Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10307


This item is only available as the following downloads:


Full Text

\
*
*
i
?
AUWO XL HOMERO 51
Por tros mezeTffiSiSadoTT. 58000
Por Ircs mezes Yeucidof 6SUU0
Porte ao corrcio por tres mezcs. 07'O

QUINTA FEIRA 3 DE MARCO DE 1864.
Por anno adiantado.....19J00O
Porte aocorreiopor uiff nano 3$000
ENCARREGADOS DA SUBSC1PCA0 NO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrno de Lima'
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Aracatv, o
Sr. A. de Lentos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira; Maranhao, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Manoel Pinheiro & C; A-
mazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO NO SUL
Alagas, o Sr. Claudino Falcad Dias; Baha, o
Sr. Jos Marlins Alves; Rio de Janeiro, os Sis. Pe-
reira Martins A Gasparino.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo e Eseada todos os das.
Iguarassu', Goyanna e Parahyba as segundas e
sextas-reirs.
Santo Autao, Gravat, Bezerros, Bonito, Caruaru',
Altinho e Garanhuns as tercas feiras.
Pao d'Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqueira
Ingazeira, Plores, Villa Bella, Tarara tu", Cabrob,
Boa \ ista. Ouricury e Exu' as quartas feiras.
Sennhaem, Rio Formoso, Tamandar, Una, Barrei-
r" j' A,?ua Prela e Pimi!n'eiras as quintas feiras.
tilia de Fernando todas as vezes que para ali sabir
navio.
Todos os estafetas partem ao '/ dia.
EPHEMERIDES DO HEZ DE MARCO.
PARTE OFFICIAL.
1 Quarto ming. as 10 h., 51 m. e M s. da m.
8 La nova a 1 h., 39 m. e 20 s. da m.
15 Quarto rese, as 3 h., 47 m. e 32 s. da m.
23 La eheia as 8 h., 27 m. e 3 s. da ni.
30 Quarto ming. as 8 h. e 2 s. da t.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 11 horas e 42 minutos da manhaa.
Segunda as 12 horas e ti minutos da urde.
PARTIDA DOS VAPORES
Para o sul at Alagas a 5 e 2;
a Granja 7e22 de cada mez; j
dias 14 dos mezes dejan, marr., i
PARTIDA. DOS \i;
Para o Reeife : do Aftipocos ai
8'/} da m. de Olinda s 8 da n
Jahoatao s 6 i/, da m.; do Cax:
da m.; de Bemfica s 8 da m.
Do Reeife : .para o Apipuros s
5, o '/,, 5 '/i e 6 da tarde; pai
manhaa e 4 >/j da tarde para Jal.
de; para Carhang e Vanea s 4
Bemfica s 4 da tarde.
COSTE1ROS.
; para o norte at
ara Fernando nos
aio, jul, set. enov.
IDUS.
o '/2, 7, 7 >/,, 8 e
.. e 6 da tarde; de
nge Vanea as 7
}%k 4 /,
a Olinda s 7 da
oatio s 'i da tar-
'/: da tarde; para I
AUDIENCIA DOS TRIBUNaES DA CAPITAL.
Tribunal docommercio: segundas e quintas.
Relacao: tercas e sabbados s 10 horas.
Fazenda: quintas s 10 horas.
Juizo do commereio: segundas s 11 horas.
Dito de orphos: tercas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel : tercas e sextas ao meio
dia.
DIAS DA SEMANA.
2!).'Segunda. Ss. Populo e Espcridiio mm.
I. Terca. Ss. Suitberto e Eudoeio mm.
t Q i.irta. Ss. invino. Basilio a Seeondila mm.
3. Quima. Ss. Hemeterioe Asteria mm.
i. Sexta. S. Cassemirorei; S. Lorio p.
Si bbado. Ss. Focas e Palatino mm.
. Dominga Ss. Viciar e Victoriano mm.
ASS1GNA-SE
- ,, ,. no Reeife, em a livraria da praca da Icdependenci
Segunda vara do c.vel: quartas e sabbados a 1 horans. 6 e 8, dos pronrietanos Manoel Figueiroa d
da tarde.
Far a & Fimo.
goverso hk provincia.
Relatorio a prese uta ti o pelol!\m. Sr. I)r.
Domingos de Souza Lea, na abertura
ta assemlilea provincial,notlia { lo
correte.
(Continuado.)
PHISES
Ao que sobre este assnrapto disse o meu ante-
cessor no acto de passarme a administracio desta
provincia, c ja lia va dito a essa assembla em seu
relatorio de marco do auno passado, pouco lerej a
accreseentar.
A casa de detengan desta cdade reclama um au-
xilio de vossa parle para o acabamento do seu ter-
ceiro raio._ Se nao acudirdes de prompto com a
consignaeao da quantia para issu necessaria, todas
as madeiras dessa parte daquelle elegante editicio
serio completamente destruidas pela mao do lem-
po. Alm disto os dous raios. que se arliam promp-
los, ja sao insuflicientes para conter o grande nu-
mero de presos que all constanteineule se reco-
lhcoi, viudos das comarcas do interior e at ele ou-
tras provincias. E' pois medida urgentissma e
que muito deveis ter em consderagao a de que
venho de fallar.
l'areee-me at que, se os cofres provioeiaes nao
poiessem absolutamente comportar no presente se-
inelhante despeza, fra conveniente realisa-la por
qualquer operario de crdito, com tanto qie se
evltem para o futuro sacrificios que se vio tornan-
do maiores com a conlinuagao das ruiuas dos tra-
balhosj Mos,
A cadeia de Olinda, cuja robera e compartimen-
tos ameacam desabar, precisa do. reparos calcula-
dos em 5 6 cornos de reis.
A de Iguarass exige um concert de 800.
A de Goanna precisa de una enfermara, de ac-
commodacoes para presos de certa ordem, de me-
Ihoramento no systeiua de suas lairias, de um
muro que guarnca o fundo e um passeio de volia,
d'onde as senlinellas possam observar o que se
pansa dentro della.
A do Bonito adiase arruinada e convm antes
fazer oulra, aprovelando-se o edificio coinegado
liara casa da cmara e sessoes do jury, do que con-
tinuar a reparar a que existe em mo estado.
A de de Caruaru' necessita de reparos calcu ados
tmi 800J.
Para a do Limoeiro autorisei uns reparos na im-
ponaucia de 385X200.
Os rncenos inais urgentes de que precisa i da
cidade da Victoria esli orgados em 2oOX.
Os de que precisa a da villa da Eseada nao con-
v;m fazer em uai predio parlicular. Ha all um
edificio em caixo, que o proprietario vende e po-
de ser aproveilado para urna boa cadeia com o
despenda de dez conios de res segundo o juzd do
director das obras publicas.
As de Tacaralj', Barraros, Agua-Prela, Rio For-
mse, Cabo, Serinhiem, Ipojuca, Cabrob, Exu',
G iranhuns e Pao-d'Alho, tambem precisam de re-
paros.
Nao convindo fazer despezas em predios, particu-
lares que servem de prisio e que devem ser bene-
(eiados por aquellos que percebem os seus rendi-
mentos, de urgeute necessidade construir cadeas
com as_convenientes accoiniiiodacoes e seguranga
oi.de nao as lia. E se o estado das liuanras da iro-
vinca nao comiwrta essa despeza, lembro-vjs a
fallir jielo menos de tres em lugares convenien-
tes, afim de servirem de deposito dos presos dos
dilfeientes termos e comarcas do interior da pro-
vincia.
SALL'BRIDADE PUBLICA.
Snto a maior salisfacao em annunciar-vos pie
a saude publica nenhuma alterarao solTreu duran-
te o curto spaco de lempo em que teulio dirigido
a aduiiiiistrarau desta provincia.
Graras a Divina Providencia nem nesta capital,
nem nu seu porto, nem finalmente no inlerioi da
provincia se tem manifestado eiilerimdade algoma
de carater epidmico ou contagioso.
O cholera, a febre amarella e a varila que nos
primeiros inezes do anno passad li/.erain nao pe-
qdeno numero de victimas, felizmente desappare-
ceram, e em nt-nhuina localidade consta ollirial-
men.e que se tenliam manifestado symptomas
del las.
A mortalidad^ do anno passado nesia capital foi
de 1,913 pessoas : sendo que fallecern) do cholea
12'J, de febre amarella 7, de vanla :0, de plily-
sica i38 e o restante de differenles enfermidades.
VACCINA.
A repartirio da vacrina tem funrrionado Das
quinta-feiras e domingos no torreos da alfandega,
mas licando este edificio longe do centro di cidade,
o coininissario vaccinador lia vaccinado tambem
em sua csanos sabbados, oleiecendirassiiii maja
coiiimodidades aquellas pessoas, que inoram mais
distantes do bairro do Reeife.
A vacrinarao ne.-ta provincia tcni-se liimtajo
uuicamenle a esta capital.
commissario vaccinador ponderando que a ex-
periencia ha demonstrado que a mellior maneira
de conservar a varcina a irnsniissao do Buido
de braco i braro, lt-mbra a necessidade de se crea-
ren) mais pontos vaccinieos na provincia.
Alm dessa razio lia tambem nessa idea a van-
tagem de se difundir mais ellira/. ne>la a inocular "io
da \arcina, e eviiar-se que a varila appareca de
lempos em lempos a fazer seus lamentaveis es-
tragos.
Durante o anno prximo lindo forneceu a repar-
ligio da vaccina lulos e laminas com puz vaeii-
meo a innmeras pessoas, e tmbenlas provincias
da larahiba Ceara e .Maranhao.
Foram vaccinados na provincia em o anno de
I0M :
Municipio do Reeife.
Masru'iuos........
Femeninos........
___a. i-ixes de direito. estou convencido de quo poder elle dar os Iwaeli-
u quaaro n. ... demonstra o pessoal dos magis- nos. a que destinado
irados de primeira instancia da provincia. Parecendo-me facis as medidas indicadas, per-
Yo removido da comarca de Tacarat ojuiz de mitti-me que en inste por ellas, e sobretud.j pela
oueiio Manoel da Silva Mafra, e em sen liifiar foi conclusao do edificio doGvmnasio, que tendo todas
noiiieado por decreto do 14 de Janeiro ultimo o .as suas madeiras expostas' acriodo lempo
iuuiaiel franrisco Gongalves .Manins.qur nio en- ludo o travejamenlo, que tem de reeeber o assoa-
iioiiainaaem exemcio porem ja presten jura- Ibo, maior somma exigir nua
nenio por procurador.
Conced tres mezcs de licenca ao juiz de direito
Ja comarca do Cabrob, hachare! Leocadio do An-
Jrade Pessoa, e um mez ao da comarca de Goian-
(la, bacharel Francisco Gongalves da Rocha.
ntOBS mimi:ii>ai;s.
Consta do jornaes recebidos da corto que o ba -
i quando se tratar de aca-
cnaiei bstevao Uenedicto Franga se aclia nomeado 20 alumnos externos ao
Itiiz municipal e do orphios do termo de Villa- Fizeram exame do Io,
bar as suas obras.
Se nao se qur perder o capital j all empregado
creio que ser preferivel a maiores sacrificios futu-
ros o que hoje se pode fazer talvez sem muito
esforgo.
Frequenlaram as* aulas do Gymnasio no anno
lectivo 14 alumnos internos,5 meios pensionistas e
todo 3!.
, 2 e 3 annos 9 alumnos
internos. 2 meios pensionistas e 2 alumnos exier-
Os de Ipojura, Bonito c Garanhuns, barbareis nos; ao todo 13.
ESS 1,t,and. C*?lc*!S de Albu:iuer(lue- A rereita do cstabelecimenfo no anno finanreiro
I rauu.sco Jos Fernandes Gitirana e rrannsro foi d.' C:3275'.I81 rs. e a despeza de 3:264*358 rs.
Antonio U'sarto de Azevedo, jaentraram em exer- havendo por tanto um saldo a favor na importancia
cicio. Uutro Unto, porem, nao se deu com o no- de 1:063C23 rs.
meado para o Buique, bacharel Antonio Fernandes CURSO COMMEKfT \L
rJluZrcT a ,- f ncriona em um dos indares de um dos tor
n,^M al fn.^H de1.l,ccJa1ao-llc?l,nda' ba" rees dil alfanega, que apenas offerece acanhado
cha el Agoslinho Hermelino de Lcao. dous mezes espago para o exercicio de suas aulas.
do Manoel Jos da Silva, viudo ca corte romo de- niara municipal do Reeife era seu oflicio de 17 do
seor do Mwtalhao de mfaniaris.no qual se acba eorrenle, sob n. 10que lica assim respondido,
adido, visto que d:i]informagao dala por V. Ex. ao Dito ao jmz de direito da I- vara presidente do
ajudante general em 11 dejan, iro ulinio, consta jury.Para qne o engenneiro fiscal di ponte de
que em 9 de julbo de 18ti0, fr.i elle excluido do ferro "
estado effectivo do dito balalhao naquella provin-
ii I i perteneer coinoanhia de
tres do I ruliii, Ja qual por oecaslo da sua extinc-
gao foram mandadas transferir as respectivas pra-
gas para o batalhiio de raradores da menrionada
provincia, pelo qual tem o referido soldado de ser
irocessado.
do Reeife Domingos Jos Rodrigues que se
arlia sorteado para servir na presente sessao do
jury possa assistir ao afflncamento dos estetoeda
mesmapoole, anrii de facer observar restrictamen-
te as prescripcoes do respectivo contrato, convm
que Vine, haja de conceder-llie a despensa que pe-
de no incluso oflicio de servir na referida sesso.
Dito ao administrador do correio.Para que en
latera do sen oflicio do
ro. ( por eonseguJnle a marcha dos negocios p-
blicos desta provincia.
A notneaeio dos vire-presidentes e a defUuitiva
do Dr. Danfn pira chefe de polica, sao proras do
quaniohei referido.
Por louscguinle se por um lado as noticias por
fui sao totalmente favoraveis aos progressistas,
para os conservadores foram ellas inteiramente em
sent lo contrario.
-Na provincia do Amazonas a situagao poltica
tem i st.ido em rompido antagonismo entre a pre-
sidencia c a opposico; entretanto facto averigua-
00 que a opposigio' ganhou u eleices proviuciae-s,
ao de Caruaru, bacharel Miguel Bernardo Vieira de
Auiornii, outros dous ao da Estada, bacharel Luiz
Antonio Pires, e um mez ao de Goanna, bacharel
llenrique Perera.de Lurena.
HH0MOTORKS.
Remov o bacharel Manoel Innocencio Pires de
Figueiredo Caraargo da comarca de Santo Aulio
lata a do Limoeiro edesta para aquella o baeha-
rel Virginio da Cunha Albuquerque. -
Conced tres mezes de licenga ao da comarca do
Itrejo bacharel Manoel Galdino da Cruz.
Conced tambem um mez de licenga ao solicita-
dor de capellas e residuos Domingos Jos Mar-
ques.
CILTO PUBLICO.
O Exm. bis|K) diocesano julga do necessidade :
1" o augmento da congrua dos coadjuclores, alni
de que os parochospossam terao menos um sacer-
A junta dos professores tendo deliberado que,
para conveniencia das pessoas do rommerrio as
suas aulas trabalhassem todas a um lempo, reque-
sitouHM para esse fim os outros dous andares do
trrelo em que ella se acba; mas que estio oecu-
pados um pela directora das obras militares e o
outro pela reparligao da vaccina.
A falla* de edificios para estas e outras renarti-
goes publicas urna necessidade para a qual chamo
toda a vossa atteng3o.
No anno lindo frequenlaram o Curso Commercial
8 alumnos, dos quaes 4 fjzeram acto das materias
do Io anno; sendo 2 approvados plenamente e
simplesmente,
Dim ao mesmo.-Queira V. Exc mandar por em posta resolver acerca da materia do seu oflicio de do q J a oppo S aho "^c"Xnc ao"
hherdade. dando-lhe baixa se estiver com prora, o 27 do rorrente. relativamente arondurgao por in- wZ\T^dS^htJ^d^M^S'S
rerruta Salustiano Francisco de S. un, que provou ler.nedio da agencia ,1o Ituique. das majas destina- e enprnuTdTn^oT^^a^^iwetS
S-SSLV"-* Cnm UnCU-?e ao t- d.aS de Ta-Cara,r'' faZH' "r'r,:0-'1,,e V,"r' mt de- a,im le S*0 SSpSvSt, anidams '
augmentar-se
isenrao do recrulamenlo. Comn unicou-se ao co- das de Tacarat. faz-so precl
roiiel recrutador. rlare, se naoseri mais conveniente
uno ao inspector da tbesotiraria de fazenda. o jornal dos respectivos estafetas.
nZelueme '\,1,'tT? f W*?e?2?"!? h l,j'oa,l'.1,a('l,ar1el J"'"iuini Jos deOliveiraAn- ve prodjzr salutar efeito, esperialineie"Tpomue
tonyenien e, que rom o aviso do ministerio da fa- drade.Constando de parlicipagaa da directora crise eleiloral est nassada e as miUieVs esti
tenda de 12 do eorrenle. me foi lemetlido o titulo geral da secretara de estado dos negocios da jus-
nomeanilo 4* escripiurario da alhndrga destaca- lira de 15 do eorrenle, que por decreto de 14 do
ptalo 2 conferrnte da de Albn uerque, Domin- mesins mez S. M. o Imperador hoiwe por bem re-
g* Facundo de Castro Mi nrzes. conduzir a Vmr. no lugarde juiz mutiieipal e de
Dito ao mesmo. Na secretaria Jo governo nao orphios do termo de Nazareth : assim Ih'o o coin-
exisiem cenias aposentadas pelo Dr. Enimainie
Liaes, chefe da
a|iresentadas pelo Dr. Emmanuel munico para seu ronherimento, afim de que op-
commissao astrotiomica e hydro- portunamente preste juramento e entre em exer-
graphira que esteve em servigo ne ta provincia no cicio itidependenle de titulo que apresentar no
anno de 18M), nem mesmo oflicio d te doutor com praso de tres mezes.
data de 23dejunho daquelle anno. Respondendo Dito ao engenbeiro Jos Carneiro da Rocha.
deste modo ao oflicio que V.S. me dirigi em 28 de Tendo nesta data designado Vmc. para servir in-
janeiro ultimo n. 42, cabe-me dizer-lhe mais que, terinamente as funegoes de engenbeiro fiscal da
as ultimas cpntas das despezas feitas pela referida estrada de ferro, visto ter lomado assento como
commissao foram enviadas i essa thesouraria em membro da assembla legislativa provincial o Dr.
2jle julho do predito anno, como esnsta dos dous Manoel Buarquede Macedo ; assim o communico
e 3 fizeram acto das materias do 2*'"
anno, sendo 1 approvado plenamente e 2 simples
mente.
AULAS DE LAT1M AVULSAS.
Anda existen) fra do Gvmnasio duas aulas de
oflicios que aquiajunto por copia.
Dito ae mesm>.Nao havendf inconveniente,
mande V. S. pagar ao enrarregadt da gerencia da
Coinpanhia Pernamburana, conlorme solicitou
i, este em oflicio de 27 do convine a subvengao de
7:tHNiitM0 relativa ao mez cadente, com que o go-
l\i (,. rt. j- ----- vaisiciii luid uy '' iimi.i'u) unas itoi.i' uk
lote que o coadjuve no cx_cre.no do seu laboro- lalim. nina na freguezia de' S. Jos desta cidade, e
so nmisterio ; 2areslncgao daquotasemprecon- outra na cidade de Goianna, a |> frequentada iM.r
cedida pelo tbesourc aos parochos para as despe
zas de fabrica e guisamento das matrizes, e lti-
mamente supprimida pela assembla provincial,
juando alias as cirrumstancias artuaes pediam
que ella fosse augmentada, attendendo-se ao novo
onus do pagamento do sello dos livros parochiaes,
que esta sujeita a fabrica ; 3" finalmente, a conti-
o di-
1 verno imperial auxilia aquella compauhia.
Dito ao mesmo.Declaro V. f* para seu co-
nhecimento e devdos eleitos, qui segundo cons-
ten de aviso do ministerio da fazenda de 12 do cr-
reme, por decrelo de 10 fuitaomeido o chefe da
secgo dessa thesouraria 1,'mbelino iuedes de Mel-
lo, para contador da Babia.
Dito ao inspector da thesourarii provincial.
para seu conlieciin mo. Fizeram-se as nec.asa-
ras communirarees.
Portara.O Sr. gerente da companhia Pernam-
burana ponha disposigio do Dr. Luiz de Cer-
queira Lima, juiz de direito de Baturit, at o
Cear passagens de oslado sendo duas de r e qua-
tro de proa no l. vapor que seguir para o norte.
Dita.Os Srs. agentes da companhia Itrasileira
de paquetes vapor mandem dar transporte para
o Maranhao no vapor Cruzeiro da costa do norte Joo Anlunes Silveira.
Dita.O vire presidente da provincia, tendo em
visla o que expoz o Dr. chefe de polica em oflicic
n. 210 de 23 deste mez resol ve declarar que o sub-
8 alumnos, e a 2* por 5, que, como informa
rector geral rarissinias vezes vio s aulas.
Converja por Unto, supprimi-las e dar destino Rospondendo ao oflicio que V. S. me dirigi em delegad nomeado para o districto de Manopla da
aos Pro'essores- nD,,.,lm >torrente sob n. 37, sou a dfaer que por ora freguezia do Rio Formoso Leandro Jos da Silva
e-^sinufkuauo. nao pode4er lugar a subslitnirio que pede por Santiago e nao Leandro Jos da Silva Santos, romo
nAw0 T'n p,'vad0. fu secumiano ex's,em na! futro a gaz do lampean com azeite q je se actia rol- por equivoco se escreveu em portara de 7 de ja-
nuarao da uota ara"renaros daTmairiVes ",le"',nm co'legios e 118 aulas para os dous se-: locado no corredor que di entrada para essa the- neiro prximo lindo; e manda que nesse sentido
..uasi^ tedas necessftan'? lumSos^MlT'"6 D aD"0 ^ "--- "O.r1l,e'.s',-und".inornwu dire|,|?r 1NSTRUCCAO PUBLICA.
E.N'SI.VO PRIMA1IIO l'IBI.ICO.
Do relalorio do digno director geral interino da
ristruccio publica veris que elle insiste em que
sejam iminediatamente creadas, d'entre as cadeiras
propostas por elle e seus antecessores, como urna
necessidade imprescindivel, ao menos seis para esta
cidade, a sal>;r : qualro do sexo masculino e dua i
do fe.iiinino, distribuidas pelos bairros desta cidade
6 seus prximos suburbios.
alumnos, a saber:
ENSINO rillMABIO.
Sexo masculine......... 804
feminino.......... 415
ENSI.NO SE0L.NDAI1I0.
Sexo masculino......... 408
> feminino.......... 22
reparligao das obras publicas ein otticie n. 48 de
26 deste mez essa siilisiituieio deve importaren)
fe de polica.
Dita.O vire presidente da provincia, tendo em
_ ,. p -------------------- ---------i -- #.. u in i.i-iiii. um* j -"t ^--"-------- -|.-_ *..,,,, ,,( i ( (lilil J
75# e nao ha quota para semelhante despeza. | visla a informacao do inspector do arsenal de ma-! cisa paz e reg'ularidade.
la e Igua- rmha datada de 23 do rorrente, resolve conceder 3 Nesta prara foi install;
A noticia da nomeaeao do novo presidente o Dr.
Adolphi.de Barros Civalcaidi de Albuquerque de-
a
passada e as ambigiJes esli
espoladas por esles dous annos.
OsnegoeJoa pblicos iam all marchando com
reguk.rdade, naoobslante asarrusares dereaego
e yuii.anga que por aqui se tem feto contra o pre-
sdeme, em consequencia da ultima hita das elei-
goes .supracitadas.
O vapor>Petasa, que levara reboque o brigue
I riii/HTO, ja tinha chegado Manos com a bella
viageni de sote dias inrouipletos, e na mesma con-
formidade havia seguido a 8 de fevereiro para os
portos do Per.
Tambem a nossa canhoneira queosseguiaf/tjMa-
temijj a por altura de Obidos a 9 do corrente, as-
sim cotio eslava a sabir de Manos para os traba-
mos da eommissiode limites a canhoneira Ibicuhy.
< onstava que j se achava em Lima o Sr. War-
natrem. nosso ministro no Peni, e que cada vez to-
mava propercoes a lula entre o cnsul brasileiro
em l.ore'.o e as respectivas autoridades peruanas.
Seguido carias, as provocagoes progridem e re-
eradeeeem contra n subditos do Imperio despeto
das reclamages ronsulares.
Em breve l deve estar a canhoneira Igualemy,
e vjanos ge a sua presenea as aguas peruanas
poder tornar mais efficaz as reclamages.
O cnsul referido o coronel Joan Wilkens de
Matios, pessoa intelligenle e de circumspecgio; en-
tretanto provavel que este funecionano breve-
mente rejrresse Manos, para tomar assento co-
mo depnlado, na assembla provincial de Amazo-
nas para a qual acaba de ser eleito, e por conse-
guintu. por algum tempo ficarao os subditos e os
interesses do imperio sem aquelle hbil defensor.
Por outros pontos da mesma provincia do Ama-
zonas e desta do Para, nada ha de notavel.
Por emquanlo vamos nesta capital sem cousa
que duvida fara ; tudo marcha emfim com a pre-
A' satislagio dessa nei essidade se tem obstado a
deflieieiiciados cofres provinciaes; mas estou con-
Total____
Reunidos estes algarismos
1,649
Dito ao commandante superior dt Olifid
rass.Communico V. S. para seu conhecimen- mezes de licenca que solicitou o apontador das
to e afim de que faga constar i i uetn mais con- obras do melhormento do porto Auguslo Cesar
i vier, ijue por decreto de 12 de-i; mez houve S. Qousseiro de Mallos para tratar de sua sade com
M. o Imperador por bem dcmiidr a Francisco a gratificacao que actualmente percebe.
! Joaquim Pereira Lobo do lugar de i hefe do estado I DitaO vire presidente da provincia. altenoYndo
I maior desse eommando superior. tommunicou-se ao que requereu o juiz de direito da comarca de
que frequenlaram as
a cifra dos alumnos thesouraria de fazenda.
---- numero dos que receberam nstruegao
jynaao de que seris solcitos em attende-la, con- fmdo se eleva 6093.
aulas publicas, temos que o
no anno
Dito ao commandante
signando para sso os fundos necessaris.
A provincia conta apenas i06 escolas : 81 de me-
rinos e 23 de meninas, comprehendendo se duas
dos dous collegios dos orpluios e outras duas do
collegio do Bom-Conselho em Papacaga, aquellas
niantidas pelo respectivo patrimonio, o estas pelos
c ifrcs provinciaes.
Sendo a sua populagae computada em cerra de
u n milhao de liabRantcs, o numero de escolas, que
Ha na lei da inslrtirrio publica e em outras que
com ella tem correlagio disposigoes. que me pare-
com preeisam de inlerpreiagao.
-Neste caso est a disposigio do art. 21 da lei
n. 369 de 14 de maio de 1833 determinando que as
cadeiras vagas sejam providas por concurso. A
disposigao prohibitiva deste artigo creio ser que
nenhum cidadio pode ser nomeado professor, sem
!r.n?,,e, ,.rra,c0 M ,,., j, 00tr OStX'^SSiSSL tm 3o,s.
, te, porque o j.rofessor j tem passado pelas provas
; exigidas para o professorato.
Parece tambem que a razio nao a de ser o
professor tao adsiricio sua cadeira, que nao nossa
i Goianna bacharel Francisco Gongalves da Rocha.
superior le Goianna. resolve prorogar por um mez a licenca com ven-
Lommiitiico V. S. para seu conhi cimento, alni cnientos d
deque faca constar quem convier, que por por-1
tara de 29 de Janeiro prximo lindo. S. M. o Im- -
que gosa.
provincias i|ue nao tem nem sua populagio, nem
dispe de tao grandes recursos.
A do Ceara tem actualmente 1Q3 escolas puhli-
c;.s frepieulaJas por 3,311 alumnos, isto quasi
tantas quanias tem Peroambuco; mas sendo a sua
p 'pulario comparativamente muito menor, resulta
q lo tem maior numero de escolas para o ensino
elementar.
O mesmo se observa quanto a provincia da l'ara-
h.lia, que, sendo estimada a sua populagio pelo ul-
timo recenseamento em 202,000 almas, posse 56
escolas publicas, requenladas por 1,766 alumnos,
o una escola para cada 3,600 almas.
Chamo a vossa allengo parosles factos, o invo-
co o vosso patriotismo para que se derrame com
della ser removido; porque a lei n."22 de 26 de
julbo de 1848 Ihe permute permutar 'com outro
suas respectivas cadeiras.
Seja romo fr, entendo que nenhum inconveni-
ente lia em que, depois de envido o dircelor geral
da insiruerio sobre a conveniencia de transferen-
cia, seja ella concedida, quando fr solicitada.
Onlra disposigio, que olerere suas duvidas a
do art. 28 da rilada lei n. 369 a qual concede aos
professores nina gralicagio por dislinrgao de ser-
' vicos : por 12
miis abundancia enlre o povi esse pi salutar ao ^^^Sl^VSSttMSti
. A' f, eqnencia d* escolas publicas no anno pro-1"'Ma"'Tlei VmIE r' Sfnntt PISSaL
xi no lindo foi de 4,386 :d,.mnos <.-d,,r :iK*:i'J..a!a.s_a!u[ n-..*39'Le '"l>'J"nho de 18o7 dispon-
alumnos, a saber : 3,523
meninos e 863 meninas.
No |M!ssoal dos professores, e no quadro das ca-
deiras deu-se o seguiute movimeala :
Perinutaram suas respectivas cadeiras os pro-
fessores do Bonito e de Nazareth.
Foi restaurada a cadeira de Fazenda-Grande, e
creada outra para o sexo feminino, na freguezia de
S. Jos desta cidade.
0 excessvo numero de 137 meninas, que fre-
quentava a nica escola daquella freguezia, recla-
m;iva imperiosamente a creagio dessa oulra ca-
deira.
do que a gratificacao que por lei fr concedida ao
professor por 12 anuos de tirapo effectivo, come
gara a ser percebida desde o dia, em que comple

E\|M>ilirnle do serretarii do governo.
N." 2. Olcio ao 1." secretario da assembla
i legislativa provincial.S. Exc. o Sr. vire presi-
dente da provincia, rujo conbeciinento'levei o
; oflicio oh V. S. me dirigi nesta dala sob n. 1
manda declarar-lhe afim de que o faga constar a
assembla legislativa provincial, que amanean a 1
hora da tarde comparecer no pago da mesma as-
sembla para fazer a leilura do son.relalorio.
Dito ao inspector da thesouraria- de fazenda.
O Exm. Sr. vire presidente da provincia man la
transnntiir V. S. as 8 inclusas ordens, sendo 3
e de -1 23 e 3
reparligao do aju-
perador houve por bem privar do respectivo joslo
na forma do 2- do art 45 da lei dt 19 de selem-
bro de 1830, o eapii quarlel-mestte desse eom-
mando superior, Felismino Franciso Ferreia
Dito ao commandante do eorpe di polica. Ex-
pera V. S. as suas ordens, para que diariamente e
em quanto durar ascsses (Jo jury desta capital,
se aprsente no respectivo tribti.al a guarda do
esiyllo. Comniunicou-se ao tribuna do jury.
Dito aocapttio do porto.Fag) apresenta'r i V.
S. o recruta de marinha Agostiuho l'elix dos San-
ios, alim d
pois
dando
e'Smr^r,r^Z'Trt i u- """ Tasse ,\ Irmaos.-Pela secretaria do g
rmenlo em que Ss. Ss. e outros negociantes desta
praca pediam solacio a duvida, que apresentou
a cerca da responsabihdade dos recibos ou mn-
dalos ao portador, de que tratan) a lei n. 1063 de
teu
le, para conduegaodos sentenciados u dosobjectos
destinados ao presidio de Fernando.Renielteu-se
por copia o contrato suppra thesouraria de fa-
zenda.
coEinn^^
rade 13 do corrnite
quella dala expedido
da corle para fornerer .i
olM-a ntilutada Lico.
a instruccao dos resperl
midade do pedido feilo por V. S. em seu officio de
20 de Janeiro Ultimo, sob n. 210.
tallada a 13 do corrente a as-
sociacao commercial; a reuniio para semelhante.
eleito jeve lugar em um dos salos da gerencia da
companhia Amazonas.
Depois de alguina discussao por parte dos nego-
ciantes gmgregados para este tiin. foi eleita una
mesa provisoria para confeccionar os estatutos c
a lista dos associados, alim de seren aquelles dis-
cutidos o approvados pela maioria da assembla
geral que o autorisar o requerer-se a sua appro-
racaa do governo imperial.
A commissao eleita para o fim indicado, cmpre-
se dos seguintes negociantes:
Presidente.
Manoel Antonio Pimenta Bueno.
Vice-presidente.
Commendador Joio Augusto Correa.
I secretario.
Augusto K. Costa.
2" secretario.
Guilhermo Brumber.
Thesoureiro.
Ambrosio Campbell.
Consta i ue j a lista dos associados va i rom bom
numero ce negociantes, que tem animado fuer
parte desti inslituigo, bem como que os estatutos
vio ser brevemente apresentados i assembla geral.
Emlim | de-se dizer que esta sensivel falta da
corporacac commercial est removida, e que o Pa-
ra em bre-e ter ama iraca de commereio lio re-
galar como outras que existem no imperio.
Brevemente tambem teremos a illuminagao
gaz funccionando, e pelos candieros queja se es-
li collocando uas columnas corre que a illumina-
gio ter I tizar a 24 de margo prximo, porque
e ser vespera do anniversario do juramento
poder jmliciario, nio pertenre ao governo dar a in-
terpretag.io qne taes n.gocianles solicitan, tanto
mais porque elle nao nem pode ser assessor dos
particulares.
Dito ao mesnio. Em visla do que | ropoz o bri
gadeiro commandante das armas, e ue- conformi-
tar aipielle lempo, poe em duvida, se essa gratifica-; dade com o que determita o aviso da repartirio da
gao por sonco tffectivo a mesma que no art. 28! guerra de 18 do rorrente, mande V S. recolher
da rilada lei n. 389 se diz por distincrao de serv- nesse arsenal afim de tereui a conveniente appli-
ro.f; visto que oulra nao ha, a que se possa appli- cacao os arligos consumes da nota in -lusa por c-
car aquella denominaran e se a expressaoli pia, e que ora so acham i cargo da enfrmaria mi- Dr. chefe de polica.
annose empregada simplesmente para designar i litar que servio para tratamenlo dos cholencos. Bertholea M ira da Conceicao.Inorme o Sr.
essa gratificacao, ou se realmente exprime um be- Dito ao commandante do presidio de Fernando. Dr- chefe de polica.
neficio concedido aos amigos professores, de que Remello por copia i V. S. parasen conhecimen- Caixa Filial do Banco do Brasil
foram excluidos os novainente habilitados e os
Despachos do dia 27 de fevereiro di 1861.
Ilfi/uerimentos.
Amonio Juvino Torres Bandeira.Informe o Sr.
aexi.idape.a *mmm*\*j^g^~ "-
li loma-la. I cL.Qf ,.. .i..:j______,__.
Livres .........
Escravos........
Tiveram \accna regular
Sem resultado.....
Nio foram observadas .
819
4011
-----1248
948
300
------1248
1010
8
200
-----1948
seivgo, e nao besilei em
o am removidos a pedido os professores : de
Pelroliua |iara a povoagio da Varzea : de Aguas-,.,
Bellas para a ireguezia de S. Pedro Martyr (cuja ca-; !",. mum
dtra passou a ser de 1" grao); de Paratibe para a
povoacao da Bna-Viagem, cadeira novamente crea-
da por ter sido supprimida aquella.
Fallecern] dous professores: o da Varzea e o
de 3. Podro Martyr de Ulinda.
foi processado um professor, e condemnado
um mez de suspenso ; e ejiiste urna i epresenlaeio
contra outro, em virtudeda qual se mandou ouvir
o cjuselbo do disiricto.
INSTRUCCAO SECUNDARIA.
Irirrao, que nao
assenia sem duvida nos principios de'justiga.
De vossa razio esclarecida espero que fixeis o
das disposigoes das leis supraci-
hlVISAO POLICIAL.
Ha "penas a alteraeio de mais de dous distric-
|OS Bruto sobre proposta do Dr. chefe de polica e com
as denominacoos de Jui >\ e Canhotinho.
DIVISA') J DICIARIA.
Anda o governo imperial nao decidi se o ter-
^no do Ex da comarca da Cabrob deve continuar
como est sob a jurisdicrio do juiz municipal dd
termo do Oorieory da comarca da Boa-Vista.
Pela qualificario ltimamente futa nos termos
de S. Denlo e Bom Conselho, verilieou-se nio ha-
ver numero de jurados sufnrienles para erear-se
nelles 'rorivil : pelo que continuam annexos ao
de Garanhuns.
MAGISTRATURA.
ma.AgAO.
Por decreto de l-) de Janeiro prximo lindo fo-
ram removido- pedido, da relacao do Rio de Ja-
neiro para a desta provincia o dseinbargador Al-
fonso Arthiir de Almeida e Albuquerque e desta
para aquella o desembargado!" Joaquim Firmiuo
Pereira Jorge.
Conced dous mezes de licenga ao dosembarga-
dor Al raro Barbalho Uclia Cavalcauti para tratar
de sua sade.
GIMNASIO IMIOVINUAL.
Este eslabelerinienlo nio tem lido o desenvolv-
ment ipie era de esperaren) vista das vanlagens,
que offerece o plano regular de seus estudos.
Enlre as causas que para isso tem concorrido,
indica o direcier da Instruccao publica a falla de
um edificio, que lenha os ronmodos e proporres
convenientes a urna inslituigo de semelhante na-
tureta, o de lerem os exames all feiios, recebidos
na I'aculdade de Direito para a matricula dos res-
peclivos alumuos.
Cjiii elfeilo a moridade, que se destina aos estu-
dos superiores, que enconlrain na provincia, pro-
curam de preferencia o curso de preparatorios an-
nexo aquella Faculdade, alim de evitar a provagao
de dous exames, a que llcaria sujeita se frequen-
tasse o Gymnasio, o bem assim o inconveniente de
ser preterida pelos alumnos do referido curso, os
quaes devem fazer s.-us exames primeiro que ou-
tros quaesquer estudantes.
Alem disto, parect-iue tambem arceitavel a idea,
que o digno regedor daquelle eslabelecimento lem-
bra, de ser addicionado ao plano de seus estados a
creacio de ama cadeira de iostruecao elementar,
que facilite a admissio de alumnos* que por falta
dessa naWlitacio procuran) as aulas e collegios par-
licilares, dos quaes raras vezes se retiram para en-
trar no Gymnasio.
he a estas medidas se juntar a conveniencia de
ser o ostabelecmento confiado i dnvccao de um
cidadio que pelo prestigio de sua illustraeio e po-
sicao social seja mais urna garanta, eapai de ins-
pirar maior Confianca as vantajeos do Gjmnasio,
BIBLIOrilECA PROVINCIAL.
Possue este estaleeimento 1.163 livros, sendo de
llieologia 108, jurisprudencia 286, historia 769,
sciencias e artes 826, bellas lettras 648.
Foi frequeniado do 1- de Janeiro ao ultimo de
dezemlito por i.'>8 pessoas.
Durante esse lempo recebeu o donativo do 49
volumes de diversas obras, e varios jornaes que se
publicam nesta cidade.
Rcssentindo-se esse estabelerimento da falla de
nesta cidade.
to, duas relagesdos objeelos enviados'para esse Remeltido ao Sr. inspector da thesouraria d fe-
presidio por parte do director do arsenal de guerra w>da para mandar passar o titulo pedido nao ha-
e da phanuacia do hospital militar ni palhabole1 vendo inconveniente.
Artista. Fidehs Jos Cavaleantc,Informe o Sr. Dr. juiz
de direito da comarca do Bonito.
Dito Jos Jacome Tasso.-Ficando inleirado de I Francisco Jos dos Santos Jnior.Passe porta-
haver o Sr. Jos Jacome Tasso, vire-nnsiil da Re- ra concedendo mas sem vencimentos a licenga
publica do Per nesta provincia incumbido das
respectivas fnneges ronsulares romo me partiri-
pou em seu oflicio de 97*00 corrente. o Sr. Jorge Ja-
come Tasso durante a viagem que vai fazer cor-
te, tenhoa declarar-lhe em resposta que nos ap-
prove provisoriamente a sua deliheraeio, ficando
0 mesmo Sr. Jorge Jos Tasso, Obligado a apresen-
lar o imperial exequtur no prazo de3 mezes ron-
lados desta data, mais tambem mandar passar a
portara do estylo que Ihe servir de assaporte :
Renov ao mesmo vire-cpnsul os mos protestos
th souraria de
obras escolhidas de historia, entre ellas a do Brasil
por Southey, e bem assim da legislacio patria con- de eslima e consideragio. -Fizeram-se as devidas
veria que para estas e outras requislgoes Ihe mar-; communicaroes.
rassns urna consignagao, como ji se tem feito em i
annos anteriores.
( Continuar-se-ha.)
Expediente do dia 29 de fecreiro de 1861.
Dito i cmara municipal do Reeife.Determi-
nando o governo imperial que se proceda a eleigao
para um depnlado assembla ral |ieloa dis-
trelo eleiloral desta provincia, alim de ser preen-
chida a vaga proveniente da nomeaeai do COttSC-
|heiro Francisco "Xavier Paes Brrelo pira o carg
Officio ao brigadeiro commandante das armas. de ministro e secretario de oslado dos negocios es*
Transmuto V. Exc. os procesaos verbaes das pa- trangeiros recommendo cmara municipal do Re-
gas indicadas na relagio inclusa, afim de sercm rife, que nos termos do aviso n. 12 de !2 de janei-
rutnpridas as
cessos
Dito
para
lerio da guerra de 18 de Janeiro ultimo, estatuindo reuir-HS no dia 17 de abril vindoun, que para
o modo porque se deve proceder a respeito do abo- isso designo, no mesmo edificio ja indi do em cij
no de vencimentos dos empregados daquella re- cular desta presidencia de 1!) de dezembro de
partig.io durante os dias de impedimento justifica- 1860, convindo que essa cmara pro.idenrie em
do, por nojo, licenga, ou molestia provada. I tem|>o para que seja presente ao relleno eleiloral
Dito ao mesmo.Transmiti V. Exc. para le- o livro das acias da assembla parochial conforme
rem o conveniente destino as inclusas certidoes de determina o art. 67 da lei n. 387 de i! de agosto
assentamentos dos lenles Roberto Ferreira da de 1846. Igual i cmara munici ial de Pao
Costa, Jos Alcebiades Carneiro, Joio Pedro Cor-, d'Alho.
rea, e Jos Libanido Souza, os quaes foram pro- Dila mesma.Sendo a creacio, dmsic-e-sup-
movidos para os corpos em guarnigio nesta pro- nressaodos distritos da competencia das assemWas
vincia por derroto, de 28 do novembro prximo legislativas provinciaes, c nao das caaras muni-
lindo. Icipaes, em vista d disposto n. Io da art. 10 do
Dito ao. mesmo. Em cumprimento da aviso do, acto addirionaj, como esclarece o avi; o n. 393 de
isso ser ap-
icara ca
que reqoer o lopulieante.
Fielden Brothers.Di rija-se
fazenda.
Joio Ferreira da Silva.Informe o Sr. Dr. chefe
de polica.
Manoel Joaquim de Santa Anua.Prove que vi-
ve em uniao marital.
Mariado Rosario Pinheiro Reqneira a sttppli-
canle a assembla provincial visloque a lei prohi-
be o adiamntenlo pedido.
Silveria Rila.Nio tem lugar.
Thereza Porflrla de Jess Jardim.Passe porta-
ra n; forma requerida.
Tito Avelino de Barros.Ja est prvido o lu-
gar.
29-
Angelo Antonio PereiraNio lem lugar.
de Santa Auna, em todas as doiningas da qures-
ma, conferencia sobro varios pontos da observan-
cia e preceitos da nossa religue.
Tem ba vi lo bastante concurso de fiis.
Terminada a conferencia ha beugio do S. San-
tsimo Sacramento.
O mesmo Exm. bispo acaba de publicar no jor-
nal erelesia-lico Estrella do Norte, o officio com que
replicou ao sr. ministro do imperio, acerca do de-
creto n. 3,073 de 22 de abril do aono prximo fin-
do, e em resposta ao aviso de 24 de oumro ultimo.
A questio importante e de summa difflculdade
e gravidade; nossa intelligencia insufflciente para
urna analysr profunda de tao ardua materia de di-
reito ecclesiastico, e por isso a publicagio de seme-
Ihanie trabaiho sera por corto de muilo interesse
e de consideragio para os seus leilores, e sobretu-
do pira os profissionaosna maieria.
Temos tido um invern bastante rigoroso ; os
ltimos dias da semana linda houveram dous de
copiosa chuva sem cessar.
Na ipiinla fera, um dos dias chuvosos, houve a
trasladagio da imagemdo Sr. dos Passos do Carino
para a igreja das Mercs, com grande concurren-
cia de povo: na sexta-feira a procisso s pode
sabir muito larde em destino a respectiva igreja
por que a chuva foi todo o da inmensa, e por isso
este anno nao foi lio explendida e acompanhada
como no anno lindo; os proprios pas.-inhos nao ti-
veram concurso de visitantes, pois que as ras es-
i iv.i o intransitaveis, eratora houvessem modera-
do os aguaceiros.
O sahbado foi enlio sem cessar a chova de dia
e de noile ; pareca que se tinham aberto as portas
de urna immensa catarata para um diluvio ; o do-
AuTusVcesaTcouVseVro de'Maos.-Vass> por- ,inJ0 [*" araanheceu bello e com o sol nado
taria fio sentido que requer o supplicante. fe l,arec'a umdos mais bellos e aprasive.s das
Bacharel Francisco Goncalves da Bocha.-Passe rt?0"* verao a no.te almal veto coroar este
portara por um me/, prorogan lo a licenga com magnifico quadro da natureza, poique o luar este.
(|ue se arha o supplicante.
.iw *** ni. -,ii... i.in i mi,fu iiiii.nt., inj ,iii." i., i i ni ttiiiin mu.i\ como- cstiiiicee u minisWrio da guerra de-10 do corrente, faga V.! 19 de seteraUo de t860 nao pode por ssc
Exe. embarcar para a provincia da Rabia, o sida-i provada. diytsio dosdistrict.03.de que tr
liiacio Francisco de Mello.Informe o Sr. co-
rsario.Informe o Sr. coro-
tem li.garo
(ORRESPO\in:\(iAS no JIA
RIO lli: l'i:il\4llU(,
ARA.
Belm, 23 de fevetoiro de 1861,
As noticias do vapor cJepgado dessa parte do im-
perio, vieram por assye. dizer extremar e desaso
viar a steacio politiva. djvgovernjK de lo de janvi-
ve pleno, carissimo e o mais ameno possivel.
O povo recluso dous dias precipitou-se en la. a
passear pelas aellas estradas dos nossos arrabaldes
e al as ti l oras da noite de domingo, a concur-
rencia de passeanles a pe e em trem foi constante
para a aprasivel estrada de Nazareth.
Ananoiteccr de 18 do corrente, abicou apenes
desta cidade um liosie da barca franceza Flezr do,
Para, viuda diiHavre por Maranhao, roma noticia
de se haver pendo este navio na corda secca e
a baravento da cidade da Viga. As autoridades
i>\pediramlog)os soccorros precisos, lanto que na
manhaa do da seguinte sahio para o lugar do si-
nisiro a eanl uncir de guerra Beheribe, levando a
seu bordo o guarda-mor e varias pessoas da alfan-
dega. Consta que esli militas latcndan salvas,
queja se aebam embarcadas na canhoneira, assim
como ha toda 1 probabihdade de so poder salvar o
navio, epatar je estar em cima de urna corda de
ara e ser bisante velho.
O vapor Princesa, entrado hontem, pode salvar
um pobre beirein.que andava fra da barra nado
'Jkl^ke^kWI

'*.


Islario de Percanbnco Quinta fclr 3 de Marco de f HHi.

-4
sobro um itiio, c tinta naufragado emtiagont para 0 lr. choto de polica acaba do remettet to
aciano, ''"i uiik. cami ra piloto, comentos ao juiz municipal
Snbmcttcu-se hontem jidgamento aerante
o jury o summario om que reo Manuel do Esp-
es daVfeiaum tapara ser luis manutenido um sua libertado. I rito Santo* movmido-sc-llw cosario por tow
re ebre av sini mK lw amii al,*lo O pardo Luiz por multas vezes como guarda fondo levemente a Jo.-o Marques da Silva no da
SSJuX,^B^rTt^MJix* nacional estovo destacado na Paroahyba o eones- 7 de selcmbro ultimo a ra do Sol da freguesa
awi das tres nacdes entrada da mesma por- sa que quando votava com o coronel iono era de Santo Antonio. ,,..,,
este quem Ihe dava a chapa A pronuncia decretada pelo subdelegado respee-
i J ein 18o na adminislracTio do conselheiro tivo. que fra a esse tempo oSr. Manoel Antonio
Saraiva o coronel Ozorio requereu ao uiesmo que de Jess Jnior, foi intentada devidamente pelo
Luiz, porm., Dr. juiz municipal da segunda vara Araujo Barros,
Estrangcin
Mu Hieres......
Estrangeiras...
Escravos......
Escrava!......
aquello conselheiro despachando a peticao mandou sendo qualitiead i o de
que o coronel tentasse sua aceito no juizo compe- mm cuja penahdade
ta do exterior da casa) o qual tendo feito banraro-
tn, fugiracom algum dinheiro de un pobre ven-
triloco Jacome Me-rello e sein pagar aos Innmeros
nedores que lodos os das Ihe estovara porta.
K' um capadoeio de tito boni posto, que. quando
'cstabetoceu o hotel ni primeiro dia de abertura den
um jamar aos pobres desta capital e coiu msica I
Baa isto cahiran os patinhos dos Hades rom os
seas gneros e eflettos para auxiliar o philautro| i-
o hutoloiri'!...
Em menos do quatro mezes eis o nosso hroe
abandonando hotel, inobilia, penseos, hospdese dade;
credores-, londo-sc ao fresco para Iho nao peg- gesto,
rem. ao menos na respeitavel pessoa, e aliual Je Ceaua.-Constando na espita! a dem.ssiodopn,
coutas a uolci* l loi dezantaro hoiiiem na Viga sidento da proviucia, r. Jos Bento da
e poz-lhe o gadanho em cima apresenlando-o la gueirdo Jnior, e a iiomoaeao do=
:3
9
1
5
8
Alimentados custadoscofre; pblicos.. 139
Movimento da enfermarla no dia 2 de margo :
Tevo baixa :
llie mandasse entregar seu escravo Luir, porom.
'hete no art. 201 do cod- Silvestre Lourenoo Francisco d) Monte: nterm-
no grao medio foi requer- tente.
Fraacisen Ribeiro; idem.
sendo a
ndonca,
alg .
O carnaval passou-se nesta eidade seno noyi-
tivemos alguus mascaras, porm sem inuito
cadeia de S. "Jos, a disposieo do juiz do coinnwr-
cio, que Ihe est instaurando a quebra de bancaro-
ta fraudulenta.
O otado do nosso pono o seguinte nesta data :
A' descarga.
Patriotahiato brasileiro.
Ammtmtt barca itortugucza.
Cufii escuna ingleza.
Ulive Brancli barca Inglesa.
Uuvanadita dita.
A' carga.
Srs. rs. Vi
cente vesde Paula Pessoa,' os Ascenso da Cos-
ta Ferreira, para segundo e terceiro vice-presiden-
tes, os quaes nao estavam prsenles, passou o
Sr. Dr. Jos Bento a adinini.-lraeoda provincia ao
quarto vice-presidente Jos Antonio Machado, que
|Rir sua vez entregara ao segundo dous das de-
pois.
mo miANOE. Nosso correspondente diz-nos o
seguinte :
Em poltica nao ha novidade alguma a dzer-
lhe, visto que estamos na mais profunda paz, cujo
silencio apenas nterrompido pelos insultos pa-
loliasmes escuna banoveriana.
Acabado entrar una barca ingleza, cujo nome blicados duas vezes por semina,
ignoro. I t Nao se adiando em couformidade com as de-
Entrou hontem s 10 horas da noite o vapor le cisoes da cmara dos deputados a apuraco, que
guerra inglez Alecto.
Sabio liara Marauho a 21 o Lindo Paquete.
Para New-Vur.k a 20 a I-arca ingleza Aid.
Para Lisboa a 1" a barca Fler de Vez.
A canhoneira Beberibe acaba de entrar do lugar
do naufragio da barca Fleur da Para.
Rada mais soi do que cima dsse acerca deUe
navio ; mas est averiguado que nao consta ler fal-
lecido pessoa alguma.
O vapor Piinceza parte s 11 horas da noite.
DIARIO DE PERNAMBUCO
Temos vista cartas e jornaes do norte do im >e-
rio, dos quaes foram portadores os vapores Pnncexa
dr Joinville e Jaguartbi; com datas: do Para al
23, do Maranho at 26, do Cear at 28. do Rio-
Grande at 2>J Jo pasando, e da Parahvba at o 1*
do eorreule.
1'aii e Amazonas Alm da carta do nosso cor-
respondente da priOM'ira destas provincias, que
narra quanto occorreuem ambas, que tai no lugar
proprio, teutos apenas a accrcscentar a seguinte
lista dos meinbios da assembla provincial do Ama-
zonas : rs. Juao Marlius da Silva Cootinho, viga-
rios Bernardo I. de N. Ferreira, Manoel J. de Sei-
xas, Benedicto da F. Coiitinho, Daniel P. M. deOli-
veira, Manoel Cupenino Salgado, Cleuientino J. P.
liuinares, J.iio da Cuulia Correa, Bernardo Jos
Be Sin, Jos Jusliniano II. Piulo, Agostinho llodri-
guesd- Souza, Beato Ferreira M. brasil, Jos C. de
M. i.eo JuuKir, Jaquim Jos da Silva Meirelles,
Vicente Alvos da Silva. Joao M. T. Pao-Brasil, Ma-
noel T. Pinto e leio Wiikens de Mattos
HanAMiAo.-Vada occorreu que roereca men-
fao.
Anda desta vez nao recebemos a carta do
nosso rorresiKMidente.
O cainlMo regulou sobre Londres 28 28 1/4
4., e sobre Pars 339 rs.
O algodao vendia-se a 230OO e 235200 por
arroba.
O assucar bruto obtiolu 2M0Q a 25o00 por
arroba.
Piaiiiv. EscreveiH-nos de Tlierezna :
Em 184S na fazeuda Salinas do termo de 0e-
ras (lertoneente a Ra\ mundo Jos1 deCarvalho, lioje
tallecido, e a sua malhcr D. Mana Magdajn& de
Carvalho, e a mandado desta. com ciuine de sen
marido foi barbaapMnteaasassiaadaThereza Mara
da Coiiceicao, moradora na iiiesma fazenda. Us a-
sasAnosquefuraiii os e.-eravos Luiz c Domingos
daquelle casal, para encojirirem os vestigios do cr-
ate depois de lerem usaesinado a Thereza lizeram
o mesmo com quatro lilhos menores desta, e reu-
. aiiidu todos o> coi pos no meio da casa tocaran) fogo
m:sta.
Naqaelle t-ui|)o fez-jc ura processo no qual s<.'>
foram proimueiados os dous.escravos que tend > -i;
do rondeiiiuados |telo jin y na pena de IBOrte, foi
eatt cumiiiulada em gales perpetua, por decreto il
20 de mato de 1860. e o ministro dajmdea baixou
um bvko em 22 de inoro de Memo anuo, man-
dando que M pncessassu a 1). Mana Mugdaleiiadu
Ca vailio, vi-jo como do processo constata que cija
tillha sido a mandante do crime. |orm liada eiilao
se lez e pes-oa alguma se atreva a patentear ocri-
ine de I). Mara Magdalena porcau.a da influencia
desta e de sua familia que numerosa na locali-
dade.
ltimamente o Dr. i' rvasio. ebefe de polica,
tendo coiilieciiuento do facto, e recebendo a copia
do aviso do ministro da juslica que Ihe foi rcmel-
tida pelo presidente da provincia, Dr. Leao Vello-
so, procedeu a todas as ndagaeoes neeessarias, e
no dia LO do mez passado foi D. Jfaria Magdalena
prisa na fazeuda calinas, Uo tcrmOTtaX'ira*. onde
j esta sendo processada pelo delegado.
t So ultimo do mez passado uo lugar Brojao,
distanle desta capital 30 leguas, um menor de li-
me Ivo, bateado por diversas vezes a pedra de nina
espingarda, perleacento ao pai, qrjftentao nao esta-
va em casa, e supp ndo qoe a arma estlvesse des-
carregada, ein una Aai rezes disparou, emprean-
do o tiro em Fi ta do Espirito-Santo,
que in contincnO)morrn.
. No dia 2 desto, a noticia chegou ao conheci-
mento do Dr. chefe de polica, que expedunlo na
t.-ma occasio urna escolta, e.sta recolheu-se ca-
pitil no da 9 do rorrete, con luzindo o menor
pre.-o, que csi.i -en lo processado pelo delegado.
Na noite de 19 para 20 do mez pa*sado, Ma-
noel l'iibeico Campos, port.dor do conego Claro, do
termo de Jaicos. coaduzindo dentro de una n aeca
em caria fediada para o coronel Joiio da Cruj em
Caxias, uoveeeuios mil ris, remetlidos por aquelle
conego; pernoitou no .enro de Valenra, uo lugar
Iloijucno avarandado da casa de Clemente
Ferreira dos Saulo*, onde os ladrdes por fr.i da
varanda |ioderam puxur a macea, cortaran! :i cor-
roas e a condiiziram roabando assiin os nove ce-
ios mil ris; no da 2z o delegado de Valcnca sa-
beodo do faci, dirigio-se ao lugar, fe trezo' pri-
ios do roubo em tres indi-
viduos, dos quaes estn dous | i
No termo do senhor Boin Jess da Gorguea,
foi presa Esleva Bibeiro da Cruz, \ r crime de
niorto feito no principio do auno passado.
O delegado do tormo de Jerominha ac ia de
prender o escravo Felippe autor de leinneiiloi gra-
ves.
Eo delegado do termo da Independencia no
fin do in i. tambem prendeu a Joao Jos
de Ancheta e Francisco do nchela por feriuiento-
graves, que est3o sendo processado?, Iiein como a
Jos Moieua de Barro-, que esl pronunciado por
igual crin 1861.
Contina a pre der a altenco puljlica aques-
tao de liberdaile do pudo Luiz Antonio da Silva
Henriqucsvulgo Luiz Mandy,que existe como
escravo em poder do coronel Jos Francisco de Mi-
randa Ozorw no ler no la Paruahvba.
O Dr. chefe dj polica tem *mnregado todos
os meios para descobrir todas as provas da liber-
dade de Luiz.
Aehou o asiento de bnplismo de Luiz feito em
1822. .como scravd', lilho de urna escrava do coro-
nel i isno.
U coronel Ozono nao obstante ser Luiz lillio
de sua eserava e ler sido baptisado cuino tal. sem-
pra o liatn como | e--0a livre, naadando at en-
tinar a lr e e>crever, porque correu sempre como
corto na Parealnba que Luiz era lilho do fallecido
uroiiel Manuel Antonio da Silva Heurque, sogro
do coronel Ozorio.
Luiz gozou de sua liberdade em face c com o
coiiseiiiiinento do coronel Ozorio at 1831, e por
4oii-eoinic at a idade de 29 anuos, mas nao ten-
do querido arompaubar mais ao coronel Ozono as
.leifloes, roinecou a ser por esto |ierseguide, de
surto que de I8.J2 ;m diante foi pelo coronel redu
ZidO a esciavid.i i
fez a cmara municipal desta eidade dos deputa-
dos provinciaes, que detem servir na prxima
legislatura, ordenou a presidencia, como de lei,
urna nova apura ;ao.
Dizem os entendidos d-sta_materia, que foi
lao regulare exjressiva, a votacSo dos collegios,
que em nada (lea prejudicado o iriumpho dds can-
didatos progressisus.
t Foi hontem (i) aliena a primeira essao do
jury desta capital no anuo crrente ; por falta de
"numero, poreui, foi adiada a sessio para o dia 1
de marco prximo.
Achando-se a febre amanilla quasi exmela
na eidade de S. Jos, mandou a presidencia reco
Iher o medico Dr. Doria, que para ali liavia man
pela qual
e de conformidade com as respostas do jury, jul-
gandi ao reo ocurso no grao mnimo do art. 201
do cod. crim., ocondemna soffrer a pena de um
mez de prisao e mulla correspondente a melado
do lempo.
O conselho de senlenea se compoz dos seguinte s
Srs. juizes de facto :Pedro Alexandrino de Bar-
ros Cavalcanti de Lacerda, Manoel Joaquim Fer-
reir Estevcs, Vicente Ferreira da Porciuncula,
Domingos Antones Villaga, Antonio Jos de Souza
Cousseiro, Francisco da Silva Bego, Joaquim Ju-
vencio da Silva, i'aetano Alfonso dos Santos Basto-, Carlos Joao de Souza
UM POLCO DE IL'DO.
Altrahindo as attengoes do momento os negocios
dano-alleuies, nao ser inop{or!uno o seguinte
apandado que colhemos de folh is estrangeiras com
rclacao as rortiflcaedw, do exeicito dinamarqoez e
do chefe deste, bem como o theatro actual da
guerra enire estas e as tropas lustro prussianas :
As fortiScaeSea dos Dinamarquezes na esquerda
do Schleswig chamam-se enev erke; e tslendein-
se desde o Bltico at o mar do Norte.
A maior torga desta posicao que est armada
com 200 pecas de grosso calibre, esl 'perlo de
Bustorf no Selker-Noor, baha do rio Scliley, que
tem um comprido de 5 milhas allemaas at Balti-
Correia, Florencio Domingues da Silva, Antonio eo e banha a capital Schleswig.
Camello Pessoa de Lcenla.
Os exames de preparatorios havidos no dia 1*
na Faruldade de Direito, deram o seguinte resul-
tado :
Em rhetorica foram approvados plenamente I.
simplesmente 7, e reprevados 4.
Ein gcographia foi approvado simplesmente 1
Por um equvoco de paginaran a parte do re-
atorio do Exm. Sr. vice-pre-idnte. pie hontem
Esta baha tem emalgumas partes urna largura
de avia mlha c emoutras apenas de 200 passos.
Per/es pontos mais^estreitos pode ser vadeada.
Na parte elevada desta baha, navios de guerra
podein defender a pieao; e ias baixas ha gran-
de numero de bateras muito b;m defendidas, por
fossos profundos e pallis-adas.
Esta posigao pode anda ser inundada artificial-
mente pelo ro Scbley c Teenr. de forma que s
demos, na seqcao que se refere fazenda protin-1 n'uma decima parte pode esta posicao ser atacada
cial, nao guardou a ordem da distribnicao das ma-, e nesse ponto esl ella muito b rte. "
dado para curar dos enfermos.
Dizem que depois da retirada do dito medico
o mal rerrudescera por algur.s dias, mas que em raTr^nt
limja val desapparecendo, e por isso tornando J" crreme
aP'ida do mesmo medico, ou ^^--'-fS^SS
lerias, de modo que .ssa seceao JAMO posterior, | Toda esta vanlagem deixa do existir quando as
foi publicada em primeiro lugar. aguas esto geladas como pro\avehnente acontece
As-un, pois, cumpre que se fique entendido que agora em razio do invern.
i secro u.1 fazenda provincial sao anteriores s i (jimo esta extensa posicao tem lugares que Ta-
que se referen) a prisoes. saluhriilade publica, va- clmeute podem ser oceupados, deve ser por esse
cia, divisa> judiciaria. culto publico, e iostruccao motivo que se explique a pressi com que as tropas
publica ; as quaes precede i inmediatamente a da prussinnas e austracas march iran para accom-
admiuistrago da juslica. I mctler os Dinnmarquezes.
No batane, > procedido na thesouraria provn- u ultimo ataque dos Prussiauos foi dado sobre
1 no mez prximo passado, verilicou-se o se- (Missnnde, aonde ha urna ponte fortificada que foi
provavelmente (rnala, lcaudo sete bateras
18631864 poder dos Dinamarquezes.
cial
guintc saldo
Hoda corrente.
as, destinadas a oecupaeo dos ducados recebe,
alm dos mus vencimenlos, duranto a campauha,
urna gratilicaeo uiensal de 2,000 llialers-----
(1:440|000).

O jogo do voltarete ou omorc, de origcm hes-
panhola, e a sua introducciio em Inglilerrateve lu-
gar a dous scalos.
Ombre qur dizer El hombre ou o liomem ; Sey-
mour diz : um mclhorainento feito no jogo de-
nominado Primero, que amigamente teve grande
voga entre os llespanhoes.
Em 1660 publicou-se una obra po tica intitula-
daO Jogo real de Ombre{Tk Boyal Game at
Ombre), e em 1662oulra com o titulo Hits Inlrr-
preter, que tratam deste jogo. Isto foi per occasio
da chegada de Catharina de Portugal (lilba de el-
rei D. JoTUf IV), mulher de Carlos II.
Este jogo, romo acuna se disse, de origen) bes-
panbola, c n;"w ha duvida de que se Ihe deu grande
impulso por occasio da chegada da ratona. O
voltarete deixou, depois de estar em moda, pela in-
trodcelo dos jogos da quadrillia, whist, e conge-
nere.
Diz una correspondencia de loulon, de 26 de Ja-
neiro :
O aviso vapor Castro, ancoron honlein neste
porto depois de ter batido durante 84 dias o mar,
em procura de signaos do paquete vapor Atlas,
cuja desapparieao contina euvolta no mais profun-
do inysterio.
Em toda a baca do Mediterrneo omprehendida
entre as costas de Franca,'Corsega, Saneaba, Ar-
gelia, Baleares e Cataluha, nao apparcccu nenhuin
destroc proveniente deste desastre.
Nem urna s tahua, nem um so cadver se des-
cobrio que ao menos podesse. indicar asorte do na-
vio e dos seos numero- pissageiros.
Depsitos.
2:,wX&7:;
51:563*115
desNerassaria
por elle.
No Ass appareccu a meseta febre, pelo que
a presidencia autorisou o Dr. Luiz Ca los I.ins
Wanderley a tratar dos doeulcs pobres d'aquella
localidade.
c So acredilannos as palavras de urna repre-
sentaco. que ao Exm. Sr. Dr. Olyntho dirigi da
villa de Mar) um Assiiense^cuj* uome nao ap- \
vece, devemos convencer-nos do que o mal ali
est um poueo medonho ; entretanto outras noti-
cias verdicas nao Tazem tamanho espalhalato.
t Ne-sa re nvsentaco, ou que qur que sejao
Assuense que to vehemente a cinoco, que sof-
fre ao presenciar o estafo lastimoso, a que se ve
reduzida a populacho d'aquella comarca, no que
diz respeito sad publica, e lao medonka a ca-
tadura do ftagttto da febre amartlla, que em ton-
ga escala se val propagando em Macao 6 OtttrOS
[ionios d'aquella comarca, que nao pude resistir
aos impulsos de seu coracao, deixando de fazer
ver a S. Exe. aquillo que talvez adrede se te-
lilla dexado de patentear ao mesmo Sr. presiden-
te.. .. E mais adianle diz que na qualida.le de
Assuense iuteressa-se como deve pela sorte dos
miseraves qu ali esto sendo azurragados pelo
Ulego do figaello da febre amarella.
t Por aqui j t Vine, que as cousas ali na co-
marca do Ass, em pontos de salubridade publica
e.-t.o mu penca pavorosas, pois que a febre nao
so faz caretas aos pobres com a sua medonha ca-
tadura, como ainda os azurraga rom o latego do
seullagello: torno porm a dizcr-lhe que nenhu-
ma das outras noticias pinta este mal com cores
to hediondas e aspecto to temeroso.
t Aqui nesta capital tambem tem apparecido
MOS de febres amarella : soja porm porque con-
fiamos nos bous mdicos, que temos, c duas Mi-
cas magnficamente bem prvidas ; seja porque o
novoj se tai acostumando com o mal. o certo
que nao tem elle causado o menor alarma; e niftto
licanios.
As chava*, que ltimamente tem cabido c
com maior abundancia l pelo centro, vito desva-
necendo as appmainsocs simstras, que se nu-
iriaui a respeito de grande secca; nao obstante
continan) por alio proco a farinlia e a carne; isto
os dous priiiieiros gneros de aliiiientaco diaria
desta piovincia.
Pwntfpn.Apenas tomen posseda presidencia
la piiiviiicia, como noticiamos em um de nossos
iiiuneros passados, o Sr. Dr. Felisardo publicou
um grande numero de demissdes, tanto na polica
e juslica, cimio em lugares de fazenda.
442:867,5812
6635360
Galgamente
Moeda corrente___...........
Amortsaco das apolices
Moda eorreule.....'......... 540.">85
Passageiros do vapor nacional Jiif/uarior, vin-
do do Acarac e portos intermedios :
Joaquim Jos d'Olivcira, Pompilo Nuroa Pessoa
c i criado, Austriliano D. D. Padilha, sua senhora
e 2 filhos menores, D. Anna Rabello Pessoa, Fran-
cisco Antonio d'Olivcira Sobrinho, Baymundo An-
tonio d'Oliveira, Antonio Frese Cidrao, Francisco
Mai cal da S. Garca, Francisco Goncalves da Justa,
Odorco Jos de Arago, Francisco Rodrigues da
Suva Capella, Bonifacio Francisco da Rocha, An-
dr Rosa e 1 criado. Jos Ignacio Correa de Mello,
Jos Cavalcanti d'Albuqucrque, Custodio Rilieiro
Guimares, Anizio Torres Bandeira, Idalino Fer-
Elviro da Silva Caldas, Manoel
nando de Souza,
Januaro de Lima, Thomaz Pinto de Souza, Silvios
Anselmo Ribeiro, Theophilo O. C Souto Maior, Jef- estado maior do general Kroglis,
ferson Mirabeau M. Gordo, Dr. Manoel Varella do
Nascimento Jnior e 1 criado, Joaquim Germano
Ramos, padre Francisco Adelino B. Dantas, M.
O invern favorece os Prussianos, mas natural
que ambos os exercitos sofresiem muito polo fro.
O exercito dinamarquez concentrado as forlifi-
eaefies Danewerke, acha-se sob o commando do
general Meza.
Chri.-iiano Julio de Meza nas:eu a 14 de Janeiro
de 1792 em Elsen-ur.
Ao lempo do sitio de Copenhague, em 1807, era
primeiro cadete de artilharia na ridadella de Fre-
derickschafen.
Sendo depois professorna escola militar, deixou
este posto em 1842 e passou c >me major ao corpo
de artilharia.
Encarregado do commando desta arma, ao tem-
po da revolucao de 1848 dsti iguio-se no ataque
de Schleswig, de Bau e de muilas outras pracas.
Nomeado coronel no mez c e dezembro, foi em
16 de abril de 1849 nomeade commandante da
brigada de 15,000 homens, qu Ocra na Iba de
Alsen, etomou una parle ae iva na tataib de
Fredericia.
No de Janeiro de 1850 fe i promovido ao grao
de major general, porm o ser mo estado de sa-
de nao Ihe permittio continuar as operac5es.
Cumtudo, noquerendo fica inactivo, eutrou no
e na derrota de
L-se n'uma correspondencia de Berln, de 26 de
Janeiro.
Teve boje lugar una scena tocante, no hotel da
presidencia da cmara.
Os partidos liberaos, entregaran) boje por meio
de denutaedes, a M. Orow, tres coiws de rala, mar-
chetados de ouro, e de grande valor.
O do meio sustentado pur um genio, tem a seguin-
te inscripcao : ') centro etquaro e o partido pro-
ijrrssistaao presidente da cantara.
M. Grabow, coinm jvido, agradeceu com vehe-
em i mencia o mnifestou a firme esperanca de que a
causa do bom direito e da juslica triumphar
afinal.
Stolk, a 24 de julho, foi encarregado de reunir as
tropas batidas do general Sch'eppegrell.
Organisou-as voltou carga e acabou por derro-
Nunes B. de Mello, Joao Viterbino Guimares Car- tar completamente o i ni migo,
valho, Antonio Joaquim Texeira, Antonio Joaquim : So lim da guerra foi nomeailo inspector do corpo
Tcixeira Barbosa, Jos Joaquim Peixolo de Miran- i de artilharia e depois encarngado do commando
da Henriques e 4 lilhos, Francisco Ferreira de No- geral e das tropas acantonadas em Hensburgo
REPANTIGO M POLICA.
Relaco dos criminosos capturados no termo
do Hinque, no tempo decorrido de 20 de junho ao
ultimo de dezembTo de 1863.
Maria Anglica da Coneeico, criminosa de'morte
na villa da Assembla da provincia das Ala-
goas.
Jos Caldeira. desertor do exercito.
Joao Roberto Pereira, criminoso de morte no Bui-
que.
Joao Jos Ferreira (pendao) criminoso por furto
de gado.
Lasaro Francisco Bezerra. crminosii de resistencia
no termo de Buique, e morte no de S. Bento.
Manoel de Santa Auna Velho, criminoso de inju-
ria.
Agostinho Ferreira de Carvalho. criminoso de ten-
tativa de morte no termo do Buique.
Mana Thereza de Jess, criminosa de morte no
Buique.
Salvador Pereira Brando, idem idem.
Jos da Costa Pnheiro, criminoso de morte na pro-
vincia das Alagoas.
Jos Antonio de Araujo, crnrnoso de furto no Bui-
que.
Theodosk Pinto de Oliveira, idem idem.
Alberto de Brito, criminoso no termo de Pes-
quera.
Antonio Bernardo Vieira, criminoso de morte n
perar da administrarn do Sr. Araujo Lima, cuja
desme ralisaco parte dello ?
Dotando o Sr. Araujo LimS com relaco aos
mais, vou oceupar-me delle com relacao a mim.
Tendo fmdado o meu qnatriennio, assentei do
nao continuar e isto resolv definitivamente ; por
que aqui nao nodia vi ver em qualidade de juiz mu-
nicipal. Alguns amigos entretanto entenderam que
detia ser reconduzido, embora depois resignaste
o lugar ; e procuraram obter-me a recondurco.
Nao fui reconduzido; poniue, alm dos rs.
Diogo Velho, Anisio e barao de Mamanguape, cx-
deputados vermelhos por esta provincia, o Sr.
Araujo Lima dra de mira pessimas informacoes.
Deixo aquellos que procedern) como polticos, e
com os quaes nao me importo ; porque nunca
dilles espere ju-iica visto que stgo poltica de-
ferente da sua para oceupar-me s do Sr. Araujo
Lima, que. devena ter procedido em carcter offl-
cial, e a quem nunca suppuz to traidor e falsario
como se mostrou.
A joia mais preciosa do hornern alguem j o dis-
se. e asna repntacio. Nao podendo, pois, consen-
tir que o Sr. Araujo Lima gose impunemente de
hav a mareiado de um modo oceulto e traicoeiro
para e.omigo, -me forzoso fazer cenhecer ao pu-
blico queessas prfidas informacoes sao suspeilas
e lillu.s da intriga e espirito de partido, qne cega
o Sr Araujo Lima a ponto de o tornar inconse-
quentc e traicoeiro.
Para isto me ferroso dar publieidade a alguns
officioi e cartas do Sr. Araujo Lima c de outras
peasom, de onde se v que de mim tem o proprio
Sr. Araujo Lima feito um concedo superior ao meu
ineiei ment.
I'.iri assim obrar, reconheco que vou faltara,
modestia, que todo o liomem deve ter, em fazer val-
ler elogios receidos. Mas. posta boje em collisao
a uiinlia reputaco de empregado publico, que fui,
com esse escrpulo, prefiro defender-me, e des-
mascarar ao Sr. Araujo Lima, para que de outra
vez dm seja elle to indiscreto em seus elogios, quao
:' e traleoerra em anas calumnias.
v
fcil
PERNMBOGO
REVISTA DIARIA.
Ein sua sesso de liontein. prosegOvO a as-
sembla provincial na di.-cuso do parecer da
cooimisso de poderes acerca da eleieo do 2o dis-
vaes e 1 lilho, Jos Ferreira de Novaes, Joaquim
Rodrigues Pinto Jnior, Antonio Jo? de Souza
Guimares, Bolngues Jos Velho Lima, Francisco
Fernando) Lima, Alfredo Monteznma d'Oliveira,
Antonio Augusto de Araujo Lima, Joaquim Juven-
cio Jnior, Rubro Tavares de Almeida, Francisco
d A--is Correa Lima. Francisco Thomaz de Aquino,
4 nufragos da escuna nacional Emilia, c 10 es-
cravos a entregar.
Passageiros vindos dos portos do norte no va-
por
(Schleswig), Jutland e Fynen.
Em 1860 foi promovido t< nenie general c hoje
commandante em chefe do ecercito dinamarquez.
Sobre elle diz o seguinte urna carta de Flens-
burgo, publicada no Liverpool Post.
Tenho a honra de couhccei perfeitainentc o ge-
neral em chefe, porque inuitis vezes jantei com
elle.
um verdadeiro soldado.
Fui o hroe da maior batalla (ad'Istod) que os
A molhor reputaco a que se faz com as pre-
pria- palavras da pessoa a quem se contesta.
E com as proprias palavras do Sr. Araujo Lima,
que vou destruir o mo conceito, que de mim fez
peranle o Sr. ministro da juslica.
Chame a altenco dos leitors para as seguintes
pecas :
Tendo en em julho de 1861 feito prender An-
tonio Joaquim de Carvalho, o levando este facto ao
conherimento do Sr. Araujo Lima, tive em respos-
ta o seguinte oflicio.
Palaciodo governo da Parahyba, em 23 de julho
de 1841.
Peto seu officio de 9 do corrente, que acenso re-
cebiito, fijoei inteirado do brbaro attentado, com-
mettiilo rene termo por Antonio de Carvalho, con-
tra a iufehz Marlinha Emilia do Espirito Santo, e
em resposia tenho dizer-lhe, que ronvm que
empregue toda attencao no resjiectivo processo,
para que nao fique impune semelhante rrimo, o
que ile esperar da boa voitade, com que Vine, se
presta ao desempenho de seus deveres no que i rela-
tivo io sevvico publico.
Deas guarde VineFrancisco de Araujo Li-
ma. Sr. r. juiz municipal do termo de Campia
Grande.
o proprio Sr. Araujo Lima, quem conhece, que
semire prestei-me com boa vontade ao enmpri-
mento de meus deveres no qne era relativo ao ser-
vico publico. E como, Sr. Araujo Lima, deu pes-
simaj informacoes de um empregado, que, segun-
do o seu juizo se prestava com boa voutade ao eum-
primento de seus deveres no que era relativo ao
servico publico ? Que carcter essse seu, Sr.
Ara iju Lima?
Em agosto de 1861 prend pessoalmenle a Joa-
quim Jos dos Santos, e dando conheciinento d'esta
diligencia aoSr. Araujo Lima, tive emresposta o
seguinte ofcio:
Palacio do governo da Parahvba, em 26 de agos-
noi to de 1861.
- \~ Pico sciente da prisao, que fez Vmc. do crimi-
Buique.
Antonio Gomes da Silva, criminoso de furto e> lStl Joaquim Jos dos Santos, e que me commun-
gado.
Maria Custodia da Conoeico, criminosa de tentati-
va de morte no districto da Pedra.
JooSevcrino dos Santos, criminoso de marte no
Buique.
Francisco Lino Ribeiro, criminoso de morte em
Aguas-Bellas.
Tbeotonio Jos Teixeira, criminoso de furto de ca-
vallosem Agua-Bellas.
iMMp iius Yiuum uw (iuouo nui w .. rui u uci uv u.i na lu naiana auiMWi queun i u,, llls, rl o, nacional Penceza de JoimUle : Dinamarquezes pelejaram diranle a guerra de til^ h'^l,? I S
llenrique Olto e seu escravo, 2 pj-acasKSudolpho 1848 a 1831. i st .10 Paz de Albuqni i qu, de n id m.
ariqu,, luiz A. Balua, Krai.isco N,u,e^ founidas I fisto genera, m ty, o. *3 ,'t !h "a^BezSr Z oe ten
. Barbosa e sen escravo, Jos Bento Antones, Se- Sariqui
F
gisinundo A. Goncalves e seu escravo, ..ntonio It.
Tavares Belforteseu escravo, Joo V., Alpheu C.
A. Ribeiro, Jesuino da R. O. Jnior e sen escravo,
Lzaro Pires da Foneoa, Jos A. G. Pires e seu es-
cravo. Basilio Pires da Fonsera e seu criado. Elsea
de S. Martina e seu criado. Antonio de A. Oliveira
No meio do mais forte da b Halh.i snjaram-se-lhe
de -aligue as lavas brancas. Depois de as descal-
car tranqulilamente e hincar lora, tirou outro par
da algibeira, que cal(ou, como se nada livesse
aooniecido.
tambem um bom linguis a, pois falla oito lin-
e seu escravo, Cjjq l. da Cuuha, Jos L. de Souza, guas, e alm disto compositor.
Antonio M. Lapenberg e seu escravo, Bruno J. Re-1 A minha mulher dedicou elle urna das suas
reir. Joo P. B. Vieira es
c amigo intimo
mes S. Belfurt e seu escravo, Vicente A. R. de Al-
buquerque, Jos F de O. Cavalcanti, Jos A. M.
Guimares, Antonio G. Cavalcanti, major Cypriano
A. Galvo, Joo O. de A. llenrique, Manoel de O.
Lima, padre Feiippo Benicio da F. Galvo e seu es-
cravo.
Seguem para o sul :
. ntonio C. de S. Caldas. Francisco M. da Gama,
Dr. Hay inundo Teixeira B. Roxo, Augusto T. Bel-
foii Rose, Joaquim da S. C. Sobrinho, alferes Joa-
quim da C, sua senhora e 3 filhos. Manoel J. Can-
Licio ; a qual ticou encerrada, deixandose de vo- ** *ft *, K?TllC^Ss^'''?!tnS p
tar por falurde numero. I ,!,re. A ,,on! da ? '-'al Cuutinho, Atfnsto \_
seu escravo, Jos B. Go- composices.
Era dedicado ao fallecido ni.
do re reinante.
Oiaram os Srs. Drs. Gervasio Campello, Sabino,
Souto Lima, Cnnha Teiseira, Araujo Barros, Ri-
bei o, Jpao Teixeira e conego BochaeL
Lcvantoit-se a sesso s 5 l|4 horas da tarde,
continuando para onUmdo dia de boje as nn-uias
materias.
Temos a satisfayao de anuunriar aos ltteratos
de bom goslo desta nossa tena, que na liviana dos
Sis. Guimares, Oliveira acha-se muito de fresco
um escolenle livro, que n pode dei.xar de ser
muito prteurado por todos aquellos que anda nao
trocaran) as bellezas claseicas da nossa nngua pe-
los ensertM bybfidw, que Iho hao introduiidu os
l-'inuc llios da moda.
O livro, que boje captiva a nossa attencao, tem
por autores dous ltteratos. e insigues poe-
tas: Antonio Feliciano de Ca-lillio, por domis
eonheeido, e popular em ambos os paizes, e Anto-
nio Ribeiro Sai jiva. Do primeiro escusado fal-
lar; do segundo diremos que suas epstolas, tanto
ein verso, como em prosa, dirigidas a Castillio An-
tonio sao perfeitos modelos no seu genero. A sua
leitura convence, nao s da supenoi idade de seu
espirito, como alto pensador, mas tambem da va
riedade abiindaniissiina de seiisconliec.iineiilos.
O Sr. Ribeiro Saraiva foi inigueli-la : oceupou i g
naqiulla poca posicao cumenlo na administraba i
do reino. Perdidaa cairsa a que se ligara, emgrou
para a Inglaterra, onde se tem desde enlao conser-
vado, rosMindo constantemente a convites, ,. se-
duegoe.' para voljar a sua patria, que elle conside-
ra involta em ruinas sob o dominio do constilucio-
naliMiio. Aiuaudo-a (Kir extremo, fallece-lhe cora-
gem para contempla-la lao di Itrente do que fo-
ia. IV Je estar Iludido, mas a sua illuso coiis-
cienciosa, e sincera.
O altanuirsmu cum que lula com as vagas do
infortunio, e ao mesmo lempo sua inflexivel regi-
dez de creiicas religiosas e polticas, tornain ama-
vel, e espeitado o seu carcter, que parece ter os
moldes na antigoUUde I E' um exemplo de cohe-
rencia, de dignidade, e de pundonor, que muito
confunde os m/ra-scs polticos, que os ha por Inda
a parte, em trafico rasgado com a propria cons-
ciencia!
Residindo por lanos annos na Inglaterra, Ribei-
ro Saraiva to) consevado nalterav is, e lile
dous | reeiosos depsitos, ipie Ihe confiara a trra
de seus aros:pureza de f catholiea, e pureza de
liugua materna. O seu livro um documento vivo
delta cordado. Cumpre que todos o leiamos cun
aquelle inlcresse, que inspira pela forma, e pela
materia, e mais que tudo jiela uobre independencia
do dictioclo exiliado'.
Sendo ouvido pelo Sr, Dr. Ilerinogencs de
Vasconcellos, juiz municipal da 1" vara, sobro a
couqietencia do proeediiiioiito ex-o(Hcio instaurado
contra o Sr. Manoel Jacome da Silva Pessoa. por
Chaves A., Cicero Pontos, 3 soldados. Manoel P.
Mala, 1 desertor do etercito, 6 agregados e 2 vo-
Na Gazeln Medica acha-se o seguinte facto de
poludactilismo hereditario :
Uro horneo) qne linha seis dedos nos ps e as
mos casou-secom urna mull er bem conformada;
e a 28 do corrente duas filha e um lilho qne des-
te matrimonio teve, aprsenlaram a mesma defor-
niidade,
Urna da? filhas morrea ser) posteridade.
A outra teve, de dous maridos diferentes, dous
filhos, dos quaes urna rapari; a nasceu com dispo-
si^des digitaes semelhanlcs niai.
O filho cason-se com urna nulher que tinln -
tentativa
em sua mulher no Buique.
Antonio Valerio Onea, por crime do morte c toma-
da do presos.
Melchiades Jos dos Santos, por ferimootos graves.
Apresentadoj.
Nemesio da Encarnaco, por crime de furto.
Eugenio Velloso de Mello, por estancamente.
Emigdio Baldoino de Mello, idem dem.
Jos Deudo Pereira, por defloramento.
Villa do Buique 14 de fevereiro de 1861.Ma-
noel Germano de Miranda, delegado do termo.
COMMUNICBOS.
luntarios, Manoel M. Rolin, Antonio dos S. Noves, Jodias criancas bem conformadas, o del la teve
sna senhora. :i lilhos e nina ama, Manoel Jos Bar- tres rapa/es 6 quatro meninas, os quaes todos ti-
ros. Adrie L P. da Silva, Franfl(%o (i. Prenle, nham a mesma defonnidade do pai, com a dilTu-
Virgilio A. de Moraes, Joo A. R. da Silva, Dr. Jo-> renca porm que o dedo si praniirneiario faltiu
,- II. da C. Figueiredu Jnior e 2 criados, Dr. Jos va um de meinbros de tres dentro ellos.
la S. Fonseca e seu criado, teiienie-coronel
Audi Gpiphamo F. Lima, sua senhora e seu escra-
vo, I), liosa M. C. Duarte e sua escrava, Honrique
P. Alvos, Joaquim Ignacio P. Jnior, Antonio A. de
O. Caininha, 23 recrutas, 2 soldados e 17 escravos
a entregar.
M B! v> M M
X c
2
/- . I y.
1 9 -I * 3 i B B
B
:
:
:
s
I*
1 1 1 cr. it 1 *- 1 to i 1 SI Masculino. a .> n > o 9 > Vi = s a* sa y.
1 l J !| Ce 1 \ 1 It 1 1 o l'cminino.
1 m* 1 1 1* -i c-. Masculino. H en H 3 > r, 5
* \ * FemiAino. 1 >
i i i 1 J Masculino. | to M n > < o o IS.
1 1 1 -1 . ., Finnmino. ] o w> 1-a. o
** 1 Crt I m m i.: Masculino. 1 '
1 i = 1 -1 - M Feminino.
tjj i" i S Masculino 1 > = <
00 ^4 * m 00 55 Feminini: 2
1 1 -1 1 Si i . m TOTAL.
Pede-sc-nos esta publcala) :
MKl DF.SFJ0.
(Imtfneio).
Meu desejo ? era ser o ebun eo leque,
Que bafeja-te o pedo docemtute I
Era ser a ante-face do leu nsto,
Quando elevas Deus apreee ardente 1
Meu desejo ? era ser a flor i uerida.
Que te orna a fronte to serena e bella !
Era cohrir-te de amorosos b( jos I
Era adorar-te divinal donzella I
Mou desojo? era apenas um momento
Reclinar minha fronte em tea regato !
Era Vir-te bem lnguida, be n terna
Cingir-me o corpo em delirante abraco!
Meu desejo ? era ser o brando leito
Onde donnes era lnguida pistura I
Era ser e leu sinto cor de losa,
Qoe R comprime a virginal cintura !
Meu desojo? era emito) ouvir leus labios
Dizcr-meeu te amo-e m imprimir umbeijo,
Era nnrar-te as porfeicoes o-cultas,
Meu desejo Tera ser o teu desejo I
L-se no Commncio do Puto o que segu :
Na lotera de Madrid do mez de dezembro ultl-
mo,o principe Walkonski, embaxador da Russia
naquella corte,comproa, a i .-tancias do seu cria-
do de quarto, um dcimo dibilhete que foi pre-
miado com 306,000 duros, cabendo-llie por isso
30,000, que a rogos da princesa -sua mulher, bol-
landeza de nascimento o calliolica, mandou entre-
gar ao nuncio do papa para engrossar o produelo
do dinheiro de S. Pedro.
Os rigores da.estacao e nconstancia da tempe-
ratura teem causado em Lord res, desde o principio
doste anno, urna grande mo lalidade.
Durante a semana que >cahou a '. de Janeiro, o
numero de bitos chegou a 1.798, o que d 279
mais que o termo medio dos ltimos dez auno-.
calumnias uo impressas, dirigidas ao Dr. Luiz de
O Dr. chefe d polieia acliou a Luiz qualifica- Albnquerqiie Martins Pereira, delegado do Io dis-
^Ui na cola le da Parnahvbt, nos anuos de! tricto, e outros agentes da polica, que tomaram
IH9, W'o c I8I, -iodo. ,pn r um, niem- parte na investigacao do facto criminoso allribuido '
da mesa qualificadora de 18.'0 um lilln e ura a Sra. I). Maria Jos de Jess Cunha Guimares, Maria Joaquina do Sacramento ; grangrena.
genro do iiu-ino coronel Ozorio I opinou o Sr. Dr. promoor publico me, face do \ Thereza Maria de Jess ; phttslca pulmonar.
Achou mais, que Luiz eslava na mesma eida- decreto n. 1,090 do 1* de outubro de 1860, art. 2o, .Josepha Maria do Monte ; veintes,
eda Parnahvba qualiflcado guarda nacional em | 3*, era inopportuno esse procediinenlo que s-1 Antonio Dias do Amaral; anararca.
1848 e 18.J, sendo que o proprio coronel Ozono mente pedera caber ni) caso de haverein sido
foi um dos nienibros da junta quaiifica Ora de calumniadas essa- autoridades no acto em que
18i8l procedUm is referidas desgracias, e nao depois
E innegavei, portanto, que Luiz livesse gozado que liaviam estas sido terminadas, caso este em
por iiuiiios annos, e em face do coronel Ozoiiocom que smente cabe a queixa ou aceaoparticular,
quem inoiava. de sua liberdade. A dala da poe A opposieao que agora faz o coronel Ozorio ao nestt Diauio, sosseripta por J. Alvares P, de I.yra,
paulo Luiz, t.'in sido por lodos altamente c asura- i de raaryo de i* da e reprovada. saho.
ADVERTENCIA.
Na totalidade dos detentes existen) 184, sendo levando-se mesmo em conta o augumento da pupu-
alienados 9 homens e 26 mulheres. lagao.
Foram visitadas as enfermaras estes dias : A maior parle dos fallecimentos foram pordoon-
Pelo Dr. Ramos s 7,6 3|4, 6 3|4, 0 l|, 6 1|2, 6 ?as dos orgos respiratorios.
l|'i. ti 112 6 1|2 da inanha. Na semana linda ein If de Janeiro a cifra da
Pelo Dr. Smente s 7 3i4, 7 3i4, 7 Ji4, 7 Ii2 morlalidade foi de 2,i27, a que nunca chegou du-
7 3|i,1,7 l|i, 7 40.
Fallecern) :
Para o Exm. Sr. ministro da juslica ver e apreciar
prorc.liiiieiilii do presidente da Paralnlia,
Francisco de Araujo l.ima, rom rclacao ao cx-juiz
municipal de Campia brande.
Em todos os homens domina o espirito de clas-
se : e esta verdade, nunca desmentida, fez dizer a
Montaigneqne o espirito de classe encerra todas
as junetmas dos membros de ama eorporaeao.
Esse lace mysterioso, que prende e associa to-
dos, que vivem, solfrem e gozam de una mesma
vida, nao nina dessas vaidades filha do capricho
humano, antes o resultado da necessidade que
tem as classes de se uiiirem para se tornaron
fortes. .
Desde o scenaro at a loja do mais insignifi-
cante artisla, desde o auditorio at a mais alta ad-
ministrar!), voem-se emanados os membros de
urna mesma classe ; e tanto mais desfavorecida e
esta, quanto mais forte se torna o vinculo que es-
treita os seus mcmbri-
E assim que a magistratura brasiletra, por ser
de todas a classe mais soffredora, se protege e au-
xilia de modo poder dizer-se : qoe um magisira-
do da mais baixa jerarehia v sempre um irmo
no da mais elevada.
O Sr. Araujo Lima, porm, que por ser boje
presidente de provincia por urna dessas fatalida-
des que s se poderia explicar pila desnioralisa-
eo, ipie tai em tudo. nao deixa por isso de sor juiz
de direito, e, como tal, um inemliro da magistra-
tura, consume urna aberraejto da pielle principio,
para ser, como tem sido, nesta provincia o Seide
de seus Collegas.
E coi enVito desastrada tem sido sua pessima
admunstiaefio para seus collog.'.s, membros da
magistratura nesta infeliz provineia. Anda nen-
huin pode firmar nina reputaco, e nenhum ha
que. se me nao engao, tenha escapado a sua in-
lluencia desmoralisadora, e ospeciatnicnle aquellos
que sao tidos como progressistas, e oppostosa po-
lilica cega que segu esse presidente que tem per-
dido aqui ali' a dignidade dehoirem.
Se partirmos de Pombal toremos que ali o pro-
motor publico foi publicaiiiente desacatado e in-
sultado : o juiz municipal foi ameaeado ; dous ca-
cetos Ihe foram postes na portal
Em Cabaceiras o juiz municipal tem sofTrldo os
maiores insultos, desacatos c pilherias, do publico
e pelas ras : se Ihe prohibi at de comprar as
vendas ; e vio-se elle toreado a mandar prove --se I
ti e 12 leguas de distancia do necesario para viver
so nao quiz suectinibir fome con) sua familia !
Eu em Campia solfri as ultimas omisas;e foram
lanas e to graves, que recuo inte o desprazer
de as recontar. Drei apenas que, estando no excr-
eto da vara de direito, dentro da comarca, e ven-
cendo ordenado, fui processado por crime de mor-
te, como ausente ea revelia, pelo quinto supplente
do juizo municipal : o por um facto que pratiqoei
em qualidade de juiz municipal, e de ordem ex-
pressa da presidencia de ento, que por elle lou-
vou-meduas vezo !
No Pilar o juiz municipal, tem sido ameacado
al lelo jornal do Sr. Araujo Lima !
cou em seu officio, datado de 10 do corrente. Lou~
vo Vmr. pelo seto e actividade, que ha desenvolvi-
do ti) cxercicio das (unecoes do carijo, que dignamente
exercr. esperando, que continuar prestarse do
mcsino modo, habilitndose assim a firmar o con-
ceito, que me merece.
Deus guarde VmcFrancisco de Araujo Li-
ma.-Sr. Dr. juiz municipal do termo de Campia
Grande.
o proprio Sr. Araujo quem louva o zelo e ac-
tivi lade, que diz, desenvolv no exercirio das func-
edes do carpo, que dignamente ocenpei mas o
proprio Sr. Araujo Lima quem d de mim ao Sr.
ministro da justica pessimas informacoes 1 Que
oar.ioioi- esse sen. Sr. Araujo Lima 1 Como que
da essimas informacoes do empregado puldico,
cujo zelo u aciividade'no exercieo das funecoes do
car.io, que dignamente orcupara, V. Exc. o pro-
pri i. que louva ? Como que deu pessimas in-
formacoes do empregado, que Ihe mereca conceito?
Em outubro de 1861 tendo eu aprehendido mais
de un cont de reis, em dinheiro e outros objec-
tos. birlado ao major Salvador Lucio da Cunha por
alguns escravos, que tambem foram logo presos, e
dando d'lsso conherimento ao Sr. Araujo Lima,
tivi om respecta o seguinte officio :
Palacio do governo da Parahvba do Norte em
27 de outubro de 1861.
Accuso a recepcao do seu offlcio de 21 do cor-
rerte, om que me communiea a diligencia, qne
em iregava. para a descoberta e apprehensao de
objoetos birlados a Salvador Lucio da Cunha n'esse
termo por 4 escravos, es quaes foram logo presos
o, -cenle de tudo. louvo Vmc. pela actividade,
com que se ROHM naquella diligencia, e espero que
eontmuu a inltrestarse pelo servico publico, come
o h i ffiln sempre que elle o exige.
I 'eos guarde VineFrancisco do Araujo Li-
ma.-Sr. Dr. juiz municipal do termo de Campia
Ci.uide.
ainda o proprio Sr. Araujo Lima, quem reco-
uhece o interesse, que tnmava pelo servico puldi-
co. tempre que elle o exiga, e louva por isio a mi-
nlu actividade. E qual deve ser o carcter do Sr.
Araujo, para depois dar pessimas informacoes do
mesmo funecionario, a quem louva pela sua acti-
vidade e interesse, que tomava pelo servico pu-
blico J
T ;ndo eu sido nomeado pelo Sr. Araujo Lima
meiibrode urna rommissode sooeorros pelo cho-
lera que aqui appareccu om 1862. e dando conta
de meu Irabalho edispendio, que fiz do dinheiro,.
remedios e vituallas, que me foram remetlidos, o
Sr. Araujo Lima respoudeu-me com o seguinte of-
BCii :
Palacio do governo da Parahvba, em 11 de abril
de 1862.
De iKisse do seu officio, datado de 7 do correnter
no que Vine, me da cenia do emprego da quantia
de 200060.
Movimento da casa de detencao do dia 1* de mas, em lugar de 91 da semana anterior; a pbty-
marco de 1864. \ sioa 2113, em lugar de 19i, e as broiicbites 543, ein
lugar de 326.
Do numero de 2,400 odos, um terco foram de
pes.-oas para haixo de 20 annos e um terco de pes-
soas de 60 para cima.

A Gazeta de Colonia diz que o fold-marechal, ba-
,' rao de Wrangel, comoundanle das tropas prussia-
rante as epidemias do cholera, e que excede 827 a' escapar a perversa influencia do Sr. Araujo Lima,
media calculada pelo augmento da populace nos que o tem procurado tambem desacreditar peranle
dous ultimo anuos. o governo geral, dando delle ms informacOes.
As docncas dos,, orgos respiratorios sao as que Assim os agentes eo principio da autoridade
fazem maior numero de victimas. j tem sido emtoda a parle menoscabados e desaca-
Na indicada semana a peueuinonia fez 156 tlcti- lados.
Em Teixeira os scelerados acommettem a villa
Existan). ... Entraran)... Sahiram----- . 371 presos 13 26 >
..338
.. 248 .
Tenho em mnita vonsiderarao os seus trricos e
fon io o methor conceito de sua probiitade.
Dos guarde a Vino. -Francisco de Araujo Lima.
Sr. Dr. juiz municipal do termo de Campia.
E quem deve ser o Sr. Araujo Lima, que d pes-
simas Informacoes de um seu collega, eujos servi-
ros, feitos a elle e a bumauidade, toma na maior
consideracao e de cuja probidade forma o molhor
conceito f
l'evia ser mesmo o Sr. Araujo Lima, de qne o
pul Meo agora tambem por sua vez formar o. seu
conceito.
Assim lanos eu e o Sr. Araujo Lima, que nao
poupava occasio de dar-me provas de sua dis-
tila cao, quando aqui appareceu, vindo de Paje de
flores, Melquades Gomes Pereira de Vasconcellos,
recommeodado ao Sr. coronel commandante su-
perior, Luiz Antonio da Villa-Secca, para o lim de
conseguir no juizo municipal d'esta villa um re-
cluso em favor do atroz assassino Severino Mandil.
OSr. Villa-Secca leve a fraqueza de o exigir de
mim; o cu uve a independencia de repelliressa sua
immoral prelenco, e de assim sacrlicar-me a
sua odiosidade. e a do Sr. Araujo Lima ; como
publico vera depois.
Assim amos eu o Sr. Araujo Lima, quando, de-
pois d'esse, deu-se osle outro facto : Manoel Jer-
nimo da Costa Roincu raptou para casar-se una
mulher maior de 34 annos de idade e a foi deposi-
tar em casa doDr. Manoel Carlos deGouveia. O Sr.
Villa-Secca. que, segundo aqui se dizia, tambem ti-
nlia pretencoes a essa moca, filha de um humero
honrado e abastado, cercou a casa do Dr. Manoel
Cario- de Gouveia para tirar a raptada e entn ga-
Ate em Mamanguape o juiz municipal nao pude la despticamente ap pai, qne se oppunha ao casa-
mente, e em qualidade de juiz municipal e or-
plios : visto achar-iueeu no exercieo da vara de
direito.
Nao conseguindo isto, prendeu anda com maior
despotismo,ao raptor, atirou-o naenxovia da ca-
deia d'esla villa, e forgicou-lhe um processo por
turto de dous escravos, que, tendo cumplicidade
em pleno da e assassinam o ji.iz municipal, um no raptodn senhora mura fugiram, e logo depois
vereador da cmara etc. etc. I Corara presos.
Era Pombal um squito arms.do, rom a maior i Antes porm de concluir o processo, mandou
nstentaeo enlra pelas ras da eidade, e em pleno alia noite tirar a victima de seus riumes da cadeia
dia. inceste contra a cadeia publ.cn, e della solta onde se acliava, e essa mesma hora a fez seguir
um graudt! numero de criminosos de toda a olas- para a eidade da Parahyba.
ge I Pela manba bem cedo o mesoio preso por se
0 qne, porm, seuo isto mesmo, se de vera es- advogado requerim-me ordem de habeas-corpus,.*
\
S


t
4
c
.
r
r
t
C

b


Diario de Peruainbiica Quinta felfa 3 de nano ir !*-.
3
l
/
%
1 ofiz voliar do caminho; ponredendolhe depois
a soltura, de eombinaco coi o Ilustre e disliiicto
Dr. Joao de Sonza Res, juiz da direilo de Goianna,
q m a 1 u desventuradamente peroceu do cholera
11 Sr. Villa-Secca, queja liuha rompido sua- re-
lacofs GomifO com o primeiro facto, depois do se-
$ iinl.i. tornou-se meu rancoroso inimgo- na-,
q lerenda justificarse peraate o Sr. Araujo l.ima,
do cien da rasa do Dr. Manoel Carlos, djsse-lhn
que eu assini j hav a procedido embora fal-
tando a verdade.
O Sr. Araujo Lima, respondeu-lhe rom oseguin-
v >\J].o, qne se re publicado no expediente do
g treno ein o n. 76 da Regeneraco de 21 de feve-
reiao de 1861
t dem ao juiz municipal de Campia Grande.
Respnndendo ao seu olllcio de 6 do corrente, sou
di/.er-lhe, que nao censuravel o seu procedmen-
t, segundo o exposto ein dito olllcio, principalmen-
te tendo Vine, tomado por modelo ao Dr. fuii mu-
napal ia termo, (o mesmo das pessimas informa-
eOes M neeo da llastracaa $ justiceiro, sendo, que
nevera venliear primeiro, se a moca mencionada
em o seu dito ollieio eslava as crcum-tancas de
ser equiparada aos menores.
DVsie oflieio se v, que eu era para o Sr. Arau-
jc Lima o modld dos juizes municipaes da provin-
cia, e mais mogo de llustracao e justiceiro. Entre-
nan o proprio Sr. Araujo Lima quem d ao Sr.
ministro da juslca pessimas informacoes contra
esse modelo eess mogo de illustracaoe justiceiro
Quando pens bem no papel, que oSr. Araujo Li-
na tem representado a meu respeito, rro-mc de
D-'jo e o rubor me cheg) as f;u:es.
Mas continuemos:
A' esse tempo. a Sr. Araujo Lima nao ignorava
rrais o meu rompimento com oSr. Villa Sueca, po-
rm esperavaandaannandar-nos; e para este tim
dirigio-me a seguinte carta :
Gabineteda presidencia da provincia, em 10 de
Janeiro do 1862.
Illm. Sr. Dr. *s Tavares da Cunha Mello.
Clogando ao mea eonhecimento, que V. S. se arba
de-intelhgenciado com o delegado e commandante
s i.aerior l.niz Antonio Villa Secca, o que em des-
v miagan do serrino publico, e convem nao conti-
nu ; visto como-de auxilio reciproco das autorida-
des depeude a marcha regular dos negocios pbli-
cos.
Espero, que V. S. se prestar a ceder de nodo,
a que as coii.-as tornen) a sen antigo estado, pois
rao nm esperar outro proeedimento, quando o
considero tim funecionario interessado no cumpri-
niento de seus deveres, do qne ha da lo prona.
fasta dtame dirijo aquelle funecionario, enas-
tes termos :
Sou com toda a estima de V. S. collega aftectuo-
so e criado.
Francisco de Araujo Lima.
Aioda mista carta o Sr. Araujo Lima me consi-
derava um funecionario interessado no cuinpri-
mento da seus deveres, de que bavia dado pro-
vas.
OSr. Araujo Lima, porm, nao fui servido; por
que os meus intolerantes inimigos, quizer.un a for-
ra continuar a aggredir-me, e forcaram-me a to-
mar a deftasm, ein que, senipre estire.
O Sr. Araujo Lima Itinlo reeonneeso isto, que
dirigi me a seguinie carta :
Gabinete da presidencia da provincia, em 22 de
maicode 1861
Illm. Sr. Dr. Jos Tavares da Cunha Mello. -
Nao aosso ser iodiffereate aos desgostos porque o
tem (cito (asar os seus desairelos Entretanto,
icosellio-o a que proraova a harmona entro to-
dos, dando Vine, o exeinplo de continuada mode-
raco.
s repetidas .queixas, filhas do estado apaixona-
do de algumas pessoas, devem cessar, para o que
Vine. Bailo pode concorrer. aconsclhando a geni
unidos, que nao ha vantagem na heeao de aceces-
sos seni base, e que atina! podem ser considerados
despeitoso<.
Outro tanto, pratiearo os seus desairelos no
intuito de appare.cer a liarmonia entre todos, o que
milito convem a Iranquillidade dessa villa.
Sel ajuiciar as suas boas qualidades, e espero
que tornar na devida consideragao estas observa-
(des.
Sou eom estima e considerarlo. De Vmc. eolle-
ga e aliento criado.
Francisco de Araujo Lima.
Anda nesta carta o Sr. Araujo diz, que sabe
apreciar as ininhas boas qualidades ; e reconhece
a minlia nicderaio.
Quando, perm, o Sr. Araujo Lima convenced-
so, deque, por sua ponea importancia para com osd
lena, nao jwdia terminar a Iota appaivrida entre
niiui,como juiz municipal, e oSr.Villa-Secca, como
delegado, prinripiou a liostilisar-me; e a dar toda
i e importancia ao delegado sen correligieoa-
lii)': desile enlao prinnpiaram as suas informa-
des iao perflds, eonw elle proprio.
Kis a razo por que desde entao, tendo eu feito
idgamu onir.is prisSes, mudo man importantes
lo que aquellas, que mereceram louyor do Sr.
Araujo Luna, romo foram as do assassino Cambu-
te, e do sentenciado Janoea, o Sr. Araujo Lima s
ni al e muito framente aecusava os offlcios, em
que I lio dava |iarte dellas.
Eis a razao, por que, tendo eu por loas vezes
apprebendido nmeda nica as feiras de S. Bebastiao
dcsta villa, na primeira apenas aecusou ine a eom-
inunicacao, e da secunda nem isto fez, pelo que
liqiei por muito lempo na duvida de Ihe ler sido,
un nao, entregue o meu oflicio, onde inclusa Ihe
rcnu'tli a segunda moeda.
i: s a razan por que o Sr. Araujo Lima, qne me
liavii nomeado 1" substituto do juizo de direilo
testo comarca, morando eu no extremo della e
i!> Irprn de distancia, depuw passou-me a oceupar
o :>' lugar.
F.is a razao porque, tendo Antonio Francisco
sintirao ao mesmo Sr. Araujo Lima, elle, em vez
de inandar-me ouvir, como fez por vezes com o
Sr. Villa-Secca. reinelteu-a logo ao juiz de direilo
d) cennarca, o Illm. Sr. Dr. Luiz C .rra de Quei-
roz Barros, para contra mim proceder n i forma
da lei, em quanio que sepultan la as pratilenas
das esiantes de sua secretaria as que erain dadas
por cidados quatificados coima o Sr. Villa-Secca.
O Sr. Dr. Queiroz, pie estar par de todos os
negocios deste termo, mandn ouvir-me por um
o'Tieia. e com a delicadeza propria de seu carcter
usti-eiro. e que se nao anie-quinba, como o do
Sr. Araojo Lima, peranto as exigencias ranrorosas
da pdlitica intolerante dos pequeos lugarejos.
Respondi cabalmente s calumnias e RlUlidades
IWIIldi na mesma representaeao -, e o mesmo Sr.
Dr. Qonfrot, em vista de minba resposta, a devol- [
ven ao Sr. Araujo Lima ; por nao haver materia
para re.-ponsabilidade ou proeesso.
O Sr. Araujo Lima, |rm, tao perverso, e se
achara j lio possuido das intrigas deste lugar,
pie nao se desciiiilou de, ainda urna vez, tentar i
nao :ne ter querido siibmetter ao Sr. Villa-Secca e
Aitisfazer suas criminosas exigencias, e quando
deU'Sfl a remo?ao de Dr. Queiroz para Areia, e a
do Dr. Assis Maciel para o Pilar, um dos seus pri- i
inciros cuidados foi de novo remetter a mesma
represent.ico, sobre a qual ja eu bavia respondi-
do, e Dr. Queiroz devolveu-lbe, ao Dr. Assis pa-
onda contra mim proceder na forma da lei !
O Sr. Araujo Lima assim o fez; |iorque persua-
dido de ser o Dr. Assis vernielbo, entenda, que
este disiinclo magistrado era tao perverso e mes-
(iiinho como elle, c que por isto se prestasse ao in-.
famc fim de por meio de um proeesso desprcsivel,
inlciromper o meu qtiadrienio, e deixar o termo
nir-'guc exclusivamente ao Sr. Villa-Secca, a
mu drst jara ver levar ludo de vencida. Enga-
nnn-9* porm elle com o carcter do Sr. Dr. As-
-sis Maciel; e eu tive o praier de ver, que este de
novo devolveu-llie o cmbrulho do Sr. Anlero, dan-
lo-lbc a mesma resposta do Dr. Queiroz.
Al aqu pouco lia que admirar, comparndose
procMimenlo do Sr. Araujo Lima, com o que
*o ni ver:
Como Ri'iihum effeilo senlisse a representacao
deAntero. apetar das ditas tentativas doSr. Arau-
jo Luna, os directores do Sr. Villa Secca na rapi-
i.ii. entre os quaes tai primado o Sr. Araujo Li-
ma resolvern) anda urna vez reproduiir a mes-
ii.i rapresentae^o.
.Veste iniuito niandarain tirar copia della e das
:in(licies a aeompaiiliarain, o escrivo l'cdni
Amertee do Almeida, suspenso pelo proprio Sr.
jo Lima e p ir mim processado por crime de
al-iilade, ilisse no fim das cojeas est confor-
me sena que dataase esta Ma asseveracio, lize-
. assignar a mesma (Bareseiiiaeao, assim ro-
(i.i l.i |ir Manoel (o-tavo de Faiias l-eile, .> jup-
plnle do juiao municipal, eo proprio juiz, que
gorou conira mim o proeesso por criim de
. ipie at U> je conserva em si. e 0 Sr. Arau-
jo Urna inenmliio->e de remetter nulo au ministro
.11 j'i-tiea, a quem entao dirigirn) a mesma re-
presoniacao por copia I
0 Sr. Araujo Urna, lendo em si a minba res-
i a ludo' isto, c o juizo de dona juiaei de di-
, que muilo me honran), fez aremes-a occitl-
jaud i Indo com a maior perfidia, e sem que Biea-
ompanhar urna copia deinioha defeza, e nem
ao mimos declarar, que aquillo era rcprodiiccao
jue eu ja mo bavia defendido, e a meu favor exis-
L'lnndo o arl. 94
trocar com S. S. o/W por olbo' I denlo por denlo ;
porque nutro a plena ccrrtice.w te que por mais
imprndentes e despejados iptc se/aiii meus inimi-
gos, jamis se ousarao dzerque s"tt nm jogador
de prollsso ; que face faleatruas nojo^'o; que em
m nodo, dsse ama peono relogios e aneis albeios, alim de i-bter dinbe-
passaf alguna nnba. | ro pvra satisfarn do vicios; que de nlrrhas algi-
ue por esse arligo a | beiras se tem tirado grvalas da seda ; e aida
menos que vendo a justiea por dinheiro.
Al.' nutra vez Srs. redactores.
U togal interroginte.
ta o juizo de dotis jiws de direilo, cada qual necessario cuidd I", alii de que a sua orJem leuba insolarJinaefw aos guardasuliaf podtrotamen-
mais illuslrado I i effecliva execueao. >' Jizendoque o corainandanteos nao poda pren-
Eu proprio nao acreditarla lltJst proeedimento1 Dos guarda" a V. 8.Directora drt inslrucg der pela primeira falla, e que cites estavam em seu
do Sr. Araujo Lima, se nao reeebesse agora para publica, em lide abril de 1861.Illm. Si'. Dr. com- direilo resistindoa taes orden* tomo arbitrarias e
responder de novo cssa mesma represeulaeo, pa-, missario da instrnccao publica da villa de Campia illegaes ? S. S. fez mais; interj le
ra o nue remetleu-ma o mesmo Sr. Araujo Lima! Grande.Diogo Velho Cavalcantt. | da lei da guarda nacional a seu moi
de ordem do ministro da jutica Requer por' E' o Sr. Diogo Vemo quem tambem por sua vez htrtsia jmtkn(salvo se <|uiz"
certido a minlia resposta j dalla para eom ella louva o meu zelo I ]taella ao conscibo), disse qtti
satisfazer ao Sr. ministro da juslica, assim como OSr. Araujo Lima e o Sr. Diogo Velho sao beirt- pnmoirafaltade.qualquer guarda, nXopodta ser
os offlt'ios dos referidos juizes de direilo, quando Bemelhantesl Nasceram para esposos. punida se nao com repielicnsa simples ;e que
aoSr. Araujo Lima devoiveramessarepresenlaeo.' O Sr. Andr Cursino Benjamn, digno ex-ins- portaolo esta era a pena que se devia mporao
mas receio que o Sr. Araujo. perverso, como P*,r|or da Ibesouraria de fazenda desta provincia, reo : S. S. para pregar a anarebi.. ea desorden
me satisfaga. em um offleio. que dlrigio-me em dala de 2."i de soccorreu-se anda do oflieio do Exm. Sr. viee-
A moralidade desle faelo define bem, quem seja junho de 180-1. eoncluo nos seguidles termos : presidente de 27 do mez prximo pa.-sado ao Sr.
o Sr. Araujo Lima; ana assim obrando com os i Devolro V. S. a relacao alludida. que pode cominandanlc supeAnr interino, chamando de ar-1
seus, tinlu por fim impedido a mlnha reconduc- servir de guia nos exames, a que V. S. far prore- binario e violento ao rommandante. analsando o
gao I E e un esta guerra surda e traicooira. oe- der; visto o zelo eom que compre os dereres de ollieio mlnrra por patarra, e este seu discurso, a
cuitando a verdade e calumnando-me, eonseguio seu carp, sendo V. S. um juiz, que muito me ha quo cliamarei do
o Sr. Araujo Lima o seu desojado i'nn ; porque coadjurado.
emlim a surte de um juiz municipal ainda est in-1 Em outro offleio, que o Sr. Cursino diripio in-
felizmente dependente do proceder do um pres- em dala de 3 de junho do mesmo anuo, se exn-
dente, tao baixo e mesquinho como o Sr. Araujo me do modo segunte :
Lima I I () col lector submetteu tudo ao eonhecimento
Felizmente, perm, tenho em compensaglo, nao asta Inspectora de Aneada, que entretanto agr- rantias perqu S. S. insudara asna pblangea
estar hoje mais dependente do Sr. Araujo Lima, deee a coinmiinicago de V. S., em que tem encon- cada momento, tverain a prudencia dse levan-
Emquanto o Sr. Araujo Lima assim proceda pa- trado um auxiliar valioso. > i tai" declarando que o conselho nao |iodia continuar
ra comigo. de um modo bem diverso se |iortava Finalmente ainda cm6 de outuliro do auno proxi- em vista do proeedimento de S. S, e que dariam
nm Wliajifa ao Sr. Villa-Secca. Este foi sempre mo passado reeebi um offleio do mesmo Sr. Andr parte do occorrido auloridade superior atim de
conservado ua delegada, embora a desvantagem, Cursino, que assim linda : i providenciar convenientemente : verdade que
que o proprio Sr. Araujo Lima disse naquella sua I Corre-me o dever de ronfessar oquanto deve nessa occasio S. S. parecen arrcoendido do seu
carta, haver em servirem autoridades intrigadas; esta inspectora ao moi pronunciado auxilio de V. proeedimento e calculando as eonsequencias disse,
e ao passo que me passava de 1* para 3* subsli- S. a administragao da fazenda nacional. qne dava a defeza por acabada, e que nos julgas-
tuto da vara de dreito, fez o Sr. Villa-Secca subir! A ultima caria do Sr. Araujo Lima, mim diri- sernos o reo : mas isto nao posamos fazer, nao s
de 2* para 1 supplente do juizo municipal gjda, de 14 de dezembro do anno ultimo lindo, porque se acharan) j suspensos os trabalhos, ro-
Assim o Sr. Villa-Secca continuou a gozar das -Nao era possivel, que eu em tao pouco tenfpn des- mo porque S. S. nao Unta einda defendido o reo ;
gracas do Sr. Araujo Lima, por ser sen eoTreligio- merceme ao Sr. Araujo Lima para uieret-er delle seria parta*) preciso (a continuar o conselho) que ; Angusto'Telxeira Belford Rom
nario poltico ; e eu ser hostilusado de todo modo suas pessimas informages; porque nmdWwcnte se nomeasse outro advogado porque o reo eslava. Jos Caudillo da Silva Franca.
PUBLICARES A PEDIDO.
Os abolso anstgriados, pasaageims do ra-
descomposlura, era applaudido eeza de Joiafdte, nao podem deixar de apresen lar
pela sua phalange. i mu sinceros agradecimeiit.is aos llluis. Srs. Fran-
sta de tao deseommiinal procediinen- cisco Manoel Alvares da Araujo (cominandante).
to, leudo j o. presidente por mam de una vez
chamado S. S. a ordem a instancias do conselho,
sem resultado algum ; e jiilgando-w este sem ga-
Guilhermo Bodrigra Villares (inmediato), Rodri-
go Carlos da Cmara (ploto), Paulo Jos Rodrigues
(praco), pela neessiva amalnlidade, com que os
trataran); assegurando-Hies que sempre conserva-
rao gratas recordagoes de urna oflfcialtdade tao
distincla pelas suas ptimas qualidades.
A liordo do Prmceza tk liinvillr, i de maro
de 1864.
los lienta da Cunha Fgueiredo Jnior.
Rayinundo Teixeira Belford Roxo.
Bruno Jansen Pereira.
Lenidas Ferreira Barbosa.
Antonio Rayinundo Tavares Belford.
Anlonio de Alenla tliverra.
Jos Augusto Saino Pires.
indefezo.
Snjananos os trabalhos, nao so bmbra S. S. que
contmuou ainda a tallar acompanliado de lama-
nha akaxarn Ojne ninguem m entenda ? Nao ou-
vio o Sr. Aristides (o padre) dizerJ/oyor quei-
Lima, contra" mim dadas ao Sr ministro da justi- maramsc a pallinhase osen iimoo guarda
ga ; e lauto mais quanto, foi o Sr. Araujo Lima um Pedro Amarico dizer.U'ij'or vamos ajara ao
que por mais vezes o fez. Porlanto, essas pessimas seu to Ixibinbo (que foi da Ihosouraria} tainU>m
informages do Sr. Araujo Lima s podem ser ft> dlxerhavrmos mottrar a nullidade 'o teneutt-co-
toadas como impostas pelas conveniencias polili- ronel Pirese finalmente um Individuo (a quem Jalo Olbon do Amaral H.
Tendo o Sr. Araujo Lima encarregado-me de oh- cas dos chefes vermelbos desta provincia, aos nao temos a honra de conheeer) dizerna cor ja' Segismundo Antonio Goncalvcs.
terassignaturas para a obra denominadaRecor- quaes o Sr. .raujo Lima lem servido de capacho sn a p ? Nao se lembra ainda que toda essa gen-! Joo Pedro Belford Vieira.
dago da exjiosigao nacional, como se v da carta e humilhado-se at a degradacao visto como nao te brm nlucada que aeompanhoii :. S. S. em sua | Antopo Martiniano Lapemlierg.
infra : podiam aqni contar comigo para satisfazer as iu)- defeza, apuparan) os menibros do conselho com Francisco Gomes Prente Filho.
Gabinete da presidencia da Parahyba, em 19 de moraes prelences do Sr. Villa-Secca, quem a- assorios ? j j0ao Adolpho Ribeiro da Silva,
mareo de 1861. quelles conaideram inlluencia poltica local. Sa pois todos Mea lctea se deram.se o major Manoel Jas Candido.
Illm. Sr. Dr. Jos Tavares da Cunha Mello. OSr. Araujo Lima, j por.iste ej porque nao presidente nao soubecumprir como seu derer, por- Jesuno da Rocha Olivera Jnior.
Tendo o governo Imperial resolrdo auxiliar a pu-' pode, apezar de seus esforeos, fazer terminar a des- que at espicboii-se en pedir a patarra a S. Basilio Mendos da Rocha.
e al com suas pessimas informages; visto que ti- malas.
nha poltica diversa. __ I'arece-me, que, em vista do juizo de tantas e
E' sobremodo estranhavel, que o Sr. Araujo L- tao dinWantes pessoas, que me bao abonado, em
ma, elogiando-me e maldizendo-me logo depois, qualidade de empregado publico, nao poden) pre-
continuasse sempre a se ntilisar de meu pestimo, yaleeer as pessimas nformaces do Sr. Araujo
receben.1.1 favores meus, e illuilindo-me, para mais
seu com modo morderme, semelhante a cobra,
queso oeeulia na reir para nelhor ntiltrar seu
lelbal veneno no infeliz, que a ella so appro-
xiina.
Eliseu de Souza Martin-.
Jos Lustosa de Souza.
Jos Bernardos Sorra Belford.
Adrin Lniz Pereira da Silva.
Lzaro Pires da Fonseea.
Joaqun) da Silva Coelho.
Joaquimda Fonseea e Silva.
Jo.'io Firmlno de llollanda Cavalcant.
Ilrnry Dtto.
as publicas, de re- Estou convencido, de que o caminho da honra tactos que aipii especilicam.i
luisico de assigna- o mais dilllcil de ser boje iridiado pelo magistrado, ter sido o lermo eseriplo en
luras, para o que passo as suas maos a lista inclu- O juiz, que nao quizer estacionar em sua correira.
sa, que V. S. ma devolver logo que consiga o den sujeitar-se a ludo, com tanto, que niodnsgos-
agricultura, commercio e obr
eommendar-me promova a acqui
maior numero
obler.
Antecipo-lhe os meus agradecimentos pelo bom
resultado, que espero couseguir de sua valiosa co-
adjnvagao.
Sou com estima e considerago de V. S. alenlo
venerador e criado,
Francisco de Araujo Lima.
os, isto san ; o tarto de
in sesso ou na casa do
secretario em nada o altera, desdo que lodos os
membros do conselho. a escangao da major, con-
de assignantes, que fr possivel tode,nao ha mrito, io inteirma nom nobreza eordam perfeitamente nefta como eontendo a ver-
de carcter, queTesista ao desagrado de taes en- dade de tudo quanto se |sson em sesso, desde
tidades. que foi eseripto com autorsag.io do conselho se
O magistrado, que se empenha na punigo o re- o majar nao concorda nelle, uiir aa so olfender
pre-so do crime; e que neste proposito penetra eom o ter S. S. posto de relaxado o b ilallio de que
com sua audacia at o dominio de taes senbores; irUe o fiscal, e ler dito que os dinbeiros do bala-
do seus propriss escondrijos rai tirar aquello que Iho eram consumidos na eaixa, sendo elle um dos
den ser entregue justiga, que tem a energa e membros do conselho da administragao della, e o
Para servir ao Sr. Araujo Lima, liz externa, nao independencia de amparar o desvalido contra suas mais responsavrl por ser o seu fiscat: porque nao
me poupei a incommodos ; o alinal pude obter nes- iras, ha de sempre acabar peidendo. Isto sera as- sabejirar eonsequencias, e entende tanto de Psca-
le pobrissino termo 3o assignaturas, que importam sun. at que una nava ordem appateea no rhos. lisago de baialbo como ea do grega, qne use os
ein mais de IrOuOA. Castigo para o criminoso, e nao pira o pobre, msios que a lei Ihe concede em taes caso-.
Remetiendo ao Sr. Araujo Lima a lisia dos as- justiga a todos os cidados, sem indulgencia para S. S. nao se recen
signantes, respondeu-me elle com a seguinte o rico, nao poda agradar em todo tempo ao carac- em tal confusao, qu
carta: terdubio do Sr. Araujo Lima.
Gabinete da presidencia da Parahyba, em 26 de O Sr. Araujo Lima, assim procedendo; c apu-
margo de 1862. nbalando-uie as trovas e de um modo todo des-
De posse do altencioso favor de V. S., datado de fagado para satisfazer as suas paixes e as nfluen-
14 do correte, a que acompanl.ou a lista dos as- cas vermelhas da trra, suppoz taires fazer o seU' termo fosse eseripto em sesso t Ou'.ro oflicio meu
signantes por V. S. oblidos para a publicagao da bem, fechando suas vistas em algnma boa comar- doutor.
obra intitulada-Recordago da exposigo nacional ca para depois de sua iufadonha administragao, e Ja v, Srs. redactores, que tendo o conselho fnne-
d 1861corre-me o dever de agradeccr-lhe os' deixando-me na ignorancia de ludo. cionado as duas primeiras reunila regularmen-
seus esforgos, empregados para semelhanlc-Jlm, e! Mas ao passo, que assim resolva seus clculos, te, nao embargando o tumulto qne algumas retes
cojo bom resudado sempre esperei do zeloe boa esquecia-se, de que ninguem den concorrer para O abrigaran) a parar seus trabalhos para logo con-
vontade de V. S. i a infelicdade alheia na aspennea de evita/ a pro- tnuar nelles ; nao teria razao para levanta a sua
Sou com consideragao atiento collega, vene- pria. e nada se faz debaixo da ierra, que nao se sesso nesse dia, se de facto se nao tivessem dado
rador ecriado, saiba cima dePa.
Francisco de Araujo Lima. Nao se pode ao mesmo tempo servir a Dos
Ainda nesta carta r-se o Sr. Araujo Lima agr- a Baal.Kra-me impossivel aum s lempo, servir a
decendo-nie os esforeos, que sempre esperou de justiga a aos interesses polticos do Sr. Araujo Li-
meu zelo e ba rontde'. ma, e dos chefes rentemos da Parahyba.
Finalmente, quando dexei o exerceio por ter Em compensago, pnrin, de tudo quanto tenho Sr. vice-prestdenle, deu em resultado a provideu-
complelado o meu quadriennio, escrev ao Sr.' soffrido, resla-me a iranquillidade de ininha cons- cia que todos observamos na sesso do da 22, na
Araujo Lima.sabendo se quera que conlmuasse ain- ciencia, e urna completa resignaco.
la ainda que o conselho aeabou
M mesmo S. S. flcou tao des-
apuntado que levou os autos semsigo para casa
do Sr. Aristdes (o padre) sendo prenso para os
haver que o promotor do conseibo o; fosse l bus-
car 1 V. se isto seu deu, como .' qne quera que o
todas essas oeenrrencias que a isto O obrigaram.
V. esta, anis, a historia fiel da sesso do da 8 que
deu lugar ao termo em questao, e que nos levou
communicar ao nos so commandante todo o occorrido,
a qual fazendo ebegar ao eonhecimento do Exm.
Andr Kpifanio Ferreira Lima.
Henrique Pinto Aires.
Manoel Pereira Maia.
Manoel de Moura Rolm.
Felippe Benieio da Fonseea Galvo.
Ji s Rento Antunes.
Jos Vicente da Costa Bastos.
Antonio de Carvalho Serra.
Antonio Joaquim da Costa.
Cypirane de Arroxelias Galvo.
Antonio Goncalvcs Cavaleanti.
ftdM le Bristol.
A salsa parrilha de Bristol. Trinta aamoa de
triumphanles resultados bao dado a este antispti-
co vegetal urna repulago incommensuravelmenle
superior todas quanta's se conberem para a cura
das escropbulas e de todas as mais classes de en-
fermidades ulcerosas e empliveis. Os mdicos os
mais eminentes, o* periodistas e os escriptores de
medicina sao outras tantas testemunhas di sua ef-
fleacia qnasi maravillusa. Tem salvado e conti-
na a salvar as vidas dos membros de multares de
pessoas. Nunca foi administrada em vo, ainda
i mesmo nos casos os mais terrives c obstinados. E'
I o nico remedio para as escrophulas, crysipellas,
m trancas, chagas as pernas, abeessos, tumores,
I molestia- syphiliticas e mercuriacs, assim como to-
da a casta de molestias da pelle.
Emquanto existirem tresinutacoes e falsificagoes
desta medicina preciso evitar engao procuran-
do a original e venladeira as lejas de Caors & Bar-
bosa e de Joo da Conceeo Bravo & C.
da a agenciar a cobranca das assignaturas; e tive
em raspaste una carta, em que o Sr. Araujo Lima,
assim se exprime em 14 de dezembro (Indo :
t Em resposta devo derlarar-lhe, que confiado
no nteresse e boa vontade, com que costuma V. S.
presiar-se, contino a aceitar os sousoffererimen-
los uo encargo da cobranca de taes assignaturas e
nesse termo,
Sou com estima e consideragao collega, obri-
gado,
Francisco de Araujo Lima.
Depois de me haver o Sr. Araujo Lima feito tan-
tas manifestagoes de consideraco e estima, de ter
por tantas vezes louvado o meu zelo e actividade,
e formado de ininha probidade o melhor conceito,
e fle mostrar-so grato para comigo parece, que lo-
d)0 mundo pedera dar pessimas informages de
mim ; mas nunca o Sr. Araujo Lima 1
Mas o Sr. Araujo Lima capaz de ludo, e oulra
cousa nlo*se devia esperar do homem, que accei-
loii o papel de govemar esta provincia com duas
polticas, sendo no Io circulo to rermelho, que
mandou proceasar a dous deputados progressstas,
p m lerem seguido para a corle com seus diplomas,
alim de lomarem assento na cmara, e sob o pre-
texto de baverem deixado seus empicgos sem li-
cenga; e no 2" to progress>ta. que dominio todos
os agentes polciaes vermelbos, o que nao fez no
i" 11 De um homem finalmente, que no Ia circulo
autorisou a aoHcla para por tO'los os meios prohi-
bir, que os progressstas se aproximassein das ur-
nas ; e desceu ao ponto de mandar fazer duplca-
las ofliciaes I
Minba boa f illudio-me, e nao pudo previur-me
conlra o Sr. Araujo Lima, a quem nunca snppuz
capaz de dar contra mim pessunas informages
conliei em suas palavras, quando ellas mentan) ao
seu pensamenlo; accetei, como sinceras, as suas
manifeslages. quando llovera dzer-lhe timeo
daaos el dona (renles.
Felizmente para mim nao foi s do Sr. Araujo
Lima, que merec eonsideracao e louvor, como em-
preado publico. Outro presidente, com quem ser-
vi, ainda que por pouco tempo. e outras pessoas
em ludo superiores ao Sr. Araujo Lima, me ho
abonado.
O ex-presidenle desta provincia, o Illm. Sr. Dr.
Luiz Anlonio da Silva Nones, dirigto-me tambem
por occasio de haver eu aqu feito premier a um
al roz sicario de nome Jos Francisco Pimenta, e
em data de 19 de margo do 1861 um oflieio, quo
linda pelo seguinte modo :.
E inteirado do quanto respeito Vmc. nteex-
pe. cunipre-me signiflcar-lhe aqu asat>fago que
tive en adquirir esta provado seu zelo pelo larri*
go publico, e actividade na priso dos criminosos,
cuja persegueo deve continuar a merecer toda
sua solitude.
O mesmo Sr. Dr. Silva Nones por occasio da
priso dos-assassinesde mais de una morte, escra-
vos do vgario ( amulo de Mendonga Farlado, diri-
gio-me um oflieio em data de 3 de setetnbro do
mesmo anuo, em que diz :
Espero que Vmc. continu a dar provas do seu
zelo e actividade na priso e punigao dos crimino-
sos, fazendo prenderos deque tiver nolicia. .
Finalmente, o mesmo Sr. Dr. Silva ones, dei-
xamlo a administragao, dirigio-me a seguinte
carta :
Parahyba, 21 de margo de 1861.
t Illm. Sr. Dr. Jos Tavares da Cunha Mello
Retirndome da administragao e da provincia,
compro um dever agradavcl, proteslahdo-lbe o meu
n conhccnicnlo pelo apoio efllcaz c sincero, que
prestou a ininha gestan, auxiliando-me sempre. que
n corr V. S., eomo digno juiz desse lermo e como
ptrticular.
Desejarei sempre ler occasio, em que Ihe ma-
nifest 0 ap.-ego, que dou ao seu carcter e distinc-
tas qualidades.
Sou com muila estima e consideragao de V.
S. alfectuoso collepa e amigo obrigado.L. Anto-
nio da Silva Nones.
Que dilferenga do Sr. Araujo Lima para o Sr.
Silnunes I Aquelloalraiga, elogia e infama a um
tempo : este acaba coulirmando 0 seu juizo : este
tnostra desejos de ler urna occasio, em que possa
piovar sua gralido pelos favores, que diz, recebe-
ra : aquelle d pessimas informages da pessoa, a
quem se mostra grato I !
Em qualidade de eommissario da instruccao pu-
blica desta provincia, reeebi do Sr. Diogo Velho Ca-
v.dcanti, socio do Sr. Araujo Lima as pessimas ln-
formaces, daJas contra mim. o seguinte olllcio
Campia. 6 de fevereiro de ISiil.
Jet* Tarara da Cunha Mello.
(Estn reconhecida.)
qual eomparecendoosulidelegadoda freguezia. rei-
ii"'.) i maior calma possivel. apezar de comparece-
rem os mesmos individuos, menos as pragas da
tomfSinkia urbana.
Nesta sesso S. S. julgando-se com direilo de
fazer reformar um termo que foi mandado (atar
pela maioria do conselho. maravilhou-nos com asna
iiii'tarinorphse. Adrairou-aos o despantr eom qne.'dividendo tiestas massas, devendo exhibir
| negou iones arfaetos oeeorridos; mas foi moinfe-Ug respectivos ttulos para ser annotado o
GORRESPONDENGIAS.
-^^-- negou lodos os fados of
Srs. redactores.Gomo um dos membros do con- '" 'Iie nao se lembrou de prevenir ao Sr. Arist-1 aani(.nt().
selho de disciplina a que responde o guarda naci- es ( padre) que nao dissesse no 1 ecife, como o, i o
nal Bernardo Rodrigues da Silva, sou foreado a disse a algumas pessoas entre ellas a Joao .I, aqumi
vir parante o publico explicar o procedimenfo que de Souza Abren e Lima, que S. S.llv unha lavado
leve o mesmo conselho a respeito do termo qne se I"'1'0- injuriando e dcscotnpvndo no conselho ao
acha nos autos respectivos, e que o noteiador de commandante e aotenenle. llmrtqucs. .. este padre
sua Revista Diaria de 24 do crreme diz foi in- '' sempre imprudente.
xertado sem seiencia do mesmo conselho. -V"J podendo S. S. conseguir a retirada do ter-
Srs. redactores, esta noticia nao exacta, e co- mo-traw" injuriar o conselho per ter feito es-
mo estou convencido que o que tem publicado o prever esse |ernw quo tanto o tem affligido por
Pngrestuta a este respeito subministrado pelo "I1"" Vr "che o seu padrao de gloria de advogado na
bacharel Francisco Leo|>oldino de Gusmo Lobo, rtcordacao que Ihetraz o c irrtenle papel qae. re-
promotor publico e wlcogado do reo, j por haver pmentou : nesse terreno anda nao quiznos aeoin-
elle emprazado o conselho para a imprensa, ej panhai a S. S.,e esperamos para o fa/.er aqu, para
principalmente pelo mo habito que tem este se- onde nos emprazou. preferndo antes sollrer resig-
nhor de sempre se elogiar em seus artigos, lalvez nados as UM insolencias do que e-tabeleceimos
persuadido de que ninguem ter eoragem para o eonllicto, no tribunal em que er.uros juiz, ja que
fazer se S. S. o nao lizer. entend dever pagar a "> pre.-idente assim consenta : mortilicado
honra que nos fez respondendo-lhe : eis-me [lis eom o uosso silencio, nao quiz ti
em frente de S. S. que no seu bestunto tatvez en-
O Novo Banco de Pernambuco convi-
da os credores admittidos ao pa&sive das
massas de Mosquita Dutra e Francisco An-
tonio Correa Gardozo areceber o primeiro
tenda que o seu vultinbo ja faz sombra alguem.
Tundo de responder a conselho do disciplina o
feza, proeurou protelar os trabalhos do eonselho,
massandonos com requerimentos fetos ao presi-
dente que a tudo se prestan, tendo a docilidadee
guarda em questao : entendern) alguns individuos escrever com o maior.escndalo os despachos que
mal intencionados desta freguezia do Poco da Pa-, s- s- l'": Jllava ; irritado n conselho i-om este pro-
nella, perdidos na opinio publica, chegada a oc-1 eedimenlo do presidente Iheobservou que nao tra-
caso oportuna de dar desabafo a odios, e mes- ta,lll s- S. da defeza do reo, convmha tomar
qunlus intrigas particulares que rotan) ao aosso uma niednla que pozesse termo a essi proced me n-
commandante. e alguns oltlciaes; e por isto se t". visto como nao convmha interremper os iraha-
constituiram desde logo protectores do guarda ; e "** l)ara despachar reqnerimenlos : esta ad-
vendo que o referido bacharel era ornis proprio venencia fu respondida brtueauuul pelo presi-
para desempenhar este gramle papel o chamaran) enle <|ue declarou estar em seu dueilo em lazer
para advogado do reo, contando alm disto com a I8" entendesse, acrescentando logo que adan
proteccic do major presidente do consellio. sesso para o iba 6; foi porlanto sem o menor
Assim dispostoR, vendo que por si, nenhuma motivo que deixou o conselho de funccionar nesse
importancia tinham para tirar o guarda do com- dia e,H, a prolelago devida
NOVO BANCO
DE
PERNAMBUCO
EM 1 DE MARCfl DE 186*.
O banco descoma na presente semana a oito por
cont ao anno at o praso de quatro mezes. c a dez
por culo at o de seis mezes, e faz emprestmos
sobre ttulos coininerciaes, e toma saques :>obre as
pragas do liio de Janeiro e Babia.
Alfandcga
Reudimento do da I... '........
dem do dia i .................
23:4314409
ti.603*851
45:0.>i42bt)
llov moni o da alfaadega
Volumes entrados com fazendas.
t com gneros.
Volumes sahidos
com
com
tazendas...
gneros...
214
224
------ 438
86
294
------ 380
promettmento em que o metieran), trouxevam a
quesuio para o lado poltico, emlwra nao tenhan
alies crengas polticas algumas, e pertengam a to-
dos os partidas da provincia.
Chegado o dia 5 do crlente em que leve lugar
a primeira reunio do conselho, achava-se a sala
sement s. s. e
ao presidente do conselho que se prestou asen
plano, para dzer no Pragressuta que a protelaeao
i astea ; nao foi porlanto o tormo que a isso deu
lagar, visto romo est o conselho acorde em sus-
tentado como verdadeiro que o e porque nada
lem eom a desta do reo, para influir na sua son-
das sessocs cheia de grande numero de individuos ^'",,]a?a(? absolvigo, um ne.-ociij^pnratmnto
adrede convidados, entre os quaes se viam alguns
inspectores de quarteirao e praeas da eompanhia
urba na.ligiirando como general desta phalange o re-
ferido bacharel, que pedio a palavra pela ordem
logo no principio da sesso para em um pomposo
discurso estimular os bros da guarda nacional no
que foi victoriosamente roberto de applauso-. eom
gritos detransa t apoiailasque eram dados pe- commandante, e
la sua phalange, sem duvida, para aterrar os mem- formar, nn qual
do advogado, c se o presidente nao concorda com
elle, outra vez Ihe dizemos : use do recurso que a
le lite concede ajude-o S. S. assim como o ajudou
nos despachos.
Sendo este os acontecmentos do (lia 22, tomos
todava sorprendidos nesse mesmo da noite com
um oflicio do major presidente dirigido ao aosso
mandado por este a nos para in-
principia dizendo a 711c por urna
bros do conselho, podendo este a muito anees res-! (ocurrencia stuwmuuuel hacia suspndalo os Ira-
tabelecer a ordem. e tal era a anarchia que em bulbos do conselho,mais adianto diz que nos au-
uma dessas occasioes o Sr. Francisco Duarte se t" fura eseripto um termo eontendo lacios que nao
julgoucom direitode pedir palavra, e fallara sesederam nodia8; e por Isto pedia ao amuumant
nao fosse repelhdo pelos membros do conselho; providencias9 MBaleonetoe o oficio dizendo que
porque o major presidente a tudo assentia : e por a sesso correu na melhor ordein possivel I!
esta forma eoncluo o conselho a sua primeira A este desconchando olllcio respndenos intei-
sessao. rando o commandante de todo o occorrido no con-
Reunindo-se o conselho pela segunda vez no da. selho, e como o major pedisse providencias ao
6 do corrente para continuar em seus trabalhos, commandante em sen oflicio, entendemos qne o
achava-se anda a sala de suas seBBOes chea dos I eonselho se nao poda reunir mais emquanto nao
.....sinos individuos ; e dando principio aos seus fosse a questao proposta pelo major, resolrida pelo
trabalhos, continuaran) de novos mesmps dicte- commandante, ficando por eottseguiote de nenoom
nos, partidos dessa gente que para all era manda
da simiente com o fim de embaragar os trabadlos
do conselho, e que era animada pela conlianca que
Ihe inspiran O maior presidente; porm mesmo
assim pode o conselho acabar a sua sesso, eon-
cluindo os deponientos das testemunhas.
Mas chegado o dia 8, em que devia ler lugar a
accii-aco e defezi, concluida aquella, leve o ad-
vogado a palavra para produzir a defeza do ro :
rra esla a occasio para a qual eslava guardada a
expio.-o.
^0 advogado do reo esqueeendo-se da nobre mis-
Sao que evereici.i. [altando c ni o respeito dovido
effeilo o aviso para o dia 26 ; nao sabemos por-
lanto como que aguardando o major solucfo da
que-io que propoz ao commandante sem deci-o
elle quiz reunir o conselho no da M i
Ja vi-, porlanto. o publico que eomquantoo reo
nada soflra com esta demora em -'eu julgamento ;
porque (contra a praxe estabi'lecida) responde sol-
t ao conselho ; to.lavia a piot.lae'.o de seu jnlga-
nieiito nao devida a nos que somonte o interrom-
pemos no dia 8,e com toda a razao; a culpa c, pois,
de vida t celebridade de seu advogado que combina-
do eom o presidente do conselho procurara eroba-
rae.r o jiili.'auii'iito, para ler motivo a despeixar
que
Desearregam no dia 3 de margo.
Barca inglezar-ffainfafa marcadorias.
Patacho italiano Maradiversos gneros.
Patacho oldemburguez -/orfitmi-mercadorias.
Patacho nglez-L'ipeiing=farlnha de trigo.
Barca inglezaTalismn ideo).
Brigue iaglez Jessie Scott ^carvo de peilra.
Patacho nacional Dous Amigos carne secca.
Brigue nacionalFluminense -charque.
Barca franceza fiio Grwndense estivas de ierro
para a ponte.
Barca franceza.Mart? Ameliavinho.
Patacho inelez Propectesmercadorias.
Iscuna inglezaFtorensecarve.
Escuna hollandezaDrie Gernsters Poli car va o.
Escuna ingleza Queen of Ihe darl-ferro.
Imperial 10.
Continuago do manifest do vapor inglez Paran.
2 cairas quejos, 2 barricas prezuntos ; M.'Jos
Gongalves da Fonle.
100 barris mantega, 8 caxas c 2 fardos fazenda
de algodo, Sembrulhos amostras; Saunders Bro-
thers t ('.
1 caixa calcado ; C. A. Dammayer.
1 caixa fazendas Montro Lopes & C
1 caixa confegocs ; Mello Lobo & C.
2 caixas miudezas; Aires Hamburger A f.
1 caixa abras de metal, 2 ditas anelos d^escrip-
tori', 1 dita objeotoa Diversos, 1 embrulho amos-
tras ; Simpson 1 caixa pente, 1 dita candes; Vaz A Leal.
1 caixa leekto de la : E. A. Burle A C
I eaixa miudezas ; a Manoel Ignacio de Oliveira
A Killios.
1 caixa mantillas de seda ; Schafheim &C
1 eaixa esporas de metal, 1 dita calcado ; a P-
rente Viamia A C,
1 caixa ruupa para mergulhar; W. Marti-
neau.
2 caixas fruetas C J- A Gongalves.
1 caixa lirros J N. de Sonsa.
1 dita con) 1:2 lo-iOOO em moeda ; a J. J. Rodri-
gue; ila lamba.
1 caixa Urna ; i A. M. C. Soarea.
1 dita chapona F. (. Gomes.
1 dita piililicacfes ; a P. F. da Silva.
1 dita publicares ; au consulado Pertugoes.
6 caixas doces, l dita peixe, K canastras casta-
nha- ; a Marque- Barros \ C.
1 eaixa doces; a Jiis l*ernau.les Lima.
12caixas rap; a T. A. Fonreca.
1 eaixa calcado ; J. P. Arantes.
I caixa lirros, 1 euibriilUo amostras ; J. Pater
primeira eompanhia, a quem por cscarnue cha-
111011 de feitor de obras, sabend S. S. que esto of-
flcial um empregado publico, e que esle seu di-
Illm'. Sr.Pelo seu olllcio de 16 do mez passado lo fui applaudido eom ummulto bemdo guarda
leo inteirado da ordem. que deu para ser fechada Pedro Aniel ico, filho do Sr. Duarte ? Esquece-se
a aula de casino primario particular, que illegal- qne disse, que os dinbeiros do batalho eram con-
lente se abrir no lugar S. Francisco desse com- summidos na caixa ?
missionado. Louvo o seu zelo e recoinmendo-llie o Nao se lembra que pregou a desobediencia, e
ao tribunal, apartou-se iiiteiramenie da defeza, pa- no Progressisla o embuste ridculo e miserave
ra dirigir insultos e doeslos aquellas pessoas ron- all se tem publicado.
ira quem unha recommendaedes. Esquece-se S. Vou concluir advorlindo a % 8. qne se est ar-
S. que ehamon de relaxado ao coomiandante do repeodido de papel que o flzeram representar, 00-
corpo pronunciando o seu nome 7 Que chamau doi tro o caminho a seguir; peca perdao a quem sem S C.
algez o llagello da guarda nacional ao tenenle da necessidade offendeu, pie de minba parlo o per- 1 caixinha com urna espingarda; Ferreira
do do muito bom corarn ; mas negar olhosj & C.
vistos o que dsse, e se passou em pleno dja, i.-to | 1 caixa chapeos e pertenoes; J. S. Miia&C.
nao, cont comigo, e para evitar duvida-, donl j 1 caixa meias e Baleado a A Schaltor A G.
declaro S. S. que 0 responsabilB) por tolas as 2 caixas loneai-hiniza, 1 dita sedas, 1 dita cha-
injurias que S. S. ou algum de seus 1 oirqiarsas me pos ; a Isidoro Xetto i\ G.
langarem pelos jornaes, que mu aclw habilitado ( 2 caixas cha ; II Forster.
para Ihe escrever a biogrnpMa; que tseguirei co-i 21 ditas queijos; Vicente F. da Gosla.
mo sua sombra eseguo; que estm resolvido a 1 caixa miudezas, 1 dita fazenda de algodo, 1
vedo.
1 caixa seda?. 1 emrulbo diltoslras; Gam'iro
A C.
"i caixas queijos ; Tasso frmaos.
. i c.nxa miudezas, 6 bahus cateados ; it U. Jurf-
quim Hamos e Silva A Genro.
1 caixa joias, I dita diversos objeetof, 1 embrii-'
llio amoslras; a Rabn Sc.hmmetlan A C.
42 caixas e S fardos fazendas ii: a(goilo, 2 tar-
dos mantas para cavado, 1 embrollxr amostra* ;
lames Ryder A C.
I embrulho amoslras; A. V. da Silva Bar-
roca
I dito ditas ; I'. Saunan.
I dito ditas ; 0. A E.istvvood.
1 tfilo ditas ; L. A. Siqneira.
1 dito ditas ; Jos A. Moreira Das.
2 ditos ditas ; a Ferreira A G.
1 dito ditas. ,i Patn .Na.-h.
1 dito ditas; a- M. d'Oliveira 4 G.
1 dito dilas ; A. J. R. de Souza.
1 dito ditas ; Mills Lath un.
1 dito ditas ; If. Lighlbonurn.
1 dito dilas ; J. W. Grafl.
1 dito ditas ; J. h'rnaty.
1 dito dilas: II. Adour.
leafia ditas -. Mina A Esperta.
Vapor nacional Princesa, entrado do Para e Ma*
ranho ; ma ni f estou o sugirite :
Du Para, genero e.-trangeiro j despachado para
consumo.
20 barris banha de purco el caixinha obras de
ouro ; ordem.
Gneros importados pela mutua fronleira do Per.
1 caixa com !38 abanos do Ciiyle, 3 fardos eom
1,173 ditos, 1 caixa con) 481 dios ; ordem.
'enero nacional.
12 lata com 132 caadas de aceite do patau, 3
paneros com 3 alqueros de castanhas, 13 rollos
com 9 arrobas e 20 libras de Misa, 1 sacco com 4
arrobas de cacao ; ordem.
l'i.Maranlio mercadoria estrangeiras
2 encapados com um oculo de astM e seus |>er-
lenees; ordem.
Vapor nacional Jaijnaribe, entrae o norte ma-
nifestou o seguiole :
Do Natal.
2 saceos algodo em pluma ; Rogo A-Silva.
16 ditos dito, 31 ditos com IS 112 al quei res de
milho ; Justiuiano Jos de Souza Gainjios.
Do Macau.
26 saceos com 117 arrobas de algodo ; Jos do
S Leito Jnior.
213 meios de sola, 20 barricas com 93 arrobas o
21 libras de cera de carnauba ; Antonio Garnciro
de Vasconcellos A C.
Kxp(>ria$iH.
Barca ingleza Gazelle. carregou para o Canal,
4,490 saceos com 26,940 arrobas de assucar mas-
cavado.
D) Gear.
Genero estrangeiro ja despachado para oconsuow.
1 eaixa chapeos de palhi, I dita pantos de alisar,
i amarrado com X laxos de cobre ; a ordem.
('enero nacional.
20 rollos com 55 arrobas de fumo; a ordem.
Do Aracaiy.
29 saceos com 184 arrollase 6 libras de algodo
em pluma; a Francisco Rodrigues da Silva.
31 ditos com 136 ditos e 21 libras de dito dito ;
a Custodio ltibeiro Guimares.
52 ditos com 334 ditas e 10 libras de dito dito-,
a Vianna < Guimares.
23 ditos eom 91 ditas e 20 libras de dito ditor
a Luiz Antonio Siqueira.
25 ditos com 141 ditas e 13 libras de dito dito-,,
a E. A. Basto.
36 ditos com 229 ditas e 25 libras de dito dito-,
a Silva A Alna.
20 ditos com 128 ditas e 14 libra de dito dito,
16 saceos con) 51 arrobas de cera de carnauba;
a Jos de Si Ix-tao Jnior.
13 sacos com 78 arrobas e 8 libras de algodo;
a Jos Caralcante d'Albuquerque.
Escuna italiana Mara, entrada de Genova, con-
signada a Amorim Irmos, manifestou o se-
guinte :
10 caxnhas massas. 1 barril queijos, 1 caixa
mantega, i lata amoslras de seda prela; a K.
Ariani.
119 caisas man, 120 pipas, 21 meias e 150 bar-
ris vinho, 155 barricas farinha de trigo, 53 ditas
e 300 saceos farelo, 80 ditos arroz. 20 barricas
alpiste. 20 ditas castanhas, 500 caixas massas, 51
ditas e 24 bailas papel, 5 saceos eominhos, 50 la-
tas e 80 cextos figos. 19 latas a 20 caixinhas t-
maras, 4 jarros salame, 3 caixas chapeos do. pa-
llia, 16 barris e 30 caixinhas azete doce, 4 volu-
mes queijos, 2Hi'.i ladrilhos de raarmore 68 caixas
ditos de dito, 148 di'gro* de raarmore, 33 taUas
de dito, $ caixas marmore trabalhado. e I partida
de pedra para lastro a ordem.
Aeeieecimo do manifest.
100 resteas de alhos, 2 saceos louro, 2 barri-
linhos conserva, 2 queijos, 96 saceos netos e 1
vaso; ao eapito.
IKecebetlorla de reodas internas
sera es de Pernambuco.
Rendimento do dia 1............ 3:35*5894
dem do da 2................. :t:74i865
7:0975759
Consolado provincial.
Rendimento do dia 1............. 2-.4SWA412
dem do dia 99................. 3:i6369S
5.662110
MOflMENTO DO PORTO.
Navios entrados no dia 2.
Para e portos intermedios7 dias, vapor nacional
Prinreza deJoinrille, de 917 tonelladas, com-
mandante o primeiro tenente Francisco M. M. do
Araujo.
Acarac e portos intermedios8 c meodias, npor
naeional Jagmribe, de 442 toneladas, comman-
dante Manoel Joaquim Lobato.
Baltimore36 dias, barca ingle JaJisman. de
442 toneladas, captiae J. D. Kaflle. equipagem
15, carga 3,500 barricas com farinha de trigo ;
a Phipps Brolhers A C
.Vitio saludos no mesmo dia,
Rio lrande do SulPatacho nacional Dous de-fe-
zembro-, caplo Joao Gbysostomo, carga raiiios
gneros.
Observaco.
Suspenderam dolamaro para a Parahyba o bri-
gue nglez Esperaura. eapito Rosselmant, com o
mesmo lastro que irouxe de Gucrnsey.
MarseilleGalera americana Taroue, capitn
Hoyt, eom a mesma carga que trouse db Suma-
tra.
Macei Barca ingleza Crrfewi, eapito Gombs,
com o mesmo lastro que trouxe da Bahr.
MaranhaoBarca ingleza ifni-M Adetm, eapito
He|s|>\, eom o mesmo lastro que trouxe da
Baha".
EDITAES.
O Dr. Tristo de Alnnear Arertae, ofBcial da im-
perial ordem da Rosa, juiz de. direile especial
do commercio da cida te do Recili) e seu termo,
capital da provincia de P*rnanburo. por S M.
I. e C o Senhor D. Pedro II quem Deus guar-
de etc.
Fajo saber pelo prsenle que no dia II do mea
de abril do corrente anno se ha de arrematar por
venda quem mais der em praca publica desle-
|uiso depois da audiencia rospectin, urna casa,
terrea em caixo numero 45, na rinde Joao Fer-
nandos Vieira, na freguezia da Boa Vista, eom a.
frente Ungida e encornijada, ceberla abaixo da
altura primitiva, com uma sala e um qnartinbo.
avaliada em 200*000. e wn contnuaco divididos,
em 6 quartinhos do nmeros 1, 9, 3, 4, 3.o6
tendo cada um dos ajanrlinhos um ootro quario
l>eqiieno que serve ile osinha. av.di,ido.s em
l.'iO-JOOO cada um de ditos quartinhos OJM prefaz
a qoantia total de *: l*)i-"SiM> 1, cujas easas sao per-
tencentes a Andr d 1 Abren Porto, o vo praca
por execueao de Adansom H>\vi MI Em falta
de lictente* ser a arrematado fcta pelo preep
da adjudicar.) com o abatitnento. respectivo ua
lei.
E para que chegue ao conheeimeulo de todos
mandei fazer o presente edilal que ser aflixado
nos lugares do costme o publicado pela im-
prensa.
Dado e passado nesta celo le do Recre de Per-
nambuco, aos 2 de mareo de 1864.
Eu Manoel de Carvalho IVies de Andrade, es-
crivo o subscreri.
Trisliio de Alentar Acarie-.
Pela inspeceao da alfandega desta edade sa
faz publico, .pie lio dia 3 do corrente ao ineio dia,
aportada mesma, sro arrematados embaan
publica as mercad irias segantes, appreheadidns
na occasio da visita da descarga da barca portu*


Diarlo de l*erD&ntbtic tilinta felra S de Marco de i4.
i -
gueza Claudina ; ci'.ji arrematarlo livre do di-
reitos m ai r m''.unte :
Un fardo ton) 30 Bateles de mais de lo tone-
ladas a 1*200, 004000.
unas pecas do panno de linho ordinario com 10
varas(4)a600 rs., lujiOOO.
Una saceo e m 1 duiias de mcias de linlio curtas"
e grandes 5o80.
l'm dito com 10 libras de castanhas piladas
750 rs.
Quatro ditos cora 10 libras de carne ensacada
34000.
i:m dito rontenJo *) toalba* de linho coln renda
por 305000.
l'in embrulho rom i pares le botinas de couro
para hornea) por 16*000.
I'm dito com 2 libras de livros impressos com
capa de couro |wr 3*000.
Qnalro latas com 20 libras de carne ensacada
por ti*000.
Duas boeelas com tnurcellos pesando 4 libras
por 1*200.
lina caixa com G libras de passas por 960 rs.
I) toa saceos de nozes pesando 1 arruba por rs.
3*200.
Alfandega de Pernambuco 1 de marco de 1864.
O 2o escripturario, Cutiano Gomes de S.
DECLABACOES.
Manta Casa da Misericordia do
Reelfe.
A Illm.* junta administrativa da Santa Casa da
Misericordia do Kccifo manda faier publico, que
no da tarde na sala de suas sessdes tem de ir pra-
ca as rendas das casas abaixo declaradas, perten-
"entes ao patrimonio de orphos por tempo de
um tres annos, a contar do 1 de jullio prximo
futuro coi diante.
Os pretendentes devem comparecer acompanha-
dos de seus fiadores ou munidos de cartas destes.
Praca de Pedro II.
N. 1 particular e 33 publico, segundo
andar .......... 4835000
N. 1 dito e 33 dito, sala...... 220*000
Ra lo Imperador.
N. 2 dito e 81 dito, dous andares- .. 1:22:000
Largo do Paraizo
N. 4 dito e 29 lito, dous andares .. 902*000
Ra das Larangeiras.
.\. ; dito e 17 dito, casa terna .. 205*000
Hua Velha.
N. 8 dito e 32 dito, casa terrea .. 204*000
Ra de S. (oralo.
N. 10 dito e 22 dito, pasa terrea .. 183*000
Hua do Pires.
N. 13 dito e 39 dito, casa terrea .. 104*000
Ra da Lapa.
X. 40 dito e 11 dito, casa terrea.. .. 160*000
Ra da Moeda.
N. 44 dito e 21 dito, casa terrea .. 251*000
Ra do Vigario.
N. 72 dita e 27 dito, dous andares .. 603*000
Ra da Senzala Velha.
N. 78 dito c 13i) dito, dous andares.. 6515(100
N.80 dito e 132 lito, dous andares.. 4105000
N. 81 dito e 18 dito, casa terrea.. .. 192501)0
N. 82 dito e 16 dito, casa terrea.. .. 201*000
Hua da Guia.
N. 84 dito e 29 dito, casa terrea.. .. 125*000
Hua do Pilar.
N. 91 dito e 105 dito, casa terrea.. .. 163*000
N. 92 dito e 104 dito, casa terrea.. .. 1635000
N. 94 dito e 99 dito, casa terrea.. .. 2545000
N. 97 ditoc 10 dito, casa terrea.. .. 162*000
N. 100 dito e 101 dito, casa terrea. .. 1635000
N. 105 dito e 94 dito, casa terrea.. .. 173*000
Rosaran o.
N. 3 particular, casa e sitio...... 322*090
Mirueira.
N. 4 dito, sitio ...... 213*000
Secretaria da Santa Casa di Misericordia do Re-
cife, 29 de fevereiro de 1864.
O escrlvo,
F. A. Cavalcanti Cousseiro.
Tribunal da relayo.
Por ordem do Exm. Sr. desembargador prn-
dente da Itelaeao faz publico para os iins conve-
nientes, que eslo sem proviso os solicitadores
abaixo declarados :
Victorino de Souza Travassos.
Antonio Pinto le Barros.
Paulino da Silva Mimlello.
Flix Francisco Magalhes.
Juvelino Americo de Barrea Correia.
Manoel Raymuudo l'enna Forte.
Joa pin Francisco de Allmqucrque Santiago.
Hara da relacao, 2" de fovareiro de 1864.
secretario da relajo,
Domingos Alfonso Ferreira.
Consolho de comprasnavaes.
Coolrata o cooselbo no dia 5 de mareo prximo,
sob as condicoes do estylo e por tres metes at
juuho, tambeni prximo, o fornecimento de riye-
res.dietas e outros objeetos le consumo aos navios
da armada e estabelecimentos de msrinha, com-
posto o fornecimento de arroz do Maranho, aguar-
dente branca de 20 graos. assucar branco grosso,
azeite doce de Usboa, areite inferior, araruta. ale-
tra, bilacha, bacalhao, bolacbinha americana, cal
branca e prtl carne seeca Jo Hio Grande do Sul,
caf em grao, carne salgada, carnauba em velas,
carne verde, eangica ou tnillio pilado, cevadmha,
cha. farinha de mandioca da trra, feijao, galinha,
manleiga ingleza, malte, manteiga francesa, pedra
bruta de alvenaria, pao, sabio, tijolo de alvenaria
crossa, touciiibo de Lisboa, tapioca, vinagre de
Lisboa, vidas slearinas e vinho de Lisboa.
Tamben) sob as condicoes doestvlo promove o
conselho no dia 10 do crreme mez a compra dos
seguintes objeetos do material da armada : 100
medidas de azeite de pelxe, 4 arrobas de algodo
em rama, 20 grozas de pennas de aro. 6 duzias de
taboas de louro para andaime*. 3 duzias de laboas
de amarello de 23 pollegadas de largura, 2 bom-
bas de Japy, 3 duzias de taboas de assoallio de
amarello de 38 palmos de comprimento e 2 2 l|2
de largura, 1 pe<;a de. cabo le cairo de 4 1|2 polle-
gadas, 10 leoes de ferro ingles de 3|8, 1 Paro-
metro e tbermomelro de Fortie namesma pe a, I
thennomelro de ar, 1 tnermome.tro de chuva, 1
hylrometro de cominercio, 1 hygrometro de Sous-
sure, 4 caixas Je vidro, 20,000 azulejos. 1 thermo-
metro de Saxtod, 1 anemmetro, 1 mulinete do
Wolthman, 1 talle de ferro de traser agua do fun-
do, 200 palmo; le cano grosso de chumbo, c 200
ditos de dito fino, 6 phares de luzes material ver-
de e encarnada, 20 arrobas de morriio, 50 esgu-
nhos, 40 pocas de linha de barca, 100 vertedores,
1,000 femeaj de rede, 20 lanternas de patente. 50
vares de cobre de 3|8, 100 vares dito de 4|8 e
100 de dito de 5|8.
Elfecta o conselho o contrato de fornecimento
e promove a compra dos objeetos, vista de pro-
ponas apresentadas nos mencionados das at as
1 i horas da manilla, e para o que convida aos pre-
tendentes.
Sala do conselho de compras navaes 29 de feve-
reiro de 1864.
Alexadre Rodrigues dos Anjos,
Secretario},
Conselho administrativo.
O conselho administrativo para fornecimento do
ar- :nal de guerra tem de comprar os objeetos
seguintes:
Para a companhia de cavallara de linha.
Itoneis 10, ditos sem pala 10, luvas, pares 10,
mantas de la 10, cordas de linho, bracas 150, bo-
tn-, pares 10.
Para provimento do arsenal de guerra.
Taboas de refugo de louro, duzias 10, cabo de
linho velbo. arrobas 20, rame de lato, arrobas 2,
sola de lustro, meios 20, rame de ferro fino pro-
prio para amarrar, arrobas 2.
Para o hospital militar.
Chita para eoberta, corados 108.
Para o deposito do ariigos bellicos da
provincia do Cear.
Brim ora neo, varas 3,000, algodozinho, varas
1,500, mantas de la 300, bonets 300.
(jiiem quizer vender taes objeetos apresentem as
suas propostas em carta fechada na secretaria do
conselho, as 10 horas da manha do da 9 do cr-
reme.
Sala das sessoesdo conselho administrativo para
fornecimento do arsenal de guerra, 2 demarco de
1864.
Antonio Pedro de Si Brrelo,
Coronel presidente
S. A. 'lo II. Barros.
Majar vogal secretaria
( ORHEIOUKkAL
ft'l.tcrt las carias seguras existentes
na a'lmiiiistracao A > coireiu Jesla
riilnle para os sniores alwixo de-
clarados
Antonio da Silva Campos.
Cvrillu ib Lomos N. I'agundes.
Ernesto Dias Monteiro.
Major Firmiano Jos Rodrigues Ferreira.
Paire Floreocio Javier ibas de Aibuquerqae.
Flix Ifuler iV C.
Francisco Jeronymo Goncalves.
Francisco Morera da Costa.
Praneisco Xavier de Mattos Telies.
Ilypolito Cassiano Bwerlon Maia.
Jeronymo Ribeiro de Souza.
loa iiiiiii Rodrigues Canuto.
Juan Dcodato Itowman.
Jos Francisco de Oiiveira.
I >s Joaqiiiui Arfes de Amorim (2).
Capillo Jos Joaquim Pereira do Oiiveira.
Jos los Santos Nev-.
D. Luiza Antonia de Siqacira.
Luil Gonzaga do Menezes.
Manoel Caelano Espindola.
Manoel lomes Leal.
Manoel Jos do Naseimeiito.
I'r. Manoel Rodrigues de Amula Cmara.
I ir. Haymundo Ferreira de Araujo.
Manoel da Silva Mendonca Vianna.
t'orreiu.
Pela adminstralo do correio desta culade se
faz publico, le hoje (3) as 3 horas da tarde, fe-1
char-se bao as malas que tem de conduzir o vapor ,
Princeza com destino as provincias do sul. Os
jornaes ateo me dia, eos seguros at as 2 horas.
No dia a to correte tem de serem arrema-
tada na porta do Sr. juiz de paz do 2 districlo de
Sanio Antonio os bens poborados a Miguel Gomes
Correia, por execu;ao de Manoel Fructuoso da
Silva.
j Para o Porto | PLANO
pretende seguir com muita brevidade a barca por- *"L1 v/'
tngneza Frliz, tem parle de sen carregamento a ,,KW bheles a 105. ,, .
bordo : para o resto que Ibe falta e passageiros, Uenelicio, sello e commissao 20 0|D
1 araos quaes tem expelientes commodos, trata-se
eom os seas 1 asignatarios Antonio I.uiz de t)li-1 Liquido.
veiraAzeveilo A: C, noseu escriptorio ra da Cruz
llllllleio I.
rura o Hio de Janeiro
pretende seguir com muita brevidade o palhabote
I nacional Piolado, (em parte do seu carregamento
; a bordo : para o resto jue lhe falta e eseravos a
fete, para os quaes tem excellenles commodos, tra-
] la-sc com os seus censignatarios Antonio Luiz de
. Oiiveira Azevedo A; C, no seu escriptorio ra da
I Cruz n. i.
1 Premio de .
1 Dito de .
2 Ditos de 5005000
LEILES.
4 Ditos de
7 Ditos de
12 Ditos de
29 Ditos de
TU Ditos de
800 Premios.
2200 illancos.
200*1X10
1005000
105000
20*(XX)
10*000
30:000*(MX
6:000*01X1
24:000*000
10:0000.....1
3:000-ii 11 m
1:0005000
800*000
7005OO0
4805IXX)
5805000
7:4405000
24:000*00000
LELA0
Movis c
ariigos.
Inspeceao do arsenal de marinlia.
Fazse publico me a commissao de peritos c
Dt
0111 ros
iioii:
Qiiinlii-fcia 3docwrri'iili' ns 11 12 horas.
O agente Olimpio em seu armazem ra do
Imperador n. 16, far leilao de movis e outros
mullos objeetos sem limites. _________
Fazse publico minando hoje, na forma determinada no regala-
memo annexo ao decreto n. 1324 de 5 de fevereiro
de 1854, os cascos, machinas, caldeiras, appare-
I Ihos, inasireacao, veame, amarras e ancoras dos
vapores Parahibi e Pasinunga da companhia Per-
i nambucana de navegaeao costeira, acta todos os
I objeetos em regular estado.
Inspeccao do .rsenal de
buco 2 de margo de 1864.
II. .1. Rarliosa de Almeida.
Inspector.
No dia 4, depois da audiencia do Hllm. Sr.
j Dr. juiz de orphos, e por ordem do mesmo, sera
vendida em praca urna negra crioula, moca, per-
lencente aes menores iilhos da finada I). Mana
Bernardina Paes de Moura Accioly, escrivao Gui-
maraes.
Pela contadora da cmara municipal desta
\ cidade se faz pubiieo que a poca para pagamento \
1 do imposto municipal sobre casas de negocio, fin-
da-se no ultimo de margo vindouro, assnn come
necessario apnsentar o conhecimento de 20 por
j cenlo pago na recebedoria das rendas geraes in-
ternas, o que se publica para conhecimento de
! UkIos. Contadoria da cmara municipal do Recite
29 de fevereiro de 1864.
O contador,
Joaquim Tavares Rodovalho.
Pela subdelegara do dislricto da Capunga se
acha depositado um cavado ruco-sujo, castrado:
quemsejulgar rom direito ao mesmo compareca
que provanilo ll.c ser estregu.
Subdelegada da Capunga, Io de margo de 1864.
O subdelegado,
Francisco Antonio da Silva Cavalcanti.
lua casa le re*, era chaos proprios.
sita na travessa da Fuudico (bairro
do Iccife) 11 \.
Sivla-fcira i do rorrrnlc as 12 horas.
O agente Olimpio vender em leilao urna casa
terrea com porta e janella eom 16 palmos de fren-
te c21 de fundo, a qual rende mensalmcnte 8*.
0 leilao ser elfectuado no armazem do referi-
marinba de Pernam- j ^agente roa do Imperador n. 16, pelas 12
horas.
3000 BUbeles.
Dos 7 premios de 1005000 dous [ ertencerao aos
nmeros mais approximados ao juc obtiver o
premio de 10:0005000.
Dos 12 ditos de 405000 dous pi rtcncerao aos
nmeros mais approximados ao que obtiver o pre-
mio de 3:0005000.
Dos 29 ditos de 205OOO quatro perlencerao aos
nmeros mais approximados aos qie obtiverem os
premios de 300*000.
N. B. Os premios maiores de 40f>50<)0 esto su-
jetos ao descont de 4 por cenlo por lei provincial,
6 os maiores de 1:000*000 ao de 1: |wr cenlo por
lei geral.
Tesouraria das lolerias 27 de fevereiro de 186 4
O thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
O bacharel Manoel Firmino de Mello .conti-
na na sua piolissn de alvogado, podeiido para
isto ser procurado na ra lo (Jueimado 11. 8, pri-
ineiro andar, das 9 horas da manha at as 3 da
tarde.
ran
- Aluga-so nina ama escrava
eiras n. IX, andar.
na ra das La-
liico de |i:ino c de canto.
MuiAur. Fan.w BOORBAO d ligos de piano e de
canto : a tratar na ra Nova os. 9 loja Je II. Du-
IIIOIll.___________________________________________
A rijos
No pateo do Carmo n. 22, vestem-se anjos com
gosto e perfeigao, sendo todos os vestuarios novos
e bem ornados, que a todos agradarn vista do
gosto, e commodidade de preco.
No da 29 de fevereiro pcrdeii-sc o meiobi-
Ihete 11.1181 desde a thesouraria al a bordo da
baria Ira, da lotera do Coracao de Jeras, de
Iguar.Lss, perteiieenle Manoel Francisco Pedro,
existente a bordo da barca portugoeta lies, senda
que outro no|iodera reeeber na ininha ausencia
seno o Sr. Vicente Itibeiro Ponte?.
(aixoiro.
Precsa-se de um caixeiro que d fiador a sua
conducta para tomar conta de um estabeleeimenio
em l'o dAlho; nao seduvida dar bom ordenado
ou mesmo interesse nos lucros : quem estver no
caso de occapar este lugar, queira dirigr-se ra
da- Cruzes n. 36, para tratar-se.
Manoel Vieira Perdigan, cidado brasileiro;
val a Europa.
D-se dinheiro
Rangcl n. 6.
a juros: na roa do
DE
1111 sitio foreiro no lu.^ar denominado
l'asso do Giqui.
Sf xla-feira i do correnle as 12 hars.
O agente Olimpio vender em leilao um sitio no
Passo de Ciqui, com 100 |>s de coqueiros, man-
gueiras e outras muitas arvoros fructferas, pe
0 c'urgiilo Leal mudou
a sua residencia da ra
Queimado pari a ra das
Cruzes sobrado n. 36, pri-
Ens'uiode inglez e
franeez.
Joaquim Pedro da Rocha Pereira contina a lec-
conar inglez c franeez, e se obriga aempregar to-
do o esforc e zoilo para que os estudantes confia-
dos ao seu ensino lenham o maior aprovoitamento
possivel, devendo ser procurado na ra Jireita n.
93, primeiro andar.
Jos Ferreira de Moura, cidado portuguez,
retira-se para a Europa a tratar de sua saude; e
durante, sua ausencia deixa com procuraco bas-
tante para tratar de seus negocios aos Srs. Mau-
ricio Jos dos Santos Ribeiro e Antonio Pedro de
Si Hiza Soare*, este morador na ra Nova n. 20, e
(JO aquelle praeada Independencia n. 33.
COMPRAS.
Comprase cffeclivamente ouro e prata eni
obras ve i ba >: na praga da Independencia n. 22
loa de bilhetcs.
v
O abaixo assigoado, arrematante das dividas da
Comprase orna escrava sadia e que seja perita
cozinheira : na ra do Queimado n. 39, loja.
(ompra-se efectiva-
mente
ouro e prata em obras velhas, pagando-se bem ,
na ra larga do Rosario n. -2k, loja de ourves.
Compram-se garrafas vasias : na ra Direi"
ta n. 72. _____________
Ciarrafes.
Compram-se garrafes ee todos os taraanhos a
lTlPrn mifl'tr nnr nirn 'oja^niiudezasda ra do Queimado de Joaquim 320rs. : no armazem da Aurora Brilhante, largo
111C1IU llluill, [tVL tjllllcl UU JoS8 da Costa Fajozes Jnior e da loja de fazen- da Sania Cruz n 84
amiaifAn Dnnmioaaata ati das da ra Ilireila te Fajozes Jnior & Azcvedo, ------------'------^-:--------------------------------------
aniltlZeiU llO^ieSbLSia, aOll- avisa aos deredores das ditas lujas tanto da praca Haga-se bem.
Aa a arliOT>MA nnmn COTTinT,n I como do mallo de virem pagar seus dbitos ao No largo da Santa Cruz n. 12, compram-se dous
U.C U di 11(11(1" lAllllU oLllipi O | abaixo assignado no largo do Collegio junio ao so- caixoes grandes envidragados, assim como se prc-
brado amarello, ou na ra de Dorias n. 101 ao Sr. cL-a de um caixeiro bem pratica em taberna.
Fajozes Jnior al ao dia lo de margo, do contra-
rio lera de entregar ao seu procurador para co-
brar judicialmente. Recife, 16 de fevereiro de
1864.
Antonio Joaquim Fernandes da Silva.
prouipto a qualquer hora pa-
ra o exercicio de sua pro-
fissao, chamado por escripia.
YENDAS.
Sera elfectuado o leilao no armazem
do agente ra do Imperador n. 16.
refer-
LEILAO
GABINETE PTICO DE
RECREIO
Caes 29 le Xovemhron. I O.
Frente ao passadiro do llcrife.
. Inipreterivelincnte as ultimas cinco noites boje Scxta-fcil'a \
quarla-feira, quinta, sexta, sabbado e domingo,
6 de margo, ultima noite c a despedida.
Extraordinaria apresentago em cada urna das
, netes de grande numero de vistas, de grandes ba-
tallas de mar f trra, revistas de esquadras, tudo
embandeirado le grande galla, acampamentos Je
tropas, nanfiagios, vulcoes, cidades, monumentos,
jardins, passeios de toda a parte Jo aniverso. O
director deste salao faz diversas apresentagoes de
novas vistas de meia em meia hora de intervallo
-durante a concurrencia do respeilavel publico. O
lito salan estar aberto das 6 l|2 horas da noite
em liante.
Entrada '00 rs.
No mesmo lugar vende-se um relogio por com-
modo prego.
DE
30 caivinhas com cha da India.
Johnston Pater & C. farao leilao por intervenrao
do agente Pestaa, para liquidago de conlas por
conta e risco de quem pertencer de 30 caixinhas
com superier cha da ludia, recentemenle desem-
barcado.
Sexta-feira 4 do crrente
Em frente da porla da alfandega.
LEILAO
horas
de mano s H
na ruada Cama 53.
M
1H peeas <1e estopa c iiuia mobi-
lia le faia.
Por intervengao do agente Euzebio, conta e or-
dem de quem pertencer se vender em leilao 18
pegas de estopa e urna mobilia de faia : os pre-
tendentes queiram aproveilar a pechincha.
AVISOS MARTIMOS.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Xavcgaco eosteira a vapor.
Se\ta-leira 4 do correntc.
F. G. de Oiiveira far leilao de pire.o de mada-
poln e outras blendas inglesas araadas, no ar-
mazem da ra da Cadeia n. 62. ao meio dia em
poni do indicado da.
I ai i (aberra na ra Imperial n. 134,
oris, escrava c prata.
*cxta-feiaa -A do correue.
Luiz Itibeiro Trovo com consenso de*sMis ere-
dores e para pagamento dos meemos far leilao
por interveocao do agente Pesua, da armagao^
gneros e mis pertences existentes na taberna
sita na ra Imperial n. 13'., assim como da mobi-
lia. diversos objeetos de prata e urna escrava que
. sabe cosinhar : sexta-feira 4 do correnle pelas 10
Parahjlia, Natal, Macao, Aracalj, Ceara, AcaratH ho,as dunanba na uiesma taberna.
e Granja,
No dia 7 de mareo prximo se-
guir as horas da tarde para os
portos cima indicados o vapor
YPersinungu,' commandante Bates.
_ 'Recebe desde ja carga at o dia ti.
Encemmendas, passageiros e dinheiro a frete al
o dia da sabida as 3 horas da tarde : escriptorio
no Forte lo Mallos n. '.. ____________
COMPANHIA PERNAMBUCANA'
DE
Navegaco costeira a vapor.
Mam c Sergipe
No dia o de marco prximo
seguir" o vapor Parahyba, i-orn-
inaiulanle .Martin-, para os por-
iiis aeima Indicados, s > horas
da tarde. Recebe carga at o dia
1. Eiicoininendas, passageiros e dinheiro a frete
at o dia da sabida s 3 horas da tarde : escrip-
torio no Forte do Mallos n. 1.
Rio Grande do Sul.
O patacho D. Luiz segu com brevidade, e re-
cebe alguma carga a frete : trata-se eom os con-
signatarios Marques, Barros & C largo do Corpo
Santo n. 6.
- O brigue brasileiro Belizario segu impreie-
rivelmenle quinta-feira 3 do corrente para o Rio
de Janeiro, s pode receb3r eseravos a frete : a
tratar com Mar pies, Barros & C. larga do Corpo
Santo n. 6, ou eom o capito Manoel M. Ferreira.
Kio (raiide da Sul.
O patacho nacional Salta, recebe carga para
aquelle porto frete commodo : a tratar com os ,
consignatarios Dallar & Oiiveira, ra da Cadeia para IMlllTiliir este ll.illi) (lo lhlli-
numer( i nho a Apipucos: na livraria ns. 6 c 8
Engenho Espirito Santo, urna parle do
cubetillo Ferrccoza e de urna escrava
por nome Luiza (ausenta.)
A 15 de mareo corrente,
O agente Olimpio requerimento do depositario
da massa fallida de Manoel Duarque de Maccdo
Cima e mandado do Illm. Sr. Dr. juiz municipal
da segunda vara far leilao em presenga dos mes-
mos do engenho denominado Espirito Santo com
bem feilorias e moenda. deuma parte do engenho
Ferrocoza e da escrava Luiza (ausente.) O leilao
ser effectuado no armazem do referido agente
ra do Imperador n. 16, no dia cima pelas 12 ho-
ras da manha.
AVISOS DIVERSOS.
Precisa-sc de um dcslrilmidor
Para o Porto.
Segu at o da 10 do corrente, a velera barca
porlugueza Claudina, por j ler seu carregamento
prompto, recebe somentc passageiros, para os quaes
tem excellenles commodo*, a tratar com os consig-
natarios na ra da Madre de Deus n. 3, ou com o
capilao.
Para Lisboa.
Sahlr com toda a brevidade o omito veleiro
brigue portuguez Constante II, por ter quasi
prompto todo o seu carregamento, tem excellenles
commodos para passageiros, e para estes e o res-
tante da carza trata-se com Manoel Ignacio de
Oiiveira & Filho no largo do Corjio Santo n. 19.
Para o Rio Grande do Sul segu com muita
brevidade o patacho brasileiro Do m de Dntmbro,
' tem a bordo parte do carregamento e recebe o
resta a Irete commodo: tratar no escriptorio de
i Amorim Irmaos ra da Cruz n. 3.
I'ara Lisboa
\ segu com a possivel brevidade o bem conhecido
i lugre portuguez hdio, para o pie lem grande; par-
j te da carga engajada ; para o resto e passageiros,
I aos quaes offerece bons commodos, trata-se com o
consignalario Thomaz de Aquino Fonseca, na ra
do Vigario n. 10, primeiro andar, ou com o capi-
. lo o Sr. Francisco Antonio Meirelle-, na praga.
Para Maranho e Para
pretende seguir com muita brevidade o brigue na-
; cional Amelia, tem parte de seu carregamento
prompto : para o resto que lhe falta, trata-se com
os seus consignatarios Antonio Luiz de Oiiveira
Azevedo A C, no seu escriptorio rna da Cruz n. 1.
Para o Porto
A bem conhocida c veleira barca porlugueza
Restaimiro pretende sahr com brevidade par t>r
a bordo maior parte de sen carregamento, e pa-
ra o restante < passageiros, para os quas tem
magniOeos commodos, trata-se com os seus enn-
signaiarins M. J. Ramos e Silva & Genros, ra do
Vigario n. fO.
PARA 0 RIO DE JANEIRO
segu com brevidade o brigue Trotador, recebe
carga eseravos a frete: irata-se com es consig-
natarios Marqui'i1, Barros 4 C, largo do Corpo
Sama a 6.
1 da prara da Independencia.
Precisa-se alugar urna preta escrava que sai-
na coznhar e fazer todo o servico de urna casa
de pouca familia : na ra do Pires o. 24.
Lotera extraordinaria.
AOS IO 000*000 c t:OOO.SOOO
Quinta-feira 10 to eonvnte prximo, se
extraliir a segunda parte da primeira lote-
ra a beneficio da igreja do recolhimento do
CoracSo de Jess de Iguarass, pelo plano
junto, approvado para as extractes das par-
tes extraordinarias das loteras.
Este plano 6 superior ao que eslava adop-
tado para as loteras extraordinarias por con-
tar melhores e maior numero de premios,
e t.unbem preferivel ao das loteras de ra
da proviincia. porque con leudo apenas 3,000
blhetes, o dono de um teni de entrar na
extraccio nojogode9,000 nmeros, qrjan-
do nas outras estes nunca sao em menos de
0,000, sendo que as esliangciras um nu-
niiTu premiado jnga sempre contra 19 29
brancos, e se fr de premio maior l'nar.i
sujeito usura de un grande descont
(ajera dos da lei), nao aeonteceodo assim
com o da lotera desta provincia, que c pa-
go ("in a maior promptidao.
O abaixo assignado, pois, chama a atten-
fjo do respeitavel publico para o que vem
de expor, avisando que os imposlos e mais
beneficios resultantes da venda nesta pro-
vincia, dos blbetes das loteras de fra,nun-
ca sero applicados nella, que, infelizmente,
para a reconslrucgao e reparos de seus
templos e casas de instruccSo e caridade,
quasi que s tem o recurso dos beneGcios
de suas lolerias.
Os blhetes, meios e quartos acbam-se
venda na respectiva thesouraria i ra do
Crespn. 15 e as casas commissiouadas.
LIVROS RELIGIOSOS.
Na livraria n. 6 e 8 da praga da Indepen-
quer-se aluhar urna pre
vigo de casa, e saiba engommar.
ATTENgAO.
Companhia i'ernambuciiiia
De ordem do conselho de direegao e em vii lude
do art. 24 dos estatutos sao convidados os senho-. ,
res accionistas a reunirem-se em assem'olea geral dencia, vende-seasseguintes obras, a 10000
no da 29 do corrente, 1 hora da tarde, no es-1 cada urna.
criptorio dos Srs. Saunders Brothers & C 0 Novo Mez de Mara ou mez de maio, con-
saffrado Gloriosa Mi de Deus, por um
Precisa-sc fallar com urgencia a<> Sr. Jos Pe-
dro de Paiva Uaracho, passageiro dj vapor Cra-
zeiro do Sul, chegado no dia 29 de fevereiro pr-
ximo passado : a tratar na ra da l'az n. 12, an-
tiga do Cano.
A amiga e Sob.*. L.\ Capit.. de S.\ Joao
d'Eseoss.'. sob o distmet-. t.".Seis de Mareo de
1817do Orient.-. de Pernamb.*., reune-se er seu
l'empl.-. na ra Oreita n 31, no dia domingo 6
do corrente s II horas da maah.;, para o que
sao pelo presento convidados todos os seus mui
dignos membros, por ordem do Ite;p.\ Irm.-. Vc-
ner.\
O Ir.-. Hiram Gr.. 30.-.
Secret.-
u advogado \>r. Manoel do NascTmento 138
Machado Pertella, contina a ter o seu
escriptorio no primeiro andar da casa n.
83 da ra do Imperador.
luga-se o primeiro andar da casa da ra da
Lapa n. I : a tratar na ra da Cadeia do Recile
n. i9, sobrado.
Conipeudio de direito civil.
Na roa da Saudade n. 9,. vende-se o
compendio de direito civil, approvado pelas Yisila H'SS| ss e a Mara"Santissima, para
sacerdote da diocese de Belm, traduzido
lo italiano e adoptado pelos reverendissi-
UOS padres capuebinhos de N. S. da I'e-
nha da cidade do Hecife.
Relicario Anglico de Jess Christo e de Ma-
ra Santissima, offerecido a Nosso Senhor
Jess Christo, preso columna.Novis-
sima edic.io com a oraeSo mental, novas
devocoes a N. S. da Conceico da Rocha
e enriquecida com eslampas.
Aurora Francisca Cavalcanti I ua convi-
da aos amigos do seu presado e lallecido ma-
rido Joo da Costa Lima Jnior :. assislirem
a missa de Rquiem que por sua alma faz
celebrar pelas 7 horas da manha do dia 5
do corrente, na igreja matriz de Corpo San-
to, pelo que desde j lhes antei ipa os seus
protestos de gralido e reconhei menta
Antonio de Souza Povolide envida aos
seus amigos ao acompanharem na assislea-
ria da missa que por alma do seu mui pre-
sado amigo e socio Joao la Costa Lima J-
nior, faz celebrar na igreja mal iz do Corpo
Sanio, pelas 7 horas da manha do dia 5 do
correnle. a viuva do mesmo fallecido. Por
ti especial obsequio lhes licar summamen-
te grato.
congregares dos lentes las iaculi ades de
direito desta cidade do Hecife e la de S.
Paulo para as respectivas aulas de direito
civil patrio.


O conselbeiro Francisco de Paula Baptiza e
seu titlio o bacharel Graeiliano de Paula Baptista,
advogain no seu escriptorio na ra las Trinchei-
ra, primeiro andar do sobrado n. 19, aonde se
acham presentes todos os dias atis, desde as 10
lloras da manha al s 3 horas da larde.
Programnia da procisiio do Se-
nhor do Jlarfyrios.
Sahir em seguimenlo ra dos Martyrios, Au-
gusta, vallado chafariz, Imperial, Cinco Ponas,
Oreita, Livramento, Queimado, p; leo do (Collegio,
ruado Imperador, travesea do Ou 'idor, Quarteis,
larga do Rosario, dita estrella, Triucheiras, Nova,
Can boa do Carmo, pateo do niesme, ra de Hurtas
recolher-se; e-jiedimos aos moradores que man-
de limpar as testadas las suas portas, e convida-
mos a todos os irmaos para rompa-ecerem de ca-
pa e morsa no dia i as 2 1|2 horas da larde para
acompanharem a dita procisso.
a ra da Aurora n. 26, precisa-se de um
rapazinho de boa couducta, que saiba guardar
carros.
A ma.
Precisa-se de urna ama para cas do familia : a
tratar na Boa-Vista, ra da Conceieo n. 58.
Precisa-se alugar um escravt para comprar
e fazer qualquer outro servigo que for chamado:
a tratar na ra da Cadeia n. 62, sef mido andar.
AMA
Precisa-se de urna ama secca para comprar e
cozinhar : a tratar na ra do Imp rador n. 5i.
No escriptorio de Antonio Luiz de Oiiveira
Azevedo & C, ra da Cruz n. t,Jdeseja-se saln-
so vivo ou morto Jos Antonio Gomes Ribeiro
d'Oliveira. que sabio de Lisboa para Pernambuco
em novembro de 1807. chegando a esta -idade em
Janeiro de 1808, aonde foi para caixeiro do nego-
ciante Villela. estove nesta casa 10 annos. depois
retirou-se para o interior onde se eslabeleeea;
mas ignorase a trra. Ficou correspondendo-se
com esle Villela e os filhos, os filhos dcste que
podero dar informacoes. Consta que ainda ha
poneos annos este Jo-e Antonio era vivo.________
Precisa-se alugar seis pessoas livres ou es-
cravas para irahalhar em um sitio perto desta
praea : quem quizer, dirija-se ilha dos talos.
perto a ponte de ferro, casa terrea n, 3, <|uc acha-
ra com quem tralar.
AdvoScia.
^ O bacliafel Joo Goncalves da Silva @
jga Hontarroyos tem escriptorio na rui es- jjg
S ireiado Rosario n. I", onde pode ser 2S
3 procurado das ) horas da manha s 3 |j
da tarde dos lias uteis. H
Precisa-sc de una
duas pessoas: na ra da-
mWl immmmm
ama para coziahar para
Cruzes, taberna n. 24.
Precisa-se de urna ama que saiba bem cozi-
nhar e comprar, para casa de homem solteiro : a
tratar na ra da Cadeia do Recife n. W, loja de Tranciiilias'ilc lia lisa para enfeites de
relojoeiro.
todos os dias do mez,Actos de prepa-
raran e airan de oracas para a sagrada
conaouinbio, Modo de resar a cora
das Dores de Nossa Senhora, e Actos
que 0 chrislao leve fezer todos ns dias.
N'nvissima ediCCSo adornadas com diver-
sas eslampas, e augmentada de novas de-
vocoes N. S. da ConceicSo da Rocha e
Via Sacia.
0 Devoto ChrisUfo, instruido no compen-
din i!a ilntitiina, as regias da vida de-
vuta, un exame de consciencia e picpa-
raiTio pato a cunlissan e cnnimiinho, no
. modo de ouvir missa e meditar o rosa-
rio, e n conbochnento das indulgemas
concedidas aos seus confrades.Novenas
da AssencSo do Senhor,'da ConceicSQ a
do Natal, das Almas, a novena e trezena
de Santo Antonio, a Va-Sacra breve, e
outras muitas devocoes, com indulgencias
parochiaes e-plenarias.
Vende-se un molequinho de idade de 7 an-
nos : na travessa da matriz de Sanio Antonio nu-
mero 8.
Vende-se um tapete avelludado para forrar
urna sala, obramuito li'n e [wr preco commodo :
a Halar na Soledade n. '18.
Luvas de foiiviu.
'Recebeu-se luvas de Jouvin brancas aprelw
proprias paraa quarlsma : na ra do Jueimado
loja do beija llor n. 63.
aniisinlia
Achain-se justas e contratadas as casas
da rita Imperial ns. 262 e quem se
julgar com direito a alguma reclamacSo, de-
clare no prazo de tres dias.
SOCIKUADE
DOS
ARTISTAS ALFAATES
EM
Pernambuco.
De ordem da directora provisoria da socicade
de sfuhora.
Recebeu-se, trancinhas de diversas cores pe-
ca de 30 varas a 6W rs. e de 120 rs. pequeas :
a ra do Queimado loja do beija flor n. 63.
Liiciles de reiliiilias cun laro na frente.
ltecebeu-se. variado >ortimento de enfeites do
diversas cores a l-5'i00 : na ra do Queimado
loja do beija flor n. 63.
Vende-se a armacao da taberna da ra lar-
ga do Rosario n. 33, propria para botar qualquer
negocio por ser envidracada, por preco commodo:
a tratar na mesma. .'
Vende-se urna armacao de amarello enver-
1 libada, toda envidracada, assim como duas pra-
Beneficeote dos Artistas AUaiates era Pernambuco 'eleiras grandes de lome, proprias para armazem
faz-se publico, que no domingo do corrente, as (le entrepostt de Easendas \ tambem cdese a loja
10 horas da manha, celebrar-se-ha nos saloes do J,i uina S lhllla !*!? na do Crespo n. 4.
caes de Apollo, a sesso magna da installaco da
mesma sociedade.
Para esse trias convida a mesma dirertoria a to-
dos os senhores artistas alfaiales, anda mesmo os farinha de mandioca em saceos de dous alqueires,
que nao eslo assoeiados, bem como o respeitavel por preco commodo: na ra do Amorim n, 41,
Precisa-se alugar una ama p ira casa de pe- publico, esperando a concurrencia das associacoes armazem' de Manoel l-Ymandes da Cosa .V C
quena familia, para lodo o servico de casa, e que e pessoas a quem se tem dirigido convites, para -----r;-,-----------------r,-------::---------------;
seja fiel : na ra doCabug n. 4._____________maior brilhanlis.no de um acto que leve ser mais
um incentivo para o melhoramento das classes ai -
Secretaria da sociedade Benefleente dos Artistas
Alfaiales 1* de marco* de 1864.
Manoel Rodrigues do '
_____________________1 secretario. i
No lia quarla-feira de cinza, 10 de fevereiro .
Precisa-sede um caixeiro de l 14 annos
na ra Nova n. 38, deposito.
VNDESE
Criados.
Precisa-se alugar urna escrava
terno, c um moleque de boa conducta : na ra da
Cadeia do Recife n. Si. terceiro andar'
Preeisa-se de urna ama para todo o servido
de urna casa : na ra da Concordia n. 63.
A viuva de Jacintho Silvestre Vicente conli- prximo passado, perdeu-se ou deixou-sc em algu-
na com o estabelecmenlo qne tinha seu finado ma loja da ra do Crespo ate o fim da ra Nova,
marido, propondo-se a dar jantare; para fra por 17 accoes das aguas de Ueberibe, pertencentes ao
preco commodo e asseio : quem piecisar, procure bacharel Pettro llezerra Pereira de Arauj) Reltro:
na ra da Guia n. 38, primeiro andar. Na mes- a pessoa que astiver adiado, sirva-se do entrega-
pia casa cima se precisa denegrs por aluguel, I las nesta praea aos.8fS. Jos los Santos Nevesou
Vende-se um cavallo
andador de baixo a meio :
da ma Nova.
castanho
na coeheira "do porto
para compras e servico de casa.
AVISO.
Tendo-se de proceder o inventaro dos bens do
fallecido cirurgo Francisco Jos lo Amaral, mo-
rador que foi no engenho Manguiaho, roga-se .
todos que liverem direito ditos bens por qualquer ziha e engoiuma
ttujo, hajanvde apresenta-los na travessa da Vi-! __ U-so 2:0005 a premio sobre
Manoel Ignacio de Oiiveira Filho, para as re-
metler a seu dono, que muito lhes agradecer.
UIA
Offerecc-se urna mulher de boa conducta, que
engomma, calinita e cose : a tratar na ra do Hos-
picio n. 24. Na mesma tem una escrava que co-
se dir quem d.
Lava-se e engomma-se roupa para fra, ca-
misas a 160 rs., e calcas a 200 rs. : quem precisar
dirija-se a ra de Santa Rita n. 39, que achara
com quem tratar.
fa-.iu .uw |ti mm.hu hvpotheca em
relo B. 27, no praso de orto das, para seren ve- um predio nesta praca ; na ra das Cruzes n. 7.
ripeados e attendidos, findos os ]uaes nao so at- <,. aira anem d.
lender a reclamaco alguma.
Na livraria do Noguefra, ao p da ponte ve-
lha do Recife, vende-se o compendio de hermemu-
tria jurdica, e pratica do processo civil do conse-
Iheiro Francisco de Paula Paptista.____________ i Arrenda-se o sio na estrada dT Aflliclos
O abaixo assignado, socio gerente e rmala- conhecido por sitio do Salvador, com bea casa de
rio na razo de JoaquimJo- da l'eiiseca (Jv C, faz vivenda, inuilos arvuredos de frueto. baixa para
ver ao. rorpo do coinniereio e a ipiem inleressar,! eapim e pasto para cinco ou sejl vaccas : a tratar
pie desde 30 de junho do anuo prximo passado na ra estreita do Rosario n. 12.
Antonio Jos Cunes llraga vai a Europa, e
suppoiulo nada dever, pide a quem se julgar seu
rredor. para que lhe aprsente sua conta no pra
so de 24 horas.
Yndtiro.
Vende-se um preto ptimo padeiro e urna pr:ia
boa cozinheira e lavadeira : a tratar na ra do
Mondego, padaria n. 47.
I'arelio.
Na praea da Boa-Vista n. 14 tres estrellas, ven-
lein-se saccas com farella de Lisboa a 45200, ditas
com dito a 45, ditas eom dito de Hamburgo a
:i5titKI._______________________________
Vende-se nina taberna em urna das melho-
res ras da Boa-Vista) tambem se taz negocio com
a armacao s, por seu dono ter de retirarse tra-
tar de sua saude : na ra da Imperatriz n. 34, se
dir quem vende.
Vendem-se 9 colchas com algum uso de da-
masco de laa, proprias para varanda, ou mesmo
para armacao de igreja : no armazem de molda-
dos, esquina da ra de Hortas n. 2.
-- Vende-se urna taberna na ra do Mondego,
travessa da Trempe n. 22 : quem a pretender, di-
rija-se a mesma.
Vndese um mulato de 3.)annos, boa figura
e proprio para qualquer servico : na ra da Sen>
zalla Nova n. :iO.
X 07
de 1863 se aclia amigavel Tiente di volvida a socie-
dade pie tinha com o Sr. Joao Ferreira da Silva,
na taberna da Capunga, ra das Crioulas n. 27,
por occasio do mesmo senhor ir para o mato tra-
tar de sua saude, e como a extin la firma nunca
comprasse a crdito, julga nada di ver, mas se al-
Vende-se a verdadeira graxa n. 97 : na ra do
Trapiche n. 19, escriptorio de Kduardo Fenion.
Vende-se um cachorro de raea, proprio para
um sitio ; quem pretender dirija se a taberna do
caes do Collegio, no passeio publico.
Os abaixo assignados scientilicain ao corpo
guem se julgar seu credor, quena, no praso le do commercio eaquem mais interessar possa, que
tres dias, apresentar documentos Ic^aes, lindos os poracrordo lis<.ilveram a sociedade que tinham
quaes, por nada
Recife 2 de ma
Vendem-se saceos com farinha igual a de Hur-
beca, por preco mais commodo ilo que em nutra
(do Mallo, armazem 3
se responsablisa o annuneaute. W* ,l *** da rna do Queimado n. 33 A, ,;; ^ ; .";,-, re
reo de I Sii e gvrava sob a razao social de Ouimaracs & lio- 'l"aii|U i pane no i ore a
7oaqui.n Jo< da Fonseca I cha, tendo-se verificado qne nlo havia passivo, fi- Joaqmm 1-ranc.scode Alem.
----------------------------._______ cou cargo do socio Joao da Rocha & Silva todo Cal de Li$I>oa <
Precisa-sede um menino do 10 a 14 annos,
para caixeiro de taberna, preforinio-se Portuguez:
na Capunga. taberna junto a pada la.
Aluga-se o terceiro andar lia casa ti. SS da
ra da Imperatriz, e o sobrado n. 1 )3 da ra Impe-
rial : na ra da Aurora n. 36.
o activo, a quem tambem pertenee o estabeleel-
ment. Recife Io de marco de 1864.
Joo da Rocha e Silva.
Domingos Jos Ferreira Guimares
F. \V. Arkwright. subdito britannico, vai
Europa.
c potassa la
Itnssia.
Vende-se na ra da Cadeia do Recife n. 26, para
onde se mudou o amigo e acreditado deposito da
mesma ra n. 12, ambos os gneros sao novos e
legtimos, e se vendem a preco mais barato do que
utra qualquerkparte.
**w**P*<



Diario de Fcrnamtoaco Quinta feira 3 de Hai'co de. lsttl.
GRAIDE KIVOLUiO
NO
ARMAZEM
DO
0 homem do moviinento mo estaciona.
AVANTE E SEHPRE
GUERRA AOS INIMIGOS
Nao se adniilte a unio comnuTcial:
Xao sequer a diaba da alliaaca.
Nao se teme a furia dos corsario*.
Este anuo lia de ser blsse\t.
Os canhes esto preparados.
FOGO! BOM FOGO!! MELHOR FOGO!!!
Abaixo a liga dgita no vinagre
Viva a liga do genuino Hieres com o fiambre!
Viva o conservador las conservas iglezas!!
Vivara os liberaos freguezes do BALIZA !!!
Vivara todos que lerem este a inmuno.
&WMCQA
SEMIOliES E SEN HORAS.
O propietario do grande Armazem do Baliza estabelecido raa do Livramenlo ns.
38 e 38 A, defronte da grade da groja, acaba de reduzir os precos de quasi todos os
gneros do seu magnifico deposito.
A tarifa abaixo publicada atesta bem esta verdade.
A guerra aos inimigos, est portento, assim declarada.
As pessoas, ainda as mais exigentes, que se dignarem vir este estebelecimento,
caro por certa muito satisfeilas, nao s quantD as qualidades des gneros, como com o
tratemento todo attencioso que se Ihes dar.
Alm do cumprimento dos deveres da boa educaco, haver d'oraem diante ainda
maior capricho em salisfazer todos que honraren! esta casa.
Os gneros- pelas qualidades e precos annunciados, sero offerecidos ao examc
dos Sis. compradores. Noreceieo publico que se pratiqueo contrario, como em oulras
casas, que at annunciam o que nao tem-----O baliza nao illude-----
Ameixas francezas emeaixinhas eem frascos Liares inglezes e francezesem vazos de di
de diversos tamanhos a l,2oo, l.Coo, versos tamanhos a l.ooo, t,5oo e 4,8oo
2,000,2,5oo e2,8oo rs. e a libra a 8oo rs. rs. a duzia.
Amendoae novas a 32o rs. a libra. Manteiga ingleza flor a 8oo rs. a libra e de 8
Azeite doce refinado a 8oo rs. a garrafa,
dem de Lisboa a 64o rs. a garrafa e 4,800
rs. a caada.
Alpiste a 16o rs. a libra, e 4,8oo rs. a arroba.
libras para cima ser aberto um barril na
presenta do comprador,
dem de 2.a e 3.a qnalidade a 7oo, Goo e 4oo
rs. a libra.
Arroz do Maranho, da Lidia, e Java a 8c e dem franceza a 560 rs. a libra, eem barril
loo rs. a libra. por menos.
., ... Idmem latas a 2)5000 c a 1(5500 a lala.
Aletria branca e amarella a 4oo rs. a libra. Massa de tomate em barriI a 480 rs a ,ibra
Araruta verdadeira a 32o rs. a libra. Id(!ra em |ata a 6i0 rs |ala
Batates novas-em gigos de 36 a 4o libras por Mostarda ingleza 400 e 600 ris o pote.
l.ooo rs. e a 4o rs. a libra. I Marmelada imperial dos melhores fabrican-
BiscoUos inglezes Lunch a 18oo rs. a lata de j ^ de List)oa a 600 rs a Jsbn
5 libras. Marrasquino de zara a 8oo rs. o frasco e a
dem de diversas marcas em latas menores $g a dza
a l,3ooi rs. Massas par sopa, taJharim e macarrao a
dem de Lisboa de qnalidade especial em la- 4gg rs a |Dra
tas grandes e pequeas a 3,ooo el,5oo rs. Ul>m fin'Sf eslielinlia e pevide, caixinlia
Bolacliinhas americanas, a 3,ooo rs. a barrica; com g bras a 15G00.
e 2oo rs. a libra.
Banha de porco a 4to rs. a libra, e em barril
a 4oo rs.
Baldes americanos muito proprios para com-
pras a l.ooo rs.
Cha huxym, hysson e perola a 3,ooo, 2,8oo,
2,5oo, 2,ooo e l,6oo rs.
dem preto a 2,ooo, 1,6oo e 1 ,ooo rs. alibra.
Chanpagne a melhor do mercado a 12,ooo o
gigoe a l,2oo rs. a garrafa.
Chocolate francez pnmeira qualidade a I ,loo
rs. a libra,
dem hespanhol a l,2oo rs. a libra.
dem suisso a l.ooo rs. a libra.
Cerveja branca marca Allsopps a 4,5oo rs. a
duzia, e a 4oo rs. a garrafa.
Nozes a 16o rs. a libra.
l'c xe preparado de escabeche, da melhor
qualidade que lera vindo ao mercado, a
I .-> a lata.
Presunto de lamego muito superior a 480
rs. a libra,
dem para fiambre (inglez) a 640 ris a
libra,
dem americano a 400 rs. a libra.
Papel almaco a 3,5000 a resma.
Id;m de peso a 25 a resma.
Palitos para dentes a 160 rs. o maco.
Dito dito de flor a 200 rs.
Ditos do gaz a 25200 a groza
Passas novas a 480 rs. a libra e a 15800 a
caixa.
Cognac inglez a 04o rs a garrafa a 8oo oa.Queyos llamengos do ultimo vapor a 2/5500.
I ()00 rs_ i Dito lundrino a 900 rs. a libra.
Concervas iglezas em frascos grandes a 73o Dito prato a 640 rs. a libra.
rs. o frasco. Sardinhas de Nantes a 320 rs. a lata,
dem francezas de muitas qualidades a 5oo Dita de Lisboa a 610 rs. em late grande.
rs. o frasco e a 5,5oo rs. a duzia. go muito superior a 240 rs. a libra.
Charutos neste genero temos grande sorti- Sal refinado,em potes de vidfo, a 600 rs.
ment tanto da Bahiacomodo Rio de Ja-1 P'e-
neiro a l,6oo, 2,2oo, 2,5oo, 3,ooo e4,ooo Sabo massa a 120, 160, 200 e 240 rs. a
rs. a caixa. '*ra; ,
,., : Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Caf do Cear muito superior a 28o rs. a libra Dit0 ae Santos e 30o rs. a libra.
e a 8,ooo rs. a arroba. Tijolo para limpar facas a 140 rs. cada um.
dem do Rio a 3oo e 28o rs. a libra. i Vassouras americanas a 64o rs, cada urna.
Ceblas a 9oo rs. o molho com mais de loo I(]em 0 Porlo a 400 rS( ^^ uma.
ceblas.
Chouricas e paiosa 72o rs. a libra.
Cevadinha de Franca a 2oo rs. a libra.
Cevada muito nova a 8o rs. a libra.
Copos lapidados a 5 e 6,ooo rs. a duzia.
Doce de goiaba em lates a 4oo rs. a libra,
dem de caj em lates a 320 rs. a libra.
Ervilhas francezas e portuguezas a 5oo e 64o
rs. a lata.
demseccas-a 16o rs. a libra.
Figos de comadre em caixinhas com 8 libras
por 16oo rs.
Farinha do Maranho a 12o rs. a libra.
Farhha de trigo muito superior a 12o rs. a
libra.
Farelo em saceos grandes a 4,ooo rs. o sacco
Genebra ingleza marca gato a l,ooo rs. a gar-
rafa.
dem verdadeira de Hollanda em frascos muito
grandes a 1,2oo rs. o frasco.
dem de Hollanda em frascos pequeos a 5oo
rs. o frasco,
dem de laranja a l.ooo o frasco.
Gonrima do Aracaty a 8o rs. a libra.
Graxa a loo rs. a late e 1. loo a duzia.
Linguas americanas de grande tamanho a Vinho de caj a I 5 a garrafa^
l,ooo cada urna. tem dez annos.
\alas de carnauba e composic5o a 320 rs. a
libra e a 105 a arroba,
dem stearinas superiores a 560 rs. o
maco, e em caixa por menos.
Vinho do Porto, neste geneno temos o me-
lhor sortimento possivel, que vendemos
por precos muito haixos a 10 a garrafa e
a 10/ e I2<5 a duzia.
dem Cherry, e da Madeira em barris e em
caixa, a 120 a caixa e o barril conforme o
tamanho
dem de Figueira e Lisboa, em ancoras de
8 a 9 caadas, por 280000.
Dito em pipa a 30000, 305OO e40ooo a ca-
ada
dem do Porto, denomiuado Baliza, a 50*a
caada.
dem idem em garrafes a 20500, com o
garrafo.
dem de Bordeaux, das melhores marcas que
vem ao mercado, a 60 a caixa o a 640 rs.
a garrafa.
Vinagre de Lisboa a 10600,108oo e 20000 a
caada.
dem idem.em garrafes com o garrafas, por
10 com o garrafo.
Este vinho
Kua da Senzalla n. 42.
Vende-se, em casa de S. P.Johnston C,
sellins e silhoes inglezes, candieiros e casti-
caes bronzeados, lonas iglezas, fio de vela,
chicotes para carros e montara, arreios para
carros de um e dous cavallos, e relogios de
ouro patente inglez.
GAZ GAZ GAZ
por preco rcduzldo.
Vende-se gaz da melhor qualidtde pelo i
pre.o de 100 por late de 5 gales: no ar-
mazem do Caes do Ramos n. 18 e ra do
Trapiche Novo n. 8.
--Pannode alguoao tecido de Mi-
na*, fazenda forte e encorp^da, apro-
priada para o servico da lavoura, qiier
para saceos, quer para roupa deescra-
vos: grande deposito na praca do Cor-
po Santo, escriploriodc Augusto Frede-
ricod'Olieira.
Venda de lima proprledade im-
portante na villa do Pilar da
provincia de \ lagoa.
O abaixo assignado vende um bello sobrado do
pedra e cal, aonde existe o muito afamado e afre-
guezado estabelecimeulo que vende annualmente
dinheiro a vista rento e cinroenta eontos de reta,
occasio propria para algum Sr. negociante da
praca de Pernambnco fazer a aquisicjio de tiiohoa
pechincha, para eslabeiccer casa lilial, pois com o
lucro que obtiver na fazenda c o lucro no algodo
e assuear cjuc comprar* Ihc lira no primeiro anno
o (obrado forro. O motivo desta venda por ter
de n-tirar-se da provincia o abaixo ossignado, por
falla de saude : quem pretender queira dirigir car-
ti, etc. Pilar, 13 de fevereiro de 1864.
_______Joaquim Jos Ferreira Costa Uibimba.
Feijao feijao feijao.
lina da Madre deDeus ns. 5 e 9.
Vende-se saceos grandes com feijao das seguintes
qualidades : branco, amarcllo, rajado e mulalinhc,
mais barato que em oulra qualquer parte, assim
como sardinhas em barris de 1,200 por 55000, ludo
proprio para tempo de quaresma.____________
Farello a 4 o saece grande : no paleo da
Santa i ruz n. i.junt) a padaria.
45 Ra Direita
Oicam! oivam!!!
45
CALCADO
Bom e novo, a primeira necessidade para a sau-
de e aformosrainento do individuo I
Meu Dos I... que ps de pavao se lobrigam por
essas ras! i|ue figura horrenda e nauseante a
de um palelot bem lalhado sobranceiro a um
guales rodo em duas solas I um balao bem tor-
neado e bambaleante dcscubrindo urna ponta de
botina safara c carcomida! I
Santa barbara!! Corram ra Direil.i, bollas e
rapazes! sacudam na praia esses malditos guedes,
e comprcm :
Borzeguins de Xantes 8000.
Ditos francezes de bezerro 75-
Ditos francezes para homem 55.
Ditos para senhora.de lustre, enfeilados, 55500.
Ditos para senhora, gnspia alta, 45*00.
Botinas de menina 25500.
Ditas de cores para menina 25000.
Sapatocs de Nantes de duas solas 55-
Dilos de sola e vira 15300.
Sapatos de borracha para senhoras 15500
Dilos para meninosl5000-
Sapatos de lustre para senhora 15.
Ditos de tapete para homem e senhora 800 rs.
Ditos da liga constitucional 500 rs.
E um sortimento completo em sola, vaquetas,
couros, bezerro francez como nenhum, couro de
lastre muito grande, e tudoquanto pertence arte
de S. Chrispim.
SALSAPAERILHA
UNIO
MERCANTIL
nomt
RA A CADEIA 1IO RUC1FE I. 53.
NOVO E
GEA1TDE B1Z2<1 DB MOLHADOS
RA II V iM.IIJKI A 1IO HB:< 11 i: V, 53.
Francisco Fernandes Duarle acaba de abrir na ra da Cadeia do liecifen. 53, um grande e sortido armazem de molhadcs de-
nado luio Mercantil. Neste grande armazem encontrarsempre o respeilavel jublco um completo sortimento dos nie.ores
gneros que vem ao mercado, lauto esirangeiros, como nacionaes, os quaes sero vendidos em porces ou a retalho por precos assi
commodos. r r r ^^
Manteiga ingleza especialmenU escolhida Vinagre de Lisboa a 200 rs. a garrafa e
i)J200 a caada.
Azeite doce refinado em garrafas brancas a
800 rs.
Azeite doce de Lisboa a 640 rs. a garrafa e
4,5800 a caada.
de primeira qualidade a 800 rs. a libra,
em barrH se faz abatmento.
Manteiga franceza a mais superior do mer-
cado a 5(i0 rs. a libra, e 520 n. em barril
ou meio.
Prezuntos inglezes para fiambre, de superior Genebra de Hollanda a 500 rs. o frasco e
qualidade, chegados neste ultimo vapor, a 50800 a frasqueira.
DE BRISTOL.
As curas milagrosas de
ESC flO F VMtS,
chacas a:\tigas,
ENFERMIDADE3 SYPHILITICAS,
Erysipclas. Rheumatismo,
Nevralgias, Esjorbuto,
ele., ec.,
efe..
., vir;.,
que tein gnuigeado e dado o alto re-
lime a
Salsaparrilha de Bristol
por todas imites do universo, silo to
Bornate devidas ;i
nica Legitima o Original
SALSAPAKRILHA BE BRISTOL,
PREPARADA KXCUS'VAMEME VOlt
LV\MA\ &. KEVr DE SOYA YORK,
MkdianU a rea lia do />,-. C.C. Bristol.
venda as boticas de Caors & Barboza,
ra da Cruz, e Joo da C. Bravo C, ra
da Madre de'Deos.
720 rs. a libra.
Queijos llamengos chegados neste ultimo
vapor a 26800.
Queijo prato muito fresco e novo a 640 rs.
a libra.
Castanbas muito novas a 120 rs. a libra e
e 3(5000 a arroba.
Cha uxin o melhor que ha neste genero,
mandado vr de co'nta propria a 20800
rs. a libra.
Cha hyson muito superior a 2)5530 rs. a li-
bra ; cha hyson proprio par; negocio a
4(5500 rs. a libra.
Cha preto muito superior a 23 a libra.
Biscoutos inglezes em latas com diflerenles
qualidades, como sejam craknel, victoria,
piquelez, soda, captain, seed, bornez e
oulras muitas marcas a l:i*i(.
Bolachnha de soda em latas grrndes a 2(5.
Figos em caixinhas hermticamente lacra-
das, muito proprias para mimo a 1(5500.
Caixinhas de 4 a 8 libras de figos de coma-
dre a 1(5 e2<5 cada urna.
Passas muito novas, chegadas neste ultimo
vapor a SO'J rs. a libra e 3(5 im quarto ;
e em caixa se faz abatmento.
Ameixas francezas em latas de rreia a 3 li-
bras a 800 rs.
Champagne da marca mais superior que
tem vindo ao nosso mercado a 18lo gigo,
garanle-se a superior qualidade.
Vinho Bordeaux das melhores qualidades
Caixinhas com ameixas francezas, ornadas
com ricas eslampas na caixa exterior,
muito proprias para mimo, a 1>20", 1(5500
e2,5.
Frasco de vidro dtm lampa do mesmo, con-
tendo meia libra de ameixas francezas, a
1,5200.
Marmelada imperial, dos melhores conser-
vemos de Lisboa, em latas de I e meia a
2 libras a GOO rs a libra.
Fructas em calda das melhores qualidades
que ha em Portugal em latas hermtica-
mente lacradas a 300 rs.
Peras seccas muito novas a G40 rs. a libra.
Nozes muito novas a ICO rs. a libra.
Amendoasde casca molle a 400 rs. a libra.
Avelas muito novas a 200 rs a libra.
Amendoas confeitadas de diversas cores a
800 rs. a libra.
Magas e peras chegadas neste ultimo vapor,
muito perfeitas, s vista se faz o prego.
Conservas iglezas em frascos grandes a 750
rs. cada um.
Ervilhas francezas e portuguezas em latas de
1 libra a G40 rs.
Ervilhas seccas muito novas a 1G0 rs. a
libra.
Chocolate francez, o que ha de melhor neste
genero, a L5200 a libra.
Chocolate hespanhol a 15200 a libra.
Genebra de laranja em frascos grandes a 19.
Os precisos fallieres pa-
ra crian cas.
Chegarara c aeham-se venda na ra do Quei-
mado, toja d'aguiabranra n. 8.
Laziulias modernas do l'avao.
Vendem-se as mais lindas laazinhas de una s
cor e com quadrtnhos, chegadas pelo ultimo vapor,
pelo barato preo de aOOrs. ocovado, ditas et^cos-
sezas c ditas transparentes : s ua loja do Pavao,
ra da Imperatriz n. (, de Gama. & Silva.
As'calcas pelas do 1'aTo.
Vendem-se calcas de easemira preta muito bem
fetas a :>&, 5oOb, G, 7 e 85, paletots de panno
preto. pceos, a 7& ditos sobrecasacos a it$, 165,
20 e 2S#i rolletes de easemira preta e de cor a
'i,5'iOO e '5, cateas de brim de linho pardo e de
cores a 25300 e 3.3, ditas a 5, lilas de caxemira
da scossia a 35. ditas de meia easemira a ."5"oo.
isto para apurar diuheiro : na loja do Pavao, ra
da Imperatriz n. 00, de Gama & Silva.
Chapos de sol do Pavo.
Vendem se muito bons chapeos de sol de seda
com aspas de balea, pelo barato prego de 6 e 75,
ditos marquezinhas para senhora a o00, albur
nos de borracha para chuva, colarinhos de papel :
> na loja do Pavao, ra da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Algodaozinbo com toque.
Vendem-se pegas de algodaozinho com pequeo
toque de avaria, pelo baratlssimo prego de 4 e 85:
na loja do Pavo, ra da Imperatriz 60, de Ga-
ma Silva.
As casimiras do Pavo.
Vendem-se linis>imas casemiras enflatadas de
urna s cor e com me.^cla, proprias para capas de
senhoras, roupas para homens e meninos, pelo ba-
rato prego de 35400 o covado : na loja do Pavao,
ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
As chitas do Pavo.
Vendem-se chilas claras e escuras, pelo barato
prego de 240 e 280 rs., ditas francezas a 300 rs.,
320, 360, 400 e 'OO rs. o covado, fuslo branco
para roupa de meninos a 400 rs., ditos de cor a
890, laazinhas escossezas a 400 rs., ditas pretas
para luto a 200 rs. o covado : s na leja do Pavo,
ra da Imperatriz n. 60, de Gama i Silva.
Os grosdenaples do Pavo.
Vende-se grosdenaple preto, muito boa fazenda,
a 15600, 15800, 25, 25U0 e 35, sarja preta hes-
Saullla a 25, mourantique preto muito superior a
5000 o covado : s na loja do Pavo, ru da Im-
peratriz n. 60.
Para lule vende o pavo.
Vende-se setim da China, sendo urna fazenda to-
da de brim sem lustro, com 6 palmos de largura,
muito leve, propria para vestidos, capas, e roupa
para homens e meninos, pelo barato prego de 25200
e 25*00 o covado : na loja do Pavo, ra da Im-
peratriz n. 60, de Gama S Silva.
Chales para luto vende o Pavo.
. Vendem-se diales prelos proprios para luto, ri-
camente bordados : s na loja do Pavo, ra da
Imueratriz n. 60, de Gama \ Silva.
que se pode desejar de 7(5300 a 85000 a Cerveja branca e preta das melhores marcas
caixa e 720 a 800 rs. a garrafa. a no mei cado a 500 rs. a garrafa e
Caxascom vinho do Porto superior de 9& 5*800 a duzia.
a 10 a duzia, e 900 al 5 a garrafa; deste Cognac inglez de superior qualidade a 800
genero ha grande porgaoe de differentesl e 15200a garrafa.
marcas -acreditadas que j se venderam
por 149e 155 a caixa, como sejam: Duque
do Porto, Lagrimas do Douro, D. Luiz,
Cames, Madeira secco, Carcavellos, Nc-
tar de 1833, Duque Genuino.
Vinho de pipa: Porto, Figueira e Lisboa, a
Licores francezes das seguinles qualidades:
Anzele de Bordeaux, Plaisir des Dames
e de outras muitas m?rcasa 15 a garrafa
e 105 a caixa.
Marrasquino de Zara a 800 rs. a garrafa e
95 a duzia.
400,480 560 rs. a garrafa, e 35, 35200, Mostarda ingleza em potes j preparada a
e 35500 a caada. 400 rs.
Vinho branco de superior qualidade, vindo Mostarda ingleza em p, em frascos grandes,
j engarrafado a 640 rs. a garrafa e a 500
rs. de barril.
a 15 cada um.
Sal refinado a 500 rs. o pote.
Sardinhas de Nantes a 340 rs. o quarto e 560
rs. meia lata.
Latas com pexe em posta : savel, corvina,
vezugo, cherne, linguado, lagostioba, a
15300 rs.
Salmio em latas, preparado pela nova arte
de coznha, a 800 rs.
Maga de tomates em latas de 1 libra a 000
ris.
Chouricas e paiosem latas de 8 emeia libra
por 75-
Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra e
85G00 a arroba.
Bolaxinha ingleza a 320 rs a libra e 45 a
barrica.
Sag muito novo a 240 rs. a libra.
Cevadinha de Franga a 200 rs. a libra.
Farinha do Maranho a 120 rs. a libra.
Araruta verdadeira a 320 rs. a libra.
Cevada a 120 rs. a libra e H a arroba.
Alpistaa 160 rs. a libra e 45800 a arroba-
Batatas muito novas em gigos com 40 libras
por 15500.
Cebollas a 15 o molho com mais de 100 ca-
da um.
Caf lavado de primeira qualidade a 300 rs.
a libra e 95 a arroba.
Caf do Cear muito superior a 280 rs. a ii-
bra e 85400 a arroba.
Caf do Bio, proprio para negocio, a 85.
Arroz do Maranho a 100 rs. a libra e 25800
a arroba.
Arroz de Java a 8 rs. a libra e 25400 a
arroba.
Vellas de spermaceti a 560 rs. a libra e
540 rs. se for em caixa.
Vellas de carnauba refinada a 320 rs. o mas-
so e a 95 a arroba.
Doce de goiaba a 640 rs. o caixo.
Macarrao, talharim e aletria a 480 rs. a li-
bra ; em caixa se faz abatmento.
Eslrellinha, pevide e arroz de massa para sopa
a 600 rs. a libra e 35 a caixa com 6 libras.
Palitos de dente lixados com flor a 200 rs.
omasso, ditos lixados sem flor a IGO rs.
o masso com 20 massnhos.
Gomma de engommar muito fina a 80rs. a.
libra.
Banha de porco refinada a 480 rs. a libra e
400 rs. em barril pequeo.
Charutos dos melhores fabricantes de S. F-
lix, em caixas inteiras ou em meias, de
15600, 25 e 35.
Presuntos do reino, viudos de corita prrpria
de casa particular,a 400 rs. a libra; iutei-
ro se faz abatmento.
Os senliores que comprarem de 1005000 para cima, tero o descont de 5 por cenlo, pelo prompto pagamento.
CLARIS!
GOMMERC
RIJA llO QUEnJLMNl X. 45,
Pausando o becco da Congregado segunda casa.
' wmim
NOF1DADE.
Pereira Bocha onde o respeitavel publico encontrar sempre um completo sortimento dos melhores gneros que vem ao nosso mercado, osqiutes
sero vendidos por precos muito resumidos como o respeitavel publico ver pela tabella abaixo mencionada ; garante-se o bom poso
e boa qualidade dos gneros comprados neste armazem.
Arroz do Maranho, da India e Java a 80 e
100 rs. a libra e 25400 a 25800 rs. a ar-
roba.
Ameixas francezas em latas e em frascos a
15200 e 15600 ecmfraseof grandes a
25500.
Idom em caixinhas elegantemente enfeitadas
Chourifas c paios muito novos a 800 rs. a. Palitos do gaz a 25200 rs. a grosa.
libra. (Passas muito novas a 480 rs. a libra.
Cevadinha de Franca muito superior a 220 Peras seccas muito novas a 600 rs. a libia.
rs. a libra. Painco a 200 rs. a libra.
Cevada a 80 rs. a libra. Polvo secco muito novo a 400 rs. a lili j.
Ervilhas portuguezas a 640 rs. a lata. Presuntos de Lamego em calda de w
. dem seccas muito novas a 200 rs. a libra.! muito novo a 640 rs.
com ricas estampas no interior das caixas: Figos de comadre e do Douro em caixinhas Queijos llamengos do ultimo vapor a 2 100
a 125000,15400, 16600 e 25- 'de oito libras e canastrinhas de 1 arroba a ris.
Amendoas com casca muito novas a 280 rs. 15800, 5*500 e 280 rs. a libra. dem prato a 640 rs. a libra.
a libra. Farinha do Maranho a 120 rs. alibra. Sal refinado em frascas de vidro a 600 rs.
Alpisla a ICO rs. a libra e a 45000 rs. a ar- Farinha de trigo a 120 rs. a libra. | cada um.
roba. Genebra de Ilullanda verdadeira marca VD Sardinhas de Nantes a 32' rs.
Azeite doce francez muito fino em garrafas a 560 rs. o frasco e 65200 rs. a frasquei- Sag muito alvo c novo a 2G0 rs. a libra.
grandes a 9G0 rs. a garrafa. | ra. Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra,
dem de Lisboa a 640 rs. a garrafa. dem em garrafes de 3 e 5 gales a 55500 lijlos de limpar facas a 140 rs.
Araruta verdadeira de matarana a 320 rs. a e 75500 cada um com o garrafo. Vellas de carnauba pura ;
libra.
a
om cavalo.
Vende-se um bonito c bom cavallo do
sella muito gordo, por prego razoavel :
para ver na cocheira do Sr. Paulino e
tratar na loja da ra do Crespo n. 1, jun-
to ao arco do Sanio Antonio.
fflKJ
i\
>I o
Chapeos de castor preto. fazenda lina, por 75000
cada um : na ra do Queimado n. 49, esquina que '
volta para a Coogregaeao ; estao-se acabando.
Milito a 3$ a saeta
e 160 rs. a cuia : no pateo do Paraizo n. 16, oitao
para a ra da Florentina._______________
Vendem-se duas rasas terreas boas sendo
una na Boa-Vistetm Velha n. 4 e mitra na ra
do Aragao : quem as pretender dirija-so ;i ra da
Imperainz loja de Duendas n. 74, que o dono dcl-
la est habilitado para fazer Begoefe.
Avelas muito grandes e novas a 180 rs.
libra.
Batatas muito novas a 40 rs.
Biscoutos inglezes de diversa; marcas a
15300 res.
Bolacliinhas de soda, latas grandes, a 25 rs.
a lata.
Ditas iglezas muito novas a 35000 a barri-
quinba c a 200 rs. a libra.
Banha de porco refinada a 440 rs. a libra e
e em barril a 4(0 rs.
Cha hysson, bochn e perola a 15C0O, 25,
25*>0O, 25800 e 35000 a libra,
dem preto muito superior a 2000 rs. a li-
bra.
Cerveja preta e branca, das melhores marcas
Gomma do Arcatv a 80 rs. a libra. bra.
Graixa a 100 rs. a lata e 15100 rs. a duzia. dem stearinas muito superiores a GOO rs. a
Grao de bico a 150 rs. a libra.
Licores muito finos a 700 rs. a garrafa.
dem, qualidade especial e garrafas muito
grandes, a I.->800 rs. a garrafa.
dem garrafas mais pequeas a 800 rs.
dem, garrafa forma de pera e rolha de vi
dro, a I5O0O rs., s a garrafa vale o di-
nheiro.
libra.
Vinho do Porto engarrafado o melhor que
ha neste genero c de varias marcas, cerno
sejam: Velho de 1815, Duque do Poito,
Madeira, Pedro, D. Luiz I, Maria Pia,
Bocage, Chamisso e outros a 800, 900 e
15000 a garrafa, e em caixa com urna du-
zia a 95000 e 105000.
Manteica ingleza perfeitamente fir, desem- dem em pipa, Porlo, Lisboa e Figueira a
._j V______ .. OAA .. .r.l----- J O lOA KV\ o Klin M nwnfl n 5 AKOfl
barcada de puuco a 800 rs. a libra, e de 8
libras para cima se far urna differenca.
dem france/a muito nova a 5G0 rs. a libra,
e em barril ter abatmento.
Massa de tomates em barril a 480 rs. a li-
bra.
que vem ao mercado, a 500 -s. a garrafa dem em lata a G40 rs.
1 ...,.>r. J__:- U,_____l..l UuJ.I ^
e 55800 a duzia.
Cognac inglez fino a 900 rs. a garrafa.
Conservas a 720 rs. o frasco,
dem, s de pepino, a 720 rs.
dem, s de azeitonas, a 750 rs.
Marmelada imperial dos melhores coiscrve-
ros de Lisboa a 600 rs. a lata.
Marrasquinho de Zara, frascos grandes, a
800 rs.
dem reular a 500 rs.
Vende-se urna negrinha de 6 anuos de idade
e um moleque de 8 pan 9 anuos, todos de bonitas ,
figuras: na ra Nova n. 49, junto a igreja da Con-1
ccigao dos Militares. i
Charutos dos melhores fabricantes da Babia; Massas para sopa : macarrao, talharim e ale-
e especialmente da fabrica mperal del tria a 480 rs.
Candido Ferreira Jorge da Co.- ta, a 15800, Nozes muito novas a 160 rs. a libra.
25000, 252OO, 25500, 25800, 35000 e! Peixe em latas preparado pela primeira arte
35500 a caixa. de co/.inha a 15 rs. a lata.
Caf do Bio muito superior a 260, 280 e Palitos de dentes a IGO rs. o masso.
300 rs. a libra e 75500, 85 5 85500 rs. a i Palitos de denles a 120 rs.
arroba. I dem de flor, a 200 rs.
480, 500 e 560 rs. a garrafa e 35, 35500
6 45 a caada,
dem branco de Lisboa muito fino a 500 rs.
a garrafa,
dem de Bordeaux, Medoc e S. Julien a 700
e 800 rs. a garrafa, c 75000 e 75500 rs.
a duzia.
demMorgaux cChateaulum'mide 1851, a 15
a garrafa,
dem moscatel a 800 rs. a garrafa.
Vinagre de Lisboa a 200 rs, a garrafa e
I >200 rs. a caada.
Kirsk garrafas muito grandes a 15800 rs.
Alm dos gneros cima mencionados te-
mos grande porcoo de outros que deixattos
de mencionar, e que ludo ser vendido por
pecas c carnadas, tanto em porcots como
retalho.
Quem comprar de 1005000 para cima te-
r o abate de 5 por cento.
i


MaiMM
.... p
. ;,


Diario de PernamHnco 4|nlnta elra 3 de Mareo de 14111.
ATTENCAO
9 IiAKGiO llO (V iaO 9
GRANDE SORTIMENTO
DE

PARA A FESTA.
DARTE & C.
Participara aps seus numerosos fregueses e ao publico em geral que acabam de
recatar de sua propria encommenda, o mis lindo e completo sortimento de molhados,
s quaes vendem por-i^-osso e a retamo por menos 10 por cento do que outro qualquer
annunciante, como vero pela seguinte tabella que abaixo notamos, garantindo os mes-
mo proprietarios nao s o peso como a qualidade de seus gneros.
AVISO.
Todos os seahores que comprarem para negocio ou casa particular de 1005 para
cima tero mais 5 a 10 por cento de abatimento, os proprietarios scientificam mais que
tu l k os seus gneros s receidos de sua propria encommenda, razo esta para pode
fSnder por milito menos do que outro qualquer estabelecimento.
Manteiga ingieza flor a 8oo rs. a fibra. I Vellas de carnauba e composic^o de 32o a
CftStannas muito novas a 2,ooo rs. a caixa, e j 36o rs. a libra e de lo.ooo a H.ooo rs. a
a 16o rs. a libra. arroba.
UNIO
COMMERCIO.
Defi-one da loja do Preguiea.
DlTAltTE AT/MEIIM.
acaba de abrir o seu grande e sortido armazem de molhados denomi lado Unido e Com-
mercto. Este grande armazem um dos mais bem montados que temos em nossa praca,
ao s em limpeza e aceio, como as qualidades especiaes de seus gneros. G proprie
ario do Unio e Cotnmercio offerece todos os senliores da praca. sonhores de engenho
e lavradores a seguinte tabella, por onde vero a grande economa que lhe resulta em
comprarem em to til estabelecimento, a Raneando o mesmo todo e qualquer genero
sabido de seu armazem.
Bollinho francez em latas e caixinhas asmis
delicadas que tem vindo ao nosso merca-
do de Too a 2,5oo rs. a caixinha.
Manteiga ingieza perfeitaraente flor, mandada
vir de conta propria, a 7oo a 8oo rs, a
libra.
dem franceza chegada pelo ultimo navio a
56o rs. a libra, e ein barril lera abatimen-
to.
dem ingieza em potes de 4 a 16 libras a
8oo rs, a libra e o pote separado,
Cha uxim o melhor neste genero, mandado
vir de conta propria a 2,8oo rs, a libra.
dem hysson, grande, muito bom a 2,too rs.
Erva-doce a 5oo rs. a lirra.
Champanha de 20 a 22,(oo o gigo.
Palitos do gaz a 2,3oo rs. a groza e 2o rs. a
caixinha.
Milho alpista a 16o rs. a libra.
Cominho muito novo a 4oo rs. a libra, e
comprando de 8libr= para cima a 32o rs.
Gomma muito alva para engommar a 8o rs.
a libra, e em arroba >e far abatimento,
Sag muito novo a 28o rs. a libra.
Sabo verdadeiro hespar bol* que raras vezes
vem ao nosso mercado a 28o rs. a libra
Vinho branco o melhor neste genero a 8oo rs
a garrafa e 4,3oo rs.; caada.
ATTENCAO
AOS
DO
PROGRESISTA
RIJA HAS CftlTZES tf. 36
E
BA DO CRESPO N. 9
No fealrro de Manto Antonio.
Joaquina los Gomes de Somza tem a honra de participar ao respei-
tavel publico, que tem resorvido vender os sens gneros de primeira qualidade por menos
10 a 20 por cento do que outro qualquer annunciar, como se v do presente annuncio,
asseverando o proprietario d'estes armazens a aquellas pessoas que frequentarem estes
estabeleeimentos, que nanea tero occasi5o de reclamar qualquer genero, visto ter-se
adoptado n'estas casas o ptimo svstema de s se negociar com gneros especialmente es-
collados.
Bolinho francez e em caixinhas de 7oo a
I,Soo rs. cada urna.
dem franceza a mais nova do mercado a 56o
rs. a libra, e 5io rs. em barril.
dem de porco refinada muito aba 46o rs.
a hbra.
i oto para fianbre a 8oo rs. a libra.
Cha uxim miudinho vinJo da conta propria,
o melhor do mercado a 2,8oo rs. a libia,
dem hyson de superior qualidade a 2,6oo rs.
t libra.
lcL> a pen>Ia o melhor que se pode desojar a
2,7oo rs. a libra,
dem preto muito fino a 2,5oo rs. a libra.
dem m lis baixo powco a 2,ooo rs. a libra,
dem mais baixo a l,8oo rs. a libra.
Genebra de flollanda em botijas de conta a
410 rs. a botija, e em duzia ou em barrica
ter abatimento.
Massas para sopa macarro, talharim e aletria
a 48o rs. a libra e em caixa ter abati-
mento.
dem estrellinha, rodinha e pevide em caixi-
nhas de 8 libras, muito bem enfeitadas de
2,Soo a 3,5oo rs. a caixinha e a 6oo rs. a
libra.
Boce de goiaba em caixas de diversos taa-
nnos de 6oo a l.ooo rs. o caixo
Sabo massa de 2oo a 24o rs. o melhor, em
caixa ter abatimento.
dem hespanhol a 28o rs. a libra.
Peixe em latas muito novo ; savel, pescada,
a libra. dem Bordeaux de difiere ntes marcas, garan-
Idem preto muito fino, a 2.6oo rs, a libra. te-se a qualidade, a 8.000 rs. a caixa com
dem preto, mais baixo, a 2,ooo rs, a libra. urna duzia, e a 7oo rs. a garrafa,
dem, verde, miudinho, mais proprio para Garrames com 5 garrafas de vinho do Porto
negocio, a l,5oo rs, a libra. do Alto Douro a 2,2oo rs. com o garrafo.
Banha de porco refinada muito alva a 46o dem com 5 garrafas de rinho Figueira, mais
rs, a libra, e em barril se far abatimento. proprio para a nossa estacao por ser mais
Biscoitos inglezes das seguintes marcas; fresco a 2,4oo rs. com o garrafo.
Craknel, Soda, Ceede, Captain, Travellies. dem com 5 garrafas de vinagre a 1,2oo rs.
Lunch, Cabin, e outras nimias marcas, a
l,4oo rs, a lata.
CHA
hysson, uxim e perola a 2 400, 2,600 o
2,800 rs. a libra.
CAF
muito superior, do Rio'e do Cear a 8,000
e 8,400 a araoba e 300 rs. a libra.
VINHO
de Lisboa e da Figueira a 3,500 e 4,000 a
a caada,
do Porto engarrafado de diversas marcas a
1.000 rs. a garrafa.
Bordeaux de diversas qualidades a 7,000,
8,000, 9,000 e 100 a duzia.
CHAMPANHE
CONSERVAS
inglezas a 8,300 a duzia e 760 rs. o frasco.
SAL REFINADO
em frascos de vidro com tres libras a 600 rs.
PEIXE
em latas emticamente lacradas a 1,000
rs. cada urna.
PORVOS
do Porto muito bem conservados a 500 rs.
a libra.
MUSTARDA
preparada muito nova a 400 rs. o frasco.
MARMELADA
dos melhores mnserveiros a 640 rs. a libra.
ESPERMACETE
corvina, salmo e outras militas qualidades
Vinho do Alto Douro vindo do Porto engar- preparada de escabeche 2 a arte de cosi-
ralado g.irante-se a supenondade deste vi- nha je { 90Q a \ t^00 rs. a iata.
nho, das seguirte* marcas : Duque, Ge- Figos e caixa de I arroba, 'e 8 libras
natno, Tena secco, especial lagrimas do- a 8,00o i.ooo e 2,000 rs. a caixinha.
te 1819, Ytnho especial D Pedro V., Barrs je vin|10 ranco je qunt0> marca B
vinho velbo, Nctar superior de 1833, Da- & Flho a 0)000 rs. 0 barri[.
lo Porto de 1834, vinho do Porto ve- Marmelada imperial dos m Ihores conservei-
Ino superior, madeira secca de supenor j ros ,je LisDoa a 4o rs a l :lnhade 1 libra,
q audade, vinho do Porto superior D. Lu- ua i,tas ,ie \ < j e 2 libras
iz Io le 1817, lagrimas do Douro espe-|Massa (le lomatt! em latas domadas de 1 libra
cial, vinho do Porto de 1,00o a l,2oo rs.
a garrafa e de lo.ooo a 14,000 rs. a caixa
Q urna duzia.
Bolachinha de soda especial encommenda e a
mais nova que ha no mercado a 2,2oo rs. a
lata.
a 61o rs. a lata.
Ameixas francezas em caixinhas elegante-
mente enfeitadas de 1.5oo a 3,ooo rs. a
caixinha, tambem ha latas de 1 '/* a 6 li-
bras de l,2oo a i,5oo rs. a lata.
dem em frascos com tampa de rosca a l,6oo
B>scortos inglezes das melhores marcas em rs_ 0 frasco.
libras a l,3oo rs. a lata. Chocolate portugus, hespanhol, francez e
suisso a l,2(io rs. a libra.
Ideu inglezes craknel em latas de 5 e 7 libras
de 5,000 a G.ooo rs. a lat, e em libra a
800 rs.
Queijos do reino chegados pelo ultimo vapor
a S.Soo re. rada um.
: prto a 7oo rs. a libra.
Conservas inglezas das seguintes marcase
Mixde-Picles e cebollas simples a 75o rs
o frasco.
Ancorctas de vinho colares a 5o,ooo rs., e
a 72o i's. a garra f
em pipa das mais acreditadas marcas .Sardinhas de Nantes a 32o rs. a latinha.
ni s.'jaiiiBA F., PRR, JAA, outras; Charutos das mais acreditadas marcas de
nanitas marcas, Porto, Lisb"a e Figueira; | 2,5oo a 4,000 rs. a caixa.
de 18o, 000, 060, 6io e 800, rs., e o do' Champagnhe a melhor do mercado de 12.000
Porto fino em garrafa, e em es nada a. a24,ooors. ogigo.ede l,2ooa2,ooors. a
3,000, 3,5oo, 4,000 e 6,5oo rs. o melhor garrafa.
Pape! greve pautado ou liso a 3,50o rs. a res-
ma,
dem de peso pautado ou lizo de 3,5oo a
4,000 rs. a resma.
a 80 rs. a libra,
o a 2oo rs. a li-
bra.
duzia.
Vasos inglezes de 4 a 16 libras vasios, muito
proprio para deposito de doce manteiga
ou outro qualquer liquido de l,ooo a
3,ooo rs. cada um.
Licores das melhores marcas e mais finos
a 1.000 rs. a garrafa e em caixa ter abati-
mento.
Cognac verdadeiro inglez a 9oo rs. a garrafa
do Porto.
dem Bitrdoaux das mais acreditadas marcas
a 7oo rs. a garrafa, e a 8,000 rs. a caixa.
Girrafis com 5 garrafas de superior vinho! r^""u'a'* ,KUd\ ,
-i I'.-rto n 2,2oo rs. com o gaYrafo. :0.rarna, ,t0 fina e fa "
D 5 garrafa de vinho da Figueira mais Milho alpista e pamso de Ib
proprio para a nossa estacao por str mais' n ... a a a
fresco a 2, loo rs. com o garrafo. M\^ az a '2o rs- a &rosa e 2o rs"
dem com 5 garrafas de vinagre a l,2oo rs.
com o garrafo.
Vinho branco o mais superior que vem ao
nosso mercado a 56o rs. a garrafa, e a
i.iioors. a caada.
Velas de esparmacate as melhores neste ge-
D0TO de 56o a O lo r>. o maco, eem cai-
xa tura grande abatimento por haver
* por*. i e lo,5oo rs. a caixa.
Azeitc doce em barril muito fino a 61o rs. Chourieas as mais frescas do mercado a 800
a garrafa e 4,800 a caada. rs a libra,
dem francez refinado a 800 rs. a garrafa. Genebra de laranja em frascos grandes a
Ervilhas francezas epurtuguezas a 64o rs. al l,ooo rs. o frasco.
lata. Sorreja das mais acreditadas marcas de
B 'las eom doces seceos de Lisboa de 3oo ] 5,5oo a 6,5oo a du/.ia e de mais a Soo rs.
a 3,oO rs. cada urna. a garrafa.
Toucinho deLisboa a 3oo rs. a libra, e a' dem em botijas e meia?, sendo preta da
9,ooo js. a arroba. muito creditada marca T de 6,5oo a 7,8oo
muito novas a 16o rs. a libra e 4,8oo rs. a duzia.
rs. a arroba. Ceblas em molhos grandes a 800 o molho
Cit de 1.a, 2.a e 36o rs. a libra, do Cear de7,8oo, 8,600, Pimonta do reino a 34o rs. a libra.
e 9.2oo rs. a arroba do melhor. Farinha do Maranho a 1 lo rs. a libra.
Airo/, da India, Java eMaranho de 2,800 a Tijob para limpar facas a !6o rs. cada um.
3,ooo a arroba, e de 80 a loo rs. a libra.' Cominho a loo rs. a libra.
is muito novas a 8,5oo a caixa e Soo Erva doce a libra.
a libra, ha caixas meias e quartos. Canella a 1,00o rs. a libra.
Stvadinha de Franca a 21o rs. a libra. Ratitas a l.ooors. o gigo com 32 libras liqui-
Sg muito novo a 28o rs. a libra. das e 3,000 rs. a caixa de duas arrobas.
Bolachinha de sdo, especial encommenda, a
2.200 rs, a lata.
Biscoito inglez Craknel em latas de 5> 7 e 15
libras a 5,ooo e 6,000 rs, e de l,2oo a
800 rs, a libra.
Queijos do reino pelo baratissimo prego de
l,6oo, l,8oo e 3,ooo rs os do ultimo
vapor,
dem prato muito fresco a 64o rs, a libra.
dem londrino muito fresco a 800 rs, a libra.
Vinhos empipa: Porto, Figueira eLisboa, a
48o, 56o, e 64o rs, a garrafa, e de 3,ooo a
l.ooo rs, a caada.
Marmelada imperial dos melhores conservei-
ros de Lisboa era latas de 1 e mais libras
a 7oo rs, a libra.
Peras secaas era caixinhas de 4,000 a 2,ooo
rs. cada urna.
Figos em caixinhas de 1 V* arroba e de 8 li-
bras a 8,000,4,ooo, e 2,000 rs, e a 3uo rs.
a libra, taambem ha serinhas para men
nos a 60 rs. cada urna.
Amendoas de casca mole a 36o rs, a libra, e
em arroba ter abatimento.
Sardinhas de Nantes a 32o rs, a latinha.
Toucinho de Lisboa muito novo a Soo rs, a
libra e em arroba a 9,ooo rs.
Massa de tomates a 64o rs, a libra.
Pimenla do reino a 34o rs, a libra,
Farinha do Maranho a 14o rs, a libra.
Ceblas a 800 rs. o molho, 64o rs. o cento
e 6,Soo a caixa.
Tijollo para Impar facas a 10o rs,
Ceneja das mais acreditadas marcas,de 5,000
a 7,5oo a duzia, e de Soo a 6eo rs, a gar-
rafa,
Prezunto para fiambre muito fresco e novo
a 800 rs. a libra,
Genebra de laranja a 1,00o rs, o frasco,
Chourieas as mais frescas do mercado a 800
rs. a libra.
Cognac verdadeiro inglez a 9oo rs. a garrafa,
e lo.Soo rs. a caixa cora urna duzia,
Licores francez.es e portuguezes de todas as
marcas de lo.ooo a 15,ooors. a duzia.
Passas muito novas a Soo rs. a libra e a 8,5oo
rs. a caixa. Ha caixas, meias e quartos.
Batatas a l,ooo rs. o gigo com 38 libras e
2,080 a caixa com duas arrobas cadauma.
Bocetas com doces seceos de 3,ooo a 3,5oo
rs. cada urna.
Bolachinha ingieza a 32o rs. a libra,
Azeite francez e portuguez refinado a 800 rs.
a garrafa, e 9,ooo rs. a caixa com urna du-
zia.
Conservas inglezas das seguintes marcas:
Mixed. Pickes, e ceblas simples a 800
rs. o frasco.
Mostarda ingieza preparada em potes a 4oo
rs. o pote.
Nozes muito novas a 160 rs. a libra e 4,8oo
rs. a arroba,
Vasos inglezes vasios de 4 a 16 libras, muito
proprios para deposito de manteiga, doce,
e outro qualquer liquido, de 1,000 a 3,ooo
rs, cada um,
o garrafo,
Sabo massa de superio" qualidade a 18o,
2oo, e 22o rs. a libra do melhor que ha
Graixa em latas muita nova a 12o rs. a lati-
nha, e l,3oo rs. a duda.
Peixe em latas muito no\o: savel, pescada,
curvin, salmo e outras militas qualidades
preparados de escabex?, segundo a arte de
cozinha, de l,2ooa 2,000 rs. a lata.
dem do Alto Douro vindo do Porto engar-
rafado e escolhido pessoalmente por um
des socios que se ada em Portugal, das
seguintes marcas : Duque, Genuino, Ve-
lho secco especial, Lagrimas Doces de
1819, vinho especial 1). Pedro V, vinho
velho. Nctar superior de 1833, Duque do
Poito de 1834, vinho do Porto velho su-
perior, Madeira Secca de superior quali-
dade, vinho do Porto superior D. Luiz I
de 1847, Lagrimas do Douro, especial vi-
nho do Porto, de l.ooo a 1.2oo rs. a gar-
rafa e de lo.ooo a 12,000 rs. a caixa com
urna duzia.
Vassouras americanas a Soors. cada urna.
Velas de spermacete as melhores que ha no
mercado a 56o e 64o rs. o masso, e em
caixa se far um grande abatimento,
dem de carnauba e conposico, de 4oo a
32o rs. a libra, e de lo,ooo rs, a H,5oo
rs. a arroba,
Caf de Ia e 2* sorte de 8.3oo a 8,600 rs. a
arroba, c de 28o a 32o rs. a libra do me-
lhor,
Arroz da India. Maranhn e Carolina a 3,ooo,
2,8oo e 2,4oo rs. a arroba e a loo rs. a
libra.
Frasqueira de genebra a S,8oo rs. e a Soo
rs. o frasco.
Azeite doce em barril mu'to fino, a 64o rs.
a garrafa, e em caada ter abatimento.
Papel greve pautado e iiso a 3,5oo rs. a
resma.
Genebra de Hollanda em botija de conta a
41o rs. a botija.
Passas corinteas a Soo rs. a libra e 12,8oo
rs. a arroba,
Ervilhas franceza e porlugueza a 640 rs. a
lata de urna libra.
Chocolate francez, hespa hol, suisso e por-
tuguez a l.ooo rs. a libra, e a 28o rs. ca-
da pao de urna '/*.
Ameixas francezas em caixinhas elegante-
mente enfeitadas, com diversas estampas
no exterior da caixa de 1,500 a 3,ooo rs.
cada urna; tambem hn frascos e latas de
difterenles tamanhos cue se vendem por
mdico preco.
Massas para sopa: macarro, talharim e ale-
tria a 48o rs. a libra, e em caixa se far
abatimento.
Garrafes com 14 garrafas de genebra de
Hollanda a 5.Soo cada um.
Charutos de todas as mircas c dos melho-
res fabricantes da Bah.a de 3,000 a 4,000
rs. a caixa.
a melhor que temos neste mercado a 20,000 muito superior a 560 rs. a libra, e em caixa
rs. o gigo. a 550 rs.
CHARUTOS
CERVEJA da Bahia a 1,600. 2,200, 3,000 e 4,000 rs.
muito superior a 5,000, 5,500 e 6,000 rs. a a caixa.
duzia- TOUCINHO
GENEBR V mu't0 novo a 9' rs- a arroDa e 300 rs. a
"!lx rraSqUenS a S'30 M0 "" ERVILHAS SECCAS
as mais novas do mercado a 120 rs. a libra.
des^emlas"S\ooOrs.cada: ,, PAL'TOS PARA MES.V
uma- muito bem fetos a 160 rs. o maco.
inglezas em barricas a 4,000 e 240 rs. a VINAGRE
libra. de Lisboa PRR a 210 rs. a garrafa e 1.600
B1SC0UT0S rs. a caada.
em latas de todas as qualidades, a 1,300 rs. AMENDOAS DE CASCA
cada lata.
ARROZ
da India e do Maranho a 2,600 e 8,000 a
arroba e 100 rs. a libra.
CEVADA
muito nova a 2,500 a arroba e 100 rs. a
libra.
GOMMA.
muito superior em saceos cora quatro arro-
bas a 2,000 e 100 rs. a libra.
CASTANHAS
piladas muito novas a 320 rs. a libra.
PASSAS
as mais novas do mercado a 8,000 a caixa e
e 500 rs. a libra.
AMEIXAS
francezas em latas de 1 e Ij2 libra a 1,000
rs. a libra.
SARDINHAS
de Nantes muito novas a 300 rs. a lata.
as mais novas do mercado a 240 rs. a libra.
FARINHA DE ARARUTA
verdadeira e muito nova a 400 rs. a libra e
10,000 rs. a arroba.
ERVA DOCE
muito nova a 300 rs. a libra e 9,000 rs. a
arroba.
COMINHOS
os mais novos e mais superiores a 400 rs. a
libra.
NOZES
muito novas a 160 a libra e 5,000 rs. a ar-
roba.
SAG
o melhor que pode haver neste genero a
20rs. a libra.
MASSA DE TOMATE
em latinhas de 1 libra por 600 rs. a lata.
SARAO MASSA
neste genero ha sempre tm grande sorti-
mento variando o preco de 120 a 210 rs.
por libra.
'MAIS ATTGM^lO
Existe alem d'estes gneros, um explendido sortimento de phosphoros, fumo, al-
pista, peras em calda e seccas. figos, copos finos para agua, massas para sopa, azeite, ca-
nella, pimenta, velas de carnauba, banha de porco, papel, e outros muitos gneros, de es-
tiva, que lodos sero vendidos por mdicos precos.
Tendo o proprietario dos armazens do progressista deliberado nao concordar
com a liga da Unio Commercial, Clarim, Allianca, etc., etc., etc., declara que s con-
corda em alliar-se aos seus freguezes, fazendo com estes urna liga de interesses redprocos4
tesdo os seus alnados a faculdade de comprarem por precos muito em conta o bom fiam-
bre, o formidavel queijo e a stborosa bolachinha de soda, que fazem urna boa allianca
com a superior champanhe e o porto fino, nicos que sabem imitar a unio destes ar-
mazens com os seus concurrentes. Vinde, senhores, ais armazens. aonde podis d'en-
tre um muito explendido sortimento desaborosos alimentos, escolherdes os quemis
vos apetecer, cortos de que nunca tereis occasio de arrepender-vos de gastar o vosso
dinbeiro uestes estabeleeimentos.
MI
cima tero
Todos os senhores que comprarem para negocio ou casa partii ular j05 para
rao mais 5 a 10 por % de abatimento; o proprietario scientilica u?ls que todos
os seus gneros sao recebidos de sua propria encommenda, razo e^ta para poder ven-
der por muito menos do que em outro qualquer estabelecimento.
POR MENOS DE l)EZ POR CrMO.
FARINHA FONTANA.
Farinha da muito acre uta !a marca
Fontana "p-semliarca la boje, vende-se
por preco mais commodo do que em
tfiicilq'iei* nutra parte : na rna da fin/
n. 4 casa de N. 0. Bieber & C sucecs-
re*._____________________
Ls va* de fie I lien
uain 1 iara a loja d'aguia branra, rui do
Qii'ima.lo n. 8,
V ndem-sfe tres casas terreas, sondo anana
ra da Matriz da lina-Vista, com aotilo e grandes
modos, a ijnal toreira, urna na roa do Ivsii-
11, i. Ira na ra do Mondego, com 2 salas,
3 iiotrtos, toda dominada a gaz. copiar, cozinha
fi a, i> unto nm ijuarto, quintal cercado, da OO
pa m do Rindo, no no lendo doos iniartos, ra-
. etl reedificada, e boa compra :
co ivi,! ira lendftntes queiram dirig '-se
rin da Cartw'a, arnatem n. 83,a fallar com o agen-
t Buzebio, que est auiorisado, e omb- sabe
n: eros, a ultimar-se a venda as II horas do da
nirtt-fWra 2 de margo.
%'einlcm-se calides va$ios
i.^OO: nosa ypograplula.
l'enda de ama hypotinca.
Os liquidalarios da massa fallida de
Jos. Aitmtf Basto vcadem a hypothe-
ca que tem nos cntcnlios Nato Gmsao
c Cajabuss no 'ermo tic Scrinhem no
valor de 3I:S3:>$D11 rs.; tratar as
casas a ra do Trapiche a. 3-4.
i iL i!;,N!ll\
Ycndem-sc liarris com cal de-
da hoje, e uuica nova, que ha no
mercado, na na do Trapichen.
13, armazem de .Hanoel Tel&el-
ra laslo.
Ttsouraa de uuimnres pura
uso dos senhores cobelb-ire -
ros e lonistos.
Vendem-se na loja de ferrasen.' n. M na ra da
Cadi.'hmuito superiores c proco comino, do.
CONSERVATIVO
DE
JO.IOli.H NIJlAO l>OS SANTOS
23Largo do Terco-23.
O proprietario deste armazem de molhados vende os seus ja bem conhec dos gneros de pri-
meira qualidade por menos dedez por cento do que em outra qualquer parte, girantrado-se a supe-
rior qualidade.
Rit se diz o preco pa>a nao espantar.
Sabao de diversas qualidades.
ChonricM muito novas.
Arroz de diversos precos.
Si'r.vj.i das nelhores marcas.
Siidinlias de Nanks novas.
Vinho das melhores marcas.
Manteiga inleza flor.
dem franceza.
lianlia de porco refinada.
VetlM de spermacete.
1 lem de carnauba.
Caf bom do Rio.
dem superior do Cear.
Toucinho de Lisboa.
Cha de diversas qualidades.
Queijos novo-; do vapor.
Milho alpista limpo.
Gamma deengommai' alva
Genebra de laranja superior,
dem do Hollanda marca GaMo.
Phosphoros do gaz,
Bolachinha ingieza em barr tas.
Passas ni ii i lo novas.
Figos de primi'ira qualidade
Biscoolos e bolachinhas de toda.
lanitos de diversas MttUilides.
i ueeiujiNDinai ana. i,nanuos oe inversas quauuuies.
Alin dos .'eneros aniumciados exislem outros mallos que enfadonlio u encona-los,a dinhei-
i.-iiin
ro contado.
Vende-se urna neprinha com 13 annos de
idade. bonita figura, c com principios de eostora ;
na ra do Imperador n. 4o, tereeiro andar.
Farinha de trigo SSS a 100 rs. a lihra, e ga-
lega a 80 rs. : na ra Nova n. 8.
Vende-se nma taberna no largo da Snledadc
n. 8, com puncos fundo-;, i Popru pan a posom
que quizer se estal>elecer, um lorias as nntagens,
poucos fundo, comraodos p: ra familia, o aluguel
da raes barato, e vende-se |ief nao querer o dono
continuar com o dito negocio.
mmummmmmmmmmmmmm
I ROUPA FEITA *
NO
ABIAMI
DE
'Htl M WsMIMHpI
LETRE1RO VEROS.
Neste estabelecimento ha sempre um sortimento completo de roupa feita de ^
todas as qualidades, tambem se manda fa;:er por medida, vontade dos concor- jL
rentes, para o que tem um dos melhores professores, assim como tambem tem um *
grande e variado sortimento de fazendas de todas as qualidades, para senhoras,
homens e meninos.
Casacas de panno preto, 355 e 305000 Ditos de setim preto. .
Sobrecasacas dem, 305 e 255000 I)itos de ditos e seda branco>
Paletos idem e de cores, -255, 65 e .
205, 155 e...... 105000 Ditos de gorguro de seda
Ditos de casemira, 205, 155, pretos e de cores, 65, 55 e
125, 105 e...... 75000 Colletes de fusUio e brim bran-
55000^
550002
45O0O
Ditos de alpaca, 55, 45 e
Ditos ditos pretos, 95,
55. 45e .
75,
S Ditos de brim e ganga de co-
ca res, 45500, 45, 35500 o, .
3k Ditos branco de linho, 65, 55 e
CS Ditos de merino preto de cor-
dao, *05, 75 e..... 55000 25 e
35500, co, 35500, 35 e .
-,.,,-JSeroulas de brim de lnho,
35->00 25400 e......
A LDitas de algodo, 15600 e. .
0OOO camisas de peitos de linho,
45000 45, 3,5 e......
[Ditas de madapolo, 25500,
25500 S

jjg Calcas de casemira preta, 125,
4g 105, 85 e......
B Ditas de cores, 95/85 e. .
B Ditas de meia casemira de c-
2 res> 3^0 e.....
S ^'tas Prmoeza e merino pre-
^ to de cordo, 45500 e. ,
2*? Ditas de brim branco e de c6-
^ res, 55, 45500, 45 e .
;*^2 Ritas de ganga de cores, 35 e
Colletes de velludo preto e de
2 cres. !j5 e......
* Ditos de casemira preta, 55 e
:M Ditos de ditas de cres 55
m 4e.....
25000
15400
25500
15600 p
Chapeos de massa, pretos fran-
75000 cezes, 105, 95 e. 85500
75000, Ditos de fltro, 55, 45,35500 e 25000
Ditos de sol, de seda, 125,
45000 115, 75 e...... 65000 >^
Collarinhos de linho fino, ulti- >?>
45000 ma moda....... G40 }
Sortimento completo de grava-
25500 tas. 5 $f
25500. Toalhas para rosto, duzia, 115,
le........ 75000 Q
75000 Chapos deso, dealpaca, pre-
450OO! tos e de cres..... 45000 Wl
I Lences de linho..... 35000 j
35500 Cobertas de chita chineza.. 25000 ||
EMC
j


\
i
mmmm


Diario de rrruanihnto treinta feira 3 de Mareo le l .
ALLIANQA
R1IDE ARKIAZjEUI
DE
MOLHADOS
0 nico que uiais vantagens oferece ao publico.
57 RA DO IMPERADOR 57
DR
Paulo Ferrelra da silva.
0 proprietario (leste grande estabelecimento ile molhados, recebe por todos os
vapores e navios os melliores gneros que vem ao mercado, os quaes vende em seu ar-
mazem pelos mais resumidos preoos.
Tondo chegado pouco da Europa, aonde deixou pessoas encarroadas para a es-
colha de seus genros, teni a lionra de annunciar ao respeitavel publico, que ninguem co-
nu elle pode vender to barato e por Uto resumidos precos; servindo como costumaaos
seus fregones com os melhores gneros que se pode desejar.
Duarte & C, vendem em seus armazens Uniao e Commercio e lar-
go do Carmo n. 9, armazem progressivo, os seguintes gneros desembarca-
dos ltimamente.
ATTENQaO.
Querendo o proprietario deste tito til estabelecimento a concurrencia da boa
freguezia, tem deUbendo vender Beanpre por monos do que Mitro qualquer, garaotndo
aos seus freguezes todo c qualquer genero sabido de seu acreditado armazem.
Maiitfiga Dgteza a mais nova e lina ehegada Velas estearinas a 5Co rs. a libra e em caixa
ueste iilliiuo vapor a 800 rs. a libra e de 8 a oio rs.
libra para cima ter abatimento. dem de carnauba pura e refinada a 3G0 rs.
dem fraseen a mellior e mais superior do a libra e 10,ooo a arroba.
nosso mercado a 56o rs. a fibra e 52o em dem de composirao emmaeadas a 32o rs.
barril ou meios. o maco e !),ooo rs. a arroba.
Banlia de poroo refinada e muito alva a 4k> Massa de tomate em latas a 600 rs. a libra.
rs. a libra, eein banal a ioo re. Doce em calda das mais especiaos frutas da
Cha liy encoiiineiida do proprietario a 2,7oo rs. a Ostras em latas muito bem preparadas a
libra. l.ooo rs.
dem idem menos superior e que em outras Peras seccas muito novas a ioo rs. a libia.
casas se vende a 2,6oo rs., custa neste ar-1 Massas para sopa estrellinha muito nova em
mazeiu 2,2(io rs. a libra. caixas de 8 libras a 3,oooe ioo rs. a libra.
dem uxim o meiltor que pode baver neste dem talliarim, macanio e alelria a 4oo rs.
i^eiKfro a2,6oo rs.alibra.garante-seaqua- dem macariao um pouco mais baixo a lo
li lade. I rs. a libra.
Uem preto muito especial a 2,ooo rs. a li- S?\adinha muito nova de Franca a 2oo rs.a
bia, e mais bailo, pprem muito sufrivel a libra.
I,lee rs. a libra, waadfinc por estes pre- Saga o melhor que possivel a 24o rs. a
008 em razao de nestes ltimos navios ter- libra.
si receido grande porc5o deste genero, Farinha do MaranbSo a mellior que presen-
a delerenca de proco be de Gooa8oo re" lamente tem vindo ao nosso mercado a
a libra do que se vende en outra qualquer 1 14o rs. a libra.
parte. ; Gomma do Aracaty muitissimo alva a 80 rs.
dem do rio em latas de 1 at G fibra a l,4oo | a libra.
rs. a fibra, ueste genero o uielfior pos- Farinba de araruta verdadeira a 32o rs. a
aveL libra.
mecern agieses em latas com eflerentes Uoom muito linos de lordeam e toda as
qualidades como sejao crakm-l, victoria marcas que lia neste genero a 800, 1,000
pie qc, soda.^aptaim. seed, osltorne e ou- el ,2oo rs. a garrafa.
tas muiUis marcas a 1,33o rs. a lata. Phosforos do gaz a 2oo rs. a duzia e 2,2oo
Bolaxinfiade soda em latas grandes a 2.000 rs. a groza-
Verdadeiro vinho collares em ancore-
ras de 9 caadas a 50,000 e 800
rs. a garrafa.
Farello de Lisboa marca N ou Biato
tigo a 4$ a sacca.
Vinagre P R \, em ancoretas de 9 ca-
adas a 18,000 e 2,000 rs. a ca-
ada.
Passas em caixas, meias e quartas a
8,000 4.000 e 2,000, a 480 a libra.
Peras seceos em caixas de quatro li-
bras o melhor que se pode desejar
a 2,500, e (540 rs. a libra.
Caixinbas de 4 fibras e 2 com ameixas
a 1.500 e 2,500 rs. a caixinlia.
Chocolate portuguez, o melhor que
pode haver de bom neste genero
1,000 rs. a libra.
Marmelada propriamente dito de mar-
mello, a 640 rs. a lata e em caixas
de 100 latas a 600 rs.
re a de tomates a mais nova que se
pode desejar a 640 rs. a lata e em
caixa de 100 libras a 600 rs.
Ervilha portuguesa a 700 rs. a lata,
e em caixa de 100 libras a C40 rs.
Passas corintbias para pudini a 640
rs, a fibras, e 400 rs. comprando de
arroba para cima.
Queijos londrinos muito fresos a 800
rs. a libra e sendo inteiro a 650 rs.
Sebollas em caixas as mais novas do
mercado a 6,500 rs. a caixa, a 800
rs. o molho, e a 640 rs. o cont.
Batatas em caixas de 2 arroba*, muito
novas e grandes a 2.400 rs. a caixa.
Sextinhas com figos proprias para mi-
mos de criancas a 60 rs. cada urna
e comprando em duzia ter grande
abatimento.
Erva doce muito novas a 500 rs. a fi-
bra, e comprando em arroba a
10,000 rs.
Cominhos muito noves a 400 is. a li- Qg
bra e 10,002 a arroba. fi
Licores portuguezes das marcas mais ^;
acreditadas de Lisboa a 1,000 a gar- ji-
rafa e 10 a 12,000 a duzia, as quali- ggj
dados sao as seguintes : crome de
violetas, geroflez, rosa, absintlio, ves-
pciro, amor perfeito, amendoa amar-
ga, percicot ileturin. botefin, moran-
gos. limito, caf, laranja, cidra, pin-
ga, canella, cravo, ortela, pimenta
e outros muitos de qualidades menos
superior que serao vendidos por pre-
cos em relaco as suas qualida-
Muita attencao ao que interssa
PROTEJAN PROTEJAM
EXCELLENTISSIMAS SENHORAS,
Vv. Hxcs. continen! a proteger ao importante esaIele-< ,
cimento ;i ra do Crespo n. 19
gressivo.
des.
Os proprietarios afiancam que estes gneros sao muito novo? e tudo
ament no armazem Uniao e
do Carmo n. 9 armazem pro-
)'.,,' deprimeira qualidade, tudo isto se vende unic
js|| Commercio na ra do Queimado n. 7, e largo de
Queijos
do alemtejo, das ilhas e flamengos, todos chegados neste ultimo vapor, a
2,500 os flamengos e 800 ris a libra do alemtejo e das ilhas, nicamen-
te no armazem Uniao e Commercio, ra do Queiraodo n. 7 e largo do Car-
mo armazem progressivo.
Grande peckiitoha
com toque de avarla na loja e
armazem da Arara na da im
rs. cada una.
Figos em caixiulias fieriuiticaracnte lacradas
e muito propnoa para mimo a l,6oo e
2,60(1 rs. cada urna.
ldiiU'm caixinbas de 8 libras a 2,ooo rs. ca-
tli. urna.
Bolaxinha americana em barrica a 3,ooo rs.,
e em libra a 2oo rs.
Tijolopara limpar facas a 12o rs. cada un.
Vassouras de piassaba com dous arcos de
ferro preudendo o cabo a 32o rs. cada
urna.
Passas muito novas a 8,000 rs. a caixa e 48o Escovas do piassaba proprias para esfregar
rs. a libra. I
Ameixa franeczas em latas de libra e meia e
3 libra a l,2oo 2,00o e 800 rs. a fibra.
Carnudas com ricas estampas a l,4oo rs.
rada urna, frascos de video com rema do
nn.-iiio, contendo libra o meia de ameixas.
casa a 3o rs.
Sardinbas de Nantes muito novas a 32o rs.
a lata.
Poixo em lata muito bem preparado savel,
serrina poscada e outros a 1,000 rs. a
lata.
Champagne da marca mais superior une lera Ervilhas portugoezas e francezas ja prepa-
vimIohi nosso mercado a IH.hoii rs. o g-, radas a (i'10 e 7o rs. a lata.
^c, e 1,8 perior qualidade. libra, e 8,5oo a arroba.
ViuhoBordeaux das melliores qualidades que dem do Rio muito bom a 28o a fibra e
se pode desejar a 7,oo<> e 7,.'no rs. a ca-1 8,000 rs. a arroba.
xa e 64o rs. a garrafa. | Arroz do Maranliao a loo e 120 rs. a libra.
Caixas cun Vinbo do Porto superior de 9,ooo dem de Java a loo rs. a libra.
e lo.ono rs. a duzia, e 9oo o 1,000 rs. a Amondoas de casca mole a 4oo rs. a libra.
ganan, acete genero lia grande porcoe de AveJJes muito novas a 2oo rs. a libra.
differeiiles iuarc:is muito acreditadas que Notes muito novas a 2oo rs. a libra.
ja se vender*) por 11,000 15,000 rs. a tai- Cliouricas e paios a 7oo rs. a libra.
n como geja, Duque do Porto, lagrimas Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra oua
do Douro, i). Luiz, Cames, Madeira sec-
c 1 Nctar ; Genuino o malvasio linoe ou-
tras como Cberry o Madeira para 12,ooo e
I3,oiiii es. a caixa.
Vinlio de pipa Porto, Lisboa, Fignein, a 4oo,
48o, e 5do rs. a garrafa, 3,ooo 3,2oo e
3,500 rs. a ranada.
dem luanco o mellior oeste genero viudo ile
i .iiiimeudaa 8eo rs. a garrafa, e 4,5oo
rs, a ranada.
Mem do Porto em barril mudo especial a
1 > 1 1 rs. a garrafa, o 5,000 rs. a caada.
Vina-re puro de Lisboa a loo rs. a garrafa e
I,ioo rs. a caada.
Id. in em garrafn'com 5 garrafa.
A/, ate doce de Lisboa superior qualidade a
i i o rs. a garrafa e 4,800 rs. a cariada.
.Batutasen gigosdetrinta a trintae tantas li-
bia a 800 rs. o gigo o lo rs. a libra.
d nebra de Hollanda a mais superior a 6,000
rs. a frasqueira o .'M'mi rs. o frasco.
dem en garrafn eon garrafas a 8,000
rs.
Serveja das melliores marcas de 5,000 a
B,5oo a duzia e (lee rs. a ganan,
(a gn c superior a 800 o l.ooo re. a garrafa,
e em caixa ter abatimento.
.Marieellada imperial dos melliores mais
afamados coneerveiros de Lisboa em latas
de libra e de libra o meia e duas .libras a
Goo rs.
Concern inglezas em frascos grandes 1
75o rs. cada um.
Mea franoen de tudas as qualidades de
\\< uses o fruto a 50o rs.
liostarda francezas en potes preparada a
4i 11 > rs.
Pautes para dentes 12o rs. o maco.
dem fixados muito fino 14o rs.
8,5oo rs. a arroba
Presuntos de lamego de superior qualidade
el legados neste ultimo vapor a 48o rs. a
libra.
Alpiste muilo novo e limpo a 16o rs. a fi-
ltra e 4,600 a arroba.
Painco muito novo a 18o a fibra e S.ooors.
a arroba.
Sabo maga, ainarello e eastanho a 22o c
2io rs. a libra.
dem mais baixo um pouco a 16o, 180e2oo
rs. a libra.
Castenhas pelladas a 24o rs. a fibra.
Chocolate francez de primeara qualidade a
l,2oo rs. a libra.
dem de Sant muito superior e medicinal a
l,3oo rs.
Copos lapidados proprios para agua a 5,ooo
rs. a duzia, que em outra qualquer parte
7 e 8,000 rs.
Charutos dos melliores e mais afamados fa-
bricantes de S. Flix e do Rio de Janeiro
de l,5oo a ,ooo a caixa.
Cebollas novas a 800 rs. os molhos grandes
e 7oo is. o cento.
Doce de goiaba a 64o rs. o caixo.
Leutilhas excedente logume para sopa cgui-
zado a 24o rs. a libra.
Ervilhas seccas j descascadas a'2oo rs. a
libra.
Pimenta do reino muito nova a 36o rs. a
libra.
Cominhos e erva doce a 32o e 4oo rs. a fi-
bra.
Cravo da India a 600 rs. a libra.
Canella muito nova a l.ooo rs. a fibra.
Alfazema a 2oo rs. a libra e (>,ooo rs. a ar-
roba.
Graixa a ioo rs. a lata e l,loo rs.a duzia.
LOJA DO BEIJA FLOR.
Hiia do Queimado numero 63.
Cravatiulias para seubora.
Vendem-so gravaulias deldiversos gostos mais
moderaos a 7*0 e 800 rs. : na ra do Queimado,
loja do beija-flor n. G3.
Fitas para debrum de vestidos.
Vendem-se fitas para debrum de vestido de linho
com 12 varas a 400 rs. a peca : na ra do Quei-
mado, loja do beija-flor n. 63.
Peutes travessas.
Vendem-se pentes travessos de caracol na
frente de borracha a 500 rs.: na ra do Queima-
do, loja de beija-flor n..63.
Papel beira donrada.
Vndese papel beira domada a {200 e 15300,
dito de cor de beiradourada a l.5100 : na ra do
Queimado, loja do beija-flor n. 63.
Aawtent.
Vendem-se anvelopes de diversas qualidades
branco a 800 rs. e de cor a 6i0 rs., para cartas de
visita a 400 rs., preto a 720 rs. : na loja do beija-
flor na ra do Queimado n. 63.
tollas de aljfar.
Tendo recebido voltas de aljfar com ermes de
podra imitando a brilhante vende-se a i& cada
urna : na ra do Queimado loja do beija-flor n. 63.
Camisas de meias.
Vendcm-se camisas de meias muito finas a
1200 e 15300 : na ra do Queimado, loja do bei-
ja-llor n. 63.
Enfritcs de lila.
Tendo recebido enfeites de fila pretas e de co-
res mais modernas que se estao usando a l cada
um : na ra do Queimado, loja do-biija-lbr n. C3.
lila de la prela para debrum.
Vndese fila de la prela para debrum com 10
varas a 900 rs. a pega : na loja do beija-flor ra
do Queimado n 63.
Fitas de liobo para bordar vestido
Vendem-se fitas de linho para bordar vestido
ou roupinho de meninas com 40 varas a 640 e
800 rs. a peca squein tem loja do beija-flor
ra do Queimado numero 63.
lioloes de mailreperola.
Vendem-se botes de madreperola mais moder-
nos que lem vinilo para pnnhos de senhora a 320
rs. o par : s- quem vende por esle prego na
ra do Queimado, loja do beija-flor numero 63.
Fita de velludo para bordar vestido.
Vende-se fila de velludo preto com 10 varas a
000 rs. a peca : s quem tem por este prego a
loja do beija-flor da ra do Queimado n. 63.
Fita de velludo bordada.
Vende-se fita de velludo preto liordada de di-
versos gostos e mais oaodenMM proprioa para ana-
resana : s quem tem a loja do beija-flor ra do
Queimado n. 63.
Franja prela.
Vende-se franja preta de diversas larguras para
onfeitar rapas ou manteletes os mais lindos gus-
tos que se pode encontrar : na oja do beija-flor
ra do Queimado n. 63.
Facas e garfos.
Vendem-se facas e garfos de halanco de 1 bo-
tao a 55300 a duzia, ditas de 2 botoes a 65400 :
na ra do Queimado, loja do beija-flor n. 63.
Dminos.
Vendem-se dminos muito finos a 15200 e
15400 : ua loja dw beija-flor da ra do Queimado
n. 63.
Visporas.
Vendem-se visporas muito finas a 800 rs. : na
ra do Queimado, loja do beija-flor n. 63.
DE
JOS GOMES VILLAR.
Grande novidade. Italoes!!!
Uales de 40 arcos a 55, de 30 a 45 c de 20 a 35-
Fazcudas proprias pava a quarcsnia.
Monaniique preto tm cortes,ditos de muito gosto para covados. grosdenaples prelos
de superior qualidade.
Para hombros de senhoras.
Capas prelas, casacoes, casaveques compridos, solembarques, manteletes de gra-
tos de guip, chales pretos depuip ele., ele, capas de casemira com capuz, manteletes
de casemira ricamente enfeilados, chapelinasde palha com veo, chitas, caaibraias, v. -
dos para imivas. ditos de seda, vestidos de blondo com capella e manta a 185, di
branro etcetc, madapoliies(le75. 85, 95, 105,115e 125, camliraias l^as muito linas
transparentes e tapadas a 35, 45, 55, 65, 75,85 e 95 a peca, fazendas de linho di
as qualidades eoulras muilas fazendas.
Pruteccdo. Proteccao.
C OO-
lili
o "3 = 5" g
fi ^ -r-*
a a fi S -
&M u_ ra*
. S.
Cb o? -2,
cr? s
Sil1
*. ** W
O 73 >->-0 2
5.2 S 3 aTS
a 5" ET 3 5'
& c y c
V.
O Q9
ffl t
3 w
7 O
&B3
3
- o
O
&
-> a
C ( 6J
2- srM
A
01
O)
O
3

o. 5*
5" =Q
,-r > g- 2. s
O as
a, '
Bg.
O
il
A 3
o a

13
oa
SS
-
CJ
y.
o ^
o o
gi
po
h
3- W
H o
o
?3
o
o
9
P-
o
-i
p
o
co

r-t-
G>
(V
r-K
O
P-
g
ce

p-
S5
ti
o
o-
p
p'
p-
o

O ?s
p
p-
B
ce
CD
Ct>
O
p
p-
p
ce
*"
S
ce
P-
CD
M
Algodo da Baha
para saceos de assucar e roupa de escravo; tem
para vender Antonio I.uiz de Oliveira Aievedo &
f., no sen escriptorio ra da Cruz n. 1.
Vende-se urna preta de nagao, de meia ida-
de, propria para o serrigo donn stico de casa de
quaimer familia, e boa quitaudeira : a tratar na
ra do Rangel n. 7, taberna.
Ao n. 29.
Nova loja dos aaraleiros na rua do Queimado.
Ricas saias de fustaoa 55, camisas inglezas para
senhora a 25, 25500, 35 e 15, cuberas de fustao
brancas a 55, chitas com lustro para eoberta com
6 palmos de largura a 640 o covado, cambraia de
cures para vestido a 320 o covado, las para vesti-
do a 480, 560 e 640 o covade.
Ao ii. 29.
i\ova loja dosbarateiroa na rua do Queimado.
Tarlalanas de todas as cores, fazenda muilo fina
a 720 a vara, cambraia para cortinado, peca de 22
varas, por 105, chales de laa por 35, b,ii&e 85,
camisas inglezas para homem a 385, 505 e 605-
At n. 29.
Nova loja dos barateiros na rua do Queimado.
Bicos pretos, franjas de todas as qualidades,
trancas de seda, de algodo e de laa, manguitos e
cami'sinbas bordadas, collarinbos e punhos, folhos
bordados, botoes de velludo, de seda e de fustao,
bandos de cabello, meias de seda, Icques ; cujos
trtigos se vendem por melado do seu valor por ser
para acabar.
Vende-se urna taberna em Olinda, na rua de
S. Bento, encruzilhada do becco de S. Pedro e Por-
to Seguro, com poucos fundos ; a tratar na mes-
ma, ou na rua estrella do Rosario n. 1, taberna
do Sr. Pogas,
la
c 2 ~
-; -
as "^ s.
fas 3.
"Ff 3

o. a *

09
**&w
w ZP r-
c/a c fc-
-1 u o
-O 3
wa oj "O S.
gSSo
o
09
s
O -I
09 09
fc .
O oj
,__ N
O t>
09 1
g p


cr
B9


AGENCIA
DA
FUNDICO DE L0W-M00S.
Kua da Senzalla nova a. 42.
Neste estabelecimento contina a haver
um completo sortimento de moendas e meias
moendas para engenho, machinas de vapor
e tachas de ferro batido e coado, de todos os
taannos para ditos.
Arados americanos e machinas para
lavar roupa: em casa de S. P. Johnston 4 C
rua da Senzalla Nova n. 42.
peralriz n. Mi de Loniretico P.
XI. .uinini fies.
Veode-se com teqne de av aria.
Vende-se madapoln inglez con pequeo to-
que de avaria por 65500 75 e 85, Ugodozinho a
45500 e 55, cambraias lisas finas a 35 e 35500 :
na rua da lmpcratriz loja da Arara n. 56.
Vende-se fazendas limpas bara vinias.
Vende-se chitas finas cores escura-; a 240 e 280
rs. o covado. ditas francezas linas (Ores Incas a
320, 360 e 400 rs. o covado, gorgurfn de linho pa-
ra vestidos de senhora a 280 o colado, recado
francez para vestido a 280 o covado : na loja da
Arara rua da Imperatriz n. 56.
Fazendas proprias para senhoras t meninas.
Vende-se gollinbas com botozinho para senhora
e meninas a 200 e 320 rs., manguitos de fil e
cambraia enfeilados a 500 rs., niang itos e pollas
para senhora a 15 e 15280, eamisinbas bordadas
para senhora a 25, dilas bordadas no colarinho e
punhos e grvalas muito linas a 455C0 e 55 : s
a Arara rua da Imperatnz n. 56. i
Principia a Arara vender as colchas.
Vende-se colchas avelludadas para cama a 85.
dilas de linho aleochoadas a 55, ditas de fustao a
55,ditas de damasco a 45, ditas di chita a 25 :
na loja da Arara rua da Imperatriz n. 36.
Arara vende rassas a 210 rs.
Vended cassas francezas finas a 240 e 280 o
covado, orpandys linos a 240, 280 e 290 o covado:
na na da Imperatriz a. 56 loja da Arara.
Arara vende laazinlias para veslido a 210 rs. o
corado.
Vende-se laazinhas para vestidos di senhora a
240, 280, 320, 400 e 500 rs. o covado, casemiras
lisas proprias para capas de senho/a a 15800 o
covado : na Arara rua dalmperalriz n. 56.
Arara vende cortes de casemira prela a 35.
Yeude-se cortes de casemira preta | ara caigas a
35, 35500, 45e 55 : na loja da Arara n. 56.
(iaii.il- sortimento de fazendas prelas para a qita-
resma.
Sedas, grosdenaple. pannos finos e casemiras.
Yen.Je-se grosdenaple preto para vestidos boa
fazenda a 15400, 15600, 25, 25400. 5600 e 35 o
covado, sarja despatillla de seda, panno lino preto
a 15600, 25, 25500, 35 e 45 o covado, muito su-
perior casemiras prelas finas a 25 e 25400 o cova-
do. merino fino a 25500 e 35, dito de cordao a
25500 o covado : na rua da lmperat iz n. 56.
Arara vende fuslo a O rs.
Vende-se fustao de cores para roo] a de meninos
cairas e paleMs a 500 rs. o eovado, ganga franre-
za escura e clara para caigas e palelols a 440 rs.
o covado: na rua dalmperalriz n. 56,lnjada Arara.
Itoupa feia da Arara.
Vende-se palelots de brim de cor a 25500 e 35,
ditos de meia casemira a 35500, ditos melliores a
45500 e 65, dilos pretos de panno a 5?, 65 e 85,
ditos ile casemira lina e debrnnliados a 85 e 105,
diliis pretos ile alp.iea a 35500 e 'i-">. c; leas pretas
de casemira a 45500, 55, 65 e85, dito.- de meia
casemira, gaitga e brim a 25 c 25500, dilos I'iims
a 35500, ditos de brim branco a 35 e 35500, ca-
misas francezas a 25. 25500 e 35, seroulas a
15600. dilas de linho a 25 e 25500, oolleles a 25
e 25500 : na rua da Imperatriz 11. 5 i.
Balees da Arara a 3.
Vende-se baldes crinolinas de 20, 30 e 40 arcos
a 35,35500, 45 e 45500, ditos de madapokio a
35500, ditos de musselina a 45 : s na Arara rua
da Imperatriz n. 56.
Arara vende madapolo francei a 1$.
Vende-se mada|K)lao francez cnfesl; do a 45 o
45500, brelanha de linho. hamhurpo de linho para
lengcs c seroulas a 440, 500 e 640 a vara, bra-
mante de linho de 10 palmos de largura a 25 a
vara, brim pardo de linho a 800 e 15, dito branco
a 15, 15280 e 15400 a vara : na rua la Impera-
triz n. 56.
Scdinhas a 500 rs.
Arara vende sedinhasde lisirinhas para vestidos
a 500 rs. o covado, dilas finas a 81K) rs., laa a Ma-
ra Pia com 4 palmos de largo e palmas de seda a
800 rs. o covado : na rua da Imperatriz n. 56. '
Arara vende cambraias de carocinhos a 25300.
Venda ce cambraias de carocinhos (jara vestidos
a 25500 a peca, corles de cassa franceza a 25, co-
bertores de pellos a 15 e 15600 : na rua da Im-
peratriz n. 56.
Arara vende as cortes de riscados frat.rezcs a '5.
Vende-se corles de ri -cados francez?s com 14
covados a 35 o corte : na rua da Imperatriz n. 56.
Arara vende os soulembarqnes.
Vende-se soulembarqnes pretos muito rico<, ca-
pas compridas e manteletes de superior qualidade
a 225 e 255 : s a Arara rua da Imperatriz nu-
mero 56.
Vende-se alpaca preta a 500 rs. o covado.
Vende-se alpaca preta para vesiidos ? 500, 600,
700 e 800 rs., fina de cordao a 800 rs para pale-
tot, princeza prela a 800 e 640 o covado, bombazi-
na preta fina a 15400 o covado, liaamhta preta
para senhora que estao de luto a 720 o covado :
na rua da Imperatriz n. 56. A loja est abena at
s 9 horas da noite.
PARA 1S NI \IIO-
ras 1 1 non costo" i
Moirenlique, capas e soutcnibarqne.
Joaquim Rodjignes Tavares de Mello acaba de
receber de Parisede sua propria enconimenda um
completo sorlimento de moirenlique, capas e sou-
tembarque para senhoras, fazenda a melhor que
tem vindo a este mercado, os quaes vende por mui-
to menos prego que em outra qualquer parte : na
rua do Queimaao n. 39, loja de 4 portas.
Caniiliis inglezes para criancas.
Vendem-se em casa de Mello Lobo & C, na rua
da Cruz do Recife n. 63.
A AGUJA NUNCA
receben :
Sapatinhos de setim branco bordados paia bap-
lisados.
Meias de seda branca para o mesmo fim.
Mui bonitas e delicadas louquinhas enfeiladas
para dito.
Pulseiras e voltas de contas brancas para senho-
ras e meninas.
Fita branca e preta de borracha, com diversas
larguras.
Transehns de borracha sonidos em cores.
Trancinha prela de laa, e outras traneinhas de
laa de gosto novo c mui bonitas para enfeites.
Enfeites conservadores para senhoras.
PAPEL l\GLZ
almaco e de peso.
Alem do grande sortimenio de papel greve e ou-
tras muilas qualidades, que constantemente se
acham na loja d'aguia branca, faz-so notavel pela
superioridade de qualidade o papel irtglez almasso
e de peso, que araba de chepar para a dita loja ;
um e oulro sao mui encorpados e de um assetma-
do lustroso e macio, que na verdade a', odos agra-
dam. As resmas daqueile lem 480 folhas, e as
deste 500, e cusa cada urna 85- Tambem veio da
niesuia qualidade e de lamanho pequeo, em cai-
xindas de IOO folhas, tanto liso como beira doura-
da, rustando este 25, e aquelle I5200 a caixinha.
J vem pois os apreciadores do bom papel que
dirigindo-se munidos de dinheiro sero bem servi-
dos : na rua do Queimado, loja d'aguia branca
numero 8.
HOVOS PEMTES
de concha.
Chegaram novos e bonitos pentes de concha,
sendo de tartaruga, massa e dourados ; agora, pois,
dirigirem-se com dinheiro rua do Queimado,
loja d'agnia branca n. 8, antes que se acabem.
Loja das varas
5 Rua do Crespo 5
.Veste eslalielecimenlo ven.le-se 11 : pie- '
ges razoaveis os seguintes arligos alm *
dos mais :
Pestes de tartaruga fino rosto Clo-
tilde e Imperatriz Kugenia a 125.
Cortes de cambraia branco bol'
a 155.
Manteletes de fil preloa 15-5.
l.a.is de cores, covado 240 e 400 rs.
dem infestadas a 500 rs.
Ve-tidos para casamento sendo
blond e moreanlique.
Vestidos e capas prelas de bem p
proprios para o presente lempo de traa-
resma. Almd'slo lem um compli 1
sortimento de fazendas fina-; e groe
as quaes se vendem mais em conta d"
que em oulra qualquer parte, s avista !J
dos compradores se justificar.
mmm
WUA
Illanco em mar:'.
Vende-se em lalas de 28 libras o melhor que no*
; de haver a 200 rs. a libra, a dinheiro : na rua
l larga do Rosario n. 34.
I ara a prxima eslacao.
A* rua da Cadeia n. 47 loja de Pinto di I
vende-se laazinhas Clotilde gastos nn
delicados para vestidos de senhoras, louteml ar-
quee roupas para meninos pelo mdico
*" rs. o covado.
FRASCOS
com gomma arbica dissolvida : vendem-se na
rua do Queimado, loja d'aguia branca n. 8.
Fivelas com ped rasno-
vo sortimento.
A aguia branca receheu por esse ultimo vapor
um novo e "bello sorlimento das procuradas fivelas
com pedras, podendo assim satisfazer a todos que
dellas precisarem, runa vez que apparega dinhei-
ro : na rua do Queimado, loja d'aguia branca nu-
mero 8.
COPOS COM BA-
\IIA.
A aguia branca acaba de receber os bem conhe-
cidos e apreciados copos com banha, os quaes es-
tao sendo distribuidos com aquelles pretendentes
que conlribuirem com 25500 vista : isso na rua
do Queimado, loja d'aguia branca n. 8.
MUITO BOAS MEIAS
para senhoras e meninas.
A aguia branca receheu mui boas meias france-
zas, de fino lecido c fio redoudo, o que as lornam
de immensa duracao, porque muito convem, ainda
mesmo distando 7 e 85. cont se estao vendendo a
dinheiro vista, na loja d'aguia branca, rua do
Queimado n. 8.
XAROPE
deLABELONYE
riianiacciilico da priiucira c'asse
l-:ni Paris.
Este medicamento embregado ha mais de
20 annos, com soccessos constantes, pelos
melliores mdicos em todos os paites, con-
tra as molestias do airaran, as liijdropisias
e as affeerdes do peito, acaba de receber
umlnovo suffragio por nao ter por ora ap-
parecido ootro igual para curar infallivel-
mente todas as doencas do coracao orgni-
cas ou inorgnicas, palpitacoes, hydropisias
geraes ou parciaes. Iiydrothorax, asllimas
chronicas, bronchites nervosas, e Ilusos
chronicos, aplionia (extineco da voz), etc.
As gazetas medicas fallara calorosamente
sobre os eTcitos preciosos do Xarope de
Labelonye, quetera hoje adquirido um dos
primeiros lugares no cjuadro dos medica-
mentos os mais afamados e da therapeutica
universal, como o declaram os celebres m-
dicos franceses: Andral pal e lilbo, Bouil-
aud, Cottereau, Uesruelles, Fouquier, Le-
maire, Marjolin. Pasquier, Rostan, Rous-
seau, Delaberge, l'armantier. Puche, Ther-
rim, Vidat (de Poiliers). etc., e outros fa-
cultaticos dos mais celebres.
Vende-se em garralinhas de vidro verde,
trazendo um rotulo, fundo cor de violeta
clara, jaspeado, no qual sobresahe o nome
Labelonye, o gargalo da garrafa traz urna
tira azul jaspeada, com a lirma de Labe-
lonye, e a rolha eoberta com urna capsula
de metal branco com a inscripeo Sirop
de Digltale de Labelonye, pliarmacien,
Pars.
Deposito geral: em Paris, rua Bourbon-
Villeneuve, 19.
Em Pernambuco.na casa de Caors & Bar-
boaus a rua da Cruz n. 2-
ESCRAVeS FGIDOS.
Escravo fgido.
Roga-se a todas as autoridades desta praga e
fra della, e todos os capilaes de campo, que da
rua larga do Rosario n. 25 fugio o caboclo de D
Vicente, baixo e eheio do corno, falla fina e
caneada, pouca barba na ponta do queixo, e com
l um pequeo bigode, reprsenla tor 2 annos,cons-
ta andar no bairro da Boa-Vista : a pes-oa que o
pprotieadcr, leve-o dita casa, que ser recom-
pensado generosamente.
! ATTENCiO. '
Acha-se fgido o escravo de nome Faustino, de
I idade 40 annos, pouco mais ou menos, cr:
altura regular, grosso do corpo, bem espadado,
barbado e j com alguns cabellos brancos na I i
ha, bragos e pernas gn.ssas e bstanle cal
lendoas pernas arqueadas, porm nao m
tuina andar sempre pelo Barro, Giqui>'.. ai. _
1 etc., em sambas, e as vate costunia eaabnag .
! bastante per gostar de beber : portanto, roga-se as
: autoridades policiaes e aos capites de can
pecial favor de o apprehender c conduzi- i
de seu senhor, o major Amonio da Silva Guarnan,
na rua Imperial, que gratificar generosamente.
Escravo fa^irio.
Fugio de bordo do patacho nacional D. Luiz. no
dia 28 do passado, o escravo pardo de h b I.
noel, levou vestido calca e camisa de zuarte i
o qual tem os signaes seguimos : estatura regular-
lem um talho desde o nariz al o belcu mferlor ,1o
lado esquerdo, e um oulro no nombro esquerdo :
roga-se encarecidamente a quem o aprehender le,
var ao largo do Corpo Sadto n. G. segundo andar-
ou a bordo do dito navio que sera bem racou ..
sado.______________________________________
l'ugio no dia 24 do mez passado una prela
da Cosa, de nome Isabel, representa ter 35 innos
de idade, levou vestido de laa verde com pal tas
encarnadas, andan vendendo rnctas por esta ci-
dadeeseus arrabaldes, muilo omheoitla pelo ca-
pitio de campo Jorge Patricio: i
autoridade policialecapito de campo a appr i-
sao. e levem-na rua da Cadeia Vellut n. I.
sero pagos de seu trabalho.
Fugio hontem a escrava Francisca, crioola,
de 30 annos de idade, estatura barca, cor fula
bellos compridos, tem o semblante carregado. es-
lava criando, suppoe-sc que tomasse a direccao do
Cabo, por ler mai e prenles : roga-se toh; as
autoridades desta praga o fra della, e a lodos os
capilaes de campo que a prendam e levem-na a
rua Imperial n. 3, que sero generosamente recora-
pensados.__________________
\
Vende-se a pmpriedade denominada Mallez, sita
na freguezia de Tracunhaem da comarca de Naza-
reth, com urna legua de frente e meia de fundo, e
proporgoes para nella se levantar um bom enge-
nho de fazer assucar, sendo que actualmente ren-
de ella mais de 1:000 que pagam os moradores
que lem : quem a pretender entenda-se nesla pra-
ga com o Sr. Antonio Jos Leal Res, na rua da
Cadeia do Recife n. 47._______________________
Kua da Senzalla Aova n. 42.
Neste estabelecimento vendem-se: tachas de
ferro coado libra a 110 rs., idem de Low
Moor libra a 120 rs.
j i v y n
Fugiram do engenho, Camarao. freguezia de San-
to Amaro de Jaboato.rio dia 22 do corrate, dh
sos escravos, um de nome Joao.com os si|
guinles: altura regular, falla de dentes do
superior, eheio do corpo, un pouco sainluu!.. de-
Idos das mos delicados, ps seceos e compridos,
, pouca barba e rendido de urna virilba, sabe
, um clavinote e um rolinho de fumo, levou cl
, de palha grossa de beira grande, caigas de qoadri-
nhos prelos e brancos. O segundo 0 um eanra de
idade de 6a 70 annos, ps grossos e grande*, as
juntas dos ps grossas, urna mais que outra, sof-
freu urna ferida no braco direito, que tuio pode
fechar bem amo, cabellos annelladus, lea urna
rotura de um lado, bstanle alio e todo lato, I u-
to de rosto como de corpo, sabio tambem armado
de clavinote, Irages de algodo trancado e i sil
dos : quem os apprehender, pode leva-Ios ao seu
senhor Miguel Antonio Vieirade Mello, no referido
engenho, que se gratificar com geiierosid.ule.
Escravo fngido.
Fugio da casa do abaixo assignado, na rua da
Cruz n. 33, no dia 25 de fevereiro, o escravo Jai ib,
de nago Mina, maior de 40 annos, cujo escrava
foi do engenho Ubaquinha, pertencenie ao Sr. Ig-
nacio de Barros "Wauderley, termo de Seriabt m.
O dito escravo soffre muilo de frialdadc e pr u-
me-se que esl acuitado em casa da amasia, idus-
la ter sido visto no bairro de Santo Anlonio. prxi-
mo aa casa do Sr. Jos Pedro do Reg, na rua das
Cruzes; alto, encorpado, e quando anda ai
um pouco a perna, levou vestido caiga de azuio,
camisa branca e barrete vermclhona eabeca, cas-
turna fazer chapeos, e muito ladino : di
contra quem o acoular, e roga-se a ca-
pilaes de campo a captura do dito escravo, a
o trouxer casa cima indicada, sera recompen-
sado.- Domingos Rodrigues de Andrade.
Fugio no dia 2(, s 8 horas da noite, a cabra
fula, de nome Clara, com os signaes seguintes :
baixa e chela do corpo, ps maos grossos. com
falla de dous dentes na frente da paite de cima,
anda muito apressada, foi com vestido de chita no-
vo e chale, e anda de balao, quando foge s vai pa-
ra o Recife : quem a pegar, leve-a rua larga do
Rosario, ou no Apipucos, ao seu senhor, abaixi.
assignado.
Joao Machado Brando.
<
i


s
Diario de Pernambnco Quii felra 3 de Marco de I 8*4.

LITTEEATRA.
O.QUEVAE PELO MUNDO.
Ii ignida ama parta il > relatorio apro-
brasileiras, polo ministro da
ilia :
< Augustos e dgoissitoos senhores representan-
te da i '
ndo o pn ni'' Impoe al 'i.
. latar-vos as principis uecessida-
i da marioha, mas linda s^liiin:-
U i providencias que, dentro
inve-
rnar, no inlerossc da admiuislracao que
confiada.
Nao estando funda, na legislarlo que rege o
aeeesso dos offleiaes* do corpo da armada, i poca
em que deveria realisar-sea promoolo, foi essa
omissao reparada pelo decreto n. 3169 de 29 de
outubro ultimo, pelo qual deterniinou-se que o
preonohiraento das vagas. |uo se derem no quadro
do referido corpo, soja efiecluado logo quo dolas
Maja conhecimeoto official; seguin lo-se litterelmen-
le, na promocinaos p te capitao
do ni.ir e guerra, o disposi na i > iluc3o di- ." de
novembro de 1796, o airar i i 13 de novembro do
1800: de modo |u<\das vagas que so forem abita-
do nessas classes, tres sejam suc essivamente pro-
enchidas por antiguidade ra iros imente observad'.
e urna por mereciinento distmeto.
As regras acim i i! in :ia I n nao so lornan
exeqoivcl a distribaieo dos pastos, estabelecida
por ii'i, eptre a antigui li lo o nierecimento, mas
j por mim explanadas no relato- arada altamente bcnelleiam a corporacio da arma-
apresentado na ultima sossao da, a Dxando era preceito legislativos Apoca das
questoes de mais argento solacio, promoedes, que apenas por urna praxo seguida nos
aquello trabalho, ltimos anuos eram feitas annualmente, o ipie tor-
na niais regularos os arcessos, ja proporcionando
mais largo qinhao n relribuicao do inerociniento,
o que constitue un poderoso incentivoao dc.-envol-
dedicacao pelo servia
leu -
. -iii'i hoje, a completar
1 -o com a narrativa dos fados que pes-
ate so deram e algumas informatoes, que
n melhor esclarecer, principalmente no
diz respeito ao emprego las quantias voladas ment do zelo e
is ordinarias, o" a necessidad) de
I ilos.
.lliuiistiitfiio central.
. iretania de estado.Como veris pela rola-
: I, algumas alinete* solreu ltimamente
--n.il da secretaria de estado.
Representando-me o quarlcl general sobre a
necessidade de adoptar-se medidas que extirpas-
o aboso pralicado por alguns omciaes que se
recolhiam aos li pitaes, eflpedi aviso em 30 de no-
vembro, excitando a pontuai e rigorosa observan-
cia das ordens a tal respeito dadas, e ordenando
Havcndo fallecido, no din 17 dejunho do anuo oulro sim
arcliivista Jos do Freitas Vallada- t. Qae os officiaes da armada e classes anne-
n-. I t vaga preenebida pelo segundo official vi-, que achando-se embarcados ou emprogados
l :adio Soares, sendo nomeado para o em outras com lissiies, Mhcirem aos bospitaes e
r que este deixra o amanuense Albino Borges enfermaras de marinna para ali sereno curados.
nao possam sabir de laos estabeleclmenlos, ora-
qnanio durar o respectivo (ratamente, ainda mes-
mo sob o pretexto ios hvgienieos aconse-
Ihados pelos facultativos, sem previo conhecimento
dos commandantes das :i cliefes, sob cu-
ordens estiverem servindo.
2. Que os mencionados officiaes, logo que so
i Lopes da Silva Araujo, de conformidade
. ultima parle doart. 12 do regulamenlo e de-
er n 8,339, de 10 de fevereiro de 185'.; e. nie-
le concurso, pare o qual exped instracedes
l' 23 de agosto Joaquim Saldanha Mari-
Junior.
Finalmente, aebando-se vago o emprogo de
porteiro. pelo fallecimento de Pedro Augusto ron-
te- ; Castello, qne o ser va, Coi nelle prvido por
d : inirmorit o bachare Joaquim Pro-
.
' Conselho navalO regulamento que, para
da le n. 874, de 23 de agosto de 1856. foi
i var pelo decreto n. 2,208 de 22 de
i de 1858, cstabeleendo para o expediente do
conselho naval urna secretaria, cujo pessoal lixou
Boart. 30, deixou, todava, do regular as abriga.;
e direitos desee pessoal, omissao que, n$o so
prejndica a disciplina daqoella repartieao. como
- principios da justica, collocando os em-
nie retiro, emposicio mais desvan-
taj isa que a de outros funcrionarios do ministerio
da marinna desigualdale que, sobre ser immere-
i. atienta a categora e importancia das funecoes
d jsempenhadas pelo conselho e sua secretaria, pa-
aria ao espirito do art. II da le que fun-
dn esta instituirlo, e quo ao mesmo lempo conce-
ao governo paia reformar a secreta-
ria de estado e quartel enera!, com 6 fim de har-
monisar esses tres ramos do servico naval.
Assim que. emquanto o; regulamentos das
dnas repai tetina citadas, e mesmo os da
contadi ra, intendencia e inspeccoes dos ananaes,
:i) ilara e [mudamente os deveres dos respec-
ti ves empregados, coniminam penas disciplinaros
par.'; as infraccdes e desvos de toes deveros, e re-
gulan) a coi cessao das lirencas, aposentantes e ou-
tros favores, o regulamenlo em qocsiSn abre mar-
gem desidia e ao abuso, pela ausencia de dispo-
'- coercitiras, deixa vagaeineerlaa posicao do
en..regado, eujo futuro nao c:.t garantido.
Para preeneher a lacinia que acabo de assig-
nalar-vos, bastarla tornar extensivas a estes empre-
adosas disposieos dos arts. 19 e 20, 22 a.30, e
!
do regulamenlo que baixoa com o decreto
n. 1,359, ilc 10 ile fevereiro di 1859, sendo exer-
eld pelo secretario do consellia naval as attri-
1 conferidas, em tonos de taes artigo*, ao
ral da secretara de estado.
11 pendendo, porm, de v'h semelliaite medi-
da, litmto-roe a chamar a vossaattencSo para oas-
-Iierandoquevos digneis toma-locm con-
acao.
Q lartel general.No men relatorio do auno
i ti ve oeeaslao de chimar a atteneo do
eori q legislativo para a exigatdade dos veneiroen-
nx Ihados. ao pessoal desta Importante repartieao ;
. novo o faro, esperando de que nao vos
d itidarois de melborar a posieao de taes servi-
dores, logo que as circomstan -ias lnanceiras do
i ITerecam opportonidade para esta c entras
i para ;oesde incontestavel justica e equidade.mas
mo podem ser decretadas sem augmento de
/a.
0 regulamenlo n. 2,530. de 25 de fevereiro do
1860. resent -se de alguns defeitos que a praiica
lemoostrado, e que podem ser remediados sem
nda e essencial alterabas daquelle acto.
Nesto raso eslava o art. 1 % lo do referido
re llamen) cuja revogacSo Sua Magestade houve
por bem determinar, em consepienria das seg un
tos raies que tive a honra de respetosamente cx-
| ^iie.
< A atlrluiieao de inspeccionaros officiaes, pra-
vas de pret e da marinhagem. subnieltidos pelo
artel general da marinna ao exame das juilas
-mde, foi. pelo <. art. 8. do regularmente
provisorio mandado observar |wr aviso de 27 de
julho de 1858, conferida a una commissao prasi-
pelo cirargfio-mr da armada, ao noal corra
io, segando o art. 13 do referido regnla-
i nio, nao s de informar romo presidente da jan-
la aoiorldade superior, sobre o resultado de taes
-. as anda d expor em reservado sua
opmiaoindividual acerca doassumpto, quando. \x [ner fundamento, divergisse do parecer da
maiora da mesina junta.
Esta disposicao, porm, de tanta ulilidado e
miencia para a moralisacao de scmclhantes
e de t.o valioso auxilio fixaco do
[alzo do governo, foi annullada pelo 15 art. 7.
do regulamento n. 2,536, de 25 de fevereiro de
te retiron ao cirurgiao-mr a presidencia
da- juntas de saude na corle, para della investir o
enrarregado do quarlel general da marinna, evi-
dentemente o menos proprio para o exercicio de
t funeedes, por carecer dos predicados pruii--
- indispensaveb para bem aquilatar da vera-
cidade das molestias allegadas.
no.
P t nrmente pedio e obtevo demis.-ao o di-
i Angelo Thotnaz do Amaral: o que
i! : iwomovidos i director do
iro official Antonio ('.arlo- Cesar Mello'do;
.id', que contina com exercicio no 10001jas
i primeiro oflicial, o segundo dito Ber-'
nardo Rodtigues do l-'aria; c a segundo oflicial o conservera doenles por mais de dous mezes, sejam
f^asio Jos da Crnz. desembarcados e desligados das commissoes que
l esta furnia vagos tres lugares del estiverem desempenhando, como taes privados das
s quaes, levado das razesque tive j correspondentes gratificaedes e vanlageas, e reco-
pdr no mea anterior relatorio, pre- Ibidos a corte, quando sem inconveniente, possam
nte dous, nomcando para elles o Ur-1 ser esta transportados.
Continnam na Europa os mesos omciaes
enumerados no mea ultimo relatorio, applirando-
se aos estados ou desempenhando as commissoes
de que dei conta naquelle documento.
Gorpo de saiide. o inappa n. 3, que acha-
ris entro os annexos, demonstra, circumstanria-
damente, o esta i" acloal do corpo de sadde da ar-
mada.
Tem sido ainda demorada, por affluencia de
outros trab.iUios. a organisa^ao do projeeto de re-
gulamento que lleve substituir 0 que foi proviso-
riamente dado i esto corpo pelo aviso de 27 do ju-
lho de 18,')8. cojas disposico 's do inaior nleresse
para a regularidade e boa marcha do servleo, me-
lhor harinonisar com e plano orgnico do mesmo
corpo. estabelecida pelo decreto n. 1.981 de 30 de
setembro dft I-'I7, e com o regulamenlo dos hospi-
taes mandado observar por decreto n. 1.104 de 3
de Janeiro de 1853.
Suscilando-se dovidas sobre o modo de contar
a antiguidade e tempo de servico dos cirurgioes.
declaroa-se poravno de 23 de outubro do anno
findo, e om virtude da imperial rosolucao de H do
mesmo mez, tomada sobre consulta da seccao de
guerra e marinba do conselho de estado:
I." Que a antiguidade e tempo de servico dos
ofliciaes nomeados para o corno de sade da arma-
da, devem ser contados da data em que estes se
apresentarem no qoartel general da marinha para
entrar na escala respectiva.
2." Que sarao considerados nullos e sem cffei-
lo os despachos daquelles, que. Humeados para o
referido corpo deixarem de apresenlar-se predi-
la reparlifao dentro do prazo de seis mezes, conta-
dos da dala da jiublicacao de laes despachos no
Diario Official.
A rosolucao legislativa sanecionada pelo decreto
n 611 de 18 de iulho de 1892, permittia. como sa-
bis, qae os officiaes da armada nacional e impe-
rial, o do BStincto corpo de artilharla de marinha,
demittidos dos postes a pedido seo, conlinuassem
a contribuir para o monle-pio, cuja pensiio fica-
riam com direito. em tal caso, suas viuvas e fami-
lias, segando o plano de 23 do setembro de 1795;
e urna subseqoeate resolucio, sanecionada por de-
creto n. hii do 13 de agosto de 1856, declaren os
cirurgioes do corpo de sade com direito a sor
comprehendidos, como os domis otficiaes. no refe-
rido monte-pi, faxendo-lbes extensivos os mesmos
favores estes concedidos.
Tirando argumento desla resolucio, requere-
rara alguns cirurgioes demittidos, a'pedido seu. o
favor concedido naquella. Sendo, porm, ouvida
a respectiva seceso do eonselho de estado opinou
esta que nenhum direito tintiain os mencionados
cirargioes ao indulto invocado; porque, a resola-
efio de 1852, no l'azendo mencao de nutras clas-
ses, siprossa e privativamente 1> outorgra aos offi-
ciaes da armada ; e que, ainda quando essa nao
fosse a intelligeneia clara e manifesta da le, ao
poder legislativo, e nao ao execulive, cabia o defe-
rimento de seinelhaiite prolencao, por quanto a-
quelle e nao a este compete a' interprctac.o das
leis.
Com quanto nao me pareeam concludentes as
raides que tevaram a seccao de marinha e guerra
a ilosaiiender ao roquei monto em ijueslao, a vista
da resolucio de 185(i, que. a meii ver, firma o di-
reito allegado pelos cirurgioes; lodavia, acatando
como deve lio valiosa e respeitavel auloridade, te-
nho hesitado em tomar para o governo a responso-
bilidade de resolver a questao; e, nestes termos,
reputo do meu de ver pdir-VOS que, considerando
o direito que por ventura leiiba o corpo de sade
a esse favor, e bem a.-sun ajusliea deeguila-h
em vanlageM ao corpo da armada a que foi com-
pletamente assera tlhado, e cujo ouus partilha, vos
digneis providenciar sobre o assumpto, ampliando
aquella resoloco a todas as classes que actual-
mente gozam do beoeflcio do monle-pio,
Se assim o rosolverdes, p i i- r s, se vos pare-
cer conveniente, tomar occasio desse fado para
limitar seinelliante concessao aos offlelaei que ob-
tiverem exoneracao dos postes depois de dez an-
nos do servico; 'restrioeao que. respailando legili-
mos interesses, allivia os sacnlieios dos cofres p-
blicos.
Corpo dos ofliciaes de fazen la.O inappa n. 4
dcircumstanciadi noticia do eftectivo das classes
do corpo dos ofliciaes de faxenda da armada, e brm
assim da totalidado dos eacrivies e coinmissarios
extranumeraria que, em consequencia das nacos-
sidades do servico, estao actualmente emprogados
bordo dos navios, e em diversos estabelecimen-
tos da repartieao d marinha.
Os mesmos inconvenientes e defeitos, de qae
fiz mene/io no meu anterior relatorio, tratando des-
te corpo, coolinani a actuar, prejudieialmenfe, no
desempenho das Importantes funeedes que ihe es-
t.o encarregadas, e das quaes iraraedialamenle de-
pendem o bem-estar das guarnicoes, c o til era-
prego de um cusloso material, cuja acqaisteao con-
som a nielhor parte dos recursos da marinha.
A reorganisacio do corpo do fazeifda por-
tanto, medida digna da vossa attcnc.ao, e que, para
ser proficua, deve abranger a reforma do systema
de contablidade e liscalisacao boje seguido na ma-
rinha.
Corpo de inacbinislas. O quadro do corpo
de macliinistas conta actualmente 7 machinistas
de primeira dasse, 12 da segunda, 7 da lerceira, e
28 ajudantes da primeira, segiuida e terceira clas-
se, que, alm de S\ machinistas extranumerarios,
acham-se empregados no servico das machinas dos
navios da armada e eslabelecimentos de marinha,
como mostra no mappa annexo oh n. '>;
No intuito de destruir os obstculos, que, com
mais terca estorvavam odesenvolvimenlo desle cor-
po, amesqnlnnando os resultados que so espera-
vam colher com a su creacao, foi elle reorgani-
sado no sentido das ideas liudamente expendidas
no meu anterior relatorio: dando-lhe o decreto
n. 3.18 de 18 de novembro ultimo nove regula-
mento, que foi mandado observar com oxcepcao
dos arts. 4'1 a 9" e 77 qae, por conierem providen-
cias excedentes das attribtiicoes do governo, lea-
rain dependendo do approvacao vossa.
t O novo regnlamento Bxou para o corpo um
quadro em prporeao com as exigencias do servi-
co naval, hiendo assim desapparecor a instaMIi-
dade dos empregos ; reduziu o numero di- apren-
dizes, supprimindo a lerceira Classe do ajudantes ;
estabelecendo como condicao improseindivel para
a admissao na segunda rlas'se dos ajudantes, nica
em que de futuro se Rodera entrar para o cori,
carta de approvacao nas Iheorias esaonciaes ao
exercicio da proflssio, e exigindo, para a promo-
eao da primeira classe do ajuilanles a terceira clas-
se de machinistas, exame de suficiencia na prati-
ca e applicacao daipiellas Insorias, tornou o acees-
so superiores a esta indepenlente de novos exa-
mes, e apenas sujeito ao preenchimenlo de deter-
minados intersticios : defina mais explcitamente
os deveres e direitos de cada um ; estat liu regras
claras e invariaveis sobre a concessao de licenfeas
e reformas, coinputacao da antiguidade e lempo
de servijo, providenciando ao mesmo temiw sobre
d'
Lumpria, por tanto, remover os embareos quo
ahi provinham^u repor as cousas ne antigo p,
devolvendo ao ejairgiaoinr a atlribtiicjao de prc-
as juntas oP'saude. (>im este fim foi pro-
mulgado o decreto n. 3,127 de 16 de julho do anno
passado,
Forca naval.
Corpo da armada.Sua Magestade o Impcra-
d:. por decreto de 28 de novembro ultimo, houve
a bem fazer urna proniocao no corpo da armada,
preenonendo s vagas existentes, elevou o seu
oslado complete as classes do respectivo quadro,
superiores s dos segundos lenles, como veris
do inappa n. 2, que egualmento indica a natureza
do servico c commissoes em que so acbain empre-
gados os officiaes deste corpo.
Dando-se a mais completa divergencia entre
as dispusieres que regiam a coinputacao da anti-
gnilade e temjio de servico prestado pelos officiaes
da armada, e as que vigorara em idntica materia,
relativamente aos officiaes do exordio; por quanto,
ao passo que a provisto de 1819 expressautente de-
termina que o tempo de servico destes soja contado
de?de a data dos seus primeiros assentamentos de
{rana nos litros meslres dos respectivos cornos, u
de 7 de marco de 1812, e o decreto n. 1021 de < do
julho de 1859, apenas mandam contar quellcs os
servicos prestados na oualidade de piloto, official
marinheiro, ou pracaflos cornos policiaes militar-
mente organisados, nada dispondo quanto ao pres-
tado como praca de marinhagem ou de pret ; de-
clarou-so por aviso de 11 de setembro do anno On-
dee em cuinprirnento da imperial resoucao toma-
da sobre consulta do conselho supremo militar do
10 de agosto antecedente, que as ofliciaes da ar-
mada: classes aiinexas se deve levar era conta,
para a reforma o condeeoraoao do habite de S.
liento do Aviz, o tempo que electivamente tiverem
servido desde as suas primeiras pracas na mari-
iii ou eorpos de marinha.
la medida, provocada pela conveniencia de
harmonisara legislacao da marinhaOom a do exer-
cito, pois termo a injustica com que alguns offl-
Ctaes viam desaltenddoa servico; prestados nossa
armada, em circumslancias dillceis, ao passo que
outros se levavam em conta at os prasos que
baviam servido nos eorpos de polica da corle e
provincias.
difireme* casos emissos no regulamento n. 1.945
de 11 de julho de 1817.
a reforma, que em resumo acabo de submet-
ter vossa apreciacao, loi completada pida reorga-
nisu' > di oscila d michini-tis estabelecida no :
o mal d i cirio, de quo em outro lugar e mais do .
e-paeo me oocujiarei.
t (!oi|i i de ofliciaes marinheiros. CompOe-se
actualmente o c >rpo de ofliciaes marinheiros de II
mestre do primeira classe, 19 ditos da segunda,1
e 32 giiardiies.
Alm deslos exlslem mais 20 meslres e 69
gnardiaes extranumerarios, empregados no servi-
co dos navios da armada, como mostra o mappa
i. (i.
Por decreto n. 3.208 de 21 de novembro ra-
solveu o governo imperial dar novo regulamento
a este corpo, derogando o de n. 2.109 de 20 de fe-
vereiro de 1858, qu o reorganisira.
Esta providencia tem por tm preeneher as
lacinias, que se notavam no citado reculamente,
cujas disposicoos nao proviam inuitos casos, que '
o novo attendeu, xando regias pare a eoneossao
de licencas, reformas, graduacoes, deraissdos, com-
putacao da antiguidade e lempo de servico, admis-,
sao de extranumerarios c outras de egul alcance, j
Corpos de imperiaes marinheiros e compa-1
nhias de aprendizes.Os inappas ns. 7 10 ex-
pdem o estado actual do corpo de imperiaes mari-,
nheiros e companhia de aprendizes. O corpo cen-
tral, dividido em 15 rompanhias, aprsenla um ef-1
feetivo de 1.694 pracas de pret, 15 do estado-maior
e menor e 8 offleiaos de patente ; o que d um
aogmento de 59 pracas sobre o algarismo regis-
trado no mappa, que'acompanha o relatorio do an-1
no passado.
A totalidade da forra da provincia de Mallo-1
Grosso, segundo o ultimo mappa d"ali remettido,
elevase a 110 pracas. |
As nove eompannias de aprendizes marinhei-
ros. existentes na corle o provincias do Para, Ma-
ranho, Pernamboco. Babia, Espirito-Santo, Santa
Catharina, Rio Grande do Sul e Matto-Grosso. cou-
tam um elfectivo 1 656 aprendizes.
O contiegenle fornecirto por estas companhias
ao corpo central foi da 113 pracas.
Continuam. pois, a ser satisfactorios os resul-
tados desta inslituicao, cuja prosperidade seria
ainda maior, so algumas companhias, como por
exemplo a do Para, tivessem acompanhado o 003-
envolvimonto das de outras provincias.
Durante ofanno findo, imprimiu-se grande
aclividade instruccao profissional das pracas
tanto do corpo, como das companhias de aprendi-
zes, amiudando-se os exercicios de artllharia, in-
famara, apparelho e manobras, rom o que muito
tem ellas ganho em pericia e destreza.
t Cabe aqu sobrelevar a desigualdade, que
presentemente se d, entre os vencimenios abo-
nados aos olliciaes e pracas do corpo de imperiaes
marinheiros, quando so acham em servico no
quartel,"e os quo percebem esses mesmos olliciaes
e pracas a bordo dos navios de guerra ; desigual-
dade tanto mais injusta quanto o trabalho desem-
penhado no primeiro caso oneroso e por sua na-
tureza importante.
t Antes de passar a outro assumpto, devo ain-
da lembrar-vos a conveniencia de estender-se aos
corpos de marinha a disposic/io que permitte ao
soldado do exercito escusar-se d > servico militar,
fazendo-se substituir nesto por individuo idneo e
sonto dosonus militares.
Urna providencia' desta ordem e dictada com
asrestricijdes aconselhadas pela differenca de ha-
bilitacoes e reqoioilos exigidos para as duas pro-
lissSes. a de soldado e a de marinheiro. sobre at-
tenuar senivelmeete os effeitos do recrutamento,
traria marinha de guerra a nao menos aprecia-
re! vantagem de substituir, s mais das vezes,
nas suas lucirs, urna praca voluntaria a urna re-
editada.
t Batalhao naval.O mappa n. 11 acensa na
forca do batalhao naval um augmento de 58 pra-
cas', gendo actualmente de 157 effectivo das
quatro companhias que estao organisadas.
Prorin esta resoltado de maior somma de
recrulas ali entrados, o que nao so permitliu con-
celer-se escusas umitas pracas que ha viam
terminado os oreaos a que ostavam obrigadas a
servir, como proJuzio o indicado augmento-
Muito tem ganho a insiriiecao e disciplina de
suas pracas com o proseguimento dos exercicios
seinanaes, esiabelecidos pelo aviso de 9 de se-
tembro de 1861, sendo para desojar que um mais
crescido numero de sol lados permita por em pre-
tica o regular revesamento dos destacamentos.
Reansar-se-ha, d-ntro em pouco tempo, a
transferencia desle batalhao para aquarlelamenlo
mais vaste e de inolhores proporeSss uue o por
elle oceupado na fortaleza de Willegaigrlou, visio
como toca a seu termo a construcciio do edificio
para esse fim expressamente construido na liba
das Cobras.
Com esta providencia lucra a disciplina do ba-
talhao que melhor pode desenvolver-se, livre do
contacto de outras pracas e de pessoas dependen-
tes de diversas repartieres ; lucra oensino prali-
co, pela acqusicao de terreno mais espacioso o
apropositado para os exercicios e evolucws mili-
tares ; lucra o corpo de imperiaes marinheiros, a
pie ficam pertencendo todo o espaeo alojamenlo
boje o;:cupados pelo batalhao naval ; e consegue-
so, sen augmento ou creacao de nova forca, guar-
necer, como tanto convm, as bateras resiabelo-
eidas naquella lillia.
t A edQracao do mencionado quartel, foi ajus-
tada pela quatia de 50:091-5000, como veris dos
termos de contrato o additamento ao mosmo, que
se acha enlre os documentos annexos a este re-
latorio, celbralo com Francisco Soares Pinto,
que, olfereeen lo mais vantajosas condices, que
oulros emproiteiros, qiirt egualmente propuzeram
encarregar-se de semelhante obra, ohrigou-se, alm
disso, a conclui-la no curto prazo de seis mezes,
que, posteriormente, vista de circumslancias nao
previstas, e de alteracoes e accrescentamontos fei-
tos no primitivo plano, julguei de equidade aug-
mentar com mais 60 dias.
c Estado do material de guerra, organisacao e
disciplina da forca naval.- estado e actual ds-
tribuicao da nossa for^a naval acha-sa estendi-
daineie descripto no mappa annexo Sob n. 12.
Compe-se esta de 11 navios, a saber :
'De irla.
Fragata....... 1
Corvetas...... 4 "
Hrigue-barca... 1
llrigue....... 1
Urigue escunas 2
Escona....... 1
Hiatos ....... 2
Transporte___ 1 13
3,65
860
civallos
millias
para
egac.
250
101/2
Vapores.
De rodas...... 14
A belice...... 14 28
41
Alm destes existem mais desarmados e em
fabrico, os navios enumerados no inappa n. 13.
Os 41 navios armados montara 246 bocas de fogo,
e sao tripulados por GS9 olliciaes das differentes
I classes de embarque e 2,511 pracas de pret e ma-
rinhagem : ao 1o lo 3,203 Inmens'.
Confrontndose estes dados com os fio ultimo
relatorio, reconheeem-se as sdguinles dMTerencas :
mais 173 pracas e menos2navios e4 Boceas de
fogo, proveniente do desarmamento dos vapores
Camacuan e Ap'i, e do hiate Itio Formoso, e arma-
mento do pequeo vapor Cacltoeira, destinado ao
servleo das aguas internas da provincia do Rio
Grande do Sul.
Cumpre, entretanto, notar, que, com quanto
possuamos boje menor numero de navios, que ha
dous anuos, a forca naval que mantenas em aeli-
| vidade nao todava inferior a d'apiella poca,
! em que liguravain, apenas nomiiialmente, muilos
vasos inloirauenlo imprestaveis, e incapazes de
aflronlar os riscos da mais curia uavegacao.
Tratando deste assumpto no meu primeiro re-
i lalorio sobrolevei, quanto era urgente, curarmos
da renovacao do male ial ila nossa esquadia, cujos
navios, qu'er em numero, quer em ipialidado, eslfl
milite longo de satisfacer ai necessidades do servi-
co ordinario, o as exigencias croadas pela completa
transformaco que os progressos da industria rao-
dorna lom operado nos preceitos e condicoes da
guerra naval.
<< As raides qne entao prodnzi para fundimentar
essa opini.io.as considerai;oes qae liz pare demons-
trar a improseindivel necessidade de quanlo antes,
' adquiriruios, alera de armas portates, arlilharia e
petrechos dos mais acreditados syslemas modernos,
i polo menos urna corveta e duas canhoneiras encou-
; rocadas disponsando-me de entrar em novos desen-
volvimeiites, auiorisam-me a insistir no pedido con-
signado naquelle documento, e levam-me a nutrir
a esporanra de que nao vos descudareis de. dar-llie
prompta e'adoijuada soluco.
t Os sacrificios pecuniarios exigidos pela imme-
diata compra detSOS tros vasos, nao serio ISO posa-
dos como a principio se atllgnravain ; visto como
rae ser appneada a eoostrnecio de um dos navios
referidos parle doprodaclodasubsrripoao patriti-
camente offerecida pela pnpulaco brasileira, para
atieniiar os gastos do armamento do pai/..
Assim que, leudo Mr. l'itoiu, agente uesla cor-
te da grande e acreditada companhia Francesa de
Forgesci Chantiers de la Mediterrneo, formlalo
proposlas para a venda de urna canlioneira e duas
corvlas encouracadas, cujos planos aprsenlo, re-
solveu o governo ; depois deouvir o parecer do di-
rector das conslrucooes navaes do arsenal da cor-
te, e de conformla ie cora as modilicacoes que esto
julgou a proposito indicar nos planos aprsenla los,
contractar com o mencionado agente a conslrucca i
de urna das corvlas, que deve liear prompta den-
tro do prazo de 12 mezes, e sal sfazer as seguintes
condicoes :
Mando d'agua md|o a contar da
parte inferior da qmllia....... metros
l|orio. minimum.............. tons.
Forca nominal das machinas,qne
devera produzir pelo me 9
l.ooo cavados de 75 kilogrn-
raetros medidos pelo indica-
dor de Watt................
\ eloeidade. minima, em calma
ou durante as experiencias
As carvoeiras lero capa -i lado para conler 0
carvao ocos sirio a seis dias de navegaejio a toda
forga.
Altura da iinha d'agua ao baten-
to inferior das jioitinholas____ metros 2,20
Espessura do nebimento, deve ser de tecka, em que as-
senta a couraca.............. metros 0.22
A eearaea sera de ferro, variando de 90 115
ni/'" de espessura. e descera al- 90 c/m abaixo da
Iinha de llucluaco, a ineia nao, e 80 c/ra nas ex-
tremidades.
< Este navio deve ser de pr ia ariete e montar,
abrigadas por urna torre ou go. das quaes 1 de calibre 08, da primeira classe, o
4 de calibre 70 do systema de vYhiiworlh.
t As esquadi ilhas da L'ruguayana e Matto-Gros-
so e a diviso naval do 3o distiiclo, reclamara pe-
queos navios de ferro, movidos vapor, e apropo-
sitados navogaeo lluvial, de jue actualmente nao
dispe e repartieao meu cargo, e cuja acquisico,
me parece, de inleira conveniencia nao adiar por
mais lempo.
Circumslancias, que vos sao porfoitamento co-
nbecidas, impodirem a reabzaio da viagemdeins-
(ruccao, que, segundo o disjio'ste no ari. 51 do re-
gulamenlo e decrete n. 2,163 do 1. de-mate de
1858, devia ser feta durante o anno findo, e que
vae ser emprehendida pela corveta itaftin,a qual.
levando a seu bordo as duas turmas de guardas
marinha, que terminaram os eslados era 1802 e
1863, desaferrou deste porto no da 26 dedezembro
cora ordem de dirigir-se ao Para, fazendo escala
pelos iwrtos intermedios, aneadas, surgidouros e
outros pontos da nossa costa, cuja entrada mais
conveniente ter navegacao e instruccao dos mes-
mos guardas marinha ; d"ali seguir em abrPpara
0 Havre de Graee, e depois de visitar os portes de
Ferrol, Coriinha, Lisboa, Cdiz Gibraltar e Toulon,
regressar a esta corte, tocando nas ilhas da Madei-
ra e Santo Anuo.
> l'artiu. egualmente. no dia 17 do citado mez.
com destino a Montevideo, de onde devo regressar
a este porto, a corveta 'Imperial Marinheiro, con-
duzindo, sob a direrco do professor interino de
apparelho, o capilo de fragata Marcos Jos evan-
gelista, 13 aspirantes approvados nas materias do
I." e 2." anno da escola- de marinha.
A stncta observancia das regras prceitnadas
no decreto n. 3,015, de 22 de Janeiro do anno pas-
sado, tem benficamente influido sobre a nstruc-
cao e disciplina das guarnicoes, pelo activo e cons-
tante moviinentoem que nuuttem os navios das di-
versas divisos navaes.
Nao menos proveilosos tt'in sido ao mesmo
fim os quotidianos exercicios de arlilharia, rutila-
rla, e oulras fainas effectimdos nesle porto, aos
quaes S. M. o Imperador, cora incansavel perse-
veranca, se tem dignado assistir, concorrendo com
a sua augusta presenca para desenvolver a omu-
laco, accender o enthusiasmo, e estimular o gos-
to dos BOSSOS officiaes e marinheiros, pela dif-
ncil e fatigante apreiidizagem dessas especiali-
dades.
Sol vendo una duvida levantada pelo com-
mandanle da canhoneira IbUnlii/, qae se acha em-
pregada no Borrico da eommissSo incumbida da
i demarcafao dos limites entre o Brasil e a repbli-
ca do Per, declaroa-se por aviso de 21 de agosto,
e em curaprimento da imperial resolucao de 12 do
mesmo mez, tomada sobre consulta do conselho
supremo militar, que as pracas do exercito, quan-
do destacadas bordo dos narios de guerra, com
o fim de refonar ou completar as guarnicoes des-
tes, devera ser consideradas como pertencendo aos
mesmos, e desta forma sujeitas aos regulamentos
da armada, segundo os quai s serio proeessadas
e julgadajs pelas fallas e dbelos que commel-
leroin.
Por aviso de 21 de abril, foi o capitao tenente
Henrique Antonio Baptista autorizado a comprar
na Inglaterra os moldes, caixns e mais artigos ne-
cossarios para a fundioSo de projectis, do systema
Whitworlh, de calibre 70 e 32; connnissao de que
elle deu conta, remetiendo para esta corte os rete
ridos objectos.
Por aviso da meseta data, approvei o contrato
passado em Manehester, entre aquelle ofiicial e o
fabricante Whitworth, para consirueco de 10
canhoes estriados, e os competentes projectis e
mais pcrlen^as.
Finalmente, nao tendo o capitao de mar c
1 guerra Francisco Cordeiro Torres e Alvim conse-
guido realisar nos Estados-Unidos da America do
Norte a compra da arlilharia de que fra enearro
gado, incumb ainda aquello capitao tenente de
comprar e remoller para esta corte mais G ou 8
nefas do preJito systema de Whitworth, de cala-
Ira fltt e dos calibres de 100 : 120, com os com-
petentes petrechos e municdes.
Instrucrio Iheorica e pralica.
Escola de marinha.O director da escola de
marinha, cumprindo a dis[K)sicjao do art. 135 do
regulamenlo e decreto n. 2,163, do l. de maio de
1858, reala n seguate :
Dos 67 alumnos, 50 militares, e 11 paisanos,
jolgadoS habiliados a prestar exaraes, foram ap
provados 33, c reprovados 11.
i No primeiro anno obliveram approvaedes 6
aspirantes e 3 paisanos ; no -efundo.- 9 aspirantes
e 1 paisano: e no lerceiro, 11 aspirantes. As re-
provaeSes deram-se nas materias do primeiro e
segundo anno.
Dezoilo alumnos militare- e cinco paisanos do
primeiro anno, por doenles, nao foram examinados,
e lerio de se-lo depois das ferias.
> Sendo por aviso de 26 de novembro ultimo
promovidos guardas marii:ha os 11 aspirante
que coneluirem os estudos das materias do 3. an-
no da referida escola, passarem, nos termos do re-
gulamento orgnico desta, a liear snjeiios ao quar
le general.
E', pois, o estado actual dos alumnos da
mencionada escola o que reprsenla o mappa sob
n. 15
Referindo-se disciplina e movirnento da es
cola, abona o seu director a boa ndole dos alum-
: nos. pondo por diante o fado de, no correr do au-
no, apenas ligelros castigos correccionas lerem
sido applicados s pravas d;i companhia, por pe-
( quenas faltas.
l'.epctiu-se, no anno que findou, a visita ao
Laboratorio do Campinbo, feita pelos alumnos do
3. anno. Taes visitas contina considerar o di-
rector da escola de grande vantagem para os
alumnos, que, possuindo oo ihooimeiiios theoricos
de chiinica pyrotechnica, ali observaran! o modo
pralico porque manufacturara importanles artefactos
de guerra.
'Feudo em vista o que prescrev.i o art. 135
e{|2.*e5.' do art 116 do regulamento org-
nico da escola, a de accordo com o respectivo con-
selho de instruccao, propoem o mesmo director, em
vantagem ao ensino e economa para o oslado, que
os novos alumnos s sejam aJmittidos a praca de
aspirantes, depois de approvados na gcometria
plena, em exame de habililaoo feito por escriplo
e era prova commum enlre todos.
Cr lamban o dito ebefe, ainda de harmona
rom o conselho de instruccao que Semelhante dis-
posicao em nada altera as fundamentaos do regu-
lamenlo do 1 de maio de 1858, c por isso podo
que seja ella mandada adoptar nas matriculas pr-
ximas, argumentando que fados observados, quer
i sobre o aproreila monto dos aspirantes nos primei-
ro- Ouus meses do 1" anno do curso da escola,
quer relativamente aos lugares quo, por ordem de
inerecimenlo, cooberam aot asprenles e alumnos
paisanos repetentes, dao tot/o fundamento para a
i adopeo de semelhante nied:da; por isso que est
j verificado que alomos ponen estudiosos nos pri-
inciivs mezes conliniiaro a' o lira do anno sem
nproveilainento. e o tnico aspirante approvado li-
cari enllocado em ultimo lii^-ar. fado de que se
i pode Tar argumentos negativos quanto vanta-
gem do intrnate inmediato.
Escola de machinistas di arsenal de marinha.
A reformado programma de en-iiio desta esco-
la, complemento ndispensawl reorganisacio do
COrpO d machinistas. foi lev ida 4 effeito pelo de-
relo n. 3,185 de 18 de novimbro ultimo, qne llie
deu novo regulamento.
Limitarlo da .matricula aos aprendizes e ope*
rarios do arsenal, com nju-iieada exelosio de
candidatos estranhos a este; falta de clareza o me-
Ihodo no programma de estudos; iraca compensa-
cao offerecida aos alumnos approvados; taes eram,
alm de oulros de menos vulto, os principaes de-
feitos, geralmente assigaaiados no regulamento n.!
2,542 de 21 de abril de 1860, e que procurei. cui-
dadosamente, emendar no que se acha em vigor,
facultando a frequencia da aula nao s aos referi-
d is aprendizes, mas tambera aos ajudantes machi-
nistas e fog lisias dos navios da anuid i. pratican-
les e fbguisias das embarcacoes do commercioe!
em geral a quanlos pretenderen] cursa-la, com o
Um do habilitar-so>legalmente' para o exercicio de
urna industria de lamanbo inlercsse, e que (So
grande incremento vae lomando ntrenos; ros-
tringindo o ensin i iheorico as qoedes indispensa-
vois ao simples engenheiro conductor de machinas,
alim de dar maior expansao a instruccao pralica,
oflereeendo, em Oro, como premio aos alumnos
approvados, que qnizerem dediear-se ao servico
publico, a espeejativa de um lugar no corpo de
machinistas da armada, isto una carreira hon-
rosa e lucrativa.
Escola pralica de arlilharia e outras armas.
Matricularan se no coraeco do anno lindo ncsia
escola 51 alomos, perteneeRIes ao corpo de im-
periaes marinheiros, companhia de aprendizes da
corlo' o batalhao naval, numero que, tres mezes
depois licou reduzido a 38, pela eliininacaodepra-
cas cuja inaptidSo foi reconhecida.
Dos alumnos que continuaram a frequenla-la
julgou o respectivo professor habilitados, com os
conhecimentos necessarlos para o desempenho das
funeedes de arlilbeiros de e 2' classe 15. que
foram submeltidos exame, na eonformidade do
regulamento.
A parte pralica do ensino recebeu no decurso
do anno o mais solicito desenvolvimento, elfec-
luando-so continuados exercicios de arlilharia e
fusilara contra alvos fluctuantes. collocados a dif-
ferentes distancias, tanto ueste porto, como duran-
te a viagem de inslrucgao realizada a bordo da
corveta Imperial Marinheiro.
A falta de um compendio, apropriado ligao
das materias que conslituem o ensino da escola c
intelliffivel ponea llustraeo dos que a frequen-
iun, adiase boje ventajosamente preenchida pela
adopcao do Manual do Marinheiro Artitkeifo, ver-
tido do francez, e consideravelinenle augmentado,
principalmente no que concerne ao uso e manejo
da nova arlilharia, pelo capitao tenente Francisco
Leopoldo Cahral do Canto e Teive, seu actual pro-
fessor.
Muilos sao os bices que ainda se oppo.' ao
desenvolvimento desta inslituicao, e que cumpre
ir cuidadosamente aplanando, para que ella possa
produzir os vantajosos resultados que promette
nossa marinha.
Assim que, nao duvido pedir-vos autorisacao
para conceder aos artilheiros de 1" e 2" classe,
approvados pela escola, urna pequea gratificaco
addicional ao sold que poder ser de 100 ris
diarios para estes, e de 120 ris para aquelles.
Esta concessao, to pouco custosa aos cofres
do estado, pelo limitado numero de -pracas que
della terao de aproveitar-se, concorrer poderosa-
mente para desenvolver entre as nossas guarni-
coes, de si pouco inclinadas a leitura, o gosto pelo
estudo de urna especialidade de que poderlo tirar
immediato proveito.
Presos.
t Havendo a commissao creada pelo artigo Io
do regulamento e decrete n. 1,708 de 27 de de-
zembro de 1855, concluido todos os trabalhos re-
lativos partilha da somma de 252:351^650, vo-
lada pela n. 831 de 16 de agosto do referido anno,
como indemnisacao das presas feitas durante a
guerra da independencia, foi a mesma partilha,
com os recursos que della inlerposeram o almi-
rante John Pascoe Grenfell, Augusto Frederico
Gooday, na qualidade de herdeiro do capitao de
mar e guerra Crosbye e Luiz de Beaurepaire Bu-
han, por si e outros herdeiros do vico almirante
Thcodoro de Beaurepaire, submettida ao exame
das seccoes reunidas de marinha o guerra e fa-
zenda do conselho de estado, que, em consulta de
16 dejunho do anno findo, com a qual S. M. o
Imperador houve bem conformar-se, por sua
imperial resolucao de 5 de agoste segrate, opina-
ram que se devia approvar a partilha em questao,
negando provimento aos recursos.
Julgada assim a partilha em ultima instancia,
solicite! do ministerio da fazenda em 28 do momo
mez as providencias necessarias, alim de realisar-
se no thesouro nacional o pagamento dos qunhoes
adjudicados aos diversos reclamantes, cujo direito
foi reconhecido.
Achandose desta forma completamente termi-
nada a larefa incumbida commissao, foi esta dis-
solvida por aviso de 26 de outubro, mand indo-se
guardar na contadoria da marinha osprocossos,
livros e documentos existentes no seu archivo.
Arsenaes.
Arsenal da corle.Variados e importantes tra-
balhos. affluiram, no decurso do anno lindo, para o
arsenal da corte, e foram desempenhades pelas suas
oflicinas cora actividade, zelo e pericia dignas de
elogio.
Para dar vazao esses trabalhos, a mor parte
dos quaes eram de urgente exeruoao foi mistar
mandar admittir nas oflicinas maior numero de
operarios que o fixado nos seus qnadros normaes;
o que, augmentando, sensivelmente, o algarismo
das ferias mensaes, causou um dficit no crdito
consignado para as despezas das rubricas oramos!
e obras de 1862 1863, e ter forzosamente de
produzir idntico resultado no corrente exer-
cicio.
< Na oflicina de pedreiros, por exemplo, cujo
pessoal em circumslancias ordinarias, de 70 ape-
rarlos e 36 srvenles, foi o numero daquelles ele-
vado 206 e o destes 308.
O maior numero de operarios empregados
trono, como era natural, maior consumo de mate-
ria prima, e conseguintoinento, um excesso na ru-
brica material dos referidos exercicios.
Para explicar os dficits que lenho alludido,
basta attender que, s nas obras em via de exeeu-
co nas fortalezas do Willegainon, liba das Cobres
Boa-Viagem, despendeu-se de Janeiro novembro
do anno findo, 93:011,5562 na primeira, 70:3905191
na segunda, e 46:831500 na terceira, ao todo.....
210:0324563.
Estao em andamento as construccoes de um
transporte hlice, e de um pequeo vapor, que
lom de receber urna machina de 40 cavados, e
destinada flotilla do Kio Grande do Sul; haven-
do a oflicina dessa ospecialidade executado no mes-
mo periodo grande copia de obras e fabricos, quer
para os navios, qur para as fortalezas c outras de-
pon lencias da repartieao.
A oflicina de machinas conclua diversos con-
certos e reparacoes nas machinas dos vasos de
guerra : fundi 27 pecas de calibre 4, systema de
a Ilute, e consideravel quanlidado de projectis
paraos ministerios da guerra e marinha; execu-
tou um apparelho motor para a nova casa da moe-
da ; e trabalha na conslruccao de duas machinas
de 200 cavallos.
Aitendcndo a importancia dos trabalhos hy-
draulicos, em execocao por conta da marinha. d'e-
liberei, autorisado pelo art 41 do regulamento n.
2,583, de 30 de abril de 1860, nomear para o em-
prego de engenheiro das colislraeooes hydrauli-
cas, o bachare capilo-tenente Giacomo Baja Ga-
haglia.
' Arsenal da Baha.Os oflicinas deste arsenal,
qae continuam a sustentar areputaoio, deque
sempre gosaram pela porfeieao do.- son- trabamos,
foram augmentadas com o estabeleeimento de una
fundite de ferro.
Acha-se paralysada, por insuffieiencia do cr-
dito consignado as despezas da rubrica obras-
no corrente exercicio, a conslruccao do novo caes.
Est-se ultimando o engradamento de ferro do
armazem de madeiras e casa do risco, cujo pavi-
mento sujienor acha-se prompto.
Trabalha-se nos repartimentos internos do edi-
ficio destinado para o quartel da 2" companhia do
aprendizes aruacos, e era concluir as divisos in-
ternas do primeiro pavimento do hospital, onde de-
vem ser estabelecidas duas enfermaras para moles-
tias epidmicas, a arrecadaejio e decentes quarlos
para olliciaes.
Arsenal de I'ernambueo.Os melhoramentos
mais instantemente reclamados por este arsenal
acham-se largamente descriptos no meu anterior
relatorio.
Ollieinas. a de COOStruceaO naval, alm das
reparacoes que so effectuou no brigue barca Ita-
marae e canhooira Itajahiy, da conslruccao de di-
versas embarcacoes miudas para o servico dos na-
vio- da diviso naval, arsenal e capitana, ireba-
Ihou no fabrico da barca de excavaco n. 2, e na
preparacio das madeiras destinadas ao transporte
que ali tem de ser feito.
A de machinas nao pode ainda competir com
aquella em actividade no servico, economa na
prodcelo e perfeico nas obras; porm, de
esperar, quo com a mais adequada inslallacao das
oflicinas, acquisico de maenfnismos e apparelhos,
(pie facilitando o trabalho, diminu ini o custo dos
artefactos, ella attioja urna p isicio lisongeira.
ObrasAcham-seem andamento a da casa para
residencia do inspector, a da niuralha qne tem de
separar a ilha do Noguera da barreta das Janga-
das, e a do caos fronieiro ao theatro de Sania
Isabel.
Arsenal do Para.Falla de espaeo para ac-
oommodacao das oflicinas. arrecadaces e mais
dependencias, insudleiencia de pessoal, dilliculda-
de na acquisico de madeiras, taes sao as causas
que mais vehementemente continuam a predomi-
nar era detrimento do ar.-enal do Para, e qne nao
podem ser removidas pelo governo. independente
de concursa vusso.
Ningaeni nelboc do que vos conheco quanto
nipona dar vigoroso impulso este estabeleei-
mento, nico situado de Pernainbuco para o nor-
te, e que de tao valioso auxilio pode vr a ser a
marinha do estado ea dos particulares alan nina
provincia, como aquella, onde a industria privada
uao offereee os necessarias recursos, c que por sua
posicao geographica, tem do tornarse o centro de
una forca naval respeitavel, e de um importante
commercio martimo : mxime, sendo realisada a
i lea la livre navegacao do Amazonas.
Escubo, pois, encarecer a urgencia na decro-
laco de meios que babililem o governo a dotar o
arsenal do Para do pessoal e material que hoje lhe
fallara, e sao indisp insaveil para erguo-lo do .aba-
timento era que tem cabido.
t O augmento dos salarios Bxados na tabella de
2 de setembro de 2857, a meu ver, o meio mais
eflicaz de allrahir para o arsenal os operarios que
presentemente se esqu vam aos seus trabalhos,
para empregar-se nos dos estaleiros da companhia
do Amazonas, onde sao mais ventajosamente re-
tribuidos, e que nao lenho posto em pralica pela
o-ea-sez dos crditos ordinarios.
Pela mesma razo tem sido adiados o accres-
centamento na ar* do referido arsenal ; a sua
completa solacio, por meio de muros que de todo
o fecheui; estabeleeimento de urna regular offlei-
na de machinas, e das de tanoeiros e poleeiros ;
a conslruccao de urna boa ponte de desembarque;
de urna casa para serrara, o outros melhoramen-
tos egualmente indispensaveis.
Vai em consideravel a liantamento a edifica-
cao do predio mandado levantar para raoradia do
inspector e accoiiimodaco de diversas repar-
tieres.
Durante o periodo que se refero este relato-
rio, elfectuaram-se naquelle arsenal, alm de con-
cerlos e reparos menores, requerido por diversos
vasos de guerra, dous grandes fabricos dos vapores
Piroja e Ibieuhfj, proseguindo-se, simultneamen-
te, nos trabalhos concernentes construoco de
um pequeo navio, destinado a servir de escola
dos aprendizes marinheiros.
Arsenal de Matto-Grosso.Contina este ar-
senal a lutar com as dlliculdades resultantes da li-
mltaeao do seu pessoal, que mal pode satisfazer
aos trabalhos mais urgentes.
- Acha-se em andamento a obra do edificio des-
tinado as nfflcinas, e que, falta de crdito, aava
suspensa.
Foi lancado ao rio, no dia 9 de marco, o va-
por Cu yaba, cuja conslruccao alli comeara era
fevereiro de 1861, e de que apenas restara por
concluir os arranjos e installaces internas.
Alm dos trabalhos relativos esse navio, oc-*
cuparam-se os operarios daquelle arsenal em re-
paraedes e concertos exigidos pelo vaso da es-
quadrilha, entre os quaes foi de maior importancia
fabrico radical do vapor Corumb, que, em conse-
quencia da baixa do rio, leve de ser realisado ha
mais de 11 leguas do porto da capital, sendo-lhe
desta remettidos com grande perda de tempo e
augmento de despeza, o material e operarios pre-
cisos.
Este fado urna consequencia natural da
inconveniente posicao em que se acha collocado o
arsenal de Matto-Grosso, cuja remocho para lora-
dade mais asada e isempia dos defeitos que alli se
fazem sentir, hoje geralmente reclamada por
quantos se tem dado ao estudo dessa questao.
Se a necessidade da remocao por todos re-
conhecida, na eleiclo do sitio para ftindaco do
novo arsenal nao se d a mesma unanimidade.
< Kutre todos os locaes indicados, como reuna-
do a maior somma de condicoes essenciaes um
estabeleeimento dessa natureza, nao vacillo em
dar preferencia ao comprehendido entre o lado
esquerdo da villa de Corumb e a bahia de Ta-
inengos.
Collocado alli, ficar o arsenal em um dos
bons ancoradouros da provincia, accessivel em
todas as pocas do anno aos navios que navegam
aquellas aguas, prximo do centro da estacao na-
val e da villa de Corumb. cuja populadlo e recur-
sos tendera a crescer rpidamente.
Alli poderao receber, com menor despeza mais
regularidade e promptidao os supprimentos de
material que lhe vo desla irte, e os que tira do
interior da provincia, principalmente em madei-
ras ; e que cora toda a facilidade lhe poderlo che-
gar aguas abaixo.
Em Corumb depararam os operarios e em-
pregados do estabeleeimento as facilidades e cora-
modos que ollerece a residencia era urna praca
commercial.
Finalmente, coberto pelas fortificacoes que
lorio de ser levantadas para defeza da villa, e pelos
navios da estacao naval eara o arsenaj perfeia-
meote resguardado de qualquer aggreso.
Nao desconheco que semelhante melboramen-
lo exigir erescidadesposa, ja coma fundarlo dos
necessarios edificios, ja com aterro, muralhas e al-
guns trabalhos hydraulicos, indispensaveis para
dar mais vastas pfoporcSes ao terreno, e afeicoa-
los necessidades de um regular estabeleeimento
de marinha : porm emendo que essa considera-
rlo nao deve ser um obstculo realisaclo da
transferencia desde que se atienda nao s somma
de vanlagens que dahi devem descender, mas tam-
ben! a que tal despeza, nao tendo de realisar-se de
rhofre, pode ser repartida por diversos exercicios,
segundo as tercas do thesouro.
Accresce que a predisposiclo das casas e ar-
mazens necessarios completa installaclo doarse- '
nal em Cu yaba, demanda ainda oemprego de avul-
ladas quantias, que com mais ulilidade, podem ser
gastas em locabdade mais propria.
i E nem se diga, que com a adopcao do plano
que deixo esbocado, se inuuHsarao as obras feitas
na capital; porquanto, ainda effectuada a mudan-
ca indicada, os predios existentes serlo ventajosa-
mente aproveitados para aquarlelamenlo do corpo
de imperiaes marinheiros. eaccommodaclo de um
pequeo eslaleiro para concertos ligeros, de que
nio nos dado prescindir, e que devemos ali man-
ter com os recursos hoje applicados ao eslaleiro dos
Dourados, que, em tal caso, deixar de existir.
Dique imperial da Ilha das Cobras.Conclui-
da a porta provisoria de inadeira que o engenhei-
ro Uenry Law resolver construir a sua custa, di-*
ngio-sc este ao governo, pedindo que, ou lhe cem-
prasse a mencionada porta, ou permitlisse-lhe uti-
li-ar-se do dique por lempo determinado, alim de
quo, como seu rendimento, indenmisar-sedos gas-
ios quo iinha feito com "ella.
Subsisiindo. porm, as raztes que baviam le-
vado o governo a recusar a proposta anteriormente
formulada pelo mesmo engenheiro, para encarre-
gar-se da roiistriicoao dessa porta por conta da re-
partidlo da marinha, e de que dei noticia no rela-
torio de maio ultimo, nao julguei proposito eflec-
tuar semelhante compra, para o qual, ao demn-,
nao me proporcionava o orcamenlo a necessaria
quaniia.
t Considerando, todava, que inulilisado corno
eslava o dique, e como deviacon-ervar-se at ache-
gada da porta de ferro encommendada a John May-
lor, de nenhum proveito poderla ser marinha.
Consid.'iando, mais, que a segunda alternati-
va Ja proposta cima substanciada, ao passo quo
assegurava a Mr. Law urna equitativa coni'iensa-
cao dos sacrificios pecuniarios a que o obligara a
realisaclo de seu plano facilitan a reparti-
lo men cargo um meio de, sera novos gas-
tos, repor o dique em estado de immediata ser-
venta ; pareeeu-nie acertado adoptar esse alvitre,
e nesse sentido etpedi ordem a intendencia, que,
era 20 de maio, lirmou o ajuste, cujo termo se acha
junio, e segundo o qual foi perinitldo Mr. Law
utilisar-se do dique imperial at 30 de novembro
do anno lindo, para alli fabricar navios por sua
conta, e mediante retribuiclo cobrada em seu pro-
veito ; obngando-se este, nao s a limpar o mes-
mo dique e polo em estado de funecionar regular-
mente, reniovendo do seu fundo a porta de ferro
que alli jazia, mas ainda, a ceder reparliclo da
marinha, sem mais onus ou relribuie.lo algunia, a
nova porta de inadeira.
Bem deprosaa vieram os fados confirmaras
vanlagens qae cu aatevia nosia resolucio ; por-
quanto posto o dique em actividade, tiveraos occa-
sio de alli coacertar, com grande economa do
lempoe de dinheiro, alguns dos nossos navios que
pediam reparacoes.
No iiiluilo de reunir esclarecimentos e iufor-
macoes imparciaes e competentes, que possam com
seguranca guia: o jnizo dos poderes ilo estado na
apreciacao das questoes praticas, que se prelendein
a reclamadlo iniciada em julho de 1862 pelo enge-
nheiro lleni y Law, e na qual pede iudeninisacao
de premisos, que allega ter soJfndo na empreitada
deste dique, nouii'oi una couiinissao coniposla do
ca lilao tenente Giacomo Baja Gabacha e dos enge-
uheiros W. G. Geniy, e F. P. Lenoir, eujo exame
submetti o seguiules quesilos :
fTpjfmfiiJ
PfelVNAMBCa- TYP. U-E M. F. F. 4 FlUia
. f
<
J
-
!


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EAHNL3HPJ_DYIZ3Y INGEST_TIME 2013-08-28T01:14:28Z PACKAGE AA00011611_10307
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES