Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10302


This item is only available as the following downloads:


Full Text
J
1
ABRO XL. HOMERO 46.
Por tres mezps adiantados JOOO
Por tres mezts vencidos 6JJ00U
Porteaocoricio por tres mczes. 075U
|#44#5f
SEXTA FEIRA 26 DE FEVERE1B0 DE 1864.
Por anno ad'antado.....19$00O
Porte ao correio por lira anno 3$00

RNCARREGADOS DA SUDSCR1PCO NO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Aleandrino de Lima \
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Araratv, o
Si. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos dfi
Olivetra; Maranbao, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Manoel Pinheiro i C; A-
mazonas, o Sr. Jeronymo ila Costa.
KNCARREGADOS DA SLBSCRfPCAO NO SUL
Alag.is, o Sr. Clandino Falco Das; Baha, o
Sr. Jos Marths Alves; Rio de Janeiro, os Sis. Pe-
re. ra Martins A Gasparino.
PARTE 0FFIGIAL.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo e Estada todos os dias.
Iguarassu', Goyanna e Psrahyba as segundas e
sextas-feiras.
Santo Autao, Gravat, Bezerros, Bonito, Caruaru',
Altinho e Garanhuns as tercas feiras.
Pao iPAlho, Nfcarcth, Umoeiro, Brego, Pesqueira,
Ingazeira, Flores, Villa Bolla, Tacara lu", Cabrob,
Boa Visla, Ouricury e Exu as quartas feiras.
Serinhem, Rio Formoso, Tnmandar, Una, Barrei-
ros, Agua Preta e Pimenteiras as quintas feiras.
Ilha de Fernando todas as vezes.que para ali sabir
navio.
Todos os estafetag partem ao i/1 dia.
EPHEMERJDES DO MEZ DE FEV.REIRO
7 La nova as 3 h., 49 m. e 56 s. da t.
14 Quarto erase, as 11 h., 5 m. e 26 s. da m.
22 La cheia as 2 h., 41 m. e 8 s. da t.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 6 horas e Si minutos da manba.
Segunda as 7 horas e 18 minutos da tarde.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
Para o sul at Alagas a 5 e>25; tara o norte at
a Granja a 7 e 22 de cada rnez; para Fernando nos
dias 14 dos mezes dejan. mar<\. naio, jul. set. enuv.
PARTIDA DOS MNIBUS.
Para o Recife : do Apipucos 6 /* 7, 7 '/j. 8 e
8 '/i da m.; de Olinda as 8 da m. e 6 da tarde; de
Jaboatao s 6 '/, da m.; do Caxauge Varzea as 7
da m.; de Henifica s 8 da in.
Do Rerife : para o Apipucos s .1'/2,4, 4 1/4, 4>/?,
5, 5'A. 5 V2 e 6 da tarde; para Olinda s 7da
manhaa e 4 y, da tarde para Jabiato s 4 da tar-
de ; para Cachanga e Varzea s 4 /, da tarde; para
Bemfica as 4 da Urde. 1
AUDIENCIA DOS TRIlilNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commercio: segundas e quintas.
Relacad: tercas e sabbados s 10 horas.
Fazenda: quinta^ s 10 horas.
Juizo do commercio: segundas s 11 horas.
Dito de orphos: tercas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel: tercas e sextas ao meio
da.
Segunda vara do civel: quartas e sabbados a 1 hora
da tarde.
DAS DA SEMANA.
H. Segunda. S& Panto, Abilio e Pascado'bh.
2'l Terca. S. Margarida de Cortou f.
21. Quarta. S. PreleiUlo b.?S. Primitiva m.
i'.'i Quinta. S. Malina- ip.: S. Osario m.
>- Sexta. 9. Pedro Damio b. c. e dout.
27. S lidiado. S. Antigono m.; S. Tornuato are. m.
28. Domingo. S. Romo ab.; S. Cereal m.
ASSIGNA-SE
no Recife, em a livraria da praca da Independencia
ns. 6 e 8, dos proprietarios Manoel Figueiroa d
Faria 4 Fimo.
OVEREO DA PROVINCIA.
Ejpedieate do dia 23 de ferereira de 1861.
Dito ao juiz municipal da vara.Remello in- se nome urna commissao especial, composta de Cor
crasos ;i Vine. |iara us lins couvenientes as certi- tres memoras, que, examinando o projecio sobre a das
does passadas pelo capello do predio de Fernando reforma das qualilicaeoes de votantes, oirerecido A*c
O AO Sll!.\- U ....^-.-Ir.----------- i -- -------------- nnt BU.Z. .1. .- *. i. l' l(MI I f%. .1 1 ."i
Conselho, Rrejo. Buique e Nazarea"), bem como as
-s freiroeiias de Quipap, Escada e S. Benlo.
.. commissao de linderos
e os autos de vestona procedidos nos cadveres em sessao de 27 de junho de 1861 pelo Sr. Marti-! Outro d rninist
dos sentenciados de iusliya Jos Soares das Cha- niano de Alencar, formule a tal respeto um pri
gas, da provincia do Cear, e Jos Baptistade Souza Jecto de hi.Tavares Bastos.
da da Parahyba.Officioa-se aos Exms. presidentes Veio a mesa o seguinte requerinieiito, que foi
das provincias do Cear, e da Parahyba. do e apoiado.
Dito ao superintendente interino da estrada de t Que so nomt
Art. 2. As agradadas lerie direiio pensad
desde a data do decreto que a conr-edeu.
Art. 3.' Revogam-se as diaposii3bs em contra-
pios que estou eniittind sao os reguladores da
materia.
Nao tundo liavido sessao, nao tendo comparecido
comparecendo, urna tal de-
sidencia da mesa acom-
render a mais de metade
do presumir, por desar-
innovacc ou addicio-
ormandr se houve
p
con

ua guia prencente a outro ri> "de igual nome, maco ministrada pelo eogeiiheiro fiscal da estra- sao: hora para a presentar i
sentenciado pelo jury da villa da Atalaia. da de ferro datada de 22 do crrante, respondo ao A passar a nomeacao de urna commissao espe- cativo!Marca* o dia H Z? horaditarde
Mo ao Exm. presidente da provincia do Rio omcio que em 18 deste mez me enderecou o Sr. cial, seja ella feita pelo presidente da cmara. Um renueriiiionto de'lt i uiza Frii.-i-ini d\ F.m-
Grande do Norls.-Rogo V. Exc. que se digne super.nlei.deme da mesraa estrada, solicitando au- Danta. toura |jj JS w iSwSSS*! val -
de expedir suas ordens para que a thesouraria de torisacao desta pras.dencia para remover da caixa Requeiro que s commissoes se rena mais a dos os exames preparatorios em a e i-i fol aonro-
lai*nda dessa provincia envi para esta, urna certi- filial desta provincia para um outro estabelecimea- de justica criminal.Stlvrira Lobo. vado seu lilho RobertnVarr di> Ara in i ima V a<
dao ouguiadaqual consto at quando foi abona- lo bancario a somma de 80:000#, proveniente de! Em lugar da commissao de justica criminal sim habilitar-* oara o curso medi. o V c^mmis'
da a consignacao que deixou ahi de seu sold o saldo da receita da mesma estrada, que se acha diga-sejustica civil.Junqueira. sao de instmeeao publica
alleres do segundo batalhao de infamara Joo all depositada sem percepcao de juros. O Sr. Tavares Bastos requereu o encerramento Outro de Carlos de Fi^neiredo mii haclnrpl
BarboaCerde.ro Feitosa, afim de que possaser| Dito ao commissario vaccinador.-Mande Vmc. | da discusso, que foi approvada formado em direilo pelauniveNdade d^Com i ra
113 pago) de seus vencimontos| com a necessana apresentar na secretaria do governo algupias lam- ; Procedendo-se em seguida votacao, foi appro- pedindo para fazer exame em mm dis andamias
reizuUndade. as ou tubos de puz vaccinieo, afim de serem re- vado o requerimento, e bem assim a emenda do Sr. do impena-V mwma commiao" acade""aS
uno ao :brigadeiro commandante das armas., mettidos para o presidio de Fernando, onde reina Dantas, Tirando prejudicadas as demais eiiendas. Outro dos entnrendos da nffleTni de estamnarii
Conmunicando-roe ;o commandante do presidio de ; a vanla. | Em consequencia, o Sr. presidente nomeou para e impresso do thosouro nac iona itdindo ue a
Fernando em offlcio n. 11 de lo do eorrente, que Portaria.-O vice-presidOe da provincia resol- a dita commissao especial os Srs. Martinho Cam- referida ~"
poueos ou neiihuns medicamentos existem na n ve conceder a demissao qiSTnolicitou Andr Ave- pos, F. Octaviano, Macedo, Mello Franco e Leio direetori
pp( ti va botica ; assim o declaro V. Exc. alira de lino de Barros de lugar desuarda dos armazens da Cunha. Outro de Antonio Ferreira
que #ae sirva de providenciar com urgenc.a no dareparticao das obras publicas, e nomeia para o Achando-se esgotada a hora designada para a i" dispensa do lapso de temno n\r\ niinrai
senlido de serem enviados para all no hiatc Artis- referido lugar o cidado Lidio Purpuriauo Santiago """ A* ""-" A~ .....
nnni.'M na nii l''rl" que o mais que posso conseguir apenasga-
autorisando a matricula do estudanle Guilherme
por amor da verdadeira
e sim
ta no dia 83 do eorrente es quo o delegado do ci- de Oliveira.Fizeram-se as necessarias communi-
xurgiio mor ojo exercilojulgar necessarios phar- cagdcs.
zna:ia do mesmo presidio em quanto nao chegam > Dito.O vice-presidente da provincia conforman-
parte da ordem do dia, passou-se I dado brasileiro. A' commiso de
2* parte. cao.
Continuando a discusso do parecer sobre as ; susiMAmo crimk contra a. de a. f. jacobina.
- r-------------...... eleiees do J distncio da provincia do Rio de Ja-1 L. e approvado sem debate o eeuinte oa
os pulidos que nesta data exijo daquelle comman- do^se com a proiwsla apresencada pelo tenente-co-' neiro, requereu o Sr: Jos Angelo o encerramento,' recer :
danle. | ronel commandante do batalhao n. 5 de infamara' que foi approvado.
Dito ao mesmo.Queira V. Exc, manda por da guarda nacional deste municipio do Recife, so-' Proccdeu-se, perianto, votacao; e foi appro-
eiri liberdade, dando-Ihe baixa se j estiver com bre informou o respectivo commandante superior vada a emenda suppressiva dos Srs. Martinho
praca, o refruta Coriolano Paes dos Adjos. que em offlcio n. 22 de 20 do crreme, resolve promo- Campos c outros ; no quanto nullidaJe do
pniyou isencao do recrutamento. | ver aos iwstos do mesno bataiho abaixo declara-! Porto das Caixas c Bemposta : os 2*, 3* e 4o fo-
Dito ao desembargador provedor da Santa Casa.i dos, os cidados seguintes : I ram tambi'm approvados, Picando pre:i:1,-
de Misericordia.Em vista de sua informado de | 1* companhia. emenda dos Srs. Costa Pinto e Nenias.
0 do crreme, mande V S. entregar Thereza Tenenle o alferes da 4* Francelino Francisco Paes
omeina seja considerad.-' urna seccao da I JSSZ Sr KriSTbltn^da^ica^S: IJ tJSSSSa S""** "*"? ^^
ia das rendas-A' commissao de fazenda. jecto n. 9 deste anno. aulori and^, a m atriculaTo T^-ITZT^ ."Uf T em dCUSsao
. P,.rruir,H, ,-,ia, pedlld0 [.stuante Anlni0 Ferro. F^ assumptoaque
alisar-se ci-' approvado, e remetndo commissao de redaceSo. Sb^sli ve.ra iC^ -(
const.tu.- Entrando em primeira discusso que requer-1 na acta Cm'discusso qu'e s
As commissoes reunidas de constituicao e po-
deres o dn justica criminal, tendo examinado o
seguinterequerimento, que foi lido, apoia-
do, poste em discusso e aliual approvado :
Requeiro que se peeam informages ao gover-
no imperial relativamente aosannos que cursou no
Alies da Silva, a sua lill.a Je igual nome educan-
da do collegio das orphaas.
Dito ao Dr. chefe de polica.Em vista do que
represemou V. S. em data ele 20 do eorrente, rei-
terji as ordens expedidas para que ospasses
da via frrea smente sejan concedidos pela se-
cretaria da presidencia e por V. S.
Brrelo,
teres os;
de01ipra.
2* eompanhi.t.
I Alferes o guarda Antonio Soriano do Reg Barros.
' ^ 3'companhia.
Oapitao o capito avulso Jos Ferraz Daltro.
v> I'',C ao msPeclor aa thesouraria de fazenda. ... *" companhia.
Participando o bacharel Manoel Clementino-Car-H^apitaootenente da 1* Miguel Joaquim do Reg
jteiro da Cuaba, juiz de direilo da comarca do Rio Barros.
Formoso, que em 19 do correte enlrou no goso, Alferes o guarda Francisco Jaeintho Peretra,
de 20 dias de hcenca que Ihefoi concedida ; assim i 5" companhia,
o communico a V. S. para seu conhecimento. i Alferes o guarda Thomaz de Aquino Paes Barreto.
Dito ao mesmo. Particifiando e bacharel Joa-i H. companhia.
quin ilo Reg Barros, que em 15 do crreme dei-! Alferes o guarda Antonio de Barios WanderleV.
I
summar.o cnine intentado ex-ofllcio pelo subdele-
gado da freguezia da Candelaria coaira o Dr. An- .
tomo de Araujo Ferreira Jacobina, em consequen- extrnalo de Pedro II o estudante Jos Antonio Pe-
prejuuicaaa a a de olleusas physicas na pessoa _-. ^ ......a. in.no Rodrigues Silva, achon que os depoimontos desses annos. e onaes os exames oue fez na ins-
,aS^t tLSr!9wSSS& I?rm,>^ **** *3 i***&> cons- penorm geral SStSffSSJR nnd ia
puiado pelo referido districto o Sr. Frederic. Car- tituireni prova jurdica, que par? a produccao da curie.Martin Francisco .
Al Z% LSar,gent auarte' meS,re Aulom Cand'd Siau fni ^n3f^e/C,,and0r"Se "r, 2 '?\T i ^a ">' devidamenI *3 o me'smo sum- i Em consequenda ficou o projecto adiado.
tv^ue h Smm ,T,l"jf ^."^ l que^ ,aC"i, p"10 ^al VT0C" M Foi lido p mandado imprimir o parecer da com-
AcbandL J o vohm.\ t? TX P rte da rde iceder se"ao P?r 1ue,xa da Parte IT''nsiva'a me- Premo-tribunal de justica, que j publicamos.
Fntrad.cmi-Hi..,..^ n,t, iA h,. DS 1Ue a pnsao se-na ,enna <>> em *> **ma em primeira discusso, que requer-
an ?, d,scussa? Projecto n. 10 deste grame ; o que se nao mostra hav;r-se verificado ment do Sr. Silveira de Souza foi considerada uni-
anuo, augmenundoas attnbucoes dos presidentes a hy,K.these. ,ca, c foi approvado e rSS&iSSSSn-
de provincias, veio mesa o seguinte requerimen-, Sao. nort?"' *..................- ----=- ".m?l":!-a commissao ae re
xou o exercico do cargo de promotor publico da
comar'a do Bonito, para rir tomar assento na as-
sembk-a legislativa desta provincia : assim o cora-
iiii nico V. S. para sen conheciraeulo.
Communicouse ao commandante superior do
Kecife.
Eipedienle do secretario do geverao.
Offlcio ao commandante do corpo de polica.
da provincia manda remet-
Dilo ao mesmo.O promotor publico da comar- S. Exc. o Sr. presidente
ca de (k)ianna, bacharel Jo.- Antonio Correa da | ter a V. S. p processo a que respondeu o cabo d
Silva, participou que tenniuando a licenca que (squadra Pedro Ferreira Bastos, afim de ter cum-
antenormente I he foi concedida, entrou em 22 do r rmenlo a sentenca nelle proferida pelo conselho
coi rente no gozo de mais um mez que obteve : o de julgamento
qar,TTDZLy- n para S6U ,""ecimeDl Despartes do dia 23 de fevereiro de 1861.
Dito ao mesmo.-Declaro a V. S. parasou co-, n t
nherimonto qua em offlcio de 12 do correte par- An(ft Iftt -.."'?1ue'mms-. .. ,.,,
ticiiou-me o commandante do presidio de Fer.ian- h-it, r 1 ti? suplicante pode provar
do ter o alferes Jos Benlo dos Passos Luna reco
lhido ao almoxorifado do mesmo presidio os 23
con :os de ris (|ue receliou dessa thesouraria para
ter -.emt litante deslino.
Filo ao mesmo.Transmito V. S. as duas
conas jt:ntas em duplcala, alim de que nao
hav?ndo inconvMiienle, mande pagar aosempreza- ,
rios da iiluminaco gaz nesta capital conferme : l!orlana nomeando o suppl.cante j
(ulamento do 1- de mao de 1838.
Andr Avelino de Barros.Passe portara con-
(edendoa demissao que pede o supplicanle.
Bacharel Francisco Antonio Osario de Azevedo
-Passe portara prorogando o prazo por 3 mezes.
Lidio Purpuriano Santiago de Oliveira.Passe
so'iton o inspector do arsenal de marinha. em
offlcio de hentera, sob n. 635 a quantia de 10l340
provemeale do paz consiimm do no arsenal de ma-
rinea e lia casa da inspeccao do mesmo arsenal,
durante o mee de Janeiro ultimo, como se v das
preJtas contas.
Dito ao commindanto superior da guarda nacio-
nal do Recife.Com as inclusas copias da infor-
maban do direcl )r do arsenal de guerra desia data
e de mappa a que elle allude respondo ao oflicio
n. i), de 16 deste mez em que V. S. solicita provi-
dencias para ser restituido ao 1" batalhao de inan-'
taria da guarda nacional sob seu commando supe-
rior, o armamento que foi r;colhido ao mesmo
arsenal afim de ser concertado.
Dito ao commandante do corpo de polica. De
conffrmidade com o que solicitou o respectivo de-
legarlo por intermedio do Dr. chefe de polica,
expeea V. S. suis ordens para que ao destacamen-
to do Serinhem sejam restituidas as 3 pracas que
veram para esla capital.Comnmoicou-se ao Dr.
chefe de polica.
D.to ao mesmo.-Pode V. S. contratar para ser-
vir no corpo sob seu commando o paisano Candido
Paula de Souza, que foi considerado apio para isso
em inspeccao de sade, como V. S. declarou em
seu oflicio n. 83 de 22 do eorrente, a que res-
pondo.
Dilo ao mesmo.A vista de que V. S. ponderou
em sua inlbrmaco n. 87 desta dala, o autoriso a
dar baixa do servico ao cabo tie esquadra do corpo
sob seu eommaudo Antonio Luil de Moura. como
elle solicitou nu requerimento sobre que versa a
citada informacao.
Duo ao capitn do porto.Com este oflicio fac,o
apresentar V. S. os recrulas de marinha Antonio
Ferreira Alves de Oliveira, e Antonio Jos da Sil-
va, para que Ihes d o conveniente destino depois
de iuspeceonads.
de que trata.
Maria Joaquina Pinheiro. Romeltido
c esembargador provedor da Santa Casa de Mise-
ricordia, para nos termos de sua informacao de
20 do eorrente mandar inscrever o filho da sup-
plicanle.
Thereza Alves da Silva.Dirja-se ao Sr. des-
embargador provedor da Santa Casa de Miseri-
cordia.
lo, que foi lido, apoiado, posto em discusso e ap
provado.
Requeiro que o projecto v commissao de
poderes, sem projuizo da 1* discusso.Man inho
Campos. >
O projecto foi approvado para passar 2a dis-
cusso, indo entretanto commissao de poderes,
conforme o vencido.
Entrando em 1* discusso, que a requerimento
do Sr. Vrialo foi considerada nica, o projecu n.
3 deste anno, mandando admitlr a faculdadc de
direito de S. Paulo Guilherme Ellis. vieran,
mesa as seguintes emendas, que foram lidas,
apoiadas o postas conjunclamcntc em discuss; o :
Que se lome o projecto n. 4 como emenda do
projeclo em discusso.Saraica.
Igual favor ao estudante Conrado Casiano
Erichsen. -Abelardo de Briio.
Que se lome o projecto n. 11 como emenda ao
projecto rm discusso. Martinho lamfot.
Igual favor se conceda ao estudante Francisco
Borges de Barros, na escola de mediciua da Baha.
Dantas. >
Ao esludante Estevao Jos Barbosa de Moura
Jnior fica concedido matricular-se na faculdade
! de medicina desta corte, apresentando os certifica-
j dos dos exames necessarios. e que presin na a
Sao, portanto, de parecer que se nao continu
no processo.
Sala das commissoes, em o i'e fevereiro de
1864.A. V. Nascinento Feitosa.-1. L. da Cunha
Paran/Mu. X Saldanha Uarinho.Jos Antonio
Sarahu:
ORDEM DO DIA.
Procedeu-se
daccao, o projeclo n. 65 de 1862, relativamente
aposentadora do procurador fiscal da thesouraria
de fazenda de Sania Camarina, Pulidora do Amara;
e Silva.
Achando-se na sala immediata o Sr. ministro da
fazenda, que vem apresentar propostas do poder
execulivo, foi introduzido com as formalidades do
./ Cr I cu'dade de direito do Recife. Junqueira.Silcei-
raLobo. .
Indo pr-se a votos o projecto cora as emendas,
reconheceuse nao haver casa, pelo que fez-se a
chamada.
Levanlou-se a sessao s 2 horas da tarde.
INTERIOR.
KIO DE J WKIHO.
ASSEMLEA ERAL
CMARA l0 SIMIIMtIS
REPUTAROS.
SESSAO EM 4 DE FEVEREIRO DE 1864.
Presidencia do Sr. conselheiro Francisco J. Fnrtado.
As 11 1/2 horas fez-se a chamada, o lia vendo nu-
il ero legal, abrio-se a sessao.
Lida e approvada a acta da sessao antecedente,
o Sr. 1 secretario d conla do seguinte:
EXPEDENTE.
I m oflicio do ministerio da agricultura, commer-
cio e obras publicas, transmittindo representacao
da assembla legislativa da provincia do Paran
so iritainto que os vapores da linlia intermediaria,
que ora vas a Paranagu, chognem Anlonina.
A commissao de commercio, industria e arles.
Outro do ministerio da guerra, eommnniado
que j se ordenara presidencia da provincia das
AUgoas rainistrasM os esclarecimentos relativos
co ouia militar Leopoldina.A' quem fez a requi-
si^ o.
Foi lido, posto em discusso e approvado o se-
Diio ao ilireckr do arsenal de guerra.Contrate goinle parecer do commissao de penioes e ordena-
V. S. com o dono ou meare do lale Artista, a d. s :
conduccao de 17 sentenciados de justica e das pra-
cas de i* linha que tem de seguir para o presidio
de Fernanco.
I'i i ao | residente da cantara municipal di villa
da BJa-Vista.Ao offlcio que Vmc. me dirigi em
8 de Janeiro ultimo, respondo declarando que no
art. :!8 da lei do de oulubro de 1828 e nos avi-
sos de 28 de fevereiro, 2 de julho de 1833, 14 de
novembro e 16 de dezembro de 1861, ns. 32i e
587, encontrar Vine, as providencias que se de-
vem dar, quando faltarem os vereadores as reu-
nioes das cmaras.
Aos que dei xa rem de comparecer sem motivo
jiistil cadu ;ero impostas as multas indicadas no
mesino artigo, chamando-so os immedialos em vo-
tos quando > impedimento pa.-sar de la dias, ou a
urgencia e iuipoi lancia dos negocios exigir o nu-
mero completo de vereadores.
Dita i cmara municipal de Granito.Declaro
cmara municipal de Grsnilo que nesta data le-
vo ao conhe inieiiio dogoveroo imperial a materia
do seu oflicio de 27 de Janeiro prximo Ando, sobre
o termo do Kx.
Dito ao director das obras publicas.Concedo a
antorisacao jue Vmc. pedio em oflicio de hontem
sob n. 40, |iara lavrar o termo de recebimento
definitivo dos concerlos da cadeia de Serinhem
qm- gunuo consta do seu eilado oflicio acham-se
concluidos de conformidad.' com o respectivo or-
Smeiito, ceitodeque nesta data recommend)
eso iraria provincial, que visla do competente
certificado p.igue ao arrematante de taes concerlos
a iiiviortancia que livor direito.OGDciou-so ao
inspector da thesouraria provincial.
Compet ndoao poder executlvo a iniciativa as
Frocedeu-se a volaeao do reque-monto do Sr. i eslylo, c, tomando assento direita do Sr. presiden-
Lcitao da Cunha, e additamento t o Sr. Tavares te leu as seguintes propostas :
supple-
seguintes propostas :
1.* Abrindo ao governo um credilo
mcnlar e extraordinario da quantia de.
446:1865379.
2.* Approvando os decretos que transportaran)
de urnas para ouiras verbas quamias eoustantesna
importancia de 576:10i342.
Finda a leitura, o Sr. presidente declarou que a
cmara lomar na devidaconsideraeao as propostas
do poder execulivo.
E, retirando-se o ministro com as mesmas for-
malidades com ifmj enlrou, foram reinettidas as
propostas s respectivas commissoes de orcamento.
Entrando depois em primeira discusso o projec-
to n. 77 de 1862, que approva o contrato celebrado
com o visconde de Barbacena para lavrar minas
de i-arvao de pedra na provincia de Santa Camari-
na, veio mesa o,segrate requerimento, que foi
apoiado e posto em discusso :
Requeiro que pelo ministerio competente se
pecam ao governo todos os documentos relativos
materia deste projeclo que exislam na respectiva
secretaria.Silveira de Souza.
SESSAO EM 6 DE FEVEREIRO DE 1864.
Presidencia do Sr. conselheiro Francisco Jos Furtado
As 11 Vi horas fez-se a chamada, e, havend)
numero legal, abriu-se a sessao.
Lida a acia da sessao do 4 do eorrente, veio
mesa a seguinte emenda do Sr. Martinho i ampos,
que foi lida, apoiada e posta em di.-cnsso .
Que se emende a acia, declarando annullada:;
igualmente as duas eleicoees de Santa Isabel do
municipio do Valonea, presididas urna pelo_ 1* e
oulra pelo 2 juiz de paz, conforme a votacao d:.
casa. Martinho Canios.
0 Sr. Paranagu mandou mesa o seguinte re-
querimento, que foi lido, apoiado, posto em discus- j cando queja se dirigir presidencia da provincia
saoeafinal rejetado : do Maraohao, dando-Ihe parle dares)luco desta
Requeiro que v commissao de poderes o cainaia sobre as eleicoes primaras o secundarias
Bastos, cuja discusso ficou encerrada na sessao
de 30 de Janeiro 'prximo passado 'acerca da no-
meacao de urna commissao especial de cinco mem-
bros que d parecer sobre o pro.ecto n. 59 da
180, que reforma as administraedes provineiaes),
e foram ambos approvados.
Entrou em discusso e approvado o requerimen-
to do Sr. Tavares Bastos, apoiado e adiado em 4
do torrente (sobre a nomeacao de urna commissao
especial de tres membros que exan ine o projecto
apresenlado em junho de 1861 acerca da reforma
das qualilicacdes de volantes.)
Veio a mesa o seguinte requerii lento, que foi
lido, apoiado e approvado :
Requeiro que sejam nomeados relo Sr. presi-
dente as coiiiiinssoes especiaos.Affonso Celso.'
Em consequencia o Sr. presidente nomeou para
a primeira das sobreditas commissies os Srs. Sa-
raiva, Carro, Paula Souza, Flore; e Urbano, c
para a segunda os Srs. Silveira Lebo, Fernando
Ribeiroe Junqueira.
Entrou depois em discusso o re |uerimenlo do
Sr. Ferreira a Veiga, apresenlado en o 1 do cor- indo votar-se o requer ment, reeonheceu-se nao
rente, acerca dos processos que se f. rmaram con- haver casa, pelo que fez-se a chamada, e levanlou-
tra o juiz de direito da comarca de Paran, e com- se a sessao.
mandante superior da cidade de Ubi raba, na pro- _________
viucia de Minas.
Levanlou-se a sessao.
SESSAO EM 8 DE FVERKIRO DE 1861.
Presidencia do Sr. conselheiro Francisco F. Fur-
tado.
As 11 >/j horas da manba, feita a chamada, e
havendo numero legal, abrio-se a sessao.
Lida e approvada acta da sessao antece-
dente.
O Sit. 1. SucnETAitio, den conla do seguale :
EXPEDIENTE.
Um oflicio do ministerio do imperio, communi
requerimenlo do Sr. Martinho Campos, afim de
qu'e se possa harmonisar a acta com o vencido, na
parle relativa freguezia de Santa Isabel. Para-
nagu. i
Posta votos, a emenda do Sr. Martinho Cam-
pos, foi approvada.
Leu-se depois a acta da sessao de 5 do eorrente
e foi approvada.
Em seguida o Sr. Io secretario deu conta do se-
guinte :
EXPEDIENTE.
Um oflicio do ministerio do imperio, communi-
cainlo que S. M. o Imperador lica'inleirado da elei-
cao a que procedeu esla cama para a composi-
ao da mesa durante o eorrente mez de fevereiro.
Inteirada.
Outro do mesmo ministerio, communicando que
ficou o governo imperial inteirado de que esta ca-
feilas as parochias que compoem o 2' districlo da
referida provincia.Inteirada.
Outro do mesmo ministerio, enviando o oflicio da
presidencia da provincia de Pernamb co, ao qual
acompanha copia da acta da eleico primaria a que
se procedeu naquella provincia no dia 9 de agosto
ultimo na freguezia de Nazarelh.A' eotnmissaode
poderes.
Outro do ministerio da agricultura, commercio e
obras publicas, communicando que, |iendendo da
approvaco da assembla geral o priv legio conce-
dido a llugh Mullineux Lawrence par introduzir
no imperio um apparelho, de sua invnco, desti-
nado a fabricacao de gslo e lquidos refrigerantes,
remette o requerimento em que Heni quo Leiden
pedio ao goterno a graca de declara r millo e de
nenhuiii efleilo o referido privilegio, por ter sido
obtido ob ".subrepticiamente.A' commissao a que
aposentadorias dos empregados pblicos, emende a ma approvou as leicoes primarias o secundaras est afferto o negocio,
commissao de pensdes e ordenados que a elle se' a que se procedeu as parochias que eompem o' Outro do mesmo ministerio, enviando a copia de
deve dirigir Manoel Agoslinho do Nascimenlo, por-! districlo eleitoral da provincia do Piaiihy, e leonlrato celebrado em Londres pelo ca lito docor-
teiro archivista da reparlico especial das Ierras1 que j se dirigir presidencia da mesma provin- po de engenheiros Joo Ernesto Viriato de Medei-
pi tilicas de S. Pedro do Rio Grande do Sul, cuja cia, dando-Ihe de ludo conheciinento. Intei-
iMiico llie foi presente, devolvendo-se ao governo rada.
os respectivos papis.Luis Felippe.Silceira La-\ Outro do mesmo ministerio, enviando a copia de
boValdctaro. dous projectos da assembla legislativa da provin-
Foi lido, apoiado, posto em discusso e approva- cia do Espirito-Santo, ambos por ella publicados
como leis, apezar de.ter sido negada a saneco a
um delles, por julga-lo o presidente da mesma
provincia contrario constituicao; e de nao ter
decorrido quanto ao outro o prazo de dez dias,
a companliia da Rabia a fazer a navegacando Rio concedido aos presidentes de provincia para darem
S. francisco, conformo o contrato celebrado com o \ ou negarem a sanreao. A' commissao de assem-
governo, em 1860, pelo liaro de S. Lourenco, con- blas provineiaes.
do o seguinte parecer
Requeiro que se pecam pelo ministerio de
agricultura, commercio e obras publicas informa-
qoVs acerca dos motivos que teem imposibilitado
trato que foi transferido essa companhia pelo di
to baro.Aristides Lobo.
Outro do mesmo ministerio, enviando as actas
da organisaco das mesas e do recebimento das
Foram lidos c anotados os seguintes requerimen- cdulas para a eleico de cleitores geraes que trve
tos: lugar a 9 de agosto do anno passado as parochias
Io (Dos Srs. Fonseca Viaona e outros, adiado por que compoem o 4* collegio do 2o districto eleitoral
polir a palavra o Sr. Ribeiro da Luz.) Requei-ida provincia de Minas Geraes. A' commissao de
ro que se peca ao governo copia da representacao' poderes.
feita por Antonio Borges Sampaio contra o Dr. Ma- Outro do mesmo ministerio, enviando o offlcio
noel Jos Pinto de Vasconcellos, ex-juiz de direito \ da presidencia da provincia de S. Paulo, ao qual
da comarca do Paran, na provincia de Minas, e i acompanha copia auihenlica das actas da organtsa-
do> documentos que o acompanharam, e bem as- cao do collegio eleitoral da cidade de Ara, na
sim da iulonnaco do presidente e chefe do polica! eleico a que se procedeu no anno prximo passa-
d: mesma provincia, e do parecer do conselho de
estado a respeilo.Fonseca Vianna.Chagas Ia-
Vto.Horta de Araujo.
2 (Do Sr. Tavares Bastos, adiado por pedir a
palavra o Sr. Martinho Campos.)' Requeiro que
da' mesma commissao.
Outro do mesmo ministerio, enviando o offlcio
da presidencia da provincia de Peraambnco, re-
metiendo as copias das acias da organisaeo dos
collegios do. Recife, Oiinda, Eseada, Caruaru, Bom-
ro, em nome do governo imperial, con os Srs. ba-
ro do I.mmenlo e William Maduran, para a
ConstruccSb de una ponte do ferro sobre o rio Ca-
pibaribe, em Peraambnco, em subslituico a ponte
velba sobre o mesmo rio, commummente chamada
ponte do Recife.A' commissao de conmercio. in-
dustria e artes.
Outro do ministerio da guerra, enviando, erares-
posta, a copia da corresiwndencia com a presiden-
cia ila provincia de Pernambuco sob -e a guarda
nacional destacad).A' quem fez a re (uisicao.
Outro do 1* secretario do senado, transmittindo a
proposicao desla cmara autorisando o governo a
conceder companhia que organisarom Joaquim
Antonio Pinheiro, Nuno Nery de Catvalho e Joo
Diogo Slurz, carta de privilegio exclusivo por espa-
co de 40 annos, para a navegaeao por va|wr as
aguas dos rios Amazonas, Tocanlns, >olimoes, Ne-
gro e seus anuentes, qual o senado nao tem po-
dido dar o seu consentimiento.Inter; da.
Lram-se dous pareceres, concluind > com os se
zuintes projectos, que, sendo julgados objecios do
deliberado, foram a imprimir.
1. Da commissao de pensdes o ordenados;
Art. 1.a Fica approvada a pens io annual do
"S015. concedida jwr decreto do l" de ibril do 1863,
^partidamente, a D. Francisca Juslinias de Bar-
ros e a D. Joamia Isabel de Barros, ir .as do lin.t-
lo eapito-tenente Benlo Jos de Carr Iho.
SESSAO EM i I DE FEVEREIRO DE 1864.
Presidencia do Sr. Furtado.
As onze horas da manba. feita a chamada adia-
se presente numero sulllcientc dos Srs. depulados,
abre-se a sessao.
l/in-se e approvain-se as acias das sessoes de
8 c 9.
Em seguida l-se a de 10.
O Su. SiLVKiii.v Lono :Sr. presidente, li no Jor-
nal do Commercio a ordem do dia que foi dada a
9 do eorrente para a primeira sessao seguinte. No
dia 10 nao pude vir a esla e isa por incommoda-
do ; mas Uve certeza deque oesse dia. que foi hon-
tem, nao houve sessao por nao haver compareci-
do numero legal dos Srs. diputados.
Hontem noite fui sorprendido pela noticia de
quo V. Exc. so dignara, apezar de nao ler havido
sessio, de addicionar ordem do dia a discusso
do parecer da commissao especial sobre as apo-
sentadoras de 30 de dezembro.
Recorr ao regiment, pelo qual devem ser re-
gulados os trabalhos desta casa, e nelle nao achei
disposico alguma que aulorisasse semclhante in-
novaco.
O Su. PnEsniKNTK : Innovac/io ?
O Sn. 1 Skchetaio : -Ha precedentes.
O Su. Silveiiu Lobo :Nao ha taes preceden-
es ; ao menos nunca chegaram ao meu conheci-
menlo ; e nao os devenios ir buscar no senado, on-
de nicamente me consta que factos seinelhantes
se tenham dado.
Nao havendo, Sr. presidente, autorisacao regi-
menlal que autorise V. Exc. a fazer urna tal inno-
vac/io. emendo que nao deve ella ser admittida sem
reclamacao, sem protesto por parle de todos aquel-
los memnroe desta casa que desejam a regulari-
dade e boa ordem dos trabalhos.
Nao sao aceiiaveis innovacoes que contrariara
principios muilo sabiamente eslabelecidos para
predominaren) na dirceco dos trabalhos desla c-
mara.
Eu vejo na constituicao do estado que ncnliuma
das cmaras legislativas podo funecionar sem que
estojara prsenles melado e ma um tjps seus
membros. \
D'ahi infiro que nao tendo havjdj hontem ses-
sao, por falta desse numero de depu|adns, nao po-
da V. Exc. alterar, como altern, a ordem do dia,
a qual determina o regiment seja dada no fin de
cada sessao.
V. Kxc. e a casa nao deixaro de reeonheccr o! ment de toda a dizinia de chancellara, averbada
0 Sii^ Pueside.ntk : a occasio de entrar em
{discusso a ordem do dia que o cobre deputado
I podia reclamar.
O Sr. Silveira Lobo : Eu sei que tambera po-
dia reclamar nessa occasio ; porm tambera sei
que a melhor occasio de protestar contra seme-
ntante innovaco a prsenle, na qual se discute
a acta era que vera ella enxertada, e por isso a
aproveitei.
Demais, questao de ordem dos trabalhos desta
casa, e eu eslava e estou era meu |>erfeito direito
ofTerecendo as observagees que tenhs feito (apoia-
dos) em qnalquer occasio, contra urna innovaco
que fere o regiment da cama e offende os bous
principios de direccaodos trabalhos, tornando pos-
sivel urna sorpreza em materia lo grave como a
de que se trata. (Apoiados.)
0 Su. Presidente :Nose podedizer que hou-
ve sorpreza na designaco da ordem do dia dada
para a sessao de poje ; porque ledos sabiam que
o parecer da commissao especial, sendo urgente
por sua natureza, tnha de entrar em discusso
quanto ames.
O Sr. Silveira Lobo :Eu nao sabia que se
havia do ar par a uniera do dia, quando nao
houve sessao.
O Sr. Presidente :A razad porque dei essa
materia para ordem do dia foi porque, era priraei-
ro lugar, da attrbuicao do presidente designar
as materias para a ordem do dia, nao sendo ne-
cessano que na cmara haja maioria.
O Sr. Silveira Lobo :E' necessario que esteja
em sessao.
O Sr. Presidente :Nao preciso que esteja
em sessao.
0 Sn. Silveira Lobo :E' o que o regiment
autor isa.
O Sr. Presidente :Sao innumeraveis as occa-
sioes em que nao havendo maioria na casa o pre-
sidente designa as materias para a ordem do dia.
(.vpoiados:) Logo, nao ha necessidade de maioria
para o caso de que se traa.
O Sr. Silveira Lobo e outros se.nhore> do
apartes.
O Sr.Caiivaliio Res -.Frappe, mais coute.
O Sn. Presidente :Ordem!
Vozes :Oucam o presidente da cmara I
O Su. Presidente :Alm de ter eu usado de
urna ailribuico que me compete, proced dessa
mancira consultando os precedentes da casa, se-
gundo os qua-s repelidas vezes, nao havendo ses-
sao, se lera alterado a ordem do dia. (Apoiados.)
O Sr. Silveira Lobo : Nao apoiado.
O Sn. Presidente : Portanto nao aceito a re-
cia macao do nobre deputado.
O S. Sii.vemu Lobo :Pela ordem.
O Sn. Presidente :Nao concedo mais a pala-
vra ao nobre deputado, porque j fallou urna vez.
O Sr. Silveira Lobo:Mas lique-se sabendo
que nesse acto houve verdadeira sorpresa.
Vozes : Nao houve sorpresa.
O Su. Presidente : -Altencao I Nao havendo
mais quem faca observacao sobre a acta dou-a por
aprovada.
A acta aprovada.
0 Sr. 1 Secretario d conta do seguinte
EXPEDIENTE.
Um oflicio do ministerio do imperio, communi-
cando que se dirige vico presidencia da Babia,
dando-Ihe parle da resolucao desta cmara acerca
das alleracoes das eleiedes primarias e secunda-
rias feitas as parochias que compoem o 3* dis-
iricto eleloral da mesma provincia.Inteirada.
Outro do mesmo ministerio, communicando que
se dirige ao ministerio da fazeuda, em virtude do
oflicio desla cmara, participando as nomeacoes
ilus cidados para guardas das galeras da mesma
cmara, afim de que sejam os mesmos pagos de
seus! vencimentos.Inteirada.
Outro do me'smo ministerio, enviando o offlcio
da presidencia da provincia do Rio de. Janeiro, ao
qual arompanham copias authenticas das actas das
I icoes primarias das parochias do municipio de
C.antagallii, na mesma provincia.A* commissao
djj poderes.
Outro do ministerio da fazeoia, remetiendo o of-
licio da presidencia da provincia de Minas Geraes,
acompanhado da representacao que ao governo im-
perial dirige a cmara municipal da cidade do Pa-
rahybuna, pedindo a concesso de qualro loteras,
eujo produelo ser applicado reconstruccao da
respectiva casa da cmara e cadia.A' commis-
sao de fazenda.
Outro da presidencia da provincia do Cear, en-
viando um exemplar do rotatorio lido por occasio
da abertura da assembla legislativa da mesma
provincia em sua sessao ordinaria do anno passa-
do.A' archivarse.
Um requerimenlo de Adriano Xavier Pereira de
Brilo, e outros, pedindo ser desobrigados do paga-
acerlo e san-doria com que foi determinado pelo
regiment que as materias que lera de entrar em
discusso e deliberacTio da cmara sejam dada
para a ordem do dia cora a antecedencia de 24
lloras.
Nao se achand i hontem presentes metade o mais
um dos Srs. depulados, razo pela qual nao houve
sessao, e nao podendo, portanto, ser habilitados
metade e mais um dos mesmos senhores, de qne
hoje se havia tratar da materia do accresrimo ou
addicionamento que V. Exc. fez, me parece que
V. Exc. nao o podia regularmente fozer.
Emquanto o Sr. Io secretario que me fax signa)
de denegago, nao me presentar disposicao reg-
menta! expressa em sentido contrario ao que aca-
bo de dizer, con.tinu.arci a pensar que os princi-
no pleito que intenlaram contra a thesouraria pro-
vincial de Pernambuco.A' commissao de ta-.
zonda.
Outro de Vicente de Mello Wanderley Maciel Pi-
nheiro, escripturaro do thesouro nacional,, pe-
dindo um anno de Uccnca com os vencimentos que-
percebe, para tratar de sqa sade.A' commissao.
de pensdes e ordenados.
Outro do Jos de Andrade Pcsoa, i" escriptura-
ro da thesouraria de fazenda da provincia do Cea-
r, pediudo um anno de licenca som seus venci-
mentos.A' mesma commissao.
Lm-se, julgain-sc objectcjs de deliberaco, e
vao a imprimir para entrar na ordem das traba-
lhos, os projectos cora que- concluera os seguintes
pareceres :


Diario de Pernaaabnc *ex:t felra 8G <'e Fevereiro de 1 S4.
SCCAf DB ?*' '|f l;l CAPITAO K. J. CMARA.
A conimlssiio tic inarinha e guerra, tendo
compulsado todos os upeil uosos e do unentos
que ii.struem a petico lo capito Francisco Jo-e
Camai', emende que fo o ngpplicante, sern bui*
fundamentos, eliminado do quadro do sen ico a:-
tivodj exercito, e que o ten requerimento esta no
caso ile sor deferido se una mspecco de sai e
Ueatu raes babiliuqSe pbjrsleas pelo quo Julia
ter logar ;i seguinte reseiucao :
a iseembla geral resol ve :
Arligo nico. Soja o oaoitao Francisce Jos
Cara: r bu uettido a iospeeeao do sade, e, se
f.'.r n.'lla ji Igado sao, incluido no quadro do
do-maior da I" ciasse, no nteane ponte.
Paco c~a caman do* deputados, em 10 de fe-
vcre 10 de 1861.MortirtuAlrim.
i i:\-u. a h. a G. M ai.mi:u-\.
A eaminisso de pensos e ordenados, terdo
aniado es documentos que acompanharan
copia do decreto de 'i d. mareo do anno proxnno
passado, pelo qual o govvrno ooih-odeu ao rabo de
smiadra do 3" bammao de arniharia a p Belmiro
Antonio Gootiiiho do Almeida a pensad inens.il le
I5J000, -em alineos aj estado de miseria a que
fieou reducido per ler perdido o braco direinnor
occjsio drt urna silva de artilharia dada na pari-
da do-dia7 de Miembro de 1W51 na provincia te
Pai, entende que devo ser approvada a mono.
adoptando se a si gainte resolucao.
rtico nico. Pica a|ipruvada a pensSo nu n-
sal de 135000, concedida uor decreto de I de mar-
co de 1863, a Bell liro Antonio Coulinho de Aduci-
da, cabo e esquadra do 3 batalho de urtillia ia
a ic, que perdn i braco direito por occasiae de
una salva de artilhara dada no da 7 de selemliro
de 1861 na provincia do Para. O agraciado fin
direito de perceber a mencionada pensio desdi a
dala do referido decreto; revogadas as ilisposic-Jcs
H i contrario.
t Paco da cmara dos deputados, fide fevoreiro
de I86i.l'-iWcliir.). Si'iiwn obo.Lc 'V-
I-KNSAO A D. J. MAI1IATH E AS SI"AS FU HAS.
A' commissao de Dentos e ordenados foi pre-
sente copia do decreto de 23 do setembro do ai no
prximo passado. pelo qual o governo, tendo mi
considerarn os i elevantes servicos do almiraute
r'formado Fredcrico Miriath, conceden i *navu-
va D. Joanna Mariath a pensao annual de 60030 M)
e a de 2005000 a rada nina de snas Albas, D, A< e-
J; id.- M.ri ib, D Maria Amelia Mariath e 1>. Ka-
r a Mathille Marhlh. Da f de oficio do finado
marido e pai das agraciadas consta q e, lendo
comecado a servir na armada como praticante de
piloto por nomeacao do conselho do abnirantado
de 8 de junto de 1803, Atoro a de aspirante a
* ojurda-raarioba sem vencimento de sido em 18
o mareo de 18t'7, o sendo promovido a guarJa-
marinlia em 8 de marco de 1808, servio como of-
llcial elle -Uto ate 30 de mareo de 180", em |ue
loi reformido; prestando em todo este lougo efpa-
re de tempo, e ainda depois de refrmalo, milito
importantes e valiosos servicos, pelos quaes mtre-
Antes de descer o corno ao jatigo o Sr. Jos
Candi lo (ornes recitoa o seguinte discurso :
Consent, senhores, que na ausencia de votes
mais autonsadas, a de um modesto roas dedicado
amigo record as virtudes do Ilustre tinado, que
vai desapparecera nosos olbos. Senhores, se, co-
mo sjgnem 0 disse, a verdade i a estatua mais no-
bre a erguer sobre una campa, na presenca de
um cadver, diante deste sunbolo austero e pro-
fundo da nature/a bumaiM e sua dislio*iiw, a ni-
ca apologa de un bomem deve ser o singel rela-
to da sua vi la.
Nao cmpel,ondo eu ossa lana em relacao ao
conselbeii'o llelio^arde. por que falla -me compe-
tencia alem de que nada podeiia dizer quedo vos
todos nao losse eontwciflo.
Eia o espuso chalo de amor, e respeilo era o
pai qoe na veniur.i de sua tilda resuma oa anhelos
da existencia. Era ainda o tomen) que aceitn do
um irmao a dupla heranca de reniir-lbc a li
ampenhada de aaoptar-lhe os Ulhos orphaos.
Cea taes predicados, c desenvolvuneiito elles
na sua tendencia primitiva pelos hbitos da vida
privada como pela oceupacao paetOca do ensioo,
era o !>r. licllegardo 0 homem menos preparado
para a vida publica.
Mas o pai/. requeren seos servicos, elle nunca
sonto negar-lh'os. Prestou-os. pois, repelidos e
valiosos, em conmiisoes de estudos transcenden-
tes, de Irabalto acurado, de alcance internacional.
do Ulm. Sr. I>r. ehefe de polica, os E' son ,mtor o padre Ttoodor llatisbonn, ja lio
ni da Rocha Sanl -. I 11 lim J- t d i eoatoeld i polos servicos prestatlos igreia.
varias induliten-
A' ordem
nardos Joaqi
Smi Anua. Antonio Manuel Pacheco, e Leandro
d*Oliveira Torres, branco, sem declaracao do mo-
tivo.
A' ordem do r. delegado da capital, Felisberta
Mana da Coneeieio, parda, para correcc
A' ordem do subdelegado de Santo Antonio, os
pardos Salvador Henrique d'Albuquerqaa, para
corrercao ; Ttonusia Maria de Jess, por ei ibria-
gnei; Alexandre, escravo de Isabel Maria Felicia,
por doelaiaeao do motivo ; Haphael. afiieano, es-
cravo do l3r. Amaro d'Albuquerque, e Antonio,
crioulo, escravo de Anua Maranhao, ambos >or in-
sulto-,
A' ordem do de S. Jos, os pardos Hanoel Vi-
cen" "* a. Juvencio Perreira Franca, e Zeli-
rino t. X-nna. crioulo, para recrujas ; IS pai
.I:k Mari,-. Joaquina do Espirito Santo, Peiippa lg- ''" ana.
naca da Silva e Ignacia Maria do Espiriti Santo,
tojas |>or disturbios.
A' OTdein do da lla-Vista. OS pardos Vicente
Perreira da Silva, por embriagues; loin, iseravo
de Gervasio GonealveS da Silva, por fgido Anto-
nio, crioulo, escravo de Auna Maranhao, oui de-
claracao do motivo.
18
A' ordem do I)r. delegado da capital, os africa-
nos Amaino e Maltona, escravoa, este de Joio
Pranciseo do Reg Mala, e aquello, de Jo- Este-
Da breve apostlico concede
cas a esta santa insiimicao.
Consisie em os associaos assistircm a una missa
por mei, que celebra-se em una das grojas onde
est instituida a contraria, e laintom em umacom-
munhao mensal.
Hom seria que os nossos I ispos, acrescenla a
Cruz, do Rio, cxemplo do pai comnium dos
liois. eidenassem esto santo exercicio em suas
dioceses.
Era mais um favor que o povo Ibes deveria.

O summo pontfice escreveu urna carta gratu-
latoria ao celebre autor do Catechismo de pene-
veranea, o padre Gaunie, louvando-o muito pela
publicacao de sua ultima obra intitulada o Stgiud
Dclle SUbio aos couselhos da cora ; e com o vao de (Ibveira, ambos por inl'raceao de |-osluras.
sarritii io de sua modestia foi essa a provacao mais
dura do son carcter, at porque foi repetida.
t Sim, ao ressalto de ministro nao basta a seien-
cia do sabio, c nein ainda a virtude do phUoeopoo :
lamtom neeessaria i audaoia do poltico.
i l'.' este anda um terreno de luas, luas mul-
lfaces l.uta contra as aswracdes qoe se erguem
e contra os despeilos que descein.
i Lula contra interesaos individuaos, qoe bra-
dan, e eiu favor da equidade commum, que nao
recontoce o beneficio.
t Lula de proprias c maduras convicces con-
tra exigencias evianas de urna poca.
t Con frequencia torna-** necessario justificar Souia. Domingos Jos.- de
as iaiences mais pora* aos ollios mais prevem- Bezerra Mnieqegro, J
dos !-----
t E porque o nao dira eu ueste momento, dian-
te do bomem que morrea, por assia dizer, no cam-
po do baialha da vida poltica 1
A alta adniinistracao do imperio balouca-se
por demais sobre as pandes do momento.
Que nao esse o espirito de nossas bellas ins-
lituicesda sabia combinaco do principio iuo-
narchico, que se funda na honra, com o principio
deniuc iiieo. que se firma na virtude :que nao e
esse einlim o verbo da ecostiluicao brasileira, mos-
tra-oo escasso progresso do paU em relami a suas
- iialuraos ; o inostra-o melhor talvez a lassi-
lud'e da geracao poltica que acaba, e o desanimo A saber
da geracao poltica que cotneca.
. Mo-tra-o sobreiud a csierilidade de tantos
eaforCOS, a docepeSto de lao bellos sacrificios !...
senhores, cotn etoquencia, que nao teriam pa-
A" ordem bo subdelegado de S. Jos, peancisco
Lopes de Sonxa, pardo, por erisae de furto.
A' ordem do da Boa-Vista, llermelinca Maria
dos Anjos, parda, por insultos.
a roqukicao do depositarie gen), Joao, criou-
lo, escravo de Antonio Marques de Carvalho, para
ser conservado em deposito.
O ebefe da 2.* sceeio.
J. t. de MsefMte.
l'assageiros do vapor brasileiro Paroafte,
saludo para Macei e portos intermedios:
Pedro Correa Vieira e um lilho, Manoel I'ereira
Camello, Antonio Francisco Leile. Flix Pereira de
Souza Peixoio, Vicente
Lopw los Noves. Fran-
cisco Roberto, Mana Joaquina da Coucei^io Azeve-
i do, Jos Luiz do Oliveira Azevedo. Prancelina fine-
des de Oliveira e escravos. Jote Alvos Ferreira.
Miguel Marques. Antonio Oirnoiro Haposo. cabo de
esquadra Joao Florencio de Sania Amia, e o solda-
do Manoel Antonio 2.
Movimonlo da casa de dotencao no da 24 fe-
verciro 1864 :
ceu ser elogiade em omitas rdes do da e outros, lavras 1 uiuau.vs, l-se na froute paluda que, enc-
nelos otficiaes. Entend pois, a commissao ser do bra este panno morluario. l-se no seinblanle eoo-
iastfca approvar-se ameren, adoptando-so a se- fragido pela tristeza lucida dos derradeiros inomen-
guinte resolucao : toa, o que valo o poder e o que custa I
c Arligo nico. Ficim approvadaa as peo*Bes] Mas que importa? O homem, o cidadao fre-
annuaes de 600J a D. Joauna Mariath. viuva do almirante reformado Fredenco Mariath, o a de .carando a visao da patria agradecida
2005 cada una de suas Unas D. Adolaide Ma- dever
rialli, D. Mari. Amelia Mariath e l). Mara Ma-1 i Eutrou
iilde Mariath,
setembro de 1863. c bwuaiu>ay>wv w>"y*~i ----->-----
prestados por seu finado marido e pai. Estas p :n- patacho alli eucalhado, o vapor de reboque mean-
soes sern pagas s agraciadas desde a data do
fiz o meu
. lioutem s 10 horas da manhaa, do
concedidas por decretos de 13 de Cabo de S. Thom, para onde havia partido no da
863, em consderaco dos serv eos 10 do corrente, aUm de prestar sorcorros a um
pagas as igrac
decreto que liras couferio ; revogadas quaesq er
dieosifdt's em contrario.
Paco da cmara dos deputados, em 6 de feverei-
ro de m\. Vildetaro.Sitvrra Lobo.Luiz Fe-
lippe _
FlT.AC.U) DA FOBCA KAVAL.
t A commissao de iiarinha e guerra cxaininon
a proposta do governo para a xacao da forc; <
mar, durante o anno financeiro de 186& a 186), e
arriando -a no caso de merecer a approvacat' da
augusta cmara dos Srs. deputados; a convarle
no seguinte jirojecto c. lei :
A commissao julga conveniente incluir na
proposta os seguinte! artigos additivos, aguardan-
do a discusso para JurtjOca-los
A assembla geral decreta :
Art. !. A forca naval para o anno fiaancairo
de 186i a 1865 constar :
g !- Dos offlciss da armada e das demais
dasses qi.e fr precii embarcar, conforme a: lo-
taces dos navjos e estado-maior das divisSes
navaes.
2* Em circuniiaocias ordinarias de 3,000
pracas de marinhagem e de prel dos cerpn de
niarinlia, embarcadas em navios armados e trans-
portes, e de 5,000 mu oircaimsLuicias extrai rdi-
nai i
3.* Do corpo de iraperiaes mannlieiros, das
companhas de apreildites mariuheiros oreadas
pelas leis anteriores, do batalho naval c do corpo
de mperiaes marinhiiros da provincia de Mallo-
Grosso, continuando a aulorisajo para elev.-los
ao seu estado completo.
Art. 5* A forca cima mencionada ser pre-
enchida pelos nieios aitorisados no art. 4.* di. lei
n. 613 de 21 de agoste de 1851.
Art. 3. Ficam revogadas as disposices ero
contrario.
AtUlilivot.
* !. Os recrutados e voluntarios poderao exi-
mir-se do service militar qur por snbstiti.jao
de individuos que lenham a inonetdade pr icisa
para o mesan servieo, qur mediante a quanlia de
600JJ, com tanto que o facam dentro dos prim.-iros
0 metes a contar da pi ac.
2." Pica abolido o castigo de chbala s pracas
voluntarias e engajai as, e aulorisado o governo
reformar desde j;i o art. 80 dos de guerra di ar-
mada, limitando os casos em que poJer ser ap-
plicado aqnelle castigo aos recrutados, e delcrmi-
nando, por descont*, rebaixamentoe e eulras p -as
semelhantes, a substituico do predito rastig de
clubaia aos volunlarios e engajados.
3." Os aspirantes que forem repruvados em
qualquei das materias do curso da escola de ina-
rinha, e os que per.lerem algum dos aunes do
mesmo cufso, em virtude do djsposto no 1* do
art. 41 do teznlatnenio que bntxoo com o de. reto
n. 2,163 do primeiro de maio de 1 petir as ditas materias ou annos, como alu mos
externos, e ser de nevo admittidos ao servieo da
armada como guardas-marinha, urna vez qto sa-
tslaeaiii as condi^oes estabelecldas para a ai mis-
sao dos alumnos internos, e nao tenhaui de idade
mais de 18 armos.
t 5. O governo aulorisado a Crear mais duas
companliiasde aprendiz.-s mariuheiros as privin-
6.* Ficam ezteoswas aos empregados da se-
cretariado conselho naval as disposicoee das aris.
19 20, 22 a 30, e 48 a 54 do regulamento que
baixou com o decreto n. 2,33!) de 19 de feveieiro
de 1859, sendo exereidas pelo secretario do mes-
mo conselho as atUribiiicoes conferidas nesses irti-
gos ao director eeral da secretaria de estado.
7. Aos offlciaes do corpo de sade da ai nu-
da e d de fazenda Itei extensivo o favor reh vo
ao montepo que a resolucao de 15 de jullw de
1852 coicedeu aos ofOciaes da armada nac nal
imperial e do extinelo oorpo de artilhara da ma-
rinlia. demittidos dos postos a pedido seu, com
tanto que lenham pelo .menos dez annos de ser-
vico.
Paco da.cmara. 6 de fevereirode 1864.-/oOo
M Sohsii J/.'/8 Alvim. Antomo Joo MorV ttivntiniKii-si'lin,,
tuf el.
Existam .
Ewtraram.
Sahiram .
Exslem. .
Nacionaes. .
Estrangeiros
Muiheres. .
Estrangeira
Escravos .
Escravas .
374 presos.
10
377
235 presos.
32
16
1 >
68 >
5
377
Alimentados a cusa dos cofres pblicos. 144.
Era liorna tratava-se de provir um milagro de
bilocacao. .pie depnnha em favor da causa da
rainha Mana Chrislna, mai co re do aples
Francisco II.
Teslemnnhas authentcas e insuspeitas davam
proras exuberantes desta uia-avilha de segunda
ordem.

Na Inglaterra o catholcsm. tem tido um pio-
gresso inaudito; rara a semana em que novos
temidos nao se abram ao culto publico. Ultima-
mente por occasi.o da festa de Santa Thcreza de
Jess houve urna conversan e. lebre de um outro
professor da Universidade de < xfort.
EX POICO DJMl'DO.
A Cruz publica o seguinte artigo:
AOS ARTISTAS.
E' sempre possuido do mais vivo nteresse,
quando temos de tratar de alguma inslituieao pa,
- Em consequencia da grande arrebentacao do que tem |ior flm melhorar a sorte dos infelizes,
mar, nao pode o vapor communicar com a ierra,: e enxugar as lagrimas do orpho e da viuva
reeoiihecendo-se, porm, ser o patacho naufragado; que nos nao podemos deixar de render am voto de
o Simio Antonio, que daqui sahira em lastro a :t0 j agradeciiuento ao seu instituidor atril, reconhe-
do mea passado com destino Itabapoana. Em urna cendo os relevantes servicos prestados em proi da
dts barracas armadas na praia, bein como no na- humanidade pelo cidado Joo Jos da Silva, nos
vio, que se julga totalmente perdido, iwde-se dis-, nos apressamos a dar-lhe os nossos parabens.
linguir banderas brasileiras e o distinctivo. A necessidade da creacao de um eslabelecimenlo
O navio est adornado para o lado de EU, leudo pi, era uosso paiz, que auxiliasse as artes me-
o austro grande partido e o masiaro do velacho j chanicas e liberaos era palpitante: porm, como
acapachado : foram vistas na praia os ferros, en- de ordinario, tudo quanto bom morro, e o que
xarcias amarras e outros objectos, e bera assim : mo progride, temos visto acompanhar a esses
alguns individuos montados e a p perto das bar-1 actos meritorios o mais declarado despreso por
racas.
REVISTA MARA.
aquelles que deviam extender-lhe a mo -. mas o
Sr. Joo Jos da Silva prevendo de antemo isso,
e removendo iodos os obstculos, pz-se a campo,
com o intuito de crear urna casa de caridade, que
servirse, para amparar o indigente, a viuva, o
I orphao, ainda que nao pertencessem familia dos
socios.
To feliz inspiracao o enc.heu de valor, e ei-lo
lancando a sement para colher os frucios de sua
Depois d'araanhaa a irmandade do Sr. Bom Je- bella empreza; e semelhante ao seiiieador de que
sus dos Afluidos expoe aos liis em procissao a nos falla o Evangelho, teve a feliridaile de espa-
imagenf desse Senhor. Ihar o seu trigo em boa ierra que (ructificou cento
Sob a redacfo principarlo Sr. Dr. Diogo de por um.
Souca Uou-lli do Vasconcellos, foi publicado no co-; q coraco do monarcha, o Sr. D. Pedro II, abrio-
me^o des-te anno em Portugal o Diario Comnurcial,: se para aeolhe-lo, foi o primeiro que o eneorajou
que desponta i vida sob auspicios favoraveis. | para continuar em sua nobre missao.dando de seu
Como o seu titulo o demonstra, o seu lim princi- holg Um valioso donativo, que constituio-se como
pal e applcar-se ao deseovolvimento da industria uase para cdiflcaco desse eslabelecimenlo pie-
eommeraal, noadmiundo em suas columnas ma- u0so.
tona alguma, que se prenda poltica partidaria, i ivdiudo de porta em poru, empr^gando o seu
Para melhor satsfa7.er aos respectivos assignan-! ie|0 para beneficiar os artistas de nossa ierra, <\ae
tes, com relacao aos acontecimentos dados em Lis-: niorrem no abandono, e deixam seus lhos bra
DIARIO DE PERNAMBUCO
Por.obsequio de uro passageiro do vapoi Persi-
u/n/a,.obtivemos o.Jemal do Commercio de 13 d/>
oriente, do qual extiahimos as seguintes noticia^:
Por decceto de 3 foi promovido a terceiro escrip>
turario da .contadura de inarinha o quarto Eran-'
cisco los Ferreira.
FaJb--eu tonteo] l /o sepultado no.cealcrio
de S. fcao Baptista o Sr. larechal de campo con-
selbeiro Dr. Pedro de Aleonara Bellegarde.
Era o finado comnietdador da ordem de 6.
liento de Aviz e oHci.il da da Kosa, e tnba iceu-
pado em vanos muihicrios as pastas da inarinha,
guerra agricultura.
A camai.i d..s deputados,ge que era tambem
iireuibro pelo quarto districto da provincia do Rio
de Janeiro, nao funccionoii boutem em sign.il de
seutiutento, nomeando o seu presidenle para issLs-
tir ao funeral urna commissao, composta dos Srs.
CarnWre de Campos, Eduardo de AnJrade, Justi-
niauoMaduieira, Paula Souza e Flores.
i As tropas da gu.-.rnieo fizeram as continen-
cias do Cslylo, ,. o eorpo foi acoinpanlia.il. a) ce-
milerio de S. Joao Baptista por um prestito nume-
roso e .1 smelo, pois contavam-se nello os Sr. mi-
nistros de estado, mu :tos membros de urna) ou-
tra rain ira, os offlciaes generaos, os ebefes t em-
pregados d;.s repariic.Vs publicas, e grande con-
curso de outros cidados respeitaveis.
boa at s 6 horas da larde de cada dia, organsou
a empresa agencias suas em cada freguezia ; e com
este meio lica completamente habilitada a ter urna
pagina a mais completa possivel, a pajina noti-
ciosa.
Depois disto, em materia commercial imaginen
um syMeina de prender os inleresses das classes
com os do consumo, por meio de urna especie de
registro que torio as familias em sua casa, de mo-
do a -aberem ah de todo o movimento com pro-
veito reciproco do productor e do consumidor.
' i- Bssumplos de crdito e de Onancaa nao serio
exlranhos aredac^o ; a qual felicitamos fraternal-
inonie desejando-lto a consecueae de seus louva-
veis Htenlos.
Amanha se extrahr a 6' parte da 21 lotera
da Santa Casa da Misericordia.
Coniecaui boje as sessoes preparatorias da
nossa aspmbl.-a provincial, ruja nstalla^-o deve
realisar-se no da 1 de Barco prximo.
Das averignacoes que pela polica se procede-
rain no cadver encontrado em Ierras de Suassu-
na, suppoe-se que effeotivamenle houvo suicidio ;
pois a aprelo que o mesmo linba sob o queixo,
coi responde a da parte superior da cabera,
Veniicou-se ser o mesmo estrangeira que esti-
vei a albergado em rasa do Sr. Puech, visto torea
sido reconhecidos differentes dos objectos adiados
juntos ao corpo, principalmente o rewolver, seme-
llianle aoqual ha um possuido por pessoa desta ci-
dade, que o reconheceu como pertencente ao referi-
do estrangeiro desapparecido.
Chamamos a aHctirao da autoridade a quem
possa competir a providencia, para una poreo de
muiheres de m vida, que morando na ra da Con-
ooi da. ah so fazem escandallar as familias com
suas depravacocs, e encommodar a visinhaca com
constantes barulnos que promovem.
-t Em a n.ule de 14 do corrento foi assassinado
Manoel Joaqtuin por Manoel da Silva Machado, no
sitio Tenerte de (erras do engenho Bctuteira, do
termo da Esca.la, com urna facada sobre o peilo
osquerdo sendo o assassino preso em continente.
Em 24 do corrente foi encontrado assassina-
do, em sua propria casa, no lugar Que de S. Mi-
guel, do termo do Bom Conselho, Vicente Ferreira
da Motta, nao so tendo podido ainda deseobrir o as-
sassino, apezar das rigorosas peeqnizu da polica.
Por portara da residencia trocaran) es res-
pectiv..s ligares os promotores pblicos de Santo
Auto e Limoeiro. passando para aquelle o Dr. Vir-
ginio Caiu|M;llo da Cimba Albuquerque, epara esto
o Dr. Manoel lunocencio Pires de Figueiredo Ca-
margo.
Foi prorogado, por 2 niezes o prazo marcado
para a conclusao das obras de que 6 empreittlro
Francisco Botelho de Andradc, na ponte de Ja-
boa (3o.
Tendo provado isengao legal, foi posto em li-
berdadeo reernta (k)nstantino Antonio Gomes.
Maudou-se passar guia ao tenenteda 8.* com-
panhia (lo batalho n. 41 de infamara, da guarda
nacional do municipio do Cabo, Jos Flix da C-
mara Pimeetei, por se ler mudado para o Recife-
Forana mandados excluir da seceo urbana,
e conservar presos ai pracas Caetano Gomes da
Silva e Caiiidiai.o Celestino da Poneeca.
Ao engentieiro Domingos Jos Rodrigues foi
incumbido o exameda pon le de descarga da alfan-
J.-ga. e apresenfo do relatono respectivo.
Auii.risou-se ao director do arsenal de guer-
ra a encarregar, ao servente Joaquim da Testa
Lisboa, de fater asdespezas mudasda reparticao,
sem iribuico alguma por esse tralalho.
D. cidio-se, em vista do g 2 do aviso n. M de
18 de fevereiro de 1860, nao haver incompalibili-
dadeenireoscargosdojui7.de paz e ofliiial ou
commaiidante da guarda nacional.
Abrio-seum crdito supplementar de 1 para acudir dospeza com o expediente da secre-
taria do governo.
Rbpabticao da poucu.
Extracto da parte do dia 24 de fevereiro de 1864.
Foram recolhidos casa de detenco no dia 23
do corrente:
eos com a miseria, chegou a ajuntar a somina de
10:0004000.
Cabe-lhe inquesionavelmenle as honras de pre-
sidente dessa instituico, porque foi o unieo que.
resolveu-se a por em [.ratca os nieios de amparar
a humauidade, que mais tarde abeneear sua me-
moria e o contara no numero de seus protec-
tores.
E estando os alicerces desse magnnimo edifi-
cio hincados, convm que apparecam trabajado-
res qu o ajudem, que concoma com os seus
contingentes para a sua conclusao ; pois deven)
lembrar-se que depositan) um fraco capital, que
um da dar um lucro que servir para sustentar
com decencia as suas familias, e as bvrar do ter-
nvel II,..'.-lio da fume, da nudez e do fri.
Trabalhai, artistas, porque a gloria tambem vos
pertencer; trabalhai, porque para um lim pu-
ramente santo e para auxilio de vetaos descen-
dentes; e para que elles aebein incentivo, convin
que o Sr. Jos da Silva nao estacione, visto que
o motor e o niestre de urna obra toda baseada na
virtude da caridade.
Pedem-nos a seguinte publicacao :
OMunu I
Eu j disse a urna mulher
A verdade ma e ci a;
Responden-me a queima roupa
Isto mentira sua.
verdade. repliquci-lhe,
To clara que vejo-a ea ;
Pode ficar convencida,
Que a seuhora um cumafeu.
f Eu camafeu I diz-me ella,
Com erguido mofador ;
Tal nao bou, porm quizera
Para ler maior valor. >
Pois esteja convencida,
Eu toruei-lhe a replicar;
A senhora um camafeu,
Como nao s'encnntra par.
t Muites outros me teem dito,
Diz-me ella mui dengosa,
Que cu valho o quanto peso,
Que sou anua preciosa.
c Kola o j se eonvenceu
Desta sua nomcada?
Muito ali'-ui de camafeu,
A senhora apregoada I
0' xente I... inda ella diz-me,
Eu llie agradeco o elogio,
E suspirando ine disso.
Que senlia muito fri...
I. se no ozede Agosto :
A QOIBTAO O TA (AC.
A priinera arremataeao de ue ha noticia, teve
lugar no lempo da usurpaeao ds Pelippes, e o seu
proco fui de 40 annuaes. Tre;. anuos depois esse
preco foi elevado 60$.
Em 1640. o preco da arremalacao elevou-se a
4005.
Em 1642 (en(ou-se o ensaio co systema da liber-
d.ule. quo como se v velho entre nos. 0 al vara
ile 23 de agoslo desse anno. permittia a importa-
cao, fabrico, venda e cultivo do tabaco. A experien-
cia, porm. deu inos resultados, o rendimento do
laluco livre, decahio muito e litou muito quem do
que a arremataeao produzia an es. l!ecorreu-se de
novo ao contrato, e o monopolio foi arrematado em
1670 por 32:000*. por seis annos, contrato que foi
annullado quatro annos depois.
Em 1674. as cortes determinaran) que o mono-
polio fosse geri.lo |>elo estado, u calcularan o ren-
dimento em 200:0005.
Esta especie de rMk durou |>or 24 annos, cres-
cendo sempre o rendimento para o estado. No lim
delles. em Hi'.lS, as corles calc laram que esse tri-
buto, permillindo-se a liberdads, podena produzr
720:0005, e co>n essas vistas o estanco foi abolido.
Es(a segunda experiencia do svstema de hberdade
foi ainda mal succedida, a ponto de que o rendi-
mento, que crescera sob a adminisiraeao do estado
muito alm dos 200:0005, sob a nova forma em
16911 apenas produzio uns 195 0005, quaniia que
esta va muito longe dos 720:00)5 calculados pelas
corles.
Abandonou-se. pois. esla nov;i experiencia. O es-
tanco foi restablecido em abril de 1700, e poucos
mezes depois foi arrematado, comecando nessa
poca a longa crise de contrato;, que tem durado
164 annos.
A priinera arremataeao, que durou de outubro
de 1700 at o lim de dezembr j de 1701, foi pelo
preco annual de 614:4005; irei.-o excessivo que
necessariamente devia dar perda ao contratador,
e ao que foi talvez devida a anr.ullacao do contrato,
no lim de um anno.
De 1701 1704 o preco de arremataeao foi de
320:0005 annuaes.
De 1704 i707 foi o monopolio arrematado por
480:0005 annuaes.
De 1707 1709, o proco da arremataeao foi de
880:0005, preco excepcional levido a urna nova
condicao, que dava ao arrematante esperancas de
muile maior consumo, condi,-o com a qual foi
successivamente arrematado u monopolio no taba-
co, em 1709 por 620:0005, e en 1712 por 560:0005,
durante esta ultima arremataeao at 1715.
De 1716 at 1755 houve 14 arrematacoes, oscil-
lando os procos annuaes entie o dominio de ris
480:0005, que foi o da primeira, e o mximo de
840:#O05, que loi o da ullima dessas quatorze arre-
mataco-s.
Em 1756 o preco do monopc lio subi a 884:0005
annuaes, o qual so conservou, em cinco arremata-
gges raceesslvas at 1782.
Em 1782 enrorporou-se ao monopolio do tabaco
o do sabo e o preco da arrem itaco dos dous mo-
nopolios subi a 060:0005- 0 preco deslcs dous
monopolios clevou-se depois successivamente, em
quatro arrematacoes, ale 1,1(0:0005. preco pelo
qual foram arrematados em 1816.
Em 1818 o preco da arrem; tacao foi de ris....
1,441:0005 annua'es.
De 1820 a 1826 o preco da: arrematacoes des-
ceu um pouco mais, mas em .827 subi novamen-
le, sondo arrematados os dous monopolios por
1,435:000.5 annuaes em 1827, preco que deseen
ainda a 1.400:0005 na arrem ilacao de triennio de
1830 1832, que se prolongo i at 1833.
Em 1832,o monopolio comprehendendo s o ta-
baco, foi arrematado al 1864, pelo preco animal
de 1,200:000-5.
De 1844 at 30 de abril de 1858, a arremataeao
comprehendeu os tres inonop dios do tabaco, pl-
vora e salan, e seuo pree,o foi de 1,521:0005, que
de 14 de setembro ultimo, acerca da desapropria-
cao da casa terrea da ra da Guia, pertoneente i
Pranciseo de Pinho Borges, declara ter-se entendi-
do com o mesmo a respeilo da dita desapropria-
cao, mas que nao pode chegar a um .'.cerdo em
consequencia da elevada quantia de, 8:0005000,
que o mesmo Pinho quer pela referida casa, non-
derando-lho tambem a punca ou nenhunw utilida-
de que o publico misara com a demolico dola.
acto em urna extensa Iravessa, seguida pe-
lo lado do sul do grande edificio do arsenal de ina-
rinha, que nunca se demolira e do lado do norte,
por grandes sobrados bem construidos, viudo por
isso a ficar por longo lempo um recado quo -
servir para novo deposito de iinmundiees como
j est servindo com o dosabamento do muro do
quintal da mencionada casa.Quo se respoodesse
ao procurador, que nao obstante as suas pondera-
.nos. procedesse judicialmente a desapropriacio
da dita casa.
O Sr. Barata de Abneda, fez o seguinte reque-
rimento que fui approvado :
i Requeiro, que sejam cassadas desde j por
llegaos e contrarias salubridade publica, e coa-
modiJade dos habitantes desta cidade, todas e
quaesqoer liceneas concedidas para ~e estabelece-
remacongues ea lujas de sobrados. Recib, 14
de Janeiro de 1864.Barata de Alenla.
Reselveu-se, que em vista do aviso n. 384 do 16
de agosto de 1862 do ministerio do imperio se pro
posese ao Esm. presdeme da provincia, a rovo
gacao da postura de de maio de 1853, que
manda que as casas de negocio, e estatolecimon-
tos de commercio e industria sejam fechados nos
domingos, e dias santificados.
Presten juramento por proenraro que apresen-
lou Hermenegildo Eduardo do "llego Monten... o
juiz de paz do 'r anuo do Io districto da freguezia
da Muribeca, cidado Estevo Jos Paes Brrelo.
Bespacharam-se as petlcdes de Albino Jos Per-
reira da Cimha, (i) IJeut'o Joaquim Gomos, Joo
l'inio de Lentos, Manoel de Souza Tavares, Mar-
ques Gomes & C, e levanlou-se a ses
Eu, Francisco Canuto da Boa-Viagem, secretarlo
a escrevi, Henriqnes da Silva, pro-presidente.
Leal Seve.Gaineiro. Reg.Barata de Almeida.
0 Exm. Sr. g^nseltoiro presidente negou provi-
mento.
Nade mais houve, e encerrou-sc a sesso s 3
horas da tarde.
COMMUNICADOS.
. mesmo porque boje est arrematado o monopolio
Jo tabaco.
L-se no Diario Commercial:
Para substituir eeonomicam-nte o ataco, a tclha
e ardozia, adiamos que ocarto impermeavel e
excellente, muito principalmente para eonstraccoes
hgeiras, como tclheiros c offlcmas para abrigar co-
lli.-ias. instrumentos de trabalho, etc.
Esta sulisiiiuioao, j adoptada por muitos arrhi-
tectos e engenheiros. que a aba ou haixa tempera-
tura nao altera, acha-se a v.-nda no largo do Conde
Baro numero 13, pelo proco de dous mil ris cada
sete metros quadrados que apenas pesam 6,500
kil.

inrontestavel a vanlagen que se pode tirar do
empreo de eapitaes em mutialdade : nao semen-
t reeolhe o juro de. quantia i diminutas, de que
avulsas se nao pedera tirar resultado, mas alm
d'isso esse resullado consideravel.
(1 Banco l'nio do Porto, companhia do seguros
de vida em mutualidade, que j realisou o seu ca-
pital 2:000 contos, e obteve de governo de sua ma-
geetade a autorisa^o para o seu estabelecimento,
o que j recebe subscripedes. sem duvida algu-
ma urna das companhas que com toda a seguranca
olferece mais consideravel vai tagem.
*
Eslabeleceu-se pouco. en- Sacavem prximo a
estacao dos caminhos de ferro urna fabrica, onde
se manufactura por artistas portuguezes e inglezes
lou^a ingleza.
O Sr. Antonio Jos Gomes, nosso primeiro fa-
bricante, de carruageus, merece na verdade o no-
me de bom artista.
Nodoposilo da sua excellente fabrica, situado no
largo do Quinteto, o publico poder avahar devi-
damente 0 que dizemos, visitando-o.
Alli se chama venda por mdicos precos, cale-
ches, coups, victorias, faetn s, clarencet, america-
nas e ehar-a-banes, nos goslos mais modernos, que
nada deixam a desejar.
CHOMCA .111) IIAIIA.
SESSAO EXTRAORDINARIA AOS 13 DE JANEI-
RO DE 1864.
Presidencia do Sr. Hem iques da Silva.
Presentes os Srs. Barata de Almeida, Gustavo
do Reg, Seve e Gameiro, fallando com causa os
Srs. Barros Reg e Mello, e sem ella os mais se-
nhores, abre-se a sesso, e t lida e approvada a
acta da antecedente.
L-se o seguinte
EXPEDIENTE :
Um oflicio do Sr. vereador Mello, communican-
do, que tendo comparecido .. sesso de lioutem,
aggravaram-se os seus enc mmodos e por isso
boje, o que far logo
De jornacs da Italia colhe-se o que segu:
Um garibaldino tendo alugado. um quarto em
una hospedara de Cagliari, vio na parede um
crurilixo de pao. Ento proferindo as mais ter-
riveis iinprecaeocs, arrancn a imagem ; i-la em
pc.lacus e lancou-os ao fogo.
Tres dias depois foi encontrado morto em seu
quarto, com o corpo inrhado de una maneira hor-1 deixa de comparecer a de
rivel, e negro como carvo. que melhore.Inteirada.
Outro do subdelegado da freguezia de S. Jos,
Em urna cidade perto de Cotrona, na Calabria, Jos Francisco de Souza Lin a, communicando ler
durante urna tempesiade, um individuo em vez de entrado em exercicio do me mo cargo para o qual
fazer o signa! da cruz, segundo o costume do lu- savia sido noincado.Que s aceusasse.
gar, proferia as mais uorriveis blaspbemias con-! Outro do procurador, com-nunicando, ter-se en-
tra Dos, o particularmente contra o papa. tendido com a baroneza de Cimbres, sobre a desa-
Ainda nao linba acabado, quando um rain propria'co da casa que ltimamente fra incendia-
o prusiou sem vida, deetruindo tambera a sua da na ra dos Pires, e que tila nao code por me-
casa, nos de 2:5005000, preco que elle procurador acha
No dia seguinte o povo em tropel corra i igreja excessivo, e por isso nao se : nimou a fazer olf.ria
a pedir ao Senhor misericordia. alguma, telo que houvesse a cmara de deliberar
conveuienteraeule.Que se i ospoudesse ao procu-
Estabeleceu-se em Roma urna confraria com o rador, houvesse de proceder a desapropriacio na
lim de attrablr as heneaos de Dous s mais de fa- forma da le.
milia de todo o orbe cattolicn, chama-s obra das Outro do mesmo, communicando, que em virtn-
fulis christaas. de da determinaco que Ih i fura dada em sesso
Aos 15 de Janeiro de 1864, comparecern) os
Srs. Barata de Almeida, e Gustavo do Rege, c nao
houve sesso por falla de numero.
Eu, Francisco Canuto da Boa-viagem, secretario
a escrevi. Barata de Almeida. Reg.
QUARTA SESSAO ORDINARIA AOS 16 DE JA-
NEIRO DE 1864.
Presidencia do Sr. Henriuues da Silca.
Presentes os Srs. Gustavo do Reg, Barata de Al-
meida, Seve, Gameiro, faltando com causa o Srs.
Barres Reg, e Mello, e sem ella os mais senhores,
abre-se a sesso, e lida e approvada a acta da
antecedente.
L-se o seguinte :
EXPEDIENTA.
Um ofileio do subdelegado da freguezia dos Af-
fogados, Dr. Jos Roberto de Moraes e Silva, re-
metiendo a quantia de 45000, importancia da mul-
la que por infraeco do art. 16 do tt. 9 das pos-
turas municipaes'de 30 de junho de 1849, pagou
Luiz Gonzaga de Menezes Lyra. Que se aceusas-
se o reeebiineuto, e s* remettesse a quantia ao
procurador. -*V
Outro do administrador do cemiterio da fregue-
zia de S. Lourenco da "Malta, remetiendo o mappa
dos enterramentos feitos no mesmo estabelecimento,
desde o dia 1 al 10 do corrente.Ao procurador.
Nao havendo mais expediente, levanlou-se a
sesso.
Eu. Francisco Canuto da Boa-viagem, secreta-
rio a subscrevi. Henriqucs da Silva, pro-presi-
dente.Mello. Gameiro. Barata de Almeida.
Reg.
(IIOMIA JUD.C14RU
Tinit 1 \ v 1. 00 (.-nni:iu'io.
SESSO ADMINISTRATIVA EM 25 DE
FEVEREIRO DE 1864.
PRESIDENCIA DO BXM. SJ). CONSELHBIRO
SOUZA.
s 10 horas da manluia, reunidos os Srs. depu-
tados Lentos, Rosa e Aleoforado, o Sr. pre-
sidente declarou aberta a sesso.
Lida, foi approvada a acta da ullima.
EXCEDIENTE.
Foram presentes dous olucios do secretario do
tribunal do commercio da corte, acompanhaudo
urna relacao dos commercianles alli matriculados
no mez de Janeiro, e outro aecusando a recepeo
do .(ue llie foi dirigido de parte deste.Accuse-se
a recepeo e archive-se.
Oulro da junta de correlores, juntando a cotaco
1 iili.-al dos precos corremos da praea na semana
linda.Archive-se.
DESPACHOS.
No requerimento de. Antonio Valentirn da Silva
Barroca, pedindo o registro da nomeacao de Ro-
dolpho Smilh de Vasconcellos, guarda-livros de Jo-
s S. de Vasconcellos cv Hughs.Registre-se.
No de Joo Baptista Telles, membro da extincta
firma fallida de Diogo, Filho & C. pedindo sua re-
habiliuco commercial.Auloada e distribuida ao
offlcial Innocencio A. de Paria Torres, fazendo-se
conclusos ao Sr. desembargador fiscal, voltem a es-
te tribunal.
No de Aureliano Augusto de Oliveira, satisfazen-
do o despacho deste tribunal de 11 do corrente.
Passe-se o titulo para agente de leilcs.
SESSO JUTHCIARIA EM 25 DE FEVEREIRO
DE 1864.
I'IIESIDENCIA DO EXM. Sil. CONSELIIEIRO
HOZA.
Secretario, Julio Guinaraes.
o, borada tarde, o Sr. presidente abri a ses-
sb, estando presentes o Srs. desembargadores
Villares, o1 Silva Gnimares, e os Srs. deputados
Lemos, Rosa e C. Aleoforado.
Lida, foi approvada a acta da sesso antece-
dente.
Assignou-so o accordo proferido na ullima ses-
so, entre partes :
Appellantes, Francisco Xavier de Oliveira, como
administrador de sua mulher, e Luiz I'edro das
Heves ; appelladb, Jos Cordeiro do Rogo Pontee.
Appellantes, o Dr. Jos Cardosu de Queiroz Fon-
seca e outros; appellado, David William Bow-
man.
JULGAMKNTOS.
Appellantes, os curadores da maesa fallida da
viuva morim 4 Filhos; appellado, Henrique Au-
gusto Millo!.
Sorteados os Srs. Lemos e Rosa.
Relator oSr. desembargador Silva Guimares.
loi confirmada a senteuca appellada em parle e
em pane reformada.
Appellanto, 1). Joanna Maria das Dores ; appel-
lado, Amonio Jus Conrado, suocessor de Julio &
Conrado.
Juizes cor los os Srs. Lemos e Rosa.
Relatado o feito pelo Sr. desembargador Vil-
lares.
Desprezaram-se os embargos.
Appellantes, N. O. Bieber 4 C, succossores -.
apuellados, o presidente o directores da caixa filial
do banco do Brasil nosta cidade.
Juizes certas os Srs. Rosa e Malveira.
E procedeiido-se novo sorleio para substituico
do Sr. Malveira, verificou-se seren suspeitos os ou-
tros senhores deputados, e o Exm. Sr. conselheiro
presidente mandou ofciar ao supplente Antonio
Jos de Castro para servir de juiz nesta causa.
I.FSICNACAO he da:
Appellantes, os administradores da massa falli-
da de Amorim, Fragoso, Santos & C.; appellado,
Jos Francisco de Azevedo.
Primeiro dia til.
MSSAGENS.
Appellantes, Guimares Aj Oliveira ; appellados,
o prosidoiitc e directores da caixa filial do banco
do Brasil nesta cidade.
Apiiellante, Jos Jeronyino Monteiro e Jos Can-
dido de Barros, na qualidade decredores da massa
fallida de Nuno Maria de Seixas; appellados, N.
I). Bieber A; C. surcessores, e outros. como admi-
nistradores da Itonldacao da casa do fallecido Mar-
colino de- Borja Geraldes.
Appellante, Eustaquio Antonio Gomes
do, Manoel de Barros Cavalcanti.
Lendo no DiuWo de Pernambuco de 19 do cor-
rente um coniinunicado do bacharel Araripe rela-
tivo a deniin. ia contra elle dada pelo Sr. desem-
bargador Monoel Roiirigues Villares, comprehendi
que o denunciado qur se justificar pela impren-
sa, publicando algumas pecas do precessn que fi-
lora eontra o filho daquefle. Com esta sirtples pu-
blicacjn pensa e>lar justilicade : mas o processo de
qae foram destacadas taes pecas f.. coodemnado
pelo- juizes de recurso da provincia, o por lo los os
desembargadores e advogados que delle liveram
noticia, com esse processo todo trasladado, serva-
do de corpo de delicto se instrnio a denuncia, e
por cauca do mesmo processo qne o denunciado
est respon.l.-ndo peanle o governo imperial; sua
defe/.a to concludi-nb: como o argumento de
dem por idem, o nico meio de defeza a que re-
corre prescripcio. A lei pode desarmar o braco
da juslica, ainda ijuc o crime esfeja provado e nao
hajam crcumstancias que O justiliquem, e o crimi-
noso seja c.mliirido. a este respeilo nao quero pre-
venir a decisao futura.
So o bacharel Araripe insiste em sustentar a jus-
li.a de seos aetes, se ainda pretende mostrar que
apreciou devidamento os (actos e fez exacta appli-
-da lei. ento entre seriamente em materia.
V1 meu pensar o esteltionato peterido ne s 4 do art.
264 do cdigo criminal depende dos seguales te-
quisitos :
1." Inti.-ncao premeditada de prejudicar ;
2. Dolo;
3." Falsidade, seguindo-se a fraude ou penstbili-
dade dola.
Diga o bacharel Araripe, se concorda nesta ex-
plicacao :
A falsidade. por exemplo, que um dos essenciaes
perpetra-se de tres maneiras, por escripto, |>or pa-
'" e por faclos.
lavra,
O bacharel Araripe deve especificar de que ma-
neira foi perpetrada no caso de que nos oceupamos
e declarar se a falsidade entra como eleoento cons-
titutivo de una so ou de qualquer deseas maneiras.
U denunciado tendo iniciado a diseussao pela im-
prensa tem obrigacao de entrar na aprecia.'ao dos
fu io<. das (trovas, na qualificacodelles com todas
as explicacoes que se exigen, e demonstrar com
sinceridade que loi justa a pronuncia: outro sim,
coi re-lhe a obrigacao de desvanecer a prova do es-
leilionato consiste.le as dedaraces escripias ef
assignadas pelo proprio estellionatario Antonio Je-
ron\mo, quo de feito venden como seu, um predio
que estava hypothecado a D. Joaquina e em que o
vendedor s tinha parte, estando o mesmo exhaus-
to de bens.
Na verdad.- o que se prova do processo que
houve a mais completa tolerancia para o ci i me e
o criminoso, e a mais deploravel injusliea para o
inculpado; se a isto se accrescentar que a doutrina
e jurisprudencia corrente e; que nao tem lugar a
pena, quando oque se queixa elle mesmo cum-
pliee do esteilionato, a injusliea sobe de ponto e
jiassa a ser escandalosa, at o proprio tabellio foi
jurar e declarar em juizo perante o ex-chefe de po-
lica que recebeu 10JJ000 pelo trabalho de lavrar a
esen plora.
O bacharel Araripe aprsenla urna carta que
Ihe escreveu a Sr. desembargador Villares, mas
quem a pnblicou o proprio que em 18>0 tendo
contra si urna denuncia pendente na relacao de
Pernambuco andou sollicitando cartas de recom-
mendacao, una dessas cartas ainda existe, e foi di-
rigida do Rio de Janeiro em data de 27 de julho de
I8o0, em favor (sao palavras della) do bacharel
Tristo da Alene.tr Araripe-----a respeilo de qnem
pende ora processo de responsabilidade na rela-
cao (contina) a denuncia fllha dos capri-
chos e vingancas dos partidos extremos. Afina!,
intercede por elle senj offensa dos principios da
juslica.
O bacharel Araripe pdel-la, ella Ihe ser apre-
sentada no dia, hora, e lugar que designar. O Sr.
desembargador Villares se nSo recebesse esta car-
ta votara do mesmo modo, como votou, em favor
do bacharel Araripe, seguudo os seus principios de
jushca.
Veja-se a differeneao bacharel Araripe por uro
crime leve, sem ter indisposicoes, devendo confiar
na justica e equidade de seus juize, procurou pes-
soas osir,uilias que inlercedessem por elle, e nota
que o Sr. desembargador Villares pediese justica
para seu filho, contra quem havia um plano de ex-
terminio, do qnal o ex-chefe de polica se fez o
executor, abusando da autoridade que Ihe foi con-
ferida : o resultado o demonslroo, e agora o de-
nunciado Araripe s na pTescripeo encontra a la-
boa de salvaco. Ainda quando o bacharel Arari-
pe aqu chegou despachado, o Sr. desembargador
Villares recebeu carta de reeommendaco e foi vi-
ita-l...
O Sr. desembargador Villares teve nina demanda
importante na relacao do Rio e no supremo tribu-
nal de juslica e nao escreveu urna s carta, porque
confiava nos seus juizes e sujeitava-se a sua deci-
sao fosse qual fosse com resignaco no caso de Ihe
ser contraria.
Manoel Rodrigues Villares.
GORRESPONDENGIAS.
Srs. redactores.Pan restabelecer a exartido
dos factos com relacao s diligencias procedidas
pelas autoridades policiaes de Jaboato, por occa-
so de ser encontrado no dia 20 do corrente, por-
to da povoaco desta freguezia, o cadver de um
homem ; peco-Ibes- a insercae desias linhas em seu
conoeitundo jornal. v
E' nteirameate inexacta qualquer noticia de que
as autoridades policiaes deste lugar nae-emprega-
ram nessa triste oceurrencia toda a diligencia e so-
licilude em laes ca.-os cabiveis.
O Sr. subdelegado Jovino Coelho da Silva, logo
que foi informado do facto transportou-se sem
perda de lempo ao lugar em que jazia o cadver ;
procedeu ao competente auto de vistoria, praiicoo
todas as mais diligencias convenientes e smente
depois de ludo isto mandou sepultar dito cadver.
Chegando ao meu condec ment esses aconieei-
iiieiitos smente no dia 22, na qualidade de dele-
gado de poiioia. dirigi-mo nesse mesmo dia po-
voaco. alim de proceder por mim mesmo a todas
as indagaces.
Ento sabendo que ao subdelegado nao occorre-
ra na gccasio mandar despojar o cadver das rou-
pas que trajava ; e devendo no caso nao ser dis-
pordioado o menor indicio, entend conveniente
mandar para esse lim exhumar o cadver e mes-
mo para fazer novas nesgo has que se tornavam
tanto mais convenientes, quanto se foram fazendo
conhecidas novas crcumstancias.
De feito nao havendo j leinjio para nesse mes-
mo dia Parea lugar essas providencias, foram es-
padadas para o inmediato e uelle effectivamente
se realisaram.
O maior zelo e solicitude presidram, pois, a to-
dos os actos da polica, e em prova appello para o
testemunbo dos habitantes do lugar.
Nao obstante darem-se graves suspeitas de que
o infeliz, cujo cadver se eucontrou, fra victima
de um suicidio, continnam as autoridades desia
freguezia em enrgicas e constantes pesquizas.
Engenho Viagein, 2o de fevereiro de 1864.
.4. Francisco Paes de Mello Brrelo.
PUBLICARES 1 PEDIDO.
Do Sr. desembargador Villares io Sr. desem-
bargador Guimares.
Apiiellante, Lourenco Puggi
fheitlin SC.
DoSr. desembargador Silva Guimares ao Sr.
desembargador Villares.
DISTHinulCOES.
AiiHcaliuita peitoral de hemp.
A academia medica de Berln leve perfeitamen-
te razo, em seu judicioso julgamento em pronun-
ciar o sueco da balsmica Anacahtiita Mexicana
como um especifico positivo e infallivel para [odas
appella- as irritaces ou infiamares da garganta e dos va-
sos bronebios.
Nao ha nenhum caso de rouquido, tosse, ca-
tarrho, excoriaco da garganta ou irritaco dos
appellados, Scha- bronebios que possa resistir as suas admiraveis
qualidades anli-11 rilantes.
Ella rosillo.' a voz quando perdida ou nfraque-
ci.la producido pelas alTeccoes ou seusacoes de as-
pereza no patato; faz cessar a expecioi aco san-
Appellante. Manoel Gouveia de Souza ; appella- guinea o impede a accuniulaco de mucosidades
dos, os administradores da massa fallida de Amo- nos orgos da respiraco que partera dos pul-
rim, Fragoso, Santos & C. mes.
Ao Sr. desembargador Villares. inleiramente differente na sua composi\-o de>
Appellante, John Thom ; appellados, os adminis- todos os mais peitoraes manufacturados de frticlos
tradores da massa fallida de Amorim, Fragoso, adstringentes, cascas e raizes etc., o mesmo nao
Santos di C.
Ao Sr. desembargador Silva Guimares.
AGORAVOS.
Aggravante, Miguel Jos Barbosa Guimares
aggravado, Joo Frederico George Kladt.
contm em sua composicto nenhum acido m-
sico ou outros quaesquer ingredientes vene-
nosos.
Acha-se venda as lojas de Caors & Barbosa e
J. da C. Bravo & a


I
\,
*
^r-
>
1


=#
Diario de Fcrnanihucd ;' Hextn feir le l'everelro le 18.
COMMERCIO.
O Novo Banco de Pernambuco convi-
da os ce lores admittidos ao passivg das
inassas di Mesquita Dutra e Francisco An-
tonio Correa Cardozo a receber o primeiro
dividendo destas inassas, devendo exhib
bS respectivos ltalos para ser annotado o
pagamento.
Alfandega
fteudimento do da I;, 24........ 64*:0l.>420c
Hem do dia io................. 31:4614>3<:
Alfares Francisco to A. Can/i.
Coinmerriante .Manoel Jos Martins.
dem Ju venci Corroa Lima Wanderley.
EscrivY J ..lo epomuceno Ribeiro.
dem Caldillo Temistocles Cabral do Vascuncoiloj.
E par constar inandei passar o presente edital,
allka-lo nos lugares mais pblicos da freguezia, e
publicado pela imprensa.
Primeiro distrieto de paz da freguezia do Poco
da Runda, 'i .lo fevereiro de lKil'i.
E eu Joc Xcporauceno Ribeiro, eserivo que o
escrevi.
Francisco Duarte Coelko.
COMPANHIA PERNAMBUCANA frente, i qnarto.s cosilm forat quiulal murada
os com pirtu. imitas pagara uui piquera) loro ca-
Vivezaco roslrira a vapor. n,a 0linda f l','",l',,n a,lll,;i; :i""> ""'"i'"" ?
Paral ha \-iial Mvn InMta ""*** 1>a,al' ar^Araraiy, trar. Araiaiu tafar a^anto-Mr 1 do" eorrwte pias II horas
da inanha na porta da assoeiaeo einiuei"cial.
i -4,
m.mm
678:479^740
DECLARACOES.
Hovluieoto da alfandega
VGlum.es entrados cora, fazendas...
cora gneros... 407
Volumes sahidos cora fazendas... 112
t cora gneros... SO
407
162
Oescarregara no dia 26 de fevereiro.
Escuna ingleza Queen ofthe dart fazendas.
Brigue portuguezConstante //raercadorias.
Polaca hespanholaPauto vinhos.
Patacho inglez Italia bacalho.
Barca inglezaMargare!bacalho.
Patacho hespanholrVompfu-farinha do trigo.
Barca portugueza-Clundina sal.
Galera inglezaHermionecarvao.
Inipoi-taeo.
Patacho hespanhol Prompto, entrado de New-
York, consignado a Bailar & Oliveira, manifestou
o seguirte :
I.20D barricas farioha do trigo ; a ordom.
Briguo inglez Manarrt yati, entrado de Terra
Mova, consignado a Saunders Brothers & C, mani-
estou o seguinte :
2,100 barricas bacalho : aos rnesmos.
Barca naci ni Q'boeii, entrada da Parahiba,
consignada a> mjstre Jlo Francisco Martins, ma-
n atea o seguinte :
Gneros estrangeiros j despachados para consumo.
1 caita eom 18 chapeos brancos de castor ; a
Augusto Rygino de Miranda.
1,500 loros de mangue e 3,000 aehas de lenha;
ao mesure do mesmo.
Rrigue nacional Imperi'd Mirinheiro, entrado
do Rio Grande do Sul, consignado a A. L. de 0-
veira Azevedo & C, manifestou o seguinte :
10:040 arrobas de charque, 150 ditas de gran
eori bexigas, e 50 touros vacetms seceos ; a ordem.
Vapor nacioisl Persinunja. entrado do Rio de
Janeiro, niaiiifestouo seguinte :
!N) saceos feijao, 50 barris azeite de sebo; a
ordem.
Polaca hespanhola Guadeftipr, entrada de Monte-
video, Consignada a Axauaga Hijo & C, manifes-
tou o seguinte :
2:800qoinlaes hespanhescharque; aos rnesmos.
Exportado.
Ilrigue iuglez Jamrs Scott. carregou para o Ca-
sal 0,800 saceos cora 31,000 arrobas de assucar
nu>cavado.
(alera francesa l'lik carregou para Marsella
0,0)0 saceos eom 30,000 arrobas de assucar mas-
lo.
Brigue portuguez Soberano, carregou para Lis-
boa 1,050 saceos cora 5.250 arrobas de assuear
branco, 650 ditos com 3,io0 ditas de dito mascava-
do, 10 saceos coai 47 ditas e22 libras de algodo,
4 piauciioes de viuuatico, 149 cascos cora 5,038
medidas de mel.
Brigue inglez Alejandra, carregou para Liver-
pov, pola Parahiba, 1,600 saceos eom 8,000 arro-
bas da assucar mascarada
INilaea nacional Marmho caiTegou para o Rio
da l'rata 800 barricas eom 3.012 arrobas e 13 li-
bas de atracar branco, 100 ditas cora 723 arrobas
o 26 libras de dito mascavado, 100 cascos eom
18.430 medidas de agurdente.
Brigue hespanhol thtmoteo carregou para Bar-
celona 20 couros salgados e seceos cora 631 libras,
i), di tos es|tichados com 135 libras e 129 saceos
con 1 assucar.
ltecebedoria de rendas lutcrnas
geraes de Pernambuco.
Rendunerto dr da I a 24........ 31:398 3111
dem do da 2)................. 2:332*740
Pela delegada do 1* district desla cidade
foram aprehendidos (uatro volumes sobre mate-
ria medica dos autores Gmlenac e Valleix : quem
sejulgar com direito aos rnesmos compareca. que
provaudo, Ihes serio entregues.
GORREIOGKBAI.
Rflarao das carias seguras viudas do sul pele
vapor Persimniijai e das existentes nesla ail-
i iiiiiiKir,n;ao. para os seuhores abaixo decla-
rados :
i Coronel Antonio Gome: Leal.
Ernesto Das Monteiro.
, Francisco Moreira da Costa.
Francisco Xavier de Mallos Tulles.
Jerouyino Ribeiro de Souza.
Joaquun Luil Vieira 4 C.
Joaquitn Rodrigues Canuto.
Coronel Jjo Raptista Pereira Lobo.
Jos Joaquim Alves de Amorim (2).
D. Luiza Antonia de Siqueira.
Dr. Luiz Ferreira Maeiel Pinheiro.
Manoel Jos do NasetmaMA
Manoel da Silva M.-ndoiica Vianna.
Tem de serera arrematados os bons de Mi-
guel Gomes Correia, por execucao de Manoel Fruc-
tuoso da Silva, na pora do Sr. juiz de paz do 2"
distrieto da freguezia de Santo Antonio, cujo es-
cripto oxiste em poder do porteiro Serra Grande.
A praea no dia 27 do torrente.
Com io geral
Pela administrarjiio (\iy correio se faz publico,
que as malas que deve condtizir o va|tor costeiro
Mamangiiai.e, cora desliao as provincias da Para-
hiba, Rio Grande do Norte e Cear, fecharasehojo
26. s 3 horas da tarde em ponto.
C 011 cilio administrativo.
O conselho administrativo |ra fornecimento do
arsenal de g ierra tem d; contratar os gneros ali-
menticios para a comparhia dos aprendizes meno-
res do arsenil de guerra nos niezes de marco e
abril prximos vindounn.
Pao de 4oiiQas. bolachas, caf, cha da India, as-
sucar refinado de 2* qua idade, inauteiga (ranceza,
carne verde, dita secca. arroz do Maranhao, fari-
nha de mandioca, toucinho de Lisboa, vinagre de
Lisboa, azeile dem, bacalho, feijao preto ou mu-
latinho.
Para o arsenal de guerra.
c lranja,
No dia 7 de marco prximo se-
guir s 8 lenas da tarde para os
portos cima indicados o vapor
PersinuHtiti, eomiii;nidanle Hales.
Recebe desdeja caria at o dia 8.
Kncuiiiinendas, passagoiros e dinbeiro a frele at
e dia da sahda s 3 horas da tarde : escriptorio
n Forle jo Mallos n. I.___________
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
i isi ealxo de pedra cal e ltt
mei-aguas.
O agente Almeida competentemente aulorisado
far leilo de um caixo para casa, em altura de
receber travejamento na ra da Zoncordia n. 67.
com 40 palmos de frente e 70 de fundo em cujo
terreno e.-lo enllocadas i meia-a.juas quereiideni
85 mensaea cada umae tf mei-aguas sitas por de-
pwjMrtps > 8uJ ^esperado lrlZ(|0 mesmo terreno na travesa da Pilma de
PAQUETES A VAPOR.
Dos portos do sul 6 esperado
ate odia 30 do coi rente o vapor ns. 4 12 que rendein 103 meoes cada urna.
Cruzando Sul, eommaodaateo mdo loreiro a Httriaaa a quem iaga 25100 por
capitao de maro guerra Gervasio ann, e 3 meia-aguas em frente las mesmas de
Mancebo, o qual dcpois da denio- ,,f | 3 nue ri,lld(,in ,y mensa;s cada uma c
ra do costume seguir para os portos do norte. pagan. 260 rs. por anno de foro a misericordia de
,, e Jareeel"'in-*' l'a^aitciros e engaja-se a linda. cujas casas sao pertencenfs ao Sr. Anto-
caigaqueovapsrpoder conduz.r, a qual devera io Joaquim dos Santos Andradi residente em
mJu T, t -, :l.de 2iHr**\ Pk'rmgal, e por procuracao bastan do mesmo e
menda e dinheiro a frete ate o da da saluda as de sua mull.,-r est o Sr. Antonio Jos Rodrigues
KS&/IR. fK ^ CrUZ ? V ??*tono de de S"11"- autorizado a assignar as respectivas es-
iz de Oliveira Azevedo A- icripturas. O mesmo agent proe;dera a venda
era ura ou mais lotes a vontade do i compradores.
Quar'a-feira 2 de marc
O leilao ter lugar na ra da Ci.dei do Reeife
armazein n. 48, s 11 horas.
DE
l in sobrado de un andar em
llanto Aman .
QliARTA-FEIIU 2 l)K IU igO.
O agente Almeida competenteint nte aulorisado
far leilao do um sobrado de ura indar silo en
Sanio Amaro ra do Lima ou tra ve isa da fundigao
do Star, tendo o sobrado 45 palmos de frente e 96
de fundo, cosinha fra em ambo < s pavimentos,
eocheira, quartos para criados, lito; para escravos,
icavallariee para 8 cavallos, tudo en ponto grande,
marro espera-se c um famoso viveiro ; o terreno em que se aeha
riUM-KAMMA
..poi;L..
O eserivo da irmandade do Senhor Bom JesUS
dos Adliclos, erecta na igreja de S. Jos de lliba-
mar, de ordem da mesa regedora, convida a todos
os seus irmaos para que no dia 28 do correrte com-
pareeam as 2 l|2 heras da tarde no consistorio da
mesma, afim de aeompanharem a proeissao do seu
padroeiro, como aelo quaresmal; assira como pe-
de a IoiI.n os habitantes das ras abaixo declara-
das, para ue limpem as frentes de snas casas.
pois -elido que >e aeliem era mo estado, deuar
de transitar por ella, cujas ras sao asseguinter.
COMPAMHA PERNAMBUCANA
DE
Mavegaco costeira a vapor.
Hacei e Seryipe
No dia 5 de mareo prximo
seguir o vapor Para/tifia, eom-
niandante Martins, para os por-
tos acuna indicados, s 5 horas
da tarde. Recebe carga at o dia
4. Kaeuiiiiiieiidas, passageiros e dinheiro a frote
at o dial da sabida s 3 horas da tarde : escrip-
torio no Forte do Maltes n. 1._________________
COMPA11IIA
MESSAGERIESA> IMPERIALES
No dia 1 de
LJBVL!
Acalia de sabir los prclos de oosa
ollicin oalniaimk oi>i, cc coiuracrcial, falirii tapMi, conten-
do lodos os cmpreados, engeolms e
.lejnciaRtfs, inclusive as modificacoes
lunillas al 31 de dezcmiio ultimo ;
>ende-sea 1^000 uuicamenle ua li-
as sabir da igreja seguir em frente, voliaudo a Vrara n. 6 C 8 da Draca da liltif U0I1-
ra do Nogueira do lado esquerdo, Assumpco, (lijw-i-i *
Calcadas, rascadores, Sania Hila, Santa Cecilia em
direceao ao paleo da Itilieira, ruado Rangel, Quci-
maUo, estrella do Rosario, Larangeiras, Cabug,'
Trinelieiras, paleo do Carino, a entrar na ra de
Borlas, pateo de S. Pedro, ra de Aguas-Verdes,
travessa dos Martynos, ra do mesrno nome, Au-!
gasta, Imperial, Cinco Ponas, pateo do Terco, ra
Direita, Livraraento, Penha, segunda parte da As-!
sumpoo, abobada da Penha, S. Jos, recolher.
Jos Joaquim Hilario da Silva.
. _________ Escriyao.
Dividendo. ''
Os administradores da massa fallida de Bastos
A l.emos convidam aos seuhores credores a virem
eom os seus ttulos, receber o primeiro dividendo
de 10 por cento ; no largo do Corpo Santo n. 6,
2" andar.
Reeife, 22 de fevereiro de 1804._________'
Precisa-se alugar um escravo para cozinhar
comprar e fazer qualquer outro servico que for
chamado, e lima escrava que saina lavar, engom- r,lm3ula mals fai,a de f^1" fabricado com agua do
Aluga-sc oarmazem n. 4 da ra do Apollo, e
o terceiro andar da casa n. 88 da ra da Irapera-
triz; na ra da Aurora n. 36.
Gelo,gelo, gelo.
Com a chegada da nova machina nao se expe-
niar e coser :
19 da ra do
Pico.
a tratar no escriptorio da casa n.
Trapiche, ou no silio Chacn, no
por-
dos portos do su
o vapor fiancez
Varna, cominau-
dante Aubry de
la Non, o qual
depois da demo-
ra do costuutc
seguir para Bordeaux tocando em S. Vicente e
l.islma.
Em a Vicente ha um vapor em corresponden-
cia com Coree.
Para freles e passagens trata-se na agencia ra
do Trapiche n. II.
Para Lisboa.
Saldr cora toda a brevidade o milito veleiro
brigue portuguez Constante U, por ter quasi
collocado o sobrado propri e ten'lHO palmos
de fente e mais de 700 de fundo todo murado
com portao de ferro rende 0005 l>o- anuo.
O leilao ter lugar ra da Cat'eia do Reeife
n. 48,aiinazem, s 11 horas do dia cima.
Zinco em folnas de 9 palmos de comprimento e prompto todo o seu carregamento, tera excedentes
33:73U10I
Conniilado provincial.
Rendimento do dia 1 a 24......... 97:9165038
dem do dia K................. 4:787^954
102-.70AJ992
MOVIMENTO DO PORTO.
Navioi entrados no da 23 de ftvrreir.
LvtpooI50 dias. patacho hollandez Drie Gnus-
ten Pott, de. 159 toneladas, capito H. Hvon Era-
inen, e pii,>agem 7, carga carvao ; Thomaz
Ji lferies.
Li\ rpoil11 lias, patacho inglec Pro>ontis, de
210 toneladas, capillo Thomaz Barnes, equipa-
gea 10, earja fazendas e plvora; Patn Nash
& C.
i; 11 Grande do Sul19 das, brigue nacional Pro-
sera, de 302 toneladas, capito Jeronymo Jos
'li'il.-s, egnipagem 13, carga 1,100 arrobas de
i uu-; Ainorira Irmaos.
Rio de Janeiro 20 das, brigue nacional Trocador,
de 2-'0 toneladas, capitao Manoel Candido Fer-
reira, equipagem 14, carga farinha de mandioca
e nnami geoeres Marques Barias 4 C
Mai'seille e Cetle40 dias, barca franceza Mara
Amelia, de i'-i toneladas, caniio Bulol, equipa-
gem 12, carga cimento ; N. O. Bieber & C
Nuiio saltido no mesi'U dia.
Maeei e portos intermediosvapor brasiloiro Pa-
iilujba. coinmandante M. J. Martins.
EDITAES.
O i ujor Francisco Duarte Colho, cavalheiro da
urdern de Cnristo, e juiz de paz 2* votado do 1"
dt.-trielo da freguezia de Nossa Senhora da Sa-
de do l'ofo da Panella, presidente da junta qua-
l licadora da mesma, em virtude da lei etc.
I ac saber, que nao tendo sido organisada no
dia 14 do crrente mez, a unta de quaiilieaeo
o rMrisSa dos cilados qualilicados rolantes, era
consequencia d rae achar (raveinente enfermo, e
iwr esta mesna razo nao poderemos immediatos
la.i he o gn'ii-ad.i; convoco agora de conformi-
dad e com a deliberaeao do Lxm. Sr. vice-presiden-
te ila provincia, de 18 de-te mesmo mez, e segun-
do Breceitaalei regulameniar daseleicoes eraais
dsjK)sicds em vigor, os eleitores e supplentes des-
la i'.iinebia, qua abaixo vao declarados por seus
iioi es, para que comparecam no consistorio da
itjmja matriz da freguezia no da 27 de marco
.prximo vindotiro, s 9 horas da manhaa, aim de
wg misarse a jama qualillcadora i|ue tem de rever
a quidilieacao do anno anleeedenie, e organisar a
lula dos cidados que tem direilo de volar as
oes de eleitores, juizes de paz e vereadores da
eamara municipal; licando sciente os referidos
U-itores e supplentes que incorreni as penas da
le os que deixarcm de comparecer sera motivo
j ns.ideado.
Klei lores,
unte Jorge Vctor Ferreira Lopjs.
Capitao Jos Osario de Mello.
Dr. Antonio Joaquim de Maraes Silva.
M;< or JiAo Francisco do Bego Maia.
Cu miel Joan Baptista Pereira Lobo.
M,i ir Francisco Duarte o'rho.
Cajlitio Manoel Peres Camoello do Almeida.
T.i ente Henrique do Miranda llorfr.ques.
Alf'ies Jos Alfonso do liego Barros.
Tenerte-coronel Jos Francisco Pire*.
liooimerriante Joaquim Ignacio da Costa.
11 nieUrio Aiislides Duarle Carneiro da Cunha
(ama,
' io Francisco de Paula do llego Barros.
J tem Joao Lins Vctor L>utbier.
ule SMuastio Alfon-ii do llego Barros.
rnanle Amador de Aranjo l'essoa.
i'Klfjaieiari Leopoldo do Re^o Barros.
Bopplertes.
Alferea loa G ncalve da Poreinncula.
Vajor Jos Thi'Odoro de Sena.
liante Antonio Lins dos Santos.
I.- Tirito loa o Facundo da Silva Gninaries.
io Francisc i Jos Vianna.
Iir Jote BernardoGalvo Alcoforadn.
'X iitnw, Joao Fmncisco Carneire Monteiro.
p nurieiacio ArtunioJus Comes do Correio.
T leiiie Jo-e Francisco do Rogo liaros.
Ar.i.-ta Ludgero Francisco de A-si<.
ociante Jo-e Marques de Amorim
Gervasio Pin.s Ferreira.
) J ou Francisco Augusto Pires.
11|2 de largura, cujas "fallas deverao ccunpletar
o numero de 1.600 palmos quadrados.
Quem quizer contratar tees gneros apresentem
as suas propostas em carta fechada ua secretaria
do conselho, as 10 horas da manhaa do dia 29 de
correrte.
Sala das sessoes do conselho administrativo para
fornecimento do arsenal ile guerra 24 do fevereiro
de 1864.
Antonio Pedro de S Barreto,
Coronel presidente.
Sebasliao Antonio do Reg Rarros,
Vogal secretario.
Cnipnihia do Beberlbe.
N5o se temi podido reunir no corrente
mez o numero le metabros necessarios pa-
ra haver sessao de aJministracao, por falla
commodos para passageiros, e para est
tante da carza tratase com Manoel I_
Oliveira & Filho no largo do Corpo Santo
rara o I'orle.
A barca portugueza Clmidina, pretende sabir
com brevidade por ter a niaior parte de seu car-
regamento prompt, para o resto e passageiros
trala-se com os consignatarios Cunha Iruio s
C, ra da Madre de Dos n. 3.
Para o Rio Grande do Sul segu eom milita
brevidade o patacho brasileiro Dous de Detemtro,
tera a bordo parte do carregamento c recebe o
resto a frute comaiodo: tratar no escriptorio de
Amorim Irmaos ra da Cruz n. 3.
--------------------------1-----------------------------------------------------
Kio)Glande o Sul.
O patacho nacional LeopMiiui segu cora bre-
AVISOS DIVERSOS._____
Associa$o TypogTaphica
Pernambucaiia.
De ordem do Illm. Sr. presidente sabbado 27 do
crreme, s 7 horas da larde e no lugar do costu-
me, havera sesso extraordinaria do conselho.
0 mesmo Sr. presidente recomimnda aos Srs.
Nrn"'iri.. bocios ellectivos que tenham era cinsideraco as
io io disposicws do 2," doart. 10, assim como os arts.
67, 28,69, 70 e 71 dos e-tatutos.
Secretiria daAssociaco Typographica Pernam
bucana, 24 de levereiro'de I6i.
Curtos Dias, { secrel; rio interino.
Precisa-se de um menino de li 18 anno-,
que teosa ortica de padaria e d fiador a sua
conducta : na ra das Cruzes n. 32
O bacharel Thom Fernandes Madeira de
Castro mudou o seu escriptorio de advogacia da
ra do Imperador n. 71 para mesma ra n. 77. i
primeiro andar, e contina a advagar no adniiuis
trativo, corainercio. civel, crirae e ecclesiastico.
Alugam-se as casas na ra do Corredor do
Bispo ns. 18 e 22 por 205 cada urna : a tralar na
ra larga do Rosario, na taberna defronle da boti-
ca do Sr. Barlholomeu.
Aluga-se ura solo na ra da Cruz n. 37 :
quem pretender, dirija-se ao mesmo sobrado no se-'
gundo andar.
1 rala, indos os dias a qualquer hora, para
(oes grandes ou encomniendas para fra da pro-
vincia deer haver aviso eom antecedencia : ra
da Aurora junto a fundico onde li-ra a baodeira
Aluga-se o segundo andar e grande otao do
predio da ra de Apollo n. 34, leudo no andar 3
sajas, 5 quartos e grande cozinha, e no solo salas,
quartos e cozinha : a tratar na ra da Cadeia do
Reeife n. 84, loja.
wmm/imm mmmmm
y Curso de preparatorios
^B Franeez,
m Inglez,
Geometra.
GeocrapUa,
Bh.-toi na
ra do Queimado n. 30, inimeiro andar,
das 10 s 2 da tarde.
i Casa de cominisso de escravos na i ua
do Imperador n. 45, terceiro andar
. res-
de numero e impedutento de ontros, e ha- vidado mebc aJgulia rac!;a a f,.,,,;, ll.aU.S(! com
vemlo negociosa traa, de urgencia que nao os ceasignatariof Marques, Baos & C. largo do
ilevem serdeoidiilos sem a sua interferen- Corpo Santn,
director manda cou-
cia 6 approvaran, o Si
vkUr a todos os seuhores de que se compe
a mesma administracTo para comparceerem
no dia i de man;o vindouro ao meio dia no
escriplorio de suas sessoes.
O escripturario,
Marcolino Jos Pupe.
ara I^istboa
segu cora a pdssivel brevidade o beni conhecido
"ugre portugus lu o. para o que tem grande par-
te da carga encajada ; para o reste e passageiros,
aos quaes olTerfece bons commodos. trata-se cora o
consignatario Thomaz de Aquino Fonseca, na ra
do Vigario n. 19. primeiro andar, ou rom o capi-
lo o Sr. Francisco
Para o l'orlo
Antonio Meirelle-, na praca.
Crrelo geral.
Pela administraeo do correio desla cidade >e pretendo seuir com omita i laz publico para lin's coevenientes, que era virtude tugneza Feliz, tem parte de seu carregamento a
do disposto no artigo 138 do regulamento geral dos bordt: para o resto que lhe falla e passageiros,
corraos de 21 de dezembro de 1844, e artigo 9 do paraos i|uaes tem-excellentes commodas, trata-se
decreto n. 7K3 de 15 de maio de 1851, se procede- cora os seus consignatarios Antonio. Luiz de (Mi-
ra o consumo das cartas existentes na administra- veira Azevedo & C, no seu escriptorio ra da Cruz,
rao pertencente ao mez de fevereiro de 1863, no numero 1.
(lia 3 de margo protimo, s 11 horas da manla,
na porta do mesmo correio, e a respectiva lista se
0. ^, T i -j I OW p.MlllO> UU IIC
cirurgiao Leal miidou;ruaa|>raian6-
a sua residencia da ra do
Queimado par;i a ra das
Cruzes sobrado n. 36, pri-
meiro andar, por cima do
arniazem Progresista, aon-
de o acharfio como sempre
prompto a qualquer Lora po-
li o exercicio de sua pro-
fissilo, chamado por escripta.
tiesta casa recebem-se escravos por cmimissao
para serera vendidos por corta de seus sennores,
nao se poupaudo Blterens para que os rnesmos se-.
jara vendidos com promptido alim de seus senno-
res nao sonreren) empate com a venda delles. A
casa tem tedas as comino lidades precisa-, e segu-
raba, assim como alianea-se o bom tralamento.
Ua sempre para vender 'escravos de ambos os se-
xos, velhos e novos.
Negocia-se um teireno na Gameleira, no lu-
gar denominado Riacho de Manoel Ferreira, com
1300 palmos do frente e 400 de fundo : a tratar na
Profssor de piano:
Jos Coelho da Silva e Araujo. bem conhecido
nesta cidade, contina leccionar piano e msi-
ca vocal por commodo preco : quem de seus ser-
vicos precisar, dirija-se ra do Livraraento n. 21,
segundo andar.
;.cha desde j exposla aos interessados.
Admini.-liac,o do correio de Pernambuco 20 de
fevereiro de I86i.O administrador,
Domingo- dos Pasaos Miranda.
.No dia 27 do correrte mez, a uma hora da
larde, depois da audiencia do Sr. Dr. juiz munici-
pal da 2" vara, eserivo Santos, se nao de arrema-
Para .llaranho e Para
pretende seguir com minia brevidade ( brigue na-
cional m.'lia. tem parte de seu carregamento
prompto: para o resto que lhe falta, t-ata-se cora
M seus consignatarios Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo dt C, no seu escriptorio rna da Cruz n. i.
^ora o lito de Janeiro
iar por venda cinco sextas parles de uma casa ter- pretende seguir com muita brevidade
rea com soto, muro na frente e portao de ferro, nacional Pudadi, tem parte do seu es
o palhabole
.. carregamento
n com um pequeo sitio na estrada do Giquia da a ^q |iara 0 resto que lhe falla o escravos a
Ireguezia dos Afogados, avahada cada sexta parte frete,para os quaes tem excellentes conimodos, tra-
por StOi; e cinco sextas parles de uma parte as t,.^ com ()S Sl.u^ ceusignatarios Antonio Luiz de
trras do Paco do Giqui e Cassotes na mesma fre- oliveira Azevedo C, no seu escriptorio ra da
l'uezia, rontendo o amigo trapiche, olaria, vive- ruz i
Corre aiuanhn.
Sabbado 27 do corrente nez, se ex-
IntaMn M5\til pal IU iltt ... Snml J lUtOna do
.Misericordia no consistorio di igreja de
Nossa Senhora do Rosario da freguezia de
Santo Antonio.
Os bilhetes e meios acham-so venda na
respectiva tbesouraria ra do Jrespo n. i 5
e as casas commissionadas ra da Impera-
triz n. i i, loja do Sr. l'imentel; ra Direita
n. 3, botica do Sr. Chagas; ru i estreita do
Rosario n. 12, typographia do S.\ Mira erua
da (iadoia n. 45, loja do Sr. Po:to.
Os premios de 3:0003000 at 105000
FiGii: IIOI
THEjWTRODE apollo.
Sorit'dade eI|>omene Pernambucaio
De ordera do Sr. director participo aos sej|u_
socios que o espectculo do corrente mea l|ini.nit;
gw no da sabbado, 27 do corp^^.;^ ouu.
participo aos raernos senl^ do'Sr. lhosourei'ro. na
rar os seus bilhetes en. ca, ^ a dilrilmi .io dos
ra do Cabuga a.JLyg 27 atl, as |ras da
rnesmos do da 2d *
raanh5*- .ereiro de I86i.
No escriptorio de Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo A C, na ra da Cruz n. 1, precisa-se fal-
lar com o Sr. Luiz toares Botelho, lilho o> Jos
Soares llolelho e de Forlunata Candida de Souza,
e neto de Francisco Manoel le Souza, natural da
ilhade S. Miguel, o qual consta ter vindo p3ra es-
ta cidade em I8"i6, para lhe dar noticias de sua
uiai e irmaos que se achara no Rio de Janeiro.
A mesa regedora da irmandade de Nossa
Precisa-se de uma mulher que queira cozinhar' Senhora da Soledade, erecta na igreja de Nossa
para pequea familia, cora tanto que seja limpa e Senhora do Livi amento, lendo de expor eiu solem-
eozinhe bem : a tralar na ra Nova de Sanl*Iliia ne procjaaj^^' nj^ivifta padrocira c o Senhor
n. 17. on ;.:i, senaria. _________________J Bom ^^ ja"i^rd(.*a ,'VcVriTa^2H?||Mf!"
; xrTidade, ao sahir da igreja, ra da Penha, traves-
j sa da mesma, principio da ra Direila, pateo do
Livrainento, ra do Queimado, pracj de PedroH,
roa do Imperador, boceo doOuvidof, ra das Cru-
zes, praca da 'Independencia, ra do Cabug, ra
Nova, ra das Flores, ra da Camba do Carmo,
pateo do mesmo, principio da ra de Hurtas, pateo
de S. Pedro, ra das Aguas Verdes, palea do Ter-
co, ra Direita, travessa e paleo da Penha e ra do
EtngeL ao reeotber-se.
A mesa regedora convida a todos os seus clia-
rissimos irmaos para era rorporacao de irmandade
aeompanharem a nossa proctesao no da cima
: mencionado. A mesma pede'aos moradores das
mencionadas ras, que se digne mandaren) li ipar
as testadas de sua* casas para mais brilhantismo.
Secreiaria da irmandade de Nossa Senhora da
Soledade. eni *' '' f""tvaiai lli' I*"'*i
Itecife 21 de f. '
mmmi
m
M. Vianna,
1" searelario.
dvocacia
Mello e Amonio Rangel de Torre
deira tera o seu escriptorio na ra
Pereira de
es-
treita do Rosario n. 10, primeiro andar,
e alii podem ser procurados das 10 horas
J- da nianliaa al as 3 da tarde.
Falleuciade Luiz Ignacio a.iel.
Prente Vianna \ C. administradores da massa
fallida de Luiz Ignacio Maeiel, previnem a todos
os credores da massa, que por determinaco do
jnizo e-|iecial do coiiiiiieicio.lic,Hi transferida para
o dia 27 do curente as 12 horas, a reunio que
basllao fererra aa &tfv.
Secretario.
Est fgida a escrava Mara do Rosario, fot
escrava do senhor do engenho Sanl'Anua, e do Sr.
, Bernardo Rodrigues Pinheiro. em Fra de Portas,
a qual tem os signaes seguintes : crioula, baixa,
tem o dedo grande da mao esqnerda de menos por
causa de um panariiio : roga-se as autoridades
pohciaes e capites de campo a captura ; e quen
a pegar, leve a ra da Seuzalla Velha u. 91, quo
ser compensado.
ios, um cruzeiro de pe-Ira e urna cacimba, tudo
penhoradas a Antonio da Cunha Machado como ad-
ninistrador de sua mulher, e Jos Florencio de
Oliveira e Silva como administrador de seus quatro
liluos menotas Jos Florencio de Oliveira Silva J-
nior, Jenuina Agnela de Oliveira e Silva, Maria
Isabel de Oliveira e Silva, Vulpiano, e aos tres
Claudio Dubeux, em adultamente ao annun-
ci da liquidaco de sua empresa de mnibus, de-1
primeiros maiores de 12 e 11 annos, por execucao yigario u
ile Manoel Jeaquim Baptista, conforme o escripto, *
que se aeha em mo do porteiro do juizo. Se nao B5"^
Parn o Porto
A liem condecida e veleira barca portugueza
Restaurarn pretende saliir eom brevidade por ter
a bordo a matar parte de seu carregaiuenie. e pa-
ra o reatante e passageiros, para os quas tem
magnilieos commodos, trata-se com o; seus con-
signadnos M. J. Ramos e Silva & Genros, ra de
10.
porteiro do ju
liouver audiencia no dia indicado, a praca_ tora lu-
gar no da primeira audiencia do mesmo juiz.
Manoel Joaquim Baptista.
No dia 26 do corrente, jinda a audiencia do
Illm. Sr. Dr. juiz de orpl-aos deste termo, serao
arrematados diversos objectos pertencente ao espo-
lio da finada Flurinda Isabel Kinoth, que constam
de diversas obras de ourfi e urna escrava de meia
idade, conforme o escripto em mo do porteiro.
t orreit.
Pela administraeo de correio desta cidade se faz
publico que em virtude da convengo postal cele-
brada pelos governos brasileire e franeez, serao
LEILOES.
LEILAO
DE
Salvados di patacho inglez Indine.
Por ordem de James llelleman capa) do pata-
cho inglez Undtne. naufragado em Pon.a de Po-
dras e por corta e risco de quem part ncer cora
he.-nc.i do Illm. Sr. inspector da alindola, o
exiiedidas malas 'para^a Europa'no" dia 1 de mar;o agente Pestaa Un leilo de todos os salvadas do
prximo, pelo vapor franeez tearn. As cartas se- mesmo patacho con-i-iindo em pannos, vergas.
lo recebidas at 2 horas antes da que for marca- \ cadernaes, cabos, correnies, euxarcias. virad iras,
.la para a saluda do vapor, e os jornaes ate 4 ho- sraela, phares, reslo= de mantimenios
ras ames.
Correio de Pernambuco 20 de fevereiro de 1861.
O administrador,
Domingos dos Passos Mianda.
AVISOS MARTIMOS.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Navega$5o eosleira vapor.
Paralo lia, Xatel, llae, Araeatv, e Cear.
O vapor Wimangirape.comman-
danlo Moura, seguir no dia 2ii aa r~ua da Trapiche 38"
do corrente as 5 horas da lardi
para os portes cima indicados.
Recebe carga at o dia 25. En-
eommenilas, passageiros e dinheiro arete at o
lia da saluda as 3 horas da tarde : escriptorio no
"orle do Mallos n. 1. _______________________
"COMPANHIA BRASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR-
Dos portos do norte esperado
at o dia 3 de marco o rapar
Princeza de ioinville, coinman-
dante o primeiro tenerte, Araujo,
o qual depois da demora do cos-
unie, seguir para us |M>rlos do sul.
Desde ja recebem-se passageiros e engaja-se a
rga que o vapor poder condtizir, a qual dovera
;er embarcada no dia de sua chegada, encoinm.-il-
las e dinheiro a trote at o dia da sabida as 2 ho-
ras : agencia, ra da Gru n. 1, oscriptorio de An-
tonio Luiz de Oliveira Azevedo & C.
Nova Hacia.
Este navio que tem superiores commodos para
pasttgeiros, SOgOC para Lisboa e Porto no lim do
corrente mez do fovereiro : trata-se com Marques,
Barros & C ou cera o capitao Manoel P^qc-JOO
dos Sanios.
jectos pertencentes aos rnesmos salvado?, os qaass
sero vendidos s'xia-feira 26 do corrente pelas 10
hora- da manhaa na alfandega armazera n. II.
LEILAO
BE
Fazemalas variadas.
iioii-:
Soulhal Mctlor & C. faro leilo por iutervenco
do agente Pinte, e por conta e risco de quera per-
tencer, de uma por^o de fazendas avariadas a
bordo dos navios Stomboul e Belle of the Versen)
constando de madapolo, coqueiro, algodozinhos,
chitas e sarcos vatios, existentes em seu armazem
on le se ellecluar o
leilo. Principiar s 10 horas.
28
M
barricas coni lint* ingleza eui
bnioes e vidros.
Sabbado 27 do corraile.
Por ordem dos Srs. Mello Lobo te C. e por conta
e risco do quem pertencer o agente Pestaa far
leilo de 28 barricas com boiScs o tinleiros de vi-
dro de tinta ingleza com a marca ML&C. ns. 1.15,
130, 138 e I (i i viudos de Liverpool pelo navio ii,
glez liaiiitii, serao vendidos sabbado 27 do cor-
reme pelas 10 horas da manhaa no arni^viu do
Sr. Avilla no Forle do Mallos.
SCrO pagos uma hora depois ta extracgaO eslava designada para o dia de boje,
at s i horas da tarde, e os outros no dia
seguinte depois da dislribuicSo das listas.
O thesoureiro,
Antonio Jos Rodriga36 de Souza,
AOS 5:ooo,okT
CASA IK FOliTlM
Militelcs garantidos
V ra do Crespo u. 23 e casas do costume
O abaixo assign-.olo tendo vendido em seus mui
felizes bilhetes garanlidos o de n. 2i oticoiu a ser-
le de 1:2005, e oulras rauitas de 10 >5, 40 e 203
da lotera pie se acabou de extra lir a beneficio
da igreja de N. S. do Livramerto, convida aos
Francisco Garrido avisa ao respeilavel publico,
ciara aos senlores a-Manantes |ue podem aima : que na sua casa denominada Traviata, M ra lar-
reformara sua asiignatura al o flm de marco f ^ osario n. 37, tera a dispoticaa de hoje ein
prximo vindouro. lempo em que Andar a dila | "'an'e dous bilhares de niogno competertemente
empreza. _______________
; preparados; refrescos, sonatas, ate*.
Quem precisar de uma ama para o servico A"S SI' llIlOI'CS aihi.atl0S (' ;itaU! Os.
de casa, dirija-se ra da Scnzala Nova n. 30. a pessoa que quera vender Merlin obras), as-
I -r- Em a noite do dia 18 do correrte mez, pelas t resolyido a isto
8 horas fugiram da cidade de linda da casa da ; ra do Imperador.
abaixo assignada dous mulatos escravas de mimes
I Unimerme a Moyss, o primaira escuro, poucaj
barba, traz pera e bigode, estatura ordinaria, com
idade de 2o a 30 anuos e secco do corpo, e padece !
de ei ysipeila tendo por isso a perna esquerda en
chada
corados
., nariz um pouco chato, grosso do corpo,
p.issuidores de ditos bilhetes a virem receber seus sebl oarua B reprsenla ler de 18 a 20 annos, tendo
respectivos premios sem descont algum em seu na Mbeca urna marca de cicatriz sem cabello; ara-
e-ialieleeimeiilo Casa da Fortuna rja do Crespo bos foram vestidos e calcados com palitos escuros
n. 23. e calcas de brim brancas) ou pardas: levaram com
O mesmo temexposto a venda em seu dito esta- sg0 ,JUL, roubaram abaixo assignada, nm bahusi-
beleciraento e as oulras casas do c isturae os no- n|10 de amarello envernisado coniendo um saqui-
OS e Mlzes bilhetes garantidos da exta parte da |10 com eerca ae un, con-0 a(. ru> em pecas de
segunda loleria beuelicio da Santa Casa da Mi- ,mro novas e velhas, lies doblas portuguezas, ura
sericordia que se exlrahir no dia :7 do correrte, dobrio e uma meada americana grande e urna pe-
! quena |ioreo do raoedas de ouro de cinco mil reis
a ver, na livraria |iofiular da
AMA M HU
Precisase de una ama de leite : na roa estreita
a'iido e7lai'oesto^^^ sobrado n. 8, segumlo andar.
rrecos.
Iliihetes inteiros..... 65000
Meios bilhetes...... 3,5000
Para as pessoas que comp arem
de 1004 para cima.
Bilhetes........ 34300
Meios......... 24730
Manoel Martins Fiuza.
Alugam-se duas casas larrea sita na estra-
da do Chora Menino entre as duas portes, com os
commodos seguintes : quatro quartos, duas salas,
casinnas fra, quintaes murados e cacimbas : a
tratar no silio n. I da asteada do hospiial portuguez
ou no paleo do fcirino sobrado n. 2
O administrador da massa fallida de Manoel
Jos de Parias, convida aos credores para no ter-
mo de oito dias da publicac/u di presente annun-
cio, apreseniareni os seus littilos alim de imam ve-
e\lonar.muiospa,*isdeirapor.ancia,a.guraases. J^^^Sdi'cruz"10 **#**"
cripturas publicas de acqnisicao, papis de com- tes ca>a n. ua rm a.i u m.-----------------
1 pras de escravos, entre os quaes est o do mulato Precisase de ura preto escravo : na reluia-
I Moyss, certiddes de bapli.-ino dos llios da abaixo. | c;io da ra nova de Santa Hita n. 33.___________
' assignado, conbeciinertos^de dcima, na recito do | Precisa-se de urna ama para o servico do
banco inglez de 7:1004000, uma letra de 5:0004000 um
nao endossada, e duas letras saccadas pr Fran- (j|n
1-7-------------------------------------------------r------t- cisco Gomes de Oliveira como teslamenleiro do ft- i
POTllTllili fll TStl (Id S nado llenrv Gvbson, e aceitis uma por Marcellino!
Uf A C. da quantia de 1:838*180 ea oulra da uanlia '
ii Ji'i'o ..,!- ..,..< 111! nrn lnliio i I,,
a casa de pouca
>ria n. 36.
familia : a tratar na ra da
Francisco de Paula
Caxang.
no
No dia 27 do correrte ao meio din algumas gy-
raudolas de fugo do ar subir) aos ares aiinun-
ciando a fasta do da 28.
A' noite a hariuoniosa mu-ica maeial do 9a b&-
talhao de primeira linha tocar diversas pecas de
msica do melhorgosto o seleceo, untes e depois
da ladainha, e Be soltar) alguns baldes areoslatis-
cos e algumas rolas de fofiO de arii.icio.
Na madrugada do dia 28 havera missa, ao rom-
per di aurora uma salva de boml^ roaos sauda-
r o dejado da da fesla do glorio ;o S. Francisco
de Paula.
As 10 horas da manhaa entrara I festa sendo o
de 2.0134660 rois aceita por Antonio Correa de
Vasconcollos, com endos.-o em branco, arabas vi'ii-
civei- em 90 de marco do corrente anno,cujos acei-
tantes j se achara prevenidos para as nao paga-
ren! se nao abaixo assignada : uma corrente de
ouro ingleza para relogio cun sinete, algumas joias
de ouro e podras e um pequeo caixo de madeira
de fora, de ura palmo em quadro, ixmco mais ou
menos, comoitocentos anote ceniosmil reis.em pa-
taedes; suppoe-se que e.-iesescravos seMiiram pela
estrada do Peixinho, ou do norte om direceao para
Pedras de Paga ; a abaixo assignada raga emaie-
cidainoiiU' as autoridades policiaes de os capturar,
empregando os im-ios para seren ellas Itescober-
las; e aos capies de campa adv.-rie que -ero ge-
nerosamente recompensados. Alni dOSOhjeCtUS e
dinheiio aciraa mencionados, levaram ditos e-era.
D-se a quaniia de 8004 a juros com hypo-
theca em casa : na ra Direita, taberna n. 6, se.
dir quem d.
Precisa-se
mador b Rvd. padre raestro Lino di Monte Carino- vos (que ,alm dipam que &0 livres) urna bun-
io pro-ador honorario da eapella ni penal. ^ ^ u ,n,,a v,,nu,.1|ia C01
huida a leste havera um balao d novo gasto e b ,0 d b f u
primor, ulna de pericia do Sr. JoMpiim Euzebjo "
de Souza. que ompregou unfnovo papel anda nao
viste em seinelhanies machinas.
As 3 horas dtenteos galhardos l basteases ca-
valleiros precedidos da msica inaicial, enlraio
ni I ar,u e correro as laucas, quil mais empe-
penlia.'.ii era tirar a argoliuha o recebar, olfere-
prelo
l'baldiiia Amalia de Mello.
LUO
DE
Uuas casas terreas.
Segunda-feira 2!) do correule.
< agente Pestaa vender por corta e risco de
quem pertencer duas casas terreas sendo uma na
rna do Alecrlin n. 2ii e oulra na ra do Ouro. n.
113, tend) a primeira 108 palmos do fundo e 22 de
oestiu a. o premio devido ao seu vilor e destreza,
Depois do que oulro balo igual aa pn-eedeato
passtiar ufano pelos as-ombrados ares.
Seguir-se-ha o raeothimente da b indeira, c a la-
dainha na igreja, ili-tribuiudit-se o-s.a Qccasiia
(bem como na ve-pera mu MhelQ impre--
rando a vida do milagroso santo, e ponteado oulro
sim os versos ipie f iran canlado? m le-vaulamon-
lo da bandeira e da novena.
Aluga-se'-u% cilio
Afogados. com casa
111 ra d S. Miguel nos
catada e pintada de. novo,
O Sr. Melquades Ferreira de niza, que lem
ou leve tablela doaorivesna ruado S. Jos. quaJ-
ra duigir-se livraria da praea da Independa ns.
6 e 8, sobre o aluguel da loja da Sentida nuva,
cuja chave nv.ndou entregar sera a importancia do
aluguel._______________________________
Ho'Ai'ihule le seguros mutilo
le vida iust;illaia pelo Hunco
Uulo ua et Os agentes nesla cidade e provincia Antonio
Luiz de Oliveira Azevedo & C escriptorio na ra
da Cruz do Reeife n. 1, estilo autorisados desde j
a tomar assignaturas o prster todos os esrlareci-
iiieutos que forera necessarios, as pessoa que de-
sojaren) ceaourrer para o til e baneflea empre-
de 8004 a juros, dando-sc por hypotheca urna es-,
crava crioula. moca e com urna cria : quem qui-
ler fazer este negocio annuncic._______________
Precisa-se do um feitor que seja casado, que
entenda de planlacoes, para ser erapregado em unt
sitio peitoidcst praca : quem se achar cestas con-.
dicoes, podo procurar na ilha dos Ratos, ao p da
ponte de ferro, ca.-a terrea n 3, que achara cura
quem iralar.___________^^_________.
Jos Joaquun de Luna Bairao. Goes & Bastos,
Antonio Alves de Miranda Gunnaies, Maneados
: pelos credores de Julio da Gaste Ribeiro para veri-
I (carera o debite deste, convidara aos credores do
mesmo para Ules aprosentarem seus crditos alim
de seren verificado-, Isto de boje al odia 29, das
10 as 2 horas do larde, na ra do Imperador n. 31,
segundo andar. _______________________
" Aluga-se o primeiro andar da casa da rna da
Lapa n. I : a tralar na ra da t.adeia do Recite
n. 40, sobrado. _______i
quartos para pretos, estribara, b; ixa de oapim e **, t*wrando_um futuro lisongeiro aos associados
inultos arvorodos de (roclos : a Ir llar Cote M oe| No largo do Corpo 9anto n. 6,2' andar pracf
^osda Silva Grillo, na mesma nfci. 'sa-se de un eosinhmroou cosinhei a-
- Os Srs. Helvecio da Silva Monte e Joao do
Almeida Monte Jnior, viiido> de Sergipe no vapor
Pai-uAi'w queaqui chegoua 16 d.-i corrate,tenfaj)
a bondade deaunonclirsuas residencias pas mna
pessoa que os deseja cumpiiniec.lar, e. ignora
aonde.____________ __
- Da-se dinheiro a premio em pequeas e pran>
des quautias, sobre segnr;-,n{a em PUMA, mnl'l l;'*,
ouro e arate : na ru,;-, Augusta n, 43. d* ( as t(J
horas da nianli;,a, e das 3 era diante.
TUSTRAWA.
Tiuge-se com perfeico para qualquer
cor, e o mais barato pssivel: na rqa do
Hangel n. 38, segundo andar,


ufarlo de feroanibuco -- Hexia felra de Fevereiro de i&4.
/
DE
PAiTiUSDOBRADAS
Precisase
de um criado para todo o servico de cn t,"n um
silio, pagando-se 105 por niel ootft comida: na
ra do Cabug, sobrado n. 3, das 10 s 12 horas
da manhaa.
D-se dlnheSro a juros e
eoinnra-se ouro e prata : na na
do Hangel u.
OFb'KHECIDAS
X ASS0CIAg\0 COMMKHCIAL ItENKrlCENTE
DE
PI2B.XA.HBIX'
POU
Terceiro escriturario da thesouraria
) fazenda de Pernanibuco e competentemente au-
torLsado para exercer o uro-
fessorato particular de arilhiuelica na mesura
provincia.
Acha-se esta obra nos prclo da typographia
Commereial, donde em breve sahir luz da pu-
blicidade em ntida nnpressao e sob o formato de
8' portuguez.
Compoe-se esta obrado urn volume, dividido em
urna parte theoriea e outra pratica, de fcil alcan-
ce, as pessoas que se queiram dedicar ao estudo da
escrituracao.
A respectiva assignatura acha-se abena emto-
d:us as livrarias desta cidade, ao preco de 55000
por volume.
Oabaixo assignado, arrematante das dividas da
loja de miudezas da ra do Queimado de Joaquim
Jos da Costa Fajoles Jnior e da loja de fazen-
das da ra ireita de Fajofes Jnior & Azevedo,
arsa aos deredores das ditas lojas tanto da praca
como do matto de virem pagar seus dbitos ao
ataixo assignado no largo do Gollegio junto ao so-
brado amarello, ou na ra de Hortas n. 104 ao Sr.
Fijozes Jnior at ao dia 13 de marco, do contra-
rii i ter de entregar ao seu procurador para co-
brar judicialmente. Recife, 16 de fevereiro de
1*64.
Antonio Joaquim Fernandes da Silva.
~_ O Dr. Casanova pode ser procurado em seu
consultorio especial homeopalhico no largo da ma-
triz de Santo intento n. 2. No mesmo consulto-
rio ha sempre grande sortiment de medicamentos
entintaras e em glbulos, deixando elogiar os
nessos medicamentos polas pessoas que os tem ex-
perimentado e continuam a servirse em nossa
botica. Temos tambem obras accommodadas
in elligencia do povo.
Na ra do Hospicio n. 48, precisa-se de urna
ama de leite que logre per fe i ta saudc.
Casa de campo.
Fredcrico Chaves aluga sua casa de campo sita
no Poco da Panella, coni os commodos seguintes :
4 salas, 7 quartos, cozinha, despensa, casa para
criados, cocheira, estribara, cacimba, jardim e
torrara, muito fresca, e muito sadia : quem a
pretender, pode-se dirigir na da Imperatriz n.
13, loja di- calcados._______________________
Farinha de trigo SSS a 100 rs. a lihra, e ga-
loga a 80 rs.: na ra Nova n. 8._______
Alfonso de Albuqucrquc Mello
ha 19 annos advogado.j ante os auditorios e tribu-
naes desta cidade, j na corte c em oulros lugares
do imperio, emeonsequencia de terem-se augmen-
tado aqui seus afazeres, tem transferido sua resi-
denciada villa do Cabo para esta cidade ra es-
treila do Itosario n. 34, onde tem estabelecido seu
escriptorio, e onde foi o do r. Godoy, de cujos
trabalbos icou encarregado o annunciante. Ahi
ofierece os misteres de sua prolissao s pessoas de
quem mereca confianza, tanto deste termo como
dos demais desta e de outras provincias para os
negocios e trabalhos a seren desempenhados aqui,
garantindo o zello, lealdade e aclividade que Ihe
sao reconhecidos pelas pessoas que o conhecem.
Incumbe-se tambem de trabalhos para os termos
prximos, onde tem solicitadores de iuteira con-
tianca. D consultas verbaes e por escripto, e
pres'ta-se a ouvir seus roastiluintos a todas as ho
ras, as sextas-feiras das 9 as 4 na villa do Caboc
Joao da Silva Hamos, medico pela 051
versidade de Coimbra, d consultas em
sua casa das 9 as 11 horas da man hila, e
das 4 s 6 da tarde. Visita os doentes
en suas rasas regularmente as horas
para isso designadas, salvo os casos ur-
gentes, que sero soccorridos em qual-
quer occasio. D consultas aos pobres
que o procuraren! no hospital Pedro II,
aonde encontrado diariamente das 6
s 8 horas da manhaa.
Tem sua casa de sade regularmente
montada para receber qualquer doente,
anda mesmo os alienados, para o que
tem commodos apropriados e nella pra-
tica qualquer operacao cirurgca.
Para a casa de sade.
Priineira elasse 34000 diarios.
Segunda dita.... 25300
Terraira dita.... 2*000
Este estabelecimento j bem acredi-
tado pelos bons servicos que tem pres-
tado.
O proprietario espera qu*-*necont-
nue a merecer a eanfianca de qtrC Sstji-
T)fe~tem gozado.
fomnanhia Pernambueana
De ordem do conselho de direccao c cm vi ilude
do art. 24 dos estatutos sao convidados os senho-
re accionistas a reunirem se em assemblea geral
no dia 29 do correte, 1 hora da tarde, no es-
criptorlo_doSrs. Saunders Brothers & C.
Na roa Nova n. 2ii se dir quem d algumas
quantias a juros de 2 0(0 sobre penhores.
Na ra da Rada n. 6 ,'ontinua se a fazer co
mi las para fra, e encardase a mandar levar
cavia de qualquer pessoa, por mdico preco.
^sr
mmmm...
mentares
DO
Curso Comruercial.
O bacharel A. R. de Torres Bandeira,
professor de geographia e historia no
Gymnasio desta provincia, propde-fie >
ensillar as linguas franceza e inglcza,
preparatorios complementares para o
Curso Coinmercial: etfferece o seu pres-
timo especialmente aquelles que se que -
ram habilitar nesses preparatorio, com o
intento de matncular-se no sobredito
curso.
As aulas comecarao do Io de fevereiro
em diante, na rasa da residencia do an-
nunciante, ra estreita do Rosario n. 31,
terceiro andar.
V tecina publica.
Tendo-se desenvolvido al/urnas pstulas vacci-
nieas, com o pus ltimamente innoculado, o com-
missario vaccinador convida aquellas pessoas que
precisaren ser vaccinadas coraparecerem as
quintase domingos no trrelo da alfandega, e nos
sabbados at as 10 1|2 horas da nanha. na. casa
de sua residencia, segundo andar do sobrado da
nnestreita do Rosario n. 30.
Aluga-se o terceiro andar da casa n. 88 da
ra da imperatriz, e o sobrado n. 193 da ra Impe-
ri.l : na ra da Aurora n. 36.
Aluga-se uinahoa escrava cozinheira : a tra-
tar na travessa das Barreiris n. 2.
Trabalhos de esciipturai'ao.
O guarda-livros de urna casa commercial, em
suis horas vagas, prope-se a fazer trabalhos de
escripturacao : quem de s >u presumo quizer mi-
lis ir-se, annuncie por este Diario.
Aluga-se o primeiroandar do sobrado da ra
Direita n 88 : a tratar na botica, ou no segundo
andar do mesmo sobrado.
Na ra Nova n. 55, existe um tacho de cobre
que foi apprehen lido a urna pessoa que o venda
por baixo prec e que por isso desconfiando-se
fosse fuitado se leu a voz de preso a esse indivi-
duo e elle o deixou flear largndose a fugir :
quem for seu dono e que Ihe o roubassem procu-
re ia casa cima o qual dan lo signaes certos Ihe
ser entregue, pagando a dtspeza desie annr.nrio.
Precisa-se de urna ama forra ou captiva para
casa de pouca familia : no pateo do Cillegio n. 4,
loja de liahs. _________________
Vt&*
Precisa-sc de urna ama muito capaz, boa cozi-
nheira e habilitada para tomar conta da casa de
um estrangeiro solteiro que mora em sitio, e fazer
todi o servico. sendo escrava, tambem se poder
cu ipra-la, agradando os servicos, caso queira-se
veude-la : a quem eonvier, dirija-se ra Nova
n. 19, primeiro andar.
xxmmtm mmmmm
t'i O bacharel Americo Netto de Mendonca
resid! e tem aberto o seu escriptorio
; ra do Livramento n. 18, Io andar.
Prerisa-s; de um bom connheiro e de dous
criados activos : a tratar no sobrado n. 32 da ra
da Aurora.
pj U advogado Dr. Manuel .lo Nasrimenlo
S Machado iVrtclla, contiua a ter o sea
H escriptorio no primeiro andar da casa n.
|tj 83 da ra do Imperador.
mmwtmmmmmt
Manee) Fernandes da Costa A C,
si-ii'iitilieam att-fublico |ue mudaram o de-
posito (I. 'la uta da S.iiz;I.i Vellia n.
i30 para a na do Am'irim n. 41, onde
der o dito genero em por-
i-etalli i janaiaMie todos os mais
(iva.
Advocicia.
O bacharel Joao Gon^alves da Silva
Montarroyos tem escriptorio na ra es-
treita do Rosario n. 17, onde pode ser
procurado das 9 horas da manhaa s 3
da tarde dos dias uteis.
Aluga-se a loja do sobrado h. 29, sito no pa-
teo do Terco, propria para qualquer estalielecimen-
to por ser boa Iocalidade : a tratar na ra da Prai
numero 36.____________________________
Aluga-se a loja do sobrado n. 52 da ra do
Rangel, com excellente armacao para qualquer cs-
ubelecimento : a tratar no mesmo sobrado.
Jos Mara da Silva Ferreira, tintureiro e
muito conhecido, achando-se com algumas melho-
ras de seus incoinmodos, est resolvido a tingir
por novo methodo toda e (paalquer qualidade de
fazenda pretas e de cores, tanto para lojas, arma-
zens c particulares, garantindo as cores e perfeicao
das fazendas, e por isso convida a todos os seus
amigos e freguezes que o quizerem ajudar com a
sua proteceo, de procurarem na ra dos Pires n.
29, na Boa-Vista._________________________
Mudanga.
Jos Antonio da Cunha Guimares participa ao
respeitavel corpo do coinmercio e aos seus fre-
guezes que transferio seu eslabelecimenlo de sec-
eos e molhados da ra da Senzala Velha n. 104
para a ra da Concordia n. 23, onde promelte ser-
vir aos freguezes que o honrarem, com idelidade
e precos commodos. _____
OiTorece-se urna mulher para ama de casa de
familia, prestando-se a todo o servico, excepto co-
zinliar e comprar : quem precisar, dirjase ao
largo do Hospital n. 3o.
flfTerece-se para feitor de engenhe um lio
mem, o qual tem inuita pralica : em Santo Amaro,
ao p da fuudicao, taberna._________________
O abaixo assignado, socio liquidatario da fir-
ma de Cerqueira ^ Silva, faz sciente a quem pos-
sa interessar, que segu para diversos pontos desta
provincia e de Alagoas, cobranzas, ficando du-
rante sua ausencia o escriptorio entregue a seu
eaizeiro Francisco Augusto Pacheco.
Ignacio Alvim da Silva.
- i'recisa-se saber onde mora uesla praca o
correspondente do Sr. coronel Miguel Alfonso Fer-
reira, para se Ihe entregar urna encommeoda.
COMPRAS.
Venden.ge cali es vaslos a
IJjGOO; qegla typographla.
Panno de ilftao lecido de Mi-
uas, fazenda forte c encorpda, apro-
1 pi-iada para o servico ih lavoura, quet'
pan caceos, quer para roupa de escra-
vos: grande deposito na praca do Cor-
po S- uto, escriptorio de Augusto Frede-
rirod'Oii eir.
PAIIt \S Mi \IIO-
RAS DE BOM CO*TO!! !
tloirentiquc, caims e soulembarque.
Joaquim Bodjigues Tavares di Mello araba de
receber de Parisede sua propria i ncommenda um
completo sorlimento de moirentique, capas e sou-
tembarque para senhoras, fazcmla a melhor que
! tem vindoa este mercado, os quaei vende por mui-
to menos preco que em ouira qualquer parte : na
ra do Queimado n. 39, loja de 4 portas._______
Atlenditcetvidete.
Vende-se una dentadura de ouro e porcelana fi-
na, obra de apurado gosto e indis )ensavel a encu-
brir os effeitos da senectude ou falta de dentes.
Adverle-se que asupradita tem |iouco uso, bem
como que aceila-se cm pagamento livros em bran-
co, meias elsticas, abacates e par el judiciario : a
tratar na sala do seguro.
Vende-se na ra do Imperad sr n. 67, a histo-
ria universal, em portuguez, por Cesar Cantu, edi-
co enriquecida de 90 estampas, em perfeito es-
tado e boa encadernacao, por 45M.___________
Feijao feijao feijilo.
Rua da Madre deDeuit ns. & e 9.
Vende-se saceos grandes com fei.ao das seguintes
qualidades: branco, amarello, rajado c mulatinho,
mais barato que em outra pialo, ier parle, assim
como sardinhas em barrlsdc 1,200 por 55000. tudo
proprio para tempode quaresma.
na
O Sr. Francisco Pereira Lebre queira ter a
bondade de vir fallar com o mestre entalhador em
S. Pedro_______________________________
. Dase dinheiro a juros sobre hypotheca em
urna casa livre o desembaracada, ou sobre penho-
res de ouro ou prata : na rua Direita n. 26.
m\
Escriptorio de advocada
A' roa do Queimado n. 30, pri-
meiro andar.
O aavogado Cicero Peregrino continua
no exei cicio de sua prolissao na rua do
rua do Queimado n. 30. primeiro andar,
onde pode ser procurado das 11 s 3 ho-
ras da tarde.
Alugam-se as lojas do sobrado n. 44 em
Ia rua da Aurora : quem pretende-las diri-
ja-se loja dos Srs. Bastos & Magalhes,
na rua Nova, que acharo com quem tra-
tar.
No primeiro andar do sobrado n. 16 da tra-
vessa dos Expostos, preparam-se flores para todas
as armacScs de festas de igrejas por muito barato
aireco, e tem urna grande porco feita que se ven-
d>\jnuto em conta, apromptaiu-se ramos para do-
mingb\de ramos, a seis vintens e meia pataca, lu-
do de rfauito gosto, e enftitam-se velas com flores
de cera (Te^Wttijobom gosto a 4 e >&, com dhalias,
rosas, cravos etod^TjWijJ'aaae l! nres feitas de
cera, fazem-se os ramosij^Kosto de quem os man-
dar fazer, e aproinptam-seve^os pretos para a
quaresma com toda a brevidadt\ e gosto de seus
donos; na meseta casa preparadi:86 bandejas pa-
ra bailes com armacao, e boqueffes de flores de
cera de todo gosto, ditos de allinins> ditos de pepcl
fino, ditos de gomma, de panno e* vel|udo, tudo
mais barato do que cm outra qualffuer parte, bor-
dao de litas de ouro, lantijola parV os bouqoetea,
e lacos para as velas; vende-se tdmbem um aorti-
mcuto do foibas de j^y^ra^ fleVfstas!''""
Alugam-se o segundo e terceiro andares do
sobrado da rua do Trapiche n. 48, CDm frente para
o lado do Corpo Santo : a tratar no armazem por
baixo.
D-se 2:400,5 a juros, ou todo ou a metade,
com hypotheca em algum predio ne.-ta cidade :
na rua do Queimado n. 24, se dir quem d.
Precisa-se de urna ama que cozinhe c com-
pre para casa de homem solteiro : na rua do
Queimado n. 32, loja._____
Precisa-se alugar urna escrava para o servi-
co interno de casa de familia, e um moleque de
boa conducta : n rua da Cadeia do Recife n. 52:
terceiro andar.
HOTEL TROVADOR
Angelo Komeiro Pinheiro tendo comprado o
muito conhecido c acreditado hotelTrovador-
sito na rua larga do Rosario n. 44, participa ao
respeitavel publico que le acha prvido de tudo
quanto necessario para satisfazer a exigencia de
qualquer freguez. Outro sim communico, que lla-
vera nelle mesa redonda para os assignantese
avnlsos, e que fornece cernida para fra, nao s
para qualquer estabelccimento como para casas
particulares, por prero mdico e a contento. Este
ertabelecimento acha-se preparado para receber
qualquer hospede que nelle queira assistir. para o
que ufferece os melhores commodos.
Claudio Dubeiix, nao Ihe convindo continuar
cora a suaemprezade mnibus, declara aossenho-
res assignantes, que de hoje em diante nao recebe
mais assignatura ; cuja empreza Andar logo que
se acabem as mensahdades que cstao correndo.
visto que os lucros mal do para pagar impostos.
Thcodoro Chrisliansen mudou seu escripto-
rio para n. 16 rua do Trapicho Novo.
DENTISTA DE PARS j
19Itua Soa-i9
Fredcrico Gautier, cirurgiao dentista,
faz todas as operacoes de sua arte, e col-
loca dentes artificiaos, tudo com superio-
ridade e perfeicao, que as pessoas enten-
didas Ihe reconnecem.
Tem agua e pos dentificio.
Na rua do Crespo n. 15, so aluga urna boa
casa e sitio no Monteiro, com frente para o oito
da igreja. assim como o segundo andar do sobrado
n. 79 da rua do Imperador.
0 bacbarcl Maximiano Lopes Ma-
chado advoga no seu escriptorio da rua
do Imperador n. 71, primeiro andar,
onde pode per procurado das 9 s 3 ho-
r*8 da tarde para o que for concernen-
te ao excrcico de sua prolissao.
Maque sobre Portugal
Oabaixo assignado, agente do banco
mercantil Portuense nesta cidade, saca ef-
fectivamente por todos os paquetes sobre
o mesmo banco para o Porto e Lisboa, por
qualquer somma, vista e a prazo, po-
dendo logo os saques a prazo serem des-
contados no mesmo banco, na razo de 4
por cento ao auno aos portadores que as-
sim Ihe eonvier : as ras do Crespo n.
8 ou do Imperador n. 51.
Joaquim da Silva Castro.
mm\
Em quanto o Sr. Jos, Joaquim Barbosa nao vicJ
ou mandar da villa do O' (para onde mudou-se oc-
cultamente) pagar os alugueis de perto de dous
annos da rasa em que niorou, na rua dos Prazeres
la Boa-Vista, ver o sen nome ueste jornal para
nelhor ser conhecido des proprietarios.
Compra-se papel Diario para embrtilho :
loja de calcado n. 38 da rua da Imperatriz.
Compra-se efleelivamente ouro e prata cm
obras velhas: na praca da Independencia n. 22
loa de bilhetes.__________________________
Compra-se urna escrava sadia e que srja perita
cozinheira : na rua do Queimado n. 39, loja.
Compra-se umselim inglez com todos os ar-
reios, contanto que esteja era bom estado ; na rua
do Queimado escriptorio n. 13, primeiro andar.
No largo da Santa Cruz n. 84 comprTi-se urna
preta que cozinhe e faca os mais servidos de urna
casa.__________________________________
Compram-se duas casas terreas que estojan
em bom estado, sendo em boas ras, no hairro de
Santo Antonio ou Boa-Vista : quem quizei veuder,
deixe seu nome, morada e o numero da casa, na
loja do Sr. Figueiroa.
Comprase efectiva-
mente
ouro e prata em obras velhas, pagando-se bem ,
na rua larga do Rosario n. 4, loja de ourives.
Compra-se urna phibsophia de Geruzes, para
padre : na rua do Cabuya n. 10._____________
Compra-se
Cm escravo que nao seja vicioso, paga-se bem :
na travessa do Carmo n. 1._________________
Na olficina de funileiro da rua larga do Ito-
sario n. 22 se dita quem compra urna armacao de
balcao envernisada ou envidraQada.mesmo pintada,
sendo barata.________________________
Comprr-se urna preta de meia idade que co-
zinhe e ensaboe : na rua dos Pires n. 62 ou 84, ou
aluga-se:_______________________________
Cempraa-ee Diarios a 120 rs. a libra : na
rua do Rosario, taberna do Pocas.
Pixe.
Vende-se o verdadeiro pixe da Suecia : no ar-
mazem da bola amarella, no oito da secretaria da
I polica.
Cal de Lisboa
chegada ltimamente ; na rua do Vigario n. 19,
1 primeiro andar.____________
krmatM
Vende-se a propriedade denomi wda Maltez, fita
na freguezia de Tracunhem da c >marra de Naza-
reth, com urna legoa de frente e meia de fundo, e
! proporefes para nella se levantar um bom enge-
I nho de fazer assucar, sendo que ctualmente ren-
i de ella mais de 1:0005 que pagan os moradores
que tem : quem a pretender entenda-se nesta pra-
ca com o Sr. Antonio Jos Leal Ruis, na rua da
Cadeia do Recife n. 47.
YENDAS.
LIVROS RELIGIOSOS.
Na livraria n. G e 8 da praga da Indepen-
dencia, vende-se as seguintes obras, a liJOOO
cada urna.
Nov Mez de Mara ou mezdemaio, con-
sagrado Gloriosa Mi de Deus, por um
sacerdote da diocese de Belm, tradtizido
do italiano e adoptado pelos reveroodissi-
mos padres capucliinlios de N. S. da Pe-
rda da cidade do Recife.
Relicario Anglico de Jess Cltristo e de Ma-
ra Sanlissima, offerecido a Nosso Senhor
Jess Christo, preso columna.Novis-
sima ediejo com a oragfio. mental, novas
devocOes N. S. da Couceico da Rocha
e enriquecida com eslampas.
Visita ao SS. SS. e Mara Sanlissimt, para
lodos os dias do mez, Actos de prepa-
racSo e aecSo de graeas para a sagrada
comnitinlio, Modo de resar a coroa
das Dores de Nossa Sentara, e Actos
que o ilirislo dew fazer todos o dias.
Novissima ediccSo adornadas com diver-
sas estampas, e augmentada de novas de-
vocOes N. S. da Conceico da Rocha e
Via Sacra.
O Devoto Christao, instruido no compen-
dio da doutrina, as regias da vi a de-
vota, no examc de consciencia e prepa-
raeao para a coidisso e commuuho, no
modo de ouvir missa meditar o rosa-
rio, e no conhecimento das indttlgtmias
concedidas aos seus confrades.-Novenas
da Assengo do Senhor, da Conceicu e
do Natal, das Almas, a novena e ti'v.nia
de Santo Antonio, a Va-Sacra breve, e
outras muitas devoces, com indulgencias
parochiaes e plenarias.
VNDESE
Vende-se urna victoria com pouco uso: na
na rua da Florentina n. 14_________________
Vende-se urna armacao de amarello enverni-
sada, toda envidracada, assim como duas pratelei-
ras grandes de louro, proprias para armazem ou
entreposto de fazendas ; tambem cede-se a leja de
urna s porta larga, na rua do < respo n. 4.
Vende-se urna taberna em ulinda, na rua de
S. Bento, encruzilhada dobecco de S. Pedro e Por-
to Seguro, com poucos fundos a tratar na mes-
ma, ou na rua estreita do Rosario n. 1, taberna
de Sr. Pocas.
um sobrado de um andar com rruitos commodos
que accomnioda duas familias, com cocheira c
quintal para eria^ao, murada, com grande sitio lo-
do murado, dous portoes de ferro, urna cisterna de
pedra e cal com um olho d'agua permanente, ta.n-
to para beber como para bauho, anque de lavar
roupa, urna cacimba e tanque, tudo de pedra e cal,
com muito boa agua, e muitos ar oredos de fruc-
lo velhos e nevos, muito perto do bando salgado, e
outros muitos commodos para crande familia :
quem o pretender, dirija-se ao pato do Carmo, na
cidade de Olinda, que achara ron quem tratar.
Outro sim, tem baixa para capim e verduras de
secra verao, c commodos para outras muitas
plantacoes.

RUA DO IMPERADOR
N. 22.
Grande armazem de lir las.
Este armazem conten tudj quanto
preciso para qpaa industriarte piutura.de
qualuer genero que seja, lesempenhe
seu fim, isto embellezar, conservar c
reproducir.
Montado em grande escala c supprido
directamente por grandes fabricas de Pa-
rs, Londres e Ilaraburgo, pode offerecer
productos de cont'ramja, e sati: fazer qual-
quer cnconinicnda grosso trato e a re-
talho.
Os Srs. artistas pintores, e >s donos de
obras poderlo cscolher to itade, pois
que ludo estar vista, as diferentes co-
les de (pie tiwroin necessidad;.
Ha tintas cm massa e em p impalpa-
vel, e como as obras a eTei nizar s se
ieve empreoar Untas muidas, e nao me-
recendo eonHancaasqueTen i e fra para
commercio, por velhas. e tarn falsifica-
das, oeste armazem se as ni era vis-
ta do consumidor, que s assim ter tin-
tas frescas e verdadeiras.
Ha tambem ouro verdadein. verde em
p eemfolha, prata em folda, |i debron-
zear de varias cores, diamante s para cor-
tar vidros, burnidores, ncars iperlina en-
camada, amarella e verde, ti itas vege-
tacs, azul,roxa, verde e amare la, inolTen-
sivas. nicas que se devem en pregar as
ou i fei lacias, collecoes de pinceis para
ungir madeira, rom proprieda le, e outros
de varias qualidades, verni'.es, copal,
graixa, branco ou escuro para o interior
e exterior, para etiquetas e qu idros, tin-
tas linas em tubos, em cra>e: ou pastel,
tellas para quadros, caixas de tintas linas
e papel para desenlio.
Essencias aromticas verdal eiras, fras-
cos e vidros para vidraca de todos os ta-
manhos, e muitos outros obj'teros, cuja
utilidade e emprego s com a vista pode-
ro ser mostrados.
Joao Pedro das Neves,
Gerenti.
Vende-se um lindo mulatinl.o de 12 anuos
de idade, um moleque de 13 annos urna negrinda
de 7 annos, um casal de escravos proprio para
servico de campo, um bonito c; bra earreiro, c
urna negra cosinheira : na rua Nova n. 44, ter-
ceiro andar.
Vende-se urna negrinha peq lena de idade
6 annos, pouco mais ou menos, e tm moleque de
idade de 8 annos, pouco mais ou menos : na rua
Nova n. 49. so dir quem os vend..
FAIIIMh
Loja das varas
5 Rua do Crespo &
Neste estabelecimento vende-se por pre-
cos razoaveis os seguintes artigus alm
dos mais :
Pentes de tartaruga fino gosto Clo-
tilde e Imperatriz Eugenia a ti'-S.
Cortes de cambraia branco bordado
a l.vs.
Manteletes de fil preto a i;i&.
I. i.is ile cmes. c.ovado i'M e 400 rs.
dem iufestadas a 500 rs.
Vestidos para casamento sendo de
blond e moreantique.
Vestidos e capas pretas de bom gosto
proprios para o presente lempo de qua-
resma. Alm disto tem um completo
sortimento de fazendas linas e grossas,
as quaes se vendem mais em conta do
3uc em outra qualquer parte, s avista
os compradores se justilicar.
Vendem-se saceos com farinha i .mal a de Muri-
beca, por preco mais commodo co que em outra
qualquer parte : no Forte do Matt >, armazem de
Joaquim Francisco de Alem. _______ __
Vende-se manteiga ingleza flor a 880 rs.,
dita mais baixa a 800 e 640, dita fi anceza a G40 e
360, banha de porro muito alva a 400 rs., casta-
nhas e amendoas a 160, sement de coentro nova
a 240 a garrafa, oleo de ricino a 489 a libra, figos
novos a 200 rs., passas a 480 : no 1 irgo do Carmo,
esquina da rua de Hortas n. 2.
Para anjos.
Cuilhcrme Joaquim da Silva I!
vender por preco razoavel caixinh;
e amendoas confeitadas, por isto p
Srs. lliesoureiros das rinandade.s
rua do Trapichen. 18, armazem de
Vende-se urna preta de oaca, de meia ida-
de, propria para o servico domestico de casa de
qualquer familia, e boa quitando ra : a tratar na
rua do Rangel n. 7, taberna.
raga tem para
s com bol i n los
ovino aoslllms.
que venliam a
doces e fructas.
Vende-se urna taberna no I; rgo da Soledade
n. 8, com poucos fundos, propru para a pessoa
que quizer se estabelecer, tem lod-tS as vanUgens,
poucos fundos, commodos para fai ilia, o alugucl
da casa barato, e vende-se por nao querer o dono
continuar com o dito aegocio.
IMS lili:
Vende-se rosa do Japo : no caes
deNovembro n. 24.
Vendem-sc colchas adamasca
qualidade, viudas da Suissa, a uve
na rua do Crespo n. 18.
las de superior
is commodos :
Vende-se do 12 15 pipas de muito hora
mel de furo, em barris de 4o e 5o, promptos em-
barcar : no armazem de denosilo de agurdenle,
rua nova de Santa Rila n. 19.
Grande sortimento de fazen-
das pretas para a quaresma
na loja e armazem da Arara
roa da Imperatriz n. 56.
LouTcnco Pcrcira Meadcs Guimares.
Fazendas prelas liaratissiinas.
Vende-se alpaca preta lina a 500, 600, 800 e i&
0 covado, sarja de la para calca e paletots a 610
e 800 rs. o covado, bombazina preta Una para
paletots a l.jioo, laazinhas prelas proprias para
luto para vestidos e roupa de meninos por ser mui-
to fina a 720 o covado, merino fino entestado a
23500 e 3, dito de cordao para paletots e calcas
a 25500 o covado: na rua da Imperatriz loja da
Arara.
Gresdeuffk preto {da Arara a t#OO o covado.
Vende-se grosdenaple preto para vestidos a 15400,
15600 o covado, dito muito bom a 15800, 25,
25500 e 35 o covado, sarja preta he'panhola o
melhor que tem vindo : na rua da Imperatriz loja I
e armazem da Arara n. 56 de Mendes Guimares.
Arara vende pauao lino a 1G00 o covado,
Vende-se panno fino para cal^a e paletot a 15600,
25, 25500 e 35 o covado, cortes de casemira pre-
ta para caiga a 35, 35300 e 45, dito muito supe-
rior a 65 e 85 o corte : na loja da Arara rua da
Imperatriz n. 56.
i nias da Arara a 2 ti rs. o covado.
Vende-se chitas de cores fixas para vestido a
240 e 280 rs. o covado, ditas francezas finas a
320, 360 e 400 rs. o covado, popelina do quadrr-
nhos para vestidos a 280 rs. o covado, gorgurao de
' linho para vestidos a 280 rs. o covado : na loja da
! Arara rua da Imperatriz n. 56.
Arara vende laziuhas a 2i0 e 280 rs. o covado,
1 Vende-se laazinhas para vestidos a 240, 280 e
320 rs. o covado, ditas finas transparentes a 400 e
500 rs.. ditas ditas a Mara Pa com palmas de se-
da a 500 rs., fil de linho de cores para vestidos a
160 rs. o covado : na loja da Arara rua da Im-
peratriz n 56 de Mendes Guimares.
Chitas de coberla da Arara a 320 rs. o covado.
Vende-se lindos gostos de chitas para cobertas
de cores flxas a 320, 360 e 400 rs. o covado, cha-
i les de merino estampados a 25500, dito de la e
seda a 25 : na rua da Imperatriz na loja e arma-
zem da Arara n. 56 de Mendes Guimares.
Siilinlias da Arara a 300 rs.
1 Vende-se sedinhas de listrinlras para vestidos a
300 rs. o covado, ditas linas de quadrinlvos a 800
rs., las especiaos com 4 palmus de largura com
palmas de seda para vestidos a 800 rs. o covado,
| lencos blancos a 200 cada um : na loja da Arara
rua da Imperatriz n. 56.
Arara vende os manteletes e capas prelas.
Vende-se manteletes pretos ricamente enfeira-
dos do grosdenaple, soutembarque pretos de gros-
denaple ricamente enfeitados por preeo baratsi-
mo: na rua da Imperatriz n. 36 loja da Arara.
Pumpa frita da Arara.
Vende-se paletots pretos de alpaca a 35, 35500,
ditos de panno fino a 55 c 65, ditos a 85, 105 '
, 125, ditos de brim a 25500 e 35,ditos de meia ca-
semira a 35300 e 45500, ditos de casemira de co-
; res a 65, caifas feitas de meia casemira a 25, di-
tas de brim e ganga a 25, ditas de casemira a
35500, 55 e 65, ditas pretas a 45, 35 e 65, se-
roulas francezas a 15600, ditas de linho a 15800 e
25300, camisas francezas a 25 e 25500, ditas de
cordao e de linho a 25600 e 35, roupa feita s se
vende barato na loja da Arara rua da Imperatriz
n. 56.
Corles de rassa a 2o.
Vende-se corles de eassa franceses a 25. risca-
dos francezes um corte com 14 covados a 35, co-
bertores de atoodae a 15 o 15600 : ira rua da Im-
peratriz 11. 56 loja da Arara.
Arara vende madapoln entestado a '>.
Vende um novo madapolo francez enfestado
muito bom para camisas a 45 e 45500, algodo
tamnem se vende barato, bramante de linho, brim
de linho trancado para calcas a 15 e 15280 a va-
ra, bretanha de linho, brim liso para lenfes a
440, 500, 640 e 720 rs. a vara, destas pechinchas
s na Arara rua da Imperatriz n. 56 loja de Men-
i des Guimares.
Arara vende as rassas a 200 rs.
Vende-se cas-as para vestidos a 200 e 240 rs. o
covado, organdys finos para vestidos a 2S0 o 320
rs. o covado. coliertas de chita para cama a 25 :
' na rua da Imperatriz n. 56.
Arara vende os balees crinoline de arros a 3-3.
Vcnde-se baldos crinoline de arcos americanos
de todos os tamanhos de 15, 20, 25,30 e 40 arcos
a 35,35500, 45 e 45500, ditos de musselina a
, 45, ditos novidade a 35300: na rua da Impera-
! Iriz loja da Arara n. 36.
i LOJA DO BEIJA FLOR.
l>na do Queimado numero 63.
Cravalinhas para senhora.
Vendem-se gravatinhas de;diversos gostos mais
modernos a 720 e 800 rs. : na rua do Queimado,
loja do beija-flor n. 63.
Fitas para debrnm de vestidos.
Vendem-se fitas para debrum de vestido de linho
1 com 12 varas a 400 rs. a peca : na rua do Quei-
mado, loja do beija-llor n. 63.
Pentes Iravessos.
Vendem-se pentes travessos de caracol na
I frente de borracha a 500 rs.: na rua do Queima-
do, loja do beija-llor n. 63.
Papel heira dourada.
Vende-so papel beira dourada a 15200 e 15300,
dito de cor de beira dourada a 15100 : na rua do
Queimado, loja do beija-flor n. 63.
Anvelopes.
Vendem-se anvelopes do diversas qualidades
i branco a 800 rs. e de cor a 640 rs., para cartas de
I visita a 400 rs., preto a 720 rs. : na loja do beija-
llor na rua do Queimado n. 63.
Voltas de aljfar.
Tendo recebido voltas de aljfar com cruzes de
pedra imitando a brilhante vende-se a 15 cada
urna : na rua do Queimado loja do beija-flor n. 63.
Camisas de meias.
Vendem-se camisas de meias muito finas a
15200 e 15300 : na rua do Queimado, loja do bei-
ja-flor n. 63.
Eafeiles de Gis.
Tendo recebido enfeites de lita pretas e de co-
res mais modernas que se esto usando a 15 cada
um : na rua do Queimado, loja do beija-fhr n. 63.
Fita de la prela para debrum.
Vende-se fita de la prela para debrum rom 10
varas a 900 rs. a pega : na loja do beija-flor rua
do Queimado n 63.
Filas de linho para bordar vestido
Vendem-se fitas de linho para bordar vestido
ou roupinho de meninas com 40 varas a 640 e
800 rs. a peca s quem tem loja do beija-flor
ru do Queimado numero 63.
Botes de madrrperola.
Vendem-se botes de madreperola mais moder-
nos que tem vindo para puuhos de senhora a 320
rs. o par : s quem vende por este preco na
rua do Queimado, loja do beija-flor numero 63.
Fila de velludo para bordar vestido.
Vende-se fila de velludo preto com 10 varas a
900 rs. a pec;a : i quem tem por este proco a
loja do beija-flor da rua do Queimado n. 63.
Fita de velludo bordada.
Vende-se fita de velludo preto bordada de di-
versos gostos e mais modernos proprios para qua-
resma : s quem tem a loja do beija-flor rua do
Queimado n. 63.
Franja prela.
Vende-se franja preta de diversas larguras para
enfeitar capas ou manteletes os mais lindos gos-
tos que se pode encontrar : na loja do beija-flor
rua do Queimado n. 63.
Facas t garlos.
Vendem-se facas c garlos de balanco de I bo-
llo a 55500 a duza, ditas de 2 botes a 5VK):
na rua do Queimado, loja do beija-flor n. 63.
Domines.
Vendem-se dminos muito finos a 15200 e
15400 : na loja da beija-flor da rua do Queimado
n. 63.
Vispuras.
Vendem-se visporas muito finas a 800 rs. : na
rua do Queimado, loja do beija-flor n. 63.
A AGUIA BRAMA
reeebeu:
Sapatinhos desetira branco bordados pata bap-
tisado*.
Meias de seda branca para o mesmo fim.
Mu bonitas e delicadas louquinhas enfeiradas
parad lo.
Pulsoiras e voltas de contas brancas para senho-
ras e meninas.
Fita branca e prela de borracha, com diversas
larguras.
Transehnsdeborraba sonidos em cores.
Trancinha prela de laa, e outras trancinhas de
la de gosto novo e mui bonitas para enfeites.
Enfeites conservadores para senhoras.
PAI'EL IINGLEZ
almajo e de peso.
Alem do grande sortimento de papel greve e ou-
ira- muitas qualidades, que constantemente se
acham na loja d'aguia branca, faz-se notavel pela
superioridade de qualidade o papel inglez almasso
e de peso, que acaba de chegar para a dita loja ;
um e'outro sao mui encorpados e de um assetma-
do lustroso e macio, que na verdade a*, odos agra-
dara. As resmas daqueile tem 480 .felhas, e as
deste 500, e custa cada urna 85. Tambem veio da
mesnia qualidade e de taraanho pequeo, em cai-
xinhas de 100 foibas, tanto liso como beira doura-
da, custando este 25, e aquelle 15200 a caixinha.
J vem pois os apreciadores do bom papel que
dirigindo-se munidos de dinheiro sero bem servi-
dos : na rua do Queimado, toja d'aguia branca
numero 8.
HOVO PESTES
de concha.
Chegaram novos e bonitos pentes de concha,
sendo de tartaruga, massa e dourados; agora, pois,
dirigirem-se cora dinheiro rua de Queimado,
loja d'agnia branca n. 8, antes que se acabem.
FRASCOS
PICHINCHA
Custodio, C'arvalho t& C'oi|>a-
nhta.
27Rua do Queimado-27
Novas laazinhas escossezas muito lindas, fazenda
encorpada, proprias para vestidos de senhora e
criancinhas, pelo barato preco de 240 rs. o covado.
com gomma arbica dissolvida : vendem-se na
rua do Queimado, loja d'aguia branca n. 8.
Fivelas com pedrasno*
vo sortimento.
A aguia branca reeebeu por esse ultimo vapor
um nevo e bello sortimento das procuradas fivelas
com pedras, podendo assfm satisfazer a todos que
dellas precisaren!, urna vez que appareca dinhei-
ro : na rua do Queimado, loja d'aguia branca nu-
mero 8.
COPOS COM Bl-
311. t.
A aguia branca acaba de receber os bem conhe-
cidos e apreciados copos com banha, os quaes es-
to sendo distribuidos com aquelles pretendenles
que rontribuirem com 25500 vista : isso na rua
do Queimado, loja d'aguia branca n. 8.
MUITO BOAS UNAS
para seuhoras e Meninas.
A aguia branca reeebeu mui boas meias france-
zas, de fino tecido e fio redoudo, o que as tornam
de imrnensa duracao, porque muito convm, anda
mesmo costando 7 e 85, como se eslao vendendo a
dinheiro vista, na loja d'aguia branca, rua do
Queimado n. 8.
Listas de pellica.
Chegaram para a loja d'aguia branca, rua do
Queimado n. 8.
RIVAL
SEM SEGUNDO
Rua do Queimado ns. 419 e 55,
loja de miudezas de Jos de Azevedo Maia & C,
principia o novo annoa torrar miudezas pelos pre-
cos que a todos causa admiracao, a saber :
Pares de sapatos de tranca muito finos a 15600.
Frascos de oleo babosa dos melhores fabricantes a
240 rs.
Ditos maiores a 400 e 300 rs.
Frascos d'agua de Colonia muito finos a 400 rs.
Sabonetes muito finos a 160, 200 e 400 rs.
Frascos grandes de agua de Lubin, o melhor,
15500.
Lapis de tinta encarnada muito finos a 40 rs.
Novellos de linha com 800 jardn a 120 rs.
Ditos de dita com 400 jardas a $0 rs.
Frascos de macass, oleo muilo superior, a 100
Duzias de dedaes brancos em caixas de vidro
320 rs.
Papis de agulhas a balso Victoria a 60 rs.
Banha transparente muito superior a 700 rs.
Dila Japonesa muito fina a 800 rs.
Duzia de sabonetes muito finos a 720 rs.
Papis de agulha com toque de ferrugem a 10 rs.
Grozas de botes de madreperola muito finos a
560 rs.
Pecas de fita de cs, estreitas, com 10 varas, a
320 rs.
Novellos de linha branca do gaz a 30 rs.
Carreteis de linha de cores muito fortes a 20 rs.
Candes e caixas de clcheles francezes a 40 rs.
Botoaduras brancas e de cores para colletes a
120 rs.
Frascos de banha, pechmcha, a 240 rs.
Bonets para meninos, fazenda lina, a 25-
Caixas preparadas para costureiras a 15300,25 e
35OOO.
Massos de grampas lisas e finas a 30 rs.
Caixas de palitos do gaz e de cera finos a 20 rs.
Duzia de facas e garfos de 1 boto superiores a
55300.
Duzia de ditas e ditos de 2 botes finissimos a
65300.
Grozas de palitos do gaz a 25200.
Ara preta muilo fina a 100 rs.
Caixas de rap com espelho a 100 rs.
'<
- < r.
=- M as C O O
1 CC
SJ 3 fis u
* c 1 w
- a -i ce
5 S
sil
> > r. se -n
2 =": 8 8
3 b 3-g =>
3
o.
(k'9ti
CD
** r*i _. z^
R
2J
-
s.
..2 o
os X. =
o g w w
e-Ss-o-o
OS 3
a
os oq c
0-== = o ce as
.
r-
rs ct>
S3
i!
a, cu
5*sj a
-^ as O c- ^
, o. q, os ce S ST.
ce
g.8
ce g
a
o
J.

os ce
rr os

ce
3 o?; i.
.jstli -S
cJ-s-iSs&s l%
"O
ta as -3
CK3 os
as
i. "8
c-
- os
C as 3 -
q s -, a.cp=r
O c S' o' 5 c
Su
S 3 2.
o ce
=0.
-1
as
H
55
ce "
s ce"
13
3.0
II
ti
o as
o .
as as
O- ,
O av
_ M
TE
n-
a>
I 3
o co
II
ce
DV
BS.
5b
ce

o
B
3
B
c
ce
I
s

9
H
a*
9
9
s
5
t
Vende-se una bonita crioulinha de idade de
7 8 anuos, muilo propria para nma casa de fa-
milia ; tambem urna preta crruula de 30 40 an-
nos de idade, boa lavadeira e disposta para todo o
servico de casa e de rua : a tratar na rua do Im-
perador, sobrado n. 2, entrada pela rua de S. Fran-
cisco.
(Ivas 1I0 serla.
Vendem-se ovas do serto : na rua do Queimado,
loja de femaras n. 14.
_*
Vende-se na rua da Cadeia n. 53, terceiro
andar, urna escrava moca de naco, propria para
o servico de casa de familia.
lina (ia Scnzalla Vova n. 42.
Neste estabelecimento vendem-se: tachas de
ferro coado libra a i 10 rs., idemde Low
Moor libra a 120 rs.
Algntiao da Baha
para saceos de assucar e roupa de escravo; tem
para vender Antonio Luiz de Olivcira Azevedo &
C, no seu escriptorio rua da Cruz n. 1.
-
,


Diaria de Peraauabuco We* N
V
*v
GR I MIIE Rfc.VWLU^&O
ARMZEM
7*
i
i
-
0 hornera do movimento nao estaciona.
AVANTE E SEMPRE
GUERRA AOS INIMIGOS
Nao se admiti a onio commercial;
Nao sequer a diaba da allianca.
Nao se tome a faria dos corsarios.
Este auno ha de ser blssext.
Os canhes esto preparador.
FOGO! BOM FOGO!! ilELHOR FOGO11!
Abaixo a liga d'agua no vinagre
Viva a liga do genuino dieres com o fiambre!
Viva o con: "4.or das conservas inglezas!!
Vivam os liboraerif^oezes do BALIZA !!!
Yi\au todos que lereui este anuun< io.
45 Ra Direita 45
Oicam! oi^aml!!
CALCADO
Bom e novo, a primeira necessidade para a na-
de e aforinoseaniento do individuo !
Meu Doos !... que pos de pavao se lobrigam por
essas rus I que ligura horrenda e nauseante de um paletol bem talhado sobranceiro a um
gueiles roido em duas solas! um balo bem tor-
neado e bambaleante drscubrindo urna ponta de
botina safara e carcomida I!
Santa Barbara!! Corraiu ra Direita, bellas e
rapaiesl Mcndam na praia csses malditos guedcs,
c compren) :
lioi ziguins de Nantes 8^000.
Ditos francezes de bezerro 7,3.
Ditos francezes para homem '&.
Ditos para senhora, de lustre, enfeitados, 55500.
Ditos para senhora, gaspia alia, 4,5800.
Bolinas de menina A500.
Ditas de eores para menina 2-3000.
Sapatoes de Nantes do duas solas ">-!>.
Ditos de sola e vira 45o00.
Sapatos de lustre para senhora 1.
Ditos de tapete para homem 8 senhora 800 rs.
Ditos da liga constitucional 500 rs.
E um sortimento completo em sola, vaquetas,
couros, bezerro francez como nenhum, couro de
lustre muito grande, e tudoquanlo pertence arte
de S. Chrispim.
SENHOHES
SE MI HAS.
O proprietario do grande Armazem do Baliza estabelecido raa do Livramento ns.
38 e l8 A, defronte da grade da igreja, acaba de reduziros presos de quasi todos os
genens do seu magnifico deposito.
A tarifa abaixo publicada attesla bem esta verdade.
A guerra aos inimigos, est portante, assim declarada.
As pessoas, anda as mais exigentes, que s3 dignarem vir este cstabelecimento,
ficar5,i por certa muito satisfeitas, nao s quanto s qualidades dos gneros, como com o
tratamento todo attencioso que se Ihes dar.
Alm do ctimpriraento dos deveres da bo, educaco, haver d'oraem diante ainda
roaior capricho em salisfazer todos que honraren esta casa.
Us gneros pelas qualidades e precos acuminados, serao offerecidos ao exame
dos Srs. compradores. Naoreceieo publico que sepraliqueo contrario, como em outras
casas, que at aununciam o que nao lem.... O Baliza nao Ilude....
Amelias francezas em caixinhas e em frascos Litares inglezes e francezes em vazos de di-
de diversos tamanhos a l,2oo, l,6oo,' tersos tamanhos a t.ooo, 1.5oo e 4,8oo
2,000,2,5oo e2,8oo rs. e a libra a 8oo rs. | .. a duzia.
Amendoas novas a 32o rs. a libra. Manteiga ingleza flor a 8oo rs. ;, libra c de 8
Azeiit! doce refinado a 8oo rs. a garrafa. ibras para cima ser aberto um barril na
dem de Lisboa a 6 io rs. a garrafa e 4,8oo| presenta do comprador.
rs. a caada. i W,:m dB 2.a e 3-a qnalidade a 7oo, Goo e 4oo
Alpiste a 16o rs. a libra, e 4.8oo rs. a arroba. | rs. a libra.
Arroz do Maranhao, da India, e Java a 8c e dem franceza a 560 rs. a libra, e em barril
loo rs. a libra. por menos.
... ..Numero, latas a 20000 e a 15500 a lala.
Aletna branca o amarella a 4oo rs. a libra MSSa de tomate em barril a 480 rs. a libra.
Araruta verdadetra a 32o rs. a libra. I(]l!m em lata a 6i0 rs a lala
Batatas novas era gigos de 36 a 4o libras por Moslarda ingiera 400 e 600 ris o pote.
^ t.ooo rs^e a 4o rs. a libra. ^ ^ ^ ^ Mermelada imperial dos melhores fabrican-
os de Lisboa a 600 rs. a libra.
Ma -rasquino de zara a 8oo rs. o frasco e a
85 a duzia.
Ma>sas pan sopa, ta-lharim e macarro a
80 rs. a libra.
dem finas, cstrelinha e pevide, caixinha
com 8 libras a I GOO.
Nozes a 16o rs. a libra.
Peue preparado de escabeche, da melhor
qualidade que tem vindo ao mercado, a
15a lala.
Presunto de lamego muito superior a 480
rs. a libra.
Idtm para fiambre (inglez) a 640 ris a
libra.
dem americano a 400 rs. a libra.
Papel almaco a 35000 a resma,
dem de peso a 25 a resma.
Paitos paradentes a 160rs. o maco.
Dito dito de flor a 200 rs.
Ditos do gaz a 25200 a groza
Paiisas novas a 180 rs. a libra e a 15800 a
caixa.
Qucijos flamcngos do ultimo vapor a 25500.
Dilo lundrino a !)00 rs. a libra.
Biscoitos inglezes Lunch a !8oo rs. a lata de
5 libras.
dem de diversas marcas em latas menores
a l,3oo rs.
dem de Lisboa de qnalidade especial em li-
tas grandese pequeas a 3,ooo e l,5oo rs.
Bolachinhas americanas, a 3,ooo rs. a barrica
e 2oo rs. a libra.
Banhade porco a 44o rs. a libra, e em barril
a 4oo rs.
Baldes americanos muito proprios para com-
pras a 1 ,ooo rs.
Cha huxym, hysson e perola a 3,ooo, 2,8oo,
2,5oo, 2,ooo e l,6oo rs.
dem pretoa2,coo, l,6oo e l.ooors. alibra.
Chanpagne a melhor do mercado a 12,oooo
gigo e a l,2oo rs. a garrafa.
Chocolate francez primeira qualidade a l,loo
rs. alibra.
demhespanhol a l,2oo rs. a libra.
dem suisso a l,ooo rs. a libra.
Cerv ja branca marca AUsopps a 4,80018. a
duzia, e a 4oo rs. agarrafa.
Cognr.c inglez a 64o rs. agarrafa a 8oo ea
l.ooo rs.
Concervas inglezas em frascos grandes a 7o;DiIo prato a iO rs. a libra.
rs. o frasco. Sa.'dinhas de Nantes a 320 rs. a lata,
dem francezas Je multas qualidades a 5oo|Diade Lisboa a 640 rs. em lala grande.
rs. o frasco e a 5,5oo rs. a duzia. Sag muito superior a 240 rs. a libra.
Charutos neste genero temos grande sorti-lSal refinado, em potes de vidro, a 600 rs.
Ra do Qucliuado unmeros
4 e ...
est disposto a continuar a vender pelos preces
abaixo declarados, pois para principar o novo
anno.
Caixas de obreias de cola muito finas a 40 rs.
Varas de franja de 15a de todas as cores a 40 rs.
Ditas de tranca de laa de todas as cores a 20 rs.
Ditas de trancelim branco muito superior a 20 rs.
Trancas de algodo brancas e de cores a 80 rs.
Duzias de meias para senhora muito superiores a
35800.
Grocaa de pennade ac muito finas a 300 rs.
Caivetes de duas e tres folhas a 500rs.
Ditos de urna folha a 80 rs.
Caixas para rap, muito bonitas de calungas, a
100 rs.
Capachos redondos e compridos a 500 rs.
i'.ai xas com muito superiores obreias a 40 rs.
Varas de franjas brancas e de cores, largas, a
ICO rs.
Pares de botoes para punho muito bonitos a 120 rs
Carrcteis de linda Alexandre com 200 jardas a
100 rs.
Cuides de linha Pedro V com 200 jardas a 60 rs.
Ditos de linha de 50 jardas a 28 rs.
Duzia de meias brancas para homem a 15600.
Caixas com soldados de chumbo a 120 rs.
Tinteiros de vidro com superior tinta a 160 rs.
Ditos de barro a 100 rs.
Crozas de botoes ae lotiza pratiados a 160 rs.
Tesouras muito finas para costura a 320 rs.
Dias ditas rnaiores e melhores a 400 rs.
Escovas para limpar dentes muito finas a 200 rs
Hilas para unhas a 800 rs.
Laa de todas as cores para bordar a 75 a libra.
Caixas com phosphoros de segurancia 160 rs.
Cadernos de papel branco e azul a 20 rs.
Pacotc de papel amizade a 600 rs.
Caixas com 100 anvelopes muito superiores a
800 rs.
Cadernos de papel de cores, grande e pequeo, a
40 rs.
Silabarios portnguezes com calungas de todas as
qualidades a 320 rs.
Graxa em latas muito nova a 100 rs.
Cartas e taboadas para meninos a 60 rs.
Caixas com superiores iscas para charuto a 40 rs.
Carrcteis de linha de cores com 200 jardas a 60 rs.
Haralhos muito finos para voliarete a 280 rs.
Rodinhas com alfinetes francezes a 20 rs.
Cartas de alfinetes francezes finos a 40 rs.
Caivetes de cabo de madrepcrola de duas folhas
a 500 rs,
I.uvas brancas de algodo finas a 80 rs.
Miadas de linha fixa para bordar a 60 rs.
lTm Dcscobiinienlo Espantse!
O Mando Sricntifiro unanimaiucntc o approva.
monto tanto da Bahia como do Rio de Ja-
neiro a l,6oo. 2,2oo, 2,5oo, 3,ooo e4,ooo
rs. a caixa.
Caf do Cear muito superior a 28o rs. a libra
e a 8,oo rs. a arroba,
dem do Rio a 3oo e 28o rs. a libra.
Ceblas a Ooo rs. o molho com mais de loo
ceblas.
Chouricas e paios a 72o rs. a libra.
Ceva linha de Franca a 2oo rs. a libra,
evada muito nova a 8o rs. a libra.
Copos lapidados a 5 e 6,ooo rs. a duzia.
Doce de goiaba em latas a 4oo rs. a libra,
dem de caj em latas a 320 rs. a libra.
Ervbas francezas e portuguezas a 5oo e 64o
rs. a lata.
dem seccas a 16o rs. a libra.
Figos de comadre em caixinhas com 8 libras
por 16oo rs.
Farioha do Maranhao a 12o rs. a libra.
Farhha de trigo muito superior a 12o rs. a
li ira.
Fardo em saceos grandes a 4,ooo rs. o sacco
Gcnebra ingleza marca gato a l.ooo rs. a gar-
r fa.
dem verdadeira de Hollanda em frascos muito
grandes a 1,2oots. o frasco,
dem de Hollanda em frascos pequeos a 5oo
rs. o frasco,
dem de laranja a l.ooo o frasco.
Gootma do Aracaty a 8o rs. a libra.
Grata a loo rs. a lata e l.loo a duzia.
Linguas americanas de grande tamanho a
1 ,ooo cada urna.
o pote. S
Sabo massa a 120, 160, 200 e240 rs. a
libra.
Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Dito de Santos e 300 rs. a libra.
Ti.'olo para limpar facas a 140 rs. cada um.
V; ssouras americanas a 64o rs, cada urna.
Idsm do Porlo a 100 rs, cada urna.
Velas de carnauba e composic3o a 320 rs. a
libra e a 105 a arroba,
dem stearinas superiores a 560 rs. o
maco, e em caixa por menos.
Vmho do Porto, neste geneno temos o me-
lhor sortimento possivel, que vendemos
por precos muito baixos a 15 a garrafa e
a 10/ e !2 a duzia.
IdemCherry, eda Madeira em barris e em
caixa, a 125 a (aixa e o barril conforme o
tamanho
dem de Figueira e Lisboa, em ancoras de
8 a 9 caadas, por 285000.
Dito em pipa a 35000, 35500 e45ooo a ca-
ada
dem do Porto,"denomiuado Baliza, a 55 a
caada.
I lem idem em garrafoes a 25500, com o
garrafao.
Hem de Bordeaux, das melhores marcas que
vem ao mercado, a 65 a caixa e a 640 rs.
a garrafa.
Vinagre de Lisboa a 15600,158oo e 25000 a
caada,
dem idem.em garrafoes com 5 garrafas, por
15 com o garrafao.
Yinho de caj a 15 a garrafa. Este vinho
tem dez annos.
Una da Senzalla n. 42.
Vende-se, em casa de S. P. JohnstonA C,
sellins e sillicos inglezes, candieiros e casti-
cae;. bronzeados, lonas inglezas, fio de vela,
chicotes para tarros e montara, arreios para
carros de um e dous cavallos, e relogios de
ouro patente inglez.
GAZ GAZ GAZ
por prrro i'eduzldo.
Vende-se gaz da melhor qualithde pelo
pre.o de 105 por lata de 5 galoes : no ar-
ma<;em do Caes do Ramos n. 18 c ra do
Trapiche Novo n. 8.
vmwm
baratas para acabar.
Sedas de quailros ede lis ras a 320 rs. ocova-
do, lindas las de quadrinhos a 360 o covado, su-
periores cassas de cores a 300 rs. o covado, ditas
rnitiio finas a 240 o covade : na loja das colnmnas,
na raa do Crespn. 13, de Antonio Correia de Vas-
conc olios & C.
Os cortinados do Paro.
Vendem-se ricos cortes de cortinados adamasca-
dos proprios para janellas e camas pelo barato
I reg de 93 a peca : na ra da Imperatriz n. 60,
i >ja de Gama & Silva.
Pcchiocha do Pavo.
Para cortinados a 15.
Vendem-se pe^as de cassas adamascadas cora
lindos floroes tendo 6 varas cada pega pelo barato
prego d 45, ditas com 5 varas a 3, sendo pro-
I ra* para janellas, camas, bercos etc., etc. : isto
f na loja do l'avao ra da Imperatriz n. 60, de
Cama & Silva.
U Pavo vnsile as cambraias
a '#500 e 3.
Vendem-se peras dt cambraias brancas lavra-
nas rom 0 l|2 a 0500, ditas ditas a 3-5500, 43
! 43500, isto peebincha : na loja de Gama &
Silva, ra da Imperatriz n. 60.
Os precisos talkeres pa-
ra criancas.
Chegaram c ach m-se venda na ra do Quei-
nado, loja d'aguiabranca n. 8.
A (isiBOsli;ao Anacahuite
Peoral tic Kenip.
Tor espaco de mnito tempo se ha tizado ex-
tensamente em Tampico para con de
TSICA pulmonab,
CATaRRHO, asthma,
BRONCHITE, TOSSE CONVULSA,
CRUPO O GARROTILHO, e
Inflammaipes da Garganta e do Pelto,
o isto com um resultado to feliz o verdade-
ramente assonibroso o pao 011 madeira d'uma
arvorc V que cliamao Anacauvita, c que so
se encontia do Mxico.
A Compos9o Anacahuita Peito-
ral de Kemp 6 ato Xaropt delicioso, intei-
ramentc differcnte na sua composicrio do
todos os mais Peitoraes c Expectorantes ma-
nufacturados de fructos astringentes, cascas
c ratas, e., o mesmo nao ontem nenliutii
Acido Prmio 011 ontros qiiacsqncr ingre-
dientes venenosos.
Todas as molestias c affccqocs da garganta
o dos pululos dcsapparcccm como por um
mgico encanto, mediante a ac<;o dcste in
comparare! e irresistivel remedio.
venda as boticas de Caors & Barboza,
ra da Cruz, e Joo da C. Bravo de C, ra
da Madre de^Deos.
yenda de urna hypotheca.
Os liquitlatarios da massa fallida de
Jos Antonio Basto veiidcm a hjpotlie
ca que tem nos cna;cnhos Matto Grosso
e Cajabuss no i crino tic Scritiliacn no
valor de 31:S3o$91t rs.; tratar as
casas a rna do Trapiche n. 34.
AGENCIA
DA
FUNMCAO DE LOW-MOOB.
lina da Senzalla nova o. 42.
Neste cstabelecimento contina a haver
un completo sortimento de moendas e meias
moendas para engenho, machinas de vapor
e tachas de ferro batido e coado, de todos os
tamanhos para ditos.
Arados americanos e machinas par
lavar roupa: em casa de S. P. Johnston <& C.
ruada Senzalla Nova n. 42._____________
Vendem-se, eaibros servidos cui andaimes, e
novos, por prego muito comniodo : na travessa da
Madre de Deos'n. II.
UNIO
RCANTIL
s.

A
<'^
RA DI CADEIA HO RECIPE 53.
NOVO E
SSAHDB AEMAZBM DB 1C0LHADOS
RA DA UA1IEIA DO RECIFE \. 53.
Francisco Fernandes Duarte acaba de abrir na ra da Cadea do Reciten. 53, um grande e sonido armazem de molhados de-
nominado Vnio Mercantil. Nete grande armazem encontrar sempre o respeilavel publico um completo sortimento dos melhores
gneros que vem ao mercado, tai to esirangeiros, como nacionaes, os quacs sero vendidos em porgues ou a relalho por precos assas
commodos.
Manteiga ingleza especialmente escolhida, Vinagre de Lisboa a 200 rs. a garrafa e Sardinlias de Nantes a 340 rs. oquartoeGO
10200 a caada. | rs. meia lata.
Azeite doce refinado em garrafas brancas a' Latas com peixe em posta : savl, corvina.
vezugo, eberne, linguado, lagoslinba, a
15300 rs.
Salmao em latas, preparado pela nova arle
de primeira qualidade a 800 rs. a Libra,
em barril se faz abatimento.
Manteiga franceza a mais superior do mer- 800 rs.
cado a 500 rs. a libra, e 520 rs. em barril Azeite doce de Lisboa a 640 rs. a garrafa e
ou meio. 40800 a caada.
Prezuntos inglezes para fiambre, de superior Genebra de Hollanda a 500 rs. o frasco e
qualidade, chegados neste ultimo vapor, a 5^800 a frasqueta.
rs. a libra. Caixinhas com ameixas francezas, ornadas
Queijos flamengos chegados neste ultimo
vapor a 2)5800.
Queijo prato muito fresco e novo a 640 rs.
a libra.
Castanbas muito novas a 120 rs. a libra e
e 34000 a arroba.
Cha uxin o melhor que ha nete genero,
mandado vir de conla propria a 2/5800
rs. a libra.
Cha hysqn muito superior a 20530 rs. a li-
bra ; cha hyson proprio par; negocio a
1-4500 rs. a libra.
Cb preto muito superior a 25 a libra.
Biscoutos inglezes em latas com dille-rentes
qualidades, como sejam crakbf
piquelez, soda, cap tai n, seed, bornez e
outras muitas marcas a 10350.
Bolacbinha de soda em latas grandes a 20.
Figos em caixinhas hermticamente lacra-
das, muito proprias para mino a 10500.
Caixinhas de 4 e 8 libras de figos de coma-
dre a 10 e 20 cada urna.
Passas muito novas, chegadas nrste nllimo
vapor a 500 rs. a libra e 30 um quarto ;
e em caixa se faz abatimento. '
Ameixas francezas em latas de meia a 3 li-
bras a 8001 s.
Champagne da marca mais superior que
tem vindo ao nosso mercado a l8;Jo gigo,
garante-se a superior qualidade.
Vinho Bordeaux das melhores qualidades
que se pode desejar de 70500 a 80000 a
caixa e 720 a 800 rs. a garrafa.
Caixas com vinho do Porlo superior de 90
a 109 a duzia, e 900 a 10 a garrafa deste
genero ha grande porcaoe de differentes
marcas acreditadas que j se venderam
por 148 e 150 a caixa, como sepm: Duque
do Porlo, Lagrimas do Dourc, D. Lote,
Cames, Madeira secco, CarcavMIos, Nc-
tar de 1833, Duque Genuino.
Vinho de pipa: Porto, Figueira u Lisboa, a
400,480 e 560 rs. a garrafa, e 30, 30200
e 30500 a caada.
Vinho branco de superior qualk.ade, vindo
j engarrafado a 640 rs. agamia e a 500
rs. de barril.
com ricas estampas na caixa exterior,
muilopropriasparamimo,a 10200,10500
e20.
Frasco de vidro com tampa do mesmo, con-
lendo meia libra de ameixas francezas, a
10200.
Marmelada imperial, dos melhores conser-
vemos de Lisboa, em latas de 1 e meia a
2 libras a 600 rs a libra.
Fructas em calda das melhores qualidades
que ha em Portugal em latas hermtica-
mente lacradas a 500 rs.
Peras seccas muilo novas a 640 rs. a libra.
Nozes muito novas a 160 rs. a libra.
victoria, Amendoas de casca molle a 400 rs. a libra.
Avelas muilo novas a 200 rs a libra.
Amendoas confeiladas de diversas cores a
800 rs. a libra.
Maceas e peras chegadas neste ultimo vapor,
muito perfeitas, s vista se faz o prego.
Conservas inglezas em frascos grandes a 750
rs. cada um.
Ervilhas francezas e portuguezas em latas de
1 libra a 640 rs.
Ervilhas seccas muito novas a 160 rs. a
libra.
Chocolate francez, o que ha de melhor neste
genero, a 10200 a libra.
Chocolate hespanhol a 10200 a libra.
Genebra de laranja em frascos grandes a i9.
Cerveja branca e preta das melhores marcas
que ha no mercado a 500 rs. a garrafa e
5^800 a duzia.
Cognac inglez de superior qualidade a 800
e 10200 a garrafa.
Licores francezes das seguintes qualidades :
Anizete de Bordeaux, Plaisir des Dames
e de outras muilas marcas a 10 a garrafa
e 100 a caixa.
Marrasquino de Zara a 800 rs. a garrafa e
90 a duzia.
Moslarda ingleza em potes j preparada a
400 rs.
de cozinha, a 800 rs.
Maga de tomates em latas de 1 libra a UCO
ris.
Chourigase paios em latas de 8 e meia libra
por 70.
Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra e
80600 a arroba.
Bolaxinha ingleza a 320 rs a libra e 40 a
barrica.
Sag muito novo a 240 rs. a libra.
Cevadinha de Franga'a 200 rs. a libra.
Familia do Maranhao a 120 rs. a libra.
Araruta verdadeira a 320 rs. a libra.
Cevada a 120 rs. a libra e 30 a arroba.
Alpistaa 160 rs. a libra e 40800 a arroba
Batatas muito novas em gigos com 40 libras
por 10500.
Cebollas a 10 o molho com mais de 100 ca-
da um.
Caf lavado de primeira qualidade a 300 rs.
a libra e 90 a arroba.
Caf do Cear muito superior a 280 rs. a li-
bra e 80400 a arroba.
Caf do Rio, proprio para negocio, a 8'.
Arroz do Maranh5oa 100 rs. a libra e ^b-CO
a arroba.
Arroz de Java a 80 rs. a libra e 2*400 a
arroba.
Vellas de spermaceli a 560 rs. a libra e
540 rs. se for em caixa.
Vellas de carnauba refinada a 320 rs. o mas-
so e a 90 a arroba.
Doce de goiaba a 640 rs. o caixo.
Macarro, talharim e aletria a 480 rs. a li-
bra ; em caixa se faz abatimento.
Eslrellinha.pevide e arroz demassa para sopa
a 600 rs. a libra e 30 a caixa com 6 libras.
Palitos de dente lixados com flor a 200 rs.
o masso, ditos lixados sem flor a 160 rs:
.o masso com 20 massinhos.
Gomma de engommar muilo fina a 80rs. a.
libra.
Banha de porco refinada a 480 rs. a libra e
400 rs. em barril pequeo.
Charutos dos melhores fabricantes de S. F-
lix, cm caixas inteiras ou em meias, de
10600, 20 e 30.
Moslarda ingleza em p, em frascos grandes, Presuntos do reino, vindos de conla propria
a 10 cada um. | de cafa particular, a 400 rs. a libra; intei-
Sal refinado a 500 rs. o pote. | ro se faz abatimento.
Gfrsenhores que comprarem de 1000000 para cima, terao o descont de 5 por cenlo, pelo promplo pagamento
CL.%B1.11
COMMERG
RA RO QUEOIADO A. 45*
Pausando o becco da Cougregaco segunda casa.
&Mm smm
lii
NOV1DADE.
Pereira Rocha & C. acibam de abrir na ra do Queimado n. 45 um armazem de molhados denominado Clarim Commercial,
onde o respeitavel publico encontrar sempre um completo sortimento dos melhores gneros que vem ao nosso mercado, osquaes
serao \endidos por precos muito resumidos como o respeitavel publico ver pela tabella abaixo mencionada ; garante-se o bom peso
e boa qualidade dos gneros comprados neste armazem.
Chourigase paios muito novos a 800 rs. a Palitos do gaz a 20200 rs. a grosa.
libra. Passas muito novas a 480 rs. a libra,
Cevadinha de Franga muito superior a 220 Peras seccas muito novas a 600 rs. a libra.
rs. a libra. Painco a 200 rs. a libra.
Cevada a 80 rs. a libra. Polvo secco muito novo a 400 rs. a libra.
Ervilhas portuguezas a Q40 rs. a lata. Presuntos de Lamego em calda de azeite e
dem seccas muilo novas a 200 rs. a libra J muito novo a 640 rs.
com ricas estampas lio interior das caixas Figos de comadre e do Douro em caixinhas Queijos flamengos do ultimo vapor a 20400
a 120000,10400, 10600 e 25. de oito libras e canasjrinhas de 1 arroba a ruis.
Amendoas com casca muito novas a 280 rs.' 10800, 55500 e 280 rs. a libra. i dem pr
Arroz do Maranhao, da India c Java a 80 e
100 rs. a libra e 20400 a 20800 rs. a ar-
roba.
Ameixas francezas em latas e em frascos a
10200 e 10600 eem frascos grandes a
20500.
Idom em caixinhas elegantemente enfeitadas
a libra. Farinha do Maranhao a 120 rs. a libra.
Alpista a 160 rs. a libra e a 40600 rs. a ar- Farinha de trigo a 120 rs. a libra.
roba. i Genebra de Hollanda verdadeira marca
Azeite doce francez muito fino em garrafas
grandes a 960 rs. a garrafa,
dem de Lisboa a OiO rs. a garrafa.
Araruta verdadeira de matarans a 320 rs. a
libra.
VD
_ rato a 640 rs. a libra.
Sal refinado em frascas de vidro a 600 rs.
cada um.
Sardinhas de Nantes a 320 rs.
Avelas muito grandes e novas a 180 rs. a
libra.
Batatas muito novas a 40 rs.
Biscoutos inglezes de diversas marcas a
16300 ris.
Bolachinhas de soda, latas gran les, a 20 rs.
a lata.
Ditas inglezas muito novas a 30)00 a barri-
quinha e a 200 rs. a libra.
Banha de poico refinada a 440rs. a libra e
e em barril a 4i 0 rs.
Cb hysson, huchin e perola i 10600, 20,
20500, 20800 e 36000 a libia,
dem preto muito superior a 2;>000 rs. a li-
bra.
Cerveja preta c branca, das me hores marcas
que vem ao mercado, a 500 rs. a garrafa
c .'6800 a duzia.
Cognac inglez lino a 900 rs. a garrafa.
Conservas a 720 rs. o frasco,
dem, sde pepino, a 720 rs.
dem, s de azeitonas, a 750 rs.
a 560 rs. o frasco e 60200 rs. a frasquei- Sag muito alvo e novo a 260 rs. a libra.
ra. Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra,
dem em garrafoes de 3 e 5 gales a 50500 Tijolos de limpar facas a 140 rs.
e 70500 cada um com o garrafao.
Gomma do Arcaty a 80 rs. a libra.
Vellas de carnauba pura a
bra.
360 rs. a li-
Graixa a 100 rs. a lala e 10100 rs. a duzia. dem stearinas muito superiores a 600 rs. a
Grao de bico a 150 rs. a libra.
Licores muito Pinosa 700rs. a garrafa,
dem, qualidade especial c garrafas muito
grandes, a 10800 rs. a garrafa.
dem garrafas mais pequeas a 800 rs.
dem, garrafa forma de pera e rolha de vi
dio, a 15000 rs., s a garrafa vale o di-
nheiro.
Manteiga ingleza perfeilamente flor, desem- dem em pipa, P/rto, Lisboa e Figueira a
1 I : i I I 1 i J OA "(Vi l .-. tL~t \ ., a AniinATo i ') '!.' lili
libra.
Vinho do Porto engarrafado o melhor que
ha neste genero e de varias marcas, como
sejam : Vclbo de 1815, Duque do Porto,
Madeira, D. Pedro, D. Luiz I, Mara Pia,
' Bocagc, Chamisso e outros a 800, 900 e
10000 a garrafal e em caixa com urna du-
zia a 96000 e tfO0OOO.
barcada de potteo a 800 rs a libra, e de 8
libras para cima sefar urna dilerenga.
dem franceza muito nova a 560 rs. a libra,
e em barril tora abatimento
Massa de tomates cm barril a 480 rs. a li-
bra.
dem em lata a 640 rs.
Marmelada imperial dos melhores consenti-
ros de Lisboa a 600 rs. a lata.
Marrasquinho de Zara, frascos grandes, a
800 rs.
dem regular a 500 rs.
Charutos dos melhores fabricantes da Babia Massas para sopa : macarro, talharim e ale-
e especialmente da fabrica imperial de tria a 480 rs.
Candido Fe reir Jorge da Costa, a 10800, Nozes muito novas a 160 rs. a libra.
20000,26200, 20500, 20c 00, 30000 e Peixe em latas preparado pela primeira arte
30500 a caixa. I de cozinha a 10 rs. a lata.
Caf do Rio muito superior a 260, 280 e Palitos do dentes a 160 rs. o masso.
300 rs. a libra e 70500, 80 o 80500 rs. a Palitos de dentes a 120 rs.
arroba. dem de flor a 200 rs.
480, 500 eW>0 rs. a garrafa e 30, 305OO
e 40 a caada,
dem branco de Lisboa muito fino a 500 s.
a garrafa,
dem de Bordeaux, Medoc e S. Julien a 700
e 800 rs. a garrafa, e 70000 c 70500 rs.
a duzia.
IdemMorgauxcChateauluminide 1854, a 10
a garrafa.
dem moscatel a 800 rs. a garrafa.
Vinagre de Lisboa a 200 rs, a garrafa e
10200 rs. a caada.
Kjrok garrafas muito grandes a 1>8(!0 re.
Alm dos gneros cima mencionados te-
mos grande porgo de outros ; .ii.os
de mencionar, e que ludo ser .vmdoiJor
pegas e carnadas, tanto em porgoes corft%
retalho.
Quena comprar de 1000000 para cima to-
ra o abate de 5 por cento.


-''i*


;>< AM|



Diarlo lie Pera.imfcneo exta felra r!e Pcvrrelro de 14ni.
ATTENCAO I PECMNCEA
9 I, VIU.O DO C A11310 O
GRANDE SORTIMENTO
tmio MUMCA non E
NO
ARMAZEM
ATTENCAO
AOS
A FESTA.
DUARTE & C.
Participan* aos seus numerosos freguezes e ao publico em geral que acabara de
recebet de sua propria encommenda, o mis lindo e completo sortimento de molhados,
os quaes ventera por grosso e a retamo por menos 10 por cento do que outro quaJqoer
annunciante, :omo verio pela seguinte .abella que abaixo notamos, garantindo os raes-
nios projirietcrios nao so o peso como i qualidade de seus gneros.
AVISO.
Todos ossenhores que compraren para negocio ou casa particular de 100(5 para
cima terao mais 5 a 10 por cento de abitimeoto, os proprietarios scientifleam mais que
loaos os seu?. gneros s3o recebidos de sua propria encommenda, razo esta para pode
ve:ider por muito menos do que outro jualquer estabeleciinento.
iteiga u\'j i.'za flor a 8oo rs. a /ibra. I Vellas de carnauba e coraposico de 32o a
Castauu u m lito novas a 2,ooo rs. a cai?.a, e \ 36o rs. a libra e de io.ooo a H.ooo rs. a
a llio rs. a libra.
Biiuho t'raocez e em caixinhas de 7oo a
|,5oo rs. cada urna.
dem fr ib eza a mais no*a do mercado a 56o
rs. a libra, e 34 rs. em barril.
dem de porca refinada muito alva 46( rs.
a libra.
Przu:ito para fianbre a 8oo rs. a libra
Cha axis) roiu linao vindo de conti propria,
o melhor do mercado a 2,8oo r.s. a liara.
Idsm hysoa de superior qualidade a 2,6oo rs.
a libra.
Idea pirla o melhor que se pode desejar a
2,7o> re. a libra.
dem preto muito fino a 2,5oo rs. a libra,
dem miis baixo pouco a 2,ooo rs. a libni.
ld.'.a mais baixo a l,8oo rs. a libra.
Vinho do Alto Douro rindo do Porto engar-
rafado g.irante-se a superioridade dest; vi-
nho, das segtiintes marcas : Duque, Ge-
nuino, velho secco, especial lagrimas do-
arroba.
Genebra de Tollanda em botijas de conta a
410 rs. a botija, e em duzia ou em barrica
ter abatimento.
Massas para sopa macarro, talharim e aletria
a 48o rs. a libra e em caixa ter abati-
mento.
dem estrellinha, rodinha e pevido em caixi-
nhas de 8 libras, muito boro enfeitadas de
2,5oo a 3,5oo rs. a caixinha e a 6oo rs. a
libra.
Boce de goiaba em caixas de diversos taraa-
nhos de 6oo a l.ooo rs. o caixo
Sabao massa de 2oo. a 24o rs. o melhor, em
caixa ter abatimento.
dem hespanhol a 28o rs. a libra.
Peixe em latas muito novo ; savel, pescada,
/
DO
IO LARGO HA PEA II 1 O
Francisco Fernandos Dnarte dono deste muito acreditado armazem
de molhados, acaba de receber neste ultime vapor os mui desejados gneros escolhidos
por elle na Europa, todos muito proprios para a festa os quaes est resilvido a vender por
| precos baratissimos como verao pela seguinte tabella, e mesmo pede a todos os Srs. da
praca, de engenhe e lavradores para que mandem suas relacoes para serem despachadas
no armazem do Progresso do largo da Penha n. 10, afina de verem i grande vantagem
que tiram, tanto na superioridade dos gneros como nos precos asss resumidos,
os Sr. que nao poderem vir podero mandar seus portadores ainda que nao teoham pra
tica, que serae tao bem servidos como se viessem pessoalmente.
interesse que tira o proprietario deste acreditado armazem. j;i deve ser bem co-
nhecido pelos seus nomerozosfreguezes, pois simplesmenteconsiste en servir bem e ga-
nhar pouco, afim de conseguir a coatinuaco daquellas pessoas, que a priweira vez se dig-
narem honrar o seu estabelecimenio.
Queijos flamengos chegados nes ultimo Araruta verdadeira a 32o rs. a libra
vapor a 2,ooo rs.
dem do vapor passado a l,8oo rs.
dem prato muito uovos e de superior qua- Sag muito novo 24o rs. a libra.
lidade a 4oc
libra.
Doce de goiaba
libras por 6oo rs.
dem mais baixo a 54o rs.
Manteiga ingleza flor a mais superior do
mercado a 72o rs. a libra.
PROGRESSISTA
RA DAS CRUZES A. 36
E
RA DO CRESPO N. 9
No bal no de Santo Antonio.
Joaquina fos Gomes de Souza tem a honra de participar ao reapei-
; tavel publico, que tem resolvido vender os seus gneros de primeira qualidade por menos
Farinha do Maranho mulo al va e cheirosa
a 12o rs. a libra.
i 4oo rs. inteiro, e a 5oo rs. a
fino em caixes com 2
Sevadinha de Franca a 2(o rs. a libra
Sevada muito nova a loo -s. a libra.
Cominhos, ervadoce e pimenta do reino a
36o rs. a libra.
Genebra de Hollanda a 5,5oo rs. a Irasquei-
ra com 12 frascos, e a retalho a 5oo rs.
cada um.
10 a 20 por cento do que outro qualquer aiuiunciar, como se v do presente anniincio,
asseverando o proprietario d'estes armazens a aquellas pessoas que frequentarera estes
estabelecimentos, que nunca terao occasio de reclamar qualquer genero, visto ter-se
adoptado n'eslas casas o ptimo svstema de s se negociar com gneros especialmente es-
colhidos.
dem de segunda qualidade a 64o rs. a libra. dem em botija hamburg cza a 4oo rs.
Manteiga franceza de primeira qualidade a Genebra de laranja a 1 ooo rs. os frascos
56o rs. a Libra, e 52o rs. em barris ou grandes.
meios. Vinho de caj o melhor que ha no mercado
Cha perola neste genero nao ha nada a de- a l.ooo rs. a garrafa.
sejar, e de especial qualidade, mandado Palitos do gaz a 2,3oo r.;. a groza e 2e rs.
vir de conta propria a 2,8oo rs. a libra. a caixinha.
dem huxim o melhor do mercido a 2,6oo. dem de dentes lixados a 16o rs. o maco com muito superior a iCoof's'oQO e 6 000 rs a
CHA
hysson, uxim e perola a 2.400, 2,600 o
2,800 rs. a libra.
CAF
muito superior, do Rio e do Cear a 8,000
c 8,400 a araoba e 300 rs. a libra.
VINHO
de Lisboa e da Figueira a 3,500 e 4,000 a
a caada,
do Porto engarrafado de diversas marcas a
1.000 rs. a garrafa.
Brdeaux de diversas qualidades a 7,000,
8,000, 9,000 e 100 a duzia.
CI1A.MPANHE
a melhor que temos neste mercado a 20,000
rs. o gigo.
CERVEJA
ing
rs. a libra.
dem de segunda qualidade a 2,ooo
Libra.
dem hysson muito superior a 2,-5oo rs. a li-
bra.
dem preto hemeopathico muito fino a 2,ooo
rs. a libra.
Bolactnha de soda chegada neste ultimo
2o macinhos.
rs. a Ervilhas seccas chegadas neste ultimo navio
a 16o rs. a libra, e era porco se faz aba-
timento.
Banha de porco refinada i 48o rs. a libra e
42o rs. em barril.
Vinho branco de superior qualidade proprio
para missa a 64o rs. garrafa.
duzia.
GENEBRA
de Hollanda em frasqueiras a 5,500 e 500
rs. o frasco.
BOLACHINHA
de soda em latas grandes a 2.000 rs. cada
urna.
navio a 1,35o rs. a lata, deste genero ha(Ameixas francezas em oaixinhas elegante- nglezas em barricas a 4,000 e 240 rs.
grande porco e de differentes marcas,
que se vendem todas pelo mesmo proco a
vontade dos compradores.
Iem em latas grandes a 2,ooo rs.
preparada de escabeche 2." a arte de cosi-
nha de l,2oo a l,8oo rs. a lata.
i Figos em caixas de 1 arroba, V* e 8 libras
a 8,ooo 4,ooo e 2,ooo rs. a caixinha.
ees de 1819, vinho especial D. Pedro V., Barris de vinho bnnco de Qt0 marca B
vinho velho, Nctar superior de 1833, Da-, A FiIho a 60ooo rs 0 bar4ril.
que do Porto de 18.14, vinho do Porte ye- Marmela,li imperial dos m-Inores conservei-
ltio superior, madeira secca de superior m. lle Lisboa a liio rs a, ;li|lha(le { ,ibra
I 'J'V,r ,'^'7 d PrtH STr r LU" ha lalas e 1 s e 2 libras.
iz le 18*7. lagrimas do Douro es pe- Massa lie tomate em latas douradas de 1 libra-
ciai. vii,-io do Porto de l.oooa l,2oo rs. i a q^0 rs a |ata
a garrafa e de lo.ooo a 14,ooo rs. a ciixa Araiixns f :;lliceza.: em caixinbas eleganle.
oom .i:ni fizia. mente e,lf(,t;lll;,s ()|l | :;oo i^000 rs< a
Bolac :,;1|1. de soda especial encommenda e a caixinha Umh(m lia lala3 de j ,, a b.
mais nova que ha no mercadea 2,2oo rs. a bras de I>2oo 45no rs a ,ata
; .. dem em friscoi (omtampa de rosca a l,6oo
J. toi mglezes das memores marcas em
Latinhasde 2 libras a l,3oo rs. a lata.
Idea nglezes craknel em latas de 5 e 7 li )ras
de 5, ioo a .OOO rs. a lata, e em lib-a a Conservas nglezas das seguintes marcase
800 1-5. Mixde-Picles e cebollas simples a 75o rs
Queijos ao remo chegados pelo ultimo v; por 0 frasco
a 2.5o.) rs. cada um. i AnC0rtas "de vinho colare
corvina, salmao e outra* muitas qualidades! dem propria para lanche em latas grandes
rs. o frasco.
Chocolate portuguez, hespanhol, francez e
suisso a l,2oo rs. a libra.
a l,9oo rs.
Marmelada imperial dos mellu res fabrican-
tes de Lisboa a 64o rs. a libra.
Frutas em calda em latas de l.ooo a 5oo rs.,
neste genero ha diversas qualidades a es-
colher.
mente enfeitadas com ricas eslampas
l,2oo, l,5oo e 2,ooo rs. cada urna.
dem francezas em frasco de vidro com tam-
pa do mesmo contendo 1 Vs libra a l,2so
rs. s o frasco val qua se o dinheiro.
dem em latas de- 2 libras por l,4oors.
a retalho, e a 800 rs.; libra.
Figos de comadre muitc novos era bahuzi-
nhosmuito proprio.5 p; ra mimo al ,28o rs.
dem em caixas para retalho a 16o rs. a
libra.
Champanha superior das marcas mais acre- Passas de carnada a 48o rs. a libra e era
ditadas a l,3oo rs. a garrafa e 15,ooo rs. I quarto com 8 libras por 2,5oo rs.
o gigo. Bolaxinhas inglezas de sjperior qualidade a
marcas que vem ao 2,ooo rs. a barrica, e i 2oo rs. a libra,
garrafa e a 5,ooo rs. Chocolate francez o melh u- que se pode de-
sejar neste genero a 1 000 rs. a libra.
Macas para sopa estrelinra, pevide, arroz de
maca a 48o rs. a libra, e em caixa a 2,ooo
Vinho Brdeaux de differe.ntc.s marcas, e as rs. cada urna, macarrao, talherim, e ale-
melhores do mercado a 7,000, 7,5ooe tria a 4oo rs. a libra.
8,000 a caixa com urna duzia, e em gar-j Amcndoas de casca moie a 4oo rs. a libra,
rafas a 64o, 7oo e 800 rs., garante-se a j Avelans muito novas a 2oo rs. a libra,
boa qualidade. [Ervilhas francezas mui o novas em latas
Libra*
B1SC0UT0S
em latas de todas as qualidades, a 1,300 rs.
cada lata.
ARROZ
da India e do Maranho a 2,600 e 8,000 a
arroba e 100 rs. a libra. '
muilo nova
libra.
CEVADA
a 2,500 a arroba
e 100 rs. a
Serveja das melhores
mercado a 5oo rs. a
a duzia
dem preta superior a 56o rs. a garrafa e a
5,4oo rs. a duzia.
dem prato a 7oo rs. a libra.
a 72o es. a garra f
es a 50,000 rs., e
em pipa das mais acreditadas marcas Sardinhas de Nantes a 32o rs. a latinha.
mo sejamBd F., PRR, JAA, outras Charutos das mais acreditadas marcas de
muir.-? marcas, Porto, Lisbrr e Figue ra ; 2,5oo a 4,000 rs. a caixa.
de 18o, Soo, 56o, 64o e8oo, rs., e o do Champagnln; a melhor do mercado de 12.ooo
Puto lino em garraa, e em Cuna, a a a24,ooo rs. o gigo, e de I,2ooa2,ooors. a
3.000, 3,5oo, 4,oooe 6,5oo rs. o melhor ( garrafa.
"0 Porto- Papel greve pautado ou liso a 3,5oo rs. a res-
Idem Figueira de superior qualidade a 48o
rs. a garrafa e 3,5oo rs. a caada.
dem de Lisboa a 2.8oo rs. a caada e 4oo
rs. a garrafa.
dem do Porto de superior qualidade para
grandes a 64o rs.
dem em ditas pequeas 1 4oo rs.
Ma?a de tomate em latas de 1 e 2 libras a
64o rs.
Salmao em latas de 1 Vi libra a 800 rs.
dem Bordoaux das mais acreditadas marcas
a 7oo rs. a garrafa, e a 8,000 rs. a caixa.
Garrafoes com 5 garrafas de superior vinho
(11 Pulo a 2,2oo rs. com o garrafao.
dem com 5 garrafa de vinho da Figueira mais
proprio pira a nossaestaco porstr mais
1 a 2,4oo rs. com o garrafo.
dem com 5 garrafas de vinagre a l,2oo rs.
com o garrafao.
Vi-iho hranxio mais superior que ven. ao
nosso mercado a 56a rs. agarrafa, e a
4.3oo rs. a caada.
Velas de esparmacate as melhores neste ge-
nero de 56o a 6 lo rs. o maco, e em cai-
xa ter grande abatimento por haver
grande porco.
Azeile doce em barril muito fino a 64o rs.
a garrafa e 4.800 a caada,
dem francez refinado a 800 rs. a garrafa.
ErvilliLis francezas e purtuguezas a 64o -s. a
lata,
i: i eom doces seceos de Lisboa de 3oo
a 3,5oo rs. cada urna.
T ; inho deLisboa 3 3oo rs. a libra. 3 a
9,000 as. a arroba.
N es muilo novas a 16o rs. a libra e 4,800
rt. a arroba.
na.
dem de peso pautado ou lizo de 3,5oo a
4,ooo rs. a resma.
Gomma muito lina e alva a 80 rs. a libra.
Milho alpista e painso de 16o a 2oo rs. a li-
bra.
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a grosa e 2oo rs. a
duzia.
Vasos inglezes de 4 a 16 libras vasios, muito
proprio para deposito de doce manteiga
ou outro qualqer liquido de l,ooo a
3,ooo rs. cadi um.
Licores das melhores marcas e mais finos
i a 1,00o rs. a garrafa e em caixa ter abati-
mento.
Cognac verdadeiro inglez a 9oo rs. a garrafa
e lo.Soo rs. a caixa.
Chouricas as mais frescas do mercado a 800
rs a libra.
Genebra de laranjr em frascos grandes a
l.ooo rs. o frasco.
'Serveja das mais acreditadas marcas de
5,5oo a i*),5oo a duzia e de mais a 5oo rs.
a garrafa,
dem em botijas e meias, sendo preta da
muito creditada marca T de 6,5oo a 7,8oo
rs. a duzia.
Ceblas em molhos grandes a 800 o molho
Caf de I.*, 2.* e 3.1 qualidade de 26o, 3oo ] 640 o cento, R a 6,5oo rs. a caixa -''"
e 36o rs. a libra, do Cear de 7,8oo, 8,(oo, | Pimenta do reino a 34o rs. a libra,
e 9.200 rs. a arroba do melhor. Farinha do Maranho a 14o rs. a libra.
Arroz da India, Java e Maranho de 2,8oo a Tijolo para limpar facas a 16o rs. cada um.
3,ooo a arroba, e de 80 a loo rs. a libra. Cominho a 4oo rs. a libra.
Passas muito novas a 8,5oo a caixa e 5oo Erva doce a libra.
a libra, ha caixas meias c quartos. Canella a l.ooo rs. a libra.
Sevadinha de Franca a 24o rs. a libra. j Batatas a 1,00o rs. o gigo com 32 libras liqui-
Sag muito rovo a 28o rs. a libra. das e 3,ooo rs. a caixa de duas arrobas,
38RA DO IMPERADOR38
mesa a 560 rs. a garrafa, e 4,ooo rs. a ca- Lagoslinho em latas grai des a l,4oo rs. ca-
ada, da urna,
dem fino do Alto Douro da cclheita de 1833,' Sardinhas de Nantes a 33o rs. a lata.
como sejam: D. Luiz,Feitcria velho, Nec-.Cognhac inglez a 800 rs. a garrafa.
tar, Carcavellos e Camoes em caixa de Licor francez das melho es marcas do mer
urna duzia a 9,ooo rs. cado a 800 rs. a garra'a.
Lagrimas do Douro, especial vinho do Porto Batatas chegadas neste ultimo navio em cai-
a l.ooo rs. a garrafa e lo.ooo rs. a caixa. xa com duas arrobas )or l.Coe rs., e 4o
Duque do Porto, Madeira seixo, duque ge- rs. a libra.
nuino, lagrimas doces a Ooo rs. a garra- Concervas inglezas a 75o rs. o frasco.
fa e 9,5oo rs. a duzia. Sal refinado em potes a oo rs. cada um.
Garrafoes com vinho do Porto a 2,2oo rs. Mostarda ingle'.a a l,ooo rs. o frasco.
cada um. dem franceza a 4oo rs. ( pote.
Vinagre de Lisboa de superi'M- qualidade a Mdho alpista a 16o rs. a libra e 4,800 rs.
2oo rs. a garrafa e l,2oo rs. a caada. "arroba.
Azeite doce refinado em gairafas grandes a Graixa muito nova em !atas grandes a 120
800 rs. res.
dem de Lisboa a 64o rs. agarrafa, e em Latas com peixe em posta ermeticamente
caada a 4,8oo rs. lacradas das melhores qualidades de pei-
Presuntos inglezes para fiambre a 7oo rs. a xe que ha em Portugal a l,2oors.
libra. Caf lavado de 1* qualidide a 32o rs., dito
dem de lamego encommenda particular a de 2* a 28o rs. a libra e 8,2oo rs a arro-
48o rs. a libra, e inteiro se faz abatimento, ba. dito de 3' a 26o rs. a libra e 7,8oo
Toucinho do reino o melhor do mercado a rs. arroba.
320 rs. a libra, e em arroba a 9,ooo rs. Charutos suspiros dos n elhores fabricantes
Velas de espermacete de 4, 5, e 6 por libra j de S. Eelix a 2,5oo rs a caixa com loo
a 560 rs., e em caixa se faz abatimento. i charutos,
dem de carnauba refinada a 32o rs. a libra dem finos de diversos f; bricantes
GOMMA.
muito superior em saceos com quatro arro-
bas a 2,000 e lOOrs. a libra.
CASTANHAS
piladas muito novas a 320 rs. a libra.
PASSAS
as mais novas do mercado a 8,000 a caixa e
e 500 rs. a libra.
AMEIXAS
francezas em lalas de 1 e 1|2 libra a 1,000
rs. a libra.
SARDINHAS
de Nantes muito novas a 300 rs. a lata.
CONSERVAS
a 8.500 a duzia e 760 rs. o frasco.
SAL REFINADO
em frascos de vidro com tres libras a 600 rs.
PEIXE
em latas ermeticamente lacradas a 1,000
rs. cada una.
PORVOS
do Porto muito bem conservados a 500 rs.
a libra.
MUSTARDA
preparada muito nova a 400 rs. o frasco.
MARMELADA
dos melhores conserveiros a 640 rs. a libra.
ESPERMACETE
muito superior a 560 rs. a libra, e em caixa
a 550 rs.
CHARUTOS
da Bahia a 1,600. 2,200, 3,000 e 4,009 rs.
a caixa.
TOUCINHO
muito novo a 9,000 rs. a arroba e 300 rs. a
libra.
ERVILHAS SECCAS
as mais novas do mercado a 120 rs. a libra.
PALITOS PARA MESA
muito bem feitos a 160 rs. o mago.
VINAGRE
de Lisboa PRR a 240 rs. a garrafa e 1.600
rs. a caada.
AMENDOAS DE CASCA
as mais novas do mercado a 240 rs. a libra.
FARINHA DE ARARUTA
verdadeira e muito nova a 400 rs. a libra e
10,000 rs. a arroba.
ERVA DOCE
muito nova a 300 rs. a libra c 9,000 rs. a
arroba.
COMINHOS
os mais novos e mais superiores a 400 rs. a
libra.
NOZES
muito novas a 160 a libra e 5,000 rs. a ar-
roba.
SAG
o melhor que pode haver neste genero a
2*0 rs. a libra.
MASSA DE TOMATE
em latinhas de 1 libra por 800 rs. a lata.
SABO MASSA
neste genero ha sempre tm grande sorti-
mento variando o prego de 120 a 240 rs.
por libra.
MAIS ATTJKi^AO
Existe alem d estes gneros, um explendido sortimento de phosphoros, fumo, al-
pista. peras em calda e seccas. figos, copos finos para agua, massas para sopa, azeite, ca-
nella, pimenta, velas de carnauba, banha de pono, papel, e outros muitos gneros, de es-
tiva, que todos sero vendidos por mdicos precos.
Tendo o proprietario dos armazens do progressista deliberado nao concordar
com a hga da Unio Comniercial, Clarim, Allianca, etc., etc., etc., declara que s con-
corda em alliar-se aos seus freguezes, fazendo com estes urna liga de interesses leciprocos'
tendo os seus alliados a faculdade de comprarem por precos muito em conta o bom fiam-
bre, o formidavel queijo e a saborosa bolachinha de sola, que fazem urna boa allianca
a coma superior champanhe e o porto fino, nicos que sabem imitar a uniao destes ar-
mazens com os seus concurrentes. Viadfl, senhores, aos armazens, aonde podis d'en-
tre um muito explendido sortimento de saborosos alimentos, escolherdes os que mais
vos apetecer, certos de que nunca tereis occasio de arrepender-vos de gastar o vosso
dinheiro nestes estabelecimentos.
1 ^,11 \w ^
Asna natmral de Con I illa r.
rrr im rpwmrnenilada as affengaes do tubo pastro-inleftmal, 1)03 dosr.n-, e bexica ourinaria, pelas
1 propriedade* alcalinas, e o acido carbnico que naiiualmcnle contin eni susni-nsao, de preco
e 9,ooo rs. a arroba,
dem de carnauba pura do A racaty a 4oo rs.
a libra e lo,5oo rs. a arroba.
Gomraa muito fina e alva a 80 rs. a libra.
a l,6oo
l,8oo e 2,000 rs. a caixa cora loo charu-
tos, !o prego nao indi -a a boa qualidade
porm deera-se ao tra lalho de virem ou
mandarem e vero a iealidade.
POR S DE IO POtt CESTO.
NO
CONSERVATIVO
DE
joimiw simio nos namtos
23Largo do Terco~23.
O proprietario deste armazem do raolliados vende os seus ja bem conhec dos peneros de pri-
meira qualidade por menos de de;-, por cenlo do que em outra qualquer part', g nanlindo-se a supe-
rior qualidade.
IVo se diz o preco mi espantar.
AURORA BRILHAN1E
LARGO DA SANTA CRUZ N. 84.
O proprietario do grande jirmazem de molhados denominado [Aurora Brilhante. acaba de SR
reduzir o preco dos seus gneros, precos esles que muito bao de agradar aos santores com-
pradores.
FARINHA FONTANA.
Fai iiiii da muito acredita a marca
Fontana "tseilhtrcMa hoje, vendr-se
Mr prM-o mais cnmmnrf do que em
qaahjHei- outra paite : na na da Cruz
n. 4 asade \. 0. Biei>cr k i. Mfesea-
sorttt
Ferros vapor.
- acr 'dilado- ferro- i. vapor :
Vpu I... ir i u.i do Quonado D.32,/tzevtdo i\ Ir nao
(MIH2S!I0\
Vendera-se Iarris com cal ties-
ta proccdriiriia. em pedra. -llega-
da hoje, c unir nova, que ha no
mercado, na ra do Trapiche n.
13, armazem de ilanoel Teiiei-
ra llasto.
Calcado com elstico estragado.
Ifirzeguin-s fatpJMkn de verniz para homem a
.15, ditos para meninos a 2$ : na praea da Inde-
pendencia, hija do Arantes.
Vinho as melhores marcas.
Manteiga ingleza flor.
Mein [raneeza.
Banha de porco refinada.
Vellas de spermacele.
dem de rarnanba.
Caf bom do Rio.
; Mein superior do Cear.
i Toucinho de LisbAa.
Cha de diversas qualidades.
Queijos novo-; ilo vapor.
Milho alpista limpo.
Gomma deengunmar alva.
Sabio de diferaM qualidades.
Chouricas muilo novas.
Arr07.de diversos precos.
Ser/eja das melhores marras
Sardinhas de Nantes novas.
Genebra de laranja superior.
dem do Hullanda marca Gallo.
I'hosphoros do yaz.
'iiaeiiiniia iajtam em barricas.
Paaaas muito amas.
Figos de primeira qualidade.
lironlos e bolachinhas de soda.
Charutos de diversas qualida les.
Alm dos gneros annunciados existem outros muittM que asfadonno iiijuciona-los, a dinhei-
ro contado.
(IOIJIH
Vendem-se globos de barro vidrado da fabrica
de Santo Antonio no Porto, proprios para jardim e
frentes de casas: na ra do Amor m n 46.
Farinha superior d S ma Catharina.
Vende-se em porco ou 3 retalho, a bordo da
barca Iris, atracada ao trapiche do Barao do Li-
vramento, ou no escriplori) de Antonio Luiz de
Oliveira Azevedo c c, ra di Cruzn. 1.
yg. Manteiga ingleza flor a "*) e .
** Hita hamburgueza muito nova a
m Dita franceza a Sil) o 560 rs. e em
^ barris a......
B Queijos do reino noves a 2,8300 e .
Mg Presuntos novos de Lamego, libra a .
jto Chouricas do reino novas, libra a
^ Espermaceti muilo fino a 720, 6i0 e .
*>~ Vi-las de carnauba arroba IO o libra
^ 360e .
m Cha hysson muito superior a 55'i00 e
w Dito |K.T0la a
g,'. Dito miudinho a 25S0O o
S} Hilo preto muilo superior a I3S00, e
j Lalas com bolachinha de sola de 5
H libras a......
R Ditas com biscoilos de varias (pulida-
des.....'. .
jg Doce de goiaba e banana fino a WO,
V* 560 (caix.o) e
j$$: Marmelada nova dos melhores auto-
Hj; res. libra a 640 e ....
^ Lalas com peixe savel, canino, fango,
1^ congro, salmonte c outros inultos
*; bem preparados a ...
w Sardinhas de Nantes, latas a .
B Fraseos com genebra de Hollanda da
|Mg verdadeira. a 500 e fr.is pieiras a
WL Garrafdesconi genebrade Ws-arrafin i
H Frascos com genebra de laranja a .
j Vinhos da Figueira e Lisboa, a 400,
m QQ e...........
;H Dito lo Porto lino a 640, 720 e .
Hilo branco proprio para missa a .
Serveja de boas marcas a 500 rs. a
garrafa e a duzia a.....
Cognac verdadeiro, a garrafa por.
Vinhos linos eiwsrrafados no Porto, a
520
35000
480
MO
600
320
24700
25W
.'15000
25250
35000
15100
640
ct
720
800 hqo nnscatel e Seiubal a 800 e
O Licores linos a 800, 15000 e
Caixinhas com ameixas muito enfei-
I.idas a IJttOO
Lalinhas com ditas a 15500, 25 e
Ditas com figos de comadre novos a
I5500e.......25000
Ditas rom ervilhas franceas o portu-
guezas a
Di las cent ostras a
>ilas rom massa de tomates
Ditas com fructas de Portugal a5V)e
Aceitosas de Uvas em frascos a
Frascos com conservas a 750 e .
Ditos com mostarda franceza a .
Macos com 20 macinhos de palitos de
dentes a.......
Tijolos de limpar a.....
Araruta verdadeira vinda de encom-
menda, a libra a.....
Gomma de engommar a 25400 a ar-
roba e a libra a 100 o .
Tapioca minio nova, a libra a 140 e
15000 Brvrrhas secas egrao4e bico, a libra
(1 Mas-as para sopa, macarro, talharim
e l'tria, a libra.....
54300 Dit'S brancas, vindas de Lii-boa, a .
85000 Pevide, eslreHinhas e miaban a .
I500O Cit de primeira sorte, a libraa 280e
Sabio verdadeiro hespanhol, a libra .
500 Dito massa a 160, 200, 240 c .
80!) Alpista a 45t<00 a arroba e a libra .
tiil) l'.iinco a 55 a arroba ea libra
Ameiiiloas de casca maleta 360 e dora
55850 Afeite doce refinado. I girrafa a SOOe
15000 Mullios com mala de 100 ceblas a. .
Castanhas novas, a libra ....
Ifi-OOOvozes, a libra......
15500
15280
25000
3*800
640
720
600
640
800
800
500
200
140
300
garrafa por 15, 15200 e
A por presos muito cemmodos.
da melhor qualidade
>9*?.v?Tr>S<
:i:
m
' '


("**"'

Dlarl* de Pernamhne sexta feira de Fcverelro de t Hl.



-

ALLIANCA
DE
MOLHADOS
0 uiiico que mais vantagens offerece ao publico.
57 RA DO IMPERADOR 57
DE
Paulo Ferrelra da Silva.
0 proprietario deste grande ostabelecimento de nmlhadns, iveelte por todos os
vapores e navios os melliores gneros que van ao mercado, os quaes vendo ein sea ar*
mazem pelos mais resumidos pregas.
Tendo chegado pouos da Eoropa, Muida deiaM pessnas encarregadas pan a es-
coma de seus genros, tem a honra de annimciw ao respeHavel publico, que oingaem co-
mo ,'iie pode vender Bo barato e por tao resumidos procos; serviodo como costumaaos
seus ficuezes com os melboros gneros que so pode desejar.
ATTENO.
Querendo o proprietario deste tao ulil osUibolocimento a concurrencia da boa
freguozia, toin deliberado vender sempre por menos do que nutro qualqiier, garaotodo
aos bous fogueaos iodo o qoalqaer genero sabido de son acreditado armazem.
Maoteiga ingleza a mais nova o lina ehegada Vi rwa>*i li ninas a oGors. a libra o em Caixa
ni sii' ultimo vapor a 800 re. a libra e de 8; a 5io rs.
libra para cima tera abatimento. dem de carnauba pura c refinada a GO rs.
ldom francesa a melbor c mais superior do a libra o 10,ooo a arroba.
nosso n\ercado a 58o rs. a libra e 52o em' dem de compnsiriio emmacadas a 32o rs.
barril ou meios. o mago e 9,ooo rs. a arroba.
Banha de parco refinada o milito alva a iio Massa de tomate em latas a 6oo rs. a libra.
rs. a lilua, e embarrila loo rs. D'*ce em calda das mais espa-iaes fruas da
Cha liysson o melbor neste genero especial Kuropa a (oo rs. a lata.
eneomtiieiida do proprietario a 2,7oo rs. a Ostras em latas muito bem preparadas a
libra. s~ l.ooo rs.
dem dem menos superior eque em outras Peras seccas muito novas a 5oo rs. a libra.
casas so venda a 2,tfoo rs., custa neste ar-' Missas para sopa ostrellinha muito nova em
nuwm 2,2oo rs. a libra. caixas de 8 libras a 3,oooe 5oors. a libra,
dem uxim o melbor que pode baver neste Id mi talbarim, macarrlo o alotria a 4oo rs.
genero a 2,6oo rs. a libra, garanto- sea qua- Id 'in macarra" mn pouco mais baixo a 24o
idade. rs. a libra,
ldom proto muito especial a 2,ooo rs. a li- Stvadinba muito nova de Franca a 2oo rs. a
bra, e mais liaixo, porem muito sufrivol a libra.
l,2oo rs. a libra, vendo-so por eos em razao co Bastea ltimos navios ler- libra.
se rorobido grande p irrito doslo genero, Fi.rinha do Manubrio a melbor que presen-
a deferenca de proco lio de 6oo a 8oo rs* teniente tem vindo ao nosso mercado a
a libra do que se vende en oulra qualquer I o rs. a libra.
parla G ldom do rio em latas de 1 at O libra a l,4oo| a libra.
rs. a libra, reste genero o melhor pos- Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
sivel. libra.
Bisautos inglezes em latas com dilorentos Li < -os muito finos de Bordeaux e toda as
(liiulidados ioii sejSo eraknel, victoria marcas que ha neste geneiv. a 8oo, l.ooo
pie uic, soda, captaim. seed, osborne e ou- c l,2oo rs. a garrafa.
tra muitas marcas a 1,35o rs. a lata. I'l osforos do gaz a 2oo rs. a duzia e 2,2oo
Bolaxtnha de soda em latas grandes a 2.ooo rs. a groza*
re. cada urna. j Bolaxinha americana em barrica a 3,ooo rs.,
Figos em caixinhas hermiticamente lacradas e em libra a 2oo rs.
e mudo proprios para miino a l,6oo e Tijolopara limpar facas a 42o rs. cadaum.
2,tioors. caria urna. i Vissouras de piassaba com dous arcos de
dem em caixinlias de 8 libras a 2,ooo rs. ca- ferro prendendo O cabo a 32o rs. cada
da nma. | urna.
Passas muito novas a 8,ooo rs. a caixa e 48o Escoras de piassaba proprias para esfregar
rs. a libra. casa a 32o rs.
Ameixa francezas em latas de libra e meia e (Sardinhas de Nantes muito novas a 32o rs.
3 libra a l,2oo 2,ooo e 8oo rs. a bbra. a lata.
Caixinhas com ricas estampas a l,4oo rs. Peixe em lata muito tem preparado savel,
cala urna, frascos de vidro com ralba do curvina pescada e outros a l.ooo rs. a
inosmo, contendo libra e meia de ameixas.
Champagne da marca mais superior qua Un
viudo ao nosso mercado a 18.000 rs. o gi-
go, o l,8oo rs. a garrafa, garante-so a su-
perior qualklaile.
Vinlio bui deaiiv las melliores qualidades que
se podo desejar a 7,ooo e 7,ooo rs. a cai-
xa o 04o re. a garrafa.
aiitfl mam Violto do Porto superior de 9,ooo
lata.
Ervhas porluguezas e francezas j prepa-
radas a 64o e 72o nfc. a lata.
Caf lavado de primeira sorte a 3oo rs. a
libra, e 8,5oo a arroba.
dem do Rio muito bom a 28o a libra e
8,ooo rs. a arroba.
Arroz do Maranbao a loo e 120 rs. a libra.
dem de Java a loo rs. a libra.
e lo.ooo rs. a duzia, e 9oo o l.ooo rs. a, Amoudoas de casca mole a 4oo rs. a libra.
garrafe, oeste generaba grande porcoede
diilerentes marcas muito acreditadas qua
j se vendern por 14,080 15.000 rs. a cai-
xa como soja. Duque do Porto, lagrimas
da Douro, Luiz, Camoesi Madeira sec-
(ii Nedar i (entinto I malvasio linoe ou-
tras como Cnerry e Madeira para 12,ooo e
13,ooo rs. a caixa.
Vinho de pipa Porto, Lisboa, Figueira, a 4oo,
48o, r 56o rs. a garrafa, 3,000 3,2oo e
:t..'i io rs. a caada.
dem branco o melhor neste genero vindo de
ciicomiiienda a Goo rs. a garrafa, e 4,5oo
rs, a caada.
dem do Porto em barril muito especial a
Ci rs. a garrafa, o 5,ooo rs. a caada.
Vinagre puro de Lisboa a 2oo rs. a garrafa e
l,4oo rs. a caada.
dem em garrafbes com 5 garrafa.
A/.oile doce de Lisboa superior qualidado a
(iio rs. a garrafa e 4,8oo rs. a caada.
Baatas em gi^os de trinta a trinta e tantas li-
Itra a 8oo rs. o j-lgo e 4o rs. a libja--NvNL rs. a duzia, que ein oulra qualquer parlo
Genebra do Noli; ma a mais superior a 6,ooo >t-i e 8,ooo rs.
Aviaos muito novas a 2oo rs. a libra.
Nozes muito novas a 2oo rs. a libra.
Chourioas e paios a 7oo rs. a libra.
Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra ou a
3,5oo rs. a arroba
Presuntos de lamego de superior qualidado
chegados neste ultimo vapor a 48o rs. a
ibra.
Alpista muito novo e limpo a 16o rs. a li-
ira e 4,6oo a arroba.
Pnico muito novo a 18o a libra e S.ooors.
a arroba.
Sabao maca, amarello e castanho a 22o e
4o rs. a libra,
dem mais baixo un pouco a 10o, 180e2oo
-s. a libra.
Castanbas pelladas a 2io rs. a libia,
r.b tcolate franco/, do primeira qualidade a
1,200 rs. a libra.
blria de Santo muito superior e medicinal a
l,3oo rs.
Coios lapidados proprios para agua ao.ooo
is. afrasqueira o ."(io rs. o frasco.
idem em garrafikw coin2;) garrafas a 8,ooo
rs.
Sorveja das melliores marcas do 5,ooo a
5,5oo a duzia e 5oo rs. a garrafa,
tkignao sii|M'rioi a 8oo o l.ooors. agarrafa,
e em caixa tora abatimento.
Mannollaila imperial dos meHiores o mais
afamadoscoiiceiveiros de Lisboa em latas
de libra e de libra e meia c duas libras a
6oo rs.
Connivas inglezas em frascos grandes ;
75o rs. cada um.
hlem franceza de todas as qualidades de
Itgnmos e fruto a 5oo rs.
Mostarda francezas em potes preparada a I
Ch irutosNps melhoYes e mais afamados fa-
iricantes (!e_S.. Flix e do Rio de Janeiro
de l,5oo a >,ri0 a caixa.
Cebollas novas a 008 rs. os molbos grandes
e 7oo rs. o cento.
Do o de goiaba a 64o fs. o caixo.
Loiitilhasexcellentev^imo para >opa o gui-
,'sulo a 24o re. ira.
Br ilbas seccas i ;scascadas a 2oo rs. a
libra. wV
Pimenta do reino Tmiito nova a 3Go rs. a
uniao
COMMERCIO
u=:aipavm:^m.:
llefroute da loja do Preguica.
HITARTE AfiJIKIll.t
acaba de abrir o seu grande e sortido armazem de molhados denominado Inio e Com-
mercto. Este grande armazem um dos mais bem montados que temos em nossa piara,
nao so em limpeza e aceio, como as qualidades especiaes de seus gneros. Q proprie
ario do Unio e Commercio offerece todos os seabores da praca, senhores de engenho
e lavradores a seguinte tabeHa, por onde vero a grande economa que Ibo resulta em
comprarem em to til estabclecimento, atiancando o mesmo todo e qualquer genero
sahido de seu armazem.
Bollinho francez em latas e caixinhas as mais
delicadas que tem vindo ao nosso merca-
do de 7oo a 2,5oo rs. a caixinba.
Manteiga ingleza perfeitamente flor, mandada
vir de conta propria, a 7oo a 8oo rs, a
libra,
dem franceza chegada pelo ultimo navio a
56o rs. a libra, e em barril ter abatimen-
to.
dem ingleza em potes de 4 a 16 libras a
8oo rs, a libra e o pote separado,
Cha uxim o melhor neste genero, mandado
vir de conta propria a 2,8oo rs, a libra,
dem hysson, grande; muito bom a 2,6oo rs.
a libra,
dem preto muito fiuo, a 2,6oo rs, a libra,
dem preto, mais baixo, a 2,ooo rs, a libra.
i V


Duarte & C, vendem em seus armazens Uniao e Cemmcn io e lar-
go do Carmo n. 9, armazem progressivo, os seguintes gneros dea mbarea-
dos ultiniainente.
Erva-doce a 5oo rs. a libra.
Champanha de 20 a 22,ooo o gigo.
Palitos do gaz a 2,3oo rs. a gro :a e 2o rs. a
caixinha.
Milho alpista a 16o rs. a libra.
Combino muito novo a 4oo t. a libra, e
comprando de 8libras para cima a 32o rs.
Gomma muito alva para engomnar a 8o rs.
a libra, e em arroba se far abatimento,
Sag muito novo a 28o rs. a lib-a.
Sabo verdadeiro hespanhol, qu 3 raras vezes
vem ao nosso mercado a 28o rs. a libra
Vinho branco o melhor neste gen ?ro a 8oo rs
a garrafa e 4,3oo rs. a caada,
dem Bordeaux de differentes marcas, garan-
te-se a qualidade, a 8.000 rs. a caixa com
urna duzia, e a 7oo rs. a garrafa.
M
>
'^:.
dem, verde, miudinho, maisproprio para' Garrames com 5 garrafas de vinho do Porto
negocio, a l,5oo rs, a libra. do Alto Douro a 2,2oo rs. com ogarrafao.
Banha de porco refinada muito alva a 46o' dem com 5 garrafas de vinho Figueira, mais
Verdadeiro vinho collares em ancore-
rolas de 9 caadas a 50,000 e 800
rs. a garrafa.
Farello do Lisboa marca N ou Biato
tigo a .) a sacca.
Vinagre V II B, em ancoretas de 9 ca-
adas a 18,000 e 2,000 rs. a ca-
ada.
Passas cm caixas, meias e quartas a
8,000 4.000 e 2,000, a 480 a libra.
Peras seceos em caixas de quatro li-
bras o melhor que se pode desejar
a 2,500, e G40 rs. a libra.
Caixinhas de 4 libras e 2 com ameixas
a 1.500 e 2,500 rs. a caixinha.
Chocolate portuguez, o melhor que
pode baver de bom neste genero
1,000 rs. a libra.
Marmelada propriauente dito de mar-
mello, a 640 rs. a lata e em caixas
de 100 latas a 600 rs.
r(a de tomates a mais nova que se
pode desejar a 640 rs. a lata e em
caixa de 100 libras a GOO rs.
Ervilha portugueza a 700 rs. a lata,
e em caixa do 100 libras a 640 rs.
Passas corinthias para pudim a 640
rs, a libras, e 400 rs. comprando de
arroba para cima.
Quedos londrinos muito fre.'cr 80'1
rs. a libra c sendo inteiro a i: 1,
Scbollas em caixas as mais novas /
mercado a 6,500 rs. a caixa, a 81)
rs. o molho, e a 640 rs. o cento.
Batatas em caixas de 2 arrobas rmii
novas e grandes a 2.400 rs. a cai>
Sextinhas com figos proprias p
mos de mancas a GO rs. cada 1; /)
e comprando em duzia ter grande
abalimeritt.
Erva doce muito novas a 500 rs. a li-
bra, e comprando em arroba a
10,000 rs.
Cominos muito noves a 400 rs. a li-
bra o 10.002 a arroba.
Licores portuguezes das marcas m
acreditadas de LisLa a 1,000 ag 1
lafae 10 a 12,000 a duzia, as que
dades sao as seguintes: crome de
violetas, geroflez, rosa, absintlio,
peiro, amorperfeito, amend samar*
ga, percicot deturin, botefin. n
gos. limito, caf, laranja, cid sg
ga, canda, cravo, ortela, pimenta -J
e outros muitos de qualidades mem
superior que serao vendidos ]
suas qualii
rs, a libra, e em barril se far abatimento.
Biscoitos inglezes das seguintes marcas;
Craknel, Soda, Ceede, Captain, Travellies.
Lunch, Cabin, e outras muitas marcas, a
l,4oo rs, a lata.
Bolachinha de sedo, especial encommenda, a
2,2oo rs, a lata.
Biscoito inglcz Craknel em latas de 5, 7 e 15
libras a 5,ooo e 6,000 rs, e de 1,2oo a
800 rs, a libra.
Queijos do reino pelo baratissimo preco de
l,6oo, l,8oee 3,ooo rs es do ultimo
vapor.
dem prato muito fresco a 64o rs, a libra,
dem londrino muito fresco a 800 rs, a libra.
Vinhos em pipa: Porto, Figueira e Lisboa, a
48o, 56o, e 64o rs, a garrafa, e de 3,000 a
4,5oo rs, a caada.
Marmelada imperial dos melhores conservei-
ros de Lisboa em latas de 1 e mais libras
a 7oo rs, a libra.
Peras secaas em caixinhas de 4,ooo a 2,ooo
rs. cada urna.
Figos era caixinhas de 1 */j arroba e de 8 li-
bras a 8,000,4,ooo, e 2,000 rs, ea 3eo rs^
a libra, taambem ha serinhas para men
nos a 60 rs. cada urna.
Amendoas de casca mole a 36o rs, a libra, e
em arroba ter abatimento.
Sardinhas de Nantes a 32o rs, a latinha.
Toucinho de Lisboa muito novo a 3oo rs, a
libra e em arroba a 9,ooo rs.
Massa de tomates a 64o rs, a libra.
Pimenta do reino a 34o rs. a libra,
Farinha do Maranhao a 14o rs, a libra.
Ceblas a 800 rs. o molho, 64o rs. o cento
e 6,5oo a caixa.
Tijollo para limpar facas a 16o rs,
Cerveja das mais acreditadas marcas do 5,ooo
a 7,5oo a duzia, e de 5oo a 600 rs. a gar-
rafa,
Prezuntopara fiambre muito fresco e novo
a 800 rs. a libra,
Genebra de laranja a 1,000 rs, o frasco,
Chourioas as mais frescas do mercado a 800
rs. a libra,
Cognac verdadeiro inglez a 9oo rs. a garrafa,
e lo,5oo rs. a caixa com urna duzia.
Licores franeezes e portuguezes de todas as
marcas de lo.ooo a 15,ooors. a duzia.
Passas muito novas a 5oo rs. a libra e a 8,5oo
rs. a caixa. Ha caixas, meias e quartos.
Batatas a l.ooo rs. o gigo com 38 libras e
2,000 a caixa com duas arrobas cadauma.
Bocetas com doces seceos de 3,ooo t 3,5oo
rs. cada urna.
Bolachinha ingleza a 32o rs. a libra,
Azeite francez e portuguez refinado a 800 rs.
a garrafa, e 9,ooo rs. a caixa com urna du-
zia.
Conservas inglezas das seguintes marcas:
Mixed, Pickes, e ceblas simples a 800
re. o frasco.
Mostarda ingleza preparada em potes a 4oo
rs. o pote.
Nozes muito novas a 160 rs. a libra e 4,8oo
rs. a arroba,
Vasos inglezes vasios de 4 a 16 libras, muito
proprios para deposito de manteiga, doce,
e outro qualquer liquido, de l.ooo a 3,ooo
rs, cada um.
propriopara a nossa estaejo por ser mais
fresco a 2,4oo rs. com o garrafo.
dem com 5 garrafas de vinagre a l,2oo rs.
o garrafo,
Sabo massa de superior qualidide a 18o,
2oo, e 22o rs. a libra do melhor que ha
Graixa em latas muita nova a 12o rs. a lati-
nha, c l,3oo rs. a duzia.
Peke em latas muito novo : savd, pescada,
curvin, salmo e outras muita:; qualidades
preparados de escabexe, segur do a arte de
cozinha, de l,2ooa 2,ooo rs. i lata.
dem do Alto Douro vindo do Porto engar-
rafado e escolhido pessoalmente por um
des socios que se acha em Portugal, das
seguintes marcas : Duque, Genuino, Ve-
lho secco especial, Lagrima; Doces de
1819, vinho especial D. Pedro V, vinho
velhe. Nctar superior de 1833, Duque do
Porto de 1834, vinho do Por.o velho su-
perior, Madeira Secca de superior quali-
dade, vinho do Porto supericr D. Luiz I
de 1847, Lagrimas do Douro, especial vi-
nho do Porto, de l,ooo a l,2oo rs. a gar-
rafa e de lo.ooo a 12,ooo rs. a caixa com
urna duzia.
Vassouras americanas a 800 rs. :ada urna.
Velas de spermacete as melhores que ha uo
mercado a 56o e 64o rs. o nasso, e em
caixa se far um'grande abatimento,
dem de carnauba e composico, de 4oo a
32ors. a libra, e de lo,ooo rs, a ll,5oo
rs. a arroba,
Caf de 1 e 2* sorte de 8,3oo a 8,600 rs. a
arroba, e de 28o a 32o rs. a tra do me-
lhor,
Arroz da India, Maranhao e Carolina a 3,ooo,
2,800 e 2,4oo rs. a arroba e a loo rs. a
libra.
Frasqueira de genebra a 5,8oo rs. e a 5oo
rs. o frasco.
Azeite doce em barril muito fine. a 64o rs.
a garrafa, e em caada ter ab; timento.
Papel greve pautado e liso a 3,5o rs. a
resma.
Genebra de Hollanda em botija de conta a
44o rs. a botija.
Passas corinteas a 5oo rs. a libn e 12,8oo
rs. a arroba,
Ervilhas franceza e portugueza 640 re. a
lata de urna libra.
Chocolate francez, hespanhol, su'sso e por-
tuguez-a 1,00o rs. a libra, e a 28o rs. ca-
da pao de urna '/*.
Ameixas francezas em caixinhas elegante-
mente enfeitadas, com diverss estampas
no exterior da caixa de 1,500 a 3,ooo rs.
cada urna; tambem ha frascos e latas de
differentes taannos que se vjndem por
mdico preco.
Massas para sopa: macarrao, tall arim e ale-
tria a 48o rs. a kbra, e em ciixa se far
abatimento.
Garrames com 14 garrafas de ;enebra de
Hollanda a 5.5oo cada um;
Charutos de todas as marcas e dos melho-
res fabricantes da Babia de 3,ooo a 4,eoo
rs. a caixa.
eos em relaco as
des.
"Os proprietarios afiancam que' estes gneros sao muito novos e ludo
de primeira qualidade, tudo isto s vende nicamente no armazem Unii
Commercio na ra do Queimado n. 7, e largo do Carmo n. 9 armazem pro-
gressivo.
Qtieijos
do alemtejo, das ilhas e flamengos, todos chegados neste ultimo vapor, a
2,500 os flamengos e 800 ris a libra do alemtejo e das ilhas, nicamen-
te no armazem Unio e Commercio, ra do Queimodo n. 7 e largo do Car- ,?
mo armazem progressivo. %
ATTEJ^AO
Todos os senhores que comprarem para negocio ou casa particular 0& para
cima terao mais 5 a 10 por % de abatimento; o proprietario scientifica im que todos
os seus gneros sao recebidos de su 1 propria encommenda, razao esta para poder ven-
der por muito menos do que em outro qualquer estabeleciment.
4oo rs.
Palito- para demos 12o rs. o mac/t.
dem lixados muito fino 14o rs.
Cominhos e erva <3oce a 32o e 4oo rs. a li-
bra. 1
Cravo da India a 600 rs. a libra.
Ca ella muito novia a l.ooo rs. a libra.
i Alfazema a 2oo rsj. a libra 6,000 rs. a ar-
loba. /
'Graixa a loo rs. (a lata e l,loo rs. a duzia.
ESGRAVA.
YVmle-se nma rscrava com dade de 30 annos,
pooeo mais ou menos, que cozinha, lava e engom-
m : rupm precisar, dirija-se roa da Gadeiado
Recite, loja n. 41, que achara comquem tratar.
_
No armazem da Aurora Drilhaate ha farinha em
saceos grandes, igual a de Murineca, a &'MO e 71
o sarco de dous alqueires.
Yunde-so um cavallo preto andrinlto, muito
gordo, aada de tudo, da melhor forma para urna
senhor, nao lia melhor : na ra do Culovellr S-
mero '!!.
Branee un mar,
Ven Je-se em latas de 28 libras o melhor que po-
de haver a 200 rs. a libra, a dinheiro : na ra
larga io Rosario p. 34.
Vende-se
urna cabra de leite muito mansa: na ra Direila
numero 53.
1 u 11. 29.
Viva loja des baralrirns na ra do Queimado.
Ricas salas de fusilaos Si, camisas Inglezas para
senliora a H, 2*50, 3$ e ty, cobertas de fustao
brancas a 51, chitis rom lostro para eoberta com
6 palmos de largura a 640 o covaoo, cambrata de
cores para vestido a 320 o covado, las para vesti-
do a 480, 60 e G'iO o covado.
Ao n. 29.
P'ova loja dosbarateiros na ra do Queimado.
T irlalanas de tuda as cores, fazenda muito Gna
a 7:0 a vara, cam braia para cortinado, peca de 22
var is, por lu, cbjales de lia por 3, 45, 5 e 84,
can asas inglezas /para honiem a 385,505 e 605-
Aa n. 29.
Nova loja dos .haratriros na ra d Queimado.
Ricos pretos, franjas de todas as qualidades,
trancas de seda, de algodao e de laa, manguitos e
ranusinhas bordabas, collarinhos e punhos, folhos
bordados, botdes'dc velludo, de seda e de fustao,
bardos de cabello, meias de seda, leques ; cujos
ert.gos se vendejm pormelade do seu valor por ser
par acabar.
Sal do Ass
Pira ver, a bordo do brigue escuna /ottii Ar-
thuv, e para tratar, com Antonio Luiz de Oliveira
Azeredo i C, no seu escripwrio ra da Crzn a. 1

27 Bim do Queimado 27
\ prtro de ;(,? a peca.
Cortes de cambraia branca adamasceda proprias para vestido e cortinados pelo tralo preco
de 35000 a peca.
Finos entremeios.
ntremelos muito tinos bordados a 15 e 15300 cada unta peca.
Para acabar.
Finos organdys indianas padrSes escuro? a preco de 240 rs. cada covado para acabar.
A 1,5800 a duzia.
Lencos de cambraia brancosa 15800 cada urna duzia.
teaflha
e cobertas a 25000.
Fino (li,
Fil de I inho bordado com toque deagua cune a preco de 400 rs. a vara.
RIA DO QUEMADO N. \\.
Laja de fazendas de Augusto Fredericodos Santos Porto.
Fazendas pretas para a quaresma.
Ricos cortes de moreantique prete para venidos fazeida superior.
Cortes de vestido de seda preta com barras.
Capas pretas de seda bordadas e enfeitadas de 225 a 505.
Capas de seda preta cora mangas ricamente enfeitadas.
Soutembarqucs de seda preta e casemira d: cor com lindos enfeltes.
Zuavos de seda preta de multo gosto.
Pannos pretos, casemiras pretas, setim pre*x, grosdenaple preto de diversas qualidades tndo
superior.
Chapeos de palha d'Italia para menina ricamente eneitados de 75 a 125.
Camisas para hornera francezas e inglezas de algodao e de linho.
Atoalhado de linho fazenda superior.
Camisinhas de cambraia a Garibaldi para s Na mesma casa tem grande sortimento de fazendas de seda, laa, linho e algodao que todo se
vende por muito commodo preco.
Chegaram tamben} a excelleates
i:m i:i IC t* PARA K % I,AS.
Na ra do Queimado a. 11.

GRANGEIASantiblennorrhagicas de DUNAND
ex-INT. do HOSP. dos VENREOS de PARS -1? PREMIO 1854
m5?*""" *ioi" PreP,rfl conhcidU bcjooniri a, Oonorrh* e BUnaorrhailai as mais mensas e rebeldM^
flelw seguro e prompto, tem nauseas, nem clicas, neo tremor. Facis a lomar em segredo eem tisafl.
Injecgo curativa e preserva ti va
,er com repldet ttm iota os escorrtmenlos comagiosot de ambo sesos. riorsebranoas Msirlngenle
MU4BIC4 $tm cauMiuiitdt, fcrtinc* os te jument os preerri de qualquer liersco. PARS, 5, rae im Martht-SlBonar*.
Deposito geral em Pernambucc rea da Cruz n. 22 em casa de Caros & Barboza
LOJA
DO
Cassas puritanas.
Vendem-se as mais modernas cassas puritanas
com "bonitos desenhos pelo baratissimo preco de
240 e 280 rs. o covado, por haver grande pr^ao,!
pechincha : na ra da Impe atriz n. 60, loja do
Pavao.
Cassas persianas :io rs. o co-
rado.
Vendem-se as mais bonitas cassas persianas
imitaco de laa transparente com os desenhos le-
udos e inleiramente novos, pelo baratissimo preco
de 360 rs. o covado e nao desbotam : na loja do
Pavao ra da Imperatriz n. 60.
{.rgnro de la OO rs. o co-
vado.
Vende-se gorgurao de laa de cor escura propria
n vestido de senhora, paletot para hornera e
roupa para menino, pelo barato pre;o de 500 rs. oj
covado : na loja do Pavao ra da Imperatriz n. 60.
As colchas do Pavo.
Vendem-se colchas de linho adamascadas com'
bonitos lavres de cilr de rosa, azul e branco,
pelo baratissimo preco de 55 cada urna : na loja
do Pavao ra da Imperatriz n. 60.
Organdys 2 4 rs. o covado.
Vendem-se organdys raatisados fazenda rnuito fi-
na, de bonitos djennos, pelo baratissimo prego de
240 rs. o covado : na loja do Pavao ra da Impe-
ratriz n. 60.
As alpacas do Pavo.
Vendem-se alpacas de seda de cores muito fi-
nas proprias para vestido de senhora, soulembar-
ques e roupas para meninos e dita branca muito
fina propria para vestidos e paletots, pjr preco
muito commodo : na loja do Pavao ra da Impe-
ratriz n. 60.
Panno preto a 9000.
Vende o PaTo:.
Vendem-se panno preto muito encorpado a
250000 o covado, dito a 25500, :I5000 e 45000, ca-
simira preta muito fina a 158U0, 25000, 25200 e
35OOO, isto para apurar dinheiro na loja e arma-
zem do Pavao, ra da Imperatriz n. 60, d>j Gama
(V Lima.
As calcas do Pavao.
Vendem-se superiores caigas de casimira preta
a 5550C, 65000, 75000 e 85000 rs., paeltols so-
hrecasacos de panno preto a 1250OO rs., ditos sac-
eos a 75000 rs., coletea de casimira preta a 45500
e 55OOO rs.; na ra da Imperatriz n. 60,de Gama
& Silva. -
Algodozinuo enfestado.
Vendem-se algodiozinho americano com 8 pal-
mos de largura para foncAes, loalhas. etc. etc. etc.,
a 15000 rs. a vara, ditos estreitos a 5 5000,65000,
"5O0O e 85000 rs. a peca, sendo muito boa fazen-
da, pegas de mandapolao, por prego muito razoa-
vel, na loja do Pavao, ra da Imperatriz n. 60,
de Gama & Silva.
Vestidos pretos do Pavo.
Vendem-se ricos cortes de grosdenaples preto
com ricos enfeites de veludo, pelo barato prego
de 405000 rs. cada um, na loja do Pavao ; ra da
Imperatriz n. 60.
Lazinlias Victoria.
\a loja do Pavao.
Vendem-se as mais modernas laazinhas Victoria
tendo 4 palmos de largura cora lindas palmas de
seda pelo barato prego de 800 rs. o covado, na
toja do Pavao, ra da Imperatriz n. 60, fle Gama
A Silva.
Os sontenibarques do Paro.
A' 20*000.
Vendem-se ricos soulembarques pretos ricamen-
te enfeitados a 205000 cada um, ricos manteletes
pretos, grandes a imitarao de capas pelo baratissi-
mo prego de 205000 rs. cada um, s na loja do
Pavao, ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Os chales do Pavo.
Vendem-se chales de merino estampados a
;t000 rs., ditos muito finos de crepom a 65000,
75080 n 85000 rs., ditos lisos a 45500 rs., muito
finos a 55000 rs., s na loja do Pavo, rna da Im-
peratriz n. 60, de Gama & Silva.
O brim do Pavo.
Vendem-se brim de linho puro cora quadrinhos
proprios para caiga e paletots, pelo prego de 500 e
600 rs. cada covado, sendo fazenda que sempre se
venden por mais dinheiro; ra da Im|teratriz
n. 60, loja do Pavao de Gama & Silva.
Laazinhas 390 rs.
S O l'atii.
Vende-sent laazinha matizadas proprias para ves-
tido sendo padrdes miudinhos e grandes, sendo fa-
zenda muito encorpada e que se pode lavar perfei-
tamente, como se lava achila e nao desbota,sahin-
do esta fazenda mais barata em profmrgao do prego
per que. se vende a chita; isto na loja da ra da
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Cal de Lisboa e potassa da
Rnssla.
Vende-se na ra da Cadeia do Recite n. 28, pan
onde se mudon o amigo e acreditado deposito da
mesma ra n. 12, ambos- os gneros sao novos e
legtimos, e se vendem a prego mais barato do que
utr qualquerfparte.
B
O
ce

0 8
S
S5 ^
s
-es
-
D
SO
Vende-se farinha de mimo em barri-
cas, mnilo nova de excetlenle qualidade e
preco commodo : no armazem de Matbes
Austin & C, ra da Senzalla Velha n. 106.
ESCBAVOS FGIDOS.
Tendo-se ausentado do lupar do Ilrejo da
Madre de Dos, no dia 30 do mez prximo puna
do, o pardo Alexaudre, cscravo de una orpbaa, o
qual tem os signacs seguintes : claro, rosto redon-
do e com algumas marras de bexiga, ollio< gran-
des, cabello quasi corrido e bastante crescido, sem
barba algutna, estatura quasi regular, carta gros-
so, ps bastantes chatos, e tem os brajas \ol
de mode, que ao andar se conhece ter alguin i!e-
feito : cantador e tein 25 annos, pouco mais ou
menos : roga-se s autoridades poileiaM a captu-
ra delle, ou a qualquer pessoa, a queo se dar
gratificagao vantajosa, levando-o ra do Coto\ <. I-
lo, casa n. '>._______________________________
Fugio do engenho Sebastopo il. freguezia do
Cabo, um escravo de nomeZachari.>s.mulato, idade
25 annos, pouco mais ou menos, com os signaes
seguintes : altura regular, um ladio na face, ca-
bello crespo, ps feios, as orelhas um |.ouco tortas,
cicatrizes as costas de surra : voga-e, portaato,
s autoridades competentes, ou a quem delle a
noticia, de apprehende-lo e leva-lo ao seo senbor
Francisco Paes Barreto, no mesmo engenho. ou
Felippe Saniiago do Senna, morador na ra de
Apollo n. 34, eu ra do Crespo n. 8, loja de 4 por-
tas, que serio bem recompensado^__________
ATTENCAO..
Acha-se fgido o escravo "de nome Faustino, de
idade 40 annos, pouco mais ou menos, cor fula,
altura regular, grosso do corpo, bem espadado,
barbado e j com alguns cabellos brancas na bar-
ba, brages e pernas grossas e bastante cabelludas,
tendo as pernas arqueadas, porm no muito, cos-
tuma andar sempre pelo Barro, Giquia, Afrgai'os,
etc., em sambas, e as vezes costuina embriagar-se
bastante por gostar de beber : portante, roga-se s
autoridades policiaes e aos capttaes de campo
pecial favor de o apprehender e e.-ntluzi-Io asa
de seu senhor, o raajor Antonio da Silva Gusn.ao,
na ra Imperial. <|ue gratificar geoeresamento.
Toniou a fugir a escrava Justina, de idade
24 annos pouco mais ou menos, levoo 6 vestidos
de chita e 2 chales, sendo um preto. falla desran-
gada, anda de vagar e costuma repartir o cabello:
quera a pegar leve-a na da Esperanga n. 74,
que se recompensx
O abaixo assignado apressa-se a rogar s autori-
dades policiaes c mais pessoas, e bem assim aos
empregados das barcas d vigas e das estagoes da
estrada de ferro.de pegareai o meu escravo', abai-
xo declarado, que fazendo-me um crime, fugio da
meu sitio da estrada do Arraial, nexlia 22 de fe-
vereiro de 1864. .^dolpho, preto, crioulo, idade 25
annos. altura regular, bfeos grossos, padece da
frialdade, marcineiro, pintor, e calador, tem pai
forro por nome Francisco, morador na Estrada
Nova, tem urna irmaapor nome Porcia, rainha s-
crava ; levou vestido caiga de brim liso branco,
camisa usada de azulo, chapeo preto de feitro; 6
de suppr que tenha mudado de roupas, e que al-
gumas vezes ande calgado : protesto proceder con
ira quem o tiver azilado : quem o pegar podar
leva-lo minha olaria n. 13, na rita do KondegO
da freguezia da Boa-Vista, que pagarei o Irabalho
e despeza.Marcelino Jos Lopes.
No dia l'.l de Janeiro desappareceu da fregue-
zia de Pao dos Ferros do Apndi, um mulato de no-
me Manuel, de mediana estatura, magro, cabellos
caxiados, pona de barba no quenco, cara comprida,
e oexlgosa, nariz romhudo, bem parecido, e ni
tanto bicudo, olhar de porco, eanellas e regeito II
no, p comprido e descarnado, com nm signal da
ferimento : quem o pegar leve-o mesma fregue-
zia Jos Gorgonio da Sirva, no riacho das Lage,
que ser recompensado; podendo quem o encon-
trar at o dia 27 do corrente,j)rocurar no arma-
zem do sal na ra da Conceigao da Boa-Vista.
il 11 v


Il aJ
Diarlo de Prrnambnco Ht-xia felra t de Feverrlro de ni.
LITTERuTURA.
Jurisprudencia.
gjc,-, menUt, que /V: //- i-
ton com b Ales tnrina II u i d Of
d# im na c tutora, D. iH i-
aujo uiiicni.
quillo que elles possara ter dimito, quando se
lornarein matares, so fr para habilitados a osta-
belecerem na sociedade, isto era algum ramo do
negocio. Pela qual quauda, so alguina lar adan-
tada. deve ser levada urna laxa razoavel de juro?,
e carregada i endito da masan. Meas testamen-
,;,, ttomfl i ,m quanto es e ^ mmdaa ,me por e.,a C0nC0sr,0 qQeMa
de escriptura de pacto para dizer.|m (.aso de qlia|qiu;r dos ,, precisari e
nenio Tiran, que no anno te nascimento oe ^ d|os meus lestlmpnl(,rs j|arem coave.
Sonbor Jess Corista de 1811 aos 14 de no- ^^ a ^^ ^ fa ^ dstribulc5o
vemi.-u reta cidade doRecife do Peruambuc >, de ^^ fortuna.
em casa de morada de D. Mara de Araujo Olivei-
Se meus teslamenteiros julgarem conveniente, j queno crdito de 12 14:0005000
era qualqucr tempo sao autorisados a adiantar lamben) apenas Iho confera a insignilicante quan-
qaalquer. on a todos de meus filhos, ama parle da- lia de 4:000 5000 por doacao causa mortis da na-
Alice o Margarida os meus
una consignadlo animal de
tureza daqncllas, revogavel vontade do doador,
contrato que como se acha demonstrado, pa -ere que ludo mais
est prejudicado; por que, o cintrado suppr o
sueco da controversia na pona da rama, quando
alias est no ironco e na raiz.
Sera embargo : 03 que sustentam que o caso re-
c anda com a torpe eondicao de nao ter fllhos de j ferido o caso de nao ter fllhos, e que s assim te-
seu consorcio, que na ordem dos casados caso ra-' J>- Alejandrina f nieacao dos bens c mais
' i 4.U0US, sustentam o torpe absi rilo que se segu.
ro e opposto a le moral. Se podro por parl0 ail[e.nui)C a| casar Pom Ma.
Isto posta evidente, que a eondicao predomi- ra dando-lhe par :e ou toda saa fortuna, coma
, ,, i.. c.i eondicao de Mana so a po ler lossuir e posar do-
nante do Jilo pacto consisto na palams .- bal- pQJS de saimoTU, e no ,..,. {|i: n-0 t,.r "titJio^ de
c vas as disposicoes do testamento, que declarou seu consorcio; boin fara Mara romper immcdia-
t haverfeito, eapprovado por mlm tabelliao nesta lamente a miado e nimio corjug.il; por que se
data, no qual a consume legataria da meacjio de o nao "*'"> H tir nacessaiiame-ito a miseria
, .. ., .,,. com a pre/enea dos nios, quee o mais provavel e
seus bens no caso referido, .-a qual se lornou me|)OS gjj^ na tivpoll.ese Ag rada
obrigatoria pelo subsequenle matrimonio dos cou- i rjnM condiriio desta ordem imposta urna mu-
rantes. Iher em pac anie-nupioial, autorisa aseparacao
do Ihro, a prostitui^ao, e a lodo casta de tentativa
r
Se esta eondicao nao a predominante dp pacto
devido as ratn de repugnancias de D. Alexandri-
na, com assistencia de sua tutora nos tormos non-
feroz contra o marido, porque k assim loe vira o
intcressojcondicional bem de su propria eonser-
vac;o. contra a miseria que Ihe foi imposta....
Tal a natureza da eondicao que Gibson impoz
a D. Alejandrina no seu pacto ante-nupicial, e tal
a eondicao a que dao o noms de honesta para
As niinlias irmaa
ra, no bairro do Recita, ondeen tabelliao ibaixe t^mmh.^ -.
nira antes de urna arb lie ^^ ^ da outra. em quanto viver
lhiAn ri.lida inHi'z e da outra U. Alcxainirna ^
r ', O v in com assistencia de sua mi 1) CaS de 1ual,Iuer uma 11 ambas casarem, esta derados. como se exp|ica a necessidade de ter si.
Mara de Arauj'' Oiiveira, lodos moradores no Cons^nac5 de finct!?n.la ,libras ''^.annoessani do esta eondicao estabelecida no mesmo pacto ten-
mesmo bairro do llecife, de mim e d
abaix assignadas reconhecidas pe
que dou f. I ||10s' c|10glltm a edad(, 1)r0pr;i para "tomar COnta com P'omessas simuladas, a vontade de D. lexan- Entretanto bem longe eslava D. Alexandrina de
l lo dito Henrique Gibson me tai dito em pro- delle, porque sera um b>ai principio para aqoees WM. virgen e inexperienle, para vencer a sua saber que o fado de ter tilhos ce seu marido tra-
, .. i, ..t ~ rnnnon-incii i> nnder piti> rtir iriumnhn i m n. na a sua miseria-, e se sabia i quiz arrastrar a
las testemunhas que elle so ach- ] qUe possam ter capacidad para continalo. Eu repugnan la. e poaur etit ar iriumptio a sua m miserja pe|a conservacao de suf h^nra ,.. j(0 lll|ia
va justo e contratado de se receber em matrimonio I muito encarecidamente pcijo que meu lio Adam 'encao maliciosa, possuindo-a toradas conJi.coe!, vrIude. a sua nnjca e molhoi- propriedade : se
com a contratanto D. Alexandrina Rosa de Olivci-; Hawortli, Eduardo lienrv, James Fox e Francisco de verdadeira esposa ; empregou a fraude, e por aqu cabe dizer, direi : nao valen virtudes, quando
ra, de edade de 19 unos e com autorisaclo de si a Gomes d'Oliveira queiram ser meus testamentemos sso^mesmo dove agora o seu dolo cahir no .Jea- <
Bale dita D. Alaria de Araujo Oiiveira, nao segn- e execuleni, tanto quauta estiver em seu poder, es-
"""- p rpvprliMi Pili li.m..|(-in .1 m Me filhni O ninn ... ,. < ""u't'J a IIUU UH u llOlirj uc- nuncM.i mi a
iastestemunhis e ."IU en' DLnu c, ae."'' Ub "0s- meu do este na pnmeiraeondicao umassumptodiverso? dola se deduzir argumentos no sentido de faier a
elosmonri.K.le nCgaCW ''Sla ben'eStabelecu3oetluCra,,VO'CeUl o u. ....., ,r miseria de Alexandrina, pri-ando-a da meacao
I"" '" opno* e i desejo que ello seja continuado, at que meus i-! Se porn, Gibson leve em vista sumen e adocar dos bens d() geu r;i>.a|
To livres como permitte s-lo o nosso estado Admimstracoo da justica.
social, correram essas eleices i sen tas de conllie- Muito pouco tenho que accrescentar ao que
ios que podessera sequr ameacar o estado de escrevi no ultimo relatorio, sobre este importantis-
tr inquillidade publica, de que ha tantos annos goza simo assumpto.
felizmente o imperio. I Ainda urna vez vos lembrarei a sortc da ma-
Logo que polo ministerio respectivo se flxou gistratura. Se desejamos, como parece ser o voto
o dia em que o povo devia ser convocado para a geral do paiz, collocar essa importante classe em
eleiclo primaria, nao me descuidei de dar as pro- eondicao de corresponder sua nubre missao, nao
videncias que me pareceram noc.essirias para as- devemos por mais lempo priva-ta do meltiorameuto
segurar a tolas as opiniesa mais ampia liberJade a que tem direi'.o. E' nina necessidade de ordem
do o cosame deste imperio, mas pelos pactos st-
faintes:
i." Que nao haver commonicafao de bens eo-
lio sites contratantes, pudendo cada um livremeu-
to diS|0r dos que adquirir por titulo oneroso o
lucrativo, antes ou durante o seu matrimonio.
2. Que o contraante Henrique Gibson faz dov
cao a sua futura consorte, D. Alexandrina llosa de
Owira. da quantia de 4:000000, que ella podi-
r retirar do monte de sua fazenda, no caso de fal-
lecer elle sen deizar filhos do seu consorcio; sal-
vas as disposiees do testamento, que declarou ha-
ver feito, e approvado por mim tabelliao nesta da-
ta, no qual a constilue legataria da meacao de seus
bens no caso referido.
3 Que nao ha vendo fllhos, a contratante D. A-
lexandrina Rosa de Oiiveira, poder por sua mor-
te dispr como lhe approuver da sobredia quan-
tia.
4." Que havendo fllhos herdaro estes pelo fallo-
cimento da contratante D. Alexandrina Rosa de
Oiiveira os bens que ella pertencerem; salv;s
as suas disposicoes testamentarias acerca da torra.
respectiva, c por raorte do aentralante Henrique
Gibson herdaro elles o quo por direilo lhes coni-
iioiii, guardado sempre o que no testamento el o
dispoxer.
5. Que acoatecendo fallecer o contratanto Her-
liijue Gibson em quanto durar a sociedade com-
mercial que tem com George Kennworihy desla
cidade, debaixo da razao social George Keonwor-
tby & C. ser belmente observado o contrato so-
cial para sua futura mulher, e se os herdeiros, con-
tinuando na gerencia da dita sociedade o mesmo
George Kennwortliy, ou quera legtimamente 3
substituir, sera que de maneira alguma sejam es-
nrvados pelas autoridades do Brasil com seques-
tros inventarios, ou quaesquer outras diligencias
jadiciaes, o que tambera se applicar a qualquer
outra sociedade cominercial, ijue o contraante fies-
ta imperio da sobredia; o que foi por todos oulor-
gados aeccilo, e taiubem pela sobredia tulOra d t
contratante Mara de Araujo Oiiveira, o eu ta-
beio o o.itorguei e aceilei a bem dos absenles, e
mais pessoas a que periencer possa, sendo lesu -
munha a tudo presentes Francisco Gomes de Oii-
veira e Eduardo Henrique, que todos assignaram ;
eu Guilherrae Patricio Bezerra Gavalcanii, labe.-
uo a escrevi; e declaro que a teslemunha
Id meus ltimos dosejos e determinacocs.
l'ernambuco, 28 de junho de 18&>.(Assignado)
Henry Gibson.
Ora, tendo sido devdamenle approvado e aberte
este testamento, o tendo o conde Russell, em res-
posta ae governo brasiloiro. declarado que as suas
disposifoes, o o mais quo rospeita diviso dos
bens do Gibson. fossem regulados polas lois deste
imperio, visto nao existir estipulacao por tratado,
que Mente subditos brftannicos da regra geral da
lei internacional privada.
CONSl LTA-SE
Gibson casou-se com D. Alexandrina, sendo o
casamento feito na conformidade da escriptura
cima ; houveram filhos, e Gibson falleceu com o
dito testamento, no qual deixa apenas I. Ale-
xandrina uma annuidade. em quanto se conservar
viuva, e nao tendo apparecido o testamento que
so refere a dita escriplura, pergunla-se : Primeiro,
D. Alexandrina tem a meiacao dos bens de seu ca-
sal em vista da dita escriptura, e do novo testa-
monto cora que Gibson fallecer ? Segundo, ten-
do-a, pode requer-la sem expor-se perda das,, tre as partes outra P0U5a for accordado e con-
annudados, quando se vonca o contrario f Ter- tratado, por que enlao se guardar o qae entre
ceiro, prevalece a dis|iosicao, acerca dos Qlhos, e
grado da lei que em todo tempo deve punir os cul- ^^L?**^**' peh ^STM
. i dito absurdo, dizem que o caso referido, e o casi
pados, dando pleno tnumpho aos innocentes. de tt,r nitios, posio nao venha este caso expresso
E tanto esta eondicao do dito pacto a sbstan- no corpo do mesmo pacto, mas que o nico a so-
cial ; que se nao tara'; Gibson teria se limilado.ao lff honesto e conforme a boa razan; o
', L -.' que constilue duas opimes oppistas, e verdadeira
termo de uma excepcao reservativa, i|uando insli- dnvjda r
tuio o dito legado, consistindo nestas palavras : jjeste caso s ha um cominho a seguir, qne o
t Salvas as disposicoes do testamento que declarou extremo mais seguro-, isto a conciencia prova-
. haver feito, e por mim tabolliao approvado nesta Sfi^iS! pela -egra nuo au'>n 2Tld* da '""ra"
. j i- .lidado d uma accao deve susp mdo-la ; c se urge
. dala : assim tena Gibson reservado o duei- necessjaadc de obrar, tomar opirtido mais seguro
to de dar a U. Alexandrina por sua raorte e em (_, Mis semitam debenms rigen tutor*m :
seu testamenta o que lhe approuvesse, e era assim porque na duvida, se a acgo ioa ou m, corre
que esta premessa era revogavel a vontade de Gib-! Pfrig d obrar o mal, segn* .Jess Christo :-
, I qui amat pencnlum m illo perib t. ou como diz u-
son pelo novo testamento, anda que em seu velho ^ro-bene pracipiunl, qui vetmt quidquam agere
testamento '.ivesse dado D. Alexandrina (oda sue|qUOddubites trqmm sil aut iniqum.
E lanto o caso de ter filhos
fortuna.
Mas desde que Gibson declarou no pacto ante
meacao do bens, raetade para D. A'lesandr na e metade para
Muih mu seus filhos nos termos da disposicao : salvas as
nupcial, que dava a D. Alexandrina a
extremo mais se-
guro a seguir em soluto a duvida resullanje das
duas opimes oppostas, para recular a diviso dos
elles for contratado.
Se a promessa reciproca dos contratantes em
sentido de dar ou fazer alguma cousa, constituir
em direito um contrato oneroso : D. Alexandrina
tendo promet ido a Gibson a mo de esposa, e Gib-
son aceitado e promeitido a 1). Alexandrina a mea-
cao de seus bens, evidente que esto contrato se
consumou pela dita escriptura que tamben o ele-
vou categora de esnonsaes, de modo que Gibson
nao podia j mais se arrepender sem dar a D. Ale-
xandrina, se nao a importancia correspondente a
meacao de seus bens, ao menos o que fosse marca-
do pelo juiz respectivo ; pela regra, que quem se
sendo annullada, subsisten! as outras disposicoes,
estando, como est, o testamento revestido das so-
lemnidades legaes internas e externas 1
RESPOSTA.
Da escriptura de pacto ante-nupcial celebrada
entre Henrique Gibson e sua mulher D. Alexandri-
na Rosa de Oiiveira, so v que na pnmeira condi-
c;o diz Gibson que nao haver coramunicaco de
bens entre elles contratantes.
A segunda eondicao, que lera duas partes, con- obriga a" um faci, livra-s, prestando'o nteresse
cebida oestes termos : que o contratante Henri- L- Ali D- f Verb-Pb!'-v- Almeid. Acc. Sun. 695.
.. m t a .' Ora sondo em direito este contrato mixto e one-
que Gibson faz doacao a sua futura conso;te > r050 por qna|(|uer ado mi0 se quera encarar,
Alexandrina da quantia de 4:000,5000. que ella como pois se diz que D. Alexandrina nada tem,
poder retirar do monte de sua fazenda no cliso de r*"" qne a pnmeira deacao ficou prejudicada pela
fallecer elle sem filhos de seu consorcio, salvas as Presenca dos filhos, e a segunda foi revotada pelo
,,... i testamento com que Gibson fallecer T
dispos.coes do testamento que declarou haver ftito, s5o m[[os ,1)dos 03 pac,os por e[reiln dos quaes
o approvado por mim tabelliao nesta data, no qual a mulher ficaria endatada, ou com o dote diminui-
a constilue legataria da meacao de seus bens no' doL. 2, L. 5. L. 6, L. 14, D de pact dot. Voet. L.
caso referido 121 54 n. 17, Hunec. p. 4 207 : logo esta cota e
! essencial aos pactos dotaes para sua validade, quo
a primera parte desta segunda eondicao, que tambera nao pode ser diminuida; e ainda assim se
tem porobjecto a doacao de 4:0005000, fra feta dir que D. Alexandrina nao tem direito a meacao
para ser cumprida d'epois da morte de Gibson, e dos bens de Gibson ? mnc,M1,5n ,,
h claro o ponto de excusar demonstracao, que
os contratos validos qualquer que seja a sua espe-
uo caso de nao ler fllhos de seu consorcio ; a se-
Eduardo Henrique biogo Fox. e ^ara constar cu gunda parte, porm, desta segunda condiejio e ab- ce, produzem obrigacfio perfeita nos contraanles,
AiAa fnKnlur.p -----------* ._ ^.^^._^_r_ rr .. frtltiln nstmn n i.>n-.;.- ~r. Alr,^.. J # mI J !!! 1 i^ciiit rfiliii")!' mi awn in^iMiinoi'! CAfll 1 1 Vil i lll fl \
dito tabelliao escrevi a presente declaracao.Hec-
rique Gibson.Alexaudrna Rosa de Oiiveira.
Mara Araujo de Oiiveira.-Francisco Gomes de
Oiiveira.-Eduardo Henrquo Diogo Fox.
Est conforme cora o original que Dea lanzado
ao meu livro de notas, ao qual me reporto.
Recife, dia et era retro.
Subscrevi c assignei em publico e razo de que
uzo. Em testemunho de verdado G. P. B. C. o ta-
belliao publico. Assignado.) Guilherrae Patricio
Bezerra Cavalcanti.
Testamento.
Eu Henrique Gibson, estaudo em perfeita sade
e todas as rainhas faculdades em per feito estado,
para impedir qualqucr malentendido depois de
miulia morte, quanto a meus desejos o determina-
ooes, faco esta miuha ultima disposicao e tesa-
mente.
Eu nasci em Oakenshaw no dia 11 de junho d;
1814, e fui baptisado na egreja de Grcat Harkooc,
ambos perto de Blackburn no condado de Lauca.- -
terInglaterra.Eu sou lho de Henry 4 Mar y
Gibsen, meus paes ambos fallecidos.
Eu sou casado com Alexandrina, filha do falle-
cido Jos Antonio de Oiiveira e sua mulher Mara,
por uma escriplura chamada neste paiz dote e ai-
rhas dotaes. Eu lenho es segrales filhos: Hen-
rique, Oliver. Alfredo, Mara, Carlos, Francisco a
Alexandrina. Eu possuo os seguintes bens: casa
de morada e terreno em Ponto de Ucha, casa a
terreno alm do rio adjacontes a casa de Francisco
Gomes de Oiiveira, terreno alm do rio e casa, ao
presente oceupada para pastagera.
Eu lenho Junqueira com as addicoes de Ierre
nos; casa em Beberibe adjacente a egreja; cas;,
em Beberibe comprada a Manoel Jos de Maga--
Jhes Bastos; terreno adjacente a dila, pelo qual
pago um pequeo taro a irmandade de Beberibe;
liarte do velho sobrado e terreno em Beberibe, co-
mo dos documentos de compra que esto na burra
lio escrptono.
Casa e terreno na fralda da collina antes di
chegar Beberibe, oppostos ao sitio de Alexandre
fes DornellM, alagado ; terrenos com frentes de.
tasas levantadas na esquina da ra de S. Francs
co, bairro de Santo Antonio, Recita, ao presento
oceupado por estribaras; e as propriedades em
Accrington, condado de Lancasler, Inglaterra, par-
te deixada mira por meus paos, e parte por rain.
(mpregada.
A' minha mulher Alexandrina meus testamen-
taros abaixo nomeados farao uma consignaco an-
xual, a importancia eu deixo a elles para decid
seus bens, cousa certa e designada emoccasio que ?rus II.I,,.0S ie,rn'05 a nsp .
,. ..I disposicoi's do tesiamento. etc. ; que Uibson na
lhe pedia a mao de esposa, que todas as condicees quarta condi?ao do dit0 pact0i diz quc p0r sua
concernenles a nao communicacao de bens cahi morte seus filhos herdaro o qi e por direilo lhes
rara sem vida, para flear vigorando como nica; i competir, o que ainda repetio um seu novo testa-
principal eondicao, o legado da meacao de seus' men.t0 n.f palavras-rfa^/ta ci que f?P"?"
p v ,u iC6uu Ua .noy; ./ diivi/o sera impor eondicao; c nem a poda uii-
bens, como um facto obrigatorio em face da ord.; pr> pori|Ue 0 direito justiga, e jusiiga se nao
L. 4 t. 46 pr. as palavras: Salvo quando en- impele condfao : logo evidente que a diviso dos
bens deve de ser regulada segundo o direito, e de
conformidade com o estipulado as palavras:
salvas as disposiydes do testamento, etc.
Se porm este testamento a que se refero a dita
escriptura existi, e hoje nao ap3arece, porque
Gibson o consumiu, devendo por issoser a elle im-
putada esta falla, e nao a D. Alexandrina que tai-
vez nunca a visse ; se porm nu ica existi, ento
as palatras i salvas as disposic;os do testamento
foram lancadas com dolo no corpo da referida es-
criptura, o para isso mesmo devjm ellas proceder
contra Gibson, e em favor de D. Alexandriua pela
regra de que ninguem deve tirar proveito de seu
proprio facto, com jaclura alheia.
E nem se objecle, dizendo ainda que o caso re-
ferido, nao o caso de ter filhos o nem o caso de
nao ter filhos, mas o caso que devia existir no tes-
tamento que desappareceu; porq.ie esta ohjecco
tica j respondida implcita e satisfactoriamente
com as regras de direito que ha pouco acabei de
produzir.
Em ultima hypothese, confer ido a dita escrip-
tura na 5* eondicao, um inters; o a D. Alexandri-
na, resultante da continuarlo d; sociedade e casa
' commercial de Gibson, como se v das palavras
ser fielmente observado o conirato social para
sua mulher e seus herdeiros c agora dissolvida
esta sociedade pela morte de Gibson, seguudo de-
terminan! os artigos 303 e 333 do cdigo commer-
cial, de quem ir D. Alexandrn:. haver o dito m-
leresse em reparadlo ao damno smergente ?
Se se disser que este contrato tendo sido cele-
brado anteriormente ao citado codijfo, perdeu toda
sua tarca obrigatoria em presenca do mesmo c-
digo : este argumento nao procede, porque pelo
artigo-----da censtituicao poltica do imperio, ne-
nhiiuia le tem effeito retroactivo de modo a obstar
o exercicio de direi'os adquiridos : logo eviden-
te que D. Alexandrina deve de ser compensada do
lucro cessantc in eo quod interest.
Por todas estas razdes e regras de direito com
soluta como a pnmeira eondicao do referido pacto, I assim natural: ou em conscencia, como civil ou no
porque Gibson emprega as palavras a cons-, 'oro ex,erno.
titue legataria da meacao de seus bens ., que o I E A"0 seria ^ sociedade, a quem tanto Inie-
,__, M r-.___,,:., o i ai. ressa os contratos, se fosse hvre a qualquer desfa-
mes.no que se Gibson di^sesse fica logo des- ier palavra ou promessa uma vez dada a outrem,
de j pela presente escriptura minha futura con- contra a vontade deste?
sorte senhora ou dona da meaeo de meus bens- lJ^^^^^^<^Z,!eJSi^. que me conformo, respondo o V m
U,go ha no pacto duas condicoes distinctes, ^\^^^STS!^^SttSA B. Alexandrina lora du-eito a ni. av-o dos bens de
solutes e oppostas, e por consoquencia ou arabas se perdas e perdas incalculavei e a f humana seria seu rasal- 1uer se considere val la e quer se con-
destroem reciproca e radicalmente, ou uma dellas I cousa va. E" pois um dever natural, que as leis ?"e nulla a escriptura podenco pedir tambem o
deve nrevalocer con. M1.ln a. oiitn civil auxiliara, guardar a qualquer os seas contra- SM*1" confer,do Ea 5 Cond,5a da
deve prevalecer cora exelusao da outra.
guardar a qualquer
1 tos religiosamente.
SeOibsonna pnmeira eondicao da escriptura Se se disser que Gibson dotou cora 4:000* a D.
ante-nupcial privou a eonnunicaco de seus bens, Alexandrina para se firmar a validade do facto
Gibson na ultima parle Prohibitorio; nada se lera dito; porque como disse j ,a
i esoromiri r.rnn,-B ?" **#.*** prejudicada pela presenca dos II-
e D. Alexandrina acetou,
da segunda eondicao da di.a escriplura promet.eu I ^ ;S^~SfrS
nio : logo fallar neste dote fallar em una doac\ao
que tara taita soba torpe eondicao de nao ter filhos
de seu consorcio, o quo opposto ao matrimonio.
Anda por oulro lado se v que torpe esta
eondicao; porque, outra que nao fosse a virtuosa
I) Alexandrina. podia levada do iuteresse de pos-
suir e gosar logo os 4:0005 tentar contra a vida
de Gibson, ou pelos menos abandona-lo, negan-
do-lhe o matrimonio para delle nao ter filhos, e
dest'arte poder conseguir os 4:000,3.
As ooiidifoes impossiveis ou torpes, com quanto
viciera os mais contratos, nos legados sao vicia-
das ; islo nullas ou reputadas nao postaslnst.
L. 2. T. 14 | 10 : logo tambem evidente que o
pacto ante-nupicial nao coiiferio de modo algum
dando logo a meacao de seus bens, e D. Alexan-
drina aceitou : ou Gibson nada estipulou no pacto
antenupcial, c B. Alexandrina nada aceitou, e nes-
te caso foi feito o casamento por carta de amelado
segundo o coslume do rano ou deve prevalecer
a eondicao mais doce, mais razoavel e mais com-
mum de uma dolas.
A mais doce, a mais razoavel e a mais commuin
sem duvida a clausula consistente em dar a O.
Alexandrina a melado dos bens, porque tambera
a mais honesta e conforme a lei.
Gibsen nao errou estipulando um legado da rae-
lade de sua fazenda para D. Alexandrina, perqu dut0 Alexandrina, ou qualquer oulro interesse
designen cousa certa e determinada, nao repugnan- ff~iESZ? r^ZL^T/eSt
te em direito ; mas quando mesmo esla estipulacao reiU-
fosse contraria ao assumpto da primeira condiciio Os que sustenlam o contrato pelo lado da nao
do pacto, seria isto uma duvida a resolver em fa- communho dos bens, rmam-se em dizer que a lei
, ,iH n AipT-innnn* o im r;i.,, .,. tl,) con trato o proprio-contrato; mas quando che-
Nor de D. Alexandrina e contra Gibson, por duas na ,arga espliera das hypolheses, acude o dolo
razoes : a pnmeira que sendo Oibson o estipula- e a malicia esconden o direilo e lornam os cn-
dor, devia ser conciso e claro fallando livremente tratos ilhciios o millos perante a lei, fogera das re-
a si proprio ; a segunda razo consiste em ser o 8ras de nterpretaeo a principal garanta das con-
legado da meaeo dos bens uma disposicao m* j %$&&*% ttftS^Sj&S
nova do que a que priva a communicacao dos bens mercadejar contra a innocencia e boa fe de sua
por ser estabelecida aquella posteriormente a esta; futura consorte em acto de lhe dar e receber es-
o que em direito se presume ter o estipulador mu- P0"^1"' ,- .-. r... i,
aa* a* '___ .., i Gomo expliearao estes a ntencao de Gibson lo-
dado de intensao e vontade no mesmo acto em que gand eni seu testamento a meacYio de seus bens
dispunha o contrario. I para B. Alexandrina, antes do dito pacto, e antes
Alm disto releva ittender nara a natnroja di* J se receber com ella em matrimonio; intenco
Aicra w releva attenoer para a natureza das anda w re ,da 0 estipulada no mesmo pac-
duas coudicjes de que se trata, que Gibson impoz ln as palavras : t salvas as disposicoes do testa-
e B. Alexandrina aceitou : a primeira, que a nao menlo, que declarou haver feito, o approvado por
comrauuio de bens; odiosa e pertcnce ao reg- ""'" tabelliao nesta data, no qual a constilue lega-
mnn raen do direito anormal; a segunda que e o lega- Ura esla in-[e|lca0 e disposi5ao ,Stamentaria de
de da raeafao dos bens, benigna e pertence ao Gibson repetida na escriptura ante-ndpcial, e por
rgimen do direito commum; pois, era tal coliso consequencia convertida era um contrato solemne,
que deve prevalecer este axioma de direito : odia nao basta para dispensar a presenca deste testa-
__... ,. menlo, e responder satisfactoriamente a aquelles
restringenda, favores amphandi sunt, e e tambera que a reclaman como nico raeio de resolver a du-
na grande exteuco do direito commum que desap- vida, que na hypothese vortente, difflculta a von-
parece o acanteado e odioso direilo excepcional. j lado dos contratantes ?
Gibson n5o conseguira a mao de B. Alexandrina' Sil. a ord. L. 4 T. 19 2 n. 11, Mello L. 4,5, 2,
rem se deve ser taita cada anno uma quantia cer-! r casamento s, a nao constitu.sso legataria da ^Z?^rLlT^ ^Z^S^t
ta filada para annos correntes, a qual quania de-; meacao de seus liens ; e tai para vencer a repug- vender, referido a lempo futuro nao produz obriga-
-1-! B. Alexandrina, taita em honra ao sou c;o; na hypothese sujeta o contrario, o con-
os nossos costumes que Gibson so resol- tracto do pacto solemne firmando um tratado em
tima parte da segunda eondicao do pacto que.bson d a B. Alexandrina a meacao de seus
.i .i-, n i u bens, referido a seu testamente feito a tempo pas-
al, dar-lhe a meacao de seus bens, aquil- sado M|eror ao diU) p;icl ,0 usta a r^u
jejo que seja suQlciente para sua docente manten- nancia de B. Alexandrina, taita em honra ao sou c^io; na hypothese sujeita o contrario, o con
(a, congruente com a importancia dos bens quo pudor e aos nossos costumes que Gibson so resol- Irado do pacto solemne firmando um tratado em
lenho. Esta quantia dte s ser taita em quanto veu- na ultima
(Ha permanecer viuva j se ella casar oulra vez ;. antenupcial.
consignaco cessar e reverter em bonoflco dn
meus tilhos. Eu tambem declaro que a dita con -
jlgnaco deve ser feta em prestares no primein
ilte cada mez. A' todos os meus filhos, tanto os que
cstao agora vivos, como os que podem ainda nas-
ler, qur de um, qur de outro sexo, eu deixo pai-
tes eguaes de meus bens.
Meus filhos, nao os qoe estao agora vivos, c )-
mo tambem os que podem nascer, devem ter a ma-
lo mesmo que elle quiz prohibir na primeira con- para aquellos que tatem consistir a solucau da
digo do referido pacto. questo na presenca do testamento prejudicado pelo
De outra forma D. Alexandrina nao dava a Gib-' rtferido |,aclu Cel,,,J,'ad |,osleriori
son a mo de esposa ; porque nem ella era to des-
favorecida da sorte, c nem Gibsou to considerado
da fortuna, que por laes motivos s conviesse o ca-
samento a bem de um e contra o outro, como al-
guns entendem.
D. Alexandrina egual a Gibson na edade e qua
hor educaciio, congruente com a importancia dos lidade, superior a elle na educacao e nos encantos
bens que eu deixo, e com a vocaco que cada um de sua virgindade, cercada de prenles e relacSes
delles tencionar seguir. A distribuicao de meus importantes em sua torra natal, sem grandes pri-
bens nao deve ser taita, antes que meu Gibo mais vacoes, por certo nao aceitara, por intermedio de
moco, se rapaz, chegue edade de vinte e um ai sua
nos, e, se rapariga, nlo antes que ella chegue iecido
edade de dezoito annos. de costumes speros, que apenas possuia um pe
isto mesme que lainbum responde a oulros que di
zem ser revogavel o dito logido da meacao dos
bens por ter sido feito em testamente.
Creio tor resiwndido aos que assim pensam ; se
porm nao satisfaz, direi anda com a regra de di-
reito, que as doacoes causa mortes, em duvida,
presume-se intervivos, especialmente quando nao
taita com cinco teslemunbas, como a de que se tra-
taL, fin. G. h. Striek no mod. L. 39 T. 652, Al-
meid. de ii vi ni. quin. G. 25 n. 6.
Resla responder a oulros, qae fazem consistir
grande parte da questo as palavras no caso refe-
ridopalavras que lerrainam as phrases salvas as
i me e tutora, esteconlrato'desvantajoso estabe- %$&%gSTfi* verdadeiro pede,
ido por Gibson, hornera estrangeiro, ignorante e ta|. i;,l0 0i ^b a eondicao de nao commonMo de
bens, e sob a grande eondicao da meacao dos bens,
mesma escriplura.
Quanto ao 2 quesito, respondo : B. Alexandrina
nao pode perder e nem ser sobr estada a mensa-
lidade resultante da annuidade, i.inda sendo infe-
em qualquer tentativa judiciaria que iizor rela-
tivamente a sous direitos.
Quanto ao 3o quesito, respondo : sao nullas to-
das as disposicoes do testamen o que ostiverem
era contraposicao ao direito invocado pelo testador
na escriptura e no proprio testamento;direito que
deve de ser regulado pela le de 22 de selembro
de 1828, e ordenares livro 1", titulo 8,888, livro
4, titulo 06, SI II c 12, e regu amento de 2 do
outubro de lH.'il, art. 321| 5 e 8, que nao admit-
iera que os bens do defunto se onservera pro m-
devirus por tempo excessivo em poder do inventa-
rame.
Tambem sao nullas as disposicoes do testamen-
to a respeito da continuaco da sociedade com-
mercial, que ficou dissolvida pela morte do testa-
dor em vista do citado art 338 i 4 do respectivo
rodijto, salvo se a inventarame quizer continuar
ou algum de seus filhos que tivorem atlingido a
maior idade. Sao porm validas todas as mais dis-
posicoes do testador respeito di terca.Ord. L.
4. T. 88 |.
E' este o meu juizo, que submetto censura.
Recita, 1" de fevereiro do I86V.
Joao da Silveira BoRGKs Tavora, solicitador do
foro do Recife.
N. B.O consclheiro Nabuco, Jos Bento, Tei-
xeira de Freitas, Feitosa e outrai, opinara dizendo
que I). Alexandrina nao tem a nuacao; o consclhei-
ro Paula Baptisla, Joaquim Jos do Campos, Mo-
raes e Silva o oulros. opinam em sentido contra-
rio, que B. Alexandrina tem a meacao : da Baha,
diz o Sr. Heb moas que B. Alexandrina tem a terca.
Bamos era seguida o relatorio apresentado s
caaras brasileiras, polo ministro da justica :
Augustos e dignissiraos senhores represen-
tantes da naco
. Era cuniprimciito da le ver lio apresentar-vos
o relatorio da reparticSo a meo cargo.
Pouco posso accrescentar aj relatorio que na
sesso passada nao tai lido ; as nterin atoes que
fazem a base destes documentos tem prazo coi lo
paraserem ministradas cora vantagem, e esse ain-
da nao chegou, o tompo decorado de maio do
anno passado at ao prsenle em nada alterou as
observaedes que fiz na relatorio passado, que vos
ser presente, e do qual este o complemento.
TrauquilUdade publica.Sei/ui nnrn indiridiinl.
Os fados vieran confirmar que ne nao en-
ganava na apreciaco a respeito da paz interna
do quegozavamos em 1863 o ainda gozamos.
Bizia eu ento que nao baria previso ainda
remota de que pudosse a orden e a iranquilli-
dade publica ser alterada no futuro. Um facto
imprtanle, occorrido no periodo a que me rofiro,
servio de prova jusioza daquoll apreeiaoao, al-
tado aeleieo geral que, em vrude da dissolocao
da cmara dos depniados, leve lugar em todo o
imperio nos mozos de agoste e selembro do anno
passado.
Nos governos represntateos sempre me-
lindrosa a quadra em que se eflectua a renovarn
do mandato eleilqral, siluaco que mus se ag-
irn quando precedida d umi dssoluco. R-
gimen do luta om que as opin-'s polticas, con-
iraslaudo-so peranto o tribunal da raiao publica,
se esforejam para obter o triumpho na direcejio do-
negocios, raras vezes nessa lica medem os parti-
dos armas de que nsam pola era .vira da prudencia
e da moderaco; d'ahi as desordens e perturba-
t;o de que abundara exemplos na historia de nos-
sos pleitos eleiloraes.
Gracas, porm, Bivina *rovideneia e ao
crescenie espirit de ordem que reina na popula-
cao, iienhum successo lamentare I de Importancia
se deu na quadra eleiloral por ime recontemente
passuu o paiz.
autoridades directamente subardinadas ao poder
execulivo foi muito rocoinmenlado que se absti-
ressen de influir no pleito eleiloral, abusando do
poder que Ibes declarado ; aquellas que esta-
vam em outra ordora o gerarehia, o governo cha-
mon para auxiliares da exe.'UQo do seu pensa-
mientoampia liberdade para todas as opinioes.
Sobretudo produxia o molhor elTeite na eloigo a
conviegao geral, que o governo podo fazer nascer
por seus actos, do nao sor o triumpiio o meio de
fazer esquocer culpas. Bos factos mais importan-
te-, occorridos por occasio das eleic/ios, darei
aqu resumida noticia, servindo-me das iutarma-
eoes obidas.
Na cidade da Parnahyba, provincia do Piau-
hy, reunidos dous collegios eleitoraes, e susci-
lando-so dscusso entre os respectivos eleitores,
tireram lugar violencias, sendo espancados e fe-
ridos varios individuos, tomando parte no con-
flicto marinheiros da alfandega, cujo inspector foi
por isso exonerado.
Ma fregueza do Carral de Pedras, em Sergi-
pe. honre grande disturbio, de que resullaram
alguns foriinentos, e duas nortes eu individuos
das duas parcialidades que disputaran] a eleico.
O presidente da provincia mandou o dieta de po-
lica para instaurar processo, o qual, segundo as
ultimas noticias recebidas daqueila provincia, est
ainda por concluir. Abstenho-me por isso nao s
de referir os factos, como chegarara ao conheci-
mento do governo, como tambem de fazer qualquer
observacao a respeito delles.
Na fregueza de Sorocaba, provincia de S.
Paulo, concluidos os trabadlos da eleico e pola
duvida de inserirse ou nao na acta ura pretesto,
foi preciso empregar a tarca publica para impedir
que o povo das duas parcialidades entrasse na
egreja, sahindo gravemente ferido um individuo do
grupo liberal.
Na fregueza de Piratiny, provincia do Rio
Grande do Sul, pelas 7 horas da noute de 10 de
agosto, tai assassinado Joao Antonio Ortiz por Eva-
risto Antonio Garca dentro da egreja. Estes dous
individuos conjunelamente com oulros estavam
guardando a urna ; entretanto o assassinato nao
atlribuido a motivos politices. O criminoso est
processado.
t Sao estes os factos mais importantes de qoe
tenho noticia, occorridos por occasio das elei-
ces.
O eslado actual dos espirites no imperio faz
acreditar que continuaremos a gozar de tranquil-
lidade : convir auxiliar to favoraves disposi-
coes, dirigindo a aclividado individual para o des-
envolvimento das fontes de riqueza publica pela
protecc,o' agricultura, industria e ao commer-
co, para qne no trabalho til encontremos todos a
proiperidade que desejamos.
Esta tranquillidade. fundada as instituicoes
monarchico-representativas, legado precioso da sa-
bedoria e patriotismo de nossos paos, contrasta
visirelmente com os factos e apprehenses de que
actualmente do exemplo tantos povos do mundo
Aproveiteinos a circumstncia, que por sera
duvida excepcional. Nobre tarefa vos est reser-
vada ; a patria tem direito aos vossos desvelados
cuidados para tomar o lugar que lhe compete entre
as naces cinlisadas.
A seguranca individual, se nao to perfeita
como desejamos, nao infunde receios, e pelo con-
trario provavcl que, acalmadas as paixdes polti-
cas, como vae aeontecendo, melhore o seu es-
tado.
Muilas causas concorrem directa e poderosa-
mente para a falta de seguranza individual que se
nota, e que todava nao tal que constilua perigo
para a sociedade, sendo para observar que em mu
los outros paizes, alias bem policiados, sente-se o
mesmo mal.
t Bessas causas, alguraas sao to intimamente
ligadas ao eslado da sociedade, cuja elaborago ci-
vlisadora nao podo deixar de ser lenta e vagarosa
aliento o curto espaco de nossa regeneragio polti-
ca, e a circumstncia muito poderosa da dissemi-
nayo da populacao em to vasto e extenso territo-
rio, que por mais louvavois que sejam os desejos
de as ver quanto antes removidas, nao o sero ef-
fectivaraonte, seno mediante o concurso do tempo
pelo desenvolvimeote do espirit religioso e pro-
gresso do ensino as diversas classes, e pela con-
quista dos melhoraracntos com que a sciencia tem
modernamente posto em uso os ineios do encunar
as distancias e aproximar as rehacoes industriaes e
monea.
Ouiras causas ha, porm, cuja remoco depen-
de da acgo dos poderes do estado, laes sao a se-
guranza das pnsdcs, a boa administraco da Justi-
na, um systema de polica adaptado s nossas cir-
cumstncia peculiares para casa chamo espe-
cialmente a esclarecida attencao do corpo legisla-
tivo.
As eslatisticas criminaos nos sao sobre modo
favoravois.
c O numero dos criraes perpetrados nao ha di-
minuido, certo, mas tambera cerioquo a popu-
lacao tem augmentado, e que algum descuido lera
batido, deixando de regularisar a polica dessa po-
pulacao que vera para o imperio, como M dase no
passado relatorio, com a principal ambi;o de en-
riquecer cora pouco trabaliio, para em breve voltar
patria.
Aloeda falsa.
Nao tenho que accresceular ao que refer so-
bre este assumpto era relacao aos moedeiros falsos
cm Portugal.
Nao consta que novas tentativas se tenhain da-
do ali para falsificar noeda ou papel de crdito do
Brasil.
Alguns Chilenos eslabeleceram em Montevideo
uma fabrica para falsificar moeda brasileira e chi-
lena.
c A polica deu rigorosa busca na casa em que
eslavam, e nao encontrando os criminosos que lo-
graran! escapar-so para Buenos-Ayres, approhen-
deu diversas machinas, substancias liquidas para
galvanisar e cunhos cora as armas do Brasil e
Chile.
Ao governo foram presentes tres moedas re-
medidas pelo cnsul geral do Brasil em Montevideo,
sondo duas douradas do 205 e.lOJ e urna de chum-
bo de 1.
< Continuavara as diligencias contra os crimi-
nosos.
No Brasil, e muito prximamente, algus factos
oceorreram quo revela) meditadas tentativas para
a falsieaco de moeda.
Na provincia de S. F
Santos, oncarregado pelo\
appreliendeu diversos in
para fabricar moeda metalli
raros criminosos que eran dous hespahes.
Na provincia do Rio dt Janeiro, termo do S.
Joao do Principo, conseguu-pe a apprehensSo de
machinas e utencilios para o fabrico de bilhetea do
banco do Brasil, e a priso] d s criminosos. A
diligencia faz honra ao chota de polica da corle,
que, alcancando o segredo do criine, acompanhan-
do era todas as suas phases, habiliteu o da provin-
cia do Rio de Janeiro a sorpn,'ode-lo em seu antro,
o capturar os ageutes.
Ella faz egualnionte honr;S a esse ultimo ma-
gistrado polo facto o acert cwm que se honra M
execucao, tendo sido uesta etozmonte coadjuv.ido
pele fuiz municipal do tormo, promotor da cmara,
e polo juiz de direilo da comarca do fiananal, a cu-
ja euergia se deve a captura Jo agento priucipal.
Todos os complicados uo crimo se achara presos,
havendo-se j instaurado o respectivo processo.
Trapeo de africanos.
o juiz muuicipal de
de polica da corle,
mentes e matoriaea
o conseguu capiu-
Est efectivamente cxtincto}, e o governo, nao
obstante, contina activo e vigilante para impedir
que alguem conceba renova-lo, iaao havendo, toda-
va, razo para recelar que assinS acn teca.
O paiz moslra-se disposto a Nova eondicao que
resultada cxlincro do trafico, proven Jo-so do tra-
balho livro para o desenvolvimen lo da sua indus-
tria. Insisto naneoessidade e conveniencia de v.r-
ce a legislgo que regula a locarn de servidos. As
novas reiaedes estabelecida carpoen de disposi-
coes, que nao tarara altandidas n;* loiiislaco exis-
tente, e que deixara uma lacuna cnsivel.
O governo contina a facilitara nie.esso de
carias de emancipado aos frica nos livres, que
tra terminado o praso marcado n decreto de 28
de dezembro de I8'3; e espero que dentro em
pouco todos se acharo no go c Organisa-se sobre esta materia um trabalho
que opporlunament vos sera aprese'litado, o qual,
eselareeenito. a quesljo, habilitar o governo a ter-
minada de uma vez. I
Ba dala do ultimo relatorio at agora, mandoo-
se dar caria do emanoipaco a 142 africanos.
deve sor somonte oxercido por bomens que, tendo
i' propria, procuren a carroira, nao movidos
polo incentivo da retribuicao pecuniaria, mas sim
pelo attracliyo d >s attributos moraes de que deve
star revestida uma classe a que a sociedade tem
confiado a parte mais importante de sua dele-
gaco.
Este considerado, porm, nao combate a ne-
cessidade de ser a magistratura dolada de meios
quo, assogurando-lhe uma decente subsistencia, a
torne independente, e lhe permita fazer do estudo
das lois e do exercicio da jusca, um verdadeiro
o exclusivo culto.
O desenvolvimento da agricultura e da indus-
tria no paiz, est inteiraniente ligado legislarlo
hyiwlliecaria, que deve dar mobilidade nos valores
territoriaes. Os capitaes continuara tmidos e fo-
gn da circulacu, nao ha nem facilidade, nem
franqueza nastransacoGos: oresultado oeufraque-
ciinento em todos os estabelecmentos de producjjio,
quando a passada improvidencia ou a incuria ac-
tual nao os fazem retrogradar e perder. A refor-
ma da legislaco hypothecaria dando melhores ga-
rantas ao crodor," facililando-lhe a cobranca sem
dependencia de inlerminaveis pleitos judiciarios,
proporcionar aos que carecem de capitaes os meios
de ha ve-Ios com condices, que noexcedam s pos-
sibilidades de industrias nascentes e que ainda se
nao acham bem firmados, deestabelecimentosquese
creara- de novo ou, nao obstante seren antigos, ne-
cessitain de creditopara sahirera do estado de aba-
timento em que as'circumstaucias econmicas do
paiz os collocaram.
Este assumpto nao poder deixar de fazer par-
te do cdigo civil : entretanto a provavel adopso
desta lei nao ser to prxima, que nos autonse a
adiar negocio de tanta importancia e de to vital
interesse para a riqueza publica.
Assim que nao posso deixar de recommendar
o projecio de lei hypothecaria, que se acha na c-
mara dos senadores, fira de quo seja tomado na de-
vida consideraco. Os estudos taitos sobre elle pela
eommisso que o tem examinado, e por todos os
merabros da represcntaoo nacional sao bastantes
para que, com as modilicacoes que asabedora e
experiencia do poder legislativo julgar conveniente
adoptar, satisfaga esta palpitante necessidade do
paiz.
i Autorsado pela lei de orcamento, o governo
flxou por decreto n. 3,188 de 18 de novembro ul-
timo o premio que se devora conceder ao bacharel
Augusto Teixera de Freias, encarregado de pre-
parar o projecte de cdigo civil.
< Por aviso de 9 de novembro passado fixei o
ultimo dia do mez de jnnho do anno corrente para
ser presente ao governo lodo o trabalho prompto.
Em consequencia, e providenciando sobre o
art. 2 do decreto n. 2,318 de 22 de dezembro de
1838, entendeu o governo dever nomear a eommis-
so que tem de examinar os trabalhos contractados,
a fim de que cora tempo se.am estudados o melho-
do adoptado e as doutriuas elpostas no projecte do
cdigo civil, visia das publcaos j taitas. Cora-
pe-se a eommisso dos jurisconsultos senador Jos
Thomas Nabuco de Araujo, conselheiro Jos Ma-
riaui, minisiro do supremo tribunal de justica;
conselheiro Lourenco Jos Ribeiro, desemhargador
da relace do Rio de Janeiro ; conselheiro Francis-
co Jos Furtade, juiz de direito ; Br. Antonio Joa-
quim Ribas, lente da Faculdade de Bireito de S.
Paulo ; Br. Braz Florentino Henriques de Souza,
lente da Faculdade de Bireito do Recife, e bacharel
Caetano Alberto Soares, advogado na corte, sob a
presidencia do conselheiro de estado visconde do
Uruguay.
Opportunamenie serio expedidas instruccoes
para regularisar os trabalhos e discussoes da eom-
misso ; e muito agradavel ter de annonciar-ros
a resoluco em que est Sua Magestade o Impera-
dor de honrar as conferecas com sua augusta pre-
senca.
< Chamo a vossa attencao para a proposta que
tvo a honra de apresentar na sesso de 1862, e
para as indicaces que encontrareis no relatorio
de 1863.
Por diversas vezes tem sido apresentadas ao
governo representad-oes contra o abuso de se rece-
berem em matrimonio meneres sem autorisacao de
seus paes. ou tutores, ou licenca dos juizes de or-
phos, que to cautelosamente exigem as nossas
leis.
Tem-se reconhecldo que o art. 247 do cdigo
criminal insufflcienle para impedir a eontinuacao
do abuso.
J em anteriores relatorios tai a questo ex-
posta ao poder legislativo, que, sera duvida por fal-
ta de tempo, nao tem podido tomar deliberadlo al-
guma sobre to importante assumpto. Entretanto
a auteridade paternal esta desprotegida contra a es-
pecularlo c uo raro, obtidas ob e subrepticia-
mente as necessarias licencas ecclesasticas, encon-
trar sacerdotes que casera menores sem averigua-
rem se ha o consentiraont dos paes ou tutores, e
na falta o do juizo de orphos.
O governo, reconheeeudo a gravidade do mal,
mandou formular um projeito de lei sobre a mate-
ria e com o lira de evitar os abusas, o qual tai sub-
metiido ao exame da seceo de justica do conselho
do estado.
Logo que esteja prompto este trabalho, ser-
vos-ha presente, para que sobre ello deliberis.
t A liberdade da imprensa sem duvida uma
das mais aproveitavois: nenhum receio pode cau-
sar, nem mesmo o seu abuso, quando o direilo,
como o nosso, estabelece os meios de corrigi-los.
Nao posso por isso deixar de chamar a vossa mui
seria attencao para a jurisprudencia que ltima-
mente so ha o.-iabeleeiilo no foro da capital do im-
perio, o que em meu concoito nao s abusiva,
como absurda.
c Sabis que infelizmente, em nosso paiz, a im-
prensa oceupa-se mais de pessoas do que dos prin-
cipios o das ideas : sabis tambem, e facto que
todos deploramos, que a injuria e a calumnia -sao
o principal condimento dessas publicaedes. O dif-
famador acoberla-se com a anonymia, e no dia era
que a le o procura para punido, aprsente era seu
lunar um miseravel em condcOes taes, que a nin-
guem pode injuriar, e que por isso, mesmo ordina-
riamente, obtem cora o despreso, o perdo do of-
fendido.
A opinio publica collocra em seu devido lu-
gar taes publicac,oe.s, e ellas j nao produziam ef-
feito algum contra aquelles que dellas erara victi-
mas. A perversidade recorreu ento a outro meio:
faz-so a publicacao, derrama-se a injuria e a ca-
lumnia ; assigna-se um nome conhecido, o effeilo
moral est produzido. O uffendids recorre jus-
tica, certo de que encontrar o seu aggressor, e que
o fara punir; mas engana-se, o responsavel nao
quera assignou o artigo, mas o chamado te-ta de
ferro, que por paga, se sujeita s coosequenciaa le-
gaes do criin alheio.
Diversos jiilgamentos exislem neste sentido.
Serivlliaiiie appUcafM da loi nao pode deixar de
sor ivprovada, e couvni declarar que em casos
taes a substiluico do responsavel il legal.
t Nao terminare! esta parlo do relatorio sem da--
vos noticia da creac/io do Forum na capital da pn-
rela da Baha, e o que por esla occasio me oc-
corre.
A idea de congregar em um s edificio os
funecionaros empregados na adrainslraco da jus-
lica,jnizos, serventuarios dos otlieiis de justica e
soregados, pareco-me luminosa o do grande pro-
veito ao publico, por poupar-lhe o trabalho de per-
correr om diferentes pontos de uma cidade, como
a capital do imperio, as residencias de tantos em-
pregados.
< J um dos meus Ilustrados antecessores pre-
tendeu leva-la a effeilo, mas nao o conseguio, ou
por falla de le antorisando a creacao, ou por de-
ficiencia de fundos Indispensaveis para a compra
ou edicacTio do predio apropriado a tal iuslilui-
gao.
t A utilidade dossos eslabelecimentos parece-mn
to evidente, que nao duvido recoinmemla-los a
vossa sabedoria, convindo em meu entender decre-
tar a oreaeo em todos os termos do imperio, fa-
zendo-se, porm, por ora o ensaio as cidades, as-
senlos dos iribunaes do segunda instancia.
Esc-e ensaio so fez na cidade da Baha, como
disso, gracas ao zelo e perseveranoa do conselheiro
Jos'; Joaquim da Silva, presidente da relacao, tendo
lugar no dia 5 de selembro passado a abertura do
Forum.
O referido conselheiro organisou um regula-
monto provisorio, qne encontrareis entre os anne-
xos, o qual por ora nao tai approvado pela falta j
indicada de disposigo legislativa creando, esse es-
ta belecimento.
(Continuar-se-ha.)
t

\
i

/
I
PKRNAMBUCO. IVP. u M. V. F. 4 FtUlO.
IBM*


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EQBQVB5F8_JNI67N INGEST_TIME 2013-08-27T21:51:34Z PACKAGE AA00011611_10302
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES