENTO
DE
fINlAO
Defronte da loja
r ;7:imM/% ja;
do l*regiaiea.


PARA A FESTA.
DUARTE & C.
Participam aos seus numerosos freguezes e ao publico em peral que acaban de
receber de sua propala encommhda, o mis lindo e completo sorlimenlo de molhados,
os qtia^s Badea por grosso e a retalho por menos 10 por cento do que outro qualqucr
annunciante, como vero pela seguinte tabella que abaixo notamos, garantindo os mes-
mos proprietartos nao s o peso como a qualidade de seus gneros.
AVISO.
Todos os senhores que comprarem para negocio ou casa particular de I00 para
cima torio mais 5 a 40 por cento de abatimsnto, os proprictarios scientiicam mais qaie
todos m seus gneros m receb'nios de sua propria encommenda, razo esta para pode
vtder por muito menos do que outro qualquer estabelecimenlo.
Maniera inglea flor a 8oo rs. a /ibra. I Vellas de carnauba e composico de 32o a
Gtstanhas muito novas a .ooo rs. a caixa, e' 30o rs. a libra e de lo.ooo ail.ooors. a
a 16o rs a libra. arroba.
Bolineo francez e em caixinhas de 7oo a Genebra de Hollanda em botijas de conta a
1,8 i) rs cada urna. 410 rs. a botija, e em duzia ou em barrica
Id m franceza a mais nova do mercado a 56o ter abatimento.
rs. a libra, e 5io rs. em barril. I Massas para sopa macarro, talharim e aletria
lisia de parce retinada muito alva i'.io rs I a 48o rs. a libra e em caixa ter abati-
UUAKTE AI-MI.I1> A
icaba de abrir o seu grande e surtido armazem de molhados denominado Unido e Com-
mercw. Este grande armazem um dos mais bem montados que temos ira nossa praca,
oio s em limpeza e aceio, como as qualidades especiaes de seus gneros. Q proprie
ario do L'nio e Comnieicio oflerece todos os senhores da praca, senhores de engenho
e lavradores a seguinte tabella, por onde vero a grande economa que Ihe resulla ero
comprarem em to til estabelecimento, a Naneando o mesmo todo e qualquer genero
sabido de seu armazem.
TTENCAO
AOS
Amm%m:
DO
Bollinho francez em latas e caixinhas as mais
delicadas que tem vindo ao nosso merca-
do de 7oo a 2,5oo rs. a caixinha.
Manteiga inglesa perleramente llr, mandada
vir de conta propria, a 7oo a 8oo rs, a
libra.
dem franceza ebegada pelo ultimo navio a
56o rs. a libra, e em barril ter abatimen-
to.
dem ingleza em potes de 4 a 16 libras a
8oo rs, a libra e o pote separado,
Cha uxim o melhor neste genero, mandado
Erva-doce a 5oo rs. a libra.
Champanha de 20 a 22,ooo c gigo.
Palitos do gaz a 2,3oo rs. a troza e 2o rs. a
caixinha.
Milho alpista a 16o rs. a libra.
Cominho muito novo a 4oo rs. a libra, e
comprando de 8libr>s par cima a 32o rs.
Gomma muito alva para engemmar a 8o rs.
a libra, e em arroba se f;ir abatimento,
Sag muito novo a 28o rs. a libra.
Sabo verdadeiro hespanhol, que raras vezes
vem ao nosso mercado a 28o rs. a libra
PROGRESSISTA
RIJA DAS fili'KKN M. 36
E
RA DO CRESPO V. 9
No baii-ro de Manto Antonio.
Joaquina los Gomen de ftouza tem a honra de participar ao respei-
tavel publico, que tem resolvido vender os seus gneros de primeira qualidade por menos
10 a 20 por cento do que outro qualquer annunciar, como se v do presente annuncio,
asseverando o proprietario d'estes armazens a aquellas pessoas que frequentarem estes
estabelecimentos, que nunca tero occasio de reclamar qualquer genero, visto ter-se
adoptado n'estas casas o ptimo svstema de s se negociar com gneros especialmente es-
collados.
CHA
vir de conta propria a 2,8oo rs, a libra. Vinho branco o melhor neste genero a 8oo rs
dem hysson, grande, muito bom a 2,6oo rs. a garrafa e 4,3oo rs. a caada.
a libra. | dem Bordeaux de differentes marcas, garan-
Idem preto muito fino, a 2,6oo rs, a libra. te-se a qualidade, a 8.000 rs. a caixa com
dem preto, mais baixo, a 2,ooo rs, a libra. urna duzia, e a 7oo rs. a garraf 1.
Mem, verde, miudinho, maisproprio para Garrames com 5 garrafas de vinho do Porto
negocio, a l,5oo rs, a libra. do Alto Douro a 2,2oo rs. com o garrafao.
Banha de porco refinada muito alva a 46o dem com 5 garrafas de vinho Figueira, mais
rs, a libra, e em barril se far abatimento. proprio para a nossa estaco por ser mais
Biscoitos inglezes das seguintes marcas; fresco a 2,4oo rs. com o garrafao.
Craknel, Soda, Ceede, Captain, Travellies. dem com 5 garrafas de vinagre a l,2oo rs.
Lunch, Cabin, e oulras militas marcas, a o garrafao,
i,4oo rs, ala. Sabo massa de superior qualidade a 18o,
Bolachinha de sodo, especial encomienda, a, 2f)0( e 22o n a ,bra ^ me|hor que h a
,Mra, a Un. Graixaem latas muita nova a 12o rs. a lat-
B.sco.to inglez Craknel em latas de o / e 15 nh e 3oo rs a (lu/ia
libras a 5,ooo e 6,000 rs, e de l,2oo a
hysson, uxim e perola a 2.400, 2,600 o
2,800 rs. a libra.
CAF
muito superior, do Rio e do Cear a 8,000
e 8,400 a anota e 300 rs. a libra.
VINHO
de Lisboa e da Figueira a 3,500 e 4,000 a
a caada,
do Porto engarrafado de diversas marcas a
1.000 rs. a garrafa.
Bordeaux de diversas qualidades a 7,000,
I 8,000, ),000 e 10 a duzia.
CHAMPANHE
a ibra.
Pre'.u itn pira fianbre a 800 rs. a libra.
Coi uxim iniudin'io vindo de conta propria,
o iiiil.iir do atareado a 2,800 rs. a libra.
M va hyson de superior qualidade a 2,Coo rs
libra.
li: n per '10 melhor que se pode d^sejar a
2.7oo rs. a libra.
I lem preto muito fino a 2,5oo rs. a libra,
dem mais baixo pouco a 2,ooo rs. a libra.
dem mais baito a l,8oo rs. a libra.
Vinho do Alto Douro vindo do Porto ensar-
ment.
dem estrellinha, rodinha e pevide em caixi-
nhas de 8 libras, muito bem enfeitadas de
2,5oo a 3,5oo rs. a caixinha e a 600 rs. a
libra.
Boce de goiaba em caixas de diversos taa-
nnos de 600 a l.ooo rs. o caixo
Sabao massa de 2oo a 24o rs. o melhor, em
caixa ter abatimento.
dem hespanhol a 28o rs. a libra.
Peixe em lata? muito novo ; savel, pescada,
corvina, salrno e nutras muilas qualidades
preparada de escabeche 2 a arte de cosi-
rafado gr.nite-ae a supenoridade deste n- nha de lfioo a 1>8oo rs. a lata.
i'p das seguales mircas : Duque, Ge- Fg0J en caixas de i arroba, 'e 8 Ubras
numo, velho secco. especial lacrimas do- a 8oo0 4 000 e 2 000 rs a aixnM.
ees de 1819, vinho especial D. Pedro V.
viaho vello, Nctar superior de 1833, Da-
q'ie do Porto "le 1814, vinho do Pono ve-
Ino superior, madeira secca de superior
ij alid irle, vinho do Porto superior L) Lo-
i/. I *de 1817, lagrimas do Douro espe-
cial, vinho do Porto de l.oooa l,2oo rs.
Barris de vinho branco de quinto, marca B
& Filho a 60,ooo rs. o barril.
Marmeladi imperial dos m lliores conservei-
ros de Lisboa a 64o rs. a 1 tinhade 1 libra,
hlalas de 1 'i e 2 libras.
Massa de tomate em latas douradas de 1 Ubra
a (4o rs. a lata.
a garrafa ed;_lo,ooo a 14,ooo rs. a caixa Ameixa, francesas em caixinhas elegante-
com ama duzia.
Bo'acihihi de soda espec;al encommenda e a
m lis nova que ha no mercado a 2,2oo rs. a
lata.
Biscoitos inglezes das melhores marcas em
latinhasde 2 libras a l,3oo rs. a lata.
ldeti inglezes craknel em latas de 5 e 7 libras
de 5.000 a 6.000 rs. a lat, e em libra a
8 >o rs.
Quetinfl do reino chegados pelo ultimo vapor
a 2.5oo rs. rada um.
dem prato a 7oo rs. a libra.
mente enfeitadw de l.5oo a 3.000 rs. a
caixinha, tambem ha latas de 1 !/ a 6 li-
bras de l,2oo a 4,5oo rs. a lata.
dem em frascos com tampa de rosca a l,6oo
rs. o frasco.
Chocolate portuguez, hespanhol, francez e
suisso a l,2oo rs. a libra.
Conservas inglezas das seguintfs marcase
Mixde-Picles e cetiollas simples a 75o rs
o frasco.
Ancoretas de vinho colares
a 72o r.s. a garraf
a 5o,ooo rs., e
Vinho em pipadas mais acreditadas marca:; Sardinhas de Nantes a 32o rs. a latinha.
mB -F., PRR. JAA, mitras Charutos das mais acreditadas marcas de
omitas marcas. Porto, LisbOa e Figueira ; 2.5oo a 4,000 rs. a caixa.
tl> Uto, Etoo, 5Go, 6io e 800, rs., e o do Champagnhea melhor do mercado de 12.ooo
Porto lino em garrafa, e em o nada i a24.ooors.ogigo,ede l,2ooa2,ooors. a
3,000, 3,5oo, 4,000 e 6,5oo rs. o melhor
do Porto.
dem Bnrdoaux das mais acreditadas marcas
a "00 rs. a garrafa, e a 8,000 rs. a caixa.
Garrafiies com 5 garrafas de superior vinho
do P.irto a 2.2oo rs. com o irarrafao.
garrafa.
Papel greve paulado ou liso a 3,000 rs. a res-
ma.
dem de peso pautado ou lizo de 3,5oo a
4,noo rs. a resma.
Gomma muito fina e alva a 80 rs. a libra.
Idea com 5 garrafa de vinho da Figueira mais Mi,.ho all)isla e Paius0 de lo a 2o rs- a 1-
bra.
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a grosa e 2oo rs. a
duzia.
proprio para a nossa estacan por ser mais
fresco l -1. ioo rs. com o garrafao.
Uem i:'im-> garrafas de vinagre a l,2oo rs. ,. uu"a-, .,..
com o garrafao Vasos inglezes de 4 a 16 libras vasios, muito
proprio para deposito de doce manteiga
ou outro qualqer liquido de l.ooo a
3,ooo rs. cada um.
Licores das melhores marcas e mais finos
a 1,00o rs. a garrafa e em caixa ter abati-
mento.
Cognac verdadeiro inglez a 9oo rs. a garrafa
e Io,5oo rs. a caixa.
Chouricas as mais frescas do mercado a 800
rs a libra.
Vio'io tiran 00 mais superior que vem ao
ni-so mer.ado a 56e rs. a garrafa, e a
4.3 10 rs. a caada.
Velas de esparmacate as melhores neste ge-
nero de 5o a 64o rs. o mafxi, eem cai-
xa ter grande abatimento por haver
grande porco.
Azeite doce em barril muito fino a 64o rs
a g.irrafa e 4,800 a caada,
dem francez retiid a 800 rs.-a garrafa Genebra de laranj. em frascos grandes a
Ervilhas francezas e puriuguezas a 64o rs. 1 l,ooo rs. o frasco.
lata. Serveja das mais acreditadas marcas de
h .tas eom doces seceos de Lisboa de 3oo 5,5oo a 6,600 a du/.ia e de mais a 5oo rs.
a 3,Soo rs. cada urna. a garrafa.
1 vinho deLisboi a3oors. a libra, e dem embotijas e meia?, sendo preta da
9,ooo js. a arroba. muito creditada marca T de 6,5oo a 7,8oo
N aos muito novas a 16o rs. a libra e 4,8oo rs a duzia.
rs. a arroba. Ceblas emmolhos grandes a 8ooomolho
C de !., 2.*e 3. qualidade de 26o, 3ooj 640 o cento, e a P,5oo rs. a caixa
800 rs, a libra.
Queijos do reino pelo baratissimo preco de
l,6oo, l.Soee 3,ooo rs os do ultimo
vapor,
dem prato muito fresco a 64o rs, a libra,
dem londrino muito fresco a 800 rs, a libra.
Vinhos em pipa: Porto, Figueira e Lisboa, a
48o, 56o, e 64o rs, a garrafa, e de 3,oco a
4,5oo rs, a caada.
Marmelada imperial dos melhores conservei-
ros de Lisboa em latas de 1 e mais libras
a 7oo rs, a libra.
Peras- secaas em caixinhas de 4,ooo a 2,ooo
rs. cada urna.
Figos em caixinhas de 1 V arroba e de 8 li-
bras a 8,000,4,000, e 2,ooo rs, e a 3eo rs.
a libra, taambem ha serinbas para mciif
nos a 60 rs. cada urna.
Amendoas de casca mole a 36o rs, a libra, e
em arroba ter abatimento.
Sardinhas de Nantes a 32o rs, a latinha.
Toucinho de Lisboa muito novo a 3oo rs, a
libra e em arroba a O.ooo rs.
Massa de tomates a 64o rs, a libra.
Pimenla do reino a 34o rs; a libra,
Farinha do Maranhao a 14o rs, a libra.
Ceblas a 800 rs. o molho, 64o rs. o cento
e 6,000 a caixa.
Tijollo para limpar facas a 16o rs,
Ceneja das mais acreditadas marcas de S.ooo
a 7,5oo a duzia, e de 000 a Geo rs, a gar-
rafa,
Prezunto para fiambre muito fresco e novo
a 800 rs. a libra,
Genebra de laranja a l.ooo rs, o frasco,
Chouricas as mais frescas do mercado a 800
rs. a libra,
Cognac verdadeiro inglez a 9oo rs. a garrafa,
e lo,5oo rs. a caixa com urna duzia,
Licores francezes e portuguezes de todas as
marcas de lo,000 a 15,000 rs. a duzia.
Passas muito novas a 5oo rs. a libra e a 8,5oo
rs. a caixa. Ha caixas, meias e quartos.
Batatas a 1,00o rs. o gigo com 38 libras e
2,000 a caixa com duas arrobas cadauma.
Bocetas com doces seceos de 3,ooo a 3,5oo
rs- cada urna.
Bolachmha ingleza a 32o rs. a libra,
Azeite francez e portuguez refinado a 800 rs.
a garrafa, e 9,ooo rs. a caixa com urna du-
zia.
Conservas ingle/as das seguintes marcas:
Mixed. Pickes, e ceblas simples a 800
rs o frasco.
Mostarda ingleza preparada era potes a 4oo
rs. o pote.
Nozes muito novas a 160 rs. a libra e 4,8oo
rs. a arroba.
Vasos inglezes vasios de 4 a 16 libras, muito
proprios para deposito de manteiga, doce,
e outro qualquer liquido, de l.ooo a 3,ooo
rs, cada um.
e i,joo rs. a
Peixe em latas muito novo : savel, pescada,
Curan, salmo e outras m litas qualidades
preparados de escabexe, segundo a arte de
cozinha, de l,2ooa 2,ooo rs. a lata.
dem do Alto Douro vindo do Porto engar-
rafado e escolhido pessoa mente por um
des socios que se acha em Portugal, das
seguintes marcas : Duque, Genuino, Ve-
iho secco especial, Lagr mas Doces de
1819, vinho especial Pedro V, vinho
vellio, Nctar superior de 1833, Duque do
Porto de 1834, vinho do Porto velho su-
perior, Madeira Secca de superior quali-
dade, vinho do Porto superior D. Luiz I
de 1847, Lagrimas do Douro, especial vi-
nho do Porto, de l,ooo a 1 2oo rs. a gar-
rafa e de lo.ooo a 12,ooo rs. a caixa com
urna duzia.
Vassouras americanas a 800 rs. cada urna.
Velas de spermacete as melhores que ha no
mercado a 56o e 64o rs. o masso, e em
caixa se far um frande abatimento,
dem de carnauba e composicao, de 4oo a
32o rs. a libra, e de lo.ooo rs, a ll,5oo
rs. a arroba,
Caf de ll e 21 sorte de 8.3oo a 8,600 rs. a
arroba, e de 28o a 32o rs. a libra do me-
lhor,
Arro da India, Maranhio e Carolina a 3,000,
2,8oo e 2,4oo rs. a arrota e a loo rs. a
libra.
Frasqueira de genebra a 5,8oo rs. e a 5oo
rs. o frasco.
Azeite doce em barril muito fino, a 64o rs.
a garrafa, e em caada tei abatimento.
Papel greve pautado e liso a 3,5oo rs. a
resma.
Genebra de Hollanda em botija de conta a
44o rs. a botija.
Passas corinteas a 5oo rs. a libra e 12,800
rs. a arroba,
Ervilhas franceza eportugmza a 640 rs a
lata de urna libra.
Chocolate francez, hespanhol, suisso e por-
tuguez a 1,00o rs a libra, e a 28o rs. ca-
da pao de urna '/i.
Ameixas francezas em caixinhas elegante-
mente enfeitadas, com diversas estampas
no exterior da caixa de 1.500 a 3,ooo rs.
cada urna; tambem ha frascos e latas de
differentes tamanhos que se vendem por
mdico preco.
Massas para sopa: macarro, talharim e ale-
tria a 48o rs. a libra, e em caixa se far
abatimento.
Garrames com 14 garrafas de genebra de
Hollanda a 5.5oo cada um.
Charutos de todas as marca i c dos melho-
res fabricantes da Bahia de 3,ooo a 4,000
rs. a caixa.
CONSERVAS
inglesas a 8,500 a duzia c 760 rs. o frasco.
SAL REFINADO
em frseos de vidro com tres libras a 600 rs.
PEINE
em latas ermeticamente lacradas a 1,000
rs. cada urna.
PORVOS
do Porto muito bem conservados a 500 rs.
a libra.
MLSTARDA
preparada muito nova a 400 rs. o frasco.
MARMELADA
dos tjelhores conserveiros a 640 rs. a libra.
ESPERMACETE
melhor que temos neste mercado a 20,000 ro"'10 superior a 560 rs. a libra, e em caixa
rs. o gigo. a 650 rs.
o, CHARUTOS
CER^ EJA aa Bbia a 1,600. 2,200, 3,000 e 4,000 rs.
muito superior a ;i,000, 5,500 e 6,000 rs. a a caixa
duzia.
GENEBRA
TOUCINHO
muito novo a 9,00u rs. a arroba e 300 rs. a
^rsTrnsco." "aS'|0eiraS 3 8'50 C m '""' BT1UIM SCCCAS
1 as mais novas do mercado a 120 rs. a libra.
desoda'eralair8faCnd"A.OOOr,C,,lai "* MESA
uma muito bem fetos a 160 rs. o mago.
inglezas em barricas a 4,000 e 240 rs. a VINAGRE
libra. de Lisboa PRR a 240 rs. a garrafa e 1.600
BISCOUTOS rs. a caada,
em latas de todas as qualidades, a 1,300 rs.! AMENDOAS DE CASCA
cada lata.
ARROZ
da India e do Maranhao a 2,600 e 8,000 a
arroba e 100 rs. a libra.
CEVADA
muito nova a 2,500 a arroba e 100 rs. a
libra.
GOMMA.
muito superior em saceos com quatro arro-
bas a 2,000 e 100 rs. a libra.
CASTANHAS
piladas muito novas a 320 rs. a libra.
PASSAS
as mais novas do mercado a 8,000 a caixa e
e *i00 rs. a libra.
AMEIXAS
francezas em latas de 1 e 1|2 libra* a 1,000
rs. a libra.
SARDINHAS
de Nantes muito novas a 300 rs. a lata.
as mais novas do mercado a 240 rs. a libra.
FARINHA DE ARARLIA -
verdadeira e muito nova a 400 rs. a libra e
10,000 rs. a arroba.
ERVA DOCE
muito nova a 300 rs. a libra e 9,C00 rs. a
arroba.
COMINHOS
os mais novos e mais superiores a 400 rs. a
libra.
NOZES
muito novas a 160 a libra e 5,000 rs. a ar-
roba.
SAG
o melhor que pode haver neste genero a
2>Jrs. a libra.
MASSA DE TOMATE
em btmbas de 1 libra por 600 rs. a lata.
SARAO MASSA
neste genero ha sempre um grande sorti-
mmito variando o preco de 120 a 240 rs.
por libra.
Existe alm d'estes gneros, um explendido sortimento de phosphoros, fumo, ai-
pista, peras em calda e seseas, figos, copos finos para agua, massas para sopa, azeite, ca-
nella, pimenta, velas de carnauba, banha de porco, papel, e outros muitos gneros, de es-
tiva, que todos serio vendidos por mdicos precos.
!Su
ATTEI^IO
e 36o rs. alibra, do Cear de7,8oo, 8,6oo,
e 9.2oo rs. a arroba do melhor.
Arroz da India, Jiva eMaranhao de 2,800 1
3,000 a arroba, edeSoaloors. alibra
Passas muito novas a 6,800 a caixa e 5oo
a libra, ha caixas meias e quartos.
Sevadinha de Franca a 24o rs. a libra.
Sag muito novo a 28o rs. a libra.
Pimenta do reino a 34o rs. a libra.
Farinha do Maranhao a 14o rs. a libra.
Tijolo para limpar facas a l(5o rs. cada um.
Cominho a 4oo rs. a libra.
Erva doce a libra.
Ganella a l.ooo rs.a libra.
Batatas a l.ooo rs. u gio com 32 libras liqui-
das e 3,000 rs a caixa de duas arrobas.
Todos os senhores que comprarem para negocio ou casa particular J05 para
cima terao mais 5 a 10 por /o de abatimento; o proprietario scientitica rpris que todos
os seus gneros s3o recebidos de sua propria encommenda, razo e>ta para poder ven-
der por muito menos do que em outro qualquer estabelecimento.
FARINHA FONTANA.
laiinlia )i muito acre'it a maren
l'onlan. psembarca ia hoje, vende-sc
P#r iireni mais MMlil do que ciii
'litltjuftr outra parte : na rna da Ou;:
11. 4 asa de \. U. Bieler & <". succes
M?re-.___________________ ____________
.uvas le pellica.
degaram i>ara a- loja fguia branca, rna do
(1 Hmadn n K
liranco rm niara,
Vend te, t-xn latas de 2H libras o melbor rjue
il Iip.y.t a SOOre. a libra, ;> dtahriro : na mi
larga 1 Riark) 11 34.
Vendo-e una armaein da amartillo enver-j
la, I ,l 1 ."ivi.ii.i"..i| 1, ;k.iii cuna duas |ii-;-|
Icvir.is ranil"- ile lKiro, proffias 1 inrn armazem '
le rateada*; tamban) nede w a lnj;
I una a pnrla lar^ra, na ra do Crwpo n. 4.
Viv le-w n:n ravallo raslanho caxiln, hon-
i Vi Tu- de balxoameio: na eoebeira da aort
i:.i laa .Nova. '
Ve.uda de.umahypidhffa.
Os lqindalarios da massa fa'lidade
Jos \iitnn o Itasto venlcm a hvpnlhe-
ra que tem os eniienlios Mi-lio Grosso
c-(!ajal>iissi un -H-mo 'le Scrinliein no
valor de :U:N;io$011 rs. ; Ir atar na*
casas a ma do Iraiiielic n. 114.
< L liMh.
Vendeji-sc bsrri.s rom cal de-
l:i ]>rocciJeni<*ia. em tcilca. dicta-
da hoje. e iiuica n aereado, mama do Trapichen.
a:*, arin'izeiii de .tlauocl 'l'clxcl-
ra Idilio.______________
Cal de l.ishoa c |>olasa da
Rmaala.
Vendr-so na rna da Cadete do Rerife n. 26, par
onde se imiddu c antign o acreditado deposito da
me legtimos, e se ut'ra qualijucr.M.iile.
PO ME^OS DE DEZ POR CENTO.
NO
CONSERVATIVO
DE
2:3Largo do Terco23.
O proprietario desle armazem d>' molbados
meira qualidade pur monos du dez por reato do que
rior qualidado.
.Nao se diz o preco
Vinho das melhorM marcas.
Manli'iga inideta llor.
dem fraaren.
lianlia de imri'o refinada.
Vellas de spermarele.
[dem de carnauba.
Caf imm do lo.
IdO'ii "iiperinr do Cear.
Tourinbo de Lisboa.
Cha de diversas qualidades.
QiM'ijus iiuViK do vapor.
Milito alpista limpo.
Gomma ttVengnmmar alva.
Al(vm dos gneros anininriados exislem outi
ro contado.
Vndese urna negrinha com 13 annos de
idade. bonita fkjtura, e eom pnncipfng de co-tura :
na rna dn Imperador n. 43, lereeiro andar.
Veudem-se ealxes vasios
l^OOO: ncsla typographia.
pri-
a (upa-
vende os seus ja bem conhecidos gneros de
em outra qnak|aer parle, garanlindo-
pa n na espantar.
Sabau de diveigas qualidades.
Chouricas muito nova*.
Arroz de diversos precea,
Ser.'.j 1 das melhtire mareas.
Sardinhas du Nantes novas.
On mra de laranja sunerior.
Hem .l<> Rollan la marea dallo.
l'hos|ihni"iis du (faa,
llolaehinha inirleza em barricas.
Passas miiiio novas.
Pinos de priineira qualidade.
Biscoiyo.s e liiil.M'luuhas ile soda
i'.harnicis de diversas quaHdiide'
os muil m qu en(adonh*i menc ona-los, a dinlief-
Tendo o proprietario dos armazens do progressista deliberado nao concordar
com a liga da Uriio Commercial, Clarim. Alli.nifn, etc., etc., etc., declara que s con-
corda emalliar-seaos seus fregue/.es, fazendocom ijstes urna liga de interesses idiprocos'
tendo os seos alijadas a faculdade de comprarem por precos muito em conta o bom fiam-
bre, o formidavel .jueijo c a s iborosa bolachinha de so la, que fazem uma boa allianca
coma superior champanhe e o porto fino, nicos que sabem imitar a unio destes ar-
mazens com os seus concurrentes. Vinde, senhores, a >s armazens, aonde podis d'en-
tre um muito explendiilo so timento de saborosos alimentos, escolberdes os que mais
vos apetecer, certos de que nunca tercis occasiSo de arrepender-vos de gastar o vosso
dinheiro uestes estabelecimentos.
AURORA RR1LHAN1E
LARGO DA SANTA CRUZ N. 84.
O proprielario do grande armazem de molhados tenominado 'Aurora Rnlliante, acaba de
redutir o preco dos seus gneros, precos estes que muito hilo de agradar aos senhores com-
pradores.
80:)
800
VEMIE SE
I Manteiga ingleza llor a 750 e .
! Dita hamburgueta mallo nova a
i Dita franceza a 510 e 500 rs. e em
barris a......
i Qmijos do reino novos a 25*>00 e .
i l're-untos botos de Lamego, libra a .
I Chouricas ilo reino novas, lihra a
Esperuiacete milito lino a 720. 6iO e .
Velas de carnauba arroba 10 e libra
360 e.......320
Cha hysson muito superior a 25300 e 24700
bito perola a
Dito miudinho a 2^00 e
Dito prelo minio superior a 1380),
Laias rom bolachinha de soda de o
libras a......
Ditas com biscoitos do varias qualida-
d"S- ,......
I> hv de sotaba e banana lino a 400,
560 (eaiuUi) e -
Mirmelada nova dos melhores auto-
res, libra a (i'0 e ....
Latas eom pniesavei, capnxo, rango,
congro, salmonie e uniros muitos
bem preparados a ...
Sardinhas de .Na-iles. Iata< a .
Frascos rom genebni d Hollanda da
verdadeira, a SrtO e Iras tueira- ;i
ftarraroescoin genobrada BSitarrafasa
Pra-cu>.C'iiu genebra de laranja a .
Vinhiis da l'igueira e Lisboa, a 400.
600 e. '.........
D.....lo Porto lino a 640, 7o e. .
Dito I ira m-o proprio pira miM a
Servej.-i ile bu is^narcas i 600rs. a
garrafa e a dnzla a.....
C>>gnac verdadeiro, a garrafa por.
Vinhos iinis engarrafad is no Porto, a
garrafa por 15. 11*00 e.
Dito mnsratel c Selubal a 800 o 14-'M
Licores finos a 800, 15000 e 15480
Calxinhu com ameixas muito enfei-
la la- a USM e...... 35000
Latinhaa com ditas a 15300, 25 35800
Dilas com figos de comadre novos a
15300o...... 25000
Ditas eun ervilhas francezas e porlti-
pnezas a....... 6W
Ditas com ostras a..... 7O
>itas eom niass d, tomates 600
Ditas com (Tortas d Portugal a 560 e PiO
Aieilonas de El vas em frascos a 800
Fraseos com ronservas a 730 e 800
Ditos COlll moslarda franceza a 500
Macos (00)20 maciiihos de palitos de
denles a........ 200 '
Tijolos je limpar a..... 140 '
Araroia venia di-ira vinda de encom-
mena, a libra a..... 500
Gomma de engommar a 25'i00 a ar-
roba e a libra a 100 c 80
Tapiie.i muito nova, a libra a 140 e 160
Ervilhas se ea- e frl 1 de MrO, a bbra 160 |
M is-as para opa, Diacarrio, talharim
e I tria, a libra..... 480 I
Dil s brancas, viudas de Li-boa, a 320
Pevide estrellinnaj e ro lindas a 480
Cat de primeira s rte, a libra a 280 e 320
Sabao v.fdadeiro nespanh>d, a libra 400
Dibi massa a 160, tOO, 210 e 280
Alpista :i 1*800 .1 arroba e a libra 160
Punen a 33 a arroba o a libra 200
\me I MM de ra-ca 111 de a 360 e dura 210
Azeite Incrt relln ido, a i irraf a 8'JOe 15 100
Molhos eom m.iSile 100 ce!i das a. 15000 j
Castan'aas novas, a libra .... 160 I
IffOOO ttues, a libra...... 200
e !
520
350(M)
480
6io
600
2530.1
35000
25230
35000
15'00
640
720
15000
320
51300
85000
15100
660
800
OiO
5*850
1*000
farinha da m mdioea em sainos de d ios .ilqieires,
por ;ircco comoindo: na roa di Amorim n, 41,
armazem de Manuel Kernandes da Costa & C.
As-im mullos outro; gneros que, deix.uii de se iumicimar, tudu da melhor qualidade
por precos mnit coranwdos,
mmmmmmmkmmw
i$zmmmmw*mmm

tmm* --^


piqMevMBNWli*'
Diarlo de Peraarahnco Kahbado 5 de Marco de l 64.
^,
ALLIANCA
GBAIDE lltSlA/KH
di:
MOLHADOS
0 nico que niais vantagens offerece ao publico.
57 RA DO IMPERADOR 57
V
Duarte & C, vondem em seus arma/ens L'nio e Cemmercio e lar- d'o
'j go do Carmo a. 9, armazem prugressivo, os seguales gneros desembarca- pf
Queijos londrinos muito fresera a 800
rs. a libra e sendo inleiro a (i 50 rs.

s%

DI-
Paulo Ferrel ra da Uva.
0 proprietario deste grande estabeleemiento de moltiados, recebe por todos os;
vapora e navios os melhores gneros que vem ao mercado, os qnaes vende em seu ar-|
uiazem pelos mais resumidos presos.
Tendo ebegado pouco da Europa, aonde deixou pessoas encarregadas para a es-.
colha de seos geiros, tena a honra de amumejarao respeitavel publico, que oinguem co-
me elle pode vender to barato e por to resumidos piceos; servindo como costumaaos
seca freguezes com os melhores gneros que se pode desejar.
's:
ATTEngo.
Qtierendo o propietario deste to til estabeleeiinento a concurrencia da boa
fre'uezi.i, tem deliberado vender sempre por monos do que outro qualquer, garantiodo
aos sus fregueses tudo e qualquer genero saludo de sen acreditado armazem.
Ma iteiga iugleza a mais nova e lina chegada Velas estearinas 68o rs. a libra e em caixa
ueste ultimo vapor a 8oo rs. a libra e de 8 a 84o rs.
libra para cima ter abatimento. dem de carnauba pura e refinada a 3G0 rs.
dem francesa a mellior e mais superior do a libra e lO.ooo a arroba.
UOSao mercado a 5(jo rs a libra e 52o em dem de composicao emmagadas a 32o rs. |
barril ou meios. o mago e 9,000 rs. a arroba.
Baidia de poico refinada e muito alva a 44o liasaa de tomate em latas a ioo rs. a libra.
. rs. a libra, eem barril a loo rs. Doce em calda das mais especiaes frutas da
(l hysson o mellior neste genero especial1 Europa a ooo rs. a lata.
'iicmmeiida do proprietario a 2,7oo rs. a Ostras em latas muito bcra preparadas a
libra. i.ooo rs.
dem idem menos superior e que em outras Peras seccas muito novas a 5oo rs. a libia.!
rasas se vende a 2,000 rs., rusta neste ar- Massas para sopa eslrellinha muito nova em'
naaan 2,2oo rs. a libra. caixas de 8 libras a 3,oooe Soors a libra.
dem uxini o melhor que pode baver neste dem talba iin, macarrao e aletria a 4oo rs.
genere a2,Goo rs. a libra, garante seaqua- dem macarrao mu pouco mais baixo a 24o
tidade. l rs. a libra.
Id) ii pieto muito especial a 2,ooo rs. a li- Sevadinba muito nova de Franca a 2oo rs.a
bra, e mais baixo, porem muito sufnvel a ^ libra.
l,2oo rs. a libra, vende-se por estes pre- Sag o melhor que possivel a 24o rsv-a
i;os em razan de uestes ritmos navios ter- libra.
se recebido grande porcSe deste panero Farinha do Haranbao a melhor que presen-
a deferenca de proco be de lino a 8oo rs- teniente tern vindo ao nosso mercado a
a libra do que se vende en mitra qualquer 14o rs. a libra.
parte. Gomma do Aracaty muitissimo alva a 8o rs.
dem il.. rio em latas de 1 ate (5 libra a l,4oo a libra.
rs. a libra, ueste genero o melhor pos- Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. aj
sivel. libra.
Licores muito linos de Bordeaos e toda as'
marcas que ha*ueste genero a 8oo, i.ooo!
e l,2oo rs. a garrafa.
Phosforos do ga a 2oo rs. a duzia e 2,2ooj
rs. a groar
Bolaxinha americana em barrica a 3,ooo rs.,
dos ltimamente.
Verdadeiru vinho collares em ancore-
retas de 9 caadas a 50,0u0 e 800
rs. a garrafa.
Farello de Lisboa marca N oo Biato
tigo a 4(J a lacea.
/i.:' Vinagre P II R, em ancoretas de 9 ca-
gSSS nadas a 18,000 e 2,000 rs. a ca-
'/g, nada.
Gisl Passas em caixas, meias e quartas a
8,000 4.000 e 2,000, a 480 a libra.
Peras seceos em caixas de quatro li-
bras o melhor que se pode desejar
a 2,500, e 040 rs. a libra.
S53 Caixinhas de 4 libras e 2 com ameixas
a 1.500 e 2,500 rs. a caixinha.
Chocolate portuguez, o melhor que
'z/4'\ pode baver de bom neste genero
aS 1,000 rs. a libra.
Marmelada propriamente dito de mar-
52539 mello, a B4o rs. a lata e em caixas
de 100 latas a 000 rs.
^ :(a de tomates a mais nova que se
., pode desejar a 640 rs. a lata eem
caixa de 100 libras a 600 rs.
<- Krvilha portugueza a 700 rs. a lata.
e em caixa de 100 libras a 640 rs.
Passas corinthias para puriim a 640
rs, a libras, e 400 rs. comprando de
'' /
Sebollas em caixas as mais novas do
mercado a 6,500 rs. a caixa, a 800
rs. o molho, e a 640 rs. o cento.
Batatas em caixas de 2 arrobas muito s&
novas e grandes a 2.400 rs. a caixa. if;
Sextinhas com figos proprias para mi- g|j
mos de crianzas a 60 rs. cada urna &l
e comprando em duzia ter grande p^
abatimento.
Erva doce muito novas a 5( O rs. a
bra, e comprando em arroba a
10,000 rs.
i'.ominlios muito novos a 400 ,-s. a li-
bra e 10,002 a arroba.
Licores portuguezes das marcas mais "c>'
acreditadas de Lisl.a a 1,003 a par- :'/_
rafa e 10 a 12,000 a duzia, as quali- C"^
dades sao as seguiutes : ceme de )^M,
violetas, geroflez, rosa, absintho, ves- 5?
peiro, amor perfeito, amendea amar- Sg
ga, percicot deturin. botelin, moran-
gos. limao, caf, laranja, cid a, gin- I^J
ga, canella, cravo, orteliia, tmenla ///.
e outros muitos de qualidade:; menos
superior que sero vendidos por pre-
cos em rebelo as suas cualida-
des.
27 Ra do ueiiuado 27
A preco de 3<> a per,a.
Cortes de cambraia branca adamascada proprias pan vestido e cortinados pelo barato preco
de 35000 a peca.
Finos ntremelos.
Entremcios muito finos bordados ri 15 t 1,5:100 rada urna peca.
Para acabar.
Finos organdys indianas padroesescuros a prego de 240 rs. cada covado para acabar.
A tSOO a duzia.
Lencos de cambraia Lrancos a 1JS00 cada urna duzia.
Lenres
e eobertas a 00.
Fino fil.
Fil de 1 inho bordado com toque deagua doee a preco de 400 rs. a vara.

^= arroba para cima,
p -^ s proprietarios aiancara que estes gneros sao muito novo; e tudo
5p?a de primeira qualidade, tudo Uto se vende nicamente no armazem Unioe
6S Commercio na ra do Queimado n. 7, e largo do Carmo n. 9 armazem pro-
gressivo.
P Q unios
!
Hv$3 do alemtejo, das ilhas e flamengos, todos chegados neste ultimo vapor, a
r^gg 2,500 os flamengos e 800 ris a libra do alemtejo e das ilhas, unicamen-
//- te no armazem Uniao e Commercio, ra do Queimodo n. 7 e largo do Car- g mo armazem progressivo
!k ^
DE
&%
DE
J. VIGNES.
X. r.. RI.4 DO IMPERADOR !\. 55.
Os pianos desta antiga fabrica sao hoje assaz eonliecido para (|ue seja necessario iast
sna superioridadi-, vantagens e garantas que effereccm aos :omprador veis que.elles tem definitivamente conquistado sobre todos os que tem apparecido Desta | rac pea-
suindo um teclado e macliinismo que obedecem todas as vontades ecaprichos d;t- .- nunca 'alhar, por seren fabricados de proposito, ejer-se feito ltimamente meiborajneoios importao-
tissimos para o clima deste paiz ; quanlo as vozes sao melodiosas e flautadas, e por Esto amito agrada-
veis aos otivulns dos apreciadores.
Fazcm-se conforme u eDOommeadas, tanto nesta fabrica como nado Sr. Bkodel, de Paria, n efa
correspondente de J. Vignes, em cuja capital foram sempre i remiados em todas ;is exp -
No mesmo cstabelecimento se acha sempre um expleudido e variado sortiinen' :s i!os
melhores compositores da Europa, assim como harmnicos e pianos harmnicos, seudo tudo vendido
p<>r nrecos muito raznaveis.
e em libra a 2oo rs.
BLscoitos inglezes em latas com diflerentes
qualidades como sejao craknel, victoria
pie nic, sola, captaim. seed, osborne e ou-
tias umitas marcas a l,3.'io rs. a lata.
Bolaxinha de soda em latas grandes a 2.ooo
rs, cada urna.
Fi;,'os em <-aixinhas heniiilieaniente lacradas
e muito proprios para mimo a l.Ooo e Tijolo para limpar facas a 12o rs. cada um.
.Ooo rs. cada urna. Vassouras de piassaba com dous arcos do
Meniem caixinhas de 8 libras a 2,ooo rs^ca- feTO prendendo o cabo a 32o rs. cada
d;i urna. ama.
Passaa muito novas a8,ooo rs. a caixa e 48o Estovas de piassaba proprias para esfregar,
rs. a libra. casa a 32o rs.
Ameixa francezas em latas de libra e meia e Sardinhas de Nantes muito novas a 32o rs. |
3 libra i 1.2<>o 2.oo,. o 8oo rs. a libra. a lata.
Caixinhas com ricas estampas a l,4oo rs. ivixe em lata muito bem preparado savel,
cala una, frascos de vidro com rol lia do curvina pescada e outros a l.ooo rs. a
mesmo, conleiido libra e meia de ami'ixas. lal.i.
Cl ani|>ane da marea mais superior que lem Kivdlias portogoezas e francezas ja prepa-
v'md.i ao nosso mercad!) a lH.ooo rs. o ^.'i- radas a 6o e 72o rs. a lata.
go, e l,8oo rs. a garrafa, garante-se a su- Caf lavado de primeira sorle a 3oo rs.,a
perior qualidade. libra, e 8,5oo a arroba.
ViiilioBordeaiixdas mellares qualidades que dem do Rio muito bom a 28o a libra e
se pode desejar a 7,000 e 7,5oo rs. a cai- 8,ooo rs a arroba.
xa e 64o r. a garufa. Arroz do Haranbao a loo e 120 rs. a libra.
Caixas com Vinho do Porto superior de ;.o.io dem de Java a loo rs. a libra.
e t o.ooo rs. a duzia, e 9oo e l.ooo rs. a Amendoas de casca mole a 4oo rs. a libra.
gaiTafa, oeste genero ha grande poreSoe de AvetSes muito novas a 2oo rs. a libra.
dilVerenie- marcas muito acreditadas que Noxes muito novas a 2oo rs. a libra.
j se vend'io por 14,000 15,non rs. a cai- Cbouricas e paios a 7oo rs. a libra.
xa cuno seja, Duque do Pono, lagrimas'Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra ou a
do Douro, D. Luiz, Camoes. Ma.leira sec-l 8,500 rs. a arroba
co Nctar : Genuino e malvasio tinoe ou- Presuntos de tamegO de superior qualidade
tras como Cbenrjf 6 Macleira para 12,oooe chegados note ultimo vapor a 48o rs. a
13,ooo rs. a caixa. libra.
V abe de pipa Porto, Lisboa, Figueira, a loo, Alptela muito novo e limpo a 16o rs. a li-
48o, e 5;io re. a garrafa, 3,000 3,2oo e| bra e 4,6oo a arroba.
:i..'ioo rs. a caada. Painco muito novo a 18o a libra e S.ooors.
dem braneo o mellior neste genero viudo de a arroba.
eneommendaa Ooo rs. a garrafa, e 4,5oo Sabao maca. amereHo e castanbo a 22o e
rs, a caada.
Idc'm do Porto em barril muito especial a
(i'ic rs. a garrafa, e -i,ooo rs. a caada.
V nagre puro de Lisboa a 2oo rs. a garrafa e
|,4oe rs. a caada.
dem -ni garrafes com 5 garrafa.
Azeite doce ele Lisboa superior qualidade a
64o rs. a garrafa e l,8oo rs. a caada.
Battafe s mu gigOS delriiiti a trinta e lanas li-
bra a Moo rs. O gigO e lo rs. a libra.
Genelua de Uollanda a mus superior a 6,ooo
rs. a frasqueira e 56o rs. o frasco.
o 'in garrames com25 garrafasa 8,ooo
rs.
S'i'vej.i das melhores marcas de 5,ooo a
.'..cu a i raa e 5oo rs. a garrafa,
Cagnau sopi^ior a 8oo e l.ooors. agarrafa,
e em caixa ter abatimento.
Marmellada imperial dos melhores e mais
24o rs. a libra.
Mein mais baixoum pouco a I6o, 180e2oo
rs. a libra.
Casimbas pelladas a 24o rs. a libra.
Chocolate trance/, de primeira qualidade a
l,2oo rs. a libra.
[dea de San muito superior e medicinal a
l,3oo rs.
Copos lapidados proprios para agua a 5,000
rs. a duzia, que em ouira qualquer parte
7 e 8,ooQ rs.
Charutos dos melhores e mais afamados fa-
bricantes de S. Flix e do Rio de Janeiro
de I,loo a ',ooo a caixa.
Cebollas novas a 8oo rs. os molhos grandes
e 7oo rs. n cuto.
Doce de goiaba a Co rs. o caixo.
Lentilbasexcedente legume para sopa egui-
zado a 24o rs. a lihra.
LOJA DO BEIJA FLOR.
|[iia do Qucimailo numero G3.
Cravaliulias para senhora.
Vendem-se anvaiinhas de.'diversos gostos mais :
modernos a 720 e 800 rs. : na ra do Queimado,
luja do beija-flor n. 63.
lilas para ilebrum t vestidos.
Vendem-se fitas para debrum de vestido de linho
oom 12 varas a 400 rs. a peca : na ra do Quei-
mado, loja do beija-flor n. 63.
l'eules travessos.
Vendem-se pentes travessos de caracol na
frente de borracha a 500 rs.: na ra do Queima-
do, loja de beija-flor n. 63.
Papel beira dourada.
Vende-se papel beira dourada a l>200 e l.')00,
dito de cor de beira dourada a I o loo : na ra do
Queimado, loja do beija-flur n. 63.
Aiidopcs.
Vendem-se anvelopes de diversas qualidades
braneo a 800 rs. e de cor a 640 rs., para cartas de
visita a 400 rs., preto a 720 rs. : na loja da beija-
flor na roa do Queimado n. 63.
tullas de*aljofar.
Tendo recebido mitas de aljfar com crtizes de '
pedia imitando a linchante vende-se a \& caria
urna : na ra do Queimado loja do beija-flor n. 63.
Camisas de meias.
Vendem-se camisas de meias muito finas a
1200 e 1*5300 : na ra do Queimado, loja do bei-
ja-flor n. 63.
Enfeites de fita.
Tendo recebido enfeites de lita pretas e de co-
res mais modernas que se estao usando a lacada
um : na ra do Queimado, loja do beija-ILr n. 63. i
Fila de la prela para dehrum.
Vende-se fita de lia preta para debrum com 10
varas a 900 rs. a dm : na loja do beija-flor ra
do Queimado n 63.
Fitas de linho para bordar veslido
Vendem-se litas de linho para bordar vestido I
ou roupinho de meninas com 40 varas a 640 e
800 rs. a peca so qnem tem a loja do beija-flor
ra do Queiinado numero 63.
Botoes de madreperola.
Vendem-se botdes de madreperola mais moder-
nos que tem vind para pnnhos de senhora a 320
rs. o par : s quem vende por este prego na
ra do Queimado, loja do beija-flor numero 63.
Fila de velludo para bordar vestido.
Vende-se lila de velludo preto com 10 varas a
OOO rs. a peca : sci quciu tem por este preqo a
loja do beija-flor da ra do Queimado n. 63.
Fila de vrlludo bordada.
Vende-se fita de velludo prelo Ixirdada de di-
| versos justos e mais modernos prnprio* para qoa-
; resma : s quem tem a loja do beija-flor ra do
Queimado n. 63.
Franja prela.
Vende-se franja preta de diversas lardaras para
Ienfeitar rapas ou manteletes os mais lindos eos-
ios que se pode encontrar : na luja do beija-flor
ra do Queimado n. 63.
I 'aras e garfos.
Vendem-se faeas e garios de halancn de I ho-
: tao a .>V00 a dona, ditas de i betSea i b\jJuo
na roa do Queimado, loja do beija-flor n. 63.
Dminos.
Vendem-se dminos muito finos a 15200 e
15400 : na loja beija-flor da ra do Queimado
1 n. 63.
Vspera*.
Vendem-se visnoras Hiotto linas a 800 rs. : na
ra do Queimado, loja do beija-flor n. 63.
afamados concerveiros de Lisboa em latas Ervilbas seceas j descascadas a 2oo rs. a
de libra e delibra e meia e duas libras a
' rs.
Coacervas malezas em frascos grandes i
75o rs. cada um.
bien Iranceza de todas as qualidades de
ligarais e fruto a 5oo rs.
MOStarda francezas em potes preparada a
4oo rs.
Palitos para denles 12o rs. o maco,
dem lixados muito fino 14o rs.
libra.
I'iinenta do reino mudo nova a 36o rs. a
fibra.
Gominbos e erva doce a 32o e loo rs. a li-
liri.
Cravo da India a Roo rs. a libra.
Canella milito nova a I,ooo rs. a fibra.
Alfazema a 2oo rs. a libra e 6,000 rs. a ar-
roba.
Graixa a loo rs. a lata e l,loo rs. a duzia.
O i 2 8 h 55 55 55 O
O o O) ES P- 0-0
o & -- % "O ptf e? B 55
A- W B ct> ri cx> O-
2 *-i 53 (X>
H-" *s S5 cr> -J
$ B
& fio P- <-i GC 'Li
0 O 0 O B O
co 3 JO g3 g- 55 CCc 0 O-55
a- r-t- w
1 O
AlgdM da Ihiliia
para saceos de, assucar e roupa deescravo; tem
.ara vender Antonio Lnii de Oliveira Aievedo 4
(], no e-cT|itnrio rua daOoi n. I. ______
Vi nileiii-se 9 colchan eom ;iIi;iiiii uso de da-
r asco de lia, proprias para varanda', ou mesmo
pira armac/m de ijrreja : no armazem de inulha-
dos, esquina da rua de Hurtas n. 2.
4 n. 89.
Vnn loja dos harateiros na rua do Queimado.
Ricas s.iias de fusiaoa 55, camisas inglezas para
senhora a 25, 25-*>O0, 35 e 45, eobertas de fnstao
blancas a 55, chitas com lustro para rtoberta com
6 palmos de largura a 040 o covado, cambraia de
eores para volido a 320 o covado, laas para vesti-
do a 480, 560 e 640 o covado.
A D. 211.
Nova loja dos harateiros na rua do Queimado.
T.crlalanas de todas as cores, fazenda muito lina
a 720 a vara, cambraia para cortinado, peja de ii
varas, por 105, ehales de lia por 35, 45, o5_ e 85,
camisas Inglesas para homem a 385, 505 e 605.
ii. 29.
Veva loja dos harateiros na rua do Queimado.
Bieos pretos, franjas de todas as ipiahdades,
IraiHja* de seda, de al(odao e de laa, RMgnihW e
cainisiiilias lioidadas. mllarinho e punhos, folhos
bordado, bototo de velludo, de seda e de fnstio,
bandos e cak-lln, meias de -eda, lecpies ; cujos
rlijros se tendeen por metade do seu valor por ser
para acabar.
Vende-se cuna taberna em urna das memo-
res na** da Boa Vista, tamb.m se tai negocio com
a annacao s nor seu dono ter de retirar se tra-
tar .le sita saude : ua rua da Iniperatriz n. 34, se
dir quem vende.
/ntica e armazem de
drogas
lina lo Calinga n. II.
DE
.biaipiiiii Maiiiiilm da Cruz Cnrreia.
Vende-se o segointe :
Sal-a (camilla de BristoL
i Pastilhas assucaradas de Kemp.
Pastilhas vcrmifiipas de Kemp.
Elixir de ritro lactato de ferro do Dr. Thermes.
Hob do Lafecteur.
Xarope depurativo d'odoreto de ferro de Guy.
Xaropc peiioral sedativo de Guy.
Pastilhas peiloraes balsmicas de Guy.
1 Pillas da vida.
|Ilurel franciscano (mesclado) para imagens.
; Injeeeao Brow.
! Xarope de curato de ferro de Chable.
' Pillas contra sesSea.
; Salsa parrilla de Sands.
Extracto fluido de salsa parrilha de Bailys.
Xarope aleoolico de vpllame.
Alm desias drogas ha constantemente um com-
pleto sortimento de tintas, vemiz, onro para dou-
rar, preparadles chuuicos e pharmaceuticos que se
vendem peer commodos presos.
im/a .se vende barato
no armazem da estrella, largo do l'araizo n. 14,
manieig.i ingina muito inia a 70 rs., (raocnaa
540, cl. iniudo a 25-560 e 25600, caf lavado a
280, arioz a 100 rs., ascMe doco de Li^lwja a 610,
vinagre a 200 rs.. liar.iilo a 100 rs. a libra, bar-
rica I250o, batatM a 80 rs. a libra, gigo 15280,
mar de lmate a li'iii. estearinas a 540, carnauba
a 8S0, sabao maca a 220 e 200 rs., gomma a 80
rs., vinho de Lisboa a 400 rs. a garrafa, ranada
35, llordeaux e niarra>qiiuiho a 640 a garrafa,
alpista k 110, aleini e talharim a KKI rs., azeite
d carrapato a 280 a g.rrafa, e I5qi0 a ranada,
farinha e milho a 35-"i00 a sacea, queijos bous a
25:40.____________________________________
Calcad culll elasl'Ce eslr^.id^.
Borzeguins gaspiado de verniz para homem a
35. diios para meninos a 25 : na pra^a da lnde-j
pendencia leja do Arantes.
Grande peckiiicha
com toque de avarla na loja e
armazem da Arara irua da Im-
peratriz n. "iii de Loureneo P.
Jf. ii(maraes.
Vende-se rom loqne de ivaria.
Vende-se madapolao inglez cem pequeo to-
que de avaria por 65500 75 e 85 algodaozinho a
45500 e 55, cambraias lisas Tinas i 35 e 35500 :
na rua da Imperan iz loja da Arara n. 56.
Vende-se azendas limpas haralissiiuas.
Vende-se chitas linas eores esru-as a 240 e 280
rs. o covado, ditas francezas linas cores lixas a
320, 360 e 400 rs. o covado. gorgurao de linlio pa-
ra vesiidos de senhora a 280 o covado, riscado
francez para vestido a 280 o covado : na loja da
Arara ruada Imperalriz n. 56.
r'azendas proprias para senlioris c meninas.
Vende-se gollinhas com botaoziiho para senhora
e meninas a 200 e 320 rs., manguitos de fil e
cambraia enfeUados a 500 rs., manguitos e godas
para senhora a 15 e 1580, cami>mhas bordadas
para senhora a 25, ditas bordadas no colarinho e
punhos e grvalas muito linas a 4-1500 e 55 : s
a Arara roa da Imp rar /. n. 56.
Principia a Arara vender as eolebas.
Vende-se colchas avelludadas para cama a 85,
ditas de linho alcochoadas a 55, di as de fus to a
55, ditas de damasco a 45, ditas de chita a 25 :
na loja da Arara rua da Imperalri'. n. 56.
Arara vende rassas a 210 rs.
Vende-se cassas francezas linas a 240 e 280 o
covado^organdys finos a 240, 280 c 220 o covado:
na rua da Imperalriz n. 56 luja da. Ai ara.
Arara vende laziunas para veslido a 240 rs. o
covado.
Vende-se laazinhas para vestidos de senhora a
240, 280, 320, 400 e 500 rs. o covado, casemiras
lisas proprias para capas de senhora a 15800 o
covado : na Arara rua da Imperalriz n. 56.
Arara vende cortes de rasemira preta a 33.
Vende-se cortes de rasemira pn la para calcas a
35. 3551)0, 45e 55 : na loja da Arara n. 56.
Grande sortiinen lo de fazendas pntas para a qua-
restna.
Sedas, grosdenaple, pannos finos e casemiras.
Vende-se grosdenaple preto paa vesiidos boa
fazenda a 15400, 15600, 25, 254(0, 25600 e 3*0
covado,sarja hespanholade seda, panno lino preto
a 15600, 25, 25500. 35 e 45 o ci vado, muito su-
perior casemiras preta finas a 25 e 25400 o cova-
do. merino lino a 25500 e 35, dito de cordao a
259OO o covado : na rua da Iniperatriz 11. 56.
Arara vende fuslo a oOO rs.
Vende-se fu.-iaode cores para roupa de meninos
raleas e paletols a 500 rs. o covado, ganga franco-
za escura e clara para calcase paletols a 440 rs.
o covado: na roa dalmperatriz n. 56,loja da Arara.
Kuiipa frita da arara.
Vende-se paletots de brim de clr a 25500 e 3#,
ditos de meia.rasemira a 35500, Idos ntelhores a
45500 e 65, ditos pretos de panno a 5?, 65 e 85,
dc^ de rasemira lina e d-hronliados a 85 e 105.
ditos pretos de alpaca a 35.500 e 45, calcas pretas
de casemira a 45500, 55, 64e8i>. dito.- de meia
c.iseuiira, ganga e brim a 25 e 25300, ditos linos
a 31900, ditos de brim braneo a 35 e 35->00, ca-
mi-as francezas a 25. 25500 S 35, semillas a
15600, duas de linho a 25 B IfoOO, rolletes a 25
e 2^500 : na rica da Imperalriz n. 5':
llalles da Arara a o$.
Vende-se balites crinolinas de 20, 30 e 40 arcos
a 3T>. 3550O, -45 e 45500, ditos de madapolao a
35500, ditos de mu-seliua a 45 : s na Arara rua
da Iniperatriz n. 56.
Arara vende madapolao francez a-1^.
Vende-se madapoln francez entestado 45 e
15500, bretanha de linho. Ii.iodiii "bo de linho para
leu..oes e seronlas a 440. 600 e 640 a vaja, bra-
mante de linho de 10 palmos de largura a 25 a
vara, brim pardo de ludio a 800 e 15, lito braneo
a 1,3. 15380 o 15400a rara : na rua da Impera-
lriz n. 56.
Sedinhas a 300 rs.
Arara vende sedinhas de listrinhaa para vestidos
a 500 rs. o covado. ditas linas a H00 rs., laa i Ma-
na Pa com 4 palmos de largoe calmas de seda a
800 rs. o covado : na rua da Imp -ratriz n. 56.
Arara vende, camhraias de carorinhos a 2300.
Vende-se cambraias de earorii nos tiara vesiidos
a 25500 a peca, cortes de cansa francesa a 25, co-
bertores de pellos a 15 e 15600 : na rua da Im-
peralriz n. 56.
Arara vende os fortes de ristado;, frauceies a 35.
Vende-se cortes de ri-cados fnnrezes com 14
corados a 35 o corte : na rua da Imperalriz n. 56.
Arara vende os soutrmbarques.
Vende-se soulembarques preto; muito ricos, na-
pas cumplidas e manteletes de superior quali'lade
a 225 e 255 : s a Arara rua d;. Imperalriz nu-
mero 56.
Vende-se alpara prela a 300 rs. o covado.
Vende-se alpaca preta para ve: lidos a 500, 600,
700 e 800 rs., fina de cordao a 8 tol, priorea prela a 800 e 640 o covado, hoinlcazi-
na preta fina a 15400 o covado laazinhas prela
para senhora que estao de luto a 720 o covado :
na ruada Iniperatriz n. 56. A Ijja ota aborta at
s !l horas da noite.
PtKt S SIMIO-
RAS m. im vi CMMVOS1!
.iloirciiiiquc, i a as e stiu'enibarque
Joaquim Bodjignes Tavares de Mello acaba de
receber de Pars e d- sna propria ancommenda um
completo sortimento de moirenti.pie, canas e son*
teintcarque para senhoras, fazenda a melhor que
tem vindo a esle mercado, os qnaes vende por mui-
to menos proco que em ouira qi alquer parto : na
rua do Queimauo n. 39, loja de 4 portas.
Vende-se una casa e outra rom alicoree na
rua da Amisade na Capunga, no trincipio da rua
do lado direito : quem vai por S. Jos do Mangui-
nho : a tratar aaumesma cas.
aagiu mmk
receben:
Sapatinhos de selim nrauco bordados paia bap-
lisados.
Meias de seda branca para o mesmo fim.
Mu bonitas e delicadas louquinhas enfeitadas
para dito.
Pulseiras e > ollas de contas brancas para senho-
ras e meninas.
Fita branca e pret de borracha, com diversas
larguras.
Transehns de borracha sonidos em cores.
Trancinha preta de laa, e outras trancinbas de
laa de gosto novo e mui bonitas cara enfeites.
Enfeites conservadores para senhuras.
almaco c de peso.
Alem do grande sortimemo de papel greve e ou-
tras mullas qualidades, que constantemente se
arham na lojadagnia luanca, faz-se notavel pela
superioridad!- de qualidade o papel inglez almasso
e de peso, que acaba de chegar para a dita loja ;
um e oulro sao mui encorpados e de um assetma
do lustroso e macio, que na verdade a: odos a;ra-
dam. As resmas da>|Uelle lem 480 fallas, e as
deste 500, e cusa cada urna 85. lambem veioda
mesnia qualidade e de tamaito pequeo, cm cai-
xiohas de 100 folhas, tanto liso como beira doura-
da, cuslando este 25, e acuelle 15200 a caixinha.
J vem pas 63 apreciadores do bom papel que
dirigindo-se munidos dedinheiro serao tem servi-
dos : na rua do Queimado, loja d'aguia branca
numero 8.
HOYOS PINTES
de concha.
Chegaram novos c bonitos pentes de concha,
sendo de tartaruga, massae dourados; agora, pois,
dirigirem-se com dinheiro rua do Queimado,
loja d'agnia branca n. 8, antes que se acabeui.
FiAMlnS
com gomma arbica dissolvida : vendem-se na
rua do Queimado, loja d'aguia branca n. 8.
tirelas coito pediasno*
vo sorthnent'K
A aguia branca recebeu por esse ultimo vapor
um novo e bello sortimento das procuradas fivelas
com pedras, pairado assim salisfazer a todos que
dellas precisarem, una vez que appareca dinhei-
ro : na rua do Queimado, loja d'aguia branca nu-
mero 8.
COPOS COM BA-
r\nt.
A aguia branca acaba de receber os hem conhe-
cidos e apreciados co|tos com banha, os quaes es-
lao sendo distribuidos com aquelles pretendentes
que coitiribuirem com 25300 vista : isso na rua
do Queimado, loja d'aguia branca n. 8.
IHlTO BIKS ? KIAS
para scuhora e meninas.
A aguia branca recebeu mui boas meias france-
zas, de lino lendo e fio redondo, o que as tornam
de immensa dura(,-ao. porque mniln convm, anda
mesmo i ustando 7 e 85, como se estao vendendo a
dinheiro vista, na loja d'aguia branca, rua do
Queimado n. 8. ________
GRAGEAS
oeGELISe CONT
- Ao lacttite de Ierro
Approvadas da academia imperial de medicina
de Parla.
Segundo o rotatorio feilo na academia em
i de fevereiro de 1840 pelos Sis. profes-
sores Bouitlaud, Fooqoier e Itally, esie fer-
ruginoso reconhecido superior a lodos os
oulros para curar : a tlilorosis (pales eou-
leurs), e leueorrlia (penes blaniiies), a
anemia (fraque/a de temperamenlo nosdou
sexos), dillicnilade de inensiruariio sobre
ludo as mocas, incotititiencia de uri-
nas, etc.
E' o mais apradnvel de lomar por sna
forma de pillas assucaradas, e essenci.il-
inente mais efficaz do que as oulras prepa-
raeftes etc., por ser muito soluvel no smro
gstrico, como consta do relainrio lo re-
centemenle na academia de medicina de
Paria pelo Sr. Flix Boudet, em nome de
urna commissao composia dos Sis. Velpean,
epeau, Bnucliardat, Trousseati. etc., to-
cando as experiencias fehas sbreos princi-
pnes seres fcrruniniisos com nm sueco gas-
trico fresco no laboratorio do Sr. Bondtil,
pelos Sis. Dis. Coivi/art e Rarrcswil, que
o lclalo de ferro o mais soluvel e por
consequencia o mais ellicaz.
Deposito gernl: em Pars, rua Bourbon-
Villeneuve, 10
Em Pernamhuco, na casa de Caors A Bar-
bsoa. rua da Cruz n. <8.________________
Vende-se a proprledade denominada Maltez, fita
na freguezia de Tracunliieui da comaica deNaza-
reth, com una top de frente e meia de fundo, e
| proporces para nella se levantar um bom eii|fe-
nho de fazer assucar, sendo que actualmente ren-
de ella mais de 1:0005 que pagam os moradores
que tem : quem a pretender enteitda-se nesta pra-
5a com o Sr. Antonio Jos Leal Ueis, ua rua da
Cadeia do Reclfe n. 47.
Veode--e um carro com vidrayas, prnprio
para pariicul.T, e com arreios novos de metal prin-
cipe ; quem o comprar, nao faz a menor de>pe-
za. Taubein se vende a parellca de ravall..s ru<;os,
Kurdos e fraudes, muMn bom ti .dadores no carro e
na sella, ainlam baixo at meio : ver e li alar na
rua do.Cotovello padaria n. 31.
Loja das varas
& Rua do Crespo 5
Neste otabelecimcnto vende se | or | re-
jes razoaveis os seguinles artigus alm
dos mais :
Pentes de tartaruga fino costo Co-
tild e Iniperatriz Eugenia a 125.
Cortes de cambraia braneo bordado
a 1"5.
Manteletes de fil pretoal."5.
Lias de nra, covado 240 e 400 rs.
Uem infestadas a 500 rs.
Vestidos para casamento sendo de
blond e moreantique.
Vestidos e capas pretas de bom posto
proprios para o presente tenq o de qua-
resma. Ali5m d'sto tem um completo
soriimcnto de fazendas finas e grossas,
as quaes se vendem mais em conta do
que cm ouira qoalqttcr parle, >o avista
dos compradores se justifica r.
?S32 EJ^^l lSCl^gfp* Hila da Se zalla \oa n. i 'i.
Neste} estabelecimento vendein-st.- tachas de
ferro coado libra a 110 rs., dem de Low
Vloor libra a 120 rs.
AGENCIA
DA
FUIBKiO DE L0W-M00H.
Rua da Senzalla nova n. 42.
Neste estabelecimento contina a haver
um completo sortimento de moendas e meias
moendts para engenho, machinas df vapor
e tachas de ferro batido e coado, de todos os
tamanhos para ditos.
I Arados americanos e ma:li iras pan
i lavar roupa: em casa de S. P. Johnstoa < C,
rua da Senzalla Nova n. 42. ____
-... w "
Pdrtfetrff.
Vende-se um preto opilmo padeiro e urna preta
boa rozinheira e lavadeira : a tratar na rua do
Mondego, padaria n. '1".
Vende-se um tpele avelludadn para forrar
urna sala, obra muito boa e por preeo contniudj :
e Iralai na Soledade n. 38._________________
t eytos
Registros em grande formato.impressns em papel
deHoll; nda, ricamente ornados rom vmhetas, itc:
N. S. d. oneeieao, d'AsMini|.cao, do Terco, das
NecessiJades, da Paz, dos Krajures, s. liias, o Se-
nhor Cruxificado, da Boa Sentenca. me se venera
na matriide Santo Antonio, do SS. Sacrninento, o
outros 11 mos em pequeo formato, de dinVrenTea
invorai;oes, que se trocam em poreto e a retstftKJ,
por mu cominodo prefi: na roa >t.> Imp raCUT n.
15, defronte do convento de S Fraricis.-o.______
Vende se um eslabalerinieoU) de ferragena
na melhor localidade da rua do (Ju. iioado, muita
proprio para principianie por ter t.ni pequeo II n-
do em iazenil.es de le : quem pretend r deise .1
nome en: carta fechada no arinaze:.t da rua da
Cruz n. 36, |iara ser procurado.______________
Vndese os terrenos de mamila n*.-40 et
40 A, sitos na rua do (iapibaribe : a tratar na da
Imperalriz n. 63 segundo andar___________
Vende-se (arlaba muito superior a sacea a
Kt6 0: na taberna travessa da rua Bella n. 8,
pela minia porcao que tem.
^.07
Vende-se a verdadeira grana n. 97: na rea di
Trapiche n. 19, escriptorio de Eduardo Fenlon.
ESCRAV0& FGIDOS.
Ji 1 VJM"
Acha-se fgido o escravo de nome Faustino, de
idade O anuos, pouco mais ou ni.ii>-, cor filia,
aluna regular, grosso do corito, bem psfwdi
barbado e j com aigtins cabelles bnmros na bar-
ba, bracos e peritas piuusm r ba-iam.- c;.Im||ikI.i,
lendo as pernas arqueadas, porm nao minio, ros-
luiita andar sempre pelo Barro, tuquia, A ;;
etc., en sambas, e as vetes rostuna embriatu Me
bastante por (tostar de beber : portanl, rogt-sa as
autoridades policiaes e aos reptles de campa e es-
pecial avor de o apprehender e coiidnzi-lo a rasa
de seu senhor, o major Antonio da Silva Coisii Oj
na rua Imperial, que graiiflcara geiieronarni-nte.
Fugio hoiitem a eserara Francisca, crlonU,
de 30 aunos de idade, estatura nata, cor fula, ca-
bellos cnnipridos, lem o semblante rain gado, es-
lava criando, supi oe-.-e ipie toina-e a direceo do_
Cabo, por ler mil e prenles : roga-se a ti das as'
autoridades desta priea cfra delta, e a todos os
capiaes de campo que a prendam e levem na
roalinperial n.3, que serao feuerosamente recom-
pensad IS.______________^^_^__^^_______
tMiato futido
Fugio da rasa do abaixo assignado, na rua da'
Cruz n. 33, nodia23 de sVvereiro, o escravo Jaron,
de pafo Mina, niaior de 40 anuos, rojo .-. ravo
foi do eiiKcnho Uhainiioha, pertenrente ao Sr Ig-
nacio .le Barros Wand.rley, termo de Serlublerft,
0 dito escravo soffre muito de fraldade i pn -u-
me-se i|ue .-si acoulado em casa da amasia, i ons-
ta t.r sido visto no barro de Sanio Antonio, prxi-
mo na casa do Sr. Jos Pedro do Rei,o, na rua das
Cruxes; alio, eneorpado, e qtandti an.'a aira-ta
um pomo a perna, levou vestido calca de azi >.
camisc l.ranea e barrete vermelho na .alna, 'os-
luma fuer cbapus, e mnito ladino : protesia-so
contra quem o acontar, e rogase a -eiil.ui -e> cv
piies .le. .ampo a captura do dllo escravo, e quem
otroux.r casa cima indicada, s. r i.-., uqua-
sado. Domingos Rodrigues de Andrade._______
I'ugio no dia 2l7s 8 horas da noile, a cabra
fula, de iiHiue Clara, coin M signae- >.cfOUMa* :
narra e Hkeia do corito, p* e mos grosM", mean
btlla da dOUS denles na frente da parle de rioUkj
anda muito apressada, foi rom volido de c-lnla no-
vo e chale, e anda de balao, qnando P ra o Rurife : quem a |tegar, leve-a rua btrp do
Hosario. ou no Apipueos, ao seu senhor, abaixo
assigntdo.
Joao Machado 'Brandao.
\
CMC-- r-*ilii..!-


Diario de Pernanibnco Sabbado 5 de Mar? de I Hfll.
LITTEMTRA.
0 QUE VAE PEL0BUN00.
Sendo presentemente importante a questlo ina-
ii seguida diverso docuintulos
qjj precuderatu-a:
t I. Tftlo da conveucBo assignda em Vanotia
a 15 de junho de 1851, entre a llussia t I
a tobit a successao ao throno
li tfocolo. -S. M. o imperador de indas a? Rus
e S. M. el-rei do uinaiearca, tomando cm 'un-
sideraco as transaceoes concluidas entre os_ seos
augustos preducessores nos annos do 17(17 e
1773:
Considerando que, tanto para estbele*er a
iranquilidatedo norte da Europa n'um p dora-
douro, ionio para aflastar ludo quanto actualmen-
te e no futuro possa d;ir lugar a malentendidos
ou desarcordos na augusta casa do Oldem burgo,
o imperador Paulo, de gloriosa memoria, eito
grao-duque da Russia. renunciou por si, a-sim
ns herdeiros e desreudentos a lavor
do S. M. el-rei r.hristiano VII, de gloriosa me-
moria, e donhei doiros da sua coma real, a tojos
os seus direil '> e pretencoes ao ducado de Sch es-
wig em KOMI, e beni assim parte outr'ora do-
ro nio de principe d'aqtielle ducado cm partcu-
la,- que da mesma maneira o pelos niesmos ino-
, S. M. o imperador I'aulo, cedeu por si e
pelos seus descendentes herdeiros o successores,
tudo quauto possuia no ducado do Holstein, q lr
em commum com S. M. cl-rei do Dinamarca q lr
separada mente;
Considerando que este acto de cesslo do
ducado de Holstein, so tem lugar exprcssamtnle
a favor de S. M. el-rei ChrisMO Vil e da ma
descendencia masculina, assim como eventt al-
ente a favor do fallecido principe Frederico, ir-
niao d'el-rei, e da descendencia masculina d'rste
principe; c que as eventualidades que admilliam
os proprios termos d'este acto de resso, ] eslao
em parte realzadas com a extenso da descendm-
cia mascuHoa do rei Christiano VII, ou podm
realisar-se n'um futuro mais' ou menos prximo,
sim que as ditas transaceoes tenban sido appli-
c&das do qualquer maneira;
t Prevendo o perigo que o silencio dos tratados
existentes pode ter para a monarrlna dinamarque-
sa, se, em consequeucia da extinecao da linha mis-
culina actualmente reinante cm Dinamarca, a ex
regia, tivesse a appliearo pura c simples a urna
pari d'esla monarchia;'
Recor.heceu-se a obrigacao e o dircito, co no
successores das augustas partes contratantes nas
transaceoes de 1767 e 1773, de se entenderem til-
Ua ament ^bre mais apropriadas combinaces,
para o duplo fim que se tem em vista.
t l'or consequencia, os abaixo assignados, le-
pois de upi maduro exame de todas as qucsles
qtt' se ligara a este negocio, concordaran! entre si,
sob a expressa reserva di alta approvacao dos seus
respectivos soberanos, e referendarara no prese ite
protocolo os seguintes pintos:
l O fim que se tem em vista no interesse da
&m do norte, como nod paz interna da casa de
Idemburgo, isto a imoutencao da integridalc
da casa dinamarquesa, nao pode realisar-so senao
por meio de urna combicaeo que chame a succes-
sao, na lolalidadJB dos aciuaes estados reunidos son
o sceptro de S. M. .el-rei de Dinamarca, somon-
te a descendencia masculina com excluso das n u-
Iheres;
II A descendencia masculina do principe Chris-
tiano de Sehleswig-Holstein-Sonderbourg-Glucls-
burg, e de sua esposa a princesa Luiza de Hesse,
rene em si os direitos de hereditariedade, qie,
com a extiuegao da linha masculina aclualmeite
reinante em Dinamarca, Ihe cabiam cm virtude
das renuncias de S. M. R. a Landgrave Carlita
de Hesse, de sen fllho o principe Frederico de
Hesse, e de sua Giba a princeza Mara d'Anhi.lt-
Dessan
t III Querendo, pela sua parte, completar os
utulos, que resultara d'estas renuncias, e pro-
duzir dYste modo ama combinacao que seria
do mais alto interesse para a conservaeao da
monarchia dinamarqueza na sua integriddc, S.
M. o mjierador de todas as Rnssias, como che-
fe do ramo mais antigo de Ilolsteins Gottorp, es-
t prompto a renunciar aos direilos eventua 'S,
que Ihe pertencem, a favor do principe Chr s-
tiano do Glueksbourg e da sua descendencia mis-
culina.
Fico tambem entendido:
Que serao expressamente reservado? os direi-
tos eventuaes dos dous ramos raais novos de He Is-
tein-Gottorp;
Que quelles augustos de que o ebefe do ramo
mais* antigo faz cedencia, por si e pela sua des-
cendencia masculina, a favor do principe Chris-
tiano de Glueksbourg, reverlerao para a casa im-
perial da Hus.sia, quando, o que Deus nao permita,
se extinga a descendencia masculina d aquellos
principes;
Que, urna vez que a renuncia de S. M. o im-
perador tem principalmente por fin facilitar una
combinacao reclamada pelos primeiros interesse*
da monarchia, a ollera de semelhante renuneja
dei xana de ser obrigatoria se essa combinarlo
chegasse a malograr-se.
IV Em consequencia das considerai-oes. que
indicam os paragraphos 2 e 3 mencionados'o pr n-
cipe Christiano Glueksbourg. coujunctamente com
a princeza sua esposa, e na sua falta, a deseen-
dencia masculina de SS. AA. tero, mus do
que qualquer oulro ramo, titules ijuc os habilitam
a succeder, no easo de vacancia, nos Estados-l'ai-
dos actualmente sob o sceptro de S. M. diara ir-
OMB.
Por consecuencia, as duas cortes de S. Peters-
bnrgo c de i.opcnhague, convieram :
Que S. M. el-re de Dinamarca indicar o
principe e a princeza de Gluck>bourg, conjuncta-
mente, como herdeiros presiiinplivos da sua coroa,
no caso de se extinguir linha masculina da dynis-
tia reinante;
Que S. M. far reconhecer a sua alta retlo-
cao s potencias amigas da Dinamarca;
Que se, para assegurar o completo xito desta
combinacao se julgarein uteis e convenientes cor-
tas renuncias, liram a cargo de S. M. dinam; r-
quezaas indomnisaedes que se possam reconhecer
justas e equitativas
Finalmente, que se vcriGcarao em Londres as
negociaeoes uecessarias para dar o carcter de urna
transaceo europea, aos ajustes, pelos quaesoprin-
cipo e a' princeza de Glueksbourg hao de ser i c-
conhecidos, como successores presumptivos ao
throno da Dinamarca.
t Os abaixos assignados, reservam-se submeuer
o presente protocolo aos seus augustos soberan is,
sollictando a sua approvacao para as disposieB >
que n'ellcs se conten.
V;isovia, 24 de maio, o de junho de 1851.
Nesselrode.MeyeiidoifT.Heedtz.
2. Despanlio do ministro de estrangeiros da
Hotlanila ao representante desse paizem Pars, m
resposta do convite para o congresso.Haya, 27 de
dezei'.iiuo de 1863.Sr. ministro ministro de
Franca leu-me, e deixou-rae copia de ura despacho
de S. Exc. Mr. Drouyn de l.ouys, com data de 8 de-
zembro, pelo qual o'governo do imperador' moslra
Ino a maior parte das corles da Europa teem adhe -i-
o, sem re-erva eom qoanto que com certas reslr <-
g2 s, a iniciativa de S. M. o imperador dos France-
ses, para combater por meios paciticos e leaos, os
perigos da situacao actual da Europa.
t Na falta de' urna acceitacao unnime da pro-
posta deS. M. o imperador, e tomando nota das
boas disposiedes que Ihe tem sido testemunhadas,
declara-se prompto a entrar era tira commum ac-
coodo com os soberanos que se associaram as suas
intences
t o governo de S. M. apraz-se vernesta eommu-
nicaciio a pro va de que S. M. o imperador apret ia
a homenegem prestada ao seu generoso pasamen-
to na carta de S. M. el-rei, datada de 29 de nove n-
bro, na qual S. M. el-rei declarara julgar-se fe iz
de contribuir, de commum accordo com todos >s
outros soberanos da Europa, para Tealbar o lim lio
nobreque S. M. o imperador se propoz consegu-.
Adoptando a idea de um congresso geral, oco-
verno de S. M. el-rei nao jiediu ao de S. M. o Im-
perador informacoes ulteriores acerca das questojs
que se deve tratar.
Partilhi a maneira de ver exposto no des-
pacho de 8 de dezerabro. quando diz que so per-
icnce s potencias reunidas Gxar o program-
ini das deliberat;5es. Mas para um congresso res-
tricto, enteude S. M. o imperador, que, para as'C-
gurar um resultado pralico, devem os soberanos,
antes de se cnrontrirem, encarregarcm os seus mi-
nistros dos negocios estrangeiros de se entenderem
sobre as questoes que cumpre sejam debatidas.
t O governo de 8 M. el-rei aprecia em todos os
seus pontos a necessidade desse accordo previo ;
mas c levado a acreditar que as questoes a tratar
depenliem inteiramente do> governosque nellas es-
to directamente implicados.
O governo de S. M. el-rei est fora das ques-
toes. cuja soluco tanto para desejar para trjn-
quillidadn da Europa, e nao poderia por consequen-
cia concorrer para formular deliberacoes futuras.
Julga poispoder limitar-se a fazer votos para
Helo com a dieta federal, convidando os plenipo-
tenciarios a discutir questoes. que j tenham de
fado ultimadas, e o governo do imperador diriga-
se s potencias para saber se eslavam dispostas a
tomar como ponto de partida o statu quo actual no
Holstein e no Schleswig, sto a reservar as ques-
toes pndenles.
Ao mesmo tempo, vivamente preoecupado por
um poato que parece 1er grande importancia para
a Alleinanlia, o impera loi' de opioio, com o go-
verno inglez, que seria de grande utilidade que a
Confederacao Germnica lotnassc parte nas delibe-
racoes que possam ter lugar.
i para lamentar que a Allemanha nao lenha
concorrido directamente aos ajustes que se coneln-
ram em 1852 eom a Dinamarca para estabetocer
nina nova onlem de sueeessao. Mas deve pergun-
lar-se se a dieta federal se resolvera a entrar nes-
sa ordeni do ideas.
No seio de um congresso geral ou restricto que
diseutisse tambem oulras questoes alero da dos du-
cados, a Confederarlo nao teria hesitado, creio eu,
em suhmuttcr a sua causa a um tribunal ettropeu.
Urna das vantagens deste projeelo conciliador era
precisamente attender s susceptibilidades e aos in-
teresses de cada um. Mas tendo a dieta, em mui-
tas occasies anteriores declinado todas as sugges-
toes que tendessem a tirar partido da sua desin-
telhgencia com a Dinamarca, as corte; signatarias
do tratado do Londres, o imperador,antesdeadop-
tar, pela parte que Ihe toca, a proposta do gabinete"
inglez, deseja saber se est modificada a maneira
de ver dos estados alintaos a este respeito.
t E esta.senhor ministro, a commumeacao que
Uve ordera de Ihe dirigir. Ficar-lhe Ihoi muto re-
ojahecido se se dignar fazer saber ao meu gover-
no se o governo de......approva a idea de urna
conferencia, e se estara disposto a votar em Franc-
fort no sentido da Allemanha ser representada nes-
sa renniSo, por meio de um plenipotenciario espe-
cial.
5? Nota de Mr. Murray, ministro britanmeo
na Sajoonia, ao bardo de Beust, ministro dos es-
trangeiros desse paiz. Dresde, 15 de Janeiro de
1864.Tenho a honra de communicar V. Exc.
que receb neste momento um despacho do conde
Russell, no qual me faz saber quaes sao as vista-
do governo de Sua Magestade Dritannica sobre o
estado das cousas no Schleswig-llolstein.
t O governo de Sua Magestade julga que pode-
riam suscitar as mais graves consequencias. se as
tropas federaes entrassem no Schleswig, sem que
as potencias que assignaram o tratado de Londres
tivessem podido dar a sua opinio sobre aquelle
negocio.
Na opinio do governo inglez, o procedimenlo
Has tropas allemaas no Holstein tem sido contrario
nao s ao decreto da dieta, mas tambem justica.
A Bavicra, a Saxonia e o Wurtemberg devem to-
mar em commum a responsabildade.
Com quanlo nao recebesse ordem de commu-
nicar V. Exc. o contedo deste despacho, julguei
comtudo ter obrigacao de o fazer, porque so o go-
verno saxonio, n'um negocio da mais alta impor-
tancia para toda a Europa, se acha resolvido at-
tender aos conselhos do governo de Sua Magestade
Britannica, nao ha tempo perder ; a maneira por
que marchara as cousas nos ducados d tal que
quaesquer tentativas do governo inglez para man-
ter a paz entre a Confederacao Gcrmanic e a Di-
namarca, podem neutralisar-se cora os acontec-
men tos de mu nico dia.
Heeebi, etc.AssignadoCh. A. Murray.
6." fesposta essa nota.Receb agora mes-
tes : a Dinamarca retirou a patente de marco para j mo a nota com que hoje me hoorastes, e apresso-
o Holstein. Submetteu-se sem resistencia, a exe-: me responder-lne.
cucao federal, comquanto a nao considere funda-1 Nessa nota fazeis-me conhecer o contedo es-
da no direito federal. Actualmente, exige-se d'el-1 sencial de um despacho do conde Russell. aceres-
la que retire a constituido ha pouco votada para I centando que nao haveis tido ordem para m'o com-
a Dinamarca e Schleswig; mas que garanta se \ muniear.
Ihe offerece-de que esta seja a ultima concessao Sinto que tivesseis julgado conveniente dar-
que se Ihe exige ? J se apresenta urna nova cons- me della conhecimento, porque nao desconheceis a
tituico para o Schleswig, e outra constitui^o, necessidade que tenho de indicar certas passagens.
commum para a monarchia, afim de servirem de cuja linguagem frisante eguala ligeireza das
ponto do partida para novas pretencoes e exigen-] assercoes, que nao deixam de atacar a honra das
cias. Poder afinal a Dinamarca esperar quo nao : nossas banduiras.
seja perseguida com reclamaedes incessantes 1 Dizeis que i na opinio do governo inglez,
Para conservar a sua independencia, sena me- o procedimento das tropas allemaas tem sido con-
llior resistir agora do que deixar-se enfraqueeer trano, nao s ao decreto da dieta, mas tambem
por cor.cesses continuas, mas imitis. I justica, e que a Baviera, a Saxonia, e o Wurtem-
Anda que na opinio do governo da rainha, berg devem em commum tomar a responsabili-
o ponto de vista de Mr. Hall seja errneo, ha com- dade.
tudo no conjuneto das suas reexoes muitas cou i E'a primeira vez que ouco fallar de um so-
sas radicalmente verdadeira. Sim, a Dinamarca i mediante procedimento da parle das tropas alle-
tem o direito de conhecer os limites das exigen-
cias da confederacao e de querer por termo a essa
longa e fatigante contenda.
t Em lodo o caso, quer a Dinamarca estoja il
ludida no curaprimenlo dos seus deveres, quer a
Allemanha haja caneado sem cessar a Dinamarca
nas suas prelencSes, uecessaro por termo a este
estado de cousas.
t As potencias signatarias dos tratados de 1852
o a onfederaco germnica sao as nicas qualifi-
cadas para regular as disposicoes e condicoes de
um ajuste definitivo.
O governo da rainha pe Je, no interesse da
paz.
t l. Que se rena cm Londres ou em Paris
urna conferencia composta dos representantes das
potencias signatarias dos tratados d* Londres o
de um ministro] da dieta germnica, pa.a regular
a dcsintelligencia entre a Alleinanlia e a Dina-
marca;
2." Que se mantenha o statu quo at que a
conferenca haja terminado os seus trabadlos.
E' isto que o governo da rainha se julga com
direito de exigir em nome da paz.
c A Inglaterra nao nutre um interesse particu-
lar pela Dinamarca, alin do que devidn exis-
tencia de nina antiga monarchia. Mas a Inglater"
ra est milito interessada pela conservaeao da
paz.
O governo da rainha supplica pois aos so-
beranos aos gabinetes que tomeiu na mais seria
ronsiderac/io as dolorosas dillieuldadcs queobs-
tario ao ajuste das cousas no momento em que
forem entregues ao arbitrio sanguinolento da guer-
ra. Quera que antoeipadamente pode calcular
quaes sao as proporcoes que essa guerra vae to-
mar, que chimes excitar, e al que paizes levar
a sua devastado ?
t E' ora ci indiuVrente quo seja um principo
de Glueksbourg ou um principe d'Augustembourg,
quera deva reinar no Holstein e no ScMeawig.
Quer soja sb um ou outro desses dous principes.
as liberdades e os privilegios dos seus subditos po-
derlo estar egualmente assegurados, mas iiiqiorta
que a fe dos tratados se mantenha, que o direito e a
sojam respailados, e que o faclio da guerra
se nao desenvolva para devastar toda a Europa a
proposito de urna quoslao que pode ser tratada e
resol vida pelos meios paciticos.
Ficaes autorisado a entregar copia do presen-
te despacho ao presidente da dieta germnica.
(Assignado) fusselt.
que as potencias interoisadas, apreciando a sabia e
cordeal iniciativa de S. M. o imperador, se appli-
quera tambera em encontrar os meios que possam
aHastar de ama maneira pacifica os perigos que
ameaeam a paz geral.
Dignae-vos lr este despacho S. Exc. Mr.
Drouyn de Lonys, e deixar-lhe urna copia.
Recebei etc.Assignado, P. I' de Sombreff.
3." Circular de lord John Russell acerca da
conferencia para a regula isa^io da quetto ritmo-
nilnaa. Ministerio dos negocios estrangeiros,
l.ondie~. :il de dezerabro. Senhor.- Os acont'ci-
mentos produzidos desde a niorle de Frederico Vil,
temproduzido amis viva impressao no governo
da rainha.
t De principio, as apparencias offereclam um
aspecto favoravel. O successor de Frederico VII
linha si lo rcconhecido no Holstein eno Schleswig,
.. assim na Dinamarca E' verdade. que al-
guns profes.-ores e juizes recusaran! prestar o ju-
ramenio usual; mas a t ranquilidade e a ordera
mantiveram-se em geral. Esta acquiscencia in-
terna fui seguida do reconhecimento d.1 Franja.
Gra-Bietanha. Russla e Scela.
Na Allemanha, appareceu un espirito diverso;
algnns dos estados e soberanos que linham acco-
dido aos tratados de Londres de 1852, foram os
primeiros a sustentar as pretencoes do duque de
Aogusteraburgo sobre os ducados de Holstein e
Schleswig.
A Austraca Prussia seguiram urna linha de
conducta mais moderada, porque nao repelbram
absojutamente os ttulos de Christiano IX a suc-
eesaio ao throno, na conformidade do tratado de
Londres. Em contrapusic/io lizerara depender o
reconhecimento d'easea ttulos do curaprimento
dos eompromissos tomados pelo seu predecessor
em 1851 e 1852.
O governo da rainha nao pode adraittir ne-
nhun desles dous pontos de vista.
O governo da rainha julga que a Dinamarca
deve permanecer fiel s obrigac,oes contrahida;";
mas nao pode adraittir que a cora de Christiano
IX depende d'essas obrigae5es.
t A Inglaterra reconhec'endo hristiano IX, in-
sisliu junto d'elle, de accordo com a l'ranea, eRus-
sia para que compra todas as mencionadas obriga-
ees ; o governo da rainha tem a conviccao de que
Christiano IX satisfar assesrompromissos, porque
aquello principe nasceu allemo, eno pode por-se
cm duvida as disposiQSes pessoaes que tem para
tratar com egual benevolencia seus subditos al-
lemaes. Por mais fundada que sejam as queixas
sobre a pareiaidade dos. funecionarios dinamar-
quezes nomeados pelo fallecido rei, julga-se que
essas causas desapparcro, segundo todas as pro-
babilidades, era presenta de un iratamento egual,
c imparcial da parte do novo soberano. Infeliz-
mente oppoc-se dous obstculos a um ajuste con-
forme os ilesejos de todos os amigos da paz; um i
a constituido de Dinamarca-Schleswig adoptada
em novemb'ro ultimo pelo Rigsraad de Copenhague;
o outro a attitude da Allemanha.
t A nova constituico parece, s vistas do go-
verno da rainha, o equivalente de urna incorpo-
raco do Schleswig Dinamarca, e por consequen-
cia em conlradicco cora os eompromissos tomados
pela monarchia dinamarqueza. EITectivamente, a
defesa dos ministros dinaraarquezes n'este ponto,
pouco satisfatoria.
i Masasobservacoes de Mr. Hall sobre o espi-
rito na Allemanha merecem a maior considerarlo.
Esses argumentos sao por assim dizer os seguin
mas no Holstein.
t Sentia a tenlacao de vos pedir que aponteis
factos em apoio de urna prctenco to arriscada.
Se renuncio a isso, porque a conducta das tropas
federaes n'um paiz federal, no qual se encontrara
em virtude de urna resolucao federal, um as-
surapto que nao diz respeito em cousa alguma a
um governo eslrangeiro.
Fazendo responsavel a Baviera e o Wurtem-
berg. que nao mandaram para ali tropas, mais
urna prova da ignorancia das cousas que se esto
passando na Allemanha.
l)izeis-me afinal que se as tropas da Confede-
racao entrassem no Schleswig, sem que as poten-
cias que assignaram o tratado de Londres tivessem
podido dar a sua opinio, poderiam resultar as
mais graves consequencias.
Como sabis, a dieta esta a ponto de se pro-
nunciar sobre as propostas que se Ihe fizeram rela-
tivamente ao ducaibrdo Schleswig.
A advertencia que o governo de Sua Magesta-
de Britannica pretende fazer-nos, de tal natureza,
que nao pode deixar de chamar a atlencao do go-
verno de el-rei.
Esto ha de submell-la um serio exame.
mas permitti quo vos faca observar que para um
governo quo presa a sua honra e a sua diguidado,
nenhum meio poderia ser mais eflcaz do que a
ameaca da violencia, para o fazer arrostar todas as
consequencias de urna deciso dictada poraquelles
sent montos.
Recebi, etc.AssignadoDe Beust.
Damos em seguida a continuaco do relatorio do
Sr. ministro da marinha apresentado as cortes
brasileiras.
Io Averiguado, como est, por diversos exa-
mes, (pie procedern, os peritos do arsenal, que
o sinistro soffiido pela porta-caixao foi devido
falla de lastro desta, e sua consequentedeslocacao.
deve esse sinistro ser exclusivamente altribuido
caso fortuito e forga maior, ou algueni pode ser
imputado T
Na segunda hypothese qual, ou quaes os cul-
pados ?
2 Exame g>ral da obra da forma do art. 4"
do contrato, cm seu final, com declaracao especifi-
nlstro.O governo inglez dirigiuao governo do ira- 3o Qiial a natureza das causas que tem termi-
perador em data de 31 de dezerabro, una comrau- nado a demora do empreiteiro na entrega deflniti-
SSdt.S*re* oltgtis'i^u^ D i va d0 2+ ?* -o,accessorios eobras,
vera ser composta dos representantes das poten-! Pimplos e concluidos, dando-se assim excesso de
cias que assignaram o tratado de 1852, deveudo
associar-se-lhe ura plenipotenciario da dieta ger-
mnica.
Qoando o governo do imperador foi prevenido
pela primeira vez a este respeito, julgou, para af-
fastar qualquer confuso, expor claramente a UitTe-
renga essencial que existe entre urna conferencia
que discuta uraa questo especial, e o congresso
geral ou restricto, cuja idea dimanara do impera-
dor. Dm congresso que linha que regular os mais
heterogneos interesses olferecia elementos de tran-
saceo, iuen'uma deliberaco que se restringe a um
interesse solado, ho de necessahamente fazer fal-
ta. Guiado por esta considerarlo, e io querendo
agora tomar debaixo dos seus auspicios urna nego-
ciado de que necessariaraente se deviam excluir
muitas potencias quo linham adherido idea de
um congresso, nao pone deixar de declinar a pro-
posta de reunir a conferencia ein Paris.
t Mas o governo do imperador nao deixa doler
desejo de anoiar os esfbrfos que se possam fazer
para prevenir mais graves complicacoes. A con-
servaeao da paz era o lim que meu augusto amo li-
nha em vista, quando convidou os soberanos a en-
tcuderein-se entre si para eslreitar raais o syslema
poltico da Europa. A idea de S. M. ainda a
praso contra a expressa disposico do art. 3" do
contrato ?
4." Em vista dos planos, natureza da obra, es-
clarerimentos que possuia o empreiteiro, e traba-
dlos preparatorios a que proceden, ou devia proce-
der, as causas que, aOirma o mesmo empreiteiro,
alterarara o plano primitivo e a direegao dos seus
esforcos, acarretando-lhe augmento de despezas,
deviam ou nao ser por elle previstas e entrar nos
clculos do seu ornamento 1
e 5." Comparaco do orcamenlo das obras com
o valor real das mesmas; e deste com as despezas
feitas pelo empreteiro.
6 Todos e quaesquer esclarerimentos que a
commissao julgar necessarios elucidaco das
questoes de fado, formuladas na reclamacjio que
aprsenla o empreiteiro para indemnisacao de pre-
juizos, que allega ter solTrido.
A COmmlssio, depois de celebrar differentes
IQSidoil e de proceder a vanos exaraes e diligencias,
nii'sma. ir com piante continu a estar persuadido julgou essencial ouvir sobre a materia o reclaman-
do que existir s ura meio que ali pode conduzir i ,e nij.( re;!pos|a aginrd ara
cora segnranca, nao tem comtudo objeccao absolu-!,
liamos.
No dia 30 de novembro prximo passado. re-
cebeu a intendencia da marinha communicaco de
acbar-se concluida, e prompta a ser entregue, a
porta-raixo de ferro contratada com John Maylor,
cujo recehimenlo realisou-se no dia 24 de dezera-
ta a fazer contra a combinacao indicada pelo gover-
no inglez.
Todava, para S. M. erara necessarias algumas
explieaces previas, c por isso se sollicitaram das
potencias.
O estado actual da colisas assim o prova rape-
rabnudantemeiito; a conferencia de Londres (de
tSl'&KffiBSf^ b,' *y de *os xaraes es,il,ulados"rcs"
secundarios da Allemanha, e mesmo poralguns da- peclivo contrato.
quedes que linham adherido. Naquella data elTeituon, egualmente. o enge-
Se agora se remtese de novo, seria essencial nheiro Luv Icr expirado 0 ,,rM0 convenciona-
estabelece-la era condicoes que possam deixar es- .
perar resudados mais saltatorios. Em primeiro d". aentrega da porta provisoria e do dique a ins-
lugar, importante uo por a conferencia cm coa- peccJk) do arsenal.
Finalmente, tendo a pratica demonstrado a
necessidade deserem alteradas as instrueces. que.
com o carcter de provisorias, foram mandadas ob-
servar no dique imperial, c epedi aviso em 27 de
novembro ultimo, (liando regras para o servicoali
exeeulado.
Mrllioramento de poi tos.
Maranho.A obra do cae? da Sagraco, quede-
w estender-se al a ra do Ribelro, reclama a
importancia de G8:(X)i)500i) is., que, segundo o or-
canianto apresentado pelo tei ente coronel Joo Vi-
to Vieira, ser preciso ainda despender-se para
conclui-la : quantia que licar.i redolida de.....
4I:I370000 rs., modilicando-:e o plano assentado,
com a omissao do parodio pa-alelo ao caes prin-
cipal.
Para tomar urna resolucjo definitiva sobrees-
t objecto, exigi certos eselarecimenlos e plantas,
cuja remesaa aguardo.
i Parahyba do Norte. Por aviso de 11 de se-
tembro uliimo, autorise a presidencia da provincia
da Parahyba a applicar, na falta de consgnacao
especial, para coneluso do caes do Varadouro, ni-
vellamento da praca correspondente, e outros tra-
badlos de melhoraniento do porto, oreados em___
lOiOOO-JOOO a somma de 8:00( J0O0, decretada pelo
paragrapho primeiro artigo 11 da lei n. 1.177, do
9 de setembro de 1862, que rege o actual exer-
cicio.
Segundo informa o capito do porto da referi-
da provincia, acha-se limpo e nieiramente desobs-
truido o leilo do rioParahybi, desde o porto do
Gira at o do Cabedello. tendo-se removido em toda
essa extenso os restos de antgos curraes de pes-
cara, podras provenientes de lastros de navios, e
outros obstculos que adi'jaziain impedindo a livre
oorrenleza das aguas.
Pernambuco.O trabadlo do desobstruefo do
porto recebeu, durante o auno consideravel irapul-
so.extrahiodo-se com o auxilio da barca n. i 51,571
toneladas de ara; que remo, ida em canoas, foi
applicada, principalmente aos aterros da parte in-
terna do caes de Santa-Isabel o largo do Hospi-
cio.
Maior desenvolv ment ganhar ainda este
servico com o emprego simultaneo das duas bar-
cas, que, brevemente, podero funecionar visto co-
mo est quasi concluida a reccnstrucco da barca
n. 2.
t Excavando a barca pouri cima do arsenal,
retirou do fundo parte do cseo de u:n navio vo-
ltio, cujas pecas, pnncipalment j a roda de proa,
que veio adherente parte da quilha, denotam ter
pertencido a uraa galera ou grande barca ali afun-
dada, em poca de que os habitantes do lugar uo
conservara tradiccao.
Citando este facto, lira dille mais ura argu-
mento o inspector do arsenal e e Pernambuco para
confirmar o juizo que manifestira acerca das cau-
sas originaes do entulhamenlo daquelle porto, cujo
fundo, ajunta a mesma autorid.ide, nao poder ser
nivellado, emquanto nelle permanecer osaseos
velhos, que actualmente impedom o livre movimen-
to das aras.
c Contina o pernicioso abuio, j por mim de'
nunciado, de seren laucadas ;,s aguas do porto as
inmundicias da capital; de mido que em lugares
mais pblicos, e junto a algumas rampas, est o b-
xo das praias so nivellanUo pelo caes.
pois da maior urgencia adoptar-se providen.
cias rigorosas, que opponham paradeiro a to no-
civa pratica, entre as qnaes le nbraria a concessao
de favores e privilegios a alguma empreza que se
propuzesse tomar a si o servieo da limpeza da ei-
dade.
A deraolifo dos grandes pilares de alvenaria
sobre que assenlava a antiga ronte do Becife, que,
segundo o contrato passado entre a presidencia da
provincia e o baro do Livramento, vae ser subs-
tituida por outra sustentada por columnas de
ferro, proraetle concorrer efcazmcnte para o apro-
fundamento do porto, deserab; racando o leito do
rio daquellas massas de pedra que, impedindo o
curso das aguas, davam origem a creacao de ou-
tros tantos bancos de ara.
t Adianta-se a construcfo do caes de Santa Isa-
bel, que orla a margem do Capibanbe, desde o pa-
lacio da presidencia al a ponte da Boa-Vista, e
que est sendo feito por empreitada do bario do
Livramento.
Segundo as ultimas partieipacoes achavam-se
promplas, no Io de outubro, 143 bracas desta obra,
e os correspondentes aterros; restando por fazer
44. que deviam ficar concluidas por ledo o mez de
dezembro prximo passado.
c Teve ao mesmo tempo regular andamento a
ereccao da muralha da Iba do Nogueira, da qual
concluiu-se urna extencao de 515 palmos, sobre 30
de sapata, 20 de altura e 7 de espessura na face
superior.
Havendo a nossa legae;o em Londres, por or-
dem de um oe meus antecessores, submettdo ao
exame de Mr. John Hawkohav o plano das obras
concluidas e projectadas para melhoramento do
porto-de Pernambuco, deu este o parecer que en-
contrareis annexo, o qual niencendo a approvacao
do governo vae ser posto em pratica.
Rio Grande do Sul. Segundo participa o cap-
to de fragata Manoel loaqnim Crrela dos Santos,
encarregado dos trabalhos ele dosobstrueco do
porto do Rio Grande do Sul, linha-se excavado,
desde o primeiro de Janeiro ale setembro do anno
(indo, no lugar denominado Taboleiro do canal da
barca, uraa extenso de 170 bracas sobre 20 de lar-
gura, correndo as primeiros oiteuta bracas ao ru-
mo de 46" NE SO, e as 90 restantes ao 55, no mes.
mo quadranle.
t Este canal offerece, nas mares bai xas, a pro-
fundidade de 16 17 palmos, o que constitu', sem
duvida. um melhoramento aprociavcl; por quanlo.
antes dos trabadlos ali executados, apenas propor-
cionava elle, nas mesmas mares, o fundo de 13 l|i
a 14 1|2 palmos, na primeira das duas secedes ci-
ma referidas, e o de 12 13 l\i na segunda.
A partir, porm, daquella dala, foi forcoso sus-
pender a excavac,o, afim de impar-se o casco e
machinismo da draga, e ellectuir alguna concertos
nos respectivos bateles.
Para evitar semelhantes inlerrupcoes. sempre
prejudiciaes a trabalhos dessa natureza, cujo bom
xito depende, essencialracnte, da conlinuidade'
forra o aclividade dos meios enpregados, cumpre
augmenlar o material destinad* a tal servico, pro-
vendo, quanlo antes, eonstru vo de mais qualro
bateles e urna draga.
Reconheceiido-se que o vapor Cuchoeira, pela
fraqueza de sua construeco, e pequea forea de
seu machinismo, embaraeava r progresan da esca-
vano, vista da lentido com que rebocava os ba-
teles de entulho, expedi ordera para quo fosse ut-
lisado em semelhante niister o vapor Aja, que, nao
possuindo as qualidades requeridas para navio de
guerra, entend cenveniente im.ndar desarmar.
Pharoes.]
Ro Grande do Sul. -Os cinco pharoletes do
Kstreito, llojur, Capio da Marea. Christorao Pe-
reir e Itapoan, lodos na lagoa dos Palos, exigem
melhoramentos. que teera de s ;r decretados no fu-
turo exercico, e cuja despeza ercad em cerca
de 15:0005 assim distribuidos :
Para a compra de novos apotremos
de luz ,...... 3:0005000
Para reconstruccoes e obras 9:0005000
Para concertos e reparos .... 3:01X15000
S. Paulo.A presidencia de S. Paulo foi au-
torisada a despender, no corrente exe/cicio, at a
quantia de 2:5005, com urna c.-.sa de 30 palmos
de frente sobre 30 do fundo, destinada ao aquarte-
lamento do pessoal o arrecadacao do material do
pliarol da Mola, ltimamente mclhorade pela ree-
dificacao da respectiva torre, e subsliluico do
apparelho de luz.
Babia.O pharol do morro de S. Paulo recla-
ma alguns concertos e obras indispensaveis a sua
conservaeao, calculadas em 1:9785, sobre as quaes
nada pude resolver, por nao me lerem ainda che-
gado s mos os esclarerimentos que a respeito
exigi da presidencia.
Ceara.Por aviso de i I de, fevereiro, autori-
se a presidencia do Cear despender, por pnnta
da rubricaObras,lo corrente eeorcicio. a som-
ma de 41)05, com os concertos requeridos pelo
mo estado do pharolele do Mocuripe.
- Maranh5.Pharol da ilha de Santa Anna.
Funcciona regularmente, conservando-se em bom
estado o edificio ltimamente construido.
c Para acautelar o esboroamento do terreno em
que est situado, e que, pelas continuadas Um-
soes do mar, tendem a desapparecer completa-
mente, aconselhou o capito-tenente Gabaglia o
piando de mangues, e a continuar! das fachinas
em certos pontos da ilha ; medida que, sendo por
mim adoptada, principiou a ser executada em
agosto, achando-se concluido, pelo lado de NK, se-
gundo informa o respectivo eapito do porto, um
laneo das mesmas fachinas de 50 bracas de ex-
enso.
t
Para que este trabadlo se torne proveiiojo,
necessario que nao seja descontinuado, votando-se
pelo menos 1:0005 annualmento para o raesmo
(ira.
Praticagem de barra*.
Rio de Janeiro.Movido pelas consideracoes
que tve a honra de expr em oulro lugar, expe-
di aviso em 18 de marco do anno prximo passa-
do, regulando o servico da praticagem da barra
de S. Joo, no municipio de Campos.
< Esta providencia to til quanto necessaria
aquella importante localidade, nao pode at hoje
ser posta em pratica por encontrar obstculo em
disposices legislativas da assembla provincial
do Bio de Janeiro, pelas quaes foi a administraco
da referida praticagem entregue cmara muni-
cipal da cidade de S. Joo, que arrecada, como
sua, os respectivos rendimentos.
A faculdade de fundar estabelecimentos de
praticagem nas costas e portos do imperio, foi ex-
clusivamente commettida ao governo geral pela
resolucao sanecionada por decreto 11. 363, de 4 de
setembro de 1845, e pelo art. 91 do regulamento
n. 447 de 19 de mao de 1846.
c Nestes termos, e face das attribucoes con"
feridas s assemblas legislativas das provincias
pela le de 12 de agosto de 1834, parece evidente
que a do Bio de Janeiro, minifestamente, exhorbi-
lou, legislando sobre o assurapto em questo.
c Entretanto, considerando que, segundo o art.
20 do acto addiconal constituico do imperio,
as leis decretadas por taes assemblas devem ob-
servarse cm quanto nao forera revogadas pelo po-
der legislativo, mandei suspender a execuco do
regulamento que me tenho referido, e peco vos
que vos digneis tomar urna resolucao respeito.
Exploraron e trabalhos hydrographicos.
Carla geral das costas do imoerio.Parti no
vapor Ypiranga o capito-tenente Manoel Antonio
Vital de Oliveira, afim de proceder ao sul deste
porto aos reconhecimentos e estudos quo tem de
servir de base carta geral das costas do imperio,
cujo levantamento Ihe est incumbido.
Santa Cathariua.-Pelo primeiro lente An-
tonio Luiz Iloonhollz, que se recolheu esta corte
depois de concluir a ronimisso de que eslava en-
carregado na provincia de Santa Catharina, fui
..presentada a segunda e ultima parle dos traba.
dios que ali desempenhara, formando um grande
mappa, que abrange toda a extenso do canal, des-
de o estreito al abarra do sul, e em que se achara
designadas com a maior clareza, e do modo a faci-
litar a navegaco sem pratica, todas as Ibas, la-
gos, bancos e canaes existentes no referido es-
paco.
a Comprehende este plano em sua rea o pono
da cidade, as enseadas do Brito e de S. Jos, os
saceos da Caieira, da Tapera, da Costeira, do Ri-
beiro, dos Limoes edo Maruhy ; as ribas dos Ra-
tos, das Vinhas da Casca, do Largo, da Maria
Francisca, das Larangeiras, das Ponidas, dos Car-
dos, da Fortaleza c dos Papagaios; as lages do
porto, a dos Coqueiros, do Mero, das Tipitngas,
das Corcorocas, do Cacao, de Caiacangss e da
Passagem, na barra do Sul, e os bancos das Tipi-
tngas, do Cubato, da Tapera, de Caiacangossii.
da Passagem, de Massambi; e o grande banco do
meio, que forma ao E., canal de dentro, e a O. o
canal grande.
Sendo pouco sabidas as mais seguras marcas
para a navogaco destes canaes, principalmente
do de dentro, ou do Bibeiro, aqu transcrevo as
seguintes indicagoes, extrabidas do rotelro que es-
t organisando o referido pnmero-tenente, e cujo
conhecimento pode interessar aos navegantes.
1 Para sabir do porto de Santa (Jatharina polo
canal de dentro ou do Bibeiro, de ve-so governai
em direcgo pona dos Coqueiros, no contineute,
at descobrir a ilha dos Guarazes, que fica ao N.
do porto, por meio do estreito, alim de dar um
conveniente resguardo ao cotovello do banco das
Tapilingas ; d'ahi aproa-se a ilha do Largo ate
projectar os caberos do Recife ao S. da ilha de
Maria Francisca pelo meio do sacco do Ribeiro ;
enlo seguc-se direito frenuezia. e no momento
de descobrir a ponta da ilha cima, pelo curae do
morro do Signal (na cidade), e marcar a egreja do
Ribeiro E. N. E. da agulha, deve-se aproar ao
S. 1|2 S. E, direito urna casa grande edificada
sobre ura outeiro. A sonda ahi regula entre
2 1|2 e 3 bracas acha-se 3 1|2 eseassas, projectan-
do a pona N. E. da ilha de Maria Francisca pela
pona da freguezia, a ponta S. da ilha do Largo
pela extremidado N. do morrele Arini, no conti-
nente, e fieando o morro redondo da Ponta dos
Coqueiros um pouco para O. da lhi.ia das Laran-
geiras.
Ao S. da freguezia a costa corre rain pequea
curvatura al a pontinha de Itaqui, onde comer o
sarco da Costeira, e meia distancia entre o Ri-
beiro c esta ponta, ha ura banco de ara, que fica
na linha da egreja ao morro do Signal, edescobrm-
do todo o morrotc do Ariri pelo lado N. da ilha
do Largo."
Em frente pontinha do Itaqui o ranal ain-
da mais aperlado, por que sae um poqueno banco
d'--ta ponta at a linha da idiota das Larangeiras
ao meio do morro redondo dos Coqueiros ; entre
lanto, que ura pouco mais para O. se enconlra o
cotovello mais bailo do grande bancido meio. De-
ve-se, pois, ir sempre governando, de modo a ter
Constantemente o referido morro elos Coqueiros
descoberto pela ponta da idiota das Larangeiras,
at projeciara ponta N. da ilha do Largo na exlre-
mdade tambem N. do Hrrele Aririi ; neste lugar
preciso guiar para o SSE. afim de fugir da c-
rela de fra, cujas marcas sao : a egreja do Bi-
beiro |ielo cumo do morro do Signal, e a casinha
da pona do Itaqui a E. da agulha. Logo que se
marcar a ponta S. da ilha do Largo pela extremi-
dade de N. do morrele Ariri, e enliar o extremo
E. da ilha de Maria Francisca pela ponta da fre-
guezia, demorando a egreja da enseada do Brito
justamente pela ponta do mesmo nome, e tendo
sempre trazido o morro redondo dos Coqueiros des-
coberto por fora da idiota das Larangeiras, adiar-
se ha a sonda de 3 1/2 bracas escassas, em fundo
de lodo, enlo ser conveniente aproar casa gran-
de do outeiro ( na Costeira ) al encobrir a pona
do morro dos Cavados com a de Caiacangss, e
d'ahi seguir em direccao a esta, da qual se pode
approximar sem receio qualquer embarcado, por
qu> encontrar 6 e 7 brajas lodo at junto da ar-
rebeattfio-
. Era se desrobrindo a barra do S. o caminho
direito ilha dos Cardos, recomraendando-se, po-
rem. todo cuidado no governo do navio, por isso
que ao S. de Caiacangss ha um banco de ara
do qual preciso fugir, sem, com ludo afastar-se
muito, para uo encalliar o navio uo grande banco
do meio ; c chegaudo a pequea distancia por E.
da ilha dos Cardos, seguir-se-ha em direccao
iioi ta dos Naufragados, sem o menor risco de en-
calliar no banco de dentro nem no da Passagem.
Este canal conveniente aos vapores quando
necossitam sabir reinando venio S. por que a
meia baha, sahindo pelo grande canal, acontece s
vez;s nao poderera romper contra o vento e cor-
rente.
Finalmente, no canal grande acham-se balisa-
da> as lages de Caiacangss e do Ca$!*>, existin-
do ambein una boia no cotovello do banco das Ti-
pitngas ; torna-se, porm, preciso, balisar as la-
ges da Passagem e das Corcorocas, e collocar um
varo de ferro no recife da Arataca, ao entrar o
Estreito.
Por frequentes observajoes astronmicas de-
tenninou o predito oflicial as posices seguintes:
Igreja de S. Jos.
Latitude 7J 37' 3", 8. S.
Lengitude 5 39' 18", 2. 0. Rio de Ja-
neuo.
Ponta da Caiacanga-mirim.
Latitude 27 39' 28", 4. S.
Longitude 5" 36' 38", 7. 0. Bo de Ja.
ii-ii 0. Ilha do Largo.
Latitud.: 27 41' 13", 7. S.
longitude 5 37' 33", 0. 0. Ro de Ja-
neiro. Ponta de Caiacangss.
Latitude 27 43' 53", 8. S.
longitude 5 36' 48", 6. 0. Rio de Ja-
neiro. Enseada do Brito.
Latitude 27* 44' 53", 0. S.
Longitude 5 39' 3", 2. 0. Rio de Ja-
neiro. Pharol dos Naufragados.
Latitude 27 47" 21", 8. S.
Langitudc 5 36' 10", 2. 0. Rio de Ja-
neiro.
1 Communicaco fluvial com a provincia de
Goyaz.A presidencia da provincia de Goyaz, pre-
con'.sando as vantagens que se auferirao com o
estabelecimento de communicaces entre aquella
provincia e a do Para, pela navegaco dos ros
Araguaya e Tocantins, projecto de ha muito aca-
riciado pelos governos geral e provincial, e de eie-
quiliilidade hoje demonstrada praticamente, com a
viagem que pela terceira vez acaba de realisar o
negaciante Simeo Stellita Arrayano, que chegou a
cap tal daquella provincia pelos indicados ros, so-
licita um pequeo vapor, que nao demanda mais
3 4 palmos d'agua, afim de ser applicado ao en-
saio da navegaco do Araguaya. Pareceudo-me
ulil a reahsacao da idea suggerida pela quadra
Guilherme Parker referida presidencia, e lucida-
mente desenvolvida no officio que vai annexo, fa-
rei incluir no orcamento das despezas do futuro
exe-eicio a somma necessaria para a compra do
pequeo vapor, que poder fcilmente ser armado
no .'ara, e d'ali seguir ao seu destino.
Arrecadacao e contabilidade.
Intendencia da marraba.Tendo sido designa-
do 1 chpfe de esquadra graduado Joo Mana Wan
denkulck, para tomar o enramando da divisa do
terceiro dislriclo naval, foi por sernelbante motivo
exonerado do cargo de intendente da marinha, que
actualmente exercido pelo eapito de mar e guer-
ra reformado Fernando Jos Possolo.
O servico cargo desta reparti^o continua a
sofrer embaracos, que, principalmente, se originara
da falta de luns c espacosos rmateos para arreca-
dacao do material pertencente s seccoes, cm que
esta dividido o almoxarfado.
t Disseminados, como andam hoje os gneros,
por depsitos construidos fra das condicoes exigi-
das para a sua boa arrecadacao e fcil distnbuco,
collorados em pontos distantes, tanto entre si como
a respeito da secretaria da intendencia, nimia-
mente difflcil, seno impossivel, realisar com a ne-
cessaria presteza os supprimentos muitas vexes ur-
gentes, exigidos pelos navios e offleinas do arsenal,
assim como se torna impratravel a fiscalisaco,
que o regulamento n. 1,763 de 16 de junho de
185}, manda exercer pelo chefe da repartirao na
entrada e saluda de gneros, inconvenientes que
fcilmente desappareceriam, havendo um edificio
de dimenses assaz vastas para receber lodo o ma-
terial armazenado nas quatro seccoes e casas de
deposito.
t Convencido da necessidade de semelhante edi-
liearo mandei levantaros respectivos planos eava-
har o seu custo, o (iz incluir no orcamento do fu-
turo exercirio, que pende de deciso do rorpo le-
gislativo, a somma precisa para leva-la effeito.
Comecou-se e concluio-se na ilha do Bom Je-
ss, durante o anno (indo, um solido e bom paiol
para guarda e acondicion miento de plvora, cuja
obrs foi executada por empreitada de material e
mo de obra, mediante contrato feito com Jos
Lisboa.
E' um edificio de 45 palmos de frente, 110 de
fundo, c 24 de p direito de solida e bem acabada
construeco, perfeilamente ventilado, com propor-
Cies para receber e accommodar sobre conleiros
de madtim, 500,000 libras de plvora e resguar-
dado por uraa muradla guarda-fogo que o ringe
em iodo o seu permetro, na distancia de 24 pal-
mos
O rusto do paiol e guarda-fogo, de res___
19:6555X40.
Contadoria de marinha.Contina esta repar-
ticio a ser regida pelo regulamento que baixou
cora o decreto numero 1,739 de 26 de mareo de
1856.
A reorganisacao, tanto da contadoria, cmoda
intendencia de marinha, medida indispensavel,
o cu,a necessidade ja foi reconlierila pelo coi -po
legislativo, que no S 2 do artigo 6o da lei n. 1,100
de 18 de setembro do 1860 concedeu ao governo
aulorisaco para reforma-la^ tendo em vista nao s
a conveniencia de simpljlicar-se as disposicoes da-
quele regulamento, e doqueli mandado observar
pelo decreto n. 1769 de 16 de junho de 1856, adop-
tndole un syslema de escripluraco que, par
da f;.cilidade, offereca as precisas garantas fisca-
lisaco da fazenda nacional, mas ainda a necessi-
dade de aonceder aos respeetivne empivgados re-
tnbuicao mais proporcional aos importantes traba-
lhos que desempenhara, equiparando-os aos de
eguaes ratht-goriaa do tbesonro.
Na 1 e>tabeleeeiido o regulamento da contado-
ria o proeesao de verihVaejra das habilitacoes exi-
g veis dos candidatos aos lugares de platicantes,
exped aviso ein 13 de outubro, prescrovendo re-
gras para o preencbiuiento de taes vagas.
Segundo moslra e mappa n. 20, liqnidou ,1
mesma reparlieo, do 1 de Janeiro 30 de setem-
bro, 223 cuntas de responsaveis por gneros e di-
nheiros do estado, pertencenies a repartigo de
mar 1 o ha.
(Continuar-se-ha.)
l'EIlNAMliUCO. TYP. US M. F. F. 4 F1LHO,
r


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EEKG53G5G_Q47DJ2 INGEST_TIME 2013-08-28T02:54:15Z PACKAGE AA00011611_10309
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES